Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08940

Full Text
AMO HX71. HOMERO 14.
Por tres mezes da dos 5S0O0.
Por tres mezes vene. Jo* 6soOO.
OiRTA FEIRA 18 DE JANEIRO DE 1860.
Por anno adiantado 49$000.
Porte franco par o subscriptor.
E.tCARREGADOS DA 8UBSCRIPCAO DO NORTE.
Parahiba, o Sr.,VnlonioAUxandrino de Lima; Na-
tal, o Sr. Antonio Marques da Silva; Aracaty, o Sr.
A. de Lomes Braga; Cear, o Sr. J. JosddcOlivera
Maranhiio, o Sr. Manoel Jos Martins Ribeiro
Guiraares; Piauhy, o Sr. Joo Fernandos de
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. numos;
Amazonas,o Sr. Jeronvmn da Costa.
i'AlUUU UUS COUUCICJ.
Olinda todos os di;is as 9 1/2 horas do dia.
Iguarass, Goiaunae Paralaba nas segundas e
sextas feiras.
S. Anio, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinhoe
Garanhuns as trras feiras.
PO d'Alho, Nazarelh, I.imoeiro, Brejo. Pes-
quoira, Ingazeira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Ouricury e Ex nas quarlas-feiras.
Cabo, Serinhaem, Rio Formoso, Una, Barreiros,
Agua Treta, Pimenteiras e Natal quintas feires.
i Todos os en i reos parlem as 10 horas da man lia )
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relajo: tercas feiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas c sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio: quintas ao mciodia.
Dito do orphiios: trras e sextas as 10 horas.
Primeira vara docivel: trras e sextas ao mcio da
Segunda vara do civel: quartas e sabbados ao
meio din.
KPHEMERIDES DO MEZ DE JANEIRO.
1 Quarto crescento as 8 horas e 28 minutos d1
manha.
8 La cheia a 1 hora c 3 minutos da tarde.
15 Quarto minguante as 4 horas e 38 minutos da
manha.
22 La nova as 9 horas e 27 minutos da tarde
31 Quarto cresc. as 2 horas e51 min. da mauha.
PIIEAMAR DE IlOJE.
Primoiro a 1 hora e .12 minutos da manha.
Segundo a 1 hora e 18 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
16 Segunda. S. Marcello p. m.; S. Berardo m.
17 Terca. S. Anlo ab.; S. Leonilla m.
18 Quarta. S. Frisca v. m. ; S. Liberato m.
19 Quinta. S. Canuto rei m. ; S. Basiano b.
20 Sexta. S. Sebasliio m ; S. Fabio p. m.
21 Sabbado. S. Ignccm. ; S. Palrocolo m.
22 Domingo. S. Vicente m. ; S. Anaslncin m.
ENCARREGADOSDA SUBSCRIPCAO NO SIL.
Magnas, o Sr. Claudino Falcio Dias ; Baha, o
Sr. Jos Martins Alves ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joo Pereira Martins.
Eli PERNAMIU (O.
O preprietario do DJABIO Manuel Fijraeiroa da
Faria.na sua livraria praea da Independencia ns.
6 e8.
PARTE OFFIClftL.
GOVER^'O A PHO\I\CIA.
Expediente do dia 1 S de dezembro
de 1859,
Officio ao Exm. Sr. Antonio Pedro de Alencas-
tro, presidente da provincia do Millo Grosso.
Picando inleirado de haver V Exc. entrado no
cxereieio da adminislraco dessa provincia, agra-
de ; o a V. Exc. os seus offerecimenlos, assegu-
rando-lhe que lorei senipre a inaior satisfaco em
eumprir as suas ordens, ou sejam relativas ao
servico publico ou ao particular de V. Exc.
Dilo ao Exm. presidente da provincia da Para-
laba.Peco a V. Exc. que se sirva de fazer che-
gar s ra js do juiz de direito Jos Bandcira de
Helio a portara, que lhe dirigida, pelo presi-
dente do supremo tribunal de juslica.Commu-
nicou-se ao presidente do supreiro tribunal.
Dilo ao comniandarite das armas.Remello
por copia a V. Exc, paro sua inlelligencia, o a-
vso expedido pelo ministerio da guerra eni 23
de novembro ultimo, detorminendo que as pra-
cas de pret voluntarias ou engajadas, promovi-
das a officiaes nao sejam compellidas a restituir
a parte do premio que antes da promoco rece-
beram lega I mente, c em boa fe Reraelleu-se
copia do mesmo aviso ao inspector da thesoura
lia de fazenda.
Dilo lo mesmo.Remello por copia a V. Exc.,
para sua inlelligencia, o aviso expedido pelo mi-
nisterio da guerra, em 23 de novembro ultimo,
declarando que nao ha direilo para df.sconlar-se
na gralificaco de engajamenlo inantia alguma
por occasiao de se ae.harem nos liospilaes ou en-
fermariasaa pracas engajadas, c que semelhanle
descont sonienle deve ter lugar na gratlicaco
dos voluntarios, quando all se acharem, visto
que a gralificaco de semelhanti denominaco
considerada como parte do sold, e porssocom-
prehendida debiixo da expressc pret,Remel-
leu-se ce ;ia do mesmo aviso ao inspector da Ihc-
souraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Constando, (le aviso expedi-
do pelo ministerio da guerra em 23 de novembro
ultimo, ter sido approvada a deliberaca, que to-
mei de conceder 15 dias do licenca com o respec-
tivo sold ao lenlo do corpo do estado raaior
da segunda classe Berardo Joaquim Correia para
ir a provincia dasAlagas : assim o communico a
Exc. para sua inlelligencia.Communicou-
se tambem ao inspector da thsouraria de fa-
zenda.
Dilo ao mesmo.Remeti por copia a V. Exc.
para sua inlelligencia, o aviso expedido pelo mi-
nisterio da guerra em 29 de nevembro ultimo,
communicando a nomeacodos ajudaiilesc com-
niandan.es das companhias de pedestres, e de-
clarando que dos corpos de primeira linha s de-
v :. si t lirados um inferior c dous cabos para
cada companhia.Remelleu-se copia do mesmo
aviso ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dito ao mesmo.Remello por copia a V. Exc.
oara sua inlelligencia, o aviso expedido pelo mi-
nisterio da guerra no Io do corrente, declarando
que o f< ruccimeulo d agua aos quarteis, que a
nao liverem, devo ser feito d'ora em dilate pelas
:- ibraa do rancho dos corpos, e na sua taita lira-
do das economas licitas, Picando revogado o avi-
so de 2i de julho de 1856, que manda pagar pe-
los cofres provinciaes as despezas feilascom lu-
zos.Remelteu-se copia do mesmo aviso ao ins-
pectora thesouraria provincial, chufe de polica
e inspector da thesouraria do fazenda.
Dilo ao presidente interino do supremo tribu-
nal do juslica.Accusando a recepcao do officio
de V, Exc, que recebi pelo paquete chegado
hontem dos porlos do sul, se me offerece a di/.er
deu tiesta data o conveniente destino s lis-
las dfl reviso de anligiiidade dosjuizes de direi-
i.Remctlcram-se as ditas listas aos jumos de
direito existentes na provincia.
Dilo ao chele do polica. Expeca V. S. suas
ordens para ser capturado, se por ventura appa-
recer nusta provincia o soldado do batalho na-
val Antonio dos Santos Pinhciro, cojos signaos
constam da nota junta porcopri.
Dito ao mesmo. Havendo pot bem S. M. o
Imperador que esta presidencia casse o exequ-
tur concedido ao Sr. Manoel Pereira Rusa para
exereer asfuneces de vice-consul de Wurtem-
berg na capital desla provincia, como constou-
nie do aviso expedido pelo ministerio dos nego-
cios es rangeiros era 21 de novembro ultimo,
sob n. 13 : assim o communico a V. S. para sua
inlelligencia. Fizcram-se as outras communi-
carOes necessarias.
Dito ao director do arsenal de guerra da corle.
Acenso a recepcao do officio, que V. S. me
dirigi em 12 de novembro, sob n. 339. com a
relacao dos objeclos vindos da corte, no palha-
nacional Piedade, a lira do seren remelli-
d d'aqui para os seus destinos. Oflciou-se
sobre este assuroplo ao director do arsenal de
guerra desla provincia.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
Remello por copia a V. S o aviso expedido pe-
lo ministerio da guerra em 26 de novembro ulti-
mo, approvando a deliberacao, que tomou esla
residencia de mandar construir urna casa de
banho no hospital militar.
Diti ao mesmo. Haja V. S. de expedir com
Urgencia as suas ordens para que na alfandega
desta cidade sejam despachados os objeclos de
q !i atam o officio e relacao junios por copia.
Dito au mesmo. Communico a V. S., afino
de qi e o faca constar a quera competir, que, se-
gundo consion do aviso expedido pelo ministerio
da fa'enda em 5 do corrente mez, foi 8pprovada
a n irnoaco de Jeronymo Pereira Mariz, para o
lugar de guarda da mesa do consulado.
Dilo ao com mandante da iviso naval. Re-
mello por copia a V. S., para sua intelligencia,
o aviso expedido pelo ministerio da marinha em
3 do correte, determinando que siga para o Ma-
ranhio o vapor Thelis, logo que esteja prompto
Di.o ao inspector do arsenal de marinha.
Na conformidade do aviso, junto por copia, ex-
lo pelo ministerio da marinha em 3 do cor-
rente, mande Vmc facer com urgencia as substi-
tuicea das caldeiras do vapor Tliclis
Dito ao director do arsenal de guerra. Re-
mello Vmc. o 1.a via de conhecimenlo de 55
espingardas e 1280 libras de plvora, aquellas
com deslino a esla provincia, e a plvora do
Riu-Grande do Norte.
Dito ao mesmo. Na cjnformidade do aviso
expedido pelo ministerio da guena em 3 do cor-
rele, mande Vmc fornecer companhia fixa de
ceadores do Rio-Grande do Norte o fardaracnlo
constaste da nota junta por copia.
D lo ao mesmo. Mande Vmc. fornecer com
urgencia ao respectivo comraandante superior
100 armas para a guarda nacional da comarca do
S. Anlao. Couimunicou-.se ao respectivo com-
inaudante superior.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Accuso a recepcao do officio, que Vmc me diri-
gi em dala de hontem com a corita do importe
i\o 60 lampeos rcmellidos para a provincia do
Rio-Grande do Norte, a cujo presidente fago nes-
U dala a necessaria communicaco, e fico inlei-
rado de que Jos Antonio d'raujo nada quiz
recober pela condueco dos lampeos do lugar,
era que se achavarn deposllidos para bordo d
paquete, que os condu/io.Officiou-se sobro es-
te assurapto ao Exm. presidente do Rio-Grande
do Norte.
Dilo ao commandanlc do corpo de polica.
Para rumprimento das ordens imperiaes haja
Vmc. de informar, com o que lhe occorrer, sobre
o ii eluso rcquerimenlo do cx-alferes do corpo
de iea coraraando Manoel Joaquim de Castro Ma-
tleira.
Dito ao conselho do compras navaes. Con-
vem que o conselho de compras navaes promo- \
va o fornerimenio de carvao de pedia pela for- ,
na determinada no aviso, junto por copia, expe-l
dido pelo ministerio da marinha em 6 do corren-
te, subniellendo approvaeao da presidencia as
proposlas que se ofTerecerem.
Portara. O presidente da provincia, atten-
dendo ao que requereu a professora publica de '
primeiras letras da freguezia de S. Fr. Pedro
Goncalres, Mara Joaquina de S. Thom. resolve
eonccder-lhe tres" me/es de licenca cora venci-
raentos para tratar de sua saude.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao director geral da secretaria de esla-,
do dos negocios da juslica.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda acensar recebido o of-
ficio, que em 28 do novembro prximo lindo, j
sob n. 1788, lhe dirigi V. Exc cora as patentes
de diversos officiaes nomeados para a guarda !
nacional desla provincia constantes da relacao |
que acompanhou o mesmo officio.
Dilo ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda acensar recebida a communica
gao, que V. Exc. lhe dirigi em 5 do corrente, i
acompanhada da relacao dos despachos profer-
dos em diversos requerimentos remetlidos desla
provincia.
Dilo ao mesmo. Accuso recebido o nfiieio i
de V. Exc de 5 do corrente acoinpanhado dos
que, sendo dirigido presidencia desla provin-
cia, foram por engao com o expediente para
essa secretaria de estado.
Dilo ao mesmo. S. Exc o Sr. presidente da
provincia manda acensar recebido o officio, que '
era 28 de novembro prximo lindo, sob n. 1787,
lhe dirigi V. Exc. com a palele de coronel re-
formado da antiga guarda nacional do municipio
do Limoeiro Jos Lea o Pereira de Mello. lli-
ciou-se ao inspector da thesouraria de fazenda e
ao commandanlc superior da guarda nacional do
Limoeiro.
Dito ao commandanlc das armas. De ordem
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia peco a
V. Exc que se sirva de mandar inspeccionar o
rccrula Belchior Gomes" dos Sanios.Commuui-
coii-se ao chele de polica.
Dito ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. i
presidente da provincia peeo a V. Exc que, para ;
cumprinienlo do ordens imperaes, se sirva de in- !
formar com urgencia sotire o incluso requer-'
ment de Rayraundo dos Sanios Figueiredo.
Dilo ao chefe do polica. De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia poro a V. S. que se
sirva de informar sobre o incluso requcriuienlo
de Benlo dos Santos Ramos
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia remello por copia a V. S. e aviso expedido !
pelo ministerio da fazenda era 5 do corren le, de- j
clarando que quando se tomar urna medida geni
a respeilo dos vencimentos dos embregados dos
consulados do imperio, ser attendida a prclon-
co da mesa do consulado desla provincia.
Dilo ao mesmo. De ordem de S. Exc. oJSr.
presidente da provincia, peeo a V. S. que se sir-
va de mandar proceder aos convenientes exames
nas ruoedas de racial, que fura ni remettidas no
officio junio.
Dito ao mesmo. S. Exc o Sr. presidente da
provincia manda Iransmitlr a V. S. a3lrcs inclu-
sas ordens do thesouro nacional, sob ns. 196 e
1198, o bem assim tres offieios da secretariado
ministerio da fazenda de 30 de novembro ultimo
c de 6 do corrente me/.. ,
Dilo ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio de Pao d'Alho. S. Exc. 0
Sr. presidente da provincia manda declarar a V.
S. queso ocha nesta secretaria a patente do raa-
jor commandante da seceo do batalho de re-
serva n. 2 desse municipio Joo Carneiro de Bar-
ros Monle Raso, que deve pagar, em lempo, na
recebedoria de rondas internas a importancia dos
dircitos sellos e emolumentos constantes da ola
junla por copia.Officiou-se sobre este assump-
to ao inspector da thesouraria de fazenda.
Dilo ao dito do Limoeiro. S. Exc. o Sr. pro-
sidente da provincia manda declarar a V. S. que
se achara nesta secretaria as patentes dos seguin-,
tes officiaes nomeados para csse enramando su-
perior : majores ajndanlesde ordens Luiz Fran-
cisco Barbosa da Silva Cumaru' e Lourcnro Soa- I
resCordeiro de Mello, capito secretario geral
Antonio Rodrigues Revoredn, capilo quarlel-
meslre Manoel Ramos da Silva Morera, e capi-
lo cirurgiao-mr Manoel Alvares Pereira, os
quaes devem pagar, em lempo, na recebedoria ;
de rendas internas, a importancia dos dircitos,
sello e emolumentos constantes das notas juntas
por copia. Officiou-se lambem ao inspector da
thesouraria de fazenda.
Dito ndito da Villa Bella, Ingazeira e Taca-'
ralo'. S. Exc o Sr. presidente da provincia j
manda declarar a V. S. que se acha nesta secre- i
taria a patente do Icnenle-coronel nomeado para i
commandante do batalho n. 33 da guarda na- j
conal do municipio de Ingazeira, Isidoro da Cruz ;
Siqueira, que deve pagar, na recebedoria do ren-
das internas, a importancia dos dircitos, sello e
emolumentos conslantes da nota junla por co-
pia. Olliciou-sc co inspector da thesouraria de i
fazenda.
Dito ao dilo da Boa-Vista. S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda declarar a V. S. que
se acham ncsla secretaria as patentes dos majo-!
res ajudantes de ordens Jeronymo Bezerra de
Carvalho e Manoel Jos da Cruz, capilo cirurgo i
mor Joaquim Moreira de Almeida Leal, capilo j
secretario geral Joo Jos Rodrigues, e capilo :
quartel meslrc Antonio Rodrigues Coelho Jnior,
todos da guarda nacional dessa comarca, deven-
do olios pagar na recebedoria de rendas inler-
nas a importancia dos dircitos. sello e emolu-;
menlos conslantes das notas jimias por copia.
Officiou-se ao inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Dilo ao director do arsenal de guerra.Deor- |
dem de S. Exc o Sr. presidente da provincia pe- :
60 a V*. S. que se sirva do informar sobre o ol-
co incluso, que dirigi o Exra. Sr. presidente '
das Alagas em 12 do corrente.
Dito ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda actusar a recepcao do olficio,
que V. S. lhe dirigi honlcm, sob n. 390, com a
primeira via do conhecimenlo dos objeclos, que
conduz a barca Douradinha para a provincia
das Alagas.
Dito ao mesmo.Para cumprimcnlo das ordens
imperiaes, de ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, peco a V. S. que ssil va de infor-
mar com urgencia sobre o incluso requenmento
do Antonio Jos llezerra, a que se refero a infor-
raaco do Inspector do arsenal de marinha.
Dito ao inspector desande do porto. De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia peco
a V. S. que, para cumprimento das ordens im-
periaes, se sirva de informar com o que se lhe
offerecer sobro a inclusa pelico de Ignacio Jos
Pacheco, a qual se refere a nformneao da lhe
so tirara de fazenda.
Dilo ao administradorgdo correio. De ordem
de S. Exc. o Sr. presidcnle da provincia peco a
V. S. que so sirva de informar sobro o incuso
officio do Dr. chefe de polica, datado de 12 do
corrente, sob n. 1340.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.S.
Exc. o Sr presidente da provincia manda com-
municar a V. S., era resposla ao seu officio de
hontem, sob n. 422, que acaba de aulorisar a
thesouraria de fazenda a satisfazer a quantia de
5248140 rs., em que imporlaram os obyectos que
constam das relacos que acompanharam o cita-
do officio, e que foram fornecidos commisso
encarregada do esludaro porto drosta capital.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia pec^ V. S. que se sirva
da provincia de
acha-se com um
sendo necessario
de informar sobre o incluso rcquerimenlo de Je-
ronymo Melchiades Perreira. di Silva.
Dilo ao inspector da thesouraria provincial.
De ordem de S. Exc o Sr. presidente da provin-
cia peeo a V. s. que se sirva de informar sobre o
incluso requenmento de Luiz do Azevcdo Souza,
enviudo o administrador da mesa do consulado.
Do ao mesmo.Transmiti a V. S., para o
lim conveniente, a inclusa copia da firma de mais
um novo assignatario de notas do governo Fran-
cisco de Paula Rodrigues Leilo Filho, cabendo-
llie declarar a V. S. que o original dessa firma
foi remeltido pelo director geral da caixa de a-
morlisacao com officio de 26 de novembro ulti-
mo.Officiou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda, remellendo-se-lhe o original da firma,
e respondeu-se ao director geral da caixa de
amortisaeo, aecusando-se a recepcao do officio
por elle dirigido.
Diloao director das obras militares. De or-
dem de S. Exc o Sr. presidente da provincia de-
claro a V. S em resposla ao seo officio de 13
do corrente, son n. 325, que, por despacho desta
dita, se ailloriSOU O inspector da thesouraria de
fazenda a mandar pagar a Jos Pereira do Alcn-
tara do O" a quantia de 473j00:), importancia dos
concerlos feitos no quartel do nono batalho de
infnntaria
Dilo ao agente da companhia brasileira de pa-
quetes a vapor.De ordem do S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia declaro a V. S. que pode se-
guir para os porlos do norte o vapor Cruzeiro
do Sul, a hora indicada em seu officio de hon-
tem.
Dilo ao commandante do corpo de polica.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia mande V. S. aprosentar com urgencia ao Dr.
chefe de polica, 6 pracas do corpo de seu cum-
ulando, at'im de escoltaren] tres criminosos at a
comarca de Pao d'Alho. Commuuicou-so ao
chefe de polica.
Dilo ao conselho adminislrativo do patrimonio
dos orphaos. Do ordem de S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia peco ao conselho adminis-
trativo do patrimonio "dos orphaos que se sirva
de informar sobre o incluso requerimento do Jos
Mauricio Teixcira de Albuquerquc.
PortaraO Sr. agente da companhia brasilei-
ra de paquetes a vapor mande dar passagom para
o Cear, de ordem do S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, em lugar vago pjra passageiro do
estado, a Manoel Elias.
- 15
Officio ao Exm. presidenlo
Alagoas. A casa de delenco
excessivo numero de presos,
ter dezoilo em urna cellula, quu apenas otrerece
proporces para qualro.
Essa agglomeraeo alem'do ser contraria ao
regulamento da mesma casa, reprovada pelos
preceilos hygienicos o aprsenla oulros incon-
venientes, qire facilm^nle se rcconheccm.
Permilta-me, p'd V. Exc. que lhe roguo a
expodicao de suas ordens para que nao continuo
a remessa de presos dessa provincia pira esla.
iguaes aos Exms. presidentes das provincias do
Rio Grande do Norte, Parahiba e Cear, o com-
municou-se ao chefe de polica
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda.
\isto o que V. S. pondera em sen officio de
10 do corrente, sob n. 865, o autorso a mandar
fazer, sob minha responsabilidade, as despezas
necessarias com a verbacapatazii da alfande-
ga, at que o governo imperial providencie a este
respeilo : o que V. S. far constar ao inspector
daquella reparlico, em resposla ao seu officio
de 10 desle mez, sob n. 632.
Dilo ao cnsul de Franca.Accusando o rece-
biuiento da communicaco, que em 7 do corre-
le me dirigi o Sr. viscoiide do Lemont, cnsul
de Juanea, relativamente ao fado, que se dera
crflrt? o immedialo do brigue francez Sant'Anna,
o a gente da associaco da pralicagcm da barra,
se me offerece a dizer ao Sr. cnsul que pelo ca-
pilo do porto c chefe de polica me Foram trans-
mltidasas nformaces juntas, das quaes se re-
conhece que leve lugar o corpo de delicio na
pessoa dooflendido e voi ser instaurado o pro-
cesso contra o olTensor na forma da lei.
Prevaleci me da occasiao para renovar ao Sr.
cnsul os protestos de minha estima c consi-
deraco.
Dilo ao de Portugal Accusando o recebimen-
(o da communicaco, que em 9 do corrente me
dirigi o Sr. Jos Honrique Ferreira, cnsul do
Portugal, relativamente ao contrato do subdito
portuguez Manoel Nobre de Figueiredo, que sor-
ve no arsenal de marinha, se rae offerece a dizer
que nao podtr ser rescindido o mesmo contra-
to seno indemnisada a fazenda de todas asdos-
pezas occasionadas pelo engajamento voluntario
d aquello individuo.
Renov ao Sr. cnsul os protestos de minha
perfeita estima e dislineta consideraco.
Dito ao commandante do corpo de polica.
Constando, de parlicipaco do chefe de polica,
que, aoaraanhecer do dia 12 do corrente, descr-
taram 3 pracas do corpo de seu commaudo, per-
lencenles ao destacamento de Iguarass, faca
V me seguir para alli outras que as subsliluara.
Communicou-sc ao chefe de polica.
Dilo a caoiara municipal do Cimbres.Con-
vem que a cmara municipal de Cimbres me in-
forme, cora urgencia, sobre a materia do officio,
junio por copia, do.juiz municipal desse termo,
com dala de 3 do corrente.
Portara.O presidente da provincia, allen-
dendo ao que lhe represenlou Leocadio Antonio
de Leo, cirurgiao ajudanle do batalho n. 2 de
infamara da guarda nacional do municipiu do
Rio Formoso, resolve conceder-lhe passagem
como addido para o batalho n. 46 da mesma
arma, no municipio de Barreiros, na eonformi-
dade doarl. 48 do decreto n. 1130 de 12 de mar-
co de 1853. Communicou-sc ao commandante
superior respectivo.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao commandante das armas.De or-
dem de S. Exc. o Sr. presdeme da provincia
communico a V. Exc. que, por despacho de hoje,
auiorisou-se o director do arsenal de guerra a'
satisfazer o pedido, que acompanhou o officio de
V. Exc de 13 do corrente sob n.lll.
Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. prcsidenle da
provincia manda communicar a V. Exc, em res-
posta aos seus offieios de 19 de novembro e lt)
do corrente. sob ns. 1015 e 1102 que acaba de
aulorisar a thesouraria de fazenda a pagar a im-
portancia da forragem para urna besla de baga-
gerana marcha que fez desla cidade para a po-
voaciodo Altinho, e no seu regresso, o lenle
do primeiro batalho de iufanlaria Francisco de
Assis Guimaies.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
prcsidenle da provincia pego a V. Exc. que se
sirva de informar sobre o ollicia incluso do che-
fe de polica, com dala-de hontem e sob n. 1359.
Dilo ao commandanlc superior da guarda na-
cional do municipio do Recite. De ordem de S.
Ex. o Sr. presidente da provincia communico a
V. Exc- que, por despacho desla data, se aulo-
riso.i a Uiesouraria de fazenda a pagar a quantia
de 289j>866 rs., em que imporlaram os vencimen-
tos de 1 a 30 de novembro prximo lindo dos
officiaes do exercito empregados na guarda na-
cional desle municipio, assim como a de 45J2O0,
em que imporlaram os dos tambores, cometas c
clarins da mesma guarda nacional no lempo ci-
ma mencionado, como so v da folha e prel que
acompanharam o officio de V. Exc. dalado de
liouiem, sob n. 256.
Dito ao chefe de polica.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S., era
resposla ao seu officio de 12 do crreme, sob n.
1,338, que, por despacho deste data, se expedo
ordem ao respectivo commandante superior para
que salisfaca a requesico do delegado do termo
de Tacaralu, relativa.nenie escolla para remo-
co de presos da cadeia daquella villa para a de
Villa-Bella.
Dilo ao mesmo.A thesouraria provincial tem
ordem para pagar, vista da cotila, que acom-
panhou o ollicio do V, S. de hontem, sob n.
1356, a quantia de 19 800, dispendida no me/,
de outubro ultimo, com o sustento dos presos
pobres da cadeia de Garanhuns ; o que commu-
nico a V. S. de ordem de S. Exc o Sr. presi-
dente da provincia.
Dito aocommandanlc di divisio naval.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidenlo da provincia
declaro a V. S., era resposla ao seu officio de
honlem, sol n. 1S6, que por despacho desta data
se autorisou o inspector da thesouraria do fazenda
a mandar pagar a guarnigao da canhoncira Ara-
(jnary. como V. S, solicita no seu citado officio.
Diloao inspector da thesouraria de fazenda.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia pego a V. S. que, para curaprimeot] das or-
dens imperiaes, se sirva de informar sobro o re-
querimento de. Joo Filippe da Costa, a quera
se refere a informaco do inspector do arsenal
de marinha.Officiou-se no mesmo sentido acer-
ca dos requerimentos do Jernimo Melchiades
Ferreira da Silva, J. Huens 0 operarios do arse-
nal de marinha.
Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda communicar a V. S., em res-
posta ao sou officio de honlem, sob n. 870, que
acaha ile aulorisar a thesouraria provincial a io-
demnisar a fazenda nacional da quantia do res
de 118;8!)9 dispendida, no mez de oulubio ulti-
mo, pela collectoria da cidade da Victoria, cora
o sustento dos presos pobres da respectiva ca-
deia.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia peco a V. S. que se sirva
de informar sobre o incluso rcquerimenlo de
Francisco Pacilico do Araaral, a quera se refere
a informaco do delegado interino da reparlico
das Ierras publicas.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia peco a V. S. que se sir-
va de informar sobre o ollicio incluso do director
do arsenal de guerra cora data de honlem e sob
11.39!.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia peco a V. S. que se sir-
va de informar sobre o ollicio incluso do direc-
tor do arsenal de guerra cora data de hontem e
sob n. 398.
Dito ao administrador da recebedoria de ren-
das goracs internas.Era resposla ao officio. que
V. S. se servio dirigir-me era data de hontem,
lenho a declarar-lhe que as collecces de leis do
anno passado, que se lera recebido nesta secre-
taria, vieram com designaco especial para di-
versas autoridades.
A vista dislo no posso saber se sero remet-
tidas outras collecces para seren distribuidas
pelos repartieres d'e fazenda.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.De
ordem de S. Exc o Sr. presidente da provincia
pe<;o a V. S. que, para cuinpriraento de ordens
imperiaes, se sirva de informar sobre o incluso
rcquerimenlo de Rita Mora da Rocha.
Dilo ao mesmo.Do ordem de S. Exc. o Sr.
presidcnle da provincia communico a V. S. que,
por despacho de hoje autorisou-se a thesouraria
de l i/.eirda a indemnisar a quantia de 583850, de
''i'' traa o officio de V. S. de 9 do torrente,
sob n. 412.
Dilo ao mesmo Nesta dala aulorisou-se a
thesouraria de fazenda a satisfazer a quantia de
zV475jjt000, dispendida com os concerios do caes
do Collegio ealuguel do duas canoas para csse
servico, como so \ do officio de V. S. de 10 do
correnle, sob n. 413, a que S. Exc o Sr. prcsi-
denle da provincia manda responder.
Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda communicar a V. S., era res-
posta ao seu officio de 10 do corrente, sob n.
41 que expedio ordem a thesouraria de fazenda
para satisfazer a quantia de 315;0, dispendida
com o concert do escalcr do vapor Apa, o for-
necimento de objeclos ao mesmo cscaler.
Dilo ao inspector da Ihcsouraria provincial.
De ordem de S. Exc. o Sr presidente da provin-
cia peco a V. S. que se sirva de informar sobro
incluso requerimento do professor Jos Nicacio
da Silva, a quera se refere a informaco do di-
rector geral da instruceo publica.
Dilo ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia peco a V. S. que se sirva
de informar sobre o ollicio" incluso do director
geral da instruceo publica, com dala de 13 do
correnle, sob u. 229.
Dilo ao coinmaiidanle do corpo de polica
De ordem de S. Exc o Sr presidente da provin-
cia peco a V. S. que se sirva de informar sobre o
incluso requerimento de Mara Saiyra de Jess.
Dito ao mesmo,De ordem de S. Exc o Sr.
presidcnle da provincia sirva-so V. S. de mandar
pora disposicao do Dr. chele de polica, no dia
17 do correnle, urna forea de 16 pracas e 1 infe-
rior do corpo do seu coraraando. para cscoltarem
dous criminosos al a cidade de oianna.
Communicou-se ao chefe de polica.
3a Secrao.Kio de Janeiro. Ministerio dos ne-
i gocios do imperio, em 2 de dezembro de 1859.
lllm. e Exm. Sr,Foi ouvida a seceo dos ne-
gocios do imperio do conselho de oslado, sobre o
officio de V. Exc. do 12 de novembro ultimo,
pedindo que o governo imperial decida se a dis-
nosico do-decreto n. 82 de 19 de selembro de
1855, no S 20 do art. 1 que prohibe que cortos
empregados pblicos sejam eeilos membros das
assomblas legislativas provinciaes, deputados e
senadores nos collegios eleiloraes dos distrelos
em que exercerem auloridade ou jurisdieco, im-
porta a obrgaco do elles solicitarem anlecipada-
i mente exoneraco dos seus empregos para se a-
| presenta re m candidatos, observando V. Exc. o
conveniencia de eslabelecer-se um prazo anterior
,i eleico, dentro do qual deve ser requerida e
'concedida a demissao, aliin de nao ser Iludida
, aquella disposicao.
E Sua Mageslade o Imperador, conformando-
sd por sua immedala resoiucodeli do correnle
mez com o parecer da maioria da dita seceo, e-
xarada em consulla de 29 do referido mez do no-
vembro : manda declarar a V. Exc que, vista
dos termos em que est concebida a citada dispo-
sicao, manifosta que ella nao impe aosempre-
pregados pblicos, que menciona, a obrgaco de
pedirem antecipadaraenle demissao de seus car-
gos para se apresenlarcm candidatos nos distrie-
tos em que excrcem jurisdieco ou auloridade ;
lano assim que admitte a hypolhese de elles re-
ceberem votos, quando os declara millos. E por-
que, era virtude do preceito do art. 179 1 da
constiluico do Imperio nenhura cidado pode
ser obrigado a fazer ou deix.ir do fazer alguma
cousa seno em virtude da lei, fora de duvida
que, em quauto urna tal obrigago nao fdr im-
posta por lei, o governo nao pode tomar a provi-
dencia lembrada por V. Exc. de marcar o prazo
para o pedido e aconcesso de demissao alaos
empregados.
E certo que o fim da lei, cstabelecendo a in-
compatibilidadc relativa de certos funecionaros
pblicos, poder ser perfeitaraente illudido urna
vez que elles sendo candidatos, nao dcixem o ex-
crcicio do seus cargos milito antes da eleico pri-
maria. O governo imperial reconhece es'se mal;
e tomar as providencias que no casa couberem,
adra de fazer respeitar o espirito da lei, sendo
urna deltas, traiando-se de empregados amovi-
veis, a e dar-lhes demissao era tempo opporluno
quando se convenca de que lacs empregados pre-
valecem-se de sua posiQo oficial indevidamonte
ou com prejuizo do seivico publico, para fazerera
Iriiimpliar a sua candidatura, visto que este fado
inconciliavel com a confianca que nelles deve
depositar o raesmo governo e incompallvel com
urna icgular o recta admiuistraco.
Nesta eonformidade dever V. Exc. proceder a
respeilo dos empregados provinciaes. dando con-
la, ou representando com a necessaria antece-
dencia ao governo imperial acerca daquelles so-
bre que nao lenha oecao, para que se possa re-
solver o que Mr conveniente.
i) que communico a V. Exc para seu reconhe-
cmento, e devida execuco.
Dos guarde a V. ExcCAngela Munis da Sil-
va Ferrrz.St. presidente da provincia do Rio
de Janeiro.
31 Seceo.Circular.Rio de Janeiro.Minis-
terio dos negocios do imperio, 29 de dezembro
de 1859lilm. 0 Exra. Sr.O presidente da
provincia do Rio de Janeiro cousultou o governo
imperial sobre o meio de evitar queseja illudido
o lim que leve era vista a lei da reforma eleitoral
n. 82 de 19 de selembro de 1855. quando no S
20 do art. 1 prohibo que cerlos empregados p-
blicos fossem cleitos membros das assemblas
legislativas provinciaes, deputados e senadores
pelas collegios eleiloraes dos distrclos em que
exercessem auloridade ou jurisdieco, indicando
a providencia de estabelecer-se ura prazo ante-
rior a eleico, dentro do qual dova o enipregado
solicitar e obter sua demissao.
Foi ouvida sobro esla materia a srcco dos ne-
gocios do imperio de conselho de Estado ; e Sua
Mageslade o Imperador, conformando-se por sua
immediala resoluco de II do correnle mez,
com 0 parecer da maioria da dila seceo, exarado
em consulta de 29 de novembro ultimo.
lloare por bem mandar declarar ao referido
presidente, que a providencia por elle lembrada
s pode ser tomada pelo poder legislativo ; mas
que no cnlanto o governo imperial nao dea inhi-
bido de laucar mo d'aquellas medidas, que no
caso couberem, para fazer respeitar o espirito da
le, sendo urna deltas, tratando-sa de emprega-
dos amoviveis, o de dar-lhes demissao em lempo
opporluno. Dando conhecimenlo a V. Exc desla
deciso, que consla do artigo publicado no Jor-
nal do Commercio de 28 desle mez, chamo a at-
tencao de V. Exc. para a ultima parle do raes-
mo aviso, coja execuco S. M. o Imperador. Ha
por muito recoramondado.
D.os guarde a V. ExcAngelo Slnniz da Sil-
va Ferras Sr. presidente da provincia de Pcr-
uarabuco.
Cumpra-se.Palacio do governo do Peinam-
buco, 10 de Janeiro de 1860.Luiz Barbalho Mu-
ais Pinza.
MINISTERIO DA FAZENDA
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro 27 de dezembro de 1859.Illm. e Exm. Sr.
Copvndo fazer cessar o abuso de dar-so em pa-
pis officiaes tralamentos imlevidos s pessoas a
quem sao dirigidos, rocommend a V. Exc. que
il todas as providencias necessarias, afim de evi-
tar a continuaeo de semelhanle pralica, por ser
contraria a lei.
Deas guardo a V. ExcAngelo Uuniz da Sil-
va Ferraz,Sr. presidente da provincia de Per-
uambuco.
Cumpra-se Palacio do governo de Pernam-
buco, 16 de Janeiro de 1860,Luiz Barbalho Uu-
niz l'iuza.
directora geraTda ixstricc vo
PUBLICA.
Expediente delal de junciro.
Dia 3.
Officio n. 1 presidenciaInformando favo-
ravelmentoa pelico do professor publico da
Roa-Vista Geminiano Joaquim de Miranda, na
qual pede dous rae/es do licenca com orde-
nado.
Dilo n. 2 mesmaInformando favoravcl-
inente o requerimento do professor publico de
Aguas-Bellas, Liberato Tiburtino de Miranda
Maciel, em que pede ura mez do licenca cora or-
denado.
Dia 4.
Dilon. 3 mesmaRogando-lhese digne rei-
teraras ordens dadas, afim de que por meio dos
agentes policiacs se promova o arrolamenlo dos
meninos de 5 a 15 aunos, que a idade da es-
cola, para que se possa organisar a estatisbtea e
conlieccr quaes os que dcixam de receber a ins-
i Iruccao primaria.
Dia 9.
I Dilo n. 4 mesmaSolicitando o pagamento
j de duas coritas dos livreiros Guiuaraes & Olivei-
ia e Nogueira do Souza & C, a primeira de
23JU29, e a segunda de 64f800, provenientes de
| cncadernacos e objeclos que vendern: pard a
' bibliolheca publica provincial.
! Dito aa secretario do governoPara que se
sirva providenciar acerca da falta de remessa
das leis da provincia de Goyaz, como reprosenta
o bibliotecario provincial, era officio de 23 de
| dezembro ultimo.
Dia 10.
Dilo ao delegado lillerario de Amagados Exi-
gindo urna relacao dos movis existentes nas
duas escolas daquelle dislriclo, apesar de nao
terem sido romecidas de movis a cusa dos co-
fres da provincia.
Dilo prefessora publica de Iguarass.Ac-
cusando a remessa do termo de exornas o map-
pa das alumnas respectivas, declarando-lhe que
essa remessa deve ser feila por intermedio do
delegado litlerario.
Da II.
Officio ao delegado lillerario de Pao d'Alho
Declarando-lhe que pode ver urna casa que soja
suficiente para a escola do sexo masculino, in-
formando cora urgencia o preco por que a aluga ;
e caso a nao ache, continuo o professor a fune-
cionar na mesma casa, adraittindo o numero de
alumnos que for possivel.
Dilo ao mesmoPedindo expcaco acerca de
tres alumnos reprovados, somonte m leitura, na
escola daquella villa, visto como, em face do
artigo U do regiment de 3 do junho do anno
passado, s devem ser examinados aquellos que
se do por promptos.
Dilo ao de Garuar Exigindo urna relacao dos
movis existentes nas aulas daquelle dislriclo,
embora nao tenham sido fornecidos cusa dos
cofres da provincia.
Dia 12.
Dilo n. 5 presidenciaInformando favora-
velmenle o requerimento do secretario interino
desla reparlico, Salvador Henrique de Albu-
querquc, em que pede augmento da gralificjcio
que percebe;.
Dito ao delegado lillerario de Ipojuca Accu-
sando os offieios de 31 de dezembro, e de 2 do
correnle, raanfeslando-lhe o apreco em que tem
o modo porque S. S. desempenha lis funeces do
seu honroso cargo.
DESPACHOS.
Dia 12.
Requerimento de Antonio Carlos Pereira de
Burgos Punce de Len, pedindo lhe atiesto qual
a importancia e morahdade dos collegiosBom-
Conselhoe da Conceico da Tamariuheira
Nada sci que desabone estes dous collegios, de
cojos directores comiuuo a fazer bom cou-
ceito.
Dilo de Joo Nepomucenp Alves Maciel,
pedindo por certido os torraos de concur-
sos das eadeiras da instruceo elementar das vil-
las de Pao d'Allho e Serinhaem, que o suppli-
cante foi opposilor. Fasse por certido.
Requeriracnlo do Rvd. Lino do Monle-Carmel-
lo Luna, bibliolhecario provincial, pedindo alies-
lado de frequencia do mez do dezembro.Pela
afirmativa.
Dito de Manoel Figueiroa de Para, pedindo al-
leslado do fomecimento dos Diarios e im|
soes dos trabalhos desta reparlico, no trimestre
de outubro a dezembro.Pela Afirmativa.
Dilo de Salvador HeurqilO de Albuquerquc,
secretario interino desta reparlico, pedindo at-
lesladu de frequencia do mez de dezembro.Pe-
la afirmativa.
Visto em allestados dos profossoresii
De Sanio Antonio, correspoodenlc ao me/ de
de/.embjo.
Dito dilo de San-.los, tem, idem, dem.
Dito dito da Boa-Vista, !' e 2J cadeira e d..
sexo feminino, idem.
Dilo dito de Tracunhem, idem.
Dito dito do Barreiros, correspondente a outu-
novombro e dezemb i.
bn
dem,
ferai-
Dilo dito do Serinhaem, correspondente a d
zembro.
Dito dilo de Pao d'Alho, sexo feminino, '
Dilo dito de San-Podro Martyr, sexo
nio, idem.
Dilo dilo do Bezerros, sexo feminino, corres-
pondente a outubro, novembro o dezembro.
Dilo dilo de Aflbgadoa, sexos masculino c te-
minino, dezembro.
Dito dito da Victoria, sexo masculino, idem.
c fe
dem,
latim.
masculino,
Diloditodo Recife, sexo masculino
nio, idem.
Dito dito de M u r i boca, sexo masculino,
Dilo dito do Nazarelb, professor de
idem.
Dito dito de Punta de Pudras, professor de 1"
le Hits, idem.
Dilo'dilo do Ha marac, sexo masculino c fe-
minino, idem.
Dilo dito de Gloria de Goil,
idem.
Dito dito de; Iguarass, seo feminino, idem.
Dito dilo de J.aboalo, sexo masculillo, corres-
pondente a outubro, novembro e dezembro.
Dilo dilo de Agua-Pela, coi respndeme .i
outubro.
Dito dilo de San-Pedro Martyr, sexo mascu-
lino, dezembro.
Dito dito de Beberibe, dem, idem, idem.
Ipojuca, masculino e feminino, corruspuiidente-
a dezembro.
Rio-Forraoso, masculino, correspondente a on-
lubro, novembro e dezembro.
Ilamarac, sexo masculino, corresponden: i
dezembro
Paralibe,
dezembro.
Curato da S, sexo feminino, Jera de
zembro.
sexo mascuiino, correspondente a
dc-
COMMAXDO DAS ARMAS.
Quartel general da eommandu las
armas de l'eriiainbueo, na cida-
de Ao Hevife, 1? de Janeiro de
I860.
ORDEM DO DIA N. 341.
O lenente-gcneral commandante das ar .
declara, para conhecimenlo da garnico, que
hontem apresentaram-se viudos da corte, osse-
nhores segundo lenle do quarto batalho fle
artilharia a pAmerco Clemente Duarte Pereira.
alteres do non., batalho de iufanlaria Boaventu-
ra Leilo de Almeida, capilo do dcimo da mes-
ma arma Pedro Alfonso Ferreira, e ajudanle da
segunda companhia de pe leslres da comarca d i
Boa-Vista Francisco do llego Barros, os quaes
ficam reunidos aos seus respectivos corpo.-;.
O mesmo lencnle-general determina que soja
desligado do quarto batalho de artilharia a p o
Sr. alteres do dcimo de iufanlaria Joaquim Joo
Luiz de Souza.
Assignado. Joe Joaquim Coelho.
ConformeHoracio de Gusmo Coelho, alte-
res ajudanle d'ordens.
Buenos-Avies, 29 de dezembro de 185'J,
Esto feitas as eleiccs de deputados Con-
vencao Revisara. Tiveram lugar, como eslava
marcado no decreto, no ultimo' domingo desle
mez, que cabio no dia de natal.
O resultado da carapanha anda nao conde-
cido : na cidade, porm, venceu completamente
a chapa do C/116 Liberdade, sera exelusao de ura
so candidato. Da chapa da Aesoeiaco de paz,
pelo contrario, s sahirara eletos os que c-s'.a-
vam lambem na oulra ; islote/ que esses fossem
os mais volados.
Antes de ir adianto eis a lista dos 30 deputa-
dos da capital:
Dr. Marcelino ligarle............... 4,81.") votos.
Dr. Francisco de Las Carreras.......i.VCl!
Dr. Tliomaz Anchovena............ 4,766
Dr. Benito Carrasco................ 4,765
Dr. Jos Domingoes................ i!"5h
Dr. Daniel Cazn.................... 4,7:17
Dr. Irino Portella.................. 4*715
Dr. Jos Hoque Prez................,f>2
Dr. Rufino Elzalde................. 4,326 >
Dr. Francisco \ Muniz............. 4,321
Dr. Luiz Mara Drago............... 4,1)22
Dr. Carlos Eguia.....................,:.22
Domingos F. Sarmiento............. 4,322
Dr. Juan A. Garca.................. 4.321
Dr. Francisco Elzalde.............. 4,321 n
Dr. Mariano Sanvedra.............. 1,321
Dr. Jos Hara Gutieriez........... 4,321 >
Coronel Emilio de Castro........... 4,321
Dr. Fernando del Arca.............. 4,321
Dr. Pastor Obligado................ .,321
Dr. Valetim Alsina [ex-governidorj 4,321 ,
Dr. Velez S.irsield.................. 4 -lil *
Di. Eduardo Costa.................. ,32l
General 15. Mitre.................... 1,320
Jos Marmol.........................,32>
Dr. Antonio Cruz Obligado......... 4,320
Dr. Jos Barros Pazos.............. 4.320
Dr. Norberlo de la Riostra.......... 4,320
Dr. Adolplio Alsiua................. 4,321)
Coronel J. M. Albarino?............ 4.320
'os Mara Gamillo.................. 4,320
Dr Manuel Oampo................ 4,31!) ,.
Dr. Marcelo-Gamboa................ 4,211) >.
Coronel Gelly v Obes............... 4.21U
Dr. Miguel Estoves Segu*......... 3,191
Dr. Flix Fras...................... 3,1 s
Esse triumpho immenso do Club Liberdade foi
produzido por urna especie de Iraico do governo
Associaco de par.
A Associaco de paz, como os leilores ho de
lemhrar-se, foi fondada pelos sustentadores do
pacto de 11 de novembro, e nasceu com elle, sob
a inspraco c proteceo do governo que acabara
de substituir o do Sr. Dr. Alsiua. O governo pre-
cisava do um partido arregimenlado quo o sus-
tenlasse, que tizesse frente ao partido do qual
linha desertado, isto ao Club Liberdade, que
representava as ideas da revolucao de selembro;
por isso cresceu a Associaco de' paz.
Ora, como era natural, esle club foi se endura-
do de lodos os emigrados de Buenos-Ayrcs quo
am entrando da Confederaco e que foiraavara
o anligo partido chupandina ou tir>uizista. Mas.
ou porque esse partido fosse-o pouco a pouco
absorvendo, deixando os seus fundadores em mi-
nora, ou porque os homens do governo vend-
se ligados cora os seus inimigos de ha pouco con-
tra os seus amigos de honlem, livessem horror
do seu crime c se arrependessera de ter abando-
nado os seus companheiros de sete annos. o [ac-
to 6 que o C/h6 da Associaco de paz achou-so
110 dia das eleicoes inteirame'nte desamparado do
governo, e composto apenas dos amigos adver-
sarios do Club Liberdade isto os dous partidos
voltarain ao seu passado e eiiconlrarani-se dis-
criminados como antes do cornejo da lutu : to-


fa>
DURO DE PERNAMBUCO. QgftyftTA f FJHU 16 El JANEIRO DE 1860.
dos os pandilheros un unitarios de um lado, lo- I eoitta, como um timbre de sua vida publica, ka-
dos os chupandinas ou fcderaes ilo oulro. ver lido a fortuna de associar ten nomeaosaclos
Poneos das lotee dus eleicoos os dous clubs maia tlassieos qvt creorom rclmsicceram a ta-
se reunirn) cin unja so-sm geral a coiivito do' dependencia do Estado rientul do Uruguay '?
C/ii Liberdade, i"m o ini de combinaron! nina << Feliz Jo rom, senhor, se ao inlerpielar a po-
lista commnm. alii dala a intriga que produ- lilicn do governo argentino para com este paiz
yio a derrota da Associaco de paz, e que alguns |iao cheio de gloriosas recordaoSes, suas sympa-
attribucn ao ministro rio governo o Sr. I)r. Tu- Ibi.as ii atenaos tomo minhas propia allegues
Hedor, discpulo eui poltica do Sr. I)r. Lourenco forom justamente apicciadas or V. Exc. ; e se
Torres. I ai:b,-iri.ooca:io de contribuir urna re/.era nonie
Desde esse din o fu.-.'in eon.oeou a dnsapjpre- do uieu gobern, a consolidar a perfeita iode-
er; os homens do golpe de estado de 8 do no-, peudein;i.a tl.i repblica irm.ia.
vembro o da nena siluno que haviam fundado O lu Pueia resjiondeu :
a Associaco de paz relirarani-se dola, deixando Sr. ministro.Acccilo com sunima salisfaco
a entregue aos chypandinos. Club l.iberdade a nova propa de a prego que o govyurno da Con-
io mesmo lempo (oi rccolhondo os scus antigos feJerai.-ao Argentina deu ao da'repblica, encar-
ieseriorcs. I regindo V. Exc da aniada que felizmente h-
Itizem que O governo vendo cerla a derrota gara a amaos es governes, c que lo siiceraracu-
proxima da Auociafio de paz alirou-se nos br3- le lando .sempre a cultivar desde a minha subida
JOS do Club l.ibtidade. Anda nao pude aprc-! ao poder.
goveruo; mas pelo que rpidamente tenlio p-| familia argentina a paz que lano rcclaniavam os
dido cullicr pensu antea quefooCIuo Lber da de inlerosso permanenles da Confederado, ucuhu-
piein transigi, Calendo desneccs&aria o gover- mu opporiunidade poderia aprcsenlar-te mais fa-
iio o apoio da Associaco depas. Aaslm suppo- voravelpara a realsaro das villas que possam
nlio que, se a chapa co Club l.iberdade vencer i contribuir mulita prosperidade e engraudeci-
tambem na campanil, c por consoquencia do- ment dos dous paizes.
minar na contsnc>, esta ir eom o genuino, c| Sendo estas as aspirarles do governo argen-
s apresentar reformas que nao nuiliciuem o: lino, romo nao pdem menos ser as do governo
tratado dep:z. reformas po.-sivois e. que possam da Repblica, possoasegurar V. Etc. que ha
subsistir com elle. i de adiar por sua parle a lealdaJe e franqueza
I.ssa minha suppos'nTio lem um fundamento que sorvem de base sua poltica exterior cen-
eque s queiu eoitnocc bem as mas do Club l.i- signada en doeumentos pblicos e solemnes.
berdade pode aprecia-lodevijmente. Esseclub, | Aga,lerendo os amigareis seniiiuenios do
ules do tratado de paz, era extraordinari imeitle goterno da Caiifederacdo que o Sr. ministro aco-
larle conira o partido chupandina ou federai, na de iuM-rprclar, cabe-me a aatisfac&o de con-
pcirjue reuna *m si lodo o partido pandilheiro gralular-lhe pela acertada esculla com que foi
ou unitaria. Esse partido compacto sempre, I dislincto junto de urna nacao amiga c irniaa quo
crindose tratara de defender Buewos-Ayres cn- rocorda u< importantes servidos prestados pela
ira ;i Confe |i raen i, dividia-so em duas frarcocs[pessoa dt I". Exe. causa de'sua independencia
ni neg,ios de intins-e local, na fraccau e*o/-
tada, e na frace.io moderada, que era cea maior, ,
o a qual creou a nova situarao.
Depoisdo tratado, porm, o Club Liberdade]
Gcou reduzidu fraceao entilada apenas, ese]
Iloje posso dixor que ella certa ; j foi con-
vocada a provincia para proceder eleicao do
scu gurernador e dar-se urna const^lujcoo!
l'assa romo cuito que o Sr. general" l'rquizo
apresenta-so candidato ao seu amigo posto do
lempo de Rosas, conservando conilo cargo do capito general da Confederan. Islo
a meu ver ser una oU'ensa co.ns^ui;'ao, a me-
nos que ojio ge limite os poderes extraordinarios
que eslio ligados a esse cargo, e.que serjio otr
fensivos dos poderes .da presidencU q*iando esta
achar-se separada delte.
Isto porm rcvella que nao exocto o c*ic se
di/ do que o general Urquiza preienje telirar-se
da vida publica ao largara piesideiwaia o a dar
eiu lavrador, corno o general romano da au*
guidade.
Com effeito nao me par,ecia crlvel esse boato);
pareca me dilcil que o Sr. general Urquiza que
leni o scu rtulo at as chicaras do ca dos ha-
lis da Confederaeo, logo no Bromelo de sua
maior gloria, is'.o depois dos lourus que co-
Iheu na sua eampaiiha dos 20 das, abandonase;
4o4in Brown, condemnado devia ser enforca- conselhe
oo f de dezeabro (hiije mesmo).
Urna ualicia acaba agora de ciegar. Foi-lhc
concedida urna dilocao. Elle morrer a 16.
O inlervallo curto, daqui al l tira brado
do misericordia lera .lempo de ser ouvido?
NSo importa nosso dever erguer a voz
L'ma segunda dilaro seguir takez a pri-
K'ira. A America urna ierra obre. O senli-
raento de bunian.idade se desperla mui depressa I
o um pas livne. Esperamos que Brown ser
sai/o.
Sn Geirn uo Idr. so John Brown morrer a 16
dezenibro sobre o cadafalso, serterrivel 1
nos, e nao havendo mais nada a tra-
tar, levantou-se a sesso s 7 e meia horas da
noilo.
PERNAMBUCO.
Por
REVISTA DIARIA.
jniormaijoes que obtiveiqos, disaemos
M o Imporador der.a para o hospiul dos
I. /aros n quanlia de 1:000$, assm como a de
dU0| para os respectivos doeules ; .esla uolicU
loi-nos communicada por pessoa circumspecla ;
sobre islo nos dirigem a segninlo ob-
aqui consignamos para illus-
_ ci com a apreciaco compe-
tente : '
0 monsenhor Muaiz Tavares disse-me que
avia sido publicado na S'ia Revista Diaria ler
a sua espada para lomar o arado.
riciuip.
vista de scmeil.ianle calaslrophe,
- ; "lals s^ ama essa repblica, quanio ma
nlm ofS v, Z a,"'?rn VE5P*?: 1UP5" i "Miera. luanlo "ais se a admira, mais
nno que Kxc. saue que os Ionios dos hroes o corac-ao comprimido
de boje emurehessem to depressa como as gri- Dm 80 alado nao p'oder deshourar lodos
" mh- M \Te aUr.,aS a'"S,aS '1,, lhealS- 0U,lr0S.; a'"li- "<' ^"0. a ...er "ornan federal
.l^i^-IOU;?Cd2impreBiaVB0Seaade-?8 *JJto. Seno.em preseoca doomaalro-
ao Nacional Argentino diz que ser por -
ao Nacional Argentino tt que sera por muilo cidade prestes accnium.Uer-se, que nao pode
ZSfft. ^"nre' qU, S0I J??W **%*> p?r,'"e 11er "M'fdi.la, a Uuio lorna-sc cumpcidade.'
carrasco d Brown, declaramos era alta ''''t^o'' SIC
voz (porque deve-se a verdade aos povos como' ?' r q e
aos res), o carrasco de Brown nao ser nem o) ,,cf "l's
procurador Buntnr, nem o jow Parker, nem o
governador Wyse. nem o pequeo estado de
tirginia do Virginia, ser, tremo de o pensar s \""" ""'*" '
e do dizc-lo.ser loda a grande repblica ame- |A.T?^22! i f Lfl"U'ol^s Luum
|i.ouu9eans respectivos di.entes 30')$ ; e como
mnnta fsl" "","''', se tenlia realisado al a presen-
is se a i1'! ('0"vil,lM Ia* se venlillassedoi.de parle essa
i0,llc j A pessoa que estas lionas escreve aulorisa-
os' t' omi"'l'onnd(J nonio do monsenhor Muniz
lavares, como emprega nessa como rectificaco,
parece que sella- tom a verdade do fado nar-
rado. Releva porlanlo quo sejn averiguado is-
o que se verifique se, lomos efectivamente
lo.
no Be ada', a DO
minha conviceo, que osaxaf-
VOIICCH M i'lr...i's na ca;iil.il foi porque I:
le novo fraeeo m idera i "" ,"-'
governo.
Sempre, pois, d
todos nao estivereni ligados com os moderados,
nao po lero dominar, porque ; urna fraccao que,
Miibor.i i Ilustre pelos homens que a cnmpoem,
i: pequea c de ideas impopulares' e do dllDcil
i -'alisar o.
Assim, nn, porque confe na boa fdosexaf-
tados do Club liberdade
ndepe
nosprimeiros lempos de sua independencia poli- I
fleo,
o Taquaru conservase anda neste porlo
preso, o faz-lbosentnella sempre um vapor de
guerra inglez. 11.i das movendo-se um navio
va. Succedeu-lhe o l)r Seg
Tuve lugar no Paran o baile ha tanto lem-
po annunciado e prometido ao general Lpez em
ana passagem por all. Aconteceu, porm, que
na inanha do da em que leve lugar o baileeor-
que dous natos mgle/.'s se diri
i. e o mediadorpor via das duvidas
raan.i.iu-se rau-
iii-se ; a uoito do lugar em que elle so acbava, o Ubc
ron, quo na aclualidade o sen carcereiro, aque-
ceu immediatamenle as caldeiras e foi reconhe-l
cor o navio que se mova ; emquanlono secon-
rciie u que nao era o Twjuary levou a rondar bi
la ; depois veio tundear no mesmo lugar era (
que se a< hava e apagn o fogo.
H Comiiierciodcl Plata era um dos seus ulli-!
moa arligos a proposito das ele.oes recommeii-
dou a maior prudencia nos homens e aos parti-
os, porque : o Brasil, diz elle, espera cora
o seu olbar'
da poltica
que supponho que a
couvencBo, so ellos lverem maieria nella, pro- apparenfe Iranquldade, mas com
ceda do acrordd com o governo. Se elles po- de aguia, algumas das volleidsdes
dessem pn cindir em qualqueroccasio da frac- de Buenos-Ayrcs para poro seu peso na batanea
e.o moderada, se elb s podessein por si sos subir da sorle da patria. O Brasil, [conliua o mesmo
jo poder ou fazer urna lovolucao, nada dara jornal) desojara rer surgir a idea de independen-
pelo tratada deps. K' p os por foreosa neces-l ca de Buenos-Ayres como Estado soberano para
reu urna voz
giam pata
uietteu-se a bordo do Jejtuj e
dar, sera esperar por mais inda. A razo que
den de nao poder assstir ao baile foi que os
seus oflieiaes nao linham Ir.isido grande unifor-
me. I'niri lano aqui a cada momento a ollieia-
lidade paraguaya apresenta-so em grande tenue
at no passeio do llar quo nos domingos de lardo.
Foi eleito governador de Corrientes em subs-
liluico de Pujol, J. II. Boln.
Entre os cbndidatus vi e presidencia da
conferencia, di-se eom certeza que lem ruaiorio
absoluta de velos o general Pederneira ; os un-
iros candidatos sao dlberdi, Marcos Paz rujo!
_Passou-ine dizer em cima que a des federa-
lisaco da provincia Je Entro-Rios nao com-
prebende a cidailo do Paran cjuo continuara a
e do Bigamo forma corapromettidos. Se o ca-
dafalso se levntar a 10 de dezembro, dahi em
di.iiiio, populo a historia incorruptivel, aaugus-
ii lederacao lo novo mundoaeresccnlar a todas
as suas solidario,la es sagradas nina solidaridad^
sanguinolenta o o grupo radioso dessa repbli-
ca esplendida loria por vinculo o n-corrediodo
patbulo de John Brown.
Esse vinculo a materia.
Q'ian lo so reflecto no que Brown tentn,
esse libertador, esso
principio, constituida em uma verdadeira co-
cli ira, poisahi enteode alguem, que ignoramos
anda quem soja, dever guardar os seus canos
de transportes de gneros.
Com esta pralica, que lem lugar pela tarde de
OS das, (lea i< almente seno interceptado:
o transito, ao menos obstruido, de maneiraque
s mui dilliclmenie podem passar taco horas
o por aquello lugar os cirros.
O ene;irrogado de velar para quetaes abusos
se nao detn, deve fazer nTectiva a le relativa ,i
combteme de Christo, u ..., r "..........'.' --"--
lie vai morrer, 0 vai mor- ^ ''l'^ 'f "'7 '"ais qu.vilo ha por all uma
publica americana, o atl .
quando se pensa quo
ror decapitado pela re
lado loma as propon;0es Ja nacao, que o com-
motle ; e dizor-so que essa nacao >j una gloria
do genere) humano, que, como a Franca, como a
Inglaterra, como a Ajlemanha, um dos igaos
ua_ iivilisacio, que muitas vez>.s mesmo excede
a Europa em cortos voos para o progresso auda-
Ctosos o sublimes, que a esperanca do mundo,
c que tra/. sobre sna fronte estampado o tacho
da lber
morrer
le,
'i
sidade que ellos piocederam
accordo com o I apoia-la com as suas armas, com seus lliesou-
iiUrmar-sc que John Brown nao
, rquu recua-so espantado diante da
se nial prmorn da Confedergao, o tenia idea do que to grande crime ser comraottido
aiguns quo permanente, visto que Buenos-Ay- por tan grande novo !
. No poni de vista poltico o homecidio de
goveinu na c nvencau. Foi comprehendendo! ros e com 03 seus conselhos, porque um Estado
eso que o Sr. Dr. Tejedor preferio-os aos oulros ; ; limitrophe de 250,000 almas nao pode conservar
com cuello, se o governo continuasse a proteger I o equilibrio poltico, mercantil e industrial com
a Associaco de paz, o amigo partido chupandi- um imperio que con la milhoes de habitantes o
no viria a don 11 ir
reco-
mendar ao seu paiz a
nao insulla-lo 11 cada
momento por d c aquella palha. Assiin pro-
evo eomtudo ol 1 rvarque vista do< prece- cedena eom mais patriotismo do que intrigando
denles da fraeeio moderada, e possivel que,! e fazendo poltica por nossa cunta. Ouchi Ihc
fracrao exaltada venha a dirig-la, como acou-
teceu durante quasi loda a adminislrae 1 do Sr.
Dr. Alsina. Islo faz queja se diga, depois do 1 chas
da das eleices, c ie Bu uios Ayi s acha-se nu
liiesrao oslado em que eslava antes da h
de Cepeda, ou por oulra, quo a batalha de Ce\ a-
ta acaba de ser gauhu as elei^ea de eonoen-
c ion a es.
Istu porCm anda nao 1 xacto; pode vir aso-
' n Buenos-Ayres e a asse- com nina organisaco queja um tarto.
iiliorear-se das posiees olllciaes. Ora, o Sr. Dr. Era melhor que "o Commercio del Piala
Tejedor, emboca i.ao doma de ser nliccesse islo para rere!
pandilheiro, i-i 6, d 1 paiti lo I icalisla de Buc- respeilar o Imperio a a
nos-Ayres.
ludo observar une vista do- prece- 1
e fazendo poltica por nossa cunta. Queifi l
encoiiimendou o sermio, que Hit* pague.
lo, pois lu lo 1 ssin 1 em po.iliea ii"sles paizes :
iikis por ora sito ainda o.-- homens do halado de
paz, e pur consoquon.ua a influencia do general
I i |uh 1, que esl di 1 inando em IVueuos-Aj n s.
Deraais, fallara os deputados da campauha,
: te s 1 89, a Issocian'to de paz pode pois ler
ud aioria na ronveiic.o. Verdade que j
nuvi dizer de b a fonle que em duas parovhas
de norte a v'mtoria porlcuccu igualmente ao Club
lade.
'i g ivcrno fez proceder em lodos as pro-
li nova qualilicaeao de volaii}es, ou
seja um novo, censo, alim d evitar toda e qual-|
querftaude as eleicoesda convenco.
Sobre esta medida susclou-so una queslo
entre o ministro do governo e a comniisso per-'
mancnle, que laiou do incouslitucional e exorbi
Innte das attribuieoes do poder execulivo.
11 .- i-rn 1 porm snstetou o seu drcilo, e le-'
vou a sua avante
Lina das proras mais frisantes do que cima
d.-se, isto il 1 Iraie.o ci goveruo .4ssociaj'.t-j
de ; .: a condicao imposta ultima hora a todo I
veanle de aprcsenlar cerlidao de gu.a.1,1 naci-
I iu siaequa nao se poda voldr. Ora
res nao quer s-||o.
Como escrovo para o publico, devo explicar o
que quer dizer desfedcralisnco da provincia d
Entre-Ros, Territorio federalisao o que nos
chamamos municipio neutroa corte a sede
di poder central. \ provincia do Entre-Ros,
durante toda a presidencia do general Urqniza
assim esleto agora, porcm, que val esta termi-
nar; S. Ex., que antes de ser .presdante da
Confederaeo era governador daquella provincia,
o que pua que nao livesse oulro governaJoi
raanleve-a federal isa-I a durante a sua presiden-
cia, faz-la voltar sua amiga condicao para fa-
ver-so seu govcrnalor de novo.
Eis o que quer dizer a dosederalisa;o da
provincia do Enlre-Rios.
0 general Antonio Taboada foi eleito fape- as
vais a ..i,.
a
Brown ser mm falla rreparavcl. Tara a Un So
uma brecha oceulta que acabar por desloca-la.
E possivel qn,. osupplieiode Brown consolide a
escrav Jo cu. Vergua '. porm corlo que elle
abalar tola a democracia americana. Sa"
vossa vergonha, mas assassinais
na.
No poni de vala moral, parece que uma
parle da luz humana se eclypisaria. que a noeo
do justo c do injusto se obscurecera, no da m
que se yisso consumar peta liberdade o assassi-
nalo da liberdade !
Quanto miin, que sou um alomo, mas
que, con,o iodos os homens, lenho em mim a
conscieiicia humana, proslro-me de oelhoscora
lagrimas nos olho.
.'""i'15 i-'grim.is nos o.os peanle o gran Je manto
zar do nome) gorornador da provnole de San- estrellado do mundo e
lia/"
na
' '/ pas, quo'se compunha n'a maior I
i11'" : 1 que linham combaiido conira'
j Buenos-Ayres, nao poda satisfacer ansia medi-
as uieicoes da capital, apezar le todas as me-1 da rpidamente: accresce quo as ccrliloca de-
didas preventivas que tomn o governo para man- riam sei passadas pelos cora mandantes dos enr-!
leraordem, loram lutbulenlas ; rolou o soco ; is. e esses perlcuciam quasi lodos ao tlub Li-
mo nos bnxnnj de Londres, e o jngo dn :. [sin cnfraqueieu considerafelmcnle
. la uoixou a desojar. >, e foi a causa nriittcira de sua der-
n.la.
lio
Nao ; -t. asscverai se liouve coaccio ; n .U-
socia .' 1 :ui, q 11 .\a se disto, e coi 1
efeilo aban >nou asel il meio v.i o in.
Consta protestara 0111 um nbaixo assig-
" lo, que ser apresen;;' lo ao cougresso federal
casio c m peten le, o no qual pedir em
0 coronel Mitre parlio antes de horitem com
a diviso para as fronteiras do sul
U Tandil, que no ultimo pa pele --e me nao
no lira va ainda infestado pelos indios, actia-
implelanicntc pacificado depois ca victoria
a coueurao a reuniio pura c simples, qu.....:onmeI Machado alcam-uu sobre elles a
i.s c sera derae 1, d Buenos-Ayres maior que so tem alcancado desde que elles as-
Cll
.1. Pai
1 .- lim leve lugar urna
. c iilmuam os Irabahos desse
c lob ni se sentido.
-' ques : I riti r 1 lu 011
j niiguea f I
esli p liases-. Nu' sei sej leetla m
m.1 nutra carta; uoimpuito: quodabui.-
E' inexacto o que se lem ospaihado, que o
governo argentino numeou oSr. ih' UelHin Uer-
go para lomar emita da Alfandega do Buenos-
Ayres. O Sr. Uergo foi noraeado para repre-
sentar o governo geral na execuco do diI. 8. do
pacto de uni.io para fazer efectiva a nacionali-
sa rao da referida alfandoga. Ora islo cousa
muilo diversa; o tratado garante a Buenos-Ay-
res as rendas da sua Alfandega por esparo de
1 neo anuos.
Toi eleito sanador ao cougresso federal pola
provincia de s. Juan, Barra, rodador da Confe-
deraeo do liosaric).
O general Cushman, ministro d >s Es
Unidos lio Paran, j havia sido recehido ui-
cialmeule.
As eleices de diputados para o congresso
deviarii icr |,ignr u0 Uosario nos da- I, 2 e de
Janeiro.
Recommcudo-lhe que traiiscrera i arligos dos jomaos da Confcdaraco contra o
Bracil; 6 conveniente que entre nos se saiba
cerno por c nos trata 11.
Ileo porm accrescenlar que se i que esses ar-
ligos na sao oflieiaes.
Do l'araguay nao ha noticias modernas.
.1' ultima hura.
'""ando noticias das eleices ti 1 campa-
suppiico com as maos
postas, rom um respeilo profundo o lial, 1 -
sa lluslre repblica amen-ana, irma da Fran-
ge, que cuide na conservaco da le moral uni-
versal, que salve John Grown, que derribe o ca-
dafalso ameacalor de 10 de dezembro, o nao
permita quesobsuas vista*, e accresceato h ir-
ronsa Ij, quasi por sua culpa, o primeiro fi 1
dio passc-avanle.
.< Si ni, que
nisto algumj
Caim matando Abel
ja niegue.;, |..,,a 1, ,-,!a, e ..nonos-AM os esi l"""q,"
resigna .'o a ler II f.mi por presidente da Confe- ''"'",
ao. Em virludo lissu ci se gcralmenlel Onej
dal aun nocet.
0 ministro inglez,
por aqu no da 27, c se
.'
o Sr. Thornton, pas- 111
;ulo no da 2S para o Pe-
que Buen is-Ay -s 1 : ir r acapital da Re-
publica pa a nao- adiar- mm diatanienlc
i) erro de pensar-se i
o aqu
hiugtoii.
Purccc-me
ou lia alguns dias abordo do Lcopard,
< acha, o contra-almirante inglez i.us-
Vao Clu
liba.
Na !.-' si ...: 11 el I is i'. Dom
lircira. I). Luiz Lagos e N. da Silveira.
-e :co, t. Manoel Jlontos de Oca, Dr.
Albarellos o I). Palemn luoigo.
Desses seis depulados qualro porlcncem ao
Club Liberdade.
Oli-
1.
do Spai laco !
a America o saiba, o pense ; ha
cousa anda mais terrivel do que
Waushinjtou assassinan-
ue tora de si para si que deve fazer da-
quella ra o deposito de suas aguas imraundas e
ptridas com neommodo dos outros.
Ouem passa por all semclhanlcs horas ve-
so, com elfeito u'uiu aporto, eulre Srylja e Ca-
rybdes, de quo s a uutondade publica p
lira-lo. '
Na ma Irogada do domingo passado, [>ii ac-
cominellidodc uiiii apoplexa, na travesea da
Casad.; Detencao, o crioulo de nome Francisco,
mostr de alfaiale.
l'ui Hotarel a deshumandado rom que o dei-
xaiaui entregue s vascas da morte, sem que
ce preslassem por all o menor soccorro. quur
di corpo, quer d'alma I
feria suecumbido, como effeclivamentc suc-
Cumbios8 horas ,i manlia, romo se lora um
cao, se nao foseo o Sr. Francelino Quinteiio,
l'ie passeiando por aquelle local e dando com
nessedeplrate) estad >, conseguio com seus
->u=,3a Oio- esforcos fazc-lo transportar para a casa do so-
gro onde recebeu os itllimos oUlciosda religio
e alguns soccorrosmdicos.
Admira que, faclos laes anda tenham lugar
cutio nos, e por sso mesmo con-ignamo-los
a 'i para vergonha de seus autores, eprincipal-
mente daquelle desalmado quechegou ao [ionio
de censurar a candado, que era exercida para I
eom um prximo, cojo estarlo fazia calar quaes- ;
|uer resenlmeulos que dolle podesse haver.
No da 2(j de novembro prximo passado,
;sio le beijar a raao SS. MM. 11., a l
dep.ilacao da \ssociacao Conimercial Bcaelicen-i
le, pronunciou o seguinte discurso :
Senhor.A xssociacao Commercial BeneD-
cenle nos enva ora deputaeao para termos a !
honra de por ella beijar a inao Voss Uages-i
lado Imperial c Sua llageslade a Imperalriz,
rnaiijfeatando
l
* .-->- r
V'lf.TOU-IfCGO. />
9 irnal dn (iacre-Silveira.

NTERIN
que a Inglaterra vai-sj> impacicu-
que-seudo B ien"os-A; resa capital ser retalha- ,a"do de esperar pida satisfac do Paraguay.
Qd o sou leni'.orio, concorre alm dis'n para re- -^ ewtovencSorevisora comeijar a fuucciouar
pellir-se essa dea. Kssxm, horribili dictu, Va- a semana seguinte: farfl as "sua- -pssocs na
uars ndu asede lo governo reu I, edificio da sala dus representantes, precedeudo
do congresso e do corpo diplomtico ; Paran, a competente licenca da coiuinisso permanente,
que parece miles un quintal de seiba que cria
galluhas do ; le a ca| il .1 de um Estado.
linda a ile o Iral do. O
Sr. Balcarce, -de Buenos-Ay-
:n Pars, vai cessar de fui nesau ca-
. 1 ministro da Confedera-
junio bo mesmo governo.
Diz lambem o iVoci .,1 que o governo argen-
tino drig si les'.a pro> incio p 'dindo-lhe um
qaadro de lodos os cnsules quefuuccona vara nu
ejt< rior para si ... is as su is 11
es.
0general finido part 1 d'aiui lia alguns das
Monlevideo iai > sua inisso nese
- 1 ollicialmente
, r a |ucilc t 11 ei no.
A /' n .' iba de tran 1 rever os
- all trocados nossa occasio, o para os
quai -1 hamo .- allenco des l< ton s sol re as pa-
lairas sybilinas que sublinho de a cada
1.'-., c a ni ceia-l is
paqui le ao Rio de Ja-
sccrelo. Recommeu-
Foi derrogad 1 a prohibigo do extraco do'
lerrorio de B lenos-Ayri', por maq .- por trra,
de gado cavallar o i.uuar. Esla noticia interessa
aos brasileiros que se em pregara nosso commer-
cio.
l'oin uhegado diversas remesaos de arma-
mento ca Europa que o governo do Sr. Alema
havia cncommendado; 3 boa hora! chegain, de-
pois de terminada a guerra.
<> governo continua a redozirj, conforme o
lado, as forjas do Ierra e marfaa estado de .
paz.
Ia-me PSquccendo de dar a li-la 1I03 candi-
datos derrotados tia .Uacinro de paz. Ei-la |
aqu : Como obaervei em cima, sal sahiram elei-
s aquellos [to lambem se aehavam na chapa
Consia-rae que val nes
neiro um agiuite poltico
do-lhc os passos,
Segu igual.iieu'.e neste paquete para a Euro-
pa o chele da usqtindra paraguaya, commaudan-
le do Taquarij, copitao Maurico, que vai em
comraissao de governo a Inglaterra. Pretendem
alguns que essa commsso junla ao goveruo
inglez e relativa a queslo pendente, Essa sup-
posico absurda, per neo capito Maurico, co-
mo Inglez, nao podeencarregar-sc de dina com-
misso scmelhante junto ao sou governo embo-
ra se ade ao seaico do Paraguay. Creio, pois,
nriis nos que c!/.i':i que essi eominissao loda
relativa compra de vapores.
ao mesmo lempo os sinceros votos
sociacfto Commercial i,\ pela saudo e
prosperidado de V\. MU. I rape ra es e das Au-
gustas l'niicezasdo Brasil.
Descrover, Senhor, o jubilo de que se acha |
mido o commercio desta iraca pelo fausto;
I acoiileciracnlo quo a historia registrar como o
I mais glorioso aos seulimenlos leaos dos Per-
. nambucanos, quasi desuccessario, porque na
n 1 mena de 1.. I-,-. rxinte eslereolvpado o enlliu-
_ siasmo nimenso com que Vossn.Magestade liii-l
Blo de PanefrOf perial o Sua Virtuosa Consorte" [orara cordial-1
7 de j.meiro. me"'e ^>^-
N'o da 3 do correte houve sossio do cense- moinoravel da 22 de novembro de 1839
He 1 da socieda lu Auxiliadora da Industria Na- l"11":'' sor" <-'* ['"'cido (celos Perrrambucanos. .Nes-
pi nal soba presil ncia do Sr. conselheiroMariz f;i;i )'ur''-s'asmis patriticas de Pernambuco.
Lida a acta da 3sSo antecedente foi appro- |aIU!MMU1 cominorcio toinou parle as demons- .
va.la. '' tracot's do publico ligosijo. porque vio que so-
l expediente constou do seguinte ; nenie beneficios resultariam da Imperial Visita
L'ma circular do niinislerio do imperio, remet- i'":-!.: '; Provi"Ca,
ion lo uma tabella dos procos dos impressos es- luiouco que possuc todos os elementos
labelecdos na lypograpbi'a nacional.Ao Sr '"".'"d/andeccram Londres, Nova-York o o Rio
secretario geral. | do Janeiro, alUngira lambem ao o grao-
Uma commtincaoao da alfandega, declarando a co.nicrciat, p*ara que o fadou snasituacio
[ue se remelle sciedade m embrulho cora : ica, porfe dellaVossa Mageslade Ira-
Nicanor jornaes, os quaes forara mandados pelo cnsul "'rla' -tomar un conhecimeulo pralico. O va-
1 geral do Brasil mes Elados-nid >s.Ao Sr. se- ",''.'i"(' com|nercio d honrosa visita de seu
crctario geral. datrado Monarcha, portanto de fcil ntui-
l'otaui recebidos com agrado os seguintcs or- ''''- ^"solidada cada vez miis a ordera ea
naes: Revista Commercial de Santos, Corrcio un,a0 da.anlia Lrastleira
rfr Victoria, Correio Sergipense, Jornal do lie
afee Varahiba de Vetrop >lis.
Urdan do din.
il Sr. presid 11 te declarou que ia-se proceder
'produzo :
'' lii ....' Huido.
lo
do Club liberdade e que niaroaroi com um sig-
na! : Dr. Fraiu isco de las Carreras f, l'elix Fras *
Dr. Rento Ca rasco *, Dr. Marcelino Ugarlo ",
Dr. Miguel Ca [redactor do tiimmeicio del
Plata ft. Miguel Navarro Viola D.r. Lourenco
Torres l!r. Manuel Rodrigue.-; Carcia, general
.
nado -ede raen governo. escalada, Mariano Dellinghurasl-,
em principios de mez de novembro ultimo, para
lomar parle nos grandes suc e--..-~ oc -oridos na
ni occidental de Prala, uve que suspender
I' im leo da mis: io ; ior linaria com
{no fui honrado junto ao governo de V. Exc. o
o quatlel general do cxercilo na-
< imial argn:.
' imsi 111 as pclil cas que 11 otivoram era grande
miuha 111 i.ao mudara 1 fundamentaImen-
i.'c coiiei/iacdo 'pie ooz termo
ronlenda que t*onser\ava dividida e em armas a
ederacao Argentina com nao pequeo 1
da paz o prospr-ridade dessa Repblica.
Nu obsta 1 le, de volia esta capital, nao
q'.tiz privar-rac da honra de por as raaos de V.
Exc. as crede ueiaes de nieu carcter publico,
paradar-lhe, a 'onde me fosse permiltido, um i
meil gover-
no pai a com 0 di) V. .. .0. do
inspira a leste bello paiz.
t-ao qoe rae fui encarregada pido
governo argentino na sita-ao arriscada ou
Dtravessava a confederaban boje que em
paiz se celebra a ti ouciliacae c/a familia era
lucio das bencios da paz, 'se acha redozida
larel lan [a de manter 1^ fomentar a omisado
ue felizmente t xiste entre ambos os gocemos,
tomando-a fructfera em beneficio rommum e
larao Llavallel
Dr. Caries Tejedor [ministro do governo), Dr.
Aulonio Mara Piran, Dr. Domingo>Olivera, Ana-
Lauuz. Jos Mara Estrada, coronel Emilio
Conesa, Dr. Jos Domngucs, Eduardo Lahite,
Dr. Bernardo Urigoyen, Dr Mariino Martin, Dr.
Jos M. Cuenca. Dr. Pedro D, de Vivar, Dr, Jos
II. Vctor Hugo acaba de do dirigir Opiuio
A ictonl os segundos pensamentos sobro a r-
cenle condemnaeo de John Brown nos fcsl 1 los-
I ni los. Possa sse brado nascido do fundo da
alma do grande poeta chegar ainda
oulro lado Atlntico !
Rautcvle llouse, 2 de dezembro de 1859. t
<< Uuandose pensa nos Estados-Unidos Ameri-
ca, uma figura magcslosa apreseuta-sc ao espi-
rito de Washington !
Ora, nessa patria de Washington,
acaba de acontecer.
Ha
a ce. a 1 i!e lliosi.ni oiro. que deve servir no no-
vo anuo social, e, corrido o escrutinio ; verii-
cou-se cjuo fora reeleilo o actual, o .Sr. Dr. Jos
Augusto Naseentos Pinto.
O Sr. Dr. Fernandos de Barros propoc para
ser adraillidu como socio corresponden te o Sr.
9 Augusto Nogueira da Gama, fazen
na provincia de Espirito Sanio; fui approvado.
I'oi igualmente approvado para socio effocliro
o Sr. Joo Paulo Ferr ira, administrador da y-
pographia
cenes.
O Sr. presidente annunctou quo ia ser apre-
sonlada a dstribuicao dos conselheiros nova-
ra '.le Horneados peas diversas SCCCeS, e, 00-
nheci la aquella, o Sr. Ezequiei pedio dispe isa
do presidente da soccao de agricultura, allegando
t.m lempo ^< motivos justos; pele, que o Sr. presidente ;
nova distribuido, que foi apnrovadaea se-
guintc :
Sece.o de agricultura.
PresidenteDr. P. Leopoldo Cesar Bflrlama-
que.
Secretario.Antonio I'rederico Colm.
Moiiibros.Visconde de Aljezur, Dr. Jos lio-
111 lacio y
polo successo conimisso commemora, prosperar a provin-
cia de Pernambuco, e mais luz derramar osle
unlbante que cinge o diadema do mais ruado
dos soberanos.
Diguo-se Vossa Mageslsdc Imperial acolbcr
bengnaineute os senliraentos do veilcraco e
itO que il Vossa Mageslade Im. erial e Sua
,: -':i lu a Imj matriz dedica o commercio des-
la provincia.
Pi rnatnbtico, 26 de novembro de 1839.
tnoiio .. de Am irim, presidente,
a Jos Teixeira tasto, tice-presidente.
A. J. do llego Medeiros, secretario.
: Joaquim J. ilceira, Ibesoureiro.
nacional, sob proposta do Sr. Dr. .as- .""' '; '/'''ll Fragoso, Manoel Goncaloes a
tica Jnior, llenry Forsler Hitch, V. /'con
da Silca Regadas, dnec-
eis o que
pho, que deve ligar a capital ao celeste imperio
com a fronleira da Sibcri.i. lem oblido ltima-
mente os nielhores resillados.
O governo russo ordenou quo fossein ligadas
por raeio do lio elctrico as prncipucs cid a des-
do caucaso Tifflis o Poli.
curioso, diz o Journal do Havre, saber
actualmente oque finio dos 44 jornatisias, que
ha 30 anuos, prolcslaram em 26 de julho de 1833
contra as ordenanzas de Carlos X.
O Nacional tiuha um o dos sena redactles en-
tre os signatarios, sao : MM. Canja, prefeito no
reinado de l.ta Felippe ; Tliiors, iodos sabein o-
que lem sido e o que agora ; Miguel, m-Miibro
da academia fratieeza ; Carrol, morto ; Peisse,
conservador do Museu na escola das Bellas Ar-
les; Afhert Siaufer, morto; Dubordiel, editor;
Rolle, biblioiecario no Hotel de Yille; Cham-
bollc, secretario da companlia do caminlio do
ferro do centro.
O Conslitnlionel linha qualro redactores sig-
natarios : MM. Elieiuio, E-Ka lale Dumoun, o
Canchis, morreram M. Lemairc, archvisl.i
aposentado.
O Globe linha quatro redactores entre os sig-
nalarios: MM. Pierre I.roux, que lialulava ulii-
mamenie em Jersey ; Dejean. consellieiro d'Ks-
lado; De Rcmusal, niembro da academia france-
za ; De Guisard, prefeito aposenlado.
O Courrierdes F.lectcurs linha M. Serrano, quo
se oceupa linje de Irabahos hisloricos.
O Courrier 'raneis linha MM. Guyel, Chato-
lain o Vaienlin de [a Pelouze, morios; MM Mon-
setle, eniprogado boje nos carainhos de ferro ;
I. !'. Duponl, aetualmeule advogado era Paria ;
e Avenid, sempre litterato.
0 Tempo linha MM. Senly, hoja em pregado no
niinislerio dos negocios cstiangeiios; 0 baro)
Uaitssemann, que senador o prefeito do Seine :
Dussarl, Iliterato ; Barbarome, procurador geral
ta illu Bourbou Chalas, empregado no rainis-
leno; Billard, prefeito aposentado ; Jacqucs os-
le, fallecido ; J. .1. Baude, eoaselhciro de Es-
l.i lo.
A Revolulion linha Levasseur... Plagnol, Ja-
mes l'azy, esla lisia na Suissa.
O Fgaro linha Dolan, falte* id > ; e Nstor Ro-
queplan, boje director da opera-comiea.
O Journal de Pars: l.eou Pillel, fallecido.
O .s'y/p/ic : Vaillaut, fallecido.
UMA EXECI gO KM Co\ST\NIINt. No da 2
do novembro. pelas 8 horas da maullan dcsfiloii
da prisao niiliiar pela ra Dauruionl em direc-
co ao bigardas exocuedes urna torca acompa-
nhflndo uma especie de palanque, na qual rinham
encerrados dous rabes das tribus Mcssaond ben
Grieo c Mazoug ben Messauid, condemnados
pena ultima pelo couselho de guerra da diviso
do Conslanliua.
Tres atradores indgenas etlavam junios dos
pacientes para maior prccaueflo, ou para os im-
pedir de e moslrarem mullidao pelos lados dn
palanque, on le vinhara sentados, cmbrulhados
nos seus abbernozos.
Estes rabes linham tentado roubar denoile,
una tonda, com armas oli'ensivas, leudo lerido
morlalmento um dos moradores da leuda assal-
lada.
0 fado nao poda ser negado por seus autores,
convencidos por depoimenlos de numerosas les-
lerannhas, c pela achadauo lugar do crime, do
diversos objectos que Ihe porlenciam ; MessaonJ
0 Mazoug forara declarados culpados.
1 nicameiHe, instigados por um sentimcnlo do
vjiiganca, elles declararam, que linham sido ins-
pira los para aquelle crime pedo sou caid, o que
- le lites aconselhra, que accusasscm al
Vrab.isseiis inmigos pessoaes, como cmplices
do sou crime
Esla esiranh.i defeza cabio por mesmo, e n
ustea nao procedeu seno contra os verdadeiros
culpados.
I na Darte das tropas da guarni.-ao formara o
qciadraJo, como do cosime sobre o crtente do
Condiat-Aly, onde secoiisumam asexpiaedesju-
diciaes.
Peita a leilura da sen lenca, o pelotao deexe-
cuca 1 cumpri ci seu dever ; os dous rabes ca-
liiram junios, forillos como por um rain ; depois
iidos 03 destacamentos dosftlaram ao sora da
msica e des tambores diante dos dous cadave-
i es en sang tentados.
Passogoiro entrado do Ro Grande do Sul
no brigue brasileiro A lgrele : Jos Mara Pes-
ua Jnior.
Pasaageiro sabido para o Mo de Janeiro na
barca brasileira Jwpfratri: '.Manee! Pereira do
Espirito Sanio o 8 escravos a entregar.
Matadoluo ri iii.ieo :
Mataram-se no da 15 rio comento para o con-
sumo desla cidade 8U rezos.
Ni da 16, nT.
No dia 17, b.
_ MonTAUBAOB no nu 17 no CORRRTS :
1 ; Andrade da Paixao, prole, vuvo, iu
nos; bexigas.
Mara, parda, \ '-.oras; espasmo.
Jo'io dos Santos Porto, branco, casado, 51
nos; apoplexa.
Libania, branca, mezo. ; hepaii'i",
lenlo Joaquim do Carvalho, bran u, sol ro, 2)
anuos; hydropisia.
Mara, parla, H anuos; escrnphulas.
Manoel Francisco, branco, casado, 40 anuos ; fe-
bre amaretla.
HosPiTAij 11B cvninnF.. E\islnm 65 ho-
mens s mulherc's u: ionaes, 1 hornea cslran-
gcro, 1 hornera escravo,total 12".
Na lolalidade dos doeutea existem :!T aliona-
dos sendo 30 mulheres e 7 homens.
roiara vigiladas as enfernmias pelo cirur-
giao Pinto s 8 horas da manhaa, pelo !)r. Dor-
nc-Ilas s 8 horas da manha:
an-

wp .---i. ^* i*r-3Pa.TJ.?^s
Ha escravos nos estados do sul, o que causa ""acio Mscenles de Azarabuja, Dr. Jos Das
indignaco, como o mais monstruoso dos cintra-1 *into de Pigueiredo, Dr. Miguel Araujo Glva e
sonsos, cunsciencia lgica e pura dos estados 1 l'r- !' Portella.
! Mara Piran, Dr. Mu
Segu., Thomaz
Tiburcio de la
l.uizS. Iloinin-
arnab Molina,
Prtela *.
do o dia 13 des-
Madui. do l.a
Esieves
Anchorcna Cornelia Savedra
Larcovn, Dr. Jos l. Prez *, Dr
guez ", Dr. Miguel Ascuenega, i
Dr, Prcdercd Pinedo, Dr. Iinieo
Finalmente acha-sc aqu dos
le mez, encantando esla cid.idi.'
I. ran ge.
Da confederaeo argentina ha aqu dalas c 110-
licias al 2 dcsle mez.
A misso do Dr. Domingues qe, como noticie!
na minha ultima correspondencia, havia ido
era comuiisso do governo dp lluenos-Ayrcs
intercssc que Ihe i a. i'a,an, aAm do reclamar contra a continua-
co ta le dos direitos dll'ereuciiies, foi bem suc-
cedida, oblen lo a snspenso dessa Id. Era o
mais que se poda alcancar na aclualidade do go-
lodoo vi-\mio argonlino, porqoe S ao congresso compe-
te rcu'ga-la inleiramenle o esle nao so acha
agora reunido. Deixou pois de existir esso gr-
vame quo pesara sobre o commercio de Buenos-
Ayres e que lano barutho lem foilo.
Essa quostao pioduzio una crisc ministerial
ile dai o possinl enlargucimenlo de ideas que ministro da azenda da confederaeo o Sr. Dr.
dcceiit ser ir no fuhtro a eombinaeoes suudaveit Bedoya, nao quiz assignai o decreto da suspen-
para a seguran-a mutua engran'decimenlo de*i ,a0 ? *>* den a sua dcmsso; a pasta pas-
Etlados, a!iaii-- ndo toda a u'.u iga<_o presente, j *ou inlerinamente para d ministro do governo o
todo ocompromiftso ulterior too) a iealdade c Sr. Derqni quo foi qnem assignou.
boafii que fecunda e cn.iobreco s relaeefl pol-
ticas dosgovernos regulares.
a Para poder preoneher devidamenle lo grato
cargo, devo conlar cora o meu governo, cora a
cfficaz cooperario de que V. Exe. lo ilgnamen-
Je presido. A Providencia, que depois de tre-
neiidos desaatces concedo a esta Repblica dias
tranquillos, snb urna adminisireeo firme c pre-
1, a ha collocado em altilu'dede poder dis-
cernir com o ex-iniplo do passado e o estudo da
actualidade, qual o mais unco caininho de
un prosperidad?, e grandeza, V. Exc. tem paten-
eado em sua conducta haver comprcheudido a
importancia d'urna poltica que nao impe sacri-
ficios superiores s forra* da Repblica, nem sub-
mee a dignidaie nacional aos perigos e vavil-
lisocs de urna situaco indefinida.
A salisfueo quesinto de representar ao meu
governo anle o cosa repblica, nao me ser per-
miltido a juntar, como prora da sinceridailc de
seus teatttnienio, o tleica de um eidado oue
A graca porm que o autor da lei de direitos
difFerent iaes nao era o Dr. Bedoya e sim o Dr.
Derqni que a suspenden ; que aquelle passava
por sustentador dola simplcsmenlo por allenco
e deferencia a este. Aqu vera pois o cilar-se o
dilado que a corda sempre nchenla pelo lado
mais fraco.
Consia-me-de boa fonle quoandou em lodo es-
se negocio o dedo do Sr. capito general, apezar
do achar-se longo do Paran. Todos saben que
o Ir. general Urquiza lem foilo toda a sua presi-
dencia na sua Quinta magna de S. Jos e que
de l que dirige os altos negocios pblicos.
Baixaram igualmente os decretos mandando
desarmar o cxercilo o a esquodra da Confedera-
cao, ej comeenu n desarmamenlo. Nesse pon-
to andou por l mais de vagar do que por c.
J & sabida to ultimo paquete conslava aqu
a noticia da dcsfederalisaeo da provincia de En-
tro Ros ; como porm precisara de confirmsco
nao a dci.
do noi le. L'ui hornera bronco,' mu homemlivre
John Brown quiz libertar esses escravos, esses
negros.
Collamente, se a nsurreico alguma vez
um dever sagrado, devo-0 ser centra a escravido.
Brown quiz comeear sua obra do salvaco libran-
do os escravos de Virginia. Puritano, religioso,
Compenetrado do prcceilo do EvangelhoChris-
tUs nos lberavil, laucn a esses homens, a esses
irmos o brado de liberdade. Os escrajos, aba-
tidos pelo capiivcro, nao responderm a eeseap-
pello. A escravido produ/. a surdez da alma.
lubn Brown, abandonado, combaten ; cora um
punhado de homens heroicos atirou-se s lulas;
, foi crivado de balas : seus dous lilhos, aioda jo-
vons, cahirain morios a scu lado ; elle foi preso.
Bis o que se chama a quostao do Qarpcr'sPerry.
John Brown, preso, acaba do ser julgado, e
quatro dos seus companheiros
, Groen e Coplands.
Qual foi o andamento desse processo ? Diga-
; mo-lo em duas pahmas.
John Brown sobre um leilo le morte, com
1 seis ferdas mal fechadas, um liro no biaeo, um
no rim, dous no peito, dous na caneca ; apenas
podondo ouvlr ; o sangue ensopando as cuberas,
as sombras dos scus filhos morios apresentaudo-
SC-lhe imaginario, seus qualro co-aecusados
I airastando-so a seu lado, Sleplens cora qualro
feriJa; desabre, juslica i> accelcrada o indo
adiaute, 11111 procurador llunter que se apresaa,
nm juiz Parker que nisto couscute, os debales in-
Icrrompidos, quasi todas as provas recusadas,
produeco de pecas falsas o mutiladas, as leslc-
munhas de proposito arredadas, a defe/a emba-
raada, dous canhocs carregados metralha no
paleo do tribunal, ordem aos carcereiros para fu-
zilaiera os aecusados se alguem lenlasse arreba-
la-los, quarenla minutos de deliberacdes, tres
coiidcmiidces morlc 1 E ludo isst), palavra
de honra, nao se passou na Turqua, passou-se
ua Amrica I
< Nao so fazem dessas cousas impunemente
em face do mundo civilisado. A cunsciencia uni-
veisal est alerta. Que os juizes de Charleslowu,
que Huntcr e Parker, que os jurados possudo-
res de escravos, eluda a populaco virginiana,
tenham cuidado, elles sao vistos." Alguem lem
oslo inleresse.
Secofio de industria fabril.
Presidente De. Francisco Antonio Raposo.
Secretarlo.Jos Albano Cordeiro.
Hembras.Dr. Guilhcrme Schuch de Capa-
nema, Dr. Antonio Jos de Araujo, Antonio Car-
los Cesar de Andrade, Jos Virgilio Ramos de
Azevedo, Jos Ricardo Muniz
Seccao de ni achinas e apparelli03.
Presidente.Dr. Augusto Dias Carneiro.
Secretario.Dr. Manoel Ignacio do Andrade.
Hombros.Dr. Joo Ernesto Vrioto de Medei-
ros, Dr. Candido de Azeredo Coulinhn. Dr. Do-
mingos Jaoy Monleiro, Uenrique. Eduardo Nas-
centcs Pinto, Dr. Antonio Jos de Sonza Rogo.
Seccao de artes liberaos c mechanicas.
PresidenlOf-Dr. Manoel do Oliveira Fausto.
SecretariosBraz da Cosa Rubim, Dr. Eran-
Cisco Oolaviano de Aimeida llosa, Dr. Eleuterio
Ttepiens, Coop, Auguslo de Alahytle, Dr. Frederco Jos de Vi-
Ihena, De. Ezequiei Correa dos Sanios, Aulonio,
Jos Victorino de lanos.
Seccjo de eommcrcio c meios Je Iransporlcs.
-Consotheiro Jos Pedro Dias do
Presidente-
Carvalho'
Secretario.Dr, Jos Mauricio Foniandes Pe-
reira de Barros.
alutcn, e Joao
tures.
S. M. n Imperador respondeu que agradecaas
1 >s que Ihe diriga a Associaco Comraer-
ei.il Beiieflcente.
_ Devo hojo ler logar a representacao lyrico-
fdra transferida ullimaueute por
motivos irapret sli .-
E'de cierque, na falta de eiitreleuimontos
em que de presente se acha esta cidade, a con-
currencia seja tal que anime aos artistas a bem!
ue.-eiripenharem o papel de que se encarregaram, i
isto roubor-nos amonoiouia em que tamos
vegetando.
Por portara de !0 co crranle fui exone-
rado Joao Salvador dos Santos do cargo do l.
lente do delegado de polica do termo de
1 Caruar.
Poram reeolhidoa casa de detencao no
dia l do torrente, 5 homens o 2 mulheres, sen-
do : Ih res e 1 scravos, a s iber : 1 ordem do
delegado do primeiro dislriclo, 3 do subdele-
gado do do Recife, Z do de Santo Antonio, e I
a do de S. Jos.
No da 15 foram rccolhidos mesma ordem
I do delegada do primeiro distrclo, 6 borneas,
sendo -1 vres o os mais oscravos.
So dia 16 foram recolbidos mesma 7liff-|
mens, sabor : G livres e 1 escravo, ordem I
1 do Dr. chefe de polica, l do delegado do'nri-
meirodistrclo, i do subdelegado da freguezia
do Recife, e 1 do ruhdelegado da freguezia da '
1 l5ua-\ isla.
L-so no Cbarentais :
Nu mez de oulubro ultimo o no decurso do ,
presi uto, M. Rey, praprielsrio no Perigueux, j
maudaiido lavrara baia de uma monlanha cha-
mada Pech-de-Brousso, dependente do seu do-|
minio de Tosa), moncipio de Counion, achoul
2 cadveres humanos, em 23 tmulos simples-1
monte cavados no loehedo, a sote deeimelros de !
protuoddade da superficie do solo, e sem nc-j
iihuma alvenaria ; smenle so aclion deblixe da '
cibeca de alguns dos cadveres um lijlo. Al
Correspondencias.
Srs. Revalores. Venlo-nu tolos 03 dias
bastante incoinmodado por algumas passoas po-
bres d*da minha Fregu.-zia de Sao PeJro Mar-
lyr do Ulinla, persuadidos d'<|iic; en recebi al-
guma quanlia dada por S. M. o Imperador,
para Jos'iibuir em sraoias ; c como na appa-
recesse essa r]estribubaD, ha nascido dahi juizos
sem duvida liuti desfa/oraveit a minha leputa-
co, poslo i|ue int'3rmenio injustas.
Por lano presando, como mecumpre o milin-
dra da minha reputaeo, apre so-me em levar ao
eonfieciraento de torios peta publici-lade da sua
lio bem concoiluaila follia (|ii> nao reesebt do
MoiJomodeS. M. I. nem ai na Ja oulra pes-
soa quanlia alguma para laes esmoias. Picar*
Ihe-hei as?as abrigado por esla pubti -acQo.
Olinda, ludo Janeiro da ISGO
rcodiago Vigario Joo Jos Pereira.
PablicaQoes a pedido.
Icgarde, conselheiro Joo Martina Lourenco Vi
auna, tononlc-coronel Jacinlho V'eira do. Goulo
Soares, Dr. Carlos Jos do Uosario, Joncjuim Au-
gusto da Cunha.
SeccSo do geologa applicada chiuiica indus-
Uial,
Presidenle Dr. Francisco Priiro de Souza
Ajjuiar.
SeciolarioDr. Francisco Carlos da Luz.
MerabrosDr. Jos Joaquim de Oliveira, Dr.
Raymundo Antonio de Carvalho Flgueiras, Eze-
quiei i'.orra dos Santos, bacharel Evaristo Nu-
iles Pires, Dr. Luiz da Silva Brondo.
Hombros'Conselheiro Pedro do Alcntara Bol- mas moedas romanas, ue se encontraram jun-
Soccao de raclhoramenlos de recas animaes.
PresidenteJoaquim Antonio do Azevedo.
SecretarioFrancisco Correa da Conceito.
Hombros. Coronel Augusto Jos de Car-
valho, coniraendador Jos Antonio Ayrosa, le-
nenle-coroncl Jos da Costa Barro3 da Fouseca,
A allenco da Europa esl ncslc mooienlo '. Antonio Luiz da Cruz Fonseca Franco
lixada sobre a America.
Sendo impossados dos scus lugares os nevos
lmante era qualro ou cinco sepulturas, tazein
crer que os cadveres fura 111 de Romanos, e que
niquelle Ingas loria havido alguma batalha entro
Gaule/cs o Romanos.
Kscrcvcni do S Pelersbourg, a 30 do cu-
lebra:
Ha alguns dias, que vos transmitli o resumo
do projecto iganleseo de M. Coluros relativo
conirauiicac-o direcla pelo lulegrapho do S. Pe-
lersbourg com Nova-Vork.
Aclualruenlo, sei que a execuco doste projec-
to do cnsul americano nao encontrar opposieo
da parto das autoridades das colonias anglo-amc-
rcanas.
Neste caso, o cabo elctrico passando por S.
Francisco, e a nova Archangel, seguir as costas
americanas at o oslreilo do Bering*, atravs do
qual passar, e ser levado ao rio Amour, e de-
pois a Irkoulsk, Irbil, o Nijui-Nowgorodal Mos-
co w.
Itizein que as diligencias do governador geral;
da Sillera oriental para com o governo chinez, 1
relativas aulomacap da conslruccijo do telegra- j
. SU MfiGESTUDE
Y ittt$Sftij>.&z2>
Nos peitos sinceros, nos labios lo povo
Dous bornes se aclio soraeute gravados,
O iNme -le peduo sgundo o tiiereza
Que nunca, jamis sero deslembraJos
A brisa, quo passa, contente suspira,
Parece delira por ler de seguir,
R0I111J0 saudosa, bem irislo se auzenla
E nao fe contenta dos vivas ouvir.
Os vivas a pediu monarcua querido,
Sahiilos do f ovo, confusos nos ares,
Se vao prazentoiros levacios da brisa
Em ondas de go?o soar n'ouuos lares.
O pradros vrenles se cobroro de llores
-Mais cheias da odores o ar perfumando,
As rosas as liasles pululad contentes
De gsto rdentes mil vivas gritando.
As ondas pillando no seio dos maros
Vest las de roseas, purpureas instara,
Mil vivas a pkdro segundo e tiiereza
Vem ebrias de geslo gritando loujans.
Mil vivas repele com doce harmona,
Traduz alegra do bo>que o cantor:
Murmura o ribeiro i|iid corro saudoso
Ao Par venturoso rail vivas d'amor.
Dous nomes s'enlacao as vozes do povo,
Dousnoraes lio grandes como agrande o mundo,
O Nome adorado do anjo de aples,
O Nome querido de psuro segundo.
Macci 5 do Janeiro de 18G0.
Ildefonso de P. Mesquta Cerqucira.

Tii r-^fi #-


~
DIARIO DE PERNAMBETCO. QTTAKTA FEtRA 18 DE JAT^ER'DE 183TT;
J*L
ERRATA.
No Diario n. 13 pag. 3, col. 3, ni 2, oilava,
deve ler-se o 4 ver*) do moJu sejuinte. Eo
curopri dispersan lo-o desgoloso em lugar de
En cumpri despresanJo-o do gostoo como lase
acha.
Variedades.
Carta curiosa sobre a Coneliineliina
em l ir,.
Nossos leitores vcraoeom interesso o seguinle
rotatorio sobre a Conchinchina, traduzido de al-
gumas carta? escripias em 1819 por um dos
jiiembns ninis dislinclos da marinlia britanniea.
Do origem francesa, nascido e educado as indias
inglozas, tillando todos os dialectos d > Malaismo
corno sna lingua materna, dolado de memoria
prodigiosa, a penetrarlo rara, de vontade de for-
ro, asiuio como a rapuza, audaeioso at a teme-
ridade, nao reamando diante de cousa figuran pa-
ra rumprr un de-ver ou urna missao, M. Raoul
do G. foi eseoHiido pelo governo da companhia
d s indias em ISf, depois da guerra do Opima
era que toinou parte, para dar caga aos piratas
que infestaran) os estreilosde Malacca o de Soli-
da por onde passavam os navios curooeos que
iara commerciar na O.hiui, no Ja pao. e as Caro-
linas, etc. l'ortou-se nessa missao rom tal vio-
lencia, que em menos de dnus annos esses mares
eetavam quasi expurgados desses prdohs, que der-
ramavam o terror. Seu nomo, popular em son
pa:/. natal, anda'boje o terror dos piratas.
Asearlas, de que extraamos as seguintes pas-
ten*, eran dirigidas tuna do suas lias, que
mcio de conserva-Ios em harmonia ; dona co-
cliichinozos brigam e vio as mos, a polica
chega, os condiw peanlo o magistrado (sempre
mandarim] que assim regula a desavenga ; um
dar-Ilie-ha um tailin o oulro Ihc dar tres ou
qualro casaesde galiuhas, e depois cada um se
muir de um cntaro de rock ; ha banquete;
a polica o o mandarim uclle lomara i sua par-
te, c o ultimo ser conduzido a sua morada .se
esquecendo as leis da tempornea, perdeu da
memoria o caminho de sua casa.
O imposto se paga pelo lempo do hornera.
convidados cm dignidade, de maneira que possa
gozar do fresco. Esta poltica se tem inconve-
nientes leu lambem vanlagens ; a pessaa que
ahi est um pouco menos empeslada que as
oulras pelos hbitos candidos do pais tambem
adaptados entro os Persas, quo imperiosamente
exigem quo cada um dos hospedes manifest o
mais extrrorduiariamenlo possivel os eTeilos da
digoslo dojanlar, que sa acaba doassislir.
O cochinchinez de estatura mediana, sua cor
de pardo escuro, cor do cobre-entre uns, deci-
drao entre oulros. Tem o ar triste e afilelo ; en-
Cada individuo logo que allega i idade adulta se tretanto possue um carcter de muita benevolen-
vola do rorpo e alma ao sen principe O mini- cia. Sua pliysiouoiuia qiiadrangular como a
mo do imposto de um a tres anuos ou como do- dos Mogols, de quo evidentemente descuiden.
meslico, palanfreneiro, cosiuheiro, ou como ma- O habitartte do litloral o mais doce do que o do
nheiro ou militar, ou como cultivador ou animal interior. Os dous sexos tem os denles prelos.
de carga. Niuguem pode e nem O usara sub- A operario se faz dos dez aos dozc annos e du-
trahir-se essa odiosa servidao. O homem nao \ rante setenta e duas horas os operados ficam sem
tem fugo nem lar, arrbenla de miseria, que tem
isto i A emigraco considerada e punida como
um roubo fallo ao imperador.
Com tal systema de governo, a lvinha-se o es-
tado cm que devera estar a industria, o commer-
cio o a agricultura n'um paiz lio fecundo e lio
liberalmenle dotado.
Tolo conimercio est as nos dos Chlnczcs,
os jadus da Asia. Tuda tirara do celeste im-
perio
Movimento do porto.
Navios entrados no dia 17.
Habor -Qraca 27 das, barca ingleza Isabel!' Be-
dley, de 232 toneladas, capilao R. Bulley,
eqnipagom 12, carga 2.800 barricas com bo-
calho; aSaunders Brothers & C.
Rio Grande do Sul 32 dias, brigne brasileiro
Algrete, de 131 toneladas, capilao Francisco
e Assis Gonealves l'enna, equipagem 10, car-
ga 10,01)0 arrobas de carne ; a Mauocl Con-
ralves da Silva.
Callimorc47 dias, patacho americano Jamen C.
Coate, de 223 toneladas, tapilo John Linden,
equipagem 8, carga 2.075 barricas com farinha
de trigo e mais gneros; a Hcnrv Fors-
ter & C.
Navios sahidos no wesmo dia.
comer nem beber com receio de se envenena-1 8'* de JaneiroBarca brasileira Imperatris
rem com a tintura usada para n npurarao. Vencedora, capilao Augusto C. deS Pcreira,
(C'oti(invar>-se-A(i.
carga assucac.
MarseilleBrigue francez ZeUe, capilao Geul-
ven, carga assuear.
PRAGA no RECIPE 17 DE JANEIRO DE 1SG0.
S TRES HORAS DA TARDE.
Cotscoes olTiciaes.
Descont de letras11 0/0 ao anuo.
Francisco Mamede de Almeida.
Secretario.
A cochinchina possue as mais rica i minas de
estanho, do cobre, de ouro, de prala, do pedras
preciosas o de [oro do extremo Oriento.
O solo de mu i f Tlilidade prodigiosa. Tudo
correspondera vontade, se a agricultura fosseIn t>-i- i t
animada e protegida, o so o homem Orease li- LtllXa P lilil 00 JiailCO O Brasil
vre arbitrio. Vastos valles e enormes planicies
colierias de urna espossa oamada de trra vege-
tal de inesgot.ivcl fecuudidade, operas carecem
de bra raspara pro.lozirem.
a- moilanhas estira cobertas de florestas se-
culares, onde lo las as ausencias as mais precio-
sas de madeira de conslrucco e de marceucria
esto se:n oxnl orae.io por falla de hamens.
Os coehichinaa uo cullivam seno o arroz,
melancias, (abaco e alguna legumes, justamente
ajuillo, de qti<> estrela mente precisare para si c
O arroz c de urna abundancia extrema e supe-
rior a tolo o arroz do Orienta.
O imperador s procura enthusiasmar e aban-
donar seoslas do seu mperio roereft dos pi-
francus; tanto em ouro como nin pedraria e pe-
rolas de urna riqueza fabulosa.
Esta cifra nao lein naja de admirare!. O
principe de que vos falle!, pas.sa a vida em fazer
extorses seus subditos o ninguem paga.
Nao existem estradas. O camelo, o cvalo,
o asno e a mua nao sao conhecidos. Apenas os
sentares p issuem alguns >endc ros.
Ningu >m so .ilrevcria a montar um animal
cujas formase elegancia podessntn rivalisar cora
as I is da estribara domonarcha.
O elephante una ca valga Jura imperial.
Como aa China lora urna populaco aqutica,
que uasce, vive c morro u'um bale!*, e s se oc-
cupacoin a pesca e cora o transporto de urna lo-
cadade a outra.
Os balis-casas que se conserrara na margera
ou no moio das agitas em estivas levan'.un e
abaixam com as cnchenlcs e as mares.
Ha tnmmiinicocao com a Ierra, passando-se
de casa em casa por mcio de um youyou.
Os cliins conservara cora luio um viveiro de
sa _
habita era Richemond porto de Londres, e que le-
ve a bondado de nos confiar. Procuramos con-
servar na traduccao o eslylo original, duro, as-
pero, piitoresco do autor ilessas narcaf&es. o que
melhor o fnr cpnhocer, do que tudo quanio
seu res.ieito podessemos di/er.
F. Germain Delagny. Bis-me, chara lia, na
bahia de Tourane [pronunciai Touron) cata de
um prdolis, que hontem todo dia persegui, oque|ua hmu,; Tom mod de loVnor-se nao s ri-
se relugiou as sinuosidades do rary-to, onde | ri p0l|,0 abastado
nao posso arrisear-mc. Esperan lo que estes'
me i< velhacos M ilaios tontera una sorlida para
escaparcm-SC das cordas, que em sua iutencio
inaudei preparar as vergas, rou dar-vos, chara
tia, um esboco rpido deste paiz que desojis co-
nhecer, um dos mais fecundos, dos mais maravi-
llosos 0 dos mais ricos da Asia.
ii jue na Europa chamis o paiz Ilindou-Chi-
nez urna grande c magnifica pennsula, que se
moldura entre o golpho do Bengala ao oeste, eo
golpho de Siara e de llainan ao leste.
Essa pennsula contera tros imperios: o Bir-
man,o Siara, c o imperio do An-nam ou cocliiu-
cliincz.
Todos Iros se compe de urna multido de pe-
quenos estados devidos is conquistas, e lodos
grupados sob a mcsmalalilndc tropical
A Cochinchina, onde boje cstou, compon- so
do Toi ;'ii-:e, do Tchin-taub (Charapa] e da maior
i irle de Cambodje.
Veta urna extenso de cosas martimas de
mais il 500 kilmetros. Cinco rios pagara ao
maro tributo do muilos nbeiros ronsideraveis, c
do origcm a seguras enseaJas, commodas c
inuito profundas.
A bahi de Tourano a mais vasta e a mais
notavol de (oda a Asia Tem proporgdes para um
estabeiecimento do primeira ordem.
A Cochinchina, como seus vziuhos, lera sido
cnsongneutada pelas revoluces, que todas par-
lera do um s principio : a democracia insurgiu-
do-se 'onlia a oppressao sclvagem e sanguina-
ria dos prinripaesdo paiz
A ultima dessas revolucoes dala do fira do ul-
timo secuto.
Fres ir maos um ferreiro, mitro jardineiro, e o
ador, machinam urna nsurreieao
formidavel. Dolado- todosde urna forca herclea,
mais instruidos do que de ordinario sao as pes-
Foas de sua condicao, e sao escotados. O re,
os principes, os grandes, sao expellidosdo paiz,
e refugiam-se na China
O re fugitivo nao sabendo mais que santo!
menle, confia suas alicces c seus em-
baracos ao jozuita belga, padre Pignon de Bcl-
raiuo, natural do Bruxellas, vigario apostlico,!
hispo le Adran, a queni lambem confia a oduca-
q,o de seu lilliii. herdeiro da coroa. O reverendo1
pa Ir Jozuila fui Franca com seu real discpu-
lo, e o apresentou i corte di. I.uiz XVI e ao
inesmo lempo> reclamen esse monarcha soc-1
corros para o pai; como Luiz XIV seu av6, Luiz
V-'l son ha un eslabclecmenlo francoz em Co-
chinchina, e proraetle por isto os soccotros pe-
didos.
IHirein a revolueao rbenla e o hispo de Adran
volta a Cochinchina seguido de duzuntos ou tre-
zentos pn serlptos de lo.ias as classos e ollcios.
| i aveul uniros c
fronte ras chiuezas, formara o
gimonlo Iran"/1, en torno do qnal se grupa n .
os partid .- i- i lenles, Conslruem um forlim as costas do I
Tourane e levantara urna pequea armada. A
tctica europea faz rom que os insurgentes le-
nham razo. 0 i i 6 chamado e reslabelecido no
throno. E o bispo de Adran, que l poderosa-
ti ibalhou p^ra que o monarcha cochin-
i liiioz rea i |uirisse seos estados, nomeado pn-
meiro ministro. Foi essa o btim lempo dos re-
ver.- idos ii Ires jezuilas.
_ Uoriui esse estado ile cousas al 1820 Ou 1825.
i reilaurado, deixai lo o throno si u
lilho, cojo primeiro ponsamenlo foi expellir de
t is dominios lo i is os christos, e primeiro que
:n.....onheciraento dos cuidados,
qie este levo do sua infancia, de sua nducaco,
e dos (niineiiies servidos que prestou seu real
pai. Em toda parto os potentados se pareccm ;
ais-valiosos serviros sao sempro pagos rom
.o.
Desdo eolio as persnguicOes nao tiverara li-
mites. Algunias vuzes nc-ilinavam-so, poim por
cm Pernambuco.
EM 17 DE JANEIRO DE 18C0.
Directores da semana os Sis. :
Antonio Marques de Amoriui c Jos BapSU
da Fonseca Jnior.
A caixa desconla letras a 10 O/o, loma saques
sobre a prac.a do Rio de Janeiro, e recebe dinliei-
ro ao premio de 7 O/o.
NOVOlnNCO
DE
PERNAMBUCO.
EM 17 DE JANEIRO DE 1860.
O Banco desconla na presente semana a 10 0,'fl
Bff O CJ c iO (O 3 1 f%a Horas. r V B |
OJ o Q.3* r. n i g c Atmosphera. i" 1 O C5 > c -1 v.
o l m Direcco. H O
E5 Z I T> 1 \IMensidade. 1 5S
|S I H l (I |> 1 uSS22 Centgrado. (X --I l J ir c H O - ?c
.S'M t-t ss m- tjj ra i c-c c.
V. ^1 5 a. -; ~%Z' I Fahrenheil >
C3 - 2%252S=I Ilygromelro. V
S. ca S -T I1M3 1 vSSSg Barmetro x'-j\ 1
Editaes.
ratas o malaos, que as lera q rasi despovoado ao anno at o prazo de A mezes, o a 11 0,'n at
com suas frequentes C i Oes. o de 6 mezcs.o toma dinheiro em contas corren-
Avaiiani-.se. suas riquezas cm mais de r.3 mi- les simples ou com juros polo premio e prazo
inoes de piastras mexicanas ( 25'J railhoes de ( nue se conveneionar.
que
AI.I'ANDECA.
Rendimento do dia 1 al6. .
I em do dia 17 ... .
MOVIMENTO DA ALFANDECA.
Secretara do governo de Pernambuco, cm 5
de Janeiro do ISoO.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
fazer publico, em cumprimento das ordens im-
periaes, que o prazo de 10 mezes marcado na lei
para o descont mensal de 10 O/o no valor das
l! 750S'1G2 notas de 50a da 3.a estampa, papel rdxo, e de
15:8125659 500# rs. da 1.a, 2.a e 3.a estampas, que se estao
___________ Subslituindo principiar a correr no 1." de abril
gifj 5C3J021 ^" '-orrente anno.O secretario do governo, Jos
-----------------j liento dn Cunha Figneiredo Jnior.
Volumes entrados com fazondas
com gneros
Volumes sabidos cora fazondas .
cora gneros .
150
350
== 500
281
US
= 3'J'J
Descarregam hojo 18 d Janeiro.
Barca inglezaFavoritafazeudas.
Barca inglezaCrowncarvao.
Barca inglezaMirandafazendas
P.rigue uglezKunnymedebacalhao.
Brigue ingle/.Clemant cerveja.
iliigue portuguezAmaliadiversos gneros.
Patacho sardoMariaidem.
De ordem do Iilm. Sr. Inspector da The-
souraria de l'asenda desla Provincia, se faz pu-
blico que a arrematarlo da parte do sobrado de
i'ou-- andares na ra da Guia n. 20, penhoraMs
sos herdeiros da Antonio Ferreira Duarjo Vel-
loso, nao leve efTeito no dia annunciailo por falla
de licitantes, o por isso lie a a mesma arroma-
taejao transferida para o dia 28 docorrinte mez.
Secretaria da Thesouraria de Fazonda de Per-
nambuco 9 da Janeiro do 1860. Oiicial
Maior interino,Luiz Francisco de S. Paio o Silva
A cmara municipal manda publicar, para
eu-o1',';'-,-',1" ,""!,' 'I,? mMn. d1-s,,a niorad- PuchoTmwica'no-J. C."co'ale-fajrinha do trigo I conhecimento de seus munic pos/e devida xe-
o n-,"n ,J (i'-l1"r,'r;'m so" b",c"0:, Escuna dinamarqueza-llenrick-firelo e btalas cu*. PMta" **l**> transcripta, que foi ap-
uannamita nao cuida em nada disto ; teme-' i provada pelo Exm. Sr. presdeme da provincia.
najpassar aos ollios do potentado por um luxu- Iniiirtasio Paco da cmara municipal do Recite em ses-
noso. Brigue dina narquez Cores vindo de sao d'e 9 de Janeiro de 1800. Slanoel loa
A casa lerreslc do cochlnchinas um modelo Uamburgo
pin.seu genero.
1. a caliana primitiva de N'otwrod. Tundes
vos una idea ?
Toraai o
lerrai-as n
I quadro, oii
segn lu vi
ni centona de varas de lpulo, on-
i Ierra em du is or-os fazeudo um
um circulo, formando urna rotunda,
SSo capricho.
Ajutilai t> pavimento na altura de um homem,
anfbrrai c i
ha, folhas
e a isto chi|
casa.
Q lando
sSo eiileir.il
le enraiza
C ira u li
vegelaes t
vaiitagera
consignsdo a
niaiiifestou o seguinle:
4 caixas pianos ; a J. P. S'ogdy.
93 Larris alvai le, 3 caixas beserros enver-
ntsad ; a A. Ifatheus.
2 caixas fazenda de 10 ; a Scyfried v C.
30 ditas vidros, o2 ditas conservas, 1:2J5
iquvm
C. J. Astly C' do lleno e Albuquerque, presidente. Slanoel
1 Ferreira Accioli. secretario.
4.J sec.'jao. Palacio do governo de Pernambu-
co era 17 de dezembro de 1859.
O presidente da provincia, attendendo no que
lhe representen a cmara municipal do Recife
em ollicio de 12 do correnlc sob n. 125, resolve
approvar provisoriamente o seguinle artigo de
tstura.
crea ramos.
npo a casa
las autos da primavera, a maior par- mella ti *\' C.
el.
J j caixas e 1 fardo fa/.;;i
da
torna-se i des^n.ctivelTse^lom a ^ e mixlax, papel e prenca de oopitr," charutos,
e possuir e
liilho ser fdto n cusa dclles. l.uir. Darbalho
de algodo da "I"1'3 Fiusa. Conforme. Antonio Leite de
O'IO, que s
atado-, os ...... .,...., i ...
lores,os macacos, que le i
m cima do lelo um par- o & 2."i pacotcs lonas, 28 majos cabos, 1 vo-
hegam sem obstculo s!131"110
a
pa no
i rom nina c
de
se passa
torna") ren.l-/.-vuus dos gritadores
apa,; ilos, e dos quadrupedcs malfei-
ara sua malicia ao
cerera o que
os habitantes
rilen um buraco para
interior, e inundara
tuva pouco o i irifera.
As cabanas sempro cercadas d< gran.! ; arvo-
ros, coqueiros, raangueiras, bana-
in-ir.is, os mus eneanla lores vegelaes da Asa
equalorial, so edifcalas era una especio de
c'iuiuri.u, : io euiuca-ias era una especio a- ,. ,,- .,
estira para is garantir das innun lacoes, dos ani- J% "l^"sv Ci te-
lonio a inosiras *, a Dameyer & Carneiro.
1 caixa couros envernisado*, 1 dita merce-
aria ; Monsen i- Vinassa.
i dita ultramarina artificial ; a Jj"o
ler & C.
1 dita folhas de latn : a Slolzerabacti.
2 ditas enserados ; C'iristiaai S limaos,
5 ditas mercearia, objeclos du metal v^ ;
Kel-
N.
maos : i izu, e sobreludo da riquissima collec-
caodoreptisl pciigosos, quo polullarada ierra.
O assoallw de clara-boia para ecouomisar o
lempo e ar vassouras; nao ha nocossidaJe de
sahir-so paral salisfaQao das necessidados corpo-
ral s, c- o ar c
lados expel
g ires e. ii 1.1.
1 dila panno de catiro, 1 barrica fogdcs,
1 din fio de rame ; a J. W. Romer.
150 barris cervej ; a .1. Praeger.
1 caixa charutos a B J. B. de Oliveira,
tu u
pa
eslylo quo
. -ui ni i livremont por lo los os
os miasmas ptridos, que nos lu-
3 e:i : ;i I: :; ira niolcstl is. A so-
la raoradia primitiva do raesmo
cosa. I ma escada cuttaria rauito
una Ira ve chanfra la
l'inho.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, coromendndor
da imperial ordem da Rosa cjuiz de dircilo es-
pocial do commercio, ncsla cidade do Recife
capital da provincia de Pernambuco e sen ter-
mo, por S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro 11, que
Dos guarde, el .
i Faeo saber pelo prsenle, que a requr-rimenlo
dos commercianlcs Joao -los de Carvalho Moraes
eJoo Baptisla Fragoso, fui aborta a fallencia do
Negociante Ed: Utberl Wyatt, pela scnlenca se-
guinle :
Dos documenl d !ls'. 3 a Ds. 2C e cutas de
fls. i Hs. 0 se no-tra que Ed: Iliberl Wvall.
commercianle matriculado estabelccido nesta
le cora oscrlplorio e nrmazera na ra do
Trapiche n. 1, lera ce-salo os seus pagamentos:
pelo que declaro em estado do quebra e lixo o
termo legal da existencia desta, a contar du da
Grvalas de sola de lustre 20.
2.a Companliia.
Livro de 200 uihas para os oCuciaes comraan-
Jante da companhia 1.
I>ilo de 200 folhas para ndices de documen-
tos archivados 1.
Dito da 200 folhas para carga c descarga 1.
Dilo de 200 fulhas para registro de ututos de
voluntarios a engajados 1.
Grvalas desoa do lustre 20.
Cometa de toque 1.
Quera quizer vender taes objectos apresen-
lem as suas proponas em carta (eichada na se-
cretaria do conselho as 10 horas da manhaa do
dia 18 do eorrenle.
Salla das sessocs do conselho administrati-
vo para fornecimcnlo do arsenal da guerra 1 I
de Janeiro do ISiO. Berilo Jos Lainenha
Lins, coronel presidente. Francisco Joaquim
Pe reir Lobo, coronel vogal secretario interino.
Pela niesafdo consulado provincial 80 faz
publico que os trinla dias uleis para o pagamen-
to a bocea do cofre dos imposlos de por cento
sobro diversos eslabelecirnentos de 409sobre i i-
sas de modas, de perfuma as o de vender pl-
vora, e do !0| sobre casas de jogo de buhar re-
lativos ao anno linorneiro de 15 a 1860 se prin-
cipiara a eanlar do din 16 de j.ineiio eorrenle,
(indo os quaes flcam incursoa na molla de tros
por cento os que pagaren depois desse prazo.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
II de Janeiro de 1SG0. Antonio Catnci.o Macha-
do Rios, administrador.
Tendo o governo imperial resolv lo man-
dar fazer por anemata;ao a parle das obras dr
caes da alfandega. pcrlenceiile ao ministerio do
imperio, oque ainda se acha por concluir, i "re-
prehendida desde a linha da ra do Rosario at
o arsenal de guerra, observando-so o [dao
apresenlado pelo engenheiro Carlos Neale ; pelo
prsenle se convida aspessoas que quizerem ar-
rematar a contiouacao da rofenda obra a apre-
senlarem suas proposlas em carta fechada nesta
secretaria de estado, derflro do prazo de 90 dias,
contados desta data.
Secretaria de estado dos negocios do imperio
em 21 de novembro de 1859.
Fausto Augusto de A guiar.
Novo Bniiuo tic Pernambuco.
O novo binco de Purnamliuco reco-
liie as olas de sua emuso de l<'jj e de
20$, e pede aos possutdores das mesmas
o favor de as vi rem Ucear r.o seu es-
criptorio, das 11 horas da manhaa ate
as 2 da tarde.
Subdelogaeia da Freguesia de do S. Anto-
nio 16 de Janeiro de 1860.
Acliao-sc deposita los tres cavajs castanbos,
que foro encontrados as ruaS desia cidade,
quem f .r seus dono; compareeo neste juizo qno
justificando llies serao entregues. Antonio
Bernardo Quinleiro, Subdelegado Sup-plenlo
De ordem de S. F\c. o Sr. presidente do
caita filial do Banco do Brasil ncsla prm .
se faz publico, para conhecimcnlo dos Sis. ac-
cionistas, que o Ihesoureiro d.i mesma caixa est
autorisado a pagar [d'ora em dianlc, o 1"' divi-
dendo relativo ao semestre lindo em :'l do de-
zembro prximo passado, razao de VJ'H),) por
accio, de conformidade com as ordens rcci
da caixa central.
f.aia Filial em Pernambuco 10 de Janeiro de
1860.O guarda livros, Ignacio Nones Correa.
Companhia Qxa de ca-
va, aria.
Faz-se scicnle a quem ronvicr, que precisa-sc
comprar li ravallos, send i ellos grand< s, saos e
castrados, pelos quaes a companhia i a gara na
razode I60jcada um. Quarlel om Santo Ama-
ro 10 dejanpiro de 1860.
Antonio Dionisio de Sonto Gondim,
Conselho administra Uvo,
O conselho administrativo, para forn eirai nto
'tu arsenal de guerra, em cumprimenio ao arl.
^2 do regulamenlo de 1.5 de dezembro d 1852,
faz publico,
ras pequeas de armacao a 800 rs., 2000 eraros
sonidos o rnilheiro a 2*){00, 2 arroba do arcos
de ferro de 1 1/2 pollegadas arroba a 2500. t
ferros de guilhermo com sepo a 3800. 50 ma-
chados 25 de n. 2 a 75U-rfc. p 25 de n. 8a 901 rs..
2 seguros a 1 cutelta por 4, 2 raapitbos a
3J300, 2 anchos goiius de n. 2 a 3G00, 100^
suvcllas a 20 rs., 12 caetas de pennas de ato
160 icis.
O couselho avisa aos mesmos vendedores, que
devern recolher os objeclos vendidos no dia 20
do eorrenle na sala das sesses do conselho vt
10 horas da manhaa.
Sala das sossoos do con.selho administrativo
para fornecimenlo do arsenal de guerra 1G do
Janeiro de 1860. Francisco Joaquim l'ereirii
Lobo, eocone! rogel secretario inierino.
Conselho de com-
pras navaes.
Tendo ile fazer-se a icquisico de diversos ok-
jerlos de material, abaixo declarados, para for-
u.-ciniento do almoxarifado du arsenal de mari-
nha, manila n conselho fazer publico que tratar
di-- em si-s-ai de 25 do eorrenle mez, i vista
da propostas cm eartas fechadas entregues nesso
me.-mo dia aleas 11 hura; da manhaa, acornpa-
nhadas das aasoslras quo eaibaaa nu possivol.
cortos oaconcuirenles de sujetarem-se a multa
de500|0d] valor dcada onjrelo nao entregue
da qualidade e na quanlidado contiataiiaa c de
carregan-m alem di-to cun ii ezcease do precu,
se o houvcr, quando pela falta se recorra ma
mercado, bem como de serena pagos do que vc-u-
derem pela forma ha muiln em pratira.
Objeclos.
Antena de pinito de 70 ps de compri-
ento e 20 de dhmeiro 1
Vncora pequea de ferro ."
Amarras de 0 a 8pl 2
Alicates no ierro dalos e redondos lo
Agulhas do palomba
Algodiiu em rama
Rroaas gran es de pintar
Cofre com tres chaves
Cro [ues de ferro
\ Correle de ferro do CS
j Camisas de brim
i Hitas de olgodao
! Calcas de brim
i Ditas do algodao
Cadinho de lapis ns. 2j, 39, 0 e 50
Dobrndicas de metal
Esealer de remos
Flele encarnado
Ptanella de escal -r
11V> hadu>38 de camarote
Fechaduras de porta
Linha de barca"
Lisa de vidro
Pedros de ;:molar
I Pennas (e aeo
I Papel hollanda
I Remos de faia de 13 a 20 p is
1 Saceos de conduccao
Sola
S- cante
Tinta branca de zini i
Sala do conselho de compras navaes em 1{ de
Janeiro de 1860=0 secretario,
tamdre Hodrignc* dosAnjos.
Rao tenJo baviJo reunas da junto da
j qualificacio da freguezia do llecife, por f.lta da
juizes de paz, pe.le-se ao livm. presiden la da
1 Provincia so digne de providenciar sobre tal as-
sumptaa
THEATRO
DE
saccas
50
) .
30
1
.Vi
1
10I
109
108
100
i i
:io
i
2
25
30

00
10
5 caixa.-.
200 cadernos
200
20d
50 meios
arrobas
50 litas
pares
pecas
arrobas
foi as
; l


>

. I
iilir.1
-:as dos
ditas litas de seda, cordas de muzca, perohs (i de dezembro do anno prximo passado ib- 1859
lempo ; EubsGluc-se por
do espago emlospaco, c coliocada diagonalmente.
A assencao s fcil para um cnchinchinez de
incaou para um saltibanco. lie para isto no-
cessario fazer-J-se um estudo especial.
A'noite fazlsefogo debixo da casa para es
panl ir as nuvtns de mosrjuilos. Esses insectos
milito pouco lempo. E todos os missionarios que I'fio chupara ijiais de |ueas sanguesugas nao ou-
1825 vieram regir esta l-Tra ingrata comisara, 6 verdadp, entrar n'um qnarto cheio defu-
ngue, muo bem aabiam qno aqni encou- mo. Porra sb do um lado escapaos esses ani- 'riz do S. Jos
uno suicidio. Lu principo birmau, envia-jmacs cru i- b insupporlaveis, por oulro Gcaes
do coran embaixador curte i'e llu, & alguns assada como un presunto diYork.
Com poucas cieepcoes lodas tem a mesma for-
ma, a do um fonii alongad i, ou a do una ca-
llana decarvodirj ; paraenliar-se necessirio o
I / t i!' rastos por mu i aburlura como urna ga-
leia. Depois de se entrar deU-se e dorme-se,
de vidro & ; a Vaz Lea
2 fardos fazenda de la, 1 vohime amostras ; a:
R. Duprat.
2 caixas fazenda de la, 1 volunte amostras
a Scbaf bu llora ^ C.
3 ditas mobia ; a L.
5 ditas pellos. 7o ditas
1 volume amostras ; a erdm.
1 pscolinho tesouras ; a Cario ,\; C
18 volumes um relogio ; para a torre da Ma-
' N'oineio curador fiscal do credor Joao Da
Fragoso, c depositario interino do credor Joan
lose de Carvalho Moraes ; e prestado pelo pri-
meii i o juramento do estylo, o pelo segundo as-
A. Siquera.
p.pel do imprem:-,
O'odo de l,
ni ii rano CorliinchDKZ por c.x-
i llir oa jezuil is estados, nos quaes in-
troduziraio as artes uleis.
'- i contrario, responden elle, ordenei a
I dos meus mandarras c magistrados, que os
prendes:!"m e es levaesem... para fa/.f-!os pjs-
sar pela; estacas qne ahi vodes nnfincadas adian-
.1 is .mellas de meo palai io.
l'.i indo possi
se introduzem
nemita nao co
A rciigiao do paiz cu budhliismo misturado umaporta; pa ra isto serve-sc do seu chapeo de
cora snao, porm um budhisrao muilo to- forma cmico, ojulga-se peifeitaraenlo soguro.
sar do que se possa dizer. 0 cochin- Di dia nada le do do precioso a guardar, p
21 caixas e bailas fazendas do al
do seda, mixtas 4, 1 ccixa charutos i ditas
bezerros envernisalos, 1 licor, 50 dilas queijos
laiuengos, 14 ditas objeclos de barro. 298 ditas
velas do composico, G') s;xto> garrafas vastas
673 garrafssditos, 82 barricas cjfveii, 500
iVirraCcaSs: n'Z guairas espiriios, i 027 garrate vinagre,
ilieco o uso de fechar a casa rom
signa lo o termo de deposito, o cscrivao n met-
iera copia desta senlcnca aojuiz de paz rompe-
lente para a opposicao do sellos, que ordeno se
ponham era lodos os bous, livros c papis do fal-
lido. I'eito o que, e preenehidaa as formalidades
i] I iu:l indas pelos arts.812 do cdigo commer-
rial e 129 do regulamenlo n. 7:S se daro as sub-
sequCRtcs providencias que dito cdigo e regula-
menlo presefevem. Recife 11 do Janeiro de l
Anselmo Francisco Peretti.
Por forca desta secretaria convoco a lodos os
credores do dilo fallido, para no dia 10 desle mez
s 10 horas da manhaa, na sala das audiencias,
comparecerera nfim de proceder a noraeaco de
depositario ou depositarios.
E para que a todos os credores do anledito fal-
lido chegue n licia, mandei passir editaes que
scro affixados nos logares do custum
i conhece da biblia ; importa-so pou-1 so importa ag
r.o que o inundo tenha lulo um principio, e que cabana (iqu
le lia se i tira n'esle ou n"aquelle dia; as estri-
las i benzos e aos lalapoina (que bem conven-
tos para ambos os sexos) bastara para repouso
de tu i. As intolerancias e as persegui-
ara, nao provm de ura odio par-
r aos christaos. Repelle/n-nos, porque a
moral por elles pregada contraria os seus habi-
rem antes nutrir a esperanea do parai-
.'.! ihouiel do que ler a receiar os fogos
eternos i a infurno.
ti nfciiio deslroe todas es suas ideas, Depois
11 un os aborrece, porque os ehrislaos pre-
gara a d1 ibcdicncia a ludo o que nao 6 chrislo.
asar do que dizem os jesutas, elles aqu lem
menos pi iselilos do que se imagina.
i cochinebinez indolente, pieguien-o e so-
brio. Aico-am-o de sor dissimulado e insali-
vo, poi in -i muilo monos do ene o ehinez; a
en'.,:iio, is-a enerliiidade moral, e lilha da
mais dura oda mais odiosa oppressao. u medo
n-lhc a prudencia. E quajido lia occa-
.ijo de v:ngar os ultrajes recebidos, e quando se
lem e certeza de escapar aos rigores da juslica
sua mo fexa rom firmeza e sem piuda-
de, e o cadver do seu inimigo lanzado no riu
lorua-se, era menos de um quarto de hora, pro-
s crocodilos que pullulam nessas regios.
o crocodilo c o mcllior auxilio das vingancas do
linchinez. Sob o governo de urn despola,
que pode a seo-grado, e segundo seu capricho,
dispor da vida, dos bens e mesrno das afeicoei
dos cidaiaos, fcilmente se comprebende que
- devem fazer da dissimulicao o esludo ce
sua vida.
i lo pela realeza q io niuguem ou-
i info mar-s i da soude domonarcha. O im-
prudenle r^ie ousasso pronunciar seu nome, se- j os vasos. Beber sempre quelite "para evitara
rU acensado de desojar sua morte, c a estaca desinleria c as clicas sjecas, Estes hbitos con
i Seria um supplicio bstanle atroz para a Ci-lribuem para a obesilade. A agua geraluienle
miar, pouco se importa quo sua
e qu i os ios ue'ia fj^ain
s:us iiiuho!.
Esl paiz sciia o pawizo da Asia, s fosse go-
vernado humayamente. Tudo cusa um proco
vil; urna gallinha, do pumas corapridas, taes
como as li- lente-; procuraJo domesticar era
rosso lerreiro le Ricli ni n i se vende aqui por
3 pennys. Os fruclos sao mccellenlcs c
cusiam, ha urna variedade infinita desde
o fructa-po, o coroscol, j goiaba, a lajauja, at
o lilichi e o anans. Todos croscem expontaoea-
mente nos campos. Lan;a-sc um pouco d'agua
fervendo n'unija razilha de arroz tempralo cura
muita pimenlp e nutras especial as, o eis um
pillaw muilo soffrive!, ou vos nsseguro. A:, i-
mas vezes juijlam um pouco de carne de poico,
d" pato, de gallinha, de peixe, de lagosta, ele.
Cala- ura por si mcsmolazsua colheita na lio-
rola.
Os ulensis do cozinba se limitara a nina mar-
mita, e um ou dous vasos de barro ou de fTro.
Amobilia tambora a mais 6imples. Ei
etiqueta goe se faca loilelle no mcio da ra. que
se assente no chao e que se con com a mao ;
quando a miio nao satisfaz bem a sua missao,
le va-se o pralo nos labios. O cochiuchiucz c so-
e, e publi-
i cados pela imprensa.
26 saceos arroz, 200 ditas farolo, 100 micos | Dado c passado rusia cidade do Recife de Per-
de cabos, 52 barris alcatrai. 60 pecas de la-' nambnco nos 13 de Janeiro de 1800. = Bu Fran-
boas, 30 e liieia toneladascarvao, 10T5 barras cis'"0 1c'i:"i|\ ''' Torres Bander, escrivao do
i, r rr.> m .i r..__. i *..,,. _- juizo especial do commercio o liz e escrevi,
do ferro, 10 volumes formas de ferro para as- Anse[mo ?ranci$co /v,c,;,-
suear, ~ volumes a mosiras ; a
tley & C.
CONSUI.\DO GBRAL.
i'.endtnieu
i i era do
C J. As-!
Acamara municipal do Recife, cm vrlu le
do ofiicio circular de S. Exm. o Sr. presidente
lo do dia la 16. '. 311 8OIJO50 t '"'"v i,lcia- a? r' ,)o *>*1*' ^na fazer pn-
j, 17 k.70= ,=77 buco para conheeiraento do- seus munn-ipes o
aia Ll......*..__, edilal da presidencia, da. mesma data, declren-
la 53 B
DIVERSAS PROVINCIAS.
Hendimento do dia 1 a 10. .
dem o da 17......
2 OiVOU
2.164S769
DESPACHOS DE EXPDRTAC-AO PELAMESA.
JO CONSULADO DESTA CIDADE NO DA
17 DE JANEIRO DE 1860.
New-York Barca americana J. A. Hasar.i.>,
1! isott & c, 600saceos assuear mascavado.
Ilrigue bamburguez Bougormaesler, J.
Ryder i C, 1,500 saceos assuear mascavado.
CrookaveoBarca ingleza Coras, Johuslon Pa-
ler & C, 2,700saceos assuear mascavado.
Pbiladelpbia r= Carca americana Imperador,
Milhcus A. & C, 636 saceos assuear masca-
vade.
piaeo de um talcrime.
Nada nesso imperio perlencc ao hoincra ; o
imperador senhor de ludo e io lodos, c dis-
pe co:iu lhe apraz. L'm habitante desagrada-
lhe, vera o carrasco Com seu machado, o o san-
gue corre-
Sn a pi licia onda em busca de um laJrao- os
gendarmes sepeni cm campo. Cnrainhundo 111a-
!an, esiringuUm os que oucoiilram sob pretex-
to, de que aquello quo viaja doro ser um vaga-
bundo. O governo procuA fazer, que os cid a-
daos vivam /m boa ntclgenci:, c teem um
bro c pouco difflcil em materias de cozinnn, ex- MarselhaBarca franceza Dous Eduardo, N. O
cepto o que venenoso, come ludo o que enc.on- Bicber & C, 800 saceos assuear mascavado.
tra a mao. Apanha um lagarto, gafauhoto, rato, Lisboa Brigue portuguez Tino, Bastos & Le-
m\ papag.uo, nao importa 0 que, janea na mos, 200 cornos slgalos.
LisboaBrigue portuguez La'ti !ll>, P S. I!.
& Pilho, 700 saceos assuear brinco e 200 ditos
dito mascavado.
LisboaBrigue portuguez Bella Figueirons ,
F. S. llabom & Fillio, 10') saceos assuear blan-
co c 100 ditos dito mascavado.
Lisboa=Barca porlugueza llortenr.ia-, Amorim
Irmaos, 310 saceos assuear branco e 2J0 ditos
dilo mascavado; Goncatvos da Silva, 50 saecus
assear branco e 50 ditos dilo mascavado.
RECEBE.ORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 16. 7:307862:)
dem do dia 17...... 831$301
marmita fervendo e sera se dar o trabadlo de
as abrir, como os arabos, parte a carne cora os
dedos, provavelmanle para poupar o preco de
una faca. Se ha convivas o fallara pratos c va-
silhas, vae malta ou alagoa mais prxima,
corla alguinas folhas de lolus, c eis os pratos,
qualro ou cinco cascos de cocos partidos, e eis
m e insalubre. Para inelhoral-a, erve-se, o
prccipitam-SQ as materias orgnicas por mcio de
carvos rdonles.
A maneira de fazer fervor a agua to sim-
ples como a de fazer fugo, A que -la se urna por-
caodo seixos.dos peDtiirOS quo so encontram,
do tamanho de um ovo de gallinha, o lanc.am-se
n'um vaso demadeira cheio d'agua. Em traucos
segundos a agua est em cbolicao. O fogo pu-
rifica lodo, diz o provebiu-
Exige a poiilica qnn aquclle que recebe em j
sua-casa, colloqac aporta ornis elevado dos.
&136J0-J3
do o prazo de 10 mezes marcados na le para o
descont mensal de 10 0/fl no valor das notas de
d 1 :',. ostampa, papel roxo, e do 590J da
l.1. 2;* e3.*estampas que secstfio substiluindo,
o qual principiar a correr do 1." de abril desta
auno.
Paco da cmara municipal do Recife cm sssso
de 16 de Janeiro do I8S0. Manoel Joaquim do
Regoe Albuquerque, pr 'sident. Francisco Ca-
nuto di lloa-Vi-i./c-n, oflicial maior interino sor
vinlo desecretaiio.
Secretaria do governo de Pernambuco, cm 5
de Janeiro de 1860.
S. Exc. o Sr. presidente da pro-, in ia man 1
fazer publico, era cumprimento das ordens im-
periaes, que o prazo de 10 ruezes marcados na
lei para o des.....ito mensal de 10 0/o no valor
dasnolasde 50j| da S." estampa, papel roxo e
> da i.\ 2.a ;iJ eslampas, que so est o
luindo, principiar a correr nol." abril do
eorrenle anno.Jos liento da Cunha e Fignei-
redo Jnior, secretario do governo.Conforme
Antonio l.eite de Pin'no.
Declra$6r&.
CONSULADO PBOVINCIAI.
Rendimento do dia 1
dem do_,da 17. .
a 16.
49.l^7
4:6G7,jJ!ll
&tV18|938
CONSELHO ADMIJMSTIATIVO.
O conselho administrativo para fornccimonie
do arsenal de guerra lem do comprar os objeclos
oguiotes :
I'ara o 9* balalho do infanlaria.
Charlateiras para msicos segundo ultimo fi-
gurino pares 27.
Para a Companhia de Pedestre 'de linha.
1 .* Companhia.
Livro do 20O folhas para os officiaese com-
panhia 1.
Dilo de 200 folhas para inJices de docu.
inentos archivadas 1.
Dilo c'e 200 temas para carpa o descarga 1.
Dilo de 200 folhas para registro de ttulos de
' voluntarios engajados 1,
H2 do regulamenlo do 1.5 d
faz publico, que foram aceitas
senhores abaixo declarados.
i'ura o 4." balalhio de guarda nacional '
infantera.
Antonio Percira de Oliveira Ramos1 bao ;-
ra de damasco do seda com armas imperi es |i ir
98g, 1 porte cora gala o de ouro ; ir 51 $200, I
hastia cora esphera dourada por I3, 1 sai
oleado para a mesma por 2,^, 1 dito de brim
l ir 400 1 -.
Vara a enfermara acarpo doT." batalli
infanlaria dt linha deslat '.o-eni Slacei.
Joau Jo.- da Silva 5 lavatorios de V:;.i a 5fi
l'nra o presidio Joaquim Hilario da Assumprao50 caslinaes
1 ora 2 palmes de altura e 50 jarros cora um
mo d altura, sen lo ditas pecas pate,1 las
las conforme u molde a resi uta lo n
por 450$, cora a rondico de da-los proraptos at
o li:u de fe-.ei'eiin p. v.
Guimares & Oliveira6 livros de 200
de papel de Hollanda paulado a 1 1 i ..,,, ..
de ganco para asecrelaiM o cento al0, fo-
Ihinhas de algebeira a 320 rs.
Jos Rodrigues Ferreira9 10 res de fa-
rinha de man lioca, medida 1 elha pus a
a 6j800.
Antonio Joaquim GonQaivcsFrag3, n -
seguintes postes a bordo4 barricas di ;
de trino marea SSS a 2^, saccas do arre/
do arroba a -'!,-(, i barricas de assuear brail :o li-
no arroba a 5$, 1 barrl>de vinagre de Lisboa de
5 era pipa por 3g.
Francisco Xavier da Fonseca Coulo3,039 t-
jolos do ladrilbo postes era frente do arsenal de
guerra o rnilheiro a 69$.
Luiz Rorgcs de Ccrqucira2 peras do rabo de
iiuho de 5 7 pol'.eg 1 i.is o quintal a 3.SJ.
Jos FerreiraCoclho25 paos doj mgad leu-
do 12 de 5 palmos de dimetro e 0 ditos de
comprimenlo a 12;, e 12 de i 12 palmos di
dimetro cora igual comprimenlo a 1 ;_, 2 ditas
detaboas de assoalho amanillo a duza ala -,
lodos os objeclos postas a bordo
Jos Dygino de Minala 6 linhas de travs
de -i 1 palmes de comprimenlo a 18?, 12 frechaes
de 25 a 30 palmos de comprimenlo a 5, 3;;(i
caibros de 30 palmos a 800 rs., :D duzas de
ripas a duza a duzia a S'JO rs., 40 encham 3 d
22 [ .Irnos de comprimenlo a 4g500, 10 duzias
de assoalho de louro de 2 5 a 27 palmos de pom-
priraenlo e 10 a 12 pollegadas de largura du-
./.ia a >i, poslos a burdo por conta do vendedor.
Targino Jos de Mcdciros16 libras de cera
pida para sapaleiro a libra a 19550.
Jimo Jos da Silva6 resinas de papel al 1
n. 2 a 3fi a resma, 6ditas de lil 1 pautado
ma o 30600, 2 meias resmas de dito de peso por
', i caixa de pennas de aeo por 1$509, 1 ca-
ivetes de 2 folhas o 800 rs., l.lheseura de apa-
rar panel por 2#, 1 peqa de liuho para adiissa
por 1>. I larra cha de ferro por (,>, l*bgorn p 11
I2, 2 tornos 1 para banca por ir o 1 para fer-
reiro com 39 1,2 libras poi 155800, 2 dilas de
mao por 2&70, ii limas chalas de9 pollega-
das a 320, 12 ditas de p dlej idas 2t)0 rs., 24 di-
las Iriaugulares sendo 12 linas a 200 o 12 grossas
a 280 rs., 12 ditas de ditas le des! lar do 13
a 11 pollegadas a 800 rs., 12 alicates sonidos a
500 rs., 10 libras de aeo a libra a 240 rs., 4 li-
bras de trincal o libra a 060 rs., 2 arrobas de
ferro coi folba arroba 2f':00, 2 quiulaes de ferro
da Suecia de U n 4 pollegadas o quintal a 2?,
2 ditos de dito ditosorlido o quintal a 12, ar-
n bas de diio inglez de 1 pollegada o quintal a
7*500, 2 dilas de 1/4 de pollegada arroba a 2
2 ditas de dilo de 1,2 pollegada aatoba a _
:! quinlacs de ferio redondo o quintal a 7
arrobas de ferro de vacanda arroba a 25O0,
2 malhos de ferro calcados de a;o com 12 liPras
a CS, 2 ihesouias para funilsiros' 1 con 8 pollo
godas por ?>i e outra cora 10 pollegadas poi -,
3 martelos do n. 1 por 1$, de n. 2 por l.C, (i,.
do n. 3 por 2-5. 0 serrotes 3 de 2 5 pollegadas a
lCOO e 3 de 2b dilas a 2} rs., 25 limas raei cari-
na, 12 de B pollega las o 280 c 12 de 9 pollega-
da! 320 rs., J serrotes du lix.; 1 de S pollogadas
por 1,1000 e 2 de 10 pollegadas a I3SOO. 0 Ira es
de rosca de dilTcrcnJ.es tainanhos por 10^800, -\
verrumas de guarnidlo sortidas a o() rs.. 2 5 ro-
sas surtidas, sendo 8 de 8 pollegadas a olj, b de
10 pollegadas a 400 e 8 de 1"2 pollegadas a 480
res, 2! tonudos surtidos de ac a duzia 3a50),
24 ferros de galopa 12 de n. 1 a 700 rs. e 12 do
2 a G00 rs.. 12 ditas de desbastar a 250 rs 12
ditos para junleira a 2-iO, 12 machados finos, (i
de n. 2 a 2s600, 12 martelos -unidos, 4 de n. 1 a
490 rs., 4 de n. 2 a 439 e 4 de n. 3 a 560 rs., 6
compaeos de 11 pollegadas a 430 i?., 12 goivas
sortidas por 3, 4 compagos com moles 2 de 4
pollegadas a 1$ e 2 de pollegadas a lf&09, C scr-
Quarta-feira 18 de Janeiro de 1860.
Primeiro eoneerto voeal a earaelea*
soSu soeicdaila IVriea Italiana,
PRIMEIRA PARTE.
Rymphonia.
i i'. -: da opera 31a ', do maestro Vcidi,
! pela Sra Sola Marini Testa.
Duelo da opera ZVarita do maestro Vcrdi,
pela Sra. Luiza Gavelli Reggiani c o Sr. Hrp-
pollo
Cavatina da opera Masuadiere do maestro Ver-
di pelo Sr Luiz Testa.
Grande rondo da opera Lusiae Lammermoar
do maestro Donizretli, pela Sra. Gavelli.
SEGUNDA PARTE.
Sympl nnia.
lina da opera Beatriz de Tenda do raaes-
. ni polo Sr. lh ppolito.
Duelo da opera l.ni: .- '.'/ dom tro Veid
Sra G n iiii e o Sr. !' la.
1 lina da opera Darbciro de S
' ll issni, pelo sr. Jos Maria Ramnnda.
Duelo da mesma opera, pea Sra. Marini e o
Sr. II i:-, m la.
O coucerlo regido pelo Sr. n aeslroJ. Smoltz.
PREgOS.
1. oidora^......... ; fono
2..dit..7r7rT?T,.. ;.:, i
3." dita....-......... i
Cadeiras............ ;!>:' i
.. Plateas............. ti
Os bi li tes acham-sc 1 renda no c.notorio
do l!,entro.
1 ara s 8 horas.
.-3r.t'..-i -
OS
REAL IXHirjkLw
1.1
Dglo-Loso-Brasiicira.
o vapor rasil, sper '-se da Europa do dia 17
cm dianle, e seguir para os portos do sel n*
> din da chegado. para passageiros Irata-se
ceio vs a enti Tas io li mos.
Para o Porto.
Vai salrc m brevidade para a (dale do Por-
to o bri-ue poitujiiuz /', //, loriado e
ilhodo cobi e, de primeira marcha e pri-
classe, | : iei par do s u carn gamento
prorapto: para o resto ; iros, para os
qua.-s tem esedientes c s, traia-se com
Elias .1 mos An li le& C rui da Ma-
dre do Dos n. 32, :i c m o captto.
Para Lisboa,
soguc com brevidade a barca portuguesa UorUn-
cia, camino Jos Mauocl II p4r ter urna
pane do carregamcnlo prompto : ce3>o carga a
frete, e lena boas acommodaces para passagei-
ros: qnem na mesma |uizercanegar,doder eo-
lendcr-sc com.os consignatarios AiuornnIrmaos,
roa da Cruz u. 3, ou cora o sobredito capilao na
prara do commercio.
Para o Rio de Janeiro.
O veleiro e bem conbecido brigue escuna Jo-
ten Arlltur, pretende seguir com muita brevi-
dade, lem parte deseo rarxegamenlo; para o
resto que lhe falta, passageiros, para os quaes
lera bous commodas, c escravos a frete : (rota-
se com os seus consignatarios Azeveilot Mendes
no seu escriplorio, ra da Cruz n. 1.
Para a -Baha.
Pretende seguir nesles 8 dias a osen,a nacio-
nal Canelota, tom dous tercos de sen carrega-
mcnlo prompto ; para o reato que Un (alta, ira-
ia-se cun os seos consignatarios Azevcdo Sl
Mendos, no seu OBCiiptorio, ron da Ci iz n. 1.
l*afa a Figueira, com escala por Lisboa,, vai
sahU no dia 2d <\o crtenle o brigue portuguez
(Bella li^uereu-. .- : quera ne'.le quizir carregar
ou ir de passagem, lale cora os seus consigna-
tarios l'iaiiiisco !n c l'ilho, no
largo da As o tom o capitiu Luiz'de
Oliveira Lo''u, na prac^i do cora mi i.
I'ara Lisboa, o brigno Pino, segu m-
pietemeliueiite al 0 dia 20 do curenle, tem a
sen bordo dous lercos de sen carregamcnlo : para
o resto que lhe falta, o p -. p ra os quaes
lem esccilentcs commodos, trata-sc cora usseos
consignatarios Azorado & Mendos, no se es-
criplorio ruada Cruz n. i, a ipilao Ma-
qo&I de Oliveira Datros no Corpo Santa.
11 r-*% ar-
1


(*)
DIARIO BE PERNAMBUCO. QUARTA FEIRA 18 DE JANEIRO DE 18G0.
Para o Rio de Ja-
neiro
jtadonrmazem do Sr. Annes
porcao de fjijjos com bat tas
de
urna
O patacho nacional Capuam seguo era poucos
dial .or ter a maior parle da carga engajada : '
para o rosto, possagoiros e escravos, trata-se,
con 1. B. da Funseca Jnior, na ra du Yigaiio
IIOU:'. 10 23.
Para o Rio de Janeiro.
O veteiro patacho nacin! Jleberibe, de pii-
ii)i ira marcha, pretende seguir com muila hre-
vidace, lem parle de seu errregamento promp-
tu ; para n reslo que llie falla c passageiros,
liara os quaes lem excellentes commodo3 c es-
craics a frole, Irala-se com os seus consignata-
rios Azevedo A; Mendos, no seu escrptorio, ra
da Ciuz u. 1.
LEILAO
Sexta-feira 20 do oriente.
PELO AGENTE
por m-
de pan-
Jos Soares de Azevedo,
professor deJingua e littera-
tura nacional no Gymnaaio
desta cidade, lem aberto em
sua casa, praca de D. PedroII,
n. 37, segundo andar, uro
curso de Geograpiiia e His-
toria, eoutro de Rhetorica e
Potica. As pessoas que de-
Vegco-depuralivas
lli
Estas i'ilulas, sendo nicamente corapostas
de puros vegataes colhidos nos campos e matas
Para o Araeatv.
de manhaa ate s 9 horas, e
Allomo Garnier f'ara' leilao
tervenefio do afete Camargo,
nos linos, c.isemira, cortes de colletes
de velludo bordados, gravatas, ""chapeos
O ltate Sereipanoi por ja' ter par-de Peltre, per tes de tartaruga, paletots, de larde a qiialquei* llOI'a.
tu do seu carregament, a ti atar com o tafetaes, chapeo de oI, aliinetes. cor-
mestre Henrique Jos Vieira da Silva.ou dictes, e outras fazendas proprias para
oom LuizBorgeS de Cerqueira na ra o mercado : as 11 horas em pon'o no
seu escrptorio na ra da Cideia do
Uecie n. VI.
SCJarera estudar lima OUOlltnijda provincia de S. Paulo, j forao analysadas
Correio Paulis-
(|pinliltn<% nndom ,1 pelo Sr. Eiienne Lagarde no t
ucaias uiauMiuua, puucui ua lano s onJe sall|ram a|gnra;ls poblcac5e3 a res- allugar um preto paraservico de casa.
Jockey Club.
Os senhores socios sao convidados a virem rc-
ceberos seus cartees de enlrada e conviles na
casa do thesoureiro na ra do Trapiche n. 44,
para as prximas corridas.
Quem anuunciou querer arrendar urna baixa
paracapim, querendo urna na estrada do Arraial,
que lem um riacho corrcnle : procure a Marcell-
no Jos Lopes na ra do Cotovello ern sua ola-
ria,9 horas do dia cm diante, ou em seu sitio,
nos domingos.
Roga-se ao Sr. Francisco Manoel dos Pas-
aos Cocino dedirigir-se a otaria do Sr. Marcelino
.los Lopes, ou declarar aonde devo ser procura-
do no Recito, a negocio que llie diz respeito.
Na ra da Aurora n. 5i 1" andar, precisa-se
Precisa-se de um caixeiro pequeo, para
do Vicario n. o.
Para Lisboa segu no dia 28 do correlo o
briguo portugus Laia III : quein nello quizer
uarregar ou ir do passagem, trato com os seus
4'oiis gnaiarios francisco Severiano Rabello &
Filhc, no largo da \s?cinbla, ou rom o capilao
Joan Januario da Costa, na praca do commerrio.
iim
Leudes.
Quinta-feira 19 do eorrente dad7perlenc-enlcsairmailda(le^Cl,racaj<,M
aO meiO dia eill pOlltO. iWeiu, esenvao interino.
Aviso.
rigir-SC a illd Cada residencia peito das virtudes e cfficacia deste inaravilhoso, .
1 i a venda do pateo do Terco n. 21. Se garante.
medicamento, e boje so achao assaz conhec.das i.,,va_s',, C01B brevidade na praia do Calde-
pelas inniimeras curas que com ellas se tem'
obtid.1, tornndose um romedio semprc mil o
necessario, especialmente nos Ingarcs onde niio
liouverem mdicos e forem Ccassos os recursos
da medicina.
Sendo o fim principal tiestas pilulas purificar
a massa do sangue, qual ser a crea tura que
deixar do atlender a propria conservado, der-
presando um medicamento que, mesmo em esta-
nsislorio da mesma irmandade no do de saude, concorre para a-Loa nuiricaoda
Z&t&*!S! -fleque 6 serar-re um preventivo de
iiialquer molestia?... L inconte.-tavel que gran-,
A mesa regedora de da innandade de Nossa
Senhora do Rosario do Bairro da Boa-vista con-
vida convida a todos os seus irmaos a comparc-
cercm no consistorio
dia 22 do corre
se cm mesa geral de negocios de grande neross
Recife a Sao Francisco.
Ilimitado.
AVISO.
Em consecuencia de achar-se urna das pon tes
da via frrea em obras nao havera treni na ler-
ca-cra 2i do correnlo.
Festa de Nossa Se-
reii defronle da sala do Baptisla. nlini-i ili Ro Vi>irri>ni
Da-se interesse em urna boa olaria, a quem ; IHlOld. Ud lOd- V Itlgeni.
liver dous escravos, e que entonta do trabalho: \ No dia quinta-feira 19 do corren te as
2ESSK^ da ta^de sahira" de seu templo
Precisa-se tomar a juros a quanlia de dous' bandeira da \ irgeui Senhora, condu-
contos de risa prazo de una dous anuos e com /.da por iguraS e um coro de vir^ens
o premio que so convencionar, dando-so porhy-1 j: j .,,. i. i
polheca urna casa de muilo maior valor, na fre-, candidamente vestidas.que en toar ao do-
guezia do S. Jos ; quem lhe convicr pe
Diario annuncie para ser procurado.
Jizo de alsenles.
(i agente Pestaa continua a oslar anlnrisado
pela romniissao liquidataria da exiincla socieda-
restante do terreno do sitio da mesma sociedade.
Osprctendenles podem diiigir ao armazemda
roa doVignrion.il, a qualqifef hora do dia a
entender-se com o dito agente.
A l tee ao.
21~RuadoImperador21:
Quarla-feira 18 do corre ule, tem lugar, s 10'
l :"::i em ponto, na ra cima, o importante lei-
lao de fazendas <'' goslo, ii iparta-las di recta-
nnii u de Paris e Londres, as uuaes sero ven-'
didas cm pequeos lotes, para que possa chegar
a lodo?, a occasio do surtirom-se do hom por;
:om nodo proco Entre inuilas fazendas que
sero legadas a leilao chamamos especialnienle a 3?.*' l'onsoin'~''
iltencao para os .-eguintes cbjeclos : ,lli!"- P'"11? ""
Cortos de seda de cor do duas saias-Haule no- ^e 0;i.0' l?."-a:
U agente Camargo fara' leilao em seu
anna/.em na ra do Vigario n. 19
EL
Varias obras de marcineiria.
PorcSo de pares de I internas.
Ricas redomas com llores para cima de
mesa ludo sera' vendido sena reserva
de preco.
Precisa-so de alagar urna escrnva para cozi-
nhar o fazer o mais ser vico de casa do punca fa-
milia : a tratar na ra do Apollo n. t'J, venda-
1
de parte dos soffriracntos humanos lem por ou-
gem a impuresa do sangue.
Assini, julgamos fazer um granle ser vico a
liumanidade aconselliando o uso deslas pilulas,
c indicaremos os difer-iiites modos por que se
devem ellas usar, segundo o estado das pessoas
Deposito geral.
Ra do Porto n 119, perio da Carioca Rio
de Janeiro.
Em additimcnio ao annuncio inserto no
DE
1
A 20 do cor rente.
O pro posto do agente Olivei.a far leilao da
mobilia de urna familia estrangoira que se retira
desta praca, consislindo em sof, mesas redon-
das, consolos, adeiras de sala, ditas d". balando,
do jaotar, ntesa elstica, bancas
lores, lavatorios, lanlernas, cama
e ferro, dita para menino, um lindo jogo de
bagaiella completo c novo, armarios, quadros,
Espirito de vinho n Ig^Ofl a caada, ntanleiga
\ ingle?, flor a 960 rs franceza a 610 rs., macar-
! rao, talharim o aletria a 4U0 rs, passas e ameixas
muilo novas a 480 rs., figos a 320 rs., doce de
guiaba lino a 1280, dito de banana a 800 rs.,
i cha hisson a 2-5, gonima de aramia a 110 rs. :
na taberna da travessa do paleo do Paraizo n.
Tendo fallecido Joaquin Scbasliao Alves da
Fonsera, na freguezia de Igrapiuna, municipio
da Villa de Cmiam, proviiyria da Rabia, e de-
clarando em seu testamento ser natural da cida-
de do Recife, em Pernambuco, onde tem un ir-
m.io de nomo Antonio Alves da l'onseca e um 80-
brinho lilho deste, do mesmo nomo, declarando
mais ser casado com Uaria Joaquina da Concei-
i.ao, natural da freguezia de Sao Jos de Beerros,
a quem ja se communicou o dito fnllecimento,
e, porque nao se lenhain aprcsenlado, ou por si
I ou por seus procuradores, pira andamento do
' Inventario do dilo fallecido, e para conheciraen-
lado todos a quem possa convir, faz-se publico
inrio n. J de 4 do corrate, declara-se que a I |K.lo jllzo do orphaor8 e ausentes desta villa e
pessoa suspeila de ter lurlado o novilho pre o CnT|0rio do escrivo Sant'Ann Baptisla, que flea
evava muilo pomas rezos, c cijo conductor del- raarcado praz0 de 60 das pj,ra' scus devidos
las era um dcsles indlv
dessa industrl
Pina
ses individuos que fazem profissao elfcllM ; lindo o qual se dar andamento no in-
a, e a que cnamamtangedores. ventano.
ees cnticos a mesma Santa Virgem,
acompanhada igualmente pela banda de
msica marcial dos menores do trena,
e assiin percoi reta' toda a povoac.ao.de-
pois do que sera' steado este santo es-
tandarte ; no da seguate as mesmas
horas tera' lagar as novenas as quaes
officiara'o mesmo cio de virgens en-
toando versos analojos a Santa Virgem
e assim continuaro ate o dia 8 e no
dia 29 tera' lugar a festa.cujo program-
la para diante se annunciar.i' ; appro-
veita-se a occasio para pedir-se aos il-
lusties habitantes epasseadores de esta
do lugar que se dignom illuminar as
frentes de suas casas durante estas fes-
tividades.
hlenle declara-so mais que no mesmo dia
[vespera de fustal passra oulro langedor cou-
.... ,......., ul,-j3d u(l i,,i,^i, uo 1 mili'.* M. I i i ,
18, pndemela da fabrica de chapeos do Sunhor,''"'"." poqueno lote de. rezes, loJas, ou
Haja- quasi odas, vaccas sem crias, e saae-se que este
Na easa de banhos
do pateo do Car-
ino
concille s 10 horas da raanha, ra Nova n. 65, duela : na ra
prirneiro andar, escada contigua laja do Sr.
Quiuteiro.
vanle.
Ditos de moiie antiqnn lisos para passeio.
Oiinaidas do afamado tei dos florislas Constan- cretana, banca de ^ostnra, guarda roupas.ro-
lmi | logio de parede, camas de vento novas, mesas
Veos de renda chantilcs preos para chapeos.
Chapeos amazonas para senhora.
Chapeos canard para homamdu Moml Elogant.
l'oilctes para senhora, chen.ises de niul borda-
di s para senhoras.
Lories de barege de dn.is saias, entre ellos ha
alguns minio propriospaia senhoras viuvas.
Vestuarios do popelinc para meninos ou me-
ninas,
IIonpues para senhora.
i m parde lenecs e frondas ricamente bordadas,
muilo adequado paca prsenle de noivada.
jrande variado sorlimanto dechnrulos de Ha-
vana das seguintes marcas; regala, meia re-
galia, Londres, flor do llamado fabricante I).
Ilermandes Abrco.
Saias balao para senborase :neninas.
individuo dirigio-se com ellas para o lado do sul
da provincia, sendo encontrado em caminho por
urna pessoa que disse ter visto entro oslas vac-
cas o novilho de que se trata: quem levat este
novilhu, ou delleder noticia certa, do maneira
que possa seu dono havfi-lo novamenle a mo
ou sen valer, receber 2)000 de gralilicacao da
mo do Salvador Coclho de Urummond eAlbu-|
querquo.
Silio Monte-Alegre, 17 de janeira de 1S00
A bandeira tle Santo
boptao sera' Ievanfada
Amaro
no dia
de a-
20 do
Precisa-se do lavadeiras o engommadeiras,
que sejam livres ou cscravas : paga-so o trata-
se bcm.
-Umamnlher livro seoffere.ee para servir l'.rancsco D.as de Araujo morador no lugar Gua-
engonimado etc., etc. : sexta-feira 20 do om casa de homem solleiro, di fiador a su a con- pertencente a Parahito, cujo escravo em
3 das C: u/es n 21 o* signaos seguintes : cheio do corpo o calvo,
' \.' I com alguns cabellos brancos, quando anda alira
Atteneao.
Villa de Camam 1 i de novembro de 1859.
Aluga-se ou vende-sc um carro de Iraba-
lliar na alfandega, quasi novo, e por barato pro-
co : a tratar na ra do Burgos n. 31.
Joaquim Francisco da Silva Azevedo, du-
rante sua ausencia deia por scus procuradora
os Srs. Hcnrique de Oliveira Soares, Uuimaresl
o: Azevedo, FranciscoFerreirada Bocha Leal. Pe- COrrente pe as S horas da noite, deven-
a rapidez de sua viagoin nao pode d?3pedii-sel do a lesl.i ter lugar no dia 29 com Te-
Deum e tirada da bandea a.
Atteneao
o
Precisa-sede urna ama para casa de
pequea amilia : na ra Bella n. 8.
ra do Vigario casa n. 7
de seus amigos, o que faz pelo presente, pedin-
do-lhe desculpa de urna falta involuntaria.
= O abaixo assignado declara que seu filho
de nonte Manoel Teixeira Gavalcanti acha-se em
estado de demencia, e or isso incapaz de tratar
- No da 2 de janeiro deste anno fugio o niu-do qualquer Objocto, sendo nullo quinto appare-
!...?.':.u.r(: lJa(!,; V0-'0-1 M BnJn..s!.?sc_raJ2..d.C cer. Rocife 10 de Janeiro de 180).
Manoel Hilario
cixeira Cavalcanti.
Sexta-feira 20 do corrcnle.
xa ra no
Imperador n. 15.
0 agente Borja far leo tra seu arma/.era na
ruj do Imperador n. 15, de grande quantidade
-e objectos de marcineiria, uiobilias, chryslaes,
j loucas, vid ros etc., que ludo vender sem rescr- ; t0, paia caixeiro do taberna.
va de preco no referido lugar s '
poni.
O Sr. Spier, machinisla inglez' morador na
I ra do Bium n. 15, acaba de assentar ueste en-
golillo urna machina de vapor, nao s com todo
asseio o perfeicao, como com economa o pres-
teza, por isso recommendo aos meus collegas
i que tiveremmachinas de vapor paro asseularem,
.que o preflra a oulro qualquer machinisla, com
, o que muito ganharo.
Engenho Timb-Ass, na freguezia de Ipoju-
, ca, :t de Janeiro de 1860..tuouto Peregrino Ca-
a peina direita para toro e leva a pona do p j
em procura doesquerdo, o que chamam tmbe-
la ; levou chapeo de couro, tendo por enfeiie
urnas bolotas feitas do mesmo como, quecahem
para o lodo, e um veste com guarda-peilo, lu-
do de couro; julga-se andar pela Passagem da
Magdalena, aorule lera um mano : a pessoa que
o pegar, dirija-so a Boa-Vis a, ra da Manguei-
ra, casa n. 11. quesera bcm recompensada.
O abaixo assignado, membros do conso-
u_llhode S. n. P. Recreac.ao do Ihealro de Apollo,
'ioje entrega ao novj conselho, Jul-
ia
ralcanli Je Albuquerque.
Precisa-se de ura menino de 1 annos pou-
co mais ou menos chegado ullir
10 horas cm I Precisa-se de um cosinheiro
para casa le
Ptlaiitelga inglezae
ehampagne.
PELO AGENTE
familia : na ra da Cada do Bccife n. 13, escrip- ,
--.. para laciliiaros exames di
am nada dever do lempo vencido du sua admi-
nistrbalo da musnia socieda le de 14 de novem-
mamenie'doPor- ""nfiSf^K'TJf^SoSL" U do corrente'
llecile 16 de janeiro de 1869.
Joaquim Jos Rodrigues da Costa,
Resumo das Uc,0e.s de eloquencia nacional
torio de Jos Poreirada Cunha. gara f?cili 'V'" t'a -Na ra da Praia n. 43, precisase de um J venda u, hvrana acaJei.n.-a, ra do lni:,c,aJor
i liomom que se encarregue da distrUnii' o da Or- .. ,_
' den, nos bairros do Recife c Boa-vista. ~ ^nlc-se urna prela moea de 1/ annos. que
; O lintureiro do aterro da Boa-risU a^tsa ; ,lodo sorv"-'" ,?,* ?" cas?' 01",Pa-se por
aos seus fregnezes que mudou sua residencia pa-1 !m Prci? Ba rt'sl "-au Pcr Uu/ dj 8reja de
ra a ra da Boda, segundo andar n. 17, onde
i continua a lingir com perfeicao.
Aluga-so a casa entre as duas pontos da Pas-
sagem ila Magdalena, do Dr. Ignacio Firmo Xa-
vier : procure no paleo do Cuino n. 9, prirneiro
andar, ou na alfandega, das 0 s 3 da larde, a
tratar com Firniino Jos- de Oliveira.
Precisa-se do urna ama de meia dado para
coTiprarc cozinhar, para rasa de pouca familia ;
na crabos do Carino n. 15.
= Luiz Filippe de Souza Leo durante o lem-
po do sua ausencia desla provincia, dcixa encar-
regados de seus negocios em l. lugar o Sr. Do-
mingos Francisco de Souza l.cao ; era 2." o> Srs.
Lemos Jnior & Leal Reis ; e em 3." o Sr. Ocla-
viano de Souza Franca.
Urna pessoa que desoja mudar-se, e nao
lendo adiado casa, nao tera duvida em trocar o
piimeiro andar do sobrado cm que inora, cora
oitlra pessoa que esieja nas mesnias circumslan-
cias, anda mesmo que a troca seja por una casa
torrea: a Iralar na ra V'eha da Boa-Vista n. 77,
prirneiro andar.
Toma-se una mullier portugueza, desem-
barcada, que saiba engommar, c sobro ludo eos-
Sania Rita. I 'ur>. d-se hom tralamonto, o paga-so bcm : a
Vcndem-sc 2li.iis acos turnados a Irabalhar! fa"ar '"in Cuilhermc da Silva Guinmres, na lo-
cm carros i.i alfandega, muito bons : em Santo Jan- :. prximo ao arco de Sanio Antonio.
Amaro, ao peda fundieo, taberna de Jos Ja- Jame Clulon, subdito inglez. v.-.i a Babia.
cintho de Carvalho.
Offerecc-sc um rapaz para caixeiro do co-
nferido agente far leilao por corita de
quem perlencer quarta-feira 18 do correnlo s i
11 lloras da inanba no art:ia/.em d.i Sr. Aunes ;
i fronte da alfandega
DE
22 barris com manteiga ingbva.
l'Jb gigos de champagne as melhorcs marcas que
tem viudo ao mercado.
>l) saceos com milho.
1> cai.xas :om fistos.
1 .LU ALt..> 11-i I caes de Apollo,queachando-seosmesmos
; (emente preparados com toda a limpeza e aceio,
I os offerece pata qualquer socio,lado qno nelles
queira celebrar as suas ses-Oes, por aluguel roru-
! modo : porlanto, quem pretender dirija-so ra
\ do Imperador a tratar com o seu propietario An-
tonio Teixeira dos Santos,
aoje as ii oras da i>,erisa-se de urna cria la que saiba engom-
manhaa na escadinha dotaos da alfandega por : mar pelf,,ii,,mente e ensaboar : na ruadoQuci-
0 referido agente vender
occasio da descarga
nO barricasconi cerveja da marca Bass.
Vinasrc
o
Avisos diversos.
Almanak da provincia.
Sabio a luz a folbinha com
Quarta-feira i o corren/e anno de
= Vende-se un sitio de Ierra, com duas ca- branja ou mesmo armazom, o qual d fiador a
sas de vivenda, ura quarto para taberna, no dis- sua conduela : quera precisar, pode dirigir-so a
Iricto d Sonto Anio, fra da cidade meia legua,!rua Augusta n. 2, ou annuncie para ser procu-
0 proprietario do bailo nacional dos saloes do di;u,i'l I'^P'^zinho, proprio pora engenho : rado.
deceu uem pretender, fallo com Joaquim Domingues A pessoa que achou um sinele de- ouro
nos Afogados. i lendo no fundo urna pedia verde : caso queira
Jos Maitins Fernandos, subdito porlngucz, restituir, dirija-se ao carlorio do labelliao Cos-
vai as provincias do sul. la Uonleijo, na rua estrella do Rosario n. 15,
Precisa-se de uina ama que saiba engom- lue sc gralificar : foi perdido no sabbado lar-
mar, o para fazer as compras diarias de una pe- de desde os Remedios al os Afogad
quena familia; na rua das Cruzes n.41, segun-
uo ou Jar.
Atteneao.
f.ctolher ii ('.. lem para vender cm seu arma-
zem na rua da Cadeia Velha n. l, o verdadeiro
quem pretender dmja-se a Jos lly- v.nno Bordame, cm bjeris, bem como Kirsch e
Billersem caixas de 12 garrafas.
Jos de Oliveira Campos dcixou de sor cai-
xeiro de liamos & Medeiros desdo o dia 16 do
corrente.
(juem precisar do urna mullier par.;
compras, procure na rua da (jloria n. D'J.
mado n. 28, (erceiro andar.
Aluga-so um segundo andar com grandes
com modos :
gino de Miranda,
Troca-se nm escravo pedreiro por urna pre-
la : quem quizer fa/.er este negocio, dirija-so
senaria da rua da Praia n. 55.
Compra-so urna propriedade ti-rrea qaeseja
cm boa rua: quem a liver e quizer vender, di-
rija-so a rua da Cadeia do Recife n. 43.
Verdc-se duas casas terreas em Olinda : a
Iralar na rua larga do Uosario n. 46.
ABINETE POBTUGUEZ
LEU
DE
azor
ese,

PELO AGENTE

de quem
oras da
Oleados pinbados
a2#000ocovaio.
Conipanhia de ar-
tfices.
Q referido agente vender por corita
(i rtj'ncer no mencionado dia pelas 10 oras na
manhaa no arniazcm do Sr. Araujo no Forte doj^ 'jtiai SL \eilCIC a oUU 1*S. lia
Vallo
!l pipas e 12 quai tolas com vinagre dr Lisboa.
Oliveira Uaia.
c^>
II.
I.m vista do que dispe o artigo 30 dos osla-
lulos, o Sr. presidente do conselho deliberativo
manda convidar os senhores membros do mesmo
conselho, para a sesso or linaria que de ver ter
lugar quinta feira 19 do crreme as 6 horas da
larde, na sala das respectivas sessocs. Recite
lude janeiro de ISCO.O piimeiro secretario,
.1. D .\>j ii eir.
Para Ilio Formoso.
otn Joao Nogues.profcsor dentista,
vai a cidade do Uio Formoso onde pre-
0 abaixo assignado, alteres quaitel-mesl.v do ten^' tercer as funcrocs de sua pro-
corpo de guarnicio do Amazonas, es-agente da issSo, onda espera merecer daquelle
Lindos padrees e boa qualidadc: na praea da companliia de arttdces desla provincia, iulga reSDeitavel nulilir,- sen liom nr-nlh.
Independencia n. 2 a 30, chapelaria de Joaquim nada dever a esta praea tendente a gneros que ^P''lave' PW*CO SCti DOm acoilll-
! comprou a diversas pessoas para o rancho das mento protecao.
No aillico CStabelecimen- Pra?*s ll;i u'la coropanhia no semestre do 1." del Uoga-se aos Srs. devedores do estaLele-
P i i i i julhoaai de dezenibro lindo: todava se al- cimento do fallecido Jos da Silva Pinto, o ob-
i ndependcncia h Wa-1 lo de fabrica e loja de chapeos ^J^r !^*%*?-!? sequo de saldaren, seus dbitos Z Vcoi-
mi la n. 25 ou na rua do Queimado leja
ter do embarcar para a dita | n. 10.
ou, uc provincia do Amazonas. Recife 17 dejaneirode ^ GuimarSe & Carvalho ettab leci-
clvll: queC propnetailO O Sr. Jf0- ^Tfl ^'l i doscomlojadcfazendasnaruadoQuei-
Aviso aos senhores de en- madon< ,J7> dMolvcrara amg8Ve^en
cenhos.
&l" ; Compra-se niel
o nomo, idade ele. de sens im-|ecasa, son a gerencia de seu JoRomos o.
sobrinho Manoel de Oliveira1
MaiaJnior, por tercie coin-
mun accordo sessado uesta
data ; gerencia do
Francisco Noreira
Na
jar um escravo, excellcnte co>
inlieiro, para qualquer casa de trato.
eseja se tallar com urgencia ao
Sr. Francisco Josc Siquelra Alves de
Barbosa ou a alfilera por elle : na rua
do Vigario n. 7.
Vcndem-se garrafas e botijas fa-
zias : na rua Velia n. G7.
Escrava.
Vende-so urna bonita escrava preta, crioula,
dade do 20 annos, engomma, cose, borda c co-
jzinha o diario regular de ama familia : bem co-
mo un moleque da mesma idade, pouco mais
ou menos, boa figura, robusto, o proprio para
qualquer serviro : na rua do Queimado n. 35.
Aviso ao rcspeiiavel publico e principal-
mente ao corpo do conimercio, que deitei de ser
caixeiro do Sr. fhom Lopes de Sena desde odia
16 do correnlo.Manoel Filenson Fernanda.
Rtulos para charutos.
ila um grande sortimonto de rtulos para ca-
xas de charutos, para garrafas de licores, tanto
de bojo como de gnrgnllo, em branco, para nelles
so escrever o que se quizer, de botica, para cai-
xas do cha, viudo do Ilio de Janeiro, de vinhos
do Porto, feitoria, c de caj ; na typographia o
encadernaco da rua do Imperador dofronle ele
S, Francisco.
Simao de Nantua.
Obra completa ntidamente impressa era muito
bom papel, e pie est usada cm todas as escolas
da provincia, carias de AR C, taboadas, trasla-
dos de rauitos moisllos, arle de 1er or ventu-
ra, melhodo facilimo, os niarlyres pernarnbura-
n.is, que sc acham adoptados para a leitura das
escolas, cartilhas de mu boa edico e conside-
ravelraente augmentada, economa da vida, uma
confortissinn carlonagcm, arlhmotina o grant-
maiicado professor Castro Nunes, cathecismo da
doulrina chrlsla, inui correcto, inipresso em
mui bom papel o lypo grande, papel de peso
transparente para escrever as escolas com pau-
la, almaco o linho, greve, de machina, etc.: na
typographia o encadernaco da rua da Impera-
dor, defronie de S. Francisco.
No aruia/.ein de
r < ,, n %1 ,/ ^.-1, ^ damier.o dirijam-so a secretaria da dila compa- fl!" ue,s '"^era seus deb.los na rua do Lo-
na It. 0 e O COlllendO alcm dO Desta ClaUC na praca da III- ; nUia a qualquer hora do dia, c isto al o nm do leS' ven la ^ ou "a rua do Queimado loj
kalendarto ecclesiastico e dependencians. 24 a 30, A->;crrp,"o,",
i crrenle roez, por
' provincia do Amazonas.
Noticia dos principaes esta- quii de Oliveira Mai;i,ausen-
dos da Europa e America comit, continua no mesmo lugar
peradores, reis e presidentes.
Resumo dos impostos ge-
raes, provinciaes, municipacs
e policiaes.
Tabella dos emolumentos
paroebiaes.
Empregados civis, milita-
res, eeclesiasticos, Iliterarios
gUAl rA-FEIRA18 DO CORRENTE.
Na rua do hnpciador n.
21, prirneiro andar.
Manuel Jos de Araujo Costa Filho ao reli-
i ir-se pira o Ilio de Janeiro no prximo vapor,
lem a honra do participar ao reSpeitavcl publico i., n nwwinfti
Uesta capital que no die lugar cima designado i uo luua u iii u> iiil.iu.
oslara esposla a venia por publico leilao c in- A cenp '\ci\ft<
lervencao do agente BORJA, osen escolhido sor-I ^^laruto
lmenlo de fazendas viudas do lio do Janeiro, agrcolas, dllStriaeS. littcra-
.oustando de fazendas de seda, la, linho, safas r '
do balao para senhora o menina, aloalhados de l'lOS e partlCUlGreS.
linho, cb.'ioos para senhora e homem. canas t t?_iii i*
manlclelcs, velludos, b.iegea, riqusimas cami- EstabelecimeiltOS fabl'iS, 1U-
sinhas o camisolas bordadas para senhora, ves- (luc rione
tidinhos para meninas, alcatifas, tapetes c 0u- f
lias mullas fazendas de gosto. todas as qualidades COU10 lo-
em porc,o
\4sf M. m
a tratar uo
DA
cife 14 de janeiro de 1860.
O Sr. tliesoiireiro
commerciaes,
e commerciaes de
todas as qualidades como
iem C01110 M vendas, acougues, enge-
para casaraen- i nnOS, ClC-, 6tC.
Serve elle de guia ao com-
merciante, agricultor, mar-
timo e emfiui para todas as
classes da sociedade.
lu iieo par delences bordados
lo e um grande sorlimento de
CiiniIos de Uavana.
Chama-sea silencio dos Srs. particulares para
o importante leilao annunciado que ser effec-
UioOo em lotes a voniade dos compradores s
10 horas em pomo. ___
lia.
Quinta-feira 9 do corrente s
10 boras em ponto.
O agente Cimarfto fara' leilao na por-
Pedc-se quera vera consignado as soguin-
tes fazendas, viudas orden, pelos seguintes na-
vios, a saber:
F 4 caixas com missangns pela barca sarda
Paolo, de Genova.
Diamante JL n. 410/463 20 ditas com papel e
EL n. 31 1 dita rom luvas, polo brigue belga
Emma, de Antuerpia ; queira vr pagar os com-
petentes frelcs no escrptorio de Bastos & Lemos
rua do Traniche n. 17, consignatarios de dilos
navios.
sem igual.
Lindos coi tes de chitas franco/as
baralssimo proco de 2$ cada corle
sobrado amarello nos qilatro cantos da
Queimado n. 29, de JosMo
N.60.
largas pelo
na loja do
rua
reir Lopes.
do
Precisa-se do costureiras do alfaiale de todas
as obras : r.) rua Nova n. 60, esquina da ponlc
Para liquidar.
Rua do Imperador n. 6,
confi ontc ao gaz.
Caixas com 32 libras do maarfo novo -i#000
Ditas com o mesmo peso de talharim dito JOOO
Ditas com o mesmo peso de aletria OjjOXW
Cestas com cerca de 1 [2 arroba de figos 1SOO0
Sapalos do Aracaly, o par 690
Ditos do lustre para senhora idom 18280
Snploes de lustre para homem, dem :#000
te a sociedade, licanlo a caigo do socio
caes Carvalho o activo e pasiivo. Recife 13
dejaneirode 1860. JJuao Baptista
Soares Guimaraes .Manoel Antonio {Je
jCarvalho.
Estevso Cavalcinte il'Albuquerque, Dou-
tor era Medccina pela Faculdade do Rio de Ja-
neiro lendo vollado de sua viagem a Europa
acha-sccom residencia na Cidade de Olinda rua
do Boa-Hora onde poder ser procurado a toda
manda fazer pu- hora para exercer artos de sua profis-ao e espe-
bheo r ne se aciiam a venda todos 03 das jcialraente para tratar de partos, molestias de
das 9 lioras da manhaa as 3 da tarde, i ulero, de olltos, e de vas urinarias e fazer toda
no pavimento terreo da casa da ruada e qualquer operacao.
Aurora n. 26 e as caas commissionadas Percisa-se alugar um andar de sobrado,
pelo mesmo Seiihor thesoureiro na pra-|ou caia torrea, nos bairros de S. Jos, S. An-
ca da Independencia n. 14 el6, os!10"'0'0 Kecife, quem liver annuncio para st
bilhetes c meios da primen a parle da Procur3lio
..:.. :.. 1.1__ i i i A pessoa que quizer uma baixa com capim,
prniicira loieria do cemiterio de fjua !
rastu', cujas rodas deverao andar im-
preterivclmente no dia 25 do corrente
mez. Thesouraria das loterias 14 de Ja-
neiro de 1860.O escrivo. J. M. da
Cruz.
Constando que um dos lierirnros do finado
Mrquez do Recife ja comeijara a vender alguns
predios pertencentes ao exiincl) Hospital do
Paraizo, Administrarlo Geral dos Eslabeleci-
menlos de Caridado de novo avisa ao publico
que esses berta aindi estD ern litigio c por con-
sequencia loda a Irt'MMfio feita com elles pode
tornar-se nullas- Assira pois ninguem para o
| futuro sc chame a ignorancia.
Atteneao.
Vendo-se uma boa barcaca de lote de 59 tone-
ladas, muito bem apporelhada c nova, de pri-
me-ira marcha, por proco com ai o do ; a tratar na
rua da Madre do Dos ri. 7.
A _
I declaro sua morada para ser procurado.
Toma-so uma mullier estrangeira sem fa-
milia, que saiba engommar c cozer, paganlo-se
bem : a fallar na loja da rua do Crespo prximo
ao arco do Sanio Antonio n, 3.
Aluga-se um barracan no lugar das corri-
das do .lochev Club ; quem o pretender, dirija-
se aos Remedios, que adiar com quem tratar.
Jos Gomes Leal cordealmente agradece ao
Sr. Joaquim Alfonso dos Res, loda soliciludc, de-
sinleresso, e boa vontade com que por convite
seu preslou-se a administrar c fazer execulara
illuminnco que se fez na rua da Cruz do Recife
por motivo da vinda de SS. M.M. 11. a esla pro-
vincia.
Precisa-se de una ama que saiba ensaboar,
comprare fazer o servico interno de uma casa de
pouca familia : na rua da Roda segundo andar
n. 47.
O abaixo-assignado declara ao respeitavel
corpo de conimercio que o Sr. Manoel Tavares
Correa deixou de ser seu caixeiro desdo o dia 10
do corrente, assira como ficou sendo sen caixei-
ro geranle para qualquer transacoo o Sr. Auto-
nio Jos Bvptisla.
Roife 16 de Janeiro de 18G0, aeintho Jos
Ama ral Ara gao.
artnazem de fazendas de
lla,\ niuudo Carlos Leite S
Irinao, rua da Imperalriz n.
10, tem constantemente am grande sorlimento
de fazendas fazendas linas por menos do que e:n
ouira qualquer parte, a saber ;
Vestidos de seda bordados a torcal, de
todas as cores,que se veirderam a300$,
vende-se agora i.or
Dilos que se venderara por 120^000,
vended-so a
Ditos que se venderm por 703. a
Ditos de phantasia que so venderam a
Xi$, vende-se a
Dilos do barege que se venderam a 20j,
vende-se a
Vestuarios de seda de cores para crian-
cas a l2$e
Camisas de cambraia de linho pata tc-
nlinras a 8?, 12$ e
Manteletes de seda decores a
Hilos de seda preta a 20?, 25$ o
Ditos de grosdebaplc proto, do ultimo
gosto, por
Laas de cores matizadas, muito benitos
pdres, covado
Ditas do cores, lisas, de uma cor s,
covado
Corles de casemira de cor para cales
Uonets de phantasia para meninos
Chapeos idem para meninas
liollinhas de missangas para senhoras
Chales de troco com tres ponas
Ricos cortes de gorgurao para collelos
Chita franceza escura e clara, covado a
250, 330 o
Bramante de linho, 10 palmos de laigu-
ra, vara
iJuardauapos adamascados, duza a IOS
12-5000 e
Dilo de algodao aeolchoados, duza
Saias de bailo de crinoline, da melhor
qualidade que at boje lem apparecido
nesle mercado, de 12j a
L'm grande sorlimento de camisas de
todas as qualidades para homem a
20&000 al
Perfumaras inglezas do afamado fabri-
cante John Gsnell Ai:.
Assim como um grande sorlimento de fazendas
proprias para os serloes, qno so vendem muilo
baratas, o o mesmo estabelecimenlo se obriga a
encaixotar despachar, embarcar com a maior
presteza pofcsivel.
Acaba de chegar ao arraazcm de fazendas
da rua da Impcratriz n. 10, o scguinlo ;
IGOfOOO
70SO0O
C0;00O
>!00
15JC00
150CO
io$noo
SOSOO
305000
60
G!0
55000
30U0
i
ogono
ogooo
CO
2J500
HtOOO
2J500
DiOOO
65S00O
Ferros de engommar
econmicos, do melhor autor.
Chfala.
Prcparaco propria para tornar as mobilios
usadas cm novas.
Panno couro,
que ODtimo para fazer guardas-lamas do carros
o mais incorpado, e prelo e lustroso, do que o
melhor couro de lustro.
D-se 800$ a juros : na rua da Paz n. 36 se
dir quem d.


DIARIO DE PERNAMBUCO. QUARTA FRIRA 18 DE JANEIRO DE 1860.
5)
^ftV^!ALs
Trecisa-se de urna ama forra ou captiva
para o servido de urna casa de familia, e que se
preste a comprar e a sahir a ra em objeelos do
servico : na ra larga do Rosario n. 28, segundo
andar.
COIIPAXHIA
DELICIOSAS E I.SFALLIVEIS.
PILULAS VEGETAES
ASSUCARADAS
Eslabclccida era Londres
mm< h mu.
CAPITAL
Pastilhas vegelaes de Kemp
contra as lombrigas
approvadas pela Exro.* inspecrao de estudo de
n.M114 .til*',.-. .!. *______iltabao e por militas butraa junlos de hv-
.-ilUfiO UillllOCS U.C lluras ;gipno pulilica dos f.slados Unidos e mais pai/Vs
, i da America.
CSlCrilliaS. Garantidas como puramente vegetaes, agra-
Bro.hers&C." tem alionra de tn- daveis vis-la. dotes ao paladar sao o remedio
inallivel coolra as lomhrigas. Nao causam au-
NKW-YORK.
O MKl.IIOR REMEDIO CONHFXlIiO
seasnem sonsacos debilitantes.
Teslemunho espontaneo em abone das parti-
Saunders
rormar aes Srs. negociantes, proprietarios de
1 casas, e a gucni mais convier, que. estao plena-
mente autorisados pela dita companliia para
ell'ectuar seguros sobre edificios de lijlo epc- i,nas ue kemp.
dra, cobertos de lelha e igualmente sobre os Srs- D I. l.anman e r>mp. Port Ryrnn
Contraconstipaces, ictericia, a/feccoes do figado,' objeelos ue contiverem os mesmos edificios, | de abril de 1S59. Scnhorcs. As paslilbas
febres biliosas, clicas, indigestes'.enxaquecas. quer consista em raobilia ou emfazendas do 1ue Vmcs. fa/em, curaram meo filho ; o pobre
dlemordioidas, diarriiea.doencas da qualqncrqnalidade. rapaz padeca de lorobnga, exhalara um ebei-
Traspassa-se o arrendamento de um enge- ro Jo- ll
nlio distante desla praca duas legoas, vi-nde-se
urna parle no mesmo engcnho, machina nova
vapor, distilaco nova n bem montada, '22. bote
de correia, seis quarios, algumns obras, saiTra
plantada, ule. ule. ; ala-se na ra do Crespo n.
pello, mpcOes,e todas as enferniidades,
PROVECIENTES 110 ESTADO IMPURO DO S.IXGIT..
75,000 caas deste remedio cotisommem-se an
Dualmeote I !
Kemedio da nutureza.
Approvado pela faculdade de medicina, ere-|8, oi
commendaoo como o mais valioso catrtico ve-
getal de todos os coohecidos. Sendo estas pillas
juramente vegelaes, nao conten ellas nenhum
veneno mercurial nem algum oulro mineral ;
esli tem acondicionados em ciiixas de folha pa-
ra resguardar-SO da humillado.
Sao agrada veis ao paladar, seguras e efficaze
Compras.
h^
cm Bruxeilas (Blgica),
SOB A MltfCO DE E- KERVA\D-
Compra-s uina I teira prefenn-
do-sedemola: na pmni da Indepen-
dencia n 0 c 8.
= Conipram-se as seguintes rnmeJias Rer-
! nonio na La, o .ludas em fabbado de Allctcia,
Quwii casa quer 'isa, Por causa de um algaris-
i. o, A rosta, o Duelo no Terceiro Andar, o lr-
mq das Almas e o Di abo ua escola : nesta typo-
graphia se dir.
Compra se uma lucir : n.-ta ly-
i pographiti.
^ Comprn--o iimn escrava parda ou preta, co-
Izinheira e perfidia ngnniniadein : na ra Nova
numero :
Compra-se urna escrava -le meia idade qno
saiba coziuhar o diario de uma casa, engommar
t c coser alguma cousa : na roa da Cruz n. 35.
Compra-se um casal de escravos. que es-
, tejam acostumad.>s ao trnbalho do campo: ra
da Imperad n. 17 lereeiro andar
Compra-se
'trata velha senrij de le : na ra do Ca-
buga' h. 1 Hloja da agaia de orno.
Vendas,
Aviso aos cacado-
i
res.
Preparadas no seu laboratorio n.
Street
. Kemp
Acbam-se i venda em todas as bolicas das
Espingardas de espoleta milito Roas, e garan Pncipacs cidades do imperio.
em sua operacao, e um remedio poderoso para a' tc-se a qualidade por i so ter esperimentado ;! _. DEPSITOS
juventude, puberdade e vclliiee. | na na Direita n. Ci. i "10. -anf,ir0 na ra da Alaudega n. 89.
Lea-se o Mbetoque acora pan lia cada caixa, pelo Piililino/n I i II Ai-ai- i Babia, Germano & C, ra Juliaon. 2.
qual so Acara couhcccndo as multas curas milagro-1 UUllLd^ilU llllLldlltl. Pernambuco.no armazem de drogas de J. Soum
sas iiuelern ciTecluado. D. T. l.anman & Kemp, Guia Luso-Brasileirodo Viajante da Europa i & Compauhia ra dai Cruz n. 22.
droguistas por atacado em Nova York, sao os uni- 1 vol. em 4" de 5(10 pag.: vende-se na mo ilo L^SK
eos fabricantes e proprietarios. autor ra do Vigario n. 11, brox. 3$ encad 48 I,
Aoham-se i venia em todas as boticas dasprin- % *. ....*... f>ii I S^
cipaos cidades du imperio. JBffiSnVttsSSBSS ~8&X&8aMAaSB6 ?de volt. de sua viar;em intructi-
0 l)r. Casanova pode ser procurado -~t:.- ?--------
Este hotel collocado no centro de nina dos capilaes importantes da Europa, torna-se Je grande
valor paraos hrasiloiros e potlugiiezes, por sens lions commoios o conlurlavel. Sua posico
uma das memores da cidaJe, por se adiar nao ? prximo s c-ta^Ges ile caroiulios de ferro, .la
comicho nonari/.. tiio magro se poz. une eu \ A1ilem3"lia Eian^i, como portera dous minutos de si, lodosos thcatros e divertimentos ; e, \
tema perdo-lo. Nestos circumstancias um visi- | alem disso, os mdicos presos convidara. ______________
nhomeu disseque as pastilhas de Kemp linham Ko holet ba sempre pessoas especiaes, fallando o francez, allemao, namenRo, inclrz e por- Venda-tea
curado sua hllia. Logo quesoube disso, com- ; tu------ --..... -------- -
prci 2 vidros de pastilhas e com ellas salvei a l m
vida de meo filho. cm
Sou de Vmcs. seu amo agradeeido. por
W. 1\ Floyd. y>
tovoaco do Ca
Iguez, para acompanhar as lourisias, qur em suas excur5es na cidade, qur no leino, qur *^ com D0.1i sylindro, 2 boim cavatios, bom for-
mlim para toda a Europa, por preces que nunca excedem de 8 a 10 francos (3200 49000 1 "" c" lo,l|'l iiu "esmo c Iodos os mais perlen-
or da. rp.s '1'"' ll"' fao precisos pora o seu uso, lem duas
Di i r, boas Iregucliag de pao para lora e fiecupzia nara
uranteosspocodo oito a dez mezes, ah residirn) os Exros. Srs.* conselheiro Silva Fer-1 vender luda bolacha qe possa fazer
?^l^\^ZouS\aL7nma 2' \er* r,,,M? Ur Pedr A"8^.o da Silva Fenao, ( de Por.ual) e os I)rs. Felipa La^f *>? olugarda SrS. vendad"
, droguistas poralacado era New York. ^ello, Manuel de hguen. Fana, e desembargador I'onles Visgueirj ( do Brasil, ] c limitas ou- '.on/,'';,,,. ,* r,',r,!-:'""s,';,"cias ('or ,,,,e S Ton*, ao
Iras pessoas tanto de um, como de outro pai/.
Os prrc.os de todo o semeo, por da, regulara da 10 a 12 francos ( 45000 45500.)
iNo hotel eaeontram-se informaris exactas acerca de ludo que pode precisar um estrangeiro
DEPSITOS. ,
Rio de Janeiro, na ra da Alfaiulega n. 89. SJ
Baha, Germano & C, ra Juliaon. 2. ^
Pcrnambur.o, no armazom de drogas de J. Soum I *S
i C, ra da Cruz n. 22. tfj
Curso tic preparatorios. | i
O bacharel A. R. de Toares Candir, profes-l a
sor de gon^rapbia e historia antiga no gymnasio *f.7(
desla provincia, contina no ensino dos seguintes' "fennos de medicina.
proparatarfos: rhetorica, philosophia, geogra-1 ^MmgggffiBgggSgg. 3gg$g3
tina, linguas rrancera o ingleza ; na casa de sua 4* ?**?? ?
residencia, ra larga do Rosario n. 28, segundo j precUa-se por aluguel do uma ama forra ou
snuar. i captiva, que saiba engommar bem, para uma.,
= Precisa-se alugar uma escrava para o ser- casa de ronca familia, paga-se bem : na ra do
vico_ interno e externo de uma rasa, assm como. Hospicio, casa terrea confronte ao collegio de '. *
cm um escravo : na ra da Santa Cruz n. 06. {,_ s. do Com Conselho.
O Ur. Cosme de Sa' l*ereira|'
^/|de volt. de sua viajem irutructi-^
a qualq'ier liora em se
meopathico
28=RUA DASCR
0{jmesmo consultorio acha-se sem-
pre grande sorlimento de medicamen-
tos em tinturas e glbulos, os mais no-
vo* e bem preparados, os elementos de
bomenpathia e Nys'.uii diccionario dos
le ser procurado g tiva a Europa continua noexcr-?^!
u consultorio lio- S* %P/ .. ,. i-7'.
pX fec,c, sua P'^lissao medica. *t
ILZIiS28 JJ Di' consultas em scu csciajpto-^v
>no acha-sc sem- 3* :??,.: nr, !;,,.,> JA:fi, j^ffll
Sirop du
DrFORGET
rRABE DOFOBGET.
Este xarope esta aprrovado pelos mais eniiiirntes mdicos de Paris,
Icomo sendo o melhor para curar consiipacoes, tesse .convulsa e ouiras,
aileceoes dos brjncinos, ataqnes le peito, irrbcOes nervosas e-insomnoleiicits: urna colherada
pela manha, e outra a noiie s:.o sufQciemes. O .IV.ilo desie excelente nrope satisfaz, ao mei DO
lempo o doente e o medico.
O dsposito na ra larga do Rosario, botica de Darlkolomeo Francisco de Souza, n. ?.G.
eomprador se dirao.
4
:

Na livrai i;
:u
s j -r ^7 li> >' liviana n. o e 8 ta nraca da
Sno, no bairro doRecjfe, ra da^g Independencia precUa-se rtiar ao Sr.
|Cruz n. 5o, todo os d.a, enotH Audl Abreu f,orto ou Andr Alves
nos dominaos, desde as G liorasS
?|t as 10 da tnanhaa, sobre osg
J seguintes pontos :
$ I*. Molestias do oios ;
1
Porto.
O advogado Souz.a Reis mudou o sen es-
i riptorio para a ra larga do Rosario, sobrado da
juma n. W2.
agencia los fabricantes america-
nos Grouver & liaker.
Machinas de coser: em casa de Samuel P. C p6 denfico.
Johnslon & C, ra da Senzala Nova n. 52. *&JL.lXXJU&JLJLJLXt.tLl.t.t.S..t$.i.XXi.y
Precisa-se fallar ao corresponden-j Voinna -i il\l*nn
te dos Srs. teen te-coronel Hemeterio dcCIlld pUlJllCu.
Jos Velloso da Silveira e Francisco Xa-1 'nsmissSq do Quido de braco a brafo, as
DENTISTA FRANCEZ. J
> Paulo Gaignoux, dentista, ruadas La- <<
>* rangeiras 15. Na mosma casa tura agua e <
r> nA rfanliflon >

^tridas; fazendoexcepcaoosdoen-
i t i i i- n c, quintas o domingos no lorreao da allaudega, e' s t,~ L.rL.
vierdeAndrade: ra liviana n. G e 8 ossabbados al as 11 horas da manhaa, ni r- g^d olhos,ou aqu
da praca da Independencia. sidencia do commissario vaccinador, rna estrella SM'notivojustoobtiver
cada para este im.
LiCjOES PRATICAS
,jE
do Resali n. 28, segundo andar.
') De. Manuel Moreira Guerra mudou a cua
residencia para a ra da lmperalriz n. 48, se-
gundo andar.
Molestias de corarSo e
peito ;
. .Molestias dosorg&os da gera-P
cao, e do anus ; ^,% ffi
. Praticara'toda c qualquei '{^ 3|
operacSo quejulgarconvenien- f:C\ ^p
te para o restabelecimento dosg "^
seus doentes. fC^ o um curso de preparatorios, ^
Oexamedaspessoasqueocon-S|* Pa,f> que acha-se competente- |)
sultarem sera' feito indistincta- WI *f mente aulorisado pela directora &
'<% mente, e na ordem de suas en-5,H da in&truccao publica, os estu- M
)T'i<*s dantes nots que se mnacrrm na- >*;
i'f JxF II- I ^
uellesque porj|g bilitar para exame o aeliarao ^
cm hora mar-HIH sempre prompto.
a
A applicacSo de alguna medica X
lamentos indispensaveis em varios^-.k
TeillOS a honra tic COm-3|casos, como o do sulfatleatro-||
municar ao^respeitavel corno Mp^)sera'eiio.ouconcedido^
do?mmerciodeStaPra?aquoipSfe;tpr,^erP
llCSta data CeiXa de existir a placea o, e a necessidade prompta ^
Preparatorios,
bacharel Jos Joaquim de
Bloraes Navarro tem abeito em s^
sua c.isa ra do Hospicio, segn- fj
do sobrado passando o Gymna- (fv
d
NICA, VERDADEIRA E LE-
GITIMA.
lio le Trovador.
lina larga do Rosario n.
ESCRITA COinERCIAL
Por partidas dtbradas
E DE
itlTIOIITICl
ll ua Nova n 15, segundo a n da r.
M. Foncr:i tic3S>rl(*iaaott, escriturario da ZaO (le
thesouraria de uzeada desla provincia, competen- i r I)..,
lemente habilitado pela directora de instrucQao Al a lia na Ai l>l"\ail
publica para leceionar arilhmelica nesta cidade, fipond a cu-i I4inii'-ir--"i\ >i oi\-tn\
lera resolvido juntar, como complemento do seu l^--l-0 Slid ll([lll(.af tO a .aigO
curso pratico do escrituracao por partidas do- (]e ilOSSOS SUCCOSSOPCS OS Sl'S
oradas, o ensino de contabiiidado especialmente .... f n
na parte relativa a reduccao de moedas ao cal- i AraillgH, 151(0 cv d.
SOCedade (UC tnliamOS for-l^^eeuemprego;e'tudoqnantoo0|
nado e que ffyraya sob a ra- Kjcemove e:u Ull,t'cio Jc "B
. c< ^.doentes. Vi
I :l\ i\(\ >f-' *//
Pao d'Alho.
SALSA PAM1LBA
DE
id.
Ccssc ludo quanto a antiga musa canta
Que o trovador altivo se levanta.
Attoncao, rapazeada,
Pode o hnifl Trovador,
J cm ludo reformado
Pelo novo possuidor.
Elle a todos pailicipa
Al mesmo aos entes gulosos,
Que prepara a qualqucr hoia
Bons pi liscos saborosos.
Nao todo li s'oncontr i
O que s almas d conforto :
o moscatel, o champagne
Com o ve'lm Duque do Porto,
Julien Medoc, cham i
K oulros vinlios conheeidos
L se ncham nos armarlos
Esperando ser bebidos.
Tambera lem rauilos san ; i
E variados licores,
E a genebra aromtica
t.'no mitiga fortes dures.
P'ra os capazos de bom gosto
Da Veneza americana
Mandan ir n Trovador
Finos Charutos d'Havana.
Ouem a verdade quizer
Do quo digo confirmar
Dore do quando em quando .
O Trovador frequenlar.
P'ra provar a evi Jeni ia
One o hotel lem melho ado '
Basta dizer que ti ni sido
Per inglezes frequcnlado !
GB.i\BISfAIIJUM SORTIHEXT
DE
|ias feilas c fazendas
>.
eatmazem
DE
. !
.P*.
Novamente roga-se ao Sr. Jos Garria de Sou-i
za Ramos, que veuha quanto antes papar o que
culo de descontse juros" simples o composlos, i),",',i ,'! 01 i, i devena padoria do.paleo da Sania Cruz n. 6,
conhfcimcnlo in lispensavol as pesaoas que de-, 1 CI liaiinHlCO OJ UC UCZeill- pois ia t6mpo bastante, o meso tem-lhe sido
sejam emprcirar-so no commercio ou que j se l.n /Ir- 1 K\( pedido por diversas ve/es por cartas, cate o pre-
acham nelle eslabelecidas. A aula ser aberta | m u uc J ',J- |scn,c n 'em ,lai1" -s"il".''1 alguma.
O abaixo assignjdo, vendo o sen nome
te es
no dia 15 de jauei&o prximo futuro s 7 horas
da noile : e as pessoas que desejareni malricu-
lar-se podcio aeixarseus nomesem casa do an- ;
nnnciante at o mencionado dia.
Ara naga v Brxan
por eslenso no Diario n 10 de 13 do corrente,
^ lia\CllO CeSSaUO a SO- je sen es-caixeiro, Manoel Martin das Neves,
Lina peasoa que desoja mu lar-se e nao tendo I Cetlatle (|UC gyrava liesU pra- protestando pelos seus ordenados de 6 annose 5
achado casa, nao tem duvida em trucar o pri-1 pa cnl m Rrmn fl meiro andar do sobrad j em que mora com outra ot U(ll,lla tv -* .....--------.........*- ------- m... Iii..i ..kk- ------ ...... Hemedio sem ipual, sendo rcconliecido pelos! comtnoda
mdicos, os mais imin
li
m
dade geral, febre biliosa e intermitiente', enfer-
midades resultantes do empreo de mercurio,
ulceras e etupedes que resultara da impureza do
sanguc
CAUTELA.
l.anman & Kemp, droguistas por atacado
Jose'Joaqjim da Silva Maia, ten-
I Pot tuga I, vende urna boa mobilia tic-
Jacaranda', uma rica secretaria, e uma
ludo da mesm-i rr.;:d< ira c
iXa ra do Queima-
don. \().
Ricassobrerasacas de panno linopretos-'
e de cores a 28j, 3 : e :i^;, lambem ten os
; palutts dos mesmos pannos a 22; e 2'r-.
palelots de casemira ', cores de muilo '
: bom gosto e tinosa 12-, 1 '.$, I6gn 18, di-
: tus de pa>no prelo para menino a t>-; i
i 20S, ditos de casemira de cores o 83 ll i,
; calcas de casemira de coros e pretos v un-
: lamente para meninos a 7-\ f>?, !i-, M- .
,: 12<, folletos de gnrgiirio de seda e cas. -
! mira a 5jj, 0< 7g, palelots de alpaca pro- :
! ios de cores sccos a i?, ditos sobrecasacos :
: a >_ e 8$, ditos de brira, de esguio a de
. [ iust;io lano branros como decores n i-
: 1*500, r>z< <:.:, cal is de brins brancosmui-
: lo linos a 5jJ, G- e r?, colleles raucos ede .
; cores a 3$ e 3}500, camisas para meninos : ,
; de diversas qualidades, calcas de biins c.a '
: cores finas a39500, e 5#, un rico sorli- :
; ui'Mo de vestidos de cambraia branc -
| bordados do melhor gosto que lera appi-
j recido a t, manleleti s de lile prcto e de
! cor muito superior gosto e muilo moderno :
: a 20 cada um e 24j, .i,os casaveques de
cambraia bi rd .dos para menino a I0jf, di-
: tos para senhora a ]:,<, ri.os enfeiles de
cu de velludo goslo me Imr que l< ... ap-
: parecido a 109 c 12;, c ouIras muitas
ion-Jase roupas feitas que com a presenea
do freguez so far palale.
sem igual, sendo rcconliecido
nedicos, os mate mnenles como remedio infal-1 muito ricas eras lx-n mmn nuv ,.
ivel para curar escrophulas, cancros, rhenmalis- muilu 'lc,ls Pe98 l(-'" >"o u.na es-
no, enfermidades do ligado, dyspepsia, debili- crava co,n todas as habilidudes, um;
molcula que cozinha o diario de uma Et
casa e entende de costura, uma dita de
oito anuos de dade, e um inoleque
1 \ annos de idade, todos milito
pecas
asacas para a paress
N'este mesmo eslabelei-iinento lia um
: grande sorlimento de casa.-as prrlas, as-
; sim .orno maiida-se fazer por medida a ron-
: lade do freguez, eseollieudo os mesm ns
: pannos ,1 seu goslo ser. lo 13 1 e 1. a
: o 40. :
lera lembranQa de ter passado alguns recibos de
e
1 -II '..^< ii^u ..v *,i MLir.-jir Piquito III IUU' IIU
ar. .:;;"::?;;:::::;: ,ir>,au' participamos ao res-u^ da emuas. Ms ordenac;n30 Je
. a a Halar na ra Velha da Uoa-Vista 11. 77, J1C11W VCl COI'pO COltllllerCial 8, e ""'" a,e dla 1S "e dezoin-
L. 1 1 ~n n bro de 1859 anno hnanceiro.se quatro ceios
SUaliqUldacaofica a Cargo dtaatosmil ris de despesas odeverao seria-
por COllla ta SOCedade qiie jdaidos nos seas ordenados, assim como mais
i"
ai
re
primeiro andar.
Collegio de Beoiflca.
Direetor c rico proprielario
EslevO Xa\ler da Clllllia f?}',*ai*SOOarazaOde que isto mesrao servir da gpveno ao mesmo
1" collegio, legalmcnle autorisado, e eslabe- APaiWga, JJO & C, ; ^- Mariins, e ao respeilavel publico ; Recifo,
no arrabaldcd Chora-menino, abre o son .1 nnnl oonrinunr/i ,-,t- nninnin.. de Janeiro de I 60.
scoler, era conformidade dos respectivos (lUtU ( 0nlin lUU d 0S tiegOClOS Anlonio JoaqiIi|n nekl,0 Bas|os.
estatutos, no da dowrreule. Seu director es- da CXllUCla firma C ('Spcra Qie- Manoel joaquim de Oliveira & C.
pera ronlinuar a merecer a conuaaca de que ate r r
agra tem gozado, nao cossando de empregar to- recer a lllCSHia COHiailCa UC tazeni publico ao commercio desta pra-
do o disvello para que seus alumnos recebara a o-n/nvi <;a, que desde 51 de dezembro do anno
ustrucco e a educago convenientes. qtiu pU/.iiiii. | r% ^ c. *_*__;_-. /-____i_.
J. Hundir, allaiite, lem a honra de avisa.' Pfi'il'lili hllfa 1
ao respeilavel publico, principalmente aos seus I *c'uuuiui/U x
freguezes, que de boje por diante enconlra-sc (|g 181)0.
urna fazenda moderna e de variado goslo, para
Anlonio tic Aranaga.
Enrique de Aranaga.
Guilhermc J. Kreisler.
inaiquer obra, e preeo razoavel : na ra Nova
n. 69.
Seve, filhos \ C. declarara que Manoel Jos
d.' Umcida Jnior deixou de ser seu caixeiro
desdo o da 12 do corrile. Uecife, 12 de Janeiro
de 1860.
Aluga-se uma mulata para sei vi-
ro de casa : na ra do Crespo n. 1 ti.
- O Sr. Antonio da Silva Ilaslos Pi
da
mentel queira dirgir-se a
do Crespo n. 10.
101a
ra
Osabaixo assigna los venderam
lites bilheles da ultima parle da
meira da quarla do Gymnasio os
mos :
Ns.= 37:1 5:O00S
547 l:000g
205T -100a
00 *00g
379 lOOg
1929 100$
e outros menores. A garanta
nos
Bilhetc.
1 meio.
Bilhetc.
Bilhetc.
Bilhetc.
1 meio.
peitavel publico para deseoniiar de algiimas te-
nues imilaces da Salsa Parrilha do Brislol que
boje se vende neste imperio, declarando a lodos
que sao ellos os nicos proprielarios da recolta
do l)r. li.istol, tcndo-llie comprado no auno de
l&ti.
Casa nenhuma mais ou pessoa alguma lem
direito d" fabricar a Salsa l'arrilha de rtrisiul
neSta data formamos C (lile e$pSas que feZ e nao as lanQ0U em sua > porque o segrodo da sua prepararo acha-se so-
1 por quera as preteslo para ajusto de conlas e mente em poder dos referidos Lanman & Kemp.
Para evitar engaos com desapreciaveis co-
binaQoes de drogas perniciosas, as pessoas que
quzerem comprar o verdadeiro devera bem ob-
servar os seguintes signacs semosquaes qual-
qucr oalrapreparaco falsa :
Io O envoltorio de fora est gravado de um
lado sob una chapa de ac, Irazendo ao pe as
seguintes palavras :
. T. LANMAN & KEMP
SOLB AGENTS
A*. G9 Water Street.
Kcav Yorl.
2 O mesmo do outro lado lem um rotulo en
papel azul claro tora a firma e rubrica dos pro-
prietarios.
3" Sobre 1 rolha acha-se o retrato e firma do
nivenlor C. C. fristol em papel cr de rosa.
4o One as direees juntas a cada garrafa lem
nma phenix semelliante a que vai cima do pre-
sente aununcio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro na ruada Alfandega n. 89.
Babia, Germano & C, ra .lulio n. 2.
Pernambueo no armazem de drogas de J. Soum
& Companhia ra da Cruz n. 22.
Oflcreco-se uma rosinheira para casa de
humem solteiro- quera de seu presunto se qui-
zer ulilisar, irija-se rufa de Sania Bita, n. 32,
que adiar com quom tratar.
A assistente examinaJa Firmina tmeren-
ciana Carneiro, acha-se morando na Caraboa do
Carrao, casa n. ?0.
Traspasse-se o arrendamento de um En-
genho muito peno da prac,a, vende-se uma par-
te do mesmo Engcnho, uma maquina a vapor,
uma dosiilacjio nova montada de un ludo, 22
bois de carro, G quarios, e outros objectos :
iracla-so na ra do Queimado n. 10.
Da-
Camisas inglezas
No mesmo estabfleciir.enio acaba de che-
lindas ";ir "'" ?r;M,l,e sorlimento das verdadeiras
>, : camisas inglezas peilos delinhocoin ni
n tratar na ra dos D)elhos : largas, uliima mola, por ler-so 11
ue
da Boa-Vista com Jos Joaquim da Sil- f] quantidade delerminou-sn a vender
va Maia. "!l'i'"> ," 'a'or sen lo a duzia a ttfo.
O Dr. J0S0 Jor Cinto Jnior ad-i n s 1
'liiiicJia.
o. p., o Sr. Antonio Joaquim Gonralves
(IC jaiieil'O Fraga, deixou de azer parte da dita lir-
I tna e nao e mais socio de sua casa.
fil( 5} ':'.'; 'p- ^' p. '- m evo o v
*$ Camisas inglezas com peito de linbo a $
3 55?J a duzia : na ra do Queimado n. 11. f
Joan Anglada Hijo.
Prccisa-se de urna ama que saiba cozinhar
e fazer iodo o servico de casa ; na ra do Cal-
deireiro, taberna n.'b'U.
Attcncao.
Aj)cssoa que ao ese ai b;i rea r na madrugada
AVISO
Antonio Pcreira de Oliveira llamos,
tendo de fazer uma viagem para ora
do imperio, e.n virtude de sua gaude'e
sendo preciso saldar tod.isas suas contas
roga a todos os seus devedores que ve-
voga 110 civil enoerune ; para o que
pode ser piocurado das 10 horas da
manliaa at.; ai o di tarde, ua ra da
iloda 11. .17, primeiro andar.
Altiga-.-e porcommodo proco para uma
casa estrangeira, um casal de escravos pardos
bastante habilidosos, aos quacs afinnca-so acon-
.lucia. Quoin os pretender annuncis para ser I
procurado.
A,
V'eurte-5
robusta
mii
um 1 preta de meia ida.!.
saua a
nsta por 2aj ; na na do (Jueiinado, loja de
idezas n. i", sedi. quem a vende.

Estn se acabando seb das de resines a 1-.
sol .1 a 1"*: ni na do Vigario n. 27.
FCUIISHASPARI W\i).
Esto venda na nvraria da praea da Inde-
pendencia ns. 6 e 8 as folhinhas para lbtiO, im-
pressas nesta lypographia, das seguintes quali- do deposito geral do Rio de Janeiro! a tratar
eom Almeida Gomes, AlvesA-C., ra da Cru
Sabao
da des
F
OLHINHA RELIGIOSA, contendo, atm do
kalendario c rcgulamenlo dos direitos pa-
rnchiaes, a conlinuacao da bibliolheca do
Cristo Brasileiro. que se compde: do lou-
vor ao santo nome de Dos, coroa dos ac-
tusde amor, hymnos ao Espirito Sanio e
a N. S., a imitacau do de Sanio Ambro/io,
jaculatorias e comraemoracan ao SS. Sa-
1 raroento e N. S. du Carra i, exercicio da
Via-Sacra, directorio [.ara oraco menta
11. 27
Farinha de mandioca
a tratar com Almeida Gomes, Alvcs C.
Ra nova. 18,
di 2j de dezembro, no Varadouio em Olinda, e nham pagar suas contas at o da 30 do
i corrente mez ; assim como avisa aquel-
les que devein a mais de um anno ctpie
dividido pelos dias da semana, obseq
'sequos
llandrcs, contendo 4 ou mais vestidos nucos, ca-
| misas, saias e casaveques, tenha a bondade man-
[ dar quanto antes entregar a sua dona, pois urna
i pobre mulher, do contrario ser por esle jornal
publicada sua morada, o numero da casa, e sen
nomo sem llie fallar uma letra, pois nesta cidade
bem conl.ecido por lodos.
O pintor,
seus fe- I Ofl'erccc-se uma ama para dar leile a meni-
terceir 1 o nri- no' '""C'1. "" muito e bom leile ; na ra da
mraintc*' we- G,o^o casa do 1,ilul,l, 92-
Joatiuim Gonealves Pcreira Casco declara
ao publico e ao corpo do commercio, que ajustou
suas contas com Jos Peres da Cruz-, outr'o'ra Pe
res & Vasconcellos, no dia 12 do corrente, como
dos documentos que existem em seu poder. O
mesmo declara que nada deve, e se alguem se
jnlgar seu credor, aprsente suas contas a qual-
b pa"a na oraca f'"er ,nompnto. Iia ra do Cabugi 11.12. primeiro
da Independencia n. 22 aonde se achara a renda a"dar;Para 3",cm npap3- ,
os bilhees e meios da 1/ parto* 1. lotera de di~ 5" 'f ^teo n T P^^g^za,
cemiterio do Igu .rass rubricados nor "'"Ja-se a ra do Sebo n 8
Yieira Sl Rolhchilde. Laetano Pinto de Veras lat scien-
Curso de iiiglez.
nio desta cidade para que toi eleito, e
por isso despecha todos es dias qua nao
for
nao pagar ate o mencionado dia 30,
serao chamados a tuzo para pagar o
que estiver devendo.
Oflerece-se um moro porluguez, chogado
ha poneos dias da Iha, o qual falla o inglezcom
perfeico, para caixeiro de alguma casa commer-
cial, o qual lem alguma pratica lano do mar
como de Ierra: a pessoa que precisar, annuncie
por este Diario, ou dirija-se a ra dos Pescado-
res ns 1 c 2.
Hoga-so aos Srs. devedores a firma social
de Leile & Correia em liquidarlo, o obsequio
de mandar saldar seu3 dbitos na loja da ruado
Queimado n. 10.
Ama de loitc
Prccisa-ccde uma ama de leile. forra ou cap-.
Uva, sem cria, na ra da Aurora, passando a
primeira^onlcsinha, no primeiro sobrado.
E'ma pessoa de boa conducta se offereco
para caixeiro de vender nssucar, do quo tem
muila pratica : quen. o pretender, annuncie on-
de deve ser procurado.
O professtrde latim da freguezia
de S. Jos desta cidade, ahaixo assigna-
VI. A. Ciju & C. o cabao .!e rereberem um
sorlimento de visitas, manielotes, e casaveques
de rros.linaple prelo, de goslo pouco vulgar, os
mais bem acabados que tem violo ao mercado
em arranjos, e qualiJades de fazenda, tem para
senhoras gardas e alias, assim como con ti n 1180 a
guarda, re'sponco pelas almas, akm de le,c!n ll1" g*nde sortimento de {aseadas fins e
ou tras oraces. Prer;o 320 rs. grosas, de seda, inlio, algoJo, bicos franjas.
ITA DE VARIEDADES, contendo o kalenda- ^M'V C','C ". P0S53 f|"e V'r rio, regulamcnto dos direitosparochiaes,e vcsllll d08 P* eba{ do tocto que quizer com-
uma collecco de ancdotas, ditos chist-! Pr*r assim c 1110 qualquer fazenda lano,!...
ao SS. coracao do Jess, saudacoes devo-
las s chagas de Chrislo, oracoe's a N. Se-
nhora, ao patrocinio de S. Jos e aojo da
sos, contos,fbulas, pensaraenlos moraes, ;*o;io como mais ordinario por preeo mais com-
ns por prec-os ba
e fruclos. Preeo 320 rs.
ITA DE PORTA,a qual, a'.m das materias do
costuran, contera o rsame dos direitos
parochiaes. Preeo ICO rs.
Precisa-so de uma amaqup saiba cozinhar:
rafeiuws.
D..M dinheiroa juros, era pequeas por- ^^f,,^^ "^{m* ter Pfercncia so! 0 p d
"! "rU ^\3' a l"lar "3 :Ua de r- i -*!3t2i!Z?2 : no pateo do Ter- md< "V- "!! *?L : ^ "
co
tas cosa 11. 122, aqualquer hora do dia.
!<;o 11. 20.
rem santos ou feriados, na casa de do, declara a o publico que a matr:cu-
tEnea* Bruce, nato.al de Inglaterra, e profes- j sua esidencia, na ra de S. Francisco, j la de sua aula se acha abei ta, e que os
sor de linguas, participa ao publico desla cidade, sobrado n. 8 ; assim como em toda ei trabalhos lectivos da meima principia
que vai abrir um curso da l.ngua ingleza em sua qUa|qUer parte qne seja encontrado, el rao nodia 3 de rveieiro nrovimo fu-
casa, lodos os das, especialmente para aquellas 1 l y. 1 T L u I"uaiuo lu
pessoas que desejara aperfeicoar-sc na conversa- o ; desde as 7 at Shoras da noite, mediante a tinuam a ser feitas na casa publica das de sua residencia, n. 33, sita no ateo
K^d?a^ -t00"8 a me da daS UTC>aS C $eX- d TC'"^
loja da Roa Fama. la letras. I Manoel Francisco Coclho
m e t- soia mw@
DO DR. CHARLE
MEDICO E PROFESSOR DE PHARMACIA, DE PARS,
PARA 0 TIUTASIENTO E PBMPTO Cl'RATIVO
s.:xiAes, m t^das as akfecooes cctaseas, viris
Cilrato k ferro Chablc.
Xarop mili prefetivel ao
Copah ba e as Cube-
bas, ciiim imraedialameu-
------te qualquier purjiLeio ,
reloxm.ao e debilidad.:, e igualmente Duxos e
flores brancas das mulheres. injcc^no d<-
r.iutbic. Esta injetca benigna emprega-se mes-
mo tempo do xirope de eiirato de ferro, uma vez
de manha, e uma vez de larde durante ires dias;
ella segura a cura.
DAS ENFERMIDADES
PLUS DE
COPAHU
DEPURATIF
fe SAIVG
E AI.TERACOES DO SANCtE.
Dppuraliio do muii,ur.
Xarope vegeul sen. mer-
curio, o nico couhecido
e approvado para cursr
_ con promplidii e radi-
calmente inipigeos, pusiulas, liirpes, sarna, co-
rnix:?, acrimonia e alici;-. .". s vicoss do san-
gue ; Ttins, e qualquer allriao venrea. it-
nhos luinrritpa. Tonr.u-se dous per semana, se-
Riiimlo o .ratamente df putativo. remada on-
tiherpetiea. De um ff^ilo ni-ra-ilhoso nas af-
feces cutneas e comu&es.
. Hemorrahida.Pomada que as ctiaa em 3 dias.
O deposito e na ra larga do losarlo, botica de llartho'omeo Francisco de Souza, n 16.
Loncos de cambraia lisa muito tina, du-
'ia i?snt
j Ditos de cassa Vanese de eore., duzia 1- 1
Cambraias du cores de diversos goslus,
covado 2 i'1
Chitas raneezas de lindes padres, co-
vado a 290 e 3.JO
Chales de merino lisos com franjas de
retroz, um c>< (0
Ditos de dilo bordados de velludo, um jjOOtl
j Ditos de dilo com pahuas de seda, um 8>'>
I Alpaca de seda de quadros, covado 6U
M.'ias muitu linas para senhora, duzia 4W)
Ditas dilas para dita, duzia a$6 1
Ditas ditas para dita, duzia ^ii,.i
Meiascasemiras de quadrinhos, covado 5:i
Ditas ditas escuras eom duas larguras,
covado 150*)
Cortes de dita muito fina 6$40O
Ditos de dita pela bordada 8J500
i irim branco de llnho lino, vara isi; :o
Dito dito dito, vara l400
Dilo dito dito, vara ii'O
, Dilo dito dilo, vara ljHilKI
c oulras muitas fazendas que so vendarla a vou-
la Je do comprador.


76)
DIARIO DE PEftWAMBUCO QAftTA FEIRA 18 DE JANEIRO DE 1860.
*'".
i1''-'"''' 53
NA RUA DA IMPERATRIZ N- 27

ILDM E f MOTS DI

KJm

r.

ha para vender ricas mobilias de Jacaranda e de mogno, rico3 vidros de espclho 2^
grandes e pequeos, assim como muitos Iranios avulcos ; na mesma loja so fazem '/.
cortinados para camas cjancllas, lva-sc chapeos de p'alhinha da Italia e so po na *
ultima moda, lava-se lainbcm a palhinha das mobilias a niais encardida torna-so ou-
Ira vez nova.sera ser inais preciso as mandar pintar, limpa-se e gruda-so estatuas de
pedra marmore, de alabastro e vidros de todas as cualidades lorna-se outra vez lio
seguro e limpo como o estado primitivo.
Queimado n. 40.
Grande c variado sortimcnlo
I)E
Fazcndas francezas c rou-
pasfeitas recebadas era di-
reitura pelo uItiuiona\io.
Diio-se as amostras cora penlior.
I
Machinas de costura
Relogios.
De novo chegaram os afamados relogios in-
gloiea de ouro, do patente, e eslao venda no
armazem do Rostro Rooker & C, praca doCorpo
Saniito n. 48.
Attesico.
f^P* Vendem-se 20 cscraros de ambos os se-
xos sendo 3 mutatinhos proprios para pagens, 2
molejues do 12 annos. 5 escravos proprios para
lodo o servico e 10 escravas com habilidades e
seiii ellas, todos se ven lera por precos comrao-
dos, i praio e a dinlieiro c lambem lioca-se : na
ra Direila n. CG
= Vendc-se urna casa nova propria para qual-
quet esUbeleciraenlo por ser em quina de ru,
no Campo Verde, em chaos proprios : procure
na ra de Sania Rita, caso n. 10, quo dir vende.
Caixas coni 32 libras de inacarrao, recen temen-
barcadas ai-' i*ada urna, ditas de aletria
com ii mesmnpeso a G>. na praca da Indepen-
dencia n. 22.
A endem-sc foges de ferro econmicos, de
plenle, para casas de familia, contend) 4 toma-
inas, e Torno para coziuha com lcnha ou carvao,
ptima invencao pela economa de gastar um
lereo dc lenha ou ccrvDo dos anligos, e de co/i
nhar cora mais presteza, tem a differenca de se-
rc.ii amoviveis, oceuparem pequeo espaco da
casa, e de f:,i il rouducco : vendem-se por prc-
uuilo mojicos, na fundicao de Francisco A
Cardos i Hesquila] ra do Brum, e as tojas de
draca.
AG$acaixa: na ra larga
do Rosario armazem de louca.
Vidros para eaixilhos.
Na ra larga do Rosario Ioj n. 28
armazem de louca, mandam-se botar v-
dros em casos particulares porprecol
muito commodo, assim como veudem-
se vidros a retallio do tr.manho mais pe-1
queno at mais de G palmos.
!lua da Senzala Nova n. 42
Vcnde-sc em casa de S, P. Jonhston & C. va-1
quetas de lustre para carros, sellins e silhes in- |
glezes, can deciros e casticaes bronzeados, lo-i
as inglezas, fio de Tela, chicote para.-carros, c
montarla, arreios para carro de um c douscaval-
s. e relogios d'ouro patente inclezes.
?moselle mmm
DE
LONDRES
em garrafas e meias gar-
C. J.Astlev&C.
i Tragens de Cardse, junio a ConroWio da pon- ^-------------------------------------------------------------
le do Recite, e ra do Queimado n. 30.
ralas.
o


Na loja doserlaiiejo,rua
to Queimado n. 43 A.
Ttereberam en: d reilura de Franca, decncom-
menda, os mclhores chapeos de ca"slpr rapadoss
brancose relos, eos formas as mais ino-
- que lem rindo ao mercado, e por me-
nos que em outra qualqucr pule, assim come.
tambem lem um guinde sorlimculo de enfeile,
Irilhoprelosc de cores pelo diminuto pre-
po de Is cada um, assim como tem chapeos de
fol de panno a 1J200 cada um em perfeilo esta-
nerluras brancas muito finas a 820. ditas de
Seguro conlra Fogo
COMPAHHUL
LONDRES
AGENTES
=?
uu, Hiu.uis uranias i.iuio linas a du, ditas lie n t *(! f r 1
le linhoa lg urna, cambraia prela fina w %J ASllO} C LOllt'.".lili!,!. ;
i o covado, e a vara a560,e a 640, Rangas i
de edr a 540, brim jarico de linho a l2() a va- Meias lie Sdla de DCSO
ra, collelcs di ve indo de (urta-co
- peso
-.: m de diversos lamanhos, eiascruas, por
'i ande porrJ 3 IJ500, ditas b i (600 e 2j a
finas a 3 e 4$, chapeos enfelados para j
ni ninas sonhorasporqualquer prc-l.fj
'.'". Uido o mais aqui se encontrar o proco,
deixa ov vemndnr '-
Veoile-se
o
H
ASOOrs. a
!
c uta olludode ura dedo miimOde largura
"il 10 l|i vara-, bandos de crina para sennora
'. >)3a pin sen hora ou moninas muito lindas a Ifil) rs.
para acabar ; na loja de miudezas do aterro da I*
i ista i. bt, \ lasi confronte a matriz.
Folha de cobre e Metal
amarello.
Estanho em barra e Pro-
gos de cobre.
Alvaiade eVerniz copal.
Folha deFlandres,
Palhinha para uiarci-
neiro.
Vinlios linos de Champa-
nhc eMoselie.
Lonas da Rnssia e Brim
de vela: no armazem
'..'
Chapeos de castor prclo
e brancos

Ricos corles do vestido de seda de cores
de 2 saias............................
Ditos de ditos de seda pretos bordados a
velludo...............................
Ditos de ditos de seda de ga/.e phantasia
Ricas romeiras de fil e de seda bordadas
Taimas de grosdenaples bordadas......
Chales de tou-mim branco bojdadosa
30)Jc.................
Grosdcnapledo cores do qmdrinhos co-
vado .................................
Dito de dito liso covado................
Seda branca lavrada covado 1SG00 a___
Grosdenaplc prelo lavrado covado......
Dito dito liso encorpado a lj!600e___
Dito dito com 3 palmos de largura a
1SG00 e.......!......................
Sarja de cores larga com 4 palmos de
largura covado a...................... 1JJ500
Caze de sedada China de floreselistras
co vado a............................
Follar de seda de listras gesto novo co-
vado...............................,
-Setini de escocia e diana de seda covado
Cnaly de flores novos desenhos covado
Uareje de seda de varias qualidades co-
vado.................................
Mcio velludo de cores covado..........
Velbulina de todas as cores............
Selira de todas as cores liso covado ...
Brilhanlina branca muito fina a.......
Chitas francezas claras e escuras a 260 e
Casemira prcta lina alSlOOc..........
Panno prclo e de cor lino provade li-
mo a 300 a........................
Corles de casemira de coraje........
Cassasorgaudys de novos desenhos a
vara..................................
Ditas francezas muito linas a............
Manguitos de cambraia transparente bor-
dados muito ricos....................
Goliuhasdo cambraia bordadas depona
rulas de dito bordadas a GOOa..........
liras e enlrcmeiosde cambraia bordados
Ricos mantas prelas de linho para se-
nnora ................................
Ditas ditas de blond brancas e pretas..
Cha.esde soda decores, pretos e roxos..
Ditos de merino bordados com franja de
seda............................_
Ditos de ditodito de .!.!!!...!!".."!
Daos de dito liso dito de seJa..........
Dito de dito dito do la..................
Dito de dito estampados fino lista de
seda..................................
Lencos de cambraia de linho bordados
finos......................
Ditos de altcodo de la'byrinthoOe".!
Copcllos brancas para noiva............
Enfeiles devjdnlho preto e de cores....
Aberturas para camisa de esguio de
linho.................................
Ditas de dito de olgodao brancas a de
coces.............................
Saias balao modernas.'.'.'..'.'.'.'.'.'.'.'.'.Y.'.'.
Chapeos francezes forma moderna......
Gravalqs e seda de pona bordadas a
velludo ..............................
Camisas fraucezas de cor o brancas
linas a IS600 e........................
Ditas ditas Bitas ditas de esguiao muito linas mo-
drrn.is...........................
Seroulasdc brim de aigodao e de linho
'<>':as lie casemira pretasetim 9S c....
Hitas de ditas de cores Sg e............
Dita de meia casemira.................
Dijas de brim fino e varias qualidade
o?e Colleles de velludo, gorguri.
casemira o setim....................
Casacas de panno preto muito lino j'c'
sobrecasacos e palelots de panno prelo
fino 2-! e.......................
Palelots de casemira n esclada goiia'd
velludo..............................
Ditos de alpaca prela muito linos!!!!.'.
Ditos da merino setim pretos c do cores
Dil isde meia casemira..................
Ditos de alpaca pretos e de cor forrados
Ditos de brim branco e pardo finos......
Ditos (le brim de qnadriuhos finos
3#)0 e...........................
Dito de alpaca preto e do cores!!!!!!".'!
Kelogios de ouro paleo........tes......
de S. M.Singer &C. de
Nevr-York, o mais aper-
fei.oado systema, fazen-
do posponto igual pelos
dous lados da costura.
IMTCNGIiY
DA
9
t
I
i
803000
1$200
28600
2000
2?500
2J500
1000
1*000
12000
900
500
1J500
700
801)
500
320
2500
7S000
7(H)0
1S000
500
I
lg500
9

73)500
79090
CJOOO
42500
SjOOO
$
1SO00
s
s
$ '
65000
8?50(i
2?500
ngooo
10:!): ni
4500O
rUNDIC-10 LOW-MOW,
Roa i!a Sciizala \ova n. 42.
Ncslo eslabelecitnento continua a haver um
garante-se a seguranca I comnpletosortimenlo de moendas e meias raoen-
das 111 achinas e manda-i das para eu3enho, machinas de vapor e taixas
r as casas do de ferro batiio e coado. de todos os lmannos
para dto.
Corles de vestidos
de seda
Na ra do Queimado n. 37 loja de A
portas acaba de rcecber pelo ultimo
navio viudo do Havre nm comjilelo sor-
liinenlo de vestidos de seda de 2 saias,
2 bailados e de avcnlal.os (naos se ven-
dem por preo commodo.
Chape! i as de seda e de
velludo para senhora.
Ricas chapelinas de seda e de vellu-
do para senhora: na ra do Queimado
n. 37, leja de i portas.
Golas e manguitos.
Ricas golas e manguitos de cam-
braia : p.;i ra do Queimado n. 37, loja
4
Rap.
familia, bem como se
moslram a ijiinlfiier ho-
ra do dia ou di noile
... t. nesla agnci3 nicos
agentes em Pernambuco Raymundo Carlos Le-
te & Irmo, aterro da Boa-Vista n. 10.
Vendc-sc um braco de balanca e conchas
de Iataoe correnles, com pesos d niela miarla
ale o libras : na na do Ran"cl n 7
2000e2$50'ipcca.
Aigodao trancado americano branco, proprio
para toalhas e roupa de escravlis, com ura pe-
queo toquo de agua doce : no armazem de fa-
zendas da ra do Queimado n. 19.
Cheguem ao barato.
O Leile ; Irmao continuam a torrar na na
da Cadea do Recite n. -8, pecas de cambraia li-
sa com 10 jardas a $00 e 5$, lencos de cam-
braia de linho a 3 a diuia, cambrans muito fi-
nas e de linjos padres a 640 a vara, meias fi-
nas para senhora a 3^800 3 doria, ditas cruasIn-
glezas para hornera o meninos, chales de meri-
no lisos a 4^500, e bordados a 6, palelots de
alpaca prela e do cores a 5$, enroulas de linho
e algodo, camisas inglezas muito superiores o
60* a duzia, organdvs de lidos desenhos a
1100 a vara, cortes de cassa chita a 33, chita (U /. ,..lc.
franceza a 240, 280, 300 o 400 rs. o covado, pecas I Ue 4 I>!>1 laS
?j?s'!!8??j* va,rMj oo,5s,,5S:.oo Manleletes
6,7 c 8;>, dulas inglezas de cores ftxas a 200 rs o
covado, toalhas para mesa a 3 e 4, cortes de
calca de brim de linho a 2, ditas de meia case-
mira a 25240, vestuarios bordados para meni-1 ..mi K*-J7." J- ^.1*71 aL7 **
e oulras multas fazcndas quo sevende por | c,,I,,e,,lc UOraO: UU l'Ua doQuCima-
do n. 37, loja de i portas.
Ricos manteletes de grosdcnaple ri-
nos
barato preeo.
Em casa de N. O. Bieber
i C. ra da Cruz n. 4, vende-se ;
Champagne de suneriorqualidade de marca acre-
ditada na corte.
Tinta branca superior era oleo, latas de 25 li-
bras, por commodo prego caisas de 4 latas.
Verniz Ojpern copal.
AIgodao7iri!io da fabrica Todos os Sanios da R'i-
hia.
Brilhantes de diversos lmannos c de priraeirri
qualidado
sorlnnenlo de cha-
peos
Penles de tartaruga.
Ricos pestes de tartaruga para atar
cabello: na ra do Queimado n. 37,
loja de 4 portas.
Camisas francezas
Ricas camisas francezas tanto de
peio de linho como de algodo e de fus-
lao: na ra do Queimado n. 37, loja de
i portas.
Donis para erianca
Ricos bonets de marroquim para
erianca: na rna do Queimado n 37, lo-
ja de 4 portas.
;azcndashoas
ci
seda o pal ha
c bem enfei-
5$000
40$
35J000!
185000
I
osooo
75000
65500
65U00
Chapeos de caslor pretos de superior quaUda-
de a 10, ditos francezes de seda a 7,$, ditos de
castor brancos a lg, ditos de velludo a 8c 9,
ditos da lontra de todas as cores muito finos, di-
tos de palha inglezes do copa alta e baixa a 3 e
^lnrlt0S cirial '0' u,n S0!',i,n,!,ll fomplelo, de Chapelinas e chancos
J, me i$, ditos Je seda para senhora, dos mais lados a 15> c
nio ITu' irl3, rC^il *S r0"' T0Sd0 ,,'1,i" i C,aI,ons dc scda enfeilados para meni-
mo gosio a loj, cnfeites Unissimos para cabeea as a 83 o
L/m 01^,* cIia.l'('0S do l,al,ia l'srura- massa e : Capellas c enfeiles de flores e troco para
seda, minio proprios para as meninas de escola, obeca de menina, 3 SfiOOO e para SC-
sendo os scus procos ramio ein conla, ditos para nliora a f- e V
bapiisado de meninos e passeios dos mesmos, Enfeitcsde vidrilho para cabeca a3a500 e
lendo diversas qualidades para cscolher, bonets '
de galao, dilos dc marroquim, ditos de vellu-
do, dilos enfeitados, chapeos de boa qualidado
para pagem, chapeos de sol de seda para me-
ninos de escola, e mesmo para senhora e para ho-
mens Analmente oulros muitos objectos que se-
ria enadonho mencionar, e ludo. Su ven de mui-
to em cunta ; e ossenhores treguezes vista da
fazenda (lcarao convencidos da verdade : na bem
connecida loja de chapeos da ra Direila 11. 61,
He Rento de Rarros Feij,
'aellas para engenlio
Fundirao dc ferro e bronze
e
ir.;ooo
9$000
DE
Chapeos pretos francezes, linos, para
human n
Dilos brancos de castor, modernos
Ditos de casemira dc cores cara homcm
Dilos de feltro linos a itf, 5o
Ditos de dito Gnissitnos, fila larga
-Dilos de seda de cores delicadas
Dilos de castor tambera copa baila o
(nos
Rois dc panno fino, francezes, para-
ra en i nos a 2c? c
Francisco Antonio Corren CardozoJ
tem um grande sorlimento de
Camisas brnucas e com peilos de cores
a \r
Ditas ditas com pcito de fusISo, finas,
a 2*800 e
D ,- com pcito de linho a 3J500, 4j c
falcas dc brim de ores e brancas de 3g
Ditas de casemira dc efir o pretas a S$f c
Celletes de brim c fuslao a i.:
Ditos degorgurodc cores a 5 c
5S000
lachas de ferro fundida, assim KK. v'fffS*m^
8|5oo, como se taz e concerta-se qual- \ Dif0slaalp8Ca prcla 0 dfl corcs a e
5 auer obra tanto de ferro fmi- Di,osdc Pnno i' ^-"" prciosede
- ;ii--^-r 5 e&5&a^t?g$s$lg j dlllo COI110 lialldo. i Sobrecasacos de panno prelo superior
iChanos de seda para!
te. l rs
senfiora.

i
! g
Saunders Brothers & C. tem pira vender em :
praca do Corpo Sartlo n. 11, 3
do ultimo goslo, recentimente 1 9
, doi bem conhecidos e acreditados fa-' J
briiautes 1. Broadwood &Sons do Loudres, c
:na.
Vende-se u n 1 ro de 4 rodas, bem cons- "
lo.-c forte, com assenlo para 4 pessoas de I
tro, um assento para boleeiro e criado fura, .
le panno lino, e ludo bem arromado : :
>':"t rt. i i AvS9' I
1 llO f \1CI lilil O No armazem de Adamson, Ho\rie & C. ra
'%' So Trapiche n. 42, vende-se selins para homem
loja (le portas 11. 10. Pcnhori arreiosprateadospara cabriolet,-chi-
a;,. i, r i. i. r i cotes para carro, colciras para carallu ele.
Amia re-tam afumas kv.'iiJas pira conclu-
ira liquila^o da firma de Lcite & Corroa, as Ein casa de Rabe Scl-mettan c\
quacsse vendem por deuiinulo preeo, ;endoen- G., rua da Caricia n. 37, vendem-se
elegantes |ianos da afamado fabrican-
911
i
i
S
as
SYSTEMA HEDICt DE HOLLWAY.
PILLAS IIOI.I/.VOYA.
\
stuarios de fuslao, mui lindos, para
mi nirios
l'entes de i irlaruga modernos a 10, 10 o
os o bonitos a o, 5
feilos
Campos & Lima lem para vcuder 5
chapeos dc seda para senhora a lUj cada (1
. um : na ra do Crespo 11. 12 ffc j
rissi^ :'-,,-..,;-..; i-::.---
=V,X?5 lee200de fundo, no lugar da forre, margem
do Rio Capibaribe, com urna Rrauac e moderna
casado vivenda, cocheira, estribada para4ca-
vallos, gallinheiro, cacimba cora tanque c bom-
ba, baixa para capim, lod.i murado na fenle, e
lado com porlao Ue ferro : os pretendonles podem
diriRir-se 00 agenlc Pesian;!, que se acha autori-
sado a dar as necesarias informaQdcs, ea Iralar ;,,'"
da venda sob as condicoes eslabelecidas ao mes- '
mo pelo legitimo proprietario. O dito sitio todo
em chaos proprios,
Este inestimavel eajpecico, composlo inloira- Le |ucs entrelin
mente de hervas mediciuaes, au contera merco- j Ditos dc madreperola a 16 2< e
rio, ncm alguma outra substancia delecteria. De- llamos de llores finas o lg, 2>e
mgno mais lema infancia, e a compleicao mais Saias a balao de bon qualidade a 5 e
dc cada e igualmente prompto e seguro para Vestidos de phantasia, de lindas cons
desarreigar o mol i.a compleicao mais robusta :! a259000 e
inleiraraenle innocente era suas operacoes c cf-1 Cortes dc vestido de sedado cores deli-
12sO00
4j*t0
99000
4000
i: m
'
85000
9^000
39000
25500
3000
5g000
12g0)0
Ci )0
1 JOOtl
T9000
12;000
:;-- 0
129000
25S0O0
8.30OO
3O9OOO"
0-3000
30000
Vende-se rap de Lisboa na ra larga do Ro-
sario passando a botica do Sr. narlholoineu a
segunda loja de miudezas n. 40, rap grosso, di-
to mera grosso, dito gasse Dnm, dilo Paulo Cor-
deiro, dito Meiron, dito rolo francez : todo esle
rapo vende-se em libras e tambora em oilavas,
ludo muito fresco.
Vende-se a taberna da ra do Araorim
; n. 17 por seu dono precisar de ir tratar de suri
I saudo quem a pretender dinja-se a taberna ou
ra do Cordonis n. 9 que achara com queo
I tratar.
j = Fdrolodc Lisboa superior a 53500, chegadi
'ltimamente; na ra do Vigario n. 19, primei-
iPaisdcBnm 3^000
Na ra do Queimado n. 19. eslao-se acaban-
do Palitos de Brim a 3000
Gobertas de chla
a 2,^000.
Ra do Queimado n. 19.
Armazem de fazcndas
Ruado Queimado D. 19.
Saiss bordadas a 3200
Corle de riscaJo francez l3ccvadcs a 2500
Chapeos emfeitados para menino
Chita a 160 covado
Pcg3s de cima miiidinha fina com 38 cavados
a 5500
Crambraia miuilhha a 500 a vara.
Dita o 400 vara.
(bales escaros para ir ao banbo 1400
Chitas francezas muito finas miudaj e escu-
tas a 240 covado.
I m completo sorlimento de madapolo.
A' 2000 a duzia
Lencos dc cambraia para olgiboira a 2,000 a du-
zia ra do Queimado n. 19.
Cortes de cambraia prelas
Na ra do Queimado n. 19.
A prazo ou a di-
nheiro,
Vende-se a cocheira da ra da Cadea de Sai -
lo Antonio n. 7, lendo 5 canos e 1 riro coup
sem uso algum : quem pretender, dirija-se
mesma, que achara com quem tratar
Vende-seno armazem de Jos Antonio M .-
reir Das o; C, na ra da Cru/ n. 20 .
Mercurio doce.
Uetroz.
Linhas em novellos.
Cera de Lisboa era velas.
Graxa ingleza era boics.
Lazarinas e clavinotcs.
Chumbo em leucol.
Dito de i.:'iiiicao.
Trros de ac para er.gommar.
i'regos de ferro de tudas as qualidfl les
Ditos francezes soriidos.
5^000.
Chapeos do palha escura, copa alia para li
mem, pelo diminuto prero d( 5; :()() na loi
Adriano & Castro, ra do" Crespo n.lG.
Vendem-se [agendas por barato
proco e algumas por menos de scu
-s;. }'a,or Para acabar, em peca e a rea-
Iho : na rindo Queimad.rloia de i
porl ;,. 1U.
- .
4oscsldan(esdcrhc-
torica.
O resumo de potica nacional feilo por v
l'. de Ui norato est venda na livroria cas
na praca de Pedro II n. 2.
Novos medicamentos hd-f
i meopathicos enviados^
.; da Europa pelo Sr. Dr,f
Sabino O. L, Pinlio.
Escs raedicament irados esj

pois busca i remore as docricas "de qual-
por mais antigs e lenazi s
ru
quT especie e
quesejarn.
Entre railhares de pessoas curadas com este
remedio, limitas que j estovara as portas da
mortc, preservando emseu uso: conseguirn)
recobrar a saude e torcas, depois de i arer tenta-
do intilmente lodos os outros remedios.
As mais affliclas nao devem entregar-se ade-
esperacao; facam um competente cnsoio dos
azes effeitos desta as rabioso medicina, e
LOGIOS.
Ue oulras ss saguinU
Magos de roeii cruas para lioa.em a
Ditos de ditas de cores
Dil ia >Ib ditas cru^ muito superiores
Di j de ditos pira senhora
Dosde ditas mtiitD finas
e.dei dj meia c.-.semira
I! ditas de casemira da cores
Dilos de ditas de C3?<;nira preta a 5S e
Brim trancado branco de linho fino
\ s ra
Cotes de coleta de gorgurao da seJa
l'anu preto fino, prova de lirao 3 e
Gra\ictas de sola pela o dc cores
Rucados frarjcczae, lardos, cores ftxes
i a.lo
Cbil /as largas finas covado
Dii is -t:.-it3s
1&G00
2?000
4>000
3900 '
4-J000
25000
5000
CPOO i
te Trauuinnn deHamburgo.
Botica.
\ i ndc-se era rasa dr Saunders Brothers &
C., praca do Corpo Santo, relogios do afama-
do fabricante Roskell, mr precos com ni .
e tambera trancelUnsecadias paraos mesmos,
de ezcellonte goslo.
K?' -f 1 <> *4Shfl! r-f- T" "^ '^ '> =- '>
Bartholomeu Francisco 'te Souza, ra larga
do Rosario n. oo, vende os seguintcs medica-
menlos:
Rob l.'Affecleur.
Pilulas conlra se/.ocs.
Hitas vegetacs.
Salsaparrilha Brislol.
Dita Sands.
Vermifugo inglez.
Tarop do Bosque.
Pilulas americanas (conlra febres).
l000 Unguenlo Hullovay
Pilulasdo dilo.
-- Ellixir anti-asmathico.
* V i Vidros de boca larga com rolhas, do 2 oncas a
240 lbras ^
1000,
2?00:T
4P000|
160 ( Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
s de cassa de cores lindos padroese Pc! Vava ^orro dc *a'a "10' Tende a mdico
superior qualidado covado 280 i' res'
s do cores covado 240
Postas de ca3sa branca borda Ja com 8 va-
ras por 2?000|
nrdadas 2001
Camhraias lisas muito finas peca 4&000
Ernestinas de cores para vestidos covado 240
Gbarbadalte bordados de seda um 2'>0 *eLa?> vendem-sc nicamente no
le preto, largo cova lo 1800 o 2000 armazfa de Lu,z ^nnc'} defronte da
Seda, e sarja lavtada 1580O e 2#!)00 Porta f,a allandi'/a.
Superior ao melhor
presunto de fiambre.
Lin^uasde vacca ern salmoura vindas
Allenco.
r->
\ .-ndem-se hvros etn branco
de lo Jai as qualidade?, pianos dos
mais acreditados fabricantes da
Europa : era casa de I). P. Weld
m

; & C. largo do Coepo Santo n
g <1V <;. gag!A -:-> o <> p, ,-, ^ ...... \
-, .^^> t, >_, ., <>y.J .^ fe ,^ 0 0 ^ ^ J>
13
Vendc-se urna prela crioula muito moca, de
esvella figura, cora urna filha de 4 annos* sabe
porfeilamcnte engommar
para casa de Iratamenlo
bla n. 0.
e co/.inhar, e propria
: no largo da Assera-
I is brancos borJados para baptisado 59000 '
Veos bordados pa-a chapeo 23OOO
Entre meios bo dados 1#600
\ih mdhado adattMcado ltrgvara 1^280
Len^i-- de chita escuros um 100
Gangw da cores para palitos covado 200
cobertos e dcscoberlos, pequeos o grandes, de
ouro patente inglez, para homcm a senhora,
de um dos mclhores fabricantes dc Liverpool,
vindospelo ultimo paquete inglez : emeasa de
Southall Mellors & C
45Ra DireilaAo
Para homens.
Yendcm-se 150 libras steilinas em ouro a i Borzeguins aristocrticos (lustre) 9^000
109> rada urna : iu. escriptoVio do Hanocl Ignacio Borzegums zouavos, obra forlissima (Le-
im ira t Filhj, defronte do Corpo Sanio, no zerro) 8g000
I! icie. j Borzogulns cidadaos (bezerro e lustre) 85:100
: Borzeguins econmicos OgOOO
"?AT11 nOO'APlA Sapatoes baledores 5$000
&mil llCgtlO. Para senhoras.
-so, com poneos fundos, a taberna o Borzegui|ns para senhora (primeira classel 5000
[r.:o do Terco n. 12 ; a tratar na mesma, Ditos para meninas (primeira classel 4j000
Vendem-se barra cora cal de Lisboa, da mais
nova que ha no mercado, por prego de 6$ cada
um barril: na ra do Brum n. 18, armazem de
assucar.
Mui lo barato.
Na ra Nova n. 7 existe 11ra resto dc calcado
I francez que foi de outra loja, c que se vende pe-
los seguintcs precos :
Borzeguins para senhora 4$000
Ditos para meninas a 2g o 500
Sapatoes para meninos a 2J500 e 3j0;.0
Vende-se um raoleque cozineiro : na ra
! da Aurora n. 54 primeiio andar.
prestes re upcroro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em tomar este remedio
para qnaiquer das seguintcs enfermidades :
Accidentes epilpticos. Fchreto da especio.
Alporcas.
A Hiplas.
Areas (molde).
Aslhma.
Clicas.
ConvuIsSes.
Debilidade ou extena-
cao.
Debilidade ou falta de
torcas para qualqucr
cousa.
Dyslntcria.
Dorde garganta.
de barriga,
nos rins.
Dureza no vcnlro.
Lnfeiniidades no venlrc.
Ditas no fieado.
Ditas venreas.
Bnzaqueca.
Uerj-sipela.
Febre biliosas
Febrelo internilenle.
Golta.
Bemorrhoidas.
Hydropesia.
Ictericia.
[ndigestes.
Inflammacoes.
I r r cg u la ridades
menslruaco.
Lombrigas de loda es-
pecie.
Mal de pedra.
Honchas na cutis.
Obstrucco deventre.
Phiysica ou consmp-
pulmonar.
Retencao de ourina.
Rheumatismo.
Syniptunias secunda-
rios
Tumor"-.
Tico doloroso.
Ulceras
Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no es'tabe'lerimenlo
geral dc Londres n.22f, Slrand, e na loja de
todos os boticarios droguistas e oulras pessoas
encarreg.ndas de sua venda em toda a Ameiicado
Sul, llavana e llespanha.
Vendem-se asbocetidhas a 800 rs. cada urna
dolas, coiiiem urna instrueco em porluguez pa-
ra explicar o modo de so usar destas pilulas.
O deposito geral era casa do Sr. Soum
pharmaecutico, na ra da Cruz 11. 22, era Per-
nambuco.
Vende-se urna poicao de burros en-
tre os quaes existem 40 parelb^i?, todos
muitos gordos, novos e de bom tama-
nbo do excellente carregamento ebe-
gado ltimamente de Montevideo: os
preterdenles dirijam-$e ao trapiche da
companbia ou ao armazem de cariocas
em Fora de Portas, de Flix da Cunha
|l'eixeira.
Tachase moendas
Braga Silva & C, tem sempre no seu deposito
da ra da Moeda n. 3 A, um grande sorlimento
de tachase moendas para engenho, do multo
acreditado fabricante Kdwin Maw : a Iralar no
bmsbki depoio ou na ra do Trapiche n 41.
cadas, com 2saias c 2 babadosboi I -
dos a 100$ e
Calzos para meninos borladas a i e
Toclha3 de algodo e de linho a 12C00.
18800, 2#600o
Luvas de pellica brancas, amarcllas e
prelas, para senhora a horacra a zfi 1
Coillinhas bordadas a C0, fcOO, l200
l$60O, SJifoO o
Manguitos bordados a2jl p
Dilos com gollmha a 39500, 4, 6 e
Alem dpstas, oulras muilas fazcndas,
loja de Cuuha Silva, na roa da Cade!;' do Recite,
>e \ en lem por precos buratos.
rnazem k km
1- H)
5;000
23500
2$500
3g0(W
3 --.i,,
que n
o covado.
Una do Queimado numero 19.
Corles de riscado francez 3 1\2 CO vados a 2J500.
Cuberas de chita a 29600.
Chapeos enfeitados para meninos e meninas.
Dilos pretos Unos, ultima moda.
Dilos dc feltro.
C imbraa organdys muito fina.
Chales de froso de (res ponas.
Ditos de "merino bordados de duas ponas.
Dilos muito finos bordados a froco.
Ricos chales de louquim branco.
Corles de seda de duas saias.
Luvas enfeiladas.
Manleletes pretos bordados.
Loucos para algibeira, brancos, a 2 a duzia.
3K ,----------------.....- tl ,->""nv.o tope- .
^ co jnto segundo as neeessidades da '-
meopalhiano Brasil, vendem-se reos T'
.->; procos conhecidos na botica central ho-
opalhica, ra de Sanio Amaro Mund ffi
i n. 6.
= Na roa do Cus;.,, n. 16, loja de Adriano
Castro, vendera-so ricos chapeos de palha escura-
enfeitados para senhoras e meninas, pelo diini-
nuto preco de 7-*000.
&
Campos & Limo, lem para vcndci
, alcatifa com uuatio palmos dc largura a ]
OJ 0 rs. o covado : na ra do Ce
.12.
Arados americanos c machina
pata lavar roupa : em casa de S. P Jo-
inston & C. rtia da Sonzala n. 12.
| Chapeos pretos.
Na ra do Queimado
numero I ).
Chapos pelos de primeira qualidade, e J
Idrma elegante a 10 cada um.
(i
to (!o O^ado n. 57. |fo*P"fti-
A 30g eortesde vestidos dc seda que custaram i-'Odiiui
A 30^ cortesde vestidos de seda que custaram
C03; a 16-3 cortes de vestidos de phantasia que
custaram30j; a S chapelinhas para senhora:
na ra do Queimado n. 37.
Brim trancado de liiilio todo
prelo,
fazenda muito superior; garanle-sc que nao
desbola : na ra da Cadeia do Recito n. 48, lo-
ja do Leile. & Irmo.
Enfeiles de vidrilho c de retroz a 4;? cada
ura : na ra do Queimado n.37, loja de 4 porlas.
Peehiucha sem igual.
Enfeiles de vidrilho pelo os mais
vendem-se por 3>, na rna do Crespo
da esquina da ra das Cruzes
modernos,
n. 10, loja
do deposito geral do Rio
com Tasso k Irraaos.
dc Janeiro: a tratar
Faria de mandioca
Tnsso & lira
IMilho
nos armazens de Tasso & limaos.
nos arraazens de Tasso & Irmos.
Vendc-se a obra de Casos de Cousciencia,
de Keuediclo XIV, e os exercicios de analyse lo-
gic;. e grammalical; na rita do Queimado n. 43.
Bandos ou alraofadas
de crina para penteados de
senhora.
Vende-se nicamente na ra da Cadeia do Re-
cite n. 48, loja de Leite Irmao.
Para mesas e
camas.
Toalhas de aigodao alcoxoado para mesa
de 1, 1 1,2, 2,2 \[2 e 3 varas a-800,
1$300, 2, 3 a
Ditas do linho de 2, 3, 3 1[2, 4 e 4 1[2
varas de4| a io,
, Ditas dc dilo muito superiores dc 2 a 5
varas a G. 8,10, 12, 14 c 1C
, AtOiilhado de duas larguras, trancado e
adamascado, vara a 1$, IjiOO o' 2 00
Guardas-roupa de algodo alcoxoado,
! duzia, a 2jt e 2500
| Dilos dc linho a 4jf000
. Reamante de linho para lenQO com 8e
10 palmos de largo a 180 e 2 [00
I Toalhas dc linho com labyritilho para
rosto a 3/ e 43*100
Rabados de linho para leneocs, toalhas
e camisas do linho, ponas de 30 varas
a2&500.SJn 35lK.
L outros muitos artigos, quena loja de Cunha
& Silva, na ra da Cadeia do Recita n. 50, esqui-
na dcfronle da ra da Madre de Dos, vend, ra-
se baratos.


ITihfO bfi pMambuco. QlRTi TeHU i$ M HaKro Be isGo.

DE
GiiiQsiR[& emmu& uwmrn*
Sita na ra Imperial d. i 18 c 120 junto a fabrica de sabo.
DE
Saslio J.ila- Silva dirigida por Manoel Carneiro Leal.
Noste estabelecinieiilo lu scntprc promplos alambiques de cobrv de dirrerenles dinitmcoes
de 800 a 3:000) simples c nV.braoos, para destilar agurdenlo, apaivlhos destilatorios conlinos
para resillare destilar esp.ritos coni graduarao at 40-gios [pela graduaeo de Sellon Carlicr] dos
HMilhores systiMuas hoje approvados c conhividns costa e outras provincias do imporio, bombas
o bornee de indas as dimencocs o fcilios pora alambiques, lauques ele., parafusos de broncee
"er'O pati rodas 'agua, portas para fornallias ecrivos de ferro, tubos de robre e chumbo de todas
as ihenedea para enea mergos, camas de ferro eom arma econmicos, lachas e lachos de cobre, fundes de alambiques, passadeicas, espumadeiras, coros
para engenho, fulha de Flaudres, chumbo eiu lencole barra, cinco cm lencol e barra, lineos e
OToetlas do cobre, lencm-s de forroo lalao,ferro succia inglcz de todas as dimensdes, sufras, lomos
IA ECONMICA
DE
N.2- UADO
Defronte do arco de Sanio Antonio.
37 Ruado Qnciuiado37
Loja de portas.
Dinheiro de cobre.
NESTK NOVO ESTABF.LEC.lMl-NTO VENDEM-SE:
Livros de reHgiao, srioncias, de letras
oulras publicacos cm diversas
Globos, aliase mappas geograpbicoa.
Papel de hollanda, de peso, paquete, almasso, de coros e ulros de diversos formatos e gostos.
t'r.nsaspara copiar carias e oulros manuscribios, livros etintas proprias.
Livros em branco, ponnas de varias anualidades o mais objeclos para uso de repartieses, secreta-
rias e casas de commercio, utcncilio? para desenlio ele.
Artigas dc-bom geste, fantasa ecuriosidade das fabricas de Taris para uso dos elegantes ; orna-
tos, prsenles etc.
Carios e bilhetes para bailes, casamentos e visitas.
HISTORIA UNIVEHSAL eade o lempos primitivos al 1850, por Cesar Cantu, 12 votamos, in fo-
lio, enriquecida de mais de 90 magnificas estampas, obra em que nada se poupou para o
leilor encontrar nella erudieao, ostudo solido e leilura agradavel.
ALMANAK de lembraneas de Castillio para 18G0, assini como colleccoes completas desde o seu
comeco
las de linho de diversos tamanhos, camisas
francezns de linho c de Tpanninho de 2$ al 5$
cada urna, chapeos franci-y.es para homem a 8,
i ditos muito superiores a 109, ditos aveiludados.
.artes, rugeos, historia e desalos ; romances illustrados e I copa alia a 13#, ditos copa baila a 10$, cha-
ll"Suas- peos de fellro para homem de 4. Ssjeat 7
cada um, ditos do soda e de palha enfeitados pa-
ra meninas a IOS, ditos de palha para senhora a
125, chapelinhas de velludo rframenfe enfeila-
das a 25$, ditas do palha de Italia muilo linas i
Vende-se na na da 1. nha, sobrado n. 19, em
pequeas o grandes pOFcoes
Vande-sc farinha 1I0 Acarar e jiilamrnle
niilho c arroz do casca, ludo por proco coiflino-
do : na travesa da ra da Prafa n lii, ao p da
ribeira do peine,
de panno fino preto c di cores muilo superiores | Vende-se superior Imita do algodao, bran-
a 35?, um completo sortimonlo de palelols de,C6se do corcs. e,u novello, para costura : era
riscadinlu de bnm pardo e brancos, de braman- casa do Seuthall MellorA C, ra do Torres
te, que se vendem por prego commodo, cerou- D- i8-
Chegou a este eMab-jlocimento um com[iloto
sortimento de obras feilas, como sejam : pale-
os de panno fino de 16$ at 28$, sobrocasacas
cias do imperio, como de Portugal, Hranca, Inglaterra e Blgica, rom as condieces mais ra
zoaveis.
REVISTA HEBDOMADARIA
COLI.ARDKADO
PKI.OS S'.tS.
Fardo.
Vond-se f.ir.io superior, saceos com 90 e lan-
as libras a .jgGO : na travessa da Madre de Dos
D. 18.
Farinha,
lt. Antonie .*-. Costa A. 1". do CaslilnoA. Gillexandre ITcrrulanna. G. RamosA. Guia- !
raesA. do LimaA. de Oliveira MarrocaAlvos BrancoA. P. Lopes de MendonoaA. Xavier '
Seos proprielarios offerecem a sous numerosos froguezes o ao publico era geral, loda e
qaalqner obra manufacturada era seu recouhecido estabelecimento a sabor: machinas de vapor de
lodos os lamanhos, rodas d'agua para cngeuhos todas de ferro 011 para cubos de madeira, moen-
as e meias moondas, tachas de ferro batido efundido de todos os lamanhos, guindastes, guin-
Ferreira Jv Harlins em *t armazom na ira-
ressa da Madre de Dos n. 10, vendem por pre>;o
25$, cortes de vestido de seda em carian de 40J commodo a superior farfolla de mandioca recen-
at 150$, ditos de phantasia de 1G? ate 35$00<\ tornelo rhegada do Haranho, em saceos gcan-
gollinhas de rambraia do 15 al 5, manguitos des, lauto em porgos romo a relalhu.
de 1$500 at [>9, organdys escurase claras aj
800 rs. a vara, cassas ranrezas muilo superiores AllPUOlO.
o padres novas a 720 a vara casemiras de cor- Vende-so urna botica homoi .aira em unt-
les para colletes, pataletee calcas de 3*500 at ,,,,, coniendo 60 vid ros dos mais necesarios me-
4$ o corado, panno fino preto e de cores de 0U dicamnHos. senda estos vidros de onca cada um,
alelOo covado, corles de colote de velludo|cuma dila em glbulos com 75 meJicamentoa
mnito superiores i9e 12?, ditos de go-gur3o|dvmos, a oslas boticas acompanbam os melbo-
e de fusta o brancos1 de1 cores, tndopor prego ns compendios desta scencia [icndo viudo do
barato, atoaiha lo de algodao a 1&2SO a vara, Ri ,,. .,,,,,m ,, ,hs me)nor3 consu|lorioa 1
cortos de casemiras de coresde5al 9?, grosde- ; ,,, ,lldo se rendp r urcco9 fomm0(lo3 e,r
naples de cores eprelos de 1 tfOO at d.>2i:o o ti,a do seu dono retirar-: uia do Qucima-
covado, esparlithospara senhora a f$, coeiros do n. II
d.' casemira ricamente bordados a 12 cada um, ,
loncos de cambraia de linho bordados para se-
111 ra a 9e 12^ eada um, ditos lisos para ho-
mem, fazenda muito superior, do 12 al o- a
duzia,casemiras decores para coeiro, covado al
2J400, baregede seda para vestidos, covado a
l>i0O, um completo soilimento de colletes de |
KorRuro. casemira prela lisa e bordada, e de
mr_iiwn-r^ryr? -.j-rf^
Escra\os futidos.
Fugio lia ponco"9 das, do lugar onde Irab
fuslao de coros, os quaes se vendem por barato va. cabra Oclavi no, pertenconle a Manoel Joa-
preoo, velludo de cores a 75 o covado, pannos qim da Silva Leo, do Macei, d'onde v : 1
para cima do mesa a lOg cada um, merino al- poucos mezes cm rompanhia do mosmo, Icndo
cocheado proprio para pale,tots e collcles aSSBOO os signaes seguintes : estatura regular e ref
o covado. bandos para armaran de cabello a do do corpo, reprsenla ter 40 annos, pouco rais
1-3500, saceos de tapete e de marroquim para va- "" menos, lem marcas do bexigas pola cara, cos-
?era, euro grande sorlinn :io de macas o malas ton.a fazer a barba doixan lo suissas de pi
de pregara, que ludo si
fi
vende vonladc dos pi"lho, muil.....grista. falla um pouro descan-
Rodrigues CordeiroCarlos .los Brtrroiros-CariosJos CaldeiraE Pinto da Silva e Ciinha* e bonja,s' ''das, rodetes, aguilhoes o boceas para fornalha, machinas oara ama.sai man-
Gomes d Amorim-F. M. nrdalloJ. A. de Freilas OlivoiraJ. A Maia-J \ Mar.;nos-J d 0(M c l'ara VL'fca,a'.'ar l"dao, pioncas para mandioca e oleo de ricini, portocs gradara, o-
AndradeGorvoJ. da Cosa Cascaeai. Daniel CollacoJ. E. de MagalhaosCoulirihoi i; I olalo "m"3S c noinhoa de vento, arados, cultiva Iojos, pontos, '-aldeiras e taoaups, boias, al va rengas.
PiresI. II. da Cunha RivaraJ; I. da niara Jumor-J. Julio de Oliveira FinioJos Mara S0"8*0*3 as obras de machinismo. ExecuU-se qualquer obra soja qual fot sua nalureza pelos,,
Lalino roelho-Jiilio Mximo de Oliveira Pim......1-J. Pedro de Souza-J S da Sva Forra ??". moldes que para tal Ora forem apresentados. Recebcm-se encommendas ueste esta- S'e f ?ufra8.n,u,las fa?c"Jas que nao sado, anda calcado, mtijul?-se por forro ; levou
orresJ. X. S. da MollaLeandro los da Costa-Liz Pili...... I piloLiz (: ")h '"-^cimento na ra do r.ro.n n. S A e na roa do Collegiohoie do Imperador n... moradia do ca- Poi*elaqi mencionar, porcia com a vuU dos calca cea misa de algodaoznho azul com li<
Coba ;.. a. Rcbello da Silva-Paulo Midosi-Ricardo Julio Fcrraz-vleTuioi -!-, Lopcs-Xislo Cmara. entender para qualquer obra. 17o ^/il> 1 t>n WV>/-$^ qcni pegar do levar a M.^noct da Silva Sanios,
roa
A. P. de Cai'Vr.oI. F. Silveira da fiottaRodrigo Pagaiino.

Destinado a resumir todas as semanas o movmenlo jornalistico e a offereepr os leilores, con-
juntamente rom a revista do que mais ntavel houver occorrido na poltica, na scii ocia, na indus-
tria o; as artes, alouBS artigos originaes s bre qualquer d Bles aimplos, i> i mvo uswf.u \:
les le Janeiro de 1859, em que comecou a publicarse, lem satisfeito sos seus ttus, com a niaior
H lo o rogiilaridade.
I las ns s gundas feras em fiilhas de l!". paginas, e completa lodos os semestre
ira vnlume do 120 paginas com indicce frenlispicio competentes.
/. gna-se no escrplerio deslo Diario, ra dasCruzes, e na ra Nova n. 8.
Proco da asignatura : pelos paquetes vapor 10JJ20 por anuo ; poi navw de vela 8J 'moed
brasileira).
I.'a algumas collecces desdo o comece da publicaeo de jornal.
as.
Fugio no oa 27 de dezumbro do anuo
prximo passado, doerrgenbo Brejo, [ragiicziade
Jaboatao, oeseravo Al.xuidro, cabra,
Efl
5#S
i
WIP^
mm
ii^A -. i-, ,. 1. \if
Para lera da provincia.
Veudc-se um escravo bonita figura, cr
uto,
mitos, ] neo mais ou menos, porfolio ]
bolk'iru o jardinciro, advirtindo-se porm, so-
bre a clausula da ser para lora da provincia:
Corles de casemiras de coros finas a5*500, di- io, dade ta .10 anuos pouro mais ou menos, de
\%Z& veifu" SUS. osool *T'.: ina- <>" p^r^'^cai-
[preto a -,$ 6J, colchasde nlgodo adasmasca- "3 l,as "*" '"fl Uvera nos I'es ,in "m 8nno
das a 5>. br'.hanlina brama o covado 480, case- e 'em o coslume de embriagar-ee : dc-confa-sp,
mira dequadrinhos o covado le, pannos para que est no Piecife ou Itamarac : [.e!e-.-c por-
^:"^ Untoaquemo .ncontrarqueira leva-lo ,,uelle
peos de phantasia para homem, sendo de gor- engenho, ou aoewnptorio doSr. Mar.oelAl.es
o de seda a 7$, ditos doChle de 4 a 259, '""erreir, na ra da Moeda ; c uromelte-su
| ditos de fellro de -'<' I en?, camisas de cam- urna boa recompensa.
braia de linho para senhoras, dilas de osguiao n^., A i?__. 7-
muito Ono. ditas de cambraia bordadas com man- ~ YTiK CC"1 mv Vir"""' n1"-
gas, ricos cortes de seda de lodas as coros, man- l'"0, '",,! Perl ''' '('"renta tnos, rosto e m-
: elotes dos mais modernos, zrande son; uenlo de priJe, pouca bsrba anda calcailo, e fall i do
|perfumariaainglezaslegitimas, joiasdecoral ver- serlo, conslaque paraali seguir de caminho.
dadeiro, oleados do di ersas cores imitando r,i., v;ii, ic'i.;. r. i i
marroquim para cobrir i orrar almondas P* *tlla c.eSaloo-ra. QucioO apprthender, c
o Br. Lobo Moscosed consullas tolos os dias pHa manhaa < Contrata partidos para curar anualmente nao ria -<-,'-,. .,'-,.-, : i .' soriimenlo do fazendas do mais apurado gosto e mciroandar sera gencrosamenie recompensado.
ssceher- propri-da es niraes. u'nJc como para oa <*&"*<>* ou outras melhor qnalidade, vei I. i do-se tudo por baivos Des ip .r. ce., na noite do dia 7 de aneiro
as 10 horas da rianb-i o om o-,-n,i, ,- S"*?08'. D-? rnia?rode fallidas de Baymundo crreme de S. Jos do Monxuinho, casa de J
%iSSli ?u\1eaadec.ea?eTomeUdr 0"1" '""^ ,r^' ale" da B'-Vista "' l0" Iffio* ?S 'nZEl^0' '
RFiFQ' INCQMPRAVFI -- : reF,resenla25a SOannosdeidadepou-
3 ttUA DA GLORIA, CASA I>0 PUQUIO 3
CWnlea ^r aiuVos s sostenas.

(>s chamados devem ser dirigidos sua casa at
gencia a eutra qualquer hora do da ou da noite sendo
pessoa, o dama eo numero da casa.
Ros casos que nao foi
::o
\
3 e a s *
vinhn d i Poiio, do mais superior, engarrafado,
dito i '. ui| agne, idem, dito niiiscatcl, dem : no
armazom Je Barroca Sltdeiro, ra da Ca i eia
doReoifcn. 4.------
lUi
V:
oa hm Beins

_ c o


c-S^ xes a-'sj
tom para vender no son ,! 'psitoda roa do Vi-
fiario n. 27, velas de carnauba de 6, 7, 9*12
em lil a de composicao de 6e 7. saceos de
feijo > ie an atollo, li o so vende em ; -
randes pones, e poi menos do que j
cm outta qaalqner parte ; o oompra-seeffeltiva-
mentel !.i e qii d pn i ore. : pingos que cabe
das i claa quan lo aci
Ditos de 30 ditos.
Hito de 48 diios. .
Hilos de CO ditos. ...... ', .......
Tubos avulsos cada um. ..'.'.', !
Frascos do lincturas.....' .....
Manoal do medicina homei patriic pelo Dr.'Ja'hr trduzido
era portiiguez com o rfitxiionario dos t. rmos de medi-
cina, eirurgia etc.. ele.....
Medicina d .meslica do Dr. Bering, cm'diccio'nario! .' .'
Repertorio do Dr. Mello Moratts.
20J090
25|000
OsOOO
1JHMKI
20*000
103000
6JOO0
do intilmente oulros tril .1 los. Cada" pe.-,oa Candida, que consta ser natural de Macelo, usa
I poder e-ha convern er dess scuras marai osas cabello amarrado. O eseravn na'mal de S r-
, pela leilura dos peridicos, que Ih'as relatara gipe, aonde tem inai, hoje forra.
! todos os dias ha muittisanuos; 1 a maior part Ruga-sea [era o aprehender de entregar no
dolas sao tao sor prndenlos que uiajimpe so Manguinho em ea*a de Jos T. Bastos.
'ir
ou ne.' a

.Hipe so Manguinho fio ca-a dcJosT. .
os mais celebres. Quanlas pessoas reco- cidade em casa de Bastos & Lemos, ra do Tra-
'berano remedio o uso de- seus pichen. 17, que ser generosamente recomoen-
bracos c ; :. icr permanecido Ion- sdo.
gol mpo noshospitaes, onde de van rer t \ B A A 1 ,r
amputaeol Dellas ha inuilasque hav, dei- llelSS -*^ F*Plllll/M#f*jA
sadoesses asjlos de pad< I (lilHlattiH
Goiabada imperial.
Vende-se cm cahes e era latas a mais fi::a !
drena 11. ti.
Ef||lsl
L. No'Sl.'' Prov6iloso8laDejecimeBtp, que p.los no vos melhoramentos feilos acha-se conve-
''c'in' 'Ti f "^>-^l ^ ':" l "wTnlw, em vanlc, contratos mensaes para
SsScl V qWm os PrPrielari esperam a remuneraco de
goiaba que se lem visto". Ra
Fub.
Fa;-;.:! de milho amen ana. em barricas, che-13jm achaques, boa lavadeira de sabo, engomm
Assignn'ur de banhosrio8 para urna pessoa por raez .... OJOOO
_ m-jrnos, de choque ou ehu\ seos por mez laOOO
nos de carios o banhos avulsos aos nrecos annuneiados
q
a quera pegar o escravo Joaquim, fgido em 2 do
miro prximo |i.tssado, com os signaessc-
guintes : ce bocio, de dade de 27 anuos, pouro
mais ou 1 i 19, baixo e el eio do coi o, rosl re-
3 duros e corridos, 0II103 pardos,
nariz, pequeo, bores pequea,con>falla de den-
1 -s sn eiiorcs na frente, usa bigode, o qual lo-
davia pode ler ra ado, sem barba; ennduzio urna
rede, 1 1 1 amisas, levando vest I ti te
camisa de algodao rscado azul o chapeo de
..iibmottorom essa operario forarr,
las completami nte, m .. ,.. .
preciosoremedio. Algumas das la \ pessoas na
enfusao do seu reconhccimcnto declararam es
les resultados beneDcos diante do lord cor
dor o utios magistrados, afim de mais; ulcnti-
carem sua firmaltva.
Ninguem desesperara do cslsdo de so '
livesse bastante confianza para ens dar e l
medio constantemente se 11 .,
raen trtalo que necessitasse a natmwa dn mil
enioresultadoseriapruva^co" '; TZtfgZ?*" *
r.
-Z -
' r. 43
l SJ _. -
"> e
S S ='2 ,-'z .= 2-5.2
SagSg|i|ag.
i 2 z = "- 7-
gadanoull 10 navio dos L*staos Unidos : nos
tons de Tasso Irmaos.
- Vende-se urna prela de 21 annos do dade, Vende-SC e permuta-s por casas Alprca
no bairro ue >. Antonio dcsta cidade, Caimbras.
Mi
rito k van > con
1
graos.
o
muito bem, muilo daligenle o sofirve cosi-
nheira, por ter bastante pratlea rio todos esies
servidos. Quem pretender dirija-se a casa n.
27 da nra do Queimajo, e se dir o motivo da
vc:i Ja.
Yotide-scou arrenda-se o engenbo Potor,
; silo na freguezia 'Agoa-Prela, mee com agoa
ou arrenda-se o sitio da travessa dos I canceres
Remedios, na regaezia des Afolados
n. 21, pelo terupo que !r convenci-
nado: quem prtt nder tima des tas de-
claracOes, cntenda-se com o sen pro
prieta rio Caetano l'into de Veras, na
Une ludo cura.
Ounguentohe til, mais partlcu-
nc nos se^aintos casos.
Intlaramaeo da beiiga.
dr. matriz
': 1 a.
Males das ponas.
dos peil
de ol
2SE1

Vende-se espirito do vinhp rerdadeirocom i i 2 eopciro, nasobras lem os necessarios, novos; casa de Sua residencia, ra de S. Fran-
= '|:'g t S a -"'"" chegadoda Europa, as garrafas ou as ca- commodos, e bem ccnslruij.s, o no qt.o respei- CISCO 11. S
rga do Rosarios. ^ n pro luC(:10 par, ,0 as as ,jUlliJa,cs d(J u|_
turas parece nao liaver superior um parle al-
gutna lem boas macas e terreno para levantar
I outroengenbo, ficando o Potozi com as trras
Vende Josa Di
TOO rs. a libra.
na Lini
Potassa da Russia
E CAL DE LISBOA.

Vande-scem cas. do \rkuright i n., ra da sSg-i
' ni/., armazam n. 61, relogios do fabricante lii- ^ ^^ ,^ 11 VI 3
qhburr, sendo que pelo seu perfeilomachinisma S v^t?t^u!?l JP *J j
pode-se -usar cora coberta ou sem ella. f. C*s^ ti i 1* i S ^ Tl
So bem conhecido o acreditado deposito da r'Ccessanas para safrejar os ir.il pies de assucar
ruada Cadeia do Recife n. 12, ha para vender I119 5" quiser plantar, de presente o nico in-
potaesa da Russia c da do Rio do Janeiro, nova i voniento que se aprsenla estar Ionio do ero-
e de superior qnalidade, assim como lamipni 11,,.,.,. iftllc ,1:,. ,1. ,.:,. .,. .. ,
calvirgemom pedra: ludo j>or arecoa muito "anl,ia.u01's dias de "agem pora ia e volla dos
cargueros, inconveniente este que breve lem
de desaparecer com acl^gada da estrada de ferro
que reduz a rluas cargas por dia perianto quera
quizer possnir um Polozi, ou roesmo desfruial-o
porarrendamcr.io no engenbo Ucita achara com
Ciquem Iralar ou na ra do Qiioimado n. 39 a
... fallar cota .Manoel Florencio Alvea de Morios.
razoavcis.
SELL1SS.
Vcndera-se os melhores seilins inglczi 9 de pa-
i lente, no armazom de llosiron Rooker&C.,
praca do Corpo Santo n. 4$.
.
\TTEW.\0.

Vende-se um rico (estuario do velbutina de
eflr, proprio para c carnaval, na ra da Cruz n.
2, armazn..
Allencuo.
-->
de vi stidos prelos, ricos de
70J a
de seda de cores rices de
.40| a
lotos propri >s para casamcuto de
... ,_ .. .,? P i- re 'oos propri is para casaracu o de
\ ttde-se faruiha do milho fina, e mais quali- '^ o a
[03,nova,feilana tena : ua taberna da. Cin- | \; hl ir09 de ?Pdn ,rn menill08 ,
l 11 ontas n. 1j_. Dlo8 de alcochoadinho para ditos a
Superiores charutos de S Folk, bico de re-
ros, ditos laurciros, ditos regala de S. Flix :
veodem-so em porchte a rolalhoper precos ra- '
zoaveis, na praca da Independencia n. 22."
Ghampanha.
Vende-se baralo, para fichar contas, urna pe-'
quenaquantidade de clutmpania, em gigos, da
marca acreditada C4C, na ra da Cadeia do Rcci- i
e n. G2.
9
m
':?
"v
4
para anos a
' aado sorlimcnlo de cheos po.
ag ra meninos.
gf^Segundo andar do so-
bracio da esquinada ra 8S
do Queimado por cima %
da loja do Sr. Prcguica
entrada pelo boceo do
Pcixe Frito n. i. k
G.#000 rs.
Saccas grandes ; na ra Nova n. 52.
Vende-se um lerrcno de 30 palmos com
urna mci'agua no fundo, proprio, com trente pa-
g j ra a ra do Socego, silo no Campo Verde: quem
ffi I o pretender, dirija-so a taberna de Miguel Jos
y j da Cosa, que dir quem vende, no mesmo lugar.
= Vende-so um bonito escravo moco
co/.i-


i
nlieiro, o bom pagem, sem vicio nem aciiaqtte, e
muilo fiel: a halar na na Nova n. 7, primeiro
andar.
Cliegiieii a Pechiidia
Na loja do Preguira na rua do
Quciiiiadu n. 2. tem para
vender:
Clialy e merino* de cores, ptimo nao s para
neirO algUIIS exemplaresdo'rouP6esevc--liJo3',e montana de Sra. como para
primeiro e segundo wdume 2!SS|E T-T a. 3C0,e 400.risr'!OV3-
, r ,. do thalles do merm eslampados muilo finospelo
(la LorOgrapllia. j derainuto proco de 2:500 cada um musselinas
Histrica clionolofjica, genealgica, modernas, bastante largas, de variados padres
biliaria e poltica do imperio do lira- a 2*^ c 2^9 r^'s covado grvalas a faniazia.o
arS

Acaba de chegar do Rio de Ja
Desembarcadas ltimamente vindas do S> "" -.---------mn!i>wJarn'^B. :.! -i*", isa
A Porto, proprias para prsenles, por che- I 8l! Pc, Dr. Mello Moraes : vende-se a mo,sra<"*erno pos tvel a 1 e 1200 rada urna, e
, outras mudas fazendas, cujos precos exlrsor-
j dinariauenle baratos, satisaro a expecutiva
A gatem inteiramene perfeilas: vendem-se @' 4^ o volutne, podendo-se vender o
no armazn Progresso no largo da IVnha 'eiindo em senaradn na livraria n
U.8. tanto em poroto como a rctaiho ; a: S em ep1800 nf "'rana n.
o ua praca da IndeDendencia.
Vestidos de seda.
O*) preco commodo.
S > ^, >_. ;. >_- x^ i/o'-cx^-.V vv\>v;; ^s .
i ,r
___ Vr>iw]f-r- n irmo-.rt n cndem-se corles de vestidos de seda cora 2 e
v ciioc-sG a armacao e 3 babadl)S> armaJoSi lU,m, m Mda unj| ^^
gneros da taberna n. 1 i do pateo do Terco : a do que seu valor razoavel ser de 808 : aloja
Iralar na rua Augusta u. J. de 4 portas da rua do Queimado u. 10.
?' do comprador.
Relogios.
Vendem-se relogios de ouro inglezes, de pa-
tente : no armazom de Augusto C. do Abreu,
na rua da Cadeia do Recife n. 36
cisco n. S, ou na repartilo da alfan-
dega, para tratar do seu'ajuste.
Em casa de ITenry Forslcr & C, rua do
Trapiche n. 8, vende-se :
Um carro americano de-(rodas.
Arrotos americanos.
Bombas americas.
Foguea americanos.
Arados de ferro a 300
Champagne o cognac.
lt elogios americanos.
Farinha de Irrgo de lodas as marcas.
Varas douradas para mol-
duras.
Na livraria da rua do Imperador n. 21, existe
urna grande variedado de varas douradas do lo-
das as larguras, para fazer-se nuadros moldu-
ras para retratos e paineis.
Vende-se um cavallo novo, de. bonita cor,
>em feilo. e bom andador, sem achaque algura :
a Iralar na rua Imperial, rasa ou silio do maior
Antonio da Silva Giismao.
Livros em branco para es-
criplorio.
I'ennas de BfO do 50 quadades differentes,
entre ellas as afamadas penuas inglezasdopro-
fessor Scltulv, e conhecidascom o nomo de peo-
nas caligraphicas, lintairos de porcellana e de
vidro, lapes, raiieiras, cscrcvaninhrs, segurado-
res de papel, borraxa para amarrar volumes, o
minios oulros ol-jectos de escriptorio o proprios
para os pessoas de commercio": na livraria aca-
dmica, rua do Imperador n. 21.
Aos se-iihores encadernadores
o chapeleiros.
Carneiras de cores proprias para encapar livros
c fazer forros de chapeos, mais baralo do que em
qualquer oulra parle : na livraria acadmica,
rua do 'Imperador n. 21.
Marmelada.
.Na rua Direita n. G. vemlc-sc marmelada
de primeira quolidade a 60 ris a libra a ella
antes que se acabe.
Btalas baratas!!
Gigos do 32 libras a 10400 para acabar: na ,
rua da Madre de Dcos n.8, armazcm de Valen- 617
ca & C. 55
Defronte da matriz da Boa Vista, n. 80, ven-1 79
dem-se e alngam-se' bichas de Ilaniburgo, por 7"iS
'menos do que em qualquer oulra parle, amla- T.\
se qualquer ferramcnla, tira-se o churaba-se 75
denles, sangra-se c faz-so tudo quanto pertence 8i8
a arte de barbeiro. 92
Vende-se um caixo proprio para deposito, 929
e um braco de batanea grande; na rua das Cru- 1029
zesn. 21. 47
Corladuras.
Dores de cabeca.
das cosas.
dos mernhri 3.
Enfermidades da cutis
em geral.
Ditas do anus.
Erupgoes e escorbti-
cas.
"-lula-; no abdomen.
Frialdi de ou falla de
calor as oxtremi
des.
Fneiras.
Gcngvas escldalas.
[1 chages
luflammacao doQgado
. assado, remotiido por
Ribeiro da Cunha Antonio Luiz dos San-
ios ; Itolim quem ci apprehender, o levar a
i > Recife, rua do Crespo n. 11. 1 tile rc-
ceber a n impensa cima. Pede iguali
"' ilondaes puliciaes e capilaes de campo a
io do menciona I 1 eseravo, q 10 sesup-
poe fosse para o centro do Cear, pGrque dizia
ser natural da villa do Cafcavel e muilo de
suppOr que v se inculcando de forro como por
vezes lem fcito.
Moleque Fgido.
lOOjjIOOO de gratificado.
Roga-sa aos capilaes do campos, e a loda e
rinha.em qal [ncr par- ?uaIqoer outoiidade a appiebensao de um mole-
te que si ja.
rrcmi r li .
1 Icj ras ; : bo a.
do ligado.
das artict lar es.
Veias torcidas ou nuda
das as pernas
Mord le roplis.
Picadura de mosqui
Pulmoes.
Queima lelas.
Sarna
Supuraccs ptridas.
que de nome Alar.oei, crioulo, dade 1 annos
pouco m;s ou menos, o qual fugio da casa do
abaixo assignado 110 dia 3 de ouiub:o do c
renic ani.o, levando calca'de cor, carniza azul,
chapeo de patua oleado e o maior signal soffror
de asinina e a pouro es'.eve .lenle de bexigas ;
gnado de caitir sobre dito arapio cora
Venle se a8l) rs., cada bocetinha conlm ldo o rigor ila lei, egraiilicada mareira cima
uma nstruegao em prtuguez para o modo de aqutlle que me der noticia eerta, e paga loda
fazer uso deste ungento. t,.. o
deposito geral em casa do Sr. Soui '! X 1"e fc "zer c;:u mi!Sm mideque paia
pharmaecutico, na ruadaCrun. 22, cm Per- "ecluar dita apreheasio, levando rua Nova
itambuco. n. 21. Francisco Jos Germano.
Dos premios mal ores de 20^ da Ia lotera concedida
pela assemWa proviacial do Rio de Janeiro a be-
neficio da casa desande Nictherohyense, extra-
Inda no Rio de Janeiro, em i de aneiro de 18(i0.
iNS. PKEnS.
36
Gi.
91
10
50
55
C.
99
20
76
335
411
W
68
76
573
83
98
OJJ
i0?
200|
1005
1609
2 000*
t00?
too:
2003
loa:-
1,0005
loor
40?
-lo?
<05
103
40
40
40
200
100
10(1
200
100
40
?.$. l>ltb.MS.
11-27 1,000?
53
78
8t
1220-
48
51
68
89
9(1
1337
19
55
117-.I
1513
1684
85
1708
97
1823
9G
99
1911
21
25
3S
63
64
94
100$
2005
io:)5
40$
. Kior
I KK0
40J
40j
lOO?
IOO
40
100?
408
loo
40r
10OJ
40-
4,000.
M|
200
40
40
1,000$
403
200
40
40$
Ng. fltEMS.I i. PKEM8.
.021
77
91
2130
37
SO
273
7S
91
2381
85
87
93
2484
88
2501
17
43
48
72
SOJ 2618
74
96
2819
40
63
2906
19
37
10
401
10 >-
1005
40?
loo
lOO
40$
400S
100!
100?
100?
40
200
40
4009
400?
409
aoeg
40
100
ioa>
40J
'."-
40
3904
100
40
40;
5020
56
70
00
98
3112
16
27
77
82
3302
49
63
85
.I'J
43
54
3508
16
41
.50
60
i-i
.
85
3605
17
33
56
405
too
40|
1001
40
2001
-' '-.'
40
10j(
100
100?
40
U0$
4f
40t
40S
iOjf
40
|OU
100
100
40
iOj
400
403
200
20J
100
rtt. 1 3686 itbMA. 40t
1)6 1,000$
370 100;
2S 1,00!$
47 40
56 IO
3S18 40
41 40|
44 loo*
87 400$
'Jl'l 0
18 10'l;
26 40f
42 1,000?
89 40$
94 SO
1031 40
1120 200
40 40j
1220 20,000
52 40
78 40
99 40
1328 403
62 41
03 40$
141 1003
28 100
3 40
>S. fREMS
1517
18
24
28
51
i 06*
4705
63
65
69
97
1811
II
18
21
71
82
4910
28
72
.5081
5111
11
21
24
75
5215
93
5321
too
40
40
100$
M
40
40
4(i
40
40
40:
40
100
100
100$
I00C
100$
40
100
1005
100
1003
100$
100
40
100
200
40
NS. PlttiM-.
5357 10,000
(i-
68
90
92
i 506
50
85
5569
70
79
5619
28
3o
j701
31
42
59
5811
55
70
77
98
5936
60
78
IOj
1008
10
(
40
1003
ios;
KKO
0-;
4O0|
100?
S
40$
40
loo
100S
2U0;i
40
100
200
40
40$


(*l
Lilteratura.
j>HnIO ?,r. PESKAMSticO. -JjtlARTA mU i DE JaeRO >fc 'o,
Os Indgenas dos grandes dcscrlos da
America Septentrional, pelo abbade
Em. oiiienech, missionario apost-
lico.
lons pnvntu, lociam, ncrnpavam-sc da
lira, as i.iuli,.tos dos cuidados Jui'.'.-ticos ;
cll i asi mina das casas, que eoiiservavam
id un grande pecio. G la familia tinha nimios
rlimi'iiios as grandes casas, um para repon-
- um nutro para cosinha. e um ri-oiio para
r grao. K'caio ultimo achavam-seu'ui romo
- grandes, pedas ; lies mulheres assenta-
vaih-.sc dffrniiie .folla-, urna ju
p!ir.1' i
rao, .1
ao S. de Santa F. do -1,000 a 2,700 metros c
ao N. v-so picos constanlenietiUi cobertos de
nove que elevan-se al 3.C0O o mesmo 4,000
cima do nivel do nar. Kslas monlanhas com-
pe-se pela maior parlo do penemos volcnicos
e granticos, alravessados por carnadas de sien-
Ips, diorites, basalto o gres; sao pgualmeulo ri-
ca* cm minas de ouro, cobre, (erro e mesino de
prata.
Os terrenos aurferas eobreo urna superficie
de mais de 350kilmetros em derredor do San-
la Vi, (Bas sao punce explorados, Porto dos J-
niez (amigamente Heni) para as nasoentes do
llio Orando, ha muilacarvau o gesso e a maior
bricam coberturas, chamadas jorongos em Texas,
que sao afamadas no Novo-Mexico e pagam-so
de 150 a 500 iranios cada urna.
A' O. de Navajos, no delta formado pelos 2
Colorado, estn situadas as 7 cubiles dos Mo-
quis, a saber : O-rai-b, Show-mowth-p, Mow-
xhai-i-n, Al-le-l,Gualpi, Shi-win-n eT-qua,
tendo ao todo cerca de 7,000 almas.
Enlreo Colorado, Chiquito o o llio Gila vivera
dous bandos de Apaches, chamados Coyotero* e
Pial-Lenas, eui minero de 3,000 ; estes Ind-
genas vivem mais das razzia* que fanera no So-
nora que dos productos agrcolas.
Os Cusiiinos habitan) junio s monlanhas rol-
parle das casas lom nas jiioellasquadia los d se- canicas de San-Francisco al a margen do grau-
leiiilos cni forma de vidro. | de Colorado.
0 noso Jo ralle do Ro-Grando parece ] Vil.
. ; orm cni gi ral >' frtil ; e, nos lugares] Geographia do Novo-Mexico (conlinuacao)
Alen deslas provisoos, o morcado do Santa
F anda aprsenla una grande variedado de
pao o de carne ; os Indgenas dos pueblos egual-
mente trasera ciu abundancia peixes frescos e
seceos ao sol.
Ao anolecer, depois do ngelus, na praca s
so enc.onlram homens que conversara e fuman,
fazendo horas para o fandango, pois que a
mocididc mexicana nao podoru mar son ao
ranos dansar 365 fandangos por anuo.
Em Santa F como no Texas e cm todas as pro-
vincias do Mxico as mulhercs vao ao fandango
coni o reboz (maiitilha) o em trajes frescos e li-
geires, apropriados i ocrasio e ao clima do paiz;
assentadas ao redor do jardim ou sala orn que se
dansa esperam os convites dos cavnlleiros fu-
mando o cigarro e conversando ruidosamente.
A cidade possue 2 egrejas urna a Parroquia
ordem dos ancies, governadores da cidade. O
mancebo dovia ent&o fiar e lecer um capote ;
liaziam-lhe a don/ella destinado, ellecobna-lhe
as pspaduas o ella lornava-se sua mulhor.
De Tiguex.os Qespanhos foram Ccuz, bo-
je Pocos, que igualn ale submelteram.
DeCicuy, Coronado parti para Quivira rom
alguns homens escolhidos entre os seus mclho-
ros soldados, deixando para a primavera seguiu-
i a conquista de toda n provincia.
plores j
origen hespanhola ; mas esta cidade, cooioj
vimos, foi visitada por Coronado em ll2 que
esperaraahi adiar os thesouros que representaran
romo maravilhosos; Quivira enganou a cspecla-
liva dos coiiqu.sladorcs ; porm parece que no
XVII seculo tornou-so nui rica, mui floresconlo
e duas vpzesno mino mandara Hespanha urna
consideravol quauli.lade de ouro. lima vez em
quanlo que os habilanles proparavaill-38 para
transportar, como decostume, o precioso metal
Em 15 i2 os Hespanhes acharani-se senhores i que tinhan ajunlado, foram atacados pelos In-1
luasi todo o Novo Mxico, cajo centro era [dios que massacraram todos os llespanhoes. Os I dos os elementos de deslruco d que sao ala-
formado pola provincia de Tiguoz, ao redor da I que estavam as minas, sabendo esse acontec- cadas essas tribus infel'ues.'a populaco indine-
listes Indgenas, Jsobreludo os dos pueblos do
Novo-Mexico, geralmente fazem-se Datareis poi
sua sobriedade, industria, castidadedas inulhe-
res, lidelidade conjugal dos sexos, inlegridado dos
costamos e sizudez as transaeoos ordinarias da
vida social. Se estas populachos, semi-civilisa-
dar l? "**" *** daS faCU'-! TK&VSalinaTu-'uiS flC
s guerras, olcsli.s. privaeoos e Jo- | nlSTe*^^^^^
porm iini dia a abolila abaten e romo nao fui
par do allar-mr collocaram duas estatuas de
grandeza natural em cera, representando santos
religiosos; alraz a parede coherta do cspelhos,
pinturas antigs e tintas de brilhantes cores.
A capella dos soldados est actualmente aban-
donada ; ora consagrada S Nuestra Seora de la
Luz (Nossa Senhora da Luz.) Por sobre a porta
cidades, repartidas em 141 nenio apressaram-se a enterrar seus thesouros
i;ual grapavara-se 71
acias, saber. Cbola, quepossuia 7 ci-
rial ca ; Tuceyan, 7 ; Acuco, 1 ; Tiguex, 12;
Tutahaco, 8 : Quivira, 7 ; as Monlai.h is Nevosas,
3 ; Cicuy, 1 ; llenes, 7 ; Aguas Calientes, 3 ;
Vugueyungue, 6; Braba, 1 ; Cha, 1. Alm des
i.-; 71 cid.idos existiam nuitas onlras dissemi
liadas i'ira dos te circulo, assim coma nuitas tri-
bus que viven debaixo de tondas. Na [rima-
vea que soguiu-se \isila de Coronado Qui-1
vira, o general preparara urna oulra expedicao I
UC ll'v/'iln i I .T c inii'.-iii ni litr, fr.j!i-< niti n,m I
lados, excepto dous homens que
Mxico. Na esperanca de acharen
que nioiilavain a 250 ou 300 milhoes de francos e
fugiram ; porm ellos foram egualmenlu degol-
salvaratn-se em
peranca de acharen um corlo nu-
i mero do aventureiros que qui/essem aconpanha-
| lo.- para tirarcm o Ihesouru entenado, narraran
i sua desgraciada historia; mas a distancia que
SPparava Mxico de Quivira parecen nui grande;
uinguem quiz sogai-los. Um dos dous fugitivos Navajos,
paitio depois para Nova-Orleans, que enlao| Muqus .
pcrlencia Hespanha c leudo reunido 50'J ho-
mens voluntarios, poz-so sua frooto, subi a
Sabina e atravessou o Texas. Depois nao se ou-
na conhecida eespalhada entre 34 e 36" lat. N.,
desde o forte Smith at o Ocano Pacifico c cal-
culada em mais de 110,800 almas, divididas do
segiiinlo modo :
Indios semi-civilisaJos as margons do
da........... .
Selvagens ..........
Nmadas o barbaros......
Indios dos pueblos do Novo-Mexico .
descubeitas ; porm uin dia (estivo cm que
corra cava hadas con D. Pedro Haldonado,ci-
hio do cavallo ; o de sen adversario passou-lho
corpo .' deu-the um couce na cabeca que es- vio fallar mais dessa expedicao.
pou de mata-lo. Este accidenteinudou a reso- Nesles ltimos anuos, alguna Americanos e
lu^odo genrale inspirou-lhc o desojo de ir Prancezes risitaram as ruinas de Quivira para Cahuilla das monlanhas
inorrer tranquillo junto de sua mulherefilhos na procurar o famoso thesouro. Nao o descobri-l
Nova Hespanha onde possuia grandes bens. I fam ; nas viran um aqueduclo, paredes de egre-
Osofljciacs e os soldados nao achando o paiz jas, esculpluras con as armas da Hespanha c
rico como llio disseram, e instigados pelos: pocosmui largos que sem duvda iam ler 6smi-
agentes secretos do Coronado, apreseolaram-lhc I "as. Esta cidade proravelmente foi destruida
nina |ieiirao con o inn de vollarem ao Mxico ;' depois da iusurrcicaogeral de 1680.
-'" | roveitaudo-se d'essa disposico de .cu ex-' O Novo-Mexico est dividido em tres dislric-
erciio ordenuu logo a partida c vollou Culiacan | s ; central, septentrional e de SE., formados
no me/
Pial, Loriase, Coyoteros
Tontos, Cosnnas e Yampais ....
Mojares, Chenchuevis, Cuchause e Co-
copas ...........
ra-Ules, yerto do lago de Soda. .
Total
reedificada, outro dovia ser o lugar de sepultura
dos definios ricos. Ainda existe atraz do allar-
mr desla groja un baixo-relevo singular, com-
posto de militas figuras ; ah observa-se a Santa
Virgen, S. Jacques cavallo sobro cabecasde
Mouros, S. Joao de Pomasan cni p sobre um
aqueduclo, S. Francisco Xavier baplisando Indi-f
genas, S. Jos c S. Francisco de Santa F, leudo
cada ii ni sob seus ps una uscripcao funeraria
de 1701.
Encontra-se moilas rezos no Novo-Mnxico es-
culpluras o pinturas feitas com engenho. Estes
objectos de arte foram em maior numero manda-
o.uuo jos ,ja Hespanha ni0m ,|ssn muitos artistas hes-
panhes ou mesmo mexicanos contribuiram para
a execucao c cmbellezamento das egrejas desles
paizes.
A N. E. de Santa F acha-so o valle solitario
de Taos, que tem cerca de 12 kilmetros de cx-
lenso sobre urna
Cana-
62.000:
3,000
30.00)
16,000
10,000
7,000
3,000
1-2,000
300
500
119,800
arredors do deposito Real Viejo san mu areno-
sos e cada passo v-so nassas de gres e enor
mes restos de arvores petrificadas.
Real Viejo una pobre povoa;;ao de 200 habi-
lanles quo criara carneiros; antigamcnlc seus
rchanhos eran considerareis, porm as constan-
tes devastares dos Navajos os reduziran 5000
caberas .10 mximo. Os habitantes de Real Viejo
lom, como sua povoacao, un aspecto abjecto o
raisoravcl, e perianto poler-se-hia di'.er que as
ras sao calcadas de ouro. as ni ugens das lof-
renles c inesno no centro da povoacao, por toda
a parlo ha buracos cavados pelos nneiros, com
o auxilio de qualquer pedaeo relho de Ierro que
llies serve de pico e [aram a arca com a a roa
guardada em um chifre de cabra oi em urna ca-
bala. Osnuiiciroslrabalham todo o dia e A noi-
tc vio vender as lojas, ao prero de 10 piastras
u oiii a, o ouro que juntaran.
Entre Real Viejo e Tuerto que osla algnn
kilmetros mais ao S., passa-se junto da ca-
sa de um Prancez que possue minas de que tira
poucos lucros.
Elle lem 3 moinhos de urna conslruccao sim-
ples o grossoira.que serven para moer o metal e
pouco ao N. de Santo Domingo ; nosle lugar o
rio tem porto de 300 netros de largura, sendo
sua profundidade insignificante ; o seu maior
curso sobro um leilo de arfas novedicas, pe-
rigoso para as embarcacoes que o teem do atra-
vessar. Aextensao total do rio-Grande desde
sua nascente at o golpho do Mxico de nais
do 2,500 kilmetros ; sua altura cima do nivel
do mar de 1,700 metros om Santo Domingo.
Esle pueblo habitado por [odios chamados
feri* ou Queras ; as casas, construidas do
adoubos toen dous andares, sendo o .segundo
nais estrello que o primeiro, que o uso ind-
gena ; ah vai-se ter por meio de oseadas mo-
vis, que se tiram de noile o se collocao na pia-
la-forma que servo de (erraeo o lelhdo. Ao
redor do todo o lerraco existe um para-peito
para impedir que os meninos caian, o tambeni
para abrigo ne caso que se (cnhaiu de defender
contra os inimigosdo exterior.
Santo Domingo possue urna estufa circular de
30 metros do cirrumfercneia, onde os Indios ao
renen para chamar conseibo, cano lamben
liara dansar e celebrar os Otos nysleriosos de
renzi-lo a po. O ouro existe cm palhelas vizi- Monlezuma.
veis sem auxilio da lente e espalhadas sobre o
quartzo. Junto destes moinhos acham-sc lam-
i un'/ de abril de 1543. Joo Padillia, da or- par seto condados que encorralo 102 cidades ou
!em rrancisrana, quiz flca em Quivira para pre- aldeas. Estas diversas agglomera;es conten
ovangelho aos Indgenase foi martyrisado. I urna populaco de mais do 100,0.10 almas, sem
irmao Luis, da niesiua ordem, dirigio-se Ci- contaras tribus indgenas espalhidas nos deser-
c
O
i uy' o nao se ouvio mais fallar d'elle. Tal foi o
fin desla expedigao que nao [roduzic. resultado
n favoravel aos Hespanhes e que erguoii |
contra ellos urna grande aulipalhia da parle dos i
raes, para com os quaes os conquistadores
| orlaram mui mal.
Em 1581, urna (ropa de aventureiros sob o|
"ando do capito Francisco de Leyva Bo-I
tu-se de urna parle da provincia I
de Tiguex ; achando suasproducidos, riquezas e
lantcs mu scnelhanles aos do Mxico, cha-
maran a este paiz Novo Mxico**
Em l'l. o conde Monterey, ealao ricorei do
o, maudou o famoso general I). Joo de
Onatc de Zacatecas, para apossar-se do Novo-
Mexico eu^ nomo do re de Hespanha e para ah
o.-labulecer colonias, foitilicaces o misses. Em
o lempo os missionarios franciscanos sahi-
ram a cath tchisaruma mullido de tribus indge-
nas, que liabitavan cidades e aldeas, e que os
lnho9 chamaran pueblos para distinguir es-
que vivem em albergues ou
tos nao explorad >s e
miscraveis cabanas.
Odislriclu central lem 3 condados, cuj capi-
tal Santa l' ; o primeiro condado o de Santa e a aridez do deseilosubstiluio a primitiva ferl-
Fo ; cabeca de dislriclo das populares de Santa-J lidade do solo.
F, San-Ildefonso, Pajuaco, Namb, Sieneza,
Este algarsno certamenle inferior realidade,
e ben pequeo cm compjraco con a populaco
indgena que amigamente cobria esse paiz. a
poca da descobera do Novo-Mexico, todo o paiz '
que eslendia-se de Culiacan ao deserto de Gibla,
de um lado, c ao rio Colorado do outro, nao era
mais que urna serie de cidades, aldeas c habita-
'.'oes realadas por campos cultivados, vergeiros,
ardas e estradas. Porm depois da conquista, '
essas grandes mullides de sores humanos pouco '
poucodesappareceram; o silencio dasolido su-
ceden aos cantos aleares das extiuctas populaces
lien minas do forro natiro.de mistura com o ou-
ro. As monlanhas quo encerrara todas estas ri-
quezas leom um aspelo selragora c desolado ;
teem una forma pyramidal, sao despidas de ve-
getaeoe deixain & descoberlo a nalureza areno-
sa de seu solo.
Tuerto est na fralda do una montanha sobre
a margena de um barranco e parece ainda mais
pobro que Real-Viejo. Montos de ierra tirada
dos pocos cavados para tirar o metal eetfio col-
locados ao lado das casas, de so re que esta pe-
quena cidade lom a forma de um povoado de gi-
gantescos caes campestres ; sua populaco de
250 habitantes, constantemente oceupads era ti-
rar dos pegos,por meio de una manivella, saceos
de aia, quo lancam em um tanque ou em um
charco d'agua ; homens, mulheres e meninos
acabara de lava-la em gamellas de pao o u em
chifles de cabra. Ao ver todas estas figuras
crestadas, macilentas o descarnadas, nao se po-
de deixardc lastimar esses pnssuidorcs de mi-
nas de miroe a vid* dos pastores do Llano-Es-
tacado bam preferivel dos niineiros do Novo-
Mexico.
Subindo o rio-Tuerto encontra-se tima mina
de chumbo situada prxima ao caminho que vai
tora San Antonio. Mais distante ha minas de
cobre que encerram muilo ouro e prata e no no-
vo deposito, que est mu porto do rio-Grande,
as minas de ouro, mais bem exploradas, sao mais
productivas. No invern ah chogam al 2,000
pessoas para Irabalhar as minas. Esle augmen-
to peridico de obreiros provm da abundancia
d'agua que se pode tirar da nev fazendo-a fun-
A egroja calholicaue Santo Domingo de ar-
ichilcctura simples, porm mui rica ; as almela-
das das portas teem brasoes (armaras) esculp-
aos o pintados, as paredes eslao coberlas de pin-
turas oleo, algumasde mrito. A'ciina do al-
tar est enllocado um quadro de urna bella
execueo, representa S. Jacques coreado
Fronteira Santo Domingo, do outro lado do
rio-Crando, avista-se ao longo umi planura de
100 metros de elevaco sobre a qual se desenlia o
perfil de antigs ruinas, cuja origen e situar.,
atormentara singularmente a imaginaco do via-
jante que as admira.
Logo que se atravessa o rio, desco-se at o
rio Jemez, paseando por Covero c pelo oueblo
do San Felippo. Depois sobe-sc o rio Jemez ora
cujas margens est situado o pueblo de Santa
Amia. As mulheres desta povoacao lem o cos-
lume de recheiar suas polainas u calcos de
maneira dar s suas pernas urna apparencia
monstruosa. O valle de Jemez mui arenoso e
o leilo do ro, que tem porto de um kilmetro
de largura, geralmente sen agua ; a que so
acha aqui e acola em alguns buracos de urna
cor vermelha escura e de un gosto desagrnd3-
vel. Em toda a parle os Indios construirn pe-
queos aqueductos [acequias) para regar seus
campos com agua do Jemez ; gracas este expe-
diente ellos fazcm ptimas coincitas de rni-
Iho.
O absynlho e o arlhemisio agora crescem onile
| outr'ora estavam campos de milho ; a mosquita,
o cacto e o cedro pequeo vegetara por sobre os
restos do pinheiro o arvores fructferas, que as
seccas reduziran p. Perpendicular dardeja o
sol seus abra/adores raios sobre os rochedos
ridos o mis, que scinlilhan ento quaes gigan-
outr'ora
Cuyananeo, Tezaco, llio Tezaco, Sicneguilla.
Agua-Fra, Galisleo, El Real del Oro e Tuerto ;
a. tojo 12,500 alnas. O segundo o Santa Au-
na, cabera de dislriclo das populacdcs de Santa-
Auna, Cayada, Cochil, Pena-Blanca, Ghilili,
Santo Domingo, Covero, San-Felipe, Jnicz. Silla,
Angostura _c Algodone.-. ; ao ludo 1 1,503 almas.! tseos diamantes. Toda essa nalureza
O lerceiro e o de San-Miguel dem das popula- risonha e bella nao nais conservou d
COes de San-Miguel, Pecos, Gusano, Rio dla sado que urna belleza triste, qual a
ac, Mua, Eslranosa, San-Jos, Pueblo, Fuer- uhada olas razas do mar
licito, Cuesto. Cerriio, Antn-Chico, ccalol, Y i, ,in i ,..?. r i, i >'i .. i- a Bcios Vegas o Sepili; ao todo 18.800 almas. Vsla d? ** SaniaiF. a presenta urna pyramide irregular de sele andares e tor-
O dislriclo do norte km dous condados, cuja ^>e<-o arroba ador ; as casas ba.xas o qua- nam-so urna especie de cidadelia insuperavel.
capital Los Luceros ; o primeiro o de R o i'S" eslai).;!SI,all'a,,as ">' mno !, "rapes de Estas duas especies de fortes, a egreja c algunas
Airiba, cabera das Doula.'cs de Rio Arriba.' "V! ._semclha.nl0.s ;| Pe;l,.,,,|,as cidades italianas casas compoe a povoacao que 6 cercada de. una
arga quasi to considcrarcl
i Este piltoresco valle eucerra tres estabelecimen- dir o. sen a qual nao poder-se-hia lavar o
j tos importantes ; a cidade, o rancho e o pueblo ral.
de Taos A cidade do Taos est situada na june- I Ainda que o governo lenha reservado para si
cao dos_dous_ bracos do no, que tem o uicsmo no-1 urna corla parle dos productos do solo, os terre-
nos aurferos sao todava una especie de prospe-
ridade conmun.
Quando um Mexicano quer explorar um terre-
no que ainda nao perlenco pessoa alguna, o
requer ao alcaide, que, segundo as posses do
comprador, lhe cede urna exlenso maior ou
menor, com a condicao do que elle explorar o
terreno todos os anuos, sob pena de lhe ser cas-
sada a concosso.
Amigamente os estrangoiros eran excluidos do
.lucilo de obler concessoes de minas, porn se
lomassera para seu socio um Mexicano, podan
me, 5 ou 6 kilmetros da trada S. E. das Mon-
lanhas Rochosas. Como todas as pequeas cida-
des do Novo-Mexico, Taos nao mais que urna
reunio de casas de adoubos ao redor de urna
prnea quadrada. Sua populaco pelo menos de
800 almas.
A kilmetros S. E. da cidade osla situado
O rancho de Taos e egual distancia para S. E
ainda v-se o famoso pueblo de Taos. Esla po-
voaco, curiosos restos da poca dos Aztecos, rc-
cebeu um novo inleresse dasseenas trgicas que
em nossoa das se pissarara om seus muros. Um
do rio, saIudo das monlanhas, cor- Iludir a le o gozar da acquisico. Porm depois
dos allluenles
ca esse delicioso lorr&u de Ierra, oscolhido polos
Indgenas para um estabelecinienlo pcrnanonlo.
Todos os anuos novas construecoes vinham jun-
tar-so s dos anuos precedentes, o so! mclhora-
ra, a pop ilacao augmentara o finalmeule o puc-
;/.a outr ora / je -|-l(.s tnrnou-se nina das pracas mais fortes
ao seu pas- ; ,|0 Novo-Mexico. De cada margen da correte
ua uor ua- i os indgenas edificaram um destes immensos edi-
..,,,.,,..i...,,..,. ,, ,,to. ,,..,.. UB....8..I, ---. ; ; ^7"'V;.V u" ."'" "a> situadas na rerlcnle dos Apeninos.
- Ron.-cirilisadasdasmaisselragensonrnaisin- Jiil. trui de U Canad, Chinago. Lanada. Sari- cordfio d(. mamcles monlanhase
donendeiitos, que nao qmzer.im submetler-s a lJ <-iaia, vegas, Chama Ciiotillo, Abiquio, Rito ,,,,., .,....,..;,i ....,i...r... .. :. ,
ta Clara, Vegas, Chana Cuclillo, Abiquio, Rito
Colorado, Ojo-Caliente, llanchitos, Chamita, San-
Juan, Joya e Anbuda ; ao lodo 15,000 almas.
i segundo o de Taos. cabeca das populagoes
de Taos, Don Fernandez, S-n-Francisco, Arroyo-
Hondo, Arroyo Seco, Deomonles, Peculios, Sine-
juilla, Santa Barbara, Zampas, Chaini/il, Llano,
l'enasco, Moro, Hurfano eCemraaron; ao todo
11,200 almas.
dopeintcnt. -. |ii nao quizeram subnieller-s
iridadu des ven. clores.
Por muilo lempo o paiz guzuu de orna perfoila
tranquillidnde, os campos erara cultivados o as
minas exploradas em toda a superficie dcsle
vasto paiz ; porm era 16SJ, houre una insur-
ro.Qo geral dos Indios contra o jugo eslrangci-
todos os llespanhoes que cabiran sob a
nao dos indgenas foram implacavelraeiilc mas-
- i Tados. Depois de muitos sanguinolentoscora-
- e esfon os inauditos. D. Antonio de Oler-
nin, govcinador do Novo-Mexico, foi obrigado a
ar-se com suas tropas de Santa Fe, sede do
gorqrno; paron sobre o Rio-Grande, onde en-
nonlrou algnroas tribus amigas que o ajudaram a
fundar a cidade, que boje lem o nomo de Paso pez, Lunes, Lentes, Zu, Acoma o Rita ; ao to-
Aore. S depois dedez annosde umsguer- do 20,000 almas. O segundo o de Bernadillo,
ta encarnizada a Hespanha pode reconquistar o cabecnjlas populafes do Bernadillo, Islela, l'a-
Noro Mxico. Outras insurreieoes escaparan de
fazer os llespanhoes perdrem essa bella pro-
vincio, porm uenliuna Ihes foi taial romo a de
1680. lu rancor inveterado conserrou-se atos
nossos dii s no corceo dos Indgenas desse paiz
L'm triplico; muralha protegida em"muitos lugares por gros-
pico diversa- soiras palissadas.
lenle coloridos quadreu a cidade de um nodo 7 de Janeiro os insurg los mexicanos, depois
gracioso c elegante. das escaramuzas do Canad o. de Anbuda, con-
Aqui e acolaeleram-sc cima da berra da pa- cenlraram-se h'essj forte posicao o ah leutaram
nicie bosquetes de yucras, cactos, Belianthros urna desesperada resistencia contra os Amerl-
o nyelaginea ( nyetagineaoxibapkiu que pro-: canos. O sitio foi sanguinolento e long>.
Anteriormente A essa poca o pueblo de Taos
duz nina mullido do llores de um escarale es
enrod admiravel belleza o quasi sen riraes na
magnifica flor dos grandes desertos.
foi em rao atacado por espaeo do semanas in-
leiras por mullides de Indgenas e at mesmo
A medida que se aproxima da cilade, o espoc- nao se rendeu aos conquistadores llespanhoes
eia real que pela incuria e desmazelo dos indivi-
duos.
No centro da cidade existe una grande praca
dilla, Pajarito, Ranchos deAtrisco, Alrisco, l'la- publica, cujo lado do norte formado elo pa-
corttra si'ns antigs senhores ; os Mexicanos ah quista,
nap sao nais eslimados o os An enranos que a
i isueni, ha bem pomo lempo, difficilnientc en-
contraran pandes synpsthias.
o Novo-Mexico propriamonte dito, umare-
gio muilo nonlanhosa, atraressada no centro
um grande rallado que vai de N. a S. o for-
' pelo Ro-Grande, amigamente chamado
c a sua largura media de o kilone-
iros ; .' limito lo a L. pela Sierra Blanca, a Sier-
i i le los rganos e a Sierra Oscura ; o O. pe-
': Sierra de los Grullos, a Sierra de Acha e a
<'.< los Mimbres, que sao o prolongamento das
Monlanhas Rodiosas. A altura das monlanhas
ceres, Albuquerque, Sandia, Alameda e Corra-
les ; ao lodo 8,200 almas, linlre estas cidades
ha 21 exclusivamente habitadas pelos Indgenas,
e cuja origeni anterior poca da con-
tado do governadore os outros tos lados por lo- j
as de mercaderes. No centro da praca os Ame-!
ricanos bastearan um grande niastro, em cujo
top flucta o estandarte estrellado da Uuio do,
Norte.
essa praca reunem-se lodos
dos arredores para vender os pro
As principaes tribus indgenas que vivem to-
ra desle circulo sao : os Navajos, usYainpai, os
Mosquis, os Apaches, os Cosnmos, os Tontos, os
Coco Mancopas c os Mojavcs. O paiz dos Nava-
jos ocupa urna exlenso de cerca de 20,000 ki-
lmetros quadrados, conpreheodidos entre o I mhiskey de Tos, de pacotes,
Rio San-Juan, o valle de Tuinecha c o canon de
Chelly, Seu territorio de caca estendo-se al s
nasfenles do Gila. Estes ludios, em numero
de 10,000 pelo menos, cultivara em bellos val-
lesiuhos um pouco de Iriso, de milho e de legu-
mes, mas sua maior riqueza consiste sobretodo
em rebanhos de bois, carneiros e cavailos. Fa-
que o interior, e \
cheio de aberturas que poden servir do seltei-
ras, tornando assim nui perigosa a approxima-
cao do pcvoado.
De Sarta l' pode-se egualmentc fazer urna
oxcurso s principaes minas do ouro do Novo-
Mexico, que se acham -10 ou 50 kilmetros ao
S. da cidade. Chamam-as o velho eo novo de-
posito. A regio aurfera ao redor de Santa F
parece ser mui importante ; ao S. ella so eslen-
da annexaoo do Novo-Mexico Uniao-Amcr-
cana, os estrangoiros sao to favorecidos como os
naturaes.
Em 1850 as minas de Sanla-F j, produzian
ora ouro en p e em barras para mais de um mi-
Iho de francos. A analyse dcsle metal lavado
d os seguintes resultados :
Ouro nativo.
Piala .
Ferro ou slex
^ Depois de Sania Amia encontra-se o pueblo de
Santo Isidoro c se chega ao dos Jemez. Este, co-
no o de Santo Domingo edificado de adoubos
em lugar de podras. As casas forman tres ras
mine-1 porallclas ; teem um aspecto miseravel, apezai-
.idos rcrgeis de peregueiros c de damasqueiros
de que sao cercadas ; porn se as Inbilacoes pa-
recen] pobres, em compensacao a naturc'za do
una belleza admiravel. As planuras do valle,
sao dentadas en un cimo en razo das chovas:
suas formas pitloreseas e bizarras caprichosa-
mente deslacara-sc sobre altas collinas e sobro
as monlanhas tapetadas de verdura que as dp-
mlnam e que nnlaveltnente contraslam con a
superficie amarellada do deserto. De neitc o ar
perfumado de cheiros suaves que parecen]
transportar a alma humana como em una nu-
rem aromalisada deessencias selvagens. A tein-
peslade ruge o as nais das rezes alra uo es-
paeo ; rajadas de vento arrancan as folhas das
arvores e dispersam-as no deserto. De todos os
lados oure-so o ruido de prautose gemidos que
nao proveen da alma humana. Durante os
temporaes da noitc cono na calma do dh, oslas
regios mararilhosas. parecen por sua sublime
grandeza, a morada favorita dos genios.'criaccs
da imaginaeao indgena.
92.5
3,5
4,0
Total. .
terrenos euriferes
ciliado em virliide
100,0
nao
dos
O valor de tolos osles
pode ser exactamente ca
melhoramenloa que diariamente sao introduci-
dos n:r cxp'.oraeo das minas o quando elles fo-
rera em maior osala opplicados no Novo-Mexi-
co, coiistderavel ser o augmento do produelo
das minas. At o presente nenhum dos conces-
sionarios so tem enriquecido, muitos ao contra-
rio arruinados, ainda que so lenha algunas vozes
tirado dos pocos pareos de ouro nativo do va-
lor de 3,000 5,000 francos.
Os rebanhos dos carneiros seriara tima fonte
de leeros muito mais rantajosa, nao seren as
continuas invases dos Navajos, que devastan
Os Jemez, como os Indgenas dos '.Estados-I ni-
dos, aman apaixanadaraente a dansa e se lhe
entregara com furor. Admira o eneoniar-se en-
Ire i ssa populaoa a dansa do Milho verde, que
a mais solemne de todas o que as tribus do
alto Missouri e do alto Hisslssipi exocutam no
meio de grandes rigostjos pblicos antes da co-
Iheila do milho. Esto faci singular podo rir
cm apoio da Ihcoria dos sabios elhnographos que
croen quo os Indios do norte team ni suaori-
gcni c inslilub-o.alguma cousa de raiz commum
con as tribus de sudoeste. Os Jencz sao nuito
hospitaleiros e fallan a nesna lingua que os Pe-
cos. Depois de urna insarreicSo contra os lles-
panhoes, estes ltimos expulsos de sua cidade
vieran pedir aos Jemez pcrraisso para river
com ellos ; estes lh'as doram c at ajudaram a
edificar as casas e cultivar os campos. Foi ni
poca dessa euiigragoo toreada que o ultimo sa-
cerdote que alimentava o fogo sagrado en Pc-
esse paiz ; apezar disso voem-se as margens do eos, leudo sido balido, agarrado c levado prisio-
lio-Grando rebanhos de 4,000 cabecas, que per- neiro, deixou extinguir-so esse fogo, acceso por
lencen um inesno ranekeiro. Moutezuna muitos sceulos antes.
bordados o de sua industria. Durante o dia a
lodo o instante v-so ah cliegarem inten-
sas lilas de bostas carregadas de barris de
de ferragens, do
madeiras, de jarras de barro cosido, de melos,
de uvas, de' pimenlas maduras e verdes, de bul-
os v incheiros de a 135 kilmetros al a Gran-Quivira c ao N.
duelos de suas 150 kilmetros at o rio'Sanguo de Christo. Em
toda esla superficie os pobres Mexicanos
o ouro em p o lavain-o as torre
monlanhas; porm o velho e o novo deposito
oceupam nais bracos nao s por que agora ahi
se encontra o ouro em p em maior quantidade
que euio, as aiada por causa das ninas que
los, de melancias.de ovos.de queijos, de fumo estn em plena exploraco. Para ir csses dous
e de.piones, inicios do pinheiro (pinus mono-
pylla F.sies pinhes sao ordinariamonlc Basa-
dos no forno ou no borrallio para ncllior seren
conservados.
depsitos desco-so o rio do Santa F al Siene-
iuilla, alravessando bosquetes do redros o pi-
nheiros, depois entra-se om um vahe
s crescem celos, zuecas e urna herva
VIII.
Sanio Domingo.Valle o pueblo de Jeme/.
Ruinas nos desortos.Canon de Chelly.Ber-
nardillo. Albuquerque.Acoma.
Depois de Sanla-F, a primoira cidade impor-
tante dos desertos de S. O. Zu, a antiga Gi-
bla. Desdo que se desee o valle do rio de San-
la-F al Sicneguilla, loma-so o do Gallisteo
al Santo Domingo sobre o rio-Grande. Ncsle
lugar por dous caminhos vai-se ler Zu, un
passa por N. o. atravossando o paiz dos Kara-
ajunlan I jos e outro segu o rio-Grande al Albuquerque,
lijes das | depois segu dircito para O. Esses dous cami-
nhos inercccm urna breve diseripQo.
As nicas cousas tiotaveis que se ve no cami-
nho de Sanla-F om Santo Domingo sao espe-
cies de ppiiedios de gresgrosseira, situada--: na
entrada do valle do rio-Grande ; estes penedios
loen a forma de columnadas con capiteis regu-
lares o seraelhantcs ao prtico te um immenso
templo egypcio perfeitamontc conservado.
0 rio-Gallisteo desemboca no rio (liando um
rido, onde
jai xa. Os
fm pouco mais distante que o pueblo de Je-
mez penelra-se no canon do San Diogo, regado
por um encantador riacho ; as duas verlenlos
desle eanon eslao mu ben cultivadas e produ-
zem ptimas colheitas de milho, moldas, lcgu-
mes c inicios. Subindo esse riacho al urna dis-
Iancjdel6 kilmetros, chega-sc i nasconles
d'agua thernal, o junto ellas jazeia os restos
dos grandes tornos pora a fundieao do cobre.
Esle metal mui coiiimiim ; porm do ha nuito,
as minas era outro lempo exploradas foram aban-
donadas, provavelnieiite por causa da difficulda-
de de sua exploraco. As aguas thermaes estn
fe t y en tes esahem do um terreno calcreo e bal-
satico ; a principal rebenlaco pode fornecec
perto de 6 litros d'agua por .minuto. Nesso mes-
mo lugar igualmente rc-se as ruinas de una
igreja calholica de 40 metros de comprimento
sobre 18 de largura com urna lorie octgona
pouco elevada.
FOiLHCTIM.
BRANCAS,
AI.FBDO ASSOLAXT.
II
l i.in.n,
'Confnnaco.)
Ilontem pela inanha cu eslava em conferencia
i Julia,a aloiavel Julia que lao bem me pen-
ino militas rezos molensinvejado. Eu eslava
i ,e oihandocom nuia complacencia ao ospelho,
indo os olhos e ensaiando os sorrisos, como
sem durida fazos em idntica rircumstancia.quan-
doentrou meu pai. Braro, Rila, disse elle abra
i ii. lo-me, ests aliando as las armas, pelo que
vi i. Eu corci um pouco. Papai, bem sabe que
i s,1 dore entrar no quarlo das mocas, sem
manda-las advirlir antes. O mal nao gran-
u nao vi nada. Dstc as las orjens para
de Brancas ? Duque de Brancas? Nao, nao, i
Brancas, adrogado l, tantos adrogados
Quantos duques. Como o seu Brancas nao
mestro de canto, ora no meslre de italiano. O
meu ideal, o Relio Tenebroso, Aads de
Gallia sobre a Rocha Pobre, um nao sei quede
e duque i Nao sei, conheco-0 aionis, mas di-! mystorioso, de heroico,do inconpreheusircl, qu
/eiii-o nuito rico, nuito eloquenle o da nassa de um adrogado nao pode ler. J viste em alguna I
que se fazem os ministros quo sao mais raros el parle a historia do primeiro ro de Portugal?
mais procurados que os duques.Ora vamos a : Era um bravo lidalgn, querido das nocas, o cuja
v.'-lo. Vine, espera-o esla noile '.' Adrinhas-1 amante quiz obriga-lo conquistar um roiuo.
te. Ven almfar. S isso ? disse elle montando a cavallo, pois dar-
Os pedantes acemam-iios principalmente te-hci, so for necessario, neia duzia. Parti pa- <
de sermos tagarellas ; sa ) mis tolos, que nao en-' ra a Hespanha, e matn tantos Sarracenos que os I
Quero dizer ; se mo agradasso amar.
E ... agrada-lhc algunas vezes ?
Fazendj essa pergunla com ar muilo desomba-
raeado, cu corara a meu pezar.
Ainda nao lz a experiencia... f Aos trinta
anuos, acreditas, Claudia ? j Aind i espero o meu
ideal. ( Minha chara, o helegiauo lamben lera un
ideal )
-lio seu ideal lem sen duvda una forma
encantadora ?
lendem nada de mulheres, nos sonos nil \ / -
nais curiosas. Confesso-te que o dia me pare-
cen comprido, o que tar lava-no ver o temerario
mortal que se linha deixado scduzir pelo meu do-
lo... porque quanlo aos neos olhos, neni pensar
^'ar-me-hia iijuslioa se o du\dasso, mado-
quo llcavam, para obter algn descaneo, lhe o(Te- raoisellc. una noca loura de olhos de suphy-
receram Portugal, de que elle fez prsenlo sua : ra, que ten nuito espirito c que falla em philo-
amantc, como tinha promellido. Isso que c sophia cono um platnico. ( Coufessa que o he-
homem I Mas os de boje nao saben scuo inju- geliano conversa ben; ose tu risses como os
1 alto ou baixo, do na-
Nessa incerteza passa-
noivo louro ou moreno
riz aquelino ou chalo ?
van os minutos con o vugar.de sceulos. Para
mira convinha-mc um rapaz moreno, de bigodes
e un tanto feroz.
l'.mtim apparcceu o desojado Brancas. Mi-
nha querida louro. J eu devia ter desconfia-
do. O deslino faz sempre deslas. Ajiezar disso,
riar-se de viva voz ou [ior csciiplo, segundo a
nisso, onde os leria ello encontrado I Ser o tal sua profisso,
Para rollar ao Sr. Brancas, que nunca ha de
conquistar nada, a nao ser lalvez o dreilo del
seniar-se '.-orn quatrocenlosou quinhontos taga-
rellas. en um salo grai.de muilo nial edificado
que ha no llm da ponte da Concordia, conversa-
mos sobre umita cousa o principalmente sobro
riagens. Declarei, nao sem algum orgulho, que
linha visto a catarata do Nigara. Essa noticia
tem boa apparencia ; nao fatuo nem impert- parece causar-lhe grande prazor. Esperar, por
nenio, nao lagarella, nao cnpoado, n.To \ ventura, queja leudo felo a viagetu.eu nao quei-, voilo para l'o mostrar.
desdenhoso, nem fri. Tudo emsuas maneiraslra repeli-la, ou adnirou a miuha intrepidez. Iseira que para ti pedio aFroonl Meuiice; a'tua
Esse ponto ainda est indeciso. mellior amiga c humilde serva.Rite. >
Do Nigara passanos ao llhcno, e do Bheno \ Como passa o Sr. Audinel, leu futuro pro-
aos Alpes o poesa. Acreditars, miuha amiga, prietario ? Nao sei porque nao mo agrada aqiel-
rospira a pulidez, a franqueza, a benevolencia, o
podes crer quo so vi mal, nao foi por falta de
ler olhado bem.
Ao entrar, fez-nc elle um curto comprimento
a que respond con um sorriso ; depois meu pai
louiou coala delle e lerou-o para um salo pe-
queo que o sexo feio so reserva [.ara fumar e
cuspir a seu gosto. Alli conversaran sobre nao
que ello nunca le poesas ? E do fazer estreme-
cer; advogado al os ossos. Dosculpou-se di-
zendo-no que era hegeliano. Ilegel Quo bi-
eho esse 1 Tens visto sem duvda lobos, ursos,
raposas, e elcphanles brancos ; mas lalvez nao
sei que, as que devia ser nleressante, a julgar; tetillas visto hegelianos. Pois nao ha*nada nais
olhos dolles explicavan as palavras. )
A conversa continuou neste ton, o pens c
oara inin que conquistei-o. Mas nao errara : o
hegeliano um bom partido.
Para que possas julga-lo mclhor, vou man-
dar-l'o. Admira-te ? Pois sabe, que o meu he-
geliano vai partir para Vieillevillo, olio quom
vai defender nao sei oque contra nao sei quom.
Esta iudicaco deve bastar-te. Graciosamente
offereceu-so para so encarregar de todos os neus
oinbrulhos, cartas o comnissos, o f que apro-
l'.iilregar-le-ha una pul-
i-ta noile ? llevo dizerloque meu pai d todas
as loicas feiras cha, ponche e charutos a trila
mi qua renta pessoas que se dividen era tros ca-
thi ;oi as ; os homens ricos, os homens de espi-
rito, e os homens de grvala lavada. Quando a
conrersaca est enpenhada e anima-so, quando
comecam a dividir o Oriente, dando o Egypto aos
Ingl /.i'S, Coiislanlinopla aos Kussos, o resto nao
sei a quera, p liana o gloriada presidir a par-(
lilha, eu sao-me de rogarioho na pona dos ps.
Lata ludo promplo pap, dis.se cu. Elle olhou-
ine filamente, abracou-roe segunda vez muito
leiiamente, o pergunlou-mo con ar nvstcrioso: i
Pensas alguraas vezes en casamento ? Ain-!
da nao.Era quasi verdade. S pens nsso nos,
momentos perdidos, e afianco-teque o meu
toillot, as miiihas compras do pela nianha, os
passeips ao bosque do Boulogno, larde, atgu
nas'risitas -; miabas boas amigas, ns licoos de |
canto, a oliera, p a edificante leitura dos roan-
co9.de M. Julio Sanloau, nao ne deixan lempo .
pa tul. Pois Hato, replicn elle, porque linha lane'|
justamente cara propor-te om marido nuito | <( '
lom ; ,as emno o casamente te desagrada, nao escula- h d una iialuralidade perfciia, nao so nos nao se encommodam por lao pouco. Oh I se
fallemos mais m.-o.Oh nc tenho synpatl.ias c?1uenla- "a0 Pwcula, nao procura phrases, I so Iratasse do objeclivo ou subjcclivo, isso cnlo
nao se estoica por ter espirito o ten-o, nae zon- era outro caso. Quiz iinpelli-lo a isso. Senhor,
ba non dos prsenlos, nem dos ausentes, nunca | disse-lhe cu, se loda a idea racional se torna ni-1 provincia ha farlura'dessas ingenuas"; vai por la.
discute, nao cita ninguem, con urna palavra diz mediatamente una realidade, o senhor lem de La vou.
una historia, nunca inlerroniHe c deixa-se inter- certo idea de que pode morrer ; logo est mor-
i romper : nao creio quo lenha genio, bem que I lo ? Tem razao... respondeu-mc olio con gra-
raeu pai afiance ser um dos tres prineiros advo-! vidade... (J viste, Claudia, un hegeliano desse teiranente seductora, as...
gados do Pars mas o homem nais araavel'
que lenho visto,
a A estas palavras paiecc-mo que ja te ouco
ida le '? O amor, o desconhecido. Quando se
lom conhociio esse desconhecido, est tudo aca-
bado. Todas as luulhercs se parecen, as caro-
las mudail um pouco, o son da voz nais doce
ou nais rudo,a folha de ligueira mais ou monas
i mal talhada, mas a esseocia sempre a mesraa.
Nao ha difforenea nenhuma entro Cleopaira o
qualquer Golon. 'Oh so tu nunca livesses ama-
do, eu comprehendeiia o leu desojo.
J anoi.
A quen ?
Non a Goton non a Cleopaira, nasa crea-
turas nuito amareis que foram para conmigo
ora crueis, ora compadecidas, segundo o humor
do dia ou os conselhos da noile, e juro-lhe que
nciihiima deltas me aborrecen ou me fez ver o
mesmo espectculo. O amor infinito c variado
como oslo vasto universo. Querido tij Vnc.
nada enlende destas questes. como um bra-
vo veterano que afrontou o fogo cen vezes na
(Contina.)
pelo ar aliento de nosso advogado. Meu paidei-
xou-o encantado. Nao so pode ter nais espiri-
to, disse ello passando por ao p do min.
Minha chara, esse lionera sen defeitos, ad-
vogado e escuta, nao ser un prodigio no sou
eflicio T Ad,vlnhou o fraco de meu pai que fal-
lar, o apenas disse seis p davras. Curiosa lam-
ben de contemplar esse prodigio, adiante-me
sob pretexto do olTereccr cha, o um conselheiro
do oslado quo seu lio, leve a discricao de reti-
rar-so e de nos deixar licar sos no vao de una
Claudia, incrvel : elle falla melhor do que
bonito. Ajuiza :Tudo o que racional real
ludo o que real racional.Excinplo : tu nun-
ca viste homem de Ires cabocas ; mas tens a idea
de um honen o de una cabeca c por conseguiu-
a cara c nao dou o meu consonlimento ao con-
sorcio. Sin, eslou le ouvindo, una noca sen
dol nao faz o que quer. Pois ser lao duro
morrer soltoira '? Cotpiette, leio em leus olhos
que nao te faltan nnridos. Ao menos nao me
lomes o raeu hegeliano. Nao porque gosto
delle, mas un hegeliauo passaro raro en
Puns. >>
VI
fazer a chanada dos passageiros, gritara desespe-
radamente :
Sr. Brancas venha para o carro !
Brancas subi depressa para o coup onde j
o liuhan precedido as duas senhoras o installou-
sc conimodanonte para un canto com o cuidado
de un hornera que compro escrupulosamente lo-
dos os devores para comsigo. O poslilho den
um estalo ron o chicote, e os cavailos largaram-
se galopo pela eslrada de Vieillevillo.
O lempo eslava sombro e chuvoso. A inulhet
magra que occupav.i o oulro canto do coup ,
avancou a cabera e disse con voz cadenciada :
O Sr. quer ter a bondado do levantar o vi-
dro do seu lado ? O meu peito lio delicado
que nao podo supportar o fresco do ar ambiente.
O Parisiense j nas delicias do primeiro som-
no, nada responden. A senhora, irritada ncli-
sua nocidade, nas que nao conhece a manobra, nou-se de novo para elle.
Esl bom, non moco irrespeiloso. So ou] Meu senhor, disse com azodunc quer lera
livesse lempo, te mostrara que um veterano co- bondado de crguer o vidro.
i ir...ii \j ilui i > .,^t\. v i,",'^,i, vi", (i, i.tn.-
cas, de cen cabecas, e de Irinta nil cabocas ; se
nao existe, por culpa da Providencia, d nalu-
te de duas e tros cabecas.
cional real; fogo exlsle o hornera de Irescabe-
c
i
reza c de nao sei qiicm mais ; nao ser claro.
Pois, minha amiga elle disse-nc ludo islo cor-
enlcmenle, sem titubear, cono un hegeliano
que De Vctor Hugo, de l.amanino, ou de
Mussel nen una palavra. Os senhores heselia-'
n .o i itipathias pelo casamenlo ; nao pens nel-
le. Mas vejamos sempre o bom marido que ne
quera dar.Nao, minha lilha nao quero contra-
riar Wus gestos, nem leus hbitos...Mas, pap,
nfianco-lhe que nao contraria nada.Nao, Bita,
coiiheco os perigos das uniej inconvenientes C
desproporcionadas...Mas pap, essa unio nao
proporcionada nem desproporcionada.Nao,
Entao I disso o conselheiro de oslado ao
Ora, tudo o que ra-1 sobrinho, ests contente con a la futura 1
Sin... nuito.
E bonita ?
Encantadora.
Ten espirito
Muilo.
Muito, cono ?
Oh sin, nada a admira.
Ah pelo que vejo gostas dessas raparigui-
nhas que abaixan nodestanento os olhos, c
olhan para os honens por entro os dodos abor-
tos ; gostas dos niyslerios! Cono quizeres, na
Enliio est ludo acabado ?
Vnc. neu lio, enlende-me nal." Rila in
minha lilha, eu nao sou desses pas barbaros ...
Quanlo nais eu insista,mais elle recuava.c diver-
t a-so om irritar a minha curiosidade.Pois bem,
guarde o seu segrodo, disso eu con inpaciencia.
Elle docdio-se a fallar.Oque dizestu do nono
[*] Vidc o ittrio n
12.
nr. O honen nais anavel nao tardar nuito
a ser o nais aado. Madonoiselle, pode enga-
nar-so. Elle nuilo anavel, confesso-te, nas
nao 6 o neu ideal. Tu ben enlendes o que eu
quero dizer, lu que andas sempre a procurar esse
i ideal, e que o procuravas desde o ideal, ora no ainda mais curiosa.
calibre ? ] Todos os dias locam-sc, no fundo de; Mas noleseduz.
minha alma, syraphonias lao reacs e mil vezes. Sim, agrada-ne nuito ; mas acho-a muilo
mais bellas de que nenhuraa'synphonia de Be- razoavel, muilo alegre ; lenho-lhc milita amiza-
thoven. Tcnho idadelles, logo, ouco-as quando de, mas nunca lhe lorei amor.
ne agrada e sen receio de licar surdo. Assim i Nunca lhe leras amor, dor 1 Ento con-
en amor ; amo sem receio ; eslou ccrlo de ser tavas con un casamento de amor ?
amado.
O Sr. ama ? disse eu um pouco admirada e
Porque nao ?
Muito bem, meu amigo. Esse porque nao '/
sublime. Pois aclias que o amor 6 para a la
mo eu manobra to bem como qualquer recenta...
Em resumo, dero pedir a nao de mademoiselle
Olivoira ou esperar que um raio do co le Ilu-
mine ?
Peca senpre, querido lio. Poderla lerjuma
sobrinha peior.
Dous dias depois, parti Brancas para Vieille-
ville. Nesse lempo, queja para nos se confunde
con o lempo cm que No deituu a ancora no
monto Ararat, os comboyos do caminho do fer-
ro paravan em Orleens o toda a Franca entre o
Loire c os Pyrineos s conhecia essa maneira de
viajar en pintura, Foi-lhe necessario primeiro
lomar a diligencia en Orleans. Era meta noito,
e Brancas com un capoto debaixo do braco e as
naos nas algibeiras, esperava con paciencia no
escriptorio que o conductor dsse o sigual da
partida. Nesse nornento. entraran duas senho-
ras aconpanhadas de onze malas, caixas c car-
ios do chapeo. Essa vista fez con que o agen-
te que julgava terminada a sua trela, blasphe-
nasse. O conductor ergueu os hombros e Bran-
cas olhou para as senhoras. A mais idosa pare-
ca ler seus ciiuoenla annos o nao parece ler de
nolavel seno una nagresa nuito rara e gracas
cheias do affectaco. Nao hara con que scdu-
zir o viajante. En conpensaco, a nais nova,
tinha os nais lindos olhos prctos que se poden
ver, e seu rosto regular e suave, com quanlo um
pouco altivo, ora duquellcs que nao se esquecem.
O Parisiense licou dcslunbrado e poz-se respei-
tosancnle de lado para lhe dar lugar no escrip-
torio. Ella agradeccu con un conprinento e
un neio sorriso, pelo qual Brancas, tino conhe-
cedor de sorrisos, adviuhou que liuha o senti-
nenlo de sua propria superioridade.
Con a breca I disse elle ao sahr do escrip-
torio ila diligencia, ora alli est una nociuha a
quen nao devo ser fcil beijar-se a ponlinha dos
dedos. Mas cono bella I Bita esl con furos
abaixo.
Con essa reflexo deu o giro da praca Maslros,
olhaudo para as estrellase vollou diligencia no
, inouieulo em que o conductor Icnio acabado de
Brancas abri os olhos.
O quo, minha senhora, o que desoja 1
Senhor, disse a moca cora polidez, minha
mai, que est docnlo, pede-lhe quo levante o
vidro.
O advogado dosculpou-se o obedecen la vo-
zes fortes, ha vozes surdas, claras, agradareis.
discordantes, harmoniosas : ha algumas que rao
ao cora.o, outras que forera o lympano, unas
que fazem vonlado do bocojar, outras quo do
vontade de rir ; unas que ordenan, outras que
obedecen ; da moca era nelodiosa o Bexivel
mas um pouco sacodida, signal corlo de espirito
penetrante e gracioso, e do raro orgnlho. De-
pois de alguns instantes do silencio. Brancas
olhou para a visinha luz das lanlernas da dili-
gencia, o percebeu que dorma. Urna aspraos o
tranquilla agitava-lhe o seio com interrallos
eguaes, o de toda a sua pessoa oxhalava-se es-
se divino perfume proprio da mocidade, da saudo
e da graca.
O advogado sentio-sc comraovido.
Diabo! pensou elle consigo, dar-so-ha ra-
so que eu mo apaixonc pela minha conpanheira
de viagein. Ilavia de ser curioso, en rosnaras
de casar con Rita. Sentido! Nao fganos essa
loucura.
Esta sabia resoluco durou alguns minutos,
nas a bella adormecida foi em pouco mais forte,'
c Brancas continuou nas suas cogilacos.
Ser casada ? Nao. O marido nao a dei.xa-
ra viajar assim. E depois nuito noca. um
anjo do belleza. Jess! Que mao encanta-
dora !
Cunprc dizer que a nao da noca eslava ex-
posta en plena luz, o era branca, fina, transpa-
rente e de una belleza perfeila.
(,CoRiini(ar-iif-/ia.)
PERN. TYP. DE M. F. DL FARIA.-1859.
II criA/tri 1