Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09088


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ah ixxti. numero 137
Pr tras mezes a.aaLadas 5$000.
Par tres mezes vencidos 68000.
QUINTA FEfBA 14 DE JDRHO DE II
Por anuo afollado 19^000.
Porle fraaco aara o sabscritor.
ENCARREGAD09 DI SUBSCRIPTO* DO NORTE.
Parahiba, o Sr. Antonio Aleandrino de Lima;
PAR IDA DOS CUiUtblU*.
Olind todos os das as 9 1/2 horas do da.
Iguarass, Goiaana e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anlo, Bezerros, Bonilp, Caruar, Altiohoe
Vii-it ne. ui.; u a o Anlao, Bezerros, Bonite,
Nalal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty. o Garanhuns as tercas foiraf.
Sr. A. de Lemos Braga; Cera, o Sr. J.Jos de Ol- Pao d'Alho, Nazareih, m
Imoeiro, Brejo, Pe-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Hariins Ribei-1 queira, lngazeira. Flores. Villa Bella, Boa-Vista,
Oricury e Ex as quarlas-feiras.
1 Cabo, Serinhem, Rio Formoso.Una. Barreiros,
Moraes Jnior; Par, o Sr. Justino J. Ramos ; Af?un Prela> pimeneiras e Natal quintas feiras.
Amn/onas. o Sr. Jeronymo da Cosla.____________[(Todos oscorreios partem as 10 horas da manhaa.
3 I.
t-0
d
19 L
25Q
EPHEMERIDE8 DO MEZ DE JUNHO.
acheia as 2 Iterase 26 minutos da larde,
mrlo minguante as 10 horas e 45 minutos
manhaa.
la^nova as 3 horas i 4 minutos da manhaa.
tarto crescenleas 10 horas e 16 minutos da
tarde.
Prim
Segu
PARTE OFFIClftL.
Governo da provincia,
EXPEDIENTE DO DA 12 DE JIMIO.
OITicio ao presidente da provincia de Sergipe*
A', vista do officio de V. Exc datado do 21 de
maio ultimo, mandei publicar no Diario de Per-
nambueo as resolucoes da asspmbla legislativa
dessa provincia, sob ns. 589 e 596.
Dito ao comra. nd.mie das armas.Fajo aprc-
sentar a V. Exc, para ser inspeccionado, o re-
crula Manoel Joaqun) da Silva.Cemrounicou-
se ao chele de polica.
Dito ao mesmo.Podo V. Exc. mandar abrir
asscntamento de praca ao paisano Luiz de Mel-
lo Franca, que, offerecendo-se oliinlariamen-
te para o servigo do exercito, foi julgado apto
para isso, cont consta do termo de inspecco,
annexo oo seu officio de honlem, sob n. 660. '
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
A' vista do que V. S. informou em seu officio n.
582 de 11 do correnle. o autoriso a mandar abo-
nar, em os devidos lempos, a preslacao, que o
capellao alferes da repartico ecclrsiuslica do
exercito. padre Joaquim Vi'rssirao dos Anjos,
pretende consignar nesta provincia de dous ter-
cos de seu sold para ser entregue ao padre Ju-
vencio virissiino dos Anjos.
Dito ao mesmo.Visto que, segundo consta
de sua informaco d* 8 do correnle, sob n. 574,
nao ha quota para pagamento daquanlia doris
375g902, que se est a dever a Antonio Joaquim
Goncalves Fraga, proveniente de gneros que
furneceu ao arsenal de marinha no mez do mar-
co ultimo, auloriso a V. S. a mandar effeetuar
esse pagamento sob a minha responsabilidade,
nos termos do 12 art. 1." do decreto de 7 de
maio do 1842.
Dito ao mesmo.Mande V. S. pagar, sob mi-
nha responsabilidade, nos termos do 12 art. 1."
do decrelo de 7 de maio de 1842, a quaiilla de
l:627$i16, que, scguuno consta de sua informa-
cao de 8 do correte, sob n. 576, se est a dever
a Palmeira & Beltr.'io, de gneros que orneceram
ao arsenal de marinha no mez de abril ultimo,
como se ve das coolas juntas exislenlentes nessa
thesouraria.
Dito ao mesmo.Mando V S. psgar ao solda-
do do corpo de polica Agostinho Alves Das, a
gratificarlo de 89 rs a que, segundo o allesla-
do unto em duplcala, lem elle direiio pela cap
tura do diserlor do 10. batalhao de infantera,
Jos Joaquim BispoCommunicou-se ao com-
mandante das armas.
Dito ao mesmo.Para os fins convenientes
passo s maosde V S. copia do offiio do len-
te general commandantc das armas, datado de
honlem, sob n. 0)6, com as coniai documenta-
das das despezas fetas no hospital militar desta
goarnigo, durante o mez de abril prximo
lindo.
Dito ao inspector da thesourare provincial
Devolvendo a V. S. o requerimenlo, a que se re-
ma informacao de 8 do correnle, sob u.
TO
ile cxame, que no da 15 Ueste mez lem ite veri-
ficar as habilitarles das pessoas, que se propde
ao ensiiio da lingua franceza no gymnasio pro-
vincial ; assim lh'o communico, esperando que
se sirva de pres'ar esse servigo insiruccao pu-
blica da provincia; devendo uchar-se o i secre-
taria da directora da inslru.-cao publica as 10
horas da manhaa daquellc da.Communicou-
se ao Sr. Jos Soarcs do Azevedo ter sido no-
meado para a mesma commisso e deu-se sciea-
cia ao director eral da insiruccao publica.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao commandante do corpo de polica.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia, manda
communicar a V. S. que, por despacho de guerra
desta dala, autorisou o director do arsenal a for-
necer o carluxame embalado, que V. s. requisilou
em officio de 11 do correte sob n. 231.
Gome
Barbe
Mend
Luiz
Silva
ni, I
Marti
Coi
Beo
Madu
gu.
quarl
Coi
jo til
E
O
INTERIOR.
S Paulo
30 de maio de 1860.
A syiialepha, que est hoje na ordem do da, e '
que figura de que fazem lano uso os nossos
rhetoricos polticos, deve servir dcdes:ulpa ao
seu correspondente do seu silencio forjado. Som
mais prembulos, um endiabrado defluxo, dos
que ora reinaiu e governam nesta cidade, com
repara vcl impertinencia me impedio de ale-
gra lo ou aborrece-lo com as minhas mis-
sivas.
Parece que quando affirmei que a prso do
Dr. Balihazar era Ilegal, porque o crime deque
o aecusavam nao permillia a priso antes da
pronuncia, a nao ser em flagrante delicio,
eslava eu adevinhando o que tintar' de reaii-
sar-se.
O Dr. juiz de dreito da comarca, m dos ma-
gistrados mais ntegros do imperio, concedeu ao
Dr. Balili.i7.ar urna ordem de habeas-corpus, em !
virtU'lc da qual foi sollo.
O delegado de polica, Dr. Leandro de Toledo,
que prended o mesmo Ur. Balihazar, fei demit-
tido sob proposta do chefe de polica Com lou-
vavel franqueza declarou elle pelo Correio Pau-
tistano que este aclo fdra exclusivamente seu.
Apezar desta declaraco ronlinuam alguna in-
crdulos no Cruzeiro do Sul a responsa
pelo acto o chefe de polica.
Nao Ihes acho razo. Nao crvel que O
delegado, apezar de sua demisso, e naturalmen-
te qneitoso dola, quizesse carregar com um ac-
to que a opinio reprovou, se elle nao fosse ex-
clusivamente seu.
O processo instaurado ao Dr. Balihazar emvir-
tude do desapparecimento dos processos feitos an
esludanto Laurindo e ao Dr. Barbosa da Cimba
(este ultimo j se acha lindo) lem caminhado com
grande demora, posal ao presente s me cons-
ta estarem inquiridas duas leslemunbas. Este
processo corre na delegacia de solicia. Em lugar
Um
do a
co, Sf|
candr
las,
obler
suppl
estad
da pr
1859,
nrj
ido
PREAMAR DE HOJE.
a 1 hora e 18 mi notos da larde.
JJ I hora e 42 minutos da manhaa.
ADINECIAS DOS TBIBUNAESDA CAPITAL.
Tribunal do cora mercio: segundas e quintas.
Belago atareas feiras e sabbado?.
Fazenda-Hergas, quintas e sahbados an 10 horas.
Jizo do^oramercio : quintas ao meio dia.
Dito de wphos: tercas e sextas as 10 hora*..
Primeira *ara do civil: tercas c sextas a* meie- da
Segunda. Tara do civil; quarlas e sabbados ao
meio da.
.So''za- '">''' dealardo. Bogo Barros. A asscmblea geral legislativa resoive :---------
za ra Cunha. Franco de Almeida. Jobo o Artigo nico. O governo imperial autori-
s, Souza Leao, Paranhos, Lima c Silva., sado a mandar
DAS da semana.
11 Seg. S. Barnab ap. : 9Flix e Fortunato.
12 Tere. S. Joo de S. Facundo: 9. Onofre.
13 Ouart. S. Antonio f. padroeiro d provincia.
14 Qunt. S. Basilio Magno b; doutor da Igreja.
15 Sext. SS. Coraeao de Jess: s. Vilo n.
16 Sab. S. Joo Francisco : 9. Aureliano b.
17 Dom. S. Thereza rainha de Lint.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SUL.
Alagos, o Sr. Claudino PalcSo Das; Baha,
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprietarta do diario Manoel Figoeiroa de
Faria, na-suo hvraria praga da Independencia n?.
[ ti---------M____________
irin. p,.i. c ,'""""' -""y .i"-, ,.ioo a.HiiUr passar cana ae cila.lao brasileiro
u a n i uSn V A C8n.lara Machado, i a Antonio da Cunha Mendes, subdito portuguez
Miranda, Delphino de Almeida, Pedro Mo- : e a Joo Amonio Munhs, subdito de Sua MaW
f%S Bran,dao- Bre'a!l,.F-. Ocaviano, tade FMiasima. o primeiro residente no Para *
,rS",|0S,e Aguslo de Ol.veua o segundo na edrte do Rio de Janeiro; revogadas
iparecendo depo.s os Srs. Coelho de Castro,; para esse flm as disposir-es m contrario,
ules, Behsario, Fausto do Agotar. Casimiro Paco da cmara dos dcpulados. 25 de maio de
eir, BaptistaMonte.ro, Carro e Paran-' 1860.Villela Tavares.-J. J. Teixeira Jnior
a sesso s onze horas e tres
abre-so
)S.
parecem depois de aberta a sessao os Srs.
vseosle de Camaragibe, Costa Madureira, Arau-
>a c Henriqucs de Almeida.
da e approvada a acta da antecedente,
r. 1." Secretario d conta do seguinte
EXPEDIENTE.
officio do ministerio da justica, devolven-
ijepresentaco de Francisco da Cunha Nabu-
crelarioda relaco da Baha, e commnni-
que, vista das informacoes que vao jnn-
irece ao governo que nao' est no caso de
avoravel deferimenlo a represcnlacao do
cante.A quem fez a requisieo.
Oulro do mesmo ministerio, enviando
da co
legisl
vinca do Espirito Santo, promulgadas em
parece.ndo mesma seccao quo a le n. 8,
ro do mesmo ministerio, env ando a copia do cenidonL m.H5aH -.ri'g
sulla da seccao de jualiea do conselho de iir0 3K* ?\,tmAXi^t
.acerca dallis da asamblea legislativa ^ m ^'^"..A^W "'
fixando regras para a prescripeo das dividas ac-
Lem-se e approvam se sem dbale as redac-
goes dos projectos que approvam as seguintes
pensdes annuaes : de 864^000 a D. Francisca Li-
ma do Espirilo-Sanlo Coelho, mi do brigadeiro
Jeronymo Francisco Coelho. repartidamente com
sua filha D. Francisca Jernnyma Coelho; de
1:2009000 a D Antonia Luiza Horla Barbosa, viu-
va do conselheiro Luiz Antonio Barboza, easeus
filhos ; e de 1:440*000 a D. Anna Marcelina de
Carvalho Pardal, viuva do marechal do exercito
conselheiro do guerra Joao Carlos Pardal, e sua
filha D. Marianna Leopoldina de Carvalho Pardal.
ORDEM DO DIA. _
Matricula de e3tudante$.
Procede-se votagao do artigo 1* do projeclo
esliidaute Ra-
alricula do pri-
meiro anno da laculdade>e dreito de S. Paulo,
cuja uiscusso lcra acerrada na sessao antc-
livas passivas da fazenda pro'vincal oxcedo as'
altrib ligoes diquclla assembla.A' commisso ;
de asieinblas provinciaes.
Um requerimenlo de Jos Pereira da Costa i
Molla pedindo que seja admittdoa exame o ma-
Iriculi do primeiro anno da faculdade de medici-
na da :rle, fazendo previamente o preparatorio de
mathematcas que lhe falla.A commisso de ins-
truegj o publica.
o de Pedro Luiz Rodrigues
seja admtiido a exame
ro anno da faculdado de
or, e approvado.
Enlra em segunda discussao o artigo 2o relati-
vo matricula de Francisco Basilio Duque eJos
Marciano da Silva Pontes, aquelle no primeiro
anno e este no quarlo da faculdade de medicina
do Ro de Janeiro.
Sao li Jas e apoiadas as seguintes emendas :
a Acrescenle-se ao 1 do art. 2o o seguinte:
Bem como mondar admiitir a cxame no primeiro
anno da mesma faculdade o esliidanle Francisco
Oul
do qu
prime
lo, dispensando-se-lhe o ter excedido os dous
anuos
na soc
faculd
Oul
se autl
l ara o
corte.
Oouis, de Manoel de Jess Abreu e Pedro Jos
Equey, pedindo o lugar de continuos desta c-
mara.A' commisso do polica.
O Sr. Presidente nomeia o Sr. Joao Paulo de
Miran la para substituir interinamente na com-
missa i de redaccao o Sr. Gavia) Peixoto.
e, e approvado sem debate, o seguinte
r :
'retenro de I), de O. Silveiro Filho.
197, o no qual Francisco Duarle da Silva pede o
pagamento do dolo que eompete a exposta, sua
inollier, Laurinda Mara da Conreico, Icnho a
dizer quo mande cffectuar esse pagamento, quan-
do o permillirem os recursos dos cofres pro-
vinciaes.
Dito ao mesmo.Eslando nos termos legaes a
conti junta em duplcala, mande V. S. pagar a
Antonio Juvcncio Pires Falcao, ou ao seu pro-
curador, conforme requisilou o chefe de polica
em officio de honlem, sob n. 802, a quanlia de
12J rs., proveniente do alngucl, nos mezes de
abril e ma<*>dest anno, da casa que serve de
quarlel ao destacamento de Ipojuca.Coramuni-
cou-se ao chefe de polica.
Dito ao mesmo.A' vista da conta junta em
duplcala, estando ella conforme, mande V. S.
pagar a D. Maria Candida de AlbuquerqueGade-
ua, ou ao seu procurador, a quanlia do 36$ rs.,
em que importa o aluguel de 18 mezes, a contar
de 30 de nnrembro de 1858 a 31 de maio ulti-
mo, da casa que serve de prisao no segundo dis-
tricto de Tejucupapo na comarca de Goianna,
segundo consta do officio do chefe de polcia, de"
honlem, sob n. 86.Communicou-se a este.
Dilo ao commandanle superior interino da
guarda nacional do municipio do Recife.__Expe-
ra V. S. suas ordensatlm de que seja dispensa-
do do servigo da guarda nacional o guarda do 3o
batalhao de infantaria desle municipio, Joao Car-
los dos Santos, emqaftnlo estver no ozercicio do
em prego de fiel dos mdaraenlos do hospital mi-
litar, comosohctou o lenle general commin-
dante das armas era oflicio n. 659 de 11 do cor-
renle.Communicou-se a esle.
Dito a cmara municipal do Recife.Respon-
dendo ao oflicio que honlem me dirigi a cma-
ra municipal desta cidade, sflb u. 57, lenho a di-
zer que ao seu oflicio de 30 de maio ultimo de
n. 50, junto por copia, apenas acompanhoii o se-
gundo requerimenlo em quo Jos Moreira da Sil-
va pedio solugo do primeiro, em que requerou
por aforamento os terrenos ns. 171 e 173 na ra
Imperial, o quil foi a informar a mesma cmara
por despacho de 21 de setembro do anuo prxi-
mo passado, laucado na informagao da thesou-
raria de fazenda, que cobria o mesmo requeri-
menlo e mais documentos.
Dilo ao raajor Manoel Figueiroa de Faria.In-
forme Vmc. era que eslado se acham os traba-
lhos de impressao da estalislica feila pelo de-
sembargador Jeronymo Martiniano Fgueira de.
Mello, providenciando logo para que esses traba-
lhos sejam concluidos com brevidade
Dilo ao. juiz de dreito da Ia vara.Transmiti
por copia a Vmc, para ter a devida execugo, o
aviso expedido pelo ministerio da justica em 23
de ma'o ultimo, do qual consta que S. M. o Im-
perador, contormando-se com o parecer da sec-
gode jusliga do conselho de eslado, houvo por
bem nao julgar digno de sua imperial clemencia
o reo Francisco, escravo, conhecido pelo nome
de Bernardo, que foi condemnado a morte pelo
jury do termo desla cidadeIgual ao juiz mu-
nicipal da Ia vara e coramunicou-se aojjbefe de
polica. m
Dito ao juiz de direilo da comarca deHazarelh.
A'vista do que informou o chelo de polica em
oflicio de 9 do correnle, sob n. 797, respondo ao
do Vmc. de 18 de maio prximo Ando, dizendo-
Ihe que actualmente nao possivel tomar as me-
didas por Vmc. lembradas para essa comarca, a
excepeo da nomeago de delegado, que breve-
mente se faro.
Dito ao/engenheiro fiscal da eslrada de ferro.
Coronrenico a Vmc que Desta data submelto
ao coalhecimento do governo imperial a materia
do seu oflicio de 8 do correnle, sob n. 30 ; e era-
quanto se aguarda urna solugo a esle respeito,
convm sobr'estar na remessa" dos livros e docu-
inenlos, a que allude Vmc. no citano officio.
Dilo ao director das obras militares.Mande
Vmc. fazer os concertos de que precisa o fogo
econmico do hospital militar.Communicou-se
ao commandante das armas.
Dito ao director interino da reparligo das
obras publicas.Informe Vmc. acerca do quo ti-
ver occorrido relativamente ao muro, que ae
mandou levantar no quintal do desembargador
Jeronymo Martiniano Fgueira de Mello, oceupa-
do pela faculdade de direilo.
Dilo ao juiz de paz da freguezia da Lagda de
Baixo.Inleirado do conleudo do seu oflicio do
Io do correnle, tenho a dizer, em resposta, que
por oflicio de 29 de maio ultimo se marcou o
dia 8 de julho prximo vindouro para a reuniao
da junta de qualifleago dessa freguezia.
Dito ao Sr. Luiz Amavel Dubourcq. Tendo
designado a Vmc. pora fazer parlo da commisso
------ ------.------- no primeiro ann\ da
uo Dr. Leandro, que. comojudisse, foidemitldo, i faculdidc de direilo do S. Paulo, fazendo prvia-
foi uomeado delegado de polica da capital o Dr. ment o exame de geometra,
Rodrigo Antonio Monteiro de Barros. E'mogo lhe filia
honesto, mas passa por ter opinioes conservado
ras extremadas.
Comquanto as nomeagocs feijas para a poli-
ca o Dr. Polycarpo lenha escolhido exclusiva-
mente conservadores; como estas nomeagoes
teem sido poucas (apenas tres), 03 conservado-
resextremados nao apresenlam o rosto prazen-
leiro de ha poucos das Parece que a por elles
t;.o preconisada reaegao deu em nada, ou pelo! para izer" seria' applicacao""aos"esudoj""porqrie
menos ficou adiada. assevi ra que -i enfermidade que padece o im-
possililila de estar em qualquer posigo por mui
preparatorio que
e a commisso, considerando que o
suppli:ant9 tendo-se sentado na respectiva ban-
cada i ara ser examinado nesse preparatorio, sa-
nira celia pretextando incommndo de saude ;
que le ndo depois requerido ser admllido ao re-
ferido exame, lhe fra isso negado pelo respecti-
vo diuctor, como se v do primeiro documento
junto ; considerando mais que o allestado de
moles ia que aprsenla o d como inhabilitado
Os homens sensatos esperara que neru o pre-
sidente, nem o chefe de polica, ho de servir de
doceis instrumentos aos que cspeculam em pro-
veito de seus interesses polticos com os seus tao
preconsados senlmcutos de ordem.
A opiniao liberal, moderada em suas aspira-,
goes, como foi sempre nesU provincia, apezar de
nao estar na intimidad* da adminisliaco, salis-
faz-se ao ver que ella se nao dobra aos acenos
de alguns mandes caricatos.
De Sanios nos esernvein que a projectada de-
molgo da igreja de Sar.to Antonio, para no lo-
cal se eslabelecer urna estagao docarainho de
ferro; lem all produzido m mpresso.
Se a cotnpaiihia poder prescindir da demoli-
cao desse templo, niuito ganhar em populari-
dade.
A idea qne se allribne enlfpreza de desapro-
piar o bairro do Vallongo, onde moram mais
de quatrocentas pessoas pobres, que vivera da
pesca, e que para o seu misler de vida preci-
sara desso local prximo ao mar, lem tambem
produzido grande clamor nessa cidade. Em urna
povoagao onde poucas casas ha devolutas, co-
mo Sanios, ser pelo menos difficilimo a qua-
trocentas pessoas pobres acharem residencia
prompta e ao alcance de suas mingoadas pos-
ses.
Affirmam pessoas conhecedoras do local que
com a desapropraeao da ra da Penha, onde
mora muilo menor numero de pessoas do que no
Vallongo, e dos quintaos dos predios do mesmo
Vallongo, lem a companhia esparo de sobra pa-
ra a va frrea.
A nomeacao do Dr. Clemente Falco de Souza
Filho para lente substituto da faculdado de d-
reito desta cidade foi aceita com agrado. E' um
moco hbil o applicado.
Devera sustentar theses gara obterogrode
doutor em sciencias sociae3 ejuridicas, nos das
3, 4, 6 e 7 de junho, os hachareis Couto Maga-
Ihaes e Paulo do Valle. O primeiro urna nola-
bilidade acadmica, e otigoverno imperial desig-
tiou-o para secretario di provincia de Minas-Ge-
racs ; fez urna ptima escolha. O segundo um
mogo hbil, e conhecido com vanlagem na litle-
ralura patria.
Foi aqu geralmonte applaudda a escolha do
Dr. Manoel Antonio Duarle de Azevedo para a
presidencia da provincia do Piauhy, tarefa que
ser de fcil desempenho para urna inlelligen-
cio de primeira plana, o um carcter severo,
como o do nomeaall ^
A tengao que ahi9 Hliz JBrer do realisar a
reforma eleiloral nSWim aqui sido bem recebi-
da. Com o augmento das dejages circulares
cresce, dizem os enlendidos.Winlercsse da in-
tervengo governativa e dimrnuem as probabili-
dades da liberdade.de voto. Novatos na contenda
eleiloral, nao nos atrevemos a decidir se ou
nao acertada esta opinio.
junta
os ou
nao s
lodos
de pa

prest
recer
pensE
jeclo
* A
os Horlas oedin- ? ?T'U Cosla Junior. lo8 1,,e aprsenle certi-
e a matricuh rin da0 ^os cxames Preparatorios de historia e geo-
dieiTo do S P-. mc,riaPa,,,ino d Souza,-A. F. de Salles.-
JIIIIIil Ul!.\ 1,111- TiMfinn n.r..l. D o o_______ j- i._____ .
marcados na le para que os exames feitos
retara do imperio possam ter valor as
ides superiores.A' mesma commisso.
o de Silvino Francisco Alves, pedindo que
Drise o governo para conrcder-lhe aposen-
10 lugar do memoro da junta vaccnica da
A' commisso do pensdes e ordenados.
Toscano Brrelo.B. B. Soares de Souza.L.
Carlos.Brotas.Paula Fonseca.
Da commisso de instruego publica :
Substitutivo do 2. Para mandar admillir
o estudanle Jos Marcianno da Silva Ponles m"a-
tricula e aclo do quarlo anno, assim como ma-
tricula do quinto, que frequenta como ouvinte.
sefor approvado as materias do quarlo.
Sala das commisses, 15 de julho de 1859.
Cunha e Figueiredo,Das Vieira.
Procedendo-se a votaco approvado o Io,
bem como a emenda dos Srs. Paulino de Souza e
outros.
O 2o regetado, sendo approvado o substi-
tutivo da commisso.
Sao ldos, apoiados, e entram em discussao os
seguintes artigos additivos:
ai presente commisso de instruego po- L ?rS'almJ;nle .nu,?"Mdo o governo a mari-
o requerimenlo de D.onizio de Oliveira d^r.'"1^1","0.,Pmeiro anno da facnldado de
) Filho. pedindo que por urna resolucao se I VI IZ^.H"'*0 ."nte Manoel Rodrigues
matreular-se no primeiro arnu^da "t-!^,aA : dlspc,nsado1 cxame de V30'
meiria que devera prestar antes do exame do
primeiro anno.Silvino Cavalcant.
Fica igualmento autoiisado o governo a ad-
millir s exame e maliicula do primeiro anno da
faculdade de direilo de S. Paulo, o ouvinle Pe-
dro Luiz Rodrigues Horta, dspcnsando-se-lhe o
ler cxtjkifdo por grave molestia os dous annos
marcadas na lei parn que os exames feitos na se-
cretariaV do imperio possam tor valor nos cursos
superiores, e cmanlo que nao lenha o numero
do fallas que pelos estatutos fazem perder o anno
E. A. de Athayde.
Os artigos additivos sao approvados, e o pro-
jeclo passa a terceira discussao, indo no entanto
commisso de instruego publica para redigir
as emendas em conformidadedo vencido.
Dispensa das leis de amorlisaco.
Entram era discussao as seguintes emendas
felas e approvadas pelo senado proposigo da
cmara dos depulados, datada de 16 de junho do
correnle anno, que dispensa as Iei3 de amorlisa-
go para que a irmandade do Sanlissimo Sacra-
mento da villa de Caldas c nutras corporacoes do
mo mora possam possuirbens de raz :
a Subslitua-se o artigo 1. pelo seguinte : Fi-
cam dispensadas as leis de amortsago para que
a irmandade do Senhor dos Pasaos da Parahybu-
na, provincia de Minas Geraes, possa possuir
bens de raiz at o valor 6% 100 000}>000.
Acrescento-se o seguinte srgotfto deve
ser 2o:Sero isenlasda ciza, novos e velhos di-
reitos. e quaesquer oulros impostos geraes, as
compras dos terrenos necessarios ao hospital de
caridade, que o commendador Jos Antonio da
o Janeiro de 1828; e reconhecendo pelos Silva Pinto pretende fundar sob a invocaco da
lentos que acompanham a copia daquelle i Senhor dos Passos na dita cidade e canella do
o os scrvicos "
lo terjipo, alm de que, todos os certificados que
paraprova de queja flzcra exame do lodos
ros preparatorios o nelles fdra approvado
o lisongeiros ao supplic.inte, por ser em
essa approvag apenassimplesraente,
ecerque se lhe indefira a prelenco.
lago da cmara dos depulados. 25* de maio
de 18l 0.Villela Tavares.Gomes de Souza.
_L6cm-se, julgam-se objectos do doliberago, e
vo a imprimir para entrar na ordem dos Iraba-
Ihos, )s projectos com que conrluem os seguintes
paree res :
Pe sao ao tenente coronel F. X. de Barros
Galoao.
A commisso de pensdes c ordenados, tendo
exam nado o decreto de 18dcnovembro do anno
passa lo, pelo qual foi elevada a U200J annuaes
a peniaodo 600?) concedida ao lenente-coronel
Francisco Xavier de Barros GalvSo, por decreto
de 5
docui
decre
u causa
os importantes que o agraciado mesmo hospital e suas dependencias, bem como
da independencia, assim como o as doaedes que o mencionado commendador ou
seu e. lado pouco lisonjeiro de fortuna, de pa-
que seja approvada a referida elevagaoda
o, para o que offerece o seguinle pro-
assembla geral legislativa resolve :
rl. 1." Fica approvado o decreto de 18
rl. 1." Fica approvado o decreto de 18 de
noveibro do anno passado, pelo qual foi eleva-
da a
por d
1:200} annuaes a penso do 60fj concedida
;creto do 5 de Janeiro de 1828 ao lenente-
cororel Francisco Xavier de Barros Galvo.
1 rt. 2." Ficain revogadas as disposigdcs em
conlririo.
a 1 ago da cmara dos depulados, em 24 de
malo do 1860.Silvino Cavalcant de Albuquei-
que.- -Antonio Jos Machado.
I
Nalurahsacoes.
,k commisso de conslituigo e poderes exa-
minoii os requurimentos dos subditos eslrangei-
ros a )aixo designados, pedindo assembla geral
aliva a graga de dispensar-Ihes o lapso de
) que, conforme a lei falla-lhes esperar
poderem obler carta de ualuralisago, asa-
Manoel Marques Das, Anlaaio de Oliveira
legis
temp
para
ber :
Alha
pa
porli
Cyril
(Carla particular.)
(Jornal do Commercio do Rio.)
r*frv
RIO DE JANEi
^fcSEMBLA GERAL IJ| EATIVA
ChMhRI DOS SENHORES DEPUTaDOS.
SESSAO EM 25 DE MAIO DE 1860.
Prtsidencia do Sr. conde de Baependy.
As 11 horas da manhaa, feita a chamada,
acham-se presentes os Srs. conde de Baependy,
Pereira Pinto, Candido Mendes, Salles, Goncalves
da Silva, Miguel de Araujo, Ferreira de Aguiar,
Dias Vieira, Torres-Hornera, Teixeira Jnior,
Almeida Pereira, Teixeira Soares, Laraego, Pinto
de Campos, Saraiva, Pinto de Mendonga, Villela
Tavares, Rocha Franco, Calhciros, Silvino Caval-
cant, Peixoto de Azevedo, Nebias, Pacheco, ba-
rao de Mau, Tobas Leile, Cerqueira Lete, ba-
ro de Mamanguape. Manoel Fernandos, Paulino
de Souza, Joo Paulo. Sampaio Vianna, Paula
Fonseca, Tosajno Brrelo, Garca de Almeida,
Costa Pinto, Machado, Athayde, Paes Brrelo,
ha las, Domingos Claudino da Silva, Joo Gas-
roe Oliveira, Pedro Soares Diamante, subditos
guezes resid*nies nesta corte ; e Ernesto
o do Amaral Reg, subdito da mesma na-
cao esidente na provincia de Sania Calharina.
Apreciando a commisso os precedentes ostabe-
lecidis, bem como a regularidadu dos documen-
tos a presentados pelos supplicantes, de parecer
que eja altendida a sua supplica, e por isso
oflor ce a seguinle resolucao :
K assembla geral legislativa resolve :
*xt. 1. O governo imperial aulorisado a
man lar passar carta de cidado brasileiro aos
sube ilos portuguezes Manoal Marques Dias, An-
toni i do Oliveira Alindas, Domingos Claudino
da ilvav Joo Gaspar de Oliveira e Pedro Soa-
res Diamante, residentes nesta edrte : e Ernesto
lo do Amaral Reg residente na provincia
anla Calharina.
Art. 2. Ficam revogadas as disposigdes em
de
vari)
c
Cyri
de r

contrario.
oulras pessoas houverem de fazer quelte pi es-
tabelecimento at o prefixado valor do 1OO.00OS.
Allere-se a numerago do artigo 2o quo pas-
sa a ser 3-
Pago do senado, era 6 de setembro de 1859.
Manoel Ignacio Cavalcant de Lacerda, presi-
dente.Herculano Ferreira Penna, primeiro se-
cretario.Frederico de Almeida e Albuquerque,
segundo secretario.
Indo pdr-sea votos a primeira emenda, reco-
nhece-se nao haver casa, pelo que o Sr. presi-
dente declara encerrada a discussao e manda
proceder a chamada.
Dada a ordem do dia, levanta-se a sesso urna
hora da larde.
SESSAO EM 26 DE MAIO D 1860.
Presidencia do Sr. conde "de Baependy.
s *9 horas aa manh, feila a chamada,
acham-fP presentes os Srs. conde de Baepnnd/
PereiraPinlo, Salles, Goncalves da Silva, Pache-
co, Teixeira Jnior, Sampaio Vianna, Luiz Car-
los, Pedro Moniz, Pinto de Campos, Miguel de
Araujo, Villela Tavares, Calheiros. Ferreira de
Aguiar, Joo Paulo, baro de Mamanguape, Tos-
rano Brrelo, Athayde, Rocha Franco, Almeida
Pereira, Casimiro Madureira, Manoel Fernandes,
visconde de Camaragibe, Dias Vieira, Teixeira
Soares, Araujo Lima, Nebias, Martinho Campos,
Cerqueira Leile, Paula Fonseca, Lamego, Silvi-
no Cavalcant, Silva Miranda, Souza l.eo, To-
bas Leile, Garcia de Almeida, Paraoagu, Sa-
raiva, Peixoto de Azevedo, Pinto de Mendonga,
Costa Pinlo, Paes Brrelo, Coelho de Castro, Hen-
riques, Benevidcs, Torres-Homem, Joo Mendes,
Rogo Barros, Machado, Sergio de Macedo, Cosla
Moreira, Henriques de Almeida, Delphino de Al-
meida, Alcntara Machado, e Paula Santos.
Comparccem depois os Srs. Paulino de Souza,
Franco de Almeida, Brando e Paranhos.
Sendo meio-dia, e nao havendo numero legal,
o Sr. presidente d a ordem do dia 28 e levanta'
a sessao.
Pago da cmara dos deputados 25 de maio
1860.J J. Teixeira Jnior.Villela Ta-
s.
* commisso de conslituigo e poderes exa-
rain.u ~
Meni'es,
Munhes, subditos' de Sua Mageslade Fidelissima^
que 'pedem dispensa dos intersticios que Ihes fal-
tara para poderem obler carta de naiuralisago ;
e atiendendo aos documentos apresenlados pelos
peticionarios, assim como aos tactos de ser o pri-
mei: o casado com brasileir, da qual tem tres fi-
lhos. e residir ha mais de quinze annos no Bra-
sil, ) o segundo achar-se estabelecido nesta edrte
coro negocio ha mais de doze annos, manifestan-
do sempre decidida inlencad de se fazer cidado
do taiz, de parecer, alientos tambem os pre-
SESSAO EM 28 DE MAIO DE 1860.
Presidencia do Sr. conde de Baependy.
A's 11 horas da manhaa, feita a chamada,
os requenmeotos de Antonio da Cunha acham-se presentes os Srs. conde de Baependy.
-. k.,i.0-.p2!?a8ueS, e deJo.o. Antonio Pereira Pinto, Candido Mendes. Salles. Goncal-
ves da Silva, Casimiro Madureira, Luiz Carlos,
Pinlo de Mendonga, Sampaio Vianna, Henriqucs,
Pacheco, Manoel Fernandes, Joo Paulo, Macha-
do, Garcia do Almeida, Teixeira Jnior, Teixeira
Soares, Pinto de Campos, Ferreira de Aguiar,
Lamego, visconde de Camaragibe, Nebias, To-
bas Leite, Miguel de Araojo, Rocha Franco, Go-
mes de Souza, Brelas, Toscano Brrelo, Lima e
Silva, Paes Brrelo, Alhayde, Villela Tavares,
Souza Leo, Cerqueira Leile, Barboza da Cunha,
- Sergio de Macdo, Henriques de Almeida, Bene,-
ced. ntes da casa, que seja altendida a supplica, vides, Baplisla Monteiro. Dias Vieira, Caihei;,
que fazem. e para isso offerecen consideracin Abelardo de Brito, Costa Moreira, Cunha Mallos;
da c amara a seguate resoUc* ; | Peil0lo de heredo, Brand&o, Saraiva, Paran-
gu, baro e Maranguape, Cynto, Araujo Lliut,
Paula Sanios, Delphino de Almeida, Alcntara
Machado; Belisario, Podreira, e Cunha Figuei-
redo.
Comparecendo depois os Srs, MarliMio-Campos,
Joo Mendes, Silvino Cavalcant o Augusto de
Oliveira, abre-se a sesso s onze horas e tres
quartos.
Coraparecem depois de aborta a sesso- os Srs.
Torres-Homem, Franco de Almeida, Aguiar Bar-
ros, Fausto de Aguiar, Almeida Pereira, Coelho
de Castro, Silva Miranda, Paulino de Souza, Cruz
Machado, baro de Mau, e Reg Barros.
E' lida e approvada a acta da antecedente,
O Sr. 1 Secretario d conta do seguinle
EXPEDIENTE.
Dous oflicios do ministerio do imperio, en-
viando os oflicios do presidente da provincia de
Mjnas-Geraes que acompanham os representa-
goes das cmaras municipaesde Jacuhy e Passo,
na mesma provincia, as quaes, pedem a esta c-
mara que seja deferido avoravelmente o reque-
eimenlo em que o commendador Vicente Ferrei-
ra Carvalhacs solicita do corpo legislativo um
empresliino de 100:000g para auxiliar a fabrica
de ferro por elle fundada no municipio de Ja-
cuhy.A' commisso de fazenda*
Oulro do ministerio da marinha, communi-
cando, em resposta a um officio desta cmara
cobrindo o requerimenlo, que devolvo, de Joa-
quim Rodrigues de Almeida, que este raesano pe-
ticionario era palro-mr dn barra e porto do
Recife, em Pernambuco, c em dezembro de 1649
pedio aposentadoria com o vencimento que per-
cebia, ou demisso do servigo quando nao po-
desse ler lugar a primeira grga. Nao sendo o
emprego do supplicante da ordem daquellesa
que as leis permitiera vencimento no caso de
aposentadoria, foi-lhe esta concedida sem orde-
nado algum, consjrvaudo-se-lhe, porm a farda
com os dislinctivos do quo usava : e por essa
razo nao leom sido deferidos os requerimenlos
que por vezes o supplicante fez subir presenga
do governo solicitando vencimento. A quem
fez a requisigo.
Outros dos presidentes das provincias de S.
Paulo, Espirilo-Sanlo, Rio Grande do Sul, Piau-
hy, Para e Babia, remetiendo collecgdes do3 ac-
tos legislativos das respectivas provincias, pro-
mulgados no anno passado. A' commisso de
asscmblas provinciaes,
Oulro da presidencia da provincia do Espirito
Santo, remetiendo um exemplar do relalorio
apresentado assembla legislativa da mesma
provincia, por occasio de sua iuslallaco.A
archivar-se.
Oulro da presidencia da piovincia de Sergipe.
enviando urna representago da respectiva assem-
bla legislativa,impetrando a cragaode urna com-
panhia deaprendizesmariuheiros na mesma pro-
vincia, onde possa ser utilmente oceupado grande
numero de meninos pobres, naturalmente pro-
pensos vida do mar, e dolados pela maior par-
te das melhores proporgdes para semelhante
aprendizagem.A' commisso do marinha e
guerra.
Urna represontacao da assembla legislativa
provincial do Grao-Para, pedindo que por aclo
legislativo so fagara extensivas para o furto de
gado as penas do art. 269 do cdigo criminal.A'
commisso de jusliga criminal.
Outro da cmara municipal da cidade do Uba-
tuba, provincia de S Paulo, pedindo que na lei
do qigamento quo se confeccionar na presente
sosso se consigne a quota de>cem contos de ris
cora destino especial para o calgaraento da nova
eslrada da serra. A's commisses de fazenda e
obras publicas.
Um requerimeuto de Jos da Cosla Dourado
Jnior, pedindo dispensa do exame e mais pro-
vas de capacidade para poder oceupar qualquer
Ingarna ordem da magistratura, levando-se-lhe
em conta oqualriennio que j lem como promo-
tor publico.A' commisso de jusliga civil,
Dous, do padre Flix Maria deyreitas Albu-
querque e Manoel Jo* Vieira Aouro Braga;
pedindo ser naturalisados cidados brasileiros.
A' commisso de coustituigo.
Dous, de Joaquim Antonio de Miranda e Clau-
dino Paulo de Lyra Flores, pedindo o lugar de
continuo desta cmara.A' commisso da po-
lica.
Lem-se, c sao approvados sem debate os se-
gantes pareceres:
Prelenco de D. U.de Bidegorry.
Foi presente commisso de conslituigo e
poderes o requerimenlo de Bernardo Urbano de
Bidegorry, pedindo que se lhe mande passar
nova caris de naiuralisago de cidado brasileiro,
visto na secretaria de eslado respectiva ter-so-
Ih'a passado com o nome de Bernardo Urbano
Bidegorry, e nao dede Bidegorrycomo elle
quer ; e a commisso, senlindo quo o corpo le-
gislativo lenha do se oceupar cora prelenco
desta ordem, de parecer que o peticionario
requeira a quem fdr competente.
Pago da cmara dos dcpulados 26 de maio
de 2860.Villela Tavares. J. J. Teixeira J-
nior.
Prelenco de A. Araujo Con lo
A commisso de conslituigo o pod
quem foi presente a peligo de Antonio de Araujo
Couto, subdito portuguez, pedindo dispensa do
lapso do tempo que lhe falla para naluralisar-se
cidado brasileiro, examinou essa peligo, e ven-
do que o supplicante nenhum documento apr-
senla que possa fazer valer a sua pretedgo, que
alias entende a commisso nao deve ser atten-
dida sem um motivo plausivel e que justifique,
de parecer que se lhe indefira.
Pago da cmara dos deputados, 26 de maio
do 1860.Villela Tavares.1. J. Teixeira J-
nior.
Lm-se, julgo-se objectos de deliberagao, c
vam a imprimir parar entra na ordem dos iraba-
Ihos, os projectos com que concluem os seguin-
tes pareceres :
Naturalisacdes.
A' commisso de constiuigo e poderes fo-
rana presentes os requerimenlos de Frederice
Fernandes Paes, Jao da Silva Moraes e Jos
Vicente, subditos portuguezes, aquelles residen-
tes nesta corte, e esle nesta provincia do Rio
GrandodoSul, os quaes supplicam assembli
geral legislativa a graga de dispensar-lhes os
intersticios que Ihes fallara para poder obler car-
la de naiuralisago: e attendendo a commisso
aos documentos offerecidos pelos supplicantes,
bem como aos precedentes estabelecidos por es-
ta augusta cmara, de parecer que seja alten-
dida a sua supplica, por isso oflerece a resolugo
seguinte:
A assemba geral resolve.
Artigo nico. O governo imperial aulo-
risado a mandar passar carta de cidado brasi-
leiro aos subditos portuguezes Fredirico Fernan-
des Paes, Jodo da Silva Moraes, residentes nesta
edrte, 6 Jos Vicente, residente na provincia do
Rio Grande do Sul, Picando para tal flm rovoga-
das as disposigdes em contrario.
Pago da cmara dos deputados, 26 de maio
de 1860.J. i. Teixeira Junior.-^Villela Ta-
vares.
das diciplinas preparatorios, f0ra em todas ella
plenamente approvado, bem romo -r*f Ucrijj
do primeiro anno da mesma faculdade, o que
piovacomos documentos junios, attendendo a
que por mera vocacao deixara os eslndos de di-
reilo para vir matricular-se nos de medicina*des-
ta cdrle, procurando assim o foco dos conheci-
mentos mdicos que deseja possuir : attendendo-
a qije nao pode matricular-se porque tres dos>
S,eu,oeX0ames Pri'Para,0"s. feitos em novembro-
de 1836, levereiro e novembro de 1857, sao con-
siderbdos nao valioso por disposigo dos novos
estatotos que regem as 'acaldados do Imperio,
de patecer que seja atlcndida a sua prelenco
para o que offereca a seguinle resolugo : '
A assembla geral resolvo :
Arligo nico. O governo aulorisado a
mandar matricular no Io anno da faculdade de-
medenla do Rio de Janeiro a Faibo Sizino Bastos
da Silva : revogadas para essefim as disposiedes
em contrario.
Pago da cmara dos depulados. em 28 de*
maio de 1860.Villela Tavares.-Gomes de
Souza
Pedido de urgencia.
Matricula de eshtdantes
* fji presente i commisso de instruego pu-
blicad requerimenlo de Fabio Sizino Basto da
Silva, pedindo que por urna resolugo seja ad-
miltido matricula e exame das materias do pri-
meira anno da (aleudado de medicina desta cor-
te, que frequenta como ouvinte: e a comassaa
attendendo a que o aupplicanU, tend.0 feito n
faculdade de dreito do Recife todos os sanea
O Sr. ttttr Carlos :Sr. presidente, cu tinha
de apresentar considerago da cmara dos Srs.
deputados um projeclo de lei e urna indicago *
nao o pude Tazer na sesso de sabbado poma
ter havido casa.
Senlindo porm a nocessidade de dizer algu-
mas palavras em explicago desse irabalho. re-
qneiro a V. Exc. se digne consultar cmara se
concede urgencia para que eu na sesso de ama-
nha fundamente os ditos projectos e indi-
cago.
O Sr. presidente consulta cmara, qoe ap-
prova a urgencia.
O Sr. Miguel de Araujo (pela ordem) : Sr.
presidente, nao tendo havido no sabbado passa-
do sesso por falta de numero, eu pego a V. Exc.
que lenha a bondade do consultar casa se reo
concede urgencia para apresentar e molivar ho-
je mesmo urna indicarao.
O Sr. Pretideule : Nao possivel o que re-
quer o honrado membro, salvo se a cmara jul-
gar o objecio da sua indicago to argente quo
de nao lratar-se della desde j possa resultar in-
conveniente.
O Sr. Miguel de Araujo :Poderei enunciar os
pontos.de que tralo na minha indicago, se S.
Exe. opermiltir.
O Sr. Presideule : Pode faze-lo '. depois eu
consullarei cmara.
O Sr. Miguel de Araujo : O primeiro poni
sobre a manis* qne o governo lem adoptado
em conceder licenga aos parochos sem audiencia
previa do poder espiritual ; o segundo ponto ver-
sa sobre a apresentaco dos beneficios eclesi-
sticos.
O Sr. Vresidenle :A cmara ouvio o requeri-
mento do honrado membro, e portando decidir
se a urgencia deve ser approvada para produzir
desde j seus effeitos, ou na sesso seguinle.
Consultada a cmara, resolve-se que a urgen-
cia lenha lugar para a sesso seguinte, de-
pois da que foi approvada a requerimenlo do Sr.
Luiz Carlos.
ORDE M DO DIA.
Dispensa das leis de ainorliiao.
Procede-se volago da primeina emenda do
senado ao projeclo desta cmara que dispensa as
leis de amorlizagao para que a irmnndndo do
Sanlissimo Sacramento da villa de Caldas e ou-
iras corporagdes do mo mora possam possuir
bens do raiz. cuja discussao ficou encerrada na
ultima sesso.
A emenda approvada.
Entra em discussao a segunda emenda do se-
nado.
O Martinho Campos: Sr. presidente, certo
que nao me proponho ajudar o Sr. ministro da
fazenda, presidente do conselho, a fazer rodar o
carro dos seus triumphos ; seguramente as mi-
nhas intenges sao mui diversas.
Mas nos planos d"e opposigo franca e aberta
que me parece S. Exc. merecer nao entra certa-
mente ernbaragar es economas e fiscalisago na
administrago da fazenda ; que poderiam formar
o pedestal da gloria de S. Exc.
Nestascircunislancias nao levanlo-rae para im-
pugnar um disposigo que, como a cmara toda
bem o comprenende, nao pdde deixar de mere-
cer a minha symponhia. Mas parece-me que na
parle em que affecla administrago da fazenda
publica, pode ler maior alcance do que primei-
ra vista se augura.
Eu, pois, desojara ouvir a opinio do Sr. mi-
nistro da fazenda, que est na casa, aQm de so
saber se entende que tacs favores podem ser cou-
cedidos.
Se opinio de S. Exc. for'no sentido affirmati-
vo, muilo folgarei, porque desejo volar favora-
vel mente sobre a emenda.
Entretanto julgo que sobreludo a emenda que
manda sentar da siza, dos novos e velhos direi-
los, e de outros impostos geraes, a compra dos
terrenos necessarios ao hospital de caridade que
commeudador Jos Antonio da Silva Pinto tem
fundado na cidade de Parahybuna, importa um
precedente que se vai firmar oque pode ter con-
sequeneias graves no presente, avisla do dficit
que S. Exc. assignala e lamenta.
Sei que S. Exc dve ter tragado um plano do
administrago para augmentar a renda e dimi-
nuir aajptjespezas ; e acredito que para esse flm
nao qaer esperar pelos resultados da fomento do
defunto minislMJp, e da creago da carreira ad-
ministrativa, e*Mfe tantas outras emprezas do seu
proprio ministerio.
Pareco que S. Exc. pretende seguir urna po-
ltica que nunca poder ser a de mercador de
verduras o de offerlantc de pratos do '.Mi-
ninas.
Portanto, desejara muilo saber a opinio de
S. Exc. sobre esta resolugo. Repito, desejo vo-
tar por ella ; pretendo pdr todas as difliculdades
que na minha posigo de depulado opposicionista
puder apresentar administrago de S. Exc. ;
mas nao lenho a mesma resolugo no que diz
respeito administrago de fiuangas, se S. Exc.
em suas medidas roalisar as proraessas.de econo-
ma que tem feito, promessas que, serei franco,
j conceba respeito da admiBistraco Ja-
S. Exc.
O Sr. presidente (depois de urna pauso): Ni
havendo mais quem pega a palavra, vou consul-
tar a cmara se julga a materia discutida.
O &r. Martinho Campos (petu ordem):Visto
que S. Exc. nao est presente no recinto, e nao
pode dar a suaupinio, proponho o addiamento
do projecto at amanha. Talvez que S. Exc.%
tendo coohecimento da resolugo, que pode nao
ler tido hoje^jolgue conveniente dar quaesquer
esclarecimentos.
lido, apoiado e approvado sem debate o se-
guinte requerimenlo:
Requeiro que se adi por 24 horas a discus-
sao.Martinho Campo.
Penada a U. da Silva Brana.
Entra em 1* discussao o projecto que approva a
penso annuaJ de 240$ concedida ao guarda na-
cional UbaVdo da Silva Brando.
A requerimenlo da Sr. Garcia de Almeida, a
cmara coasenle que o projecto lenha urna s
discussao, na qual entra immediaamenle.
Vera i mesa, lida e apoiada a seguinte
emenda:
O agraciado ter direito percepgo desta
pense desde a data do decreto qne a concedeu.
Miguel di Araujo.Garcia de Almeida.
O projecto approvado sem debate, bem como
a emenda; e sendo adoptado, vai commisaao
de redaego.
1 MI ITTI Ano



>
Pet

fj
-*i-

_

MARIO DE PERNAMBUCO.
QUINTA FEIRA H DE JUNHO DE 1860.
wwo o viieondessa de poianno.
Entra em seguida era 1 disenseao rprtjocte
que approva a penso annual de l:005, conce-
dida viscondesss de Gianna.
A requerimenlo do Sr. Forreira de Agite, a
cmara consente que o projeeto .tenha urna s
liscusso, na qual entra iraraedialaniante.
Vem i mesa, lida e apuiada a aeguinte
meada:
A. agraciada perceber a pensia da dala do
decreto de concesso.Farrfird d Aguiar
O projcclo approvado em debate, bero como
a emenda; e adoptada val 4 commitso de re-
daecao.
Vensao a D. H. E. Nabuco e Carneiro.
Entra depois em J* discussao o projeclo que
approva a pens.io auauat do 6009, coosedida a
D. Hcniiqueta EsraerisaNabuco e Carneiro, viuva
do conselheiro Joo Carneiro Campos.
A requerimento do 8r. Pereira Piulo, a cma-
ra congenio que o profeclo leuha umas discus-
sao, na qual entra inmediatamente.
Vem mesa, lida e apoiada a seguinte
emenda:
Accrescenteso ao art. Iosendo paga a pen-
so desde a data do decreto.Sergio de Macedo.
Pereira Pinto.
O projeclo sem debate approrado, bem como
* emenda ; e adoptado, vai a commissao de re-
daceo.
Vinculo do Jaguar?
Entra tambem em Ia diseaaso e passa 2a
sem debate, o projeclo que alfera o decreto de 14
de outubro de 18i3 eitinguindo o vinculo do Ja-
guar*; swMinas-Geraes.
Prioileoio a J. P. Teixeira.
Entra em 2* discussao e passa sem debate 3"
o projeclo que approva o privilegio concedido a
Jos Bernardo Teixeira para explorar e lavrar na
provincia do Cear as minas de diferentes qua-
lidades de mineracs que descobrio e houver de
lescobrir.
A cmara dos deputados ira lar A lamoem de
rever a lei do conselho de estado.
S.'ndo eerto que a riqueza do nosso palz.de-
Uende essencialmentc do aperfeicoamento da
nosso agricultura, a cmara .dos deputados lera
como un de suas principiaes obrigaces prover
o ensino agrcola c instiluicos de crdito rural.
Pelo que diz respeilo reforma da legislacao
telativas As bypoihacas, a cmara aguarda'as
emoudas do senado ao projeclo que ella votou,
para se poder concluir lo importante trabalho.
A cmara dos deputados applaude no mais
alto grao o einpenho do governo imperial em
empregar lodos os esforcos na introducto dos
bracos livres, como imperiosamente o exigem as
necessidades da industria e do Iraniano.
A cmara dos deputados empregar lodo o
cuidado em attender legislacao concerneuto
nos delictos que inleressam honra da familia,
o o mesmo cuidado Ihe merecer a conveniencia
do regular os effeilos civis dos casamentes de
pessoas que nao professam a religio do estado.
A cmara dos deputados fixar tambem a sua
attencao as lacunas e defeitos da legislacao mi-
litar, no que c relativo s penas, so processo,
organsaco dos tribunaes, ao recrularaento e s
promooes dos oflkiaes da armada, icomo muito
reclama a disciplina militar.
Ante as medidas que foram apresenladas ao
corpo legislativo pelos ministros e secretarios de
estado dos diversas repartieses, a bem do regular
andamento dos negocios pblicos, a cmara dos
deputados, conQando no governo imperial, pro-
porcionar odminisSracao publica os racios con-
venientes ao cabal desempenho dos servicos a
seu cargo, sem perder do vista os;principios de
economa recoramendados por Vossa Mageslado.
K com estas vistas a cmara, nproveilando a
nioderoeao das paixes polticas e o espirito de
urdem que vai predominando em todos os pon-
tos do imperio, esmerar-se-ha enl cumprir sua
missao, conltndo semprc com a assisteneia das
luzes do governo imperia
senado n. 11!, do anno par- exclusivamente, depois que se ene
governo pa-. mandar pasaar ftbalhos da convenci provincial, da
le au io, que aulorisa a matricula na lacjiuada de
medicina do Rio de Janeiro do estidante Fabio*
Sicin i Bastos da Silva ;
2* lo projeclo do
sado. quo aulorisa o
caria de nalurolisicu de cidadao brasileiro a
subdi o porluguez Antonio Maximiaao de Fig'uei-
rodo
i 1* lo* fwojecloans. 10, 12, 1^1, 18. 25 o 6,
que aitonsum a naWirtlisacao de diversos estiau-
geiroi ;
2.a parle. Conlinoaco da discassao do pro-
jeeto Je resposta falta do Ihrotio.
- 4
0 vapor Princesa de JoiavilU, da linha do sul,
entro i hontem. Traz dalas de Porto Alegre at
29, di> Rio Grande al 39 do passado, e do Santa
Catlialina al o 1 do eorrenle.
De nenbuma deseas proviucas ha a menor no-
ticia -estado, sao da competencia exclusiva do luu-
passdo paiz.
Era Buenos-Ayres a altenco publica oceupa-
Senhor! Praza aos cos que os liltimos Iraba-
O Sr. 1 Secretario, pela ordem, l o seguinte n,08 da presente sessao legislativa] caracterisa-
projeclo de .,l08 pe|a raais esclarecida solicitud^ a bem dos
Resposta falla do throno, inteiesses que eslao condados a assemblea ge-
Senhorl-Quando V. M. Imperial do alto do i "[ !)roduza.n> o augmento dos rekursos do es- ,
throno e na occasao mais solemne annuncia o I ladow6 ?. mIelnor?mpn,> dc '< gislacao. co-
regosijo e as esperancas que animara a nacao lmo ^ M l!DP?ni[ 'iu seu. at.dor. falernal pela
-5 -
Hontem no senado conliuou a dicussso adia-
da _n sessao ontecedente, do art. 1 .? da p'ropo-
sico da canjara dos Srs. deputados, mandando
processar, anda quando alsenles do Imperio,
e puir. logo que estiverem prsenles, os cida-
daos brasleiros que commetlerem cerlo criraes
em p lizes cstrangeiros. OrrSo os Srs. Vascon-
cello, e Souz* Franco, Qcando a discussao a-
diada.
Acamara dos deputados approvou hontem,
depo de um pequeo debole ntreos Srs. Abe-
lardo de Brito, Villela Tavare3 e Henriques, o
projei lo que aulorisa a matricula nafacoldode de
medi ina da corte do esludanle Fabio Sizino
Basto i da Silva ; e lendo-se offerocido varios
arliges addlvos cstendendo o mesmo favor
divenos estudantes, Gcou a discussao desies a-
diada pela hora depois de slgumas observacoes
dos i rs. Villela Tavares, Henriques, Alhayde o
Ferr ra de Aguiar, havendo acamara rejeita-
do u ti requerimenlo de adiamento deslj
. nMqr.Ue,r0n,,n1C,ou' el8ma"sbscrrac6e
felas pelo Sr. Dantas a respeilo da viaaem do
imperador s provincias do norte, que foraraM!
lisfactonamento resnnndi.i.. ..i.'i. ." !? .
eocerraram os
... da futura reu-
niao da convenco nacional que tem de decidir
deflnitivamento s queslo da incorporacao de
Buenos-Ayrcs Confederacio.
Pelo pactej^do 11 de noverab, eir a cont- 'eineio.'
Cao aieo< pprove as reformas que Buenos- "
Ayres acaba de apresentar, quer nao as approve, chefe, ou da adopcao de seus "princoim
Buenos-Ayres flear incorporado ConfcderaCo paiz, sustentando que a liberdad" d2 rr^E
no mesmo p das nutras provincias. A questao ; que anenlo o pode alvar das difflculdadea em
portento j se achadcnnida em pnncip:o ; Bue- que se acha. a' proposito disto apreaeulou
nos-Ayres de direito provincia da Corifedera5ao ] guns dados eslalisticos, para provar que nao a
cade o pacto de II de novembro. A difliculdaJe ; immoWlisacao dos capilaes oas empresas indus
porm, coulinuaroos a dizer, est na incorpora-1 triaos, que temos realisado aos
cao de facto. Km-nossa opinio foi sempre essa
a difculdade desde a acta de Tucuman de 1816,
em face da qual a queslo de direilo j estova
"."'"' depois ae urna ligetta diicffssao,"na uual f------------",-------------?------;---------
s honve de nolavel a signiflcaco d apnio e '?l.m.e.D0S. n; t."mphe, qo
confi.nc* do Sr. Souaa-Prsco ao gabinete n!um 'lan;~a T'Clr!!a dire. del,a ;
discurso
em rmaio-
. e autoridade,
o que cumpro garaali-lo, asm como o da mi-
nora.
Depois de ha*er-e assim ennunciado S. Exc.
iisractonamento respondidas pelo irnTesidenlJ ndo ,d.e D8SMr a tr",ar d quo pendente na
do conselho. O Sr. Souza Franco, aproveilando ,***">bl<. prt"tnenle deelaroo. que. avista do
tejo, procurou faxet a defesa ow a aooloala 11U P^Pu^a. no totoassem suas patarras que
da escola econmico-liberal, de que se considera I,e huro SOft,,t conao s"gKMft < Interesse al-
chete, ou da adopcao de seus orinciuio. n 8.". que nao fosse o de legalidade e convenien-
cias publicas.
A queslo a da veriflcacio dos poderes dos
aeputados de4 circuloo de S. Miguel, onde.
com0 sabe o publico, houte um duplcala : em
relajo a ella fox ver S. Exc. a
resolvida, porque nella se consignou que as pro-
vincias signatarias juraram formar umas nacao.
Nao era preciso o pacto do 11 de novembro para
que Qcasse clara a queslo de direito.
A incorporacao de fado, porm, suppoo-se
agor, depois sobreludo da subida do Sr. geneial
Mitro ao poder, mais fcil c mais provavel.
Nao comprehendemos entretanto porque. O
Sr. general Mitre o chefe desse partido que to-
mou a donorainoeo de unitario, que apresent.i-
va-se sempre como o herdeiro das ideas de Bel-
grano e do Rivadavia, e quo ainds se aprsenla
actualmente do mesmo modo. Ora, o projeclo
da consliluicao de Rivadavia eslabelecia ume
repblica do provincias unidas pelo lo unitario,
sondo Buens-Ayres o centro, a capital.
Ora, se essas sao as ideas do partido unilaiio,
como compreliender-se que o 3r. general Mitre,
que hjjfl o seu chefe, cuucorrer para a incor-
poracao de Buenos-Ayres s oulras provincias
argentinas, constituidas, como se acham, sob o
systema federal ?
Suppe-se entretanto quo assim ser; pelo
ulli- I menos revela-o a un prensa de Buenos-Ayres.
regosijr
que V. M. Imperial cordialmente partlha, pela
renniao do corpo legislativo, o cmara dos depu-
tados nao pode deixar de encher-se de ufana e
profundo reconhecimento.... Tao lsongeira si-
tuacao pro va na verdade a sabedoria dc nossas
insliluices polticas, cojos principios ho de ser
cada una vez mais bem firmados no espirito pu-
blico pela continuacao do beneficio da paz-jiiler-
na, de que felizmente gozamos sob os auspicios
de um monarcha lluslrado e justo.
Effecluada, sem o menor sinislro, a viagem
com que V. M. I. aprouvo honrar algumas pro-
vincias ao norte do Rio de Janeiro, a cmaro dos
deputados tem. nao s de render granas ao Todo
Poderoso por too feliz successo, como de congra-
tularle pelos vivos e mu sinceros lesteniunhos
de amor c idelidade espontneamente manifes-
tados ao chele supremo da naco. o qual, bem
como pode deixar por toda a parte signaes inde-
levcs de sua munificencia e primoroso affeclo
para com seus Icaes subditos, saber lambem
mulliplicar, pela forca do sua voulade magnni-
ma, os meios de sorem aproveilad-is ns riquezas
naluraes dos lugares visitados e de todo o impe-
rio, com o prestante auxilio dos Brasileiros e
concurso benfico dos poderes do estado.
Nao sendo fcil, Scnhor, manter constantemen-
te iiialleravcis as rclaces de boa inielligenco e
amizade entre o imperio e todas as potencias cs-
troogeiras, a cmara dos deputados nao se admi-
ta que algum desocrordo lenha surgido, quando
menos se devera esperar. E pois, se a approvacu
do tratado dc permuta de territorios, celebrado
ao mesmo lempo que o commercio e navegacao
de'< de setembro de 1857 rom a repblica orien-
tal do Oruguoy, pende ainda do poder legislati-
vo desse estado, apezor da racliiicaco do tratado
pelo governo brasileiro ter sido feito sobre pro-
messa de dever ser aquello ratificado pela .rep-
blica oriental do Uruguay ;
Se os tratados de limites e exlradi;ao, nego-
ciados com a confederacao argentina em 14 de
dezembro de 18j7, sendo logo approvados pelo
respectivo congresso, nao obliverara al o pr-
senle a necessaria raclificaco ;
Se o tratado definitivo complementar da con-
venci dc paz de 27 de agosto do 1828, que os
plenipotenciarios brasileiros e os da repblica
e a cmaro
mais perfeita
manda em
preseur.a de
prosparidide da nacao tanto deseja,
dos deputados ambiciona com a
dovoco.
Sao estes os protestos que ella nob
honrosa depulHco trazer augusta
V. M, Imperial.
Sala das commlssoes, 26 de mai
i, U. da Cunka Figueiredo. J.
Jos Antonio Saraiva.
O Sr. Presidente : Segundo e,
riores, o projeclo de resposta fall
iinprcsso no Jornal do Commerc
em discussao ; porm no sessao do
do o cmara resolveu que fosse irap
[Apoiados). Se nao houver reclaraabo, proce-
der-se-*a ogora de couformidade cifm o ultimo
procedente. [Apoiados).
Prianegio a T. Dixon Lowd
Entra era"2a discussao, e pssao 3'
o projeclo que approva o privilegio
Thonia/. Dixon I.owden para a coslruccoo de
urna estrada de ferro na provincia dn Ceai.
Privilegio ao Dr, G. S. de Capanema.
Entra tambem em 2a discussao,
sem debute, o projeclo que approva
concedido ao Dr. Guilhermc Schuch
L uEf' ,pedin,d0 I'.10 u?scm rometlidos | Um facto, porm. djz a 7V6i*na a esse res'pei-
eomn. sao de u.struccao publica. ; l0, veio ltimamente esfriar a confianca na
Coi linuou em seguida a discussao do projec- prompta
to di resposla falla do throno. Orrnin os'
Srs, Martinho Campos e Cunha Figueredo, li-
3. conveniencia,
. d,Ta de ser bem pensada e reflectida, aflm
..o ,. >t.u aa aiiuiiiiauuaucs que se t a "ma dec'9a acertada, e que tivesse o cu-
observa na nosso cireulacao. f,r? dc'"lPcSo e prudencia ; visto que foi um
N5o tenho aqui iutenco de commentar nem 11 1"% ra d* Poiocia tomou vulto, passou-
disculir estas opinioes do Sr. senador pelo Para, ador f"i n" *iCi!a'a c5. S.ua Mogeslade o Impe-
lavel. como ser fcil verificar; "*arp,e' lul,"'. de Parl'do ; que. ueste quadra
iria alm dos limites propries desla 2hr .* iU nenh? PrtWo ter a sa-
ngra mina que tenho seguido. Mos "l'i?!! pela n,odorao e razoabilidade do
d 5
candi a discussao adioda.
A i rdem do dia pora hojo :
As materias anteriormente designadas
para a primeira como para a segunda pirle.
Poi decreto de 29 e 30 de maio e 2 do cr-
reme foram deuiillidos a pedido seu :
j Olavharel Aulonio Teixeira Belfort Roxo. do
de 1860. | lugar de juiz municipal o dc orphiios do termo
Nebias.'
^tylos ante-
do throno
para entrar
anuo passa-
csso avulso.
n.
i rejoitado
o t>revilegio
de Capaiie-
jecto que approva o privilegio cono
oriental do Uruguay e da confederocoo argena aono8, Guillierme Bouliech para fd
assignaram em 2 de Janeiro do auno passado, e lan,i\oe SrcJ:> oeramica e louca fino,
que al o presente nao fui submclldo
na poro preparar libras de vegetada Indgenas
paro o fabrico de papel.
Xavegaco a vapor na bahia do Rio\
Entra mais em segunda discussao
bale passa lerceira, o projeclo qu approva os
estatutos da componhia de navegacc a vapor na
bhia do Rio de Janeiro, deque
Dr. Clinton Van Tuyl.
Navegacao a vapor entre Monlevidp e a cidade
de Cuiub.
Entra ainda em segunda discussao
bate passa lerceira, o projeclo qii)
contrato celebrado cora Antonio Jos
ra a navegacao a vapor entre Montev
dado de Cuyab.
Privilegio a G. Bouliech
Entra finalmente em segonda discussao o pro-
dido por 15
bricor porce
sem debate
concedido o
*4ajjaSiimaraes, na provincia do Maranhoo
O liacharel Antonio Jos Barboza de Oliveira,
do lu arde juiz muuicipal e do orphos doCuva-
b, n provincia d^lalo-Grosso.
Fonm removidos*V1seu pedido:
O ji iz de direito Aostota Jos Lopes Damas-
ceno, da comarca de Guisantes, de 2.a entra-
da, n i provincia' do MarannSo, para a de Gu-
rupa, de 1.a cntrancia, na do Para ;
O ji iz de direito Flix Gomes do Reg, da co-
marc; de Gurupa, de 1.a entrando, na provin-
cia di Para, para a de Guimares, do 2.a entrn-
ela rirl do Maranho
Oj
de Almeida Braga, do termo do Ical para o de
Guim
O
reir
de Janeiro.
e sem de-
f mprezario o
c sem de-
e opprovo o
Soares pa-
do e a ci-
iz municipal c de orphaos Gentil Homcm
apro va-
cio do congresso da confederocoo, acaba de ser
rejeitado pelo senado da repblica oriental do
Uruguay ;
Se, movido pelo senlimenlo de benevolencia
que dovera ligar os potencias nmigas, e com o
intuito de ver rcstabelecida a paz as margens
do Prolo, aceitou o governo o convite que Ihe
oi eilo pelos da Franca e Inglaterra pra cou-
Lo-se o opinada a aeguinte euitiida da com-
missao de commercio, industrio c arles :
Acrescenle-se oo artigo Io : remando-Be
| electivo este privilegio nos pessoos de Lniz Bou-
. lici-h, Clotilde Gariot e Julia Bernardo!, lillios do
i fallecido concessionario primitivo.
a Sala das coramissoes, em :{0 do maio do
1859.Paulino Jos Soares de Souza.Jos Ma-
iraes, na dita provincia
uiz municipal o de orphaos Saluslio Te-
la Molla, do lermo do Imparatir., na pro-
viuci! das Alogas, para o de Caelh, na du Mi-
nas-( eraes.
Foi reconduzido o bacharel Candido do Faria
Lobato, no lugar de juiz municipal e de erphos
do U rmo da Formigu, ua dita provincia.
Fotam Horneados:
muni :ipal o de orphaos do termo do PiraHga:
na provincia de Minas-Geraes ;
O llacharel Seraphira Muniz Brrelo, juiz
munb pal c de orphaos dos termos reunidos
de P.imbal e Tucano, na provincia do Baha ;
acharel Joaquim Feij de Aibuquerquc
juiz municipal e de orphaos do termo da
atriz, na provincia das Alagos ;
Miento-coronel chafo do estado-moior do
ando supi ror da guarda nacional dos mu-
lerminocao, pelos meios pacificse lo-
goes do questao da j'ucorporaQo de Buenos-Ay-
res oo reslo da repblica.
No momento em/ que o Te-Ueum pela con-
i ciusoo dos trabalhos da coiivcnco linha lugar,
3 chegava um vapjr do Paran, conductor do duas
notas daquello governo. respondondo urna do
governo de Buenofi-Ayres, em quo se Ihe dava
conhecimento da/subida do Sr. general Mitre ao
poder, e a outra /pedindo que se deelorasse qual
era a mente do ubvo governo o respeito dos pon-
Ios que o goven o provisorio hova deixado sem
resoluco, isto i : Io, se as alfandegas de Bue-
nos-Ayres serao naconaes antes de sua incorpu-
rico de facto ; Ia, sobre a tratado com a iles-
panho, contra o qual Buenos-Ayrcs hava recla-
mado ; 3o, sob o urna reclatuacao do governo
oriental referenle o actos do governo de Buenos-
Ayres para comla-;uella repblica.
Em resposta i essas notas, o goveruo do Bue-
nos-Ayres evitfando essas quesloes, annunciou
ao da Confederacao que ia enviar em missao oo
Paran o Sr. Di. Velez Sarzfield, afim de ajuslar
todos os pontos! uecessarios para a raos prompta
convocacao dakonvencoo nacional, e para desig-
nado da cida A' sahida do paquete j o Sr. Dr. Velez Sarz-
i-liado Coelho de Castro.Augusto Frederico dc
juntnmcio uffeiecereiu"seus bons ullcios s par-ll',irn*9 .
tes bclligoraules ; e se o nesso oiTerecimento O artigo, bem como a emeuda, sao approvados.
bem aceito de urna dellas, nao achou no outra > Pr0J''.cl Pa88a a tereeira discussao. indo no
um bom jcolhinienlo ; eotenlo i mesraa commissao para o redigir em
A cmara dos dopuiaJos muito confia em que cunfonnidode do vencido.
a roflexo e mclhor conselho da parle daquella esgotada a ordem do da.
potencias, o o Uno e energa da porte do gover-
no imperial serao mais que bastantes pora remo-
ver e dssipar todas as dilficnldodes que soop-
ponhoni agora c no futuro oxecucao dos com-
promssos solemnemente contrahidos, e aos legi-
tmos interesses do paiz ; de modo que toda a cor-
dialidad*, segundo a patritica expressoo de V.
M. I., se allie sempro dignidade da naco.
Noste nobre emponho, Seehor, a cmara dos
deputados assegura ao governo imperial a mais
decidida e firmo cooperocao.
Muito se compra/, a cmara dos deputados de
que tivesse urna solocn pacifica o questao que
inotivou a guerra entre Buenos-Ayres e a Confe-
deracao Argentina, assim como que fosse fiel-
mente mantillas neutialidade.qoe o governo bra-
sileiro em sua poltica sincera e generosa hava
adoptado.
A cmara dos depulados fica inleirada de ha-
ver-se realisado em Paris, a 27 de maio do anuo
passado, a troco das r.iclificacoes do urna nova
convenco fluvial colebrada em 22 de ouiubrode
1858 com a repblica do Per; bem como que
denle d a do dia s<
dos huras da larde.
ulule
o Sr. presi-
evanla a sessao s
2 de junho.
O secado npprovou hontem sem debate a re-
daccaodo projeclo que divide Ora dous o 14" col-
legio eleitorol da provincia de Minas Geraes.
Approvou em I* e discussao as proposires
da camsra dos depulados que conceden! aulori-
s?co oo governo, urna para conceder um anuo
de licenca ao juiz de direito Pedro Antonio da
Co-la Moreir, outra paro mandar passor carta dc
noturolisocao de cidadao brasileiro a Antonio Vi-
eira Uacil e outros.
^Continuando a discussao, adiada no sessao de
25 do mez passado, da proposiciJO da cmaro dos
deputados mandando processar, anda que ausen-
tes do imperio, e julgar logo queforem presentes,
oscidaoos brasileiros que perpatrarcm certos
crimes em paizes cstrangeiros, e sendo posto em
discussao o art. 1 com o respectiva emenda das
legislacao e conslituieao, oraram
. commissos do u0_
com o governo de Venezuela foi ajustado, em 5 | os Srs. Nobucn, visconde de Maranguope, Sinim-
demaio do anno passado, um tratado, que est b, Pmenta Bueno, e D. Mauocl.
pendente da approvacoo do respectivo cengresso, I
regulando a linha de froulcira e a navegacao fin- i
vial, sobre as mesmas basss com quo se tem no- : Acamara dos deputados adoptou honlera os
gociado guaes ajustes com outros Estados limi- projeclos que approvam as pensos concedidas o
tropbes.
A cmara dos depulados lancor moo dos meios
convenientes para chamar a "discussao sobro a
intellgencia do artigo 6." 1. da consliluicao.
E' com bastante petar quo a cmara dos depu-
tados v, com Vossa Magostado Imperial, que os
pessoas menos favorecidas da fortuSM sejj^m-se
opprimidas pela caresta dos gneros inRenti-
cos. Auxiliada polos conhecimejH pro ticos da
admnislroQo, a cmara envidaflB maiores cs-
orgos em prol das medidas que obviem o desen-
volvimenio do mal. quer animando a produeco,
quercorrigindoos abusos do monopolio. Mas, s
nao pode a cmara occollar o seu pezarpor'um
fado que deriva de causas tao variadas e dilli-
seis do combaler. tem ella todava grande motivo
de consolocao quando reconhece que scmellionle
calamidade nao lem sido desaltendida pelo nmi
bem entendida liberalidade do governo imperial,
nomeadameulo a rospeilo da provincia da BaMaj
quo mais lem soflrido nostes ltimos lempos.
A cmara dos deputados, poililhando cora Vos-
sa Mageslado Imperial a conviece de que o
nosso meio circuanlo o o estado da fuzenda pu-
blica reclamam a attencao do corpo legislativo,
continuar a fazerquonto em si coubere diclar-
Ihe a consciencia do dever para abrigar a nocoo
de qualquer crisc finonceira que veuha debilitar
as suas forjas no interior e por cid duvida o seu
crdito no exterior.
A cmaro dos depulados lomar na devida
consideracoo o revjso da legislacao sobre as cora-
panhias e sociedades anonymas, tanto civis como
mercantia.
Com a mesma solkilude p/ocur regularisar,
proteger fomentar istiluiges que facililem s
classes menos abastadas da sociedade, no s o
omprogo productivo de suas economas, mas tam-
bem o nicio do assogurar a sorto do suas fami-
lias sobretodo aquellas que lverera por fira pro-
tege las contra a froude o a usura.
No projeclo que (o votado o anno r.assado a
cmara dos deputados 4 tomou em consideraco
a necessidade de ser dividido ominislorio do im-
perio, vista da variedade de oeaocios impor-
tantes que por elle correm.
Acamara dos depulados cogitar sobre a insti-
tuicio do coaselhos que auiiiiem as administro-
coea p_rovinoiaea no exorne dos mnltlphieadMjje-
no Goracs da Paixao, praca reformada do
"e imperaes marioheiros, e ao teneiite-
cu-
Pa
roneTTrancisco Xavier de Barros Galvo.
Approvou depois em Ia discussao o projcclo
que faz extensivas as disposicoes dos art8. 9,10 e
13 do regulamenlo de 16 de Janeiro de 18j8 aos
corpos policiaca das provincias, de organisacao
scmelhantc ao da corte.
Couliuiiou por fim a discussao do projcclo do
resposla falla do throno ; oraram os Srs. Para-
unos e Miguel de Araujo, licsndo a discussao ad-
dioda.
A ordem do da para hoje :
Apresentacao e discussao de requerimenlos, e,
se houver lempo, continuacao da da discussao do
projeclo de resposta falla do throno.
- 3
Hontem no senado conliuou a 2a discussao,
odiada na sessao antecedente, dn art. Io do pro-
jeclo da cmara dos deputados mandando proces-
sar, anda que aumentes, e julgar, logo que forem
presentes, os cidados brasileiros que perpetra-
ren! rcrlos crimes em paizes estrangeiros, com as
respectivas emendas.
Oraram os Srs. visconde do Maranguapo, D
Manoel, marqnez de Olinda, e Silveira da Molta,
llcando odiada a discussao.
O
Lins,
Impe
O I
coran
iiicipos de Vlenos e Parahybo do Sul. da pro-
vncu do Rio de Janeiro, Manoel Jachudo Car-
neiro Noguera da Gama, coronel commandan-
le superior da mesma guarda ;
O t .Miente-coronel honorario, Francisco Ribei-
ro de. Assis, chefe do cstado-maior do commau-
de superior da guardo nacional dos municipios
de Bjirboeena e Purahybiina, da provincia de Mi-
nas-!'eraes ;
Miguel Reiiioux Duarle, capilao sccretario-gc-
rol d> coinm.indo superior da guarda nacional
dos municipios de Garanhuns e Buique, #pro-
vinci.. de Pernambuco. #
Foiam demiilidos a pedido sen :
Jos Ribeiro de Rezende. leneiile-coronl che-
le do eslado-maior do commaudo superior da
guana nacional dos municipios de Barbacena
e Parthybtina, da provincia de Minos-Geraes ;
O Ir. Antonio Goucolves de Araojo Leilo, l-
enlo cirurgio do 6. baUlhiio de iofaularia da
guarda nacional du corle.
Fe am reformados:
Joaj Bapiista do Olivcira Mello, lenenlc-co-
ronel chefe do estado-maior do commonJo su-
perio da guarda uacional dos municipios do
Passo Fundo Cruz Alta, da provincia de S. Po-
dro i!o Rio-Grande do Sul, no posto dc coro-
nel ;
l'oiegrhio Jos d'Amorica Pinliero, coronel
comoiondante superior da guarda nacional dos
muiii;ipios dc Valfitc,:i e Parahyba do Sul, da
provi n:ia do Rio de Janeiro, no mesmo posto c
com is honras do lugar quo exerce ;
Ma loel Pinhero de Souza, capilao do 5." corpo
de co va Hacia da guardo nVcionol da provincia do
field liavia se; tido viagem
Na Confede
abi-rlura do cd
ocao leve lugar
iiiresso federal.
Na mensage n do governo argentino o Brasil
so entra era u
a mensagem,
CoufederacAo
ma poca su4
cu instancias
que o goveru
mente.
0 Sr. Dr. \
17 de maio a
na linha : tambera o Brasil { diz
trotando da paz celebrada entre a
Buenos-Ayres ) ollereceu no mes-
inlerposieao omgavel, que ctr-
apeeiaes deixaram sem elfeilo, c
argentino soube apreciar devida-
de posse do p
Ao Rosario
o Sr. hispo de
Dis oulras
noticias uiois
dios.
Do Piroguoy|
Tinhara sido
tratados celeb
repblica c os
No que re
nhia do nave
verno paragu
que fin favor
tonca j se achava no Paran e
sia da guerra.
hova cnegalo no dia 20 de maio
tuyo fre N. Aldozor.
provincias do Confederacao nao ha
modernas que as que demos lia
que todava me parecem pouco fundadas, o as-
sentarem igualmente sobre dados de exacti.lao
muito contesta
porque isto i
carta, e do programla que tenho seg
entendo dever chama a attencao dos seus leito-
res sobre o discuso qoS. Exc porque o assurop-
to importante, e tiestas materias sobre ludo
compre evitar as illuses, que j nos leera con
duzido a tantos erros.
Na cmara dos deputados prosegue ainda a
discussao do vol de gracas, e mui poneos ora-
dores teem tomado parte n'ella, contando-se por
ora como oppposicionistas os Srs. Martinho Cam-
pos, padre Miguel de Araujo (dss Alagas), e
ltimamente o Sr. Tito Franco. O Sr. Parsnhos
falln tambem. e dissertou largamente sobre os
negocios do Rio da Prala, o o Sr. Jos Beulo ex-
plicou e defendeu o pensarneoto da resposta
falla do throno, de cuja commissao era membro.
Os Srs. ministros da juslica e faz'enda leem sus-
tentado a discussao, e agrada-me ver que vao
ellos se acostumando a tallar com o tora de fir-
meza com que devo sempre fallar e proceder um
ministro d'estado, e com a couscioncia de serem
dos primeiros depostenos do poder publico.
Espera-so brevemente pelas propostas da re-
forma eleitoral o da reforma da lei naneara, e
dizem que ueste terreno sor dado um combate
vigoroso, pois parece que l\o muilas opinics
dissnienles sobre estes dous objeclos. Apesar
disto, conta-so que as novas medidas passaram,
e a firmeza com quo o Sr. presidente do conselho'
follou hontem na cmara dos depulados indica
que est senhor de sua poscao.
Parece que a reforma eleitoral vai oiTender
muilos interesses fundados na influencia das po-
leslades lcaos dos circuios, e alguns arronjozlos
oleitoraes queja eslavam feilos. e que ssim fica-
ram desconcertados, pondo em pnrigo a reeleiioo
de alguns dilelariti da ra do Ouvidor e 'do
theatro lyrico. Ora, o governo parece que en-
leude que osles interesses o estes pareceres dos
candidatos reeleico, por mais respeilaveis e
patriticos que tejara, devem sempre ser subor-
dinados aos interesses reaes da naco, s noces-
sidades de moralisar a orlgem de um dos pode-
res polticos do estado, o de dar-lhe mesmo mais
signifteaco, mais dignidade e mais importancia,
e acredita-so quo est resolvido a proceder con -
sequentemeute com este seu modo dc entender
as cousa?, que sem duvida o modo por que
as enlendo tambem a grondo moioria dos ho-
niens honestos c sensatos do paiz, os quoes fa-
zem votos para que leve elle ao fim o seu lten-
lo. Venha por lauto e quanlo otiles esla refor-
mo, c assistiremos decis.io do pleito com o in-
lerese quo ello inspira pelos beneficios que ella
prometi.
Dizem que entre os adversarios da nova refor-
ma eleilotal conla-se o redactor do Correio-Mer-
cantil, que parece contar segura a sua reeleico
por um dos circuios da corte, pelo qual vai agora
apresenlar-se. abandonando o circulo de Csbo-
FjBpujus interesses mostra assim abandonar ou
nJ"*Wr comprelicndido, apesar do ter sido ali
eiilhusiasticamenle eleilo. Pelo minha parte jul-
go quo o eleico do redactor do Correio MercajUil
pelo circulo do Candelario e S. Jos urna das
ndrr:,m P' el,e.P.'do. o porUnlo r,
?"! ^a r.e.^l?J}0^,,' dec!^o. e somonte in.pi-
seus actos.
Os deputados entretanto, quo constituem a
maioria da assemblea expuzeram a S. Exc a df
ficuidade, em que se acham, para resolver ques-
tao, visto como falha a base para sua sojuco
que a acta da eleicao primaria da porochia" d
inadta, da qual uo existe seno a copia extra-
hida da secretaria do governo laxada de falsa, so
passo qoe, nem um diploma existe, ao menos do
eleilor, para orientar no labyrintho em quo se a-
cha a questao ; sendo nolavel que 0( pateca dif-
ferenca de nomes entre os eleitores, que votaram
em o depulado geral, os quo votaram nos pro-
vinciaes da legislatura passada, e os que se ui-
zendo verdadeiros eleitores, votaram na eleicao
queslionada.
S. Exc. dcclarou, que tees duvidas eraiu
mais urna razao para que a queslo fosse resolvi-
da com refl-xo, e pausa ; e se depois de debati-
da, prevalecessem as duvidas, o que aconselhiva
a lgica, ero a annulaco de ambas; opinio que
todava S. Exc. nao apresentava como o fim do
inlervir no direito que lera a ssemftla de verifi-
car os poderes de seus membros.
PERNAMBCO.
Um ce Jeiro no posto de major.
lo designado para servir de major Marcelll-
^ Pjreira da Costa Guitiarcs, capilao do ba-
guarda nacional
da
O Sr. bario de Mau fundamentou e apresen-
tou hontem na cmara dos depulados um projec-
lo que, a requerimenlo do Sr. Pacheco, foi com-
missao dc juslica civil, estatuindo que a manifes-
tacoo do recurso de revista nao tenha effoito sus-
pensivo nos termos da legislacao em vigor, mais
seja facultado aos recorrentes exigir que a porte
vencedora preste llanca idnea, se qui/er levan-
lar ou receber o producto ou bens das execn-
ges ; sendo a prestaco desto llanca requerida
ao juiz da execuco, que a deferir sempre que
se Ihe aprsente certido de ter sido manifestado
o recurso de revista.
Apresentou depois o Sr. Abelardo de Brito um
roquerimento, que foi approvado, pedindo pelo
ministerio du imperio informaees acerca da na-
vegacao a vapor entre os porto* do Bio do Janei-
ro e Santa Catharina,
Conliuou por fira a discussao do projto de
ocios que Ihcs sao submellidos, e sobre o'.*o' resposta- fallo do throno. '
viJte. lf 'STi'1!;"108 "^rin' t* l*o- Orara oa Srs. presidente do conselho e mi-
r a* II:'^,..comp",lvd com iot* oia,r0 << negocios estrangeiros, Bcando a dis-'
reasest Estibo, ampliando um pouco rntsanlusso adiada. 5
Mif^Sl!!1 ereando mMn,o ">a Mrrti- A ordem do dia para seganda-feira
ta anratoMKMliva que anime as rocaeos. f "J*prle.4" diteussao do projeclo n. 19, des-
no
laido > do infantera n. 21
da piovincia da Baha.
Foi -tceil.t a renuncia que Candido Porfirio do
Assis Araujo fez da serventa vitalicia do olficio
do ccrivao de appellacoes da reloco da corto.
Tiveraui merco da serventa vitalicio :
Firiiino Antonio de Mello, dos cilicios de ta-
belhao do publico, judicial e notos, e cscrivao
do ci.il, criinc e proveduria do termo do Por-
to da Folha, da provincia das Alagos ;
Adxandre Pereira Couto, do ollko de parti-
dor io termo de Silveims, di proviucia de S.
Pouli.
Fo perdoada a Claudio Pereira da Fonscca a
pena de 3 mezes de prisao e multa correspon-
deuit itielade do lempo, a que foi condemoa-
do pi r senlenca do subdelegado de lermo de
Saba da provincia de Miuos-Geracs.
Hontem no senado conliuou a discussao, ad-
diadn na sessao antecedente, do requerimento do
Sr. Sauza Franco, pedindo o addiomento por 15
dios da discussao- do proposito da cmara dos
Srs, depulados mandando processar, anda que
auscites do imperio, e julgar logo que fonm
presentes, os cidadoos brasileiros que pfcrpelra-
rem :ertos criraes em paizes estrangeiros. Ora-
ram is Srs. baroo de Muriliba, Nabuco e D. Ma-
noel, Picando a discussao addiada.
A -amaro dos depulados adoplou honlera, com
variis artigos additivos, depois de algumas nl>-
serv?cs dos Sr. Casimiro Madureira e Villela
Tavares, o projeclo que aulorisa a matricula na
faculdade de medicina do Rio de Janeiro do cslu-
danli Fabio Sizino de Bastos da Silva.
Coitinuou em seguida n discussao do projeclo
de r Fran :o de Almeida c presidente do conselho.
A irdem do dia para hoje :
Co iliuuacao da discussao do projeclo de res-
poste falla do throno. e, se houver lempo.
Ia discussao do projeclo n 21 deste anno, que
auto isa o governo a mandar abrir nova praca de
aspirante a guarda-marinha aos alumnos do 3o
anno da escola de mornha Luis Barbalho Muniz
Fuzi e outros ; e as materias designadas para a
Ia parle da larde do dia de hontem.
Pe o paquete inglez Mersey, entrado hontem
do Ro da Prala, recebemos foi has de Montevideo
al 31 do mez passado, de Buenos-Ayres at 30,
da Ci nfederaeo Argentina de 22, e do Paraguay
de I" do mez pateado.
De pouca
por c te paque
as noticias sao sem importancia
publicados no Semanario os dous
ados ltimamente entre aquella
Estados-Unidos.
ativo s reelamaces da compa-
nco entre arabos os estados, e go-
yo se obriga responsabilidad
Ja companhia resulte da senlenca
dos commissai os que deveroo reunir-so na ci-
dade do Wosh ngtun dentro de um anno, depois
do rolcaco lo tratado de amizaJc, commercio
e navegacao. pbrlga-se tambem a abonar ao go-
verno do Uii'o, dentro do 30 dios de visto, o
letra que o governo dos Estados-Unidos socir
sobre a somino pelo qual os couimissorios o do-
elarnreui resnousavel para com companhia.
As dalas d< Chite alcancam a Io de maio.
Tinlta sdi Horneado ministro de relajees ex-
teriores da re publica o Sr. Antonio Paras.
O projeeto do cuminho do ferro airares dos
Andes oo R'k dc Janeiro e ao Rio da Prala acha-
ra-so suspeu ;o.
De Boliviaf nodo de nolavel referem as follias
do (lio PratflL O Per contino aineacando aquel-
la republicaj que pelo seu lado prepara-sc paro
a guerra. Hivja fallecido em Santa Cruzo major
general Jos Miguel Vellasco, que fra presidente
da republie i.
Foi exonerado Jo cargo dc vcc-presdcntc da
provincia di Espirito Sonto o Sr. Jos Francisco
de Andrade e Almeida Monjardim.
Foi conceJido Sra. D. Carolina Cecilia Cam-
pos de Olivairo, viuvo do chefe de esquadra Pe-
dro Fermina de Oliveira. a pensao' annual de
1:0809 rs. ijepartidamenle com sua lilho, e sera
prejuizj de nieio sold quo percebe.
Tiverom aierc :
O Sr. nitijor Poulo do Aniorim Solgado Jnior,
do foro de ta dalgo cavalleiro da casa imperial.
O Sr. capillo Joo Carneiro Leilo de Mello,
do de cavalleiro (dalgo da mesma coso.
CAIMA MUNICIPAL DO RECIPE.
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 28 DE MAIO DE
1860.
/Vesidenea do Sr. Barros Reg.
Presentes os Srs. Reg, oliveira Gameiro o
Piulo, faltando com causa os Srs. Reg e Albu-
querque e Mello, o sem ello os mais Srs., abte-
se a sessao, e foi lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Foi lido o seguintc :
EXPEDIENTE.
Um ofiicio do Exm. presidente da provincia,
auli'risando a cmara a tomar providencias ne-
cesarias, por que so d maior desenvolviment>
ao asseio deste cidade, e bem assim a fazer a no-
meacoo de mdicos por freguezias e o forneci-
menlo de medicomeulos pora tralaremse as pes-
soas pobres alocados das epideiuios reinantes__
1 Resoheu-se que se respondesse a S. Exc. que a
;Comora nao podio servir-se da sua aulorisoc.i
por folio de meios, como declarara em o seu o'li-
, ci de 14 do correlo, sob n. i, o que quando-
! representara S. Exc. sobro a necessidade de so
lomareni loes medidas, foi suppondo que ellos de-
v i o tu partir da presidencia.
Oulro do mesmo, determinando a cmara que,
sem embargo das refiexes contidas no seu oifi-
: co n. S, mandarse proceder aos reparos de que
precisa a obra das pontes e caes da la d'Aurora,
devendo as despezas ser levada respectiva ver-
ba da lei do orcamento municipal, pois que sen-
do a mesma obra de natuie/a puramente niuni-
- cipal como era expresso na lei do lu ite outubro
que se poda contar como menos provoveis.se ale- de 1828. se linha sido feito por conta dos cofres
gislacao eleitoral couliiiuasse como estova o esta ; raunicipoes. hava tido isso la
por isso que este circulo actualmente represen-
tado por um cidadao ( o supplente que lem tido
assento effectivo na cmara por impedimento do
proprelario ] que na opinio de lodos, o mais
genuino e o mais digno representante dos gran-
des interesses do seu circulo, que lem mostrado
comprehend-los perfeitamenle e saber deserape-
nda-los, e que seguramente nao deixoria de
aprescnlar-se como candidato. Com a reforma
projectado lem por Ionio o redactor do Correio-
A/ereanlil ludo a ganhar e ad a perder,
conservaco dos circuios, como eslao. ero para
ello um perigo muito corto e qussi inorilavel.
Chegou a esta cile no ultimo vapor proceden-
te do Baha o depulado por aquella provincia
l.aiidul|>tio Medrado, que se diz autor da brochuru
Os Cortezos e a Viagem do Imperador* do
que ltimamente tanto se lem fallado. O Diario
linha annunciado o espolhado, por meio de seus
agentes, que. aqu se preparara urna recepeo
trioniphol ao esciiplor do folhelo ; mas lev o
desgosto do
_ar minio irregu-
iai ni.-nle. Posto em discussao, resolveu o cma-
ra opreseutor s S. Exc. com o respeilo devidu-
novas coiisidcroi^es respeito da impossibilidado
era que se y de cumplir a ordem de S. Exc. por
folla de meios, dando ao mesmo lempo as razes
porque entende quo a supra dita obro e oulras,
posto que corapreheudidas no disposico do art.
li Jo lei do 1J de outubro de ls28, deixaram do
peilencei-llie.
Oulro do mesmo, respondendo com a informa-
pois o cao, que por copia reniellia, do inspector do sau-
de publico, oo officio desto cmara sobn. 41, pe-
I diodo a redcete do pasto morcado paro a aber-
; turo das catacumbas.(\ iuformaco do inspector
; foi contraria ao peusaineuto da cmara.)lul.-i-
ra la.
ulro do admnislrador do cenilero, enviando
o numero dos que foUecerain de escarlatina, e de
angina, nos mezes de marco o abril ltimos, e-
maio coi rente al o da 21. Ouo se rentettesso
ao inspcclor do sonde, que o requisilou.
Oulro do engenheiro cordeador, informando
na ra Imperial, de
se adiar desmentido pelos fados,
pois ana ninguera so apercebea dachegada do ;que o terreno de inariho.'
>r. Landulpho alcm dos seus amigos e conln ci-
lios, e na cmara por ora nao lem elle dado sig-
nol de si, no que parece que procedo com julio,
depois dos ltimos oconlecimeulos e dos cum-
mcnterios que suscltou.
O Diario leve ainda de possar por oulro decep-
yao com a chegadado Sr. Landulpho. c quo es- I freguezia de 8". Lourenco da Malta, o" r
le Sr. censurou o reprovou altamente, a trons-
que requerera titulo de aforan,culo presi lencio
Jos Morciro da Silva, nao era necessorin para
logradouro publico.Quo isto mesmo se infor-
mases presidencia.
Oulro do mesmo, informando que, segundo o
exorne que proceder na obra do cemilerio da
cripcoo da sua obra as columnas do Diario sem
permisso sua, ou porque se tenha arrepondido
do ha ver produzdo aquella obra, c deseje res-
tringir a sua publicdade, ou porque cnlendesse
quo a publicado no Diario llie diminua-os fre-
guezet que podiam, concorrer compra da bro-
edura ex|iosla venda, se nao livessem tido j
conhecimento della pela leluro do Diario.
Por fallar n'este escripto do Sr. depilado Lon-
an emlanle eslavo no csso de ser dltendido quan-
lo ao poKomento que r.-.'iuor da terceira presto-
;ao correspondiiile ao terco da mesma obra.
Mandou-se pagar.
Oulro do mesmo, informando que a planta rm
vigor oppe-se a preleino de Marcelino Jcs
Lopes, que requereu para murar o seu terreno,
no lugar dos Coelhos, no bairro da Boa-Vista, se-
gundo o alinhamenio do cosa visinha, que Ihn
perlenc.e, pois que, segundlo que esl morcado
Conliuou hontem no senado a discussao ad-
diada do I.' artigo da proposieo da cmara dos
deputados |ue inania processar, anda que au-
sentes do imperio, os cidados brasileiros que
perpetrare certos crimes era paizes estran-
geiros.
Dando-se por terminada a discussao, foi re-
geitado o artigo 1. o approvarom-se as emen-
das das cummisses e dos Sus. Nabuco e Vascon-
cellos.
O ai t. 2." com as emendas foi aprovado sem
debate. __
Posto em discussao o or. ^ficou o debate ad-
diado.
Encerrou-se hontem na cmara dos deputados
a discussao do projeclo de resposta a falla do
Ihrono, nao se procedendo immcdiaiamente vo-
tacoo por falla do numero legal.
No ultimo debato pronunciaram-se tres novos
oradores, os Srs. Nebias, Saraiva e F. Octoviano;
os dous primeiros a favor, e o segundo em oppo-
sii.ao ao gabinete.
O Sr. deputa F. Octaviono motvou hontem
a sua opposico com o empenho que mostra o
governo em fazer passor a projecla reforma da
lei eleitoral.
Fallararo tambem hontem os Srs. ministro dos
negocios estrangeiros e depulado Miguel do A-
taujo; o primeiro respondendo ao Sr. F. Octavia-
no e o ultimo lnsistindo em suas manife6lanes
anteriores contra o gabinete.
A ordem do dia para amanha :
Volago do projeeto de resposta falla do Ihro-
no, cuja discussao llcou encerrada ;
2.a discussao da proposta do governo que flxa
as foress de Ierra para o anno financeiro de 1861
a 1862, e se houver lempo, as materias anterior-
mente designadas.
dulpho, .embro-me de recommendar-lhe a leilu- ; na mesma planta a direccoo recta al oo rio o
ra e a nanscripcoo mesmo de una artigos publ- segundo o pretendido pelo peticionario, seria que-
reqm rmente.
Oulro do mesmo, dizendo que no estando
,' "," ~"i" >"o"" "" =>-' i uuiro un mesmo, uizenuo que nao estando na
erdades salulares que cncerra. j planta da cidade marcada a direccoo que deve ter
estylo e vigorosa argumeiitoc.io a combo das Barreiras, nem o rio" Capibaube, no
zido ; rcuue elle as duas grandes lugar do Cijueiro, e havendo a junta adminislra-
CORB1.SPONDENCIA
NAM
DO DIARIO
O.
DE PER-
Rio de JanelrV 6 A' medida que prosegucm os trobalbos dos c-
maros legislativas, reconhece-se que ha ero am-
mportancia sao as noticias trazidasibas ellos urna grande materia em apoio daa nie-
uete. Nada hava alterado a siluaco didas, que o governo pretende offerecer este anno
politia daquelles paizes, nem iulerrompido a paz
de qu i vo gosando.
Em Montivido, o ministro de S. M. Britannica
relir a, poucos das depois da chegada do ultimo
paqin.to du Europa, a proposieo que fmia apr-
sentelo ao governo oriental para arredar a ilha
de Gi rrty.
Os agentes diplomticos de Inglaterra, Pranga,
Bras Hespanha e Portugal, dirigirara urna nota,
colle tiva ao ministro de relaces exteriores da
repullica'em defesa de alguns de seus respecti-
vos p lizes que se acham em demandas sobre t-
tulos de propriedades. 0 ministro respondeu que
nao jodia admilli: seraelhante ola, porque ella
rersa a 'obre interesses que, teguado is ieis do
sua con-ideraeo, e que manifcsla plena con-
fianga nos actos de sua administrado, salva sem-
pre a diminuta fraccoo doa exaltados, que acham
sempre molivo e occasio para fazer praca do seu
estril patriotismo, e para discutir theses de po-
ltica obstiacla, quando se trata de remediar os
males do paiz, que de teda a parte se recoohe-
cem graves e urgentes. E' verdade quo estes
itio sao anda os menos perigoeos e intoleraveis
dos raeuil ros da til racco ; os qoe consideram
tambem a calumnia e o insulto como arma ordi-
naria do cname parlamentar, e que nao hesitara
cm recorrer ella nos momentos de aparte; es-
tes constituem a especie mais perniciosa.
No senado paseo j o vol e sacas por cande
codos no Jornal do Commercio sob titulo 1 brada. apresenlando um ngulo no meo.-Iudef-
.VonarcAia e Democracia como em resposta I ferio-se o
ao folhelo da Baha. E' um escripto digno dc ser |
lido, j pelas verdade
pelo bellissimo
com que deduzidc
condices das publicaes do mprens: agrada I uva do hospital porluguez e Francisoo Mariins
e .convence. ... Kopozo, requerido poro fazer muro em as suas
As noticias do Rio da Prala nao deisom dc ler propriedades nos mencionados lugares, prccimva
algum interesse, c escuso refcn-las por miudo que a cmara delerniinasse, se deve elle ai.re-
potque os jornaes de hojo fazem menco de to- sentar um trabalho este respeito, ou Gcar isto
dos ellas; o nossa poltica ali e que contina a corgo da reparlico da capitana do porto, aqnern
ser cada vez mais obscura. ; cuube a inspeceo sobre os costas e ros nove-
O senado oceupa-se agora da discussao dc um gaveis.-Resolveu'-se queso ofliciasse ao rapito
projcclo de le importante, que lera chamado a do porto, pedindo-lhe copia d'olgutn trabalho qno
terreno os mais nolaveis jurisconsultos do cama-! por ventura houvesse na sua reparlico a este
ra alia. Chamo a sua allenco sobre ella
cora islo termino o que tenho a dizer hoje.
DIARIO DE PERNAMBUCO
Recebemos pelo vapor Cruzeiro do Sul, jornaes
do Rio at 7 e de Alagos al 12 do eorrenle, fal-
londo-nos os da Bahia.
Alm do que vai transcripto em oulro lugar,
eis o que dentis encontramos na llleraluru dos
jornaes:
Espirito Santo.\ projajeia gozava de perfei-
ta paz, ocliando-se lodsM pulacao na expecta-
tiva dos ocios do Exm. sWlr. Antonio Alvea de
Souza Carvalho, ^e havia tomado posse da pre-
sidencia no dia Zt-do passado.
Alagos. Depois de tres sesscs preparatorias,
foi installada com as solemnidades do coslume
IondoS. Exc. o Sr. presidente da provincia o seu'
relotorio, a assemblea legislativa provincial.
L-so no Diario das Alagos :
a Sabbado i noile (2), a convite do Exm. Sr.
presidente da provincia, reunrara-se em palacio
os senderes deputados em numero de 19.
S. Exc. cora a ailabiliAade e cortezia, que
Ihe propria, expz as vanlagens da harmo
entro os doBOBoderos; e, nesse presupp
ainda umnrifl BpOS resenhas dos principi
Ihe lem de Wde bussola na administra
com tal franqueza se enuunciou, que, de corto,
devem estar por ahi muilo desalentadas, loucos
esperancas, que so inspiravatn no intuito de ani-
mar as rareadas fileiras de um cerlo exercilo des-
baratado, que leimoso insiste em nao reconbecer,
que a provincia nao ser conquista sua.
S. Etc. enrgicamente protesten contra es-
peculares, que procurara fazer crr que trouxe
elle a missao de levantar prodominio de quem
quer que teja,familia ou partido ;reconhecen-
do, que todos teem direito s vanlagens e gozos
sociaes, nao pode deixar de reconhocer tambem
quo os cargos pblicos nao poden deixar de ser
o apanagio dos boraens de bem, exclusivamente
dellcs; neo m ndo, peante ogoverno, razo para
ser deapojado do cargo o cidodao, qoe o exeree
bem. s i^la circamatancU de nao ser de urna
corla cor poli tica. 9
fia relat.o tfMta oMeral 8. Bxc. alo
respeilo.
O Sr. Borros Reg aprcscnloii o seu parecer,
sustentando a alterare tillimamenie feta dos
] dislrictos de paz da freguezia do Poco da Panella,
contra a qual representoram presidencia dez
| moradores.da mesma f-eguezia ; foi approvado o
parecer, e no sentido delle se mundou informar
ao governo da provincia.
Sendo lida urna policio do lente coronel Jus-
tino Pereira de Parias, replicando ao despacho da
cmara, que Ihe exigi o titulo do terreno de ma-
rinha, na ra da Palma, portencente seus lulo-
lados, onde pretende o stipplicanto edificar, a
cmara resolveu olleiar ao segundo lente cn-
carregado da medicao do terreno de raarinha, pe-
dlndo-jandeclorasse se o em queslo com c-
feilo dsflptritido, se paga foro a fozenda, ou
quera. ^
Despacharam-se as peli;csde Aristides Du,-r-
te Caineiro da Cunda Gama, Francisco Elias Fer-
reira, F. M. Dupral. Joo Cavalcanti do Albu-
querque lins. Joo Jos Fernandes de Carvalho,
Joo Pereira Franco. Joo Jos de Albuquerque,
Manoel Andr Botcldo, Miguel Archanjo de Fi-
gueiredo, Manoel Bernardino da Silva Sorra, Ma-
noel Paulo de Albuquerque, Marcelino Jos Lo-
pes, Manoel Romo Correia de Araujo, Heis & Go-
mes ; e leyantou-se a sesteo.
Eu Manoel Ferreira Accioli, secretario a escre-
vi.Reg e Albuquerque presidente.Franca,
R>go, Barata de Almeida, Oliveira, Gameiro. "
REVISTA DIARIA-
Havendo desabado o gradil de um dos lados da
pontesinha do Rosarinho, j ha alguns das, e-
noo leudo sido reparado eese estrago, pois qno
essa peca acha-se enterrada na lama, lembramos
a quem competir que mande fazer c-sse concert.
esta urna cousa qoe pouco devendo cust.ir,
occorre que muito importa no entretanto ao
transito publico, que vira a ter partlysado ou
sensivelmente difficaltado con o coutinuaco
da daminificaco assim comecadj.
O respeito qoe os outros nos devora tec
per antecedente o dar-nos nos a respeito pela
pratica de acces, qrrelhes impunham essa obti-
gaeie. Ora, si oelo contrario nos abandaMia-
i, &ftiK de oa condueo nonetta nos i
IMIITII Ano



D! A RO DE PERWABWJCO. QUISTA fEIRA 1.4 DE JUNHO DE 1860.
dar, nao polemos exigir o que de nos repellimos
por arlo* de nolavel desconveniencia.
Nesta siluagSo acha-se urna pessoa, que mora
na ra Real, e que sendo casada, desee contes-
tages e a insultos que mal ossenlam ero sua
condigao, incOmmodando por tal arte aos visi-
Iios, alguns dos quaes tem-lhe guardado dffe-
rencia por seressa pessoa prenla doproprielario
das casas, de que sao ellos inquilinos.
Consignamos estas linhas, que nos foram Irans
niittidas, comoem admoeslago 4 essa pessoa,
de cuja discripeo esperamos urna tnienda dos
actos reprovaduso indignos de si, que ha prali-
cado para com oulros,
Di villa do Cabo rcmeltcm-nos a seguinle
noticia, cuja materia infame nao lem classiilca-
c.io ; e damos-lhe publicldado para ver so na
conlinuago de semelhanle pravidade para o res-
flectivo autor, cujo nome anda velamos no si-
endo por considerado de que elle nao cre-
dor, anezar de ser esse nomo asss conhecido
aquella villa.
No entretanto nao podemos deixar de pedir a
sua exonerarao do lugar, que all lem no func-
ionalismo municipal: visto quo ueste nao deve
existir seno pessoas mcralsdas, e nao quem
abusa do que lia de mais melindroso e que lodo
respeito merece : a innocencia da infancia,
Srt. redactores da Revista.Rogo-lhe o fa-
vor de inserir em sua Revista um escndalo dos
escndalos, que agora se descobrio nesla villa,
platicado por......, funecionario da.......o nego-
cime eslabelecdocom loja de....
Tem esse senhor porcoslume reunir em sua
loja meninos e merinas de lenra idade para fins
lidibnosos. A dopravago lem chegado ao pon-
to delle abusar do puior infantil al de cranla
de ojio metes I Mas felizmente at o prsen-
le nao ha apparecido defioragao, devido lalvez
motivos imprevistos.
<; O Sr. capillo delegado, lendo sciencii des-
sos fados, por qucixa de um pai de familio, que
por cordato s quer a vinganca legal, e nao
violenta, reprehondeu enrgica e pessonlmenle
a esse Iioiii.mii de quem parece oTuscou-se a ra-
cionalidadc.
Consta-nos por pessoa lidedrnaque o va-
por frailee! La Guyenne.foi portador de una ri-
ca capa ilo Asperge prosete de S, M. o Impsra-
do- dos Francezes aos Rvms. padres capuchinhos
da Ponha, semelhanleem riqueza e bem acaba-
do de Irabalho casla queja havia sido enviada
pelo mesmo augusto senhor a esses religiosos, a
instancias do Sr. cnsul francez nesta cidade
oSt. visconde de l.emcnt, em signal de grali-
dio pelo Te-Deum que se cosluma fazer naqupl-
le convento em o dia 13 de agosto de rada au-
no. I.ouvores, pois, a esse cavalleiro que, alui
de seu cavallcirismo e urbaniJade, posse em
grao subido a gratid.o eo amor nossa religiao,
Por aviso do ministerio da justica expedido
cm23 do maio ultimo, foi mandado exoiular a
sen'enca de morlo profer la pelo jury dcsta ci-
dale contra o prelo eacravo Francisco, conheci-
do vulgarmente pelo nome de Bernardo, o qual
ossassiuara brbaramente a seu senhor em Veu-
das Grandes no anuo de 1858.
As pedias submarinas denominidas Carac
Pe sol e aquella dn norte da illia de Santa Calha-
iina, 'jeham-se de presento balisadas.
Estas bausas sao duas boias do madeira de
forma cnica, truncada e forradas do zneo. A
parto submergiita c piulada de branco, o a fluc-
luanle do encarnado, medindn essa 1S polegadas
de altura contadas das liuhas de flocluaoao.
A boia do sol acha-se collocada em quatro
bragas d'agua e distante sois dilas do esclito.
E' vista a olho n da distancia de dous milhas,
podondo-se passar sem perico a E c a O delta.
A outra do norte est fondeada em dez e meio
palmo3 no baixa-mar d'aguas vivas, serrindo
para guiar o navegante que demandar bor-
dejando o porto da referida cidade.
Esta providencia praltcada polo governo impe-
rial, c de s irnm.-i importancia para a navegando
das barras de Santa Calharina e do Rio Grande
do Sol, que ftca lirce desse bice por lal forma
Foram recoUiirios a casa do delng<> no
dia 12do crrenle 17 homens, sendo 13 livres e
4 escravos, a saber : a ordem do l)r chefe de
policia 10, do Ur.juiz especial docomniercio 1,
do subdelegado do Recite 2 e do da Boa-Visla 4.
Passageiros do vapor nacional Cruzeiro do
Sul, entrado dos portes do sul:Alferes Ho-
racio de Gusmo Cootho, Antonio Francisco da
Silva, Franco de Souza Almcida, Francisco Xa-
vier Pereira de Brilo, Augusto Carlos de Amo-
riro, lente Claudio Marques de Souza, Anto-
nio Pinheiro da Palma, segundo lente Henri-
que do C. e Mello, Francisco D. Fcnrihur, S.
Iscllo, D. Carlota Quelles e 2 lilhos, Antonio
Francisco de S. M. Jnior, Antonio di C. Ha-
chado Jnior, Antonio Jos Lopes, Gabriel ft
da Cmara, sua senhnra a 3 escravos, Dcocle
ciano da R. Vieira, Guilherme A. Ricardo, Do-
mingos A. Malheus, Dr. Flix Moreno Brando,
Soriano Bandoha de Mullo, Jos Antonio do
Arante, Joaquim de Araujn Maia, Flix Pereira
de Souza. Antonio Theodoro de Almcida, Ma-
jante, mandatarios, complico* de ussassinaio
do infeliz AHcs Branco, e instaurar o processo
conln elles.
O desojo do prestar um sorvico ao" seu paiz, e
atlenges para com o chefe de policia, levaram o
Dr. Lucena a dcixar os comroodos, que lhe pro-
porciona a fortuna que possue, e seguir para lao
ardua e arriscada commissao.
Apenas chegado ao termo de Ouricury, sem
mesmo descansar das (digas de penosa riagem,
que fizera no rigor da seca, den principio as dili-
gencias necessarias para o descobrimenlo das
provas do crime, e para a captura dos deli-
quentes.
E lao acertadas foram as suas pesquizas, que
logrou apossar-sc de documentos emporlanlssi-
mo, c conhecer peifeitamente o mandante ecum-
pliccs do assassinalo.
Cartas escripias pelo tenente-coroncl Alvaro
Granjaa diversas pessoas dennnciavam alguns
merobros de sua familia como parlicipantes do
crime.
Alvaro concordara com certas e determinadas
pessoas lavar com o sangue, e por um modo que
tornasse bem patente o sej podero naquelle ter-
mo, a affronta, que, diza*llie. haver feito o infe-
liz Alves Branco.
Com a Ici na mao nao trepiden o Dr. Lucena
ante consideraban alguma : varejou as casas que
julgou conveniente varejar para o fim de prender
os criminosos: procedeu aos inquietos precisos
para descobrimenlo da verdade : aprehenden car-
tas, que sarvem de prova contra os delincuen-
tes ; fez logo recolher a cadeia oscumplices, que
foi possivel encontrar; finalmeute mostrou aos
allerrados habitantes de Ouricury que o imperio
da lei eslava reslabeleeido com a igualdade re-
commen dada pela consliluicau.
Nao foram as prizes dos cumpliecs de Alvaro
Granja que despertavam asirs dos prenles des-
ses cumplices, foi stm a igualdade da lei, que
tanto os molestou.
O Dr, Lucena devia seguir os cstylos do Scrlao
e nao a le. Urna casa particular, e nao a ca-
deia publica, deveriasera prisao dos cmplices
de Alvaro, porque deshonravam-se recolhendo-se
6 prisao publica, onde se recolhera lodos sem
dislincco
O Dr. Lucena nao poda, sob pena de responsv
bilidade, man tai recolher a sogra do Sr. Lucio
Jos de Siqueira Campos, a outra prisao, que nao
03se a cadoia publica, onde a sua guarda se fa-
ria com mais seguranza. A exigencia dos p-
renles dessa senhorj, cuja sorlo lastimamos sin-
ceramente, nao tem fuudamenlo na lei para o
que requereram.
A senhora I), lzabel estove na sala livre da
cadoia,aonde se permitto teruma criada,al odia
14 de marco em que por medida de seguranca,
sem duvda a mandn recolher um quarto da
mesnia salla, assim como passar os oulros presos
para prisdes seguras.
Nao somos nos quem inventamos esta historia-
foi o proprio Sr. Lucio, quem na petioao quo di-
rigi ao Exm. presidente da provincia consig-
nen este faci.
O Sr Lucio diz que cinco dias depois da chegada
do Lucena, no dia 19 de abril, foi novamente cer-
cada a casa de 1). I/.abel, sendo ella presa e dous
lilhos, sendo que apesar das reclamaciies que o
suppLcanle, e outras pc a respeito do mao estado da stude desla senhora
[que entdo eslava atacada de astuta), pedindo-lhc
pelo menos qudense urna priso commoda esta
senhora, aonde podesse ella ser soccorrida com
remedios, mandn ret:ollie-la a cadeia.
Qual a lei quo auloiisa o delegado conservar
urna pessoa indicada em crime iiialiancavel, em
outra prisao, que nao a cadeia publica, salvo
aquella pessoa, que gosi de previlegios para ler
prisao militar ?
Que a Sra. D. lzabel esleve na sala lvre at o
dia 14 do maio, lendo una criada paro a servir,
o proprio Sr. Lucio quem o diz no seu citado
requcrmenlo, e o diz nos segnintes termo*:
/linda mais, continuo a prender a torio e
adireito outras pessoas pacificas, que linham
mais ou menas relarao com o lenente-coronel
Alvaro, sendo um deseus actos de vinganca [n-
tese bem) o metler a meia noite di dia 14! (Nao
pode ser seno 14 de maio, por no da 14 de
abril chegnn o Dr. Lucena Ouricury) tima for-
ra dentro da cadeia e passar lodos os presos para
a enxovia, pessoas respeilaveis. e tirar a dita D.
Isabel da salla livre em que eslava, para um
quarto que fica no interior da casa, quarto escu-
ro, immundo, nao consenlindo urna sua criada
paraservi-la, epondo-a incommnnicavel.
Permitta-nos o Sr. Lucio quo lhe facames e
respeito deste trecho duas pergunlas: "l Qual
o motivo que leve o Dr. Lucena para tomar essa
vinganca. de que falla sua merco, pois nao cons'
ta que elle soja carente do assassinado, e menos
que lenha recebido offensas da Sra. I). lzabel e
do seus (llhus e prente ? 2o Nao se podera com
criterio, e fondada ra"zao concluir do acto do Dr.
Lucena mandar a meia noite por os presos em
fl
cen l familia do aliono assigoadu, e pelas qoaes
Iha (orre o deverde ludo empeahar, de ludosa-
rifuar.
Tambcm ligado a esse partido que em das de
calanidado se congregou para levantar sobre es
destneos da desordem e da anarchia a ordem ca-
par, fundando no paiz o rgimen da lei, e o res-
peiic; as autoridades, sem o oue nenhuma a ga-
rant) social, tende compronellido nesses dias de
tuto luanlo podia comprometter, sacrificado a
prop a vida no campo dos .combates, era outras
prel ncoes mais que as da paz para rrotf tranquil-
lo o's (rucios do proprio irabalho, o representan-
te iio conceba nem concebe, que anda hoje a
reacio se considere um vulcio elarno c sempre
em cliammas para com suas lavas arruinar o paiz
e de: truir a obra da orgmisa tatUcs patriotas se empenharnm, excitados por
uma justa vene.raco dos principios constitutivos
e orf aicos, em que se asseula o (acto dos Bra-
sileos com o seu governo.
Solios Brasileiros, temos leis, e qualquer que
seja i ordem dos Tactos censuraveis, ou puniris
xus, o que s leve qaerer a pumyao Jos cricMiiu-
os, a repressao dos crimes.
Como fiea dito, o actual delegado do Ouricu-
ry sahio do Recife trazendo n'algbeira urna lista
do suspeilos, e tenda s em vista aofiplanlar pelo
terror como soem pralcar todas as almas (tacas,
e mal intencionadas, e sem proceder formacao
da culpa, fui prendendo a quanlos instinclo "fe-
roz do perverso vgario Pranc.sco Pedro, julgou
necessarie para esUbelecer a seo predominio no
Ouricurv, e assim vimos recolher antecipadamen-
le cada ridadaos respeilaveis, e que offercee-
ram semore garantas sociedade, da qual teem
sido sempre esleios, entre elles Jos Severo Gran-
ja, que tora coronel da guarda nado-nal edepu-
tado provincial varias vezes, sendo proprielaro',
o lavrador abastado, o chefo de numerosa fa-
milia.
De envolla rom esses cidad.ios se acharam duas
veneraveis matronas, urna viuva do coronel Pa-
cifico Lopes de Siqueira, a dous filhos desles an-
da menores
. o outra esposado cdadaojoao Bra
, sileiro Granja, preso com seu sogro Jos Severo
os uentes da atiloridade nao podem sahir dos : Granja, asmente por que essa senhora se quei-
.mit s proscriptos, h pois contra abusos de au ; xara contra as violencias prajicadas pelo referido
torid ide pralicados no Ouricury pelo delegado H. j delegado.
Pereira de Lucena que vern o representante repre- Sendo o fado publico, c no estado em que se
sentar. E abuso da autoridade todas as vezes que acha o tormo de Ouricury nao haviudo razio para
uro lunccionorio publico franquoia o limite dos | demorara forraaco da culpa, que nos termos do
podeiesque lhe tem sido conferidos pela lei, art. 131 146. deve ser feita com as providen-
quer desconhecendo, quer ullrapassando suas cas e celerldade nolles indicados, o delegado a
prese "Ptoes, como diz o Sr. Paillel. A interven- I prolela, negando assim aos que cstao presos jus-
?ao d>s cidadaos conlra os abusos da autordade ii>;a, e opprimindo-os na cadea por mais lomeo
nao e conquista, ou concessao moderna, nem Qlha do que ancr a lei ; c a razao para poler pelo
daciwlisaco de hoje, um direito natural re-
conlucido por todos os povos da antiguidade, e
pracado com urna regnlaridade exemplsr na
Greci i e em Roma ; essa iutervenco dore serre-
cebid i e acatad, pelos poderes superiores, allin
de qu j se nao julguem os cidadaos trazidos ao ro-
gimci
zos d-i
chegalos ao ponto em que sedevam cntreajudar
para i conquista de seus foros e libcrdades.
Foi no Ouricury assassinado um funecionario
da orJem judiciaria, que era ao mesmo lempo
comn andante ou agente da forca publica, aecu-
mula :ao. que nos recorda o amigo rgimen, que
nos expoe a lodos os males delle, sem nos dar
urna *j do suas garantios ; justo que os verda-
deiro i dolinquentes sejam reennhecidos e julga-
dos pira screm punidos, ou inocentados nos ter-
mos ilo nossa cdigo criminal. Pode jamis a
autor dale conseguir o fim benfico da lei, quan-
do se faz instrumento ceg de paixes olheias, e
dessa i paixes recebe urna lista de suspetos, que '
deve tazer victimas ? Nao, por certo. Um alfe- !
res d'i exercilo, que estara com o infeliz capitn ; ranea individual tHo
Domi igos Alves Branco Moni/. Brrelo, quo alli delegado Lacena' diz :
noOiricury tora miseramente assassinado, lao
covaidecomo analphabelo, se presin subscrc-
ver um libello famoso, que lhe apresentou o vi-
gario Francisco Pedro, homein alrabilario e ni-
co m ilor das desc'raeas do O rico ry, o nesse li-
bello famoso foram comprehendidos homens,
mnlh'res e meninos, orphiios e viuvas, ludo no
inten sse do exterminar una familia e lodos os
araigis e adhcrenles dessa familia, e por esse
libelh que se dirige o actual delegado Henrique
Pereira de Lucena para pralcar alleiitados, que a
razao recusa admiitir as er.-s de hoje.
Toado planlido alli o rgimen do terror, mas
trem ndo de sua obra, o delegado nfio enconlra
mais paradoiro a seos desatinos, desatinos para
os quies se preparava desde que sahio da capital,
pratiando por lodo o cair.inho porque pass.iu
inane itas violencfas, ten Jo a fraqueza de declarar
que i razia caria branca para pralcar o que lhe
appnuvesse; mas ao mesmo lempo para tirar de
si a r^sponsabilidade de snasdesordens, declara-
ra a oilos com quem conversava trazer una lis-
la de proscriptos para prender, confessindo as-!
sim, que nao vinha como urna autordade pru-
dente cxaniinare verificar os facles para ter lu-
gar a punico dos delinquemos ; mas como um
insln monto para trocidar victimas ja designadas
como propiiamenle um pedestre o quem se in-
cumbe a fonerjo material de prender individuo
certo e determinado.
li das essas indiscricoes eramlevadas a maior u
abjec;ao, tjuanlo inquria'se o regarlo Francisco |e
ciJaoaoj laiiili'tm nao se poUem julnar seguros;
e no moio da c.itaslrophe geral nao pode tfciseY-
esmorecedor salvt-s
do
de o'ivr-sc o bra.do
qufrnpoder. Eis oque o derer como cidarfao.
so o oreo
'er, Eis oq
como membro da familia
que esl sendo rcli-
4 d- balaios. perfumaras, (azendas de algo-
iS.o: a-Mooel S C.
8. olas clcalos e carios vastos: a Desl-
bbaiJRi
la/cajcados ; a Cals Irmos.
pendiada o tramiisada, e como amigo dos gni> Jila tazendas'e objclos p
sorem.'julguei prudente levar ao conhecimonto a C'Saumer
ara chapeos do sol;
ao, saumer.
rlrL a S T1" SC Va.1JUS,,?,> sem pros" il3 e instrumentos de msica ; a II.
crerer, e ultrajar nina familia numerosa, que Domont
nao pode responder ante a le pelos delictos de! 2 ditas tiios e
um deseus membros. Esse calculo perrerso da
intriga, e do mau conselho tende a innocenlar
os delnquentes, pois que lodos so prestarao a
salvar, o em resultado so o governo perder,
alienando de si servidores que sempre o ser-
virn) com zelo e dedicaco
O represntame confiado na Ilustrado e in-
tegridade do V. Exe. espera que as cousas se
reponham nos seus divdos lugares, sem prejui-
zo do de3aggravo. que a sociedade reclama pelo
homicidio do um de seos membros.
Villa de Flores 12 de maio de 1860.
O capito Joo Baplista Alhayde Siqueira.
Alfandega.
Rendimento do da 1 a 12. .
dem do dia 13......
terror alcancar testemunhas e meios, allra de
conseguir-se a obra da perdido de urna familia
inleira.
Este proceder contrario i Constituido do Esta-
do, art 179 8, e aos arls. 131 e 17 do cod. do
proc. crim., que o delegado Lucena n5o pode
absoluto, onde lao (requemes sao os abo- ignorar, o torna criminoso c ineurso as penas
autoridade, e assim nao so considerara ; do art. 129 g 6 do cod. crirn.
Anda nao pode Lucena ignorar, que a pena
nao pode passar da pessoa do delinoucnte, art.
1711 S 20 da const. ; e quandu estende a re I",
quo fabricara o vigario Francisco P/idro, pira
apanhar, e comprometter urna familia inleira,
nao o pdenlo faz^r de boaf, se submetlc a dis-
posido do art. 129 2 do mesmo cdigo cri-
minal.
E no seu empenho de aterrar aquolle poro se
nao excede somente prendendo pessoas vene-
raveis anies do culpa formada, pois que prende
al os escravos, esom o menor (iiodamonto; sol-
lando-os immcdiatamenle, somonte pela ridicula
vaidade de ostentar sua omnipotencia Jt
O Sr. Benjamn Constan!, a rnpeito da segu-
viuloda no Ouricury pelo
a Ijhtrdade individual,
o primeiro dos bens ; o fm de toda a associaro
humana ; sem ella .90 ha paz, nem dignidde,
nem felicidade.
De nada serve os conselhos da sahedoria, re-
ennhecidos pelo nosso legislador, que os consig-
na facultando, nas nao ordenando a prisao antes
de culpa Jormada.
E como se ludo isso nada tora, emprega conlra
os presos, violencias, que nao so podem mais
praticar.fi que sao contrarias as leis.
O coronel Jos Severo Granja, e son gonro, eo
professor publico de instrnc&o primaria estao na
euxuvia da cada, lugar immunln, eso destinado
nos verdadeiros sicarios contra o disposio no art.
17!) i 21 da constituido, c arl. 148 e 149 do re-
gulemenlo de 31 de janeiw de 1812, e se acham
iicommiiiiicaveis, c rom tal violencia, que lhe I
sao examinados lodos os objeclOS, que vao para
seu uso, e at 3 louca da comida e sao estas vio- '
lencias previstas no" artigo li do cdigo cri-
il)Ti;rl. ,
Da parte de um funecionario ou agente qual- !
quer lendo a sua disposicao a forca publica, os i
rigores imitis para com pessoa de um cidadao ]
c.oiistituem um dos mais graves abusos da auto- i
ridade.
Essas violencias contra, que reprsenla o abai-
so assignado,essas prisdes antes de culpa forma-
da contra cidadaos da maior excepcao e que sem-
pre deram garantas a sociedade sio condemna-
dos pelo direito criminal da nado maisselvagem.
114:707*764
11.867*167
126.574931
Volumes saludos com fazendas
> com gneros
Mnvlinentn da alfanilegra
Votumes entra ios cora (azendas 30
com goueros 1,658
------1,688
90
146
------236
Descarregam hje 14 de junho.
Barca franceza Adelefazendas.
Barca porluguezaVencedora diversos gneros
Barca ingieza Uraniafazendas.
Brigue inglezRunnyraedehacalho.
Brigue inglezTitaniabacalhio.
Brigue americano Brandy-wine farnha de
trigo.
Escuna hollandozaMonnia r.idamfazendas.
Importaban.
Brigue inglez Runnymel. viudo de Terra No-
va, consignado a James Crablree & C manifas-
lou o seguinlo :
2,500 barricas bacslliSo ; aos mesmos.
Vapor nacional Cruzairo do Sul, rindo do
sul, manifostou o soguinle :
1 cnixa ; a Almeida Gomes Alves & C.
15 rolos; a J. Marcelino da Rosa.
15 dilos ; a Rosa limaos.
1 volme ; a Caetauo Pinto de Veras.
1 dito ; ao E\m. presidente.
1 dito ; Amorim & IrmSos;
1 ilito : a Octaviano de Souza Franca,
a Jos Ferrelra Vella. *
a Josepha Francisca Pinto Reg,
a .Mmoel Ignacio de Olivera & Filhos.
a David Ferreira Balihur.
a J. Baplista de Caslro e Silva
a Dinamerico Augus'o de Rogo Rangel
ao desembargador Agoslnho E de
1 dito,
dilo;
dito ;
dilo ;
dito ;
dito ;
dilo;
Lea o.
1 dilo ;
1 dilo :
1 dito ;
1 dito ;
1 ca (ole
1 pacote
s t marroquins ; a Lcclcre.
6 dilas papel; a ~^%. oa Rosa.
4 ditas lrros e encerados; a Stahls & C.
1 dita calcados; a A. dos Sontos Porto.
3 ditas bichas; a Adour & C.
1 dita peitos de carnizas ; a J. J, da Silva Go-
mes.
3 ditas perfumaras; a Cmara Guimares.
9 roturaos drogas, medicamentos e vidrus; a
Joao Soun & C.
10 ditos dilas e ditos; a Berthotomcu Fran-
cisco de Souza.
1 caixa fazendas de lia ; a Barroca & Me-
deiros.
4 dilas chapeos e figuras ; a Ferreira & Araujn.
10 barra e 30 meios mamaiga ; a J. de >
LeitairJunicr.
7 voluntes figuras de eslanho, sapatos, burras
| de ferro, requfes, livros, mairoquius, etc.; a M.
Lopes & C.
2 caixas vinho, 4 dilas licores ; a Ling Pemil
& C.
1 dila livros; Guimaraesdt Olivera.
5 volumes panel, trastes e livros; a A. Gomes
Alvos &C.
1 caixa modas; a Campos & Lima.
5 caixas chapeos, carnizas e roupa '. a J. Fal-
que.
1 dita vidros, 4 ditas biscoitos; a Valentina &
Boussel.
15 dias dupo?. ditos do feltro, ditos de seJa ;
a Lhnsliani & Irmto.
1 caixa lustres; a II. J. Ramos e Silva.
4 ditas nnnleiga em fiascos ; a Sodr & C.
3 caixas perfumaras, 2 barris vinho, 1 dilo
cognac ; a E. Lecomte.
6 volumese 1 caixa vidros, xarnpes c medica-
mentos ; a J. Almeida Pinto.
2 caixas conservas. 3 barris vinho ; a P. Pcoch.
4 caixas fazendas de la.de olgodao, scdi, ele.
a C. J. Astley & C.
1 dila o 2 volumes fazendas de seda e algodao;
a G. Kalkiuann.
'J caixas calcados; a Rabe Schametlau.
3 ditas calcados, modas e roupas ; a Antonio-
F. Pereira.
2 ditas crisiaes; a Teixein Bastos
2 caixas calcados o chapeos, 5 barris vinho;
a E. Laurence.
1 fardo fazenda de laa ; a Brander a Brands.
20o barris e oO meios maiitega,2 caixas cal-
cados ; a Johnslon Pal^r & C.
10 caixas licores, 15 .lilis cognac, 9 dilas amei-
xas e ervilhas, 12 volumes couros, crisiaes, cha-
rutos, fumo e medicamentos ; a J. da Silva f.
25 barra e 25 meios manieza ; a Antonio Go-
me* Rodrigues.
2f caixas amoixas, 4 dit*ri 14 volums fitas
de seda, obras de ferro, alllneles. bcos, chapeos.
calcados bouels, e merceaiia : a Ainaial Alus
&C
5 Ricos champanhc ; a Saiindcr^-Brvllurs
&C.
a Roslron Bunker & C.
a Domingos da Silva Pereira Jnior,
a Barlliolomeu Francisco de Souza.
a Vello/o & Lins.
a Allinio Rodrigues Pinienta.
a Jos Joaquim Soares.
.
em
o se-
1 dilo ; a Arisli les Jos de l.eao.
1 caixote; a Antonio Gnngalvea Grvala.
1 pacote : a J. Ryder & c".
'_}A barca franceza Adelle. rinda do Havre, con-
signada a Tysset Freres & C, manifeslou o se-
guinle :
80 barris c 80 meios manteiga,38 caixas quei-
jos, 30 ditas sardinhas, 2 dttas ervilhas, 100 di-
tas relias, 2 dila? e 20 volumes conservas, por-
celana, chapeo, jogos, roupa, papel e ferragens,
5 fardos feno ; aos consignatarios.
ll) caixas relia* steannas, 30 ditas champa-
nhc, 19 caixas e 2 fardo? fazendas de*algod.io, de
15a, chales, fitas de seda, etc.; a Schapheitim
4C.
15 caixas champanhe, 19 ditas e 1 barril vinho,
9 caixas e 6 volumes fazendas de algodao, do se-
da, de 15a, calcados, chapeos, etc.: a Kalkmann
20 ditos dita, 1 caixa livros ; a ordem.
100 barra e 100 meios manleiga, W caixas
sardinhas, 26 ditas fazendas de algtdao, chapeos
de sol, raleados, meneara c trastes ; a N. O.
Beber & C.
30 gigos champanhe ; a SouthaU Mellors & C.
30 caixas e 21 volumps fazeintas de algd.io.
de seda, de laa e mixtas, chapeos de sol. Objecin
para dilos, bonets e 1 barril da vinho ; a Linjem
Wild & C.
CoilS!l!:i-.Ii
Rendimento do Jia 1 a 12.
dem do da 13. .
gcral.
11:<3fb3!W
4509C6
12.-2815256
- embrutecida, que tem a Europa,
ledr. linha no Ouricury populandide, deuun- O cdigo penal da Turqua promulgado
eiandi assim suas vistas de conquista eleitoral maio de 18S0 expoe no seu artisso 12
com ibuso da autoridade, que se lhe confiara. I uinte
De xomos porm as inconsideracoea do bacha- ; ,< No ser jamis permiliido a pessoa alguma
re lanm Pereira de Lucena no seu trajelo castigar algum dos seus subordinados sem um
da capital para o Ouricury, o nos oceupemos so- 6xame antecipado de sua conducta.
meut de seu procedtmento, Basla norcm ao oe|egJldo do n.ircurv sua lisia & C.
il .era propalado quo lorsin matadores do ca- de suspeilos para prender, e affiigir com inandi- 3 caixas o 6 volumes fazendas de algodao. de
dmduos por maulo ljs violencias os que nella so acham incluidos, laa. do seda, camisas, cornos, objectos de botica,
prolelnndo a inslrui;o do processo contra o dis- j biscoitos, ferragens. etc. ; a D P. Wild 4 C.
un3tq,noart. 148 do cdigo respectivo e decreto 58 barris e 58 meios manleiga, 2 ditos aguar-
de 2 d"" maio de 1859. i denle, 3 gigos cerr ja, 6 caixas e 8 volumes fa-
E ara comummaro abuso da autordade esse! zondas de algodao, de linho, de laa, modas, ral-
olegrido do Ouricury, estribado na carta branca cados c objectos para chapeos de sol; a Joao
Diversa* provincias.
Rfiidimenlo do da 1 a 12. .
dem do dia 13......
69J09O
2:fMff&t
do le lente-coronal Alvaro Granja ; o oropno al -
feres que assignou o libello f uoso do vigario
Francisco Pedro contou em Villa Bella o con Hie-
lo qu)dera lugar a l tnfeli'. Alvos Branco eulo<|uecera ultrajando de
mododescocncncinalum ciJucT'o respelavel e diz-
df
que iffirma ter do governo provincial para ludo
fazor, pajji lodo alropclar, tem violado o segrelo
das caria", zombando nao s do disposto no
_ art.
Ii9 27 da coustituicao como do arl. 215 a 218
ceico, Africano livre Julio Figueira, 5 senten-
ciados excluidos do exercilo, 1 escolta quo os
acoinpanhava, 1 desertor e 2cx-pracas.
Seguem para o norte :Dr. Marco Pereira de
Salles, Dr. Manocl D. de Araujn, sua senhora e
3 criados, capitao Henrique Frederico Benjamn,
sua senhora e 5 lilhos, cadete Francisco Carnci-
ro da Silva, ex-cadele Ignacio Jos de. Fa-
ria, Jos Joaquim Eslevao, 4 pracas e 3 ex-
pracas.
Passageiros do hiato nacional Sanio Ama-
ro, saludo para o Ass :Targino Jos Caval-
cant, Catlos Antonio de Aiaujo, Joo do Dos
Goncalves, Pedro Antonio Lino Pereira, Loiz
Francisco Teixeira de Souza, Joaquim Francisco
de Souza, Manocl Cardoso Falco, Manoel do O'
Pereira e Joaquim Antonio da Silva.
M.VTADOL'RO PUBLICO :
Mat3ram-se. no da 13 para o consumo desla
cidade 115 rezes.
-- MORTALIDADB DO DA 13 DO CORRATE :
Benigno, branco, 3 minos ; angina.
Jos, branco, 10 annos ; letaho.
Slaria, branca, 4 mezes ; congeslao cerebral.
SI.cria, prela, 1 anno ; convulsoes.
Jacinto Jos de Mello, branco, sollciro, 23 an-
nos ; hepatle.
Astolfo, branco. 4 mezes ; marasmo.
Slanoel, preto, 3 anuos; angina.
Harta, parda, 9 dias ; espasmo.
Dorolha, parda, 3 annos ; gaslrile aguda.
Francisco Venancio da Silva, pardo, casado, 4i
anuos; hydropesia.
Aneceto, pardo, sollero, 22 annos ; bexigas.
Francisco, branco, 15 mezes ; congeslao cere-
bral.
Benedicto Candido da Silva, pardo, sollciro, 22
anuos; brooquitc ebronica.
Januaria, preta, 7 annos; anazarca.
Ezcquiel, pardo, 1 anuo ; convulsoes.
Hospital de caridade. Existem 65 ho-
mens e 5i mulheres, naconaes; 5 homens es-
trangeiros, 1 escraro ', total 125.
Na totalidado dos doentes existem 39 alienados,
-sendo 31 mulheres e 8 homens.
Foram visitadas as enfermaras pelo cirurgiao
Pinto s 8 horas e 5 minutos da manhaa, pe-
lo Dr. Dornellas, s 8 horas da manhaa, e
pelo Dr. Firmo, s 5 1[2 horas da larde de
Jiontem.
III
Communicados
lio df veneragao qual o lenente-coronel Alvaro
seguranca, [, urna hora em que devia'cslar des-|Cranja ; esses ultrajes o enloqueceram tambera;
caneando das fadigas do da), que leve elle avzo ledall a nioitefoi um s conBicto, que nao dera .
de que alguma cousa se preparava (ora, e dentro '"8" nem a reilectir Alvaro, qu.anlo mais a con- do co ligo criminal interceptando na Villa Bella
1 sultai seus prenles e amigos. | por onde passou as cartas quo conduzia um cor-
auloridade contra os particulares reio do representante, e que eram enviadas a
ando o (unccionario entra i Ilegal- seus prenles residentes na.iuetle termo do Ouri-
Exc o presidente da provincia, demonstra bem o fnenti no seu domicilio; 2" quando lhe recusa cury.
Keller & C.
29 volines e
15 caixas (azendas de algodao.
Despachos de evportaco pola i
sa cln nansulado desta cidade ai
dia tn de junhn le 18GO
LiverpoolBarca Ingieza llermione:, Johnslon
Paier&t.. 15 saceos sssuca mascavado.
I.iverpollVapor inglez Tyne, Antonio L'j
dos Santos Rolim, 1 meia barrica caf
Canal Brigue inglez Dryad. S. Brothers 4
C. 400 saceos assucar mascavado.
Rio da PrataPatacho hanoverano Atlntico,
T. Freres. 11 1|2 pipas espirito.
chapeos de sol de dilo, ditos de palha, calcados,! Heceeauria de rendas iiitoruas
noel C. Lucio, Cassiano Alberto Pimenta, Manoel da prisao para a fuga dos presos? sultai seus pare
Eugenio Teixeira. Francisco Duarle das Noves, A linguagnm empregada pelo Sr. Lurio, que na O abuso da ai
rsula Mara de Jess, Gerlrudes Mara da Con- correspondencia, e quer na pelcao dirigida a S. jCOMUte : Io qua
estado pouco calmo dj espirito desle senhor, oc- j,istirl > 3" quando ussndo de violencias conln
casiouado pelo desgosto de que, com razo, deve j t'"e? 'c,.m motivo legitimo ; 4o quando viola o se-
marroquins, porcelana, crisiaes, etc. : a F. Sou
vage ;, C.
21 caixas, 19 volumes e 1 fardo, chapeos de
feltro, charutos, fitas, gales, obras de (erro, (a-!
zondas de linho, espingardas, calcados, quinqui-
llera, pertimaria, couro.s", roupa, canos de
geraes de Pernaiulmoo
Rendimento do dia 1 a 12. 11:83;CI6
dem do da 13.......1.12j".>72
12:9581618
Nao atiende o delegado imprudente a* lices chumbo, livros, fazendas de soda, marroquins,
estar pussuido, vendo a sua sogra envolvida era
processo.
Esse estado do sou espirito, no permille que
refticta, e reconheca, que o Dr. Lucena nao tem
feito mais de que "cumprir fielmente a lei. Na
mesma pelcao do Sr. Lucio est contida a defe-
za do Dr. Lucena.
Alm dos tactos da prisao de D. lzabel, reco-
ihimenlo della cadeia, o inlrguinhas eleitoracs,
nenhtim facto se allegou mais conlra o Dr. Lu-
cena. E' bem significativo que nao se locasse nos
factos que aulorizaram a prisao de D. lzabel.
seus filhos.
Accresce a ludo slo, que no termo do Ouricu-
ry existe um juiz de direito a quem incumbe
conceder habeas corpus, e providenciar sobre os
actos illegaes de delegarle. E porque nao lem
os solfrcm as oppresses e vingancas do delega-
do usado do remedio legal ? Si nao sao exem-
plas no assassinalo, se nenhnma prora existe
conlra elles, porque nao recorreram co juiz do
direito ?
Estas a contras consideracoos nos fazem crr
que apenas existe contra o' Dr. Lucena muita
somma de despeilo, e mulo rcssentimenlo pelo
acto de completa independencia, o rerdadoira
justica por elle pralicado.
Podamos ser mais longos, e addicionarmos
mais algumas reflexoes ; mas, no desfijando
augmentar a afflioQao ae afflicto, taremos ponto.
Recie, 11 de juuho de!80.
A. A.
gredi das cartas.
da historia, nem aos conselhos de escriplores're-
neraveis. O Sr Boceara diz : as violencias
etc.
4S
a J, P. Adour & C.
voluntes e 4 caixas modas.
Villa Bella, islo e, que o governo approrara lo-
das as violencias e despotismos qj0>.eUe prulicas-
se ; i que nao por meao de coerci, mas-por nio
estar era suas crticas que duiiaria da-a* pra-
lcar.
So permiltido sahir d**raias eo direilo nos
e casos do art. 170 S 3i da censtituico, e nos ter-
mos Jelle, e pois j.unis s*spodeH*lilicar o abu-
so dr autoridade que uii'ringe ludas as regras do
proc sso, todas as prescriffn*fl|as leis penaos
O i elegado Ilenrijue Pereira de Lucena ape-
nas chegado ao Ouricury, pepcedeu a buscas do-
miciliarias as casas dos prenles do tenente-
coroi el Alraro Granja a prelexto de aprehender
armamentos e descobrir correspondencias, como \ eos da anarqua, que
se o Ouricury eslivera em eslado de sitio ; e as- lar-se o mais arlendc
Correspondencias.
A Del execuQo do preceilo constitucionala
iei ser igual para todos, qur proteja, qur cas-
tigue hoje urna fonlo de desgostos para toja a
autoridade publica, que procura ser fiel ao ju-
ramento prestado.
A igualdade repugna aos homens de maneiri,
que o maior empenho de cada um delles dis-
tinguir-se, ou desigualar-se ; assim o disse o
conselheiro BjsIos
Quem ler com calma, e meditaco a corres
pondencia assignada pelo Sr. Lurio Jos de Si-
queira Campos, publicada neste Diario no dia 9
do andante mez.se convencer da verdade da pro-
posico cima enunciada.
O assassinalo pralicado em Ouricury na pessoa
do infeliz capitao Domingos Alves Branco Muniz
Brrelo, pedia prompias o. enrgicas providencias
da parte do governo do provincia, para que a jus-
tica publica fosse desagravada, 'azendo-se ehe-
gar a aceto da lei al o mandante de lao brbaro
assassinalo.
As aulhoridades locaes eram impotentes para
obrar ; cumprio, pois, enviar um delegado ex-
tranho, e inleiramenle independenle, para nao
recuar ante considerandos pessoaes, ante os amea-
cas_de quem quer que (osse.
asss intclligenle, enrgico, prudente, e de Ao
trato, (oi escolhido pelo presidente da provincia,
sob proposta do chele de policia, para ir em
commissao aqu lie termo, na qualidade de de-
legado de polica, promover a captura do man-
Srs. redactores.Volto ao sen Diario por ler
hardo Iroca nosnomes dos meus bemfeilnres os
Srs. Jos Manoel Baplista e Joo Licio Marques.
Approveilando o ensejo venho agradecer o
bom tratamenlo que hei recebido dos Srs. Dr.
Prxedes Gomes de Souza Pilanga. Rvmd Frei
Antonio de S. Anglica o Antonio Pinto Ozorio o
primeiro medico, o^aoundo regente e o terceiro
boticario do Hospitflkluguez.
Resta-me agora H Wporluguez que sou fa-
zer rolos pela consrvoco e prosperidade deste
Hospital ora bem dirigido pelo seu digno prove-
dor o honrado cavalheiro o Sr. Joao Pereira Ra-
bello Braga o mais os bons caracteres que for-
mam a junta administrativa deste anr.o.
Dos proleja sempre aquellos, quo teem con-
corrido para o incremento do Hospital e possa
elle, ler longa duragao para refugio e amparo dos
portugueses, que por ah jazcm na indigencia e
que agora bemdizem a creacao dcsta obra huma-
nitaria o Hospital l'erluguez de Beneficencia.
A intriga (oja e ceda o campo \a carida Je, se-
todos concordes na sua suglealaco e seja
[ium padro imroorredourqJB nevelc a ca-
"e dos fundadores c do3 pofl^Kzes que ha-
bitam as plagas pernambucanas.
Hospital Porluguez em Peruambuco 10 de ju-
nho do 1860. *
O numero 66
Jos Almeida 0. Campos.
pengoso ao quo delle se serve como ao que o
soffre.
E cortamente,
dado a ordem e
sim i sse funecionario lera violado o dever que
lhe f >ra imposto de estrictamente observar e fa-
zer obsejvar as leis.
0{ t^do art. 1T9 da consl. diz : lodo o cidadao
lem '.m sua casa um asylo inviolavel. De noite
Ex re. Sr., se nos que temos
a paz do imperio ludo quanlo
temo? podido dar, somos em um dia por um aclo
precipitado considerados como reprobos, e nao
s nos, mas at nossas mulhnros e nossos lilhos
menores, as viuvas e os orohaos dos nossos p-
renles e amigos, fazenio-so assim a cada um de
nos rcsponsavel pela eraprudencia o precipita-
gao do outro ; se mesmo o, imprudente tra-
tado como um vil sicario encanecido na pratica
do crime, e nao valera para nos as garantas que
a Ici d a todos os cidadaos ; so sob os destro-
eombaieraos, vemos sen-
despotismo ; se mogos de
ede d
casos.
ser franqueadas sua enirn
la maneira que a lei deter-
honlem, ridos deservirem para fazeren carrei-
ra e poico, imprudentes e presumpeosos sao
a patriotas, que nos dias do pergo
seu sangue, e ri-
antepostos
tomarm armas, derramaran!
ram cahir a seu lado os seus, e islo espontanea-
nao podera entrar n'ela sendo por sen consent- mente, para manterem o throno e a le, e ouzam
ment, ou para o defenderte incendio, ou inuj- pHrajar r.ossas mulheres o fi.lhos, c as viuvas e
i entra- lilhos dos
dac >
da ii ij
minar.
Es a disposicao nimia nao urna conquistados
temroMpoderns: no direito romano o I n Jontu
tico HV*-%m asylo sagrado : de domo fus tMn**'!''" niais arrojado e inslenlo despotismo, ese
eztrt-hi pottst ; Dig. L. 21 de injus pocando E rajUtem dias Je calamidade, o governo deve
Ciceio pro domo cap. 41 disse Quidest sanctius, so^ble contar cora sigo e com a forca da linha.
nossos amigos, companheros e pren-
les, e nao adiamos desoggravo anle V. Exc,
por certo nao ser mais possivel, que n'estes
lugares um homem se levante contra seus viz-
nhos em busca de quimeras, seno em busca
Publicares a pedido.
Illm. e Exra. Sr. presidente da provincia.Se
a Ici magna do estado garante a lodo o cidadao
o direilo de apresentar ao peder execuliro recla-
macocs, queixas ou peligoes, e at pftr qual-
quer infraego da Constiluico, requerendo pe-
o bacharel Henrique Pereira de Lucena. mogo rante a competente autoridade a respecliva res-
ponsabilidado dos infractores (art. 179 30), bas-
tante o direito do abalxo assignado para repre-
sentar conlra e hachare! Henrique Pereira de Lu-
cena por seus excesso3 como delegado do Ouri-
cury, e conlra pessoas respeilaveis, que perlcn-
quid omni religione munitiu,%uflm unius cujas
que livium domus ? Hoc perfufStm est Ha sanc-
tum mnibus, est indeobripi neminem fassit
O 5r. Blackstone diz que a lei ingieza nio sof-
fre que impunemente se viole a casa de um par-
ticul ir, d'onde o axioma de todos conhecidos da
libertado britnica : a casa deum inglez i sua
fortaleza. O Sr. Hans estabelecendo que o domi-
cilio le todo o particular deve ser um asylo in-
violavel, firma que este principio ha sido consa-
grada pelos coslumes e leis de todos os poros,
que teem sabido apreciar aliberdade : assim, con-
siderido este principio como um axioma do di-
reito publico, ha sido consagrado em todas as
cons ituic.es dos poros modernos.
O :od. crra. desde o art. 309 al o arl. 213, e
o cod. do processo crim. desde oTrt. 198 at o
art. 02 ; o rcg. do 31 de Janeiro de 1S42, arts.
122, 125, e 126 nao dcixam a autoridade publica
arbt-io no que respeila as visitas domiciliarias, e
entre tanto o bacharel Henrique Pereira de Luce-
na, i a qualidade de delegado do Ouricury, con-
sidea objeclo de brinco, como creanga, a viol-
ceo i o doraimicilio da* cidadaos do Ouricury,
tend ) devassado arbijAjamente suas casas mais
de una vez, smenleTro intuito de desmoralisar
urna amilia, alias respelavel por muitos ttulos,
e principalmente, pelos aervicos prestados em
toda ; as pocas a causa publica ; familias que
as (uadras mais calamitosas da provincia fra
sem; re respeilada por lodas as parcilidadcs, por i interior lula entro
todo os gorernnntes.
E d escndalo sobe ponto, quando nao escapou
da v olago o domicilio do lenonlo-coroncl Dicnas
Lop s de Siqueira, que tao relevantes servigos ha
prcs.ado causa da ordem, e da le, sendo assim
tamliem considerado como suspeito. Nao ha
dest i modo garantas nem para os cidadaos mais
disti icios, nem para os caracteres mais nobres e
mab elevados nesta sociedade, quando qualquer
pedislre ou aguasil senhor aos destiuos do
homem, e o pode impunemente ultrajar.
Fe i mandado o funecionario que nos oceupa
sem duvid para lomar conhecimenlo dos (actos
ocee tridos no Ouricury, o proceder na forma das
leis ; porque de outro modo se nao pode consi-
dera r a misso, que o governo lhe com mollera,
gov< rno que dure estar a cima de todos as pal-
de que dispoc como simples materia
Noqueremos a impunidade para nos, nem
para os nossos ; queremos porem, que quando
por infelicdade nos coiislituamos reos ante o
direilo, sejames tratados com a deferencia devi-
da a nossa posigo, o nossos precedentes, a
nossos servigos.
Eis, por que as lulas se perpetuara, e muitas
vezes incidentes passageiros sao causa de gran-
des acontecimenlos e perturbaces.
Quando o cidadao tem seguranca de como tal
ser tratado, subsiste a lei. O delegado da In-
gazeira cidadao respciluvel do tugar foi assassi-
nado, cidadaos innocentes foram indigilados e
pronunciados como assassinos, em quanto o ca-
pricho os perseguio, por muito lempo foi impo-
tente a policia para os capturar ; a confianga
em um homem quo tomaram por advogado,
bastn para que voluntariamente se recolhcsscm
a prisao, assim, quando a comarca ia ser victi-
ma tal vez de excessos inauditos, tudo foi con-
cluido em paz.
Nao sao cerlamenle mogos como o actual de-
legado do Ouricury; desejososde fazerem carre-
ra os proprios para crizes como a era que se
acha a comarca da Boa-vista; sua preteuciosida-
de vai ludo comprometiendo, o pelo menos vai
retirando do governo todos quantos al aqui se
ho por elle sacrificado. "
Quando na proviucia da Bahia se travou no
o commendador Milllo e
Guerreiro, e essa lula amcagou o repouso pu-
blico, o governo nao mandou um mogo enex-
perto e pretencioso, escolheu ao contrario um,
cuja prudencia, tino e energa eram j conhe-
cidos, o conselheiro Taques, e este tudo acal-
mou, sem dar lugar a sacrificios publico* ou
particular.
Presentemente na sea comarca bem conhe-
cido, seus servigos ao throno o a lei, sao sabi-
dos, foram o resultado de suas conviecea; mas
acredilou sempre que o throno e a lei nao ca-
recan) para manler-se de violencias e despo-
tismos ; se porem se harta engaado, forga-
do a lamentar a sorlo do seu paiz, que deve
soffrer o arbitrio do poder no* casos mais ordi-
narios da vida acial : quando o governo nao
acha seguranca na loi, e da sua execac&o, os
raaos.
17 volumes (^ 1 caixa calcados, chapeos de sol,
marroquins, bonets. perfumara, tinta, bicos, bo-'
toes e requfes ; a Francisco Alves de Pinho.
8 volumes porcelana, papel piulado, instru-
mentos de msica, marroquins, couros, etc.; a '
A. Robert & Filhos.
8 caixas (azendas e calcados ; a Damayer &
Carneiro.
16 volumes e 9 caitas perfumara, mcrcearia,
obras de (landres, chapeos, calcados de borrocha, ;
drogas, xaropes, miudozas, etc. ; d Yaz & Leal.,
7 volumes fazendas, calgados perfumara, rou-
pas, etc. ; a A- Gamior.
1 caixa mercearia e calgados; a Pinto Lemos!
Jnior.
2dilas calgados; a Guedes de Araujo. _^
2i barris pregos, caixas papel, 1 fardflkce- !
rado, 6 caixas mercearia c lapes; a- Cenilier
& C.
1 caixa fumo ; a E. da Cunha Medeiros.
6 dilas calgados, mercearia. roupa, fumo, ca-
limbe, perfumara ; o L. A. Siqueira.
1 caixa perfumara : a Fragoso.
1 caixa 1 prensa, 16 volumes trastes e porce-
lana ; a Scoll Wilson & C.
22 caixas calcados, trastes, chapeos, roupas,
increpara : a Cucaas & Duburg.
1 caixa livros ; a Feidel Pinto.
2 dilas mercearia; a Maia & Irmao
36 caixas mercearia, calcados, papel, etc.
Mello Lobo & C.
3 caixas roupas e trastes ; a Bastos.
29 porcelana ; a Fragoso & Valle.
7 ditos trastes; a Caralcanti.
18 ditos e 1 caixa papel, quinquilaria, miude-
zas, carnizas, pentes, etc.; a Prente Vtanna
&C.
1 caixa quadros e ralas; a D. Aquino Fon-
seca.
8 ditas cristaes, roupas, modas, chales, pan-
nos, fazendas de laa, etc. : a Ramos & Duprat.
2 caixas crisiaes ; a Sove Filhos & C.
1 caixa objectos de folha ; a C. de la Lahautier.
2 ditas obras do madeira, 16 fardos papel ; a
M. Figueira de Paria.
6 caixas carros, arreio3, carnizas, objectos para
rclojoeiro ; a Germann.
5j barris e 100 meios manleiga ; a Costa Amo-
rim.
100 barris e 100 meios manleiga; a Barros e
Silva.
30 dilos e 30 meios manleiga; Fonseca J-
nior.
4 caixas panos; a J. Vignes.
4 potes manleiga, 1 caixa conservas, 1 dita
modas e alcool; a Buessard Mllochau.
4 oarrs queijos. 1 caixa couros; a J. Praeger
& C.
1 caixa bombas; a Delouche.
1 dita objectos para chapeos de sol; a Carlos
Ilardy.
5 ditas pregos, 3 dilas gangas; a Antonio J.
de Paria Jnior.
1 dila calcados e carnizas; a Rodrigues da
Cunha.
6 saceos (arelio ; a J. J. Monlciro.
1 caixa objectos de seleiro ; a K. Bourgeofs.
4 ditase 11 votumes calgados de burrachs,
quinejlharia, requifes, denles e Unta; a Henri-
que Azevedo.
3 caicas calcados, quinqniUra e perfumara ;
a Morcira Dias & C.
4 caixas ferragens, candiciros e perlences ; a
Cambronne.
2 dilos e3 volumes rape, cordas, instrumentos,
calcados, papel pintado, etc.: a A. Robert 4, Fi-
lhos.
1 caixa cobertas de seda; a Maestral}-.
Consulado provincial
Rendimento do dia 1 a 12. 21.8708993
dem do da 13....... 1.526j;13
23 3)7523
Mo viniento do porto.
Navios entrados no dia 13
Rio Grande do Sul-25 dias, patacho brasler
Fenus, de 130 tonelladas, capitn Pedro Jos
de Mallos, cqnipagem 9. carga 7,000 arrobas
de carne ; a Manoel Jos dfc S5 Araujo.
I lem27 da?, barca americana Regala, de 207
loncllaifcis. cepilo Marcus Mullan, cqu;>agcm
9, carga 13,027 arrobas de carne ; a Teixeira
Basto* S iC
Nova Orleans46 das, bigue hespanhol Amarel
llosa, do 247 tonelladas, capitao Andr Car-
rao, equipagem 13, carga 1,599 barrias com
(irinha de Irigo ;a Aianaga Hijo & C.
Hamburgo 52 dias, paiacho hamburguez ,lian-
d-i, de 112 tonelladas, capitao C. F. Dummert.
equipagem 12, carga fazendas e mais gneros,
a Joaquim Antonio Moreira Dias.
Porlos do Sol5 dias e 21 horas, vapor brasiloi-
ro Cruseiro de Sul, commandanle o capitao de
mar c guerra G. Mancebo.
Sucios sahidos no mesmo dia.
Ass Hiato brasileiro Santo Amaro, capil.m
Jos Manoel Rodrigues, carga varios gneros.
S. DomingosEscuna dinamarqueza Vernus, ca-
pito J.Oeslinann, em lastro.
BahiaT-Bar*a ingieza A'erl/ieroit, cpilo Tho-
maz Eales, com a mesma carga que trouxc de
Terra Noxa. Suspcudcu do lamaro.
A noite clara com grandes neroeiros, vento
SE, vcio para o terral e assim amanheceu.
OSC1LH0AO DA AR.
Preamar as 11 h. 54' da manhs, altura 6.50 p.
Baixamar as 6 h. 6' da tarde, altura 1.75 p.
Observatorio do arsenal de marinha 13 de junho
de 1860 Virgas Jumoa.
Editaes.
De ordem do Exra. Sr. conselheiro direc-
tor interino o Dr. Pedro Aulran da Malla e Al-
buquerque se faz publico, que est posta a eou-
curso com o prazo de 4 mezes a cadoira de in-
glez, do curso do preparatorios desla faculdade
de direilo, e o candidato que se quizer insere-
ver, dever justificar peranle o Exm. Sr. di-
rector :
l. Ser cidadao brasileiro.
S. Maioridade legal.
- S. Mornlidado, por meio de atleslados de* pa-
rochos, e de (olhas corridas, nos lugares onde
I houver residido eos cinco ltimos annos.


ii- ,
...


tL
14&RTQ D^ PERSAHOTCO QUINTA FE1RA. 14 BE lUlNHO DE 4860.
4.* Capacidadc profesional.
Os que porm tiverem sido cm olgum teropo
condem nados a goles ou solTrido accusaca ju-
dicial de furlo, roubo, cstellionalo, b*nea .tola,
rapto ou outro qualquer crime, que nfendfc a
moral publica ou a religio do estado, nao se
poJerao inscreTer, excepto, so a accusacao judi-
cial liver sido argida de falsa, pelo candidato e
nao Tiouver provocado condcmnacao judicial;
assim o decidir a congregacao por via de recurso
inlerposlo dentro do 10 dias.
Para a capacidade protessional, dever exhibir
o candidato algum dos documentos seguinies :
1. Titulo de capacidad na materia em con-
curso cometido pelo conselho director da ms-
truccao primaria e secundaria da corle.
2. Titulo de professor publico, la ni bem da
materia em concurso, concedido pelo geverno
imperial. t
3." Diploma de bachurrl ou de doulor as fa-
culdades do imperio ou academias estrangeiras
ou tachare! em ledras, salvo as pessoas notaveis
por sen talento c reconhecidamente habilitadas,
que forem dispensadas desta prova pelo governo
ou que so quizorom prestar a um exame previo;
tudo de conformidade com o capitulo 4o do.regu-
lamento de 5 de maio de 1856.
Secretaria da faculdadc de direilo do Recife
13 de juuho de 1860.O secretario,
Jos Honorio B. de Mtnties.
T)r. Antonio Joaquim Buarque Naxareth, juiz
munn ipai e de orphaos e ausentes, oesta ci-
dade da Victoria e seu termo da comarca de
Santo Antao da provincia de Pernamboco por
S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro II, que Dos
guardo etc.
Faro saber que por este meu juizo do ausentes
peranle mim se proceden aarrecadaco dos bens
deixados pela tinada Isabel Mara Bezerra, a re-
querimeuto do colleclor de diversas rendas
raes desle municipio, e como nao se" obtivesse
inform.icocs exactas acerca da morada dos her-
deiros da dita finada, visto acharem-se em luga-
res nao sabidos, ordenei se passasse o presente,
pelo qual cito, chamo e requeiro o compareci-
menlo dos herdeiros de sobredita tinada, bem
como a todos usque direito tivefeiu em sua ho-
ranca alitn de vi re 111 liablitar-se 110 prazo de 30
das a publicaco desle, o qual ser alTixado no
logar publico do costume e publicado pelo Dia-
rio de Pernambuco em quarito durar referido
prazo, lindos os quacs ludo procederei a reve-
ja e na forma di lei, e para constar se passou o
presente que vai por mim assignado com o sello
do Jomo, que ante mim serve ou valha sem sello
ex-causa.
Dada e passada nesla cidade da Victoria aos
28 de abril do anuo do nascimeiilo de Nosso Se-
nhor Jess Cliristo de lb60, trigsimo nono da in-
dependencia e do imperio do Brasil.Eu Anlo-
nio Ludgero da Silva Cosa, escrivo de orpbos
c ausentes o escrevi
Antonio Joaquim Buarque Nazsrelh.
Pela capitana do porto se faz publico o
dital da secretaria de est ido dos negocios da
marmita, que abaixo segu, relativamente as
boias collocadas nal pedraS submarinas do Cacao
das Pescadinhas dos canaes das barras de San-
ta Catharina e Rio Grande do Sul.
Capitana do porto de Pernambuco, 12 de ju-
uho de 1860.
Osetrelario,
/. Pedro Brrelo de Mello llego.
< 2.a Sccco Itio de Janeiro. Secretaria de es-
tado "los negocios da marmita, ent 30 de abril
de 1860.
NOTICIA AOS NAVEGANTES.
Pela secretaria de estado dos negocios da
marinha se faz publico, para conhecimeuto dos
navegantes, que as pedios submarinas denomina-
das do Carao e das Pescadinhas, a primeira no
canal da barra do sul e a segunda na do norte da
iiha de S inta Calliarina, achara -se boje balisadas,
por meio de boias de niaJcira da formado 11111
cone truncado, forradas de zinco, leudo a seceo
mergulhada pintada de tranco, e a fluctuanlede
encarnado, medindo esta ultima dezoito polle-
gadas de altura cantadas da linlia de flocluacu.
a A boia que assignala o cscolbo do canal da
barra do sul, est tundeada ero qualro bragas de
agua, c dista delle seis ditas ; avistada, a olho
n, da distancia de duas mil has e podc-se sem
perigo passar a E o a O dola.
A boia do canal do norte est fondeada em
10 palmos e meio na baixa-mar de aguas vivas,
c serve para guiar o navegante que demandar
bordejando o porto da cidade.O director geral
interino, Angelo Tbomaz do Amoral.
O cidadao Manuel Fcrreira Accioli, juiz de paz
do segundo auno desta freguezia de S, Jos do
Itecife cm exercicio no quarlo, em virlude da
lci, etc.
Fnco saber aos que a prsenle carta virem 00
delta noticia tiverem, em como por este juizo,
requctiracnlo de Leal & Carreiro, se proceden
embargo em un qnartio, pedrez, em grao, frente
aborta e bebe em blanco ; pertence ao execulado
Miguel Moreira de Almeida, o qual sendo citado
para os termos conciliatorios nao comparecen,
procedeu-se a sua revelia, sendo condemnado
no pedido dos exequeules cima e as cusas :
passaudo-se mandado de penbora, fora esta elTec-
tuada no referido quarlao embargado ; e nao
achando-sc presente o devedor execulado, nem
se sabenda o lugar cerlo de sua residencia, e leu-
do os exequeules justificado a ausencia e incer-
teza do logar, subindo-me os autos
cm vista dos depoinunlos mandei que se Ihe
passasse carta de edilos com o prazo de 8 dias, e
a presente, pela qual e sen ihcor se chama,
cita e hei por intimado ao referido execulado au-
sente pora todos os termos da penhora at final
arrcraalacao e real embolso dos exequeules Leal
Jt Carreiro.
Pelo que toda e qualquer pessoa, prenles,
amigos ou conhecidos do dito execulado o -podc-
rao fazer sciente do que. cima tica exposto, am
de que allegue o direilo que liver, pena de re-
velia.
O porleiro do juizo affixar o publicar o pre-
presente nos lugares do cosluiuc e sera publica-
da pela imprensa,
Uada e passada nesla freguezia de San-Jos do
Itecife, aos 9 de junho de junho de 1860.Eu
Jos Goncalves de S, escrivo a escrevi.
Manoel Ferreira Accioli.
Olllm. Sr. inspector da thesouraria de fo-
zenda manda fazer publico, de conformidade cora
a ordem do tribunal do Ihesouro nacuma
4ii Itlem-Mem. ^
Foro de Portas.
1H 'Casa lerrea.
'92 dem idem.
93 dem idem.
'9'4 dem idem.
95 dem idem.
"96 dem idem.
Os hcilanies hajam de comparecer com seus
fiadores, na sala das sessbes do mesmoconse-
tho. 10 horas da manila do mencionado dia
16 do corrente.
Secretaria do consolrio administrativo do p-
Irimonio dos orphaos 13 de junho de 1860.
Dr. Vicente Pereira do Reg,
Secretario.
THEATRO
Declaraces.
Conselho de compras imvaes,
Contrata este conselho no dia 21 do corrente
mez, os farnecimenios de medicamentos e uten-
silios enfeunaiia de marinha, e o de ambulan-
cias aos navios da armada, por lempo um e ou-
tro fornecimcnlo de 12 mezes, contados do 1. de
jjulho prximo, isso vista de proposlas entre-
gues nesse dio at 3 II horas da manhaa, sub
as condicoes constantes da nota que se acha fran-
ca nrsla secrelaiu para quem quizer coiisulta-
li, bem como o formulario o tabella, regulando
esses fornerimeiitos, o que ludo por minucioso
deixa-se de declarar.
Contrata mais no dia 25, tambero do correle
mez, preredendo igualmente a apreseutago de
proposlas recebidas nesse dia s at 11 horas da
mauha, o fornecimcnlo de vveres e oi'tros ob-
ge- jeitos abaixo declarados para o consumo dos na-
vios da armada c estabelecimeulos de marinha,
pelo lempo smente de 3 mezes, findos em se-
lembro viudouro, sob a coudico de serem os
mesmos objectos fornecidos da qualidado e na
quanlidade contratados, e na falta pigar-se a
mulla de 50 O/o do valor de cada um, alcm de
carrrgar o contraanle com O excesso do proco
no mercado, raso o baja, em razao dessas fallas
niolivarem a ahi recorrer-se.
Objectos.
Arroz do Marauhao, agurdenle branca de 20
graos, assucar branco, azeile doce, bolacha, ba-
calho, carne secca, caf, carne verde, cangica,
fariuba de mandioca, feijao, manleiga france/.a,
malte, pao, loucinho de Lisboa, vinagre de dilo,
velas de carnauba, ditas de espermacelo.
Sala do conselho de Comoras navacs de Per-
naiubuco, 12 de juuho de 1860.
Directora geral da iustruccao
publica.
Faco saber aos interessados, que o Illm. Sr.
director geral, de conformidade com as instruc-
>es de 11 de junho de 1859, lem designado o
a 15 do corrente, pelas 9 horas da manhaa, pa-
ra o exame de babiiilaeao dos oppositorcs ca-
deira da liugiia franceza do gyiuuasio provincial
que se acha eni concurso. Sao, pois, convidados
a comparecer em o referido dia c hora nesla re-
partirn os que para es>e flm se acbam inscriptos.
Secretaria da instruceao publica de I'ernam-
buco 9 de junho d"e 1860.O secretario interino,
Salvador llenrique de Albuqucrque
Conselho adiiiinistrativot
O conselho administralivo, para fornecimente
Jo arsenal de guerra, te tu de comprar os objec-
tos seguinlcs :
Para provimenlo dos armazens do arsenal
de guerra.
5,000 pederncras do adarme 17.
Para os sentenciados mililaies com destino
ao presidio de Fernando.
6 chapeos ; 6 mantas ; 51 esleirs.
Para a companhia de pedestres.
Sello de melal com as armas e o distico da
companhia 1.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 15
do corrente mez.
Sala das sesses do conselho administialivo
java fornecimcnlo do arsenal de guerra, 8 de
junho de 1860.liento los Lamenha Lins, co-
ronel presidente.Francisco ioaquun Pereiro
Lobo, coronel vogal secretario interino.
Pela mesa do consulado provincial se faz
publico aos proprielarios dos predios urbanos das
t'reguezias desla cidade c da dos AITogados, que
os trilito dias ulcis para o pagamento a bocea dn
cofre do 2." seinesln; da dcima do anno linan-
ceiro de 1859 1860 se principalo a contar do
dia 1." de junho viudouro.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco,
23 de maio de 1860.Antonio Carneiro lachado
Rio.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico, que no corrente mez que os de-
vedores do segundo semestre do exercicio cr-
reme de 15591860, relativo aos scguinles im-
pos : dcima addiciorfal de mo mora ; imposto
de 20 por cenlo sobre lajas, e dilo especial a 80j
sobre casas de movis, roopas, perfumaras e
conclusos I calcado fabricado em paiz oslrangeiro leem de
pnga-lo livre de mulla. Bccqbedoria de Pernam-
buco 1 de junho de 1800.O administrador, Ma-
noc Carneiro de Souza Laierda.
ti polica.
irnambdeo, 4 de ju-
COMPANHIA DRAMTICA
Ski'I a direceao do actor Car-
valho.
QJUINTA-FEIBA, 14 DE JUNHO DE 1860.
Lo;jo que a orchestra terminar urna brilhanto
ouvoijlura, subir secna, pela primeira vez nes-
te tmjalro, o drama em cinco aclos de grande
appaijito :
| A ESCRAVA ANDREA
I ou
iAiMRadil8i
Em beneficio do continuo do mesmo thcalro.
PERSONAGENS.
Capilio Ileinaud............. Carvalho.
Marii hciro Antonio.......... Lima.
Contia-mcstre Lamben...... Jos Alves.
Plok.......................... Lisboa.
1. onucial.................... Lessa.
2 dito....................... Francisco.
das bertencente* dita mana allida na
imtortancia de 5?:376$3I5 ri. : quin-
ta-feira 11 do corrate as 11 horas em
ponto no seu armazem da ra do Impe-
rador n. 35.
LEILAO
1. e 2." marinheiro.......... N. N.
3." mirinho................... Lessa.
Andr-a....................... D Maria Luiza.
Piralisa o espectculo com a scena cmica pelo
Sr. C isla Lima :
0 MATUTO NO RECIFE.
acham-se no escriptorio
O r :sto dos bilheles
do m :smo thealro.
Comecar s 8 horas.
Avisos maritimos.
i A requerimento de Motta IrmSos
ioao- Luiz Vianna e despacho do Exm. |
$r. Dr. juiz especial do commercio, o
Igente Hjppolto da Silva, ara* leilo
de duas lojas ns. t3 e 33 da ra do Li-
vramento, arrestadas a Antonio Joa-
quim Vinlras: sexta-fetra 15 do cor-
rente as 11 horas em ponto,.as mes-
mas lojas.
COMPANUIA
DE
\a^egaco costeira a vapor
O \apor Persinunga, commandanle Lobato,
santal para os porlos do sul de sua esrala no dia
20 do corrente. Recebe carga al o dia 18 "o meio
dia. Previnc-se aos Srs. carregadoics que ne-
nliiirra carga ser receida a bordo sem bilhclc
da gerencia.
PELO AGENTE
PESTAA.
O referido agente far leilo por conta e risco
de quem pertoncer. quinta-feira 14 do corrente
s 11 horas da manhaa no armazem do Sr. An-
nes defronle da alfandega
DE
30 saceos com feijao mulalinho.
00 caixas com charutos.
36 barris com figos
2 caixes com toucinho e presunto.
Barris com banha de porco. .
53 rolos de fumo.
20 fardos de alfazema.
LEILAO
PELO AGENTE
Aluga-se o segundo andar do so-
brado n. 15 da travesa do Veras, no
bairro da Boa-Vista, o qual e muito
fresco e tem bons oommodos para fa-
milia : irata-se na ra da Cadea arma-
zem n. 36.
Projramma da festa do ?;Urioso Santo
Antonio do arco da tonto do Roctfe.
Os devotos do glorioso Santo Antonio, lendo
de festejar osle glorioso Sanio destinaram a fes-
tejadlo no domingo 17 docoirenle, sendo o seu
festejo da maneira seguinle :
Na sexta-feira s 8 horas da noite, ser arto-
rada a bandeira do mesmo glorioso Santo, con-
duzida em procisso por meninas da ra do Im-
perador, seguindoa direceao do costume ; nodo-
mingo is nove horas da niinlia, ser conduzida
a imagem do mesmo glorioso Santo em procisso
para a igreja do Collegio, pela respeilosa irman-
dade do Divino Espirito Santo, aonde ser so-
lemnemente festejada eom toda a pompa, cons-
tando a testa com o Sanlissimo Sacramento ex-
posto, sendo o orador o Rvm. padre Antonio Ma-
noel d'Assumpco. Finda a festa, ser o mesmo
glorioso Sanio conduzido pela mesma irmanda-
dc, para o arco, em qne Picar exposto vista dos
devotos at s nove horas da noite. Os mesmos
devotos, rogam a todos os irmos da mesma ir-
mandade do Divino Espirito Sanio que tiverem
capas em seu poder, para se acharem reunidos
na mesma Irmandade s horas iudicadas, para
maior solemnidade o brilhantismo.
No dia 15. ao meio dia, na ra do Apollo,
no sobrado u. 9, se ha-de arrematar em presen-
ta do Sr. Dr. juiz de ausentes o espolia do au-
sente Francisco de Paula Figueiradc Saboia.
OITerece-so urna ama que cosinha, euigom-
ma, a administra urna casa bem preferindo casa
eslrangeira: na loja do convenio de S.Francis-
co, defronle do Dr. Sarment,
Apparereo urna prela crioula que represen-
la, de 25 30 anuos e diz ser do nascimento
livre de noiue Maria ter viudo do engenho S.
Braz a 15 ou 20 dias da companhia de sua lia ;
permaneca a porta da igreja de N. S. da" Penha
noite e dia ao rigor do lempo, foi recothida a
casa prxima na-rua da Penha n. 25, por carida-
de ser procurada pela autoridade, que j foi
sabedora, ou a quem iuleressar possa.
Charutos da Baha a 1500 a calxa : vnde-
se na piara da Boa-Vista n 16 A.
As malss que deve conduzir o vapor Cru-
zeiro do Sul para os porlos do norte, fecham-sa.
hoje, 14 do corrente, as 3 horas da tarde.
Nos quatro cantos da Boa-Vista n. 1, ver>-
de-ce doce fino a 19 o caixo, queijo do Serid a
600 rs. a libra, dilo de coalha a 600 rs. a libra.
Calcados.
_ a
O referido agente far leilo por conla e risco
de quem pertencer, quinta-feira 14 do corrente
s 10 horas da manhaa no trapiche do Sr. Jos
da Cuuha no Forle do Mallos
DE
Marca MJS20 saceos com farinha de mandioca-
Semea*
Avisos diversos.
:QMPiVNHIA BRASILEIRA
DE .
PA011ETES A VAPOR.
Para os portos do sol.
O "apor Tocanlins, commandanle o primeirj
ItnerteP. Hyppolilo Doarle,espera-se dos portos
do mjrte at o dia 16 do corrente.
Re:ebe-sedesdeja passageiros, encommendps
aja-se a carga que o vapor poder conducir
despachada com antecedencia at a vek-
de sua chegada : agencia ra do Trapiche
i. id, escriptorio de Thiinaz de Faria.
Em saceos grandes, c de qualidaile superior,
para fortalecer animaes ; no largo da Assembla
n. 19, trapiche de Auluues Guedcs & C.
Furlaram do engenho Bomllm, freguezia'de
Ipojuca, ao amanhecer do dia 8 do corrente, 3
cavullos, sendo 2 da fazenda e um de morador
do mesmo engenho, cojos cavados teem os sig-
naos seguinlcs: nm da fazenda de Sella.carrega-
dor baixo, alaso claro, lamanho mediano, cas- Sr. Jos Tinto de Ma
Irado ; o outro de carga, castauho, lamanho llerline.
regular, inteiro, e quaudo viaja mais emagrece
das maos por causa de venios, e ambos leem no
quailo o ferro da fazenda ; o do morador ala-
so e tem falla de um denle na frente do queixo
superior; foram vistos passar em direceao a vil-
la do Cabo previnesecom estes signaes a Vendeni-se sapatesdo Aracaly para homem a
900 rs. o par, ditos de marroquim para senhora a
800 e 900 rs., ditos ditos de lustre a 1$480 o
8440, bezerro francs muito novo a 4J200 a pel-
la ; na ra da Imperalriz ns. 72e74.
Azeite de carrapa-
to purificado.
Continua-se a vender por caada e por carra-
Potlai rU* Gu,r"aPe > 60. em Fura do
= Josepha Clara da Silva, viuva do tinado
Joaquim Fernandos de Azevedo, tem exposto
venda os terrenos de seu sitio na estrada do Pon-
bal, para pagamento dos credures de seu casal
os pretendenles podero se dirigir ao mesmo sil
to a qualquer hoiado da, a tratar com a men-
cionada.
= Na sitio do Sr. Marcelino Jos Lopes, na
estrada do Arraial. tem duas escravos para alu-
gar-se, urna boa quilandeira e fiel, e a oulra par*
criar, mas tem filho.
Partidas dobladas
Precisa-se de urna pessoa que enlenda bem
de escripturaco em partidas dobradas para
adiantar urna atrasada seis mezes; aunuucie para
ser procurado.
AUencao.
Precisa-sc alugar urna prela que tenlia alguma
pratica de vender ; na ra da Roda, taberna nu-
mero 48.
= Precisa-se comprar urna escrava moca coro
habilidades ; quem a liver e quera vende'r, dri-
ja-se a ra da Praa n. 13, que achara com quero
tratar. *
=" Precisa-se de urna ama de leite que nao te-
rina (litios ; quera drigir-se a ra do Amoro
n. /, pnmeiro andar, ou aanuncie.
Quem precisar de urna ama pon entorn-
illar em casa de pouca familia, dirija-se a ra de
Sania Rila n. 47.
= A pessoa que annunciou precisar de 800> a
premio com hypolheca, dirija se a ra do Quei-
mado, bolica n. 15, que dir quem faz este ne-
gocio.
= Precisa-se de urna ama de leile ; na ra do
Cabug n. 8,
Antonio Rodrigues Mailins Ferreira, subdi-
to portuguez, vai ao norte do imperio.
Jos Gorjoan vai a Europa e deixa cncar-
regado do sua ollicina o Sr. Joo Mailins da Luz,
c como seus procuradores, em primeiro lugar o
alhes, e em segundo Jo:
quer que forem olTerecidos ditos cavallos, que
nao sao licitamente liavdns, e gralillca-so a
quem dellcs der noticia cerla no preaito enge-
Jos Francisco de Allcmo Cvs-' "h%,-'u" p.rofc\,,no e8CrPtor?dos t?rs: M- L
. "w ^J" de Oliveira & Filho, praca do Corpo Santo.
nCII'O UCClara aOS SeUS anilgOS, que | Offerece-se urna mu'.herquo cose e engom-
I d'ora em diante assisnar-se-ha por Jos I,na com,n7il" Pl',fei^; Prcfrl"o i f i ?-
... t, .. i ra casa de familia: a tratar na ra do Caldeirei-
ue Mcnezes Cjsneiro, ltaueiia e Mello.
Prestem allcugo.
O abaixo assignado, vendo no Diario de ho i-
lem um annuncio inserto sob a frabricacao t!o
afamado pao de folha, o qual existia venda na
previiiesecom estes signaes a quem roa Imperial n. 55, vem o abaixo assignado par-
ticipar aos seus anligos fregueses,
e en.
send
pera
1EALG01PAHHIA
ltt'parti-fn
Secretaria da polica de P
nho de 1860.
O lHm. Sr. Dr chefe de
publico, para conheciraenlo
disposicoes do artigo 72 di regulamenlo
de 31 de Janeiro de 1812.
Nao se conceder passaporte a cidadao Bra-
sileiro, para porto eslrange.ro, ou a estrangeiro,
ainda que seja de urna pan outra provincia do
imperio, sem que. sua sahiJa
polica manda fazer
dos interessados, as
n. 120
annunciada nos jornaes
Onde nao hourer jornal os
na porta da matriz da (red
mais pblicos.
S no caso.de necessid
Picada se dispensan essa
n. 6 seja previamente
tries das pelo menos.
nnuncios se allixarao
uezia, e nos lugares
ide urgenle e especi-
formalidadc aos que
de 9 de maio prximo lindo, que no dia 25 de Wkdor se responsabil
julho prximo se far concurso nesta thesouraria duvidas do afliancado, es
para precnchimento das vagas que ha de prali-
cantes na mesma *. aquelles pois que pretende-
ren! ser adniittidos ao concurso devem 3|>rescn-
tar nesla secretaria seus requerimentos uistrui-
dos ora os documentos que provem : Io. lerem
18 annos completos de idade : 2. esiarem livres
de pena culpa c 3o terem bom procedimento.
Os exames nesle concurso versa rao sobre lei-
tura. analyse grammalical, orthographia e ari-
themetica al a Iheoriadas proporces inclusive.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco 8 de junho de 1860. O offkial maior
interino. d.uiz Francisco de Saropaio e Silva.
De ordem do Illm. Sr. inspector da Ihe-
souraria de szenda desta provincia se faz pu-
nlko que a a*remataco de urna parle do sobra-
ndo de dous Cares no valor de um cont cont
cincoenla e cisco mil quatros < oitenta e dous
frtis, silo na nua da Gua, peiHenlencento a fa-
y.enda nacional ni virtude de adjudicacao, nao
tanles ; e por isso fica transferida a mesma ar-
reiaco para o du 30 do corrente ez.
3f1aesossra provissea.
O Wm. 6r. inspector da thesouraria provincial
emeumprimento da rsolur;o da junta de fazen-
da, miiida .facer publico que a arremalaco dos
imposlos annunciada para o dia 6 do corrento, fi-
ta transferida para o dia J4 do mesmo, deweiido
as habiliUcoes ter Jugar os dias 6 e 12.
E para constar ee waodou aixar o presente e
publicar pelo Glasto.
Secretaria da Itesouraria provincial de Per-
nambuco. 4 de juo'ba de 1860.O secretario, An-
tonio Ferreira da Avnunciaco.
O conselho administrativo do patrimonio
Jos orphaos tem de par em hasta publica, aa
sala de suas sesses, no dia 16 4o corrente, a
renda de una parto das asas do mesmo patri-
monio abaixo mencionadas, por lempo de um a
3 annos. a contar do Io de julho prximo futu-
ro, segundo o que dispdem os artigos 28 e 29
dos estatuios em vigor, a saber:
Itua da Cacimba.
N. 66 Casa lerrea.
67 dem idem.
Ra dos Burgos.
68 Casa terrea.
69 dem idem.
Ra do Encantamento.
74 Casa terrea.
75 dem dem.
Rna da Senzalla-velha.
81 Casa terrea.
82 dem idem.
Ra da Guia.
83 Casa terrea.
sar neste caso pelas
e sugetar a pena de
de se mostrar que o
se meio evitar qual-
innlla at200cOOO no cas
alfiancado procuiou por e !
quer responsabilidado.
Cjnforme.O secretario
_A camama municipal
sao ordinari no dia 11 do
guinles.
A administrarlo geral)
decaridade manda fazer pu
do corrente. pelas 10 horas
das suas sesses, contina i
i casas abaixo declaradas, que ficaram por arrema-
lar na praca de hoje, por falla de lempo ; e pie-
vine as interessados que a
ga do Rosario, para maior
nos, ser dividida em lana
j tos forem os andares 0 Iojai
i mesma adminisiraco aos i iquilinos que nao es-
i tiverem em dia, que nao 6c o recebidos os seus
ancos se iijo saldaron os s
Bairros do
Ra do Pilar n.73; ra
da Lapa n. 5; becco da La
Bairro de Sanl
Itua da Cadcia n. 24 ; ru|
rua Oireita ns. 8, 33, 5, 7
Floniano ns. 13. 17, 43, 45 47. 49, 63 e 65 ;
co da Carvalha n. 5 ; rua lo Fagundes ns.
DE
Paquetes inglezes a vapor.
No dia 13 do correnta espera-se do sul o vapor
Tyne, commandanle Jclcoc, o qual depois da
demera da costume seguir para Soulhamplon,
toca do nos poitos de S. Vicente c Lisboa : para
passegens ele, Irala-secom os agentes Adam-
son 1 lowie &C, rua do Trapiche Novo n. 42,
P. 5. Os cmbrulhos s se recebem at duas
hora.1 anlesdc se fecharon as malas ou urna ho-
ra pa!audo um pataco alem do respectivo fele.
i
Para a Babia.
Se;ue impreterivelmenle no dia 16 do correnie
o haje Oous Amigos : qara o resto da carga tra-
la-secora seu consignatario Domingos Alves Ma-
iheusi, na rua da Cadeia do Recife n. 51.
= P?ra o Aracaly, o hiale Saula Rila sahe
com irevidade, anda recebe carga ; trata-se na
rua cxi Madre de Dos n. 2
Para Lisboa,
com mucos das de demora vai sahir c patacho
portuguez Diligente, capito Antonio J de Al-
meid
dico
rua di Cruz u. 27.
i Rosa ; recebe qualquer carga a frele mo-
a tratar com Almeida Gomes, Alves & C,
Rufino Augusto de
desla cidade faz ses-
correntc, e' nos se-
dos estabeiecimenlos
lico, que no dia 14
da manhaa, na sala
praca das rendas das
:asa n. 26 da rua lar-
garanlia dos inquili-
arremataccs quan-
De novo previne a
maior brilhantismo 6 solemnidade.
Precisa-se de u^iia ama forra ou escrava
bara cozinhar: no largo de Sania Cruz n. 106.
A 1$000 a lala de bisroilos o bolachinhas
de soda : vende-se na prica da Boa-Visla nu-
mero 16 A.
Precisa-so de urna pessoa que saiba traba-
Iharcom um boi, para se eucarregar do trebalho
segutl em poucos das o hiahs Bom Amigo, de cora um carro da alfandega em ginho : na ruada
superlior marcha ; para carga. Irala-se com o ca- Aurora n. 40, pavimento terreo.
piiaOjPere.ra Marinho, em casa de Palmeira & A 610 rs. a libra de velas do espermacete :
Blico, no largo do Corpo Santo n. 6. vende-se na praca da Boa-Vista n. 16 A
Para a Baha
3ij Um mogo hahililado e de boa conducta S
| offerece-se para ensinar em qualquer ca- n
rj sa particular,a pessoas de qualquer sexo, 9
B primeiras letlras, lingua nacional, fran- ^6
cez, latm, msica, instrumental e vocal, tU
e_bem assim copia qualquer pega de-mu- ^
j$| sica muito bem imitando a copia lilhogra- 3
S [hada, ornando a frente da pega de ca- w
d racleres gticos ou do outros quaesquer <
^, o islo com a presteza que se exigir: a 1|
S Iralar na rua larga do Rosario n. 1, pri- o
JK meiro andar. E
ro o. 80.
Claudina Amelia de Carvalho relira-se pa-
ra frada provincia, julga nada dever, mas quem
se julgar seu credor, aprsente suas conlas nes-
les tres dias afim.de serem pagas.
O abaixo assignado faz sciente aos llovedo-
res da loja sita na rua Direita n. 102, quo per-
lenceu a seu cuhado Antonio Arco Ramos Man,
que nao pagem sendo ao abaixo assignado,
pena de pagaron segunda vez.
aos seus amigos ireguezes, que nao so
illudam com o dfto annuncio, posto quo sendo o
abaixo assignado o auligo fabricante do dilo pao
nesla provincia e em oulras mais aonde conhe-
cem o seu trubalho, o qual depende de muita
limpeza, como prova com seus utencilios diffe-
reules das mais padarias, cujos lo proprios pa-
ra fabricaco do dito pao c diversas massas de
confeitaria, e sendo muito acreditado em seus
trabalhos, nunca |l morada, visto ter havido sempre muia concur-
rcocia nos ditos elfeilos j conhecidos por sua
perfeico, ve-se (oreado a manifestar ao publico,
que havendo um individuo, rendeiro da padaria
n. 55, ambicionado por maueiras occullas, illu-
dindo a um eseravo do abaixo assignado, o qual
sob ; era simples amassador, para Ihe descubrir o mu-
do como so fa/.ia este pao, o que o eseravo nao
Jos de Azevedo Maia e Silva. I soube cnsina-lo ; conse
O abaixo assignado roga aos senhores de- i dilo, o que nao igua
Aluga-se um sobrado muito fresco na rua
dos Tanoeiros; a tratar no Recife, rua da Cruz
n. 31: armazem.
Joaquim Francisco Lavra, pelo presente de-
clara que, no dia 8 do corrente desappareceu o
seu caixeiro Joaquim Francisco da Silva, o qual
de menor idade ; e para que
ello praticado era seu nome
prsenle pan sciencia do p
junho de 1860.Joaquim F
Joaquim Pereira Ramos previne ao respei-
lavel corpo do commercio que sen lho Justino
Pereira Ramos deixou sua companhia para se
eslabolecer por sua conla c risco ; eporianto
nao se responsabilisa pelas transaeces d'clle
Recife 11 de junho de 1860.
vedores da loja sila na rua Direila n. 102, que
pertcnceu a seu cimbado Antonio Arco liamos
Maia, que tenham a bondade de virem liquidar
aeus dbitos, visto o abaixo assignado ter de li-
quidar a dita loja, c querer fazer isso amigavel-
mcnle.Jos de Azevedo Maia e Silva.
Precisa-sede 8.000J a premio sob hypolhe-
ca cm um sobrado que rende 1 OUj de aluguel:
a quem couvier annuncio.
Deseja-se encontrar urna casa, quarlo ou
;uiudo fazer o feilio do
ao do abaixo assignado.
nem em fabrico nem em qualidade, por isso le-
nta a avisar aos meus freguezes, que o meu po
ainda o mesmo que d'antes, nao lendo a mni-
ma dilferenca, o qual eslarexposlo em sua ca-
sa, na rua Imperial n. 49, entrada pelo becco do
Lima, sobrado defronle do viveiro do Sr, Muniz.
Manoel Ferreira Lima.
Precisa-se fallar iudubitavelmen-
te com o Sr. i)r. Antonio de iollanda
poratlrmaosi
w pedem a seus devedores de vir pagar vis- a
Jg lo que esto para se retirar. X
Os devotos do glorioso Santo Antonio da
ponte, leudo de festejar o mesmo glorioso Sanio .
no domingo 17 do correnie, pedem a lodos os entregue dita carta, isto nestes d das porque se
moradores da rua do Crespo, para que illnmincm > Precisa aber da decisdo desle negocio.
suas varandas, noadias 16 e 17 do correte pan
diente.
Francisco Nunese Antonio Martins, subdi-
tos portuguezes, rcliram-se para o Para.
Precisa-se de urna ama de leilo : no pateo
do Tergo n.26
= Maternus Lins faz publico que contina a
fazer pao de Senleio todas as quailas-feiras e
sabbados, depois do meio dia, na padaria em I
Santo Amaro, na taberna da rua da Imperalriz. n. \
2, na rua da Cruz no Recife n. 5, e tambem as
Cinco*Pontas, defionte da eslago
ferro, deposito n. 148.
Attencao.
O Sr. Laurino Soares da Silveira tem urna car-
ta de importancia viuda de Mamanguape do ma-
jor Jos Gomes da Silveira, em mo do Dr. Ro-
cha Campello, na Passagem da Magdalena, no
primeiro sobrado passando a ponte pequcua a
direila, ou annuncio a sua morada para Ihe ser
& Oliveira.
Saca se sobre o Porto por qual-
quer soma a' vista ou a prazo, pagavel
all ou em LUboa, poJendo as lettras a
prazo serem pagas a vista mediante o
descont na razao de 4 por cento ao
anno, aos portadores que o exigirem :
Silva Castro,
rua
$eus dbitos,
ecie
a Moeda n. 35
a ns. 26 e 30.
Antonio-
do Queimado n/15 ;
!3; rua do Padre
bec-
32 e
..,, w. *,,,, ^u.u .j^ venae-se na praca da lloa-Vista n. 16 A.
para o Aracaty ^ i iidac r surtid
ie imprelerivelraento na sesuinte semana o ^** W"kJ l/li k^ l| 1 likj
segu imprelerivelraento na seguinle semana o
hiale Exhalago: para o restante da cajga e
passajeiros, Irala-se com Gurgel Irmos, na rua
da Cadeia o. 28, primeiro andar.
Leiloes.
LEILAO
DE
Una taberna.
PELO AGENTE
5. 7 e 11 : rua dos
34 ; 'avessa de S Jos nd
Pescadores n II; rua da aleada ns. 30. 32 34
36-e 38 ; Cinco Puntas ns. 70.S8,116 e 118 ; rn
da Viracao ns. 7 e 17 ; trWvessa de S. Pedro n.
2 ; rua -de Hortas ns. 38 e 94 ; rua de Santa
Thereza me. 4, 5 e7 ; rfi larga do Roeario n
6 ; rua da Roda ns. 3. 5 7 e 39 ; becco do Ca-
laboiico,n. 2; rua do dit n. 18 ; rua do Cabug
o. d ; rua fcova ns. 29,48, 48, 57 e 59 ; rua do '
Scnhor Bom Jess das Cdoulas n. 8; rua do No-
jj*eira n. 17i largo do Ciirmo n.13; Iravessa do
Careeireiro ns. II, 13 e 17 ; rua de Santa Ceci-
lia o. 10. I
Bairro da Roa-Vis.a.
Roa da Imperalriz n. 68.
Adtznislraco geral Idos estabeiecimenlos de
cadade 8 de iunho de 1860 O escrivo,
Antonio Jos Gomes do Corr'eio.
Collectoria provincial de Olinda.
O colUnrlorderendaslprovinciaes publico pe to presente, i^ue o prazo de 30 dias
uteis marcados oo reglamelo de 16 de abril
de 1642 para cobranca do %.' semestre do cor-
ronte exercicio de 1859 a 1760, principia-se a
cantar do dia 1. de junho, lindo os quaes paga-
rao a mulla de 3 iHO os conlribuintns que nao
pagarem no referido prazo. Collacin de Olinda
26 de maio de 1860.- -O crivio,
Jos Gon$.*J>M Rodrigues Frana.
ThM.
Si
PARA
O n ferido agente far lelao por conta e risco
de qu im pertencer, sabbado 16 do corrente s ti
horas la manhaa na taberna do pateo do Terco
numero 14
Armaio, caixes, fiteiros, gneros novos e fres-
cae.', prompta para o comprador ee quizer con-
tinuira vende la e em um ou mais lotes a
von ade Uos compradores.
LEILAO
DE
A i equriinento dos administradores
da m usa fallida de Antonio da Silva fio-
cha e despacho do x,tj. Br. Dr juiz de
direit') especial do camn-'ercio, o agente
Hvppalito da Silva iara' It/lfiO da di vi-.
A Sibilla de Bajara ou sottes diverti-
da! para recreio das familias na tao fes-
tiva noite de S. Joao, conreado 350 ver-
sos, nos quaes se prognostica o futuro
de cada um dos consultantes. De todas
as advinbas conhecidas a Sibtila colheu
os maiores louros, sendo reputada co-
o orculo dos destinos : vende-se na
vi-aria ns. 6 e 8 da praca da fnde-
endencia.
Francisco Jos Arantes previne a
us freguezes, que mudou o seu arma-
z m de materiaes da rua do Imperador
( ntiga da Cadeia de Santo Antonio) pa-
r i o pateo do palacio da presidencia
h )je Campo das Princezas, ao lado da
r partico das obras nublicas.
Milho eTrelo.
Iparelo a 45500, nilho a 4}, c era cuia a 240
ra : na taberna da estrella, no largo do Paraizo
ni mero 14.
I -mandade acadmica deNos-
sa Senhora do Bom Con-
selho*
O secretario desta irmandade por or-
di indo irmaojuiz, convida ot seus ir-
mos para comparecerem quinta fcira,
1 do corrente, no consistorio da mes-
an, am de astistUvem os ltimos su-
fr igios pela alma do diarissiroo irmao
M anoel Fraocif co CaVftlcdfiti de Albu
b ierque.
da estrada de dirijam-se a Joaquim da
rua do Crespo.
Na rua Nova n. 52, loja de louca, precisa-
se de um homem solteiro para feitor de um sitio.
Vende-se urna cabra (bicho) muito boa com
dous cabritinhos : na rua do Ouro n. 1.
Olferece-se urna senhora que coso e engom-
ma com muita perfeico, prefeiindo-se que seja
para casa de familia : a tratar na rua do Cdldei-
reiro u. 80
Thomaz Heywood, cidadao brtannico, re-
lira-se para a Europa.
Precisa-se fallar ao Sr. Jos Simos Pi-
menta, que se mudou de Olinda para o Recife, e
ignora-sea rua, a negocio de seu inleresse ; ro-
ga-se-lhe queira aiinuuciar.
Aluga-se um carro da alfendega, dando-sc
um mez adianlado; na rua do Rangol n. 73. Na
mesma casa vende-se cascos vasios a 160 rs. cada
um, e de 50 para cima dase a 120 rs.
Precisa-se de urna ama de leile, forra ou
escrava : as Cinco Puntas u. 67, loja de pintor.
Francisco l.uiz Vircs retira-se para fra da
provincia por algum lempo para tratar de sua
saudc
Precisa-se de um criado que saiba cozinhar,.
para oservicode uina casa de pequea familia :
na Ponte de Uclida, sitio com porlo de ferro de-
fronle do Sr. liento Jos da Cusa.
Una mulher de muilo boa conduela offere-
ce-se para o servico interno de urna casa de pou-
ca familia ou de homem solleiro : pode ser pro-
curada na rua da camboa do Carino o. 19, em
casa do sangrador dentista Jos Adelo da Silva
Na bolica da rua do Cabug se dir quem.
tem para vender urna barcaca em excedente es-
lado, a qual carrega 200 saceos de assucar.
Thomaz Whilraau, subdito Inglez, e sua se-
que achara nhora, vio para Inglaterra.
Precisa-se de urna ama para cozinhar e en-
gomroar em una casa de homem solleiro : a tra-
tar no Hospicio, primeiro porlo de ferro, pas-
sando|o quarlel.
Ida Amada vai a Europa.
Fugio no dia 10 de marco desle anno, do
engenho Ganieleira, um eseravo por nomo Ma-
noel, crioulo, idade de 30 annos, com os signaes
seguiules : alio e seceo do corpo, ceg de utn
olho e fallo de denles na frente, pouca barba,
muito cheio de pros.is, com fumacas de valentao,
e diz a lodos que fez fogo pela rcvolta, disconfia-
se estar cm Santo Amaro de Jaboatao por ter a
mi no dito lugar, que forra, e juntamente urna
irma. Porlaulo roga-sc as autoridades policiaes
e aos capites de campo que lenham de o captu-
rar e levar no dilo engenho, ou nesla praca, rua
Imperial ti. 32, que ser gratificado.
Arrenda-se ou compra-so uina olaria que
fabrique obras tinas, ou olaria que fabrique lijlo i
de alvenaria grossa, que seja per'.o do rio e te-
: nha bom barro : quem liver c quizer fazer este
! negoiio, dirija-se alraz da caixa d'agua, casa n.
; 1, porlo verde, que achara com quem tratar.
Attencao.
s
Precisa-sede um menino portuguez que quei-
ra servir de criado em casa de um mogo solleiro:
quem se achar nestas condicoes. poder se diri-
gir loja n. 8 da ra do Queimado,
com quem tratar.
R<-sposta ao annuncio de liontem.
O esmoler das almas da freguezia de S. Jos do
Recife, respondendo ao encarregido da (estado
anno prximo passado de S. Manoel da Pacien-I Precisa-se do urna senhora que saiba o fran-
ca, erecto na igreja de N. S. do Terco, o que i ce/, egeographia com perfeico, para ensinar 4
lem a dizer c que nao est para gastar lempo; mcniuasem um engenho porto desla praca : a
com as.... i senhora que se achar neslas condicoes c quizer,
Offerccc-se urna crioula para ama de casa poder procurar a pessoa que precisa, na rua da
de portas dentro, menos engommar : no largo {Cadeia do Recife n. 53, loja do Alvaro &. alaga-
das Cinco Pontas n. 138.
Diz o abaixo assignado que no dia 12 do
correnie perdeu na esWco do Cabo um quarlo
de bilhete da lotera qii corre no dia 16, de nu-
mero 1186.Manoel Joaquim da Cosa.
As pessoas que tiverem penhores vencidos
na rua Direita n. 60, lenham a bondade de tirar
al o dia 19 de juuho, do contrario serao ven-
didos.
Altenco.
Fugio no dia lt de abril o preto Thomaz, do
estatura regular, espadando, crioulo, idade do 88
annos, punco ruis ou menos, barbado, rosto lar-
go, descarnado, e desacotado; pede-se porlanlo
aos pedestres ou qualquer que o encontrar, que
o levem rua Velha n. 76, que serio recompen-
sados.
Bolo de S. Joo, no deposito de
massas finas na rua da Im-
peratriz n. 11.
Parlicipa-sa ao respeitavel publico que neste
deposito recebem-se eacommeodas de bolo de S.
Joio.de lodas as qualidades,assim como boliahos
para cha.
Novena de S. Joo.
Vende-so a novena e offlcio de S Joo Baptis-
la por 820 rs. ; na pra$a da Independencia, 1-
#rwia n. 6 e 8.
lhes.
O Dr. Manoel Moreira Guerra, mudou"
seu eseripierio de advocada para a rua J
do Crespo n. 10 primeiro andar, onde pe- 3
der ser encontrado das 9 horas da ma- *
nha al as 3 da larde.
t" ir*i "V\ y i "ir*! *HP *^. mfc^ ,*/? ^aia i*iM iif
ttt VWQ S/B W UIUV 9SV037S Un eSVMBV^RraM
lloga-se
ao senhor do engenho Caipora do freguezia da
Escada, Jos Alves de Oliveira, que mande pa-
gar a letra de 600J) que obrigou-se cumprir no
dia de seu vencimenlo, 3 de abril prximo ndo
do correte anno, o que nao ha feilo al o pre-
sente, despresando os moios brandes c suasorios,
que se tem empregado para azer cumprir o seu
dercr !....
Attencao.
Jlo Simoes Pntenla continua a morar na-
rua do Varadouro, da cidado de Olinda na casa
contigua a sua ex-venda ; quem com 'o mesmo
Huizer fallar, dirija-se mesma casa.
Aluga-se um negro muito robusto, que en-
lende alguma cousa da arte colinaria, e do ofll-
cio de padaria : a Iralar na rua Nova, sobrado n.
50, no segundo andar, das 11 s 3 horas da tarde.
nJll
IWiTI


Carros fnebres.
Agr, administrador deste estabelccimento,
te* preparado um novo carro para adultos.e jul-
ga que satisfar com elle aos pretndanles, pois
est com cachimonia adornado ; assim como o
boleeiro est lardado de novo e com gosto.
O abaixo assignado avisa ao respeitavel pu-
blico e particularmente ao corpo do commercio,
que deixou de ser caixeiro de seu pai o Sr. Joa-
quim Pereira Ramos desde o dia 10 do correte,
o agradece 30 mesmo senhor seu pai o bom tra-
Umeoto que Ihe dcu durante o curto espaco de 5
annos e 2i das que foi seu caixelio. Recife 10
oe junlio do 1860.Justino Pereira Ramos.
r~ Ju'Uno freir Ramos declara ao respeita-
vel publico e particularmente ao corpo do com-
mercio, que lem tratada e comprada a taberna
la na ra da Praian 48 aoSr.Joao Jos Celes-
tino de Mello, hvre e desonerada de lodos os d-
bitos que a mesma osteja obrigada alea data des-
te. Recite 11 de juoho do 1860.
mim&
DA
mao do autor.
O Dr. Joo Ferreira da Silva mudou-seda
ra do Rangel para a do Livramenlo n. 26. so-
brado do Sr. Manoel Buarque de Macedo, dcfron-
-Prens. ,e ue ?u nliga habitaso. A grande pralica de
lnnuau teh4? p,orlUguez de XlS au181cuIlaa<> reeonhecida por quasiiodos os seos
1M dimos iraticade aberna : na na H Knlioom* Amatm ,IA.A~ ~-J. ___
Sanio a luz o 3 ioino a* oiogra-,
pinas de alguns poetas, e outros lio-!
mens (ilustre da provincia de Pernam- I
buco, pelo commendador Antonio Joa-
quirn de Mello. Contera as biograpliias
de Luis Francisco .Je Carvatho Couto, |
Jeronymo de Albuquerque Maranliao, ]
Alvaro Teixeira de Macedo, e Joao]
Antonio Salter de MendonQa ; versos,!
entre OS quaes 30 odes anacrenticas, j blico que ie acham Vend^ToVoosdiaTnoe^
urna noticia infere:sate do levante de 1 cr'Plo"o dis mesmas loteras na ra do
Goianna em 1821,
DA UO DE PERNAMBCO. QmRT FEIRA 14 DE JNHO DE 1860.
PROVINCIA.
O Sr. lh< sourciro das loteras manda fazer pu-
1 rador n. !<
e noventa e dous mesmo Sr,
documentos inneditos. Por ora em dencia ns.
Impe-
l o as casas commissionadas polo
iheso'ircro na pract da Indepcn-
14 e 16 e na ru3 Nova n. 56, os bi-
; Hieles da .uarta parle da quarla lotera do Gyra-
imbncaiio, cujas rodas devero andar
menle no da 16 de junho prximo
! nasio Peni
impreteriv
fnluro.
Thesoun
/. M. da
1
n. 48.
Precisa-se de um criado
rador n.75.
pralica de iaberna
na ra do Impe-
- Leoncio de Sa Cavalcanli de Albuquerque,
leudo de seguir para a Europa, deixa como seus
laslautes procuradores nesta praca, em primeiro
lugar a Francisco Tibnrcio de Souza Neves. em
segundo a seu mano o tenenle-coronel Joao de
ha Cavalcanli de Albuquerque. c em terceiro ao
lr. Francisco Luiz Correia de Aodrade.
Barroca cam para o Porto.
Precisa-se de urna ama forra ou cptira pa-
a o servio interno e externo de urna casa de pe-
nen* familia : na ra do Torres n. 20, segundo
ndar.
-r BraulinaGil da Fonseca Candi, invonlarian-
e dos bens de seu fallecido mano Marcolino Lud-
ero da Fanseca Candi, pede a lodos os credores
o mesmo que apresentem quanlo antes suas
coalas, afira de seren dcscriptas no inveutario
que se est procedendo.
na ra da collegas desta cidade torna -o recoiimendado no
diagnostico das molestias dos pulmoes o do cora-
?o ; assim como psra verificar o estado do sau-
de dos escravos que se desejam comprar. Pelo
crescido numero e variedades de operacoes que
na feito com bom resultado em o exercico de
rnais de 20 annos, se julga habilitado para prali-
ca r toda c qualquer operaco cirurgica por mais
delicada e dilcullosa que seja.
Saca se pai a o Porto, Lisboa e
Illia de S. Miguel, no cscriptorio de
Carvalho Nogueira & C, ra do Vigario
" 9, primeiro andar.
Sortes.
Instrucco.
Um mogo sollero, de excellenle conducta, se
ouerecc para ensinar em qualquer engenho per-
to desta praca, nao s primeiras lelris, para o
que est competentemente habilitado, como lam-
oem latim e geometra, o que prova com docu-
mentos e por j ler ensinado : queui de seu pres-
umo se quizer utilisar, annuncie para ser pro-
curado.
ria das loteras 26 de maio de 1860.
H-ruz, escrivao.
Pr :cisa-se de urna pessoa com
habilitar es para contra -inestre de urna
loja de a faiate: na ra da Madre de
Dos n. ;i6,' primeiro andar.
Josep 1 Novella, subdito italiano, retira-se
para a Eui >pa.
Alugr -se um dos melhores sobrados de um
andar e sol 10 na freguezia de Santo Antonio, com
extraordinarios commodose bastante asseiado :
os pretend ules dirijarase a ra da Cadeia n. 36,
primeiro andar.
Alugs m-se 2 escravos padeiros, por preco
quem prelende-los, podd dirigir-se'
entina n. 2, quo achara com qem
Boga-se ao Sr. Antonio Francisco do
Azcvcdo, que levou era 19 do abril dous
pares de borzeguinspara senhora (amos-
tra) *iueira levar a mesma loja o seu im
norte ou a fazeuda.
Acha-se no prelo um lindo e divertido livro de
sortea paia as noites de Santo Antonio, S. Joao e
S.Pedro: as pessoas que se quizerem divertir
n*s elizes noites de junho, queiram dirigir-so
livearia do Sr. Nogueira e deixarem seus noraes.
Pede-se ao Sr. Theotonio Jos do Albu-
querquo Mello o obsequio de apparecer na ra
do Imperador n. 18, a ultimar o negocio que
nao ignora, visto nao saber-se o lugar da sua
morada faz-so o presente, rontimiaiido-so al alcovas grandes saa'de iaii
que se digne apparecer para deniivaucnle re- '" ---"
solvc-lo.
Precisa se de 800*4 a premio dando-se por
seguranza urna casa: quem livor annuncie.
na ra
commodo
ra da Floif
tratar.
W I'r. A igusto Carnero Monteiro da Silva
Santos, medico operador e parleiro pode
ser proc irado na casa Je sua residencia
lo Rangel n. 16.
@?SSg @> >*'@
\10ca
tos. cobertt
cura (.aiiiioici uv -. reas e
por um cabriolet do 2 roda
na ra Nova n. 22.
ssen-
e 2 as-
AVISO
AO
sea %&&$&%&&
Aluga-se urna casa grande toda envidraca-
aa em roda.com umi grande sala na frente 2
alcovas grandes, sala de jamar grande e 2 quar-
los coznha fra, 1 quarto para dispensa, cacim-|
ba d agua de beber, com alguns arvoredos no ,
quintal, sito no lugar da Capunga : qut
der, dirija-se ao Recife, na ra da Croa
era proteo-
meiro andar, ou ra do Uvramt'u'toVSa'de'c'a"-
yduo n. ou.
sentos, dcsi obei lo
Aluga-seo terceiro andar o sotao com gran"
des commoiios para familia : na ra da Cadeia
do Recife n 29.
SiLigoas de francez. e:
piano.
Madi moiselle Clcmence de Hannetot
* de Mam cvillecoulinua a dar lice3 de |
^ francez piano na cidade e nos arrabal- jj*
Jp des : na ra da Cruz 11. 9, segundo andar. !*
nw&m mm m% wstm sis^s I
.^Mwf^sKfiHama Alioaiak da provincia.
CarlOS U. Duboisll Sabio a I a folhioha com
o altuanak da provincia para
io corre ue anuo de
Luiz Soulan.culileiro e arnieiro fran-
cez, que trabalhou em casa dos Srs.
Pommateau e Pradines aiu, previne
ao publico que acaba de estabelecer-se
na ra das Cftizes n. 38, aonde offere-
ce seu preslimo, qur para amolacdes,
qur para concertos de qualquer espe-
cie, o que pronielte fazer com rapidez
e perfeicao. Igualmente se encarrega
de concert de instrumentos de cirurjjia
e dentistas ; quem de seu presumo se
quizer utilisar pode ficar intciramciilo
descansado quanlo ao apurado du tra-
balho.
tmmfmn.
CABELLEIREIRO. C
Praca da Boa- Vista n. 3. 1
Participa que leudo recebdo um gran- |g
de sorlimento de cabellos de Pars, acha- 6
se prompio para satisfazer no mais breve
lempo qualquer encommenda de cabellos **
como sejam marrafas a Luiz XV.cahellei- M
ras de toda especie tanto para homom co- g
mo para senhoras, cresccnles.bands ca- ^e
deas de relogios, braceletes, trancas' pa-
ra aneis etc., etc.
Roca-so
Atten^ao.
neseja-so satier a moraja uo sr. redro da
Rocha Filgueiras, vindo da Europa no paquete
inglez do mez prximo passado : ou enlo appa-
reca o mesmo senhor na ra da Guia n. 58.
Precisa-se de um caixeiro dos ha pouco che- p dentifleo.
gados para urna fabrica de velas na ra do Vi-
Rar',n- 29- e igualmente de dous moloques para
trabalhar : quera os liver dirija-so mesma quo
se tara bom ajuste.
aos Srs Libnio Candido Riceiroo
Joaquim Antonio de Castro Nunes e Fra'r.cisc-
: Carlos Brandao que .tenham a boudade de cora
P rreC L i Augusto & Perdigaa para lhe screm entregues
S! urnas cartas viudas do centro.
DENTISTA FRANCEZ.
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- i
acal* Na mesm*casa ^ <-"* e 3
Atten^o.
Um rapaz com as precisas habililacoes se of-
crece para caixeiro de alguma casa estrangeira
para o que da fiador a sua conducta : quem de
seu preslimo se quizer utilisar, dirija-se esta
lypographij em carta fechada com as iniciaes
F. e P.
Ama deleite.
Precisase de urna ama de leile ; a tratar na
I0J3 de livios ao p do arco de Santo Antonio,
Precisa-se de urna senhora que saiba bein
priraeiras lellras, francez, piano o msica, para
lomar eonta da educar.o de seis meninas, em
um engenho da freguezia da Escada :* tratar na
ra do Imperador n. 39, segundo andar, entrada
pelo beceo do bolequra do Paiva.
Companhia doBe-
beribe.
No dia I i do correte pelas 12 horas j
do dia tera" lugar no escriptorio da
companhia ra do Cabuga' n. 16, a ar-
rematacao do rendiraento de todos os
chaarizes e bieas por bairros e por es-
paco de umanno, sob as bazes abaixo
transcriptas e mais condiccoes patentes
no escriptorio ; os Srs. licitantes compa-
reeam cora seus fiadores ou declaracao
dos rae8mos no mencionado dia deve'n-
do ser as propostas por escripto.
lazes sobre a quaes se deve lancar.
Bairro do Recite.
Cliaariz c bica do caes da
aiandega 5:271 000
Dito da ra da Cruz 6:735^750
Dito da ra do Brum 3:684^150
Dito do Forte do Mattos 2:841^300
FOLIIIJHAS l'ARl .860.
fcstao venda na iivraria da praca da Inde-
pendencia ns. 6 e 8 as folhinhas para 1860 im-
prenasaesU typographia, dasseguiutesquali-
OLIIINIIA RELIGIOSA
kaleudario e
18:532^500
Bairro de Santo Antonio.
Chafariz do largo do
Carmo
Dito do largo do Paraizo
Dito do Paseio Publico
Dito da ra do Sol
Dito da ra da Concordia
8;260,*600
6:813$450
3:304j)2i0
3:095^50
3:093^090
24:566^530
Bairro de S. Jos.
Chafariz do largo da r-
beira
Dito da ra Imperial
12:05^82-)
3:972^375
16:007$200
Bairro da Boa-Vista.
Chafariz e bica da Ponte 5:4600000
Dito da caixa d'agua 4! 872^000
Dito da praca 4:7350500
Dito do largo da Soledade 6830550
15:75 |0O5O
Escriptorio da Companhia do Beribe
9 de junho de 1860.
N. B. S se fornecera' agua as canoas
e embarcacOes as dual bicas do cae* do
Recife e do Capibaribe. O secretario
Manoel Gentil da Costa Aires.
conteni, alm do
regulamentodos diretos pa-
rochiaes, a continuado da bibliolheca do
Cristao Brasileiro. que se corape: do lou-
vor ao santo nome de Dos, coroa dos ac-
or, hymnos ao Espirito Santo e
t N. S., a imitacao do de Santo Amhrozo,
jaculatorias e commemorajao ao SS. Sa-
cramento e N. S. do (armo, exercicio da
Via-Sacra, directorio laraoraglo mental,
dividido pelos das da semana, obsequios
ao SS. coraco de Jesi s, saudacocs devo-
tas s chagas de Chris'o, orace's a N. Se-
nhora, ao patrocinio di Ji. Jos e anjo da
guarda, responso pel s almas, alm de
oulras oracoes. Prejo 320 rs.
CA DE VARIEDADES, o ntendo o kalenda
rio, regulamento dos dreitosparochiaes.e
urna celleccao de ancdotas, ditos chisto-
sos, contos, fbulas, peisamenlos moraes,
receitas diversas, quer acerca Je coznha,'
quer d* cultu" e Dres rvalivo de arvore
e frucloe. Prego 320 r i.
TA DE PORTA.. qual, ai. m das materias do
costume, con lera o resjrao dos direilos
parochiaes. Pre o 160 rs.
Roga-se aos Sn. deve lores do estabele-
cimejito do fallecido Josda Silva Pinto, o ob-
sequio de saldaren) seus dbitos na ra do Col-
eg venda n. 25 ou na ra
o. 10.
D
O
(do Queimado loja
o qual se vende a 800 rs. na
praca da Independencia livra-
ria n. 6 e 8 contendo alm do
kalendario ecclesiastico e
civil:
Noticia dos principaes esta-
dos da Europa e America com
o nomeL idade etc. de seus im-
peradores, reis e presidentes.
Resumo dos i ni pos los ge-
raes, provinciaes, municipaes
e polici es.
Tabella dos emolumentos
parochiaes.
Empegados civis, milita-
res, eclesisticos, lilterarios
le toda a provincia.
Associaces commerciaes,
agrcolas, industriaes, littera-
rias e particulares.
Estalielecimentosfabris, in-
dustriis e commerciaes de
todas a qualidades como lo-
jas, vendas, acougues, enge-
uhos,etjc.. etc.
Serv elle de guia ao com-
merciaiite, agricultor, mar-
timo e pmiui para todas
classesjJa sociedade.
as
Precisa-se de una ama para cosinhar : na
ra dos Pescadores ns. 1 e 3.
Sebastioda Costa, subdito porluguez, vai
ao Rio de Janeiro.
Aluga-sc o primeiro andar do sobrado da
ra do Vigario n. 28; a tratar na travessa da Ma-
dre de Dos n. 21.
Aluga-se um primeiro andar da casa n. 112
na ra Imppral, com muitos commodos : a fal-
lar na ra Direita, casa n. 6.
Marn Bemol, sua senhora e2 Qihqs meno-
res, reliram-se para a Europa.
$$$$ S
I DENTES S
aiu ii i< i vi:*. |
|Ruaestreita do Rosario n. 3|
9 Francisco Pinto Ozorio colloca denle r- <$
uncaos pelos doussyslcmasVOLCANITE,
chnpasde ouro ou platina, podendo ser
f procurado na sobredila ra a qualquer fe
hora. ^
Roga-se aos Srs. devedores a firma social
de Leile & Correia em liquidado, o obsequio
de mandar saldar seus dbitos na loja da ruado
Queimado n. 10.
Por um corte de cabello e
frisamento 500 rs.
Ra da Imperatriz n. 7.
Lecomte acaba de receber do Rio de Janeiro
o primeiro contra-mestre da casa Augusto Clau-
dio, c um outro vindo de Pars. Esta eslabele-
cimenlo est hoje as melhores condicoes que
possivel para satisfazer as cncommendas dos
objectos em cabellos, no mais breve lempo, co-
mo sejam : marrafas a Luiz XV, cadeias de relo-
gios, braceletes, anneis, rosetas, etc., etc., ca-
bdllciras de toda a especie, para homens e se-
nhoras, lava-se igualmente a cabera a moda dos
Estados-Unidos, sem deixar urna s pelcula na
cabera dos clientes, para satisfazer os pretenden-
tes, os objectos era cabello sera feitos em sua
presenca.se o desejarero, c achar-se-ha sempre
urna pessoa dsponivel para cortaros cabellos, e
penlcar as senhoras em casa particular.
E' chegado loja de Lecomte, aterro da
Boa-Vista n. 7, o excellenle lete virginal de ro-
sas blanca para refrescar a pclle, tirar pannos
sardase espinhas, e igualmente o afamado oleo
babosa, para lmpar c fazer crescer os cabello,
assim como pos imperial de lyrio de Florenca
para bortuejas c asperidades da pelle, conser-
va a frescura e o avelludado da primavera da
vida.
m
Grande e novo sortimento de fazendas de* todas as qua-
lidades por baratissimos precos.
Do-se amostras com penhor.
Lindos corles de vestidos de seda pretos
de 2 saias
Diioa ditos de ditos de seda de cores
com babados
Dilos ditos de ditos de gaze phantazia
de cores
Romeiras de fil de seda^preta bordadas
Visitas de grosdenaples prelo bordadas
com froco
Grosdenaples de cores com quadrinhos
covado
Dito liso preto e decores, covado
Seda lavrada preta e branca, covado l e
Dita lisa preta e de cores, com 4 palmos
de largura, propria para forros
Cortes de vestido de seda de gaze trans-
parentes
pitos dedilos de cambraia e seda, corle
Cambraasorlandys de cores, lindos pa-
drees, vara
Manguitos de cambraia lisos e bordados
iras e entremeios bordados
Mantas de blonde brancas e pretas
pilas de fil de linho prelas
Chales de seda de todas as cores
Loncos de cambraia de linho bordados
Ditos de dita de algodo bordados
Panno prcto e de cores de todas as qua-
lidades, covado
Casemirasidcm idem ide^\
Gollnhas de cambraia a
Charca de touquirr. brancos
Ditos de merino bordados, lisos e es-
lampados de todas as qualidades
Enfeilcs de vidrilho francezes pretos e
de coi es
Aberturas para camisa de linho
do, brancas e de cores
Saias balo de varas qualidades
Tafel rxo, covado
Chitas francezas claras e escuras, co-
rado '
Cassas francezas de cores, vars
Collarnhos de esguio de linho mo-
dernos
Um completo sortimento de ronpa feita
e algo-
5
I
9
9
t
1200
39000
19500
10*000
16)000
19000
i
9
9
9
9
8
$900
9

$640
9
I
39500
9
6*000
$500
9280
500
$800
sendo casacas, sobrecasaess, paletots,
colletes, calas de muitas qualidades
de fazendas
Chapeos francezes finos, forma moderna
Um sortimento completo de grvalas de
seda de todas as qualidades
Camisas francezas, peitos de linho e de
algodo brancas e de cores
Ditas de fustao brancas de cores
Ceroulas de linho e deelgodao
Capellas brancas para noivasmuito Gnas
Um completo sortimento de fazendas
para vestido, sedas, la e seda, cam-
braia e Seda lanadas O Imnenaranl^.
tapadas e transparentes,
brancas e de corespara
para
e
covado
Meias cruas
meninos
Ditas de seda para menina, par
Luvas de fio de Escocia, pardas,
menino
Velludilho de cores, covado
Velbutina de cores, covado
Pulseiras de velludo pretas e de co-
res, o par
Ditas de seda idem idem
Um sortimento eompleto de lu-as de
seda bordadas, lisas, para senhoras,
noracns e meniucs, de todas as qua-
lidades
Corles de coDele de gorguro de seda
de eores
Dilos de velludo muito finos
|Lenros de seda rxos para senhora
Marquen tas ou sombrinhas de seda com
1 molas para senhora
Sapatinhosde merino bordados proprios
para baptisados, o par
Casinetas de cores de duas largurasmui-
to superiores, covado
Seim preto, encarnado e azul, proprio
para forros, com 4 palmos de largura,
fazenda nova covffdo '
Sftim liso de lodas as cores covado
Lencos de gorguro de seda pretos
Relogios e obras de ouro
Cortes de casemira de cores a
EAU MINCRALE
t
89500
9
t
9
I
I
1
9
1960O
9320
1J20O
970O.
25000
I9OOO
9
9
2950

2$f0O
nooo-
JCOO

I
9
510CO
NATURALLE DE VICHY.
botica franceza ra da Cruz n.22.
lOfOOO
15J000
Fazendas e roupa feila
Continua sob a mesma direcrao do Ha- dt
@ noel de Mallos Teixeira Lima, professor ft
* em homeopatlna. As consultos como d'an-
fti tes. 2
POR MEDIDA.
Na lojaearmazemde Joaquim
Rodrigues T. de Mello.
l\ua 4o Queimado n. 37,
em sua loja Ae 4 portas.
Tem um completo sortimento de roupas feita3 !
e por medida a vontade dos freguezes: calcas de
casemira e de brra, colletes de diversas quali- viadosda Europa pcloDr. Sabino,
des, sobrecasatas de muito bom gosto, um sor- ^sles medicamonlos preparados espe-
iimento de paletots de panno e de casemira -i- mcnle aegiindo aa necessidades da ho-
Assignatura de banhos frios para urna pessoa por mez
.,.. j. \ ornos.de choque ou chuvscos por mez
I------ g*S2 ^rtoea e banhos avulsos aos oreos annunciados
Prccisa-se de duas ama?, urna pa-
ra cosinliar e outra para engommar,
, dndose preferencia a escravss: a Ira-
! tar na ra do Imperador n. 15.
|tonsullorio central homcotfatliicof
DK r f
TDTSTDWnWTTD
Botica ceutral homeopatbica
Do
DR. SABIKO 0, L PIMO
Novos metficamentoshomcopnthicos en-
al-
be
i
$
@ meopaihia no Brasil, vende se pelos pro-i
paca, laazinha, nscadinhos e de bnm, que ludo eos conhecidos na botica central horneo- S
se vende por preco commodo ; um completo sor- palhica, ra de Santo Amaro (Mundo No- 5
lmenlo de chapeos prelosdc seda para homem, v
de superior qualidade a 109, ditos de castor mui-
to superiores a 16$, chapeos de sol de seda in-
glezes dos melhores que lera vindo ao mrcalo,
dloslrancezes de diversas qnalidades, ditos de
pannograndese pequeos, cortes de vestidos de
seda de variados gustos para dversos"precos, um
compleloeortimento de bordados e entre- raeios,
golinhase manguitos, ludo por preco commodo ;
chaly de seda e la de gosto mais apurado que
tem apparecido s 19280 o covado, chitas france-
zas roiito superiores de 260 at H0 rs. o covado
de gost8muito delicados : um grande sortimen-
to de fazendas francezas elnglezas o alleraasque
sera injpossvcl aqui se poder mencionar com
precos. assevera-se aos freguezes que ludo se
vende mais em conta que em outra parte sendo
a dinheiro.
@<
Altenco.

Os cffeitos antiepidemicos, que sao produzdos
pelas fumigacoes hygiencas de Cuyton de Mor-
veau, sao efficazes, coico prca 3 experiencia qu
dellas se lera tirado ullimcmeule. Os
que se elevam do urna formula desta
baslam para desinfectar
45Ra Direila-45
De 5#000 a 6#000.
O porretaro deste estabtlecimcnto
attendendo ao estado pouco litormiro
da bolsa da maior parte da populacao,
e animado por um sentimento phian-
tropico em prol dos seus antros fre-
guezes, tem a l.onra t|c olerecei-llies
um resto de borzegiiins de btzerro e
lustre, 1 m muito bom citado, mediante
a retribuicao cima.
m
@ proporgao que tem
para mais fcilmente
Siftop du
f
JARABE W) FOMGET.
rjtjlj li Este xarope est approvado p4! Xrlw aUecces dos broncbi^ auq tmp^ri&nte^-- 6 ^ suflicimes- edto di STsceleaie
urna colherada
satisfaz ao mesmo
0\lmWon
.------^ __ ^^v.vu.v xarope
medico. r
f"* lar9a d0 Haiario, botica de Btulholonco Francisco de Souza, n. 36.
FUMDICAO
DO
I.V.
Ra do Bru (passando o chafariz.)

!Xo depoiUo Aeste estabeYeclmenlo sempre lia grande linimento de me-
tvianismoparaoscugenhosdcassiLcar a saber*.
Roda! d !.?2|I moderna8' de S0,Pe cumprido, econmicas de combustivel, e defacillimo assento ;
Kodas d agua de ferro com cubos de madeira largas, leveUfcrtes, e bem balancadas ;
Cannos de ferro, e porta d'agua ara ditas, e serrilhas paTTrodas de madeira
Moendas inteiras com virgens muito fortes, e< onvenientes ;
^^TZ^,Zr.TK': c"a"0*'ou boi'' acun"ad"em '^'^ *-1
Paroes ebicas para o caldo, crvos e portas d< ferro para s fornalhai:
Alambiques de ferro, moinho. de mandioca, fornos para cozer fari'nha
Rodelas dentadas de todos os tamanhos para v por, agua, caTalos ou bois' '
tlhses, bronze. e parafusos, arados, eixos e roda, para carrocas, frma's galvanizada, para purgar etc.,etc.
que
D. W.Bowmanconfia.quecosseus reguezes acharotudo digno da preft
o noDram, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio pan
erencia com
-,
1' A"' K.*""" ^F-f "^^4 ene ieiu ao mecnanismo proprio para os asrricul-
tores desta provincia, epelofacto de Candar construir pessoalmente as suas obras as
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dto fim
assim como pela continuado da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mSnt
mo a vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que podero necessit^
e
vaporjs
fumigaco
um espaso de 340 ps
cbicos ; e de 10, as ntricas, assim explica Car-
nichael Smilh. O andaco que nos vecha de pre-
sente, tcm ccifado muitas vidas, c convem que
[para prevenr-se o mal, arries do que cura-lo de-
pois de apparecido) as pessoas desta cidade, onde
putra qualquer parte, onde o mesmo se vai de-
senvolvendo e se tem manifestado, recorran
botica n. 88, na ra Direita, onde se atha ven-
da quanldadedaquclle desinfectante. O Sr. Do-
mingos Ribciro da Cunha, morador na ra da
I Praia n. 49, reconhecendo estar a sua casa iffcc-
lada desta epidemia, pois quasi lodas as possoas
de sua familia haviam adoecido, recorreu ao
abaixo assignado, que subministrando-lhe a fu-
migaco, produzio ella salutares resultados : as
; pessoas pois, em idnticas circunstancias, que
\ precisarem das desinfeccoes, o acharo sempre
prompto.para mandar efTecluar a devida applica-
;i>. O mesmo lambem vende na mesma botica
os ingredientes para conservar as casas os va-
pores do chlorure, os quaes em todo o caso mui-
to approveilam, e previnem 3 invasao das epide-
mias no interior das habitases ; assim como
de importante ulilidade a sua 3pplicasao as fe-
rdas, ou ulceras chronicas como detergerle para
preserva-las do estado de pulrefaccao. A maneira
de applicar se adiar na etiqueta. O prprn de
fv9%Jos da Rocha Taranhos.
COMPANHIA
ALLIANC
Estabelecida em Londres
um s 1 fs*.
CAPITAL
Cinco mVWioes de libras
esterlinas.
Saundera Brothers* C tem a honra detn-
rormar aes Srs. negociantes, proprietarios de
3a*a, eaguemraais convier, que eslao plena-
mente autoria#dos pela dita companhia para
effectuar seguros sobre edificios de tijolo epe-
dra, cobertos de telha e igualmente sobre oa
objectos que coutiverem os meamos edificios
quer consista em mobilia ou em fazendas d
qualquer alidade.
a.~ -a lra,M. da ru das Cruzcs n. 2, segun-
SriSE'.?0 P68la 1yP8raPhi. t'nge-se cora
perfeisao de qualquer cor, e mais barato que em
I outra qualquer parte.
, erular os ir.balhos de parlo, o acnse- >
I Ihado pe o feliz resultado^que lera ob.fdo 2
i "'"l'^^dos fm.os laboriosos, cm |
I DaraeSPiC"luJ,de SObre ele rnrno
S "' uque poder ser Procurado a qual- 1
f ^?L*' na rua d0 Ra"el n 16. Z
ir"irnihTerCCe'SC "m fornciro Pfa padaria. quo
trabalhr pouco a Iratar na da rua Direita u-
Caixeiro
dn0ni?PHeCS,de umrP para caixeiro, ten-
do pralica de cobrai.jas e alguma de btelo pora
reita n. 68, que achara com quem traUr.
7n1 T caznd1 CamP0S Q""ma niudou-
se do pateo de S. Pedro para a rua Augusta, rasa
nni"S^d,1,0,S n-19' Pr6m M residencia
no segundo andar, onde se contina a vander o
auK0Ce SeCC -C Cnj''- c de ldas as iais
qualidades, em poreao e a retalho ; lambem
pre
la "
se
ram bandeijas'o bocetas enhiladas, a roa-
ppcomprador.
Attenco. I
J. D. Frk-k de Lisboa, tem a saUafaeie 8
ue inrormar a lodos os seus amigos e cor- ?
rrspondenles, que os seus despachos le- *P
.'ogrnphicos pelo vapor Magdalena, fo- B
ram us primeiros que so entregaran) na '"&
estocao lelegraphi-a de Lisboa. ?&
Bollinhos,
Bandejas enfeiladas com diversos gostos, dos-
melhores bolinhos do nosso mercado, em porcSo
de libras ou a retalho, que consirvam-se muito
para embarque ou viagem ; assim como pudins
pastis de nata, creme, lorias, ou outra qual-
quer pastelera para desserl: lambem preparam-
se bolos finos para o lempo de S. Joao e S. Po-
dro, das melhores qualidades da massa mohada
esecca superior, ludo com o melhor asseio, e o
mais em conta do mercado, dirija-sc a rua da
Penha n. 25, para Iralar-se.
%m
Msica.
Recebeu-se pelo ultimo
tas msicas para piano :
n. 43
paquete boni-
na ma Nova
Loja de marmore.
Nova fundico de ferro
e bronze.
Una do Brum n. ^.
James E. B.Spears.
Fundidor machinisla eengenheiro encarrega-
se de qualquer obra, assim como sentar vapores
de todas as qualidades para serrara, refinacao
fabrica de sabao. machinas para amagar pao*
para moer mandioca, ludo por preso commodo*
e concerta alvarengos, bombas, voperes, e toda
qualquer obra.
Aluga-se na Baixa-Verde urna casa terrea
com quatro qnartos. duss salas, c corinha fora
quem a pretender dirija-sc a Capunga, casa de
ZTm- Venil% A/ntM' ou 5 P"?6 Inde-
pendencia ns. 13 e!5.

-^TT


-~
ll
DIARIO DE PERfJAMBCO. QUINTA PE1RA 14 DE JUNH0 Dt 1860.
BARATO S6IN0PR0GRESS0
DE
--largo da Penha
Neste armazem de molhados con-
tinua-so a vender os seguinles gneros abaixo mencianados do superiores qualidades e mais barato
do quceni oulra quilqucr parte, por serem a maior parte delles rccebidos em direitura por coma
dos propriclarios.
Manteiga iuglexa e fraucexa
perfeilamente flor a mais ora que tem vindo ao mercado de 640 a 800 is. a libra e cm barril
se far algum ab^atimcnlo.
Q arijos Clamengos
mullo novos recenlcmcnie chegados no ultimo vapor da Europa de lg700 a 38 e a vista do gasto
que o freguez fizer se far mais algum abalimento.
Queijo prato
os mais novos que cxislem no mercado a 1# a libra, em porgo se far abalimento.
iVineixas f raucezas
em latas de 1 1|2 libra por 1S500 rs., e em campoteiras de vidro contendo cada urna 3 libra
por 3000.
Musanla ingleza c franceza
em frascos a 640 rs. e em potes tranceza a 800 rs cada uro.
Vcr&a&eiros ugos &e comadre
m caixiohas de % libras elegantemente enfeitadas proprias para mimo a lj600 rs.
HolacVimna ingleza
a mais nova que ha no mercado a 240 rs. a libra e em barrica com 1 arroba por 4g.
Potes vVdvados
d> l a 8 libras proprias para manteiga ou outro qualquer liquido de 400 a lJfOOO rs. cada ura.
Amcndoas confeitaas nronrias nara soties
de S foao
alga libra e em frasquinhos, contendo 1 1(2 libra por 2$.
CAia preto, hyson c pcrqla
os mclhores' que ha neste mercado de 1&600,25 e 2&500 a libra.
Ma$as em ca\x\n\ias de 8 titiras
contendo cada una dilTercnles qualidades a 45D0.
Palitos de denies lieliados
em molhos C3m 20 maciuhos cada um por SM rs.
T i joto francez
propriospara limpar tata a 200 rs.
Huita allencao.
Ac bom e barato que faz ad-
mirar aos compradores.
RuaDireita Ujan.68.
Nao se engeita dinheiro.
fliquissimos corles de vestidos de grosdens-
ple.' preto bordado a velludo, corles de vestidos
de | hanlasia de seda muito moderno, cortes de
ves idos de mossulina de seda, corles de vesti-
dos de barege de seda cora ricos esenhos,. cor-
tes de vestidos decambraia bordado a seda, po-
lac s de grosdenaples preto muilo bom objeclo
da noda, paletols de panno de todas as qualida-
des ditos do casemira muilo Guo,ditos de alpa-
ca ce differentes modelos e qualidades, calcas de
casimira preta e de cores, ditas de brim branco
o do cores de puro linho, camisas de todas as
3ualidades, cambraia organdys com modernos
es inhos, chales d-; mene mnilo fino bordado
a Inco todo em roda e com pona redonda, obra
de nuilo goslo, chapeos de sol com molas e
sen ellas, seroulas de puro linho, riquissimos
cor es de casemiras de cores muilo fina padres
do nuilo goslo, enfeites de vidrilho, luvas, gr-
valos, esparlilhos francezes, alpacas de todas as
coros, grosdenaples preto francez o melhor que
pode haver. Alm deslas fazendas existen) ou-
lra* muitas que se eslo vendendo por menos
do cu valor.
-- Vende-so urna casa terrea na ra do Padre
Floriano n. 39 : trata-sc na toja da ra Direita
nunero 62.
Attenco
\ ende-se a padaria da Passagem da Magdalena,
Ira essa dos Remedios n. 31, com lodos os seus
peitences, e bem afreguezada ; ao comprador se
dirk o motivo por que se vendo.
m
REMEDIO MCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAT.
Milharesde individuos de todas as nacOes po-
dem lestemunhar as virtudes desto remedio in-
comparavel e provar em caso uecessario, que,
pelo uso que delle fizeram tem sen corpo e mem-
bros inleiramente saos depois de haver emprega-
do intilmente outros tratamentos. Cada pesoa
poder-se-ha convencer dossas curas maravilhosas
pela leilura dos peridicos, que lh'as relatam
todos os das ha muitos annos ; e a maior parte
dellas sao to sor prndente que admiran; o
mdicos mais celebres. Quantas pessoas recof
braram com este soberano remedio o uso deseu'
bracos e pernas, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam soffrer a
amputagol Dellas ha muitas que havendo dei-
xado esses asylos de padecimentos, para senao
submetterem essa operacao dolorosa foram
curadas completamente, mediante ousodesse
preciosoremedio. Afumas das taes pessoa na
enfusao de seu recouhecimento declararam es
tes resultados benficos diante do lord correge-
dor e outros magistrados, afim de maisautenti-
carem sua firmativa.
Ninguem desesperara do estsdo de saude sa
Uvesse bastante confianca para ensaiar este re.
medio constantemente seguindo algum tempo o
meniratatoquenecessitassea natureza do mai.
cujo resultado seria prova rinconlestavelmente
Quetudocura.
O ungento Je til, mais particu-
larmente nos seguinteseasos.
L0J4DOVAPOK-
Grande e variado sorlimento de calcado fran-
cez, roupa feita, miudezas finas c perfumaras,
ludo por menos do que em outras parles : na lo-
ja do vapor na ra Nova n. 7.
SYSTE1A MEDICO DE HOLLOWAT.
PILLAS HOLLWOYA.
Este Inestimavel especifico, composto inleira-
mente de hervas medicinaes, nao conlm mercu-
rio, era algum a outra substancia delecteria. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleicao mais
delicada igualmente prompto c seguro para
desarreigar o mal na compleicao mais robusta ;
inteiramente innocente em suas operagSes e ef-
feitos; pois busca e remove as doengas de qual-
quer especie e grao por mais antigs e ienazes
que seam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saude e forjas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
As mais afllictas nao devem entregar-se a dc-
sesperaco ; facam um competente ensaio dos
efcazes effeitos desta assombrosa medicina, e
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguimos enfermidades :
Tachas para engento
Fundicao de ferro e bronze
DE
jChancas para invern.1
Na ra da Cadea do Ilerife n. 23 loja lfl
confronte ao Boceo Largo, vendem-se =3|
chancas proprias para o invern ou para a
andar-se em casas ladrilhadas a marmore g|
ou lijlo pelo mdico proco de 3$ cada <<>>
urna. f|j
SAL DO ASSU",
vendc-sc a bordo do palhabote Oliveira II,
assim como palha de carnauba : a tratar no es-
criilorio de Manoel Alvos Guerra, ra do Trapi-
chi n 14, ou com o capitao a bordo.
I Vende-se ou trocase por alguma negra, ou
mulata, um negro moco muito robusto, c de bo-
nilla figura: na ra Nova n. 52, primeiro andar.
Alporcas
Caimbras
Callos.
uiceres
^tad u r'as.
^esdecabeja.
"dos niembros.
Enfermidades da cutis
emgeral.
Ditas do anus.
Erupcoes e escorbti-
cas.
Fistulasno abdomen.
Fnaldade^ ou falta de
calor ns extremida-
des.
Frieiras.
Gengiva escldalas.
l"chacoes
Inflammacao do flgado.
Conservas inglezas e francezas
cm latas e cm frascos de difierentes qualidades.
Presuntos, clionricas e paios
o mais novo que ha neste genero a 480, 640 c 720 rs. a libra.
lalas de olael\inl\a de soda
de differcnles qualidades a I^GO em porcao se far algum abalimento.
Tambora vendom-se os seguinles gneros ludo recenleraenle chegado c de uperio-1
res qualidades, presuntos a 480 rs. a libra, chouriea muilo nova, marraelada do mais afamado fa-
bricante de Lisboa, maga de lmale, pera%ccca, pasaas, fructas em calda, amendoas, nozes, frascos ;
on amendoascobertas, conleiles, paslilhasde varias qualidades, vinagre branco Bordcaux.proprio i
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix, magas de todas as qualidades,gom-
mamuilo fina, ervilhas francezas, champagne das mais acreditadas marcas, cervejas de ditas,'
spermacele barato, licores francezes muito finos, marrasquino de zara, azoitedoce purificado,azci !
t mas muilo novas, banha de porco refinada e outros muilo gneros que cnconlrariio tendentes a j
molhados, por isso promeltcm os proprietarios vendorem por muito menos do que oulroqualquer,
^ri.noten mais tambem servirem aquellas pessoas que mandaron) por outras pouco pralicas como
e viessera pessoalmonle ; rogara tambera a lodos os sonhoresde engenho e scuhores lavradores
qieirara mandarsuas encomraendas no armazem Progresso que se Ihcs affianea a boa qualidadee
o Dcondieionamenlo.
se
Altenco.
a
No holel Trovador, na ra larga do Rosario n.
44, nico no bairro de Sanio Antonio, c offere-
cendo por isso populaco inleira dessa bella
caiital toda a arommodarao no que respeila ao
confulavcl, contina a servir de tudo com prom-
plidao c asscio, por menos do que cm qualquer
oulro hotel nosta eidade.
'..^ r. Cu*ine de Sa Pereirafig
i^v lo volt ilesua viageni instructi-
y-jiriva a duropa continua no exer-j^
Jk :cio de sua proflsf&O medica.
D' consuitas em seu escripto-
fi-io, no bairro dollecife, ra da^1
(Cruz n. 53, todos os dias, meriosW'
iios domingos, desde as C Iiorasi-
u as 10 da manha, sobre
seguintes pontos :
l. .Molestias deolhos ;
[?. Molestias de coracao e
peito ;
5-. Molestias dos orgaos da gera-;
c3o, e da anus ; ^
-. Prameara' toda e qualquer
operacao quejulgarconvenien-
te para o restabelecimento dos*^
seusdoentes.
O exame das pessoas que o con^
-Jiultarein sera' feito indistim
, nente, e na ordem de suas en-^
Stradas; fazendo excepqao os doen-
kesde othos, ou aquellesque por!
notivojustoobtiverem hora mar-|
tcada para este fim.
A applicaco de alguns medica
aentos indispensaveis em varios
i:asos, como o do sulfato de atro-
pina etc.) sera'feto.ouconcedido
gratuitamente. A confianca que
elles deposita, a presteza de sua
Uccao, e a necessidadeprompta
le seuemprego; tudoquanto o
ilemove era beneficio de seus
loentes.
Prevenco.
Jos DominguesPimcnta promove accao de U-
bello contra os herdeiros da finada D Francisca
Antonia da Fonseca, e conslando-lhe quererem
estes vender o que lhes tocar em parlilha, os fez
citar para, na forma da lei, satisdarem o juizo, o
que se faz publico para que ninguem so chame a
engao.
I Attenco. |
Curso pratico e theorico de lingua fran- 9
^ ceza por urna senhora franceza, para dez #
@ mocas, segunda e quinta-feira de cada se- #
$ maa, das 10 horas at meio dia : quem
i-k quizer aproveitar pode dirigir-se a ra da 10
,'i) Cruz n. 9, segund andar. Pagamentos
@ adiantados. 2
CA
Terceira parte da priaiei-
ra do Espirito Santo.
Os abaixo assignados venderam da lotera su-
pra os seguinles premios :
Ns.711 5:000g Bill.cle.
202 1:000 lquarlo.
A garanta paga na ra na ra do Callegio
n. 21
. Layme & Madureira.
Traca da Independencia n. 4.
| Densla de Pars.
h 15Ra Nova15
., Frcderico Gauticr, cirurgio dentista,
^ faz todas as operac.oes da sua arle e col- a
20j loca denles arlificics, ludo com a supe-
^ rioridade e perfeicao que as pessoas en-
^ Tem agua e pos dentifricios ele.
Grammaticaingle-
za de Ollendorff.
Novo methodopara aprender a lr,
a cscrever e a fallar inglez em 6 mezes,
obra inteiramente nova, para uso de
todos os estabelecimentos de instruccSo,
pblicos e particulares. Vende-se. na
praea de Pedro II (antigo largo do Col-
legio) n. 37, segundo andar.
agencia dos fabricantes america-
nos G rouver & Baker.
Machinas de coser: em casa de SamuelP.
lonnston & C.,rua da Senzala Nova n. 52.
Alcatifa.
Campos & Lima, na ra do Crespo n.
16, tem para vender alcatifa com 4 pal-
mos de largura de muilo boa qualidade
e propria para alcatifar, salas e grojas a
800 rs. ocovado, dinheiro a visla.
Inflammacao dabeiiga.
da matriz
Lepra.
Males das pernas.
dos poitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosquinos.
Pulmes.
Queimadelas.
Sarna
Supuracdes ptridas
Tinha, em qualquer par-
te que soja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do flgado.'
das articulaces.
Veias torcidas ou noda-
das as pernas.
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A arpla*.
Areias(malde).
Aslhma.
Clicas
Convulses.
Debilidad e ou extenua-
cao
Debilidade ou falta de
torgas para qualquer
cousa.
Dysinleria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfeimidades no ventre.
Ditas no flgado.
Ditas venreas.
Enxaqueca
Herysipela.
Febre biliosas
Febreto intcrmtente.
Vende-se este ungento no estabecimento
geralde Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua yenda cm toda a America
do snl, Havana e Hespanha.
Vende se a800 rs., cada bocetinha contm
urna instrueco em prtuguez para o modo de
fazer uso leste ungento.
O deposito geral em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na ra da Crun. 22, em
nambujo.
Febreto da especie.
Gotta.
Hemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestoes.
Inflammac.oes.
Ir r eg u laridades
menstruaco.
Lombrigasde toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Obstrucco de ventre.
Phtysica ou consump-
pulmonar.
Retenrao de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal).
Kua do Qucimado n* 1.
Ha para vender por pjcqos muilo commodos as
jiiinles fazendas, pira liquidacao :
Cortes de risesdo faancez, um 2S000.
Ditos de dito dito, covado 200 rs.
Costes de cassa do barra, um Ijj.
Cassa franceza de cor, vara 440 rs.
Dita dita, covado 240 rs.
Corles do meia casemira prela a 3$500.
Laa e seda, covado 400 rs.
Dila dita, covado 320.
Dita laa s a 400 rs.
Lencos de seda para algibeira, um lg.
Ditos francezes proprios gara rap a 300 rs.
Grvalas de seda do tdr de2voltas a lj>200.
Dilas dila de 1 volia a 900 rs.
Ditas dita de mola a 800 rs.
ng
pro-
3e(
toe
i
15
Champanha
Campos & Lima, na ra do CriiSpo
16, lem para vender urna porcao de
gos cora champanha de superior l quali-
dade a 200 o gigo.
ummmm'm
Augusto & Perdigo,
Vendem-se 2 pares do rodas novas para
rroc,a : na ra Augusta, casa de sotao confron-
ao gazomelr. Na mesma casa aluga-sc por
e^o commedo ummolequede 14 annos, para
rvijos leves.
mws mw emzmmsm
GRANDE S0RT111EM0
DE
Fazendas c obras feilas.
NA
Ltoja caimaicm
DE
es&BasloJ
*-
^Escriptorio de advocacia.
^ O bacharel Gusmo Lobo advoga no ci- *
, vel: ra do Rangel n. 61 D.
Francisco Ramos Maia faz scienle ao res-
peilavcl publico e principalmente a quem intc-
ressar, que tem constituido seu bastante procu-
rador a seu genro Jos deAzevedo Maia e Silva ;
e portanto o nico aulorisado a passar recibo
dos alugueis de sues casas, o tratar do seus
gocios.
O Sr. Andr Alves da Fonseca Jnior queira
Sor favor ir ou mandar a ra Nova, loja n. 7, a
egor.io que nao ignora.
ne- i
im LllSA-BRASLEIRA,
% Golden Square, Londres.
J. G. OLIVEIRAlendo augmentado, com lo-
mar a casa contigua, amplas-e excellentes ac-
commodages para muito maior numero de hos-
pedesde novo se recommenda ao favor e lera-
branca dos seus amigos e dosSrs. viajantes que
visitera esta capital; continua a prestar-lhesseus
servicose bons offlcios guiando-os em todas as
cousas que precisem conhecimento pratico do
paiz, etc.; alm doportugueze doinalez alla-se
na casa o hesnanhole francez.
Caixeiro.
No paleo do Terco, taberna u. 28, precisa-se
le um menino do 12 a 14 annos, com pratica,
afianzando t conducta.
Compras.
Compra-se o Diario de Pernambuco de 16
de oulubro de 1854: na ra Direita, padaria nu-
mero 69,
Olinda.
Compram-se casas em Olinda que o seu cusi
nao exceda de 2:000$: quem liver annuncie para
se procurar.
Compram-se 3 moradas de casas terreas em
boas ras em Olinda, nao sendo o seu cusi mais
de t:000a a 1:200 cada urna : a tratar na ra
Nova n. 90, primeiro andar.
Compram-se es-
cravos.
Compram-se, vendem-se e trocam-se escra-
vos na ra do Imperador n. 79,'primeiro andar
Vendas.
Na ruido Queimad) n.
46, frente amareUa.
Grande e variado sortepento de sobre-
casacas e casacas de preos finos pretcs
o de cores a 28>. 30j e 35$, paletots dos
mesmos pannos pretos e de cores a 28$,
203 22 e 259,ditos ** casemira meseta-
dos de superioi gosttra 16$ c 18), dilos
das mesmas casemiras saceos modelo
inglez 10$, 12#, 14 e 15. ditos de al-
paca preta fina saceos a 4, ditos sobre-
casa tambem de alpaca a 7g,8Je9#, di-
los de merino selim a 10, dilos de me-
ri de cordo a 9J, calcas pretas das
mesmas fazendas a 5 e 6g, colletcs pa- |
ra luto da mesma fazends, paletols de :
brim trangado a 5g, dilos pardot e de ]
fustao a 4 e 53, calcas de casemira de
cor e pretas a 7, 8, 9$ e 10$, ditos das
mesmas casemiras para menino a 6$, 7
e 8, ditos de brim para homem a 3,
3500. 4 e 5J, ditos brancos finos a 5,
6$ e 7, dilos de meia casemira a 4 e
5, colletes de casemiras preta e de co-
res a 5g, e 6, dilos de gorgurao de seda
brancos decores a 5 e 6$, dMM de
velludo preto e de cores a 9g e 10, dilos
de brim branco e de cor a 3, 38500 e4,
palilols de panno fino para menino a
15, 16 e 18, dilos de casemira do cor
a 73,8 e 9$, dilos de alpaca a3e3;00,
sobrecasacas de alpaca tambem pa.-a me-
nino a 5e 6, camisas para os mesmos
de cores e brancas a duzial5$, 16#e20,
meiascruss c pintadas para menino de
todos os lamanhos, calcas de brim para
os mesmos a 18500 e3, colarinho de li-
nho a 600Oaduzia, toalhas de linho pa-
ra nios a 900 rs. cala urna, casaveques
de cambraia muilo fina e modernos pelo
diminuto prego de 12, chapeos com abas
de lustre a 5, camisas para homem de
todas as qualidades, seroulas para ho-
mem a 16, 20 e 25 a duzia, vestimen-
tas para menino de 3 a 8 annos, sendo
calca, jaqueta e colotes ludo por 10, co- jj
bertas de fuslao a 6, toalhas de linho
para mesa grande a 7 e 8, camisas in-
__ glezas novamente chegada a 36J a duzia.
ASAaS&Alfift'^ikA mk'Vt ^i^g ^^ya .111^ ^^/a ^^ja, )ui
wSsm^^^v^mVSv awSW ZJXitfSMS/BwWrW
com loja na ra da Cideia do Recife n.
23, confronte ao becco Largo,
prevlnem aos sous freguezes, queacabam de sor-
lir seu novo eslabelecimento com fazendas de
goslo, finas, e inferiores, para vender pelos pre-
cos os mais razoaveis ; as fazendas inferiores,
nao a rclalho. se vendero por um preco fixo
que ser o seu proprio custo as casas inglczas,
urna vez que sojam pagas vista.
Neste eslabelecimento se encontrar sempre
um sortiraento completo de fazendas, c entre el-
las o seguinte :
Vestidos de seda com babadose duas saias.
Ditos de laa e seda e duas saias.
Dilos de tarlalana bordado a seda.
Manteletes pretos bordados com franja.
Taimas pretas de*scda e de fil.
Polonezasdc gorgur de seda pretas.
Cinluroes para senhora.
Esparlhoscom molas ou clcheles.
Enfeites de vidrilho ou flores para senhora.
Vestuarios para meninos.
Saias de balo para senhora e meninas.
Chapeos para senhora e meninas.
Pentes de tartaruga dos melhores gostos.
Perfumaras de Lubin e outros fabricantes.
Cassas e organdys de cores.
Grosdenaples de cores.
Chitas escuras francezas e inglezas.
Gollas e manguitos os mais modernos.
Camisas de linho para senhora.
Ditas de algodo para menino.
Algodo de todas as qualidades.
Lencos de labyrintho para presentes.
Gollas de crochet pfre menino.
Vestidos de rhcn.azia.
Roupa feita.
Casacas e sobrecasacas de panno fino.
Paletols de casemira.
Caigas de casemira pretas e de cores.
Colletcs de seda idem dem.
Ditos de fuslao.
Camisas inglezas todas de linho.
Ditasfrancezas de differeitjps qualidades.
Malas e saceos de viagem. y
Rorzeguins de Meller e outros fabricantes para
home .
Ditos para senhora.
Charutos de llavana, Baha e manilha.
Camisas de flanella.
Chapeos de todas as qualidades para homem,
senhora e enancas.
Corles de vestidos braneos de blondo com ca-
pella e manta.
Didos de vistidos brancos de seda para casa-
mentas*
No armazem de Jos Antonio Morera Dias
& C, na ra da Cruz n. 26, vende-so :
Candinos de lato do Lisboa.
Lazarinos e clavinoles.
Lena larga de superior qualid-tde.
Linha do rorii.
Missanga par* rosario.
Rosarios enfiados com perfeigo.
Ferros de ac para engommar.
Ferro sueco em barras.
Chumbo em lengol.
Pregos francezes e de construego, de lodos os
Vendem-se estas pilulas no eslabelecimento
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se asbocetidhas a 800 rs. esda urna
dellas, contem urna instrueco em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ra da Cruz n. 22. em Per-
namb co.
Borzeguins '
va (Tagua.
Pechincha seni igual.
Os verdadeiros e jA muito conhocidos borze-
guins inglczes, prova d'agua, e tiradores de calos.
A 10$ o par, dinheiro a' vista.
I.oite & Irmo, na ra da Cadeiado Recife, lo-
ja de 4 portas n. 48, avisam aos seus uumerosos
freguezes, e ao publico em geral, que novamen-
to acabara de recober os afamados borzeguins in-
glczes, c qjie conlinuam a vender a tOJ o par,
dinheiro visla. o melhor calcado que ha pa-
ra aquellas pessoas que padecem "de calos, por-
que usando os nao soffrem mais.
Pede-se toda attenco.
Na loja d'aguia de onro, na ra do CabugS n. 1
B, vende-se ludo por procos baralissimos para
liquidar, assira como soja :
Fitas e franjas.
Fila de velludo de todas as larguras, aberlas e
lisas, do lindos padres.
Franjas de seda de todas as larguras e de lin
dos gostos.
Dilas de laa e seda por proco que admira.
Ditas de linha para casaveq'ue.
Dilas de algodo para toalha e para cortinado.
Trancas de linho o de laa brancas e de cores.
Pentes.
Francisco Antonio Correia Cardoz,
tem um grande sorlimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
NOVO DEPOSITO
DE
(EIA US UBffilfllL
Ra dalmperatriz n. 75
Neste eslabelecimento ha sempre um grande o
variado sorlimento de camas de ferro de urna e
duas pessoas, dilas para meninos, berros de difle-
rentes qualidades ; como tambem ha urna pe-
quea porcao de vinho para se vender em caixas
de urna duzia, sendo Madcira, Alicante, Malva-
zia, por prego commodo.
ilraruta verdadeira,
mullo superior; em Santo Amaro, estrada de
Belem, casa encarnada, a 1 a libra.
Na estrada do Manguinho, sitio da
viuva Carvalho, vende-je por preco
muito commodo, um ptimo carro ame-
ricano, de quatro assentos, para um ou
douscavallos, com os seus respectivos
arreios, ou sem elles, do modo que mais
conveniente pareqaao comprador : o si-
tio do lado da iyreja e o segundo de-
pois desta.
Um sitio para iavrador, com boa casa de
vivenda, estribara, senzala para escravos junto
ao engenho, e a niargem do rio Coila, com torras
de produegao, distante 6 logoasdo Recife : quem
o pretender, dirija-so ao engenho novo Goit, fre-
guezia da Luz, propriedade de Jnaquim do Rogo
Barros Pessoa.
Pentes de tartaruga virados e lisos.
Dilos de massa virados a imitagao de tartaruga.
Ditos lisos para atar cabello.
Dilos de desembarazar cabello.
Para balos.
Molas para fazer balos, vendem-se a 100 rs. a
vara,ou poca de 50 molhos a Oj.
Bicos,
Bicos de seda de tjdas as larguras e lindos pa-
dres.
Ditos de algodo.
Leques muilo finos.
Capellas braucas para noiva.
Chapeozinhos para enanca.
Riquissimos quadros para enfeite de sala, as-
sim como redomas com llores.
Assim como peifumarias muito finas, e mais
objeclosquea vista do freguez far-se-ha todo o
negocio,
:-C0> in53 3Tlfc,5aiCI79ICCaCll*
Seguro contra Fogo
COJHPAHHIA
Fi'pmfP.T
6
LONDRES
AGENTES 5
i C J. Astley & Companhia,
Camisas ingleza
Na loja de Goes & Bastos, ra
do Qiieimado n. 46.
Acaba-se de recober um grande sorlimento
das vordadeiras camisas inglezas muito linas;
rom piogas largas, peitos de linho, sondo eslas
ultimas camisas de um goslo apurado, lano cm
pregas comocm collonnhos, pois docente tanto
aos rapazescomo affSsenhores de maior. por isso
serijo muila aporgaoque recebemos, delibren-
se a vendo-las por 383 a duzia, ncsla bem conhe-
cida loja de Goes & Basto.
Vende-se urna caima muilo p-opria para
atorro, eslA junto ao ostaleiro do Sr Jooquim
Antonio Rodrigue, ra do Brum : Irala-sc no
oscriptorio da Companliia Pernambutaua, no For-
te do Mallos.
Vendem-se canoas de omarollo, de 25 a 35
pilmos de comprinionto c proprias para pescaras,
e abrir, por preco commodo : na ra do Vigiro
numero 5.
As melhores machinas de coser dos mais
alunados autores de Hew*YorL, I.
M. Singer & C e Wheeler &Wilson.
Eo novo estabeleci-
menlo vendem-se as
machinas destes dous
autores, mostram-se a
qualquer hora do dia ou
da noiio, e rcsponsabili-
samo-nos por sua boa
qualidade e segranos :
no armazem do fazendas
do Raymundo Carlos
Leile A" Irinaos ra da
Impernlriz n. 10, amigamente atorro da*Boa-
Vista.
Labyrinthos.
Na ra da Cadoia do Recife, primeiro andar n.
28, vendem-se ricos lengos e toalhas de laby-
rinthos.
Baraiissimo.
lina ilo Qiieimado n. \\t.
Armazem de fazendas.
Chitas francezas finas de padres miudinhos a
220 o covado, pegas de chita com 38 covados por
5g800.
Cobcrta a 2#000.
Cobertas chinezas muito lindas a 2j.
Riscado francez a 2$000.
Corles de riscado com 13 1(2 covados por 2J.
Lencos brancos a 2#000.
Lengos para algibeira a 2j> a duzia.
Algodo monstro a 600 rs. a vara.
Chales de merino a 2$50O.
Chales de merino estampados a 2$500.
Casemira preta ^ O000.
Corles de casomira prela fina a 6$, paletots de
brim a 3$, fil de linho fino a 800 rs.
Cambraia de cores a IGOis.
Cambraia de cores muilo fina com defeilo de
agua doce a prego de 160 o covado.
= Ganga de cor e brim de linho muito fino a
500 rs. o covado.
m
lamanhos.
Pregos caibraeflffP
aohadas
orlo.
e forradas
de porcelana
Barato.
Vende-sc urna preta com 30 annos de ida-
de, cozinheira e perfeila engommadeira, dndo-
se a prova; s vende-se para o malo : no ra
das Cruzes n. 30, se dir quem vende.
Vondem-so dous casaes de nangos : na ra qualidades
1 do Seve n. 2.
Leite, lenha e fructa
No sitio do fallecido visconde de Goianna, na
estrada deJoifc.de Barros, ha pata vender leite
puro, lenha Vtnatta, e fructas de differeoles
por prego commodo, de modo
que
ChaTeiras eslanh
ingleza.
Cartas porluguezas muilo finas.
Salanga de novo modello parajipesar^ 1,000 e
2,000 libras.
Mercurio de Lisboa.
Ferros de latao para engommar.
Esporas, brides e estribos de metal do principe.
Ricas feixaduras francezas para portas com
boles de vidro.
Paes de ferro de todos os lamanhos.
Ricos palileiros e tinleiros de metal prateados.
L nhas de cairelis de 200 jardas do autor Ale-
jandre.
Cera em velas de Lisboa
Atlenco.
Vende-se a loja de miudezas no principio da
ra Direita, que foi de Morcolino da Costa Rapo-
so, todas a3 fazendas sao novas e de goslo : os
prlendentes dirijam-se a Leteller 4 C ra da
\
Yende-se
Formas de ferro para
purgar assucar.
Estanto em barra.
Vernicopal.
Vinhos finos de Moselle.
| Enchadas de ferro.
Brim de vela.
Folhas de metal.
Ferro sueco.
Ac de Trieste.
Eregos de composico.
I Lona ingleza: no arma-
3 zem de C. J. Astley A C.f
Na ra do Vigario n. 8,
vende-se superior gomma, chapeos de palha e
esleirs grandes e pequeas de carnauba, ludo
novo, fazenda boa, do Aracaty.
| Gulla-perclia.
Artigos para invern de guita-percha
x ou borracha, vende-se na ra Nova n. i5
j| ^ LOJA DE MARMORE.
570- cm ~3 MPB MW coi aCLV wnT OTw ottio WBTif*
4l!enclo.
Vende-se urna pequea fabrica de sa-
bao bem montada, com todos os uten-
cilios, em bomcstfdo: quem pretender
dirija-se a ra do Brum n. 44, que
ambara' com quem tratar.
As sementes, plantas de flores e fructeiras da
Europa, que se achavam na loja da ra do Ca-
bug n. 3 A, vendem-se desde o dia 28 de maio
na ponte de Uchoa sitio do finado Sr. Antonio
pode se revender nesla eidade e tirar bom ganho. ra do Vigario n. 8.
Cadeia n. 14, ou a Francisco Alves de Pinho, na Baplista Ribciro de Paria, dos 6 a 8 botas di
manha e das 5 horas da larde em diante.
Arligos para luio. i
Chapelinas pretas e mais objeelos pro- ^
prios de luto para homem e senhora,ven- w
de-so na ra Nova n. 45 SE
1 fcsl* LOJA DE MARMORE. H
Pechincha
Vendem-se biscoitos e bolachinhaa de diffe-
rentes qualidades, por menos prego do que em
qualquer outra parte, sado om porgio : quem
recisar, mande ver na ra dos Pescadores ns.
e 3, padaria.
Vende-se um bom escravo : na ra do Sevo
em nma das casas defronte da do finado Dr. Na-
varro.
Para rapazes.
Superiores chapeos de couro da Russia para
rapazes, muilo proprios para a presenta estagao
chuvosa, para os que tem de andar diariamente
na ra, sao fortes, de muita duraco e nao entra
agua dentro, tem pretos e cor de bisouro, pelo
diminuto prego de 4* cada om : na praea da In-
dependencia ns. 9 e 21, loja do laropeo na
porta.
'MI".'..
m ".v. ." n


DABIO Dfi FBRWAMBUCO. QUINTA FEttU 14 DE JUNHO E 1860.
.i__ enSvpropnetrk,s "'w*8" ** numerosos freguezee e o publico en eral, toda e
jualquerobra manufacturada em mu reconhecido etabelecimento a saber: machinas de Vapor de
todos os lmannos rodas d agua para engenho loda de ferro ou para cubos de madeira, moen-
dMeneas mocadas, lachas de ferro'balido efundido de lodos os lamanhos, guindastes, guin-
cho e bombas, rodas, rodetes, aguhoes e boceas para fornalha, machina para amassi man-
dioca e para descarogar algodo, prencas para mandioca oleo Je ricini, porlde gradan
te"-*.!Lu.0l.h0k Tent0,r cullivaaoje,ponles, *aldeira e tanaue^ boias, alvarengas.
desnhos ou moldes que para tal m forem apresentados." Recebem-se encommendas neste esta-
beleciraenlo na ra do Brum n. 18 A e na ra do Collegio hoje do Imperador n. 65moradia do cai-
^fc^y5sy Potassa da ftussia
E CAL DE LISBOA.
No bem conhecido e acreditado deposito da
rua da Cadeia do Recite n. 12, ha para vender
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e desuperior qualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra: tudo sor .creeos muito
razoaveis
Loja da boneca rua da Impe-
ratriz n. 7.
Vendera-se caixas de tintura para tin-
gir os cabellos em dez minutos, como
tambem tingem-se na mesma-casa a
quaiquer bora.
1,000 rs.
por sacca de milho; nos armazens de Tasso
Irmos.
Aos senliore iogistas de miudezat.
Bicos prelos de seda.
Ditos brancos e prelos de algodao.
Luvas pretas Cintos elsticos.
Unhas de algodao em novellos : vendom-sa
por precos comniodos, em casa de SouthallMel-
lors & C, rua do Traiche n. 38.
Pianos
Saunders Brothers & C. tero para Tender em
seu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ultimo gosto, recentimenle
chegados, dos bem couhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood &Sons de Londres, e
muito proprios para este clima.
DE
Roupa feita.j
Rua Nova n. 49, junto
a igreja da Conceico dos
Militares.
Neste armazem encontrar o publico
ura grande o variado sorlimento de rou-
pas feitas, como sojam casacas, sobreca-
sacas, gndolas, fraques, e palctots de
panno uoprelo e de cores, palelols e
sobrecasacas de merino, alpaca e bomba-
di casacos de seda ecasemira de cores,'cal-
^ Cs de caseraira preta e de cores, ditas de
5 merino, de princeza, de brim. de linho
& branco e de coros, de fustao e riscados,
t calcas de algodao, colleles de velludo
af! preto e de cores, ditos de setim preto e
te Dra"co ditos de gorguro ecasemira, di-
m tos de fustoes e brins, fardamenlos para
X a guarda nacional, libres para criados,
1| ceroulas e camisas francezas, chapeos e
fio grvalas, grande sorlimento de roupas
I para meniuos de 6 a 14 annos ; nao agra-
dando ao comprador algumas das roupas
feitas so aproruplaro oulras agosto do
comprador dando-se no da convencio-
nado. jt
Verdadeiras luvas de Jovin de to-
das as cores, rua da Iinperatriz n. 7,
loja do Leconte.
entie-se
Relogios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglezas.
Peitos para camisas,
Biscoutos.
Emcasa de Arkwight & C, ruada
Cruz n. 61.
Admiraveis remedios ameri-
canos
Todas as casas de familia, senhores de engo-
nho, fazendeiros, etc., devera estar prevenidos
com estes remedios. Sao tres medicamentos coni
os quaes se cura eficazmente as principaes mo-
lestias.
Prompto alivio deRadway.
Instantneamente alivia as mais acerbas dores
e cura os peiores casos de rheumatismo, dor de
cabega, nevralgia, diarrha, enmaras, clicas, bi-
lis, indigesto, crup, dores nos ossos, cootuses,
queimadura, erupcoes cutneas, angina,, reten-
eo de ourina, etc., etc.
Solutivo renovador
Cura todas as enfermidadesescropaaJUwas.chro-
nicas esyp hlilicas; resolvo os depusilos de raaos
humores, purifica o sangue, renova o syslema;
prompto e radicalmente cura, escrpphulas,vene-
reo, tumores glandulares, ictericia, i dores de os-
sos, tumores brancos, afeccoes do Cgado e rins,
erysipelas, abeessos e ulceras de todas as clnsses,
molestias d'olhos, diffieuldade dajs regras das
mulheies, hipocondra, venreo, ele.
Pilulas reguladoras de Rad-
way
para regularisar o syslema, equilibrar a circula-
cao do sangue, inteiramenle vegetis favoraveis
em todos os casos nunca occasiona nauzeas nem
dores de ventre, dses de 1 a 3 reguija risa ro, de 4
a 8 purgara. Estas pilulas oo efficazes as affoc-
roes do Ogfdo, bilis, dor de cabeca, jetericia, in-
digestao, e em todas as enfermidads das mu-
iheres, a saber : irregularidades, fimo, reten-
coes, flores brancas, obstruccoes, hisl eristno, etc.,
sao do mais prompto cffeilo na escarlilina, tebre
biliosa, febre amarella, o em todas a febres ma-
lignas.
Estes tres importantes medicamentos vem a-
conipanliados de instruceoes impress is que mos-
trara com a raaior minuciosidade a maneira de
applica los em quaiquer enfermidade. Eslo ga-
rantidos de falsillcacao por s haver venda no
armazem de fazendas de Raymundo Carlos Leite
& Irmao, na rua da Imperatriz n. 10, nicos
agentes em l'ernambuco.
Vende-se um carro de 4 rodas, bem cons-
truido e forte, cem assento para 4 pessoas de
dentro, e umassento para boleeiro e criado fra,
forrado de panno fino, e tudo bem arranjad :
para fallar, com o Sr. James Crabtree & C. n.
42 rua da Cruz.
Tacitas e moendas
Braga Silva &C, tem sompre no eu deposito
da rua d lloeda n. 3 A, um grande sortiment
de tach' se moendas para engenho, do multo
acreditac o fabricante dwin Maw : a tratar no
mesmo deposito ou na rua do Trapiche n 44.
Pichincha.
Com pequeo toque de avaria.
Na rua do Queimado n. 2, loja do Preguica,
vendem-. e pegas de algodao encorpado-, largo.
CONSULTORIO
DO
Dr. P. A. lobo Hoscoso,
com peqieno loque de avana a 2S500 cada urna. "! um vil laiMlAXiWiUt
Aos amantes da economa RIJA AcJL4MMA,CASADOFUNDO 3
Clnica pot ambos os systemas
. loja do Preguica,
flxas bastante escu-
de 6$ a pega, e 160
Na rua do Queimado n.
vendem-ce chitas de cores
ras, pelo I aratissimo prego
rs. o cov do.
Na fibrica de caldeirciro da rua Imperial,
junio a fa >rca de sabio, e na rua Nova, loja de
ferragens n. 37, ha urna grande porr.ao de follias
de zinco, j preparada para telhados, e pelo di-
minuto pieeo de 140 is. a libra.
/end j-se superior linha de algodao. bran-
cas e do cores, em novello, para costura: em
casa deSiuthall Mellor & C, rua do Torres
n. 3 .
Em casa de Rabe Sel mettan A
C, rua da Cadeia n. 37, vendem-se
eleganhs pianos do-afamado fabrican-
te Trauaann deHamburgo.
CAL DE LISBOA,'
nova e muito bem acondicionada : na rua da Ca-
dete do R< cife n. 38, primetro andar.
Aiaeadoas confeitadas para sor-
tes de S Antonio, S. Joao e'S. Pedro e
tambera pora presentes a 2$ o frasco,
vende-st na loja de Leite & Irmao, rua
da Cadeia do Recite n. i8.
tttt
@@@S3@S5&
i
a.silo na
Brim trancado de linho,
todo preto.
A melhor fazenda neste genero que tem vindo
a este mercado, por ser muito superior e nao
desbotar: vende-se nicamente na rua da Cadeia
do Recife n. 48, loja de Leite & Irmao.
Cocos italianos
de folha de flanJres, muito bem acaba-
dos, podendo um durar tanto quanto
duram quatrodosnossosa 400 rs. um
e i$ urna duzia : na rua Direita n. 47,
loja de funileiro.
Vende-se por comrnodo prego um
ino apprelho de porcelana, mandado
vir de encommenda, constando de tres
ricos serv'iQos paia cha', almoco e jun-
tar : na rua da Cruz n. 61, armazem.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P. Jo-
hnston & C. rua da Senzala n. 42.
m a mil pares
promptos.
O respeitavel publico desta ci-
dade e de fra, convidado a
ir a grande fabrica de ta-
mancos da rua Direita, es-
quina da travessa de S. Pe-
dro, casa pintada de verde
n.l6,
que achara continuadamente sem inlerrtrpcao, o
mais bello e riquissimj sorlimento de tamancos
dos que ha de melhor nesaa arte, proprios para a
presente estaco, que o proprielario. da mesma
fabrica est resolvido a vender tanto a retalho
como em porcocs, por menos do que em outra
quaiquer parle ; a casa lera sempre urna reserva
effecliva prompla para quaiquer encommenda por
grande que seja, de 1 a 1,000 pares.
Vende-se urna casa terrea de pedra e cal,
na >dade de Olinia, rua do Amparo, com 3 quar-
toa. 2 salas, cosinha fra, quintal : a tratar na
ja de Santa Rila a. 45.
ATTENCie.
Na padara da rua Imperial n. 55, vende-se o
| multo afamado pao de folha, melhor do que em
quaiquer outra parte, por ser Irabalhado com
muita delicadeza; e na mesma aluga-se uMre-
lo para o servico exlera.
11 Engenho.
I Vende-se o engenho Santa Luzi...
froguezia de S. Lourenco da Malla, entre
os engenhos Penedo de Baixoe Pnedo de
@ Cima : Irata-se no mesmo engenho ou no S
engenho Mussambique com Feliibino de ft
| Carvalho Rapozo. &
e@@@@@@
Fazendaspor haixos precos
Rua do Queimado, loja
de 4 portas n. 10.
Ainda restara algumas fazendas para conclu
i a liquidayao da firma de Leite & Correia, as quses
I se vendem por diminuto prer.o, sendo entre ou-
I tras as seguintes:
Chitas de cores escuras e claras, o covado
I a 160 rs.
Ditas largas, francezas, finas, a 240 e 260.
Riscados francezes de cores xas a 200 rs.
Cassasde cores, bons padroes, a 240.
Brim de linho de quadros, covado, a 160 rs.
Brim trancado branco de linho muito bom, va-
ra, a lJjOOO.
Cortes de calca de meia casemira a 2g.
Ditos de dita de casemira de cores a 5#.
Tanno prclo fino a 3itf c 4$.
Meias de cores, finas, para homem, duziaa
1800.
Grvalas de seda de cores e pretas a 1J.
Meias brancas finas para senhora a d$*
Ditas ditas muito finas a 4$.
Ditas crus finas para homem av4g.
Cortes de colleles de gorguro de seda a 2JL
Cambraia lisa fina transparente, peca, a 4}>.
Chaies de laa e seda, grandes, um 2#.
Crosdenaple preto de 1$600 a 2$.
Seda prcla lavrada para vestido a 1^600 c 2g.
Cortes de vestido de seda preta lavrada a 16#
Lencos de chita a 100 rs.
Laa de quadros para vestido, covado, a 560.
Peitos para camisa, um, 320.
Chita franceza moderna, llngindo seda, covado
ra 400 rs.
Entremeios bordados a 200 rs.
Camisetas para senhora a 640 rs.
Ditas bordadas finas a 2$500.
Toalhas de linho para mesa a 2j e 4$.
Camisas de meia, urna 640 rs.
Lencos de seda para pescoco de senhora a
560 rs.
Vestidos brancos bordados para baplisar crian-
zas a 5&000.
Corles de-calca do casemira preta a 6#.
Chales de merino cora franja de seda a 5#.
Corles de calca de riscado de quadros a 800 rs.
Merino verde para vestido de monlaria, cova-
do, 1#280.
Lenjos brancos de cambraia, duzia, a 2#.
em grande sortimento para
horneas, senhoras e
meninos.
Vendem-se chapos francezes de superior qua-
'idade a 650n,7 e 89, ditos de velludo, copa al-
ta e baixa a 7g, 9 e lOg, ditos de lonlra pretos e
de cores, muito finos a 63 e 7#, ditos do chile a
3^500, 5, 6, 8, 10 e 125, ditos de feltro em gran-
de sortimento, tanto em cores como era qualida-
des, para homens e meninos, de 2$500 a 7$, di-
tos de gorguro com aba do couro de lustre, di-
tos de casemira com aba forrada de palha, on
sem ella a 4g, ditos de palha ingleza, copa alta
e baixa, superiores e muito em conla, bonetes
francezes eda trra, de diversas qualidados, para
menino, chapeos de muita qualidades paro me-
ninas de escola, chapelinas com veo para senho-
ra, muilo em conta e do melhor gosto possivel,
chapeo de seda, ditos de palha amazonas, enfei-
les para cabeca, luvas, chapeos de sol, e outros
muitos objectos que os senhores freguezes, vis-
ta do proco e da qualidade da fazenda, nao dei-
iarte de comprar; na bem eunhecida loja de
chapeos da rua Direita n. 61, de B. de B. Feij-
Suissos.
Em casa de Schaeitlin&C, rua da Cruz n.
38. vende-seuro grande e variado sortimento de
relogios de algibeira horisonlses, patentes, chro-
nomelros, neios chronomelros, de our'o, prala
dourada elolheadosa ouro, sendo osles relogios
dos primei os fabricantes da Suissa, que se ven-
deio por irecos razoaveis.
Pedras baratas.
Joo Doi nelly tendo contratado com o governo
da provincia, por intermedio do Illm. Sr. direc-
tor das obi as publicas o fornecimento de todas
as pedras ixlrohidas da ilha de Santo Aleixo,
propriedadedo annunciante, para calcamento das
ras desta cidade ; e como as mesmas obras
publicas por emquanto se acham poralysadas, e
tenha o Exm. presidente da provincia por despa-
cho de 18 leste mez concedido licenca ao mesmo
annuncianepara dispor das mesmas pedras, c
por grande quantidade que tem o aununcianto
no caes de Ramos, oflereco a quem inleressar'
em grande ou pequea porco, que as vende
muilo era :onta. O mesmo anniinciantc cnlen-
dendo-se orno Sr. Rampa, hajnl architeto, bem
conhecido nesta cidade, cordieccdor das quali-
dades de pedras e lijlos, se tem admirado de
nao se ter pmpregado em alicerces esto material,
qual as pe Iras do annuncianle, como se pralica
na Europa, para evitar a humidade as paredes.
O mesmo Sr. Rampa tem encommendado ao
tinnnncian e 400 toneladas para esse fim, dizen-
do que ero obra sua jamis deitar tijollos em
alicerce ; ielo pre?o quo lera o annuncianle
vendido ai mesmo senhor lhe salte raui mais
barato do iue lijlo. O raesmo Sr. Rampa deu-
me licenca para usar de seu nomo no presente
annuncio. As pedras escolhidas para armazens
ou calcada a dez rail ris por cem palmos, dei-
ladas as pi dras em quaiquer parte desla cida-
de a custa do annuncianle, com toda actividade
possivel, pira o que tem as proporcoes necessa-
rias; os pielendenlcs dirifam-so n rua da Praie
eseriptorio do annuncianle.
Vinho do Porto.
Vende-st vinho do Porto de superior qualida-
de, em cai unhas de 12 garrafas, por prego com-
rnodo : no armazem de louga de Fragoso dt Valle
na rua da ( adeia n. 6.
Farelo
em saceos muilo grandes, ltimamente chegado
do Porto vende-se no escriplorio de Carvalho
Nogoeira C, na rua do Vigano n. 9, primeir
andar.
Vinho de Bordeaux.
Em casa de Kalkmann lrmaos- C, rua da
Cruz n. 10 enconlra-se o deposito das bera co-
nhecidas n arca .'dos Srs. Brandenburg Frres.
e dos Srs Oldekop Mareilhac dt C, em Bor-
deaux. Te ra as seguintes qualidades :
De Brandenburg frres.
St. Estph,
St. Julicn.
Margaux.
Larose.
Clilcau Li'Oville.
Chleau M irgaux.
De Oldekop & Mareilhac.
St, Julicn.
St. Julien Iciioe.
Chateau Li oville.
Na mesma casa ha
vendei:
Sherry em barris.
Madeira en barris.
Cognac em barris.qualidade fina
Cognac em caixas qualidade inferior.
Cerveja branca.
j>ara
Rua do Codorniz n. 8.
Vende-se.
i, saccoi
le mancioc
ioca.
Milho en
Farinha
Farelo di Lisboa.
Charutos da Italia.
Feijaoan arello.
Sabo m issa.
Dilo ama relio.
Arroz coi a casca.
E outros muitos gneros, ludo mais barato do
qne era paite alguraa podem encontrar os fre-
guezes quo trocara sedulas velhas e cobre por
gneros.
Barato que admira.
Na loja d ; Machado & Sanios, rua do Queima-
do n. 6, po baixo da boneca, vendera-se as se-
guintes fazendas :
Pecas de ilgodo com pequeo loque de ava-
ria, tendo cida pega 20 varas e 4 palmos de lar-
go a 4 e 4;S00
CALCADO
Grande sortimento.
45-~Riia Direita*45
Os estragadores de calcado encontra-
r5o neste estabelecimento, obra supe-
rior pelos precos abaixo :
Homem.
Borzegjinsaristocrticos. 90GO
Ditos (lustre e bezerro)..... 7|(10O
Borzeguins arranca tocos. 7,$000
lito econmicos....... 64IOOO
. 5000
Contrata nrt% ^K0M d C0D8u,tas l(>"OS os dias pela manha e de tarde depois de 4 horas, ^o* econmicos.....
Wfiedfm^u"a^'a*'Aoa6l> a cidade como para os engenho ou oulras | Sapa tOes de bater (lustre).
enciaouuHm?**7!111 Sef dFiido sua c8* 10 horas da manha e em caso de ur- I Senhora.
peessCoa r&^JiS t da PO' scripto em que se declare o nome da ; r^^, ^^ ^ ^
metterseusMi^?^^oce?doeu^nc.a'"sPessM to de quebrar) ......5M0QO
%^rf^^^^^^ Ditos tod. de merino contra
------_ ----* a uguia uu ar. joao sounn iS t,. na rui
gUeNessa T*" fUa d0,CfeSp a0 p da Po*- "Sh.
ahonieaMthi ** "?* annnnciante achar-se-ha constantement e o
.autlucos ja bera conhecidos e pelos precos seguintes
Botica de 12 tubos grandes........ lOflnoo
Dtto8de24 ditos. ... ....... fxXX
Ditosde 36 Hitos. ."........ !5!222
Dito de 48 ditos. ........ |2ffi
Ditos de 60 ditos. ,........ *S
Tubos avulsos cada um..... i2XS
ft-ascos de tincturas.......' .' ||"""
anoal de medicina homeopathica pelo Dr.' Ja'hr traducido
em portuguez com o diccionario dos termos de medi-
cina.cirurgiaelc. etc. ,..... snsnni
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. 108000
Repertorio do Dr. Mello Moraes. .... g|ooo
melhores medica-
FABRICA
DE
i Sita na roa Imperial n. i 18 e 120 janto a fabrica de sabo.
calos (salto dengoso).....4$50O
Borzeguins paia meninas (Cor-
tissimos)..........4$00O
Eum perfeito sorti ment de todo cal-
cado e daquillo que serve para fabrica-
lo, como sala, Couros, marroquins, cou-
ro de lustre, fio, fitas, sedas etc.
FDgos de vista
Para o festejoa*e Santo
Antonio e S. Joao.
Jos Paulino da Silva declara aos amantes dos
festejos ae Sanio Antonio e S. Joao, que tem cs-
tabolerido a sua fabrica de fogos na rua Imperial
alem da fjbnca do sabao, conforme a licenca que
obteve da cmara municipal, e ahi encontrara
os freguezes fogos de todas as qualidades, rece-
bendo tambora fticonimendas, lauto para dentro
como para fra da provincia, aviando-as cora
a maior prornptido possivel; assim como vende
mateiiacs para os raesmos j preparados para
aquellas pessoas que quizerera fabricar particu-
larmente e sem muilo trabalho. ludo por procos
muito razoaveis ; os pretendentes podem ahi di-
ngir-se, ou na casa de sua residencia, que o en-
a q'ialquer hora do dia. e protesta ser-
' Sebastio J. da Silva dirigida por Francisco Belmiro da Costa
Neste estabetecimenlo ha serapre promptos alambiques de enh Ao Hi-..,tn 'a;_____s. i
(de 300* a 3:000*) simple e dobradol para deslilar aguardante, apare So deuK?o. cont?^ 33ST&2 q"a,qU
para resillar e destilar esptrttos cora graduagao at 40 graos (pela graduado d Sellon Cartier dos ILlLt- melhores sysleraas hoje approvados e conhecidos nesta e oulras provincia do iZtic bAbMlJuia ." lualld,de dos o*os como pe bondade
Je todas as dimencoes asperanles ede repucho tanto de cobrecorao de bronze e erro tornTlra'" enaPS q" mprrgi'' ,e ["'riri'1 dos arlis"
e bronze de lodas as dimencoes e feitios para alambiques, tanques etc. parahiso "de n P q"r pPS,u,e C-m SeU tabelecimento.
ferro para rodas d'agua.portas para fornalha e crivos d\ ferro, tubos de coffee chumbo de toda! T. CfBeMrmao, na rua da Cadeia do RecUo
as dimencoes para encmenlos camas de ferro com armacao e sem ella fugoes defer, Dotaveisl c'i28, pr,Ta'ro a,,da.r,. ****** cera de carSaaba,
econmicos, lachas e tachos de cobre, fundos de alambiques lTiltiI li 111 11 i potaTeU e sl3- counnhos curtidos, farinha, feijao.
para engenho folha de Flandres. chumbo em lencol e bl,'sin"e^ "ncol^Ka Isnces e
!rfrnuUfnadreftCforre! ^s doferroo lal5o.rerro.uecia inglezde todas as diraensL, safras tornos
e folies para ferretros etc. e outros muitos arligos por menos precedo que em outra quaiquer
parle, desempenhando-se toda e quaiquer encommenda com presteza e perfeicao [ conhecida
^nrL?Tn0v,aad^7drf:egaUeZfCSqUe Se dlgn^ue,? "em"nos com .Pua con.n a, acna-
rao na rua Nova n. 37 loja de ferrugeus pessoa habilitada para tomar nota das encommendas
Relogios.
Vende-se em casa de Jobnston Tater A c., rua
do Vigario n. 3, um bellosorlim'cnlo de relogios
de ouro, patente inglez, de um dos mais afa-
mados fabricantes de Liverpool ; tambem urna
variedade de bonitos trancelins para os mesmos.
Espirito de vinho com 44
graos.
Vande-se espirito de vinho verdadeirocom 44
Rrns, chegado da Europa, as garrafas ou as ca- I
andas: na rua larga do Rosario n. 86.
Oleado de !
i cores. I
Vcndcm-se oleados decores os mais finos que i
possivel nesle genero, e de diversas larguras
por preco comrnodo : na rua Direita n. 61, loi
de chapeos de B. de B. Feij,
Rua da Senzala Nova n. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & c. va- 1
quetasde lustre para carros, sellins esilhesin-
glezes, candeeitos e casticaes bronzeados, lo- i
as inglezas, fio de vela, chicote para carros, e j
montara, arrcios para carro de um e dous aval-,'
os. e relogios d'ouro patente inalezes
Sndalo.
Ricas bengalas, pulceiras e leques:'!
vendem-se na rua da Imperatriz n. 7,
loja d Lecomte.
Vinho feitoria do Porto,
como ainda aqni nao veio, de 26 aunos, tem mes-
mo no caixao 1834 cora 2 duzias c 1 garrafinha
da amostra por 40.000, tambem se vendem as
garrafas a 2*. na ruado Rangel, loja de louca n.
4, e na rua defronte da Madre de Dos, armazem
de Barros & Silva.
FlJNDIClOLOW MOW,
Roa da Senzala Nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a haver um
comapletosorlimento de moendas e meias moen-
das para eugenho, machinas de vapor e taixas
de ferro balido e coado. de todos os lamanhos
para d
Escravos fgidos.
Allenco.
Loja de marmore
43Rua Nova 43
Os propietarios dosto estabelecimento
BMsam ao respeitavel publico, quo aca-
ba m de receber pelos nllimos vapores da
Europa, um variado sorlimento de arli-
gos de novidades, tanto para senhorasco-
mo para homem o meninos, e entre es-
tes :
Para senhoras.
Vestidos de cores de moiranlique e gro-
de-fric.
Capas para sabida de baile e thealro guar-
necidas a arniinho, ultimo gnslo.
Ditas de velludo prelo, ultimo gosto.
tnfeites de phantasia para baile e ihea-
tro
Chapelinas de palha da Italia e seda ul-
timo gosto.
Loques de phantasia a madreperola.
Chales de cachemira com bordado es-
pecial.
Braceletes de sndalo e loques.
Extractos de sndalo.
Vestidos de cambraia branca bordada.
Luvas do Jouviu brancas, pretas c de
cores.
Murcas, broches e pollerines com man-
guios do cambraia finissima, borda-
dos a ponto de Inglaterra e guarne-
cidos a renda valenciana.
Fngio da casa doSr. Manoel Ferreira Lima, no
da 8 do correnle, as 8 horas da noile, aonde seu
senhor o tinha alugado, o mutilo de nomo Be-
larmino, natural do serlao, rom os signaos se-
: guinles : oslalura regular, cheio do corpo, ulhos
algumacousa vermelhos, principalmente quando
bebe, barba pouca, bei^os grossos, ps idem, em
um dellos tem um dedo aleijado de um lalho de
machado, e diz o Sr. Lima elle oslar presentc-
, mente com una forida em um delles de um lado
muilo rogrisln, inlilnla-se glosador, de idade d
40 annos, pouco mais au menos, levou vestido
caiga, camisa de algodao azul e chapeo de baca
cor de macaco ; elle veio ha poneos mezes ao
engenho Alio, de Joao Fernandos, froguezia de
Agua Preta. aonde seu senhor f.>i rendoiro. Des-
oonfla-se elle andar pelas freguezias de Sanio
Antonio eS. Jos : portanlo ruga-sc as aulorida-
I des policiaes e rapilies de campo h.ijam de o ap-
rehender c leva-lo casa de seu souhor, na rua
! Imperial n. 169. que serio genarosamente recom-
pensados ; roga-se tambem aos senhores empre-
gados da estacao da via frrea ropararnm tanto
na sahida do trom os passageiros, e como na lo-
comotiva do servico. pois o mesmo j tontn de
outra vez sahir para ir trabalhar na estrada da
mesma via.
Fugioo molccole do nomo Geraldo, a 9 do
correnle mez, idade 15 a 1 t annus, cor preta
fcicoes bonita* miudas, cabeca redonda e pe-
j quena, pescoco fino,corpo espigado,um tanto sec-
coporm espadaudo e reforcadodos peos.bra.-os
e pernas finas o eompridas.'em urna das candas
lem cicalnzde ferida e no peilo esquerdo marcas
: de vonlosas, do mesmo lado marca de um gran-
de caustico, muito ladino e vclhacole, levou vos-
: lido camisa de algodao da Ierra,calca de ganga j
. velha deer acisentada, iiiapo de fliro de igual
] rOr a da calca tambem velho ; roga-se as antori-
I (lados e quaesquer particular a captura do dito,
pelo que muito se agradecer e se recompcns3-
,t a quem o levar a seu senhor Jos Pereira do
Ges ou dor noticia no paleo do Terco n. 40. se-
gundo andar.
35! Acha-so fgido desde o principio de maio
m o escravo Flix, crioulo, de idade de 24 annos, o
jg tom os seguintes signaos : cor fula, altura rcg'u-
^ lar. magro, falla descancada, tom a perna direila
ae inchada de erysipella ; inlilula-ae por forro, e
^ locador de viola. Tem sido vislo em diversos
ag bairros do Recife e tambem na Passagem da
j$ Magdalena e Poco da Panella : roga-se, pois, s
reronheca que o caplurcm c levem-110 rua da
Metaes finos.
ido com-
Chogou pelo ulnio paquete esta loja
quissimo sorlintBilo de raelaes das so_
qualidades : apprclhos para almogo todo
pelo do verdadeiro melal plaque, ditos ordina-
rios, baxellas para jantar, e lodos os ornamentos
pora corapl|JMabaxella que vera avuso, e por
procos raall Wimrao^os que se podem obter, co-
Ihere para sopa, 4, terrinas, e assucareiros.do
verdadeiro melal plauue.talheresdecabo de metal
do wdadeiro marQm, osso flno, bfalo, unicor-
nio priado e de ouSMa mullas qualidades para
mesa e sobremesa porteos muilo coraraodos e
qbo muito dever agradH*o reguez : na rua
Nova n. 20, loja do Vanos.
Ferros de en-
gommar
econmicos
a 5#000.
Estes magnficos fer-
ros acham-se a venda
no armazem de fazen-
das de Raymundo Car-
los Leite 4 Irmo, rua
da Imperatriz n. 10.
Trapiche de depsitos, al-
ar: fandegar
ulna es
annos,
mmmmm smmzm ^w&mu \ S&a% qUe se ratificar.
5$000 ~^~ Fugio no (lia 29 do trcz
Grande sorlimento de ferros de engoramara
vapor dos ni3ts ricos modellos quo se podem en-
contrar nesle mercado, com seus pertences de
nova invencao, que muito dever agradars pes-
soas que os compraren) na rua Nova n. 20, loia
do Vianna.
Refinaco de assu-
cardoMonteiro.
Continua-se a vender assucar crystalisado de
superior qualidade, da acreditada fabrica do Mon-
teiro, pelo prego de TJJOOO a arroba, c aprompla-
se barricas de todos os lamanhos, com brevida-
de e aceio : na rua do Caes de Apollo n. 63.
RELOGIOS.
Chitas francezas para cobert^bvado a 220 rt_
ofliros padroes, co-
*.UW**>, Hp.H.W, lUI^R, aUIICII\ll *.*! JU\,\,\JJ U.U..V
grndevrroz do Mranho, cera de carnauba,
dinn.inllAa nii.linna a i\ 1 ft n.ln. 11\ rirn.uk* I..
courinhos curtidos, sola e palha de carnauba, lu-
do por precos commodos e em grandes porcocs
ou a retalho, conforme a vontade dos compra-
dores.
.- LiaAo 4a assem
Dilas dita para vestidos, boflllo padroes, co-T
vado a 240 s. 'Ha continuamente para vender neste trapiche
Ditas ditas muito Anas, bonitos padroes cova- accos de ^'f* wsWinbo muito novo com 6 al-
do a 280 rs queires, fanorki d.findioca de diversas quali-
Dilas inghzas escuras, bonitos padroes covado dades-n,ll&0,'ar**8*l*erior em saceos muito
a 180 rs. v
Lazinhas para vesdos matW finas, covado a
800 rs.
Chita de seda, ultimo gosto, covado a 400 rs.
Corles de ganga para calca, boa fazenda, a l.
Lencos de seda de core a 1$.
Borzeguins francezes de superior qualidade a
o^oOO.
Sapales ingleze proprios para o invern a
4S000, e um completo sorlimento'de roupas fei-
tas de todas is qualidades, por menos preco do
que em outrt quaiquer parte, do-se amostras
com penhor.
Lazint as para vestido a 320
rs., c toalhas de linho a
Na rua do Quaira.do n.Tg3'vendem-se lazi- e^ ^^"'-M^~" e nmdef- de
nhas muito na para veaiido, e para meninos ouro Patenle "^t !' bomem e senhora,
pelo baratis.'imo prego do 820 rs. o covado, loa- de um dos melhore fabricante de Liverpool,
Ibas de Iioh i s 800 aa cada urna, coberla a chi- vindoapelo ultimo paquete iofclstt: em casa de
nezo. de chi a muito fina a2. SouthafMellors4 c!*
Bezerro franeez
grande e grosso ;
De 49 e !$.
Na rua Direita n.'45.
Vende-se em casa de Saunders Brothers
C., praca do Corpo Santo, relogios do afama-
do fabricante Roskell, por precos commodos,
e tambem trance.llins e cadeias para os mesmos,
deezcellente tost.
Bandeijas.
Riquissimos temos do bandejas finas e ordi-
narias por prego muilo commodos : n3 rua Nova
n. 20, loja do Vianna.
Milho e rarinha.
Vendem-se saceos grandes com milho muilo
bom e faiinha de mandioca: na taberna grande
da Soledade.
Vendem-se saputis em quantidade, sendo
muito grandes e muito doces, os quaes sao tam-
bem proprios para embarque : a tratar no sitio
da rua Imperial n. 64.
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, rua larga
do Rosario n. 36, vende o seguintes medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vegetaes.
Salsapamlha Bristol.
Dita Sands.
Vermfugo inglez.
Xarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febre).1
Ungento Holloway,
Pilulas do dilo.
Ellixir anli-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolha, de i onca a
11 libra. *
Aim come,tem um grande ortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o jual vende a mdico
prego.
prximo passado
eser*va de nome Anglica, representa ter 40
.. pouco mais ou menos, levou comsigo ves-
tido de (hila prola e chale prelo com flores ro-
sas, o com os signaes seguintes : ostalura baixa,
cor parda, ps e olhos pequeos, denles da fren-
Irc podres, e muilo regiisla qupndo falla, julga-
sc que ella estoja acontada em alguma parte :
porlanloroga-se a pessoa que a tem em seu po-
der leva-la a seu senhor, quando nao, se proce-
der com todo rigor da loi : portanlo, pede-se as
autoridades competentes e (apilaos de campo a
captura da dita escrava, e graliflca-se a pessoa
que leva-la a seu seuhor, na rua do Queimado
n. 18, segundo andar.
Desapparcceu no dia 5 deslc mez o escravo
crioulo. de nome Germano, estatura mediana,
cor regular, bastante descarnado, picado de be-
xigas, cabeca grande, representa ler 30 annos de
idade, foi comprado no dia 31 de maio prximo
passado aoSr. Joo Evangelista de Mello Brito,
morador na froguezia dos Afogados: quem o ap-
& prehender, leve-o rua Velha, casa n. 34, a sea
seu senhor o abaixo assignado, que ser recora-
peusado.Feliciano Joaquim dos Santos.
No dia 7 do crranle fugio o moleque Ao-
tonino, de idade de 15 annos, secco, esperto, de
cor fula, levou calca branca, jahuel de riscai-
nho, chapeo de feltro pardo com fita prea larga,
lalvez se intitula de forro ; quem o apprehender,
leve-o a rua do Imperador n. 73, que ser re-
compensado.
Duzenlos mil ris
Conlina a estar fueida a escrava Paula, que
diz charaar-se Paulina, alta, magra e fula, e ha
toda a probabilidade de estar acoutada em algu-
ma casa, ou mucambo nos arrabaldcs desta cida-
de : quem a pegar, leve-a rua da Cadeia Velha-
n. 35, que receber 200$.
Fugio no dia 25 de junho p. p. o escravo mu-
lato de nome Luiz, de idade 18 annos, eflr bem
clara, cabellos crespos, corlados rente, alio,
secco, e muilo marcado de bexigasque soffrcu ha
pouco lempo, levou caiga azul e camisa de baSta
da mesma c6r, supp5e-se ter urna cicatriz de ta-
ino era ura dos ps. Este escravo foi comprado
a Sra. Joaquina Francolina do Espirito Santo,
morador em Tmbauba de Mocos, lem irmao
prenles no mesmo lugar, 6 provavel que se di-
rija para ahi : por isso roga-se as capites de
campo e a quaiquer pessoa que o encontr a sua
apprehonsao, e qne o leve i rua Velba n. 69 que
sero generosamente recompensados.
No dia 7 do correnle mez fugio de bordo do
hiale Lindo Paquete, fundeado neste porto e per-
tence ao Mranho, o preto Geraldo, que di pelo
nome de Emygdio, de idade de 35 a 40 annos,
pouca barba, levando camisa e caiga de algodlo
azul e brrelo de fia ; representa ser mandriio :
quem o apprender queira diriglr-se a bordo da-
quelle navio ou ao eseriptorio de Almeida Go-
mes, Alves & C, ruad* Cruz n. 16, onde se gra-
. tiflear tute senigo.
--


(*L
Variedades.
NOVO MOTOR.
Com esle titulo publica o < Journal dei Mines
a seguinle noticia, cuja importancia nao carece
de observaco :
< O imperador, segundo se diz, acaba de ap-
provar o modelo d'uma canhoneira, construida
Bsphingc. Tinga qnc c o palacio o lamoso
Chephrem, que riveu perlo de 3600 annos antes
de Jess Chnsto, e que constrio a grande pyra-
rnide
Dcscobriram-se sele magnificas estatuas d'esle
principe no palacio enterrado.
MEETING NOTAVEL.
Com o titulo de Meeling de indignaran hou-
T>or novo systema, para andar sem vapor. Or-I ?.e *ra Sl- Mat,in Hall (lnglilerra) urna numcro-
denou-se, cm consequencia d'isto, a conslrucgao !!ssl.ma rc"",0oi convocada por Mr. Thomaz
Je muilas canhoneras d'esle theor. No noro Herkens. Esto declamo, gesliculou o roeife-
syslema o ar quento que substilue o Tapor. 1r0" "ordinariamente para chegar a segutnte
conclusao:
Por este meio ce consegue urna velocidade pelo
monos egual a d'aquelle motor, e alm d'isso se
realisa urna consideravel economa.
Segundo os calclos, esta economa uo mon-
tar a menos de 80 milliocs de francos stf para a
niarinha imperial franecza.
Efieclivomenle, gracas a este novo processo,
a quanlidade de combustivel empregada para a
cozinha de bordo bastar quasi para fazer andar
o navio.
As experiencias foram lo felizes. que se as-
segura leivni-se expedido ordens superiores pa-
ra que no navio Raioha Hortense ce rollo-
que a nova machina.
Este motor, destinado aoperar urna revolugo
completa na navegado, devido, diz-se, a um
ongenheiro francez
Asseguram-nos mesmo que esta bella deseo-
berta o. obra de M. Pascal, de Lyon, ao qual foi.
m 15 de fevereiro de 1855, concedido o privile-
gio.
CEMITERIO INGLEZ NA CRIMEA.
Uro correspondente, que escreve do Sebasto-
pol fio 10 d'abril, diz que visitou as sepulturas
dos Inglezes morios na guerra da Crimea e en-
terrados em Sebastopol.
Foi acompanhado na visita pelo tenente-coro*
ncl Gowen, empresario americano, que contrac-
to u com o governo russo tirar os navios sub-
nicrgidos no porto.
As sepulturas do capilao Sir Roberl Lydslone
Nevvman, capilao dos granadeiros da guarda, e
do capilao Allix, ajudante de campo do general
Sir de l.acy Evans, foram profanadas por raaos
sacrilegas.
Nao liraram s as bailas c bombas collocadas,
como ornamento, em volla das sepulturas ; li-
raram tambem as grandes bailas postas do cada
lado da porta do cemilerio, cujos muros forau;
rucio demolidos.
O corpo do cofumand.iule L. Hammon, do
Albion foi completamente desenterrado.
Os ossos e algumas parles do uniforme eslo
dispersos sobre a ierra. Deixam o gado pastar
at no cemilerio.
Que o paiz nao podia viver com o actual
systema de corrupgao, e que, se o povo se nao
reno para inlroduzir a indispensavel reforma, o
paiz est perdido.
Depois d'esta pororagao do fogoso orador, um
joven subi ao estrado, tirou o chapeu e ia a
pedir a palavra, quando Mr Hawkeus agarran-
do-o pelo_ pescogn, o obrigou a descer.
O meeting manifestou urna verdadeira indigna-
gao, tntao Mr. Hawkens, sem se alterar, des-
ecu do estrado, laucando para longe de si com'
um ponlap o chapeu, esquecido pelo joven.
Alguns dos concurrentes fizeram wiulcis esforgos
para fallar sobro a reforma, c alguera lembrou a
questao de suffragio universal. Os criados a-
pressaram-se a apagar as luzes, e toda a genlc se
retirou logo para nao quebrar a cabega na obs-
curidade.
DIARIO DE PEftWAMBCO. QWTA FEIRA 14 DE JtiffHO DE 1S60
doh limites intlainmsdos do mundo). Depois
vi i-so M. Wise collocar-se na borda da barqui-
nl a e agitar a sua bandeira famosa, com a qual
j fez 100 ascenscs. Alguns instantes depoia, o
aereoslato pareca apenas urna pequea esphera
ni gra no espago. A briza impellia-o para l.ong-
Is and, onde o aereonauta tocou torra, depois
al avessou o Sound do Indo deThrogg's-Neck e
lo?o desceu pela ultima vef, sai dlfflculdade.
M. Wise o mesmo que se p ope olravessar
Mlaotico, partindonpfl t
SUIC1
Um suit circunstancias
e: liaordiflariam reas, alerrou, no
sqbbado ulli'm >s viajantes o-1
trjiro n. 313, que ia'4e PMgp -
Entre Kmne o S.iiirfS ieJa-la-Monlo, o
len, e
a trari-
A FORCA DO EXEMPLO.
O porteiro das Tulberias tornou a receber ou-
tra \isiia n'uma mullier atacada d'alicnoco
mental. Dizia ser filha da duqueza de Ueri, e
que \iuha procurar o imperador para Ihe
gur ir, por meio d'um grande sacrificio, a
quilidade e a felicidade da Franca.
Levada pelo cxemplo do co'nde de Monto-
molin, dizia ella, venho solemnemente abdicar
o ineus direilos e reconhecer Luiz Napoleao
como imperador dos Francezes. As minhas pre-
leuces sao modestas ; peco smentu alguns mi-
lhes para viver d'uma maneira conveniente,
urna dignidade na corle immediatamente depois
dos principes e princezas de sangue imperial e
urna residencia digna d'uma pessoa tal como
en. Por este proco renuncio a lodos os meus
direilos, abslenno-nic de toda a leu i i va de mo
armada o asseguro assim o descanso ra Europa
c do mundo.
Esta pretendida duqnczn nao era ni ais que
una laboriosa costureira de vestidos a quem
umi execessiva dotoeo fez perder o juizo. Fo-
ram turnadas medidas para que fosse admittida
n'uma casa d'aliciiados.
exposicao notavel.
A sociedade hollandeza dos profossores, de
accordo com a Unio Industrial de Amsterdam,
prope-se abril no prximo mez de julho, na
sala da Uniao Industrial, urna exposigao geral
dosobjeelos relativos a inslruccao primaria.
A commisso encarregada d'a direceo da ex-
posigao, querendo dar aos seus trabadlos um
carcter de aclualidade e ulilidade real, prope-
se representar a insirucgao primaria nacional no
seu estado aclual e no seu desenvolvinienlo his-
lorieo, para fazer apreciar a phasc de progresso
em que enlrou nos nossos das c indicar ao mes-
mo lempo o grande e laborioso caminho que
Uve a andar paraahi chegar.
Para esle flu a commisso expoia n'uma or-
dem systematica os objeclos materiaes de todo
o genero de que faz uso no etisino, actualmen-
te, gracas aos progressos da industria e da peda-
goga. Ao lado d'eslcs lestemunhos do presen-
te serao collocados os representantes do passado
o material das escolas de lempos mais ou menos
remolos e os objeclos imperfeilos e repudiados
de que os amigos se serviam para a inslruccao.
A utilfdade de urna rollecgo lo variada "co-
mo iuteressante manifesta'. A exposigao le-
vantar a insirucgao na estima publica, conlri-
buindo para urna apreciagao mais justa e umi
combinarao mais intima, d'esle grande motor do
pr'resso, e olTerccer aos professores quevsi-
tarem a exposigao numerosos pontos inaprecia-
viis, que nao deixarao do influir poderosamente
no futuro do ensino,
A commisso, querendo dar a exposigao toda
a extensao desejarel, fez um appello geral be-
nevulencia do publico lano na Hollando como
no cslrangeiio. Convida lodas as pesseas que
estejam uo caso de concorrer para o fim pro-
jioslo a associarem-se aos seus trabadlos, en-
viando-llics os objeclos que cnlram no quadro
trocado, laes como : material das escolas,
de todos os gneros, livros, mappas, instrumen-
tos, traslados, gravuras, mobilia, leis, regula-
menlos, objeclos relativos disciplina, abee-
darios, livros de inslruccao anligos, curiosida-
des, finalmente lulo o que posa servir para
fazer sensivel o carcter, os fruclos, o estado
actual e o passado da insirucgao na Europa.
ARCHEOLOGIA.
M. Marielle, o clebre archeologo, parlicipou
do Egyplo que acabara de descobrir um immen-
so palacio de granito, a alguns passos do grande
CANALISAQAO DO TAMISA. *
Est-fe estudando urna medida de grande im-
portancia para a cidade de Londres.
A cmara dos communs autorisou a formagao
de urna commisso encafregaja de examinar os
nieios a empregar para canalisar o Tamisa.
Tracla-'-e do nada menos que de fazer desap-
parecer as casas, pela maior parte de miseravel
apparencia, que obstruem e aieiam as duas mar-
gens do rio.
O Tamisa, assim desembarazado e prvido de
largos caes, dar a Londres urna nova physiono-
mia o apresentar ao viajante maravilhado o pa-
norama mais esplendido do mundo.
PONTE DE LONDRES.
Na ponte de Londres, sobre o Tamiza, houve,
as 24 horas lindas s 6 horas da tarde de 17 de
marco, o segninte movimenlo : 4:483 carruagens
de aiugnel. 4:286 mnibus, 9.245 carros e carri-
nhos, 2:430 oulros vehculos, 54 ravallos mo
ou montados e 167:910 pessoas.
Alem d'esia ponte ha em Londres mais quatro
pontea, que sao a de W.iterloo, Wesiminster e
Black-Vriars ; e o tunnel, galera subterrnea,
que alravcssa por baixo do rio.
O movimento mencionado d'uma s das cinco
ponle.s, que communicam as duas partes da cida-
de divididas pelo Tamisa, indica o immensd mo-
vimento da capital de Inglaterra, que cont.i
16:500 casas, 9:000 ras, 125 egrejas parochiaes,
140 capellas anglicanas, 40 templos de oulros
cultos chrislos, 6 synagogas, 41 Iribnnaes de
jusliga, 13 Iheatros, 14 prises, 18 bibliothecas,
museus, galeras, hospitaes, institutos, acade-
mias, etc., etc., etc.
Em Londres imprimem-sc 40 jornaes diarios e
50 semanaes.
A populacao de Londres era em 1856 de
2,362:236 almas.
ANTIGA MACHINA DE GUERRA.
O imperador Napoleao trata de purera uso a
antiga catapulta modificada. Ha muilo lempo
que o preoecupa es leito encarregou a Mr. Vincent, sabio archeologo
do instituto, para recopilar de todas as obras an-
tigs as noticias relativas s machinas de guerra
e especialmente catapulta
E' sabido que a Corea d'esta machina consiste
na lensao que se d corda, que se enrosca na
mesma, e que o motor da catapulta, que como
urna pequea planea que serve para cobrr o
eixo a que se enrosca a corda, o instrumento
que arroja os projeclis quando se soltara sbita-
mente as cordas.
Os anligos serviam-se d'esle meio para alirar
a distancia de meia milha enormes pedras, ba-
las, etc.
A ballisla construida por ordena do imperador,
e em conformidade com as descripr.des compara-
das das distinctas machinas de que fazem men-
gao autores anligos, produz resultados sorpren-
dentes. Pode arrojar a urna distancia mui
consiJeravel urna carga de qu3tro a cinco quin-
laes (200 a 250 kilogrammas): nao ha se nao a
dilTerenga de que em vez do se empregarem as
pedras como projeclis, serao substituidas com
enormes cartuchos de plvora, que rebenlaro
apenas balam no sitio a quo se dirija a pon-
a ra.
Fizeram-so as priraeiras experiencias em Vin-
cenes c o imperador conlinua-as com lodo o
cuidado. Todos dizcm que os resultados sao lao
satisfactorios como podia esperar-se de uina in-
vengao nova, e que naturalmente exige muitos
ensios antes de se aperfeigoar.
ASCENSAO AEREOSTTICA.
O crrelo dos Eados-Vnidos conta nos se-
guirles termos urna nova ascciisao aereostalica
dcM. John Wise :
O veterano dos aereonautas americanos, que
tomou parto, o vero passado, com Mrs. La-
mountain e Gager, na famosa viagem do baliio
Jpiter, de S. Luiz ao lago Ontario, fez na 5 "
feira 19 de abril a sua 302.a ascensao no balao
Ganymedes.
O Ganymedes tem s 27 ps de circunferencia
e os 10:0U ps de gaz que conlm nao o podem
levar senao a 400 ou 500 leguas.
Assim, com o pezo do balao, da barquinha, ds
cordas e da ancora, que peza 15 libras, e do
quintal d'arcia que serve de lastro, apenas Ihe
restara a forra iscensional para levar o aereo-
nauta.
Gracas so esplendor da larde, toda a populacao
das avenidas occidentaes se reuni as cercanas
do Palace Carden, onde se devia encher o
balao.
O recinto do jardim condola urnas 800
pessoas.
A's 4 horas c meia, M. Wise deu a voz
le jo--(largai) e o Ganymedes subiu aos ares
com applausos da multidao.
A principio, deslinguia-so a divisa que linha
em volla : Extra flamenlia mcenia mundi (fra
fo?ueiro vu um individuo que. jrkTtiva por cima
d, grade da va frrea. Fez-lbe tignal para que
ni o atravessasse o caminho, form elle, sem
faieer caso, precipilou-so airares do carril na
funte dos denles que 'rfedam as pedras
hasse-pierre) na evidcjile .intengao de se
atar.
Aos primeiros ferimentds dOsdenles de ferro,
desgragado deu gritos herrivis, e dobatia-se
c nvulsivamenle, pedindo soecorro.
O mechanico fez lodos es efc/orgos para pa-
r. Durante esle lempo, o corpo foi arrastado
is pedras do slo pelo chasmfpierre e andou
.sim mais do 500 metros ante que as rodas da
achina pozessem termo ao se*errivel suppl-
o, partindo-o em qualro pe lagos.
Ninguem reconheceu a victima.
-----i
CATADUPA NO GUAjHANA.
Do Djense extrahimos a seguinte deseripeo
di catadupa ou clamela no rio Guadiana,
denominada Pulo de Lobo
O torrente-rio Guadiana, ama das cinco
rrincipaes arterias que atraveaeam o nosso bello
productivo Portugal, "corro *'longo da frtil e
"corro fT longe da
extensa provincia do Alemleja.e depois de haver L,""i ilA~~r',T" -------"-----1 -
scebido em todo o seu curso m grande numero ^ T'S t 7? **?' VSS
a ,u;. mna .,. _.:j.....;= ,., rtl vos sabereis recebe-lo dignamente.
FOjLMKFIII
c^is
iMr33'Tr"Tr'MS-
nas de Herculano e Pompea na memoravel erup-
gio do anno de 79. Estas arvorea conserraram-
e perfeitamenle direitas com si raizes, atravez
de difforentes carnadas de terreno, formadas du-
rante 18 seculos.
Desembarcaran] em Ancona 1,000 Irlande-
ze que rio (azer parle do exercito pontificio.
Duia-se (erem chegado tambem una cincoenla
ofnciaes francezes, e esperava-se que chegasse
Roma d'um momento a outro um grande nu-
mero de voluntarios. Trala-se de remontar a ca-
vallaria e'csl-seorganisando o corpo do sapado-
res bombeiros.
_ Os estiidantes do real conservatorio de mu-
sica e declamag&o de Madrid formararn o pro-
jecto de sahlr ao encontr do exercito expedi-
cionario d'Africa no dia em que ello flzesse a
sua entrada naquella corle. Para islo compoze-
ranwim hymno quo ser cantado por 400 ou 600
vozes, Os estudantes da universidade e de ou-
Irasescolas e institutos a ella incorporados ha-
viam de ser convidados para coadjuvarem os do
reil conservatorio e darem maior luzimenlo a
esta recepgo.
A Hungra prepara-se para celebrar digna-
mente a inaugurago da estatua erecta em Peslh
ao archiduque Jos, que foi palatino daquelle
paiz desde 1796 a 1817, em que fjlleceu. Esta
longa adminislrago caplou-lhe as mais vivas
symQalhias de todos os governadores, os quaes
nunca esaueceram a sua memoria, e em testerau-
nho de aecto levanlaram-lhe urna grande esta-
tua na capital do anligo reino, cuja inaugurago,
como dissemos, deve effecluar se no prximo
mez. Diz-se que por este motivo o imperador
ir a Peslh.
O Monileur francez de 2 promulga a le
que reduz a 100,000 homens o contingente de
1859, fixado em 140,000.
A chegaJa do re Vctor Emraanuel foi an-
nunciada em Bolonlra pelo maire aos habitantes
nos seguintes termos : S. M. nosso re, Vctor
Emmanuel, se achara comnosco no 1. de maio-
s 4d.i tarde. A arlilharla annunciar a sua ap-
proximago capital. Habitantes de Bolonha, a
grapluco chegado de Vieotia e por ordem do pre-
sidente da commisso inrestigaloria no processo
do general Eynatlen. O cmplice principal o re-
presentante da sociedade. o hebreu Basevi, eva-
do-se a lempo pata o Peraoote.
Alm desles, acha-se tambem preso o com-
merciante Peruggia, director da sociedade Pe-
ruggia, e Brambilla. Qllu, por (raudo no forne-
clmento de pe I es para o exercito por corrup-
go de funecionarios pblicos.
No dia 24 do mez passado houve em Pars
um baile muilo estrondoso, no palacio d'Alba.
propriedade do duque Tascher da Pagerie. Os
convidados foram 1,200. Os conviles diziaro :
< O duque e a duqueza Tascher da Pagerie ro-
gara a Mr. ou Madamo que Ihes f.icam a
honra de ir passar a noite no palacio d'Alba, n.
77, entrada dos Campos Elysfos
O imperador e a imperatriz dos Francezes
sao esperados em Chambery em todo o mez de
junho. Vao-se emprehender com grande empe-
nho as obras do caminho de ferro do Alpe e os
de Niza a Toulon.
Em Turin julga-se geralmcntc que Mr. Me-
rode o escolhido para substituir o cardeal An-
tonelli no ministerio romano.
Mr. Fould vendeu por 8.000:000 de francos
ao marquez da Cara Riera o palacio que o archi-
lecto Labrouse Ihe tinha construido na ra de
Berry. O marque* da Casa Riera um dos es-
trangeiros mais ricos que vivera em Pars.
Vctor Emmanuel deu doseu bolso particular
lOOOoO libras commisso encarregada de re-
O emprestimo pontificio est se levando a
effeito com grande aclividade. A operagio foi
principiada pelos banqueiros da Blgica. Para
se realisar hypothccam-se os bens eeclesiasticos
do estado.
No crrante mez de maio devem celebrar-
se em Roma as solemnidades da beatiflcacio de
tres santos : Sarcander, Rossi e Jos Labre. Ti-
nha-se fizado o mes de abril para a celekrago
de umadeilas, porm o Soberano Pontfice quiz
que as tres ceremonias se colebrassem no mesmo
mez, oom o intervallo de oilo das. Os fizados
sao : 6 de maio para o veneravel Sarcander, 13
para o vencavel Rossi e 26 para o veneravel Jo-
s Labre.
A direcgo das obras publicas do Londres
nomeou urna commisso para investigar a hislo-
lia da telegraphia ocenica, as suas causas de
mo xito, e determinar qual a melhor especie
de cabo e os mcios mais proprios para o collocar
no fundo do mar.
O duque reinante da Saxonia Coburgo-Go-
tha esperado em BruxelUs nos primeiros dias
de maio, e d'ahi ir a Inglaterra.
O proieclo de eslabelccer um telegrapho
elctrico submarino entre Gibraltar e Falmoulh
foi abandonado completamente, c o cabo queso
ia empregar para aquello flm, cuja longitude era
de 1,000 milhase ja eslava fabricado, seri collo-
cado enlre Rangoon e Singapore.
Nos Eslados-Unidos formou-se um partido
forraidavel intitulado do Golden Ctrdecom o fim
de promover nnnexaco do Mxico Unio.
ceber subscr.pgoes para a conslrucgao da facha- Actualmente s ha vivos, em Hespanha.
da da calhedral de F orenga. O principe Car.g- : doze grandes do reino dos setenta e dous ue lo-
(e ribeiras mais ou menos eonsideraveis, vai
:var suas aguas ao ocano 'atlntico, junto a
illa Real de Santo Antonio.
Este rio, que durante a estaco estival pra-
enteiro, dcil e submisso, pelo contrario de
iiverno de fea catadura, lomando-se soherbo,
rgulhoso c arrebatado, como querendo mostrar
( om ufana as riquezas amontoadas pelos tribu-
as que suas servas (as ribeiras] Ihe vem deposi-
ir n'csta quadra do anno.
Depois d'este rio ler percorrido urna grande
orgo do terreno conlido n'um leilo mais ou
ijienos aperlado, mais ou menos esparcelloso. c
Marginado de rochedos maisou menos alcanlila-
os, chega a um sitio (prximamente a meia
islancia entre Serpa e Mertola) onde se apre-
enla no leilo do rio um eslreiio e profundo ca-
al rodeado de rochedos, firmado pela naturezn,
i marginado por enormes massas de rocha schis-
i osa, as quaes nao se divisa o mais leve signal
i e vegelagao.
Ncsle canal se despe.nha o rio, formando urna
atadupa de uns 20 metros de queda, na qual as
gu.is, batendo nos rochedos que encomia, ior-
pam differenles lenges d'agua coberlos de
iranca espuma, acompanhada ao mesmo lempo
!c um ruido espantoso.
Esle quadro rico e mugestoso para o obser-
ador philosopho, cncarando-o physica e geolo-
icamente, e era geral curioso para qualquer
ajante.
O ponto onde o rio se precipita no referido
anal donomina-sePulo de Lobopela facili-
lade com que este animal transpoe de um salto
opoosla margem.
O canal percorre deslc modo urna distancia do
>bra de uns 90 a 110 metros, no fim da qual
pparece, como por encanto, urna hacia regular
; symtrica de uns 70 metros de comprido e
14 dilos de largo, chamadaPego dos Saveis.
Esta baca offerece urna vista muilo pittores-
a, o tinha na ocrasio em que a examinamos
em oulubro de 1842) para mais de 8 metros de
igua lmpida e cristalina.
No extremo da predita hacia e prximamente
10 meio, segu o canal da mesma forma estreito
i profundo, salpicado tambem derochidos e
narginado egualmente por escabrosas massas de
ocha escamada; c assim contina at una
Jistancia obra de 40 kilmetros, no fim da qual
) rio torn a tomar um leilo regulare ordinario,
il alra desaguar no ocano
Tal em resumo a descripgo desla calaracla
ormada em um dos nossos principaes rios,
juica mais conhecida dos viajantes estrangeiros
io que, com bem magua o digo, dos proprios
acionaes.
INVENCAO TIL. ',
Umn nova invengao, cujo autor 'um engen-
heiro ptico de Paris, foi ltimamente sulrnetli-
jla, por ordem do imperador, ao exame de urna
ommisso especial do ministerio da guerra.
dig
A viagem da rainha de Inglaterra Ber-
ln, que se linha annunrind i para o corrente
mez, adiou-se para Qns de agosto ou principios
de setembro.
A Inglaterra, que elevou j legacao de
primeira classe o seu plenipotenciario de Turim,
nomear seu cnsul geral em
nan remelteu 10:000 libras com egual flm.
No dia 21 do actual deve ler lugar em
Munich, por procuraces, o casamento da prin-
ceza Malhilde, duqueza da Biviera, com o con-
de de fran. irino do rei de aples. O princi-
pe LoaJGuilhorme, irmo mais velho da noiva
representar o conde Tiani.
Eisma singular precaugo de um magis-
trado francs. Tinha-se pedido a um maire da
provincia da Cote d'Or (Franga) a certidao de
baplismo d'uma pessoa mora ha muitos annos ;
esle extracto era necessario aos herdeiros, e lal-
vez nunca livesse acontecido all dar-se urna
certidao lao amiga.
Este magistrado, ou o seu secretario, temen-
do dar urna certidao falsa copiando textualmen-
te um assento que apresentava como vivas pes-
j soas moras ha muitos annos, julgou dever ajun-
acaba de nomear seu cnsul geral em Mi- tar ao nome de. cada pessoa a" palavra fallecido
lao o ministro plenipotenciario em disponib- \ Em consequencia disto passou a certidao da for-
lidade no Mxico, misior Otway, que por muitos
annos foi secretario da legacao ingleza em Ma-
drid.
Para dar idea dos latrocinios commettidos
por alguns funecionarios da fazenda austraca,
cita um correspondente o factod'um fornecedor
de bois, que da accordo com um intendente rece-
ben o importe de 26.000 rezes em Solferino,
leudo s fornecido 9.000.
O bispo de Barcelona (Hespanha) dirigi
urna circular aosparochos, sacristaes c directores
encarregados dos edificios e estabelecimentos
religiosos, para que lhc dcom noticia das belle-
zas archilecionicas, retabillos, pinturas, vasos sa-
grados, alfaias e oulros objeclos semelhantcs,
que, pelo seu mrito arlislico, onliguidade ou
recordago histrica, considerem dignos de figu-
rar no catalogo dos objeclos artsticos que man-
da formar o governo, ulim de que possa, diz el-
le, commissionar pessoas inielligontes quo exa-
ininem os indicados objeclos e formem a dcs-
cripeo artstica que Ihcssuggira a sua illostra-
gao e pericia na arto.
A filha do rico banqueiro francez Mires ca-
sa com o principe de Polignac. O casamento deve
ler lugar no dia 28 do corrente. O pai d-lhe em
dote dez mil francos mensaes (1:8000000 rs.), ca-
sa, mesa e carrujigcns.
Em Alhena esperaya-se a chegada do' York apresenlou-so
principe Adalberto da Baviera com sua esposa,
infanta da Hespanha, os quaes passariio algum
lempo naquella cidade, para conhecorera e fa-
zerem-se conhecidos do povo, que provavelmcnle
um dia serao chamados a governar.
Um dos paquetes chegado ltimamente de
Genova a Marselha conduzio .perlo de 2> mil co-
dornizes, que dosembarcou neste porto. Estes
passaros sao destinados para as tapadas do impe-
rador Napoleao.
Noticias de Hait annunciam que tem hav-
do nesla ilha urna serie de terremotos que tem
produzido desastres. Centenares de casas foram
maram parte na volagao de expulsao do D. Car-
los e sua descendencia do throno hespanhol.
Chegou a Trieste, procedente de Vienna, o
archi-duque Maximiliano.
A estada do re Vctor Emmanuel em Pisa
foi solcmnisada com una ceremonia curiosa.
Consisti na entrega feila por urna commisso
vinda de Genova das cadeias de Pisa, que a rep-
blica genoveza goardava como recordagao e tro-
pheo das suas victorias sobre a celebre repblica
de Pisa.
Na cmara dos deputados em Berln honve
ltimamente cenas desagradaveis. O general
Slavenhagen, inimigo do grande proieclo de lei
para a reforma militar e membro da commisso
para examina-lo, leu o seu pareeer. O ministro
da guerra observ que o parecer Ihe recorda-
va as sele vaccas magras e as sete gordas do re
Phara.
As sele magras eram as razoesqueoppunha ao
projerlo, e as sele gordas, islo as necessidades
da reforma, as linha omiltido inleiramenle e s
avuliamj'or sua ausencia. Em consequencia de
una observago lao trivial, o ministro co gene-
ral dirigram-se mutuamente os roaiores insultos,
que felizmente nao tiverom conseqoencias. Mr.
Vincke, o presidente, declarou que a nao ser por
seu carcter de conselheiro da cora, loria cha-
mado ordem o ministro da guerra.
Segundo o Jokonlak Gazelte, em 1862 prin-
cipiar a exportarn das minas do rio Amor, por
emprezas particulares, debaixo de bases liberaos
e alim de augmentar tanlo a riqueza metlica co-
mo o numero de habitantes daquelle paiz.
O Indicador Econmico do S. Petersburgo
annuncia a creaco de tres codeiras novas na uni-
versidade da capital, urna de historia geral de lit-
teratiir.i, nutra de anliguidades c oolra de litte-
ratura bizantina, as quaes se ensinar, alem
dislo, o grego moderno. Designa-se Mr. Pypino
para a de litleralura e Mr Destunis do departa-
mento asitico do ministerio dos negocios estran-
geiros para as outras duas.
O celebre professor de jurisprudencia da
universidade de Cambridge, Mr. Araos, falleceu
ltimamente.
[Commercio do Porto )
ma segninte : a Eu abaixo assignado o fallecido
Pedro Robn, sacerdote, o curo da freguezia de.,
adminislrei hoje 2 de abril de 1700. antes do
meio dia, o Sacramento do baplismo ao fallecido
JacquesTurpiu, honlem n.iscido do legitimo ca-
samento do fallecido Antonio Turpio, lavrador,
c da fallecida Ncolle Jacqui. Foram padrinhos
o fallecido Jacques Vellele, marinheiro. e a fal-
lecida Catharina Fromont, ambos d'esta fre-
guezia os quaes assignaram commigo, o falle-
cido cura.
Esle documento acaba de ser apresenlado ao
prefeilo do dislricto de Cote d'Or.
O conde do O ... grande lldalgo russo, quo
tem de edade quarenta e oito anuos, mas que
moslra ler sessenla, lanto os prazeres di vida
parisiense Ihe lem gasto o corpo e enrugado o
rosto, n'elle o que mais soffreu foram os denles,
que os nao lem.
Urna senhora, pengnnlando qual a causa por-
que o conde linha perdido os dente to depressa.
E' mnito simples responden umal amiga,
a causa porque o conde lem comido muita
prata.
O general Lamoriciere recebeu mais de
45"000 bilheles de visita dos Romanos, como tes-
lemunlio da sua gratido e aiTcclo.
Na assembla legislativa do Estado de New-
um projeclo do lei para a
aboligo da pena de mono. Submettido dis-
cussao, foi definitivamente approvado, porm
com uina emenda importante, a saber: que con-
tinuara em vigor a lei que castiga com a dila
pena o crime de traigan e os de homicidio c
incendio premeditado em primeiro gru. O bil sal impresso em Berln, publica urna memoria
dispe alm disto que nunca se execute urna j rcenle do Dr. Tuhkrolt, que se refere a um fado
sentcnen de inorle seno depois de um anno de I da achada de ossos humanos foisslisados, e em
RBST08 no HOMF.M fossil.E' urna questao a
pos-ibilidado de encontrar as entranhas da tr-
ra quaesquer restos de homens fosseis. Muilos
sabios sostenan! que nao po?sivel oble-los.
Entretanto o ultimo folhelo de urna revista men-
proferida.
Este projeclo de lei passou ao senado, onde
foi submettido a urna commisso especial, que
deu um parecer favoravel.
Em urna das recentes escavagoes que se
destruidas em diversas localidades, outras fica-eslo fazondo nos terrenos de Palau (Barcelona)
rain inhabilaveis, o grande numero de pessoas
foram gravemente feridas.
O principe Nicolao, irmo do imperador da
flussia, chegou na lardo de 15 do corrente a Pa-
rs. Dorante a sua demora em Paris o principe
habitar o palacio do Louvro.
O celebre pintor Verncl fazia-so atara um
niastro de navio para contemplar melhor o
magnifico espectculo de urna tempestado no
ocano.
M. Bucls, cx-presiilenle da sociedade real
de Londres, leve em Olaiti a paciencia de se
Por um mechanismo dos mais simples, o in-' fazer pintar de prelo dos ps al cabega, com o
ventor achou meio de tornar impossivel o feo ''m do representar um personagera em urna ce-
involuntario das armas, de guerra, sem contrariar remonia fnebre, quo nao poderia ver de outra
manobra dcslas armas, nom impedir a rapidez maneira.
io seu fogo, quando o quer empregar rquelle Vaillant, celebre numismtico, vendo o na-
bue deltas faz uso.
I A applicagao ao exercito desle processo, que
ipoder egualmente ser applieado s armas de
'caca, evitar numerosos desastres, de que os
vio em que se achava prximo a ser presa d'um
corsario, a risco da sua vida e em honra da
archeologia, tragn enormes medallns, que
nao podo expellir seno a cusi de i vas do-
militares e os cagadores podem ser victimas pelo !res ; urna de Othon, sobretodo, leve lal pre-
fogo inesperado das espingardas.
MOSAICO.
Parece que a viagem dos imperadores franco-
tes Saboya ser mais breve do que se julgavo.
!) mais provavel que os augustos viajantes
aarlam de Marselha no hiale guila, que os
onduzir directamente Niza, onde se fizeram
i preparativos para a sua recepgo. Di Niza pa-
rece que a corle passar a Sujel-Theniers e en-
trar em seguida nos estados sardos. Falla-se
J'uma entrevista que lera" lugar neslo reino en-
tre SS. MM. e o re da Sardenha ; porm igno-
ra -se se ser cm Turin mesmo ou lias provincias
Je Saluces ou de Pignerolles. A entrada em Sa-
boya ser por Mo lena ou Lamleburgo. O regres-
30ijprverilcr por Lyon.
f Mr. Savarese, ministsm narotano das
OTlfs publicas, oirereceu flSBdemia das sien-
cias de Pars um cypresle comunas raizes, lirado
das escavaces de Pompea de um canal a urna
profundidade de 5 metros, tala cypreste teria
36 annos de edade quando ticou dJlMuxo das ro- cadeia, cm consequencia
roa
PAULO DE KOCK.
m
Os cmicos ambulantes.
Conlinuaco.)
O i apel das Desajel, das criadinhas de Molie-
re, era feilo por urna moga, fea primeira vis-
la, mas cuja physionoraia cmica c inobil era as-
saz agradavel, e lornava-se quasi bonita, quando
ella ria, porque linha denles muilo lindos. E'su-
perluo dzer que esla rapariga eslava sempre a
rir.
Chamava-se Zinzinette, e nao era mal feila de
corpo; porm tinha urna perna mais curia que
outra; para nao coxear sallara cm vez de andar;
rsso modo de andar podia servir nos seus papis
cmicos; mas quando linha de representar urna
mornha innocente c perseguida, oque nao era
raro, alienta a penuria de actores, era necessa-
rio accumnlar os papis, c enlao os espectadores
icavam sorprendidos por ver una herona in-
feliz, una amanto abandonada, vir saltitando
coiii-ir-lho as suas penas. Apezar disso, raade-
moiselle Zinzinette era geralmente mutn queri-
da, eseus olhinhos pardos, que sabia fazer ma-
nobrar com talento, faziara muitas victimas.
A quarta dama chamava-se Albertina ; era mu-
lher que j raslejava pelos seuslrinta annos, mas
inda bonita; morena, gorda, fresca, de boas
cores ; voz aguda e muitas vezes rouca, lora li-
geiro, decidido, maneiras communs, modo mais
que desembargado, porm poma bem feila e
braco bem torneado.
Esta rapariga representava o papel das excn-
tricas, o que significa que representava e canta-
va o que queriam ; era urna grande ulilidade em
toda a extensao da palavra. O gosto pelo thcatro
se declarara nclla muilo tarde ; antes de ser ac-
guiga dever a luz, que esteve 15 dias dentro do
corpo.
Falleceu o general inglez Fleming, que
linha servido no exercito desdo o anuo de
1802.
Os generaes do exercito inglez, sir II G.
Bumbary e sir T. Mac Mahon, falieceram no i
mez passado. O primeiro foi o que annunciou a |
Napoleao o seu desterro para Santa Helena, e li- I
nha publicado urna obro sobre u guerra coma
Frang. Ambos eram valentes generaos.
Foi nomeado commandanle do Gran Orien-
tal (o vapor monstr) o capilao Vine Hall, mem-
bro da sociedade real astronmica ingleza.
O almirante inglez sir H. Martin foi no-
meado chelo da esquadra ingleza do Mediter-
rneo.
Entre os presos em Trieste pelo fado da
famosa defrand.ig.1o de fundos pblicos deseo-
berta na Austria, conlamse o cavalheiro Rivol-
tello, Brambilla, pai, e Maudolfo, todos tres mil
lionarios c que gozavam de urna boa reputago.
Estes tres individuos foram conducidos para a
de um despacho lele-
J/J Yide o Diario a. 136.
Iriz esta mulhCr tinha feito muita cousa. Nunca
tinha posto o p no conservatorio, nem nunca ti-
nha rncebido ligues de declamago. Apezar dis-
so, nao se espichava muilo nos papis que Ihe
davam; representavaTOS mesmo com mais estro,
com mais graga que as suas carneradas. Alberti-
na possuia urna grande vanlagem, nunca tinha
medo.
A quinta dama era a me de mademoselle Al-
bertina. Era urna enorme massa, de seus sessen-
la annos, e que dizia chamar-se madama Graden-
boule.
Essa respeitavel matrona dizia que amigamen-
te representava o papel de Ingenua ; aos cincoen-
la e cinco annos atada quera reprsenla-los;
mas depois de certa, historia de batatas cozidas,
quando representava a Falsa lgnez, madama
Grattenboule renunciara a scena para dedicar-se,
como boa me, inleiramenle aos irumphosda fi-
lha. Com isso nao era bastante para admilli-la
na companhia nmada, a me de Albertina acei-
tara b emprego de aia, que accumulava com o de
ponto. Dotada de excedentespulmes, a Gratten-
boule era uro ponto de mo cheia, mas era ne-
cessario andarem com muilo sentido cora ella,
porque quando Ihe aconteca ceder s suas incli-
nages pelo sumo da uva, pegava no somno o
seu buraco, e o ador desesperado nao ouvia mais
do que urna roncara prolongada, em vez da pa-
lavra que Ihe fallava o que espera va que o ponto
Iho dissesse.
Passcmos agora aos actores.
Grangciant, o pae nobre, era homem de seus
cincoenla annos, pouco mais ou menos, do esta-
tura mediana, cara insignificante, modos polidos,
Iraquejo do scena, porm fri, cmpolaio, mon-
tono na dceo, o em quasi lodos os papis que
representava Grangerant, fllho de bons burgue-
zes, muito crianga tinha sido mandado para casa
do um procurador de causas, onde paseara mui-
los annos. All contrahira a paixo do theatro,
paixo desgregada para elle e para os outros,
mas qual nao tvera torgas para resistir. Entre-
tanto, nc meio da sua carreira dramtica, Gran-
gerant conservara um cerlo orgulho pelos seus
primeiros estudos; e quasi sempre no meio de
qualquer conversa, procurava occasio de di-
zer que cstivera na asa do procurador de cau-
sas. No mais, era um perfeilo homem de bem ;
infelizmente o publico pouco attondia s virtudes
privadas de um actor.
Depois desse yinha o Sr. CuchoL^ue represen-
tava os papis das Casaandras, ddrTei ontcs, dos
Ganaihes, juntando-lhe cm caso de necessidade
e a muitos ps de profundidade, descobriu-se
um grande trogo de mosaico, perfeitamenle con-
servado, que representa um circo, c que, quan-
do menos, se calcula que ter os seus 15 ou 16
seculos de cxslencia. Examinado por pessoas
competentes, diz-so que foi por ellas considera-
do co.no um verdadeiro llicsouro archeolo-
gico.
Foi remedido pelo governo inglez um ulti-
mtum ao governo ehioc concedendo-lhe um
prazo de 30 dias para se decidir a rcalisar o tra-
tado de Tien-Tsin. Se o celeste imperio se de-
cidir a realisar o tratado, lord Elgin rollar im-
mediatamente a Inglaterra para oceupar o seu
lugar no gabiuetc. No caso contraro, seguir a
sua viagem para a China, deixando o ministerio,
que so conferir em propriedade a outra pessoa.
Segundo urna correspondencia italiana, cor-
re o boato de que o general Changarnicr, adhe-
rindo ao convite que Ihe dirigi o rei de aples,
lomar ncommaudo em cifro do exercilo napo-
litano, forte ja hoje com 160,000 homens. Ac-
crescenta-se que o general Bcdeau tomar o com-
mando do exercilo que 03 duques dcsihronados
eslo j formando na margem do P.
No dia 15 do passado houve um forte terre-
moto na cidade de Carsuu e outros pontos da Ca-
lifornia.
Cnovo planeta annunci.ido ltimamente e
descoberto por Mr. Lutker recebeu o nome de
Concordia.
Diiem de Vienna que sao exagerados os cal-
culos que se lem feilo sobre a fortuna que dei-
xou o infel'z ministro di fazenda Mr. de Bruck,
pois da investigago judicial feila em seus bens
sabe-se que nao possuia nais de meio milho de
liorins. Tambera a Gazela Prusiana assegura
que do exame dos papis daquelle homem de es-
lado no appirece vestigio algum de criminali-
dade, nem motivo de aecusago contra o mesmo
alto funecionario.
Circulam em Vienna com insistencia boatos
de urna prxima e longa risgem ao estrangero
do imperador, deixando encarregada a regencia
ao archiduque Maximiliano, e alguns accrescen-
tnm tambera que S. M. trata de abdicar a cora
resumo eis o que diz a memoria :
O lugar da invencao est situado nao longe
da villa de Gruiten (provim-ias rhenanas) anteada
junego do Diissel com o Rheno no valle S'ean-
der. All, tendo-se feilo urna escavago de 67
metros de profundidade, em terreno "devoniano,
achou se urna porco de ossos extremamente
duros.
Esta crcumstancia excitou a altenro, e (endo-
se revolvido a Ierra, que j se hav'ia posto de
lado, descobro-se outras parles de um esque-
leto, que se pensou primeiro ser de algum urso.
Mas depois melhor examinadas observnn-se que
perteneiam a um esqueleto humano, que segun-
do a declarac.o dos operarios, jazia horisontal-
menle no prolongnmenlo de urna gruta subterr-
nea, com a cabega voltada para a entrada.
Os restos exlrahi ios sao o crneo com um pe-
queo fogmenlo da parto temporal, dous ossos
da cxa, o ante-braco di ro lo com o radins anda
unido, o anle-bragoesquerdo com urna das ex-
tremidades quebradas, um osso do colovello es-
querdo em fragmento do omoolala direito, a
clavicula direila quasi inieira, cinco fragmentos
do costella. e meladeda hacia quasi completa
Segundo as observaces do Dr. Schaafhaussen,
de Boun, todos estes ossos fazem purle de um
s e mesmo esqueleto, e os oulros ossos que fal-
tam, ticaram confundidos com a trra extrahida
da escavago.
A grandeza egrossura destes ossos sao extraor-
dinarias, e principalmente o crneo enorme ;
elle aprsenla um carcter particular, lanto por
causa da forma estreta e inclinada da testa, co-
mo por causa do grande desenvolvimento do
ssinus frontal, o que faz sohresahir a arcada do
sobrolho de lal modo que o osso da tesla soffre
urna depresso consideravel. Feita a compara-
cao com os ossos do gigante (este o sen nome),
conservados no museu anatmico de Boun, ob-
servou-se que os do esqueleto do valle do Nean-
der tem quasi a mesma dureza, bem que sejam
menores em lamanho.
Todava, diz o folheto allemo, para resolver
esta iuteressante questao, necessario esperar
informaeocs ulteriores. Paiece tambem que
nao em Allcmauha smente que se venlilla a
questao da existencia de homens fosseis ; por-
que actualmente todo o mundo scienlifico da
Franga, Inglaterra o America se preoecupa com
urna descoberta anloga feita em Abbeville, e
que igualmente tem urna antigui lado espantosa.
[carel legem I) o dos veteranos, Turlupins, c bo-
llados, que algumaj vezes representa va cfjtvmui-
lo verdade. Cucho{ UnhfMriiiia o seisanflk*: re-
presentara primitivaraj^Jre os papis do Coln,
mas, anda que mt^Ttnha j creado barriga, o
que lhc fuera renunciar os papis do gentil pas-
tor.
Tendo rosto bonito, orgo agradavel, Cuchotse
consolia, e em seu novo emprego moslrava mais
talento que no primeiro; sempre de bosa humor
com tanto que lhc dessem jantar, o Cassaodra
deitava as manguinhas de fra, e Masaos*Elu-
da ora muitas vezes obrigada a cliaato-1" or-
dem. De mais, nesse casal reinara a "mais per-
feila harmona, porque Cuchol linha o bom srnso
de nao ser ciuniento; em compensagao gostava
do bons guisados e do bom vinho.
Os primeiros papis de marquezes c tyrannos
era representado por um flguro que dizia cha-
ra a r-se A/onesuma ; era bem provavel que nao
fosse esse o, seu nome de familia,
que dnli
lo sexo,
mesmos l
ra o cabo
com cu
figuran
ao bel-
bier~os
j dubr-
|irntqajS
de Q
pelle
forlunlfse
orlas cida-
n lesura a
bonito rapaz e muilo
re no casa
m Moni
enta, e anda
os cabellos, e
mo de cosmticos para impe
rugasse, havia muito que sua
tornavam cada vez mais ra
des de provincia mesmo o
nao achara aso para uma-A^gar
O talento doste Taima de" chinellas,*eonsistia
principalmente as posgoes, o no modo decum-
primenlar e entrar em scena ; mas necessario
dzer que Montesuma antes de ser actor tinha si-
do dansarno. Nao tendo podido fazer um enre-
chal de quatro, nem terminar nina pirueta sem
ir espichar-so na orcheslra, Montesuma fra obri-
gado, o seu pezar, a abandonar Terpsyehore por
Thama e Melpomne ; mas doseu primeiro esta-
do, conservara as posgoes, as altitudes, os ps
para fra, que immediatamento do a conheccr o
dansarino. Nao raro ver no theatro trnsfugas
da dansa ; sao logoxonhecidos pela maneira do
andar, e de estarem em p. Montesuma esquo-
cia-se tanto algumas vezes no mundo das recor-
dagoes, que ora crias pegas em vez de tallar, pa-
reca querer dansar o seu papel.
Como actor, Montesuma, sempre a cera leguas
da verdade, s tinha por si o calor, o mesmo era-
pregava-o muila vez, onde nao havia necessida-
de nenhuma dolle. Tinha roz fanhosa, pronuncia
orrastada e as rezes um pooco sacudida ; exage-
raba os seeiqsjfc- e pantomima \ ? por causa.
mesmo dos seus defeilos linha tido triumphos em
algumas cidadesde provincia, onde um ador na-
tural talvez fosse paleado.
Vem falla agora um mancebo do vinte e qua-
tro annos apenas, eom cara de pelinlra, mas bo-
nito ; lem corpo elegante, bem feilo, lindo p,
bellos olhos muilo expressivos, bocea espirituosa
c bem guarnecida, cabellos louro cendrados, se-
dosos ; emfim, salvo a tez j pallida c um pare-
cer fatigado, que nao annunciam urna sabedoria
exemplar, nao ha nada a criticar no joven Ange-
ly que representa de galau, e que ao menos lem
o physico do emprego.
Mas, como alguns dos seus collegas, cm vez do
oceupar-se com a sua arle, de cstudar, de apro-
vetar os felizes dons com que a naluieza o do-
tou, o joven Angely preguigoso ; s cuida em
passeiar, em aproveitar todas as occasoes de di-
vcrlir-se, e um bonito rapaz lera-as sempre
quando est no theatro.
Segue-se ouiro mancebo, ura pouco mais re
Iho que o galn, este tem nariz de espevitar ve-
la, barba partida, bocea medida para dentro, o
uns olhinhos que faz gyrar com extrema facilida-
de ; nao bonito, mas tem physionoraia origi-
WUjaal que anniindl^riuura. Representa os papis
cmicos, os l'roasWns, passando alternadamente
dos Jorrisses aos Fgaros. Mas sohe-se melhor
neste ultimo papel, porque seus olhos exprimem
mais fcilmente a zumbara do que a tolice ; a
causticidade do que a parvoice.
Esle personagem rhaoia-se Desroseaux ; tem
insirucgao e nao tolo ; as circumstancias es-
pinhosas, consuliofc-o sempre, e gragas ao seus
expedientes, mais de urna vez tem a companhia
ambulante sahido bem de um passo difilcil; na
realidade os nieios empregados ou proposlos por
esroseaux sao algumas vezes ousados, aventu-
rases e temerarios. Mas elle representa Fgaro, o
identiflcou-se perfeilamonle com o carcter des-
se personagem.
Resta-nos passar era revista um ultimo perso-
nagem chamado Poussimard, j um pouco idoso,
muilo baixinho, muito feio, que serr de actor,
de contra-regra, de sccendedor de lampees, de
caixeiro, de machinla, de cabelleireiro, de al-
faiatc, porm principalmente de chcfo do orches-
lra, porque arranha um pouco de rabeca, o que
nao impede que, em certas occasiocs faga de no-
tario o de amor.
P-oussemard emfim o fas ludo, oarro-buriinlic.
da companhia; acooteceu-lhe algumas retes, de-
vendo guiar urna peca, ser obrigado a apparecer
como valheiro no primeiro a.cto, como grande
sacerdote no segundo, c como diabo no terceiro.
Nada o atrapalhava; diriga a orcheslra com o
traje da personagem que representavo, e quando
chegava o momento de entrar na scena, saltava
vivamente do seu lugar para o theatro, recilava
o seu papel c vollava depois orcheslra, onde se
punha a locar rabera como um desesperado.
Um hornera desses era muilo
companhia nmada. A lodos esses empregoses
quecemos ajeniar o do cocheiro o guia ; era elle
quem conduzia Vrtigo, c occupav.i se em Ihe
dar a ve,i apenas paravam em qualquer parte.
Couhecenios agora lodo o pessoal da compa-
nhia nmada ; as pegas em que o numero das
mulhcrcs en maior do que as que possuiam. os
homens mais imberbes desfargavam-so c repre-
sentavam em voz de falsete o papel de mogas ou
de mes; pela mesma razio, quando faltavam
homens cm qualquer outra pega, asmulheres des-
fargaram-sc tambem. A velha madama Ra.-nbou-
re, era a nica isenta deseo augmento do ser-
vigo, porque havia urna certa parte do seu in-
dividuo que nunca podera entrar em neubum
calgao ou scroula.
IV
Conversaco mais ou menos dramtica,
A grande sala da estalagem, na qual tinham
armado urna mesa com doze pralos, conlinha
alera disso bancos, algumas cadeiras, duas pol-
tronas relhas, e um lustre coberlo de gaso verde,
o que nao impedir que entrasse poeira as aran-
delas.
Tres damas da companhia estavam sentadas
junto de urna janella ; o pao nobre passei.iva de
um para outro lado ; o sobr-rbo Montesuma esto-
va estendido n'um banco, com as pernas para o
ar, a cabega as mos juntas atraz da nuca. Cu-
chol e madama Grallonboule j estavam senta-
dos mesa ; Desroseaux tomava notas com ura
lapis, e Pousscmordrepirava se a mesa eslava
bera posta.
Decididamente hoje nao se ceia I brandou
Cuchol; servem muito mal nesla estalegem 1
Sou da sua opiniio, murmurou. a me de
Albertina.
Ora vamos, um pouco do. paciencia, disse
Eluda, temos lempo.... Bom ves que nem todos
esto presentes
Que importa 1 Se s ceia eslivesse prompta,
os ausentes pass^rism por bati da mesa, Quem,
4 que. falla?
Z'izinMte e Angely.
Sim, sim? lodos dous? disse a gordanchu-
da Albertina abanando a cabega. Olhem l, se a
gente fosse maldosa....
Oque ests dizendo ah? disse o Figirosus-
pendendo os seus clculos, porque, havia algum
lempo que era o adorador favorecido de Zinzinel-
le. O que me parece que nao perdes occasio
'es emorctuse.- de dar oceupacao l.ngua.
Ora vejara lu o paleta vexando-se por un
graga dila sem inlencol Agora, se lens ciumes,
o caso 6 difireme, lenhn pena de li, meu amigo!
E niaduraofselle Albertina, voltando-se para os
cantaradas, acrescenlou em voz baixa :
Como se Zinzinelte Ihe pedisse licenga para
frisar-Ihe os cachos f Nao digo que seja com An-
gely, mas com este ou com aquelle, vero ludo a
dar na mesma I
Madama Grattenboule nao disse palavra, sor-
rindo-sc constantemente emqnanto a filha falla-
va, e ocrupando-stvem trocar o seu copo por ou-..
Iro que Iho pareca muilo mk>r.
Dize l, Desroseaux, quanto tivemos de be-
neficio liquido em Fontaineblcau ? disse Monte-
suma cruzando as pernas sobre o banco.
Ora espera, eslou tazendo n conla.
Est se preparando um Temporal (entre! 1
disso madama Ramboure, salando da janella. }io
(Ico aqu, porque lenho medo.
Pois cu goslo do temporal, disse o- pae no-
bre, ,bonito, magestoso !
E muilo bonito quando a gente est debai-
xo de caberla enchuta ; murmurou Pousscreard ;
com tanto que Vrtigo nao faga asneira na estri-
bara.
Que ospere de asneira queres tu quo elle
faga ?
O pobre animal nogosla de troroada ; nis-
so se parece com madama Ramboure.
O que 6 que est dizendo abi. Sr. Poussa-
mard? gritou a velha arrebitando-sa. Entoacba
que cu mo parego com Vrtigo, com um cavado?
E' aroavel, galantea aun compareci 1
Bom I orashi est a Ramboure enfiando tam-
bem murmurou Albertina esfregando as mos.;
decididamente esla geute hoje est cora os er-
vos muito susceptiveis.,..
Porque, ka eledricidade no ar, disse o pao
nobre psrundo dianioda janella.
<
[Centinuar-te-ha.)
PtftlN.TYP. DE M. F, P FARU. 18Q


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETS894OI0_ZB9V48 INGEST_TIME 2013-05-01T00:54:47Z PACKAGE AA00011611_09088
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES