Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08930

Full Text

NO IIXT1. HOMERO 4.
Por tres mezcs adiantados b$0O0.
Por tres mezes vencidos C$000.
QUIRTJ FEIRA 5 BE JNEIRO DE MI.
Por UMadiantado i9$000.
Porte franco para o subscriptor
BNC1RREGADOS DA SluSClUPCA O DO NORTE.
Parahiba, o Sr. Jooltodolpho Gomos; Natal,
o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaty, o Sr. A.
8e Lemos Brn; Cear, oSr. J. Jos de Oliveira
Maranho. o Sr. Manoel Jos Martins Ilibeiro
Guimares Piauhy, o Sr. Joo Fernandos do
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. namos;
Amazonas,o Sr. Jeronymo da Costa.
PAHTIUA UOM.OKKblUS.
Olinda todos os dias as 9 1/4 horas do din.
Iguarass, Goiannae Paralaba as segundas e
sextas tairas.
S. Anlo, Bezerros, Bonito, Caruar, Altinhoo
Garanhun as trras feiras.
Pao d'Alho, Nazaretb, Limoeiro, Brejo, Pes-
queira, Ingazeira, Floros, Villa Bella, Boa-Visto,
Ouricury e Ex as quartas-feiras.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso, Una, Barreiros,
Agua Prota, Pimunteiras e a tal quintas feiras.
(T"dos>iisciirreios parteni as lOhoras da manha.)
AUDIENCIAS DOS TIUDUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relar-o :. torras foiras e sabbados.
Fazenda: tercas, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio: quintas ao meiodia.
Dito de orphos: trras e sextas as 10 horas.
Primeira vara do eivel: tercas c sextas aoracio dia
Segunda vara do civel: quartas e sabbados ao
meio dia.
KP1IKMK1UDKS IX ME7 DE JANEIRO.
i Uup.rtn crescente as 11 horas30minutos da
matiha.
10 I.ua chea aos 53 minutos da manha.
16 Quartominguaute as 6 horas e 56 minutos
tarde.
24 La nova as 3 horas e 57 minutos da ma-
nha.
PREAMAR DE HOJE.
rrimeiro as 4 horas e 6 minutos da manha.
Segundo 3 horas e 42 minutos da tarde.
DAS DA SEMANA.
PARTE OFFICIftL
Ministerio do imperio,
Recife.Ministerio dos negocio; do imperio
era 23 de dezembro de 1859 Illm. e Exm. Sr.
Vianda Sua Magestade o Imperador ao apartar-se
desls provincia que V. Exc. providencie para que
ten'iarn eaxucao os deflcrimenlos dados jos re-
querimciitcs de partes, que essa presidencia
"tarara remullidos com os avisos de 21 e 22 do
correte, e ora se remettem, e mande archivar
s indcITeridos para serem opportunamente en-
tregues (as que o deverem ser) a seus donos os
xiocument'is quando os procurarem, remetiendo
a esta secretaria de estado os que pondera aiua
Dos guarde a V. ExcJoo de Almeida Pe-
reira Filho, Sr. presidente desta provincia.
Cumpra-so. Palacio do governo de Pernambuco
24 de dezembro de 1859.L. B. Muniz Fu:a.
felares ospetire a que se refere o aviso desla
data.
1." Joaqulm Pedro de Mello Ilomcm. Indefe-
rido.
2." Rita Anglica de Barcellos. Ao presiden-
te para deferir opportunamente.
3." Anna Joaquina de Albuquerque Cavalcanti.
-M Indeterido.
4" Francisco de Paula Nonos. Guarde-so.
5. Joaquim Fraucisco de Souza Navarro.Guar-
de-sc.
(> Joao Jos de Brito. Requeira a thesou-
raria.
7." Padre Lino do Monte Carmello Luna. Guar-
d8-se.
8." Antun.o Ferreira de Luna Mello. Guar-
de-se.
9." Mara Gomes f.outitiho do Amaral. A' se-
cretaria do imperio pata ajuntar a outros que
devem '. Cftar.
10 Bernardo Luiz Ferreira Cezar de Loureiro.
Ao presidente da provincia para que examine
se os filhos do supplieante eslo em circums-
tandas le sentaiem praca. Quanto ao suppli-
cante j;nlc certido do assentamenlo e de sua
escusa do servico.
11 Francisco Candido das Chagas. Cuarde-se.
i2 Senhorinha Maria da Conceico.
13 Candido Jos da Silveira. Ao Sr. minislro
da juslica.
14 Nicacio Jos da Silva. Ao presidente da
provincia da Parahyha.
15 Solero Jos dos Santos
raria.
16 Lu/, dr. Silva de Jess. Requeira a thesou-
raria.
17 Joaquim Garca dos Santos. Examine-scsc
ha vaga.
18 Antonio Guies da Cunha Recorra aos tri-
bunaes competentes.
19 Francisco de Araujo Caldas Luna. Indee-
rido.
20 Luiz il i Molla. Ao chefe de policia.
21 Manuel Dorges de Mondones. Ao presiden-
te para que nomeie urna comraisso que exa-
mine o irocesso empregado pelo supplicante
na cura de elephanliasis e informe eircums-
tanciadamenle.
22 Francisco das Chagas Mendes c Isabel Doni-
na Maciel. Para que tomem uola.
23 Joanna Maria da Conceico. Ao presiden-
te da provincia para que providencie vista do
que diz a informaeio.
24 Jos Filippe de Santa Anna Ao presiden-
te para que indague se ja enlrou em julga-
inenlo.
25 Joaqun do Miranda Henriques. Ao presi-
dente d i Bnhia.
26 Jos Francisco da Silva. Nao lom lugar.
27 Joao Coelho do Rosario. Nada ha a resol-
ver.
28 Manoel Joaquim. Nada ha a resolver.
9 Francisco Xavier.
30 Leoncio Bezerra Cavalcanti de Albuquerque.
Indcferido.
31 Maria Theopha de Almeida e Albuquerque.
li'.deferido.
32 Felis Gomes. Indeferido
33 Joanna Francisca de Oliveira. Indeferido.
3! Ciara Joaquina de Oliveira Moura. Indefe-
rido.
35 Felisbnrlo de Souza. Indeferilo.
36 Anua do llego Barros.
" lourcnro Justiniano Pinheiro. Indeferido.
que
Sr. Reroeito a V. Exc. os requenmeulos cons-
tantes da relacao junta assignada pelo meu ofli-
cial do gabinete Dionizio da Cunha Ribeiro Feij,
afim do que V. Exc. d as suas orden.-- de tonfor-
oiidade com os despachos que liveram e constara
da raesma relacao. Os indeforidos devem ser ar-
I chivados na secretaria dessa presidencia afim de
que as partes possam haver seus documentos
j quando Ibes con venha. V. Exc. mandar publi-
car estas deciscs para conhecim* uto de todos
! os interossados.
Dos guatdo a V. Exc Joao de Almeida Pe-
1 reir Filho. Sr. presidente da provincia de
Pernambuco. Cunipra-se. Palacio do governo
d^ Pornambuco 29 ce dezembro de 1859 L.
: li. Muniz Fiusa.
] Relacao dos requcrimenlos despachados
se refere o aviso desta dala.
j Antonio Joaquim deOliv eir.Indeferido.
i Manoel Fclippe de Olive ira.Indeferido.
I Maria da Conceico.Indeferido.
I/idoro da Fonccca Barros.Nao lom lugar,
i Jorge Jos Alvos da Fonceca.Indeferido.
Joaquim Francisco de Souza Nivarro.- Notem lu-
| lugar
I Mara Caclans de .lesos.Nao tem lugar.
: Sebastiana Thomazia da Sitva. Nao tem
lugar.
Angelo Angelito.Indefetido ,
Alteros Hozendo Monteiro de Lima.Indeferido.
Januaria Maria da Conceico.Indeferido.
Jos Concgundes da Silva Indeferido.
Vicente Ferreira das Noves.Indeferido.
Antonia Maria de Jess.Indef'-'rido.
Joaquim Garca do Amaral.Nao leni lugar.
Joao Tjvares de Oliveira.Nao lera lugar.
Alexandrina Maria dos Passos.Indeterido.
I Agostinho Cordeiro.Indeferido.
Antonio Francisco da Rocha.Indeferido.
Agostinho Jos Meirelles.Indeferido.
Joao Mendes de Oliveira.Indeferido.
Manoel Jos do Nascimenlo Rajado.Indeferido.
Flix de Andrade da Faixn.Indeferido.
Joao da Cruz Sizudo.Nada ha a resolver por
perder a decisao do Tribunal competente.
, Platino Augusto Barbalho Uchdo.Nada ha quo
resolver por estar pendente ao tribunal com-
petente,
i Jos Estoves dos Anjos.Indefetido.
Joao Giiilhcrme da Costa.No ha a resolver
Segunda. S. Isidorob. m. ; S. Aregeo m.
Terca. S. Aprigio b. de Beja; S. Anlerrt p. m.
Ovarte. S. Tilo discpulo de S. Paulo.
Quinta. S. Simeo Estellita ; S. Emiliana v.
6 Sexta, cfr Dia do Reis ; S. Epifana.
7 Sabbado. S. Theodoro Mongo ; S. Telminio.
8 Domingo. S. I.ourenco Ju-iinano.
ENCARREGADOSDASUBSCRIPCAO No si i.,
Alagoas, o Sr. f.laudiuo Falcao Dm ; P.ahia, c
Sr. Jos Martins Al ves
Joao Percira Martins.
Rio de Janeiro, o Sr.
EM PERNAMBUCO.
O preprietario do diario Manoel Figueiroa da
na sua iivratiapra;a da Independencia na..
Requeira a thesou-
:il
J8 Francisca Joaquina de Souza Magalhes.
Indeferido.
39 Auna Rita de Jess. Indeferido.
40 Fraucisco Soares da Fonseca. Indeferido.
41 Maria da Conceico. Indeferido.
42 Rayniundo dos Sanios Fixueiredo. Indefe-
rido
43 Manoel Pereira de Souza. Indeferido.
4i Fortunata Fredoviu la da Conceico. Inde-
ferido.
lo Antonio do Espirito Santo. Guarde-se.
46 Padre Demetrio Jacome de Araujo. Guar-
de-sc.
47 Pescadores das estacos de Fura de Portas e
S. Jos. Guarde-se".
8 Cartei-os da administroco do correio. Guar-
de-se.
'J Irinocencio Antonio de Faria Torres. Guar-
de-se.
TjO Maria Francisca da Conceico. Guarde-se.
Recife SI de dezembro de 1859. Dionizio da
Cunha Ilibeiro Feij.
feluiao das pttices a que se refere o aviso dcsla
data.
1." Jo.iqu.ru Fernandos da Rosa. Nao tora lu-
gar.
2." Jos de Carvalho da Ionseca. Nao pode
ser.
3. Mesa regedora da imperial capella de Nossa
Scuhora da As.-umpcao das Fronleiras. Nao
ha que resolver.
i." Feliciano Francisco Xavier de Hollanda Cha-
cn. Nao tem lugar.
Ti." Manoel Jco dos Santos. Indeferido.
6. Coroiiid reformado Joaquim Caetano de Sou-
/..i Cesseiro. Indeferido.
7." Hercu ano Flix da Paz. Indeferido.
8." Joo Lucio da Silva. Indeferido.
y." Maria Francisca da Conceico c Francolina
Francisca Pereira. Indeferido.
10 Ernesto Satyro Xavier dos Sanies. Inde-
ferido.
11 Maxim'tano Anlunes Tavares. Indeferido.
12 Manoel Severiatio de Albuquerque. Inde-
ferido.
13 Cosme Ferreira Caninana.Indeferido.
14 Jos Antonio de Oliveira Indeferido.
15 Manoel Leandro de Souzt Feitoza. Indefe-
rido.
36 Raymundo Antonio do Espirito Santo In-
deferido.
17 Luiz. Alfredo. Indeferido.
18 Candido Jos Ferreira Brando. Indefe-
rido.
19 Veriato de Oliveira Barcellos. Indeferido.
20 Joo Tavares da Cruz. Indeferido.
21 Innocencia Maria do Espirito Santo. De-
ciato a que batalho da guarda nacional per-
tence o liliio da uppllcanle.
22 Joaquina de Souza Teixeira. Ao presidente
da provincia para que mande juntar a f de of-
licio c informe se j reformado.
23 Padre Scraflm Gonralvcs dos Passos Miranda.
Guarde se.
24 Honorato Joseph de Olivoira Figueircdo.
Guarde se.
25 Joaquim Jos dos Santos Araujo.Guarde-se.
Recife em 22 de dezembro de 1859. Dioni-
zio da Cunha Ribeiro Ftxj.
Parahyba. Ministerio dos negocios do impe-
rio em 2 dt dezembro de 1859. Illm. c Exm.
por pender a sen lenca do dibuual competente.
Manoel Gomes da Silva.Nao ha a resolver por
pender|de sen tenca do tribunal competente.
1 Candido Vieira de Mello.dem.
I Diodro Francisco dos Santos Indeferido.
Manoel Francisco dos Sanios Indeferido.
Manoel Jos Paz.Indeferido.
Luiz Antonio Constantino.indeferido.
Jos Braz da Cunha Nao ha a resolver, visto
estar pendende o processo de decisao do tri-
buual competente.
Lizardo Antonio Pereira.dem.
I Manoel Francisco da Silva. Indeferido.
: Maria Lins de ii.ullanda. Requeira Assem-
bla Ueral.
Manoel do Nasctuiento Alvos.Indeferido.
Maria Constancia do Coraco de Jess.Nao tem
lugar,
i Jos Calarn Rufo Duarte. Nao tcffl lugar
vista da lnfoi maro do BisiiO.
, Francisco de Mello Falcao.Indeferido.
Vicente Ferreira Gomes.Indeferido.
Manoel Teixeira de Jess.Ao Sr. Presidente da
Provincia, para que delira ao pedido do ad-
missao as obras do Arsenal, se julgar ne-
cessaro ; e quanlo a 2.' parlo do pedido, in-
deferido.
Jos Eleulerio Carneiro da Cunha. Indeferido.
Venancia Maria do Valle.Ofliciou-sc ao com-
mandante das armas para que procure cumpprir
com urgencia as ordens do Governo, dando
prompta soluco imdenircsaco reclamada.
i Joo Coelho do Rosario.Junle documentos, quo
provdni o que allega para poder sur luuiodo
em considerado, como for justo.
| Antonia Carolina Fernandos.Indique a supi!i-
cante em que lugar, ou em que barco de guer-
ra est seu irmo, para su poder tomar em
considerado o pedido, depois de colladas as
informacos.
L. F. Walrinee L. Herniequim.Ao Sr. Presi-
dente para que indague se com etleito sao
evadas as allegacdes dos supplicanles, o pro-
videncie para que sejarn observadas as dispo-
sicoes do contrato.
Mam el do Espirito Sanio.Depois de apresen-
lar-se ao commnndanlo da Lslaco Naval,
dentro de Iriuta das contados de boje, para
oque fica-lhe concedido o indulto do ciime de
deserrao, requeira ento baixa para ser consi-
I deraiio como for juslo.
I Claudino Pereira da Suva.Ao Sr. Presidente
para informar, corno se acha esta praca, que
da armada, no Rio Formoso, e indague se
ser desertor.
Joaquim Jos de Azevedo.Nada pode resol-
ver-sc por eslar pendente ao Tiibunal da
relacao.
Parahiba do Norte 24 de dcseiLbro de 1S59.
Dionizio da Cunha Ilibeiro Feij.
Recife.Ministerio dos negocios do imperio
| em 22 de desembro de 1859. Illm. o Exm. Sr.
=Remetto a V. Exc para sua intelligcncia e
execuco a copia do decreto de hoje pelo nnal
SUA MAGESTADE O IMPERADOR houvo por
bem commutar na quantia de tresentos mil reis
a favor das obras do novo cemiterio da cidade da
. Victoria a pena de tiinla dias de priso e niul-
ta a que foi condemnado Jos Francisco de Sal-
', les por sentenca confirmada pelo juiz de direito
; da conimarca de Sanio Anio, em data do 7 de
julhodeste auno. Dos guarde a V. ExcJoo
de Almeida Pereira Filho. Sr. presidente da
provincia de Pernambuco.Cumpra-se. Pala-
i co do governo de Pernambuco 25 de desembro
I de 1859.L. II. Muniz Fiuza.
Usando da oltrlbuico, que ni" compre a arti-
go 101 8. da consiituicao do imperio. Ilei
i por bem commutar na quantia de trezentos rail
| res a favor das obras do novo cemiterio da Ci-
j dade da Victoria a pena de trinla dias de priso
e mulla, a que foi eomdemnado Jos Francisco
de Salles, por sertcn;a confirmada pelo juiz de
direito da commarca de Sanio Anto, em dala de
7dejulho deste auno.Joo de Almeida Pe-
reira Filho, do meu consclho ministro c secre-
tario d'eslado dos negocios do Imperio, o tenha
ass'.in entendido e faca executar. Palacio do
Recife em 22 de desembro de 1859tu
jjesimo
oitavo da Independencia e do Imperio. Com a
rubrica do SUA MAGESTADE O IMPERADOR
Joao de Almeida Pereira Filho Conforme
Dionizio da Cunha Ribeiro Feij
Parahiba.Ministerio dos negocios do Impe-
rio em 25 de desembro de 1859.Illm.e Exm.
Sr.Renietto a V. Ex. para sua intelligcncia e
execuco a copia junta do decreto de hontera pe-
lo qual S. M. o IMPERADOR houvcpor bem per-
doar Gemeniano Alfredo Velloso da Silveira a
mi lia correspondente metade do lempo de pri-
so a que foi conJcrnuado pelo jury de Nazaretb
dessa provincia.Dos guarde a V. ExcJoo
da Almeida Pereira Filho Sr. presidente da
provincia de Pernambuco.Cumpra-so. Pala-
cio do governo de Pernambuco 31 do dezembro
de 1859-/.. B. JI/iu: Finso
L'srndo da atlribuico, que Me confere o ar-
tigo rento e um oitavo da contlituico do Im-
perio. Ilei por bem perdoar ao reo Geminiano
Alfredo Velloso da Silveira a multa correspon-
dente melado do lempo de seis mezes de pri-
so simples a que foi condemnado por sentenca
do jury do termo de Nazaretb. da provincia de
Pernambnco. Joo de Almeida Pereira Filho,
do Meu Conselho, ministro e secretario d es-
tado dos negocios do Imperio assira o techa cc-
lendido e laca executar.Palacio da Psrabyita
em vintc e qualro de desembro de 185938." da
Independencia o do ImperioCom a rubrica de
S. M. O IMPERADORJoao de Almeida Pereira
Filho.Conforme.Dionizio da Cunha Ri&ei-
ro Feij.
Ministerio 1; guerra.
HlSTRIBUir.AO DOS OFFIC1AES SUBALTERNOS
DAS ARMAS UE ARTILHA-
RIA, CAVALLARA E INFAMARA.
ARMA DBARTILHARIA.
Ia batalho.
O segundo lente Dclmiro Licurgo da Cruz,
para quariel-mestre.
Dilo Paulino Pacs Ribeiro.
Dito Joaquim Antonio Pinheiro Ferreira.
Dito Luiz Herculanoda Costa Bri'.o.
Dilo Francisco Jos Thoraaz.
Dilo Joo Jos Ribojro.
2" batalho.
O segundo lente Antonio Jos de Souza Lobato,
para ajudante
Dilo Manoel Martins Vianna de Paira, para quar-
tel-mestre.
Dito Francisco Carlos Pereira Caldas.
Dito Jos Joaquim da Silva, para secretario.
3 batalho.
O segundo tenante Carlos Augusto dos Santos,
para quarte-1-mestro.
Dito Francisco Jos Baplista da Silva Duarte,
para secretario.
Dito Rogaviano Monteiro de Lima.
Dilo Manoel Ignacio Carneiro da Fontoiira.
Dito Filippe Fernandos lleruies Trigo de Lou-
reiro.
4 batalho.
0 segundo lorenle Hygino Jos de Oliveira Coe-
lho, para quartel-mestre.
Dilo Jos Joaquim Ferreira de Paiva, para secre-
tario.
Dito Francisco Jos da Silva.
Dilo Manoel Ooncalvcs Rodrigues Franca.
Dilo Joaquim Jos dos Reis e I ima.
Dilo Ame-rico Clemente Duarte Pereira.
Corpo de Mallo f,rosso.
0 segundo lenle Clcmenliio Jos Fernandcs
Guimaraes, para quattcl-mestre.
Dilo Jos Maria do Oliveira Barbosa.
Dito Joaquim Antonio de Moraes.
Corpo do Amazonas.
O segundo lente Joo Alves Fernandos de An-
drade.
Corpo de artifices da corte.
O segundo lente Manoel Muniz de Noronha,
para secretario.
Co/710 de artfice do Matto-Grosso.
O segundo lente Luiz Filippe Fernandos Cuia-
bano.
ARM.i 1>F. CAVALLAUIA.
1" regiment.
'lente do terceiro Jos Procopio Tavares.
Dilo do quinto Joo Jos de Bruce.
Dilo do corpo de guarnigo flM deGoyaz, Joo
Jos Pasillo l'irrho
O alfores do rnesnio primeiro regiment Jos Mel-
quades Rezerra da Silva Costa, para quartel-
mestre.
O alfercs do corpo de guarnco fixa da Baha,
Manoel Jos de Araujo Filho.
Dito do quinto regiment Luiz Manoel das Chagas.
Dilo Joo Clemente Vieira Soulo.
2o regiment.
O lenle Bento Machado Gomes.
Dito Algemiro da Costa Sampaio.
Dilo Ataliba Manoel Fernandcs.
Dilo Jos Martins Teixeira de Castro.
o" regiment.
0 lente Angelino de Carvalho.
Dilo Joaquim Francisco Moreia.
0 alteres Julio Marianno da Silva.
Dilo Joaquim Sabino Pires Salgado.
4reoiieiro.
O lente do segundo 'Antonio Germano do An-
drada Pinto.
Dilo Jos Mauricio Velasco Molina.
5o regiment.
O tenentc Manoel Joaquim Machado.
Dilo Joo Frederico Guilhermc de Carvalho.
O alfores Francisco de Carvalho Silva.
Dilo Ignacio Francisco Sorra, para secretario.
Corpo do Matto-Grosso.
O alteres Joo Luiz da Costa.
Dito Fernando Antonio de Araujo Muniz.
Esquadro da provincia da Uah' 0 f,,fercs n l)
Sanios Cavalcanti, para quartel-mestre.
ito Benjamn Pereira Monteiro, par
a ajudante.
Maltos Telles de Menc-
O alleres'da coinpanhta tu a do Kiu-Crando do
Norte Antonio Joaquim da Costa.
O alferes Francisco de Paula Pereira.
Dito Demetrio Raimundo Mari de Oliveira.
Dito Agostinho Nunes de Souza.
Dito Francisco Antonio da Costa:
Dito Candido Patricio Vieira de Oliveira Ma-
ciel, para secretario.
8o batatl.o.
O lente Raimundo Nonito da Silva.
O alferes do 6o Manoel Francisco Imperial-
O alferes Justino Pessoa de Andrade
9o batalho.
O tonente Joo Paula de Miranda.
Dito Antonio dos Santos Caria.
O alferes do 8" Pedro Vrlho de S Brrelo.
Dito Feliciano Pereira de l.yra.
O alfores do meio batalho do Piauhy Polyear-
po Jorge de Cimpos
O alferes quftrtcl-mcstre do corpo do Amazo-
nas Domingos Pereira da Silva, para a filena.
10 batalho.
O lente Modesto Antonio Coelho do Oliveira
Netto.
Dito Joaquim Jos dos Passos.
11 batalho.
O lente Manoel d a Conceico Pereira de
Castro.
Dito Antonio de Campos Mello.
O alfores Francisco Genuino Semeo.
Dito Augusto Rodrigues Chavos .
Dito Francisco de Paula Xavier Filicssimo J-
nior.
12 bjtaiho.
O alferes Feliciano Ignacio de Andrade Maia.
Dilo Jos Roberto do Carvalho.
i:!0 batalho.
Otencnte Gustavo Christiano Desusar.
Dita Sernfim Flix de Paiva.
Dito Luiz Augusto Colin.
O alferes Polycarpo Vieira d? Cunha Brasil.
Dilo Herculano Jos de S Almeida l.obo, pa-
ra ajudante.
Ilotalho de Mato Crosso.
O alfores ajudai.'.e Jos Punce Martins, para
a lileira.
Dito do 7o batalho Luiz da Cunha Cruz.
Dilo da companhia Dxa do Rio-Grande do Nor-
te, Coriolano de Castio e Silva.
Dilo Manoel Estevo
los, para ajudante.
Meio batalho do Piauhy.
O alferes do corpo de guarnco do Amazonas
ClaudinnoUldarico de Oliveira Lima.
Dito do 7 batalho Carlos Jos Van Nos.
Meio batalho do Cear.
O alferes do corpo do Amazonas Antonio Pe 1ro
de Andrade Barra.
Meio batalho da Parahiba.
O tonente Joo Goncalves Baptista de Moura.
O alferes secretario do corpo do Amazonas Dio-
genes Gomes do Hollanda Costa, para a fileira.
Corpo de yuarnico fixe. da Bahia.
O ilferjs Flammio Antonio de Vasconcellos Ma-
chado.
Corpo de guarniro do Amazonas.
O alferes D. Faustino Jos da Silveira.
Dito do 9" batalho Joo Manoel Dias, para
quartel-mestre.
Dito Luiz Correa de Moraes, para secretaria.
Dito do meio batalho do Cear Joo Cae"ano
Pereira.
Corpo dt guarniro fixa deGoyaz.
O alferes Rodrigo Pinto Hotnem, para quartel-
m estro.
Corpo de guarniro fixa de Minas.
O ten cote Antonio Alcxandrino Ferreira da
Silva.
Corpo de guarniro do Paran.
O alferes Francisco Jos Cardoso Guapor.
Dito Antonio Joaquim Guedes de Miranda.
Companhia fixa do Rio-Grande do Norte.
O alferes do 7 batalho Olavo Eloy Pessoa da
Silva.
Dito Galdino Cancio de Vasconcellos
leiro.
Secretaria de estado dos negocios da
em 20 de dezembro de 1859.
Faria
6 o 8.
uo coiiimaiidaule: superior lie
Coiiiniunii'ou-se
Goianna.
Dito ao inspector da th.-souraria provincial.
Mande Vmc entregar ao Ihesoureiro pagador das
obras publicas a quantia de 24:3IOfi;00, constan-
te do pedido junio, para occorrer s despezas
cora as obras em oxecio.-o. por administra. ,">o no
corronte mez.Commuicou-se ao director n-
ter 1 no das obras publicas.
Dito ao director da colonia militar de Piraen-
leiras.Pode Vmc. promover a compra de mais
urna junta de bois para o servico dessa colonia.
Communicou-sc ao inspector da Ihesouraria
de fazenda.
Dito ao conselho de compras navaes.Appro-
vo os contratos celebrado'.- pelo conselho de
compras navaes cora Manoel Antonio de Jess e
Jos Ferreira Coelho, para fornecimento de carne
o lijlo.
Pode o consclho aceitar a proposta, a que se
reft-re o seu officio de 18 de novembro ultimo, e
promover a compra des objectos, de que tam-
bera trata o mesmo officio, que tica respondido.
Communicou-se ao inspector da Ihesouraria
de fazenda.
Portara.O presidente da provincia, leudo
vista a proposta do commaielanle interino do
batalho n. 29 de infantaria da guarda nacional
do municipio de Garanhuns, acerca da qual in-
formou o respectivo commandante superior ein
data de 13 de novembro prximo Qmln, sob n.
06, resolvo nomear para lenle da 5.' compa-
nhia do referido batalho o alferes da 3.a Tho-
raaz Tenorio de Albuquerque Villa-Nova.Com-
raunicou-se ao coniraaiidante superior da guar-
da nacional de Garanhuns-
Expediente do secretario do governo.
Officio ao commandante das armas.lVo
1, te n ir
niaras devem
sidoucia em 31 de outobro prximo lindo.le-
melleu-so copia do 0IIU10 o documental u pre-
sidente da relacao e ao Inspector da Ihesouraria
de fazenda.
Dilo ;' cunara municipal do Buique. 1 n, ,
presento o uflicio, que em l de outobro ultimo
me diriga acamara municipal do Bmq.n-r-.ini ..
bataneo da reci-ita edespeza d issa cmara
o da i de julhu di corronte.
Devolvendo in .uso n din, balan
rece a dzer que as tontas das e
romprehender o lempo decorrido do l.deuuiu-
brj ao ultimo de selcmbro, observando-sc lan-
o a respelo dellos como da balance, is dispo-
sie-oes da resolucao de 31 d.- outubro de W31
Alm desses documentos, deve a camai
melter, para ser presente sssembla legisl
provincial, em lempo optH.rliinu, n on-amcnl .
ua recotla e despeza municipal para o ann
nanceiro proxim> futuro.
Dito ,i diia de Ouricury. Convem que .1 1 1-
mara municipal de Ouricury me informe coas ur-
gencia sobre a materia da inclusa represen!
relativa posse e jaraniento dos vere Ion
tos pata o municipio do Ex.
Exptdiee do secretario d > govt
Offi-io ao commanuanta das armas. De
dem de s. Exc. o Sr. presidente da protim
claro a \. Exc. ';u.' nesta data se manda ndem
nisar, nos lormos da nfoini.11 1, junta por mpa
do inspector da lh- cirurgio do corpo de saude do exercil r
co Gonoalv s de Moraes, da quantia qu d. -
'Jen con, o seu transporte .la provincia da Para-
laba para esla capital.
Dito ao mesmo.A us 1 recep^iodo ofl
que V. Exc-. dirigi ao Exm. Sr. presidente d.i
provincia era : do corrente.
nm. J........ V'- r-xc. uiri o ao hxiu. Sr. presidi'lile ,: .
umcio ao commandante das armas.Pe^o a provincia era 3 do corrente, sob n. lotil .,
V. Exc. que se sirva de informar sobre o que "pe- do corneta Manoel Luiz lo Carmo do iba \-
de o Dr. chefe de polica, no officio junto-, com Ionio da bilva c Mello, e do soldado Vnlonio du
dala de 30 de novembro ullmo, sob n. 1295. Sacramento.
Exc. que se sirva
requerimeiilo de
Dito ao mesmo.=Per;o a V.
de informar sobre o incluso
Francisco Jos da Silva.
Dito ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda declarar a V. Exc. que nesta
Dilo ao mesmo. s. Exc. o Se. presidenta do
provincia manda declarar a \. /.xc. que 1
vista a sua informa. o de 3 do correnl
n. 1059, niandou
Iho
-
pagar ao caplo do 8
- de infantaria Joo Anlaniu Carduzo a q 11
dala expede ordem a Ihesouraria de fazenda, afim Da de 12*000 rs.,emque impvrlnu o atuau
de ser paga a gratiicacao, que compete ao pe- | 'usa, que servio de aljame....... de dono*
de Andrade o \ asconcel-! destre Andre Avellino d Costa, porler capturado correante e armamento no lern o de Garanl
Mon-
guerra
Dilo Francisco Mara de
zes. para secretario.
Dilo Miguel Ribeiro de Moraes.
Dilo Francisco Ignacio de Nendonca.
Corpo de guarniro fixa de'tioyaz.
O lenle Joaquim Alves do Oliveira.
O alferes Joo Bonifacio Marques Fogaci.
Corpo de guarniro fixa do forana.
o alferes Silvcnno da Costa Borges.
Companhia fixa de Vernambuco.
O alferes Joaquim Vellozo da Silveira.
AllMA DE INFANTARIA.
1 batalho.
O irnentc do segundo batalho, Cvriaco Jos da
Silva.
O alferes do terceiro dito, Jos Alce'iiades Car-
neiro.
O dilo do corpo de guarnco fixa do Paran, Ma-
noel Martins de Carvalho.
O dilo do stimo batalho Lourenco Juslniano
Jorge Goncalves.
2o batalho.
O lonente-njiidante do mesmo, Aurelio Joaquim
Pinto, para a lileira.
O tenentc Joo Bibiano de Castro.
O dilo Joaquim Mondes Ourique Jacques. \
O alferes do meio batalho da Parahiba Luiz An-1
Ionio Fon eir da Molla.
3 batalho de infantaria,
O lenle Antonio Joaquim Bacellar.
Dilo Joaquim Jos Pedro.
Dito Joo Baplista dos Passos.
O alferes Domingos de Azeredo Coulinho.
Dilo Miguel Cabral de Moura, para ajudante.
Dito Jos Benlo dos Passos Lima.
4o batalho.
O alferes Leopoldo da Rocha Moreira.
Dilo Jos Geraldo Gomes.
O alfores secretario do sexto batalho, Jos Viei-
ra de Souza, para a fileira.
5o batalho.
O lenlo do decinio-prinjeiro Francisco Haran-'
no de Siqucira.
Dilo do stimo Antonio Jos da Fonseca.
O alferes do nono Antonio Raymundo Campello. i
Dito do batalho de Malo-Grosso, Carlos Manoel
. de Lima.
6o batalho.
O lente Joo de Arroda Moreira.
Dilo Joo Mara Xavier de Brito.
Dito Joo Antonio de Oliveira Valporto.
Dito Jos Manoel Poroira.
O alferes Francisco Raymundo Maciel, para aju-
dante.
Dito Tilde Soares Neiva, para secretario.
iloThomaz Jos da Silva Rangel.
Dito Manoel Germano Guedes Alcoforado.
Dito Joo Rezerra de Salles
Dito Joo Ignacio de Oliveira Cavalero.
Dilo quartcl-mcstrc do mesmo Galviano Pires
Campos, para a fileira.
Dilo dilo Scveriano de Siqucira Daltro, para'
quarlel-meslro.
7| batalho.
O tenente Felippe Guilherme de Miranda Lisboa. I
Dito Maxmiano Ferreira Chaves.
Dito Loopoldino Machado de Lemas.
GVEB\0 DA PKOVIAC1A.
Expediente do dia 3 de dezembro.
Olfico ao Exm. enviado extraordinario e mi-
nistro plenipotenciario do Brasil em Portugal.
Accusando a rcccpco do officio, quo V. Exc. se
servio dirigir-me em 11 de r.ovembro ultimo, se
me offerece a di/erque foi entregue no paco -.111-
perial o pacote remedido a S. M. o Imperador,
que se acha nesta provincia.
Fiz chegar s mos de S. Exc. o Sr. ministro
do imperio o officio, que V. Exc. euviou com di- dldil ao almoxarife desso arsenal Manoel l'ran
o desertor do 9.u batalho de infantaria 'jacinto
dos Passos Guedes.
Dito ao director geral da secretaria de estado
dos negocios da marinha.S. Exc o Sr. presi-
denta da provincia manda acensar recebida a com-
municaco, que V. Exc. Ihe dirigi em 22 do no-
vembro ultimo acerca do pagamento da 111 umi-
naci a g.iz do arsenal de marinha desta provin-
cia.Remeticu-se copiada referidacommunica-
cSoaoagente fiscal da illuminaco a giz.
Dito ao chafe de polica s. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. que
nesta dala se expede ordem para ser paga na
thesourara provincial a despeza feila ro lempo
deeorrido do Io de jnlho al o ultimo de outubro
prximo findo como aluguel da casa que serve
de cadeia no termo de Barreiros, como se vfi da
con'.a, que acompanhou o officio de V. S. do Io
do corrente, sob n. 1301.
Dito ao inspector da Ihesouraria de fazenda.
Constando, do corumunicaco da secretara de-
estado dos negocios da marinha, que deve ces-
sar, a 31 do corrente, o contracto celeltrado em
23 do outubro do 1838 com Scolt Hell e C. para
fornecimento, por espaco de um anno, do carvo
de pedra ai-s navios da'armada eofflcnas do ar-
senal de marinha desla provincia ; assim o com-
munico a V. S. para sua inteiligencia. Commu-
nicou-so tambem ao inspector do arsenal de ma-
rinha, c commandante da diviso naval, e aecu-
sou-se a recepeo da communicacao cita pela
secretaria de estado da marinha.
Dilo ao mesmo.Constando, de participa.o
do tenente general commandante das armas, que
fallecer no dia 3i) de novembro uliimo o len-
te coronel reformado Podro Ro.-gcs de Parias :
assim o communico a V. S. para sua intelli-
I gencia.
Dito ao mesmo.Peco a V. S. que se sirva de
informar sobre o incluso requerimenlo do engo-
nbeiro fiscal da estrada de ferro.
Dito ao inspector da ihesouraria provincial-
Peco a V. S que se sirva de informar sobre o ofli-
co incluso do chefe do polica, cora dala do 1
do corrente, sob n 1300.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
i Co lisian do de aviso expedido pelo ministerio da
I marinha em 10 de novembro uliimo, quo, por
decreto de 28 de outubro deste anno, foi conce
de abril a outubro d"
eao auue-
e >:r-
receo a elle.
Preyaleco-rac da opportunidade para renovar
a V. Exc. os protestos de miaba subida estima e
mu dislincta consderaco.
Dito ao Exm. presidente de Alagoas. Nesta
data eepeco ordem para serem reme Hielos para
essa provincia, na primeira opportunidade, as 20
arrobas de plvora, de que trata o officio, que V.
Exc se servio dirigir-me em 23 de novembro ul-
timo.
Dito ao da Parahiba.Passo por copia s mos
de V. Exc, era resposta ao olficio, que se servio
dirigir-me em 8 de uovembio ultimo, a infor-
mado ministrada pelo inspector do arsenal de
marinha acerca da galeota destinada ao servico
deS. M.o Imperador nesta provincia.
Ditoao commandante das armas.Sirva-so V.
Exc. de informar so j seguio para Ouricury o de-
legado ltimamente nomcado para aquello ter-
mo, ordenando que elle parta immedijlamcnle,
se ainda o nao lirer feilo.
Dilo ao mesmo.Pode V. Exc. mandar abrir
asso-lamento de praca ao recrula Virgolino Al-
ves de Oliveira.
Dito ao mesmo, Pode V. Exc. pramover a
compra de maisSOcavaltos para a companhia fi-
xa de cavallaria, Ocando cerio de que o inspec-
tor da Ihesouraria de fazenda tem ordem para
entregar ao capilao Manoel Porfirio de Castro
Araujo a quantia necessaria para essa compra,
na razio do 16O$O0 porcada cavallo.OtReiou-
se sobre este assumpto ao inspector da Ihesou-
raria de fazenda.
Dito ao chefe de polica.Srva-se V. S. de
expedir as suas ordens para que sojam recolhi-
dos companhia lixa de cavaUaria, visto o que
pondera o tenente-general commandante das ar-
mas, nao s o soldado de cavaUaria, que se acha
disposic&o do subdelegado da freguezia da
Boa-Vista, raas tambem osdous cavallos.que fo- do apto para~isso"'como"consta d"oYrmode*s-
cisco de Moura a Oposenladoria, que requeren,
com o ordenado de 1:0009000 ris, que actual-
mente percebe, visto contar mais do 35 anuos de
efleclivo servico, o achar-se comprohendido as
rtisposicSes doSj 3 do art. Sido rogulamento de
16 de junho de 1856 : assim o communico a V.
S. de ordem de S. Exc. o Sr. presidente di pro-
vincia, remetiendo a nota dos dlreitos, sello o
emolumentos, que deve o dito Moura pagar, afim
de solicitar pelo ministerio da fazenda o compe-
tente titulo.Officiou-se tambem ao inspector da
ihesouraria de fazenda.
Dilo ao director da associaco commercial be-
neficento.S. Exc. o Sr. presdeme da provincia
manda acensar o recebimenlo do officio, que Ihe
dirigi a direceoda associaco commercial be-
neticenle em 30 de novembro ultimo cora a co-
pia dos actos e officio?, que tratam da creaco
do asylo de mendicidade.
Dito cmara municipal da Ese-ida.S. F.xc
o Sr. presidente da provincia manda remoller
cmara municipal da Escada um involucro con-
tando 4 tubos espillaros com pus vaccinieo.
5
Officio ao commandante das armas. Pode V.
Exc. mandar abrir assentamentos de praca ao re-
cauta Valeriano Nunos dos Santos, a quera se
refero o seu olficio de 3 do corronte, sob 11. 1054
Dito ao mesmo. Tde V. Exc. mandar abrir
assentamenlo de praca ao paisano Joo Quintei-
ro de Menezes Galhardo, que offerecendo-se vo-
luntariamente para servir no exercilo, foi julga-
do apio para isso, como consta do termo de ins-
peceo annexo ao officio de V. Exc, de 3 do cor-
rente, sob n. 1056.
Dilo ao mesmo.Pode V. Exc. mandar abrir
assentamenlo de praca ao paisano Gratuliano Ur-
bano Cavalcanle Florida, que, offerecendo-se vo
lunlariaraenle para servir no exercito. foi julga-
ram postas ao servico do delegado do termo de
Serinhem. Communicou-se ao commandante
das armas.
Dilo ao inspector da Ihesouraria de fazenda
Mande V. S. entregar ao almoxarife do hospital
militar a qusnlia de 1:0009000, constante do po-
dido junto, para sallsfazer as despezas daquellc
estabelecimcnlo na primeira quinzena do cor-
rente mez. ICommunicou-se ao commandante
das armas.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.Ap-
provo a deliberaco, quo Vmc. loraou de ir sa-
tisfazeitdo as requisices, que, a bem do servico
publico, Ihe sao dirigidas pelo vice almirante
commandante da esquadra, que conduzio SS.
MM. II., como deelarou Vmc. em seu officio de
23 do novembro ultimo, sob 11. 389 leis.
Dilo ao rnesnio.Approvo a deliberaco, que
Vractomou, de mandar fornecer 400 fo'lhas de
cobre para o vapor Apa, corno deelarou em seu
officio do 1.- do correnta, subn. 399.
Dito ao director do arsenal de guerra. For-
neca Vmc. para a guarda nacional do Goianna 6
caixas de guerra, 1 bandeira com seuspertenecs,
o 100 armas com o competente corrame, as
qnaes sero oportunamente restituida.
pecro annexo ao officio de V. Exc. de 3 do cr-
lente, sob n. 1057.
Dito ao mesmo.Vista o que V. Exc. pondera
era seu officio de 3 do corrente. sob n. 106'), po-
do mandar passar escusa ao recrula Joo Pran*
cisco da Silva, que foi julgado incapaz para o
servico do exercito.
Dito no mesmo. Approvo os contractos feilos
com Antonio Nobro de Souza l.ealdadc para for-
necimento de agua potavel companhia fixa de
CavaUaria, como consta dos tormos annexos ao
officio de V. Exc. de 3 do corrente, sob n. 1061.
Communicou-se ao inspector da theooraria
de fazenda.
Dilo ao coronel Bento Jos Lcmenha I.ins.
Convem que Vmc, sem prejuizo do servico cs-
erial em que so acha empregado, exerca as
jnccScs de vogal em um consehlo de investiga-
rlo, que lem de nomear o tenente-general cora-
mandanle das armas, como deelarou em officio
de 3 do corrente, sob n. 1055. Igual ao coro-
nel Antonio Gomes Leal, e communicou-se ao
commandante das armas.
Dito ao juiz municipal e de orphos do termo
da Boa-Vista.Accuso a recepeo do officid, que
com vario; documentos dirigi Vmc. a esta pre-
o lempo decoirid".
renta anno.
Dilo ai mesmo. De ordem de S | 1
presidente da provincia peen a \ Exc. que *
sirva de mandar inspeccionar os retratas I
Francisco da Silva, Man Cien til d
Manoel das Neves Carneiro. Commun.-
cou-se ao chefe de policia.
Dita ao presidente da relacao. De orden de
S. I'.xc: o Sr. presidente da'provincia rogo a v.
S. que se sirva de dar o sen parecer sobre 1
tena do officio incluso, que acompitiha 1 1
formaran do rr. Dr. thi-fo de polica de 19 I 1
novembro uliimo.
Dilo ao chele de policia. He 1 rdem de S
Exc. u Sr. presidente da provincia, peco a \, v
que se .-iva de inorn. ir bri '
liveram os recentas constantes da re
xa ao officio incluso.
Dito ao mesmo.De ordem de S. l \r
presidente da provincia. [...... a V. S. que
va de informar sobre o incluso requerim
Ann.i i onslanliua Bezerra Cavalcanle.
Dito ao mesmo.lio ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia pea. 1 v. s qe te sir-
va de informar sobre os papis inclusos, que > '< >
coberlos ,0111 a iu formar o do juiz de dir.
comarca do Brejo.
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia communico a \. s que,
por despacho desla d ila, se autorisou a Ih
raria provincial a pagai ao cabo Mapool Jos Vil-
larins a quanlia do 1245200, :i, qU mportaram
os rencimentos da esrolla da puarda nacional,
que do termo de Tacaral conduzio dous crimi-
nosos para osla capital, con
duplcala, que acompanhou o offi< io : t
hoje, sob u. 1308.
Dilo ao inspector da ihesi uraria de faz nJa.
De ordem de S. Exc o Sr presidente da pr
cia sirva-se V. S. de informar sobre > incluso
requeriracnto d. Jos Hygino Je jjir n !
Dito ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia pr a a V. S
va de informar sobre n officio incluso do |<
le general commandanlo das ario
latir aos venciraeul s dos lautas
dantcs Horneados para as....... mi ...
res as comarcas de Tacaiat o >a \
Dil.i ao mesmo.De orJem de >. Exi. c Sr.
presidente da provincia poco a V. S. q
va de informar sobre o luso d
mandante da diviso naval.
Dito ou mesmo.De orJ. m de S. F.xc.
presidenta da provincia p ico a V. S 1 .
ra de informar sobre o incluso roquer
Jos Cesar de Albuquerque, Man el A
Albuquerque, e Joo An
Dito ao commandante su la guarda na-
cional da comarca de Sanio Aula v \<
de S. Exc o Sr. presidente da provincia
so V. S. de informar sobro o incluso do reqoeri-
menlo do lenle Anton'o M iria de Ai
Dilo ao juiz de direito da comarca do Brejo.
Accuso recebidos os ofP-'os de ItJ d 1 1
ultimo o do 3 do corrente, em que \. s
mmica haver deixado por molestia a ei
do seu cargo no dia 28 de novembro. e entrado
no 1. deste mez no gozo da licen;a de 30 dias,
que Ihe foi concedida por portara de _s do mez
prximo Dndo.Communicou-se ao inspector da
Ihesouraria de fazeuda e ao presidente da
ll,:M.
Do ao dito do Bonito.Accuso a rec< p-;31 d>>
officio de 30 de novembro prximo
que V. S. rnmmunira ter entrado n 1 1 (tata
no gozo da licenca de 2 mezes, que i;.. ((. con-
cedida por poria'ria de 15 de outubro ultimo.
Communicou-se ao inspector da t! riada
fazenda e ao presidenta da r b<\; .
Dito ao dito de Clore- Pe ordem de S. I \-
0 Sr. presidenta da provincia poro a V. S
se sirva de deilarar a data, em 'que (orara
pensados os 30 guardas, que se achavara d.-sia-
cudos nrssa villa, e de que ir.ilou V. S. em
offirio do 1 l de novembro ultim 1.
Dito ao dito interino Jo Rio Formoso.Deor
-
- -
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provn
co a V. S. que, enviudo o juiz municipal d
modo Barreiros, se sirva de informar sobre o of-
ficio incluso do director geni dos indios.
Dito ao inspector da ihesouraria provincial.
De ordem do S. Exc. o Sr presidente da provin-
cia peco a V. S. que se si; va de informar >.-bi.
officio incluso do director zrral da io pu-
blica. '
Dito ao mesmo.De ordem S. Exc. o Sr. pre-
sidenta da provincia peco a V. S que se sirva
de informr sobre a mal iria d's cilicios tnc!':: -,
do Dr. chefe de policia.
Dilo ao d'rector geral da lostraecao publica.
Do ordem deS. Exc o Sr. presidente da provin-
cia peco a V. S. que se sirva de informal sobre
o incluso repicrimontodo professor Ivo Pinto de!
Miranda.
Dilo ao dircclor das obras mililarcs.S. Exc.
o Sr. presidente da provincii manda declarar 3
V. S., em respesta ao seu officio de 29 dt novem-
bro uliimo, sob n. 316, que nesta dala se expe-
de ordem ao inspector da ihesouraria de fazend t
para mandar pagar a Manoel do Carmo Ribeiro a
quantia de 15OJJ000 porque tile ajustou a cons-
trueco do muro desuado a evitar a communi-
cacao entre os empreados da botica e os da co-
slnha do hospital militar.
Dito ao dek'gado de polica do termo da Etca-


(i)
DIARIO DE PFRNAMECCO. iTJINIA FEWA, 5 DR JANEIRO DK 1860.
da Do ordem o S. L\i. o Sr. presdeme da
provincia sirva-se Y. S. de rcmclter no juiz de
direilo da comarca de S Anio a lisia de que
trata o mesmo uii no oflV io junio por copia.
Cojnmunicon-sc ao >juiz de ditcilo do Sanio
A nlo.
Dito -"i) dirarlor da colonia militar de Pimonlci-
i is.S. Lxc. o Sr. presidente da provincia manda
remoller por copia V. S. a inormnco que nii-
uistrou o tente genera! commandante das ar-
mas acera dos oquerimetilos, que devoU'o, do
corneta Luiz do Carino, da B*bo Antonio do Sa-
cramento, ana quaes -e refere o offieio do V. 8.
t'Oin data de 1 i do novembro uitiiiio, sol n. 00.
Dito ao enearregadn da gerencia da compa-
nhia lYniamhucauu.Podo V S. fazer seguir
para os poilos do norte o vapor Iguarass, nodia
ti Iiora indicados ein sen offlcio de 3 da cor-
rerile.
Dito a cmaro municipal do Limoeiro.Con-
ven! que a cmara municipal do l.inioeiro preste
Rom urgencia a infnrniacao exigida em 21 de
<;oi.ki-:ssm.\iivm:i s i< u v.;ci>
DE FEOVWIBUCO.
Pars, 7 de dczcinllro.
Huero boje inormar-vos do como, nesta quin-
zeipi, se restabeleceu certa harmona entre a
Franca e a Inglaterra Por esse lado as cousas
iam o peior possivcl, como o podestes julgar por
miiihas precedentes correspondencia!-. Os jur-
naes iugU-zes suporabundavam de violentos ata-
ques ronlra a Tranca, que ellos oceusavam de
meditar nina iuvasao e, quem san; ? a p-
lhagem de Londres e, a tloslruico da Inglaterra.
Ao ouvir esses gritos de alarma, a pnpulacoin-
gle/a doixou-se possuir de me lo ; o houve nm
momento em que, por lodos pontos dos seus tros
reinos, s cnidavam os nossos visinhos em alis-
lar-se na milicia e exereilar-so no manejo das
rruias. Os oradores dos meenUng. sempre dis-
putilicn, aug-
josIos a lisongear o seniimento
mentavam aindi mais o pnico, exagerando de
un modo ridiculo os armamentos da Franca e os
ados vulneraveis da Inglaterra. Em quanto da
visean '|i'' i -IMI-.I.-I.I la rsu: urrunjii: a rimi-.
renunciara a defender a causa dos archiduques
mais nao haverin annoxaco ao Piemonle : 3 I-
lalia central ronslitui-so hia cni reino separado :
quanlo as provincias romanas dar-sc-hia ao go-
verno do papa ora prazo para ahi irrtroduzir a.
reformas reclamadas ; e, expirando eslo prazo,
se os votos das populaccs no se acha'ssom rea-
lisados, a Franca retirara seu exordio de oecu-
pneo dos riscos e porigos do governo pontificio.
Becebi essasparticularidades de mui boa fonte,
e considero-as de sunuua exaelido prest nte-
senlernenle, mas isto nao quer die. que os pla-
nos, em que se flrou de accordo, n'a srj.im mo-
dificados de agora al o cougre-so o mes no du-
rante o congresso.
Seja o que fr, lodos se preparam para cssa
reunio solemne; o as onza cortes que ahi de-
vesscni ser representadas, teetn o lempo preciso
para poderem escolher e enviar a Pars seos
l" OH" *u*u AiV'eo i ni iidiu-j., He Aiil'uue pai-
ticular t sargento do Io regiment a cavallo Fi-
lippe Mermes Fernandos Trigo de .oureiro;!"
cadele do Io bata I bao Bogaciauo Monteiro de
Lima ; 2 cadete do dito Paulino Paes Ribeiro ;
2" cadete sargento quartel-raestre do dito Del-
miro Licurgo da Cruz ; particular Io sargento do
dilo Joaquim Antonio l'iiiheiro Fetreira : \n ca-
dete Io sargento do regiment a cavallo Joa-
quim Antonio de Moraes ; Io cadete Io sargento
do 1* batalho Francisco Carlos Pereira Caldas ;
c
guuuu i .luele .i.ii^enio qua lei-iueaiic tlu ouiaiiiao
do deposito Herciilano Jos de S Almcida I.o-
bo ; particular segundo sargento do dito Justino
P sio do Andrade ; segundo cadete sargento-
aj adn le do Io balalhiio Gnldino Cancio do Vas-
cnncellos Monteiro ; 1.a cadete 2.u sargento do
dito Luiz Correa de Moraes ; segundo cadete sar-
gento quartel-mestredo corpo do guarnido ixa
do Minas ltodrign Piulo Ilomcm ; primeiro
escriplurano ilo arsenal de guerra d.i dita pro-
vinria, Jlo Pompino Caldas,
Foi reformado o lenr-olo do corpo de estado-
maior, de 2. classe Joo Maneo Pon ira por se
adiar rumpreheudido as dispusirc* do S 1 art.
9 da le n. i 18 de 18 de agosto d 1852.
Passsarama nggrogadoe a arma de cavallaria,
por se acharen) coniprchcndidn.; as dispo-
do 1. art. 2. do decreto n. 260 de 1 de dcz't n
dote primeiro sargento do Io balalhao Augusto! Dro de 1841, os ratoitcs do corpo da mesma ar-
-haves ; segundo cadele sargento aju- ma jn provincia de MaltoCrosso Antiuiio Pedro
Hanoel Ignacio Carnoiro da Fnloura ; 2" sar-
gento do balalhao de engenheiros Joaquim Jos
dos Reis c Lima.
ARMA 1)K CAVALLARIA.
1 regiment.
Tara coronel, o (nenle coronel do mesmo re-
giment Joao Daniel Dmaso dos liis, por mc-
a gusto ultimo sobre a materia de que trata o re- loulra exiremidade da Mancha, tudo pareca prc-
qiccnmentu incluso.
Portara.O Sr. agente da companhia brasi-
Ici-ra de pa [ii les a vapor mande dar transporte
para a provincia da Babia no vauor Paran a
Ernesto Rotelho de Andrade o san senhora em
lugares destinados para passagoiros de oslado.
sagiar assim o prximo rompimenlo da aliianca,
nao se conduziam mais sabiamente d'esle lado do
eslreito : c os jornaes (rancezes; anda aquellos
que servein por habito poltica do governo, u.io
senliam a menor repugnancia em atacar a Ingla-
terra, e em suscitar contra suas porleneoos a co-
ca ilo publico :.ilie*'/., despertando os vclho-
plenipolcnciarios porque anda en Paris que se j recimenlo.
reuniram o congresso, segundo o proprio pedido! Para eapilao,o tenente do mesmo regiment
da Austria. Pedro Braulico Lassance Cunha, para a 2a com-
Quo faz, entretanto, a Italia, ao passo que toda panhia.
a Europa se oceupa com ella 1 poueo, verda- 2o regiment. *
de ; e o melhorqne ella pode lazer. A demissao Para Capites : os lenles do 1 regiment
imposta a Garibaldi, depois de haver causado Ilcrmeccgildo Selrolo Junqueira, paia a 2J roin-
i alguma agiiai;ao em Bolonha foi delnilivamente panhia ;e Pedro de Araujo Rangel, para a 8."
; bein acolhida ; o este importante fado compri-'
i mi feliznicto o espirito revolucionario que
EXTERIOR."
n-i.i lili iilJlll'i) .) .MUVf., It\SIM*l lilllUU :;s;i^ifvoss(:c,,,oi io **** c",ri- vsRJ^t^T^isss^"^
-i. ii |4(. Cp llniinpnmnndii A onm nm m rl i. _
i) Incalido Rnsto faz nos seguinles termos, que
acompanha do commenlarios, urna exposieo re-
trospectiva Jos .coiilcc.nclitos que liveram lugar
desde que so declarou a ultima guerra :
os acoi leci non us pa 'ili os suecedem-sc ef
'etivamctito com tal raptdu, que osespintos extraortiiurlasac* injuriost-s e virulentos,
observa lores ipenas tcem tempo para cipiicar a Uma m in,nlida lomada pelo ministi
causa e os resull idos. Algumas vezes succed
A |ucitao se envenenava cada vez mais; e bem
queosdous governo houvessem dado a prova
de sua boa inte ligeuca, ponlo-se de accordo
para amprehendet em commum urna grande ex-
pedidlo contra a China, os jomaos dos dons pai-
/i'S trocavam entre si vio entos ataques; e o Ti-
mexsobretodo se assignalara por certos ortigos
[Jornal do Commtrcio do Rio.)
Coiuuiisso Ausj;lo-ItraNil<'ira.
?o laAl\ t dj' L",i/- l','l,(0ul',"., da Costa Brilo ; danto}., corpo de goafnicao ixa de Minas Fran- d'oS San tos"ci Aalnio MosieT Var.ila".
Io cadele 1." sargento do Io regiment a cavallo cisco de Paula Xavier Ft lis.sissimo Jnior; segundo
cadete segundo sargento do 3o balalhao Jos Ro-
berto de Carvalho ; primeiros ndoles do 1" dilo j
Francisco de Paula Pereira Tude Soarcs Neiva c !
Antonio Joaquim diodos de Miranda.
N. B. lis offlciaescojos nomos levan) osignal !
(*) foram promovidos na confcrniidade do artigo
- da lei numero 1,012 tic 1! deselembrodo pro- l
ssnte anno.
Por decreto de 2 de dezembro foi commulada
em pristo simples o resto do lempo de priso
com Irabnlho a que foi condemnado Alexandri-
iiu Jos do Oliveira, porsentenca do jury da villa
d: Estrella, da provincia do Ri d Janeiro.
PII (IZAS.
Artia XIII.
Pres!ava-se > assumplo que Iratamos a vol -
mes, com una successo, deduccao e docui
Irirao que a forma jornal nao comporta ; e nen
devenios demasiadamente abusar da conde-'',
delicia da redacro ou da pa-ioncia do putdico
Callemos pois outros nemorosos ponti -, mdn j
aos que deveni pi U:camciilt gui..r os Irassslftos
da coimnisso.
A nacAo com quem o Brasil esl negociando
passarem-su seculos inteiros uutn oslado de im-
mobilidade de estagnaco materiaes e moraes;
nutras rezes, as pcirpecias maravilham pida ra-
pi le/, rom que sui redera.
< O anuo do 1 '-vi licar regustado nos pecio K.s
da historia inivi rsal em que o improvisto exc-
ite todas as previsoes humanas No principio do
anuo, ningiicm cerlanienle poda prever o que
devia acontecer. T sado domin o da a usina s il re a Italia, e o sof-
frimenlo dos povos opprimidos debaixo desse
jugo. Todos presenliain que cedo ou larde a ex-
plosao devia rebentar, mas tambera todos sabia ni
que com as iuuociisas forjas de que a Austria
poda rtispr, -ma semelhantc exploso, louse-
quencia inevitavel do desespero eda exasperago
popular, seria esmagado coiuoj o tiuha sido poi
inultas ii.v.es. ., -. iaco da Saroeulia excitava
oiitao a aDpreheusao geral. I un potencia pe pio-
na de seg o la orJem tinln j, desde dez anuos,
empreheudido i obra gigantesca do libertar a
Italia inleira do jugo austraco. Tinlia suecum-
bido nesta lucia desig tal, mas continuon desde
essa poca, a susfenia-Ia pelas amias moraes.
Esle genero de eoiubale oblevo melbor resultado
do que o oolro.
Cora o-as preponderantes pJe-se destruir
ura exor.iio qui I |Uer que seja ; mas a inlluencia
i is i leas n i [i idia su&peiuler-so nem pelas ai-
andegas, n 'ni pelo despotismo, nem por meiu
los soldados, i) espiril i sempre tem a razao da
i ire i malej .ai.
A Auatria \. i i alinal todo o perigo da s-
liaco cid que i Qiivoli'iu a sua Lueta contra as
ideas liberacs, v. resolveu reccorrer rorca, que,
mlo, he linha 'i.:i!o a victoria. Invadi a
Sardenhacom 00,(HK) h )hk-h<, ea sorle daqucl-
ie infi'liz | iceu inovil i\ I.
K bem sabido que a tranca correo em auxi-
lio Jo l'ieni inte, mas para fazer passar uj Alpes
a sua cavallaria, ariilhciria e bagagens, o llual-
mcnlc em trente das moralhas Jo Turim, era n
cessariu m< is d i mu :ii--. e do Tessino a lieno-
. a Turim, era a; cuas nm passo. M is, por
fortuna para u Piemonle, os generaes austracos!
iJ".'o'jiram o ineio de nao fa/.i
y
pelo n.iiiislro do
interior da Franca, foi bastante para suslar esse
muvimcnlo. 0 que principalmente excitava os
joruaesde Londros era esso facto pouco conlesta-
vel de que, nn sendo a i O) prensa plenamente
hvre em Franca, ludo quanlo dissessem contra a
Inglaterra os jornaes dedicados a politice imperial,
denunciava n'el'esa responsabilidade dogiverno
fiancez. esse clamor acaba de dar urna reposta
c ithegorlca o no-so iniiistro dointeii >r, o Sr. Bil
Iam. Rite dirigi a lodosos porfolios dos deparla
montos uma circular na qoal os convida para
o-ir do sua inlluencia sobre as folhas de sua lo-
calidade, alim de que de parle dolas cesse una
guerra, que n&o pode dcixar de ler desastrosas
conseqnencias. Por urna iudiseripcSo calcla
la, o correspondente do Times aqu levo conhe-
cimonto d'essa circular, e apressou-se em en-
via-ia para o seo jornal ; de tal sorte que gou-
bi mos o fado em l'aris por urna folha ingleza.
Seja qualfor, a medida lomada plfe ministro do
ior produzio na Inglaterra a mais feliz ini-
pressao.
A linguagem de que quasi todas as folhas de
Londres so adocou immcJialameiiie, e o Times
sobretodo entrn cni vas de in"Jeracao e de cor-
lozia, que nao Ihe eram porvonlura habituaos.
S nm joma
I los Tor^s, continuou o polmica hostil a
<\> ; mas e i.slo uellc lima manobra de pai.iio,
porque os Torys, fra do poder, esperara recon-
quista-lo, especulando com as paixoes populares.
Oulro laclo nao nonos importante cuntnbuio
singularmente para condu/ir o peno inglez a sen-
tliiienlos mais conformes ao espirito da allianca
eniio as duas naces. Qualro honrados nego-
ciantes de Liverpool tiveram a da original d.'
dirigir-so ao proprio imperador Napoloao, para
-i" regiment.
Para capitn, o lente do mesmo regiment
HanoelAlves Frazo de Lima, pura a compa-
nhia.
meacao do Sr. Buoncompagni sempre cuntes- 5o regiment.
lada pela Toscana. O chefe do ministerio tosca- Para tenente-corohel, o major do mesmo regi-
no, o marquez Ricasol, dirigio-se mesmo a Tu- nenio JoaoHanod Meniia Brrelo, por inore-
rin, a fim de expender ahi os motivos de sua op- cimento.
posico; mas assegura-se hoje que elle poz un Pata major, o capilio do mesmo regiment
termo s suas resistencias. Augusto Cesar de Araujo Bastos, por mereci-
O Sr. Buoncompagni lomara o ttulo de go- monto.
remador geral ; masa Italia central se conslitue Para eapilao. o lenle do 4o regiment Ma-
em dous go vernos separados, um formado so- noel Antonio da Cruz Rrilhanle pora a T'1 com-
mento da Toscana, o outrocomiirehcudeiido Par- panhia. '
ma, Uodena c as provincias romanas, lera por Esqnadro da provincia da Dahia.
chefe o Sr. Fariue, sol a alta dirceco dogover- Pata major-commandantc, o capitaodo i'' re-
nador geral. gimer.lo Garlos Bctbzc de Olireira Nery. por me-
r.m outros lempos, se a altonco publica nao recimento.
esliresse nicamente absorvida pele congresso Para lenles da arma : os alferes Jos Marlins
futuro e pela queslo italiana, occupar-se-iam Teixoira de Castro, Bi-nlo Machado Gomes, An-
coni interesso do que se passa na Hespanha. o gelino de Carvalho, Josd Mauricio V'elasco Mo-
espirito publico se despena neste paiz, que ha lina, Podro do llego Barros Algemiro da Cosa
tanto lempo est ferido de impotencia por suas I Sampaio, Hanoel Joaquim Machado, Joaquim
dissensoes intesnas. A guerra com Marrocosi Alves de Olireira, Jo5o Prederico Goilherme de
provoeou um moviuiento unnime da opiuiao e Carralho. Ataliba Minoel Fernandes, Joaquim
de todas as parles o governo recebe lestemonhos Francisco Moreira.
das sympalhias nacionaes. As camaias foram Para alferes da arma : 2o cadele 1" sargento da
unnimes em approvar esla guerra, e as despezas companhia llxa de Pernonibueo, Silverio da Co.-t..
que ella ......essariamente exigo; o as subserip- Borges; I" cadete do corpo de guarnicao llxa de
.oes particulares se esfoream por lomar menos S. Paulo Fernando Antonio de Araujo" Muniz ;o
pesada a causa quo assun est imposta ao Ihe- particular 'sanenlo do regiment Francisco
so uro publico. de Carvalho Silva ; o particular Ia sargento do
Os lempos terriveis que reinnm desdo o equi- 3o dito, Julio Marianuo da Silva; Io cadete do i"
noci em lodos os nossos mores da Europa ira- dilo Miguel Ribeiio de Moraes; i" cadele ii.,
possibitaram por ulguns diasa passagem das tro- companhia li\a de Pcrnainbuco Joaquim Velloso
pas alravs do eslreito, para aportar eosta afri da Silvcira ; 1" cadete 1" sargento do 3" rogi-
eana. O general Echague foi o primeiro que ment Joaquim Sabitio Pires Salgado : 2o cadele
passou com a sua diviso e assignalou sua chega- 1" sargento do corpo da guarnicao lixa dcGoyaz
da por nm com bato incarnicado contra os inon- Joao Bonifacio Marques Fogoea : 4o cadete do 1
o Morning Herald orara dosve- "'* '>'"' de'x,rirm l^'1" UL' "lil honraos no cam- | regiment Joao Chnenle Vieir Sonto ; ca-
holil Fian- ,," 0s B3Pa,,ll0PSi I,or 8IM Part6i Hvoram per- \ dele sargento-ajudanto do 5" dito Benjamim Pe-
da-, sensiveis, perto do 81) morios e i > fondos; I eir Monteiro ; 2o sargento da companhia lixa
o o general Echague licou com urna das mios I de Peroambuco Ignacio Pereira Sena- 2o sar-
mulilada: mas acaba de lomar oulra vez o com- | genio do l" regiment Francisco Ignacio do Men-
iii indo, do que se achara investido Pouco de- doea; Io cadele 2o sargento do corpo de guar-
pois chegon o general em chefe Odonnel com a nicao flia da Baha Francisco Maria de Mallos
segunda divisan, eganhou tambem urna bullan- Telles de Menozcs : sargento quortel-mestre d i
le victoria. Collecou seu acampamento em Ceu- corpo de Uatto-Grosso Joao Luiz da Costa.
la, c val continuar suas oporaces com o con- j
curso da 3a diviso que 6 esperada a cada ni i-1
menlo.
Por um capricho extraordinario, e como se <>s
marroqu nos nao liressem j a Hespanha como!
Por decretos de 8 de dezemliro conenle foi ju- esta queslo d>- prezas aquella mesma que, pe-
Lilado o f)r. Joaquim Francisco de Para, pro- lo orgfto d> Inril Ponsooby, apies' ntou, com os
fossor vitalicio do theologia dogmtica do semi- morroes de sua artilharia arresos, o rom Ire-
narin episcopal de Olinda. mondas antearas, o fanioao'iNfflioraiRdiuH de 5
Foram noraeados ; de maio do 1829, relativo s prezas, mil
O bacharel Ovidio Gulhon, juiz de dirtulo da {mais regulares, fcitas pelo Brasil nq Rio do
comalia de S. Roiga da provincia de S. Pedio do Prata.
RioGrando do Sul ; Essi e;a unilateral, esse. Iirm;.n, essa ronlii-
0 bacharel Jos Prospero Jcvah da Silva Co- buiro de guerra sera guerra, a presntala i
loal, juiz municipal e de orphus do termo de sissimns disposices :
Porto Calvo, da provincia das Alagoas ; Desbrozara todas as roodicrs de 11., _
Foi remolido o juiz municipal c de orphosleslabelecidas por uma na^Ao soberana ;
\> enceslao Antonio Pin 3 Jequilinhonha, do ler- ; Desconslderava o di-cielo de 1 de maio J.>
modo Rio Pardo para o de Gro-Magor Ja pro- 1828, que condemnira variiis navios e caricas
vincia de Slinas-Geraes.
Foram reconduzidos ;
" bacharel Jos Pcn ira de Mi squila, no lugar!
de juiz municipal do leitno de Valenta, da po- .
e i iliveira, no lu-
aos dos termos
e Porto-Alegro,
vincia da Babia ;
i) bacharel Manoel Antonio d
gir Je juiz municipal e do
reunidos da Maiondade, Apodj
da provincia do Rio-Graudo do Norte.
Foram nornea ios :
< capiao Francisco Leito Ribeiro,tencntc-co-
roncl c.mmandaiitc do balalhao de inranlaria n.
22 da guarda nacional da provincia do Rio do
Janeiro ;
Manocl Libaiilo Telxeira, lenentc-cororufl
com mandante do balalhao de infahtaria n. ti'A
la guarda nacional da provincia de llinas-Ge-
r es ;
o capilo lenlo Florencio Munhcs, major
com mandante da primeira sccr^o de batalho da
guarda nai ional da provincia do Paran ;
U lenle Francisco Herculano Monteiro No
gueira da Gama, capilo quartel-mestre docom-
mando-superior da guarda nacional do munici-
pio do Marianna, da provincia de Minas-Ge-
r; .-s.
I' ir decreto do 6 Jo corren te foram nomeados
pira a ihcsoururia de azcuda Jj provincia do
Esiabelecia premlssai arbitrarias, fonjaudu
a bases inadmissiveis;
Obngava o llra.-il a pagar o valor lol d Jos
navios e carga condenan dos ; aasisa n mo os na
vios M'lasados, poi'-m julgadoa ihnaregavt
poi esse motivo \- ndidos ;
Ilem : a pagar a despeza lol 1 Jo costi io
dos navios que na-egavam depois de nlaxi
tem: a paga i iodos os dinlieiros pn lae
navios houvt'ssein despendido coni d
rio e de ancoragetn .
tem: a pagar a importancia di
en>, dinheiro que devesst ; igu no
porto da descarga, e pie nao o lin --
conseqiiencta da di i ncao ;
Moni : a agar as pi rdas ocwsii nadas
inexi rucan das cartas de freamenl
Ilem : a pagar a estada desde Jet,
''' execuca i das senteneas da lommisso, re
gulando-se >.-;,i esladia, nao pelas que ralr
mente se bscrvam no Brasil, maa ..- --.
al II :l a-..s navios nglozi -.
Iioin : a pagar i idas ,.s ,],.-.;, ,..-
eommisoes, di -. s tra
. es, defesa dos navios e carga,
iri 's afora um el co lera i auna Us-
lica, e igualmente as comraises de reci
ndemnisaeoes, e as dos ag nli
as rem lli ssera ;
m : a i : ida e su.t< nlo ''"-
perguntarem-llie quaes eram os seus sentimen-
to.s para com a Inglaterra ; o eis-aqui a respos-
la que Ibes foi dada em neme do imperador, pe-
lo Sr. Mucquard, chefe do gabinete imperial.
Aos Sis. Sciaw, Bllloc, Irviug e Blaknell,
i: ge lauli's em Liverpool. Palacio das Tulhe-
iia-, ios3Ude N nomino de 1SVJ. Senhures vos
vos diiigistes iinmcdiataineule mi imperador,
afim de saber gnes eram snas intenees a res-
inimiga, uma provocacao louca dirigida es-
quadra franceza obrigou-a ha pouco, a dar urna
severa lico aos niouios. F.is a curta verso
ollicial que a semelhantc respeito foiendererada
ao nosso governo polo almirante llomain Des-
fosss, rommandanlo da esquidra franceza.
de no-
i-
ma
a-
n-
lu-
MIMA DE IKVANTAHIA.
1" balalhao.
Para major, o capilo do 8. balalhao Joao Cap-
lisia de Sou/.a Braga por anliguidade.
Para capilo, o lenle do mesmo balalhao
Francisco Mana
7." companhia '
dos Guimares Peixolo, para a
os espiril polilieos eomecarain a retlaclir
i i -(i anh i ; "i i d.-. Italia Central.
d A priineini milicia da guerra, os loscanos,
os modenezes 3 os larmezaos levaniaram-.-e para
sacudir o jugo austraco, porque Os seus sobe-
ranos eram vassallos dc-la ullima polcucia; os
duques, coiWiecendo a sua fraquezn em presonca
di ii povo, rband nar i sua cora eos seos
los, sa iio bem que a Austria licassi
r:osa lie-.-- restituira lu lu aquillo, e que, se
.II i fosse reuf ida, dcrvriam igua n ate resignar-
bou vesseis maduramente examinado a verda-
deira causa de vossas apprchensocs. Essa causa
le-la-hieis adiado em lodo o clamor excitado no
nieio de vossos compatriotas, pela propagacao
tenaz do mais (himerico de lodos os sustos ;
porquanio at aqu, em qualqucr circumslancia
que seja. nao"ha uma s palacra do imperador,
nm s acto que lenham dadu motivo a duvidar
le seus senliiuenlos, e por ronsequencia de suas
i illleui;6cs para co:n vossa patria. Seu proceder.
i invariavelmeiile o mesmo, nao tem cessado um
A Frahae a Sardenha favorecern,, esta, fffj^^J^A,Ce??..?
sublevacoes, na sua qualidada -le potencias cm iesjP
gueriacom a Vus'.ria, eos du 'ados renovaran) n
pavilham.
Os navios aliraram armados vapor p.ir causa
di loica Jo vento. Em pouco lempo exiinguio-se
o fogo que parta de duas fortalezas: os man i-
qniuos as abandonaran). \ oltei esta manila pa-
ra o aneoradouro de Algesiras. Amanh o Rato
2." bntnllmo.
Para capilo, o lente do mesmo batalho
Jos Marcelino de Arngao, para a 6.a companhia.
3. balalhao.
Para capilo, o lente do 6." batalho J -
Lopes de Oliveira, para a n." companhia.
." balalhao.
Para capilo. o lenle do C>." batalho Gald-
ur> da Silva Villas-Boas, para a 7.a companhia '.
.' balalhao.
Para capilo, o tenente do mesmo batalho
1 CarlosOlivio Danckwaii, para a 2.a companhii '.
6.' batalho.
Para capilo, o lenle do mesmo batalho
Maranho :
Ghefe de sereo, o primeiro cseriplurario da
mesma lhesouiaria Jos Mara da Cosa.
1." cseriplurario, o seguudu dilo Carlos lugos-
lo Coln.
2.' Jilo, o lerceiro dito Antonio Pellos de B i
i redo.
!.' dito, o praticanlo Al! ano Duarte Godinho.
P ra cailorario, Fcinanda Ja Sena Carneiro.
Para a da provincia do Par.':
\' escriplumrio, o segundo da mesma provin
I cia Januariu Antonio du Moraes
2." dilo, o lerceiro Jilo Francisco Je Souza
Pro v o.
i. dito, o praticanlo Joo Evaristo Ferreira..
I'.ua a da pi o\ im ia de S. Pedro :
2." escriptutario, o segundo dilo da Jl Uinas-
Gei aes Augusto Franco Vi lioso.
Para a Ja p i l'ai ahina ;
Amanuense da dita theSouraria, o praticanre o a praea
Ja Jo Pcrnambuco Ai,ionio Jeronymu de Oli
veira.
25 -
Por decn to de l'J Je novembro :
lioi | era a lo ao reo Joao Rodrigues Evonge-
Jns da Cunha Mor ira vives, para a ." compa- lisia a mulla correspondente melado do lempo
ihia
1 a rigor .1
que liuli mi le.lo dez anuos antes, isto procl-
mala m a -na aunexaco ao l'iemonto para cons-
liluir na lialu Central um lisiado nico e sufTi-
cienlemenle poderoso para luclar com a Austria.
De repente, depois da balalha do Solferino, em
que os austracos tcntaram um choque decisivo
eoucluio-se -i armisticio Je Villa-franca, u logo
depois i stipulava a paz a rcslauraco dos Juques.
Este era um aconleciiiienlo iulcirumente impre-
visto pai i a Kpropa, u sobretudo para a lialia.
S"i i!ro icmj o sera necessario resignar-so
>' in II, SOlfl i' a ron I i-; Jos -1 tus -'.-. .::, |i|i
avara de fazer a paz, mas -m 1839, os
i ensam de ni lia u un ir i.
Supp jen : do alguns milhocs le
hi meiis nao poJia depender de urna Ir.nisucco
concluida em un instanle, da vonlade, da deli-
i a leza e da condescendencia mutua dos gabine-
tes, n. is pie se deve ler cni consideraco, t pe-
munho leudes anda hoje esta cbmniunhao
ICrigos lougiqlOS eolio 03 vossos sollados e
Assun pois Iranquilisados de hoje
passai a combaler j um erro.que es-
sorlc so debata.
>ar OS J' -:--jo; (ios pe. os cij
Os ducados un ni, sem so preocuparein das
la j uca, conliuuaram a
obrar como se essas condicces lies uodisses-
.si m respeito cni cousa alguma. Depois do ap-
ireni para o voto de loda a classe do povo,
reuniram as as ubicas nacionaes, o sem dis-
cusso, mi i imomente, proclamaram a sua an-
, A -ma lempo abolirara
as ali ndegas intermi.liarias, eslabeleceram leis
ioi das uniformes ; om urna palavra, lo-
varam ; efl'i ito a aune- ico Je facto, julgando-
se com o din ilo, | or nao tere": soberanos no es-
dos aniorn res i ilo mezes, de disporeni da
s'ia propria sorte.
Resol vid a rsla condir \ envolrou a Franca
Ira tm um grande embarace. 0 mais
di
us noss i,
em dianle,
l minio propagado. Os grandes povos sao fel-
ina para o iim do se apreciarem, e nao parase
leniorem mis aos outros.Recebei, senhores, a
exjiressi) de meas senlimentos disiinrtos.0
secretario do imperador, chefe do gabinete As-
signado, llocquard.
teta caria nao deixa a menor diivil.i, quanto
aos seiilimei los Jo imperador, que s lorian) iU
mudar no caso que o proceder da Inglaterra of-
'n I esse a dignidade da Franca ou seus interes-
- s. Nao se poje recelar .I cousa, principal-
mente agora. 0 negocio da China c um laeo en-
tre os dous gnvnrnus, que os reunir por'mullo
lempo, me quo seja dada uma solucao sobre a
queslo Ja Italia, respeito da qual parece que
lia alguma dllUculdade em se entenderem.
A Franca rai despender, talrez, cem mrlhes
com o imperador da "".bina, em aqual nos apenas
lomos ,ie vingar mu injuria, ao pa.-S) quo a
! Inglaterra nao s tem urna injuria a Mugar, mas
tambem Ihe corre a obrigacu de defender os in-
icresses de seu commercio. 0 prove toda allian-
| ra pois, principalmente para os inglozes; p
nos vamos sacrilicar multo dinheiro, e pode ser
que molos loinens, n'um conflicto, do qual i-
1 raru aquelles muilo mais rantagem do que nos.
Mandamos ni ra a Clima duas fort ;s brigadas, por-
to de 12 a l ( mil hotnens de tropas, sob o com-
mando em chefe do genera! Cousin-Monlauban.
Demais, o pe . vara essas tropas, sol,: polo menos, mohna ci-
fra ; de sorle que perlu Je :(-J mil franeczes lo-
'y1 mam parte n'esta-expcdieo. l
ira a
Kalil. Depois de se br.ver feito jugtica, reassu-
mirei o meu papel de n cutralidade.
Annnncia-se boje que as explicacoes dadas ao
ministta marroquino o salislizeram complcla-
meute, e que ello dimitlira o coinmaiidanle das
fortalezas.
A Allenianha festejou esto mez com grande
pompa o anniversario secular do Bastimento d'i
Schiller. Teve luyarem Wurtsburguma reunio
de representantes dos estados secundarios, cu-
ja frente se achaca a Batiera; sendo o fim dessa
reunio tratar dos unios de contrebalancar na
dieta a inlluencia da Prussia. A Austria favore-
ce vivamente esta manobra.
0 imperador dos franeczes vollou, a deste
mez de Conipiegne para l'aris.
Holelim da Bolsa3 J 71 35 1 ,/" t 50
Consolidados inglezes97 1/4.
balalhao.
capilo do 10.
Jos
Para major, o capilo do 10." batalho
ir explicacoes^severas ao ministro | Francisco Ja Silva, por anliguidade.
Para capilaos : o lente do mesmo balalhao
Antonio Maria Coe lio, para a 3.a companhia ;
o lente do corpo de guarnirlo Bxo de Minas,
Aniunio Jos do Carvalho Jnior, para a G." com-
INTERIOR.
I : sido m duvlda expedir tropas e I '! 3t"f ", foz"se '"' ,har t,;l"3 u,,,mos
prova, -.os ducados, pelo massacre'dealguilsimi- d'aS: "S'a'i ma,or
Ihares de homens, qoo deviam obedecer e acei- '
tar os soberanos que se lhes davala. Mas esla
mancha de persuasao nao j comptirel com o
rilo do nosso lempo. Agujp quer-se que a
forra seja Lascada na ra/o. Sem esla circums-
lan :ia tora o nomo de violencia,
Para cumulo de embaraeo surgi nina nova
queslo- a J is provincias puiilitlcias, e Jo po 1.1
tem pera I do Papa. Sobre este ponto, eslavam
ainda em uma posico mais critica as potencias
1 : ab ivan Je concluir a paz. Sao ambas ca-
Iholicas, e votadas ao respeito e obediencia
poio chefe Ja sua igreja. Mas os subditos do
ponticc cstavam, havla muilo tempo, duscon-
lentcs do ver os padres effectivamente ministios,
juizes, genera -, pn fessores, cheles da polica c
encarregados de os governar. O exemplo da Eu-
ropa mostra-lhcs que cni pane alguma o poder
temporal se ii volve com o espiritual. Por uutro
lado, tura lgica sa prova que os myslcrcs do
culto, e as oracoes para o povo, de que ellos sao
pastores, constituem a nica oceupaco e o nico
dever dos sen i dores Jos aliares, e sao absoluta-
mente ii compativeis com os uccupaijcs civis c
com OS deveres populares.
' Houve urna poca, 1&8{!, em que Pi IX
manifcslou inlcnco de se conformar com o es-
pirito e exigencias Jo seclo. Ilislituio nos seus
Estados o ni-i-llou cxcellenles aujoridades socu-
coui o commandante
em chefe seguir o camiuho 'io Isihma de Suez,
e partir para o fim de Janeiro. O grosso do ex-
ercito e a csqiadra soguera o rumo de Cabo da
Boa Esperanza ; e, como um irajcdo de qua-
lro a cinco mezes, lom-se dado pn-ssa partida,
de maneira quo o exordio c a esqnadra se reu-
nam nos mares da Clima, no melado do mez da
RIO Oli JANEIRO
19 de clexcinliro de 185.
Por decreto do 2 de dezemliro, fortn pr i mo-
ndos os seguinles ofliciaes:
CORPO DO F.ST.UIO-MAIOH-OEM'.UAI..
Para marechol do cair.pi, o brigadeiro viscon-
de de Camani
Para brigadeiro, o brigauViro graduado do cor-
po do engenheiros Antonio Nunes de Aguiar.
clico UF. ENtiF.MHElKOS.
Para coronel, o lente-coronel Antonio Pe-
dro de Alencastro, por merocimcnti).
Para lenentes-coroneis: os majares Jos Maria
Pereira de Campo e Thumaz di Silva Amaral,
ambos per mereciraento.
Para majores: os capites Manoel ta Cunha
Barbosa, por anliguidade; Manuel da Silva Perei-
ra, por anligui i ele ; o Francisco Pereira de
Agaiar. por merecimeiito.
Para capites : os primeiros lenles Pedro
'.laudio Sordo. Carlos Frelerico de Lima, Con-
a maioria das. rudo Jacob de Niemcyer, Antonio Augusto Mon-
' teiro de Barros e Domingos Jos Rodrigues
CORPO OF. F.STAD0-MA1011 DK 2" CLASSE.
Para teneiites-coroneis : o lenenle-cotonel gra-
paniua.
batalho.
Pura tapito, o lente do 9." batalho Ignacio
Gomes de S Queiroz, para a ('>.* companhia.
!).' balalhao.
Para capilo, o lente do mesmo balalhao
Caeano Gaspar Lopes de Azevedo Villas-Boas,
I ara a 5." companhia.
10. balalhao.
Para capites : o lenle do mesmo balalhao
Francisco Je Assiz Guimares para a 2." compa-I detonado pelo juiz municipal ^
nhia; e o lenlo do 11- batalho Jos Joaquim provincia das Alagoas
da Silva luisa, para a .a companhia.
12." batalho.
Para capites : o lenle do .>." balalhao Le-
andro Correado Cago, para a companhia; o l-
enle do 8-" I alallao D Muniz Brrelo, pira a companhii ; o 0 l-
enle do 13." balalhao Gabriel de Souza Guedes,
para a .'' companhia.
U." batalho.
Para capites : os lenles do mesmo balalhao
le oilo aniins Je priso cun trahalho a que Ioi
condcin.'iadn por seulenca do tribunal ilo jury da
cidade Jo Nazarelh, la provincia da Rabia.
Por decretos de 17 do corrute foram perdoa-
da? :
A Jos Joaquim Gon;alrcs de Can alim, a pi:, i
de qualro mezes de priso simples e multa cor-
respondente netaJe do lempo a que foi con-
demnado pelo juiz municipal dj 1.' varada
coi le.
A Manocl Carlos Braga, a pena de dous mezes
do priso e malta con spondenle raetade do
lempo quo Ihe foi impasta pelo subdelegado Je
poli-ia Ja (reguezia de Nossa Senhora da Pieda-
J". de Mag, da provincia do Rio de Janeiro.
A Joo dos Sa 'los Luna Ponle-Baixa, a pena
de qualro mezes e nieio do priso e mulla cor-
.spoiiJi-nlo ,i melado Jo lempo a que foi con-
Porlo Calvo, da
Francisco Manoel de Oliveira, para a 6.a compa-
nhia ; e Joo Nepomuceno da Silva, para a 7."
companhia *.
Meio balalhao do Piauhjf.
Para (enente-enronel commandante, o majoi
do 7o balalhao, Amonio Joaquim de Hogalhe."
Castro, por anliguidade.
Corpo de jitaruieo do Amazonas.
Para lencnle-coronel commandaulo, o major
do 1." balalhao Jos Auto da Silva Guimares,
por merecinienlo.
Para capilo. o lenle do meio batalho da
Parahiba Jos Amonio Alves, para a 3." compa-
nhia.
Corpo de guarniro p\ca de Minas.
Para major. o capilo do 12." balalhao Mauri-
cio de Souza Freir, por anliguidade.
Para lenles da arma : os alteres Joao Paulo
de Miranda, Antonio Jos da Fonseca, Anloni
A Elizabeth Mximo llrando Je Castro, o res-
to ta pena de 5 anuos e quatro mezes de gales e
multa a que ioi condemnado pelo jurj de l.cre-
na, da provincia de S. Paulo.
Foi commulada em ties mezes de priso sim-
ples a pena de Ircze mi zes e nieio Je priso e!
mulla correspondente melade do lempo a que
ioi condemnado Braulio Muniz Dias da Cruz, pelo
subdelgalo de poMcia de Cabo-Fri, e pelo
juiz de direilo presidente do jury do mesmo
a p.'- ir
- e Iripuljeea que Qearan no Brail ,j. -
Je a Jala das capturas al da exeiuei
senlencas, assim como 8 u insporle di ..
p-na a Inglaterra :
Dispunha qu.- admill
mc.....s suftlcientes para regular
cues das cargas, as facturas, conhecimt
uil -1 -, ele, que ;s partes intetessada
agente-, apresi nlassem aes coibmissaros ;
Mandava juntar, anda em rima, 10
importancia das facturas, cusi loda* ai
pezas ;
Dispiiaha que se satisfizosso n rali
cargas extraviadas, perdidas, damuilicadas,
ti nulas, ou que faltasiem ;
Aulorisara os commissario a lanrai
lucro, quanlo ju!gassem razoavel no q
s cargas restituidas u exportadas, ralrulai
mercado do Ro, a nalureza da n -
para ondi pffei luou o ca
memo, a mais as di .,
as avatias geraes;
D lermin ii i |uc so inJemnis issen us pi
- : cargas pelas arn
liuJegis, dir',-- toa m consequencia a
nco, ele. ;
Fizara um premio de 6 "| ann tal c< '
importancia das indomnisares, a contar d<
mez depois j.i i ipinra ata io pa mu .
Fiensii's portanto a perder de ,
de D. Paciflco Picaste* deshancado em ,
cotilas, valerse grao capilo !
Ocaso, porm, que ,-e deve aproveilai
fo de to conspicuos mostrea! S< as coa
Inglaterra se fuzera assim para hidi
de prezas justas, i ao de i utro modo di
gular-se para a de piezas injustas. 1
a commisso, as rela^oea anglo-bra se- preceituadas pela Gra-Brelonlia, que i
poder ir contra o sen pi iprio fa : i, sob p
de acci iiniular ao s rislico de i ,i ,
los mires o de le.i da fbula.
Que a maioria das prezas foi Ilegal,.
lo indemnitanda, sera o assumptu J-
va cm seguida nos passaresoea a oceupar -.
essas ndemnisaeoes forem equitativas, resaar-
cir-se-ho at :erlo ponto i s excessos i omaaet-
liJos : compentatio fim .- fi l ,
commisso nao cumprir o sen a sua c' a-
,-',1, .. *. ..i i. .... ...i.....: i i.....
;u : i st lo un a calaini
n ii.
Pvbl
') pr
t5;->j S5 le ilezemlirii.
PR0GAHI4.
. 1 : le '
la pnrrliicia rec mi n I -,
feliz da da chegada de SS. Mil. Imperia
esla provincia, sejam gunrJ ida? -
riionie as seguinles ordens, aalvndctomiin
em contraro :
Art. I." Logo que do alto do pharol Ior
111 a csquidrilha imperial, iear-se-ha all o
pdo juiz o direilo da comarca de Itaborahy da parilho nacional, dando-sc immedialamente tres
provincia do Biu de Janeiro ijros do
termo.
Foi commulada em 200$ pan o xs.v'.o do Santa
I. ; oldina a pena de dous mezes de priso e
umita correspondente melado do lempo, a quo
foi condcmiiado Francisco Joaquim da Silvcira,
Foram nomeados :
peca cura o menor inlervallo -
-raui nomeados. I um do oulro, aos quaes conespondtra I
O bacharel Antonio de Araujo d- lm io Bul- desta cid Je com iguaes Uros, icndo-sc lamiiem
cao, juiz municipal do turnio Je sanio Amaro,da all o pavilho nacional
provincia dn Baha. Em seguida subiro aar cinco girndolas con
O hachar. I Joaqom Jos de Olireira e Aora- inlcrrallo de cinco minutos urna da outra
-'". 111! / in uuicina e tle e.nJians rio lermo de Na- \ < > > .....___....._, ". ,
cliar. I Joaqoim Jos UeOlireira e Andra- inlcrrallu de cinco minutos uma .;, m
juiz maiucipaledeorphaosdo lermo Je Na- Art. 2. AocUegar i estiuadiilha
zarelli, da pronnna de Pcrnambuco. fundoadouro salrara o referido (orle eos nari >s
u bacharel Ernesto Francisco de Lima sanio-, de guerra surtos no porto, observando-se a
juiz municipal o de orphaosdos termos reunidos respeito as ord, na eregutamentos esa vigor.
le Propen e Porto da Folha, da provincia de Art. 3. O capilo do puiio (ira eoean
,PP?; ,, .. .., de dar as necessarias inslrocces erea di
O bacharel Jurencio Alve3 Bibciro da Silva, si.io quo devem lomar os navios de su.
Joaquim Bacellar, Joao Bapt.sta dos Passos, lio- ju municipal c de orphos dos lemos rouni- moranles bem como sobre o nViTauVmt
SSi0!^0J*l!?.f? I22L WSLfl A0^-^.*." I -!. *V ? I1|,|""'!j oTuloya, nu provincia do convira mtlhoi ordom.c icen, h'imciito'da-
malidades que terode ser guai ladas nest
merecimento.
Para majores : o major graduado Jos Maria da
Cosa Araujo. por anliguidade ; o capilo Fran-
, cisco Camello Pcssoa de LacerJa, por merec-
abril, poca tavoravcl para o comeco das opera- monto.
'.u's- Para lenlo, o alferes Francisco Jos
Estes graves sacrificios que a Franca
duado Francisco Galvo de Barros Franca,"porIB?e.' ^*ra, Haximiano Ferreira Chaves, Joo,
anliguidade; >; o major Jos Pedro Heilr,' pon B'biano de Castro, Joo de Arroda Moreira, Leo-
' poldiuo Machado de I.emos, Raimundo Nonato
da Silva, Joaquim Jos Pedro, Joaquim Jos dos
Passos, Manoel da Conceico Pereira di- Castro,]
Amonio de Campos Mello," Antonio Alexandrino
Ferreira da Silva, Pelippc Guilhermo de Miran-
da Lisboa, Leonardo Luciano de Campos, Joo
Maria Xavier de Brilo *, Joo Antonio do Olivei- I
Lopes.
SC mpQ, I CORPO DK BAtTDF,
ii um inlercsse mais inglez do que rancez, sao ; Para cirurglo-mr de brigada, o rirurgiio-mr r;1 Va,l'
propnos por sua nalureza para acalmaros ierro- de brigada graduado Ignacio Manoel Domiug
res e as coleras de nossos Visinhos, e c isto jus-
tamente o que acontece, sobre tudo depois da
caria lo significativa do Sr. Moequard. A opi-
nio publica que os jornaes de Londres nao a-
paixouam mais, rcapdssa-se de maior bom sen-
so; e eis que os dous goyernos parecen) aproxi-
mar-se ao ponto de farlitar a solucao dos uego-
cios da Italia. Desde j desappareceu a opposi-
co que a Inglaterra fariaa reunio de um con-
gresso. As carias de ronvocacio dirigidas pela
Franca e pela Austria, s onze potencias, que de-
vem tomar parte n'esC congresso foram envia-
dos a 29 de novembro; e hoje sabe-so nao so-
mente qui a Inglaloira nao faz mais opposicao,
mas que designuu j seu primeiro plcnipoien-
eiario, que c Lord Cowley, cmbaixador da rai-
nhajunto do operador. Falla-se muito sobre
Lord l'almerslon para cssn niisso ; o principal-
lares. Os exenwM Jos republicanos obrigaram-o i m,>nte 0 Temei in-sistln tfeale S0llliJ() rsil. Lord
a fugir, e qua. di s armas francezas o restabele- pa,meisl0, a opinio desse jornal, o estadUta
ccram un Ihrtno, addiou todas as reformas,son-
pondo que ellas eram a causa Jas Sceuas sangui-
nolentas que linha presenciado. Lia um erro.
As disposieoes das sabias reformas sao sempre
escolenlos, mas sao aquelles que as execulam,
que pela niait r parle das vezes as perdem. O
Papa restabeleceu ludo na sua amiga ordem, c
os seus ministros repelem aos povos que se a f
christaa e cierna e immutavel, o poder temporal
do Papa o deve ser t.unbcnie isto igualmente
om erro deploravcl ; aaduas cousas nao tcem
en si neihtitn.i razo de identidade .
Aqui o Invalido fusso enliega-se, sobre a
origen) Jo poder temporal dos papas, o consi-
deracoes que i o sao mais do que o desenvolvi-
miento do qu-- .i temos visto publicar a esto res-
peito.
[torhal do Commercio de Lisboa.)
de maiscapacidade na Europa. Mas como o con-
gresso deve rounir-se a 5 de Janeiro, e por es-
se tempo que se reunir o parlamento inglez, o
que torna uidispensavel a presenca do ministro
em Londres, o gabinete emenden"dever escolher
oulro pcrsonageni; e Lord Cowley era natural-
mente aponladu como um diplmala, que possue
mais do que iienhiim oulro, o perfeilo conlieci-
menlo do negocio italiano, e que dispe de um
grande favor na curie das Iulherias.
A termos da nos referir os boatos muilo acre-
ditados, e que cu julgo exactos, Lord Cowley le-
da um litulo particular confianca que seu go-
verno Ihe lesleniunha. Fui elle que n'eslcs lti-
mos lempos, aps langas conferencias com o im-
perador, foi levar a Londres coilas proposicoes
que ahi leriam sido acolhidase que fazem espe-
rar que os dous governosse bao de entender no
cengresso.
por anliguidade.
Para pi i nciros cirurgioos capites : os segun-
dos cinirgies lenles Antonio de Jess e Souza
e Antonio Luiz do Souza Seixas.
Para 2o cirurgi.io lenle, o doulor em medi-
cina Feliciano Antonio da Bocha.
RF.I'VRTICVO KCCLKSIASriCA.
lo", Joaqom Mondes Ourique Jacqu
nos, iSeraphim Flix de Paira *, Joo Goncalves
Maranho.
ti bacila rol Joo Jos Sanios Nevos, juiz niuiii-
cipal e de orphos Jos lemos reunidos de Ue-
nevente e Guarapary, da provincia do Espirito
Sa lo.
O bacharel Jos Marques Camocho, juiz muni-
cipal c de orphos dos termos reunidos do Pom-
bal e Catle, da provincia da Parahiba.
O bacharel Francisco Pereira de Souza Jnior
le por-
,nal reii-:eni li-
to no meniionado ma.
Art. i.' Aperas fdr dado o >ig.,
Jalo em o n. 1", formar no larg a :m-
pcrial a diviso composta dos batalhes da guar
da nacional dos municipios d'eala cidadr, Jo
Santa l.uzia do Xurle, de alagoas, s Migele
Atalaia, da fona de linha existente na c.i;
lo corpo de polica cm duas bngadas sob a i i :i.
dos Santos Caria
*, o Luiz Augusto Co-
lista de Moura *, Antonio
Gustavo Chrisliano Dezuart
lin ".
Para alferes : o segundo cadete sargento quar-
tel-mestre do 10." balalhao Leopoldo da Bocha
Moreira : segundo cadele do nieio batalho do
Cear Demetrio Raimundo Maria de Oliveira ;
iques juiz de orphos do lermo da capital da provincia ^ mando geral do mais graduado d entre osoih
s Bap- do Para. I que pertenecrem fbrmalura ou parada,
Foram removidos a peJido seu : Jaigualdudc de graduara ao mais amigo no
O juiz municipal c de orphos Miguel de Ct.r-i posto, ou ao mais vclho era daae.ra-o leubam
ueira Lima, do lermo de S. Jos d'EI-Bei, na sido nomeados no mesmo dia.
provincia Je Minas Geraes, para o Chique-Chique,
na da Bahia.
O juiz municipal e do orphos Joo Vicente
Pereita Dutra, do lermo de Quixeramubim para
2o batalho de arlilharia a p.
Para capilo, o 1" lenle do 3o batalho Se-
baslio da Cunha d'Eea e Costa para a 5" com-
pa*nhia.
Para segundos lenles da arma: sargento
ajiidanlc do 3o batalho Antonio Jos da Souza
Lobato ; I" cadele Io sargento do- 2o dilo, Ma-
noel Marlins Vianna do Paira; 2o cadete sargen-
to quarlel-ineslreaggregado ao Io dito Francisco
Jos da Silva ; Io cadele 1" sargento do 3 dilo
Carlos Augusto dos Santos ; 1 sargento do 4o di-
lo Jos Joaquim Ferreira de Paira ; 2o cadele do
balalhao de Malio-Grosso Francisco Jos Cantoso
Goapor ; primeiro cadete do 7o balalhao Tilo-
mas Jos da Silva Rangel ; primeiro sargento do
13 dito Joo Bezerra de Salles ; particular sar-
gento ajudante do 5" dito, Francisco Raimundo
Maciel; primeiro sargento do 7 dilo Manoel Ger-
mano Guedes Alcanforado ; segundo cadete, se-
gundo sargento do IIo dilo Joao Ignacio de Oli-
veira Cavadera ; segundo sargento do balalhao do
deposiio Domingos de Azere.do Coulinho ; parti-
cular sargento ajudante do OV balalhao Candido
Patricio Vicia de Oliveira Maciel
Toda a forca marchar para o caes do dse n-
barque, d'onde desfilar em alas at <> larg
paco imperial, seguiudo directamente pelas ras
que a elle vo ter.
o em
no.as. .
na i
e onveira Maciel; |iriinciro ca-
dilo Manoel Goncalves Bodrigues Fram;a ; Io sar- dte do 1. dilo Feliciano Ignacio de Andrade
genio do 3" dito Francisco Jote Bapti-t.i da Silva Maia ; sargento ajndanle do balalhao do deposite
0 sargerrlo do -2? dito Joo Jos Bibei-1 Miguel Cabial de Moura ; secundo cadete sargen-
Jos
ro sai-
ro ; 1 sargento do corpo do artlleos da
Francisco Jos Thoraaz ; Io sargento do 2o
corto : to ajudante do meio batalho da Parahiba
bata- Gemido Gomes, segundo cadete primeirc
na cclebra-
. hoia, toda a
Fi aggregado ao estado-maior do commando j 'or,sa esperar que os asesinos Augustos Seut.o-
superior da guarda nacional da capital da pro- r,'s. concluido o Te-eum, eiitrem no paco im-
vinefa de Pcrnambuco o majnr-commaudanin do portel, depois do que lero lugar as descaiga; ;t
esquadro n. 3 da mesma guarda, Belarmino do marcha cm continencia eos vivas do estro.
Rogo Barros. ; Toda a forrea recolher-se-ha depois da parad > a
NojiEAcr.s.Foram nomeados para os lu- sous respectivos ojiarteis, tirando a guardado
gares vagos da secretara do consclho supremo honra que ser lera por nm batalho para isto
militar: do>ignado pelo rommandanlo da diviso, desde
_ OIBcial-inaior, o l. ollicial-maior graduado, lugo.
Feliciano Gomes do Freilas. Sao convidados para lercm a honra de assislic
1." offic.ial o 2. dilo Joaquim Flix Conrado. ao desembarque de SS. MM. lmpcriacs os func-
2. olTieial, o ofBeial em disponibilidade Feli- cionarios pblicos civis, miUlarea e eccleaiasti-
ciano Zesfrdo Rangel Maia. | eos, bem como lodosos cidadoscm geral.
Segundj cirurgio do corpo de sade da arma-i _-\it->'' Depois da ceremonia do osen!
da o Sr. Birardiuo Torautins.
Ajudante da inspeceo do arsenal de mariuha
da provincia da Rabia* o 1." lente da armada
Ihn Jos Joaquim da Silva ; particular sargento | genio do meio balalhao do Piauhy Agoslinho Nu- Ricardo da Silva Nevos.
ajudante do balalhao de engenheiros Cleinenlino j nes do Souza ; primeiro cadele segundo sargento
Jos Fernandes Guimares ; Io sargento do dilo do batalho do deposito D. Faustino Jos da Sil-
Jos Maria de Oliveira Barbosa; 1o cadete do 4o
balalhao Americo Clemente Duarte Pereira ; par-
ticulares segundos sargentos do Io dilo Luiz Fi-
lipc Fernandes Cuyabano e Manoel Muniz de No-
ronha ; 1* cadele sargento quarlel-racslre do i
oito HyginoJos Je Oliveira Coelho; 1 cj'jledo-
veira ; segundo cadete segundo sargento do 8."
batalho Fran isco Genuino Simes ; primeiro
sargento do balalhao do deposiio, P.d'ycarpo Vi-
eir da Cunha Brasil ; primeiro cadele primeiro
sargento da compinhia Iha do Espirito Santo
Foi concedida ao l)r. Joo Baplista dos Aojos
a demisso quo pedio do lugar de 2. cirurgio
do rorpo de saudeda armada.
I'oi concedida a Jos Vieira tic Para Bocha a
demisso que pedio do lugar dn cscrivo do ar-
senal de guerra da provincia da Bahia.
Foi transferido para o lugar de escrivo do
Manoel Esicvao do AnIrado Vasconcellos; se-1 hospital militar da praviniia do stta-roso o
... > do
Crucilixp que s^i apresentado peto sacerdoto
de maior cathegona d'enlre os que cent erren na
ao -acto, seguir-sc-ha pela cmara nouicipal a
apresj;ntai,'o das suas felicilaeoes c homenagens
SS MM. Imponaos, o a entrega da chave da
cidade.
As sonhoras que coniparecercm para a recep-
cao de S. M. a lmperatiiz tero a entrada no pa
vilho do desembargue.
Em todo o trajelo de SS. MM. lniperiacs, so
observar a ordem seguinle.
f. togo dpoig do palTi') os grandes do lai-
II r-*%r% ir-i 1


MAW6DE PFUNAMBlrT.O------O' INTA FEIIU R DE lAtVKTPO DE 1860.
peno, as tmssu-isUj casa un.ien.u, e a que u>e-
rcm o Iratamcrito de excellonria.
2.a O* diputados assombla legislativo, os
memliros da assombla pro> metal, os juUes de
dircito, nmnieipaes e orplaos, os BJalgos da
casa imperial.
As pessoas condecoradas, as ijue lein o trala-
merilo do*enhoria, os vicos cnsules, os cheles
das est.icd'?s publicas, gcraes 011 provinciaos.
3.a Os clrigos regulares, seculares, parochos,
lC.
A' Osoficiaes do exercilu que nao perlence-
ren formatura ou parada, os da armada, os da
guarda nacional, das extmctas milicias c as pes-
soas que gozara de honras militares.
5. Os fuuccionaios pblicos nao cspcciG-
cados.
Ta e ii.iilima liuwi.....II _u ii .notadle, o \> :a-
soal milita* c" reconsiderado c investido de no-
vas e importantes funccoes ; e nao tem portan-
lo fallado ao ministerio om que exoreer a su a
incansavel aclividade As rcp trucos do impe-
rio e fazenda tem sido examinadas quasi cora
miudeza, e nao se tem doixado de providenciar
at sobre cousas que cstavam de toJo em es-
querimento, c que entretanto erara objeelos de
servido dignos dj nllenco do govorno : bastar
ler o expediento quolidann desles dous minis-
terios para liear convencido desta verdade.
Todava me parece que de to los os actos do
governo que nesles ltimos das tem viudo a lu/.
da publicid ido, o mais importante de todos, j
pela nalureza mesma do objecto c j pelo judi-
cioso precedente que rom ethj secstabelcee, per-
<>." Os cdadaos nio eoniprehendidos as das- r tence decididamente ao ministerio da juslica. No
ses aciraa designadas. Correio Mcrcadlil do di* 20 le-se un aviso do
Art. 6 o O Sr. Dr. chefe do polica da pjovin- j ministro desta repartiera o datado de 13 do cor-
fia dar as couveiienles oidens s autoridades rente c expelido ao presidenta do supremo tr-
pol ciacs da capital para que facarn c.umprir estas bunal de juslica para que consulte e d a su a
ecommeiidaces lao nteinmeiite, quanto con- opiniao nao 90Sobro os dous projeclos de re-
vm. : forma bypolheearia pendentes de dociso do
Palacio do governo das Alagoa?, li de novem- corpo legislativo, mas latnbem sobre a oppor-
desia reforma o at que poni poder
bro de l&). Manoel Pinto de Souza Dantas.
17
fregravaa da capitana do pnii das
lunidade
ser com egoranca egldnelceida'snbre esta base
i iiisiiiuicao do crdito territorial, que o paiz
limas, lu.iio VeSlluds ur lii.incu, ilue lenlainm
algumas poesas, ouvidas com attenco por SS-
MM. No segundo pavilhao, collorado mais adiau-
lo, anda SS. MM* nio quizeram descansar.
Chegados ao palanquo da cmara muniapal
SS. MM. entraram, e de p^puviram o seguirite
discurso pronunciado pelo Residente da mesma
cmara Paulo Joaquina Telles na occasio do en-
iregar-lhes a chave dacidade.
Senhor. hoje o da do maior jubilo para
os habitantes de3ta capital, por que ellos lecm a
distincta e subida honra de seren visitados polo
seu soberano, quem dedicara a maior adhesao
e o mais puro amor filial O regosijo de que el-
los se acham possuidos, sem divida, Senhor,
urna dessas etuoces que podem sentir-sc, mas
que nao podem descrever-se. por que nao ha pa-
lavras que as expressem com a intensidade com
que ellas alfeclam o nosso espirito.
Senhor, a cmara municipal desta ciliado de
que son orgo, fiel interprete desses sentmen-
tos. nos meencarregou da elevada honra do
os manifestar V. M. I., como tambora de depr
as puras mos do Augusto Defensor Perpoluo
do Brasil e o melhor dos
w
ou paasauu
mu ue .mi,au. i'ur OecMM uu
for ira Horneados :
Inspector doscorpos de cavallana, na provin-
cia de S. Pedro, o marechal do campo Joo Fre-
derieo Caldwel.
Conimandanto das armas da provincia do
Amazonas, o coronel Joo Antonio de Oliveira
Lobo.
Commandante das armas da provincia do
Para, o marechal de campo Francisco Sergio de
Oliveira.
Commandanle das armas da provincia de S.
Pedro, o marechal de campo Francisco Flix da
Fonseca Pereira Pinto.
Nombro do conselho administrativo para for-
necnienlo do arsenal de guerra da provincia do
Para, o tenenle-coronol do cstado-rnaior da 2.
elapso Jos Joaquim do CdUlw.
Commissario da 2.a elasse, o commissario d
3.a elasse Manoel Jorge V allozo.
Commissario de 3.a elasse, o llel de 1.a elasse
Domingos Aulonio de Souza Vciga.
Foram exonerados :
De rommaudante das armas da provincia d
Amazonas, o tonente-roronel do estado-mai
es.ieraruni auna iiagesiauos na ponle, v se-gaiiam
at a matriz com todo o povo, que formava uro
Nestas condi-(
ndicdes qualqiier chova maior que
jappareca, e.i em resultado innnadar s casas
lava, entre repelidos vivas que eram verda"leiras,
' qna.-i nonfiiim lis-
os
prestito pomposo, que cada ve/, mais se augmen- ,
I qui- e poi od'is os principios desrom emente
~*-C*> de amor e ddica5t do Po,o ala- Jjg EfE, "g-
No primiro pavilho Suas Magostados entra-
ram mas ran se assenloram, e ah receberam a
liomenagoin do urna porgo do meninas todas
vestidas de branco, quo recitaran) poesas. Anda
no segundo pavilhao Suas Magostadas nao quize-
ram descancar, apezar do sol que era ardenle, e
da poeira que aturmontava a todos,
Chegados ao palanque da raniara mtiiiicipal
Suas Magostados entraram, mas nao su asscnia-
ram. Ah a cmara dopOz o pall
u hila esta obra, lano man quanl..
esroadouros sao all mu f.....is, qoer aajpiaa
as aguas pda ra do Cabug, qurr pela eslrrta
; do Rosario para o pateo do Carmo.
Sobe hojn srena i o lawalro ) Apollo, fe-
laS. I). I'. Becicacao. .. I-lio drama |rt.rtugue7
do Sr, Castalio [raneo Epnhos e Floros.O
i drama conten em si bellos e varios iran-sdr
cITeito maravilhoso, que prendom a altearle 4o
'V :lador: e as dores c atBhraea que rssaMi-
i tuem o marlyrio de urna alma rasada no i,-,,-
a o seu pro- ; puros n,,/(|,.s dl) Sl,Ipln
flltUDS para O deSPmliaiMlHf (le N>. jurisconsultos decanoa aceitn com lionero
MM. 11.
lauto p-irece reclamar. O supremo tribunal dos | sa e bemfaseja Iuiperalri/., i
Imperial, que cora o Brasil
possuir.
e o melhor dos imperantes, a chave
desta capital,como symbolo de obediencia, de ros-j de 2." elasse Jos Joaquim do Cuto.
peito ede profundo aeatamenlo, que todos tribu-1 De commandante das armas do Para, por ha-1 po
lam Sagrada Pessoa de Y. H 1,1 sua vir tuo- ver pedido, o brigadeiro Francisco Jos Damas- aj
No da da chogada de SS. MM. II. nenhum es-
cale r de navio mercante, de aluguel, ou mesma
barcaca podeWk atracar ao trapiche ein quanto
SS. 1I.M. nao desembarraren!.
As barracas, lanchas a boles de aluguel s pe- I
dero ancorar do Iraptcbc \ellio para o lado da
capitania.
Todas as eiubarcacoes do trafico do porto que
pearharera ancoradas deverao ler suas guarni-
roes vestidas de branco.
Os navios mcrcanlos na ionaes deverao cm-
bandeirar se tiverom rettm< nio de sigo es, o le-
rem as g lamirous uniform sadas, o no aclo de
>S MM. oassarem fncain subir a guurmcao a ineia
enxnrcia allnido dar os viras.
Tanto as barraras como jangadas o mcsuio
lanchas Jo servieo do porto poderao emlnndei-
rar rom pequeas bandvirasda core.
T>da a barcaca ou jangada que demandar o
porlona occasio em que se aproximar i barra
a galeota imperial, devora conservar-so ao mar
al entrar a galeota, o depois navegar de raa-
neira a passar pola prtpa da mesma galeota, caso
ainla conserve ioado o pavilhao imperial.
E'prohibido oarom-so tiros, lano dos na\ios
mercantes, como das ombarcac&esdo trauco s tio admissive8 os logelos do ar.
Nenhum escaler parlcolar dever atracara
bordo do vapor Galeota, em quanto S. Exc. o
Sr. presidente da provincia O nao livor frita
O capataz da estaco de Pajussra, co da ^^
to corrente em diante dolalhar d'onlre os ma-
triculados de sua estacan, numere siilio iuiie pa-
ra servirom de vigas,devendo-collocar una na
{nula verde e oulra ao meio da rstacao. A pri-
merra logo que descobrir a esquadra, far subir
ao ar lies fogoetes com pequeo intervallo nm
segunda viga.
Durante as primeiras Iros noitos depois da
chogada de SS. MM. todas as jangadas que se
acharen) encalhadas na Pajussra serao colloca-
da? ein linha, e o sapillo do jiorlo convidan que
se is dimos as illuminem.
apitania do porto, em 16 de de/.einbro de
3i'J. Antoniu Cario* "njueia, capitn do
porto.
[Diario das Alagoas.)
i'ii-
eta o honroso encargo que Ihc fra cemmettido
pelo governo, o lera de apresanlar o seu pare-
cer sobre esta gravissima reforma, o qual, se-
cundo diz o ministro, ha de ser levado ao c-
nhecimento do corpo legislativo na prxima ses-
sao. Nao possivel deixar de reconhecer e de
louvar olino o prudencia com que proceden o
ministril da juslica procurando ouvir a opinio
dos mais qualiflrados jurisconsultos do paiz so-
bre urna materia de sua profissao e aleada ;
nem tambem sa peder duvidar do csclareci-
menlo que o seu parecer ha de Irazcr questo,
o qual nao poder deixar do ser milito conside-
rado pelo senado no juizo definitivo que houver
da formar sobre ella. Para mim anda muito
apreciare), alm disto, o precedente que Pica es-
labelocidu para que sejam consultadas as cor-
poraroos scienlicas sobre os assumplos du sua
competencia, anda mesmo que nao lenham el-
las carcter e posirao poltica.
Nao taco --i 1111 i. como doveria talvez, algumas
Iconsideraces sobre a [undaclo do crdito lerri-
loriai no paiz, sua necessidade e vantageus, ob-
jeclos de que j em nutras occasioes e lugares
mo lonlio largamente oceupado, por nao alon-
gar mais esta escripto, que a principio pretend
que fosse muilo mais breve. Domis, nao me
tallar lempo para isto, e opportunamonlc rol-
lare! elle, c o tratarei com o cuidad o que me-
rece.
A narraco do estrondoso rocobiraonto que os
Pornambucanos fizeram ao Imperador c sua Auo
gusta Consorte, e dos continuados teslejos com
que os tem obsequiado, chogando quasi a fati-
ga-los rom tantas demonstracoes de sua vene-
racao, autor e lealdade, lera nchido a unsde
admiraco c aoutrosde prazer, por verem con-
lirmadas ai suas prevUdes e esperanzas. Dou-
Ihe pois os parabons por ludo quanto lera fcito
a sua provincia em prova do seu resp ito e ad-
hesao s Augustas Pessaas dos S dieranos, que
em verdade ludo merecem.
Creio que nada nio lera osqnecido do mpnr-
lanto, equandoisto lenha acontecido, a testa Jo
Natal me desaliar.
a Augusta Familia ceno Rosado.
inleiro se ufana de De commandante' das
S, Pedro, o marechal de
Digne-so V. M. I. de acolher benigno estas iti- Caldwel.
genuos soniimentos de seus fiis subditos, qu
dedicam Augusta Pessoa de V. M. 1 o mais de-
cidido amor, o maior respeito c aeatamenlo, e a
mais firme einabalavel adhrso.
Cmara municipal da cidade de Macei, 31 de
de/.embro de 16o'..
Presidente Paulo Joaquim Telles.
Joo Jos da Graca.
Dr. Thomaz F.spindola do Romfim.
Jos Angelo Maris da Silva.
Antonio Mara do Aguiar.
Manoel Vicente Sampaio.
Jos Vieira de Araujo Peixolo.
Jos Adolpho de Barros Correa.
Jos Francisco Soares.
I armas do l'ara, por ha- podem d,-scrovei-se, por 7ue nao ha patarras que ., ffa" \ ''!';' '"''Ju-'" "" ,,a*' "
.Francisco Jos Damas- as exoressem rom a intensidade com que cas ', 1,1'. T""* P,S a Uo d""
ab-eatam o nosso espirito. u ., -,ed.oie p, lo gusto e orden,. qU0 ,
isaiurw da ernvinria Hn >. i ... IDaiHCr em SU3S llOltOS i!, du el lmenlo
ampo JoS FrCerio LS^'JLS'Sm T}9** deS,a cWa? d T Vonm ^olhidos casa de dXJ.n ao d
1 rreaenct,huesou orgo fiel inicrpotre desses senim.cn- 2 deslo mez 7 honras e 3 muII |061
ilos. nao so me oricani>gou da (levada honra de vres e i n"""i '-" mil
de
S. M. se dignou responder agradecendo estas pino Caldas.
Foram aposentados
O escripturario da repartilo do quarlel gene-
ral, Claudio Marques de gouxa,
O chefe de seceao da conladoria da m iritilia,
Antonio Domingos de S.
Foram concedidas as segralas demissoos :
Ao Dr. Joo Baplista dos Aojos, do lugar
i." eiriirgio do corpo de saude d i armada.
A Jos Carlos da Costa Velho, do lugar de es-
erivlo de ler.eira elasse do corpo de officacs de
fazenda.
Foram transferidos :
Para o lugar de escrivodo hospital militar da
provincia de Malto-IJrosso, o escripturario do
arsenal do guerra da mesma provincia, Joao Pam-
] manifestaces. Alii lambom oulras meninas re-
citaran! poesas, c o prestito depois seguio para
a matriz por entre ama dupla filera de hasles
embanderadas, presas urnas as oulras por titas
verdes e amarellas, o que razia um lindo ell'eito.
No adro da grandiosa matriz, terminada expres-
samcnle para a ceremonia, foram SS. MM. re-
cbidos pelo vigario, o clrigo e a irmandade do
s. s. Sacramento.
SS. MM. occuparaiu o docel ricamente prepa-
rado e assislirsm o Te-Deum, e ao sermo pre-
CORRESPONDENCTA DO DIARIO DI PEBNAM-
BCO.
mo ij: .i \\::o
23 de dezcuibru.
Cessaram finalmente de lodo os clamores que
se linham levantado contri o rogulafnonto de 30
de setombro, que estabeleccu differenles medi-
das sobre o modo de arrecadaco do imposto do
sello proporcional ; a opiniao csclarecou-se e
entrn naordem, e por lin decanas conhecnu-
se ij. essesclamores o o pnico em que rom
elles se pretenda fazeracreditar nm passaram
de iimsusto inoppnrlunode que se doixaram a-
poitarar alguns inleresscs mal seguros. Al o
proprio Correio da Tarde, que aclualmontc o
energumono da imprensa nomnense, entendeu
r calar-se, e poupar as suas forras para ad-
vogar o pleito cleiloral de seu candidato, de que
j. i' rncnro na correspondencia passada.
A approxima^n das fastos do Natal, que ah
i mais anda do que aqu se solomuisa e se
goza, mpe-me o dever de nao ser desta voz
demasiadamente longo minucioso, para ri o
perturbar os seus tailores as deliciosas roma-
I is e festejos a que os convida a belleza ,1a es-
tarn : diroi paranlo somniio o que for estricta-
mente necessario para nao d'-ixa-lo em falta de
noticias, guardando para enmecar o auno novo
< I o mesmo quo o tal bisscxlode 1860, qne nos
hale porta, ser lao frtil em novidados, oinda
ox ;epl mndo as eleiloraes que sao o seu apana-
gio, que de cada vez que enlao houver de os-
crever-lhe scre obrigado a pregar-Uro grandes
- idas para o Irazor sempre em da com ludo
quanto de importancia far por aqu occor-
rendo.
\ grave quesllo do Rio da Prata, pelo que us
iespeita, continua anda em estado latente, sem
i|uo nem a imprensa nem >governo lenham da-
do demonstracoes significativas do modo por
que o encarara, o de como dora olla sor resol-
'iJa ; apenas o Correio Mercantil cscroveu ha I decorada com propriedede
fu" i ni pe.'-i'ione artigo, antes histrico que po-
Mace 3 do Janeiro de 1860.
Raiou o primeiro da deste auno para osla pro-
vincia como una formosa aurora di primavera,
ebeio do encantos, feiliceiro de prazeres.
No perpassar infinito dos seclos, 1860 ser
sempre recordado pelos Alagoanos como a data
de una nova era de florescencia e prosperidade
da patria.
Ja v Vine, que me rofiro ao grande aconteci-
meulo que lano tem enleiado as provincias do
norte.
Alagoas, como a Baha, romo Peruambucocomo
a Parahiba, acaba de ler a glora de receber em
sua capital, o Monarcha brasiletro e a imperatrz
virtuosa que nos don o eco. K a provincia se havia
preparado dignamente para osla honra. Ksia ca-
pital, principalmente, qual noiva formosa c g rri-
da, impaciente de Tero esposo que aguardara,
reveslio-so do lados os seus esplendores, ,. qiia[
nyade, reclinada beira dn seus lagos, aprc-
senlou-se seductora e deslumbrante, e boje es-
tremece de alegra, palpita i do mais fervescenle
onihiisiasnio, vendo cumpridos todos os seus n-
timos desojas.
de eerto grande temeridade intentar eu des-
crever os fac os que ora se succedemnesla capital
iUuslradoe leitores desse Diario, ja habilua-
;ado pi lo padre Antonio de Mello e Albuquer- beroda Silva
Para o3." regiment do cavallara lgoira, o ,
capilaodo.0 regiment Diego Francisco Cardo-i
so, para a 7.a companhia ;
Para o 5, regiment de cavallana lgoira. o'
capillo do 3." regiment Francisco I'.leutorio da
Fontoura Palmera, para a 1.a companhia :
Para o 8." balalho de infatuarla, o capillo do
corpo de guarnilo do Amazonas, Antonio Mara i
de Castro Delgado, para.a 1 companhia
Para o 11." balalho de infaiitaria, o major do :
corpo de guarnirlo fixadc Minas, Francisco Ri-
tos, nao s me encarregou da (levada honra de
os manifestar a v. m. i. como tambera de .i-f"
as puras mos do Augusto Uoronsor l'or|>ctuo
do Brasil, c o melhor dos Imperantes, a chave
dcsla capital, como symbolo de obedu nca, de
respeito o de profundo acalamento. que lodos
tribulam Sagrada Pessoa de V. M. I., Ma
i virtuosa e bem fazeja Ir.iperalrz, c Augusta
Familia Imperial, que com o Brasil inleiro se
ufana de possuir.
Digue-se V. M. I. de acollo r benigno estas
: ingenuos scnliinentos d.- seus liis subditos, que
\ dedicara Augusta Pessoa de V M. I. o mais de-
cido amor, o maior respeito e .catjinenlo, o s
mais lirme o uabalaiel adheso.
j Cmara municipal dacidade de Macei 31 de
i dezembro de 185'J.
': PresidentePaulo Joaquim Telles /un
Judo ./o. la (iina.
L>
.lo.-f Angelo Murrio da Silca.
4ntonto Maiia di Aguiar.
Manoel Vicente de kampaSo.
Jos Vieira de Arauju Peixolo,
Jos Adolpho de llanos Corr ia.
Jos Francisco Soares.
S. M. se dignen responder.
Lm seguica anda una porclo de men -
vres e e" -" -!" i
1 ..-i., a- e polica. 1 ordern do delegad i lo pfi
meiro dUtricto, 1 I ordem do auudelegadlp i
ue/a do Recite, 1 i rdem do
da Boa \ isla, 1 ordem do d i ti San-
io Antonio, 1 oidora d.> i'.,\ Ircguezia du l'o^o c
: 1 do da freguc/ia dos Afogados.
No da ;i do u. !sdio 7 homens e urna mu
1 lo 6 i .: esrravus, n sal i 1 i.rdem
|du Di. i ele de polica, 3 ordem du dol
do prinu iro di iri l 1 ... md ido
Ja froguozia do Bi i ie ai i do sul delcgadu d<
S nio fAnlonio,
Nova fuste de Cologml.E>ta| ul cw
tru ida sobro o llheiio para unii u iniiho de
forro rhciiann com a linha de Mindcn fui m
!cada enijuiihode 1855; mas sena Iral > I. ,
- sforam porvezes interrumpidos, oop
las cheias extraordinarias du rio, ou pela
Thomaz Ksptndota doBom Fin le de inodilicar o projcvlo priai sua
coiislruceau, em conseqin-iicia das difliculdadi
iii iporavois na sua eiccu ;iio.
ri Bullou uma considerav l perda de I
po; e v', no mez de selembro di 1>.Y.'. :
jueno
1 itico, o encerrando corlas allusos que nao "fo-
ram ulgadas da maior conveniencia na actuali-
dade. Parece que elle mesmo tanto coropreheti-
eu, que assini era, qne deixou de contouar a
lesenvolver oossumjjto, conforme havia pro-
uiettiio. e recolheu-so aos bastidores. !^ ver-
dade que islo esl mesmo nos hbitos da nossa
..'.-.prensa, que do que menos se oceupa da-
quillo que deve e pelo modo por que o devp
fa/er.
A i ultimas noticias que, nos chegaram dessa
parle da America do Sul tambero poueo adian-
tam, nisino relalivamotiie sos trabalhos defin-
- da reorganisicao da Confedoraclo Argen-
tina; depois da celebre victoria de Urqnizs so-
bre os caudilhos de Buonos-Ayres. K nao seria
innito para admirar, para quem cunhece a n-
dole e boa f dessas amareis crealuras das mar-
gen* do Prata c seus allluonlos, quo as colisas
.(llasseni ao >taf 7o arte belluin, e quo ape-
nas os homens vissem pelas costas a Urquiza e
o seu exercito, se arrope idossem de ludo quan-
to houvessem tralado e promettido. Isto traria
! 1 menos quo a necessidade do levantar de
novo o panno e recomecar a representaco da
cornodia, que pareca j oslar terminada "; e co-
mo essa genta l vivo posiivarncnte disto, nao
; hariam nada que eslranhar.
Entretanto anda que u negocio nao parece ler
tomado urna direceao certa que couduza asna
eolucao, ola-se pue o governo imperial va
poueo a pouco tomando algumas providencias
proprias a inspirar conltanca ao paiz, como de
lucio lem inspirado ; ecapaz do collocar-nos em
imstanciasde fazer lace a qualquer emer-
gencia a que o imperio possa ser levado para
garantir os interseos o direilos do seus conci-
lladlos e para sustentar a dignidade nacional.
:' governo rnmprehende pois o sou dever, co
paiz o acorapanha o apo;a com os seus votos de
on flanea.
Abslrahindo porm de noticias de paz e de
pnerrr.recebf 11-se aqui ltimamente urna quo nao
lenca de ser curiosa, e que nao deixar mesmo
de ler certa importancia para os nossos risinhos
do Paraguay, que lem uliimamente fcito grandes
progressos em diplomacia o. em outros ramos de
diroi!') internacional : asogwirTle. Refere um
Bavio chegado do Bio da Pral que um vapor
paraguayo que suba o r o. levando a sen bordo
o Exm. general diploma!.1 Francisco Solano L-
pez, illustre filho do presidente desta repblica,
abrigado a retroceder para Buonos-Ayres
  • ng eza de guerra, que se achava no rio Para-
    guay, o que nao consonlo que S. Esc. voltease
    0 is oslados de sou pai, depois do glorioso resul-
    tada da pacilicaeac em que tivora a principal
    Futa.
    A noticia nao mais clara nom mais positiva
    .1 1 que acabo de referr-lho ; mas parece serau-
    thenljea, e s o vapor de linha do sul, que
    aqu esperado amanna, poder esclarece-la e
    compIe|a-la, de modo que podamos saber o
    grlo de importancia que peder ter esta nova
    < (ruplicaro brilarinca, o o humor com que o
    (cao recebdo o presidenta I.opoz e os grandes
    estadistas da Assumpgo. Em lodo caso, o ne-
    greta parece ser extremamente serio, c prova-
    1 cimente terei de oceupar-me delta extensaraen
    te na printeira occasio.
    A tropa chogada dn mirlo no vapor Paran se-
    pili logo para o sul, e .i no paquete anterior
    tinha embarcado com o nusmo iJetino nina por-
    eodeUa que aqni existia. Os arstaaes de gucr-
    ai
    dos s bellas pelmas des seus habis correspun-
    dendentcs Firmtn Soid el Aroum; mas nao
    ha meio de evilar isso, visto a exigencia que
    Vine, me fez.
    Apenas havia surgido no horisonle n sol do dia
    31 do mez lindo, quando toda esta capital foi des-
    pertada pelos signaos que se linham combinado
    para annum ar a apparico da esquadrilha im-
    perial.- Immediatamtnto comecou a observar-so
    essa agitaclo, este movimentu apressado e conti-
    nuo que tambem ahi lio uve 0111 igual eircumslan-
    cia, e iodo o povo se apressou em dirigir-so para
    Jaragu, onle se deveria ell'ectuar o desembar-
    qnedo SS. MM. II.
    All eslava preparada para esle fin, com toda a
    decencia o grande trapiche Faustino, que havia
    sido caiado em (oda a sua exteiiso, e linha no
    centro urna larga linha de tapete de panno verde
    e amarello.
    Na frente se havia accesceutadourna plataforma
    da qinl dcscia para
    o mar una escadoria larga ecommoda.
    A commisso eiitarregda de arranjar osle de-
    sembarque, o que pode orgulhar-sc de ler des-
    empenhado perfeiamenle os seos deveres eom-
    posla dos Srs. :
    Capitn do porto,
    Capillo de fragata Antonio Carlos Figucira.
    1" lenle da armada Manoel Antonio Vital de
    Oliveira.
    Inspector da thesouraria Guilhormc Jos da
    Orara.
    Gnarda-mr da alfandega Julio da Silveira
    l.obn.
    Negncianlo loar. Jos da Graca.
    As 7 horas e 10 minutosfundeou o Apa, o pou-
    eo depois os vapores Amazonas e Pedro //, que
    o acompanhavam, Irazi mi este o chefe de div-
    slo commandanle dn eslacla de Pernambucoe
    seu oslado na.o:.
    Logo que a esquadrilha se Jachou om posiro
    conveniente, o brigue barca Itamarac, o bngue
    escuna Xing e o hiato Parahibano, navios de
    guerra nacionaes da referida eslacao, se embau-
    deiraram em areo, e salvaram com 21 tiros ao
    estandarte, que Iremulara garboso no hiate
    imperial. Alguns navios mercantes cslrangei-
    ros quo se acharam no porto tambem so em-
    bandeiraram, e urn forliui levantado em trra sal-
    vou igualmente.
    que (lho desta provincia o capcllao do exercito;
    que meia hora antes linha chegado do Pernam-
    bueo para esselim, venceudu os inaiores obst-
    culos em sua viagem.
    O que ha do interessanle que um onlro padre
    se apresenlou para substitui-lo, pedio o bene-
    plcito a S. M. mas nao pode subir ao pulpito ;
    porque ah o preceden aquelle, que em um re-
    lance de olhos comprehendeu que s essa rpi-
    da resoluco o salvara de perder a gloria que
    lano almejava o pela qual tanto porfiara.
    A ceremonia, o a oracao foram correspon Ion- \
    los ao acto, o esta Vmc. euconirar na lypogra-
    phia Universal, sea desoja publicar, o quu jul-
    go deve fazer; porque ella merece ser lida.
    Fiado o Te-Deum SS. MM. recolhcram-so ao ,
    palacio Imperial, cujadescripelo lhe envo, e ap-
    parecendo urna das janellas do primeiro andar|
    foram phrcncticamentc saudados pelo povo que
    enchia a grande praca.
    A tropa, que eslava formada em grande para-
    da deu as descargas o vivas do estylo, o desfilan
    era continencia, no lira da qual leve lugar o bei-
    janio que durou mais de una hora.
    E' cscusado dizcr-lhe que em -lodo o trajelo
    do SS. MM. subiram aos ares immensas girando-
    las de fugeles, o (pie de todas as casas por onde
    passaram sainara vivas e llores em quantidadc.
    O povo periiambiicaiio que se tambre da ovaclo
    que fez om idntica occasio, o ter urna idea
    do que por aqu hoiivo, atienden.lo com ludo '
    ililTercuca do numero de habitante que. ha entre]
    urna e oulra capital.
    as 4 e meia horas leve lugar o ja 11 lar para o
    qual foram convidados o Exm. presidente, e seu,
    secretario, os raombros da commisso que pre-
    pararam o palacio, os depu lados ge raes prsen-
    les, e mais alguns cavalhciros ; assrn como as
    Exmas. Sras. do dito presidente, d 1 commenda- I
    dor Jacinlho ea do Dr. Manoel Joaquim.
    llepn-i i|o j nil.ir << M. o [mpcrndor sabio n
    passeiar cavado, l.ogo que oscurecen toda a '
    cidade illuminou-se, bem como os palauqucs e
    todas as illuiunacoes preparadas ; mas a Viraeaol
    era lio forte que ludo apagava.
    As 8 horas da noite soubu S. M. que um fu-
    gete incendiou 4 casas pequeas do palha por
    dolraz d.icadeia, S. M. moslrou-se por islomui-l
    to alicto, e por diversas vezes mandn indagar
    u estado do incendio, oquaes os prejuizos. l.ogo.
    que lhe afTirmaram que estas poderiam valer
    quando muilo de. 4IJJ a 50 r.-. cada urna, man-
    dn osen mordomo dar 31K)J rs. aos dous pro-
    prielarios dosias choupanas. Em lodas as cir-
    cumslancias o bom corarlo do S. M. se revela
    desia manelra.
    No da 1' do corrente, sfi horas da mariha,
    achairdo-se reunidos em frente de palacio um
    grande numero de ravalheiros, S. M. montau
    cavatlo, c sabio passeio, digiodo-sa Jan-
    gua* ; percorreu quasi luda a cidade, e foi at ao
    Rebedouro, lagar aqui notavel pelos bous banhus
    quo. offerece, o pela boaagoa, voltou quasi s 11
    horas, almocou e sabio de novo muir missa,
    sempre acuinpanhado du um povo extraordina-
    rio, dando vivas. Depois de jaular toro o o S. M.
    a sabir a passeio, e a noite foi ao thcalro, onde
    a companhia dramtica do Coimbra representou
    sollri'.cimente o i'J ou honre e gloria, all to
    condecido.
    oirlem 2 ao amanhecer S. M. lornou sabir
    cavallo e visilou todas as reparti^oes publicas,
    escolas, ele. Na capitana do porto moslrou-se S.
    M. mu salisfeilo pelo oslado da repartidlo, fez
    diversos pergunlas ao capillo do porto, mostran-
    do tnicresso pelo inellioi amento do jiorlo desta
    capital.
    0 fuluro desla provincia esl inconlestavel-
    menle ligado ao purio de Pajeaara c a navega-
    cao vapor das lagoas como j prove em arti-
    gos que leubo publicado no Hrasil Martimo,
    Emprehcnda-se o molhoramenta du dito por-
    ta, onde j selancou nado a crvela Macei, e
    que hoje se acha obstruido pelo nosso descuido
    em conservar o que nos den com mo prodiga a
    nalureza, e encele-so aquella navegado, que a
    provincia das Alagoas prosperar iudubitavel-
    nientc.
    Conquistar o comtnercio directa eom a Euro-
    pa, e se libertar do jugo que se disputara sobre maior
    Para o meio balalho do Cear, o major do
    11." balalho de infanlaiia, Joo Baplista de
    Mello.
    Para o 2." balalho do
    lod.i companhia d(
    Adolpho Barbosa de Almeida, para
    " V,'1 .. I desta provincia),que meia hora antes tinha ticg
    l ara a companhia de artfices da Baha, o cap- dode Peruambuco para esse Uro. 0 prestito desde
    Jaragu al a matriz gasino Destinarlos de :.
    Pind o Te-Deum SS. MM. dirigiram-sc para
    i mais du quatro anuo.-, depois,
    locar o ;.'. imrniu 1 as vas frreas |
    leiramonle acabada.
    A puni du Culoguc- lera i
    I rmenlo : com de i arcos Itud
    , ..-,
    con -


    aprescntaran no palanque e recitaran! poesas
    o o prestito depois seguio at a matriz, aondu s de abortuia,
    SS. MM. for; 111 recebidos pido vigario, 11 clrigo Os pilar -, q .
    . !oa irmandade do SS. Sacrameutu. ss MM. quailo de es ssura e 16nn-tri le
    artilharia a pe, o cap- oceuparam o docel ricamente preparado : e as su eriieii Ju Itln no
    1 Babia. Albino sisliram ao Te-Deum, e ao sermao pregado pcli li ole esl dividida m nlid
    ai. compa-1 Sr. padre Antonio de Mello e Albiiquirque, lillm era duas dislii lasparles; lima par 1 ca
    de rro coiupi -i" de duas vas, 1
    de seie o meta mi Iros ; a oulra
    \
    para ; 1 ale id 1 e un c tros
    o palacio imperial, e apparecendo a una das ja-
    nellas, foiam frenticamente saudados polo povo,
    que atopetava a piara, e que ludo atropellada
    somente para ver o Imperador v a Impernlriz, e
    saudar-llies cura um viva espontaneo que nascis do [egi-nte ; ambas sero c
    do corarn di la rresi 11 lenti
    lio do -2." balalho de anilharia a p Belarmino
    Jacome Doria.
    Foi reformado :
    Ociiurgiao-mr da exlncla 2.' linha, Jos
    Goncalves Gomde, no posto de capillo cirur-
    go-mr sem viuicimento desold.
    Por decreto de S, foram Horneados :
    O fiel di 2.a elasse do corpo de ofJiciaes de fa-
    lda da armada Francisco Jos do Alcntara,
    fiel de 1.a : 00 fiel de commisso Jos Ignacio
    cm grande parada na praca.
    Sr. commandante superior o
    , e
    estylo, desllllou a lropa em coi li-
    uio-se depois o beijarnlo qun durou
    A tropa formn
    - coramandadj pelo
    lertiaudes, bel do 2 a elasse do mesmocorpii. Sr. Dr. Sobral Pinlo. Depois das desea
    1 or decreto de 10 foram transferidos, o le- [ dos vivas do
    nenie-coronel commandante do 3. balalho de
    infanlaria Manoel Lopes Peregueiro para o corpo
    de guarnico fixa do Paran, e deste para aquel-
    lo balalho o lenlo coronel Carlos Resin.
    Por decretado 13 foi nomoado coadjuclor cu-
    ra da rapelta imperial e S Cathedral, o Kvm.
    I.uiz Aniono da Cunha Foi reir, mostr de cc-
    rimonias da mesma.
    Le-sc no Correio Mercantil :
    < O patacho Coldcn Gate, capillo Isaac L.
    Uammond, que saho de Phlapolphia para Per-: co, os depula tas
    nambuco r 111 28de agosto flcou dosarvorado cora 'senhures, as !'.-.
    o temporal que apanhou em 5 de oulubro. Da
    Iripulnro morreram o capillo c 3 pessoas, o as
    de cada lado.
    N'uma das suas xlren lados, adol
    logue ser cid ucada a estatua do n i d.i Pi .
    i lo lado de Deni/, sei i isla
    ....
    i

    lu
    rii
    !):780 mi Iros i
    ' ;
    i rstanles snlvaram-so agarrndole ao ledo da
    cmara, nade viveram durante 16 dias sem agua
    ecom [mucos vveres; osles apezar de serem
    d isiribiiidos com toda a parcimonia duraram al
    odia 21. No dia 22, na lat. 30' 30" N, e long.
    fli' :to' o, tarara recolhidns polo paiocho i-nbel-
    la Muriivw riagera de Trinidad par.i llalifax.
    - Refere o caphio do brigue hdmburguez llo-
    salinde, entrado boulrmde Buenos-Ayios, don-
    de sabio no da Ido corrente, que na exploso do
    vapor argentino Corsa linham morrido 10 pes-
    soas, licaudo maisou menos gravemente feri-
    das75.
    Secundo tambem refere o mesmo capillo,
    achava-se dolido em Buenos-Avros o vapor pa-
    raguayo Taquary, a cojo bo d"o eslava D. Be-
    nigno Lopes, tilhn do presidenie do Paraguay.
    A sabida do Taouary tara impedida por meio da
    torca pela esquadrilha ingleza, eraconsequencia
    das rcclamacoes quo pondera entro o governo
    inglezeo governo paraguayo relativas a dainos
    solTridos por cmbarcaccs iglezas no Rosario.
    v Esta noticia carece de pormenores que a
    confirmoin. y
    Houve i noite passada ^21; um incandio na
    fabrica de sabio e velas de Manoel Antonio de
    Almeida, sita na ra do Aterrado n. 6.
    O fogo manifestou-se depois de 1 12 hora
    da madrugada na porta do edificio qu servia
    de deposito, e onde nao morara pessoa alguma.
    Umescravo do eslahciecimenlo foi quera deu
    O signal de alarma. O prnpriolario dorma no so-
    brado dn edificio que faz frente para a rita.
    A fabrica eslava segura em 24;000 e a vala-
    se o prejuizo ein 4:0005.
    nencia, e se
    1 1/4 hora.
    Na passagem de SS. MM. desde Jaragu
    matriz de todas as .asas sahiram vivas c flores
    era profusa", e o enlli i ii mo foi um verdn
    frene/i popular.
    As 12 horas leve lugar o janlar, e coube a
    honra de aeren* convidados anelle loraarem pacte
    o presidentr da provincia, o seu secretario, ol
    tnombros da cominis-" que prepararan] o pala
    - prsenles e
    senhures, as Kxms. Sras. do Sr. presidente, j
    Sr. commendador Jacinlho, e de Sr. Dr. Mai i
    "o aqu ni.
    i
    A noile a cidade illurainou-so i bem
    como (>s p.llanqui ;, c lodas as illui!iina<;ocs que o
    vento deixou arendor. u arco dos quatro can-
    tos do Commercio esteve brilhanlc.
    As S bor. (!.' noite um foguele incenilb u i
    casas pequeas de i '; ; r dutraz da ci l< j. Lu-
    go que se espalhou a no'-.cia do incendio, Sua
    Hagdstade moslrou-se muilo aflliclo, e por urnas
    poucas de vezes mnndou indagar o estado do in-
    cendio, quaes os prejuizos, e quanto valiam s
    casas incendiadas. Sabendoque era urnas peque-
    as casas qi e poderiam valer quando muilo n -
    iOjJOUO ou 50*001) cada urn,), mandou oseo mor-! dar
    ros 11.1 i O!
    inli s:
    OS le | !'.' 1 a laja.
    2" i M i.:- iros cbicos de p bru
    Oj00ii:ll00 de lijlos.
    150:000 herlolilros do cal, r**i le.
    5,r>r>i.000 kilogrammas di forro.
    S:S()0 stares de raadeira de cnnslrue;
    As los 'i- depois do inleiro i
    - immar n i
    |hoes do fran -os, i om a mais ou -.
    ce-se di d
    que e quantocustou do ferro.
    < seguinle f.iclo. diz o I p
    mais algn: de Vienna, dar urna idea lo e*l
    i A ira ;
    ! lo nraad rann I i :
    onsinaiia s pessoas do seu sexo a
    'is>. I .- s l|
    iii rorlamaram, appellaiid
    seulu a c !!i meslies um se-n -
    alias, exclusivamente applica\ i
    i.' -si i a 0 i--'.
    DrM :: M ,.m. i.,;
    bario Rica seli, minUlru do inleri
    doscubi rio us
    r i un rulum ii
    chiavel. i s -i olas pela mc I -

    Boriolini, clligid is i
    domo o Si. Dr. Jacobiiia levar logo ;!00jOiHl pai i
    seren distribuidos pelos dous proprietarios des-
    sas choupanas. Sr. Dr. Jacobina dirigiudo-se
    ao lugar deu aos dous proprietarios das casas
    incendiadas lOOS a cada 11ra ; e as duas pessoas
    que moravam as oulras duas casas de aluguel
    r.0?'i00a cada una.
    s 9 horas da noite Suas Magostados
    rani-se aos seus aposentos.
    S. H. o Imperador seguio s 2 hoi da ma-
    nilla, no vapor Apa, acompanhado por sua romi-
    liva 110 vapor Pedro II, para Porto Calvo, onde!
    so acha preparada una magnifica e sun pinosa
    n copean.
    PERNSfVIBUCO
    rj( 1
    HEVIS1&UIAH1A
    O Sr Antonio Goncalv s fie Muraos,
    OO. para o Azvlo de Mendcidade.
    .?entTrcbr"rDr^^
    alendo o Sr. chefe de polica e oulras auton- 1!lial.q;fL, a ,,,,,,, UmaJ ,.,,. ()i ,,,. ,1M
    ausencia d>- quasi Iros anuos. Dolado de vasta
    P
    d
    A" rpido/ eom que foram combatidas as
    chammas se deve sem duvda o nao ler o ncen- '
    dio lomado proporces assustadoras, alimentado
    como eslava por eorpos graxos e na proximidade
    do estabeloiimenlo do gaz.
    Nao houve urna s desgraca, excepelo do
    nm sargento de cavallara que cabio om nmpoco
    d'ondcn lirarara sloe salvo, mas molhado cono
    11 m piulo.
    Baha.Carlas particulares, om auzencin de
    jomaos, dao-nos ludo correndo pacificamente
    nesla provincia.
    Alagias.SS. MM. II. chegaram Macoi no
    ilia 1" do corrente, sendo recebidos com grande
    enihusiasnio. F.is o que esse respeito diz o Dia-
    rio das Alagoas :
    Felizmente raiou para o povo alagoano n sen
    ;......- '''a do glora. No sabbado 31 de dezembr
    ella a Baha c Pernaiubueo. pelas (i hora
    Lraquanlo offerecer somcnle a enscada de Ja
    ; ragua para abrigo, os pongos que esta aprsenla
    Imraediatamenlo dirigio-.se bordo para cum- no invern affugontarao a navegaeao ; embora
    pnmentarSS. MM. nlos o Exm.0 presidente da
    provincia, seu secretario Dr. Moura, eseu offlcial
    de gabinele Dr. Innocoiicio Bogo, e capillo do
    porto, como toda a ofcialdude de marinha dos
    navios de gera presentes. Todas estas aulori-
    dades liverim logo a honra de beijar as augustas
    maos do, SS. MM.
    s. M. o Imperador dignou-sc marcaras 11 ho-
    ras para o desembarque ; pelo que s. Exc. o Sr.
    presidente Meando I bordo, mandn para Ierra o
    sou secretario, o seu oQieial de gabinete afim de
    dareni as ultimas providencias para a recepeo.
    1 lora a puntualidade que ja todos conhecemos,
    s II horas om poni SS. MM. embarcaran! na-
    galeola, o dahi 5 pouco desoinbarearam na pon-
    Ir, que ja disse estar elegantemente preparada,
    e ah foram recebidos com um onlliusiasino que
    tocara ao delirio por uro immenso povo de lodas
    os classes da sociedade, que enchia a ponte, e
    cnlre os mais vivos e rdanles signaos de alegra
    e contenlaraeiilo. Ja ah se achava o Exm.0 pre-
    sidente, que precedeu SS. MM. alguns mumen-
    los para reccbfi-tas era tena com lodas as pes-
    soas mais gradas da capital, e un crescido nu-
    mero de senhoras adornadas cora esmero, que
    formaram alas para por ollas passarom os Augus-
    tos Soberanos, que apenas entraram na ponte
    ajoolhiiram-se e beijaram o Sanio l.enbo, que
    Ihos foi aprcsonlado peta Rvm. Sr. conrgo visita
    dor Affouso de Albuquerque Mello. Recebidos
    pola cmara municipal debaixo do pallio, acum-
    panhados de um povo extraordinario, que nao
    quera saber de programma, e s desejava ap-
    proxirnar-se do Augusto Par, dirigiram-se SS.
    MM. para a igreja malriz, victoriados com estre-
    pitosas arclarnacos por loda esta extensa ra
    que condiiz a Macei.
    A guarda nacional eslava (oda postada desde a
    ponle do desembarque al porto da ponta ao en-
    trar na cidade. As senhoras, funecionarios p-
    blicos, olfiriadade de marinha etc., acompanha-
    ram p SS. MM., formando um prestito pom-
    poso, que cada voz mais se condensara.
    No primeiro pavilhao arnjao ern Jaragu* SS.
    MM. entraran), mas nao se assentaram : ah re-
    ceberara as homonagen? de urna porrao de ra-
    osles pongos se removam em parte com a col-
    locacao das amarracoes lixas que se vio fazer
    por proposta do digno commandante da oslarn
    de Peruambuco.
    Na Pajeusara so deve desde j edificar a alfan-
    dega e eslabelecer-se um Irilho de ferro que con-
    duza com presteza cidade os volnos despa-
    chados, e que possa servir igualmente para o
    transito publico.
    A' tarde S. M. foi ver o pharol, que mu bom,
    mas nao se ocha bem collusado, o deu urn pas-
    seio petas arrabaldes, rerolhondo-se as 6 horas
    para receber caria* das Augustas Princczas o cum-
    muiticaces do Bio de Janeiro, viudas no vapor
    Paran, enja demora ja causara cuidados.
    A's 7 horas rocebeu as pr.ssoas que o foram
    cun primen lar, notando-se algumas senhoras, as
    commissoes de algumas cmaras, c a dos oslu-
    dantes de direilo aqui residentes.
    Alguns batalhcs patriticos foram saudarSS.
    MM.
    A's 2 horas da manha S. M. o Imperador
    embarcou 110 vapor Apa, o, acompanbado pcio
    Pedro II seguio para o Porto Calvo, onde consta
    ter o Sr. Dr. Jacintho Mcniouoa preparado urna
    brilhanlc recepeo.
    Aqui Sea a nossa virtuosa Imperatrz, para ob-
    ' 1 sequiar I qual se preparara algumas uvacoes.
    E. A.
    DIARIO OE PERNAMBUCO.
    Ilontem pelas 11 horas da manhaa fundeou era
    nosso porto, viudo do sul, o vapor Paran, que
    i i era esperado a 4 dias, trazondo as soguirles
    datas : Bio 25, Baha27 do passado, c Alagoas 3
    do rorrenlc.
    ISuenos-Ayres e Montevideo.A carta do nos-
    so correspondente, no Rro do Janeiro, :jue vai
    Iranscripia em oulra parlo, da ludo quinto d'al-
    li ha.
    Rio Grande do Sul Nada de novo oecorrcu
    nesla provincia do imperio. A nsscmblca pro
    vincial continua em fus tra-
    do, inlercssc local.
    ilhos, prrrsracnte
    da manha da Pajussra urna gi-
    rndola de roguetea annunciou a esquadrilha im- dar luga
    perial, iramediatamente do alio do pharul se II- lar.
    zeram. os signaos do programma, e tuda a cidade
    licou em rima rompila rovolueo; de. lodos os
    pontos subiam ao ar girndolas de fugeles, e o
    povo principiou a correr para Jaragu. Era um
    magnifico expectacuto ver a esquadrilha imperial
    sulcaiido as ondas com toda a galardia, o os na-
    vios surtos no porto ombanrioirado.; lodos-, ap-
    p res ni,1 mi o urna vista de bandeiras de tudas as
    iraces, Iremulando no tope de seus maslros a
    bandi-ira nacional.
    As 7 horas e 10 minutos fundeou o Apa, e d'ah
    ha pouco o Exln. Sr. presidente, acompanbado
    da sou secretario o Sr. Dr. Moura, do Seu offlcial
    de gabinete lnnoceiicio Bogo, e do capilo do
    pollo se aprescntaran a bordo e IIrerara a hon-
    ra de beijarcm as Augustas Mos de Suas Magos-
    tados.
    Era seguida loda a uffieialidado de marinha dos
    navios du guerra surtas no porta.
    S. M. o Imperador dignou-se marcaras 11 lui-
    rs para o desembarque; >; S. Exc. o Sr. presi-
    dente licaudo a bordo, mandn para torra o seu
    secretario c seu olficial de gabiuele, afim de pro-
    videnciarem ludo para a recepeo.
    As 11 horas em ponto passaram-sc SS. MM,
    para a galeota, c dahi a matantes desembarca-
    rain na ponte oleganlerneiile preparada, como
    depois descreveremus, e ahi foi recetado por 11111
    iniracusu povo de lodas as classes da sociedade
    que atopetava a ponle ; c entro os mais vvjb c
    enthusiasticos signaos de alegra e coiitentamen-
    lo. S. Exc. o Sr. presidente da provincia, quo
    pouco antes de SS. MM. desembarraren! linha
    viudo para Ierra; recebeu as oseadas da ponle
    os Augustos Soberanos, com ludo quanto de mais
    grado existe na capital Suas Magostados apenas
    entraram na poni njoolharam-se c beijaram o
    Santo I.cnho que Ibes fui aprosentadu pelo Rvm.
    Sr. conego visitador Aftanso de Albuqucrqua
    Mello. Recebidos pela cmara municipal debaixo
    do pallio, dirigiram-se SS. MM. para a igreja
    matriz, ncompauhados do um povo imnienso, que
    nao respeitava as etiquetas, oque delirantes de
    enthusiasmo, s quera Vorc saudar os seus So-
    beranos.
    A guarda nacional eslava toda postada na pen-
    te do eserctarque Orcnde numero dcSChor*
    inlelligencia, elle sou be por lal forma dividir o
    lempo, que nao Si se ap: licou com nimia vanla-
    gem I sua especalidadu [oiigouheria, como cur-
    sou as aulas da l'nivcrs.dade de Rruxellas, o ta-
    raon o grao de dentar cu sckncias polticas e
    admnislrativas. Hoje. que os nossos jovens se
    comecam o dedicar engenheria, nao devenios
    i olvida-lis, afim deque, cum U desuno que Se
    Ihes der, nao facamostecuai os demais, que pa-
    \ ra essa caireira verem vocaco.
    Chamamos a alinelo das autoridad! -
    liciaes da cidade de Oliuda para o procedine-ntu
    de alguns mocos, (e com espocialidade um por-
    luguez) que sera a menor alinelo s familias
    que se vio banhar na praia de S. Francisco, se
    baribam di mistara eom as senhoras, sera qur
    nem ao nn nos baja o menor conheciraento cum
    as pessoas das familias,
    Esto procedimonio, assls reprehensivol, podi
    secnas, que curaprc polica evi-
    No cusa na la (ses sunhores, que assim
    proceden!, quando acharen) familias no banho,
    darera mais alguns passos, o banharcm-sc em
    distancia conveniente.
    Proceder do outro modo mostrar afouleza,
    seno mal reacio.
    Por portara de 30 do nassado f< conside-
    rado vago o lugar de subdelegado do segundo
    ' 11 '
    1 s cenli : I
    M
    ao publico.
    I sla 1 opia, |u< f. i em
    mentas remeltid ?, ha
    chivos, peta 11 arquez Ai drea B. rl
    usar a perda :
    aulogriphas do .
    las por luda ai.,
    nos.
    Diz .-. Glol
    A x portarn .
    lia Grla-Brelai rlc -.
    Icmln imporl
    de caivo ::' \-i :
    Passag n |ue< vii 1 1 ,
    : ii" v.w r Paran \>. Mnria Arel
    da Bocha, conselheiro Anli r 1 I
    1 lo u um oseravo, Dr. 1 tai l
    1 seu 11 1110, l'i dro liar .
    ftvder, I Ikiii iz i onilx r, u
    t islai u Mi la, S. Vclagli une. Vu 1
    , Fi das l s 1
    I --i iiaigadoi .1 -
    ua si nliura c 8 esi ravos, F.ufraziu > ian do Ii.
    go, M11101 I Joaquim do ,\
    Iho, Joo Airtiin o Macli
    '. l'erreira Pinto d< I ". Bu
    - Jos Aires la S va, Mi J S
    'ni niei Ii iti Uibeiro. Francisi u >; I
    l!|l" i", Fram is n Marlns Cabial, I, tnna Mi
    la!, Mara da Conceioo Uomes, Ji -
    n llaslos, um inferior el!;.;-.- : 1
    .. .. I08, Sub idOS .. ,1
    rainosos de 1 lorie, 1 1 npraca ^
    diloS lia e 1 ; ,\ ... ,1 !,,._
    ara o ui re b uinl -.
    U. Buree, Illhu e 1 soldado, maj l
    llil eiro da Silva. I \ .. -. .
    P. Pachei 1 I
    11I1 ira 1 i .. .t
    quii, Dr. Dolb io Fi 1 I'
    e um 11 iadb, qualru praros d<
    :i bx-| 1 ic is d exercito e 2 11
    rinha.
    Mat.uioi bo 11 ni '1 :
    Malaram-sc 110 dia i I
    sumo desta cid ide 05 rezi -
    MORTALIDABB DO DU I .....Rl
    Joo, branco, -\ mezes; intenta ehioiu
    hua Mara da t'ini ri_.., ;
    19 annos Ir I crcuta ;
    Mana Thereza, preta, iuia, I
    Anlonin Francisco de Almeida,
    42 anuos; diarrhea.
    . dos Alijos l'i 1 reir, lun tu
    annns, orvsipi Ka recolluda.
    :
    parda, sol
    districlo de Agua Preta, e nomoado para esse |u- Luiz, raido", esrravo, 18 mezes ,. m
    ar o cidado Ermiliu Pciegrino David Jila-,
    deira.
    Na mesma data foi concedida a exonerarn!
    pedida pelocidadlo Antonio Goncalves Torres c
    Silva do cargo de subdelegado da freguo/ia de
    Fazenda Grande om Tacara!, o demillidu .los:
    Be/.erra Ciivalcauli Ma.iel do cargo de primeiro
    supplente do subdelegado do primeiro districlo
    do Agua Preta.
    Quando a auloridado dorme o somno da in-
    differenca culposa, os abusos como que brotara
    do cada (anta o se ostentara em toda a sua hi-
    diondez, para mais realcar a desidia do fuilCCO-
    naria, quo se esquece dos seus deveres.
    K isto oque com asco observamos na rus d.is
    Agqas Verdes, onde ha una casa desaliada, que
    hayshlo convenida n'uin monturo ou eslcrqueiro,
    que dinia anda ao mais iudillereuta.
    Nao sabemos mesmo o que ser mais 110l.nl
    nislo, so o fiscal, que se nao importa com o que
    c de sua jurisdirao, 011 se os moradores dallf;
    que assim preparara para os proprios na rizos ura
    (heiro poiico syrr.palhico o bstanle nocivo !
    Como quer que soja, porm, chamamos a at-
    tenco'do Sr. fiscal respectivo para aquello lo-
    cal, lenibrando-lhe que deve dar providencia,
    para que dcsappareca aquello foco deinfoceao.
    A proposito de abusos, nao podemos deixar
    de despertar a httonco de quem competir para
    o berro classico do Rosario.
    Iluje que se elle se acha racio-iiacaamis/jrfo,
    parece que deve mudar da condico ouliga de
    ponto de despejo, &c, &c, &c.
    Nao ser tara de proposito lombrar, queso
    cuide, antes de. chegar o invern, era cavar o
    leito da ra das Laran'geiras, visto que elle su-
    perior aos passeios latcra's.e nivelado Yes solci-
    ras das casas,

    1
    . -

    61 I-
    1
    Sen uno Fcrreira de S. 1
    'Hj anuos ; bexigas.
    Ji ao l(i reir des Santos, I.
    IIOS : diabetes.
    Francisca, parda, i annos, inflan
    Icsiiuos.
    Aiu ia, branca, 1111 zes, con u'.s
    Hospital de cahidaor. 1 1
    mons 50 niullu res nacionaes, 1
    geiro, 1 boine.n esrravo,total li '
    Na lolalidadc dosdoeotes existem 37 ali<
    des si ndo 'o miilheres e 7 homi ns.
    Foram visitadas as enfermai
    gio Pinto s i> horas e tO minutos d 1
    pelo Dr. Dornellas s S becas d 1
    rllete:.!n "2 homi ns de I < I
    CHRONllDICiar.i^
    TRIBUNAL DO COMERCIO.
    SESSAO ADMINISTRATIVA KM 29 DK BZI M
    BUD Dt l&jl.
    mi-11 iNCi.e 00 E)CM. sa. pi>ry.hMic
    soi/\.
    As 10 horas da manha, achandr-so pees
    OS Senhures deputados Basto, I .
    o Sr. presidente declarou abertal tes
    Foi lida e approvada a acta d 1 nt< o sd
    l.eu-s o scginte
    BXPEDII MI.
    Foi presento a cotaco ollicial dospreos
    rentos da praca, relaUva Maana linda.Ar-
    chfvc-se.
    Foi cora vala ap senhor dnrnilurgadol Os
    cal, o segulntc rcqueriaaearto :
    De Joao lacio Marques, poiluguc/, de-53 auno-
    tk-idade, doiriciliaclo i;vsla cidade, avndc tcoa
    . .


    DIARIO DE PERNAMBUCO. =- QUINTA FEIRA 5 DE JAftKlfiO DE 1S60.
    assucar eiu grosso, peJindo m;i-
    despach.idos, os se-
    emumercto Jo
    tricular-se.
    Foram definitivamente
    guinlcs re1 oi montos :
    Un de Biirbosa & Simos, satisf; /.ondo o des-
    pacho deste tribunal do 19 do corrente, sflm c
    ser registrado o seu conlrato social. Re-is-
    tre-se.
    Outro de Jos Peres da Cruz o Jos Victorino
    de Paira, ^alisfazendo o despacho do 19 do cr-
    reme, com u tn additivo ao sen ct nimio social
    cujo registro pedem Rogislre-se com os adita-
    mentos.
    Outro de C. J. Aslley & Companhia, npresen-
    tando a sua caria do matricula, alim de so taze-
    rein as con ptenles annotaces, pelo tacto to ler
    sido admiiiido mesioa Qrma Kodoipho Kuckem-
    berg, hamburgus, solleiro, de 3 anuos de ida-
    de.Como leqnerem.
    Outro de Antonio Marques de Amorim. tondo
    salisfeilo o despacho de 15 do con ente, com un
    contrato social ailm Je ser oslo registrado.Re-
    gistre-se.
    Nao havendo nada a tratar-se. o Sr. presidente
    eiicerrou a sessao.
    r.OLLECTORIA DE OLINDA.
    Lanenmeuto da dcima dos predios
    urbanos do distrieto da eollccto-
    "Ji"?tmm *'"'' anuo II-
    cJllecitor uaoel*JoW do"v/'ve!
    do Aiuorim.
    Hua do Monteiro.
    N. 1. Mausella Mara da Con-
    ceif&o, (asa terrea oceupada pela
    proprielaria avaliaJa por.....
    Ueni 2. Joanna Maris dis
    Dores, cjsa terrea oceupada pela
    proprielf ria avahada por.....
    dem 3.Jos Joaquim Antones,
    casa teirja arrendada por____
    IJem i. Henrique Jorge, casa
    terrea arrendada por........
    dem i>.Custodio Manoel Gon-
    calves, casa terrea arrendada por
    Idern 6. Jos Rodrigues dos
    Passos, casa terrea oceupada pe-
    I" proprielario avahada por.. .
    dem 7. 0 mes-no, casa terrea
    oceupada pelo proprielario ava-
    hada por........ ........
    Idtm 8. \ uva o herdeiros ,\
    Manoel Rodrigues do Passo, ca-
    :.i rrea arrendada por......
    dem 9. Manoel Joaquim Ro-
    drigue- de Souza, casa terrea
    arrendada por..............
    dem 5. O mesmo, casa terrea
    arrendada por.............
    Itieru n. Victorino de Scuza
    Travace, casa ierren arrendada
    P^....................
    dem 12. Jorge Vctor Fer-
    reira Lojes, casa ierres arren-
    dada por................
    Idjin J. Luiz Antonio de
    Scuza Riheirj, casa de sobrado
    de um andar arrendada por...
    dem 14. Conselheiro Dr. Jos
    Denlo da Ctinha Firruercido,
    casa terrea arrendada por. ..
    dem 15. Ludgerio Goncalics
    Ja Silva, cata torrea arrendada
    P" -:...............____
    dem 16. Jos Jacome Tas'so
    Jnior, casa terrea arrendada
    por.....................
    dem 17. Herdeiros de Jos
    Ferreira Jorge Goncalves, casa
    terrea arrendada ptr........ 200JJOOO
    dem 18. Luiz Jos Rodrigues
    de Souza, casa terrea oceupada
    pelo proprielario avahada por.
    dem 19. Antonio Pinto de
    Barros, casa t-rrea oceupada
    pelo ptoprietarioavahada por.,
    dem !. Maria Venancia de
    Alvos Luna Bastos, casa terrea
    arrendada por..........., GTOOO
    I lera i 1. Policarpo Jos Lay-
    ne. casa ttrrea oceupada pulo
    proprietaric avahada por.....
    dem 22. Herdeiros de Mano-
    el Tmxeira de Oliveira, casa
    ttrrea arrendada por........
    dem 23. O mesmo, casa ter-
    rea arrendada por..........
    dem 2 i. O mesmo, casa ter-
    rea arrenda la per..........
    dem 25. Amonio Alves de
    Miranda Gumaraes, casa terrea
    arrendada por.............
    dem 26. Manoel Luiz Gon-
    calves, casa le rea at rendada
    por....................
    Hua do (_uiabo.
    N. 1U. I>. Anua do Mogo
    Barros, cj?3 terrea arrendada
    par.....................
    Ladeara dos Mudos.
    -V 1. Lu; Candido Ferreira,
    casa terrea oceupada pelo pro-
    prielario avaada por.......
    Jdem 2. Jos de Barros da
    Costa, casa terrea oceupada pe-
    lo proprielario avaada or. ..
    IJcm 3. Manoel Antonio dos
    .Sanies, casa terrea arrendada
    por....................
    dem i. Yiuva de Jos Fer-
    reira da Silva, casa terrea oceu-
    pa pela propietaria avahada
    por....................
    dem 5.Manoel Cordei.-o Viei-
    r?, ca.-a le rea avahada por. ...
    Ba do Caboes.
    IV. Herdeiros' de Jos Fran-
    cisco do Reg Rangel, casa
    de sbralo de um andar arren-
    dada por.................
    dem 2. Jcs Rodrigues dos
    Passo0, cas terrea arrendada
    120*000
    C0OO
    700^000
    36Q000
    2003000
    200*000
    150S000
    1509000
    1695000
    300*000
    300^000
    500000
    300*000
    4005000
    O0S0OU
    deste modo costumam a zomtiar do publico, co-
    mo se fossemos um zotes, que nao merecesse-
    mos consideracao nenhnma.
    At aqu tcm liavido concurrencia para a Boa-
    Viagem ; c ella devida aos commodosda con-
    ducciio, e razoabilid.i le dos precos dos trans-
    portes, poia bem sabido que aquella augmenta
    senipre que osles n'i sao excessiros ; c se nao
    tora assim, se a companhia nao rcconhecessc
    que vaha a pena lazar urna estacan na Boa-Via-
    gem, e construir, como est agora conslruindo,
    um barrico, nenhuma dessas obras ella Ca-
    ria.
    Pois !>em, so por ventura se reahsar o aug-
    mento de que tratamos, o que cni outro paiz s
    por um motivo bem justificado se (aria, ao passo
    que no nosso se pratica sem a mais ligeira at-
    tenco a camiiiodidade publica, convra susten-
    tar um capricho, anda que com algum sacrifi-
    cio. Se um passageiro assigna um assento no
    wagn de segunda classe por 298880 que, divi-
    didos por mea, toca a cada um 9}960, pormuilo
    menos dosle valor, um. dous, tres e mais pas-
    sageirosfretam urna canoa que, da tiavessa do
    Lima os conduza Ilha do Nogueir.i, donde se
    viajar a p pelo comhro da praia at a Boa-
    Viagem, como se fazia antes.da creacaoda esta-
    eao deste lugar.
    Para se asscntnr ntsso, so faz precisa urna reu-
    niodos que i'requeiilaui o mencionado lugar, no
    respectivo povoado, na casa que para esse fim se
    escolhur.
    " ora paramos aqu, com a ioten$& J(> vol-
    larmos anassumpto.se liouver necessdade.
    Recie, 4 de Janeiro de 1860.
    O arrependidoi,
    COHHHERCIO.
    2|.
    -t r. p
    ir* -i
    ~ n
    O
    ai
    n i
    ai i.
    B
    B
    tb
    U3 ---- ---- _.
    ."?

    t

    V- C
    Boraf.
    AtrtoipKvr:
    Seo o
    Dirtcfo.
    Intensidadt.
    o; i- -i-'
    Centgrado, g
    ?i f* M HJ i
    Reaumur.
    "mena
    I
    30 OS OD OO -I
    I Fakrenheit
    SCOOOOCOD
    Ilygrumetro.
    I -I 3
    gyy3
    I U MI
    bou
    Barmetro.
    c
    09
    v
    se
    <
    v >
    i
    e v.
    " ac
    S5
    |S
    ?
    t-
    c
    C3
    ^*
    O
    >
    Edita es.
    TRACA !>0 RF.CIFE I HE JANEIRO DE 186).
    AS TRES HORAS DA TARDE.
    ('nt3Qos otPiniaes.
    Descont de letras10 n 11 0/0 ao anno.
    Assucar da Parahiba29500 por arroba poslo a
    bordo.
    Cola^oes olliciaos no dia 3 depois das 3 horas
    oa tarde.
    Descont d^ letras9 e 10 D/nao anno.
    Fete para Harnburgo35/ e 5 0)0 por tonelada.
    francuco Mame Je de Almeida.
    Secretario.
    O Dr. Manoel de Barros Barrete juiz de paz do
    I." distrieto da freguezia do P050 da Panel-
    la, em virtude da lei, Ac
    Fago saber que lendo da formar-se a junta
    qualificadora desta freguezia, no dia 15 de Ja-
    neiro do anno prximo fuluro, como determina
    o art. 25 da lei n. 37 de 19 de agosto de
    ; 1846, para execucao do que dispoe a mesma
    le, acerca da retida e qalificacio dos cida-
    ! Jaos volantes, e tambem do que a respeito de-
    termina o decreto 842 de 19 de selembro de
    , 1835 e 1812 de 23 de agosto de 1856, mis-
    ler para o indicado fim, que so reunam os elei-
    tores, e supplentes desta freguezia, em conse-
    cuencia do que e omviitudedas resolueoes do
    ' gover
    ! rem no
    ue aro p.u.i motos ui: e^piugaruas ; 4 libias ue
    trincal; 2 arrobos de ferro em folha ; quintaes
    de ferro da Suecia de 3 a 4 pollegadas ; 2 ditos
    dito dito sortido ; 4 arrobas de dito dito de 1
    pollegada : 2 ditas de vergalhao del quarto dito
    de dimetro ; 2 diU de dito de mcia pollegada
    de dito; 4 ditas dTdito de 1 dita de dito 2
    quintaei de ferro de 2 ditas de dito ; 2 arrobas
    de dito de raranda 2 malhos de ferro de 8 a 12
    libras; 1 barriea*de aroia de caldiar; 2 latas de
    vemiz de fetreiro ; 1 bigorna : 2thcsouras moior
    c menor; 3 marlellns sorlidos; 6 macetas ditos;
    6 serrotes grandes maiores e menores ; 3 ditas
    de lixa ; C Irados sorlidos ; 2i verrumasde guar-
    nico sortidas ; 21 grosas sortidas; 2t formos
    ditos ; 21 ferros de galopa sorlidos ; 12 ditos do
    desbastar; 12 ditos para junteiras ; 12 machados
    de carapina ; 2 ferros de guilherme com sepo ;
    12 martelos sorlidos : 6 compacos ditos ; 4 los
    de molas do 4 a 5 pollegadas ; 12 goivas sortidas ;
    6 sorras pequeas do armarao ; 50 machados
    2cguras ; 1 cutello ; 2 raspias ; 2 enxes goivas
    de nao ; 2000 cravos sorlidos para barril ; 2 ar-
    robas de arcos de ferro de 1 1/2 pollegadas ;
    madoira de secupira sufficionte para 2 carros ;
    8 cijos de secupira para os mesmos ; 3 paos de
    arco proprio para arreios; 6 linhas ou travesl-
    12 frechacs ; JOOcnibros ; 200 du/.ias de ripas
    40 enchams ; 2 duzias de taboas de amarello
    10 dilas de ditas de louro ; 3000 lijlos de ladri-
    Iho ; 4 duzias do dedaes que sojam propiiospaia
    homem ; meia arroba de cera preta.
    Quem quizer vender taes objectos aprsente
    as suas proposlas em carta fechada na secretaria
    do conselhp s l horas da manhaa do dia 9 de
    Janeiro prximo vindouro.
    Sala das sessos do conselho administrativo
    para fornecimento do arsenal de guerra, 30 de
    dezembro de 1859.tente Jos Lamenha Lins
    coronel presidente.Francisco ioaquim Perci-
    ra Lobo, coronel vojal secretario interino.
    THEATRO
    s.. P.
    Recreacao.
    Os Srs. socios sao convidados a mandaren) re-
    ceberseus cartees nolheatrn d'Apollo das 9 ho-
    ras da manhaa ;'is 7 da noito dos das 3, 4 e 5 do
    crtente, para o-expccUculo do me/, de dezem-
    bro que lera lugar na uoite de 5 do crranle. R -
    cife2dc Janeiro de 1860.=J. F. Marques, Io, se-
    cretario.
    LEILAO
    H
    o-.
    Subdelegacia do Recife 3 Janeiro de 1860.
    Arliam-se recolhidos casa de detenro os se-
    no os convoco pelo presente, para se aclia- tf"ntes escravos fgidos: Manoel, criulo, es-
    to indicado dia as 9 horas da manhaa no cravo. de Jc.s G,?me*. lavrador -
    Al.FANDEGA.
    Ren'limento tiodiala3 .
    dem do da 4 ....
    20.-998J846
    19:4759231
    4O.i74j077
    OVIMENTO DA ALFANDfcOA.
    Volumes entrados coai (azendas
    < luiii gneros
    V'oiumes sabidos com fazendas .
    com gneros .
    2
    401
    == 403
    19
    380
    535
    3005000
    nescarrogam boje 5 de Janeiro.
    Galera in^.i-/.aI). Diogoferro c carvao.
    Barca InglozaCrilerion- me rea dorias.
    Barca inglezaNethertonbacaTho.
    Barca americana=Margaritafarinhade trigo.
    Barca americana llasarddiversos .eneros.
    Barca americana Imperadorfarinba 1. trigo.
    Barca americanaVirginiadem.
    Patacho americaouHenryA. Dcdio=ideui.
    Patacho americanoA. J. W. Appligailhmcr-
    cadorias.
    Imporla^o.
    Barca Americana m Union viuda de Phi-
    laddlphia consignada Malheus Austin & ('.
    Manifestou o seguiute :
    1:913 barricas farinha de trigo, 450 bir-
    riquihas bolaetiinhas, 25 barris binha de oor-
    eo, 180 saceos milho, 50 caixas velas sperma-
    cete, 2 cadeiras de balando, 42 caixas cha ;
    .Msiheus Austin & C.
    1 earroca e pertences, 1 Volums arreios para
    seis animaes, 1 caixa roupa ; Henrique
    Forstsr & C.
    37 caixas cha, 19 dilas banba de
    ordem.
    Barca Americana lalelphia consignada Sauuders Brothers & C.
    Manifestou o seguinte :
    2:20 barricas farinha da trigo, G00 bar-
    consistorio da igreja matriz, sobpenade incor-
    rerera na mulla fulminada na lei citada, aquel-
    ! ses que allarein sera motivo jusliOcado, os
    quaes eleitores e supplentes cima convocados
    lo us seguintes senbores :
    Joao Francisco do Reg Maia.
    Henrique de Miranda Honriques.
    Jcse Tbeodoro de Sena.
    Dr. Antonio Joaquim de Moraese Silva.
    Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado. '
    Florencio Jos Carnciro Monteiro.
    Jortre Vctor Ferreira Lopes.
    Jo Francisco Pires.
    Amonio Jos Gomes do Correio,
    Jos Felisberto da Costa Gama.
    Sebastio Affonso do Reg barros.
    Francisco Duarte Coelho.
    Jos Lopes CarneirodaCunba.
    Jos Francisco do Reg Barros.
    Manoel Peres Campello de Almeida.
    Joo Luiz Victor Leuttier.
    Francisco Jos AlvesGama.
    Vigario, Francisco Luiz de Carvalho.
    Francisco Casario de Mello.
    Francisco Marinho de Albuquerque Mello.
    Jos Goncalves da Porciuncula.
    Jo Ignacio Pereira da Rocha.
    Joio Paulo Ferreira.
    Dr. Luiz Carlos de Magalhaes Breves.
    Nicolao Machado Freir.
    Dr. Joaquim Francisco de Miranda.
    Antonio Ayres Velloso.
    Jos Bernardina Pereira de Bulo.
    Jos Marques da Fonceca Borges.
    E para que cliegue ao conhecimento de lo-
    porco ; dos mandei passsr o presente, que ser affixado
    no lugar mais publico desta freguezia, e publi-
    cad o pela mprensa. Primeiro distrieto da fre-
    guezia do Pogo da Panella, 15 de dezembro de
    les d
    do engenho Tapu-
    Jt; Antonio, cnoulo, escravo de Dr. Felisardo
    Toscano de Briio, da l'arahiba ; Luiz, ciioulo
    escravo de Dr. Nabor.
    Subdelegacia do Recife 3 de
    Janeiro de 1860.
    Acha-se depositado um quarto castanho ap-
    prchendido a Antonio Candido de Souza.
    = Pela subdelegacia do 1. disiricto da fre-
    guezia dos Afogados se faz publico, que so ai lia
    recolhido casa de detencao, por andar fgido
    o preto Epiphanio, o qual diz ser escravo do Sr!
    Carneiro Monteiro, morador na ra da Aurora.
    Jos Roberto de lloraes Silva.
    (Conselho administrativo.
    O conselho administrativo, para fornecimento
    do arsenal do guerra, tcm de comprar os objectos
    seguintes:
    Para o 7." batalho de infantera destacada em
    ilucei.
    Calcas de chita 30 ; camisolas de brim 30 ; bu-
    louca i ; chicaras e pires 12 ; ljelas po-
    CASSINO POPULAR
    MAGESTOSO SALA O
    DO
    PALACETE DA HIJA DA PRAIA.
    Qinta-fcita 5 de Janeiro.
    A sociedade Cassiuo Popular tcm a honra de
    annuneiar ao respeitavel publico que o primeiro
    baile deste anno ter lugar no dia cima mencio-
    nado, c que apezar dos embaracos que se Ihe
    tcm promovido est lirme em seu prugrarnma o
    nao se poupar a despezns e mesmo a sacrificios
    para o piogrcsso do Cassino, alim de que conti-
    nu a merecer attencodo publicoeseren seus
    divcrtimen'los semen dignos do brilhanle coo-
    curso que mu voluntar: i mente cosluma frequtn-
    ta los.
    Espera pois a sociedade de seus amigos e do
    publico em geral o mesmo auxilio o dedicaco.
    Ser sempre fielmente observado o regulamento
    approvado pelo Ilim. Sr. Dr. chce de .olicia. e
    raantida a boa ordem e harmona do costume
    Os cartees de iogresso estaiiio a venda no lu-
    gar do coslumc no dia do divertiincnto que de-
    ver terminars 2 horas.
    Avisos maritimos.
    ( vo eecrevi, M. de Barros Barrete.
    3005*000 i riquinhas bolacbinhas, 25 larris vinagre, 50 i Joo Baptista de Castro e Silva, official da or
    dera da Rosa, o Inspector da thesouraria de
    fazeuda de l'ernambuco por S. M. I. que Dos
    guarde.
    Faco saber aos que o presente edilal virem que
    em cumprlinento de ordem do tribunal do the-
    Patacho Americano A. I. vv Applegarlh, | souro nacional do 14 do novembro prximo pas-
    vindo o"e Uichmond ; consignado, u Johnsion s?(Jo se conieca a Casar nesta thesouraria a subs-
    Pater & C, manifestou o seguinte :
    37 caixas cha, 1S meias ditas com dito 30
    GOO'OOu
    48S000
    18*000
    -5S?00O
    485000
    729000
    48J!00
    200*000
    ditos, carne de porco, 100 ditos breu, 20 ditos,
    agoa raz, 17 caixas com 204 latas de unto de
    porco, 100 presuntos, 175 barris banha de por-
    co 5 aos mesmos.
    quenas de hura 25 ; pratos rasos 25; ditos fundos
    25 ; copos de vidro para agua f ; linteiro de vi-
    dro para as enfermaras2; Inslhes pequeas pa-
    ra as bancas 30; mesa forrada de zinco para an-
    thopsia 1 ; toalhas proprias para fracturas, e de
    diversos tamaitos 50 ; lavatorios de ferro !.
    Quem quizer vender taes objectos aprsente
    as suas proposlas em carta fechada na secretaria
    do conselho s 10 horas da manhaa do dia 9 de
    Janeiro prximo \indouro.
    Sala das sessos do conselho administran o
    para fornecimento do arsenal de guerra 30 de
    dezembro de 1850.- Denlo Jos Lamenha Lins,
    coronel presidente.Francisco Joaquim Pereira
    Lobo, coronel vogal secretario inteiino.
    O Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
    vincia! manda fazer publico, que do dia 3 do cor-
    rente por dianle, pagam-sc os ordenados e mais
    despezas provinciacs, veucidas no mez de dezem-
    bro prximo lindo.
    Secretaria da thesouraria provincial de Per-
    nambuco, 2 do Janeiro de 1860.O secretario,
    Antonio Ferreira da Annunciaco.
    COXSILADO PROVINCIAL. '
    Pela mesa do consulado provincial se faz pu-
    blico, que os 30 dias uteis para o pagamento a
    i cofre da dcima dos predios urbanos ds
    , freguezias desta cidade o da dos Afogados, se l-
    nalisam no dia 7 do crreme, tinao os quacs en-
    correm na multa d.' 3 por cenlu lodos aquellos
    qucdeixarem de pagar seus dbitos pcrtenccnies
    a<> primeiro .semestre do anno inanceiro de 1850
    a 1500.o aaminislrador,
    Antonio Carneiro Machado Ros.
    = O illm. Sr. regedor do vranasio manda
    deca
    Cear, Maranho e Para.
    Segu em poucos di is para us portes iudica-
    dos o hiate nacional Lindo Paquete, capitao Ja~
    cintho Nones da Cosa, por ler parle da carga
    prompta : pata o reslo e passageiros, trala-se
    com os consignatarios Almeida Gomes, Alves i
    C, ruada Cruz n. 27
    Cear e Acarac.
    Segu no dia 11 do mez .o;rente o f Ihabote
    So6ra/e/i. tar com CaotanoCyrtaco daC. M. no lado do Coi-
    po Santo n. 25.
    Para o Araralv.
    Segu em poucos dias por ja ler parte
    carga o hiate Sergipano : para o resto c
    geiros trata-se na ra do Vigario n. 5.
    da sua
    passa-
    1359,- Eu Joao Kepomoreno Ribeiro, escri-1 K'dJ"'" $" u,0-is p
    caixas banha de porco, 300 barriquitibas bola-
    chinhas, UO resmas papel deembrulbos,20 ca- !er?8 va,lores. Thesouraria
    xas e30 fardos fazendas de algodo, 1:316 |de deze,"br" de 1859-
    rar aos pas, tutores ou correspondentes dos
    tituirao das n'otas de 5OO$0O da priraeira, se- aIumns internos, que no dia 22 do corrcnle
    gonda e terceira estampas. Os seus possuidores, P''!l'tipia orecolhimenlo das mensilidades, cor-
    pois, podem apresenta-las ao thesourciro desta i respondenle ao primeiro quarlcl de Janeiro au
    thesouraria, que Ih'as trocar por outras de di- llin10 de mareo do anno de 1860. Secretariado
    de l'erm.mbueo 5 (')'"in-sio 21 de dezembro de 1859 =0 secreta-
    no, A. A. Cabral.
    barricas e 35 nieias dilas farinha de trigo, 12
    barris carne salgada; aos mesmos
    Larca A merca na I. A.Hazard.vinJa de EXew
    port, consignada Henrique Forsler & C. ma-1
    nifesiou o seguinte :
    50 fardos estopa, 3 ditos fazenda de algodo
    11 (! barris pregos, 90 ditos e 7:?50 resieas
    ceblas, 18 duzias de vassouias, 12 pacotes eveairo d
    caixinhas, 12 ditos tinas, 16 barris pixe, 7401 apparelhos
    breu, 10 ditos whiskev, 100 saceos arros, 20 "Por />ei .
    birris carne de porco,'90 ditos alcalo, 57:000 m'esUdorogular.
    ps de madeira de pinito, 10 barricas bolacha,
    470 ditos btalas, 100 ditos IMitim, 50 ditas
    farinba de trigo, 50 caixas sabao 4 vergas de
    navio, 8 caixas arenques, 2 grades para loa-
    Iba', 122 voiumes mobihas e cadeiras-, aos
    consi
    Joo Ba. \ta de Castro e Silva.
    O Illm. Sr. inspector da thesouraria de fa-
    zenda desta provincia manda fazer publico que,
    B conforme se annuncioii, nao leve el.ito no da i
    ! 21 do corrente a arrematadlo da parle do sobra-
    1 do de dous andares na ra da Guia n. 29, penho- I
    rada aos herdeiros de Antonio Ferreira Duart- \
    arsenal de mariua.n Velloso ; e por isso fica a mesma arrematadle
    transferida para o dia 7 de Janeiro do anno seo '
    Secretaria da thesouraria de fazenda de
    Declarares.
    ispecyao do
    Faz-se publico, que a commissao de peritos,
    examinando na forma determinada no regula- ttuintc.
    ment baixado
    A barca nacional mperatriz Vencedora, de
    pr meira marcha, pregada o forrada de cobre
    seigue par o ltio do Janeiro com muita brevi-
    dade, recebe aitida alguma carga : trata-se cora
    os consignatarios viura Amorim Filho, ua tua
    da Cruz n. 45, ou com o capitao na piuca.
    Maranho.
    O palliabote Novaes segu em poneos dias com
    a carga que liver ; consignatarios Teixcira Pas-
    tos, S & Companhia, largo Jo Corpo Santo n. 6,
    segundo andar.
    Para Lisboa.
    O veleiro brigue nacional TINO, de primoira
    marcha, pregado o loriado de cobre, pretende
    soguir rom muita brevidade, lem a seu bordo
    dous ter.-o de seu corregamento promplo : para
    o resto que lhe falta c passageiros, para os quaes
    lera excedentes commodos, Irala-secom os seus
    consignatarios Azevedo \ Mendes noseuescrip-
    lorio, ruada Cruz n. 1.
    Rio (le Janeiro.
    Onatanos.
    CONSULADO GCRAL.
    /cr\nr\: Reudimento do dia 1 a 3 .
    4000 ld 1207000
    9GJ000
    219000
    300&0OO
    Tribuual do coiuuiercio.
    Pela secretaria do tribunal do cominera
    l'ernambuco se faz publico, que na data infra
    | foi registrado o pape! de sociedade que fizeram
    I Antonio Barbosa de Huiros, portuguez, e Manoel
    C 0025191 | Je Souza Cordeiro Simes Jnior, brasileiro, do-
    1:36io$li | miciliados nesta cidade, sendo o Cm social o
    ------- i commercio de seceos c molhados com o canitat
    8:406>272 A
    es-
    at
    DIVERSAS PROVINCIAS.
    Rendimento do dia 1 a 3 .
    dem do dia 4......
    556|937
    121842
    (J76S779
    por.
    dem 3. Henrique Gorge. casa
    Ierren arrendada por.......
    I l'-m 4. Joanna Pinto de
    A;ano, casa terrea oceupada
    j)t!i propnetaria avahada por.
    lua do I.ameiro.
    JN. 1. Gcslavo Antonio de
    Fi^ueiredo, casa terrea arren-
    dada por...............
    dem 3. Manoel Anastacio da
    Cosa, casa terrea oempada pelo
    proprielario avahada por.....
    IJ^;n 4, O mesmo, casa ter-
    rea arrendada por.........
    dem 5. Alejandrina da Silva
    BarLoza, ca terrea occu pada
    pela pioprie'.aria avahada por.
    300*000
    005000
    120000
    200*000
    2003000
    96S000
    DFSrACHOS DE CXPORTAg.vO PELA MESA
    do consulado desta cidade no dia
    4 de Janeiro de 1859.
    LiverpoolBarca ingleza Anua, Whately
    l'orster C C, 700 saceos assucar mascavado ;
    C. J. Aslley t C.,7 barricas carnauba.
    MarselbaPatacho francez Ueorge, J. Keller
    6l C. 500 saceos assucar mascavado.
    MarseihaBaica franceza cAndora, Cals Irinaos,
    200 saceos assucar mascavado.
    Porto;=:Brigue portuguez , Joaquim Hamo.-, c Silva, 275 saceos e 8 barri-
    cas assucar branco C 8 saceos dito mascavado.
    LisboaPatacho porluguez Flor de Maria, T.
    de Aquino 1 enseca, 150 saeccos assucar branco
    I.i-lio.i Ilrigue portuguez Tino, Joao Jos
    Rodrigues Mendes, lu couros salgados.
    PortorrBrigue porluguez S. Manoel I, Lemos
    Jnior & Leal Res, 5 barucas assucar branco.
    Rollcrdam Escuna hollaudeza Spcculant?,
    Brander a Rrandis & C, 641 couros salgados.
    RECEBEOOUIA DE RENDAS INTERNAS
    GERAFS DE PERNAMBUCO
    Rendimentod-'di;: 1 a 3 l.GcKi
    dem do dia i...... 9265933
    O novo banco de Pernambuco i eco-1 l0^ ru" d" Cruz n- f-
    i [y':f ,aUH arsei!al d,e B252?b" t Pe-! lhe as notas ele sua emissao de IM e de
    buco, cm 4 de dezembro de 18o9.O inspector oaj a -i i *
    Lliziario Antonio dos S*-uos. -U9 e pede aos possuidores das mesmas
    j o favor de as Tiren trocar no seu
    de|criptrio, das 11 horas da manhaa
    ; as 2 da tarde.
    t oiisi-Eho do compras navaes.
    Nao lendo-se effecluado em 27 do corrente,
    j pela a apresentagao somente de urna proposia o
    de 7U0 fornecfdos por ambos os socio*, durando coll""3Clo annunciado de fornecimento de carvao
    dita sociedade, que gyrar sob a firma de Ra- de pedra, para cousumo dos Navios da Arma.h
    ^Attwsnea'sB's: s; ^yr- s- a,Ve'^ "mc'""sl0 A,!enai
    bos os sucios compete o uso da firma social. je i'lar"1'13 e arca de Lscavago, a cargo do
    Secretaria do tribuna! do commercio de Per- mesmo Arsenal, manda o Conselho fazer puLli-
    Sttiy^JiftftS Io. lf^-"~ D- A- d l(e9 ;co 1,,8 P" f,cou transferido para a Sessao de
    5 de Janeiro prximo
    Para o Rio de Ja-
    neiro
    Segunda-feira 9 do corrente.
    PELO AGENTE
    PESTAA.
    No da cima designado c pelas 10 noras da
    manhaa na cocheira do Sr. Flix da Cunha Tei-
    xcira cm Fra de Portas, ra dos Guararapcs, o
    referido agente vender em ivao publico por
    corita de quem perlencer
    Em lotes a vootade dos com-
    pradores
    im grande lote de burros vindos de MoRterideo
    na galera franceza Rail.
    A qualidadcdesles animaes e bom estado em
    queseacbam olTerece occasio aos .gricultores.
    triipciroso canocciros de se munirem dos me-
    Ihores mcios de conducc.ao para transporta de
    suas carcas.' n3o so porque supporlamurn enor-
    me peso, como alcancam em presteza de cms-
    nlin urna \eIocidade de igual a qualquer Ion.mo-
    tiva.
    Os apreciadores das bellas raras do animar
    podi'm examinar o mencionado "lote de burro*
    desde j na cocheira cima dita.
    LEILAO
    DOS
    Solirecelenles da barca
    americana Leaoder.
    RobertChestercapitao da bar-a ame-
    ricana Leander, fara' eilo por inter-
    vencao do agente Hyppolito da Silva
    com atitorisaro do inspector da alfan-
    dega e em presenca do cnsul dos Ec-
    tado?-Unidos, dos sobiecelentes da dit.t
    barca os quaes acham-tc em peifeito
    estado, grande (juantidade de vellame,
    cordoalha, vergas, cadernaes e .iiiatro-
    balieiras todascavilhadas de cobre : ter-
    ea-eira 10 do corrente as 11 horas em
    ponto no armaztm alfandegado de Jos
    Antonio de Araujo no .caes de Apolle.
    .. ir
    logunda-leira 0 do corrente.
    Roberto Chester capitao da barca
    america Leander condemnada note
    pjrto ira* leilo por nter ven ro do
    agente Hjppolito da Suva com utori-
    saro do inspector da aHandega e em
    presenca do cnsul dos Estados-Unido
    do casco do dito navio de lotarao 212
    toneladas, forrado e cavilhado d'e cobre
    com mastros, amarras, ancoras e>0 to-
    neladas de lastro de ferro, tal pial se
    acha no ancoradouro deste porto, on-
    de os pretendentes opodeiaoe\aminar:
    segunda-feira 9 do correnfe ao meio
    dia em ponto na porta da associaeao
    commercial.
    Avisos diversos.
    ciitso.
    JSE SOARES DE AZETF.BO, profesor de lll pus 8
    litteratura nacional no Gymnasio de Pernanbuco,
    lem aborto em sua casa, Piara de D. Pedro /.']
    n. 37, segundo andar, uin i i,-.j \ rBiLosoruu
    o outro de LiMa v frasckza.
    As pessoas que desojan m frequentar una m
    oulra deslas disciplinas, podemdirigir-sc indi-
    cada residencia, de manhaa at as 9 horas e de
    larde a qualquer hora.
    = Antonio Candido de Souza, esUbelecidc
    com luja de calcado na ruada Cruz do Recife n.
    4U, declara que na decluraco feita no Diar a de
    liouiem pelo Sr. subdelegado do Recife, de sa
    achar dcposiiado um quato castanho. aeprc-
    beudid^ a Antonio Candido de Souza, naos* .-n-
    tende com elle, c que desta data em dian c s assignar por Antonio Jos Caudido de Sowza.
    Aviso aos cacado-
    res.
    O veleiro e bem conhecido bngue nacional Espingardas de espoleta muito fi
    Almiranle, pretende seguir com muita brevida- tc-se a qualidade por i se er csoerimenuS,
    de, lem parte de seu carregamenlo a bordo : pa- na roa Direila n. 61
    ra o resto que lhe falla, Irati-se com o seu cen- Precisa-se de urna
    signatario Antonio l.inz de Oliveira Azcrcd" "'------ "-< '
    2:3J1J416
    725000
    [Continua'.
    Comniunicados
    CONSULADO PROVINCIAL.
    Rendimentod.'ial a 3 9:770$90S
    dem do dia ....... 5:74>S798
    15516S796
    ttangel, olticial maior interino.
    Tribunal do coiuiuerciOi
    Por esta secretaria se faz constar, que a reque-
    rimento da lirma social de C. J. Astley & C. se
    fizeram as competentes annoUces de ler, em
    data de 1. dejulho ultimo, sido admittido como
    socio da dita firma o Sr. Rodolpho Kuckenber1.'
    subdito hamburgus, de 3 anuos de idade.
    Secrelaiiu do tribunal do commercio de Per-
    nambuco 3 de Janeiro de 1860. D. A. do Heno
    l'figel, official-naior uterino.
    Tribunal do commercio.
    ERIIATA.
    Na publicacao do registro do contrato socijl
    . sob a urina de Antonio Marques de Amorim & C.
    ) cm lugar de que fizeram D. Maria Francisca'
    Marque de Amorim, viuva de Antonio Marques
    de Amorimlea-se, que fizeram D. Maria Fran-
    cisca Marques de Amorim, Antonio Marques de
    Amorim e Goncalo Jos Affonso ; e que o uso da
    lirma social pertence a estes dous ltimos socios.
    Reg Rangel, official maior iuterino.
    Conselho administrativo,
    O conselho administrativo, para fornecimento
    do arsenal de guerra, tcm de comprar os ob-
    jectos seguintes :
    Para o presidio de Fernando.
    900 alqueires de farinha de mandioca, medida
    vclha ; 21 paos de jangada de 3 e meio a 5 pal-
    mos ; 2 pegas de cabo de linho de 6 a 7 pollega-
    das ; 4 barricas de farinha de trigo (marca SSS);
    ; 4 saceos de arroz pilado da melhor qualidade ;
    4 barricas de assucar branco fino; 1 barril d
    sea escriptorio ra da Cruz n. 1.
    COMPANHIA
    PJift^AMBUCAXA
    DE
    Sala Jo Conseihofde compras navaes de Per- %T
    namhuco em 29 de dezembro de 1859. 1^^3(80 COSlClN 3 ViptT
    O vapor nacional Persinunga, commandanlc
    Lobato, seguir para os portos do sul, no dia
    do crtenle as horas da tarde. Recebe carga
    : posta a bordo pela prancha, acompanhada oos
    I despachos e coiiliecimenlcs at o dia 3 s 6 bo-
    iras da tarde, sendo os rieles pagos aqu na g:-
    rencia.
    Os que passam a esta na Boa-Viagem tive-
    fsm luje urna noticia desagradavel, de que os
    presos das viagens nos trens da va frrea iam
    ser elevados, soaienie. para aquello lugar; c at
    fie disse que principiarla d'amanha a pagar-se o
    accrcscimo.
    Tivaraos o cuidado de examinar o Diario de
    hoje, qnc anda nao diz nada a este respeito ;
    mas acreditaruo:; que se verifique urna al no-
    ticia.
    Com effeito, ,e sssim acontecer, teremos urna
    rnzo de mais para duvidar da sinecridade dos
    cnhoresdacowpaDliia di estrada de ierro, que
    N J1IC1AS MARTIMAS.
    Entraran] nc porio do Rio, sabidos deste por-
    to : a 17, canhoneira de guerra Del monte, com
    f> e meio dias; c a 21, o brigue brasileiro Maria
    Isabel, com 11 dias. ______
    Movimento do porto.
    .Vatios entrados no dia'i.
    Rio de Janeiro e portos intermedios 1U dias e
    10 horas, vapor nacional taran, commandan-
    le o capilao-tenenlo Jos Leopoldo de Noro-
    nha Torrezo.
    -Vauio! sahidos no mesmo dia.
    BabiaBrigue belga Entina, capitao Jluggens,
    em astro.
    O Secrclario, Alexandre Rodrigues
    Anjos.
    THEATRO
    DE
    Santa Isabel.
    Os artistas lyricos abaixo assignados teudo-se
    reunidos em sociedade para dar alguus colicor-
    tos a carcter, e tendo obtido para ee mu
    Ibcalto, do Exm. Sr. presideule da provincia,
    tem i honra de convidar aV___para sedignar
    honra-Ios, assiguando-se para as qualro repre-
    sentacoes que se daio no referido theatro.
    Agiadecendo a V.... este particular obsequio,
    tem honra de asstgnar-se de V___ mrigadissi-
    mos veneradores e criados
    Luigia Gavelh Rcgiam.
    Sofa Marini Testa.
    Jos d'Iiyppolito.
    I uigi Testa.
    Jos Maria Ramonda.
    Leiloes.
    Innocencio Smollz.
    vinagre do Lisboa ; 6 hvros em branco de 200 Condires da assignatvra para as qualro reare-
    folhas; 6 resmas de papel almajo branco, 6 di- senlaces tuauo reP-
    tas de dito pautado ; 2 meias resmas de papel
    de peso branco croinha ; l caetas de espinho
    de quand ; 1 caixa de pennas de ajo envernisa-
    das ; 200 pennas de ganco das chamadas de secre-
    taria ; 4 caivetes finos para aparar pennas; 1
    thesoura de aparar papel; 3 folhinhas de algi-
    beira para o anno de 18 ; 3 facas inglezas sor-
    tidas ; 1 peca de baetilha para saceos, de peca ;
    1 dita de cabo de linho fino para adrice de ban-
    deia ; 1 tarracha espingardeira ; 1 bigorna ; 2
    tomos ; 2 ditos de mao maior e menor; 24 li-
    mas chatas de 9 pollegadas ; 12 ditas ditas de 7
    ditas; 24 dilas triangular de 7 a 8 pollegadas, fi-
    nas e grossas : 24 ditas meia canna de 8 a 9 ditas
    ditas ditas; 12 ditas de desbastar de 13 a 14
    pollegadas ; 12 alicalc sorlidos meia arroba
    laces.
    1.a ordem.......... GOjJOOO
    2.a dita............. 80SOOO
    3.a dita............. 40000
    Cadeiras............ 16*000
    Plateas.............. SjOOO
    Camarote ainlsos.
    1.a oidem.......... 20JKKKI
    a dita............. 25g000
    3. dila............. 125000
    Torrinhas........... 6J000
    Cadeiras............ 5000
    Plateas.............. 2S0OO
    N. B. O escriptorio do theatro acha-se aberto
    todos os dias desde as 9 horas da manhaa al as
    tres da tarde para reeeber as assignaluras.
    Para liquidaco.
    Quiila-feira i do corrcnle.
    O AGENTE
    na
    poj
    .. .r.^..i un.i.-ui, uiiija-c ao
    casa n. 7, que achara com quem
    Pedro Miuzcr sabe para a E
    edo, no no pateo de S. Pedro n. 10, segundo andar
    cima do marciueiro.
    = Offerece-se para caixoiro de armazem M
    padana um moco, dando garante ou eonheci-
    menlo de sua conducta : quem de seu presumo
    se quizer utihsar. di.ija-sc ao neceo da Bomba.
    tniar.
    para a Baha.
    Precisa-se de nina ama para todo o servio
    de una casa de poica familia : na ra dus Cr-
    zes n. 20.
    E. C. de Tlocg mudou-se da r. -sageni da
    Hagdalena para a ra da Impetatriz n. 7, r,ri-
    meiro andar. r
    Compra-sc para urna encommenda uma
    casa terrea no bairro de Santo Antonio ou ria-
    * isto, c que lenha bons couimodo-. para urna fa-
    milia; na ra da Penha a tratar com Joo Pinto
    Regis de Souza.
    OLEUOS DE MINAS A l$UO0.
    \endein-sequeijos de Minas em barucas a lt
    cada um : na travessa da alfaodrga, ra do A-
    morim, armazem de Jos Francisco Batrote.
    Vende-se a armaco da loja da ra do Im-
    perador n. 9, propria para um principiante.
    Attenco.
    Vcndc-se muito superior doce de goabM 9no -
    15120, 1*200 c 1S400. para acaba. quem en-
    tender dmja-se s Cinco Ponas, taberna n. 8*.
    junto s casas cahidas.
    0W"
    Allenciio.
    far leilo em seu armazem na ra do Imperador
    n. 15, de todos os objectos ncllo existentes, con-
    sistindo cm movis, laucas, prata, crystaes et<;.,
    ele, que definitivamente sero vendidos sem re-
    serva de preco, tendo principio s 11 horas
    ponto.
    rm
    O agente Pestaa continua a estar autorisat'o
    pela commissao liquidalaria da extincta sociede-
    de de fiacao o lecidos de algodo pira vender o
    reslanle do terreno do sitio da mesma sociedade.
    Os pretendentes pQdein dirigir ao armazem dn
    ra doVigarjon.il, a qualqucr hora do dia a
    , enlender-se com o diro agente.
    Vendo-se nm bonito e bom cavallo de
    cabriol.t servindoigualmente para sella
    tambem se vende um caule muiko m.i-
    neiro e em bom uso : m t linda
    daa do Varadouro.
    na pa-
    Boa pechincha.
    Vende-se urna taberna em um dos melhor.*s
    lugares da freguezia de S. Jos, afreguezada para
    a praca e para o mato, com pequeo sorlimcnto
    os pretendentes, dirijam-sc a ra de Santa Rita-
    numero 82.
    Attenco.
    Na ra Nova n, 35. vende-se milho muilo no-
    T2Adinnftiro 4 vist*- pe b,^ratissimo prejo de
    4^500 a sacca *


    DIARIO DE PERNAMBUCO. QUINTA FEIRA 5 DE JANEIRO DE 1860.
    ^8^88*
    feKEMP vNUEYiYORJy)
    PILUUS VEGETAES
    ASSUCARADAS
    m
    NEW-YORK.
    O MF.I.H3R REMEDIO CONIIF.CinO
    Contraoi.istipase*, ictericia, affecres do figado,
    febres biliosas clicas, indigestoes, evxaquecas.
    Hetnoi i huidas, diarrhea,doencas da
    pelle, irupcoes,e todas as enfermedades,
    PROVENIENTES IiO ESTADO IMPERO DO BANGOS.
    75,000 caixa.s dcste remcdio.consoraineiu-se an
    nualmente I I
    ltemodio da natureza.
    LINES PRATICAS
    DE
    i'recisa-so ue urna ama larra ou captiva
    para o servico de urna rasa de familia, c que se
    preste a comprar e a sabir a ra em object03 do
    servico : na ra larga do Rosario n. 28, segundo
    andar.
    GOIIF ANUA
    ALLIANCE
    Estabclccida em Londres
    ffAffrjff icsm.
    CAPITAL
    Cinco mUliocs de libras
    esterlinas.
    Saunders Brothers & C." lera a honra do In-
    formar aes Srs. negociantes, proprietarios de
    casas, e a gueni mais convicr, que esto plena-
    mente autorisados poli dita companhia para
    effeetuar seguros sobre edificios de lijlo e po-
    dra, cobcrtne de lelha e igualmenle sobre os
    objectos me coutivorem os meamos edilicios, i 'li;, n" le 1e.as I"-'?soos que desejarem matricu-
    ESCRITA COMMERCIAL
    Por partidas dolrradas
    ilITftilTlU '
    Ra Novan 15, segundo andar.
    JH. Foiifc-<. de Mctlclros, escriturario da
    tliesouraria de fazenda desla provincia, compelen-
    temente habilitado pola directora de inslrucciio
    publica para lecconar arithmetica nesla cidade,
    lem resolvido juntar, como complemento do seu
    curso pratico do escriturado por partidas do-
    bradas, o casino de conlabilidadc especialmente
    na parle relativa a reduccao de moedas ao cal-
    culo de descontse juros simples e composlos,
    conhecimento inlspcnsavel as pessoas que de-
    sejam empregar-se no commercio ou que j se
    achain iiullc eslabelecidas. A aula ser beria
    no da 15 de Janeiro prximo futuro s 7 horas
    FOLHIMIAS PAR \ 860.
    Esto a yenda na aviaria da praca da Inde-
    pendencia ns. 6 o 8 as folhinhas para 1860, im-
    pressas nesta typi'graphia, das seguinles quali-
    dades :
    F
    quer consista em mobilia ou em fazendas de
    qualquerquaiidade.
    Traspassa-sc o arrciidamento de un engo-
    nho disianie desla praca duas logoas, veude-se
    urna parle no mesmo engenho, machina nova a
    vapor, disfilaco nova etem montada, 22 bois
    de corris, seis quarlos, algtimas obras, sail'ra
    plantada, et
    -le. ele. ; Irala-se na ra do Crespo n
    Approvado rea faculdade de medicina, e re-' 18 loja
    commendado orno o oais valioso catrtico ce- i O, abaixo assignauS lquidlarios da taber-
    getal de lodos os conhecidos. Sendo oslas [ululas I
    puramente vegelaes, nao contera ellas nenhum
    na sita na ribera da boa-vista de Manoel da
    veneno mercurial nem algum ouiro minera/ ; Silva, rogao a todos os credores da mesina para
    esto Jaern^acondicionadas emcaixasde folhapa-1 apreseniarcm as suas comas competentenienle
    juslificadas, at odia 8 do Janeiro prximo, no
    ra rosguardar-.se da humiJade.
    Sao agradaveis ao paladar, seguras e clicaze
    em sua operaco, e um remedio poderoso para a
    juvcnlude, puberdade o velhice.
    Lea-se o folhe'.oque acorapanha cada caixa,pelo
    escriptorio do Travassos Jnior & C. ra do
    Artiorim, a (ni do serem examinadas, nao se
    responsabilzando os mesmos por qualquer du-
    vida depois do da marcado, por ler de se fazer
    o rateio do producto dos gneros existentes na
    mencionada taberna.
    Recife 30 de Jezembro de 1859.
    Travasus & C. Lopes lrraao?. Tira-
    nas Times.
    OlTerecc-se uiu rapaz porlogucz para caixeiro
    m bastante
    como para
    a receber por indos os paquetes de Europa un i fra della 1n^m sen preslmo se juizer ulilisar
    lindo sorlimeuto de obras de ouro, diamantes e !derga-se a ra da Sesada Velha n. 50.
    litantes: a tratar no seu cscripk.no, ra da I Na povoacao de Santo Amaro Jabontao, lia
    lar-so poderao deixarsei.'s nomos em casa do an-
    nunciante at o mencionado da.
    DELICIOSAS E INFALLIVEIS.
    qualse licar couhecciido as mullas curas milagro-
    sas quetera cffectuado. D. r. Lanman & Kemp,
    droguistas pn; atacado em Nova York, sao os ni-
    cos fabricantes o proprietarios.
    Acham-se venda em todas as boticas dasprin-
    oipaes cidades do imperio.
    DEPSITOS.
    Diode Janeiro, na ra da Aifandega n. 89.
    Pabia, Germano & C, ruaJuliiio n. 2.
    I'eriiambuc/>, no armazem de drogas de J. Soura do qualquer eslabelecimento o qual ten
    & C, ra da Cruz n. 22. i ..,; ,. n
    - Jos Antonio Mo.eira Das &C., continuara |PraUc1a,',lanl l,a,'a Cla l c
    i urna casa de pedra e cal, muito grande ecom
    Paslilhas vegetacs Je Kemp
    contra as lombrigas
    approvadas pela F.xm." iospeccSo de estudo de
    Habana e por militas outr.is juncias de hy-
    gieno publica dosF.slado3 Unidos e mais patees
    da America.
    Garantidas como puramente vegelaes, agra-
    dareis vista, doces ao paladar sao o remedio
    ii.fallivcl contra as lombrigas. Naocausam nau-
    seasnem sonsacos debilitantes.
    Testemunho expmi'.aneo em abone das parti-
    lhas de Kemp.
    v< Srs. I). T. Lanman e Kemp. Port Byron
    12 de abril de 1859. Senlioros. As paslilhas
    que Vnics. fazem, euraram meu lilho ; o pobre
    rapaz padeca de lombrigas, exhatava um chei-
    ro (olido, tinha o estomago inchado c continua
    OLHINIU RELIGIOSA, contendo, alera do
    kalendario e regulamento dos direitos pa-
    ochiacs, a conliuuacao da bibliulheca do
    Crislao Rrasiloiro. que se compe : do lou-
    vor ao sanio nonie de Dos, coroa dos ac-
    tos de amor, hyiunos ao Espirito Sanio o
    a N. S., a itr.itaeno do de Santo Ambrozio,
    jaculatorias e commemoncao ao SS. Sa-
    cramento e N. S. do Carmo, excrcicio da
    Via-Satra, directorio para orai.o mental,
    dividido pelos das da semana, obsequios
    ao SS. coraco de Jess, saudacoes devo-
    tas s cliagas de Christo, oracoe's a .N. Se-
    nhora, ao patrocinio de S. jse e nnjo da
    guarda, responco pelas almas, alm de
    outras ora^oes. rit^o320rs.
    1TA DE VARIEDADES, contendo o kalenda-
    rio, regulamento dos direitos parocl.iaes, o
    urna colkcco de ancdotas, ditos chisto-
    sos, conlos, fbulas, pensamenlos moraes,
    reccilas di\crsas, quer acerca de cozinha,
    quer de cullura, e preservativo de arvores
    e fructos. l'rei,o 320 rs.
    ITA DE PORTA.a qual, alm das materias do
    costume, contic o resumo dos direitos
    parochiacs. Prcco 160 rs.
    Jockey ci.
    A commissao directora tem marcado o dia 19
    de Janeiro prximo s 4 horas da tardo para a 2"
    corrida no prado Piranga. sendo os premios e
    enlmdas para as tros corridas as seguinles:
    Collegio do tom Cnsul ho,
    ra do Hospicio, n. 19.
    O director faz scienlo no3 estudantes de pre-
    paratorios que est aberto o curso das ferias
    Recife, 2 de Janeiro de 1860.
    L-3 ~ = L
    = -i = -. c 2_ ;;: _
    " S 8 J v -i
    D
    2HOS00O
    SOgOOO
    ooiooo
    03000
    150*000
    1.a corrida 1.000 bracas.............:
    Entrada........................
    2.a corrida 500 bracas................
    Entrada........................
    3.a corrida 700 bracas................
    Entrada......*................
    Os socios que quizerem toscrever sen
    deverao dirigir-te ao secretario da commissao
    directora at o dis 1-1 do mesmo mei, depnis do
    qual nenhuma inscripco tei lugar.Santo*
    Jnior, secreiario.
    NICA, VERDADEIRA E LE-
    GITIMA
    Joo Baptista Sabino subdito napolitano,
    Joiio Barzoly, Martin Juste e Francis Pizony sub-
    ditos toscanos, vao ao Maranhao.
    O abaixo assignado, faz publico que Ora
    dissolvida desde hojo, e em liquidsco a socie-
    dade que tinha com o Sr. Antonio Jos Camciro
    Guimaraes sob a razo de Luiz Jos da Costa ^
    C.I.uii J-is de Amorim,
    Recife 31 de dezerabro de 1859.
    Curso de rhcforica.
    O acadmico Manoel Francisco de Honorato
    avisa aos seos alumnos quo abrir o curso do
    rhetorica nodia 9do corronte mez : na ra Di-
    reita n. 88, 1" andar.
    Precisa-se do um pequeo quo, tenbn pla-
    tica de taberna, profeie-se dos ltimoschegados:
    no pateo da Santa Cruz n. 2.
    Precisa-se de un caixeiro para loja do fal-
    cado, o qual deve dar (anca de sui conducta :
    nol.ivramcnlo, loja n. 9.
    Escrava fgida.
    li uz n. 26.
    M I lili ll lft COIlidS folln Inwbil, parase alugar por preeo commoJo, na comichao no nariz, tao magro se oz. -i
    .luiiumui.i.uiimaiuun o i lemw pcrdc-lo. Nestsscircumstancias um visi-
    paia compra e venda de assucar, algodao, couros ,, ci b" meu disso o.ue as pastijhas de Kemp tinham
    mais objecLis de peso, obra muito util para to-) -ames fc-ueas Uomes da Silva, e seu irnUiO curado sua lilba. Logo que soube disso com-
    das as pessoas que negociara com ditos gneros, j Joao Caucio Gomes da S-a, vao a Maceio, a prei 2 vidros de paslilhas e com ellas salvei a
    ?_?"_',Mc."h0.re!..dpl!h?: i^iscom um I negocio or.de pre-.cnlem demorar-se oito a dez vida de meu filho.
    dias.
    Aluga-se um primeiro andar de olivado pa-
    ira lar.
    GABINETE PORTLGUEZ
    DE
    lance de vista podem siber o importe de qual-
    quer poroo 3e arrollas c libras; 1 volumebom
    encadernado por 5'0O0: vende-se na livraria
    econmica, Hefronte do arco de Santo Antonio,
    ra do Crespa n. 2.
    Curso de preparatorios.
    O hachare] A. R. de Tojios Bandira, profes-
    sor de goograpbia e historia antiga no gymnasio i
    dcsta provincia, continua no ensino dos seguinles '.
    preparaUrios: rlictorica, pliilosophia, geogia-!
    phia, I.nguas franceza e ngleza ; n; casa de sua i
    residencia, ra larga do Rosario n. 28, segundo I
    B=rprecisa-sc alugar urna escrava para o ser- io ^S?;ST-,0 lGar^! K"a.da oGabine-
    intemo o externo de urna casa, assim como FJ*' ?"ez.dci L*llu"' ? resPcctl" "velona
    tambera um escravo : ua ra da Santa Cruz n. 66.' ?! !'ubhco 5 ,0,dos os scnhores, 1u'' prctenderem
    . o mencionado lunar, para que facam seos requo-
    Irimento mesma directora, acompauhados de
    documentos authenticos, qn, attestem tiremos
    i mesmos pretendentes as nabililacoes que exige
    |scmelhaute encargo.
    . Secrelaria do Gabinete Poriugucz do Leitura
    30 de dezembr c'e 1859.
    /. G. l'illaverde.
    i .'secretario.
    Olerccc-se um rapaz para caixeiro do ta-
    Sr. thesoure.ro manda fazer pu-^"f ,';;'' d"f P",a ou mesmo p,,.-. alguro
    | engcnbo, o qual da conliecimonto a sua conduc-
    an-
    Sou di
    Vmcs. seu amo agradecido.
    W. T. Floyd.
    Preparadas no seu laboratorio n. 30 Gold
    SALSA PARRILHA
    DE
    ra algum escriptorio de advogacia, na ra do i Strcol pelos uincos proprietarios I). Lanman e
    Queiraado n. 26 na mesma achara com quera KeinP. droguistas por atacado .-m New York.
    Acham-se venda em l idas as boticas das
    Remedio som igual, sendo reconhecido polos
    mdicos, os mais mnenles como remedio iufal-
    livel para curar escrophulas, cancros, ihcumalis-
    mo, enfermidad
    dad
    m
    ulce
    san
    CAUTELA.
    D. T. Lanman & Kemp, droguistas por atacado
    New York, achara- i obligados a provenir o res-
    peitavel publico para desconfiar de alguraas te-
    nues imitacoes da Salsa Parrilba de ttrilol que
    hoje se vndenoste imperio, declarando a todos
    que sao ellos os nicos proprietarios da receila
    na 2L5r' Drsto1. teudo-lhe comprado no anuo de
    1 Lltl 1856.
    Casa nenhuma
    rugi sexta-feira 30 de dezembro da casa era
    qio moro no Montciiojunto a refinaco, urna crava donme Anna. mulata, j de seu 36 ali-
    os, loma muito rape, alta, levou bastante roupa,
    "e'oiio niI,'.s deVL> antlar e '"'o, dcsconfla-sc quo esteja
    s ravallos '""-'"'^da por Caboc, Poco etc., ou para Beberi-
    be por estar l um pelo do seu conhecimento :
    rogo porlanlo alguem que se nao illudam com
    suas cantigas que nisso ella c lio- e aos senhores
    da polica, capites de campo, pedestres etc. a
    aprehenoo da mesma que serao bem recompen-
    sados e a levem a uiinba casa no Monleiro ou na
    ra da Praia n. 15.
    Jos Ferroira Coelho.
    Guimaraes & Rocha com loja de miudozas
    na ra do (Juouiado n. 33 A, fazem scienle as
    reparlioes que cobrara o imposto sobre a per-
    fumara, quo deixaiam de viiider do dia 2 do ja-
    iicjo do 1860 era yanto dito artigo.
    Furto.
    Ao amanheccr do dia 29 de dczeinbro do
    anno do J89 furlaram do engenho Caeicule, co-
    marca de Nazaretb, tres quarlos, sendo uiiiis-
    tanlio escuro, ferrado no quarlo esquerdo ; uutro
    castanbo coin os 4 pes assigoalados de bramo,
    sondo os das raaos pequeos, um pequeo signal I
    branco na tosa e a cauda ura pomo torta, afer-
    rado no quarlo dreilo ; c ooulro lanibem casia- !
    nho, dous ps assigoalados de branco, e um sig- :
    nal peqneiio tambera branco na test, com um
    s ferro no quarlo dircilo. O fero de lodos um
    .1 grande cortado com um C de maneira que o
    primeiro traco do A com o corte do C forma um
    Piecisa-se fallar no corresponden-
    te dos Sis. teen te-coronel Hemeterio
    Jos Velloso du Silveira e francisco Xa-
    vier de Anlrade : na liviana
    da prac,a da Independencia.
    n.
    A tOS chapees de castor
    brancos o proles finos, vendem-se por tao m
    prejo [ orseren ven id is pi ni i :'.:
    i" : na pra<;a d i Independencia n. Zf i
    laria de Joaquim do Oliveira Ma'u

    Na ra da Cadoia d< I fe n.
    pr .:sa-se romprar es ravo
    meia idide, q ic entenda di
    nba.
    principaes cidades do imperio.
    DEPSITOS
    Rio de Janeiro na ra da Aifandega n. 89.
    Babia, Germano & C, ra Juliao n. 2.
    reinambuco.no anuazem de drogas de J. Soum
    & Companhia ra da Cruz n. 22.
    Attencao.
    AO hotel TrO^ adOI' na S ltr" 1,rlSlOI, leuao-lhe comprado no anno Je I 0 secretario comida aos Srs.socios, mesarlos e
    . I t,;, i a k.dos osoulros Sis. socios, para comparecerem
    lnry.1 fifi RnUirn lt hl\ ^IS n.0",h"ma n,a'sIouIPc,-,?a aIgum.a.lcm domingo 8 do coireqto pelas 9 horas do dia na
    IdlgdUUnUSdlIU ll. 4U. Iwilo de fabricar a Salsa Parrilha de Bnstol, referida capella, para reuniao da mesa aralo
    j na cidade do Recife, ou em dito rugetiho.
    Sociedade dos devotos da ca-
    pella da Senhora da C once i-
    buco que se acuam a venda todos os das la, e todo negocio se far : quera pretender,
    das 9 horas da manhaa as 3 da tarde, uncie para s.rprocurado,
    no pavimento terreo da casa da ruada
    Aurora n. 26 e as casas cominissionadas
    pelo mesmo Senhor thesoureiro na pra-
    os
    llenc-ao.
    rergiinta-sc ao Sr. Jos Ignacio do Monte, se
    elle podia ou achava-se autoiisado a vender um
    lera a honra de participar a scus froguezes e ao
    publico era geral, que acharao sempre em seu
    hotel comedorias diversas a qualquer hora do dia,
    bem cotiio se encarrega de apiomptar jamares
    para fura c.tudo com o maior aceiu e prompli-
    uao : os amadores do bom vinho ah n encontra-
    raode todas as qualidades assim como os bellos
    refrescos. Todos os sabbados e das santificados
    baveri a deliciosa nio de vacra das Unas horas
    da madrugada em diante. Tambera existem na
    mesma casa didereulcs quarlos mobilados a dis-
    osicao do publico e ludo por mais moderado
    Francisco Garrido, dono dcsle eslabelecimento j ,or'Iuc sogredo da sua preparaco acha-se so- nella proceder-sea eleic5o deque Irtam
    mcnie em poder dos referidos Lanman i Kemp. 0 e 25 dos respectivos estatutos
    I ara evitar engaos cora desapreciavcis co- ; Nao pudendo sor espassado para outro dia se-
    Uinacoes de drogas perniciosas, as pessoas que racihatUo reuniao, rojas muilo cncarecida-
    quizerem comprar o verdadero devera bem ob-, rente o comp irocimento de lodos 03 socios
    ?.. *fff?U,n **??e? "no^quaes qual- aQmd" |ue nao baja talla, tanto mais salido :
    quer outrapreparacao o. falsa fesla da ^droeira no corronte mez.
    1 O envoltorio uejora est gravado de um | Secretaria da sociedad.; dos devotos da
    lado sob urna chapa 6o a,;o, Irazendoaop a> da Seuhoiu da Conceicao da esiradi
    seguinles palavras :
    D. T. LANMAN & KEMP
    J? ua muepe iac.in.ia a. M* iu, u i nortonconto PreV drt T,c cm ou,,a qualquer parte.
    bilhetes e ueos da iilltma parte da ter- ^abai^KS'.^ fS^^^-^^gS
    cerra e primeira da quarta lotera do seu poder al que fossera criados, aconteceu que, fiM^ ^r Cosme de" Sa'T'ereu-7
    Gymnasio cujas roJas deverao andar!lcndo o mesmo abaixo ass gado os mandado bus- .. \ _.,, .,,....,; M
    ,. car ru da 2. de novembro do anno passado. do.<.i/UC Vv'll!' ae sua via2em ti UCti-^V
    imprete:iv:!mente no da \\ de Janeiro
    do
    Thcso
    . CIilJI ..^. ^,^w. ^^ www*Mw .- **. *. ..ai, :ir, UHV1IUU IIIU IL'll'Ul SIUU IUU UUUOS OS I11US- ^J^
    Cruz. ms l'lbos. Admira, Sr. .Monto, que se dsse isso *^
    - Na pharmacia da ra do LWraincnto n. 30, s.l'm.Ili","1" in *?< era "ma rua ,:,,) P"1'1)" como
    precisa-se fallar com urgencia aos seguinles se- e a. dp. *lerr' h"Je da Imperatnz. - : Manoel Alvos Vianna. r. Manoel B0-1cade,,1Dha9jca por sua coiita; : Monte, pode|fjggt as 10 da manhaa, sobre OS
    Cruz n. 53, todos os dias, menos
    ca
    de Joao de
    Barros 3 de Janeiro de 1300. O secreiario,
    J. X. da Fonseca i.apibarie.
    SOL AGENTS Antonio Jos Monleiro subdito portugne/
    V PiQ Wnti>r ?ff/>of retira-se para Europa, e julgando nada dever faz
    "'w 'ruiei ot/tf-t. scicute por este que quem se adiar seu credor
    i\o\V Vftvl con; documentos vencidos ou a vencer aprsenle
    im^,* *- no prazo de 8 dias. Reeife 3 de Janeiro de 1860.
    2 O mesmo do outro lado tem ura rotulo em Vesporade lesla 2 de dczembto ultimo
    papel azul claro com a lirma e rubrica dos pro- furtaram do sitio Monte-Alegre era Miroeira, ura
    pnetarios. novilho, fiilio do pasto, cujos siguaes sao estes :
    Vende-seen casa de Arkn ght & C., na i
    Cruz, armazem n. til, relogios do b'ori inte I' -
    qlibury, nd i [ue polo seu perfeit-i raactiinisniu
    li ii- > coberta ou sera ella.
    Precisa-se o um menino l ra
    nSn il'i Fcleidi Ax T/->.~,rk An I caixeiro de loja de fazendas na rua So
    glO aa btra liuri'OS. de 1,600 lijlos de olvcnaria, c que esleja era
    bom istado de Irabalhar mensulmcnte ; e tam-
    bera se a'ug.i kiracunoeir forra ou captivo na
    rua larga do Ros&ii .. l, [ueachar com quem
    tratar.
    i.i-_-e d'.nhoir > a j iros sob penbores de nn-
    ro e prata : a tratar na rua estrena do Rosario,
    sobrado n. 30, ii rceiro andar.
    Ama de leile.
    Precisa-sede urna an a de leiteqoc nao tcnl.a
    filho: na rua d.i Ci iz i^Ri n.i'i.
    Aluga-se arm r.ftn ; tile a casa ': i I
    I-S : a tral ir na
    mm-"
    r

    3U Sobre a rolha acha-se o relalo e firma do
    rosa.
    novilho, lliodo pasti
    preto leudo as costas um pouco avermclbada,
    sera signal algum feito, pois nem forrado era, es-
    reira Guerra. Joo Goncalres Ferreira, Antonio scr ^"' sfe *" .Quena os furt tu por dinhei- I 'J -_,, nnntn. .
    de Paula o Mello. Antonio l'erge.itino de Moraes, ro- Re>'lfp de Janeiro de ISoO.-i/ypoMo Cor- ^ seguinles pontos .
    Souza, Joquira MelitiiO Vives Lima. valho de VatconeeUos Albuquerque Maranhao.'f l'. Molestias de ol!>OS ;
    rv_ i^ ^ __- ,Z.lir. ^'^''".^i""1!. i""^."!8*,0 (K I'- Molestias decorara
    Kx
    S,
    |/i|~|lri^ \ p| l^lQlC i loas os seus iruiaos que curapram exaclamenli
    JL' Cl HLyo til LIIII_'lCVyk5 comoarl. 18, que manda dar parle das fnnc.Oos
    de'
    m
    fa lem !'? muito gordo o lera de dudo 4 anuos pouco
    mais ou menos. O abaixo assignado roga aos sc-
    nhores donos de acougucs do dentro e fura da
    praca, bem assim aos Srs. de engenho e. sena
    lavradores que se Mies for ou livor ja sido otl'e-
    r^cido o novilho cima o appreheudam ou pelo
    menos facam por este Diario algum aviso, polo
    que se possa saber da existencia c lugar aonde
    ^c acha este novilho, nao tendo duvida o an-
    Francisco finio Ozorio tem a honra de scien-
    tificar ao re.-peitavel publico desta cidade, que
    est de tosse da machina a vapor vulcanie ;
    colloca denles por este novo syslema anda nao
    vslo nos.a cidade, e talvez em todo o Brasil por
    ser um syslema inteiramente novo, e por conse-
    ao procurador geral, sob peana da multa que
    marca o mesmo compromisso.
    Precisa-se de urna ama : na rua da Cruz
    n. 61.
    10'.
    guite muilo fcil para as pessos que >e voem 11
    precisan de usar delles ; tambera os colloca 'l vul" cm ******. vo>'Je-se na
    Publicacao litteraria.
    Guia Luso-Brasiloirodo Viajante da Europa
    mio do
    por meio do chapa em ouro ou platina com molas utor d Vigario n. 11, biox. d cucad .,.,. j
    ou pela pressao do ar, calca os que estio em es- '< ?sSk54 tii -1 f t&11 &t % j % 1K?
    pecara com ouro e massa adamantina, p^ffg^pSQSSSR
    brancas, por procos razoaveis. po- \ R a qual,laer ho J^ Cnilllllori ho_ K
    *
    denda scr p;ocurado para este fin em sua mora-1
    il i, na rua estreita do Rosario u. a qualquer!
    hua do dia.
    O ndvogado Souza Reis niudou o seu es-:
    criptorio para a rua larga do Rosario, sobrado da
    quina n. 52.
    Offerece-se ura liomoiu capaz
    rom familia para feilor de sitio, que
    calende perfcitauente de, plaulaccs:
    ensla 1 vpngrapliia se dir.
    agencia dos la bro antes america-
    nos Grouver & Baker.
    Machinas de coser: em ca^a de Samuel P.
    Johnstou t\ C, rua da Senzala Nova n. 52.
    Aos scultores de engenhos e aos plan-
    tadores de capim.
    Na i '.a batida j unto aomoladouro publico, era urna
    fabrica que all se eslabeleceu, vende-se sangue
    de boi reduzido a p para servir de extrume na
    plantaco das caimas de assucar por mcio das
    covetas. cujo syslema de planlaco ser ensaa-
    do por um folleto, que all se distribuir a quem
    comprar mais de 20 arrobas. As experiencias j
    eitas nesta provincia e em algumaspartes da
    Europa ; gsranlem o bora resultado, que se pode
    obler da applicacJJio desse Txtrume o mais pode-
    roso de tod)S, nao s para a canna, como tam-
    bem pera o capim. Este exirurae tem a proprie-
    dade d; do-envolver a vegetaco da canna com
    urna forja tal, que no fabrico do assucar vai i
    produzir'o tripulo de assucar, que poden pro-
    duzir som o eraprego delle : e e qunnlo ao ca-
    pim. que hoje j ohjeclo di: grande inleressc,
    lal a influencia, que na baixi que der dous cor-
    tos de capim era Ires mezes, cora a applicacao
    do san zue pode dar quatro de muito bom capin e
    abundante. Adverte-se aos prclcndenles, que o
    faugut: assra preparado pode ser conduzido em
    saceos : qu :m desejar tirar o maior resultado de
    das planta;oes, procure na fabrica da Cabanga.
    Os ab:ixo assignados fazera scientc ao pu-
    blico e coi:i especialidade ao corpo do commer-
    cio deita p:aca, que nesla data dissolveram arai-
    gavelmenle a suciedade que tinhara na taberna
    sita na ruadas Cruzes o. 41 A, quo gyrava sob a
    razoRibeiro & Silva ficando u cargo e res-
    ponsabilidaJe do socio Silva a liquidaeo do ac-
    tivo e passivo da extracta tirria. Recife 31 de
    dczeinbro de 1859.Luiz Antonio de Souza Ri-
    beiro, Joo do Couto Alces de Silva.
    Urna pessoa habilitada, u que d fiador, se
    otforeic para cobrar dividas na comarca do Rio
    l'ormcsn, ainigavel ou judicialmente : quem se
    quizer utilisar de seu presumo, dirija-se a rua
    Nova a. 1J. que achata cora quem tratar.
    meopathico
    28=RUA DAS CRUZES28
    oijmesmo consultorio acha-se sem-
    pre grande sortimento de medicamen-
    tos em tinturas e glbulos, os mais no-
    |vos e bem proparados, os elementos de
    S homeopalhia e Nystem diccionario dos
    HClcrmos de medicina. 3j
    # #*****? ItTFTTrtTfSrSI
    MOB LIAS
    Fnveriiisam-sc mobilias mais em cotila do que
    em oulra qualquer parle : no puteo do Carmo
    n. 24.
    ^ DENTISTA FRANCEZ.
    > Taulo Ga.gnoux, dentista, rua das La- 3
    rangcias 15. Na mesraa casa lera agua e -<
    ( p deutifico. >
    Vaccna publica.
    Transmissao do fluido de braco a braco, as
    quintas e domingos, uo lorroo "da aifandega, e
    nos sabbados at as 11 horas da manhaa, na re-
    sidencia do comraissario vaccinador, na estrella
    do Rosarlo n. 28, segundo andar.
    Chafalla.
    Acaba de cliagar novo sortimento de cha-
    falla no Armazem de fazendas de Ruy mundo
    Gailos Leile & Irmao, rua da Imperatriz n. 10
    serve para tornar os movis velhos novo?, sem
    precisar raspar ou I'uhar.
    Mr. Tbomaz White retira-se para Insla-
    lerra. *
    Irmandade de Pf. S. da Boa-
    Viagcni.
    Era face dos arts. 14". e 15. o seu compro-
    misso, sao convidados pelo presente, lodos os ir-
    mos a rompareccrem no da domingo, 8 do cor-
    renle mez, pelas 9 horas da manha, no consis-
    torio de sua igrea, para que congregados era
    mesa geral, deem cumpriracnlo ao que determi-
    na os preditos aitigos. Recife 4 do Janeiro de
    1860. O secretario, Antonio Moreira de Men-
    donc.a.
    Precisa-se po aluguel de urna ama forra ou
    captiva, que saiba engommar bem, para urna
    casa do rouca familia, paga-so bem : na rua do
    Hospicio, casa terrea confronto ao collegio de
    N.S. do Bom Conselho.
    Precisa-se de una ama para coziuhar, e que
    engorame, para urna pessoa, paga-sc bem na
    rua dos Pescadores ns. 1 e '.
    O e
    peito ;.
    Molestias dos ornaos da gera-'lj
    cio, e do anus ;
    Praticara' toda c qualquer igi
    operaoo quejulgarconvenien- f
    te para o restubelecimento dost
    seus doentes. /|
    O exame das pessoas que o con-
    sultarem sera' feito indistincta-
    mente, e na ordem de suas en-
    '4$ tradas; fazendo excepco os doen- i
    i0 tes de olbos, ou aquellesque por
    I inolivojustoobtiverein hora mar- \
    ^|cada para este lira.
    A applicacao dealfjtins medica;
    eiiH'iitos indispensaveis emvnrios'
    casos, como o do sulfato deati o-!
    3i pina etc.) sera' feito,ou concedido
    \gratuitamente. A confianca que:
    ^ nelles deposita, a presteza de sua
    accao, e a necessidade prompta
    de seu emprego; e tudo quanto o
    ^demove em beneficio de seus
    doentes.
    inventor C. C. Brisiof em papel edr de r
    4o Que as dire^es juntas a cada garra.
    nma phenix scraelhaute a que vai cima do pre-
    sente annuncio.
    I'EPOSITOS.
    Rio do Janeiro na ruada Aifandega n. 89.
    Babia, Germano & C, rua Juliao n. 2.
    Pemarabuco no armazem de drogas de J. Soum
    & Companhia rua da Cruz n. 22.
    Percisa-se de um canueiro forro ou cap-
    tivo, para conduzir lijlo da caraboa do llotiro MU"c,a"l l?' sn"ff'zer qualquer despeza que i
    .... ,,_, -... 4/AA .. for necessana a este respeito fazer-se c polo que
    com urna canoa de 1000 para o Itecife, sendo muilissimo obrigodo licar. '
    bom canociro, e que trate da sua canoa ; pa- Salvador Coelho de Drumond e Aiququerque. I
    ga-5e rauito bem, na rua dos Quarieis padarial NOS abaixo assignados temos a1
    n. 18 queachai com quem traiar. >"a mos- liorna de pai ticipar ao corpa commer-
    ma tem porgues de barucas tasias boas, algumas I cial desta praca, que tendo no dia r>|
    com pequeos de feilos dando-so as segundas de dezerabro p. p. expirado,
    tuJe do fallecimento do noss j
    lirma de
    N. O. Bieber & C.
    Ja qual erarnos socios, continuamos do
    Na coche.ra da rua da Florentina, quo foi do i-de Janeiro em diante, o mesmo fjyro
    tenente-coronel Sebasl.ao Lopes (xuiraar.es, de nc-gocio debai.xo da irma de
    tratase do bois e cvanos a 19 por por da el
    noite ; islo metade do prego porque se trata I
    cm outra qualquer parte, e eraquanto ao I.ora
    tratanieiilo, s a experiencia convencer.
    Q lem pretcn ler algum ma-tros dos que ser i-
    iiru as festejos imperioes d.i Roa-Vista i
    cidade, entenda-sp na loja n. 10 da r
    peratriz.
    Aluga-se n rasa forrea n. '>. unlo a grcj do Foco da Panoli?, com nuil omuiodo:
    familia, pelo lempo de fesla : a ti,.' r na
    Q imado n. 1 segund i andar.
    SEMINARIO DE 0LIXD\.
    O seminario Olm i jnlg naca di-ver ao
    raercadu desde i855 al
    por elle legilimamonte i i sada- ; -
    obstante coi.>J !.ir do mesmo, i
    roca qunnto .:-;. .- oiin
    :J dej metro d I
    - A dirc '..' 'i" ol ,:. 1; | : 'eras leti
    di 5 rato Amaro do !j laiii
    s-- esl" collegio no dia 8 do i
    Lava-se e engomraa-se com p*-i feiri
    proco commodo ; atraz da matriz da Biu-ii .
    numero -.
    A pessoa que perdt-n um chap l< sol na
    estrada de Olinda, podo d ,gii a rua Nova n.
    3f, que dand i os s.gnaes se .' jar
    ^= 01 ei -s pai i --i de ,; i: o .
    por presos muito Laixos.
    Manoel Amonio de Jess.
    Inleresse geral.
    iin vir-
    senior, a
    uma ama secca : m ru3 das i
    aoesciij lorio de orphaosn. 2.

    ATTE\(J\0.
    "N. O. Bieber &C. successores.
    O nosso socio I. H. 11. Holm, domici-
    liado em Londres, esta' encarregadodon
    nossos negocios em Kuropa.
    I'ernambuco 1- de Janeiro de 1800.
    I. l. H. Iloim.
    Gustavo 1!. Praeger.
    F. D. Feuerlieerd.
    C. L P. Roeck.
    PrecSi-se de 3:000^ a premio e
    Traspasse-se o arrendamenio de ura En-
    genho muito perto da pruna, vende-so uma par-
    te do mesmo Engenho, uma maquina a vaoor,
    uma destilacao nova montada de ura tudo, 2-2
    bois de carro, G quarlos, e oulr is objectos :
    tracta-se na rua do Queiraado n. 10.
    Roga-se acs Srs. devedores a firma social,
    de Leito i Correia era liquidaeo, o obsequio i da-se como garante propriedade i:e.ia
    de mandar saldar seu3 dbitos na loja da rua do j pra<;a : quem quizer fazer este negocio
    Queiraado n. 10.
    Roga-se aos Srs. devedores do estabele-
    j cimento do fallecido Jos da Silva Pinto, o ob-
    ! sequo de saldarem seus dbitos na rua do Col-
    Novamcnte roga-se ao Sr. Jos Garca de Sou-| iegio venia n. 25 ou na rua do Queiraado loja
    n. 10.
    Pao d'Alho.
    za Hamos, que venha quanto antes pagar o que
    deve na padaria do palco da Santa Cruz n. 6,
    pi is j.'i lempo bastante, e mesmo lem-lho sido
    pedido por diversas vezes por caria*, cat o |>re-
    senle nio lera dado soluco alguma.
    Precisa-se alugar uma casa, ou mesmo pe-
    queo sitio, que soja fresco ; na fregue/a da
    Rea-Vista, c que nao seja alm da Soledade, lon-
    dego at a Estancia ; na rua da Santa Cruz n.
    66 acharao com quera tratar, ou auuuniiarao por
    es.e jornal
    Aluga-se parle da loja do sobrado da es-
    quina da rua Relia n. 57, com trastes sufiieien-
    lee, para a mesraa ou sera elles ; n tratar no se-
    gundo andar da mesma loja.
    O alferes Rozendo Monleiro Je Lima, lcndo
    dtixado a agencia do dcimo batallio de infan-
    ta'ia, por ler findo o semestre, faz publico que
    a ner.hum de seus fornecedores, nem a outro
    qcalquer tica a dever.
    A pessoa que procurnva uma casa na rua
    ' annuncie sua morada para ser procu-
    rado.
    No aterro da Roa-Vista sobrado n.
    G3, fugio um papagaio grande tendo
    era ura pe um rjedaco de corrente:
    - O abaixo assignado declara ao respetavel \V*m' acharlue,'a rwt4o a men-
    i_i!..___j_. f nonada rasa.
    publico quodeixou de scr caixeiro doSr. Antonio
    Alberto de Sousa Aguiar, desde o dia 31 de do-
    zembro de 1859.
    Antonio Carneiro Pinto.
    Prerisa-se alugar uma casa terrea com
    quintal, no bairro de Santo Antonio ou Boa Vis-
    ta : a tratar na rua da Cadeia n 45.
    Fugio
    Do Eragenho Aca da comroarca de Goianna
    o escravo fulla de nome Joaqun), pouca 1 arba
    Cibera comprida olhos grandes e enfumassados
    lera una marca de ftida na perna esqiterda
    junto do p, ps malfeilos e bem marcados de
    bixos quem o pegar pode entroga-lo no dito En-
    Direita para eslabelecimento de loja de ourivesi__
    scidoqueaindaqueira dirija-se a mesraa rua enh fl SeU Se"l,0r 0U nesla L,Jade no esCliptO-
    ii. 48. rio na rua da Cadeia n. 40 que ser geneosa-
    mente recompensado.
    O Sr. Marcos Agapilo Xavier Ramos, tuei-
    ra fazer o favor de vir rua do Rangcl n. 6, a
    negocio de seu inleresse.
    O Sr. Jos Pachceo de Medeiros dirija-se
    rua da Madre de Dos, n. 2, a negocio de seu
    iulcresse.
    Precisa-se de uma ama que saiba cozinhar
    o diario de uma casa de pouca familia, podeudu
    ir dormir em sua casa : na rua da Cruz do Reci-
    fe n 3!.
    Traspassa-so a posse que o abaixo assigna-
    do tem em alguns terrenos por detraz da ru da
    Concordia entre as duas travessas do Martyno e
    Cildeireiro : quem os pretender, cnleiida-se com
    o abaixo assignado, morador na rua larga do Ro-
    s.vio, pad3ria n. 18.Manoel Antonio de Jess.
    Aluga-se uma casa em Apipucos al o mez
    de abril, com muitos comraodos e estribara para
    8 ravallos, cocheira, perto do banho, etc. : no
    aterro da Boa-Vista n. 63, segundo andar, ou no
    I mesmo lugar a fallar cora o Sr. Queiroga.
    Clonada casa.
    Os abaixo signados avisam ao respetavel
    publico, e especialmente ao corpo de commer-
    cio, que desde o dia 2(1 d<- de/.embro p. p. pas-
    sou a ser sua propriedade a loja de ferragens
    Precisa-se de ofOciacs de alfaiatc, tanto para
    obra grande como miuda, assim c<
    costureiras para colle'e : na rua a Uad
    Deosn. 36, primeiro andar.
    Os credores do Francisco Ma qnes Uuima-
    raes o Guimaraes & Marques -To convidados a
    receber nesles >s dias, <> primeiro divi lcndo di.
    10 por cent.i do seus crditos legal los cm fa-
    ce da escripia, na rua d i Ca i do 3 lie n. Oi.
    n ssa .- iu deverao jpresentir urna nota
    assignada, declarando a quauliide que sao cre-
    dores. Recife de Janeiro de 1860.
    Collegio de Benica.
    Director e nico orooriclario
    Estevao Xavier da Cunha.
    Este collegio, legalmente a norisado, e cslab
    lecido no nrrabalde do Chora-menino, abr o anno escolar, i m eoufortuidadc dos respectivos
    estatuto.-", no du 7 do crrente. Sen direcl ir es-
    pera continuar a merecer a confian -n du
    agora tora gozado, naocessanda de mpregar io-
    do o disvello para que seis alumnos recei
    instrnecoo e a oduc.T-ao con;ententes.
    Precisa -se de 1:3000 a .iein.> por pouco
    lempo, pagaudo-sn o juro convencioaada qai m
    pretender, annuncio aonde deve ser procur
    Gravara-se o douram-se ora maruioro t-
    tulos tu mu lares cora emblemas morluari -
    sera i los a 100 rs. cada letra, assim c irad i >-
    gios de sol, o brazes do armas, tom asseio e
    promptido : os trabalhosd i anniin.-ianle acham-
    se n 'emiieiio publico nos lumul.is d< s [Ums.
    existente na rua Direila desla ci.lade, n. 66, ou-1 Srs.Dr. Aguiar, Vires, r.sso, 0 o .r oulro
    ir'ora pcrlcncenlc ao Sr. los Mendes de Olivei-
    ra, por venda que rsle senhor dcvidamedle au-
    torisado pelos seus credores, Bzera aos annun-
    ciantcs, ficando estes cora dircilo de todo o ac-
    tivo, c respensavei polo passivo do eslabeleci-
    mento na forma estipulada com os mesmos cre-
    dores. Recife 3 de Janeiro de 1860.
    Santos Oliveira C.
    Otrerece-se ura caixeiro para tomar conla
    de uma taberna por balanco ou sem elle, o qual
    muitos, e na rua Nova u. 30, acnd acharau
    com quem tratar.
    Aluga-se o segundo anlar da sobrado da
    rua estrera Jo Rosario n. 32 ; a ira > na loj i do
    mesmo.
    Sumio-se um cavallo ruco vurmelho coas
    uma cangalha e uma caiga de as; un, sendo
    um sacco de smenos e um lito mascavado, per-
    tencente aoSr. Francisco Xavier U-'itdcs da Sil-
    va, senhor do engenho de CajabofcMuuibo : pe-
    de-se a autoridade que tiver em fcu poder,
    i
    d liador sua conducta": quera do seu prest i- etttgar qado apareer o dono cima do-
    mo se quizer utilisar pode anuunciar por esta clarado, ou ao seu cargue!ro Jos.. Baptisla de
    folha para ser procuado.
    l'resisa-se de uma
    ma ama para casa de fa-
    milia de duas pessoas, prefciindo-se captiva :
    na rua do Queiraado n. 10 primeiro andar.
    ; Lira, com os sigrues junios.
    A l ten cao.
    Pede-se ao Sr. I.eopoldino Felippe Santia- ; ***!?*** te"Pi" "raneczes fiara hornea
    go, morador no Rio-Formoso, que tenl.a a bon- a lLi,9 Para *?? a "!* de ,ranfi"
    ou mandar pagar a conla que o i
    n 19760; oeste estabeleeimento ciiste um eon-
    5r. no ignora : o mesmo Sr. puc-sc ^l0 sortimento de marroqni.ri e ccoro de lustn
    labor., oi.de tomou o importe era ca-idedJr?0i precos, a contento do comprador : n.
    v : rua do I.ivramento u. 2'J.
    u i
    dade de vir
    raesmo Sr.
    dirigir
    chimbos.
    Precisa-so de una ama : na rua Nova nu- Vende-se uma estante de ..marello, era
    mero 69. bom estado, cora portas envidra^r.das, propria
    Manoel Jos de Almeida Nunes vai ao Rio I para qualquer cstudante, por conmodo pre>-o :
    Grande do Norte. na rua da Gloria n. 13.


    (61
    isa ma o Trapiche Novo i R lllimCrO 22 Vende-se en casa de,S. P. Jonhston & C. v-
    rale rr-slauraat du comroeree, precisa-so do dous 4;ictas do lustre para canos, sellins e silhoes in-
    DIARIQ DE PERNAMBUCO. QUMTA FEIIU 3 DE JAISEIHO DE 1860.
    ajudanles coziuheiros, ou de dous cscravns
    ilo poura dado, que queirara aprender o ofiico
    de cozinheiro.
    Cario* A ron vni pora Murcio.
    Compras.
    Compru-se urna bteira prctenn-ij
    do-se de mola : na praca da Indepen-1 S
    glezes, candociros c casticaes bronzeados, lo-
    nas inglezas, fio de vela, chicote para carros, e
    montara, arreios para carro de ura e dous caval-
    os. e relogios d'ouro patente inslezos.
    ^I&CJH'1 JilUH StSlB S La 1 t!) !:>! CBHOO1*
    i
    , i
    MOSELLE MOSSEUX
    I)F.
    MD ffiHE 1TILW a (C.
    LONDRES
    em garrafas e meias gar-
    rafas.
    C. J. Astlev&C.
    i
    Seguro contra Fogo
    COMPAftlIIA
    LONDRES
    AGENTES
    loneta n 6 c 8.
    Compra se um Fio Sanctorum,
    usado : na livruria n. 6 e 8 ija praca da
    Independencia.
    = Comprara-se as seguintes comedias- Ber-
    nardo na La, o Judas em Sabbado de Allelcia,
    Quem rasa quer casa, Por causa de um algarid-
    dio, A rosea, o Huelo no Tereeiro Andar, o Ir-
    ii)u das Almas e o biabo na escola : nesta typo- \ ^-----------------------------------------------_-----J
    graphia su dir.
    Gompram-se moodas do 20,$ e I65GOO : na
    praca da Indepro deneia n. 22.
    ^iiniw.an i.....nii iimimh
    _______Vendas.
    Queijos Loiitlriiios
    Presuntos inglezes.
    Francisco Jos l.eite rocebeu ltimamente pe- i
    lo paquete inglez muito frescaes queijos loiulri- y
    nos do 4 a 5 libras cada um, c exilenles pro- 1 C J. AslleV & Companllia.
    ^"imperador n 1 Pr '''1 PWC! "**"" ,*erg',,*****r'**>
    Vendem-se foges de ferro econmicos, de IMCiaS (10 S6(la (le peSO
    patent, para casas de familia, conlendo 4 forna- para scnliora, brancas c pretas, e para meninas,
    ibas, e romo para co/.inba cora Icnha ou carvao, ; brancas e riscadas : vende-se na loja de Leite
    ptima invenci pela economa de gastar um & Irmao na ra da Cadeia do Recife n. 48.
    terco de lenba'ou carvao dos antigos, c de rozi-; 'tfUOHM.* . t3Mf"S.2>5e
    nhr com mais presteza, tcm a differenca de se- : J
    rem amOTveis, oceuparem pequeo espado da I a
    casa, e de fcil condueco : vcndem-se por pre- 1
    res muito mdicos, na fundicSo de Francisco A g
    Cardoso 'Mosquita': ra do Bru, e as tojas de
    erragens i e Cardoso, junto a Conceicao da pon- 9
    te do Recite, e ra do Queimado n. 30.
    Para concluir a liquida cao das fazendas
    da exlincta firma de Leite i Concia, g
    vemleta-se asseguintec (azendas, por!
    muito menos de seu valor, na loja de 3
    quatro portas da ra do Queimado 5
    numero ;0.
    is prc lanadas, superior qualidade, A
    .lo 1*600^
    GFOsdrnaplc prelo muito bom e largo, co-
    rado 2$00g
    Hitii dito m.lis eslreito,corado 16003
    Camisetas decambraia para senhora, urna 800' t!
    Tiras e entremeios bordados 320 i y
    Sorthnento completo de chita de cores, |s
    covado 160 Jg
    Dito de chitas largas francesas, bous pa-
    drees e cores lisas, covado 20 '
    Gangas de cores escuras e claras, covado 200 '
    Corte*de calea de meia casemira alg600 e 2$O0Q
    Meias cruas para hornero, duzia 28(001
    Ditas iiara dito muito superior, duzia 4*O00
    Atoalhi lo adamascado muito largo, vara l*-280
    Cassas ri ?oies fixas e padrees vistosos.
    Queimado n. 40.
    Grande c variado sort i ment
    DE
    Fazendas francezas crou-
    pasfeitas receidas em di-
    reitura pelo ultimonavio.
    Do-se as amostras com penhor.
    Ricos cortes do vestido de seda de cores
    de 2 saias............................ g
    Ditos de ditos de seda prelos bordados a
    velludo............................... 8
    Ditos de ditos de seda de gaze phantasia j>
    Ricasromeiras dell c de seda bordadas 8
    Taimas de grosdenaples bordadas...... >
    Chales de touquim branco boidadosa
    30e.................SOgOM
    Grosdenaple do cores de quadrinhos co-
    vado................................. Ig200
    Dito de dito liso covado................ I38OO
    2a00
    25000
    2S500
    pecliincha.
    Na loja do Pregulca, na ra do Qiifimado n.
    iViiKi^eA
    DA
    FNDICiO L0W-1II0W,
    Una da Scnzala \ova n. 42.
    Aprazo ou ad-
    nheiro.
    Vende-se u cocheira da ra da Cadi.ia di-
    to Antonio n. 7, tendo 5 carros e 1 riro coupV
    Neste estabelecimento continua a haver um
    a.'vndm^e pecs'%Vlas~ana9 de"corexas ; >niNo soMimenfo de moendafl e meias moen-1 !c?__u__*?gy.?_i.qw"_ pretender, cinja-s--
    . i mesno, que adiara com quem tratar
    mazcm de Jos An4oMO M
    ra da Cruz n. 2tl
    e de escollados padroes com 38 covados cada as para euSenho, machinas do vapor e taixas "esma, que acliar
    urna, pelo baratissimo prerc de 5800, e em re- de f('rro ballJo e coadn. e todos os tamanhos '.^^r*6 n ai
    .albo a 160 o covado. P di. # E^ffSJ:' M r
    Coberlas de chila a 2i Corles,de vestidos es
    de seda
    Vende-se
    Folha de cobre e Metal
    amarello.
    Estanho em barra e Pre-
    gos de col)re.
    Alvaiade eVerniz copal.
    Tolha deFJandres.
    Palhinha para marci-
    neiro.
    Vinhos linos de Champa-
    nlic e 3Iosclle.
    Lonas da Russia e Brim
    de vela : no armazem
    de C. J. Astley & C.
    kn t MMI M .:: 8 M O ct'S>
    \km\h cera avaria.
    Seda branca lavrada covado 1$600 a___
    Grosdonanle prelo lavrado covado......
    [Dito dito liso encornado a l$600e___
    Dito dito com 3 palmos de largura a
    l$60o e..............................
    Sarja de cores larga com 4 palmos de
    largura covado a......................
    Gaze de seda da China de flores clistras
    covado a ............................
    Follar de seda de listras gosto novo co-
    vado.................................
    Setim de escocia o diana de seda covado
    Chaly de llores novos desenhos covado
    Barejede seda de varias qualidades co-
    vado.................................
    Meio velludo de cores covado..........
    Velutina de todas ascores............
    Setim de todas as cores liso covado ...
    Rrilhanlna branca muito Una a.......
    Chitas francezas claras r escuras a 260 e
    Casemira preta lina a1$(00c..........
    Panno prelo e de cor lino provade li-
    nio a 3!500 a........................
    Cortes de casemira de cora 5$ e........
    Cassas organdys de novos desenhos a
    vara..................................
    Ditas francezas muito finas a............
    Manguitos de cambraia transparente bor-
    dados muito ricos....................
    Golinhasde cambraia bordadas depona
    Ditas de dito bordadas a 600a..........
    Tiras e cntremeiosdeeambraiabordados
    Ricas mantas pretas de linho parase-
    nhora ................................
    Ditas litas de bluml brancas e pretas..
    Chales de sada decores, pretoseroxos..
    Ditos de merino bordados com franja do
    seda..................................
    Ditos de dito dito de la..................
    i [ Ditos do dito liso dilo de seda..........
    | Dito de dilo dito de 13..................
    91 Dito de dito estampados fino lista de
    <* | seda..................................
    2 Lencos de cambraia de linho bordados
    finos..................................
    Ditos de alsodo de Iabyrinlho800e....
    Capcllas brancas para loiva............
    Enfcites devidnlno prelo e de coros....
    , Abertu
    2i0
    ICO
    210
    2-5000
    5$000
    covado
    R adinho francez, covado
    Musselina de cores fixas, covado
    s de lia com palma de sed.-, um
    C tes de calr;a do casemira fina do cores
    Dilos de dila prola
    Dilos de collete de gjrguro com palma
    de velludo 3?000
    Ditos do dito de gorguroe seda 2^000
    - do dito de merino bordado 3g000
    >sde se Ja pequeos para pesclo de
    si nhera 400
    Panno prcto, covado 2500
    Dito superior, prova delimSo, corado 30 c ij'JO
    Si rior brim trancado de linho, branco,
    vara 1>?000
    Di i dito de cores, vara '800 i
    Meias brancas para senhora, duzia 3J000|
    Ditas para dita muito superior, duzia 4$000
    i de pellica para senhora,
    i .itado, um par
    ras para camisa de esguio de
    E nechincha sem igual. j Di!as t dT.o"de .idao"bnVa."s-d
    isa toja do Preguica, na ra doQucimado n. 2,' cores..................................
    tem para vender pecas doalgodao largo com 16 I Saias balfio modernas.....'.,'.'.'..'.'.'.'.'.'.'.
    varas cada urna, pelo barato proco de 1, pecas! Chapeos francezes forma moderna...'.'."
    de cassa Usa lina a 2$500 : a ellas, antes que se Gravatqs de seda de ponta bordadas a
    acabeni, | velludo ...........................
    >iTachasemoeAdas^tS^.*.^.?..!?^r
    ., Ditas ditas de fustao branco e de cor.
    Itraga Silva iV C, tem sempre no seu deposito
    255OO
    ir>oo
    1J0O0
    1*000
    15000
    900
    500
    15500
    700
    800
    500
    320
    2$500
    7g000
    79000
    1?000
    500

    igr.oo
    I
    8
    78500
    7?090
    CtKM)
    45500
    84000
    15000
    S
    i
    Ruado Queimado n. 19.
    Vendem-sc roberas de chita a 2J, corles de ris-
    cado francez a 2g00, lencos de cambraia pcTra
    algibeira a 2J a duzia.
    2S00 c 2S300 a peca.
    Algodao trancado americano branco, prnprio
    para toalli g e roupa de escravos, com uro pe-
    queo toque de agua doce : no armazem de la-
    zendas da raa do Queimado n. 19.
    Chegucm ao barato.
    O l.eite A Irmao rontinuam a torrar na ra
    da Cadeia do Itecife n. 48, poras de cambraia li-
    sa com 10 jardas a 4*500 e 5$, lencos de cam-
    braia de linho a 3$ a duzia, cambraias muito fi-
    nas e de lindos padroes a 6i0 a vara, meias fi-
    nas para senhora a 33800 a duzia, ditas cruas 11-
    glezas para homem e meninos, chales do meri-
    no lisos a 4S500, e bordados a 69, paletotsde
    alpaca preta e do cores a 5&, ceroulas de linho
    e algodao, camisas inglezas muito superiores a
    605 a duzia, organdys de lindos desenhos a
    I9IOO a vara, corles "de cassa chita a 3jj, chita
    franceza a 210, 280, 300 c 400 rs. o cova lo, pecas
    de raadapolao com 30 varas a 4$800, 5?, 5$50,
    6,7 e 8$, chitas inglezas de cores fixas a 200 rs o '
    covado, loalhas para mesa a 3 e 4jf, cortes de
    calca de brim de linho a 2, ditas de meia case-
    mira a 25240, vestuarios bordados para meni-
    nos, e outras militas fazendas que se vende por
    barato preco.
    Em casa de N. O. Bieber
    & C. ra da Cruz n. 4, vende-se ;
    Champagne de superior qualidade de marca acre-
    ditada na corte.
    ;lroz.
    ....has em novellos.
    Cera de Lisboa em velas.'
    Graxa inglesa em boies
    Lazarteas e clavinolcs.
    .
    .;
    da ra da Mocda n. 3 A, um grande sortimenlo
    de tachase moendas para engenlio, do mullo
    acreditado fabricante EdwinMaw: a tratar no
    mesmo deposito 011 na ra do Trapiche n 44.
    Fazendas com pequeo
    loque de avaria.
    I." pechnelia.
    Na loja do Preguica, na ra do Queimado n.
    mo-
    Ditas ditas de esguio muito finas
    dernas ................................
    Seroulas de brim de algodao e de linho
    Galeas de casemira pretaselim 9j> c....
    Ditas do ditas de cores 8$ o............
    Dita de meia casemira .................
    DijM de brim fino c varias qualidades
    3$ e ('.obles de velludo, gorgurao,
    casemira e setim....................
    Casaras do panno prcto muito lino 30 e
    Sobrecasaros e paletots de panno preto
    fino S e.....
    em bom 2,ha para vender peras de linissimo e muito .,,[,\.~V ......"........'1""\V,'
    1|000 largo madapolao. pelo baratissimo preco de 5$. : I m d casemi mesclada golla de
    V' I-k -k lk CAid'iiw.in aun 8}500 e3?000 : cheguem, antes que se"ocabem. 1 n;. fj V'.................:yw.........
    \d IO|d UO SCliane O, Flirt rhanwm (Ip moIiip nrolno "los do alpaca prc miriU Unos......
    * '! c\\ t-ildpeOS (Je CaSlOI piCtOS Dilosdj merino setim pretos c do cores
    (?o Queimado n. 43 A.
    s
    65000
    85500
    M5O0
    28500
    I
    ngooo
    105000
    4^000
    55000
    405000
    33j000
    Na rna do Qaeinado n. 37 loja de 4 ftSffSJg*
    portas acaba de receber ncl nltimo ferros de a^o f*n o^war,
    navio vindo do Havre nm completo sor- BSTiSS **"
    .ment de vestidos de seda de 2 -i-. ,
    2 abados c de avental.os qnaes se ven- |
    dem por prero eommodo.
    Chapelinas de seda c de
    velludo para senhora.
    Ricas chapelinas de seda c do. vellu-
    do para senhora: na rna do Queimado
    n. 37, loja de 4 portas.
    Golas e manguitos.
    Ricas golas e manguitos de cam-
    braia : na rna do Queimado n. 37, loja
    de A portas.
    Manteletes
    Ricos manteletes de grosdenaple ri-
    (iRVDEt VARIADO SORTIMrMO
    ri'
    g Fazendas inglezas e francezas e
    ronpas feilas
    recebidasem direit w:i
    t\
    Armazem e loja
    DE
    Ges ;.
    r
    SA RGA DO QUEIMADO N."4G.l U1M E DAS
    LOJAAXARKLLA E ROTULAS BRANt \^
    camenie bordados: na ruadoQucima- | um completoe coaonimcnti de
    | sacas de panno prelus e de cores a 2-.-. 30j
    \. e ij!, casacas de panno prcto muito Uno
    do n. 37, loja de i portas.
    Pentes de tartaruga. i Ricos pentes de laHarnga para alar \ ^^^S^SSS^
    cabello: na ra do Que:mado n. 37, pretos. de cores a 105 012?,
    Tinta branca superior em oleo, latas de 25 li- | |qjj Jj f ij>I'I*\S pocas preta e de cores a 4g,
    bras, por eommodo prero caixas de 4 latas. *
    V'erniz e verniz copal.
    Algodao/inho da fabrica Todos os Sanios da Tii-
    hia.
    Brilhantcs de
    qualdada
    diversos tamanhos e de. primeira
    Nfea
    sortimenlo de cha-
    peos.
    pardo a4^500 e 5?, ditos dn brim pi
    . 5, dil brancosaSf, dilos de eaciiodo
    ..1*:. 11 r
    ::i uHimo f!os(o cof di" laranja a T>>.
    9t
    Mas.
    soda c pal lia
    c bttii euici-
    net-cberan menda. os mlhores chapeos de castor rapadoss
    sendo broncos e pulo.-, o as formas as mais mo-
    dernas qno lem vindo ao morcado, e por me-
    nos que em dutra qualquer paito, assira como
    tambent lem um grande sorlimento do enfeile,
    e brancos
    Na ruado Queimado n 37, vendem-?e os m-
    lhores chapes de castor.
    Aviso.
    185000
    105.00M
    95000
    75000
    65500
    63000
    im pretos c do cores
    Ditos de meia casemira..................
    Ditos de alpaca pretos e de cor forrados
    Ditos do brim branco cpardo finos......
    Ditos de brim de quadrinhos linos
    3*500 c .............................. 5000
    i Dito de alpaca prelo e decores.......... 3$500
    i Relogios de ouro paten........tes...... f
    . Em case dos Srs. Heriry Fowter
    So de 4$ cada um, assim ,-nmo tem chapeos de do C"Pcha U< vende-sc sel.us para hornero & C. rita lo ranidie n. 8, vende-se:
    sol de panno a 1200 cada um em pereito esta- i e ?6a*an' arreu,s Piados para cabnolet, clu '
    uiura, brancas muito linas a 320, ditas de cole8Para carr0- col,>iras Para cavalloelc.
    esguio de linho a Ifi urna, cambraia preta fina
    No armazem de Adamson, Howie & C. 1
    a 360 o covado. e a vara a 500,e a 640, angas
    decora 540, brim branco de linho a 1s200 a va-
    ra, rni les de velludo de furla-i oresprotos a
    7$40O, dits.pretos n 8 e % calcas de case-
    mira do edr a 7, 8 e 1lf, ditos pelos a 7, 9 e
    12J, rollles j' gorgurao a 5 e <>.>, saceos pa-
    ra viagem de diversos tamanhos, eiascruas, por
    Ber grande pondo, a 1*500, ditas a IgGOO e 25 a
    duzia, finas a 3 e !>', chapeos enfeiiados para I Paletots do panno
    meninos e merinas t senhoras por qualquer pre- Ditos de dito muito fino
    <;o, e ludo o oais aqui se encontrar o preco,
    e nao se deixa de vcmudei
    A liOO \% a peca
    Dous carros americanos novos.
    Arreios americanos.
    i Bombas.
    ; Arados.
    ; Champagne superior
    1 Cognac.
    de fazendas de todas as qualidades comosejam: Itelngios americanos.
    Hicos cortes de vestidos de seda de 3 to- y.,1
    lhose 2 saias, e Aquilc S
    203000
    40S000
    259OOQ
    Na loja da estrella.
    Ra do Queimado n. 7.
    Este estabelecimento contina a estar sortid
    Chapeos de castor pretos de superar qualida-
    de a I0J>, dilos francezes de seda a 1$, ditos de
    castor brancos a 14$, ditos de velludo a 8 e 9?, |
    ditos da lontra de todas as cores muito finos, di-' Da
    tos de palha inglezes de copa alta c baixa a 3 el a^ca
    5, ditos de fe I tro, um sortimetilo completo, de Chapelinas o chapeos de
    2j}500 a 65500, ditos do Chilo de 3.;5u0, 5, C, 8,; para senhora, bonilos
    9, 10 e 125, ditos de seda para senhora, dosmais lados a lj> e
    medornos, a_12g, chapelinas com veos do ulti- Chapeos de seda enfeita dos para :.. .:,i-
    roo gosto a 159, enfeites Bnissimos para cabeca as a 85 1:
    a 4S")00 e 5ft. chapeos de palha escura, massa'c Capcllas e enfeites de flores c freco para
    seda, muito proprios para as meninas de escola, i cnbeca de meninas a2000, e ara sc-
    sendo os seus procos muito em conta, ditos para hora a 58 e
    baplisado de meninos e passeios dos momos, Enfeites de vidrilho para cabera a 3^500
    leudo diversas qualiaades para escolher, bonels
    de galao, ditos de marrojuim. dilos de vellu-
    do, ditos enfeiiados, chapeos de boa qualidade
    [ara pagera, chapeos de sol de seda para me-
    ninos de escola, e mesmo para senhora e para ho-
    rneas ; finalmente outros muitos objectos que se-
    ria enfadonho mencionar, c ludo se ven de mui-
    to em cotila ; e ossenhores freguezes vista da
    fazenda ficaro convencidos da verdade : nabeni
    coribecida luja de chapeos da ra Diieila n. Cl,
    de Benlo de Carros l'eij.
    Camisas francezas
    Ricas camisas francezas tanto de
    peio de linho como de algodao e de fas- | ins*
    to: na ra do Queimado n. 37, loja de I di: cor
    /iportas.
    Bonels para crianca
    Ricos bonels de mappannini m S corcs'' P'"'" r$- "- ,!"n~ d<
    hilos Ddllll! tlt I'I.UIfiq.lim paia | do a O c 12, camisas it
    enanca: na ra do Queimado n 37, lo- f [homens como para menii !
    ja de i portas.
    Fazendas boas c
    cosacos de alpaca muito lino a 7c
    ;.v sobrecasaca de panno Rnopn i i pai i n
    i a I5f, 18 o 2O5, dit >s d' casen
    - a be i- IO5, cab .is de ca- w
    .. cores e pretas a 8#, 09, IM, 115
    debnra de cor a 35.00. 1
    ditas de brim branco lino .1 Ce e 7#,collc- *
    les de gorgurao de seda e d.....tan
    to a 5$, fg Ti, 'lito- de rellu
    todas as qual I
    mariti 'v
    francezes, lino-, para
    Taclias para engenlio
    Fundi^ao de ferro e broii/.c
    DE
    Francisco Antonio Coerca Cardozo,
    tem un grande sorlimento de
    tacllas de ferro fundido, assira
    como se faz econcerta-se qual-
    quer obra tanto de ferro fun-
    dido como balido.
    ment
    Chapeos pretos
    liomcm a & e
    Ditos bramos do castor, modernos
    Ditos de casemira de cores para homciu
    Ditos de f'llro finos a i?, 5 o
    Ditos de dito Dnissimos, fita larga
    Ditos de seda de coros delicadas
    Ditos de castor lam 1 1 pa baixa c
    linos
    Bonets de panno fino, francezes, para
    meninos a 28 c
    Camisas brancas e com peitos de cores
    a I$800 e
    Ditas ditas com pcito de fuslo, finas,
    a 28l) o
    D'tas com pcito de linho a 3J500, 48 e
    Calcas de brim de cores e brancas Je 3j;
    Ditas de casemira de cor e pretas a
    Ccllctes de brim e fuslo a !e
    Hilos de gorpuro de cores a 5 e
    Ditos de velludo de cores a !_:.
    l'aletols de brim de cores e branco"
    de 38 a
    Ditos do alpaca preta c de cores a 5? <
    1 Ditos de panno c casemira pretos c de
    cores a 20. i, 24e
    Sobrccasacos de panno prcto superior
    Vestuarios de fustao, mu lindes, para
    meninos
    i Pentes de tartaruga modernos a 10, 1G e
    \ Leques entrefinos e bonitos a 3, 5 1
    Dilos de madreperola a 10, 20, 25 c
    m mercu- liamos do flores finas a 1?, 2-- e
    I68000:
    93000
    12:000!
    45000;
    98000
    1SIIOO
    48000
    68000
    78000
    85OOO
    9000
    35300
    500
    3:00 1
    5S000
    12000
    5J000
    6')ti0
    lsooo
    ;.', lmannos, seroulas d<
    IK chapeos do sol di- alpaca a 58,
    ! S prelos de muito bou: eotO I
    . sareques de fustao bordados -
    : 20f, i| 1 si 1 v leoRI, 1
    ; manguitos de punhos bordados .1 38500
    ' 4$, ditos com gollinbas 1 58 e O.-' ?ollinhas '
    rs nm! n
    1
    de Iraspasso bordado e transpai
    calca.-de meia casemira padl
    a .->, colches de fnslo de cor e de
    branco a 3$ eSgOOe )utras 1
    !,1 rendas 0 roupas ferias que seropalenli
    m presenta do freguez.
    Mi :.'.:.
    5$000.
    Chapeos de palha escura, copa alta pat
    mero, pelo diminuto preco de 5
    Vendom-se fazandas por barato
    preco c algumas por menos ''.* -
    1 alor para acabar, em peca e a n ta-
    .^^ Iho : na ruado Oueimado loja
    &3s purlas 11. 10.
    Vcnde-so na ra Nova n. o, um n
    1 ira no do I assrnlos, c: tamhem um bonil
    briolelde 2 rod is, .Miibos muito li
    Vende-se um bonito mulatinho d 1
    nos, aluga-sc ou troca-se por alg
    ra do Imperador n. 2''.
    Notos medicamentos ho-
    Dilos de casemira de cor
    Ditos de alpaca preios muito finos e
    mais abaixo
    Ditos de ganga e de brins
    "'.alcas de casemiras pretas e de cores
    Ditas de biim branco e do cores
    Colletes de velludo prelo e de cores.
    Ditos de gorgurao muito finos
    Ditos de fustao
    rellu do de um dedo mnimo de largura
    i.n 10 I[2 raras, bandos de crina para senhora I
    100 rs. o par, puUeras de contas
    para senhora ou meninas muito lindas a ICO rs.
    1 ira acbar; na loja de miudezas do aterro do r"'lu"sas francezas de todas as qualidades
    Boa-Vista n. 82, quasi confronte a matriz. Capara hornera
    misas francezas bordadas para senhora
    i beques da melhor qualidade e do ultimo
    gosto
    ; Mantas o grvalas de seda de todas as qua-
    I lidades
    cobertos e descobertos, pequeos e grandes, de | Chapeos de sol de seda inglezes
    ouro patento inglez, para homem O senhora Ditos decaslur para cabeca muito finos
    de um dos melbores fabricantes do Liverpool'!,)llos e,c,S os naelrjores que lem vindo
    Pin rica Hn 3 mercado
    8
    8
    8
    8
    8
    as com toque de avaria
    = Vende-se um sitio com 200 palmos de fren-
    te e 200 de fundo, no lugar da Torre, margem
    do Rio Capibaribc, com urna grande e moderna
    casado vi venda, cocheira, estribada para 4 ca- L """'.:ircs dc Ressoas curadas com
    SYSTEI MEDICO DE IIOLLOWAY.
    PILULAS HOLI.WOYA.
    Este tnestimavel especifico, composlo Intelra-
    ente de heras medicinaos, nao contm mercu-
    rio, nemalgoma ontra substancia delncteria. Be* I SaiaVa bo^dVboaqa'Tdad
    nigno a mais tenra infancia, e a compleirao mais; Vestidos de phantasia, de lind
    delicada e igualmente prompto e seguro pan
    desarreigar o mal na compleirao mais robusta ;
    c inieiramenie innocente em suas operacoes e ef-
    feitos; pois busca e remove as doencas di qual-
    quer especie o grao por mais antigs e tenazes
    que sejam.
    ------ .. .. wl. ^xj, ,,, ,, ^ uouiliilliu Uill H 1 l ti- _, j;
    vallos. gallinheiro, cacimba com tanque o bom- 'eD)dlu. mui,as I'"-1 J' estavam as portas da
    ba, baixa para capim, todo murado na frente, e
    lado com porto de ferro : os prelendenles podem
    diriair-si^ ao agente Pestaa, que se acha autori-
    sado a dar as necessirias informaces, o a tratar
    Ida venda sob as condicoes estabelecidas ao mes-
    mo pelo legitimo propietario. O dilo sitio todo
    em cliios proprios,
    RELOGIOS.
    vindns pelo ultimo paquete inglez : em casa de
    Soulhall Hellors it.'
    iiandeiras naci-
    nacs.
    Vend 'in-se na ra doQucimado n. 7, bondei-
    ra.5 oacionaes de varios tamanhos, muito bem
    feilas a 800 rs. cada una.
    Cera e Sebo.
    \cn le-se cera de carnauba muito superior a
    12&OUO r9. velas da dita e de composigao, sebo
    refinado em caixolcs. dilo em velas, na ra da
    Cruz, armazem n. 33.
    2S00
    5g500
    9U000
    Pianos
    Taimas pretas do ultimo gosto
    Casemiras de cores para paletot
    Cmtes de casemiras inglezas
    luios de ditas francezas
    hilos de ditas muito linas
    Chapeos Amazona nara senhcras'e nie-
    oinaa
    Alachinas de costura
    de S. M.Singer &C. da
    New-York, o mais oper-
    fcicoado syslema, fazen-
    do posponlo igual pelos
    dous lados da costura,
    garante-se a seguranca
    das nachinase manda-
    se ensinar as casas de
    familia, bem como se
    mostram a qualquer ho-
    ra do dia ou di noito
    nesta agencia: nicos
    agentes em Pernambuco Raymundo Carlos Lei-
    te & Irmo, aterro da Boa-Vista n. 10.
    Vende-se em casa do Saunders Brothers &
    C, praca do Corpo Santo, relogios do afama-
    Ido fabricante Roskell, por precos commodos,
    | e tambero trancellins e cadeias para os mesraos,
    | dcexcelleute costo
    wm
    Saunders Brothers & C. lem para vender em
    BOU armazem, na praca do Corpo Santo n. 11,
    alguna pianos do ultimo gosto, rccenlimenlc
    Chegados, dos bem conhecidos c acreditados fa- n n
    bri.anies J. Broadwood &Sons do Londres, e U' rua da Cadeia n. 57, vendem-se
    Em casa de Rabe Scbmettan i
    muito proprios para este clima.
    Vende-se um carro de 4 rodas, bem cons-
    truido c forte, com osscnlo para 4 pessoas de
    dentro, e um assenlo para boleeiro c criado fra,
    forrado de panno fino, e ludo bem arranjado :
    para fallar, com o Sr. I'oiriei no aterro da Boa-
    Vista, e no escriptorio de James Crabtrcc & C. n.
    42, rua da Cruz.
    Farinhade man-
    dioca.
    Vende-se a 5 a sacca : na rua da Cruz, arma-
    zem n. 26.
    Vestidos de seda.
    Riqnissimos corles de vestidos de gorgurao de
    seda de duas e tres saias. ditos do seda de phan-
    tasia, lodos em seis grandes cartes : vendem-
    se na loja da na do Gabtig* n. 8, de .Mmcidn &
    Bur^oQ. **i
    elegantes pianos do afamado fabrican-
    te Traumann deHamburgo.
    Cal de Lisboa.
    Desembarcada ha pouens dias, e por menos do
    que em oulra qualquer parte : na rua da Cadeia
    do Recife n. 50, primeiro andar.
    Farinlia de mandioca.
    Na rua da Cadeia do Recife n. 50, primeiro an-
    dar, vende-se excellente farinha de mandioca em
    Vende-se
    5 Estopa
    ^ Lona.
    Camisas inglezas finas.
    t No armazem deArkwrght & C. S
    mis mmmm-mmmm mi
    zrz Vende-se cera de carnauba de superior qua-
    lidade, e um resto de velas stearinas : a tratar
    na rua da Cadeia do Recife n. 50, 1. andar.
    Allenco.
    Vendem-se no Forle do Mallos, rua da Moeda
    n. 23, saceos com farclo de Lisboa a 58600, e fa-
    rinha dd mandioca muito fina e alva, pelo dimi-
    nuto preco do 6g o sacco.
    SABAO
    DO
    Rio de Janeiro.
    Deposito no armazem do Amo-
    rim, em frente ao trapiche
    do algodao.
    Fernandos & Filbos lem sabo do Rio, do de-
    posito geral, que vendem em porcSes, a vontade
    dos compradores, e preco eommodo : a tratar em
    ^^m^'^^eiXbma^V^cOi o seu escriptorio no largo da Assembla n. 10.
    rimo I r ri .4 I* a. 1 -.-* *-. ,1 ,. am.
    das.
    Cera de carnauba
    de boa qualidade, a 11000 a arroba : na rua da
    Cadei j do Recife, loja n 50, de Cunha e Silva.
    Vende-se urna casa terrea na rua da Praia
    e uui terreno na ruada Concoidia : quem pre-
    tender dirija-se < rua Direita, h, 60, lola de fu-
    nejro.
    Farinhade mandioca
    e milho.
    Vendem-se saceos grandes com muito boa fa-
    rinha de mandioca, ditos com milho muito no-
    vo, couros de cabra em porco ou a retalho, ludo
    se vende por menos do que em oulra qualquer
    parle : na rua do Queimado. loja de Wragens
    numero 1 i.
    morle, preservando em seu uso: consegu ram
    recobrar a saude e torcas, depois de haver tenta-
    do intilmente todos os outros remedios.
    As mais aOlictas nao devem enlrcgar-se a de-
    sesperacao ; acam um competente ensaio dos
    efflcazes dichos desta assombrosa medicina, e
    prestes recuperaro o beneficio da saude.
    Nao se perca lempo ero lomar este remedio
    para qnaiquer das seguintes enfermidades :
    Febreto da especie.
    Golla.
    Bemorrhoidas.
    Hydro pesia.
    Ictericia.
    Indigestes.
    Inflammnroes.
    Ir r eg u la ridades
    menstruaeo.
    Lombrigas do teda es-
    pecie.
    Mal depedra.
    Manchas na cutis.
    Obstruccao devenir?.
    Phtysica ou consump-
    pulmonor.
    Retencao de oiirina.
    Rheumatisroo.
    Symptomas secunda-
    rios
    Tumores.
    Tico dolorofo.
    Ulceras.
    Venreo [mal!.
    Accidentis epilpticos.
    Alporcas.
    Ampolas.
    Areias (mal de}.
    Aslhma.
    Clicas.
    Convulso es.
    Debilidade ou extenua-
    cao.
    Debilidade ou falta de
    forc.as para qualquer
    cousa.
    Dysintera.
    Dor de garganta,
    de barriga.
    -nos rins.
    Dureza no venlrc.
    Enfeimidades no venlre.
    Ditas no figado.
    Ditas venreas.
    Enxaqueca.
    Herysipela.
    Pebre biliosas
    Febreto intermtente.
    Vendem-se estas pilulas no estabelecimento
    geral de Londres n. 224, Strand, o na loja de
    lodos s boticarios droguistas e outras pessoas
    encarregadas de sua venda em toda a Amrica do
    Sul, llavana e Hespnnha.
    Vendem-se asbocetidhas a 800 rs. cada urna
    deltas, contcm urna inslrucco em portuguez pa-
    ra explicar o modo de se usar dcslas pilulas.
    O deposito geral em casa do Sr. Soura
    pharmaceulico. na rua da Cruz n. 22, em Per-
    nambuco.
    Vende-se ura grande lelheiro em um cai-
    xo do casa na freguesia do Santo nionio cora
    porto de embarque muito proprio para armazem
    de madeiras e rasteriaes a traciar na rua da
    praia n. 27,
    Atteiico
    Vende-se urna porco de burros en-
    tre os qu.es existem 40 pa redas, todos
    muitos gordos, novos e de bom tama-
    ndo do excellente carregamento che-
    gado ltimamente de Montevideo: os
    preterdentes dirijam-se ao trapiche da
    companhia ou ao armazem de carroeas
    em Fora de Portas, de Flix da Ckmha
    Teixeira.
    das cores,
    a 258000 e
    Cortes de vestido de seda de reres deli-
    cadas, com 2 saias c 2 babados borda-
    dos a 100.S e
    Calcas para mininos bordadas a 4 c
    Toalhas de algodao e de linho a lOOO
    18800,28600 o
    Luvas de pellica brancas, amarellas o
    pretas, para senhora e lmniein a 2} i
    Gollinhas bordadas a C00, too, 1200
    i$600, 25(00 e
    Manguitos bordados o 2$ e
    Ditos com golllnha a ;H)00, f, 6 e
    AIem destas, outras multas fazendas,
    7*000 JB
    128000! ||
    2C$000 &l
    388U00 ^
    128000
    25S000
    S-000
    308000
    38000
    600
    30$000,
    meopathicos enviados
    la Europa pt-lo Sr. Dr.j
    Sabiuo O. L. Pinho.
    ^fc Estes medicamentos preparad T
    gfc cialmentc segundo as neressidades da 75
    ^1 homeopothia no Brasil, venden ,"V
    ^ presos conhecidos na botica central 1
    mg meopathica, rua d Santo Aman
    xsi --; '%&m $&%&&*& msmi
    = Na rua do Crespo n. 1G, OJJ di \ .
    Castro, veiidem-si ric is cha|
    I enfeiiados para senhoras e meninas,
    nulo preco de 7?000.
    Arados americanos c i.n.ii.I. .
    120,000 P"1? l^'Ot.pa:c-mcasade S. P J
    r>()yo nnston x L.. rua da aenzala n. i2.
    28S00
    2,?500 '
    3g00t)
    S83O0
    88000
    que n.i
    loia de Cunha Silva, na rua da Cadeia do Recife, tdrma'elegante a IOS "da um.
    se ven lem por precos baratos.
    Armazeisi k fazendas. :
    Lina do Queimado numero 19.
    Corles de riscado francez 3 1[2 covados a2|500.
    Cuberas de chita a 28600. |
    Chapeos enfeiiados para meninos o meninas.
    Ditos prelos fines, ultima moda.
    Ditos de folleo. :
    Cambraia organdys muito fina.
    Chales de fro-o de tres ponta.-.
    Ditos de merino bordados de duas ponas.
    Dilos muito linos bordados a froco.
    Ricos chales de touquim branco.
    Cortes de soda de duas saias.
    Luvas enhiladas.
    Manteletes pretos bordados.
    Lencos para algibeira, blancos, a 2$ a duzia. '
    Chapeos prelos.
    Na rua doQucimado
    numerol).
    Chapees pretos de primeira qualidade
    fa nvenco aperfoi-
    Coada,
    Bandos ou almofadas
    de crina para ponteados de
    senhora.
    i Vende-se nicamente na rua da Cad
    i cife n. 48, loja de Leite & Irmo.
    Para mesas e
    camas.
    Rua do Queimado n. 57.
    ' Toalhas de algodao aleoxoaJo pai i
    de 1. 1 i|'2. 2,2 lia e 3 vara> a b00.
    10500, 2. e
    A 30J corles de rostidos de seda que.rutaram Dllas d,! lin.l, dfv 2> 3- 3 >A 4 e li2
    608: a 163corles de vestidos de phantasia que _.vara.s dl' '^a
    custaram308; a 8j? chapelinhas para senhora:
    na rua do Queimado n. 37.
    Brim trancado de linho todo
    preto,
    fazenda muito superior; garante-sc que nao
    desbota : na rua da Cadeia do Recife n. 48, lo-
    ja de. Leite & Irmao.
    Ditas de dito muito superiores de 2 a .">
    varas a G.8, 10, 12, li e
    Aloalhado du duas larguras, trancado e
    adamascado, vara a 1?, 1>200 e
    Guardas-roupa de algodao alcoxoado,
    duzia, a 2J o
    Ditos de linho a
    Bramante de linho para lenco com 8 e
    10 palmos de largo a l?8tlO e
    Toalhas de linho com labvrintho para
    resto a 3g e
    Enfeites de vidrilho e de retroz a 48 cada
    ura : na rua do Queimado n.37, loja de 4 portas. Jabados de linho para lenroes, toalhas
    c camisas de linho, pocas de 30 varas
    Batatas muito
    novas.
    Vendem-sc gigos com 22 libras de balatas in-
    glezas pelo diminuto preco de t8-r>00 cada ura :
    no lorie do Mallo rua da'Hoeda n. .23.
    Rua do Cordoniz
    N. 8. Armazem da Foz N 8
    Vende-se superior Girimuns grandes e ba-
    ratos que admira.
    Vende-se nm escravinho de 10 para 11
    snnos, cnoulo, vinde do Ico : na rua da Cruz,
    armszero. n 33.
    a 28500. 3g o
    4J0
    ItfMO
    2|40
    uno
    3jft5tt'i
    B outros mullos artigos, quena loja de Cunha
    & Silva, na rua da Cadeia do Recife n. 50, esqi.
    na defronte da rua da Madre de Dos, vendem
    se baratos.
    Vende-se um cano america-
    no com algum uso, com cju.i-
    tro ajsentos para um e dous
    cavados, pintado d-' novo ; a tratar i\u
    rua da Aurora n.26.
    Vendem-se duas c nocascoai doi's
    bois mancos gordos : a tratsr na ruada
    Praia a. 27.
    Escravos.
    Vende-se dous escravos mulatos peeas : na
    rua la Cadeia do Recife primeiro andar n. 28,
    escriptorio de Grogel Irmaos.
    -j


    DIARIO DE PERNMBUCO. QUINTA FE1RA 5 DE JANEIRO DE 1800.
    (7)
    DE
    L1VRAR1A ECONMICA Vidros para
    draca.
    uimmmm i$mmM muais.
    Sita na ra Imperial n. I i8 e 120 junio a fabrica de sabo.
    DE
    Seksliao J.da Silva dirigida por Haeocl Carncir Leal.
    Nosle eslabcleeimento ha sempre promptos alambiques de robre do difiranlos dimeoces |
    Je 300j> a 3:000.?) simples e doblados, para destilar agurdenle, aparelhos destilatorios eonlinoi j
    para resillar e destilar espirito?, con graduado at (O gios [pela graduaoao de Silln Cartier) dos '
    melhores systemas hoje approvados e conhecidos nesta c oulras provincias do impario, bombas i
    le todas as direenedes, asperanlcs e de repudio lauto de cobre como de brome e fono, lorneiras !
    de bronze deiodas as dimenedese feilios para alambiques, lamaos etc., parafusos do brori7.ee'
    forro para rodas d'agua,portas para fornalhas ecrivos de Ierro, tubos de cobre o chumbo de todas \
    as Jinicncocs para encmenlos, camas de fono com armaro e sem ella, fugos de ferro potaveis e I
    e nomicos, tachas e tachos de cobro, fundos de alambiques, passadeicas, espumadeiras, cocos
    para engenho, folha de Flartdres, chumbo cm Icncole barra, znco om lencol e barra, lsnees e I
    arroellas de robre, toncos de ferro a lato,ferro suueia iitgiez de todas as dimnsoes, safras, tornos
    folios para forroiros etc., e outros muilos arligos por menos proco do que om nutra ijualqueri
    'parle, desempenhando-se loda e quabjuor encommenda com presteza e perfeieo j conhecida!
    e para cominodiade dosfregnczi's que se dgnarcm honrarera-nos com a sita confianza, echa-I
    mu na rua Nova n 37 luja de ferragens pessoa habilitada paia turnar nota das encomniendas. I
    VI
    DE
    M.2- UADO
    CESPO-N. 2
    Defronte do arco de Santo Antonio.
    NF.STE NOVO ESTARELF.CIMENTO VENDEM-SE :
    Livros de religiao, sciencias, de letras artes, viagons, historia e classieos ; romances illustrados e
    nutras publicacdes cm divisas linguas.
    Globos, atlas e mappas goographicos.
    Papel de hollanda, de poso, paquete, almasso, de cores e outros de diversos formatos e gostos. se idroi i reta
    Prensas para copiar cartas e outros manuscriplos, livros e tintas proprias. 5C ltU OS ret.d"' 'manto m.m pe-
    Livros om branco, peonas de varias qualidades e niais objeetos pan uso de repartieres, secreta- \ <4llcno ate mais de G palmos.
    rias e casas de commercio, utencilios para desenlio oto. j> | ^rj
    Artigos debom gosto, fantasa ecurosidade das fabricas de Taris para uso dos elegantes ; orna- DlILil.
    _ tos, presentes etc. Bartholonieu Francisco de Son/a, rua larga
    Cartoes e bilheles para bailes, casamentos e visitas. j0 Rosario n. :10, vende "S seguinles medi :a-
    HISTORIA UNIVERSAL desde os lempos primitivos al 1850, por Cesar Cantil, 12 volumes, in fu- montos :
    Rua do Imperalriz n. 7,
    A 6j a Miza: na rua larga |oja ({() Pconlc.
    (JoRsanoarmazemceiouya. Esseocfa de sam|aJo
    \idros para caixilhos. iiln, .
    Na rua largado Rosario loja n. S8 UC0S ICl,,CS VOrdadeirOS de
    armazem de lotica, manclam-se Dolar >i- ;
    dros em casas particulares por proco! u<,n
    milito commodo, assiin como vendVm Alfilirtos
    sndalo,
    o! Bcn^alas epulceiras ricas.
    para cabello, dito
    para segurar chapeos de
    senhor...
    Tudo cnegado pelo vapor
    lio, enriquecida do mais de 90 magnificas eslampas, obra cm que nada se poupou para o
    leitor encontrar nolla erudicao, estudo solido o leitura agradavel.
    ALMANAK de lcmbrancas de Castilno para 1860, assim como collecQoes completas desde o son
    comeen.
    MANUAL l>K COSTAS j feilas para compras c vendas deassucar, algodn ele.
    Encaderna-se om lodosos gostos desde o mais simples em papo) ata ao mclhorem panno nu polle.
    Imprime-se cartoes e bilheles, e marca-se p.'pd cora lypo proprio e em relevo vnntade dos
    pretendenles.
    Acceita-se o encargo de qualquer oncommenda de livros e outros artigos tanto da corle e provin-
    cias do imperio, como de Portugal, Franca, Inglaterra e Blgica, com as condieeoes mais ra
    zoaveis.
    Ilob I.'AlToitenr.
    Pilu!:is contra se/o?.
    Ditas vegetaes.
    Salsaparrilba Bristol.
    Dita Sands.
    Vermfugo inglez.
    Jarope do Rosque.
    contra febres).
    ingle/.
    Escravos fgidos.
    Fugio na larde do da 21 do rorrcnle, da
    fabrica do rap, no Mondego, o preto de nomo
    Kaimundo, idade 30 para :12 anuos, natural da
    Cosa, sem lalhos ero barba, bem parecido, al-
    ida, por ler o coslu-
    rarapina : ro-
    lora regular, falla embara
    me de mastigar fumo, irabatha de e
    REVISTA HEBDOMADARIA
    COLLAROBADO
    TELOS SUS.
    D. Antonio da Costa A. F. de CaslilhoA. GilAlexnndre lcrculanoA. G. HamosA. Guima-
    resA. do LimaA. do Oveira MarrocaAI ves BrancoA. P. Lopes de MendoncaA. Xavier
    Rodrigues CordeiroCarlos lose BarretaCarlos Jos CaldeiraF.. Piulo da Silva'e CuntaF.
    '.ornes de Amonta P. M. BordalloJ. A. d Frailas Olivoira 1 \ Maia i. A. MarquesJ. de
    \ndrade CorvoJ. da Costa CascaosJ. Daniel Collaco -I. E. do Magalhns CoutinhoJ. G. Lobato
    PiresJ. II. da Cunha RivaraJ. J. da Grapa Jnior.1. Julio de Ulivcira PintoJos Mara
    Latino CocidoJulio Mximo de Oveira PimentelJ. Pedro de SouzaJ. s. da Silva l'erraz__
    - de TonosJ. X. S. da MollaLeandro Jos da Cosa Lu/, Filippo LeitoLu/ los da
    Cunha L. A. Resello da SilvaPaulo MidusiRicardo Julio t'errazValentn. Jos da Silveira
    LopesXistO Cmara.
    DIRIGIDO
    ron
    A. P. ile CarraltoI. F. Sil-, eir [da Molla
    -Rodrigo Paganini).
    Destinado resumir todas as semanas o movimento jornalislico e a offerecer aos leitor.s, con-
    juntamente cora a revista do que mais notan I houver occorrido na poliliea, na srienria, na indus-
    ria ra as ai ios. alguns arligos originaos sobre qualquer destes assumplos, o arciiivo imvkusm.,
    desde Janeiro de 1S&), em que comecou a publicar-se, tem satisfeilo aos seus flus, com a maior
    \ao ida.i e regularidade.
    Publica-se todas as segundas feiras om folhas de 16 paginas, c completa todos os semestres
    .m volume de p) paginas com indicee frontispicio compelen!*'.
    issigua-sr no escriptorio deste Diario, rua oasCruzes, o na rua Nova n. 8.
    I'roro da assignalura : pelos paquetes vapor ltigi' por anuo ; por navio do vela 'S [moeda
    irai. I "'
    lia afgumas collccces desde o comoro da publicaco do jornal.
    Pianos, seraphinasc reale-1
    jos, a trazo ou a !
    tlieiro.
    Vende-se no atorro da Roa-Vista, luja n 82,
    no rico eelegante pianoforte, franco/, chegado
    ltimamente, do mclhor fabiiranle de Pars ; e!
    in urna rica seraphina ou orgao, muilo pro-1
    prio para algiima igreja do malo por ser muilo
    barato ; o realejos pequeos c grandes rom pan-!
    cadaria e sem ella, o que ludo se vende milito
    barato para acabar. ,
    Vdeposito da rua las Crezes n. \\,
    defroiitedo solmido doSr.
    Fiperoa.
    Ha um completo sortimento do gneros paran
    iuai s se atienda a boa qualidade, quei- j
    03 londrinos, do reioo, suisso, latas com boli-l
    das as qualidades. conservas de her-
    s e mermelada, passns e Dg >s,
    massas para sopa, rh, presumo, lingnicas, man-
    inglaza, vinhos engarrafados, Porto, Ma-
    Muscalel e Bordeaux, champanha. cerve-
    ibsinlho, tarops, e os afamados cha-
    rol. de rhnm Piulo e do Brandao, em caixa e .
    is eaixas.
    Acaba ile chegar Jo Rio de Ja
    ni'iro alguns exera piares do
    primeiro e soguado volurue
    da Corographia.
    Histrica clionologica, genealgica,
    nobiliaria e poltica do imperio do Bra-
    sil, pelo Dr. Mello Mora es : vende-se a
    'i,S o voluuio, podendo-se vender o se-
    gundo em separado : na livrara n. f> e
    S da pnc da Indewndencia.
    REMEDIO inCOMPARAVEL.
    UNGENTO Ilul.l.OWAY.
    Milhares dr individuos de tudas 3 naeSes [>o-
    di-m leslcmunhar as virtudes dosle remedio in-
    I aravel c provar ei i c i-:o m c rio,
    iso que delle lizeram lea seu cori a o
    tiros 11 irn ente saos depois de hai er emp 'ga-
    do intilmente outros tratamenlos. Cada
    se-ha convencer dessascuras maravilnosa;
    leilura dos peridicos, que Ih'aa relatan-,
    i os dias ha muilos asnos; ea raaiorpatii
    i lo sor prendentes que uiuitmpe so
    i I bn s. Quantas ; ssoas reco-
    di on este soberano n medio o isa de seus
    - pernas, depoisde ler pi rmauecido 1 n-
    -" lem| o nos hospilacs, onde de viam s ffrer ;i
    amputai;aol Deltas ha muitas que ha vendo di
    , -., 3 agyioa de padeciraentos, pan i
    submetterera essa operacao dolorosa foram
    liradas completamente, mediante ousodesse
    dio. lgumas das taes pessoas na
    o de seu recoiihecimcnto derlararam es
    esultadm benficos diante do l, ni eorn
    dor e outroa magistrados, afin de maisaulenli-
    !' ni sua Brroaliva.
    Ninguem (i''-i'.sp''iaria do rst.-do de saudo i
    -! bastante confianza para ensaiar estere-'
    o constantemente seguhido^algiim lempo b
    mentratato que necessilasso a na tu reza do mal,
    rujo resultado seria prora rincoulestavelmenlc :
    : ndo cura.
    O uiisiienu lie ut!, mais particu-
    larmente nos Ke$uiutes casos.
    Relopius de ouroe prala, cobcrl iscdescober-
    tos pal nie inglez, os melhores que existem no
    mercado, e despachados hoje, vendero-se por
    precos raroaveis : no escriptorio do agento OH-
    veira, rua da Cadeia do Recite n. 62, primeiro
    andar.
    i i
    IV)
    i nipos vi Lima, tom para vender |
    porco de alcatifa de tudas ;s qualida-
    des, na rua do Crespo n. i.
    | compensa-se bem a qu,--m o i pretiender etei
    Pilmas americanas
    Ungento Ilolloway
    Pilulaado dito.
    Kllisir anli-ssraalhico.
    Vidros de boca larga tom rol has, de 2 oncas a '" '' niesroa fabrica.
    121ibras Conlina a i alar fugido o prole Malheus
    Assim como tem um grande sortimenfo de ; a- i 'i'" sr intitula por Mathias, de narao Angola, re-
    pe para forro de sala, o qual vende a mdico pretonla ler 50 anuos de id i j--. tem falta de <) n-
    prejo. les na frente, os dedos das ranos roveiros: pste
    prelo [o es rnvo dos herdei os de Jos Lucio
    11 ixeira Cavalcanti que tem otaria no Remedio,
    ido levado .i pra^a p >r exei m o contra os rr -
    mos; foi arrematado por Joaquim da Silva Lo-
    pes, em junho de 1859 ; pede-se, porlaulo, a lo-
    - as aiiiori ladi poli- iaes e i apiti s de pami i
    Linguas de vacca ciusalmoma viudas ;' captura do mencionado >, mam] u
    de Londres, vendem-se nicamente no '-,0f l'^an d. Andr A Narciso, as Cinco
    i ornas, u i mJe se ausentou, u i n easa de si
    Superior ao meliior
    presunto de fiambre.
    armazem de i.uiz, Aunes del ron te da
    porta da alfandega.
    ^ &
    11 u a Direita
    Para hoincus.
    Borzeguins aristocrticos (luslre)
    Borzeguios zouavos, obra forlissima be-
    zono'
    Borzr-gins cidadaos (bezerro e lustre)
    Borzeguins econmicos
    Sapaloes batodoros
    Para senhoras.
    Borzeguins para senhora [primeira i asse]
    Hilos s"gunda classe)
    titos para meninas (primeira classe]
    nhor Joaquim da Silva Lope*, na Iravcssa da M >-
    !'re i!'' !'.- o. |8, ;io gratificar
    mente.
    Fugin ..' engenho Hallas
    hi
    BgOOO
    Sj} 100
    6g4l(M)
    5?lK)(i
    i amnnlieri i I
    la i'.id" dezembro de 1859,0 crato rrn iilndu
    nomo Jacob, vermelho, de boa altura,poma bar-
    ; ba. barrigudo, rom o inubigo muito prandi
    anda din-.1.1, anda cahiiido para diinlp.
    isso iiim .-i- nadegas sahiilaspara fora.olhos I
    eos, lem talla do alguns den!'-, tem lidi i-
    [lornas algumas leridas, idade de 50 anuos,
    ; encontrado ueste mesura lia no Barro, indo pin
    o Recite : quem o pnrader, leve ao sr. \:
    Alvos Icrii'ira & Lima, na rua do S. Fram
    ou entregar neslc engenho, que ser bei
    compensada
    5ihjo '
    .-Di'd
    4000
    Fug'io do engi'nho v ;. 7 i .-,; <>
    do crenle auno o mualo Virissimo, di 'J an-
    uos pon o mais ou menos, latn ....
    '". baiI I oslumava a i a bai; a di
    , do sus-as, milito regrista >> tocador de
    sal i assignar o nome e fazei ilgumas letli de
    conta, erilen le alguma cousa de | i; ,
    para as bandas do i ngenho .'.i .: .: \, .i
    s. francisco, termo de Porlo Calvo da prm
    Chegou a este estabelecimento um completo :" \ 's;, ; P*?ff Sr" rransn,. B ,
    sortimento do obras feitas, como sojam : pal 1 ";ul l,:'-!lv I no Biej
    le Heos ; rnga-se poilanto as aun rula les
    d campo a captura do mem i-mado
    esoravo : assiin -omn prol<>sla-se desde j .-onlra
    quem o houver cuitado ; nr lo le o prejoi<
    I 57 Rua do Qucimailo 37
    Loja de 4 portas.

    vinho do Pullo, do mais superior, engarrafado,
    dito i. idem, dilnrauscalel, idem : no
    armazi m do Barroca i Medeiros, rua da Ca lei i
    do Recite n. A.
    . F. da Silva Beiris
    Seus proprelarios offerecem a seus numerosos freguezes e ao publico em geral, loda .
    | qualquer obra manufacturada om seu reconhecido estabelecimento a sabor: machinas de vapor de
    unios os laruanhos, rodas d'agua para engeubos todas de ierro ou para cubos de madeira, moen-
    das o moias munidas, lachas do ferro balido e fundido de lodos os UmanllOS, guindastes, guin-
    chos e bombas, rodas, rodetes, aguillides e boceas paja fornalha, machinas para amassai man-
    dioca o para descarocar algodo, prencas para mandioca e oleo de riciui, port5cs gradada, co-
    lumnas o moinhos de vento, arados, eulina loies, pontos, aldeiras tmuui's, boias, alvarengas,
    linios o lo'l.i uo obras do maohioiiUHo. Exocula-se uuabiuer obra siji qual fr sua nalureza pelos
    desenhos ou moldes que para tal liin lorom aprsenla los. Itoeebein-ae encommeudas ncslo esla-
    belecimcnlona ruado Bruin n. 28 A c na rua do Collegiolidie do Imperadora... moradia do cai-
    xeiio do estabelecimento Jos Joijuin da Coala Pureira, com quc.n os prctendentos se podem
    entender para qualquer obra.
    lem para vender no sea d-psito da rua do Vi-
    gario n. 27, velas de carnauba de 'i. 7, i) e 12
    em libra, ditas do composicoode 6e 7, saceos de
    feijao branco e amarello, todo se vende em pe-
    quenas o gran les porees, e por monos do que
    em outra qaalquer parte ; o comprar-se effeltiva-
    roente loda c qual |ucr porco do pinguts que cabo
    das velas quando acezas.
    ". ; :. : : -- ':"- '?::
    Coutiuua-se a vender fazendas por bario ,-;;
    g prero at mesmo por monos do seu valor, S\
    5S alini de liquidar cuntas : na loja de 5 perlas T^ ;
    na rua do Queimado n. 10.
    . I ...-:... ... r." : !S -.-----
    CARROCAS.
    Vcndem-so duas carracas novas, sendo para
    boi c outra para cavallo: na rua da Concordia,
    confronte ao armazem do sol.
    oits de panno lino do \{\ at 2^,-', solirc asai as
    de panno lino prelo e de cores muilo superiores
    a 3a#, um completo sortimento de paletols de
    riscadinho do biim pardoe loamos, de braman-
    te, que se vendem por preco commodo, cerou-
    as de linho do diversos tamanhos, camisas
    francezas de linho o de 'paiuiinho de 2% al 5j
    cada una, chapeos franco/es para bomema '--,
    ditos muito superiores a lO, ditos avelludados,
    copa alta a 139, dilos copa baixa a lil, cha-
    peos de fellro para hornera de !. 58 eat 7j>
    cada um, dilos de sida e de palha enfeitad is pa-
    ra meninas a 10#, ditos de palha para senhora a
    12;?, chapetinhas do velludo ricamcnlo cnfeila-
    das a 25, ditas de palha de Italia muilo Gnasa
    2">3, cortes de vestido de seda em carta o de 40j
    at 150g, dilos de phantasia de ll'o at35SOOO,
    golliiiias de eambraia de 13 al j, manguitos
    do 1$500 at bi, organdys escurase claras a
    800 rs. a vara, cassas francezas muilosuperi
    e padrees novos a 720 a vara, casemirasde cor-
    les para colletos, palelolse calcas de 33ut)0 at
    i,S o covado, panno fino preto e decoresde 2$500
    t Hlg muito superiores a 9 \^, dilos de gorguro
    e de fuslo brancoa de coros, ludo por preco
    barato, aloalliado de algodo a l;2t>0 a vari,
    corles de casemiras de cores Jo al 'J, grosde-
    naplos do cores e pelos de l$600 :T.: 10 0
    i'S, cociros
    canonado desde o dia i luga alera di se proceder
    criminalmente : quem n o o mesns i
    engenho Sap''-. en no Recifi rua I irp i o Ro
    " 41, up -i ra ; mpi n ido com lOl'f.
    Ccntinia a esl ir fgida do sitio da viui
    aqoim de M< squita, na i El rada di MI
    los, a pn 1.1 lili.ni,i, de liar; ie ;
    escrava de Francisco Uoncalvcs do Cabo roga-
    senhoies capitaes le r un e
    ti ;'.-- ir possa, a captura da i
    liereni casa de deten .. >. |ue mi o ,
    rosamente recompensados. Oudo sim protesta'
    se ci'iiti,i quera a liver acoula a.
    I00S ilc
    ihoft/iiV
    covado, esparlilhospara son!
    de casefflira ricamente bordados a iij cada um,
    lencos de eambraia do linho bordados
    nhora a 9 e 12$ cada um, dilos lisos
    i mera, fazenda muito superior, de \2 al ; .;
    i duzia, casemiras de cores para coeiro, covado a
    $ Ot), barege do seda para vestidos, covado a
    l->(00, um completo sortimento de collctesde
    gldltiiUlrtlO
    a q iem pegar o escravo Joaquina, ugido em 2 do
    de/.erabro prximo passad.i, i mi >s signaes i
    Kui/itcs : caboclo.de lude le 27 anuos, p<
    mais ou menos, baixo e ebeio locorpo, rs|
    dundo, cabellos duros e c irrid -,.
    nariz pe pierio, bot ca pequen i, i om falla de d.-i -
    tes superiores na frente, usa bigode, o qual i -
    davia pJe ter rapado, sem ba:ln ; r--r. i
    rede, ea!; e camisas, levanuo vesiido cii
    camisa d< algodan lia ado azul chapeo e i
    para se-l ro : vcio do Ceara no vapor Cruzeiro do Sul en
    para ho- i de nulnbro prximo passado, remettido
    Lniz Ribeiro da Cunha i Antonio l
    b & Rolim quem o api rehender, o levar a
    rid-'d-do lleeife, rua do Cresp n. II, onde r-
    cebera* a recompensa a ima. Pi le ?uali
    1
    v
    m
    rea
    Alporcas.
    Caimbras.
    Rallos.
    res.
    adoras.
    Dores de caber*.
    --das rostas.
    -dos membros.
    rmidadi s da culis
    ni peral.
    Iiitas do anas.
    Erupcdes c escorbti-
    cas.
    I istulas no : l-Jomen.
    I'rialdado ou falta de
    calor as extremida-
    des.
    I rieiras.
    Gengivas escaldadas.
    Inchaccics.
    Iiiflamacao do fijado.
    Veade-se este uns
    Inflammaco da bexiga.
    da matriz
    Lepra.
    Mates das ponas.
    dos peito -.
    de ohos.
    Mordeduras de teplis.
    Picadura de mosquito?.
    l'ulinoes.
    Qudntadclas.
    Sarna.
    Supuraooes pui.las.
    linha, em qualquer pai-
    te que so a.
    Tremor de nervos.
    Ulceras na bocea.
    do ligado.
    das aititulaces.
    Veias torcidas ou noda-
    das as pomas,
    uento no estabelecimento
    Aos cigarreirs e cha-1
    ruteii'os.
    Campo: & Lima tem para vender eai- *
    x.is rom fumo americano do muito boa 2Jj
    qualidade c a pio.j commodo: na rua S
    :v- d i Crespo n. 12. m
    Fub.
    Farinha de millio americana, em barricas, che-
    jada no ultimo navio dos Estados Luidos : nos
    armazens de Tasso lrmos.
    Escravo. venda.
    HVende-se um moleque de 18 anuos, porfeilo
    cozinbeiro, urna negra que eezinha, lava e en-
    goramn perfeilamente, o urna negrinha de 13 an-
    uos, escravos lodos de. qualidade p sem vicio al-
    guna : a fallar com Oi-taviano e Souza Franca
    roa da Cadeia do Recife n. UC.
    PolassadaRussia
    E CAL DE LISBOA.
    No bem conhecido e acreditado deposito da
    rua da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
    potassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
    e do superior qualidade, assim como tambem
    cal virgem em pedta : ludo uor Teros muilo
    razcaveis.
    Cal de Lisboa.
    Vi mi m-se no caes de Apollo, armazem Je Se-
    rodio i C, barra cora cal virgem em podra, ul-
    liraamente chegada, e por proco razoavel.
    Vende-se na rua da Cruz n. 10. em rasa de
    ais Irmaos, o verdadeiro tabaco froncez, dito
    caporal, c tambem rolo francez.
    SKLLINS.
    Vendcm-se os melhores soins ingle/.es de pa-
    tente no arm*zem de Rostron Rookcr&C,
    praea do Corpo Santo n. -18.
    wsmm mwmn
    3 RUA DA GLORIA, CA^AjOOFUMBAO 3
    Clnica por amitos os systcmas.
    O Dr. Lobo Hoscosod consullas'todos os dias pela manhaa ede tarde depois de 4 horas.
    Contrata partidos para curar annualmente nao s para a cidade como para os engenhos ou oulras
    propriedades ruraes.
    Os chamados devem ser dirigidos sua casa al as 10 horas da manlia e em caso de ur-
    gi ti ia a outra qualquer hora ,]<) dia ou da noite sendo por escftpto em que se declare o nome da
    pessuJ, o dama eo uuiuero da o.isa.
    Nos casos que nao forom H
    I gorguro, casemira prcta lisa o bordada, e- de t s autoridades policiaes n eapiles Je cu
    i fuslo decores, os quaes se vende ra por barato apprahenso do mencionado eseravn, qi -
    1 preco, velludo de cores a 79 o covado, pannos] po.e f>sse para o rent-.o do i
    para cima de mesa a l(i.> rada um, merino al- '
    cocheado proprio para paletols e colletes a 2$80
    o covado, bandos para armaiao de cabello a
    19500, saceos de (apele e de marroquim para via-
    gem.eum grande sortimento de macas t
    de pregara, que tudo se vende i ventado dos
    freguezes, e oulras riuiiias fazendas que nao
    possivel aqui mencionar, porm com a vista dos
    compradores se moslraro.
    Fazendas moder-
    nas. .
    Nos casos que nao forera de urgencia, as pessoas residentes no baiirodo Recife podero re-
    moller seus bilheles a botica do Sr. Joo Souun & C. na ruada Cruz ou loja de livros do Sr. Jos
    Nogueira de Souza na rua do Crespo ao p da ponte velha.
    Nessa luja c na casa do aniinncianto achar-se-ha constantement
    menlosliomeopalhicos ja bem conhecidos o pelos precos seguintos :
    Botica de 12 tubos grandes, ...".......
    Dilos de 24. ditos...............
    Ditos de 36 aitos.............
    Dito de 48 ditos...............
    Dilos de CO ditos...............
    Tubos avulsos cada um.............
    Irascos de linduras........,.....
    Hauoal de medicina honieopathica pelo Dr. Jahr traduzido
    em portuguez com o diccionario dos termos de medi-
    cina, cirurgia etc.. ele. ,........
    Medicina domestica do Dr. lie ring, com diccionario. .
    Repertorio do Dr. Mello Muraos.........
    Cortes de casemiras de coros linas a tuOO, di-
    las de urna s cor muilo tinas de 3 e t!, corles
    decollele de velludo de coros a 6SO0O, dilos dito
    preto a 5$ e 6$, colchas do algodo adasmasca-
    e os melhores medica- j das a 55. briihanlina branca o covado 480, case-
    I mira dequadrnhos o covado 1?, pannos para
    mesa muilo bonitos e modernos a 69, corles do '
    | barpge com tres ordens ue babados a 15-3, ch i- |
    I pcos de phantasia para homem, sondo de gor-
    10J000
    15^(100
    24M090
    2530OO
    IteOOO
    13000
    231KK)
    205000
    103000
    oSOOO
    si 1 natural da villa do Cascavel e mui _
    suppr que v se inculcan Jo de forro como p
    s ezeS Itin leilo.
    Pugio na noite do 1. le 1 11
    uho Serrara de Jaboalo. o es'crai n Sil si
    40 annos de i lade, do Angola, ;
    h lino, de altura e grossura r. di, u
    pouro finas, anda apressado, olhos 1
    una cicatriz om urna das faces, i'1 um 1 -
    lem barba, porm conserva-a baixa h .
    sigo, alemde roupa de algodo branco, cal
    alfud.io sruro e jaquela branca. 0 ... 111 iasaig-
    oado, seu senhor, e proprii < irio d 1:..
    na, prometle 51 ^ a non. o appreben .
    entregar.
    Soma Leto,
    Fugio da pi ac d 1 de un.
    ro do asstuar, no dia "II de dezembro 1
    auno, um boi caslauho bragado, n mu
    o falta de um olho do mesmo iad
    pessoa que *gou, querend > resli
    ntraga-lo ao Sr. Sanios, boticario na 1
    1 qual est autorsado para reobe-ln
    (ualquer irabalho.
    NA RUA DA IIPERATRIZ N- 27
    Li
    pv9 ue j'iiiiini^.i jitim nujifui, m'iiiiii uu ^nr- *-
    ,'iiro de seda a 79, ditos doChillcde i a 25$, i aq Viu- ItAlliw PlW i\ lllki
    Jilos de fellro de 4500 o5, camisas de cao,- ; \[)}t \J >, |!l ltMI".> l, l .fS'
    jraia de linho para senhoras, ditas de esguiao '
    aes ae campo.
    : r
    di
    b
    muilo fino, ditas de eambraia bord "Jas com man-
    gas, ricos corles de seda de todas as cores, mn-
    deles dos mais modernos, grande sorii nenio de
    perfumarlas inglesas legitimas, joias decornl ver-
    dadeiro, oleados do diversas cores imitando
    marroquim para cobrir mesas, torrar almofadas,
    travessei^os, ele, etc., ebem como um completo
    sortimento do fazendas do mais apurado gosto e
    melhor qualidade, vcidondo-se ludo por bauos ,,a Ju('1 ;i "m-.PAC! V*SZ!f* f'ara ,"'","'," '
    1 camisa de chita rosa de lislra.calga do algodo
    : '.
    no dia 2 Jo crrante
    de 15 annos, pouco mais ou ne ios, io,
    -ero do i'orpo, pouca barba, cara d -
    olhos regulares, cabeHas crespos miudos, ,i p< i-
    precos, no armazemde fazendas de Raymundo
    Garios Leiteiv irmo, aterro da Boa-Vista n. 10.
    Reloios.
    geral de Lcudres n. 224, Strand, e na loja do
    lodos os boticarios droguistas e oulras pessoas
    cncarregadas do sua venda em lo Ja a America
    Jo Sul, llavawa e Hespauha.
    Vende-se o 6)0 rs. cada bocetinha, contera
    upia in.sirucco em portuguez pera o modo de
    fazer uso deste ungento.
    0 deposito geral he em casa di Sr. Soum,
    pliarmaceulico. na rua da Cruz n. 22, era Per-
    oambuco.
    No escriptorio de Gurgel lrmos, rua da
    Cadeia do Recife, primeiro andar n. S, vendem-
    so dous escravos mualos, proas.
    Sal do Ass,
    Vende-so. a bordo do brigue nacional D. A/fon-
    >/, fundiadi na villa do Forle do Millos : pera
    iratar, na rua da Cadeie, escriptorio n. 12.
    Ulenco.
    Vende-se um carro novamenle conslruido, com
    4 assentos, muilo forle, forrado de panno verde
    fino, c proprio para qual juer corheira ; a tratar
    como agente ti^ leudes Ilypolito da Silva, ou em
    casa de James Crablree i C rua da Cruz do Re-
    cife d. 42.
    Vende-se o deposito de assucar refinado da
    rua das Larangeiras n. 15, com seus utencilios.
    por prcoo commodo ; a iratar na rua do caes de
    Apollo, deposito do retinara do Monlciro.
    Milho e farinha,
    V'ndem-se sarcos com milho, farinha o fare-
    |o, ludo por bralo prooo : tu laberna gnnd*
    da Solcdade.
    ha para vender ricas mobilias de Jacaranda e de niogno, ricoa vidros de cspelho
    grandes e pequeos, assira como muilos trastes avulcos ; na mesma loja se azem
    cortinados para camas e janellas, lava-se chapeos de p'alhinha da Italia e se poe na
    ultima moda, lava-se tambem a palhinha das mobilias a maw encardida torna-se ou-
    'y\ Ira vez nova sera ser mais preciso as .mandar pintar, limpa-se e gruda-se estatuas de
    rvj pedia marmore, de alabastro e vidros de todas as qualidades torua-se outra vez lo
    9JA seguro e limpo como o eslado primitivo.
    . l..r.-KJT>.i^.?:i.^,c:-^Jic#rw,-KS3ft/v;73r ,-x:^3fc.._,
    ^/f>
    b1
    De novo ehegaram os afamados relogios in-
    glezcs de ouro, de palenle, e esto venda no
    armazem de Ruslro Iloukoi 4 C, piao do Corpo
    Sannlo n. 8.
    Relogios.
    Vendem-se relogios de ouro inglezcs, de pa-
    tente : no armazem de Auguslo C. de Abreu.
    na rua da Cadeia de Reeie u. 36
    Vende-sc superior linha Je algodo, bron-
    ces e do cores, em novello, para coslura : em
    casa de Sculhall Mellor i C, rua do Torres
    n. 38.
    Xarope de Mossa.
    curo, partida nos joelhos, chapeo de palha i
    Iho ; lovou mais una calca de casemira de rAr e
    camisa bianoa ; osle escravo loi cria do (alh
    l'elix Ferieira de Aginar, morador om Ho
    entre Tabalinga e Inga : suppoe-se elle ler f-
    gido para .lli : quem 0 pegar, loco a rua Ji
    n. lf*. ou no sitio Corlme, nos Afolados, d'on-
    de elle fugio, que ser recompensado.
    esapp--reieu desdo odia 25 do mezde de
    zerabro do crrenle anuo o escravo por non
    Vicente, trioulo, natural do serlo do Sobral, al-
    to o chcio do corpo, tem falla de denle- na
    te, e falla bem des mbaraoado ; desconfi-se i-
    fgido em cinipanbi i de outros- por isso raga
    se0 qualquer pjssoa que o pegue e lraga-o
    seu sorihor, na rua Direita n. 112, que ser r>
    \ compensado.
    Moleque Fgido.
    IOO.sOUO do gratilicnoio.
    Roga-se as capitaes de campos, e a to J. o
    qualquer aulor'ulade a appuhensr.o de um le
    que Je nome Mantel, crioulo, idade 12 annos
    ii.uco mais ou menos, o qual fugio Ja easa do
    abaixo assignado no dia 30 de outubio do cor-
    Neste proveitoso estabelecimento, que pelos no vos melhoraraentos feitos acha-se conve-
    nientemente montado, far-se-ho tambem do Io de novembro cm vante, contratos mensaes para
    maior commodidade e economa do publico de quem os proprelarios esperara a remunerarn de
    tantos sncrifirios
    Assignatera de banhos fros para urna pessoa por mez.....lOJOOO
    > momos, de choque ou chuviscos por mez 15}O0O
    Series de cartoes e benhos avulsos aos precos annunciados.
    Vendera-se nicamente em casa de Miguel
    Joaquim MachaJo Freir, na estrada do 1'oinbal, |*
    junio ao sitio do Exiu. Sr. Uaro de Suassuua. rente anno, levando cal;a le cor, carniza *
    Esle xarope, preparado com hervas brasilei-
    ras, applicavel s pessoas aslhinalicas, cojos
    resultados sao bem venturosos.
    chapeo de palha oletdo o o maior signal soffrer
    de osthina e a peuco estovo iloente de hex'gas ;
    As diversas curas oblidas por seu uso sao a i descona se que estoja acoilado por algn ..^per-
    prova mais oonvenieiite que se pode apresentar lalho, que se rjiie'ua aproveitar de sua pequea
    de lo extraordinario medicamento. Julgando j,|a,ie para 0 se,|Uzir, desde j pro'esla o iro-inB
    ZSS&tt&ErS? (alcaSndo" abaixo assignado de cahir sobro dito larapio cora
    mais feliz resultado) apenas ciLaroi a Kxnia. Sra. lodo 0 rigor da le, egralilica da raar.eira anua,
    do Ulm. Sr. coiumndador Jos Candido de llar- aqutlle que Ihe der n< Vicia rerla, e paga tula
    ros, que ha annos Beffria desto mal, e j cauce- de5neza que fe fer com o mesmo moUiiue paia
    s ,'srsni SoS.".1; r^ ^4 ,u* *
    pequeo garrafa. D- Francisco Jos Oe-mono.


    ......I
    (8)
    DIARIO DF. TERNAMBUCO. QtNYA FEIRA 5 DE JANEIRO DE
    1860.
    Agricultura.
    A conservar o das matas c arbori-
    cultora.
    IV.
    Os cegetaes tem r pmprie-'
    dude de a.-pirarem os fluidos.
    :. r le os cercam : sua
    < pela su c ni o
    j faz iiUeivaHien-
    das raists, e das
    ihSuiVld'U,
    oanlas f(
    forma
    <
    < a fcs
    pl
    i/mediatas: <> res/o
    > stwt trani^uaro. iv. nao
    v oittra causa maU do que a
    < agua evaporada misturada
    Com nli/UHS principios sus-
    cepliveis de so,'i/.'(o.
    De iiius os uielhui.imctilos malcraos, que os
    particulares c o estado poden fazer esta pro-
    vincia, nenhum seria, mais vantajoso, mesmo
    mais necessario do quo a factura de acudes na
    maior escala que fosse possivel. excusado de-
    monstrar a utilidado que clles prestariam aos
    gados, c creadores como simples aguada ; por-
    que 6 sabido que eni algumas riberasda provin-
    cia, quando a estando secta un pouco mais for-
    te, ou o invern foi menos abundante, as cacim-
    ba (pocos profundos cavados nos Icitos dos rios
    para fazer aguada], seccam todas, e tornam-sc
    Mhas : parle dos /ltalos impossiveis, porque do cm rocha inipenetravel:
    "vufaf, os orgaos das IpoManto da maior vanlagem fazer aguada
    ' cam tm principios segura nessas partes, para nao expdr-se a cssa
    contingencia muito frequeiite.
    Pepos o trabalho annual que tem os creadores
    do abrircni,mesmo nos annos regulares, essas ca-
    cimbas, as'vezes de 20, i *
    (M. i>k Jones. Ant. Fisict]
    I.
    Nos artigos precederles mostramos a influen-
    cia indirecta das matas na conservadlo das aguas,
    o produccao das dunas.
    airaremos agora, con a autoridade dos ho-
    rneras desciencia, e com os fados, a sua influen-
    cia indirecta nesses ft noinenos ; isto 6, pela sua
    transpirarlo.
    Mr. Sennebier, citaJo pelo autor d.is Anilhas
    Fmcas, veriticou poi meio do repelidas expe-
    riencias, quo a quaulidade da transpiraran das
    aores igual dous tercos do sua nbsorpeo.
    Por conseguinle, ./ Mr. M. de Jones fallando
    da Martinica, pedera ralcular-se por anuo a
    quaulidade media d'agua evaporada das anotes,
    cuja altura seria :
    De 1448 mellimetros, ou 53 polegadas para os
    lern nos herbosos da regio littoral ;
    De 160 mellimetros ou 66 polegadas para as
    florestas a 330 moros de elevaran cima do
    mar ;
    I. de 57C5 millmetrns, ou 213 polegadas para
    as grandes florestas ao p das montannas, no li-
    uiile inferior das nuvens.
    A observaco provou que a bumidado do ar
    pela Iranspiraco dos vegelacs era u'uma razio
    de ere, ment, talvez como de 3, 4, 13, quando
    se comparam em circuinstancias semelhanles :
    1 No meio do terreno herboso ;
    2." as priroeiras florestas ;
    3. No meio das grandes florestas, ao p das
    uioiiluiihcs, que attrahem, o lixaui as nuvens ca
    torno de seos comes agudos.
    Experiencias repelidas, e feitas com iodo cui-
    dado, diz anda n'outra pan.- Mr. de Jones, tem
    provado quenas Anilhas a transpiraco annual
    dos vegelaes excede cm inulto de 3 metros cubos
    d'agua por metro quadrado de superficie dos
    bosques ; o que equivale a 3,00!) kitogrammas,
    'i mais de 6,000 lilroa por auno ; e a 16, ou 17
    libras, ou 260 onea> por dia.
    Na Inglaterra, na estacao secca, o l)r. Waltou .
    achou, or experiencia, 'que nm terreno planta- '
    do de berras com urna superficie de un acre, I
    d por dia una evaporacao de 1,600 galocs, e|
    muito mais depois da chura. Esla medida de
    eapacidade i juvalendo a 190 pollegadas cubi-
    cas, a quantidade Tagua evaporada, so elevara a
    30,(00 iiolegada.r, ou a mais de 17 ps cbicos
    por 2 i horas
    Ora se na Inglaterra, cuja temperatura media
    nao chega lalvez a 1S cenlesimacs, d-se cssa
    evaporacao, em nosso paiz, cuja temperatura me-
    dia devo regular de 34 a 3> ao sol, a loica da
    da evaporacao devo ser mais do triplo, por
    conseguinle para mais de 50 ps cbicos por 2
    horas para igual espaco de terreno da Ingla-
    terra.
    11
    A vista de tantos exomplos.iiao devoremos fa-
    zer alguma cousa para melhorarmos o nosso solo
    o por conseguinli o nosso clima?
    Ser obra ;ao difflcil a arboricultura, ou o plan-
    lio.de aores entre nos ?
    K corto que 6 muito mais fcil destruir, do que
    edificar.
    N'um momento urna faisca, ou o machad i an-
    niquila o trabalho de ora seculo.
    Porm por mais difficil que nos pareca a ar-
    boricultura em uossa provincia ella deve ser
    temada, e mui seriamente, se qui/.ermos segu-
    rar o prsenle para nos, o o futuro para os nos-
    sos psteros.
    III
    Nao basta j hoje couservar, o poupar como
    urna preciosidade smalas, qu anda
    ropa ]iiiyou que a fruuta lomarla partidq pela
    Austria.
    N'um dia, em que o rei cafara na sua cabera,
    om cortezo cavallo dirigio-se a elle, o lhe
    disse :
    Senhor, vamos ter guerra ; eia chegado o
    momento do desembainhara espada.
    Quando um grande rei, rospondeu I.uiz XV
    com ar adormecido, nao quer fazer guerra, nao a
    faz ; podis conservar a espada na baii.ha.
    Mas vossa magestade garanti a pragm-
    tica.
    Foraos varias polencias que a garantimos
    Cada urna que se saia como puder.
    Todava, se a Dicta eleger o grao-duque da
    Toscana *
    F.leja a quem lhe parecer, comanlo que
    nao soja um principe protestante ; porque nesse
    40 palmos de profun-; caso cu nao consentira. Aiem disto & Franca
    didade, com crescida despeza. poda ser dispen- deve fic;r sobre o monte Pagnolte.
    sado com acudes, que comquanto exgissom I Senhor, ah ficareis mal alojado. Os vos-
    mais sacrificios, c despezas de urna vez, seriara !So> antecessores nunca quizerara l edificar,
    um trabalho s permanente, e d'oulras muitas Naquelle lempo chamava-so litar sobre o
    vanlagens.
    Finalmente ha tractos de terrenos de leguas
    por esses serios iuleiramcnte dsenos, por fal-
    ta d'agua, que podeiiam ser aproveitados com a
    factura de acudes. Por osle modo se alargariam
    os campos de crcaco, hoje eslreitos, c quasi
    iiisulicienles para o systema de creaco sola de
    que usamos ; deixariam de morrer a sede nos
    lempos mais seceos os gados, ou so poupariam
    retiradas sempre prcjudieiaes aos creadores du-
    rante o rigor da secta.
    Nao sera um, nem dous acudes que influidlo
    na climatura do terreno, posto que esses mesmos
    pena de revaricacao, o retiro da mulher, e esla
    o myslcrio do marido. Nao se va fldelidade
    seno nos theatros entre os comediantes. A Fa-
    vart amava a seu marido. O roarcchal de Saxe
    achou que Uto da parte de urna actriz era inso-
    lencia ; mandou prender o nnrido, e arrebaten a
    mulher do seu poder.
    O clero na corle pregava sobretudo isto ; lem-
    po perdido : nao se acreditara mais em Dos,
    porcia en compensaco acreditava-se muito no
    demonio ; era a quem se procuravo, e com quem
    se desejava ter entrevistas particulares. L'm fei-
    liciiro promelleii ao mareihal de ltichelieu quo
    o apresenlaria face a face sua magestade bar-
    buda .evoii-o, claridade de nm loar tibio,
    para o meio de um campo. Ou por esta ou por
    aquella razao o demonio falln entrevista ; e,
    na sua colera, o marcchal fez as honras do lu-
    gar ao seu mediador, doscarregaodo-lhe urna boa
    Variedades.
    S*ruis e exerclcios militares na
    China.
    Para s?r-se soldado e ter-sc direilo ao alimen-
    to e ao sold preciso passar-se por exames.
    Em Peking esses eximes se fazem reralmente
    airas do Kin-rhane, ou Flan, Sove-cAane, mon-
    lanha artificial decarvo de pedia, destinada cm
    caso perial. Essa nioiilanhn com cinco piros ornados
    com ontrns lanos pavilhoes cr de lacre, com
    lelhas que parecen) de ouro, c um dos ornamen-
    tos do palacio, e una das -ele maravilhas de
    Pekn-.
    E' d'um desses pavilhoes que o imperador vai
    algumas \v/.r$ assistr aos exames.
    Armani-se tondas ao i"i do muro exterior do
    i as
    estocada. N'oulra occasiio duas bellas damas da Jar(1'm imperial para os generaos e officiaes ins-
    cOrlo foram, ao anoilecer, envolvidas cm suas! I"'c,orcs-
    manlilhas. o conchegadn aos muros e paredes
    execula s'rilh.>sadirela, na freule, romo i
    theoria de Multer. Quando redim essa Ihi
    no campo de I.uneville, em 1824, sob a diro I
    do hbil instructor da cavallaria cllomana, theo-
    ria que depois foi posta em exen cfioem leda
    cavallaras da Europa, nunca pcsei que f<
    enrnntnr seus elementos no exercilo chine/
    Ha muitas (ultras curiosidades as obras mi-
    litares do celeste imperio. O marcchal de Saxe
    nllas oprontratia a eoaaagracao da idea d
    cavallaria ligeirW eslabelecida* em Charobord O
    commandanle d,a escola de Saumur vio ullima-
    mei,;e urna sella perfeitamenle leila : o man
    de Pnvsegur eo marquez de Chasbray en
    trariam m obra de Oi/fsr axiomas
    urna grande nacjo da mesma
    que escreveramt
    No exercilo cbinez nenhoma grdatela aep<
    de receber sem cine se tenham rstudado os ins-
    titutos militares pe Sun-tcs, as obras do On-t '
    c os principios Je Se-ma ; estudando-aa esses
    dign>
    ordem daquelle^
    monte Pagnolteguardar neutralidade. Toda- i das casas, balar porta do urna avenlureira que
    via a Franca entrn na questo. Luiz XV. fez I niorava n'um dos arrabaldes perdidos do Paris.
    nllianc precisamente, com um principe proles-I L'ma dellas pedio com voz tmida que quera
    lanteo re da Prussia, logo primeira tentati-, ver aquello senhor que.... aquelle senhor .
    va. A guerra durou pormuilo lempo. Afortu- como st chima?.... ah sim ; o senhor que di-
    na passava e repassava de um a outro acampa-
    mento com inexoravel imparcialidadc. Entre-
    tanto a ultima campanha foi decidida pelo mare-
    chalde Saxe sob o nosso estandarte. Masis que
    inesperadamente, no auge da victoria, quando o
    exercilo francez oceupava Flandres, e se prepa-
    va para invadir a Hollanda, Luiz XV assigimu
    clandestinamente
    rige o mundo.
    O di.ibo respondeu a sybilU. Pois bem,
    vou farer-ros a voniade ; mas 6 preciso que vos
    aupis ?
    O que
    ar com opta- generaes autores, se adquire, conforn.e i aplidn
    1l oij a luo ti- t 0 grao de bachaiel, iieenciado. doulor darma-
    rca de um tiro. Dcsgracadamcile acontece com as institu
    Hespir-nos ? !
    Sem duvida. O diabo lera um capricho.
    a paz vergonhosa de Aix-la- Depois que vio nossa av no Paraizo em trajos
    nianha. nao pode supportar outro loi-
    Oscxmcs consisten) era sustentar com o bra-l
    fo eslendido um poso, que varia d^
    bras, porque esse pesipe igual a forc
    nhorcom mrrfwS/^V!XJ:rC^i,.i:SC no "-1"' o q- acontece tamben, com as inst,
    \o,l ??.,,' dCiVC* UT V "" "Ces civis ; n.io tem pragndido, e os Naod-
    oenta ,' o S ?! f"?1 a ","" "W ,e,n corrompido' pana mel hor poderem
    t^V^rrhcm de-cao habiiidTiu..i ^-^0",^:"';;. ni
    . do tiro, Icmbram-lhes as penas a que i dativa capaz cada soldado
    a principio impertinente
    nproveitariam muito a seus donos debaixo de Chapelle.
    i nutras rolacijes ; mas se cada creador lizessetTm Entrega sem indemnisafo alguma um paizMctte
    i ou mais acudes em suas fazendas, os arborisasse,-- conqustalo, reconbece a casa de Hanovre, c ar- I
    I e por va d ellos tenlasse estender mais ao longo rasa o porto de Dunkerque. Nenhum caso fez As damas acharara
    I a arboricultura, por crio que essas pequeas : do sangue francez derramado ; calcou aos ps a scni0',,i,ri,e exigencia, mesmo da parto'do demo-
    ; massas d'agua multiplicadas na superficie da pro- gloria.lsto me enja I Era em tudo e por tu- \ n,l)- "orm assim como assim, era a mesmacou-
    vncia, seriara outros tantos focos de evapora- do a palavra da sua poltica. O poro murmurou ** E"as linham lido o diabo coxo.
    cao abundante, e ao mesmo lempo de condensa- dessa paz lo mal fetta : a indignacao dcsceu al ; Tambera, disseram, urna vez que o velbaco
    ela frescura que da irradiaran multido. Um "" "-' -* *-*-
    eco de
    vapores, pe
    j das aguas, e das'arvures se espalhaiia na ath- Ira que lhe .(cava visinha, disse'no furor da sua
    mosphera. cholera: s to nescia como a paz.
    Esses pequeos, mas multiplicados focos con- I.uiz XV gostava de trabalhar em tapessarias,
    : correriam mais cedo, ou mais larde para melho- e nisto oceupava urna parte do dia. Foi o duque
    1 rar o clima, diminuindo sua sequido, dotando-o deCevres quera lhe inoculou esse talento. N'um '
    , ,- i -- ^..., ui.-^i. un, una >tx IJUU O IC
    fina.regateira disputando cora ou- vc ludo neste mundo, nada leraos de novo
    occultar-lhe.
    que
    por isso :le humidade, e chamando as chuvas. I dia em que"elle preparava quatro poltronas, um
    Os inveruob se tornariam mais regulares, e por I cortezo lhe disse astutamente :
    conseguinle desappare:cria de entre nos esse ter- i Senhor, o defunlo rei nao preparava mai
    traz sempre esta que dous assenlos de cada vez, c vos vos occu- ferr0|no a porta.
    E com audacia toda francesa completaram o
    sacrificio exigido de suas manlilhas, das suas
    rendase dos seus vestidos de brocado. V feiti-
    "A I esc^.a!K^ml:;a^ta,',;S,^
    rivel phantasma de secca, ojie
    provincia em sobresalto.
    ceira empurrou-as para urnas aguas furtadas,
    murmurou algumas patarras de nigromancia,
    apagou depois a eandoia, e fechou-as correado
    Litteratura.
    Memorias do marquez de Argcnson.
    Imbcil! dizia Saint Simn fallando do mar-
    [quoz. D'Argenson, o nescir dizia o povo de
    sua parle. F.is aqu como se costuraa julgar um
    honiem pelas apparencias.
    D'Argenson nao era nescio, ncm imbcil ; era
    um philosopho, um estadista; homem de bom co-
    raf.'io, um tanto maligno, verdade, mas brando
    como o ac.
    Someute a ninguem revelara o seu pensamen-
    i lo, e naquelle lempo linha para isso razao. Po-
    I rm sabia vero ouvir, e noite junto ao fogiio
    ! do seu lar escrevia, ao recolher-se, ludo quaoto
    lnha visto e ouvido, durante o dia.
    Assim escreveu elle a historia do seu lempo,
    da por da. sem nada lhn escapar, anda que mal
    e com imperfeico, sera prelencao no eslylo, e
    sem preoc upac'ao do melhodo." Pouco lhe m-
    portava quo as palavras fossem ou nao adequa-
    daS. Deixava correr a penna, sem cessar, i se-
    melhanca de madama de Sevgn, persuadindo-se
    de antc-mao que, em quunto corre a penna, re-
    vela-se o espinto.
    Com effclo, algumas rezos elle mostrava ser
    espirituoso, mas por descuido, e contra sua von-ldizia Luiz XV.
    lado. O que procurava primero que ludo era o Maillv.
    faci o a sua moraldade, por honra da philoso-
    phia. Logo que preseociava um acontecimenlo
    qualquer, apoderava-se delle sem mais indaga-
    co, o registava-o no seu diario. Dcsta surte
    descreveu o reinado de Luiz XV 5 prnporrao que
    se ara dando es fados, a'.gun- al em sua ac-
    co ; e dcscreveu-o em seus costuraos
    teros.
    pacs nesse momento com quatro.
    Por espirito de imitarao a condessa de Maillv
    Irabalhava igualmente em um guarda vento ; e
    emoregava tanto ardor nesse trabalho que dis-
    lrahisa-sc de responder ao rei, quando S. M. lhe
    diriga do seu bastidor algum gracejo. A' pii-
    raeira vez que isso succedeu o re araeacou-a
    com um golpe de estado ; segunda vez, a crer-
    se em d'Argenson, lirou a 3ua faca, e de um gol-
    pe a tapessaria voou sobre o assoalho. Houve
    grande discordia, e muitos queixumcs, accres-
    centa a chronica. O re, entretanto, pedio per-
    di da sua vivacidade ; mas para obte-lo poz a
    sua cabelleira quadrada. c foi clan leslinamenle
    ceiar cm casa da condessa. Bem depressa des-
    gostoii-se do trabalho de tapessaria Isto me
    enja! Occupou-se ento em fazer lac.os de
    fita.
    As ptisioneiras esperaram o diabo na escuri-
    dao una... du;s horas. Os sinos era grande dis
    lancia soaram, e tornarnin a soar. E nada de
    apparecer o brejeiro ; j lhos ia faltando com a
    poltica. As infelizes comecaram a suspeitar al-
    guma perfidia : bateram 'porla, thamaram a
    feiliceira ; ninguem. Esta tiuha desapparecido
    levando comsigo os vestuarios. Pediram ento
    soccorro pela janella, a ronda acudi aos seus
    gritos las'imosos, e encontrando essas duas Evas
    enrogeladas n'uraa agua furtada, tomou-as por
    ayeulureiras, e conduzio-as Salpetriere. No
    da seguinte compareceram perante o lente da
    _ p
    sao reitir-da do occidente, os ex.-rcicio-, aso
    nobras v as combinacea mais ronvinharei
    engenhos de distrulcao, m cuja invenrio
    construeco o homem naturalmente
    tao hbil o enpenhoso.
    dude da madeira, e lanca-se a fiexa para u lado
    em que se suppoe estar rquolle, em cujas maos
    deseja-se que v caliir. Tambem arremecam-sc
    dessas flexas de cima as muralhas sitiadas po
    campo dos sitiantes, e do campo dos sitiantes
    para acidade. Aquellos que leera iutelligencias
    secretas com os niinigos, ou aq iclles quo anda
    nao as leudo desejam estabelece-las, ou para
    tingar una affronla recebidu, ou com a esperan-1
    -;a de fazerem fortuna, apanham essas flexas, as ; ir10 pouco conh(.fill1-
    conuuzem impunemente e instruem-se do que I ?06re o
    con\ra aos seus fins.
    se
    e
    AILHA DE MASAOlMf.
    Encontramos a seguinte dcscriprio dessa
    liutrHcrVi nauli
    mar vermelho.
    poncid com (rajos emprestados, e declararam lerceira divisSo tem tres reparlmentos com urna
    A condessa de Mailly tinha captivado o cora-
    co do monarchi. Esto, como todos sabem, eia
    casado cora a lilha de um re; da Polonia des-
    thronado, a qual se chcara Maria Leczinska.
    Essa polaca no iutervallo de urna gravidez a ou-
    Ira, entregou-se totalmente devoco. De ns-
    tame a instante, ia ao seu gabinete para ver sua
    bella predilecta, que era urna caveira ; a cavei-
    ra, quem o acreditara ?de. Ninon do Lindos.
    Ella a ornara de filas e conchas, allumiava-a com
    tochas ou lampeos, e Acara cm long.i medita-
    cao diante dessa reliquia. Isto me enoja
    E tralou de amar a condessa de
    Amou-a da raesma sorle que fazia a paz o a
    guerra, isio sem saber porque, era comr.,
    nao quo a condessa fosse linda, e elle esperasse
    della melhor composico. Ella linha anda me-
    nos espirito do que belleza, meio artificioso de
    que osara para dispor o amor proprio de S. M.
    e carac- Um estrangeiro, vendo-a passar, exclamou : Se
    seus nomos c qualidades. L'ma
    za de l'Hopildl, e a outra a
    Forc.
    No meio de ludo islo o povo soffria ; susten-
    tava-sc de berras, ou pao de fono. O rei, na sua
    solcilude, linha adiado o meio de augmentar-
    me a forae, mandando atraressar por sua conla
    todo o trigo do reino. Tcrrivel penuria devorava
    a cidade e a provincia. Para obstar a epidemia
    lomaran) o partido de mandar loda a populaco
    vestida do andrajos fazer companliia jos gales ;
    os lilhos entretanto continuaran) a mendigar. A
    pilhngem appareceu. Os esbirros prendiam e
    . touduziam promiscuamente com os filaos dos
    pobres, os rilhos dos burguezes para arrancar do
    seus pais';c resgato por ellos. Urna subleva-
    i cao rebentou era Paris. Para remediar Inda esta
    desordem o que fa/ia Luiz XV ? De vez em quan-
    . do erguia lnguidamente a cabeca, laucara em
    . torno de si um olhar amortecido," o depois dei-
    xando-a cahir de canfado, murmurava em voz
    i biixa : Depois de mim vira o diluvio. D'Argen-
    son exclamava : Ninive perecer !
    A Franca clamava contra o escndalo : mas
    ; como nesse lempo lodo o clamor acabara em
    A segunda di visa o das flexus subdividida em -v ''ha de Itassaouah est sUaada na exln
    tres repai tmenlos, contendo cada urna quatro {J.aj|e &* bahia de Aniego, carca de 4 mil!
    [flexas de lamanho menor que as primeiras ; tcl" Ja poroacio ; c separada d>j coatinenl
    ' das da segn Ja diviso tem punta de lauca. A um canal estrello, que oflerecc bom anroradouro.
    A lha forma quasi um parallelogramo cen;
    meia milha de coinprin.cutn sobie periodo :ki
    metros de largura comporta princi paletea te :
    rochas de coral com urna altura pouco <
    dcravel c em oslado de di compsicko. Quasi ,1
    melado dailha occup>.da por cisteroaa, e um
    cemiterio, e na outra mttade, que fu nail
    xma do continente, est a cidade, formad
    ofinidade de casas, que El esli n I m i i boi
    da d'agua. Os edificio.-, mais considerav<-i.
    asroisquitas, as casas dos )ohci< c- d /.
    hares, o alguas armazens construidos na
    era a marque-I llexa, cada um de menor tamaito que as da se-
    duqueza de la guma ; porera de forma mui differentc ; tem
    ra tridente de ferro, que as torna temiveis.
    Distinguem-se quatro especies de arcos ; os
    mais fracos leni una forca de 70, outros de &0,
    de 90 e de 100 libras ; s arcos de maior peso
    ! apenas serveui para as paradas, ou para cortos
    1 honiens raros de urna torca extraordinaria.
    Para atirar o arco, smente em prega m o in-
    j dex e o polcgar ; este leni um annel de chil're
    ' Je voado, ou de urna especie de esmeralda para .
    os ofllcses. U polegar o o ndex da mao esquer- de coral. Urna das misquilas leni d i
    Idadirigcmo arco : chaina-sea mo esquerda a
    I mo do arco.
    lia sempre um grande concurso deespectado-
    ! res nesses exames, e os mercudoros de cha e de
    viuho quente nao lieixara de traztr para o campo
    ] seus braseiros e cabazes ; soldados de polica,
    i aruiad"s de chicotes, afastam os curiosos indis-
    i cielos.
    O campo do l'an-eh-va, peito de Peking of-
    ; ferece mais variedade nos exercicios.
    No funJo da planicie se v6 a residencia do im-
    perador cercada de varas entraneadas. L'm
    grande umero de soldados de polica rodeia as
    tropas to p e montadas. Esses exercicios con-
    rios, eoutrra tem algaba cousa
    com urna torra.
    que se
    zimbo-
    |
    de
    lia um bazar construido na rocha, onde
    podem achar/otean, tmaras, tabaco, c.ir
    vacca, carntro, aves e alguma- re i seixe.
    Tarabem so encoolraui brtgals, frustos de
    plaa e blndio bamiyah porm sm raros
    legumes.
    Accrescentareraos, aos apontamentos, qae
    mos de aprcsenlar, os que nos foram &>me 11
    por tira nosso amigo e colloborador.
    o rei tivesse que escolher um reino, em vez da
    Se presentemente cu livesse que definir Luiz Franca, escolheria a Corsega. Todava Luiz XV I calices, a satyra pairava de porla em porta en. I sisl'iam em manobras de massa, era equilacao,
    .\V, chama-lo-hia um re enojado. Esse homem reuiava de pareara com a condessa ; a toda a | Paris, e de Paris lomara o seu vo al os mu-! era gjmnaslica. tiros de flexas, de dardos c de
    de nada gostava, nada desejava ; nao acredilava
    que anda restara, cm escapar ao tedio. Rei por direilo divino, re-
    ,1.a, umacond,eao|noiipor,queas9im foi preciso ; porm do poder
    apenas para si reservou a vaidade ; e quanlo a
    autoridade, enlregava-a, ou antes abaudonava-a
    as raaos de quem a quera receber ; lias maos
    do clero, ou das corlezaas. Mudara quasi sem-
    pre de ministro, para variar, com a persuaso in-
    hm.i do 'juom troca um nvatlo cogo por um
    i manco. Repeto-ine tudo o que cu ja sabia,

    de existencia da sociedade: mister j hoje
    mais que urna < ilude negativa, alguma cousa
    I stivo. Reslituamos natureza aquillo que
    nossa imprudciria, ou de nossos passados lhe
    lirou : ensaiemos a arboricultuia noserto, as
    senas, por toda parle.
    No sertiio o planto de corlas ar.ores Ira mais
    de tima vantagera, pois alm dos resultados cli-
    matricos de que fallamos, pode servir de ali-
    mentarn aos gidos no lempo critico.
    Nao ha creador do serto, qua no lempo de
    mais rigor da secca, quando o pasto tem desappa-
    recido, ou eofriquecido, nao recorra a alimenta-
    co da rama para os gados magros. O jo, ca-
    i afstula, feijuo
    i
    a
    le
    alg
    ce
    mo
    i Is acudes lera
    aguada aos animaos,
    abundante de alhmos aquosos, ; por consogum-
    te de saturar de humidade a allimosphera, e
    de crear, e conservar as plautacoes, que so qni-
    zerem lazer em ionio dellt-s, quer para nutricao,
    e bem estar do homem, ou dos animaes, quer
    finalmente para arborisar o terreno ; os acudes,
    repetimos, d svem ser multiplicados em toda pro-
    ' incia.
    partea levava em sua companhia, Compigne,
    Harly, Fontanebleau. as bellas manhas
    do esto, aos primeiros ratos do sol a conduzia
    para ouvir debaixo das sombras ramadss do bos-
    que o myslcrioso gorgeio dos passaros nos rami-
    nhos humedecidos anda pelo orvalho. Bem de-
    pressa dissipou-se o encanto. A condessa de
    Mailly por infeliridade fazia sua irma pariilhar
    dos echo Jivcrllnicntos ; C UHI dia o rei llio dia
    se : Tu me enojas! amo 5 tui irniaa. F. as-
    ros dos jardins de Versalles. Para rtngar a
    honra do mmiarcha, a polica prendeu de urna
    redada alitteraiura suspeila de rimar, c encer-
    rou o poeta Desforges n'uma priso de ferro no
    Mont-Saint-Michel Porm apezar da Bastilha a
    ano coraecava a pensar. Montesquieu tinha j
    na.
    laucas. Em cortos dios ha exercicios de arti-
    Iharia. l-'oi ah que o imperador Tao-gnuanj
    antecessor do imperador actual fez experimen-
    tar urna bocea de fugo porttil de sua invoncao.
    As evoluedes se fazem ao som da trompa nia-
    rinha haylo e do gong ou tam-tam, as torres
    A ilha de Massaonab, situada i a costa da Abj
    sinia 37 de longiludo E. e 15 de lalilude
    N., foi ltimamente cedida Franca. T.m i i
    liba mil metros de comprimento qua
    em sua maior largura. Est BssenUria em un.
    reate cheio do arela, c fomu rom as aalicocias
    da costa visinha um pequeo porto abr,
    lauto mais precioso, quanlo isto rarissimo i i
    mar vermelho. O ancoradour.. que fl ., i OSO
    de fcil accesso.e os maiores baixios -o de '.' i l
    levantado o veo do despotismo, Vollare o tinho qie estao no raeioeeih redor do campo das ma-
    arruncddo, e Rosseau o tinhi despedacado. Fi- nobras sao desiinadas para os signaes que se ta- i bragas (cerca de 17 i 19 metros). Ha ; le
    tiaimci.tu d'Arxenson baria descofierto'o segre- zem com bandeiras. annos a fragata de primeira ordem Jonnnn i
    diia elle de um novo ministro ; prometteu- sim fui.
    '.< mo maravilhas, porm fai o mesmo que o seu : A irma mais moca exigi o desterro da mais
    antecessor. velha ; o rei assignou immediatamente a ordem
    Se por accaso o parlamento lhe diriga qual- | competente. Assim puna elle a affeica.0 da ves-
    quer observaco, ou recusava-lhe o registo de al-1 pera para obsequiar do dia seguinte,'e prestara
    gura edito, enlao senta subit-lhe an cerebro um | a sua assignatura regla para um acto de vinganga
    I do da verdadeira poltica : l'ara governar me-
    \lhor f precito governar menos. Ouvia-se j um
    ' rumor distante como da mar* que enche : era a
    revoluco queso aproxiraava
    Muito antes de Rosseau, d'Argenson a tinha
    percibido no horisoute. A anarchia arenca a
    passos largos,
    Em cortos exercicios o iutervallo ntreos sons
    do tam-tam ou da Irombela apenas o que per-
    nilte o raoviracnto da respiracao.
    A divisao dos soldados de sabr e de escudo
    se parle de cinco em cinco, logo quo se faz ou-
    vir o primero som do fo ou do gong, ao segun-
    do som so esconden) um debaixo do escudo do
    outro ; se chama esta manobra
    ah fuudcoti. Mais de sessenl i navios pe
    de cabotagera com a lota.au de (0 su i
    das pouco mais ou menos, ah se abrigan
    modamente.
    A lha de Massaouah, todava, lean em
    aspecto. A agua m ; porera do outro lado di
    baha ha excellente. Apezar di exigidad.:
    v:'iilagem
    "
    o prestar, imuava era sua opposico. O re bocejava a cs-
    a evaporacao (a noticia. Islo me enja diza elle ; e co-
    mo d'anles deixava marchar o estado.
    Que lhe iraportava a guerra ou a paz ? Fazia
    a primeira por capricho, e a segunda por inspira-
    cao do accaso. O imperador da Austria raorreu
    sem deixar herdeiro *dirccto que o succedesse.
    Luiz XV linha assignado e jurado a pragmtica,
    que assegurava Mara Thereza a successo do
    imperio. Houvesse o que houvcsse, elle devia
    no lempo competente honrar a sua assignatura
    Sabem is apenas d senador Paula Pessoa,
    um dos mais ntelligenles creadores da provin-
    cia, que cm algumas de suas fazendas tem
    lado a plantacaode algumas arvoies.
    FOiLlIKTIM.
    pouco depois le-la duqu
    Mandou construir para ella o palacio de Uellc-
    vue, o par si mesmo ao lado do palacio urna
    casinha assim denominada, e que o povo da sua
    parte appellidottO Nicho da Fiel.-
    Se o rei dava o excmplo, sua corlo melhor o
    segua. Isto j nao galanteio, diz d'Argen-
    son, urna orgia. L'in homem casava-se com
    urna raulher de alta liuhagem, nicamente para
    dar-lhe o seu nome, e fumar a sua fortuna, como
    enlao se dizia ent linguagem aristocrtica. As-
    signado que fosse o contracto, cada qual eolrava
    porm linha urna filliaprinceza de Parmaquo I no gozo da sua independencia o direilo natural.
    um
    SEBO JJSSAD0 NO DUTRO iHUNOO-
    I'OH
    le;\ gozlacV..
    i.
    llri.
    quera harmonisar com a Lombardia. Quando a
    ten-1 Austria jnvocou a fjurada.LuizXV fez-se sordo.
    I A Prussia se armnu contra Maria Thereza. A Eu-
    Pelo geito, senhor, crcio que se nao di-
    vertc muito sob o bello eco de Rrighton.?
    O incu rosto muito mcuos rsonlio respondeu-
    Ihe sem duvida ;
    Ah nao me div'.rlo nada em Briglilon a-
    pc/ar do seu bello co !
    Tocado da minha profunda melancola dsse-
    iii". o joven Ilobbinol.
    Agradar-lho-ha, senhor, assistr a urna
    ' scsso magna do espiritismo ?
    Pullci de alegra essa proposicao.
    Quando lera iugai essa sessao magna ?pcr-
    gunlaram-lhe a minha bocea, olhos, todos os
    meus sontidus ao mesmo lempo que cntreviam
    una laboa de salvaco no naufragio da minha
    noite.
    Esla noite, respondeu-mc o aojo Hobbi-
    O marido tiuha sua morada n'um suburbio, a
    mulher habitava em outro distante ; 8 por tima
    convence o tacita, o marido devia respeilar, sob
    dellassahir na primeira occasio armada de to-
    das as pecas. Talvez a revoluco se opon: com
    menos contestares do que se pense. Nao ser
    ' preciso nem principe de sangue, Lem grandes,
    nem fanatismo religioso. Tudo se concluir
    por acclaroacco, como os Papas se clegem ol-
    gumas vezes. Presentemente todas as elasses
    < se achara desconlenles. Por toda a parle exis-
    (em materias "combusliveis. De urna commo-
    eo se pode passar revolta, da revolla a una
    revoluco total ; pode-so cleger verdadeiros
    tribunos do povo, coDselhos, comicios, c pri-
    var o rei e seus ministros do excessivo poder
    de fazer mal.
    Muito pertiuho daqui ; no club dos jovens
    Franc Macons.
    [F.ugiae Pclletan.Sil ceira )
    ordenadas pela Iheoria. que nao admiti em lo-
    dos os casos, felizmente para es Chinczes, una
    ordem profunda.
    Depois de um novo toque de hay-lo, os cinco
    tigres prestes a sahir floresia se transformara
    em cinco flores, de maihoa janeando a Ierra,
    isto esses soldados se deitara com o ventre
    para baixo afim de sorprchenderem o inimigo ;
    parecem-se nossa posico com llores de neiiupliar
    semeadas lona d'agua Kai-hoa '. A um novo
    sigiial os cinco tigres o as cinco llores rcuucni-
    se para compor a ligera dos dez que occultain a
    face aira: dos escudos, gne os abrigan ; depois
    ao ultimo signal ioda divsijo forma uu quadihidn
    au'.earador com os sabres erguidos e os corpos
    CObertos pelos escudos. Este genero de tropa
    cnnnicto martimo, offereceria maior importancia
    |do que a ilha de Pern. Os habitantes
    .iione e al.vssinia, sao cxcelli-ntes cari,
    e hons marinhoros. A cidade pode t,r
    mil habitantes, arabos doout.o lado do no I
    no, Parsis da India, que viren do comisen
    coral.
    V-so por estes apontamentos, do que q
    toncia ser a oceupacao da >lha 1. Mas
    para incremento do commercio francez no mai
    vermelho. E' digno de aprero a i
    tomou o governo do imperader d
    ilha una estacao naval, qu
    mercio um ponto d
    envolviraenlo tornara necessario.
    (llluslration-ilarchal [de l.uni!!e,A. I.
    Cl :
    que para n aso
    apn-o, que o seu futuro I
    Pouco cousa, pelo menos, pouca cousa.
    Muito pouca, senhor Hobbinol. E ser n,i-
    Pois vamos ao club dos jovens Frana-Ma- ra a cidade de Brighton urna gloria grande e par-
    S0,'.s-. ticular ter posto o hornera a lao pequea distan-
    Sahtraos. ltcspirei. O manto de chumbo da ca do Creador pelo meio novo do espiritismo.
    noite despegava-se dos meus hombros I Ainda sem duvida, meu chaio senhor, por cans dessa
    que o ar fosse rnuito fro e mesmo por momen- l evocacBo dos estdrilos obtida era casa
    los tivesse seu bocadinho de graniso, ne\e e nao | sesses dadas no club
    tell gencia brilhava no interior, r cssa lena bas-
    tado, mesmo quando o salan neo fosse illumiua-
    ghl in nao l das ridades mais ilirerlidas
    principalm 'itle pelo invern, bem que os Ingle-
    jes em iim enlhusiasmo lyrico, que nao part
    lhado geralmente, (hamom-na a perola Ja an-
    cha. Eu eslava na concha dessa perola, ha
    quasi dous mezas, era um dia muito aborrecido 'no!
    ventoso, c borrif do por tima duna glacial, cui- A que horas ?
    huido cora o terror de um parisiense a que dis- D'aqui a pouco
    traccio retorrena para passar a noite, ou o quo En'ao parlamos
    representa o se rao ; o formidavol intet vallo col- Eu j linha sabido do mcu lugar e dirigia-me
    locada como um nbysmo entre as sote horas e a para a porta
    meia noite. Depois de fer Marinado para esse Espete,'o senhor nao oslado casaca preta
    fim muitos projectos dlflccis. inauditos, como ncm de grvala branca, observou-me Ifobbiol
    por excmplo, o do por I go era Bngthon e di- deluidu-me.
    xertir-me >m v-la arder, tinha-mc sentado na
    sala inferior da hospedara, ao pede um fogSo Fcrdo 1 meu charo senhor. Evcrdadeti-
    monumenlal forjado em Hanchester e percorria nll(1 csTH'clJo T)e o eslava de casaca preta
    com os olhos lnguidos de aborrecimento e de "ern. du 8rayata branca. Mil vezes perdao !
    um Bomno prematuro, um velho volumc de poc- Ninguem ignora hoje que muito poucos luga-
    sias inglezas de Shenstone o Sulgamentu de res h" na ,n?la,ffa, principalmente as cidades
    Hercules. Esse volume de outro seculo offerc- de seSunua ordem, que exagerara at a extrava-
    cia, em seu exterior anliquado, as feicocs da'8anf!l os usos e as niodas, em que qualquer se
    Costnteira bwrgueza. F.xhalava um cnciro de a,rev0 a apresentar-se sem essas duas condices
    plum-pudding muito caraclcrisado, mas onde, I f'g"'080? do traje. Nalnglalcrravai-se comer ma
    devo diz-lo sera querer deshonrar sua caduci- I batata n'uma taverna, veste-se urna casaca pre-
    dade, don inava muito mais a gordura do que a
    uva de Corintho ou o rluim.
    A nobre lula de Hercules entre o vicio e a
    rirludc, n) meio da manteiga de porco nao me
    desagradara. A minha imaginario c os meus
    sentidos collocavam-mc como ao* bravo Hercu-
    les, em urna hesitaco potica e material.
    Ora o plum-pudding nrrancava-me poesa,
    era o vicio, ora a poesa nrrebalava-mo. doce-
    mente s sedueces sonhadas do plum pudding,
    ora avirtudc, mas erara sete horas ; cram ape-
    nas sete horas 1 e tratava-ae de chegar vivo As
    fronteras longinquas da meia noite. Era urna
    illuso contar com o poema do Shenslonc para
    deitar at l. Hercules mesmo uo teria tido
    osse orgnlho. Derrolou muitos monslros; mas
    desafio-o ,i que renca sosinho uraa noilede in-
    vern era Brighton. *
    O que seria de mim, meu Dos ? o que seria
    de mira ?
    Nesse momento supremo de anciedade, sent
    locarem-me familiarmente no hombro ; rirci a-
    cabeca e o roslo rsonho e louro do filho do do-
    no dn hospedara pareceu dizer-me :
    la e poe-so urna grvala br*nca ; na Inglaterra
    vai um sujeilo afogar-se no Tamisa e para sui-
    cidar-se convcnientemenle, enverga-se a casaca
    preta e ota-sc a grvala branca. Os condr-mna-
    dos sao enforcados de casaca preta, c para pas-
    sar-lhes a corda no pescoeo, o carrasco lira-lhes
    a grvala branca.
    Corr a conformar-rac ao uso inglz ; d'ahi a
    pouco voltei no rigor.
    A proposito, disse-me o joven Hobbinol fi-
    lho do mcu cstalajadeiro Thomaz Hobbinol, sabe
    o senhor o que u espiritismo, o que uraa ses-
    sao do espiritismo ?
    Nao, mas que importa...
    Com tanto que passe a noilo .
    O reslo pouco se rae d !
    A minha ignorancia confundi o meu interlo-
    cutor.
    Enlao nao conhecc o espiritismo em Fran-
    ca? Enocnlanto dizem que ella lao llus-
    trada I
    Devemosconhece-lo ; mas em todo o caso
    o senhor m'o far. conhecer levando-me a ses-
    sao. Onde ella ?
    sei que mais que penctrava a pello como nn-
    llics de agulhas, a noite parcecu-me deliciosa,
    agora que nao tinha que medir-mo com a sua
    tcrrivel maca Pareceu-me urna noite de ap-
    les. Eu j ia cora o nariz azul.
    Percorreraos muitas ras formadas de palacios
    grandes e mageslosos. na verdade, como os de
    Cenova e de Florenra, antes dechegarmos ra
    perdida no lahyrintho de ras cm que se eleva o
    club dos jovens Franc-Macons. Foi nesse tra-
    jelo, atravz desses pomposos bairros Ilumina-
    dos por urna luz melhor destribuida, segundo me
    pareceu do que o gaz no nosso Paris, que M.
    HUbinol filho disse-me ;
    O magnetismo, como o senhor sabe, foi
    desthronado pelas mesas gyrantes, as mesas gy-
    ranles pelos espirilos batedores, ou siraplesmen-
    te pelos espirilos, porque clles nem sempre ba-
    tcm. Pois bem, senhor, conduzo-o neste passo
    a uin lugar, em que vem, por urna ventado so-
    berana, espirilos, senhor, espirilos de todos os
    secttlos, de lodos os paizes, de todas as quali-
    dades.
    Tambera tenho isso era Franca, disse eu
    cora os meus boles, mas nao o disse ao meu
    guia, com medo de esfriar-lhe o gelo, com medo
    principalmente que nao voltasse comigo para a
    hospedara.
    Nao, senhor, nem sempre batem ; vem sem
    fazer barulho, do fundo do paraizo ou do inferno
    quando os chamara com convieco, quando os
    cyocam, para melhor dizer ; porque ha evoca-
    o como ha de ver. Sim, senhor, ha evocacao.
    Se na queslao dos espirilos eu nao eratao ig-
    norante como rao linha fingido, lodat a nfto es-
    lava l muito ao facto de sua apparifao. Em
    Paris nunca a curiosidade me tinha levado aos
    salesem que no invern passado se faziam es-
    ses exercicios. E por isso exclamei com algum
    com algum accento de verdade ;
    Pois de veras! afianca-me que vou ver tu-
    do isso, senhor Hobbinol ?"
    Sim, senhor, dianle de tres ou quatro mil
    gentlemans e suas esposas evocar-se-ha tal ou tal
    espirito, o espirito que quizerera, o que o senhor
    quizer mesmo ; porque se desoja designar algum
    a que lenha mais particular affecao... Emfim ve-
    r! Ah o espiritismo o espiritismo !
    Sim o espiritismo, senhor Hobbinol, o ul-
    timo termo do genio humano, si, como diz....
    E' como lh'o digo.
    D'ahi a ver Dos como o eslou vendo, nao
    ha mais uad.
    quo as
    a que ueste momento rae
    faz o obsequio de levar, tem tomado o nome ge-
    nrico de sessoes do espiritismo ?
    Sim. senhor; c esla noite, como se tives-
    se m previsto de t-lo presente, ha scsso- magua
    Jo espiritismo, a lerceira desla estacao.
    Sempre sou um homem muito "feliz!
    A sala Iluminada a giorno, como o thea-
    Iro da raiitha, cm Londres, nos dias ae grande
    gala. O presidenteveja l como o senhor .>-
    liz! o presidente es'.a noite por ordina-
    o.Sr.Arthur Daniel, e por extraordinario o
    mais desesperados (Iluminadores. \ sala do i ib
    dos Jovtns-Franc-Mdcons era u na f. rnalha
    do a giorno como me tinha aununciado llobbi- espelho de Archimedes rdante de raas e i
    nol. Nao s estar illuminada desse modo, co- mas. Mais um bocadinho de luz c rer-s
    mo cruio mesmo que ngiorna era produzidocm pelos muidos; os olhos nao cram mais suffirien
    grande parle por correles do luz elctrica ; ca- les. Admirar-se-ha um pouco menos rasa i
    ridade resplendente, poreiapntroz, infame e o essa ferocidade na dispensacio da ra
    epilheto anda e muito brando, claridade que cu disser quehavia premeditadme calculo'
    lera a ultima palavra da vista das ge-
    nadas a Rozar desse beneficio mortfero. i sessao, o gaz lornou-se lamb
    claridade que eu disser que havia premedi'tadio e
    eraces desti-! exgeraco do itlurainacio. fenj
    miuas a kuji uimi: uvncmiu niioiforn, sessao, o gaz toniou-sc. lambe.n actor*
    Como havia mullido na entrada do club, apro- una parte intelligente as peripecias varia |
    veileia demora quo tivetnos, da rea porta do noite. A luz foi sombra ou branda, s< tui
    as abrio-s<
    actor :
    o Sr. Ralph de Ralph. Que se-
    no.
    seu Mdium
    rao!
    Nada lhe faltar!
    Sr. Arthur Daniel ?...
    O primero, o mais forte dos evocadorescs-
    pirilicos.
    I! oSr. Ralph de Ralph?
    O tei dos mdium ; est cima do mdium
    americano, que ora precisa de
    salao, para perguniar, cora loda a cau'lella, ao
    meu joven amigo, se acreditara seriamente nu
    espiritismo. M. Hobbinol um mancebo de vinte
    anuos, que devra ser menos crdulo que qual-
    quc outro, por causa da profiss.o de sen pai,
    dono de urna hospedara a que aflluem os mam
    jos, os viajarles, su jeitos de ordinario, muitu
    vollairianose muito scepticos.
    Mas M. Hobbinol pareeeu-nic sob a influencia
    tempotaa de um pnmeiro amor, e quem ama
    carcter lerno ou terrivel da evoca
    Foi-me ficil coraprehender, pelo" bamlho
    ia na sala, que a maior parte dos especia,!
    antes de virem para a sessao tinham subm<
    as memorias a unta preparaco mm-raonic
    da um delles la o relia tirinias de papel i
    municadas, depois aos vizinhos que conii
    tambera as suas tirinhas. Era algumas
    rinhas abertasaa mcu alcance, li non
    eos. Aristteles, Theophrssl... Archimedes
    pela primeira vez tem f absoluta em "tudo; usa-1 havia duvida que esses nomes desenrolados i I
    se de oculos cor do rosa. Parecen-mc que o bom : r(,ita e a esquerda, dianle de mim, seriara diri
    mancebo nao punha cm duvida a realidade do'"
    espiritismo, palavra que pronunciara modain-
    gleza, supprimindo oo final spiritism e
    de, ora do se achar era corlas disposices nervo-
    sas para se por era coramtinicac".o com os espi-
    eslarde boa saj-j triplicando o ralor euphoncodom^-espirilism-
    '' Htm. C quando urna palana pronunciada assim
    lorna-sc urna profissao de f.
    Se crcio no espiritismmm .'
    E como nao
    ritos. O Sr. Ralph de Ralph est sempre promp-
    lo para communicar. Communica. como cu e o acreditara? Fui testemunha da evocacao de So-
    senhorcoraemos c bebemos. Sonta-se ao pe da Ion, de Mtlhridales, do ama Pompilio, de Bv-
    sua mesa, com a perna estcndida sobre o tpele ron. de Cannng, de lord Casllreagh, de Dogencs
    e a testa descoberta. OSr. Ralph de Ralph tem de Scrates, de Asnasia, de Pope, de Hciades
    tima testa soberba, cora os ollios lixos, a mo ar-ldc Sheridax e de Fox.
    mada de um lapis ou de urna penna... Porm o
    Sr. ver!
    Eu interrompi-o.
    S tenho um reccio. O lempo est to mo liccnca...
    Enlao o que ? pe-lhc duvida ?
    O que entende pela evocacao das grandes
    persooagens que acaba de ctar-me ? Estimara
    bem saber, antes de entrar, isso como ...
    Pois bem entendo por evoca.\to... que o
    presidente espirilico os clumou dianle de mim
    boj
    O que quo lem o lempo? perguntou-me
    Hobbinol, um pouco sorprendido do inesperado da
    obs;uridafle da objecro.
    Entao nao recei que a humidade seja um
    obstculo evocacao dos espirilos? Alguns sao
    bem volhos... Os rheumatismos, as paralysias...' do fundo da sua poltrona,
    os defluxos... E viciara?
    Hobbinol respondeu-rae gravemente: 1 Se vieram...
    Esquece ento que os espirilos nao Irm Era carne eosso, de borzeguins c de cabel-
    corpo, e por conseguinle nao tem idade ora en-1 leiras?
    fermidades? I Nao insist para ter rcsposla ultima pergun-
    Tem carradas di- razo!... Ora o que quer?' ta ; entrevamos emfim na sala das sesses e eslou to pouco acostumado a essas alias espe-1 rilicas, cheia j de espectadores, ouvintcs
    gidos ao presidente para que evocasse i
    nagens que outr'ora os tinham. Para ronfirmai
    me nessi opinio, nos bancos circularam loi
    tes de oulros nomes. Cada bocea mormurara o
    seu.
    Todos esses murmurios formaran um tui
    do de que se deslaca vara de tempes cm lea
    os nomes classiros de Horacio, de Calullo !
    QuinliliaiKi, dePlinio.dc Apicio. de Wgcci de
    Procopio, de Avicena, de Tbomaz Berkit, de Ro-
    gerio Bacon, do Machiavcl, de Shakspear
    Gibbon, de. Rlackstoue, etc.
    Dir-sc-hia una biographia universal esa csla-
    Cora liccnca, mcu charo Sr. Hobbinol, com '' ''" embriaguez, dentando cahir no 11 io laaV *
    os ii mes f-roprioa de suas columnas atiabadas
    unta orgia bk'gtaphica.
    Os homens t mulhrres da assembla sataraa
    todos mettidos na historia. Conhece-ae a lesai-
    vel erudicodaa mulheres ingUis, sua raiva de
    saber tudo, sua curiosidade qu?si medical ( m
    todas as cousas c chamo-a assim, t.':o indiscr, la
    . Qual a criada irlandeza que nao sabe seu
    bocado de latim e de grego? Mas nao saiames do
    nosso assun'pto.
    En eslremecia pelo outro mundo por causa do
    incommodo consideravel que lhe iam causar cm
    Brighton, evocando tamaita quintidade de es-
    pirilos. Que mudanca! que atrapalha^ao! Isau
    fez com que eu me deixasse de certo projecto de
    culacesdaintelligenca... Desculpe-me. foi es-! fiis, cm numero verdadeiramente prodidoso cvocaeaoque esta a meditando no nieu* canti-
    tupido da minha parte... Com eflcito foi boa idea!' para o prazer, na minha opinio um poucopro- nl,- Ku linna ,a'nbcm a evocar alguns espri
    espirilos irem asesso magna do espiritismo de blematico, que lhe era promoltido. A fallar ver-'los- Tl1avis *" comigo, s evocarci ura.
    Rrighton com socos, chapeo do chuva e capote.' dade, s havia dous lugares vazios- a poltrona Mas fez-se silencio ; cessarara es ra.czinho*
    Sempre sou muito simplorio, palavra do honra a til celeste do presidente e a poltrona vermelho
    Tinhamos chegado porla do club dos Jovens cor de fogo do mdium. Conhece-sc a mancira
    Franc-Macons, cija fachada nao me pareceu incandescente com que os Inglezcs iluminam as
    muro ricamente illuminada. Porm o luz da in-' suas reuuijcs; depois dos Americanos sao os
    Mas fez-se silencio ; cessarara
    do circular.
    O Sr. presidente era intrrrluiido.
    [Covtinnar-se-ha).
    PERN. Ti-p. DEM. F. DL i AlUA.-l^"