Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08972

Full Text
Auno XXV.
Quinta-feira 26
Mk/
PARTIDAS DOS COBBEIOS.
Coianna i Paraliiba,segundas eiextat-feirai.
ndo-Grandc-do-Norte, quinlas-fciras ao uieio-
dia.
Cabo, Serinhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macei. no 1 .*, a 11 c 21 de cada mes.
Garnnhuos e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-reiras.
l Huida, todoi os dias.
IFHIKEBIDII.
Pauna d lu. Cheia a 5, al'.h.e 9 m. dam.
Miog.*al3, s 4 h. e48 m.daia.
Nova al'.i.s 6h. c56m.da t.
Cresc.a2,s lh.r lm.da U
PBEMAR SX HOJE,
Primeira s 10 horas e G minutos da manh.
Segunda s 10 horas e ininutos30 da tarde.
de Jnllio de 1849.
N. 105.
'FqffFW*
PRESOS A SBSCFUFoAo
Por tres inezesfadiatKia'o) 4D00
P0rseisme7.cs 8/000
Por um.linio 15/000
DI AS DA SEM AMA.
23 Seg. S. Apollinario. Aud. do J. dos orphSqa e do
m.dal.v. ....
24 Tere. S. Christlna. Aud. da chae, do J. da I. v.
do civ. e do dos feitos da fazenda.
25 Quart. ** S.Thiago.
20 Quii. S. Justa. Aud. do J.dos orph. c do in.l.v.
27 Sext. S. Pantaleao. Aud. do. J. da 1. v. do civ. c
do dos Coitos da fazenda.
2S Sab. S, Innoceocio. Aud. da Cbanc. e do J. da 2.
vara do criine.
29 Doru. S. Anua. .
CAMBIOS KM 2< DE JU1HO.
Sobre landres. 25 d. por 1/OOfl rs. a (30 da
. Paris, 380.
. Lisboa, HSporcento.
Ouro Oncas hespanhoes......... 30/200 a
ar0- Vloeda.de (^00 velha... 17/100.
. de 6/400 novas .. Ib/200 a
. de 4/000.......... /2iKi a
fVl.-Patacoes brailleiros...... Um
Pesoacolumnario....... '# "
Ditos mexicanos.......... >/MI
90/500
17/401'
Kifno
!l lili
2/01II
2>tiln
I/J2"
DIARIO DE PEMAMBl fifi
paute ornctAi.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Conitando-me que algumat pesioai teem
apresenlado recibos Irregulares de bagageiros
para receberem quanllas a titulo debagagens
por ellei pagas, ordeno Vine, que nao tara
taes pagamentos senao aoa mesmos bagageiros,
e na forma das leis e ordens a respeito ; de-
vendo Vine, apprehender quaesquer recibos
siispeitos de falsidade, para se proceder con-
tra os falsificadbres na forma da* leis.
f)eo guarde a Vine. Palacio do governo de
Pernamuuco. 24 de julho de 1849.Honorio
lermilo Cnmeiro Leio.Sr. corouel Inspector
da pagadoria de militar.
EXPEDIENTE DO DA 2i DE JULHO.
OfficioAo commandante das armas, para
que vina de tita infbrinaco sobre o requer-
menlo de Joaquim Jos de Santa-Auna, volun-
taria do ballhao de Una, e da Inspecco sani-
taria, da qual se moslra achar-se o suppllcan-
te imposibilitado para o sen-ico eni conse-
quem-ia do ferimento grave que recebeu em
combate, o mande addir ao 2 batalho de arll-
lharia, at definitiva resoluco do governo im-
rial a quein val participar esta resaluco.
*'lentiGcou-se o inspector da pagadoria 111 i-
IVtJf.
' Dito --Ao inesinn, recoinmendando a cipe.
dicao de suas ordens atini de que. rstejam
promptos a ser enviados ao Exi'n. presidente
do Cear na primeira oppnrtunidade o arrhlro
e instrumentos do corpo liw de primeira linda
daquella provincia.
Dito. Ao iiirsiiio, communicando Laver
transferido para o dia 36 do crreme a sabida
do patacho Pirapama para a ilha de Fernando-
de-Noronda.Neste Denudo officiou-se o ins-
pector do arsenal de marinha, ao director do
arsenal de guerra e ao inspector da pagadoria
militar.
Dito.Ao c-immandante da ilha d Fernan-
do, ordenando que laca vullar para tita
capital
regrel-
ite Ra-
jlli/. Ilill-
, e ora he
rea do llre
a bordo do patacho /'/moa ma, logo
1 tar daquelle porto, o preso Raymu
l mus que para ahi lora renieltidojx
nlcipal da primeira vara desla cid
frequisitado pelo de direlto da con
jo afim de responder a novo jury.Inicii uu-
|ie o chefe de polica. r
Dito.Ao Inspector da njayadorla militar,
remettruilo copia doi medicamentos preciiot
para o 8.* batalbo de cacad/ores, ora no sul da
provinria, afim de que, majldanilo-os preparar
com toda a urgencia, cntlenda-se coui o coin-
inaiidaiitc das armas cerra da rcinessa delles.
Ofrklou-sc neste cnli/lo ao commandaule
das armas.
Dito.Ao cominandanfle do corpo de policia,
ordenando faca marchar com urgencia para a
povoaco de S.-l omeinVo um destacamento de
l2pracas, afim de licar \ disposifo dai res-
pectivas autoridades policiaes.Coiuiuuuicou-
e 10 chefe de policia.
Dito.Ao juiz municipal da primeira vara
des la ddade, declarando qjie ficain expedidas
ai contenientes ordens, nao so para que teja
recebldo a bordo do patacho l'irapama e for-
necldo de laies o sentenciado que Smc. diz
ter de enviar para a ilha de Fernando, mas
tainb'-m para que o commandante do corpo de
policia Ihe preste as pracas que frem necessa-
rlas para acotnpanhar u mesmo sentenciado
at o embarque.Neste temido ofliciou-se ao
commandante do referido corpo e ao inspector
do arsenal de marinha.
I110.--A0 delegado do termo de Nazareth,
para que maiide recolher ao arsenal de guerra
o armamento, coricianie e muniyOesque arre-
cadou por occasiflo de s. r dissolvida a couipa-
nhia de carallaria daqurlla villa; e recomnieo-
dando enipregue os mcios nrcessarios para ob-
ter ns clavinolrs que se extraviaran), c que
proceda como fr de direito contra os extra-
viadores.
Dito.Ao commandaote superior interino
da guarda nacional de Ulinda e Iguarass, ac-
cusando recebidoo teu officio acerca da puuco
tatitfacloria simaran da guarda nacional do seu
interino commando superior, c ordenando
que traga ao couliecimento da presidencia
a propotta dos cidadoj que mal aptos Ihe
parecerem para oceupar os varios puslos da
mesma guarda nacional, limitando-a o inais
poisivel quanto ai reformas.
Dito.Ao administrador dai obras publicas,
pira que ordeue ao engenheiro daquella re-
parlicao que se dirija ao quartel da Soledade,
e proceda ao orcaiueoto da drspeza a l'aicr
com um muro que se deve levantar nos fun-
dos do mesmo quartel para srpara-lo dos quiu-
taes viiinhos.
11U11.--A0 lenente-coronel Antorfio Carneiro
alachado lilot, autoriundo-o 1 mandar prepa*
car e reiuetler ao presidente da cmara muni-
cipal da villa da Agoa-Preta una urna que le-
lil a precisa seguranca e capacidade para
cunter as cdulas dos votantes da respectiva
freguezia na rlelcao que se val proceder no
dia 5 de agoito prximo futuro ; e declarando
que.eflectuada a reuiessa, baja Smc. de reque-
rer prrsidcucia a importancia da referida ur-
na.Cominuuicou-.se ao presidente da mencio-
nada cmara.
Portarla.-Revogando a de 2 de julho ulti-
mo, pela qual foi reintegrado no posto de co-
ronel chefe da terceira legio da guarda uaclo-
11 "I do municipio de Goianna Joo da Costa
villar.cicntilicou-se o cominandanle supe-
rior respectivo.
Hila. presidente da provincia, attenden-
do a uecesiidade do tervico publico, resolve
deiultilr a Joaquim Jos da Silva Vieira do
cargo de subdelegado da fregueiia de Bezer-
ros, eordeuaquc pela secretaria se facaui as
convenientes coinmunicacet.--Inleirou-ie o
,cbrfe de policia.
bitaDemiltindo, de confurinidade com a
proposta do chefe de polica, ot leguiutes tup-
l'leutei do subdelegado Ao primeiro districlo
da freguezia da Etcada, termo de S.-Amao :
l. Hoque Ferreira da Costa.
2. Joaquim Corlho
3. Manuel Antonio Das Jnior.
2.a Lucas Gomes doi Santos.
3." Joo da Rocha Hollanda Cavalcante.
4. Major Candido Jos Lopes de Miranda.
5 Franclico Cordeiro Falcao.
Intelligenciou'ie o chefe de policia.
Dita.O presidente da provincia, usando da
autorisacan que Ihe confiere o decreto de 11 de
Janeiro de 1849, ha por bem conceder amnis-
ta em noine de S. M. o Imperador a Manoel
Uarle Bibelro Jnior pelo criine de rebelliao,
ltimamente coinmettido nesta provincia.
K para la resalva se Ihe pana a presente,
eiu virtude da qual jamis ser processado pelo
dito criine.
DEM DO DIA 23.
Ollicio.-Ao commandante das armas para
qua ordene ao lenente-coronel Jos Maria
Ildefonso Jacome da Voiga Pessoa que reco-
Iha ao arsenal de guerra as duas granadei-
ras que recebeu do delegado do lemio do
l'o-u'Alho, das quaes anda no fez en-
trega.
Dito.Ao chefe de polica.Inteirado de
3uanto se conten no ollicio |que V. S. me
irigio com data de* do correte e sol o
numero 220, acompanhado de dous do'dele-
gado suppU'nte do termo de S.-Anillo e de
uniros tantos do subdelegado do primeiro
dislrirto da cidade da Victoria, tenho de
significar-llm : primeiro, cjjMfcP tenante-co-
ronel Feliano Astftfli FafcsVtem ordem
psri vltar do lugar em que se Ma por as-
sim convir ao servico publico Vegundo,
3uo hei providenciado pars que, sat>stitui-
o por outro ofllcial no commando d6vdcs-
tacamento da mesms cidade, regresse \rit
esta capital o lente do corpo de policia
Antonio Pereira de Souza, afim de resport-;
der acerca do que contra olla se contm
em dous dos documentos que citei em prin-
delegados a mudanza do mencionado
ocote, declarando-ihe* aq jnesmo te*ipo
que este go/erno milito lites reedinmenda a
nos, com o tnico designio de promover a
paz e tranquillidade, queem taes occasiOes
tem sido perturbada, com gravissimo detri-
mento da religio e do estajo. Com este
nosso regular procedimento e pi intento
de prevenir qualquer manifeslac.lo de dis-
cordia, que possa olTender a caidade fra-
terna, to recommendada p^lo segundo
preceito, igual ao primeiro da lei divina,
acreditamos ter cumprido um de nossos
primeiros deveres, confiando que os oossos
diocesanos,anda nesta oppojtunidade, ei-
ctitarSo a voz de um prelado ntercssadoem
cooperar para a manutenerlo da ordem, sem
a qual a sociedade oio pode subsistir.
Ingenuamente aftlrmamos aioda oa Divi-
na Preseoca, que simiente nossa cons-
ciencia oos impellio a dirigir esta brove al-
locugo aos que por lei silo designados a
dar o seu voto na occasiSo em queasele-
coes devera tei lugar, para que, animados
do espirito de verdadetro nacionalismo,
prestem, por todos os melos ao seu alcance,
o rt-speclivo contingente com o designio de
concorrerem para que a futura deputagSo se
verifique em eleitos que lenham em vistas
a exaltaco da religiSo dominante, a felici-
dade eprosporidade do imperio, e a paz e
tranquillidade que deve reinar entre seus
subditos:
Por esta occasilo anhelamos demonstrar
quilo sensivel nos tem sido a falta de respei-
to nos templos durante o lempo das elei-
cOes, esparando que esta jamis so reitere,
coruoconvm a religiosidade dos que pro-
fesstm o chrisliaoismo, e acreditam prose-
te a Jesus-Chrslo as sagradas formas, en-
cerradas 00 sacrario.
Os atteotados commeltidos deotro dos lu-
c po : terceiro, finalmente, que deve V. S. gjres santos, oos quaes benignamenteha-
fazer constar aos referidos delegados e suh- uta a infinita macota Jo de um Dos, ex pos-
te-lo irriso daqirlles mesmos que profes-
ipo 'sam a reverencia, venera^ao e respeito que
4 Manoel llodriguel Costa.
5. Jos Seinlo Beserr
Bfierra Cavalcante.
Dita.Noineando, de conlbrmidade coma
proposta do cbfe de policia, para suppleules
do subdelegado do primeiro districlo da fre-
guezia da Lacada, termo de S.-Auto, os cida-
uaos abaixo declarado!:
1. Manoel da Roclta Lini>
milis estu "la moderaeflo e respeito pelos
dirilosd. lodosos cidadBos as prximas
elciQdes e naquellas que para o diattte se
houver do proceder, bem como que 080
sero tolerados abusos a violencias qun por-
ventura ten la 111 a impedir a manifeslacSo do
voto de cadi uro*.Neste sentido olliciuu-se
ao cnmmaoJaote do corpo de policia.
Dilo Ao mesmo, dizendo aue deve or-
denar ao delegado do termo do l.imoeiro
frea arrecadar o enviar ao arsenal da guer-
ra as.dezaseis armas que foram entregues a
Antonio Maltieus Rangel, e declarando qua
vai providenciar pira que o segundo com-
mandante Joflo Chrisostomo Ferreira dos
Santos entregue 00 mesmo arsenal as que
distribuio por tres prsfis do corpo de puli-
ria.-OI11ciou-se a respeito ao commandan-
te do referido corpo
Dilo.Ao inspector da pagadoria militar,
autorisando o a despender com Manoel
Itaymundo dos Prazeres, que por mais de
dous annos tem servido de mestrecarpina
das obras militares, 8 diaria deoitocentos
res, ticando rile obligado a conservar em
boa guarda os ohjectos que estilo a seu car-
go, bem como a prestir-se s compras de
materiaes e aos exames que llie oreni orde-
nados; e declarando que o referido Prazeres
passai a fruir a diaria de 2,000 rs. logo
quo continuaren) os irabalhos das mencio-
nadas obras, de cuja verba se tirara a des-
peza a fazer em virtude desla utonsac.lo.
Dito.Ao mesmo, 'ordei.ando maode pa-
gar, vista dos documentos que Ihe frem
apresenlados, o aluguel de seis cavallot
Ihe he devido, nos devem horrorisar, para
nos excitar aonecessario commedimeoto,
qual ha mister manifestar nos templos des-
tinados verdadeira adoraeilo, quo o espi-
rito o a verdade nos persuaden.
Qual deve ser o sontimanto de um chris-
1.1osincero, quando julga urgentes recoo-
cilia;Sodis igrejas violadas pelos desacatos
in-llas praticados sem pejo iieni temor! J
algumas vezes tem sido ncressaria esta re-
coociliaQo, na conformi lado das Iris ec-
closiasticas, para os ministros da religiilu
podrem continuar a celcliracn dos divi-
nos misterios, intordicla em virtude das
mismas leis.
Palacio da Soledade, 21 de julho de 189.
Joio, bispodel'cmimbuco.
EXTERIOR.
um
ue'cond'uzTranroVrmametito, envia'do'peo Jous grand. s p.rtios empenhados na ulti-
vi __ mu lula atl i t ,1- I nfln n t< t > m 1 a .'tUl'iM DC
delogido do termo do Po-d'Alho para o'ar
seal de guerra, bem como o de qualro que
fram uicupadoi uo mesmo servico pelo de-
legado do l.imoeiro.-Scientilicou-sc o che-
fe de polica.
Dilo.xo administrador do correio, de-
clarando que, ara poder resolver definiti-
vamente acerca do que se contm em ollicio
da cmara municipal do lCxt, cumpre que
Smc. informo rirrumslaociadameote quio-
las linlias de enrreios oxislem nesta provin-
cia, quaes as distancias que guardam entre
si os pontos capilaes das mesmas lindas,
que numero de estfelas sao empregados
nellas, e finalmente ludo o que possa con-
correr para que a presidencia faca um juizo
exacto a respeito Ueste'ramo do servico pu-
blico. }
Portara.-O presidente da provinua, usan-
do da autorisaciio que Ihe foi cooferiia,por
decreto de II de Janeiro do correnle fauno,
tem resolvido conceder amnista om nomu
de S. M. o Imperador a Antonio Gaudencio
de Hollanda e Souza pelo criine de reuel-
lilo, ltimamente commetlido nesta pro-
vincia.
E para sua rcsalva so Ihe passa a presente
em virtude da qual jamis ser processado
pelo dilo crime.-iguaes a JoOo Vicente
Ferreira, Manoel Antonio Martins, Filippe
Nery de Mendonca, o Colombo Pereira do
Mui-aes, maodaiido-se por em Liberdade os
dous ltimos.
BISI'ADO DE 1'EKNAAlfiUCO.
D. Joo ia Vurifieaflo Marquei Pirdigjo, coneijo
rei/ruiil di Siinlo-^jojlin/10, por grata dt 101
e da lana apottolica, biipo de l'trnambuco, do
conccthoiti S. M. I. eLomliluciunal, tic, ett.
A lodos os nossos diocesanos saJe, paz
e hrncSocm oomede Jesus-Christo.
Estando prximas aselecOes por lei de-
terminada, par/que os habitantes das pro-
vincias exercatn os poderes que a const tui-
cSolhes coolere, com o nobre Um de elege-
rem os illustres depulados, designados le-
gisladutea da preclara nacdlo que perten-
cemos, jktiaais deve ser considerada alheia
lo uiiiiiatei rq pasioral a exhortaco quo pre-
A ASSEMIILEA LEGISLATIVA DA Flt.VNgA.
A nova cmara compOe-sede734 membros,
dos quaes 505 perleocem ao partido mode-
rado e 229 en exaltado. 0 numero total dos
sulTragins, (nOo dizemos dos votantes,) re-
presentados por esles 374 membros da nova
assembla lie 37,094,187. Se considerar-
mos separadamente cada partido, achare-
mos quo os 505 moderados representam um
tolal de 25,625,388 suflYagio?, entretanto
que os 229 exaltados smenle ropresantam
10,468,804, o qua d .Vi,000 votos para cada
moderado, e 44,000 para cada exaltado.
Releva observar quo oeste calculo com-
parativo dos votos dadus a cada um dos
ma luta el it iral, 11S0 c mtam' s seno
votos oblidos pelos candidatos eleitos.
Agora, pondo de parle o numero destes
votos, he preciso qua, afim de apreciar o
todo, tomemos em considert^iio os votos
disseminados entre os candidatos nS elei-
tos. Estes votos sbem a um numero coo-
sideravel; e como foi principalmente en-
tre os candidatos da lista moderada que es-
ta dispersSo teve lugar, resulta que a pro-
posito entre os sufiYagios ooderados e os
exaltados he anda mais consideravel do
que esta que cima determinamos. Em
Paris, por exemplo, mais de 60,000 suffra-
gios fram dados a candidatos moderados
nflo eleitos. Assim os votos conferidos aos
caodidatos das chapas moderadas pdem ser
eslimadi, sem exageracSo, ero perto de
30,000,00. Varios joroaes teem feilojuma
nomenclatura dos departamentos que ele-
geram,uns, moderados gmente,outros,
socialistas somonte,e uniros, moderados
e socialistas simultneamente. Quanto
nos, julgamos vantajoso geoeralisar este
ponto da vista anda mais.
Com etTeilo, posto que de todas as poleo-
cias da Europa a Franca seja a que aprsenla
mn-is uoiilade e cohesilo,--posto que as anti-
gs diviso s tt nham.ha muilo, desappareci-
do.-nao se pode negar que o imperio da tra-
diccilo tem doixado sua impressSo sobre
certas partes de nosso paiz. Pondo de par-
te a estalstica da populacho, e considera-
res puramente geographicas, he evidente
para lodo o obsorvadoi\aitonlo qne as dei-
as.as paixes.o grao de instrucsao.o o espi-
rito politico,-om una palavra.que as neces-
sidadesmoraes o materiaes do novo.sao.am-
da mesmo presentemente, assgnalados por
profundas difTerencas. rol parliodo destes
dados que oos pareceu ioleressanle dividir a
Franca eleiloral em zonas que comprelien-
dam aquellos departamentos quo parecem
subjeilos s mesmas influencias, e.feila esta
dstinceo, investigar depois em cada um
delles o resultado produzdo na ultima Iota
oleitoral.
A TivisSo mais correcta he exactamlente
indicada pelos quatro pontos cardeaes, 'ella
qualrodivisOes, norte, sul, este, oeste;
senierneuteilirigimos aos nossos uiocou-la esUs |qulro cutnpro accresoenlar umi
quinta que inclua os departamentos do cen-
tro. Na zona do oorto incluimos 18 depar-
tamentos; a saber, Norte, Pis-de-Calais,
Somoe, Aine, Ardonnes, Marne, Ose, Sei-
ne e Marnc, Seine, Seino e Oise, Seine-
Inrrieure, Eure, Orne, Mcuse. Cavadlos,
Manche, Moselle e Meurtho. Estes 18 de-
partamentos reprsenla! a quarta parte da
populacho, e a mais Ilustrada da Franca.
Elles conlem 9,855,618 habitantes.
Foi nesta parte da Franca quo o partido
realmente moderado alcancou a maior vic-
toria.
De um contingente de 213 membros
mandados por estes 18 departamentos n as-
sembla nacional, 195 pertencem ao parti-
do moderidoe 18 somonte ao exaltado; e
destes 18 membros 10 fr.im eleitos pelo
deparlamento do Sena smente; dos outros,
oito smenle, rigorosamente fallando, per-
tencem aos socialistas puros.
Esles 195 representantes do norte obtive-
ram um t ital de 12,805,424 suffragios ; os
outros 18 um total de 1,733,851, dos quaes
smenle o departamento do Sena conten
1,165,616; isto he, dous tercos.
Foi a zona oriental quo dru o maior nu-
mero dos membros exaltados. Os 1.1 de-
partamentos seguidles,Vosges, llas-lthin,
iiaute-Hhin, llauto-Sane, Doubs, Jura,
Ain, Klii'ine, Isre, llaule-Marne, Cte-d'Or,
Saone o l.oire, e l.oire, elegeram 79 mem-
bros demcratas, cuja maior parto perlcnce
ao parlido exaltado; isto he, mais de um
terco do numero total dos representantes
desto parlido, e smenle 37 das opinies
moderadas.
Esles 79 ultra-democratns obtiveram
4,210,000 sufTragios, e os 37 moderados,
1,296,400.
O oeste ofTercce dous resultados notaveis.
Nos 12 deparlamentos,cumprchendidos nes-
ta zona, convm a saber, Cles-du-Nord, Fi-
nislre, Morbihan, lile e Vilaine, l.oiro-ln-
frieure, Mayenne, Maine a Loira, Vende,
Deux-Scvrcs, Charonle-lnfrieure, e Sarthe,
a que contm urna populacflo de 5,500,000
de individuos, nenhum candidato socialista
foi eleilo.
Em verdade, he mais notavel anda, sem
quo queirantos dar mui grande importancia
a denomnacOes de partidos, que dos 121
representantes destes 12 deparlamentos
oito decimos pertencem ao que se chama o
partido legitimista. As chapas da com-
missiio da liberdade civil e religiosa cir-
cu aramennuau principalmente no Morbi-
han, Finislre, Hice Villaine, Loire-lnf-
rieure, e Cles-du-Nord ; a deputagilo do
deparlamento em ultimo lugar nomeado, a
qual foi mu democnla naseleices para a
assembla constluinte, foi inteiramente
renovada.
Os 121 membros moderados do oeslc re-
presentan! um tolal de 6,545,000 suffragios.
Nocenlro, os ultra-demcratas trumpda-
ram nos 18 departamentos seguintes,Eure
e l.oire, Aube, Yonne, Loiret, l.oire e Cher,
lndre o Loire, Indre, Cher, Nivra, Allier,
Creuse, Vionne, Puy-de-Dme, Haule-Vi-
enne, Cantal, Corrze, DorJognc.oHauto-
Loire. O numero dos membros exaltados
he 73 ; o Jos moderados smento 49.
Cumpre observar que he precisamente
nesta zona quo seacham os departamentos
menos Ilustrados da Franca.
Os 73 demcratas socialistas fram elei-
tos por 2,537,630 sullragios ; os 49 modera-
dos por 1,589,187. .
Ultimimcnte na zona do sul as opinies
moderas previleceram em mu grande pro-
purc'. Os 24 deparlamentos nella inclui-
dos convm a saber, Var, Boiiches-du-lth-
ne, Gard, llerault, Ande, Pyrnes-Onenta-
les, Basses-Pyrnes, Laudes, Gers, 'l'arn,
Vaucruse, llisses-Alpes, llautes-Alpes, Dr-
me, Ardeche, Lozre, Avcyron, Tarn e Ga-
ronne, Girond, e Lol, elegeram 103 mem-
bros moderados e smentai 39 das opinies
exaltadas. A proporefloem favordasopioes
moderadas relativamente ao numero dos
membros eleitos heconsi Jera vel.oaindama-
is consideravel he attoodendo-se aos suffra-
gios dados aos representantes nflo eleitos
de cada parlido, *x. gra., os 59 membros ul-
tra-demcratas fram eleitos por 1,826,266
sufragios smeule; entretanto que 103
membros das opinios moderadas o ram
por 4,387,650
Este resultado mostra quo all como oas
outras partes o parlido ullra-democralico
s conseguio eleger seus candidatos por sua
grande uniSo, e pelas dissonsos que se
desenvolvern! ntreos moderados.
So podessomo s estender-nos mais longt-
menle sobra esles interessantes dadus, fa-
riamos coroparaces que subministrariam
mais de urna licflo til, mas como isto nao he
puasi---il sumbinettemos o que dcixamos
exposlo apreciacuo do partido moderado,
o qual em presenta desto numero do quasi
3t-,000,000 do sutli-agios que elle representa
na Franca, esperamos que ser capaz de
tranquillisa-la. Trescnlos e quarenla e um
membros da asssombla couslituinle fram
reeleilos para a assembla legislativa.
Deste numero 224 votaram pela proposta do
Mr. Kateau Lanjuinais, e 105 contra ella, e
12n1oassisliram volaeflo. /
{Journal des Vfbats.)
I
hAi itii Ann
ANDA A QUESTAO ROMANA.
eipoila de Mr. Leutpi cari do ganeral
Uudiiwl que anlt-hontem publieamoe.
fltoina 1.do junho.
Sr. goneral om chefe.-As duas cartas
aue V. Exc. me dirigi com data de 31 de
niaio, das quaes remelti copias ao goveroo,
cdegaram-Cie s mSos, urna pelas 7 horas
da urde do mesoio dia; e a oulrt pelas 6 da
i
mandil de boje. Eis-aqui como julgo dever
respnnder-lhes :
Tenho cumprido com dedic.iclo o
desinteresse asrdeos do governo da repu
Mica. No dia om qua V. Exc. em prescnc.i
do toslemunhas, provocou una scena lito
escandalosa, que smente o met sangui-
filo e minha detorminaefio preveniram qm
se coovertesse em una violenta conteslu-
c3o,--no dia em que V, Exc, pondo-til.!
conipletamento de parte, respondeu mi-
nha confianQ, ordenando secretamente u
seus ofliciaes que comecassom as hostili-
dades, o islo nespcradamenle a as som-
bras da noite,nesto dia minha determina-
To foi irrovocavelirvente tomada. Eu de-
positei nas mos de V. Exc. pelas H lloras
da mandila e pelas 3 da tarde do dia dndon-
lem, como tambem pelas 6 da nianli.i do
dia 30 do corrento, tres notas, das quaes
remelti copias ao ministro do negocios c-
trangeiros. Estes documentbay urov?ivr>
quo, anticipando os projeclos de V.Exc, lo-
mei as medidas oecessarias para provenirqui-
fossom executados V. Exc. julga que, tendo
eu dirigido um ultimtum s Autoridades
romanas, a declaracilo que liz de que minlri
misso estava terminada, o que as hostili-
dades poderiam ser renovadas no momciilu
em quo expirasse o termo lixado, era ab-
soluta e ndependente de qualquer aovo
evento, porcm eu dissea V. Exc, e repi
to-o agora, que nove horas aillos da conclu-
s.lo do tormo final (o qual foi de 21 horas
as- autoridades romanas respondern! a
nosso ultimtum ; quo ellas onvinram-ni.-
um conlra-projocto, o qual o seoso com-
al um, os principios clomonlares do diplo-
macia o um motivo anda mais poderoso
( a humaoidade ) nos ordenava quu lunias-
semos em consideracilo. V. Exc. apenas
tovo o lempo de lanzar os olhos solire esto
documento, assim como sobro as cartas tl.-i
oiunicipalidade romana, do presidente da
assembla constluinte o do governo exo-
culivo romano. V. Exc. reverteu-mo o 111a-
nuscriplo por Mr. Espirent, seu primeiro
ajudante de ordens, o qunl disse-mo que
V. Exc. estava nimiameote oceupado com
os detalhes do servido e com as ordens quo
deviam ser dadas aoexercito. e nao poda
portanto oxamina-lo com sulllciente atteu-
<;So. V. Exc. reuni depois om concelho os
genertes Vallant, llegnault, S. Jcand'Au
gely, .MolliiTO, eo coronel JTnan, chefoda
seu cstadn-maor. E-n presenc* destes ri-
dados, tifio obstanto os gritos, os insultos,
e os gestos ameacadores de V. Exc, li ir.-in-
quillnmenle lodos os documentos, nssim
como as minhas nulas diarias, dirigidas a
V.Exc. Tendo-se tornado inuleis minhas
represenlaces, e ten lo eu recusado formal-
mente sanecionar o ataque que V. Exc
tencionava fazer de noite sem previo conhe-
cimento das autoridades romanas, acto
sem piecodentes, oqualleria podido cau-
sar a 111 itan; 1 da colonia iVcnce/.a residen-
le em liorna, retirui-inc. Julgo necessario
observar aqu que todas pessoas que esli-
voram proseles reunilo odservnram una
allitude decente para comoollicial repru-
sentanto da repblica, com excepcSo s-
mente dos generues .Iteguaalt e S. Jean
d'Angelv.
A rellexlfo junlamente com algum conse-
llio enrgico e Ilustrado fez com que V.
Exc. revogasso no ultimo momento as or-
dens que linda dado para a renovacao das
hostilidades.; porm estas contra-ordens
nflo chegaram mais a lempo da prevenir u
neeiipae.Vi do motilo Mario, onde V. Exc
nflo encontrou uenlui.ua resistencia, por-
que eu pude previamente participar aos Hu-
manos por meio de Mr. I.eduo, meu secre-
tario particular, que uo se inquielasseni
com osmovimentos de V, Exc, porquanlo
tinliam meramento por lim assegurar cer-
tas posices, das quaes os cxercilos cslran-
geiros que marchavam contra liorna pode
riam apossar-so contra V. Exc. Se nflo fos-
so este aviso e a muida volla a Roma,* o
alarma loria sido locado, a guaniiqflo o
a populacao da cidade, at as mullieres dos
Transtcvero, armadas com suas facas, Mi-
riam alteado o monte Mario. Se que nos-
sos bravos soldados se teriam sustentado
all, porm a consequencia de um ataque
edeumassalto desesperado leria ferido o
coraeo de nossa nobre patria. Tendo dei-
xido o quartel-general, depois de ler en-
tregue V. Exc. minha ultima nota, ten-
do-o esclarecido sobre a inconveniencia
que se devia rocear da entrada immediata
do exercito francez cm P.nma, onde V. Exc.
poda comproinctler os inleresses qiioeu
luida quo defender, organisei eu so 11111 no-
vo plano para um arranjaiiieiilo.iiileiraineii-
le conforme com as diroeces que linda re-
cebido do governo da repblica. Esta pla-
no adoptado pelo governo exerutivo roma-
no'depois do alguma discussao, foi iinani-
memeulo approvado tenos tres votos pe-
la assembla conslituinto. Enlreguei a V.
Exc. una copia delle antes da o assignar,
qual ajunlei urna declarar,flo, e li depois
a V. Exc. as minhas instruegecs de s do
maio, concebidas nos termos seguintes :
Sendo os fados que ass gnalaram o co- '
meco da expedieflo franceza, dirigida con-
tra Civita-Vecchia, de urna naturoza propria
para complicar urna questflo, a qual a prin-
cipio apresenlou-se debaixo do mais sim-
ples aspecto, o governo da ropublica tem
julgado conveniente enllocar ao lado do
chefe militar encarregado la directo das
frcas euviadas Italia um agenta diplo-
mtico que, dedicando-so exclusivamente
as negociares o as relacOes quo devem ser
estabelecidas com as autoridades romanas
8 a populacho, possa consagrar toda sua al-
tengao e to lo o coi lado necessario a lo se.
ras materias. O voaso experimeutadoze-


.... .
;
i.
1
]o, a vosta experiencia, a firmeza e espiri-
to deconciliacBo de que toneles dado pro-
va eni mais de urna occasiio no decurso do
vossa carrera, fizeram com queogoverno
vos cseclhesse para esta missfio.... Par*
que podessemos dar-vos instrucefles mais
precisase oais minuciosas, era mister que
tivessemos informacOes certas acerca do
que se tom passado, ha alguns das, us es-
tados romanos, mas isso he que nos falta.
Vosso juizo 93o e Ilustrado vos inspirar
segundo as circunstancias.
Drouyn dt I.uyi.
Fmquanto .1 declaradlo de V. Esc, S_r.
general cin chefe, de considerar comerte na
tiveaic sido leito o arraiijainenlo que fo hon-
ti-ui regularmente assignado entre n poilr exe-
cutivu romano c rallo, he o nosso governo
l tu ni a lia de julgar c segundo o uso estabe-
lecido, V. Exc. nao pode infringi-io eui ne-J
iiliiini respeito antes que sua iavtilica(o te-
nli.i sido concedida ou recusada, (guando V.
Exc. julgar conveniente, cm virludc do art.
1, drlcrmiiiar, antes do tempo cm que a fe-
ble cometa, um acampamento mais sadio para
o exrrcito francs, tenha a bondade de Infor-
mar-iuc, aftm de que este acainpaincntn poisa
ser lomado kiii dilttculdade, e se uecessario
for, com a assistencia dos habitantes. Fajo
justica, Sr. general em ebrfe, au fllho de um
illustre inarechsl. O ardor militar de V. Kxc.
lu excitado, e V. Exc., srm o conheccr, tor-
nou-se o instrumento de nina conspirado di-
rigida pelos Inlinlgos da Franca. Minl>a vigi-
lancia soube em lempo ioutllisar o negro pro-
'eclo, cujas particularidades todas conheco, e
lahilltou-mc para salvar a honra do esercitu,
a honra da Franca. Por sua accao de .'10 de
abril V. Exc. poz em perigo um ministerio.
Causando o 30 de maio que leria sido outro .'10
de abril cm maior escala, cu preven! que V.
Kxc. crgamentc obyArcesse quellrs cujos
ei fulos coiisi'llius ft una 4et perderam a V.
xc, ( presentemente desejavam arruinar a
Franja Se V. Eafc. nao me considera como
um cidadao tiAm-vi. suflicienteinente bom,
i.'.lvr/ pense fflfi estas pessoas que me subsli-
ti.ii.mi noqyftrl-general sero melhorcs tran-
ce es 'lo i\n0 cu ; cutre outros o agente oM'u i.il
da Russia juntu a santa si1, o frade Vaure, um
general prusslano, o qual be enviado de Ra-
detzky, o abbade de Un nu.ni, etc. Tenho a
honra de informar a V. Exc., Sr. general em
chefe, que todas as pessoas que freni prvidas
de um passe assignado por iiiim, esio aulo-
rlsadas a irem aus lugares declarados nestes
papis. Ouso esperar que V. Kxc. de neiihum
modo se oppnr a esta medida de ordem pu-
blica, ou ; livre entrada c sabida dos crrelos
que transportan) a correspondencia publica e
a particular. Tuda a correspondencia pessoal
cessa entre nos, porm as relaces olliciees
por rscripto devero anda subsistir.
Receba, Sr grneral em chefe, a seguranca
de mlnbi afta cousiderscao /' l.iuept, en-
viado extraordinario e ministro plenipotencia-
rio da repblica fraiiceacm missaoa Roma. >
/'. 5.O triunvirato acaba de ir.insuiiiiir-
uie uina copia da carta que V. Exc. Ihc dirigi
esta ni ni lia.i, asiini como a resposla qtica elle
deram. O passo que V. Exc. deu be deplora-
vel, porquanto revela lux do dia una dille-
renta polilica da qual o nosso governo he s-
menle quem deve julgar, eque at este lempo
deveria ter parmanecdo entre ns.
Transporto
Movimentode fundos
Saldo cm 2 de oulubro de 1848
39:3S7,033
85:899,335
4.413,319
129:699,087
DESPEZA PAGA.
Ordinaria
Extraordinaria e transitoria
Exorcicios ruidos
Movimcnlo de fundos
109:207,510
6:710,662
1:366,530
117:284,702
4:469,959
Saldo em 31 dedezembro de 1848 7:945,026
129:699,687
Dumo/islrar'i do laido, em 30 dijunho
de 1849.
No cofro da llicsouraria, a saber :
Cobro 5,020
Nulas 7:910,000
-------------- 7:945,026
Thesouraria da fazenda provincial de Pcr-
nambuco, 30 de junho de 1849. 0 primei-
ro escriplurario servindo do ollicial-maior,
Jote llnria da Cruz.
umwmumm.
HlCiri, 2S DI JDLIIO Dt 1819.
PESiNAMBUCO,
PRIMEIRA VARA DO CHIME 1)0 RECIFE.
Proecssot de retpo'tabilidade que mandou
inttaurttr o l)r. Jos Thomaz Sabuco de A-
rnujo Jnior, juiz de lirello da primeira
tara do crime em correicao, e formadot %b
detinticioi do doulor promotor publico em
1849
1.* -Contra Jos Alexandre Ferreira c
Francisco de Salles.Eslo pronunciados.
2.,-Contra os dnutores Vicenlo Ferreira
Gomes e Jos Felii B'rilo Macedo.EslSo
pronunciados.
3. e 4.--Contra o doulor Vicente Pereira
do liego.- Est pronunciado.
5."-Contra Jos Flix de Brito Macedo.
Est pronunciado.
6.'Contra Antonio Ferreira da Annun-
ciacilo.--Est pronunciado.
7.'-Contra Aprigio Jos de Souza.Foi
despiotiunciado.
8."-Contra Joaquim da Silva Reg.Foi
despronunciado.
9." Contra Francisco Ignacio deAthayde
o doulor Joaquim Jos da Fonseca --Fram
despronunciados.
10 e 11.Contra Francisco de Barros Cor-
reia.Foi despronunciado.
{Continuar-se-ha.)
Dcmonilrac&o da receita e despeta provincial
di l'ernambuco, verificada no primeiro se-
mtilrido exercicio de 1818 a 1849,
RECEITA ARRECADADA.
Ordinaria
Extraordinaria
Depsitos
Movimcnlo do fundos
Sa-ldo eni 2 de oulubro de 1848
DESPEZA PAGA
Ordinaria
Extraordinaria
Despeza nOo decretada
Depsitos
Moviniento do fundos
Saldo em 30 de junho de 1849.
567:997,506
26,666
46 065,911
614:090,083
26:639,811
7:895,198
648:625,092
355:493,060
93.095,619
2:476,500
1917,825
432:983,004
47:740,185
167:901,903
648:625,092
Demontlraco do saldo em 30 dijunho de 1849.
No cofro da thesouraria, a saber :
Cobre 109,071
Notas 136.003,000
----------------- 136:112,071
l.ettras vencidas 2:578,998
Dilas a vencer no
1.' de julbo do 49.29,210,334
31:789,832
Thesourvia da fazenda provincial de Per-
nambuco, SOdejuiihode 1849. O primei-
ro escriplurario servindo deoflicial-oiaior,
Jos Mara da Cruz.
iw
Demonstrando da receita i deipezaprorinciai
dt l'ernambuco, verificada no primeiro e it-
i/undo semestre addictonal ao exercicio de
1848 a 1849.
RECEITA ARRECADADA.
Ordinaria 37:469.208
Extraordinaria ,
Depsitos 1.917,825
30:887,033
Recebemos o Timei de 12 do junho e tam-
ben) o Economitt de 2 at 9 do mesmo tan.
A Frailera continuava tranquilla, bem que
as noticias do ataque causado em Pars grande SgitscAO. Dizia-
se quo no dia II loria lugar na assembla
um tempestuosissitno debate, e algutnas
pessoas al julgavam provavcl que houves-
se nas ras um pronunciameiito; receto
que o."o ca vilo, porquanto o proprio go-
verno ja linha expedido ordena para que
fs-em augmentadas as fitinas ordinaria-
mente encarregadas da protecc^o da mes-
in.i asscmliln.
Na Reforme l-se o seguintecommunicado:
A' vi.-ta do despacho que prova alin de
luda a din i la a violadlo audaciosa da cons-
tituidlo por parte de Mr. I.uiz jlonapartue
seu ministro, assim cumo a dusol'olicncia
dos meamos resulur,1oda asscmbla cons-
tiluiute de 7 de maiodeste annu, a moula-
nha limita-86 a protestar enrgicamente
cuntra laes actos. .'Permanece o povo tran-
quillo, certo de quo ella se mostrar digna
da couliaiiQa com que he humada. A mon
Linha ha do cuiuprir o seu dever.*
Os republicanos de Badn povu fraucez a segunte proclamarlo :
As hordas da l'russia, a guarda avanza-
da da Russia, manchadas cun o sangue dos
inarlyres saxomns,ja vcem em marcha con-
tra o sul da Allciiiaiihii; dentro de poucos
das as margena do Rbeno seriio o campo
de balalba entre a lilierdade u o despotismo.
Em Ifalz e Badn o excrcito e o povo j ju-
raran! vencer ou murrer. Nossos irmaos
de Wurtemberg o llosse, Nassau, Frankfort
e Tliuringia estflo promplos para correrem
sobre os mercenaiios da lyrannia, logo que
coniecar o conflicto. O povo francez, em
todus us ii'iu, cu os soldados da libertado,
permanecerSo caso coniu ospecladures n-
diHerenlcs o pacficos da hita ? Permiltirau
purveulura quo a liberdade seja esmagada
nas margos do Itlienu ? Sero ellos surdos
voz da democracia germnica ? Nilo, nlo
Francezes IrmSos Nos vos esperamos
nos vos receberemos com o grito viva a
democracia universal Nos comhateiomos
juntos debaixo da niesma bandeira, a bau-
deira da uuiao fraternal dos povos contra a
conspiraeflo dos lyrannos. Odesejo de con-
quista he descouliecido s nai;0es livies.
Como vencedores, os demcratas france/es
e germnicos avancarlo e derrocado os
Ihronos de todos os despotas. Elles se uni-
rao com os Hngaros vencedores dos ly-
rannos da Austria, e os Polacos e Italianos
seriio libertados do jugo que osopprime.
Para o Rbeno .' para o Rheuo! Viva a libar-
dade da Eurupa 1 Viva a fraternidade dos
naces.' Esta he actualmente a senta da de-
mocracia germauica. Francezes Irmflo!
Nos o repetimos. Para o Rlietio Pura o
Rlieno 1 A liberdade c)a Europa esta em
perigo, A Franca ll&O deve eslar ausente
dopuslo do huilla; em o tioine da lilierda-
de, igualdadeo fraternidade, avan<;ai !
A monlaulia rcspondeu-liies do modoso
guile :
Irmflos! Ao signal dado por nossa re-
voluto social de lovereiro a Allemanha
abaluu-se. Madura em ideias uovas, ella
levaulou-se contra os despolas,'ella coti-
quislou os direitos da soberana do povo,
lia tanto comprimida. Emseu terror, os res
esappareceram diaulo da resurrei<,'o da
Allemanha. Debaldo se cumbiuaiaui para
suiluca-la por um novo esforz. Veueza,
Berliui, Oreado, enlajes de hroes, geme-
i ni debaixo do jugo ; mas foi smente por
um da, e ja nas margeos do Itheno, em o
uuine da conaliluigao e uuidade, haveis
desenrolado a bandeira da omancipai;o. O
suirragio universal ha consagrado vosso di-
reilo. Esta he a causa do povo. Ella lia
de ini.iiiph.ir.
< liunios Vs tendes nossas mais vi-
vas .sympaihias, nossos mais ardenlos do-
sejus. tierSo estes desejos por milito mais
lempo esteris ? Sutlbcara por mais lempo
o ardor goueroso da l-'i ane,i um poder inliel
a sua origoin '{ No.' A Franga uAo falha-
raomsuus nobles inslinclos, o pela cansa
c nni ni ii ni illa esta prompta pura derramar
seu sangue, do qual nunca foi avareula em
favor dos opprimidos.
O privilegio eodireilo, o despotismo
e a liberdade, acbam-se em frente um do
outro!
Republicanos ou escravos, tal he a
nica alternativa que vos resta ; nada de
hesitacSo, nada ue meio termo. Vossa
sal1, a i; o e a nossa propria devem ser com-
pradas por este pi eeo. a Allemanha e a
Franca receberam doco urna inissiio sa-
grada; cnisuas uiSosestao depositados os
destinos do mundo. Debaixo da bandeira
d& democracia ellas forman) entre o orien-
te e o occidente o baluarte da civilisacao
contra o barhaiisino. Unidas, ellascons-
truirSo a sociedade nova.
Ii inaos.' esperanza t perseveranja e bre-
vemente em um abraco iratfrnal, as ifuas po-
derosas naces sobre as ruinas dos tlironus e
dos privilegios grilaro urna para a outra,
ebrias do euiliusiasmo da vieuiiia Viva a
Allcmauba c a Franca Viva a fax e a l'clici-
dade da itumanldade.
O cholera tom feito ltimamente conside-
raveis estragos em Paris: calcula-se em 200
o numero das pessoas diariamenlo ataca-
das por esta terrivel enfermdade naauella
cidade. Tao grande lie o suslo que de lo-
dos soten) apoderado, quo oarcebispo or-
denou ao clero de sua dioceso flzesse pre-
ces aoAllissimo para a cessacodo malI; e
annunciou que no dia 18 de junho celebra-
ra pontificalmente na igreja do Notri-Da-
w urna missa votiva a S. Genova, a qual se-
ria precedida por urna procissao das reli-
quias desla padroeira de Pars.
Pars, 9 de Junho de l849.
O marcchal hugeaud morreu no dia 10 de
junho.
Venca anda nao se tinha rendido aoi Aus-
tracos; mas, tendo sido bombardeada por 30
mortclros durante 70 horas consecutivas, en-
viara finalmente uin parlamentario a pedir
tregoas ao ministro bruck, o qual se acha em
Meslre.
Segundo informa urna carta particular, ll-
ahain tanibem comecado as operacoes contra
o forte de Urondolo.
Nos dias 3 o 4 de jnnho os Francezes
atacaran) o outeiro em frente dos Vatto-
ris om Roma e tomaram-no havendo
nesto coniclo urna consideravel perda de
vidas do ambos os lados. Tinham che-
gado a Civita-Vccchia, cm a noite do dia
4 50 Romanos prisioneiros e 113 Francezes
feridos. Diza-se que o ataque geral teria
lugar no tlia 7.
O general polaco Mieroslawski, quo com-
mandfa os insurgentes sicilianos, tinha
partido de Pars para o fim de ir organisar
a iiiMnirie.nl republicana no palalinado.
A assembla coustituiute germnica, a qual,
segundo j noticiamos, transferir a sede de
suas sesses de Frankfort para Stuttgard, reu-
nio-se nesta ultima cidade a de junho pr-
ximo passado, e depois de volar algumas reso-
lu.,oes violentissiuias contra a constituido do
imperio germnico, publicada pelos governos
da Prussia, Ilanovre e Saxonia, decidinomear
um concelho exrcatlvo debaixo do titulo de
regencia, para administrar os negocios do im-
perio e fazer executar a conslituifo de Frank-
fort. Os regentes nomeados sao ot cidados
Itaveaux, Vogt, Schuler, II. Simn e Keckor.
Os conimaudanics das forras austracas e
russas em operaco na Hungra disputam-se
reciprocamente com violencia a precedencia
do coinmaudo. Para evitar este inconveniente,
o qual pode ter funestas cnnsequencias.um ni-
co expedlenteencontraogoverno.e he a Domen-
(o do general lladetzky para oconunandii em
chefe, por isso que elle, ao passo que he ma-
reclial de campo austraco, he taiubem gene-
ral no exereito russo.
No sul os tilntalos commandados pelo ge-
neral l'ere/c I tinliam ultimaiurnte aloancada
algumas vantagens, e, secundo parece, os cor-
pos servios achau-se quasi totalmente disper-
sados. A maior parte delles atravessar*m o
Danubio e fugiraui para Syrinia.
Na llinain uea eunluio na anida a gueira.
Em chas ac(6es ultimameate dadas, nina "i
Frcdericia e a outra em Duppel, os Dinai
uiarquezes fdram derrotados, mas junto de
Aarliuus riles conseguirn! desbaratar um
eorpo Je tropas prussiauas, composto de in-
famara e cavallaria, ao qual aprisionaran! i5
soldados a I em de 40 que licaraiu uus morios,
outros feridoa.
No dia 6 do junho foi dissolvida a dieta
dni'.iiiniqui'/a, jimiiiiiii o le a nova consti-
tuido, por ella organisada. Esta constilui-
cQiTo, segundo os joruaes de Copenhague,
n1o be lau lo liberal como so espernva quo
fosse, posto qiieorci nSo se tivesso intro-
inei'. id i neslc negocio;porm, so ella tivesse
sido coiiceJida, ha dez'aunos alfas, os du-
cados nao ti rain ganbado a iineo taneni
quo os icccnles acontecimentos Ibes leen)
dado.
Por cartas patentes o rci resorvou para si
um poder discreconario nos seguintes ca-
sos: 1."Nos negocios da colonia de Gui.
2. Nas malcras connexas com os atrasados
das taxas do auno prximo passado, c parte
do conente. 3 N is casos que se torne ne-
cessario reunir a diela, sema formalidade
de oulra eleieao geral.
Na llespanha nenhuma novidade bavia
occorrido.
Tinha partido de Madrid para GaetaoSr.
Antonio Requielme, secretario do ministro
dos negocios estrangeiros, dizia-se que
para o lim de instruir o commandante das
forjas hespanholas expedicionarias Ro-
ma, que, no caso deapparecerem dilferen-
(,'as enii e as potonci interventoras, houvesse
do observar a mais estricta neutralidade.
A Inglaterra licra tranquilla.
A casa dos cimiinuns approvou finalmente
em teiceira discusailo, por 272 votos contra
206 u bil que habilita os Judeus a podrem
servir como membros do parlamento.
Em Londres os comis licaram a921|8;
as apolices do banco, de 193 1|2 a 195, e os
I un Jos braaileiios, os pequeos, a 78 3|4.
Rio-Grande-do-Sul 17 d.as, bngue brasi-
lero Aleante, de 124 toneladas, cap.tao
ManoelJos de Azevodo Santos, equipa-
gem 12, carga carne; a Vicente Alvos de
Souza Carvalho. Passageiros, Daniel 0-
zorio de Souza*Cotn sua senhora e .i es-
cravos. .
Nova-llollanda, tendo sabido de New-Bed-
fortl ha 51 mezes barca americana
Winilow, db 263 toneladas, capitflo llenry
Semans, equipagem 22. carga azeile de
peixe; ao capitn.
EDTAES.
Pela inspectoria da alfandega se faz
publico que, no dia 26 do corrente, so hilo
de arrematar embasta publica, na porta da
niesma, depois de meio-dia, 6 caixas com
164 pecas de cassa estampadas com 6,474
varas a 560 rs. a vara total 3:625,440 rs. .
impugnados pelo amanuense Domingos da
Silva Guimariles no despacho por factura
o. 388 : sendo a arrematado suhjeita a di-
reitos. Alfandega, 24 dejulhn do 1849.
0 inspector, I.uiz Antonio di Sampalo
Vianna.
Pela inspectoria da alfandega se faz
publico quo, no dia 26 do corrente, ao meio-
dia, portada mesma, sehflo de arrematar
cm basta publica, 31 duzias de lencos de
gase, no valor de 3,500 rs. a duzia, total
108,500 rs : ludo mpugnado pelo guarda
Jos dos Santos Lages, no despacho por fac-
tura sb n.J59 : sendo a arrematado sub-
jeita a direitos
Alfandega de Pernambuco, 23 do julho;de
1849. O inpcctor. I.ui- Antonio de Sampaio
Vianna.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico quo no dia 26 do corrente, ao meio-
dia, na porta da mesma. se hilo de arrema-
tar, em basta publica, 30 corles de vestidos
do gase, no valor de 7,500 rs. cada umt to-
tal 225,000 rs. : impugnados pelo guarda
Joan Maiioel Ribeiro de Coulo, no despacho
por factura sol n. 359, sendo a arremataran
suhjeita a direitos.
Alfandega de l'ernambuco, 23 de jolln de
1849. 0 inspector, I.ui* Antonio de Sam-
paio Vianna,'
Peranto a thesotlrar'ia .iW'Wtt.iVi.i desta
provinci se lia de por em hasta publica, nos
dias 28, 30 e 31 do mez de julho prximo fu-
turo, para ser arrematado por quem menos
preco olTerecer, o servido da capatazia da
alfandega dcsta cidade pelo tempo de vinte
e dous mezes que terilo principio no primei-
ro de Miembro deste anuo, e com as condi-
lmftftnUj.
ALFANDEGA.
Rendlmento do dia 24.....
CONSULADO GERAL.
lien I miento do da 24.....-.
Diversas provincias ........
7:544,945
2:343,625
193,886
2:537,511
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendiment do dia 24..... 1:840,184
?ovinaenio cl Porto*
avisos martimos.
PARA BUENOS-AYRES
pretendo sabir at o dia 31 do corrente o
brigue hraslero l'rincipt-Dem-Affonso, tt*
pillo Francisco da Silva Aveleda : pin i
carga e passBgeiros, para o que olTerece m
mais excellentes commodos, os pretendes-j
les c|iieiiain dirigir-so ao mesmo capilla,}
cOes que serflo patentes no acto da arre- D4 o.ra?a, ou a seu proprietario, Manoel l
matarlo. As pessoas que se propozorem a
licitar devero comparecer nos referidos
dias na sala das sessOes da mesma thesou-
raria, competentemente habilitadas.
-^Secretaria i! Ihesourarisda fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 28 de junho de
1849. O ollicial-maior, '>m4B doi Santos
da tonieca.
Olllm.Sr.inspector da thesouraria man-
da convidar os credores da divida fundada
da mesma thesouraria para requereremoseu
pagamento na conformidajle do artigo 40 da
Ici do orQament vigente ; assim como os
juros da mesma divida, vencidos atjunho
do 1849, em requerlmento separado.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 20 de julho de 1819.
O segundo escriplurario, Antonio Ferrei-
ra u" Annunciafio.
Olllm.Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em virtude da resolugfl
do tribunal aJministralivo, manda fazer
publico que, em cumplimento da lei. pe-
ianie o mesmo Iribunal, vai iiovamcnle a
praga no dia 2 de agosto prximo futuro o
imposto seguinte :
2,500 rs. por cabega de gado vaceum que
for consumido nos municipios abaixo Je
claradus :
Olinda avaliado animalmente por 2:240,000
Po-d'Alho dito 2:560,000
A anemalagilo Ser feita por lempo de um
anuo e 10 me/es a contar do primeiro de
setembrode 1849 a 30 de junho do 1851
As pessoas que se propozerein esta arre-
matadlo, compareQam na sala das sesscs
do sobredito tribunal, no dia cima indi-
cado, pelo meio-dia, compcleiitemciilo ha-
bilitadas ,'
E para constar se mandn allixar o
sent, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro
vincial de Pernambuco 20 de julho do
1819. O segundo escriplurario, }inlonio
Ferreira da Annunclaco.
trafilo s 4 horas da tarde com seus liadore< I
Corante a adminislraQIo do patrian
nio dos orphos se h3o de arrematar j u c*
por menos llzer os concertos de que pr.
sa o edificio do collegio dos orphBos e a c"
sn n. H da pra?a da Boa-Vista, os desti
avaliados em 525,460 rs. o os daque||e e! ,
644,450 rs. : as pessoas qua se propo7fr,
a arrematar ditos concert, poderocom
parecer no dia 26 do presento mez m Ca "
das sessOes da dita ailmiuistracitat 134 (, *
ras da tarde, com seus fiadores.
O Sr. director do lyceu faz scient
publico que, por portara do Exm. Sr Dt
sidente da provincia, do 13 do corrente .
cadeiras de prmeiras lettras novama!,
creadas para as freguezias de Papacir.;
de Ingazeira vio a concurso da data dj!
a 60 diss ; portanlo os cidadOos brasii6iro
quo so qiiizereui oppr s ditas caileirisj.
verlo remcltor secretaria do lyceu
seus documentos 8 dias antes dos ditos eos,
cursos. Lyceu, 18 Jo julho de 1849.-'.
nuario Alexantlrinn > Silva R'abello Cantn
professor de desenlio e secretario.
-- Tendo a administrado do correiocjv
tacidado t or muilasvczes publicado lisUi
das cartas antigs existentes na mesmi j
ministraQio pela ultima vez o repele por
lempo do oito dias contados de boje, jj
dos os quaes vai proceder queima dellu
como dispe o regulamonto. de 21 At i
zembro de 1844. E pa'a que chegueao c.
nhecimento de todos.se faz o presenta ,
Itecife, 21 de julho de 1849. Oi. 1
nistrador, Jnlonio Jote Gomes do Corni.
Associaco commcrc||
de l'criiimbuco.
A direccflo faz scicnte aosSrs. socios qt L
haver reunilo de assembla geral no om
l.'doagosto vindoii'o afim dse cumprir
o disposto no art. 5. do cap. 3" dos esta-
tutos que regem osta associaQSo.
Companhia de Beberib
O contrato do fornecimeato d'agoa
chafarizese bicas flcou anda espacado pifl
ra o dia 27 do corrente.
pr^-
Declarares.
Savias entrad 1 no dia 24.
Sanla-Calharina 24 dias, biiguo bras-
sileiro Minerva, de 189 toneladas, capillo
I.uiz Maitin-, da Costa, equipagem II,
carga farinha de mandioca ; a Manoel Ig-
nacio de Oliveira.
Genova 53 dias, brigue sardo Daino, de
176 toneladas, capitn .Manuel itrozzano.
equipagem 11, carga vinlio, azeile e mais
gneros do paiz ; a Oliveira Irmaos.
Pbiladelpbia 48 das, patacho americano
II.-I-'.-l.o/icr, de tti" toneladas, capito E.
J. Waison, equipagem 8, carga familia e
maisgenrios ; a Matlieus Auslin <& Com-
panhia.
/Varios taidos no mamo dia.
Itio-do-Jsnciro Brigue brasileiro Snn-
Jvti, capitSo Jos Ramos de Souza, carga
varios gneros.
Parabiba lliate brasileiro Santa-Cruz, ca-
pitfio Eustaquio Mcudes da Silva, carga
varios gneros.
nanos entrailot no dia 35.
Baha II dias, patacho porluguez Cli-
menlina, de 137 toneladas, oapiUo Filip-
pe Ayics de Souza, equipagem 11, em
lastro; a Manuel Joaquim Ramos Silva,
De ordem do lllm. Sr. coronel ins|/ector
da pagadoria militar, en, virtude da ordem
quereceheu do Exm. Sr. senador presiden-
te da provincia, se faz publico que se pre-
tende vender em leililo ante esta pagadoria,
das 11 horas ao meio-dia, nos dias 28, 30 e
31 deste mez, 19 travs de varios compr-
manlos, 8 taboaade amarello, 2 portas de
costadnho, 1 prado de callabouco, 3 meias
portas, madera qup se tirou das obras mi-
litares, e pode servir para algum mister, a
qual 1 de sor examinada,onde se acha jujilo
a rocina da cavallaria ao lado lo nascente
do palacio.
0 arsenal de guerra precisa comprar
una arroba de buso do pescada, urna dita
de iranio de laln, 256 covadns de baetilha,
20du7as de limas surtidas, 6 costados de
pao d'oleo, 1200 folhas de papel carillo, 40
resmas de papel carluxinho, 6 paos -de si-
cupira com 11 palmos de comprimenlo e 10
l'ollogadasde grossura. 4du?ias de tahuas
de assoalho de amarello, urna duza de cos-
tados de diloe 6 dilas de tahuas depinbo:
quem taes gneros ti ver e quizer tendel
comparecer na sala da directora do mes-
mo arsenal no dia 27 do correle mez, com
sua proposta o ultimo preco cm carta fe-
chada.
Tendo dcixado de se arrematar as ren-
das das casas ns. 22 na ra de Sau-Couc,alo,
I na ra da Madre-de-Deos, 14 na ruado
Torres, 2 na ra da Lapa, t e 2naiudo
Codurniz 17 na ra da Mnda 54 e 56 na
na doAmorim, 18 na ra do Burgos, 27
na ra do Vigario, 132, 184 e 136 na ra
da Senzalla-Velha, 11 na ra da Cruz, e
o sitio na mata da Mirueira por no lerem
comparecido licitantes, a administra(3o do
patrimonio dos orph.los manda fazer publi-
co quo no dia 26 do presente louiaiau ira
praca as rendas das presentes casas ; pelo
que as pessoas que quizerem sobre ellas li-
citar, poerao comparecer po mencionado
dia, 11a casa das sessOes da ttesma adminis-
quim llamos o Silva, na ra da Cadeia
Itecife, n. 38.
-- Para o Rio-de-Janeiro segu, at 01..
pnmoiiy de agosto prximo futuro, o be* ]
conhecto brigue Alfombro, por ter o se
carregatijienlo prompto : recebe algumacir-
ga mu,'.* e passageiros, para o que tetn
bons comliiodos : os prelendentes dirjan-
se ra Ja Cadeia do Recife 11. Cl, a tal- 1
lar com Jqo Jos Fernandos Magalhes.
Para Liverpool
O brigue taglez llarkill, declarado pe-
las visturas competentes, capaz de levar |
urna carga de a|godo a qualquer parte di
Europa, temi j recebidoos concert pre-
cisos. Rccebei smente o referido genero/
Para tuenos-Ayres
O patacho linaarquez -l/itnrad-Pocket,
forrado de cobre,

deve seguir viageiu iwslos 3 das paia o Rio- j
da-Prata:pde recebar alguma carga a coa
modp frele : a que/nronviercarregar, dri
ja-se a Gaudino 'Agoslinho de Barros, r*
da Cruz do Recife, 11.(66.
Para o Riordc-Janoiro
seguir com toda a brevidade, por lar j
maior parte da carga, o brigue-escni Ft-
liz-Vintura, forrado do cobre, e de bo mer-
cha : quem no mesmo quizer carregtreir |
de passagem, dinja-se a Gaudino Agosliabo
de Burros, ra da Cruz, n 66.
Par o Ai acal y segu no (lm do correi-
le mez, com a raiga que tiver a bordo, o
patacho Sanla-Crus : quem pretender carre-
gr ou ir de passagem, dirija-so ao lado do
Coi 1 n-Saiiln, luja 11. 25.
1 Para o Rio-de-Jeneiro
-sabir*, com muila brevidade, o briguebr-1
sileiro D.-iffomo, capito Abclleda : quom
quizer carregar ou ir de passagem, par
o que olTerece os mais excellenles commo-
dos dirija-seao mesmo capilflo, ou aoseu
propiietario, Manoel Joaquim llamos e Sil-
va na ra da Cadeia do Recife, n. 38
Vpnde-se a polaca sarda Cimma, de lo- |
te de 180 toneladas Tundeada ueste porto:
a Iratar com os.consignatarios, Le Bietim |
Scbramm C. na ra do Trapiche, n. 17.
Para o Rio-de-Jaueiro segu viaeem,
em poucos dias, o bem lonhecido brigu
fom-Jesui, que se acha com parte de wi
carregamenlo ja prompto"; aida recebe l-
guma carga escravos e passageiros, p>"
que teni excellentes commodos : quem pre-
tender pode dirigir se ao capitSo, Joilo ven-
tura da Silva na praca do Corpo-Sanlo, 011
a ra da Madre-de-Deos, n. 3, lerceiro ase-
dar. 1
Para Buenos-Ayres galiir breve bir-
ca Tentativa, por ter parlo do carreB1!1^!
prompto ; a qual por seu porte ainda pooe |
receber 1 nrc,ao de carga a frele : quem nal
mesma quizer carregar, pode entender-se |
com os consignatarios, Amorim IruiSos, rusj
da Cadeia, 11. 39.
Avisos diVerBO*.
1 n-
Aluga-se u armazem, n. 59, da ra
Bangel, o qual lia mais de lOannos U
servido de a utensis do mesmo trafico : na prara da
dependencia, us. 6e8 1
O correlor oliveira tendo salisfeito |
dividendo do apurado al hoje dos D''ns.li^
treges auiigavelnieiite pelo Sr. Manoel 1 |
sede Magalliflea Pinto a seus credores,
restando apenas por cobrar as dividas '
loja que leve aquello Sr. ; offercCO eslSj
dinheiroou aprazo a quem conrier com
pra-las : os prelendentes queiram env^
der-se com o inesnfo corretor que asse* |
r* far o possivel por conciliar a vontod
inli-resse do comprador, cenaistenlom8"!
com o dos refer idos credores. .
Roga-se aos credores de Joaquim Josjl
Ribeiro queiram apresentar suas contas i
Vicente Ferreira da Costa. ..
Aluga-se urna preta escrava que saio
ensabo ir c engommar para urna casa de ra
mili : no Hecife.no Becco-Lirgo, a rall'|
com Manuel Antonio da Silva Molla ou
nuucie.


^^^
~T
l'_'-_ JfT'
Precisa-se elugar urna casa
l]e dons andares pequeos, ou de
Lni s andar grande, que lenha
lioas accommo toni quintal e cacimba, no bairro
leSnnto-Antonio, ou no da Ba-
fisla, prximo ponte. Annun-
ciar noreste Diario.
-- Roea-se ao enearregado de pagar os
*jlhplfsda lotera da matrizes do Rio-de-
iifiro que caso sai algum premio no
numero 777 que n3o pague o vigsimo do
nesmo numero, que foi fortado do arma-
fcptn de carne de Francisco Sancho llibeiro ,
or sicnal esl* eem a beira rota de, qusn-
o arrancaram a brela de onde eslava pre-
ndo o dilo bi'hete.
f Perguni-se ao Snr. Frtgues Carranta
autor dos srmuneios inseridos neste jornal
lis 160 e 161 com (| uoni so entende os di-
tos annuneios : islo lhpede para livrar de
jesconliancas Umeoixeiro impardal.
Alugam-se os segundo e tereciro a-
ilares da casa do largo da Assembla, n. 6 :
tratar com Joaquim Francisco de Allin
go Forte-do Mattos.
Urna pessoa com pralica bastante de
nsinar meninos, se ofTerece para o mesmo
Bm em algum engenho perto da praca :
quemde seu prestimo se quizer utiliasr,
innnnole.
Preciss-se de um caixeiro de menor
fidade, para venda: em Fra -de-Portas ,
ra do Pilar, n. 82.
-- lloga-se ao Sr. do engenho ConcricSo
nucir examinar se a preta que appareceu
|no seu engenho tem os signaes seguintes:
[de nome Antonia, crioula, alta bastante,
fula cabera pequea e redonda, cara lam-
Ibeni redonda e curta, olhos grandes, nariz
pequeo,dontes largse soparados, pesco-
Ico comprido ,secca do corpo, de 18 annos
Inouco maisou menos ; tem um letreiro no
lliraco direito impresso com o nome Augus-
Ito, e sendo que se verifique queira fazer o
Ihvor de mandar a ra da Cadeiade S.-An-
[Innio n:20, onde mora sua senhora que
4|a prompta a coorerar enm toda despesa
fe se flz'er para isso e flear muito agra-
ecida, ou a seu irnilTo o major Mayer.
Antonio Joaquim Vidal mudou sua fe-
biJeneia para a ra da Senzalla-Velha n.
tiii, tereeiro andar.
--Anenda-se um sitio em S -Amaro, com
lima casa fritteiras uma grande planta de
ltl>aC'plHS c rom posto pnra 10 vaceas de
lleite: a tratar na ra da Gloria n. 70.
Pede-pe ao Snr. do engenho Diamante,
I que nnnunciou por esta follia exislifem
seu engenho um [rolo de nome Filipi ,e
que>occulta o nome do Sr., o favor #o ver
se elle tem os Scguinles Signaes: 'agro
lioslo descarnado ps e mflos muifo gran-
Ides, denles/bastante limados, fgido em
M815, lendrtnesta dala 17 a 18 annos j
hejfldevera ter2Ta- 82 annos, ne^tctTrr*
I llanoel Jos Dantas o forcoifprfldo a Ma-
Iheu Antonio do Miranda ; fiujSofem com-
janhia de oulro preto de u&A Candido:
Icasoseja oescravo de que atima se da os
I gimes, pede-te *o dilo senhor de enge-
Inlio o frvnr de o remener a seu senhor, ou
[na ra da Praia-de-S.-Rita, n. 43, que se
Ipaparflo todas as despezas e se lic.ua agra-
dec lo.
Muilo so deseja fallar com as pessoas
ihaixo mencionadas para negocio de multo
Isi'ii interesse, na loja da ra da Cadeia do
Irtecife, n. 24, casa de cambio da Viuva Vi-
leira & l'ilhns: os Srs Jn(|uim Jo> Mendes,
[llaiiiiel Jote Coelho Barbosa, Filippe Jos
[dos Santos, Jos Bernardo ila Costa, Jos
[de Carvalho Ferreira l.ima, llanoel Antonio
I Re* Nngueira, Evaristo Ferreira de Araujo,
lim Ignacio de Montes Pnssos el). Mara
[Thercza de Jess.
Alugn-.-e o segundo andar do sobrado
da rua das Trincheras, n. 46 : a tratar no
frimeiro andar do mesmo.
Offerece-se uma ama para o servico in-
I terno de uma casa de pouca familia : na ra
] das l.atangeiras n. 4, loja de marcenen o.
. Obacimrel Candido Aulran da Malta
Albuquerque acha-se residindo no prlmei-
10 miar do sobrado n. 30 da ra estreila
doRozario: as pessoas que so dignaren)
procura-lo para advogar, lano no civel
| ron,o no crime, o achar.to sempre prompto.
- Joo da Silva Freitas, Brasileiru, vai a
ll.ihia tratar de seu negocio.
Precisa-so de um feitor casado com
pouca familia ou mesmo solleiro, para um
sitio perto desla praca : na travessa do Ve-
ris, n. 15.
Quem quizer comprar uma
colleccao de 146 follias do supple-
mento burlesco ao Patriota, dir*>
ja ge a loja de Mua Hamos & Corn-
[panhia, ra Nova, n. 6.
Perante o Hr. juiz de orphiios se lia de
arrematar nos das 26 e 30 do corrynte
Diez de julho, porta de sua residencia na
ra da Aurora, pelas 4 horas da tarde dos
referidos dias, uuia parte da morada eja ca-
sa terrea, n. 23, sita na ra do Pilar desta
cidade, avahada em 1:770,587 rs perten-
1 cont aos herdeiros do casal do tinaity Fran-
cisco das Cliagas.arequermentodoSveiita
rante etes'amenteiro o lenentc-colnel An-
tonio GJnies Leal, cuja propnocli-dBbi uva-
bada nd inventario em 3:000> Utr pessoas
I que preVnderem atr'- t ,a mes
na propriedade, 1 no dia,
hora elugar indicaJnv ijjaj
Oabaixo assignado faz scienle ao pu-
blico que lite foi roubada uma letlra da
quautia de 200,000 rs. passada em 10 de
I jallio e a vencer no ultimo de dezembro de
1819. assignada pur l.uizda Costa eseu li-
mo, c sendo o piincipal pagador o Sr. te-
iienle-eofonel Antonio Lins Caldas, cujo se-
nhor j* so cha prevenido para a mo pa-
jarsenSoao proprio dono. Manuel Jos da
'"Mura.
O Sr. alferes Jos Fernn-
Bes brasil tem carias as Cinco-
montas, o. 91.
Precisa-se de um criado para o servico
Terno de uma cata no l'uco-ila-l'anella,
V>iiilo-se a preferencia a um crioulo forro :
I"' ra da Al(audega-Vrlba, n. 5
Na qiiintJa-feira p. p. entregou-se na
["si do Sr. Firmo Antonio de Figaeiredo
luniu cnixa de fijlha com roupa e uns objec-
Ps dentro para iWyar a doSr. J. J. Tasso Ju-
|{"Dr_: a dita c*jxa\iem a marca de sou dono
'J.T.G.i
inscripta iiflfiM"1' queul 'ur entre-
5ue da dita caixa e quizer restilui-la, pode
irigir-se i dita casa deJ.J. Tasso Jnior,
que ser bem recompensado.
Precisa-se de uma ama secca para tra-
tar de um menino, a qual saiba coser um
jouco e seja esperta para servir uma casa
de pouca familia : em casa d Mr. Len, gra-
vador c professor de desenho, na rus da
Cruz, casa doSr. Bolli,segundo andar.
Jos Francisco da Silva Novella deixou
de ser caixeiro dos Sr.s Lima Jnior & C e
muito agradece O bom tratamento que os
mesmos Srs. lhe deram durante o lempo
que os servio, e igualmente o seu primeiro
caixeiro o Sr. Mathias Joaquim da Maia.
Precisa-se de um boro amassador 1 no
pateo do Terco, n. 30.
BOA GRATIFICADO'.
Desappareceu na noite do dia 99 do cor-
rente inez, do sobrado n. 16 da ra estreila
do Rosario,urna negrinha de nafSo Rebollo,
de nome ferlrudes, de 11 a 12 annos de ida-
de-, com os signaes seguintes : cor fula,
(esta grande, com duas costuras encruzan-
do na testa do lado direito, nariz chato,
bocea grande, beicos finos, denles bastan-
te grandes e aparados, pernas arqueadas,
ps compridos e seceos ; levou vestido de
cambraia pr. ta com ramagens brancas, e
urnas argolinhas lisas de 011ro as nrelhas
Oabaixo assignado deixou de ser cai-
xeiro do Sr. Julio da Cunha MagalhSes des-
do o dia 93 do crrante, e previne s pessoas
com quem tem transaccOes, que sua mora-
da he na ra da Senzalla-Velha, primeiro
andar da casa n. 149.
A ntonio Jos de Siqutira.
Lotera do Guadelupe.y
A rpida extraecoque vo ten-
do os bilhetes desta lotera habili-
ta ao respectivo thesoureiro para
aTirmar que as rodas andam im-
pretenvelmente no dia 37 do cor-
rente mei.
Precisa-sede uma ama de leite, cap-
tiva, que o lenha bom e bastante, tara
acabar de criar uma menina: em Fra-de-
Porlas, ra do Pilar, n. 35, do lado do nas-
cente, ou annuncie.
Precisa-sede um homem com familia,
ou sem ella para morar em um sitio per-
to da praca, no qual trabalhee feitorise :
na praca da Independencia na. 68.
--S. P. Johnston embarca para o Mar-
nhflo os escravos Mara do Rozauo, Mara
Jos, Miguel e Antonio, remedidos ao seu
senhor, W. C. Smith.
Recommenda-se ao prelo Francisco, de
nscilo Benguella, que foi escravo do haro
de liainaraci veuha no prazo de 15 dias
resgatar aquelle documento que lo neces-
sario Um deve ser qujo o empenbou por
20,000 rs. pois a pesoa retira-se para Por-
tugal ao deiois nfiolenha que sequeixar:
O* hii uo uaop. 1. n_ |
Precisa-se de-a trmt que tenh, hom
e bastante leite : nflcIIC0.|.0nUgt n. 21.
A pessoa que aqJlunciou> |l0 Diario de
Ptrnambucon. 160 ,^preClsar de uma mu-
Iher velha de Bssen*0 ( para cozinhar uma
homem solleiro, -farija-se a roa larga do
Rozano loja de uijujejas, n. 22.
Na ra da Cadj, u0 Recife, escriptorio
do Jos Antonio Basto, existe uma caria
para o Sr. JoaqunjjSprjig0 ja Silva Cui-
mares a quem A roga o favor de a man-
dar receber, por^ue coni a entrega da ines-
ma carta a mai, Ue Iratar com o dito Sr.
Cumiarnos. ,'
Precisa-^ de um forneiroque seja pe-
rito na r4fDireta n. 26.
^R^ncia depassaporfts.
Na rui 0 collegio, n. 10, e no Aterro-
da-B0a-Vsl8i n- 4g) continuam-se a tirar
passaportei;para dentro e fra do imperio,
assim coafu, (jespacham-se escravos: ludo
com brewllJii!ei
OsSis. jianoel Antonio dos Santos e
Manoel T|,omaZ carneiro Campello pJem
dirigir-so a ru ,i0 Crespo, loja n. 10, para
negocio de seu interesse.
Alu|a.se um prcto ptimo cozinheiro
e pe it0 em ludo que diz respeito ao arran-
jodeum, casa para qualquer funcean na
prensa je algoilSo de Joaquim Jos Ferrei-
ra so il|la quem oaluga.
Agtunio Joo Ramos vai a 1'araliiha
11';>l"-> ile seus negocios, mas volla uestes
I5*as.
Aluga-se um armazem na ra da Caa,
O-f: a iratar na ra da Madre de-UeoS,
" 36, primeiro andar.
c Na*ra do Vigario, n. 7, primeiro an-
tfar lia para alugar uma preta de bons cos-
tumes, que cose, engomma cozinbae faz
todo o mis seivi^o de qualquer casa de
familia.
l'm homem branco, maior de 40 annos,
se ofTerece para criado de um homem sol-
leiro ou de pouca familia : no Aterro-da-
Boa-Vista, loja n. 59.
Aluga-se um moleque proprio para o
ser vico de casa e comprar na ra por ser
muilo esperto : na ra Direita, n. 48.
Aluga-so o primeiro andar e armazem
da casa n. 14 na ra do Trapiche-Novo : a
iratar no primeiro andar do mesmo so-
brado.
Boga-si ao Sr. Jos Francisco Belm
Jnior de vir ou mandar ra do Crespo,
n. 12, a negocio.
Precisa-se de um caixeiro que seja *a-
paz para entregar pilo com um ji*to era
uma freguezia : paga-se bem : 11* Hleo *
S -Cruz, pallara 11. C.
S, Na ra estreita do Rozario n. 43, se-
gundo andar, se dir quem da dinheiro a
premio a'. a quantia ce 1:000,000 rs. sobre
boas firmas, hypothcca em ben3 de raz e
penhores deouro e prata das 6 s 10 ho-
ras da manlifla.
O Sr. F. B. queira lera bondade de sal-
dar a sua letra que assignou na ra do
Queimado, a qual j est voncida a perto de
i anuos, o S. S. nem faz cas, como que se
fosse herdeiro de seu credor; se noder
b si,lera de ver o negocio muito explicado.
Aluga-se a sala, alcova e'um quarto do
primeiro andar da casa da ra do Queima-
do, n, 4 : a Iratar na loja da mesma.
Desappareceu, no dia i3 do
correntc, vindo da l*onte-de-
Uchda para o hospital inglez, na
boa-Vista, o preto escravo, de no-
me Patricio, crioulo, alio e bem
parecido representa ter 3o annos
de idade pouco mais 011 menos:
ulga-se ter fgido para o sertao,
donde be natural ; foi vestido cora
carniza e calca brancas, e levou
uma trouxinha de roupa.- quem t-
ver noticia dellee poder npprehen-
ili'-lo, leve-o a ra da Cadeia do
ttecife ao corretor Oliveira, que
recompensar generosamente.
O escrivSo Athaydo transferio o seu as-
crptoro para a ra da Aurora as lojasdo
sobrado em que mora o Sr. Dr. juiz deor-
phos Regueira Costa, aonde pode ser pro-
curado todos os dias uteis das 8 horaa da
manhSa at t 4 da tarde, e a sua residen-
cia he na mesma ra da Aurora na primeira
casa das que edificou o'Sr. administrador do
correio Antonio Jos Comes do Correio.
Precisa-se de uma pessoa que saiba
tocar bem piano, para ensinar n um enge-
nho perto de S.-AntUo : annuncie, ou diri-
ja-so ao pateo do Carmo, sobrado, n. 18,
que achara com quem tratar.
Precisa-se de uoi caixeiro que lenha
pratica de venda, e de conhecimenlo de sua
conducta : em Fora-de-Portas, n. 135.
Cartas finoi de jognr
a retalho e em pore.lo, muito em conta ;
Charutos
da clebre fabrica de S.-Felix coutros, sec-
eos e de primeira qualidade, pelo barato
preco de 2,090 rs. a caixa de um cenlo ; n
ra Nova, crta franceza n. 69.
LIMA ALFAIATE.
Na ra larga do Rosario, n. 40, precisa-se
ds ofliclaesde alfaiate e costureiras.
~ Joaquim Antonio dos Santos Andrade
faz scienle ao publico que deapedio o seu
caixeiro DOMINGOS JOS' FERREIRA CUI-
MARA'ES por nSo Iho merecer mais a sua
conanca, e por isso aflo se responsabilisa
por qualquer transseetto que dito Guima-
rSes far;a em nome doannunciante.
Para as pessoas que tencionam
seguir viagem.
Na ra do Rangel, n. 9, tiam-se passa-
I portes para dentro o lora do imperio, des-
pacham-se escravos e'correm-se folhas: lu-
do com muila brevidada e pre;o commodo,
como se tem dado exuberante prova no de-
curso de 8 anuos.
Precisa se de um cstrangei-
ro que seja forneiroe padeiro. pa-
ta ir para Macelo: d-se bom or-
denado : quem pretender, dirja-
se ao armazem do Aunes, no caes
da Alfandega, a tralar com Ma-
noel da Silva Santos.
Aluga-se, vende-se ou permnta-se a ca-
sa terrea, n. 20, entre as duas pontea da
Passagem, em chfiospioprios. cujo terreno
tem 40 palmos de frenle e 160 de fundo, por
algum sitio pequeo, ou casa com grande
quintal, no mesmo bairrol da Ba-Vista,
comanlo que seja mais pe rio a o de Santo-
Antonio do que ao daqueila:a quem convier
algum dos referido! negocios, queira an-
nunciar por este Diana, ou dirigir-scao se-
gundo andar da casa da ra Nova, n. 47, ou
ao Sr. Oliveira, na casa junio ponte pe-
quena da dita Passagem.
Deseja-sosabersede presente est nes-
ta cidade o Sr. hachare! I.ourcnco Acciole
Wanderley, morador no Passo-de-Camara-
gibe de Alagdas, ou quem nesla cidade do
Recife seja aeu correspondente, para tra-
tar-se de negocio interessante ao dilo Sr.:
rnga-se o favor de annunciar por esto Via-
rio, ou de dirigir-so a ra Nova, n." 47, se-
gundo andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado ,
silo na ra Direita n. 120, com sotSoe mi-
rante no qual morou o Dr. Joaquim Villela
de Castro lavares, no espaco de 5 annos
incompletos ( mudando-so por sua livre
vonlade):quem o pretender, sendo casa-
do, ou solleiro com familia honesta, dirija-
so a seu proprietario na ra do Crespo ,
n. 14, lerceiro andar ou na mesma ra Di-
reita, padaria 11. 80.
Leonor Luiza da Rocha, tendo annun-
ciado por este jornal ns. 158 e 159 de 19 e
20 do corrente do eslar justa o contratada a
comprar a parte da casa lerroa da ra da
Calcada, n. 26, com a senhora Anglica
da Costa Bastos, declara de novo, por ter
iiavido engao no primeiro nome, que he
com a senhora D. llosa Anglica da Costa
Bastos, epara nIo haver duvida em lempo
algum, faz o presente annuncio, rogando a
qualquer pessoa que sojulgar com direito
a iii a parte, declare por esla folha no prazo
de 5 dias, coudos da dala deste em dianle.
Vendas.
Compras.
Compra m-se palacOes mexicanos a
1,900 rs.: na esquina do Livramento, loja
de 6 portas.
-Compra-se uma preta de 12 a 14 annos,
3ue seja ecnlhida e lenha algumas bahili-
ades: em Fra-de-Portas, ra do Pilar, n.
85, primeiro apilar.
Compra-s a chcara dos dous Renega-
do*, paia piano : na ra Nova 11. 58, ler-
ceiro andar, ou annuncie.
Compra-se um piano inglez em segun-
da milo mas quii esteja em bom estado:
na prc,a da Independencia, n. 4.
Compra-se a obra intitulada Com-
bate Espiritual ou inosmo a segunda
fiarte dola smente ; bem como ligninas
nutras obras espirituaes antigs : na ra do
Cabug, loja de miudezas, n. 1 D.
Paga-se bem.
Comprs-se calcado fcito na trra de
toda a qualidade : na praca da Independen-
cia, n. 33.
'ompram-se, para urna encommenda,
escravos de ambos os sexos, de 10 a 40 an-
nos: na ra do Padre-Floriauao.sobrado de
um andar, n 7.
Compra-se, para uma encommenda ,
uma casa terrea sita no bairro do S.-An-
tonio com 2 ou 3 quarlos sala adianle e
atrs cozinha fra, quintal e cacimba : na
ra larga do Bozario, loja de miudezas,
n!9.
Compra-se um boa casa terrea em 8.-
Aiilonio as fuas da Cadeia, Cruzet, 1.a-
rangeiraa Trincheirat, Mundo-Novo, .Ro-
da, ou nos pateos do Paraiio, Carmo o S.-
Pedro : na ra de S,-Rita, sobrado n. 14.
Na livraria ns. 6 e 8 da praca da Inde-
pendencia vende-se o seguinte :
Manual eleiloral
conlendoa lei regulamentar das eleicflose
os decretos e decises do governo que do
esclarecimentoa sobre sua execucflo.expedi-
dos al abril do corrrente anno, com notas
explicativas fundadas oestes mesmos escla-
recimentos:
Vende-se uma grammatica franceza de
Clamopin em muito bom estado, por
preco commodo 1 na ra do Queimado, loja
de miudezas, n. 25.
Vende-se um bonilo moleque de 13
annos pouco mais ou menos muilo sadio ;
uma negrinha de 7 annos: ambos chegados
do Ico : na ra larga do Bozario, n. 35.
Vende-se farinha de mandioca de su-
perior qualidade, muito lina e alva, em sac-
cas por preco commodo e em medida de
cuia caculada a 200 rs.; superior farinha
do araruta a 200 rs. a libra ; carne de tou-
cinho a 80 rs.; grflo de bico a 60 rs.: no
pateo do Terco, venda n. 7.

fc^' Por preco commodo. ^J
f Veiidom-se dous sobrados de dous fj
f| andares, um na ruado Collegio, n.
? l, com frente para o Passeio-Publico, 4
$j) eoutrona ra da Aurora, n. 10; a ca-
fj) sa terrea da ra do Sove, n. I A : na 4
M ra do Crespo, n. 11. 4
m #
^a|ffi j} j.jgy^^jg-^0ffigg;igfll> jjfl
A bordo do hiale S.-Jodo Tundeado
defronto do Passeie-Publico vende-se boa
farinha de mandioca por preco rasoavel: a
tratar com o mestre do mesmo hiato ou
com Amorim IrmSot, na ra da Cadeia ,
n. 39.
Vendem-se 6 lindos moloques de na-
eflo, de 20 annos; 4 pretos de 20 a 30 annos,
urna negrinha do 10 annos ; 6 ditos de na
C"o e crioulns de 14 a 15annos ; uma par-
da boa lavadeira e que he carinhosa para
meninos; uma dila com habilidades; um
preto bom cozinheiro ; um dito de meia ida-
de ; e outros muitos escravos : na rua do
Vigario, n. 24.
Na rua Nova. n. 5,
Vende-se um lindo mulatinho 16 an-
nos proprio para pagem e que he de boa
conducta ; um moleque de 16 annos de
muito bonita figura ; uma parda de linda
figura que sabe engorntriar, coser o cozi-
nhar luas prelas mofas, prendadas com
habilidades; duas ditas proprias para tra-
balharem do enxada; uma dita boa qui-
landeira.
Vendem-se acrOes da com-
panhia de Pcrnambuco cParabi-
ba: no escriptorio de Oliveira Ir-
mos k. Companbia, ruada Cruz,
n. 9.
CIIEGUF.M A P'ECHINCHA.
Vendem-se cortes de casimira de lindas
cores pelo diminuto preco de 4,500, 5,500 e
7,000 rs ; assim como ainda existem cor-
les de brim trncalo pardo a 1,000 rs. o
corle : na rua do Collegio, n 3.
Vendem-se superiores Iclbas do vidro :
na fuiulicao de Mesquila \ Dutra, rua do
I) 111111 do Recife.
Vende-se tinta verde em latas, a mo-
llior possivel : na fumlic5o de Mesquita &
Dutra, rua do Bruin do Recife.
VENDEM-SE CHITAS A 4,500 RS.
Vendem-se pecas de chitas novas e honi-
liiihas.com toque de avaria a 4,500 rs. ea
6 vintens a retalho : na rua do Passeio, nu-
mero 17.
Vende se a bem acreditada
obra intitulada Cartas da India
e China escripias pelo bem co-
nbecido Josc Ignacio de Andrade;
tem varios retratos lilbographa
dos de personagens daquelas lon-
gincuas trras: eniiin o nome do
autor basta para osen elogio: 2
volumes em bom lypo: na rua da
Cruz, n. 9.
Vendem-se armas etcadeiras de um e
dous canos, muito linas : na rua Nova, lo-
ja de ferragens, n. 16, de Jos Luiz Pcreira.
Aos amantes da lotera do
Rio-de-Janeiro.
Ao% 2o:ooo,ooo de rcis.
Silo chegadas as listas da sexta lotera do
theulro de S.-Pedro e com ellas novo sor-
timento de bilhetes e cautelas da 50.a lote-
ra da Santa-Casa-da-Misericordia; cujas
rodas andam no dia 24 do corrente, deven-
do chegar as listas no primeiro vapor. A ol-
ios. No paleo do Collegio, loja de livros ,
n. 6.
Aos 20:000,000 deris.
Acham-se j a venda na loja de cambio
da viuva de Vieira & Filhos na rua da Ca-
deia do Recife, n. 24, bilhetes e meios di-
tos da 50.' lotera a beneficio da Sanla-Ca-
sa-da-Misi ricordia do Rio-da-Janeiro cu-
jas rodas andam no dia 25 do corrente.
Vende-se lyiia escravo cabra, a vista
da qual faz f, e por preco de 350,000 rs. he
baratissima : na rua Bella, numero 14, 1."
andar.
MadapolSo largo a 3,000 rs.
Vondciii-se pecas de roadapolo 'argo
com 20 varas, muito encorpado e forte,
proprio para camisa de pretos e forro, a
3,000 rs ditos mais finos por mais dinheiro;
liolas grossas de nnvello, a 160rs uma
quarta; percas de chitas, cores iixas, a 5,200,
e a 160 rs. o covado; luvas finas de pellica
a 500 rs. : na loja da rua do Passeio, n. 17.
Vende-se a taberna da rua do Coto-
vello, n. 31 com os (undosde 300,000 rs.,
bem afreguezada a qual estando sorlida
vende 16,000 rs. diarios, e sendo o aluguel
muilo barato: vende-se a prazo com boas
firmas : a tratar na mesma taberna.
Vende-se um mulatinho, por prego
commodo : na rua da Praia, n. 32.
|Vcndem-se saccas grandes com milho;
no armazem do Bacelar defronte da cscadi-
nba da alfandega.
Na rua das Crujes,n. !,vendem-se bar-
ris de cinco em pipa de vinlio de Lavradio,
proprio para casa particular, por ser muito
fraco. /
Vendem-se canastras com albos novos
em mauncas, por pre?o muito commodo pa-
ra fechar conta : no armazem defronte do
chafariz do caes da Alfandega.
Vende-se retroz preto a 8,000 rs. a
libra, palmatorias delalo a320rs., meias
para homem a 480 rs pecas do fita de linho
* 50 rs., carreleis de linha preta a 20 rs.,
pennas de escrevor a 100 rs. o quarteiro.
lindas de cores a 1,000 ra. a libra, escovaa
de faoto a 500 rs., agullieiros de vidro a 200
rs., caixinhas de agulhas francezaa a 240
rs., luvas do pellica de cor a 320, rs. : no A-
lerro-da-Ba-Vista, n. 84.
CASIMIRAS ELSTICAS DE CORES.
a>.) Na loja do sobrado amarello da ru* aj
*; do Queimado, n. 29, ha um grande e
# novosortimentodo casimiras de cO-
fc? res, padrOes muito modernos, a 6,000,
~ 6,500 e 7,000 rs. cala corte.
- Vende-se uma mobilia de Jacaranda,
obra bem construida, eein bom estado: na
praca da Independencia, h. 9.
Vendem-se 15 escravos, sendo 2 lindos
mulatinhos de 13 annos ; 2 ditos de 18 a 20
annos, ptimos para pagens ; 1 dito de 23
annos.quo entende de purgador ; 3 escravos
de bonitas figuras, de naeilo; 4 negrinhas de
18 a 22 annos.sendo 2 engommadeiras; 3 es-
cravas de servico de campo : na rua Direita,
O. S.
mmm'mm**m* mmmmmm
Vende-se panno de varias cores,
muito fino e de cor fita, a 4.000 rs. o
covado ; merino prelo, a 2,500; dito
muito fino, a 3 e 3,500; sarja de 1.1a
preta e de cures, a 800 rs. o covado ;
I princeza prela enfestada, fazenda
jf igual a merino, a 1,000 o covado; al-
2 paca preta de lustro, a 600 rs. o co-
as vado, e oulras fazendas muito em
i conta : na rua do Quaimado, loja do
g: sobrado amarello, n. 29.
^mmmmmmmmimwmm vwwml
FARINHA DE MANDIOCA.
A melhor farinha de mandioca que tem
venda he a bordo do brgue Hintrva, chega-
do de S 111 ta-Catharina, o fondeado na praia
do Collegio, onde se vende a preco mais
commodo que em qualquer outro barco ; e
lambem se pode Iratar na praca do Com-
mercio, n. 6, primeiro andar.
Vende-se farinha de mandio-
ca, muito superior e por preco
commodo, a bordo da sumaca
Filia-Carolina, entrada de San-
Matlicus, a qual se acha fundeada
defronte do caes do Collegio : tra-
la-se com o capitSo a bordo, ou
com Machado & Pinheiro, na roa
do Vigario, n. 19, segundo andar.
a>
ATOAIJIAnO DE PURO LINHO.
Vende-seatoalhado depuro linho, *
jr) com 6 palmos de largura, a 1,600 rs. Ji
'" a vara ; dilo muilo superior, com 8 ^
;>. palmos, a 4.000; dilo com II p>l- <
> mos, a 5,000 ; toalhas da mesma fa- o
a> zenda, com 7 palmos de comprido e - a> 6 de largo, a 2,000 ; o guardanapos,
S a 3,000 rs. a duzia : na loja do sobra- J
"* do amarello da rua do Queimado, 2
n. 29. ^
OAAAAAAftftAAAAAAiAAAAd
para curar da phtysca em todos os setis
di Hercules graos, ou motivada por al-
guma das seguintes molestias: constipa-
Cdes, tosse, asthma pleuriz escarros de
sangue coqueluche, drde costase pei-
tos, bronchites dor na garganta e todas as
molestias dos igaos pulmonares. Este ex -
cellente remedio que tem gozado de tSo boa
reputadlo nos Eslados-Unidos da America
do Norte, pelos seus bons e(Te: tos na cura
das varias molestias aclma'meocionadas, in-
duzio os propietarios delle a manda-lo pa-
ra o Brasil, onde a esperanca de suas virtu-
des nSo fram sem fundamento como a
experiencia tem mostrado desde a sua in-
troducfSo poisos admiraveis effeitos que
tem produzido aqui sSo iguaes aos melho-
res que aII i tem feito e quesllo bem altes-
lado pelos varios testemunhos e certifica-
dos das pessoas que teem sido curadas por.
este medicamento sem igual, particular-
mente ao sul deste imperio onde foi pri-
meira mente introducido, o j nesta mesma
provincia receilado pelos mdicos e sem-
pre com bom sucesso. Novaes 61 Compa-
nhis, os nicos agentes nesta cidade e pro-
vincia, nomoados pelos agentes geraes do
Rio-de-Janeiro os Srs. K. C. Yates & Com-
panhia, mudaram o deposito deste xaropa
para a botica do Sr. Jos Mara Ramos, na
rua dos Quarteis, n. 12, junto ao quartel de
polica onde sempre acharflo o nico ver-
dadeiro, vindo daquelle deposito a 5,500
rs. cada garrafa.
o o
r> FAZENDAS BARATAS. O
q\ Vendem-se cortes de brim trancado gv
f\ pardal, a 1,280; ditoa de dito bran- jj
7\ co trancado e de listras, a 1,980; di- T
X toa de dito amarello, a 1,500; ditos X
~ de macedonia, padroes de caaimira, *?
^ a 9,000; ditos de casimira de algo- ^
v dilo, fazenda escura e muito encor- v
0 pada, a 2,000; e outras muitas fazen- &
IO das baratas: na loja do sobrado ama- O
099999990 9099Q9Q9O
I

MIITII AHO


Semen tes de hortalice.
Vendem-se semcntos dflhortalico de to-
das as qualidades, por preco muito com-
inodo : na mi Direita, n. 76, venda da es-
quina do becco de Jos-Lourenc"-
Vende-ae champanha da mais superior
qualidade que tem vindo este mercado:
na na da Cruz, ti. '21, armazem de Crocco
& Companhia.
A 640 rs. cada um.
Vendom-se cobertores de algodlo ameri-
cano, enebrpados o grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bous padrOes e co-
res soguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na luja da esquina que vol-
la para a cadeia.
Vende-se vime, ebegada ltimamente
no brigue Novo-Vencedor: na ra do Apol-
lo armazem de Antonio Augusto da I'ori-
seca.
Vcnde-se algodSo trancado
da fabrica de Todos-os-Sanlos a
370 e a 3oo rs. a vara : na rna da
Cadeia, n. 5a.
Taxas para engenho.
Na fundirlo de ferro da ra do Brum,
acaba-so de receber um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bucea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidlo embarcam-se,
ou earregam-se em carros sem despezas ao
comprador.
Deposito da fabrica de
Totlos-os-S.Milos ii.i Rabia.
Vende-se em casa de N. O. Hieher & C.
1 roa da Cruz, n. 4, algodlo trancado
aquella lubrica, muito proprio para saceos
da assucar roupa de escravos.
Vende-se champanha da mais superior
qualidade que tem vindo a este mercado :
na ra da Cruz, n. 27, armazem de Crocco
&C.
Vendem-se sellins inglczes e
camas de Ierro : na ra da Senzalla-
nova, n. t\i.
Ch brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molliados, atrs do Cnr|io-Santo, n. 06, o
n.:iis excellente cha produzido cm 8.-Pau-
lo que tem viudo a esto mercado, por
prego muito commodo.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Na 11 rara da Independencia, loja n. 4, ven-
dem-se bilhetes e cautelas da 50.* lotera
da Santa-Casa-da-Misericordia da corte.
Na mesma casa se mostram as listas das
loteras passadas e se trocam bilhetes
premiados.
1,280 ris.
Vendem-se superiores fortes de brim
trancado de puro linho cor de lama de Pa-
rs pelo barato preco de 1,280 rs. : na ra
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Das.
Vendem-se duas escravas crioulas com
habilidades, urna de 20 aunse a mitra de
30 ; na na dos Tanoeiros, armazem n. 5.
Lencos prelos
720 rs. cada
pa^a grvalas
a
um.
Na loja n. 5 da ra do Crespo, vendem-se
lencos pretos para grvalas, com um peque-
no loque de mofo, pelo barato preco de 720
ris.
Folha de Flandres.
Vendem-se canas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior: na ra
do Amorim, n. 35.
--No armazem da ra daModa, n. 7,'con-
lina-se a vender superior colla das fabri-
cas do Rio-Grande-do-Sul, por preco ba-
rato.
N. 9.
Ra da Madre-de-Deos.
Puro vinho da Kigueira.
O novo armazem desta pinga deliciosa
acaba de se abrir nesta ra, defronte do ex-
melo armazem ao mesmo preco de 180
rs. a garrafa e a 1,360 rs. a caada. Os
amantes desle licor all encontrarilo garra-
fas promplamente lacradas e com o seu
competente rotulo para trocarem por outras
promplamente ; assim como lambem en-
contrarilo barris de diversos tamanhos,
por precos bem rasoaveis ; bem como vinho
brancode Lisboa a 1,600 rs a caada c a
220 rs. a garrafa. O propietario deste esta-
belecmeiilo pedeexamepara poderem ava-
llar a pureza de sua qualidade e asseio e
que em nada desagradar aos concur-
rentes.
Vende-se urna preta de 14 annos, que
cose bem, engomma e cozinha : na ra lar-
ga do Rozario, loja n. 35.
Estrella.
Vende-se superior bolarhinha intitulad
estrella muito propria para doenles por
ser agoada e de muito superior familia : na
ra Direita, n. 79.
Farinha de trigo.
J. 1. Tasso Jnior vende fai inha america-
na de Philadelpbia chegada ulmamenle,
de boa qualidade e por preco commodo.
Cadeiras depalhin la e de bataneo,-
armarios para roupa; lavatorios; soph'as;
mesase mais mobilia ; bem como um rico
sorlimenlo de
vasos de cry stal broncos e de cores
para adornos de sala ; garrafas e copos de
crysla! de cores : em casa de Kalkmaun Ir-
mo, na ra da Cruz, n. 10.
Vende-se cal virgem de Lisboa em
Larris pequeos fechesde arcos de 1 ao e
rodas de oitos para barricas ; cimbeles de
pinho abatidos para assucar; pregos cai-
xaes do Porto em barris de 10 milheiros ;
ditos de estuque em barris de 32 milheiros;
narmelada de Lisboa em latas de 1 e 2 li-
bras ; pilulas de familia ; cadeiras de pao
preto, angico e cerdeira. chegadas ultima-
mente do Porto: a tratar com Joquim Fer-
reira Mendes GuimarSea, na ra da Cruz,
D. 49.
Rap roldo francez.
Vende-seo superior rap rolSo francez,
nicamente as lujas dos Srs. Caetano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Boa-Vista n. 46 ;
Tnomiz de Mullos Eslima, na mesma ra,
n. 54 ; Francisco Joaquim Duarte ra do
Cabug ; Pinto & Irmflo, na ra da Cadeia
do Recifc, n. 19.
Jo bom e batato.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja n. 18, conlinuam-se a ven-
der suspensorios de seda a 500 rs. o par ;
luvas de seda a 200 rs. o par ; meias de
seda curtas, pretas brancas e de cores a
800 rs. o pnr ; lencos pretos de seda a 200
rs. ; ditos decambraia para grvala a 400
rs.; lencos hrancos, a 160 rs.; e outras
multas fazendas por commodo prego.
Vende-se a muito acredita-
da hrinlia franceza fiaron, chega-
da ltimamente, e por proco rasoa-
vel : na ra da Senxalla-Velha,
n. 138.
Vendem-se bilhetes da lote-
ra do Bio-de-Janeiro: na praca
da Independencia, n. 3"].
--Na ra do Queimado n. 12, primeiro
andar vendem-se msicas modernas e im-
pressas, de differentes autores recem-che-
gadasda Franca; bem como duas missasem
par i tu ras de um autor acreditado ele-
gantemente cncadernrdas, cproprias para
rmandadex de igrejas.
Ao bom gostOm
Oliapelinhos para senbora, com delicados
feitlos enfeites mu variados, lloros mi-
mosas e com um lindo boija-flores quo tem
una cauda deiinissimas pennas ; todos de
seda : vendem-ae em corita : na ra do Cres-
po, loja de quatro portas n. 12.
Na loja da ra do Crespo, n. 6, ao
p do lampe-So continuam-se
a vender nzendas baratas.
Cortes do brlm trancado amarello, a 1,440
rs, ditos de dito escuro, da methor qua-
lidade quo tem vindo a este mercado, a
1,280 rs. ; dito branco strado a 1,500 rs. ;
cobei lores de algod.to mais encorpadns
dos que os de mil a parte, a 640 rs. ; chitas
para coberta a 200 rs. o covado ; chitas es-
curas com cores lixas, a 160 e 180 rs.; cha-
peos do o.assa a 1,100 rs. : dilos de seda ,
a 64o rs.; cassa para bailados e cortinados,
a 2,400 rs a peca e a 320 rs. a vara.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada ueste me/, pelo brigue Haria-Joi :
a tratar na ra, do Urum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na ra do
Vigario, n. 19.
& i> Para liquidar quanlo antei. S Conlinuam-se a vender lencos do se- ^
k> da para hombros de senhora e para 4$
>> algiheira a 500,800, 1,000, 1.200 e <3
'4
{* 1,280 rs., e muito superiores, a -^
<> 1,600, 2,000, 2,240, 2,400 e 2,560 rs.
W eiguio lino de linho, a 1,280 rs
a vara ; corles de veslidos de cam-
g brain com barra branca e decores, a "
^p. 1,600 rs.; meias azues e pretas para <-;
-> senhora e meninas a 1,000 e 1,600 > rs. a duzia ; suspensorios linos de <'.
%> meia, a 960 rs. a duzia.; botOes de *?
P" diiraque e franklim a 210 rs. a gro- Jj
' um resto de brim pardo para for- '
do 3
fr ro a 80 rs. o covado : no pateo
^ Carmo n. 18, segundo an Jar
i>
0 monstruoso bramante de linho
de 11 palmos de largura.
Na loja dcCuimaraes & llenriques, na ra
do Crespo, n. 5, vende-se bramante fino de
puro linho de 11 palmos de largura, pelo
barato precede 2,800 rs. a vara; ricos co-
bertores de barra de seda, muito grandes, a
6,000 rs. e mais pequeos, a 5,000 rs. ;
fazendas estas nunca vindas a esle mer-
cado.
Pannos, ale 3,000 rs. o covado.
Na loja de Cumaries & llenriques, na ra
do Crespo, 11. 5, vende-se panno preto e
azul pelo barato preco de 3,000 rs. o co-
vado e preto mais inferior pelo diminu-
to preco de 2,000 rs. o covado ; bem como
um completo sorlimenlo de todas as cores,
ede diversos precos.
A pee hincha.
Cortes de cambraia adamascada
com loque de avaria, 2,5oo lis ;
dilos limpo.s para vestidos e corti-
nados, a 3,ooo rcis ; dilos de (ala-
garen, a 1,(ion ris; dilos linos, a
2,5oo ris; cnssa-cbila de cores li-
xas, a 3oo ris o covado; riscado
em cassa, o covado a 300 ris; lan-
zinlias para veslidos,calcas e roupa
de meninos, a 3^0 ris o covado
e oulras minias fazendas por preco
b rato : na ra do (.rispo, loja de
C'unha (i 11 maraes, n. 1 5
A ac rs. o covado.
nha Magalhles, onde existem as listas das
loteras passadas.
AGENCIA
ha fundico Low-lfoor,
RIJA Da, SKNZALA-NOVA, N. fo.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Novos riscados monstros, de vara
de largura, fl.320 rs. o covado.
Na ra do Crespo, n. 5, vendem-se os no-
vos riscados monstros, muito finos e pa-
di Oes nunca vindos a este mercado, pelo
barato preco de 330 rs. o covado.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 2o:ooo,ooo de ris.
He chegada a lista da sexta lotera do
thcalro de S.-Pedro, e com ella grande sor-
limenlo de bilhetes, meios, quarlos, oita-
vos e vigsimos da 50.' lotera da Santa-
Casa-da-Misericordia do Rio-de-Janeiro,
cuja listas devem chegar no primeiro va-
por : na ra da Cadeia, n. 56, loja de fer-
ragens, do, Antonio Joaquim Vidal.
Chitas de cores fixas, a 5,200, ou
a 14 0 rs. o covado.
Na loja n. 5, que faz esquina para a ra
do Collegio vendem-se chitas de bons pa-
drea e cores fixas, a 5,200 a peca e 140 rs.
o covado ; ricos cortes de cassa da rainha
Victoria a 3,600 rs. o corle ; lindas cassas
fraticezas, largas, pelo barato preco de 610
rs. a vara : esta fazenda se torna muito re-
eommendavel por ser de padrOes novos e
muito finas ; alm destss ha um com-
pleto sorlimenlo de todas as qualidades de
fazendas, por preco muito commodo.
des Jumantes de bom aosto.
No armazem de molhsdos atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha gara vender, chegados
pelo ultimo vapor viudo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, e de outras muitas
qualidades que se vndenlo mais barato do
que em o 11 ira qualquer parle : bem como
cigarrilhos liespauhes ditos de palha de
imIIio, que se estilo vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cento.
Cha barato.
Vende-se muito bom cha, pelo preco de
500 rs. a libra : na ra do Crespo, ti. 23.
Direito das mulheres
e injusliea dos tioni ens iraduzido por urna
Brasileira : vende-se a 610 rs. na praca
da Independencia, livraria ns. 6 e 8.
Cortes de brlm de puro
linho, a 1,280.
-- Vendem-se corles de brim trancado
pardo Me pu'o linho, pelo diminuto preco
de quiltro patacas na ra do;('.ruspo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se sapales brancos
do Aracaly a 1,000 e 1,200 rs.
o par : na ra da Cadeia do Heci-
ft, n. 9.
Vende-se urna canoa aberta,
de 600 alvenarias grossas, 011 tro-
ca-se por na I crin es finos ou gros
sos: na travessa da Concordia, so-
brado novo n 5.
preco, como sejam panno fios de todas as
edres. por 2.400, 2,800, 3,000 e 3,200 ris;
algutcas gasimiras a 5.000 ris o corte; Ifla
para calcas a 4800 ris; chitas linas, a 200,
220, 240 e 160 ris; madapolOo, cutrins e
outras mutas fazendas de goslos, que se
vndenlo por precos que muilo agradarao
aos compradores.
Na praca da Independencia, n
\Q,-ao vallar para a ra das
Cruzes,
vendem-se e tambero so applicam as me-
Ihores bixas que he poaaivel ha ver m no
mercado ; limpam-se, cliumbam-se e li-
ra m-se dentes com toda a perfeicHo : lam-
bem se applicam ventosas com a maior de-
licadeza que he possivel, e ludo o mais que
perlence a arte de sangrador: ludo por
preco muito rasoavel.
Vende-se
na loja "da ra do Passeo-Publico, n. 19 ,
nina porrao de chilla branca, propria para
escravos ao barato preco de 80 rs. o cova-
do ; chapeos de sol, de seda, a 4,800 rs.
cada um.
Grande galera ptica.
Vende-so 100 vistas das principaes partes
do mundo obra muito rica pela natu-
reza apropriada dos objectos, 12 ptimos
vidros e outros pertences para qualquer
pessoa expo-lasaqui, ou em outra provin-
cia : na ra Bella n. 36.
O o
O No deposito da estrella O
% na ra Nova, n. 56,
O acha-se um grande sorlimenlo das O
O melhores qualidades de charutos que O
O leem vindo a este mercado, conten- <
O do os preciaveis eseguinlescharutos: {
o
o
O
&
o
o
o
Vende-so zuarle azul trancado, muito en-
corpado e com 4 palo'os e meio de largura ,
a inelhor fazenda para vertir escravo pelo
barato preco de 200 rs. o covado; na loja da
esquina da ra do Crespo, que volta para a
cadeia.
-- Vendem se presuntos inglczes para
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
ditas de araruta ; ditas de mermelada de
1,2 e 4 libras ; ditas de sanlnhas ; ditas de
hervilhas ; ditas de checolate de Lisboa ;
frascos de conservas ; dilos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Klvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da lladeira ; queijos de prato ,
frescaes : ludo novo e chegado ultima-
mente do l.isboi : na ra da Cruz, no
Recife, n. 46.
Aos amantes da lotera do Rio-
de-Janeiro.
<^~Aos 20:000,000 de ris.^^
Silu chegadas as listas da sexta lotera do
theatro de S.-Pedro, e com ellas novo sor-
t i ment de bilhetes e cautelas da 50.'lote-
lia da Sanla-Casa-da-Misericordia cujas
listas veem no primeiro vapor. A elles an-
tes que se ac bem. Na ra da Cadeia do Re-
cife loja d fazendas, n. 51, de Joflo da Cu-
\ ,
fteguezia.
i
Vinho da Figueira de superior qua- r
li.la.le a 1,280 rs. a caada, e a gar- 0
rafa a 160 rs. sendo engarrafado, o 4
dando o fieguez a garrafa vasia ; vi- ?
nlio branco de Lisboa, a 1,600 rs. a Z
? caada e a' gairafa a 200 rs. : no pa- ^
? leo do Terco, vend n 7.
? '?
Vendem-se escravos baratos, na ra das
Larangciras, n. 14, segundo andar, negras,
moloques negros e mulatinhas.
Vende-se um pardo de 18 annos pti-
mo oflicial de sapateiro, o qual he muilo
fiel c humilde, e nlo tem vicios por pre-
(o muilo em cotila por se achar o dito
pardo com urna pequea nflammaco e
o seu dono pretender retirar-se para fra do
imperio: na ra das 1.arangeiras, n. 14, se-
gundo andar.
Vende-se panno de linho
do Porlo,
bastante largo, entre-fino e de superior
qualidade;
palitos de flor para den-
les ; folha de Flandres,
Cliarcoa); ferro en bar-
ra de superior qualidade
garanlido e igual como o ila Suecia, a 9,000
rs. o quintal :11o armazem de A. V. silva
Barroca, na ra da Madre-de-Deos n. 26,
igroja.
Attenco.
Na ra do Crespo, loja n. 5 A, junto ao
arco de S.-Antonio, vendom-se ricas man-
tas de seda de novos lavrores a 6 e 8,000
rs., tanto para senhora como para meni-
nas ; alm deslas fazendas ha u.d rico sor-
tmenlo de leques com enfeilea inieira-
menie novos, e que se vendem maisem
conta do que em outra qualquer parte.
Charutos de S.-Felix.
Na loja de Antonio Joaquim Vidal ven-
dem-se supoiiores charutos de S.-Felix,
verdadeiros, osquaes se recommenda aos
bons fumantes,
I-'irmiano Jos Rodrigues Ferreira, an-
nuncia que tem mudado um dosseus esta-
belerimentos de fazendas da loja, n. 9, e
transferido para a mesma ra em outra del
n. 19, sonde os spus antigos freguezes o|
Saquaremas
Imputados,
Senadores,
Venus,
Lanceiros,
Quem-fumar-saber,
Melindres,
Mimos de yaya,
Emilios,
Nlio plus -ultra,
Regala,
Pa tus cus,
O e nutras militas qualidades que senlo O
& patentes aos freguezes e se vende- O
& rilo por precos rasoaveis. 0
& O
Vendem-se duaa pretas ptimas para
o trabalho de campo ; urna preta que cozi-
nha e lava de sabSo e varrella com urna
cria de 10 annos, muilo linda para ser edu-
cada : na ra do Collegio, n. 21, se dir
quem vende. 1
Na ra das Cruzas n. 22, segufiuV*ii-
dar, vende-se urna rrulatinha de 22 annos ,
que cozinha, cose oh.no lava, e he engom-
madeira ; urna escrava de naci, de meia
i'ade .equehe boa liivadeira ; um mole-
que de naci de 18 anrtos ; um bom escra-
vo do naci, ptimo cafooeiro.
Vende-se um bonj) sel I i m inglez em
meit uo : na ra da Ctideia do S.-Antonio,
n.25.
Vendem-se capachos por barato preco:
na ra larga do Rozario loja de miudezas,
n. 26.
Vende-se um balc1o\ proprio
criplorio
ment
rafa ;eoutros muitos gneros; narnti
reila, n. 18. u"
Vende-se o deposito de charutos
bacodo largo do Livramcnto, n. 3 .
um ou mais escravos ofh'ciaes de charol'
ros: o motivo por que so vende he doT'*
dono estar doonte, em estado de non
dr continuar a tratar no mesmo iem
sito.
Calcado.
Na ra Direita, n. 63, vendem-se sipatiu,
do Aracaly por preco commodo. ^
Lencos de cambraia
de linho
Na ra do Livramenlo, n. 14, veneB.,
lencos de cambraia de linho, para hopa
e senhora ; pecas de chile para roupi
escravos com 24covadoa 1,400 ri.(D/
C e o covado pelo barato preco do qu,|L
vintens ; chitas linas a 180 e 200 rs. o T
vado ; e oulras muilas fazeadasque a jM!
dos compradores se farlo patentes;^
como um rico sorlimenlo de madiooliw.
finse baratos. w
Camisas francezas.
Na ruaNova.n. 14, loja de alfalu,L
chegado um riquissimo sorlimenlo de o-
misasbrancas ede riscados os mais lind*
padrOes e cores fixas, por preco Cuu>ng4
Vendem-se 6 lindos nioleques del]
20 annos ; 8 pretos de 25 a 30 anuos, nuil,
um delles coznheiro ; duas ueernhu i%
10 a 12 annos com principios de habiljJi.
des; duas pardas de 20 a 24 annos ;dm
prelas de 20 a 30 annos sendo urna UelLu
ptima cozinlieira : na ra do Cullatj
n. 3, se dir quem vende.
arricas.
Vendem-se barricas vasas que fOraaH
farinha, em p e bem accondiconadu-,
na ra do Amorim n. 35, casa da \. j
Tasso Jnior.
Vende-se, na ra da Cruz, n. U
champanha muito boa por todo o preta
para liquidarlo de conlas.
Vende-se urna casa terrea na rus
Aljube, ruiOlinda, n.20: na meima ci
dada, ra de Malhias-Ferreira n. 1.
Vende-se um preta moca, de nacflo/
Cange, que lava de sabio, e he muito '
vendedeira do ra : na ra da Cruz, no
cife, n.23.
-Vende-se urnaescravade 16 1 l| 1.
nos, que cozinha cose bem e engomo
no pateo do Terco, n. 20, primeiro andar,
Vende-se um cachorro de fila, vindi
i Iba, muito novo, por preco commodo.
ra da Concordia, passando a ponte, 1
rcita, primeira casa.
Vende-se urna preta de 18 annos, q
co/ 'lia e tem principios de engummar :
bect do Sarapel, sobrado n. 18.
Bscrrtvos I uf^i
os
FugM^nTToite" do dia 15 do correle,
o preto Caetano, de naci Mocamhlqui,
cor fula, alto e cheio do corno, que perica-
ce aos herderns de Jos Mara de Jess Wi-
niz ; representa ter 30 annos; levou calcas
e camisa de algodSo ; tem sido enconlrid
em alpumas parles desta cidade: qurn 1
pegar leve-oa fundan de Mesquita A
Ira, na rna do Rrum. no Recife, que aera
recompensado.
No dia 21 do correnle sabio da rito
ra um preto j velho de nome Benedicta,
para es-[baixo, secco do corpo, pouca barba, meta
ou outro qualquer estabeleci-j calvo, com falta de dentea na frente ; leot
urna balance para owrives; na ra] um cavallo castanho pequeo magro,Cir-
ila Caileja do Recife, n. 34. I regado de onrv.no que anda va vendendo, n
Vcndc-seum sitio na estragados Afilie-; jo preto desappareceu : quem opegrlt-
tos o qual lira contiguo ao lado direito do ye-o ao dito lugar a l.ourenco Juslinioo
\ 1
ro, nr 16, si
boa preta, bii
dir o motivo
defronte da
sitio de Manoel Paulo Quintera : no pateo
daS.-Cruz no sobrado da viya doPeretti,
segundo andar. ,',
Vende-se
cobre para forro de
navios:
no armazem de A. V. da Si'v Barroca.
Vende-se a legislado brasileira des-
de a poca de sua independencia, '1822 at
1834, em 6 lomos em folio, de boa enea
dernaclo e em bom uso por 25,000 rs. : ni
ra do Rozario, loja de encadernaclo.
Vendem-se duas casas terreas com q u i li-
laos, sitas na travessa do Peixoto, m uilo
perto da nova matriz de S.-Jos : faz-se to-
do o negocio: no paleo do Carmo, n. 18.
segundo andar.
-- Na ra eslreita do Rozario
gundo andar, veude-seuma boa
prendada : ao comprador se d
por que se vende..
A 4oo ris.
Vende-se superior esRuiilo de algodlo de
qualro palmosemeio de largura, proprio
pura camisas de senhora e jaquetas pelo
barato preco de 400 rs. a vara ; bretanhas
de rolo com 10 varas, a 1,6000 rs. ; supe-
riores cotes de fuslOes alcochoado a
l,28o rs.; ditos miudos, a 400 rs. o corte :
na ra do Crespo, n. 14, loja de Jos Fran-
cisco Das
Vende-se urna venda com poucos fun-
dos e que vende muilo para a Ierra na ra
da Liugota : a tratar com Vicente Ferreira
da Costa na ra da Madre-de-Deos.
Vende-se, diariamente, farinha de mi-
IWi. a 80 rs. a libra : na ra de S.-Rita-No-
va, n. 6.
I Farinha de S-llatliens a
* Vende se farinha muito superior, por A
preco commodo a bordo da sumaca V
Feliz-Aurora, tundeada em frente do
caes do Collegio : a tratar com o ca-
pillo a bordo ou com Macnado& I'i-
nheiro na ra do Vigario, n. 19, se-
X gundo andar.
A. tiles antes que se
acabem.
SSo chegados, pelo ultimo vapor que vejo
do norte, os superiores queijos de qualha :
na ra do Queimado, p. 25, loja de miude-
zas
Vende-so boa manteiga franceza a
6*0 rs. a libra ; dita ingleza a 400, 560 o
'20 rs.; letria, a 240 rs.; macarrlo a 160
A
:
Rodrieues, que gratificar.
Fugiram .em agolo de 183S, Calhs-
rina de naci Cacange, de 14 annos, bii
xa, cheia do corpo, com falla de um denli
na frente; hojelleve representar 31 anooi:
Jacob pardo de 18 annos, secco do cor
po, cabellos estirados; tem um pequeol*
Iho na ma(1a do rosto, e falla-lhe um den
te na btale o mais visivel signalhea. mir-
ca de um r.ioslico nns rusia fugiu em dt-
zembrffdo 1847: quem os pegar leve os i
ra Nova a Jos Luiz Pereira, que graliR
cara.
Fugio, no dia 19 do rorren4f, o pr
Roberto, de naci Costa leirsCrussse .'*
22 annos pouco mais ou menos, eslatan
regular, groaso do corpo, olhos grande
denles repicados e meios amarellados, pou>
co lalhado no rosto ; quando anda parra
querer glngar ; est vaccinado em ambos
bracos ; levou camisa de algodlozinh
branco, de mangas curtas e J usada Mi-
cas do linho azul, suspensorios de meii
com Ii.-tras, carapuca de marojo non:
q"em o pegar leve-o a ra da Cruz, defro*
k) do becco da Lingocla lorceiro andir *
casa da esquina quesera bem recompea-
sado.
Ao amarillecer do dia terc-t-
ra, 17 do correte, fugio,
en pelillo Caiap, na fregueu
de Iguarass, Mximo, pardu M-
. curo, vulgarmente cabra, *
30 annos, grosso do corpo, barbado, olhos
pequeos, papudos e en-branquigados, con
falla disientes pernig algn tanto tiiiM
levou bktaencarnada dtb'unhada de u"
so lado,>2 camisas de algodlozinbo, <**
peo de palha um cavallo castanho, capaiWi
com (omaduras de probos os )ado* a coa
ferro; foi comprade lecife ao Sr i)'
mundo Carlos '.eiltr. .omo procurador o
Si. Aiiionio Luiz Al ves Pequeo Jnior
quelheo remelleu da villa do Cralo ei
Carirys-Novos. Roga-se as autoridades p
liciaes, capitles decampo e pesaoas parti-
culares que o apprehendsm e levem-no >"
dito engenho a seu senhor, Luiz A",l0"'_
da Silva ,ou nesta praca aos Srs. Jos vt
reir da Cuuha e Bailar & Oliveira, as ru
Cadeia e Cruz, que gratilicaiflo
conductores.
Fugio, no dia 16 do corrente do en
1 lio Maranhlo freguezia de Ipojuca ,
escravo da Costa, de nome Cosme; le"
camisa e calcas de liscado azul; he um un-
to bucal, bstanle alio ccApo e pernis
finas ; tem as orelhas Turadas 1 o beico
ferior alguma cousa virado.
toridades policiaes capltl
Dfssoas particulares, que o,
ievem-no ao dito engenho
a casa de Jos Pereira da
compensar.
ni
di
DI
se
II1
di
ai
I"
se
O
c.
K'
re
o
N
I"
di
ic
to
su
tu
4(1
lir
ni
ra
un
111:
do
pa
de
M
Tli
lo
ni
ni1
sa
tuj
M
de
Vn
te
nn
pe:
re
pr
cu
de
po
do
amigos acharlo um completo sorlimenlo Ira. ; bolacha ingleza grande, a 160 rs. ; ia-,-
defazendasde gosto, e;por muito barato! saa, a.l00ra. jvinlio venlel160r. agai-'P.: i tip. de
y

on
so
a
en
ni
de
on
a
11
pn
de
Ira
pn
I
zei
Ir
dei
Cilj
C:
do;
ees
ga-se as 1
de campo
iprehendaB *\
tineaU V"?
jnba, que
dk mu
-18**1
Los