Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08958

Full Text
Anno XXV.
Segunda-ftira 0
' PARTIDAS SOS COUHEIOS.
Oolanna cParahiba, segundas esextas-felras.
Ric-Grandc-do-Norle, quintas-feiras ao melo-
da. ,
C'nbo.Scrlnhacm, Rio-Forraoso, Porlo-Calvo
c Macci, no 1., a 11 o 21 de cad me*.
Garanhuns e licito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, todos os das.
IPHEMEUIDIS.
rms D*i.n. Chela a 5, sllh. e 9m.dam.
Ming. a 13, a 4 h. c 48 ni. da ni.
Nova a 19, s (i h. c Mi ni. da t.
Creso.a2Ms10h.elGui.da t,
rntiMAn sx hoji.
Priinelra s 7 horas e 42 minutos da nianh.
Segunda s 8 horas e 6 minutos da tarde.
de Jullio de 1849.
N. 140.
PBE9OS DA SBSCRIPQAO.
Por tres metes (adi*tita*>)4/000
Por seis mezes 8/000
Poruuianno 1&/000
oas da siman a, cambios xm 7 de jeho.
2 dtl' vS' C,t"10' AUd" d J' dS rph!0,e dra' Sobre Londres. .24'/, d. por 1/000rs. aGO
3 T?r'.VS. J.nuaro. Aud. da chana, do J. da 1. v. P^^ ,*, de prem0.
do civ.e do (Tosfeltos da fazenda. nncaVbesDanholas........ 30/600 a
4 Quart. S. Sabino. Aud. do J. da 2. v. 1Jo clv 0ur-%"\^"^mvclhas.. 17/401) a
5 Quint. S. JoaoGualberto, Aud. doJ.dworph. M. SeSOO novas... lC/400-f
cdo 111. dal. v. dcuOO .......... 0/400 a
0 Sext. S. Anacieto.( Feriado.) _p,tac<5esbrasileiros.......2/000 a
7 Sabbado. S. Boavenlura. Aud. da Chae, e do J. a*-*"^u,;lo,.........^I000 a
da 2. vara do critne. *"*"^a*] .... j/800 a
8 Dom. O Anjo Custodio do Imperio.
das.
31/000
17/600
Ki/ooo
9/600
2/112(1
2/02(1
1/020
DIARIO DE PERIVAMPlC0.
PARTE QFF1CIJH.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Os valiosos servicos que Vmc. ha prestad*
causa da orden no lugar de director do arse-
nal de guerra merecendo multo apreco desta
presidencia, Julgo conveniente manifesta-l'o
anda por esta vez no momento de deixar a ad-
iiiinistraco da provincia de que S. M. o Impe-
rador fe<-ine a sabida graca de dlspensar-me.
Dos guarde a Vine. Palacio do governo de
Pe nambuco, 2 de julho de 1849.Manoel Titi-
ra Tolla.Sr. major J0S0 Pedro de Araujo e
Aguiar, director do arsenal de guerra.
0 Sr. commandante da fortaleza do lirum
pouba eiftliberdade a Joo Alfonso Ferrelra
c Joaquim Dias Borba, que se acbam detidos
na inclina fortaleza ordem da presidencia.
Palacio do governo de Pernambuco, 5 de ju-
lho de 18-19.Honorio Ilermlo Carniiro Lto.
liini. Sr.Nao obstante a procedencia de
alguns dos motivos que occaiionaram a prlsao
do Alleino Carlos Eduardo Mullct, de que V.
S. trata em seu omelo de 4 do crrente, cum-
pre que p mande pr em.liberdade; visto que,
sendo elle compositor e impressor, a sua di
tensSo pode embaracar a livre publicacao pela
imprensa de quaesquer escriptos.
Dos guarde a V. S. Palacio do governo de
Pernambuco, 6 de julho de 1M9.Honorio Uer-
tnto Carneiro lilla.Sr. chefe de polica.
Circular aa ehife di polica 1 a todos 01 dtlegadoi,
ubdtlegados 1 juixet mutiicipaei, dando provi-
dtiriaipara qu; lija plenamente garantida a ti-
leidnde di vol.
Tendo de proceder-se eleicao primarla no
dia 5 de agosto prximo futuro, e devendo ha-
ver plena e iiileira libardade, pira que possam
concorrer votacao todos os cidadAos alistados
como votantes das dlfferentes frcguesJla desta
provincia, resolv ordenar a Vmc. q)e, da da-
ta do recebimento desta ordem at s ullima-
rem al elelcdes, no prenda Vmc. a Qenhuin
Individuo sob o pretexto de ser Implicado no
critne de rebeilio, commettido na provincia,
salvo o caso de se adiar por elle pronunciado
e ser a pronuncia anterior data deste/ofllcio.
Dos guarde a Vmc. Palacio do gobern de
Pernambuco, 7 de Julho de 1849. -r- Honorio
llirmelo Carntiro L1S0.
EXPEDIENTE DO DIA 4 DE JULHO.
Odelo.--Vo presidente das Alagdas, acen-
sando recebado o seu omelo aconipanhadodec-
ia do aviso de 6 de Junho Ultimo, pelo qual o
mi. Sr. ministro da guerra mandou dar bai-
la do. servico do exercito a Antonio Francisco
Vala, soldado do 1." bataluao de cacadores.
Dito.Ao commandante das armas, nun mu-
llicando que S. M. o Imperador dignra-se de
approvar a medida que a presidencia adoptou
de mandar addir pagadoria militar desta pro-
vincia, tlin de coadjuvar o respectivo expe-
diente emquanto se no concluir o ajuste de
contas das frc.-.s que iiltimamente estlveram
aqui em operacoes, o 1." cadete Leopoldo Hor-
ges Galvo Ucha, o 2. sargento Francisco
Antonio Xavier da Costa, e o vago-mestre Jos
de Oliveira Barbosa; e declarando que ha pro-
videnciado para que se active o andamento de
taes contas al'un que os ditos individuos nao
Aqueni permanentemente em seinelhante ser-
vico.Olliciuii-se neste seutido ao inspector
da pagadoria militar.
Dito.Ao mesuio, transmlttindn a parle ac-
cusatoria do anspecada do 2. balalho de arli-
litarla a p Antonio Candido da Silva.Part*
cipou-se ao presidente das Alagdas. -
Dito.Ao inesiuo, iransmiltindo copia do
aviso da guerra, approvando o liaver-se so-
brestado no processo legal de que se mostra-
ra isenlo o alteres do 8.' balalho de cacado-
res Guilherine Marques de Souza, visto que
extedra a licenca com que se achava na ba-
ha, em consequencia de haver marchado com
S. Exc para esta provincia por occasiao dos
aconteciiuentospolticos que aqui occorreram;
e ordenando que se tranque qualquer nota que
portal motiva se tenha laucado nos'asseuta-
mentos do mesmo alteres.
Dito.Ao mesmo, remetiendo a guia do ca-
pello fre David da Naclividade de Nossa Se-
nbora, que, pertencendo ao 3. balalho de
catadores, fez passagem para o 2. da inesma
arma.Participou-se ao presidente das Ala-
gdas.
Dito__Ao inspector da Ihesouraria de fazen-
da, transinitlindo copia do aviso da guerra,
insudando lAuidar, nos termos da circular do
tribunal do thesouro pilblico nacional de 6 de
agosto de 1817, a divida de que pede paga-
mento no requerlinento. que se refere o cita-
do avisa, Manoel Antonio de Jess Jnior, les-
tamenteiro e inventariant dos bens do tenen-
te-coronel reformado Manoel Jos de Castro.
Dito.Ao chefe de polica, recoinuiendando
3ue empregue as diligencias necessarias, alim
e que sejaui punidos na forma da lei os per-
petradores dos atlcntados que tiveram lugar
nos termos de Olinda e Nasareth.
Dito.Aa inspector da pagadoria militar,
determinandodsuas ordens para que seja sa-
lisfeita por aquella repariic.o ao almoxarife do
arsenal de marlnba a quantla da seis mil ris
que se despendeu com agoa para o briguc
Austral que serve de deposito de presos.Sci-
entificou-sc o inspector do referido arsenal.
Dito.Ao mesmo, determinando hsja de pa-
gar ao boticario Luiz Pedro das Heve a quan-
tla de 15/880 rs. pelos medicamentos que,
requlsif o do Inspector do arsenal de inarinha,
forneceu elle em junho ultimo para os prisio-
neros (cridos e em tratamento na enfermarla
do dito arsenal ; bem como a Antonio Simpli-
cio de Barras, administrador da referida en-
fermara, a soinma de 30/833 rs. para iiidem-
piisacao da despesa que fes com os menciona-
dos prisionlros durante o me citado.Intei-
rou-se o Inspector do referido arsenal.
Dito.Ao administrador do crrelo, trans-
_iiiiada copia do aviso da secretarla do impe-
Ko, cuiiiinunicaiido haver S. M. o Imperador
tpprovado a aulori>aco que a presidencia
eniiferio a Sinc. para tirar das sobras das ou-
tras verbas de despezas daquella reparticao a
quantla necessaria para pagamento de estfe-
las no exerclcio prximo findo.>cienliflcou-
se o inspeclorda ihesouraria de fazenda.
Dito.Ao Inspector do arsenal de inarinha
e capltao do porto, couiiiiuulcando que S. U.
j Imperador, vista do que a presidencia lu-
fornira em 31 de malo prximo passado, bou-
ve por bem determinar que o secretarlo da
inspecc.lo daquelle arsenal continu a exercer
as iunccOes de secretario da capitana do porto
desta provincia. lntelllgenclou-se o contador
de inarinha.
Dito.Ao commandante do vapor Pvquile-do-
Sul, ordenando que receba a bordo do vapor
de aeu commando, onde dever conslderar-se
empregado, at que, ebegando a corte, se l.hc
d outro destino, o 2. tenente da armada Sa-
lustiano Caetano dos Santos.Omclou-se nes-
te sentido ao commandante da dlvlso naval.
Dito.A admlnlstraco do patrimonio dos
orphos declarando que, attentot os motivos
por Sities, ponderados, conyem em que aquel-
la administracao delxe de fazer no presente
anno a festa da padroelra do collegio dos or-
phos, devendo Sincs. applicar a quantla que
se poderla gastar com a referida fetta aot con-
cert? de que precisa o edificio em que est
collocado o mencionado collegio.
PortarlaOrdenando ao commandante do
vapor l'aqueit-do-Sul, que receba a aeu bordo
e transporte para a provincia das Alagai a
Joao Rodrigues da Silva.
F.DITAL.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
faier publico que dar audiencia todos os das
titela do melo-dia em diante, e que antes dlsso
so fallar aos cheles de repartlcOes que tenham
a tratar de negocios de urgencia.
Secretaria do governo de Pernambuco, 7 de
julho de 1849.O secretario da provincia, Ho-
norio Periira di Aztrtdo Coulinko.
LEI y. 251, DE 22 DE JUNHO DE 1849.
Orea a re ce i la e fixa M dtipesat das cmaras
munitipaes da provincia para o anno de
1849 a 1850.
Manoel Vicira 1 osla, presiden te da provincia
de Pernambuco. Fajo aaber a todos os seus ha-
bitantes, que a assembla legislativa provin-
cial decretou a lei seguiute: _,
CAPITULO I. y
Dcipetai mumcipaei.
Artigo 1. A despea das cmaras munielpaes
da provincia, para o anno financeiro munici-
pal que tem de correr desde o prlmelro de ou-
tubro de 1849 ao ultimo de setembro 'de 1850,
he fixada na quantla de 60:814,936.
Art. 2. A cmara municipal da cidade do Re-
cifo fica autorisada a despender, com os objec-
tos designados nos seguintes paragraphos, fi-
cando desde j em vigor o disposto relativa-
mente a ordenados, 39:037,146 rs., a saber:
1. Como secretarlo 1:000,000
2. Com o contador 700,000
3. Com o porteiro 600,000
4. Com os quatro ajudantes do
porteiro, lendo oque serve nos ju-
rados 550,000 rs., dous a500/rs. e
un a 400/ rs. 1:950,000
f>. Com o procurador os seis por
cento na forma da lei. 1:552,676
6. Com os fiscaes das freguezias
do Recife. San-Jos,e Santo-Antonio,
700/rs. cada um ; Moa-Vista, 500/
rs.; Afosados, 200/ rs.; Poco-da-Pa-
nella, 400/rs.; percebendo os de
San-Lourcnco e Jaboalao 20 por
cento do que arrecadarcm. 3:200,000
7. Com o engenheiro cordeador 900,000
8. Com o advogadh 400,000
9. Com o cirurgiao de partido 600,000
10. Com o aluguel do paco da
cmara 400,000
11. Com o expediente da secreta-
rla, inclusive iuipresses 400,000
12. Com a dcima dos predios
municipaes 800,000
13. Como tribunal dos jurados c
eleices, inclusive a quota de 200/
rs. com' o pregoeiro do mesmo tri-
bunal 2:000,000
14. Com as custas dos processos
criniioacs c contravenedes de pos-
turas 2:000,000
t.Y Com o fornccluienlo de luzes
para a cadeia 350,000
16. Com o concert dos predios
do patrimonio 500,000
17. Com os negocios forenses da
cmara 200,000
18. Com a limpeza das ra* 2:000,000
19. Com despesas eventuaes 2:000,000
EXTRAORDINARIA.
20. Com a terceira prestacao por
conta de 5:598,130 rs., em que se
acha debitada a inunicipaldade pa-
ra com a fazenda provea! 1:330,532
21. Com a terceira e ultima pres-
tacfio por conta de 4:000/ rs., devi-
dos ao Dr. Joao Ferreira da Silva 1:333,333
22. Com a primeira prestacao
nao paga a Jos Rodrigues Perelra
por conta de 1:580/rs. 70,000
23. Com o saldo de contas do que
a cmara devla a Joao Manoel de
Siquelra, proveniente do forneci-
mento de uses para a cadeia at o
lint de 1846 197,880
24. Com o que deve a cmara a
Jos Antonio Pereira Rodrigues, do
fornecimento de aselle para a ca-
deia at setembro de 1848 217,015
25. Com o que a cmara est a
dever a Antonio Teixeira dos Santos,
de quatro urnas e nove cofres
grandes, mandados fazer para as ul-
timas eleiedes de senadores 426,000
26. Com o caicamento dos paleas
de S.-Pedro e Carino, e um aqueduc-
to subterrneo para o esgotaniento
das agoas desses inesmos pateos e
ras adjacentes, comecando-se a
obra pela factura do aqueducto, as
sobras que Iiotivcrcm de oulros ver-
bas e mais a quantla de 8:477,135
27. Com o principio da fundacao
do cemiterio publico, continuando a
autorisacode conlrablr um empres-
limo para a conelucao da obra 4:000,000
58. Com a primeira prestacao a
Jos Joronymo Freir de Farias por
contaide 334,308 rs., resto de custas
dos processos organisados na sub-
delegada do l'oco-da-Panella 120,575
29. ('0111 a prltoieira prestacao a
Felicia Mara Benedicta por conta
de 1:133,000 rs. de que he credora
em virlude da sentenca pausada era
julgado. 583.000
Arl. 3. A cmara municipal dacidadodo
Olinda he autorisada a- despender com os
obiectos designados nos seguintes paragra-
phos a quantia de 3:396,000 rs., a saber:
1. Com os empregados, sen-
do o ordenado do secretario
600,000 rs., do porteiro 200R
rs., do ajudante do porteiro 120S
rs, do procurador os 6 por cen-
to na forma da lei, calculados
om 210,000 rs (Icando a esmara
autorisada a dar mais ao mes-
mo procurador a gratiiieacjSo an-
nual de 200,000 rs.; dos liscaos
das freguezias a porcontagem do
30 por cont, percebendo a quan-
tia de 100,000 rs. cada um dos
Oseaos das duas freguezias da ci-
dade 1:530,000
2. Cora o advogsdo 150,000
3. Cora o expediente e des-
peas miudas 40,000
4. Com o tribunal do jury e
eleicOes 220,000
5. Com o fornecimento de lu-
zes e agoa para a cadeia 50,000
6. Com as custas dos procos-
sos criminaes e contravencOes
do posturas 300,000
7. Com a decima dos predios
urbanos 56,000
8. Com o concert dos pre-
dios, caicamento das. ras e me-
lhoramentos das fontes publi-
cas 1:000,000
9. Com as despezas even-
tuaes 50,000
Art. 4. A cmara municipal da villa de
Iguarass ho autorisada a despender com
osobjectos designados nos seguintes para-
graphos a quantia de 813,960 rs a saber :
1. Com os empregados, sen-
do o ordenado do secretario 120/
rs., do porteiro 80,000 rs., do
ajudante do porteiro 50,000 rs.,
do procurador os 6 por cento
na forma da lei, calculados om
60,000 rs, e dos fiscaes das.fre*
guezias a porcentagem de 20
por cento, calculada em 20,000 330,000
2 Com o expediente e des-
pezas miudas 25,000
3. Com o tribunal do jury e
eleiqOes 6>
4. Com as custas dos proces-
sos criminaos e contravencOes
das posturas 100,000
5. Com a dcima dos predios
urbanos 18,960
6. Com o concert dos pre-
dios do patrimonio, calgamento
e limpeza das ras 200,000
7. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadoia 30,000
8. Com as despezas even-
tuaes 50,000
Art. 5. A cmara municipal da cidade de
Coianna he autorisada a despender com os
obiectos designados nos seguintes para-
graphos a quantia de 2:037,000 rs., a saber :
1. Com os empregados, sen-
do o ordenado do secretario
400,000 rs., do porteiro 120,000
rs., do porteiro do auditorio 50#
rs do procurador os 6 por cen-
to, calculados em 100,000 rs.. do
fiscal da cidade 120,000 rs., eos
mais porcentagem de 20 por
cento, calculada em 20,000 rs. 810,000
2. Com o advogado quopor .
contrato com a cmara se en-
carregou de promover a cobran-
za judicial das multas a ella
pertencentes, e defender em jui-
zo todas as suas causas, sup-
prindo a mesma cmara as cus-
tas jud cines 300,000
3. Com o expediente e des-
pezas miudas 20,000
4. Com a decima dos pre-
dios urbanos e foros dos terrenos
oceupados pela cmara 95,000
5. Com o tribunal do jury e
eleices 60,000
6. Com as custas dos proces-
sos criminaes e contravcnces de
posturas 80,000
7. Com o fornecimento de
luzes para a cadeia 50,000
8. Com o reparo dos predios,
caicamento e limpeza das ras,
ereedificacuo da ponte denomi-
nada Tanquinho 600,000
9. Com as despezas even-
tuaes, inclusive 12,000 rs. para
assignatura do Diario que deve-
r ser conservada no archivo 92,000
Art. 6. A cmara municipal da villa do
Cabo he autorisada a despender com osob-
jectos designados nos paragraphos seguin-
tes a quantia de 385,000 rs, a saber:
1. Com os empregados, sen-
do o ordenado do secretario
120,000 rs.,do porteiro25,000 rs., *
do procurador os seis por cento,
calculados om 25,000 rs., e dos
fiscaes das freguezias a porcen-
tagem de 20 por cento, calculada
em 20,000 rs. 190,000
2. Com o expediente e despe-
zas miudas 10,000
3. Com o tribunal do jury e
eleices 50,000
4. Com as custas dos proces-
aos criminaes e contravencOes
das posturas 60,000
5. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadeia /* 25,000
6. Com as despezas eventuaes 50,000
Art. 7. A cmara municipal da villa do
Po-do-Mho he autorisada a despender
com os objectos designados nos seguintes
paragraphos a quantia de 976,310 rs., a
saber:
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 200,000
rs., do porteiro 80,000 rs., do
ajudanto do porteiro 40,000 rs.,
do procurador os 6 por cento.cal-
culados em 60,000 rs., e dos fis-
caes das freguezias, a porcenta-
gem da 20 por cento, calculada
em 20,000 rs. 400,000
2. Com o encarregado das ba-
lances do a;ouguo 30.000
3. Com o expediente e des-
pezas miudas 20,000
4. Com os foros dos terrenos
oceupados pela cmara 6,310
5. Com o tribunal do jury e
eleicOes 80,00o
6. Com as custas dos proces-
sos criminaes e contravencOes de
posturas 100,000
7. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadeia 40,000
8. Com obras, roncerlos e lim-
peza das ras 200,000
i, Com as despezas eventuaes 100,000
Art. 8. A cmara municipal da villa de
Nazareth he autorisada a despender com os
objectos designados nos seguintes paragra-
phos a quantia de 1:074,00O rs., a saber :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 250,000
rs., do porteiro 60,000 rs., do
continuo ajudante do porteiro
50,000 rs., do procurador os seis
por cont calculados em 60,000
rs., e dos fiscaes das freguezias a
porcentagem de 20 por cento,
calculada em 20,000 rs. 440,000
2. Com o expediente o des-
pezas miudas 20,000
3. Com o aluguel da casa do
suas sesses 84,000
4. Com o tribunal do jury e
eleices 80,000
5. Com as custas dos proces-
sos criminaes o contravencOes do
posturas 100,000
6. Com as obras, concertos e
limpezasderuas 200,000
7. Com despezas eventuaes,
inclusive 100,000 rs. para um ad-
vogado para promover a cobran-
cadas dividas anteriores 150,000
Art. 9. Acamara municipal da
villa do Limoeiro he autorisada a
despendercom os objectos desig-
nados nossoguintes paragraphos
a quantia de 1:128,480 rs., a sa-
ber :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 250,000
rs., do porteiro 50,000 rs., do
ajudanto do porteiro 40,000 rs.,
do procurador a gratilicaefio de
30,000, alm dos seis por cento
calculados em 70,000 rs edos
fiscaes das freguezias a porcenta-
gem de 20 por cont, calculada
em 20,000 rs. 460,000
2. Com 0 advogado da cmara 80,000
3. Com o expediento e despe-
zas miudas 20,000
4. Com a decima dos predios
urbanos 6,480
5. Com o tribunal do jury e
eleices 50,000
6. Com as custas dos proces-
sos criminaes e constravences
do posturas 100,000
7. Com obras, reparos e lim-
peza das ras 300,000
8. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadeia 50,000
9. Com as despezas eventuaes,
inclusive 12,000 rs. para assig-
natura do Diario
190,000
10,000
so.qoo
50,000
50,000
os objectos designados nos seguintes para-
graphos a quantia de 330,000 ris, a saber :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado do secretario 120,000
rs., do porteiro 25,000 rs., do
procurador os seis por cento.cal-
culados em 25,000 rs., e dos lis-
caes das freguezias a porcenta-
gem de 20 por cento, calculada
em 20,000 rs.
2. Com o expodiente o despe-
zas miudas
3. Com o tribunal do jury e
eleices
4. Com as custas dos proces-
sos criminaes e contraveneno de
posturas
5. Com despezas eventuaes
Arl. 13a A cmara municipal da villa do
Rio-Formoso he autorisada a despender con
os objectos designados no seguintes para-
graphos a quantia de l:Jl6/rs., a saber:
I. Com os empregados, senda o
ordenado do secretarlo H0/ rs., do
porteiro 50/ rs., do procurador os
seis por cento, calculados em 00/
rs., ficandoapprovada a gratiflcacao
de 50/ rs. marcada pela cmara, e
dos fiscaes das fregueslas a porcen-
tagem de 30 por cento, calculada
em 30/ rs., tendo o fiscal da villa a
gratificacao de 50/ rs. 3S'0JK
J. Com o advogado da cmara 100,000
3. Com o expediente e despcias
miudas 30,000
4. Com tribunal do jury c
clcicOes 60,000
5 Com as custas dos processos
criminaes e contravencOes de pos-
turas 200,000
6. Com obras, reparos e limpeza
das ras 200,000
7. Com o aluguel da casa da c-
mara 144,000
8. Com o forneeimento de luzes
para a casa de prlsao.* 50,000
9. Com despezas eventuaes, In-
clusive 12 rs. para a assignatura
do Diario f'.OOO
Art. l3. A cmara municipal da villa do llo-
nito lie autorisada a despender com osobjec-
tos designados nos seguintes paragraphos a
quantia de 953/rs., a saber:
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 300/rs., do
porteiro 50/ rs., do procurador os
por cento, calculados em 40/ rs., e
mais a gratilicay;io de 50/rsc do fis-
cal da villa a prcentagein de 70 por
cento, calculada em20/ rs., c mais
o gra lili cacao de 50/ rs.
2. Como expediente e despezas
miudas
3. Com o tribunal do jury e elci-
390,000
30,000
80,000
100,000
100,000
50,000
62,000
Art. 10. A cmara municipal da cidado
da Victoria he autorisada a dospender com
os objectos designados nos seguintes para-
graphos a quantia de 4:406,000 rs., a saber :
1. Com os empregados, sendo
o ordenado dosecretario350/rs.,
do porteiro 80,000 rs., do ajudan-
te do porteiro 70,000 rs., do ad-
vogado 200,000 rs., doprocura-
doros 6 por cento, calculados era
120,000 rs., e dos fiscaes das fre-
guezias a porcentagem de 20 por
cento, calculada em 20,000 rs.
2. Com o guarda dos pesos e
bataneas do acougue
3. Com o expediente e despe-
zas miudas .....
4. Com o tribunal do jury o
tleicfles
5. Com as cusas dos proces-
sos criminaes e contravencOes de
posturas
6. Com o fornecimento de lu-
zes para a cadeia
7. Com as aferices dos pesos
do acougue e medidas da tetra
8. Com o aluguel da casa para
balanca do assucar
9. Com o foro do terreno do
curra), acougue e casa que serve
de quartel
10. Com as obras, reparos,
calamentos e limpeza das ras,
inclusive a quantia de 2:000,000
rs. desde ji para a construccSo
de urna casa de mercado ao la-
do da fcira actual
11. Com assignatura do Diario
12 Com despezaseventues.in-
clusWe 22,000 rs. para cadeiras
para a sala do jury
Art. II. Acamara municipal da villa de
ScrinliSem he autorisada a despender com
240,000
30,000
30,000
100,000
200,000
50,000
76,000
48,000
16,000
2:600,000
16,000
300,000
eSes
4. Com as custas dos processos
criminaes e coutravenedes de pos-
turas
5. Com reparos e limpeza das
is
6. Com o fornecimento de luzca
para a cadeia
7. ('mu o aluguel da casa da c-
mara e jurados. 96,000
8. Com a assignatura do Diario iti.iiiin
0. Com o advogado da cmara 50,000
10. Com despezas eventuaes 50,000
Art. l4. A cmara municipal da villa do
Drejo he autorisada a despender com os ob-
jectos designadas nos seguintes paragraphos
a quantla de 573/880 ris, a saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario l50/rs.,do
porteiro 50/. rs do procurador os
seis por cento',calculados em 35/ rs.,
e dos fiscaes das freguezias a por-
centagem de 30 por cento, calculada
era 20/ rs 245,000
2. Com o expediente e desposas
miudas 10,000
3. Com os foros dos terrenos oc-
eupados pela cmara 3,880
4. Com o tribunal do jury e elei-
cOes 40,000
5. Com as custas dos processos
criminaes e cenlravencoes das pos-
turas 100,000
6. Com o fornecimento de luzes
para a cadeia 12,000
7. Com as despezas eventuaes, in-
clusive n/rs. para a assignatura do
Diario, e a divida dos predios do pa-
trimonio, que se deve 102,000
Art. i.'i. A cmara municipal da villa de
Cimbres he autorisada a despender com osob-
jectos designados nos seguintes paragraphos a
quantia de 4l0/rs., a saber :
1. Cornos empregados, sendo o
ordenado do secretario 150/ rs., do
porteiro 25/ rs., do procurador os
seis por cento, calculadosem 30/ rs.,
e dos fiscaes das freguezias a por-
centagem de 30 por ecuto, calculada
em20/rs.
3. Com o expediente e dcspeas
miudas
3. Com o tribunsl do jury e elei
(Oes
4. Com as custas dos processos
criminaes e contravencOes de pos-
turas
5. Com despesas eventuaes e re-
paros
Art. 16. A cmara municipal da villa de Ga-
ranhuns he autorisada a despender com os
objectos designados nos seguintes paragra-
phos a quantia de 742/rs., a saber:
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 2oo/ rs., do
porteiro 40/ rs., do procurador os
seis por cento, calculados eni30/rs.,
c dos fiscaes das freguezias a por-
centagem de 20 por cento, calculada
em20/rs 290,000
2. Com o expediente e despezas
miudas 10,000
3. Com o tribunal do jury e elei-
cOes 60,000
4. Com as custas dos processos
criminaes e contravencOes de pos-
turas 80,000
5. Com o fornecimento de agoa
e luzes para a cadeia 40,000
6. Com despezas eventuaes, in-
clusive 12,000 rs. para a assignatura
do Diario 02,000
225,000
15,000
30,000
60,000
80.000
II ITII

--.-., u<*
. ._-........
I n.r,.;-,i
* ,
.CO.


EXTRAORDINARIA.
Art. 7. C.oin a construccao de um
acude 200.000
Art. 17. A cmara municipal da villa de Flo-
res he autorlsada a despender coni os objecloi
designados nos seguinles paragraphos a imn-
lia di-1:100,160 rs., a saber :
1. Com os empregados, sendo o
ordenado' do secretario 300,000 rs. ,
do porteiro 40,000 rs do procura-
dor os seis por cento, calculados era
50,000 rs., c dos liicars das fregu-
ras a porecntagein de vlnte por cen-
to, calculada ein 20,000 rs. 410,000
a. Coin o expediente c despezas
niludas 10,000
3. '.'um a decima dos predios ur-
batios 8,100
. Com o tribunal do jury e elei-
cocs 60,000
5, Com as cusas de prncessos
criminaes e contravenedes de pos-
turas. 100,000
0. Cun o fornrcimcuto de luies
para cadeia 40,000
7. Com obras, concertos e llmpe-
za de ras 500,000
8. Com despezas eventuaes, in-
clusive 12,000 rs. para asslgnatura
do Diario 2,000
Art. 18. A cmara municipal da villa de Ta-
caratu' he autorlsada a despender com os ob-
jectos designados nos seguinles paragraphos
a quantia de 533.000 rs., a saber:
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretarlo 180,000 rs.,
do porteiro 3/ rs., do procurador
os seis por cerno, calculados ein 40/
rs.,e do fiscal da freguezla aporceu-
tagem de20 por cento,calculada ein
20/ rs. 271,000
2. Com o expediente e despezas
niludas 10,000
3. Como tribunal do jury eelei-
ede 40,000
4. Com as custas dos processos
criminaes e contravenedes de pos-
urns 80.000
5. Com urna casa para o acougue 100,000
(i. Com despezas eventuaes 30,000
Art. 19. A cmara municipal da villa da Hoa-
Vlsta he autorlsada a despender com os objec-
tos designados nos segulntes paragraphos a
quantia de 804f rs., a saber:
I. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 300/ rs., do
porteiro40/ rs., do ajudante do por-
teiro ?0/ rs., do procurador os seis
por cenlo, calculados em 4>/rs.e dos
liscaes Jas freguezias a porceiitagem
de vinte por cenlo, calculada ein 50/
rls.
. Com o expediente e despezas
niludas
3. Com o aluguel da casa que ser-
ve de archivo
A. Com o tribunal do jury e elcl-
cGrs
5. Com o fornecimento de luzes
para a cadeia
. Com as custas dos processos
criminaes e contravenedes de pos-
turas
7. Com as obras e limpeza das
mas
8. Com o adrogado
9. Com despezas eventuaes
Art. 20. A cmara municipal da villa de Ou-
ricm y he autorlsada a despender com os ob-
jectos dcslguados nos seguinles paragraphos
a quantia de 324#0O0 rs., a saber:
1. Com os empregados, sendo o
ordenado do secretario 100/rs., do
porteiro 25/ rs., do procurador os
seis por cento, calculados ein 25/ rs.,
dos liscaes das fregueiias a por-
ecntagein de 20 por cento, calculada
em20#ri
s. Com o expediente e despezas
mitran
3. Com o aluguel da casa'para as
sessdes da cmara
4. Cerno tribunal do jury e elei-
cocs
5. Com o fornecimento de luzes
para a cadeia
. Com as custas dos processos
criminaes e contravenedes das pos-
turas
7. Com despezas eventuaes, In-
clusive U.OOv rs. para asslgnatura do
Diano 32000
Art. 2i. A amara municipal da villa de
Apia-l'reta he autorlsada a despender com os
uujectus designados nos segulntes paragra-
phos a quantia da 387/ rs., a saber :
1. Cum os empregados, sendo o
ordenado do secretarlo 100,000 rs.,
do porteiro 50/rs., do procurador ot
seis por cenlo, calculados em 25/ rs.,
e dos tiscaes a porcen tagem de 20 por
cento, calculada em 20/ rs
. Com o expediente e despezas
iniudas
48?,000
10.000
12,000
50,000
20,000
80,000
00,000
150.000
50,000
170.000
ir.000
13,000
30,000
20,000
50,000
(97 de 30 de abril de 1847, e as dos arts. 23 e
25 da lei n. 234 de ll de setembro de I84S.
Art. 24. l'ica autorisada a cmara municipal
da cldade do Recite para contratar com par-
ticulares ou companhias a construccao de um
mercado publico em cada uina das freguezias
da mesma cldade, submctlendo as tondiedes
do contrato approvacSo da asscinblia legis-
lativa provincial.
Art. 25. Flca concedido a Antonio Lourcnco
de Albuquerquc CoelUo, arrematante dos sc-
pps e repeso dos acougues do municipio da
Victoria, oabate de 200,000 rs. no preco da ar-
rematado do mesmo contrato.
Art. 26. Ficain revogadas todas as leis e dls-
poslcoes cm contrario.
Mando, portento, a todas as autoridades
a quem o conhecimento e cxecuQilo da re-
ferida lei pertcncer, quo a cumpram o fa-
cSo cutnpnr tilo inteiramente como no la'
se con t m. O secretario desta provincia a
faca imprimir publicar e correr. Cidade do
Rccife de Pcrnambuco, aos 22 de junho de
do 1849, vigesmo-oitavo da independencia
edo imperio.
L. S. Manoel Titira Tostm.
Carla de lei pela qual V. Ere. manda exe-
eutar o decreto da assembla legislativa pro-
vincial, que fixa a despeza das cantaral muni-
cipaet da provincia e marca a receita para a
atino municipal que ha de correr do primeiro
deoutubro de 1849 a 30 de setembro de 1850,
na forma cima declarada.
Para V. Exc. vr.
Manoel Jos larlins Itibeiro a fez.
Sellada e publicada nesla secretaria da
provincia do Pernambuco, aos 22 dejunho
de 1849.
Honorio Pereira de Aseredo Coulinho.
Registrada a II. 121 do livro segundo das
leis provinciaes. Secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 28 de junho de 1849.
Jodo Policarpo dos Sanios Campos.
Commando das armas.
C>uar(/-grnfrol alo eommnndo das armas em
Pernambuco, 8 dejulho de 1849
ORDEM DO DA.
S. Exc. o Sr. marechal de campo graduado,
ommandanle das armas, manda publicar,
para conhecimcnlo da guarnlcao, que por of-
(lciodo r'.xm. Sr. presidente da provincia, de
7 de julbo crreme, Ihc foi couiniunicado ha-
ver o inesmo Enn. Sr. altendendo ao que Ihe
ponderouoSr. inajor do 4. batalhao de ai ti-]
lharia a p Innoceucio Eustaquio Ferreira de
Araujo. ora encarregado das obras militares
desta provincia, dispensado de semelhante
comiiilssao ao inesmo Sr. inajor, afim de acom-
panhar o referido batalhao para a provincia da
Hahla ; e ordena o inesmo Ksm. Sr. marechal
que o sobredilo Sr. inajor esteja prompto a se-
guir com a primeira frca do batalhao
partir para aquella provincia.
que
Josi Pedro lleitor,
Ajudante de ordens interino.
MI HE PgffiMIBllEO.
arel", 8 dejulho DK 1849.
dencla que 0 representante fosse adraittido ao
exercicio do lugar de que tlnha sido esbulha-
ilo ;resolucao que inmediatamente foi exe-
cutada-cm sessio de 26 de malo deste anno.
Chcgadas as coasas a este p, pareca que na-
da inais havla a fazet, c que a questao eslava
terminada: mas asslm nao acontecen ; pols
jue, no citado dia l8de junho,aehano-se a casa
na im'la dos quaes trazia grossos cacles, o pre-
sidente da dita cmara, coronel Isidoro Jansen
Pereira, declarou que nao conslderava Azeve-
do Amorlin como vereador legitimo ; e, apoia-
do pelas vozerias dos Gacetistas, alguns dos
quaes arrojaram-se a escalara grade que separa
as galeras da mesadas sessdes.com o'intultode
acommetterem os vereadores que nao eram de
su.-i parcialidade ; e, apoiado pelas vozerias
dos cac listas, diicmos, cncaminhou por tal
frma a discussao, que por muitas horas rel-
n.irain a confusa o e a desordem, levando o es-
cndalo ao ponto de andar aos einpuides_conr
o secretario, afim de arrancar-lhe das nulos o
livro da* actas, que aquelle fuoccionario sou-
be conservar, mo grado os esforos do seu
contendor.
Entilo, ja o presidente da cmara havla de-
cidido, por voto de qualldade, que Ainorira
fosse excluido da nicsma cmara ;- entilo a po-
lica, coadjuvada pela frca publica, j empe-
nhava-se por conter os turbulentos e restable-
cer a ordem as galeras ; mas talvez livesse
de vr burladas as suas diligencias, se nao ap-
parecesse um subdelegado. Intimando da par-
le do presidente da provincia ao da cmara
que suspendesse os trabalhos ;intimacaoque
foi alteudida, e iminedlatamente seguida da
apresentaeo da portara infra:
O presidente da provincia, sendo neste
momento informado dos disturbios e exces-
sos que se tcem commettido na casa da c-
mara municipal desta capital, ordena que
se suspenda immedalamonte a sessio da
mesma cmara ; at que, averiguados os
Tactos, se proceda na forma da lei contra os
culpados. O quecommuuica aos senbores
presidente e mais vereadores da dita cma-
ra,para que o cumpram sb sua responsabi-
lidade. Palacio do governo do Maranhio,
em 18 do junho de 1849. Herculano Ferrei-
ra Penna.a
Suspensa a sessio, ligueiros e governistas
representaran! a respeilo ao administrador
da provincia : os primeiros attribuiram to-
do o successo aos segundos; e estes aquel-
las, pedindo ao mesmo tempo se declaras-
I seseo coronel Isidoro Jansen Pereira,tendo-
se mudado para a freguezia do Coroat, co-
marca de Caxias, e devendo ser considera-
do como pertencente primeira linha do
exercito, na qualidade de coronel honora-
rio, tinha, ou nilo, perdido o lugar de ve-
reador da cmara da capital, j pela muden-
ca de domicilio, o JA pela incompalibilidade
do cargo com a patente.
Depois de haver considerado as duas re-
prescnlaces, a presidencia deferio-as com
a seguinte portara :
O presidente da provincia, quom f-l
ram presentes dous oflicios, um com data
cOquecommunica aos Srs. presidente
e mais vereadorosda mesma cmara ; para
que, scientes destas decisOes, prosiga m em
seus trabalhos que so interromperam no re-
fundo dia 18; rccmmendando-lhes outro-
sim a fiel cxccuco do aviso do ministerio
do Imperio de 27 de fevoreiro de 1817,
vista do qual nSo deviam ser publicados,
como o fram em alguns jornaes desta ca-
pital, dous dos supracitados oflicios, an-
tes de estar resolvida pelo governo a ques-
illo sobre que versavara.
a Palacio do governo do Maranhio, 23 de
junho de 1849. Herculano Ftrrreira Pin-
na.
Eis como terminou a controversia da c-
mara municipal da cidade de San-Luiz;
controversia tanto mais escandalosa, quan-
toquizeram que ella fosse resolvida sb a
poderosa influencia do cacis.
Para neutreliser. seai duvida, o elTeito de
alguns boatos insidiosos, o Sr- Herculano
Ferreira Penna fez inserir no Estandarte a
seguinte carta :
Sr. redactor.-Rogo-Ihe o obsequio de
repetir na sua folha urna deelaraefio que
constantemente tenlio feito a todas as pes-
soas que desejam ouvir-me sobre a eleiQilo
de deputados assembla geral legislativa,
que so ha de proceder brevemente nesta
provincia; isto he, quenunca pretend,
nem pretendo entrar no numero dos candi-
datos.
Aprecio summamente a honra de ser
representante da nacSo; mas, altendendo
ao actual estado poltico do Maranhio, e
preferindo a ludo o del cumprimento do
meu dever, procedo de aecrdo com as
rjiinhas mais profundas convieces absten-
do-me de figurar como parte interessada
nessa questflo, para cujo xito pode d al-.
guia maneira contribuir o bom ou mo
uso que eu haja de fazer da autoridade que
me est confiada.
Os desejos e recommendaces do go-
verno icarno satisfeitos, se os Maranhen-
ses escolherem mu livre, pacifica e regu-
larmente aquellos cidadSos que julgarem
mais dignos; e se algnem me attribue ou-
tras vistas est Iludido, ou quer de propo-
sito fazer-me urna grave injustica.
Maranhio, 23 do junho Je 1849. Her-
culano Ferriira Penna.*
A fraccao a0 partido ligueiro, testa da qual
seacuao coronel Isidoro, encetraa publica-
cao de um peridico que, sb o titulo de Kpoca,
val encarrrgar-se da exposlco e defesa das
tirito aenuinai de tal partido.
Qvaal ao iiirsmii lempo que a referida gaze-
ta, sahjroldns prelos de J. A. C. de Magajhiies
uina oJtra folha que, denominando-se Porlo-
,'r'"m como que se destina a pregar a conci-
liaraAdos homens sensatos de todas as parcia-
MJadc\|aa ora se debatem no Maranhio, ao
passo que p>pmelte dedicar algumas de suas
paginas a objriHoavjcientilicns.
Aquella provincia connuava a ser victima
das espcculacdes dos traficantes de notas (at-
iendo arsenal.e as dos edificios dondeh,
ca poda ser vista.estavamapinhoadas do L
nhoras, e o mencionado areial como que
coberto de pessoas detodasasclasses
anltltlA filia lima miapiln .1 I__ "0
entanto que urna guarda de honra do co
po de imperiaes marinheiros, com a mu i
ca da fragaU Paraguassu1 i frente da .
seguranca de que, se appawcesse aleum
desses disturbios tilo communs as reuj
niOes populares, seria immcdialamcnJ
conlido squflle quo o promovesse.
Pouco depois, deram os carpinteiro,
principio aos trabalhos que Ihes incumbo
a arte; e is 5 horas e 30 minlos o cstron
do-de urna outra gyrandola chamou a n
tencilo dos assistenles, que immediataraen
te viram a nova barca destilar pela carrei-
ra, e intrpida afTrontar os mares, ao som
da msica da Euterpe, a qual desde o prn.
cipio se achava a scu bordo, e de muitoi
rojOes.
Era para admirar os vivos signaesdepn.
zer que se deseobriam nos semblantes u
todos quantos haviam observado a-rspije,
e facilidade com que- a barca foi ur i
sgoas.
A' nolte, o Sr. Rodrigo Thaodoro de Fre.
tas leve o prazer de obsequiar a mais de 5to
convivas, entre os quaes achavam-se n]
menos de 140 senhoras; sendo que o tirio
lerminou s3 horas da madrugada.

'i
ALFANOEGA.
Ilendlmento do dia 7. ...... 4:887,051
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 7...... ta 1:454,0ta
Diversas provincias........
1:454,515
3. Com o tribunal do jury e clei-
ces *
4. Com as costas dos processos
criminaes e contravenedes de nos-
turas '
5. Com o fornecimenlo de luzes
para a cadeia
6. Com o aluguel da casa para as
uas sessdrs
.i 7." *"?!? desPzas eventuaes, in-
Via'rio" "' Par* a,"na,ura do
195,000
10,000
30,000
50,000
30,000
50.0C0
32,000
CAPITULO II.
Renda municipal.
Art. 2t. As cmaras municipaesda provin-
cia ficaiii autorisadas a arrecadar dentro de
fw.'i"? C,|"<"; duri"U! anno finaneciro
desta le, as rendas seguinles :
1. Alugiicis de predios uiuniclpaes.
2. Foros e laudemios dos terrenos munici-
3. Aferlfdes de pesos e medidas.
4. Liceoeas e cordeaedes, conforme a ta-
5e"5 ";? or*anlada pela cmara munleipal
do Reclfe em i843. '
5. Repeso dos acougues.
6. Taxa de 2/ rs., paga annualinente pelas
licencas i/ue obllvcrein os mscales e boectei-
ras que venderem no municipio.
7. Taxa de / rs. sobre as engenhocas.
8. Taxas em vigor sobre as passagens dos
ros.
9. Taxas sobre as estradas e pontos munici-
paes.
10. Taxa de 80 rs. por cada carga de fsri-
nha e de legumes que fr aos mercados p-
blicos, para ah ser vendida ; fieando as cma-
ras obrigadas a fornecer nos mesmos merca-
dos aos vendedores ou douos de tara seeros
as medidas aferidas.
li. Multa*segundo o cdigo criminal edo
processo, e mais leis em vigor.
12. Mullas por contravenedes de posturas.
i.i Multas por eleiedes
'* Molla das mesmas cmaras conforme o
u'ioW d* '*' ",u,,lc,I,a, ,35de de ma'o
15. Quaesquer outras rendas, imposices,
ou taxas, que estiverem na poste de cobrar, e
que nao iciiham sido abolidas.
S' Piv|d do ho anteriores.
1/. baldo do anno anterior.
CAPITULO III.
Disposico'u genis.
Art. 23. Flcam cu, vig
O vapor Paraense, chegado hoje dos por-
tes do norte, trouxe-nos jornaes do Para
ate 22 do passado, do Maranhio al 27 e do
Cear at 30 ; bem como varios exemplares
do Correio 0/ficial Parahibano, o ultimo dos
quaes vem datado de 7 do corrente.
Para firra no gozo da mais perfeita tran-
quillidade
Maranhio tambem se achava em socego ;
mas, perdidas as esperanzas deconciliarem-
s os ligueiros com os governistas, os peri-
dicos daquellelado linham voltado lingoa-
gem forlo e desabrida que tanta vez Ihe (la-
vemos notado, e da qual se abstiveram por
alguns dias, emquanto se curava dos ineios
de conseguir tal conciliaco.
Ao passo que a liga, malcomprehenden-
do a sua sitiiacilo, persista no erro de des-
viar a imprensa do seu verdadeiro trilho,
appellando para osdoestos como para ar-
mas poderosas, os membros do partido ad-
verso como quo se preparavam para acom-
panha-la em 100 porgoso eiinproBcuo al-
vitre ; pois que observamos que as suas ga-
zelas, comquanto anda tenham estylo um
pouco moderado, todava denunciam que
elle hequasi que devido a um sacrificio de
momento, e que parece nSo ser dura-
douro.
Entrefanto, permita HEOS quo estejamos
engaados,- eque essa gente, dando urna
prova flagrante de que est disposta a con-
correr com o gabinete actual para a grande
obra da regenerado do paz, trate decom-
baler os contrarios com o raciocinio, com a
argumentoslo decente, e, mais que tudo
com factos que denolem muita morafidade'
muila abncgacilo de si mesma e dos res-
pectivos intcrcsses privados, muito amor
o muita dedicacih), emlim, sinstituicOes
juradas, da manutenco das quaes depen-
de, quanto a nos, a felicdade da naci
que nos vangloriamos do pertcncer.
Este procedimenlo he tanto mais ne-
cessano aquelles dos Maranhonses que fa-
zem ostentacilo do ministerialistas, quan-
to he corlo que a intolerancia e o phre-
nesi bao chegado entre elles a lal pon-
to, que os partidos tentam influir directa-
mente e por fados as decisOes das au-
toridades legtimamente constituidas, co-
mo a 18 de junho ultimo aconleceu na c-
mara municipal da cidade de San-Luiz, quo.
segundo se sabe, funeciona n capital d
provincia, e por conseguinte sob as vistas
o-o primeiro magistrado della.
Vamos referir este acontecimento, com-
r.m ke,lU" V i* ""''"quedelle fize-
\l n^b.S 8 lad08' r"" de v^e desfar-
verdade8pproiimamoB mais possivcl da
Chamado
ra preso um
tal Jos Crrela de Araujo Salles, ein cujo ba-
il a policia apprehendera cento e Untos mil
re, em seduiaa falsas de 20/000, das impres-
sas ein papel amarello.
Havia dalas de Caxias al 3 de junho.
O Observador, leiertado-se a ellas, exprme-
se assim:
a Parece que se acha consolidada a tran-
quillidade publica na comarca de Pastos-
Bons. N.lo obstante, cumpre que lamen-
temos mais um brbaro assassinato na pes-
soa do infeliz major Joaquim EloydoQuei-
roz, residente no municipio da Passagem-
por seus interessos villa do
Codo, onde possue urna hienda, o vereador
da sobred.ta cmara JosIl.ymundodeA e-
vedo Amorim, se passra para all, coro o
firmo e deliberado proposito de volar m-
pital, onde tinha sua residencial habitual
logo que houvesse concluido os negocios
queotinham levado mencionada villa
Unto que, havendo sido incluido na lista
dos jurados desta ultima parsgem, recla-
mara contra semelhante incluso.- isto,
porm, nflo obstanto os ligueiros, que hziam
parle daquella municipalidade, decidirn)
que elle tinha mudado de domicilio, e em
consequencia consideraram-no como ausen-
te, danuo logo assento ao supplente respec-
tivo.
Mudada a poltica, A
presentar
de 18 do corrente mez, assignado pelo pra- |sas aluda no dia 10 do passado ft
sidenie, tres vereadores e ura supplente da
cmara municipal desta cidade, e nutro
com data de 19, tambem assignado por 5
vereadores, tomando em consideracilo a ex-
posic.lo que em cada um delles se faz das
queslOes que sesuscitaram na sessio da-
quelle dia 18 sobre a composiciio da mes-
ma cmara, do modo como fram resolvi-
das, edos disturbios em consequencia dos
quaes selevantpu a dita sesso. sem que
ficassem declaradas na acia as delibera-
<0es da legitima maioria, lem resolvido o
seguinte :
1." Que sejam remetlidos os menciona-
dos oflicios ao chefe de policia, para que se
proceda na forma da le contra as pessoas
que, comnieltendn algum ou alguns dos
criincs especificados nosarlgos 103,104 e
105 do cdigo penal, que s refero o ar-
tigo 106, perturbaram os trabalhos da c-
mara, e embaracaram o exercicio de suas
funccOes a ponto de tornar-so indispensa-
vel a providencia de levantar-so a sessHo
por ordem da presidencia ; o que ao mes-
mo chefe do polica se recommende a ob-
servancia do art. 157 do cdigo do processo
a respeilo dequalquer crime deresponsa-
bililade que conste ter sido commettido
por algum dos membros ou ompregados da
cmara.
2. Que fique suspensa e semefTeilo a
deliberacilo pela qual foi excluido o verea-
dor Jos Itaymundo de Azevedo Amorim,
que se achava em effectivo exercicio em
vrtude do ofllco' de presidencia de 26 de
maio ptoximo passado, al que sejam defi-
nitivamente resolvidas polo governo impe-
rial es duvidas que occorrem, nfio s a res-
peiio da legalidade com que foi decidida
essa quest.lo pelo voto de qualidade do pio-
rno presidente que a propozera, rejeitan-
do-so o muito rasoavolalvitre dosubmett-
la novamenle ao conhecimento do governo
como indicou um dos vereadores; mas
tambem a respeilo da mudanca de domicilio
daquella Amorim, que servio de fundamen-
to tal delibcracHo, vislo que os documen-
tos com quo se pretende provar este fado,
sendo em grande parle destruidos por ou-
tros que tambem fram presentes ao presi-
dente da provincia, naojiarecem sufllcientes
para privar-se do cargo de vereador o cida-
dlo que n3o requeieu a sua escusa, que
nilo fui substituido pela maneira prescripta
no artigo 20 da lei do I. de outubro de
1828, o que se aprsenla prompto para ex-
erc-lo.
.'). Quedeve a cmara continuar a re-
conhecer como seu presidente o coronel
Isidoro Jansen Pereira, nao obstante as
allegacOes que em contrario aprsenlam os
cinco vereadores que assignaram o ofllcio
de 19 do corrente ; pois que as certides em
que se declara que ello nSo esi arrolado
como freguez da parochia da S,--que mui-
to antes do anno do I840dcixou de"ser ah
inscripto no rol dos conessados, que tam-
bem nao perteoc da Conceicfio,~o que
em 1847desobrigou-se na fazenda da San-
ta-Cruz da freguezia do Coxoal, nOo p-
dom provar que elle tenliu mudado o seu
domicilio desta mesma capital, onde reside
"omo he publico e notorio, e ondo lem
constantemente exercido aquelle cargo de
presidente da cmara, alm de ser aqu no-
meado e reconhecido eleitor no anno de
[818, sendo igualmente certo que a falta de
ncluslo de seu nome na ultima lista de
jurados explica-so pela disposieflo do art.
83 do cdigo do processo, em virtude da
qual eslava exceptuado por ser deputado
assembla legislativa, e que a qualidade de
coronel honorario, sem exercicio algum
mililar, tambem ouBo inhibe de servir o
cargo de vereador, como j decidi o gover-
-perlal em aviso de 21 de marco
, residente no municipio da
Franca !
Era casado na familia do fallecido co-
ronel Francisco Germano de Moraes ; ser-
vio importantes lugares da guarda nacio-
nal, policia ejudicatura municipal; pas-
sava por cidado pacifico, intelligenle,
o dos primeiros proprietanos do lugar
Fram tem duvida estes predicados a
causa da sua morte : os bacamartoiros in-
commodam-so i] un mo entre elles vive um
ciilad.1i> que Ihes faz sombra portaesqua-
lidades !
Publicou-se em Caxias mais um peridi-
co do lado saguartma, intitulado Bemlevi
Caxienst.
N.lo he, porm, o assassinato do major
Queiroz o nico que o collega noticia : el-
lo tambem refere o de Alexandre Mendes
dos Santos que a 20 de m,aio prximo fin-
do suecumbira a um tiro no termo do Mea-
rim ; accrescentando que anda seignorava
quaes os perpetradores destes dquscimes.
A 22 de junho, o cambio sobro Londres
regulava, na praca maranhense, a 25 d. or
1,000 res. .
Em Cear, a imprensa ainda se desman-
dava, e servia de c\\o a paixes seno tor-
pes, ao menos mesquinhas, e bem pouco
dignas de figurarem n'ume polmica que
se quer dar as honras de poltica.
Entretanto a sltiacffo linanceira da pro-
vincia na dexava de ser lisongeira ; pois
que, fcitas as despezas do mez de maio, fi-
cara em c*ixa o saldo de ris 54:155 198.
Em Parahiba nada netavel occorrra.
No concluiremos este nosso trabalho,
sem declarar aos leitores que,no Rio-Gran-
de, tanto os noriislas como os sulistas discu-
ta ni direilo de preferencia ao qualificalivo
saquarema ; sendo que, ambos estes parti-
dos de nova especie que brigem pela mes-
ma seta, e smente para excluirem-se re-
ciprocamente das bandeiras sb que enton-
ilom que-se deve militar, ( politicamente
fallando,) mandnin imprimir peridicos, os
primeiros no Geera, e os segundos no Mara-
nhio, em os quaes se esforc ni por demons-
trar os motivos porque semelhantoquali-
ficalivo cabe mais a uns do que a'outros.
Ora, a ser verdade que estes aeuhores estSo
compenetrados da excellencia da poltica do-
minante, nao be tnelhor jue sacriflquem no
aliar da patria seus retenimientos particula-
res,suas rivalidades, equepassein a traba-
lliar todos de coiniuum aecrdo para chegarein
ao mesmo alvo ? Ccrto que sim ; e eremos
que o phenomeno se poder* realisar, aluda
que para isso seja preciso algum esforco, se o
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 7...... 2:105,516
PRACA DO HECIKE, 7 DE JULIIO DE 1849
AS 3 HORAS DA TARDE.
m Revista semanal.
Cambios Fizeram-se pequeas Irins
aeces a24 1|2d. port,0oo4
AlgodSo- Enlraram esta semana 707
sacras, e flca ram nos armi-
zens t o ultimo dejuriho
4124 saccas. -- As vensri
fram regulares, de 4,7Mi
4,800 rs. por arroba do de
primeira sorte.
-Assucar Apenas enlraram 64 cii-
xas, e no ultimo ile junho
exisliam em ser 818.--Fi-
zeram-se vendase 1,200 rs.
por arroba sobre o ferro do
encaiado; de 2,100 a 2,700
rs. por arroba do br.nco
embarricado e ensaccido;
e de 1,800 1,850 por arri-
ba do mascavado dito.
CouniA- Em consequencia do ac-
croscimo dos direitos, bii-
xaram para 100 ris por
N libra.
Agoardente ,iJmdau-se de,-45 a 52,000
r. por pipa.
Alpiste dem a 27,000 rs. por bar-
rica.
Arroz- r dem de 10 a 10,500 rs. por
quintal do pilado a vapor,
Bacalhio -,- As vendas fram diminutas,
e ficaram por vender 6,500
barricas. -- Os precoscon-
tinuaran! de 8 a 10,000 n.
por barrica.
Batatas Venderam-se a 8,000 rs.
por arroba.
Carne-secca Chegou um oarregamento
do Ilio-CrsnJe-do-Sul,com
o qual o deposito hoje he
de 46,000 afrobas. -- As
vendas fram poucas, e re-
gularam do 2 a 2,700 rs. por
. arroba.
Chumbo Vundeu-se a 14,000 rs, por
quintal do em barre, e a
18,000 rs. o de munico.
Erva-doce Jdem a 9,000 rs. por arro-
ba.
Farinha de trigo O qVtposiio he diminuto, e
os pregos subiram alguma
cousa. A de Itichmood
vendeu-se a 20,000 rs., a T
dePhiladelphiada 17,008 a
17,500 rs., a de Trieste
SSSF a 20,000 rs ea fran-
cezadel7al,000rs.
Manteiga. Vendcu-so a 560 rs. por
libra da franceza.NUo ha
da Ingleza.
Passas ------ dem a 4,400 por caita.
Vi olios dem de 110 a 120,000 por
pipa do de Lisboa PflR,; de
100 a 110,000 rs. o de ou-
tros autores; e e 95,000
rs. o de liespsnha. Sello e
Marselha.
Existem no porto 4fembarcac0es, a u-
saber : 2 americanas, 25 brasileiras, 1 bel-
Sa, 3 dinamarquezas, 3 francezas, 1 hsm-
urgueza, 2 liespanliolfls, 3 ieglezas e 5 por-
tuguezas.
administrador da provincia, onde elle'tcui de
operar-se, souber conduzir-se de modo que
oto dclxe aperceber mais predlleccio por este
do que por aquelle dos dous lados. \
Hontcm cahlo, com eJTello, ao mar a,
de escavo, de que fallamos em o numer
terior.
Referiremos o como s passou este acto.
Ao meio-dia embaiideiruu epi arco o mastn
da capianla, ao passo que a barca icava lela
vex pr metra o pavllhao uaeianal, e que urna
gyrandola suba ao ar.
EnlSo, jhfcvia bastante gente no areial
do arsenal de marinha ; mas das tres horas
0 30 minutos da tarde por diante foi aug-
mentando por lal forma o numero de es-
*. que squalro horas asianel-
v.ovirucino do Porto.
ir___-__________-
Navios sahidos no dia 7.
nova HrigUe sardo Columbo, capito
Suisino Traverso, carga assucar.
Gibraltar Barca siciliana Gabritlla, capi-
tflo Antonio llologne, carga assucar e
couros.
Covec Vapor de guerra Fullon, comman-
dante o lente Le Mailre.
Observando.
Tundeou no Lameiro, para acabar da
carregar, o brigue inglez Anetaoris, capilflo
John Walter, com a mesma carga que trou-
xe de Buenoa-Ayrea.
Navios'entrados no dia 8
Para e portos intermedios 15dies.e ba-
res do ultimo porto Vapor brasilero
Paraense, de 210 toneladas, commanJuu-1
teocapitfiode fragata Manoel Francisco
; da Costa Pereira, equipngem 30. .Passa-
geiros : para esta provincia, padre Josa
Eqiigdlo Jorge de Lima, Melquades da^
Costa Barros, Domingos Ttaeofih> *'ve*
Ribeiro, Porfirio Theofilo Alves Ribeiro
m 1 escravo, Francisco de Oltveira Ma-
ado, Antonio Vicente do Magalhes, Ho-
ngos Rodrigues da Costa, Manoel Co-
da Cruz, Maria Kelismina de Albu-
ue com 1 criado. Edward Pawer, ln-
P. Csucunaa, Francez ; i desertor,
idado invalido e 3 escravos a entr
t
i
i


m
em ricas cadeiras, sofas, mesas da sala, con-
solos, raarquezas, espelhos, toucadores,
quadros, feitos para casados, e outros mais
pequeos, secretaria, commodas, gqarda-
roupns, lavatorios,aparadores, mesadejan-
tar, louca, vidros, duas lindas cadeiras de
ra com suas correias, etc., banheiro in-
glez, e muitos outros artigos que se nilo
classiflcam por I brevidade do annuncio :
boje, nove do corrente, s dez horas da
manhfla, ra do Aterro-da-Ba-Vista, n. 8,
onde morou o Sr. l)r. Arbuckle.
-- JOSo Keller & C. farfo leilSo, por inter-
vencSo do corrctor Oliveira, de grando sor-
limeuto de fazendas de seda, 13a, linho e
de algod.no, asmis proprias do mereado :
terca-feinr, 10 do corrento, s 10 horas da
manbla, no seu aimazem, ra da Cruz.
Aviso! diversos.
tcnente Henriques Antonio Baplista, o
cnpitilo-tenenle Vieira com sua senhora,
3 (ilhos menores e 3 escravos, 6 recrutas
para o exercflo e 2 escravos a entregar.
pundoe- 49 dias, galera ihgleza Sia-Qiuen,
de 378 toneladas, capitilo George Shea-
rcr, equipageml7, carga carvBo de po-
dra, ordem.
paraliiba 3 dias, hiato brasileiro Paraki-
bano, de 36 toneladas, capitio Nicolao
Francisco da Costa, equipagem 4, carga
fazendas, ago'ardente e mais gneros; ao
capitSo. Passageiros, Francisco Jos da
Costa, JoSo Jos da Gosta, Antonio Ti-
burtino de Mello, Brasileiros.
Itio-Grande-do-Norte8 dias, briguo-es-
cuna de guerra brasileiro Andorinha,
commandante o primeiro-tenento Luiz
da Cunda Moreira. -
Liverpool ; 42 dias, barca ingleza William-
ftusiell, de 998 toneladas, capitSo John
Goulding, equjpagom 16, carga fazen-
das; a ItussellMellorsc Companbia.
Parahiba6 dias, hiale brasileiro*Soc/da de 42 toneladas, capitilo Francisco de
Castro, equipagem 5, carga toros de man-
gue ; a Luiz Jos da Costa .Araujo.
T" epitaes!..........
Pola inspectora da alfandega se faz
publico, que no dia 9 do crranle mez, ao
meio-dia, na porta da mesma se h.lo de ar-
rematar as mercadorias abaixo descriptaa
existentes nesta alfandega alm do tempo
marcado pelo regulamento, e que j Toram
annunciadas por editaos no primeiro de ju-
cho do corrite anno.
Alfandega, 5 dejulho de 1849.-0 inspec-
tor, Luis Antonio de Snmpaio Yianna.
Urna ctixa contendo urna armadlo para
I fiar, nn valor de 10,000 rs; dousgigos da
| marca M. S. I)., contendo 23 vasos de louQa
para jardim, com p, n. 3, no Valor de 6,000
I rs. cada um ; urna barrica contendo 1,062
Iduzias detesouras ordinarias de menos de
seis pol legadas, a 600 rs. cada duzia: sendo
a arremalac.no livre dos direitos ao arrema-
| tanto. Conforme.O escrivflo, lummchij.
Pela inspectora da alfandega ao faz
publ ico, que no dia 9 do correlo "seftfo&pares^ porque este nada devo ao auto*- do
I de arrematar era hasta publica, o na porta
Ida mrsma, cartOes cftpi 54 pecas de filas
Ideseda lavrada, a 5,000 rs. a peca, por
[factura total 270,000 rs., impugnadas pelo
I guarda Joflo Manoel de Castro, no despa-
cho sol) n 50 : sendo dita arrematarlo
suhjeila a direitos. Alfandega do l'oniam-
baco, 6 de julho de 1849. = O inspector ,
\Luis Antonio dt Sampaio \ianna. i'?.
Pela inspectora da alfandega V faz pu-
blico, que no dia 9 do corren
arrematar em hasta patilica
mesma, urna caixacom 66
lea'de rassa adamascada duzia poj
rar 10,700 rs total 706,200 rs.,
da pelo guarda Joflo Manoel de Ca
despacho sh numero 66 : sendo d,
mataco gubjeita a direitos.
de t'ernatnbuco 6 do julho de
inspector Lmz Antonio de Sam
Antonio Jos Ferreira Machado Braga
retira-so para Portugal a tratar de sua
sade.
Perdeu-se, no dia 5 do corrente, *da
matriz de S. Antonio atea ra Nova, um
arrelicarioanglico, e unsoculos Ue qua-
tro vidros, sendo os dous da frente bran-
cos- o os Tos lados azues : quem oaachou,
e quizer restituir, dirijs-se ao pateo do Car-
roo, na esquina da ra das Trincheiras, pri-
meiro andar por cima do tartarugueiro,
que ser gratificado.
O Sr. Jos Pedro Dias Cordozo tem urna
carta na ra da Cadeia-Velha, n. 29.
Aluga-se urna escrava para o servico
interno de urna casa de familia : a tratar na
ra da (.loria n. 76. a mesma casa rece-
be-se roupa para engommar.
Leonor Luiza da Rocha tom justo a
compra da casa terrea n. 27 da ra de S.-
Jos, pertencente ao Sr. Antonio Manoel
Ramos: quem se adiar com direilo a dita
casa queira declarar por este jornal, no
prazo do 5 dias contados da publicarlo
deste annunoio. Reeife, 7 de julho de
1849.
O annuncio das iniciaes U. A. C. S., exa-
rado no Diario de sabbado n. 148, nOo se en-
tende com o Sr. Verissimo Antonio da Cruz
miz, rh
amiega wrazpu-
orrcnte s ha de
'' na-J>'t da
I duziaSTde'cha-1
mesmo B,?i!?L0-. _
-- Hoje, pelas 11 boras't,..
ha de arrematar? na prcsenc
lorjuizdorphSos, urna'
lences na ra do Codorn
cenlo so fallecido Jos Joaqui
Braga : os licitantes devem com
lugar da diu venda.
-O gerente do contrato'do rap!
za de !.>->
relolho
do dia, se
do Snr. dou-
e maisper-
n, penen-
Marques
recer no
.isboa contina a vender c
Declaracoes.
As malas que de ve conduzir
o vapor Paquete- dtySul com
' destin ao Itio-de-janeiro, Ba-
ha e Macei fecham-sc hojo,
1 do corrente, ao meio-dia.
O vapor Paraenie fecha as ma-
las para os porlos do sul hojo
1 (9) as Jl horas da mandil, e as
crrete. adendA que vierem
depois desta hora pM|lrao o porte duplo at
Bo meio-dia, e desla liosa em diante no
be recobem mais.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro o patacho na-
fcional Nertide de primeira marcha, como te-
sha a malor parte da sua carga prompla,
pretende sadir al o da 10 de julho cor-
lente : para o resto e passageiros tra-
M-so com Novaes & C ra do Trapiche,
34, ou com Joo de Carvalbo llaposo, na
Para o Araealy segu no da; 15 do cor-
frente o patacho Sania-Croa: para carga e
passageiros, trata-se ao Jado do Corpo-San-
| lo, loja de massaroea, n. 25.
O hiatos -Joao' aahe em poneos dias I
ara a Babia por ter ja a bordo a maior
parle de sua carga : para o resto trata-se I
Icom Novaes Companbia na ra do Tra-
piche, n. 34.
Para o llio-de-Janeiro segu, em pou-
cos dias, o betn condecido brigue Attoinbro:
para carga e passageiros, trala-se na ra da
Mdeia do Recife, n. 61, com JoBo Jos Fer-
nandos MagalhBcs. '
I Para o Para com escala pelo Cear e
MaranhSo partir com muila brevidade o
talachoEortuna, jase acha com um terco
la carga a bordo e mais de meia carga en-
lajada : quem no mesmo quizer carregar
tara qualquer dos mencionados porlos, di-
lija-se i ra daSeuzulla-Nova. p. 42, pri-
meiro andar.
PASSAGEIROS.
Para o Ro-de-Janeiro sahe, nestes das,
brigue americano Lui; de primeira mar-
Iba, o com asseiados commodos para passa-
leiros : quem pretender ir, dirija-se aos
leus consignatarios, Matheus Austin & Com-
bannia, ra do Trapiche, n. 36.
Para Lisboa sali impreterivelmente ,
[no da 18 do corrente o brigue portuguez
: Conciiedo-di-Narin : inda recebe alguma
carga e passageiros, para o que ofl'erece
excellenjes commodos : trala-se com os
con,i";l,rO T-bomaa do Aqumo Fonse-
ca Cl Filbo, ou com o capitilo na pra?a.
-Venda-so urna barcaca de lutcSo de
'.caixasde assucar em saceos, muilo ve-
ityraecdm todos os prepares para viajar:
l tratar ro Aterro-da-Boa-Vista, n.44.
Sahopara Lisboa, no dia 15"do cor-
enle, o brlguo portuguez llaria-Joie de
IImo hecapiao Joaquim Jos Mosquita : pa-
V* o resto fla carga ou passageiros, tratar
com os seus consignatarios, Francisco Se-
riBno Itahello & Filho ou com o mesmo
pitlo na prara do Commerclo.
rince-
rapa
fia a'
ue ain-
dar satisfa-
liCiles.
--O corretor Oliveira-far leilSoda mobl-
M doSr. Joflo Joaquim Gomes, retirado pa-
" n sou engeolio, e da dSr. U.K. Smith,
efera da provincia, consisliudo
dinheiroa vista en
Pessoa alguma, o roga as re.
zer seus deinida.
Hoje, 9 do corrente, se ha de arroma-
lar, porta dolllm. Sr. doutor juiz de or-
phlos pelas 4 horas da tarde, um escravo
cabra, oillcial de pedrelro, sem vicios,
pertencente ao casal do fallecido Bento Jos
Alveg, o que vai a praca a requerimento do
lutor do menor filho do dito Bento Jos Al-
ves.
Prpcisa-se de um homem que queira
assentar praca por outro por 3 annos e
meio : quem esliver nestascircumstancias,
dirija-se ra da Cruz, n. 64.
OSnr. Antonio dos Sanios Ferreira,
caixeiro quo foi do Sr. Luiz Antonio dos
Santos Pereira, queira dirigir-se ra da
Cruz, n. 49, a negocio que lite diz respeito.
Antonio Jos Vieira de Araujo relira-se
para fra da provincia.
O Sr. Antonio de Franca Athahide Mos-
coso queira appareccr na ra do Crespo ,
loja n. 10, a negocio de seu interesse.
Elias Ignacio de Oliveira embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro o escravo Luiz, per-
tencente ao Sr. Joaquim A. Pereira de Car-
valho.
Hoje, 9 do corrente, pelojuizo do or-
phSos o ausentes, se ha de arrematar a ron-
da do segundo andar do sobrado silo na
ra Augusta, avaliaao em 200,000 rs. an-
nuaes e urna meia agoa por Irs da mes-
ma ra avahada em 48,000rs.: os licitan-
tes comparecam porta do mesmo juizo, s
4 horas da tarde.
l'recisa-se de alugar urna ama da lele,
3ne o tonda bom, forra ou captiva: na ra
a Cuino penltima casa.
Barliza Jacintha, casada com Vicen-
te Luiz de Souza, morador na estrada nova,
faz publico que ninguem contrate com dito
seu marido negocio algum visto que elle
se acha.om estado de prodigalidade, e dan-
do consumo aos bens.
No dia 3 do corrente urna hora da
tarde, fugio da ra do Collegio, casa n. 2.,
urna prcla crioule de nome Mara da Cruz,
de estatura ordinaria, magra, rosto descar-
nado, ps seceos, odos pequeos o vivos,
bem fallante; leve na coxa da perna direita
uqi signal grande queso cortn, do qual ti-
rn urna cicatriz; sahio com pao da Costa;
representa ter trila e tantos annos de
idade.
No dia 7 do corrente fugio da casa do
abaixo assignadooseu escravo Jos,Angola,
de 30 annos, bastante preto, grosso do cor-
eo, fallo do denles incisivos, c alguna mo-
tares, e ce>m urna ulcera venrea na perna
direita; levou camisa de algodozinbo,
ca Isa da riscado azul, o chapeo de palha do
Chile ; quem o aprehender o leve a ra l)i-
Teila, n. 31, que ser recompensado.
Dr. Ignacio Kery da Fonieca.
Um homem com boa letra, examina-
do em partidas dobradas, e dolas com bas-
tante pratica, por desde muito lempo excr-
cerolugar de guarda-livros, se prope *
fazer o balanQO, ou escripturaQflo do qual-
3uer esUbeleciincnlo cominercial, pela mo-|
icaquauta que cora ello se convencionar :|
quem pretender procure no Aterro-da-Boa-(
Vista,na loja de calcado,n.14,du Sr.Joaquiraj
Jos (Dias Pereira, ou no bairrode Santo-
Antonio, na loja de .miudezaa aUa na ra
larga do Rosaiio, do Sr. JoaquimToso Lody,
e 110 Recife no armazem do Sr. Cruger na.
ra da Cruz a Lino Jos da Silvcira, que
se Ihe dir, ou annuncio.
Bilhar no passeio.
Est nova me ote alieno e prora po par
aediverlirem aquelles freguezes que leval
rem SC rs para pagarem cada uiua parii
que jogarem. Tambem se vende o inesrrlt
dudar com todos os pertences, por comrno-
do preco.
D. Delmira Adelaide Jorge da Costa .e-
lra-se para Lisboa.
Quem precisar de urna
de lei te, .dirija-se a travessa de S.-
Pedro, rasa n. 1, que ah achara a
mesma para tratar.
No dia 1. do corrente furtaram do por-
to do Mundo-Novo urna Talocha com corren-
te de cinco e meia bracas do comprido :
quem descobrir o ladrflo receber 4,000 rs.
degratilicac.no, na ru,a Nova, 11. 41.
Precisa-so de urna ama forra ou capti-
va, ou mesmo de um criado para o servico
de urna casa de ponca familia : no Paraizo
Joseph Falque val ao Rio-de-Janeiro,
levando em sua companbia o seu escravo
Firmino, de nacSO Cacange.
JoSo Fructuoso da Silva roga a seus
credores que queiram apresentar saascon-
tas ao seu mano Manoel Fructuoso da Sil-
va no prazo de 3 dias, a contarde hoje.
O Dr. Lobo Moscoso conti-
na a receber doentes em sua ca-
sa, no Atcrro-da-Ba-Vista, n. 48,
onde ha commodos suficientes,
nao s para se tratarcm de suas en-
fermidades, como para se Ihes fa-
zer qualquer operacSo : as pessoas,
portento, que se quizercm curar*ou
mandar algum escravo, pdem di-
rigir-se so annuncante em dita ca-
sa, certos de que serao tratados
com todo o desvelo.
O abaixo assignado faz publico que a
casa de sobrado e loja da ra do Queimado,
n. 34, em que morou o finado Antonio Joa-
quim de Azcvedo, est arrondada ao Sr. Jos
Francisco l^vra ; e que, apezar de alguem
interessar-se em dissolver esse contrato sb
hitis pretextos, e afiancar oarrendamento
da casa a quem qur que arremate o sorti-
mento da loja, o mesmo abaixo assignado
se obriga por si, e deaecrdo com os her-
deiros do finado Exm. marquez do Recife,
a sustentar o arrendamento feito a favor do
dito Sr. Lavra. Isonardo Antunes Metra
Henriquu.
UlTerecem-se 13,000 rs. men-
saes a una boa ama de leite forra
ou escrava, que n5o traga filho :
na praca do Conimercio, n. a,
primeiro andar.
, ATTENCAO AS BOAS S0RTES.
Fram vendidas de diversas loteras do
Rio-de-Janero, na loja de cambio da ra da
Cadeia do Recire, n. 24, da viuva de Vieira o
dllios: da 49.' lotera da Misericordia, os
premios seguintes: n. 1931,10:000,000 ris;
5406, 400,000 res; 3643, 100,000 ris; 3605,
40,000; e immensos de 20,000 ris.
Fram vendidos da 3.* lotera a beneficio
da fabrica de fiar o tecer algodSo os seguin-
tes nmeros : 4413, 10:000,000; e immon-
sos de 20,000 ris.
Da l. lotera a beneficio do hospital do
S.-Catharina os seguintes-. n. 4603, 1:000
res ; 1661, 400,00 ; bastantes de 40,000 e
20,000 rig.
l)a 2.' lotera das salinas do Cabo-Fro, os
ns. 886, 20:000.000; o bastantes de 40,000 o
20,000 ris.
Da 9 loteria das casas do caridade, n.
3346. 4:000,000 ris; o bastantes de 40,000
o 20,000 ris.
Fram vendidos da ullilima 3.* parte do
thealro desta provincia os premios seguin-
ies: n. 1994. 5:000,000 rs.; n. 224, 2:000,000;
1688, 1:000,000 ris; 1941. 200,000 ris ;

MUTILADO
m
o primeiro branco, 125,000 ris; 413, 50,000
ris; 417, 20,000 ris; o bastantes de 10,000.
Na ra das Cruzes, n. 35, segundo an-
dar, ensinam-se meninos a ler, escrever,
contar, arithmetica, grammatica da lingoa
nacional: promelte-se a maior actividade,
tanto para o progresso de ditas disciplinas,
como para a pratica de bons costumes. Na
mesma aula tambem se receben pensionis-
Aluga-se urna excellente casa na ra
doSeve, junto a urna otaria, com 9 quartos,
e um grande sotilo: na ra da Cadeia'do Re-
cife, n 51, segundo andar.
Fassaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, e no Aterro-da-
Ba-Vista, n. 48, contina-so a tirar passa-
portos para dentro o fra do imperio, assim
como para escravos.
DSo-se200,000 rs. apremio sobre pe-
nhores de ouro e prala : na Caruboa-do-
Carmo, n. 29, so dir quom d.
-- Anda so precisa deum padeiro e for-
neiro quo queira ir para Macei. conforme
se annunciou por este Diario.
Precisa-so de urna ama deleite, que <
tenha bom c abundante, para urna enanca
de 6 mezea : na ra do Collegio, n. 19, pri-
meiro andar.
Aluga-se, ou vende-se um escravo bom
cozinheiro, o que nao tem vicios nom
achaques : atrs do theatro, ns. 16 e 18.
Agencia de passaporles.
No pateo da matriz de Santo-Antonio,
sobrado n. 4, tiram-se passaporles para
dentro e fra do imperio, assim como cor-
rem-se folhas e despacham-se escravos.
~ Quem precisar de 400,000 rs. a juroa
sobre peohores de ouro ou prala, ou mesmo
em pequeas quantias, dirija-se ao arco de
Santo-Antonio, loja de miudezaa, quo se di-
r quem d.
Roga-so ao Sr. ChristovBo de Ilollanda
Cavalcanl, que esteve no engenho Cama-
ragibe, e passou-se para Arandipedelpoju-
ca,eque era arrematante do urna das estra-
das, que tenha a bondade de ir, ou mandar
alguem por si, ao pateo do Carino, n. 18.
Offerece-se um rapaz brasileiro de 16
a 18 annos para algum armazem do carno,
ou de assucar e mesmo para loja de niiu-
dezas : quemo pretenderannuncie.
Quem annunciou no Diario n. 145 ,
querer arrendar um sitio, querendo om
comas qualidades que pretende, dirija-se
ao proprietaro do engenho Giqui, para
verse Ihe agrada um que tom no mesmo
engenho.
OITerece-se por preco commodo a qual-
quer senbor commandante de batalhOo que
precisar de urna rica bandeira, para grande
gala : na ra do Queimado, u. u segundo
oslado de saude continuar com sou nego-
cio, ollereco a pessoa a quem convier o seu
ostabelecimento da ra do Crespo, as divi-
das e fazendas, etc., ou qualquer cousa em
separado : a pessoa, pois, a quem convier
entrar om negocio, dirija-se a elle na Ponte-
de- Ucta, ou a seu irmflo JoSo Antonio Go-
mes GuimarSes, no mesmo estabelecimen-
to, o qual se acha competentemente auto-
risado para este fim, ou para outros quaes-
quer tendentes ao commercio.
Pelas 6 horas de manhaa do dia 27 do
prximo passado, sahindo urna preta da ca-
sa n. 25, segundo andar.l da ruada Penha,
entrou um ladrSo na dita casa, porficara
porta aberta, e furtou urna carleira de algi-
beira, contendo papis particulares, urna
carta dobrada, bilhetes de visita, com a as-
signatura de F. A. V. C, e dous mil rs. em
dinheiro, urna tesoura para velas do casqui-
nba, urna camisa de madapoldo um relo-
gio de urna caixa do prala, com vidro a vi
glez sobre o grande, d-se corda por dentro,
cujo relogio eslava sobro a mesa, e os mais
objectos na sala: as pessoas que souberem
do dito furto dirijam-se casa mencionada,
ou repartico do seMo, a fallar com o dono
que gratificar; asaim como roga-so o mes-
mo ao sendores agentes encarregados da
polica.
Quem precisar de dina ama socca para
o servido de portas a dentro dirija-se ao
pateo da ribeira da Boa-Visla n. 70.
Lendo um annuncio em o Diario de Per-
nambuco n. 244 de 31 do mez prximo pas-
sado, sobre a venda do engenho Gamassary,
distanto desta cidade 5 legoas, pertencente
ao patrimonio deste convento de Nossa-So-
nhora-do-Carmo do Olinda, do qual sou
prior, declaro nflo s que dito engenho he
do patrimonio deste convento de Olinda, e
nBo lie pertencente ao patrimonio dos con-
ventos do Carmo da provincia da Babia,
como est escripto em dito annuncio; co-
mo tambom que este convento de Olinda
nada devo, oque na qual idade de prior,
nao ped, nom requer o nom soube que
se pedio aogoverno imperial concenso pa-
ra a venda do mencionado engenho, nem
de bem algum da raz pertencente a o pa-
trimonio deste convento, por nBo haver
precisad. Se existe, o que mujtoduvido,
consenso do governo imperial para a ven-
da do dito engenho, como est em dito an-
nuncio, foi elle requerido por pessoa in-
competente, e sb falsos fundamentos de
divids que nSo existem, por nada dever,
como disse, este convento ; e estou corto
de que o governo de S. M. I. e Constitucio-
nal, como protector das ordens regularos,
as quaes ajudam muito a conseguir o bem
e a felicdadc da religiBo catdohca apost-
lica romana, religo do estado, n.lo dara
o seu consenso para'venda de bensperten-
cenles ao patrimonio do convento deque
sou prior, sem ser esta venda reclamada
pela necessidade do mesmo convento, o
qual, como j disse, nada devo ; nem mes-
mo pode ser vendido, por estar subjeito a
encargos de missas annuaes, o finalmente
porque com a venda do dito engenho aca-
ba-so com o convento do Nossa-Senhora-
do-Carmo da cidade de Olinda.
Declaro que jamis assignarei venda
\do mencionado engenho, o contra esta e
dito annuncio protesto, o protestarei a to-
do o tempo. Declaro tambem, para sal-
var a liom a do meu reverendo padre mos-
tr prior provincial da Baha, que por car-
ta de 3 de agosto do corrente anno amim
dirigida, e a qual conservo em meu poder
para mostra-la, sendo preciso, dito reve-
rendissimo ignora a venda do mencionado
engenho Camassary, e at nella diz que
ou n.lo assigne venda do dito engenho, per-
tencente a este couvento de Olinda; por isso
que, nada devendo,nao pdem os seus bens
seren vendidos para pagamento de divi-
vidas do convento da Baha, quo tem enge-
nho, predios urbanos o outros bens com
quo pague oque deve; dizendo mais dito
reverendo padre meslre provincial em di-
la carta, que, se elle mandar vender dito
engenho, eu desobedece o seu mandado, e
3ue eu seroi o respousavel pela venda do
ito engenho, propriedade do meu con-
vento. Rogo ao respcitavel publico que
aceito este meu protesto, o que ninguem'
faga contrato algum a respeito do dito en-
Senho, por pertencer elle ao patrimonio
este convento da cidade do Olinda, o nao
ao patrimonio dos conventos do Carmo da
provincia da Baha, e por estar subjoito a
encargos pios, por ser falso o fundamen-
to que se allegou para obter o concenso do
governo imperial para a venda do dito en-
genho. Convento do Carmo da cidade de
Olinda, 9 de novembro de 1848. ^n^_
t'r. Jo do Amor Divino Lin$,
Prior.
posicSo latino ; 2 ditos inglezes. por Vieira;
um dito latino de fbulas; um dito francez,
por Fonseca; 1 philosophia do Goruzez;
urna Selecta; 3 Virgilios, latino em poesa;
1 Salustio; fbulas em latim poesa ; Car-
tas de Cicero ; 3 Artes latinas; 1 Barrote
Feio, traduccUo latina ; Voltaire; Fbulas
do La Fontaino; Thompson; Historia in-
gleza ; Diecionario Fonseca, portuguez e
francez : tudo proprio para esdutanto do
Lyceu.
Pra^a da Independencia,
numero 57.
Aos 20:000^000.
Vendom-se bilhetes e cautelas da lotera
do Rio-de-Janeiro, concedida a beneficio
das coostrueces e reparos das matrixes,
Na mesma casa se mostram as listas das lo-
teras passadas, o se trocara os bilhetes pre-
miados : a ellos, que silo poneos.
Vendo-se, na ra do Crespo, n. 11, Dic-
cionario Magnum Lexicn, novo, por 6,000
rs.; dito j usado, por 5,000 rs.; Conflits
deBavoux, 2 v. encadernados, por S,60O
rs.; Poesas encadernadas, por 1,280 rs., o
em brochura, a 1.000 ra.; e outros muitos
livros que se vendem baratos.
Vendo-se vime, chegada ltimamente
no brigue Novo-Vencedor: na ra do Apol-
lo armazem de Antonio Augusto da Fon-
seca.
Vende-se um vestido e tonca de meni-
no, proprios para baptisado, por ser obra
muito asseiada : na ra da Ouz, n. 49.
Oculos de alcance.
Vendom-se muito superiores oculos de
alcance recentemente edegados de Ingla-
terra por preco commodo : no escriptorio
de Eduardo II. Wyatt, na ra do Trapiche-
Novo, n. 18.
Vendem-so coqueiros m bom ests-
do de se plantaren), a 200 rs. cada p : na
ra do Queimado, n. 57.
A 640 rs. cada um.
Vendom-se cobertores de algodffo ameri-
cano, encorpados agrandes, a duas pata-
cas ; chitas escuras, de bons padres t co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
4a para a cadeia.
Vendem-se 30 oncas de onro hespa-
nholas : na loja da ra da Cadeia do Recife,
n. 18.
Vende-se um deposito de assucar refi-
nado, com lodos os seus pertences, sito as
Cinco-Pontas, n. 10 : a tratar na mesma
casa.
Vendem-se 9 moloques do boas figu-
ras de 12 a 20 annos tendo um del les
principios de marcenc.iro, e que sabe emp-
Ihar cadeiras; 10 pretosde24 a 30annos,
oroprios para todo o servico, sendo um
dclles ofllcial de alfaiate o ptimo bolieiro;
om pardo do 18 annos, proprio para pagem;
duas negnnhas de 10 a 12 annos, com prin-
cipios de costura ; 3 prctas, proprias para
todo o servico : na ra do Collegio, n. S, se
dir quem vende.
Casimiras a 5,ooo rs. o corte.
Vendom-se, na ra Nova defronte da Con-
ceicSo dos militares, muito superiores ca-
simiras de bom gosto a 5,000 rs. o corte,
bem como outras mclhores a 5,500 e 6,000.
Na ra das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 6 escravos, sendo: urna ne-
grota do 18 annos, de nacflo, que engom-
ira, cozinha e lava; urna dita da Costa, de
bonita figura o que be quitandeira ; urna
dita de nacOo, de 40 annos, que engomms,
cozinha o lava ; urna dita de ncelo, de meia
idade boa lavadeira ; um preto de nacBo,
ptimo canoeiroe socador de assucar; um
dito de meia idade, muilo fiel, de boa
conducta, o que cozipha o diario de urna
asa.
Vende-se um preto de nacSo Mocambi-
que, moco e sem achaques, o que se afian-
ca : o motivo porque se vende se dir ao
comprador : no pateo do Terco, padaria
n. 30.

Vende-se farinha de mandioca am
im saccas grandes,de superior qualida-
de, fina o muito alva, por preco com
modo, e em medida de cuia caculud
Compras.
andar.
- Procisa-se de urna ama que tenha bom
leite: nOo se olba ao preco: na ra do Jar-
dim, casa n43.
Domingos Antonio Gomes
gjuj^ries.naopodendo oor causado seu
Compra-so Cnie du christianismo : na
ra do Queimado botica n. 15.
Compra-so urna negrinha, ou molo-
que, sendo bonitos, que he para urna en-
coromenda : na ra larga do Rozario, loja
n. 35.
Compra-se urna escrava quo seja perita
engommadeira o costureira, de boa conduc-
ta e moca ; um dita anda mesmo sendo de
idade que tenha habilidades : nao se olha
a preco : na ra do Agoas-Verdes, n. 46, se
dir quem compra.
Compra-se um chumbeiro de dous ca-
nos, inda mesmo roto: na praca da Inde-
pendencia, n. 34.
Compra-se urna porefo de estacas e
varas para cercar um sitio : atrs do thea-
tro ns. 16 o 18.
Compra-se orna boa escrava de algu-
mas habilidades: paga-ee bem : na botica
da ra do Rosario, n. 36.
Compra-se a Sagrada Escriptura, sen-
do verdadoira ; o a obra DlTerenca entro o
temporal o eterno; um armario proprio pa-
ra cozinha : quera tiver annuncie.
Compra-se urna escrava boa costureira
e engommadeira ; assim como escravos fer-
reiros ecarpinas : no paleo do Carmo, n.
18, segundo andar.
Compra-se um jogo de gamBo, que
esteja em bom estado: na ra da Cadeia-
Velha loja n. 42.
Compra-se um relogio de parede, sen-
do bom regulador : na ra da Alfandega-
Velba, n. 5.
a 200 rs. ; dita de aramia, 200 rs. a
libra ;e todos os mala gneros de
boa qualidade, por preco mais com-
modo do que em outra qualquer par-
le : no paleo do Terco, venda n. 7.
2
2
5
i
Vendas.
Vendem-se 10 escravos, sendo: tres
escravos de bonita figura, um delles bom
carreiro ; quatro escravas de idade de 22
arinos; e tres negrinhas de idade de a 15
annos: na ra Direita, n. S.
Vendem-se^ as lajas do abaixo
assignado,
na ra Nova, n. 28, defronte da igreja da
ConcecBo, e na ra do Queimado, n. 9, de-
fronte do neceo do Peixe-Frito, sellins in-
glezes e francezes, para montara do ho-
mem e senhora ; cabecadas brancas, rolicas
e chatas ; ditas de couro de lustro ; talins o
cananas de couro de lustro, brancas pro-
tas ; barretinas para ofllciaes e soldados do
infantaria e cavallaria ; bandas ; perneiras
de couro de lustro e brancas : couro de las-
tro branco o amarello para canhes de bo-
las; fundas inglezas. de urna e duas ven-
inas ; colchos de todas as qualidades.
Antonio Ferreira da Costa Braga.
Pechinclias extraordinarias.
Na ra do Crespo, n. 5 A, vendem-se lu-
vas de pellica, tanto para domem como pa-
ra senhora a 160 ra. o par; ditas de seda
curtas, para senhora, a 120 rs., e cora-
pridas, a 640 rs.; meias de seda compra-
das, tanto brancas comoprelas.a 1,280
rs. o pa'; ditas brancas, bordadas o abor-
tas a 1,600 ra. o par ; ditas pretas e bran-
cas para homem a 1,000rs. o par; luvas
compridas de pellica para senbora, a 640
rs. o par; eoutras muitas faiendaa, que se
darSo as amostras com o competente pc-
nbor.
Bolachinha-estrella.
Vendo- -e a muita acreditada bolacbinha
intitulada estrella, muito propris paro
doentes : na ra Direita, padaria n. 79.
Vendem-se, por preco commodo, 300
a 400 barricas vasias, que fram de fari-
nha de trigo por se precisar do lugar que
t
Ra ra do Vigario, n. 7, vendem-se os I as mesmas oceupam : na ra larga do Ro-
PUintes livrnr ,-- --,.,:.,,.-: i. ..^ I ^^
agu
-*
I....-I.
-CO.



Vendc-so azeilo de coco n 400 rs. a gar-
rira, o em caada a 3,040 rs. : na ra da
Praia, n. 42.
Pcchinchaa para liquidadlo.
Vendem-se, na loja da ra do Crespo, n.
5 A, ao pe do arco do S.-Antonio, as seguin-
ti's fazendas, para liquidaran : cortes de cas-
sa com sete varas, para vestido, do muito
lindos pclros e de cores flxas -a 2,000,
,500, 3,000 e 3,500 rs. j'crtes de collete de
setim lavrario do diversas cores, a 4,000 rs.;
ditos de gorgurflo de seda, gosto moderno,
n 2,.ri00 o 3,000 rs. ; ditos de velludo do di-
versas cores e tamheiri Invrados, a 2,500
t 4,000 rs. o corle; fustflobrancoalcocboa-
do para collete a 500 rs. o corto ; gorgu-
rflo de algodSo escuro, para collete, a 200
rs. o curte; casimira para caigas de supe-
rior qualidade e gosto delicado a 4,000 rs.
o corte; cassas de cores com 4 palmos de
largura, proprias para vestidos a 240 rs. o
covado; e outras mu i tas fazendas i bem co-
mo aimta rosta ni alguns pannos finos de 3 e
4,000 rs. ; merino, a 2,500 rs.; longos guar-
necidos de bico para mfio de sunliora, a 400,
500 e 640 rs.
Vende-se o enguio do Canha, duailegoaa
ao sul de Santo-Antao, sendo dito rngcnho de
animaos e estando moentc, com safra para nials
de ilmis mil paei, tendo mais de meia legoa
i 11 ii i i.i de trra, de multo boa producto,
tendo dito engenho grandes vaneas, bem como
32anmaes de roda e 20 bois de crrela. A
tratar com seu proprietario no dito engenho, o
qual todo o negocio Tara, o para tomar alguns
esclareciteutos na ra do Quciinado, u. 27.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
aos 20:000,000 rs.
Na praga da Independencia, loja n. 4, che-
gou novo sortimento de bilhetes e cautelas
da muito acreditada lotera da curto. A olios
antes mo se acabem.
Phosphoros para accender cha-
rutos.
Vendem-se na ra da Cadeia
do Becife, loja de ferragens. nu-
mero 56.
Cha barato.
Vende-so muito bom che, pelo prego de
500 rs. a libra : na ra do Crespo, n. 23.
Deposito da fabrica de
Tndo.s-os-S.in(os na Baha.
Vende-se em casa de N. O. Uieber & C.,
na ra da. Cruz, n. 4, algodao trangado
daquella fanrica, muito proprio para saceos
de assucar.
Vendern-so presuntos inglozes para
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
dilas de araruta ; ditas de marmeluda de
I, 2 e 4 libras ; dilas de sardinlias; ditas de
homilas ; ditas de checolate de Lisboa ;
frascos de conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Klvas ; garrafas com viuho moscatel de Se-
tubal e da Madeira ; queijos de prato
frescaes : ludo novo e chegado ltima-
mente do Lisboa : na ra da Cruz, no
lecifo, n. 4.
Tafeas para engenho.
Na fundigflo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sorlimen-
todo taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quacs acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidflo embarcam-se,
ou carrepam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Vcnde-se algodao trancado
da fabrica de Todos-os-Santos a
270 e a 3oo rs. a vara : na na da
Ca-eia, n. 5a.
Vende-se urna preta de 22 a 23 annos ,
que cose, engomma cozinha o diario de
urna casa e lava de sabflo : vende-so por sua
senbora relirar-se para fura do imperio:
na ra larga do Hozario, n. 40, se dir auem
vendo.
Vende-se um moleque crioulo, do 13
annos: na ra de S.-llita, n. 81.
Vende-se urna bonita escrava, com al-
gumas habilidades que muito agradado ao
comprador : no Passeio-Publico, loja n. 9.
, A 1,000 rs.
o corle de calcas.
Vende-se brim trangado pardo de puro
linho a mil rs. o corte de caigas : na ra
do Crespo, loja da esquina que volla para a
Vendo-sp muito superior farinba de
araruta, a 200 rs. a libra : na venda da es-
quina que entra para a Camboa-do-Carmo.
Novo sortimento de brim trancado
a i,5oo rs.
Vondem-se brins trangados brancos, lisos
o de lislras de puro linho a 1,500 rs. o cor-
te ; cortes do fust.to alcochoado a 480 rs.:
na roa do Crespo, loja da esquina que volta
paraa Cadeia.
Vendem-se sellins inglezese
camas de ferro: na ra da Senzalla-
nova, n. l\i.
Na livraria ns. C e 8 da praga da Inde-
pendencia vende-se o soeuinle :
MANUAL KLEITORAL
contendo a lei regulamentar das eleigflose
os decretos e deciscs do governo que dito
esclarecmentos sobre sua execugflo.expedi-
dos al abril do corrrente anno, com notas
explicativas fundadas uestes mesmos escla-
recimentos;
NOVO MANUAL DO JIIIZ DE PAZ
contendo nma minuciosa explicado de to-
dos os scus actos no desempenho de suas
attribuigOes, seguidor de um appendice das
lea, regulamentos, avisos, etc. relativas
aos ditos juizes inclusive as das eleigfies,
e regiment dos salarios, e de um ndice
alphabeticode todas as materias contidas
neste manual;'
CODICO DO PBOCESSO CRIMINAL
de primeira instancia do imperio do Brasil,
com a disposigflo provisoria acerca da ad-
ministragiio da justiga civil, seguido da lei
de 3 de dezembro do 1841, e regulamentos
para sua cxecugflo de 31 de Janeiro e 15 de
margo de 1842, segunda edigfio mais cor-
recta e augmentada com notas.
Chocolate de saude e xa-
rope de angico
fabricado no Maranhflo por Luiz Iiolenlnit
& Companhia, boticarios chimicosda escola
esjucial de Pars. Estes dous objectos tfio
necessarios as molestias do peito, como
iesmo a conservngio da saude, j experi-
mentados por militas pessoasque bem con-
firmam seus bons resultados. Constante-
mente haver um deposito destes sortimen-
tos na fronte.do Bccco-Largo. Seu prego fixo ser de
800 rs. a libra do chocolate, e 1,000 rs. ca-
da urna garrafinha de xarope, acompanhan-
do um receituario do seu autor.
4
e outras muitas fazendas por preco
be rato : na ra do Crespo loja de
Cunha Guimaraes, n. 15.
A 64o rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodSo, dos
mais encorpados que ha, e proprios para es-
cravos, a 640 rs. cada um: na ra da C*deia-
Velha, n. 33.
Cadeia.
Vende-se princeza preta de duas
larguras, lanada igual a merino,
a 1,000 rs. o covado ; alpaca preta
de lustro, a 600 rs. o covado; me-
rino preto. a 2,500 rs. ; dito mui-
to lino, a 3,500 rs. ; panno fino de
cor fixa, cor de vinjo, caf e ver-
de-garraa, a 4,000 rs. o covado, e
prelo para todo o prego, tendo de
todos muito aondo escolher; ca-
simira preta elstica, a 2,500 rs.
o covado ; dita superior, a 3 e
3,500 rs.; e outras muitas fazendas
finas e muito em conta : na ra do
Queimado, loja do sobrado ama-
relio, n. 29.
Bl__I
Foha
de Flandres.
Vendem-se caixas com fblha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior : na ra
do Amorim, n. S5.
I arinha de trigo SSSF
de superior qualidade e nova ; dita ameri-
cana em meias barricas ; dita gallega, em
nicias barricas; cal virgem de Lisboa ; viuho
do Porto, em pipas c barris de quarto e
oitavo superior e mais inferior ; fechadu-
ras para porta de armazem ; superior cb
hysson nacional de S.-Paulo ; familia de
mandioca, em saccas, por prego commodo :
na ra do Vigario, armazem n. 11, de
Francisco Alvos da Cunha.
= Vende-sr|cal virgem de Lisboa em barris ;
fcixei de arcos e rodas de ditos para barricas ;
cunhetes de pinho abatidos para assucar ; prc-
gos caixaes do Porto em barris de 10 inilhei-
ros ; ditos de estuque em barris de 32 milhel-
ros; raarmelada de Lisboa em latas de 1 e 2
libras ; pi lulas da familia ; cadeiras de pao prc-
to, angico e serdeira, chegadas ltimamente
do Porto: a tratar com Joaquim Ferreira Men-
dos Guinarcs, na ra da Cruz, n. 40.
o o
() Atoalhados de linho. Q
l'.) Vendo-so atoalhado de puro linho, fi
.j com 6 palmos de largura, a 1,600 rs. q
0 a vara ; dito muito superior, com 8 >j,
-v palmos, a 4,000 rs.; dito com 11 pal- V
mos, a 5,000 rs ; toalhas da mesma 5J
!? fazenda, com '/ palmos de compri- J-J
9 ment e 6 ditos de largura, a 2,000 I para familia.
W rs.; c guardanapos, a 3,000 rs. a du- |.;.
O zia : na ra do Queimado, loja do so- O
Q bradoamarello, n. 29. @
Ainda est por vender o sobrado de
dous andares na ra Direita, muito largo,
com duas lojas e grande quintal com ca-
cimba : vende-se com algum prazo em par-
te do seu importe, o se recebem permutas
que sejam rasoavois : faz-so todo o nego-
cio, e a puhlicidade dos annuncios prova o
desembarago do negocio que se prope : na
ra do Caldcireiro, n. 62, ou na praca da
Independencia, ns. 6 o 8.
Vende-se
Panno de linho do Porto
entre-lino e superior, por prego commodo.-
na ra da Madre-de-Dcos, armazem n. 26,
de A. V. da Silva Barroca.
Cobre
para caldeireiro e para forro de navio ;
balan cas decimaes
para pesar 100 at 2,000 libras ;
cojres de ferro
com chaves de segredo ;
facoes,
parnahibas e mais ferragens : tudo por pre-
go commodo : na ra da Alfandega-Velha ,
n. 5.
SSSF.
Manoel da Silva Santos continua a vender
barricas de farinha do trigo da marca ci-
ma mencionadas,'ltimamente anegada a
este mercado: a tratar no armazem de Anto-
nio Atines, no caes da Alfandega.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Maria-Jot:
a tratar na ra do Brum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na ra do
Vigario, n. 19.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
BA DA SENZALtA-NOVA, N. /ja.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tanianhos,
para dito.
A ac rs. o covado.
Vende-se zuarto azul trangado, muito en-
corpado e com 4 palmos e meio de largura ,
a melhor fazenda para vestir escravo pelo
barato prego de 200 rs. o covado; na loja da
esquina da ra do Crespo, que volla para a
cadeia.
A pechncha.
Cortes de cambraia adamascada
com toque de arara, 2,5oo ris :
ditos limpos para vestidos e corti-
nados, a 3,ooo ris ; ditos de tala-
garra, a 1,600 ris ; ditos finos, a
2,5oo ris; cassa-chita de cores li-
xas, a 3oo ris o covado; riscado
emeassa, o covado a aoo ris; lan-
inhas para vestidos, calcas e roupa
de meninos, a 3*o ris 'o covado; i 1^^^^^^^"
Fazenda barata.
Continuam-se a vender cortes de
(B caigas depuro linho paulo e tran-
5 gado, a 1,000 rs. ; ditos de dito
m branco ecom listras, a 1,280 rs.;
8 ditos de dito amarello, a 1,500 rs. ;
0 ditos de macedonia, padrOesiguaes
$Q a casimira, a 2,000 rs.; ditos de ca-
j* simira, a 4,6 c 7,000 rs. : na ra do
I Queimado, loja do sobrado ama-
f relio, n. 29.
250S2MB2B 3S 2B 53 ZEZnSJSS
Aos 2o:ooo,ooo de ris.
C3T Continuam-se j
a vender bilhetes, meios, quartos, oitayos e
vigsimos da decima lotera concedida
beneficio da construcgflo e reparo das ma-
trizes da provincia do Rio-de-Janeiro cu-
jas listas devem de chegar a esta provincia
no primeiro vapor : na ra da Cadeia do Be-
cife loja de fazendas, n. 51, de Joflo da Cu-
nha MagalhSes onde existem as listas das
loteras passadas.
Farinha de trigo.
Vende-se superior farinha franceza de
Provenga chegada ltimamente : em ca-
ss de 1.1. Tasso Jnior na ra do Amo-
rim, n. 55.
Liquidaran.
Na ra do Crespo, n- 9, loja Mo Domingos
Antonio Comes Cumiarnos, vende-so toda e
qualidada de pannos finos e casimiras lisas
e de quadros, velludos, selins e sedas, tan-
to para vestido como para collete, longos da
seda e setim para grvala, ditos de cores
para mito, mantas para grvalas de homem,
ditas para setihora, manteletas, chales de
seda, meias luvas de seda e de pellica,
cassas e cambra as de cores para vestidos,
e todas as mais fazendas de linho e de al-
god.lo, proprias para senhora e homem :
tudo com um abatimento de 20 a 30 por
cento, pela necessidade de liquidar o ven-
der-so este estabelecimento, como j se
aclia annunciado por este mesmu jornal.
Esperanca !
Vcnde-se o botiquim Esperan-
ca, bem montado, com todos os
utensis precisos e afreguezado ,
tem commodidades independentes
e oulras proporcoes
ventajosas que se farao ver no
pretendentes, e o motivo d-i ven
da: por preco commodo, a dinhei
ro, ou a prazo com garantas : na
ra da Scnzalla-Yelha,n. 12G.
Na ra do Cabugd, loja do Duar-
te, vendem-se
bicos de blonde pretos ; ditos brancos ;
franjas erequififes, ebegados ltimamen-
te de Franga, o da ultima mida. Do-se
amostras.
~ Vende-se a casa terrea de pedrac cal
n.136darua Imperial, com grande aterro
at o rio, e mais um terreno ao lado ,
promplo para oulra casa : tudo em olmos
proprios: na ra do Collegio, n. 6.
Bilhetes com assignatura de
Siqueira.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Aos 2o:ooo,ooo de ris.
He chegada a lista da terceira lotera de
Campos, e com ella grande sortimento de
bilhetes, meos, quartos, oitavos e vigsi-
mos, na ra da Cadeia, n. 56, loja do fer-
ragens, de Antonio Joaquim Vidal. Adver-
te-se que deslas loteras fram vendidos na
mesma loja os bilhetes ns. 1,015 c 5,505
com 1:000,000 de rs.; assim como na ante-
cedente se vendeu o numero 5,573 com
4.000,000 de ris.
Na ra Nova, n. 5,
vcnde-se urna preta de nagflo, de 20 annos,
perfeita costureira, engommadeira, e que
sabe bem vestir urna senhora; urna dita
perfeita cozinhera e engommadeira po-
rcm s se vende para fura da provincia
urna parda de 20annos, de muito linda fil
gura, que engomma. cose, cozinha e faz
doces do todas as qualidades; urna preta de
45 annos, boa vendodeira de ra por 300/
rs. ; urna dita para trabalhar de enxada ;
urna dita boa quitandeira ; um prelo bom
cozinheiro; dous molecotes muito lindos,
sendo um do nagHo e outro crioulo.
A aoo, 1,280 e i,5oo rs.
Na ra do Crespo, n. 14, loja de
Jos Francisco Das.
vende-se superior brim pardo de puro
linho. a 1,280 rs. o corte; dito cor de gan-
ga, a 1,500 rs. o corte ; superior chita de ra-
magem para coberta, de cores muito fixas,
a 200 rs.; chitas miudinhas de todas as co-
res e de pannos finos, a 160 rs. o covado ;
ditas de superior qualidade, a 200'rs. ; cor-
tes de fustOes de cores lisas, a 320 e 400 rs.,
e de superior qualidade, a 1,280 rs.; pegas
de bretanha de rolo com 10 varas, a 1,600
ri.; e outras muitas fazendas por barato
prego.
-- Vendem-se 6 lindos moloques de nagSo
e crioulos, de 16 a 20 annos, sem vicios
nuin molestias; 2 pardos do 18 a 20annos,
um dos quaes he perfeito olficial de sapa-
leiro, e ambos proprios para pagens; 4
pretos de 25 a 30 annos, de bonitas (guras,
sendo umdcllos bom Serrador erouifohabil
para qualquer servigo o qual he de nagflo
uo tem vicios 1 em achaques, o que se
afianga ; um preto de meia idade, muito
bom cozinheiro, e que d-se em conta; bem
como outros muilos escravos : na ra do
Vigario, n.24.
Lencos pretos pa-a grvalas a
720 rs. cada um.
no loque de mofo, pelo barato prego de 720
ris.
Novos riscaaos monstros, de aara
de largura, a 320 rs. o covado.
Na ra do Crespo, n. 5, vendem-se os no-
vos riscados monstros, muito finos o pa-
drOes nunca vindos a esto mercado, pelo
barato prego de 320 rs. o covado.
Freguezia.
Vende-se vinho da Figueira de superior
qualidade a 1,280 rs. a caada, e a garra-
fa a 160 rs. sendo engarrafado dando o
freguez outra garrafa : no pateo do Terco,
venda n. 7.
O monstruoso bramante de linho
de i i palmos de largura.
Na loja do Guimar.los & llenriques, na ra
do Crespo, n. 5, vende-se bramante fino de
puro linho de 11 palmos do largura, pelo
barato prego de 2,800rs. a vara; ricos co-
bertores de barra de seda, muito grandes, a
6,000 rs., e mais pequeos, a 5,000 rs.
fazendas estas nunca vindas a esto mer-
cado.
Pannos, a 2 e 3,000 rs. 0 covado.
Na loja de Cu i maraes & llenriques, na ra
do Crespo, n. 5, vende-se panno prelo
azul, pelo barato prego de 3,00o rs. o co-
vado e preto mais inferior pelo diminu-
to prego de 2,000 rs. o covado ; bem como
um completo sortimento de todas as cures,
e de diversos pregos.
Chitas de cores fixas, a 5,200, ou
a 140rs. o covado.
Na loja n. 5, que faz esquina para a ra
do Collegio, vendem-se chitas de bons pa-
drOes e cores fizas, a 5,200 a pega c 140 rs
o covado; ricos cortes de casia da rainha
Victoria, a 3,600 rs. o corle ; lindas cassas
francezas, largas, pelo barato prego de 640
rs. a vara : esta fazenda se loma muito re-
commendavel por ser de padrOes novos e
muito finas; alm destas ha um com-
pleto sortimento de> todas at qualidades de
fazendas, por prego muito commodo.
Aviso aos amantes da boa pilada.
Na ra do Queimado, loja da esquina do
hecoo da Congrega gao, 11. 41, vende-so r-
p de Lisboa, -'ipun^in tmin-navo, pe-
lo prego de 5o rs- oitava. Cheguem Tre-
guezes.
Na majo Cabugd, loja do Hilar-
te, vendem-se
fitas de.seli setins lisos o decores; galOes, volantes,
trina-* f espeguilha ; flores, capellas de flo-
res je laranja ; luvas de seda; mantas para
meniPasi"800rs.; ditas para senbora, a
9,000 7?-; engos para grvalas; crtes de
colleles; Callanas finas; dversas,galnte-
rias : tudo por p.'Sv" "Ammodo, '
Na ra du Cabugd, loja do Vuar-
te, vendem-se
bolfies de Pedro II, de primeira, segunda e
terceira qualidade; ditos de cavallarla da
guarda nacional; ditos de infantaria ; ditos
de massa para cagadoies; ditos de diversas
qualidades ; ditos de roarinha ; ditos pre-
tos da ultima moda ; ditos de madre-pero-
la para palitos ; ditos de soda, proprios pa-
ra enfeiles de vestidos de senhora e meni-
nas.
Vendem-se, efleclivamente, na ra es-
Ireita do Bozatio, n. 8, os seguintes livros :
Inreito publico pelo doulor Autran ; Bre-
viarios romanos, ricamento encadernados ;
Diurnos; cartas de a b c, taboadas, cathe-
cismos, procuragOes bastantes, apudautas,
lellras, conhecimentos, traslados, pautas ,
todos os livros latinos; Sevaine ; Testamen-
to do gallo da gallinha e do cachorro ; Pe-
leja entre o diaboe S.Miguel com estam-
pas; muitas e diversas obras de direito e
philosophia ; papel achamalolado de todas
as cores, pedrado, marbrado, etc.
Na ra do Cabugd, loja do Duar-
te, vendem-se
tesouras para alfaiatee barbeiro, fabrica-
das em Cuimarfles pelo melhor cutileiro
daquelle lugar; ditas de Lisboa, para se-
nhora, com aros roligos de ago lino. 3o-so
amostras.
-- Vende-se vinho de Chanipanha, do su-
perior qualidade, em garrafas e meias di-
tas : em casa de Kalkmann IrmSos, ra da
Cruz, n. 10.
Chegaram ltimamente lonas da Itus-
sia e charutos fde Haana verdadeiros, em
caixmhas de 100 : na ra da Cruz, n. 10. ca-
sa de Kalkmann Irmlos.
Vendem-se tres ricas estolas, com
pouco uso : na ra da Cadeia, o. 5.
-- Vende-se urna venda no pateo da San-
ta-Cruz, n. 6 : a tratar na mesma.
Vende-se superior farinha de mandio-
ca em barricas, por prego commodo, e sac-
cas a 4,000 rs. : no armazem da ra de A-
pollo, n. 4, o no do defunto Braguez, ao p
doarcoda Conceigflo.
cs fumantes de bom gosto.
No armazem de moldados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, ebegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, o de outras muitas
qualidades que se venderflo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes, ditos de palha de
iiiilho, que se oslao vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
Vendem-se 3 fortes pianos, ebegados
pelo ultimo navio francez.de muito boas
vozes, superiores as do outro qualquer que
tenha apparecido, e de novo modello que
hflo deixraSo de agradar ao comprador;
charutos de Havana, por prego mais commo-
do que em oulra qualquer parte; um
todas de Trro para animaes e seoa m
chinas de vaporde frga de*cavallos alu
pressflo, repartideras, espumadeir' .,.
de ferro estanhado. Na mesma agencia'aei
se um sorlimento de pesos para balano*
escovas para navios, ferro embarra liT,,.'!
quadrado como redondo, safra paraVerrii
roj e urna porc3o de tinta verdoom latas
tudo por barato prego.
A elles antes que se acabem.
Na loja da ra do Crespo, n. 5 A.ao n' do
arco de S.-Antonio, vndem-se corles d
cambraia de cores xas de novos padre
a 2,000, 2,500 e 3,000 rs. j pegas de cassa da
babado, com 10 varas, pelo diminuto prwn
de 2,560 rs.; panno fino azol.e preto ,
2,500 e 3,000 rs., superior fazenda ; curte,
de seda para colleles, padrOes^ novos \
2,000 rs. ; assim como ha um sortlmaio
completo do todas as fazendas, por preco
mais commodo do que em outra qualquer
parte.
Cabos, lonas e brins.
Na ra da Cruz, no Itecife, armazem n
13, vende-se um Completo sorlimento d
cabos de linho patente, de todas as gronu-
ras; lonas da Russia verdadeiras;; conhe-
cidas por imperias) brins para velas, e
primeira qualidade.
Vende-se sag primeira sorte, cevidi-
nba de Franga, cevada, gomma de iraruli
tapioca de Maranho, por prego rasoavel-
na ra das Cruzes, n. 40.,
l.ACIIIMAS E SOBBISOS.
Poesas de M. P. It. de Andrada : vende,
se na livraria da esquina do Collegio,a 1,00(
ris.
Vende-se um lindo mulalinho de l)
annos de idade, de excellonle conduela
com muilos bons principios desapateiro-
urna escrava de nagflo, para todo o servigo
de casa ; duas ditas para o campo ; um bd-
leque de nagflo : no pateo da matriz de
Santo-Antonio, sobrado o. 4, se dir qoeo
vende.
Feijdo.
No caes da Alfandega, armazem confron-
te ao chafariz, e na ra da Cruz. armaiem
n. 13, vendem-se saccas com feijflo mua,
linho e rajado, por menos prego do que en
outra qualquer parle.
Vende-se a venda da ra do Cotovello,
n. 31, com pouros fundos o muito atrege-
zada queo menos que venda sao 12,000
rs. diarios, alm disso faz-so urna vania-
gem ao comprador, que q:iem tiver pouei
vontade se animar : o motivo porque se
vendo se dir ao pretndanle : a tratar na
mesma venda.
i .
Escravos Fgidos
do
completo sortimento de inslrumontos de
msica, tanto de metal como de madeira ;
bustos do gesso representando muito fiel-
mente a rainha Victoria e o principe Alber-
to ; relogios de ouro e de prala chegados
ltimamente da Suissa. Estes relogios que
sflo muilo bem acabados, se tornam mui-
to recommendaveis a qualquer particular,
o adverte-se que ha entre elles alguns que
andam oito dias sem precisaren) de corda :
na ra da Cruz, no Becife, n. 55.
Agencia de JKdwirj Uaw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
mont[&Companhia, acha-se constantemente
um grande sortimento de ferragensinglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como taixaa de ferro coado e batido de dfi-
ferenlea tamanhos e modelos, moendaa
de dito, tanto para armar em madeira como
Anda fgido, desde malo prximo pas-
sado, prelo Agostinho, crioulo, alto, bem
feito, e 26annos, bem 'fallante ; he ofti-
cial deicalafale ; anda calgado e inculcan-
do-se jorro ; tem sido visto de sobre-casa-
ca pela Bo-Vista e estrada nova da Pasu-
gem : quem o pegar leve-o a S.-Amaro, e
sa de Mannel Cardozo da Fonseca ou ni
praga do Comercio.
-- l'ugio, no da 3 do carrenle, o mole-
que Joaquim, de nagflo Cassange, de esta-
tura regular, representa 20 a 22 annos;
tem pouca barba cor um pouco fula, can
redonda 7 nariz chato e repuxado a roda,
que pareceler sido queimado, cabello cres-
cido ps um pouco grandes ; levou cami-
sa oceroulas de algodflo da trra. Este mo.
leque hecanoeiroe ausentou-se na madru-
gada do dia cima com urna canoa grande
quo pega miMijolos de alvenaria grossi,
cuja canoa tem urna borda mais alta do que
a outra por onde pode ser bem conhecidi.
Boga-se as autoridades policiaca e pesioai
particulares, que o aprehendan) e levem-ao
a ra larga do Bozario, padaria n. 18, que
serflo gratificados com generosidade.
Fugio, no dia 2 do crrente a noile,
vindo de S -Amaro para o Becife, o prelo
Malinas escravo de Eugenio Norberto Al-
ves ; he muito conhecido pelo sul da pro-
vincia, por ser pagem do dilo senbor e sem-
pre andar em viagem daquelle lado para es-
ta praga e agora eslava empregado em 0
servigo de urna cocheira, onde tinha mui-
los conhecimentos; be alto, magro, cor pre-
ta olhos regularos e vermelhos, rosto sa-
liente ; tem una cicatriz de talho em uro
dos lados dos olhos, nariz chalo ; he muito
ladino, vivoe desembaragado que parece
crioulo ; representa ter 30 annos ; levon
caigas e jaqueta : quem o pegar leve-o a>
ra doKangel, n. 35.
Fugio, no dia 29 do prximo pissido,
um mulalinho bastante claro, de nome Vi-
cente de 12 annos ; levou caigas e jaque-
la de algodflo azul, bonte azul e voltio, umi
trouchinha com 5 longos sendo 3 de la-
varinlo e dous de marca com as lellras C.
A A. Este mulalinho j fez urna fgidas
foi pegado em Fragozo. Roga-se as autori-
dades policiaese capitiles de campo, que o
apprchendam e levem-no ra das Trin-
cheiras, n. 50, que serflo gratificados.
-- Fugio, no dia 6 do corrente s 7 ho-
ras da noile, da casa do abaixo assignado
um seu escravo de nome Antonio, de An-
gola de 18 a 20 annos o qual furtou e
levou comsigo, sendo seduzido e ajudado
pelo preto Filippe, escravo do Sr. Emelerlo
Maciel da Silva, um bah que continhi o
seguinte : urna casaca de panno preto, urna
sobre-casaca de panno eOrde pinhflo, umi
caiga de casimira preta urna dila de cor,
urna jaqueta de merino azul j usada, 3
ool lutos sendo um de velludo prelo e dous
de seda, camisas, ceroulas, lenges, meia
de linho novas, longos de seda, toalhas.
etc. sendo que a roupa branca tem a mar-
ca L. J. F. C., 623,000 rs. em cdulas, sen-
do 3 de 501 ra. e as mais de 20, 10, 5, 2 e 1/
rs., um palacflo, 3 modas de 1,280 ti. e
alguma prala miuda ; urna leltra sacada por
Luiz Jos Ferreira e aceita por Antonio Jos
deMcndonga, da quanlia de 128,000 ti-,
j vencida ; urna dila sacada a favor de Joa-
quim Luiz Ferreira aceita por Francisco
de Mello Bastos, de 42,440 ts j vencida %
outra aceita por llanoel panasco de Souza
Urito a favor do mesmo Luiz Jos Ferreira,
alm de outras obrigagOes queo abaixo as-
signado nflo tem agora em lembranca.: to-
dos estes objeclos perlencem seu caixei-
rol.uizJo& Ferreira.. O abaixo assignado
gratificar eom cem mil rs. a quem der no-
ticia de qualquer desses objectos, na ra
da Praia n. 33. Troclo da Silva Campoi.
Per. : ha ttp. de m. r. de mu. 1849
|P.-i
IM
lifs
I Un
[11,
M i
Mr