Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08955

Full Text
Anno XXV.
Quinta-jeira
1$
IFABTIDAS DOS COKBKIOS.
f.oianna eParthlba, segunde* eieilas-fpirai.
llio-Grandc-do-ISrte, quintas-l'ciras ao melo-
da.
Cnbo.Serlnhaem, Rio-Formo-ro, Porto-Palvo
e Macelo, no 1.*, a II e 21 de cada mea. ,
Oaranhuns e Booilo, a H e 23.
Boa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Ylcioiia, l quinias-feiras.
Olinda, todoa oa dias.
IPHEM CRIDES.
fnjisa loa. Chela a 5, allh. c 9 m. da ni.
Ming. a'3, s 4 h. e48 in.dam.
Nova a 11), as 3h. c56m.da I.
Cresc.aSKi.slOh.elm.da L
PM4WAII BE HOJE.
. Prime Ira s 4 huras e 30 minutos da (arde.
Segunda s 4 horas e 64 minutos da inanh.
de .uliio de 184.9.
N. 146.
pbecos da subscbipcAo.
Por tres roces (dan Por seis mezca fe 8/000
Por um anno 16/000
..! ii 1 .
MAS DA SKMABIA.
2 Seg. S.Othao. Aud.doJ.dos orph.edo m.dal.v.
3 Tere. S. Jacintho. Aud. da chae, do J. da 1. v,
do civ. e do dos feitos da fa/.cuda.
4 Quart. S. Izabel. Aud. do J. da 2. V. do civ.
5 Quii, S. Alhanazlo. Aud. do J. doi orph. e do
111. da1. v.
Sext. S. Domingas. And. do 1. da 1, T. do civ.
e do dos feitos da 'tienda.
7 Sabbado. S. Pulquera. Aud. da Chae, c do J.
da 2. vara do crime.
8 l)oiu> S. Procopio. ]
CAMBIOS IM DE JLHO.
Sobre landres, a 84'/, d. por 1/000 rs. a80
. Pars, 380.
. Lisboa, 115 por cCUto de premio.
Ouro.Oncasbespanholas....... 31/000 a
Moedasde6/400vetnas.. 17/600 a
deu/400novas... ltt/500 a
. de4/000.......t... pj700a
rVaW.-Patacoesbrasilciros......- 2/000 a
Pesos columnarios........ *v3;
Dilos uigiicaiios........... Jfw
dias.
31/400
17/700
16/700
9/900
2/020
2/020
I/S20
PEMAMBICO.
PARTE 0FFIC1AL.

GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 27 DE JUNHO.
Oradlo.Ao,presidente da relaciio, parain-
terpor o seu parecer sobre*o contedo no re-
nueriuiento firmado por Francisco das Chagas
Cavalcanto Petsoa, que se lhe remette.acompa-
nh.-i.1o d luformacao do julz municipal da pri-
niria vara desta cidade.
,11,0 Ao coinniandaiite superior da guarda
nacional este municipio, para que ordene aos
ofFuiaes do seu conunando superior, indicados
na relacao'qtie se lhe remelle, recolbain ao ar-
senal de guerra no prazo de 30 dias o arma-
mento que rereberam antes da revolta e du-
ranie ella, na intelligeocia deque a despeza da
:oiiduc;o sera paga aqu sriri perda de tempo
DitoAo promotor publico da comarca da
5o.i-Vi.ita, diiendo, eni resposta ao seu offlelo
Ie2(i de malo findo, que inulto se litongeia
le que essa comarca goze de tranquillldad, e
pera que contine a concorrer para a dura-
jo desse esta'lo tao satisfactorio.
Dito.Ao inspector da pagadaria militar,
isra que uo pague a Importancia dos pretsda
uarda nacional e de outras fdrcat que nao se-
iin de priineira linha e que eslivetsmi rm ser-
ien durante a revolta, sem que os respectivos
oininandantes inostrem por documentos ha-
trem recolliido ao arsenal de guerra o ar-
iineniu que lhes foi distribuido antes da mes-
revolta e durante ella, devendo para a re-
epeo do armamento rtgular-se pela rclacio
oiiiIbsI que lhe remelle.
Dito.Ao chefe de polica, instando pelo
iiinpriiiiento de quanto lhe ordenou em ofli-
iocle.TO de abrri ultimo, e remetiendo una
rlacao nominal dos agentes de polica e mais
ssoas que.autes da revolta e durante /ella, re-
eceberain armamento no arsenal de guerra,
|anmde elle feja recolbido ao dito arsenal. f
Dito.Ao riiiiimandanlc superior da guarda
.'nacional deS.-Antao, para que faca rrtulhrr
|ao arsenal de guerra no praio de 30 "
lamento que se forneceu a aquelle c
isup. lior e ao chefe da respectiva se.
ki.io antea da revolta e durante ella)
fiigeacia de que ser aqu paga sem
Idispea que se fizr com a conducc
Iniaucnlo.Ko mesmo senlido ofti
Icominandante superior da guanta nacional de
lolanna, ao coronal Ips Pedio Vello da Silvei-
Ira e ao rommandante superior interino da co-
jnarca do l.sbo.
Di.to.--ao Inspector da pagadovia militar, di-
iendo em resposta ao seu oflicio acedado paga
itrnto dasi tapes addicinnacs (pie requrr Prilru
>ujiwa marmanracas que
|tes da conferencia que se lhe devolve. assigna-
la por Francisco Joaquim de Olivctra lladn. 111,
e /pie neata quantia se devr abaler ainda a Im-
portancia das sobredi tas elapes anteriores ao dia
12 de Janeiro em que por ordem do dia do gene-
raise publicou a couceVso de taesvencimentos,
te porventura na sobredila quantia estlverem
pomprehendidas as mesmas etapes. Assim se
firvr platicar com iiuaesquer outras torcas a
|ue se abonem vrncimenlos, cuino se ibsseiu
pe priuieia iiuba.
TiOminando das armas.
Quarltl-general do caminando das armas em
Ferttamtuto, i dejulho de 1849
ORDEM DO DA.
Para o conceibo de guerra a que tem de res-
hender os oftiaes do exercito e entnela se-
cunda llnhav Implicados na rebellio que leve
fugar ncsla provincia, o major da quarla cias-
te do exrrcilo Jos Caijos'J'eixeira, copilo do
2." baialhao de arlilnaria a p Pedro Ivo Vel-
loso da Siiveira, e.da quarta classe Joo aptis-
Ha do Amaral e Mello, lenle dilo Joo
Jgoaclo lUbelro Hotna, alferes dilo Flix Pei-
nlo de Hrlto e Mello e Francisco de Paula tar-
Inflro Lefio, e cadetes do 2.' bntallio de arli-
llharia a pe Emilio Americano do Hego e nlaxi-
liano Henrique da Silva Santiago e mais al-
IgitDS que constar do processo, S. Esc. o Sr.
Iinarfclial de campo graduado, commandanle
|dsi armas, maudou em 27 do uicz prximo
pastado nomear :
Presidente, a Sr. coronel Jos Bernardo Sal-
|gurlro.
Auditor o Sr, Dr. Jos Tliomai Nabuco de
Araujo.
Vogies na Srs. tenente-coronel Jos Maria
Ildefonso Jacoine da Veiga Pcssoa, inajprrs
Ijot da Silva Guina fies Jnior, Joaqun, Ro-
IdrlguesCoelbo Kelly, Manoel Lopes Peccgucl-
I>o, ebastio LopesGuimares.
M. M. Elsenstuek, Biederman, Dieskan,
llallbaner. Langhein,' lleisterbergk. Senar-
io, Gunsher, Hos8maP8sIer, SclialTrath
Mammcn f.M. Wigard ncliava-so ausentej fi-
zeram a segointe dcclara^flo :
Considerando que os memhros da as-
sembla narional constituinto fOram plei-
tos pelo povo allemo smente, e recebe-
ram delle s o mandatn de organisar a cons-
tituiQfio do Imperio ; considerando que es-
te mandato nflo pode ser retirado senflo
por aquelle quo o den, e que por conse-
guinte nenhum governo allemilo tem o d-
reito do revocar representantes de seu paiz;
os abaixo assignados declaram que nflo
teem o direito, nem a o hr i garito de se con-
fbrmarem com o convite que lhes fez o go-
rerno saxonio de abandonar os assentos
que occupam na assemblca nacional, a
Pcrto de 100 representantes fazem annun-
ciar por intermedio do presidente que dSo
a sua demissSo.
-0 presidente le o texto da declara^a fei-
la por estes deputados, o quat he como se
segu:
Os abaixo assignados depOem hojn em
com mu 111 o seu mandato assomblea rons-
tituinte ; mas, assim obrando, elles ,se con-
sideratn obrigados a dar conla de sua con-
ducta, nito smenle aos seus constituales,
sen jo tamhein a toda a naffio.
1 A assemblca nacional, por sua resolu-
eflo de 28 de marco, havia terminado a
constituido do imperio. Os abaixo assig-
nados estilo convencidos que em as actuaos
circunstancias esta constituidlo era a ni-
ca expressito possivel de urna snlucAo pari-
fica, e da garanta dosdireilns e interesses
dos diflVreiites povos, dos dffercntes esta-
dos e das ifferenles dynastias; que por
faltado umprojecto de constituieflo pre-
sentado pelos governns, e por causa da djf-
culdade inveticivel do conciliar entre si
todos os interesses contrarios, a assomblea
nacional era chamada a tomar a posicfto de
arbitra entre os governos e o povo, e que
nenhum. outro poder tem a f^culdado de
d.'si ni r oque ha enraizado no espirito da
na^flo, como expressilo de sua vontade.
Depots de haver chamado para a frente
do novo estado federal o soberano mais po-
deroso^ e ter recebido o assentimenlo de
29 gove'rnos, entretanto que quasi todos os a ttquirin.) Senhores, en fallo dos nossos
A proposta de M. Cesso he rejeitada por
99 votos contra 91.
(Preue.) ,
A QUESTAO ITALIANA.
DISCURSO DO SBNHOn TUIP.ns MA SKSSO DA Al-
SKMnLKA NACIONAL PRANCEZA DO i." DE
ABRIL.
(Coatt'fiuacdO do numero 145.)
A guerra com a Austria, meus senhores !
Sou, nfio direi mais que todos, mas ao me-
nos tanto, altivo, orgulhoso s vezes como
urna enanca, do meu paiz o da sua frca ;
comtudo, eu vos peco que o acreditis, a
guerra, mesmo com a Austria so, seria para
mim urna cousa seria, e en ereo tanto co-
mo he possivel na forrea de meu paiz.
Crde-me, teem-se tomado hbitos que
procedem de um bom sentimento: com-
tudo, as occasioes solemnes como esta, o
primeiro dever, a primeiracoragem he di-
zer toda a verdade a sen paiz ; e mesmo
quando ha um nobre orgulho a conceber de
sua eoragein, he necessario conduzi-lo
apreciaqSo verdadeir de suas frcas. A
guerra com a Austria, sabis vos o que ella
exigi ?
Conheceis tanto como eu a historia
sabis que esforcos ella tem exigido : exi-
gi em 1800 ditas grandes maravilhas, Ma-
rengo e llohenlinden ; Marongo e llohen-
linden, dousdos maiores, dos mais bellos,
dos mais sublimes successos da nossa his-
toria.
Ilasempre o costme dedizerquea Fran-
?a lutava com todas as potencias. Ileuini*
anreciaglo bem poueo exacta, bomlevia-
nados fados. Em Marengo o llohenlin-
den eslavamos a bracos smente com a
Austria ; a Prussia era neutra, a liu-s.i nilo
mnidiv.i mais soldados depois deZurich,
a Inglaterra ainda nio os mandava ao con-
tinente.
He certo, smente com a Austria he a
guerra um negocio serio ; porm eu vos
pergunto, a vos que julgais urna conlisto
sempre prompta, o que he a guerra com a
Austria ? Vos o sabis como eu, nenhum
de vos m'o poder negar ; a guerra com a
Austria he a guerra com o continente, he a
guerra universal.... Voso sabis... (Rumor
dias os orgflos legaes de toda a Allemanha
manifestam sua approvaqilo, devia-se espe-
rar que o chefo do imperio assegurasse a
pojuca.' qu"e S. ,c. di ve pgarkVdiner7ie o que Dirigido por esta conviCQno, os abaixo
fe achou liquido, feilas as eliminares constan
J
------
. JoiiPtdro Htilor,
Ajudantede ordens interino.
EXTERIOR.
ASSENBLEA NACIONAL DE" FRANKFOlT.
. Sei$3o do dia 21.
0 ministerio do imperio remette ao presi-
| dente daassembla o seguinte documento,
pelo qual o governo saxonio ordenara aos
deputado de seu paiz houvessem dereti-
tarae daquella corporagao.
Os motivos e considerarles que leva-
rm o governo prussiano a expedir o seu
^decreto de 1* de maio declarando expirado
i-mandato doa deputados daquellc reino,
pmeados em conaequencia das resoluqes
diela germnica de 30 de marco e 7 de
II de 18*8, movern o governo resida
Saxunia revocar doseiodesta assemblca
os deputados saxnnios, Em obediencia s
ordens que me lram transmillidas, cotn-
Biuniquei aos.ditos deputados este decreto
.real, e ronvidei-os ao mesmo lempo a dei-
aarem o seu asseiilo na assembla nacional.
Assignado, Kohlsdivutr,
l'lenipoteneiario do rei de Saxonia.
Franklort sobre o Meno, 19 de maio de
assignados teem at hoje cooperado pera to-
das as resolucfies que podiam produzir o re-
conhecimento da cuustiluicno do imperio
nos estados particulares por mcios confor-
mes constituigfio do estado, e em uttimo
lugar elles cooperaran! para a resoluc^o de
4 de maio, a qual prescreve as eleigOes para
o primeira dieta, (tom grande pezarseu,
porm, a situa;3o da Allemanha tomou um
outro aspecto, e as esperanzas do povo es-
tando lito perlo de ser salisfeilas, v&o sCr
mallogradas.
.No ineio.dos grandes perigos da patria
qualro governos allemles, entre etles o
prussiano, recusaram reconhecer a exprs-
silo de conciliario entre os principios op-
postosqueagilam oseculo. De outro lado,
fra da constitui(8o do imperio e contra
tima de suas parles maisessenciaes, .1 que .-
tSo do chefe do imperio, um movimento
violento se levanta al nos proprios paizes
que reconheceram a ennstituicilo.
Tendo o poder central provisoriodecla-
radu fra de suas attribuicOcs e direilos o
por a constituieflo do imperio em execuqflo,
de ambas as partes se recorreu afoladas
armas. Finalmente depois do dia 10 de
maio urna nova maioria da assomblea nacio-
nol loma resolucOesdas quaes urnas se nilo
pdem executar, e outras silo completa-
mente oppostas marcha seguida pela maio-
rin precedente, da qual o abaixo assigna-
dos fizeram paite.
Neste estado de cousas a assemblca na-
cional nflo pode deixar ou de despedazar,
demiltindo o poder central actual, o ulti-
mo lago que liga os governos o os povos da
Allemanha, e promover urna guerra civil,
cujo ionicen tem j abalado as bases da or-
dem social, ou de renunciir a p'r em vigui
a constituidlo do imperio por tima aegito le-
gislativa de sua parle e com a cooperaeflo
do poder central provisorio.
a Os abaixo assignados consideram a ul-
tima deslas duas necessidades como a me- nos lutavam enrgicamente, eosexercilos
ujis fuyesla patria :
%So de que a
p^kiiemenie que paizes inleiros d
iianln
elles adquiriratn a
assemblca nacional,
da A
nha nflo s9o liella representados, nflo po-
de mais prestar uteis servicos naco ; e,
como sempre tivessem marchado de aecr-
do,~ quizeramdar tambem de concert este
ultimo passo, retirando-seda assembla na-
cional.
Depois de por todos os meios legaes ha-
ver preparado poderes conforme a consti-
tuieflo do imperio, ellesabandonam a cons-
liluiao aos orgflos legaes dos estados par-
ticulares o ao desuuvolviiiieuto independen-
te da nacflo- '
< Franklort, 20 de maio de 184.
Depois da leilura desta dt-clamcflo MM.
Cesso, Wuru e outros pedir 111 que a sessilo
fsse adiada para o da seguinle afim do se
poder consultar sobre o quecoiivinlia qu
se liiesse.
U. hitenttuck propOe declarar que os de-
putados saxonios nflo teem o direito dea-
negocios ; trago discussto os mnsmos Tac-
tos; ja nflo he diivi.losa 1 iiniii intima da
dente. A
os lacos que unom as duas potencias silo
conhecidos pela F.uropa inletra, conheci-
dos por todos os homens que teem algutn
conhecimenlo dos negocios. A Russia de-
clarou posilivamente, h-< um fado diploma-
tico, ho um fado itntorio ; a Hussia decla-
rouque, se urna potencia da Europa inler-
vi'.sse na lula da Italia, ella ititerviria lam-
bom. Ser, pois, a guerra rom o continente.
Dir-tne-hflo : Mas vos leudes a allian-
ca dos povos Meus senhores, eu aprecio
mais do .que vos, ou tanto, o quo ha de
grande noenthusiasmo nacional.. Fu nflo
desconfelo o poder das fre/s moraes as
lulas das grandes nacOes; eu bem sei que
alguma cousa he ter a approvacito dos po-
vos, mesmo quando se lula com seus gover-
nos; potcm pe^o-vos perdo, compre di-
z-lo, nflo acabis de ver um exemplo no-
tavel do que pdem vira ser, no estado de
perturbado em que se acltam as nc.es, as
sympathias dos povos? I1.1 certo, quando
recentemente a Italia lulava comoexerci-
to austraco, se alguma naQio devia ter as
sympathias da Hungra, era deceitoo exer-
cito italiano e piemontez.
Ouvi dizer a muitos homens, a muitos
Italianos, que os Hngaros nflo se bale-
ra 111. stavam incorporados no exercito
austraco e hateram-se corajosamenlu. Ki>-
ahi o que silo as sympathias dos povos para
comasnaces que os seus governos lio.sli-
lisam. Si ni, vos acharieis de certo em Al-
lemanha e Austria muitos homens se ll-
vesseis posto a rasflo do vosso lado, se ti -
vesseis respeitado o que sempre se respeita
anles de desambainhar a espada o direito
das gentes, se tivessets respeitado ludo o
quesedeverespeitar para com asnacOes;
acharis lalvez em Allemanha e em Aus-
tria homens que mostrassem sympathias
por vos. Disto resultara que os exercitos
austracos dexariam de se baler ? Nflo de
certo. Isto j nos acontecen : nos tinba-
mos os povos por nos, e comtudo os gover-
baliam-secom coragero.
Pensis que lerieis as sympathias dos
povos. I'ermitti quo a esse respeito eu vos
diga a verdade, Hoje na Europa a massa
dos homens sensatos est profundamente
espautada das desordens que o mundo
tem assisldo. Sabis vos o que por vos le-
rieis hoje '! lima pequea minora agitada ;
eslou convencido que nao loriis a opiniflo
dos povos.... {SeMa^aOprofunda.)
O Sr. Flacn : Ide dtz-lo a Vienna.
O Sr. 'Uen :--.... se vos vosconduzisseis
hbilmente, e lio preciso convir que come-
car como vos o farieis esta vez, declarar a
guerra ueste momento, nflo seria urna gran-
de habilidade ; entretanto, se, depois de
ter comecado da inaneira mais imprudente,
vos fosseis capazes de urna conducta hbil,
feriis na nielhor hypothese a neutralidade
da Inglaterra. Eu desali lodo o lionietn
poliltco que conheca hoje o eslado da Eu-
ropa a negar esta verdade, dianle da qual
quizera ver collocado a assemblca o o paiz.
Uue soccorrer hoje a Italia pela frca be ter
contra si o cuiiliuenie, e, na mclnor hypo-
these, a neutralidade da Inglaterra. Esla be
baudoiiar seus asientos.
M Nautoervk requer quo a assembla na-
cional secolloque/debaixo da prolecc>> da
repblica de HiaJkfort, conforme o olTere- cimento feito pfla assemblaxSonsliiuintel Pergunto-vos agora ; pesa 1 com madu-
do estado. %. I l reza em vossas mos o inleresse que len-
^sssa '11 ,, ___dSMMsl
des na Italia. Vale esse interesse, que nos e espontneamente om aples, Roma, Flo-
temos por tanto tempo dnflnido, e quepo- rancie Turim ser sagrad! pira os Ani-
demos definir ainda, de um contra lodos, triacos!
quer dizer a guerra geral da Franca contra. Quanto Lombardi, i Venecla, Franca
todos os poderes do continente? Vale isso nada pode fazer ; porquehe destruir os tra-
acaso o nosso intorresse na Italia P Eu di- tartos, he a guern. Mas quando a Italia li-
go que u"e. ver pouco a pouco adquirido os hbitos da
Meus senliores, a Franca lutou contra liberdado, das ntituicOes novas, quando I-
Europainteiraesahio dessa luta gloriosi-, la ttver adquirido o espirito de unido para
mente Sabis vos o poique ? Porque o com os diversos estados da Italia, entre
seu territorio tinba sido violido, EntBo' media e baixa Italia, o quando all 1 smin-
apoderoti-so della urrt movimento sbito dependencia estlver preparada, sea Austria
geral; o governo nflo tinha necessidade de qulzesseimpedir este trabalho natural que,
a estimular, ella tinha o sentimento do at- i o fz aqum da linha dos tratados, a Fnn-
tenlado que se commetlia contra a sua In- ci deveria oppor-se.
Eis-aqui o que eu sustentei na ultima dis-
cussflo que leve lugar no tempo di mo-
na rchia.
OSr. Duplan : Ha facto consammado
quanto Venecia.
Vo:e$ numerosa : Nao nterrompam.
dependencia, levantava-se em massa.Po-
dissem-lhe para lutar com o mundo intei-
ro, havia raso para se lhe fazer esta exi-
gencia, porqus sua existencia era ataca-
da, porque ella era amaneada ; mas o que
ella fez para a sua ronscrvac.'to, pergunto
sesedeve fazer por urna quesillo de influ-
encia.
Nflo se d isso na Italia, o de certo, cu o
repilo, nSo sou indifferente por ella, eu mo-
co a quantidailo de sacrificios quo se vos
pedem no interesse da Italia, mas eu desa-
fio qtiom qur queseja a contradizer-me,
nflo ha na Italia mais, se vos queris fallar
em todo o rigor da palavra. do que um in-
tereise de alia influencia.
Digo, pois, a todos os homens rasoaveis
de todos os partidos: Ksquecamn-nos do
nossas paixoes, confundamo-os um mo-
mento n'um patriotismo sincero. Queni po-
der dizer que, por urna quesillo de influen-
cia, he preciso arriscar a sorte de urna na-
?flo, o deixar sua existencia sorte da guer-
ra ? Dirijo-ma a todos os meus adversarios
politieos, seellesquizerem consultar ose
corado francez, livre de paixes, eu o de-
safio para me dizerem, que por urna ques-
rflo de influencia se deve azor a guerra ge-
tal. ( Nova seniacJo. )
Meus senhores, esta be a quesillo, a ques-
illo ha muitosseculos : por mais que se pro-
curo involv-la em pesquizas do passado,
por mais que se procure, em assumpto tito
grande, tflo elevado, por mesquinhamente
os homens etn eontradiceflo, tomar textos,
opp-los uns aos outros, descobrir nflo sei
em que escrinto urna phrase que nflo existe,
nflo s-- con "guirn muda-la. Respondoi
niinha perguntl que ainda he a mesma :
Por urna queslflo de infiuencia na Italia que-
1. ifca"i4 Sin hi.jft un Tacto ovi-l te-j vu arritoap itussia entrn na Trans Ivania, ^V OSr. Thiers : Recniihoco todava que ho
inlluencia. Nflo deve-
grave a quest.lo de
mos permanecer indilTerentes ao que se
passa na Italia. Se, porm, eu viossodizer-
vos : Nflo negociis, sfide indilTerentes,
lerieis rasflo do vos agaslar; mas nflo he
esta a questflo.
t-'mri eos na aquerda:-- Di zei entilo qual
he a qtiostflo verdadeir.
O .Sr. 7"Aer : Eu vo-lo digo : o que vos
queris he a guerra conlra todos, e por urna
questflo de inlluencia !
Senhore^nSo he nova esta questflo: vos
ides ver o como os acontecimentos (lamen-
to a bem do meu paiz semelhanto resulta-
do ) desmentirn) desgraeadamento vossa
poltica. A poltica que sustento aqu, he
que pela Italia, seja qual fr o interesse que
ella nos dova inspirar, nos nflo llevemos fa-
zer a guerra. Depois de 24 de feveroiro niio
seguiste oulra, ( rumor) e eu nflo venho
censurar-vos por isso venho provar-vos de
una mancira pcremploria que nflo segus-
tes oulra poltica. 0 Sr. general Cavaignac
fez com vi, eu o lovo por isso, f-lo domi-
nado de um sentimento elevado, f-lo com
um elevado alemee de bom sonso.
Prova-lo-hei logo. Quando, ha dnze ou
quinze mezes, esta questflo fui apresentada
na cmara dos deputados, durante o ultimo
rgimen, que dissemos nos, nos da oppost-
Cto? Que, como est convencionado ha
muito tempo, mas especialmente a meia ho-
ra, anda que pertencendo todos oppost-
cfl'o, nflo temos cousa alguma de commum
comvosco. ( Rumora violento naetqueida.)
Nflo quero com isso oflender pessoa al-
guma.
Que dissemos nos? O governo, por um
erro quo eu laslime, que eu nflo quizera
lembiar hoje, ( porquo csse governo ja OSO
existe, e por mnjia parle nao sei combater
os governos senflo guando estilo no poder;
os governos cabidos tornam-se para mim no
mesmo instante o objecto do meu respeito)
o governo, digo, por urna falta depluravel,
tinha quebrado todas as suas alliancas na
questflo dos casamenlos hespanhos; l-
nha-se adiado tv mesmo instante depen-
dente da Auslr ., obrigado a seguir as suas
inspiracoes 4 Italia e ua Suissa.
E enifio, o que lhe dissemos nos ? A Italia
comecava a renascer. Eis-aqui a .poltica
que nos aconselhmos entSo, poltica que o
resultado demonstra hoje ser a nica seria,
a nica possivel. Dissemos-lhe nos: A Ita-
lia compfle-se em grande parle de estados
indepcndenles, qualificados independentes
pelos Iratadus. aples, Roma, Florenca
Turim silo estados independentes. espiri-
to do tempo os leva liberdade : ella corna-
ca a renascer all, cresce sem que o Austria
possa vir esmaga-la : os Italianos que teem
vivido al buje dominados pelos governos
absolutos, tomam pouco a pouco os hbitos
dos governos livres; formando-se sombra
deslas consiiluicOes novas para elles, acos-
lumam-se a ligsrem-se defensivamente.
Diga a Franca invocando os tratados que li-
gam todo o mundo, (explicar-mo-liei breve-
mente sobre estes tratados, e veris que as
palavras por mim empregadas ha quinze
mezes sobre osle objecto silo anda hoje
verdades) diga a Franca, repito, invocando
os tratados: A liberdade que nascer natural
/
O Sr. Thiers : -- E qual era o motivo, se-
nhores? Nflo era porque a Franca, porque
nos membros da opposicflo fossetnos insen-
sives sorte da Lombardia e da Venecia ;
he porque nos estavamos sempre possuidos
desta verdade, que para tornar independen-
es a Lombardia e a Venecia era necessario
destruir s tratados, fazer a guerra, e j
dissemos que a Franca nflo poda compro-
mdter-sca fazer a guerra por causa da Ita-
lia. Quando vim trazar essa poltica i tri-
buna, oh ella foi pouco agradavel maio-
ria daquelle tempo, mas a minora da op-
posicflo combaleu-a cruelmente; disseram
que era urna poltica indigna e fraca, e que
eu areitava os tratados de 1815.
Eu ri-me, senhores, ri-me desta grande
energa quertevia Ido farilmente despeda-
Caros tratados de 1815; deixei ao tempo o
justificar a verdade desta poltica : mas nSo
saba que 13o cedo urna experiencia cruel
mostrara a verdade desta poltica e a vai-
dade funestada poltica contraria.
Mas esta poltica que consista em dizer
que os estados independentes se desenvol-
vem livremento, mas quo a l.ombardia e a
Venecia teem de esperar oque o destino
mais tarle decidir, esta poltica tilo fraca
por que foi substituida ? Por que ? Pelo ma-
nifest do Sr. Lamartine.
Quando appareceu a revolucflo de 21 de
fevereiro, acredilei e trem; porm vos era
pouco tempo me tranquilisastes : acredito!
o trem pelo meu paiz, que por serde liis
a esta vfla e pueril poltica sustentada nes-
ta questflo, vos ireis armar a Franca e as
suas legies para a independencia da Italia.
rBem depressa (iquui tranquillisado : nem
isto ho um ataque nem urna vinganca que
eu excreo; eu sei quo os homens os mais
ardenles, quando col locados diante dos re-
los, sflo detdos pela propria consciencia, e
eu vos agradec) terdes cedido a este po-
der n'unia occasiflo om que podieis perder
O paiz ( Movimento. )
Mas o que dissestes v? Dissestes:O
povo e a paz ho a mesma cousa. E que di-
riamos nos ha 18 mezes, nos meamos da op-
posieflo ? O povo e a paz, eis o manifest : o
povo e a paz he a mesma causa. Nflo quera
sto dizer quo se flzesse a guerra para inde-
pendencia da Lombardia e da Venecia.
Dissestes mais : Os tratados de 1815 fi-
cam abolidos em direito, mas subsisten de
fado. Pongis vos, senhores, que ha muita
dignidade nesta manera de exp'rimir-se em
face das nacos? Eu digo que ha aislo a
maior imprudencia. Eu o dsse nessa poca
a meus amigos : Elles me farao justica ;
lembram-se sem duvida das palavras que
eu dsse. Dizer que os tratados de 1815 fl-
cam abolidos om direito, mas que subsis-
ten! de fado, he a puerilidade mais perigo-
sa do mundo. E vou demonstra-lo#em duas
palavras. ;Conin!ior-te-Aa.)

PEnNAMBUCO.
DESMZA.
Ordenados c commis-
s,o do inri de maio
prximo passado. N.
Jury.....: *
Luies para- a cadeia
desta cidade ...
Cusas de procesaos
crlminaes e de 111-
fraccOes de posturas
Limpeza das ras.
Kveiiluacs.....
F.Uraordinarla, paga-
mento fazenda
provincial. ...
Balanco a favor darecelta
Ra.
JO
13
3 1:629/905
4:0OG|li7
H7^M3
'"iii/G
Contadorla municipal do Rccife, 2 deiu-
aho de I8M.-0 contador, U. Gregorio iaSilta.

m
i

RKCEITA F. DESPE7.A DA CMARA MUNI-
CIPAL DO RECIFE NO MEZ DE JUNHO
DE 1840.
SECE1TJ.
Imposto de 2/000 ris
sobre mscales e bo-
ceteiras.....N. 129 e 130
Cordeacoes e licenjas, 70 a 78
Aferlcflea.....
Ribeira da freguezia
de S.-Jos. .
Multas pelo regula-
mento u. 120 de 31
de Janeiro de 1842 .
Aludas por in/racclio de poiturai a saber:
Freguezia do llecife
pelo liical ....
Dita pelo subdelegado.
Dita dita de S.-Aotonio
Dita pelo ii.nl.
Dita do dito da B.-Vista
Dita dita do Po(o .
Dita dita dos Afogados
4/000
50/060
2 3:334/1)00
3 305/000
10 85/000
710/975
21/280
1 100/200


Communicado.
PE,
/
1 cndo nos de presentir o mappa estatis-
ticodo hospital regimental do segundo ba-
tallio do artilhariaa pe no primeiro tri-
mestre docorrente anno, julgamos conve-
niente fazer um resumo do movimento do
niL'snu) hospital no ultimo trimestre do
anno prximo passado, no qual fdram tfa-
tadosSOdoentes, e d'entre elles sahiram
curados 36*, morreram 81, eficaramexis
tindo 134: dos 21 fallecidos, fram 7 de
bexigas confluentes, 6 de feridas de armas
de fdgo, 4 de tuterculos pulmonares, 2 de
ttano traumtico, 1 de diarrhea, e 1 de
gnstro-cnterite; dos 6 que morreram de fe-
ridus de armas de fdgo fdram 2 deferidas
penetrantes do peito, 2 de ttano, e 2 do be-
xigas, vindo desta maaeira a mortandade a
ser de 4 porcento.
*irr;ESTATisTico no hospital regimektx
DO SECUNDO BATiLIMO DE ARTILHACU A
NO PBIMEIBO TRIMESTRE DE 1849.
Abcessos.Entrara ni 8, sahiram 8.
Adenite.Entrou 1, sabio 1.
AllienacSo mental.-Existiam 2,sahiram2.
Anemia.Entrou 1, sabio 1.
Apoplecit cerebral. Entrou 1, morreu I.
(Morreu meia hora depoisda entrada J
Arthrite.-Existiam 5, entraram 6, sahi-
ram ll.
Bexigas.Existiam 8, entraram II, sahi-
ram 10, morreram 5, existem *.
Bronchite.-Existiam 7, entraram 29, sa-
iiiramSI, existem 5.
Buboessyphilticos.-Existia 1, entraram
15, sahiram 12, existem ?.
Calos.Entraram 7, sahiram 7.
Cancros venreos.Existan) 2, entraram
14, sahiram 10, existem C.
Caria do peroneo.-Entrou 1, sabio 1.
Cephalalga.-Entraram 2, sahiram 2.
Clica.Enlraram 6, sahiram 5, existo 1.
Contusocs.-Existe 1, entraram 4, sahiram
3, existem 2.
ContusOes porcasligo.-Exislia l.enlraram
11. sahiram 8, existem 4.
Cjstite.-Entrou 1, sahio 1.
Kaitrossypbilitjcos.-Entrou 1, existo 1.
Diarrhea.--Existan) 7, entraram 6, sahi-
ram 9, existem 4,
Didymile.--Entraram 3, sahiram 3.
Dores vcnereas.-Kntraram 27, sahiram
20, existem 7.
Dysonto-a.-Entraram 8, sahiram 6, mor-
reu l, existe 1.
Edema.-Existia I, entraram 6, sahiram 7.
Enibaraco gstrico.Entrou l, sahio.
Enterite.-Exisliam 2, entraram 2, sahi-
ram i.
Entero-colite.-Enlrou 1, morreu 1.
Erysipela Entraram 7, sahiram 5, exis-
tem 2.
colite ; 1 de erysipela phegmonosa ; 1 de
fobro intermitiente, que morreu de bexi-
gas confluentes; 24 de feridas de armas de
fdgo ; 1 d-3 gastrito ; i de gastro-entente ;
1 do pleuro-pneumonite ; 1 de nneumoni-
Le, que morren de bexigas confinantes; i
de tubrculos pulmonares. Dos 24 feridos,
8 morreram de bexigas confluentes, 6 de
ttano, um dos quaes, depois de curado,
morreu de bexigas; 2 de feridas penetran-
tes do peito; um de tuberculos-pulmona'-
res, e dos 7 restantes os mais delles morre-
rim pouco depois de entraren) para o hos-
pital em virtude de graves ferimentos que
receberam.
Julgamos n.~o sor ocioso para a siencia
observar que os baleados,que fallecern) do
ttano, foram todos do.feridas menos gra-
ves, o que est de acedrdo com a observa-
do de inultos pralieos, coincidindo igual-
mente o desenvolv ment deste lerrivel fla-
gellocom as mu,laucas alhmosphericas.
Alm das operaedes que cima ficam men-
ciunadas, praticmos urna amputaco da
coxa, quo deu lugar a morto do doente,
pela grande supuraejio que appareceu no
coto ; outra do lirado pela articulado sca-
pulo-humeral, a qual deu o mellior resul-
tado; porm infelizmento, quan lo oduente
achava-se quasi curado, foi acommclldo
das bexigas e suecumbio; e outro (inalmen-
te da extraerlo do testculo direito, em
consaquencia de fermento de anua de fdgo,
fazendo-se a ligadura em massa do cordo
spermatico, e o resultado foi tilo bom como
em outra que pralicmos o anno passado,
ligando a artoiia soladamente.
Ilospilal regimeulal, l.do maio do 1849
l)T. Pedro de Alhaide Lobo Moscoso, cirur-
gio-inor eucarregado do Ilospilal.
2>
COftlftlg
\K
AI.FANDECA.
Itondimeiito dodii4......8:336,058
CONSULADO GEIIAL-
Rendjmento do dia 4....... 1:039,313
Diversas provincias........ 155,748
1:195,061
Soares e Silva, Antonio Ricardo do Reg,
Dr. Joaquim Antonio deFaria Abrou e Li-
ma, Dr. Jos Flix de Brito Macado, cap to
Francisco Camello Pessoa de Lcenla, ma-
jor Justino Pereira de Faria, JoSo Chrisos-
Lomo Fernandos Yiunna, Manocl Lopes Ma-
chado, Jofio Theodoro da Cruz, Francisco
deSouza llego Monteiro, JosMara da Cruz,
escrivo Francisco Jos do Reg, Jos de
Carvalho Raposo, Caudino do llego Lima,
Joaquim Selosliuo Concalvcs, Joaquim Jos
Barbosa Lobato, Antonio Bernardo Quintei-
ro, Jos Viora de Olivoira Maciel, Francisco
Jos dos Santos Jnior, Antonio dos Santos
Mira, Victorino Francisco dos Santos, a-
fim do que compareijam om o corpo da
igreja matriz desta mesina freguezia no re-
ferido dia 5 de agosto pelas nove horas da
manha, para a organisaco da mesa paro-
cinal, (icahdo subjeilos os que no compa-
recer OU IIO ni.i lula re ni escusa legtima
a multa comminada no artigo 126 n. 2 da
citada lei de 19 de agosto de 1846.
Huiro sim, convoco todos os cidados
qualifleadns votantes nesta freguezia, cujos
nomes fdram inscriptos na lista aflixada no
interior da igreja matriz, para pessoalmente
comparecerem a darseus votos, observan-
do-Ibes que, dando a freguezia 33 elelores,
devem suas cdulas conter os nomes de 33
cidadaos nella domiciliarios, especilicando
suas respectivas oceupaedes, nao sendo ad-
mitlidos as que contivorem nomes riscados,
alterados ou substituidos por uniros con-
forme as rogras prescriptas nos artiges 50 e
51 da mesilla lei.
E para constar mandei fazer o presente
quo ser aDixado nos lugares mais pblicos
desta fieguezia, e publicado pela impronsa.
li i ii. en.i dest'icto da freguezia de Santo-
Antonio do Ricifc, 3de jolln do 1849. Eu,
Joaquim da Silva Ifego, escrivo escrevi.
JouC Valentim Vitkla.
Ilcclaracoes.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendmento do dia 4 ,
1:113,650
lMOriniento do Porto.

Erysipela phlegmonosa.-L'ntrou 1, mor-
reu 1.
Escoriaco.-Enlraram 3, sahiram 2, exis-
te 1.
Febre inlermitente.-Existia 1, entraram
15, sahiram 14, morreu 1, exista 1. (Morreu
de bexigas confluentes.;
Femla contusa. Entraram 3, sahiram 3.
Ferida de arma de fdgo.Existiam 52,
entraram 168, sahiram 142, morreram 24,
existem 54. (Morreram 8 do bexigas con-
lliienUM. a (|fi |e[anff,_g ;l-;_r"^'" penetrante
Ferida por instrumento peiTuiV'ie~-T.n-
traram 2, sahiram 2.
Ferida simples.-Kxisliam 2. entrou I, sa-
l)iram3.
I islilla slercoral.-Existia l, existe 1.
rungo-heniatode.Entrou 1, sahio 1.
'astiite.-Exisliam 8, entraram 24, sahi-
ram 27, moireram 4.
Castro-entente.Exista 1, entraram 3,
sahiram 2, meorreu 1, existe 1.
Castro-hepatte.-Existe I, sahio 1.
Hemipleja.Existe 1, salnorl.
Ileinoplhise -Eutrou 1, sabio 1.
Ilepalite chronica.-Existiam 5, entraram
3, sahiram 7, existem 8.
Ilydrocele.Entrou 1, existe 1. ( Prati-
rou-sea opera ci )
Lumbago Entrou 1, sahio 1.
Odontalgia.-Entraram 2, s>hio I, existe 1.
Ophlalmia.-Entiaram 2, sabio 1, existe I.
Osleile.-Eutrarain 2, sahiram 2.
0;ile.--Eniraram 2, sahiram 2.
Paiiaiicio.Entraran) 5, sahiram 3, exis-
tem 2.
Parotite.Existia 1, sahio 1.
i'haryngite.-Eiitraram 3, sahiram 3.
Phlegmo.-Entrou 1, sabio 1.
Pleurile.-Entraram 2, sahiram 2.
Pleuro-pneumonite. Entraram 6, sahi-
ram 4, moireu 1, existe 1.
Pneuiiionite.-Existe 1, entraram 2, sa-
hio 1, morreu 1, existe 1. (Morreu de bexi-
gas Col .11 lOl.tc.v
Uueiniadura.-Existia I, entraram 3,sahi-
ran>4.
Retonsode urinas.-Entrou 1, sabio 1.
Ilheumalisnio muscular.--Entrou 1,
liiol.
_ Navios entrado/ no dia 4.
New-Zealand ; 90 das, tendo sabido de
New-I.oiidon ha 25 mezes i pesca da ba-
leia, barca americana Blaek-Warrlor, de
2i5 toneladas, capito William Rahrock ;
ao capito.
Aracaly; 24 dias, escuna brasileira Marta-
Firmina, de 123 toneladas, capito Joo
bernardo da Hoza, equipagem 12, carga
algodo, sola e mais gneros ; a Jos An-
tonio bastos. Passageiros, I). Christina
Perier Vidal, 4 filhos menores, 1 escravo
e urna criada, Joo Amonio de liveira,
Antonio Antunes doOliveira, Brasileiros ; e
3 esaravos a entregar.
Ato rio lahido no mesmoWia.
Cotingmba; hiato brasileiro l'aquete-de-
Maruim. caiuiai Joaquim Fernandes de
""*" .. <*,(ltyrrva$3o.
Entrou para o Mosquciro, tendo vndo de
Maria-Fai iuha, londe tinha encalhado, car-
regado debacalho, saludo de Terra-Nova,
o brigue ingle/ Bark-llill, capiflo William
Collins; consignada a James Crabtreo
Gompa nhia.
1IMTAK.S.
Pela segunda seccSo da mesa do-con-
sulado provincial se faz publico que o prazo
dos 30 dias uleis para o pagamento a boca
do cofre da decima dos predios urbanos du
segundo semestre de 1848 a 1849, espira no
dia 10 de julho prximo viudouro o desse
dia em diante psgaroa multa de 3 por con-
t sob o valor de seus dbitos, todos os que
Acaren) devendo dito semestre.
Companliia de Beberibe,
A administrado da coinpanhia de Beberi-
be faz publico ijiie, no dia I (i do correte mez
de julho, contratar com quriu mais olererer
acobrancada laxa de 20 res por caneco d'a-
goa, por lempo de un auno, que ter princi
pi uo primeiro de agosto seguidle: o con-
trato ser feiio por liairros, sendo excluido
no da B6aVista o reservalorio e o cb.ifari/. jun-
io aponte, e no do liedle a bica prxima ao
arco da Concoico. "Os pretendentes remetie-
ra at o dia 10 de julho ao esrriptorio da
rompanliia as suas propostasem cartas fecha-
das, assignadas por si e por acus fiadores, e
comparecerao no referido dia 10. As condi-
ces du contrato serao patentes no inesino
escriplorio todos os dias de traballio, das oito
lloras da maiilia ao meio-dla, e das tres as
seis da tarde.
Peante a admnstraco do patrimonio
nials^e^n^i^'^artfi^iar^ ra-
bilo de ter principio do primeiro de julho
docorrente anno ao Am dcjuiihode 1852
as rendas das casas abaixo declaradas, per-
Avisos martimos.
sa-
Sarnas.Existiam 4, entraram 4. sahiram
7, existe I.
Spleniie.Entrou 1, sahio I.
Suppresso de transpirado.Entraram
6, sahiram 6.
hypbilis constilucional.-F.xstiam2, en-
traram 3, sahiram 2, existem 3.
Toirodtira de p.Existe 1, sabio 1.
Tubrculos pulmonares.-Existiam 4 en-
traram 5, morreram 2, existem 2
Ulceras simples.Entrou 1. sahio 1.
Ulceras syphiliticas.Existem 10, entra-
rum 10, saturan) 18, existem 2.
Unha enera va d*.Entrou 1, existo 1. (Pra-
ticou-se a extracco.J
Uielhrile.Eiilraram 4, sahiram 2, exis-
tem 2.
Zona.Entrou 1, subi 1.
lu observadlo. -Entraram 3, sahiram 3.
Aotodo, existiam 134, entraram 477, to-
tal 611 ; sahiram 450, morreram 40, exis-
tem 121, total 611. (I)os450 sbulos passa-
ram 63 paia o hospital da SoledadeJ
Pelo que se v da relaco cima, no pri-
meiro trimestre do correnteanno fdram tra-
lados 611 doenles, dos quaes morreram 40,
o queda a mortandade' de pouco mais de
. seis por cento que as circumslancias do-
minantes ii3o foi avultada, nao s por cau-
sa da guerra, como pelo contagio das bexi-
gas que muito teemgrassado uestes ltimos
lempos, e a nSo serem estas duas causas to
preponderantes, de corto a mortandade te-
ria sido muito diminuta, urna vez queja
bouve trimestre cm que esta foi de me i o
porcento. Os 4o morto*Idiaui, umdeapo-
plexia cerebral, que l'allcceu meia hora de-
pois de entrar pula o hospital; 5 du bexigas
confluentes; 1 do ile*enlra.l de entero-
Perante a thesouraria da fazenda desta
provincia se ha de por em hasta publica, nos
das 28, 30 e 31 do mez de julho prximo fu-
turo, para ser ai rematado por qlm menos
proco oflerecer, o servio da capatazia da
airandega desta cidade pelo tempo de vinle
e dous mezes que lero principio no primei-
ro de setembro deste anno, o com as coudi-
COes que sero patentes no acto da arre-
matado. As pessoas que se propozrem a
licitar devero comparecer nos referidos
das na sala das sessdes da mesma thesou-
raria, competentemente habilitadas.
Secretaria da thesouraria da fazenda do
Pernambuco, 28 de junho de 1849. Oodi-
cial-maior, Ignacio dos Santos da Fonstca.
O major Joao' f'alentim Vlela, juU de p:
do primeiro dtriclo da freguezia doSS. Sa-
cramento do bairro de Santo-Antonio do le-
cife, em virtude da lei, ele.
'feudo de proceder-se nesta freguezia, no
da 5 de agosto prximo- futuro, em obser-
vancia as ordens do Exm. Sr. presidente da
provincia, que me fdram transmitidas pela
cmara municipal desta cidade, a eleico
dos eleitores que hSo de Hornearos deputa-
dos a assembia geral para a presente le-
gislatura em ccnsequencia de ter sido dis-
solvidaa cmara dos reei idos deputa los, e
ao inesnio lempo os menibrnsda atten blca
provincial da legislatura de 1850 a 1851,
convoco em cumprimento do artigo 41 da
lei n. 387 de 19 de agosto de 1846, e em vir-
tude das mencionadas ordens, os eleitores e
supplcntes desta fieguezia nella residentes,
cujos nomes se seguem:
toncentes ao mesmo patrimonio, a saber:
n. 22 na ra de S.-GonCalo, ns. 1, 6 e 8 na
roa do Codorniz, 17 na ra da Moda, 54
o 56 na ra do Amorim, 2 e 14 na ra do
Azeile-de-IVixe, 18 na ra do Burgos, 27
na ra do Vigaiio, 7 o 9 na ra do Encanta-
mento, 132, 134 o 136 na ra da Senzalla-
Velba, II na ra da Cruz. 100 e 104 na na
de Fora-de-Porlas, 2 na travessa do lado di-
reito da mesma, e o sitio na matada Miro-
eira : as pessoas que se propozerem a arre-
matar ditas rendas podero comparecer na
casa das sessOei da ita administrado no
dia 5 do luturo mez de julho s 4 horas da
larde, com os seus Aadores. Secretaria da
admiuistraco do patrimonio dos orphos
30 de jutilio de I849.-/M0 Francisco de Cha-
by, secretario.
-A mala que tem deconduzir a fragata
l'araguassu' para a Babia fecha-se no dia 6
do corren lo as 4 horas da tarde.
Para b Rio-de-Janeiro o patacho na-
cional Nereidt do primeira marcha, como te-
nha a malor parte da sua carga prompta,
pretende sahir at o dia 10 de julho cor-
rnte: para o resto e passageiros 1ra-
ta-se com Novaos & C ra do Trapicho,
n. 34, ou com JoSo do Carvalho Rapos", na
praca.
Para o Rio-de-Janeiro o brigue nacio-
nal Formoto segu viagem com muita bre-
vidado. por j ter engajados dous tercos de
sua carga : para o restante trata-se na da
Cadeia-Velha. armazem n.12.
Para o Aracaty spriio no dial 5 do cor-
rente o patacho .Sanla-Crus: para carga e
passageiros, trata-se ao lado do Corpo-San-
to, loja de massames, n. 25.
Para o Porto
sahir nestos poucos dias o brigue portu-
guez Maria-Feliz, por se schar ce o spu
canegamento quasi prompto : para o rosto
o passageiros, para o que tem excellentes
commodos, trata-se com o consignatario,
Anlonin Joaquim de Souza Ribeiro, ou com
o capiulo na praca
Para Buenos-Ayres o patacho brasileiro
Douro deve seguir em poucos dias, por pou-
co Ihe faltar para seu completo carregamen-
to : quem no mesmo auizer carregar, diri-
ja-so a Gaudno Agostinho de Barros, na
praca do Corpo-Santo, n. 66.
Freta-se para os portos do norte ou
sul, uma barcaca de lote de 40 caixas,
muito lieni construida : na ra da Madre
de-Deos, n. 31, ao lado da alfandega.
Para o Rio-do-Jancirosahoat seis do
cu i (iile o brigue nacional Josefina, e rece-
be to smente alguma carga miuda, pas-
sageiros e escravos a frete: a tratar na ra
da Cruz, n. 33, ou com o capito na praca ou
a bordo.
Para o Aracaty segu com toda a bro-
vdado a barcaca Fetis-das-Ondas: quem
nella quizer carregar ou ir de passagem, di-
rija-so casa do Sr. Francisco Goncalves da
Silva Pereira, ra da Cadeia do liento, n. 40,
que achara com quem tratar.
O hiate S-Joao' sabe em poucos dias
para a Babia por ter j a bordo a maior
parte do sua carga : para o resto Irala-se
com Novaes & Coinpanhia na ra do Tra-
piche, n. 34.
Vende-se a barcaca Feliz-Ventura d
lote de 30 caixas muito bem construida de
suas madeiras e fabricada de novo : a tratar
com o niestre calafate Bartholomeu Lou-
ronco no Forte-do-Mattos, aonde se acha
a mesma barcaca Tundeada.
Para o Itio-de-Janeiro segu, em pon-
eos dias, o bem condecido brigue Assombro:
para carga o passageiros, trata-se na ra da
Cadeia do Recife, n. 61, com Joo Jos Fer-
nandos Magalhes.
Para o Para com escala pelo Coar e
Maranho partir com muita brcvJdade o
patacho Fortuna, j so acha enm um terco
da carga a burdo e mais de meia carga en-
gajada : quem no mesmo quizer carregar
para qualquer dos mencionados portos, di-
rija-so ra da Seuzalla-Nova, n. 42, pri-
meiro andar.
Para o Havre.
Passageiros somonte.
nnagnm^'-com'e'xce^XTcoSl!-
modos para passageiros : trata-se na ra da
Cruz ,casa de Avrial Irmos, ou com capitffd
a bordo da dita barca.
Frcla-se, ou carrega por volumes para
Maceio, a barcaca leliz-Xentura, de loto de
Imita caixas: a tratar abordo da mesma,
tundeada no Forte-do-Maltos, ou com Joa-
quim Pinheiro Jacomo, na ra do Vigario,
n. 5. Declara-se que a barcaca sabio hon-
tem do estaleiro, e esta prompta de um
ludo.
Aguilhos, bronzesecliumaceiras.
CavilbOes e parafusos de lodos os UaiJ
nhns. '"'
Taitas, pares, crifo boceas de fori
Iba.
Moinhos de mandioca, movidos a m*0
por animaos, e prensas para a dita.
Chapas de fogo e Torno de arinha
Canos de ferro, torneiras de ferro a .
bronze.
Bombas para cacimba derpuch0 mJ
vidas a tnSo, por animaos ou vento.
Guindastes, guinchos e macaco?.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragenspara navios, carros e obrum, I
blica*. ]
Columnas, varandas, grades e portn
Prensas de copia,r carta e de sellar.
Camas, carros de mflo e arado? de fn. I
&c, &c. ""-
Alm da superioriade das suas obra, i
oralmente reconhecid, llowman *|i
Callum garanten) a mais exseta qonfor !
dade com os moldes e dezenhos remetti
pelos Senhores que se dignaren) da ft
Ihes encommendas, aproveitando a oei
para agradecorein aos seus numerosos bL
gos c freguezes a pre/erencra com qneu
sido por elles honrados,'e aasoguram-llv
que no pouparilo esforcos e diligeiitin
para continuarem a merecer a sus oon|.
anca.
Aluga-se uma excellenle casa na ^,1
do Seve, junto a Uma olaria, com 9 quirtm I
i1 u ni grande soto: na ra da Cadeia do K!
cife, n. 51, segundo andar.
fassapores.
, i...
cmara
Le loes.
ELEITORES.
Os senhores.
Mr. Antonio Aflbnso Ferreira, Dr. Pedro
Dornellas Pessoa, Dr. Jeronymo Villela de
Casiro Tavares, Joo Francisco Bastos, Dr
cenle Ferreira Comes, cirurgio Jos Fran-
cisco Pinto Cuimares, comniundador Fran-
cisco Ludgero da l'az, Francisco SimOes da
Silva, Dr. HlippeLopes Nello, |)r Antonio
da Assumpco Cabral, JosEgydio Ferrei-
ra, major Manuel Antonio Vlegas, Dr. Jos
dos Alijos Vieua de Amoriin, Antonio da
Costa llego Montairo, Dr. Luiz Duarle Perei-
ra, coronel Francisco Joaquim Pereira Lo-
bo, Ignacio Manoel Viegas, cirurgio Miguel
Felicio da Silva, Francisco Manuel da llosa,
Silverio Joaquim Marlins dos Santos, Joa-
quim Claudio Monteiro, Manoel da Silva
Ferreira Jnior, Manoel Jos Ferreira, Fraiir
cisco de Paula Carueiro Leo, Vicente Alvos
Bibeiro.
SUPPENTE5.
Os senhores.
Jos Higino do Miranda, Manoel I'stevo
do Nabtimeiitoyunteiro, Jos Theodoro da
Conceicao Vieiu, Jos Itaymundo da N\U
vidaue Saldanlia, Carlos Francisco Soaros
de Bi i lo, Ignacio lenlo de Loyolla, Joaquim
Abreu Jnior.
Theatro de S.-Prancisco.
DOMINGO, 8DEJULIIODE1849.
Brilhante e extraordinario espectculo de
nigromancia cabalstica e mgica ccrimo-
mul, por
W. F. WALTER,
anligo discpulo dos clebres mgicos Adri-
n e Illilz, inventores de mgicas physicas
mecnicas e ventriloquio.
Depois de ser executado um rioo ordina-
rio por uma grande banda de msica mili-
tar, W. F. Waller, quo por mais de uma
vez tem merecido a alteuco do respeilavel
publico desta cidade, dar principio ao es-
pectculo pela maueira seguidle :
l'arte primeira.-Lindas, novas e jocosas
passagens e mullamorplioses, ejecutadas
com uillcreuics objectos perlencentes aos
Ilustres espectadores.
l'arte '/undo.-liicomprehensiveis lgei-
rezas manuaes : entre ellas o artista execu-
tara pela primeira veza linda e jocosa oas-
sagem d CADEIRA ENCAISTAA.
l'arte ferceiro.-Diirerenlcs llusoes mgi-
cas, pbyaicas e mecnicas.
l'arte guarta.-O mu gracioso pantomimo
quo tem por tituloA ESTATUA ROMANA.
OSr. Santa-Rosa, por especial obsequio,
servir nesta occasio de interprete.
O a, lista deixa de mencionar os nomes do
dill'erenles passagens que tem deexecutar
para se no tornar muitooxtensojporin ali-
anca ao respoitavei publica que Acara com-
pletaineuto satisleito, por isso quo elle lein
empregado os maiures esforcos para que este
espectculo soja digno de um publico que
por niuilas vezes o tem rccebido com ap-
plausos.
Para se tornar o divertimento mais agra-
davel havero duas msicas, un para a
orebestra o outra para a caixa do theatro.
Principiara as 8 horas e meia da noile.
Precos das entradas.
Platea! sem divisflo ) 1,00rs. eos ca-
marotes ao costume do theatro. Osbilhe-
les esluro a venda na pona do mesmo thea-
tro, nos das sexta-feira, sabbado o do-
mingo.
por nter-
- Richard Royle fara leilo, ,
venoSO do corretor Olivoira, de um magni-
heo soitimento de fazendas inglezas, as
mais prop las do mercado : quinta-feira, 5
do crreme, as 10 horas da manha em pon-
10, no seu armazem da ra da Cadeia, no
llecife.
O corretor Oliveira far leilo da moh-
na do Sr. Joo Joaquim Comes, retirado pa-
ra o seu engenho, e da doSr. U.K. Smith
actualmente fra da provincia, consisiindo
em ricas cadeiras. sofas, messsdesala. con-
solos, ma.quezas, espell.os, toucadores,
quadros, leitos para casados, e outros mais
pequeos, secretaria, commodas, guarda-
roupas, lavatorios,aparadores, mesa dejan-
lar, louca, vi.lros, duas lindas cadeiras de
ra com suas correias, ele, banbeiro in-
glez, e muitos outros artigos que se nfio
classidcain por bievida-lo do annuncio : se-
giinda-feira, 9 do corren te, as 10 horas da
manha, ra do Aterro-da-llda-Vsta, n. 8.
Qj^ejnorqu o Sr. Dr. Arbnckle.
Avisos diversos.
- Precisa-se Tallar com o revendo padre
Manoel Fortunato dePaiva, Albo de Macei
em casa de Joaquim Pinheiro Jacome. na
ra do \igario, n. 5.
FUNDICAO DE FEBRO
IIIICA DE MACIII.\AS NA RU*
Bowman & Me. Cal
JE FABRICA DE MAC!IL\AS
BIIUM. Bowman & Me. Callum, engoiv^
ios inachinistas e fundidores de Torro mu
rospeitosamente auuunciam aos Senhores
propn.larios deongenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negocame, fabricantes e ao res-
peilavel publico, quo o seu slabelecimenlo
de ferro movido por machina do vapor con-
tinua em oflectivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira quahdade para a perTcita confecco
das maiures pecas do machinismo
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arle, Bowman & Me. Callum
desejam mais*partcularn.erito chamar a
atlencao publica para a sseguinies, por
terem dolas grande sorlimontojpro.ipta
as quaes construidas na sua fabrica pudom
competir com as fabricadas om paz cs-
trangeiro. tanto em preSo como e,n qu.-
Iidadedas materias-primas e mo d'obia,
Machinas de vapor da melbferconstrucco
loendas de caima para ingeiihos do io-
dos oslamanhos, movidada vapor por a-oa
ou^nuuaes. 1 v *
Rodas d'agna, moinhos de vento e serra
Mar
Na ra do Collegio, n. 10, e no Aterro-J.
Bda-Visla, n. 48, conlina-sea tirar pim.1
portes para dentro e fra do imperio, auin
como para escravos.
-Precisa-so alugar m preto capaz pin
andar entregando pSo a alguns freguei
a tratar na ra da Matriz da Boa-Vista, a,
Precisa se de um forneiro: na rui
reita, padaria n. 69.
Jos Joaquim l^pes Pereira Gumar
faz scienleaos respeitaveis pas de faml
que abri sua aula de primeiras leltris"?
lingos nacional, aonde recebe alumnos;
1,000 rs., prometiendo o adiantamenlo dtl
seus alumnos: na ra do Cildeirelro, n U.1
Na ra das Cruzes, n. 35, segundo tn
dar, ensinam-se meninos a ler, escrerer,
contar, arilhmetica, grammalca da lingo*
nacional: prometle-se a maior actividade
lauto para o progresso tle ditas disciplinas
como para a pralica de bons costumes: Nt
mesma aula tamben) se receben) pensionis-
tas.
0 deposito do rap Andary, Imperial,
Torra-oa-S.-Cruz e Princeza do Rio-de-Ji-
neiro/mudou-se da ra da Cruz, n. 3, pin
a ruajtja Cadeia do Recife, n. 43, segun-
; o amantes da mui bella pita-
rito dirigir ao referido deposito,
sem que se venden), que sardo
jos.
ixo assignado. sahindo de sua ca-
sa da ra'do Rosario, junto a botica do Sr.
Paranlios, na manha do dia 30 prximo
passado, a fazer alguns pagamentos n sui
venda no pateo do Paraso, n 30, perdeu
uma ca leu a de marroquim verde j velln,,
conteudq 185,000 rs. em sedulas, um var
de nove mil etantos res, e alguns papis
i|UU SO serveil) prn/>rin. J(MM peMOt
que restituir ditos objectos ser recompen-
sada com 50,000 rs. Luciano Uagalha'n Ri-
beiro.
Aluga-se ou vende-se um sitio na ta-
na,la dos Afilelos, com boa casa de viven I
cacimba de agoa de beber e com muitnsai
voredos : a fallar com Joaquim de Ol
e Souza, na mesma estrada.
A Arma da casa commercial do abtixt
assiguado, nesta praca, lra de hoje em
ante mudada para a de C. J. Aslley &
continuando debaixodas mesmas basen qu
at agora C.J. Aslley.
Um rapaz brasileiro, que sabe francez a
geometra, se offerece para caixeiro de co-
brancas j ou para outro qualquer arranjo,
para o quo d fiadora sua conducta: al
ru do Quemado, n. 24.
Na ra do Padre Florianno. n. 48, exis-
te uma porco de lijlos, quo se da iquea
(juoira mandar buscar.
50,000 ris.
Furtaram, na tarde de 8 de fevereiro do
corrento anno, do sitio no Remedio, p'rteo-
cente ao abaixo assignado, om preto de li-
me Vicente, naco Benguella, que represen-
ta de 85 a 40 anuos, cor prela, altura e cor-
po regular, pouca barba, pequeos sigpael
de bexigas a roda do nariz, um taino no
meio do queixo que a barba encobre ; pin
um pouco esbarrado o apapagaiado, com os
dedos grandes dos pos abertos para dentro J
quasi nunca falla, pelo que parece mudo, a
qu 'ii lo falla be to pouco, confuso caira-
palhado, que parece bucal; ho um lsooff
maluco : quem o pegar, ou dola der noti-
cia, ser bom recompensado ; porm queo
o apresenlar ao abaixo assignado, senhor do
dito preto, receber* 50,000 rs.; enio s
quer saber quem o traz, nemondeo pegou,
basta eutrega-lo na ra do Bangcl, n. 5,
fabrica de licores, que recebera o premioda
Victorino Francisco dos Santos.
Disimo dos cocos
O arremtame- do dizimo do cdoos do:
municipio do Recife, Amonio Concalves d|
"Moraes, faz scionte aos respectivos contri-'1
bu i n tes, que, tendo arrematado o mesmo
imposto por tres anuos, a contar de junho
de 1846 a junho de 1849. succedeu que a lei
do orcamento do 1847 isentasse deste impos-
to os predios qnepagain decima. Istodeo
lugar ao a rroiiia ta nte accionar a fazenda pa-
ra rescindir o contrato, (o que nao serea-
liscu) e por isso deixou de proceder ico-
branca do segundo anno de 47 a 48. Ms
le do orfamento de 1848 aboli o impost
do dizimo dos cocos smmenle do lerceiro
anno da dita arromataco em dianie, isto
he, do anno do 48 a 49. licando osconin-
buinles subjeilos a pagaron) o imposto do
segundu anuo da arremataco, islo ho. de
47a*8. Por isso o arrema'lantoavs *uS
ditos conlnbuiutes que vai proceder co-
urancB, o que para evitar os termos judi-
ciaes, devem vir pagar as suas respeclWs
quolus al o da lodo correte, na ra da
Cadeia-Velha, n. 59, primeiro andar.
Aluga-se uma casa terrea, sita .na Boa-
Visla, ni d Prazer com excellenle*
commodos i a Iralar no pateo da S.-Cr* >
sobrado da -
esquina quj volta P/A*\.r'
Joaquim Theodoro '
Velha, cen, Joaqiin Theodoro
a ti itii a r>
(ia



DSo-se 200,000 rs. a premio sobre pe-
nhorea "de ouro e prata i na Camboa-do-
Carmo, n. 29, so dir quem d.
joaquim Pereira Arantes cientfica
sos seus devedores que incumbi ao Sr. An-
itonio Pereira Vellozo a cobranga de suas
|divids, pplo que o mosmo Sr. podero
f pagar seus dbitos.
A pessoa que annunciou, no Diario de
28 do prximo passado, querer comprar
una mobilia de Jacaranda em muito uso,di-
rija-se a loja de marceneiro do Sr. Thomaz,
unto a cadeia.
Jo8o Antonio Pereira de Campos, Por-
tuguez,retira-se para Portugal.
_ O Sr. AmericoMilitode l'reitas Gui-
marfles tem cartas na ra da Cadeia do Re-
cito, n. 43, segundo andar.
_. o abaixo assignado responde a pergun-
ta feita pelo procurador de Manoel Feneir
Lima nesta folln n. 145, que pelo trato a-
baixo transcripto, sou-lhe devedor no dia
19 de minde 850, para cuja quantia tem
hypotheca no sobrado da ra do Rangel n.
8,para reato do principal 400,000 rs e juros
vencidos at o dia 19 de maio do corrente
anno 917,316 rs.; por isso os annuncios fri-
tos nSo se entendem com o dilo Sr., e sim
com Indos os mais que se julguein credores
/.f Jote Marqut$. "*'
llecebi do Sr. Luiz Jos Marques 1:600/
rs. por eonla da hypotheca que em meu po-
der tenlio, declarando que o resto da mes-
ma hvpotheoe tica obrigado a pagar-me da
data deste a doze meses; e, nilo o fazendo,
vencer o premio de tres prcento at o
meu real embolen, Recife, l9lo maio de
1810. lis.'1'600,ooo rs.Como procurador,
Manoel JoaquimAtvct Pitomba.
LOTERA de tossa-senhora do gua-
DftftjPE.
Em vista da disposicOo do artigo 48 da I
lei provincial n. 944 de 16 de junho prxi-
mo (indo, que conceden o direito de prefe-
I rancia qualquer oulra loleria concedi-
da a favor das obras da igreja de N. Sra.
do Guadalupe de Ulinda, edb despacho de
2" do referido mez do lllm. e Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, proferido em requeri-
I ment da mesa da irmandadedaquella igre-
I ja, declara o thesoureiro desta loleria, que
respectivas rodas correm imprelcrivel-
ente lut dia 14 do correnle mez, concor-
endo para lato nflo s a honda.ie do plano
que tem merecido o geral agrado, como a
rpida e. espantosa venda que vilo leudos
billietes; merecendo particular considera-
dlo o fado de que a irmandade pretende
(>c at- esse dia restarem bilhetes) liear com
ellos., e liem assim quo os mesmos1 bilhetes
sSo do 8,000 rs. os i n le ros, e de 4,000 rs.
osnyios: acham-se renda nos lugares do
cnslume, habililando-se, quem os comprar,
para obler os vantajesos premios djj seis,
lie bonito andar asseiado, mas he bem
que se pague o alfaiate, por isso pedo-se ao
Snr. Antonio Jos Lina de Oliveira, capullo
do sexlo balalho decacadores de primei-
ra linha o favor de vir pagar o importe de
seu fardo e caigas que mandou fazer om
dezembrode 1847, na ra larga do Roza-
rio n. 40, isto antes Ue embarcar, ou'en-
tilo Irazer o fardo e calcas como estiverom.
Conlina-se a rebater sidos dos Srs.
ollicines da terceira e quarta classes : em
o segundo andar do sobrado confronte
caTJeia, n. 26.
'Domingos Antonio Gomes
Gui maraes, nflo podendo por causado sen
estado de Saude continuar com seu nego-
cio, offeroce a pessoa a quem eonviero seu
estabelecimento da ra do Crespo, as divi-
das e fazendas, etc., ou qualquer cousa em
separado : a pessoa, pois, a quem convier
entrar em negocio, dirija-se a elle na Ponte-
de-Uchoa. ou a seu irmfio Joo Antonio Go-
mes GuimarSes, no mesmo eslabelecimen-
to, o qual so acha competentemente ato-
risado para.este fim, ou para outros quacs-
juer tendentes aocommercio.
ido dual legoas ao tul de Sanln-Antao, est re-
solvldo a vender u referido engenho. o qual
moe com animad, e est paramentado de to-
do o predio, e com urna safra de doui mil
piles: ene engenho tem mu* de niela legoa
quadrada de excellentei trras e de ptima
producfio, tendo grandes vaneas. Tambem
se veiidem, le agradar ao comprador, 32 ani-
maes de roda e 20 bola mansos: quem pre-
tender, dirija-se ao mesmo engenho, que lodo
querem os entregar aos tribunaes do jus-
tiga para devidamente sarem sentenciado*,
fa%em o presente segnindo esle outro.
200,000 rs.
D-se esta quantia de gratificacSo a quem
levar ao engenho Agoas-Claras, de Uruc,
da viuva do Burgos, ou nesta praga, no
pateo do Carino, n. 18, segundo andar, a
Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
- "-'i .WM I 1 l u IV l'U I i,"-' I 'lili i. Xt^
o negocio se far, e se precisar de alKum escla- |.eon, os dous escravos seguintes que fu-
reclmento -lirljvf* a ra do Quelmado, 27. gnm noidM gabl)ado ^MJ M
bratlllCa-BV COra 00,000 rs. a 27 do corrente : Vicente, pardo do 26 an-
Aeompanhia dos vapores. il*
Pede-se ao agente da companhia I
brasileira dos paquetes do vapor que
por caridade mande ver o estado em W
que se acha o alicerce do deposito do IB
carvffo, que do lado do norte j est I
totalmente descoberto pela excava- Jj
cj.lo que a mar tem feito, e dentro s$
em breve, continuando ototala.ban- j
donoem que tem estado esta proprie-
dade, a miagar ruina : com o que $
prejudicar a um Acciomita.
tres
mu
9 e um cont de ris, etc., clc.^Jf!^spi dos
is que nao silo menos intcrcssa|107.
Precisa-fOde urna ama para l;..nbare
fszer as compras diarias de urna uvsa, cuja
familia consta de duas pessoa ( igual-
mente de urna, freguezia para lvjgem de
roupa de vairella: em o segundo'ndar do
sobradon. 26, da ra da Cadeia, se dir
quem precisa.
Predsa-se de urna preta forra que
queira comprar ecozinharem urna casa de
honii 111 solleiro : nada Camaro da Una-
Vista, n. 5.
Pergtinta-sc ao Sr LuizJo-
m: Marques como se tlcvcm enten-
der os seus annuncios leitos no
Diaria ns. t43e i44> vislo ter-se
procurado o reslo do principal e
uros da liypotlieca feita em -xi de
gosto de 1845, e lia muito venci-
Bd, sein que tenha pago o dito sal-
do, mesmo depois de ter appareci-
loum tal anuuncio sern excepc3o
ilguma. lslo.lr.scja saber O
Procurador ile M. P. L.
Prerisa-se, (rara um engenho perto da
Taca de um bom feitor que se encar-
egue de mais alguma rous.i que nilo seja
acompsrtharus escravos para o campo,
que seja hoo o familia : na ra da Aurora, n. 44, das 3
leras da Urde em diante.
Toma-ae de renda um sitio com casa
le vivenda terreno para plantajes e pas-
0 para 20 vaccas de leile, at legoa e meia
listante desta praga : na ra Nova, n. 49. '
I'iecisa-se de urna ama de leile, que <
k-nha borne abundante, para urna crianza
Ie6 mezea : na ra do Collvgio, n. 19, pri-
peirq andar.
Piecisa-se alugar um preto para fazer
servico ordinario de urna padaria c carre-
ar pao ; na padaiia da casa d'agoa.
1 Anda se precisa de um padeiro e for-
ieiro que queira ir para Mareio, conforme
p annunciou por esle Diario.
A'gen cia fie passapoi tes.
I Tiram-se pasiaportes para d'entfo e fra
p imperio-e correm-se folhas : ludo por
reg commodo : na ra do Padre-Florian-
p sobrado do um andar n. 7.
IAluga-seum sitio no lugar da Crui'
fcs-Almas com grande e asseiada casa/de
[venda estribara e cocheira grandoAai-
p decapim e muitos arvoredos de foiclo :
tratar na ra da Aurora, n. 42, prianeiro
pdar. *
Aluga-se um silio entro fa s Cru-
Ps-das-Almas com muito boa casa do vi-
pnda e outros commodos para pretos e
>ra estribara com duas baixas para ca-
lm e tnuitos arvoredos de fructo entre
kquaes ha um pomar de lrangoiras de
pbigo : a tratar na ra da Aurora, n. 42,
Nmeiro andar,
I^CIaudino do Reg Lima mudou su
tsidencia para a ra do Podre-Florianno,
|brado de um andar n. 7.
m- Arretida-se, ou mesmo se recolhe por
Pjrlois, urii armazem muito grande ta-
Mde labodse com trapiche no lim do
Veo-Largo, no Itecfe, proprio para re-
fcrtercarvao de pedra, com muito bom
B>arque e desembarque toda hora : a
Fiar no mesmo lugar, com Manoel Anto-
P da Silva Uotta.
! Leonor Luiza da Rocha tem juato e
"ilraiaido como Sr. Leandro ilarlins Fu-
tir compra de duas casas terreas, urna
^na do Padre-Fioriaiino, n. 6, e outra na
sa de S.-Jos, 11. 17 : quem se julgai
- No dia 6 do corrente, perante oSr. I)r
juiz de direito do civel da primeira vara, na
saladas audiencias, depois desta, se ha de
arrematar um bom terreno na ra do Santa-
Rita, n 23, com 60 palmos de frente o 264
de fundo, com telheiro e serrara, confor-
me j fo annunciado no Diario ns. 130, 132
e 1S5: quem pretender compareca, que he a
ultima nra(;a
- Arrenda-se ou vende-se a casa terrea
da ra do Mondego n. 135 com urna das me-
Ihores otarias no fundo, chito proprio, com
muitos bons commodos para qualquer ou-
tro estabelecimento, por ter bom porto de
mar e sabida por trra,| ndependenle da ca-
sa : quem o pretender por venda ou arren-
damento, procure o'seu propietario, Jos
Antonio Corrcia Jnior, na ra da Concor-
dia, quo lodo o negocio far.
-- A viuva de Luiz Ignacio Ribeiro Roma
pede aos credores do seu casal quetirem as
suasconlas para seren attendidas no in-
ventario que esl procedendo pelo juizo
dos orphns, cuja entrega se devera realisar
at o dia 10 do corrente. .
Joseph Falque vai ao Rio-de-Janeiro,
levando em sua companhia o seu escravo
Firmino, de naglo Cagange.
Agencia de passapoi les.
No paleo da matriz de Santo-Antonio,
sobrado n. 4, tiram-se passaportes para
dentro c lora do imperio, assim como cor-
rem-sc folhas e despscham-se escravos.
Folicarpo Jos Layne faz
publico, para cpie ningucm se da-
me a ignorancia, que uo se res-
ponsabilisa por qualquer divida
que em seu nume seja coutrabida.
Sociedade Harmnico-1 /teatral
A direccao da sociedade llarmo-
nico-Theatral, tendo annuido ao
pedido de um grande numero de
seus sqci s para a repetirn do dra-
ma a Veneziana faz sciente
aos mesmos que o especlaculo te-
la lugai em o dia 7 do corrente, e
que nao se recebar mensahdade ;
tambem scienliiica que n3o se en-
tregarlo os bilhetes genio ao pro-
prio socio, ou a pessoa por elle le-
galmente autorisada, assim como
que devero assignar os bilhetes de
galera para que se nao repitam
abusos; os bilhetes distribuem-sc
nos Jias 5, 6 e 7 at ao meio-dia.
O tabelliSo interino das hypothccas
mora na ra Augusta, n. 66.
O S. Miguel da Costa tenha a bondade
de dirigir-so ra do Qucimado 11. 39, rasa
do thesoureiro da lotera do theatro publi-
co, a fallar com o filho Prxedes da Silva
Gusmao.
Perderam-se cinco scgOes da compa-
nhia de lleberibe ao sabir da esesda does-
criptorio da mesma companhia, seguindo
pelas ras da Cadeia, Crespo, praca da In-
dependencia, Cabug, Nova, ateo becco da
CainlnVi-do (ai 1110, e vollando direita pa-
la i das Flores, e por all seguindo al a ca-
sa n. 9 da mesma ra : quem as achou,que-
rendo rllituil-as, pode lava-las" mesma
casa.011 aJ eseriptono da mesma companhia.
Est para alugar' o primeiro andar do
sobrado novo na irftessa do Dique, com
bons conUnodos panurrande familia : a tra-
tar com JOfc alaria /Jacido Magallies, ou
com o seu ,'* Dr! 10, Antonio Joaquim
de Souza Rilit ra da Cadeia, n. 18.
O Sr. Anto anei.-i-o dos Sanios Vi.
tal queira ir resg Ha cdula de 20/
rs. falsa por oul: aonde o Sr. Uve a
bundadee habiliaue ue a passar : e como
al agoca se esteja a espera ie. sua p.ala vi a,
nflo a tenha cUmprido, torna o necessa-
rio que o Inca.
Precisa-se de um caixeiro brasiiciro ou
porluguez paira urna padaria,. entregar p3o
em urna froguezna com um preto, e que d
fiador sua conduela
da Santa-Cruz, w. 5.
Jo3o lnds^iI, piofessor retratista, mu-
dou-se da ra day-i uz, n. 10, para a mesma
rus, n 40, terceiw andar e d'ahi contina
a tirar retratos crJm toda a pe fecflo : as
pessoas que o pretuiderem o acharSo lodos
os das na casa mencionada, das 9 as 10 ho-
ras da iiianliaa. U aiViuncianle, como tem
le demorar-se por 1 Jiuco lempo nesta ca-
a quem apresentar na ra da Cruz,
n 9, terceiro andar (ou primeiro)
um relogio de ouro, patente inglez,
bordado de ambos os lados, tendo
em\um delles um espaco liso no
centro (figurando um escudo) para
firma ; le va va corrente com cha-
ve e sinete de ouro ; tem o mos-
trador branco e liso com lettras
prtas, e tem on. 3q,520.
Domingos Antonio Gomes
C.uimarfes, leudo de tratar com urgencia
da liquidaQo de seu uegocio, olTerece
quelles de seus devedores que at 15 do
corrente mez, lhe pagarem anas contas ou
dbitos um abalimenlo de5 a 25 por ren-
to como de promplo pagamento ; assim
como que desde j eslflo dadas as suas or-
dena, eautorisado seu irmfio Jofio Antonio
Gomes Culmar.tes para fazer chamar a jui-
zo eexecutar todos quelles que nao hou-
verem pago, e isto sem exepcilo de pessoa.
Por isso faz publico por este jornal, para
que conste a todos quelles que em sua ca-
sa tem contas.
O abaixo assignado, proprietario do
llotel-Commercio, em cansequencia do
grande numerodJM.gj)antes quo presen-
lemente tem saj^^H Hmenlo,edascon-
linuadas enconf^pwqTO-diariamente lhe
encarregam d epminptnr, le.m resolvido
de hora em vantc cesSar de daralmogos e
jantares avulsos em dito estabelecimento,
para d'csta forma mclhordcdicar-se a bem
servir seus assignantes e freguezes.
Dito estabelecimento contina a receher
o numero de hoajiedes queUie frtr pnssivel e
comprometet-se a bem trata-Ios. Das 6 ho-
ras da tarde as 10 da note, as salas ao es-
tabelecimento cst.irfio abortas, como at
agora, e os freguezes que comparecerem
serilo servidoscoin promplido e asseio.
Frcmciico SimOes da Silva Ha fia.
- A pessoa que annunciou no Diario de
28 do corrente querer comprar tima mobilia
de Jacaranda em maio uso, queira dirigir-
se loja de marceneiro do Sr. Thomaz, juq-
o a cadeia.
Dentista.
D. W. Daynon, cirurgiflo dentista a-
Smericano breve se retira desta pro-
vincia e pelo pouco lempo que aqu sn de-
mora, tem a honra de offerecer ao respe-
lavel publico o sen prestimo, na ra do
Trapihe-Novo, n. 14.
O aferitlor
rnga a todas as pessoas que conduzem mel.
a guarden! e, azeile, &c para o mercado des-
ta cidadb em ancoras, e que anda nfioafe-
riram.que quanto antes venham aferir, pois
o (empo'da afericilo esl a acabar-se,e os
fiscaes respectivos pasearlo a dar as corridas
do costume, e aquellas que onconlrarem
sem estar aferidas neste anuo de 1849, se-
rdo multadas em 2.000 ris cada urna, 00-
brigadas a aferir; assim como previne aos
s.euliores de Injas que, estando prximo o
lempo da revisfio, n3o Ibes passara verba
da revisfio, sem que estejam exactas com
o padrSo da cmara, e para esse fim j tem
preparado urna po.-efio de varas e covados j
aferdos para quelles que precisaren).
-- Elias Ignacio de Oliveira embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro o escravo Luiz, pertcn-
centeaoSnr. Joaquim Aurelio Pereira de
Carvalho.
Os muitos e excellentes eslabeleci-
mentos que nesta capital existero, alguns
mantillos pelo governo para a instruceflo
scientifica da mocidade, nuda deixam a de-
sejar para aquellas pessoas que particular-
mente se dudicam ao estudo das sciencias ;
mas ho de lastimar que, sendo tantos os es-
talieleci (lientos desta nrde.n, nao elisia Um
sem quo se ensine aos jovens o que he
absolutamente indispensavel para habilta-
los a entrar na carreira commercal, f.inte
principal de riqueza em todas as cilades
marilimas, tal como a de Peruambuco.
Convencidn desta palpitadlo necessidade,
o abaixo asTignado procura de algum mo-
do remov la, propondo-so a abrir una aula
em que se ensine o seguidle:
Liugoa nacional; fallar eescrevera I in-
goa ingleza e a franceza; arithmetica, com
con 111 'cimento dos cambios de todas as pra-
vas da Europa e sua arbitradlo e noccs de
geographia.
A aula ser eslabelecida em um dos lu-
gares mais centraes desta cidade, e como se
nao deva abrir sern quo cont um determi-
nado numero de alumnos, o abaixo assig-
nado convida s pessoas que lhe quizerem
confiar essa paite da educarlo de seus li Mi os,
se dignem dirigirgjhe suas propostas em car-
ta, que poder ser entregue na
nos, de altura regular cabellos croscidos e
carapinhados, testa sobresabida olhos pe-
queos, nariz chato, tomador de tabaco de
caco rosto descarnado e com espinhas,
sem nenhuma barba; levou 1 camisa do ma-
dapoln urna caiga de casimira usada, urna
jaqueta de bretanha, um bonete do velludo
azul ja usado, um rhapo de palha, om
dito de pello preto : Joaquim, crioulo bas-
tante preto,de38 annos, alto, secco, cara
pequea, bem barbado ; tem o costume de
levar a mSo barba ; he gago ; andar com-
nassado; dizem ter mili em Pajah-de-Flo-
res ; foi escravo do capitflo Leandro Bandei-
ra de Moma do Apody o qual se acha pre-
sentemente na comarca de S.-Ant3o, e tem
um sitio om Cravat; presume-se terem
partido para o Apody, ondo ha muitos p-
renles do dilo Moura; comquanto o primei-
ro andasso sempre em viagens dos sertOes
do sul ao poenle, com os cobradores desta
casa: este ultimo escravo levou um chapeo
preto de pello e outro do couro, duas ja-
quetas brancas, 1 cali;a do brim pardo 1 di-
ta de piscado i camisa de madapolflo,
duas ditas do algoditoda trra o ccroulas.
Roga-se a vigilancia uestes .Ion escravos,
que vindo com muita brevidade,. serfio
gratificados anida com mais do que se olTe-
rece.
Novos riscados monstros, de vara
de largura, a 320 rs.% o covado.
Na ra do Crespo^. 5, vendem-se os no-
vos riscados tnonstrTfs, muilo finos e pa-
dres nunca vindos a este mercado, pelo
barato preco de 320 rs. o covado.
-- Vende-se um bergo de angico para
crinca, por muito barato preco e em bom
uso: na ra estreila do Rozano, loja de
marceneiro, n.27.
Vende-se urna preta de nago, que en-
gomma, cosee cozinha soffrivelmente : na
ra daModa, n. 19.
1 Deposito da estrella, na na
V .Nova,n. 56.
Odunoilesto estabelecimento pelo
f> presente ayisa aos seus fregueses e *
ao publico, que osen estabelecimen-
* to acha-se montado com um grande
e esplendido sortimento das melhores
e mais bem fabricadas qualidades de t
charutos que veem da Bahia. Os fre- 9
guezes podero escolher a sua vonta-
de, promettendo-se receber qual-#
Jfe querqualidade que nilo agrade ao Q
% comprador, pois he hoja este depo- 9)
% sito um dosque teem merecido e pre- #
tnndem merecertodaa estimae alten-
tt) Qlo dos amantes da boa fumaga:.con- #
4 tendo o sortimento as qualidades se- Wi
#> guintes: saquaremas, deputado, Ve-
#) us, lancoiros, patuscosj, melin-
m dres, quem fumar saber, cavallei- *
if ros de llavana, regala superfina, *
) mela-regalia, nOo prosultra, gyragol
2 eoutras mutas qualidades que a vis-#
1 la dos compradores aerSo patentes, m
Compras.
-- Compra-sc urna negrtnha, ou mole-
que, sendo bonitos, que he para urna en-
commenda na ra larga do Rozario, loja
11. 35.
-- Compra-so urna escrava que saiha bem
cozinhar e engommar, sendo de boa con-
ducta : na praga do Commerqio, 11. 2, pri-
meiro andar.
~ Compra-se um bom cavslo, ou mes-
mo urna parelha para carro, sendo muilo
bem ensillados emansos: na ra do Cres-
po, loja n. 9. Na mesma laja precisa-se de
um silio da pona do Manguinho at a Pon-
tc-de-Ucha.
Compra-se urna negrinha'o'e 14 a 18
anuos, que saiba coser chao, engommar sof-
frivel, e nflo tenha vicios : eni o segundo
andar do sobrado confronte a cadeia, n 26,
ou na tuadi S.-ltita, 11. 91.
Compra ni-se 3 venezianas em bom uso'
c um banco de rosca para piano : na ra do
Crespu, n. 10, primeiro andar.
Compram-so para urna encommenda ,
escravos de ambos os sexo pretos e par-
dos de 10 a 40 anuos : agradando, pagam-
sebem: na ra do Padre-Floriano, sobra-
do de um andar n. 7.
Compra-sc um violfocom algum uso :
n ra larga do llozarin, n. 24.
'--Compra-se um relogio de parede, son-
rio bom regulador ; na ra da Alfandega-
Velha.n. 5.
--Precisa-se de um homcm quo queira
assentar praga por outro por 3 annos o
meio : quem estiver nestas circunstancias,
drja-se ra da Cruz, n- 6i.
V
Vendas..
K> botica dos
Srs. Veitch Itravo & C. na ra da Madre-de-
llces, ou e 111 casa dos Srs. Mesquila &.|lu-
tra na ra do Rrum, cedas de que o abai-
xo assignado desde j proles la que dilo pon -
para i'adi .as para que os seus alumnos ten-
liam o possivel adiantamenlo.
As horas da auia scro das nove s i2
horas da manha, e das tres s seis da tarde:
e a mensalidade ser de 10,000.rs. -- Josi da
Maya.
ASSASSINATO HORROROSO!
D. Francisca da Cunta Baffdeira de Me-
llo viuva do Burgos, e seus (ilhos pedom
encarecidamente aos Srs. delegados e todas
11a padaria do pateo as outras autoridades poiiciaes, capitaes de
campo e pessoas particulares, a apprchen-
sAo de dous de seus escravos que, em o seu
engenho Agoas-Claras doUrucu' da fregue-
zia de S.-Anlo, dirigiram-se a casa de seu
administrador o Poituguez Domingos de
Oliveira ,e atllfechaudo-o dormindo assas-
SMtaram-no com urna fuuce daudo-lhe um
so golpe na testa, de mancira que abn-
ram-na. Esle brbaro aconlecimento
... uuo.-juw, o. K quem se juigai ,ie emorar-s por ||>uco lempo nesta ca- ram-na. tste oartiaro aconlecimento leve ptimo cauoeiroe socaor'ile assucar; um
sreJtoaellas. queira declarar por es- piui, faz scjenteque\as pessoas quejjuei- lugarno dia 26 de maio do corrente em -nln du meia idadeafi.to .! 1.....
No largo co Lfvra-
X ment, loja n. 10, de
Fernandes da Luz
\ I I lilil),
2 vendem-se corles de cambraia de so- g
da, demuilo lindos gostos e os mais v
vi modernos ; e outras mutas fazendas ra)
% por prego barato. y
f 'A
l&AVa>-a>a"eS> -es filmantes de bom gosto.
No armazem de motilados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-I'elix, e do outras muilas
qualidades que se vender.lo mais barato do
que em oulra qualquer parle : bmn como
cigarrilhos hespauhes ditus de palha de
nilho, que se estilo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
Iarinhade mandioca
chegada ltimamente do Itio-de-Janoiro :
vende-se a bordo do brigue-cscuna Felis-
Venlura, fondeado dcfronle do caes do
llamos.
Cobre
para caldeireiro e para forro de navio ;
bataneas decimaes
para pesar 100 al 2,000 libras ;
cojres de ferro
com chaves de segredo ;
faedes,
parnhibas e mais ferragens : tudo por pre-
go commodo I na ra da Alfandega-Velha ,
n. 5.
--Vende-se um lindo mulalinho de 12
annos de idade, de cxcellcnte conducta e
com muilos bons principios de sapateiro ;
urna escrava de nagflo, para todo o servigo
de casa ; duas ditas para o campo ; um mo-
leque de nago : no patc,o da matriz do
Santo-Antonio, sobrado n. 4, se dir quem
vende.
-- Vende-se um preto de nagSo Mogambi-
que, mogo e sem achaques, o que se abli-
ca : o motivo por que se vende se dir ao
comprador : no jaleo do Tergo, padsri
n. 30.
r- Na ra das Cruzos, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se6 escravos, sendo : un a ne-
grota de 18 annos, de nago, que engom-
rea, cozinha e lava ; urna dita da Cosa, de
bonita figura, e que he quilandeira ; urna
lita de nago de 40 annos, quo engomma,
cozinha e lava ; urna dita de nago, de meia
idade boa lavadeira ; urovprelo de nago ,
monstruoso bramante de linho
de 11 palmos de largura.
Na loja de GuimarSes & Henriques, na ra
do Crespo, n. 5, vende-se-bramante fJno de
puro linho de II palmos de largura, pelo
barato prego de 2.800 rs. a vara; ricos co-
bertores de barra de seda, muilo grandes, a
6,000 rs., o mais pequeos, a 5,000 rs. ;
fazendas estas nunca viudas a esto mer-
cado.
Papuas,ale3,000 rs. o covado.
Na loja de l.iiiinares & Henriques, na ra
doCrospo, n. 5, vende-se panno preto e
azul, pelo barato prego de 3,000 rs. o co-
vado e.preto mais inferior pelo diminu-
to prego de 2,000 rs. o covado; bem como
um completo sortimento de todas as cores,
ede diversos pregos.
Chitas de cores/Tas, a 5,200, ou
a 140rs. o covado.
Na loja n. 3, que faz esquina para a ra
do Collcgio, vendem-se chitas de bons pa-
drees c~ cores fixas, a 5,200 a pega c 140 rs.
o covado; ricos cortes de cassa da rainha
Victoria a 3,600 rs. o corte ; liodas cassas
francezas, largas, pelo barato prego de 610
rs. a vara : esta fazenda se torna muito re-
commendavel por sor de padres novos e
muilo finas; alm destas ha um com-
pleto sortimento de todas as qualidades de
fazendas, por prego muito commodo.
Salsa-parrilha de Sands
para remover e curar radicalmento to-
das as enfermidados que procedem da im-
pureza ilo s.-ingue, ou habito do systema.
Esta medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
infeliz victima de molestias hereditarias,
com glndulas inchadas, ervos incolhi-
dos, e os ossos meio arruinados, ficou resta-
belecida com toda sua saude e torcas. O
doenlc escrofuloso, coberto de chagas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem o servia,
ficou perfeilo. Centenares de pessoas que
tnbau. solTrido ( por annos, a ponto de de-
sesperem da sua surto ) molestias cutneas,
glndulas, rheumalismo chronico e muilas
outras enfermidades procedentes do desar-
imojo oos orgns de secreglo e da circula-
go, teom-se erguido quasi milagrosamente
do leito da murte, e hoje, com constituicO -s
regeneradas, com prazer attestam a effica-
ciadcsla iuestimevel preparago.
Comquanto tenham apparecido grandes
curas at aqui produzidas pelo uso desta
cstimavcl medicina comtudo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no-
taveis.
Ncw-i'orU, 22 de abril de 1818.
Snr*". A. R. e D. Sands. Julgando ser
um dever para com Voscoe para com o pu-
blico em geral, remetto-vos este certiQca-
po das grandes virtudes da vossa salsa-par-
id !ki para^ue outros que hoje eslo sof-
frendo estabelegam melhor a sua confian-
ga e fagam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande feri-
da no tornozelo, queso estendia pela canal-
la cima at ao joelho, langava gi ando por-
gan de nojenta materia, com comichOes
que mepi ivavain muilas noitesdo meu des-
canso, e eram muito penosas de supportar.
O Sr. tiiogo M. Connel, que bava sido cu-
rado com a vossa salsa-parrilha, recommen-
dou-mequeeu fizesse uso delta, o depois
de haver lomado cinco garrafas fiquei per-
feitanieute curado. .
Tenho demorado um anno mandar-ros
este certificado, para conhecer com certe-
za se a cura era permanente, e teobo agora
a maior satisfago em declarar que no te-
nho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo este lempo, e acho-me perfeita-
mente restabelecido. Sou vosso, etc.
Sarah M, ntir.
240, ra Delancoy.
Nesta provincia o nico agente deste ma-
r vi ihoso remedio he Vicente Jos de Brito.
Vends-se, por prego commodo, urna
preta de 40 annos, propna para vender na
ra, ou para cozinha, por ter habilidades :
na ra Velha, n. 79, at'as 8 horas da ina-
nlia odas :t as r> da Urde.
Vendem-se chitas com algum mofo ,
propias para escravos, a 5, 6, 7, 8 e 9 vin-
tens, o linas muito bonitas, por mais prego;
lindas grossas de novelo, com algum lujo,
a 160 rs. orna quarta ; luvas finas de pelli-
ca, a 500 rs. ; lencinhos de lil de linho,
proprics para meninas, a 400 rs. ; ditos de
cambraia com bonitas palmas, a 400 rs.;
ditos de toquim com franjas a 640 rs.: na
ra do Passeio, loja n. 17.
Na venda que foi de Jos da Penha, na
i--<--_.- -, .qo.


\*
Na livraria ns. 6 e 8 da praga da inde-
pendencia vende-so o sceuiito : *'
MANUAL ELE1TORAL
contendo a le regulamentBr das eleigfiose
os decretos e decises do governo que dlTo
C5clareciment09 sobiSjsua execLgflo.expedi-
dos a' abril do corrrente anno, com notas
explicativas fun-adas nestes mesmos escla-
rccimentos;
NOVO MANUAL DO JUIZ DE PAZ
contendo orna minuciosa explicae.lo de lo-
dos os seus actos no desempenho de sur*
attribuigfie i, seguido de um appendicn dos
leis. regulamentos, avisos, etc. relativas
aos ditos juizes inclusive as das eleigoes,
o regiment dos salarios, e de u,m ndice
nlphaheticode todas as materias comidas
ueste manual;'
CDIGO DO PROCESSO CRIMINAL
de primeira instancia do imperio do Brasil,
com a disposigflo provisoria rcerca da ad-
ministragnoda justiga civil, seguido da lei
de 3 de dezemhro de 1841, o regulamentos
para sua exeeugflo do 31 de Janeiro e 15 "de
marco de 18*2, segunda edicto mais cor-
recta e augmentada com notas
A i,3oo e i,Goo rs.
No largo do Livramento, loja de
lemanfies da Luz ck IrmSo,
vendcm-se cortes de brim pardo de puro
]iiiIm\ a 1,200rs. ; dito amarello, a 1,600
rs ; ditos de casimira de listras, a 7,200 rs. ;
ditos de Ifia a mitacSo de casimira, a 3,800
rs. ; castor para caigas a 240 rs. o covado;
briro miudinlio do linho, para jaquetas e
calcas, a 440e 480 rs. o covado; corles de
cambraia branca, padroes novos, a 5,500
rs. ; ditas de cores, a 3,600 rs. ; algodflo de
listras, fazenda muito boa, a 100 rs. o cova-
do ; chitas encarnadas milito lindas, pa-
ilnv s novos ; ditas de cores muito finas ; e
outras muitas fazendas, tanto finas como
grossas, por prego muito commodo.
Chocolate de saude e xa-
rope de angico
fabricado no Maranhflo por Luiz Rolenluit
& Compendia, boticarios chimicos da escola
esjucial de Paris. Tstes dous objeclos tilo
necessnrios as molestias do peito, como
inesmoa conserva gil) da saude, j experi-
mentados por muitas pessnas que bem con-
irmam seus Lona resultados. Constante-
mente llavera um deposito desles sorlimen-
tosna ra da Cadeia do llecife, n. 25, de-
fronte do Beccn-I.argo. Sen prego fixo ser de
800 rs. a libra do chocolate, e 1,000 rs. ca-
da urna garrafinha de xarope, acompanhan-
do um receituario do seu autor.
Vcnde-se algodao tranfado
da fabrica de Todos-os-Santos a
a^o e a 3oo rs. a vara : na ra da
Cadeia, n. 52.
A 1,000 rs.
o corte de calcas.
Vende-se hrini trancado pardo de puro
linho a mil rs. o corte de caigas : na ra
do Crespo, loja da esquina quevolla para a
Cadeia. j
4
O f
i Atoalhados de linho. 0 Vendo-sc atoalliado de puro linho, 3
q\ com 6 palmos df largura, a 1,600 rs. q
A avara ; dito muito superior, com 8 q
A palmos, n 4,000 rs.; dito com 11 pal- ;'.
J mus, a 5,000 rs.; losillas da mesma 5,
? fazenda, com 7 palmos de compri- 5*
J ment e 6 ditos do largura, a 2,000 Jg
O rs.; e guardanapns, a 3,000 rs. a du- V
& zia : na ra do Queimado, loja do so-
t'> brado amarello, n. 29. O
& e
Peniias de ac
Vendem-sc pennas de ago muito finas;
bem como outras de muito boa qualidaile ,
proprias para escrever em livros, do ver-
deiro autor Joseph Cillotts tanto em car-
tiio como em caixinbas de urna groza: na
ra da Cadeia do Recife, n. 19.
Vende-se farinha de mandioca de S.-
Oalharina, muito superior, por prego com-
modo, desen barcada boje para os armazens
n 1, do Bacelar e Ilias Ferreira, no caes da
Mfandega : atraamos mesmos, ou com
Novaes & C.
Vende-se, por barato prego, fumo mui-
to superior para capas de charutos ; potassa
em barriquinhas,desembareada nestes das:
no armazem de Das Ferreira, no caes da
Alfaiidega ou a Halar com Novaes & C.
Extractos finos.
Os maisapreriaveis extractos para lengo,
de queseo pre ha faifa por seren os mus
svmpalicos queaqui ti ni vindn, sendo dos
seguintes eheiros, patchouly, verviene,
sarmim, mil flores e ainlur : vende-se a
relalho a 250 rs. a oilava : na ra da Ca-
deia do llecife, n. 19, adverndose que
no se vende menos do 4oitavas.
SSSF.
Manoel da Silva Santos continua a vender
barricas de farinha de trigo da marca ci-
ma mencionadas, ullin>amente chegada a
este mercado: a tratar no armazem de Anto-
nio Atines, no caes da Alfaodfg*
Ao barato, fregueses.
Na ra INova, defronfe daNCon-
ceicSo, vendenj-se
riscados monstros, a 240 rs ,e oulros an-
da mais largos, a 290 rs. o envado, para
acabar ; chitas finas, 160 c 200 rs. o cova-
do ; casimira prela ; luvas ; meies; cassas
de lindos padrOes ; chales de lila, a 560 rs. ;
casimiras, a 6,000 rs o cite ; fazenda de
caigas a 200, 240, 280, e 320 rs. o covado,
padrfies bonitos e tintas lisas.
A inda est por vender o sobrado de
dous andaras, na ra Direil'a, muito largo,
com i'uas lojas e grande quintal com ca-
cimba : vende-se com algum prazo em par-
te do seu importe, o se receben) permulas
que sejam rasoaveis : faz-se todo o nego-
cio, e a publicidade dos annuncios prova o
desembarago do negocio que se propoe : na
ra do Caldeireiro, n. 62, ou na praga da
Independencia, ns. 6 e 8.
Vende* se
Panno de linho do Porto
entre-lino e superior, por prego com modo:
na ra da Madre-de-Deos, armazem n. 26,
de A_. V. da Silva barroca.
A 640 rs. cada pin.
Cobertores de nlgodao ameri-
cano os mais encorpados que ha,
duas patacas cada um, e algodo
de listra proprio para roupa de es-
cravos, por ser muito encorpado,
a i4o rs. o covado: na ra do
Crespo, loja da esquina que volta
isra a daGadeia.
Vende-so princeza preta de duas !U_
Hj larguras, fazenda igual a merino, e/*
a 1,000 rs. o covado ; alpaca preta vm
fg de lustro, a 600 rs. o covado; me- **"
R ri preto. a 2,500 rs.; dito mu- S
** lo fino, a 3,500 rs. ; panno fino de I
E cor fixa, cor ile vinho, caf o ver- p
|| de-parrafa, a 4.000 rs. o covado, e -^
k2i prelo para todo o prego, Icndo de ^
^ todos muit aondo escolher; ca-
5g simira preta elstica, a 2,500 rs. |ge
5g o covado ; dita superior, a 3 e S
I'(1 :1 5u" rs > ou'ras muitas fazendas Sm
K? finas e muito em conta : na ra do JP
5/a Queimado, loja do sobrado ana- (gg
Si relio, n. 29.
n ty*
mZ.
IO!lia de Fin mires.
Vendcm-se caixas com folha de Flan-
dres : em rasa de J. J. Tasso Jnior : na roa
do Amorim, n. 35.
Farinha de triso SSSF
de superior qualidade o nova ; dita ameri-
cana em meias barricas ; dita gallega, em
meias barricas; cal virgem de Lisboa ; vinho
do Porto, em pipas e barris de quarto e
oitavo superior e mais inferior ; aechadu-
ras para porta de armazem ; superior cha
hysson nacional de S.-Paulo; farinha de
mandioca, em saccas, por prego commodo :
na ra do Vigario armazem n. 11, de
Francisco A Ivs da Cunta.
= Vendc-sijcal virgem de Lisboa em barr
feixri de arcos e rodas de ditos para barricas ;
ciinhrtcs de p>nh abatidos para assucar ; pre-
go caixaes* do Porto em barris de 10 milliei
ro ; dito de rstiii|ue|em barris de 32 milliri-
ros iii.irini l-ni.i de i.i'ba fin talas de I e 2
libras ; pilulas da ramilla ; cadeira de p.o prc-
to, nngico e serdeira, cliegadas ultimamenle
do Poro: a tratar com Joaquim Ferreira Mcn-
de Guimares, na ra da Cruz, o. 49.
la na do Crespo, n 6,
ao p do lampino, vendem-se corles de brim
trangado de linho, a mil rs.; ditos cor de
ganga, a 1,440 rs. ; ditos muito lino ede
superior qualidade, a 1,600 rs.; cobertores
de algodflo americano, muito encorpados,
a 640 rs. ; riscados muilo encorpados, pro-
prios para cscravos, a 140 rs. o covado;
Chita a 120 rs. O covado ; chitas do diver-
sos padrOes e cores fi?;as, a 180 rs.; cha-
peos de massa a 1,600 rs. ; ditos de seda, a
640 rs. ; ditos, a 400 rs. ; o oulras muitas
fazendas por prego commodo.
Novo mu tmenlo de brim trancado
a i,5oo rs.
Vendem-se brins trangados brancos, lisos
e de listras de puro linho a 1,500 rs. o cor-
te ; cortes do fustflo alcochoado a 480 rs. :
na ra do Crespo, loja da esquina quo volta
para a Cadeia.
Vende-se urna casa terrea mei'agoa,
na travessa da rua Imperial : na ra da P'aia
de S.-ltita, venda n 43.
Vende-se o en'genho do Canha, duas legoas
ao sul de Santo-Anio, sendo dilo engeiihu de
animaese estando m'oente, com safra para mais
de dous mil paes, tendo mais de meia legoa
qiiadiaila de ierra, de muito boa producto,
tendo dito engenlio grandes vanea, bem como
fi mu ji- derod e 20 bis de correia A-
tratar com seu proprielario no dito engenho, o
qual todo o negocio fu, e para lomar algn
esclareciiuenlos na rua do Queimado, u.27.
Lotera do Rio- de-Janeiro.
aos an ooo ooo rs.
Na praga da Independencia, loja n. 4, che-
gou novo soi lmenlo de bilhetes e cautelas
da.muilo acreditada lotera da corlo. A elles
a ules que se acobeif).
Na loj i da i ua do Crespo, n. 6, ao.
p do lampiao, ha novo'soi t-
menlo de fazendas baratas.
Corles de brim trangado brinco a 1.5O0
rs.; dilos de listra, tan I em branco, a 1,500
rs.; algodflo trangado americano dc4el|2
i almos do largura, a 200 rs. o covado; cor-
tes de fustflo muito fino, a 480 rs.
l\o Aterro-da-Boa-Vista,
defronte da honeca,
ha chegado um novo e completo sorlimento
de calcado francez de todas as qualidades,
tanto para homem como para senbora o me-
ninas : bem como os bem condecidos sapa-
les do Aracaty para homem : ludo por pre-
go commodo.
Pechinchas para liquidacao.
Vcndom-se, na loja da rua do Crespo, n.
5 A, ao p do arco de S.-Antonio, as seguin-
ti's fazendas, para liquidagflo : cortes de cas-
as com sete varas, para veslido, de muito
lindos padres e de cores fixas a 2,000,
2,500, 3,000 e 3,500 rs. ; cortes de collele de
setim lavrado do diversas cores, a 4,000 rs ;
ditos do gorgurflo de seda, gosto moderno,
a 2,500 e 3,000 rs ; dilos de velludo do di-
versas cores e lambem lavrados, a 2,500
at 4,000 rs.ocrte; fustflo branco alcochoa-
do para collele a 500 rs o corle ; gorgu-
rflo de algodflo escuro, para collele, a 200
rs. o corle ; casimira para caigas de supe-
rior qualidade e g'osto delicado a 4.000 rs.
o corte ; cassas de cores com 4 palmos de
largura, proprias para vestidos a 240 rs. o
covado ; e outras muitas fazendas : bem co-
mo anda reslam algns pannos finos de 3 e
4,000 rs. ; merino, a 2,500 rs.; longos guar-
necidos de bico para niflo de seuliora, a 400,
500 e 640 rs.
Cha barato.
Vende-se muito bom cha, pelo prego de
500 rs. a libra : na rua do Crespo, u. 23.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Sautos na Haba.
Vende-se em caskdc N. O. Bieber & C.
daquella fabrica, muito proprio para sacos
de assucar e para roupa de escravos.
Vendem-se presuntos inglezes para
fiambre ; latas com bolachinhas de Lisboa ;
ditas de araruta ; ditas de mermelada de
1,2 e libras ; ditas de sardinbas ; ditas de
hervilhas; ditas de checolat de,Lisboa;
frascos do conservas ; ditos d'agoa de or
de laranjo; barris. com azeitonas brancas de
Elvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da Madeira ; queijos de prato ,
frescaes : tudo novo e chegado ltima-
mente de Lisboa : na rua da Cruz, no
Recife, n. 46.
Taixas para engenho.
Na fundigflo i'j ferro da ru i do Rrum,
acaba-so de receber um completo sortimen-
lode taixas de4 a 8 palmos de bocea as
quaes acltam-so a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-saem carros sem despezas ao
comprador.
Vendem-se sellins inglezes e
camas de ferro: na rua da Senzalla-
nova, n. l\i.
Vende-se cali virgem de I.isbOa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Maria-Jot:
a tralar na rua do Hruro, armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na rua do
Vigario, n. 19.
AGENCIA
da fundico Lovv-Moor,
BA K SF.NZALTA-OVA, N. l\2.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
A 200 rs. o covado.
Vende-se zuarto azul trangado, muito en-
corpado e com 4 palmos e meio de largura ,
a melhor fazenda para vestir escravo pelo
barato prego de 200 rs. o covado: na loja da
esquina da rua do Crespo, que volta para a
cadeia.
A 64o rs. coda um.
Vendem-se cobertores de algodflo, dos
mai encorpados que ha, e proprios para es-
cravos, a 640 rs. cada um: na rua da Cadeia-
Velha, n. 33.
Fazenda'barata
Conlinuam-se a vender cortes de
caigas de puro linho pardo e tran-
gado a 1,000. rs. ; dilos de dito
branco e com listras, a 1,280 rs. ;
ditos de dilo amarello, a 1,500 rs. ;
ditos de macedonia, padrOes guaes
a casimira, a 2,000 rs. ; dilos de ca-
simira, a 4, 6 o 7,000 rs. : na rua do
Oueimado, loja do sobrado ama-
rello, n. 29.
A pechincha.
Cortes de cambraia adamascada
com toque de avaria, 2,500 ris ;
dilos limpos para vestidos e corti-
nados, a 3,ooo res ; dilos de tala-
garoi, a ifCoo ris ; dilos finos, a
2,5oo ris; cassa-chita de cores fi-
xas, a 3oo ris o covado; riscado
emeassa, o covado a 200 ris; lan-
zinbas pitra vestidos, calcas e roupa
de meninos, a 320 ris o covado ;
e outras muitas fazendas por preeo
b ralo : na rua do Crespo, loja de
(unlia Guimar&es, n. 15
Bom c barato.
Na rua do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja n. 18, vendem-se sus.ensorios
de seda, a 500 rs. o par; meias de seda
curtas brancas, pretas e de cores ,a 800 rs.
o | i"; luvas de seda preta e de cores para
seuhora a 200 rs. o par ; lencos de cam-
braia para gravata, a 400rs ; chapeos deso,
deseda, para meninas, a 2,600 rs.; e oulras
mui'as fazendas 1 or prego commodo.
Vende-se superior bolachinha de Lis-
boa ,em latas de 8 em libra, e a retolho por
prego muito em conta i na rua larga do Ro-
zario, venda n. 25.
Vndese um pardo claro, do 25 an-
nos com principios de sapateiro ptimo
pagem, muito humilde, sem vicios nem
achaques : a sua conduela he tilo boa que
por ella se alianga :oseu prego ho de 700/
rs. : o motivo por que se \ende se dir au
comprador : no pateo do Carmo, n. 18, se-
gundo andar.
Aos 2:ooo,ooo de ris.
C3T Contiimam-se ji
a vender bilhetes, meios, quartos, oitavos e
vigsimos da decima lotera concedida a
beneficio da construcgfio e reparo das ma-
l i/es da provincia do Itio ile-Janeiro cu-
jas listas devem de chegar^ esta provincia
no primero vapor : na rua da Cadeia do lle-
cife loja de fazendas n. 51, de ioflo da Cu-
nta Magalhfles onde exislem as listas das
loteras passadas. _
Vendem-se escravos baratos, na ru
das l.arangeiras, n. 14, segundo andar, duas
pretas de 24 annns, com algumas habilida-
des ; urna parda de 30 anuos, de muila boa
conducta, sem vicios, que cozinha o diario
de urna casajiem; urna inulatiolia de 13
anuos, que cose e marca ; unr-pardinho de
18 a unos. de mu lo boa conducta sem vi-
cios, e por lssoV)ptmo para pagem; um mo-
lenue do 12 a unos ; um prelo de nagfio Cos-
ta, bomganhador de rua, que paga 480 rs
diarios por 430,000 rs.; 3 pretos para o
servigo de campo.
Na casa de modas francezas de Mada-.
mMillochao no Alerro-da-Boa-Vista n.
1, ha para bailescabegOes de bico, flores li-
nas, longos de inflo e luvas : ludo chegado
pelo ultimo navio de Franga. I
Yendi-se |um preto mogo, possante
proprio para o servigo de campo, sem de-
tritos nem achaque. on iroca-se por urna
jcrava que aejai dintule par u servigo da
para qualquer Sr. pratico por marcar os
das dos roezes e semanas na rua Direlta
de Fra-de-Portas, n. 147, primero andar.
Farinha de trigo.
Vende-se superior farinha franceza de
Provenga, chegada ltimamente : em ca-
ss de J. J.Tasso Jnior, na rua do Amo-
rim, n. 55. .,
Vonde-se urna preta de 24 annos com
um filho de 5 annos a qual he ptimo en-
gommodeira e- fboadeira, costureira e
cozinheira ; est pejada de sete roezes, e
que lie muito afavel para enancas: urna
dita de 40tinos, boa cozinheira por pre-
go commodo : na rua larga do Rozarlo,
venda n. 46.
Liquidacao.
,Na rua do Crespo, n- 9,' loja 'doDomingos
Antonio Comes Cuimarfles, vende-se toda a
qualidada do pannos finos e casimiras lisas
e de quadros, velludos, setins e sedas, tan-
to para veslido como para collele, lengos de
seda e setim para gravata, dilos de cores
para inflo, mantas para grvalas de homem,
ditas para senhora, manteletas, chales de
seda, meias, luvas de seda o'de pellica,,
cassasecambraiasde cores para vestidos,
e todas as mais fazendas de linho e de al-
godflo, proprias.para senhora e homem
ludo com um abatimento de 20 a 30 por
cento, pela necessidado de liquidar o ven-
der-se este estabelecimento, como j se
acba annunciado por este mesmo jornal.
Vendem-se collares de mbar amarelo
ligilimo : ditos de vidro sortidos e de diffe-
rentes coros e novo gosto ; agulheiros de
lacio para phosphorqs e espoletas; charu-
teiras de latflo para guardar charutos, obra
moderna; bonecas para vestir, com cabega
hiacos e pernas de porcellana sendo todas
movidigas nos bragos e pernas, neste gene-
ra ho o melhor que pJe haver; tinteiros
de vidro de differentes gostos: tudo se ven-
de muito em conta : 11a rua larga do Roza-
rio, loja n. 22.
Bilhetes com assignatura de
Siqaeira.
Lotera do kio-de-Janeiro.
Aos 2:000,00o de rin.
lie chegada a lista da terceira lotera de
Campos e com ella grande sorlimento de
bilhetes, meios, quartos, oitavos e vigsi-
mos na rua da Cadeia, n. 56, loja de fer-
ragens, do Antonio Joaquim Vidal. Adver-
te-so que destas loteras fOram vendidos na
mesma loja os bilhetes ns. 1,015 e 5,505
com 1:000,000 de rs. ; assim como na ante-
cedente se vendeu o numero 5,573 com
4:000,000 de ris.
Na rua Nova. n. 5,
vende-se urna preta de nagflo, de 20 annos,
perfeita costureira, engommadeira, e que
sabe bem vestir urna senhora; urna dita
perfeita cozinheira e engommadeira po-
rm s se vende para fra da provincia;
urna prda de 20annos, de muito linda fi-
gura que engomma, cose, cozinha e faz
doces de todas as qualidades; urna preta de
45 annos, boa vendodeira do rua por 300/
rs. ; tima dita pura trabalhar de enxada ;
urna dita boa qutandeira ; um prelo bom
i'ozinheiro; dous molecotes muito lindos,
sendo um do nagflo o outro crioulo.
Vende-so urna escrava cabra : na rua
Bella, n. 14, primero andar.
Esperanca !
Vende-se o botiquim Esperan-
ca, bem montado, com todos os
ntensis precisos e sfreguezado '
lem rommodidades ndependentes
para familia,, e oiilras proporeoes
vantajosHS que se aro ver 60H
pretendenles, e o motivo da Ven
da: por preco commodo, a dinhei
ro, ou a prazo com garantas : n
rua da Scnzalla-Yelha,n. 12G
Sorte grande de 20:000^000
Praca da Independencia n. 37.
Bilhetes, meios, quartos, oitavos e vig-
simos da lotera do Ito-de-Janeiro, chega-
1os no ultimo vapor. Na mesma casa se mus-
irn! as listas das loteras passadas.
~ Vende-ss superior vinho verde a 200
rs. a garrafa; macarrflo a 200 rs. a libra; ts-
lliarim a 200 rs a libra; passas muito no-
vas a 160 rs. a libra; cha muilo superior a
2,000 2,2*0 rs. a libra; e oulros mullos
generas por menos do que em outra qual
quer parte : na rua Direita, venda n. 18.
Vende-se urna prela moga que cozi-
nha, cnsee engomma : na rua da Concei-
gflo da Boa-Vista, n. 5. *
No ermazcm de francisco
Dias Ferreira, no caes da Alfan-
dega, vendem-se, por preco com-
modo, ceblas novase muito bons
chai utos de regala, a 800, goo e
1,000 rs. a caixa.
'-- Vende-se a casa terrea de podra e cal
n. 136 da rua Imperial, com grande aterrrj
at o rio, e mais um terreno ao 1<*0
prompto para outra casa : tudo em cng0'g
proprios: na !uaT]o Collegio, n. 6. '
[\'a loja de ruiudezas n. S, '"J,'necjfe
vendem-se luvas de pellica cor de. caniia '
da melhor qualidade, pqra homem: ianlDem'
asharicaseelegantem nteenfeita'jas a
senhora.
Na rua Noi
vende-se um lindo mu
pagem que_sabe r il
de muito boa'condu
comprador.
-- Veide-se ..a mobilia v. jacaranda
de bom gos>
5,
j, muito bom
n bolear e he
le se alianga ao
e com pouco
de 21 annos, muito ljom canoeiro, tanto de
carreira como da costa, e que ho tnoila
bora vaqueiro: na rua da Cadeia do Recio
loja n. 51. c'
AOS AMANTES DOS BONS CHARUTOS
Charutos superiores e verdadeiros deSao
Flix,vende-mse na roa da Cadeia do Recife!
loja de Antonio Joaquim Vidal. '
Farinha de mandioca.
enejada ltimamente do Rio-rie-Janeiro
vnde-se a bordo do briguo Felii-veHlMr'
fundeado defronte do caes do Ramos. '
Na loja do Maia Hamos A C. vnde-
se pelo diminuto prgo de 500 rs. umdoi
mais bellos romances que lem por titulo
A roseira -- traduzido do francez por umj
senhpra portugueza. Recommenda-se mu-
to a leitura desta obra, principalmente los
pais de familia; para que, dando-a alen
seus filtros,, coiiliecam a grande utildl(]0
3ue so tira em derramar por ontrea moci-
ado ligOes de tanta moralidade comois
quo se conlcem em dito romance. Quera
pretender os ditos livros, dirija-se a rua No.
va, n 6, na indicada loja cima.
A 200, 1,280 e i,5oo rs.
Na rua da Crespo, n. i4./o/ Jos Francisco Dias. '
vende-se superior brim pardo de purt
linho, a 1,280 rs.ocrte; dito cor degaiy.
ga.a 1,500 rs.ocrte; superiorcluta.dem-
magem para coberla, de cores milito fut
a 200 rs. ; chitas miudinhas de todas neo-'
res e de pannos finos, a 160/rs. O covado-
ditas de superior qualidade, a 200 rs.; cf-'
tes de fusloes de cores lisas, a 320 e 400
e do superior qualidade, a 1,280 rs.;
de brelanha de rolo com 10 varas, a 1,
rs.; e outras muitas fazCldas por bar
prego.
-- Vende-se urna propriedade distante Jo
Recife menos de urna legoa, com duas bou
casas, sendo urna torrea oaoulrauma
brado de. um andar esotflo, com tresolarll^
com muilo bom barro, dous grandes vivei-
ros e oulros quasi promptos, com vii
cacimbas de tijolo, urna vertenle que co
todo anno, toda cercada de espinhose
las, com alguns arvoredos defiuto, o p
porgflo de se fazer urna engenhoca pela .
iensflo que tem de terreno o a ferlilididedt
mesmo, com sufliciencia para ter-so muitu
vaccas de Icite por ser muilo a hndanla
pasto no invern e verBo : esta proprledi.
retine em si muitas proporgOes vantajoa
pois tanto serve para n creio como pan
fazer uso dos estabelecimenlos quo etn
tem, cuno de se poder langar mflodeo:
tros muilos que ella o (Te rece ; bem con
quem a comprar, querendo, pode nellir
de reiidimeuto annual para mais deSOO.au
rs. sen em prego do Capital, como sefiri
ver .10 Vonip lador: tambem se vende em is>
pariulp s ca>a terrrti com seus arvoreilos,
olaii e grande terreno : tudo a vonUdedo
comprador : recebem-se em pagamento il-
guns seravos e rasas nesla praga : a f.llir
na rua^e San-Francisco, palacete junto 1
mai. \
-- Venlem-se 6 lindos moleques da>nacJo
e crioulos, de 16 a 20 anuos, sem vicini
nem molestias; 2 pardos de 18 a 20 annos,1
um dos quaes he perfeilo ofllcial ae sapi-
lero, e ambos proprios para pagen;4
pretos de 25 a 30 annos, de bonitas figura*;]
sendo um del les bom serradora muitojluliil
para qualquer servigo, o qual he de nicjo
e nflo lem vicios em achaques, oque
alianga ; um preto de .meia idade, muilo
bom cozinbeiro, e que di-se em conta; bem
como oulros muilos escravos : na ru do
Vigario, r 24.
Vendem-se 10 lindos moleques de
gflo e crioulos, de 14 a 20 annos, sem vicii
nem mole-1 ia ; 4 pretos de 25 a 30 anuos; 3
negrinhas de nagflo de 12aniios, sem vicios;'
2 pretas geemas, urna dasquaes coze perfei?
lamente, Taz lavarinto, borda o emgommi
e outra coze aoflrivel, lava perfeilanienle
trata muito bem de ci langas : sflo mu
humildes ede boa conducta: prefere-seve
der ambas por menos do que em sepando,
assim como outros muilos escravos: na
do Vigario, n. 24.
Vende-se a a uito acredita
farinha liaron, da melhor qualid
de que tem vindo a este mercado',
na rua da Senzalla-Velha, n. i38'
Para os que gustan.
Cigarros de palha, fabricados em S.-P
lo, a 640 rs. o cenlo : na rua Nova, n. 56. '
Lencos pretos para grvalas,
720 rs. cada um.
Na loja n. 5, da'rua do Crespo, vende
lengos prelos para grvalas, com um peqM-
no loque de mofo, pelo barato prego ue
ris.
fc8Clf**V08 FugHaOft
co consist ti-
do em unrtopha, 18 cadeiraaf ffl mesa de
meto dolala, dous consolos \ g
do pedra. um candteiro mglcz\ cima de
mesa : ludo por prego com* v rua
da Cadeia do Recife, n. 2. I,"uuu
-Vendem-se 4 redoma I suas _
nhas do angico, para imagenr ou .8rroli dc
flores, por prego commod*'. |ia rua j^g
Tnncheiras, 11. 38, no carlorf j(j- d(J Sr Guj.
Iherme,
Vendcm-se 3sacaitaa
urna cama de angicr
ra
de pedra da ler-
,, una marquesa ,
urna mesa, 8 elegante, dro8 para sa|a ,
8 copote.ras esgarrara: vidrQ. fua
das Laimigetraa, n. *0<
Oesappareceu, no dia 2.0 do prona!
passado a parda Josepha Rosa, de 40 *
annos decorpo o estatura regulares; 1*1
carcunda ; esteva no dia lem Apipuco.
ed'ahi tornou a desapparecer. El l',r1
he mfli de dous pardos que moram na* 1*1
,.,s da casa do doulor Cabral, na ru d
Qug'jaiado. Quem a pegar leve-a rui
Seve tasa (1 coronel l.emenha, qoJJ
compP|isar, I
fu6io> nodia 26dopjoximo p*^
do enge UttJtoWTfr'egueziaj}^ >*J1
da o es o Jos, crioulo, de ""
bastante fulo corpo muito secco, alio,, 1
rizbaslantochato, pos grandes cinn1
com os dedos muilo curios que p"
terem sido comidos de bixos, e,, .|c
grande muilo maior que os ouiroa 1 I
vou chapeo de couro, camiia de aei ^ l
carnada vestida ou em urna t'011".' pf,.|
j-o-de-Alho e veio vender-se aqu ^
ca ,onde foi comprado : quem o pega 1
ve-oaodito eqgenho Boa-Vista, ou t J
praga na rua estreita do Rozano,.n w. 1
cima de urna fabria de charutos, q
ni gratificado ..mno
-- Anda fgido, desde malo proxin o pj
aado, o preto Agoslioho, crioulo, a ti", ^
feitO de 26annos, bem fallante ''.<.,,,.
cial de calafate ; anda calcado e im .1
do-se forro ; lem sido visto de S0PrePiSSi-l
ca pela Bo-Vista e estrada nova da _i f 1
gem : quem o pegar Kve-o a 8 -A''1' ,l
sa de'Uanoel Cardozo da Fonseca o 1
praga do Coiumercio. j \