Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:09022


This item is only available as the following downloads:


Full Text
iHIfl XXXYI. HOMERO 71
Por tres mezcs adianlados 5$000.
Por tres mezes vencidos 68000.
SEGUNDA FEIBA 26 DE MARCO DE 1860.
Por anno adiantatlo .9$000.
Porte franco para o subscritor.
EXCARREGADOS DA SUBSCRIPTO' DO NORTK.
Parahiba, o Sr. Antonio Alejandrino de Lima;
Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaly, o
Sr. A. de I.emos liraga; Cera, o Sr. J.Jos de Oli-
veira; Maranho, o Sr. Manoel Jos Martins Ribei-
ro Guimaraes; Piauhy, o Sr. Joao Fernandos de
Moracs Jnior ; Tara, o Sr. Justino J. Ramos ;
Amazonas, n Sr. Jeronvmn da Costa.
l'AKl'IDA UUSCUttllfclOX
Olinda todos os das as 9 1/2 horas do dia.
Iguarjss, Goianna e Parahiba as segundas
e sextas feiras.
S. Anto, Bezcrros, Bonilo, Caruar, Altinhoe
Garanhuns lias Ierras feiras.
Pao d'Alho, Nazareth, l.imoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingizeira. Flore3. Villa Bella, Boa-Vista,
Orieury e Ex as qnnrlas-feiras.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso.Una. Barreiros.
Agua Preta, Pimenteira^ e Natal quintas fedas.
(Todos 09 enrreins parlem as 10 horas da manha.
fcl'Hfc.UhillIH.s du MEZ DE MARGO.
7 La cheia as 10 horas e 24 minutosda manha.
14 Qnnrto minguante as 6 horas e 49 minutos da
manha.
22 La nova as 11 horas e 37 minutos da ma-
nha.
30 Quartocrescente as 4 horas e 33 minutos di
manha.
PREAMAR DE HOJE.
Primeirj as 8 horas e 30 minutos da manha.
Segundo as 8 horas o 51 minutos da farde.
AL'DINECIAS DOS TRIBU.NAES l)A CAPITAL.
Tribunal do commcrcio : segundas e quintas.
Relaco : tersas feiras e sabbados.
Paseada : ierras,-quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commrcio : quintas ao meio dia.
Dilo de orphos: ierras e sextas as 10 horas.
Primeira vara do civil: trras e sextas ao meio dia
Segunda vara do civil; quartas e sabbados ao
me"dia.
DAS DA SEMANA.
26 Segunda. S. Ludgero b. ; S. Braulio b. m.
Ti Terra. S. Roberto b. ; Ss. Flelo e Lydia.
28 Qnarta. S. Alexandre m.. ; S. Castor m.
29 Quinta. S. Bertholdoc. ; Ss. Joas Barrachio.
.'{O Sexta. As dores de N. Sra. ; S. otro Climaco.
31 Sabbado. S. Balbina v m.; S Benjamn m.
1 Domingo de Hnnins. S. Macario ; S. Valerio
ENCARREGADOS DA SEBSCRirCO NO SUL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Das; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves; Rio de Janeiro, o Sr..
Joo Pereira Martins.
EM PERNAMBICO.
O proprietario do diakio Manoel Figuciroa de
Faria, nasua livraria prara da Independencia ns.
Ce 8.
PARTE OFFICIAL
GOYEHXO DA JtlW>YI.\('I.\.
Despachos do lia 27 le fevereiro.
(equerimentos.
887.Alexandre Jos Bornellas, professor pu-
Mico jubilado, pedindo a gratilicaro de mais de
12 aimos de exercicio.Indeferido!
888.Antonio Fernandos, ex-cabo de esquadra
lo exercilo.Requcira a thesouraria de fazetida
c liquidarlo de sua divida, prestando titulo que
a prove.
t>89.Antonio Jos Teixeira de Mendonra Be-
lero, pedindo o lugar de censor do gymnasio.
Informe o Sr. regedor do gymnasio. ,
890/Vigario Lamido de Mondonca Portado,,
pedindo periDJSSo para transferir a s'ua afilhada
menor e orphaa Laurinda,'do collegio das orphas
onde se aclis, para o rerolhimenio da Gloria.
Informen ronselho administrativo do patrimonio
dos orphos.
8'Jl. Elena Francisca de Mello, pedindo se
mande aJmitlir no collegio das orphas umaso-
brinha menor e orphaa. Informe o couselho ad-
ministrativo do patrimonio dos orphos.
892.Ezequiel da Silva Fonceca. v. n. 677.
Inilefcrido.
893.Firmino Herculana Baptista Ribeiro,
amanuense da secretariado governo, pedindo ser
nomeado escripturaro.Passe-se portara no-
oieando suppliraole".
894.Capito Francisco Antonio de S Brre-
lo, delegado de polica do termo de Caruar, pe-
dindo 15 dias de licenra para vir a capital tratar
de sua saude.Inlorm o Sr. Dr. chele de po-
licia.
895.Francisco Augusto da Fonceca c Silva,
arrematante do sobrado n. 3 da ra Direita, pr-
tenteme aos estabelecimentos de caridade, pe-
dindo novo arrendamenlo por 6 mezes, obrigau-
dn-se a fazer todos osconcertos de que precisa a
casa e pagar a renda annual de 6O05OOO.ln-
forme a adminisiraro geral dos estabelecimentos
806.Francisco Tavares Lima, offerecendo
vender para o arsenal algumas madeiras que lem
colladas Informe o Sr. inspector do arsenal de
marinha.
897.Gonralo Francisco Xavier Cevalcanti
l cha, pedindo licenca para fa/.er transportar
para a capital 50 duzias de pranches de sicupi-
ra, que corlou as maltes de sua propriedade.
Passe-se portara na forma requerida.
898.Henrique Jos Bento da Costa, africano
pedindo se encaminhe ao go erno imperial a sua
petico de emanciparo.teiforme o Sr. curador
geral dos africanos livres
899.Irmandade de N. S do Bom Parto, e-
recla na igreja de S. Sobasliao da cidade de Olin-
da, pedindo se mande extrahir a 2.a parlada 1."
das 2 loteras que lhe foram concedidas.Voltc
ao Sr. Ihesoureiro das loteras para fazej correr
urna parte da de que se trata, seru prejuizo dos
qoe tem preferencia porlei.
900.=Joao Hvpolito de Meira Lima, arrem-
tame de 1HG7 loaras de empedrameiito na eslra-
trada da Victoria, pedindo cerlido da informa-
co d3dasobreo mesmo empedramemo pelo di-
rector interino da reparticao das obras publicas.
Como requer.
901.Joo de Vasconcellos Paes Brrelo, pe-
dindo se lhe marque dia c hora para fazer pre-
sente a sua queixa.Corapareca auiatiha ao
meio dia.
902.Jcaquim Jos de Carvalho de Siqueira
Yarejo, pedindo pagamento da gratilicaro que
lhe fui concedida pelo ensino de geometra aos
aprendizes do arsenal de guerri.Informe o Sr.
inspector da thesouraria defazenda.
903 Jos Antonio de Oliveira, guardada com-
panhia de aprendizes do arsenal de guerra, pe-
dindo izencao do servido da guarda nacional.
Informe o Sr. director do arsenal de guerra.
'JOi.Jos do Reg Barros, pedindo que se
mande cumprir a ordem de sua transferencia da
priso, cm que se acha, para o quartel do cor-
po de polica.Informe o Sr. Dr. chefe de po-
lica.
905.Manoel Gomes de Mello Brrelo, pedindo
solacio de eulros requerimentos.Aguarda-se
infnrniaro.
906.Manoel de Jess Jordo Caldeira, pedin-
do que se mande certificar pela reparticao das
obras publicas as qdantidades de bracas de ter-
reno, de que fui desappropriado para conslruc-
1 rao da estrada de Pao d'Alho.Como requer.
907.Manoel Scveriano de Albuquerque Mello
pedindo se submetta urna petico do governo
imperial : seja submellido ao governo imperial.
908 Padre Manoel Thomaz da Silva, profes-
sor publico jubilado, pedindo pagamento da gra-
tilicaro do mais de 12 annos de exercicio.In-
deferido.
909.Matheus, africano,v. n. 858.Prove o
supplicante o juizo competente que lem cepaci-
dade para reger-se.
910.Mana Felicia do Esperito Sanio, pedin-
dose lhe mande entregar um filho menor, que
Ion remedido pelo com-mandantc do presidio de
Fernando para a companhia de aprendizes do
arsenal de marinha.Informe o Sr. inspector do
arsenal de marinha.
911.Maximino Narciso Sobreira de Mello, pro-
fessor publico de inslrurco elementar do Cralo
da S de Olinda, pedindo se ordene o pagamento
de seus vencitnentosdos mezes de outubro e no-
vembro.Como reguer.
912.Vicente Embolino Cavaleanti de Albu-
queriue, pedindo ser nomeado perteiro da secre-
taria do governo.Ja foi prvido o lugar.
Ofpcios.
913.Do lenle general rommandante das
armas, informando o requerimento do cx-soldado
Antonio Severino.Kemellido ao Sr. inspector
da thesouraria dp fazendd para proceder na con-
formidade do aviso junto por copia expedido pelo
ministerio da guerra em 3 do correntc.
91 i.Do mesmo pedindo que se mande con-
cerlar o muro do quartel do Hospicio, que o se-
para da faruldade de direito. e casa da musica.
Itemedido ao Sr. director das obras militares
para mandar fazer os reparos indicados ncsteofli-
cio, communicando presidencia o cusi da
obra.'
915.Do conselheiro presidenta da rehea,
! ii' lo o sen parecer sobre o offic.io em que o Dr.
rhefe de polica pergunta qual o modo practico
pela lei provincial n. 399 de 4 de abril de 1857
aos vendedores de bilhetes de loteras deoulras
provincias.Informe o Sr.Dr. chefe de polica
vista desle parecer.
916.Do inspector da thesouraria de fazenda,
informando .sobre o pagamento que pede Fran-
cisco Botelho de Andradc da importancia de 31 e
1/2 bracas de caes que lem feto no Forte do
Mallo,Volle ao Sr inspector da thesouraria de
fazenda para declarar a importanoia que se deve
ao supplicante.
917.Do inspector do arsenal e marinha, de-
latando, em soluro do despacho n. 302, que o
tapete, de que pede pagamento Alvaro & Maga-
lhes, com quanlo tivesse sido comprado para
os pavilhoes do caes do collegio, foi posterior-
mente aproveitado para os navios de guem da
estacao, para o arsenal e suas dependencias.
Remedido 00 Sr. inspector da thesouraia de fa-
zenda para mandar pagar na conformidado desla
informaco.
918.Do mesmo, informando o requeriraeoto
de Manoel Francisco de Almeida (n. 333].Infor-
me o Sr. Dr. chete de policio.
919.Do director das obras militares, infor-
mando o req'witr.eu.lo de l'rancisoo Autouio Cor-
rea Caldoso. Remullido ao >r. inspector da
thesouraria de fazenda para mandar pagar.
920. Do commandante do presidio de Fernn
que, teudo-lhe a eamara muotuipal ueu cidade
ordenado que fizesse opeo de um daquelles dous
exercicios; deixou de dar cumprimenlo o cssa
do, transmillindo os mappas diarios, semanacs e| ordem por Do reconhecer naquella corporaco
mensaes do movimenio da enfermara nos mezes
de nnvembro, dezembroe Janeiro.Remedido ao
Sr. inspector da thesouraria de fazenda para o lim
conveniente.
921.Do mesmo devolvendo os papis relati-
vos a sentenca proferida contra Manoel Caetatio
Nones Pinto, preso no presidio, a qual lhe foi re-
medida para faze-la intimar ao referido preso.
Remedida ao Sr. procurador fiscal da fazenda
nacional.
922. Do mesmo, declarando nao hnver re-
cebido a quanta, que se lhe communicou ser-
Ihe-hia remedida pela reparlico das obras pu-
blicas afim do ser entregue ao" sentenciado Ra-!
o direito de adverti-lo.Informe a cmara mu-
nicipal do Recife. #
9 8 a 950Pedidos de varios objeclos para a
illuminaco e limpeza do palacio da presidencia
no mezde mareo.Forneca-se.
Addilamento.
951Requerimenlo de Carlos Luis Cambron-
ne, v. despacho de 18 de novembro de 1859.
Inderido de conformidado com o parecer junln
por copia, da coiumissao nomeada pela cmara
municipal do Recife.
9
Requeri mentas.
1156Flix de Franca Lumachi Migues, po-
mos da Silva.Informe o Sr. director interino da j duido ser alistado no excrcito, visto j ter pra-
repailico das obras publicas.
923.Do mesmo, apresenlando o pedido das
quanlias necessarias para pagamento de. todas as
despezas nos mezes de dezembro e Janeiro; e
pedindo se providencie para que a remessa dos
dinheiros se f.ira regularmente e com anteceden-
cia.Informe o Sr. inspector da lliescuram de
fazenda.
924.Do mesmo, apresentando tres pedidos
para fornerinienlo dos objeclos precisos para a
informara, almoxarifado e fabrico de farinha.-
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
925.Do mesmo, declarando que tendo feto
recolher ao respectivo almoxarifado 300 alquei-
res de farinha manufacturada na ilha, e receben-
do a que so houver de remeder daqui, ficar o
presidio abastecido desle genero, al o mez de
julho.llemeltido ao Sr. inspector da thesoura-
ria de fazenda para ter em vista, quando infor-
mar sobre o officio que se lhe envia com despa-
cho desia dala (n. 924.)
926.Do mesmo, communicando que fez car-
regar no brgue Bom-Jesuscom destino para esta
cidade, 860 pares de sapatos fabricados na ilha.
Remedido ao Sr. director do arsenal de guerra
para seu conhecimenlo.
927.Do engenheiro fiscal da estrada do ferro,
reclamando de novo o fornecimenlo de objeclos
para o expediento, allegando ser repartiro pu-
blica, a que se acha a seu cargo Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenla se 03 ante-
cessores do aclual engenheiro fiscal receberam
fornecimenlo de laes objeclos por conta da fazen-
da publica
928. Do director interino da reparticao das
obras publicas, v. n. 522.Remedido ao Sr. ins-
pector da thesouraria provincial para nnndar pa-
gar na conl'oimidadc deste ollicio e de sua in-
formaro.
929.Do mesmo, communicando que olhesou-
reiro pagador deixou de completar o pagamento
das ferias dos operarios em algumas obras por
admisiatracao por nao haver recebido toda a im-
portancia pedida para o crrente mez ; e pedindo
que se providencie a respeito.Informe com ur-
gencia o Sr. inspector da thesouraria provincial.
9J0.Do mesmo, solicitando que se mande
pagar ao arrematante do 28 lango da estrada da
Victoria a quanlia de 500jfOO0, proveniente da
conslruccao do niais urna bomba nao incluida no
contrato, e que por aquelle arremtame foi feita.
Remedido ao Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial para mandar pagar avista do certificado.
931.Do regedor do gymnasio, apresenlando a
relacodos alumnos internos e meio pensionistas
gratuitos, alim de so mandar pagar as mesadas
relativas ao trimestre que se ha do vencer em
marro.Remedido ao Sr. inspector da thesou-
raria provincial para mandar sadsfazer.
932.Pedido do chefe da comraisso astron-
mica e hydraulica, de 10 estacas pontudas e cy-
lindricas, com argolas de ferro ; do comprimen-
lo de 4 palmos e de 2 1|4 de polegadas de di-
metro : e de um mcete de tamanho regular.
Forneca-se.
Addilamenlo.
933. Gabriel Antonio, representando contra as
auloriJades judiciarias do termo de Serinhem,
que tem demorado indeterminadamente a deci-
saodaexecucoque o supplicante raove contra dores, que foram presos para recruYas^TnToYme
Bernardo Jos Arantes, sem embargo das Cili- o Sr. Dr. chefe de polica
gencias por elle empregadas.Informe o Sr Dr.
juiz municipal do lermo de Serinhem.
28 -
Requerimentos.
lirado a operacao da hydrocele que solfria.
Apresente-se inspeero no quartel general
1157Dr. Jeronymo" Vlella de Castro Tavares,
pedindo se mande certificar : primero o dia,
mez e anr.o, em que fura nomeado promotor pu-
blico da comarca do Rio-Formoso ; segundo,
o dia, mezo anno. em que foi exonerado do lu-
gar de secrelario desta provincia Como requer.
1158Joo Graciliano de Souza Magalhes,
pedindo ser alistado no excrcito.Aprescnle-se
insppcco no qnarlel-general.
1159Jos Joaquim de Fgueiredo Pernambu-
co, pedindo ser nomeado guarda da alfandega.
J foi prvido o lugar.
1160Manoel Antonio Rodrigues Samico, pe-
aindo cerlido: lu do officio de 20 de fevereiro
de 1855 dirigido a directora da repartiro das
obras publicas ; 2" do da, mez e anno em que
foi exonerado do lugar de agente pagador da mes-
ma repartiro.Como requer.
1161Manoel Jos Peixolo dos Guimaraes, en-
carregado do curativo dos accommellidos da va-
rila na Escada, pedindo a gratificaco vencida
de 22 de Janeiro a 22 de fevereiro. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
O/Jicios.
1162Do Dr. chefe de polica, apresentando a
relaco das diarias abonadas pelo delegado de
Nazareth a dous desertores, sendo um da arma-
da e o oulro do exercilo.Remedido ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
1163Do mesmo, requisitando queso mande
recolher ao arsenal de guerra diversos arligosde
armamenlo que exsliam no quartel do destaca-
mento da villa da Escada ; e fornecer, em subs-
lituicao, 15 bayonetas com bainhas e cen urdes
Remedido ao Sr. director do arsenal de guerra
para mandar salisfazer
1164Do mesmo, apresentando as contas daj>
despezas feitas no mez de fevereiro com o susten-
to e curativo dos presos pobres da casa de deten-
cao, na importancia de 2 553jj(60 res.Remet-
tido ao Sr. inspector da thesouraria de fazenda
para mandar pagar, estando nos termos l-
gaos.
1165Do inspector da thesouraria de fazenda,
solicitando Indemnisaco da quanlia de 102j80
ris, despendida pelo colleclor de rendas geraes
da Victoria, com o sustento dos presos pobres da
respectiva cadeia 110 mez de fevereiro ultimo.
Remedido ao Sr. inspector do thesouraria pro-
vincial para mandar salisfazer.
1166Do inspector do arsenal de marinha,
apresentando o requerimento em que o Io l-
ente commandante da companhia de aprendi-
zej marinheiros pede que se lhe pague em di-
nheiro as rares do poro e as dos seus creados.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
1167Do mesmo, solicitando que se mande
pagar a Andr de Abreu Porto, a importancia
das contas, que ajunto, proveniente de objeclos
fornecidos para a commissao astronmica.In-
forme o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
1168Do regedor do gymnasio, pedindo que
se mande pagar os jornaes do servente das au-
las.Informe o Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial.
1169Do engenheiro era chefe da estrada de
ferro, requisitando a soltura de alguns trabalha-
Informo o Sr. inspector ua liiesouraru piuvm-
cial.
1183. Do bacharel Nabor Carneiro Bezerra
Cavaleanti, secretario do governo do Piauhy. re-
presentando contra o Dr. juiz de direito da 1" va-
ra presidente do tribunal do jury, que o nao lem
querido isenta-lo dos trabalhos da presente ses-
so do jury.Informe o Sr, Dr. juiz de direito da
l* vara.
1184.De Francisco Bezerra do Vasconcellos
Jnior, pedindo exoneraco do cargo de subde-
legado de polica de Bezerros.Informo o Sr. Dr.
chofe de polica.
EXTERIOR.
As casas de u.aa grande parte dos cardeaessao
9JI.Chnstovaode Hollanda Cavaleanti Mello,
propondo encarregar-se da conservaco da estra-
da da Victoria.Informe o Sr. director interino
da repartiro das obras publicas.
935. Diogenes Francisco Pessoa, pedindo ser
alistado no exercilo.Apresente-se inspeceo
no quartel general.
936.Flix de Franca Lumachi Miguis, idem.
Apresente-se a inspeceo no quartel general.
937. Francisco Antonio Brayner de Souza
Rangel, v. n. 717.J se concedeu a demisso
pedida.
938 Francisco Gomes de Araujo e Vasconcel-
los Jnior, pedindo a sua patente do alferes do
20" batalho de infanlaria da guarda nacional, a
qual deixou de solicitar em lempo.Informe o
Sr. commandante superior da guarda nacional do
municipio de Nazareth.
939.Francisco da Silva Qociroz, recruta de
marinha, peJindo o praso de 30 dias para provar
isenco legal.Concedo.
90.Jos Antonio dos Santos, recruta de ma-
rinha, pedindo o praso de 15 dias.Concedido.
941 Jos Mamede Alves Ferreira, cmpreilei-
ro da estrada de Nazarelh, propondo elevar o
actual nivel do assoalho da ponte ae Iguarass,
a qual tenciona fazer; apesar de nao se ae.har
incluido no contrato.Volle ao Sr. director in-
terino da repartiro das obras publicas, para que,
enlendcndo-se com o empreileiro, faca lavrari
de conformidado com a sua informaco de 21 do
corrente sob n. 32, um termo, em que se declare
a modilicaro requerida o submelta-o com esta
peiiro ao conhecimenlo da presidencia.
Offlcios.
912Do commandante superior da guarda na-
cional do municipio de Garanhuns, solicitando de
novo indcmnisaeo da quantia do 46g()00 ris
que despendeu desde 14 de junho de 1855 com
o expediente de sua secretaria.Informo o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
943 Do Dr. juiz de direito da comarca de
Goianna, informando.o requerimenlo de Malhas
Jos de Santa Atina.Informo o Sr inspector
da thesouraria de fazenda com o que constar dos
documentos existentes na sua reparticao.
9 i il)o -
1170-Do juiz de paz presidente da junta qua-
ificadora da freguezia da Varzea, remetiendo
copia da listada qualillcacao dos votantes.Vol-
le ao Sr. juiz de paz presidente da junta qualili-
cadora da freguezia da Varzea para ajutitar a ac-
ta da formaco da mesma junta.
10
Requerimentos.
1171.Calliarina Felicia de Sena, pedindo se
mande eliminar da companhia de aprendizes ma-
rinheiros seu filho Melchiades Antonio de Gou-
veia.Informe o Sr Dr. chefe de polica.
1172.Companhia da estrada de ferro, pedindo
se mande sobr'eslar em qnalquer medida por
parte da reparticao do sello no sentido de exigir
da referida companhia a revalidarlo do sello do
seu fundo capital, at que o governo imperial rc-
solva a reclamaco sobre a que fez a esse respei-
lo.In-forme o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda.
1173.Joanna Gcralda Nepomucena, pedindo
so mando admidir no collegio dos orphos um
neto menor.Informe o couselho administrativo
do patrimonio dos orphos.
1174 Manoel Joaquim Fernn les de Azevedo,
pedindo se providencie para que seja entregue
cmara municipal desta cidade a planta do seu
sitio no Porobal, com um pmjeeto de armamen-
to, a qual consta haver sdoapprovado.Informe
a cmara municipal do Recife, a quem foi dcvol-
vida_a_planla com officio de 11 de Janeiro ultimo.
1175 Pe^rode Almeida Guimaraes v. 11.1050,
Passe-se portara.
OJficios.
1176.Do lente general commandante das
armas, apresentando a representaco do com-
mandante da companhia fixa de cavallaria, que
faz ver, que pelo quanlilalivo de 900 ris diarios,
dados para forragem de cada cavado, nao pos-
sivel fazor-se o fornecimenlo d'agua cavalhada.
Informe o Sr. inspeclor da thesouraria de fa-
zenda.
1177.Do commandante superior da guarda
nacional da comarca da Bonito, representando
contra o subdelegado do Io districto da freguezia
do Bonito, Malhias Ferreira de Mello, que, som
previa requisico, tem chamado a guarda nacio-
nal para o servico de polica, constrangindo-a
com ameacas e violencias, quanio ella lhe nega
obediencia.Informe o Sr. Dr. chefe de polica,
consulado provincial.Informe o Sr. inspector
da thesouraria provincial.
945Do capito do porto, communicando 'que
em nspecQo de saude, por que passaram, foram
julgados aptos para o servico da armada, os re-
crulas Francisco da Silva Queiroz, Alexandre Vi-
eira da Silva, Daniel Jos dos Sanios e Jos An-
tonio dos Santos ; tendo sido reconhecido inca-
paz o rccrula Manoel Jos de Almeida, sobre co-
jo destino pede que se resolva.Informo o Sr.
Dr. chefe do polica, quanto ao recrula julgado
incapaz do servico.
946Do regedor do Gymnasio apresenlando
as contas das despezas feitas com o concert no
lelhadodo edificio, no cloaca e mochos; e com
a conslruccao de um quarto privado para servico
dos professores.Informe o Sr. inspeclor da the-
souraria provincial.
947De Joo da Silveira Borges Tavora, capi-
_P
1179.Do mesmo apresentando a conta da des-
peza feita no mez de fevereiro com o palacio da
presidencia.=Informe o Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda.
118o.Do inspector do arsenal de marinha,
informando o requerimenlo em que Manoel Fran-
cisco de Moura. almoxatife do mesmo arsenal,
pede o pagamento de seus veciraentos do mezde
fevereiro, em que esleve em exercrcio.Informe
o Sr. inspeclor da thesouraria de fazenda.
1181.Do inspector da thesouraria provincial,
devolvendo a conta do alugucl da casa que ser-
ve de quartel na villa da Escada, cujo pagamen-
to, mandado effecluar pelo despacho n. 837, nao
compete aquella reparticao, em virtude do aviso
de 18 do outubro do anno passado e deciso do
governo de 12 do Janeiro ultimo.Informe o Sr.
inspeclor da thesouraria de fazenda.
82.Do cammissario vaccinador provincial
,^JSSL g ,el!r.,.r-s.e- qe lhe foram feitas, mas que felizmente al hje-
mesmo aconteco ao principe Rospiglior. que j0 n,viam pmado de ,lrum0SS()S. J
(TLI^a|dir(;'0 "rdel Bl'ril,'lV- Berneltida- = Pelo vapoTrocantiu, entrado dos portes
narchh 4 R ^ C3Sa '' dU" d nore n0 ia S1- ,ivcmc* "0,lci-s das P*"
to da guarda nacional e juiz de paz do 3o des- requisitando a quantia de 150} para satisfa/ci as
rtelo da freguezia da Boa-Visia, ccmtnuaicando I despezas maU uraontes da repatticao a seu cargo.
ROMA.
9 de fevereiro do 1860.
Hontem o collegio da Sapiencia foi o thcatro
de graves desordens ; eis o motivo.
Tinha-se feilo circulir nos bancos da eschola
urna mensagem ao Summo Pontifico, c perto de
dezenlos estudantes a linlnm assignado para tes-
lemuiiliarem a sua dedicaeo santa S.
Esta manifestaco honrosa para a escolla nao
foi do agrado de alguns estudan.es que resolve-
ram oppor-se lo generosa demonslraco, inti-
midando aquelles que quizessein tomar parte
n'ella.
Para isto convocaram todos os do seu partido
e dirigiram-se ao collegio da Sapiencia em nu-
mero de 300 a 400.
Para nao serem perturbados na sua perigosa
empresa collocaram grupos cm cada porta do
collegio, com ordem de nao deixarem entrar se-
no os do sen partido, e dirigiram-se ao reilor
que um ancio de mais do 72 annos e muilo
doenle.
Alli tevu logar urna triste secna : 05 esludan-
les em numero de 300, declararam que queriam
a mensagem que os seus collegas linham assig-
nado e que estavam resolvidos a empregar a for-
ra para a oblerem.
O retor resisti e procurou fazer com que os
estudantes attendessem ra/.o ; quiz fazer-lhes
comprehender quantv era pouco generoso da
parle destes reunircm-se 300 para violentarem
um pobre ancio.
A voz da autoridade nao foi altendida, e os
estudantes persisliram as suas ameacas.
O reilor cedendo S violencia mandu buscar a
mensagem, mas o vice-reilor, homem de energa
e valor, lancou-lhe a man, e mellendo-a no pei-
to deelorou aos estudantes que nao Ihes daria,
porque a arro delles era una aeco odiosa, um
adenlado contra a liberdade e dignidade dos
seus collegas, e que s Ih' arrancaran! com a
vid 1.
Este admiravcl protesto de um homem honra-
do s produzio o elfeito de augmentar a clera
dos esludanles, que proromperam em horrveis
ameacas, at que o retor deu ordem ao vice-
reilor para entregar a mensagem ; este ainda
quz resistir, mas alinal leve que ceder ordem
que D>c dava o seu superior.
_ Os estudantes, que senuem o curso da Sapien-
cia, andam por uns 1200; foi portanlo a mino-
iia quui tumou porto n'uste acto de insubordi-
narlo.
O maior numero do3 amotinados pertenciam
ao curso de direito.
Os mancebos que linham assignado a mansa-
gem, querem tirar desforra porque com razo se
julgam insultados na sua liberdade e na sua dig-
nidade.
E' para receiar que se de alguma lucia seria
entre os estudantes, mas autoridade compele
tomar medidas enrgicas para a prevenir.
[L Union.)
Os revolucionarios de Italia e
Pi IX.
VIII.
CCM FISTIS F.T GLADIIS, QIASI AD LATI\0NEM.
Tem ampia liberdade os desbragados revolu-
cionarios desta (erra pira calumniarem o pon-
tificado. Os fastos liberdadeiros do urna poca
revolucionara, bem semelhantc a actual, res-
ponden! a essas calumnias, fallara mais alto do
que lodas essas mentiras.
A poca era bem semelhanle actual as as-
piraces, nos meios. nos fins, e al as eirrums-
lancias ; as conseqnenciasseriam ou talvez ain-
da sero, as raesmas, se Dos nao acode a esta
lacerada, dividida e Irabalhada Europa.
Carlos Alberto marchava frente do um va-
lente exercito de noventa mil homens- De toda
a parte lhe mandavam soccorros. De aples
15 mil homens commandados por Pepi, e 4 mil
por Statella engrossavam as Cleiras do rei do
Picoionte. Parma c Modena se onlregavam a
seu dominio ; a insurreico roiipia instantnea
em toda a parle da Italia desdo o Ticino at o
Isonco, desde as vertenlcs meridionaes do Apeni-
no at ao meio dos Alpes. Pavia, Cremoua, e
Pizzighetone cxpulsavam os austracos : um
dos balalhes de Radeizki ftcava prisioneiro
em Monza ; a guarnico de Brixia e a de Ber-
gama capilulavam. Carlos Alberto desbaratava
os austracos em Postrengo, logo depois cm San-
ti Luzia, e ltimamente alcanca a memoravel
victoria de Goito, ao passo que Peschiera se ren-
da s suas tropas.
Aos grandiosos successos desles dias gloriosos
para o rei do Piemonte acrescentvam os revolu-
cionarios a mentira para exaltarem os nimos.
Veneza, a nova repblica, tres vezes se illumi-
nou celebrando o fabuloso rendimento de Vero-
na : forjavam-se bolelins falsos descreyendo cir-
cumslanciadamenle o ataque de Mantua, e a
queda desta forle prara : segundo os boletins a
defeza e ataque linham sido portante seus : mas
as armas italianas haviam triumphado de lodos
os obstculos.
Batalhas phantaslicas, e mais phanlaslicas vic-
torias tinham levado ao poder de Carlos Alberto
quarenta mil prisioneiros austracos, nao se sal-
vando de lodo o exercilo imperial nem o proprio
general Radezki, que colhido as mos havia sido
arraslado cauda de um cavado com grande con-
tentamento de lodo o exercilo. Se se acredita-
vam esses boletins. eram perto de oilo mlhes
de austracos, os que haviam morrido as diver-
sas batalhas.
Depois disto para combater o nomo austraco,
nica cousa que anda restava na Italia deoois
de anni piulado todo o exercilo imperial, partan)
de toda a parte aos 40e50 mil homens ; e para
nada faltar, antes para subejarera forcas com que
conquistar meio mundo, ainda havia mais o offe-
recimento de Lamartine que segundo o general
Pepe linha prometlido 100 mil homens a Carlos
Alberto.
Em Nizza esperava-se o celebre Garibaldi va-
loroso lllibusteiro que a si mesmo se despachara
general, e voltava da America Italia com os
seus companheiros de campanha em Monte-Vi-
4o, e com elles sos seria capaz de anniquillar
dous imperios.
Tudo isto so dizia se espalhava pela impren-
sa revolucionaria : nao admira que a exallarao
e o enlhusiasmo se elevassem al ao delirio. "
E no entretanto o que se linha passado cm
Roma ? A gralido "litoral retribua ao bondo-
so e virtuoso Papa o beneficio da amnyslia, das
grandes reformas, da propria conslilulco que
conceda a exigencia dos revolucionarios."
N'uma formosa manha de um domingo urna
! turba feroz se derrama pelas ras do Roma, vo-
mitando injurias e vociferarles contra Pi IX,
e intimando-lhe que declare a guerra a Austria.
O governo pontificio publica tima proclamarlo
para tranquilsar es nimos : ludo porra bal-
dado.
_ ne-
diclo da Fonceca Coutinho. Sahiram suppleu-
tca os Srs. Alejandrino Magno Taveira Pao-Bra-
sil, Antonio Ferreira da Silva Franco, Juvencio
Alves da Silva.
No, Para sahiram eloitos depulados pelo pr-
Maniani prope ao rardeal Autonelli a forma-
cao de um novo ministerio mi.xlo de caideaes e
seculares : concorda-se em repartir s pastas
por ambas as classes*, de maneira que seculares
governem em seculares, ecclesiaslicos cm eccle-
siaslicos, ao lado dos quaes sao postos os domo- ; meir0 dislricto os Srs. Drs. Augusto Thiaio Pin-
cralasmais exaltados.
Maniano declara a Pi I\ que o povo romano
nao quer ecclesjastiros no governo. O povo ro-
mano era elle e os ingratos que como elle pela
clemencia do Summo Pontfice haviam vollado
do exilio para os tiraros de suas familias.
A autoridade de Pi IX era um phanlasma no
meio das turbas armadas do insirumentos de
morje, e guiadas pelos Iscariotes do liberalismo.
(.4 A'orao'.
DIARIO DE PERNAMBUCQ.
lo, J. L. Paes de Souza, Joo Hara de Muraos,
Jos da Gama Malcher, Carrillo Jos do Valle
Goimaies, Tilo Franco de Almeida, Domingos
Antonio Rayol, Joaquim Fructuoso Pereira Gui-
maraes, Innocencio Pinhelro Correa c Joo Dngo
Clemente Marrher. Pelo segundo os Srs. Dr.
Marclo Lobato de Castro. Joaquim Pedro Coriea
de Predas. Joaquim Jos de Assis, Jos Ferreira
Canlo. ronegos Manoel Jos de Siqueira Men-
dos e Jernimo Roberto Pimental, Dr. Antonio
Ricardo de Carvalho Peona, Romualdo Antonio
da Costa. Pedro Honorato Correa de Miranda,
Joo Simplicia das Nevcs e Lui'z Calaudrini Pa-
" checo. Pelo lerrciro, os Srs. Rmnundo Jos
A assemblea provincial oceupou-se no sab- Ausier. Jos Caetano de Almeida Tavares, Joa-
bado, doseguintc: quim Manoel de Jess, Dr. Francisco Mondes l*e-
Um officio do Exm. Sr. presidente da provin- reir, Antonio Gentil Silva, Drs. Antonio ('.. Nu-
ca enviando as informares ministradas polaca- nes e Jos Calaudrini de Azevedo, Manoel Perci-
mara municipal desta cidade, e do director das ra da Silva Ran.billa, Antonio Pmenla de llaga-
obras publicas, acerca da concesso que deseja lhes, Jos Ravmundo Bidencourt e Manuel iTo-
obter Antonio Goncalves de Moraes. do um ter- que Jorge Ribeiro.
reno na ra Imperial. Foram examinadas e juigadas falsas as tres
Lm dito do mesmo, remetiendo as informares olas encontradas om urna carta na reparticao
dadas pelo conselho administrativo do patralo- do eorreio; nao sao porm conhecidos 03 in'di-
mo dos orphos, acerca do requerimento de Jos vidu.is, <\\u> Qguravam nesla (riste cspeculaco.
Bento da Costa, em que pede augmento da or- Do Maranhao nada soubemos de interesse.
oemido. \ administrarlo do Sr. Silveira de Souza parece
Um parecer da commissao do obras publicas, ir agradando "a todos : approxima-se porm a
aulorisando o Exm. Sr. presidente da provincia poca das oleices, que a poca dos desgostos.
a mandar proceder rigoroso exame de peritos Pelobrigoe escuna Lacra, procedente de Nova-
em todas as obras da companhia do Boberibe, ; Vork, tinham sido enviados para aquella prara
e a contratar com a mesma a collocaro de no- dezeseis contos de ris em moeda miuda, que
' alguns negociantes haviam encommendado. E' ao
que parece o nico meio de acabar com a falta
de trocos, que tanto veicha o commrcio nnudo.
No Cear nao haviam j receios do secca :
as chuvas eram geraes. Achavam-se na capital
a esliera de melhor lempo para proseguirem
em suas explorarles scienlificas os Srs. Drs. Cu-
panemae Antonio Gonralves Dias.
Havia causado profuiih sensarao a noticia de
que a relaro do districto despronunrira a D.
Hara Firmina, aecusada de homicidio por sevt-
o
vos clufarizos nos lugares em que o exigir
grande numero de habitantes, sem recursos, nes-
te sentido.
A continuaco da 2." discusso do proje:to de
forca policial.
O Sr. Livno, explirando um seu aparte dado
nasesso anterior, doscreveu o estado laslimavel
do seu districto, qur no termo de Ooricury,
qur no de Cabrob, e fez mais consideraces
acerca do mo resultado que por aquellas loca-
lidades tem produzido os delegados militares.
O Sr. Pinto de Campos, cmbale o precedente ciasemumi sua esciava.
orador, historiando lacios justificativos da ma-
neira de obrar da administrarlo provincial, qur
respeito do disiricloda Boa-Vista, qur de to-
da a provincia em geral.
O Sr. Martins, mandau una emenda i mesa, e
depois de te-la justificado, passou a responder ao
discurso do Sr. Gilrana, em urna das sesses
No Rio-Grande do Norte funecionava a as-
semblea provincial, que havia doputado una com-
missao ao governo da provincia, para agradecer-
Ihe a boa marcha administrativa que vai se-
guindo.
Da Parahiba nada temos a mencionar,
cartas do nosso correspondente sao sempie
antecedentes, acerca das autoridades do Bonito, completas o satisfactorias, que despensam
O Sr. Gitrana orou em seguida abundandando nossa parle tolo e qualquer trabalho.
as ideas de seu anterior discurso, que respou-j A nossa assemblea provincial funeciona re-
gularmente.
As
lo
du
deu o Sr. Martins Pereira.
Estando esgotada a hora, o Sr. presidente, le-
ventou a sessao, dando para hojo a mesma or-
dem do dia de hontem.
PERNAMBUCO.
O Sr. presidente da provincia nomeou pa-
ra delegado de Ouricury ao Sr. deputado Luce-
na, que j obleve licenca da assemblea para se-
guir para o seu termo
O brbaro assassinato do infeliz capito Mu-
niz Brrelo tem merecido toda a adenco de S.
Exc. A escolha do Sr. Lucena prova do quo
dizemos.
No dia 17 do correntc leve lugar a eleigao
dos funcciona.ios do novo Banco de Pernambu-
co. que devem dirigi-lo no biennio corrente. Fo-
ram eleitos:
RECIFE, 24 DE MARCO DE 1860.
S SEIS HORAS DA TARDE.
Retrospecto semanal.
Polo vapor Por/u^ai, da companhia anglo-lu- Presidente da assembl;
so-brasileira, entrado neste porto no dia 20, re- Barao de Camaragibe
cebemos noticias da Europa, que sao em geral I Secretarios
despidas de interesse Dr. Jos Bernardo Galvo Alcoforado.
Depois da perda da importanlo cidade de Te- Dr. Jos Mamede Alves Ferreira.
lun, o enlhusiasmo com que os mouros faziam Directores
a guerra aos hespanhes tem estriado muito, tan-1 Luiz Antonio Vieira.
lo que, segundo se diz, ja haviam dirigido ao ge- Jos Amonio de Araorim.
neral em chefe das forcas hespanholas propostas Manoel Joao de Amorim.
de paz, ja tinha mesmo tido lugar urna ntrevista | Manoel do Nasrimento Costa Monleiro.
entre es A rainha Isabel aceita a paz, mas quer urna paz Manoel Gonralves da Silva,
honrosa e que compense largamente as despezas Manoel Ignacio de Oliveira.
e preiuizos de todo o genero, que a guerra orea- [ Jos Pereira Vianna.
sionou, e que o mesmo lempo garanta a perfei-
la tranquillidadc das possessocs hespanholas da
oulra margem do Mediterrneo. Corre que as
bases do tratado sero as seguintes : dominio so-
bre todo o territorio conquistado pelo excrcito
hespanhol ; conservaco perpetua de Tetuan e
seus limites naturaes" da despe/a, contados os
pontos circumvizinhos ; pagamento de duzenlas
niilhes de reales para indemnisar as despezas! Domingos Affonso N'ery Ferreira.
da guerra ; respeito absoluto religio catholica Manoel Alves Guerra.;
apostlica romana; estipulares commerciaes,
em que a llespauha seja a naro mais favore-
cida.
As condires parecem antes offerecidas em
vista da guerra que da paz. E'de crer que a In-
Jos Pires Ferreira.
Supplntes.
Luiz Jos da Costa Amorim.
Manoel Goncalves da Silva Jnior.
Jos Antonio Bastos.
Joo da Silva Regadas.
Commissao de contas.
Bento Jos PcrnandesBarros.
os se-
Chegaram ao nosso conhecimenlo
gimos fados criminosos :
Na Capunga suicidou-se um Portuguoz,
atrando-se ao rio. Diz-se que o infeliz soffria
de alienarn mental.
glalerrase tnterponha entre os belligerantes. e Um dos soldados que acompanhavam ao
fica modificar as bases aprcsenladas pelo vence- Sr. alferes Lvra, de nome Victorino Ferreira da
dor, pois que o augmento das possesses hespa- Costa, assassinou a um seucamarada. O assas-
nholas de modo algum lhe pode convir, sino esl preso. Diz-so que eslava embria-
A stluarao da Italia nao tem mudado'; conser- gado.
va-se no mesmo estado de agitaco c de espec-
tativa a respeito de sua definitiva" recomposico.
Em Veneza os movimentos da opinio popular
tcem tomado um carcter mais pronunciado. O
governo premunc-se contra qualquer cvcntuali-
dade ; reforca as guarniroes das praras, e con-
serva-se vigilante a espera da priraeira aggres-
so.
O Pemonle prosegue em sua poltica audaz e
ambiciosa. N'uma circular dirigida aosseusa-
gentes diplomticos, sustenta o gabinete de Tu-
rim a impossibilidade da restauraco dos princi-
pes depos'os, e da reslituiro das provincias in-
surgidas autoridade pontificia.
O gabinete ingle/, goza de decidida maiona no
parlamento. A habilidade com que sonbe cha-
mar a seu lado o governo francez, que ao princi-
pio pareca querer conservar-se fiel a Austria,
digna de toda a adrairaro. Pirece sera funda-
mento o boato da annexurao da Saboia Franca,
ou menos na cmara doscommuns lord J. Rus-
sell deelarou que o ministro das relares exterio-
res da Franca asseverara que o governo francez
nao pensava cm tal. Nao de crer, porm, que
Luiz Napoleao nao tenha vistas ambiciosas sobre
a Sardenha, urna vez que lhe consente tao gran-
de augmento territorial corn a annexacao dos du-
cados e das provincias insurgidas.
Era aples, a poltica segnida pelo joven so-
berano dasgoslava geralmente ; a popularo es-
lava mais ou menos irritada, e as condires ac-
tuaes da pennsula italiana, sobremodo perigoso
um tal estado de cousas. Osexemplos dodefunlo
rei vo sendo puntualmente seguidos pelo seu
successor, que encara com repngnancia todo o
projecto de reforma, no sentido liberal. Com
um syslema de adminislraco um pouco maisli-
vre a Austria ainda hoie esaria de posse da Lom-
bardia. Estes faclospareccm deaconhecidos aos
Bourbons de aples.
Em Serinhem o criminoso de morte Ma-
noel Joaquim ferio com um punhala um inspec-
tor de quarteiro que quera prende-lo. O cri-
minoso escapou-se. r
Suicidou-se urna escrava de Jos de Barros
Wanderley.
No Bonito um soldado do destacamento as-
Sdssinou a facadas a um Jos Albino Umbu-
rana.
Est sendo processado o vigario da Victoria.
De urna caria que temos vista, copiamos os
seguintes trechos relativos ao mencionado vi-
gario :
Tcem deposlo 16 lestemunhas, 8 juradas, 2
referidas e 6 informantes. Esl provado exube-
rantemente qne o vigario seduzira a urna moca
virgem do nome Jovina, e a tirara na noite de
natal de casa de D. Mara do Carrao Prudente,
onde se achava; est provadissimo que lhe es-
crevra carias amorosas, convidando-a a if para
urna casa que lhe preparava ; est provado que
o mesmo vigario seduzira c que est amanceba-
do com urna lillia de S. J. de J.; est, finalmente,
provado, de modo irrecusavel, que o lal vigario
teve por vezes em sua casa urna meretriz que vi-
do Recife, que andava com ella de braco, ele.
Esperamos que ura parocho de tai's coslu-
mes receba do poder compleme um castigo
exemplar.
As solemnidades da quaresma teem sido
feilas com loda a decencia. Hontem teve lugar
a procisso dos Passos com a maior pompa e bri-
lhantismo.
Demandaram o nosso porto. 22 embarcares
mercantes.com a lotacfio de 8,786 toneladas.'Sa-
hiram durante os mesmos dias, 22 embarcacis
mercantes, cora a lotago de 7,327 toneladas ;
e o brigue escuna brasilero Negraes.
Renderam, do dia 17 ao dia 23 do correntc :
a alfandega, 99 0095696 rs. ; o consulado ge-


21
MATIIO m PRR3AMBCQ. SFgTJSDA FEIRA 26 DE MAIYCO DE 186.
ral, 44::i42-S'J4 rs. ; a rei-eueuuna da* leudas ge-
raes internas, 6:205JS14 rs. ; o consulado pro-
vincial. 1090005296 rs.
O movimenlo goral da aUandega, no mes-
nio lempo foi de 5.978 voluntes, a saber: vo-
luntes entrados com fazendas 1,180 ;com gene-
ros, 2 231 ;total dos voluntes entrados, 1,411 ;
voluntes sabidos com fazendas, 828;com
gneros, 1,739 : total dos voluntes sahidos
2,567.
Fallecern) durante a semana 50 pessoas,
sendo livres ; II homens, 12 mulheres e 17 prvu-
los, : escravos 4 homens, 1 mulher e 2 pr-
vulos.
froram visilauas as eiilermaiias peiu cirurgiu
Pinto, as 7 horas c 8|4 da manlia, e pelo Dr.
Dorneltae as 11 horas e 10 minutos da manha.
CHR0NICAJUDICIAR1A.
TRIBUNAL DA RELAClO.
SESSAO EM 24 DE MARCO DE 1860.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO EHMKLIKO
DE LEAO.
As 10 horas da manha, achnndo-se presen-
tes os Srs. desembargadores Figueira de .Mello,
Silveira, Gilirana, Guerra, Lourenco Santiago.
Silva Gomes e Caelano Santiago, procurador da
corda, foi aberla a sessao.
'assidos os feitos e entregues os distribui-
JL'I.G .\MENTOS.
Foi proposlo o habeas-corpus de Julio Cesar
da Cosa Marrison, pedindo soltura. Concede-
rn] habeas-corpus p^ia ser apresenlado opa-
de 27 do crrente, as 11 horas
REVISTA DIARIA.
Hontem foi devidaniente solcmnisado o da i
anniversario do juramento & conslituico do im-;dos, procedeu-sc aos seguidles
perio, liavcndo lugar todas as funeces do es-
lylo.
Acha-se arreado o maohinismo do pharol
de Santa Anna, na provincia do Maranho.
Esta providencia foi exigida pelo eslado ruino- denle etn sessao
so do edificio, em que se elle achava naquclla i do dia.
liba de Sania Auna.
O referido machinismo deve ser nsscntido no
edificio, que all se conslruc aclualmenle para
esse fin.
Iloje di-se um roncerto vocal e instrumen-
tal no saliio do titeado de Santa Isabel.
E' A beneficio da artista Justina Galli.
No oltimo desle mez, termina-so o prazo
para o pagamento do imposto municipal sobre
estabelecinientos sem incorrer-*se na inulta esta-
tuida.
Nohavcndo o Sr. Dr. Francisco Jos Mar-
tina Peona Jnior aceitado a cnmntisso de ir pa-
ra o Ouriciiry, na qualidade de delegado, foi lem-
brado para essa commissao o Sr. Dr. llenrique
Pereira de Lueena, di-legado deste lermn, quem
a assembla provincial, de que c elle uiembro
pelo circula do l.imociro, acaba de conceder li-
ecnca para esse lim.
Os motivos que se da va ni para a ida de um
Foi proposta a petico de Marcolino Jacintho
do Sani'Anna, pedindo ordent de hebeas-corpus.
Fui concedida, pedindo-sc os esclarecirnentus
neressarios, apresentados na sessao de 27 do cor-
rele, s 11 horas.
APPELr.AC.OES C.IVEIS.
Appellante, Jos M.iria Ventura; appellada,
Dulce de Oliveira Italinha.
Desprczaram-se os embargos.
Appellante, Hara Alvos de Jess; appellado,
Salnsliano Concilios da Silva.
Desprezaram os embargos.
Appellante, a administradlo dos conventos de
Olinda ; appellado, o solicitador de residuos.
Receberant-se os embargos.
Appellante, Marcolino l.udgero da Fonseca ;
appellada, D. Marianna Dorolha Joaquina.
Forant desprezndus os embargos.
APPELI.Ar.OES CRIBES.
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Correia
Cun ln.i.i, se lia Uiulieuu, uuiii e laz-la. nan-
lo arazodada pela mencionada cmara, de ser
agora esse-cslcamento mais urgente do que o era
antes, por causa do regulamente da pelii ia, devo
observar que aquellas ras sempre fotam as ni-
cas de ertrada e sabida daquelle lado da cidade,
e que tima serve somente para entrada, c nutra
puraenhida, oque amigamente nao aconteca,
por que entrava-se a salia-sc por ambas.
Dos guarde a V. Exc. directoria das obras pu-
blicas 29 de fevercirode 1860.lllm. e Etm. Sr,
Dr. Luiz B.trbalho Muir Fiuza, presidente da
provincia. O director interino Francisco Ha-
phael de Mello Reg. _
Conforme.Antonio Leitc do Pinho.
Conforme.O secretario, Manoel Ferrtira Ac-
cioly.
Communicailos
TTiiu. sr. piowdur oo iiuspiiai poriuguet.Uiz tal poriuguez, legatario 5o Uado Joo Viem
Jos Teixeira Basto, que se faz preciso que o res- i Lima, e ampliada cora novos poderes em sessao
peclivo secretario reveudo o livro das actas da : de 24 do mesmo mez, vera hoje dar-vos conla de
junta administrativa do rcesmo hospital, lite d sen trabalho.
Vos senliores socios lo hospital
porttiguez de laeneiiceiicia c ao
publico,
(Coniiiif'o do numero antecedente.)
porcertido a paite da de 19 deabril de 1859. que
trata do parecer da commissao encarregada da
composico com o coronel Gaspar de Menezes
Vasconcellos de Drummond, c o mais que pelo
siipolicanle lite for apentado.
Pede a V. S. lhe mande dar a certido reque-
rida.E R. Me.
'. Recifo 16 de Janeiro de 1860.
O Sr. secretado, quercrido, do a ccrlido re-
querida.
Recite 18 de Janeiro de 1660. Braga, pro-
vedor.
Em virtude do despacho supra, certifico que
revendo o livro das actas da junta administrativa
do hospital poriuguez de Beneficencia, nesta ci-
dade, nelle, a lis. 53 v. se nena a parle da acta
celebrada em 19 de abril de 1859. a qual do
Iheor seguinle :
Senhores membros da junta administrativa do
hospital poriuguez de beneficencia em Pernam-
buco.--A commissao nomeada em 18 de foverei-
ro p. p. para tratar com o coronel Gaspar de Me-
nezes Vasconcellos de Drummond, seus filhos o
genros. acerca do sen debito, para com o bospi-
Nao lendo a commissao urna base certa para
poder entrar em ajuste cora os dovedores Mene-
zes, porque nem mesmo a verba testamentaria a
indicis com preciso, foi o seu primeiro cuida-
do proceder a um escrupuloso exame nos respecti-
vos aulos pendentes do juizo da 2a vara clvel,
cscrivo Cunta ; e a vista da escriptura de debi-
to e hypotheca celebrada em' Serinhaem aos 26
de oulubro de 18 I, as notas do tahelliao Coe-
Iho, conheceu que o principal do dito debilo era
Tenho de cosiume embrnlhar o dinheiro sepa-
radamente de cada lettra que recebo, para poder
contaros macos, e ver cada momento se confe-
re com 83 leiiras aiuda nao recebidas, ou se por
falalidade falta alguma. Depois da cobranza
feita quiz separar o ma$o perlencenle lettra
do Sr. Cunha que era bem fcil conhec-lo por
ter dentro urna cdula de 5$, e'oulra do 1 por-
que a lettra era de 376J040. Jamis pude en-
contrar dito maco achando alguns do duzentos o
tantos mil ris e oulros de maiores quantias.
Reun erafim todo o dinheiro, e contado quo
fosse achei 100J do muos. Suppuz logo ler
sido por engao no recebimenlo da judia lettra
?L6qqSt?VS' UJa l"'"" acrt'9cenlou a de no da seguinle 1 de marco dirigi-me loja do
19,999jJ88, dos juros estipulados a um e me.o Sr. Cunha. l'edi-lhe que me fizesse o favor ver
forara apresenlados,por parte dos referidos deve-
dores, passados pelo finado Vieira Lima, por con-
la da mesnta escriptura ; desta deducn, pois.fi--
ou apenas sendo o saldo de 1 5:173.-357, para
ividir pelos dous hospilaes, como dispoe a ver-
O genio do mal, que disfarcado ou-
despejado lera por nica misso so-
bre a Ierra Iranslornar, perverler e
perturbar o andamento regular ji.is
mais santas iiislituc5os, ha de tara-
bem procurar eslorvar-vos.
A discordia o tmulo das empre- om.Uulubro O.importe da escriptura de debito e h
e
d
ba testamentaria, vindo porconseguinte a locar
ao nosso eslabelecimento 72:583678, como ve-
ris pela demonstraoo seguinle :
Dcmonslraro do debito do coronel Gaspar de Slcnezes Vasconcellos deDrum-
mond, seus lhos c genros.
.
zas co
migo ti
mente,
eclivas, a emulacao um iui-
aicoeiro, que as tere solapada-
, potheca................
Importe dos juros estipulados de 1 |2 por cento ao mez des-
de a data margem al 26 de fevereiro de 1859............
delega.lo formado aquella localidade, nao leudo de ranjo.
inda cessado sulunstindo no mesmo pe asi-1 A novo jury.
luacao que reclama va urna tal medida, enlendo- Appellante, Joao Coclho do Rosario ; appella- |
mus que a nova escoiba c conveniente sob esse da, a Justina.
ponto de vista, e que della se deve ha ver os de- Reformou-sc a sentenea.
sejados fruclos na repressao do crime c apprc- diligencia chimes.
henso do criminoso. Com vista ao Sr. desembargador promotor da
l-orant reoolhidos no dia 23 do corrente i juslica, a nppellaeo crime :
casa de delencao 7 homens c 2 mulheres, sen-| Appellante. o juizo ; appellado, Antonio Car-
do : livres e 5 escravos; ordent do juiz mu- dim de Mello*
nicipal da segunda vara 1, do subdelegado do Appellante, o juizo; appellado, Loureneo Fran-
Recife2, do de Santo Antonio 2", c do da Boa- cisco de Sampaio.
Appellante, o juizo; appellado, Jos Victorino
Vista 4
Um\ ORliEM DO DIA CIIINF.ZA. Eis um ex-
tracto dos documentos relativos China, eomuiu-
nii'ados cmara dos commucs em Inglaterra :
M. Bruce, ii'utna carta datada de Shang-llai
a 20de setembrn transmille um resumo omito
inlercssanloda Caseta de l'ekin Acerca do om-
bate de Pei-llo ; um decreto imperial, que de-
ve ler sido publicado ent junho.
O ducumenlo o seguinle:
Sung-Ko-lin-sin e seus collegas apresenla-
r.un seu relatorio a respeitodo cmbale, ealRr-
inam que conlm a verdade.
No vigsimo quinto diada la, os navios dos'
barbaros 'Inglaterra, nao querendo obedecer s
prescrinces razoaveis, que Ibes Unhamsido im-
istas, forcarain a entrada do no, e roinperamo
logo eoniia nossas tropas, que respondern] do
mesmo modo.
Os barbaros, ainda que eom seus navios mal-
tratados, nao quizeraot retirar-so, o continuaran)
o rombate com sua infanlaria, at que as tropas
tl'j governo Ibes livessem morio algumaa cente-
nas de soldados, e aprisionado dous. Os oulros
ugiram c tornaram a embarcar nos seus na-
vios.
Dos navios dos barbaras, que eniraram no-
no, em numero de 13, apenas um pude escapar;
OS OUtroS foram de tal modo destrocados pelo no-
vo logo, que liraram totalmente inulilisados. O
chele brbaro foi gravemente erido na coxa, e de
i i rio nao podera mais andar.
(is barbaros inglezes 15o vilenlos, loo rebel-
des e lao dcsarvorados como sio, lem, por esta
necasio, recebido um castigo la|, que perderam
de lodo o desejo de turnar a offender a dignida-
de militar da China.
Os offieiaes e sida.Jos que alcancaram esta
grande victoria moslraram um valor mais que j
ordinario; nos ordenamos a Sung-Ko-lin-slu que
aprsente os nomes do todos aquelles, que se
lera distinguido nesta occasto, e que nos sejam
recommendados.
igualmente aulorisamo-lo a distribuir entro
ellos 5041 i iels, que Ihcserao fornecidos dos l'un-.
dos de siilisrnp;..".
< Shilh-Tung-Cbin, ennunandante em chele,
nobrjgadeiro Lung-Juynen, cpmmandaule do
Takoo, iuostraram lito grande valor, que se es- i
queceram completamente do risco, que corran :
ambos foram morios no cmbale; suamortej
una grande parda para o celeste -imperio.
Ordenamos que seus nomos sejam inscriptos
as paginas do livro de honra, que sejam cele-
bradas grandes bomas fnebres, n que junto del
suascasas sejam elevados monumentos dignos,
do conservaren! a memoria de suas faconhas.
ii majur Tlsitampu, vaskin,ofllcial subalter-
no dos raosqueteiros; o lente Staug-Sln-Yang I
receberam egualmenle as honras fnebres devi-1
dasaos seus postes militaros, porlciem morridu
no mesmo combate, despiezando os perigos com
todo o valor; e que su i> almas Qquem salisfeitas
i: consoladas.
. Respeitai islo.
Segundo um mappa publicado no Shippinij
tiazette a somrna dos navios naufragados no au-
no lindo de 1859 foi de 2,035.
de Sanl'Anna.
Appellante, o juizo
mes de Sou/.a.
[Do discurso do Sr. Dr. Jos de
A.'meida Soures de Lima Bastos,
dirii/ido nos socios do Hospital Por-I
tnguez de Beneficencia, no dia da
sua inslallaco.)
9. Que a administrado fez tirar c collocar
na galera dos bcmfeitores o retrato de um per-
sonagem dislinclo desta capital, c que devendo
caber essa disliliccao somente a quem livor feilo
ao hospital a r-smola ou donativo de l:l)00000
ris pelo menos, e nao leudo entrado esse di-
nheiro em caix, foi manifestamcnle violado o
art. 62 dos estatutos.
O profundo resreilo e seria sdmiraco, que
tribuanlos sagrada pessoa daquelle, nao s
distlncto, como venerando peraonagem, com cu-
ja copia a adminislracao acensada se gloria de
OS HESMOS. IIAVF.RF.M.
Pagamentos que ftzeram a Joao Vieira Lima por conla da dita escriptura, a saber
62.015*294
159 999J388
222:01 5682
appellado, Benedicto Go-
naver feito ornar a galeri dos benemritos bem-
feilorcs do eslabelecimanlo, seriara sem duvida
Appellante, o promotor ; appellado, Jos Mar- ; mo^os mais que exuberantes para nao consen-
tios Ferroira Dr-se o envolver em questoes desta ordern um
Appellante, o jui/.o
Andrade c oulros.
Appellinte, o promotor
Eduardo de Aquino.
Appellante. o promotor
1 Jos da Rocha.
Appellante, o juizo ; appellado,
reir da Silva.
Appellante, o juizo ; appellado,
quim dos Sanios Coirana
Appellante, o juizo ; appellado, Jos Francisco
da Molla
Appellanle, o juizo ;
bosa.
Appellante, o juizo ;
calves.
Appollinle, o juizo
sandre da Silva.
Appellante, o juizo ; appelladj, Joao Francis-
co da Silva.
Appellanle, Jos Barlholomeu da Silva ; ap-
pellado, o juizo.
Appellanle, o juizo ; appellado, Manoel An-
tonio.
Appellante, Jesuino Muniz da Silva ; appella-
do, o juizo.
appellado, Luiz Francisco
appellado, Joao Lopes de
; appellado, Joao
appellado, Albino
Thomaz Fer-
Manoel Joa-
J(
appellado, Antonio Bar-
appcllado, Leandro Gon-
; appellado, Manoel Ale-
appellada, Joanna Kvan-
nppellado, Manoel Ber-
appcllado, Antonio Mon-
appella-
; appel-
appel-
Appellante, o juizo
da Silva.
Appeilante, o juizo
gelista da Molla.
Appellanle, o juizo
nardo da Guerra.
Appellanle, o juizo
teiro de Almeida.
Appellanle, Custodio Jos Marinho ;
do, ojuio.
Appellanle, Francisco Alves da Silva
do, o juizo.
Appellante, Antonio Filippc de Mello
lado, o jui/.o.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos Pedro do
Nascimcnto.
Appellanle, o juizo ; appellado, Jos Rodri-
gues de Moura.
Appellante, o juizo; app?llado, Jos Joaquim
do Siqueira.
HITAS CIVEIS.
Com vista ao curador de ausentes, a appella-
eao civel ;
Appellante, o juizo ; appellada, Feliciana Ma-
ra da Conceico.
Assignou-se dia para julgamcnto dasseguiotes
appellaces crimos
185.Fpverciro 22.Um recibo...............
Dezembro 21.dem....................
1816.Janeiro 26. dem......................
dem ident. dem......................
Maio 3. dem.........................
dem 29. dem..................'.....
Jouho 6. dem........................
Julbo 2.dem..........................
Selcnibro .dem......................
dem 26. dem ........................
1847.Fevereiro 8.Idern......................
Harco4.dem..........................
Maio 4.dem..........................
Junho 9.dem ........................
Selembro 1 i.dem....................
1849.Maio 18.dem.........................
Julho 5.dem..........................
dem 28dem ........................
Agosto 18.dem ......................
nomo, que ao pronunciar-se Iraz logo a si asso-
ciada a idea da piedade, da beneficencia, c de
quaulas virtudes podeni caber no corarao hu-
mano. Mas j quo nossos censores nao trepida-
ram cora malignidade aecusar-nos de um fado,
do qual tanta honra auferiinos. parecendo files
assim desconbecer as aceoes meritorias constan-
temente praticadas por esse vaiao Ilustre, que
ao repartir o pao da randado s ollia para a in-
digencia opprimida, sem mesmo querer investi-
gar se ella acobeita o jeiiio do mal, ou urna
consciencia limpa de torpezas, impellidos somos
a supplicar modestia c sanlidade do preclaro
Lngartenente de Jess Christo nesta Ierra per-
uambueana, nos consnla, ainda pormaor pro-
va de sua benevolencia, qne palenleeinos os be-
neficios dispensados por sua raridosa man em
proveilo dos pobros enfermos, acolhidos ao nos-
so instituto ; para com essa latente demonstra-
cao, s n;lo recoiihccida pelo peior ctgo do inun-
do, justilicarmos ora (actode que tanto nos ufa-
namos, por nos caber a gloria de o haver prali-
cado, ao passo que nossos accusadoies se esl'or-
eara por desvirtua-lo.
Isto posto, vamos proseguir em nossa tarefa,
cabendo nesla paite reduzi-la a menor espaco
para nao eansarmos a paciencia de nossos leUo-
res ; c assim lendo em face o mesmo citado ar-
tigo 62 dos estatutos, o qual nossos aecusadores
allegara lermos violado, porguntamos : Que pro-
va ilemoiislraiiva ile reconhecimento caberia aos
procuradores dos indigentes beneficiados dar
aquello, que estranho associaco porlugueza
do beneficencia nesla capital, nao s conlribuio
com um poderoso auxilio para a sua fundaco,
como concorre desde essa poca al boje cura a
csmula mensal de 10j000 ts. ?
Quem mais digno e meiecedor de um solemne
ti.-lfinoiiho de nossa gialidao do que aquello,
que sempre promplo a ouvir n..ss.i.s u>lii
pormHUn nao s a ediicacSo do nosso oratorio
liara nelle celebrar-se o incruento holocausto do
I'.edemntor do Universo ; mas at fez instituir
um Sacrario do Pito Divino com que se aumen-
tan) as almas dos pobres enfermos, que iazendo
no leilo da dor, oceupant as nossas enferma-
ras ?
Digam pois nossos atrabiliarios censores o que
muilo lites aprouver ; respondan) mesmo que
essa distinrcio dada pela junta, administrativa
nao caba ao benemrito prolado que nos cons-
tantemente si'i Ihol opporemosque a adminis-
trarlo de 1859 lamenta, o lamenta de ooracao, o
aiu la
1:5004000
928S00O
8^5j!893;
1:575J768]
3089650
N745I60
77 5j}370
G'.97!t(
1:206733
934*703
i7329()
987*544
\ -ooosooo
1:000js(H.O
3:2t4$ttO
1:8685550
1:0000000
i:0tl0g 1.400c000
24:966457
3:780*000
2:366(400
5:7973S2
7I1S779
5:0069136
1:775*503
1:4798422
y:7l8l66
2:088:980
1:7505806
2:l28fi962
2:12G000
2:lOSg500
C:727sI0i
3:286*631
1:735*500
6:8968000
2.-399S600
51:874$868
que
linha reparado no meu recibo passado na9 cos-
as da lettra no qual declarava haver recebido o
importe da mesma. Mas que na verba eu havia
posto 276;00 e nao 376J00, e que suppondo ser
engao meu emendara os 2 em 3. Avista desta
declaracao, eo de nao ler encontrado mar;o quo
contivesse aquella quaiilia, pedi lhe que exa-
minasse a suacaixa. Neste exante, e Oesengano
levou o Sr. Cunha 12 das O que nao deixei
de estranhar, por que qualquer caixa, mesmo a
da maiur casa cominercial nao precisava (le tan-
to temp para se conhecer do seu eslado. Alera
disto a grande actividudo de que dotado o Sr,
Cunha um obstculo vivo a qualquer embarao
quo podesse apparecer nessa conferencia. Apezar
do tuda a mln/ia pachorra nao me posso lem-
brar de que maneira perd 1003 Pode ser quo
seo engao fosse realmente dado com o Sr Cu-
nha elle me teiia restituido esses malfadados
100*000...
Resla-mc esignar-mo e procurar ganhar ou-
lros, j que a nunha serle Iraballiar sem aug-
inenlos ; e consolando-me nicamente cora a
lembranca de que se nada tenho nada devo, nao
sendo desta razaovexado porcredores, e muilo
menos pesado sociedade, para o que envido
todas as rninhas forras.
Recite 2i ilo marro de 1860.
Jos Machado de Souza Pimenie!.
7G:8ir?:2.j
145:I73S3j
Divide-so pelos dous hospilaes, conforme a vontade do tostador, o tora a cada um 72:586j678.
Feito o calculo das cifras pelo modo que fica denodo os eirados costuraos, os abusos familia-
diln, a commissao achou-sc por esta lado habi-j res, e supersticiosos, anathematisava a ociosi-
lilada, para coiivoncionar com os referidos deve- dado, como causa principal da miseria humana}
dores; mas vista da primeira proposta que el-1 estimulan io ao mesmo lempo o povo ao trba-
les lhe apresenloram, na qual s se pretenda j Uto, como salular remedio das enfernndades
pagar o principal ( 31 conlos e lano ), ella vio-sc- espiriluaes, e temporaes ; alinal, empregava
Appel'lanle, Jos Joaqui.n de Barros ; appella- I "r, lc.har I'"? taiutos -um outio meo.
lo, o juizo de mais subido quilate, para ollereccr a conside-
rarao publica
terisasse seus
dio.
um signal que
sentmenlos de
melhor
eterna
carac-
grati-
Scndo
Em
Km
Em
Em
Em
janeiro .
fevereiro
marco
Abril .
maio .
Era junho. .
Em julho. .
Em agosto .
selembro
oulubro .
noverr.bro
dezembro
Lista dos baplisados havidos nesla freguc-
zia de 18 i de marco do corrente auno.
Jacintho, pardo, nascido em 13 de maio de 1858,
lilho legitimo de Jacintho Eleodoro do Sacra-
mento Ramos e Joaquina Mara da.'Couceicao
Ramos.
Era
Em
Em
Em
177
165
15
159
110
94
81
127
140
269
305
257
10. Que consta ainda que a mesma admi-
nistrarlo estendera a regala conlniJi pola se-
gunda parle do art. 62 & illoslrissima esposa de
um bemfeilur, mandando que os retratos dos
dousconjuges fossem enllocados na galera, me-
diante urna s esmola de 1:000$ rs *
Como osle poni apenas mauifesla a lenacida-
de da musties elaborada por nossos Secusado-
ros ; tanto que em seguida della se retrahem,
afllrmando nao estar o abuso consumado, por-
que laes retratos se nao acltam por ora no esla-
belecimentonos lamban nos dispensamos de
gastar patarras cora iuopportunas juslifica-
ces.
Appellante, Francisco liemos de Faria ; aj>pel-
lado, Francisco de Sea Nogneira.
DISTRIBU CjES.
Ao Sr. desembargador Figueira de Mello, as
appellaces crimes :
Appellanle, o juizo; appellado, Jos Joaquina
dos Santos.
Ao Sr. desembargador Silveira, as appellaces
crimes :
Appellante, o jui/.o ; appellado, Zeferino, es-
cravo.
Ao Sr.desembargador Gilirana, as appellaces
crimes :
Appellanle, o juizo ; appellado, Pedro Fran-
cisco do Nascimenlo.
Ao Sr. desembargador Silva Gomes, as appel-
laces crimes :
Appellanle, Jos Joaquint Nogueira ; appella-
do. o juizo.
As 2 } horas da tarde cncerou-se a sessao.
__________ 11." Que Joo Vieira Lima deixara em les-
piuint ni virin 11 na nirnvr ,amc"l ao hospital o legado de 111:0005 ris,
L.IJIAliA .ULl\ltIrAL lili IlLtlrb. venrendo o juro annual de 18 porcciilo, e que a
Paco da cmara municipal do Recife 9 de feve- adminislracao perdoara ao devedor 61 conlos, c
reiro de 1860. transfrmala o uro annual de 18 ent 10 por cen-
lllm. e Exm. Sr. Acham-se em lio mo oslado to. Que esta infeliz transaeco, pouco honrosa
Eugenio, branco, nascido em 10 de dezembro do as ras do Mondego e da Gloria, no bairro da Boa-1 para quem a fez, nao pode 'dcixar de consido-
aanno passado. lilho legitimo de Joao Piulo da vista, que qualquer reparo que mandasse esta ca-, rar-sc allainentc lesiva aos ioteresses do esla-
Cosla e Maiia Joaquina de Brilo Costa. niara nellas proceder loruar-se a logo improlicuo, i belecimento e nulla pelos principios de di-
Mara, parda, nascida ent 8 de Janeiro do auno' a nao ser o callntenlo principalmente agora reito.
passado, filha natural de Josopha Hara do I.i- I que, segundo e regularaenlo expedido pela rc-
vramento. parlico da polica, por ellas deve ser feilo o
Jos, branco, nascido em 5 de selembro do anuo transito de canos,
passado, ilho legitimo de Jos Geraldo de Li-
ma e Francelina Eugenia de Quoirnz Lima. de expender suas uideus para que o ealeanienlo nella muilo mais resalla a olTensa i rave e i
Hereulano, branco, nascido em 19 de fevereiro | se fa^-a em as referidas ras de preferencia a ou- i riosa sobre a roputacao o honra dos mtmbros da
e anuo, lilho legitimo de Francisco Auto- Ira qualquer, bem como para que pela repart- adminislracao de 1859, que a nao ser a evange-
Augusta da Silva Oli- rao das obras publicas se reparen! as rampas do tica paciencia, com que, por amor do proprio
caes do Capibaribc c da ra da Aurora, e as pon- eslabeleciineiilo, que lano desojamos sustentar,
les que alravessaot esta ra, pois tanto unas co- nos dispuzemos a revestir-nos ; por cerlo obri-
mo outras se acltam arruinadas.. gaamos esse jenio do mal e seus satelliles a
Deus guarde a V. Exc.lllm. e Exm. Sr. Dr. i soiTrcr aqu na ierra a punic&o que as leis Itnma-
Luiz Barbalbo Muniz Fiuza, presidente da pro- as decretara contra a perversidade.quando assim
vincia.Manoel Joaquiui do Rogo e Albuquor- i requintada, j que ellos por habituados s penas
que presidente, Antonio Jos de Oiivoira, Gusta- \ do inferno era que vivem, pouco se impoitam
vo Jos do Bogo, Simplicio Jos de Mello, Jos
gravemente embarazada, e quasi que desanima-
da ficen de poder ebegara um accordo, visto co-
mo ella de forma alguma quera conipromelter
os intoressis do hospital. Veste estado porih,
diversas c.onsideraQes assaltarain o espiulo da
commissao, sendo a principal e de maior vulto a
Exccpriio que os Menezes opposeram ac-
cao pcoposta ent juizo contra ellos, por urna das
transadas juntas administrativas, excepcao, na
qual, oslando concebida em termos precisos, de
accordo com a loi, e cora a opiniilo de lodos os
praxislas, era dillicil, seno impossivel, que re-
gulamiente o hospital podesse ler urna decisao
lavoravel ; pois que, nao lendo havido liconca
para a creacao do mesmo, e nem leudo havido
confirmarn dos seus estatuios, elle nao poda
ad|| o legado que lhe deixra o finado Joo Vieira
Lima, o qual iiecessariamente revertera em be-
neficio di fazenda publica. Desl'srte a commis-
sao, antevendo o prejuizo do hospital quasi que
cerlo e absoluto,seguio o principio de antes
pouco seguro do que muilo duvidoso,e depois
de muitas tentativas, nao se.m rauila paciencia,
convencionou que os mencionados devedores pa-
gariam por lodo o debito cincuenta conlos de
ris, .sendo dez conlos vista, e os quareuli,
com os juros na raza O de dez por cont ao auno
uem quaiio preslacors, a saber: onze contos de
iCI* i-in :ll .le BMlo .1.- 1800, do/e conlos daris
em 31 de maio de 1861, treze coutos de ris em
31 de maio dn 1862, e quatorze conlos em :!1 de
maio de 1863 ; subsistindo para gaiantia das
mesmas, a escriptura de hypotheca do engenho
Jacir, paSSada em favor do Jilo finado Joo
\ ieira Lima Esla convon;o. em que se esla-
beleceram as cautelas que a commissao julgou
necessarias a prevenir questoes no futuro, foi re-
duzida a termo judicial, e julgada por sentenea,
como veris pola copia sob u. 2 A commissao,
dando conla minuciosa do seu Irabalho, lem a
oonvieco de que nao Irahio a conlianra n'ella
depositada, c procurou do modo mais proficuo
aos intereses do hospital, medindo simultnea-
mente as dilficuldades, que anlolhou n'uma lide
que se poderla lomar de tonga duraco, e cujo
xito seria inccrlo. Ella despreza qualquer
juizo menos justo, porque infelizmente ha quem
pense, que ludo se pode fa/er, embora os precei-
los legaes, e as conveniencias a isso se oppo-
nham. A commissao lem concluido
Recife 19 de abril de 1859. Jos Teixeira
Basto Jos Joaquira da Costa Maia Manoel
Ilibciio Bastos.
Depois de algumas considerandos sobre o mes-
mo parecer, feilas pelo Sr Bairo, acerca da ve-
racidaJe da firma do finado Joo Vieira Lima,
posta nos recibos apresenlados pelo coronel Me-
nezes. e dadas as explicaces necessarias pelos
membros da commissao, o" mesmo Sr. Bairo e
0 Sr. llenrique Jos da Cunha requererara que a
junta dsso um vol de gratido e agradecimenlo
referida commissao, pelo acerlo com que se
houve na celebraco do conlraclo com o coronel
Menezes, o qual, posto a votos, foi unnimemen-
te approvado, bem como o referido parecer, ao
qual me roporlo. Recife 12 de fevereiro de
1860. Manuel Ribeiro Baslos, 1. secretario.
Nao somonte.a mentira e a calumnia a parle
mais integrante da virulenta aecusaco despeja-
Poi isso, osla cmara roga a V. Exc. se digne da no ponto que acabamos do copiar, pois que
nio de Oiivoira e Amelia
veira.
Heimioo, branco, nascido em 21 de setembro do
anuo passado, lilho legitimo de los Antonio
Moreira Dias e Juanna Guilhcrmina dos Santos
Dias.
Passageiros que vicram na escuna porlu-
guoza Itainha dos Acores da ilha de S Miguel:
Joaquira de Mello Carreiro, Jacintho de Jess
e sua sonhora, Julia de Jess c 5 filhos, Manoel
de Jess e 2 filhos, Cecilia Pacorea, Luiz Jos de
Medeiros, Antonio Jos Pereira da Cmara, Agos-
linho A. de Mello, Ricardo Cordeiro, Manuel Cor-
ra, Francisco de Medeiros, Francisco de Souza
de Olneira, Manoel da Costa, Manoel Ferreira,
Manoel Pao, Francisco Rapuzo, Antonio Perei-
ra da Silva, Jos Alves, Francisco Alvaro, Geno-
veva llosa, Joao Jo6 de Medeiros, Jos Antonio
de Fraga, Joo Moreira da Cmara, Joo Tararea
Carvalho, Antonio Caetano de Medeiros, Fran-
cisco do Parias, Antonio Olympio Bolelho, Ma-
nuel do Medeiros, Antonio Joaquint da Cosa,
Emilia Thcreza de Jess, Jos Narciso da Cosa,
Joaquina Jos de Brilo, Joaquim Rodrigues de
Medeiros, Clara Emilia, Manoel Cabial, Maria do
Nascimenlo, Manool Luiz Pacheco, Auna Victo-
rias, Carolina Tavares, Jacintho de Almeida e
Joo P. Cabial.
Matadouro pibi.ico :
Maaram-se no dia 23 do corrente para o con-
sumo desta cidade 58 rezes.
No dia 2 do mesmo 88.
MOBTALIOADE DO DIA 23 DO CRREME
Daniel, pardo, 5 inezes ; convulsdes.
Joan, branco, 2 mozos; convulses.
Benedicto, pelo, escravo, 3aiinos; indiseslo.
Josopha Amalia Campello Travasso, branca, ca-
sada, 20 anuos ; pblysica.
Delfina, prela, escrava, 2 anuos; desinleria.
Hospital de cabidade. Exigiera 64 ho-
mens, 55 mulheres nacionacs, 5 homeus eslran-
geiros, 1 hornera escravo, toUl 125.
Na totalidade dos doeoles existem 42 alie-
nados, sendo 3>jnuIhores e 10 homens.
Maria Freir Gamciro.
Conforme.O secretario Manoel Ferreira Ac-
cioly.
4.* seceo.Palacio do governo de Pernambu-
co eml3 de marco de 1860.
Com a nformcao ministrada pelo director in-
leriuo da reparlico das obras publicas respoudo
eo ofificio que em dala de 9 de fevereiro ultimo
e n. 14 me dirigi a cmara municipal do Reci-
fe, sobre o calcaniento de diversas ras desta ci-
dade. Luiz Barbalho Muniz Fiuza.
Conforme.O secretario Manoel Ferreira Ac-
cioly.
lllm. e Exm. Sr.No oflcio incluso represen-
ta a cmara municipal desta cidade, acerca do
elado era que acham-se as ras do Mondego e
Gloriado bairro da Boa-vista, em as quajjs todo
o reparo improficuo, por faltar-lhes calamen-
to, principalmente agora, que segundo o* regu-
lamenlo expedido pela reparlico da polica, por
ellas deve ser feilo o transito de carros ; pelo quo
pede ella que de preferencia soja feito o mesmo
caloameiilo as ditas ras.
Por ora so esl executando o calcamento do
pateo doCarmo, que nao pode sor suspenso, por
que ja se est procedendo a cobran$a da quota
particulares, por isso nao se pode suspender o
servico ah, e applicar a quota destinada a elle
ao calamento de outra ra. Mas poder-se-hia
lainbem executa-lo ao mesmo lempo, onde quer
a referida cmara, se o cofre provincial podesse
comportar a despeza dahi resultan lo, quo nao
deve ser inferior a 40:000#. Greio, porm, que
no estado de penuria em que s.e acita a ihesoura-
ria nJu no pode pensar em emprehemler obra do
lamanuo valor.
com esse tormento qne l padecen).
Procurando poissufl'ocar, como nos cumpre, a
paixo acendida em nosso espirito, por termos
de revolver o fado do qual com lana acrimonia
e injusticia somos aecusadus, ao mesmo ternpo
que nos forcam a dar ao publico conlierinienlo
de occurrcncias, que muilo cORviria seren s
tratad i.s entre os associados : vamos resguada-
Agora, o juizo
que us allende,
fu
sempre imparcial do publico,
julgue da nossa conduela, mas
ica recahir tambem a severidade del le sobre os
verdadeiros detraclores das conveniencias so-
ciaes.
[Continuar-se-ha }
todos os esforcos, aflm de que a verdadeira dou-
Iriua da luz substituisse a precaria das trevas.
Depois da niissa das 5 horas ordenava o ser-
vico do dia, enipregando os homens na ereceo
da capella-mor, e sacreslia, e no carregamenlo
de madeiras para o novo Templo ; e as mulhe-
- n aterrar a igroja, e cemilcrio, e fornectr
ao servQo a roa, barro, c agua era abundancia ;
o que ludo era cumpriJo cora a maior deligen-
cia entre cnticos de alegra. Occupava quasi
tudos os dias o confessionario desdo as 5 horas
al as 10 do dia, convidando ao mesmo lim os
padres assistenlcs, como aos Rvmds. vigarios di
Ingazeira ; e do Teixeira, os quaes se prestavam
com salisfaeo. Destribuia-se lodos os dias a
sagrada communho muitissiraos fiis, elVeclu-
ando-sejnuitos baplisados, e alguns casamentes.
X larde, e algumas vetes a noe com ardiles
vio-se entrar por- esta poavoaco milharesde
liis, curvados debaixo do madeiros extraordi-
narios em numero, as vezes. de nove, em cima
dos quaes monlavam meninos vestidos, c em-
banderados, acompanhados de pfanos, caicas
etc. Entre estes maUoiros conla-se um cedro
verde de tinto e seis palmos de cumprimonlo,
e dezeseis de eircumferen;ia, Uazido da distan-
cia ile quatro leguas sem oulro auxilio mais
senao o de Den-, e a (ire.-.':ica do Rvd. padre
mesase, que, na distancia de mais do egaa,
sendo j noile, foi encorajar o povo, cujo en-
lliuiasmu ebrislao ehagou ao ponto de nao ron-
senlirem, que se disbasiasse o madeiro para dar
o cavaco era Sao Jos, jiadroeiio da grej.i, em
honra de quem alroavim os ares com estrepi-
tosos vivas, e ao Rvd. padre mestre, o qual
por sua vez fazia oulro tanto era honra do mes-
mo glorioso patriarcha.
O Rvd. inissionaro commovido de lano de-:
dicar"
Publicares a pedido.
era o pai
rinha, e cinco, ou seis de rapaduras,' que Com
sua mediata assistencia fazia deslribnir polos
irabalhadores, alagando, como pai terno, a to-
dos, ministrando mezinhas suas mesmas a li-
gues que soffriam conlusoes, estrepadas, e ou-
tras enfermidades, mandando levar para as ma-
las cargas com comer cozido emlim
de lodos !
A soccj era intensa. Elle nao cessava todos
os das de derigir com o povo supplicas ao
iodo poderoso, para que desse abundantes citu-
vas. Anles de concluir as santas missesum dia
chuveu bastante !
No dia 9 de fevereiro fez o sermo dos perdes
o qual nao produzindo o elleilo, que era para
desejar-se ; no seguinle, e ultimo dia, depois
das heneaos em geral, dirigio-se ao povo, dando
elle primeiro o exemplo, e pcdindo-llic pordao
de mu modo lo tocante, que dando as lagrimas
e solucos, lestemunho de verdadeire arrependi-
raento, erara abracados os mais rancorosos ini-
migos, proteslando fidelidade
dos agraves passados.
Concluidas assim as sanias missoes de 1860.
Deixando a capella-mor, e sacrista cuberas
de telha serradas os paos maiores, c aterrada
a groja e cemiterio, determinou o preclaro va-
ro relirar-se no dia 11 a tarde. A providencia,
porm, como que alguma cousa fallava ainda,
o desvou do tal projecto, Iazendo calnr urna
boa cliuva, que o obrigou a espacar a saluda pa-
ra o da seguinle 12, domingo da sexagessima,
AS missoes da apella desaojse depois da mises; cujo Bvangelhocura turba
mulla... Exitqui seminal seminare semen suum.
sabiamente explicado pelo varo das missoes pa-
6 esqueciiuenlo
da Ingazeira,
Escusado fazer a apologa das missoes, onde
quer que ellas Icnham lugar ; c menos reme-
morar os innmeros frtelos tanto espiriluaes,
como malcraos, que a nica verdadeira religio
do Jess Christo em lodo lempo tem consigui-
do, conseguc, e conseguir. O que na verdade
nu ignora ainda o mais idiota.
No dia 23 da Janeiro prximo passado, lempo
o mais critico do anno n'estes serios, quando
os seus habitantes sao gcralmenle occopados,
uns em preparar rocados para o novo anuo, ou-
lros em refigerar aniraaes, ora em tercauos
ora relirando-os para paragens mais vanlajosas
pelas nove horas da raanho
ou noticia, surgi n'esla povoagao, capella filial
da froguizia da villa de Inga/eira, vindo pelo la-
do do Norte, como sua estrella, o Rvd. Fr. Se-
ratim de Catanea, missiouario apostlico, pouco
acompanhado, na verdade, pela razo dita mas.
receu rematar a obra do Senhor.
Ainserco, Srs. Redactojes, destas lindas em
seu conceiluado Diario ser sullicienle uiolivo
de muilo obrigar ao de V S.
Padre Joaquim Manoel Correia e Silva.
S Jos 13 de marro de 1800.
mente expr os motivos que nos levaran) a pro- no entretanto, dobrado povo conduzia as SS Iina-
proceder por meio da urna honrosa e sempre gens, era honra das quaes encina os ares cora
conveniente accommodaco ao recebimenlo da
quanlia testada polo benemrito finado Joao Viei-
ra Lima ao Hospital Poiluguez, que ento re-
gamos.
Deixemos pois fallar a commissao encarregada
dessa composico amigavrl, oslando nos j se-
guros que a simples tortura do relatorio por ella
olTorecido em sessao da junta administrativa de
19 do abril do anno decorrido, e do qual em se-
guida damoa traslado, sor documento irtecusa-
vel o mais que suflicente para dcmonslar : lu.,
que a verdadeira Importancia da parle da divi-
da deixada ao hospital por aquelle finado era de
72:586678 rs e nao de 110:000rs., como falsa
o malignamente refere a accusac.no ; 2., que
batimento feito ao devedor foi de 22:580>678 rs.
e nao de 61 conlos, como alllrma prfidamente o
libello infame de nossos aecusadores ; 3., que
os juros vencidos e accumuladus ao principal da
divida al ao dia da conveno-o, foram contados
na razio do 18, e nao de 10 por cento annuaes ;
4. finalmente que essa composico amigavel foi
to legalmenle feita, que della se deu conheci-
nenlo ao juizo compleme, que a julgou por
sentenea.
Veja-se por tanto a narracao fiel do mesmo,
que vimos de assegurar : ei-la.
cnticos de alegra.
O apostlo do Senhor conliecendo, que a pro-
videncia o destinara para esto lugar, nao hesllon
marcar o dia 26 do mesmo mez, lempo em que
devia dar principio as suas missoes, e que jul-
gou bstanle para os preparativos.
O povo, privado desde 1814 de tamaita feli-
cidade, acceilou com ndizivel prazer esla do-
torminaco, como dadiva celeste, esquecende
ari logo as obrigaces temporaes, c nicamen-
te lendo ante os olltos as -espirituaes.
Permilla-se-nos a digresso. A capella desla
povoaco era ura grande corpo de igreja cober-
RESPOSTA CONVENIENTE.
Pode lano o juiz municipal suplente, que se-
gundo diz o Sr. Pergunlador do Diario de l'er-
nambuco de 22 do corrente (em de inlervir as
sera previo aviso, prximas oloices primarias como parle,e que de-'
' ver presidir a junla municipal de rscurso as-
sim como pedem os juizes de paz presidentes
das juntas de qualilicago, e de recurso, presidir
as mesmas juntas sendo como pretendem inler-
vir as prximas eleices primarias.
Picar saplisteito o Sr. pergunlador das con-
veniencias
O contrariados
Correspondencias.
Srs. redactoresLendo o seu conceiluado Dia-
rio de 22 do corrente, depare com um annun-
cio do Sr. Antonio Gomes da Cunha e Silva so-
bre um fado que se deu contra mi ni, e elle no
lim do mez passado,
Una vez que o Sr. Cunha meempraza para
que eu declare
se ou nao verdade, eu o vou
a to com lelhas, mu bem principiado, sera por-! satisfacer,
odas, aterro etc. capella-mor, sacrista em ali- Recebi no
cerces pouco mais.
Ito'dia aprasado o Rvd. Fr. Seralm de Ca-
tanea deu principio as sanias missoes, cuja au-
dico concorria o povo, que do da em dia cros-
cia e era breve era avahado em cerca de oito
mil pessoas de ambos os sexos ; fazendo parte
desta numoroso adjunto povos das freguezias
limtrofes Cariri-velho, Teixeira, Palios, e Pl-
ane.
Na cadeira da verdade o varo apostlico, ro-
busticido pela fe, santo pelo exemplo, e insi-
nuante pela erudico ecucurava, e combata cora
dia 29 de fevereiro passado dos
Srs. Malheu3 Auslin & C. varias lellras para re-
ceber. entro ellas urna acceita pelo Sr. Cunha.
Esta foi a primeira que procurei cobrar e apre-
sentando-lh'it pergunlou-me se linha troco, res-
pondi-lhe que nenhum, c tirando da carteira o
dinheiro entregou-m'o. Nao me lembro quaes
as cdulas quo recebi por nao ter a memoria fe-
liz do Sr. Cunha, que lendo feilo oulros paga-
mentos se lembra al das cdulas que me deu 1
Sei que desviei-me da carleira por fazer muilo
vento, e em cima do balce passei o recibo. En-
lregue-lhe a lellra e retirci-me.
AO ACTOR
ANTONIO J DUARTE COMBRA
NO DI V DO SKI BENEFICIO.
Nos rasgos do genio leu
Peres, commoves as almas;
O povo, o trbulo seu
Vem traduzir-lc as palmas.
as nossas almas penetra
Do culto o sincero pasmo;
Teu nome o povo solelra
as horas de enthusiasino.
Nasceu do povo, elle pobre,
Porem mil ourosconquista;
Tora um nome altivo e nobre,
Q tal fie nome?Artista '.
Artista o ente fadado,
Deve afoulo proseguir;
E' o caminlieiro ousado,
Que ha-de chegar ao porvir!
Tu queres que o mundo entenda
Teu talento quanlo val?
Caininha, Artista, na senda,
Faze teu nome immortal 1
Na scena brolam mil llore?,
As llores dizera victoria;
Entre gratos resplcndore.s
Um dia chegas glora.
E na gloria que conquistas
Tu visas maior grandeza ;
Sini, que a gloria dos artistas
S diztalento e nobreza!
Se tanto applauso le anima,
Espera na recompensa
Desle povo, que te eslima.
Que le venera, lo incensa.
J. AOMTE/KO.
Tendo a cmara municipal do Cabo nomendo-
me thesoureirodas quantias, com que.cada um
dos habitantes do municipio quizesse concorrer
para mais abiilliantar os festejos a recepejio de
S. M. I. nesla villa, e determinado-me que, fosse
pagando a quem a commissao encarregada de di-
rigir ditos festejos ordenaste; devo publicar o
que recebi c paguei.para saber-seque nada mais
tenho em meu poder e assim:
1:000^000
6005003
300>O0O
3003000
2OO5OOO
200S00fl
20j}0O
lOOjOOO
100?000
10!i;o|ii)
loosO
1005000
IOOjOOI
1009000
1O0SO00
100*000
llUjJOOO
loo* too
100S000
OOJOOO
OOJOJO
10030(10
oogono
1005000
ldOjOJO
Coramoiidador Manoel
Croz Lins e Mello
O aballo assignado
Paulino Pires Falcan
Com mendador Manoel Jos da Costa
Jos Francisco de Acioli Lins
Antonio do Rogo Barros
Antonio dus Santos Siqueira Ca-
valcanti
Jos de Horaea Gomes Ferreira
Joaquim Pedro Patriota
Loureneo da S e Albuquerque'
Francisco Jos da Cosa e Silva
Uinbelino de Paula Souza Leo
Manoel Alves Barboza
l). Josopha Maria do Sacramento
Costa
Jos Valenlim Vieira de Mello
Joaquina Candida de Gusmo
Antonio Itandeira Carneiro Leo
Joaquim de Souza Leo
Francisco Paos Brrelo
Luiz Gomes Ferreira
Dr. Luiz Filippc de Souza Leo
Antonio Luiz Goncalves Ferreira
Francisco Xavier Mondes da Silva
Antonio Peregrino Cavalcanli de
Albuquerque
Luiz Francisco Cavalcanli de Albu-
querque
Braz Carneiro Leo
Joo de S e Albuquerque
D. Anna Delfina Paos Brrelo
Antonio Soares de Freitas
O Sr. do engenho Petimb
Joaquira Francisco Paes Brrelo
Jos Antonio Pires Falco
Joo Eloy Cavalcanli
Manoel Antonio Pereira de Abreu
Jos da Silva Sisnciro Guimares
Joaquim Theodoro da Silaa Sisnciro
Jnior
Manoel Cavalcanli da Cosa
Joo Paulo de Souza Bandeira
Manoel Olympio Carneiro Leo
Manoel da Costa Albuquerque
Joaquim Francisco do Souza Leo
Manoerda Costa Albuquerque
Jos de Araujo Cavalcanli
Rendeiro do engenho Bomlon
Manoel Jos da Cmara, do enge-
nho S. Joo
Vicente Francisco Mondes das
Chagas
1005000
fOQfOOO
IOO5OOO
IOiijOCO
501000
80*000
509000
509000
509800
509000
503000
502000
50SOOO
50g000
50000
409000
30JOOO
30J000
30300O
255000
20S000
203000
209000
IO9OOO
Somma 5:8559000
Pdguei por ordem da commissao supradila co-
mo consla das diversas ordens e recibos.
Aos Srs.:
Manoel Cantillo Pires 2:000$000
Dr. Ignacio de Barros BarreTo i:522$00O
Jos Paulo do Rogo Brrelo 1:5135000
Joaquim Pedro dos Sanies Bezerra 8209000
5:8559000
Nole-sc bem que recebi algumas destas quan-
tias declaradas, por intermedio do outras pessoas.
Nenhuma quanlia mais resla em meu poder da
que recebi como v-se das sommas cima.
Francisco Elias do Reg Dantas.
Villa do Cabo, 14 de fevereiro de 1860.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 1 a 23. 312.819J504
dem do dia 21.......13.5409270
3z6.3599"74


PUMO DE PEBfUM_BCO. SEGUNDA FEIRA gfi DE MARCO DE 1860.
m
Noviinentu la alfandesa
Volumes entrados com fazcndas
com gneros
Volumes saludos com fazendas
com gneros
255
55
206
562
310
res
Dcscarregam hoje 26 de marco.
Barca americana Expresse Therese'farinha e
bolachinha.
Galera france7.a=Berth=mercadorias.
Barca franceza=Theodicer=vinho.
Brigue dinamarquezAgalhmcrcadorias.
Brigue portuguezFlorinda diversos gneros.
Brigue austracoTriestefarinha de trigo.
Barca iogleza=Margarelhbacalho.
Consulado geral.
Rendimento do da 1 a 23.
dem do dia 24. .
59 455748
473087
59:92S835
Diversas provincias.
Rendimento do dia 1 a 23.
dem do dia 14.
10:1119477
5J375
10:1165852
Recebedoria de rendas internas
geraes de Pernanilmco.
Rendimento do dia 1 a 23. 39:535^925
dem do dia 2....... 612G1'J
40:1 (88554
Consulado provincial
Rendimento do dia 1 a 23.
dem do dia 2 i. .
67:O20257
9665703
57:9868965
Praca
Caf-
Ch -
do Recife
4 le narco de IHttO.
As 3 horas da larde.
REVISTA SEMANAL.
Cambios- Sobre Londres trocaram-se le-
tras no valor do dez mil libras
stcilinas a 2o 3/1 d or la ;
nao havendo Iransacces sobre
as nutras pracas da Europa. So-
bre o Hio de Janeiro saccou-se
a 1/2 por cont de disconto.
Algodao-----------O superior ronden-se a 8 #00
e o cominum 8pHH) por ar-
roba.
Assucar-----------O branco vendeu-SC para con-
sumo de 4$60O a 55200 o pura
exportarlo do 4?6D0 a 5J100
por arroba ; o somenos para
consumo de 35500 a 357000, e
para cxporlaco de 4j a 4jj2ii0 ;
mascavados purgados de 3$ a
ajtOO, America de 23700 a
2;S0O. Canal a 2500, todos es-
tes para cxporlaco. t) deposito
pequeo.
Agurdente-------Vendeu-se de 9o lOOjOCO por
pipa.
Couros-------------\ enderam-se a 285 rs. por li-
bra dos seceos salgados
Arroz--------------Vendeu-se de 20 a 3jS200
por arroba.
Azelc doce-------dem de 2^750 a 2$850 por ga-
lio.
Bacalho----------Km atacado vendeu-se a H^OOO,
e a relalho de 12-Ja IOjOO por
barrica, icando cid ser 9,000
barricas.
Batatas-----------Venderam-sc a ljOOO por ar-
roba.
Carne secca A do Rio-Grcnde vendeu-se de
49 a 53600 por arroba, e a de
Buenos-Ayres de 2j a 3J500
por arroba ; icando em ser 4
mil arrobas desla, e 1 ,000 du-
quella.
Vendeu-se de 6-jlOO a 7^000
por arroba.
dem de I600 a 1-700 por
libra.
Caryo de podra- dem de 20? a 21$ a tonelada.
Farinha de trigo O mercado esl bem suprido,
porquanlo ficou de posse de
3U.900 barricas ; sendo 13,600
de Itichmond, 12,600 de Tries-
te, 2,501) de Fhiladelphia, e
2,200 de New Orleans, tendo-
se retalhado de 17-i a 193000
por barrica da prinieira. 213 a
229000 a segtwrfa, 18*000 Ja
terceira, c de 17g a 18JOO0 a
ultima.
Dita de mandioca- Vendeu-se de 6}100 a 7#000
a sacca.
Fcijo ----- Vendeu-se de 1000 a 35000
por arroba.
- O inglez vendeu-se a 65OOO
por quintal, a ultima venda.
Vendeu-se a 260 rs. a botija, c
de 55 a 3")00 a frasquoira.
A inglcza foi vendida a 275 por
cento de premio sobro factura,
cambio ao par.
A (ranceza vendeu-se a 480 rs.
c aingleza de 700 a 800 rs. por
libra. Picando em deposito
1,800 barris.
Vendeu-se a 1 700 por galio,
dem a 231OO, os lamengos.
O amarcllo a 1(0 a libra, e do
Mediterrneo a 2(0 rs. por
libre.
Vendeu-se a 83OOO por arroba
dem de 10030O0 a IdOjOOO
a pipa.
"Vialios-------------O carragamonlo do Theodicia
procedente de Marselha da mar-
ea E B, foi vendido acerca de
2G")-3 a pipa.
Conlinuaram altos
2 por cento ao auno.
Tara o Canal a 25, e pelo las-
tro a 15, pelo assucar, e 3/8
por libra pelo algodao para Li-
verpool.
Acqcs de coiup.- Vcnderam-so em leilio aleu-
mas da companhia Pernambu-
rana de 50 a 67 por cenlu de
disconlo.
dem de ouca .
Dosce de calda.
dem de Goiaba ,
dem seceos ..
Espanadores grandes.
dem pequeos. .
Esleirs de prepori .
Estoupa nacional ..... arroba
Farinha de araruta .
dem de mandioca .
Feijo......
Fumo era folha bom .
dem idem ordinario .
dem idem restolho .
dem em rolo bom .
dem idem ordinario.
Gomma polvilho .
lpecacanhua.......arroba
Lenha em achas grandes .
dem idem pequeas. .
dem em toros......
Madeiras cedro taboasde forro.
Louro pranches de 2 custados
Costadinho. ..."...
Costado........
Forro.........
Soalho........
Varas aguilhadas.....
dem quiriz.......
Virnhlico pranches de dous
custados.......um
dem idem custadinho de dito
dem taboas de costado de 35
a 40 p. de c. e 21/2 a 3 de
largura.......
dem idem dito de dito uzuaes
dem idem de forro ....
dem idem soalho de dito
dem em obras eixos de secupi-
ra para carros.....par 10$000
dem idem rodas de dita para
ditas........
Mcl. ... I.....caada
tutfuuu
libra 500"
400
1$000
um 3200
1S600
urna 300
arroba 1S600
3g000
alqucke 2$700
alqueire 7$000
arroba 14SO0O
9S000
73000
153000
63OOO
33O0O
arroba 353000
cento 2j50
1600
12J5;000
uraa 33000
um 103000
urna 63000
* 85300
23500
43000
232(0
1$600
na lmicu porlugueza Sania cruz, eiuraas em 19
de setembro de 1853 ; Joaquim Antunes da
Silva.
B/1 caixote vasio rindo no navio Trium-
phante, entrado em 19 do abril de 1854
ordem.
rula coitliiuonu ud cmara municipal UO
Recife se faz publico que no fim do correle mor
se termina o prazo para o pagamento, sem mul-
ta, do iuiposlo municipal sobre estabelecimeh-
tos.O contador, Joaquim Tarares Rodovalho.
RECEBEDORIA DE RENDAS.
Lelreiro1 saquinho vasio. vindo no brigue
porluguez S. Manoel l, entrado em 19 de setem-
bro de 1854 ; Antonio Jos de Oliveira Braga.
Sem marca1 sacco com rolhas de cortica,
pesando 1 1/2 a 43 por arroba, total 63, vindo "na
0 administrador da recebedoria de rendas in-
lernas, em cumprimenlo da circular n. 6 do mi-
nisterio da fazenda do dez de Janeiro prximo
firiclo e da portara n. 70 da thesouraria de 16 do
correnle, lendo mandado intimar no dia 21 s
los Jnior, tenilo receio o mu capiial, segundo
o bataneo procedido em 30 de dezembro ultimo,
liean lo o sobredito Azevedo Sanios desoncrtrlo
de toda e qualquer responsabilidade social.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco 21 do marco de 1860.Dinamerico Au-
gusto do Reg fangel, official maior interino.
Tribunal do commereiot
Por esta secretaria se faz publico, que nesla
dala fica registrado no competente livro o con-
trato social em nomo collectivo e commandila
em nomo conectivo e
polaca hespanhola S. Jos, entrado em 6 de ou- companhias e sociedades que lem'sido facultadas que i/.eram Leal & Borg.es, da qual sao socios
lubro de 1854 ; a ordem. 1 pelo ministerio do imperio e encorporadas com solidarios Manoel Rodrigues Fernandes Lale
Lelreiro2 pacoles com impressos, vindos na sua autorisacao, e que nao tinham pagos novos Joaquim Jos l'ereira Borges, Portuguezes, mo-
barca porguez Gralido, entrados em 5 de maio e velhos direitos pela approvaco de seos estatu- radores e eslabelecidos com ola de fazendas na
los e o sello do seu capital nos prazos legaes pa-' ra do Livramento n. 4'; devendo durar tres au-
ra que cnlrasscm com sua importancia e revali- nos, a contar do 1.' de Janeiro do crtenla, com
daco para a mesma recebedoria, os quacs socie- o capital de 10:0003, fornecidos seis pelo socio
dados e companhias constam de urna relaco as- co.nmandilario, e dous por cada um dos oulros.
signada pelo official maior interino da secrelaria
da mesina Ihesouraria e sao ; companhia de se
guros martimos ulilidade publica, idem da es-
irada de ferro de Pernambuco, idem pernambu-
cana de navegaco costeira, idem de seguros
martimos indemuisadora, idem do colon isaeao
em Parnainburo, Alagoas e Paral.iba, das quacs
de 1855 : Antonio Ignacio do Reg Medciros.
G & C2 caixas com rap, vindas no liiale na-
cional Lindo Paquete, cunadas cm 23 de maio
do 1855 ; ordem.
C1 caixote com 48 frascos com conservas
pesando 96 libras a 260 rs. a libra, total 2ig960,
vindo na galera inzleza Ilermione, entrado em
29 de oulubro de 1855 ; ordem.
B F S19 barricas com sal refinado, pesando
4,180 libras, a 200 rs. a libra, lotal 8363, vindas
no brigue fraucez Belem, entradas em 18 de
marco de 1856 ; a B. Francisco de Souza.
A S A G & C2 caixes com cha cm latas, pe- das mostraram haver pago o sello do seu fundo
Secrelaria d > tribunal do commercio de Per-
nainbnco,2i de marco de 1SG0.>. ,1. do Reg
Rungel. of&cial maior interino.
Tribanal do commercio.
Por esta secretaria se faz publico, que na dala
infra foi competentemente registrado o contrato
de soeiedade em nome co//eclivo e em comman-
snmeiilc as duas de seguro martimo menciona- diUque flzerara Antonio Marques de Amorim
Flor de S.Simo
recebe carga e passageiros para os dous
portos cima, a tratar com Garvalho
Noeueira & C, na ra do vicario n. 9,
primeiro andar, ou com o capitao na
praca.
REALCU11PAM1IA
DE
asooo
sando 39n libras, a ig500 por libra, total 5855,
vindos no brigue nacional .Sagitario, entrado em
3 de abril de 1856 : ordem.
R--1 caixao n. 7 com 30 latas de biscoutos,
pesando 60 libras, a 260 rs. por libra, total ris
1536(10, vindo na galera ingleza Bonita, entrado
em 4 de abril de 1856 ; i ordem.
Sem marca- 2 alas com cha preto, pesando
20 libras a 13500 por libra, total 303, vindas na
barca ingleza Ilhuriel, entradas em 11 do abril
de 1856 : ordem. 9
Sem marca3 boies de barro quebrados, vn-
mcsina data;
500
lgOOO
Milito.........alqueire
Podras de amolar. una
dem de filtrar......
dem relilos......
Piassava em molhos .... um
Sabio......... libra
Salsa pairilha-..... arroba
Sebo em rama......
i Sola ou vaqueta (rneio) urna
; Tapioca........ arrba
I U~nhas de boi...... cento
Vinagre........ pipe
30SOOO
280
23500
80
93000
1J120
200
120
253000
103000
3J2O0
33000
$300
5O5OOO
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 2.
Ass=8 dkis, hiato brasileiro Deberibe, de. 41
toneladas, capitao Bernardino Jos Randeira,
equipagem 5, carga sal; a Pedro Borges de Si-
queira.
Genova por Malaga64 dias do primeiro porto e
2ido segundo, barca sarda Paolo, de 19i to-
neladas, capitao Manoel Busano, equipagem
13, carga viulio e mais gneros; a Bastos &
Lomos.
[Iba de S. Higuel=21 das, escuna porlugueza
Rainha dos Afores, de 140 toneladas, capitao
Domingos Martins, equipagem 10, carga niilho
o mais gneros ; a Barroca & Medeiros.
Perro-----------
Genebra--------
Louoa -----------
Hantciga--------
Oleo de linhaca-
Queijos- -
Sabio -----
Toiicinho---------
Vinagre
Descont-------
reles-----------
7) 05 a. B Horas. 1
* O c tu s>. F3 i a s 7. Atmosphera.
* V Uirecgo. n y. O
* =3 03 Inlensidade.
tu -1 ta Centgrado. H be 0 ss X -i
M 1- C5 ce co - a O 1 Reaumur.
v CO 1 en -1 | Fahrenheit
-1 c 00 ^- 0 | Hygromelr 0.
O -1 S!3 Barmetro
~~ CC 3
I
dos no mesmo navio, entrado na
ordem.
Lelreiro1 embrulho com 4 machinas para
453')00 cor,ar capim, a 2g cada urna, total 83, vindo na
16030 uar'-a ingleza Floating Clond, entrado em 10 de
jiinlio de 1856 : John Carrol.
Lelreiro4 barris com carne de vacca em sal-
moura, sendo um vasio, pesando 1 arroba, por
39200, viudos na barca inglcza Ilhuriel, entrados
em 11 de abril de 18 (o : ordem.
Diamante A1 caixote com cha preto, pesando
18 libras 1$500 por libra, lolal 27#, vindo na
barca ingleza Floating Cloud, entrado cm 3 de
junho de 1856 ;a \V. Car 11.
F1 caixote com castanhas, vindo no brigue
porluguez Trocador, entrado em 11 de junho de
1856 ; Ignacio Tinoco de Souza.
Sem marca2 barricas vasias por 25, vindas
no patacho americano Levante, entradas cm 17
de junho de 1856 ; ordem.
Lelreiro1 caixote conlendo um garraf.io que-
brado, viudo na barca nacinnol Thereza l, entra-
do em 17 de junho de 1856 ; J. M. de Albu-
querque Gragel.
Diamanto C1 barril com 25 medidas dcazeile
de pexe a 600 rs. por medida, total 155, viudo
no patacho inglez //. Cruwem, cnlrado em 1 de
agosto de 1856 : J. Carrol.
X4 caixas com ardiles, pesando 30 arrobas |
a 43 por arroba, lolal 1205, vindas no brigue
porluguez Esperanra, entradas em 29 de outu-
bro de 1856 ; a Jos Alves Xavier.
A & C8 canaslras com caslanhas por 6(0 rs.,
viudas no brigue porluguez Laia II, entrado cm
9 do setembro do 1856 ; Luiz Jos da Cosa
Amorim.
Sem marca1 espingarda de um cano por (5,
entrada em 8 de Janeiro de 1857 ; ordem.
Sem marca( barricas, sendo 2 com 32 garra-
fas de eorveja com 8 medidas a 720 rs. por me-
dida, total 5-J7C0, e 2 ditas vasias por 2j rs viu-
das na barca ingleza ladro, entradas cm 7 de fe-
vereiro de 1857 ; ordem.
M 10 15 1 caixao com paios em mo estado,
viudo no brigue porluguez .S". Manoel 1, entrado
em 20 de marco de 1857 ; ordem
61 1/2 arrubas.de gesso, a 160 rs. por arroba,
lotal 938 (0, vindo na barca [ranceza Gustave, en-
trada em 12 de fevereiro de 1857 ; J. Soum.
MP&L3 barricas com macarro em mo es-
tado por 35, vindas no brigue francez Par^/iiba,
entrado em 20 de agosto do 1857 ; Deslibeaux.
O D3 caixas com paslilhas seecas de inicias,
viudas na barca franceza Savanilla, entrada cm
t;! 23 de fevereiro de 1858 ; Deslebeaux.
M & C P1 gigo com li> garrafas de medica-
mentos, pesando 20 libras a 25 por litira, lolal
40#, viudo na berca franceza Carmen, entrada
em 12 de dezembro de 1857 : Mearon e; C.
Ao:C12 caixas com 114 garrafas de medica-
metilos, pesando 228 libras a 2-5 por libra, lotal
(65$. viudas na barca franceza Adelle, entrada
em 19 de agosto do 1858 ; & ordoin.
D P1 barril com vinho portuguez commum,
e.om 1 medidas a 480 rs. por medida, lolal ris
7,S0'50, vindo no brigue portuguez S. Manoel 1,
entrado em 15 de uutubro de 1858; ao I)r. Jos
Pereira da Cosa
C 6 barricas, sendo 3 com 350 garrafas de li-
monada gasosa, pesando 350 libras, a 500 rs. por
libra, total 175$, e 3 ditas re m 140 garrafas va-
sias. pesando 70 libras, a 66 rs. por libra, lolnl
capital e os novos e velhos direitos pela appro-
vacao deseos estatutos, faz Iranscrever o art. 9
S iuiro do decreto n. 2(90 de 30 de solemtiro
do auno provimo passado que sojeita s penas
do art. 87 do regulamenlo de 10 de julho de
1850 aos empregados e autoridades annnislrali-
v.-is ou judiciarias que de qualqirer medo reco-
nhecerein a existencia das sobreditas cempa
nh! is.
artigo 9." Os contratos ou estatutos de socie-
dades anonyoMisou companhias que entrarem em
operaroes o'u estiverem fonecionando contra c
dispos'o nos aris. 295 e 296 do codgo commercial
e por consecuencia sem pagamento do sello do
seu capital, eslo sujeilcs a disposirfio do art. 31
do regulamenlo de 10 de julho de' 1850, alem
das mais nenas em que incorrerem, na confor-
midade da legislarlo om vigor.
nico. Aos empregados e autoridades ad-
ministrativas ou judiciarias que aceitarem, al-
tendeicm, defcrlrcm ou admitirem reciamaedes,
requerimentos, represenlscdes, acedes, ttulos e
documentos de aualqiier natureza, apresenlados
em nomo de companhiasesociedades anonymas,
suas caixas filiaos e agencias em laes circumstan-
cias ou de suas administracoes ou de qualquer
modo reconhecercm sua existencia (Icario exten-
sivas as penas do art. 87 do regulamenlo de 10
de julho de 1850.
Recebedoria de Pernambuco 25 de fevereiro de
1860.=:J/anoel Cameiro de Souza Lacerda.
NOVO BANCO
PERHAMBlTiO.
H <3
> o
?s r?
'j-.
o
S
A noite clara a principio, tornou-se nublada e
de grandes aguaceiros, vento variavcl, e assini
auiauheceu.
OSCtLlAC\0 DA HAR.
Preamar as 5 h 42' da manhaa, altura 7.75 p
Oaixamar as 11 h 5 da manhaa, altura 1.50 p.
Observatorio do arsenal de marinha 2 de mar-
co de 1860. Viegas Jnior.
Editaes.
chegando a
Pauta dos ppecos dos pncipacs gne-
ros c ppoduccoes nacionaes,
que se despachara pela mesa do consu-
lado na semana de
de 26 a 31 de marro de 1860.
Agurdenle alcool ou espirito
de agurdenle caada
dem eaxaca.......
dem de cana......
dem genebra......
dem idem ....... botija
dem licor....... caada
dem idem....... garrafa
850
520
dem resillada e do reino caada
Algodao em pluma 1.a sorle arroba
dem idem 2.a dita ....
dem dem 3.a dita ....
dem em caroeo.....
Arroz pilado...... arroba
dem com casca..... alqueire
dem branco novo..... arroba
dem mascavado idem ...
zcilc de mamona .... caada
dem de mendoim e de coco.
Borracha lina...... arroba
dem grossa.......
Caf em grao bom..... arroba
dem idem restolho ....
dem idem com casca ...
dem moide......
Carne secca.......
Carvo de madeira ....
Cera de carnauba cm pao
dem idem em velas. ... .
Charutos bons...... cento
dem ordinarios.....
dem regala.......
Chifrcs........
Cocos seceos.......
Couros de boi salgados libra
dem idem seceos espichados.
dem idem verdes.....
dem de cabra cortijos um
O Dr. Anselmo Francisco Perctti, commcndadnr
da imperial ordem da Rosa, ejuizdc direito es-
pecial do commercio da provincia de Pernam-
buco, o seu termo, por S. M. Imperial, que
Dos guarde, etc.
Faco saber aos que o prsenle edital vrem c
delle" noticia liverem, que a reqnerimenlo de
llenry Gibson acha-se aberla a [alinela de Ca-
minha Irmos i C, pela sentenca do theor se-
goinle :
Tendo os commercianlos eslabelecidos nesla
cidade com a firma Caolinita, Irmos &C,-aban-
donado a sua loja sita na ra do Livramento 11..,
e cessado assim os seus pagamentos, declara a
referida firma era estado de quebra c lixo o termo
legal da sentenca desta a contar do da 15 do fe-
vereiro prximo passado.
No meto curador fiscal ao credor llenry Gibson
o depositarios interinos ao? credores Rostron
Rooker i* C, e prestado pelo primeiro o jura-
mento do estylo, e asstgnado pelos segundos ter-
mo de deposito, o escrtvo remetiera copia desla
aoiuizdo paz compclenlc para a apposico de
sellos, que ordeno se ponham em todos os bens
livros e papis dos fallidos.
Feilo o que e publicada a prsenle sentenea
nos termos dosarligos 812 do cdigo commercial
c 120 do regulamenlo n. 738, sero dadas as sub-
sequentes providencias, que o sobredilo cdigo e
regulamenlo prescrevem.
Recite 21 do mareo de 1860.Anselmo Fran-
bW cisco Peretti.
8C0 K mais se nao ronlinha o nem alguma ou-
2301 Ira cousa se deelarava em a dita sentenca, e
para cumprimenlo da mesma convoco lodosos
credores prsenles dos referidos fallidos, para
comparecerem na sala dos auditorios, no dia 29
do correnle mezas 10 horas da manhaa, alini de
se proceder a nomeaco de depositario ou depo
sitarlos que ho de receber e administrar provi-
soriamente a casa fallida.
L" para cnegar ao conhecimenlo de todos, man-
dei passar editaos, que sero publicados pela
imprensa, e affixado nos lugares designados nos
mencionados artigosl29 do regulamenlo n. 728,
e 812 do cdigo commercial.
Dado e passado nesla cidade do Recife, aos
23 de marco de 1860, trigsimo da independen-
cia c do imperio do Brasil. Lu Manoel Maria Ro-
drigues do Nascimenlo, escrivo o escrevi.
Anselmo Francisco Piretti.
= Pela inspoegao da alfjndega se faz publico,
que no dia 26 do correnle, depois de meio dia,
se lto de arrematar em hasta publica, porla
da mesma reparticao, de conformidade com o dis-
posto nos arls, 276 e 277 do regulamenlo do 22
de junho de 1836, livres de direitos ao arrema-
tante as mercidorias nbaixo^descriplas j annun-
ciadas por edilal de 3 dias datado de 14 de se-
tembro do anuo prximo passado, a saber:
Armazem n. 4.
IC1 fardo com cordas de linho, pesando 6 ar-
robas, a 4g por atroba, total 241), vindo n barca
inglcza Seraphina, entrado em junho de 1805 ;
ordem.
Arinnrem 11. 6.
M diamante1 caixa n. 3 com 150 livros im-
pressos por 4>, viuda no brigue portuguez Al-
grele, entrada em 20 de julho de 1853 ; Jos
Mouleiro de Siqucira.
Sem marca2 podras pequeas desbastadas
or lj200. vindas no brigue portuguez Maria
Feliz, entradas em 5 de setembro ae 18i2 ; .V.
S- Barroca.
Lelreiro2 aocorelas com azeitonas, vindas
($620, rindas na barca ingleza Ilermione, filtra-
da em 10 de Janeiro de 1850; ordem.
.'lrma;cm Jl. 11.
C/ diamante123 ancorelas com figos, sendo
112 com 88 arrobas, e 11 ditas cm mo estado,
por21132OO, vindas no brigue nacional S. Jos,
entrado em 19 de fevereiro de 1859 ; Jos An-
tonio da Costa Irmo.
M C M1 barril com 2 presuntos em salmou-
ra, pesando 2 libres, a 133 rs. por litira, lotal
5I92, vindo no mesmo navio, entrado na mes-
ma data ; Manoel Corrcia de Menezes.
Idm6 ancorelas com azeitonas, pesando 2
e meia arrobas a lj) por arroba, lotal 2$50, viu-
das no mesmo navio, cnlrado na mesma data ;
ao mesmo.
Alfandega do Pernambuco, 20 do marco de
1860.O inspector,
liento fose Fernandes Barros.
O Banco paga o quarlo dividendo narazo de
IO5100 por aceito.
Consellio administrativo
O conselho administral'tvo, para fornccimenl?
doarsenal de guerra, tem de compraros ob-
jectos seguinles :
Para o meio batalho do Viauhg.
Cordoes para cornetas de sopro*9.
Para proviment'i dos armnzens do almo.ta-
r i fado do arsenal de guerra.
Arcos de Ierro de 1 1/2 pollegada, arrobas 10,
dito de dito da 1 pollegada, arrobas 20.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada nasecretar
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 26
do crrente mez.
Sala das sessoes do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra, 19 de
marco de 1860.Beato Sos Lamenha Lias, co-
ronel presidente.Francisco Soaquim Pereira
Lobo, coronel vogal secretario interino.
Conselho administrativo
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, em cumplimento ao art.
22 do regulamenlo de 1 i de dezemnro de 1852,
faz publico, que foram aeccitas as propostas dos i
senhores abaixo declarados :
Para o 10 batalho de infantara.
Joo Jos da Silva200 mantas grandes de lia
a IJ5850.
Antonio Ferreira da Costa Braga200 grvalas
de sola de lustre a 740 rs.
Para a fortaleza dos Saatos Beis Magos da pro-
vincia do Bio Grande do Sorle. .
Luiz Borges de Ceiqueira2 bandeiras de fi- Sleuber c
lele com 0 pannos a "o, com a condico do en-
-las no dia.31 do correnle mez.
I'nra o'.)." ftttalho de infanlriia de linha.
Antonio Joaquim Panasco1 bandeira de sedal
com armas Imperiaes por S)J, 1 porte rom gala o
de ouro por 51 $200, 1 hastea com esphera don-
rada por 135, 1 insigna do officialalo do Cruzeiro I
com o respectivo titulo do dia em que foi ella con-1
cedida pnr20}, 1 vara de fila para a mesma insig-
ua por 55, 1 sao o de oleado por 2?, 1 dito de dito j
de brim por 400 rs., para serem entregues esses
objectos promptos no dia 25 do correnle mez.
Joo Baptista Fragoso c Jos Antonio de Azevedo
Santos Jnior, socios so/idarios, e varios com-
manditarios, em 6 do correnle mez, com o capi-
tal de mil con tos de reis, fornecidos 150 coritos
por aquelles, e 850 por estes ; devendo a mesma
soeiedade, que leve principio no 1." do referido
mez, durar Iresannos, sob a irrua do Amorim,
Fragoso, Santos & C.
Secretaria do tribunal do commorcio de Per-
nambuco 23 de mareo de 1860 Dinamerico Au-
to do llego Baagcl, official maior uterino.
Tendo-se de fazer a numeraco de lodos os
predios desta cidade su jeitos ao imposto da de-
cima urbana, o administrador do consulado pro-
vincial pelo presente convida a todos qunnlos
se queiram enearregar de um tal servco a com-
parecerem no dia 26 deste mez no mesmo con-
sulado com suas propostas em cartas fechadas,
as quacs declarar o o menor prec,o porque pos-
sam fazer cada numero, assim como quacs os
seus fiadores. Mesa do consulado provincial 20
de mareo de 1800.O aduuislrado, Antonio
Cameiro Machado /(ios.
Pela delegacia de polica de Iguarass se
faz publico que se acha preso na cadeia do termo,
o crioulo Ignacio, que disse ter fgido de seu se-
nhor, Pedro Ferreira de Almeida, do lugar Ria-
rho, na freguezia deS. Rento de Garaniiuns.=0
aleles e delegado, Antonio Jos Bibeiro.
- Pela administraro do correio desla cidade
se faz publico a quem interessar possa, o artigo
10 das instruceoes que pelo ministerio do impe-
perio foram transmitidas directora geral dos
corrcios com o aviso de 16 de dezembro do an-
uo passado, cuja rigorosa execucao dever tej- lu-
gar dol." de julho do frrente anuo em diante :
Art. 10. As cartas seguras devero, alm dos
mais requisitos exigidos pelo regulamenlo, ser
fechadas com lacre de urna s edr, era dous ou
mais lugares visiveis, e os fechos sellados com
sincte particular do uso do segurador, tomndo-
se quaesquer outras cautelas que a experiencia
for indicando como necessarias, e forem ordena-
das pelo diretor geral. Correio de Pernambuco,
12 de marco de 1800.O administrador, Domin-
gos dos Passos Miranda.
Paquetes iuglezcs a vapor.
At o dia 29 desla mez espera-so da Europa o
vapor Magdalena, commandante R. Rivelt, o
qual depois da demora do cosime seguir p-ra
o Rio de Janeiro tocando ni Babia, para passa-
gens etc., trala-se com 03 agentes Adamsou Uo-
wie & C, ra do Trapiche n. 2.
COMPANHIA BHASILEIRA
E
PAQUETES A VAPOR.
O vapor Cruzeiro do Sal, cnmmandanle o>
capitao de mar e guerra Gervazio Mancebo, es-
pera-so dos potlos do sul em seguimento a->*
do norte at 0 dia 29 do correnle mez.
Recebe-sc desde ja passageiros.frele di dinhei-
ro e encommendas c pngaja-se condifionalmen-
le a carga que o vapor poder conduzir, sendo os
volumes despachados com antecedencia at a
vespera de sua chegada : agencia ra do Trapi-
che n. 40.
Leilocs.
Quarta-feira 28 do corrente,
na portada associacaocom-
mercial, s 10 horas em
ponto.
O AGENTE
10QL E RSTRIHE5TAL.
KO SALI DO
SEGUNHA-FEIRA 26 UARQO.
Dntlu pelos Srs. Sinollz, Santini,
Steuber,lIyppolit e Kamoiiri;i,
A J8EN3EFICIO
n \
ARTISTA JUSTINA GALLI.
PRIHE1RA PARTE.
i.Symphonia a quatro mos, exocutada pe-
los Srs. Smoltz e Santini.
2."Aria da opera Catiiuuvv de Cleves, pelo
Sr. Ramonda.
It."Aiu i.Aiiii". de Relhoven, por annonium e
piano, pelos Sis. Smoltz o Santni.
4.Fantasa para rabecco c piano, pelos Srs.
Smoltz.
SEGUNDA PARTE.
5.Symphonia a quatro mos, cxeculad
pelos Sis. Smollz e Sanlini.
C."Aria da opera Geiima de Verct, pelo Sr.
Hypolito,
7."CEf.au, por armonium e piano, pelos Srs.
Smollz e Sniiiini.
8. Duelo da opera Arrii.v. pelos Sis. llamn-
da o Hyppolito.
Principiar s 8 horas.
Os carios de entrada acham-se a venda no
i1.le francisco, ruado Trapiche
por despacho doExm. Sr. Dr.juiz espe-
cial do commercio e a requerimento do
Sr. Jos Joaquim Dias Fernandes, tara'
leilSo do casco, apparellios e mais per-
tcnces do brigue nacional Elvira, per-
tencente a massa fallida de Machado &
Finheiro.
Os Srs. pretendentes o podeao exa-
minar na volta fio Forte do Ma'to, on-
de se acha ancorado.
DE

i"
balaho
philantropico com que estes Srs. (ao generosa-
mente se preslam para a soccorrer as sua* cri-
ticas circumstancias, occasionadas pelo desastre
occorrido no desembarque do Cear no dia l8do
prximo passado ancho, agradece desde ja a
esles Srs., e ao publico que concorrer ao con-
vite do dito concert
Declara .o .
960
320
800
8g200
7#200
6200
2$050
35200
35500
4JJ600
2750
900
2$500
7g000
43000
73OO
43500
53000
9g600
6S500
23500
93000
123000
235OO
13000
33000
53OOO
53000
285
400
178
300
Pela inspeceo da alfandega se az publico,
que exisliodo em deposito em armazem alfan-
iegado de Prxedes da Silva Gusmao, a requo-
rimenio de Barroca & Castro, desde 2 de julho
de 1857, 700 pedias para moinho. vindas da
1111 -i de S. Miguel na escuna porlugueza Rai-
nha dos Acores ; pelo presente sao os mesmos
avisados a vir despachal-as no prazo de 30 dias
contados desla dala, (indo o qual sero arrema-
tadas em hasta publica do conforniidade com o
art. 27 i do Regulamenlo, sem que em lempo
algum possam reclamar contra o elfeilo desla
venda. Alfandega de Pernambuco 20 de mareo
de 1860. O inspector Rento Jos l'ernandcs
Barros.
CORREIO.
Pela administrado do correio desta provincia
se faz publico, que no dia l.de abril vindouro,
pelas 3 horas da tarde cm poni, fechar-se-hio
as malas que tem de conduzir o vapor cosleiro
Persinunga, com deslino i Tamandat e provin-
cia de Hacei.
Vicc consulado de Espaa.
Para cumplir con la real orden de
1 de marzo de 185'i en lo que dice res-
pecto al alistamiento y matricula de
subditos espaoles en los consulados y
vice consulados de S. M. en pases es-
trangeros :
Invito a todos los que siendo legal-
mente snbditosde S. M. y residentes en
este districto consular no se hallen ma-
triculados en este vice consulado a' mi
cargo, a' que se presenten para' dhf>
in dentro del plazo de 4 mezes de esta
publicacin, pues del contrario, segun-
dli Real orden, este vice consulado no
dispensara' su protecton a'los que no se
hayan preentado.
Pernambuco 20 de marzo 18G0
Juan Anglada Hijo, vice-consul.
O Illm. Sr Dr. chefe de polica manda fazer
publico, que foi preso pela subdelegada do 1.
districto da freguezia de Jaboatao, e acha-se
recolhido ao quarlel de polica, um moleque de
nome Rernardo, que representa teraidadede
qualorze anuos, o qual deelarou ser esrravo de
Manoel Antonio de Souza Villaca, morador no
lugar da Palmeira em Garanhuns, e que vindo
para esla cidade em companhia do Senhor, este
O deixara aqu em casa de tima pessoa, cujo
nome no sabe dizer, para ser vendido ; sendo
que fugio da casa dessa pessoa
Secrelaria da polica de Pernambuco, "22 de
marco de 1860.O official servindo de secreta-
rio. Jos Xavier Faustino Ramos.
Para os msicos r tambor-mr do .'
de arlilheria I.* linha.
Jos Baptista Braga27 centuroes com galo
de prala, e chapeo prateado, conforme o igurino
iiovamenle adoptado a 18$050, 27 leados com
punhos e ponleiras prateados a 209900, para o
lambor-mor 1 toreado por 28$500, l baslao dou-
rado com um Qelpraleado por 12-750, 1 talabar-
te de casemira branca e galn de -lOj.
llamos & Lima1 centuro para o tambor-
mr com galao de prata por 193500, 16 cordoes
de lia para os inferiores a 1-jlOD, sendo que es-
tes dous ultimes fornecedores obliveram do con-
selho 50 dias de espera para npresenlarem os
objeclos offerecidos, e marcou-se o da 28 do
correte mez para seren recolhdos os objectos
que [oran comprados sem condicjio.
Sala das sessoes do conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de guerra, 21 de
mareo de 1860.Francisco Joaquim l'ereira Lo-
bo, coronel vogal. secretario interino.
n ....... vuuv>.._ ..... r....,.r,..
= Por ordem do Illm. Sr. Dr. vigario geral tbia, por suaoxcellento marcha e construccao,
juiz dos casomentos se previne os pessoas, que acha-se proposta a tomar carga c passageiros,
rerca-feira 2/ do corrente.
O agente Boi ja ara' leilo per des-
pacho do Illm. c E\m. Sr. Dr. juiz es-
pecial do commercio, e permissfto do
Illm. Sr. inspector da alfandega, a re-
A beneficiada sumamente penhorada pelo acto tierimcnto de Pinto de Souza & Bairao,
depositarios da massa fallida de Antonio
da Silva Kocha, das fazendas salvadas
da barcaca Amizade Peruainbucana, e
conduziJas oulra vez. a este porto pela
barcaca Paran', cujo lelao lera' lugar
em seu armazem na ra do Imperador
15, as 11 botas em ponto.
Avisos martimos.
------------------------------------------------------m
Para Lisboa.
O patacho porluguez Jareo, novo e muito
veloiro, dever seguir com brevidade ; quem no
mesmo quizer carregar, entenda-sc com Jos
dos Santos Pereira Jardim, ou com o capitao do
navio Jos Marques Coelho Sobrinho.
Porto.
A bem conhecida barca portugueza Synipa-
tbia. por sua escolenle
n.
CoBnuaPo do Icilo
DE
acha-se proposla a tomar
liverem prestado na cmara ecclesiastica Banca a W* Sl
banhos do lugar de sua naturalidade, e houvo-
rem inrorrido em mullas, que smente as devela
pagar em vista do um conhecimenlo tmpresso,
lubricado pelo Rvm. Sr. couego Fabriqueiro da
S, e pelo Rvd. escrivo da dita cmara. Os
mesmos Srs. fiadores ou afianzados devem apre-
sentar na reTerida cmara em Olinda, ou no Re-
cife ao Sr. vigario geral os recibos das multas
que ja pagaram, e no prazo que Ibes foi conce-
dido os respectivos proclamas a fin de que se
compra ns disposieoes da le.O escrivSe da ca-
inora episcopal, padre Joaquim da Assumpcao.
carga c
do Porlo,
onde
Gneros de estiva.
Segunda-feira 26 do
corre lo.
J. Pracger C. con-
nuarao o seu leilao de
gneros de estiva por 11-
tervencao do agente Bor-
ja, no dia cima designa-
do s 10 horas em ponto.
Capitana do porto.
De ordem superior se faz publico a seguinte
circular :
1 sec^ao.=Palacio do governo do Maranhao
10 de marco de 1860.
Illm. c xm. Sr.^Tendo sido arreado o rcachi-
nismo do antigo pharol da ilha de Sanl'Anna, allm
do ser enllocado no que all se esl edificando, as-
sim o participo a V Esc, rogando se sirva de o
fazer publico nessa provincia, na certeza do que
logo que o novo pharol esleja concluido e Ilumi-
nado me anressarei em dar disso conhecimento a
V. Exc. Dos guarde a V. Exc, Illm. e Exm Sr.
presidente de Pernambuco.=0 presidente, Joao l
Silceira de Souza.
Confornierr,lnfonio Leitede Pinho.
Circular.=:1." seccao.rrl'alacio do governo do!
Maranhao 15 de marco d<* 1S60. = Illm. e Exm. |
Sr. = Em additaraento ao meu olficio do l.-do:
corrente, remello a V. F.xc. afim de que se sirva !
de dar lhe toda a publieidado nessa provincia o 1
incluso annuncio, pelo qual se previne a navega- i
cao que foi arreada o marhinismo do pharol de
Sanl'Anna, em consequencia do mo estado dol
edificio. Dos guarde aV Exc, Illm. c Exm. j
Sr. presidente da provincia de Pernambuco. O
presidente, Joao sUvtra de Souza.
Capitana do porto.
De ordem do Sr, chefe da divisao e capitao do
porlo, faz-so publico a navegoeao, que foi ar-
reado o marhinismo do pharol de Sanl'Anna. em
consequencia do mo estado do edificio, confor-
me os annuncios dessa. reparlicao de 3 de se-
tembro do anno possado, e 10 de fevereiro ultimo;
e oportunamente se marcar o dia em que deve
principiar a funcionar o que so est constrnindo.
Capitana do porlo do Marnho 9 de marco de
1861).=No impedimento do secretario, /lay'mun-
do Querino Benfica. Conforme, itnioneo Leile
de Pinho
Capitana do porlo de Pernambuco 23 do mar-
co de 1850. =rNo impedimento do secretario,
Francisco Firmino Montura.
Tribunal do Commercio.
Por esta secrelaria se faz constar, que por mu-
tua convencao de todos os socios da firma de
Jos Antonio Moreira Dias & C, se permittio a
retirada do socio fos Antonio de Aevedo San-
lem de seguir brevemente : os prelcndenles, de
una ou oulra cousa, enicndani-se com os consig-
natarios, ra da Cadeia do Recife n. 12.
Hio de Janeiro.
A barra nacional Planeta va seguir breve-
mente : quem na mesma quizer carregar o res-
to da carga que falta, entenda-se com os consig-
natarios Bailar & Oliveira,
Para Lisboa
va seguir com muita presteza o bom conhecido
brigue porluguez Constante, capitao Augusto
Carlos dos Reis : quem no mesmo quizer carre- Settl FOSerYQ (IC DFCCO CO~
rio
gar ou ir de passagem, dirija-so ao consgnate
Thomaz do Aquino Fonseca, na ra do Vigario n.
10, primeiro andar.
C01IPAM1IA PEIPAMBllCm
DE
Navegaco costeara a vapor
O vapor Persinunga, commandanle Lobato,
sabe para Maeei. com escala por Tamandar,
Barra Grande, Porto do Pedras e Camaragibe, do-
mingo 1. de abril s 6 horas da larde. Recbe-
se carga at o da 30 de tarde e encommendas
ale 31 as 4 horas da larde.
Maranhao e Para.
O patacho Alfredo, capitao e praliro Manoel
da Silva Santos, segu com muita brevidade aos
porlos indicados : os senhires que nelle quize-
rera carregar, queiram declara-lj ate o fim da
presente semana, no escriptorio dos consignata-
rios Almeida Gomes, Alves & C, ra da Cruz
numero 27.
Para o Aracaty
Sabe rom brevidade o Mate Sania Rila, j lm
a maior parle da carga : para o teslo, trata-se
com Marlius& Irmo, ra da Madre de Dos nu-
mero 2.
Lisboa e Porto
Vi sahir brevemente a multo veleira
e bem conhecida barca
mo tem sido.
Leilao
A 27 do corrente
DOS
Haleriaes do Trapiche
O preposlo do agente Oliveira far leilao. por
ordem do Illm. Sr. Dr. Joo Antonio de Souza
Beltiao de Araujo Pereira, do todo o material do
trapiche denominado Novo, consistindo cm te-
lhas, estvamede boas madeiras, taboas de lou-
ro, esteios, pilares de podra, guindastes, etc.,
lerca fera 27 do corrente, ao meio dia era ponto
no menciooado trapiche, ra do Trapicho Novo.
LEILAO
DE
ma casa no Afogado
Terca fe ira 27 do correnle.
O agente Borja fara' leilao em sea
armazem por desp?cho do Illm. Sr.
Dr. juiz municipal da segunda vara, e
a requerimento do testamenteiro inven-
te rante dos bens deixados pelo tinado
vigario Joo Antonio Tome, da casa


'*)
terral a. 28 sita na ra do Alotoco-
loiib freguczia dos AFogades, a qual
tem cinco janatlas envidracadas e por-
tao ao lado, 50 na Irnos de frente, e 80
de fundos, quatro salas, setexiuai tos ,
CDZ'nha fora, copiar ao lado, quintal
murado, cacimba, tanque, portao para
a ra do Qeirnun, e quatro quartos
para escravos no fundo do quintal.
Os protendentes poderSo examinar a
referida caa, tendo lugar o leilao ra do imperador n. 15 as 11 horas era
ponto.
LEILAO
rerca-feira 27 do corrente.
DE
Un corle de capira.
O agente Sarja, autorisado
apitao Leopoldo Augusto Feri
DIARIO DE PERNAMBPC6. SEGUNDA FEIBA 26 BB MaUCQ DI 1860.
TROVADOR.
fitaa ilo Rosario \aTga na-
Este
mero 46.
esiabe1ecycnto bem
pelo Sr.
reir fara' j
U'ilao em seu armazem na ra do Im-
perador n. 15, do corte de capm do si-
tio do fundao em Beberibe : os pre-!
tendentes o podei ao examinar, e sobre !
tlelancar no supra mencionado di
10 horas em ponto.
novo esiabeiecimcnlo bem montado e
serviDdo a lempo aos freguezos por mdico pro-
co, continua a servir melhur ( se 6 possivel )
avista das distancias pessoas que se dignaro onsc
quia-lo : do-se igualmente comidas para Jora
cotn todo o aceio e pro ai olida o.
ff-aa"
1'ereiraXt
O Dr. Cosme de Sa'
fjjjde voltj desua viagem insiructi-]
itiva a Europa continua no exer-b
jciciodesua proissao medica.
Da' consultas em seu escrrpto-
no, no bairro do Recife, ra da?
Cruz n. 55, todos os dias, menos?
nos domingos, desde as 6 borasS
t as 10 da manhSa, sobre os&i
seguintes pontos :
na as
o-
Avisos diversos.
AOS SUS. ASSIC.\ANTES.
0 paptieite da subseripeo tlese |?
cidade, na de (ilinda, e <
Diario nesta
'- Molestias de ollios
. .Molestias de coracao e
peito ;
. Molestias dos orgaos da gera-P
cao, e do anus ;
Praticara' toda e qualquer^
operarao quejulgarconvenien-|
te para o restabelecimento dos
cus doentes. 3
O exarae das pessoas que o con-jc?
sultarem sera' fetto indistincta-U
mente, e na ordem de
l'elo juizu-deurnhaos, canario as escnv.io
Guimaraes, tem de screra arrematadas nos dias
.- correntc raP7-. sendo a ultima praca
no da 27, as dividas activas constantes de letras
ja vencidas, aceitas por diversos, pertencenles
aos herdeiros da finada Joaquina Jeronyma de
Jess, a requerimonto do Sr. Dr. procurador fis-
cal daazenda provincial, para pagamento do
sello.
Roga-se as autoridades policiaes c aosse-
nhores de engenho, que apprehendam um caval-
lo que foi furlado ao amanhecer do dia 19 do
corren i* na povoacao de N. S. da Luz. termo de
Pao d Albo, cujo cavallo tem os signaes segnin-
tes ; mellado, dinas e cauda brancas, frente
aborta, 4 pos calcados, iTileiro, cora idade de 10
annos, pouco mais ou menos, eslradeiro de baixo
at meio, esl descarnado, muito ardigo, tem
urna belide no olho esquerdo que pouco enxerga
por elle, tem urna junta do peiador do um dos
pos um pouco grossa, c tem alem da marca do
criador urna outra marca que a do Sr. Antonio
Monteiro de FaraG. cavalleriano do norte : quem
o apprehonder, dirija-se a meen povoacao em
casa do abaixo assignado, que ser generosamen-
te recompensado.
Luis litias da Silva e Albnquerque.
Quer-se alugar.
Precsa-se alugar um cscravo para
fazendas : trala-se na loia da ra do Cabu
mero 8.
Precisa-se alugar
Porneciioento de papel
para imprimir.
O proprielario desle Diario tem eftectivamente
SW-rabaWe8,deveseffetaVStadefC. gjuacoce, e na oraem ees ascn-&
eibOS imprefiSW, com a qaaillia taillbcm :^f'Ldasjfazendoexccproosdoen-n
inpressa.
vern em rauta* aautorisaaos a pas
saf recibos twseriptos, nem a eiuen-
lar quaiias a seu arbitrio.
Osrecebedores nunca esU-Jef tesdeoiiios.ou aqueliesque porffc
CStaa aulltorisados a as- ^ motivojustoobtiverem bora mar-f%
--Nesla typogra-f
phia precisa-sc de
compositores ty-
pographicos.
fcOTI
eada para este im.
A applicacao dealguns medica|(
meatos indispeiisaveis em varios^
licasos, como o do sulfatodeatro-i
m
O Sr. tbesoureiro manda fazer pu-
blico que se acbam a venda todos os dias
no pavimento terreo da casa da ruada
Aurora n. 20 e as casas comraissionadas
pelo mesmo Senhor tbesoureiro na pra-
ca da Independencia numero 14 e 16,
e na ra da Cadeia do Recife nume-
ro 2 annazem do senbor Fon tes ate
as 6 boras da tarde somente, os bilbe-
tei e meios da terceira parte da
p| pina etc.) sera' feto.ou concedido i
gratuitamente. A confianca que
nelles deposita, a presteza'de sua !&J
Jacc5o, e a necessidade prompta|,
'Ide seu emprego; tudo quanto o
jdemove era beneficio de
t doentes.
seus fij
urna cscrava para urna
casa de pouca fimilia : quero liver, dirija-se a
praca de redro II n. 2.
Grande oicina de calcado
nacional.
Ra larga do Rosario n. 23, deronte da
botica do Sr. Bartbolomeo.
Neste estabelecimento acha-se ufiT "tomplcto
soitimenlo de calgado e lamancos por menos
preco que em outra qualqucr parte, toma-se toda
e qualquer encommenda, e fazem-so lodos os
conierlos com muita perfeico o por preco coro-
modo, auaDca-se nao engaar os fregu'ezes no
oa que se tratar, d-se a obra prompla sera ha-
ver a menor falta.
ECONOMA.
Lav-se engomma-se e fornece se al-
moco e jantar porcommodo pieco na
ra da Alegra casa n. 58.
cidade ou em qualquer outra :
'oavew por quanlo este papel importado era
'.reitura dos lugares em que elle se fabrica.
Na bvraria n. C e 8 da praca da
tndepenecia, preciza-se fallar a Sr.
Joao da Costa Maravilha.
- William O'Donnell rclira-se para Europa
levando em sua companhia sua senhora.
Empreza do aceio
publico.
C. L. Cambrone. emprezario da limpeza e as-
seio das casas desta cidade, previne ao publico
que em virtude da autorisacao do Exm. presiden-
r le da provincia, e do accordo com a Illma. cma-
ra municipal, segundo as condiedes do contrato
de 2o de setembro de 1858, prope-so dar imine-
dialamenle comeco a collocacao dos canos de
escoamento' as ras do Crespo, praca da Inde-
pendencia, ruado Cabug, ra Nova e ras adja-
centcs, taes como as do Imperador, Queimado
Cruzes, Rosario larga c travessas respectivas!
tm consequencia, o mesmo emprezario, ro^a aos
senhores propiieiarius o moradores dos quartei-
roes cima lra%dos, queiraro dirigir-sc ao es-
critorio da adminislracao, na ra do Imperador
n. / pumeiro anJar. alim de cscolhercm os ap-
parelhos que quizerem collocar nos seus domici-
hos. L que visto a collocacao c asscnlamonlo do
laes apparelhos exigem algum lempo,
ra n u-
, I'erdeu-sc na noite de sexta-feira dePasso-, ZT;---------------' -------------
23 do corrente. urna p.dceira de ouro. desde o 7?nft!""TB8JD0. ESrAD0'PL"uu D0 *
passo da ra da Cruz ai* a ilha dos Ratos : quem n,la,1i?i0,ca,,1,as deste remedl cousommem-se an
a tiver achado e quizer restitui-ls. mediante j """enieii
competente gratificacao, dirija-se ra da Ca-' cmedio da natnreza,
dcia do Recife, casa 56, a fallar com Jos Go- Approvado pela faculdade de medicina, e re-
mes Leal ( commendaoo como o mais valioso catrtico ve-
\ende-se urna negrinlia do idade de 12 an- 9elal de lds os conhecidos. Sendo estas pillas
nos, coso liso, c entende de fazer algum servico PU"amenle vegetaes, nao contera ellas nenhum
de urna casa : na roa do Sebo n. 29. | veneno mercurial nem algum outro mineral
Vende-se urna parte do sobrado n. 1 da ra eslao bcm acondicionadas em caixas de folha pa-
de Sania Rila Nova :. a tratar na ra Direita n. raresguardar-se da humidade.
127, defronle do oilao da igreja do Tcrgo, a qual-' Sa agradaveis ao paladar, seguras e efflaze-
quer hora em sua operacao, e um remedio poderoso para a
vende-se na ra estreita do Rosario n. 16, juventude, puberdade e velliice.
esquina da ra das Larangoiras, manteiga ingle-| Lea-se o folhetoque acompanha cada caixa pelo
za Doa a b rs, a libra, e mais gneros a propor- 1ual se icara conhecendo as mullas curas mila-ro-
;ao desle : quem quizer appareca.
Vende-se a taberna do pateo do Terco n.
4, bem afreguezada para a torra, a dinheiro ou
a prazo, com boas firmas: a tralir na mesma
ou na travessa da Senzala, armazcm n. 4.
\endc-se um terreno proprio, prompto a
edilicar lado de mar pequea, na ra Imperial,
com lio palmos de frente sobre 140 de fundo, e
se dar mais, cora cxcellcnle vista por Ira?.: para
ver e tialar, na mesma ra c lado, casa de fren-
te azul, enndracada, ao p do portao de ferro
" 17*. a fallar coro Victorino Francisco dos
dflDtOS*
sas quetem elTectuado. D. T. Lanman & Kemp,
droguistas por atacado em Nova York, sao os ai-
cos fabricaules e propietarios.
Acham-se venda era todas as boticas daspriu-
cipaes cidades do imperio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro, na ra daAlfandega n. 89.
Babia, Germano & C, ruaJuli.ion 2.
Pernambuco, no armazem dedrogas de J. Soum
& C., ra da Cruz n. 22.
anda aos mesroos senhores, que
em fazer a dita escolba, afun
Attenc
Um moco com bastantes babilitaees
para ocommercioe (jue (alia e escre-
ve perfeitamente as iinguas ingleza e
pQrtugueza e falla correntement'e o al-
lemao, olferecc separa caixeiro de qual-
quer casa* nacional ou portugueza :
quem precisar dirija se a ra Direita n.
7, Ir andar, en Irada pela ra da Penlia
das o as 5 boras da tarde, ou annuncie.
Necessita-se de um copeiro que lenha boa
conduela e enlenda bcm seu servico : na ra do
Crespo n. 4, casa do mcio.
= Precisa-sc de urna pessoa que tenha boa
*t0Pria Pa.ra escrever em livros ero urna
Caetano Pinto de Veras faz scientc a quem
interessar que est em evercicio da vara de juiz
de paz do 4o anno, do primeiro districto da fre-
guezia doSS. Sacramento do Santo Antonio des-
la cidade, para que foi eleilo c que despacha na
casa desua residencia ra de S. Francisco n. 8,
e em qualquer parte que fur enconlrado ; e que
da audiencia as tercas e sextas-feiras as 4 1|2
horas da (arde como ja tem annunciado, na casa
de 1860 audie,lcias- Recife 29 de fevereiio
o roga
e nao se demorcm
de que nao baja
nierrupcao, e sobre tudo repelicao e perda do tra-
balho no servico. o que tornar este mais one-
roso aos que se demorem, e ltimamente difli-
cullar o transito publico, que o emprezario nao
deseja por modo algum embaraear. Os Irabalhos
serao comecados inmediatamente pela ra do
Crespo, a partir do treo de Santo Antonio. O es-
criplorio da adminislracao conservar-se-ha abor-
to lodos os das uteis, das 9 horas da maubaa al
da (arde.
Traspassa-se em um cngeiibo, tres legoas
distante da praca, obras, safra toda bem princi-
piada, boas rooendas e vasos, a engenho e casa
de purgar em ponto pequeo, a colher safra, e
tem 9 safras a criar com a presente, tendo a fa-
zer urna obra muito commoda neste lempo, para
deixar, cercado, e muitas matas para abrir os
preleudenles dirijam-se a cocheira da ra da Paz,
do Sr. Jos Gorgonio.
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 an-
nos, que saiba lr o escrever : na ra do Caldei-
reiro n 60, taberna.
= O Sr. Antonio Dias Fernandea tem urna car
la viuda do .Mato : na ra da Roda n. 11.
O Sr. Joao Marcelino Ribeirolem una car-
la viuda do malo : na ra da Roda u. 11.
Vende-se a taberna sita na praca n. 12 a
qual tera poucos lundos e muito afreguezada
tanto para a tetra como para o mato ; vende-s
em consequencia de seu proprielario querer re-
urar-se para a Europa.
Na estrada dos.Muidos, junto ao Mangui-
niio, no sitio de porlau de ferro, vende-se um boi
manso por commodo preco.
Ra da Cadeia do
Recife n. 23,
Confronte ao toece Yam
NICA, VERDADEIRA
GITIMA.
E LE-
Saia
;o
SALSA PARRILIIA
balio superior rendada, dila de mussu-
hna para senhora por 6. ditas para menina por
o, todas da melhor qualidade e com tilas pro-
s para o boro commodo, manteletes bordados
Remedio
Fornciro.
w
guro conlra Fogo
!
q uar ti
na do Gymnusio cujas roJas deve-
rSo andar mpreterivelmente no dia i-do'
futuro mez de abril.
O mesmo Sr. tbesoureiro manda
igualmente fazer publico que ras-casas
acuna mencionadas se acbam bitbetes
dj numeraeao sortidas a vontade dos
compradores.
Tbesouraria das loteras 2i de
muvode 18G0.O cscrivao, J. M. da
Cruz.
Precisa-se de urna ama
p ira tratar de dous meninos:
na ra da Madre de Dos n,
>0, primeiro andar.
: Verdaderas lavas do Jouvin de todas as
na ra da Iroperalriz n. 7, luja do Le-
LONDRES
AGENTES
I C J. Astley fe Companhia. | S^08, paletots l?Ts de V8Sem
11_____ r | de superior qualidade e de preco
\\ Vndense
para
.
SNDALO,
pulseiras e /eques :
na ra da
Iticas bongalas
Imparalriz o. 7.
= Na luja da boneca, ra da Imperadiz n. 7
J ii lern-se canas de tintura para Ungir os cabel-
- mo minutos, como tambem tingem-sc na
mesma casa em qualquer bora.
A retalbo e em porcoes, por menos
preco do que em outra qualquer
parle.
Na grande fabrica de lamancos da roa Direita
na da Irayessa de S. Pedro n. 16, vendem-
se lamancos de todas as qijalidades, por menos
i do que em outra qualquer parle, lano a
retaiho, como era pejuenas e grandes porcoes
a ca~a esl scinpre surtida de dez mil
I ruinplos.
liares
Armaco.
Aeinle-se urna, na ra de Horlas n. 29 sem
genrros : trala-sc na mesma n. 21.
A pessoa que perdeu um lenco do labv
om bico ao redore com algum'as letras
mcs dando os signaes cortos, pode procurar n
J do I.ivramenton. 26, primeiro andar.
Loleria da provincia.
Tintas de oleo.
Formas de ferro
purgar assucar.
; Estanho em barra. \
Verniz copal. g
| PalKinha para marci- !
ieito.
Yinhos finos de MoscIIe.
Folhas de cobre,
g Brimdevela: no arma- I
I zem de C. J. Astley & C.
Altenco.
Na padari'a da ra Direila n. 81, precisa-se com-
prar um cavallo muito pequeo, proprio para:
menino, anida que nao seja bom andador.
Altencao.
Precsase alugar um prclo, e sendo que o do-
no precise de algum dinheiro, pode dar-sc por
conu dos alocueis do dito prclo: na ra de Hur-
tas numero 82
nos
garantido
quaes sao pagos pelo
U abano assignado vende bilhetes da terceira
I irlo da quarla loleria do Gvninasio
' 8 por centoda le os
inesmo.
ilhele........ 6000
Meio........... 3g000
Joaquim Antunes de Oliveira.
Na cocheira do porto do Capm
, nos fundas do sobrado do Sr. Dr
Sabino, guarda-se carros e tra-
Ua-sede cavallos mais barato do
io em outra qualquer parle.
O Secretario da irroandade de N. S. do Terco
convida a todos os seus charos irroaos, para eom-
parecerem, sexta nira 30 no corrente pelas 2 ho-
ras da larde, ero nossa igreja para ncoiupanhar
a procissao do Sr. Bom Jess dos Desamparados. lfirreno proprio, por urna casa para familia
ym- ~T '! BscriTlow irmandadsdoSS. Sacraroen- do no bairro da Boa-Vista, assim como con
ini-|to da freguezia de S. Jos do Recife convida a i so outra, que seu prego nao exceda do 10
seus irmaoes, para comparecerem no Concislorio
(la igreja de N S. do Terco que. serve de matriz!
sexta luir JO do corrente pelas 2 horas da tardo
asm do acompanharero a procissao do Sr. Boro
Jess dos Desamparados, que tem de sahir da
mesma igreja.
Precisa-se de um moco para caixeiro de la-
prclyrmdo-so dos chegados ullnaamoDte
a tratar na ra da Imperatriz, loja
, casa de coromercio, desde as 7 horas da manha
as b da tarde : quera se adiar com estas liabili-
laces e que tenha informantes de sua regular
conducta, senao for conhecido, procure no lar do Corpo Santo, armazem do fallecido Miguel
Antonio da Costa e Silva, que se lhe dii quem
precisa.
J. Falque participa seus fre-
guezes e a todos em ge ral que elle aca-
ba de reeeber de Pars m sortimento
artigos de borradla, consistindo em bo-
ta% perneiras de diversas qualidades e
tudo
com-
modo : na ra do Crespn. 4.
Consultorio medico, na do
Gloria n. 3.
O Dr. Lobo Moscoso continua
seus trabaIbos mdicos.
O abaixo assignado, inventariante dos bens'
: de sua finada mai, Mara Rosa da Assumpcao
pede a todas as pessoas, que furem foreiras dos
; solos pertencenles a dita heranca, queiram apre-
Isenlar-se em casa de residencia do niesmo na '
ra da Imperatriz, sobrado n. 47, segundo andar,
coro os ltimos recibos de paga, que najara feito
! dos respectivos foros, visto que est a feehar-se
lo inventaro ; assim como, que qualquer pessoa
[que se julgar credora da inventariada, apresen-
le-se rom o competente titulo para ser visto, c
descrpla a divida, devendo tambera apresent'a-
rem-se as que forem llovedoras mesma ; e isso
no prizo de 15 dias.
Jos /(odrigues do Passo.
-- O padre Diogo de Barros Araujo faz sciente
ao Sr. Manuel Jos de Siqucira Pitonga morador
nesta cidade do Recife, que o moleque Benedicto
que o mesmo Sr. Pilanga comprou ao Sr. Ma-
noel Antonio Ribeiro, em Cruangi, e que depois
mandou por em sua cafa naquclle lugar, acha-se
om casa do mesmo Sr. Ribeiro no engenho Se-
ngi e que elle padre nao se rcsponsabilsa era
lempo nenhum por esse escravo.
--Precisa-se de urna ama para casa de pouca
lannlia: na ra do Livramenlo n. 11, segundo
andar. D
Precisa-se dn urna ama forra ou captiva pa-
ra coser c engomroar, que seja recolhda ; em
casa de madama Rosa ra Nova n. 3.
Joao Caroll subdito britannico retira-se pa-
ra fura do imperio, levando era sua companhia
um seu filho menor de nome eorge Carrcll.
Permuta-sc urna olaria nos Coelhos, em
sen-
mpra-
..0003 a
l:2U09: na travessa do Mondego n. 8, se dir
quem compra e faz csse negocio.
Vende-so um cabriolet de duas rodas, no-
vo, sem ser forrado, porem muito bcm feilo :
quem o pretender drija-sc a ra dos Pires n. 22
que achara cora quem tratar.
Precisa-se de um forneiro que saiba desempe-
nharo seu lugar : na padaria do Saralva, na ra
du Mondego n. 95.
= Precisa-se de ura official de pharmaca que
'enhaSa J anuos de pralca : a fallar na praca
da Independencia com o Sr. Manocl Figueiroa de
r irio.
Offereco-se urna ama para casa de pouca
familia ou hornera solteiro, coznha o faz o dia-
rio de uraa casa : as Cinco Ponas n. 69
raa7STnTnenlSe?dcorao r'me'dii?8
de l.lo, cortes de vestidos pretos superiures bor- livel para curar'escronhulis c-xnorl, .1 ^
dadora velludo a 50. ditos de seda' a 80S000, e rao. ASSSS!Sf^t^SiS^^
dado geral, febre biliosa e intermitiente' eofer-
, midades resultantes do empreo de mercurio
I ulceras e erupcoes que resultara da impureza d
CAUTELA.
Ww \rIi?n,nY,n & KerVp.' droIsl por atacado
-New York, acham-se obr.gndos a prevenir o res-
peilavel publico -
oulros muitas fazendas, proprias para a
ma, que se mandara amostras.
c
guares-
Madapolo a
Oo
Na ra do Queimado n.
Wnde-se raadapolio cora
ojOO a peca.
19.
pequeo loque
para desconfiar de algui te-
nues im.tacoes da Salsa Parrilha de Bnstol
hoje se vende neste imperio, declarando"
que sao elles os nicos proprielaiios da r
!do_Dr. Bnstol, teudo-lhe comprado no anno
que
a todos
1856.
Casa
direito
de
Palitos de brim a 3$.
Palitos de brim do linlio a 3$ cada um : na ra
do Oueimado n. 19.
^i
9
Cobertas de chita : na ra do Queimado n. 19.
A 2^000 a peea.
Algodo cora toque de arara a 2S a peca
ra do Queimado n. 19.
______ M
Na ra do Crespo n. 12, primeiro andar, pre-
cisa-sede urna ama para coziuhar. paga se bem.
agradando o cozmhado.
Antonio Schlapprit vai a Europa.
AGRADE CIMENTO.
Inflammarao de estomago c dores de
peito.
O abaixo assignado faz saber publicamente, e
em beneficio da humanidade, que tendo soffrdo
porefpaco de longo tempo una forte inflamma-
; e falta de resoiraco, tudo procedido da dita i-
nommni-ao, o leudo tomado e applicado varios ,
remedios-sem nenhum resultado favoravel a- ''omt,a novo : na na da Imperatriz, loja
cliaudo-sc quasi em estado desesperad!, por u'lti- dezas n. 58. de Jco Augusto,
rao recurso applicou as chapas mediciaes de Ri-
cardo Kirk, com esciiptorio i.a ra do Parlo n.
119, cora as quaes, trazendo em supuraco os
humores, em 52 dias se achou Iivre desta lerrivel
molestia, do que d ao mesmo senbor os seus
mais puros e sinceros agtadecimentos. Jos
Pinto fibeiro Porto, ra da Carioca n. 83, Rio
de Janeiro.
Reconhecida verdalera a assignatura
pelo labelliao Pedro Jos de Castro.
tu
nenhuma mais ou pessoa alguma tem
de fabricar a Salsa Parrilha de Brislol
1 fTe 8e8'edoda8u Proparacao acha-se so-
mente era poder dos referidos Lanman i Kemp
ara evitar engaos com desapreciaveis co-
binacoes de drogas perniciosas, as pessoas que
quizerem comprar o verdadero devem bcm ob-
servar os seguintes signaes sem os quaes qual-
quer outraprcparaco falsa !
Io O envoltorio "de fora esl
lado sob urna chapa de ac
seguiutes patarras:
D.
gravado de ura
trazendo ao p as
2S000 a
as de chita : na ra
Chales de
iKicvino
Vendcm-se estampados
ra do Oueimado n. 19.
Jes Vende-se um lindo
a 2.j500 cada um
T. LANMAN & KEMP
SOL AGENTS
N. G9 Water Street.
New York.
29Omesrao do outro lado tera uro rotulo em
papel azul claro com a firma e rubrica dos pro-
' pnelanos. r
3o Sobre a rolha acha-se o retrato e firma do
, inventor C. C. Wristol em papel cor de rosa.
4o Que as aireces juntas a cada garrafa tern
; nma phenix semelhaute a que vai cima do pre-
sente annuncio.
DEPSITOS.
Bio de Janeiro na ra da Alfandega'n. 89.
Babia, Germano & C, ra Julao n. 2.
Pernambuco no armazem de drogas de J. Soum
& Companhia ra da Cruz u. 22.
na
cosmorama
de
de
caiza
miu-
Escravos baratos.
supra
Vendcm-se dous carros de conduzir gene-
ros da alfandega, assim como urna casa de taina
com niuilos cmmodos, e estribara para dous
cavallos, sita na estrada do Cabo, no lugar deno-
minado Jordo, prxima ao rio do mesmo nome,
e distante uro quarto de legoa do ponto da Boa-
\iagam na ra da Penha n. 27.
_ Virginia Rosa da Costa Carvalho, inventa-
rame dos bens deixados por fallecimento de seu
pai Jos Mara da Costa Carvalho, participa que,
pelo juizo de orphaos, cscrivao Brilo, se acha"
procedendo o inventario dos bens dcixados pelo
mesmo, e por isso convida os credores do mesmo
fallecido a apresenlarem suas conlas legalisadas
para seren incluidas no inventaro.
= Existem duas cartas viudas do Orejo para o
Sr. Joao Ncporauceno Alves Maciel, na ra do
Cutovello n.5.
Aendem-se 3 moloques c 2 escravos pecas, de
13 a 20 annos de idade, 1 escrava engommadeira
c cozinheira, 1 dita quilandeira, cozinha e lava
por 1:0005), 1 dita inucamba de 20 annos de ida-
de : na ra das Aguas Vurdcs n. 46.
DELICIOSAS E IXFALLIYEIS.
----1(M ^Z'4

z^Ess: mm Z ^Wzl
eores.
Villa
\ei.Jem-se oleados decores os mais finos que
: possivol neste genero, o de diversas larguras
por preco commodo : na ra Direita n. 61, loia
de chapeos de B. de B. l'eij,
do Cabo
fina do Livramenlo. esquiua da 1ra-
vessa da Farinha.
'i Machado esta queiraando carne e bacalho,
I ir todo o prego ; cheguem freguezes antes que
se acabe.
- O abaixo assignado vendo um annuncio
inserto no Diario de Pernambuco de 23 do pr-
senle mez, qua consta do seguintc : Justino Mar-
uusdeAlmeida declara que naodeve nada nes-
y praca. e que se relira brevemente para o Ro
de Janeirovem protestar pcranle o publico de
que era Isa semelhanle noticia.que nao parti se-
nao de mao occulla lalvez.... Ecomo pode mui-
io bem ser, que baja um outro nesta cidade de
igual nome. pedc-lho por obsequio que se apr-
senle em sua casa, ra da Imperatriz n. 24 se-
gundo andar, pelo que muito lhe agradecer.' Re-
cie U de marco de 1860.-J14SHo JUarlins de
A (atenta
Vende-se um quarto muito novo, proprio
pora carga : na Camboa do Carmo n. 18.
berna,
do Porto
n. 22.
Pela delegada de polica do lermo do Cabo
se laz publico, que se acha recolhdo & cadeia
daquella villa, os escravos seguimos : Chrislovo
cr.oulo pertencente ao Exm. Sr. Di. Porlella
tendo fgido do engenho Algoduaes; Joao, ca-
ma, perlencenle a Jos Antonio de Figueiredo
lo engenho Bom Successo. que fica entre Tira-
buassu -O capilao, Jos Pereira Teixeira
Na ra da Praia do Caldeirciro n. 15 *e a-
cna urna pessoa habilitada para esercer o caro
de conlra-meslrc de una casa dealfaiate ; a mes-
roa pessoa estl prompla a sofircr um examc
Desappareceu do peder do abaixo assigna-
do. es escraves Clemente e Manoel, ambos de
nacao. os quaes sao perlencenles a Manocl Jos
orreira Gusmao, e se achavara em puder do a-
baixo assignado, em consequencia de haver as-
signado delles pela peuhora nelles feta porHen-
rique mercio, esenvao Manoel Maria : quem delles li-
ver noticia ou apprchende-los, leve-os ra Im-
perial n. 40, que ser gratificado.
Manoel Joaquim Ferreira Esteves.
Quem precisar de una ama secca, diria-se
ao becco do Rosario n. 16.
as Cinco Ponas n. 89. ha urna ama para
casa de pouca familia ou solteiro, a qual sabo
fazer todo o servico.
- TJm torno de tornear taadeira e metal mui-
lo bom e grande, tocado por uraa roda grande
a fallar com o portero da fabrica do gaz
No da 29 do corrate mez, pelas 11 horas
aa manhaa, depois da audiencia do Dr. juiz de
orphaos, se arrematar de venda, por ser a ulti-
ma praca. urna casa terrea no Cimpo Verde, com
30 palmus de frente, 50 de fundo, cozinha fra.
avahada era 1:800. penhorada a Joaquim Deme-
trio do Almeida Cavalcanti.por execucao dos her-
deiros de Francisco Carneiro da Silva, cuja casa
fica entre as casas de Joaquim de Almeida Lo-
pes e D. Josepha Leo de Castro. O escripto de
eauai acha-se em mao do porteiro.
Permuta-se um sobrado nesta cidade por
trras ou propnedades na ilha de S. Miguel: na
ra do Imperador a, 26.
Piililicafao lillcrarii.
Acha-se venda nalivraria Universal, ra do
Imperador n. 20. osElementos degeographia
obra ero 2 vulumes por Manoel do Reg Barros
bouza l.eao, razao de 6$.
Ra da Imperatriz n. 37.
O abaixo assignado pede encarecidamente a to-
das as pessoas que lhe devem alugucis de carro,
que lhe venham pagar nestes tres dias, se nao
qucreni ver os seus nomes ueste Diario.
Jcnuino Augusto Peixoto.
I ede-se encarecidamente ao Sr. bacharcl
tduardo Rabello, que dirija-se ra da Impe-
ratriz n. 37, a negocio que nao ignora
Aluga-se a loja da casa n. 17 da ma do Im-
perador, do lado do caes : a tratar no primeiro
andar da mesma casa.
= Henrique Pinto Alves deixou de ser caixei-
ro do abaixo assignado, desde o dia 17 do cor-
rente./oaouim Pi'ho Afyes.
== Acha-se recolhdo casa de delengo o prc-
te Joao, que diz ser escravo de Francisco Apri-
giode\asconceilosBrando, moradar na villa de
. Joao : potianlo, quem for seu senhor, dirija-
se este juizo. que provando lhe ser enlregue.
bubdelegacia da freguezia de Santo Antonio. 24
de marco de I860.-Aiionio Bernardo Quinteiro,
subdelegado supplenle.
A moza regedora da irmandade de N. S. do
Terco, tendo do expor- vista dos fiis, em solem-
ne procissao quaresmal, como costuma, as ima-
gens do Sr. Bora Jess dos Dosamparados, e de
Mana Santissima Sra. da Suledade, sexta foira de
TriumphoSO do corrente pelas 3 horas da tarde :
Roga por isso aos moradores Jas ras abaixo
declaradas, queirao mandar limpir as testadas de
suas cazas, para o bom tranzito da procissao. Ra
ireila, Livramenlo, Oueimado, Largo e ra do
Imperador, Travessa do S. Francisco, Cruzes-
Queimado, Travessa e ra do Rosario Larga, Ca-
bug, Nova al o m, Flores, Camboa e pateo do
Carmo, Orlas, Martirios, Augusta a o'.tar no Vi-
veiro, Cinco Ponas, a rccolher Pode tambem
as respeitaveis corporacoesque tem do a compa-
nhar a procissao o obsequio de as 3 horas, so
acnarem na i^reia.
Traspassam-se diversos penhores de ouro o
prata, que se acham empenhados por 45g, cor-
rendo o premio de dous por centoao ez, e cujo
devedor paga regularmente o respectivo juro lo-
dos os mezes ; sendo que os penhores exceden]
era valor esta quanlia : na loja de I.eile & Ma-
linas, ra estreita do Rosario n. 2, se dir
traspassa.
Aluga-se um sot.io com 4 quartos e 2 saldes:
quem pretender, dirija-se a ra Augusta, sobra-
do defronle a cocheira do Sr. capilao Manoel Joa-
quim Ferreira Esteves.
Vende-se urna negrinha sada c bonita fi-
gura, de t2 a 1 i annos de idade, por preco com-
modo : na ra do Imperador n. 28.
Attencao
Os abaixo assignados protestan) contra toda e
qualquer transaeco que lenha de fazer o Sr. Ig-
nacio Nuncs dos Santos, morador no Bongi, por
intprmedio do seu procurador Melquades, mo-
rador em Agua Fria, sobre a escrava crioula Se-
verina, a qual perteiice aos abaixo assignados por i
heranca de seu pai, o finado Jos de Araujo P-
nheiro, como em juizo provar, para o que j
esgotaram os meios conciliatorios. Jos Feli-
ciano de Araujo Pereira, Joaquina Januaria
dos Prazeres, Alaria Froncisca da Conceico.
Permuta-se uraa olaria rios Coelhs, era
terreno proprio, por urna casa para familia, sendo
no bairro da Boa-Visla. assim como compra-sc
o"1, que sen prec.0 nao exceda de 1:000$ a
1:200S : "a travessa do Mondego n. 8, se dir
quera compra o faz esse negocio.
Vende-se urna prela moca de bonita figura
propra para mucamba: no aterro da Boa-Visla
n. 21, primeiro andar.
Joao Carroll retirando-se prra fora do im-
perio participa ao respetavel publico que fica en-
ea r regado da gerencia de seu armazem d mo-
lliados o seu mano Diogo Carroll.
Antonio Jos de Freilas, subdito portuguez
vai ao Rio de Janeiro.
Joaquim Carneiro Pinto, retira-se para fora
da provincia.
Joaquim Pedro, retira
vincia.
Gabriel Domingues, subdito hespanhol, re-
lira-se para os Estados-Unidos.
O Sr. Justino Marlins de Alraeida, antes de
relirar-se para o Rio de Janeiro, queira ler a
bondade de apparecer na ra do Queimado
loja n. 10.
Antonio Jos Ribeiro, retira-se
da provincia.
ATTENCAO.
Pcrdeu-se um bracelete de ouro esmaltado de
azul, formando gomos e lodo elstico com char-
neiras; a perda foi hontem na visitaco dos
Pacos, desde a ra Nova al ao Recife, inclusive
a igreja .do Corpo Santo : rogi-se a quem o a- i
chou do annunciar ou lev-Jo ra da Jmperalriz nemorrhoidas, diarrhea,doenras da
n. 38, que so ratificar. pelle, irupc5es,e todas as euferaiidades,
Fugio no dia 6 de feverciro prximo passado
a escrava Leandra, crioula, cor fula, alta, ma-
gra, bem fallante, com os denles da frente po-
dres e alguns quebrados, e com alguns cabellos
brsncos, levando toda a sna roupa. Esta escra-
va natural da cidade de Olinda, e ha 'poucos
dias foi pegada no bairro do Recife por um pre-
to, o qual querendo leva-la para casa, foi por
ella illudido, e evadio-se na mesma occasio ;
por isso julga-se que ella anda por estes lugares
cima mencionados : roga-se a qualquer pessoa
que a pegar, que a leve ra de Santa Rila, so-
brado n. 40. primeiro andar, que ser grailficada.
AUcncao para a peehin-
cha.
Na ra Direila, sobrado de um andar n. 33-
defronle da padaria do Jos Luiz, rendem-se do'
ees seceos e de calda, caj, mangaba, limao, pi-
langa, sidro, jalea, c outras qualidades, por pro-
cos commodos ; tambem se fazom bandejas de
bolmhos de lindos modellos, que serviram no
baile de Suas Magcstades Imperiaes ; tambem se
fazem doces d'ovos, pudins, po-de-ls com en-
feites de alfinins, pastis de nata e de carne, ar-
roz de le le, jaleas de substancia : quera preci-
expuntaneo em abone das part- ar "andar fazer o arranjo de comidas para ca-
sas particulares, na mesma se faz.
Vende-se sebo em pao c em velas, vindo
de Porlo : no armazem confronte porta da al-
fandega n. 7 A.
Vendcm-se saceos com milho muito novo a
A8: no armazem do Sr. Aunes defronle da alfan-
dega.
Pastilhas vegetaes de Kemp
contra as lombrigas
approvadas pela Exm.a inspeccao de estudo de
Habana e por mullas outras juncias de hy-
giene publica dosEslados Unidos e mais paizes
da America.
Garantidas como puramente vegetaes, agra-
dareis avista, doces ao paladar sao o remedio
nfallivel contra as lombrigas. Nao causara nau-
seasnem sensaces debilitantes.
Teslcmunho
quera : Ibas de Kemp.
Srs I) T. Lanman e Kemp. _p0rt Dyron
12 de abril de 1859.- Senhores. As pastilhas
que unes, fazem, curaram meu lilho ; o pobre
rapaz padeca de lombrigas, exhalava ura chei-
ro ftido, tinha o estomago inchado e continua
comichao no nariz, tao masro se
W. T. Floyd.
Preparadas no seu laboratorio n. 36 Gold
Street pelos uncos proprietarios D. Lanman e
Kemp, droguistas por atacado em New York.
Acham-se venda em todas as boticas das
principaes cidades do Imperio.
DEPSITOS
Rio de Janeiro na ra da Alfandega n. 89.
Babia, Germano & C, ra Juliao n. 2.
Pernambuco.no armazem de drogas de J. Soum
& Companhia ra da Cruz n. 22.

para fora da pro-
para fora
(HCEMP iNUEv^YORK)
PILULAS VEGETAES
ASSCARADAS
w
NEW-YORK.
O MELHOR REMEDIO CONHECIDO
Contraconstipaces, ictericia, affecgoes do figado,
febres 6iiosos, clicas, indigesles, enxaquecas.'
milho c arroz a 280 rs. a cuia : na taberna da es-
trella do largo do Pa.raizo n. J4.
Verddeires luvas de Jouvin de
todas as cores: vendem-se na ra da Im-
peratriz n 7, loja do Lecorcte.
Na ra da Cadeia do.Recife. n. 50, primeire
andar, vende-se :
Saceos grandes cora farinha de mandioca.
Ditos eom cera de carnauba.
Ditos com farelo.
Meios de sola.
Vinho do Porto em caixinhas de duzias.
Dito dito superior.
Toalhas de panno de linho e algodo de difle-
renles tamaitos.
Barriscom cal.
Toalhas ou babados de linho e algodo,
Conlas douradas.
A pitos.
Cadeirasdc palhinha.
Vende-se urna mesa redonda, dous conso-
los, tres cadeiras e urna commoda, tudo de ama-
rillo : a tratar na ra Direita n. 82. primeiro
andat.
Farelo de Lisboa
porcommodo preco: na ra do Vigario n. 19,.
primeiro andar.
Vendem-se na taberna de Gurja do cima
4 quarlos gordos e sem achaques, de 8 annos,
pouco mais ou menos, 3 vaccas parideiras, en-
trando nesta cotila 1 novilha da primeira barri-
ga, parida ha 10 dias, esto gordas.
Aos amantes da boa
fiimaca.
Na loja da Lealdade n. 24. na ra da Concei-
co da Boa-Vista, ha excedentes charutos tra-
viala, por menos que em qualquer parla.
Na ra das Cruzes n. 21, precisa-se de ura
pwlo cozinheiro, paga-se bcm.


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FFIRA 2fi DE MARCO DE 1860.
ts\
Curso das lingoas grega e
italiana.
O abaixo assignado pretende Abrir era sua casa
um curso particular dessas linguas, que promet-
i ensina-las em oito mezes a lfir, escrever, tra-
duzire fallar grammaticalmenlc, principiando pe-
xlo da lingua italiana, em quanlo nao lhe chega-
revm os livros necessarios para a primeira que
manadou vir da Europa. As lices tero priucl-
pio too dia 3 de abril prximo, e flndaro no
dia 3\ de dezembro correle anno, sendo tres
em numero por cada urna semana, das 7 al as
9 horas ,da noile. As condiees e mdica recom-
pensa esiabelecidas, agradro por rerlo aosse-
nlnres que quizerem se matricular. Principiado
o dito gurso au ser possivel admiitir-sc msis
nenhuma oulra pessoa : os senhorc3 que quize-
rem eni lempo assignar scu nome, apparceam
na ra Dircila n. 89, primeiro andar, a qualq'uer
lioi-a do dia. /. Fachinelle.
Precisa-se de urna ama de bom leile : na
ra do Rosario da Boa-Vista n. 8.
Ama portugueza.
No caes do Rimas sobrado u. 24, no segundo
andar, precisa-se do urna mulher portugueza, i
que saiba dirigiros Irabalhosde urna casa de ta-
i Ha, c mesmo que saiba coser: a que esliver
nestas condieces e poder justificar a sua boa
conducta dirija-se a mesma casa (das 3 as 6 ho-
ras da larde; que ahiencontrar com queiu tratar.
AIraanak da provincia.
Sahio a luz a folhinha coiu
o almanak da provincia para
o corre neanno de
E
DE
Gommissao de escravos
NA
= = o
-i (B _
a.
3 g. g S I
_ O C si o*
B -, g S jj
S g g o- g.
s
rs . de-se em grandes e pequeas porres
Ra Nova, em Bruxellas (Blgica), STSaatfSKlSJS
V <' Existo na adminisiraeao do correio
SOB A DIRECTO DE E- HERVAND-
Rua larga do Rosario n. 22.
Nesla casa recebem-se cscravos porcommisso
para serem vendidos por conla de seus senhores,
afianca-so o bom tralamenlo e seguranca dos
mesmos, e nao se poupa exforcos para que sc-
jam vendidos com promplido, alim efe seus se-
nhores nao soflrerem empale com a venda del-
les. Nesto cslabelecimcnlo ha semprc para ven-
der escravos de ambos os sexos, mocos e bonitas
figuras.
Na ra do Imperador n. 28, aluga se c ven-[ 2
de-se em grandes e pequeas pon-oes bichas
.a que
modo.
dcsta
cidade lies maros de jomaos sem direcciio, para
Antonio Pcreira" Caracho, Jos Corroa de Olivei-
ra, o Jos l.uiz Alvos Rocha : os inleressados
.. <
a ts
c fb -i
3-1 ^ ^
sfgs?
O tS m
05 g. O -_
= 2,"1 O C
. X 5
a -, o ~
G 1> n
1.7. 3g- =
a? 5
r t.
0
n
o
o
a
i
ii

Ceblas novas.
Eslo-se acabando, cbelas grandes de mollio,
o cenlo a 15600, e solas a 19300, barricas com
sardinhas inuito novas, e'chegadas ltimamente
ao mercado, tambam teeatao acabando, o saceos
com feijo imarello de 6 alqueiros. do Porto,
por diminuto proco : na ra do Vigario n. 27.
REMEDIO INCOIYIPARAVEL.
UNGENTO IIOLLOWAY.
O 1
Esle hotel collocado no centro da urna das canilaes importantes da Europa, torna-sede grande comparecam para dar-lnos os deudos destinos..
Procisa-so alujar um sitio que lenha boa
posijao c
Aos Srs. terceiro
anislas.
valor paraos brasileiroseportuguezes, por seus bons commodos e confortavel. Sua p^.. bata* para cap c boa casa do vive. ra-
uma das raelliores da ciJade, por se adiar nao s prximo s estacoes de caminhos de ferro, da lar narusdalmpealrii o 18, loja
Allemsnha o Franca, como por ter a dous minulos de si, todos os theatrose diverlimenlos ; e,
alm disso, os mdicos presos convidam.
No hotel hasempre pessoas especiaes, fallando o francez, allemo, flamenco, inglez e por-
uguez, para acompanhar as touristas, qur em suas excurses na cidade, qur no leino, qur
emfim para loda a Europa, por presos que nunca excedem de 8 a 10 francos (39600 4#000 )
p0r ja> Esta no prelo urna anasyse do cdigo criminal
Durante o espago de oito a dez mezes, ahi residiram os Exms. Srs. conselheiro Silva Fer-: J 0\ ^S'^t-^A^uu^lS^m
rao, e seufilhoo Ur. Pedro Augusto da Silva Ferrao, ( de Portugal) e os Drs. Fclippe Lopes pelo proco de 10, na Uvraria Universal, onde
Netto, Manoel deFigueira Faria, edesembargador Pontes Visgueiro ( do Brasil, ) e muitas ou-! aqilcllcs que quizerem assignar poderao ir bus-
tras pessoas tanto de um, como de oulro paiz. caro que se achai publirado.
<-\ j.i _i 1 1 n -> f 1 '-.iaa x u-iiA \ rordeu-sc no da lo do crtente, na e=lra-
Ospregos de lodo oservico, por da, regulara de 10 a 1 2 francos (-15000 a 4o00.) | da do Recitei enlre ,)utus c praiere9i 'um pcquc.
^o hotel enconlram-se informa^ois exaclas acerca de ludo que pode precisar um eslrangciro ( no caderno conlondo o resultado de algumas ob-
servoodes feitas cm Olinda por l.uiz Antonio de
Sou'z l'ilanga : quem o ochar pode entregar no
consulado franco/., pola que lera una boa grati-
Qcacao, so a exigir.
3
H
l
O
5
o
5
fi B t,
a. (9
SJI 5
3
. c =
3-
0
C
s 0-3

a
^
f>5
c-
o
3
c
re
= S5
QC
3
Sirop du
dtFORGET
JARABE DO FORGET.
Esle xarope est approvado petos mais eniin- ntcs mdicos de Paris,
Icomo sendo e m^lhor para curar ccnsiipa^oes, losM convulsa e outrrs,
11eci,'es clo Iii'jnoiiios, ataques de peilo, initicAi-s nervosas c iiisomnolenci.is: uina colberaila
pela mauli, e entra noile so sufcieuies. O iDVitO desic evceteule xarope SJlisfaz ao mesmo
lempo o iloente e o nrpiiic.
O Jspotito na ra larga dj Rosario, botica de Bcrtho'omeo Francisca de Sana, n. 20.
Quem tiver para vender urna bar-
oqual se vende a 800 rs. na
praca da Independencia livra-
ria n, G e 8 contendo alm do
katendario ecclesiastico e
civil:
NOllCia <10S prillCipaeS esta- Pll('ncer uns 2 fvdos com fumo _sendo 3 da larga do llosario n 40, avallado em 1:200$ an-
, di marca T6SG, 10 da marca GSC, 7 da marca tinal, polo jmzo municipal da segunda vara, os-
ilOS da Europa e America COm ^CA 1ue vicram n? fub.ica;il0 n*". .a Mdem, krivo Bapiist- quem qzcr Untar, pode ver o ( na d Cubrol na cidade de Olinda,
. "'",do apparrcomooscnploro dos annunciantos ra esenpto na rniio do poitoirodo juuo, para as con- uaud. na Liuaut w "ua,
O IlOltlC-, idade etC. de SeUS im- d0 TraPi ] ditos fardos, pegando o competente fixitc c mars Troca-se rm bonito mulalinho de ) annos, \ e do outro lado desta grande baixa para
peraUOrcS, res e presidentes. | dLSPCZ3S Basto & Lomos consignatarios do brigue i Nos dias 27 c 00 de marco se ha tic arre-
brasileiro Infeliz, viudo da Babia, pedem a quem malar o sobrado de dous andaros e solao na ra
Milhares de individuos de todas as nacoes pp-
dom loslcmunhar as virtudes doste remedio in-
; comparavel e provar em caso neeessaro, qui,
polo uso que delle fizeram lora son corpo o mem-
i bros inteirmente saos depois do haver ompregn-
| do intilmente oulros tralamentos. Cada pesoa
; podoi-se-ha convencer dessascuras maravillosas
' pola leitura dos peridicos, que lh'as relatom
lodos os dias ha muilos annos ; c a maior parte
dolas sao tao sor prendentcs que admiras, so
; mdicos mais celebres. Quanlas pessoas reco-
braran! com este soberano remedio o uso de seus
bracos e peinas, depois de ter permanecido Ion"
go lempo nos hospitaos, onde de viam soff I
amputadlo 1 Dolas ha muilasque havendo di -
xado esses asylos de padecimentos, para seno
Isubmctterem essa oporaco doloroso, foram
i curadas completamente, mediante ousod
I preciosoremedio. Algumas das taes pessoas na
j enfusao de scu recoiih.ooimeuto declararan! es
les resoltados benficos diante do lord corre; -
dor e oulros magistrados, am de maisautci -
i arem sua lirniativa.
Ninguem desesperara do oslsdo do saude sa
'ivesse bastante confianca para ensaiar esti re-
medio constantemente seguindo algum '' mj o
mentratotoquenecessiussea natureza do mal,
do Rio ; na ra da Cadoia do Recito n. 40, casa cujo resultado sena prova rincontcstavelmi
de Marliiiho i Oliveira. ; Que ludo cura.
= 22
-i?
sfl
o o
C3 t -
EJ =
- c
t> o
4*
1
^ =5
Cf^

5
c
Compras
,;actito I:o til, mais partiea-
lurmcnte nos soarnintes casos.
prest
Tl.ftf^> .i~ Basto-A. I.emos, consignatarios da barca
ACSnmO OS lllipOStOS ge- sarda Paulo e brigue belga Emma, pedem igual-
Tir>t? T.r.n,:n;>, mente a -qcem pertencor os soguintcs vulumos
I clLS, F.OWnCiaeS, mUUlCipaeS vindos,pekn sobreditos navios e a orden, sondo
P notiriaPC po' '0|l^ caixas com missangas, pelo 2o EL
Tabella dos emolumentos
v-aroeliiacs.
1 dl3 com luvas, de mandar pagar aos annun-
cianios ts complenles fretes, visto ig:iorarcm
quem -s?jam os rocebedores de ditas mercado-
rias.
roca-:
ma
escravo peca, bom ofDcial de carapina ; na ra
do Collogio n. 20, primeiro andar.
= Precisa-se de urna mulher de idade para fa-
zer companhia a urna senhora, dando-se-lhe co-
mida, casa etc.: a tralar na ra Direila n. 1, luja
de mrudezas.
Prccisa-se de urna ama para cozinhar: na
ra Nova n. 8, loja.
Tiaspassa-se o arrendamento de um enge-
- David Artonio de Carvalho Brag, subdito !1,'0 distante desta praca duas logoas, vende-se
Empreados CviS milita- I'orUlSu*>z, retira-so para o Rio de Janeiro uo urna parte no mesmo engonho, machina nova a
' patacho nacional Tigre.
res, ecelesiasti-cos, Iliterarios
de toda a provincia.
Associacoes commerciaes,
agrcolas, industriaos, liltera-
iias e particulares.
Estabelecimenlos fabris, in-
duslriaes e commerciaes de
todas as (jualidades como io-
jas, vendas, acougues, enge-
nhos,etc, etc.
Serve elle de guia ao com-
merciantc, agricultor, mar-
timo e emini para todas as
classes da sociedade.
vapor, dstilaco nova c bem montada, 22 bois
de correia, seis quartos, algumas obras, saffr.i
plaF.tada, etc. etc. ; trata-se na ra do Crespo n.
13, oja.
I!.-lao venda na uvraria da praca da Inde-
FUBilCACO LITTERARIA.
Tratado e Economa Poltica pelo Sr.
conselheiro Pedro Autcan da Malta F0LII1MIAS PAR !8t0.
Alun^acrqae. *
Sao rogados os Srs. assignantes dosla inlercs-
sanle obra a receber o primeiro volume que est
promplo, e a salisfazer a segunda preslacao da
assignalura, na uvraria dos editores Guimaraus
& Olivcira, ra do Imperador n. 20.
Besappareoeu quinta (erra 22 do correrte
do armazeni dos Srs. Correia t Irmaos, em cc-
siao que eslava dispejanclo aesucar, um cavallo
caslan'.io, escuro, de segunda muda, de meias
carnes, com um signa! branco no p c outro
muilo pequeo na tesla, Icm o ferro C : quera
delle livor noticia, ou apnrehenda-o ou dirija-se
i ra Dfrcita o. 8.
Publicacao jurdica.
.\ < /i.i so no prelo a 2.'a odiro dos Klemcnlos de
Dircilo administrativo, mais correla e conside-
ravelmenle alterada, pelo r. Vicente Percir do
Reg, lento calhedratieo da mesma scioncia na
Compra-se um cabrolet de c|iia- ..
caca em bom estado de tole de 250 a tro rodas, que esteja em bom estado e
300 saceos de assucar, queira apparecer tenba coberta : na ra da Gloria n. .".
na ra do TiaDiche n 11, escriptorio, = Compra-se urna carroca usada para caval- ilporcas, Inflammacao dabtx.'ga.
, v lo : na ra da Senzalla Nova n. 1. Caunbras. damatriz
para tratar. Comprase urna carrora que esteja em bom Callos. Lepra.
ftCQ Otll Olllio estado>: quem a tiver annuncie por esle jornal, Canceres. Males das nemas.
Viuaa l/lll \_Miil'.ia. oudirijn-se ao Corredor do Bispo, sitio jucto a Corladuras. dos poitos.
Arrendase urna boa casa com sitio 1 fabrica do forreiro. ^ ^^ | Dores de cabeja. de olnos.
Mordedui lis.
Picadura de mos [ui
Pulmoes.
Queimadelas.
Sama
Supurar-res ,\,ti das.
Tinha, oni qualquei
te que soja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.'
das articular-oes.
- O Sr. Manoel Francisco Luiz da Silva lem Sucar'do7o"s"de Aqui'o FoSsecrcomor'am^ }**&**........' ** torcidas ou node-
uma caria o urna encommend. vlnda do Rio Oran- Snu.damlnle tSS de ?S e 20. K iuRa^^ do ligado das as pomas.
dedo Norte, na Uvraria n.6e 8 da praca da Inde- doa Estados-Unidos, moedas do cinco francos, Vcnde-se este ungento no estahei
loncas hosoanholas e mexicanas, em grandes e geralde Londres n. 224. Strand. e na loia e
pequeas poreocs. ... .
= Comp.a-'sc urna negra crioula, de bonita fi- tudos os botlca"os droguistas e outras pessoas
gura, de 18 a 20 annos de idade, que saiba cozi- encarroadas de sua venda em toda a Ai:
nhare engommar muito bem. que cosa alguma i do snl, Havana o Hcspanha.
cousa- na ma do Crum n. 1, urmazom do Ma- Vcnia-sc a800 rs., cada bocclinha contm
r.ool Jos de Sa Araujo.
da Independencia.
Analyse da constnioao,
pelo Dr. Joao .los de Moura Magalhaos, publi-
cada por seu fillio: as pessoas que quizerem dig-
nar-se assigna-la, podem dnigir-se a livraria
universal.
le
Comprase urna carrosa que esteja em bom
pesiado: quem a tiver annuncie por esle jornal,
jou dirija-se ao Corredor do Hispo, sitio jucto a
fabrica de forreiro.
Compra-se moedas de 16$ e 20# : na praca
da Independencia n. 22.
Compra-so urna morada de casa terrea,
sondo que agrade paga-so bem, sondo om boa
ra : a fallar na ra do Queimado n. 63, loja.
Attenco.
r., ululas no abdomen.
Compram se algumas casas terreas, endo bem Frialdade ou falla
^Wr?.8,' C r precS ra2oaveis : lrata-sc "a calor as exlremida-
ra ua Liu/. n. j(,s
Compram-se moedas de ouro : no cscrip- Frieirs
torio da ra do Trapiche n. 11, primeiro andar. Gen-ivas e^cal
Na ra do Trapiche n. 9, armazcm de as--
Callos.
Canceres.
Corladuras.
Dores d>- cabeca.
, das cosas,
dos membros.
Enfermidades da culis
i ni geral.
j Ditas do anus.
I ErupQdes e escorbti-
cas.
pendencia.
DENTISTA FRANCEZ. \
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- -o<
rangeiras 15. Na mesma casa tem a^ua e -<
; Faculdade de Direilo desta cidade. Subscreve-se
| para esta obra na livraria econmica de Noguei-
O bacharel Witruvio lem \ raAc- defrule d0 a,,;dc Sal Amonio n. 2,
-a 10$ por cada excmplar, pagos ao receberas
o seu escriplorio no 1* andar iduas partes iueiii cslao lmPre88s
do Sobrado II. 23 da ma Nova, agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Baker.
CUja entrada e pelaCamboadO Machinas de coser: em casa de Samuel P.
-, Johnston & C, ra da Senzala Nova n. 52.
CamiO. E' Cbegado loja de I.ccomte, aterro da
Boa-Visla n. 7, o excediente leile virginal de ro-
Engomma-se com asscio e promptido : no sa.branca para refrescar a pollo, tirar pannos,
beceo do Marisco n. 20. sardasc espinhas, e igualmente o afamado oleo
Precisa-se alugar um pretoou prcla, ja do- babosa para limpar c fazor crcsccr os cabellos,
feos, para comprar na ra c fazer o mais servico assi.n como pos imperial de lyrio de Floronoa,
de urna caca de familia, ou mesmo urna ama ns pare borluejas c asperidados da pello, conscr-
mesmas circumstancias : quem livor e quizer, va a frescura c o avelludado da primavera da
emiuneie ou dirija-se a ma de Santa Rita n. 40, vida.
J p dentieo. ^
pendencia ns. 6 e 8 as folhinhas para 1860, im- Dan ii|ri pressas nesta typographia, dasseguiutesquali-i l "I lllll l_"I Iv UL LuIiLIlv v
dad es :
BV OLIIINIIA RELIGIOSA, contendo, 'alm do
kalendario e rogiilamcnto dos direitos pa-
rochiacs, a conlinuaoao da bibliulheca do
Cristo Brasilciro, que se compoe : do lou-
frisamento 500 rs.
Rita da Impcratriz n. 7.
.ecomlc acaba dc receber do Rio de Janeiro
vor ao santo nome de Dos, coroa dos ac- Pmeiro contra-mostr da casa Augusto Chu-
tos de amor, hyninos ao Espirito Santo e I d'; c ",n 0.ul' .vi,,,l c-l'aris. Esto estabcle-
" ,' cimontoesta hoie as melhores conuicues que
a N. S., a imilaoao do dc Santo Ambrotio,, possivel para salisfazer as oncommedas dos
jaculatorias e commeraeraco ao SS. Sa- objeelos em cabellos, no mais breve lempo, co-
cramcnlo e N. S. do Carino. bc

Via-Sacra, directorio para oraco mental, SSAirlf^^: *.."., etc.. ca-
,....,,,,* O'"1" "ras de loda a especie, para homons e sc-
dividido pelos das da semana, obsequios nhoras, lava-se igualmente a cabera o m
ao SS. coracao de Jess, saudaooes devo- Estados-Unidos, semdeixar urna s pe
tas s chagas de Christo, oraooes a N. Se
Gustante-
mente
i urna instrucco em prtuguez para o modo lie
fazer uso deste ungento.
O doposito geral em casa do Sr. Si
. pharmaceutico, na ra da Crun. 22, em Per-
oambuco.
lncffladoS7

compra-se, vende-se e Iroca-se escravos
Direila n. 66.
na ra
Ra do
Loja de 4 portas.
Vendas.
Vende-se um exccllonle fogao de forro
muilo bom construido e acabado ltimamente,
que podo cozinhar para mais de 40 pessoas :
nnrlT rfolqucm q"i'or coml'ral'. diiija-se a ra da Ca-
icuU na*fk'ia d0 Becif0 5<''' ou rua d0 Vi-ari0 .
cabera dos clionios, para salisfazer os* pretenden-1 ^LhJ!.'^^ ?* '"PS"m 'ja "* '1, vcnJo "'-
i.Maiciro a.'itar.
^Lices de franee-
31

NOVO DEPOSITO
DE
nhora, ao patrocinio de S. Jos e anjo da les' obJoc,os cm caDeHo 8er5 feUos
pontear as senhoras om" casa particular.
C\S\ LliSO-BKASILEIHA,
2, Goklen Square, Londres.
J. G. OL1VEIRA tendo augmentado, cora lo- i
mar a casa contigua, ampias e exccllenles ac-
commodai-oes para muito maior numero de hos-
pedesde novo se recommenda ao favor c lem-!
l- ^
piano.
^ Mademoiselle Clemence dc Hannetot
Sfe ic Mannc ille continua a dar lic.es de ^
P irancez e piano na cidade e nos arrabal- ]
j^ dos : na rua da Cruz n. 9, segundo andar. 8
m $&?!& ^^ ^?^ ^^ w&mu
O Sr. Honorato Jos de Olivcira Pigueire-
do queira annunciar sua morada ou dirigir-se
Rua do Imperador, confronte
ao oitao do deposito do gaz.
Rorolt C ,altendendo a q-.ie os senhores con-
sumidores de golu sao pela maior parte residen-
livrariada praca da Indepcndcncia.que se preci- tesnos baiaosde Sanio Antono e Doa-Vicla, e
sa iallar-lhe._ que lulariam com grandedifliculdado se esle es-
Precisa-se de urna ama de leite, te eslabolecimento ostivosse collocado no bairro
ueotenha em abundancia, que seia do Kecife, poderao enconlrar ca rua do Impera-
i i- i i dor confronte ao oo do deposito do gaz, um
bem sadia ede bons costumes : pagase niiazem com as proporcoes eligidas para depo-
bsea. Dirigirse a' praca de Pedio II sito deste genero, o qual estar abarlo concur-
(antigO paleo do Collegioj n. 57, segn- *******! mesmos senhores. das 8 horas da ma-
do e terceiro andar.
nhaa BJ 6 da lardo, do dia
diante.
3 do correnle tm
oulras oraces. Proco 320 rs.
CA DE VARIEDADES, contendo o kalenda-
rio, rcgulamcnlo dos direitosparochiacs,e
urna collecoo de ancdotas, ditos chisto-
sos, contos, fbulas, pensamentos moraos,
receitas diversas, quer acerca Je cczinha,
quer dc cultura, e preservativo de vores i^;:., d"os
e fruclos. Proco 320 rs. vieilem osla capital continua a prestar-ihes seus
servicos e bous oiicins guiando-os em todas as
cousas que. precisem ronliccimento ortico do
paiz, ele. : alm do portuguez e do inslez falla-se
na casa o hospauhole francez.
Quer-se aingar
um moleque dc 8 a 10 annos, para compras c
recados : na rua do Crespo n. 11.
Je panno piolo o de cores, calas
e colletos de todas as qualidades, ludo obra
;sim
todas os fazen-
Chegou a este estahelecimento um con.
sortimento de obras feitas, como sejam : pal -
lois de panno tino de 16! at 2b$, sobrecasacas
de panno fino prelo c de cores muilo superior* s
a 85^, um completo sortimento do palelots
riscadinho de bnm pardee brancos, de brai
le, que se vendera por proco eommodo, t
las de linho de diversos tamanhos, can
francezas de linho c de panuinho de 2$ a: "i
prcsonca.se o desojarcm, o achar-se-ha sempre I m,.
guarda, responco pelas almas, alem de urna pessoa disponivel para corlar os cabellos, e ^. """.!" ^ ; ?im coa,0,se ln cada urna, chapeos trancezes para homoni a 8,-
, ditos muilo superiores a 103, ditos avellud
: copa alta a 13}, ditos copa baixa a 10$, ch -
peos de fellro para homcm de ?, 5}eat o
cada um, ditos de soda e de palha enfeiladosj -
| ra meninas a 10-5, ditos de palha para senhi
12g, chapolinhas de velludo ricamente enf
II.A DE POF.TA.a qual, alm das materias do
costurae, contm o resumo dos direitos
narochiaes. Preco 160 rs.
'!?i5gvi?1'S> ^-S j=>9f r?f.'
*-,-^5y ^3. >^>. x^. ^^ .:v ^t, ivvyvuivr^ X> "Oxi- "O ^> VI' x
| Ateneo.
< Curso pralico e Iheorii-o de lingua [ron- @
@ eezo por urna senhora frar.ceza, para dez {
'$ mocas, segunda e quinta-foira de cada se- -
$ mana. daslO heras at meio dia : quem $;'
$ ouiaer aproveitar pode dirigir-se a rua da -.
@ niz n. 9, segundo andar. Paganienloe @
adiantados.
d.a -!!...**;^ fr'??'> -S>>a'f> <^t-*:> -P '
^.v.^.^ v^^ v,^,^ piopnas para noiva, que atrancamos vender por
Roga-se aos -Srs. devedores do estabele- baratitatmos procos para acabar.
cimento do fallecido osda Silva Pinto, o ob- ~ Pede-so ao"fiscal do bairro de Sanio Anlo-
Filas de velludo ede seda
Na loja d'aguia de ouro, rua do Cabuga n. 1
B, vcnJem-se riquissimas filas de velludo abor-
ta e lisas, de bonitos padrocs, chegados hontem
da alfandega. assim como luvas piolas com bico
0 vidrilho, ditas de seda para homem, ditas do
coros enfeitadas para senhora, capellas brancas
toda obra por medida, dando-so
das que quizerem.
Cal de Lisboa em
pedra.
Vende-se nicamente na rua do Tra- dasa 25?> tiilas dPalha de Italia muito Anas
piche n. 9, a mais nova cal de Luboa Pg 'SS?" *"* ?m ""*?
em pedra, e por prero eommodo. i "K 'lS ; ^^ ? "f "!t; ^
1 r i gollinhas de cambi-aia de 15 ate 5?, manj
E' admiravel a pe-
chincha a
CS500 o corle.
Vende-se na rua do Crespo n. 15, corles
casemira preta setim a 6gD00 rs o corle.
Escravas.
Na gallera e officinc pholographica da rua
Nova n. l, cenlinua-se a lir*r retratos pelos
mais modernos e perfeitos-systemas. Os liaba-
liios sabidos desse cslabeleoiniento co bem co-
nhecidos o publico desta capital.
FLND
Quem precisar de urna ama para casa de
familia, dirija-se a rua da Florentina n. 3, que
adiar com quera tratar.
I DENTES S
I ARTIFICIAOS, t
de l5G0al5, organdys escuras e claras a
800 rs. a vara, cassas francezas muilo supo.
e padrees novos a 720 a vara, casemiras di-
les para colletcs, paletolse caigas de '':.'
4S o covado, panno fino preto e de cores do 2*500
at 10$ o covado, corles de collcte de velludo
muito superiores a 9 e 12$, ditos de gorg
j e de fuslao brancos de cores, ludo por preco
! j barato, atoalhado de algodo a &280 a v ,
cortos de casemiras de cores de 5 al 99, grosde-
naples de cores e prelos de 18600 at 3fSO0
covado, ospartilhos para scnlioraa 6$, ci
de casemira ricamente bordados a 12;? cada ui ,
lencos de cambraia de linho bordados para sc-
nhora a 9e 12^. cada um, ditos lisos para ho-
fazenda muilo superior, de 12 at 20# a
casemiras decores para coeiro, covado a
. barego de seda para vestidos, cova
vico d6 urna casa de familia ; tambera se_ vende 1*400, um completo sortimento de colletos uo
urna negra da 17 annos do idade, boa co/.inheira
e hbil para todo o mais servica de una caa de
familia : a tratar na iravessa da Madre de Dos
n. !6, armazem de l'erreira c\ Martins.
Vende-se sebo derretido om barricas, che-
gado ltimamente do Porto, proprio para os sc-
2 nlior.'s fabricantes de vulas : na rua do Brum n
l'KUU estrella UO ROSariO ll. 3!>ji*< armazem de Moreira Cosa & C.
) Trancisco Tinto Ozoriocolloca denles ar- @"
$ tificaes pelos lous syslcraas VOLCAMTE,
\ chapas de ouro ou platine, podendo ser @
i procurado na sobredila rua a qualquer
i hora. *
t@#!
)9BQQ@i
I IM I
Rua do Brum (passando o chafariz.)
IXo Aepozilo deste eslaVielecimenlo sempre \ia grande sovUmenio Ae me-
eliauismo para os engen\\os dc assucar a saber:
Machinas de vapor modernas, de fjolpe cumprido, econmicas de combuslivel, e de facillimo assento ;
Bodas d'agua de ierro com cubos de madeira largas, leves, fortes, e bem bataneadas ;
Cuinos de ferro, e portis d'agua para ditas, e serriihas para rodas de madeira ;
Moendas inteiras com virgens muito fortes, e convenientes ;
Meias moendas com rodetas motoras para agua, cavallos, oubois, acunhadas em aguilhoes deazas ;
Taixas de ferro fundido e batido, e de cobre;
Pares e bicas para o caldo, crivos e portas de ferro para as fornalhas ;
Alambiques de ferro, moinhos de mandioca, formas para cozer farinha ;
Rodetas dentadas de todos os tamanhos para vapor, agua, cavallos oubois,
AguilhOes, bronzes e parafusos, arados, eixos e rodas para carrocas, formas galvanizadas para purgar etc..etc.
D. W. BowmanconGaqueosseusfreguezes acharo tudo digno da preferencia corji
que o honrara, pela longa experiencia que elle tem do mechanismo proprio para os agricul-
tores desta provincia, e pelo facto de mandar construir pessoalmente as suas obras as
mais acreditadas fabricas da Inglaterra, para onde elle faz viagem annual para o dito fim,
assim como pela coutinuac,o da sua fabrica em Pernambuco, para modificar o mechanis-
mo a vontade de cada comprador, e de fazer os concertos de que poderao necessitar.
GOJftff'ArtBUA
ALLIANC
Eslabelecida cm Londres
%ms> m mu.
CAPITAL
Cinco milhoes dc libras
esterlinas.
saunders Brothers & C." tem a honra de ln-
formar aes Srs. negociantes, proprietarios de
casas, e a gera mais convier, que eslo plena- I
monte autorisados pela dita companhia para i
effectuar seguros sobre edificios de lijlo epe-l
dra, cobertos de telha e igualmente sobre os |
objedos que coutiverem os mesmos edificios,
quer consista em mobilia ou emfazendas del
qualquerqualidade.
Roga-se aos Srs. devedores a firma social
PeraaiMu-iicano da rua do
Imperador. t
Nesle eslabelecimento ha para vender urna
factura de excellentes charutos de diversas mar-
cas e qualidades a 1a caixa de 100, assim como
cevadinha nova a 200 rs. a libra, queijos chega-
dos recenlemenle, os melhores que se encon-
Iram no mercado a lgGUO cada um, amendoas
de casca mole a 210 rs a libra, presunto de fi-
ambre de superior qualidade a 400 rs. a libra,
btalas irlandczas desembarcadas hontem a ]a'
arroba, ditas hamburguezas a 800 rs. a arroba,
orvilhai novas, azeuda muilo superior, a 110 rs'
a libra.
Vidros para vi-
draca.
A 6$ a caixa: na rua larga
gorgurao, casemira prola lisa e bordada, e de
luslo decores, os quacs se vendem por barato
preco, velludo decores a 7J> o covado, pannos
para cima de mesa 105 cada um, merino al-
cochoado proprio para palelots e colletes a 2*800
o covado, bandos para armac&o de cabello a
1^500, saceos de tpelo e dc marroquini para via-
jgem, cum grande sortimento de macas e mala?
I de pregada, que tudo se vende vontade dos
| freguezes, c outras muilas fazendas que nao
I possivel aqui mencionar, porm com a vista dos
j compradores se mostraro
Ferros de engom-
mar econmicos.
Dtio-se a contento.
Vendem-se eslos magnficos ferros as segua-
les casas :
Praca do Corpo Santo n. 2.
Ba da Cadeia do Recite n. 44.
Dita da Madre de Dos n. 7.
Dita do Crespo n. 5.
particul
O abaixo assignado, residente no terceiro an-
dar do serbrado n. 58 da rua Nova, contina no
exerciciode seu magisterio, ensinandopriraeiras
letras, lalime francez, e tambera admilte alum-
nos internos.
Jos Mora Machado de Figueiredo.
armazem de louca, mandam-se botar v-1Dila Direila n. 72.
dros em casas particulares por preco S da SaU n^f
muito eommodo, assim como vendem-
se vidros a retamo do tamaito mais pe-
queo at mais de 6 palmos.
Dita do Livramcnto n. 86.
Dita da Santa Cruz n. 3
Dtadalmperatriz n, 10, frmazem dt fazendas
de Raymundo Carlos Lclte & Irrao.






(i
Na lja [Carne de vacca salgadaJPotassadalussia
E CAL DE LISBOA.
DIARIO DE PERNAMMJCO. SEGUNDA FEEIRA 26 DE MARCO DE 1860.
Encyclopedica
de fazendas finas da ra do
Crespo q. 15, de Gaspar An-
tonio Vieira Gomes, geren-
te Jos Gomes Villar
vende-se sedas, lias, linhas, algodes, perfuma-
ras, calcados, etc. etc.
Neste cslabeleeiiaenlo de fazendas finas, se
acaba de receber de Paris sedas de lodas quali-
dades pretas e de cores, manteletes de gupure,
ditas de gros bordados, chapelinas parasenhoras,
tanto de palha tomo de seda, liquissimos chales
d>' louquim de todas as cores, c outras fazendas
de muito goslo como manguitos e gollas para se-
nhoras, cassas chitas, musselinas brancas, que se
venJem por menos do quo-em outra parle, afim
de ta/er-se muito negocio.
Vende-se na ra da Cruz do Recifo n. 50, pri-
meiro andar, por menos preco do que em outra
qualquer parte.
Pechincha.
Fumo americano.
Vende-se fumo americano proprio para mas-
care fazer cigarros : na ruada Cruz do Recife n.
50. primeiro andar, caixiuhas de 20 o 40 libras
a 400 rs. a libra.
I Engenho. |
\ ende-se o engenho Santa Luzia, sito na
freguezia de S. Lourenco da Malla, enlre @
os engenhos Penedo de Baixoc Peuedo de
y Cima : trata-so no mesmo engenho ou no
@ ensenho Mussambiquo com Felisbino de &
$ Carvalho Hapozo. @
#*;>'S;3^;^@@@
Vende-se urna negra cora algumas habili-
dades : na ra nova de Sania Rita serrana n. 23.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, ora
e de superior qualidade, assira como tambem
cal virgem em pedra: ludo Dor jorceos muito
razoaveia
Salmo.
Em casa de James Crablrcc & C, na ra da
Cruz n.42, vendem-so lalas com salmao de 1,2
c 3 libras, de superior qualidade, chegado pelo
ullimo uavio em direitura da Terra Nova.
sobrecasacas
colleles.
e
Ri'losios patentes.
Estopas.
Lonas.
Camisas inglesas.
Foitos para camisas.
Biscoutos.
Em casa de Arkwight & C
Cruz n. 61.
:ad
Grande sorlimento.
4a--Rua Direita4S
Osestragadoies iltj calrado encontra-
ra) ueste estibelecitnento, obra supe-
ior pelos precos abaixo :
Homem.
Borzegjimaristocrticos. O.s'OOO
Ditos (lustre e bezerro)..... 8^'UOq
Ijorzeguins arranca tocos. 8$000
Dito econmicos....... 6"000
S.ipatoes de bater (lustre). osOOO
Senhora.
Bjrzeguitis primeiraclasse (sal-
to de quebrar) ......5#000
1) tos todos de merino contra
calos (salto dengoso). .... 4,>'500
Borzegums pata meninas (l'or-
tissimos)..........i<;000
K un pe feitosortimento de tolo cal-
cado e daquillo que serve para fabrica-
I i, como sala, couros, marro uins, cou
ro de lustre, io, fitas, sedas etc.
Relogios
Na ra da Cadeia n. 23, vendem-se casacas e
sobrecasacas de superior panno, e colleles de
seda pelos feitos por Coutard, o mais acredita-
do fabricante de Paris.

@@@@ ;
Vndese
#
@ E(opa. jrt
Camisas inglezas. @
Biscautos em lalas. $j
Em casa de Arkwight & C. ra da Cruz nu-
mero 01. &
S@-@@-@@@@@
Arados americanos e machinas
para lavar roupa : em casa de S. P Jo-
hnston & C. ra da Senzala n. 42.
Suissos.
Em casa de Schafheitlin
& C, na ra da Cruz n. 38, ven-
de-se um grande e variado
sortimento de relogios de algi-
beira horisontaes, patentes,! Na rua do Queimado n. 19.
plliTinniiiPlrnc monc nhnnn L Vcndera-Se chales borlados a seda com defeito
CIll OllOmeirOS, meiOS CnOllO- j de agua doce, a 1$ cada um ; a elles, antes que
metros, de ouro, prata doura- s
Chales bordados a mil rs,
tlELlIORESHimXAS DE COSER
DOS
Mal afama los autores de New York
LM SINCERAC.
E
WIIEELER & WILSOX.
No novoestabelecimenlo vondem-s.i as machi-
cas desles dous autores moslram-se a qual-
tl 'i i do Jia ou da noile e responstbilisamo-
nos por sua boa qualilade e seguranra :no arma-
de fazendas de llaymundo Carlos Leilo i
1 ra ila Imporairiz n. 10, anligamenlo
aterro da Boa-Visla.
............................... S
da, e foleados a ouro ; sendo
estes relogios dos primeiros fa-
bricantes da Suissa, que se
vendero por precos razoa-
veis.
Ra do Queimado
loja de 4 portas n. 10.
Ainda restara algumas fezendas para conclu-
ir a liquidado da firma de Lcile & Correia, as
quaesse vundem por deminut preqo, sendo en-
tre oulras as seguintes :
Magos de meias cruas para homem a 1*600
Ditos de ditas de cores
Ditos de ditas cruas muito superiores
Ditos de ditos para senhora
Diios de ditas muito finas
Cortes de caiga de meia casemira
Ditos de ditas de casemira de cores
Franjas de vidrilho
c relroz.
Vcndem-se franjas pretas de vidrilho e relroz,
de todas as larguras : na ra da Cadeia do Re-
cite n. 23.
Vestidos de seda bordados
a velludo.
Vendem-so ricos cortes de vestidos de seda
prelos bordados a velludo e a seda fixa, do mais
moderno gosto : nu ra da Cadeia do Recife nu-
mero 23.
Manteletes e (almas.
Vcndem-sc ricos manteletes e taimas de gros-
denaple preto bordado a agulha c enfilados com
2S000 roslo e igualmente de fil : na loja da ra da
*""" Cadeia do Recife n 23.
4&000
38000
4S000
23?OO
4 2S000 cada duzia.
Ra do llueimado n. 19.
Lencos brancos de cambraiu para algibeira a
2 a dozia.
:
:
:
:


.
GRANDE EVAR5AD0 SOPJIMEYTO
DE
Rouasp feilas c fazendas J
HA
Juoja
c armazem
DE
5$000 .
Ditos de ditas de casemira preta a 5 e 6*000 "CoberlaS dC Chita a 2$.
Bnm^transado branco de haho fino ^J Na rua do Queimado n. 19.
Cortes de coleta de gorgurao de seda 25000 TlillIjCIl SG YClllC 3 32 0
Pao prcto fino, prova de Iirao 3J e 45OOO j _
Grvalas de seda preta e de cores l3?000! Rud do Queimado 11. 19.
Alpaca prela pelo baralissimo pre^o de 320 rs.
o covado, brira de linho branco trancado a lj) a
vara, ganga franceza de edr para calr'a e paleluls
a 500 rs. o covado, lencos de cassa "de cor para
meninos e meninas a 80 rs. cada um.
A 2$500 cada chales.
Rua do Queimado n. 19.
Chales de merino eslampados a 2$500.
Algodao monstro com 8 pal-
mos a G00 rs. a vara.
Vende-se na rua do Queimado n. 19.
Cambraia adamascada.
Vende-se cambraia adamascada para cortinado,
do lindos lavrores : na iuu do (Jueimado n. 19.
240
13?000
RiscaJos francezes, largos, cores fixes
covado 200
Cliila3 francezas largas finas covado 240
Ditas estreitas 100
Piiscados de cassa de cores lindos padroes e
supejior qualidade eovado 280
Cassas de cores covado
Possas de cassa branca bordada com 8 va-
ras por 2$000
Tiras bordadas 200
Cambraias lisas muito finas peca 4&000
Ernestinas de cores para vestidos covado 240
Challes de laa bordados de seda um 2J00O
Grodenaple preto, largo covado 1*800 e 2#000
Seda, e sarja lavrada HP800 e
Vestidos brancos bordados para baptisado 55000
Veos bordados para chapeo
Entre meios bordados
Athofilhado adamascado largo vara
Lencos de chita escuros tira
Gang>5 da cores para palitos covado
25000
1JJ600
1280!
nnn v'n do Porlo> do mais superior, engarrafado,
' dito champagne, idem, dito rauscatel, idem : no
armazem de Barroca & Medeiros, rua da Cadeia
do Recife n. 4.
Pennas de ayo inglezas.
Vendem-se na rua da Cadeia do Recife, loja n.
,7. de Guedes& Goncalves, as verdadeiras pennas
100, de 3ro inglezas, mandadas fabricar pelo profes-
200 sorc'ecalyora[,bia Cuilherme Seuly, pelo mdico
- Vendem-se foges de ferro econmicos, de | PreC de lff5 a Caixa-
Bezerro francez
patento, para casas de familia, conlendo 4 forna-
Ihas, e Torno para cozinha com lenha ou carvao,
oplima invencao pela economa de gastar um J
terQo de lenha ou carvao dos antigos, c de cozi-
nhar cora mais presteza, tera a differenca de se-
ren ainoviveis, oceuparem pequeo espaco da
casa, e de fcil condurcao : vendem-se por pre-
cos muito mdicos, na fundhao de Francisco A.
Cardoso (Mesquita) rua do Brum, e as lojas de
Na ?ua do Queima-
do n.4G.
Ritas sobrecasacas de panno fino pretos '"*
le corea a 28J, 309 e 35#, tambem lomos |
'-lots dos mesmos pannos a 22} e 2i~,
;: palelotsde casemira de cores de rouil ;:
i bom gosto e Tinosa 12. UjS. ICg e 18, di-
de panno prelo para menino a 18-5 e !
; I 20, ditos de casemira de cores a 8j> o IOf, '
: cairas de casemira de cores e pretos ejun- '
: Lamente nara meninos a 73*. Rs i ins ..
- lamente para meninos a 7, 8-3, 9, l'd e
l, colleles de gorgurao de seda
grande e grosso:
Na rua Direita n. 45.
RELOGIOS.
,, ^,.,.f u>. iujuuoi Vende-se em casa de Saunders Brothers &
ferragens de Cardoso, junto a Conceieo da pon- C., praca do Corpo Santo, relogios do afama-
do fabricante Roskell, por precos commodos,
e tambem trancellins e cadeias para o mesmos,
deexcellente gosto.
te do Recife, e rua do Queimado n. 30.
Chapeos de caslor preto
e brancos
Na ruado Queimado n. 37, vendem-se os me-
Ihores chapes de caslor
A pechincha
Vendas,
e case- 3
tira a 53. t$ e 73, palelotsde alpaca pre- : ?*2JE!J? '
- de eres saceos a 4S, ditos sobreoasacos 1 J* ?0^I a2*. t! T"1** d' V'drllh,3 pre,0S
e8$, ditos de brim. de csguio o de [ S.^S??? lS* Mdm. ncas sedas pretas
. fuslo tanto brancos como decores a 4j,
15300, 55 o 6, calcas de brins brancos mui- B
, ; lo Qnos 1 53. 05 e7>, colleles brancos e do :'
j coresa 33 c 3a500, camisas para meninos i
I diversas qualidades, calcas de brins de 3
1 cores lio i- b 3$500, 4S e 5, um rico sorti- S
! ment de vestidos do cambraia brancos M
p uorJados do melhor gosto que lera appj- S
i recido a 28j>, manteletes de lil preto e de S
: cor muito superior gosto e muito moderno
p a 2113 cada um e 24, ricos casaveques de
< cambraia bordados para menino a 10J, di- 3
c. lis para senhora a 153, reos enfeiles de i$
1 troco de velludo gosto melhor quo teraap-
(: parecido a IOJi e 12, e oulras muitas fa- '
; zeodase roupas feilas que com a presenca y
f\ do fregus se far pateute. Kj
"asacas para a quaresma;
Relogios de ouroe prata, cobertosedescober-
tos patente inglez, os melhores que existem no
1 mercado, e despachados hoje, vendem-se por
i precos razoareis : no escriptorio do agente Oli-
Ricos cortes de seda prelos bordados a 753 e a dar* rU* d* C"dea d ReCfe n' 6i' Primeiro
80>, grosdenaple prelo de todas as qualidades. o
melhor que ha no mercado a 18J, e a S, 2g0o!
est se acabando.

Nesle mesmo estabelecimenlo ha um S
grande sorlimento do casacas pretas, as- i
m sira como mauda-se fazer por medida a von-
: tade do freguez. escolhendo os mesmos os
\ -. pannos a scu goslo sendo os presos a 353 :;'
|; e 40a. (i
Camisas inglezas
: Temos novamente chegados: ricos vesli- -4
; ; ilns prelos bordados a velludo a 90$, dilos !
.: bardados a seda a 75 e 60J, assim como U
is manteletes pretos da ultima moda a H
10:,2-}e30a. [>
venile-seum silio em Bemflca, margem
do Capibanbe, comessa para gran le familia, lem
arvoredos de fruclo, e nlgum terreno para plan-
taeao a tratar na rua Real n. 1, at as 9 horas da
aianbaa, e das 3 da tardo em dianle.
lavraias a I30 o covado, pannos Anos, prca
de limao, de superior qualidade e difterenles
precos, casemira prela de lodas as qualidades, e
o mais barato possivel, e um completo sorlimen-
to de fazendas de todas as qualidaacs, que tudo
se vendebaralo pnr ser loja retirada, e os donos
qiierem-lla acreditar: na rua Direita u. 104
chegando a igreja do Terco.
Botica.
Bartholomeu Francisco de Souza, na la/ga
do Rosario n. 36, vende os seguinles medica-
mentos :
Rob L'ArTecteur.
Pilulas contrasezoes.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DilaSands.
Vermfugo inglez.
Jarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Holloway,
Pilulas do dito.
Ellinir anli-asmathico.
Vidrosde boca larga com rolhas, da 2 oncas a
lzlibras *
Assira como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
prego.
Superior ao melhor
presunto de fiambre.
Linguasde vacca emsalmouta vindas
de Londres, vendcm-se nicamente no
armazem de Luiz Annes defronte da
porta da alfandega.
Loja da boa f, na rua
da Imperatriz n. 74.
Vendem-se verdadeiras luvas de Jouvin mnilo
novas, brancas, pretas, tr de canna, para ho-
rnera e senhora, a 23400 o par, pretas do relroz
com palmas de vidrilho a 15600, dilas de seda
entenadas a 2320O, lisas a 19280, ricos penlcs de
tajtaruga virados muito fortes a IOS, ditos sem
seren virados a 4g, dilos virados imitando lar-
taruga a lj600, ricos enfeiles de vidrilho pretos a
3* e 43, espartilhos de linho com carretela a 69
cada um, ricos leques imitando marfim a 2J500.
ricos manguitos com camisinha c gollinha de
cambraia bordados a 6 o par, manguitos rom
gollinha a 4> e 5, camis com gollinha a 3S e
39500, gollinha de bordado aberlo para menina e
senhora a 800 o 150O, agulhas francezas com
fundo azul de n. 6a 15, alfineles em caixinha de
cabeca chata, brancos e pretos, ricas franjas pre
las com vidrilho, ditas sem vidrilho, prelas e de
cores, fila de seda, velludo, lucos, rendas, fran-
jas, laa, linho, gales de cores e brancos, lesou-
ras, caivetes, facas, garfos e colheres de lodas
as qualidades, sapatos de marroquim e couro de
lustre para menina e senhora, ditos do Aracaty
para homem, e muitos mais objectos que se ven-
dem por menos do que em outra qualquer parle,
babados bordados para manguitos e calcinhas de
meninos.
twi
cobertos e descobertos, pequeos e grandes, de
ouro patente inglez, para homem a senhora,
de um dos melhores fabricantes de Liverpool,
Tindos pelo ultimo paquete inglez: em casa de
Southall Mellors & C.
DA
FUNDIDO LOW-MOW,
Rua da Senzala Nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a haver um
comapleto sorlimento de moendas e meias moen-
das para eu8enho, machinas de vapor e taixas
de ferro balido e coado. de todos os tamanhos
para dio.
Cheguem ao barato.
O Leile & Irmo continuara a torrar na rua
da Cadeia do Recife n. 48, pecas de cambraia li-
sa com 10 jardas a 4500 e 53, lencos de cam-
braia de linho a 3 a duzia, cambraias muito fi-
nas e de lindos padroes a 640 a vara, meias fi-
nas para senhora a 3S00 a duzia, ditas cruas In-
glezas para hornera e meninos, chales de meri-
no lisos a 43500, e bordados a 6j>, paletots de
alpaca prela e do cores a 5, ccroulas de linho
e algodao, camisas iuglezas muito superiores fc
605 a duzia, organdys de lidos desenhos a
llOO a vara, cortes de cassa chita a 33, chita
franceza a 840,280, 300 e 400 rs. o covalo, pecas
de madapolao com 30 varas a 4$800, 53, 53500,
6,7 e 83, chitas inglezas de cores Qxas a 200 rs o
covado, toalhas para mesa a 3 e 4*. cortes de
calca de brim de linho a 2, ditas de meia case-
mira a 25240 vestuarios bordados para meni-
nos, e outras muitas fazendas que se vende por
barato preco.
Xarope
O agente do rerdadeiro xarope do Bosque tem
eslabelecido o seu deposito na rua da Cadeia Ve-
lha n. 61, na botica e armazem de drogas de Vi-
cente Jos de Brlto& Filho : desnecessario fa-
zer elogios bondado deste xarope, nao s pelo
reconhecido crdito de scu autor como pela acei-
laQao que geralmente lem tido. Um cera nu-
mero de curas se lem conseguido com applica-
co do xaropo de Bosque, o qual 6 verdadeiro an-
tidoto para todas as molestias dos orgiios pulmo.
nares. Para conhecimento do publico declara-
se que o verdadeiro coutm no envoltorio a pro-
pria assignatura dos propietarios, e no falsifica-
do esta lithographada.
Attcnco.
Na rua Nova 11. 71,vendem-se carrinhos de mao
a loj, fejao amarello muito novo a 560 rs. a cuia
eem sacros por proco comraodo, farelo a 6, mi-
nio a 43500, e oulros generes por commodo erreco.
Almeida & Bursfos,
Mieguem a Pechincha
Na loja do Preguga na rua do
Queimado n. 2. tem para
vender:
40 Rua do Queimado. 40
Grande sortimento de fazen-
das para a quaresma, e ou-
tras muitas por baratissi-
mos precos para acabar,.
Do-se amostras eom pcnhivr.
Chaly e merino decores, ptimo nao s para
roupoes evesiidos de montara de Sra. como para
vestuarios de meninos a 360 e 400 ris o cova-
do Challes de merino estampados muito finos pelo Cortes de vestido de seda de cores com
derainulo prego de 2:500 cada um musselinas babados
modernas, bastante largas, de variados padroes
a 260 e 280 ris o covado grvalas a fantazia.o
mais moderno posivel alie 1200 cada urna, e
outras muitas fazendas, cujos presos extraor-
dinariamente baratos, slisfarao a expectativa
do comprador.
Com toque de avaria
1:800
Corles de vestido de chita rocha fina a 1:800
lencos de cambraia brancos a 2:000 2:500 3?J
4:000 a dusia dilos com 4 palmos por cada face
ede 4 e meio por 5:000 cousa rara no Arma-
zem de fazendas de Raymundo Carlos Leite &
Irraaos. rua da Imperatriz n. 10.
Carneiros gordos.
No engenho Forno da Cal vendem-se carneiros
gordos por prero commodo.
kssss as msm *ss eesss
i GRANDE ARMAZEM I
Roupa feitaj
Dilos de dita prela com babados
Ditos de dita gaze phanlazia
Roroeiras de fil de seda preta bordadas
Taimas de grosdenaple preto bordadas
Grosdenaples de cores com quadriuhos
covado
Dilo liso prelo e de cores, covado
Seda lavrada prela e branca, covado lj o
Dila lisa prela e de cores, com 4 palmos
de largura, propria para fo'rros
Corles de vestido de seda de gazo trans-
parentes
Ditos de cambraia e seda, barra no lado
Orlandys de cores, lindos padroes, vara
Manguitos de cambraia lisos o bordados
Tiras e ntremelos bordados
Mantas de blondo brancas e pretas
Ditas de fil de linho prelas
Chales de seda de todas as cores
Lencos de cambraia de linho bordados
Dilos de dila de algodao bordados
Panno preto e de cores de todas as qua-
lidades, covado
Casemiras idem idem idem
Gollinhas de cambraia de todas as qua-
lidades de 600 rs. a
Chales de touquim brancos
Dilos de merino bordados, lisos o cs-
I lampados de lodas as qualidades
[Enfeiles de vidrilho francezes prelos o
de cores
j Aberturas para camisa de liuho e algo-
dao, brancas e de cores
11 Saias balao de varias qualidades
Chapeos francezes finos, forma moderna
L'm sorlimento completo de grvalas de
seda de todas as qualidades
Camisas francezas, peitos de linho e do
algodao brancas e de cores
Rua Nova n. 49, junto
a igreja da Conceicao dos |j
Militares. f|
Neste armazem encontrar o p"'>t',n
um grande o variado sorlimento de
pas feitas, como sejam casacas, sobreca-
sacas, gndolas, fraques, e paletots de 3
panno fino prelo e de cores, paletots c *j>
sobrecasacas de merino, alpaca e bomba- j
zina pretos e de cores, paletots e sobre- ^>
casacos de seda e casemira de cores, cal- % ,
Cas de casemira preta e de cores, ditas de S5 nil o 1C1- ?"
merino, de princeza, de brim de linho M I ? brancas e de corcs
branco c de cores, de fuslao e riscados, S Cero<,lM de linho c de algodao
calcas de algodao, colleles de velludo
prelo e de cores, dilos de selim prcto e
branco, ditos de gorgurao c casemira, di-
tos de fustocs e brins, fardaraentos para
a guarda nacional, libres para criados,
ceroulas e camisas francezas, chapeos e
grvalas, grande sorlimento do roupas
para meninos de 6 a 14 anuos ; nao agra-
I

9
9
1&200
8
33000
1&500
10)5000
16J000
1&000
I
I

3
S
$900
55
S
50000
9
3;500
9
C^OOO
bjOO
dando ao comprador algumas das roupas | > Dlcr""as
feilas se apromplarao oulras a gosto do fk l,il;is Je seda para menina,
comprador dando-se no da convenci- > '-uvas de fio de Escocia
cores para
comp
[ nado.
:-5
O

S Com loja de fazendas na rua do Cabuga j
Jw n. 8, fazeui scienlc ao respeitavel publio 5
g, aos seus amigos e freguezos, que se achara 2
prvidos do mais completo sorlimento de **
?S lazendas linas e grossas, como tambem de
r roupas .citas francesas e perfumaras.
m lem tudoquanlo preciso para apromp- @
H tar-se para a quaresma. e estao resolvidos
9 a yenderem demasiadamente baratas, e
D mullas fazendas por menos de seu valor >
5 para fecharem conlas. Dao-se amostras. C**
Vendem-se 90 apolices da corn-
panhia do Beberibe : a tratar com Mar-
colino Jos Pupe, no eicriptorio da
mcsina coiupanliia.
- Vndese um grande sitio com casa de vi-
venda, muito porto desla praca, com grandes bai-
xas para capim, que se corlam 100 feiies de ve-
rao a invern, com pasto para vaccas de leite e
plaotacoes de verduras, rom alguns arvoredos de
Iruclo, boa agua de beber, tanque para banho
quem o pretender, dirija-se a serrana n. 55 da
rua da Traa, de Jos lligino de Miranda.
Taclias para engenho
Fundico de ferro e bronze
DE
Francisco Antonio Correia Cardozo,
tem um grande sorlimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz e concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido comobatido.
SISTEMA MEDICO DE HOLLOWAY.
riLULAS IIOLLWOY.V.
Este nestimavel especifico, compoolo infeira-
mente de hervas medicinaos, nao contera mercu-
rio, nem alguma outra substancia delocteria. Be-
nigno mais tenra infancia, e a compleicao mais
delicada igualmente prompto e seguro para
desarreigar o mal na complejo mais robusta ;
inteiramente innocente em suas operacoes e ef-
feitos; pois busca e remove as doencaa de qual-
quer especie e grao por mais antigs e leazos
que sejam. c
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j estavam as portas da
morte, preservando em seu uso : conseguiram
recobrar a saudc e forcas, depois de haver tenta-
do intilmente todos osoutros remedios.
As mis afilelas nao devem entregar-se ade-
sesperaco ; facam um competente ensaio dos
efJicazes efleitos desla assombrosa medicina, e
prestes recuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguinles enfermidades :
'-3iS$3%s
53^
;-%M
Pianos
Saunders Brothers & C. tem para vender em
seu armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
alguns pianos do ullimo gosto, recentimente
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood &Sons de Londres, e
muito proprios para este clima.
em grande sorlimento para
liomens, senhoras e
mejiiuos.
Vendem-se chapos francezes de superior qua-
lidade a 6550o. 7 e 8S. ditos de velludo, copa al-
ta e baixa a 7$, 0 o 10$, dilos de lonlra preto; e
de cores, muito finos a 63 e 78, ditos do chile a
3JRS00, 5, 6, 8. 10 c 12?, dilos de fdlro em gran-
de sorlimenlo, lano em cores como em qualida-
des, para homens e meninos, de 89500 a 7$, di-
GapeUas brancas para noivasmuilo finas
Um completo sortimento de fazendas
para vestido, sedas, laa e seda, cam-
braia e seda tapadas e transparentes,
covado
Meias cruas brancas e de
meninas
par
pardas, para
menino
Vclludiiho de cores, covado
Velbulina decores, covado
Pulseiras de velludo prelas e de co-
res, o par
Dilas de seda idem idem
Um sortimento completo de u-'as de
seda bordadas, lisss, para Shoras,
homens e meninos, de todas as qua-
lidades
Cortes de collele de gorgurao de seda
de cores
Dilos de velludo muito finos
Lencos de seda rxas para senhora
Marquezitas ou sombrinhas de seda com
molas para senhora
Sapalinhosde merino borJados proprios
para baplisados, o par
Casinetas de cores de duas largurasmui-
lo superiores, corado
Tafet ixo, covado
Selim prelo, encarnado e azul, proprio
para forros, com 4 palmos de largura,
covado
Setim liso de todas as cores. covado
Chitas francezas claras e escuras, co-
S
s
3
s
3SQ
13200
?700
2S0O0
laOOO
vado a 2C0 e
Cassas francezas de cores, vara a 500 e
dilos de palha ingleza, copa a la I? 77 "" a 5 e
ores e muilo em "conla. Tone lis :"- ^ de tSTgar0 ?rclos
Ierra, de diversas qualidades, para I Lollannhos de "guiao de liuho mo-
H'ilC lin Til m I -1C mi 1 i .)-, .1 ., ., .. ... )___
tos de gorgurao cora aba do couro de lustre, di-
tos de casemira com aba forrada de palha, ou
sem ella a 4g, dilos de -
e baixa, superio
francezes e da
meninos, chapeos de muitas qualidades para me- (
ninas de escola, chapelinas com veo para senho-
ra, muilo em conla e do melhor goslo possivel,
chapeos de seda, dilos de palha amazonas, enfei-
les para cabeca, luvas, chapeos de sol, e ootros
muitos objectos que os senhores freguezes. vi- ,
ta do preco e da qualidade da fazenda, nao dei- 'iclo310s c obr'1s de ouro
xarao de" comprar ; na bem conhecida loja de CrU's Je casemira de cores de 5> a
'jiapeos d^a j^ua Direita n. 61, de B. de B. Feii.
demos
Um completo sorlimento de roupa feita
sendo casacas, sobrecasacas, paletots
colleles, calcas de muilas qualidades
de fazendas
Hellos c obras de ouro
8
ScOOO
2j00
%
2JP00
1-OOO
S500
1?600
532/5
Ci
5
1000
i
I
12s000
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Arcias(malde).
Aslhma.
Clicas.
Convulscs.
Debilidade ou exteruia-
cao.
Debilidade ou falla de
forcas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dor de garganta,
de barriga,
-nos rins.
Dureza no venlre.
Enfermidades no ventre.
Dilas no figado.
Ditas venreas.
Enxaqucca.
Herysipela.
Febre biliosas
Febreto internitente.
Febreto da especie.
Cotia.
llemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestes.
Infiammacoes.
Ir r eg ularidades
menstruaco.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis.
Obstruccao de ventre
Phtysica ou consump-
pulmonar.
Retenco de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras
Venreo (mal).
Vendem-se esta3 pilulas no eslabelecimento
geral de Londres n. 224, Strand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America do
Sul.IIavana e Hespanha.
Vendem-se as bocelidhas a 800 rs. cada urna
deltas, coutem urna instrueco em portuguez pa-
ra explicar o modo de se usar destas pilulas.
O doposilo geral em casa do Sr. Soum
pharmaceulico. na rua da Cruz a. 22, em Per-
nambuco.
~J5'7_
Vendem-se fazondas por barato
preco e algumas por menos de seu
valor para acabar, era peca e a reta-
Iho: na ruado Queimado'loja de 4
_ portas n. 10.
wwm-mwm-wm:
Algodao moaslro.
A 600 rs.avara.
No armazem da rua do Queimado n. 19, ven-
de-se algo ""
ralo preco
Cocos italianos
de follia d l indres, muito bem acaba-
,dos, podando um durar tanto quanto
Iduram quatrodos nossosa 400 rs. um
, e 4$ uma duzia : na rua Direita n. 47,
loja de tunileiro.
Acaba de chegar do Rio de Ja
neiro alguns excmpiares do
primeiro e segundo volume
da Corographia.
Histrica chonoloeica, o-enoalofica
. ip; a?8 s tLXid^r. ^"j! h? s. >& ^
p^ra toalhas de mesa por ser de superior quali- Sl1 peluUr. Mello Moraes : vende-se a
4$ o volume, podendo-se vender o se-
gundo em separado : na livraria n. 6 e
8 da praca da Independencia.
Para a quaresma.
Sedas pretas larradas. lindos desenhos
covado
Gorgurao de seda lavrado, superior em
qualidade, para vestido, covado
Grosdenaple prcto, covado
Dito largo e muito superior a 2$ e
Sarja preta larga, covado
na rua do Queimado, loja de 4 portas n
^yZZZTzr.*. '-:- -y/- ---..:.:.;
Conliuua-se a vender f.,/"i, :
*g preco at mesmo por menos do seu valor H
! .* atim de liquidar coritas : na loja de 4 portas
g na na do Queimado n. 10. f
Rua da Senzala iNova n. 42
Vende-se em casa de S. P. Jonhston 4 C. va-
quetas de lustre para carros, sellins e silhes in-
glezes, candeeiros e casticaes bronzeados, lo
por sacca de milho ;
Irmos.
nos armazens de Tasso
lg600
2c000
1g80(l
2c50C
2ceoc
10.
4,000 rs.
j milho; nos aimazen
Nova invencao aperci-
Coada.
Bandos ou almofadas
de crina para penteados de
senhora.
Vende-se nicamente na rua da Cadeia do Re-
cife n. 48, loja de Leite & irmao.
Rua do Queimado n. 37.
en* 30$cortcs de vestidos Je seda que custaram i e'^zes, c 0_
r,t:,r,m^rleS l T*8tld1.lde Phautasia que as inglezas, lio de vela, chicote para carro's, e
custaram 30, a 8$ chapehnhas para senhora:! montana, arreos para carro de um e dous caval-
na rua do Queimado n. 7. ^ os. e relogios d'ouro patente inalczes.
Meias de seda de peso
para senhora, brancas e pretas, e p3ra meninas,
brancas e nscadas: vende-se na loja de Leite
4 Irmao na rua da Cadeia do Recife u. 48.
Vende-se
o engenho Aremun sito na freguezia da Esca-
ria, no limite oo Cabo, arredado um quarto de
legua da estrada de ferro, com bastantes
Brim trancado de linho todo
preto,
fazenda muito superior; garante-se que nao
desbota : na rua da Cadeia do Recife n. 48, lo-
ja de Leite & Irmo.
Enfeiles de vidrilho e de retroz a 4 cada
um : na rua do Queimado n.37, loja de 4 porta?.
Em casa de Rabe Scbmettan & lp8"a da estrada de ferro, cora bastantes maltas
C, rua da Cadeia n. 37. vendem-sp VIr?ens- cdincado de ovo e iodo demarcado : a
Ql j c ', vV\ae.m "Se i tratar no mesmo engenho como propietario.
- Vende-se um carro de 4 rodas, bem cons-
truido e forte, com assento pura 4 pessoas de
dentro, e um assento para boleeiro e criado fra,
forrado de panno uno. e ludo bem arrar.jado :
para fallar, com o Sr. James Crabtree & C. n.
42, rua da Cruz.
0 gaz liquido purificado.
Na rua Nova n. 20.
RiquiSsmo sorlimento decandieiros grandes
e pequeos, de nova invencao, com todos os
competentes; preparos para dar luz um anno in-
leiro sem quo possa falhar, o que muito deve
agradar aos compradores, e tambem fu-a se for-
neceodo os pisparos para os dilos quando se aca-
bar ; na rua Nova n. 20, loja do Vianna.
elegantes pianos do afamado fabrican-
te Traumann de Hamburgo.
SABO
do deposito geral do Rio de Janeiro : a tratar
com Tasso & Irmos.
Farfolla de mandioca
nos armazens de Tasso & Irmos.
Milho
1 aos armazens de Tasso & Irmao*.
5-


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 26 DE MARCO DE 1865.
ARMAZEMPUOGRESSO
DE
Manleiga perfe.tamcnle flor a 800 rs. a libra e_ em barril se ar mais algum abatimenlo.
Quimbos muito hoyos
a 1J700 rs. e em caxa se far mais algum abatimenlo nicamente no armazera Trogresso.
A.n\exas fraueczas
cm latas de folha e campotoiras de vidro a 900 rs., e di porco se far algum abatimenlo s no
Progresso. "
Caviocs dcnolmuos
muito novos proprios para mimos a 500 rs., c cm porro se far algum abatimenlo s no Progresso.
Figos de comadre
era caixinhas elegantemente enfeitadas c proprias para mimos s no Progresso ecom avista se far
um preco commodo.
I-atas de soda
com 2 1|2libras de diferentes qualidadesa I96OO rs., nicamente no arraazcm Progrcsso.
Conservas
a 700 rs. o frasco vende-se nicamente no arroazcm Progresso.
\rin\ios engarrafados
Torio. Madeira, Xerez, Huscalel, Feiioria. Bordeaux, c oulroa muilos mais e com a visla se faja o
piojo commodo, conforme a qualidade son I'rogresso.
\in\ios cm pipa
Lisboa, l'igueira e Tratos de 800 a 60 rs. a garrafa em porco se far algum abatimento
se [nicamente altendendo a qualidade) no armazem Progresso.
1&o\acuin\ia hgleza
muilo nova a 320 rs. a libra e barrica 4$, nicamente no Progresso.
Potes vidrados
de la 8 libras proprios para manleiga ou oulro qualquer liquido de 400 a 1200 rs. cada ura, se
no Trogiesso.
Hoce de go'iaua
muito fino de l$a 19500 ocaixo, s no Progresso.
CnocoYatc raneci
a 1S a libra, assim como vendom-se os seguintes gneros ludo recenlemcnle chega lo c de superio-
res qualidades, presuntos a 480 rs. a libra, chouriea muito nova, marmelada do mais afamado fa-
bricante de Lisboa, maca de tomate, pera secca, passs, fructas em calda, amendons. nozos, frascos
com amendoascoberlas, confeilos, paslilhas de varias qualidades, vinagre branco Bordeaux proprio
para conservas, charutos dos melhores fabricantes de S. Flix, magas de todas as qualidades, goni-
nia muito lina, rrvilhas rancezas, champare das mais acreditadas manas, cervejas de ditas,
spermacet-c barato, licores francezes muito linos, marrasquino de zara, azeile doce puriticado, azei'
i muilo novas, banha de porco refinado e outros muito gneros que encontrarao tendente
Torio
vende-se
Sal doAss.
Vende-sc a bordo do brigue Alfredo : trata-
se com Teixeira Basto, S & C largo do Corpo
Sent n. 6, segundo andar.
Albardas inglezas.
Ainda ha para vender nlgumas albardas ingle-
zas, excellenles por sua duraco, levesa e com-
modidade para os animaes : em casa do Ilenry
Gibson, ra da Cadeia do Recifo n. 62.
Superiores chapeos de manilha.
Esles excellenles chapeos que por sua qualida-
de e eleroa duraco, sao prefcriveis aos do Chi-
le ; existem venda nicamente em casa o
Henry Gibson, ra da Cadeia do Recite n. 62, por
prer;o commodo.
Vende-so urna negrinha de 15 a 16 annos,
sabendo coser, cozinhar e engommar: no Man-
guinho. em frente do sitio do Sr. Accioly.
Pianos 4 venda
Em casa do E. A. Burle & C, ra da Cruz n.
48, ha sempre para vender um completo sorl-
menlo de ricos e excellenles pianos de todos os
precos e qualidades, os quaes sao de muila du-
raco pela sua boa conslruccao. Esles pianos
que foram premiados com a medalha de primei-
ra classo na exposieo universal de 1855, alem
de sercm de 7 oitavas e 3cordas,sao de Jacaran-
da e chapeados de metal. As pessoas que preci-
sarem podem cmpralos com 20 ou 30 0p0 de
menos que em outra qualquer parle.
Carne de vacca salgada, em barris de 200
libras : em casa de Tasso Irroos.
Vende-se superior linha de algodao, bran-
cese do cores, em novello, para costura : em
casa de Scuthall Mellor & C, ra do Torres
n. 38
Em casa de Henry Forsler & C, ra do
Trapichen. 8, vende-se :
Arreios americanos.
Bombas idem.
Foges idem.
Arados idem a 303000.
Champagne e cognac.
Relogios americanos.
Farinha de trigo de lodas as marcas.
Lampeos de nalenie com azeite proprio.
Yilio de Bordeaux.
de Kalkmann IrmosA C, na da
en
MUUUMk

SI MUU.
Sita na roa Imperial n. i 18 e 120 junto a fabrica de sabao.
DE
Escravos fgidos.
No dia 6 do corrcnle fugiram d engenho
Ucha o escravo Filippo, cabra, estatura regu-
lar, pouca barba, cora signaos do bexiga no ros-
to, representa ter 32 annos de idade, falla bcra ;
e no dia 8 o escravo Marcbiino, denarao An-
gola, cor fula, alio e seoco, sem barba, tem nos
bracos signaos de vaccina, na testa urna cicatriz
em forma de meia la, eem cima de um dos ps
urna sicalrizque repuchou alguma cousa a pelle,
tem a falla descansada, bem feito de rosto c re-
prsenla ter 28 anuos de idade ; ambos estes cs-
cravos levoram calca de algodao azul trancado e
camisa de algodao de listra, alem de mais
ron:
Sebastian J. da Silva dirigida por Francisco Bciuiiro da Costa.
Neste estabelecimento ha sempre promptos alambiques de cobre de ditTorentes dimenoes
(de 3009 a 3:000^) simples e dobrados, para destilar agurdente, aparelhos destilatorios contnes
para restilar e destilar espirtos com graduaeao at 40 graos (pela graduarao de Sellon Cartier) dos que possuinm, e supe
melhores syslcmas hoje approvados e conhecidos nesta e outras provincias do imporio, bombas ra seguircm viajera Dar o serta,, do Rnhral V
de lodas as dimoricoes, asperanle3 e de repucho lano de cobre como de bronze e ferro, torneiras =luirpm viaem para o serlao do sobral de
de bronze de iodas as dimenooese feitios para alambiques, tanques etc., parafusos d'e bronze e e Pnmcir natural : quen. os ipprehen-
ferro para rodas d'agua,portas para fornalhas e crivos de ferro, tubos de cobre e chumbo de lodas dor junios, ou a cada um dfc per si, ou delles d* r
as dimences para encmenlos, camas de ferro com armaco e sem ella, fugos de ferro potaveis e noticia, ser bem recompensado pelos seus do-
economicos lachas e lachos de cobre, fundos de alambiques, passadoicas, espumaderas, cocos nOS no refori.ln on-romn> iLhA.
para engenho, folha de Flandres, chumbo cm leneol e barra, zinco era leneol e barra, lsnccs e ; '
arroellas de cobre, lenccs de ferro a latao,ferro SU ocia inglez de lodas as dimnses, safras, tornos
e folies para frrenos etc., e outros muitosartigos por menos proco do que em outra qualquer
parle, desempenhando-se toda e qualquer encommenda com presteza e perfeicao j conhecida
e para commodio'ade dos freguezes que so dignarem honrarcm-nos com a sua confianea, aeha-
rio na ra Nova n. 37 loja de ferragens pessoa habilitada para tomar nota das encommendas.
Pechincha.
om pequeo toque de avaria.
Na ra do Queimado n. 2, loja do Preguica,
vendera-se pecas de algodao encorpado, largo!
com pequeo tuque de avada a2jj5O cada urna.
Aos amantes da economa
Na ra do Queimado n 2, loja do Preguica,
vendcm-se.chilas de cores fixas bstanlo escu-
ras, pelo baratissimo preco de 6g a peca, e 160
rs. o covado.
'Vende-sc urna loja de miudezas na
ra Djreita, a qual tetn poucos fundos,
e por uso propria para quem quizer
principiar neste negocio : quem pre-
tender dirija-se amestm. ra Dir ta lo-
ja de calcado n. 7.
Vende-se por muilo commodo preco, a di-
nhoiro ou a prazo, um engenho d'aga. bom
moedor, com boas Ierras, situado entre a villa do
Em casa
Cruz n. 10 enconlra-se o dopdSito das' bpm co- cnilo c a Escada, distante daquclla villa tres le-
nhecidas marcas dos Srs. Brandcnburg Freres.' Soas : q" e dos Srs. Oldekop Mareilhac & C, em Bor- '** 9ue a'1 achara com quem tratar, das 11 ho-
1 ras do dia as 2 da tarde.
deaux. Tem as seguinles qualidades .
De Brandcnburg frres.
St. Estph.
aSt. Julien.
nioinados.por sso prometom os proprielanos venderom por muilo menos do que oulro qualquer Margaux
promotem mais lambem servirem aquellas pessoas que mandarem por outras pouco praticas como I Larosc.
se yiessem pessoalmente ; rogam tambem a todos os sanhores de engenho e senhores lavradores
queiram mandar suas encommendas no armazem Progresso que se lhes alRam-a a boa qualidade e
o acondicionanionto. "
YcrAaAciva goma de mata vana
a 400 rs. -a libra, s no Progresso.
Palitos
lidalos para denles a 200 rs. o maro C3m 20 raacinhos, s no Progresso.
REVISTA HEBDOMADARIA
COLLASOBADO
PELOs SRS.
D. Antonia da Costa -A. F. de Castilho-A. Gil-Alcxandre Hereulano-A. G. Ramos-A. Cnima-
raes-A. de Lima-A. de Oliveira Marreca-Alves Branco-A. P. Lopes de Mcndonca-A. Xavier
Rodrigues Cordeiro-Car*s Jos Barreiros-Carlos Jos Caldeira-E. Pinto da Silva* e Cunha-F
irnos e-e Amorn -F. M. BordalloJ. i de Freitas OliveiraJ. A
Ch.^teau I.ovillc.
Chteau Margaux.
De Oldekop & Mareilhac.
SI. Julien.
St. Julien Mdoc.
Chateau Loville.
Na mesma casa ha
vender:
Sherry em barris.
Madera cm barris.
Cognac em barris. qualidade fin*
Cognac em caixas qualidade inferior.
Ceneja branca.
Vende-se
linha de novello de lodos os sortimentos, meias
de seda inglezas de peso e mais inferiores, bran-
cas c prelas, por precos commodos : em casa de
Henry Gibson, ra da" Cadeia do Recite n. C2.
Labyrinthos.
Na loja ao p do arco de Sanio Antonio, ven-
dem-se duas riras toallias de labyrintho, sondo
urna toda de labyrintho e a outra de labyrintho a
rod.i, proprias para baplisado.
Relogios.
Vende-se em casa de Johnston Patcr & C, ra
do Vigario n. 3, um bello sortimciilo
de ouro, patente inglez, de um Jos
200,000 de gralifi-
caco.
Desde o dia 15 de fevereiro prximo passado,
fugio do engenho S. Joao do Cabo'D negro Ama-
ro, de nacao, official de pedreiro e meslrc do as-
sucar, alto, bom corpo, com 35 annos de idade,
moio lila, anda desembarazado o um lano Pro-
bando, leni na testa e na massaa esquerda assim
como na canella da perna direita un.as cicalrizes
osbranqnioadas e nos peitos um vergao atraves-
sado. Foi comprado em 1887 ao Sr. Tiburcio
Antonio de Oliveira c antes desla dala tem osla-
do em Santo Ignacio c engenho Novo do Cabo : ';
provavel que se inUlule de for.o ou do pagador
de semana : quem o pegar lovo-o ao oi-gi nho
S. Joao do Cabo, ou as Cinco Puntas, na fabrica
de vinagre, que se pagar a recompensa promet-
ida.
Fugio no dia 7 de nove*mbro do anno pro-
de relogios ximo passado o escravo Fclinpe.de na<-ao Ar-
nbom urna sl3'dc i(,ade ^ a 50 oikos, coraos signaos
para
AmorimF. M. Bordallo
voJ. daC
PiresJ. H. da Cunlia RivaraJ.
-J. A.
AndradeCorvo-J. da Costa Cascaes-J.' Daniel Collaco-J. E. de Magalhaes Coulinho"-7. G. Lobato
iha Rivara-J J. da Graca Junior-J. Julio de Oliveira PintoJos Mara
Latino Ccelho-Juo Mximo de Oliveira Piracntel-J. Pedro de Souza-J. S. da Silva Ferraz
fleirn"nL,S-'Ml^-eaHdf0 Jos da *-" Filippe Leite-Lu Jos da
Lopes-iio Cmara Siva-Paul "lasi-Ricardo Julio Ferrac-Valeclim Jos da Silveira
DIRIGIDO
i-or
A. P. de CarvalloI. F. Silveira da MltaRdrig Paganiao.
Destinado a resumir todae as semanas o Movimcnto jo-raalistico e a ofTereoer aos leitocos, con-
luntamenle coa a revista do que mais noUvelhouver occorrido na poltica, na scicncia, na indus-
tria ou as artes, alguns artigue orginaes sobre qualquer destes assumptos, o aiiciuvo lxivehs\l
desde Janeiro de 1859, em que comesou a publicar-se. iem salisfeito aos seus ns, com a maior
exactidao e regularidade.
Publica-se todas as segundas feiras era fo'.has de 16 p'aginas, e completa todos os semestres
um volume de 420 paginas com ndice e frontispicio competentes.
Assigna-se no escrptorio deeie Diario, ra dasCruzcs, e na ra Nova n. 8.
Treco da ass^-natura : pelos paquetes vapor 10g200 por auno ; por navio de vela 88 (moeda
brsileira). '
Ha algumas eollecQoes desde ocomego da pablieagao do jornal.
A 3G0 rs.
I.aas para vestidos eroupas decriancas, fazen- i
das de padres modernos : na ra do'Queimado '
n. 17, a primeira loja passando a botica.
Por metade de seu valor.
Sedas prelas lavradas cm corles, pelo dimnu- : Pectavaa dos compradores.
Maia-J. A. Marques-J. de |0 preco de 2()g o corle : na ra do Queimado n. '
17, a primeira loja passando a botica.
Aos ainunles do barato.
Confronte a travessa dc
S. Pedro.
7Rna Direita7
O proprietaro deste estabelecimento, qneren-
do acabar com urna factura decalcados france-
zes, expz ao publico, pelo preco abaixo ;
Borzeguins inglezes ljOOO.
Ditos francezes, lastro de phanlazia 95500.
Ditos ditos aristocrticos 9S.
Ditos ditos de pellica c lustre 8>.
Ditos econmicos 6S-
Sapatoes francezes de lustro a phanlazia 63-
Ditos dilos democrticos 5:500.
Ditos econmicos 3j500 c ;J00.
Sapalos de entrada baixa rom sallo 43500.
Hilos de dita sera sallo 3;5.
Borzeguins a phanlazia para senhora 5$.
Dilos de cores a 49800.
Ditos democrticos para menino 4$.
Ditos de cor 38800.
Tamancosdc marroquim para homem o senho-
ra a Sirs,, e outros inuitos calcados, cujos pre-
<;os extraordinariamente baratos, satistaro as
mados fabricantes de Liverpool ; taml
variedade de bonitos trancclins para os mesmos. seguintes : um tanto baixo do corpo, cor fula,
Em Casa de Boi'Ott AC., ma lcsla carrSada. o'hos pequeos, cara larga, sera
barba, falla fina e a voz sempre baixa, bocea
larga, com alguns cabellos brancos pelas fon les,
paiccendo ser muito mancinho, porm mullo
vclhaco e mollino a curador dc emposturias, de
bom corpo, pernas um tanto finas, segundo o
mosmo corpo, cujo escravo de Antonio San-
tiago Pereira da Costa, proprietaro do engenho
Providencia, na fregnezia de Agua Pela quera
o pegar ou disser onde de corlo est sera btia
recompensado.
Escrava fgida.
Fugio da casa do abaixo assignado, no din 13
da Cruz do Recifc n 5, ven-
de-se :
Carros do 4 rodas de um modcllo iuteiramente
novo.
Cabriolis muilo lindos.
Charutos de Havana vordadeiros.
Algodao americano trancado.
Presuntos para fiambre."
Cha preto de superior qualidade.
Fumo americano de superior qualidade.
Ghampanha de primeira qualidade.
Carne dc vacca em barris dc superior quali-
dade.
Oleados americanos proprios para cobrir carros
Carne de porco cm barris muilo bem acondi- do corrcnle, urna sua escrava da Cosa de norae
Clonada. ., ,-,,,-
Licores de diversas qualidades, como sejam : ""'" quc rcPrescnta lerd ldad ^ armos. *-
o muito afamado licor intitulado Morring Cali, lur3 e corpo regulares, cor nao muito piola, ha
Sherry Cordial, Uent Julop, Biltors, Whiskey ^ bastantes cabellos brancos, costuma traz-r um
C, ludo despachado ha poucos das. panll0 alodo A roda da cabe?lli londo ,. signal
%0iS8iS@SS 9liS^5&^ &$ES mais salicnle a3 maos foveiras, provenienl
Vende-se um bom engenho na fregu- | calor de figado. Esta escrava tendo sabido i
de costume, com venda do arroz, nao vu, i
zia dc Pod'Alho, tendo Ierras para mais |g dous ongt-nhos as quaes tambera s
CONSULTORIO
DO
*'. A. Kobo 91oseo8of
. BIIED3E IPJlIRTrilIIKII) I IPIglEilIDdDl.
3 HLA DA GLORIA, CASA DO Fl ADO 3
CVimca poT ambos os syslemas.
O Dr. Lobo Moscoso d consultas todos os dias pela manhaa e de tardedepois de 4 horas
Contrata partidos para curar anuualmente nao s para a cidade como para os engenhos ou outras
propnedades ruraes.
Os chamados devem ser dirigidos sua casa at as 10 horas da manha e em caso de ur-
gencia a outra qualquer hora do da ou da noite sendo por escripto em que se declare o nome da
pessoa, o darua eo numero da casa.
Nos casos que nao forera de urgencia, as pessoas residentes no bairrodo Rccife poderao re-
metter seus bilheles a botica do Sr. Joao Sounn t C. na ra da Cruz ou loja de livros do Sr Jos
Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte velha.
Nessa loja e na casa do annunciante achar-sc-ha constantement e os melhores medica-
meEioshomcopulhicos ja bem conhecidos e pelos precos seguintes :
Botica de 12 tubos grandes,..........lOfiOOO
Ditos de 24 ditos...... 15S000
Ditosde36aitos....... I l '.'.'.'. '. SofottO
>!}0 d,ed!tos...............25g000
Ditos de 60 ditos...............0o000
Tubos avulsos cada um........!".!!." IgOOO
Frascos de linduras........,..."."." 2S000
Manoal de medicina homcopalhica pelo Dr. Jahr traduzido
em portuguez cora o diccionario dos termo de medi-
cina, cirurga etc.. etc............ 208000
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. 10$000
Repertorio do Dr. Mello Moraes......... 6g000
CASA DE BAIHOS.
Neste proveitoso estabelecimento, que pelos no vos melhoramentos fetos acha-se conve-
nientemente montado, far-se-hao tambem do Io de novembro em vente, contratos mensaes para
maior commodidade e economa do publico de quem os proprietarios esperam a remuneraco de
tantos sacrificios.
Assignatun de banhos fros para urna pessoa por mez.....10^000
> momos, de choque ou chuviscos por mez 15*000
Series de cartoes e banhos avulsos aos precos annunciados.
FUNDIQAO DARORA.
Seus proprietarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico em geral, toda e
qualquer obra manufacturada era seu reconhecido estabelecimento a saber: machinas de vapor de
todos os lmannos, rodas d'agua para engenhos todas de ferro ou para cubos de madeira, moen-
dase meias moendas, tachas de ferro batido e fundido de lodos os tamanhos, guindastes, guin-
chos e bombas, rodas, rodetes, aguilhoes e boceas para fornalha, machinas para amassar man-
dioca e para descarocar algodao, prendas para mandioca e oleo de ncini, poriocs gradara, co-
lumnas e moinhos de vento, arados, cultivadores, pontes, 'aldeiras e tanques, boias, alvarengas.
botes e todas as obras de machinisrao. Executa-'se qualquer obra seja qual fr sua nalureza pelos
desenhos ou moldes que para tal lira forem apresentados. Recebem-se encommendas neste esta-
belecimento na ruado Brum n. 28 A e na ra do Collegio hoje do Imperadora... moradia do cai-
xeiro do estabelecimento Jos Joaquim da Costa Pereira, com quem os pretendeutes se podem
entender para qualquer obra.
ATTENCHO.
V endem-se velas de composicao de muito boa
qualidade, cm arrobas, por preco muito com-
modo : na tabeica do largo do Terco u. 29.
Tachas e moendas
Braga Silva A C, tem sompre no seu deposito
da ra da Moeda n. 3 A, um grande sortirocuto
de tachase moendas para engenho, do muito
acreditado fabricante Eduin Maw : a tratar no
mesmo deposito ou na ra do Trapiche n 44.
Espirito de visiho com 44
graos.
INovo armazem de (azendas
e modas
ven- m
J dem em separado : quem pretender airi
ja-se ao Sr. Joaquini Marques Santiago
, na ra do Brum desla cidade, primeira 2
5 casa depois do chafariz. i
DE
Fara C, ra Nova
numero
45.
Relogios de ouro e prata.
Em casa de Henry Gibson, ra da Cadeia do
Tande-se espirito de vinho verdadeirocom 44 Rccife ... 62, ha para vender um completo sorti-
menlode relogios de ouro e prata, chronomc-
Iros, meioschronometros c de peiente, os me-
lhores qc vem a este mercado, e a presos ra-
(jr^s, chegado da Europa, as garrafas ou as ca-
andas: na ra larga do Rosario n. 36
Vendem-sc ceblas em caixas c- aos ceios
por barato preco : na ra Direita n. 69.
zoavoif
mais : roga-se, portento, s autoridades ;
Ciaes, capites de campo e mais pessoas do | a apprchensao de dita escrava, e leva-la i loja
do Preguica, na ra do (Jueimado n 2, ou i casa
dc sua residencia na ra da Florentina d<
da coclieira do lllm. Sr. lente coronel Sebas-
tiao, qne serao generosamente recompensados.
No dj 6 do corrcnle. fugio do en.-
L'chda, o escravo Filippo, cabra, estatura regu-
lar, pouca barba, com signaos de bexiga ni i
lo, falla bem e representa ter 32 annos de idade ;
c no dia 8, o escravo .Marcolino, dc naco A
la, cor fula, alio, secro, som barba, tem nos bi i-
nos signaos de vaccina, no testa urna cicatriz e-
quena em forma de meia la, eem cima di
dos ps urna cicatriz que repucha alguma cous.t
cousa a pelle, fulla descansado, bem frito do ros-
to, e reprsenla ter 28 annos de idade ; ambos
esses escravos levaram calcas de algodao azul
trancado c camisa de alaodao de listra, alem de
outra roupa que possuiam ; suppoe-se que esles
escravos reunirain-se e soguiam vi'agem para o
serlo do Sobral douje o primoiro escravo vcio,
ou para oulro qualquer serlo, porque consta
que seguiram para o centro : roga-se a todas as
rm o que torna este engenho um predio verda- autoridades polieiaes, capiloes ou a qualquer
deiramenle ambicionavol, c sua exlensao de mais pessoa paiticular, que os approhi-nda, ou aviso
de legoa coberla de matas virgens, convidando ao major Antonio da Silva Gusmao, no Rocife,
o trabalhador a rasgar-llie as enlranhas pela ccr- ou no engenho choa, que sendo autoridado he
teza de grandes colheilas : pela nalureza do solo iicar em cierno agradecmento, e compromet-
I c suas dimonsoes, o engenho Leao poite (ornecor te-se a pagar generosamente as dfspezas com a
, terrenos para dous grandes engenhos sem per- conduccao'ou aviso dos referidos escravos, assim
der asqualidadas que o distinguem: com Ernos- como a capilito de campo ou pessoa particular
! to Goncalvcs Pereira Lima, no engenho Vicente que fizer o favor prende-loa a ambos ou a qnal-
jLampello da mesma froguezia, poder entender- quorum dos roieridos escravos, ser gen.
so qualquer prelendento mon\e recompensado.
Aianca-se a qua-
lidade..
Vende-se crvilha a 160 rs., painro a 160 rs. a
libra, rnilho a 43600 o sacco : por baixo do so-
brado n. 16, "com o oito para ra da Floren-
lina.
= Vende-se ou arrenda-so o engenho Leao,
silo na freguezia da Escada, niOenle e crrente ;
este engenho fica a una legoa da estrada de fer-
ro c a pequea distancia de porlo de embarque:
seu terreno conten vaneas colladas por ros que
peridicamente os alaga01 C por SSO OS ferlli-
sam : fo movido por agua, e se-lo-lia com nc-
Os proprietarios doste novo estabelecimento,
recebendo directamente de raris e Londres por queno trabalho porque exisle um grande acude e
lodos os paquetes artigos de modas, que const- '
tueo mais bello sorlimenlode fazendas em apu-
rado gosto, fazcm sciente aos seus freguezes e ao
publico era geral, que todas as fazendas de seu
cstabelecimenlo serio vendidas por preco muilo
mdico.
levadas necessarias ; suas obras .sao antigs, mas
em perfeito estado de conservacao, solidas, vas-
tas, e com lodos os commodos desejaveis. Po-
Dos premios da terceira parte da primeira lotera a beneficio doScnlior Bom Jess da Via Sacra,
_____________ extrahida em 24 de Marco de 18G0.
ISS. PKEMS.
51
7
10
12
15
16
20
23
34
42
43
52
56
59
61
63
70
72
75
81
83
87
88
89
91
94
92
94
97
102
5
14
16
17
22
25
27
42
44
45
53
57
62
65
71
76
80
83
89
*93
203
4
5
5J
5
5S
5
5
5$
5
5
5*
55
59
5
5
5
5
5
5;
5
5
5
5*
5
5
53
10
5
5
5
59
59
5
59
%
59
10*
59
59
5:
59
59
109
509
59
59
59
5Jr]
59
59
NS. TREMS.
206 59
.7
8
10
13
21
22
23
24
25
29
37
43
44
46
47
50
53
54
55
56
57
63
73
75
S(
88
90
93
94
303
5
20
25
53
59
59
59
5*
59
5ft
59
59
59
109
2009
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
5|
59
. 59
59
59
59
59
59
59
30 1:0009
36 59
40
43
48
50
53
54
60
62
63
67
70
74
77
83
83
59
59
59
59
109
59
59
59
59
5*
59
59
59
59
59
NS. PRE11S.
384 55
Oescrivao Jos Maa
85
89
91
97
400
4
18
20
38
49'
54
59
60
61
62
65
72
82
86
87
89
93
95
99
510
13
16
19
30
31
43
48
49
51
52
63
64
65
67
71
77
81
83
85
86
87
93
98
601
3
da Cruz,
5S
55
59
55
55
59
53
53
59
59
5J
59
53
5
53
59
59
103
59
59
59
59
59
59
53
59
55
59
53
09
59
59
5
59
53
59
5
59
53
53
59
59
59
59
109
59
59
59
Sf
59
NS. PREM?.
601 109
6 59
8 55
15 53
18 59
21 59
24 59
27 59
30 59
33 59
39 59
42 59
45 59
46 59
54 105
63 59
66 55
71 59
81 59
84 59
86 59
708 53
9 59
19 59
22 59
27 59
29 59
32 53
38 59
41 59
44 55
45 59
51 59
53 59
56 59
58 59
59 59
69 59
73 59
75 5?
77 Si
80 55
87 59
91 59
94 20?
98 59
811 59
16 209
17 59
22 59
23 59
NS. PREMS.
821 55
26
31
34
36
37
39
49
51
52
53
58
63
64
65
66
73
84
90
92
93
95
96
97
901
3
8
9
11
14
15
16
22
24
32
35
40
41
46
48
53
54
64
65
66
68
71
72
75
79
84
55
55
53
.19
53
59
53
55
59
105
59
1003
53
59
59
59
59
53
209
59
59
59
59
53
59
59
59
503
59
505
59
59
2003
59
59
59
59
5
5*
5*
59
5
59
10;
59
53
. 59
59
53
59
NS. PREMS. NS. PREMS.
993
94
96
98
1003
5
11
14
25
27
28
30
31
33
34
36
42
52
55
68
69
71
74
78
82
83
87
94
97
1102
4
8
9
10
13
26
30
33
34
36
37
39
40
42
57
59
71
73
75
77
55
59
59
59
59
59
59
59
53
59
59
59
59
59
59
59
153
59
59
59
5
203
59
59
59
59
59
59
503
59
59
5ft
59
59
59
59
59
59
5
59
59
59
59
59
59
5
5
59
5
59
1182
85
87
88
89
90
98
99
1207
9
14
15
19
22
24
32
38
40
41
44
49
50
52
63
67
68
70
71
72
75
85
91
98
1308
14
20
21
22
33
36
40
56
59
71
72
79
82
92
96
1403
59
59
203
53
59
59
53
IO9
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
109
59
5
59
59
59
59
59
59
59
5
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
5
5
59
59
59
59
59
5
59
NS. PREMS
1106 ;
11 59
20 5
28 53
32
33
38
40
48
65
70
72
83
89
98
99
1501
7
12
18
23
30
35
38
40
43
47
49
53
54
55
56
61
65
69
70
75
77
81
85
88
90
91
93
1602
6
10
11
19
20
53
53
53
53
5;
105
59
53
53
53
59
59
55
59
53
53
53
53
59
5
5
55
53
59
20#
5?
53
59
53
59
5
59
59
203
59
53
59
59
53
59
53
53
59
53
59
53
NS. PREMS.
625
33
38
39
40
41
43
5t
56
59
60
64
68
70
72
73
SI
83
. 84
' 87
91
94
96
97
1707
9
10
12
15
16
22
23
26
30
32
33
35
41
43
47
50
55
57
58
59
60
68
69
72
83
53
505
59
59
53
53
100c
55
53
5j
59
55
59
59
53
59
59
59
59
59
53
53
59
S|
53
55
51
59
59
59
109
53
59
5;
53
59
53
59
53
53
53
53
53
59
59
59
59
59
53
59
NS. PREMS-
1788 5j
93 5:0003
42 Af
NS. PREMS.
1938 59
95
98
99
1804
7
9
10
13
15
18
19
20
21
23
25
26
27
29
39
43
54
60
67
74
79
81
87
89
91
96
97
1900
1
5
6
7
15
17
25
26
27
29
32
33
34
35
36
o3
400-;
53
55
53
5;
5;
59
5;
5
5ft
55
59
5*
105
5
55
1005
59
53
5$
10?
5
53
59
53
59
59
59
59
53
53
59
203
55
5
59
53
59
59
59
59
59
59
95
59
59
NS. PREMS. NS. PREMS.NS. PREMS.
2173 55
43 59 76
1 .*>- 77
54 59 81
55 53 93
66 55 96
70 53 98
75 55 2202
80 5; 6
85 5c 8
86 53 19
88 59 22
93 53 26
98 53 28
2008 53 31
9 5c 35
10 59 38
20 55 39
22 5$ 40
27 53 42
31 59 00
36 59 61
38 5? 65
41 53 72
43 59 81
45 55 89
49 5c 92
52 55 95
62 5? 2308
70 59 10
;o 59 15
81 53 41
85 55 51
96 20; 54
2100 59 60
2 59 61
11 59 68
14 59 72
25 59 80
29 53 87
33 59 90
36 59 93
37 59 96
39 59 99
45 59 2401
46 59 5
51 5# 8
42 59 11
64 59 16
68 59 19
55
5t
59
55
59
5?
59
59
53
55
5;
59
59
53
203
50;
5f
55
|
5$
59
53
53
59
53
5C
55
55
53
59
5*
53
59
59
59
55
59
59
59
55
59
59
59
59
59
59
59
59
53
2420
22
27
37
38
43
58
61
62
73
75
79
97
2502
5
6
14
16
20
26
28
34
36
38
44
55
56
57
62
65
67
70
74
78
81
82
83
84
87
89
93
95
2605
7
8
9
12
18
23
25
53
55
53
53
5)
5c
55
St
55
59
55
55
59
53
5;
59
53
53
53
53
53
55
55
53
53
55
59
59
5-
59
53
53
53
53
5
53
53
58
5>
53
55
59
59
59
59
59
53
59
59
59
2628
29
31
34
37
41
42
16
48
. 50
52
53
56
6i
68
71
75
82
86
88
89
90
91
95
2701
6
9
11
15
19
25
38
39
40
47
53
55
56
59
62
66
68
69
73
82
87
91
97
98
99
53
53
59
59
59
5-3
52
55
53
59
5J
59
59
59
59
109
103
59
59
59
5-3
53
59
10J
59
53
59
5
5)
59
5g
59
59
5*
59
59
59
59
59
5
59
59
5*
59
i 009
5
59
59
59
59


(s:


Lieratura.
O uiovimealo Unitario na Allemanha.
ni
( Conlinuaco.)
Na Baviera a opiniao publica e a linguagem dos
priucipaes jornits. rom mui pouras exrcproes,
osla vara de nrcordo rom a linguagem o opiniao
dos rr-senlantes lgaos do paiz. Quanto a Wur-
rg, nao s os demcratas eomo os cnsu-
les, alheara complelami ule s declara-
r.-u ran, foii polos sena delegado?,
ros, quanto aos principios dn reforma fede- covcrnos vista
DrARIQ DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FF.IRA 2fi DE MARCO DE f860.
teslaram todava contra o carcter cxclu-
; i programma do Eisenach. Sobre este as-
. i > s- entabolu urna correspondencia com n
nUsT.o central do Cobourg.
ft'urtemberguezes era una epstola que di-
rigirn! ao conselho dos doze. declararan! que,
Hianto approvaasom o lira da grande empre-
za popular, condomnavam todava a exclusao da
Austria.a qual ora admitliJa implcitamente polo
programma de Eisena '
replicn p>r urna me
raneas seguramente nao se elevan ate urna iuo-
dicacao radical das bases actuaos da Confede-
racao. Ora se nao c permitlidu urna tal mudan-
ca senfo em lempos de agitacao, ossa agitacao
nao se contentara rom a manutenis dos peque-
os estados sob a direcro de um govemo cen-
tral.
Passamos a mostrar que o pensamento dos go-
vernos, bom qne sob um oulro ponto de vista,
pouco difleria de pensamento do chefe do partido
democrtico.
IV
Fcil oa do prever qual seria a atlilode dos
do mormento reformista. Os
lamento dos pequen eslados e pcwiljia-llies a importancia quo olio mereca. Heconhcteu a i.arliflo cuuivaic
fazer prevalecer nai Dieta federal os seus nteres- necessdade da reforma federal, e nos ou-sc de al0 fc<"UIV,"t
sos a par dos da Austria e da Pruss.a. A replica justa para com os hmeos que procurarandar a
a urna reuunciu ao pacto 15-
& esses argumentos foi que os pequeos esta-
dos podoriam nao encontrar lanta influencia na
lulela Lavara ou saxonia, como na supremaca programmas de F.isonach e de Francfort"
prussiana ou austraca.
Allemanha mais unidade, e mais liberdade.
davia pronunciou-so obsolutamonle
Ogoverno imperial usa.pos. do seu direi-
10-f lo, c julga prcenchor um dever patritico, diri-
i os gindo em lempo e expressamente, como faz, pe-
1 "a prsenle, um protesto contra as opinioes'ma-
que encontrar a approvaro e o reconhecimento
de toda a narao prussiana.
Talvoz que o gabinete de Berln nao tivesse a
principio a intenco de responder ao memorial
dos habitantes de Sleltin ; o cerlo porm que o
ni Miran Hn CaiK. i.____ >:__. j __- ?*
- ,:"......'nmxmr:- -..............
ronse-n.-m-se por morro, das duas grandes po-
tencias que, longo do ahsorve-los, 03 prolegem
contra a sin mutua ambirao; consorvam-se por
merco especialmente do paci federal de 1815,
que collocou a sua independencia sob a garanta'
collectva da ConfcJeraeo germnica, e sendo
necessario, sob a salva-guarda da Europa. Esscs
ch. AcommissaodeCobourecs,,'"1Ps'.como ,u<3 T,e lom 'ida, dirigen-se
emora circumslanciada. em Pe,. ins"c" nnalo da sua
que tralou de interpretar menos exclusivamente o
seo estatuto.
N'inguem quera a exclusao da Austria. A po-
sirao especial om que se achava esta potencia
era > umeo obstculo que impeda do tomar par-
t' na rcorganisacao projectada da Allemanha ; I
Unto que apenas a Austria so quizesse prestar a |
-- projecto seria aceita a sua intervengo, como
era u dos uniros estados confederados. O pro-
gramma de Eisenach, acrescontava a coranissao,
s transfera o governo supremo Prussia na es-
peclatva di consltuico de um governo delini-
tivo.
Entretanto quo o su] se mostrara hostil ou rc-
misso, o movimenlo so comnunicava a lodos os
pequeos oslados do centro e do norte, islo aos
estados que em loM'J linham sido os primeiros ,
abracar a ida do imperio allemao com o roi da Pe1ucna cidade de Posncrk, populacho de 4,000
conservara, eesse
inslinclo Ihe faz descubrir, onde quer que se
achc, c perigo que osameaca. O programma de
Eisenach era para as dynaslias o maior perigc
que ha compromellido. depois de des anuos, os
seus Ihronos. Assim por accordo tcito quasi lo-
dos esses governos oppozeran ao movimenlo
urna resistencia das mais enrgicas.
Um dos soberanos mais fracos da Confedera-
cao o duque de Saxe-Heiningen foi o primeiro
que levantou a [uva aiirada polo partido refor-
mista aos pequeos estados. Anda que general
no exercito da Prussia, c ligado essa corle por
parentesco prximo, o duque Bernardo nem por
isso doixou do ler a coragem do combate publi-
camente, e sera necessdade bem demostrada, a
ida da supremaca prussiana.
O ducado de Saie-Meinfngem comprehende a
JSia por imperador.
As populacoes de Thuringe, de Ilesse, de 01-
dembourg, de Urunsw;h, adherirn) successva-
Ilanover, como acabamos de ver. eslava to-
talmente entregue so movimenlo unitario.
Nos estados iivres di Hambourg e de Brome o
t rogramma reformista adquiri egualmcute nu-
merosos signatarios.
Na Prussia a opiniao publica acolheu a princi-
pio com frieza o projecto do Eisenach e de Franc-
fort. Essa reserv linha a sua explcaro na pro-
pria siluaco das cousas.
As populacoes da Prussia, grande oslado da,
Europa, sentom monos vivamente que as popu-
lardes dos pequeos estados a necessdade prali
ca da unidade allemaa.
almas, cujo nomo apenas se encontra as cartas
gcographieas mais circumstanciadas. Alguna ha-
bitantes dessa ridade sedirigiram ao seu sobera-
no pedindo-lho que concorresse com os outros
governos allomaos paraquese efiectuassea revisao
do pacto federal. Esta demonstrarlo foineceu
ao duque Bernardo occasiao de red'igir um ver-
dadeiro manifest contra a poltica do gabinete
de Berln, e contra os partidarios da supremaca
prussiana.
O manifest ducal tomou o carador de urna res-
posta aos habitantes do Posneck, e porordemde
sua alteza foi inmediatamente [publicado :
c Emqiianlo que os autores da supnlica, dizia
o duque, procuram introduzir desharmonias na
Allemanha mediante a rcvisfio do pacto federal,
es nimos nao prevenidos vero pelo contrario
Acabamos de mencionar o nomo do soberano
allemao, que de lodos foi o nico que ousou
aberlamente declarar-so om favor do movimenlo
o dos homeiis quo o dirigiam. O duque de Saxe-
Cobourg desde 1818 adquirir alguma populari-
dade.
Durante os dez annos que so seguiram gran-
de tormenta revolucionaria ; sempre que se Ira-
lava de urna queslo importante, achava-se o
duque do lado da opiniao mais em rosa. Foi dos
primeiros soberanos quo em 188 abracaran] a
causa do Sleswic-IIolstein ; poz-so fenlo de
um doscorpos federaos o dislinguio-se contra os
Dinamarquezes. as diversas phases allernas
adher successivamento tenencia do archidu-
que Joao, ao imperio com o rei da Prussia por
imperador, fina"
de douliinas conslilurionaes de pouco alcance,
e amo,
cilicos
Osjomaesde Vicua, repellirara pos essa rc-
forma que derla tender supremaca prussiana ;
mas nem por islo acollierarn o projecto dos os-
lados secundarios om formar, com o exclusao da
Austria e da Prussia, urna Icrceira potencia, rom-
prehendendo lodos os outros estados da confo-
deracao, cuja direccao sera confiada Baviera.
Em urna palavra, a opiniao publica de Vienna
acolheu de bom grado a reforma federal ; porm
com a coiidico de que nada fosse alterado no
equlibno dos governos confederados. Esta opi-
niao estava de accordo com as nlenoes do ga-
binete austraco, que,-sol) diversos pontos de vis-
la, lula va contra a agitacao reformista.
Com effeilo nao era possivcl dissimular que a I Em urna palavra a mssva austraca .
paz do Villa-franca tu.ha creado para a Austria gira o seu Ora ; o lom ameacador em
umasituaeao bastante critica. Esta linha perd- concebida
le maneira :
mas polo nobre patriotismo do no'sso imperador nor^^V^t 1|os,',limos surcessose ex-
ponencias, se ha nlrodnzido em todas as rlaases
iciedade. apezar da diversidade de ophi
assim como pela moderaco o ns pa-
ilas duas priucipaes potencias allo-
maos
lista ola, como de suppor, fui inlcrpelrada
por muilas maneiras pelos diversos partidos da
nha. Em quanto que nos paizes do norte,
a conviccao de que a independencia e o poder da
Allemanha no exterior, assim como o desenvol-
Viment das suas forras iniellectuacs e maleriaes
no interior, exigem a'conceutrarao forte c encr-
o pouco respeito
que er
um soberano, e a
I firn, o poderao desv)r da linha de conducta que
"i se ha tracado, nao s pelo respeilo ecrupnloso
' que deve sos direitos de outrem, como tambera
du-
ii :o
llemaas a polilici occidental, nouito adop- asseguravam na Confederacao Germnica ; pelo
tada pela opiniao publica alcm do Hheno. Final-! contrario era de esperar que proenrasso na Alle-
niniiL'em .l elle, antigo secUrio das idas de j manha urna compensa.ao das perdas que sodre-
Lal n? ". ,0U f-a da,A.uslria- e wn>- IW. I.ombremo-nos anda urna vez que
r-fh,r i' C""' 0p"" PttWka- ^ntOiMl^ o gabinete do Vienna se achava irritado ao ulti-
trahra Irussiaaumaguerra contra a Franca. A mo ponto pela poltica seguida na Prussia
paz do Villa-franca converteu o duque s ideas rante a guerra. O inlorosse nao menos que
reiormislas, e elle aproveitou o primeiro ensejo' sentimento do rancor determinou o governo aus-
para ociarar-so. |nac a ,m;lr u:na nlliluJe ht>3ljl C0Illra 0 mo.
A cidade de Ootha, como minias ouiras. fez o rmenlo do Eisenach
seu pronuncia,nenio na questao da reforma. A linguagem do jornal ofTicial de Vienna fez
Urna deputacao dirigir ao duque a sua declara- para logo cessar toda durida a respeilo. Em urna
cao. aposentando- lie ao mosmo lempo una pe- serie de artigos a Gazela de Vienna se ompenl.ou
lioao ou. que rccordava-lho os serviros nrestados em demonstrar que o programma de Eisenach
om 18i8 a causa allemaa por sua alteza, o con- era, sobre lodos os pontos, urna perfeila utopia
clu.a supplicando-lhe qne 80 dignasse advogar < A Confederacao Germanice, se exprima esse
peranie os outros governos os estorbos patriticos jornal, urna associacao internacional- a olla
do partido reformista. cumpra defender os intorossos de toda a Allema-
u juque responden om termos que mcrecem
nha contra qualquer aggressor eslrangeiro, e as '] lembravam-se do modo por que nessa
conveniencias interiores dos seus membros. A I consenso e a- recusa da Prussia Ihe
rar a mascara.
A nota de 7 de setombro foi communicada a
todas as conos alenlas, squaes o governo aus-
traco supplicava que Iho declarassem a maneira
porqueencaravam o movimenlo, o o discurso do
duque de Sixe-Cubourg. Esle convite foi com
ospecialidade dirigido Russia, a quem o gaW-
noe de Vienna contava collocar na allorniliva
ou do adherir ao programma de Eisenach, ou
de confessar a sua cumpticidado com o pnrlulo
nacional.
A linguagem da imprensa ministerial de Ber-
ln, cunipre confessa-lo, nao se prestara pouco
ao equivoco, gabinete prussiano pareca mais
embarazado que satisfeilo com essa1 agita-
cao, cojas consecuencias erara dficeis de pre-
ver.
Us fados de 188 e 189 estavam anda pr-
senles menora dos estadistas do Berln : ellos
poca o
municipalidades respeilaveis
\ er lado que a Prussia por causa da sua po-
i geograpbica so v& obrigada a buscar um
supprimento de forras na unan com os pequeos
estados; porem osla necessdade est mais ao
alcance da comprohensao dos homens polticos
O duque, depois de ler deste modo aecusado a
Prussia, pela sua allitude duranlc a guerra, lo-
mou a dofoza da Austria. Recordando os suc-
cessos de 1SS apresentava como causa principal
dos desvos desso anuo revolucionario o projecto
de reconstruir um edificio de que linham sido
forzosamente excluidos, nao s a Austria como
do que das massas populares.
Domis, no da seguinte ao do successode Vil- outros oslados allomaos, cojos intero
la-franca a opiniao publica da Prussia nao era va' ligados aos dessa polencia.
nada accessivel s ideas de Eisenach.
As populacoes se achavara anda soba impres-
5o dcsagradavei produzida pela medida do mo-
bilisacao ; ollas encaravam a Austria romo a cau-
sa principal desses armamentos que impunham
ao paiz enormes sacrificios de diuheiros, e alera
sses se acha-
0 manifest ducal lerminava prometiendo to-
dava que os governos nao repelliriam a idea de
molhoramentos respeilo das bases do pacto fo-
detal.
A maior parte dos outros gabinetes nao guar-
daran nosta conjuncluia as mesmas convenien-
distolevavan a perturba^ao ao seio das familias, I c'as 1ue. duqup'de Saxe-Meinigen. Ogoverno
que se viam privadas dos seus paes c dos seus i-' hanoveriano principal ment, deu provas de um
rigor intil, e de completa falla do tacto poltico.
Para satisfa/.er paixes do partidos, o ministerio
rece-
cm ad-
nao recuou peranle um meio, que nem a fraque-
za de Geoige V pode embaracar, nern a etique-
la constitucional ; fez com que o rei iuterviesse
directamente nos debales.
A cidade de Endem
thusiasn
federa!.
em Nord
nhosde
se dignasse prestar aquella cidade a sua benevo-
lencia real, o monarcha, & nslgaces dos seus
ministros, conforme se
em tormos severos os s
de Eisenach.
lhos.
As difficnldades e as intrigas que o gabinelede
Berln encontrn da parlo da Dieta anda mais
exacerbaram as populacoes prussianas ; e nessa
occasiao nada contribuira tanto para tornar ogo-
verno popular como a sua completa separacao
da Confederacao. Pouco a pouco os nimos sere-
n, o o programma de Eisenach, ainda quo
nao excilasso na Prussia o mesmo entluisiasmo
dos pequeos oslados, nao foi todava na
todo. Nao obstante pouca pressa houv
herir ao movimenlo.
Sendo de novo olVerecida Prussia a direccao
suprema dos negocios foderaes, claro osla qu o
povo prussiano de alguma forma tomara parto
na causa.
As populacoes esperavam que o reslo da Alie-1
manha se | rpnunciasse afim de que os inimigoa
da Prussia nao a taxassem do usurpadora. Espe-
raran sobretodo pira ver qual sena a altilude
do governo peranle o movimenlo, e nao queriam
cansar embaraces ao ministerio] cuja poltica in-
terior havia al onlao satisfeilo a lodos. Diremos
mais 'adianto o modo porque o gabinete prussia-
no ncarou a questao da reforma ; entretanto de-
i ir.irnos aulecipadamenlo que apenas foram co-
las as intences do ministerio os partida-
rios da reforma federal coiiiegaran para logo a
nisur as suas ideas no animo das popularoes.
Em Berln so achavam as opinioes divergentes
somonte no ponto relativo & maneira porque con-
vinha adherir ao movimenlo.
- qiialru dislrictos om quo se divide a capi-
tal, dous dirigiram memorias aos sousdepulados,
convidando-osa levara questao peranle aca-
mara ; poliam a cenlralisacao do governo fede-
rativo e um parlamento allemao, e nao locavam
na supremaca.
Os oulros dous dislrictos adoplaram o prp-
gramma de Eisenach, declarando que a realisa-
(J siano, e que a Prussia nao poderia furtar-se a
sle dover sen moslrar-sc iraca. Entre as ou-
Iras provincias do reino ( Prussia proprianicnle
dita a parle allemaa de Posen, a Pomerania, a
?. f fl>ronu!,ci;,r''"u com nnis ou menos contra os signatarios do programma do Eisena'ch;
energa em favor do programma de Eisenach; privou-se dos meos de subsistencia aos artistas
na Silesia o movimenlo fez pequeo progrosso ;
as provincias rhenanas
oponas signal de vida.
Atgumas vozes soladas, portenconlos todas
democracia, clamaram abertamenle contra o mo-
v monto, c demonstraram o seu Indo fraco.
O programma de Eisenach. dizia um anligo
niimstro e um dos chefes da consltuico prus-
siana de 1848, exige cousas impossiveis n'uma
poca de calma, c insulTioienles n'uma poca de
agilacoes. O estatuto de Francfort junio ao pro-
Ca ni ma de Eisenach o vinculo nao de um par-
tido nacional, mas do una sublevar.ao; separado
di sse programma nao forma vinculo de partido
argom. E preciso que a democracia so lenha re-
vestido de bastante confianra para esperar urna
reforma federal em lempos de paz, c da parte dos
gabinetes; mas essas esperancas seguramente
nao seclevam at urna modillcoro radical das
bases acluaesda Confederacao. Ora se nao per-
profunda domiuou, os desejos de torca e de gran-
deza nacional, do energa para com os eslrangei-
ro o do unidade no interior, renaseeram noeora-
co do povo ; todo o patrila sauda esse novo
movimenlo com lisongeiras esperancas. Quaes-
quer que sojam os meos polos quaes tenhamos
de chegar a esse lira desojado, qualquer quo vc-
nha a sor a forma da consliluicao futura da Al-
lemanha. coito que nada de verdadeiro e salu-
lar ser feilo
em quanto os sobornos o os diver-lgios da poltica austraca no exterior da Vustrin
sos oslados nao se decidirem a sacrilicios om prol, oram ainda mais explcitos
da causa commun Quanto a nin, desde que A Austria, dizia a Gazela de Augslourq;
se tralou de estabolecer e poder em 188 at a' romo a mais considerarel dasduas priucipaes no-
formarao da liga cin 18,), olfercci espontanea- tencios. nao dever tolerar a supremaca "da
menle os meus service, e do bom grado depuz a Prussia ; seria esle um ficto que nfto possival
minha oflrcnda sobre o altar da patria. En- esperar-so della. pos que equivaleria de sua
tao Uve a grande salisfacao de ver qu meus ex- parte abdcacao da posicao que ha cinco sceu-
torcos oram benvolamente apreciados pelo povo ; los orcupa na Allemanha.*
..--..*... w w- ivvuou 'to i lu-la lllt; illVIiini
causa de unidade nacional multo perdeu em cgualmeute costado grandesprejuizes ; a adhe-
18-W, porque pretenderam conf-indi-la com a sao ao movimenlo unitario do 1818 tkiha gran-
causa da liberdade ; un desles principios proju- ; geado p^ra o re da Prussia as recrininacoes dos
nica ao oulro. | gabinetes, da mesma surte que a recusa coroa
Acreacao doum governo central federativo., imperial em 189 llie linha roubado o roslo da
nulo as bases do programma de Eisenach, s populardade de que gozava. A posico era qua-
- si idntica em 18.",9 : aceitar e recuse* oram
duas cousas ao mosmo lempo perigosas para a
Prussia como o foram ha dez annos- pas-
sados.
Eis porque o governo prussiano buscou ainda
urna vez a sua salvac.no na sua poltica de subter-
fugios ; eis porque prucurou acalmar as iuquie-
taces dos gabinetes seni todava descontentar o
partido quo so havia cllocado sob o maulo da
sua supremaca. Os Orgaos do ministerio empro-
henderara essa tarefa-bstanle difilcil o delica-
da. Cumecaram por dirigir palavras animadoras
se poderia reaiisar mediante a condicao da se-p-
pressao dos estados secundarios ; porque a su-
premaca da Prussia iticorapativel com a inde-
pendencia e a soberana dos outros oslados. lu-
do quanto se deve- fazer, na opiniao da Gazela de
Vienna desenvolveros interesses malcraos da
Allemanha, croar inn dircito coinmum, e melho-
rar a organisac&o militar da conedera.cao. Os-or-
allemao c por vos tambera.
Tenho sempre conseivado a coragem preci-
sa para naodosviar-me do meu intuito. Recebei,
pois, asegurarla deque nao s me alegro vis-
ta dos esforcos tentados para a forraacode um
Porlanlo as osperaticas dos partidarios do
Eisenach deverao lnilar-se smente organsa-
pea considcrajao do que actualmente possiveK
Esse mosmo respeilo do dfreito e da loi, (^o o
carador da uossa siluaco iMarior.dcveri egual-
menle ser o movel dasnossas rea, oes com a'A'l-
lemanha, e com os nossosconfederados allemics,
O governo prussiano julga que ser ma ulil &
Allemanha desenvolvendo os interesses da patria
ct-mmiim do modo que n-lluros resultados prov
tic&s oferecer, augmentando a funja det-nsva du
pairia. e consolidando asinstituiccTtegaes em
toda a extonsao do territorio germanice; do quo
formulando proposites extemporneas ssbre mo-
dlicares no pacto federal. Resollido a dirigir
OS seus esforcos nesse fim, o governo convida a
lodos aquellos que prezam o desenvolvinetu sa-
lutar dos paizes allemiies a confiar ciu qu'eilo
achara, en lempo opporluno, o meio de conci-
liar os interesses da Allemanha e daPrussia cofti
os dicta mes do-dever o da eoaseieneia,
Esta rosposla agradou pouco ao pariiio refor-
mista, que se vio officialmenlc"desligado do go-
verno a quem offerecera o primeiro lugar na Con-
federacao. Por mais traba iho que os partidarios
da reforma emprogaram para attenuar o alcance
da rosposla ministerial, um ponto todava ficra
niuito claro, e era o nico talvez sobre que o con-
| de de 8ch\verin nao deixra njniv ico algum ; o
j governo prussiano qaaliticava de extempornea*
I as proposlas do reforma. Por oulro lado os ga-
bneles n.io se moslraram mais sasfeilos com as
esplicaces do governo- prussiano.
A Prussia linha reconhecido a legiimidade do
movimenlo; somonte cuiservava-se de parle com
o receio de ir de encontr a ronude des outrois
estados ; entretanto convidava os- reformistas
aguardaren com ella occasiao mai opporluna.
{Conlint. .-U---V -ial.
Variedades.
EPISODIOS CBBOSOSv
Tiveram lugar era Se vil ha- varios episodios cu-
riosos ao saber-se a noticia da tomado de To-
ldan pelo-exercito hespanhol.
Dous compadres enconlraram-se em urna das
pottas da praca do mercado i hora em que ttra
por cosime fazer
as compras para a nlimenta-
aosseclarios do inovimento,'que era juslilicado, rao quolidiana, e enlabularan o seguinte (a-
sogundo deelaravam, pelos ltimos successos, e l>S
pelas circumstanciasd poca.
0 gabinete de Berln, apezar das aecusaces de
que era objecio, nao hesitara cm lancar nao dos
meios por que se podesse chegar a resultados
praliC03 todava nao jiodia obrar sem o accordo
Cao da Pequea. Allemanha (1); e como esses-i detodos os outros "ovemos. o era muilo nara
M.lrtiilirii.^ ^.K........... ,____: __________._.._. ____. ._ -. 5 .
partidarios sabom que j Austria, emquanlo pos-
alguma torca, nao so deizar excluir da Al-
com a
cha
Grande foi a sensacao produzida por este dis- seu Jrsalo ao movimenlo reformista.
curso, menos talvez entro
assogura, reprehenden as cortes secundaras, asquaesteiain"no sem
igulanos d-> programma razao, que o exomplo do duque deCobuigo fos-
se imitado por oulros soberanos
Os meus esforcos, respondeu elle aos reren-'
dores, tiveram sempTe por firn velar no bem es-
lar, e na prosperidade do todos os meus subditos,
especialmente no dosenvolvimenlo da cidade de
Endem ; tenho pois o diroilu de exigir que os
seus habitantes c magistrados ajudem esses ex-
forros da minha parto em vez de fazer-me op-
posicao, e ao meu governo, como aconteccu com I
a adhesao de alguns d'enlre ellesa um program-
ma bstanle conhecido. Se islo assim continuar
nao podere, com muilo pozar o digo, oceupar-
me mais da prosperidade dessa cidade, nem do
dosenvolvimenlo dos seus interesses commcrciaos
e outros, como tenho feilo al aqu, aulorisando
a creacao de um caminho de ferro, c dos respec-
livosestabelecimentos, o sobre ludo nao podere
cuidar do raelhoraraento liio urgente que recia-
mam o dique e a barra desse porto.
Algunas semanas depois, o real orador vio-se
na necessdade de reconhecer que o mellioramen-
lo da barra nada linha de commum com a poli-
tica ; o batel que conduzia a familia real, dirigin-
do-se para Endem dou de encontr era um ban-
co mesmo entrada dessa barra, de que o rei fal-
bli-
rigia
O dis-
as populacoes do que CUF? do duque de Saxe-Cobourg Ihe havia for-
necino occasiao azada para islo ; o governo aus-
traco apressou-se em aproveta-la para conven-
cer-se al que ponto os chefes do a partido na-
cional contad ira com o-apoto de cortos gabi-
netes.
. porem em par-
lo alguma produzio elle tanta enocao como em
Vienna. (
A Austria seguir mui a lientamente desde o
seu comeco esse movimenlo, que muitos ros-
peilos poda d<:lorminnr o desonvolvimento Inte-
rior do imperio dos Ilabsbours- Inrclizmenlo
as suas populacoes allemaas se achara collocadas
era una siluaeao das mais falsas para com os
seus compatriotas do reslo da Allemanha ; como
Allcmaes seutem o mesmo mal do rgimen que
aflige a Confederacao Germnica, grecas sobre-
ludo aeco da diplomacia de Vienna ; como
Auslrhcos nao poden querer que o pacto fede-
ral soja substituido por urna outra organisacao
em que o seu governo nao ter preponderancia!
Por oulro lado essas populacoes so achara mais
que ludo prooecupadas da siluaco interior do
imoerio.
O systema inaugurado era 1849 pelo principe
i de Sehwarzemberg foi ha longo lempo julgado o
condeneado.
Todas a nacionalidades, sem excepoao, de
que se compe o solo imperial, animani-se do so". mosrao p qu
nico desojo de acabar com esse systema, osubs- '
Urna devassa minuciosa foi ordenada no paiz
e a Weslpluilia dora tu
que assignavam seus nomes em qualquer suppli-
ca reformista ; a poltica invada as casas para
obter informares sobre os adversarios do pacto
federal ; conselheiros municipaes eram enviados
aos bailios para responderem por urna manifes-
tara qualquer que a le nao prohiba. Em sura-
ma, lizeram ludo quanto ora possivcl para justi-
ficar o descontentamente das populacoes.
Os governos da Baviera e da Saxonia se mos-
lraram mais moderados, talvez porque a attlude
mais calma das populacOes, dispensava os meios
rigorosos. O que quer que fosse, cerlo que os
gabinetes de Munich e de Dresde se limitaran a
combalor o movimenlo as columnas dos seus
jornaes offlciaes. Essas duas capilaes parecan
de accordo era desenvolver um anligo projeclo
das potencias alenlas de segunda ordem ; que-
remos fallar da formarao de una liga dos eslados
secundarios sob a direcrao da Baviera.
Os jornaes ministcrias de Munich e do Dresde
miliido urna tal mudanra seno em lempos de I defendern) calorosamente esse projecto, que,
paz, o da parle dos gabinetes; mas essas ospe- ; segundo a opiniao, punha fim ao abandono e iso-
FOjLHETIM.
ORIGINAL DO DIARIO DE PERNAMBUCO-
A CARTEIRA.
que explica a razo porque a opiniao pu-
blica em Vienna nao quera mal Prussia por es-
la haver negado os seus soldados ao gabinete aus-
traco.
As populacoes esperavam, e osperavtam bem.
que a regeneraco do imperio podia dalar do dia
em quo a Austria suecurabisse no campo da bala-
Iha. Esta esperanca, como sabido, pareceu rea-
lisar-sc immedilimeute depois da paz de Villa-
franca.
O manifeslo de Luxemboorg promedia refor-
mas, c algumas semanas depo3delle cahio o mi-
nisterio, afferrado ao anligo rgimen. Nao obs-
tante, ainda permanecern) no interior das popu-
jacftos algumas desconanras que depois foram
justificadas por diversos occidentes Assim a cu-
nio publica na Austria naocessou de esperar que
do exterior partisse o impulso salut-ir dado cau-
sa do progrosso. e neslas circunstancias o movi-
menlo de Eisenach nao poda deixar de despertar
a sua altencao.
A imprensa allemaa na Austria tornau-se o
echo do sentimento geral de urna maneira mui
diversa da dos jornaes da Baviera e da Saxonia;
olla comer,ou por ligar ao movimenlo reformista
Era dala do 7 de setsmbro, isto seis das de-
pois-do discurso do duque, o conde de Rech-
nerg. dirigi no ministro plenipotenciario da
Austria na corte de Cobourg una nota que me-
rece ser aqu textualmente reproduzida. Eis o
theor della :
Entre os difierenles programmas dos parti-
dos,, que so bao ltimamente oceupado do pro-
jecto do transformar a Confederacao germnica
om um estado federativo, parlamentar, sob a di-
reccao da Prussia, existe um que bastante nos
niprossionou pela declaracao toda especial com
que formulou a nossa exclusao- da Allemanha
dessa forma reconstituida.
Nessa declaracao publicada cm Golha, a idea
de um partido bom conhecido sob o Ululo de
partido nacional so acha consignada com
umasinecridado pouco commum, islo que o
imperio da Austria, quanto s suas relarcs fulu-
is com a Allemanha reconstituida, se achara
. e a> Dinamarca c os Paizes
Baixos.
Foi com grande pozar que livemos conhec-
menlo por meio dos jornaes pblicos de que sua
alloza o duque de Saxe-Coboiirg-Golha nao s
recebeu urna depula^ao que fez subir sua pre-
senta esse programma, acompanhado de urna
pehcao, como tambera no aclo de despedir essa
deputacaochegou a exprimir o seu assentimenlo
absoluto e sera reserva, animando-a a prose-
guir no seu empenho. O governo imperial res-
peila loifti a conviccao sincera ; mas as palavras
pronunciadas nessa occasiao, o que sahiram da
liocca de um soberano, nao perlencem ao domi-
nio das livres opinioes individuaos ; ellas per
lonccn a um eonjunctJ de direito's e de de-
vores tao positivos, quanto sao considera-
veis.
O fim para-que se busca- formar um novo par-
tido nacional,, dos elementos do partido demo-
crtico e do partido de Gotha, involve (e nem
sua alteza o duque Ernesto.o pode negar) a pro-
hibieao absoluta das relaees estipuladas nos con-
tratos que existem entrc'sua raagestade imperial
e apostlica e os oulros soberanos confederados,
as quaes se acha comprohendido o proprio du-
que do Saxe-Cobourg ; por consoguinlo qualquer
approvacaoe animac.io dada aos esforcos do dito
l) Essenonedava-seao estado federativo quo
materiaes c os molhoramentos moraos, em qual- mos nossas considerarles apenas ao que sim-
52 DE MAligo DE 1860.
quer paiz que se lenha dianle dos olhos, contri-! plcsmente material, sera dependencia do espiri-
bue para a harmona dos interesses de primeira to, e sem remontar a urna ordem de pensaraen-
ordem; porque facilita a salisfacao de militas ne- los mais elevados e puros,
cessidades publicas, de muilas aspirares que
11 l'lliA VISTA n OLIIOS SOBRE O ESTADO GERAL DO
N0SS0 PAIZ, E ESPECIALMENTE ['ESTA PROVINCIA,
...CANTO AOS MEI.UORAMENTOS MORAES E MATK-
RlAES. NECESSIDADES Pl.'BUCAS. ---- TENDENCIAS
PARA o HOvniENTO PROGRESSIVO DA INDUSTRIA.
Interesses de priubira ordem para a so-
ciedade BiiASiLKliiA. Harmona que os
PRENDE.
VI
Espteiaei considerardes sobre o tnoviraento
da industria.
* *
Violentaramos a ordem natural, em que vo
geguindo as nossas idas, neslas aprecacos r-
pidas sobre o estado do paiz, se, ao passo que Ihe
esludamos os melhoraraentos mones em muitos
objectos, que mais de perlo enlendem com a
prosperidade e a grandeza desta provincia, nos
tiehvessemos logo em consideraces relativamente
aos seus melhoramenlos materiaes.
Se ha um la^o eslreito que prende todos os im-
pulsos e esforcos da aclividade humana, e os faz
caminhar no mesmo plano de desenvolvimento,
nao menos certo que a manifeslacao dessa mes-
ma aclividade, em lodas as regies que ella per-
corro, d lugar a muitos resultados especiaos,
que nf.o podem ficar sob a mesma denominacao
geral, porque enlo se confundiriam e se perlr-
bariarn cm sua propria aeco.
Conhocc-so perreitamente que todo o enlace
que se houvcr de iravar entro os raelhoramontos
surgem e apparcccm espontaneas com o crescer
e o progredir da sociedad.
Vem dahi essa quasi fraternal unio que se no-
ta, por toda parlo, entre os elementos de grande-
za material, propriamente dita, c aquellos que
mais directamente encaminham ao bem moral,
ao aperfeicoamenlo do espirito.
E' tambera por esta razao que nos nos propozo-
mos desde o principio, tiesta serie de artigos,
examinar c apreciar, quanto cm nos eslivesse, o
deveria craar-se sob a direccao
exclusao da-Austria,
da Prussia com
esta serie-de estudos,. a que nos vamos entregar
Quando se falla em industria, em movimenlo
industrial, cm leis de pronresso material, nao se
A Iranstccao, pois, do espirito,, de urna rlasse comprendido sempre- o sentido em que oslas pa -
de observacoes para outra : islo a passagem lavras dovem sor tima las ; porque de ordinario
que fazemos de aprcciacoes que mais din-clamen-1 se lhos presta urna signifleaco, ou muito-elevada
to se reforem grandeza e a felicidade moral da I edesproporeion.il sua propria na tureca ou mui-
uossa pjopria sociedade, para, outras que mais to baixa em ludo inferior sua. verdadeira ca-
contar com esse accordo na oreasiao cscolbda .
os governos eram hostis reforma, e a maior
parle das cmaras nes diversos- eslados linham
sido elelassob a influencia dtsses governos, a
cujo asceudenle por conseguinte se achavam su-
jetas.
Neslas'circiimslancias-convinha esperar que a
siluaco interior de cerlos oslados molhorasse, e
que chegasse ao ponto de prometler melhorsuc-
eessO's proposices de reforma, que a Prussia se
cncarregaria de aprcsenlar a Dieta'federal.
As correspondencias de Berlin, que eram jul-
gadas inspiradas polo governo, desenvolvern
eaaa thesa por difierenles modos. O governo
prussiano, segundo era voz publica, nao propon.i,
como exiga o partido nacional, a revisao do pac-
i federnl, e a convocaba de un parlamento al-
lemao, una vez que semelbante passo Irada
causa nacional una nova derrota completamente
em proveilo da Austria.
Eis aqu pouco mais ou mono* como so pro-
nunciavam os orgaos da imprensa ; bem denres-
sa urna declaracao ollisial veio corroborar na lin-
guagem.
V
?elo rociado do mez de agoslo muitos habitan-
tes-da cidade de Sleltin (Pomerania)- airigiram ao
principe regento um memorial, oxprimindo-lhe
sua salisfacrao em virtude do systema poltico
infigurado pela regencia, e agradccendo-lhe o
terposlo testa do ministerio dos-n*gocios inte-
riores um dos seus compatriotaso conde Schwe-
rin, chefe preeminente do partido liberal. Nesse
memorial se lia o seguinte :
; Nao podemos passar em silencio.que a paz
recentemenle concluida, c cuja duracao ninguem
pode garantir, nao fez desapparecor os pongos
exteriores que amearam a Allemanha em geral,
o e*n particular a Prussia; o dever que tem esta
de vchr por aquello, torna-se pois-mais imperio-
so. Os incidentes no centro da Dieta nsss de-
monstrara a necessdade absoluta de urna refor-
ma no pacto federal para seguranza da indepen-
dencia nacional, e pata que em caso de guerra a
Allemanha nao venba ser preza doinimigo. An-
tes de qualquer oulro passo, a unidade da Alle-
manha exige a crearo de um governo central,
quo soja forte; e como esse governo deve o flore-
cer garantas para-a direcrao.unica e enrgica,
entendemos que s a Prussia, grande potencia
europea, est no caso de realisa-la sem perigo
para a Confederar germnica. Nao pretende-
mos, e nem o permilliria a oonfianca que depo-
sitamos na alia sabedoria de vossa alteza real,
indicar os passas que nos parecen indispensaeis
para attingir o fim que v-iemos do assignalar.
Todava julgano-nos obrigados a confessar enr-
mente que muilo nos impressionou a conviccao
sbreos prinsipios desse movimenlo. mamfesa-
da em muitos- outros estados allomaos d com-
mum acord, ainda que por manciras disUnctas;
e accrescenlamos que vossa alloza real, abmulo
conforme jnlgou convenientil em prol do-inlered-
se dessa cansa sagrada, podo ficar
Salve- Dos, compadre : que ha ds-novo-?
Ha groados nolicias.
Bnlo que ha ?
Tome isto e lea.
E dcu-lhenm jornal em que se annuncinva a-
tomada de Tetuan.
O compadre leu a parlicipaco, e, quando ac-
bou a leilura. desemburou-se" cem muita prosa-'
pa, dobrou o suppleraento, p-| na cestadas1
compras, e exclamou, trmulo ue-alegra :
- Compadre., hoje em minha casa nao se co-
meseno noticias... vamos, par a taberna.
E dito e feilo : ambos os compadres se dirigi-
ram para una-taberna a gastar era vinho o- di
nheiro destinado- s compras.
Passava pelas ras de Scvi'Ka, montad-en
urna faca graciosamente apare'.hada, um rapaz
qu regressava ao seu povo na nttaha do d;a-7,
na occasiao n que um ceg apregoava a ncticia
da lomada de Teluan. O moro-ouvio o cogo,
ch-amou-o e comprou-lhe todos"cssupplementos,
e em seguida cotaprou una arreka de agurden-
te o daza parti como um raio para o seu pavo, alim do ce-
lebrar lo fausta noticia.
l.'m pescador caniinhava pel-ss mas de V-
lenos apregoando sardinhas, e, quando ouvi a
voz d'um ceg que annunciava o grande accnle-
cimenlo, comprou o supplemente, e, depois de
o ler lido, tirou as canaslras do burro, po-las-n
choc comeroa a lanrar fora da- canaslras pu-
nhados de sardinhas, "gritando : < Viva a !les-
panha I sardinims de grara
Em urna das pracaa via-se una barrara de
vender laranjas, sbre a qual liaho collocado uw
rarto em que se lia : < Laranjas e grara pela
tomada de Tetuan. >
No dia 7 pela manha crc.eava pola ruadas
Serpentos um honem ordinario d'uma das po-
voacoes das cercanas de Sevilha, que levava so-
bre as suas cvalgaduras seis ou oito coras-do
poco .
O amigo, ha diz um transente, onde leva
laniascordas '?
A minha aldeia, para que, no case de se
quebrarem as dos s)nos das igrejas com o repi-
que, so podercm substituir.
E so sobrarem ?
Para enforear os que no estirerem con-
tentes.
Compadre, vai lo alegro !dsse ura ami-
go a oulro quesahia da taberna, j un pouca
desequilibrado.
Poder a- nao... se venho de Tetuan.
Pois cuvou para l.
E, dizendo Ulo enlrou para o lugar d-onde o
oulro sabia.
DUELLI ,
Tassar.do um official ajstriaco per urna ra
onde est.va parado ura joven do povo conj um
charuto apagado na Docca, dsse esle ao aus-
traco :
O-rscu charuto apagou-sc, fazeis-mc-favor
d'um solferino}
Esla.palavra quer dizer actualmente ump/ios-
photo, o. o official respor.dcu-lhc dando-lbe urna
bofetada.
Por causa elisio batoram-se no- da seguinte,
sondo o. Ilioial aulorisado polo se-u coronel.
.Veste d*iello o mancebo do povo- ficou ferido
na corteza de .gravemente.
enlendem com o augmento material do nosso
paiz, lo natural quanto legitima e verdadeira ;
urna vez quo a tentemos e-m regra, cumpre quo
a facemos marchar com se-guranra, alim de que
nao parece vilenla.
Para islo rnisler que enunciemos algumas
thogoria.
Esqueccra por vozes os que se consagran a es-
ludos serios sobre a organsaro politice e so-
cial dos p&vos, que a industria, resultado da ac-
lividade huraana, applicada o desenvolvida env
todos os ramos
de vlilidade real e commum.
movimenlo geral do nosso paiz, encarando-o de- ideas, como um prembulo necessario as cons- exerce, por sso mesme-, um papel oe muita in>-
baixo de ambos os aspectos que elle pode olferc-I deraces em que nos propomos entrar. I porlancia no quadro geral da vida humana e
cer, em seu natural andamento, em sua nocessa- Investigar o que soja a industria no Brasil; I do exists da sociedade.
ra marcha para a civilisaco. quaes sejam as condicoes de vital interesse paca' Entre as naces antigs era a induslra umi
O que se nao pode negar, porm, que, nao I o desenvolvimento e o desciment,materiaes do j cousa muito diversa do que presentemente e
obstanlo esse principio de unio intima entre nosso paiz ; quaes os molhoramentos de que por' qur ella se realisasse absolutamente no comm'er-
esses to diversos ogontes
Mica, a natureza di
pedo urna apreciac
parado urna obse
ampia e livre, do que poderia ser, a p'arfir do um
s ponto, como de seu centro commum.
Nos que temos fallado al hoje mais exclusiva-
mente do que se refero com particularidad ci-
vilisaro moral do nosso paiz e da nossa provin-
cia,
em diante, com aquillo que mais positivamente
se liga aos progressos materiaes da nossa socie-
dade.
J se v que, na exploraco dcsle terreno, de-
voremos subir muitissimas vezes indagaeo de
leis eminentemente philosophicas, de cuja ana-
lyso resultar para nos ainda mais a confirmaro
da idea que professarnos sobre o mutuo con-
curso dos interesses sociaessobre a harmona
plena e perfeila dos elementos indispensaveis
civilisaco.
V-se tambera que nao poderemos abslrahir
tanto da acro e da influencia da nlelltgencia,
no exame desses melhoramenlos, c no estudo a
que tormos levado por esse lado, que restrnja-
lo de summa gravidade, e que naturalmente de-
manda a mais profunda altencao. Entretanto,
indubitarel que esse esludo nao pode sor inicua-
mente separado de considerare-es de outra natu-
reza, que a elle mesmo so prendem, e quosobre-
era especial, enlreter-nos-hemos, de hoje | saliera proporro que o espidi mais o procura.
o mais aberlamente se Ihe dedica. Por oulro
lado, nao se poderia prescindir, em lacs estudos,
da enunciaco de cortos principios geraes, do
cuja applicco practica dependo para cada um
paiz, na ordem da industria, e segundo as con-
dicoes peculiares quo ah se do, o seu mais livre
e mais ampio desenvolvimenlo material.
Ao Qxarmo-nos hoje mais decididamente 30-
...tp
les fabrs, do que nos do prova os esforcos de
muilas populacoes industriosas da Alta Asia', ain-
da livres da dominacao romana ; o corlo que a
indnslria%enlo, comprehendida n'um campo
mais limitado, cifrava-se, j para urna, ja para
outra nacao, ou somonte as manti/acrtiras, ou
somonte na agricultura, ou apenas no com-
' mercio.
Segundo as ideas que presidian marcha de
cada una dessas popularnos activas e laboriosas
(fallamos somonte das que o eram, na anligui-
dade', a industria lomara as feiroos caracleristi-
licas dessas mesmas ideas : c d'a'hi vem que a c-
ellas. prenda-se naturalmente
vitisarao, para
bre a indagar c a observarao do estado, que expanso mais vasta da espidi e das [acuidades
nos offerece o nosso proprio paiz, pelo que se iiitellectuaes, n'um ponto determinado, e a pro-
refere vida industrial, acSo des elementos porco que essas ideas predominantes mais se.
de qu ost pendente o seu material incremento,! estendiam.
-nos indispensavel fazer preceder essas nossas, Com a queda, porm, do imperio romano,
rcflexes de algumas ideas geraes, que ve- cora a aggloraeraco de t diversas circumstan" uei, o"sen tVdo ""que*" hoje"k Tin^s^pla-
nhaot 5 propostio.e que sojnra o principa para cias.que produziramsuccessivarr,etile as mais no- vra, no tnoio de telas as narras conhecidas,
taveis inudangas no mundo social e poltico, a3
condicrocs para o progresso e a civiMsacao dos
poros passaram por muilas modificacoos e pha-
ses dislinctas ; e desso.embate de principios, des-
sa lucta entro as ideas antigs e as que surgam
enlo, resutou essa aova ordem d oeusasquese
foram coordenando e regul.irisando durante o
longo periodo da idade media.
As iiacrjes.quo nasceram d'essa fuso d.-.& na-
COjes antigs, relemperadas cm sua propria n-
dole, por tantas causas, que po.lerosanvante in-
flnirain sobre a rna-cha e o dosenvolvimenlo do
todas, vieram a constituir, pelo que asepeila
sociedade, um espectculo inteiromente novo.
A. organisacao dos povos o parou mais, como
d'anles, no fervor do espirito guerreiro, ou no
esmero especial do culto das ledras, e-dasscien-
cas, ou no pronunciada e exclusivo apftgoa urna
classe de operacoos de induslria, a urna elasse
de Irabatho. As novas sociedades, que sahiram
daquello estado, que al cerlo poni era urna
confusa dos elementos civilisadores, opreson-
taram lodos os bons ofTetos de urna roaeco pro-
voitosa ; e quando chogaram aconsltuir-se cada
urna de por si, reconheceu-se que o espirito de
industria lora um quasi signal dislinrlivo, que
todas ellas, mais ou menos, Irouxoram em sua
fronte, ao desembarararem-se d'essa siluaco,
que era urna prova lenta e um eCDcaz estimulo
s tendencias de cada urna.
Passou-se o lempo das conquistas, em que
tanto se esperdicaram forras e recursos de mais
de um povo, de'maisde urna naeo famosa : de-
correram as pocas do feudalismo e da barbara,
que fizeram dos combates c das batalhas 03 pri-
meiros instrumentos da elevaciio dos povos :as
tendencias da civilisaco, e as aspiraces do es-
pidi publico, sao outras, mui differentes o de
umn natureza muito superior.
Em lempo se pensou e se-reconheccu que da
harmona dos interesses sociaes que pode re-
sultar a harmona completa da mesma sociedade ;
o como a industria nada monos quo a aclivida-
de humana, em toda a esphera de seus trabalhos
fa-l'a considerar como um ttulo de mais para a
grnniro. obra da civil-sarao da huraaniiado.
Assim que, ou sejam* Bretoes. 011 Germanos,
ou Francos, ou da Asia ou da Europa, esses po-
vos que hilo passado por to nolavois transfer-
macees, c quo hoje assentamara mundo, de una
a outra exlremidade, a grande tonda industrial,
como a primeira- eondic&O para a harmonia o
mutua intclligonca dos- interesses sociaes, ro--
proscnlam todos- elles, por isso mesmo, o maior
pensamento na actualidad,que o progresso ma-.
lerial em concurso cota o moral,para os cJtos pus.
da civilisaco,e segundaos planos da Providencia.
E' manifest, que a industria nao exerco hco
um papel parle, r.o extenso drama que se aet
representando no mundo : o seu papel priaior-
dial, ndispeosaval, atienta a actual organisai-o
dos povos ; beiK-iico e de urna iraportaotia in-
calculavel.
O principio a* justa liberdade ; a. concurrencia
legitiniamenio considerada a aecho directa dos
elementos da produeco, reagindo*contra os obs-
tculos naturaos, e realisando, por fim, o grande
phenomeno da riqueza c da prosperidade publica :
ludo islo faz da industria um esscncialissiiLO
inslrumenlo, na organisaro, na manulenco e no
constante desenvolv-nonio da sociedade huma-
na. A consecuencia que ludo isto iuflue di-
rectamente .obre a marcha do mundo moral o
poltico ; e, porlanlo, a idusiria, tete .princi-
pal dos raelhoramento materiaes, ainda um ti-
tulo sufliciente para a completa realisaco dos
melhoraraentos niorjps.
N'oulro artigo explanaremos, se nos sobrar
lempo, estaj idea capital, fazenualcgo applicco
della ao nosso paiz e ao nosso oslado social.
Feilo esle pequen prologo, entraremos depois
em alguns detalhes. sobre os melhoramenlos
materiaes, jera relajo ao nosso paiz, e a. uossa
provincia.
l.B.
PERN.
ILEGVELl



"
TYf.DE M: f. EljAStf-lsei.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETVCKEBHO_5IL637 INGEST_TIME 2013-04-30T22:02:27Z PACKAGE AA00011611_09022
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES