Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08975

Full Text
Auno XXV.
Seffumla-feira 50
* VAHTXBAS DOS COBBEIOS.
f.olanna eParahlba,segundas eeitas-fcira.
llio-Grande-do-Norte, quinla*felnis ao iucio-
Cibo.Serinhoin, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Blacei. no 1., a 11 c 21 de cada mci.
fi-.r.'inhuus o Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s qulntas-fciras.
Ollnda, todos os dia.
XPBZMZHXDXS.
rHSKSiW. Chela a 5,asl'.h. e 9ni.dan.
Miug. a 13, s 4h.c48 m.daiu.
Nova, a 19,as (h. cMim.da t.
Cresc.a2U, lOh. e lm. da t.
rniAMAa se hoje.
Primelra ; 1 hora e lSmlnutosda larde.
Segunda a 1 hora e 12 minutos da manli.
de JuIliodcffriO.
N. 106.
MICOS DA SUBSCRIPTO.
Por tres mezes (adnwdo) 4^000
Por seis im'/.fs 8/1)00
Por uui auno 15^000
DAS da bxmana.
30 Seg. S.Rufino. Aud. doJ.dos orf.cdoni.dal.v.
31 Tere. S. Ignacio de Loyolla. Aud. da chae, do
J. da 1. t. do civ. e do dos fcltosda faienda.
1 Quarl. S. Pedro ademento. Aud. doJ.da2.v. civ.
2 Quint. N. S. dos Anjos. Aud. do J. dos orf. c do
iu. da 1. v. ,
3 Seat. S. Lydlo. Aud. do J. da 1. v. do clv. c
do dos feilos da fazenda.
4 Sab. S. Domingos de Gusmio. Aud. da Chae,
e do J. da 2. vara do crime.
5 Doro. N. 8. das Neves.
CAMBIOS KM 38 DE JUXBtO.
rs. a 60 das.
Sobre Londres, 25 d. por 1/000
. Parla, 380.
. Lisboa, 115 por ceoto.
Oaro.Ouca hcspnhoe......
Noedade6M00velha.
. de 8/400 novas.
. de 4/000..........
Prtta. Pataco* brasileiro.....
Pesos columnarlos......
Ditos mexicanos........
3I/1XM) a 3I/T)00
17/200 a 17/400
18/200 a 18|400
9/200 a 9/400
1/990 a 2/010
1/990 a 2/010
1/900 a I/J20
PERMMBim
PARTE OFFICIAL
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DI A 27 DE JULHO.
0(1lcit>.Ao commandante da armas,
transmt'indo copia do aviso da secretaria
de eslalo dos negocios da guerra de 11 do
corrate, para que, em cumprimanto de
quanto ah se orden, manir ptooedor, nos
lennodoparagrapho lerceiro ato artigo se-
gundo d decreto numero 260 de 1 lo de-
embro te 1841, conceibo *e inquincao
sobre o ilferes-do sexto balalhao de caca-
dores Jo3>orges de Campos. Itemotteu-so
itambem tapia do citado aviso ao Exm. pre-
sidente do Cear aiim de que digne-so de
'faxe-lo cunprir na parte relativa ao alfares
do tereeirdbatalhno da mesma arma liento
[Ferreira Maques Brasil.
: DilcA^ mesmo, remeltendo, julgdo
pela junta juslica, o processo do coronel
Cyprisno As de Almeida, alimdequeSi
Exc. faca comprir a sentenca proferida pela
mesma junli
Hito.Ao esmo, conmunicando queS.
|M. o I. houvt por bem lermittir queosol-
I dado do asvl de invalilos da corte, Basilio
[Rodrigues d Freitas, ienha residir nesta
.provincia, se do nella />go de seus venci-
Imentos. gienlilicou&e o inspector da
I ps.'doria militar.
Dito.-Ao mesmo, jarlicipando que a 9
do correte lo mandi dar baixa do servl-
50. por ter excedido i prazo marcado para
os voluntarios, ao clete do segundo bata-
lhSo de artilharia a p, addido ao primeiro
da mesma arma, Jos* Moraes Comes Fe* rei-
ia.Inteirou-se o taspector da paPloria
militar. /
Dito.Ao inspector da Ihesouren^ fla fa-
zenda, remetiendo copia do aviso ub que
o Exm. Sr. ministro do imperio, Jp passo
que declara as quantias que tocarA a esta
provincia, na distribuido do# Crdito
daquelle- ministerio, concedida fia lei n.
516 de 28 de outubro de 1848 pata o exer-
cicio de 1849 a 1850, recommenda toda a
liscalisac.10 e zelo afin de queasdespezas
cornos ramas ah designados jamis exce-
dan) as qu ollas que a cada utn dilles sao
especialmente consignadas.
Dito. Aflagente da companhia das bar-
cas de vapor, para que mande dar passa-
gem t l'.io de Janeirn, no priffrciro vapor
que dos portos do norte passa para o do sul,
ao ansperada reformado Dionisio dos Reis
Custodio, que se offerecera para servir nes-
ta provincia em quanto durasse a ultima
lula, equeoraquer regressar paraalli.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar,
transmiltiodo copla do aviso da secretaria
da guerra, mandando que seja eliminada a
carga da quanlia de 582,490 rs., feita ao l-
enle Manuel Claudinode Oliveira Cruz, e
que ge vorifique desde quando principia-
ran! a ser pagos nesta provincia os venci-
mento do contingente de 140 pracas do se-
gundo balslhSo de cacadores que vieran)
da corte em Janeiro do eorrente anno com
passagem para o sexto -da mesma arma, e
soccotridos de venc meulos al o ultimo do
auno prximo passado.
l)ito.--Do secretario do governo a Joa-
qun) Antonio dos Santos Andrade, commu-
nicando, de ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia, lersido indeferido o requeri-
meulo em que Smc. pedia isencflo de di-
reilos para o cobre que se gaslasso na sua
fabricada caldeireiro.
Portara. 0 presidente da provincia,
usando da attribuicflo que lhe foi conferida
pelo decreto do 11 de Janeiro do cateen te
anno tein resolvido conceder amnista em
nome' da S. M. o Imperador a Francisco Go-
mes de Araojo l'ereira pelo crime de rebel-
lio ltimamente conimettido uesla pro-
vincia.
E para sua resalva so lhe passa a presente
em virlude da qual jamis sera processado
pelo dito crimo.
Appellantes, os administradores da casa falli-
da de Francisco Jos da Costa ; appellado,
Joan Vieira daCunha.
Appellante, F.leutcrio Handeira dos Santos ;
appellado, Jos de Rarros Silva.
Appellante, Antonio Francisco Xavier de Vas-
couccllos ; appellado, Joo Mauoel Das.
tevisoes.
Passarain do Sr. desembargador Bastos ao
Sr. desembargador LeSo as appellacfles civeis
cm que sao :
Appellante, Jos Rodrigue do Paco; appella-
do, Manoel Pcreira Magalhaes.
Appellantes e appellados D. Mara de Jess
Teixelra Lima c Marcelllno Jos Lopes.
Appellante, o juizo ; appellado, Joaquin dos
Reis Gomes.
A appellacao crime em que sao :
Appellante, o juizo ; appellados, IIcnrique Jos
llrayner de Soma llangel e outro9.
Passaram do Sr. dcsemliargadar Leo ao Sr.
desembargador Souza as appcllaafs civeis cm
que sao :
Appellante, Jos Dias Moreira; appellado,
Mauoel Jo Salgado.
Appetlanter. Mauoel Lopes di Silva, sua mu-
llier c nculSXfnr doaarphaos; appellados, J-
lo Zefirnfo de Hull^sV Cavalcautc c sua mu-
Bier.
Appellante, Manoel Joaquin Soares ; apprlla-
do, o curador da heranca do fallecido Jos
Francisco Collares-
Appellante, o prelo Antonio como administra-
dor de sua lillia; appellado, Ignacio Joa-
quin Accloll Wandertcy.
Passaram do Sr. desembargador Soma ao
Sr. desembargador Rebello as appellacOes cl-
veia em que so :
Appellante, Jos Joaqulm da Silva Maia ; ap-
pellado, Antonio Joaqulm da Rosa.
Appellantes, Antonio Ferreira do Valle e ou-
tros; appellados, Eugenio Jos de Saul'-An-
naroutros. ,
Appellantes, Carlos Jos Gomes de Oliveira e
outro ; appellado, Pedro Jos Rodrigues.
Appellante, Francisco Jos barbosa; appella-
do, Antonio Comes Villar.
A*"appelIacSes crime em que sao :
Appellantes, Joao Manoel Mende e Evaristo
Mende ; appellada, a juslica.
Appellante, o juizo de direilo da Atalaya ; ap-
pellado, Miguel Francisco do Eom-Fim.
Appellante, o promotor publico deS.-Miguel
das Alagas ; appellado, o reo preso Pou-
cianno, escravo.
Passaram do Sr. desembargador Rebello ao
Sr. desembargador Luna Freir as appcllaioe
civeis em que sao :
Appellante, Gaudino Agostinho de llanos;
appellado, Joaquin Jos de Seixas.
AiM.cMoni,-. o julio do ausentes ; appellados,
Nicolao O- Diclrer t C.
A appellacao crime em que so :
Appellante, a juslica ; appellado,
renco Martins.
Nao houverain mais julgamentos por faltar
o Sr. desembargador Villares.
Lcvantou-sc a sessao s 2 horas.
Eu, Joio Joi Ferreira dt Agujar, secretario,
asubscrevi. Oliveira, presidente. llar-
ros. Mamede. Carneiro Monleiro. Fran-
ca. Barata. Maraes. Oliveira.
TRIBUNAL DA KELACAO'
SESSAO1 EM 28 DE JULHO DE 1849.
FaSSIDBNCU DO EXM. SKMIOR
CONCEL1IEIHO AZKVEDO.
A't det horas da manhaa, achando-se pre-
sentes os Sr. desemUargadores llamos, Has-
tos, Leo, Souza, Rrlfello e Luna Freir, fal-
tando eoin Causa os Sr. desembargadorrs l'on-
ce e Villares, e Sr. presidente declara aberta a
settia,
IULO1II1NT0S.
Apptllmcts citis.
Appellante, o juizo; appellado, LuizGoma^
de Menezcs Lira. Foram desprezados os eui
barao do appellado.
Appellaate, Joa Xavier Rodrigue Caiiipel
ippelUMl, 1). Anna Joaquina l-ins Wau
derley.Fdram desprezados os embargos di
appellaule.
Appellante, Jos Paz Landim ; appellado, Joa-
<|uiui Perelra Lima..Mandaram avesj>ar
impotto.
Brearse s slticts.
Recorrnte, Luiz do Reg Toscano de llrtw
e outro; recorrida, a junta de qualilicaco'
da villa de Maranguape da provincia da P*i
raljibs.Foi desprezado o recurso.
Becorreule, Antonio Ignacio Rlbeiro Ro
recorrida, a mesma junta.Tere o mi
defcrlmenta
Aggravo is pslieo.
Aggrsvinte, Manoe^Fcrreira da Silva Uanaaj f
gtravado, Francisco Fellclanno Rodrigue
Selte.Denegaran! provimeoto.
DtsignacSa.
r'ol asslgnado o 1. da til para sereui jul-
*du as apDellacOe civel eu qua lo :
Joa Lou-

PEnNAIvIBUCO.
DIARIO l PRlBIICn.
i- scnbores da opposicflo : se se demorasse o
* julgamento dos que se acham compromet-
tidos, haviam de clamar que saquera re-
to-Ios as masmorras sem submelte-los a
julgamento. eacturiam que tato era auj-
CAMAHA MUNICIPAL DO BBClFfi.
ftSSAI) EXTBAOaulNAIAEM2nBJULIIO 1>E
1849.
Presidenoia do Sr. Oliveira.
Presentes osSrs. Barros, Mamado. Carnei-
roMontciro, Franca, Barata, Dr. Moraes e
Oliveira, abrio-se ascssiio, e foi lida e ap-
provada a acta da antecedente.
O secretario fez meollo do seguinte ex-
pediente :
Um oflicio do Exm. presidente da provin-
cia, transmittindo copia do aviso da secre-
taria de estado dos negocios do imperio de
30 de maio prximo passado, para que den-
tro do prazo de 15 dias, depois da recepco
dodilo ollicio, envi esla cmara presi-
dencia as declaraces que so exigem em
dito aviso acerca doexercicio que tonham
tido os magistrados que bao servido de jui-
zes de direilo desta comarca desde 1833 em
diante, com a clareza e especificacffo recom-
mendadasno sobredito aviso Inleirada.
Outro do mesmo, acrusamio rocebido o
desta cmara, communicando-llie acbar-so
empossada e ter entrado em exercicio.
Inleirada.
Outro, acensando o reccbmcnto do olli-
cio desta cmara, em que llio rcmelte
a relaco dos nove cidadSos mais vo-
tados para vereadores da mesma e dos res-
pectivos suppleotcs, bem como a dos juizes
de paz dos varios districtos das froguezias
desto municipio.Inleirada.
Outro do mesmo, mondando que a cma-
ra se retina hoje para deferir juramento ao
Exm. Sr. concelbeiro de estado Honorio
flermeto Carneiro Le3o. presidente Hornea-
do para esla provincia, urna hora da
t|rde.
A cmara assignotl o voto de gratid.lo di-
gido ao Exm. presidente actual, o desem-
rgador concelbeiro Manoel Vieira Tosa,
los.relevantsimos servicos prestados
ta provincia, sendo nomeada urna com-
isslo com posta dos Srs. Barata, Carnoiro
bnlejiro e Mamede para o entregaren) pes-
'Imeiilo a S. Exc.
Prestaran! juramento diversos juizes de
iz (loe dilleienles districlos do municipio.
A unlia hora da larde, sendo annunciado
comp\arecinento do Exm. Sr. presidente
moadlp para esta provincia, o concelbeiro
e oslad Honorio Hermtu Carneiro Le3o,
na comVnissaodosmembros da camera o
troduzoo com as formalidades do eslylo
sala tas sessOes, onde, tomando assen-
dextra do presidente da mesma cmara,
esenifou a carta imperial de sua nomea-
odejbl de maio ultimo, a qual foi lidaem
voz'wionuncl,rne"te com 'vi' da
Iretaria detestado dos negocios do imperio,
cmara dirr&ido, prestou o juramento do
eatvlo, e depoW termo rotirou Je s o levanlou-so a sessSo.
HICiri, 29 SI JOX.HO SI lt(t.
.
A inda durava o adminislraao do Sr. Tos-
a, quando constou quo o capito Pedro Ivo
Telloso da Silveira eslava em armas as
mattas de Agoa-Preta. e foi o mesmo Sr. que
para alli mandou o oitavo batslhito deca-
eadores, com ordem do distribuir a sua for-
ca entre a referida povoacilo e o engenho
Verdo, afim de poder mais fcilmente cap-
turar aquelle ofllcial que, mal comprehen-
dendo a sua critica e por dejaais arriscada
pnsico, ousara collocar-se til. Entrelanlo, ocenpado o ultimo dos dous
pontos que licam mencionaaos, aconteceu
que as dus fracQOes do dito corpo tives-
sem de ver interceptada a correspondencia
de quecareciam para combinaren) assuas
operacOes, bem como que se soubesse que
Podro Ivo era coadjuvado pelo amnistiado
Caetano Alvos.
Informado desta ocenrrencia, o Exm. Sr.
concelbeiro d'eslado e presidenle Pro-
vincia fez marchar para aquellas bandas o
primeiro hatalhno de cacadores, e logo de-
pois oSr. marcchal commahdanle das ar-
mas, encarrogado de acabar enm tal valha-
couto, oti por via da frctf, oti por meios
conciliatorios, os quaes, comtudo, nilodc-
vorilo aproveitar ao principal autor desses
movimentos.
A opposico, que sem duvida ha de estar
tilo ao eorrente desses aconlacimentos co-
mo nos mesmos, deu-se prawa em inculcar
que os ignorava, e pela gazeta que lhe ser-
ve da principal orglo annU*Cou a -26 desto
mez semeHianle evolncao dafrcas, procu-
rando persuadir aos leitores quo o seu lim
era puramente eleiloral.
Felizmente, porem, no mesmo dia em quo
aquelle peridico fazia lo maligna quilo
injusta censura ao estadista, a respoito de
cuja adminislrago manifestara asmis li-
songeirasesperancas, via-se na segunda co-
lumna da priineira pagina do nosso jornal
um oflicio cm que ello oxiaayiu chefe de
patiaiii l^v uiiiiatar no dtCfeAo !Oi,.(.l^..lu
do termo de Sanlo-Antfo a ao subdelegado
do primeiro districto dacidadeda Victoria
que o governo muito Ihes recommenda amis
estudaita moderaban e respeito p'los direitus de
todos os cidadaSs as prximas elejf/fes t na-
qutllas que para o diante se houver de proce-
der, bem como que nao serao toleradas abusos e
violencias que porventura tendam aimpedir a
manifestado do voto de cada um.
Este documento ollicial, expedido a 23,
demonstrava que o governo quer a liberda-
de do voto prevens ulciramcnle a ma-
ligna insinuacno dosopposicionistas, e lan-
gava por trra a pueril aleivosia com que
elles emprehcnderain mostrar-so ignoran-
tes da contumacia com que reincidem no
crimo o capilo Pedro Ivo c esse Caetano
Alves que, abusando do favor quo em nome
de S. M. Imperador lhe fra ootorgado,
11.1o recua ante o novo delicio de concor-
rcr com aquelle tresloucado oflicial para
queestejam em susto e eslromecimeno os
pacficos habitantes das paragens que elles
Infestan) com alguns destacados que anda
conservan! enredados em suas armadilhas.
Entretanto, oque aconteceu ? ComosenSo
tivesscm lido seinellianle documento, como
so estivessem persuadidos de que ello n5o
era conbecido do publico desta capital, os
redactores da folha opposicionista insisten)
no dia seguinle em a mesma aecusaeflo, e
liguranioSr. mareclul coniniandanle ds
armas percorrendo varias comarcas do sul,
com o nico intuito de aluciar ou intimidar
os seus moradores para que nao levem s
urnas a genuina cxpressilo da propria cons-
ciencial...
N3o qualificarcinos scmelhante proceder;
mas observaremos que, de boa f, se nSo
pode suppor disposto a cuarctara liberdade
do voto o administrador que, apenas assen-
lado na cadeira presidencial,deu moslras de
que esla resolvido a garanti-la;j mu-
dando para prisoes de Ierra os mais com-
prometidos e pronunciados chefes da op-
posico, e facilitando-Ibes por^ conseguid lo
os meios de so enlendercm mais commoda-
mentjcomos seus alliados.edarem-lbcsas
precisas instruccOes para u grando lula do
dia 5 de agosto prximo futuro;-j cortando
por todas as dilliculdades que impediam as
publicaces pela iuiprensa, mandando at
soltar um compositor quo a polica havia
capturado;-j concedendo amnista, e resli-
luindo aos proprios lares muitas das influencia
elcitoracs das comar'cas de,l'ra, que aqu csla-
vamdetidas;japplicando a clemencia impe-
rial a lodos quantos.scm esUrem prouuuciados,
a teem solicitado ; j, filialmente, ordenando
ao chefe de polica, bem tomo a lodos os dele-
gados, subdelegado e juizes inuniclpaes que,
emolanlo se nAo ultimarem os elticois, nao pren-
dan a ntii/ium individuo st o pretexto di ser im-
plicado no erim de rebeiliip, commelliio na pro-
vincia, salvo o caso de seackarpor elle pronuncia-
do, e ser a prenuncia anlrir Por dentis signiticativos, estes aclo e ou-
tros muito que delxaiuoi'de cilar, provam evi-
dentemente que a elelcoo de 5 de agojio e to-
das as mais que houvereiu lugar durante a
presidencia do Enu. Sr. concelbeiro Honorio
Ucriulo Carneiro Leao deveiu de cr feita
com toda a liberdade ; e que, poi, ao mandar
para fra da capital o Sr. marechal coimnan-
dante das armase a forras que o precedern!,
S. bic. nao leve em vistas um plano eleiloral,
uas sim e tmente rcduzlr obediencia os
S 1 I' I i ,,u,.(,u.r *. w.t.w _----------.
a comprehender a paternal poltica do gover
no, e conheca que elle c os seu mais dedica
dos amigos esforcJin-se por erguer uma mu
ralha de brome entre o passado e o presente,
afim que cheguemos a conciliar o malpossi-
vel a numerosa familia brasilcira, para que,
circumdandoo throno do magnnimo monar-
Cha que hoje impera sobre mis, possamos
abracar-nos quaes oulros tantos bons irmaos,
e trabalhar todos de commum aecrdo, ca-
da qual segundo as suas frca, para a gran-
de obra da regencracao do pas.
para as banda d'Agoa-Preta -dispr as cou
a de modo que os habitadores desse lugar
das circumviiinhancas e rcconbcam sb
vigilante proteceo do governo, e porlanto
salvo das excurses dos llludido que anda o ^
acompanham em eu desvarios. mentar a afliccao ao aflicto, era requintada
Ao concluir 'eM *J?, J*r,ll<>"'' e3" maldade; mas como se d pressa s esso jul-
tao, abrindoosolho.arasao.e,1eg^e^n, nU| comQ ,. onvoM 0 jury para to-
,- marjogo conheoimonto desses delictos,
gritarn* saol d'elrei, e bradam contra a
monstruosa perseguico, que alias ja nflo
he feita no tempodosSrs. Penna e Tosta ;
mas sim sb a presidencia do Exm. Sr. con-
celheiro Honorio Hermto Carneiro Leo !
Sen tjucrerem entonder os arligos 243
o24 do regulamento de 31 de Janeiro de
1842,quenenhum outro lim teem senSo pre-
venir a hypoliieso de achar-so em sedico,
ou rebelliSo um termo, comarca, ou pro-
vincia, e nfio poder consegulntemente reu-
nir-seo jury para tomar conhocimento do
quaesquer delictos ah commeltidos, orde-
nando que em taes casos seja competente o
foro do termo, comarca, ou provincia vizi-
nha, os liomens da opposiQo apregoaram,
logo queso fe a convocarlo do jury, que
o jury desta cidado he incompetente para
julga-os comprometidos na rebellio do
novembro, como se aqu esteja em acto a
rebelliao, e nilo possa ter lugar a reunSo
do jury; mas, eonbocendo que essa estra-
legia, esperloza e engao nonhum valor
podiam ter, pois seria mister para mostrar
a incompetencia dojurydest cidado para
esse julgamento consagraro absurdo de que
elle mo podera tomar conhecimento de
delicio algum, visto como a hypothese dos
citados artigos do regulamento he rolativa
n3o somante aos crimes desodicSo, ou re-
bellilo, mas sim a quaesquer delictos com-
meltidos nos lugares, onde tiver appareci-
do, estiver em acto, sedicSoou rebelliao,
reccorreram a apresentsr o jury desta ci-
dade cooao uma commisflo militar, como
urna vordadeira inquiscSo.
O Diario-Novo de qunta-felrn 26 do cor-
rele assim o affirin, acomando at de in-
famia a convocacao do jury, que. segundo
elle, Toi decretada por uma alta camanlha.
E porque? Porque julgou-se naoterha-
vido rebelliao no Becife, como se com cuel-
lo livesse ella estado aqui em acto, como
se com elTeito mo podosse o jury reunir-so
agora e lomar conhecimenlo de quaesquer
dolidos, quando mesmo lvosse havido aqol
rebelliao/! Porquo ojury be extraordina-
rio e nao ordinario! Porque he presideiilo
llHUBJl_arr"Wr rtabtr-o, a-proraotor o Sr.
Paes Darreto, aibos do partido censtitucio-
nal.' Porque no sorteio, que se fez, salii-
ram para ojury seis ou seta liberaes !!
Ora, ludo islo na verdade prova a maior
O vapor Imperador, chegado hoje dos por-
tos do norte, trouxe-nos jornaes do Piauhy
at 24 de maio ultimo, do Para alo 18 do
correte, do ('.carate 21, o da Paralnba
al 27.
Pinnhy eslava tranquillo.
A Voz da Verdade, se bem que um pouco
mais modestamente, continuava a censurar
a presidencia por proteger os opposicioms-
tas ; mas estes, mal satisfeitos, e encarre-
gando-se do desmentir aquelle peridico,
proctiravam os prelos do Cearense para se
queixarem da mesma presidencia, allegan-
do quesolTrem extraordinaria oppressa. E
vista disto, o que deve concluir o obser-
vador mparcial ? Que aquello administra-
dor se nao dobra a exigencias das parciali-
dades em que esl dividido opovo, cujos
destinos dirige ; que govema com a le;
e que por isso mo agrada a nenliunia
dessas parcialidades.
Para gozava de paz.
A imprensa dessa provincia como que se
ia desviando da vereda da modestia e da ho-
neslidadc. Quanto a nos, esla mudanca tetn
por causa a proximdade das eleicOes.
A Stf do passado sabira para Tocantins a
oxpedicJo que deve fundar o presidio e co-
lonia de Santa-Thereza.
Esta expedido, composta de 92 pessoas,
lora transportada por uma esquadrilba de
11 embarcaccs pequeas, c ebegra a 2 do
eorrente cdade do Camela, onde receber
as maiores ilemonstracOos de affecto.
Maranho Acara em socego ; sendo que, e-
gundo o Estandarte, o phrenesi esta na pennus
dos escriplores da op|K)SCi1o, e nao un nimos
doj habitantes da proviucia ; puisque, apezar
da proxlmldnife d ioM^oi, -- '
servam pacilicos, e csperaiii-na como UOi
aconlcciincnto prcvialo'e ordinario, que dev
pssar-sc quietamente, e icm csses disturbios
que o assignalavain cm eras mais remotas.
leror.^o7^
lc" '.= .:, ,.,u,i3.i,.: nnrnuanio. no da. e ate a aorta, a sorto que devra lar
se, c nao sua tolalidade ; porquanto, no
mesmo numero cm que d seinelhanle noticia,
coma que cm llapicuru um tal Nunes, eiigin-
.lu-se presidente da cmara municipal daquel-
la villa, Osera una sessao clandestina com clci-
tores de 2 votos para representar presiden**
contra a maneira por que esta decidir.) cefla
pendencia eulre elle c ojuizde paz Ignacio
Francisco de Oliveira ; o que prova que os
turbulentos nada esqucceni que concorrer
possa para nlorpecer a marcha regular das
eleicoe que dentro ai POUCO se proceder
em lodo o imperio.
Iota Goncalves da Silva, cujo ferimento, se-
gundo disscmoi n'outra occasiao, (Ora altrl-
buido pelos ligueiros ao partido governlsla,
declarara pelo peridico aurora que tsl inipu-
ucio era iiileiramente balda de fundamento, a
que estava persuadido que o seu incouimodo
provtera de alguna inimizade particular.
Auxiliado por um segundo sargento de nome
Carlos llavmuiido da Cunha, evadira-e da prl-
sao certa Individuo que eslava pronuuciado
como passador de mocda-falsa.
Ao dar conta da fuga desse criminlo, acere,
cenia o Porlo-Franco que o sargento levara aj
connivencia ao ponto de ordenar a senlincllf
que guardava o preso se nao oppozesse ,i sua
MBncalbra na praia fronteira aos fundos di
casa do negociante Joao Gualberto da Costa*
cadver de urna menina branca recemnaicid,
invollo n'uin travesseiro, e sen. que apresen-
lasse signaes de haver sido a pobre criaUfa
mora com violencia.
A 16 do correte, o cambio sobro Londres
fluctuava, na praga de San-Luiz, entre 24
1|2 e25d. por 1,600 rs.
Anda se senta ah falta absoluta de on-
cas hespauhulas e mexicanas, bem como de
inodas de 6,400 rs. ; sendo que as de ris
4,000 valiam de 9,500 a 9,600. 4
Cear nada sollria quanto a tranquilhd-
do publica, mas reinava desintolligencia e
desharmoiiia entre a presidencia e a assem-
bla legislativa provincial; Unto quo esta
ia dirigir contra aquella urna representado
ao governo geral.na qual lhe faz graves cen-
suras.
Adoptada a representac.ao por pequea
maioria, a assembloa detxara do funccionar
por 8diassuccessivos.
Em Paraliiba nada occorrrera de extraor-
dinario. ,
No exorcicio de 1818-1849 a alfandega pa-
rabibana arrecadra 146:275,843 rs., noen-
taulo quo no de 1817-1848 o seu rendimento
nao excedftra de ris 72.645,171 ; o qual,
comparado com aquelle, Iba lie inferior
em 73:630,672 rs.
la, e ate a sorte, a sorto que devra lar
mais caridad*, que devora compenetrar-so
do pensa/iennostrou-se sobro
maneira perseguidora e cruel, dando so-
menle sois ou sete liberan \!
Bem sabemos que a opposiqSo s convina
que o jury ft'issc todo composlo de iberuei
ardenles; mas quom tem culpa deque so.
fossem sorteados seis ou sete liberaes liem
sabemos que opposi.1o s conviria que o
jury fsso presidido por um juiz //DeraZem
toda a frca da exprossJo ; que fsse pro-
molur lambem um liberal do mesmo jaez;
mas quer que o Sr. Dr. Nabuco seja remov-
do ip continente para nSo presidir o jury i
Qur que o Sr. l)r. Paes Brrelo seja demit-
tidd j a ja para n.lo fonceienar? Oh se isto
poilc'sse atontecer, o se estes senhores che-
gassom
de pJT
jury na
i n com1
"ra per;
substituidos por dous liberaes
bella sess;1o extraordinaria de
la esta Entilo n9o seria ella
_J, e s entao he que nSo have-
^.jieo, s entao be quo ello nao
serta verdadeira commissao militar!
-----------------------

Correspondencia.
Commuiiicado.
A CONVOCAgAO'DOJURY
Nada ba de quo a apposigao nSo pretenda
tirar motivo para allegar perseguirlo : at
a convocacao do jurf para julgamento dos
aue so acham projiunciados como cabecas
Ja rebelliao de/novembro he perseguidlo
inaudita, que^cmeiha as proscripcOes de
Isylla, e as cruoldades de ero.
I ora
mas sim e .rnente redutir obediencia o.l) ^.-" tnteilder 6SS6S
dous refracurio que 14 se acham. cm armas _ra na Y^ruaae cusa "''""
genitores reductores. Tendo sabido de ca-
si de Joaquim Antonio dos Santos Andrade,
de quem fui caixeiro, era intuito tneu es-
quecer-mo para sempre de ento ISo misera-
vel, bom conbecido nesU cidad?, e digno
do publico respeito que sempre lhe merece-
rn) as relaccs intimas e amigavffbn que
constantemente esteve para comgpeus ps-
tres; mas visla do annuncioTque o tal
Andrade fez inserir em o Diario de 23 do
eorrente, no qual declara ao publico haver-
me despedido por lhe ndo merecer mais a sua
con/tanca, cumpre que alguma cousa diga,
para que meu silencio nao seja interpretado
como confiss3o e consciencia de minha cul-
pabilidade ; comquanto em uma cidade, on-
de o individuo que me alira 15o traicoeiro
couce, be tilo devidaraenle apreciado, fsse
este trabalho que tomo quasi desnecessano.
Fui despodido por Andrade por lhe ndo
merecer a sua conhanca Em verdade, da quo
coiiflanca quer fallar Andrade? Quaes os
actos por mim pralicados que me tornaran!
indigno dessa honrosa conlianca i Em lins
de 1846 tomei conta da casa porbalanco;
todos os annos teem-se dado balancos de-
monstrando sempre lucros ao prazer e satis-
ac3o de Audrade; Andrade tSo satisfeito
eslava commlgo, que me oflereceu socieda-
de que eu soubo recusar por motivos; on-
de, tois, o motivo de meu sbito desmere-
cimento ? Se o fito de tSo baixa e despre-
zivcl calumnia foi rerir-meem minha ropu-
tacflo, posso assegurar a Andrade que o nao
conseguio, porque entre mim eelle ha uma
distancia bem notavel; e se eu me Taco co-
nliecer por meus hbitos de trabalho e pro-
bidade, o mesmo se poder dizer de Andra-
de cuja ortuna herdada se prende a certas
recordarles que cobririam do rubor a qual-
querhornero, quo seprezasse? Resta-mea
'II


tras
m
h
: *


ii
i -
;
i-
i
Vi
! :

conseiencia de que como caixeiro sempre
eumpri as nimbas obrgagoos.o o mesmo po-
dara dizer Andrade? Fallom por uiim os
senhores Manoel Rodrigues Costa Maga-
lhies, Manool Jnaquim da Silva l'orraz, Je-
ronymo Ribeiro Itosado, Jos de tal quo se
acha na Baha e outros ; riles que digam de
quo lado esl honro, a prohidade, o tenli-
menlo de/iomem, seda parto docnixoiro, ou
so da parte do patrio. Diga o Sr. Mesquita,
oslo romcDrciaulo do urna probidado reco-
nhecida tiesta praga, que do honradez, que
do capacidad?, o que de bellas industrias
nio tem encontrado no feliz e venturoso
herdeiro do Sr. Teixeira i' Mas, omfim, cum-
pre por termo cssa disputa ; e coino por
uina parte descanso era minba consciencia,
e tenho para meu escudo a bella reputacSo
Andrade, eporoutra, minha siluaco n.lo
me permilte despezas com a nsersJo de ar-
tigos de gazeta, desdo j protesto volar ao
meu desacreditador o mais formal desprezo,
assegurando-lhe quo llio nSo darei mais
respaila.
Queiram, senhores rodadores, ter a bon-
dade de inserir em seu Diario as presentes
linhas.
Domingos Jos Ferreira Guimare.
Pubiicacdes a pedido.
m
5 =
*:
collegios dos orphos dos des-
contos fcitos nos seus ordena-
dos vencidos desde Janeiro a
maio prximo passado na for-
ma da le provincial n. 96
Movimento de fundoi.
Lmpprestimo feito pelo actual
thesoureiro para supprimer.to
das despezas des te trimestre
Saldo em 31 de marco do 1849
121,441
65,612
504,131
7:630,813
OKSPF.ZA.
Adininiitrafo.
Ordonado aos empregados 312,500
Diarias aos ox-congregados 202,400
ospozas judiciaes 50,00
Collegio dot orphos.
Ordenado aos empregados 912,498
Jornaes dos serventes 557,462
Diarias aos orphSos e empregados 1:843,460
Roupea 774,010
l'lensis para o collegio, aulase
dilemas 119,990
Collegio dat orphas.
Ordenado aos empregados 450 000
Jornaes aos serventes 294,400
Diarias as orphas o empregados 1:446,900
Itoupas 441,612
Utensis para o collegio e aulas 104,140
Saldo om 30 de junlio de 1849
1!
-i
* =,
=: I
v -i
*>
w. t
O -
9
? <-
^> i.
0009
op Qpiuoasoijfl
RllUU'tU
OpOljOZB UIOJ SQlj(| I*"
ojiij
np |,)ui iiio,) so)|(j
oiip moa sujey
aiiiapjEo9eiuoosBd,| *
osfiaj ujoosbiiq
O -_
fe S.
8 e
oqiuu iuoDtB)!d
ZOJ.I9 U103 S8]!(]
"2
7:509,372
121,441
7:630,813
l.udger Braulio da Cruz, Jos de Azeve-
do Silva, Antonio Mara da Costa Vallada-
res com sua senhora o 1 fllho menor, Jos
Ignacio Pimenta, Cyprianno Aotoni* Ro-
drigues, Fr. Seraflin Jeatani, apostlico
capuchinhn, el. escravo a entregar; pa-
ra o sul, Honorio Jos dos Santos, Dr.
Joaquim Gomos do Souza, 2 soldados el
escravo a entregar.
Baltimoro 49 das, briguoamericano Fal-
moulh, (lc20S toneladas, captao John S.
Oliver, equipagem 11, carga fazendas,
carne do vacca e do porco e mais gene-
ros ; a Deano Youie & Companhia.
EDITAES.
Secretaria da admnislragSo d patrimo-
nio dos orphos, coi 30 de junho de 1849.
Domingos Affonso Nery Ftrreira,
thesoureiro.
JoQo Francisco de Chaby,
secretario.
tOi
islO.
ALFANDEGA.
Ilcndlmcnto dodia28.....
CONSULADO CERAL.
Rendimonto do dia 28......
Diversas provincias........
IMillplllMll
.ip l|III.IRJ UlOORl'ODBS
si
'RBOU80
ppB9iiBf ep fionj
SBS.ISAjp SBJ)OpBIU0p c
soed a --1 I i.> [ n nI SBJ1
-no o ojnoi op sonti
'0||OJBUJB
ohI opsopqaue.i.i
-2
ei

o
a
2
S
o
u
o
2

6:227,497
1:984,610
27,398
M.^c'"" Cambios -
g <
. o o
31
= s.
e 5 o
s u e
1*4

% s s
-
a. t. s
J 5"
svaiin
sbiojjv
'SODDBS
-r
SBoujnri
SOXK1.I
SCX|B3
= -3 '
I S3 a

s r-g, C2
"O D es
|f O
a c W
5^^ a
11.9 2
1f| s
Sil i

5:22
u 8 5 e 3 c W*C
C

o
-3
O
S
5-a

S5
vl
2:012,008
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 28..... 1:559,699
l'RACA DO RECIPE. 28 DEJULMO DE 1849
AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
- Saccou-so a 25 d. por 1,000
res.
Algodfio--------- Entraran) 194 saccas.evcn-
deu-se do 4,750 a 4,800 rs,
por airoba do deprimeira
aorle.
Assucar- N!io teve allcrac.lo depre-
co ; mas as com|iras firam
menos activas.
Couros----------N.lo houVc vendas.
Itacalho Chegou um carregamento
quo seguio para o sul. O
deposito monla a 7,000 bar-
ricas. ~ As vendas a reta-
dlo regularan! du ti aiUMW
"-------------rea.' J--------
Carne-aecca- As vendas continuaran) de
2 a 2,600 rs. pir arroba.--
Ficaram por vender 40,000
arrobas, inclusive douscar-
regamentos entrados esta
semana.
Cerveja----------Vendeu-se de 3 a 4,000 rs.
por duzia de garrafas.
Farinhadetrigo-Tivemos um carregamento
de l'hiladelphia com 1,000
barricas, e com elle o depo-
sito licou elevado a 2,700
barricas. Os precos fo-
ram os mesmos, isto he, de
17 a 21,000 por barrica con-
forme a qualiJade.
Manteiga -- Relalhou-se a 500 res por
libra da franecza.
Entraram 15 embarcac,0es e sahiram 4.
Existem no porto 63, a saber: 2 austracas,
36 brasiloiras, 3 dnamarquczas,3 franeczas,
1 hamburgueza, 1 hespanhla, lOinglezas,
3 jm:i tugue/ase 4 sardas.
T
9
c
p
T3
v.
I
O


BALANCETE DO COFRE DA ADM1NIS-
TRACAO DO PATRIMONIO DOS OItPIlAOS
tECEITA
Itendimenlo do patrimonio
Sobras das despezas do collegio
dos orphos
DitBs ditas dito das orph2as
ltestituic.0es
6:535,996
123,810
134,610
145,213
Depsitos.
Eatreguw pelos empregados dos
6:939,629
Movimenlo do Porto.
Ravios entrad s tw dia 28.
LRiif-Crande-do-Sul 31 dias, brgne hrasi-
leiro Santa-Maria-lla-Sorle, de 225 tone-
. laclas, capit"io Joaquim Das de Azevedo,
ei|iiipagem 13, carga carne ; a Pedro Dias
dos Sanios. Passagero, Antonio Ferreira
Braga, l'ortuguez.
Bahia 3 dias e 4 horas, vapor de guerra
. hrasileiro Thetis, commandante oca|iit3o
lenlo Antonio Francisco Pereira.
fiarios siihidos no mesmo dia.
Asf.ii Brgue brasileiro tspirilo-Santo,
cpitflo Alcxandre Jos Alves, em lastro.
LiverpQol Brgue inglez llack-Will, capi-
lo Francis Collins, cin lastro.
Fu I iimuthPaquete ingle/. I'etercl, com-
mandante o lente Creser. Passageiros,
os mesmos que trouxe.
liba de Fernando lliate brasileiro Para-
hibano, capkflo Nicolao Francisco da Cos-
ta, caiga generes do paiz.
navio entrado no dia 29.
Riclimond 35 dias, barca americana 1K.-
II.-/)..C.-Wrighl,de 371 toneladas.capitfio
J. W. Me. Donald, equipagem 15, carga
larinha, taboado e prezuntos; a Deane
Youle & Companhia.
Rio-Crande-do-Sul 13 das, escuna bra-
sileira Santa-Cruz, de 115 toneladas, ca-
piWo Manoel Pereira de Sa, equipagem
10, carga carne; a Jos Francisco da
Cruz.
Para o porlos intermedias 14 dias e do ul-
timo porto 14 lloras, vapor brasileiro Im-
perador, de 450 toneladas, commandante
Iguacio Eugenio lavares, equipagem 31.
Passageiros: para esta provincia, Jo3o
Tbome da Silva com i escravo, Jos Pe-
dro C. Itandeira de Mello com 1 escravo,
Jos Pereira JacinUio com 1 escravo,
Francisco Fideles Barroso com urna lillia,
Desiderio Antonio Miranda com 5 escra-
vos, JosSamico, Diogo Jos do Souza Li-
ma com 1 escravo, Manoel Paes Pinto del
Vaaconcellof cun 1 escravfe Galdiuu Al-
vea Cavalcante com 1 escTivo, o cadete
~ Pela inspectora da alfandega se fa*
publico que, no dia 30 do correte, de-
pois de mcio-dia,se hilo de arrematar om
liasta poblica, na porta da mesma, 60 du-
zias de tesouras ordinarias de mais de 6
pollogadas, avahadas pelatarife, a 3,200
rs. a duzia, total 192,000 rs., a requeri-
mentoda parte : sendo a arremataco li-
vre de direitos. Alfandega 24 de julho
do 1849. O inspector, Luiz Antonio de Sam-
palo Vianna.
o lIIm. Sr. inspeclor da thesouraria da
fazcoda provincial convida os credores da
divida fundada a comparecerem, quanto an-
tes, na secretaria da mesma thesouraria,
para se Ihes communicar urna resoluilo do
tribunal administrativo.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 28 de julho de 184.
01. amanuense, sorvindo de secretario,
Francisco Antonio Cavalcante Cousseiro.
Perantoa thesouraria da fazenda desta
provincia se ha de por em hasta publica, nos
dias 30 e]31domez de julho prximo fu-
turo, para ser arrematado por quem menos
prego olforecer, o servico da capataziada
alfandega desta cidade pelo tempo de vinte
e dous mezes que lerfio principio no primei-
ro de setembro deste anuo, e com as cond-
cOes que serHo patentes no acto da arre-
matadlo. As pessoas que se propozerem a
licitar deverffo comparecer nos referidos
dias na sala das sessOes da mesma thesou-
rari, competentemente habilitadas.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 28 de junho de
1849. O oDlcial-niaior, Ignacio dos Santos
da Fonieca.
Olllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em virtudo da resoluc-lo
do tribunal administrativo, manda fazer
publico que, em cumprimento da loi, pe-
ranle o mesmo tribunal, vai novamonte a
pra$a no dia 2 de agosto prximo futuro o
imposto seguinte:
2,500 rs. por caneca de gado vaceum quo
for consumido nos municipios abaixo de-
clarados :
Olinda avaliado annualmento por 2:240,000
Po-d'Alho dito 2:560,000
A arrematarlo ser feita por lempo de um
anuo o 10 mezes a contar do primeiro de
setembro de 1849 a 30 de junho de 1851.
As pessoas que so propocrem esta arre-
matadlo, comparegam na sala das sessOes
do sobredito tribunal, no dia cima indi-
cado, pelo meio-dia, competentemente ha-
bilitadas.
ilpawcosrse mandn allixar.o pa
sent, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco 20 de julho do
1849. O segundo escripturario, Antonio
Ferreira da Annunciaco.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento das
ordens do Exm. Sr. presidente da provincia,
convida os pretendentes aos luga-es criados
pela lei doorcamenlo vigente a comparece-
rem no dia 30 do corrente niez na secretaria
da mesma thesouraria para serem por elle
examinados: os que se propOe aos lugares
de secretario e escriv.To da recela, nos
principios de grammalica nacional, arith-
metica, e na teora e pratica de escriptura-
Clo e calculo mercantil; e os que prcten-
dem os lugares de praticantcs, smenta em
arithmclica pratica, e nos principios de
grammalica nacional.
Thesouraria da fazenda provincial de Per-
nambuco, 26 de julho de 1849. O primei -
ro amanuence servindo de secretario, Proa-
cisco Anlonio Cavalcante Cousseiro.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
deni ilo Exm. Sr. presidente da provincia,do
I8de junho prximo passado, manda fazer
publico que no dia 9 de agosto p. futuro,
irflo praca peanle o tribunal administra-
tivo da maania thesouraria, para seren ar-
rematados a quem por menos lzer, oscon-
eertos da ponte dosCarvalhos, sb asclau
sulas especaes abaixo transcriptas, o pelo
prego de 1:699,500 rs.
As pessoas que se propozerem ,- esta
arremataglo, comparegam na sala das ses-
sOes do sobredito tribunal, no dia cima
mencionado, pelo meio-dia.
E para constar se inandou allixaro pre-
sente, o publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 97 do julho de
1849. --0 l.o amanuense, servindo do se-
cretario, Francisco Antonio Cavalcante Cous-
seiro.
a Clausulas especian da arrematado.
a i. As obras dos concertos da ponte dos
Carvalhosserflo follas de conformidado com
oorgamento aprefentado tiesta data ap-
provagilo do Exm.fir. presidente da provin-
cia, pelo prego de]1:699,500 ra.
a 2." As obras ||rncipiarSo no prazo de
um inez, e serflo oncluidas no de quatro,
ambos contados em conformidade do arti-
go lOdo regulamehto das arrematagOes.
i 3.' Todos os materiaes sarao previa-
mente examiDados! pelo engenheiro, e ap-
provados se lavrara um termo
4.' O pagamento do importe das obras
realisar-se-ha depois de concluidos e exa-
minados pelo engenlleiro.
5.* Para tudo o mais que no esl des-
tinado pelas presebics clausulas seguir-se-
ha inteiramcnle oquedispOe o regulamen-
to das arremalagOes de 11 de julho do 1843
Obras publicas, 30 de maio de 1849
0 engenheifJL J. L rector LitutUr.
Conforme.,O." amanuense, servindo
dn secretario, francisco Antonio Cavalcante
Loussitro.
Lista geral dos cidaddos residente no primei-
ro, segundo t teretiro dislrictos do termo
do Itecife, que teem as gualidades exigidas
por lei para serem jurados, organizada pe-
la junta revisora em 19 de maio de 1819,
pelos membros abaixo assignados.
(ContinuagSo do n. 164.)
Ignacio Alvos Monteiro, Ignncio francis-
co Cabr.il Cantanil, Ignacio FirmoMavier
Ignacio dos Santos da Fonseca, Dr. Ignacio
NeTy da Fonseca, Ignacio Francisco dos
Santos, Ignacio Francisco da Silva, Ignacio
Marques da Costa Soares, Ignacio Jos da
Luz, Ignacio do Barros Brrelo, Ignacio
Francisco Pereira da Silva, Ignacio Jos da
Silva.
JMtslino Pereira de Faria, Jesuno Ferreij
raja Silva, capiluo IzidoroJos Rocha do
Brasil, Jeronymo Jos Ferreira, Jeronymaj
Tito dos Santos Mendonga, Jorge Vctor Fer-
reira Lopes.
Luiz Francisco do Reg Barros, Luiz An-
tonio Gongalves Pereira, Dr. Luiz Francisco
de Carvalho Paz de Andrade, Luiz Antonio
Vieira, Luiz de Pinito Borges, Luiz Pedro
das Neves, Luiz Antonio deSiqueira, Luiz
Barbosa de Brillo, Luiz de Franca Mello
Jnior, Lucio Rodrigues Pereira, Ladislao
Jos Ferreira, Luiz de Azevedo o Souza,
Luiz Conzaga da Rocha, Luiz Antonio Ro-
drigues de Almeida, Luiz da Veiga Pessoa,
Luiz Jos da Silva Guimarles, Luiz Rodri-
gues Selle, Luiz Jeronymo Ignacio dos San-
tos, Luiz Manoel Alves Valonga, Luiz Flo-
rencio Cor'a de Brillo, Luiz Bezerra Mon-
teiro Padilha, Luiz Francisco Barbalho, Luiz
de Franga Muniz Tavares, Luiz Antonio Al-
ves Mascarenhas, Luiz Borges deSiqueira,
Lourcngo Domingues da Silva hachare!
Lourengo Avelino de Albuquorque e Mello,
Lucio Candido Pereira de Carvalho, Ludge-
ro Teixeira Lopes, Luiz Gongalves Ferreir
Jnior, l.uix ilo llego Brrelo, Luiz JosGo-
mes da Luz, Luiz Gomes daSilvelra, Luiz
Gongalves Agr, Lourengo dejlarros Mari-
nho, Luiz Francisco de Barros Reg.
Manoel Paz ItorreUj Manoel liento de
Barros Wanderley, Aoel Germano do A-
maral, Manoel Ferrerri Ramos, Manoel Ig-
nacio doOliveira Lobo, Manoel Jos da Mot-
ta, Manoel Joaquim Baptsta, Manoel da Sil-
va Ferreira, Manoel da Silva Ferreira Jnior,
Manoel Filippe do Carmo Nanea, Manoel u-
arte deMacedo, Manoel Francisco da Silva,
Manoel Joaquim Paschoal Ramos, Manoel
Alves Guerra Jnior, Manoel Jos Machado,
Manoel Gongalves Ferreira e Silva, Manoel
Filippe da Fonseca Candi, Manoel Pereira
deCouto,. Manoel Porfirio de Castro Arau-
jo, Manoel Lourengo de Mallos, Manoel de
Castro de Oliveira Guimaracs, Manoel ala-
meda da Costa, Manoel Joaquim Rodrigues
de Souza, Manoel de Oliveira Ramos, Mano-
el Jos Ribeiro, Manoel Francisco Ribeiro,
capullo Manoel Fernandes da Cruz, Manoel
Francisco da Silva, M..noel Antonio Viegas,
Manoel Antonio Coelhode Oliveira, Manoel
Juvencio dcSaboia, Manoel Lins de Mello,
Manoel Jos Pacheco de Mello, Manoel Car-
neiro Leal, Manoel FigueirOa de Faria, Ma-
noel Joaquim Gomes, Manoel Pereira Le-
mos, bacharel Manoel Ferreira da Silva, Ma-
noel Francisco deMoura, Manoel Ferreira
Antunes Villaca, Manoel Cypriano Ferreira,
Manuel Antonio de Jess, Manoel Antonio
do Jess Jnior, Manoel Augusto de Flguci-
rodo, Manoel Francisco Coelho, Manoel Ifi-
KCnio da Silva. Manoel da Fonseca e-Srtvn,
.'laiinel Antonio Nunes MacTta'Jo, Manoel
Florencio Alves do Moraes, Manoel Jos dos
Santos, Manoel Jos Galvflo, Manoel Anto-
nio Monteiro de Andrade, Manool Jos Tei-
xeira Bastos, Manoel Ferreira Accioli,Manoel
Estanislao da Costa, Manoel Lobo de Miran-
da Manriques, Manoel JosDuarte, Manool
Antero de Souza Res, Manoel Antonio da
Silva Antunes, Manoel Ribeiro da Cunha
Oliveira, Manoel Gongalves da Silva, Ma-
noel Joaquim llamos e Silva, Manoel JoSo
de A mor m, Manoel Ignacio de Oliveira,
Manoel Joaquim Seve, Manoel de Jesusila
Molla, Manoel Caldas Brrelo, Manoel Luiz
Gongalves, Manoel Luiz Gongalves Juniur,
Manoel Pereira Rosas, Manoel Duarle Ro-.
drigues, Manoel Gongalves Ferreira, Manoc
Luiz da Veiga, Manoel Jos Marlins Ribei-
ro, Manoel (lardoso da Fonseca, Dianoei Jo-
s Mai lins da Costa, Manoel Coelho Cintra,
Manoel de Souza Teixeia, Manoel Jos de
Azevedo Assumpgo, Manoel Anlonio Car-
neiro de Oliveira, Manuel SimOes do Ama-
mi, Manoel da Silva Santos, Manoel do Nas-
cimenlo Costa Monteiro, Manoel Elias de
Moma, Manoel Joaquim Ferreira Jnior
Manoel Leocadio de Mira Manoc Paulo
Quintella, Manoel Pires Ferreira, Manoel
Joaquim daSHvefra, Manoel Alves Guerra,
Manoel Peregrino da Silva, Manoel Martina
Bastos, Manoel Gregorio da Silva, Manoel
da Fonseca Luna, Manoel Maximiano Guo-
des, Manoel Claudio de Queiroz, Manoel
Bezerra do Munezoi, Manoel Zeferino de
Castro Pmcntel, Manoel Cavalcante de Al-
buquerque Mello.
(Continuar-se-ha.)
cadeira, queiram remetler seug docu*.'
toa esta secretarla dn lyceu 8 di ., I
do concurso, segundo a lei. Lvceu4i?i
julho de 1849. Januatio Alezandr2,!\
Silva tabello Cantea, profosaor da d ?
o secretario. w*1"
Associacp conimercia
de Pernambuco.
A direcclo faz seionte aos Sra. soeioi **.
haver reuniSo de assembla geral nod
1. de agosto vindouro ailm de se cobtI 1
o disposto noart. 5.4do cap. 3/ dos
lulos que regem esta associagao. '
O vapor Imperador rattb,.
mallas para Maceid^iHj,,
Rio de Janoiro hc-je (}),!
r^~ meio dia.recebniloaiciM
porte.dobrado, atl hora da tarte.
ublicacao litleraiiaT
lima associa'go de lilteratos prelind'ep^
blicar, no mez de agosto prximo fotm
un peridico sob o titulo de
AGUIA CATIIOI.ICA,
por meio do qual se derrame pelo poto,tli
carecedor de instruego, tudo quai|o din
respeito' santa e veneranda rebgiBo nossospais, assim do dogma, com di oo-
ral evanglica,* disciplina e rito da igrei.
menos todava a parte polmica. Sahir i
luz todos os domingos om formatogrinde [
isto he, em urna folha ordinaria te papel'
Subscreve-se na praca da IndeMndeDeii,
loja ns. e8, 4ras;l0de400rs. pfrnwz. E.
eosado se faz o mostrar rgranJp utilidak
do um peridico desta natureza. A religiSo
lie o primeiro e mais forte elemlnto di
cidado; eopovo que fdr mil instruid
na religiao augusta de Nosso Sahor Jezo>
Chrsto, i-mais Piel for na praliA da moni
evanglica, esse ser* o poro Jerdadein-1
mente livre, bem morigerado ffelii
Avisos mantillos.
Para o Aracatysahe, no da 15 dt igot-
to infallvelmente a escuna njciontl atar.
Firmina por ter [irte de seu carregamento
engajado : para o resto, dirijam-se a Jow
Antonio Bastos,ra da C(adei* do
cife, n. 34 '.
Para o Rio-deJaneiro segu, at o
primeiro de agoste prximo futuro, o bea
conhecido briguo issombro, sur ter o sen
carregamento proirt>to : rcenle algumicif'
ga miuda e passagurof, pafVa o qae teaj
' bous com modos : ot pretendientes dirij
se, n rua da Cadeia dt Recife I n, 61, l fa
r Vm Joo Jos Fenandes lagalliies.
Para o Rio-le-JanSro
segunda com toda a IrevidaWe, por ter
maiorliarlo da carga, brigne-escuoi
liz-Venhura, forrado de :obre,' Je boa mu
cha : quem no mesmo quizercirregireii
de passageut, dirija-seaaudihoAgostinho
de Barros, ra da Cruz, a. 66. j
Pan o Aracaty segu no Sjoi do corre-
le mez, com a carga que tivel a bordo,
patacho Santa-Cruz : quem prlandercarre-
gar ou ir de passagem, dirja-fa'a
Corpo-Santo, loja n. 25.
Para o Ro-de-Jneiro fegue viagem,
em puudosdias, o bem conocido brigua
Dom-Jesus, que se acha com pfrte da seu
can ogom4ta j prompto; iivii recebe al-
guma carga escravos e passaftirus, pira o
que lem oxcellentes commodo; quem pre-
tender pode dirtgir-se ao capitah, joo Ven-
tura da Silva napraga do Corpta-Santo, uu
a ra da Madre-de-Deos, n. 3, (prceiroin
dar.
Leil
oes.
Deca races.
-- A admtnistragno geral das obras pu-
blicas, pelo respectivo almoxarifado, tem
de comprar para o concert do torreo da
alfandega onde existo a repartigao, os sa-
guintesobjectos : 2laboasde ussoalho de
amarello, de 30 palmos de comprimento e
2 de largo, limpas; 3 frexaos de 16 palmos;
200 pregas de guarniglo; aoo ditos do asso-
llto 200 ditos rpaes da ierra ; 50 telhas ;
4 alqueiiea deca pela ; 8 ditos de arela :
as pessoas-que taes objectos quizerem for-
necer comparegam al o dia 4 de agosto,
certos de que, sendo recebidos com appro-
vaclo du inspector encarregado da obra, se-
rnoiminediatamcnto pagos. AdmiBUstrv
Ci".S.fl,1l ,! 01bra8.Pul,"es, 28, def julho manlKlaemdianle esleve apagado ce
Paleto d~~L B'j""",slra,lor Js Pnrrs .tmente o lampefio da I
O escrivSo, servindo de administrador
da recebedoria de retidas internas gora
abaixo asstgnado, avisa idos os lliesou>'
tetros do irniandades para que comparegaB
na mesma repartigilo, alim de pauarei o
que estivorem a dovet de segunda/decirrl
denominada de inflo mora doaiinhUe 1848
a 1849 lindo, visto ter de ser remfilida pai-
ra juizo a -*onta dos devedores Un tal im-
posto, para ser all judicialmente ireca-
dada. Manoel Antonio SimOes di Jmaral
' O Sr. director do lyceu maiNa Uta
publico que, por ordem do Exm. Sr. ursi-
dffite da provincia, de 13 do julho do cor-
rente anuo, ir* a concurso, da cuta deste a
60 das, a cadoira du graum
villa fle Nazareth : portau
brasileiros que ae quizeronl oppor
O corretor Oliveira fari leilSft por coa-
la e risco de quem pretencer, e lio ululo
em que so acham, de 266 saccoa 4om isu
caravariado, desembarcados da llvinng,
que os conduzra para a bordo li galera
Seraphina o os quaes'ae achatlo trapi-
cho do Bai boza, onde lera lugar da leilo,
na segunda-feira/ 30 do coi
horas da mantisa em ponto.
-- N. O. Biejier & C. faro leilSoMeot in- \
tervengflo do corrotor Olivara dStM pi-j
uas 20 meias ditas e 30 quartos le Walt
ileCette, cascos a catalSa d'allBB/limi-1
mente importado pelo navio Ann lia Iota
a vontade dos compradores ; tercl-feiri,
31 do corrente, As 11 horas e i popte,no|
largo da porta da alfandega.
Quarta-feira, l.u de agosto M caes
da Alfandega, haver leilflo de ciixai de
massas em lotes a vontade dos compra-
dores _____
Avisos diversos.
Vuga-seo armazem, n. 59, dama do
Rangel, o qual ha mais de 10 ann* tem
servido de acougue, e conserva tolos os
utensis do mesmo trafico : na praca In-
dependencia, ns. 6e8.
O Sr. que no dia 16 do corrente.t'-
neira dos solivertores da inquisigSo, tclip-
sou de uaia casa de inslruccSo aireos li-
vros, levando entre elles o cdigo epi*>lf
a vida de I) Joo de Castro e om dicin-
riode composigao, tenha a bondade le-
va-Ios a mesma casa se nSoqoer vriseu
nomo por extenso ueste Diario.
JI.I.U.UTNACAO DE .OIJNDA.
Roga-so ao arrematante da illumiacao
deOlmda que, pela alljpa ile aeua defutoi
queira mandar accnider regulrmeos *
lampeOos, visto que oJn3o tem feito, #"
conteceu na noite-devO paraII do coi*"'
fe ; e desde 15 at 29 que das 4 hora <"
i
OTiparo, assim cotnp o do VaradouroSrt
arremalaiit tome sentido que nSo osti*>
neflltia de comer truitis a bragas e*"-
lembre-se tamhem que quem lev*
liagoa sola para fallar dos outroe dvf""
meiro olhar para si, para'mo aconKr
quorer enforcar-so quando soffrer alfm
coniratouipo, como diem aconteceu a '*
lu nianombro;e tenha em cuidado qut *'
taa lerta O guarda dot l**p*i*y "
t~ Deseja-se caber se de presentesU.n'*
la ci ladeo Sr. bacharel Lourengo Accii
Wanderley, morador no Pass'o-de-Camar
gibo de Alagas, ou quem nesla cidade
Hecifo seja seu correspondente, para ti
tar-se de negocio tnteressnte ao dil
favor
roga
nuunciar por
rio, ou de dirigir-so ra Moya, n. 47, sr
ti ixii Ano


-i
luga-se o sobrado de um andar com
rijas, na ra dos Quarleis o, 10: a tratar
|mLuiz Comes Ferroira no Mondejo.
[.. Aluga-se urna escrava para o servico
i urna casa : quem a tiver dirija-se ra
i Sol, n. 7, ou annuncio.
I Offcrece-se um rapaz portuggez para
fixeiro nesta praga, ou mesmo para ftitor,
kicaixeiro de engenho, sendo da parte do
jdmelhor-,0 qua! tom muila pralica ,e
fiador i sua conducta : quem de scu
h-stmo so qbizer utilisar, dirija-se as
nce-1'ontas, n. 93.
pede-so ao Sr. do engenho doto Con-
fieso o favor tfe examinar se a preta que
ppareceu em seu engenho charaa-seAo
, crioula4,dc estatura regular, re|/resea-
annos; tem algumas marcas de Bi-
nas costas, e em oms das osernasrjio
;ar do brinco um buraco em urna par-
tero signa! de tertidouma ferlda jacha-
a sente ha 6 mezes; levou vestido de
cado azul a camisa de algodilo no caso
.rmativo espera-se que o mesmo Sr. de
gento participe nesta cidaile na ra
iva, n. SS onde mora Manoel Carneiro
al, qua promptamente pagar as despe-
8 que se fizarem.
Quem annunclou.no Divio ifovo n.
), querer comprar um sitio margem do
oCapibaribe, dirija-se ra estreitado
ozsrio, n. 43, primeiro andar que alii se
r quem tem dous aa freguezia da Var-
ea, com multas fruteiras orno seja :
rangeiras, jaquearas, caf.zeiros a man-
ueiraa. 4
Pracisa-sede.um aixeiro que entenda
e loja de miudezas e qu d (ador sua
nducta : no pateo do Collegio, loja n. 6
Innocancio Carcia Chaves, subdito
Kasileiro, vai acidade do Artcaty a ne-
o,
---Aluga-se a bem afreguezada taberna
la foi do Sr. liento Marlins, Sita noMan-
uinho, onde faz muito negocio, cum ar-
55o ou sem ella, conforme convier ao
tendente, cuja casa tem bastantes cm-
odos para morar urna familia, alm da ta-
ima : a tratar na ra do Hospicio, n. 91.
O Sr. coronel Joaquim Cavalcanti de
Ibuquerque, senhor do engenho Paulis-
, queira tar a bondade de dar solucSo ao
a j se Ihe tem feito ver por 3 cartas que
Ihe tem dirigido ,e das quaes nenhuma
Boda mereeeu sua resposta : as Cinco-
inlas, sobrado n. 69.
Constando aoabaixo assignado que o
r. Joaquim VazSalgado pretende vender o
su engenho Varjea-de-l!na sito na fre-
uezia d S.-I.oureneo-da-Matta faz srirn-
ao respotavel publico que o menciona-
o engenho se scha hypothecado ao abji-
o assignado a a sua mai, a Snr.M)._ Rita
e 'Jissia Pessoa de Mello, como consta da
scriptura nasnotns do labelliilo Braincl ,
a villa de Po-do-Alho celebrad' entre o
lito Vaz Salgado eo capitao Joqunir de **W"idAjnJar do mesmo sobrado.
fflAraujo Pinheiro e deoutra do trSnsferen-
*lcia entre este e o abaixo assignjbdo e sua
mili, nasnotas do tabelliSo Santas, na fre-
guezia da S.-Lourenco-da-Malls, cuja hy-
jlheca ha da quanlia de 6:000,000 de res ;
as.havendo um abate de 1:400,009 rs., por
onipositjSo feita na presenca do juiz que
isloriou o mesmo engenho, com testemu-
has e mais louvados ficou aquella quan-
a reduzida a 4:600,000 rs. alemdaquella
ypotheca sflo o abaixo, assignado e sua
iiSI portitulos autlicnticosredores de di-
ersas quaiilias na importancia de mais de
:000,000 de rs., pela qua! tentam aceo
lo juizo de Pao-do-Alho, que so acha bas-
aolementeadiantada. K para que chegue
o conhecimenlo de qualquer preteudente,
abaixo assignado faz o presente, proles-
ndo.como protesta, pela nullidade de
ualquertranacclo feita sem sua uudien-
la e declara, outro sim, que no faz com-
osiciloalgums aem que se Ihe aprsente
mmodatoda aquaulu devida. Itccifc,
8 de jnlbo da 1849. Jao /'. de .Suua
elo. f
A pessoa que 'aspsssaa liypotheca de
escravospor 00,000 rs. dirija-se a ru do
Ranga!, n. 36, das 6 as S horas Ja maiihiia,
e de 1 is horas da larde.
Urna pessoa que tem as habilitaces
necessarias para ensinar primeiras letiras,
propoo-se a dar lces por casas rarticula-
: quem precisar snuuncie para ser pro-
irado.
Den tes artificiae.
J. A. S. Jane, dentista participa ao res-
itavel publico que contina a exercer a
ua profissfio na ra estrella do Uozario ,
.16, primeiro andar.
-- I). Maria de Araujo Oliveira embarca
ara fra da provincia o ascravo Jos
Francisco Comes de Oliveira embarca
ara fra ds provincia o escravo Rento.
Para aspessoas que encionam
segufr viitgem-
No pateo de So-Pedro, casa terrea n. 8 ,
jram-se passaportes para dentro e fra do
jmperio correm-se roldas e despscham-se
cravos, e para este Gm tambem pde-se
rocurar na praca da Independencia li-
ra ri a os. 6 e 8.
Quem precisar de um rapaz brasileiro
uilo hbil para ca xeiao do qualquer ne-
cio ; dirija-se a ra Direita, botica n. SI.
O abano assignado, yendo no Diario
'* Pernambuco n. 161 um annuncio leito
ilosSra. Jos Vicente Dias Trrese Itober-
_ Dias Torres, respeito a urna vinculo que
izem herdaram de seu iinado av na ilha
eS.-Miguel, Declarando que vendem o va-
lor doarrendamento vencido, e farHo novo,
declara o abaixo* assignado que ninguem
faca negocio com tal arrendameuto e mes-
mo coin us vencidos que dizom ; pois que
ate vinculo fui vendidos Francisco Mauoel
lavares, pai do abaixo assignado de cuja
venda se sucitou haver una grande deman-
da que durou muitos aunes e alinal l'oi de-
cedidoem Lisboa a favor do mesmo Tava-
res, como so pode ver da seutenca que exia-
'"' en poder dos herdeiros, que existem
oda na ilha de S.-Miguel.
Manad Ftrreirb Tavartt.
Aluga-se, para o serfico de casa e
andados, menos para eozinha um mole-
ue anuilo intelligenie e fiel: na praca do
merelo, u. 2, primeiro andar.
Precisa-se de urna escrava que sirva pa-
fazer compras na ra, e cosa algum
out: na ra da Cruz n. 0, segundo
ndar.
-- Na ra da Praia, n. 27, se dir quem
' dindeiro a premio.
Trapassa-seurna I)ypotheca de 5 bons
rayos crioulos, mojos e sadJos, hypplhe-
cados nestacidado por 600,000 rs., ao
premio de 2 por canto ao mez: quem con-
vier annuncio.
Precisa-so alugar urna preta para o ser-
vico de urna casa de pouca familia, que sai-
b cozinhar eengommar : na ra d Quei-
mado, n. 7, segundo andar.
-- Na ra da adera do Recife, n. 5, de-
seja-se fallar com o Sr. Francisco Ouarte
Coelho negocio.
Roga-so ao Sr. capit.to Antonio Bene-
nedicto de Araujo Pernambuco que tenha
a bondade de dirigir-se ao Recife, na loja
de Joaquim Ribeiro Pontes, alini de reali-
sar-se certo negocio que S. S. no ignora.
Arrenda-se um sitio em S.-Amaro, com
boa casa fruteiras urna grande plantada
abacachfse com pasto para 10 vaccas de
leite: a tratar na ra da Gloria n. 70.
Precisa-se alugar urna preta para an-
dar vendendo fazonda com outra : quem ti-
ver annuncie.
Jos Pacheco Osnrio, rclira-ae para
Benguella a tratar dos seus negocios.
Lotera do Guadalupe
Segunda vez deixaram as rodas destajo-
teriSTle ter andamento no da 27. do cor-
rente, pelarasodesenSo ter completado
a venda dos respectivos bilhetes os quaes
conlinuam a ser vendidos nos lugsres do
costume marcando o thesoureiro o dia 13
de agosto para o referido andamento.
Precisa-sede um feitor que trabalhe,
entenda de horta a de vaccas : na Magdale-
na estrada nova, primeiro porto de ferro.
Offereco-so um. rapaz brasileiro para
csixeiro de qualquer eslabelecimenlo, e
principalmente de venda, dgque tem bas-
tante pratica, a di fiador a sua conducta :
quem pretender, dirija-se s Cinco-Pontas,
n. 23, ou annuncie.
Dilo-se 600,000 rs. a juros sobre penho-
res de our< e prata, ou boas firmas : na ra
larga do Rozarlo, n. 28, primeiro andar.
-Aluga-se o sitio da estrada do Reme-
dio, n. 2, com solTrivel casa de morada,
senzalla para pretos, boa agoa, bastantes
arvoredos.comosojam : larangeiras, man-
gueras, jaqueiras, cafezelros, coqueirose
jambeiros alm de urna excelleule baixa
para carim : faz-se todo O negocio : a tra-
tar na fu da Cruz, no Recife, n. 17, depo-
sito de rape.
Antonio da Silveira Linsavis sos aca-
dmicos fumantes do bom goslo, quo tem
um rico soitmenlo de charutos, chegados
prximamente da Radia das qiradades
seguintes : lanceiros, Venus,yy/icaval-
leiros ,gyra-sol, novidades, saqua\rema ,
visla-faz-f, quem-fumar-sader : ci Olin-
da, ra do Com deposito n. 2. N,
-- Antonio Fortunato da Silveira Vida
subdito portuguez, rclira-se paraoCear.
Aluga-se o primeiro andar do sobrad '
do becco do theatro de S.-Francisc^. por
cima do botiquim do Sr. Paiva : a tratar no
<5
&
estam ao donlem
co aq uosa deex-
linaes, de virtudes
Hcadas. O longo
is experiencias,
Bm ellessido sub-
f-vez hajam falla-
le desmentido sa
j havia fundado
|rangeado cons-
i mais sabios e
da Europa, ni-
mios abonam e
re cerla e beni-
' de destiuado a
sinos, e tem por
los orgilos da vi-
No butii]u.v). tu>a-u-wna precisa-se
de um caixeiro que d fiador sua con-
ducta.
Quem precisar de un caixei-
ro para alguma escriptura;o e cobranzas,
ou outra oceupaeno lionesla, leudo esta
pessoa soffrivel letlra, e dando os necessa-
rros conhecimentos do seu procedimento,
dirija-se a ra das Cruzes, n. 40.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Aterro-
da-Ba-Vista, n. 48, continuam-se a tirar
passaportes para dentro e fra do imperio,
assim como despacliam-se cscravos : ludo
com brevidade.
Fabrica de pianos.
Na ra do Queimado, n. 13.
JoSo Vignes dirigi urna das primei-
ras labricas do Pars, frequentada pelos
primeiros pianistas, os quaes por militas ve-
zes sequeixaram por nSo podrem expri-
miros sentimentos dos autores do msica,
porque os instrumentos noobcdecian con-
forme o pianisla quera.
U dito fabricante fez fabricar pianos do
proposito para este paiz, os quaes teem to-
das asqualidades reunidas; liemcomo'um
maedinismo superior a lodos os que teem
apparecido, e quo o pianista pode executar
qualquer peca de musica.capricho, ou pdan-
lasias, do pianissimo at ao forlissimo, os
mais extraordinarios em rapidez, sem nun-
ca faldar, porque sSo feitos de maneira que
iiein o calor, neni a humidade pdem influ-
ir uellcs.
Carlas finas de jognr
a retallio e em prco, muito em conla ;
Charutoi
da clebre fabrica de S.-Felix eoutros, sec-
eos e de primeira qualidade, pelo barato
preco de 2,000 rs. a caixa do um cento ; na
ra Nova, ct-sa franceza n. 69.
l'rccisa se de um estrangei-
ro que seja forieiroe padeiro. pa-
ra ir para Macei : d-se bom or-
denado : quem pretender, dirija-
se ao armazem do Aunes, no caes
da Alfandega, a tratar com Ma-
noel da Silva Santos.
tirande galera oplic.i.
Vende-so 100 vistas das principaes partes
do mundo obra muito rica pela natu-
roza apropriada dos objeclos, 12 ptimos
vidros c oulros perlences para qualquer
pessoa cxpo-lasaqui, ou em outra provin-
cia : na ra Bella \ n. 36.
Na padaria da ra larga do Rozario, n
18, precisa-se de un homem branco que
entenda peifoiUmenle da arte de padeiro,
pxratjudar no fabrico de pilo e bolacha a
lOescwvos : quem se adiar nestasiajrcums-
taucias, enlcnda-se com o dono da mesma
padaria.
., $*AO PUBLICO.
Em mui cresci do numero conlavam os
mdicos at agora molestias incuraveis,
conlrvas quaes so era permillido ao paci-
ente resignado para soifrer um mal de que
j n3r>' havia esperances de oodr iiherta-
lo, eao medico philanlropico adOrdever
muitots de seus scmelhantes victimas de
enfer<*iidades, contra as quaes se dcclaravs
impoteiiite, podendo apenas lamentar a Ira-
queza cta intelligepcia humana, iaaj gf-
?as sos progressos da medicina, grabas ao
zelo de dimeus incansaveis, que, uo des-
esperando ala perfoctibilidade da sciencia,
se teem dedicado investigado de reme-
II w-r\*%
dios quo poss-im a4liiar i dnnianidade dej
alguns males quo a ailgom, o numero das1
molestias reputadas incuraveis vai de dia
em dia diminuindn. Assim, adiar depois
de longos trabalhos, do profunda medita-
cno m reiteradas experiencias, medicamen-
tos quo nos restitnam o uso dos dous mais
importantes sentidos do que de dotado o
homem, quando estes j seaedavam no sup-
posto estado de incurabilidado e inteira-
mente perdidos, he por certo um dos maio-
res servidos que se poda prostar a huma-
nidado; eis o que eslava reservado um
homem philantropo da cidade de Braga, em
Portugal, cuja sciencia, cujo amor rio seus
semeldantes se teem feito geralmente co-
ndecer. Os remodios que ora offerecomos
ao publico, nilo cnlram na classe daquelles
que o vido o ousado charlatanismo incul-
ca com roucos e descompassados lirados, a
que o crdulo vulgo por ignorancia recebe
na boa f esem discernimentn, achando-se
depois Iludido; tem, porm, do oceupar
mui distincto lugar entre os medicamentos
que maiores beneficios d
constam elles da dissoll
tractos do plantas med
mui rer.ondecidas e v
uso, as continuadas e s<
que por toda a parto
mettidos, sem que urna,
do em seus bons effeit1
esperances que sobre e
0 seu inventor, Ide teei
tantea e repet los elogios
respeitaveis mdicos, assi
mo da America, que u
proclamam Sua achilo s
ana. Um desles licor
combater as molestias
principal virtude restitu
silo suas funccOes ; reanfnar o lazerroap-
parecer em sua natural pprbicilo a vista,
quando esta esliver fracs ou quasi oxtinc-
ta ; coma uto, porm, que no haja ceguei-
ra absoluta com desorganisacSo das parles ;
no menos til e enrgico fie para desfazer
as cataratas, destruir as nevoas e de prom-
pto debellar qualquer inflammacSq. ou ver-
melliid'in dos olhos. Mo causa ur, uem
estimulo na parte.
Outro liquido reslituc a faculdade de oa-
vir os sons ao ouvido locado do surdez, an-
da que inveterada, urna vez que o mal nilo
seja de nsscen;a, sem causar em tempo al-
gum o menor incommodoao doento, e sem
priva-lo de cuidar em seus negocios.
INSTRUCCES PARA O USO DOS RE-
MEDIOS.
O doi olhot emprega-sg do modo $eguinte :
O doente pela mandila, emjojum, una
hora pouco mais ou menos depois que er-
gucr-se do leito, tomar sobre a palma da
mito pequea porcHo daquella agoa ; o com
alia moldara bem os olhos, fazeudo que al-
gumas gottas caiam sobre o fclobo oceular :
semoslimpar, os conservar molhadosal
quo naturalmente enxuguom ; ao deitar-
se a noito pralicar o mesmo : durante o
lempo que usar do remedio avilar o calor,
ac^ao de fumaca e o vento; far abstinen-
cia de comidas salgadas, izedaS, e adoba-
das com especiaras.
O remedio dot ouvidot scr applicado do modo
que tegue :
O doente pela mandila, urna hora pouco
mais ou menos depois de crguer-se, anda
am jejum, far derramar dentro dosouvi-
dos quatro ou cinco gottas do liquido, ta-
pando-os depois com algodSu em rama ; a
noite ao deitar-so repetir a inesma opora-
cao. Durante o uso do remedio evitar ex-
pOr, osouvidos principalmente, aegao do
calor o do vento, afim do evitar grando
transpiraeflo, havendo cuidado om n3o mo-
ldar os posom agoa fra j finalmente deve
abstor-se do comidas salgadas, azedas e
adunadas.
Estes remedios cslito venda na botica de
Bartholomcu Francisco do Souza, na ra
larga do Rosario, n. 36, nico dopos'to em
Pernambuco, pelo preco de 2,240 res cada
vidro.
Rogs-se ao Sr. do engenho Diamante o
favor de examinar so o escravo que appare-
iceu em scu engenho lem os signaes segnin-
tes: crioulo.de 25 a 30 annos, de minie
neroniano, cor fula quo parece cabra, cbe-
lo ralo, olhos pequeos, corpo grosso ,
pouca barba estatura regular ; lem urna
dcatriz no hombroesquerdo que pode ter
3 a 4 pollegadas de comprimento ; he bas-
tante espadado ; costuma embebedar-
se; est fgido desde 8 de novembro de
1847 : sendo exactos os signaes cima re-
feridos far o favor de avisar a seu senhor,
Jos l'erreira Marinlio em Olinda, ra do
Amparo, n. 7.
% i
Novo p3o de Provenca.
Na padaria do becco das Rarroirase ij
no deposito da Estrella, no Atorro- ||
da-Boa-Vista, n. 39, fabnca-se o no- jj}
vo pao de Provenca, oqual he fabri- ||
cado pelo melhodo do seu primei- g}
ro introductor que veio esta provin- ;{';
cia e coin as nielhorcs farinhasque p
3 da no mercado, e aasalo que he pos- \\
1 sivel: da mesma sorte se falricam aa
1 faliasda rainda do Ilespanha bou- &
3 nhos, biscoutos, biscoutinhos, fatias, o
a cavacas : ludo do mellxir gosto pos- g
3 sivel e proprio para cha ; lainbcm ha H
I bolachinha de Lisboa em latas de 8 5
| libras, por preco commiido ; amen- a
f* doas coufeiladas e de varios qua- |
dades. C
imwwwmwsm mmmwmMW'*
Arrenda-se o sitio do Espinheiro na es-
trada do Belm, com casa de pedra e cal,
com sotSo, casa de familia e fumo de codre
e bstanle trra para plantar : quem o pre-
tender, dirija-se Estancia, na primeira ca-
sa defronte da cacimba.
Dentista.
D. W. Baynpn, cirurgiSo dentista a-
mericano breve se retira desla pro-
vincia e pelo pouco lempo que aqui se de-
mora, lem a lioora do ollerecer ao respei-
tavel publico o seu prestimo, na ra do
Trapilie-Novo, n. 14.
Alugam-se os segundo e terceiro an-
dares da casa do largo da Aasembla n. 6 :
a tratar com Joaquim Francisco do Allm
no Forte-do Mallos.
Muito sedeseja fallar com as pessoas
abaixo mencionadas psra negocio de multo
seu ioteresse, na loja da ra da Cadeia do
Recife, n. 24, casa de cambio da Vluva Yi-
eira & Filhos: os Srs. Joaquim Jos Mandes,
Manoel Jos Coolho Barbosa, Filippe Jos
dos Santos, Jos Bernardo da Costa, Jos
de Carvaldo l'erreira Lima, Manoel Antonio
Reis Nogueira, Evaristo Forreira de Araujo,
Jos Ignacio de Moraes Passos e D. Maria
Thereza de Jess.
Precisa-se,de um feitor casado com
pouca familia ou mesmo solteiro, para um
sitio porto dista praca : na travess do Ve-
ras, n. 15.
Precisa-se de um criado para o servico
interno de urna casa no Poco-da-Panella,
tfando-se a preferencia a um crinlo forro :
na ra da Alfandega-Velha, n. 5
Aluga-se, vende-se ou permnta-se a ca-
sa terrea, n. 20, entro as duas pontes da
Passagem, em chitos pioprios, cujo terreno
lem 40 palmos de frente o 160 de rundo, por
algum sitio pequeo, ou casa com grande
quintal, no mesmo bairro da Boa-Vista,
comanlo que seja mais perto ao de Santo-
Antonio do que ao daquclla:a quem convier
algum dos referidos negocios, queira an-
nunciar por este Diari, Ou dirigir- o se-
gundo andar da casa da ra Nova, n. 47, ou
ao Sr. Oliveira, na casa junto ponte pe-
quena da dita Passagem.
O Di*. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentes em sua ca-
sa, no Aterro-da-Ba-Vista, n. 48,
onde ha commodos suflicientes,
nao s para se tratarcm de suas en-
fermidades, como para se Ihes fa-,
zer qualquer operacao : as pessoas,
portanto, que se quizercm curar ou
mandar algum escravo, pdem di-
rigir-se ao annunciante em dita ca-
sa, certos de que sero tratados
com todo o desvelo.
200,000 rs.
D-se esla quantia de gralificacITo a quem
levar ao engenho Agoas-Claras, de Uruc,
da viuva do Burgos, ou nesta praca, no
polco do Carmo, n, 18, segundo andar, a
Antonio Carlos Perein de Burgos Ponce de
Len, os dous escravns seguintes que Tu-
giram nos dias saddado paru domingo, 26
a 27 do corrento : Vicente, pardo de 26 an-
nos, de altura regular. cabellos oreaddos e
carapinhados testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz dalo, tomador de tabaco de
caco rosto descarnado o com espinhs,
sem neiihuma barba; lovou 1 camisa do ma-
dapolilo, umH cal?a de casimira usada, urna
jaqueta de bretanda, um bonete de velludo
azul ja usado, um chapeo de palba, um
dito de pello preto : Joaquim, crioulo bas-
tante preto,do38 annos, alto, secco, cara
pequea bem barbado ; tem o costme do
levar a mSo barba ; be gago ; andar com-
passado; dizem ter mai em Pajab-de-Flo-
res; foi escravo do capitao Leandro Bandei-
ra de Moura do Apody o qual se ada pre-
sentemente na comarca do S.-Anillo, e tem
um sitio em Cravat; presume-se terem
partido para o Apody onde ha muitos p-
renles do dito Moura; comquanlo o primei-
ro andasse sempro em viagens dos serlOcs
do sul ao pculo, com os cobradoras dcsta
casa : este ultimo escravo levou um chapeo
proto de pello e outro de couro, duas ja-
qurtas brancas, 1 cal?a do brim pardo 1 di-
la de riscado 1 camisa de madapoln,
duas ditas do algod.lo da trra e ceroulas.
Roga-sea vigilancia uestes dous cscravos,
que vindo com muita brevidade, serfio
gratificados anda com mais do que so ofTe-
rece.
I
Compras.
Vende-se ch* brasileiro, o raelhor quo
tem apparecido neste mercado, por preco
commodo : em casa de Elias Baptisla da Sil-
va, na ra do Sol, n. \.
t& Por preco commodo. rf\ Vendem-se dous sobrados de dous \)
m andares, umna ra do Collegio, n. $
l.com frente para oPasseo-Publico, fl
eoutropara da Aurora, n 10;ac- *
, sa terrea da ra do Seve, n. 1 A : na *?
t ruado Crepo, n. II.
Compra-se urna escrava que seja en-
gnmmadera o cozinheira o que no tenha
vicios nem achaques: na ruado Collegio,
n. 15, terceiro andar.
Paga-se bem.
Comprase calcado feito na trra, de
todaa.qualidade : na praca da Independen-
cia, n. 33.
Compra-se, para urna encommenda ,
urna casa terrea sita no bairro de_S.-An-
lonio com 2 ou 3 quarlos sala adianto e
alias, cozinlia fra, quintal e cacimba : na
ra larga do Rozario, loja de miudezas,
n-22.
Compra-se um boa casa terrea em S.-
Anlonio as ras da Cadeia, Cruzes, La-
rangeiras Trincbeiras Mundo-Novo Ro-
da, ou nos pateos do Paraso Carmo o S -
Pedro : na ra de S.-Rta, sobrado n. 14.
Compram-so 30 ps de larangeiras e
limeiras pequeas : na ra do Livramento,
n. 14.
Vendas.
Na lvraria ns. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia vende-se o soguinte :
Manual eleitoral
contendo a le regulamentsr das eleicflese
os decretos e deciscsdo governo. que d8o
esclarecimentos sobro sua execuggO,expedi-
dos al abril do corrrenle anno, com notas
explicativas fundadas uestes meamos escla-
recimentos:
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas pi opnas para vestidos, a 3,000
rs. ; ditos de talagarca, a 1,00 e 2,500 rs. ;
cassa-edita decores fixas a 300 rs. ; lan-
znhas para vestidos, calcas o roupa de me-
ninos, s 320 rs o covado ; fazenda de ISa
comlistrasde seda, propria para vestido
de senhora a 640 rs. ; lilas para calcas, de
muito bom gostoe de superior qualidade ,
a 2,200 rs. o corle ; cortes de cassa, a 1,400
rs. cada um ; panninlio com' vara do lar-
gura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a peca
com 10 varas e meia ; chales de seda e laa ,
a 2,000 rs. cada um; fuslOes para colletes,
a 500 rs. o corte ; e nutras multas fazendas
por barato preco: na ra do Crespo, loja
n 15, do Cunda GuimarSes & Companhia.
Vendem-se 4 escravas a saber : urna
negrinha de 7 annos; dous mulatinhos,
um do 7 anuos e outro de 13 ; um molcque
de 12 anuos t muito bonito: todos mullo
em contn.atendendo a ralla desles objectos:
na ra larga do Rozario, loja n. 35.
Vendem-sc diccionarios da lingos
portugueza, por Constancio, de ptima en-
caderna(H"o e por preco commodo : om casa
de Elias B-ptista da Silva, na ra do Sol,
n. 1.
)
i
1 Jl ITII A r\/~v
C1IEGUEII A PECIIINCHA.
Vendcm-so cortes de casimira de lindas
cores pelo diminuto preco do 4,500, 5,500 o
7,000 rs. ; assim como ainda exslom cor-
tes de brim trancado pardo a 1,000 rs. o
corte : na ra do Collegio, n 3.
Vende-se o deposito de charutos e ta-
baco do largo do Livramento, n. 34, com
um ou mais escravos oflicaes de cbarutei-
ros : o motivo por que so vende he por o
dono estar deento, em estado de n5o po-
der continuar: a tratar no mesmo depo-
sito.
Vondem-se duas escravas sendo urna
crloulade idadede 18 annos, recolliida.qua
sabe perfeitamentecozer.ensaboar eengom-
mar ; a outra do 40 annos, que eozinha, en-
gomma e ensaboc: quem as pretender.pro-
cure na venda da rna do Rosario larga,n, 46.
Vende-se urna moblia de Jacaranda,
obra bem construida, eem bom estado : na
praca da Independencia, n. 1.
$.< CASIMIRAS ELSTICAS DE CORES.
>> Na loja do sobrado a marello da ra $
tdo Queimado, n. 29, ha um grande e %
novosortmentode casimiras dec- <5)
f res, padrcs muito modernos, a 6,000, (.%
% 6,500 e 7,000 rs. cada corte. <-4
* <*
Na ra Nova, n. 5,
Vende-se um lindo mulalinho 16 an-
nos proprio para pagom e que he de boa
conducta ; um molcquo de 16 annos de
roto bonita figura; urna parda de linda
figura que sabe engommar, coser e cozi-
nhar ; duas prelas nocas, prendadas com
habilidades ; duas ditas proprias para tra-
balharem do enxadu; urna dita boa qui-
tandeira.
VENDEM-SE CHITAS A 4,500 RS.
Vendem-se pecas de chitas novas e bon-
tinhas, com toquo de avaria a 4,500 rs. e a
6 vinlens a rctalho : na ruado Pasado, nu-
mero 17.
Superior cha brasileiro.
Vende-se cha de S.-Paulo em caixi-
nhas de 1 e2 libras: na |rua da Cadeia do
Recife, n.5i.
Vendem-se pannos finissi-
mos cor de caf, verde, preto, azul
c cor de vni>o,ajj,8oo rs. o cova-
do ; dito mais abaixo e das mes-
mas cores, u 3.7oo e 3,6oo rs. ;
dito encarnado muito fino, a 3,5oo
rs.: tudo paro liquidar contas : na
ra do Queimado, loja n. Si.
-- Vende-se_ um cabra 111090 o robusto,
e que de muito entendido do sarvico de
campo : na ra do Sebo, a fallar com o fu-
nilelrn Antonio Jos Dias.
Vende-se um excellente torreno para
se edificar urna grande casa nao he forei-
ro sito om muito boa ra : j tem porreo
de materiies, madeirasde amarello o lou-
ro, muita pedra e ferragens: na ra do
Collegio, n. 15, terceiro andar.
Fardo novo.
Vendom-se saccascom farelo, pesando 90
libras, desembarcadas no sabbado, 28 do
corrento : no armazem do Bacelar.
Vende-se carvao patente o
qual excede ao carvSo natural, por
sua superioridade do incendio,
por preco commodo, a vontade do
comprador: na ra da Culeta do
ftecife, n! 48
Vende-se um preto robusto quo faz lo-
do o servico de padaria menos forneiro,
tambem eozinha e be bom canoeiro : na
ra do Rangel, n. 5.
A 640 rs.
Vendem-se cobertores dealgod3o, muito
encorpados, proprios para escravos, a duas
patacas cada um : na ra da Cadeia-Velhs,
n. 33.
Bombas de ferro.
Na fundidlo de ferro da ra do Brum,
vendem-se superiores bombas para cacim-
ba assim como do repucho para fazer su-
bir agoa casas at altura de 4 a 5 andares.
Lagrimas.e srrisos,
poesas de M. R. de Andrada : na lvraria
da esquina du Collegio a 1,800 rs. cada
exomplar.
m Vende se a bem acreditada
obra intitulada Cartas da India
e China escripias pelo bem co-
nhecido Jos Ignacio de Andrade;
tem varios retratos lilhographa-
dos de personagens daquellas lon-
gincuas trras : cmim o nome do
autor basta para o seu elogio : a
voluntes em bom typo: na ra da
Cruz, n. 9.
Vende-se um bonito moleque de 13
annos pouco mais ou menos muito sadio ;
urna negrinha de 7 annos: ambos ahogados
do lc : na ra larga do Rozario, n. 35.
Vendem-se tres moradas de.casas, sen-
do urna de um andar, e duas terreas, no
bairro do Santo-Antonio em ras princi-
paes, duas acabadas a pouco lempo a moder-
na, por preco muito commodo: no arma-
zem da ra Nova, o. 67.
Na ra do Crespo, loja n.
6, ao pe d lampeao, vendera-se
pecas de cassa de quadros, muito
linas, por a,ooo rs. a peca e a 3ao
rs.a vara.
m


''
T-
-~
FARINHA DE MANDIOCA.
A mclhor farinha de mandioca que tem
venda lio a bordo do brigue Minerva, chega-
im de Santa-Catharina, e tandeado na praia
do Collegio, onde se vende a prego mais
commodo que em qualquer outro barco ; o
tambem so pode Iralar na pr8ga do Com-
mereio, n. G, primeiro andar.
Vcnde-se farinha de mandio-
ca, muito superior e por preco
commodo, a bordo da sumaca
Villa-Carolina, entrada de San-
Matheus, a qual se acha fondeada
defronte do caes do Collegio : tra-
ta-se rom o capilo a bordo, ou
com Machado & Pinheiro, na ra
do Vigario, n. 19, segundo andar.
-- A bordo do hiato S.-Joo, tandeado
defronte do Passoio-Publico vende-so boa
l'arinlia de mandioca por prego rasoavel: a
tratar com o mestre do mesmo hiato ou
com Amorim IrmSos na ra da Cadcia,
u. 39.
tf****0*^
para curar da phtysica cm todos os seus
difterentes graos, ou motivada por al-
guna das seguintcs molestias: constipa-
gcs, tosse, aslhma plcuriz cscarros de
Singue coqueluche drde costase pol-
los bronchile, dr na garganta o todas as
molestias dos orgos pulmonares. Esto ex-
cellente rcmedi) que tem gozado de tilo boa
rcputaconos Estados-Unidos da America
do Norte, pelos seus bous efi'eitos na cura
das varias molestias acima'mcncionndas, m-
duzio os proprietaiios deile a manda-lo pa-
ra o lirasil, ondea esperanga dosuas virtu-
des Hito foram seni fundamenlo romo a
experiencia tem mostrado desde a sua in-
frudurc.lo, poisos admirareis efl'eitos que
tem (iroduziilo aqui s3o iguaes aos indlio-
res (|uc .-illi tem feito e que s3o bem attes-
tado petos varios lestemunlios e certifica-
dos das pessoasque teem sido curadas por
esle medicamento sem igual, particular-
mente no sul desdo imperio onde tai pii-
meiramente iutroduzido, e j nesta mesma
provincia receitado pelos mdicos e sein-
pre com bom sucesso. Novaos & Compa-
nhia, os nicos agentes nesta cidade o pro-
vincia, iionn ados pelos agentes geraes do
I;in-de-Janciro os Srs. K. C. Yates & Com-
panliia mudaran) o deposito deste xarope
pura a botica do Sr. Jos Mara llamos, na
rus dos Ouarlcis, n. 12 junto ao quarlcl de
policil onde sempro achariTo o nico ver-
dadeiro, viudo daquelle deposito, a 5,500
rs. cada garrafa.
Vende-so um pardo de 21 annos, de
bonita ligura sem vicios, e que he pro-
pio para qualquer servido: na ra do
Crespo, loja 11. 15,deCunha Guimares &
Companhia.
Rap roldo francez.
Vendo-seo superior rap rolSo francez,
nicamente as lojasdosSrs. Caetano l.uz
Ferreira 110 Aterro-da-ltoa-Vista n. 46
Thomaz do Mattos Estima, na mesma ra
ii..*ii; Francisco Joaquim Duarto, ruado
Cahug ; Pinto &IrmSo, na ra da Cadeia
do lienta, n. 19.
Vende-se a muito acredita-
da firinba franceza Barn, chega-
da ltimamente, e por proco rasoa-
vel : na ma da Senzalla-Velha,
11. 138.
Vendem-se bilhetes da lote-
ra do tf io-de-Janeiro : na praca
la Independencia, n. 37.
O O
0 FAZENDAS BAIIATAS. 0
,-vj Vcndem-se corles do brim trangado 0
0 pardo, a 1,280; ditos de dito bran- gv
^ co trangado c de listras, a 1,280; di- p.
'^ tos de dito nmarello, a 1,500; ditos
J de niaccdonia, padrOes do casimira,
fcj n 2,000; ditos do casimira do algo- *
& do, lazenrla escura e muito encor-
O pada, a 2,000 ; e outras muitas fazen-,
O dos baratas : na luja dp sobrado ama--0
O relio da ra do Qucimado, n. 29. 0
JN loji dnia do Crespo, n. G, ao
p do 1ampe2o continuam-se
a vender fazendas baratas.
Cortes do brim trancado amarello, a 1,440
rs. ; ditos de dito escuro, da melbor qua-
lidade que tem vindo a este mercado, a
1,280 rs. ; dito branco strado a 1,500 rs. ;
cobertores de algodilo mais encorpados
dos quo os de oulra parte, a G10 rs.; chitas
para coherta a 200 rs. ocovado ; chitas es-
curas com cores hxas, a 160 o 180 rs. ; cha-
peos do u.assa a 1,600 rs. : dilos de seda ,
a C4o fs.; casstpara bailados o cortinados,
a 2,400 rs a peca e a 320 rs. a vara.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
ebegada nesto mea pelo brigue Maria-Joi :
a tratar na ra do Bruai, armazcm de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na ra do
Vigario, n. 19.
A 200 rs. o covado.
Vende-se zuarte azul trancado, muito en-
corpado e com 4 palmos e meio de largura ,
a melhor fazenda para vestir escravo pelo
barato prego de 200 rs. o covado; na luja da
esquina da ra do Crespo, que volta para a
cadeia.
Vendem se presuntos inglezes para
hambre; latas com bolachinhas de Lisboa ;
ditas de aramia ; ditas de mannelada de
1,2 e 4 libras; ditas de sardinhas; ditas de
bervilhas ; ditas de chocolate de Lisboa
frascos de conservas ; dilos d'agoa de flor
do laranja; barris com azeitonas brancas de
Elvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da Madeira ; queijos de prato
frescaes : tudo novo e chegado ultima-
mente do Lisboa : ua ra da Cruz, no
llccife, n. 46.
Aos amantes da lotera do Rio-
de-Janeiro.
S^~Aos 2o:ooo,ooo deris.^5
Silo chegadas as listas da sexta lotera do
theatro de S.-Pedro, o com ellas novo sor-
timento de bilhetes e cautelas da 50.' lote-
ra da Santa-Casa-da-Misericordia, cujas
listas vcem no primeiro vapor. A ellos an-
tes que so arabem. Na ra da Cadeia do lle-
cife loja de fazendas n. 51, do Jos.da Cu-
nta Magalhfles ondo existem as listas das
loteras passadas.
AGENCIA
da fundico Low-Moor,
RA DA SESZAIXA-NOVA, N. [\"i.
Neste cstabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e mcias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Vende-se vime, ebegada ltimamente
no brigue Noro-Vincedar: na rua do Apol-
lo armazn) de Antonio Augusto da Fon-
seca.
Vendem-se sellins inglezes e
camas de ferro : na ra da Senzalla-
nova, n. l\i.
Clulbrasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
niolliados, airas do Corpo-Sato, n. 66, o
mais excellente cha produzido em S.-Pau-
lo quo (em viudo a esle mercado, por
preco muito commodo.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Na praca da Independencia, loja n. 4, ven-
dem-so bilhetes o cautelas da 50." lotera
da Santa-Casa-da-.Misericoidia da cite.
Na mesma casa so mostram as listas das
loteras passadas o so trocan) bilhetes
premiados.
> > Para liquidar quanlo antes.
S Continuam-se a vender lencos de se- 2
h da para hombros do senhnrae para <^
y> algibeira, a 500, 800, 1,000, 1,200 e i> 1,980 rs., e muito superiores, a 1,600, 2.000, 2,240, 2,400 e 2,560 rs. ;
P" esguillo lino do lindo, a 1,280 rs
a vara ; cortes de vestidos de cam-
* braia com barra branca c decores,a
>. 1,600 rs.; meiasazuese pretas para
^. scnbora e meninas a 1,000 o 1,600
rs. a duzia ; suspensorios linos do 3
mcia, a 960 rs. a duzia ; botoes do <41
. <
e.
<-.
<
t> -*
1.. AAMAAA A AAAMMAAAO
- Vcne-se champanha da mais superior
qualidade que tem viudo este mercado :
na ra da Ciuz, n. 27, armazcm de Crocco
& Companhia.
A 640 rs. cada ti ni.
Vendem-se cobertores de algodiTo ameri-
cano, encorpados e grandes a du8s pata-
cas ; chitas escuras de bous padres e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Vcnde-se algodao trancado
da fabrica de Todos-os-Santos a
270 e a 3oo rs. a vara : na rua da
Cadeia, n. 5a.
Taixas para engolillo.
Na fundiclo de Trro da rua do llrum,
acaba-se de receher um completo sortimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por pre?o com-
modo e com promptdfio embarcam-se,
ou carregani-se cm canos sem despezasen
omprador.
Dcposilo da fabrica de
Todos-os-Snntosna ISaiiia.
Vende-se em casa de N. O. Iiieher & C.
rna da Cruz, n. 4, algodilo trancado
daquella fabrica, muito pioprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
1,280 ris.
. Vendem-se superiores cortes de brim
(raneado de puro linho cor de lama de Pa-
rs pelo barato prego de 1,280 rs.: na rua
do Crespo n. 14, loja do Jos Francisco
Dias.
Vendem-sc duis escraris crioulas cora
habilidades, urna de 20 minos e a oulra de
30 : na rua dos Tanociros arinazcn 11. 5.
I olia de Flandres.
Vendem-se caixas com talha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na rua
do Amorim, n. 35.
_ --No armazem da rua da Moda, n. 7,'con-
liiu'ia-se a vender superior colla das fabri-
cas do Itio-Crande-do-Sul, por prego ba-
rato.
N. 9.
Ba da Madrc-dc-Deos.
Puro vinho da
quo em nada desagradar aos concur-
rentes. .
Estrella*
Vende-se superior bolachinha intitulada
estrella, muitopropria para doentes, por
ser agoada e de muito superior fai inha : na
rua Direita, n. 79
C5p
<
9 ATOALIIADO DE PURO LINHO.
>
i Vcnde-sealoalhadn depuro linho,
S. com 6 palmos de largura, a 1,600 rs.
j> avara ; dito muito superior, com 8
e> palmos, a 4,000; dito com 11 pal- <
j mos, a 5,000 ; toalhas da mesma fa- >* zenda, com 7 palmos docomprido e
*" 6 de largo, a 2,000 ; c guardanapos,
a 3,000 rs. a duzia : na loja do sobra-
m
m
* duraquee franklim a 240 rs. a gro-
\> sa ; um rosto le brim pardo para for-
ro a 80 rs. o covado : no pateo do
Carino n. 18, segundo andar.
f? do"'mareilo "da" rua do "Queimado,
% n. 29.
Vende-se cal virgem de Lisboa era
barris pequeos ; feches do arcos de pao e
rodas de ditos para barricas; cimbeles do
pinbo abatidos para assucar ; pregos Cal-
xacs do Porto em barris de 10 milheiros ;
ditos de estuque em barris de 32 milheiros;
marmelada de Lisboa em latas do 1 o 2 li-
bras ; ptalas de familia ; cadenas do pao
preto, angico e cerdeira, chegadas ltima-
mente do Porto: a tratar com Joquim Fer-
reira Mondes CuimarSes na rua da Cruz ,
n. 49.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 2o:ooo,ooo de ris.
He chegada a lista da sexta lotera do
theatro de S.-Pedro, e com ella grande sor-
timento do bilhetes, meos, quartos, oita-
vos e vigsimos da 50." lotera da Santa-
Casa-da-Misericordia do Rio-de-Janeiro,
cuja listas devem chegar no primeiro va-
por : na rua da Cadeia, n. 56, loja do fer-
ragens, de Antonio Joaquim Vidal.
dos jumantes de bom gosto.
No armazem de moldados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor viudo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, o de outras militas
qiialidades que so vender3o mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milbo, que se esto vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o eento.
Cha barato.
Vende-se muito bom cha, pelo prego de
500 rs. a libra : na rua do Crespo, 11. 23.
Direito das mulheres
e injustiga dos homens traduzido por urna
lirasili'ii.'i : vende-so a 640 rs. na praga
a Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Cortes de brim de puro
iinlio, a 1,280.
Vendem-se corles do brim trangado
pardo ile puro linho, pelo diminuto prego
de qualro patacas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se sapatoes brancos
do Aracaty a 1,000 e 1,200 rs.
o par : na rua da Cadeia do Reci-
to, n.t).
Vende-se urna canoa aberta,
de Coo alvenarins grossasj ou tro-
ca-se por materioes finos ou gros-
sos: na travessa da Concordia, so-
brado novo n. 5.
I'igueira.
O novo armazem desta pinga deliciosa
acaba de so abrir nesta rua, defronte do cx-
tincto armazem ao mesmo prego de 180
rs. a garrafa e a 1,360 rs. a caada. Os
amantes deste licor all enconlrarHo garra-
fas promptamente lacradas e com o scu
competente rotulo para trocarem por outras
promptamente ; assim como tambem en-
contrarlo barris de diversos tamanhos,
por precos bem rasoaveis ; bem como vinho
branco de Lisboa a 1,600 rs a caada o a
220 rs. a garrafa. O propietario deste esta-
belecimento pedeexame pira poderem ava-
har a pureza do sua quaiidideve asseio, e
t
\
Attenco.
Na ruado Crespo, loja 11. 5 A, junto ao
arco de S.-Antonio vendem-se ricas man-
tas de seda de novos lavrores a 6 o 8,000
rs., lano para senhora como para meni-
nas ; llm deslas fazendas ha 11.n rico sor-
timculo de leques com eufeites inteira-
mente novos, e que se vendem maisem
conta do quo em oulra qualquer parte.
Charutos do S.-Flix.
Na loja de Antonio Joaquim Vidal ven-
dom-se supciiores charutos de S.-Felix-,
vardadeiros os quaes se recommenda aos
bons fuanles.
Firmiano Jos Rodrigues Fcrreira, an-
uencia que tem mudado um dos seus esta-
hclecimentos do fazendas da luja, n. 9, c
transferido para a mesma rua cm outra de
n. 19, aondo os seus antigos freguezes o
amigos arhaiilo um completo sorlimento
do fazendas de gosto, e,"por muito barato
prego, como si'jam pannos linos de todas as
coros, por 2.400, 2,800, 3,000 e 3,200 ris;
algumns gasimiras a 5,000 lis o corle ; laa
para caigas a 4800 ris; chitas linas, a 200,
220, 240 e 160 ris; madapoloc, cutrins
outras muitas fazendas de goslos, quo se
venderfio por pregos que muito agradarflo
aos compradores.
Vende-se a casa terrea de pedra e cal
n. 136 da na Imperial ; um terreno junto a
mesma para oulra casa j aterrado, tudo
aleono, eemcliSos proprios : na rua do
Collegio, n. 6.
Vendem-se duas pretas ptimas para
o trahalho de campo urna prela quo coz-
nha e lava de sabiio e varrella com urna
cria do 10 annos muito linda para ser edu-
cada : na rua do Collegio, 11. 21, se dir
quem vende.
A 4oo ris.
Vende-se superior esguiilo de algodilo de
quatro palmse meio le largura, proprio
para camisas de senhora e jaquetas, pelo
barato prego de 400 rs. a vara ; bretanhas
de rolo com 10 varas, a 1,600 rs. ; supe-
riores cortes de fuslOes alcochoado.a
1,28o rs. ; ditos miudos, a 400 rs. o corto :
na rua doCrespo n. 14, loja da Jos Fran-
cisco Dias
-- Vende-se, diariamente, farinha de mi-
lbo a 80 rs. a libra : na rua de S.-ltila-No-
va, 11. 16.
Lencos de cambraia
de linho
Na rua do Livramenlo n. 14, vendem-se
lengos de cambraia de linho, para homem
e sonhora ; pecas de chila para roupa de
escravos com 94 covados a 1,400 rs. a pe-
ga e o covado pelo barato prego de qualro
vintens ; chitas finas a 180 e 200 rs. o co-
vado ; o outras muitas fazendas que a vista
dos compradores se far3o patentes; bem
como um rico" sortimento de madapolOcs
finos e baratos.
Camisas raiicezas
Na ruaNova.n. 14, loja do alfaiate he
chegado umriquissimo sortimenlo de ca-
misas brancas e de riscados os mais lindos
padrOese cores (xas, por prego commodo.
- Vendem-se 6 lindos moleques de 12 a
20 annos ; 8 pretos de 25 a 30 annos, sendo
umdelles cozinheiro; duas negrinhas do
10 a 12 annos com principios de habilida-
des ; duas pardas de 20 a 24 anuos; duas
pretas de 20 a 30 anuos, sendo urna deltas
ptima cozinheira : na rua do Collegio,
n. 3, so dir quem vende.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias queframde
farinha em p e bem accondicionadas:
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
y
A- Farinha de S-Ualhctis A
i 9
16 Vende-se farinha muito superior, por s
V prego commodo a bordo da sumaca ty
j) Feliz-Auroia, tandeada em frente do
% caes do Collegio : a tratar com o ca-
a pililo a bordo ou com Machado & Pi- a
35 nheiro na rua do Vigario, n. 19, se- r
T gundo andar.
-- Vende-so retroz preto a 8,000 rs. a
libra, palmatorias delalilo a320rs., mcias
para homem a 480 rs pegas de lita de linho
a 50 rs., carreleis do linba prela a 20 rs.,
pennas de escrever a 100 rs. o quarteirfo,
linlias de corea a 1,000 rs. a libra, escovas
de fado a 500 rs., agulbeiros dovidroa 200
rs., caixinhas do agulhas francezas a 2S0
rs., luvas de pellica de cura 320rs. : no A-
teno-da-l'.oa-Vista, 11. 84.
Vende-so a taberna da rua do Colo-
vello, n. 31 com os fundos de 300,000 rs. ,
bem afreguezada a qual estando sorlida
vende 16^000 rs. diarios, o sendo o aluguel
muito barata : vende-se a prazocom boas
firmas : a trame na mesma taberna.
~ Vcndem-y. ...''*? "raudos com milho;
no armaze
nha da alfi^jg,,
das Cruzcs.n. 4l,vendcm-se bar-
1 cm pipa de vinho do Lavradio,
proprior particular, por ser mullo
fraco./ '
Vende-so panno de varias cores,
muito lino e do cor (Ua, a 4,000 rs. o |
* covado; merino preto, a 2,500; dito i{j
3 muito lino, a 3 e 3,500 ; sarja de Ifla
M preta e do cores, a 800 rs. o covado ; j
3 hrinceza preta enfestada, fazenda 3*
'3 l6L>al a merino, a 1,000 o covado ; al- 9
,| paca >. ... ... .:.. a *>~t. o co- S
e outras fazendas muito em |
il
rot
fe sat.
]c bacelar defronte da cscaai-
-Na
ris de cii
ln
de ferro estanhado. Na mesma agencia >d
se um sortimento de pesos para balan*
escovas paia navios. Ierro em barra 1
quadrado como redondo, safra parar
ro o urna porgo de tinta Verdoem !
tudo por barato prego.
Vendem-se accoes Ja Co
panhia de Pernambnco e Parati
ba : no cscriptorio de Olivf.ira
maos 5c Companhia, ruada C
n. 9.
Vendem-se molduras douradajj-.
dos os tamanhos : na rua da Cruz n t
casa de Kalkmann IrmOos. "
Vendom-se ricas toucas pira baD[
dos de criangas, por prego o mas di-'
to possivel : na rua do Cabuga, |0i, Z
portas, de Francisco Joaquim buart
-- Vcnde-se muWo boa manteiga ineifc
a 800 rs. a libra; dita > francez, a u?
doce de goiaha .mcaixOesde 5 ero lh
muito bom a 880 rs. cada um ; bom
deS.-Paula, a 1,920 rs. a libra; bolacti
de Lisboa em ltase a retalho : lodo,
tes gneros siio muito hons : na rui U.
do Hozario, n. 39, por bailo do sobrrZS
tres andares.
Vende-so o sitio Salinas, fronleiroi,
caruna : quem o pretender innuncie
esta folba o lugar de sua residencia, nWy
pessoa competente contratar.
&
it> c^r Na ma do Crespo, ^5
' loja da esquina que volta
0 para a cadeia, veudern~se
0 os acreditados brins trancados bran-i
Q eos lisos, de listras ede linho puro,
0 a 1,500 rs. o corte ; dito amarello, 1
1,440 rs.; dito muito superior,!
^ 1,600 rs. ; picote muito eneorpado,
rt proprio para escravos a 180 ri, o
* covado; panno preto muito lino,
* 3,200 rs. o covado ; cassa de quadros
^ para ba hados, a 2,000 rs. a pega ; lu-
C' vas de algodSo de cor, muito linas,!
.'i) 240 rs o par ; chitas rouxas com Qr>
0 res encamadas, de tintas segur, a
0 180 rs. o covado ; cessas pretas, pro-
0 prias para luto, a 160 rs. o covido;
varas, a 4,200 rs.; e outras muitis^
Jl fazendas por prego commodo.
C;r5^t5t^O>tDC7OO?<&o
Na loja de Carlos llardy, na rua Non
11. 32, vondcin-se manteletas pretas p
senhora ; chapeos de seda e de palha pn
senhora e meninas. Na mesma loja Umbei
se fazcm chapeos de encommenda chai

para mem
do que

vado_
I conta : na rua do Queimado, loja do
?j sobrado amarello, 11. 29.
^^,^^..,,4,,=^ MH
Vendem-se canastrascom albos novos
om maungas, por prego muito commodo pa-
ra fechar conta : 110 armazem defronlo do
chafan/, do caes da Alfaudcga.
VF.I.AL DE CAIINAUBA.
Vcndem-se superiores velas de carnauba,
por prego mais commodo do quo cm oulra
qualquer narte: na rua do llortas, casa
terrea 11. 54, na esquina do beceo que vai
para a rua de S.-Thcreza.
Salsa-parrilha de Sands
para remover o curar radicalmente to-
das as enl'crmidades quo proceden) da im-
pureza dosangue, ou habito do sy.stcma.
Fsla medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis do molestias
que proceden! da impureza do sa ligue. A
Infeliz victima de molestias hereditarias,
com glndulas indiadas, ervos incolhi-
dos, e os ossos meio arruinados, ficou resta-
blecida com toda sua saude e tarcas. 0
doeute escrofuloso, coherto de Chagas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem 0 serna,
ficou perfeilo. Centenares do pessoas que
(iiiham soffiido ( por annos, a ponto do de-
sesperen) da sua soi to ) molestias cutneas,
glndulas, rbeumalisino chronico-e muitas
outrasenfermidadesprocedentes do desar-
ranjo dos orgSos de socrec&o e da circula-
gilo, teem-se erguido quasi milagrosamente
doleito da niorto, e boje, com constituicfles
regeneradas, com prazer slteslara a cllica-
cia desta ineslimivel preparando.
Coiiiquanlo lenhan apparecido grandes
curas a; aqu produzidas pelo uso desta
estimavel medicina comtudo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais 110-
taveis.
Nev-Fork, 22 de abril do 1818.
Snrs. A. I!, e I). Sands. Julgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral remello vos este cerlilica-
po das grandes virtudes da vossa salsa-par-
rilha, para que outros que boje estro sof-
sorlimenlo de lindas toucas
as, ptpr prego mais barato
outra qnalquer parto.
t Attenco ao batato.
Na rufc do Livramenlo, d. 14, vendem-5
cortes delira de bonitos padroes, a 2,to
rs. o crti ; riscados monstros, a 260 rs.
covado ; lingos de cambraia de linho, mui
to linos, para senhora ; pegas de madapo
Iflo lino, a 2,800, 3,800, 4,000 e 4,500 n.
chitas escuiasdecies (xas, a 160, 180
00 rs. o muito finas,4,240 rs.; cortesd
cambraia para vestidos, outras muitas fazendas baritas.
Vende-se urna negrinha de nagSo
com principios do costura: na rua estreila
do Hozarlo, n. 16.
Vende-se um lindo moleque peca, de|J
annos de excellente conducta: na rua di
Padre-Florianno, sobrado do um andar n.l
Vende-se um moleciio de nacao Jlt
gambique de 18 annos, bom cozinheiro
nao tem vicios nem achaques, o quei
alianga ao comprador: na rua da Concui
dia, passando a pontezina, direita,
guma casa terrea.
--Na rua do Aragiio, loja de barbeiro
n. 33, vendem-se e alugam-so bixas d
llamhurgo.
frendo cstabelegam melhor a sua conlian-
ga e facam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande fun-
da no tornozelo, que se estendi pela cand-
a cima at ao jodii, langava grande | or-
gilo de nojenta materia, com comichees
que ineprivavam muitas noites do meu des-
canso, e eram muito penosas de supportar.
O Sr. Diogo M. Counel, q* "'avia sido cu-
rado com a vossa salsa-pa- recommun-
dou-me que eu li/esso 1 ifl, e depois
do haver tomado cinco ga.-rafas liquei per-
feitamentc curado.
Tenbo demorado um anuo manJar-vos
osle certificado, para conhecer com certe-
za so a cura era perniaiicnte, e tenho agora
a maior satisagno em declarar quejinole-
nho visto, nem sentido cousa ulgBU du-
rante todo este lempo, o acho-mo perfila-
monte restabdecido. Sou vosso, el
Snrah M, I mire.
240, rua qpjajicc,.
Resta provincia o nico agente desfo ma-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de tirito.
Agencia de Kdwin aw.
Na rua de Apollo armazem n. 6, de'M. Cal-
mont;&Companhia, acha-se conslantomente
um grande sortimento de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar bem
como taixas de ferro coado e balido de de-
ferentes tamanhos e modelos, moendas
de dito, tanto para armar era madeira como
todas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vaporde(rgade*cfival!os, alta
pressllo, reparlideiras, espunjadeiras, etc.
Jt.travos Jfupouii
Fugiram em agosto de 1832, Catn
lina donagiloCagange, de 14 annos, Lai
xa, cheia do corpo, com falla de um dent<
na frente; hojedevo representar 31 anuos
Jacob, |iardo, de 18 annos, secco do co>
po, cabellos estirados; tom um pequeo (aj
Iho na magua do rosto, e falla-lhe um den-
le na frente o mais visivel signal he a m^^
cade um caustico as costa tagio em d
zcnihiode 1847: quem os pegar leve-01
rua Nova a Jos Luiz Pcreira, que gri""
cara.
Fugio, no dia 28 de maio proiimo pal'
sado um preto de nonie Manod, de niel
Henguclla, mas parece crioula, por ter *"
lado no mallo muito lempo; falla to
claro ; lio baixo, grosso do corpo; be bl
hado cor fula ; tem os beigos grossos,
no inferior urna cicatriz ps apalbetadi
oihos o rosto de quem he bastante ebrio
loca vio'a a moda do serillo ; tem sido vil
to desde a Passagem at o Cachanga; joj
ga-se ter mudado o nome, e anda com
titulo do forro : quem o pegar leve-o i n
da Cruz, no Itecife, n. 31, que ser genoro-
sanenlo gratificado.
-- Fugio, no dia 26 do corrente, um mo-j
leque de nagiio Tapa, de 16 a 17 annos pon-
co mais ou menos ; levou caigas e camisa,
de algodflo azul liscado ; tem 3 tainos a
roslo do cada lado ; be de estatura rcguli'i
secco do corpo; tem duas ingoas as *"
rilhas: quem o pegar levo-o ao Aterro-^-
lioa-Vista n. 66, quo ser jecompens"11
Aiudaseacha fugidl a parda Josepai
i|ue desdo o oia 21 do paSsado desapP'6'
ceu tai vista em Apipucos, o dizem I"
lora com o socorro do 2 lilhos que tero "
ruado Queimado, para as bandas do Pee*
do-AIbu onde mora sua nafti: por isso
recommenda a todas as autoridades y
pitaes de campo que a aprchondam e le*
vem-na ao coronel Lemenha que recom-
pensar o protesta haver os dias de se'!
co 2 proceder na conformidade da lei.
Fugio, no dia 18 do corrente, um Pj
do do nomo Jorge; levou camisa da cniu
azul j velha e chapeo de palha oleado; te
um signal de queimadura na.fece esquema;
tem pouca barba, e cabellos um tanto g'**".
de grandes ; he baixo, secco do corpo, cofl
o joelho esquerdo mais inchado que o or
reto rendido de ambas as vorilhas, P
pequeos e dedos curtos: quem o peg'J
leve-o a rua Augusta sobrado de um ano"
n. 9, quosei recompensado.

PB{C : KA ti
BE ., DE |FASIA.