<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/08926
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Saturday, December 31, 1859
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:08926

Full Text
AUNO IXXY. SOMERO 300,
Por lies mezes adiantados 5$0O0.
Por tres mjes vencidos 6$o00.
SABBADO 31 DE DEZEMBRO DE !859.
Por anno arianlado 15)$000.
Porte franco para o subscriptor.
i
p
ENCARREGAD03 DA SBSCR1PCA O DO NORTE.
Parahiba, o Sr. Joo Rodolpho Gomos ; Nalal,
o Sr. Antonio Marques da Silva ; Aracaly, oSr.A.
de Lanos Brag; Cear, oSr. J. Jos de Oliveira
Maranho, o Sr. Manoel Jos Marlins Ribeiro
Moraes Jnior; Para, o Sr. Justino J. nomos;
Amazonas,o Sr. Jerouvmo da Costa.
1'AlilllJA iXS cOKKtlus-
Olnda lodos os dias as O 1/2 horas do da.
Iguarass, Goianna o Parahiba as segundas e
sextas feiras.
S. Afilio, Bezerros, Boni'o, Caruar, Altinhoe
Garanhuns as Ierras feiras.
To d'Alho, Nazweih, Limoeiro, Brejo, Pos-
queira, Ingazoira, Flores, Villa Bella, Boa-Vista,
Ouricury e L.\ as quartas-feiras.
Cabo, Sernhem, Itiu Formoso. Una, Barreos,
Agua Pela, Pmeuteiras o Nalal quintas feiras.
(Todos oseiirreios partem as HHioras da manha.)
AUDIENCIAS DOSTRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commercio: segundas e quintas.
Relajo r trras feiras e sabbados.
Fazenda: trras, quintas e sabbados as 10 horas.
Juizo do commercio: quintas ao meiodia.
Dito de orphos: Ierras e sextas as 10 horas.
Primcira varadocivel: tercas e sextas ao meio dia
Segunda vara do civel: quartas e sabbados ao
meio dia.
EXTERIOR.
CURUi:.SPU.\DK\ClVS DO DIARIO
DE I'KHVVvlIU l O.
HiimburKH T de Dezembr te 185.
O anno choga-so ao sen Km, e fnalmcnie so
podo ao menos annuuciar urna prime-ira conclu-
sa.) do drama, que comeeou rom a fall quo o
imperador Napoleo dirigiu ao ministro austraco
eru Pars, o Sr. do Huebrier, no Io de Janeiro
de-te auno que era pou o se achara deeorrido.
No dia 11 de novembro leve lugar em Zurich
a assigiiatura dos tres tratados de paz, de que j
faltamos na nossa ultima, e nos ltimos das do
mesmo rae/, focara trocadas as competentes rati-
licares. Presentemente se publiciram todos
t-sse, tratados. Nao os dimos em segu ment
portee isso competir aos correspondentes de
Pars ; com ludo se nos permittir de chamar a
atlenjio dos nosso- leilores sobre um ponto n'es-
s;s Tratados. \ SarJenha era no Tratado sar-
do-franco, nem no sardo-franco-auslriaro se
eulend >u de lomar sobre si quasquer obriga-
Ce* respoito das questoes geraes da Italia
central, mas sim se reserrou n'isso completa-
mente-no livre. Todas as doterminaroes dos
preliminares da paz de Villa-franca acerca da
restaurado dos duque* italianos da formajio
d una confeJorajo italiana, e da conservacaoda
iutegriJide do territorio Pjntilico, de bafde se
procurara no instrumcnlo de paz, signado pela
Sardenha. Em lugar d'isso as ditas dclermina-
coes se acham exclusivamente no Tratado fran-
eo-auslreo. Kl Rei Vi lar Emmanucl, por con-
seguate, s adher i s condijees de paz mi
tanto, que pelas mesen as Ihe flcasse garantida a
.acquisieo di Lorabardia ; c tolos os esforcos da
diplomacia austraca para lhe impr outras obri-
gajoes restrictivas foram sem etroiio. As con-
veniencias nao apresentara duvida. A Sarde-
nha, a petar da paz de Zurich se acha na pozi-
Cio de oppor-se abertamente no congresso con7
ira a execucu dos preliminares de paz na Ita-
lia central etc., e os esforcos nacinaes aos ita-
lianos, contraros a esses preliminares toro como
ate agora na pessoa de El Rei Vctor Emuianuel
o seu propugnador. Mas com isso se elevaram
embanco* e dilliculdades, como nao podera sor
najares, contra o regularaento das relajees ita-
lianas pela maneira encarada pela Austria no dia
de Villafranca, e que em todo o caso decidi es-
sencialmente o imperador Francisco Jos para
atceitnr a paz do mesmo dia, c est bem claro
que em Vie.nna nao se considera a paz de Zuri-
ch como un resultado, e por isso j se ante-
cipa o congresso com grandes receios. Mas o
gabinete Austraco tambem d'outro lado lem
pouro motivo para depositar grande conlanja
no congresso. Durante algura lempo se poda
anda nutrir esperanza deque a animosi la Je
cada vez raaior enire .i Franca e a Inglaterra le-
jana essa ultima a urna a'llianra to intima
torno possivel cora a Austria, asegurando a essa
Ultima urna poziro favoravel no congresso.
Mas tambem essa esperanea se moslrou va. A
irritaran entre a Franca c*a Inglaterra verda-
de que exist*, o ameajava de tomar sempro
rnaiores dimenses. E sim n'ura momento pa-
reca que a guerra ia romper entre essas duas l
Potencias. Parece porem que finalmente a fir-
meza do ministerio inglez, juntamente com o
spirilo guerreiro, que a mauifesloii no povo in-
gles influa sobre a poltica francesa.
Talvez que o imperador Napoleo tamben
comprehendesse, que urna guerra com a Ingla-
terra visto a directo anti-napoleonsta do es-
pirito publico na Allemanha, loria raui prova-
velmenle por consequeneia tambem urna guerra
com essa ultima, ao mesmo lempo que da Rus-
na nao seria de esperar mnis do que um :>roee-
limento neutro, c a allianea com a Austria por
causa do profundo eslado de ruina das suas -
nanjas, s poderia preslar um mui fraco soccor-
ro. Em liin, a allianea franco-ingleza se resta-
blecen de novo. A intimidado das relajos
Taquera e d'alcm do Canal se tornou de cada
as condices, de que a Inglaterra fazia depen-
dente a da entrada no congresso.
As eondicocs da Inglaterra se acham porem
era diiecia contradicho s intencesda Austria,
exigindo, que o congresso debaixo do todas as
circumslancias nao ponha embaraco livre
necio do povo italiano. A Inglaterra por isso
entra no congresso como adversario manifestado
da Austria, e esta nao pode contar com um apoio
Offcetivo da Franca contra a Inglaterra.
A poziro da Russia e da Prussia anda nao
st to clarimento designada ; essas duas Po-
tencias tambem reconhecem a necessidado de
tomar em consideradora as circumslancias, os
desejos do povo italiano, e os tactos consura-
Jiiados, e assim se acham mais do lado da In-
glaterra, do que do da Austria.
O Congresso ao resto nao se reunir anda ues-
te auno. Ao p
rava no dia I"
quencia das negOciacSes entre a Franca e a Aus-
tria, e finalmente tambem por causa de certos
acontecimentos na Italia, do quo j vamos fil-
iar, h convocaeo se relardou de maneira queso
no fim de novembro se poderam expedir de Pa-
rs os respectivos convites, e por isso parece que
: o principio do anno prximo futuro que fui li-
xado para a abertura do congresso. Alera das
lirandes potencias e dos estados italianos, a Sar-
denha, Estados Ponlilicos c aples, tomaram
tambera parte no congresso, como assignanles
dos tratados de 1815, os gabinetes de Madrid,
Lisboa e Stockolmo.
Fallamos de crios acontecimentos na Italia,
que demoraran) a chamada do congresso por al-
guns dias. Desde o principio de sua prsenle
posico, os docados da Italia central e a Ro-
tnagna trabalharam incanjavelmente pela anne-
xaclo Sardenha, para torna-la um fado con-
summado, c assim obrigar a linal leciso da di-
plomacia europea. Tudo se reformou nos ditos
pases segundo o modelo da Sardenha, o gover-
iio foi dirigido em lime d'el-rei Vctor Emma-
nuel, as armas da Sardenha se adoplaram como
ormasdo estado. ApproximanJo-se o congresso
se julgou devo r ir anda mais para a liante, e as
assemblas nacivnaes em Panua, To'eana, Mo-
dena e na Romagna, un.inememenle resolveram
;i inslitniro de una regencia em nomo d'el-rei
Victor Emmanuel para lodos esses pases, entre
Kando a regencia ao ir.-no d'el-rei. o principe
do Carignan. Se essa determinado se exetu-
tasse, a anncsaja.o era lamben como um fado
consummado, c o congresso apenas teria lilo
mira cousa a fazer do que simplesuieiile regis-
trar esse fado. Entretanto a paz de Zurich nao
se achara anda ratificada, e a Austria moaga-
va, no caso em que a Franca nao impedase a
acceilajio da regencia de p'arte do principe de
Carignan, de recusar a sua ralineajao. Do ou-
tro lado, o decidido pmcediniento'dos estados
Centro Italianos nao era de acedrdo com os pla-
nos do imperador Napolcio, e de P.aris se expe-
da ao gallineto sardo urna admoeataco mui
enrgica contra a acceilacao da regencia.
A Sardenha ceden, mas smenle em tanto que
o principe, s"m recusar direclamonle a acceila-
<;5o da reg.ima, se declarou impedido de se cn-
carregar^an execujo das funreoes qie a mesma
lhe iinpunha, designando na pesso do com-
mendador Buoncompagni um pro-rcgenle para
os italianos contraes, gssa mi'la cedencia na-
turalmente de nenhum modo salisfez os homens
em. Vienna ; tambem em Pars ella o agradou
muio, mas a Inglaterra apoiou o procedimento
da Sardenha e censeguio que a Franca deixassc
passar a pro-reg.Tn'-ia de BOOQCOmpagni. Isso
*v .v.?.^ unv 3U ivuiuiti iiuiua HV3-
principio a sua abertura so espe-
15 do dezembro, mas em conse-
eausoo a uaaiur aiiiniosidade em Vu.'iina, b .i Aus-
tria mostrou-se inclinada a oppor-se ao congrsso.
Tambem essa nova resitencia devia-se vencer
antes de se poder convocar o congresso, e isso
se conspguiu, assegurando o imperador Napoleiio
jiic a pro-regencia de Uuoncompagni em nada
prejudicaria as decisoes do congresso, e s linha
por lim de cuidar na sustentaco da ordem e
tranquillidade na Italia centra!."
Quando expedimos a nossa ultima correspon-
dencia, toda a Alexandria esteve Tazondo os pre-
paratorios para festejar o centesimo anniversario
do grande poeta Frederico Schiller, nascido em
9 de novembro de 1759. En nenhum pas do
mundo nanea anda se fostejou una fesla to
imposantev e nao seria possivel descrever a gran-
deza, a brilhanca e o "nthusiasmo geral cora
que o povo allemo celourou a memoria do seu
grande poeta nacional.
U movimciilo nacional na Allemanha a favor
d'ura estado federal sob a direccao da Prussia se
eslende rada da mais, al mesmo para o sul da
Allemanha, onde ate agora linha ganho pouco
lerrenc. A coramisso nomeada na asseinblca
patritica de Francfoit para dirigir o partido na-
cional, tomou a sua sede definitiva em Coburgo,
o lerminou a sua organisajio.
O partido opposto a essas manifestajdoa na-
cionaes, cojo interesse a conservarlo da pr-
senle ligad'est idos,bem longede se conservar in-
activo, desenvohea maior actividade. A' sua tes-
ta s'> acham os governosda Haviera, da Saxonia,
de Wurlemiierg, de Itesse-Darnisiad, de Naus-
sau o de Melcleroburgo-Scficverein, e ella c
apoiada pela Austria, a qual deixa a iniciativa
aos pequeos estados, e se colloca como reserva
O plano desso partido combaler os esforeos de
reforma da Prussia na Dieta allema. Os meios
formaos para isso olTerece a constituijio da Die-
ta, que concede aos estados pequeos e media-
nos a maioria do votos para decisoes em nego-
cios federaes. Por isso s basta um entendi-
inenlo compacto desses estados, e a maioria con-
tra a Prussia na Dieta tica decidida urna vez pa-
ra sempre.
A primeira tentativa para essa reunio, lave
lugar em urna conferencia era Munich no mez
de oulubro >!" que seu lempo fallamos. Desde
2 at 2s de novembro urna segunda conferen-
cia se linha reunido em Wurtburg, para convir
ora dill'ereules proposlas fizer juntamente na
Dieta, depois de liaver assegurado a approvago
da Austria. Nessa conferencia tomaram parle os
ministros de Baviera, Saxonia, Niwlemberg, lles-
se, Uucklemburgo, Nassau, Altemburgo e Hei-
ningen, e segundo se diz se conseguio um acedr-
do peral. Naturalmente se espera agora com im-
paciencia de saber de que mojo a Prussia pro-
ceder a esse respeilo. Em todo o caso a Prussia
lera de seu lido a parle preponderante da opi-
uio publica, e se ella entender de estrellar mais
inteiramentc essa allianea com a opinio publi-
ca, o xito final do combate sem duvida se tor-
nar em seu favor.
estado de saude d'el-rei da Prussia, que ora
lins de novembro se linha melhorado sensivel-
raente, peio'ou de repente nos ultiraos dias, de
sorle que ficou adiado o plano di- transportar o
Augusto Padecenle para o Sul da Inglaterra, on-
de, devia passar o invern.
V. retirada do ministro da guerra, o general de
Bonin, do gabinete de Bcrliui causou multa sor-
preza, e j i se f.iziam mui las comuinaces poli-
ticas ; o negocio porem su eselareceu logo, o gc-
neial de Bonin se relirou era coasequencia de
urna queslao puramente militar, referindo-sc
nova organisajao do eiercilo prussiano.
As noticias da Austria nao sao satisfactorias.
Em loJa a parte do impeiio se augmenta um
espirito descontente, e sobretudo na Hungra ;
tambem nos paizes allemiies, especialmente na
Si}ra c no Tyrol o espirito muitu hostil ao
govurno. O que mais pesa triste estado finan-
ceiro, e a completa falta de confianca, o parees
que emquanlo o governo nao romper com o
systema seguido at hoje, nunca remediar o
mal.
Na Dinamarca o gabinete Hall se relirou no dia
l. do eorrenle, e fui substituido por um oulro
sob a presidencia do Chambellan RoUcvitt. Os
raembros do novo gabinete sao genio quasi toda
dosconhecida ; nao se enconlra ne'.le um nico
hornera-de estado de nome.
As continuadas differenja3 com os paizes allo-
maos da raonarchia, e por conseguinle com a
Allemanha, nao adniiitera a consolidajio de
urna poltica definitiva na Dinamarca.o depois de
que quasi tolos os homcus de estado dinamar-
quezes trabalharam na dita iiuesto sera podo
rom leva-la urna solujo, parece que nenhum
delles lem mais vontade de lomar urna pasta pa-
ra se deixar condemnar a um novo ttabalho de
Sisypbo. O numero de ministros que a Dinamar-
ca leve desde 184S j excede o de 60, e entro
esse numero ha muitos que foram ministros por
difluientes mezes.
Finalmente temos do relatar de Hamburgo,
quu depois de liaver sido abolida em 11 de agos-
to a antiga constituijio, e introducida parcial-
mente urna nova,as quaes tero lugar nos ltimos
dias as eleijes para a nova repiesentaro, cujo
resultado fui em maior parte em sentido liberal.
No dia C do corrent,; [amsnhia] ter lugar a a-
beilurj da nova representaco.
BOLETIM COMMERCIAL.
Como geralmente acontece nesta eslajio, tam-
bem as ultimas semanas o negocio na praja se
limilou ; exigencias do consumo, o que fez que
preces se susicntaram plenamente. Mostrou-se
bastante vontade para compra de carregamentos
fluctuanles de caf, dos quaes se vendern na
importancia de 12 mil saceos do Rio de Janeiro,
da nova colheila seja qual for a qualidade, pelo
prejo de 6 schillings.
As ultimas vendas na praca realisaram '16
6 2/8 schillings.
Imporiagao itc caf al 30 de novembro.
Era 185973 milhdes de libras.
Em 185856 S/4 dem dem.
Era 185787 i lem dem.
En' ser em /lis de nocembro.
Em 1S93 milhdes de libras.
Em 18588 1/2 idem idem.
Era I9j7'Al dem idem.
O mercado de assucar foi ruis animado as
primeiras semanas de novembro do que na ulti-
ma, com tudo a posiro Orme e se realisaram
plenos preros.
assucar mascavado da Baha vendeu-so
16 1/116 3/8 marcos de banco as 100 libras co
de alaroin a 17 marcos de banco.
Importafo deattucar al/Ins de novembro.
185950 roilhes de 'abras.
180811 idem idem.
185748 1/2 idem idem.
Em $er em /''/;.- d' nnren bvo.
155011 nilhues de Ubi
18583/4 idem idem.
18576 idem idem.
L.onrlres, 8 ile de/embro
A Iransfereneia da viagem do paquete Brazil,
que devia seguir de Milford licen para o Drasii
no dia Io do eorrenle. mas que s partir para
esse mesmo destino no dia 25 docorrenle, foi
causado deixar eu do renielter a caria que havia
escriplo na esperanea di cie seguira viagem na-
quelle dia o mesmo paquete, como alias eslava
annunciado.
O motivo que se lem allegado para semelhante
alterociod alus razoavel, porque se pretende por
semelhante meio regular as part las dos paque-
tes na nova :h!ij de Milford com intervallo de 15
dias depois da sahida dos paquetes da linha de
Soulhnmpton; de modo que e::; .aja quinzeQB
.EPHKMKRIDE.S IK) ME/. DE DEZEMBRO.
2 Quarto crescente as 11 horas eaOniiiiutos da
maulla a.
ID I.na elisia aos 53 minutos da manha.
16 Quarto minguaote as 6 horas e 56 minutos da
tarde.
24 I.ua nova as 3 horas e 27 minutos da ma-
nha.
PREAMAR DE IIOJE.
Primciro as 10 horas e 54 minutos da manha.
Segundo as 11 horas > 18 minutos da tarde.
do mez se receba no Brasil noticias da Euiopa,
0 que sera duvida aproveitar mais ao commer-
cio do que como calata regeitado, pelo que suc-
cedia que os paquetes de ambas linhas chejjavam
aos portos do Brasil cora difierenca de I res ou
qualro dias, aconlecendo que assim pouco adan-
lavam em noticias do qualquer nalurcza.
Mas de lamenlar quo ll providencia nao l-
vessu sido adoptada de principio, porque toda a
niudanca noservijo de urna linha de paquetes
leude a abalar a confianca dos concurrentes, em-
bora a innovarac pareja" favoravel : s o temiio
que pode remediar o mal que d'ahi nasce,.
Os auspicios sab que foi resolvida esta nuva li-
nha do paquetes parecera por cerlo avoraveis;
porque dispe a empresa de capitaos bastantes,
de accionistas cejo nomos concorreram sera du-
vida para aflanjar a seriedade da especnlacao, de
um material excellenle, possuindo j Ires vapo-
res de primcira ordera, e finalmente de urna lo-
calidade para ponto de partida que leva muia
vanlagem a Southampfon, d'onde regularmente
parlera os paquetes da corapanhia Real o Milford
Haven, porto situado fra da Maucha, e por isso
livre dos inconvenientes e perigos a que se presta
Soiilhamptoii contra a navegaco por se adiar no
interior do canal cima denominado, sem ques
to destinado a supplantar no futuro a concur-
rencia que por era quanto atllue quasi toda, das
procedencias transatlnticas, a esse porto nas
margens do rio Solent; e por conseguinle a es-
colha que a nov corapanhia ^nglo-lnso-brasi-
Mra fezdaquelle ponto para partida dos suus pa-
quetes, nao poda ser m ais acertada, olTerecendo
assim aos concurrentes urna vanlagem que se nao
i'iicoiitra na sua rival S quera tem navegado
no canal de Mancha, onde os perigos sao immen-
sos (principalmt uto no invern; pela cerrajiodos
nevoeiros e pelo grandissimo nurauro de navios
que percorrem aquelle limitado espaco que po-
llera apreciar exactamente a vanlagem de de
mandar os portos da Inglaterra que se achara to-
ra d illi; assim pois quu conveniencia para os
passageiros e mesmo para os carregadores entre
Inglaterra e o Brasil nao hatera em que se acre-
dite a nova linha de Milford Havenl Para os
primeiros flgura-se liaver menos risco na navo-
gajio, assim como para os segundos, pelo que
oblero estes provavelmenle procos mais avo-
raveis no segn das nercadorias que embaica-
rem.
s preros, qu: esta corapanhia tem marcado
para conduccao de quaosquer fieles, sao do rao-
do segniule : < 7 por tonelada de medijo, e
6 por tonelada de peso, incluindo a conduccao
por torra d'aqni para Milford Haven; uraa p'ri-
nagem de 5 0/0 e paga no lugar da partida. Mer-
caduras grosseiras esio sujeilas ao preco do a-
jusle ; e os pacotes, inferiores a 3 ps (under 3
lee!/ pago 7s 6 d, 11 s 6d e 15 s. Estes sao pre-
ros marcados pira os frotes d'aqui para o Brasil.
Para Lisboa o frele de cada tonelada de medico
de 5* , e o ce cada urna de peso deSf 1:10:0,
sendo arabos sejetos a 5 0/0 de primagera e s
despezas de conduccao d'aqui para o porto du
embarque.
O vapor Brasil, que sahir no da 24 do cr-
tenle, c de 2;2(1 toneladas du lotaco, u da forra
de CuOcjvallos-
O paquete Oiteido, que era esperado em Sou*
1 hamp jn com u tnnia do razil do mez de no-
vembro, entrou ali s na tarde do dia 6 do cor-
rete, sendo alias devido naquellc porto al
meia noitc do da antecedente. Ficou portanio
sujeito mulla do Alrairanlado, conforme est
regulado entre o governo Brtannico e a compa-
nhia real. Somenle no lia 3 do corrente pela
manha largou o Oneida de Lisboa para Ingla-
terra, terulo experimentado ventos contrarios e
mar cavado ale Portugal ; mas a principal causa
do tanta demora se attribue a pouca vulocidade
desse paquete, embora de Lisboa para Southamp-
ton fizesseelle mui rpida viagem somenle pela
circustancia de encontrar mar e vento do lodo fa
voravcl. Na manha do dia 3 recebeu-se nesta
praca a noticia de ter aquelle paquete entrado no
Tejo no dia antecdeme, e do trazer em moeda
para Inglaterra 26 8,956:0:0, cando o cambio em
Perna ni buco a 25 Id/i o 25 ld/2.
Os jornaes inglezes annunciaram tambem a der-
rota dos Prtennos pelos Argentinos, e a prxi-
ma mediajio da Inglaterra, Franja, Brasil e Pa-
raguay naquella sanguinolenta pendencia. Se-
gundo as mesmas fulhns parece que o Almirante
Inglez, Sir It< phen Lushgton, assim como o
commandantu das forjas navaes Francesas em
Montevideo, deviara exigir do governo Oriental o
prompto p -gnenlo de varias reclamares por
parle dos respeclivos governos, desses "olliciaes.
Esses jornaes declarara que forjse obler jus-
Dja por aquelle meio, moda dos Litados Uui-
dos para com o Paraguay por occasio da recen-
te reclamajo do Wattr-Wilch, j que de outto
modo Acarara indefinidamente sem reparajio as
leses causadas aos subditos de Sua Magestdde
Britannica.
A recusa por parle do governo Oriental, fcita
ao coiniiundanie das forras navaes de Buenos-
Ayres quando reclamou contra a entrada da us-
quadrilha Argentina no porto de Montevideo e sua
permanencia all, foi aqui explicada como um in-
dicio decisivo da poltica da Repblica Oriental
era. favor de Urquiza.
E definitivo o rompimcnlo da relajos diplo-
mticas da Graa Brelanha cora o Paraguay em
consequeneia da pnso violenta e arbitraria de
um sbito Brtannico. II. Henderson, cnsul in-
glez era Assumpco, deixou j o seu posto, c se-
gundo publicara algumas folhas de Londres re-
giesou esse agente consular a Inglaterra para dar
urna minuciosa conta das reclamacoes que debal-
de lizera.
A imprensa inglcza nao discuti por em quan-
to este suecusso, nem me consta que o governo
Brtannico tonha asseniado por ora nos uiuios que
empregar para obler urna reparaco contra o
Paraguay; mas fora de duvida que lord John
Ilusscll hade mais cedo ou larde niipellir o go-
verno do Paraguay a una cabal satisfjijao, e isso
lera provavelmenle lugar logo que aqu lenha
chegado M. ilendeison, que como dissu resida
em Assumpco ni qualidade de cnsul da Gra
iiel.iii ha.
As noticias cornmercaes de Pernainbuco, che-
gadas pelo Oneida, referen) que as IransacjOes
dessa Praja durante o meado de novembro esti-
veram parausadas em consequeneia dos prepara-
tivos, do que todos cuida vara, para a recepeo
no Recife de Suas Magostados Imperiics
As lolhas desla capital noticiaran igualmente
o enlhusiasiico acollumenlo que na Babia c no
l'enedo lem cncoutrado Sua Mageslade o Impe-
rador.
O archiduque Maximiliano da Austria, acora-
panhado pela archiduqueza Carlota sua esposa,
seguioeffecti)ament de Trieste para o Brasil, e
devora reunir-se com o Imperador um Pernam-
buco.
Sua alteza Imperial e Real visitar tambera a
Baha e o l'arj, d'undc regressar pata a Eu-
ropa.
O estado do mercado de Liverpool em relarao
-io algodo do Brasil lem continuado favoravel
O de Pernambuco tem sido ltimamente colado
8 1 s d e 8 3 8 d por libra ; o de Maranho a
i \]i d e S d : e o da Baha a 7 3.8 d e 7 1/1 d.
A venda desle nosso artigo naquellc mercado
lera regulado diariamente de 10 a 60 saccas.
O pnico-, que all se manifestar:! em meado de
oulubro de urna m colheltadaquelle genero nos
Estados-Unidos era consequeneia das prematuras
geadas que aqu. cahiram nesse mez, e pelo quu
as vendas do algodo subiram no decurso de 4
de oulubro a 4 de novembro prximo panado a
0,050 saccas, desvanereu-se felizmente com as
rcenles oolicias de Nova-York a respeilo da
DIAS DA SEMANA.
26 Segunda. S. Estevo Prolo martyr.
27 Terja. S. Joo Ap. Evangelista
28 Quarta. Ss. Castor Cezario e Agapio mm.
29 Quinta. S. Thomaz Are. de Canluaria m.
30 Sexta. Ss. Venustniano e Agripiniano mm.
31 Sabbado. S. Silvestre p.; S. Minervino m.
1 Domingo. Cirrumr7o do Sonhnr.
abundaiiU: eutlieiu daquelle artiga nos Eslados-
Unidos. avallada em 4 a 4 1/4 milhes de sac-
cas Entrelanto os precos nao teem suflrido no-
tavel declinarn, apesar nismo de haver arma-
zena las em Liverpool 425.000 saccas.
O caf do Brasil l*m reculado de modo sc-guin-
te: 1 qualidade 58s a 70s ; 2a dita 5/ s 57 s; 3"
dita 45 s a' 50 s por c. inclusos 3 d de direito
por cada libra.
O assucar de Peritarabuco e da Parahiba fica
coladoo branco de 25 s a 30 s por c; eo
.mascavado a 18 S a 24 s 6 d. O da Baha branco
de 24 s 6 a 24 s 6 dt
O pi Brasil, livre de direilos, lem sido vn-
dalo de 100 s a 105 por tonelada ; c o coco do
45 -a 56 s per ceut, sujeito a 1 d por libra.
Courosdo Rio Grande. Salgados 7 d a 8 l,2d
por librs ditos seceos 9 d a 11 d ; e ditos sec-
eos salg-dos de 8 l|2d a9 1'2 d.
Os rjossos fundos pblicos de 5 /" esto a 103 ;
os de 4 1/2 por / (1858) a 95 1/4 ex div. As
accoes das nossas empresas frreas continan)
com descont ; as Pernambuco com o de S 2 1 '4
a < 2; c.m da Babia com o de 1 a 3|4. Se-
gundo me informara devero apparecr breve-
mente a venda no Slock-Exchange as accoes da
empresa da estrada de ferro de S. Paulo 'entre-
tanto nao posso diser por em quanto emque lem-
po lera isso lugar, massei qneos concessionarios
dessa empresa lem confiado este negocio a pes-
soa de grande influencia na praca de Londres.
O bom successo de semelhante empresa depen-
de em grande parte da escolha da occasio para
Janear seos fundos ; convem quo sejara elles
logo tomados para evitar qualquer depreciarlo.
As procedencias de Inglaterra para o Brasil no
mez de novembro uliiuio foram as seguintes.
De Liverpool (9) Dom Diogo para Pernambuco;
Crtferion (10), Crowin, (17) Favorile (28) coma
mesma procedencia e destino. O navio Miranda
tica a partir de Liverpool para o Recife.
1 Chincha que parlira de Cork bara o Rio no
ENCA BREGADOS DA SLBSCRIPCAO NO SIL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Dias; Baha,
Sr. Jos Marlins Alves ; Rio de Jaueiro, o Sr.
Joo Pereira Marlins.
EM PERNAMBICO.
O prcprielario do diaiuo Manoel Figiieiroa d
Paria,na sua lvrariapraja da Independencia ns.-
6 o 8.
ios alludidosque nao losse condecido do publico
pelos rumores que corriam antes da asaignatur
dos tratados de Zurich. O mais importante, que
a organisacao da Italia, est por fazer, e intei-
ramenle dependente da vontade do congresso
europeu, de cuja unanimidad" em s.uisfazer aos
votos da Italia central pela sua annexaro Sar-
denha todo o mundo duvida. S a Inglaterra,
nao fallando no Pieraonte que parle inieressa-
da, que sinceramente votar pela annexaco ;
e todas as outras potencias se desconfa, mesmo
a Prussia eda Russia.
noite, u principe de Carignan disse aos deputados
da Italia Onlral, que a seu pozar as poleu-
cas, prudentes consalhus, razfes de conve-
niencia c a poltica em vista do prximo Con-
gresso -lhe nao permillam aceitar o raandato-
que se lhe tinha nhVrecdo ; mas que designa-
va para o exerccio da regencia ao Sr. Bon-
conipagni, humen muito popular, que j linha
exercido altos cargos e missoes lmportaniissi-
mas, e que a seu pedido aceitava a regencia.
Esta medida, reservando a queslao dvnaslica
para dar salisfaco diplomacia, ligava de novo
a Dalia Central ao Piemonle por um Ihco piovi-
sorio; mas apenas se soube que a delegarlo do
Sr.Boiictnpagni fora bem rerebida pelas "popu-
lacoes, e que o regente dispunlm-se a deixar Tu-
mi para ir cumprir o seu mndalo, manifestou-
se logo a desapprovaco do governo francez e a-
diplomacia collocou-se tambem em atlitude hos-
til. Alem disso, o Sr. Ricasoli. dictador da Tos-
cana, hesita va en lomar urna dt lenninaeao qual-
quer. A diplomacia achavn na regencia do Sr.
da 4 de novembro prximo passado naufragou
em Pensance, na costa da Inglaterra.
De Liverpool seguio o Aracaty (10 para o Rio
Grande; Stienlgie o RomeUn (9/ para o Recife
de Canlifl, e tambem deste porto o Canopus[\\
para a Baha O Machado I largou de Falmoulh
(14) para a Babia ; o Chaseleg (161 para o Mara-
nho de Bristol c o Jemy (30 nar Pernambuco
de CardL
No mesmo mez de novembro chegaram do
Brasil a diversos portos da Gr-Bretanha os se-
guintes navios. De Pernambuco a Liverpool o
Prospero (8), o Trinculo (12). o faselle (19),
o l'almatla (19), o Emily & iessi (19) do Ma-
ranho, e anda do Recife a esse porto o Red-
Jatkel 29). De Macelo chegnu a Falmoulh (7) o
Ch. Rougier do Pari 14), Mary Ilugihou& Li-
verpool; da Parahiba (15) Ideal i Falmouth: do
Cear (19) Emily Liverpool; do Maranho Ran-
ger (19) Liverpool; eda Parahiba Juvenna 30)
tambem a osle ultimo porto.
No dia 6 do corrente mez entraram Liverpool
o tlisabeth Barton da Parahiba c O C. Tltcodore
do Maranho.
S. M. a raiuha Victoria resolveu ha dias, com
asistencia do seu uiselho privado, que a aber-
luro do parlamenta ter lugar no d a 2* do mez
de Janeiro prxima futuro. E' essa ordinaria-
mente a poca em que costuma reunir-se o par-
lamento britnico, sendo desla vez mais cedo s
aiguiis dias. A imprensa ingleza lem applaudi-
do semelhante resoluro, que julga lano mais
razoavel quanto a prxima reunio do congresso
europeu em Pars exige que a tribuna parlamen-
tar da Inglaterra esteja aberta para ah ser todos
os dias advogada a grande causa italiana que val
discutir-sc naquella solemne reunio, onde con-
vem que principalmente os plenipotenciarios da
Inglaterra estojara possuidos do espirito que ani-
ma a najo inglcza era relaco ao futuro da Ita-
lia. A mesma empresa lem igualmente lembra-
do ao governo que nao deixe de apresentar na
proxrai sesso das cunaras um p.mjecto sobre a
reforma r-lcitoral, por que clama o paiz, e por
rujo motivo cabio anda ha pouco o ministerio
Derby, sendo lord John Bussell um dos princi-
pies autores da mojao que derribou aquella ad-
ministraro.
E' lao unnime a opinio publica em Inglater-
ra sobre a necessidade de augmentar o numero
da representaco nacional em certos condados, t>
de baixar o elevado censo que a loi requer para
os volantes principalmente dos Boronghs quo
nenhum governo poderi ser aqui de longa dura-
rio se deixar de lado a proposla de semelhante
reforma. Assim pois de crer que o ministerio
Palmesrton-Russell uo esqueccri to importanle
dever, de cuja negligencia lhe resultara por cor-
to grande impopularidade easua queda. As
ideias de lord J. Bussell sobre a reforma eleiloral
quando em opposijao ao ministerio Derby pare-
ciam salisfazer em geral o partido liberal; por
conseguinle, a nao liaver divergencia de opinio
a esse respeito entre esse estadista e os seu?
collegas, de presumir que o projecto do go-
verno sobre semelhante assumpto satisfar a maio
ria das cmaras dos communs.
Assignqu-se finalmente a paz em Zurich no
da 11 do mez prximo passado, o j foram tro-
cadas as ralilicaroesdos tratados que affirmaram.
Tres instrumenlos pblicos foram negociados na-
quella cidade pelos plenipotenciarios da Austria,
Franja e Sardenha: o primeiro enlre a Franca e
a Austria tere por lim declarara paz entre essas
duas nares, estabelecer a clausula relativa
llberdade dos presineiros feitos durante a guerra
e a restiluijio dos navios apresados que na oc-
casio da paz'nao tinhan sido definitivamente
julgados pelo tribunal das presas, firmar a sesso
que da I.ombardia fez S. M. o Imperador d'Aus-
tria ao Imperador Napoleo excepeo das for-
talezas de Mantua e Peschiera com o (orritorio
designado nos limites ajustados, declarar que S.
M. o imperador dos francezes transferir ao rei
da Sardenha o territorio adquirido com os direi-
tos o obrigares do presente tratado consagrar
o principio de urcn ampia amnista assim como
o da confederaro italiana sob a presidencia ho-
noraria do papa, reservar os direilos dos sobera-
nos de Parma, Modena e Toscana para serem re-
gulados pelo congresso estipular urna indcmiii-
aco de 40 milhoes de florins em favor d'AuslKa
ocla sesso da Lombardia e linalmenle recular
todos os aclos relativos a interesses de particu-
lares c das corporar?s a quera a nova ordem
de cousas possa alVclar, alem da obngaco que
contrahio o novo governo da Lombardia de sup-
portarlres quinlos da divida Lombardo-Venilo,
O segundo documento o tratado entre a Fran-
ca, a Auslria, c a Sardenha. pelo qual se declara
a paz da Auslria cora o Picraonle, obrigando-se
os respectivos soberanos a evacuar o territorio
que anda oceuparem em virtiule do armsticio de
8 de julho ultimo ; e por meio do qual igual-
mente se declara que Sua Magostado o Imperador
dos Francezes cede in perpetuum ao re do Pie-
monte e a seus successores e descendentes a
Lombardia cora aslinitacoes mencionadas c com
os direilos e nbrigacoes de que trata a estipula-
co entre a Franja o a Auslria.
Finalmente pelo lerceiro tralado entre a Fran-
ja e o Piemonle, Sua Magcsiade Sarda se obrga
a pagar Franca una iudeinnisaco de OOmilhes
de francos para em parle compensaras despezas
da guerra, alem do reembolso que far mesma
Franja, dos quarenta milhes de florins que esta
pagou a Auslria pela cessio da Lombardia, o
alm de outras estipulacoes relativas ao modo de
serem pagas essas quanlias e satisfeitas varias
outras clausules dos tres tratados celebrados pelo
soberanos d'Austria, Franca e Sardenha.
J se ve, portanto, q>ic rinda lia nos documen-
d
d
A Franja de modo algum ronsenr na des-
membrarao do territorio pontificio, caso o papa
se presto a iniciar certas reformas ; o mesmo
quanto annexaco de Parma, Molea, o lesea-
na ao Pieraonte. isso lhe parece milita vanlagem
para um re visinho, sendo provavcl que afina!
venha a opinar pela annexajo de Parma e parle
de Modena, cujo restante com a Toscana dese-
jar o imperador Napoleo para a princeza Clo-
tilde, casada com seu primo, se afinal nao po-
der restaurar na Toscana o grao-duque.
A Austria est disposta a sustentar os direilos
dos soberanos deslhronados, e conserva no terri-
torio Veneciano um exerclo de 200 mil homens
para reprimir os excessos do partido nacional
iialiano. quer nessa parte da Dalia sob seu do- do gabinetVde"Turfn" fTo>^oUdMnronriesa^!
m.nio.quer era on.ro ponto Mas a Italia cen- los.V teera Ber.l^%dE^.P7S5K
Boncompagni nmalendencia de annexaco.e o go-
vernador de Plorenja apresentara um objeejo-
de forna, pedindo que a delegajio fosse primei-
raraenle subraetlida ao voto 'das assemblas.
Mas afinal, depois de conciliadoias explicarnos
il,\ rr*l,;..n|n A.. T__:_ i r *
-0., v. gO
iiancez acabou por dar sua approvro a esta me-
dida, que simplifica a situajlo e garante a Iran-
qmllidade da Dalia, leudo em conta o sacrificio-
que >iclor Eniinauuel fizera de Garibaldi, de-
commandantu das tropas da liga.
Em difiniliva, ou para dizer tudo, o Sr. Bon-
tral, eu Piemonle, esto alerta, e dispostos ..
lular pola liberdado c pela sustentaco das deci-
soes do congresso, em cuja justija parecum enn-
tiar, ao menos por em quanto, assim o diz a de-
ploniacia de Turin, de Parma, de Modona c de
Florenja.
Outrotanto nao diz Garibaldi, que desgostoso
pelas contrariedades que oiicnntrou no impulso
que ia dando ao movimenlo nacional da Italia, ,
retirou-sedo enramando do exerclo para viver i J. a ^i0* os 1"leressos "alanos-
era Nice. protestando contra oslmbara^qu" "SJ"fiS^lS* ^^ a ,
poltica estrangera tem creado em prejuizo de , = I .q"h,,nC?perani que a dlPl.omacia u*
urna ampia manifestaco da vontade nacional ,' ?* ,lrranln.Co.ng'esso que e*ia a reunir-se,
por todo o continente italiano. Garibaldi pre- "" ".." L"nlrol.Ini"> se pralica um so acto legal,
tenda invadir os estados pontificio* e a reino de r ,"'1,cr,a "I ou criminal, que nao lenlia a
aples cora o exerclo central afira de proclamar S"1' %ZS!2SlmS Re'a"1o Vctor Emma-
t oaiaH.. ^-.:. ,i :_j____,-..."- -._.:. ucl. Os exercitos dos quatro Estados forman
compagm, guarda das esperances da Italia at
a prxima reunio das potencias', concilia admi-
Parma, Modena e Florenja, escolheram o prin-
cipe de Carignan para regente desses estados era
nome do re da Sardenha ; mas Victor Manoel
P
o titulo de Pro-Regento, mas o de governador
das provincas da Italia Central. Nao formar
ministerio, sua adminslraco ser auxiliada pelo
nirem no congresso "que teri I w,ef? !,ore"5"' ,onde "P,"f "-
dia 5dejae^o proSmn fu- LSTdSdrTSS SST^ *"""
Vienna para se reunir
lugar em Pars no
turo.
O Piemonle, aples, e Eslados-Pontificios,
sero ah representados.
Segundo alliancam as folhas desta capital o ga-
binete britnico acelou j o convite quo lhe fez
a Franca de entrar no congresso da Paris; pelo
quoconcluem as mesmas folhis que a Inglaterra
tora recetado do imperador Napoleo a seguran-
ja de que o voto nacional da Italia ser respei-
lado pelas dTereotes potencias reunidas no con-
gresso.
A Gazeta de Londres publcou a corresponden-
cia entre o ministro inglez em Madrid e o' minis-
tro dos negocios estrangeiros da Hespanhn acer-
ca da quosto Marroquina. A Hespanha declarou
que nao lera em vista conquista alguma.
Paris, 7 de dezembro de 1859.
A situarSo quasi a mesma. Os negocios quasi
que nao teem mudado de face de um mez a esta
parle. Os da Italia, que no dominio dos fartos'
agentes nas corles eslran-
geitas, reproduzndo os motivos que determina-
ran) os romagnes a separarem-se do governo
pontificio. Essas causas nunca tinham sido ex-
pendidas com lauta calma c firmeza. Aquella
circular constitue urna verdade.ira pagina de
historia, impregnada, em cada linha, do accento-
de sincendade e de patriotismo. E' do esperar
que olla chogue al ao Congresso.
^ A partir do dia 8 de dezembro o governo do
iloraania se identificar cora os de Modona e do
l'arraa na pessoa nica do Sr. Farini, cuja resi-
dencia ser a ridade de Modena. Acommisso-
legislativa c o governo da; forras militares de li-
nha tero sua residencia na cidade de Bolonha.
A djmisso, pedida por Garibaldi ao rei Vc-
tor Emmanuel, um fado grave, sem duvida.
mas nao merece a Importancia quo se lhe lera,
querido dar. O re da Sardenha quer tranquil-
Usar a diplomacia, e os governos de Boma e de
aples, quo estavam receiosos, mas nao so-
paroes da Austria, houtem a braros cora a Italia :
e hoje oceupada rom a Hungra.'
O negocio do Canal de Suez prosegue sem in- '
terrupro, e o embaixador francez recebeu or- '
dens de Pars para o decidir era Conslantinopla '
como urna queslao de interesse francez.
As diQiculdades do imperio de Marrocos deci-
dera-se, ueste momento, por meio das armas.
As da China lero infallivelmcnte a mesma sorle
na primavera prxima.
Em quanto so tratara das ratifleajdes do trata-
do de Zurich. Bolonha, Parma, Modena e Flo-
renja deliberaram, pelo orgo de seus deputa-
dos, que se estabelccesse na Italia Central urna
regencia^jrovisoria, e que fosse ella confiada ao
principe ae Carignan.
O gabinete de Vienna estremecen ao saber des-
te inesperado aconlerimenlo, evidentemente pre-
cursor daindependencia futura da Pennsula, e
declarou Franja que reputava aquella nomea-
ro do -
Victor Emmanuel, no intuito
preparar
postos.
0 imperador Napoleo, que nao quer absoluta-
mente que se en)pregue a forra na Dalia, e que
deseja a reunio do Congresso! vio-sc forjado a
fazer um prolesto ; e o Moniteur de 12 de no-
vembro contm as seguintes linhas :
As assemblas dos diversos Estados da Italia
Central accordaram entre si de offereccr a re-
gencia commum ao principe de Carignan. Una
tal resolujo
para qualquer evenlualidade, assignou um de-
creto auctorisando o emprego de 40 milhes de-
trancos para os Irabalhos iramediitos das forti-
fica coes de I.olalo, de Pizzighclonc, de Cremona
e de Pava. Tracla-se tambera, por causa du
movimenlo de tropas nos Estados Pontificios o
nas Duas Sicilias, de reorganisar o exerclo sar-
do. O quadro de 200,000 homens, mas o ef-
feclivo ordinario ser de 100,000 homens so-
nieule, mas em dous mezes pode dar-so um
augmento de 60,000 homens, em cazo de guer-
ra, de sorte que, com os contingentes da Italia
central, haveria prompto um exerclo de 230,000
homens.
A Italia, pois, em quanto nao se decide de
sua sorie no Congresso conserva-se de armas a
braco, sem inlenro, todava, de provocar urna
guerra, cujos resultados ser-lhe-hiara talvez fa-
taes, por causa das propori;es quo de um mo-
mento para oulro poderia lomar, dos sent
go-
preza-
ssem
ar-
mas para assegurar sua independencia, Gari-
baldi seria de novo chaado a auxilia-la.
Y. forjoso fazer s populaces do centro a jus-
tica de dizer que umdis e cerradas entre si.
pellas se exforjara por fazer desapparecer tudo
quanto anda pode subsistir das antigs demar-
caces polticas, afira de que 0 Congresso nao
lhe possa mais distinguir os traeos se quer.
O Papa e o rei de aples, que continan a
por a nana Central os principes austracos
nao se conlava com a anarchia, o se o prximo
Congresso se propunha a estatuir sobre a sorte
da Italia Central, ou se nao lhe bastara sanecio-
nar o Irabalho da unio ?...
Tudo, entretanto, se achara preparado para a
constituijio provisoria de um governo forte e sa-
bio.
cao m
cios extrangeiros ;Ri. justija ;Farini, para a do interior; Pcpoli, para
a da fozenda ; TVinri, para a da guerra, e os ita-
lianos, cobertos com o principio de nao inler-
venjao, Bzeram calar sera descontenlamento,
kui^uu j'i*;i3uiia ut um ^u>einu loitcesa-
Por toda a parte se fallara j da organisa-
ainislerial: Carotir, para a pasta dosnego-
guerra, mais du que 70 a bi),O00 homens.
Foi por lim promulgada a nova le eleiloral
! Piemonle c Lombardia. A caara ser cora-
; -la de 225 membros, razio de um deputnd<>
por cala 30,000 habitanles. As eleNes geraes
tero lugar no mez de Janeiro e o Parlamento
ser convocado en. leverero.
Quando ha pouco diramos que 0 congesso do-
la antes consagrar es fartos consumados, quo
pretender regular o destino dos poros, annuncia
vamos a verdade; A Italia central est livre da
dominarn de principes incapazes agentes da
Austria, desertores para o immigo em lempo de
crerido que para elles a lberdade o justo pro- guerra, voltou-se para o nico centro verdadei-
mio dasabedoria. Para evitar lodos os esco'.hos ramete nacional, que o* acontecimentos tinham
semeados sob seus pnssos para a reacro, teem feto surgir ao norte da Pennsula. Se ntervem
elles continuado a dar Europa o exemplo de a Europa, pairnos, inimlgos, indiferentes, allia-
unia moJeraco que lhes tem sido de milita feli- des. ser necessario consultar o eonientar todo
cidade: as maiores dilliculdades acham-se j o mundo ou resignar-sc a um provisorio indeli-
resnlridas satisfactoriamente pelo commendador i nido. Alus, a confederaro do progranma, na
Boncompagni, nomcado para esse fim pelo prin- qual fguraria de um lado a Auslria auxiliada pe-
cipe de Carignan. No dia 13 de novembro, S los duques, pelo Popa, e pelo Rei de Napelos,


(i)
DIARIO DE PERSAMBUCO. SJABAUO Si VE 'DE2EMBR0 DE 185.

fleouiroo l'icmoiiic s, seria pura e simples-
mente a contnuaeo ou melhor a aggravac&o da
lula gurda, trovada ha dez anuos entre o Pie-
mente ea Austria, o a guerra seria eiitau a cun-
seqtteneia inevitavel de ura lal estado de cousas.
.l a Europa recusou ante o adiameutu de toda
.1 rcgalarisac&o de poder at e?gotarem-se as
; toncos e intrigas da diplomacia ; neoessa-
rio que esle primeiro passo soja seguido de uin
secundo na via das satisfaceos que as pnpulacdea
mio. Desmembrar provincias, dar punas
como rebauhus, unir a .luidles que querian-sc
unir, todo isto fez-so e:n 1815, hoje eolhem-sc "l'P1
<>s fados. Commeler-se-ha o mesmo erro cni
1860? E' para ublcr-so u mesmo, que se licarum lautos nilhues? F.m desespero de causa,
lora melhor contar saino o imprevisto, o Heos
da diplomacia moderna, que rcsiiiar-so a lio
triste conviero.
pan .i cuuatrucc,ao du c.iunuiio o Ierro do norte
e rouloira, eslava dispostaa approva-la, e se-
guudo so n til i mora, a opposico da cmara nao o
regeilara. Succedeu porm receber o guverno
IU despacho do banqueiio Sslaiuanca, propon-
do-llio modilicac.os ao contrato, e a jutaar pelo
que ge espalliou acerca dessas inodiflcacocs,
erara ellas do lodo o punto inaceilavois. Dimi-
0 congresso ha lempo anuunciido, omfin o-
licialncnle o foi pelo orgao do poverno france/, |
;ue marcando 11 de novemttru n eHcerremen-i
to definitivo da9 conferencias de Zurich, termi- ,
nava por estas linhas :O governo do Impera-
dor e o de S. M. I. b II. A. concordaran) em
provocar a reunio de un rongresso, que lera
le couhecor do tratado de Zurich, e deliberar a
pacificac&o da Italia sobre bases solidas ednra-
douras." No mesmo dia o conde de Waleu.-ki
envtava a lodos os agentes diplomticos da Frsn-
;a urna circular, na qual se expoc que nina con-
federadlo italiana, a rostauracao do rao-duque
de Tosrana, o iiupliciaiueiiie a roentrega das
K mianhas Santa S, sao o melhor meio de
undar a Itaerdade na Italia c a paz no inundo ;
mas onde de antro lado .-.e d a entender que o
modo de rcnrgaiiisaco previslo pelo tratado de
Zurich so ti'in nm valor provisorio, nao senao
urna base de discussao, que n rongresso leri
pleno poder de modificar, e como o texto o diz
\pressaineiite, o luluro tica aberto as combina-
oes que forem julgadas mais proprias para pan-
ucar a li.iha. > Diste podemos esperar que o Ira-
lado concluido entre a Fraucao a Austria lern
se. A opi'Osieao oamaioiio do paiz contra u go-
verno recnidesccu rom este acto, pois nao falta
quem anteveja na maneira inslita de despedir
os representantes do po*o, un modo de arranjar
com sophismaccs, violencias e manejos urna
chancellara parlamentar servil o ubn.issa, que
venlia s corles approvar una reforma tributaria
de arrasar a propriedade, a industria, o sommer-
nui;ao no peso descarria, augmento de subven- ci, os servidores do estado, a todus os contri-
cao e milito considera col, etc., etc., eram os ca- buin.es, linalmcntc.
pimos que o concessionario quera modificados. , f. ... ,, ,
Soja como Mr, as eloieoos terao lugar no I' de
Janeiro de 18G0, devendo as cortes reunir-so a
li. Trahalha-se pois com grande aclividade. O
ministerio por unt impulso leviano ido que lera
dado mu i tos documentos quesera ocioso referir-
Ihe qui mandou offeroocr pelos seus amibos
duas candidaturas da capital a dous membros do
partido que se diz legilimista. L'm delles, Im-
pida a questao para a fmprensa, deca ron, que
Km quanto isto se passava discutia-se, ou antes,
I appi ovava-se, a todo vapor, o projectit de refor-
! ma oleilor.il que na ultima so-sao linlia passado
na casa electiva. O principio fundamental da
nova lei, a eleieo de cada deputado por nm
circulo eleitoral o que d mate s antigs Irn
s, costumadus arranjos e sabidas transigen-
cias eleitoraes.
henos puoticos condu/. a urna lacinia nos reca- s : > ,. i m-. i.ii.._-.is j hi>
sos neressarios para empreg.ir cm despezas re- secretario. No exerccio
productivas, e anuuncia un dficit, que o gover- houve-se
no ha de forraJameule cncher por incio de no-
ves impostos. Escusado nega-lo: osles gastos
Miagar*, estas tendencias, prodigase perdularias,
de iirn minislciio, que nao vae buscar a torga, de
que carece, ao seio da opiniao liberal, e nao sa-
be alcanrar adhesoes senao reeriitadiis as ver-
bas do ornamento, astea desbaratos nao de. a fi-
nal, redundar em novos gravamos sobro o con-
tribuate e o productor- F. o ornamento nao ser

d L'1-rei o u^.ir de sen
desle honrosu cargo,
e-te eiliei.il rom a modestia d'um alma
'i re o elevada, o bom juizo de um homem pru-
leni a honradez e houcslidade de um homem
rtudo. Rcunindo os dolos de inlclligciicia, o
thesouro d'uma nslrurco varia la, aos seini-
nienlos de honiern do bem, sein o menor recaibo
iie oslentarao, cumpria os seus devores com Ii aI-
dade e conscicncia.
Morree o arcebispo de Evera, o Sr, A mies de
i'arvallio. A s la avan aja dadofaria temer a ca-
diseutido ; as despezas, inuleis bu escandalosas,' ,;J'.'all- > ' '' avancada idadofaria
nao scrao cerceadas; as economas allendiveis a "le a noticradosua merfe.
nao serio renlisndas. (is nuvos tributos nao as- ,,e,"'r'l1"'" '"s' "u l'"rl'J ""
aeec rr de pertencer a irma f.-rmilia mieprofesaa n " caminho o govoriM o
pelica ai.li-dynaslka, adopta, para si u poltica I""' f\ ,,1,na 0Wltra un
COlMiUieioaal. serv, desatienda aos mleresse
Ja pal, que nao e senao
A lei, em artigo transitorio, di* que as vaca-
luas que liou.i sseni de ser proeucuiTas pela
eleicaosupplemcnlar,doraulo i actual legisla-
tura, sc-lo-iampela anliga lei o que lirava to-
das as duvjdas a quem quer que se lembrasse de
apresentar romo pretexto para a dissolucao a lei
nova. Comludo o ministerio nao o cntendeu as- me ros principios do absolutismo, o como lal ad
sin), e aconsclhou a cora a dissoluce para ser I versado das inslituices e da dvnasa reinante,
ensuala a nova lei eleitoral, o assim aprcsenlou A questao nao era de numero, mas de priuci-
a questao no coiisolhu de estado. pos, c a evasiva produzda pela Rtuoluco de
Apenas dees votos foiam alli favorav 2-, as ]Setrmbro, de que nao peng.ivam as lberdades
preienooes do gabinete. Os mais coiiselheiros publicas pela allianc.aou colligacao com um lio
opinaram frunramente cm eonirario. Apezar \ ,m'in ;l Ujuc-ni o rinde do estado conliou asna vi-
disso, a dissolucao que deveria reservar-se, par" i ''a. i cln)i ha c milito Inconveniente.
apenas sido a condu ao
um poni de partido, que um degrao pelo qua
o congiesso devora subir a una comninaco
tois clara, mais solida, mais conforme fisverda-
Oeiias noeessidades da Italia, o de boanrente ad-
iiiiitimos que em diploma ia a linlia recta nao
seinpio a mais curt.
I us pensam que a diplomacia nicamente tra-
tar da llalia, oulios treem saber que ella se
e.'eup.ira tainbeiii de regular muitas nutras ililii-
tuldades europeas : a quosiao de Suez, lorna-se
'omplicada, a questao do '.Irionle que nao neni
mbaiaeosa nem menos pi rigosa para a paz do
mundo, seria igualmente debatida, b apalea o
il aempertitha a alguns respeilos, a opiniao do
:/ar Nicolao l sobre oendrino e lalvez se te-
lilla entendido com acorte da Itussia sobre a op-
portunidade de crear ao norte da Turqua da
iluropa um roino slavo independentn de 8 a
'l.fJD.ODO almas, cimprehendendo a Bosnia, a
Servia, a Bul-aria.
Sein pronunciar sobre urna combinaran anda
l:\pothclica, podemos todava applaudir un igual
esullodo. A Austria lalvez nao pense assim,
mas nos nos compensaramos fcilmente dos
desgastos da trlo de Vicua, lembrando-nos
<]ue depois da eottsllitir,ao denm novo imperio
flavo entre o Dandid o Balkon, nao restara
mais aos soberbos otloiiianus que prepara* Sitas
lanchas para passarc Bo.-dioro. Seria urna sin-
gular reviso do tratado de l8.">o.
O endereco dos convites dos dous imperado-
re s diversas potencias lern dado materia a
ommentaiios: sobre ludo
. par'
os casos de satvacao do estado, provistos pela
cana constitucional, foi decretada sendo a cma-
ra dissolvida a *\ do me/, de novembro.
F.m seguida llie Irauscrvo, para esclarccmcn-
lo dos seus leltores o proleslo que 03 memLros
dessa cmara redigiram e peUicaram.
,f Acatnai.i dosdepntados da narao foi dissol-
viJa. Os abaixo assignados, que lireram a hon-
ra de pertencer mesma cmara, julgam do sen
iuii erioso dever dar conta aos constituintes c ao
paz do sen proiediinento duranle a ultima qua-
dra parlamentar.
f O actual ministerio, quindo se apresontou s
cotes, declarnu que pretenda ser julgado pelos
seus actos e limitou o sen progrmala promes-
sa de observar fielmente a consliluico do lis-
lado. Em presenca de laes declaraces o achan-
do-so pela arimoira vez. no ronsethos da roroa
horneas novos, ua di re rea o dos negocios, emen-
den a cmara electiva nao dever recusar ao go-
vorno os meiosque elle indicara necessarios pa-
ra o regular andamento das cousns publicas,
le/ ir.ais, apezar do quaesaaer prevencoes que
pOdessc haver : conceden os velos de oonlianea
que. Ihe focan pedidos, domonslrando assim que
u.mi i intiiiio neiihiini espirito de facciosa hosli-
lidade.
Encerradas as cortes em maio ultimo, come-
50U n itoverau a transferir ou subslutr em lar-
ga ocai.1 as autoridades adroinialralivas, obscr-
vando-se que elas transferemias ou subslitui-
;ois recaiiiam de preferemia nos fuuccionarios
que eram niaisaceilos pelos povos que udminis-
liavain.
' Nenhuiu ministerio, em nenhuma poca usou
o abusn ainda tanto como o aciual da inlliien-
cia que pode dar concessiio de niercs e des-
pachos. As ampias aulorisnroes podidas ao eor-
po legislativo, forem liada excedidas ira pratica
A mnllidao dos lugares acompanhou a exigencia
dos pielemlentes, e mais de urna vea para a Hen-
der aos novos despachos, foiam preteridos os
longos ser ricos dos mais respei lavis faneevana-
nos. Mais ainda : o governo notneou (.ara laga-
res pubhcos um excessivo numero de membros
sentaro sobre a baso dos progressos raoraes
e matertaos do paz : serao levantados para pa-
gar os empregos, que de novo se crearam, para
ganhar adlierentes, e aislar desperas superfinas.
Por esle caminho o governo ou aspira a exlor-
ma maioria cega,
s do couiribiiinle,
Ficou a questao reduzda s a um realista, que ; V" " W0."8. t",J" ; ou mh'a "vairar e a
c o I)r. Boiao, medico do paco, mas, segundo P*?1" 0SP""" da nu cmara polas mes.nos
elle niesmo o declaro eta lodos os jumaes, lir- j arlcs- 'l"e empregou para com a dissolvida.
I'ersuade-se a commissao que estas considera-
rles pesar&O no animo dos conlribuinles e dos
eleilores, quand > trataren) da escollu dos depu-
tados.
s A commissao nao po le aqui craitliro que liad-
1- ; grave no acto da dissolucao da passada cmara,
e em oulros actos que se Ihe seguiram.
O governo em decreto de 23 de novembro dis-
solveu SSSM cmara a pretexto de ensatar nova
lei eleitoral, convocando as cortes para o dia 2G
de Janeiro prximo. Mas pela nova lei eleitoral,
que da mesma dala que o decreto da dissolu-
cao, ao prasoque esle linha marcado para a con-
voeacao do parlamento, ficou de fado revogado.
Se^uir-se-hia da sua adopean que a medida
tem por lim malar os adversarios polticos,o con-
-uuimar o regicidio na primeira opporiunidade,
logo que o medico proessassj urna poltica op-
po^ti. que symbolisa a pessoa do re. Isto meu
charo radactor, urna miseria, c diga-so a ver-
dade, cansn tedio a toda agente.
o acta que o partido govornamental foi ro-
.. ha peiorado
eensideravelmcntc. Us mdicos assieteaies ti-
nham desesperado da sua vida, entretanto com
o Iratanionto hoineopathico, que agota eslava re-
rebendo, pareca experimenUr algama melho-
ra, purm poneos dias depois falleceu tam-
beui.
No dia do rorrete s 11 horas da abit, fal-
leceu, victima d'uma aneurisma, o Sr. atanuel
Correa da Silva Araujo, bacharel em tiiathema- j
tica, major de infamara c 2." baro do Barceli-l
irnos.
s. Exe anles de despdir-se d.i torra cum-
pn todos os deveres de chiislao, assistindo-lbe
nos uiiiiuus momentos o Sr. conego Alves Mar-
tina.
Consta-aes que no sen testamento dispozera
nao se fa/.er com pompa o seu funeral, queren-
do ser acompauhado por ti padres e (i pobres do
asylo de mondioidada, dispeosnido lambem as
honras fnebres como militar.
I idos os bens que possuia deixon ficar sua
esposa e filhos, sendo apenas contemplado o pa-
rodio da fregaezia eom 2d libras.
Tambem no dia 5 pela 1 hora da noile falle-
cen a Ecm.'Sr.* 1). Harlanna iiuiitclla do fat-
Espacando essa lei, al o dia 30 de jnnho fu- : relio Crus, esposa do neg
turo, a faculdade de apresentar alieraco
. es ao re-
jar-so aos ps dos inimigos da carta o da dynas- censeamento, era evidente que s depois desse
tia. pactuando com ellos e olTerecetido-llie can- | dia poderiam aseloi-oes ser reaiisadas pela mes-
ma lei, a as corles convocadas. O governo velo
Crus, e lilha o Sr. conde de
didaiuras, que por mais de oilo das andarn)
aqui as tullas ininisloriaes, como cm labolcla.
Apreciada esla haaailhaco devidainenle pela
imprensa da opposico ; e confrontada a ,.
mioi ,teiii d
proferido pe
legilimista que leve lugar em Lisbaa no dia 4 du
eorrente no qual o inesmo doulor eonloi coma
os ni nisieriaes Ihe foiam oll'ercecr aquella can-
didatura, que elle nao aceitara sem auiorisacao
do seu partido, pois s como legitimisla se que-
ra apresentar na cmara,apparereu pela im-
ita niimitnaeao uevioamenie pea dio ultimo; interpretar, suspender e revogardt
apposico ; e confrontada a adopeao i rano a lei de 23 do niesmo mez cm gran je part
iquella candidatura, com o Recurso ; dos seus arligus, do modo que a eleieo se 1/ -.
o r Beiro na grande asteinblco no 1. de Janeiro, e o pr.iso da convocacao se na.
Sr. Francisco
Parrol 1.
Ni din 8do crtenle entrn
poilugaeza ufana I). Mari
do quatro diis de viagem do
uioulh.
ranle deslo pa-a
a nova corvla
Armo, trazen-
porto do Ply-
mostrar que a primeira necessidade do paiz
merecen do Clemente Monarcha Brssileiro loda
a attencao e solicitudc.
A agricultura em todas as nacocs a prhneirn
fontede riqueza e prosperidadepuhlica: lodosos
grandes Hoiiarchas a prutegeram sempre e pru-
curaram eleva-la cima de lodos os oulros ra-
mos da industria humana. Mas em un paiz no-
vo e vasto, como o Brasil; em um paiz, que
rene 'odas as qualidades do terrenos, toda a
variedade de climas favoraveis e agradaveis ii
existencia humana, sua aclividade o goaot;
em 11 m paiz, cm que podera ariirhatar-se e
abundar Indas as plantas, que servem para i>
sustente da vida, quer da enmmurridade nieira,
quer das classes abastadas e de mais refinado
gosto ; neste paiz de bastas flnreslras, ricas mi-
nas, mmensas paslagens, rios piscosos e nave-
gaveis, 1 agricultura a vida, n mais in.por-
tanle de lodos os negocios ; sobretodo qoamto
pelas causas de lodos nos ronhecidas, a agricul-
tura exislenle tendo a delinhar e carece dos
maiores esforcos para poder entrar em compe-
tencia o su>.ieiilar-se em face da produccao dos
oulros paizes.
Entre as causas da decadencia de nossa agri-
cultura a principal, senao na intensidades certa-
mente na sua permanencia, sem duvida o iso-
lainenlo, e como que egosmo, em que vivem os
uossos principaes agricultores, cuidando somen-
te dos seus inleresses mais prximos e directos,
sem atlcocao ao de toda a sua classe, privados
do grande elemento 1 ivilisador a a reunindo a intelligencia, forca e aclividade de
lodos em pro! de cada um, cncorre para a pros-
peridad!' de lodos c grandeza du paiz.
E esta nssociarao que o nosso Sabio Monar-
cha vera despertar Tiesta heroira provlnrin, da
qual tem recibido lautas piovas de lidelidade o
amerem sua fausta visita.
Tres grandes bens nos liar entre outio?
mmtos :
Primo crear um curso de inslruccao profes-
sional, do exame c cnsaio das
utr-is.
r
c
i.
/
deseo bertas
ctito com um simples decreto, de 58 de novem-
bro ultimo; interpretar, suspendere revogarde
e Segundo ronsta, o p,iriee Leopoldo do lio- ,a^S"'? ""i"? &***!**? ^S?"
se pMiwlleni foi porUdor da coma e mais joias, tv, W-W n bem da agncul-
,., oreadas no valor le mais do ni ionios de reis, Tertiof.emir ,1,, 1. 1, i., .
10toimarde toda a classe agrcola urna
vjsl do governo: o governo empregou, como
ala vanea pera a dissolucS, urna lei, a qual. de-
pois de obtida a mesm dSluco, nina lei, a
preaua orna deelaraeio do l)r. Beirao, ugetiaiido Itinha elle o proposito deliberado do mutilar em
a car didatura oll'erecida. [ minias das suas provis"es sseaciaes. Invaiin-
io assim o usurpando as atlribuires do poder
legislativo, os ministros consiituiram-se em dic-
atlerasse. Mutilad 1 assim a loi, fiearam os elei- que o Sr 1). Pedro V linha dado rainka, el
ores privados de recursos salulares, que ella | Ojio o prncipe Ihe reslituio duendo que .segundo
ntranha- o contrato matrimonial nao pcrienciain casa
llohen/.olert Seymarigen, que s lera dircilo ao
mes garantid. Poi este o expediente est
s.
As folla do miinslerio l'.veram vorguiiiosa-
meulede apear o nome do adversario das nossas
inslituices da sua labolcla eleitoral, iuando ao
governo, em vez de urna duas humilha'is ;a
tadura, ficando dora em diante duvtdoso, se a
files un ,-i cortes que competo interpretar o re-
de silcitar, como representante e salvaguarda vogar bus Bosta surte, admiltindo
dos principius liberaos o npoio do partido an- o la a dissolucao da cmara electiva nos casos
ommenianos: sobre ludo rireoreu; avam-se mu- 1 r...... T 3 "" n'""vl" ul; meiuuros
10 das cotidicos que a Inglaterra pona sua ? -.ceilarao. A-30 de novembro, o Monitor di/ia : l,,":"'- |,"t_.esnrliiar a alta coiisideraewam que
< Ascommtiiiicacoes que n em por obiect. pro- "' "' r1'1' mandato da represenl.ieno na-
que leein por objeclo pro-
vooara reunio de um con"resso foram expedi-
das boje ,21) s diversas patencias que o dovem
formar.
Agi(ou-se ento a queslo de sabor que dipl-
malas emiariam os difTereutea estados, especial-
meaae os da Italia. M Antonelli parece ser o
advogado eleilo pela Santa-S para defender os i
iiiteiesses pontiucios 0 conde do Cavour cha-
mada pelos volos das popn! e oes e pela ventado
de Vi. i.-r Kmmaiiuel i uiHicil missao de repre-
sentar o Piemonie.
Esta missao Ihe peitence de direito : b i o pri-
cional.
Allendendo exclusivamente satisfaeo de in-
leresscs pessoaes, o governo descarou esseneial-
mente u exame das mais importantes medidas,
de adminislraeao publica, bastando para o oem-
provar o farto de, s na respera da aberlura do
pariamenlo, ler Horneado una commissao para
esludar a reforma dos pontos, reforma porque
alias tanto haviam pugnado us acluaes ministros
antes de o seren,
A alritude grave e comniedida da cmara
dynasluo, e a de se ver repellido o mais dosai-
rosat ente que o poda ser. .
No da desle mea, celebroii-se, tamben) 11 m
grande comicio popular do partido progressista
histrico na sala do risco do arsenal de maritiha,
a que presidio o marque/, de l.oull. clieo reco-
nhec do do partido pupular. Concorreratn perto
de mil pessoas. Elcgcu-se o centro eleitoral pro-
gressista, lendo-se domUtidO o anligo centro di-
rector do parlido. Us eleitos por maiuria absolu-
ta naquella giande reunio sao os seguinles ca-
valleiros :
Mrquez de I.011K.
Baro de Villa Nova de Fo/.ca.
fisconde de Si da Bandeira.
Manuel Antonio Vollez Caldeira Castello Bianeo.
Roque Joaqutm Fernandos Thomaz.
Manool Alves do Rio.
Francisco Hara de Souza Brando.
Anlo:-.io Cabral deS Nogueira.
I.uiz de Almeida e Albuquerque.
I.ui/. l'ilippe l.oile.
los Mavia Frazio.
I.uiz de Castro Guimares.
Atexandre Herculano.
Ignacio Francisco Silveira da Molla.
Manoel da Silva Pasaos.
\ cente Forrer Neilo daPaiva.
Manuel de Jesus Coelhi.
iva, deseoacerteu por ventora os planos do Anselmo Jos Brancamp.
iiieiriifiue susriloii a 1 ic.-lo italiana nosjonse- ,,ll,"sllM".'l"e*sporava ochar as demasas par-Jos Flias Garra.
tile que deve proseguir no
a obra que ineugurou no de
llios da Kuropa, c
eongress,, de 1>G0
I8av}.
Diz-se quo o gabinete das Tullicras repi 1
a oaraHia desle diplomat.1, ou ao n eaosa senti-
ra, porque a di lerminacao do governo sardo pa-
reee Diada.
Poein-se m fenle os nomos de Lord Clare- .
'bul, luid Slti all.id o lord Cowlev em Londres,
onde arenvocarao do parlameu'lo foi marcado I
para 11. de j me i lo, isto , 15 dios liles d
po, como para fazer pezar a opiniao oublici
lamentares um pretexto para justittrar os seus
designios. A respasta ao dircurso da corda, Mio-
ma cm repetidasoceasioos de prolongados deba-
tes, foi aprovada sem disiussao, esperando a
cmara pela opportuna apresentaee das medi-
das que deramser levadas ao aeu conticefmento.
"is ministros ttvevam de submeiler s corles o
contrato pare os eamiohoa de ferro. Instaran)
iin reunies particulares pela approvaco arase
cntralo, o quando as respectivas comn'iissoes da
cmara electiva eslavain em termos de concluir
o exame da questao, o governo fez suspender os
da
raa-Bretauna rom mior forca ibre a Ron
sobre aoongreaso. Ncstes irilimos dias foi lord,,
Cowlev escolh.de, ainda i o nomo do se- ".' ''.'"."; J,,l' ou ,"'sU! P0"10 os
! trabalhcs d'aquellas coijmissoes, c pouco depois
leu por terminados os do pariamenlo. A ad-
gundn diplmala iuglez.
'antes dos nutres estados,
designar: M M. Wasl
Franca, ,M. H. Borlschakoff
mais grave
Quanto aos re presen-
tido ha exisatacao em
u>ki e BannevBle pela
e KiSSoleff pela l'uis-
sia. M. M de SchlCilllZ o Oouitals pela PrUSSI 1,
M M. de Reicaberg e de Metternich pela Austria,
M. LudoU pelasDuasSicilias, M. M. Uarlinez del*
Rosa e.Mou pela Uespanlia, M. de l'aiva por Por-
tugal e U. de Albe.sward pela Suecia. A rcuniao
esl lixada paia 5de jan-tro em l'aris
l Franca realisou sua etpedicao de Uarroena :
deata vez nao se iralova de atender o temlorio,
1 :as de castigar ; s tribus marroqc.inas pelas 11-
ursoes de agosto o seiembro ultimoB.
I.m seguida a os printi s is oblidos
em lins do oiitul ro, succi - que j fallamos
o exercito pote/. sobro una pxtencao dcpfrlol
ni leguas nina serie de pe atoes, que 11 va-
ran o mais feliz 1. snllado. u corpo caped< o-
iiano acampaia a 5 de novembro em Zukkara, a
7 em Mitlili, a 8 em Guemfonda, o a 9sobrool
campo j illuslrado pe a gloriosa balalha de Islj
em Ouchda. que linha participado das coiiimo'-
'.oes por nina contribyicau de dinheiio.
l.-ta cidade de Uuclida foi obligada a 1
um trbulo [.ara lirrar-se do castigo merecido.
t.Caid foi preso e Iranspnrlado a Tnger : o the-
souro e o continente ,| -,n, ,no marro piino fo-
ramrespeitados. A II de novembro as dh toes
repassaramaafrnteiraspara 001 ra em suasres-
i-i uvas gaarniedes, excepcio de 6 batalbes
< de 4 esquad.oes, que devein poralgum lempo
formar um campo de obs. rva 1. Infeli/inente
antes dostes brilhantes rpidos feitos d'anuas,
1 corpo do oxcrciio linha soffrido crueis prova-
<;oes, o chuleta fez estragos, que sem influencia
sobre o moral das tropas, reduzio a um quinto
o san efTectivo.
V 2li de novembro um incidente apressou a
partida da marinha trancoza, o o bombardendo-
lo de um purio inarroquiuoem Tetouan.
\ ilespanha romecoii ern lins do novembro i
arbitrios, addiando por alguns inezee.a resolucao
lo importanie negocio.
Jaciiitho Augusto do Sania Auna V'aaaoneettes.
Conde de Ilio Maior..
Rodrigo Paganino.
Carlas Bento da Silva.
Conde de Sobral.
Joo Flix Itodrigues.
Jos lo Nmuimanto Gancalvea Canoa.
Joo tartXai Harjeca. -
Basilio Cnucl Teixeira de <)nairo/ Jnior.
Antonio de Uliveira Marrecu.
loaq iin> l'hilippe de Sativo.
Em seguida encentrar o manifest que o Cen-
tro Progressista dirige aos eltitores e que ellica/.-
moii e esclarece a verdadeira situaco do paiz.
O centro eleitoral progressista A ciuimisso Central Eleitoral do partido pro-
gressisla do dislricto de Lisboa, prxima urna
smenle, em que exija a salvaco do estado, ve-
se-se claramente, q*re com a ili-soluco o que
q salvou nao foi o estado, foi o ministerio; e o
pue se perdeu foi o respeito aos principios c ni 9
eodores conatilncionaes, o acatamento a ruta,
o decoro, que nunca deve desamparar os lio-
raens pblicos, e, sobretodo, os que exercem os
cargos mais eminentes.
Submeiteiioo estas breves observados apre-
ciacao dos cidados, que hio de ler parte na es-
culla da futura cmara, a commissao esl con-
vencida de que ellos itsaro de lodos os recursos
de que os arma a lei oieitoral para contrastara
influenciado governo. odas autoridades na pr-
xima eleieo. E em cumplimento de um dever
oljerece ao corpo eleitoral nao s do dislricto de
Lisboa, mas do reino, lodosos meio;, de que el-
la pudor dispor, para obler a execueo rigorosa
da lei de 23 de novembro contra os fuuccionarios.
e anda os de mais alta cathegoria, que ousarem
embaraca-Io, porqualquerforma.no uso legi-
timo, livre c desassombrado do seu direito.
Sala .las sesses do centro, 10 de desembro
de W59.
tt marque/ deTisle de Sgry ministro plenipo-
lenciaiiodo imperador dos franco/es n'esl 1 corte
substituido pulo conde de Coramina.
O cotlgresso eropeu para a revisan dos trata-
dos de 1815, reune-sd para Janeiro prximo cm
Parts: Diz-se que "1 governo portuguez j rece-
hora o respeciii o convile, o que me parece po-
der-lhe alTirmar rom bastante fundamento. As-
piravatn a desenii enhar no congressn a missao
de representantes de Portugal o visconde de
l'aiva, nosso enrhaixador em l'aris o o rJu pie da
Ton.eira presidente do consellio de ministros e
ministro dos negocios estrangeiros. Esla asco-
Iba ser inconveniente por mais de
Nao pude sor con estado o mrito
duque daTerceira como militar
dote
ios dias
tinado.
que
V. den irau se na corta
cm companhia d
de Lisboa al-
u seu augusto cu-
/..
PoA teriptmn Iliterario.
A pubiicaco de bous livros, um fajto que
nos nao deve passar desapercebdoO Itci do
ainado dj Emilio Souveslro e.1 cicada ao
Leo, por Julio Gerard, matador de leocs, sao
as du, obras litlerariaa que iillimament tem
altialudo aqui a ultetico dos juiadoieS de lei-
luras lecreativas. A empreza que as publicou,
e que so prope publicar ludo 0 que
Ihurua litleralura estraugeira, na
fora do paiz o crdito que i boj
exporlarem em grande para 11 Brasil, e para o ul-
tramar, se livereni bous corresponden les, deve
corporacao representada, que zafo es inleresses
communs, o com a experiencia c pratica solici-
te assim dos Altos Poderes do Estado, como da
propria classe loda3 as providencias de vanla-
gem para a agricultura.
No secnlo, em que vivemos, patente a todos
que um s individuo por mais activo e intelli-
gcnle nao poderla fazer todos os estados neces-
sarios para alcancar todos os conhocimenlos,
que lodem referir se sua prolissi, e ao mes-
mo lempoexerce-la proficuamente. Igualmente
nao se sobara fcilmente em qualqur pronas3 f
um individuo lo rico, que podesse sem arrui-
nar-se executar, examinar e ensaiar ludas as ma-
chinas e proressos, de que cada industria pre-
cisa e emprega. Com urna pequea parlo do
ma ili-
on
quando nao aproveilam,
nao causan) a ruina de individuo algiini ; e
iuando aproveilam, nao s compensan) o sacri-
1 i ,' c,sa emprega. Com una pequea parlo
-''''. w\ n,' s',,T,lici,J 'l" loJo* os que se applicam aunta
ao lardara a ler dustna, esses esludos, execueo, exames e
e aqutem, ^e saios se veriflcam. E -guando nao anroveii,
SE 2BE!SP!l^t.SUR-=!.s: . * fSmSitJSOSUSSi
servidos quelles para quem mandar os seus pro
duelos. E' representada em Lisboa por F. Gon-
e.ilves Lopes o a rorrespondencia dirige-se-lhe
ra da Cruz de Pao, 11: 13, primeiro o segundo
andar.
..
llespniia
\- n ilicias de Matracos alcancama 8 do cor-
rente:
ti exercito hespanhol do commando
ral O'Uonnel acna-se acampado no Serralbo cm
frente de Ceuta : tem havido alguns recontros
ue pouca importancia cora os mooros ; mas a
acjSu !.' 25do passada inauiurou a campanha
ifA'frica cis a parle do general qie a comman-
do u :
Quartet general doSerralho, 25 le dezembro
Je l.s.V.I.
se despenden com os mallgros.
Da mesma forma latenta-se que na classe
agrcola, como em lodas as oulras, ha pessoas
lilis, abastadas, e optras que lulam com dilli-
cnldades. Reunidas as forras produclivas de lo-
dos, os ricos mais se enriquecen) com o ernprego
de suas sobras, que jaziam estacionaras; 0.1
abastados conlinuam no que eslavam, seno su
anmam a mais ampias empre/.as ; e os que lu-
lam com dillieuldad.es, aproveilam us capitaes
do gene- al ento parausados dos ricoa, e augmentan) a
sua produccao cora os meios agora fcilmente
oblidos, mas que autos para uble-lns despend un
granfle parle do lempo e de sua aclividade. As-
sim lucra loda a classe, lucra sobroludo a nacn.
sem que ningiiein soffra.
Mas nao basta a instrucco professional, nao
basta a cenlralisaco ou reunio das forcea pro-
ductivas da elasce agrcola, '

i

s
nina ra/.o
do rnarechal
mas a su < ca-
claseu agrcola, c necessario aindi
As parliciparues que rece esta manha do'quem zelesousinleresses, quema defenda proli-
.1 do Hacho, communicados pelo governador cuamenle as colfisoes, quesedo continuamen-
te entre as diversas industrias.
Sera um mal immenso, como aclualmenlo
, que rada um lacrador soja dislrahido i .
seus tiabalhos para, altu dos seus inleresses inili-
viduaes, tratar de ludo qnanla podesse-toe ser
nocivo em relaco sua prafisso, para solicitar
dos Altos Poderes do Estado as medidas, "
!
duviilosa.
bi-
Os abaixo assignados, compreheidendo os eleieo geral, julga dever seu dirigir-so aos cida-
limitesde ceaerva, que lhos impoc o mais seno
dever, julgani-.se todava abrigados a chamara
aiicnco do paiz sobre a tremenda responsabili-
dade, que por semelhante motivo, os minisims
totnarain sobre si.
Ogoverno violando a constitmee do
nao apresentou o orcanwnlo, apezar de ter de-
cofri o o pri/.o legal em que o devera ler felo.
A questao da (aleuda ficou sepultada assim na
ubicuridade.
Nao se den urna palavra sobre os nossos en-
cargos nem sobre os nossos reculaos. Sabe-sc
a esculla dos
es, a emiseo do ttulos do divida fundada, que aspiraedes, as opinioos. as influencias desses ban-
... .ii 1 ,1... ...i -., ., .......:.....&. .. 1 1.. -c1. -. ...... ....
apenas que ao dficit ja existente se dovem ad-
diconar as despenas resultantes das rcfoimas ul-
timamenle levadas a elfeo.
O ministerio est anproreitando, como meo
de oceila, para salislacao das despezas correu-
tdra aulursada para a coulinueco das abras do
caminho do ferro, leudo islo lugar, exactamente
quando essai obras dcixam de estar a cargo du
governo.
Com laes expedientes pode \ir, a'annular-sc o
recurso que oempregu dos meios do crdito pu-
blico deveria piostar eos futuros melhorameiilos
do paiz.
A administrarn sem pensamento declarado
sem projectos conhecidos, mudando repelidas
vezes de parecer cm poneos dias, recorre urna
justamente na occasio an que Ihe cumpria dar
cotila ao pariamenlo dos rotos de oonlianea que
Ihe solicitara, e que nasreus relatnos confessa
ler excedido.
Prelexla-se que a puhlicacao de utnj^nova
le eleilorJl tornava indispensavel a dissolucao
da cmara, propno gov ru., en, pleno par-
lamento havia so atlirmado O contrario ; c a mes-
ma loi contradisM lal pretexto, marcando, em
LiW transilorio o modo de preenclier as
daos, que ho de dar vol para
membrus da fulura enmara.
A commissao, o parlido progressista, e o paiz
aclum-se hoje as tuesruas cireumslancias em
que se acharam na antonor eleieo geral; esto
Estado, em Vente de una colligacao, em cuju gremio se
alia ontam profundas repugnancias com asinsli-
tuices constilucionaes c a hberdade da n ico.
Cullocado no mesnio posto, o mesmo estimulo, as
mesmasobrgacos, as meninas esperancasdevem
agora impellir o parlido progressista, como ento
o irapellirara naquella lula eleitoral.
Ha, porm, urna dille-ronca entre esla siluaco
e a passada. A opposico de ento hoje gover-
no. O pacto, que. o ministerio actual, quando fo-
ra do poder, conitahio, rom diflerentes buidos
polticos, lem boje do o cutnprir. Deata sorto as
dos vo converter-se e, de feilo, se lera ja con-
vertido] em fados ofliciacs.
Apoiandu a canditura dos adversarios natiiraes
dosystema representativo, o ministerio d ali-
mento a esperanzas criminosas, o abre o campo
a confi.slacoes funestas sobre o fundamento des- pria idoneidade.
sas garantas polticas e inoraos, era que repon- j __ Ha poneos das
sa hoje a sociedade portugueza.
Assim vira elle a esposar a causa dos partida-
nos do absolutismo, porque quando do alto da
tribuna parlamentarse lancarem duvidas sobre
os litulos diDpiopriedade dos innmera veis pos-
su dores dos bens nacionaes : quando ahi se for-
mlatelo proposlas para o restabelerimenlo dos
encargos oppressivos a cuja extineco devem ho-
je a subsistencia uu a prusperidade centenas de
militares de portuguezes ; quando mesmo che-
gar a ousadia a rcsuscilar preteuees dynasticas,
o guverno e s elle ser o rosponsavel por essas
manifeslaces uascidas de membros da maioria
ministerial, com a qual ser solidario.
pacidade diplomtica iiiieiriiitmiu
O visconde de Paiva na questq Charles el
George proceden d'um moda libio u nao pouco
inclinado a favorecer as preteuees francezas.
w possivd que no futuro congresso noau-
dasse com a nocessaria independencia, e os in-
leresses naelonacs que sao muito graves, fossem
deploravelracnle coinpromeltidos. ludo i-i 1 se
lem ponderado pela imprensa, o ouco dizer
que o governo mudara de resolucao ueste
poni.
Lra-mc fcil mprovisar-llie aqufdous nomos,
mas preliro confessar-lhe que ainda nao transpi-
ran quaes olios sejam, para (ora das regios offi-
eises, 011 o que m parece provavel, que o go-
verno anida nao linha assenlado definilivainenle
em quem ha de alli mandar.
No dia28 do mez pasando abrio-sc a barra da
Iigueira, e como a cheia grande, aprsenla
bom aspedo. Tem levado grandes massas d'a-
reia e snppo-se que j se nao tapa, e que por
esles dous ou Iros dias tirar livre a barra, por-
que a torrente j bstanle forte.
Urna nova companhia tomou no dia 21 dome/.
passado a seu cargo a definitiva conslruceo do
caminho de ferro, que ha de ligar Lisboa '
bolla e pittoresca villa de Cintra.
Pelas Informacdes, que a este respeito se ob-
teve, foi o conde l-ucolte quem, apezar do nao
pequeas difliculdades, conseguio organisar cm
Bruxellas esla companhia, constituida, segundo
se diz. de firmas asss garantidas, po; sua pro-
ita, davam-me noticia de que se am reu-
nindo cm fenle do reducto, na vanguarda deste
ipiartel general, mais de l,Of)0 mouros. Imnic-
dialaineule oraencique o brigadeirSaudovulcom
o regiment de Bourbou e urna balera de mon-
nha, se collorasso no pequeo bosque que me-
dida entre nutro reduelo e a casa do Renegado,
Este mevmento foi teito tanto a lempo, que o SOCCOrros e as iostitoicoes proprias a fazer p'ros-
inimigo foi recliassado ao intentar tomar posteo perar sua classe ao contrario tendo quem al-
en! :e o reducto e o quartel general, disiinguin- lenlamenle o com a emular de so fazer sobre-
da-so o dito brgadeiro, e o regiment de Bour- sabir por sen icos roaes, defenda os interesaos
que duas vezes carregou bizarramente so- da sua classe, o tempe, que perdera cm fazo-la
nnimigo.Aomesmo lempo drigi-roo para alli porsi, ganho para a produccao, e torna-so
com dous batalhdes, porque enlendijque reforcar cm urna vanlagemrea) para a naco.
o ponto era do maior interesse, o que depois'se Salientes, coma sao estos bens, anda vos lem-
bratoi que o Insllulo procurar acreditar
com a
ou. A brigada da vanguarda sol o mando1
do brgadeiro Lussange, batase n'essa occasio
pela esquerda rom o niesmo brilhante xito. As]
[lerdas das minlias tropas sao hoje de maior con-
siderae.io que a dos outros dina. Ao dos mou-
ros sao considerareis, pois dcixaram o campo
juncadode armas e cadveres e etc.
Segundo noticias particulares, o regiment del
Bourbon leve de resistir a seis cargas de cavat-
laria, e que linha soffrido muito E' este lalvez
o motivo do silencio que guarda o general Echa-
gue sobre o numero dos seus morios o teridos. ,
As fores que os mouros apresentaram anteo
Serralbo passavam de olo mil fiomens, oulro.s
dlzem que eram mais de quatorze mil ; mas o
cerl 1 e que de parle a parte houve grandes per-
das ; j 1 11 o a 2 tinha havido enconlros com
procurara acreditar no
1 cclonisa. o, csludando os
norle do Brasi
meios de destruir os preconceitos existentes, do
que o eoropen. o homem acoslumadu a vero ;
pralicar o trabalho iiilolligenle, nao presta para
a nossa lavoura; entretanto que osla jaz auida
entregue a roltna dos amigos lempos, em que o
trabalho era o ernprego da forca brota. Procura-
la anda destruir o preconecito, de que o clima do
norte do Brasil nao favoravel colooiaaeo,
quando a experiencia histrica nos diz que o
norte bu desde a descoborto habitado por euro-
peos, de quedescendem seus habitantes acluaes,
e continua a receber e abrigar tamos europeos,
que all se estabelecem e prosperara.
V tn da colonisaco, que nos supra de bracos,
nto carecemos, o Instituto procurar
do
processos
di
!
tropas menores, mas [nc tinha lutado com igual ente fazer realisar o estabelecimento
denoio. fabricas centraca. que substitoam os procos
O general Echogue tend sabido a fazer um ro- agrcolas existentes por oulros mais aporfeicoa-
conhecimento no caminho de retu foi ferdo dos e de grandes forcas, e faca catabelecer a
por urna descarga, juntamente com nm ajudnte conveniente separaco da cultura e fabrico ga-
d'ordens ue o acompanhava. O ferimento nao nhando para todos que se dispende em eens-
foi gr.re, perdeu parle do inlex d.i mo direi- '"llr c conservar edificaepea vastas em cada pio-
la. Espera-sc que dentro cm punco lomo a lo- priedade, em machinas e utensilios propnos para
mar o com mundo do sen corpo d'exen to. fabrico fracoe solado, eo lempo, que perde-
os mesm s nodu nem recebem quartel; es- S1, para a cultura e fabrico, quando as pequeas
so-
lio
|ue regressou a esta rpita]
Mr. Lucotte, o de lal arle tem cominliado este
negocio, que o contrato, celebrado entre o
voino e a dita companhia, foi j assignado
01 il 10.
Vao agora ser submcllidos osles Iraballi -
direccaode Mr. Splingard, engeiiheiro belga de
pontos e calcadas ; e 00 que parece ha j em
Lisboa os precisos capilacs, nao s para se I 11
impulso a obra, mas para a fazer proseguir com
aturada aclividade al ao seu remate.
Levada pois a elVito, grandes vantagens de-
vorao a um lempo lograr as duas povoaeoes, se
per ventura as condicoes do respecivo contrato
11 rampanha prometie ser urna guerra de exter-
minio. Os hespanhoes est 1 entiiusiasniados.no
se tr.ita d'oulra cousa, em lodo o reino visinlio ;
de loda a parle acodem subscripoes. premios,
vveres, lins, pe fies, etc. I'rega-sc, come-so,
bebe-so, danca-se cm favor d.is armas hespa-
nholas, invocani-se lo I is os sanios e sanias do
kalendario, em lira urna festa ['ara iodos, excep
to par.1 o direeior e actores da campanha d' frica.
Muitos jomaos hespanhoes so tazcm eco, de
boatos na realdade bem pouco festivos: diz-se
a Inglaterra protejo oceultamente as os rui-
dos contra a Ilespanha ; rhegam a dizer de 1 1
la quo de bordo da esquadrilha ingleza lem de-
sembarcado officiaes para combinarem com os
oIBciaes mouros nos planos de defeza dizeni
forjas nao baslam para uui s'; alm de que es-
las fabricas cenlraes melhoraro os vehieulos
de cnndiico dos fruclos, as estradas das pro-
, priedad, s, o planto dos pastos, a raca dos gados
e qualilade dos productos, quanto'nos paizea
adiaulados se observa.
Ni m se esqiiecor o Insllulo de promover a
o dos bancos agrcolas, j solicitando sua
doc retaca o, j preparndoos meios de sua rcali-
sarao : necessidade lo palpitante de nossa agri-
cultura, que mingua de capitaes e do recursos
do crdito apropriado sua natorcaa, deixa de fi-
los os prore>tos de suas possessoes.
Nao abusarei mais de reata atfeoce com des-
eo. 1.1-em j0 um assumplo por si'lo grande,
e que minha improQdencia amesquiulia.
anda que minio mailralados, estao resol vides
uron resistencia opiniosn. O general Echagnc foi
ferdo : a SO O'Dminell chegou ao theaiio das
hostilidades, e leve de repalnr um novo ataque,
smauraativeram grandes pedas. Os Hespa-
nhoes progrossivamoiile ganham Serallo. Siena
Bailones e lodo o ten tono limitropbo de Cenia,
mas nao fomaram a oifensiva, em quanto a ma-
i.uhano rivrr activado suas disposicoes. Reina
-. mprc o per inda n parle o mesmo enthosiasmo
quedispeilou-se no primeiro pensamento d; re-
generaro nacional.
instituicoes conslu-
cida, em menoscabo
cionace.
E em lal conjunclura que o governo se re-
cusa a explicar consiitucinnalmeiilc os seus
adus. Em tima
cudos dos minisiros consiiluci onaes deste paz,
consume um allenladn poltico, c revela um
transtorno de todas as ideas moraes, que nao po-
de passar desapercebdo. Por eslcfacto deniin-
epoco eleitoral os ministros! fiara os mi' stros a sua fraqueza, renegam a sua
-'I.!. II
guardan profundo silencio sobro a notare dos
encargas que notoriamente projectam irnpr aos
poi os, evitando dar au parlamento e ao paiz o
menor csclarccimetiio, relativamente s bases
do seu systema Bnanceiro.
Us abarxo assignadosentendem que acamara
electiva a que tireran a honra de penencer.cum-
prio os seus den res. na attilude em que se col-
locou. Os ministros reeeiaram-aa da cordura e
independencia da mesma cmara.
A adminiairacao confia, lalvez, quo a sor-
preza da medula adoptada c a organisaco sys-
lematica das suas autoridades, Ihe alcancen a
rielo ra na tata eleitoral.
Os anauas assignados confian ainda mais
que o povo nao ha de abandonar os seus inleres-
misso, abdicara o principio fundamental do sou
poder.
1
e Zar-
lauo janiar, a que assistiram, alm do
patricios seus, os actores da companhia
zuclla, estabeiecida naquella cidade.
No s.lo aehava-se collocado o retrata de S.
U. a ra.nha D. Isabel II, manindose al ao lim
a maiorordem e socego c reinando entre lodos
os convivas e maior eothusiasmo : houve rnui-
Aesla poltica O levaran, fatalmente, as suas luS brindes e alguns improvisos de nierccimenlo
lizacoes anteriores, e foi lambem, iuduzioo pelos 1 em honra de S. ti. a rainha d'Hcspauha e do
seos coinpromssos de opposico, que o ministe- exercito hespanhol.
ro procurou rehabilitar nome's e lempos de iris- ''l)l' ''s,a occasio os individuos da companhia
le ceiebridado no nosso regime constitucional. [^8Zaizaella oflerecvram-se espoiitancaraenie pa-
Parecondo querer compor-se imagen delles, \n dar omauepreseiilao no Ihealro Baquelem
I eilou-lhcsas Iradicocs, e o sysiem 1 irritante, beneficio do exercito hespanhi "
na violencia e despotismo, com que tem prev-1 omeou dina commissao.
dido ao rerrulamenio; e hefsdou-lhcs os odios' p*'88 iHwnhn noticias da Figueira, se salie qui
iioplacaveis na demisso prodiga, a que tem re 1 . ""'n ja esto alerta, o | poden entrar na-
rarrido, de empregados e autoridades, onde nao "f-
apparecendo ra/.es de boa administrado, nem o I .' s alumnos da escola
di/er no dia 3 do crranle
UejMMa i lo d;-: iMSih-.o
- 1 brargs rom uma I
. Ueu a cmara quando" Ihe cumpria
.i.o conla s .. do i,.., qUC |nfts f,.,,,, aas
'upla* auto |ira na ultima rieioria na lula eleitoral. apparecendo ra/.es de boa administraco, nem o s alun
sessao legislativa. A opiniao publica linha-se Os abaiios assignados confian anda mais intereane dea pavee, wb wliuita a inpnlso da 1 <*'zer na <*** ^ **o eorrente, nna m
'"'"''c: cerlos 'I1'1'"l'uvo 11.10 ha de abandonar os seus nteres- piixes mesquinhas e in|uslilicave< lehial igreja de S. Mamedc, suffragando
^'TT'TvJ'" M,,'S "f""- ',s "';....."*. *f8f*>* O ministerio creou novos lugares os mais del- ieSH- **. D. Eatophauia, de sau-
- ana s levaran os miuudros mais en risU Os abano assignados no Jaren canta do seu iPS inuleis nara o servico Mbiicn ^nrfr, H0"'"'
nmodar at.tba.Ios e ampli.,r o peasoal e a mandato aos con,.;n,es, apresen.am-se a face f. bete SS^\S I^for onrdi- 2 -luJj'"- "i*m ,,ara ass.-tir ,
n Jniael ? L ' V'"'^' '" "" S% '' "" 5 "!**** nnl!,!" "* ,hes d J ". sobr.tid,. en-aiou c^n targaa rr po l3ud"- e "^ ' 88 8 W "
Z rmr 1 S ptU^ 1S2^3?1 !''em cumpnJo 8Seu dever, ,,-,,.,- a corn.pc.io pirtaneotar taMntom **^?' t?uio pranota a delicada!
leve,' WZ,r se * 'i "y"*"* f Jf * f> <^*". nta erg.inf.os. le 1 d, n, r : ,s do esta! J',"". e*-*8 rajareaentar naqaell
FrS^/TSil^a. i..i ;. .^ucm-se quar. .,(J a.sigualuras. d, em tr-ca de diplomas ele.tora's. elEinM. 8h. Garcez; Tcgada,.
mrela, lo .1 cmara dosdeonlados revela.,-, FicanaaippndasyaaaqutTOtras rellexocsque o g.jverno distrahio j para d.-si>e*aacorenle. ,: v"'^ 'l'^-
maior cordura. A discussao da resposla au - tana Muitazer pelas -i-ie se .-ncon- ,,-L ,Tm V i-"a p 'correnles
enraa da croa que habilu.Uen.o real .na ser ran ,., pe,te l SC -UCn 1 ^Vara a o,n> rcelo tTSS? f* ]' .....U:
n ampo aberto aos debatas da ppasicao nao Effectivaneita .0 governo falloa a corazem de anta.to e-ta't Ttt&Jt^SX. ,T^ VT d'n'" ,4" ,
lugar, por sssini d,/. r. ro.s o prnjecta ap. sentar-so dame oe uma ZZL'Sa.,1. ^t2%L JtfS^L1???". *' b0,n4i-1. Dera"- '8 - I
M'sposta foi rolado s>ui donatos.
\ eoinmissr,,. mixta ncarregada de d -r o a nto hostil, o paderia fazer na prim.-.r. j ejes r- ss oleaa-M i
!W e*rc o prjecto do conlwlo Salam*: ;: lerie Ihe taoues -rrdrto F-n.- d
ger un i fragata para os receber em caso de ne-
-. bde.
I.m Tnger a fome 6 espantosa ; o colera tam-
bem ra dzimando a popularse agarena.
Experimeotavam-se em Cadix as bombas as-
phixiantes inventadas por Salas e Andujas. Pro-
vou-se a cfRcacia deste novo un 10 destruidor
asphixi.uni indas aves que para 1 ste efTeilo se
i linham posto em um pateo onde se fi /- a expo-
sao. 1
A esqnadra hespanhola que deve operar as
costas marroquiuaa com e-se de uma nao, uma'
fragata e duas c rve leuda; duas rragalasi
a hlice, dez i apoi es de ro las.
It<-l:i<,-aod:is pessoas, que se inscre-
veram saeno uiembrus do Impe-
rial Instituto Pernuiubuirano de
Vi-i4*ullura.
Antonio de Souza .eao.
Marrad ila Vera (>uz Lins e Mello
Visconde de Boa-Vista .
Manoel Joaijuiui Carneiio da Cu-
"h........
Manoel Jos Ja Cosa. .
Domingos de Souza Leo.
2,0009000
2,0009000
1,0009000
para cejo (101 se qn ilro guela
Irma is 10 I s com 9X 1 comman- Francisco do Reg Barros Ja i a-
Ii!' ; 1 11 lia D. Si - ind 1 11 <-
Cl.l.
1,0009000
1.000900
1,0007000
PERfiAMBUC.
HEVISTADIARIA
do Impe al Ins-
cerja.
Henriquc Marques Lins. .
Ilenrique da Silveira Lins .
Bol miro da Silveira Lins. .
Marciomlo da Silveira Lim. .
A nio Marines J9 Hollamla
Cavalcar.le ......
Francisco Xeo deGoaveia Lins.
l'ol
liluta Pon litara, no da 13
Ei Dr. l.u./ !* .o do loFormoso.
Barbalho Muniz Foza, prononcou o segmnie Brao de Cai.ilarbf. .
Il"ll|r-" u i rt i .. i i*
51 MIOI.M- | I:. r,*eo 1,e P",, Cavalcanleile
no uiin segunda f .;ncia, Albuquerque ,
"^TJ!1! fcT2 '^"""'g*? T'-essadslriccodeuca-M-., t.,,, andado oslao eomleri, d *'l raz ,
1,;.::!:":.^?.'"i,s:^!:i0J!"l:J J"a^'^1credore5eslrangr;ros.e nacin.^ ,:_ n.ajor oe i. r, \< 1 qinTPtahri
* finlo Ul3gaf q !
%- ." ------ ( ......M'l I "I '*>.' I IM'.IH
bre quanio podo prom- r ranciieo Joo Carneiro
. nan- i,Ui......
ira a venia v i r "._ ., "i nm
incitar i Fcl.ppeCaroeHOdsOliri,
Igr-1 V*"0
btsttali j LerenenddSie A'Liqiefj'ie
1,0000&0
1,0009000
1.0009000
1,0009000
1,0009000
1/.O0900O
1,0009000
1,0009000
1009000
1,0009000
5009003
1,0009000
1,0009000


DIARIO I>K fKRSAMftUTO. SABBAl>0 Gl BE DEZIMBRO DE 1859.
. (lU suI)Ul-.i'..-,j do
lidos a mesma 3 homens
vres. c 1 PS'Tavo, a an-
egado do Io dislricto e 1
.resuena de S. Jos.
Llera 3ti. Os mesmos casa im-
rea oceupada pelos proprietarios
avallada por.........._____ 4O0300O
dem 37. Os mesmos, casa ter-
rea arrendad por.......... 2009000
ros'intermedios : Bernardino
Duarle Cordine, Sarab Hiscock;
*, Manoel B. de Macedo, Ilenry
senhora, Lucrio M. Mahon, Jaimes
.ol Alfeney, David Huoghl, Ilenry
tleun Ward, Antonio Browen, R. Ry-
, eorgn Whit, James Browin, Joseph Smiih,
violn, Joan Masoret, P. Malhce, L-iurenle
l)io>imoes. Gcorpe Diuphnnt, Mauricio Daupliant
,{t Mean Dauphant, Jos G. Marlins. Jos da Silva
.QOQ1 ''''r ""i, Domingos Antonio da Silva, Henriquc
l.'itePoreira Jardn, Mnnoel P. Vei^a Lima, Ber-
nardino 1'iancisco Aaevedo, Joaqun ernardes
i'o Monte, Policiano Lourenco da Silva, Eugenio
los, das Noves Andrado, Emilio Piulo de Andra-
iie, Juaquim Al ves Moros.
Passageiros do varpoc Peniwungt, viudo
dos portcisdo Harte ; Manual Lean de Castro, 1.
Almendrilla M. da Costa Santos, Manoel Barbosa
5009001 do Nascimenio, Pedro Pereira da Silva C-uima-
raes Jnior, Joaquim Jos dos Sanios, Joaquim
vapor ingle/. Avon, viudo de j |dem 38. Maria de Souza, ca-
2,0003.100
1,00j5,)0'.)
500300
400^000
sa lerrea arrenda la por......
dem 40. D. Alaria Libania
Monleiro, casa terrea arrendada
por...............,. ... 1:000*000
l Continua).
DIARIO 0E PERNAMSUCO.
Com mais algunias horas que decorram no
relogio do lempo, estar e anuo de 1859 sepul-
tado no golpho do paseado, onde ir tomar as-
sento a par dos scus irniaos, que apenas liio
doixado um tombronca nosespiilos suporliciaes,
mas que sempre sera uma Cania de olis lines
para os homens reflexivos, e que consideran o
pretrito como uma ponte para passar-se ao fu-
turo.
Com o implemento lainbrm dessas horas lera
ii o nosso prsenle rrito jornalislico, nessa vi-
ll -
:,
oOOvOOO Mannel de lbuqiicrque, Josepha Maria do Amor da de sote lustros que havemos at boje vivido,
1.0O03000 Divino, o uni menor. sempre fiis aos nossos comprnroissos, e sempre
5009000' Passagoiros do vapor Cruzeiro do Sul, vio-' solcitos pela expansas das forras sociaes drsle
i finsimo do Jos porios 'UUJCU Alinrlda Sampaio, o ana senhora, D. AmbVosifra mor,
Valentina de Mello, 2 tillas. Antonio dos Sin tos I Com effbito, em nossa existencia de 35 annos
5003000 Nevesr, Francisco Copino da POnceo, Joo Mon- i " jornalismo havemos lomado por norte, em
1,0009000 ''''l0 ''' silv;l Zinha, Augusto Carlos de Amorim todas as ahases dessa nossa vida laboriosa e nao
m-if I Garca, Marcolino da Silva liavasso, Candido
l'm 'Gomes do Rogo, Jos Fran.
raras vezes ingloiia, os mellinramenlos do nos-
.. i-eo de Moiira, e 8ua
I.OOtwOO j senhora, 2lilhas menores,Seriadas e 1 escrava, j secundando nesso intuito o goverho com um
50J000 Vicente Augusto de MagaUest, Antonio Pinto apoio tranco, sempre que ne'.le lemos dcscober-
| Louceiro de Almeida Jnior, Joan Cortea de Car- 'o tendencias para consccue.o desso deside-
llioj o 2 (Uhos menores, Siman Hamblo de A-sis.' ralum.
Lutbo, no da i' de dezeiubro as 7 l\l da lar-
de o seguinle despacha
Pars 13.
Todas ss potencias, excepto Boma c aples,
lem mandado para Paris as suas adheses ao
congresso.
Temos vislajornaes do norle do imperio, de
que fui portador o vapor Cruzeiro do Sul, que
alcancam : do Amazonas a 7. do Para a 22, do
Mamnhn 5*24. do Cear a 2C, do Bio-Grande
a 27. da Parnhibn a 2.
Amazonas.Esta provincia marcha (tatiquilln-
menlo, n"iilium fado so havendo dado depois
do ullimo vapor, que merece mencao.
Para. Da carta do nosso correspondente
consta que o Exm. Sr. Dr. Sii e Albuquprqup,
digno presidente contina as suas ideas dejus-
liea de meIhornmeiilos, onde os odios desde
longo lempo exaltados parerem adormecidos ac-
tualmento em proveitodns torcas vitaes e dos in-
leresses legtimos daquella paite do imperio que
K ovante.
No dia 18 do correte fui S. Exc. no vapor
Ticte ao engonbo de assucar do baro de Jaguar
ry, onde passon o dia, e rnnsla-nos que preten-
de visitar os difierentes estabeh;i.imcnlos desta
qualidade, e outros da provincia para empreheu-
der o animar alguns melhoramentos neeesswios.
A populaeao do Para conlln.i a ter confianza
oa a iiiiinislraco do S. Bt*,, de quem lodos de
om e oiilrn lado esperam beneficios para aquel-
la Ierra, que mtiilo precisava de um liomem
impar^ial para sen governo.
NO dia > do correnle havia alli chegado uma
L
U1VMI3A-. l'IUlVlMulA&.
Rendimenlo do a 1 a 211. .
dem do dia 30.....
2:7i)7971
11$455
2:899J42C
DESPACHOS DE EXPORTACO PECA MESA
DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
30 DE DF.ZKMimO DE 18D9.
LiverpoolBrigue iuglez Glaeas, Paln Nash
& C, 400 saceos assucar mascarada.
Ilampton RoadsBriguo austraco Maria, Wlia-
tely Forster& C, 1,300 saceos assucar maa-
cavado.
MarselhaBarca francezn -, F. Sourage
4C, 1,000 saceos assucar masearado.
RECEBEOORlv DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBl'CO
Rendimenlodndia 1 a 29. 397K0-:7
Idoui do dia 30...... 2:028$926
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 29. .
dem do dia 30. ....
Assucar.As rendas desde a nossa ultima.
mosiram um loial do 21,645 saceos, 39 caixis <.-
lUii liarrii do assucar do Brasil aos presos de21/,
21 3, 21 :i e 22 0 pelo de Peniambuco : 21/1 1/2
o 22/6 pelo da Parahiha ; 21/8 pelo da Babia, o
una pequea partida a um preca reservado ; 22/
e 23 pola do Cear {este ultimo [Tero pelo di
safra nova] o i->\\ pelo do Maranho (do pbps.
23 e 2 i pelo masravo mediano c bom, e 26,' pe-
lo I o uro:
IIOBlem o hojeo morcado tm oslado mui fir-
me e os presos esto mais subidos.
Av je doce Tomos do notar a venda de 393
tonelod aos ; recos deSf 5G n 57 pelo de Gv
lipoli, eSf 53 a 54pelo do Portugal, Scvillu
G llalag i. Mercado firme.
Azr-ile de Palma.Vendas.1,745 toneladas a
S 15/, X 45, SS 45 10/ e se 6 e S 17, in-
"* clumdo tambera 490 toneladas em viagem a
45 o i' 45 11
Borracha. Tem sabido esle genero, e as vei:-
18J6o9: Jas sao importantes, mootando ao lodo em 46!
: caixas e 316 saceos nos preeos de 2/3, 2/3 1/2
lela lina di nova e "-, , 2/i' 1/2, 2/5o2 caixas'a
9?,^l?Io '; ;-' "na \ lliao muisecca; 2/2. 2/,S/li/2.
3:8025558 2, I, 1 lll , 1 10 1 2, 1/8, 1 B :, 1(9 3V. 1|K
7rfTTr7,T7 112 c Ii7 3i conformo as suas qualidades. er-
91 92(v831 caj0
DOLETIM.
LIVERPOOL, DE 8 0EZEMURO DE 1859.
Importaran.
Livres de direilus para o vndedor.
(lenetos. Prefat,
AlgodSo de Pero;imbuco por lib.:
Antonio de l'av... Souza .
Augusto de SaiJfea ^^
Amonio llamloirC Carneiro Lmo.
FranciscoJo Ke Barros Brrelo.
Antonio -los Sanfcjs Socza Leo.
Ignacio de BjiJtos Bjrrato, .
Alvaro B.L'. (Cavalcante .
A odi Das .lo Araujo . .
Joaquim Coelho de Lima .
Mi noel de Souza Leo. .
B do Camara^ibe. ....
Antonio I.uizCavalcanl do Albii-
querpie.......
Amaro Carneiro Bczerra Cval-
es n te ,......
Manoel Joaquim do Reg Albu-
qoo'qoe .?. .
Por .Miguel Augusto deOUveira,
A de Olwsira.....
Rento Jos da Costa. .
Francisco .la Silva Santiago. .
Mano-I Connives da Silva. .
Jos Antonio Ha Araujo. .
Jos Candido de Barros. .
Francisco Antonio de Barros e
5* ......
Agostinho Bezierra da Silva Ca-
valcanlo j......
Quarta-fcira 2S do correnle
concurso na Faculdade de Dieito
cedeu para o jpreenchimento da q
3,00055300
5005J.IOO
1,0003000
BO0?000
1,000^000
I .OH09000
5009000
1,0009000
1,000-5000
1,0009000
5:i00.i
5009000
5009000
3003000
1,0005000
1,00055000
Theodoro Ghristiansen, Raphael llazcza, Tisset
Gustavo, ScmanJ Julien, 1 escravo a entregar.
Segiipin para o sol : Dezembargador Joa-
quim Rodrigues de Souza, Dr. feliz Comes do
llego, 1 lilho, e 1 criado, Dr. Haximianno Fran-
cisco Duarle, Dr. Joaquim de Souza Jess, e 2
lilhas, 1 lilho, c 1 eseravo, D. Rosa Florinda da
Coiilia, 1 Dlho, e 2cscravo3, Antonio Jansen d"
M. Pcreira, Jnao da Malta Mor.ies Reg, Ignacio
JosAlvcsdc Souza, Antonio Luiz Pernandesdu
Aguiar, 0 I liliio, Manoel da Silva Monira,- Joao
Rodrigues Casado, Joao Ma modo Jnior,' c ana (a
. 3jecruta,4 para marinha, 1 preso da jos-
liga, i poncias, 10 soldados para o c\cr.ito, C 0
prelo lucrto Pedro Pereira
Passageiros di lancha nacional Flor do tic
Grande rinda no Rio Ciando do Norte : Ral-
mundo G. da Silva, c francisco Antonio da Silva.
M IT.VDOI lll i ;. BUCO :
Mataraui-sc no dia30 d r nte para consu-
mo desla cidade 02 rezos.
IIORTALIDADE D0 DU 30 DO CORRERTE:
Vulonio Jus Fernandcs de Carvulho, branco,
csalo, 40 annos, urinas doce.
Joveutin i Gomos da Fonceca, branco, solti iro,
16 annos, peiieiinionia.
Maria, parda, 3 mezes, iriflamma^o.
Ignez, branca, 1 auno, diarhea.
'' I igo Jos Piuheiro, branco i, 2> au-
tos, phlisico.
I) n i llosa da Concci';io, parda, solleira, fi
annos, apoplexia.
Hospital di: caiudade. Eiistem 67 ho-
i ns 59 mulheres nacionaes, 1 homcm eslzau-
i ), 1 horaoin esc ivo, total 12^.
Na lotalidade d doentes existem 30 aliena-
dos sendo 29 mulheres o 7 horneas.
Foram vis las is irm.irias pelo cirur-
g'lo Pinto s S horas da manhaa, pelo Dr. Cor-
nelias s 7 da manli
barca paatufluem a Pararme, procedento da ci-
du.gardo os seus n.leigsses reaes,, d,de do Porto, o cojo respe i lo d erara-se denun-
cias de nioeda falsa ; o chele de polica, recebi-
daa as communicaces depois da chegade da
barca, foi logo a bordo o alli SCllou lodas
j as oscolillias e objoclos necessnrios, fazen-
do o nipsrno na casa to eaasignatari*, enllocan-
do pairuliias sob o mando de olliciaos do corpo
de polica em um e outro lugar, e no dia se-
guialn passou a dar busca e examinou lodos os
objcclos.
A busca da barca com Inda a bagogem dos
m
F. qualqnpr que soja a opreciacao que de nossa
afanoso lidar porvenlura facam, justa, parcial
ou imparcial, recorrendo para o nosso foro in-
terno, ahi sobra-nos a conscienca de havormos
felo o que liumanamenlo possivel fazer-se
noaae terreno.
; ------" a nusca a barca com l<>da a bagagnrn i
^ lslo cm.juanto ao que nos o pessoalmenle li- paesageieos o carga concluio-se no dia 21, se
r"' . ..... que se enconlrasse moeda falsa.
"a S?"5?0 dl Vld,1.il ''"'Mslencia do I O consignatario c outros socios haviam sido
anuo ue 18o nao merecen urna commemo- mitos denota da concluida a basca, continuando
"v!1 presos um portuguez ronhecido por Grillo,]
.Vio sera o anno que acaba credor de urna ro- U um liespanhol, companheiro Jesle, por a\-
cordacao bem doce aos nossos coraedes ? | piImas Siisi..-nas que conlinnaram com parlicu-1
imporlancia 1,,,-iaade a respailo dcllcs um dos quaes, o
500-5000
1,0009000
500%50'!0
1,00055000
4009000
1,0005500 I
1,0009000
2,0003000
50055000
nao exibo elle na visita de SS. MM. II. ao norle
do imperio ?
Esta cireumslaiicia .smenle ha de etcrnisa-lo
entre os Pcrnambutanos-, que ha muitasuspira-
viui por aquella Augusta Vizita, queem scusdias
' 'Ha rcalisaia.
Urna rccordiico de amor c reconhecmenlo
ao auno de 185, que se linda.
Uma esperanza vivaz no de 18C0, que se ex-
pande como a flor abrin 1o sua corolla a lodos as
aspira coes.
Os
jornaei qu3 recebemos pelo paquete e Li-
verpool enlrado boje sao bem pouco enletessanles
em quanto as nolicias polticas. A Europa daThersina:
pn-
meiro, j liaba sofTi ido urna busca na cidade do
Porto.
A cidade do Belm prepara-se para rcccbcr
de um mudo digno a Suas Alle/.as lmperiaes o
Archiduque Maximiliano e Sua Augusta Esposa
que pretenden] achar-se muito breve no Brasil
em passeio, leudo de visitar com espeeialidade
aquella provincia, que ha de laza urna recep-
jo digna, segundo so espera.
Mamullan.O Exm. Sr. presidente da provin-
cia havia filio as nouieaces dos juizes sobsli-
tolos, que seus dous aii'.ocessores haviam escru-
pulisado fazer, por falta de bastantes informa-
eoes.
Piauhj.O nosso correspondente escreve-nos
40n9f'00
concluio-s
a que se pro-
larta e ultima
COLI.ECTOR1A f)l". OLINOA.
quasi jazta no mismo estado de incerteza, que ao
fechar da ultima, malla, a a nao ser as cscara-
mucas tidas em Morrocos, neiihuma oulra no-
itcia de mais entesaste ene ntrarao os nossos
leitores. Vctor Emanoel continuara luciando
entre a Austria o a Franca, c nao obslanlo a
Italia central ler escolhido para Regente o prin-
cipe Eugenio de Saboia feu ptim, urna nota
do gabinete das Tulherias forcou o monnrclia
sardo a nao acceitar essa regencia sen lo subsii-
Bom.
Heda a. .
Ordinaria.
dem da Baha, bom .
M(li:aiu .
Ordinario .
dem do Maraub.lo,fibra tonga:
Alcntara .
Itapiear .
Cavias .
dem de machina bom .
Meiliano .
Ordinario. .
Assucar por112s do Ilio, b. .
I. '< .
Masca vado .
dem de Pernamluico branco.
I.ouro .
Masca vado .
dem da Baha e Macti b. .
I.ouro. .
Masca vado .
Balsamodecupaili per claro.
Turro .
Borracha por 5 fina.....
Mediana. .
Ordinaria .
Cibera de Negro
Sernamby .
I Jem d i l'.ara, pe'l -'. . .
Sernamby. .
Cacao, por 112 libras:
Para balo.....
Baha, .....
Caf, por 112 Kio I. ?nrle.
Segunda ".
Escolhido .
dem da Baha primeira sorle.
Segunda
Escolhido .
I leni >lu C*ar or i Caslanha por 112 i doPar n.
8 l|2d a 8
HA H l
7 I fi d a 7
7 :j|8 d a 7
..i
d
3|4
I 2
7 l|H da 7 i| d
H .. i 1 a 9 I
8 l|l laS 1,2
s I a 8 11 .1
81|i d a 81|2d
S l|'( .1 aS 1,2 i
7 3,4 d a 8d
7 1 ', d a 7 1 "2
25] a 20,
muLlirme.
C So.A nica venda lem sido a de 100 sac-
eos d-i Bahia a -i3| p>!o picado do bicho, e 40|
pela qualida le sata. Mercado intciramenle desani-
mado.
Caf Na i lem harido transac^oalguma nes-
le genei o, do !'..
Comma de peixe.Sustenta o sen proco, nao
gados de porco.
I issara. Vcnderam-se 2,000 feixea c ' lo-
Bahia os preeos de 7, i 8, 6 (a. St
10 5| por Ion lada c 12 toneladas do Para da St
''\ a :.- 3(5, 12, G nr tonelada. Ha falla.
Sarro de vinho.Venderain-so 118barricas ("
sarro do Porio n 5| i - de 2[6, l3,e44,pelo
~>2\ a 53] i e|o '.lauco.
L'rzella. Vi nderam-so 57 saccasde Angola aos
5b' i5 e .'/ 70 por tonelada.
2:i|0 a 2 |
20( a 2:! i
2,5 :"
2 a 2^(
20| a 22,6
2">| a : ,
2i|
20| a 2:!(
l|IO A
1lS d
2,4 d a 2,61,2 d
2,1
fl|10
1|S
1|7
P 40*000 i-2-iv. i
1 6 i -!
No dia i pelas 6 hora da manhaa chegou o
vapor l'russuliij, conduziiido a seu burdo o Dr.
Diugo V'elbo, que tomn posse da presidencia no
diasegufnto pelas 9 lunas da manhaa, e nessa
noile houve uma patseata, composta de varios
cidajos.quecbeios de contenlamenlo e t-spe- | eb ^'jio do" Ilio (ir.nde
ranea lorain saudar o novo administrador em ,.,.., _.,..-
son palacio. ., . ,
v a- it i i. i j i i I Mediano. .
No da li pelas 6 horas da manhaa, chegou o. Escaro
virluoso prelado o Exm. Sr. I). Manoel r ,, ,,..-', ''* "i i'
..,,- i 1 j Cera de carnauba, por 11 !
Joaquim da Silvciro, acompanhado do ^r. eonc-
^'i Joaquim Flix,do sen secretario o benolicii-
>l
4.1
5*|
50,
S6|
'H\
4',|
511
1\
57,6
46,
. I
,.2|
5H|
50,
'. I
raga de substituto, que existia alli.
OppnzeramUc os Srs. Ilrs. Tor^uinio Amaran-
te e Pinto Pcssoa, sendo aquello collocado em
primeiro lugfcr no icsultado da congregacao.
1 a/.-se preciso aUum concert nos bancos
da ponte da Boa-Vista, oque lembramos para
que, com ai centinuagao do deleriommcnto, a
c -, eza nolavulte.
Os amaojai daquelle poni merecem alguma
ntlencao da^jaclles a quera competirem toes re-
paros. t
A iberia at o da 14 do futuro inez
nejro a nscripco dos caraltos, que devem
ii partajia corrid'a do Jockey Club, no dia 19
Q im >mo ii i.
sao ais corridas, sendo a primeira na ex-
de ml'J bra.ys; a segunda nade qninhen-
c a lercj.ra nnalmentc na do selecentas. .
CX;**! de20S.1503 e 10O$O03; e
7, do l.slevao, e do seu capellao o beneficiado
.tnpameato ta decima urfeatnos do districtn da eollectt- Ganballe vendo a lucia perdida, vendo a!i-1 S. Exc. Brm.a foi receldo sobo palio, ecom
ra qiio Sfin d8 servir no anuo fi- bordado da Italia tornada um sonho e nao quo-' l,"!'1" u' honras devidas- sua elevada pusicao,
naneeiro (!p isr,!> S80, pelo re. do comnrnm!i celleetor Manoel Jos di
lo A:iio:-ii.
Ie2ti re. do compromelicr o llei Victor Emanoel con-
o Xoco * 3 '00
,i flanco de Peraaiubu
uolas de 10> e 20;00l
tira
Recebe^
len-
co acha-sc re-
da 108 e 205000 i'is que emi-
!ro j; i a seguinte caria do Sr. Dr. Pe-
que 01 ressamos a publicar pelo
o ella conten.
:l 11 DE BEZEMBnO DE Ib'J.
1.11 \ e ana
,1 nesta cidade, duraue os dous me-
' s, duas seccoes d 1 commissao scien-
* toe a, man ,
ni .mu I" governo imperial explorar
provm
111 e outras do nort
Boatos t',
, |( j idiculos o injuriosos, sobre sua con-
'.-, '.'ii modo d > proceder, os I.
ponulacao 1 haviam indisposlo contra ellos o
t 'tu nina
pi 11
M 1!
I Of tal modo, que foram recebidos
zi, e urna reserva, que chegaram
u
con1" criacno:
estas insir I":"'" desmentiram completamente
.:.n.i,i,i 1 iiaces por urna uibanidadc, o uma
i.niu'ti i-,. 1 1 1 -i, .
Suas m-- a l'!'-'"''i J- homeiw llusli
me
o Exm1,
Jnciras capUvaram os Icoeoses, c lor-
i'eVi inJ psarosos do os nao ler receido como
u r.\m" ,. .
...uo, e; conse ."i1
rnao edCf" "''^
^m.-nt-nregados d
l'r incis 1 Freir Al-
Uanoel Freir Alle-
a seccao de botnica, nao
.'(son sobrinho Dr.
:cSc
isignes na sua espeeialidade, mas
sao trabalhadures conscienciosos c in-
(, fanticos por sua misso, que com-
111 um zulo digno de varos lao Iranscen-
,comraendador, Dr. Manoel Ferreira I.a-
somenie
tumbem
1 --ante
I
d ules.
c|neommenaaior, in. manoel Ferreira La
2 (*' .Kirriiga lo da parte zoolgica, niio achn
secca' F na ^"e ^'l/cr no ser,ao em ,empo de
,jha sua espeeialidade, enlregnu-se eslu-
nologicos, arehcologics c lopographicos,
c inn la jpi pi im II urna eolneila im-
portme. Suasmaneiras delicadas, seu carc-
ter agre o folgazo lhc conciliarara para logu
da jfneia vjsla.a benevolencia de lodas as
ms que o conkceram : e julgo que em toda
1 iide se 1 t iiId nao houve urna ppssoa que
o nal conheccsse,su nao lhc Picasso derendo
n benelcio. 1
Sos adjunclo- o i, gne desenhsta e aquarel-
lislajcapiao Carvalhc 1 o Sr. Joan Pedro Villa-
Real habillissimo pre^.rador da historia natu-
ral, kan s merecerain as roesmas sympalhias dos
Icoeases, como fizeram ricas coilec^es que
inai os lionram do qlie quanto se pode di/.cr
dellts. \
Ires doulnii s em medicina, alera dos seus
tiMlAlhos scienlificos, prestaran.-se com summo
gostm, e sempre graluiaineulA. s exigencias dos
muilos doentes que os chamavam, quer ricos,
r pobres; c a estes ilao somenle ministra-
os sor-corros da medicina, como Ibes da-
remedios sua cusa\e dinheiro para so
gdos ellcs espargiram einiola!' e beneficios
iios cheias, e com uma llberalidade exlraor-
raa
11
tra
1
luiria, que chegou ao pontol de traduzir-se em
alwrria a escravinhas que d\l\es so valeram.
Com semelhanle proccdiniero deiavam os Ico-
enpes em geral cheios para cdVii cll?s das mais
gineeras sympalhias, c ppsaroaos de se terem
daixado Iludir por boatos mentirosos, c de nao
ler dado o tiatamcnto merecido por t.io
bplhanles qualidades.
Bogo a Vmcs. que se digne m andar inserir no
jiiario esta homenagem devida verdade, pin
gjgnal da gralidao que tributa todo o Ico. e cu
nrticiilarmente, a to nobres c.ivalheros, pe-
los modos delicadas com que se portaram nesia
idade, e pela mane-ira porque se di^naram tra-
I irme, durante a sua residencia nella.
Foi preso pelo subdelegado do 2o districlo
n Escuda Jos Henriquc, que havia assassinado
p engolillo Linda Flor, do Bonito a Jos Cot?z.
: 1,fuamos a alleneao do Sr. fiscal da fre-
ijjue/.ia le Sanio Antonio, para o estado pm que
se aciiam as rampas do caes por Iraz da ma do
Imperador, oulr'ora de S. Francisco.
Nio 6 conveliente que se continu a fazer os
dispejos naquellas rampas, A iUastrissima ca-
mn deve designar oulro ponto para esleervieo.
No dia 27 do carrcnle foi rccolhido casa
tic Dr. rhefe de polica.
No da 28 foram recolhidos mesma i homens!
e 1 mulher ; sendo 3 livres e 2 escravos, a sa-
Irr : 2 . ordem do delegado do Io dUtricto. 1 a
erdem do subdelegodo de S. Jos-, 1 a do subde-. avattaaa por.
Estrada de Sania Anua,
N. 1. D. Harianna Uctliena
Joaquina, casa lerrea arren la I
por ................. ....
dem 2. Amesma, casa terrea
arrendada por.............
dem :). Aradsraa, casa lerrea
arrendada por............
I lem 4. Amesma, casa torrea
arrendada por............
1 km o Amesma, casa terrea
arrendada por.............
dem i. Amesma, casa larrea
arrendada por.............
dem 7. amesma, casa de so-
brado oceupada pela propie-
taria avallad 1 por........
I lem 11. Joao Venancio .Ma-
chado da Paz, casa lerrea ar-
reo.la !,i por ..............
dem 12. Jos Canudo de Cai-
vallio Medeiros, casa lerrea ar-
rendada por..............
I lem 13. Joao Venancio Ma-
chado da Paz, casa terrea ar-
rendada annnalmenle por. ....
dem 14. Carlos de Sena Fer-
reira, esa ierre arrendada por.
Ilem 15.- Joo Venancio Ma-
chado da l'az, casa terrea ar-
renda la por..............
I lem 16. Luiz de Moracs Go-
mes Ferreira, casa tarrea ar-
rendada por.............
dem 17. Herdeiros do Padre
Manoel Thoni, casa lerrea ar-
rendada por............ .
dem 18. O mesmos, casa ter-
rea arrendada por........
dem 10. Joo Venancio Ma-
chado da Paz, casa lerrea arren-
dada por.................
Mam 20. O mesmo, casa ter-
rea cecupada pelo preprielario
avallada por................
lien-21. Francisca Beneficia
dos Piazores, e Jesuino Antonio
l'essoa, casa terrea OfCpsda pe-
los proprielarios avaliada por. .
dem 23. Luiza Maria doi
Prezeres, casa lerrea occupaJa
pela propietaria avaliada por..
Ideal94. Herdeiros do Anto-
nio da Silva e Companhia casa
lerrea arrendada por.......
dem 2. Os mesmos, casa
lerrea arrendada por.........
dem 2G. Anna Josquina de
Sania Anna, casa terrea arren-
dada por.................
dem 27. Perpetua Candida
da Silva, casa terrea arrendada
P0f............*........
dem 29. Dr. Joaquim Fran-
cisco de Mello Cavalcanle, casa
lerrea ar endada por........
dem 29. a, Joao da Cunha
Iloi?, senhorio das henfeilorios
temporarias avaliada por......
dem 30. Jos Jernimo Mon-
leiro, casa terrea arrendada por
Ide m 31. Y uva c herdeiros de
Anaslacio Francisco Cabral, ca-
sa terrea oceupada pelos propie-
tarios avaliada por..........
dem 32. Nicolao O. Biebcr
& C, casa lerrea cecupada pe-
los propiiclaiics avaliada por.,
dem 34. Manoel Calmont
C, casa terrea oceupada peles
proprietarios avadada por... .
dem 34.Herdeiros de Nico-
lao llodrigues da Cunha, casa
lerrea oceupada pelo propriolario
Azore- tinuando a frenle do movimento,
, vida piiLe.i esperando encoi Irar no lar don:
! tico das consolacoes que campo da
ininiiem a frenle de suas casas por in s das, o
relirou-sa da que Se fez na noile da chanada de S. Exc. Hou-
lambcm patseata, e todos os habitantes da
balatha lhc "*"*esiiia estn captivos pela bomlade do nosso
niadeu. his: B .
/. -, , I Na igreja matriz, S. F,\c. todas as noites tem
eslao dese-,"e'ados, e veem-se pregado a palavra de Dos, cheia de unceo, c
100*000lem mais iristae lircumstancias do que antes da
ultima campanba. O congrefso que se deve reu-
100*000 nir em Paris no dia 5 du Jai.eiio consideio
no como o seu funeral.
IOOOOO i Todas as potencias signatarias dos tratados de
1815 1 '-jui parle neste congresso para o
103J>000 qual'j i lorao expedidas as cartas de convite.
cercada do loireutes do vasta e variada orudi-'
cao, com o que tem prendido a atlenco e cau-
sado admirarao em todos.
No da 2", alleceu o cdadao .los Mauricio
da Costa Pestaa, chal do partido liberal.
U dia i de dezembro, anniversario natalicio
do no-so querido Monarcha, foi enejado com
parada, cortejo, e uma partida em palacio, que
Cintres, por \i'\ ~. de vacra.
1>* boi. .
Cinzas de ossoa por tonelada :
Branca. .
Preta .
Clina por ftdecavalio.
de vaced .
Cobro vclho por ;:......
; Couros por i do Ro,
Seceos de 30 an.
de 20 a 24
de loara*, :!"> a ti
dem do Bio Grande, t>or :
Salgados,de fi." a 70 T
n do "> a 50
11 de varea {0 a '18 i
Cavallu reos, 10 a 13
ti| a 571
:.|
2i
20, 8 -iq
2'>| a Si
H.-
d
su 1 iniinou pelas 3 horas da madrugada, reli-
|Us nomes dos diversos repres,mlantes ainlajse rihdo-sa lodos contornes com o Exm. Sr. Dto-
ldOSCOO nao sabem, posto que os jomaos ja lenham in-'go VcUto, que a todos tralou com alTabilidade.
dicado muilos, mis nada oTTcul. Sobre a presidencia nada lhe posso di/er se-
100*000 Mazgini continuava a crear proselylos na Italia ,,a' ,q"e "V"nf bK'" ,,""1;,uas seraneas no no-
_____., ;3 vo administrador, que me parece ntelligentc c
apiovcil.ndo-seda incerieza geral e aera man (mentado de bonsdaaejaa -
que possivel qua um dia em que menos se pen- Mando-me essa caria para o Dr Cruz Gouvea
sar estalla revolujan.porem em proporcoes maio- ''' as -Vlt'ia-S ^ 'nrcliilm, e diga-me ao Sr.
res do que o ullimo movimento republicano -X^r^TcVoT^^^.0 ^^
anonaao em Bolonba a qual nao teve eonse- Cear.=Procedeii-se, no dia 18 do corrento.
quencias, gracas a enrgica attitude do Fan'ni. Icloicaada depulados 1 lovincaps.sahindoeleitos:
A expel ca Franco An-'o conlra a China "'Grieto da capitalDepulados : Jos Paulo
csava -se preparando, c a Inglaterra, demida de : n''''T'' Ca-m|5Sl !"" ->n'"nio.,la Sil!" Vl'".",a'
'. "" l"u'' '"- Drs. .ioaquim Mondes da Cruz (.uunaraes e oa-
preocugagpes toma tamliem parte no congresso. ; quin, Antonio Aires Ribeiro. Sapplentes:
O lenenleg-uieral ooje foi nomeado ministro! Jos Nunca de Mello, Manuel Eugenio de Souza.
da guerra da Prus^ia Districlo de Ualuritc.Depulados Drs. Cor-
O Dayle Neovs. indica pan representante'lJ"11
|i!a Inglaterra no congresso a Sir Hamistun
481000 jLeymtur.
1 Os differa'iles artigos dos jornaes italianos
occtipao-s'e nnicamentedo congresso. A opi-
nioiie advoga pela necessidado da que o Pie-
monle seja representada por Cnvour liste
65 1*000
2OO?0OO
9G0O
723000
48*000
jornal ministerial
005000 j potencia se recusar a acceitar ests distinelo ho-
rnera d'F.slado.
Diz-sa que o General Farine tem preparado
:, um decreto pelo qual se supprime todas as ad-
minisiraQoes centraos na Romana Moderna,
Parma, e ciia urna so administra^ao central Albuqu
e geral etn Molona om cinco ministerios.
O governo inglez conre.l.m .1 cathegoria de
S05000 lega-o
rento
Rio-Cranre do Korle.zzz Vo lendo rpido an-
damento os trabadlos do pharol da barra, e os
da lorre em que deve ser collocado o relogio
de urna praca. ,
A alt'andega icndcu 110 inez passado a quan-
lia do 18:186*88$.
A thesouraria provincial ronden na mesma
i .-.o^ooo
le Turim espera que ncr.l.uma *PfT" 8:*845
l ma caria do Apodi diz-nos o seguinle :
Em addilanieiilu a minha carta de honlem
acrescenlo-lhe que ueste momento chega aqui
a noicia de que indo o subdelegado de Luiz Go-
mes prender a Vicente Brasil, e outros que o
seguiram, succedeu que resistase esle c os seus,
e ebegando no conflicto Antonio Ca alean t do
erque, delegado e jui* municipal sup-
plente em exercicio, procurando acommndar se
Iravou uma Iota entre elle e llrasil, e esfaqueia-
, rara-se reciorocamonto, houvcram urnas tres
de primeira ordem a de Turim, que al Lories, c outros ferimetos. Foi preso um da
agora era lula com) segunda. Igeiito de Vicenta, e os prenles de Cavateanli o
^o dia 5 de dezembro eia tal otiioem Pa- |fll"'riam malar, mas a islu se opoz o vigaroBe-
ris, que o termmetro roa rea ya .|
t'u C
E 2 10.
9 d a 2 6
10 1 a I3|
10 l|2 I
9 4 a 13 I
'.I la lid
s i i 9 J
7 .1 7 !t|4 d
7 l 1 7 Ii2 'I
it.
7 11* d a
0l a I0|
9|6 a ll[
7| a 8
8 I|2 l a 9 I
SI|2dB0 d
10 d a 12d
f, d 6 112 d
12 a 11
85|
. i
i 10
I|9
1|6
60| a 701
4la 50|
8 1
zero.
No dia 30, o povo sabio de Toulon a fragata
franceza IJriada conduzindo a seu bordo o
7 2-OOO j general Bollineau e seu estado maior e dous re-
Iarmio cimbado desta- Os parantes do pre/.n
por seu turno o procuiavam lomar; (lea aquello
lugarcm moestado : a sorra do l.uiz Comes 6
a ierra classica de dcaordeiros, salvas algnmas
pxn.-|icoi -. Com mais vagar lhe direi mais ol-
guma eouaa com miouciosidade.
40^000
200?000
Parakiba.Nao recebemos cartas nem ior-
g.meutos de linhas parle do exped^ao conlra a naes.devido s fcslas c regosijos que se faziam
,-',lna j pela despedida de SS. MM. 11., quepassaram
romperam-se as rclaces diplomticas entre a honlem, pelas 5 1f2 horas da larde as aguas do
Inglarcrraeo Paraguay. 0 Monitor de 8 "";<" porto, em demanda do de Alagoas.
publica varias alleracoes no corpo diplomtico.
Im redactor do Amigo da Religiao e o'
impressou foram condemiiados priso, e a uma praca D REC1FE :10 DE DEZEMBRO DE \bb9.
200. 000 ; mulla pela supposia caria do rei da Sardenha ao S TRES HORAS DA TARDE.
i imperador. Cotacoe olliciaes.
Os mouros de Marrocos conlinuavam a ven- ^e^^ol^ealo^Vprarroba
) der cara a invasao do seu ter nono, pois em lo-1 Assucar mascavado Ca:ial-25300 por aroba.
das as escaramiicas os hespanlioes teeni lido Cotarocs olficiaes no dia 29 depois das 3 horas
grandes perdas, nao passaodo da defensiva, e
) 6chani!o-sc ahila lodo o c\ercto a poucas mi-
llias de Ceula.
E'o que encontramos do mais nolavcl. As
) especialidades ve las-liao os nossos leilores as
correspondencias das diversas localidades que in-
serimos.
Em Portugal, foi dissolviila a 23 de novem-
bro a cmara dos depulados, sendo convocadas
1:000*000 as corles para o dia 20 de jinciro. As eleicoes '
esiavam delerminadas para o l.dia do anuo. '
O estado sanitario era exrllento. A ordem do >
dia, eram arranjos eleitoraes.
3*<>dO Diz-noa o nosso correspondente de Lisboa,
que o governo j ncebera convite ofDcial para
enviar os seus representante* ao congresso eu-
) ropeu. Ignorava-se aHi quem fo malas esrolhidos, mas d'una caria que temos
vista, inferimos quesera nomeado para chafe
8009000 da missao o conde de Lmalo, miuistro por-
tuguez em Londres.
Tettjrami.ci.
Ot''OOO De Pars, ic'eku o DOMO correspondente de
na tarde.
Cambio sobre o Rio de Janeiro 1|2 e 1 0|H de Amstordara
rebate.
Francisco Uamtde de Almeida.
Secretario.
AI.FANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 29. 478:17 i jOCO
dem do da 30......10:472G
Mein silgados. 25 I
30 %.....
dem dem 16 n 20
dem de roco, Bahia,
AlaranhaqePxri ;
Seceos sslg.,20. a 30 %
n espichados 10 \
Curtidos 7 a 9 >
Jlolhados sato., <0 .
a i< R.
dem do Ceari, Parahiba e Maceio pr
Seecoftalg. 30 a 32 ?. 9 d a 9 l d
|fodiados.4 a 30 '- ,; ' ' i;
Cumar por libra bom.. ll
Ordinario.....I|2
Jacaranda por tonelada, do Rio 11.
I Ir 111 .! llalli.1......
(ier/elim, par quarteirSo. .
1'iassaVH puf 220 lii. do l'ira'.
da Babia.....
Salsa parrilha por libra boa.
Inferior ....
Tapioca por 1125 Kio superior
Ordinaria.......
L'ruc por fi do Para iiom. .
Fundar e Cambios.
Fundos iiiiilpyes.
Banca de Inglaterra (aceces l'ri,n
Consolidados...... 3-'.ib d| e .H. .jS
a95 Ite!
3'Jj l|2a 93 \
:eiri .
4 1,298 1
5ll a 10
', Ii291 I|2a931|2
3
;[_',' 3, a .*J l|1
333 1(2 a 3: |i
31D1|2 a 11 1|2
-1 \ (2 r t le
4 99 a 100
3J:] a 21 t|'i
3
t _',t :, \'t t|2
:'.'.. I|2 a i6
5 _i()9 lll
1(29S a 100
Banco de tranca (acedes). fr. 28|90
Fund* franceses. ' l|2 !W!|2t
w 37 lll.
Metaes preciosos.
Ouro em barra.....1'. onc.s 77|0
l'orluguei eui inoeda. "
Brasil..... )
Oncas hespanholas.
americanas.
Prala em barra ....
Patacas brasil oirs 0 >
Pesos columnaros hetpau. >
Carel us ...as
Ferdinand ...)'
Pesos das repblicas ii;sp. >< a
Mneda de 5 fr..... o
Cruza li dovoi ... i) 1
C imbiar.
Lisboa.....90 d. d.52 3,8 d 52 5,8 d
Poric..... 52 5i8e52 7S
llin de Janeiro, n. 60d. v.21 de 2' 1[2
Bahin e Peruarob." >>
3 m. d.11.15
Itomburgo ... 13,5
Pars..... >. 2530 a 25.35
b.....3 d. v. 25.7 1,2.1 25.12 I [2
NAVIOS A CARGA PARA O BRASIL.
Dezembro 15CearF.milv.
LISBOA. 12 1)13 DEZEMBRO DE 1859.
Prera correales dos gneros de importar o di
Brasil.
13o de Pernamkuco.. 150 155
Dita do M^ranhio ... 135 155
.',-- icar de Pernamlm a bran-
ca ............. 18900 -:
Dito ma'cavado..... 15:;) l.-s'i>
Dito 1!.. Uid de dan iro lll. lj50) I36UO
Dito da Baha b..... 1-5950 29200
l: lo dito mascavado. ... 13500 i#6>0
I) to do l* ni ,'..... 1.-503 l600
Dilo de Cabo Verde......> 2J400 2?50(>
A 111 r lente d cu n 1 I 1 l!r .-
mi.........
Alpisla............
Arroz da India 'i >a .
Hilo do Maranhao e P-r aup.
dito bom........
Ditn dito 1 r im uto ....
Dita dita n.iu lo........
Dil Du> .i i", resillar.......
lo Rio prim 'ira sorte
Dito dito se unda 5:; >. . .
Dito dito le ceira dila ....
Dito dil 1 fscolha boa ....
Dito da Bahia.......
Dito dd Cabo V'prde.....
Dito de S. I. p Piincipe. .
Dito d< Anzol .......,
n i!-i Pai a ....
i <........
Dito de San Tltom.....
('. 1 .-:maiella de Ajela .
Di a dita de Benguela. . .
Cravo du Marauhn 1. .
C mi de girofl.......
1 ........ ...
Couros tos do Ri.....
Comos vcr i.-:.a iu .le Min is .
I" :i rli l*n da Baiu. .
Ditos dito: ' ' Ango .....
Couros s li .do- do Harankio.
-!-'. d P*rBmboco...
D'ios dil n da Baha......
Di o d los 'l" Ane la......
-- Cali Ver fe.. .
Diloi ilii H das lili .s.....
Dito dilos ni tiro*.......
Cevada esUaii):eira......
..........
De ni de marlim le......
Ditos dito meiao........
A




n




i)




11

IJJOOO
59600
5*200
S3S00
35200
58200
:!-.u.
33IOO
33000
2:6i)0
:!-5 .00
13500
43 00
35700
33500
.-; ;()
:.-i 1
325
110
7r.;i
3200
C52O
',.-: v.i
5*000
33600
53 MO
33 too
35O0
33 00
23900
23700
331OO
4? m
33100
I
326
3 10
,-..:!!
16 1
M 253O00 00- >
u
>>
o

n
A
1
liaos <:: escr velbo.....
lii \ a doi c........... i?
1 1 ......1
Dita (Illa 1 jot.11....... >i
Dita dita or'din ira.......
Dila do llral..........
Vtilliu e-Ir o oir....... A
Mriacn............ P
U de eopahiba . . .y. !'.
Ourur............ Arr.
Pimenta da India........
parrilha uipti 101..... a
Dila dila reaular.......
Dila dila cr linana......
1 1 Sil iro r'; ......\
" iiiuIp. .
ac boa..........
I . lia -i Anola...... ; 1
Dila de Btngotla........
',' :< de Cabo Y-.-rd-1......
Vaquetas do Maranho.....urna
Ditas de Pernambur....
157
102
237
122
131
157
177
lll
175
205
gao
1511
.'.-O
238O0
1-1511
7i>0
207
267
197
180
210
77 '
' '
215
j IO
l 1
330
>-. .1
1325 '
3S800
5-:..l:.
."- (I
2?00
I
:s:>
.... P.
[teduzldos. . . .
['undos de Eslan;
Belgas. . . .
Iwatleiros . .
a . .
I>inamarque7es . . .
llespanhes. . .
1)Heridos .
B Pas ivos. .
llollandezes . . .
. . .
Mexicano?. . . . .
Porlogoezes . . ...
O . 1859
. 1853
Rssos. . . . .
. .
cm mielo
^rnni 1.
las. .
77iC 1,2
77 |K 1|2
77|1 e77|3
75(1
52
>i
5,2
Asnarri nte .
Azeile
d
Batatas .....
Cera branca em
lila 1 '.o ve
Ceblas.........,
Cenleiii...........
Cevada ...........
Carne de vacca.......
de porco
Chou ricas.........
Parinha de lr:t;j marca lili 1
Milho............
M miis de ' ireo.....
...........
Prsenlos.........
S,l.............
triso rijo do rci:i......
Dila malte.........
Toucinho..........
Vinho do Lisboa linio. .
Dito dito blanco......
Vinagre de Lisboa linio .
Dito branco dito
Alm.

i -1 un
1M>,|
ai
333000 363 I
5O3OO G "
100 150
?0 liKI
12a 09 n
o 103000
7'.' S 1
CO 70'
23100
i !- 1 .
I
R5OO 1 II
I
1 _ 10
5;-l!'f! S3I50
. -s-. 1
80
Arrat. 30
>
M
A
.'.
n
@
11
A
Duz.
^loio
A
n
i
5011
100
500
330
360
800
:; ;i
;
iJ
t".;i
IO
310
12-lHi;.
24
43800
1
400
3H0 l
I3IOO
i 3800
I38OO
8lO
7
33G0O
II o de Jaaetra.
Londres 00 dpi
Parn 100 dpi. .
Genova 3 ni|d. .
Ilaii'buteo 3 iiipl.
Imsterdstn 3 mpl.
Madrid 8 d|v. .
Parto 8 d|v. . .
5|
5| 5|0 lt8
5(0 1|2
Canbtor.
60 d;v. 125.
.....53 3|i 7|8.
.....534
.....531.
. 7 3(8
. i-' 1;S
. . 050
. . pr.
Males.
, 83000
15*150
fjlOO
P 963000 1003000
; 11203000 131 0
53000 5 .-1.11
508'JOO 55-:>;jo
83300
53300
1iaOO
488.6565025
MOVIMtNTO DA AI.FANDEA.
Vulumes entrados com fazendas
< c com gneros
Volumes sabidos com fazondas .
c c com geucros .
18$250
13490
19950
950
05(1
940
39530
885
fe?160
183! I
43500
l-i. 1
960
960
I '
3j.5.;i
9uO
8--.' NJ
301
127
== 428
180
US
298
Descarregam baje 31 de dezembro.
Calera ingtozaD. Dogofazendas.
Galera trancezaAdclledem.
Barca cmencanaIlasardceblas t btalas.
CONSULADOGERAL.
Rendimento do dia 1 a 29. 57-771;i'J
dem de dia 30......1:090409
>-M aronhi 0! .candor.
i -Tari Sfaark.
>.-^ > i it Bit.
> y, -1 tabella Scolt.
12-P unan bucoBnnila.
8- > Miranda.
15- y Adelaide.
9 .- Georje.
11- > Linos.
> 20- Agatha.
21- >> Goward.
20- Mary I'loik.
59:462>108
Pecas de 83000 ....
O-icas hesp.iiilinUs. '.
Ditas mexicanas. .
Aguias ile ouro dos Esta-
dos Uni 'os.......
Soberanos a (prala). .
Ouro cerceado (a ourc .
Palacas hespanholas .
Ditas brasileiras .
D'lai mexicanas .
Visite francos ....
Cinco (raucos ....
Prala (marco,.....
Iudos c accs.
3 por cent de asseutameuto 46 1 p2 a 46 3|f
Coopan ......
Divida ib Herida .
Banco do Portugal. .
Dilu coinmercial do Patio
Dito niercanlil. dem .
REVISTA COHMERCIAL,
De 12 de novembro a 11 de dcatmbro.
O nosso mercado leve no decurso esto revisto
pouca 1 nfm i, c apenas em assucar c cera se
uzerara Irausacces mais grulladas,
O mercado de fundos nao mclliorou, anles ao
contrario se lem depreciado; os inscripeOes de
3 por cenlo lera baixado, e nao ha quem Taca
Iransacrops, e p de suppor que este talado cofi-
lir.ue al a cleicoo da cmara legislativa.
Assucar.Entrara 1448 saccafj'i-r'pfambii-
C0. 323 caixas, 20 saccae,^.'. ^Te da Rahia. 32
caixas p 28 ljw*--v uoHio, 38 barripas da Ma-
Av>< *' u S. Miguel c 50 de Londres. 0 pos-
409,100 saceos, in;luina>-r%fV! sOidores conservorara lirmes os preeos at no Cm
mbuco, etc.; 6,60*tf^:~"'"lclc' do mez passado, c as ullimas nolicias do Brasil
a melhora que oblevc no mercado de Inglaterra,
e as pomas partidas que ha cm primeira mao.
aeram logara qne ostransaccoes cffecinadas no
Algodo. total do algodo vendido esto an-
no at 2 do correnle monta cm 2.534.990 saccas,
iurluindo 109,660 saccas do Brasil.
O tolal das entradas at a mesma data monta
em 2,461,996 saccas, incliiiiido 116,976 do Bra-
sil.
Em ser fcam
saccasde Perna
c 4,650 do Maranhar. *m r'**" .
Procos rao ^'^-^ mercado um tanto
IroBjEe ..'""
45 1| 1 45 e li2
31 31 l|2
55O300B a 55I3OOO
253.-000 255?tMK
235^000 1 2402000

MUTILADO


")
DIARIO DE PERNAMBUCO. SftBBAO 31 Dfc DEZF.MBfc; fcE 1859.
presente mez ob'.ivessem os precos collados.
A existencia desto genero e buje de
Caixas Fekes Barricas Saceos
1:769 T 2:268 19:855
Algodao.Os precos nao melhuraram, e as ven-
das cffectuadas tenia de cerca de 400 urcas. De
Angola entrarais 77 saccas, de Bcngaella 18, c
de Liverpool 120 fiirdos.
Agurdente do Brasil.As entradas foram de
50 pipas de Peruambuco, -i harria de Madeira, IU
fiip.is de Londres, 40 cascos de Glasgow, e 61 bar-
ris da de palma de Oda. Houveram algumas ven-
das para os Azores no preco de nofisa colaeao.
Azeito.Esle genero lem subido era preco co-
mo se veda nossu colaeao. A concurrencia ao
inTcado pouca, mas os precos suslentam-se
com milita firmeza.
Arro/..O deposito c abiinJanie e o mercado
lcin-se conservado frouxo.As entradas foram
le 1501 sanas de Londres, 1850 de Liverpool,
1456 de Haniburgu, 3000 de to i c 310 de Hel-
i "' r r n,,n\ -~ l'ela insnecco da alfandega se faz publico
e^T* "l'?rT ?"\ a'C"'1S 'I' nrremaacao dasraixas fastas anu ..riada
saccas e as vendas (oram limitadas, e a nossos
Aracaly10 das, hielo nacional Aova Anglica,
de 47 toneladas, copitfio .loiquim Jos da Sil
veira, equipagc.m 6, carga sola e cuaresma
Prenle Vianns & C.
Rio Grande do Norte2 dios, lancha nacional
Flor-do Uo Grande, de 42 toneladas, capitao
Antonio Jos da Costa, equipagern , carga
assorar ; a Luiz B. de Siqueira.
New-1'orl36 dios, barca americana /. .4. la-
sar, de 256 toneladas, capitao Charles S.
Williams, equipagem 9, carga farinha de trigo,
madeira e mais gneros ; a llenry l'orster 4 C.
JVovio sahido no mesmo dia.
Torios do solVapor nacional Iguarass, com-
mandanle segundo lente Joaquim Alves Mo-
rcira.
Observaco.
l'assou parj o sul a esquadrilha imperial.
Editaes.
procos.
Caf.As vendas intimamente realisadas sao
de pouca importancia paia o do Brasil, o de S.
Tliom tem obtido aiethora de proco pela demo-
ra dos navios desta procedencia, de Angola ob-
tevo prompta sabida aos precos colados, c o de
Cibo Verde conserva-se sem'alleracao.
Eutraram de Angola 808saccas, de S. Tliom
22, de Caliu Verde 25, do llio de Janeiro 170 e da
Bahia 100.
em eJital de 28 do torrente licou transferida pa-
ra lioje. Alfandega de IVrnambnco 30 de de-
zembro de 1859.O inspector, Bentn Jos Fer-
nandes Barros.
O Or. Manoel de Danos Brrelo juiz do paz Jo
1." districto da freguezia do l'oco da Panel -
la, em virtude Ja le, de.
Fago saber que leudo de formar-se a junta
qualiicaJora deslo freguezia, no dia 15 de ja-
Cera.As entradas foram 1 01 gami las de An- \ nciro a0 ar"' prximo futuro, como determina
gola, IflO de Benguella, 49_de ossamedes,"_140|o art. 25 da le n. 37 de 19 de agosto de
caixas de Soutbampton e 15 volumes de Cbral- ( 1816, para execu5o do que dispoo a mesma
As importante,ordens do Me.'torranco ucr.un lei'acerca da revis5 o qualicac,o dos cida-
lugar a faxerem-se grandes trausaccocs, elevan- daoSfirtWnes, e tambetn do que a respailo de-
do-so os precos que se conservara cora firmeza, termina o decreto 8i2 de l de elembro de
Cacao-Nac leudo liando *xporlae>, as en- |88S e 1812 de 23 de agosto de 1856 mis.
das limilam-se ao consumo, e por is.-o os precos ,. '
podom reputar-se emo nominaos. ' .l(jr nara "dicado fim, que sereunam o? elei-
Couros.Trausaccocs regulares tanto para re- lores, e suppienies desta freguezia, em conse-
exportacio como para consum. Nesta ultima fluencia d o que e em\ntuilodas resolucoes do
KfflS^^ ** os.conrocpd0 p-* p ?e ac,,a-
Como para consumo lias pellessalgadas mouras.
As entradas foram de 1426 de Angola, 0*> de
rem no indicado dia as 9 lioras da manhaa no
consistorio da igrejj matriz, sob pena de incor-
Bcnguclla, 424 de Mossmedes, 1938 de Cabo- rerem na multa fulminada na le citada, anuel-
Verdc, 78 do llio, 428 da Babia, 100 de l'ernam- <., ., r.liamm . ..: .r i
buco e 207 da Madeira. Ib6s qUe, Uu"em * toiivo justificado, os
V
iui o \z vi u.i nautuaa. "
Gomma copal.Nio ha vendas. Consis'iram as 'I."3" eteitoies e supplenles acuna con\ocados
miradasera 655 volum.'s de Angola lao os scguinles senhores
Gomma do Brasil.Alguinas vendas, o deposi-
iica'4t's. lio Rio entraran] 50 barricas.
Mclaco.Tera-So vendido lodo o qne tem che- !
^ado aos baixos piceos que colamos. Os suppri- ,
znentos de Inglaterra fazem cora que osle genero
lo melliore desiluac.io.
As entradas foram de 0 meias pipas e 409 bar-
risde l'eniambuco.e 70 cascos de Londres.
Mar:im.l'oucas vendas, porque os possuido- :
eutraram !
Mossame-
res t-xigem presos altos lie Angula
Joa o Francisco do Reg Maia.
IJe/jrique de Miranda Heniiques.
Jos l'heodoro de Sena.
i)r. Antonio Joaquim de Moraes e Silva.
Dr. Jos Bernardo Galvao Alcoforado.
Florencio Jos Carneiro Monteiro.
Jorgd Vctor Ferreira Lopes.
Joe Francisco Pires.
Aiilonio Jof (lomes do Correio.
Jos Fclisbertoda Costa Gama.
Sebasliao AIonso do llego Barros.
Franei?cj Duarie Coelho.
Iiis l.opes Carneiro da Cunta.
Jos Francisco do Reg Barros.
Manoel Peres Campello de Almeida.
Joiio Luiz Vctor Leiittier.
Francisco Jas Alves Gama.
Vigario, Francisco Luiz de Carvallio.
Francisco Cosario de Mello.
Francisco Marinlio d Albuquerque Mello.
Jo.- Goncalves da l'orciuncula.
Jo Ignacio Poreira da Rocha.
Joio Paulo Ferreira.
Dr. Luiz Carlos de Magaihaes Breves.
Nicolao .Machado Freir.
Dr. Joaquim Francisco de Miranda.
Antonio Ayres Velloso.
Jos Bernardina Psreira de Biito.
Jos Marques da Fonceca Borges.
I", para que chegue ao conhecimento de to-
dos man lei pausar o preseule, que sei afiixado
no lugar mais publico desta freguezia, e pUWi-
e.ilo pela imprensa. IVimeiro districto da fre-
ratf-Ligueirowb"rigue"po"rtu"gue'c'om 11 pi- su/.7a do ^ Fanella, 15 de de/.embro de
pas Gbarris e 20 ancorelas de vinlio m Larris '859, Lu Joao Repomoccno Ribeiro, eseri-
de vinagre t caixas e 89 barcia de azeile doce v.'io eecrt\i, M. de Barios Brrelo.
JU narria do prezuntos 2-1 deban ha 39 de touci-
nlio 20 barra i 80ancoreta3decliouicos68inoios I ,oao Baplsla de Castro e Silva, official da or-
lbi-l puntas, de Benguella 161 o
Oes 94.
uruc.Empalado.
Olu de copahiba. Nao ha vealas.
Salsa parriha.No fim do mez passado tivo-
rain lugar alguroas nudas para o Mediterrneo, i
Jlojc nao procurada, e por isso os precos de !
iiosa cotaco poJeiu repular-se iiuminaes.
Sal.Conserva o proco e aalrausacces sao re- i
guiares.
l'rzell.i.No mez passado as vendas foram de i
alguiua importancia, montando a re< xporla^o a '
2200 saccas. Actualmente nao ha ordem.
Vinhos e vinagre.*.Continuam os lavradores a
exigirem precos alloa, e poi isso as Iransai
sao milito iusigiiilicantes
Embttrcaces despachadas.
rcrn.imbuco.Mana Iguez, patacho poiluj
111 barris 5i caixas c 40 ancorelas de vinl
caixas de dito do Furto 30dc dito muscatel 10
bniris de vinagre 185 barra de azeile doce 155
bai ris a l aucoreta de carne ensacada 302 barris
de loucinio 5 caixas de doucc 8 de rap 50 san-1
casdcfarellos 10 do castanbas 101 caixas 171^
molhos de cebollas 24 volumes de cantarla 5(1
jncoreasde azeilonas 5 barricas de cera em gru-
mo 41 caixa de dita em vallas 150 barr c 9
xas de ligos 9 caixas Je frutas seccas de cha 0
'ie ranelfa 10 de peixe 5q de batatas II :asde
evada 7 caixas 46 meias e 9$ quarl
31 volume de drogas36 ditos diversos.
de sal 35 volumes de drogas 10 caixas i': sebo, dorada besa, o Inspector da Ihesouraria di
em vi Has : i aixotes c 80 cacas de rea em vel- I fazonda de Pcrnambuco por S. M. 1 que ftos
las 78 canasira.--de castanlias 10o caixas o 3 cai- guarde. '
xjles de Ligos i coilas 19 meias t :tl quaro de !'-" s"!'ir ;"'s 'V1(- presente ediial viren que
ass 5 -.ceas de ameiidoas 10 de nozes e"' ':ii'i".i:il'!|lo de orden' do tribunal do Hie-
de ei-vilhas 10 de grao 45 de feiju 50 anriirp-I |0jun BMional de 1 de novembro prximo pas-
" Ihesouraria a subs-
se-
3 ores,
Oeaixas de mssas lObarrieasd ..A"J i f',',is' lloJ?"' "pri'^enta-las ao thesoureiro desla
- o 10 caixolcs de cantarla 10'couceiis CIO l'-*00Taria, que lii'as trocar por oulras de di-
pessas de louc e 218 volumesdiversos. versos valores. Tbesuuraria de l'ein.imbuco 5
iu ue i n nii is io je grao 45 de feiju 50 ancorosj 2i'Ji"J-**"o"r"> a<- i oe novembro prximo
- paios 250 i ,ni isiras de batatas i 'r- Paira f'1, se'comecji a (azor nesta Ihesouraria a s
i 195 molhos las 10 grades de quetios li| lji*cao das nplas do 80lfOU8 da primeira,
tras pteiras de genebra 200 ancoretas de azcflos 8"da e lerceira eslampas. Os scus possuid
le massas 10 barricas de cvdinb/l PO's, podem apresenla-Ua ao thesoure
caixolcs de cantarla lO'couceiiis 610 ''-ouTaria, qne Ib'as trocar por outre
louc e 218 volumes diversos versos valores. Thesouraria de Petna
bARRA BE LISBOA le dczcmbro de 1859.
Joo llaptista de Castro e Silva.
Pela adminislraco da mesa do consulado
desla cidade se faz publico, que uo dia 31 do cor-
renli porta da niesma, leem de ser arremata-
dos aumio dia em poni quatro saceos com (a-
rinha d^ mandioca e um com milho, todos no
r de 25^150, os qnaea foram apprebcndidos
27 iberano, Almeida.Pcrnambuco. Pe'guar<*a Wig'icl Pereira Giraldes, por rirem
-i Peninsular, Almeida ,> de Mamauguapo pela barcaca Conceiro de Mara,
Robim 1, iUbeiro. Goa. mestre Mnnoel lavares da Costa, sera a respecti-
2 Oneida tapor, Leeds.Brasil. va guia. A arremataco livre de direitos ao
2 l'loiindi, Souza.Pcrnambuco. arrematante, e os saceos cima mencionados,
acliam-sc depositados no trapiche do Cimba.
Uesa do consulado de Pernambucu 20 de de-
zembro de 1859.O administrador,
Jijo Xavier Carneiro da Cunha,
Entradas.
Novembro 13 Fyne vapor lleeks.Soulhampton.
'< lt; I'almyra galera brasileira .Souza.
Rio do Janeiro,
v Intrpido, Ilias.Bahia.
" i' He-olvido, Peona. llio de Jane. 0
1 i Trovador, Almeida.Bahia.
m
i
Di u iiiuro
Aurora, Pigueii lo.Rio de .!.
< 3 Anglica briguc brasileo.II
Sabidas.
K< :mbro l_ i. .,, Recks.Brasil.
15 Fejo, Ribeiro.Rio de Janeiro.
< Figueiieiiso, Das.Bahia.
IC Liguciro, Santos.Para
1S Alma escuna sueca, Poisberg.
^ Rio Grande do Sul.
19 Soberbo, Mallos.Rio de Janeiro.
Vigilante, Morgado.Cobo Verde.
27 Paulina. Horda.llio de Janeiro.
Dftciaracotfs.
CORREIO. ?.-
Pela adminislraco do corn o desta provincia
-e faz publico que boje (31) do crrente, pelas 3
horas da tarde em ponto, fechar-se-hao as malas
Maria Ignez, Rocn. l'eriiambuco '1" h m deconduzr o vapor brasileiro Cruzeiro
ilo Sul, com deslino s provincias do sul.
Subdelegada lo Itccife 30 le le
/.eiiibro le lsr..
Acham-sa reeolhidos casa de deten^o os es-
clavos seguintes ; Joiio, crioulo, fgido do enge-
nho N nenie Campello. na Reguezia da Escada ;
Antonio Joaquim, pardo escuro, que reprsenla
California barca aun ricaaa Hctto-
cou.Rio da Praia.
28 Benjaniim I, Tarracao.Loanda.
< 30 Axel barra sueco, Ekline.R. de J
Dczembro 2 Aurora franco. Rio Uo Janeiro.
' '< Amelia, Martina.Uio de Janeiro.
<< Cautella, Santos.Babia.
- Ileiiriquela Pestaa.II. G. do S. 18 anuos, e "ha sspeila de'aer fiado'do" "ene-
t fcustaqiiij, Gomes Jnior.1. j. uho Jundi da mesma freguezia.
/ Magnos Stemboc brigoe sueco. I,jnaci l. Bornes
.W, ..^mKreii.-niodeJaUeiro. Ti il.u.ialj,Io coninieicio.
whiram r.o d.a 12 de desembro pra o llio de Pela secretaria do tribunal do commercio de
ueTortu^8|Kg,,0MFC,Zn5 eori-Pemabuco se faz publico, ,JSZ Zloi
i" oh Ir ,a i L,Dad? ',10 con,Pc,n-o l'^ro o theor do contrato
fcmbarcaraes a carga era 10. do sociedade em commandila nnc fizeram Jos
Maranho.Barca Linda c patacho Trovador, os socios
Para.Brigun l.igeiro II
------0 ~w^~. ..MHtav -n jv-.llXTi
com o capital de 20:000*. fornecidos por ambos
licando compelindo ao socio Paira o
Movimento do porto.
- ~= > fr|SK Zi -* 5" 5 loras.
cr .: r c> = o" 2 " . s 3 i 5 Atmosphera. O s.
m Virecco. <
a. -5 - ~ i vS,s2 1 Inlentidade. 3 1 c z W 3 S ?* S P5
3 3 B 2. c li J l U ti 2CJ&2* Centjrado. O M r. 9. B 2 a se p l-c
c-. u - t-L (^ r | 1& | uK** Beaumur.
2S82S 1 Fahrenheil ZZ'gZZ c 1 Hygromttr > y.
3 o 3 il. MSSSa Barmetro. ^ t* T> V>
V
iYari"o3f miradas no dia 30.
Soulhampton e pnrtos'nterim io__j>j a\ng va_
por ingbsz Acn, cortmandante RicnAar^-ii
Seguio para os porlos do sul.
Cranja e porlos intermedios11 dias, vapor na-
cional Peminutiga, comraandante Maonel Joa-
quina Lobato.
uso da tirina socia
Secretaria do tribunal do commercio de Pcr-
nambuco, 30 de dezembro de 1859.-/). A. do
Reg liungcl, official-maior interino.
Tribunal du ctuiutiereio.
Tela secretaria do tribunal do commercio de
! I ernarabuco se faz constar, que na data infra fi-
cou registrado o papel de sociedade do comprar
e vender assucar, que fizeram . Maria Francisca
Marques de Amorm, viuva de Antonio Marques
de Amonm, e Goncalo Jos Alfonso, todos natu-
raes e domiciliados nesta eidade do llecife, sob a
firma social de Antonio Marques de Amo'rim &
C-, e com o capital de 60:000$, fornecidos 50 pe-
Insdous pruneiros socios, e 10:000 pelo ultimo,
compelindo exclusivamente ao socio Anionio
Marques de Amorim o uso da firma, e durando a
sociedade o espaco de dousannos contados do 1.
de novembro prximo passado.
Secretaria do tribunal do commercio do Pcr-
nambuco 30 de dezembro de 1859. D. A. do
Reg Ilangel, ofcial maior interino.
Companliia flxa de cavallaria de
linha.
Nao lendo podido o conselho econamico re-
solver acerca do fornecimento do capim, farelo,
milho c niel, sobre algumas propostas que hon-
lefll foram olerecidas, cm consequencia da exor-
bitai ca dospregos de taes gneros, de novo as-
senlou o conselho fixar o dia 31 do correnle pa-
co p"aTa"crv"0Va.3 PrPstas : o que se faz publi-
em Santo ma'ro"lnJl d^JnlTSS5dSeQu8l!el
noel Bramo de Carvalhftfi* ft "J9 -^
Avisos iiiaritimos.
A barca nacional mperatris Vencedora, de
primeira marcha, pregada e forrada de cobre
segu para o Rio de Janeiro com muila brevi-
dade, recebe anda alguraa carga : trata-se. com
os consignatarios viuva Amorim & Filho, ua ra
da Cruz n. 45, ou com o capitao na praca.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
Us Srs. Jos Lucio Luis, Juan Jos de Me-
deiros, Antonio Moreira de Mcndonce, Jos Fran-
cisco de Souxa Lima, Claudio Jos de Araujo e
Ignacio Monteiro, comparceam na secretaria da
cmara municipal desta cidade com os seus fia-
dores, al-ra de asaignaiem os termos lasarrema-
tacoes que fizeram, do rendas zuunicipacs; ao
contrario a cmara tomar nlguma providencia.
Secretaria da cmara municipal do Recife 29
de derci&bio de 1859.O secretario,
Mnnoel Ferreira Accioli.
Consellio administrativo.
O conselho administrativo, paTa fornecimento
do arsenal de guerra, tem de contratar os gene-
ros para a couipaubia dos aprendizes menores
do mesmo arsenal, durante os dous mezes de
Janeiro e fevereiro do auno prximo vindouro.
Pes de 4 eneas, bolacha, caf em grao, cha
hysson, assucar semeno, refinado, manteiga
franceza, carne verde, dita secca, farinha de
mandioca, louciiiiio de Lisboa, feijao prelo ou
mulaliiiho, azeite doce do Lisboa, vinagre de
dito, arroz do Marauhaojgtucalho.
Quera quizer conlrataSfe gneros cima men-
cionados aprsente as sai proposlas em carta
fechada na secretaria do aiiseHio as 10 horas da
inanhaa do dia 31 do correte rae/..
Sala das sesses du conselho administrativo,
para fornecimento do arsenal de. guerra, 28 de
dezembro de 1859.Beuto Jos Lamenha Lins,
coronel presidente.------Francisco Joaquim Pe-
reira Lobo, coronel vogal secretario interino.
= O lilm. Sr.regedor do Gymnasio manda
declarar aos pais, tutores ou correspondentes dos
alumnos internos, que no dia 22 do correnle
principia o recolbimenlo das mensilidades, cor-
respondente ao primeiro quarlel de Janeiro ao
ultimo de marco do anuo de 1860. Secretaria do
Gymnasio 21 ile dezembro de 1859 =0 secreta-
rio, A. A. Cabral.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria de fa-
zenda desta provincia manda fazer publico que,
conforme se annunciou, nao leve elfeito no da
21 do correnle a arrtmalaca) da parle do sobra-1
do de dous andares na ra da Guia n. 29, penho-
rada aos herdeiros de Antonio Ferreira lluart-
\elloso; e por isso fica a mesma arremataras |
transferida para o dia 7 de Janeiro do auno seo segu com muita bre.idade. por ler parle da car-
KUinle. Secretada da Ihesouraria de faienda de ga prompta, o hiato Artista ; para o resto que
Pcrnambuco 23 de dezembro de 1659. 0 official Ihe falta, c passageiros, trala-se com Caelano
maior interino, ; Cyriaco daC. M., no lado do Corpo Santo n. 25.
v,.-~ '*isFra'T*Sam'aio SiZM- Para o Rio de Janeiro.
i>ovo Banco de Pernambuco
O novo banco de Pernambuco reco-
me as olas de sua emissao de i*'$ e de
20$, e pede aos possuidores das mesmas
o lavor de as vi'rcm trocar no teu es-
crtptorio, das 11 horas da inanlaa at
PAQUETES A VAPOR-
O vapor Paran, commandanle o capitao l-
ente Torrezo, espera-so dos portos do sul
em seguincnloaosdo norte at o dia 31 do cor-
rete mez.
Reecbe-sc desde ja passageiros, freto de di-
nheiro c cncommeudas e engaja-sc a carga que
o vapor poder conduzir, sendo os volumes des-
pachados com antecedencia at a vespera de
sua chegada : agencia ra do Trapiche n. 40.
Maranho.
O palhabote Novaes segu cm poneos dias com
a carga que livcr ; consignatarios Teixcira Bas-
tos, S gCompannia, largo do Corpo Santo n.G,
segundo andar.
Parao Rio de Janeiro
perlal a esta proxi.
que se deu a espen
Boa-Vista, consistind
2 pavilhoes ao goslo
movidos inteiros.
1 grande pavllhao cons
de pinho de soalho, t
de boas madeiras.
2 grandes galeras com esca
boas tabeas de pinho de si
ves a maos Iravessas.
Grande porcao du lampeos.
Porcao debandeiras brasileiras com i.
dem Oc panno de algodao (cerca de 40
8 grandes maslros proprios para barracas.
Porcao de escudos c figuras nllegoricas.
5 cortinados ricos de ll branco.
E miiitos outros arligostudo em loles a von-
tade dos licitantes : lerca-feira 3 de Janeiro aa'
2 1/2 horas da tarde, na praca da Boa-Vala.
0 agente Pestaa continua a estar autorisado
pela commissao liquidataria da extincta socieda-!
de de fiacao c lecldos de algodio pira vender o
restante do terreno do sitio da niesma sociedade.
Os pretenden les podem dirigir ao armazem da I
ra duVigarioD.il, a qualqucr hora do dia a
entender-se com o difo agente.
Quinta-feira A dejaneiro.
NO ARMAZEM DO AGENTE
A bem conhecida barca nacional c.lementina,
a sahir al o dia 2i correnle, por terquasi com-
pleto sen carregameulo : para o resto e passagei-
ros trata-se rom o capitao Jernimo Jos Telles.
ou Guilherme Carvalho i C, no suu escriptorio
ra do Torres.
as 2 da tarde.
Cunselho administrativo,
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de compraros ob-
jectos seguintes :
Para o presidio de Fernando.
flOO alqueires de farinha de mandioca, medida
vclha ; 2f paos de jangada de 3 c meio a 5 pal-
mos ; 2 pecas de cabo de linho de o a 7 pol'ega-
das ; 4 barricas de familia de trigo marca SSS);!
4 saceos de arroz pilado da melhor qualidad ;
4 barricas de assucar branco lino; 1 barril de1
vinagre de Lisboa ; 6 livros em branco de 200
follias ; 6 resmas Ue papel almajo branco, 6 di-!
tas de dito paulado ; 2 meias resmas de papel
de peso branco croinha ; 12 canelas de espinho '
dequand; 1 caixa de penuas de aiVnveriiisa-
las ; 2(0 pennas de ganen das chamadas de secre-
taria ; 4 caivetes linos para aparar peonas ; 1
lhe:oura e aparar papel; 3 folhinhas dealgi-
0 palhabote Jorge, s-gue para o Ass, Ccar
< Acarac no dia 1" de jamiro para o resto da
carga com Tasso Irmao ou com o capitao Do-
mingos Henrique Mafra.
Cear
Segu no dia 31 do mez corrento o hiale San-
to Amaro, com a carga que liver a bordo : a
tratar com Caelano Cyriaco da C. M. ao lado do
Corpo Santo n. 25.
Para o Rio de Ja-
!Sf.C.h2te 9 MI?d0S :_12 ditas ditas de 7 = p,r'a Rio ,Jrandc do Norl6i sahe barc;,ra
Le oes.
aseVrSi i ' aPoMegadas i- Conceifo de Maria, anda recebe carga a freto:
d?ldU i.1.'I meucai.ua de Sa9 ditas guem pretender, pode d.r.gir-se ao trapiche do
esda, llRi t" dG -13 a -, ,,,!0dao' u a r"3 da Madre c 1)e0i " 2-
ponigauas, \> alicates sorlidos ; meia arroba I ______
de a,-o para molas de espingardas; 4 libras de '" _u
Irincal ; 2 arrobas de ferio em folha ; 2quintaes!
tie ferro da Suecia de 3 a i nollegadas ; 2 dilos I
dito dito sonido ; 4 arrobas de dito dito de 1'
poilcgada : 2 ditas de vergalho de 1 quarto dito
de dimetro ; 2 ditas de tilo de meia pollcgada
de dito; 4 ditas de dito de 1 dita de dito; 2
quiutae* a) ferro de a ditas de dito ; 2 arrobas
de dito do varanda ; Z malbos de ferro de 8 a 12
libras; 1 bairira Ue arcia de caldiar; 2 latas de
verniz de ierreiro ; 1 bigorna ; 2tlicsowa.s maior
e menor; 3 mariellos surtidos; 6 macetas ditos;
0 serrotes grandes maiores e menores ; 3 ditas
do liKa ; (j Irados sortidos; 24 verrumasde guar-
nicao sorlidas ; 24 glosas sorlidas ; 24 oimoes
ditos ; 2! ferros de galopa sortidos ; 12 ditos do_!
desbastar; 12 ditos para junteiras ; 12machado>f
de carapina 2 ferros de guilherme cora sopo*;
Por occasnio doIcilo j aiuiumiado para o
dia cima designado o referido agente vender:
Camisas ingle/as as ii:elhores quo lem viudo a
este mercado.
Meias para seuhora.
Luvastic lio da Escussia para homem.
2 cavallos com lodos os andares desde baixo al
esquipar._________
Avisos diversas.
Koga-se ao Sr. F. R. S. queira
mandar pagar o importe dos objeotos
de engenharia que mandou vir de Pa-
rs, aondo nao ignora
Na livraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia precisase fallar ao Sr.
Andre Abreu Forto ou Andre Alcs
Porto.
Aluga-se um moleque superiorcozmheiro :
a tratar com seu senhor na ra da Praia n. 1 i.
Precisa-se tomar 3:000$ a premio, dndo-
se garanta cm propried.nl nesta praca : quem
quizer fazer este negocio, annuncie sua morada
para ser procurado. .
Precisa-so alagar unta ama forra o u esc ra-
ra para cosinhar e comprar : na ra da Uniao
penltima casa do lado esquerdo viudo da ra
Formosa.
Ama de leite.
Precisa-se de urna ama de leite que nio tenha
lilho : na ra da Cruz do llecife n. 54.
Na ra da Aurora n. 54, primeiro andar, ha
um moleque escolenle copeiro para alugar-se.
Precisa-sc poraluguel de urna ama torra ou
captiva quo saiba engommar bem, para urna casa
de pouca familia, paga-se bem : na ra do Hos-
picio casa terrea confronte ao collcgio de Nossa
Senhora do Bom Conselho.
se
freg...
asaignaoOi
O aul
te Diario, r
jeclos de ei
nlia a bond.
assignado, q
dividas dess
lamento.F.
Uesappa
sa de Francisc
Impeiial, um
8 anuos, por i
assenlo cor dr
chao, olbos '
porcao, um.
dando, as vez
I
'
Vcndc-s" u
siciipira.
de(obra
e guarda-pt
goslo que :-
Horlas n. ie.
AC
Vende- sno da .-vista, confaonle
ao chafare" a botica,lassucar refinado de.
todas as qu\ .s, e por nJjenos prer;o do quo
em oulra quMauer parte, a spber :
1.a cryslalisado 7g(KM) a 240
2.' cryslalisado li.;i )00 (& 200 oj
1.a arcado !W*80 fio 160
2.a arcado 3ft00 :i 120 tf
O abaixo assignado dec ara, que lendo fale-
cido Romana Mana de Frciia.-', na .Hado Passo
provincia das Alagoas, iostiti io ern seu solemne'
testamento seu universal h rdeiro, e primeiro
lestamenleiro na meiaco do 5 beus de seujcasal.
e que no dja 21 do correnle Vez partilha amiga-
vel com loo Evangelista do 'asciment, casado
que foi com aquella fallecida, omo consta aa es-
cripUira celebrada na nota do tabcllio Joao Bap-
tisla de Sa, faltando lo some He o abaixo assig.
nado de pagar o respectivo s dio de heranca, e
por esta forma tem respondida ao $r. Francisco-
Ignacio de Uedciros ao seu a mundio publicado
no Diario de 30 do correnle.
Joaquin Ignt 'io de Suva C.
GABINETE POI TUGUEZ
DE
Torga-le ira 3 de Janeiro.
PEL0*AGE.Yit,
ran
12 martelos sortidos : 6 compacos dilos ; i ditos
de molas de 4 a pollcgadas ; 12goivassortidaS;
0 sorras pequeas de armaco ; 50 machados :
aseguras ; 1 cutello ; 2 raspi'as ; 2 enxcsgivas
; 2000 cravos sortidos para barril ; 2 ar-
robas do arcos de ferro do 1 1/2 pollcgadas ;
madeira de secupira sulliciente para 2 carros ;
8 eixos de secupira para os mes ni os ; 3 paos de
alen nr.n.i ,. ........ ,.-.,..:. t i- i.
Q referido agente vender por contfl do quem
pertencer no dia cima designado c pelas 10 ho-
ras da J&anha no largo aa alfandega
20 caiiascom superiores queijos flamengos de-
sembarcados de bordo da barca franceza
Aele.
200 libras de cha nacional em caixas de tima e
duas libras.
Iho ; 4 duzias de dedaes que sejam proprios para
homem ; meia arroba de cera preta.
(Juera quizer vender taes objectos aprsente
as suas propastas em carta fechada na secretaria t
do conselho s 10 horas da manha do dia 9 de
Janeiro prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
PELO AGENTE
cao
M
M
O refcrilo agente far leilSo por
paia mrnceitnenlo do arsenal de guerra, 30 de O refcrilo agente far leilio por conta de
dezembro de le'J. lento os Lamenha Lins,! quem pertencer : segunila-feira 2 de'imero s
coronel presidente.Francisco ioaaum Perei- 10 lioras da manhaa na porla do armazem do
ra Lobo, coronel vogal secretario interino. j Sr. Annes defroiile da alfandega
Cousclho aduiiuistratiVo. 50 caix,s com batatas. DL
O conselho administrativo, para fornecimento ")!) liairis ro' sardinhas.
do arsenal de guerra, tem de comprar os obiectos *"? libras de cha do Rio em cajias de
seguintes:
Para o 7." batalhao de infantera destacada em
Macei.
Calcas de chita 30 ; camisolas de brim 30 ; bu-
les de louca 2 ; chicaras o pires 12 ; lijlas pe- '
quenas de louca 25 ; pralos rasos 25; ditos fundos i
2-> ; copos de vidro para agua 4 ; tinleiro de vi-1
tro para as enfermaras 2; toilhaa pequeas pa-
bras.
le 1 a 2 li-
ra as llancas 30; mesa forrada de zinco para au-
Ihopsia 1 ; loalhas proprias para fracturas, e de
diversos lamanhos'i; lavatorios de ferro 4.
Quem quizer vender taes objectos aprsenle
as suas proposlas em carta fechada na secretaria
do conselho s 10 horas da manhaa do dia 9 de
Janeiro prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra 30 de
dezembro de 1859.lento Jos Lamenha Lins,
coronel presidente.Francisco Joaquim Pereira
Lobo, coronel vogal secretario interino.
!1P0HTA.\TE
Variado leilo.
Qutola-fera A de Janeiro.
NO AT1.MAZE.M D'J AGENTE
THEATRO
DE
Saota Isabel
O referido agente expora venda em Icilo no
dia e lugar cima designado por conta de quem
, pertencer em loles a vontade dos compradores
Sein reserva de preco e ao
correr do martelo
as seguintes mercadorias que devem fazer conta
! a qualqucr concorrenle
i Tapetes de la para forro de sala.
j Camisas de la de cor comprida3.
Saceos e malas de la para viagem.
Os artistas ricos abaixo assignados tendo-se u?12i&J*J!* ^ '"** Para mililares-
para montara.
uito bonitos.
has de 20 libras cada
Arreios inglezes para carros, obra de gosto c
muitu bem acabados.
Principiar s 10 horas da manha.
Luigia Gaveth Reggiam.
Soba Marini Testa.
Josti d'llyppolilo.
Lui;z Tesla.
Jos Maria Ramonda.
Innocencio Smollz.
Condices da assignatura para as quatro rtpre-
sentaces.
1.a ordem.......... 60*000
?' di'*............. 80*000
3.a dita............. 403000
Cadeiras............ 16*000
Plaleas.............. ?go00
Ca m ai otes a cu sos.
V* .,dem.......... 2fWKK>
'* .11'............. isooo
Tornnhas........... C*000
Cadeiras............ 5*000
Plateas....,......... 2j.i<
praca da
Boa-Vista.
A 3 de Janeiro.
O preposto do agente Oliveira far leilo por
ordem da directora encarregada dos festejos do
bairro ds Boa-Vista, por occaswo da visita m-
1 hygienico.
MRcccbeu-se da Aix Lachapelle [Belgi- T;
ca^ por encommenda especial ora sorli- ^|
^ ment de oleado de superior qualidad X>
^ e com assenlo soflicicnle para nao en- ^
j| coiiimodar a quem padece dos callos, os J*
e5 precos sao os seguintes : ^
SBorzegulos do pellica o do duraq ^
gaspeados a couro de lustre 8i
^ Sapales de couro de lustre v
5*^Vede-se nicamente y
g uo segundo andai'dop
H sobrado da esquina dalS
|B ra do Queimado (porS
m cima da loja do Sr. Pre- P
i nica) entrada pelobec-1
8 co do Peixe Frito u. L
O escravo Antonio, .!e naeao Anj
idade de 40 anuos, corpulento, pouca barba, na-
riz chato e pea grandes, lev m lo na o icasio da
fuga camisa e calca de algodao azul, e desappa-
receu da companhia do correlor Carneiro, na
occasio que o mesmo correlor leva va para ven-
der no Recit o referido escravo, do< tarando em
lempo que o escravo que se acba fgida porten
ce ao Sr. Francisco Gomes de Oliveira, e que por
inlervencao do Sr. Henriipie Giosoo entregSra ao
Sr. Antonio de Albuquerquc Maranho : quera o
apprchcndcr, leve-o casa do gr. ibson, ou da
doSr. Maranho, que gratificar.
Desappareceu desde odia 25 do nuv.de de-
; zembro do correnle anno o escravo por nomo
Vicente, crioulo, natural do sertaode Sobral, al-
to o cheio do corpo, tem falta de dente; na i ri-
te, e talla bem desembaraeado ; descona-se ler
fgido era companhia do outros: por isso roga-
se a qualqucr possoa que o pegue e Iraga-o ao
seu senhor, na ra Dircita n. 11-', que ser re-
compensado.
Percisa-SQ de uta canoeiro forro ou cap-
tivo, para conduzir lijlo na canoa do retiro
com urna canoa de 1000 para o llecife, sondo
bom canoeiro, e trate da sita canoa ; pa-
ga-se muito Lem, na ra dos Quarteis padaria
n. 18 que achara com quem tratar. 'Na mes-
ma tem porgues de barricas Tasias-boas algumas,
cmi pequeos de fcitos danJo-se as segundas
pGr presos muito baixos.
Manoel Antonio de Jesas.
O abaixo assignado comprou a venda de
Jos da Silva Ferreira, sita na Capungaji. ra
do Boa-Ventura n. 1 quem se julgar credor
enienda-se com o vendedor.
Jos Ignacio do Val.
Acaba Je chagar novo sor ti ment de cha-
falla no Armazem de fazendas de Haymundo
(ai los Leite & Irmao, ra da Imperatriz n. 10
serve para lomar os movis velitos novo?, seni
precisar raspar ou lidiar.
= Na tarde do dia 27 do correnle mez desap-
pareceu o preto escravo, crioulo, de nome .Ma-
noel com os seguintes signaos : estatura baiza,
cor bastante preta,a falla um pouco fina, feio de
cara, com idade do 25 annos, pouco maia ou me-
nos, vestindo calca de panno lino verde escuro e
camisa de algodao brinco ; este negro desappa-
receu indo da povoacao da Varzea para o Reci-
te, e suspeila-se que andar vadiando nos arra-
baldes desla cidade, ou na villa do Cabo d'onde
e natural : quem o apprehender, pode entregar
nesta cidade na livraria do Miranda & Vascon-
ccllos, na ra do Imperador, ou na povoacao da
Vanea, no siiiodo abaixo assignado.
Jos Goncalves de Albuqtierqne.
Vaeeina publica.
Transmisso do fluido de braco a braco na<
quintas e domingos, no torreao 'da alfand-a c
nossabbados al as 11 horas da manhaa, na re-
sidencia do commissario vaccinador, rna eslrella
do Rosario n. 28, segundo andar.
Na pharmacia da ra do I.ivramento n. 30,
precisa-se fallar com urgencia aos seguintes se-
nhores : Manoel Alves Vianna, Dr. Manoel Mo-
rena Guerra, Joao Goncalves Ferreira, Anlenio
de Paula e Mello, Antonio Pergenlino de Moraes
Souza, Joaquim Melito Alves Lima.
A liberta Maria, crioula, embarca para o
Rio e Janeiro.
AchanJo-se vago o logar de guarda do Gabine-
te Portuguez de Leifura, a resfectivta directora
faz publico a lodos os senhores!que pretenderen]
o mencionado lugar, para que faca ni seus reque-
; rimento mesma directora, ucompanhados de
documentos authenticos, que altcsiem lerera os
mesmos prctendentes as habilitares que exigo
Iseraelbante encargo.
Secretaria do Gabinete Portuguez de Leitura
30 de dezembro de 1889.
J. G. Y.iUarcrde.
1." secretario.
Roga-se ao senhor que liccbo o foro da
casa da ra de Santa Rila n. 28, dirija-sc a ra
do Vigario n. 10, a negocio de seu inters*
Contina a estar fgida do itio da viuva do
Jos Joaquim de Mesquita, na c-Jrada dos AtTiic-
I tos, a preta Antonia, de nacSo jlngola, que foi
escrava de francisco Goncalves. |lo Calo : roga-
se aos senhores capilics de camSo, e a quem iu-
leressarpossa, a captura da referida preta, dea
berem casa dedeteneo, J".e serio gene-
i sanenle recompensados. (iu;|u sir protesta-
se contra quem a tiver acoutada.
Aliene;
A mesa regedora da capella
leva ao connecimeulo de
blico, e especialmente dos mor
local, que deixa de haver miss
dia de Res por causa de nao
pelo que faz sciente pata suas ilblligencias.
Kstcvo Ribeiro, Puitugucz.l retira-e para
o Rio de ianeiro.
mperial da Es-
respcttavel pu-
dotVa daquelle
no domingo o
char-se padre.
Pao d'Allio.
a Cruz n. 6,
lem-lho sido
[#,e ale o ;irc-
Novamente roga-se ao Sr. Jos barcia de Sou-
za liamos, que venha quanto antck paga.- o que
deye na padaria do pateo da Sai
pois j lempo bastante, e mestr,
pedido por.diversas vezea porcait
sent na tem dado soluco algn
Ria Nova n..''(.
Madama llosa Hardy receben ricob riiapeos do
s '.la com veos para senhora, lindosIhapeosinhos
de sol, de mola, para senhora, ricdT vestidos do
baptisado para menino. T
Vcndcin-se (> 'ubis e 4
vaccas: a tratar na i\ia dos
Pires no sitio caixa d'agua
com Manoel Joaquim.
ATTE\(iO.
Vendo-se a melhor loja de fazendastia ra de
Imperador n. ), com poucos fundo\ e muito
afreguezada, a linheiroou a prazo: .1 tratar na
mesma. ._ ^
/
Vende-se
1
champagne da superior 1:1a
garrafas pequeas, e gramil de 2g : no armazem de J/f'^uim de 1'.. 1 Lopes.
na escadinha da alfander*e
a Cometa |rgos do
o pequen? preco-
Ttsset fieics acaeam do recebe- pelo,
navio franct-z Iwou!, um completo,
carregameulo de /burro entre cslniaes-
muitos de bonitas cotes para fazr ex-
cellentes pau4lhas : os pretendentei j>o-
dem se dirigir a armazem do Sr. Arau-
jo no Forte do Mutto para ver os mes-
enos e para tratar no escriptorio nal rua
do Trapiche 11. 11.
rarula ga-
ranlida.
NEda CaJeia do Recifc n. 1.
Bonels para crian-
ancas.
Bonitos bonets de panno fino guarecidos h
velludo, com pluma, obra de muito fctone
baratissimo preco de 5.* od. ., **S.1 ' ?*?!
na rua do
P.rcco de 5j cada 1
Quemado, loja d'aguia branca n. 16.
Novas e verdadei-
rasluvasdeJouvin.
KAl ITII A r\/N


"ir-
DIARIO DE PERNAMBUCO. SEXTA FEIRA 30 DE DEZF.MBRO DE 1359.
\.
f
Meiicilo.
Perdcu-se na madrugada ue2i Jo torrente, ao
^aturda missa do Carino para a ra de Sania
Isabel, uma pulseira de ouro : quera a tiver
adiado, levando a ra da Cadeia do Recifc n. 33,
sera liora recompensado.
j- Pre'cisa-se alugar uma cscrava que nao te-
ma vicios, para o servied interno e externo de
uma casa de pouca familia: na run doCaldeiui-
ro n. 44.
^ll&S
PILULAS VEGETAES
ASSUCARADAS
m
NEW-YORK.
O HELUOB REMEDIO CONHECIDO
Contraconstiparais, ictericia, affecroes do finado,
febres biliosas, clicas, indigesies, enxaquecas.
ilcinorrhoidas, diarrhea,doencas da
pelle, rupc<"!e$,e todas as enfermid.ides,
r-UOVF.lEXTrS 1)0 ESTADO lMn:i\0 1)0 S.VNCIE.
75,000 caixas deste remedio coiisommeui-se an
nualmente !
Remedio la imtureza.
Approvado pela (aculdade de medicina, e re-
ommendaao como o mais valioso catrtico ve-
getal de todos os conhecidos. Sendo estas pilulas
puramente vegetacs, nao contera ellas nenkura
veneno mercurial nem algum outro mineral ;
eslo bera acondicionadas em caixas de folha pa-
ra resguardar-sc da humidade.
Sao agradaveis ao paladar, seguras e eflicaze
era sua operario, o um remedio poderoso para a
juvcnludo, puberdade e vclhice.
Lea-seo folheto que acompanha cada caixa.pelo
jual se licar conheerndo as minias curas milagro-
sas quetera etfectuado. D. T. I.anraan k Kerap,
droguistas por atacado em Nova York, sao os ni-
cos fabricantes e proprietarios.
_ Acham-se venda era todas as boticas dasprin-
cipaes cidades do imperio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro, na ra da Alfandega n. 89.
Baha, Germano & C, ra Juliao n. 2.
Pernanibuio, no arraazem de drogas de J. Soum
& C, ra da Cruz n. 22.
Jos Antonio Moreira Das & C, continuara
a receber por to^os os paquetes de Europa um
lindo sortunento de obras de ouro, diamontes e
1-rilliantes: a tratar no scu escriptorro, ra da
Cruz n. 26.
_Traspassa-se o arrendamjmto de uiu enge-
nho distante desta praea duas legoas, vende-sc
una parle no mesnio engenho, machina nova a
vapor, distilacao nova o bem montada, 22 bois
de correia, seis quarlos, algumas obras, saffra
Slanlada, etc. etc. ; trata-se na ra do Crespo n.
3, loja.
Precisa se fallar com o capitao
Ovidio Goncalves do Vallo a negocio de
seu interesse : na ra da Cruz arma-
/.em n. 61.
= Precisa-.se de uma casa de sobrado ou ter-
rea nos bairros do Recite e Santo Antonio : a
tratar na ra do Trapiche n. -58.
= Era casa de Rostrou Rooker & t.', na praca
do Corpo Santo, aluga-se uma casa no bairro da
Boa-Vista, ou na Soledade ; afianea-se o bom
iratatnento c limpeza.
Sciapliim & Irasao.
Rna do Cabula, loja de ourives
n. 11,
esquina que ica em frente da ra
Nova e pateo da matriz
Fazem publico que esto constantemente rece-
bendo da Eur o pn as mais era moda e mais deli-
cadas obras de ouro, as quacs do para esco-
llier, pelos menores procos possiveis. e passara
contas com recibos, as quaes vo especificadas
a qualidade do ouro, lano de 14 como de 18
quilates, do que ficara esponsaveis.
Precisa-s"1 de urna ama forra ou captiva
para o snico de uma casa de familia, c que se
preste a comprar e a sabir a ra em objectos do
ser-ico : na ra laaga do Rosario n. 28, segundo
andar.
DE FERRO
(*)
SOLUVEL
DE LERAS
Doutor em scieucias, inspector da academia, professor de pharmaea, oliicial
da nniversidade de Pars, etc., etc.
Approvado pela Imperial academia de medicina do Rio de Janeiro e
escola medieo-cirurgico.de Lisboa, etc., etc., etc.
Eslabclecida cm Londres
un? Si mU.
CAPITAL
Cinco mUUftcs de libras
este^Unas.
SaunJers Brothers & C." tera a tionra de in-
formar aes Sis. negociantes, proprietarios de
casas, eaguom mais conrier, que esliio plena-
mente autorisados pela dita conipanhia para
edoctuar seguros sobre edificios de lijlo e po-
dra, cobertos de telha e igualmente sobre os
objectos que conlivere.m os mesmos edificios,
quer consista era mobilia ou cm (uzeadas de
qualquer qualidade.
Cura complela
Manual de con las feitas
para compra e venda de assucar, algodo, couros
mais objectos de peso, obra muilo til para tu-
das as pessoas que negocian) cora ditos gneros,
e para os senhores de engenho ; pois cora um
lance de vista podem saber o importe de qual-
quer poreo de arrobas c libras ; 1 volume bem
encadern'nlo por 5#000 : vende-se na livraria
econmica, dufronte do arco de Santo Antonio,
ra do Crespo n. 2.
Curso de preparatorios.
O bacharel A. R. de Toares Bandira, profes-
sor de geographia e historia mitiga no gymnosio
desta provincia, contina no ensino dos seguidles
preparatarios: rhetorica, philosophia, geogra-
phia, linguas franceza e ingle/a ; na casa de sua
residencia, ra larga do Rosario n. 28, segundo
andar.
= Precisa-se alugar uma escrava para o ser-
vico interno e externo de uma casa, assim como
lambera ura e.scravo : na ra da Santa Cruz n. 66.
Scm resguardo nem iiiconuuotlo.
Inflaniuiacao do estomago c dores
de cabeca,
Rogo-lhe, Sr. redactor, de ii.serir no seu jor-
nal a seguate declaraco, que julgo ser pio-
veilosa a algumas pc.isas.
Ha bastantes anuos padec uraa horrivel dr
de cabera que me prenda a nuca, Un ha unios
vertigens, algumas vezes soffria dr no estomaoo
aconipanhadas de clicas flatulentas ; mande! vir
una das chapas medicina-es do Sr. Ricardo Khk,
i morador naafua do Parlo n. 119, appliquei-a so-
bre bocea do estomago, e no espaeo de 18 dias
achei-mccomplelamcntc bom, c as'doresde ca-
beca desappareceram.
As sumraas vantagens que os mdicos tem ti-
rado, cm todos lempos, do ferro, e o crdito ge-
ral de que esta substancia gnsa como um dos
preciosos remedios que a sciencia possuc, e que
a Iherapeulica recouhece como o primeiro em
muitas afcccoes do apparelho digestivo, e parti-
cularmente em todas as dependentes de allera-
coes na menstrua^ao, etc., tem fcito com que
por toda a parte os mdicos, chimicos e phar-
maceutjpos lenham trabalhado iacessanteraente
por o tornar cada vez mais ulil, excogitando to-
dos os dias meiospara o fazer menos refractario
digeslo, e assim privar o seu emprego dos
inconvenientes que tem o seu uso por muilo
lempo, c particularmente dos que cosluma pro-
duzir as pessoas de organisaco delicada, por
effeito de sua dilTiril absorpcao". Daqui as nume-
rosas prepnraces de ferro, conhecidas em ma-
teria medica, todas as quaes corresponderan!
melhor o scu fim se nao lora o inconveniente da
intolerancia do estomago, isto , a difQculdade
de sua essimilaco, c consegunlemento a perda
de appclite. a demora e diliculdadc na digeslo,
a eonslipaeao de ventre, etc., etc., que imillas
vezes acompanhain o seu uso.
lao geral o emprego do ferro em medicina, e
ao to conhecidos os seus resultados, que, pode
dizer-se, ningueni ignora hojo os motivos de sua
applicacao, assim como a razo de suas virtu-
des r.oiuo clmenlo do sangue, como parle in-
tegrante do organismo, nenhum jneuicamcnio
como o ferro produz effeitos lao sensiveis e ma-
ravilhosos; e daqui a reputaco invariavel de
que goza, reconhecida por todas as escolas, e
ate mesnio poraquelles que, desviados dos prin-
cipios geraes da medicina, se lera lomado sysle-
inalicos c exclusivistas. Tralava-se porlanto de
descobnr ura novo composlo que, ngerido no
estomogo, o nao cansasse e fosse promptaraente
absorvido cassimilado, e que raesmosem o con-
curso ou inlervencao de quairidadcs raaiores
do sueco gstrico "pudesse ser supportado por
pessoas as mais delicadas, sem fatigar o estomo-
go c lhes produzir aconslipafao de venln-.
Os meus priraeiros trabalhos sobre o phospha-
to de ferro, datam de 1849, e consignados nessa
poca as actas da academia de scieucias, e mais
larde, era 1854, 1857 e 1858, na academia de me-
dicina, provaram que o phosphato de (erro tolu-
isicra nao smenle raais comrp.odo e mais fcil
de adminisirar, mais at satisfazla melhor do
que qualquer dus oulros ferruginosos conhecidos
;is diversas indicicoes pralicas.
Assim, pois, cora o novo medicamento que eu
tenho a satisfacao de apresentar hoje de frma
liquida, claro como agua a mais pura, quasi sera
goto ou sabor de ferro, nao fazendo os denles
negros, tenho a esperanea de que os mdicos
poderao operar cora elle melhoras promplas o
curas lapidas c seguras, e abreviar consideravel-
menle o lempo da convalcsconca das doencas,
pela sua accao tnica e analeplic especial.
Molestias que se emprega, e sen
modo de adminlstracao.
As molcslias cm que o phosphato de ferro so-
luvel, sera qucslo, se tem mostrado at hoje
O Sr. thesoureiro manda azer pu-| o
Por isso agora posso dormir com socego ; te-
nho de idade S anuos e i mezes, e faco osla
advertencia a todas as pessoas que padecerem
! tal molestia pira tentar o dilo curativo, para que ;
. assignei a prsenle declarado em gralido e pa- '
i ra ser conhecido do publico.
Curato de Santa Cruz.
Emyqdio Jos de Farla.
Eslava a firma reconhecida pelo tabellio Jos
Feliciano Godiuho.
^'Consultorio centi';il liomcopathito-
DR- SABINO O L.PITOO |
hlluade Santo Amaro (Mun-%
do JS'ovo n.G.)
w Continuara as consultas e visitas do '
mesmo modo que d'anles. A confianra *
que o Dr. Sabino deposita na pessoa que
tica encanegada de seu consultorio nao
ser desmentida. @
Os pobres serio sempr tratados gratui-
tamente.
anicurrha (irregularidades o faltas menstruaes',
que todos conhecem como uma das causas pri-
marias e muilo frequeules das molestias pulmo-
nares tuberculosas.
O modo de administracao do phosphato de
ferroso/urel dos mais simples e facis, loma-
se em ger.il duas vezes ao dia, do manha e de
tarde, meia hora antes do almoco e do jantar,
ou is comidas (conforme cada um se. der me-
lhor), logo depois do caldo em dse de meia co-
llier de sopa pequea. Esta era geral adose
que mais convm aos doentes: porm algumas
vezes, o mais larde, em vez de meia colher, po-
dero lomar urna colher cheia, duas vezes tam-
ben) ao dia, so ou misturada com agua c assucar,
e at mesmo com agua e vinho (branco), se as- |
sim se derem melhor. listas dses todava po-'
dero ser augmentadas ou diminuidas conforme '
a susccplibilidadedo estomago de c.ida ura.
O phosphato de ferro soluecl, deitado em dse
de uma colher de sopa em obra de uma libra de
agua e bem vascolejado, faz uma excellenle
agua ferruginosa superior s aguas Bussang, de |
Spa, etc., esobretudo muilo econmica.
O numero dos frascos precisos para a cura !
das molestias cima mencionadas varia con- j
forme as circunstancias individuaos; porm
posso certificar que, salvo o caso de uma consti-
luico completamente arruinada, niio ser misler i
lomar mais do que 3 a 4 frascos; mas advcrlirei
que nao convem que o doenle se precipite.
(OLLEUIO DE * 8- DO BOM (MSEL130.
Ilua do Hospicio n. 19.
Precisa-se contratar um hornera de 30 a 50 an-
nos, solteiro ou viuvo, psra oceupar ura cargo
importante neste instituto, preferc-se um sacer-
dote, a quera se garante uma capellana e algu-
raa das cadeiras, com tanto que rena a iulelli-
genca, moralidade e actftdade, o qnc provar
por documento : na primeira livpolhese, garau-
te-se um ordenado de 5003 a GWS. alem de ca-
ma e mesa ; e na segunda de 1:000} a 1:200an-
nualmente : quero, se julgar habilitado a preen-
cheresle cargo, dirija-se ao collegio, a tratar
coinodircctur.
COLLEGIO BOI* CMUli). RA
onosiMcio s .o.
Nesle cstabelciiiiienli) piecisa-se de profeflSO-
res para asseguintesdisciplinas : para a .srgun-
da cadeira de instrucciio primaria, que com pre-
bende lingua nacional, historia do Urasil c no-
goes de geographia ; para as cadeiras de ins-
trucco secundaria, italiano, scieucias naturaes ;
e para as aulas de coinmercio, arbitrios de cam-
bio, theoria e praiica de escripluraco conimer-
cial, analyse dos differenles ramos do com-
mercio.
COLLEGIO DE H. S. Di) BOM CONSF.LIIO.
Ra to Hospicio n. 19.
Precisa-se de uraa boa cozioheira,
ofTerecc 25 mensaos.
Jos Antonio Pernandes, subdito Portognez,
retira-so para fra da provincia.
Antonio Lopes Pereira de Mello, subdito
Portuguez, vai ao ilio de Janeiro.
Joao Cordeiro de Urna, subdito Portuguez,
ai ao Rio de Janoiro.
Compras.
Coinpra-se una escrava que
e engommar, eque lenha boa conduela : quem
lo-; dei'a quizer dispr, dirija-se a ra da Cadeia do
Reeife, loja de ferrag os n. 44.
Compra-se para; uma encommenda ama
casa terrea no bairro de Sanio Antonio ou Boa-
Vista, que esteja era bom estado e que lenha
bous cotnmodos para uma familia : a tratar na
ra da Penha, armazera n. 6.
mando dse sobre dse, jiilgando que assira se
cura mais depressa.
Como melhor abono de ludo quanto cima fi-
ci dilo transcreverei o teslemunlio iususpeilo
de alguns dos principies mdicos de Pariz, cujos
nomes e reputaeio sao assazreconhecidos.
Leras.
Parir, 3 de julho de 18D8.
O phosphato de ferro soluvel do Sr. Leras i
Irin-me dado os mclhores resultados como mv-. independencia, t
dicamento ferruginoso; sempre muito bera = Comprara-se as seguintes comedias- Ber-
supporlado e de uma administracao fcil. | n!)i'do na l.ua, o Judas em Sabbado de Aleleia.
Compra-se um Flos Sanctorum.
usado : na livraria n. 6 e 8 ija piara da
Nova loja de calcado Irai-
ecz, de iVntonio Rodr-
pnes Pinto, no aterro da
Boa-Vista n. 8, defronte da
booeca.
Neste novo estabelerUpMilo tora caira |
receben pelo ultimo nnio l.-ancez, dos melLo-
res fabricani. s de l'.u;s, e vende por mu
que era oulra qualquer parte, a dmheiro i
Pianos, seraphinase reale-
jos, a prazo ou a
dinlieiro.
Vende-se no atorro da Boa-Vista, loja n v,2.
um riru eelegante pianoforte, franrez, ehegado
ltimamente, du melhor fabricante de Pars : <
lamben) uma rica seraphina ou org.io, miiiteApro-
prio para algiuna igreja do mato por ser nmii
baralo ; c realejos pequeos e grandes rom i>an-
cadaria e scm ella, o que ludo se vende muilo
baralo para acabar.
N deposite ta ra ths Crizes n. II,
defronte to sobrad ti Sr.
Figueiroa.
Ha um completo sorlimento de gneros para a
[esta, dos quaos se adan^a a boa qualidade, quei-
jos londrinos,do reino, suisso, latas com bolf-
^immamm^^ nhos de todas as pialidades, conservas de ber-
vilbas, ameixas c marmelada, passas c gos,
massas para sopa, cha, presunto, linguii as, man-
____________ teiga nglaza, vinhos engarrafados. Porto, Ha-
sailiaco/inli-ii- ''''"' Mttscalel o Bordeaux, champanha. cerve-
j.i, licor, absinlho, tarops, c os afamados cha-
rutos Je ThomFinio _ de Brandao, em coixo e
meias caixas.
Millio cfarclo.
Saceos grandes a 65000 : na ra Nova n. 5.
Ti i* 9*
Compra-se uma negra cozioheira c engoui-
madeira, que tenlia
Senzala Velha n. Di.
9
sempre heroico sao as seguintes : a anemia (fal-
ta ou diminuicao dos glbulos de sangue) (*) ;
a ehlorose (ictericia branca, cor paluda, pallidez
do rosto Binas de faltas menstruaes] ; a leucor-
rhia llores brancas, fluxo alvo ou branco); a
amenorrha (falta completa ou incompleta da
inensliuccao); a dysmennrrha (dillkuldade no
apparecimenlo da menstruacao, menslruacao.dif-
Qcil cm dores, espasmos, etc.); a dutpeptia fra-
queza e diliculdade na digcslo, digestao tarda
e penosa, digeslo Imperfeila); a emaciaro (em-
magrecimento sera causa conhecida, assira cmo
0 cmmagreciraento filho de molestias prolonga-
das) ; as escrophulas, a gastralgia (dores nervo-
sas partes, etc. Observaremos que, alm das re-
conhecidas vantagens que na cura destas mo-
lestias se lem obtido, ja com o emprego do phos-
phato de ferro soluvel, a qualidade que o torna
mais recommcndavel ainda a de se poder con-
siderar como meio preventivo ou prophylaiico
contra a l'sica, pela cura prompta da ehlorose
(*) Fraqueza e debiiidade geral com falta de
Uarlh, medico do hospital Beaujon.
A prepararan ferruginosa do Sr. Leras, a
que applico de melhor vontade, e a que me. d;i
os raelhores resultados, tanto na eidade como
no hospital. Aran, medico do hospital de San-
to Amonio.
Lua mulher muilo gravemente doente, e seja moca com as niesruai
qual infructuosamente tinha appcado o lclalo da : na ra Nova n. 3 i.
de trro, as pilulas de Vallet, as aguas forreas
de Spa e de Passy, foi immedialamenle melhora-
da com o aso do phosphato de ferro soluvel, que
ella supportou muilo bera.liernuiz, medico
do hospital da Piedade.
Eu aconselho militas vezes aos doenles, o
principalmente aos que sao dotados de consli-
luicoes delicadas, o phosphato de ferro soluvel,
c at hoje nao tenho lido motivos seno para me
louvar. Kobert, cirurgio do Hotel Dieu.
O phosphato de ferro soluvel , segundo a
rainha opinio, a preparacao que os doenlessup-
porlam melhor, e a que da os melhores resulta-
dos.Cazenave, medico do hospital de San
Luis.
De todas as preparaces ferruginosas co-
nhecidas a que, segundo minha opiniao, se
supporta melhor ccura'rapidamenlc
Quem casa quer casa, Por causa de um algaris- C6
rao, A rosca, o Duelo no Terceiro Andar, o Ir-
miio das Alinas e o Diabo na escola
graphia se dir.
Compra-sc una escrava de meia idade gue
cosinhc e engonime c seja robusta ou uma que
'labilidades c recolhi-
I inipos & Lima, tem para vender
porgan de alcatifa de todas as qualida-
boa conduela : na ra di
Vendas.
Boa peehineha.
Vende-se uma taberna em um dos nielhon
.i
Chapeos prelos.
Na ra do Qucimado
numero 10.
Chapeos pretos de primeira qualidade, e da
orina elegante a 10$ cada um.
Nova invencao aperfei-
lugares da freguezia de S. Jos, afreguezada para
a praca e para o mato, rom pequeo sorlimento :
os prelendentes, dirijam-se a ra de Santa Rita
numero 82.
Para vender.
cor.
que exigem osla indicaeao, sem contradiceao o
phosphato de ferro soluvel de Leras.
Tem principalmente a vantagem de evitar a
conslipacao de ventre, e de convir s pessoas de
estomago delicado.Ur. A. Favrot, autor do Tra-
tado de doencas de mulher.
Afora estes mijitos mdicos dos hosptaes de
Pariz, que diariamente applicam, citaremos os
nomes dos Srs. Arnal, Ilazin, Itoinet, Castilhes,
Uebou, Deschamps, Denonrilliers,Favrot, Gillelt,
Gros Guibout, Monod, Martin, Saint-Angc, Sa-
talii Guillot, Oltembourg, Pallelan, Schuster,
Pernota, etc. Nos Eslados-Unidos, Allemanlia,
Hespanha, Inglaterra, Hollanda, Bussia, Blgica.
Italia, Portugal e Brasil lera sido appcado pe-
los raelhores medlios que tem reconhecido suas
grandes vantagens; ejulgo desnecessario publi-
car urna ijHianlidade enorme de attestndos era que
se provam milhares de curas com este bello me-
dicamento, e que gratuitamente me tem sido
1 enviados de varios paizes.
L'm excellente piano muilo barato c domis;
acreditado fabricante Collard, e muilo novo ;
0.--3,-ecSoes tambera ha alguns trastes em bom estaho : quem
pretender, dirija-se a ra Nova n. 65,
servido.
v
lico fiue se acham a venda todos os dias S As correspondencias sei5o enderezadas
dr,1, i ,. i -9 com subscripto ao Dr. Sabino com ausen-
cs y horas da manhaa atoda tarde, j g cia ao abaxo assignado
i
ilanoelde Mallos Teixeira Lima
Professor era homcopathia e se-
cretarlo do consultorio.

no pavimento terreo da casa da ra da
Aurora n.2C e as caas commissionadas
pelo mesmo Senhor thesoureiro na pra- 2
a da Independencia n. li el 6, os'
bilhetes e meios da ultima parte da ter- i 2 Botica central hoiUCOpatllica
reir e primeira da quarta lotera do ,15 *<>
Gymnisio cujas rodas deverao andargBJ. . OLEGARIO L-PIMO
impreterivelmente no da H de Janeiro @ Continua a vender-ee grande sorlimento !:
do auno prximo futuro. de medicamentos homeopalhicos tanto i Uo_2,ec,
Thesouraria das loteras 21 de de-!f e"lR,obu,us como em tinturas.
I A la-a n i f i ' Os preces dascarteiras sao os mesmos
/.embro re 1 Soy.O esenvao, J. M. dajdj que so achara estipulados no final do the-
souro homeopathico.
Deposito nesta eidade
27RA DA CRUZ27
Escriptorio de Almcida Gomes, A Ivs (t C.
l!
m
Cruz.
Desappareceu
do sitio Caixad'Agua um boi preto : quem o en- '
conlrar ou der noticia na ra do Livrameuto n.
2, ser bem gratificado.
Na ra Bella n. 10, precisa-se de uma ama '
para cozinhare comprar para uma pessoa
Dentes arliiciaes.!
Francisco Pinto Ozorio lem a honra de scien- i
tificar ao respeitavel publico desta cidaie, que i
est de posse da machina a vapor vulcanite ;
colloca dentes por este novo systema ainda nao '
visto nesta eidade, c talvez em todo o Brasil por |
ser ura systema inleiramente novo, e por conse- |
guintc rauilo fcil para as pessoas que se vfiein
na precisao de usar delles ; tambera os colloca
por meio de chapa em ouro ou platina com molas I
ou pela presso do ar, calca os que estao em es-1
tadode caria com ouro e massa adamantina, el
outro s massas brancas, por precos r3zoaveis, po-
denda ser procurado para este fim em sua mora-
da, na ra estreila do Bosario n. 3, a qualquer
hora do dia.
= Coniinua-se a preparar bandeijas enfeita-
das cora bolinholos de diversas qualidads, as
melhores e mais baratas do nosso mercado ; as-
sim cemo bolos inglezcs, podios, pastis de nata
e crome ou oulra qualquer encommenda : diri-
ja-se ra da Penha n. 25, para tralar-se do
aj lisie.
O advogado Souza Reis mudou o seu es-
criptorio para a ra larga do Rosario, sobrado da
quina n. 52.
Offercce-se um homcm capaz
< oin familia para feitor de sitio, que
entcode perfeilamente de plantacoes:
eista tvpographia se dir.
agencia dos fabricantes america-
nos Grouver & Baker*
Machinas de coser: em casa de Samuel P.
Johnston & C., ra da Senzala Nova n. 52.
MOB LIAS
Envernisam-sc mobilias mais em conta do que
em oulra qualquer parte: no pateo do Carmo
a. 21.
Cada tubo avulso
Cada vidro de tinlura
Thesouro homnnpathiro ou vade-
mcum do homeopalha, cncad.
9
igooo fe.
2000

115000 $
Ama,
PogM-sc bem a quem quizer ser ama de uma
casa de tres pessoas : na ra Nova n.35.
Precisa-se de uma ama que saiba coser e w.
engommar eora perenjao, para uma casa estran- >
geira : quem estiver neste caso, pode apresentar-
se na ra da Cruz n, 9, segundo andar, que ser
bem retribuido.
Carlos Marn e Alfredo Dreux, reliram-se
para o Rio de Janeiro.
Gustavo Masset retira-se para Macei.
Precisa-se de uma ama de meia idade, para
ozinhar para tres pessoas : na ra do Rangel
numero 6.
Madame Abertine Retter retira-se pera a
Bahia.
Publicacao litteraria.
Guia Luso-Brasileirodo Viajante da Europa
1 vol. em 4o de 500 pag.: vende-se na mao do
autor ra do Vigario n. 11, brox. 3g encad 45.
gmimm &&&&&*&&
g^ O Dr. Casanova pode ser procurado
a qualquer hora cm seu consultorio ho-
meopathico
28=RUA DASCRUZES=28
ojjmesmo consultorio acha-se sem-
pre grande sorlimento de medicamen-
tos em tinturas e glbulos, os mais no-
gvo o bem preparados, os elementos de
homeopathia e Nystem diccionario dos
|termos de medicina.
Fugio um eseravo pordo por nome Eloy,
estatura regular, cor clara um pouco acaboclado,
pouca barba o com bigode, nariz e bocea regu-
lares, olhos caslanhns. com lodos os dentes, per-
nas um pouco arqueadas, cabellos corridos e ne-
gros, bem fallante, anda bem vestido e calcado :
levou paletol de alpaca prela, chapeo preto de
fellro, oIBcial de pedreiro e de pintor do que
mais usa ; estando no dia 2i pintando duas ca-
sas na ra Nova, deixando de vir a casa desde
o dia 23 do correnle, c consta que elle intitula-
se livre : roga-se quera o pegar, dirija-so
ra da Gloria n. 10, que ser gratificado.
Quera precisar de una mulher forra, que
sabe cozinhar c engommar com muita perfeifo,
dirija-se a ra do Vigario n. 20, lerceiro andar.
Antonio Alberto de Souza Aguiar tem para
vender em scu armazem na ra do Amorim n.
52, barris de 8 com o mais superior vinho do
Porto que se pode encontrar era nosso mercado.
Desapparecu na madrugada do dia 23 do
correnle, do lugar da Capuuga, um cavallo rmjo
cardao, altura regular, com marca no lado direi-
to ; se alguma pessoa liver delle noticia, dirija-
se a ra da Cadeia do Recifc n 56, loja de ferra-
gens de Sanipaio Silva & C, ou na ra da Ca-
punga no sitio de Francisco Custodio de Sarn-
paio. quesera bem recompensado.
XTYYTTTT f yTYTfT i'TTYTTTTTTfTTK
DENTISTA FRANCEZ. 5
Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- 5
rangeiras 15. Na mesma casa lem agua e 3
p denlifico. *J
Ama de leite.
Precisa-se do uma ama de leite que nao tenha
j filho, ainda mesmo sendo escrava, paga-se bem :
Aluga-sc uma escrava Dar o servico do- NICA
meslico : na ra da Roda n. 23, das 6 .s'9 ho-
ras da manhaa e das 4 da larde em diante.
Precisa-se fallar indubitavelmenle com o
Sr. Joao Jos da Costa Santos : na ra da Cadeia
ccife n. 40.
ma mulher sadia e que tem bastante lei-
te, ofierece-se para criar : a tratar na ra do
Qucimado n. 39.
Pelo presente faco publico, que o Sr. Leo-
poldo do Rogo Barros, iiiveniarianle dos bens
que ficaram por fallecimcnlo de meu pai o coro-
nel Francisco Jacintho Pereira. nao pode vender
nem por maneira alguma dispr dos ditos bens
que se acham embargados pelos herdeiros de
primeiro matrimonio al decisao do Tribunal 1
Relacao, c que os referidos herdeiros esli
poslos a annullar qualquer contrato ou
que pelo dito inventariante foi feito. Reeife
de d> zembro de 1S59.
Manoel Jacintho Pereira.
LJCES PMTICAS
DE
ESCRITA C0MMERC1AL
Pop partidas dobpadas
E DE
MITraiMKI
VERDADEIRA
GITIMA.
E LE-
SlLSi PAMIlil
Queimado n. 30
loja de ferragens, miudezas c funilciro ha paia
vender ura grande sorlimento de cnixas com vi-
deos tanto em poreo como a retalho, assim co-
mo caixas de folha de Flandres obras feilas per-
lencentes a ofliciua de funilciro, vende
ludo rauilo mais barato que em outra qualquer
I parte.
Na loja da ra Direita n. 48, vendem-se
borZcguins para humera a 79600, ditos para se-
nhora a 3g50(), sapaloes de. couro de lustre para
homem a 3500, sapatos de couro de lustre i ara
senhora a 1$280, ditos de niarroquim para sc-
nhora a 7C0 rs., ditos do Aracaly aSOOrs., assim
como couro de lustre e marroquira que se vende
por baratissimo prego.
MilUo e feijao.
Xa taberna da ra da Praia n. 39, sendo o Bu-
lbo a 45000 o sacco, e feijao a 4#600.
Fazendasboase
baratas.
Chapelinas e chapeos de seda e pal ha
para senhora, bonitos c bem enfei-
lados a 15$ e
Chapeos de seda enfeitados para meni-
nas a 83 e
Capcllas e enfeites de flores e froco para
cabeca de meninas a 2)090, c para se-
nhora a 5S e
Enfeites de vidrilho para cabeca a 3;500 o
Chapeos pretos franceses, tinos, para
hornera a 8jJ e
Ditos brancos de castor, modernos
Ditos decasemira de cores para homem
Ditos do fellro finos a 4?, 5 o
Dilos de dito finissimos, fita larga
Dilosde seda de cores delicadas
Ditos de castor tambera copa baixa e
finos
Bonels de panno fino, franeczes, para
meninos a 28 e
de cores
COMHi,
Bandos ou alinofadas
de crina para penteados de
senhora.
Vende-se nicamente na ra da Cadeia do I:-
;ife n. 43, luja de Leile & liman.
RE:7iD!0 INCOMPARAyEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares le luos le todas as naeoes po-
'iii Icstcmunharas virtudesdeste remedio i-
iravel e provar em raso necessario,
pelo uso que delle flzeram lem seu corpo e raem-
le sai 9 'l mprega-
do intilmente outros tratamentos. Cada 1
poder-se-ha convencer dessas curas maravill
pela h is peridicos, que Ih'as relatara
todos os dias ha muitosannos; ea maior parte
deltas sao to sor prndenles que mcjrmpe so
mdicos mais celebres. Quafltas pessoas reco-
braran! com este soberano remedio o uso de seus
bra os e peritas, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hosptaes, onde dr viam soffrer:i
amputacSo I Dellas ha muitas que harendodei-
iad 1 esses asylos de padecimenlos, para scuo
submetterem essa operario dolorosa foram
curadas completamente, mediante ousodesse
preciosoremedio. Algumas das laes pessoas na
enfusao de scu reconhecmento declararam 1 -
tes resultados benficos diante do lord correge-
dor o oulros magistrados, afirn do raais auleiiti-
carera sua firmativa.
Ninguem desesperara do estsdo de saude so
tivesse bastante confianca para ensaiar estere-
; medio constantemente seguindo algum lempo o
mentratato que necessitasse a nalureza do mal,
cujo resultado seria prora rinconlestavelmente :
Que ludo cura.
o ungento jic utiif majs partieu-
larmcnte nos se%u:i3*es casos.
Alporcas.
Remedio sem igual, sendo reconhecido pelos
mdicos, os raais iminentes como remedio infal-
lieel para curar escrophulas, cancros, rheumatis- Camisas brancas e cora peitos
mo, enfermidades do figado, dyspcpsia, debili- j a 1S800 e
dado geral, febre biliosa e intermitiente, enfer-; Ditas ditas com pcilo de fuslao, finas,
midades resultantes do emprego de mercurio,' a 2^800 e
ulceras e etupccs que resultam da impureza do Dlascom peito dolinho a 3S500, 4* -
I6.;ooo
95000
ajonn
4jOco
95000;
1 ($000
-IMU!
69000
75JOOO
8?000;
9S00O!
35000 I
28500
na rundas Cruzes n. 41, segundo andar.
Eugenio Blura retira-se para o Rio de Ja-
neiro.
= W. B. Bouring, subdito inglez, vai ao Rio
de Janeiro.
Ra Nova n 15, segundo andar.
1H. toiisrcn de Mcdelres, escriturario da
Ihesourari.i de fazenda desta provincia, competen-
lemenle habilitado pela directora de inslruccao
publica para leccionar arithmetica nesta eidade,
lera resolvido juntar, como complemento do seu
curso pratico de escrturacao por partidas do-
bradas, o ensino de contabilidade especialmente
na parte relativa a redurro de moedas ao cal-
culo de descontse juros simples e compostos,
conhccimenlo indispensavel as pessoas que de-
sojara emrresar-se no conimercio ou que j se
acham nelle eslabelccidas. A aula ser aberta
no dia 15 de jaueiro prximo futuro s 7 horas
da noitc ; 2 as pessoas que desejarem matricu-
larse poderao deixarseus nomes em casa do an
nunciante at o mencionado dia.
Aos sonliorcs de engenhos e aos plan-
tadores de capira.
Na Cabanga junto ao motadouro publico,em uraa
fabrica que all se estabeleceu, vende-se sangue
de boi reduzido a p para servir de extrume na
plantaco das carinas de assucar por meio das
covetas, cujo systema de plantago ser ensina-
do por ura folheto, que alli se distribuir a quera
comprar rr ais de 20 arrobas. As experiencias j
feitas nesta provincia e em algumas parles da
Europa ; garantem o bom resultado, que so pode
obter da applicaee desse exlrume o mais pode-
roso de lodos, nao s para a canna, como tam-
bera para o capim. Este exirume lem a proprie-
dade de desenvolver a vegotacao da canoa com
uma forja tal, que no fabrico do assucar vai a
produzir o tripulo de assucar, que poderia pro-
duzir sera o emprego delle : e e quanto ao ca-
pim. que hoje j objeclo de grande interesse,
tal a influencia, que na baixa que der dous cor-
les de capim em ires mezes, com a applicacao
do sangue pode dar qualro de rauilo hora capim e
abundante. Adverte-se aos pretendenles, que o
sangue assim preparado pode ser conduzido cm
saceos : quem desejar tirar o maior resultado de
suas plant roes, procure na fabrica da Cabanga
sangue
CAUTELA.
D. T. Lanman e\ Kcmp, droguistas por atacado
New York, acham-se obrigados a prevenir o res-
peitavel publico para desconfiar de algumas te-
nues imitaces da Salsa Parrilha de Brstol que
hoje se vende neste imperio, declarando a lodos
que sao elles os nicos proprietarios da receita
do Dr. Brstol, tendo-lhe comprado no anno de
18o6.
Casa nenhuma mais ou pessoa alguma tem
direilo de fabricar a Salsa Parrilha de Bristol,
porque o segredo da sua preparacao acha-se so-
mente em poder dos referidos Linman & Kemp.
Para evitar engaos com desapreciavcis co-
binaces de drogas perniciosas, as pessoas que
quizerem comprar o verdadeiro devem bem ob-
servar os seguintes signaes scm os quaes qual-
quer outrapreparaco falsa :
Io O envoltorio de fora est gravado de um
lado sob uma chapa do ac, trazendo ao p as
- seguintes palavras :
D. T. LANMAN & KEMP
n.jooo
5$000
a GsOOO
12000
5$000
63100
143000
SOLK AGENTS
N. 69 Water Street.
2" O mesmo do outro lado tem ura rotulo em
papel azul claro com a firma e rubrica dos pro-
prietarios.
3 Sobre a rolha acha-se o retrato e firma do
inventor C. C, Uristol cm papel edr de rosa.
4o Que as dircQoes juntas a cada garrafa tem
nma phenix semelhante a que vai cima do pr-
senle annuncio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro na ra da Alfandega 'n. 89.
Baha, Germano & C, ra Juliao n. 2.
Pernambuco no armazem de drogas de J. Soum
& Companhia ra da Cruz n. 22.
Ordem terceira do Carmo.
O secrctano actual convida aos nossos charis-
simos irmiios para eomparecerem parameutados
com seus hbitos no dia 1. de Janeiro futuro, s
7 horas do din, afira de assislirem a missa, prati-
co e dislribuico de registro, e a rezoula do novo
anno. Reeife 28 de dezembro de 1859.
Manoel Jos de Castro Guimaraes,
|Secretario.
Calcas de brim de cores e brancas de 3,<
Ditas de caseniira de cor e prclas a 85 e
Clleles de brim e fuslo a 4$ e
Ditos de gorguro de cores a 5 e
Ditos de velludo de cores a 129 o
Palctnts de brim de cores c brancos
de 3 a 7000
Dilos de alpaca prela c de cores a 5-5 e 12j000
Dilos de panno e casemira pretos c de
cores a 20. 22, 2 e 26,$-0()0
Sobreeasacos de panno preto superior 38-3UO
Vestuarios de fuslo, mui lindos, para
meninos I29COO
Pentes de tartaruga modernos a 10, 1G e 25^00(1
Loques entrefinos e bonitos a 3, 5 e >;(io(l
Ditos de raadreperola a 16, 20, 25 e 308000
Bamos de flores finas a lg, 8| 8 3>000
Saias a balao de boa qualidade a 5 e CJOOO
Vestidos de phantasia, de lindas cores,
a 258000 e 3O000
Corles de vestido de seda de cores deli-
cadas, com 2 saias c 2 babados borda-
dos a 100$ e 120;000
Calcas para meninos bordadas a 4 e 5$000
Toolhai de algodao e de linho a 1 000,
1800, 26(Hi c 2860
Luvas de pellica brancas, amarellas o
pretas, para senhora c hornera a 2j> e 2.v'5C0
Collinhas bordadas a 600, 800, 1*200
1 $600, 23*00 e 3g000
Manguitos bordados a 2$ e oj.MH)
Ditos com gollinha a 3;>500, 4, 6 e '_ 8JOO0
Alem destas, outras muitas fazendas, que na
loja de Cunha Silva, na na da Cadeia do Reeife,
se vendem por precos baratos.
A mais rica armacu.
o melhor loca'.idade, com garanta da casa por
tres annos, aluguel muilo em conla, propria para
toda e qualquer especio do eslabelecimenlo, mui-
to em conta, sita na ra Direita : a tratar na
mesma ra n. 16, loja.
Retratos de SS. MM. II.
Chegaram do Rio de Janeiro no ultimo vapor
retratos de SS. MM. II., tirados por um distincto
artista Allemo : vendem-se na livraria econ-
mica, defronte do arco de Santo Antonio, ra do
Crespo n. 2.
Inflammaco dabexiga.
da mal.":
Lepra.
Mal das peinas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mes [uittii,
Pulinoes.
Queimadelas.
Sarna
Supura ;5es ptridas.
Tinha, 1 m aual [uei par-
te que seja.
Tremor de nerv is.
Ulceras na bou ..
do figado.
das arJtieulaeoes.
Veias torcidas ou nod 1-
das oas penas.
Vende-se este ungento no eslabelecimenlo
geral de Londres n.22, Strand. e na luja de
todos os boticarios droguistas e outras pess -
encarregadas de sua venda era tuda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs. cada bocetinha, contera
una instruceo em portuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico. na ra da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.
Cairabras.
Callos.
Canceres.
Cortaduras.
Dures de cabeca.
das costas.
dos membros.
Lnferraidades da culis
em geral.
Ditas do anus.
Erupcoes e escorbti-
cas.
Fstulas no abdomen.
Prialdade ou falta de
calor as extremida-
des.
Frieiras.
Gengivas escaldadas.
Inchac
Inflamaeo do figado.
eavana
Pecas de algodao trancado, azul, com 32 co-
vados por 48500 : vendem-se na ra do Crespo,
loia da escuiua que volta para a ra da Cadeia
Pata mesas e
camas.
Toalhas de algodo alcoxoaJo para mesa
de 1, 1 1(2, 2,2 1)2 e 3 varas a 800,
IgOO, 2, 3 e
Ditas de linho de 2, 3, 3 1|2, 4 e 4 lr2
varas de g a
Ditas de dito muilo superiores de 2 a 5
varas a 6,8,10, 12, 14 e
Atoalhado de duas larguras, (raneado e
adamascado, vara a 18, 182110 e"
(Juardas-roupa de algodao alcoxoado,
duzia, a 2$ c
Ditos de linho a
Bramante de linho para
10 palmos de largo a
Toalhas de linho cora
resto a 3 e
Babados de linho para lenc.ocs, toalhas
e camisas de linho, pocas de 30 varas
a 28500, 3S e \
E oulros muitos irtigos, que na leja de Cunha
& Silva, na ra da Cadeia do Reeife.n- 50, esqui-
na defronte da ra da Madre de Defts, vendem-
se baratos.
Vende-se a taberna da ra da Reda t>. 18 :
a tratar na mesma.
}
lenc.o cora S e
18800 e
labyrintho para
4S00O
10;000
I65OOO
2J10O
2fP08
4,-rOOO
2$iOO
4;000
.18500


PIATOO DE PERNAMBIXO. SEXTA PE A SO DE DEZEMBRO DE 1854.
Para concluir u licjuicJaco u..s t.t/,eudus
ta extincta irma de Leite & Correia,
vendeua-se asseguintes fazendas, por
mutto menos de seu valor, na loja de
quatro portas da ra do QueimaJo
numero >0.
Sedas pretas lavradas, superior qualidade,
aovado
Crosdcnaple preto muilobora e largo,co-
vado
Pito dito mais estreilo, corado
Camisetas de cambraia para senhora, urna
Tiras c cntremeios bordados
Sorlimento completo de chita de cores,
covado
Dito de chitas larg-is francezas, bous pa-
dres e cores lixas, covado
Gangas de cores escuras e claras, covado
iscoo
2S00O
1 600
160
240
200
Coitos do caira de meii casemira aljJGOO e 2-000 ^
Mcias cruasnara homem. duzia :;.t00,9 rilIilS.
iiua da SenzalalNova n. 42
Vcnde-se em casa de S. P. Jonhston i C. va-
quetas de lustre para carros, sellins o silhes in-
glezes, candeeiros e caslicaes bronzeados, lo-
nas inglczas, o do vela, chieote para carros, e
montara, arrcios para carro de um e dous cval-
os, e reloeios d'ouro patente ioslezes.
ifcl CBQ'arj>CA OJOS
MOSELLE MOSSEDXf
a DE
LOUDREIS I
em garrafas e meias gar- I
:;.) 001
5000
19280!
210 j
160i
210 i
S9OOO
5,-OOO
6g00
3.^000'
290001
100
2*500 I
1^000
800
000
1S00O
3
i

Mcias croas para homem, duzia
Ditas para dito muilu superior, du/.ia
Atoalhado adamascado uiuilo largo, vara
Cassas de cores Osas e padrees vistosos,
covado
Riscadinho francez, covado
Musselina de cores lixas, covado
Chales de laa com palma de seda, um t
Cortes de calca de casemira lina de cores
Ditos de dita prela
itos de collete de gorguro com palma
de velludo
Ditos de dito de gorguro e seda
Ditos de dito de merino bon'ado
Lencos do seda pequeos para pesclo de
senhora
Panno preto, covado
Dito superior, prova delimite, covado 3$ e 000
Snperior brini trancado de linho, branco,
vara
Hilo dilo de cores, vara
Metas brancas paia senhora, duzia
Hilas para dila muilo superior, duzia
Luvas de pellica para seuhara, em bom
estado, 11111 par
> AiidiYlaO. a
> Kissel, relojoeiro (ranee/, vende relogios ^<
de ouro e prata, concert relogios, joios e "'
msicas, ja aqui he conhecjdo ha mullos 2
> anuos, habita no pateo do Hospital n. 17.
Na loja doscrlaiiejo,rua
do Queimado n. 43 A.
Reccberara em direitora de Franca, deencom-
nienda, os meliioies chapeos de casi rapa I iss
sendo trancse prelos, e as formas as ruis mo- \
ilernas que tem viudo a moscado, e por me- i
nos qne era outra qualquer parle, assira como!,!
lamben lera um grande sorlimento de enfeite, |
de vidrilho pretos e de cores pelo diminuto pri -
50 de. 4$ cada um, assim como tem chapeos de
sol de panno a 120U cada um i a perfeito asi
do, aberturas brancas muilo linas, a 320, ditas
esguio de linho a 1 una, cmbrala pela Gna '
a 360 o covado, c a vari a 560,o a (MO,
decora 510, brim branco de linho a 1^200 a va- -i
ra, colleles de velludo de furta-core'spretos a '
T;-(K), ditos pretos a 8 c a <, calcas de caso-
mira de cor a 7, 8 e II-:, ditos pretos a 7, 9 e
"!-;>', colletes de gorguro a i, 5 o 0.-, saceos pa-
ra viagem de diversos lamanhos, ciascruas, por
grande porcao, a 19500, ditas a 1$600 o 2# a
duzia, linas a 3 e 4$, chapeos enlejiados para
meninos e meninas e senlioras por qualquer pre-
:<>,_ e ludo o mais nqui se encontrar o proco,
u u5o se deixa de veoiuder.
C. J.Astley&C.
Seguro contra Fogo
COMFAMHIA
LONDRES
9
AGENTES
G J. Astlcy & Companhia. {
"*>* ..'- 5 JS 4 9* i 1M MI o M >*
Meias de seda de peso
para senhora, brancas c pretas, e para meninas,
brancas o rucadas : vcnde-se na loja de Leile
& trmao na ra da Cadeia do Rer.ife n. 48.
j OBiflMSCPCl^

Veiile-se
Queimado n. 40.
Grande e variado sorlimento
DE
Fazendas francezas crou-
pasfeitas recebidas em di-
reitura pelo ultira0na\io.
Do-se as amostras com penhor.
f
l
8
s
803000
ipoo
i
^

A
i's. a peca
de fila de velludo de uno dedo miuimo de largura
com 10 1[2 varas, bandos de crina para senhora
muito bous a 0i) rs. o par, pulseiras de contas
para senhora ou meninas milito lindas a 160 rs.
para acabar; na loja de miudezas do aterro da
toa-Vista n. 82, quasi confronte a matriz.
oberlos e descoberlos, pequeos e grandes, de
ouro patente ingles, para homem a senhora,
um dosruelbores fabricantes Je Liverpool,
indos pelo ultimo paq tete inglez : em tasa de
Soulhall llellors l C
Bandciras nacio-
nacs.
Vendenj-se na ra do Queimado n. 7, bandei-
tjs oacionaes de varios lamanhos, nimio bem
leilas a 300 rs. cada urna.
Cera c Sebo.
\ ende-se Cra de carnauba muilo snperior a
127000 i. velas de dita e de composigo, sebo
refinaJo era caixoles, .lito era velas, na ra da
Cruz, armazem n. 33.
Folha de cobre e Metal
amare lio.
Eslanho em barra e Pre-
gos de col^.
Alvai-ule c vRniz copal.
Folha de Fland res.
Palhmha para marci-
neiro.
Yinhos finos de Champa-
uno e Moselle.
Lonas da Russia e Brim
de vela: no armazem
de C. J. Astley & C.
-p CML4B -:ii'i!>tJD JI6>:
Fazenda com avaria.
r
E pechincha sem igual.
Na loja do Preguiga, na ra doQueimado n.2,
lem para vender peras dealgodo largo com 16
varas cada una, pelo barato preco de 1, pecas
de cassa lisa lina a 2$500 : a ellas, anles que'se
acabem,
Tachase mocadas
Draga Silva & C, tem sempre no sen deposito
da ra da Moeda n. H A, um grande sorlimento
de lachas e moendas para engenho, do muilo
acreditado fabricante Edwinfcw: a tratar no
: mesmo deposito ou na ruado Trapiche n 4f.
Fazendas com pequeo
toque de avaria.
K' pccSiinelia.
Na loja do Preguica, na ra do Queimado n.
2,ha para vender peeas do finissimo ~e muito
lar^o madnpolao, pelo baratissimo preco de 53,
3^500 e3jO00: cheguem, antes que so'acabem.
Chapeos de castor pretos
e hrancos
Na ruado Queimado n. 37, ver tn-se os me-
Ibores chapes de castor.
Ricos cortes de vestido de seda do cores
de 2 saias..........................
Ditos de dito* de seda os bordados a
velludo............. ...............
Ditos de ditos de seda de gazo phanlasia
Iticasromeiras denlo c de seda bordadas
Taimas de grosdenaples bordadas......
Chales de touquim branco bondadosa
30e.................
Crosdcnaple de cores de quadrinhos co-
vado .................................
Dito do dito liso covado.............." 1*800
Seda branca lavrada covado 1$600 a.... 2*600
Grosdenaple preto lavradocovado...... 2r>000
Dilo dilo liso encorpado a lgAOOe___ 2^500
Dito dito com 3 palmos de largura a
1S600 e.......................!...... 2500
Sana de cores larga com 4 palmos de
largura covadoa...................... 1*500
Gaze de sedada China de floresclistras
covado a ............................
Follar de seda de listras gosto novo co-
vado.................................
Selim de escoc* e diana de seda covado
Chaly de flores novos desenhns covado
Harejede seda de varias analidades co-
vado.................................
Meio velludo de cores covado.........!
Velbulina de todas as cores............
Selirn de todas as cores liso covado ...
Bnlhanlina branca muito Tina a.......
Chitas francezas claras e escuras o 260 e
Casemira prela lina algtOOe..........
Panno pelo e de cor Uno provade li-
moa3500a........................
Corles de casemira de cor a 5g e........
Cassas organdys de novos desenhos a
vara..................................
Ditas fia ncezas muito linas a............
Hanguitos de cambraia transparente bor-
dados muito ricos....................
Golinbas de eambraia bordadas depona'
Ditas dedilo bordadas a 600a..........
Tiras e entremeiosdecambraiabordados
nicas mantas prelas de linho para se-
nhora .......................\
; Ditas ditas de blond brancas e pretas..
Chales de soda decores, prelos o roxos..
Ditos de merino bordados com franja de
seda.........................
Ditos de dilo dito de IhV^^.........'.
Ditos de dilo liso dilo de seda..!!!!!!!!
Dito de dilo dito de la..................
Dilo de dilo eslampados fino lista d
seda..................................
Lencos de cambraia de linho bordados
finos......................
Ditos de ahtodo de labyrintnoS'e.!.!
Capejiasbrancas para tolva............
Enfeites de vidrilho prelo e de cores___
Aberturas para camisa de esguio de
linho........................
Ditas de dilo de algodo brancas 2 d
cores..................................
Saias balo modernas.................!
Chapeos rancezes forma moderna...... 8500
Gravatqs ue seda depona bordadas a
velludo ..............................
Camisas fraucezas de cor e brancas
finas al3800 e........................
Ditas ditas de fuslao branco e de cor....
Ditas ditas de esguio muito finas mo-
dernas ................................
Seroulasde brim de algodo e de liiiho
Galeas de casemira prctaselim 9g e....
Ditas de ditas de cores 8J e............
Dita de meia casemira .................
Dijas de brim fino e varias qnalidades
3Je Colleles de velludo, gorguro,
casemira e setim....................
Casacas de panno prelo muilo fino 305
sohrecasacos e palelols de panno preto
fino 243 c..............,.............
Palelols de casemira mesclada golla de
velludo
1S000
1*000
15000
900
500
1*500
700
800
500
320
2500
7J00')
7*000
1$000
500

1S500
*
9
8
S
7^500
75090
6*000
4*500
8*000
8
1*000
t
0
S
S
6.-000
$500
2*500
*
nsooo
10*000
4$5000
r,*ooo
-ogooo
35*000
QRAUDE
pechincha.
FUNDICiO LOW-MOW,
llua da Scozala i\ova n. 42.
ica, na ra do Queimado n. Neste estabelccimenlo continua a haver um
de chitas finas de cores fixas i ^oraapleto sorlimcnlo de moendas e meias moen-
Ires com 38 covados cada aspara euSenho, machinas de vapor e taixas
de ferro batido e coado, de lodos os taannos
para dio.
Cortes de vestidos
Na loja do Prcguica,
2, vendem-se pecas
e de escollados padres com 38 covados cada
nina, pelo baratissimo orece de 5g800, e em re-
lalho a 160 o covado.
Vendcm se na loja de Nabueo & C.. na ra
Nova n. 2, ricos lencos do cambraia de linho
bordados para bailes, alineles dourados para se-
gurar enfeiles de cabera, chapelinas de senhora,
grvalas de seda brancas para homem, luvas de
pellica do Jouvin para homem e senhora, borze-
guins de selim braucos o pretos para seu horas,
etc.. e outras muilas fazendas de gosto.
Gobc-rlas de chita a 2$.
Ra do Queimado n. 19.
Vcndem-secobcrtasdc chita a 2$, crtesele ris-
cado francez a 28500, len<-os do cambraia para
algibeira a 2ga duzia.
2S000 e 2S500 a peca.
Algodo trancado americano branco, proprio
para loalhg e roupa de escravss, com
quono toquo de agua doce : no armazem
zendas da ra do Queimado n. 19.
Cheguem ao barato.
O Leite & Irmo continuam a lorrar na ra
da Cadeia do Recife n. 48, pecas de cambraia li-
sa com 10 jardas a 4*500 e 5g, lencos de cam-
braia de linho a 3* a duzia, cambruas muilo fi-
nas c de linJos padrees a 640 a vara, ni'-ias fi-
nas para senhora a 3*800 a duzia, dilas cruas in-
glczas para homem e meninos, chales de meri-
no lisos a 4500, c bordados a 6*. palctots de
alpaca pela e do cores a 5*, ceroulas de linho
e algodo., camisas uglezas muito superiores a
60*, a duzia, organdys de lindos desenhos a
1*100 a vara, corles de cassa chita a 3g, chita
franceza a 240, 280, 300 e 400 rs. o covado, pecas
de madapoln com 30 varas a 4$S00, 5g, 5$30,
6,7 c 8$, chitas inglczas de cores lixas a 200 rs o
covado, loalhas para mesa a 3 e 4*.
de seda
\a ra to Queimado n. 37 loja de A
portas acaba de rcccbcr pelo ultimo
navio viudo do Havre um completo sor-
limcnlo de vestidos de seda de 2 saias,
2 babados c de aventados pana se ven-
dem por preco commodo.
Chapelinas de seda c de
velludo para senhora.
Ricas chapcHaas de seda c de vellu-
"de'T n. 37, loja de 4 portas.
Golas c manguitos.
Ricas golas c manguitos de cam-
braia : na ra do Queimado n. 37, loja
de 1 portas.
Manteletes
Aprazo ou adi-
nheiro.
Vende-se" a cocheira da ra da Cadeia de San-
io Antonio n. 7, tendo 5 carros e 1 rico coupee
sem uso algum : quem pretender, dirija-se
mesma.que achar com quem tratar
== Vcnde-se no armazem de Jos Anlonio Mc-
reira Das & C, na ra da Cruz n. 26 :
Mercurio doce.
Relroz.
Linhas em novellos.
Cera de Lisboa em velas.
Graxa ingleza em boioes.
Lazarinas e clarinotos.
Chumbo era lencol.
Dilo de munlro".
Ferros de ac para engomraar.
Pregos de ferro de tudas as qualidades
Ditos francezes soriidos.
-Sssese:;
Ricos manteletes de grosdenaple
carnate bordados
do n. 37, loja de i portas.
Pentes de tart
Ricos pentes de tartaruga para atar

GZLUDE E VARIADO SORTI51EM6
DE
Fazendas iuglezas c francezas e
roupas feitas
recebidas era direitora
NO
Armazem e loja
DE
Ges < Bastos
na ra doQueima-'
r\. |NARUA DOQUEIMADO N.r4C,FRENTE DA
'O'
as para mesa a 3 e 4-3, cortes de ,
S *%^% dt li,"hoa -? diln,s de meia case- cabello: na ra do Queimado n. 37,
mira a 23.2.0, resluanos bordados para meni- |0;., (li> r -
nos, e oulras muilas fazendas que se vende por "J1* ^/Pl>S.
barato prtco.
Em casa de N. O. Bicber
i C. ra da Cruz n. 4, vende-se ;
Champagne do simorior qualidade de marca acre-
ditada na corte.
Tinta branca superior em oleo, latas de 25 li-
bras, por commodo prego caixas de 4 latas.
Verniz e verniz copal.
Algodozir.ho da fabrica Todos os Sanios da Da-
hia.
Brilhanles de diversos lamanhos c de primeira
qualidado
Camisas francezas
Ricas camisas francezas tanto de
peio de linho como de algodo e de fas-
tao: na ra do Queimado a. 37, loja de Ii; cor a
\ pi-Im< cores '' I*
1 l'01 ias- .: calcas de
LOJA AMARELLAE ROTULAS BRANCAS
Um compltele rico sormento desobreca-
saras de panno pretos e de cores a S8g, 30j
" einh cnsacJ1s de Iial"'o prtto Lmuito lino a
B 405, 4f>g e 50j. palelols do mesmo panno a -
'-: ?f*e --. ditos de casemira a 14o, I0| e i
lo, ditos saceos dasmesmas casemiras fej
pelos e de cores a 10j e 12$, dilos de al
j pacas prela e de cores a 4j, diios de brim
j ido a ;5o e 5?, ditos de brim prelo a i
j. 5*. ditos brancos a j, uiios de esguio d i
> llllilllO f'nln lur .lo lnn.,;n o t;.-. ...1.....
sobra
iiliimo gosto cor de laranja a 5g,
casacos de alpaca muito lino a 7j e tf, 6
recasaca de panno Cnoprclo para me- %
a 13, 1S e -ido, dilos de <, :,..,., ,
83 e 1 t. cairas de ra- semiras de J
irelas a 8#. $9, 10|, lis e 12,
bnm de cor a 3i5O0, 45 e . i
s de brim branco fino a 65 o 7,celle-
H les do gorguro de seda c de casemira de %
coros e pelo a 5$, 63 e 7J, dilos de vollu- W>
Aviso.
*l"uuu ..............................t 1S*00
Dilos do alpaca piola muito finos......\ IO5OOH
Hilos da mprinn utiim nmin. rt A-* n..-~~ o.-'inn
9S000
7000
69500
6$000
BM00
Saunders Brolhers & C. lem para vender em
seu armazem, na praga do d nlo n. 11,
olguns pianos do ulllmo gosto, recenlimenle
chegados, dos bem conhecidos e acreditados fa-
bricanles J. Broadwood &Sons de Londres, e
muilo proprios para este clima.
Fil de linho lavrao,
a I^OO a vara.
Vcnde-se na ra do Cabug n. 2 f!, loja de
miudezas de Joaquim Anlonio Dias de Caslro.
Vende-se um carro de 4 rodas, bem cons-
truido e forlo, com assenlo para 4 pessnas de ,
dentro, e um assenlo para boleeiro e criado (ora, |
loriado de panno fino, c ludo bem arraigado :
para fallar, cora o Sr. Poiriei no aterro da Roa-
Vista, e no escriplorio de James Crablree & C. n.
42, ra da Cruz.
Oliados piulados para
cobrir mesa,
de muilo bonitos padres e de superior qualida-
de: na loja de chapeos de Joaqulm de Olireira
Haia, na praja da independencia 11. 2 a Ud.
=: Vendem-se dous anneis com brilhante, sen-
do um de bom lamanho, c um alfinele laibem
com um brilhanle, c bem urna correntc para re-
logio com bstanlo peso, e talrcz do melhor cos-
i que aqui lem vindo : na ra do Amorim n
i, segundo andar.
Fariniade man-
dioca.
Vende-se a 5 a sacca: sa ra da Cruz, arma-
zem n. 26.
Vestidos de seda.
Hiqnissimoscerles de vestidos de Rorguro de
seda de duas e lies saias. ditos de seda de phan-
lasia, todos em seis grandes candes: vendem-
s na loja da ra do Cabug n. 8, de Almeida &
Burgus.
Aeuco.
Na roa Nova n, 35. vende-se milho muilo no-
vo, a dinbeiro vista, pelo baratissimo preco de
4500 a sacca.
Manteletes de bom
20^1000
OOO
25SOO0
a

sosto.
Superiores manteletes de seda prelos bordados
com duas e tres ordena de bico, dilos de 16 pre-
to: nos qualrocanlos da na do Oncimado loia
lo sobrado annrello n. 29, de Jos Morcira
Lopes.
Fariaha de mandioca.
Na ra da Cadeia do Recife n. 30, primerro an-
dar, vende-se eiceUculo farioha de mandioca em
saceos grandes a CJ, e desenharcado ha pouc 8
das. r
No armazem de Adamson, Ilowie & C. ra
do Trapiche n. 42, vende-se selins para homem
penhora, arrcios praleados para cabriolel, chi-
cotes para carro, coleiras para cavallo etc.
Na loja da estrella.
Ra do Queimado n. 7.
Este estabeleeimenio contina a estar sortido
de fazendas do (odas as qualidades como sejnm :
Ricos cortes de vestidos de seda de 3 o-
lhoso2 saias, c Aquile
Paletols de panno
!..; is de Jilo muilo fino
Dilos de casemira de cor
Ditos de alpaca pretos muilo finos e
mais abai.vo
Dilos de ganga e de brins
Calcas de casemiras piolas e de cores
Hilas de biira branco e de cores
Colleles de velludo pretoe decores.
Dilos de gorguro muito linos
Ditos de uslo
Camisas francezas de todas as qualidades
Capara homem
misas francezas bordadas para senhora
Lcques da melhor qualidade e do uliimo
goslo g
Maulas e grvalas de seda de todas as qua-
lidades g
Chapeos de sol de seda inglezes g
Ditos decastor para caneca, muito finos g
Dilos prelos os melhorcs que tem viudo
ao mercado g
Taimas pretas do ultimo gosto
Casemiras de cores para paletot g
Corles de casemiras inglezas 2j>400
Dilos de dilas francezas 5$500
Dilos de dilas muilo finas 95000
Chapeos Amazona para senlioras e me-
ninas
Machinas de costura
de S. M.Singer &C. da
Now-York, o mais aper-
feiroado systema, fazen-
do posponto igual pelos
dous lados da costura,
garante-se a seguranza
das n achinas e manda-
se ensinar as casas de
familia, bem como se
moslram a qualquer ho-
ra do dia ou da nuite
nesla agencia : nicos
agentes em Ternambuco Rayrnundo Carlos Lei-
te S Irmao, aterro da Boa-Vista n. 10.
Em casa de Rabe Schmettan &
O., ra da Cadeia n. 57, vendem-se
elegantes pianos do afamado fabrican-
te Traumann deHamburgo.
Cal de Lisboa.
Desembarcada ha poucos dias, e por menos do
que em outra qualquer parte : na ra da Cadeia
to Recife n. 50, prinjeiro andar.
RACING SADWiBS.
Ha para vender-so sellins leves muito proprios
para as prximas corridas : era casa de Adamson
Howic & C, ra do Trapiche n. 42.
Descoberta.
Fil de seda liso.
Vende-se na ra do Cabug n. 2 B, loja de
miudezas de Joaquira AlIoco Dias de Castro
mos da merino selim pretos c da cores
Dilos de meia casemira..................
Ditos de alpaca pretos e de cor forrados
Dilos de brim branco epardo finos......
Dilos do brim de quadrinhoslinos
."*...................../.....
ino de alpaca preto e de cores.......... 3g50
Relogios de ouro paten........es...... g
\ ende-se um ptimo escravo pardo, de 16
anuos, proprio parapagem, sadio e sem defeilos:
na na do Queimado, loja n. 39.
Vende-se muilo em conla, por Icr de ser
substituida por oulra, urna armar*) de loja, pro-
pna para miudezas, calcado ou'outro qualquer
estabeleeimenio : a tratar na ra do Cabug nu-
mero 11.
Loja de miudezas e ferra-
bas, na ra Direila n. 9.
Para o bello sexo.
Neste eslabelecimenlo se esl queimando por
lodo preco, riquissimos penles de tartaruga de
todas as qualidades, dilos de massa imperatriz
Isabel, enfeiles do vidrilho prelo, dilos de Troco
de todas as cores, luvas de seda de diversas qua-
lidades, linissimas ligas para pernas, lilas de se-
da e de gazia, lucos de blond, pulseiras de coti-
las, botos para casaveque, llores para enfeiles
de vestidos, e oulras muitas fazendas de lei e de
bom gosto.
Para liomens.
Grvalas de todas as qualidades, pelos orcos
de lJfCOO, lgC, lg e 6*0, collarinbos a l'inu,
pelo diminuto preco do 500 rs., alineles para
mantos de verdadeiro chequismo por 400rs.,car-
teiraspara algibeira, de todas as qualidades, cha-
peos balos e de copa baixa, por diminutos pro-
cos, bengalas de apurado goslo a2$,.l3p800e
lOO, c oulras muilas fazendas para o commuu.
Chita franceza a 220 o' covado
Na loja de Leile & Irmos, na ra da Cadeia
do Itecie n. 48, vcnde-se chita franceza muilo
una a 220 o covado.
Vende-se 1
sorlimento de cha-
peos.
Chapeos de castor pretos de superior qualida-
de a los, dilos francezes de seda a 7g, ditos do
castor brancos a 1 fg, diios de velludo a 8e b,
dilos da lotlra de todas as cores muito finos, di-
tos de pallia inglezes de copa alia e baixa a 3 e
o?, ditos-de fel 1ro, um sorlimcnlo completo, de
2g500 a 69500, dilos do Chile do 35500, 5, 0, 8,
9, 10 c 12}, dilos do seda para senhora, dos mais
medernos, a_12g, chapelinas com reos do ulti-
mo gasto a 15?, enfeites finissimos para cabega
>J0 e 5?. chapeos de palha escura, massa e
de galao, ditos de marroquim. dilos de vellu-
do, dilos enfeitados, chapeos de boa qualidade
para pagem, chapeos de sol de seda para me-
ninos de escola, e mesmo para senhora e para ho-
mens ; finalmente oulros muitos objeclos que se-
na cnladoiiho mencionar, c ludo se ven de mui-
lo em conla ; c ossenhores freguezes vista da
fazenda ficarao convencidos da verdade : na bem
conhecida loja dechpeos da ra direila n. 61
de Benlo de Barros Feij,
Concts para ci Janea
Ricos liocts da raanoqaim nara ^esepretoaos.e5e7,dito8devciiu-|
!<. n i o- i '"- '" J '' 1--' camisas inglezas lanlopara .-
manca: na ma do QaCimado ll 3/, lo- [homens como para meninos de todos os i
Ija (le-i norias. lan>onhos,seroulasde todas as qualidades
r "-- hapos do sol de alpaca a 55, manteletes fe
I i-* PTl'n TPSUlVira /Sil -> Pf'los de muilo bom goslo a 30g e 40S, ca-
j M. \^ \J I C/viti^liHJ tiC meques de fuslao bordados compridosa g
- S, chapeos de castor a Napoleao 89, ricos W.
i \j~lf>>\TfiY\n\ manguitos de punhos bordados a 3500 e a M
WUl> \ C/iliAt,. . IS, diloscom gollinhas a 5e 6g, gollinhaa {':
nim,.;i, 1 de traspassobordado e transparente a8g, S
L 1 CM ICJiatlO em SCU lllOUO de < meia casemira padres modernos 1
arlminctpQitSn n.l *.n~A~ K ? 5g, colelles de fuslao decore de brim
.laraO pela a Cade- S branco a3 o 3S500 e oulras mullas fa-
zen'das oroupas feitas que seropaciilcsa
ma Os felizes effeitos do ferro em um grande nu-
mero de enfermidades sao gcralmcnlc conheci-
dos. As cores plidas, as llores brancas, o CIB-
pobrecimenlo do sague com os males do eslo-
mago, e as palpilages, que sao delles a conse-
la : laes sao os principis casos em que o
[erro indicado, e para cortos temperamentos
fracos elle c um complemento quasi necessario
de alinicntacao. A superioridade do ferro de
presenca do freguez.

0
receber pelo
um coinpltto
silo em
iiliarni:i-.i Af\ li,i/ ...... i
Rosario n. 12.
Em cas? dos Sis. Henry Forster
>i C. ra do Trapiche n. 8, vcnde-se:
Dous carros americanos novos.
Arrcios americanos.
Cambas.
Arados.
T Champagne superior.
adas para cmciiio ir,c-
I O llelogios americanos.
FuudicO de ferro e bl'Onze Vekwcom toque de avaria.
Cera ue carnauba.
Francisco Anlonio Correia Cardozo,
tem um grande sorlimento de
tachas de ferro fundido, assim
como se faz c concerta-se qual-
quer obra tanto de ferro fun-
dido como batido.
SYSTEMA MEDICO DE IIOLLOtt AY.
TI LULAS IIOI.LWOYA.
F.slc ineslimavel especifico, composto inleira-
iienie de hervas medicinaes, nao contm mercu- '
rio, nem alguma oulra substancia dele
uignomais lenra infancia, eacompleico mais
delicada e igualmente prompto c seguro para
! desarreigar o mal na coropleicao mais robusta ;
e nleiramenio innocente em suas operacoes o ef-
felos; pois busca e remove as doeneas de qual-
quer especie grao por mais antigs e tenazes
que si'jam.
Entre mulliros de pessoas curadas com este
| remedio, muilas que j eslavam as portas da
imorte, preservando emseu uso: conseguirn)
recobrar; saude e lonas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os oulros remedios.
As mais aflictas nao devem onlregar-se a de-
sesperaea; facam um competente ensaio dos
eilii azes efleiios desla assodfbrosa medicina, e
prestesrecuperaro o beneficio da saude.
Nao se perca lempo em turnar este remedio
para qnaiquer das seguinles enfermidades :
Estopa S
Lona. ->^
Camisas inglezas finas. ^
|p Xo armazem de Ai kwrght i C.
ra da Cruz n. 61. ||
Vende-se um cavallo de bonita fi-
gura e com todos os andares, proprio
para urna senhora, para ver na ra da
ltoda, na estribara do Sr. Paulino e
para ti atar na ma Nova n. 4i, loja.
= Vcnde-sc corado carnauba de superior qua-
lidade, e um resto de velas stcanas: a tratar
na ra da Cadeia do Recife u. 50, 1. andar.
Vendem-se dous silios nos Afogados, com
arvores fructferas, boa agua e baixa de capim,
um cavallo caslanho bom andador : na ra da
Viracho, loja de marcineirn.
Vende-se umfbonito escravo, bom gaulia-
dor de ra e opliina enxada ; na ra da l'raia
n. 82.
Vende-se urna casa lerrea no becco de Joa
Francisco n. 11, que faz esquina para o becco do
Capim, com bstanles comiuodos, lerreno pro-
prio, cacimba independenle ; a tralar na ra das
Trlncheiras, sobrado de um andar n. 21.
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
A mpolas.
Areias (mal de).
Aslhma.
Clicas.
j CoHvulses.
OebilicLide ou cxlenua-
ciio.
Dehilidade ou falla de
forras para qualquer
cousa.
Dysinleria.
Dor de garganta,
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventre.
Knfeimidades no venlre.
Dilas-'no ligado.
Dilas venreas.
Enxaqueca.
Herysipela.
Febre biliosas
Febrelo intermtente.
Febreto da especie.
Golla.
Ilemorrhoidas.
Ilydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Inflammac5es.
Ir r cg u laridades
menstruaco.
I.ombrigas d'e toda es-
pecie.
Mal de podra.
Manchas na culis.
Obstrucco de ventre.
Pntysicaon consump-
pulmonar.
Relencao de ourina.
Ilheumalismo.
Symptomas secunda-
rios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo [mal.
Aenclo.
Vendem-se no l'orle do Mallos, ra da Moeda
n. 23, saceos com farelo de Lisboa a 5g600, e fa-
rioha da mandioca muito fina e alva, pelo dimi-
nuto preco de 6? o sacco.
Pechincha.
Enfeiles de vidrilho pelo baratissimo preco de
3$OO, esto-se acabando-; ua .loja da ra do
Crespo de Adriano & Caslro.
Vendem-se estas pilulas no eslabelecimenlo
geral do Londres n. 224, Slrand, e na loja de
lodos os boticarios droguistas e oulras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America do
Sul, Ilavana e llespanha.
Vendem-se asbocclidhas a 800 rs. cada urna
dellas, confem urna instruccao era portuguez pa-
ra explicar o modo de so usar destas pilulas.
O deposito geral em casa do Sr. Soum
pharmaceutico. ua ra da Cruz n. 22, em Per-
nambuco.
RELOGIOS.
Na na da Cadeia do Recife, loja n. 50, de Cu-
nta e Silva, ha para vender cera de carnauba
superior, recientemente ehegada.
= Vende-se um sitio com 200 palmos de fron-
te e 200de fundo, no lugar da Torre, margem
do Rio Capibaribe, com urna grande c moderna
casado vivenda, cocheira, estribarla para 4 ca- de 18
vallos, gallinheiro, cacimba com tanque e bom-
ba, baixa para capim, todo murado na fenle, e
lado com poilao de ferro : os prelendenles podem
diriuir-se ao agento Pestaa, que se acha autori-
sado a dar as necessarias informaces, ea tratar,
da venda sol> as condlcesestabelecidos ao mes- Imperador n.
mo pelo legitimo propr'ictario. U dito sitio todo af'L'guezada, a
em chaos proprios, mesina.-
Armazem de fazendas.
Ruado Queimado numero l>.
Cortes de risrado francez 3 1|2 covadus a 2jf500.
Coberlasde chita a 25600.
Chapeos enfeitados para meninos e meninas.
Dilos pretos (iues, ultima moda.
Hilos de. feltro.
Cambraia organdys muilo fina.
Chales de [toco de tres ponas.
Ditos de merino bordados de duas ponas.
Dilos muilo finos bordados a froco.
Ricos chales de touquim branco.
Cortes de seda de duas saias.
Luvas enfeiladas.
Manteletes pretos bordados.
Lencos para algibeira, brancos, a 2$ a duzia.
Tisset fices acaham de
navio francez laoul
oes marciaes a- canvftnmeiito (le burros entre os qiiaes
no ; muitos de bonitas cotes para faztr ex-
celentes panillas : os pretendentes po-
dem se dirigir ao armazem do Sr. Arau-
jo no Forte do Matto para ver os mes-
! mos e para tratar no escripturio na ra
I do Trapichen. 11.
= Vende-se urna parte de tenas do cngenl.o
i'xislerilc em Maricela lermo de Iguarass :
a U-tilar com Jos Azevcdo u Andrade, na ra
do Crespo, loja n. 10 R, ou com o Sr. Manocl
AnU'iiio Goncalves Lima, em Sanio Anlo
5;()00.
Chapeos de palha escura, copa alia para ho-
mem, pelo diminuto preco deS$000.
Vendem-se 0 bois e 4
vaceas: a tratar na ra dos
Pires no silio
d'agua
na ra
caixa
com.Manoel Joaquim.
Escrava.
Vende-se urna escrava crioula, bonita figura,
na ra da Cadeia do' Recite n. 60.
/i i i Uliyrmir*
Vende-se a melhor lija de fazendas da
ra do
0, rom poucos fundos e muilo
Jinheiro ou a prazo : a tratar nr
novas.
Vendem-se gigos com 22 libras de hlalas in-
glczas pelo diminuto preco de 1>j00 cada um:
no Foile do Mallo ruada Moeda a. .23.
Vende-se
Vende-se em casa de Saunders Brothers &
C, praca do Corpo Santo, relogios do afama-
do fabricante Roskell, por procos commodos,
e tambem trancellins e cadeias para os mesmos,
de excellenle goslo.
Attencao.
Vcnde-se urna canoa do carreira, construida
de sicupira, amarello e louro, encavilhada e pre-
gada de cobre, forrada com zinco, com paos de
luido, toldo e guarda patro, bancada e xadre/.
do melhor goslo que pode apparecer : a tralar
na ra deliorlas n. 11.
gaz.
Vendem-se na ra do Cabug n. 2 B., loja de
miudezas do Joaquim Anlonio Dias de Caslro.
Admira.
Velas de espermacele a 750 a libra, ero caixa
e a retalho : na roa Nova n. 52.
- Enfeiles de vidrilho e de retroz a 43 cada
um : na ra do (Jueimado n.37, loja del porlas.
A fabrica de begias de cera de carnauba da
na de Hortas n. 110 j Irabalha c tem as mclho-
res velas que ha no mercado; o prero em arroba
109 al i) libras, e a mais a 560 a fibra,
Ra do Oaeimado n. 57.
A 30g corles de vestidos de seda quecustaram
C0; a 165 cortes de vestidos de phautasia que
cuslaram309; a 8$ chapelinhas para senhora:
na ra do Queimado n. 37.
Nabueo & C. com loja na ra Nova u- 2
acabara de receber pelo ultimo navio francez ura
lindo sorlimcnlo de roupa feila, como sejaiu,
casaca de panno fino, sobrecasacos do panno pre-
to e de cores, paletols de panno preto e de co-
res, dilos de casemira de cor, ditos do brim bran-
co e de cores, ditos de seda, calcas de casemira
prela, dilas de cores, dilas do brim branco o de
cores, colleles de velludo, dilos de seda, de ca-
semira, dilos de cachiraira branca, ditos de fus-
lao, camisas brancas e de cores, ditas de fusto
dilas de peilo de linho, inglezas, ceroulas de li-
nho, dilas de algodo, dilas de meia, camisas de
flanella, dilas de mei3, dilas de casemira, iguaes
as que usam os empregedos da estrada de ferro,
e oulras muilas roupas loitas por menos do que
outra qualquer parlo.
Brim trancado de linho todo
preto,
fazenda muito superior; garante-se que nao
desbota : na ra da Cadeia do Recife n. 48, lo-
ja de Leile & Irmo.
champagne da superior marca Cmela gigos de
garrafas pequeas, e grandes c pequenas preco
de 24# : no armazem de Joaquim de Paula Lopes,
na escadiuha da alfandega.
Attencao ao barato.
Vende-se por muito baialo preco ioda mader-
ra de pinho, i travs e algumas maos traveseas,
; empregadas na columna que se illuminou na ra
da Cruz do Recife, com a conJieo de ser des-
I manchada pelo comprador, menos o grdame do
roda, c maslro grande que existe no centro da
l ntesma, cuja maeira all erapregada cuslou pa-
| ra mais de 800$ : quem a pretender comprar,
diria-se a ra da Cadeia do Recite n. 56, pri-
meiro andar, que achara com quem tratar.
UUA DO IMPERADOR DliFROM'S DE
S. FRANCISCO.
Grande deposito de objeeJos tvpogra-
pliicos.
Typo romano e itlico,., corpos 0, 8, 10,11,
\ c lo.
Colleccuo numerosissima de lypos de phanla-
sia simples e ornados.
Typos variados, proj ros para carios e lilulos
Einblcmmas religiosos, conlendo muilas ima-
gens de N. Senhora, de N. Senbor, e diirerentc.-
santos.
Atribuios scienlificos, commerciacs, martimos
e de industria.
Vinhelas para annuncios de peridicos, etc. etc.
Dilierentes vinhetas para fazer ricas tarjase
obras de luxo, de combinacao, e solidarias.
Compenidores de ferroede pao para corrigir
provas, completo sorlimento de linhas e iulcr-
linhas, espacos de dilfereules corpos.
Prelos Jone, Colombia, gnedaifoes de metal
de madeira, cunhos, bandulhos, armacocs de ro-
los de differentes tamanhas, ramas d'e dilieren-
tes formatos, escovas do polaca e de provas, Hu-
ta preta de dilfereiitcs qualidades para jornaes e
obras de luxo, tintas de lodas as cores, verniz e
ouro do differentes cores, pr^la, ele, etc., papel
de imprcsso de muitos formatos e qualidades.
e oulros muilos objeclos, que na occasiao se
moslraro.-
= Na ra do Crespo n. 16, loja de Adriano &
Castro, vendem-se ricos chapeos de palha escura
enfeitados para senlioras e meninas, pelo dimi-
nuto preco de 7000.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: cm casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra da Senzala n. 42.


f

'
DIARIO DE PERNAMBLCO. SEXTA FEjRA 3Q DE DEZEMBRO DE I85y.
DE
Lmmm i runc\m se mnm
Sita na raa Imperial a. 118 e 120 junto a fabrica de sabo.
DE
Sebaslio J.da Silva dirigida porManocl Garoeiro Leal.
Neste estabelecimenlo ha sempre promptos alambiques de obre de differentes dimencoes
(de 300$ a 3:000*) simples o dobrados, para destilar agurdenle, aparelhos deslilatorios continos
para resillar c destilar espiritos com graduac.o al 40 graos (pela graduaco doSellon Carlier) dos
melhores sysleraas hoje approvados e conhecidos nesta e oulras provincias do imporio, bombas
de lodas as dimencoes, asperantcs e de repucho tanto de cobre como de brome e ferro, lorneiras
de bronze de iodas as dimencoes e foitios para alambiques, tanques etc., parafusos do bronze e
ferro para rodas d'agua,portas paraforualhas e crivos de ferro, tubos do cobre e cliumbo de todas
as dimencoes para encmenlos, camas de ferro cora armaco c sem ella, fugos de forro pQtaveis e
econmicos, tachas e tachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumadeiras, cocos
para engenho, folha de F lad res, chumbo cm lencol e barra, zinco em longol e barra, lsnees e
armellas de cobre, lenccs de ferro a lalo,ferro suecia inglez de lodas as dimenses, safras, lomos
c folies para ferreiros etc., e oulros muitos ailigos por menos preco do que em oulra qualquer
parte, desempenhandO-se toda e qualquer encommenda com presteza e perfeico ja conhecida
epara comraodidade dos freguezes que se dignarem honrarera-nos com a sua coufianca, acha-
ra na ra Nova n. 37 loja de ferragns pessoa habilitada para tomar nota das encomraendas.
XV
Dr. P. A,
H. 2- UA DO CESPO-H, 2
Defronte do arco de Santo Antonio.
NESTE NOVO ESTABELECIMF.NTO VENDEM-SE :
Livros de religiao, sciencias, de letras, artes, viagens, historia e classicos ; romances illustrados e
oulras publicacoes cm diversas linguas.
Globos, atlas e mappas geographicos.
Papel de hollanda, de peso, paquete, almasso, de cores e outros de diversos formatos e costos.
Prensas para copiar carias e outros manuscriptos, livros e tintas proprias.
Livros em branco, penuas de varias qualidades e ruis objectos para uso de repartieses, secreta-
rias e casas de commercio, ulencilios para desenho etc.
Artigos de bom gosto, fantasa ecuriosidade das fabricas de Taris para uso dos elegantes orna-
tos, presentes etc.
Carlees e bilheles para bailes, casamentos e visitas.
IilSTOIUA UNIVERSAL desde os lempos primitivos al*1850, por Cesar Canlu, 12 volumes, in fo-
lio, enriquecida de mais do 90 magnificas eslampas, obra em que nada se poupou para o
leilor encontrar nella crudirio, cstudo solido e leitura agradavel.
ALMANAK de lembrancas de Castiluo para 1860, assim como collecces completas desde o seu
com eco.
MANUAL DE CONTAS j feilas para compras o vendas deassucar, algodio etc.
Encaderna-se em todos os goslos desde o iuais simples em papel at ao melhor em panno ou pelle.
Impnme-se cartes e bilheles, e marca-se papel com typo proprio e cm relevo vontade dos
pretendenfes.
Acceita-se o encargo de qualquer encommenda de livros e outros artig03 tanlo da corte e provin-
cias do imperio, como de Portugal, Franca, Inglaterra e Blgica, cora as condieces mais ra
zoaveis. *
oseso,
wmm Mursiii s iphejudie.
3 HIJA DALOMA9GAJMLDOFl71fl>O 3
Clnica por ambos os syslcmas.
O Dr. Lobo Mosroso d con8tiltas"todos os dias pela manha e de tarde depois de 4 horas.
Contrata partidos para curaraunualmente nao sopara a cidade como para oscngenlios ou oulras
propriedados ruraes.
Os chamados devem ser dirigidos sua casa al as 10 horas da manha e em caso de ur-
gencia a oulra qualquer hora do dia ou da uoite sendo por escripto em que se declare o nonie da
pessoa, o dama eo uumero da casa.
Nos casos que nao forem de urgencia, as pessoas residentes no b.iirro do Recife podero re-
rnelter seus bilheles a botica do Sr. Joo Sounn & C. na ra da Cruz ou a loja de livros do Sr. Jos
riugueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponto velha.
Nessa loja c na casa do annnncijiite aciiar-se-lii constantement
moatoshoraeopathicos ja bem conhecidos e pelos presos seguintes :
Botica de 12 tubos grandes, ...".......
Ditos de 2 ditos. ."..........
Ditos de 36 ditos..............
Dito de 48 ditos..........
Dilos de 60 ditos.............. '.
Tubos avulsos cada um.............
Frascos de linduras.........,.....
ilanoal de medicina homeopathica pelo Dr. Jahr traduzido
em portuguez com o diccionario dos lemos de medi-
cina, cirurgia ele. etc. ........
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. .
Repertorio do Dr. Mello Moraes........
Este ulilissimo estabelecimenlo acha-se, ha pouco terapo. augmentado tanto no materia
como no seu pessoal, e seas proprietarios habilitados para vencer qualquer opposirao hostil e
desprezarem a ignorante viluperaco de malevolencia. Offerecem a seus numerosos "freguezes e
ao publico cm geral, asvantagens de sua longa experiencia e reconhecida promplidao e fidelidade
na execucao das obras as mais importantes de engenharia, entre oulras pode enumerar as seguin-
les : machinas de vapor de lodos os taannos, rodas d'agua de lodos os dimetros, todas de fer-
ro ou para cubos de madeira, moendas para canna lodas de ferro e independentes com os me-
lhoramenlos que a experiencia mostr ser indispensavel, meias ditas com todos ospreparos ta-
chas para engenho de tod.s as qualidades e lmannos, rodas, rodetes, aguilhes, crivos e boceas
para fornalha e todas as ferragns para engenho, machinas para amassar pao e bolacha, ditas
para moer mandioca, forros e prensas para farinha, ponles de ferro, 'aldeiras, tanques b'oias e
todas as obras de machinisrao etc., etc.
g-g -.g yo.

S o
<* o o> o S o>
S W ^ S. 3 ^^
B;3 s
e os melhores medica-
. 10000
. logOOO
. 20,v!090
. 25S000
. OcOOO
. 1$000
2$000
Z. 3 3
SBB
o o ..
aa o
o
V.
20oao
osooo
6SD0L
,- i ra o oj
ra ft ' , O O* <
T-gr-=>c = = cra
5a^5o3

REVISTA HEBDOMADARIA
COLLAHORADO
PELOS SUS.
D. Antonio da Costa A. F. de CaslilboA. GilAlexandre HerculanoA. G. Hamos-A. Cuima-
raesA. de LimaA. de Olivcira MarrecaAlvos Branco-A. P. Lopes de McndoneaA. Xavier
Rodngvrcs Cordeiro-Carlos Jos Barrciros-Carlos Jos CaldeiraE. Pinto da Silva'c Cunha-F I
GOrties do Amonm-F. M. BordalloJ. A. de Freitas OliveiraJ. A Maia J. A. Marques-J. de
Andrade CorvoJ. da Costa Cascaes-J. Daniel Collaco -J. E. de Moaralhes CoulinhoJ. G. Lobato I
lires-J. II daCunha Rivara-J. J. da Graca Jumor-J. Julio de Oliveira Pinto-Jos Mara
Latino Loelho Julio Mximo de Oliveira PimentelJ. Pedro de SouznJ S. da Silva Fcrr.iz
Jos de TorresJ.XS. da MollaLeandro Jos da -CostaLuiz Pilippe l.eitcI.uiz .los.; da
Cunha LA Rebello da SilvaPaulo MidosiRicardo Julio FerrazVaknlim Jos da Silveira
LopesXislo tmara.
DIRIGIDO
POIl
A. P. de CanalhoI. F. Silveira Jila MollaRodrigo Pagana*.
Destinado a resumir lodas as semanas o movimento jornalistico e a offerecec aos leilores, con-
3'untamenle com a revista do que mais uolavel houver occorrido na poltica, na sciencia, na indus-
tria ou as artes, alguns arligos originaos sobre qualquer destes nssumptos, o archivo universal,
desde jnneiro de 1859, em que comecou a publicar-se, tem salisfeilo aos seus fins, com a niaior
eiaclido e regularidade.
Publica-se todas as segundas feiras em folhas de 16 paginas, e completa todos os semestres i
; i volume de 420 paginas com ndice e frontispicio competentes.
Assigua-se no escriptorio deste Diario, roa das Cruzes, e na ra Nova n. 8.
Preso da assignatura : pelos paquetes vapor 105200 por auno ; imr navio de vela 88 (tnoeda
brasileira).
Ha algumas collecces desde o comeco da pnblicaco do jornal.
B -
!.&? o .
Mis-.;;
5 o B r = I r. 3
&5-SfS.gt
o % % 2,2 S'5
I-||S"8S88
S 5 2 2 5 S^
* 2.

DR
... O GO
re O "1 C3 '^-
n o J. = t= -w g
S.-S-f Soft
&-!?
" ?% -= ^-^
EQ: "C C^

ra o- .
af-"S

m
co
oo
ISs
OO
en
oo
en
en

i CJ
G> I J.

NA Rl\ DA IIPERATRIZ N- 27
IlMi DI IMSim D3

~rl\\
i.a para vender ricas molihas de Jacaranda e de mogno, ricos vidros de espelho
grandes e pequeos, assim como muilos trastes avulcos : na mesma loja se fazem
cortinados pnra camas ejanellas, lava-so chapeos de p'alhinha da Italia e se poe na
ultima moda, lava-se tambera a palhinha das tnobilias a mais cncardida torna-so ou-
tra vez nova sem ser mais preciso as mandar piular, limpa-se e gruda-se estatuas do
podra marmore, de alabastro e vidros de todas as qualidades torna-sc oulra vez Lio
seguro o limpo como o estado primitivo.
~-, ^.fe &$ &$ s>.l-
GRAIVDE ARM1ZEM
o respeitavel publico dos oteros muitu ventajosos pelos quaes pode offerecer suas fazenda* vend
ludo a dinheiro avista ; elle acha-se residindo no hotel inglez quarlo n. 2, encarresa-se de man-
dar levar as fazendaspeJidas amostra, sendo por escripto para evitar os engaos
Recebe qualquer 'incommendi para mandar vir da Europa ou do Rio.
100 vestidos de seda para baile, passeose visitas.
Mocrp antique prctos e de cores.
Noblezas lisas pretas e de cores.
Vestidos pretos lisos, lavrados de2saiase de velludo.
Flores, e enfeiles de renda para cabellos.
Vestidos de csea branca bordada muilo finas.
Garcas, escomilhas, filos de seda e linho brancos e de cores.
Meias de seda, linho, fio da Escossia para homens, senhoras e meninas.
Sipatos de selim branco e prelo com salto e sem elle.
Botinas de setim branco, de selim preto, de l muilo superiores.
Sabidas de baile, capas de cachemira, velludo e seda.
Chales de louquim bordados e de retroz.
Manteletes de renda preto e cassa bordada.
Corpinhos, camisinhas, colarinhos com mangas de cassa bordada a ponto red e renda verdadeira
Gnarnicoes de renda prela e branca para vestidos e para enfeites de vestidos.
Lourns de cambruia de linho muito ricos com renda.
Chapeos de sol para seuhoras.
Pentes para trancas, nllinetes de peito, pulseiras, brincos de tartaruga e jaspe preto para luto
Grande sorlunento de l'ivas verdadeiras de Jouvin. "
I.uvas deretroze de seda parahomens, senhoras c meninas.
Grvalas brancas e pretas.
Chapeos de corle com plumas.
Casacas, sobrecasacas nalelots de panno, cachemira dos melhores alfaiates de Pars.
Calcado do afamado Melier para homens.
Tapetes de velludo muilo ricos.
Capas, capotes impermeaveis Makinlosch para homens e senhoras.
Ra Nova.n. 49, junto a Conccicao dos Militares.
Neste arraazem encontrar grande sortimento de roupas feilas como sejam : casacas, so-
lirttcamcas, fraques, palelols e gondulas de panno fino preto e de cores, paletots e sobrecasacos do
oasemiras decores, ditos de alpaca prela e decores, ditos de merino setim, dilos de riscados e
brins de linho branco e de cores, calcas de cnsemira prela o de cores, ditas de merino c princeza
lilas de bnm branco e de cores, ditas de riscado de linho, colleles de velludo preto c de cores'
ditos de gorgurao e setim preto, ditos de setim branco para casamento, ditos de fustes e brins de
ores, paletots de panno do casemira, de alpaca preta e do cores, de brim branco e do cores cal-
ras de casemira prela e de cores, de brim branco e de cores para meninos de 5 a l annos farda-
inmtos para a guarda nacional, libres para criados, chapeos, camisas, grvalas o serouas fran-
cezas.
CASA DE
Neste proveitoso estabelecimenlo, que pelos no vos melhoramcntos feitos acha-se conve-
.: niemente montado, far-se-ho tamuem do Io denovembro em vanle, contratos mensaes Dar
'Tos amT- eC"0mia d publico de quem os PrP"Ptarios esperara a remuneraeao fe
Assignatura de banhos fros para urna pessoa por mez.....10JOOO
momos, de choque ouchuviscos por mez 15J000
Senes de cartoes e banhos avulsos aos precos annunciados.
Aos vendelhes.
Batatal muilo novas a ljj600 o gigo de 32 li-
bras : na ra da Madre de Dos n, 8, arrearem de
Valonea 4 C.
Fub.
Farinha de milho americana, em barricas, che-
ada no ultimo navio dos Estados Unidos: nos
armazens de Tassc Irailos.
Rclogios de ouro e prata, cobertos e descober-
tos patente inglez, os melhores que existem po
mercado, e despachados hoje, vendem-se por
preeos razoaveis : no escriptorio do agente Oli-
veira, ra da Cadeia do Recife n. 62. primeiro
andar.
Cal de Lisboa.
Vende-se no caes de Apollo, armazem de Se-
rodio & C, barris com cal virgem em pedra, ul-
tiraamenic chegada, e por preco razoavel.
Presuntos superiores.
Tem para vender Jos Luiz de Oliveira Azeve-
do, no seu armazem da travessa da Madre de eos
numero 5.
Farelo em saceos grandes.
Vende Jos Luiz de Oliveira Azcvedo, no seu
escriptorio da travessa da Madre de Ocos u 5.
Loja parisiense,
ra do Crespo n. 10, vendem-se luvas verdadei-
ras de Jouvin reuito frescas.
viuho do Porlo, do mais superior, engarrafado,
dito champagne, idem, dito muscatcl, dem : no
armazem de Barroca & Medeiros, ra da Cadeia
do Recife n. 4.
Em casa de Luiz
Deloueh,
cua Nova n. 22, tem para veHder iivros ero bran-
co para escripturaces, os mais odMoi possi-
vei?, por prero muito barato.
Vidros para vi
draca.
Aos fabricantes de velas.
Cera de carnauba da nova safra a 118500 e 12g,
e sebo refinado em pao e velas, ltimamente
chegada do Porlo, em barricas e caixas de US500
a 12#500 a arroba : no antigo deposito do larso
da Assembla n. 9.
Lonlinua-so a vender fazendas por baixo &
preco at mesmo por menos do seu valor
afim de liquidar conlas : na loja de 4 portas
na ra do Qucimado n. 10.
CARRO CAS.
Vendem-se duas carrocas novas, sendo para
boi e oulra para cavallo : na ra da Concordia,
confronte ao armazem do sol.
Aos cigarreiros c cha-
ruteiros.
Campos & Lima tem para vender cai-
xas com fumo americano de muilo boa
qualidado e a preco cornmodo : na ra
do Crespo n. 12.
A6$acaixa: na ra larga
do Rosario armazem de louca.
Vidros para caixilhos.
Na ra larga do Rosario loja n. 28
armazem de louca, mandam-se botar vi-
dros em casas particulares por prero
muito cornmodo, assim como vemlem
se vidros aretallio do tamanho mais pe-
queo at mais de G palmos.
Botica.
Bartholomeu Francisco "c Souza, ra larga
do Rosario n. 36, vendo os seguintes medica-
mentos :
Rob L'Affecteur.
Pilulas coulra sezocs.
Ditas vegetaes.
Salsaparrilha Bristol.
DitaSands.
Vermfugo inglez.
A"arope do Bosque.
Pilulas americanas (contra febres).
Ungento Holloway.
Pilulas do dilo.
Ellixir anti-asmathico.
Vidros de boca larga comrollias, de 2 oucas a
121ibras
Assim como tem um grande sortimento de pa-
pel para forro de sala, o qual vende a mdico
preco.
Superior ao raellior
presunto de fiambre.
Linguas de vacca emsalmoura vindas
de Londres, vendem-se nicamente no
armazem de Luiz Annts defronte da
porta da alfandega.
PofassadaKussia
E CAL DE LISBOA.
No bem conhecido e acreditado deposito da
ra da Cadeia do Recife n. 12, ha para vender
polassa da Russia e da do Rio de Janeiro, nova
e de superior qualidade, assim como tambem
cal virgem em pedra: ludo cor j>rec.os muit<
razoaveis.
Acaba de chegar do Ro de Ja
neiro alguus exemplaresdo
primeiro e segundo volume
da Corographia.
Histrica clionologica, genalogica,
nobiliaria e poltica do imperio do Bra-
sil, pelo Dr. Mello Moraes : vende-se a
l| o volume, podendo-se vender o *e-
gundo em separado : na livraria n. 6 e
8 da piara da Independencia.
Vende-se urna porro de burros en-
tre os quaes existem 40 parcllias, todos
nuits gordos, novos e de bom tama-
nho do e\cellente carregamcnlo c!ie-
gado ltimamente de Montevideo: os
preterdenles dirijam-se ao trapiche da
companhia ou ao armazem de carrocas
em Fora de Portas, de Flix da Cacha
Teixeira.
Fazendas de bom gosto
Rccebeu-se pelo ultimo vapor da Europa cer-
ies de vestido de seda de delicadas cares, com 2
babados e 2 saias bordadas, lindos enfeites de
flores e froco para cabera de senhora, bonitas
chapelinas de seda para senhora e meninas, as-
sim como liquissimos cortes de coete brancos,
de velludo e seda bordados para casamento)
dilos de velludo, preto bordado e de cores boni-
tas|; havendo outras muitas fazendas, e ludo se
vende por precos mais baratos do que ero outra
parles: na ra d,\ Cadeia do Recife. loia n 50,
de Cunha e Silva.
0(P
45Ra jWreita
Para homens.
Borzeguins aristocrticos lustre)
Borzegums zouavos, obra forlissima(bc-
zerro)
Borzeguins cidadaos [bezerro c lustre)
Borzeguins econmicos
Sapaloes batedores
Para senhoras.
Borzeguins para senhora (primeira classe)
"" (segunda elasse'
9^000
8.5000
8$000
6$O00
5s0o
Ditos
Dilos para meninas (primeira classe)
5*000
4(600
4JO0O
37 Ra do Qneimailo 11
Loja de 4 portas.
Chcgou a este estabelecimenlo um completo
sortimento de obras feilas, como sejam : palo-
ojts de panuo fino de 16$ al 2Sg, sobrecasacas
de panno fino prelo c de cores muilo superiores
a 3d#, um completo sortimento de paletots de
riscadinho de brim pardo e brancos de braman-
te, que se vendem por prero cornmodo, ci ron-
las de linho de diversos taannos, ca
francezas de linho e de panninho de 2$ ale 5
cada ama, chapeos francezes para, homem
ditos muilo superiores o 10?, ditos avelludados,'
copa alta a 13.}, dilos copa baixa a IOS, cha-
peos de fellro pora homem de -ij, 5? e at "-?
cada um, ditos de seda e de pal ha enfullados pa-
ra meninas a IOS, dilos de polha para senhora a
12g, chapelinhas de velludo ricamenle endita-
das a 25g, ditas depalha de Italia muilo finas n
253, corles de vestido Je seda em carlo de
at IDO?, ditos de phantasia do IOS at 35gOOO,
gollinhas de cambraia de 1? at S$, manguitos
de lSOOatcD}, organdys escuras e claras a
800 rs. a vara, cassas francezas muilo superiores
e padroes novos a 720 a rara, casemirasde cor-
les para colletes, paletots e calcas de 3*500 al
4g ocovado, panno fino prelo e de cores de 29500
ale 10^ o covado, corles decolletede velludo
muito superiores a 9 e 12g, ditos de gorgurao
e de fusto brancos de cores, ludo por prero
barato, atoalhado de algodao a 12S0 a vara,
cortes de casemiiosde cores de 5 at 9?, grosde-
naples de cores e pelos de 1*600 al &200 o
covado, csparlilhos para senhora a Gj--, coeiros
de casemira ricamenle bordados a 12} cada um,
lencos de cambraia de linho bordados para se-
nhora a 9 e 1-2* cada um, ditos lisos para ho-
mem, fazenda muito superior, de 12 al 20g a
doria, casemims decores para coeiro, covado a
2{!J00, barege de seda para vestidos, covado a
lS-fOO, um completo sortimento de colletes de
gorgurao, casemira prela lisa e bordada, e de
fustao de cores, os quaes se vendem por barato
prero, velludo de cores a 7 o covado, pannos
para cima de mesa a 109 cada um, merino al-
cochoado proprio para paletots e coletes a 2*800
ocovado, bandos para armaco .de cabello a
1*500, saceos de tapete e de raa'rroquim para ria-
gem, eum grande sortimento de macas e '.malas
de pregara, que ludo se vende & vontade dos
freguezes, e outras muitas fa/.endas que nao
possivel aqui mencionar, porm com a visla dos
compradores se mostrarn.
Fazendas moder-
nas.
Corles de casemiras de cores finas a5>500, di-
las de Hma s cor muilo finas de 3 e G!, cortes
de colletc de velludo de cores a (3000, ditos diio
prelo a 5$ e 6, colchas de algodao adasmasca-
das a 5*. brilhantina branca o covado 480, case-
mira de quadrinhos o covado 1$, pannos para
mesa muilo bonitos e modernfts a 6?, corles de
barege cora tres ordens de babados a 15*. cha-
peos de phantasia para homem, sendo de gor-
gurao de seda a 7*, dilos doChille de 4 a 25*,
dilos-ie fellro de 49500 e 5?, camisas de cam-
braia de linho para senhoras, dilas de esguiao
muito fino, ditas de cambraia bordadas com man-
gas, ricos corles de seda de lodas as cores, man-
eletes dos mais modernos, grande sortimento de
perfumaras inglesas legitimas, joias decora! ver-
dadeiro, oleados de diversas cores imitando
marroquim para cobrir mesas, forrar almoadas,
trave3seiros, etc., etc., e bem como um completo
sortimento de fazendas do mais apocadogoso e
melhor qualidade, vendendo-se ludo por bairos
precos, 110 armazemde fazendas de Raymundo
Garlos l.eitc Irmo, aterro da Boa-Vista n. 10.
Escravos fgidos.
Fugio do engenho Sap, no dia 7 de mareo
do crente anuo o mulato Virissimo, de 50 an-
uos pouco mais ou menos, estatura regular, cal-
vo, barbado, e rostumava a fazera barba deixan-
do suissas, muito regrista e tocador de viola,
sabe assignar o nome e fazer algumas lellras de
conla, entende olguma cousa de purgar assucar ;
fugio para as bandas do engenho Aroguary, ou
S. Francisco, termo de Porto Calvo da provincia
s, foi escravo do Sr. Francisco Rolco
E, o de um padre que morou no Brejo da
Madre de Heos roga-sc portante as autoridades
e capiles de campo a captura do mencionado
escravo ; assim como protesla-sedesde jicontra
quera o houver occullado por lodo o prejuizo oc-
nado desde o dia da fuga akm de se proceder
criminalmente : quem o pegar leve-o ao mesmo
engenho Sap, ou no Recife ra larga do Rosario
a. 2, que sera recompensado rom lOOg.
Fugio no dia 12 de dezembro do engenho
Junqueira comarca do Cabo, o escravo Hanoel,
com es signaes seguintes : mualo alvo, com ca-
bellos pelos e estirados, feio de cara, grosso do
coipo, baixo, pernas arqueadas, ps feios, repre-
senta 20annos de idade, nao tem barba nenliu-
ma, cauhoto, quer passar por forro e procura o
1 todas as vezes que foge : quem o pegar
leve-o no dito en<,'"nho onde mora o abaixo rs-
signado, que recompensar rom 100*.
ilauoel Filippe de Souza Leao.
200,000.
Retos.
De novo chegnram es afamados rclogios in-
glezes de ouro.de patente, o eslo venda no
armazem de Rostro Rooker & C, praea doCorpo
Sannto n. 48.
Relogios.
Vendem-se relogios de ouro inglezes, de pa-
tente : no armazem de Augusto C. de Abreu.
na ra da Cadeia do Recite n. 36
\ende-se superior linha de algodao, bran-
cos e do cores, em novello, para costura : em
casa de Seuthall Mellori C, ra do Torres
n. 38.
Xarope de Mossa.
Vendem-se nicamente em casa de Miguel
Joaquim Machado Freir, na estrada do Rombal,
junto ao sitio do Exni. Sr. Barao de Suassuna.
Esto xarope, preparado com hervas brasilei-
ras, applicavel s pessoas aslhmaticas, cujos
resultados sao bem venturosos.
As diversas curas obtidas por seu uso sao a
prova mais conveniente que se pode, apresenlar
de lao extraordinario medicamento. Julgando
onfadonho publicar aqu os nemes de todas as
pessoas que dello ttem frito uso (alennrando o
mais feliz resultado) apenas cilarei a Exma. Sra.
do lllm. Sr. commendador Jos Candido de Bar-
ros, que ha annos soffria deste. mal, e ja canca-
daMclutar cora lodosos n cursos mdicos, acha-
se quasi rcstabelocida s cora una dse de urna
pequea garrafa.
Gratifica-se cem a qnantia cima, a quem a
appreueoder a escrava Mara, parda de idaJe 2
annos pouco mais 011 menos, com os signaes se-
guintes : cabelles bastantes crespos, denles lima-
dos, corpo grosso, alguma cous3 corcunda,
principalmente quando anda, com um sigr.nl
preto na parte inferior do Leigo, testa pequera,
olbos preto, Loca grande, cosiuma a rir-se to-
das as vezes que falla, e lem falla de um dente
na frente do queixo inferior, foi seduzda por
Eufrazio Francisco da CuiiIid, ex-soldado da
nlia, com quem sabio, no dia 23 de dezera-
hrc, as G horas da tarde, o qual lem os signaes
seguintes, caboclado, cabelles crespos, ollios
grandes, altura regular, e lem em um dos ps
falla do deJo mnimo, o mesmo soldado leva
um pnssapoite falso em que mostr ser casado,
quando sclteiro, lia bastantes provas para se
suppr, que parliram em urna Iiaicaca, que se
dirigi para Aiagas ou U&ce. quem appre-
bender leve a ra di Imperaltiz ouir"ora Aterro
da Boa-Tsta n. 3G l. andar.
Fugio a alguna dias da casa da riuva do dc-
sembargador Rebello a negra Luzia, de n
Congo, com 30 c tantos annos de idade, cor fu-
la, altura regular, lem cm um lado do rosto urna
cicaiii/, cosiuma vender finetas; quem a entre-
casa da dita senhora, rea dos Prazeres,
sera generosamente recompensado.
= iugio no dia 8 do corrente dezembro um
'.'asanle fulo, crioulo, do nome Gcraldo,
-;' : : -1' 10 e lanos annos, de estatura regular,
coi 1 mi signaes do lalhos na rabera, aleija-
- dedos da nio direita de um corle que
soffreu, qu dedos, 6 muito fo-
se maluco, datando uulambos
chapeo e quasi sempn anda de alperratas
s : quem o pegar, leve a pndaria da ra
rapes em Fora de Portas, que ser re-
compensado.
Aviso.
ram os meus escravos : Pacifico, com-
meltendo um crime, crioulo, alio bastante, es-
paduado, reforcado, ps com cravos, que rusta
. bonita figura, moco, tem pai, mcu escra-
vo, e mi lona por nome" Maria, muala, lavadei-
ra, tem mais lies irmitas, duas minhas escravas.
0 urna muala forra, viuva, cosiuma trabalhar
da Ponte de Ucboa, oceulto, e ga-
nhar dentro du Recife, gosla Salvador, cabra, irmo de Pacifico, canoeiro,
do do corpo, estatura regular, lem um
geilo em um braco proveniente de queda de uru
cavallo, moco e bonita figura. Bonifacio, cri-
oulo, bem pnto, muilo feio, cora muitas marcas
de bcxigns no rosto, quando falla nao olha para
as pessoas, tem urna costura ja frente do pnto.
alio, reforrado, canoeiro e lijoleiro, est com
a cabera rapada, vestido de caira e jaqtiela de
panno preto. Estes escravos foram do engenho
d'agua, de Iguarass, do fallecido Ilenrique Pop-
pe Gire, lio de rainha mulher, que lhelocou era
parlilhas, e cuio engenho pertence hoje ao Sr.
Ur. Francisco Joo Carneiro da Cunha. Protesto
proceder contra quem os asylar ou em pregar em
seu seiviro, pou lendo o Pacifico comruetlido
um crime, deve ser punido : quem os pegar,
loveosao meu sitio da estrada do Anaial, ou na
olaria da ra do Colovello, que paga'ci todas as
desperas.ilaccetino Jone Lipes.
Vviso.
No dia 27 de dezembro de 1859 ausentou-se da
casa de seu senhor a escrava Gerlrudes, crioula,
idade 10 naos, ponen mais ou menos, estatura
regular, raslo redondo, beiros grossos, com falta
de denles na frente, pescoco curto, com algu-
nas marcas de bexigas pel corpo, levando um
vestido cor de caalanha, usado, o panno da cos-
a : roga-se as autoridades e pessoas do poso,
de se servirera capturar e a conduzir Capun-
ga, casa do Sr. Jos Vieira de Figueiredo, ou a
Boa-Vista, rua da Soledade ou Progresso, sitio
do Sr. Vicente Jos de Rrito, ou a rua da Cadeia
do Recife, loja de ferragns n. 4, que scro re-
compensado*.
Moleque Fgido.
100^000 de gratificacao.
Roga-se aos capilacs de campos, e a todae
qualquer autoridade a apnrehensao de um mole-
que de nome Maroel, crioulo, idade 12 annos
pouco mais ou menos, o qual fugio da cosa do
abaixo assignado no dia 30 de outubro do cor-
rente onno, levando calca de cor, carniza azul,
chapeo de palha oleado e o rnaior signal soffrer
da asihma e a pouco esteva doenie de bexigas ;
desconfa-se que esteja acollado por algurn esper-
' lalhao, que se queira aproveitar de sua pequea
iilarle para o seduzir, desde j protesta o mesmo
' abaixo assignado de cahir sobre dito larapio com
j lodo o rigor da lei, e gratifica da maueira cima,
I aquella que Ihe der noticia certa, e paga toda
I despeza que se fizer com o mesmo moleque para
se effectuar dita aprehensao, levando rua Nova
n. 21. Francisco Jos Germano.


r
-r-
,8)
DIARIO OE PRNaMBOC. SEXTA ^feihA 30 D UEZMEfiRO DE '859.

Lilteratura.
Estudos sobro a autiguidade
Grega,
.1 arle e os ditcursos de leocrates
Comparando-so os fa/cdorcs de discurso da
idade procedente, os Anlephon, os Andocidos, os
l ysas inesmo, aos oradoies que brilharam na
tulla contra a Maccdunia, lodos mocos cm rclacflo
o Isocrati s c que sentirn) amia influencia, v-so
qiiau($o cssos ultimes toru o dcsctivolvmento I
inat abundanlc e s phrase mais rica, E princi-
plmenlo na eloquencia de spparalo que
romparaeo lem ir.tcresse ; resla-nos hoje dous
monumentos, us il.ous discursos fnebres e De-
mosihencs e de Hyperidas. O do nemostheaes
- morios de CnereiiCH nao corresponde* ao
jue a imagraaco excilava por esses dous noeues,
esporava, r. islo fui bastante para que deetaras-
scru que nao era autlreuiico ; mas nao sempre
Tro Tomento cm qncteni lugar un aconteeimen-
o que inspira led* quanlo devera inspirar, prin-
Cipalmeule lo primevo dcsa-slro. O mesmo orgulho compla
cont sobie urna victoria lome apoiar-se sobro
lima derrotan niar-lbe mulla lama, E aqui Alhe-
ias nao'era s a vencide, era o peeprio orador
primelo des se dever publico consl: angido e com-
prme nido, devia esconder ludo quanlo linha na
->lma e sales csconder-se do que desenvolverse. mes,na M
No din scgunle a Watorloo, poder-se-hia cele- "Deral ao
orar dignamente o herosmo desse da. Apezar
*lo que falla a esse discurso, tenho lenlaroes de
:rer, com Villcinaiu que pe lenco a Demoslhenes,
mas nao Icnlio tonta coi loza que importe procu-
rar vestigios da ai te de Isocrotes, que com effei-
to seria fucil encontrar.
Vamos aillos ao dircurso de Tlypcridn, magnifi-
ca doscobcrla que dala de honlcn, e cuju assump-
de-se duvidar quo o iguale, Sua elegancia nao '
lao perfeila, porque un improvisador que
nao pule as phrases, que nao falia a Alheilien-
ses e Athcniensrs esculhidn!, que se dirige a
una multilido menos delicada. Sua cloquen-
cia, menos discreta, principalmente menos
bem collocada e em ihemas muilas vezes ingra-
tos. Vara s tocarmusnos mais isoerniieos dos
seas discursos, a VaetiUia o elogio Immoderado
de um homem e do urna medida que acabava
de por cm evidencia como um general oin Ro-
ma era supoiior .is Icis. A decima quarta anlo-
ulua ou phitUpina c pronunciada as ultimas
convulsocs da repblica expirante, celebra urna
victoria precaria alcanzada comauxiltodos vle-
nnos e d orador exal'.a- se com o seu medo e parece con-
jurar, aforra de cnthusiasmo, o que reccia. Era-
limo ngTadccimonlo pro Marcello a glorifica-
ran dt jierdo concedido ao defensor da lei por
lieeao de um discurso 'u_
escrevenda v,n um
ficr*a0 na,ja je
raao. Nao euiprega a
blico, e como a empregarla
paiz eeinum lempo em jue sa
real apresentaria ? E entretanto C0',l0' SCmpre foi
mas e um esludo inulto forte paia aquelles que
estilo oceupados com oulros pensamenlos. "
A influencia de Isocratcs sobre certas partes do
talento de Bossuet quer directa, como resulta
prrmiltido cm Franca e se-lo-lia| ser_so orador desse teslemunho, quer indirecta e transmettida
entro as qualro paredes da um gabinete ; Bal- por Cicero, nao pode ser desconhecida. Bossuet
zae pode arrranjar um Orador dessa especie para nao smente um genio vigoroso, tao tambera
lhe pronunciar tudo quanto escreveu, e foi
o systcmaquc adoplou cin duas grandes obras,
o 'Aristipo C o Scrates chrislo. O que vol
Balzac comiarado a Isocrotes E' moderno e
Francozv e sabe por conseguintc muilas cousas
que niose podiaiu saber lia dous', mil anuos om
Alhenas. Aproveitou dos espectculos e das li-
res da historia. Em philosophia, discpulo
nao s de Scrates como de iodos os pensadores
de lodos os tempos, a sabedoria antiga e a dou-
trina chrisioa, o espirito novo que, atravez dessa
doulriua ainda reinante, abre o scu caminho,
tudo forneceu alguma cou sa soa elocuencia
um arli.-la coiisummado*,em todos os segredosde
urna clocuKi'j numerosa e brilhanlc ; mas cssa
rlioloiic, 'sabia niio faz delle um rlielliorico
porque quer o biillio para as co'usas nao
para si; naturalmente grande, tao natural-
mente que o foi al na corte, al na llieologla !
s esplendores das oraces fnebres mostrara
de que capaz a arle, quando a arlo sorra
desinlcressada do aellu. Ellas nao pcrmillcm
imagmr.i em materia de. elocuencia solemne nada
superior a Possuct, a nao ser o proprio Bossuet,
vivendo urna vidanovu, interprete do ideias
rnais vastas, dispensado de celebrar as habi-
. celebrar as
aquelie que a violn, islo , um pobre assumplo elle vive em urna sociedade milito cultivada, que lidades do chauceller Lo Tellier, as pralicas
se o tirador se livesse limitado a elle, c se d lugar urna multidao de observaces delica- devotas da rainha, as pueris evocos da
mais elevados pensamenlos e mais dignos de das; tem vanlagcm por esse lado, assim como j Palatina arrependida, ou a maneira "per que
La Brtiycre a lern sobre Theophraste. Uirei ain | o grande Conde recebeu os sacramentos; pedin-
da : Balzac moderno e Francez ; lem mais dojdoemflm, como ura orador de Alhenas, tallar I perdidot*dMm^Yqu foTpor'cupa nosTa por-
que Isocialesaquillo a que chamamos espirito ; hvremente i Franca livre, de suas grandezas ou |qilo somos roaos, indoceis, revollados ; nao se-
Ctcero e de Cesar, nao Iransparccessem em suas
palanas. necessario fazer essas observaces
c 'essas reservas; serviro para fazer-nos sentir
4c um modo inesperado todo o pr^co do tlenlo
de Isocrates, menos dolado aero duvida pelos
\, \ deuses, mas respirando o ar salubre da liberda-
dc e feliz de applicar a arle do lem dizera pen-
samentos dignos de ser bem ditos, porque essa
mesma sabedoria que nao nos pareca milito
ado de Demoslhenes, sobresane por
compoFacao com as i.ecessidades dos mos das.
Cicero lomou ao mestie alheniense ludo quan-
lo podia tomar, suas nobres sentencas, seu modo
eugenhoso, loe Isocrates se mostrara tao orgulhoso.
Poderia dizer de sua elocoeo e era geral, o
que diz de um discursoque nelle havia derra-
mado oda a caixinha de essencias Isocrates,
ic o elogio dos morios'da guerra tanteada e de lodos ou cefrezinhos dosseus discpulos ; porque
e urna arle ainda mais rica, senio mais perfoi-
la, c como que revestida, uaodirei do luxo asi-
tico, mas do splendor romano. (2) Cicero nao
so mostrou ingrato. Amplitica de bom grado o
benefieio d'aquelle que deu o numero do discur-
so c que fez como que um canto da prosn.de-
frndeu-o com viva sympalhia contra os ataques
dos pensadores severos que nao se linham le-
Nado seducir pelo sen grande cstylo e pela sua
bella msica. Faz muilo bem sentir os seus me-
nem sempre i dado ao peusamento e sem o qoal
muitas vezes o seu direito e a sua honra podem
passar. A prosa de Voltaire por excmplo, ape-
zar de escolente o admiravel como , me pare-
ce a menos socrtica desle mundo. E' porque
nenhuma ha tito ocliva e lo desejosa de obrar.
Nao um eseulptor que lalha amorosamente
nina obra d'arte, um innovador impaciente por
oceupar a alinelo publica, que mal lem acabado
urna tarefa e ja comee.a oulra, que olha como
perdidas todas as semanas seno os diasen] quo
nao imprime algumacousa. voltaire o diguo
herdeiro da lilteratura classica pela sua graca c
elegancia naturaes, porm pela sua improvlsa-
eao fcil o pai de oulra litteralura inlciramen-
le differente. Quoiiarnos-hemos por ler tido Vol-
laro c termos sido levados por elle longe da
Grecia ? ou antes nao diremos com Moliere: Os
ajiligossao os amigos; nos somos gente de boje?
A indagacao curiosa das bellas formas eslava
alera disso cm harmona com essa serendade de
espirito que admiramos nos Grogos, mesmo nos
genios maisseveose tristes, e que nao vem s
da bella luz do seu eco. Censuram-nos de te-la
as compararles picantes, as sorprezas. asira.i-
ge.ns felizes abuudam cm scu eslylo. Entretanto
o Alheniense 6 maor do que elle. A posicao
daiiuelle do Alheniense muilo mais bella.
Na sua patria nao tem meslres, ncm superiores ;
a cousa publica, sobre a qual manifcsla os seus
pensamenlos, tamben) nao de mais ninguem ;
para fallar nao precisa da licenea era permissiio
de pessoa alguma ; adverte quando quer, como
quer, a sua repblica ou a Grecia inteira sobre a
sua conducta ou interesses. Se concede om
elogio res, ura favor que tem tanto mais
pieco quanlo elle nada lhcs deve ; os reis nada
poden) contra Isocrates, e ludo o que podem cm
seu favor nugmentar-lhc as liquezas; porm
as suas riquezas nao dependen) delles e anda
n.enos a sua grandeza, depende apenas de scu
talento c da adrairarao que inspira a um poro
livre. Ii.i 1/.ae pelo contrario nao um cidado;
na qualidade de Iliterato o personagem de pouco
mais ou menos, nao contado entre oshoracns
de govemo ueu. entre os homens de corle; es-
creve segundo o capricho de um ministro om-
nipotente a quera deve una peusao mediocre e
mal paga. E so esse ministro nao lhe dicta pre-
cisamente, como faria a um secretario, as deas
l.osthene seu chele (1) quiuze anuos depois de
Clioaroneu Phillipe morlo.Alexamire tambera, c I
o seu Anlipaler acabava de ser vencido. Em om
discurso 'breve rpido, porque esses discursos
realmente pronunciados na so'.eninidade dos fu-
neraes, nao comporlavam as pomposas delongas
las composicoes uocraticaa, o orador celebra es-
sa victoria pela qual Alhenas e libertada c vin-
jada.
Nunca homens nos tempos passadoa comba-
teram por urna causa mais nobre, nein contra ad-
versarios mais poderosos, nein com i ocursos mais
traeos; pensavam elles que a virlude, a forea,
-e a eoiageui toma maior um exercilo do que
O nuniero dos .'oldados. As.im l'ucram presente
a todos nos da lib.rdade, c consagrara m sua glo-
ria palri como una corea inmortal. Mas con-
vem indagamos-o que tocia succedido se elles
nao livissem bom e.viio. Nao seiquoo mundo
inteiro leitenceiia ora senhor nico, cojo ca-
prichoseria a le a que a Grecia lena oe obede- formn sera ura mes!re na arle do discurso ;
cor, que cmlim a insolencia inocedoiiiana preva- Balzac foi par Pascal c para Bossuel o que Iso-
leceria em toda parte sobro a Justina impotente, I erales oi para Domosl.henes. Antes de Balzac
desoll que iiem as inulheies, nem as muras, j nos linhanios Mulberbe, a quem deviamos a
era os rapaces cscapaseem em parle alguma aos rloquencia cm verso. Todos elles sao apaixona- soberano lem direito de-prender os suspeitos e
ullrajes. (Juauo mais terriveis prtenlo erai 03 dos pela belleza da forma, pelo valor de urna da mala-Ios Sua philosophia nao vale mais que
niales que deviamos esperar, lano maiores hon- palarra empreada no seu lugar c pelo encanto sua moral ; Balzac de urna intolerancia Cana-
cas devemos fazer aos que murreram, por neja- | de urna justa cadencia. Elles tem poncas ideas tica por zelo de subdito sein ser devoto. Tudo
mais bou'> guerra que po/.e.-.-e t;.u em relevo o ] e mediocre poder de iiivenco, porque oceupam- ; issu rebaixa o Isocrates francez, e d ao outro
de seus deveres.
1.' fcil acbar em a
j r anles porque somos melhores, porque entre
nossa brilhanlc1 lilteratura nos os gr,IMle8 espirites cm vez de se refu
;ia-
oradores o escnploics que se hiiam acscola de reni nessas ies supcrior(ls de ue-ffalia l.u-
ritos, servio principalmenie reproduzindo-o e que o escriplor deve desenvolver ante o publico,
' todava c claro, que necessario que essas ideas
lhe agraden], que o escriptor nao pode ser do
opiniao diversa da sua. Escrever nessas condi-
ces, azer-sc couselheiro poltico, quando em
poltica a nica liberdade que existe a de lou-1
tr.:iispoilaniIo-os para a bella lingua romana. A
velin arvore latina admirou, como uiz Virgilio,
a nova folhagem e as llores novas de que se vio
coreada ; lodos os pov#s aprendern) o repeti-
rn) a phrase ciccronffa ; essa eloquencia lo
popular c seductora Toi leslerounha em favor da i var, nao suppoe grande altivez d'alma e com
rheloriea de Isocrates e tornou-sc como que a \ ctfeito Balzac mais glorioso que altivo. I.ison-
1 ~eia Lu/. Mil, Rchclieu, a rainha Anna e Ma-
Isocrates pelo cuidado da composi^iio, icndo
aprendido delle ou do seus discpulos esses tr-
nelos engenhosos c essas msicas do discurso,
que seduzein ao mesmo terapo o espirito c o ou-
vido, 5) mas nella nao se enconlra fcilmente
um escriptoi- ou um orador que se possa chamar
um Isocrates, isto que se uioslre antes de tudo
cuidadoso de fallar bem, e que, honrando o seu
talento com seus sentimenlos.nobres e sabios pen-
samenlos paregam todava subordina-los a esse
tlenlo e facam era eloquencia o que se chaina
a arte pela arle.
Depois de Balzac, que j nao da mesma or- I
dem que Isocrates; depois de Flechicr que ainda
menor, nenlium ha. Apaixonar-se a esse pon-1
lo da palana por ella mesma c urna das feices !
do espirito grego, e que o espirito francez nao
aprecia ; quanlo mais se lem desenvolvido o re-j
conhccido, menos tem aprovado essa rheloriea, !
E por isso os nossos prosadores mais elegantes
e mais habis cm manejar a phrase nao so ve-
ran de boa vontade comparados Isocrales, to-
dava, a considerar-se s o gosto o a bella lin-
guagem, essa comparado faria honra a lodos.
Todava nao faria caso dasgracas de um espiri-
to original, nem da novidade lias ideas, ncm da
vivacidade polmica nem dos generosos ardores
d'alma, nem de ludo o que faz emfim a difieren
ca entre um Cicero e um Isocrates. E o que di-
crecio para ncllasescapar s miserias da iiunia-
nidade, SDffron pelo contrario tanto com os sof-
frimenlos delta, que sentem-llie al o menor mal,
al o menor vicio que apparece, por mais bailo
e obscuramente que geia, c ticam aguados e
sombros ? nao ser porque laes preoecupa-
("es nao deisad sempre ao pensamenlo a liber-
dade necessaria para certas devoces do culto
d'arte.
Entretanto essa religiao no se extinguir. Po-
de-se dizer somcnle que a superstico nao mais
para temer, e o que faz com que nao haja hoje
perigo em dmhar-se Isocrates, podendo-sc re-
commenda-lo afoutamentc para a (;ducaeo do
espirito, porque d'ora em dianle ser sempre sa-
lular. So nao se deve mais receiar a influencia
dos meslres no fallar bem, tambera nao se deve
despreza-la e julga-la anniquiiada. Nao s la-
ver sempre amadores do bello que o procorarao
com tanto arJor como verdade, porm. artistas
ou rcconhcceJores, nao se dedicaro apenas aos
grandes effeitos do imaginacio, a preclara o lam-
beiu ornamentos mais modestos, a felicidade es-
ludada da expresso, como falla Pelronio ;C).
Aprecia rao essas bellezas nao s naquelles es-
cnplores em que predominan] ; gostaro dos pe-
riodos de Isocrates como Andr Chcniec se de-
xava encantar pelos versos de Malherbe, mesmo
daquelles em que Halherb pouca cousa diz.
go do espirito rancci,"deva"dize-l emgcra do l'ara elle nenhum dos mritos doseuestylo ser
feitar a mulher amada, que sao poucas todas as
elegancias para rodea-la.
Ernesto Havet.
(Recue des Deux Mondes.)
OBESIDADE.
A belleza physica, como a virlude, um lv-
po ; cala individuo o semelha mais ou menos,
e, a nao afastar-se muilo del!e, 6 logo conlad
no numero daquelles que nada teeni "^e censu-
ravel aos olhos da sociedade ; mas, se no pny-
sieo, assim como no moral, um dos altribulos da-
i hornera appareee debaixo do urna forma n.Vi ad-
mrttida nem conveniente, ento ha desfavor e
mesmo repulso. Occupando-nns aqui s do phy-
sico, diremos que urna da3 deformidades mais
communs devida superabundancia da gor-
dura que apparece muitas vezes no corpo hu-
mano.
No pensar dos sabios physiologistas, a gordura
deve constituir na especio humana a vigsima
parle do peso do coroo no hornera, e na mulher
deve haverura ler^o de mais. Quando ella appa-
rece em urna pessoa era maor abundancia do
que de ordinario, nao ha razo para acreditar
que eslo excesso de gordura deixc de progredir
antes vai augmentando at que urna molesli
tendo por causa a propria gordura vem terminar
este augmento de volme.
Nos paizes onde.reina constantemente urna at-
mosphera secca, como nos lugares montanhosos
ah sjp raros os casos de obesidnde, quando alias
se enconlra frequentemenle nos valles o plani-
cies ao nivel do mar, onde o habitante
un ar hmido.
respira
sua Lrilhautc demoustrarao.
A nossa eloquencia franceza tambera nao se
zann ; as suas duas grandes obras, Areslipyo e
o Principe urna eni honra do favoriio. outra em
honra do rei, sao igualmente obras de eortezo,
chegam lano e adularo, que celebra c verso-
nhoso assascinato de Coucim, que declara quo o
se demais com os dclalhes. Os impulsos da
paixao so-lhes deseonhecidos, porque nbsor-
ve-iso cuidado de fallar bem. Todava como o
a arle nao pode Irabalhar no ar, a delles, corno
valor dos heiiiens como CSS* que acaba de ler lu-, se minio em inventar o eslylo, isto , oceupam
gar, em que era necessario trovar ha tal ha lodos
is dias, em que sederam mais combales, no es-
pago de um campo, do que lodos os couibalenles
cm tempes passados, receberaiu em feridas, cm
que se suppdriaran corajosamente lanas intem-
peries, lautas privacocs extremas que a palavra
nao pode exprimir. Aquclle pois que determinou
os seus concidados u sustentar sem eufraq iccei
laes provaces (foi Loslhene] aijuelles que se
luostraram dignus compauheiros de tal general
nao san mais felizis por tcn.ni mostrado tanta
uma vanlagcm cujo principio visivel. E' ver-
dade, diz La Bruyre, Alhenas era livre ; era o
ceniro de una repblica ; seus cidado eram
iguaes.... La Biuyeie linha no espirito bs-
tanle independencia e forea para nao fazer caso
de Isocrates exerce-se sobre as bellas nioralida-1 dessa liberdade exterior, mas foi o que fallou.
>:es que Ibes agrada por em relevo. A sua elo-
|n ncia usa muilo das sentencas ; goslam tam-
bera de lomare primara nisso. Ainda como
Isocrates, tiles pulem muilo o trabalho e nao
! se podem decidir a acaba-lo. Ha cm Balzac
[ urna Conrcisaco e pensamenlo de que vo
virlude do que infclizes j or terem perdido a vi- \possivel escrever muilo e escrerer bem onde erige
da, pois que sacrificando um corpo mortal adqui-
rirn; una gloria imnioilal, que por seu valor
asseguraram a liberdade alodosos Gregos? Sim,
o bravo faz com a sua, a ventura universal.
A ventura com elTeilo, nao obedecer a amcaca
de um homem, mas a voz da lei ; que os
homens nao lem a recear screm acusados mas
sim convencidos: que a segurauca de cada
um nao dependa daquelles que lijongeiam os
senhores e calumnian) os seus concidados, mas
que Sija collocada sol a prolecco das leis. Eis
em vi;ia de que vanUigcns aquellos de quem
latamos, acceilando pro vaneas sobre provancas e
por seu perigo de un da l'ibeilando para sem-
pre dos recejos do futuro a sua patria c a Gre-
fia, deram sua vida para que vivamos com
honra.
De corlo a brilhante eloquencia do Isocratcs
est longe dessa vivacidade inflammada, < pode-
se i rer que nao livesse feiio o discurso d-- liv-
peride ; mas deve-se dizer tambera que Hy| cri-
de nao leria esciipto esse discurso sem elle.
Com Isocrales baria aprendido a em pregar olom
elevadoeas altas Iheorias do discurso moral, as
accumulacdes, as opposiccs, os effeitos do pe-
riodoedo numero, em uma palana a arle que
permute s a uma natureza cloquele cliegar a
todo o seu j.oder e realisar a idea du bello.
Mas nenhum talento depende mais evidente-
mente de Isocratcs do que o de Cicero. Cicero
tambera um mestre cm bella linguagcm c de
mais um orador. Ensinou ao seu pai a prosa
elevada ; desalou a lingua dos falladorc* ruma-
nos; ensiuou-lbes a sua arte que at elle os
mais felizes genios ignoravam, recorda por iodos
esses (ionios o autor do disanto panegrico.
Somonte este, perseguido pela i ia im-
portuna de um nao sei que que lhe prohibe a
eloquencia real, arcosa sempre a sua limicz ou
a fraqueza de seus igaos ; o outro lem a voz
que arrebata as roultides e o impulso ousadoj
que d os grandes combates ; para Boma um i
Isocrales e um-fiemos! licites ao mesmo lempo ;
menos une Demoslhenes, parece superior & Iso-
crates. Ti ni paiio, chamraa. suas palavras lem
mais movimt nio e vida. Por cerlos lados
em principio esse vagar isocralivo de composi-
cao. Cousa singular! diz elle, admiram-se que
um artista leve dez annos a fazer uma peca, e
ninguem se admira que a maior porte dos ho-
mens leve sessenta anuos sem fazer nada. Iso-
crales rcconlieceria tanto a forma como aessen-
cia di ssa espirituosa defeza. Em ultimo resulta-
do, nadfi ha a censurar, nem a elle nem aos seus
discpulos. Aquello que nao escreve para obrar
para obrar em ceno dia, para apresentar aos
espiritos uma verdade nova, ou leva-Ios a uma
di ciso parliculct; aquclle que nao dcende,
ncm Irava cmbale, que se propoe s esimples-
menlo a apresentar debaixo do seu verdadeiro as-
pecto verdades banacs, ainda que niuilosenti-
das, e dar-Ibes lodo o valor ; aquelle que desen-
volye pensamenlos moraes ou imprcsscs Hite-
ranas que peilencein lano a si como aos mais,
ainda que lodos nao as toineni tanto o piolo,
nunca pode estar satisfeflo ; nao diz tudo o que
quer ncm como auer, nao v em seu discuiso
nem a onlem, nem a preciso, ncm o relevo que
desojara dar-lhc ; nao pode prestar tudo oque o
seu gostoe consciencia lhe representan), e co-
nheceudo que, por mais que faca, nunca far
lialzac, c cousa notavel que mesmo a eloquen-
cia dos comprimenlos e dos pauegyricos carece
de liberdade. (3)
Isocrates seria ainda superior considerando-se
s o lado mais exterior do seu talento, a phrase
eo numero Esle orador falla uma lingua, que
nao quero chamar a primeira do mundo, poique
creio (e di-lo-hei porque assim o creio) que ne-
nhuma ha superior nossa. 0 francez a voz
pela qual o espirito melhor se faz entender pelo
espirito c alma pela alma. Oulras linguagens
pre.slam-se mais imaginario e aos sentidos;
tem mais abundancia, mais cor c msica. Isso
nao quer dizer que fallera essas qualidades pa-
lavra franceza ; o espirito faz tudo o quo quer
fazer, porera ^essas vanlagens foram antes con-
quistadas do que recebidasdos deuses.
A lingua de que Isocrates se serve maravi-
I espirito moderno que, a proporco que se de-
! senvolve, d mais apreco s qualidades que nao
sao as mais inminentes em Isocrales e afasla-se
daquellasquemaisorecoinmendam.llojeo discur-
so sagrado pela sua solemnidade exterior, Iraca
somonte uma fraca imagen] dessa arte oratoria,
a Igreja lem conservado assim alguinas formas
da vida antiga que todava nao no-la podem fa- |
; zer conheccr. Em nossos costunies civis e poli-
ticos, o orador um official publico que, toman-
do a palavra em virlude de certas funeces, cx-
plica-se ante oulros ofliciaes pblicos e em pro- j
sonea de um pequeo auditorio, encerrado em !
! orna sala estreila. Est ao nivel dequelles i i
quem falla, consulla notas e l em caso de no-I
cessidado ; nao faz discursof, lem conferencias.
| A eloquencia mais livre das reuuioes populares
era cerios paites era por isso mais magcslo-
sa, salvo accidentes extraordinarios, romo as de-!
monslracoes de O'Connell. Em geral, a fama do
discurso fallado perde-sc no da palavra impres-
sa, muilo mais retumbante e universal,e ha dis-
c
perdido.
A precia rao primeiro sua linguagcm delicada, a
perfeicao da prosa alheniense eo melhor Grego
quo ha no mundo, se me pcrmtlen) dizer assim,
Us homens eslaomenos sujeilos do que as mu-
Ihercs a obesidade. O lecido collular que con-
tera a gordura mais firme naquelles do quo
neslis cuja libra mais fraca se dcixa facilmenlo
distender pelo humor gorduroso que ah se aecu-
mula. E' principalmenie quando o corpo tem lo-
mado lodo seu desenvolvimenloquo se ve a cx-
cessiva gordura apparecer; a infancia e a inun-
dado nao eslo todava isentas della.
Vio-so nao lia muilo lempo em Pars uma
crianza de qualro anuos, que pesara ll li-
bras.
L'm medico nglez, o Dr. Cc. falla em suas
otilas de um Eduardo nrigih, que com 10 annos
e meto pesara 1 } libras, aos 20 annos 35C libras
e 13 mezes antes de fallecer 58.
Existi no condado de Lincoln ura in
linha de peso 583 libras, tendo 10
cumferencia ; morreu com 29
jlez qi.%
ps do cir-
anuos. Cita-se
depois a elegancia perfeila e toda-, ia sobria o dis- amda um outro inglez pesando C03 libras. Sele
creta, allico emlim, para exprimir ludo cora uma pessoasde um corpo ordinario podiam licar inel-
palavra ; porque isocrates lo nobre lem tanto I 'Ia*8dentro de sua sobrecasaca e abotoa-la de-
alticismo como Lyslas lo simples pode-se-lbe j'.'1''- ,la ain'J;< "m outro inglez que pesou Gis
applicar tudo o que lao bem disso desle ora lor "rfas ; a 'al'-P'ra de um hombro a uulro era de 4
um joven escriptor que foi procurar o segredo do Ps e 3 pollegadas. O jornal Jacannah Newes
atlicisnio sol o co de Alhenas-7 Emfim a ri- rcfeo ltimamente que um medico lhe
cursa que subjugar mais pelarepetico e coniinui I r-
Jade da aeco do que pela grandeza e forea das ''
nueza dos desenvolvimenlos, a plenitudo da phra-
se, o numero o essa scducco poderosa do canto
oratorio lhe grangoaro sempre amigos. Esses
dons nao scro s admirados ; ha vera quera ten-
te roubar-lhe alguma cousa. Achar-se-ha sem-
pre em que emprega-lus. A
bal ha para servir as nossas opines, os nossos
interesses ou os nossos prazeres, opines arico-
tes, interesses fortes, proteres impacientes agi-
tados, deve ler ueceasaimenle o maior 1
mas, por grande que soja a necessi lado quo
ter a bumanidade dos artistas litterarios cue fal-
que um meuico me com-
munieara o fado seguinle : Existia a ls> railbas
avia um moco que era um verdad uro phe-
nomciio : com 22 anuos pesava 565 libras -
conlinuou a engordar at pouco mais ou menos
de W libras; elle viva bem e mesmo cuidava
itlcratura que ira- da sua lavoura. Ha qualro semanas, porm, co-
mecou a augmentar ao principio de uma li-
bra por da, depois de duas, al
mana ultima morreu sulbrado
Tres dias antes do
liras.
sua morte
que na se-
pela gordura.
pesava 6 3 li-
Observa-se nos gabinetes da escola de medici-
na do Pars o busto do Mara Francisca Clay, cuja
A Dngua de que isocrales se serve c marav- da e como n-Q Q cs{ariat quando os pr0prias ar- I tusla.masque ncciipaagradavelmente aquelleque
lhosamenle dotada para a nquesa do discurso- e ; l(,s c se dirigeni imagil,a(.a0 volambem ca- a fa/-. "'guns ainda que a lecm, e que os descan-
para agrado dos ouvidos, c cumpre accrescentar da vez nicnos Ilsail(j0 das (ouas solemnes e do c-a ai11111 ^ ido e do tumulto extenor. Aquelle
que essas lieces cm as quaes imagina ter por
auditorio a Grecia reunida, avorccem no mais
alte gii o a magnificencia da linguageni. Emlim
ha em .udo que anligo uma grandesa de pers-
pectiva que impe. A Grecia entilo pensava pelo
otuodo inieiro ; o verbo hoje desseminado por
lautos lugares s se fazia ouvir em'Alhcnas c a
voz do Alhenas
rheloriea verdadeira nem rheloricos. Ensina-
se aos n)ancebos os elementos da arte de escre-
ver, nao se preparan) os homens feilos para o
olleio de orador em escalas cujos exercios os re-
i leuhan) toda a vida ; nao ha mais insiuiYo
era assim a voz do espirito hu- oraioria toino a entenda guinliliano. Assim o
mano. A proza de Balzac fe* a educacao da un,- deal dos modernos em maleiia de eloquencia
sa lingua, porem Isocrales, formando a dos Aine-
nienses clocueo oraioria, formava ao mesmo
lempo .i de lodos os povos, c em lodasas litle-
aparelho classico 1 Ainda que nos nossos eslu-' 1UC aprecia esses prazeres, quer tenha o gozo de
dos tenha licado o nome de rheloriea j nao ha 0uV'r orna palavra brilhanlc e escolhida cahirde
uma bocea sabia no nic-io dos applausos de uma
bella assembla, quersaboreie no silencio do seu
gabinete um desses tivros, lalvez nao superiores
porm compleos, em qif todas as cousas sao
ditas to bem como posSvel, sabe o que vale
Isocrates e lica-lhe fiel cora Cicero ^apesar dos
Rrutos. Comprehendcr principalmente a arle
muilo, peidoa fcilmente aos Isocrates, aos Ka- | raturas dalle que depende a arte do discurso.
Hierbes c aos Balzacs os escrpulos infinitos c os | En devia parar em Balzac ; nao fallarei de Fle-
reloqucs ob.-tinados. I chier, j indiquei cima o que hade pequeo e .
Deixcmos Malbe.bo e rollemos Balzac e 6 pouco inligo no seu eslvlo, o depois a cloquen- ^yil?,^-*0.??!?!^-*?.^.^
proza. Por occasio do seu Scrates christao U. I cia francesa j eslava feita quando elle escreveu.
de Saintc-Bcuve observa que fra melhor dizer! Esta ultima razo podera tambera dispensar-me
o Isorialcs chrisloi e com cfleilo Balzac faz re-
cordar muilo Isocrales, quanlo essencia, por
quo poltico como aquelle, mas de uma poltica
moralista, ejiao de homem de oslado conse-
llieiro
al'asla-se cada vez mais do quo Isocrates busca-! wn 'luo ful lao grande mestre, quem a destacar
va, e que se iisongeou mais do uma vez de ler om suas obras dos ossumptos a que se applicn, e
pescoco linha desapparecido, e cm lugar dello
via-se um sulco de muilas pollegadas de profun-
didad? ; o peilo linha dimenses euorrres ; as
costas, os hombros, levantados pela gordura, for-
marsm duas largas salienclas ; os bracos csta-
vam afaslados do corpo por duas almo'fadas de
gordura formadas pelas axiltas ; observa-se
primeira vista no bustodesia mulher ^uc o lado
dneito muilo mais desenvolvido do que o s-
querdo, o que c devido ao habito de sempre es-
tar deilada desse lado,, para onde a gordura se
accumulava.
que minias vezes nao nos inleressam bastante,
quem a transportar cousas que nos toquem
mais, quem a apropriar emfim polo pensamenlo
s nossas ideas o senlimenlcs de hoje. Quando
livermos de' moralisar, do aconselbar, de crili-
car, liguremos as nossos observaces traduzidas
cm
de appioximaro nome de Isocrales do grande no-
me de Bossuet que ifaria sombra aos mais bri-
Ihantes mas ainda dar um teslemunho em
favor de Isocrates o dizer que Bossuet nonieou-o
que nao se encarrega de prover aos neg- ntreos cscriptores que formaran! o seu talento
nos, porm sim de recommendar os principios
quanlo forma, porque como Isocrates, toma o
tom de orador c s orador com a penna na
eque podem formar em geral o dos oradores sa-
grados. V-ge mesmo, pelo modo por que se
exprime, que Isocrales lhe convem mais do que
Demoslhenes para esludo dos plegadores, e com
effeito suas allocuces sao especies de predicas.
Tenho lido poucos livros francezes, coque
PQ-
(1] Esse discurso foi publicado por M. Babing-
lon, em Cambridge, segundo um papyro do Ilri-
tuseum. M. Deheque deu a Ia edirao fran-
cesa desse mesmo texto traduzido. Era necessario
essa descobeita para que se podesse acrescenlar
alguma cousa ao ensato sobre
Algumas phrases por exemplo como as do
Dgradecimenlo a Narcelia, que contara as ma-
r.ii ilhas da vida de Cesar, igualando a grandeza sei de estylo tenho aprendido dos livros latinos, |
dos objectos com a dos palavras, e locando, e un pouco dos gregos, de Plalo, de Isocrales c
p< i assim fallar, as mais bellas msicas com que Demoslhenes, de quem lambem li alguma cousa
i jamis foi saudada uma gloria lao retumbante da j____________________________________________.
guerra Obstupuent posleri ceter imperio, pro- (3) Esta icllcxo faz pensar em Pliuioo Moco,
vietas, Jllicnum, Uceanum, Nilum, pugnas -lhe applicavel, porm de maneira diversa que
inumerabilis, incredibiltsvictorias, monumento, :-Balzac, de quemdifferc lanto pela importancia
alcaocado.
Aqui apresenta-se a queslo lo vasta c com-
plexa da transformarlo dos gosios segundo os
da
decadencia segundo oulros, a que s lilteraluras
obedecom. Nao quero perder-me n'ella, e re-
duzindo-a ornis possivel, limitar-me-hei a co-
nheccr os effeitos provaveis do movinicnto que
assignalei. De uma parle desdenhando-se a
bella linguagcm, enlregando-se os homens a
ella s com loda a cautela como dizia Foiile-
nelle fallando do sublime, corre-se o risco de
cahir na vulgaridade da lingua e do pensamen-
lo, a lingua tornar-sc-ha fracs e descorada, o
pensamenlo nao lera mais distineco nem dig-
nidade.ror outro, lado uma
elegancias da forma o ellem.
inar ludo eo enlnusiasmo nao se fatiga com esse
esforro. Para salisfizoro enlhusiasmo, arelho-
i rica nao tem (orneios muilo engenhosos, nem
(4 Escripto inedilo publicado por M. Floqucl figuras muito sabias, nem periodos muilo souo-
em seus F.studos sobre a vida de liossuet, tomo 2o ros ou cadenciados ; o gosto mais puro consenle
; enlo o apparalo, do mesmo modo que o amante
' acha que sempre sao poucos os rnalos para cn-
Apezardesua cnormidade, pude por muitos
- andar duas milhas para ir de sua casa i
groja, onde permaneca habitualmento, e por
liui vio-se constrangida a nao sahir inais ; quan-
do caminhava perda a respiraco e era aecom-
meltida de vilenlas palpilaces. Depois j nao
nguagen, socrtica e lana prcisao, lln. /, e g? TSCJ^vlT" P',S'0 "^ ^
elegancia om faze-las valer; seremos mais sen-
nio de uma nreoccupaco mais viva pela csseu-I
cia ; o Irabalho de eslylo suppe com vagar qu
siveis a seus mritos.
Aprecia-las-hemos anda melhor se livermos
de louvar, porque onde cssa eloquencia faz
maravillias, em louvar 0 que admiramos eo que
amamos ; u:n bello genio, ura homem heroico,
ou o maior e o mais querido de lodos os hi
. a patria. A arte isocrale fcia para laes occa-
a corta mdifferenca s sioes, o seu ment igualar o Irabalho do cstylo
cite natural c legili- fus jgencias da admirago; procura fazer bri-
do r Vi
a orQro fnebre.
numera, triumphos (ludientes el legenles tuos.
Cito sem Iraduzir, aproveitando-me desta vez de
ser o lexlo s laliin ; sera mo
! uma traduccao o brillio dessa
i ora.
apagar com
lingua so-
l como pela digndode pessoal. Demais intil
j comparar Plinio a Isocrates, porque esle per-
: tence a um seculo de requinte Iliterario e dis-
: cipulo dos meslres da escola classica, ao passo
j que Isocrates professa uma arle nova.
B E X G A L V
I*or lladams
DE BALZAC. O
E. de Girai-di;i.
XXI
Um fantasma.
Eis-aqui dous caracteres que parecen) inven-
tados de proposito para a minlia bengala, pen-
soulancredo. Lina rapariga visionaria, que nao
i-jueaz, que nao escuta cousa alguma,que
nao repara onde esl, que se julga eslouvada, e
que esp-era enganar-se sempre ; uma mi muito
leriosamenle. Esta observaban nao o deixou mui-
lo lempo na incerteza. Cada vez que via Cla-
rissa, amava-a mais; ludo o que cm sua alma
descobria de candura ede poesia o attrahia ; era
a inspiraco sorprendida no que lem de
sublime; era umamor conhecido c observado
na sua brigem, na sua pureza priiuitj^a, um
amor vago e joven como a fulhagem da prima-
vera ; era emfim o myslo o mais gracioso ; um
sonio de amor n'um coraco cheio do innocen-
Clarissi linha contado esta apparico a sua
mi, mas vamos referir uma que ella nao cou-
lou.
cia, uma vista de genio e ura sorriso de enan-
ca.
Esta situaro de observador invisivel linha
tantos encantos, que Taucrcdo deleitava-se em
prolongar, o comludo j amava muilo ; masa
ternura que inspira uma rapariga mais chcia
dirpaciencia ; tem-se pena d'esla ignorancia que,
Tancredo linha recebido uma carta de Balzac,
mais <|uc lhe parlecipava a sua prxima volta a Paris.
momento de dar a bengala ao scu dono li-
nha cheg.ido, era preciso, pulanlo, aproveitar-
sc do seu poder.
L'ma manba que Tancredo linha ido visitar
Clarissa,enconlrou-a toda banhada em lagrimas,
iiii triste siluaco esta para um rapaz que
C invisivel, ver chorar a mulher que ama, e nao
poder perguntar-lhe o que a aflligc nem poder
consola-la.
crdula, costumida as criancices de sua fllha, n'um da de amor, a deve arrebatar ; um adeus
.ue lauto gosla das suas distraeces c que as' '
considera corno provas de poesas : quanlas mais
e ncomprehensiveis liver
mais poelica a julgaro;
ouea uinguem o sabe-
idrias extravagantes
esla rapariga lano
loando mesuio eslivesse
:ia.
Tanccedo nao se atreven a seguir Clarissa ao
loarlo; um scuiimcnto de respeilo o releve ; um
xiutro seiuimeuto lhe inspiran lambem esla leli-
tade/a : nioousava arriscar-sc a fazer uma ap-
paricao com tun sobreiudo : eslava muilo mal
veslino, Doeslava eJegaste bastante para um
ideal. Alm d'isso amava muito j para nao fa-
zer caso de si; quando amamos, adquerimos
nos nossos olhos, nma grande importancia, nuu-
r.a nos m.ostramos mal.
Logo que lhe foi possivel sahir da casa da Sra
llandais, fioriinoirt voltou para sua casa. No
Clarissa, c conheccii que se linha ligado a olla,
em ura sdia, como sea conhcccssu desd a sua
infancia.
Tinha-a adiado lo gentil, lo simples, que
esqueceu que ella fazia versos. Foi por vaidade
que citse recordou d'isto. Este papel de ideal
vjuese dispunha a representar lisongeava muito
o seu orgulho, e o reeonciliava com a sua mui-
to grande belleza, vanlagcm que lauto o havia
eilo soffrer. Com elTeilo era uma nobre arabicao
fazer-se Apollo de uma lo encantadora sibyla,
; realizar to poticas chimras, fazer-se senhor
de lo bellos sonhos, dominar uma imagiuaco
to pura; emfim fazer-se adorar como 'anjo,
quando linha tudas as qualidades de um liber-
tino.
Comludo, como Tancredo era, por fim de con-
tas um homem honrado, nao quiz arriscar-.se a
or amado antes de saber so Clarissa se agrada-
ra bstanle para que pensasse ligar a sua vida, a
d'ella, e poz-se primeramente a observar mys-
' sempre triste, mesmo quando este condnz
ventura.
re sem saber porque, vivia
ida apparico lhe fazia entrever o gracioso fan- lnl.ercssante rapariga e sua raai; escuta va.
sma. e ento a linda poetisa surria, cosluma- Pr,">e'ramente ellas cannnharara silenciosas,
a-se a essas visos, j centava com ellas ; se um a Sra" Blanda,s lomou a palavra.
*} Vidc 0 diario n, 20.
Clarissa era ale_
n'uma almosplicra do amor que a embriagava.
Tancredo invisivel eslava muilas vezes junto
d'ella ; esta presenta oceulta operava em sua
alma em que ella o'soubesse. Asvezes uma ra-
P"
Usma
va
eslas lhe tivcssem falhdo muitos das, leria si-
do infeliz I A sua vida passava docemente ; ora
em azer poesas da juveniudc e esperanra, ora
a divagar no jardim bastante espacoso da casa em
que tiabilava ; canUva muitas vezes, horas in*-
leiras, arias que eram conhecidas e algumas que
na sua alegra improvisava. Sua mi, que ou-
via as suascances, pergunlava-lhe :
Que leus lu ?.., Que que te di tanta ale-
gra f
Nao linha cousa alguma; linha dezosseis an-
nos, c diverla-se; isto era bastante para expli-
car a sua ventura. O eductor fantasma concur-
ra tamben) para esla alegra, mas Clarissa nao
podia sabe-lo, posto que acredtasse que eslas
apparices extraordinarias eram um effeito da
sua imaginarn.
Algumas vezes fallava d'isto a sua mi rindo :
Minha mi, dizia ella, aconleceu-me bon-
tcm urna cousa bem singular : quando eu com-
punha o cabello ao espelho... a senhora rai rir-
se de mira.
Ento ?
Vio meu ideal!..,
No espelho?...
Sim, e eu vollei-me muilo depressa, jul-
gando que estava atraz de mira; mas nao visig-
tial algura do meu ideal, comludo parece-me
que poda jurar que ouvi rir.
Vamos, disse a Sra. Blandais, agora j quie-
res ouvi-lo ainda ha pouco lempo que te con-
tentaras com ve-lo.
A pobre menina chorou muito lempo ; mas
brevemente vcio sua mi, que lhe ordenou com
um tora severo que-pozesse o chapeo, c que fos-
BO passear com ella ao jardim des Plantes. O
passeio era longo, e assemelhava-se a uma pu-
nicao. A Sra. Blandais linha f as marchas tor-
eadas para acalmar a imaginarn muito exaltada
de sua filha. Era evidenle que a Sra. Blandais
linha ralhado a sua filha. Porque ? era isto que
Tancredo queria saber. Para este fim seguio a
mas
por
Tu has de le arrepender mais tarde, minha
filha, lodas as las ideas lehode engaar, nem
urna s le ha de levar a bom Uro ; alera d'isso,
esse rapaz muilo amavel, e quando a Sra. de
D*** se interessa tanto por elle, cortamente 6
um hornera muilo distincto. Se perdes todas as
occasies, nunca has de casar ; o leu ideal ou
invisivel nao te esposar, e tu has de ficar velha
sendo ainda solteira. Na verdade, minha filha,
lu fazes mal em perder as occasies de bons ca-
samento* por causa de sonlios loucos. O meu de-
ver fazer-tc cunhecer a felicidade real; per-
doei-lc quando recusaste casar com um homem
muilo mais velho doque tu, mas d'aqui por di-
anle hei de ser mais 6evera para comtigo.
Ah j sei, pensu Tancredo ; pobre rapari-
ga I sua mi atormenta-a, preciso dar-lhe ra-
zo.
Tancredo acompanheu Ciarissa at o jardim
des Plantes, depois, deixando-a entregue aos
animaos ferozes, foi para casa escrever a sua
mi dando-lhe a saber os seus dous projectos de
casamento. A' noite voltou para junio de Cla-
rissa, que se havia recolhido cedo, fatigada cura
seu longo passeio, o dorma a somno solt. Dor-
montpcnetrou no seu quarto, abrindo a porta o
mais devagar e mais subtilmenlc possivel.
Clarissa nao ouvo rumor algum : n'esta idade,
o somno um.lelbargo.
Tancredo tieou admirado de achar Clarissa j
deilada e adormecida ; aproximou-sc do seu ei-
lo docemenle, e escutou a respiraco tao igual,
pag. 507.
(5) Agradou a Vauvernague fazer m retrato
de Fonlenellesob o nome de Isocrales. sem dn-
vida porque ambos vivera m periodo rom annos,
c ambos foram tlenlos pouco npaixonados, po-
rem o tlenlo de Fonlenellc nada lem absoluta-
mente de oratorio e por conseguintc em napa
se pareen com o de Isocrales.
que prava um somno verdadeiro c lo profundo
que nao deixa renascer uma lembranca.
Como ella dorme socegada ! pensou Tan-
credo.
E este somno, que causara iuveja, inspirou-lhe
muito respeilo.
E' isle o sonno, e de uma pobre rapariga.quc
chorou muito, disia elle comsigo; como deve es-
tar fatigada, um passeio tamanho era Pars. El-
las nao quizerara ir cm carruagem por ceremo-
nia, c Clarissa lalvez quizesse anles vir a p do
que expor-se n'uma carruagem de alluguer; gos-
to dislo, agrada-mc esta especie de orgulho. Cla-
rissa de uma natureza muilo delicada para a
sua condieo. Que ventura ser rico poder
dar-lhe, no mundo, a posicao que ella merece.
U' minha linda Clarissa, quanlo le amo I
E disendo eslas palavras, Tancredo imprimi
na mimosa face de Clarissa um casto beijo :
Clarissa nao acordou ; Tancredo, a quem este
sculo linha perturbado, aventurou outro mais
lerno.
Clarissa nc accordou. Enlo Tancredo poz-
se a rir, e assenlou-se n'uma cadeira perto do
leilo e vio como a ingenua visionaria dorma.
Ficou cm conicroplaco, durante alguns mo-
mentos diante d'esla doce imagem, e lodo o seu.
porvir se mostrou a seus olhos: imaginou os dias
ditosos que havia de passar junto de Clarissa,
o prazer que (criado a levar em sua companhia
c apresenla-la a sua me; estava bem certo de
que a Sr. Dorimont havia de estimar Clarissa:
esta rapariga devia agradar-lhe por o seu espi-
rito, por a delicadeza de seus scntimcnlos.
Tancredo pensou neslc povircom que amea-
cavam Clarissa ; e pergunlou a si mesmo qual
era a raso pela qual a Sr.a D"** queria casa-la ;
fez amargas reflexes sobre a mana destas senho-
ras, que querem sempre proteger, sem se recor-
dar, ingrato, que devia a esla mania o prazer de
ler visto Clarissa : lisongeou-o muilo a dea de
que esla rapariga recusou um casamento por
causa d'elle, a quem esla pobre menina nao co-
nhecia, e a quem amava em sonhol
Trancedo vio que linha sido para ello um aca-
so bem feliz o seu encontr com Balzac ao qual
devia sua fortuna e sua felicidade, e agra-
decen, do fundo do seu coraco, a Balzac por lhe
haver emprestado esla maravihosa bengala. Na
mente, linha comprado uma linda casa de cam-
po em Blois, e linha preparara n'ella, para o seu
melhor amigo ura quarto, que s elle tena o di-
reito de oceupar. Lcmbrou-se lambem do Nan-
tua, dos socorros que linha achado n'elle, e da
brilhante fortuna que Iho devia ; destinou lam-
conservar de da e di
liz elle fallando de 11o-
(0) Curiosa feliciten
racio.)
(7) Dos caracteres do alticismo na eloquencia
de Lysias, por Julio Gfoard,
n-se pois condemnada a
e noilo uma posicao vertical.
sentada em uma cadeira ou na cama A natureza
se faligou logo desse genero de vi la, e bem de-
pressa Marra Clay f,i conduzida doenle ao Hotel
Dieu, onduem breve falleceu.
Ha vinle annos va-se em Paris uma altrala,
rredcriqne Ahrrens, que linha 20 annos c pe-
sa, a |., i libras ; a cintura era de 5 ps c 5 polle-
gadas do circunferencia, exactamente a mesma
extenso que a altura. Nao era rica e alimen-
lava-se de prefeconcia de legumese leilo. Mos-
(rava-se na Italia, no lempo em que l estova-
mos, um joven de 16 annos de idade, de bella
presenca, mas de uma gordura espantosa, s o
venlrc linha duas bracas de circumferenria ; per
ah pode-se calcular a grossura de seus raembros
superiores o inferiores ; pesava CU libras o jo-
ven F. Pereiro, e fallara o hespanhol, francez o
uguez, leudo viajado por muito- paizes como
port
curiosidade.
paizes como
ConinMar-se-na).
racao cheio de candura que nunca amou.do qual
livesse a primeira emocae, a primeira alegra....
boa occasio, mas depois julgou-se
honrado e que de certo havia de
um homem
corar de ler
E como lodos estes pensamenlos erara "muito abus* da innocencia de uma rapariga ; emfim,
doces, embalaram-0suavemente... Pouco a pou-icomo "lllia D0.m P9?'i vio quo era um egosta,
por que respeilava j, na purosa de Clarissa, a
reputaco de sua mulher.
Clarissa passou o dia alegremente, mas com
uina grande craoeo no fundo do coraco, com
uma agitaeo vaga e ardenle que tintos encantos
lem imaginou que tlnha sido uma viso, um
somao agitado, consequenciado longo passeio.
Eu linha febre, sem duvida, disia ella,
uma obre de canenco.
E nao pensou mais n'islo.
Quando chegou a noule tornou-sc mais tmi-
da; um instincto a advertid de desconfianza; o
nao ousou deitar-se.
Fu nao tenho somno, vou ler... nn, vou
copiar os versos deca querida Valraore de quo
tanto gosto ; como linda esta poesia ; Anjo-
co, o scu passeio da raanlia, o silencio, a pen-
ca luz, a sympalhia do somno, apuresa dos seus
scnliracnlus, lalvez, inlluiram sobre os seus sen-
tidos, e sem querer, arrestado pelo exemplo,
acabou por se adoi mecer lambem.
Sua fronte inclinou-se lentamente sobre o leto
e a bengala, que uma mo sem torca nao podia
sustentar, cabio sobre o tapete.
Quando rompen o dia, Clarissa abri os olhos...
Qual nao foi a sua admira :o, o scu terror, ao
verum homem, ainda que tao bello, adormecido
junto do seu leito !.... Foi (auto o seu medo que
nao pode fallar ; licou um momento aterrada e
estupefacta; por fim, ganhaudo animo:
Minha mi! exclamou ella.
Tancredo accordou em sobresalto... porm f- '"llu *u^lu '
cou alguns instantes sem saber onde eslava ; para a."',","
ulhaiaa linda rapariga, mas os olhos d'esia, lixos Assontou-s
la. Depois, pensou no praserde ter uma lin-
da mulher s sua, uma rapariga muito ingenua
c innocente, & quem o amor causara medo e a
quem uma panarra fazia corar; n'um joven co-
n'elle cora temor, o perlurbavam. < Pelo que
vejo j nao son invisivel, pensava elle.
Enlo lembrou-se da sua bengala, o vendo-a
cabida a seus ps comprehendeu de que modo
se linha Irahido.
E experimentou primeiramentc um
oslo, recordando-se do segredo que
.vivo
linha
dcs-
pro-
mellido guardar a Balzac; mas no mesmo ins-
tante, lembrando-se do carcter crdulo de Cla-
rissa, tranquilisou-se. Toiuou a bengala repen-
tinamente e cessou de ser visivel.
Os olhos de Clarissa fi.xavam-se anda n'elle :
mas. como ella o nao via. o seu olhar tinna-se
mudado : como estranho! quando Dorimont
eslava dianle de seus olhos linha medo,e ago-
ra que o nao via, estava trislc.
Clarissa ficou algura lempo a refleclir, e, nao
vendo pessoa alguma no quarlo, e notando que
a porta eslava bem fechada, persuadio-se de que
nada linha visto.
Que sonho to singular! disse ella suspi-
rando.
E depois repousou novamenle a cabeca no tra-
vesseiro, lalvez com a esperanca de o continuar.
Tancredo gostou tanto d'esla crcduhdade !
Ella pensa que esta apparico muito na-
tural, pensava elle; e lhe muilo mais fcil acre-
ditar que perde o juiso do que imaginar que um-
homeni que a ama a queira seduzir.
Eis aqui a razo pela qual os espirilos eleva-
dos sao to facis em sodeixarem engaar, posto
que as cousas as raais extraordinarias, as fasci-
narles, os phenomenos, os milagrea, tudo em-
beoina sua casa ura pequeo quarto para Nan- hflralhes parece mais provavel do qneuma roa aeco
Tancredo voltou para sua casa, rindo-se de'sla
noite de amor pascada to pacificamente; pri-
meiramenle imaginou que linha sido um praso
que se nao tinha sabido aproyeilar de uma lo
se dianle da sua pequea mesa, mas
ao menor ruido levanlava os olhos, c estremeca.
< E se elle vnha ? pensava ella.
Clarissa lembrou-se de repente que havia uma
porta secreta no seu quarlo, e couiecoii a fazer
um minucioso exame; porm esle era lo pe-
queo que imruediatamcule lhe passou revista:
ali nao havia porta secreta, nem Irapassa al-
guma que servisse de auxilio a menor aventu-
ra fantstica n'esta pacifica babitacao. Clarissa
envergonhou-sc da sua busca ; lcmbrou-se do
quanlas grae.as sua mi lhe leria dito se a vase-,
por alia noite, procurando um fantasma. Por
fim, poz-se a escrever; passou toda a noule sem
sedespir c sem dormir ; disia comsigo que nada
tinha a temer, mas obrara como so, estivesse em
perigo.
Tancredo foi ve-la de manba ; achou-a mili-
to plida, o lembrando-se que ella nan tinha
dormido loda a noule, arrependeu-se de lhe ter
causado tanta inquielaco procurou portante
um mcio de a Iranquilisar.
Pobre rapariga se assim passa muitas noi-
tes cahir doenle pensou Tancredo.
Enlo uma idea extravagante lhe passou pela
cabeca : emquanto que Clarissa estava junio de
sua mi, Taucredo tomou a penna que ella aca-
bara de pousar, e, em conlinua^oao paragra-
pho meio copiado, escreveu estas paiavras :
Amanha nao rirei.
Tancredo.
[Coninuar-se-ha.l

i
i
PER.N. IYP. DE M. F. DE FARIA. 186,
i