Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08909

Full Text
HO XXX?. MEHO 283
SEGUNDA FLIRA 12 DE DFZSM3R0 DE 1859.
Por tnno ailianlado 19S000. "
Porte franco para o snhseriolor.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIFCAO DO NORTE.
Parahiba, o Sr. JooRodolpho Gomos; Natal,
o Sr. Antonio ferqnesda Silva Aracaty, o Sr. A.
do Lomos Braga ; Ccan. o Sr. J. Jos do Oliveira
Maranho, o Sr. Manoel Jos Martin? Ribeiro
Cuimares; Piauby, o Sr. Joio Fernandos de
Muraos Jnior; Para, o Sr. J^i.m. .. nomos;
Amazonas,o Sr. Joronvmo da Cosa.
l'AiUinA IXJS l.Olil.EiOs
Olinda iodos os das as !> 1 2 horas do dia.
Iguarass, Goiannac Parahiba as segundase
sextas foiras.
S. Anteo, Becerros, Bonito, Caruar, Altinhoc
Garanhuns rus Ierras foiras.
Pao d'Allu, Nazarelh, Limoeiro, Brejo, Pes-'
queira, (ngazeira, Floros, Villa Bolla, Boa-Visla,
Ouricury e Etii as qnartas-foiras.
Cabo, Serinhem, Rio Formoso, Una, Barreiros,
Agua Prcla, Pimenteiras o Nalal quintas feiras.
[Todos os corroios parlo as 10horas da manhaa.]
AUDIENCIAS DOSTRIBUNAES DA CAPITAL
Tribunal do commorcio: segundas o quintas.
Relacao ; tonas feiras o ssbbados.
Fazeoda: tonas, quintas o sabbados as 10horas.
Juizo do coromcroio: quintas ao mriodia.
Hito de orphos: tonas o so.vtas as 10 horas.
Prireira vara do rival; trras e sextas no meio din
Segunda vara do civel: quarlas c sabbados ao
meio da.
PARTE OFFICIAL
EPHEMF.KIDES l>0 HEZ DE DEZEMBRO.
2 Quarlo crescenle as 11 horas e 30 minutos da
manhaa.
10 La cheia aos 53 minlos da manhaa.
16 Qnartominguaute as6 horas e 56 minutos da
tardo.
24 I.na nova as 3 horas c 27 minutos da ma-
nhaa.
PHEAMAR DE IIOJE.
Primeiro as 6 horas e 54 minutos da manida.
Segundo as 7 horas o 18 minutos da lardo.
GOVEUAODA PROVINCIA.
Fvpeilienie do di 15 de notembrii.
Ollicio ao Exm. prosiilonio da provincia de Al.i-
P is.Km resposia ao ollicio do V. Exe. do 5 do
trrenle, lenho a declarar que tiesta dala man-
do fornecer osobjocins constantes do podido an-
nt xo ao mesmo olRcio.
Quanto, porciu, plvora, expern ordom para
que sajan logo remedidas 45 arrobas, o rogo a
v Exe. so sirva de declarar-nie se necessila <\~~
ro.aior quantidade, alim de serom cumpridas suas
ordens.
Bita ao mesrr.o Rcspondcndo ao officio. que
v. Exe. se servio dirigir-me oiu 3 do crrante, so
me oficroce a dizor-lhe quo forain dadas as pro-
videncias para o transporte dos medicamentos
destinados a ossa provincia.
Quanto ao fornecimento da plvora roliro-me
ao officio, quo dirijo uesta data a V. Exe. acerca
do seniclliaule objerlo.
Dito ao commaudaute das armas. Queira V.
Ese. informar sobro o que representa o admi-
nistrador da casa do deleueao no ollicio junto.
Dito ao mesmo.Sina-s'e V. Exe. do informar'
sobro o que pondera o inspector da thesouraria
provincial no oBicio, que vai acompanhado das!
ronmsda dospeza feila pelo commandanle do;
doslacamcnlo da villa do Bonito.
Diloao mesmo.Pode V. Exe. mandar abrir]
asscntaaiento de praca aos reclutas llonovalo Jo- I
s de Andrade, Manoel Lopes Freir o Francisco'
Jos da Silra, aos quaes se refere o seu officio do
hontein, sob n. 097.
Dito ao mosuio.Fieo inlcirado de so adiar rc-
colhido ao hospital militar para ser observado n j
locruta Joao Vicente Ferreira. a quein se refere '
0 ollicio de V. Evo. cora dala de huiiicin. e sob
n. 998.
Dito ao mesmo. Auloriso o dispendio da
quanlia do 24$ ris cornos solventes, que se com-
prometiera a limpar durante a noite o largo do
hospital militar, como V. Exe. decliracm son o-
Ocio de horitem, sob n. 1000. Communicou-se
su inspector da thesouriria do fazenda.
Dito ao presidente da relacao. Sirva-so V.
rc. do dar o son parecer sobro, o ollicio incluso
to subdelegado de polica da fregnozia do Ex
Hito ao inspector da thosouraria de fazenda.
Trasmiti a v. S., para os convenientes exames,
as actas do conoc no administrativo para fornc
lmenlo do arsenal de guerra, datadas de 7, 17,
21, 24, 29 e 31 de oulubro prximo lindo.
Dito ao juiz de direito interino do Rio Porrao-
>o.Pelo seu officio do 9 do corronto, fiquei in-
teirado de ter Vmc. nomeado a Antonio Americo
de L'rzedu Jnior, para esnreer interinamente as
t incoos de promotor publico nessa comarca.
1 izoram-se as commtinicaces uecessarias.
Dito ao director do arsenal do guerra Mande
me. satisfacer a requisicio constante do officio
.unto or copia, do tencnle general commandan-
le das armas, com data de hoiilcm, sob n.999
Uommuturuii-se ao commandanle das armas.
Dito ao mismo.Vista a informaeao do 12 do
( orrente, sob us. 354 e 355, so me o'fferoce a di-
/or-llie quo pode fornocer provincia de AI*-1
g >as es ubjeetos constantes listando a condurco da plvora com quem me-
Inores rantagens olterecer.
Relacao dos objectos.
Plvora grossaarrobas 45
Saceos para cartuchos do
calibre 24.....231
Ditos para ditos de cali-
bre 9.......231
Tacos para calibro 24. il
Dilos para calibre 9. 231
Soquetea con; lanadas pa-
ra calibre 2i 3
Ditos com lanadas para
calibre 9..... 3
Dedciros do couro ... 6
Diloao mesmo.Approvo o contrato que fez
Vmc. com Ambrozio Jos Leandro, para a con-
duccao do plvora destinada provincia das Aia-
goas.
Dito ao inspector do arsenal do marinha.
Mando Vmc. substituir as chapas de metal, que
forram os prtalos do briguc escuna Xing.
i nimunicou-se ao commandanle da diviso na-
val.
Dito ao inspector da thosouraria provincial.
Autoriso a pintura e caladura do edificio cm
quese acbao consulado provincial dispendendo-
at a quanlia de 1:000 j ris, na conformidado
do orcamcnlo annexo ao ollicio de Vmc. com da-
ta de hontein, o sob n. 376.
Diloao mesmo.Podeserfeila a luminaeo
do edificio do consulado provincial, como prope
< respectivo administrador no ollicio annexo ao
de Vmc. com data de honlcm e sob n. 378.
Dito ao mesmo. Na confornudade do aviso
junto por copia, mando Vmc. adianlar a quanlia
que solicita o director interino da roparticao das
obras publicas, emquanlo nao chega a ordem,
que solicita-so do governo imperial para a llie-
souraria de fazenda.Communicou-se ao direc-
tor interino das obras publicas.
Dilo ao juiz mutiicipal da primeira vara.Com
o parecer junto por copia do conselheiro presi-
dente da relacao, respondo ao ollicio, que Vmc.
rae dirigi em ll do coi rente a respeito da iin-
poasibilidade em quo se ada o escrivo do cri-
me do accumular interinamente as funeces de
escriro do jury o exeeuccs.
Parecer do presidente da relacao.
Illra. o. Exm. Sr.Em resposta aotliciojle V.
Exe. do 27 de oulubro ultimo oxigindo o mu pa-
recer sobro o im luso ollicio do juiz municipal
siipplenleda primeira vara desla cidide a res-
peilo >lo ombaraco. em que so acha pela impos-
sibilidade do poder o escrivo do crime accumu-
lar interinamente as ranreocs de escrivo do jury
oxecuccs, cumpre-me dizer que, conforme b
disposlo no art. t'.do decreto n.129 de 16 da
dezombrn de 1853, quando em razio do avultado
expediente dos douscargos reunidos nao possam
OS substituios legtimos accumola-los sem pie-
julzo do servico, podo V. Exe, sob iiiformac;ao do
respectivo juiz, Hornear pessoa idnea, que exer-
oa temporariamente a subslitnioao, mas, nao
Srabolbar.do presentemente o jury, persnado-me
de que nao se faz necessaria esta providencia,
alc-in de quesemolbanies impossibililades do or-
dinaria eustumam sor allegadas quando o cargo
quo se accufflttU ponen rendse.
vista, pois, do expendido, V. Exe. resolver
como entender em sita sabedoria.
Dos guarde a V. E\cIlecife, 11 de novem-
brp del59 lllm. e Exm. Sr. Dt. Luiz Barba-
Hu Muniz Pinza, presidente da provincia.
Agoslinho Ermelino de Leo.
Dito ao bacharol Felismino de Mendonca Vas-
< icellos. Pelo sou ofliefo de hontein," fiquei
iutoiraJo de ler Vmc. naquella data, entrado no
i \ercicio do cargo de juiz municipal c de or-
i l.os do termo du Cabo Fizeram-sc as com-
inunica^es nocessarias.
Dito o bacharol Eduardo de Barros Falciio de
Lncera Cnvaioaoli de Albuquerquo. Polo son
' licio de 11 do corronto, liquei inteirado de ha-
ver Vmc. naquella data entrado no exercicio do
lugar de delegado interino da roparticao espe-
t'al das torras publicas.Communieou-seao ins-
pector da thesouraria de fazenda.
pilo ao inspector de sade publica.Fico in-
teirado da communicaeo, jue Vmc. leve acor-
i ,i de dous casos de febru marella, pelo que fez
1 remover a desinfecto dos casas, cm que. resi-
dom os alTcctndos, como declara em seu officio
de 11 do corrtnlo.
Diloao commandanle do corpo do polica.
No da em que seguir para o sul o vapor que se
espora io ion i-, mande Vmc. apicsntar ao dic-
te do policia i soldados do corpo sob sou com-
msndo, aflm de escollarem at a provincia das
Alngoas um sentenciado c um Criminoso.Cora-
muiiicou-se ao cholo do.polica.
Portara o presidente da provincia, leudo
em vista o que requeren 3o escripturario do con-
sulado provincial Vicente Machado Freir Peroi-
ra da Silva, n bem assim as informa^osdos che-
fes das reparticoes competentes, resolve conce-
dor-lhe Iros mezes de llcen^a com iodos osven-
cimeutos, que II.o eomnetirein na formaeo da lei
para Iralai de sua saude.
Dita.o Sr. agente da coinpanhia brasileira
do paquetes a vapor mande dar passagem de con-
vez para o Bio de Janeiro em lugares destinados
para passageiros de estado a Pelisberlo Jos do
Espirito Santo, que te.ebaixa do servico doexer-
cilo o sua inuliier.
Dita, O Sr. agente da companhia brasileira
do paquetes a vapor mando dar transporte para
a provincia das Alagoas, no vapor que se espera
du norU'i ao sentenciado Guilnerme .los dos
Santos, ao criminoso Joao Marques da Paixao, e
a quatro soldados do corpo do polica, que os
vio escollando, decenio as respectivas despegas
sor pagas n3 jiielli provincia.Communicou-se
ao chefe do polica.
Expediente do secretario do governo.
Officio ao com man lanle das armas.S. Exe. o
Sr presidente da provincia manda communicar
a V. Exe, cm rostosla ao seu ollicio de 12 do
correte, sob n. O'J, quo, por despacho desla da-
la se autorisou o inspector da thesouraria de fa-
zenda a mandar pagar as gratificac6es, a que
tern direito as pessoas, que apprehederam os 4
desertores do 4' batalho de artilharia a p
mencionados no dito ollicio.
Dito ao mesmo.S. Exe. 0 Sr. presidente da
prouiucia manda declarar a V. Exe. que ne.sla
dala dirige ao governo imperial sobre a materia
do officio do V. Exe. com dala Je 12 do correte,
sob n 993, relativamente ao presidio de Fer-
nando'
Dito ao commandanle superior da. guarda na-
cional deste municipio.S. Exe. o Si. presidente
da pjorineia manda communi-ar a V. Exe, em
resposta .o sou ollicio dol do corronto, que,
pordjspaeho desla data se remelle ao inspector
da thesouraria de fazenda para os convenientes
assonlamenlos a ola das Oliacdes do lambor-
mr e tambores, que se contrataran! para servir
no 2" batalho de infantaria da guarda nacional
deste municipio.
Dito ao chefe de polica.S. Evc. o Sr. presi-
dente da provincia manda communicar V. S.,
em rosposia ao seu ollicio de 11 do corrente, sob
n. 1228, que acaba de autorisar thesouraria
provincial a pagara quanlia de 26J280 ris des-
pendida nao s com o aluguel das casas, que
sorvem de quarteis aos destacamentos do termo
de Serinhem o barra do mesmo nomo, mas lam-
beta com o fornecimento de luzes pira os referi-
dos quarteis.
Dito ao mesmo.De ordom de S. Exe. o Sr.
presdeme da provincia cowmunico V. S. que
nosta dala autorsou-sc a thesouraria provincial
a pagar a quanlia de I05i00ris, despendida no
mez de outubro ultimo com o sustento dos pro-
sos pobres da cadeia do Brejo, como se v da
cenia, que acompanhou o ollicio de V. s. de ll
do concille, so'.t n. 1230.
Dilo ao mesmo.A thesouraria provincial tero
ordom para pagar, avista da conla que acompa-
nhou o ollicio de V. S. de hontein, sob n. 1,212,
a quanlia de 71 $200 ris, despendida no mez de
outubro ultimo coro o sustento dos presos po-
bres da cadeia do Cabo : o que communico V.
S. de ordem de S. Exe. o Sr. presidente da pro-
vincia.
Dito ao mesmo.Por despacho de hojo aulo-
risou-so a thesouraria provincial a pagar a quan-
lia de loj despendida no me? do setembro ulti-
mo com o sustento dos presos pobres da cadeia
de Garanhuns, como se vedo oBicio, que V. S.
dirigi S. Kxc. o Sr. presidente da provincia
em dala de honlein, o sob n. 1213.
Dilo ao inspector do arsenal do marinha.S.
Exe. o Sr. presidente da provincia manda com-
municar V. S., em resposta ao seu ollicio de
hootom, sob n. 283, que, por despacho desla
dala, se autorisou o inspector da thesouraria de
fazenda a mandar pagar a Luiz BorgCS de Cer-
queiro a quanlia de 47, em queimportaram os
Objectos comprados para o lelegrapho da lorie
do Collegio.
Diio ao commandanle do presidio do Fernan-
do.S. Exe. 0 Sr. presidente da provincia man-
da declarar V. S. quo nesla dala se dirige ao
governo imperial sobre a materia do ollicio de
V. S. de 5 do corronto, sob ti. 10.
Dito ao presidente do Conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra. De or-
dem de S. Exe. o Sr. presidente da provincia de-
claro a V. S., em resposta ao seu ollicio de 11 do
corrente, sob n. 99, que nosta dala se autorisou
o inspector da thesouraria de fazenda a mandar
pagar, estn lo nos termos lgaos, aconta dos
objectos comprados para o presidio de Femando
na importancia de 8l7j050 ris.
- 16 -
Ofict) ao Exm. presidente da provincia de
Alagoas.Acenso a recopeao do ollicio, que V.
Exe. se servio dirigir-me em 14 do corrento a-
cerca da uomoaco de um agente consular para
o porto do Macei.
Dito ao do Espirito Sanio.Accuso a recepeao
do officio, qne V. Exe. se servio dirigir-me em
20 de outubro prximo lindo com dous exempia-
res impiessos do rolatorio, apresentado pelo
Exm. Sr. I). Joao Jos Coutinho.
Dilo ao do Alagoas. Pelo paquete que segu
hoje para a Europa rao sor enviados os oilicios
que acnmpanharam o de V. Exe. de 11 de oulu-
bro ultimo, sob u. 21.
Dilo ai Exm. Sr. Francisco Culos de Araujo
Brusque, presidente da provincia de Sania Ca-
Inarina.Picando inteirado de haver V. Exe. lo-
mado conla da admiuistracao dessa provincia,
agradece os seus offereciineutos, assegurando-
Ino que lere sernpre a maior salisfaco em cum-
plirs ordens de V. Exe
Dito ao commandanle das armas.Deferindo
nsta dala o requerimento, em quo o preso Eu-
sebio Pinto pede ser removido da fortaleza do
llrum para a das Cinco Punas ; assim o com-
munico a V. Exe para sua iutelligencia.
Dito ao mesmo. Queira V. Exe. informar com
0 que I he constar a respeito do lenle Candido
Francisco de Sanl'Aniia, de que trata o aviso
junio por copia expedido pelo ministerio do im-
peli em do correle.
Dilo ao commandanle superior da guarda na-
cional deste municipio.Constando de commu-
nicacio expedida pola secretaria de estado du-
i negocios da jusliga, em data de 5 do corrente
que, por decreto de 2 de outubro ultimo, houve
in._M. o Imperador, por bem nomcaro maior Jon-
qinm jse da Silvoira Inncnte-eoroncl comman-
danle do batalho n. 1 de artilharia da guarda
i nacional desta provincia : assim o communico
a \. Lxc. para sua iutelligencia, c afirn de o fa-
zer constar ao nomeado.Arcusou-se a recopeao
1 da communicaeo.
Dilo ao mesmoSirva-se V. Exe. de informar
sobre o requerimento incluso, que vai acompa-
nhado do officio do Exm. presidente da provin-
cia do Rio Ciando do Sul com data de 20 de ou-
tubro ultimo.
Dilo ao mesmo.\ vista do que pondera o
commandanle superior da guarda nacional dos
municipios do Olinda o Iguarass, no officio jun-
to por copia, sii va-so V. Exe. de ver se possi-
vel aquarlelar de algum dos corpos do seu eom-
mando superior 50 praoas, sem seren das que
que se eslao fardando para as paradas, que le-,
rao lugar quando chegarom SS. MM. II.
Dito ao director da faculdade de direito desta
cidado.Conslando-mo, de communicaeo da se-
cretaria do oslado dos negocios do imperio, que
fura nomeado o Dr. Francisco Piolo Pessoa para
0 lugar de professor substituto das aulas de la-I
lim, inglez e franeez da faculdade de direito des- I
la eidado : assim o communico a Evo. para sua
iutelligencia, roiuetioudo a notta dos dircilos o
niais despezas, que o nomeado lem de pagar, alim
de que se possa expedir sua carta.Ficerauvso
as outras commnnicacoos uecessarias.
Dilo ao presidente da relacao.Na eonformi-
dado do aviso expedido pelo ministerio da jusli-
ea, em 22 de oulubro prximo lindo, remello:
por copia a V. S., para seu conhecimento, a re-
solucao da consulta de 23 de Janeiro de 1856 a-
cerea da baso do caljuln dos direitos de habili-
tadlo, de quo traa o 42 da tabella anuexa I
lei de 30 de novembro de 1SU.-rltcmctteu-si-
copia da mesuia rcsuluco aosjui/.es municipaos
e aos de direito.
Dilo ao mesmo.Remello por copia a V. S. o
aviso expedido pelo ministerio da juslica, decla-
rando que nao licito aos promotores pblicos i
adrogar em certas causas.Kemolleu-se copia
do mesmo aviso aosjuizes de direito.
Aviso de qne cima se trata.
2J seceo.Ministerio dos negocios da juslic.a.
Rio do Janeiro 31 do oulubro de 1850.Illm.
e Exm Sr.S. M. o Imperador manda declarar
a \ Exe. para o fazer constar aos diversos pro-
motores pblicos dessa provincia, que, nao Ibes
sendo licito advogar lias causas crimes, salvo nos
casos excopcionaes, em que derara o seu patro-
cinio a indiciados com cites ligados pelos laoos
de sangue, do mos'mo modo Ibes prohibido a'd-
vogar naqucllas, que, emboraciveis, podein ali-
nal lomar o carcter crime, como sejam as do
falleucia
Dos guardo a V. ExeI. L. da Cunlia Para-
nagu.Sr. presidente da provincia do l'einam-
buco.
Cumnra-sc. Palacio do governo de Pornani-
buco 10 de novembro de 1859. J. B. Moni/.
Iiuza.
Dilo ao inspector da thesouraria de fazenda. ;
Suva-se V. S. de expedir, com toda urgencia, as :
ordens uecessarias para que na alfandoga desla
cidado sejam despachados os objectos, quo vio- i
rain com direcoo a esta presiderjfia, lano no:
vapor Paran como no inglez chegado boutoni. I
Dito ao mesmo.Com a copia inclusa do avi- ,
so expedido pelo ministerio do imperio om 22
de oulubro prximo lindo, remello a V. S. os'
papis relativos a quanlia que Lui/. Jacques Bru-
nel reclama pela eomraissao decollegir amostras
de ierras, alim de que sejam salisfeilas as exi-
gencias do mesmo aviso.
Dito ao mesmo.Ordene V. S. ao inspector da
alfandoga desla cidado que remella cora urgencia
ao ihesouro nacional o requeriraeulo do que
trata o aviso junto por copia, expedido pelo mi-
nisterio da fazenda era 24 de outubro prximo
lindo.
Dito ao mesmo.Remello por copia a V. S. o ;
aviso expedido pelo ministerio da guerra em 2
do corrente, a respeilo do astrnomo Bmraanuel
Liis, e.dos priineiroslenenles Joao Baptista da
Silva, Lu/. Antonio, de Souza Pilanga e tiacharel
Januario Candido>. Oliveira, incumbidos da
commissao, a que sMeiexe o aviso, tambera jun-
io por copia, de 24 de oulubro prximo lindo.
Dilo do mesmo.Declaro a V. S. quo, segundo
conslou-rae de communicaeo da secretaria de i
oslado dos negocios do imperio, foi nomeado
Antonio Pereira da Rocha, por porlaria de 2 de!
outubro ultimo, para o lugar do agente do cor-!
icio do Ro Formoso, vago por demissao conce-
dida a Manoel Marcelino Paes Brrelo. Fue-!
rara-se as communieacocs necessarias.
Dilo ao presidente d'o conselho administrativo
para tornecimento do arsenal de guerra.Em
resposta aos ollicios. que me dirigi V. S. em 4 :
e 9 do corrente, sob ns. 67 e SO, se meoirerece a
dizer que, vista da proposta quo apresentaram I
Carneiro i Irmo, por inlermedio do director do'
arsenal de guerra, o constante da copia inclusa.!
auloriso o conselho administrativo para forneci-
mento do arsenal de guerra a effectuar a compra
dos selins e mais objectos cora o abate offerecido
na mesma proposta. Commnnicou-se ao ins-
peclor da thesouraria de fazenda.
Dilo ao commaiidnite superior da guarda na-|
conal de Uhnda e Iguarass.Constando, de1
communicaeo que me foi dirigida pela secreta-
ria de estado dos negocios da justiea em 5 do
corrente, que S. M. o Imperador houve por bom
por decreto de 25 da oulubro ultimo, conceder'
ao major da antiga guarda nacional desta pro-
vincia Manoel dos Sanios Nunos de Oliveira, re-
forma no mesmo posio : assim o communico a
\. S. para seu conhecimento. Accusou-se a
recepeao da communicaeo e deu-se conheci-
mento dola aosupradilo major.
Dito ao de S. Anto. Remeti por copia a V.
S o officio, porlaria e tabella do 1. de oulubro
ullimo, designando lugares para as piradas das
companhias e corpos do servido activo da guarda
nacional sob seu commando superior, bem como
as pocas dos respectivos exercicios e revistas.
Dilo ao inspector do arsenal de marinha.
Mando x me. fornecer capitana do porto das
Alagoas os objectos constantes das relaoes, quo
acompanhain o aviso junio por copia "expedido
pelo ministerio da marinha em 29 de oulubro
ultimoCommunicou-se ao Exm. presidente
das Alagoas.
Dito ao mesmo.Remollo por copia a Vmc,
paja sua iutelligencia e deuda execncao, o avi-
so junio por copia expedido pelo miislerio da
marinha cm 23 de outubro ultimo, acercados
eslabelecimentos na caes desta provincia.
Dito ao mesmo. Na conformidade do aviso
junio por copia, expodido pelo ministerio da
guerra era 2 de outubro ultimo, preste Vmc.
os auxilios que forero requsitados pelo astr-
nomo Eniinanuc! Liaos.
Dito ao mesmo. Romella-me Vmc. as infor-
macoes acerca dos africanos livres, que estira a
cargo desse arsenal, observando o que a esto res-
peito determina o aviso junto por copia, expedi-
do pelo ministerio da juslica om 4 do corrente.
OlDciOU-SC no mesmo sentido ao director do ar-
senal de guerra e ao curador de africanos livres.
Dito ao director do arsenal de guerra.Pode
>mc. rewelter para a provincia da Paralbaos
dous ciaras, de que traa a sua informaeao de
boniem, sob a. 359.Communicou-se ao Exm.
presidente da Parahiba.
Dilo ao juiz de direito da comarca da Boa Vis-
la. Pelo sen officio do 1." do outubro prximo
lindo liquei scienie de se haver instaurado o
competente processo pelo fado, de que Irala a
pelicao de Domingos Mondes Ferreira.
Conreui que Vmc. ministre informacoos moti-
vadas a osle, respeilo, alim de que esta presiden-
ca d as providencias que della depeaderem.
Dito ao mesmo.Accuso a recepeao do officio,
que \ me. dirigi ;. osla presidencia em 19 de
outubro ultimo participando que o delegado de
policia do formo de Ouricury Jos Joaquim de
Barros, capitao do 9." batalho do infantaria, foi
condemnado a iros anuos seis mezes e quinze
das de suspenso do omprego c 67 dina de pri-
sao simples. Pizeram-se as commuuicacocs ne-
cessarias.
Dito ao capitao do porto.Remello por co-
pia a Inc.. para sua iutelligencia, o aviso cir-
cular expedido pelo ministerio da marinha, exi-
gindo a remossa das relaedes nomnaos dos re-
mitas, que se npnrarom para a armada.
Dito ao cnsul dos Estados Unidos da Ameri-
ca.Remollo por copia ao Sr. W. \V. Slopp,
i cnsul dos Hitados Unidos da America, cm res-
pesia sua communicaeo de dt outubro pr-
ximo lindo, o aviso espedido pelo ministerio dos
negocios oslraugoiros, assim como o officio do
Exm. presidente da provincia de Alagoas a res-
peito da uomeacao de um agente consu ar para o
porto de Maeei.
Renov ao Sr. cnsul os protestos de minha
eslima o consideraoao.
Hito ao director "da colonia militar d; Pimen-
teiras.Haja Vmc. do informar com urgencia,
para cumfmmonlo das ordens imperiaes. sobre
o roqiioriiuento que lho romotli do marechal do
oxorciio francisco Jos de Souza Soarts de An-
drea.
Dilo ao director interino das obras publicas.
Autorizando nosta data o proprielario Joaquim
Cavalcanti de Albuquerquo a ter duas porleiras
na cerca do sou engenho Paulista, emquanlo se
resolve sobre a polico, que no mesmo sentido
dirigi elle presidencia, e foi a informara Vine,
com despacho do 9 do corronto : assim Ih'o
communico para sua iulelligoncin.
Dito ao mesmo.Conformando-me cora a in-
demnisaCao que Vmc. prope, na importancia
de 3()()goou, polo damno causado ao prprietario
Delmiro Domingos Pinto, para cujo sillo se deu
escoamento as aguas, por ordem do engenheiro,
que fez a estrada da Victoria, lenho a declarar a
v rae. que pode lavrar o termo de ajuste de con-
loimidade com a sua informaeao de 2 de setem-
bro ultimo, sob n. 24, e passar o certificado,
para que possa o inesmo prprietario haver a
quanlia qua lhc compete.
Dito ao agente da companliia brasileira de pa-
quetes a vapor.Podo Vine, fazer seguir para
os porlos do uorle o vapor Paran, mra indi-
cada em su ollicio de hontein.
Dito cmara municipal desla cidade.Con-
vem que a cmara municipal do Recite me habi-
lite com a sua informaeao sobre a materia dos
papis inclusos acompanhados do aviso junio
por copia, expedido pelo miislerio do imperio
em 2o de oulubro ullimo.
Dito a da Escada, remello por copia cmara
municipal da Escada o aviso expedido polo mi-
nisterio do imperio era 2 de outubro prximo
lindo, declarando nao poder ler lugar por ora a
creacao de urna agencia de correio nessa ylla.
Portara.O Sr. agento da companhia brasi-
leira de paquetes a vapor mando dar transporte
para a provincia do Maranho a Felppe Franco
de Sa, em lugar destinado para passageiro de es-
tado.
Dila.=rO presidente da provincia, tendeado
ao que lhc ro.quereu o lente Berardo Joaquim
Correa, resolve conceder-lhe 15 das de lioenca
com sold para ir provincia das Alagoas, l'i-
cando este acto sujeilo ulterior appfovacao do
governo imperial.
Expediente do secretario do govirno.
Ollicio ao inspector da thesouraria djc fazenda.
S. Exe. o Sr. presidente da provincia manda
Iransmiltir a V. 6. os seto inclusos flicios da
secretaria de estado dos negocios d fazenda,
com datas de 24, 26 e 31 de outubro ultimo e 3
e 4 do corronle mez.
Dito ao mesmo.=S. Exe. o Sr. presidente da
provincia ni anda Jransrailtir a V. S. o dous in-
DIAS DA SEMANA.
12 Segunda. S. Justino m. ; S.Herencia i:.
13 Terca. S. I.uzia v. ra. ; S. Olhilia m.
1 Quarla. S. Agnello ab. ; s. Matroniano ni.
15 (Juinla. S. Euzcbio Vcrselense b. m.
16 Sexla. Ss. Ananias, Azarias e Mizaol mm;
17 Sabbado. S. Bartholomeo de S. Geminiano.
18 Doniingo. N. S. do O' ; S. Sporiliao b. e.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCO NO SIL.
Alagoas, o Sr. Claudino Falciio Dias; Babia, a
Sr. Jos Martina Alvos ; Rio de Janeiro, o Sr.
Joao Pereira Marlins.
KM PERN'AMBUCO.
O prprietario do oiaiuo Manoel Figneiroa do
iFaria.aa sua iivrariapraga da Independencia ns
6 o 8.
cluso^o"'
zendiV
do corre
Secretaria do miaistt
de 27 de outubro ultimo, c 5
rio da fa-
COMANDO DAS ARMAS.
Quartel sjreneral do eummniMlu das
armas de Pernambueo, na cida-
de do Recite, ? de dezeinbro de
1859.
ORDEM DO DA N. 325.
O lenle general commandante das armas,
determina dos Srs. commandantes de corpos e
cooipanhias soladas, que remettam a secretaria
militar una relacao nominal das pracas dos mes-
mo; corpos, que estando disertadas, ise apre-
sentaram para gozar do indulto de 7 dej setembro
ullimo, com declaracao do dia da apntecntac.o,
e da uatureza da diserco, e outra igual das pra-
oas perteneentes a corpos assistontes fora da pro-
vincia, que se apresenlarara c licaram addidas,
especificando mais os destinos que tiverim. Tam-
bora reraellerao urna relarao nominal (las pravas
que foram escusas do servico mediante o aviso do
ministerio da guerra do 7 d'o dito mez, posterior-
meato d'aqucllascontempladas na relato queja
enviaram ao quarlel general em cuiuprimenlo da
ordem do dia do exercilo n. 149.
Assignado. Jos Joao uim Coelho.
ConformeHoracio de Gusmo Coell o, alfores
ajudautede ordens do commando. I
EXTERIOR.
ratificada por ambas
do Pa ra-
que as-
m i:\os aires.
13 de novembro de 1859.
Est foita a paz.
Foi assignada no dia 10, e ja fica err) com
de execuco, approvada e ratifica*
as parles.
Foi feita sob a raediaeQo do ministro
guayo general Francisco Solano Lpez
signou-a igualmente como garante.
As outras mediacoes nao liveram lugar : a do
Brasil foi rejeitada pelo general UrqiVizt ; a de
Franca o Inglaterra cifrou-se emconseliios acom-
panhando apenas de fora a negociado. Chegou
ora pouco tardo ; quando apresentou-se(, ja a do
Paraguay se achava em andamento ei ia vento
era pupa levada pelo Sr. Louroneo Torres, que
com a mo invisivel diriga o lom corojo pratico
couhecedorda barra. Podia ter-so reui "
la, mas recusou o convite que lho foi fi
sentido polo governo de Bueuos-Ayres.
do possivel, pois, ao mesmo lempo duas media-
coes separadas, leve de suspender os seus traba-
mos, reservando-so para mais larde contina-
los, se a mediacao paraguaya nao produjzisso re-
sultado. S chegou a ter as conferencias preli-
minares.
A negociadlo da puzcomeeou no dia 3 em Ca-
seros no quartel-general em marcha dp general
I rquiza, e lerminou a 10 em S. Jos dt> Floros,
donde foi datada. Assim em seto dias tesolveu-
se a questo odenla c obstinada de se(e annos.
Foi-mc preciso ver para crr.
ido a el-
ito nesse
Nao sen-
ts commissarios por parle do general Urquiza
foram os Srs. general Guido, general Hedernei-
ra e Dr. Araos, c por parto de Buenos-Avres os
Srs. Dr. Tejedor, Juan Bautista Pena e Dr. Cruz
Obligado. Este ullimo, porm, deixou de fazer
parte da commissao por desinlelligeiicia com os
seus collegas, o nao chegou a assiguar > tratado
de paz. Aqu esl esse tratado :
l'acto de unio.
0 Exm. governo de Buenos-Avres ; o Exm.
Sr. presidente da Confederadlo Argentina, capi-
lao general do exercilo nacional em campanha,
ha\ endo aceitado a raediacjio olltcial ero favor da
paz interna da Confederaco Argentina oferecida
pelo Exm. governo da repblica do Piraguav,
dignamente representada pelo Exm. Sr. brigadei-
ro general D. Francisco Solano Lpez, (ministro
e secretario de estado das reparticoes dc^ guerra
o marinha da dita repblica decidido* a por
termo deploravel desunio em qne lemj perma-
necido i Repblica Argentina desdo 1832. o a re-
solver definitivamente a questao que lem man-
lido a provincia de Buenos-Avres separada do
gremio das domis que constituirara eTconsti-
tucm a Repblica Argentina, as quaes unidas por
um vinculo federal reconhecora por lei funda-
mental a conslituico sanecionada polo oongres-
so constituinte era 1 de marco de 1853 : accor-
daram nomear commissarios "por ambas a$ parios,
! plenamente autorisados, para que dis ulindo,
enlrt si e ante o mediador, com animo tranquil-
lo e debaixo da nspiraoJo nica da paz e do de-
coro de cada uma das parles, todos o rala um
dos pontos em que alaqui lem havido dissideu-
radas, al Chcgar a um convenio de perpetua e ;
perfoita roronciliaQao, licasse resolvida a incor-
poraco immediala e definitiva de Buenos-Ayros'
a Confederaco Argentina sem detrimento de nc-l
nhura dos direitos da soberania local, reconhe- I
cidoa pela propria conslituico nacional ; e
esse (ira nornearam, a saber", por parle do gover-
no de Bueno.s-Ay.tes os Srs. Dis. I). Carlos Teje-
dore D. Joan Bautista Pena; C pelo presidente
da Confederaco Argentina, os Sis. brigadeiro ge-
neral D. Thoinas Guido, ministro plenipotencia-1
rinda Confederaco Argentina junto a S. M. o I
Imperador do Brasil o o do Estado Oriental bri-
gad vernador da provincia de S. Luiz e commandan- |
le em chefa da circumscrincjo militar do Sul; e I
Dr. D.Daniel Araos, depulado ao congrosso na-
cional pela provincia de Jujui; os quaes, troca-
dos os seus respectivos plenos poderes e adiados'
em forma, convieram nos artigas seguintcs :
Art. 1. Buenos-Avres se declara parle inlo-i
grante da Confederaco Argentina, o verificar a '
sua incorporacao pela aeeilacao e juramento so-
lemne de conslituico nacional.
Ait. 2. Dentro de vinte dias depois de ve-1
rilicado o presento convenio, se convocar uma i
convenci provincial examinar a conslituico
sanccionadi era maio de 1853 vigente as Je-!
mais provincias argentinas.
Art. 3. A eleieo dos mombros quo for.ms-
vam a coacesaio ser foita livremeaie pelo povo, '
o com sujoicao s leis que regera actualmente
Buenos-Arres.
Art. 4. Se a convenci provincial aceitar a'
conslituico sanecionada ora maio do 1853 o vi- ;
gente as domis provincias argentinas sem en-
contrar nada que observar nella a jurar Buenos-
Ayres solemnemente no dia e na forma que essa
convoneo provincial designar.
5. No caso om que a convenci provincial
manifest que lera que fazer reformas na consli-
tuico mencionada essas reformas sero commu-
nieadas ao governo nacional, para que, apresen-!
tadas ao congresso foderai legislativo decdiJia a
convocarlo, 4 qual a provincia de Buenos-Avres
se obliga a enviar seus depulados, de con-
formidade com a. sua populaco, devendo aca-
tar o que essa convencao assim integrada deci-
dida definitivamente, salvando-se a intogridade
do territorio de Buenos-Ayres que nao poder
sor dividido sera consentimeiito de sua legisla-
tura.
6. Emquanlo nao chega a mencionada po-
ca, Buenos-Ayres nao maniera relaces de neo-
huma classe.
_ 7. Todas as propiedades do F.slado que lhe
do suas leis particulares, como seus eslabeleci-
mentos pblicos, de qualquer classe e genero que i
sejam, coulinuaro correspondondo provincia'
do Buenos-Ayres, e sero governados e legisla-
dos pela autoridade da provincia.
8. Exceptua-se do artigo anterior a alfande-
ga que, como pela conslituico federal correspon-
den] as alfandegas exteriores nacao, fica accor-
dado, em razao de ser quasi cm sua lotalidadc
as que formara as rendas de Buenos-Ayres, que
a naci garante provincia de Buenos-Avres o
seu oroamento do auno de 1639 at 5 annos de-
pois de sua incorporacao para cobrirseus gastos,
inclusa a divida inlcri'or e exterior.
9. As leis actuaos da alfandoga do Buenos-
Ayres sobre o commorcio exterior continuario
ora vigor at que o congresso nacional, revisan-
do as tarifas de alfandoga da Confederaco c de
Buenos-Ayres, estabeleca a que ha de vigorar
para todas as alfandegas exteriores.
10. Picando estabelccido pelo presente pac-
to um perpetuo esquecimenlo de todas as cousas |
que produziram nossa desgracada desunio, ne-
nhura cidado argentino ser molestado de modo
algura por actos ou opitiioes polticas durante a'
separarlo temporaria da provincia do Buenos- I
Ayres, nem confiscados seus bens pelas mesmas!
causas, conforme as constiluices das duasj
partes.
11. Depoisde ratificado oslo convenio, o ex-
ercilo da Confederaco evacuar o territorio de '
Buenos-Ayres dentro do 15 dias; e atabas as
parles roduziro seus armamentos ao estado de .
paz.
12. Tendo-sc ja feilo as provincias confe-
deradas a eleicio de presidente, a provincia de |
Buenos-Ayres pode proceder iramediatamente
nomeagode eleitores para que verifiquem aelei-
caede presdeme, at Io de Janeiro prximo, de-
vendo ser enviadas as acias cleitoraes antes
de vencido o lempo assignalado para o es-
crutinio geral, se a provincia houvcr aceitado
sera reserva a conslituico nacional.
13. Todos os generaes, chefes e officiacs do
exercilo de Buenos-Ayres dados de baixa desde
1852, c quo cstiverem actualmente ao servico da
Confederaco, sero restabelecidos ora sua anli-
guidade, poslo o gozo dos seus sidos, podendo
residir na provincia ou ns Confederaco, segun-
do Ibes convior.
t4. A Repblica do Paraguay, cuja garanta
foi solicitada lano pelo Exm. Sr. presidente da
Confederaco Argentina, como pelo Exra. gover-
no de Buenos-Ayres, garante o curaprraeuto do
estipulado neste convenio.
15. O presente convenio ser Submettido ao
Exra. Sr. presidente da Repblica do Paraguay pa-
ra a ratilicaco do artigo precedente no termo do
40 dias. ou antes se fr possivel.
16. O presente convenio ser ractilicado pe-
lo Exm. governo do Buenos-Ayres, e pelo Exm.
presidente da Confederaco dentro do termo de
48 horas, ou antes se for possivel
Em fe do quo o mininistro mediador e os I
commissarios do Exra. governo de Buenos-Ayres
o do Exra. Sr. presidente da Confederaco Argn-i
lina o firmaram e scllaram com seus sellos res-
pctiros.
.Datado em S. Jos do Flores, aos 10 dias do '
mez de novembro do 1859.
Tem tres sellos:
/"
MUTILAN)
\
Carlos Tejedor-, ,. 0 ( ^.f*"'^0-
J. Ilautistal'ena)lram-S- Lopez.Uh.Pedcrn.
[ [D. Araos
Antes de terminada a negociaco cabio o Sr. j
Alsua de poder e lodo o seu ministerio Lis o
que produzio este faci.
No dia 8 noile o governo reuni aassemblea
geral em scsso secreta para dar conla dos tra-
badlos commissao de paz, quo vollou nesse dia
do acampamento do general Urquiza, trazendo
onze artigos assentados, c mais tres propositos
na parte contraria como indeclinaveis, as qaos
nio linha podido aceitar em virludc das suas'
inslrucroes.
Essas Iros proposiees oram as seguintes : Ia,
quo lodo o pessoal do governo de Buenos-Ayres
deixaria o seu jioslo 2', amnista geral e sem
limites para todos os officiaes militares de Bue-
nos-Ayres emigrados desde 1852 era que come-
eou a lula ; '', que lodos os empregados o che-
fes de campanha do norte de Buenos-Ayro? que o
general Urquiza cm sua marcha sobro esta cida-
de, depois da batalbade Cepeda, havia posto nos
diversos departamentos deslituindo-os deste go-
verno, seriam conservados em seus postes.
O governo eslava disposlo a romper a negocia-
cao, o nesse sentido ja nana officiado ao media-1
dor, ordenando ao mesmo lempo commissao
que nao sihisse no dia seguinle.
Reunida a assembla em sesso secreta, o go-
verno pede is cmaras o seu apoio para a reso-
lucao que havia tomado, ou o seu vol franco e
explcito sobre a conveniencia de sna continua-
r.\o no poder.
A assembla porm om vez de conceder u
apoio pedido, vola quasi unnimemente, que
fosse uma commissao exigir do governador a sua
renuncia, manifestandelhe, que tanto a paz,
como a cantinuaro da guerra fazia necessari'>
que elle c todo o sen ministerio descessem do e
posto.
O Sr. .Usina podia recusar, porque esse acal-
da assembla era inconstitucional e revolucio-
nario ; mas ja linha alado as mos a si mesmo
provocando uma manifestar officM. Mandn
pois incoiiiineiile a sua renuncia, quo foi adm-
tiJa acto conlinuo, lomando conla immodiata-
mente do poder o presidente do sonado o Sr.
I.avallo!, a cpiom compele pela eonsliluici
substituir o governador na sua falta.
Chama-se a slo vollnr-se o feitiro contra <.
feiheeiro. O Sr. Alsina, que na mediacao-i'an-
eeg propoz a desliluiro do general Urquiza para
chegar-sca um iccordo o como garanta da pa/,
foi quem leve de sor destituido pela exigencia da
parto contraria.
Nao deixa porm do ser esse faci urna iojus-
li.a cruel o incomprehensivel da assembla de-
Buenos-Avres, ou um acto de fraqueza ioclassi-
Bcavcl. O general Urquiza devia ter accresceii-
tado ao tratado de S. Jos de Flores mais um ar-
lio,o seguinle: Os coraraissarios de Buo-
ncs-Ayres que firmaram o Iratado, os membros
d assembla que o approvram, o governador
provisorio que o ratificou e todo o seu ministe-
rio, se obrigam a Irazer por ospaeo de quinze
dias polo monos, miriaque, sombrilla, abanio
gorra de terciupello, como as porlenhos. (
modo foi tanto quo al esse artigo seria aceito
acoitram-se peicres,
O primeiro acto do Sr. Lavallol foi nomear
os seus ministros, chamando para a pasta do
governo o retacos exteriores o para a pasta da
fazenda dous dos meinbros da commissao de
paz, o Dr. Tejedor para a primeira e o Sr. Juan
Bautista Pena para a segunda. Para a pasta u.i
marinha e guerra oonvidou-sc o Sr. coronel
Goncssa, que nao aceitn ; foi nomeado eolio
era sou lugar o Sr. coronel Gelly y Obbes, com-
mandante geral da marinha o capitao do porto.
O Sr. Gelly y Obbes tomou logo conta da sua
pasta ; mas os oulros dous ministros nOmeados,
como portonciam commissao de paz, s depois
de concluida a nogociacio entrrara em exer-
cicio ; as pasias foram regidas nlctiaaroeulv.
durante esse impedimento, polos officiaes inaio-
res das respectivas reparticoes.
Moda, porm, eslava "a assembla reunida
quando o mediador paraguay o coramunica ao
governo que o Sr. general Urquiza retirava a
classificaco de indiclinaveis que havia dado s
tres proposcoes mencionadas e que admiltia so-
bre ellas discusso. Era j larde, j o Sr. Al-
sina eslava destituido o sacrificado sem necessi-
dado.
Gonfesso que perco o meu latim quando quero
explicar-me o ]procedimcnt da assembla, u
aiula mais, uma semelhante paz em que se Bue-
nos-Ayres esl de boa t cedeu ludo e nao obtu-
ve nada.
Quem aqu estove, quem acompanhou essa lu-
la desde o seu comec.o, quem presenciou que
foram osses mesmos homcus que deslituiraui o
Sr. Alsina os que creram e aconselhram a
guerra erguendo-se anda hontem era massa con-
tra as nlences de paz do governador c seus mi-
nistros, encontra-sc s escuras cm face dos suc-
cessos do dia 8 e do tratado de S. Jos de Flo-
res que foi a sua consequencia. Eu pelo menos
acho-mc uesse caso, nao comprehendo a mota-
morphose dos horaons da situaco, e essa troca
de papis de um momento para outro.
E' preciso nao conhecor a questo tal qual elia
produzio a separaco de Buenos-Ayres e levan-
lou essa lula que durante sete anuos manlevc-
se sem fazer uma concesso, preciso nao sa-
ber os sacrificios que fez Buenos-Avres nessa
guerra e o lim que visa va nella, para" nao ficat
pasmo em frente do tratado de paz.
Ninguera podia prever semelhante resultado.
Anda ha pouco, n.esmo depois da batalha de
Cepeda, o quando ja se achava o general Urqui-
za s portas da cidade, pareca que Buenos-Av-
res nao cedera um seitil do que havia susten-
tado at ahi. Ao contrario, a batalha de Cepe-
da, logo que o susto passou, irrilou os nimos ;
o mar de sangue que nella se havia derramado
abria-se cnlie as duas partes contrarias, irre-
cusavol, invencivel, ofaslando-is anda mais
urna da outra.
O exercilo pedia aconlinuaro da guerra pelos
seus orgos mais fiis ; as cmaras proseguirn!
acousclhando-a o votando todos os recursos nc-
cessarios para esse fim ; o povo, cmfim, esse
carneiro quo os homens da situaco Icvavam para
onde queriam, aceitou satisfeito o pensamento
de resistencia logo que vio as trincheiras levan-
tadas o fortificadas, o exercilo dentro da cidade
e a esquadra em Martin Garca cortando no rio
a passagem do inimigo.
O leilor ainda ha de lembrar-se que disse na
minha correspondencia passada, que j tentavam
fazer o Sr. Alsina renunciar c apear o seu mi-
nisterio, porque nao cstavam contentes com a
sua administrarlo, que culpavam de ,falla de
inorgia, iuopporluna, frouxa o sera aclividade
para a guerra. Enlo era esse o motivo ; pou-
cos dias depois dostiluiam-o pela razio contra-
ria. Como explicar, pois, essa mudanea do
ideas '?
Talvez rao queiram dizer que foram as cir-
cunstancias que aconselhram essa paz a todo o
transe. laso porru nao exacto : lluenos-Ay-
rs podia resistir; j eslava inleiramente forli-
ficado j linham restabelecido o seu exercilo,
e augmentava os seus recursos de resistencia
todos os dias. Appello para os que presencia-
ram as cousas de porto. Se o general Urquiza
logo depois da batalha de Cepeda viosse tambor
btente sobre Buenos-Avies, sou o primeiro n
confessar que entrara sem diieuldadc, porque
achava a cidade descoberta, desanimada e inde-
fensa ; Mas demorou-se domis ; deu lempo para
que .i roaeco se operasse o as cousas se resta-
belocessem a tal ponto dse poder oppr-lhe
dilliculdados insupperaveis. Buenos-Ayres re-
sisti ao sitio passado com menos recursos.
Por esse lado pois nao se justifican) os ho-
mens da paz, e essa seria a nica desculpa a"l-
lendivel.
Acho-me perianto cm branco ; coco a cabe-
ca, e nao posso deixar do exclamar como o ca-
gador desconfiado da onedocla : Aqui ha cousa
oh gato ou rapousa. E ninguem me tira disso.
Ao mesmo lempo nao se fez mais, na minha
opinio, do que tampar-se por um moraonto a -
caka de Pandora da queslao argentina : amanlia
a guerra a deslampar de novo, apezar da ga-
randa do Paraguay, apezar de transformacio dos
homens que dirigen) os distinclos de Buenos-
Ayres, se o que eslo de boa f. A paz ni)san
grvida do. uma nova guerra, e aprsenla j
uma barriga que parece do nove mezes. Nao
obst ule lodas as conccssoes de Buenos-Avres, o
partido federal aceilou com frieza o tratado de
S. Jos de Flores : Buenos-Ayres, pelo sou la-
do, como vencido, nao ficou contente ; contina
ero seus odios contra o partido federal da Con-
federaco, e festeja a paz para dsfarcar a der-
rota que levou.
Desconfi muito, alm disso, da entente cat-
tale lo ampia e lo rpida que parece estabe-
lecida no mundo ollicial entre os dous inimigos
ainda ha pouco irreconciliaveis : nao acredito n;i
liga do cao cora o gato. A questo nao rasim-
plesmenle esse braco da assembla de Buenos-
Ayres com o general Urquiza eseu estado maior;
lornou-se mais do que islo durante os sele an-
nos de lula, so desde 1810 nao foi sempre ques-
to de dominio de Buenos-Arres sobre as ou-


(2)
DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 12 DE DEZEMBItO DE 1859.
ias provincias, e vice-verea. ura mo foi adia-
do pelo ti atado para a occasiao da discusso da
conslituijio de Maio no congresso ad hoc
S ha, pori'in, boa fu no pacote de uniao, com-
jichendo que a quosto csleja resol vida i mas,
repito, cusame a crer que os homens de Bue-
i.os-Ayres, que o partido unitario, icnhain ras-
pado a sua bandeira c posto-a acs pus do genc-
-ral Urquiza feila em pedamos.
l'eus queira, porcru, que me engae, que a
az entre de tima ven nestes paizes, e nos de vi-
7inhos tranquillos e cm quera possamos confiar.
1. o que nos convem : s quando osles paizes
marem a paz que respeilaio os nossos ira-
lados.
J correin, entretanto, boatos que existem ni-
veos secretos no pacto do uniao de S. Jos de
llores, c que esses nrligos referero-so ao Brasil.
Protondc-se que a razio dcsta intento cordiate
aheleada officialmento na familia argentina,
.. oonibinarao do una guerra contra nos, em
que entrara 'lamben) o Paraguay e o Estado
Oriental. Accrescenta-.e que a grande allianca
dos pigmeus contra o gigante j so echa intei-
ramente preparada e espera do opportuni-
Jade. I
Tudo poasivel ; compre!,endo depois do pne-
Donooo do abraco fraternal dos Jioiuons de
luenos-Ayrcs ao general Urquiza, que os blancos
de Montevideo se abracem tamben) cora os uni-
latios ; roas nao acredito nisso, nao sei porque ;
):ao havemos de sor lo folizes que lenhamos
urna lo boa occasiao de restabelecer o nosso
rdito militar nottes paizes e de firmar do uim
rea n nosso direilo era loda a sua plenilude.
Se isso porm lera algum fundo de verdade,
em qualquer sentido quo soja, convem ao Brazil
proceder cora toda a energa o (lrmeza : nao
id mi liarnos a menor desfeila, o menor insulto,
a menor quebra dos nossos cundios : j basta de
O nlemplajoes, deixemo-nos de llusc?, lera-
jo; preparerno-nos para aceitar a Iuva cora
'oda a dignidade, sem conceder a menor cousa
do que j leraos adquirido, e da honra na-
cional.
O Sr. Cansaso subi ao ministerio de e-tran-
gewoa em u>n bom momento. Tareco que a
rrovidencia orepara-lhe no Rio da Traa urna
s^ande gloria para compensar-llie largamente
ios dez annos de ostracismo que elle colhou no
-iiio lugar. Veja S. Evc. como io popular
a poltica enrgica que o Sr. visconde do l ru-
_-uay leve de por em pralica para dar em Ierra
coa Rosas.
Deixo pos apreciajio de S Exc. sem cci-
raenlo, sem aggravar os fados ; Io, a rojeicao
d, mediaco do Brazil pelo general Urquiza ;
ti", o estado actual dos nossos negocios em Mon-
tevideo; 3o, os nossos tratados cora a Confede-
radlo que precisara de ratificajao.
Nao me resta lempo para mais. Completare!
as minhas noticias pelo paquete seguinle.
14 de novombro de 18J9.
A' ultima hora.O Sr. Ainaral parle boje para
Montevideo.
Cetcea a retirada das tropas do general Ur-
quiu para S. Fernando, .onde devein embarcar
[na confederarn.
.loo Carlos Gmez fez o seu adeos imprensa
e segu nes'.e paquete para o Rio Grande do Sul.
Aqu tom finalmente O leitor a pn clamaoao do
g'neril Urquiza, dirigida a Buenos-Ayres dopois
''a Va1'
x Quartel-grneral em S. Jos do lloros, 11 do
novembro 1859.
O presidente da Confcdcrnc.o Argentina o
eapilao general de seus exercitos.
Ao povo de Buenos-Ayres.
Compatriotas :
Depois da victoria de Cepeda disse-vos que
\inha offerecer-vos urna paz duradoura soba
bandeira de nossos maiores oma lei commum
protectora e formosa. Que nao vinha impr-vos
> dominio de un homem era de um partido.
Paz, fraternidade e unao nacional, proclamara
meu exercito. e estes ero os fins da victoria.
Eu proenrei essos no'ares fins pela discusso
tranquilla que evilaase todo o sacrificio ao paiz,
aceitando a inlerposicio de governos amigos.
Nao quena que se derramasse sangue ar-
gentino por urna queslo fraternal e fcil de re-
- dver-se pelos esforcos generosos do patrio-
tismo.
En quera a reuni.io de Rueos-Ayrcs fa-
milia argentina a quem ocrlcncia, e a quem de-
via e Ihe convinha pertencof, quera sua tran-
quillidade e sua dita, quera que seus lilhosdei-
\assom de estar divididos, para Irabalhar irmaos
na felicidade commum. Era este meu desojo e
ora este tambem o dever que "a najo mo irapdz
E poda resistir-se isl > com as armas na mao pelo
povo de Rucnos-Avres? Sem injustlja e som
.rro.nao? Sabis "vos, que nao se verbo o ami-
gue de Cepeda por minha culpa, o cora idntica
d'*r comlemploi os cadveres de ambos os Bur-
ritos, virrias* argentinas, n'uma lua lio evita-
vel como atroz.
A campanha inteira de BuenoS-Ayres ap-
plaudio essa victoria, e espontneos pronuncia-
roentos de adhosao causa nacional se celebra-
vio era suas povoajocs.
. Chegado s immedlajes da cidade com um
xorcilo cada vez mais eniliusiasla o numeroso,
o quando o governo de Buenos-Ayres se prepa-
rava a una ultima resistencia, nao julgnei que o
Minmpho de Cepeda, neni as probabilidades de
urna nova victoria, deviao lornar-me dillicil aos
sforcospor urna transaccao, que o representan-
te de una potenciairma n dobrava com alineo.
om um interesse que Ilustren seu nomo, mere-
'endo oreconhecimento da naco argentina, c o
applauso e sympathia da hurao,nidaue inteira.
Quando grande maioria do povo de Buenos-
Avres seguia a bandeira nacional, o bandeira de
paz c fraternidade que ira/.ia era minhas raaos,
doria esperar quo a populaco da cidade de Buc-
iios-Ayres, desengaada do eslravio de cerio
numero do homens, olhassepor sua sorte, e fa-
/endo justica a mcus sentimenlos para com ella.
jiivisse a voz da razio, levantassc-a do seupro-
prio direito e me ajudasse a um arranjo honroso
e fcil que a salvasse de urna batalha.
Eu inlerpcllci os senlinieutos dos patrilas,
le todos os homens sensatos, de todos os parti-
dos, de todos os filhos da Ierra 0 dos estrangei-
ros tambem, porque desejava evitar-meum Iri-
umpho que podesso cuslar mais sangue.
Segui com mais empenho o curso da nego-
ciaco pacifica sob a mediaco do inlelligcnle e
'lisincto diplmala do Paraguay obrigadeiro ge-
ueral D. Francisco Solano Lpez, (ilho de meu
Ilustre amigo o presidente daquella repblica,
do que as exigencias da guerra, l'onho a todos
por teslemunhas desta verdade.
E' cheio de gozo, de nobre orgulho, de doce
gloria que proclamo a pn/. ao povo de Buenos-
\yres, seguro do voto nacional o das sympathins
da liiimanidadc inteira.
A integridado nacional est salva. A fuso,
a liberdade, a fraternidade, a tranquillidade do
imprtanle povo de Bucnus-Ayres contao cora
haes convenientes, que a sensatez e o patriotis-
mo de seus Albos podo fazer fecundas. Jamis
Cda mal, que giuaule o lar, que Iranquillisa u 1a-
milia, que ennobrece c glorifica a trra ayude
1,1 eio grande e rniradniUrio se estabereoe.
Ao rcdocedi r rainlias armas da populosa ci-
dade, e ao per minha firma no tratado do paz,
creio borrar todas os calumnias que se laucro
contra meu nomo, e provar o povo de Rue'nos-
A\ res que, amo o zelo seus inleresscs e seusdi-
reitos de povo argentino.
A consciencla proprja de superoridade da
forja, lacil a todos de avahar, o que faz para
mim mais consolador c satisfaclorio esle rao-
mento.
Nao creio sacrificar um laurel, como nao me
regosiia o reeolhido era Copula, seno porque
como [icio servio para rtcoiihecci-nos e abra-
car-nos os fllhos de urna inesma mi, a formosa
repblica do maio.
Torco, si era um laurel, o cedo mai,
esposa, lillia, dos i|U0 io expor sua vida nessa
batalha; o dedico a essa jvventude bullante de
Buenos-Ayres, de cujo enthusiasmo so ahusou
e que a honra militar devia comprometer na luc-
ia ; ao coralgeno pacifico c laborioso, cujosin-
Icressrs iio sor prejudicados; viziuhanca de
Buenos-Ayres libertada de ser adore victima de
um sangrento combate.
A fortuna privada, a honra do lar, a familia
se salven, ao mesmo lempo que se laurjaram ba-
ses de unta paz permanente, e da uniao" e felici-
dade da naeo.
Triumphou a naci, e triumphou a campa-
nha e a cidade de Riienos-Ayres. Esta paz pa-
ra mim o maior dos triumphos, porque o Irium-
pho de todos os Argentinos.
lio noiihum campo militar me relirei com o
coraco mais satisfeito.
Depois do largos sacrificios e de croas fadi-
gas, minha arabieao a lavro em ser leslemunha
da grandeza, da uniao e felicidade da patria, re-
tirando-me ao lar sem odio algum pcssoal. Nao
quero oulro premio do que a eslimaeo de nieus
concidadios.
O povo de Buenos-Ayres me responde da
conquista que acaba de fazer para assegurar seu
porvir.
< A poca porque acaba do pissarde crua sos- .
sobra, seja uina llco fecunda para evitar as lis- xirao futuro mez.
sencf.es civis e |>ara nao deixar arrebatar o podr
por especuladores da poltica.
< Argci,linos de Buenos-Ayres 1 amai-vos uns
i oulros, uni-vos, eslreitai-vos com sinceridade,
com o abraco fraternal que funde a nova era para
a liberdade"o as inslituicoos.
<< A naco cheia de regozijo vos eslreila em
seu seio com amor. Jaral sua lei formosa como
o melhor resultado da paz que acabamos de cs-
labelecer, como o que podo fa/e-la verdadeira-
mente fecunda cmbeiis.
_ Respeital a auloridade emanada desta situa-
'.u, c no czercicto dos direilos do povo procedei
com cordura. De \os todos dependo agora a feli-
cidadoe a honrado vossa patria. Sede cidados
o ileixai as aunas para quando a honra, a lber-
dude e a independencia do paiz as exijan).
Trompto dcixarei este solo onde duas vezes
Irouxo minhas armas. Levo o consol deque por
minha culpa nao se verteu nelle urna gota de
sangue, nein urna lagrima. Nao quero palmas
ao vencedor, me bastara syrapalhias ao amigo e
ao innao.
< Antes do concluir devo recommendar nova-
mente mais elevada eslimaeo, os esforcos pela
paz doillustre mediador do Paraguay. A elle se
deve em grande parte to fausto resultado. Nen-
huma demouslraco de gratdo por parle da na-
eo ser demasiada para honrar sua amisade. A
cidade de Buenos-Ayres lhe deve una palma !
Teante a naco recommendare a nobre conduc-
a observada pelos ministros de Franca c Ingla-
terra, mu particularmente, e pelos cnsules das
dentis naedes, assira como por loda a populaco
eslrangcira que presciente na lula mosirou sas
syrapalhias ou seus esforcos pela paz.
(< Concidadios de Buenos-Ayres I vsqueaug-
menlasles raeu exercito, vs" que adlierislcs
causa nacional que triuraphou duvido a vos lam-
ben), C ainda dos que me combalcram, eu vos
saudo a todos como irmaos; sde-o de boa fe, e
se lera levanlapo para sempre face da trra a
grande o gloriosa naco.
o Justo Jos de Urquiza. >
Suppleiit-cs.Dr. l'edro Antonio do Oliveiru
Botelho, Tomplio Manool de Castro.
ssaimo.
Depulados.Capitio Joo J. de Sepulveda Vas-
conccllos, Drs. Augustos Ferreira Franja, e Do-
mingos Jos da Silva Couto
Supplentes.Dr. Manoel Jos dos Res, Ma-
noel Alvos da Cruz Rios.
TEHCEIKO.
Deputados.Drs. Pedro Moniz Brrelo de Ara-
gao, Albino Augusto deN'ovaes e Albuquerque e
Joao Ladislao Japiass.
Supplentes.Tenentc-coronel Egoz Moniz Bar-
reto de Arago, major Antonio Pinto Lime.
(JUNTO.
Deputados.Drs. Joaquim Ayrcs de Almeida
Freilas, Pedro Falcan Brandao, eSudr.
Supplentes.Padre Mcndonca, vigario Hono-
rio Jos de Leraos.
SEXTO.
Deputados.Drs. Hugolino Ayres de Freilas e
Albuquerque, Ignacio Alves Nazarelh, Hygino
Tires Gomes.
Supplentes.Drs. Thoraaz Monte-negro e Joo
d'Aquino Gaspar.
01TAV0.
Deputados.Drs. Francisco 11. de Tinto Lima,
e Antonio l.uiz Alfonso de Carvalho, Jos Perei-
ra Franca.
Supplentes.Joo Cornciro da Silva Reg, c
Dr. Joo Vicente Sapucaia.
NONO.
Deputados.Dr. Luiz Antonio Tereira Franco.
major Francisco Antonio Filgueiras, Dr. Joo dos
Reis de Souza Dantas.
Supplente Dr. Serafira Muniz Barrcto.
Acha-seja aborta no quartel do coronel COm-
mandante superior refoimado Joaquim Antonio
da Silva Carvalhal, urna subscripeo pelos vete-
ranos da independencia para um Te-eum para
solemninr o nuiversario nalalicio de Sua Ma-
gestade a Impcr.ilriz.
INTERIOR.
Os veteranos da independencia iro a Valonea
para recebar e formar a guarda de honra de Suas
Majestades, em sua visita aquella cidade, no pro-
Diarioda Babia
PERNAnIBUCO.
Retros|te Polo paquete Paran, e pe'o vapor de guerra
Paraente, entrados no decurso da semana, o
primeiro procedente dos portos do Norte c o se-
gundo dos portos do Sul, recebemos noticias de
ludas as provincias do imperio e das repblicas
do Rio da Trata.
(Juanlo s noticias de Ruenos-Ayres, ramette-
mos os nossos leilores para outra parle do
Diario,
as provincias do imperio, que: do Sul e quer
do Norte nada tem occonido de no lar el, em lo
das reinara o *ocego.
Na capital da provincia do Para linha-se dado
ltimamente um fado dcsastrozo, de que se oc-
cupava a impiensa, e de quo este Uiario j deu
corita aos seus leilores :a morle de um pobre
velho, procedida de um tiro de bala, disparado
por um soldado que fazia exercicio.
No Maranhao o presidente da provincia tinha
feito a nomeacio do supplentes de julz munici-
pal para todos os Icrmos da provincia.
Ja era conhecido na capital o resultado da
eloijao de deputados provinciaes pelos cinco pri-
meiros circuios da provincia, restando smenle
saber-se o do sexto circulo, que o do alto ser-
to.
No Cear, a assembla provincial, convocada
extraordinarianienle para votar a lei do orea-
menlo, acceitou-a por fin com as modilicaces
aconselhadas pelo Exra. Sr. Dr. Silveira de Sou-
za, e autorisoiro gaverno da provincia a rontra-
hir um emprestimo de 1,200,000,000 de ris para
ata esira(ja de rodagem.
Na Tarahiba nao se tratava de outra cousa mais
que dos festejos para a recepeo de SS. MM. II.
quinhar o ment do Sr. conego' tazendo oliser-
vacoes ao seu discurso, e eivand-ss as allusoes
malignas.
Poderiam era soboja vantageqa dar explicacoes
a respeilo dessos trechos que forjim transcriptos,
e fazer a devida opplica'.o delles ; mas na ai luali-
de todo o nosso empenho fagiroequestoespes-
soaes, para onde quotidanaraenle suraos cha-
mados.
A opinio publicase lem pronunciado La.sl,inle'posi6"essociaes' agrad
Iisongeira em favor do sermio do|Sr. conego. M. o seu lio generoso e
Nao serao porlanlo essas allusqs malignas que fallivel incremento de (-
lho urario o mrito.
Ao amanliecer do dia 10 do corfenle rendeu a
alma ao creador o Sr. Domingos Malaquias de
Aguiar Pires Ferreira, baro "de Cimbres.
E mais un vulto importante da Inossa histeria,
queso so me no Inmut, d'onde rio en'retanto a
sublrahira essa mesma hL-toria, que lhe ha de
perpetuar a memoria.
O finado bario nasccu nesla cjidade aos 3 de
novembro de 1788, sendo seus progenitores Jos
Eslevo d'Aguiar el). Maria do Sacramento Pires
Ferreira, irma do fallecido Gerra7o Pires ; as-
sira como fi o mais velho dos seis irmaos.
Ainda com idade inferior 10 artnos, j sabia
ler, escrever c contar, cscrevendeJ era lodos os
livros do escripiorio c.ommercial fle seu pai, do
quem rec.i'beu essa ediicaco primaria rom soli-
citude paternal.
No nosso Seminario de Olinda, cujrsou as aulas
das ln inanidades que alli se eusinaVam naquelle
fernppi ecm 1807seguio para Coimbra onde ma-
inculou-sc no curso de mathemalieps, que dei-
. xeu j no 2o anuo por haver sido fechada a ni-
I versidade, em consequencia da invaso franceza
; na pennsula, rcrolhendo-se patria natal.
Has nao podendo permanecer emjinaccio um
; espirito to vido de sriencias, em.lfcl parti
piara Inglaterra, afim do proseguir era seus eslu-
;dos; infelizmente poiem nao lhe l'oi|possivel dar
realisaco aos seus intentos, nao lakrou matri-
cular-se em alguma das Universidades daquelle
i paiz pela diflercnea le creneas religiosas ; e pois
i regressou a esta cidade, onde algum lempo de-
| pois foi oceupado na secretaria do governo, quan-
do governader Caelano Tinto, para fizer um tra-
balho importantee de confiaoea, pelo qual nao
qur/ remunerario alguma.
A pos esta pliasc de sua vida, o finado baro de
Cimbres foi eslabelerer-se no engenjio Mucahn
come lavrador; e em 1810 foi nomodo ajudan-
, te e serveiiluaiio da administraro da estiva da
nossa nlfandega, que era excrcida pdr seu tio o
Dr. Joo de Dens Tires Ferreira ; lug^r este que
aeixoii partindo pouros das depois da revolucao
de 1817, pira os Estados-luidos, e d'ahi para a
; 1-ranea, onde deu um curso de scienci is naturaes
i no collegio de Frama ejardim das TI mas.
De volia esta cidade era 1820, receben em
matrimonio a sua prima D. Joaquina Anglica, fi-
: Iba do referido seu lio Dr. Joo de Dpos ; e no
( auno seguinle foi eleito no dia 7 de julho depu-
; lado as cortes constituintes em Porlugjil, d'onde
regressou era 1823, sendo enlao nomeado presi-
dente das Alagoas, commisso que no aceitn.
Em 825 porra foi honrado cora a eleiciO do
depulado por esta piovincia i assembla'geral
legislativa, assim como a 20 de oulubro de 182'J
foi condecorado com a cominenda da prdera de
Christo.
icvolencia, s pri-
ria, da ciMi..-;oo, do sabio Principe, que h
corda, cheio de ternura e boc
raicias de vosso engenho.
< Senhor! A Cengcegocio do Gyinna.-io Pro-
vincial do Pcrnambuco, fronte da qual se acha
um homem.que pela sua inlellgencia.e severidade
de coslumes, lem feiio olhar osla casa como um
temple das leltras da provincia, i a tolmera da
nossa juventude, destinada s mais imporlantes
ce rospetosamcnle a V.
munifiecnto acto, e o n-
ludo e de animacao fa-
gueira, que elle vem Irazer a todos nos.
< Dignai-vos, Senhi.r, das alturas de vosso
throno baixar vistas de prolecco sobre esteesla-
bclccimenlo, em cojo frontispicio lerio as
idades vindouras o Neme preclarissimo de seu au-
gusto Bemfeitor.
Da propria peca que ala fica ronsignada,ve-se
que o Sr. conego Timo de Campos comprehen-
deu perfeiljraeiile o que era fallar j criancas ; e
osen discurso satfsfazendo a todos, foi mais un
realce ao brilhaute talento de que o dulou a na-
lureza.
S. H. observou os alumnos as di 'renles ma-
terias do ensigno, mandando-osargir pelos ;,,
prios professores, fazendo todava urna vez por
outra algumas observacoes; examinou ti lo o
edificio, o n;ostrou-se satisfeito nos da oidera
e boa disciplina do eslabelecimento, como do
aproveitami uto dos alumnos.
O subdelegado de Tijucupnpo, em cuja casa
S. M. se dignou aceitar urna ligeira colacio ; o
major Francisco Xavier de Albuquerque Mello, c
nao Francisco Das de Albuquerque, como disse-
nios em nossa Perista d'honlem.
_ Nao temi dado no numero anterior a ora-
cao em areno de grajos, recitada m Te-Dcum ce-
lebrado em Goianns, por occasiao ja recente vi-
sita de S. H. 1. agor o fazemos para salisfazer a
espectajio publica :
Mtijor est tapienlia, d opera
t ua, ijuam rumor,quem audici.
' E maior tua sabedi ra ; sao
maiores las oirs, do que a
lama, que lenho ouvido.
ni is. r.v. 3" cap. 10, v. 7
Anda nao termina aqu 3 carreira d
, vicos ierra, que ovio nascer. nem pai
n. nessa manifestajie, das urnas i
10 as consideraeoes'dc que o faziat
seus ser;
ra elle ees-
do go-
que o laziakn credor
carcter e seu desinleresse patrio-
<< Tal foj o elogio [ omp so.qui .1 uia de Sah
lirigi a Salomao, quando visitando esse grande
ilonarcha admirava os riquezas, o pode/, apru-
Bio Se Janeiro S-l de rtoventbru.
Foram nomeaos:
4. escripturariosda contadoria geral, ospra-
As noticias recebidas do interior da rro-
vinca, durante a semana, sao muito satisfacto-
rias. Nao nos consta quo so tenha perpetrado
nenhun crirae, Os aguacciros que teern cahido,
longe de fazer mal agricultura, serviram para
diminuir a intensidade de calor quo o sent, e
para reverdecer o pasto.
Na visita, que S. M. o Imperador acaba de fa-
zer ao Norte da provincia, recebeu oras e sin-
licanles Dragones Cesar de Lima e Silva, Luiz ceras pi0vas do amorque lhe vola a populaco
sara
( vern
' o seu nobre
i lico.
, Per portai a da preesidenria desta provincia de
; 11 de abril de 1837 foi nomeado directo)' do tro-
co do papel-moda pelas notas do novo ,padrao ;
0 qne aceilou, e servio gratuitamente esse em-
I prego, sendo por diferentes vezes nomeado
tambera vice-pie.-dcnle.
Nessaqualidadesssuwio as redeas da suprema
admimstrajao provincial em 17 de junho de
; Io^81 e quando rebentou o molim da ra da
Traa no dia 20 desse mesmo mez e auno, sua
prudencia, e tino administrativo devorase nao
ensangnentar-se ou sepullar-se no voiticedas
revolujoes esta cidade, e porveniura toda a pro-
vincia. '
Estes novos servijos forarn remunerados ainda
, com o officialalo da Rosa, a 20 d'abril de 1810 e
i no da 2 de dezembeo de 1855 foi distinguido
, por S. M. o Imperador cora o baronato u|e Cira-i
bies, e no inesmo da do auno
I honra accrescc aquella da
deza.
seguinle
concesso da
Ferreira da Taixo c Antonio Francisco Moreira
de Queiro/ :
Tralicaiilos da mesma contadoria, Guilherrae
Frcderico Marlins, Antonio Bruno de Oliveira,
Joaquim Augusto Percira Pontes, Custodio Joa-
quira Moreira e Carlos Augusto de Oliveira.
Foram reformados :
i) lente coronel do corpo de engenheiros
Amaro Emilio da Veiga na graduajio do posto
de coronel cora o sold que actualmente per-
cebe.
d'esta Ierra patritica." Por toda a parte por on-
de passou, enconlrou o povo r \m oo-
voados, como as estradas, para ..m
toda a efTuso do enthusiasmo.
Goianna fez a S. Magestade urna rece_ mag-
nifica, melhor do que se poderia esp' ra'r atienta
a pequenliez do lugar. Em Iguarass, em Te-
jucupapo, em Ilaniarac jcebeu tambera de-
nionstracoes nao equivocas do amor que lhe vo-
la lodo o povo sera dislneco de elasses'.
S. Magestade fez multas esmolas por lodos os
lugares ;ior onde, passou, e era tal a amabildade
cora que a todos tratava, que deixon penhoradas
a qnantos liverara a honra de ve-lo e de fallar-
Ihes.
S. M. o Imperador, depois de sua volta da via-
gem ao norte, lem continuado to activamente
corao d'antes a visitar lodas as reparlices e
edificios pblicos, e a receber as felcitajes de
pess ias particulares c de eorporaces.
Honlera fot S. M. assislir distribuijo dos
premios no Gyranasio Pernambucano. Recebido
alli cora as formalidades do cslylo, o tomando
assento, S. M. fez examinar em sua preseuja,
pelos professores, e examinou depois pessol-
i essa
gran-
en) foi
de;ta
De tudo slo poira o resto ?
Um cadver fro e inanimado, que hont
dado !t sepultura, no ceraiterio publico
cidade.
Sexta-feiraO do corren tollas 11 horas do
I da, S. M. o I
de Sapuca
d
U
dencia e sabpdoria, que o'Unham collocado ai-ima
de lodos reis. Em extremo exlasiada avista do
apoarato, da magnificencia, que o cercavo nao
podendo conter os transportes de seu coraco,
ella deixou escapar de seus labios estas palavras:
L grande, rei, a fama de leu nome ; mas o
que lenho ouvido nao se compara de mam ira al-
guma com o que observo presentemente: a la
sabedoria, e as las obras exceden) muito a gran-
deza de tua reputaco. Major : sr-pientia, el
opera la, quam rumor, quem audici.
E nao s,-l0 PS|as ,imhem, senhores, as palavras,
que se deslisam espontaneas dos labios de todos
os Ternarabucaiios ao verera o seu Monarcha, ao
iercbeieni-no em sua visita? Por ventura o que
temos ouvido, o que a fama api iga a respeilo
si nciamos
agora ? Oh n,. ; senhi r. s, uai : A sal edi ria
do nosso tao charo Imperante, a sua bondi
sua tao inexcidirel Ibanesa, o aflocto mesmo com
que Lile facilita a todos os ddadios o approxi-
marcm-sc de seu Irono ; com que Ihcspermitte,
sem distincjo de elasses, ou de jerercl ias o
mais prompto accesso at esse Supremo lugar,
que symbolisd na Ierra o vasto principio da rea-
leza, cstio, por ccrlo, muito cima de tudo quan-
lo por esse lado se publica, se proclama : alajor
estsapientia, et opera tua quam r;u.,'>.r, auem
audiri.
Escolhido por vos, senhores, ara ser hoje o
orgao dos sentimenlos de vossa (idelidade e amor
para com o nosso augusto Imp rante, prescindo
de prembulos, sao desnecessarios : vou entrar
no discurso.
Imperial Senhor. esta a vez priraeira ce
lenho a inabalavel honra de orar na presenja de
\ M., o menor dos oradores, cu nao uusara tan-
to, se nao estivesse convencido, que V. M. osque-
cendu o sacerdote, que falla, attenderi unicamen-
mente aos votos de amor, que por intermedio de
minha voz, respeilosos subditos vem depor hoje
nos (legraos do throno do Vossa Magestade Im-
perial.
O quadro histrico das najes o lemio-
melrodossentinienlos, que animara os povos, de
que ollas se compoom ; por esse quadro, que
a plulosopha osjulga, e a religiao apreciando
as vantagens que os exaltara, ou as cala-
midades, que os opprmem, comprehendo .'r isla
desse espectculo ajuslija, ou a misericordia do
Eterno em relami a esses povos ; porque Dos,
um
lhe dedica
amor por seu adorado Honareha. Embora co.m-
niojoes polticas lenham por rezos quebrado, nao
digo bem. enflaquecido o abraco fraternal, qao
nos devia unir iiialleravelmeule, cima de todas
as ideas, sobranecira a todas as consideracoes
avulla sempre a adheso ao Throno, c ao Monar-
cha. Nao senhor, por esses divertimenlos pu-
Dii.os, por esses signaos externos da alegra,
que Iransluz em todos os semblantes, por esses
brados unsonos de viva o Imperador, que deveis
aquilatar o amor de vossos subditos : exigi um
sacnlicio qualquer, exigi o repouso, a vida mes-
mo, er.ceptuai somonte a honra, e vos seris im-
mediatamenle obedecido ; penetral no coraco-
de qualquer dos Brasileiros, desde o potentado,
que se espriguija nos macios leitos debaixo do9
dourados lelos de seu soberbo palacio, al ao
mendigo, que gome ahi sobre as lagos, vos acha-
reis esenpto em lodos elles com caracteres inde-
leveis esle nomo qoeridoPEORO ll.-Confcssai,
sen lunes, confessai, que eu nao exagero ; que a
mentica nao mancha nieus labios ; que o minis-
tro do Altissirao.se oceupa indignainene a ca-
deira da verdade nao vendo seus pensamentos
pelo proco vil de lisonja ; fallo-vos a lnguagem
do mais eniranhavel senliraento, das mais inti-
mas impressoes : bem que minhas palavras nao
lenham anda a forja precisa para iraduzir todo
esse respeilo, iodo esse amor, toda essa delida-
que nos animara para cora o nosso Impera-
dor que nossa guia, o nosso Pai commum.!
Oh c quanio nao se rao por Elle apreciados es-
tes srnlimentos ?!
Na verdade, o sceplro seria mu pesado a
j corda esinigaria a fronte daquelle, que ousasse
Iraze-la como embiema hierarchico da realeza,
I se a dedicaco dos vassalos nao fosse o maissau-
Idavel, o mais doce Unitivo para compensa-lo dos
labores e (digas proprias do seu cargo : o poder
de fazer o besa geral de militares ce homens,
(no que a Magestade de alguma sorle se asseme-
iha a Omnipotencia] o que nicamente p<"ide
suavisar pases moraenlos de allirco, que, sem
duvida, bao deas vezes opprimir 'quclle, que
se acha collocado na cupla do grande edilicio
social: logo, .senhores. quando esse Monarcha
rodeado dos grandes e dos pequeos ; dos ricos
e dos pobres ; v em cada um de seus subdos
baluarte a defende-lo ; um couco, que so
la um peilo, que ?c lhe consagra
quando os ve possuidos de um enthusiasmo leve-
doquatii agglonaerarem-ae lodos elles, umrein-se
alropelarcm-se para lerem ao menos o summ
prazei de v-lo : Oh esle Monarcha nao pode
deixar de exclamar na elTuso do mais delicioso
jubilo, sou feliz, porque fajo a felicidade dos
mcus povos; sou feliz,'nao porque impero, bao
porque me sinlo n'uro Throno ; mas sin, porque
impero sobre lanos, e lanos caracoef, que rao
idoram
Nesie commercio pos de reciproca amisade sa
bascara a eslablidade de urna naeo, a sua
fortaleza, c o respeilo, que necessariraente lho\
tributara todas as mais naces ; quando os vas-
sallos confiara na prudencia e sabedoria do sei
soberano ; quando o Soberano nao duvida um
so momento da lidelid'ide de seus vassallos; cn-
lo a najo prospera, e se engrandece, asnacoes
amigas respeilam-na, easinimigos a temem|
Tal Senhores, a situaou loi osenle que es-
t delermnada ao Brasil "no mappa geral do
I niverso, como um Estado, que ri\alisa com os-
mais .lio, escentes Estados : rico pela natureza
grande pela illuslrajao ; famoso pelo desenvol-
vu.enlo sempre progresare no material, na mo-
ral, na poltica, escudado na sabia admiuislra-
jo do mais illiistrade dos Monarchas, elle mar-
cha cora passo firme na senda brilhante da civi-
lisajao ; vai a locar no zenilh da grandeza a quo-
se abalan a ; e a oceupar o lugar qi:e lhe est
designado pela mao da Providencia.
.Fallar ilo Rrasil,Senhores,fallar dePernam-
biico ; nina das mais bellas, urna das mais pilto-
rescas, das mais celebres provincias dosle grnr:-
do Imperio : erguida sempre cima de si mesma
ella lera mostrado que iguala ou anles exrede
lano todas as mais provincias, sus irmaas,
quanto o Rrasil iguala, ou excedo mesmo as de-
ntis naeoes do Globo : nao sei, Senhores, se me
excedo : mas desculpai ; o amor que consagro
a esta (erra, que para mim tambem urna Pa-
tria, o que me obriga a tanto Vou concluir.
As rulados, bem como os homens tem pocas,
que se llo-s (ornara imraoiredoras, ou pelas ca-
lamidades de que as sobearregaram, ou pelas
venturas que lhe trouxeram n'uma torrente de
ncii'aycis gozos ; a visita de Suas Mageslades
Imponaos a esta Provincia vem marcar urna no-
va poca, que ficaria registrada nos fastos de sua
historia, porque, segundo nffirma um grandees-
criplor as riagens que nao sao por mera diver-
que a juslija, inalteravel, Ihes reparte os ma- 8a?> mas quo tendem a alargar o dominio das
les, ou os beus conforme as virtudes, ou os cri- i s'l(,mias, ariyilisaros povos. a propagar i ver-
il Imperador seguid^/los Srs. vizconde \ verga sob o peso dos castigos c
hy, ministro do infperio, presidehte da i looso recebe era abundancia a
Balita, JJ8 de novembro
A respeilo do incendio da uole de sexta-feira
[25] communieou-se-noso seguinle:
O incendio da casa do Sr. llenrique Jorge
Coelho, sila ra da Preguica, ainda continuou
at o da 86 do correntc cci alguma intensida-
de. OSr. capilo do porto, seu ajudan'te. o Sr.
1 lente Franca e o Sr. 2" teiieule patro-rar
relirando-se daquelle lugar as 7 horas da manh
dcxando (car duas bombas granJes e outrasde
ni.ios na continuaco do servijo. Algumas bom-
bas das difieren tes estajees publicas tambem re-
liram-se pela manhia, bcra assira diversos ma-
Inculados da capitana, coinpauhia de aprend- i ""-'"'o a todos os alumnos que se deslinavam a
zes marinheiros, inarinhagem dos navios da es- reccucF premios. S. M. examinou-os em grego,
lacao, carpinleiros, calafates c oulros individuos cm 'al'm, era allemo, em francez, era inglez e
que se prestaran) vulunlariamcnle ao irabalho i cm geomelria com urna profissiencia c nra des-
embarajo, que encheu de admiracao o de nobre
orgulho a quantos sa achavam presentes.
Nao urna lisonja magestade, um tributo
rendido verdade, que pode ser altestada por
mais demienta pessoas Ilustradas que all es-
lava m presentes.
A' gloria, satisfacao que tem lodo o Brasilei-
ro do ler por soberano a tira principe virtuoso,
charilativo e humano, deve anda accrescer a de
ser elle um principe profundamente Ilustrado, e
amigo c protector das letras.
Nesse acto recita rara-so diffcrenles discursos,
mes, que os acompanham. Israel delinquenlo
do eco ; Israel vir-
bencios
um semelhante acto.
A dislribuicao dos premios aquellos alumnos
que se haviain tornado dignos disso, leve enlo
lugar, devendo orgulhar-se esses adeptos das lel-
tras por haverom recebido a cora dos seus tra-
balhos das mos de S. M.L.que se nao de dinava
de vir associar-se cora elles n'cssa fesla da intel- lo lindas, c lie delicadas
j ligencia. canto, sao mais um echo mravilhoso da u
I Dous alumnos recitaramdous discursos, ukn era ,*al orchoslra, que todo esle paiz lho entda em
I latiin e oulro na lingua verncula ; e era segui- mares, era rios, cm flores, em fruclos era prima-
j da, por parto da congregaco, recilou gu.ilknen-I vera continua, ora doces festas da natureza
2 o Sr. conego Piulo de Campos o bello dislcurso Deu-lhe mais ; por sou inflixo rebenlam-Ihe
em todo oslo Brasileiro os seus ihesouros, os
seus dons de mais elevado prejo : infinitamente
liberal, como fez-lho sobresahir pittoresca a
posijio goographica ; esmaltou-o cora urna pers-
pectiva encantadora ; deu-lhe de prsenle inn-
meras aves de mimosa e variada plumagem, [ue
por sen amenissimo
. Oou sob direceao dos primeiros tenent.s Mi-
senti mais doce emojao do que nesle momento,, rand, c Cos(a imo Gl.a|ldo concurso de
era que posso gloriar-ine de ler ollerecido ura
cot baldes, machados e mais aprestos adquados
a t)l lim.
Aos esforjos e aclividade do intrpido 2o len-
te patro-rar^e aos Srs, Io lenle Galdino Hi-
r.u da, engenlieiro Tessoa de Barros e conslruc-
lor Joao Anaslacio, deve-sc salvajio das casas
contiguas a incendiada, e as providencias que se
lomaran) relativamente s quatro que ficam era
frente.
O Sr. commandanle do polica c seus officiacs,
capillo do porto, ajudantc Lomos, engenheiros
da provincia, olficiaes deln linha, guarda nacio-
nal e diversos cidados de lodas as elasses em-, oll"s ds quaes os nossos leilores encontraro
pregaram-se tambera com os maiores esforcos Cln ou'ra parte desle Diario.
pan a completa salvajo das ditas tasas, chegn- j Ilontcm noite S. M. recebeu diversas corpu-
do a irabalharcm de machado c outras ferramen- ^ ra'.'ocs que o foram felicitar. Alli foi o director
las proprias, para que mais fcilmente consegus-' d. cn"ego do Bom Conselho com todos os seus
sem os seus desojes. ] alumnos internos, em numero de 40. 8, M. re-
Preslaram bous serviros as bombas da compa- cbeu-o con) agrado, e concedeu-lhe e aosalum-
nhia de segure contra fogo. Interesse publico, nos a honra de beijarcm-lhe a mao.
a do commercio^e a dos artfices do arsenal de | Dcmandaram este porto, durante a semana
guerra, bem como duas das do arsenal de mari- ccorrida de 3 a 9 do corrente, 25 crabarcacoes
nha. que primeiro de todas as citadas alli che- i niercanles, com a lotajio de 8.08! toneladas.
que aqu offerecemos apreciacao dos leilores,
1 discurso em que se acham bera e'spalhadas fc de-
terminadas as llores da cloquencia :
| SesiiorI Depois da congrogajio desta casa
ter lido a honra de beijar a Augusta Mi fle V.
i M. I., mo permita anda V. M., que em orne
dola, chamado pelos estylos a represerta-la
, em lo solemne occasiao, ou sade com o
| mais profundo respeilo a V. M., o me felicite com
| a congregacao inteira por ver o mais feliz dos.
narchas da Ierra, confundido no raeio dos s
dotes das leltras, como um dos seus mais sab
vigilantes Pontfices, conversando cora esta J
I ressanto e lenra porjao de seus filhos, qu
I de fazer um dia a gloria e o orgulho da nai ..
i Ueus filhos (porque tambem o sois raejs
honra 13o nova
mo-
cer-
os e
nle-
eera
ii .
a
das profundidades da Ierra lodos es-es mtaes,
que os homens ambicionam ; o ouro, a
o ferro, o brilhante, a esmeralda ; os filhos di ste
paiz de heneaos gozam de lodosas vantagens
reunidas em um s ponto, quanto em multas
outras regio, sdo globo apenas se podero encon-
trar anda mesmo separadas. Mas ainda nao 6
ludo : porque superior a ludo ha para nos lodos
urna idea, urna rcahdade : lomos um Monarcha
sabio.reclo e justo, que nao cessa de lmar so-
bre nos suas vistas paternaes, e a quem "se | -
dem applicar devidamentc oslas palavras da Cs-
cnptura Bemaventurados os leus homens,
pemavontnrados os leus serios, que gozara sem-
pre da toa presenca, e que ouvem a la sabedo-
. Deati rut tui, el beati serv tui, qui etant
exemplodo moralidade poltica, pouco commum
na historia de nossas guerras, porra que a civi-
lisacio actual reclama.
Em urna hita de familia devo prefciir-se
toda transaccao a una batalha ; aquella funda a
paz e inspira nobres seiilimenUis para o porvir;
sangue que so verle ncsln, fermenta odios.
'Juenos dero mais de quarenta annos do Iota ?
Arruinar o paiz e segar horrores.
V Rasta por Dos! de sangue innocente sa-
crificado por bastardas ambicoes Rasta de guer-
ra entre, os filhos da naco argentina, que sem
ella seria hoje a mais grande c poderosa naci
do Conlinenle !
Pode ser que na transaccao honorfica que
se fez muitasinspiracoes individuaos nao este-
josatisfeitas, pormo inleresse do paiz o est,
estira os altos principios quo armio a naeo,
PSti o direito, a civilisajio. a humandade. Glo-
ria a todos os que contribuirn) em fundar i
nova era que se abre hoje para a formosa pro-
v inda de Buenos-Ayres e para toda a naeo !
Conhejo a virlde e o patriotismo do's filhos
de Ruenos-Ayres que me acompanhro, para
esperar que se fajio com sua conducta ulterior
dignos da honra que adquiririo; e que saos li-
quen) paz ludo quanto deve sacrificar o cida-
Jo honrado.
Voltio sua patria com honra : conservem-
se nella o mesmo. A naco os reconhece como
a seus leaes servidores." Esto em plenitud i de
s us direilos.
Nada de unitarios era federaos: irmaos lo-
dos, a patria dorida espera sua ventura dos es-
reos do todos. Nada de bandos I A naco ar-
gentina necessila de loJos os seus filhos para
-ua felicidade e sua grandeza.
Cada dia que durasse esta siluaco era um
dia de calamidade ; o dia do alaqno'a cidade so-
la talvez. ura dia de horrores.
Que filho do Buenos-Ayres, que argentino
nao applaudr urna paz que acaba com a incer-
teza de um deslino fatal, que protege os inters-
ses da industria, qoesecca as lagrimas da esposa
pessoas que ailluiam cora baldes etc. levando u-
gua, c o desojo de salvar-se aqne-lla infeliz pro-
priedade, bem como as outras visinhas, porm
foram frustadas em paite todos os meios emprc-
gad}s a semelhanterespeilo.
Lislima-so porra, alera do tudo, a maneira
desregrada e inslita porque sao feilos por cor-
tos individuos os Irabalhos de soreorros de in-
cendios ; pos que valendo-so da triste occasiao
do perigo, em lugar de oceuparem-se no servijo
.1 qi.o devem, empregara-se era estragar comple-
tamente aquillo que se pode salvar das chamas,
o a maior parle das vezes subtrahindo para si,
que recebestes ao entrar no mundo, ser I l'vro de sua historia factos tarcs'e bri-
para roa igualmente do una forja, e de uma vir- : Ihanlea, que por es o lado na la lem uuoinveiar
ira- *
elo,
Sahiram durante os mesmos das,10 erabarcaies
morcantes, com a lolacodo 223 toneladas. En-
tra m alera disso, 3 vapores de guerra naci-i
naos.
Renderara durante os mesmos das:a al-
fa ndega 110:012j>256 ; consulado geral 10:35-ijJ008,
recebedoria de rendas internas ^eraes 5:735<578
consulado provincial 12:737$405.
O movimento geral da alfandega, nos das
referidos, foi de 5:926 volumes, a saber : volu-
mes entrados cora fazendas 1.253, com gneros
2,137 ; total dos volumes entrados 3,390 ; volu-
mes sabidos cora fazendas 721, com "eneros
1,815 : tolal dos volumes saludos 2,536.
Fallecern) durante a semana 12 pessoas,
lude prodigiosas. As sagradas Mos do Imp
dor, ao entregar uns a recompensa de seu
ao olhar enternecido para oulros que a nao po'd'e-
rnmalcanjar nesle famoso anno lectivo, masfque
farao por merece-la nosseguintesessas augus-
tas Maos laro o milagro inslito e notavel de in-
ttamar o trabalhocm lodos, o de cada um de'vs
se sentir com forras, que nunca jnlgra ler em
si para subir cheio d'anima a niontanha glorio-
sa de 7 annos que temos diunle, c cujo cal
rauilos de vos vem de bem porto.
Nao esmorecais, pois, na cultura do vosso
engenho. O engenho ura direito de imperio
vi-
era
dados de linha, marinheiros e guardas nacionaes
a qcem compre o dever de mantera ordera e
conservar a tranquillidade publica, sejam como
se diz, os primeiros a dar o mo exeraplo ea
lornarern-se peiores e mais acrrimos nos aclos
de que se trata. :>
Em nossa noticia de sabbado, por esqueci-
mento, deixamos de declarar que comparecern)
no lugar do incendio todas as autoridades.
( Dinrioda llahia. )
29
Honlem encerrou se a inscripjio para o con-
curso tres lugares de oppositores da seccao m-
dica da Faculdado de Medicina ; inscrevndo-se
os Sis. Drs. Cunha Valle, L. J da ('.osla, A. J
Rodrigues da Costa, Almeida Couto, Demetrio
Luiz Alvares, Araujo Lima, e Alfonso do Rrito!
o\)
Honlem prncipiou a defeza de theses dos cs-
tudantes da Faculdade de Medicina, que conclui-
rn) seus esludos este anno.
~> do dezembro
KI.EICO PIIOVINCIAL.
Sao conhecidos os resultados dos seguintes
districtos:
r-RlMElllO.
Di pillados.Drs. Pedro Francolino Guimaries,
Joao Vctor do Carvalho, c Agrario de Souza Me-
nezes.
como acaba de acontecer. de admirar que sol- sondo : ^5 homens, 11 mulhercs e 11 prvulos,'
livres ; 3 mulhercs o 2 prvulos, escravos.
REVISTA DIARIA
O Liberal Pernambucano [nao Jpdevereom
bons olhos os triumphos quo lodos os dias colhe
o Exm. Sr. conego Pinto de Campos, na tribuna,!
no pulpito, e militas vezes na Imprensa quando' I
para ella o arraslam seus rancorosos inimi"os.
Tera-se procurado por Iodos os meios embara-
cara carreira poltica do Sr. conego. A calumnia
c a intriga tem sido jogadas com pertinacia ;
mas de tudo islo tem zorabado o Sr. conego ; e
seus inimigos confundidos, o corridos de ver'r-
nha, lera visto continuar ello na carreira encela-
da cujo termo ser um risonho porvir.
O Liberal foi esto anno derrotado completamen-
te na discusso que cncetou acerca de um cele-
bre processo forgicadoem pocas bem caliginosas
contra o Sr. conogo.
Nao tendo mais campo a explorar, procura
aniesqunhar a gloria que ha pouco* dias con-
quislou no pulpito, quando pregou na igreja do
Espirito Sanio por occasiao do Te Deum que se
canlou em aeco de gracas pela visita de nosso
Augusto Monarcha.
Perde, porm, o lempo em nnalyses da ordem
da que se le no numero do ante-hontera.
Asentenja j foi proferida pelo tribunal com-
ponte ; ella foi tao justa, quo nao a podero con-
testar aquolles mesmos que hoje procuram ames-
concedido por Dos ; o verdadeiro direito d
no das inlelligencias; mas direiio que seobli
e se perverte, so delle se abusa com irreverencia
impa contra o seu Supremo Doador.
Umasociedade era que lodos se julgam com
direilos, e ninguem cora deveres, digamos
assim, um vasto labyrinlho de interesse*, que
porfiara, de cubicas queso dilacerara, e de am-
bicoes que se combaten). um hediondo mer-
cado, onde o ouro a mais preciosa joia da cjea-
eao, o o homem a sua ultima cadeia !
O ensino em que nao fulgura predominante
aideadabumma Perfcico, que Deus
caminhar s escuras, qu nccessarainen
duz a um abysmo, era que so perdem toda
esperancas de uma gerajio.
a O homem, semelhante Milln lera neclcs-
sinade de desprender, as trovas que o nvolvt m
um hymno luz perdida. Seja esta luz, leu
pupilos da Providencia, o Ihermometro de vossas
aeces, a aspiraro continua de vossa almi, o
senlimento vivas que presida a lodas as man; es-
tajees do vosso engenho.
Quem nao confia na m...
tinos humanos, nao sabe dignamente apreri; r a
gloria, porque afgloria quer dizer vida im-
mortal.
Generosos de animo, polclos de inlellectoj na
estajeo das mais gratas esperancas, para as re-
gios sublimes da perfeijio moral, que deJeis
elevar o -
aos da culta, mas avelhantad.i Europa. Calarei
esses lempos mais remotos ; nao vos fallarei dos
i.amarOes, dos Henriques Dias. nem do tantos
oulros hroes, cujos nomos sao um padro vivo
das glorias patrias, que se dilata de gerajio cm
gerajso. Desde esse momento solemne, e sem-
pre memoravol era que o magnnimo, e immor-
tal ledro I, soltou as margena do Ypiranga o
famoso grito deINDEPENDENCIAdesde cssP
momento em que esse grito rcpeicutido do Ama-
zonas ao Piala, echoando no coraco de todos os
Brasileiros, foi por elles unnimemente ap-
plaudi.-o o enthusasticamenle acompanindo
era (oda a torra da Santa Cruz, novos dia-,
novas pocas, oulros periodos de inalteravel fe-
lindado lera enriquecido as paginas dessa bislo-
na que no secuto presente ench'e de admit
a todos os povos ; e no seculo por vir ha do
causar o assombro de todos os espinlos illuslra-
dos, de todas as najoes celebres.
Trinl.i o oilo anuos de Independencia c Li-
berdade, parece, senhores, que seria mui peque-
no espaeo, para que uma naco que comer o i-
desse hombrear com as bellas naeoes cultas ;
mas o Brasil tem provado, quenesta parle ex-
cepcional, que em relajo a elle os dias nao de-
vora sor contados pelo curso dos asiros; mas
Sim pelas acedes de gloria cora que seus filhos o
tem elevado, e o rio distinguilo tanto. Todas
as provincias, que compoem este vastissimo Im-
perio, croado quasi lo repentinamente, como
foi o mundo voz do Immortal, pois que sahira
do cabos para a perfeijio rovalisam sempre cm
lazer sobresahir esse senlimento, que dominan-
te no coracio dos Brasileiroso amor da Patria .
e Pernambuco, a Veno/a Americana marcha
mort.ihdado dos es-, sempre frente frente de suas irmias como
para Ibes marrar a senda, quo devem Irllhar no
uesenvolvimento da idea do progresso. Em to-
das as Crlses, cm todas as occasides sempre a
priraeira, porque os Pernarabueanos sao to h-
roes na paz, como sao hroes na guerra.
ii m
cun-
as
entre as heneaos da huraanidade, pelo plac
no da ventura, e cm cada pagina de vossos l a-
balhos illeanos cnconlrareis a recorda
JuO
MUTILADO
uma idea nobre, de um pensamento digno da pa-
N
de
dadi ira religiao sao sempre de nina ulilidade in-
slavel: enera se devera, era se podem
por ura s momento poM em duvida as innme-
ras vantagens que esta bolla Provincia traz a
augusta visita dos Imperiaes Viajantes: enume-
ra-las, Senhores, sena enfadanho, porque vs
perfeilameute as comprehendeis : lera talvez re-
petir o que todos sents no fundo do coraco.
Parabens, Pernambucanos.parabens, Guj:i-
3, esti realisado o vosso mais ardpnte di-
sejo em beijardes as raaos do vosso adorado Mo-
narcha. J nao vos necessario sulcar as aguas
ao grande occeano, nem arriscara existencia aos
acasos ,\a fortuna em prolongadas viagens; cheio
de amor para comvosco Ello mesmo se sujeita ,i
todos esses incommodos para \r entre vos rece-
ber as mais puras domonstracoes do vosso res-
peilo, da vossa delidade : parabens, pois,
Pernambncanos, parabens Coiannenses.
'Grande Deos.em cuja dextra esto os destino*
os, so por vossa hondado infinita o Im-
perio da Sania Cruz, collocado debaixo do manto
protector da Virgen por exccllenca, vos tem
sempre merecido as abundancias da vossa pre-
dilecjao : se vos dignastes collocar no seu thro-
no um soberano cheio de rectido, que encontra
a sua gloria na gloria dos seus subditos, conser-
vai, Senhor, conservai-lhe os dias preciosos;
permitti que posssamos sempre louvar-vos c en-
grandecer-vos polos innmeros leus, que vos
leudes dignado derramar sobre esla porcao da
vosso povo, que jamis ser confundido", por-
que somenleom vos espera./,i te Domine, spe-
ran.non conflindar in aHernum.
No da do correle pelas 6 horas da larde
no lugar do Campo Verde da freguozia da loa-
vista, um soldado do 10 balalho ferio cin
uma acada a oulro da companhia do arlifiecs.
I o preso era tlagrante, c remedido ao Exm. com-
mandanle das armas por ser o crime puramente
militar.
Coramunicam-nos da Villa de Flores o se-
grate :
Ni madrugada do dia 11 de novembro prxi-
mo passado no dislrirto de Baixa Verde, no sili"
denominado Livramento ura aivertimento, que
se fazia por occasiao de um casamento, entre
minios convivas eslava Estanislao Nones da Sil-
va Rosado, menor do 21 annos, c como quer
que um dos que dansavam lhe tocasse com o p
convidando-oa lomar parte na dansa.-levantou-
sc furioso armado de uma faca de pona c aliran-
do-se ao infeliz que o tocara, o matou instant-
neamente com uma facada no peito esquerdo.
.Nao satisfoilo cora urna s victima, lancen no
mtodo adjunto, que ali havia, e dcilou por trra
mais cinco pessoas gravemente feridas, das quaes
urna tallecen pouros momentos depois, c qualro
esli cm perigo do vida.
Essafera conseguio retrar-se sao e salvo do
Iheatro do crime : mas no dia seguinle fui preso
gracas as diligencias das autoridades policiaes
d aquello termo, e a coadjuvaeuo de alguna ci-
dados.
Pelo Dr. delegado do primeiro districto, foi
apprehendido a mu molequo escravo nra trance-
lira de ouro cora passador, que pelo mesmo rnolc-
que ora olferecido a venda.
a commisso encarregada pela cmara mu-
nicipal de Goianna de preparar os aposentos a
hospedagera destinados a Sua Magestade o Im-
perador e sua comitiva, compunha-sc do presi-
dente da mesma cmara municipal, commenda-
dor Antonio Francisco Percira, do commendador
Joo Joaquim da Cunha Kego Barros, do Dr. Luiz
Jos ile Eigueiredo c do commandantc superior
Antonio Alvos Vianna, e era coadiuvada nos
seusli-abalhos pelos Drs. Joo Florlpes Diis Br-
relo, .loo Antonio de Araujo Freilas Henriques
e Joao Ilircano Alves Maciel.
As despezas do pomposo To-l)eum que levo
lugar na mesma cidade, do pavilho para a re-
cepeo de Sua Magestade, da grande chave de
praia dourada e ricamente trabalhada, que foi
entregue ao mesmo Augusto Senhor, bem como
algumas outras despezas mumeipaes foram todas
exclusivamente cusa do dito presidente da ca
mar coronel Antonio Francisco Pereira.
Um horrivel incendio acaba de devorar ni
cidade da Babia o fruclo dos esforcos laboriosos
de um artista honrado, que ainda fia dias achan-
,._a- i do-se na abastanca, v-so hoie reduzido A mise-
deiros amigos do 11,roo, sustentculos firmes da I ria, tanto mais horrivel quanto nella est envolvi-
Monarch.a dedicados inleiramenlc dedicados d da uma familia constante do mull cr e seis ten-
pessoa de \ ossa UagesUde Imperial nao consen- ros filhos.
SCTM,BdemnSr2S; W"" qU, T ] A ca,,a q,,c nos diri8io a vic,ima "nocente des-
)euaiem dbs demonstrajoes do mais acrisolado J ta catasirophe, offerecemo-la aqu ao publico que
E deixar-se-hia Pernambuco
^


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEI1U 12 DE DEZEMBRO DE 1859.
por olla mclhor peder avahar a cxtcnso da dor
dosse pai de familia, que v-se de prspnte forra-
do a recorrer i philaniropia dos seus concdos,
solicitando d'elles um soccorro para altenuar a
miseria que paira sobre sua cabera, impiedosa e
hedionda como ella mesma.
Illm. Sr.Adiando -me no raaior apuro de
consteinajo ; sena esperanzas de minorar meu
mal, enirego-me Providencia Divina eimploj*
A piedade dos Uomens.
ik cora idade de 40 annos, onerado de sois
ilhos e mulhcr, caneado de lano lidar ; vejo-
le hoje reduzido iiseria pelo incendio que
leve lugar no dia 25 de noveuibro as proprie-
dades de meu pai, o Sr. Guillierme Coelho, silas
ra da Preguicn. Ahi perdi ludo que hara ga-
1-orniou-sc tuna foguoira na praca municipal
do Ruao, o lanjou-so-lhe o fugo ; em quanlo a
mosma arda, M. Duvert, revestido com o seu
apparelho, penetrou por entre as chamnus, sem
que ellas o offeodessem, o entre ellas se consor-
vou per 25 minutos, nao sahindoseno para tor-
nar a molliar o seu apparelho.
Terminada a experiencia, o inventor fui aco-
lhidu c;>:n vivos applaoios dosespe<'ladores.
Passsageiro do vapor Par-m, sabido para
os portas do sul:Franealina Hara da Concei-
ro. Eduardo Joos, Affonso Xavier Forte de
Bustamanie, Joa jum le Ovcira Maia, Francisco
Jorge llibeiro, Agostinho de.Carvalho Das Lima,
Venancio Josj da Costa, Francisco A. Filgueiras e
um criado, Francisco Antonio de Souza Braga,
nho com tanto suor no longo esparo de vinle o FilippelDaiiro de Castro,Americo Jos dos Santos,
tantos anuos. Nesta dolorosa situaoo cm que
ine acho accorda-me urna lembranca, a protec-
oao de V. S. que pode salvar-me, se cu for to
feliz que minbasupplica tenha lugar, Coraones-
sa capital, com a chegada do nossp Monarcha,
tudo pra/er o festa, os nimos dispostos a con-
verg re m para um poni salionte, espeto que
una publicarlo no vosso jornal tratando do fac-
i o fazendo-me n cxlenso da minlu dor, com a
loqncncia do coslume, conseguir, era meu fa-
vor, algiim alIKio, para um triste pai de familia.
Senhor, maisum fio rao para a vossa coroa de
louros.
O infeliz artista,
Jorge Guilherme l'oelho.
De Caruar em data do 5 do corrente esero-
vem-nos o seguinte :
O capilo Antonio Victor da Silva Vieira,
commandante interino do batalh i de guardas
nacionaes, desta cidade, fez sabir na iioite do 2
do correnh', a msica que pertence ao b-talho,
fara tocar na porta de sua residencia ao reco-
her : depois de tocar o hymno don o mesmo
Sr. vivan a SS. WM,, a Constituicao o outros raais.
c subiram aos ares crescido numero de foguetes.
A musir percorreu as ras da cidade, c foi
aconipanhnda por muitos offlciacs do batalho,
juiz mnnicipal em exrcicio, promotor c outras
pessoas.
a Noiou-sequc acamara municipal achara-se
era trovas. Senao fosse tros ou quatro veroadoros
que merecoram-me consideracao, cu di/.ia que
nao derla adpairar as trovas da casa da cantan,
quando esta vive as trovas, principiando pelo
primeiro.
_ Adelcgacia, a nao ser a foira de sabbdo.
nao salteriamos ond parara, pois ha quem as-
severe estar ella no FunJo do Brejo da Madre
de Dos.
Parece conveniente seja o'pnmeiro supplen-
te substituido por oulro.
Nao tiremos novidado algurna. Acarno ver-
de continua a dar alto preco, e os dermis gne-
ros conseii\iiu os presos anteriores.
Nos dias C c 7 do corronlc liveram lugar os
xames dos alumnos das escolas publicas de ins-
Anlonio Jos de Souza Machado, Francisco Leite
das Virgous, Jos Mara B. da Fonseca, Be-
nevenuto Emygdin Poreira Guimares, Augusto
Cesar ieCarvall10M0ne7.es, Dr, Joaqun] Paula
Pessoadc I.acera e 1 escravo, Mr. Woyl. Ame-
rico Tinto Brrelo, Jos P uto de Alraeida Cas-
tro, Manuel C.-de Oliveira Bastos, Bolisario da
Cunha Lima, Regiqaldo Aires de Mello e 1 es-
cravo, Antonio A. Poreira Lima, Lucas Antonio
Botelho de Castro Jnior e 1 escravo. Anua Ado-
laide Monleiro do Castro, Manoel Jos Mouteiro
da Silva o 1 cscraro, Manoel Aniones Pimontot.
Ignacio P. do Carvalho Albujuerque, Antonio
loa.quim P. do Carvalho Albuquerque c2 cria-
dos, a prcla liberta Theroza, Joao Candido da
Silva, Antonio P. Gomes, B. Folicidade Parpciua
G. da Silva, Dr. P. Manoel Freir de Carvalho,
Adelina Francisco Botelho, Ignacio Accoly de 1Jeffl 2- "" Manocl llbeiro da
Almeida, Eduardo Uaslelli e um criado, Claudi-
no F. Das, Francisco P. Carneiro, I). B. J. do
Sacramento, Unoslo Botelho do Audrade ostia
senhora, Aurelia::o de Azevodo Montjiro, Jos P.
Pereira Jnior e 1 escravo, Dr. Custodio Cardse
Kontes c 1 escravo, Antonio M. de Mello, ex-
soldado, Francisco Manoel da Silva e 12 pro-
ras do primeiro balalhao do infatuara, Jos
Piel do Jess Leite, Manoel Joaquim da Silva
l.eo.
Passageiros de brigue porluguez Prompti-
llainos ; aggravuus, u viuva c herdetrua de Juuo
Henriques da Silva.
O Sr. presidente negou prorimento.
nisTRiBricF.s.
Rccorrente, Jos Teixeir Bastse Silva, socio
liquidante da (irma de Biltancourt & Silva ; re-
cord ia, D Maria Carolina de Quadros, herdeira
de Francisco Jos de Biltancourt.
Ao Sr. deserabargador Guerra.
(Fscrivo Martins Pereira.)
Nada raais houve a tratar.
aVuo Rangel,
Secretario interino.
COASILADO PKOVIXCIAL.
C0LI.ECT9RIA PROVINCIAL DA BOA VISTA,
l.iim-ainciiio da levlina dos predios
urbanos do distrieto da collecto-
ria que tem de -servir no auno fl-
naneeiro de 1859 18CO, pelo
eolioetor Manoel Jos de Azevc-
do Amoriin.
Estrada dos Aflitos.
N. 20. Jos Saporiti, casa ter-
rea oceupada pelo proprietario
avaliila por...............
dem 21. liarJeiros de D. Lau-
riana Rosa Candida Rigueira,
casa lerrea arrendada por. ..
3003000
3005000
to, entrado do Porto :Jos Vicente de Mello,
Jos Maria Guimarcs, Francisco da Silva Fon-
seca, Jos Maria da Costa Pinto, Gaspar Moreira
Lima, Ernesto Claudio dos Santos, D.~"Gerlrudes
Elisia Lima, Jos da Canclelo Oliveira, Jos
Martins Goncalces, Jos Antonio Pereira Braga,
Eduario Rabellode Mallos, Antonio Moreira. Jo-
s Mello Goncalres da Costa. Antonio Pililo F,
Tarares, Joanna da Silra, Anna da Silva, Anto-
nio Jcsc Rodrigues, .los Tarares Pinheiro, Ma-
noel Vieira Noves, Francisco Marques da Costa'
Hanocl Feroandes da Silva, Antonio Duarle,
los Domingos, Domingos Jos Banoiros, Balar-
mino Jos Pinte, \nlonio Marlins, Antonio Jos
Pinto 0/orir>, Domingos Gonralves, Jos Maria
Aires, Domingos Maunel, Manoel Joaqun Al-
res, Jos Antonio Alvos Pereira, Jos Barbosa,
tnicco elcmenlar da freguezia de S. Jos, sendo Candido de Carvalho Noves, Isidoro de Carvalho
examinadores Horneados, os Srs. padre Miguel
Vieira de Barros Marreca, dos alumnos da esco-
la regida pelo professor Joaquim Antonio de
Casiro Nunos ; e Simplicio da Cruz llibei ro, das
alumnos da professora D. Joanna Justina de
tuque ira Varejo.
Dos alumnos do professor, apreseoiados como
habilitados, oi approrado plenamente Benjamn
IMaximiano do Nascimento, e simplcsmenle Luiz
de Franra Honorato do Carralho, loao Gervasio
da Cunha Perni e Antonio Polycarpo de Salles ,
o das apresectadas pela professora, foiam appro-
vadas com distineco Francisca Xavier Rodrigues
de Miranda, Maria do Livramcnto da Silva, Adel-
gicia narraCardoso e Idalina Tertuliana de S,
simplesmenle Candida Joaquina dos Santos e
Jeronyraa Antonia dos Santos.
Deixou de comparecer ao examo o alumno da
escola do Sr. Casiro, dado corao habilitado, An-
tonio Ignacio deArruda.
As pessoas pois que pretenderen) suavisar una
dor, que nao provem ,de facto proprio, podero
delxar a respectiva conlribuirao na lirraria da
ptea da Independencia numero 6 e 8, onde a -
cha-sc aborta umasubscripcaoTpara semelhonte
um.
Por engao dissemos, dando conla da che-
gada_de Sua Magcstadc o Imperador de sua ex-
curso ao norte da provincia, que desembarcara
elle do vapor Piroja, quando o foi da canlmneira
Ignaterny, para a qual passra Sua Magostado na
Larra de Pao Amarello, por haver aquello vapor
cncalhado perto d'alli ; porque navegando por
dentro des arrecifes, por um canal que all exisle,
tendo abaixado a niar, faltou-lho agua suffici-
ente para seguir.
Nesia excttrsSo, em Cidades d'aquelle lado da
provincia, smente estovo Sua Magostado o Im-
perador era Goianna.
Foram recolhidos rasa do delencio no
dia 9 do corrente, 7 homens e 1 mulher, sendo
lirres3, libertos 2, escravos '3, a salier : 1 a or-
dera do Dr. chefe de polica, 5 a ordem do dele-
gado do primeiro distrieto, 1 a ordem do subde-
legado da freguezia do Recire e l a ordem do da
reguezia de Sao Jos.
Ultima askexso ao momk-3R\noo.Es-
crerem do Valle de Chamonix :
Grafas nos bellos diasde setembro, e ao deli-
cioso sol do oulomno, de que esle paiz tcni sido
favorecido, os Inglczes affluem anda agora a
Chamonnix, e com elles se mulliplicam as as-
censoes ao Monte-Branco, que eraui n'outro
tenipo citadas como milagros de destreza, de
forca edecoragem.
Seis inglezes fizeram a sua ascengao a 9 de
setembro, o um tendo apenas 21 annos de idade,
fez sosinho a mesma viagem dous dias de-
pois.
Os seis inglezes iam aconipanhados de 12 guias
do alguns portadores de provisoes ; partirn)
do Chamonnix s9 horas da manhaa, e tres ho-
ras depois eslaram no Grand-Mulet, estacao
posta no meio dos gelos e da nove, a3,455 me-
tros cima do nirel do mar. L passaram nina
parle da noite, es 2 1/2 horas da manhaa dei-
xarnm o Grand-Mulet para se dirigir ao ctiroe
do Monte-Branco, onde chegarara ao meio dia o
jni quarto.
Conserraram-se por tros miarlos do hora no
ponto maisallo, que est 4,810 metros cima do
nivel do mar. Alli experimentaram um fri vi-
vissimo, o anda que nao cahisse, nao foram !
bngados a cobrir a cara para resistir aos otfei- '
tos da nevo que eslava no terreno, c do sol que
refleclia na mesma ; elles pozo-am em diversos
lugares barmetros o thermoraetros, que aban-
donaran, e terminaran! sua viagem plantando
tma bandeira sobre um dos mouros visinhos,
para altcstarsua passagera pelo giganlo das mon-
\jiihas.
Os seis cavalheiros estavam de volla a Cha-
monnix s 10 horas da noite, e foram acolhi-
das cora salvas, c un bollo fogo de arti-
ficio.
Elles gastaram na sua viagem ida e volla, 36
liaras. Seus nomos sao Mathias, Scolt, llesser,
Drake, Maco-Gregor e Murray. Os dous ltimos
sao heocesses, e um delles, que linha cahido
n'uma fenda, foidelle tirado com urna grande
conlusao na perna.
O Inglez, que foi s, c aue se chama Lowry
Jcarrad, fez a viagem completa em 23 horas ;
tendo sabido de Chamnionix s 7 horas da noile
por um bello luar, chegou ao Grand-Mulet s
das horas da madrugada, c all descaneou duis
h( ras e fia 10 horas chegou ao cume d Monte-
Branco. Dcscanrou por alguns momentos na
oresta rnais elevada, e s 6 horase raeia da lar-
de estar de volta em Chamonnix.
Esle intrpido viajante contou depois que por
vezes era atacado de um sorano quasi invenci-
Vi ; e qtie seus guias formalmente o obrigavam
a continuar a jornada.
Seus labios tinham cor de chumbo, c as faces
cslavam lltteralmenlc queimadas apezar de levar
o rosto coberto. Durante o tenipo, que estere
rio cume do Monte-Branco, sentio 'por rezes
que lhe faltara a respirarao e a' forra para
fallar.
A temperatura no Monle-Branco marcara i
graos abaixo de zero, em quanto que em Cha-
raonnix ella era de 24 graos cima de zero.
A estaro tem sido niuiln favorave! a oslas
aecusacos, e a secca queso tem, ha tudo niiis,
experimentado, mullo tem concorrido para que
a discumes dos Alpes seja lolerarcl na prsenle
f poca.
Vestido ixcosbvstivei..Lc-se na Indus-
trie Delge ;
Ha pouco lempo, fez-so em Ruao 0 cnsaio de
tim apparelho, que tem porfim permittlr ao ho-
mein a faculdadc de estar impunemente no meio
dss charamas.
E Verdem, consiste n'um vestido olmofadado, in-
teirimeiile coberto rom podaros de esponja, e
terminado por urna mascara metalllca. cuja base
se apoia nos dous hombros. Esla vestimenta d
no homem a apparencia de um orango-tango.
Na pnrte anterior do casco, arhain-se diantedos
oIIks duas abprluras hermelitameute fechadas e
armadas de vidros. Um pouco abaixo est una
torneira, que deixa chegar o ar ao interior da
mascara, podendo-se-lhe adoptar um tubo para o
mesmo fin.
Nevos. Antonio Jon mim da Silva, Joaquim Go-
mes Soares, Jos Jacintho Simes, Jos Teixeia
Piulo.
Passageiros d) vapor brasileiro h'Utrats
saliido paraos porlos do norte:Dr. JosQuintiuo
de Casiro Leo, sua senhora, quatro lilhos'e dous
Criados, Pedro Jos de Carvalho o uma tilha.An-
tonio Jos de Azevodo, um menor, Manoel C. B.
do Nasrini'Di 1, Antonio I. de Sampaio, M.
Barros do Mello, Aristides Paulo Dias Hastos,
Augusto G. da Silva, um escravo a entregar,
Laureno de O. Cabral e um menor, Odori;o
Alvos Rapozo da Cmara. I). Idalina Ferreira de
Barros, Manoel de C. Barros, Cyprianno los
Preilas, Fran s 1 Pedro di Silva. Francisco
Barros, Jos M, de Almeida, Ignacio C. F. de
Mello, Justino Gomes, Jos Antonio d" Barros,
Guicppe Antonio Coelho e ura filho, Jecin Ca-
snlho.
Passageiro do brigue sardo Lino rindo de
Genova : Antonio Gallorato, c Paulo Gla-
g'.iard.
Passageiros do hiato brasileiro Santa LtKia
sabido para Camaragibo ; Manoel Jos de Ar-
ruda e Jiaquim F. de Souza e Silva,
Passageiros do palliabote americano Coas!
Piht sabido para Rampln Roads : Mr. Muldor
e sua senhora.
Mortalihade do da 10 do connvsTE:
Jos, branro, 5 mezes; bydrocephalite.
Mara, preta, 3 annos ; convulsoes.
Francolina Raoros de Barros, branca, casada, 16
annos ; phihysica laryngea.
Barrio i.'eCimbres, branco, casado, 80 annos;
congesto cerebral.
Bernardo, piolo, solteiro, 3j annos ; cangestao
cerebral.
Joao da Costa, pardo, casado, 40 anuos ; diar-
rlia.
M.'.TADOL'nO Pl DL1C.0 :
Mataram-se no dia 10 do corrente para o consu-
mo desta cidade 110 rezes.
No dii 9 do mesmo 03.
Hospital de camdade. Existen) 62 ho-
mens 51 mulheres nacionaes, l hornera estran-
geiro, 2 homens escravos, total 116.
Na loialidade dos doenios exisleni 36 aliena-
dos sendo 2!) mulheres o 7 homens.
Forare visitadas as enfermaras pelo cirur-
giao Pinto s 8 horas da manhaa, pelo Dr. Dor-
uellas s9 horas e 3/4 da manhaa.
Fallecern), um alionado do diarrha, o
morphetico de paralysia.
um
re
CHRONiCAJUOICiARIA.
TRIBUNAL DO C0HIMERCI0.
SESSAO ADMINISTRATIVA EM 9 DE DEZEH-
BRO DE 1859.
presmencia do exv. su. dkses-jargador
SOLZA.
A-- 10 horas da manhaa, arhando-se presentes
os Srs. deputados Basto, Silveira, Lemos e Rogo,
o Sr. presidente declarou uberla a sessao.
Foi lida e approvada a acia da antecedente.
Leu-se o seguinte
EXPEDIENTE.
L'm oflieio do secretario do menlissimo tribu-
nal do com-nercio da capital doirapeiio, de 26
de norembro ultimo, acensando recobido o que
lhe foi dirigido do parte desle tribunal em 26 de
outubro prximo passado.Archive-se.
Foi presente a cotacSo official dos oreos cor-
rentes da praca, relativa >e:naua linda.Ar-
chire-se.
DESPACHOS.
Um requerimento de Francisca das Chacas
Ferreira Saraira, pedindo o registro da escriptu-
ra do aulorisacao dada por seu marido, para
commorciar c a procuraco junta.Ajunto certi-
dao de idade.
Oulro de Joo Fernandos Baplista, pedindo o
gislro da procuraco de seu constituinle Jos
Maria Itibein.Registro-so.
Oulro de Jovino Carneiro Machado Ros e Li-
no de Parias, satisfazendo o despacho desle tri-
bunal dol" do corrente, aini de ser registrada a
escriplura publica de sua sociedade. Resis-
lre-se.
Oulro de Ser, Pilhos & Companhia, pedindo
o registro da procuraco que outorgam a Jos
Joaquim Seve.Como requerem.
Foram com vista ao senhor desembargador fis-
cal, os seguintes requerimentos :
Um de Francisco Antonio do Reg Mello e Ja-
cintho Jos de Mello, pedindo o registro de seu
contrato social, que ajuutam.
Oulro de Leal & Borges, pedindo lambem o
registro do seu contrato social.
Oulro de Jos Peres da Cruz e Jos Victorino
de Paira, replicando do despacho desle tribuna
do Io do conente.
Oulro do Prudencio Marques de Aniorini. cor-
retor geral desta praca, pedindo licenra para tra-
anlo sua sade fura da provincia, deixando em
seu lugar a Juvencio Augusto de Athayde.
Nao harendo nada a tralar-se, o Sr. presidente
encerrou a sessao.
SESSAO JUDICIARIA KM 9 DE DEZEMBRO.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DESEHBARUADOR
80UZA.
Ao meo-dia, presentes osSrs. desembargado-
res Villares, Gitirana, Silva Guimaraes, Guerra, o
deputados llego, Baslo, Lomos e Silveira, o Sr
presidente declarou aborta a sessao ; e foi lida e
approvada a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Foi lido uni ollicio do secretario dogorernoda
provincia, do i do corrento, aconipanhado de
copia do aviso do ministerio da justira,' de 15 de
novembro ultimo, determinando que nao ejain
admitlidos s audiencia! procuradores que nao
eslejam as condires declaradas no mesmo
aviso.
JlLUAHEMos.
apellantes, Bento Jos da Costa, Dr. Joo
Jos Ferreira de Aguiar e outros ; appellados.
a vinva e herdeiros de Agostinho llenriques da
Silva.
Ficou adiado.
Aggraranto. o Dr. Gaspar de Menezcs Vascon-
cellos de Drummond, por si e como procurador
de Jos Ncolo Rigueira Costa e Antonio Maria
Costa Oliveira. casa terrea oceu-
pa la pelo proprietario avallada
por.................... 1565000
Idara 23. Josefina Sebastiana
Cavalcante de Albuquerqu casa
torre arrondada por......... 1 SOSWl'O
IJem 25. Manoel Marques da
Costa, casa terrea oceupada pelo
proprietario avallada por..... 120v03o
dem 26. O mesmo casa terrea
arrendada por............ 130*000
Mem 27. Carlos Jos Teixeir
de Oliveira, casa terrea oceupa-
da pelo proprietario avaliada
por..................... 100S&000
dem 29. Josspha Maria de
Almeida, casa terrea oceupada
pela propietaria avaliada por.. 2005000
dem 30. Jos Gonsalves de
Oliveira, casa lerrea oceupada
pelo pelo proprietario avaliada
por.................... 1805000
dem 31.Joaquim Antonio Car-
neiro, casa terrea arrendada por 2005000
dem 32.Ulbadina Amelia de
Mello, casa terrea oceupada pela
proprietaria avaliada por..... 400JOOO
dem 33. Francisco Antonio da
Oliveira. casa terrea arrendada
por ................... 1205000
dem 34. O mesmo, casa ter-
rea arrendada por........... 4305000
dem 36. Dr Francisco Go-
mes Velloso de Albuqtierqua
Lias, casa lerrea oceupada pelo
proprietario avaliada por.. 3005000
dem 37. Dr, Joo Doniinguos
da Silva, casa terrea oceupada
pelo proprietario avaliada por.. 250SO0O
dem 38. Major Joao do Hago
Barros Falcao, casa i sobrado
d ara andar oceupada pelo pro-
prietario avaliada por....... 4005000
dem 39. Luiz Baventura Sa-
lerino, casa terre) oceupada po-
lo proprietario avaliada por... 1005000
dem 40. Viuva Herdeiros de
Antonio da Costa llego Mon-
leiro, e outros, casa terrea ar-
rendada por............... 5005 000
dem 41. Claudina Fausta da
Oliveira, casa lerrea arrendada
por..................... 4005000
dem 42. ClorinoV Ferreira
Catao, casa lerrea < ecupada pelo
proprietario avt4|fk por... .. 2005000
Eslra do Espinheiro.
N. 1. Herdeiros do Commenda-
dor Francisco de Carvalho l'aes i
de Andrade, casa lerrea arren-
dala por................. 3005000
dem 2. Orpuaos, filhos de Can-
dido Jo de Salles, casa terrea
arrendada por............. 2005000
Estrada Agua Fra.
N. 1. Domingos Jos da Costa
casa lerrea arrendada per..... 1203000
dem 11. Intimidada das Al-
mas da matriz de S. Frei Pedro
(oncnlves do Recite, casa ter-
rea arrendada por.......... 805090
dem 12. la mandado das Almas
da matriz de Sanio Antonio do
Recife, casa terrea arrendada
por..................... 1705000
dem 13. Jos Henriques Ma-
chado, casa terrea oceupada pe-
lo proprietario, avahada por. .. 1405000
Hua da Sanio Amaro.
N. t. Dr. Clemente Jos Fer-
reira da Costa, casa terrea arren-
dada por................ 2005000 ;
dem 2. Major Manoel do Nas-
cimento da Costa Monteiro, ca- .
sa lenea arrendada por....... 4005000
dem 3. Ildefonso Vieira da
Cunha, casa terrea arrendada
por.................... 4005000
I lem 5. Francisco Anlunes Fer-
reira e outros, casa lerrea arron-
dada por................. 405000
dem 6. Os mesraos, casa ter-
rea oceupada pelo proprietario,
avaliada por.............. 2005000
dem 7, D. Antonia Joaquina
Guedes, casa terrea oceupada pe-
lo proprietaaio, avaliada por... 2305000
dem 8. Manoel Gentil da Cos-
a Al ves, casa terrea arrendada
por..................... 2005000
dem 9. D. Josefa Clara da
Suva, casa terrea oceupada pelo
proprietario, avaliada por,.... 1505000
dem 10. Manoel Marlins da
Costa, casa terrea arrendada por 6050Pq
m
Major, Antonio Francisco de
Me'lo.................
Tenante, Francisco da Barros
Brrelo................. 2005000
Major, Antonio Santos...... 3005000
Capilo, Antonio Pereira da C-
mara Lima...........
Vigario, Manoel Esperidiao
Muniz.................
Capilao, Manoel Pires Ferreira.
Amaro Fernandos Daltro....
Francisco de Pinlio Borges*..
Dr. Domlngues de Souza Leo.
200$00fj
3005000
100S00O
3005000
1005000
loasooo
20050O
Velas--------------
3:8005000
DIARIO DE PERNAMBUCO.
As noticias do Rio da Prala viudas pelo vapor
Paraeme nao podom dcixarde allrahira mais se-
ria altenfl&O de todos os que se interessam pela
causa pubhca.e de contristar os coraces d'aqucl-
les que observam a ingratidao com que esto
sendo pagos os relevanlissinios servicos, que por
raais de uma vez tero, despeito dos maiores sa-
crificios, o Brasil prestado aos estados visinhos.
Felizmente temos a frente dos negocios p-
blicos um governo illustrado c enrgico, que de-
ve tranquillisar-nos, quanlo ao desenlace das
queslos, que ora se suscilam. N'elle devemos
plenamente confiar pela certeza de que sem des-
presar as regras de bem entendida prudencia s-
bete fazer respeitara honra c a dignidado nacio-
nal.
N'esle empenho] o governo nao pode doixar
de ser sinceramente coadjuvado por lodos a-
qucllns que amam o seu paiz. Ainda que sejam
precisos os maiores sacrificios, ninguem se ha do
esqoecer que primeiro que ludo Brasileiro.
Dlanle de questes desta ordem desapparece
o espirito de partido : eossam todas as dissenres
e um s pousamento deve guiar-nos, o da mais
franca, e da mais decidida cooperado ao gover-
no era tudo quanlo for tendente a salvar os ittle-
resses do Brasil, e fa/.e-lo respeilado.
Correspondencias.
COMMEMCBO.
gociou-sc um de Celle a 280|
a pipa.
As slearinas de 660 a 670 por
libra.
Descorito----------Os rbales de lottras regulsaam
de 8 a 12 por cenlo ao enno.
Frelos-------------Para o Canal Inglez de 27/6
Tara Liverpool a 12/6 o lastro.
e de 3/8 a 5.16 por libra de al-
godao.
Pauta dos prec os dos principaes gne-
ros e prdueces nacionaes,
quesedezpacham pe'.u mesa do consu-
lado na semana de
12 a 17 dedezembro de 1851).
Agurdenle alcpol ou espirito
caada
de agurdente
PRAfiA DO RECIPE 10 DE DBZEHBBO DE 1859 { Uvm cara?a-
AS TRES HORAS DA TARDE.
Cotacoes oficiaes.
Descont de letras9 O.'O ao anno.
Cramo sobre Londres25 d. 'JO d/v.
dem de cana
dem genebra
dem ideni .
botija
Cotacoes ofliciaes no dia 9 depois das 3 horas'Idem licor.......caad
IIdcm de,iT.......garrafa
da tarde.
Cambio sobre Londres 25 d. 60 d|v
Frete para o Canal 27/6, 32,6
O.'O conforme o porto.
Francisco ilamede de A Imeida.
Secretario.
OdjV.
5, 37ro\ 42
42[6 o 5
ALFANDEGA.
ftendimento dodia la 9 .
dem do dia 10 ....
MOVIMENTODA ALFANDEGA
Voluntes entrados com fazendas
< com gneros
Volumessahidos com fazendas .
t c com gneros .
271
110
2 9
60
caada
arroba



arroba
arroba
caada
dem restilada c do nio
Algodao em pluma 1.a sortc
dem idem 2." dita
dem idem 3.a dita
Idcm em caroco ....
. 150:0135262 Arroz l)ladlJ.....
. 37:6915151 Mem com casca ..... alqueire
---------------Idcui branco novo.
187:7(MS416 Wom mascarado idcm '. .
Azeite de mamona ....
dem de mendoim c de coco.
Bolacha fina.......arroba
dem gros.sa......
Caf em grao bom.....arroba
dem idem reslolho .
dem dem com casca .
dem moido.....
C irae secca. '
Carvo de madeira .
Cera de carnauba em pao
dem idem em velas.
Charutos bons ....
dem ordinarios .
3S1
329
Doscarregam hoje 12 de dezembro.
Barca inglczaFloaling Cloudferro.
Barca inglezaD. Anuafazendas.
Brigue inglezEverlonfazendas.
Brigue inglezEarl Greyfazendas.
Brigue hanoveriano Burgermustercarro.
Patacho americano Hannock Lriuha de
tugo.
Polaca hespanholaArdilla z^ diversos gneros. i,ic., ..,,..,:
Barca france/.aDeu.v Kdourdvinhos e licores. f. f \.......
Brigue porluguezLaia III diversos gneros. ''""res........
0O.NSULAnOGEIlA.L- Cocos seceos. .
ftendimento dodia 1 a9 ll:BaN7 Coucos deboisalgados .' .'
1J......_^ I ldom idem soceos espichados.
14-816j059.Idemideni yerdes.....
== dem de cabra cortidos .






dem do dia
DI ERSAS PROVINCIAS. dem de on.-a
Rendimenlo do dia 1 a 9 854S36 ,,. H> .. "
dem do dia 10...... 9G703 ,, s do calda
__________dem de Goiaba
951S067 dem seceos .
605000
3G5000
3G5000
G05000
3005000
965000
245000
230OOO
3G000
48*000
O Liberal Parnambucano de H de no-
vembro, publieou um oflieio do Sr. Antonio
Pereira da Cmara, como membro da comrnis-
siio nomeada pelas sociedades Liberal, o Au\i -
liadora para promover subscrip^es ao asylo de
mendicidade, no qual officio o do Sr. Pereira da
Cmara, dando contas de sua commissSo, decla-
ra entre outras cousas, que em uma pequea
reunlao, que houve na povoaco de Jaboato no
dia 23 de outuhro, o Sr. commendador Joao
Coelho da Silva, membro da mesma eommissao,
propozera, que subscwessem para o asylo de
menMicidade, o que fra acolhido, e no mesmo
acto assignaram as pe^> reunidas, cujas no-
mes, e quantas mencv .ou abaixo do mesmo
oflieio. ('utro jim declara mais, que lhe cons-
tara que 4osteriormente s assignaturas, o Sr.
lenle coronel Francisco Antonio Poreira da
Silva, consultara aos subscriptores se annuiam
que as soinmas subscriptas livessem diversa ap-
ljcac,ao, qual a do levaniamonto de um barra-
(p) ns'povoacao, ao que nao quizeram annuiro
Sr. commendador Joao Coelho, era os demais
subscriptores, preferindo a insluigo pia a tudo
mais.
Para que disvirtuar os factos, e fallar assim a
verdade ? que interesse haver nisto ? O que
realmente houve foi por modo mui diverso.
Suscitando o Sr. tenonte coronel Francisco Anto-
nio Pereira da Silva a idea de, se reunirem os
proprielarios, e pessoas boas de freguezia para
deliberarem a respoito do que se deveria fazer no
caso de Sua Magestade Imperial dignar-se demo-
rar na povoaso, em seu provavel passeio cida-
de da Victoria, de accordo com o Sr. major
Antonio Francisco Paes de Mello Brrelo e o
Sr. capitao Jos Francisco Pereira da Silva, de-
signou-seo dia 23 de outubro para a reuniao, e
nesie dia, reuuindo-se treze pessoas, cujos no-
mes se lera no fim desta correspondencia, re-
solveram subscrever para o asylo de mendicida-
de, com o qual se pretende perpetuar nesia pro-
vincia, a visita de SS. MM. II. visto que o pe-
queo numero dos reunidos nao proporcionava
os precisos recursos para qualquer outra mani-
feslagao da regosijo, entao assignaram-se os
reunidos.
E' visto, por tanto, que nenhuma interven-
rjao em parte levo nesla reuniao, e subscripcoes
a sociedade-Libar j| Auxiliadora, por intermedio
de seus membro? e de suas commissoes; mas
foi este um acto devido lembranca do Sr. te-
nenie coronel Francisco Antonio Pereira da Sil-
va, e espontaneidade dos treze, que se rcuni-
ram, sem diMimcao de cures, denomina^es e
caracteres, sendo que o pensamenio de uma sub3-
eripfio lembrada pelo Sr. lenle coronel Fran-
cisco Antonio Pereira da Silva, para se dar uma
demontracao de regosijo no trajelo de S. M.
Imperial, pela povoacao de Jaboaiao foi anterior
ao do asylo de mendicidade, e nao posterior,
como affrmou o Sr. Antonio Pereira da C-
mara. E tanto assim, que a quantia suhscrip-
(a de 3:8005 rs., que ficou sob a responsabili-
DEPACHOS DE EXPORTAC.VO PELA MESA
! DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
1 10 DE DEZEMBRO i)E 1859.
Terra NovaBarca ingleza Fleel-\vin>, S.Bro-
lers Si C, 10 saceos caf, 6'J ditos assucar
raascavado, o 10 ditos dito branca.
LisboaBrigue porluguez Relmpago,, T. de
A. Fonseca, 50 saceos assucar branco.
Ilampton Roads Barca hambuvgucza S. Tho-
rnaz l'ackel, Whately Forsler i. C, 80J sac-
eos assucar inasenvado.
Stockholm Brigue sueco Anna, N. O. Biebcr
& C, 2,000 couros salgados, 2Q0 saceos assucar
branco.
Marselha = Barca franceza Napolio, Tssot
Freres, 1,300 saceos assucar mascarado.
Lisboa Brigue porluguez Maria da Gloria,
C. Nogueira & C, 25 cascos mol
Pprlo Brigue 'porluguez Esperau:a\ diversos
jcarregadores, 88 saceos assuccar branco, 22 di-
tos dilo mascavado, 2 garrafcs agurdente.
Evporlat.'a,
Rio de Janeiro, barca ameaicana Roinder, de
513 toneladas, conduzio o seguinte : 476 bar- j Costadinho
ris breu.
RECEBOORIA DE RENDAS INTERNAS
GERAES DE PERNAMBUCO
Espadadores grandes. .
dem pequeos. ...
Esleirs do preperi .
Esloupa nacional ....
i Farinha de araru'a .
' dem de mandioca .
Feijo........
Fumo em folha boni .
dem dem ordinario .
dem dem restolho .
dem era rolo born .... y,
dem idem ordinario.
Gomnia polvilho.....
Ipccacuanha.......arroba
cento



libra


um

libra


um

uma
arroba

alqueire
alqueire
arroba

Lenha em achas grandes
dem dem pequeas. .
dem era loros......
Madeiras cedro taboas de forro.
I.ouro pranches de 2 distados
Rendimento do dial a 9
dem do da 10
CONSULADO PROVINCIA
Rendimento dodia 1 a 9 .
dem do dia lo......
dem 2. Os mesmos, casa tor-
rea arrendada por..........
dem 3. Bernarda Maria rsu-
la da Conceicao, casa lerrea oc-
eupada pela proprietaria avalia-
da por.................
dem 4. Rilia Maria Julia de
5ouza casa lerrea oceupada pela
proprietaria avaliada por.....
dem 5. Monsenhor Dom Fran-
cisco Muniz Tarares, casa ler-
rea arrendada por.......... 1205000
dem 6. Antonio Cardoso de
Queiroz Fonceca, casa lerrea
arrendada por.............
dem 8. Henriquo Gibson, casa
terrea arrendada por........
dem 10. Antonio Joaquim Pi-
res, casa terrea arrendada por.
Mein 11. Joaquina Maria dos
Prazeres, casa terrea avaliada
por. ..... ... ...
dem 13. Viuva de Joao Jos
do Rogo, casa lerroa arrendada
por.....
dem 14. Tlieodora Maria da
Conceicao, casa terrea arrendada
por. ..
dem 14. Jeronima Maria da
Conceijao, casa lerrea arrenda-
da por...................
Estrada de S. Amaro.
N. 1.Jos Baplista Riboiro de
Farias, casa terrea arrendada por 15O50O0
dem 2.Antonio Alves Barbosa,
casa terrea arrondada por..... 1005000 da do ^r- ,entn|e coronel Francisco Antonio Pe-
Idem 3. O mesmo, casa terrea reira da Silva, foi para elle recolhe-la a socieda-
arrendada por.............. 3005000 de commercial bendicen te, e uao a sociedade
LIem 4. Domingos Joaquim Liberal Auxiliadora.
: Costado........
I F'orro.........
6:418;J399 Soalho........
2.-637g346; varas agutinadas.....
9:655*745 ld,'m T,iri/.......
~ Vinhrlico pranches de dous
' 1.1763274 CUS'ad0S.......
4:5383615 dem idem custadinho de dito
loHoTo Idem ,a,)ons de costado de 35
a 40 p. de c. e 21/2 a 3 de
largura ........
dem idem dilo de dito uzuaes
dem idem de forro ....
dem idem soalho de dito .
cento


uma
um
urna
>




un
GOO
3frl
400
64
241
0
28<*
7
8^700
7g70(r
tgm
2#175
3$O0O
350uv
4gO(
2MCI
SOOi
1S60
7gO(K
3g840
6g5CM
4S0O
5g00ft
BfBW
6j00i
VH0
12f0l)>J
14j80.lt,
tm>
800
2|50
5S0O(i
352OO
275-
301
17(
34t
IOjIOOo
500
401
1#KH
3$20
1J60U
300
l|8Q0
3g00O
350OO
63000
14g00fi
9S0O
7gO0lt
18$00t^
8$00'1
3^20,1
35300*
^0500
l$6IMi
12S0O
43OOO
IfgOOll
83000
103000
3300
63000
23210
1360;)
3030111
180000




45$00rt
20300:
63OOO
123000
MfiOOO
Algod o-------
Ferreira, casa terrea arrendada
Estaca verdade se, porm, a sociedale Li-
por..................... 3003000 beral Auxiliadora no interesse de enriquecer o
SOJWXl
caada 240
alqueire uma 235011 80O
um libra 93OO 1328' 201 O
arroba 253OOO
uma arroba 10800. 3S50O 3j20u
cenlo pipa m 1 5050n
PRACA DO RECIFE 10 DE DEZEMBRO DE 1859,
AS 3 HORAS DA TARDE
Revista semanal.
Cambios----------Sacou-so sobre Londres a 25
25-1/4, e 25 1/2d. por M,
sobre Paris o 385 a :>^7 porfr.
115 por cento de premio sobre dem em obras eixos de secupi-
Lisboa, o 1/2 por cenlo sobro o ra para carros ..... par
Rio de Janeiro, elevando-se a ,. .,
120 mil libras slerlinas as tran- wn" '|,M1 rodas dll> para
saeces da semana*
Vendeu-se a 83400 por arroba j
do regular e de S3600 a SJ700
por arroba do superior, Tam-|
bem negociou-sc uma partida j
existente na Parahiba a 8600
por arroba poslo a bordo.
Assucar O branco vendeu-sc de res
43400 a 532OO por arroba, so-
menos de 3^000 a- 33O0, mas-
cavado purgado do 23500 a
23800, e o bruto de 2$200 a
2-j500 por arroba.
Aguard ente-------Vendeu-se a 70$000 a pipa.
Couros-----------Os seceos salgados venderam-
se a 280 por libra.
Arroz pilado venden-so a 2$800 por arroba.
Alzeilo doce-------dem do 260O a 23SOO por
galao.
Bacalho----------Ilelalhou-sc do 93000 a 12J0O0
por barrica, e em atacado a
10$000: Picando em ser 26,000
barricas.
Balatas-------------Vender m-se do2;003 a 2#200
por arroba.
Carne secca A do Rio-Grande rctalhon-se
de 43OOO a 7*200, c a do Rio
da Prata do 39800 a 5$00, fi-
cando em ser 20,000 arrobas da
primeira, c 16,00) u\i segunda.
Caf......Vendeu-se de 53S00 a 79000
por arroba.
Corvan de pedra A ultima venda effectuou-se-de
2SO00 a 213000 a tonelada.
Cli-----------------Variaram os vendas de 1J460
a ljOOO, por libra inferior qua-
lidadc.
Qorveja-----------Idcm de 5S000 a 5i600 a duzia
de garr.O'as.
Farinha de trigo Recabemos um carregamento
de Trieste, do qual nielado si-
gue para o sul, c inclusive es-
ta parle, o mercado hoje fica Navios entrados no dia 10.
senhor de 23,800 barricas, sen- Acarac e Ass 38" dias do primeiro porto e
do 19,190 de Riehmond, 1,(1)0 10 do segundo, palhabotc nacional feorge, de
de Trieste, 3,400 de Philadel-1 149 toneladas, capilao Domingos II. Nafra,
phia e 300 de Ballimore, ten- equip. 11, carga farinha de mandioca e mitho '
do-so <5lalhado de 203 a 223 1 a TasSo & Irraos.
ditas
M.l......
Milhp......
Podras de amolar. ,
dem do filtrar. .
idem rebolos .
Piassava era molhos .
Sabao......
Salsa parrilha .
Sebo em rama. .
Sola ou vaqueta [meio]
Tapioca......
Un has de boi .
Vinagre .....
NOTICIAS MARTIMAS.
Do Rio de Janeiro, saturan), para este porto :
23, o brigue porluguez Tino ; a 26, a barca di-
namarqueza Precioso ; e 27, o brigue nacional
Maria Luiza, cora escala pela Babia.
Entraran), da mesma procedencia : 2i, a bar-
ca nacional Rio de Janeiro, com 9 dias de via-
gem, c o brigue Bella .Varia, com 10 ; e 2!, a
barca americana Conrad, cora 8.
Achavam-se carga : os patachos Maria Rosa
o ('apua. ,
Da Baha, saliiram, para esta pono : 25, a
barca ingleza Snouden ; 27, as barcas inglesas
Sobrina, e Sharston ;
Entraran, da mesma procedencia, 5 do cor-
rente, o brigue inglez Ulaucus, cora 3 dias de
viagem, e a sumaca Horiencia, com 3 dias.
Achavam-se carga : escuna Carlota, brigue
Imperatriz, o patacho Deberibe, lodos nacionaes.
Movimento do porto.
dem 5- Jos de Carvalho da
Cosa, casa lerrea oceupada pelo
seu archivo com um grande numero de subscrip-
tores, com avultadas sommas promovidas, o 10-
proprielario, avaliada por..... 3008000 cebidas em seu nome, e por seus agentes, quer
SOOgOOO
1003O0O
dem 6. Manoel Gonralves d'O-
liveira. casa lerrea oceupada po-
li propriehrio, avaliada por... .
dem 7. O mesmo, casa lerrea
liada por.................
dem 7. O mesmo, casa terrea,
avaliada por..............
Idcm 8 Jos Candido de Carva-
lho oleloiro-. cdsa terrea arren-
dada por.,............... 400300o
IJem 9. Jos Joaquim Anlu-
nes e outros, casa lerroa arrenda-
da por................... 600W00
dem 10. Irmandade das Almas
da matriz de S. Frei Pedro Gon-
calves do Recife, caso terrea ar-
ren -dada por...............
dem, idem. Joao Pedro Madu-
ro da Fonceca, senhorio das
bemftitoriss, a\aliadas em ,...
tambera alli incluir todas aquellas, cm que nao
leve a menor interveneno nem parle directa, en-
tao explique-se, e melhor ser, que assuma logo
i a si a gloria por todas as subscripcoes tiradas na
IOOtJOO provincia, e fara dosia gloria, patrimonio seu
e sement seu. Por tanto se o Sr. Cmara
Lima, e outros, entregaram s suas asignaturas
a eommissao Liberal, nao foi por falta do scien-
cia, mas sim por querercra ter a gloria de nao
ser a ouirera
O que ama a ver dae.
Nomos dos que assigoaram :
Tenentecoronel Francisco Anto-
nio Pereira.............. 1:0008000
Commendador, Joao Carneiro
Ja Silva............... 500000
Capilao. Jos Francisco Perei-
ra da Silva.. ........... 2005000
Coronel, Jos Gomos dos San-
ios.................... 300*000
1005000
1C03000
D. de mandioca
sacca
feijo---------------dem de 23OOO a 3;000 por ar-
roba.
cnclna----------dem de 53OOO a 5*500 a fras-
queira, o a 260 rs. a botija.
Louca-------------A ingleza vendeu-se de
por cento de premio sobro a
factura.
Manleiga- A franceza vendeu-sc de 520 a
530 res a libra, c a ingleza de
700 a 720 rs., tcando em ser
certa de 2,000 barris dr ambos.
Milito-------------Vendeu-sc de 4$500 a 53OO o
sacco.
Mas-a- ----------IJem do G,> a 700O a arroba.
pico de linhaea- Regulou a 13700 por ^alao.
Passas- Venderam-se a 63500 acaixa.
bueijos-----------Idem de 23000 a 2J200, os lla-
mengos.
Toncinho dem a 113 rs. por arroba.
vinagre----------dem de 1209O00 al30$a pipa.
|Viuho-------------L'm carregamenlo do Catalu-
nha vendeu-se a 1903000 a p-
Ass13 das, sumaca hespanhola Dolares, de
150 toneladas, capilao Silvestre Marti, equip.
11, carga sal : a Aranaga Bryan. Veio receber
ordens e seguio para o Rio "da Prata.
a. Porto por Vigo28dias, brigue portuguez Promp-
; 205 (tdo, de 189 toneladas, capitao Francisco Pe-
reira da Silva, equip. 15, carga vinho c mais
gneros : a Elias -los dos Santos Andrade.
Genova. 5 dias, brigue sardo Lindo, o 161
toneladas, capilao Giaromo Angelo Ansaldi-.
equio. 12, carga niassas e pedra inarmore: a
Burle o C '
Uarseillha61 dias, patacho franroz Georges, de
208 toneladas, capilao Nicolao Ilars, equip. 9,
carga differentes gneros : a ,1. Kelle & C.a
Sabidos no mesmo dia.
Maranhaobrigue hamburguez Lucio e Caroline.
capilo F. Muller, carga parlo da que Irou.v.:
de Hamburgq.
Camsragibehiate brasileiro Santa Lazia, capi-
lo bstevao Riboiro,
MOTILADO
S
caiga varios gneros.
S. Joo (Terra Nova)barca ingleza Tasso, capi-
tao II. Karney. Cm laslro.
pa: ou'.ro da marca Pata de230$ ; Hamplon Roadspalliabote americano Coast Pi"-
a 2353500: outro da marca F B' lot, capilao Freman, carga assucar.
a 220JO0O, finalmente hoje ne- Porlos do norte vapor nacional ftuqrass


?4)
DURIO DE PEhKAlifcPCO. SEGUNDA FE1RA 12 DE DEZMBftO DE 1859.
cmuniaiuldiilo o seguiuio lentulle Joaquiui A.
Moreira.
Mhbarca ingiera Chafe, capillo -larris, car-
ga a mesiua que Irouxe de Terra Nova Sus-
S'ndeu do laruaro.
iabrigue ingle* Gitana, caj.iir. R. Penden-
grrsi, cotn a mesmo carga qe Irouxe de Ter-
ra Novo. Suspendeu do lamaro.
iiio de JaneiroPatacho americano fiecze, ca-
pilo W, S. Oulerbrcdg, enm a mesma carga
que Irouxe de Cadi/.. Suspenden do lamarrio.
I'arahibaBarca ingle/a Snoicdun, capitn J.
ftnbenson, om lastro Suspenden do lama rao.
f>. rock, cun a mesina carga que irouxe do New-
Castle. Snspendeu do lamaro.
Jiio de JaneiroCanhoneira brasileira Delmonle,
romninndanln Io touenlo Barroso.
para a inscripcao e piqlcso Je habililacau dos
candidatos.
S 1.a Findo este praso ser da mesma forma
aniuiciado dia para o exanie dos concurrentes,
ao qual se rao admittidos tanto os candidatos no-
\-amerite habilitados, como os que j o tivercm
>jo anteriormente.
!; 2o Quando no concurso se apreseniar um s
pictendontc, peder este, sem novo exanie ser
proposlo ao governo.
3." Quando pocen comparererem dous ou
dcima addidoual de rno inoita. uo imposto so-
bre lojas, do diloespecial, do de barcos do inte-
rior, depois do qual pngar-se.ha conjuntamente
muita de 3 G\q. Recebedoria de Pernambuco, 5
de dezembro de 1859.'O administrador, Alar.oel
Carneiro de Sou:a Lacerda
liispec&o lo arsenal de marinlm.
Faz-se publico que a commisso do peritos
examinando, na forma determinada no regula-
n.enlo baixado com o decreto n. 1324 de 5 de
fevereiro de 18.VI, o cseo, machina, caldcira,
e an-
= 2. o3 > OS ce :co> & S- Horas. r 5- S !
ol a." M'3g g tmospfter*. c 0 V
o 4 i * Jg /Jirecco. O h N
2 a. tt f0 S8 lnlensidade.
S3 r-55, * hfi 1-t N> M> Pr1^? Centigrado. O es !X
2 o r a. 2 n i. r0 m; r* i hsKop Peaumur. uiea->or 1 C.
?Scc2 | Jahrenheit >
3 a. 5. 233 = 1 H'jgromelr 0.
3 3 f M -1 -1 a Barmetro i
mais, havera sobre a materia, cojo enano tnr'; apparelho, niastreaco, veame, amarras,
objecto da cadeira, qte tiver de ser prehenchida I coras do vapor Iguarass da Companhia Pernam-
um irabalho escriplo, para o qual ser marcado ; huraa de navegaco costeira, achou todos estes
un praso rwoawl, segundo a_ importancia da j objectos em estado regular.
Inspeccafl do arsenal de marinha de Pernam-
Editaes.
Hlr. Anselmo Francisco Perelti, commemladur
da imperial ordem da Rosa, e juiz de dirciio
especial docomniercio dcsta cidade do Recite
de Pernamboro e seutermo, por S. M.I. c Cons-
lUucional o Sr. D. Pedro II, que Dcos guar-
de etc.'
Faro saber aos que o prsenle edilalvirem e
d'ellc noticia liverein em como no dia 20 do cor-
rente mez, polas t horas da manba, se bao de
rrrematar os bens, que N a.ham reoolhidos no
.-lalH'leiimeiilo no pateo do Terrn. 14, perten-
. entes a Antonio l'aciiico do Amaral, sondo a
irremala.o (cita no mesmo lugar cima indica-
do e sao' os seguintes: 1 armaran avallada em
JO rs., 32 latas de sardinha 125800, 25 garrafas
dechamnanha a 1500, 375OO:"20 garrafas do vi-
ulto Bordcux a 500 rs. 9g600. 4(> latas coro doce
.m nio estado a 80 rs., 33200, 22 incias garralas
.:.: licor 80 rs. 750 iO, 18 garrafas de licor a
1f. 18S, 4 garrafas de azeile doce a 400 rs. ISuOO,
H nnafns de conhaque a 320 rs. 2^500, 5 francos
coni doce em mo oslado a 320 rs. 1S600, 55 la-
tas com soda a 500 rs. 27500,13 frascos rom inos-
larda a 240 rs. 3c020, 17 frascos de boca larga de
cidros e vasios a 500 rs. 8&500,2 garrafas de mar-
rasquinhoa 400 rs. 800, 39 frascos de genebra de
llollandaa 320 rs. 12*480, 43oilos yasiosa 30_rs.
1290.70 botigas de
ditas vasias a %.' rs, 2$
;enebra a 200 rs. M. loo
. 30 libras de cha em mo
stadrt a 500 rs. 155, 27 caixas de charutos em
mo estado a 320 rs. 8S"i0. 30 eaixinlias de gta-
\aa 40 rs. 19200, 9 boiies de dore a 320 rs.
2(680,9 latas com rcassa de tomate a 2 Ors. 2#I0O,
5 libres de rap a 640 rs. 3$200, 38 boioes vasios
para manteiga a 320 rs. 12.;160, 43 meias gana-
ra-
cor
las de champanha a 500 rs., 2U500. 190 garr
as de vinho a 500 rs. 95$, 70 garrafas de lici
da trra a 200 is. 14, 16 garrafas de cerveja bran-
a a 320 rs. 5120, 20 resmas do papal de em-
nrulhoa 800 rs. 20t80*),5 resmas de papel alnia-
ro a lbOO 9, 10 ditas de papel depeso em mao
estado a 13 rs. 10g, 1 arroba de sabo a 80 rs. a
libra 2j560, 22 flisndes grandes vasios a 320 rs.
7J040, 2 molhos de albos a 160 rs. 320, 30 macos
de palilospara denles a 100 rs. 55120, 12 lijlos
para limpar facas a 80 rs. 960,1 arroba dcalfa-
/en.apor39, meia barrica de breu 3J, 4 ditas va-
sias a 1 rs. 4g, 25 libras de cravo a 460 rs. 12$,
25 libras de manteiga em mo estado a 100 rs. 4g,
5 libras de sag a 200 rs. 1, 2 candieirosde la-
laoemmo estado por 3*. 2 garrafas de azeile
.Idee a 500 rs. 13. 350 garrafas vasias a 20 rs. 7,
20 cascos de barricas vasias a 240 rs. 43800,10
cascos de manteiga a 160 rs. I36OO, 6 restas em
mo oslado 160 is. 960, 6 garrafas va.-ias a 100
rs. 23400, c 13 du7ias de pomada a 160 rs. 2$080,
osquaes vo praca por execuco de Anoradc
Jt r.ampello, contra o referido Antonio Pacifico
Sanies do Amaral ; e ivo hacend lanradorque
cubra os procos das avalia<6es, soift a arremaia-
rofeila pelo preco da adjudicacao cora o abali-
iiit-nto da lei.
E para que chegue ao conbecimenlo de lodos
mandei passar edirtaes que sero publicados pela
imprensa c aftixado nos lugares designados no
cdigo commereial.
Dado e passado nesta cidade do Rente de Per-
nambuco aos 9 dias do mez de dezembro de 1859,
38 da independencia c do impeli do Brasil. Em
Manoel Hara Rodrigues do Nascimeulo, escrivo
i> ssbscrcT.
.4nse(mo 'rnncisco Peretfi
iecretaria la instrueeo publica le
Pernambuco, le dezembro de
For esle se faz constar aos professores e pro-
fessoras, directores e directoras de todos os esta-
belecimentos pailicularus de inslrucciio primaria
j secundaria da provincia quer habilitados na
forma da lei, quer nao ; que iralein com a nuior
hrevidaJe de remelter a es!a secretaria, por in-
termedio dos respectivos delegados de dislricto
Iliterario, nao i a declaraco ^a na e numero
da casa ou lugar em que leem- os suos aulas 011
materia ; o lindo elle os concurrentes argumen-
taio uns com os outros sobre os pontos que
cada arguente escolher, consernenles a materia
e ao meihodo e systema do eusino respectivo.
S 4" O assumpto do trabnlho escriplo ser o
mesmo para todos os concurrentes, que forera
examinados em cada dia, o designados por sor-
Icio d'enlre os pontos do programla de que tra-
a o art. 5.
5. Os nonios dos concurrentes sero boca-
dos em urna urna, donde o secretario os ir ex-
Irahindo. O primoiro argir por esparo de
meia hora o segundo ; este o terceiro e assim
successivamenle al o ultimo, que dever ar-
gir o primeiio.
O Dr. Anselmo Francisco Pirelli, commerolador
da imperial ordem da Rosa e juiz de direilo
especial do commcrcio d'esla cidade doRecife
capial da provincia de Pernambuco e seu ter-
mo por Sna Mageslade Imperial, c. constitu-
cional, o Sr. Pedro II, que Dcos guarde
etc., etc.
Fino saber aos que o presente o dilal viren),
em como no dia 15 de dezembro do correle
auno, so ha de arrematar por venda, quem
masi der depois da audiencia e na salados audi-
torios urna casa terrea na Ireguezia dos A (Toga-
dos na ra de Sao Miguel numero 81, com vinle
palmos de frente, e cincoenta e cinco da fondos,
cosinha dentro na sala Irazeira, pequeo quintal,
cerrado de madeira, sendo o solo foreiro, avalla-
da em 500$000, e urna parte da casa terrea na
Ireguezia de Sao Jos na ra dos Copiares nu-
mero 1 com vinle palmos de frente, c quarenta
Cinco de feundos, cosinha fora, quintal murado
com cacimba meeira e poito para a roa dos
llanos Raixos, cuja parle foi avaliada em
3O2|860 ; as quaes (orara pinhoradas por execu-
co do major Manoel do Nascimeulo da Costa Mo-
nteiro, contra Jos dos Sanios da Silvcira : e
nao havendo lancador, que cubra o preco de
avaliacao ser a arreraalaco feila pelo valor da
adjudicacao com o abatimcnio da lei; F. para que
chegue ao conhecimcnlo de todos mandei pas-
sar edilaes, que sero publicados pela impren-
sa, e allixados nos lugares designados no cdigo
commereial.
Dado e passado n'esta cidade do Recite de Per- ]
nambuco aos Tinte e um de novembro de mil :
oito cenio e rincenla o nove, trigsimo oilavo
da independencia e do imperio do Brasil
Eu Manoel Mara Rodrigues do Nasriniento, I
escrivo o subscrevi.Anselmo Francisco Pi-
relli.
Joo Baplisla de Castro e Silva, official da or-
dem da Rosa, o Inspector da thesooraria de
fazenda de Pernambuco por S. M. I. que Dos
guarde.
Faco saber aos que o prsenle edilal virem que
em cuniprlniento de orden do tribunal do the-
souro nacional de 14 de novembro prximo pas-
sado se comer a fazer nesta thesourarla a subs-
lituico ds notas de 500$000 da irimeira, se-
gunda e terceira eslampas. Os seus possuidores,
pois, podem apresenla-las ao llicsoureiro desta
Ihesouraria, que lh'as trocar por outras de di-
versos valores. Thesouraria de Pernambuco 5
de dezembro de 1859.
Joo Baptitta de Castro e Silva.
buco em 6 de dezembro de 1859. O inspector,
Eliziario Antonio dos Santos.
= Pela subdelegada do primeiro districto dos
Afogados so faz publico, que se acba recolhido
casa de delenro por estar fgido, o pardo Da-
min, "o qual diz ser escravo de D. Rosa de tal,
moradora na ra do Vigario : quem se julgar
com direilo ao mesmo, comparera munido de
seus ttulos, que Iheser entregue!
Pela subdelegada do primeiro districlo dos
Afogados se faz publico, que se acha depositado
! um cavallo ruco pedrez : quem se julgar com
direilo a elle, comparera, que provando legal-
menle, llie ser entregue.
Avisos martimos.
do cadeiras duPrto em parsito estado, multas
e difluentes obras de marcineiria de muito bom
goslo, grande quanlidade de prata em obras e
em bruto, diil'erentes qualidades de apparelhos
de almoco, chrystaes, vidros, candelabros, an-
lernas, e muilos objectos de gosto que definiti-
vamente sero vendidos
Sem reserva de preco.
Assim como um carro de estregar] gneros,
com o seu competente boi e se acha m mnilo
bom eslado.
Importante
LEEaM)
DE
Fazendas finas.
Ra do In[teidor irnia-
zem 11. \ 5.
Para o Porlo
sahir com brevidade o patacho portuguez Du-
que do Porto, de primeira marcha : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem, dirja-
se a ra da Madre de Dos n. 34, a tratar cora-
joso Antonio da Cunhn & Irmo, ou com o capi-
lo na praca do Corpo Santo.
Para o Aracaty pelo Ass,
segu com muita brevidade a barcaca diaria
Amelia, tendo a maior parte do carregamenlo
prompto : para o testo, trata-se com Prente
Vianna & C, ra da Cadeia n. 57.
8EAL COMPANHIA
DE
Paquetesinglezes a vapor.
No dia 15 deslo mez espern-se do sul o vapor
T\>e, commandante Leiks, o qual depois da de-
I mora do coslume seguir para Southarapton. to-
cando nos porlos de S. Vicente c Lisboa, para
passagens etc., trata-se com os agentes Adamson
I Howie & C, ra do Trapiche Novo n. 42.
N. R. Os Srs. Pritchard & Monneron. n. 10 me
; Drouot e ru Rossini n. 4, Paris, sao os agentes
desta companhia naquella cidade.
Baha.
Segu nestes dias por ter maior parle da carga
o hiato Bom Amigo ; para o resto trata-se com
Caclano Cyriaco da C. M., aolado do Corpo San-
to o. 25.
Attenco.
Nos quatro canlos da ra do Quc'.mado n. 18
A, esquina que vira para o Rosario, vendem-se
lencos de labyrinlho vindos do Cear, os mais
bonitos que lera apparceido nesle genero.
50,000 rs. -
Furlaram do engenho Novo do Coila, fregnezia
da I.uz, no dia 15 de novembro, dous cavallos,
um pequeo, rodado, com urna pequea bexiga
no espinhaco, marca do peitoral otrlro al isao
tostado, dous ps calcados; ambos leni o ferro
que exprime o nome do proprielario, Joaquim
do Reg Itairos Pessoa, que oll'erecc SOjOOO de
gratiflcaco a quem delles der noticia.
- OHereceui-se para amas de alguraa casa de
familia duas crioulinhas honestas : quem preten-
der, dirija-.se a Iravessa da ra da Palma junto a
casa construida de taimas.
Compra-se urna canoa de amarello que se-
ja nova e que carreguo 400 l'eixes de capim : a
tratar com o Sr. I.udgero Francisco de Assis, na
ra das Laranseiras.
Vende-se ura excellenle terreno no lugar
da Capunga Nova beira do rio, tendo ura gran-
| d6 poco, alicerce com 40 palmos, e com alguna
arvordos : quem quizer, dirija-se a Soledade,
rasa n. 42.
Atten^ao.
Vende-se a loja de fazendas da ra do Impe-
rador n. 9, com poucos undos, a dinheiro ou a
: prazo : a tratar na niesma.
No dia 13 do rorrente a ultima arremala-
Spfc?111ir'i "I 9 lnnnrrpnff \&0** 9a" ?a. a Imperial n. 145, depois da
aegUIUUl-ieiI I 1 O COrreilie. audiencia dojuu municipal da primeira vara.
O a Rente Boria autOfisado pelo Sr. Pferisa-se de urna ama forra ou esrrava,
Guatav Matset fara' !<>Mn no dia qci 1ue,s''"ba1cnzinnar e ensaboar, para servico de
uuMavo juatse, laia teilao no id aci- portas a dentro ; a tratar no paleo do Terco nu-
ma designado em sen arraazem n. 15;n)ero:i2.
sito na ra do Imperador, de isuas ri- ~ Vendem-se duas vcnezUnas em bom esta-
_________ -r j I 1 "o, e porprero commodo : 11a ra da Praia, loia
cas e apreciaveis iazendaschegaidaspro- 11. a.
xitnamente do Ric de Janeiro,! consis-
tindo em vestidos de seda para senhora j
de apurado gosto, bem acabados man-
teletas de ren ia e cassa bordadas, ?ab
Para bailes.
Lavas de pellica branca de Jouvin, muito no-
vas e fresis, cliegadas ltimamente.
Espelhos.
Ricos espelhos de diflerenles tamanhos e mol-
duras, tanto de madeira dourada como enverni-
sads.
Vende-se no rateo do Carmo n.
I, manteigaingleza boa a ,S a libra.
Para Iluminado.
Raides de papel com bordados coloridos, do
novos modelos e muito bellos, e lustres ornados
de copos de cores para o mesmo fim : vendem-
se lodos estes objectos por procos com modos :
na ra da Cruz no Recife, armazm de Thoniaz
Teixeira Bastosn. 14.
das de baile, nobrezas, ils, flojres, fa-
zendas de linbo etc., e outras multas
que ao ver nada deixaru a desejar e
que estarao a disposicao dos 1 citantes
as 11 horas do referido dia.
>"a niesma occasiao
serao veudidos 20 relogios patente in-,.
glezes.de pared,, de gosto loderno|K5S 17
nunca vistos neste mercado.
N. B. O referido agente dec
I nao taz o leilao que cima menciona no
hotel inglcz onde reside o Sr. Massct,
em consequencia de ahi nao haver com-
modos suicientes.
Carlos Marin, da casa de Carlo3 Valais, joa-
lheiros de Suas Magestades Imperiaes, leniza
bonra deparlicipar ao llusire publico que se
acha nesta cidade com um completo sorlimento
de joias, que se acha exposto no escriplorio do9
Srs. Araorim & Irraos, ra da Cruz n. 3, segun-
do andar. Recebem-se lambem obras vclbas em
troco.
Vendem-se cinco bois mansos de correia,
proprios para carrosa, e como tambero um ca-
vallo ; os quaes eslo venda no arco de Santo
Antonio, das 8 horas em dianie.
Vende-seo engenho Aguas Bellas, com ca-
sa de \ venda, moente o correule, tendo casa de
purgar, dita de caldcira, senzala principiada,
boas matas para mais de meia legoa, varzea
para planlaco de 2,000 pes para mais, cercado
muito bom para animaes, tem riacho correjile
lodo anuo, Ierra propria, tendo 50 bracas de
fenle, e extrema pelo norlc com trras de Ibn-
ra, para o poente com marcos que Gcam na beira
da estrada velha, e dahi para o sul com o enge-
nho Sant'Auna, e dahi para o nascenie at a la-
goa do Xiqueiro, com trras dos herdeirosde Jo-
| s do Monte Lima : a tratar no aterro da Roa-
Vista n. 17, com Predcriro Chaves.
Vendem-se linguicas do serlo, muito sec-
cas e novas, pelo diminuto preco de 480 rs. a li-
bra : na ra dos Maiiyrios, taberna n. 36.
Vende-se um grande telheiro em
Superiores corles do cambraia brancos borda-!
dos de duassaias, com os desenlies mais lindos i
que tem vindo a Pernambuco, roupes de cam- '
braia brancos bordados com muito goslo, c com;
urna capa branca com o bordado igual ao ron- I
pao : na loja do sobrado amarello, nos qualro i
tro cautos da roa do (Jueimado n. 29, de Jos
Moreira Lopes.
Vendem-se 4 raecas de lciie muito boas, e > porto de desembarque na frepuezia de
irlos para carro: na ra do Santo Antonio, excediente para depo-
- Vende-se ou aluga-se urna canoa grande 18l' ^e madeira e materiaes ou para
1 d.e_?>'i'l00 li,os AS alvcnaria grossas ljualquer outro mister: a tratar na tra~
ara rnip I *-"'6u i,iw ujoius ojo ai\
-IU Huc na ra de Apollo n. 12, se%3ir.
Deearaeoes.
Cear, Acarac e
Granja.
da
OU
De oidera do lllni. Sr. insprclor da Ihesou-
raria de fazenda desta provincia se faz publico,
que no dia 21 do corrente tem de ser arremata-
da peante a mesma thesouraria, urna parte do
sohrado de dous anuares n. 29, silo na ra da
Guia, a qual foi penhorada aos herdeiros de An-
tonio Ferreirn Duarte Velloso. Aspessoas a quem
coinier dila arremalaco, devero comparecer
nesla ihesouraria 1'hora da tarde do indicado
dia. Secretaria da thesouraria de fazenda de i seSue nestes dias o veleiro brigue francez San-
Pemenibuco, 10 de dezembro de 1859.O olficial j t'^nn"> lual recebe algunspassageiros, para os
maior interino, Luiz Francisco de S. Paio e1uacs otl'orece os melhores comraodos ; para
Silca tratar, com os consignatarios Amorim Irmos,
Pela mesa do consulado provincial se faz rua ^a Cruz a. 3.
publico aos propietarios dos predios urbanos das | Para O RO GrilJ ( O Slll
freguexias desta cidade e da dos Afogados que! S0B... rom ,
os 30 dias uteis para o pagamento a bocea do.! 0Ud
O patacho nacional Anna, lem boa parle
carga prompla : a tratar com Tasso Irmos
com o capilo Graciano Ilenrique Mafra.
Para Montevideo
LILAO
Clices para sor-
Yete.
Na rua Nova n. 30, a S a duna.
Vende-se milho chegado ltimamente da
Ilha de Fernando, saceos grandes, saceos de fei-
jo mascado a 58 o sacco : na rua Dircia n. 14,
esquina que volts para S. Pedro.
PELO
c
Joias.
PESTfl
vessa do Carioca n. 11.
Rap princeza de
Lisboa,
e Paulo Cordeiro do Rio de Janeiro : vende-se Da
rua da Cruz, botica de Joo Soura n. 22.
Rap de Lisboa.
Vende-se rap de Lisboa : na rua larga do R
| sario, nassando a botica, segunda loja de miude-
zas n. 48. Na mesma loja precisa-se alugar urna
i escrava que saiba cozinhar bem o diario deuma
i casa de pouca familia.
Vendem-se saceos com farelo de primeira
^ qualidade, muito novo, chegado ullimameole do
'.:, Lisboa, por menos prero do que em oulra qual-
u

fe-
O referido agenlo faraleilo por conta de quem
perlencer segunda-feira 12 do corrente das 10
horas da manhaa na porta da alfandega a saber
DE
lOOcaixascom massas vindas neste ultimo na-
vio sendo sorlimento de alelria e melade m
carro.
| Ojbalheirode SS. MM.
II. estanto prximo a se
retirar para a corte, tem S em 01i,ndarua de Mati.ia's Ferrtra*Trm\m
n i S coni '-"ibera se confeilam caslanhas para.en-
uer parte : na rua de Apollo, armazera n. 16.
= Vende-se doce de caj novo a lj(000 a libra .-
S | al LUI"U """"oro se conieiiam casianlias para .en
0 a IlOnra lie prevenir aO g commendas, e outras quaesquer qualidades de
respeita\el pnbCO tiesta d-Sla um caixeiro que toma conta de urna ta-
berna por balanco: quem pretender dirija-se
rua Direila n. 104; na mesma se lhe daro as
Na mesma occasiuo vender-
se-ha para fechar con
30 latas de bolacha de soda de 8 libras.
50 ditas de dita de 4 libras.
80 latinhas de biscoulo.
i 20 barra com muiiieigir ingleza.
cofre do primeiro semestre da decima do anno
financeiro corrente do 1659-1660 so piinriplam
a contar do Io de dezembro vindouro, ficando
ocursos na mulla de 3 por cento os que paga-
ren) depois desse prazo.
Mesa do consulado provincial de Pernambuco
26 de novembro de 1859.Antonio Carneiro
Machado Ros, administrador.
= O lllm. Sr. inspector da Ihesouraria pro-
viniial, em rumprinienlo da resoluco da junta
manda fazer publico, que no dia 7 de dezembro
prximo futuro, se ha de arrematar, a quem por
menos fizer o cosleio da illuminaco publica da
cidade de Olinda, avaliado em 260 rs. cada ura
lampeao diariamente.
A arremalaco ser feila por lempo de um
anuo a contar do dia 15 de dezembro do corrente
anno.
As pessoa3 que se propozerem a esta arrema-
laco. comparecara na mencionada thesouraria,
onde acharo as condices coro que deve ser e-
fecluada a arremalaco.
F. para constar se mandou afli\ar o presente
c publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 19 de novembro de 1659.O sccrela-
a brevidade
carga prompta
a bai a Mathilde,
quem quizer car-
no, A. F, da^Anmmciacao.
esubeleci menlos. aim de se faze; as precisas al- .. Illni" Sr- .iuspeclor da thesouraria pro-
,. 1___' .___ vinoal, em cumpiimenlo da ordem do Lxm. vice
teraews no livro competente ^como o maopa presidente da provincia, manda fazer publico ,que
annual dos seus alumnos, de conformidade com perantc a junta da fazenda da mesma Ihesouraria
se ha de arrematar no dia 15 de dezembro pr-
ximo vindouro, quem mais der, 636 lampeos
o disposto no art. 86 da
n. 3G9, abaixo transcripto,
como o
conformidade com
Lei regulsmentar
sob a pena indica-
da ao art. 100, lambem transcripto, aos que fo-
rera omissos.
O secrelario interino
Salvador Ilenrique de Albttqucrque.
Artigos a que se refere o edilal cima :
Art. 86. Os professores o directores de esla-
Jjelccimenlos particulares sao obligados :
1." A remetier aos respectivos delegados rela-
tnos irimensaes de seus tribalhos, declarando o
numero de alumnos, a disciplina e compendios
adoptados, e fazendo as observaces que cntende-
rem convenientes.
2/ A panicip3r-lhes qualquer altcracao que
(em parte da
regar o rosto pode, tratar cm Manoel Alves Guer-
ra, rua do Trapiche n. 14.
Mnranliao e Para.
O veleiro brigue escuna Graciosa, capilo e
pratico Joo Jos de Souza, tendo j grande par-
te do seu carregamenlo prompto, segu em pou-
cos dias ; para o resto da carga podem os Srs.
pretedentes enlender-se com os consignalarios
Almeida Gomes Alves & C, rua da Cruz n. 27.
Ass
Hiale Cames segu no dia 10 do corrente ;
para o reslo da carga trala-se com Caetano Cy-
riaco da Cosa Moreira, ao lado do Corpo Santo
n. 25.
Para o Aracaty.
O hiale Sania Rila : para carga e passagei-
ios, traia-se com Martins & Irraao, ruada Ma-
dre de Dos n. 2.
Para o Rio de Janeiro
Pretende seguir com muita brevidade a barca
nacional Amelia, tem parte de seu carregamen-
lo a bordo : para o resto que lhe falta trata-se
com o seu consignatario Antonio Luiz de Olivei-
ra Azcvedo, no seu escriptorio, rua da Cruzn.l.
tas
a-!g cidade que para o baile $
@ que o corpo do commer- %
| ci vai oTerecer a SS.
MM. II. tem exposlo em
g casa do Sr. Amorim &
Irmo, rua da Cruz u. 32 *
segundo andar, um rico
sortimento de pecas de
brilbanlesdo mais apu-
0 agente Ilyppolito da Silva fara' rado gOStO, COmpOSto (le
leilao por ordem do Sr. viscoride de fitas, brodlCS, allllieteS I paracxercerocommercio'em lodsoTses
Lemmont cnsul de Franca eemniespn- ^ i l *- i ^ i por u''' exercido durante alguns anuos,
LmmuDicuniuiuerianraeeinpiesen- g pulseirOS, l)OtCS, b 1*111- @ 1 c.seus inicos a qualquer casa desta ci
<;a do mesmo senhor do espolio do sub- @ r '. S1-
dito franeez ri-cderick Jacques,; consis-, | COS, argas, aiineiS.Cru- |
tindoemuma ferrarla de constt ucrao '< % ZCS, 10S tle perillas filias, i
de carros, diversos movis, um lcabrio-|| coilimeildas da Ordeill da
novo, faltando apenas mnta-lo. g Rosa (Je our0 e brilhail-

:C

i informaces necessarias.
I Precisa-se de um pequeo para caixeiro de
de deposito : na rua Direita n. 91.
Precisa-se de um sacerdote para celebrar
las missasde festa era ura engenho da freguezia
do Nossa Senbora da Kscada : na rua da Caiea
do Recife loja n. 50 de-Cunba e Silva.
Atlencao.
Na rua Nova n. 53, loja de ferragens, vende-
se milho novo em saccas, por baialissimo preco.
Lourenco La Saga, subdito hespanhol, exis-
. tente a bordo da barca franceza Posa, que se acha
! em concert neste porto, achando-se habilitado
s ramos,
offere-
-idade, o
pode ser procurado a bordo do dito navio : o
anunciante lambem enlende dos Irabalhos aric-
las nos, que pode ser occup:ido.
COMPANHIA
PER.AMBUCANA
DE
projectein no rgimen dos seus eslabelecimentos
com a precisa antecedencia e a solicitar auloiisa- 2UCD"S "f lo!1(;a 25 ;.P.li,lons "s?.s 25; los fun"
J. .__ dos 2o; bandejas meiacsz; lalheres 20 ; copos
i de vidro para agua 4 ; linleiros de vidro 2 ; toa-
lhas pequeas para as bancas 30 ; mesa forrada
que servirn) na illuminaco publica desta cida-
de, com as suas competentes ferragens, avaliados
em 40$ cada um
Os pretendenles podem dirigir-se reparlico
das obras publicas, afim de examinaren) os men-
cionados himpcdes.
E para constar se mandou afiliar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Per-
nambuco, 2 de novembro de 1859.O secrela-
rio, Antonio Perraira da Annunaiafo.
Consclho administrativo.
O conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra tem de comprar os objec-
tos se guiri les :
Para a enfermara militar a cargo do 7.a bata- ?''ea/ Ac?,v n *?. para o Assu, Rio
lao de infamara em ilacei. I Crndc ,do ,Norle, e Para.mba 9- f"?nd> acmesula
Cakas de chita 30; camisolas do brim 30 ; bu- I VUl a bordo pe,a Pra"chi, a cusla dos '
les do louga 2 ; chicaras e pires 12; lijlas pe-
o cosleira a vapor
O vapor nacional Ignarassi, commandmle o
segundo tenenle Moreira, ceguir para os porlos
do norte do sua escala ato a cidade da Fortaleza
s 4 horas da larde do dia 10 do corrente, para
os quaes recebe carga da maneira seguinte : para
gao pera isso.
3.* A dar-llies parle de qualquer mudanca de
residencia.
." A franquear-Ibes as aulas, dormitorios e
mais dependencias dos estabelecimenios no cuso
Att. 100. Incorrero lambem na multa de
209 a 1009 rs quando deixarem de cumprir
Secretaria da inslrucco publica de Pernam-
buco 7 de Dezembro de 1859.
Pelo presenlf se faz publico que achando-se
vagas os cadeiras de insliucrn elementar do Io
s^ro da ilha de Itamarac, Salguciro e Buique,
>.-'l marcado o praso de 30 dias a contar da
dacta desle, para a nscripcao e processo de ha-
iiilitaco dos candidatos {que se queiram oppor,
adverlindo-se que o concurso sei feito de con-
loimidade com as insliluices do ti do junho
-leste anno j publicadas cujas disposicoes res-
pectivas vo abaixo transcriptas.
O Secretario.
Salvador lienriyue de Albuquerque.
Disposicoes a que se refere o edilal cima
Art. 2" Io. Seo examinando pretender ha-
I ilitar-se para professor das escolas do Io grao
le inslrucco primaria, o exame versar sobre
as seguintes materias :
I* Doulrina Cbrisi o Historia Sagrada.
2" Leitura e rsciipla.
3a Grammalica porlugueza.
4" Arithraelica.
5a Systema de pezos e medidas do imperio.
H* Systema- pra'.ico e meihodo do cnsiuo.
.\rt. 10. Quando vagar ou se criar qualquer
cadeira publica o director geral o far annun-
ciar pelos ornaes, marcando o praso de 30 dias
de zinco para autopsia 1
ico t ; toalhas proprias
estojo porttil cirur-
para facturas o de di-
rersos Iamanlios50; lavatorios de ferro 4.
Para provimenlo do armazem do arsenal
de guata.
Sola, meios 200 ; laboas de pinho de soalho,;
duzias 20 ; talioas de 3/4 de grossura, duzias 10 ;
pranches, duzia 1 ; oleo de liuhaca, arrobas 5 ;
alvaiade, arrobas 5 ; er, arrobas 4 ; zarco, ar-
robas 2; secante, arroba 1; gomma laca, arro-
ba 1 ; ocre, arrobas 5 ; pregos de puarnico, mi-
lheroslO; pinceis sorlidos duzias 5 ; lixa sorti-
da, duzias 12. y
Para a fortaleza de Pao Amarello.
Lina bandeira imperial cora 6 pannos de largo.
regadores. O expediente da gerencia fecha-se s
4 horas da tarde.
Para o Porto Alegre, com escala pelo Rio
Grande do Sul. sahe rom muita brevidade o pa-
tacho iVot'o Lima, tem prompto parte do carre-
gamenlo ; e para o resto a fete, trata-se com os
consignalarios Amorim limos, rua da Cruz n. 3.
Leudes.
let novo, faltando apenas mnla-lo, ,
grande quantldade de lijlos e tellias e @
o terreno com foro perpetuo no qual se tes Para OIlCiacS O C0II1-
acha montada a dita ferrara e grande p llieildadorCS 1'elogOS ,
quantldade de fe.xes de aro e ferro: jS correiltcs, bocelas de Oll-
horas
onde

Offerece-se para caixeiro de loja de fazen-
das ou armazera, um moco brasileiro chegado ha
ponco do norte, tendo muita pratica, hbil para
balco, e boa letra, dando as necessarias infor-
maces de sua conducta
terca-lelra 18 do corrente as 11
em ponto na rua da Conceicao

ex ste a dita ferrara.
i dita ferrara.
LEILAO
ro para rap etc.,
s ludo afliaucado e
precos muito fagoraveis.
etc.,
por
quem pretender, diii-
?r.' ja-se a rua da Cadeia do Recife n. 27, que acha-
H r com quem tratar, ou annuncie pelo Diario pa-
ra ser procurado.
i
A abaixo assignada declara, que tendo fal-
lecido seu marido Silvano l'homaz de S. Maga-
Ihes, e ficando devendo perlo de 8:000g, c nao
tendo a abaixo assisnada com que pagar, convi-
Aluga-se urna sala e um miarlo,
Quarta-feira 14 do corrente.
O agente Hyppolito da Silya fara'
leilao por conta e rirst de quem per
tencer de 500 barricas com bolacliinha
Ingleza em lotes a vontade dos com-
pradores : quarta-feira 1 \ do corrente
1 horas em ponto no caes de Apollo com dous bonitos cavallos.
armazem do Sr. Jos Duarte dais Xeves. Fni casa d'
_^____________ Cruz, vende-se :
,: da a lodos os credores de seu finado marido pa-
?:;v.t- ;;;;;; w9 ATTFNr'AO 110 do corrente no caes do Ramos, casa do Sr.
rapaz solleiro, na roa da Cruz do Recie : a Ira-
lar na rua da Cadeia Velha n. 14.
I)eseja-sc alugar urna pequea casa com
quintal e estribara para um cavallo, fura da ci-
dade, para um eslrangeiro solleiro: na rua da
Cruz n. 10.
Na cocheira de Augusto Fischer, na rua
do Imperador, vende-se um cabriolel de rodas
los Hygino de Miranda, sll horas da manha,
propria para il"m d decedirem o que bem entender, ficando-
a abaixo assignada exonerada de lodo o debito
feilo por seu finado marido. Recife 7 de dezem-
bro de 1859. Thereza Febronia Esteces Alce*.
Precisa-se de um forneiro : uanr a da Sen-
zala Velha ii. 81.
Avisos diversos.
AVISO
Desappareceu do um quintal das casas do
Sr. Antonio Jos Gomes do Crrelo, na rua da
j Aurora ao p de Santo Amaro, um cavallo cas-
Kalkmanu Irmos & C, rua da tanho, frente aborta e um p calcado, o qual
cortsla ler andado pastando porto do cemilerio :
quein o achar ou souber onde esl, dirija-so s
mesmas casas a ultima ao do eslaleiro, ou rua
da Cruz n. 7-. que ser recompensado.
Vende-se o deposilo da rna Orlas n. 211
com poucos fundos atralar no mesmo.
Cognac superior em barris.
Dito engarrafado.
Vinho Shery e Madeira em quarlolas e engar-
ra lado.
Mobilias de Vime.
Planas fortes.
Charutos da Havan.i superiores.
Vende-se um cabriolet por preco
muito em conta avista de acliar-se em
estado desejavtl a todos os respeitos: a
fallar na cocheira em frente do pottao
do ai seal de marinha, onde existe e se
LEILAO
Quarta-feira 14 do corrente.
O agente* Rorja far lcilo autorisado pelo l"gn" dila ajudieao em presenta do
Jos Anacleto, est presente
sangra e tira tambero denles como qualquer me-
dien ou firurgio dentista, pode ser. chamado
coiji escriplo a qualquer hora na rua da Camboa
do Carmo n. 20.
Consulado de Franca.
O capilo Francois Magnou da barcaj franceza
Rose, actualmente em reparaco nc^to porto,
precisa tomar a risco cerca de 10:500*1 para na- I" ~
gar as ditlcrentes despe/.as, que tem sido obriga- I nov?. carrrpm.iito de burros, novos
do a fazer neste porto, o dito empreslimo ser
garanlido pelo mesmo navio e sen carifgamento,
as pessoas que prclendereni fazer esld adiam-
ntenlo sao convidados a comparocerem quarla-
Aviso ao publico.
Dr. Joo Noguiss, professor dentista, se olTere-
ce ao respeitavel publico para Orar denles e rai-
les, limpa-los, chomba-Ios. caulrisa-Ios, divdi-
los e po-los com loda a perfcico a loda e qual-
quer pessoa que precisar: dirija-se a rua larga
do Rosario n. 46, primeiro andar, hotel trova-
dia' com quem a compra deve ser Ira- i or, que se acha promplo a loda a hora que soja
feira 1 \ do corrente s 11 horas em
chancellara do consulado de l'ranca a
lllm. Sr. Dr. juiz municipal supplente da pri-
meira vara, a requerimenlo de Antonio Moraes
Ouem quizer vender taes objectos aprsenle Gomes Ferreira, da armaco e gneros existentes
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do ccnselho s 10 horas da manha do dia 12 do
corrente mez.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecimento do arsenal de guerra 5 de
dezembro de 1859.Bento Jos Lamtnha Lint,
coronel presidente.No impedimento do secre-
tario, Joao Francisco de Chabi, coronel vosal.
Pela recebedoria de rendas internas se faz
publico, que no correle mez se linda o prazo da
cobranza amigavel aos impostes perlencentes ao
exercicio de 18581859, a saber renda aos pro-
prios nacionaes : foros de terrenos e de marinha
decima addicional de mo mora; imposto sobre
lojas e rasas de descont; dito especial sobre
casas de movis, roupas, mobilias e calcada es-
lrangeiro ; dilo sobre barcos do interior e laxa
dos escravos, findo o qual se promover a cobran-
ea oxecutiva contra os remissos : outro sim que
o mesmo mesmo raez deve ler logar o paga-
mento dos impostos perlencentes ao exercicio
de 1&891860, a saber: do primeiro semestre da
na taberna de Manoel Gomes Villar, sita na rua
do Imperador outr'ora rua da Cadeia n. 18, que
ser elle el uado em tilo lugar s 11 horas em
poni.
^a
Por lodo e qualquer preco.
NA RUA DO
Imperador n. 15.
Tcrra-feira 13 do crvenle
O agente Borja vender em Teilo por todo e
qualquer preco os obiectos existentes emseu ar-
mozoin sito na rua do Imperador : urna porco
pomo na
uide lera
r. cnsul
b cambio
de Franca a quem por menos lizer,
ser fixa'do a razo de 385 rs. por fiando.
-* Lava-sc e engomma-sc cora perfeico e
promptido : na rua do Colovello n. 50.
No dia 23 de novembro prximo, passado,
fugio a escrava Mara, crioula, natural da pro-
vincia do Para, tem os seguintes: estqlura alta,
cor bastante preta, rusto comprido esignalde
bexigas, tem cm una das uiaos um signal de
golpe de faca entro o dedo polleg.ir, te(u um dos
ps vollado um pouco para o lado de dentro ;
levou saia prela e chales azul e vestido de chi-
ta : roga-so a quem a pegar leve-a| rua da
Gloria n. 89, que ser recompensado.
MOB'.I.IAS
Envernisam-so mobilias mais em conta do que
em outra qualquer parte : no paleo do Carmo
n. 2.
Aluga-se um prelo escravo ou forro para o
o servico interno, ou compra-se um de meia ida-
de : na rua Nova n. 53.
Jos Emilio Arlhur da Rocha Yasconccllos
retira-se para o Rio de Janeiro.
Vende-se urna preta crioula de |8 annos,
engomraa, cose e cozinha : na rua Nova n. -19.
/
MUTILADO
N
Claudio Dbetix, scienliira a
quem convier que acaba de receber um
e
bonitos e alguns ja quasi mancos, es
melhores que tem vindo a este mercado
e os vende por commodo prero : quem
pretender dirija se ao seu escriptorio
na rua da Cadeia para tratar.
Vendem-se duas es nocas e dous
bois mancos : na travessa do Carioca
numero 11.
necessano.
Aluga-s um sobrado na cidade de Olinda,
na rua de S. Pedro, defronte da cadeia, com bons
eommodos, muito fresco e excellenle vista : a
tratar na taberna rio mesmo sobrado.
U'
ii
joias... joias.
As instanefas de algumas familias nolaveis
desta cidade, Marcos \Veyl,(da casa de Domingos
: NIoutinbo, joalheiro ourives, rua dos Ourives n.
I 27, no Rio de Janeiro) chegou com um completo
sorliraen-lo de joias do mais elegante gosto. Sen-
do esta casa favoravelmente conhecida como
casa de confianca, c pelos producios superiores
da sua fabrica, seria fcil convencer-se do baralo
e das boas qualidades las joias. Complelosor-
linienio de condccoraces brasileiras debrilhan-
le, ouro e prata dourada, a precos comraodos.
Recebe-se em troc todos os objectos de ouro,
prata e pedras finas emqualquer eslado : para
tratar, no hotel inglez.
Vende-se um carro de 4 rodas patente d-
glez, conslrucco forte, largo bstanle para 4-
pessoas, forrado do fazenda de seda de bonilO'
gosto e cor, ludo novo, sem ter sido ainda ser-
vido, muito de tente c proprio para a espera
asraa: r;j;.i.r^ $g a s aaftatr O
retes com talins para corle.
Objectoo de sir-
gue i ro.
Largo da matriz n. 2.
Vendem-se objectos de sirgueiro para guarda
nacional e exerrilo, viudos ltimamente do Rio
de Janeiro ; bem como boioes de marinha, dilos
da rua do Col
e essas de lei,
a tratar na mesma.
Icgio n. 9,
a dinheiro
Vende-se a loja
cora poucas fazendas
ou a prazo :
Vende-se urna prela de boa figura, que co-
zinha, lava e engommn ; na rua da Senzala No-
va n. 1.
Chegou do Cear no vapor Paran um exce-
lente cavallo com ludos os andares, o seu dono
no Cear inlitulava-o rei dos cavallosf quem o
peilender dirija-se a rua da Guia taberna n. 9, o
para ver na coxeira passando a taberna ; na mes-
1 na laberna perciza-se alugar um a dous prelos.
1



DIARIO DE PERNAMBUCO- SEGUNDA FK1KA 12 DE DEZEMBRO DF, 1SBD.
id)
\

FOLIILMlAS l'UU IKIIO.
1 slao renda na livraria da praca da Indc-
[ endeuda ns. 6 e 8 as folhinhas para 1860, im-
i regas ncsta typographh, das seguintes quali-
. ades :
OLHISIIA RELIGIOSA, conlcndo, alemn
Calendario e regulampnto dos diroitos pa-
rochiaes, a contrnuacao da bibliolhccn do
Cristo Brasilciro. que se compe ; do lou-
vor ao sanio noine de Dos, coroa dos ac-
tos de amor, hj nios ao Espirito Santo c
a N. S., a imitacao do do Sanio Amlirozio,
jaculalorias e commcmoneo ao SS. Sa-
cramento e N. S. do Carmo', exercicio da
Via-Sacra, directorio para oraco mental,
dividido polos dias da semana, obsequios
ao SS. coraco de Jess, saudacoes devo-
tas s chagas de Christo, oraces a N. Sc-
nhora, ao patrocinio do S. Jos e anio da
guard, responeo pelas almas, alera de
autras oraces. Prego 320 rs.
COJIIM'HIA
D
1TA DE VARIEDADES, contendo o Calenda-
rio, regulameulo dos direitosparochiaes,e
una collecco de ancdotas, ditos chisto-
sos, coutos, fbulas, pcnsaracutos inoraes,
receitas diversas, quer acerca de-cozinha,
quer de cultura, e preservativo de arvores
a [rucies. Prego 320 rs.
jVjT.l DE PORTA.a qual, alm das materias do
eosturae, contera o resumo dos direilos
parochiaes. Prego 100 rs.
agencia dos laltru-aiile* america-
nos Grouver & Ituker.
Machinas de coser: em casa de Samuel P.
-ofensin & C, ra da Scnzala Nova n. 5i.
O Dr. Cosme de Sa Pereira
de volt? de la viagem instructi-
tiva a Europa continua no exer-
|cicio de sua profissao medica.
Ua' consultas em seu escripto-f
no, no bairro do Itecife, ra da fi6
Cruz n. 53, todos os dias, menos L
nos domingos, desde as' 6 lioras
!te as 10 da manliaa, sobre os^
segui ntes portos :
1'. Molestias de o los
l*. Molestias de oracao e de?,
peito ;
i 3-. Molestias dos orgaos da gera-
ciio, e do anas ; n
i". Praticara' toda c qualquer |j
operacao quejulgarconvenien-p
te para o restabelecimento dos
cus doentes.
O exame das pessoas que o con-
sultaren! sera' feto ndutincta-
mente, e na ordem de suas en-
tradas; fazen lo excepcSo os doen-
tes de othos, ou aquellesque por
motivojustoobtiverem hora mar- $
cada para este Inri.
A appcicjo dealguns medica h
inentos indispensaveis em varios"
casos, como o do sulfato deati o-,,,
pina etc.) sera' feto.ou concedido j
gratuitamente. A conianca que
nel les deposita, a presteza de sua g
accao, e a necessidade prompta
de seu emprego; e tudo quanto o jj
demove em beneficio de -seus
doentes.
Na ra Bella n. 10, precisa-se de nina ama
para cozinhar o comprar para urna pessoa.
? O Dr. Casanova pode ser procurado j
a qualquer hora em seu consultorio ho- 3*
meopathico
28=RUA DASCRZES=2S
ojjmesmo consultorio acha-se sora-
pre grande sortimento de medicamen-
tos em Unturas glbulos, os mais iio-
vo e bem preparados, os elementos de
homcopatliia e Nystem diccionario dos
>ermos de medicina.
MlltlHHKHlf !????Wffis
Serapliiin & rmao.
Ra do Cabula, loja de ourives
ii. 11,
esquina que fica em frente da ra
Nova e pateo da matriz
Fazem publico que estao constantemente rece-
bendo da Eur pa as mais em moda e mais deli-
cadas obras de ouro, as quacs dao para esco-
iher, pelos menores procos possiveis, e passam
cotilas com recibos, as quaes vao especificadas
a qaaltdade do ouro, tanto do 14 como de 18
quilates, do que ficara esponsaveis.
-. Continua-so a preparar bandeijas enfeila-
las com bolinhoiAs de diversas qualidades, os
melhorcs e mais baratas do nosso mercado ; as-
Estabelecida ca Londres
m# i me. I
CAPITAL
Claco miH\>es de libra!
estevUnas.
Saundrrs Brothers & C." tera a honra de In-
terinar aes Sis. negociantes, proprielarios de
casas, e a gera mais convier, que eslo plena-
mente autorisados pela dita companhia para
effeetuar seguros sobre edificios do tijolo e po-
dra, cobertos de u-llia e igualmente sobre os.
objectos que contiverein osmesmos edificios,
quer consista em mobilia ou emfazenlas de
qualquer qualidade.
Saca-se para o Porto e Lisboa no
escriptorio de Carvalho Piogueira & C,
na ra do Vigarion. 9, piimeiro andar.
Os abaixo assignados iazein scien-
te ao respeitavel publico e especial-
mente ao coi-po do coinmercio que
Edward K nworthy deixou de ser cai-
xeiro da sua casa desde 50 de outubro
prximo passado. Kecie 6 de dezem-
brode 1859. Patn Nash & C
NICA, VERDADEIRA E LE-
GITIMA.
CASA DE BANHOS.
Neste proveiloso cstabeiccimcnlo, que pelos no vos melhoramcntos feitos aclia-se con
nienterneute montado, far-sc-ho lambcm do Io de novembro em vanle, contratos niensaes piara
maior conimodidade e.economia do publico de quera os proprielarios esperara a remuneragao
tantos sacrificios
Assignatura de banbos fros para urna pessoa por niez.....lOgOOO
momos, de choque ou chuviscos por mez 15ff000
Relies de carios o banhos avnlsos nos creeos annunoiados.
ARCHIVO IMVERSAL.
REVISTA HEBDOMADARIA
COLLA BOBA DO
e-
de
DA
O Sr. thesoureiro manda lazer pu-
blico que se acham a venda todos os dias
das 9 horas da raanhaa as 3 da tarde,
no pavimento terreo da casa da ra da
Aurora n. 26 e as casas commissionadas
. peiomesmo Senhor thesoureiro na pra-
jca da Independencia n. I i elG, os
bilhetese meios da quarta parte da pri
meira lotera do convento de S. Fran-
cisco de Olinda, cujas rodas deverao an-
l Ricardo Kirk, morador na ua do Tarto n. T,
por ler curado perf.itainente em 32 dias a miih i
senliora com a npplica^o de snaiChupas me-
:e/(cuiucs--de nina a-ysiprfu an urna peni:.
soffreudo muitissimas dores e usando inutilmei:
de todos os remedios |>sivcis, acha-so agora li-
vrude laolerrivel molestia. Portanto aceite i
un i icconh linieiilo o Sr. Bicardo Kirk. pelain-
venco de tilo til remedio, cojo mcreciiDento ;
superior a lodos os elogios.
.luguilo C. Prengil.
Ruado Cotovello n. 27.
SI.M
Cura completa
PELOS sus.
D. Antonio da Cosa A. F. de CastittioA. GilAlexandrc llcrculanoA. G. RamosA. Guima- ; corren te mez
de Liraa-A.de Oliveira MarrecaAlves BrancoA.^ P. Lopes de Mendonca-A. Xaf ier Thesouraria das loteras 7 dede-
raesA.
Rodrigues CordeTroCar
RESGUARDO NEM 1NC0MM0D0.
iiltaiiiunii a<> no tero
Lina miiilia esi-rav.i padeca de nina forte in-
\ flammaro no wteropor esparo de 7 anuos, cora
| continuadas dores agudissimas, c cora o rentre
milito alto,procedido da mesma inllamniacao ;
com a appjicaco das Cimpas medicinaes do Sr.
,. i Ricardo Kirk, morador na ra do Parlo n. 119.
impieteuvelmente no da 1 do icou eonpletamenle boa, o o ven le lornoa ao
sen estado natural : este Curativo foi feito em 5(i
Gomes de Amorim F. II. BordalloJ. A. de
Andrade CorvoJ. da Cosa Cascaos,1. Danie
os Jos BarreirosCarlos Jos CaldenaK. Pinto da Silva o Cunha-)-F.
Preitas OliveiraJ. A Maia-^J.A. Marques.1,
CollacoJ. E. de Magalhes CoulinhoJ. G. Lol
alo
z
da
tira
PiresJ. II. da Cunha HitaraJ. J. da Graca JniorJ. Julio de Oliveira PintoJos Hi>ria
Latino CoellioJulio Mximo de Oliveira PimenlelJ. Pedro de SouzaJ. S. da Silva Perra.
Jos de TorresJ. X. S. da MotlaLeandro Jos da CostaLuiz Filippe l.eileLuiz Jos
Cunha L. A. Rebello da SilvaPaulo MiosiRicardo Julio FcrrazValentim Jos da Silv
LopesXisto Cmara.
DIRIGIDO
pon
A. P. de CaivalhoI. F. Silvcia da MollaRodrigo Paganino.
d zembro de i859.O escrivao. J. M. da
Cruz.
Lcite ao p da vacca.
Quera quizer lomar leiteao p da vacca, pode
ir ou mandar na cocheira da tua da Florentina s 6
| horas da manlia, que achara, cada garrafa a 80
rs., tirando-se inesnio vista do comprador. Na
mesma cocheira coulinunm-se a receber cavados
de trato por menos preco que em oulra qualquer
pille, e a respeito do Iratamenlo a experiencia
: convencer se bora ou mo.
Destinado a resumir todas as semanas o raovimenlo jornalistico e a offerecer aos leitores,
Ijunlainenlc cora a revista do que mais notavel houver occorrido na polilica, na sciencia, na in
i tria ou as artes, alguns artigos originaos sobre qualquer desles assumptos, o archivo usivebial,
' desde Janeiro de 1859, era que coraecou a publicarse, tem satisfeilo aos seus (ns, cora a maior
I exaclidao c regularidade.
Publica-so todas as segundas feiras om folh.is de 16 paginas, e completa todos os sernos
ora volurac de 20 paginas cura ndice e frontispicio competentes.
Assigna-se no escriptorio desle Diario, ra das Cruzes, e na ra Nova n. 8.
Preco da assignalura : pelos paquetes vapor 10S200 por anuo ; or navio de vela 8$ (moeda
brasileira).
Ha agumas COlIcCQcs desde ocomeco da publicacao do jornal.
nn- | ~ Thomaz Brouksbank e llenry Luvin, subdi-
us_ tos ingle/es retiram-se para o Rio de Janeiro.
tres
SALSA PARRILIIA

DELICIOSAS
EI.NFALl.IVEIS.
%

Remedio sem igual, sendo reconhecido pelos
i mdicos, os mais mnenles como remedio infal-
lvel para curar escrophulas, cancros, ilicuaiatis-
1 rao, onfermidades do ligado, dyspepsia, debili-
dade geral. febre biliosa o intermitiente, onfer-
midades resultantes do emaroxo de mercurio,
ulceras e erupcoes que resultara da impureza d
sanguc.
Cautela.
D. T. Lanraan & Kemp, droguistas por atacado
New York, acham-se obligados a prevenir o res-
! peilavel publico para desconfiar de algumas le-
' nes imitacoes da Salsa Parrilha de Brislol que
i hoje so vende neste imperio, declarando a lodos
que sao eties os nicos proprielaiios da receita
ido Dr. Brislol, tendo-lhe comprado no anno de
185C.
Casa nenhuma mais ou pessoa alguma lem
dircito d' fabricar a Salsa Parrilha de Brislol,
porque o segredo da sua preparado acha-se so-
mente em poder dos referidos Lanraan i Kemp.
Para evitar engaos com desapreciavcis
:^________
(yKEMP NEYAJYORiy
PILULAS VEGETAES
ASSCCARADAS
Pastiihas
vegetaes
conlra as lombrigas
Kemp
Attencao.
Sam Bibs, quereodo relirar-se no primeiro
vapor, parliciqa ao respeitavel publico desta c-
dade, que anda tem inri lindo sortimento de
jolas de ouro e com brilhantes, as quaes est
; disposlo a vender por precos muito razoaveis pa-
' ra acabar: quera o qui/.er procurar o achar a
; qualquer hora do dia no hotel Francisco, na ra
i do Trapicne. O niesmo vende urna rede branca
com verandas de lahyrinlho, rauilo linda, cliega-
' da do norte no ultimo vapor.
= Precisa-se de ora amassador : na padaria
em Santo Amaro atraz da fundi>;ao.
Saca se lambcm para o Porto em
casa ele Barroca & Medeiros ra da Cu-
| deia do Recife n i.
Saca se'obre o Porto por qual-
quei somma pa{javcl all ou em Lisboa.
\ podendo as letras serem pagas a' vista
I mediante o disconto na razao de 5 por
NEW-YORK.
O MF.LHOR REMEDIO CONHECIDO
Conlraconsliparex, ictericia, affeccoes do ftgado,
febres biliosas^clicas, indigesles, enxatuecas.
evitar engaos com desapreciareis co- Hemorrlioidas, diarrbea,doencas da
bioaces de drosjasperniciosas, as pessoas que peIIe, irupcoes.e todas as entermidades,
o verdadeiro devera bem oh- JL*Z -.. .. ..
quizerem comprar
servar os seguidles signaos sera os quaes qual-
quer outrapreparacao falsa !
Io O envoltorio de fora est gravado de um
lado sob una chapa de ac, trazendo ao p as
seguintes palavras:
D. T. LANMA.N & KEMP
SOL AGENTS
N. G9 Water Street.
NewYorl,
2 O mesmo do outro lado lera um rotulo em
papel azul claro cora a firma o rubrica dos pro-
prielarios.
Sobre a rol ha acha-se o retrato c firma do
approvadas pela Exm.* inspeceo de esluflo de
Habana e por muitas outras juncias
giene publica dos Estados Unidos e mais
da America.
Garantidas como puramente vegetaes, agr- ; -astro, rita do Crespo,
daveis vista, doces ao paladar sao o re
infallivel contra as lombrigas. Nao causan! nau-
seasnetn sensaces debilitantes.
Testeraunho cxpon'.aneo era abone das
lhas de Kemp.
Srs. D. T. Lanman e Kemp. Pon
. h>- cento ao anno, aos portadores que O exi- luem pretender dirija s
lslfauts{Trem, dirijamse a Joaquim da Silva : spgundo andar.
dios, e esta minha cxposieo rerdadeira e vai
por iiiim assignoda.
Francisco Vicente liaduem.
Roa de >anta Luzia n. 68.
Estar afuma reconhectda pelo labellio Fran-
cisco Antonio Ua liado.
Consultas todos os dias das 9 horas da manha
s 2 da tarde.
DEPOSITO (ERAL
DE
Pilulas ve^eto- - PauWstanas*
As pillas pauistanas: laobera conhecid.:
S. Paulo, nosla cidade o era todo o Imperio, e-
las admirareis curas ebtidas cora ellas [atgam \
certides de curas complclat j formptiblL
pelos jornaet, c merecem de corto toda a conian-
ca do publico.
0 Sr. Cilios Pedro L'tcheroin, de S. Paulo, aca-
ba de stabclccer um deposito geral- no Rio da
ro, ruado Parlo n. 1!'.*, porto da Carioca.
Casa de campo.
Aluga-se ou vende-sc um grande sitio na en-
trada da estrada do Arraial, antes de chegar 0 do
Sr. Johnston, com excellente casa reedificada des
novo e piulada, com nimios commodos para
grande'familia, estribara para cavallos, cacimba
o excetlcntes arvorodos fruciiferos de mni tas es-
pecies : na ra de Apollo n. ID, ou ra do Amo-
rim n. i:!.
Perdcu-se un meio bilhote n 12:19 da 27.*
lotera da empreza lyrica do Rio de Janeiro, o
qual est assignado mi verso por Manoel Jos
Concalves e o coronel Jos Bernardo Solgueiro;
p>ir isso quera o acbar tar o favor de cntrefa-lo
na roa do Queiraado n. i, e os Srs. caulelistas .
pagadores de bilhetes a quera forelleaprcsentado
roga-se igualmente que nao paguera, avisando
na me-nia casa.
Presa-se alugar una ama forra ou captiva
para lomar conta de um menino j desmamado .
e n das Cruzes n. :',
Byron
12 de abril de 1859.Scnhores. As pastiihas*1
que Vmcs. fa/.em, curarara meu filho ; o
rapaz padeca de lombrigas, exhalara um
parti-
3o
inventor C. C. Kristal em papel edr de rosa.
4o Que as diiei-ocs juntas a cada garrafa lem
nma phenix seinellianle a que vai cima do pr-
senle aununcio.'
DEPSITOS.
Rio de Janeiro na ruada Alfandega n. S9.
Baha, Germano t C., ra Juliao n. 1.
Pernainhuco no annazcm de drogas de J. Soiira
^o'TTyTTTTTTTTTTYTVTTTTTTTTY
l DENTISTA FRANCEZ. J
> Paulo Gaignoux, dentista, ra das La- 3
j2 rangeiras 15. Na mesma casa tera agua e ^i
^ p denlifleo. 2
PROVENIENTES 00 ESTADO IMPl'RO DO 8AHGUB.
75,000 caiaadeste remedio consoniraera-se an
nualmcnte !
Remedio Approvado pela faculdade de medicina, e rc-
commendaao como o mais valioso catrtico ve-
getal do todos os conhecidos. Sendo estas pillas
puramente vegetaes, nao contera ellas nenhum
veneno mercurial nem algura outro mineral ;
esto bem acondicionadas era caixas de folha pa-
ra resguardar-se da huraidade.
Sao agradaveis ao paladar, seguras e eflicaze
': pin sua operacao, e um remedio poderoso para o
juvenlude, pubeidade e relhice.
I Lea-se o follieloque aco'mpanhacada caixa.pelo
qual se licar conhecendo as minias curas milagro-
sas quelem ciroi-lunJo. D. T f.aiinian & Kemp,
droguistas por atacado em Nova York, sao os ni-
cos fabricantes c propietarios.
Acham-se venda etn todas as boticas dasprin-
I eipacs cidades do imperio.
DEPSITOS.
Rio de Janeiro, na ra da Alfandega n. 89.
Baha, Germano & C, ra Juliao n. 2.
Pernarabuco, uoarraazera de drogas de J. Soum
A C, ra da Cruz n. 22.
E dragado loja do Leconlc, aterro da Boa-
Vista n. 7 o excellente lele virginal de rosa
branca, para refrescar a pelle, tirar pannos, sar-
das c espinhas, igualmente o afamado oleo ba-
bosa para lrapar e fazer crescer os cabellos ; as-
ponre
cliei-
f
Guilhcrme Luiz de AlmeiJa, faz scienle
ao publico, e ao coinmercio desta praca que | Francisco Sanliui, italiano, uicstrc de pian e
comprou ao Sr. Francisco Marques Guima-1 cauto, ex-maestre da companhia lyrica da Bahij,
raes, sua loja de ferragens, cita na ra das Cm- ch,eSO'i nosla capital ha pouco. lencionando cs-
Ponlas n 62 i ,aDe'rYf,r'S0 : portanto lem a imnra de participar
'' ', .a este respeitavel publico pemambucano, que
= Precisa-se alugar ura escravo para andar. aquellas pessoas que dos seus prestimos quze-
com urna carroca cora boi para scrvico de um si- | rem_se utilisar, nn ensino de piano o canto, po-
quera liver equi/er alugar, dinja-se a ra et-3l} procma-lo na ra Nova no deposito de
pianos do Sr. Vogely.
Quem se lulgar crclot" da taberna sita na
ra Direila n.:l, perjencente a Francisco da Sil-
va (jueiroz, queira dirigir-se cora suascontas ao
, escriptorio de Lopes Irraos, ra do Aniorira.
do urna ama secca forra ou escrava, que soja de, precisa-se de urna mulher que saiba tratar
la do (.lueiraado, Da jc criancas para servil- de ama secca : quera sa
acharnes'.c caso, diiija-sc a roa do Crespn. 16.
lio : quera uver e quizer
da Cadeia do Uccife n. queahi farft "o ajuste.
Precisa-se
ro ftido, tinha o estomago incitado e cojutinua
comichao no nariz, to magro se poz. tiue en
teraia perde-lo. Neslas circumstaneias um visi-
nho meu disse que as pastijlias de Kemp Linham
curado sua lilha. Logo quesoube disso com-
prei 2 vidros de pastiihas c com ellas salvci a
vida de raeu filho.
Sou de Vmcs. seu amo agradecido.
W. T. Flciud.
Preparadas no seu laboratorio n. 3p Gol..
Slrcet pelos uincos proprielarios D. Lajnraan c collegio d Aurora, no Laes do hamos, propno '
para igual estabeleciir.eato a tiatar com Jos
boa conducta : a tratar na
loja de raiudezas da boa fama n. 33
Aluga-se o grande sobraJo, que oceupava
)i-Xk.tlXJULJ.t..i.XXS.y sim como p imperial do lyrio do Florenca para
: bertoeijas e asperidades da pelle, conserva a fres-
! cura o avelluda-do da primavera da vida.
Idiomas iuglcz c francez.
Eneas Bruce, professor de lingOas, tera a hon-
ra de informar ao respeitavel publico, que conti-
na a dar lices dos ditos idiomas, lanto na
sua casa romo'na daquelles que se quizerem uti-
lisar do seu presumo. Recebe tambera discpu-
los todas as nuiles desde s 7 at s 9 : na ra da
sim corao bolos mglez.s, podins, pasleis de nata 'r,,z n" 62' terceir0 lar.
sr i
it. 25, para
ecreme ou ou.ra qualq.,^ encoramenda : diri- I g^g ^^^^^ffij^^
Iratar-sc do
ja-se ra da Penha
ajaste.
Aluga-se urna casa de podra e cal cora rao-
bilia de amarcllo, na povoaco de Santo Amaro i
de Jaboalo : quera a pretender falle na ra Di- i
reita n. 95.
Precisa-se de urna ama forra ou captiva i
pora o servieo de urna casa de familia, e que se i
preste a comprar e a sahir a rita cm objectos do
servico : na ra larga do Rosario n. 28, segundo
andar.
Curso de preparatorios.
O bacharel A. R. de Torres Bandeira, profes-
sor de geographia e historia anliga no gymnasio
Jesta provincia, contina no ensino dos seguintes i
;>reparatorios : rhetorica, philosophia, geogra-
phia. linguas franceza e ingleza : na casa de sua |
residencia, ra larga do Rosario n. 28, segundo
andar.
Nos abaxo assignados, passageiros do bri-
gue Promptido II, vindo do Porto para esta es-
ta cidade de 1 ernambuco, siimmamente penlto-
rados pelos desvellos e raaneiras de agradar co-
mo fomos tratados pelos Srs. capito e piloto, e
mais tripolacodo dito brigue, havemos porbera
o nao deixar de patentcaros nossos reronhecidos
lourores e agradecimentos pelos continuos ob-
sequios que nos preslaram, lanto na viagem co-
mo na arribada que lizemos a Vigo, o que seria
una faltada nossa parte o fa/.er-mos publico es-
te reconhecimeiilo que. fazemos por nossas lvres
e espontaneas vontades. \ bordo do brigue
Proniptido II. ancorado no lamaio. aos 9 do !
mez de dezerabro de 1859. Jos da Conceico |
Oliveira Figueiredo, F.rneslo Claudio de Souza e
Andrade, Gaspar Maria Mo reir Lima, D. Gertru-
des Eliza de C, Jos Antunes Pereira Braga, Jo-
s Mana Goncalves Pereira, Jos Vicente de
Mello.
No aterro da Boa-Vista, hoje ra da Impe-
ralriz, sobrado n. 21, piimeiro andar, existe urna
caita para o Sr. Manoel de Souza, a qual foi ti-
rada do correio por engao de nome.
Offerere-sc um moco para caxeiro de qual-
quer negocio : quem delle precisar, dirija-se a
ra do Caldeireiro n. 30, a qualquer hora, que I
achara com quem tratar.
Obra litteraria.
Acha-se venda as ras do Imperador, lojas
ns. 20 e 21, e ra do Crespo, loja n. 2, o peque-
OO numero de' exemplares que anda restara do
curso de rhetorica ollerecido moctdade da pro-
viada do Para, donde foi reraettido. A preciso, |
clareza, e methodo que se observa ncsle opscu-
lo, excedem a lodos os elogios, que respondera
supinordade que garalmente. Ihe preslam os
mais eximios professores dessa materia, e tera
motivado a sua grande exlracco. O preco de
cada exemplar de JJOOO.
liiRa tas La rangeiras13
Paulo Gaignou dentista lera a honra de P
avisar ao respeitavel publico que o cele- '8
bre Dr. dentista, dos Estados-Unidos e de
Paris, Eugenio Delcarabre introductor do
novo syslema VULCANITE adoptado pe-
los piimeiros Drs. dentistas dos Estados-
Unidos, de Londres e de Pars est na sua
casa.
Este novo syslema, a perfeicao mesmo
de uraa preciso matemtica leve subs-
tituir sem du\ ida nenhuma todos os sys-
lemas crapregados al agora no Brasil e
duvido ao emprego da machina a vapor
de VULCANISARdo Dr. Patnam.
O Dr. Delcarabre ebegado pelo ultimo
paquete inglez era viagem para o Rio de
Janeiro, licar nesla capital at o paque-
te prximo, e durante este lempo oll'ere-
cc seu presumo ao respeitavel publico,
desde das 9 horas da manha ale 3 2 da
tarde, na ra das Larangciras n. 15.
Consultorio central homcopathco<|
Ti S
| DR-SABINO 0 L.P1XI1I) |
\ Ra de Santo Amaro (Mun-
do A o oo n.G.)
Continuara as consultas e visitas do
mesmo modo que d'antes. A confiara-a
que o Dr. Sabino deposita na pessoa que
lica encarregada do seu consullorio nao
ser desmentida.
Os pobres sero sempre tratados gratui-
tamente.
As correspondencias sero enderezadas
com subscripto ao Dr. Sabino cora asen-
cia -io abaixo assignado
.1/anoe de .Vultos Teixeira Lima
Professor era homeopalhia e se-
cretarto do consultorio.
S

Kemp, droguistas por atacado cm New Vork.
Acham-se venda em todas as boticas das
principaes cidades do imperio.
DEPSITOS
Rio de Janeiro na ra da Alfandega n. 89.
Babia, Gorman/ & C, ra Juliao n. 2.
Pernamhi-- o armazem de drogas de I. Soum
Cora ja roa da Cruz n. 22.
O a | assignado declara a quejra possa
iuteressai e desde o 1. do crlenle Juez mu-
dou seu esiabelecimeiito de fazendas |e roupas
feilas, do arco da Conceico n. 2, para o paleo
do Terco n. 68. Recie 9'de dezembro d^ 1859.
Domingos Jos l'eira Draga.
Joao de Oliveira Lima vai a provincia do
Para.
Publicaco litteraria.
Guia Luso-Brasileiro do Viajante da Europa
1 rol. em 4o de 500 pag.: rende-so na1 mo do
autor ra do Vigario n. 11, brox. 3$ encad. 4;
Jj{! Jo.lo da Silva Ramos, medico pela i
sidencia para o primeiro andar porjeiraa &
da cocheira do Adolpho na ra Nova e 3>
J continua a receber todos os dias das;8 s ^
3*10 horas da maiiha e das 3 as 5 da llardo, 5
3fc as pessoas que o queiram consultar, bem 3E
^ como a prestar-secom sua habitual prorap *
m tido a qual quer chamado para os mis- jWj
S teres de sua profissao coraprehendendo a jijp
* medicina, cirurgia c partos. gs
Hygino de Miranda.
Atteiicilo.
esquina.
A escrava cabra, do nomo- Antonio, que re-
prsenla 1er 2G aturas, olhos grandes e pardo?,
baixa, e com os denles limados, nariz chitj, ca-
bellos crespos e crestados, anda radiando por
osla cidade desde o dia 7 do eorrente : quera a
tpprehendor, leve-a praca da Independencia,
loja ns. Lie 15, que ser gratificado pela SOliho-
ra da Jita escrava.
Precisa-se de dous meninos para caixeiro
de padaria e que dem fiador a tua conduela :
na ra dos Pescadores n. I.
Aluga-se urna casa que tem commodos para
grande familia, com arvoredos de algumas fje-
las, com baixadecapim.no Pojo da Paoclta, ; i-
ia se passar a fesla, em frente a casa do Sr. Gib-
son : quera a pieteuder, diriia-sc fi Fra doT
A d.recao inaii ou opremjo^de 500*000 pa- Us, a fallar con. Manoel da Silva Nevos.
Nu ra da Paz n. 3, d-se comida narlicur
lar por preco mais commodo que era oulra p.'.!-
quer parte ; tambem offerece past'is de lodas as
qualidades, lauto para baile como para ,
quizer, pode vir encommendar: limpeza c bem-
fcitoria j se sabe.
X
A eoininisso directora do Juhkey Club do con-
(ermidade como disposlo no art. 10 dos respec-
tivos estatutos, manda fa/.er publico que esl abor-
ta a inscrpcJio dos socios que quizerem lomar
parlo nas corridas que devoran ler lugar om mea-
do do dezembro, cujo dia ser nnnunciado cora
antecedencia, e para conhecimento de lodos
manda declarar as seguintes clausulas.
1.
ra a primeira corrida ; de 20fl$0()(l para a se-
gunda ; e de 300^000 para a Icrccira, alora das
entradas.
1." As entradas para cada cavaUo sero pola
forma seguinto : primeira corrida 6O3OOO ; se-
guiida,3t)$000 ; e lercoira, 0S 3.a S al o dia 15 do dezembro poderao ser
inscriptos os cacillos que livereni d.' lomar par-
te nas corridas, nao sendo admissivel reclama-
cao alguma depois desso din.
4.a Ao secretario devora o socio que qui/.er lo-
marparte nas corridas,declarar acord vestuario
de seu Jockey e nome do car alio, para nao barer
inscriptos cora igual cor, recebcudo 11111 ronhe-
limenio que ser apresenlado ao Ihesoureito, a
quera ser paga a importancia da entrada : e es-
to conhecimento ser apresenlado ao director do
nlo. no dia das coi rulas.
i.otupras.
= Corapram-se as seguintes comedias' Ber-
nardo,na La, o Judas ora Sabbado de Alleluia
Quem casa quer casa, Por causa de um algaiis-
mo, A rosca, o Duelo no Terceiro Andar, o Ir-
mn das Almas co Diabo na escola : nest lypo-
graphia su dir.
Ama.
o.'' O
do estar
1
Botica central horneo palluca
8. OLEGARIO L-PIMO
aj?Eia
Os:baixo assignados venderara nos seus bi-
lhetes da 9' parte da 3a lotera do Gymnasio os
seguintes premios :
Ns.=1039 5:000$ Bilhcle.
855 1.0011$ Blhete.
1562 O llil hele.
538 200$ 1 meio.
1139 200$ 1 meio.
2515 100$ I meio.
131 100$ 1 meio.
e outros de 50# e 20$. A garanta paga na
praca da Independencia n. 22 aondo se acham a
retida os bilhetes e meios da i' paite da Ia de
S. Francisco de Olinda rubricados cor
Vieira & llotltchilde.
Pelos prximos paquetes saca se
sobre Portugal no escriptorio de Tho-
maz de Faria, ra do Trapiche n. -tO.
JULIO RIG\ID
ta casa de A. F. Desmarais,
cabelleireiro da casa imperial, presentemente
nesta cidade, tem a honra de oll'crecer sen pres-
umo s pessoas que delle se quizerem uluisar;
trouxe do Rio de Janeiro um bonito sorlimento
do grinaldas, de bouquets.de flores para vestidos,
grande sorliraenlo de plumas, masabouts, pen-
tes, leques e oulros enfeilcs proprios para bai-
les, grande sortimento de rendas, rollarinhos.
de um menino de 12 a 1 aonos, que tenha pra- mangas, lencos, manleleles.guamcocs de vesti-
lica de taberna, e boa conducta : a Iratar na ra dos, tudo de renda de Inglaterra, /lengn e
do Imperador n. 13, aiitigamenle ra do Col- Brnxellase rendas ditas a vara pode ser ptocu-
l'-g'f- rado no hotel inglez, ra do Trapicha.
0
9
8
i

O Si: Miguel Joaquim de Paria Braga J-
nior morador em Pitimbu, tenha a bondade de
apparecer na ra Direila n. 00, a negocio de seu
inleresse.
Precisa-se de urna ama pa-
ra cosiiihar em casa ds ho-
mem solteiro, paga-se bem :
na ra do Queimatk n. 46.
Manoel Cassiano de Oliveira Lcd i tem
aserto un novo curso de arilhraetica e
geometra para aquellesque quizerem fa-
zer exame era marco. Comeoar d|as 10
raras da maiiha em sua casa rua dos
Quarleis n. 22, primeiro andar. Adverte
c que s adraitte alumnos al o dia 15 do
Conlinua a vender-sc grande sortimento 3| corrente
de medicamentos homeopalhicos tanto m IS em glbulos como era tinturas. & 'twSWJ'lwwSwwsWs'^-^^FWw^w-ffW'Ba'
Os precos das carteiras sao os mesmos @ I AttoilCaO.
queso achara estipulados no final do Ihe- O abaxo assignado faz scienle aos Jcvcdores
souro homcopalhico. do imposto da agurdenle que ainda nao paga-
Cada tubo avulso 1$000 $i ram o semestre a vencer em 31 de deaerabro de
Cada vidrode Untura 2$000 (1859, que a pessoa para receber o diloi imposto
Ihesouro homeopathico ou vade- V s competente o seu caixeiro Paulino Rodri-
mccunido hoineopalha, encad. 11$000 i gues de Oliveira, que no dia 0 do corrnlo, s 9
$ lioras da raanhaa, da ra da Aurora at a ra do
Ranga!, perdeu o livro pertencente ao bairro de
S. Jos e ponte da Boa-Vista, cojo livrp esl ru-
bricado pelo niesmo senhor, mas nO datado :
quera o achou e queira entregar, ser gratificado
Luis Jos Marques.
= No sitio da capella da Senhora da Concei-
qho da estrada de Joo de Barros, prensa se de
urna pessoa para tratar de capini e arvoredos,
pagando-so boni salario : quem pretender dirja-
se ao mesmo sitio.
Cariocas de aluguol.
Alugaiu-se cora niuita proniptido caproeas pa-
ra conducir trastes, malcraos, gneros e o que
se faz uiisler, por preco muito comniudo, alian-
cando-se a Bel entrega do que se rebeber: no
paleo de S. Pedro, loja n 4.
Bom forneiro.
Oirerece-se para forneiro ura moco solleiro.
! porluguez, de tudo cntende bem, e i^ lianca a
I sua conducta, c bora conhecimento, qtiando seu
presumo precise, mesmo para loinaif conta do
nl't, ;,7n M 5 Ajfe-f**1*?-* ^tabeleciraento seja de que for dirija-so
i u sr s ttit, i i dn,CClte "' A> T6 efronle da Penha n. 10 taberna, que ai acba-
oi do Sr. Jos Ilibeiro Ponlcs, sera responsab- r com quom lralar '
lidade alsunia dos mesmos compradores quanto *,
Attencao.
qualquer que seja a ra
circu.o,noiota oas corridas, sem o que nao po- ; Compram-so 3 ou Mogos de molas usa-
der lomar parle nas raesmas con olas. dos na ri'in ova Je s UJ (_
cavallo so se considera inscripto depois
satisfeila a entrada, ao Ihesoureiro, nao
pudendo ler diroiio de receber a dita entrada an-
da que deixe de correr
zflo allegada.
6." llavera ura jul gadouro de lvre nomea;o
da coniraisso directora, cuja decisao relativa-
iiienle as corridas, ser sem apollo.
I 7." llavera una guaiila em que se achara o
; ulgador, sendo esta foehada durante as corridas
I licando a chave cm poder do presidente.
8.a Tara poder gauhar o premio, e as entradas,
devora o cavallo entrar com seu Jockey.
9.a llavera um socio encarregado de dar o sg-
nal do partida, dislribuindo antes os respectivos ~~
usares por sorle .""" ende-se chamalole de. lodas as cores : na
10.a Se algnni cavalloiro partir autos do g$g- I?i de ClaudlliO e Oliveira ra da Cadeia do lle-
. nal dado, nao lera dircito de ganhar, e lo pou-
co salvar a sua entrada.
11." O espaco determinado para cada corrida
sero seguinto : para a primeira mil bracas ; pa-
ra a segunda 500 bracas ; c para a lercira 700
; bracas.
ra do lado do nascenle.
Cooipram-se moedas tic
eurodoSO#,16|elO)|:nami
da Cadeia loja de cambio n. 3s.
Com pra m-se moedas de ouro de
20.-;, 16$ e 10$ : na ra da Cadeia llecile, armazem n. 06.
Vendas.
SE
Carlos Ulisses Dubois, lem a hon-
ra de participar ao respeitavel pu-
blico que leudo sabido da casa do
Sr. I.econte.e acha-se estabelecido na
praca da Boa-Vista sobrado n. 3,
primeiro andar cora sala para corlar
cabellos e fazer.qualquer obra rela-
tiva aos mesmos cabellos para que
O acliaro sempre proaipto a qual-
quer hora.
1
Os
80 passivo da dila loja para cora a praca, ante-
rior a sua compra ; cuja loja fica gyrando com a
Arma de Figueiredo t Irnio. Recife 30 de no-
vembrode 1859.Hermina Egidio de Figueire-
do.=Lutg ardes Aurelia no de Figueiredo.
Aluga-se pelo lempo de fesla, una das ine-
lhorcs casas do Cachang e cora banho por traz :
a tratar na ra Nova, loja de louea defronle da
cocheira do Sr. Adolpho.
para
Precisa-se de u IrahalhaJor
;o : na ra da Concordia n. 8.
O aJvogado Souza Reis mudou
criptorio para a ra larga do Rosario, sobrado da
quina d. 52.
Bella rapazeada.
O hotel dos Apipucos acha-se decentemente
preparado cora excellentes quartos, oblimos pe
tiscos, e vnhos saborosos c de todas as qualida-
des ; seu proprietario espera merecer' a prolec-
i cao e concurrencia da bella r.ipazeada que se
refina- qui/.er divertir pelos Anipuoos, sendo o passadio
4*000 rs. F
o seu es-1 Precisa-se de urna mulher que saiba bem
cozinhar
preco.
n-j na do Rangel n. 19; n
MUTILADO
N
o se olha
12.a Os premios o entradas sero entregues
pelo ihesoureiro logo ao vencedor, devendo ef-
fecluar-sc esta entrega antes de comecar nova
corrida.
Precisa-se alugar alguns pretos escravos
por mez ou por dias, pode-se dar sustento, caso
convenha ao senhor: na linaria n. 6 e 8 da
pra.ja da Independencia.
Cura completa
Spiii pos^uiU'do nem iQCOinmode.
Ik:>hi.im:i.-;ui estomago e dore
le caliera,
Rogo-lhe, Sr. redactor, de ir.serir no son jor-
nal a seguinledeclaraco, que julgo ser pro-..
veitosa a algumas pessoas. 25
Ha bastantes anuos padec urna horricel dr ^
le cabera que rae prenda a nuca, liuha muas 3S
verligeiis, algumas rezos soffria dr no estoma*
acompanhadas de clicas flalnlentas ; mando] rir
uraa das chapas medicinaes do Sr. Ricardo Kirk, Sjje
morador na roa do Parto n. 119, appliquei-a su- bre bocea do estomago, e no espaco de ls dias *
aclie-me completamente bom, o as dores de ca- ^
beca dcsapparoceram.
Por isso.agura possu dormir com socego; le-
"lio de idade 08 anuos o 4 Hieres, e faco esta
adrcrlencia a todas s pessoas que padeccrem
tal molestia pira tentar o dito curativo, para que
assignci a prsenle deelaraco em gralido o pa-
ra ser conhecido do publico.
Curato de Santa Cruz.
Fmygdio Jos de Furia.
Eslava a firma reconhocida pelo tabellio Jos
Policiano Godiuho.
mu. GfiBVILRi
Si-iii resguardo nem fm-oiiuiiorfo
Erysipela luua perita.
Desejoso de cuuiprr cora mcu dever ron por
meio de sua acreditada folha agradecer ao Sr.
ciie n. oo.
| Brillianles
-V.11 -HundoCrespo--XA !
Jos Maria da Silva hemos so-

S ci de Julio l.iijp k C, negocian- M
les imnorladeres dejlas no Hio
; de Janeiro, lem a honra ilepar-
tu lii'inar ao respeitavel publico
.o
desla cayilal (ne se acha na casa
cima mencionada com una lin-
da e\|iosii;ao de obras de bri-
33 litantes do mais apurado gosU e
p qualidaile, constando tl ricos
J diademas, lilas, collares, palsei-
ras, broches, bi\as e argolas,
brincos, aneis c alfincles, cru-
zes e lios de grandes perolas,
cominendas e hbitos de diver-
M sas rdeas c differentes obras lu-
% do de brilhantes e pedras linas.
sendo ludo vendido, aliancado e
f |or precos commodos: na ra do
J? Crespo n. II, sefOBdo andar.
ffl Tambem se presta a mandar
| ijoaesquer objectos a amostra.
SJ
-
i-
::
'
Km^m^&^w&mm&&-%
Pecas de algodao trancado, azul, com 32 co-
rados por J500 : rendem-se na ra do Crespo,
loia da esquina que volla pota a ra da Cadeia.


(6)
DIARIO DF PEHNAMBCO. SEGUNDA FF.IRA 1-2 0E DEZEVliRO DE 1850.
14 ECONMICA
DE
N. 2- UA DO CESPO-N, 2
Defronte do arco de Santo Antonio.
NESTE NOVO ESTABEI.ECIMF.NTO VENDEM-SF. :
Livros de religiao, scienciaa, do letras, arles, viagens, historia e classicos ; romances Ilustrados e
outras publicacdes cm diversas linguas.
Globos, aliase mappasgeographicos.
Papel Je hellanda^ de peso, paquete, almasso, de cores c outros de diversos formatos e goslos.
Prensas para < piar cariase outrus manuscriplos, livros e tintas proprias.
Livroa era bramo, peonas de varias qualidades e mais objectos para uso de reparticoes, secreta-
rias e casas de commercio, utencios para deseuho etc.
Ar.igos de bom gosto, fantasa e curiosidade das fabricas de Taris para uso dos elegantes ; orna-
tos, prsenles ele.
Cavloes e bilhetes para bailes, ensarnemos e visitas.
HISTORIA UNIVERSAL desde os lempos primitivos ate 1850, por Cesar Candi, 12 volumes, in fo-
lio, enriquecida de mais de 0 magnificas eslampas, obra em que nada se poupou para o
leilor encontrar nella urudicao, estudo solido e leitura agradavel.
AL11ANAK de lembrancas de Castiiho para 1360, assim como collecc,oes completas desde o scu
comeen.
MANUAL DE CONTAS j5 feitas para compras e vendas deassucar, algodao etc.
Encaderna-se cm lodosos goslos desde o mais simples cm papel at ao melhor era panno ou pclle.
Impri:ue-so carios e bilhetes, c marca-so papel com typo proprio e em relevo vontado dos
prebndenles.
Acceila-se o encargo de qualquer enconimenda de livros c outros artigos tanto da corto e provin-
cias do imperio, como de Portugal, Branca, Inglaterra e Blgica, com as condiccoes mais ra
zoaveis.
0 D'AURORA.
Este uUllssimo estabelecimento acha-6e, ha pouco tempo, augmentado tanto no materia
como no seu pessoal, e seus proprieimios habilitados para vencer qualquer opposico hostil e
despiezaron) a ignorante vituueraco de malevolencia. Offerecem a seus numerosos freguezes e
ao pubhcoem geral, asvantagens de sua louga experiencia e reconhecida promptido e fidelidade
ca execncao das obras as maisimporlantes de engenharia, entre outras pode enumerar as seguin-
tes : machinas de vapor de lodos os tamanhos, rodas d'agua do lodos os dimetros, todas de fer-
ro cu para cubos de madeira, moendas para carina todas de ferro e independentes com os me-
lhcramentos que a experiencia moslre ser indispensavel, meias ditas com todos os preparos, ta-
chas para engenhode lodas as qualidades e tamanhos, rodas, rodetes, aguilhoes, envos c boceas
para fornalha e todas as ferragens para engenho, machinas para amassar pao e bolacha,.ditas
par moer mandioca, tornos e prensas para farinha, pontos de ferro, taldeiras, tanques boias e
todas as obras de machiuismo etc.. etc.
o 8 a
S5?"K*
_ 3' c
= S<2.5.S a%
p n 2 f- v.
a r> o ^ c 5 _
?3B
*-
t o.
sfBS.l..-5&

5 d
O o
,C Ce
~,' P o c ""
c c r-u
S- K ">
g. =
= e
r o;
3
-
i
V.
&

a .83? B
|s5g--=.3
t-i ^
a 5
SO
m
e-a
m
Vidros para vi-
draca.
A6$acaixa: na ra larga
do Rosario armazem de louca.
Vidros para caixilhos.
Na ra larga do Rosario Ioj n. 28
armazem de louca, mandam-se botar vi-
dros em catas particulares por preco
inuito commodo, assitn como vendem-
se vidros a retalho do tamanho mais pe-
queo at mais de 6 palmos.
Botica.
Barlholomeu Francisco de Souza, ra larga
do Rosario n. 36, vendo os seguintes medica-
mentos :
Bob L'Afferlcur.
Pilulas contra sezoes.
Ditas vcgplacs.
Salsapnrrilha Bristol.
Dita Sands.
Vermfugo inglez.
Jarope do Bosque.
Pilulas americanas (contra fobres).
Ungento Holloway.
Pillas do dilo.
Ellixir anli-asmathico.
Vidros de boca larga com rolhas, de 2 oncas a
12 libras v
Assim como tem um grande sortimenfo de pa-
pel para forro de sala, o qual veude a mdico
prego.
Descoberta.
Fil de seda liso.
Vende-so na ra do Cabuga n. 2 B, loja de
miudezas de Joaquim Antonio Das de Castro.
Superior ao melhor
presunto de fiambre.
Linguas de vacca emsalmoura vindas
de Londres, vendem-se nicamente no
armazem de Luiz Annes defronte da
porta da alfandega.
!S2 f
C -
a c B.~. ^
l*ipC/>
= -= C =_ g S' =
o-- S S'
f = z. E'
Z o 2' e g:S g-
c- 5" 3 ir i
| I ^ 11.1 ="=
., ( | tf.
a* w
> * o
ft 1 g >
H ~ = tM
e s r1
H al tal ~
o
1 VI o
fe '
e p


OO
en
V
CXI
CXI
oo
CXI
03
NO
CUSTATO MA^SET representante da muito afamada casa >VALLERSTF.M,'MASSET & C
fornecedores da casi imperial do Brasil, eslabelecida no Rio c era Paris recebeu um grande sor-
Recebe qualquer encommenda para mandar vir da Europa ou dj Rio.
ICO vestidos do seda para baile, passetos o visitas.
Mocre antique prelos e de cores.
Noblezas lisas prelas c do cores.
Vestidos prelos lisos, tarradas do2saiase de velludo.
lluros, e enfees de renda para cabellos.
Vestidos de cassa branca bordada inuilo finas
Caicas, escomilhas, tilos do seda e linho brancos c do cores.
Meias de seda, linho, fio da Escossia para l.omens, senhoras e meninas.
Kipatos de selim branco e prelo cora sallo e sera elle.
Bolinas ae selira branco, de selim prelo, de la rnuilo superiores.
Sabidas de baile, capas de cachemira, velludo c seda.
Chales de ton luim bordados o de retroz.
Manteletes de ronda prelo e cassa bordada.
Corpinhos, camisinhas, colarinhos com mangas de cassa bordada a ponto real e renda verdadeira.
6narni;oes de renda prela e branca para vestidos e para enfeilcs de vestidos.
Laucos do cambraia de linho muio ricos cora renda.
Chapeos de sol para jenboras.
Pentes para trancas, alfinelcs de peilo. pulseiras, brincos de larlaruga e jaspe preto para lulo
Urandesoriimento de Unas verdadeiras de .louvin.
Luvas de retro/, e de seda parahomons, senhoras e meninas.
Grvalas brancas c prctas.
Chapos de corle cora plumas.
Casacas, sobre asacas, patelots de panno, cachemira dos melhoros alfaiales de Paris.
Calcado do afamado Mclier para hornons.
Tpeles de velludo mullo ricos.
Capas, capoles ithpcrmeavcis Makinosch para homens e senhoras.
Relogios de ouro e prala, cobertos e descober-
tos patente inglez, os melhores que existen) no
mercado, e despachados hoje, vendem-se por
presos razoaveis : no escriptorio do agente Oli-
veira, ra da Cadcia do Recife n. 02, primeiro
sndar.
Nos armazens de Tasso Irmaos
vende-se :
Arroz de casca.
fllillio novo.
Farinha de mandioca.
TaJaoado de cedro.
Velas de carnauba
Ditas stearinas.
Marrasquino de zara.
Licores finos.
Cliam|)qgne marcas acreditadas.
Conservas.
Farelo de Lisboa.
Cliegocm freguezes
ra Direila n. 0>L
P.10M e garfos a 2950, 2$800 e 3^600, dilas
nuite finos a 4J20O, 5g, 5$500e 6S, dilas de ca-
bo do murUm a 10J50O, ditas de cabo de unicorac
a 11?, ditas de cabo pelo linas a 6g e CpoOO, co-
lhores de metal do principe pera sopa a 55500,
lilas nuilo finas a 6g, dilas para cha a 2J>800,
ditas de platina pora sopa a 10#, ditas para cha a
5#, ditas para assucar a 500 rs. cada una, dilas
iara terrina rnuilo finas a 3$, panellas, chaleiras,
rigideiras e cassarolas, ludo mais barato do que
cat outra qualquer carie.
Aos fabricantes de velas.
Cera de carnauba da nova safra a 11*500 e 12g,
e s-bo refinado era pao e velas, ltimamente
ehegada do Porlo.em barricas c caixasde llgoOO
a 12#500 a arroba : no autigo deposilo do largo
da Asserabla n. 9.
a Continua-se a vender faztudas por bai\o fi
$ preco at mesrao por menos do seu valor, U
ij aura do liquidar conlas : na loja de 4 portas
E2 na ra do Qucimado n. 10.
Va ra Direila n. 66, effoeli va mente ha
bons escravos de ambos os sexos, de lodas as
idaaes e cores, cora habilidades e sem ellas, c
vendem-se a dinheiro, a prazo, c tambem 1ro-
cam-se.
Aos cigarreiros e cha-
ruteiros.
gp Campos & Lima lem para vender cai-
^ xas com fumo americano de muilo boa
. qualidade e o preco commodo: na ra
a| do Crespo n. 12.
Fazendas de bom gosto
Recebeu-se pelo nllimo vapor da Europa cer-
ies de vestido de seda de delicadas cores, com 2
babados e 2 saias bordadas, lindos enfeilcs de
flores e froco para cabera de senhora, bonitas
cliapelinas de seda para senhora e meninas, as-
sim como riquissimos cortes de collete brancos,
de velludo e seda bordados para casamento!
dilos de velludo prelo bordado e de cores boni-
tas ; havendo outras muilas fazendas, o tudo se
vende por presos mais baratos do que em outras
partes: na ra da Cadeia do Recite, loja u 50,
de Cunha e Silva.
vinho do Torio, do luais superior, engarrafado,
dilo champagne, Mera, dito njuscatel, idem : no
armazem de Barroca & Mcdeiros, ra da Cadeia
do Recife n. -f.
PolassadaRssia
E CAL DE LISBOA.
No bom eonhecido e acre, il.ido deposilo da
ra da Cadeia do Recife n. l, ha para vender
potassa da Russia c da do Rirt de Janeiro, nova
e do superior qualid.ido, assim como tambora
cal virgom em podra: tudo.ior creeos muilo
razoaveis.
Primeiro
andar.
Venderse
Lonas. ^
Estopa.
Camisas ingleas supeiiores o ordi-
narias : no armazem de Axkwrighl
& C, ra da Cruz*. 61.
M. 0- do Araujo Costa Filho, tem venda no
zondas que Irouxe do Rio do Janeiro :
Alcatifas ovolludadas para tapetar salas.
Tapetes avelludados para soph.
Damasco de seda de core i.
Camisinhas de cassa bordada e de renda.
Chapelinasdepalha da Italia.
Vosde renda prela para cliapelinas.
Longos d.> esguiao de linho bordados do mais delicado
trabalho.
Sotini branco, raoia nobreza branca.
Lencos do cambraia de linho bordadas c com renda.
urinaldasde flores.
O annuncante podo nssverar ao respeftavel
. pois a sua casa do Rio de Janeiro recebe todas
oscriptorio da ra cima no sortimenlo de fa-
publico que vendo por pregos muito vanlajo-
;s suas fazendas directamente de
Parisiense,
ra do Crespo n 10, de Jos Qoncalves Malveira.
vendem-se superiores luvas de pclica .louvin, cor
do palha e brancas para homens e senhoras, ri-
cos enfeitcs de flores do mais moderno gosio, ri-
cos chapeos para senhora, enloilados com muito
gosto c formato moderno, corles de vestidos de
seda, manteletes e taimas de soda prela para se-
nhora?. perfumaras dos melrores fabricantes.
SYSIOA MEDICO OH HOLLOWAY.
.l'ILULAS HOl.LNd
Este lnestunarcjl especifico,
mente do hervas medicinaes, i
rio, nem algunia outra substa
OVA.
composto inteira-
o conten mercu-
icia d -lecteria. Be-
nigno mais tenia infancia, e i compleico mais
.i..i;..'.. ,, ;...,i_____...___' .. .. '
delicada igualmente prom
desarreigar o mal na complei
nteiramento innocente em s
feitos; pois busca e remove a.
quer especie o grao por mais
quesejam.
Entre rnilhares do pessoas
romedii>, multas que j estai
mor!.-, preservando era seu
recobrar a saude e torgas, dep
d iiulilmonto todos os outro.
As mais afililas nao devon
le e seguro para
ao mais robusta;
tas operages o of-
doencas de qual-
igas c lenazi s
curadas com esto
a ni as portas da
so : conseguirn)
lis de havor tonla-
remedios.
cntregar-se a do-
DE
uismuMb i mmm u winu.
SilaMruaIipei,]n.H8ei20 junio a fabrica desabo.
DE
Seteno J.da Silva dirigida por ManoelCaraciro Leal.
para rosilla, o destilar cspintos com graduarao at 40 graos (pela graduacao de Sellon Cartier) do<
melhores syslomas boje approvados cconhecidos nesta e outros provincias do imporio, bombas
de toilas as dimencoes, asperantes o de repudio lanto de cobre como de bronze e eno lornclra
de bronze de radas as dimencoes efoilios para alambiques, tanques ele, parafusos de bronze e
ferro para rodas d agua.porlas para tomainas e crvos de ferro, tubos de cobre e chumbo de todas
as diraengoes para encmenlos camas de ferro com ormaco e em ?lla. fugos de ferro potaveis o
econmicos, lachas e tachos de cobre, fundos de alambiques, passadeicas, espumadeiras, cocos
Siuf^^l de.Ha1ndfros- cI?umbo em lencol o barra zinco cm lenrol e barra, lsnces e
rroeUas de cobre, lenccs de ferroo latao.lerro suecia inglez de lodas as dimenses, safras, tornos
J,i y'-ra ri0'r0H .' a outros .n1"1"^ arl'gns por menos proco do que em outra qualquer
parle, desempenhando-sc toda e qualquer encomraonda com presteza e perfeioo j conhecida
epara commodidadejdos freguezes que se dignaron) honrarera-nos cora a sua confranra, acha-
rao na ra Nova n. J7 loja do ferragens pessoa habilitada para tomar nota das encoirendas.
sesperago; facam um corapc >nle ensaio
Direita45
O proprictario desle eslabelecmento reco-
nhecendo que com a excelsa visita do SS. MM.
II. a esla cidade lem de sedar um estrago hor-
roroso de calgados, cm consequoncia das fre-
quentes paradas, marchas, contramarchas e for-
midaveis passeios s brilhanles illuoiinaroes, c
condoendo-se das boleas naturalmenle pouco
farlas, dos bravos ofliciacs e pracas dos patrio-
ticos balalhoes, cujos nomes tra'zcm memo-
ria os foilos gloriosos dos nossos avoengos, deli-
berou, cm homenagera ato fezes dias baixar
so precos do seu excellcule calgado, a saber :
Para homens.
Borzeguins arislocralicos (lustre) 9#000
Borzegurns zouavos, obra fortissima (be-
zerro) 83OOO
Borzeguins cidados (bezerro o lustre) 890OO
Borzeguins econmicos 6 Sapaloes batedores 5j000
Para senhoras.
5&000
4561)0
4?O0
efficazes cffeitos dcsta sssom
prestes recuperaran o beneei
Nao so perca temso em I
irosa medicina, c
da saude.
miroste remedio
Borzeguins para senhora (primeira elasse)
Ditos segunda elasse)
Ditos para meninas (primeira elasse)
37 ttua do Qucimado 57
Loja de 4 portas.
Chegou a este estabelecimem m completo
sortimenlo de obras feitas, con jara : palo-
oits de panno fino de 16j at 28 obrecasacas
de panno fino prelo e de cores r j superiores
a 35?, um completo sortimenlo ae palelots de
riscadinho de bnm pardo e broncos, de bramau-
te, que se vendem por prego commodo, cerou-
las de linho de diversos tamanhos, camisas
franeezas de linho e de Jpanninho de 2g al 5
cada urna, chapeos francezes para honiema 8?),
dilos muilo superiores a 10#, ditos aveliudados,'
copa alta a 13, dilos copa baixa a 103, cha-
peos de feltro para hornera de 49, 53 e at 7.?
cada um, ditos de seda e de palha enfeitados pa-
ra meninas a 109, ditos do palha para senhora a
12J, chapelinhas de velludo ricamente enfeila-
dasa 25g, dilas de palha de Italia muito finas a
25$, corles de vestido de seda cm carto de 40$
ate 1503, ditos de phanlasia do 169 at 35S00O,
goliinhas de cambraia de 19 at 59, manguilos
do 13500 al 59, organdys escuras e claras a
800 rs. a vara, cassas francezas muilo superiores
c padrees nevos a 720 a vara, casemiras de cor-
tes para colletes, palelots e calcas de 39500 al
43 o covado, panno lino preto e decoresde 2J500
at 10$ o covado, corles de collete de vellu do
muilo superiores a 9 e 123, dilos de gorgurao
e de fustao brancos de cores, ludo por preco
barato, atoalhado de algodao a 19280 a vara,
cortes de casemiras de cores de 5 ale* 99, grosde-
naples de cores e pretos de I36OO at 3ff2()0 o
covado, esparlilhos para senhora a 63, coeiros
de casemira ricamente bordados a 129 cada um,
lengos de cambraia de linho bordados para se-
nhora a 9 e 12j> cada um, dilos lisos para ho-
mem, fazenda muito superior, de 12 al 2(>9 a
duzia, casemiras decores para coeiro, covado a
2S40O, borege de seda para vestidos, covado a
19400, un completo sortimenlo de colletes de
gorgurao, casemira prela lisa e bordada, e de
fustao do cores, os quaes se vendem por barato
prego, velludo decores a 79 o covado, pannos
para cima de mesa a 109 cada um, merino al-
cochoado proprio para palelots e colletes a 298OO
o covado. bandos para nrmago de cabello a
I95OO, saceos de tpele e do marroquim para via-
gem, e um grande sortimenlo de macas e malas
de pregara, que ludo se vende vontade dos
freguezes, e outras muilas fazendas que nao
possivel aqui mencionar, purera com a vista dos
compradores se moslrarao.
Febr'to da especio.
Gotl; .
Heni irrhoidas.
Hydiopc si.;.
Icter ca.
ln lij estoes.
Inda nmagoes.
Ir r 1 g u la ridades da
menstrua ,' 1.
I.onil rigas do' toda es-
pei ie.
Mal 10 pedra.
Mancihas na cutis.
Obsli
Ph'.y
pu
para qnaiquer das seguinles o iTermidades :
Accidentes epilpticos.
Alporcas.
Ampolas.
Areas [mal de).
Asthnia.
Clicas.
Convulses.
Debilidade ou extenua-
co.
Debilidade nu falta de
foTCas para qualquer
cousa.
Dysinteria.
Dordo garganta.
de barriga,
nos rins.
Dureza no ventre.
Eufeiraidades no ventre.
Dilas 110 ligado.
Dilas venreas.
Enxaqueca.
Herysipela.
Pebre biliosas
Fe broto inloinilono.
Vendem-se estas pilulas no eslabelecmento
geral de Londres n. 22, Slrar d, c na loja de
todos os butrearos droguislas
encarregadas do sua venda ora
Sul, Havana e Qespanha.
Vendem-se asboce'Jdhas a 300 rs. cada urna
dellas, conten uns inSlrucgo Cm portuguez pa-
ra explicar o modo do so usar deslas pilulas.
O deposilo geral em caka do Sr. Soiim
pliarmaceulico. na ra da Cruz n. 22, em l'er-
nanibuco.
ucgo devenlre
ica ou consunip -
monar.
Ketei gao do ouriua.
Rheu matismo.
Syrai tomas secunda-
rio
Tura
Tico
res.
oloroso.
Licor is.
Vene-oo [mal).
e oulras pessoas
oda a America do
RELOGIOS.
Tende-se em casa de Saunders Brothers &
C, praca do Corpo Santo, relJgios do afama-
do fabricante Roskell, por prje.-os commodos,
e larabem trancellins e cadeias para os mesmos!
de oxcellente eosto
DEPOSITO DE PIVNOS FORTES
DOS
Mais afamados fabricantes da Europa.
ESTABELECBESTO DE
lp.voge
Rna Nova n. 27 esquina da Camboa do Carmo.
. ,m Nra^.waoelecimento acl.a-se sempre um completo sorlimento dos mais ricos e mais
bom conaiiuidos e lories pianos os quaes se vendem debaiio do loda a garanta
teclado tora a elaslicidade desojada, o exterior desses instruracnlos o mais elezanle
possivel e as vozes sao magnificas. Ha tambem muilo lindas HARMONAS e SERXPHINAS ro-
prias para acompanhanienlo ao piano e para quatro maos e igualmente os ha apropriados para
grejas, capeilas, collegios etc. r Fy
, M ,l0j ,princip.a.V,',e,n,,e q" a cdade va oslenlar aspecto assas magnifico e pomposo com
a prevenga de 11)1. II e que om todas as salas e saldes elegantes a sociedade pernanbucana
vai entrar aun enthusiasmo anda maior no gozo dos encantos d'arte, chama-se a atlcncao de todo*
para este grande deposito, que ofTerece tantas disposices e condices to superiores para o au
o objecto de gosto relativamente a msica. v H
_____ O^ mesraa casa coueerla-ia e aOrta-ie cora perfeigao os m-smos liDilromentos.
APPROYAiO E AlTORISAflO
DA
mtm* a osiiPiia al n Rsiiii@iiiiaA
E Jl \U CE5TML DE HIGIENE PGBLKA
Fazendas moder-
nas.
Corles de casemiras de cores tinas a 59500, di-
tas de urna s cor muito finas de 3 e 6$, cortes
de collete de velludo de cores a 6J0O0, dilos dilo
preto a 5# e 6$, colchas de algodao adasmasca-
das a 59, brilhantina branca o covado 480, case-
mira do quadrinhos o covado 19, pannos para
mesa muilo bonitos e modernos a 69, cortes de
barege cora tres ordens de babados a 159, cha-
peos de phanlasia para homem, sendo de gor-
gurao de seda a 79, ditos doChillc de 4 a 25
ditos de feltro de 49500 e 59, camisas de cam-
braia de linho para senhoras, ditas de esguiao
muito fino, ditas de cambraia bordadas com man-
gas, ricos corles de seda de todas as cores, mn-
deles dos mais modernos, grande sorlimento de
perfumaras inglezas legitimas, joias dccoral ver-
dadeiro, oleados de diversas cores imitando
marroquim para cobrir mesas, forrar alraofadas,
travesseiros, ele, ele, ebem como um*completo
sortimenlo de fazendas do mais apurado gosto e
melhor qualidade, vendendo-se ludo por baiios
precos, no armazemde fazendas de Raymundo
Carlos Leite &. Irmao, aterro da Boa-Vista n. 10.
GRANDE E VARIADO sgRblOTO
UE
Fazendas ingleme francezas c
roupas feitas
receidas ein dirciliiia
NO
Armazem e loja
DE
Ges ( Bastos
NA RA pOOUEIMADO N. 4 FRENTE DA
e Jo<, casacas do panno preto trnuilo fino a ,
409, 45g e 509. palelots do masino panno a S
24 o 25jt, ditos de casemira (i 1 9, 16$ c M
I09, ditos saceos dasmesmi s casemiras s
- prelos e de cores a 109 e 129, dilos de al- W
^ pacas prela e de cores a 4S, d ios do brim g
pardo a4950 e 59, dilos ^e irm prelo a
59, ditos brancos a 59, ditos c e esguiao do h
ultimo gosto cor de laranja aj 5$, sobre-H
a 79 c 99, I
S casacos de alpaca muilo fino
S sobrecasaca de panno inoprdlo para me- M
^ nios a 159, 18 e 209, dilos Ido casemira gj
B de cor a 8a e 109, calcas de ca. semiras de
M cores e pretas a 8}, 99, lOg, 111 c 129,
a calcas debnm de cor a 39500 49 e 5j, |
m dilas de brim branco fino a 6}o 79,colle- 2
a les de gorgurao de soda c de jcasemira de g
fe cores e prelo a 5g, 69 e 79, dit^s de vellu- I
^ do a 109 e 123, camisas inglezds lantopara m
I {liomens como para meninos db todos OS S
!S tamanhos. scroulas de todas as qualidades,
jg chapeos de sol de alpaca a 59,! manteletes g
m prelos de rnuilo bom gosto a 30g. e 409, ca- E.
& ^sc1"cs de fustao bordados ponipridosa M
g 20g, chapeos de castor a NapoIcQo 85, ricos w
g manguitos de punhos bordados! a 3^300 e a E
K 4g, ditos cora goliinhas a 55 e 6, goliinhas |
g de traspasso bordarlo e IransparenUL a 8, S
g. calcas de rneia casemira padrees modernos *
H a 5g, colches de fustao de cor e de brim
^ branco a 3$ eSgOOe oulras mullas fa- |
y zendas e roupas leilas.quc serO patentes a s
g presenca do freguez. m
=s Vende-se um sitio cora 200 palmos defren-
ELECTRO-MAGNETICAS EPISPASTICAS
lanlo Mlrk
Pava sevem a\>\>\icai\as s pavics aecladas, sem
vesguavdo nem in commodo.
AS CHAPAS MEDICINAES sao muilo conhecidas nesta corte e em lodas as provincias ^-csle
imperio ha oais do 21 annos, e saojafaraadas, pelas boas curas quese lem obtdo as enfermidades
abai.vo descriplas, o que se prova]com innmeros atteslados que existen) de pessoas capazes e de
Cora oslas Cn wms-klectro-maunf.ticas epispastic.vs oblem-se urna cura ndical e infallivel
em lodosos casos do inftammaco [cansago ou falla de respiragSo), sejara internas ou externas do
ligado, bofos, estmagos, braco, rins, ulero, peilo, palpitacao d coracao, garganta, olhos erisi-
pelas, rheumalismo, ataques nervosos, ele, ele. Igualmente para as'dilTercntes especies'de tu-
raoros, como lobrnhose escrfulas; soja qual foro son lamanhoe profundeza, por mcio da sup-
puracaoserao radicalmenlo extirpados, sendo o seu uso acoriselhado por habis e dislinclos facul-
lalrvos.
As encommendas das provincias deven ser dirigidas por cscriplo, lendo todo o cuidado de
crianca, declarando" a
a, p, ou tronco
seu tamanho era
pedaco de papel c a declarado onde existem, afim de que as chapas possam ser bom apolica-
das no seu lugar. ".
Poilo-sc mandar de qua1<(uer ponto do imperio do Brasil.
Consullas a todas as pessoas que a dignarera honrar com a sua confiaras, em seu cscriplo-
no, que se achara aberto lodos os das, sem excepcao, das 9 horas da manhaa s 2 da tarde
H9 RA DO PARTO M
PERTO DO LARGO DA CARIOCA.
CONSULTORIO
Relogios.
De novo chegaram os afamados relogios in-
glezes de ouro, de patente, e estao a venda no
armazem de Rostro Rooker & C, praca do Corpo
Sannto n. 48.
Relogios.
Vendem-se relogios de ouro inglezes, de pa-
tente : no armazem de Augusto C. de Abreu.
na ra da Cadeia do Recife n. 36
Vende-se superior linha de algodao, bran-
cbs e do coros, em novello, para costura : em
casa de Seutlu'.U Mellori C, ra do Torres
n. 33.
mmm9
HEDHEB I? JliraHM) IE WSMMML
3 RIJA DA GLORIA, GASADOFLrXRlO 3
CVmVca pot auios os syslcmas.
n-i O l)r. Lobo Hoscoso da consullas'lodos os dias peb manhaa e de lardedepos de 4 horas
lo c 200 de fundo, no lugar da Torfo, a niargem ; Contrata partidos para curar annualinente nao s para a cidade como para os engenhos ou outr
do Rio Capibaribe, cora ma grande e moderna! propriedades ruraes. r ^uuus uu ouiras
Os chamados devem sor dirigidos sua casa at as 10 horas da manhaa
casado vvenda, cocheira, eslribar[a para 4 ca-
vallos, gallinheiro, cacimba cora tanque o bom-
ba, baixa para capim, lodo murado! na fenle, e
lado com porlao de ferro : os pretendemos podem
dirisir-se ao agente Pestaa, que Macha aulori-
sado a dar as necesarias informaefles, c a tratar
da venda sob as condices eslabelecldas ao mes-
rao pelo legitimo propietario. O ditjo sitio todo
em chaos proprios,
Ra do Qiieimado n. 57.
A 30J cortes de vestidos de soda d
609; a 169 cortes de vestidos de pli
cuslaram309; a 6j| chapelinhas pa
na ra do Qucimado n. 37.
Na ra estreita do Rosario n.
palha aparclhada para qualquer obr
como grossa, por pre.o commod.'.
ue custaram
antasia que
a senhora:
39, vende-se
tanto Una
;
MUTILADO
N
'.' -"o"- x-"-~" "" "> *w wiuo u ujuuuaa e em caso de ur-
gencia a outra qualquer hora do da ou da noile sondo por escripto em que se declare o nome da
pessoa, o darua eo uuniero da casa.
Nos casos que nao forcm do urgencia, as pessoas residentes no bairro do Recife podero re-
moller seus buhlos a botica do Sr. Joao Sounnc C. na ra da Cruz ou loja de livros aoSr". Jos
Nogueira de Souza na ra do Crespo ao p da ponte reina.
Nessa loja c na casa do annnnciante achar-so-ha constanlement c os melhores medica-
mcnloshomeopalhicos ja bom conhecidos e pelos precos seguintes;
Botica do 12 lubos grandes, ...".......105009
Ditos de 2{ dilos............ \ \ isjOOO
Ditos de 36 ditos......... .... ^qm^
Dito de 48 ditos.........'.'.'.'.'.'. 25S00
Dilos de 60 dilos...............OjjOOD
Tubosavulsos cada um.............IgOOO
raseos de linduras.........*.....2S0.K)
Manual de medicina homeopathica pelo Dr. .lahr Iraduzidj
em portuguez enm o diccionario dos termos de medi-
cina, cirurgia ele. etc............
Medicina domestica do Dr. Hering, com diccionario. .
Repertorio do Dr. Mello Moraes.........
20JO0O
IO3000
ejoo 1
.
t

v


DIARIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 12 DE DEZEMBRO DE 1850.
-
*

Rua da Senzaia Nova n. 42
Vcnde-sc em casa de S. P. Jouhston i C. va-
quetas de lustre para carros, sellins e silbos in-
glezes, candeeiros e oastioaes bronzeados, lo-
nas inglezas, fio de vola, chicote para carros, e
montaa, arreios para carro de um e dous cval-
os, e relogios J'ouro palonte imdezes.
*.O40C<.3 JE9SL EB&3> C.3>OCStiTtV.
Osieijes frescaes le Hias.
Na rua do Imperador n 18, se Tendera escol-
enles queijos ultimnmonle chegados de Minas.
MELLE HOSSEIA
W!
DE
arrafas c meias gar-
em gt
rafas.
C.J. Asllev&C.
6
Seguro contra Fogo
COtlPtYIIIV |!
i
LONDRES
AGENTES
C J. Astley & Companhia.
tovas de pellica de
Joovin.
Vendem -se superiores luvas de pellica de Jou-
wn muito frescas, para homens e senhoras ; na
rua do Queimado n. 22, na loja da boa fe.
**bl .. n>cau o
Vende-se
5
8
S0000
1S200
I3S0O
26(H)
28000
2g500
2$900
18500
1;000
1500,0
1*000
00
1531
i
6
Folha de cobre e Metal
amarello.
Esttiho em barra e Pre-
gos de cobre.
Alvaiade eVerniz copal.
Folha de Fland res.
Palhinha para marci- |
neiro. |
Vinhas unos de Champa- f
nhe e Moselle. |
Lonas da Russia e Brim
de vela: no armazem 1
de C. J. Astley & C.
Fazenda com avaria.
pechincha sem igual.
Na loja do rreguica, na ra doQucimado n. 2,
i?m para vender pocas de algodao largo com l(j
varas cada urna, pulo barato preco de 1$, pecas
de cassa lisa lina a 2500 : a ellas, antes quc'se
i'ahein,
Tachas e modulas
Braga Silva & C, tem sempre no scu deposito
la ra da Moeda n. 3 A, um grande sorlimonio
do tachas e moendas para engenho, do muito
acreditado fabricante EdwnMaw: a tratar no
K'-smo deposito ou na ra do Trapiche n 44.
Fazendas com pequeo
toque de avaria.
E' pechincha.
Na loja do Preguica, na ra do Queimado n.
2,ha para vender pecas de finissimo o muito
largo madapolao, pelo baratissimo preco de 5$,
35500 e3$00: cheguem, antes que so acabem.
Chapeos de caslor pretos
e brancos
Na ruado Queimado n. 37, vendem-se osme-
ihores chapes de castor.
Queimado n. 40.
Grande c variado sortimcnlo
DE
Fazendas francezas e rou-
pasfeitas reeebidasem di-
reitura pelo ulliinonavio.
Do-sc as amostras com penkor.
Cieos cortesde vestido de sedado corea
de 2 saias............................
Ditos iie ditos de seda pretos bordados a
velludo...............................
Ditos de ditos de soda de gazc phanlasia
Ricasromeiras defil o de sida bordadas
Taimas de grosdenaplos bordadas...... g
Chales de touquim branco bojdadosa
30c.................
Grosdenaplcdc cures de quadiinhos co-
vado.................................
Dito do-dito liso covado................
Seda branca lavrada covado l$6(f0 a___
Grosdeuaplc prelo Lavrado covado......
Dito dito liso encorpado a l$<>00c___
Dito dito com 3 palmos de largura a
1SG0O e..............................
Sarja de cores larga com 4 palmos de
largura covado a......................
Gazo do sed ida China Je Coros o Hstras
co vado a............................
Follar de seda do lislras gosto novo co-
vado.................................
Setim de escocia o diana de seda covado
Cha'y j lloros novos desonhos covado
Parejo de seda de varias qualidades'co-
vado.................................
Meio velludo de cores covado..........
Velbulina de todas as coros............
Setim do todas as cores liso covado ...
Brilhaniina branca muito lina a.......
Chilas francezas claras e oscuras a 2(50 e
Casemira pida fina a 1 0 e..........
Panno prelo o de cor lino provade li-
nioa 3$500a........................
Cortes de casemira de cor a 5 e........ 7j000
Cassasorgandys de novos desenhos a
va'a.................................. 1000
Ditas francezas muito linas a............ 500
Manguitos de carabraia transparente bor-
dados muito ricos....................
Golinhas de cambraia bordadas do pona
Dita* dedilo bordadas a 600a..........
Tiras c cnlremeiosdocambraiabord.ados
Ricos mantas pretas, de linho para se-
nhora .................................
Dilas (lilas de blond brancas o pretas..
Chalos de soda decores, pelos ernxos..
Ditos de merino bordados com franjado
seda.............................*___
Ditos de dilodito do la..................
Ditos de dito liso .lito do seda..!!"!!".
Dito de di'o dito de la..................
Dito de dito eslampados fino Usa de
seda..................................
Lencos de cambraia de linho bordados
finos..................................
Ditos de ali'odaode Iabyrntho800!!!!
"apollas brancas para noiva............
Bnleitea de vidrilho prelo 0 de cores___
Aberturas para camisa deesguio de
linho..................................
Ditas dedilo de algodao brancas 2d
cores..................................
Saias bailo modernas..................
Chapeos francezes forrea moderna......
Gravatqs de seda do pona bordadas a
velludo ..............................
Camisas francezas de cor e brancas
finas a1$300 e........................
Ditas ditas de fusin branco c de'cor!!!!
Ditas ditas de esguiao muito linas mo-
dernas ...............................
Scroulasde brim de algodao o d Yin lio
Galeas de casemira prelasctiin 9$ e....
Ditas de ditas de coros 8$ c............ 10*000
500
500
700
600
500
320
2$500
7$00-')

9
18500
9
S
8
S
7^500
7*090
0;u00
49500
83000
15000
s
9
fi*ono
8?500
$500
23500
S
9
11J000
pechincha.
Na loja do Prcguica, na ra do Queimado n.
2, vendem-se pecas de chilas finas de cores fixas
e de escolhidos padrees com 38 covados cada
urna, pelo baralissimo precc de 5g800, e em re-
lalho a 1G o covado.
Oificialalos, commendns o hbitos de diver-
sas ordens, com brilhanlcs e sem elles, o molhor
que '.era vindo a este mercado : ludo vende-se
muito barato e pelo prcoo da factura : na ra
Dircila n. 60.
Cobertas de cinto a 2$.
Ra do Queimado n. 19.
Vendem-se cobertas de chita a 2}, corles de ris-
eado francez a 2$500, lencos de cambraia para
algibeira a 2ga duzia.
2$000e2J500apcca.
Algodao trancado americano branco, proprio
para toalh g e roupa de escravos, com um pe-
queo toquo do agua doce : no armazem de fa-
zendas da ra do ueimado n. 19.
Cheguem ao barato.
O Leite & Irroo conlinuam a loriar na ra
da Cadeia do llecife n. 48, pecas de cambraia li-
sa com 10 jardas a 4&500 a 5g, lencos de cam-
braia de linho a 3-3 a duzia, cambraias muilo li-
nas e de lindos padres a CIO a vara, meias fi-
nas para senhora a 89800 i duzia, ditas cruas in-
glezas para hornera e meninos, chales de meri-
no lisos a 4g500, e bordados a 69, palelotsde
alpaca preta e do cores a 59, ceroulas de linho
e algodao, camisas inglezas muito superiores a
60a duzia, organdys de lindos desonhos a
13100 a vara, corles de cassa chita a 35, chita
franceza a 240,280., 300 e 400 rs. o covalo, pecas
dejmadapol5o com 30 varas a 4$00, 5J, 5$.>0,
6,7 e 8$, chitas inglezas de cores fixas a 200 rs o
covado, toalhas para mesa a 3 e 43, cortes de
calca de brim de linho a 23, ditas de meia case-
mira a 2924Q, vestuarios bordados para meni-
nos, e outras muilas fazendas que se vende por
barato preco. ,
Em casa de N. O. Bicber
& C. ra da Cruz n. 4, vende-80 ;
Champagne de superior quadade de marca acre-
ditada na corte.
Tinta branca superior ern" oleo, latas de 25 ll-
_ bras, por commodo preco caixas de 4 latas.
Verniz e verniz copal.
Algodaozinho da fabrica Todos os Santos da Bi-
hia.
Brilbantes de diversos lmannos c de primeira
qualidade
AttENCliV
00
DA
FUNMCiOLOW-MOW,
Ra da Scnzala itova n. 42.
Nesle estabeleciraento continua a haver um
comapleto sorlimento de moendas e meias moen-
das para euSenho, machinas de vapor e (aixas
de ferro balido e coado. de todos os tamnuhos
para dto.
4S500O
5?>000
4000l)
Aviso.
2OS00O
4000
25g000
V
9
9
9
9
S
9
S
\
2gi00
5$500
99000
No armazem de Adamson, lTowie & C. ra
Jo Trapiche n. 42, rende-se selins para homem
e penhora, arreios nraleados para cabriolel, chi-
cotes para carro, coleiras para cavallo etc.
Na loja da estrella.
Ra do Queimado n. 7.
Este estabelecimenlo contina a estar sonido
le fazendas de todas as qualidades como sejam :
Ricos cortes de voslidos de seda de 3 fo-
lhose 2 saias, c Aquile
Paletots de panno
Diios de dito muito fino
Dilos de casemira de cor
Ditos de alpaca pretos muito finos e
mais abaixo
Dilos de ganga e de brins
Calcos de casemiras pretas e de cores
Ditas de biim branco e de cores
Colletes de velludo prelo e de cores.
Dilos de gorgurao muilo linos
Ditos de fuslao
Camisas francezas de todos as qualidades
Capara homem
misas francezas bordadas para senhora
l.eques da melhor qualidade e do ullimo
gosto
Manas e grvalas de seda de todas as qua-
lidades
Chapeos de sol de seda ingieres
Ditos decastor para cabera muito finos
Ditos pretos os melhores que lem vindo
ao mercado
Taimas pretas do ullimo gosto
Casemiras de cores para paletot
Corles de casemiras inglezas
Dilos de ditas francezas
Ditos de ditas muito finas
chapeos Amazona para senhoras e me-
ninas
Machinas de costura
de S. M.Singer &C. do
New-York, o mais aper-
feiooado systema, fazen-
do posponto igual pelos
dous lados da costura,
garanle-se a seguranca
das re achinas e manda-
se ensinar as casas de
familia, bera como se
mostrara a qunlquer ho-
ra do dia ou da noile
nesta agencia: nicos
agentes em Pernambuco Itayraundo Carlos Lei-
te & Irmao, aterro da Boa-Vista n. 10.
Era casa de Rabe Schmettan i
C, ra da Cadeia n. 37, vendem-se
elegantes pianos do afamado fabrican-
te Traumann deHamburgo.
Vestidos de seda.
Vendem-se cortes de vestido de seda com 2 e 3
babados, armados, de 20 a 408 cada um sendo,
que seu valor razoavel era de 8O3 : na loja de 4
portas da ra do Queimado n. 10
Vendem-se duas escravas mocas o de boni-
tas figuras, cora algumas habilidades, sendo urna
dellas do mallo e sabe trabalhar de enxada ; a
tratar na ra do Queimado n. 28, loja.
Meias de seda de peso
para senhora, brancas e pretas, e para meninas,
brancas e riscadas : vende-se na loja de Leite
& Irmo na ra da Cadeia do Recife 11. 48.
Dita de meia casemira -..
Dijade brim fino e varias qualidades
3ji e Colletes Je velludo, gorgurao,
casemira e solim....................
Casacas de panno prelo muito lino 303 o
Sobrcca?acos c paletols de panno prelo
fi 24} c........................... 309000
talclots de casemira mesclada gol!a de
n.ve,I"d0,.............................. 189000
Ditos de alpaca prola uito finos...... IOjOOO
Ditos da merino setim pretos e do cores 9$000
Dilos de meia casemira.................. 79000
Ditos de alpaca pretos e do cor forrados 6-500
Ditos de brim branco epardo linos...... 69000
Dilos de brim de quadiinhos finos
*55e .............................. 5S000
uno de alpaca preto c de coros.......... 3.1500
%
Relogios do ouro palen........es
REMEDIO INCOMPARAVEL.
UNGENTO HoLlOWAT:
Milhares de individuos de '.odas as nae.Vs po-
dom leslemuuhar as virtudes doslu remedio i-
comparavel e provar em caso neeessario, que,
pelo uso que doli fizeinni lera son corpo e mem-
brosiiiteiramonle saos depois de haver empica-
do intilmente oulros tratamento. Cada pesoa
poder-so-ha convencer dessascuras maravilhosas
pola leitura dos peridicos, que Ih'as relatara
indos os das ha muitos anuos ; e a maior parte
dolas sao Lio sor prndenlos que tuejnnpe SO
medicoa mais celebres. Quanlas pessoas reco-
braram com este soberano remedio o uso de seus
bracos e pomas, depois de ter permanecido lon-
go lempo nos hospitaes, onde de viam solrer 9
amputaoao! Dolas ha muitasque havendodei-
xado cssos asylos de p&decimcntos, para seno
submetterem essa operacao dolorosa foram
curadas completamente, Inedianlc ousodesse
prociosoremedio. Algumas das taes pessoas na
eufusao de seu recouhecimento declararam os
les resultados benficos dianle do lord corroge-
dor o oulros magistrados, alira de maisautenti-
carem sua firmaliva.
Niuguem desesperara do oslsdo de saude se
tivesse bstanle confianca para ensaiar esle re-
medio constantemente s'eguindo algum lempo o
iiontralaloquonecessitassea natureza do nial
cojo resultado seria prova riiiconteslavolmoiik- '
Que ludo cura.
O ungento lio til, mala particu-
larmente nos seffUlntes casos.
Alpercas.
Caimbras.
Callos.
Canceres.
Corladuras.
Dores do cabeca.
das cosas.
doj monibros.
liiifermidadcs da culis
em geral.
Ditas do anus.
Erupces e escorbti-
cas".
Fistolas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremida-
des. _
Frieiras.
Congivas escaldadas.
Inrhaces.
Inflanaeo do figado.
mmm
sorlimento de cha-
peos.
Chapeos de caslor pretos de superior qualida-
de a IOS, dilos frincezes de seda a 7jJ, ditos de
caslor brancos a 14$, dilos de velludo a 8e 9$,
dilos da lontra de todas as coros muito finos, di-
tos de palha inglezes de copa alia e baixa a 3 e
?, ditos de fel tro, um sorlimento completo, de
28500 a 650O, ditos do Chile de 3-5500, 5, 6, 8,
t, 10 e 125, dilos de seda para senhora, dos mais
modernos, a_12g, chapelinas com veos do ulti-
mo gosto a 159, enfeites finissiraos para cabeca
a 4$)00 e 53, chapeos de palha escura, massa'e
seda, muito proprios para as meninas de escola,
sondo os seus precos muilo em conla, dilos para
baplisado de meninos e passeios dos mesmos,
lendo diversas qualidades para escolher, bonels
de galo, ditos de marro uim, dilos de vellu-
do, dilos enfeitados, chapeos de boa qualidade
para pagem, chapeos de sol de seda paro me-
ninos de escola, e mesmo para senhora e para ho-
mens ; finalmente outros muilos ubjectos que se-
ria enfadonho mencionar, e ludo se ven de mui-
lo em conla ; e os senhores fregue/.es a vista da
fazonda ficarao convencidos da verdade : na bem
conhecida loja do chapeos da ra Dircila u. 61,
de Denlo de larros Feij **
CARR .AS.
Vendem-se duas carroens novas, sendo pata
boi c oulra para cavallo : na ra da Concordia,
confronte ao armazem do sol.
Vende-se
na ra estreia do Rosario 11 12, um fogSo de
ferro.
Na ra Nova n. 35, vendem-se saceos com
rnilho muilo novo pelo proco de 45500, dinheiro
vista.
Vendo-so urna carroca para um boi, estan-
do em meio uso : na ra "do Arago n. 29.
Nova loja de calcado fran-
cez, de Antonio Rodri-
gues Pinto, no aterro da
Boa-Vista ni. 8, de fronte da
boneca.
Neste novo estabelecimenlo lera calcados que
receben polo ullimo navio francez, dos mclho-
ros fabricamos de Taris, o vende por-monos do
que em oulra qualquer parte, a dinheiro a vista.
Casaveques.
V'endem-se casaveques e roupoes de cam-
brai bordados, o melhor que exisle ueste mer-
cado, o por preco commodo : na ra do Crespo
n. 23.
Cortes de vestidos
de seda !
Na ra do Queimado n. 37 loja de 4
portas acaba de recetar pelo ultimo
navio viudo do Havre um completo sor-
timenlo de vestidos de seda de 2 saias,
2 babados e de avcntal.os qnaes se ven-
ilciii por preco commodo.
Chapelinas de seda e de
velludo para senhora.
Ricas chapelinas de seda c de vellu-
do para senhora: na ra do Queimado
n. 37, loja de i portas.
Golas c manguitos.
Ricas golas e manguitos de cam-
braia : na ra do Queimado n. 37, loja
de A portas.
Manteletes
Ricos manteletes degrosdenap
camenle bordados: na ra do Queima-
do n. 37, loja de 4 portas.
e n-
Pentes de tartaruga.
atar
Para concluir a liquidacao das (zendas
da extincta firma de Leite & Corre!..,
vendem-?e assegtiintes fazendas, por
muito menos de seu valor, na loja de
quatro pottas da ra do Queimado
numero 10.
Sedas pretas lavradas, superior qualidade,
covado
Grosdcnaplc preto muito bom e largo, co-
vado
Dito dito ma3 estreito, covado
Camisetas de cambraia para senhora, urna
Tiras e cnlreraeios bordados
Sorlimento completo de chita de cores,
covado
Dito de chitas largas francezas, bons pa-
dres e cores lixas, covado
Cangas de cores escuras e claras, covado
Pianos
Saunders Brothers CS C. tem para vender em
seu armazem, na prora do Corpo Santo n. 11,
'alguna pianos do ultimo gosto, reremircente
lS600!cneKados, dos bera eonheeidos e acreditados fa-
bricantes J. Broadwood &Sors de Londres, e
2g000 i muito proprios para este clima.
'i A boa fama.
160
Cortes de calca de meia casemira al$600 e 2*000
Meias cruas para homem, duzia
Ditas para dito muito superior, duzia
Atoalhado adamascado muito largo, vara
Cassas de cores fixas e padroes vistosos,
covado
Biscadinho francez, covado
Hosselina do cores fixas, covado
Chales de laa com palma de seda, um
Cortos do calca do casemira lina de cores
Ditos de dila preta
Dilos de collcle de gorgurao com palma
de velludo
Dilos de dito de gorgurao e seda
Ditos de dilo de merino bordado
Lencos de seda pequeos para pescoco de
senhora
Panno prelo, covado
Dilo superior, prova do liman, covado 33 e
Snporior brim trancado de linho, branco,
vara
Dilo dilo de cores, vara
Meias brancas para senhora, duzia
Ditas para dita muilo superior, duzia
Luvas de pellica para senhora, em bom
estado, um par
Vendem-se as verdaderas luvas de pellica de
Jouvin chogadas no ultimo vapor vindo da Eu-
ropa, brancas, para homem e senhoras, pelo ba-
20 j ra, Pfooo de $}o par, tambem se vendem gra-
2q | vatinhiis de fil muito bonitas c do ullimo gosto,
' proprias para senhoras e meninas, polo barats-
simo pre^ode 2$ cada urna : na ra do Queima-
do, na loja de miudezas da boa fama n. 33.
4SO00
!; 280
250
160
210
2.JKK)
5C00O
C$000
35000
2000
3000
400
2S500
00O
i$ooo
iS'apatdesde2^a3^.
Vendem-se sapates para menino, do 2 a Sf,
borzoguins para menina de 2 a 39, ditos par se-
nhora a 3:500 : na ra do Cabuglji. 9.
Nova invcDCflo apeifei-
COHila,
B.inds ou almofadas
de crina para pcnlcados de
senhora.
i Vende-se nicamente na ra da Cadeia do Re-
,J*2J cife n. 48, loja de Leite & Irmo.

!$000
1S0OO
txzisrr-Twsrrvcvif tv.
ATTENCiO.
Kisscl, relo;neiro francez, vende relogios
de ouro c praia, concerla relogios, joins c
msicas, ja aqu he conhecido ha muilos
annos, habita no pateo do Hospital n. 17.
Baralissimo.
A 35(500, 4|500 e 4,^800.
PARA ACABAR.
^endem-se na ra do Queimado n. 19, es se-
guinles algodaozinhos, a quosi por metade de seu
valor, algodao trancado americano com 20 jar-
das, muilo superior a 3>0 a peca, dito Uso ame-
ricano muito largo com 20 varas, pelo ban!o
<* I preco de 4^500 o 4.5SOO a peca.
i\a Ioja7losertanejo,rualp.mos sora^Hi^OPPlo-
(io Queimado n. 43 A. i'ldUWN m nWm^l mi
Inflammaco da bexiga.
da matriz
Lepra.
Malos das peinas.
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras le ropris.
Picadura de mosquitos.
PulniOos.
Queim adelas.
Sarna.
Supuraces ptridas,
liiiha, em qualquer par-
to que soja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea,
do ligado.
das articulares.
Veias torcidas ou noda-
das as pernas.
Vende-se osle ungento no estabelecimenlo
geral de Londres n.22i, Slrand, o na loja de
todos os boticarios droguistas e outras pessoas
encarrogadas do sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hcspanha.
Vende-se a 800 rs. cada bocclinha, conlom
urna inslruceo em portuguez para o modo de
fazer uso deste ungento.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico. na ra da Cruz o. 22, em Per-
nambuco.
Fub.
Farinha de milho americana, em barricas, che-
tada no ullimo navio dos Estados Unidos : nos
armazens de Tasso Irruios.
= Na ra de Aguas Verdes n. 46 se dir quera
vende urna fabrica de fazer velas de carnauba,
bem montada e em bom estado.
Arados americanos e machinas
para lavar roupa: em casa de S. P. Jo-
hnston & C. ra da Senza!a n. 42.
Vende-se nina taberna
por todo negocio, em ra muito commercial, no
bairro de. Santo Antonio : a Iralar ua ra do
Rangel, armazem n. 62.
Altenco.
o
No escriptorio de Manoel Ignacio de Oliveira
& l'ilho lera para venderos superiores vinhos
nunca aqui vindo destas qualidades:
ChampagneCliquet.
DilaIrrey.
Lalillclino.
Laroseidem,
Ruquis
Relpoz do Porto.
Vende-se relroz preto e do cores, de primeira
qualidade, em porces grandes e pequeas, por
menos que em oulra qualquer parte : no Porte
do Mallos, ra do Codorniz n. 5.
Ferros de engo mi-
mar econmicos.
Ja chngaram os imcomparaveis ferros econ-
micos, veio urna pequea porco : no armazem
de fazendas de Itaymundo Carlos Leite & Irmo,
aterro da Boa-Vista n. 10, hoje ra da Impera-
tris.
Urna rica mesa parajantar
Vende-se no alerro da Boa-Visla n. 5; que
pode acomruodar 25 ou 30 pessoas.
Sigarros imperiaes.
Vendem-se lano emporcao como a rctalho :
no aterro da Boa-Visla n. 5.
I^scvavos liavatos.
Una elegante criada de 18 annos, com boas
habilidades, 1 escravo sem deeito, mui robusto
de 30 amos por 1:300$, 1 escrava de 28 annos
sem molestia por 80()#, 1 dila de 22 annos bo-
nita figura por 1:400$, 2 negrinhas de 11 a 12
annos muilo lindas, 1 negra cozinheira e en-
gomra.idcira com urna bonita cria de 2 annos de
idado, 1 negra do 28 annos de idade sem vicios
e oplima lavadeira e quintaedeiru por 1:000$ :
na ra das Aguas Verdes n. 46.
Cavallo de sella.
Vende-se um exfolente cavallo do bonita cor,
bom andador o muilo manso : quem pretender
dirija-se ao sitio da capella da estrada do Joao de
Barros.
Vende-se urna excellcnie casa na ra do
Rio, Poco di Panella, com bastantes coramodos
para urna familia, lendo dous quintaos murados,
porlao para o largo da igreja, boa cacimba, tan-
que' estribara, quarto Tora, ele.: quem prelen-
dc-la dirija-se ao Mondego, casa confronte ao silio
da viuva do lllm. Sr. Luiz (Jomes Ferrcira.
Ricos pentes de tartaruga para
cabello: na ra do Queimado n< 37,
loja de 4 portas.
Camisas francezas
Ricas camisas francezas tanto de
peio de linho como de algodao c de fus-
lao: na ra do Queimado n. 37, loja de
4 portas.
Bonets para cr anca
Ricos bonets de marroquim pura
crianca: na ra do Queimado n 37, lo-
ja dei portas.
Ferro reduzido de
Quevenne, |
Privilegiado em seu modo de
administraco pela acade-
mia" de medicina de Paris.
Os felizes eTeitos do ferro em um grane nu-
mero de enfermdades sao geralraenlo cochea-
dos. As cores, palizas, as flores brancas, era-
pobreciraenlo do sa'ngue com os males do eslo-
raago, e as palpitacoes, que sao delles a conse-
quencia : taes sao os principao.s casos oral que o
ferro 6 indicaf||^ e para cortos temperamentos
fracos elle ..u complemento quasi necesario
de alimcntaao. A superioridade do frro de
Quevenne ^e todas as preparacocs ir.arriaos a-
quella que iutroduz mais quanlidadc do forro no
sueco gstrico era um peso dado. Deposito em
Pernambuco, pharmacia do Pinto, ra larga do
Rosario n. 12.
Em casa dos Srs. Ilenry Forster
& C. ra do Trapiche n. 8, vende-se:
Dous carros americanos novos.
Arreios americanos.
Bombas.
Arados.
Champagne superior.
Cognac.
Relogios americanos.
Velas com toque de avaria
Vrmaevvo.
Por aulorisagao de seu dono, se vende
rica armario toda envern'uada feita a moderna de
columnas e grandes fiteiros com puchaJoresde
cristal, propria para loja de fazenda e roupas
feitas, deposito de massas ou charutos sita na
ra Direita, a tratar na mesma ra n. 16 loja.
Enfeiles de vidrilho e de retroz a 45 cada
um : na ra do Queimado n.37, loja de 4 portas.
Reccberam em direitura de Franca, do encora-
menda, os melhores chapeos de castor rapadoss
sendo brancos e pretos, e as formas as mais mo-
dernas que tem vindo ao mercado, e por mo-
nos que em oulra qualquer parte, assiin como
tambem lem um grande sorlimento de enfeile,
de vidrilho pretos e de cores pelo diminuto pre-
veo de 4$ cada um, assim como tem chapeos de
sol de panno a 1$200 cada um em perfeilo esta-
do, aberturas brancas muilo finas a 320, ditas do
esguiao de linho a 1$ urna, cambraia prela fina
a 360 o covado, e a vara a560,e a 610, gangas
de cor a 540, brim branco de linho a 1J200 a va-
ra, colletes de velludo de furla-corcspretos a
7$400, ditos pretos a 8 e a 9$, calcas de case-
mira do crtr a 7, 8 e 11$, ditos pretos a 7, 9 e
12$, colletes de gorgurao a 4, 5 e 6$, saceos pa-
ra viagom de diversos lamanhos, oias cruas, por
sor grande poreao, a 13500, ditas a 1$600 e 2j a
duzia, finas a 3 e 4$, chapeos enfeitados para
meninos c meninas e senhoras por qualquer pro-
co, c ludo o mais aqui se encontrar o preco,
e u3o se deixa de vemnder.
A 500 rs. a peca
de fila de velludo de um dedo mnimo de largura
com 10 1|2 varas, bandos de crina para senhora
muito bous a 400 rs. o par, pulseiras de contas
para senhora ou meninas muilo lindas i 160 rs. n-iii>icpn
para acabar; na loja de miudezas do aterro da |
Boa-Visla n. 82, quasi confronte a matriz.
jos, a prazc ou a
dinheiro.
Vende-se no aterro da Boa-Vfsia, loja n 82,
um rico eclegauto pianoforte, francez, (hgado
ae panno^a igzuurada um em perfeilo esta-; ltimamente, do melhor fabricante de Paris ; o
tambora una rica seraphina ou orgo, muilo pro-
prio para alguma groja do malo por ser muito
barato ; e realejos pequeos e grandes rom pan*
cadaria c sem ella, o que ludo se vende mui'o
barato para acabar
Farinha de mandioca.
Desembarcada hoje, era saceos grandes, a 7j:
na ra da Cadeia do Recife n. 50. primevo andar
Vende-se para algum engenho um escravo
de 28 annos de idade, muito sadio e co/.i habi-
lidaJe para tratar de plantacdes por estar acos-
tumado a isso ha mais de 10 annos : na ra da
Cadeia do Recife n. 25.
Tachas para engenho
Fundico de ferro e broflze
DE
GMIB
cobertos e descoberlos, pequeos e grande
ouro patente inglez, para homem o senhora, I
de um dos melhores fabricantes de Liverpool,!
vindos pelo ullimo paquete inglez : em casa do :
Southall Mellors i C."
Antonio Corroa Cardozo,
tem um grande sorlimento de
tachas de ferro fundido, assim
i como se faz e concerta-se jual-
,p qucr obra.tanto de ferro fun-
dido como batido.
Reoslos
ti3v/i <
ivos i agu os.
de ouro patente inglezes, do melhor fabricante
do Londres, c que se vende mais barato que em
nenhuma parte, por isso que quer-se liquidar a
conla : na ra da Cadeia do Recife, armazem
n. 4, de Barroca 4 Medeiros.
Fugio em a noile de 2 do corrente mez do
j dezembro o escravo Joaquiro, caboclo, do idado
do 27 annos, pouco mais ou menos, baixo chelo
do corpo, rosto redondo, cabellos duros e cor-
, fidos, olhos pardos, nariz peaueno, bocea peque-
i na, com falla de denles superiores na fenlo, usa
- Vende-se um pardo de idade 15 annos, de ["godo, o qual todava pode ler rapado, sem bar-
muito boa figura e conducta, bom official de al- ba Muzo urna rede, calca e camisa, levando
faiale, que corla u faz toda obra, e oplimo cria- | v,cslldo calca o camisa de algodao nsesdo azul e
chapeo do >-uuro ; veio do Ceara no vapor Cru-
do
e oplimo eria-
dous negros mocos, bons olficiaes de pedrei
una
ro ; um rnolequee um negro bons cozinheiros
tres negras mocas, e outros escravos que se ven-1
dem todos baratos, lanto a prazocomo a dinhei-
ro : na ra Direila n. 66.
= Vende-se madeira de jangada de todos as
grossuras, em poreao ou a relalho, mais barata
do que era outra qualquer parte ; urna canoa fe-
chada, mastros para barcaca, e urna cadeirinha
sem ser servida : quem precisar, dirija-se a rua
do Rangel n. 10, para entender-se com Joo
Duarlo Maginario.
Vende-se um escravo crioulo, de 24 annos
de idade, sem vicio ou defeilo algum, muilo sa-
zeirodo Sul em 4 do outubro prximo passado,
remellido por Luiz Ribeiro da Cunba Antonio
Luiz dos Sanios & Rolim, que prometiera umi
recompensa proporcionada ao tiabalho de quem
o apprclicndur e levara cidade do Recife, rua dn
Crespo n. II. Peder igualmente s autoridades
policiacs o capiles do campo i apprcliensiio do
mencionado escravo, que se suppde fosse para o
centro do Coar, porque dizia sor natural na vil-
la do Cascare!: e muito de suppdr que va so
inculcando de forro como porvezes em (eito.
Contina fgido o preto t lizj official
pedreiro, e escravo do Dr. Nabor Carneiro Be-
Ato, oplimo copeiro, c mestre do ofiicio de sapa-! zorra Cavalcanti, e ainda recommenda a sua cap-
Liuhas do gaz.
Vendem-se na rua do Cabuga n.2 R., loja de
miudezas do Joaquim Antonio Das de Cadlro.
Fil
com 2 1(2 varas de largura a 800 rs. a vara : na
rua da Cadeia do Recife n. 48, loja de Leite
Irmao.
odo
Brim trancado de linho
preto,
fazenda muito superior; garante-sc qu|
desbota : na rua da Cadeia do Recife u.
ja do Leite & Irmo.
Na rua do Rangel
nao
8, lo-
n. 30.
Tem para vender alm de varias qualidades
de loucas excellentes jarras finas e entra-tinas
de todos os lamanhos, assim como as bonitas
bilhas hamburguezas de todos os tamaohos e
delicados goslos pelo preco mais commodo pos-
sivel lano em porces como a relalho.
Vende-se urna casa terrea sita na rua da
Paz: quem a pretender dirija-se ao pateo do
Carmo, venda n. 9.
Presuntos superiores para
fiambre.
Tem para vender Jos Luiz de Oliveira Azevc-
do, no seu armazem na travessa da Madre de
Dos n. 5.
Vendem-se por baratos precos as fazendas
seguinles : paletots de alpaca e'de brim pardo
fino a 3$2O0, ditos de brim de quadrinhos a
1$600, chitas finas francezas o inglezas a 200 e
180 rs. o covado, dilas com pequeo toque de
mofo a 140, cassa pintada a 320 a vara, caleqs de
meia casemira e de laa a3?J e a 1#200, chatos do
merino bordados de velludo a 7#, dilos de cassa
bordados e lisos a 2$400 eal$, dilos de la a 13,
luvas de seda por 800 rs., cortes de cambraia de
seda para vestidos a 3$, colletes de gorgura a
3>>500, lencos do seda a 800 rs., ditos de cassa
finos e grandes a 200 rs., grava tas de varias qua-
lidades a 1$. 800, 500 e 160 rs., e outras muilas
fazendas, tanto para homens como para senho-
ras : na rua da Cadeia do Recife, loja n. 50 A.
Vendem-se tres moradas de casas terreas
no lugar denominado Pontezinha, defronte da
estaco da estrada de ferro, ptimas para q al-
quer negocio ou morada : quem pretender, i'iri-
ja-sea rua tireita n. 8, ou a ponte dos Carva hos
em casa de Manoel dos Santos do Oliveira Gou-
oalves.
loiro : a tratar cora o abaixo assignado na alfan-
dega, ou era sua residencia na rua da Saudade,
primeira casa cora solio do lado do sul.
Toda atlenc&O ao segundo andar do sobrado
da esquina da rua do Queimado, por cima da lo-
ja do Sr. t'reguica, entrada pelo boceo do Peixc
frito n. 1.
Ricos corles de vestido de duas saias de gor-
gurao branco lecidos a velludo, proprios para
baile, o mais rico que tem vindo a esta capital.
Ricos cortes de vestido de seda de duas saias
bordados, proprios para baile, fazenda do mais
apurado goslo.
Ricos cortes de vestido de duas saias de gor-
gurao de soda de cores proprios para visita e paja
pisseio de apuradissmo goslo.
tura ; tem elle os signaos seguinles : alio, ebeio
do corpo, rosto comprido, idade de 30 annos,
bracos grossos, potroso, e com cipatrizes as
cosas, procedentes do surra que levou em po-
der de julro sonhor Consta andar se inculcando
de forro prouie!tc-so boa gralificacao a quem o
capturar c o eonduzir a rasa do seu dito sonhor,
no atorro da Roa-Vista, sobrado n. 48.
Escravo fgido,
Desappareceu do seminario de Olinda um es-
cravo de nomo. Romao, leudo de idade 25 annos,
pouco mais ou menos, mulato de eflr plida,
estatura regular, potica barba, cabellos um tanlo
carapinhos, beicos un pouco grossos, sendo o
inferior mais sllenle, falto de denlos na frente,
Ricos corles de vestido bordados para casa- U nm tonl0 Bofei,*,,', lem tres martas de acou-
enlo, com capella correspondente. les a3 coslas ievou ,,,,,a de m.,n de ,s,va e
raen
Ricos cortes de vestidos de duas saias dft gor-
gurao prelo bordados e adamascados.
Rica e inleressanlo colleccao da arligos para
toilette de senhora e para ca'valheiro.
Adverte-se ao respeitavel publico, que alora
das fazendasanniinciadas, ha um vanado sorli-
mento de fazendas novas, que todas serio ven-
didas por precos razoaveis.
Charutos da Baha
Almeida & Rurgos receberam da
briguc Veloz, e vendem era grandes
Eorces, em sua loja do fazendas na rua do Ca-
ug n. 8, muilo bons charutos das marcas se-
guinles:
llavaneiros.
(juem fumar saber.
Camam-
Lanceiro*.
Saborosos.
Regalos.
Aprasiveis.
camisa de madapolao; natural de Cariris no-
vos, e como tal, provavel que se dirija para l :
por isso pede-se as autoridades policiaes ou a
quom querque o enconlrar, o faca piender e le-
var ao mesmo seminario, onde ser recompen-
sado por Manoel Antonio Martins de) Jess.
Da relnacflo da rua da Concordia n. 8, fu-
giram no dia 5 de dezembro, s 2 horas da ma-
drugada, dous pelos cora os nomos e signaos se-
guinles : Joao, crioulo, idade 30 annos, pouco
MUTILADO
Burros hespanhoes
De raca andalusa.
Quem quizer comprar tres burros muilo no-
vos, e la raca que melhor lera approvado na Eu-
ropa e jcliraalizados, dirija-so ao segundo an-
dar que fie por cima de Sr. Prcguica, entrada
pelo bco do Peixe-Frito n. I, que achara com
quem tratar.
Oh que pechin-
cha!!
Milho, feijao e farinha ; vende-sc na rua do
Queimado n. 14, loja de ferragens.
Bandeiras nacio-
naes.
Vendem-se na rua do Queimado n. 7, bandei-
ras nacionaes de varios tamanhos, muito bera
eilas a 500 rs. cada una.
mais ou menos, estatura bem alta, cor prola, cara
uobia pelo bexigosa, c lem urna marca abaixo ao pcito, co-
,e,.?f'!il0i's mo.lle caustico ou queimadura ; o ontro de m
Luiz, da mesma idado, pouco mais ou monos,
de naci Angola, cor preta estatura baixa o
clioio do corpo, tem um signal como de um lalho
na spadoa direita ; esto escravo eslevo fgido
por espaco de 7 annos, e veio ha pouco do enge-
nho Anhumas do Rio l'ormoso : quem pegar di-
tos escravos, leve-os lofinaeao cima, que se
gratificar com generosidade.
Limo de Souza e Silva.
Fugio no dia 2 do corrente urna preta de
naci Cosa, representa ter 30 annos de idade,
baixa, chcia do corpo, mulla bexigosa e preta,
lera falla de dous denlos na frente ; foi vista em
urna casa 110 alerro dos Afogados, c proles' -
contra quera o livor occulta : roga-so s pessoas
policiacs ou capilaes do campo o apprchendam
e lovem-na rua da Cadeia Velha n. 1, quesera
pago lodo o trabalho : foi vista para as banda-
de Afogados.
Escravo fgido.
De bordo do lugre nacional Santo I,
fugio no da S do corrente o preto marinheiro de
nomc Jos, escravo de Francisco Gomes da Silva
Saraira, de idade de 35 a 40 annos pouco rr.di
ou monos, altura regular, reforjado do corpo,
falla bem o portuguez apezar de ser africano,
tem a barba cerrada, porera lora rapada, sanio
de bordo trajando camisa branca, calca de case-
mira escura cchapeo branco de feltr, cun tan-
to loquaz o bastante desembarazado : roga-so
portanto as autoridades, pedestres e capilies do
campo, c mesmo a qualquer possoa que o conhe-
ca o aprehendan e leve a presenca de qualquer
utoriuade policial para o mand'ar recolher a
casa de delencao participando ao abaixo assigna-
do no estaleiro de Sanio Amaro, que gratificar
ao apprehensor.
Francisco Gomes (/a Silva Saraiva.



(8)
DMRIO DE PERNAMBUCO. SEGUNDA FEIRA 12 DE DEZEMRRO DE 1859.
Litteratui'.
Carta do YisMnfle de Kikiriki
A SUA ESPOSA
A. YTSCONDESSA DO MESMO TITULO.
~ i
Passando, Yiscondessinha,.
Pela praOJ da Figuair,
Eu cahi na grande asneira
De comprar um mo melo,
Que me custou um lostao.
2
E doi com olla na panga,
DeUando smente a casca ;
Poim, foi tal a borrasca,
Que na moclla sen ti,
Que em calcas parda? mo vi.
3
Por mifogre, Viscondeasa,
Jnda respiro, inda vivo,
Poiso tubo digestivo
' e tal sorte se irrilou,
Que na cama me proslrou.
4
As mesmas tripas perderam
O sen estado normal,
Fazendo um barulho tal,
Que a criada estremeceu,
E tres vezes se Lenzeu.
a
Man le chamar um Que mora na \isinlianc_a,
Depois de pn!par-me a ptica,
O pulso, a lingua, roe diz
Franzindo o douto nariz :
G
Una gstrica invadio-lhe
O dominio estomacal $
O Visconde est mu mal,
Mas ha de contar da festa,
Pois creio que nao vai desta.
Em seguida me contou
As curas qua linha feilo :
Trala molestias de peito,
Vinte clicas furmaes,
E ataques homorrhoidaes.
8
E que da cholera-morbus.
Terror das modernas gentes,
Salvara '.rinta doentos,
E oulros tantos, minlia baUa,
Que linham febre amarella.
9
Disse raios e coriseos
Contra a tal homceopaihia,
Que era smente agua fria,
E em Hypocratas fallou,
E mais autores cilou.
10
Seolou-se mesa lomando
Da sua caixa dourada
Urna estronlosa pitada,
Qualro vezes espirrou,
Pedio papel, reoeitou.
11
Quando vi qua. o tal amigo
Dispunha dos das meus,
Sempre fui pedindo a Dos,
N'uma o rara o em latira,
Se apiedasse da mim.
12
E foi-se, recommendando
Dieta por vinte das,
Prohibi -me as iguarias ;
Ai'urna palavra, o doutor,
Poz-mo em sitio aterrador.
13
Desde ento lenho panado
A caldos de frangan'uo,
Mas protestei, e revito
Nunca mais, Vi-condessinha,
', Ccmerei da tal fructinha.
14
Desde lioje o melo, senhora.
Tara mim fica barrado :
Pois vi a morle a meu la lo,
E tem que a tal sugeiu
Me fizesse urna desfeila.
15
Quando me lembro que um da,
Quer.eu queira, quer nao queira,
E a pesar da ser asneira,
Conga da Yicondessinha,
Hei deestenler a perninha.
16
Confesso que dou em doudo,
E que fleo ato matado,
Fico mesmo derreado ;
Com este modo de obrar
Nao me posso conformar.
17
Desta vez posso dizer-llie
Que escapei dura parca,
Mais feliz que o tal monarcha
QRIGINAl 00 DIARIO DE PERNAMBUCO-
A CARTER4.
10 DE DEZEMBRO DE 1859.
A HOMENAGEM DO C.VP1BARI11F. A8. M. O IXPERADOR.
OS BVT.VI.HES POI'I I V11FS.OQUE ll\ f)E GRAN-
DE f.m rio sso.a viagbb de .ss. mm. a olin-
(V. L'MA KCF.NA BEM DIGNA DE REPARO PELO PA-
TRIOTISMO^QI E REVELA.
O estado pouco lsongeiro de nssa saude mal
nos pennitte qunlquer traballio de espirito, em
que seja misler mais algum apuro o. vigilancia.
Assim, deenocessario provar que lia no caso
presente urna razoo superior nossa vontade, c
que, dominado por olla, apenas chegaremos at
unde nos conduzirem as nossas forras, nao ja te-
nues, como sempre, ma sobre ludo abatidas por
iuCouiniodos que estamos soffrendo.
Suceedem-se lodos os dias as provas c os les-
Icicunhos decordeal nffecto e de inalienavel ad-
lieso a Augusta Pessoa do nosso excellente Mo-
n avena.
tlepois que S. M. desombarcou em Pernambuco,
esta provincia que sempre se distinguir por seu
v.tlor e por seu acrysotado patriotismo, nao tem
ce.ssado de ir dopor nos ps do nosso adorado Ce
sar o significativo tributo da mais pura e fervo-
rosa vassallagcm.
Por sua parle, o Sr. D. Pedro II, cuja sublime
inlelligencia penetra os mais ntimos segredos
De Alrmeos, que deixou
E.-le inundo, e se ausentou.
18
J da cama me levanto,
Mss as pernas nao me lenho,
Sem gordura, sem redenlw,
E com a pelle sobre o osso,
Peso menos que um Iremoco.
19
Daos mo livre e me defenda
Que agora a YUcondessinha
Visse a minha lguriuha :
l'm marido lo bonito
Reduzid hoje a palito !
20
Do meu physico, Senhora,
Tando-llie dito o que ha,
Em quanto ao moral, por c,
Posso dizer lite tambero.
Que esta cousa nao vai bem.
21
F.siou muio falho ao naipe
E nao sei o que hei de fazer:
J me lembrou escrever
N'algum jornal furibundo
Alguns arligus de fundo.
22
Vou-me lanzar ao governo,
Porin com unhas e dnnles,
Basta j de pannos quentes 5
Haja melrdha, liaja guerra,
E demos com elle em trra.
23
J sustento um armazam
Prvido da palavroes,
Mexericos, maranh5es,
Hoatos e mais palhada,
Temos a cousa arranjada.
24
No Marrare das Sete Portas
Armo um pulpito volante,
E papagaio parlante,
No meio de libanes,
Prego ali os meus sermoes.
25
O governo, j se v,
Tracla logo de eng-jar-me.
Vera logo alguera offertar-rne
Un erapreguito rendoso,
Porern pouco trabalhoso.
26
Faco-me grave, por fin,
Pesando cenas razes,
Despejo os meus palavroes,
E tomando esiylo serio
Me abandono ao ministerio.
27
TaUez que a Prima reprove
Este meu modo de obrar ?
Pois nao tem qua repipvar.
Haja moda em Portugal
O commercio industrial.
28
Conheco o grande poder
Que tem o homem de letras,
Mas se clles nao (em tretas,
E nao tem algum nichinho,
Nem tem pao, nem colhem vinho.
29
Os Cales, os moralistas,
Este programma combatem :
E' malhor que se nao maiem,
l'ois no lira o mundo isto,
Segundo o que lenho visto.
30
Espero pelo vapor
Receber noticias boas,
Isto algumas coris,
E lambem quatro camisas,
Que muio rae sao procisas.
(Daz Tisaua do Porto.)
Iiisinici'ao Primaria.
Materia e grao do ensino.
O que se cnlende por materias o grao do ensi-
llo ; ella deve ser bastante limitada e sobre
ludo pralica na inslruceo primariaPerigos e
exomplos da exageraco dos estudos.Causa
desla i'xageraco. Conduela do examinador,
quando encontrar esle vicio. Grao do ensino'.
- Nossas primeiras noeoes sao as noces sen-
siveis ; obscuridades das absfraces ; erros de
alguns nieslres.
Conduela do examinador em vista desle de-
feito.Dever do governo a tal respeito.
Anda que.a fuucgu do examinador defRra es-
.sencialmenie da do professor, o objecto de am-
bos o rnesmn ; a saber : a inslruceo do menino
e lodos os conbecimentos que a crope. Con-
vm pois que o primeiro conheca, pelo menos de
um modo geral, todava com clareza e preciso,
as diversas partes da arte de cnsinar, isto, a
materia ou objecto do ensino, os methodos, os
processos, os exercicios, o modo, cmlim o que
conslilue u talento e o carcter do professor.
A materia ou objeelo do ensino precisamen-
te o que se quer ensinar aos alumnos. Tudo
quanto se pode dizer a este respeito que con-
vm, em relaeo instruccao, que o programma
se ciremuserva em limites estreitos e oxactamon-
lo determinados, c que judo quanto se compre-
liendanelle seja pralico e usual.
Por um dos mais funestos erros que se tem
ri'pelidanieiilH esloiidid'j e auijilnioiJo us pro-1 cui Cair.ue, nao puje eixar, em
graramas, como se um aviso ou regulamento lias-i tanta grandeza, do lana magniludu
lera para airescenlar u goslo do esludo, as dis- cer de alegra nosso frgil eoracJkh
presenca de
do bslrctne-
posi oes e aproveilamenlo dos alumnos. Na ultima visita qu, lizemos esle aitinu S.
U ensino elementar, para produ/ir os felizes Francisco das Chagas, admirou-nos sobr manei-
rcsultados, que delle se esperam, devo conser- ra, o modo frentico e quaai pomposo, Com que
var a seu verdodeiro carcter. sao retribuidos os anua multiplicados [nilagrcs
Seu objeelo 6 iniciar a totalidadedos cidados pelos fiis, quo prcssnrosos concorrem djc diver-
era um pequeo numero de conbecimentos sim-'sas partes do imperio a render-lho hompnagom.
objeclos
pies, usuaes e indispensavels para lodas as ne-' Causa admicarao a ver a raultido de
cessiilades e situaroesda vida, taes como a iris- d>' madeira representando as diversas darles do
trueco moral e religiosa, a leitura, a escripia, o I ccruo humano ofendidas, '1 mutiladas ela mo-
calculo e o systema legal de posos o medidas. I leslia, equaes para alli sao forvorogame lie Ira-
Seexcede dcste limite, de algum molo lorna-s? I zidas pelos fiis, em favor dos quaesso psmila-
impossivel delini-lo, por que nao o ensino pn-| gres operados, os quaos em profuso st achara
raario, nao c lambem o secundario ; s pfid" em-1 pendentes das paredes de um dos corredores la-
fim entrar n'um pequeo numero de espiritos, e : Icraes da igreja, como Iropheos, para coinemo-
Iraz quasl spftipre una pergosa confuso de I rar lao oslupendos prodigios,
ideas.
Depois de 1833 fe/.-se esta experiencia.
T
Qiie honrao a ua(o, dj honra ao pivo ;
Aos povos, as nacoosqu'mda os admiro.
As armas e os vars assignalados
Que no grande Carces inda boje viraos
Admirados lambem como admirro
Coovos dos hroes d'antiguidade.
As armas e os tarfies assignalados
Pele excelso Cambes reproluzidas,
Por Pelro outra vez foro levadas
Ao Panlheon da gloria Alto fastigio !.
Da honra nacional ; da gloria ; oh gloria !
> alent Talismn que os homens le^a,
Arresta sem sa!T ondeos con luz !
De um s -ulo a parle qu irla sobre a hora
As offerls, em dnheir, .ora, nlf.iias (le, fei- N' {ll,al 1>e,|[0 maic"' '|ia o mundo ha visto,
tas a S. Francisco sao em um lao crescidl ame- Um soldado chamou da mora ao leilo
endo-se cxcessivamente amplificado o pro- ro, qun a enumera-las seria fastidioso nos ollios! implexo fraternal deu com ternura
gramma do ensino primario, os esludos em al- dos leilores' o paauriamos mesmo se o fizesse- rmin t 11
gomas escolas accresceram exagerada c illimita-' mos por exagerado ; e, para sso, limilapio-nos ASSIln 1ue a "eus lrmaos losse leval-o
damente. Crer-se-hia que ensinaram-so ncllas 1 to somonte em referir a quanlia pecuniaria, que Um here abracado cora sollado l
oslogarithimos, a algebra, a trigonometra, a no espado de pouco mais de dousmezes continha Ternura fraternal tendo as faces
cusmograpliia cin suas tbeoras astrunomicas,
que nellas se deram, nao noyes
usuaes. porm cursos inleiros, c
geomtrica, physica, cbimica, mec
Urna das causas desta exagerago dos pro- anno que apreciamos, com admiraco, o extra- Hrasileiros, penssi. Abri livro
graramas as escolas primarias foi'esle paragra- bir-se de dito cofre cerca de um cont e sciscen- ] r), llUinria Nieinnil enrrei an anno
pho da le de 1833 : Segundo as necesidades e tos mil res em ouro, prata, papel u cobre: eco-1 7 "'Slor'* l;ac,0.nal? forrei 8 an"
os recursos das localidades, a instruccao prima- ; mo assim nao succederia? | Vue O'ympiada quinta do actual seculo
ria poder receber os deseo volvnien tos, que sei Uuiudo presenciavamos nesso curio espaco,; Magestosos segnirao ; vede o Grande
julgarem convenienles. de punco mais de dous mezes formigarniri os re- O hroe sem igual o grande Pedro
Al onde chegara, depois de scmelhanlc lex- ; meiros vindos de diversas pravincias do imperio
to, a ambiro ou a vaidade dos instituidores, ou em um numero espantoso !...
das autoridades antepostas sua vigilancia? Nao hara diano qual o templo de S. Francis-
E evidente que nao ha ve ria limites, e que, sob co das Chagas nao estivesseapinlia Jo dosss liis,
o especioso pretexto de augmentar o saber, e de que vidos por render homenagi'ns corriam
derramar lu/.es, se comprometteriam logo os co-'ver cssa maravilhosa iinagem : rico primor
nhecimentos elementaros, sen os quaes nao p- j d'arte.
de existir boa instrueco. Os milagros operados por S. Francso das
O examinador teslemunha desla desagradavel [ Chagas sao iminensos!
exageraco, no pode por cerlo impedi-la irame- Por occ.asiao das eataslrophos epidomieds. (por'
diatainenle ; deve porm esfor^ar-se. na ordera i que temos passado nas molestias ordinariis, nos l'undar-lhe da diamantes o alicerce,
desuas quesloes, feilas principalmente sobre as desgraeas emfim sao sempre soccorridos (s fiis Dos lustros se pas'arao e Elle corre
primeiras noedes, por collocat o ensino no seu que buscara a alta proteccao desse mirsculosoj
rerdadeiro pe. Assim oppe um priraeiro dique ratriarcha; como o allcstam os multip icados1
a esta exlensao desmarcada e irrcflectida dos emblemas de que j tivemos de fallar,
programmas : o, mostrando pouco aprego pelos Tocaremos agora de leve sobre a simples (po- n
conhecimenlos que exceJom capacidade cora- rem bella) architectura do templo de S. Fancis-! Porluguczes, sabis que aclos d herosmo
Ao povo Brasileiro sampre unido
Era amor, affeic.ao, fraternidade,
O ihrono sceptro e cora de seus pais
Corajoso lanzar de si bera longe,
Porque honra e pundunor a tanto o obr
Em seguida o veris forman lo um ihorno
Dos nossos corac,oes, e nobres peito
1 da
pas
Nobre povo salvar irmao oulr'ora
lloje Filho, que a Filha conceder.
se
grao :
se pode
guez;
dos de
tambera quanto ao grao de ensino,
empregar este termo.
Ninguem ignora que entre os meninos a facul-
de que primeirose desenvolve a memoria dos cal.
objeclos que vecm, dos sons que ouvem, em una Inlerio'mentc reinara nello a singeleza;
go goslo pc..
circundado de corredores com avaranda- constancia sem igual le no throno
ferro, sendo que lia poneos anuos (orara A Filha collocou e a dinasta
retocadas as paredes, com guarnceiuctfo de Do sau nome e seu sangue deu aos Lusos 1
Tudo seconsumou ; lemoo c'uegado
mas
Desle mundo de'.xar voando ao co.
prlavra, de tudo que sentem. Ellos nao com- presentemente com a rica decoraco da lalha da
prebendein, c mmto imperfeilamente se recor- i capella-njor, que se llie est preparndola es-
dan das absiracgoes que denominamos regras. I pensasdo valioso cofre de S. Francisco, [cujii obra Mansao celestial era que os hroes
Em geral os primeiros estudos demandam mu- deve orear em mais de seis conles de res] corla- Da venladeira Gloria cora alcaneo
to cxercicio e mulo pouco raciocinio. mente iicar um templo magestoso; apezttr de1 As n.,im,, n... n( ....r=n .._ .11,.
Tambera intilmente alguns nieslres. engaa- I pouco espacoso.
dos por um zelo inexperienlc, julgara facilitar a A decoraco em paramentos e mais alfaiks ne-
coiuprehensao das verdades elementares pelas cessarias para magestade dos actosdivinos hcha-
expheacoes e principios geraes ; muitas vezes af- I se completa.
fligem-se quando os meninos nao applicam im- ; E nao ser sso de admirar-sc em una natrh
mediatamente regia, que foi-lhes explicada ; du sertu onde seu patrimonio pouco avallado!
esta urna pralica m. mais tarde, pela com- e,n rendimentos, o para a qual os cofres pblicos!
nenbum real lera dispendiJo ? Certamenlp que
Gtizela oficial J o Para.
paracao de lodas as noedes particulares que o es-
pirito dos meninos chega a urna proposieo ge-
ral ; e querer quo dahi se deduzara os .conheci-
menlos particulares que elles nao resume, e os
sim.
Eso o valioso titulo adquirido cora lauta san-
lidade ejuslica, por S. Francisco das Chagas l<-m
quaes nao possuem, desconheccr a marcha do' podido constituir o espantoso rendiuienlq que.
Deseoherta de un la.ji.
O doulor Livingstone, cujas exploracas lano
leera contribuido para o conhecimanlo da geo-
graphia da frica central, fez, esta anno, novas
descoberlas nao menos interessantes do que as
primeiras. Keconheceu completamente a cor-
nosso espirito confundir todas as ideas do meni-1 leni servido, de dez aunoa pira c, para decorar re"l Je dous grandes rios, o Zambze c o Shire,
no, e compromcller inteiramente sua educa- 6m tanto explcndor o seu bello templo.
Cao. ineentestavclmente a imagem de S. Frajhcis-
Nao compete to pouco ao examinador impe- co das Cbagas de Caiiiud que por lodo o vasto
dir bruscamente esle mal em urna escola ; porm
deve sempre por suas questes chamar verda
deira medida os alumnos, que parecem exce-
de-la.
Por exemplo : Se dirige-se aos meninos que
principiam a escrever correctamente, em vez de
pergunlar era geral como se forma o plural dos
nomos, fa-los-ha escrever sobre a taboa ou so-
bre o papel urna lebre depoisduas lebres ; ou cn-
tolhes dir escrevei um cavallo, tres etc.
Descendo sempre assim s applicac/Jes, secer-
imperiode Santa Cruz melhores benficos ha
prodigalisado aos deis; que mais valiosos ttu-
los ha adquirido para ser acclamada a mais mi-
raculosa ; e que, cora tuda a equidade, os liis
raaisavultadassommas lem olereeido.
Onde eslar hoje um s homem, um s ca-
tholico que, ao relleclir nos fados sublimes qae
veuho de mencionar, nao estremeca o seu Cora-
cao? Nao articule com fervoro santo nom|e de
5. Francisco das Chagas de Canind? Que se
conserve na indilferenca estupida de una dusna-
tificar de que o alumno as conheco realmente, turada incredulidade?! Fura desconhecer as as-
e que a regra, que Ihe cnsinaram, nao se loma
paradle urna phraso insignificante, de que ape-
nas conserva o som.
Seria para desejar que a materia e o grao do
ensino fossem exactamenfe Oeterrainados pelo po-
der central. Compele ao governo declarar o que
convoi que os meninos apremiara as escolas
deste ou daquelle grao. ^.
Visto que esta prociso nao est n >m as leis,
nem nos regulamenlos, compete ao 1 receptor a-
char no seu bura senso a justa medida de ensi-
no ; pertence o examinador indicar-lhe os erros
era que aquelle possa ler cahido nessa occa-
sio.
JulienA. lina.
Variedades.
piraces magnnimas de urna divindade suprema
aulora do coraco: fura pensar um instante as
ms doutrinas de um sceptcismo.
O que acabamos de referir, a respeito daslma-
rarllbas dos prodigios d S. Franeisco das Cha-
gas do Canind, da riqueza com que lem sido do-
tado, una realidade; urna verdade lo pura
como a luz meridiana. E felictamenos por ser-
ums um dos fu-is qt itos beneficios ha rece-
bido da to leiracuk .anto.
Com a publicarlo do presente, Srs. redajdo-
res, um servico nao s faro Vnics. ao venerando
do Palnarcha, como em particular, um favdr ao
seu constaute leitor,
O reli'jtoso do coraro.\
(Cearense.y,
os quaos sao navegaveis al grande distancia, no
interior Jas larras. Os jornaes do Cabo publi
cam nma caria, dirigida pelo clebre
O doutorkiike eu, cora quinze mekalolos:
ormavamos toda a expedic.ao a p. Q paiz
bem povoado e assemelha.-se muito ao Londa,
Vunca vi lao extensas campias de algodo co-
mo entre os mangangas que sivem nos vallas do
Shiree de Shirwj. Todos sabem lial-oe terl-o.
Sao essas as regies qne eu sempre indiquei co-
mo deven io ser as mais proprias para a cultura
la cann > edo algodo.
a No moz de Julho regressaremos a Sbiiwa,
e possvel que avamcemos al INianja.
PAUPERISMO NA GUAO BRETANHA.
No l." de Janeiro de 1859, o numero de
pobres soccorridos nos 627 di.-triclQS erommun<
de Inglaterra foi de 902,032 pessoas, havendj
um augmento sobre o anno anterior de 25,37*.
No numero total do pobros contavam-se 165,770
adultos validos, isto 13,596 mais que"no
anno anterior.
Na Escossia o numero total de pobres ins-
criptos era, em 14 de Maio de 1857, de
88,622, ou 10,741 menos que na mesma da-
la do anno anterior: 36,545 pobres receberam
soccorros accidentaes.
A despeza total da caridade publica foi na Es-
cossia de 506,522 libras, havendo urna dimi-
nu cao em relac/10 ao anno anterior de 2,350
libras.
0 numero das casas de pobres ( poorhouses
continua augmentando : as ha em 509 paro-
chias; porm s vezes muilas parochias susten-
tara urna casa era commum.
Na Irlanda, no espago de um anno fiado em
29 da Setembro de 1857, o total das quantias
gastas com os pobres foi de 498,218 libras, das
quaes 292,685 com os internos e 2,411 so-
mente em soccorros domiciliarios. O numero
id pessoas soccorridas foi de 186,235 nosasylos
de pobres e 4,606 no exterior. A taxa do im-
posto foi de 10 ponnys por libra, sobre urna ren-
da total calculada em 11.877,088 libras.
As escolas das Workhouses (casas de
trabalho ) e do dislricto, continham era 1858,
termo medio, 37,3i0 meninos, dos quaes
31,366 pertenciam as Workhouses. A som-
ma paga dos fuios do Estado aos roestres sus-
tentados por estes eslabelecimentos foi de 29,398
libras. Na Irlanda 137 escolas d'esla classe
continham 22,674 meninos, o que em relaco
ao anno anlarior aprsenla urna diminuicao de
2 escolas e de 8,067 meninos.
Nos hospicios e asylos de alienados pobres
coniavam-se na Inglaterra, no 1.' de Janeiro de
1858, 17,572 individuos. O numero total de
alienados e idiotas, que se arham a cargo d r
caridade publica, calculado do dobro prxima-
mente d'esle numero. Em 14 de Maio de 1855
averiguou-se na Escossia que de 4,642 s 2,644
se achavam nos asylos ou casas de saude. Na
Irlanda as Workhouses conlinham em De-
zembro da 1S56 : 4,721 em casa de seus p-
renles'ou amigos existiam 5,441a
[Jornal do Commercio do Porto.)
viaganle
IMPROVISO.
senlidissima morle do Augusto Fundador do
Imperio o Senhor D. Pedro I e IV Excelso
Imperador do Brasil e Fidelissimo Iiei de
Portugal em o dia 24 de Setembro de 1834
o/ferecido sua saudosa memoria pelo Juiz
de dirito aposentado Luiz Paulino da Costa
Lobo.
Im episodio dos grandes prodigios ope-
rados pela miraculosa imagem de S.
Francisco das Chagas, que se veier
na igreja matriz da villa de Canind.
Que religio haver mais doco, mais pura e
mais sania qne a christaa I
ii2! p.roblcm* feci'imo de resolver; urna! Da um seculo a parle quarta sobre a campa
kSp' serve seus sectarios de refuto, de ?6 "m "^T ^^ ^^ '
consolacao d'alma. como do activo remedio aos nnc,Pe L'beral que foi dos povos,
soffrimenlos physicos. j Dos horaens, das naces que o mundo habitao!
Sao fctos estes que, a cada momento se vo 'ni
passando auto os olhos dos-liis : e, certamen-1l'9 um_sec,l|0 a Parte quarla sobre as cinzas,...
le na villa do Canind desta bella provincia do Oh cinzas preciosas do seu peito ;
gera de S. Francisco das Chagas, que se venera
as immeusas vautagens que esta visita summa-
menle honradoranos promelle no futuro, pelo
que j nosoulorga no prsenle.
Delicioso commercio de alfectos por certo,
o que se d na aclualidade entre o primeir o Per-
sonagem do paiz, entre o Chefo Supremo do Es-
lado, e una lo numerosa porco de seus ilhos,
que sao oulros lanos soldados" promptos a dar
sua vida por Ello, e era sacrificio as institub-es
que os regem 1
Quando ura Monarcha distinelo, j por tantos
doles naturaes, por tantas prcrosalivas da realeza
e do p^der, se assignala por tanta sabedoria e por
lanos actos de singular generosidade ; o povo
que vive sombra de seu reinado, que ve n'Elle
a sua segunda Providencia, tem sobrada razo
para votar-llie lodo o seu amor, para cncher-se
de orgulho e possuir-sede nobre salisfaco, ao
conlempla-lo na grandeza e na gloria qu o cer-
ca. O Sr. D. Pedro II, cujo nuine abeneoado por
lodos os brasciros verdaderamente pajriolas, vai
passando j de paos a ilhos, como ura svmbolo
augusto de beneficencia, como um lypo naprc-
ciavel de illuslraco c de tino poltico, 6 esse
Soberano to conspicuo por seu proprio mrito
e diguidade, e anda mais digno das heneaos de
lodos, quando se reflecte que n'esse Vtillo Emi-
nente esto incarnados os raros caracteres que
lo raramente se manifestara nos Imperantes e nos
Res.
Eporisso que os povos que Elle governa o
sadaui constantemente na effusao do mais vivo
entliusiasmo : por isso, anda mais, que os per-
nambucanos, lo liberaes e lo monarchistas, se
lem penetrado do to entranhavel conleiitaracn-
to, levando o altelo, que lho tributara, ao ponto
de una quasi devoco, se assim a podemos qua-
li Picar.
Nao cslranhem, pois, os vindouros, n5o se. sor-
prenda a Europa, quando souberem que ha no
011 tro povo. Se ha orgulho n'islo, ha tambera ra-
zo para tfil-'o :somos d'honlem, sim, mas a
nossa historia val mais que muilas oulras que
menos se elevara, porque sao menos puras.
Quando assim nos exprimimos, ha, porventura,
alguni devaneio, algum desvario do nossa par-
le? Phantasiamosou dizemos a verdade? Anda-
nos o espirito pelas regies da fbula e das Recoea
poticas, ou percorremos cora seguranza os "do-
minios da verdade ?
Ninguem nos contestar a siucerdade com que
fallamos : o que todos presenc.ira c niedlam 6
Desses filhos de Marte e Lusitania
a sir Georg.j Grey, govemaJor da colonia, na
qual da noticia da descoberta de um lago muito
mais consideravel da que o lago Ngami, Essa
caria, datada do 1,' de Junho de 1859, foi es-
cripta das margens do rio Shire, e diz o se-
guintc :
Meu querido sir Jorge : descobrimos ubi-
mente um magnifico lago, depois de percorrer-
mos esle rio, na distancia da 100 milhas, na
chalupa a vapor, e 50 outras milhas a p. Tem
o nome de lago bhiwa, e comparativamente com
elle, o lago Ngami apenas urna podada agua.
Oque lorna esla descoberta anda mais impor-
tante que, segundo affirmam os naturaes do
paiz, urna lingua de ierra de cinco a sais millias
o separa do grande lago JNanja ou Niljinesi
que Burln quiz explorar. Nada sabemos rela-
livamenla a esse explora lor, porlanto nao pode-
mos dizer so eile conseguiu ou no os resultados
designados. O lago Shirwa nao lera sabidas
e as suas aguas sao polaveis, Abunda em peixes,
san^uesugas, crocoJilhos e hipopotamas. Ex-
plorando urna das ramificaees do Shiraa, cha-
mada Rice, descobrimos que o lago apeiias dista
30 milhas da um ponto at onde se podo nave-
gar com a chalupa a vapor. Est cercado de
lodos os lados por elevadas monlanhas coberlas
de verdura. Urna d'essas monlanhas, conheci-
di pelo nome de Zomba, lera 6,000 ps de al-
tura, e recorda pela sua fama a moolanha de
Tabla. O eume Ja montanha inhabitado
A par da Zomba ha outras montanhas igual-
mente altas, porra inacessiveis. Toda esta re-
gio muito elevada : o proprio lago esia a
2,000 ps cima do nivel do mar ; lem 20 ou
30 milhas de largura e 50 a 60 decompriraento.
Subindo a urna altura avistamos, a grande dis-
tancia, 2 montanhas que destacavam, como pe-
quenas illus, n'um horisonte de agua. A jul-
gar pela dimenso das ondas, elle deve ter urna
grande profundidade.
ninguem seus ttulos de honra o de bro oa-
cional.
Era um quadro som exemplo. O transito fora
maravilhoso, por entre osapplausos e as explo-
ros de inelTavel gozo, que lodos urna s vo/.
deixavam transparecer por toda parle. Quando a
brigada parou era frente do paco, j as muliides
eram innumeraveis naquelle 'ponto. Apoz ura
brado ruidoso de entliusiasmo, que se afervorou
com a presenta de S. S. M. M. na varanda de
sua imperial residencia, e com o Iroar magestdso
do hyinuo nacional, honvc um profundo silencio.
O velho Capibaribe, surgindo do meio das aguas.
a scena que lambem nos transporta-; se a nter- I em sua concha de perola, dirigi enlo a S. |S.
prclamos de algum modo, a nossa linguagem nao ; M. M. a homenagem do seu sincero amor e ros-
pae deixar de ser exacta.
O bellissimo e inspirador expectaculo que se
nos offereceu cm a noite de 25 de novembro pas-
sado, um d'esses episodios de summo interesse
o de prodigioso enVilo que raro se estampara no
drama inteiro da vida de um povo.
peito. Era o feudo inequvoco, era o tributo in-
genuo pago por esse rio aos Imperantes, que jse
dgnaram de visitar esla provincia, ondeolle cor-
re c serpea constantemente, atravez de lanas flo-
res, e sob a influencia de tantas auras bonanzo-
sas e frescas.
Depois as Nyades, sngelas c loucas como
Mlhares de cidados, congregados para um s I imagens do amor casto, cntoaram o 1
no coraco d seus fiis subditos, tem demons- | mundo, c na prsenle poca, um Imperante que
Irado de um modo nolavel quanto sabe apreciar lauto se eleva, pela grandeza que lhe c propria,
os sentimentos sinceros d'esie povo, que ser quanto pela rarissinia popularidade que suas pes-
sempre um s pensamento e urna s idea, toda a
vez que lhe for necessario dar testemunho de
seus iostnctos de ordein, de liberdade e de amor
munarchia.
Os innmeros espectculos ah esto patentes
a todas as horas, a todos os movimentos : sao
espectculos esses que di/.cm mais por si mesmos
que todos os commenlarios historeos ; porque
elles se passam vista de todos, com um esplen-
dore urna vivacidade indefiniveis.
Nao esquece a ninguem, no meio de scenas
to apparatosas edo to rara suavidade, o nomo
auspicioso c bemdicto da Imperafriz, d'essa to
Inclyla Soberana, que poderamos denominar cora
justica a virtude personificada.
Em quanto esses bellissimos episodios de um
drama lo precioso e admiravel se desenrolam ah
cm todos os ponlos d*esta capital, e em vanos
lugares que a Imperial visita j lera ido inflaru-
mar de mais perto, despcrtando-lhes anda mais
o enthusiasmo e o jubilo : pensara todos, desde
crois- elevado at o mais humilde dos cidados,
soaes qualidades tornara cada vez mais sincera,
mais viva e mais indestruclivcl. O imperio que
se levantara um dia, cora lana firmeza e com
lana pompa, n'uma das regies do novo_Conti-
nente, boje um colosso que denuncia j urna
duraeo de seculos; o em laes circuraslancias
nada lhe poder tolhcr os passos no caminho
progressivo, que vai soguindo desassombrado.
Mas, se esse imperio o nico da Amorica se
adianta j para unta vida lo longa, e se abalall-
en para lo esperancosos futuros, sobretudo,
por que tem sua frente um Principe que sabo
ser Monarcha c pai de seus subditos.
f. porque os povos que lhe prestam respeito o
homenagem, comprehendem qual a vordadeira
liberdade, e sabem que o throno, ante o qual se
curvam, um monumento para a patria, um em-
blema glorioso, um brazo indelevel que.lhes af-
lianra una iualteravel prosperidade. E porque
todos nos, pernambucanos c hrasileiros, nao tro-
camos a nossa honra e as nossas tradices no-
bres pelas tradices e pela honra de qualquer
flm, dominados por um s peusameulo, quize-
ram, por urna preciosissima ailegoria, represen-
tar em si mesmos essas phalanges de tantos bra-
vos guerreros, que n'outras eras souberam en-
grandecer-se por suas adrairaveis fa^anhas, pelo
sen illiraitado heroisrao, na defeza e na liberda-
de desta heroica provincia. Os valentes qua pug-
naran! como lees em Tabocas, na Estancia, no
Arraial e em Guararapes; os invenciveis que l-
veram ardiuienlo bastante pira levar de rojo os
esquadres belgas, as hosles aguerridas da Hol-
landa ; tiveram naquella noilc seus representan-
tes allegorcos nos balalhoes populares, quo os i-
lhos d'esla deliciosa trra organisarara cora tanta
suraptuosidado e elegancia.
llerdeiros d'essa gloria, que mais de tres secu-
los tem comraemorado sempre, c que os aunaos
patrios apontam era suas bnlhan'.es paginas, el-
les, cidados soldados, nao se conleularam com
imitar seus avs pelo bro que os distingue a
lodos: quizeram mais, turara adianlc. Arregi-
raentarara-se, dispozeram se, trajarara uniformes
expressivos e regulares, e sob o commando de ura
dos bravos da Independencia, de um dos nossos
mais Ilustres comprovincianos, prepararani-se
assim para um novo e esplendido festejo.
Reunidos no largo do Carino, d'ahi parliram
esses balalhoes populares formando urna brigada,
e acompanbando um carro de triumpho, magnfi-
camente adornado, ondoso viam, n urna formosa
ailegoria. o velho Capibaribe e sete das mais bel-
las Nyades que demorara cm seu dominio.
N'essa marcha de formosissimo apparoto, dir-
girani-se lodos em poucos momentos ao largo
do paco Imperial, ao som de harmonas deleito-
sas, c de jubilosos vivas que rompiam de todas
as fileiras, e do meio das turbas cnthusisticas
que os seguiam em tropel. Iara com elles mais
dous batahes preparados quasi de improviso :
um tinha por nome e por timbro22 de Kovem
bro; e o oulro surgi do centro do mesmo povo
que entao, como sempre, grave e nao cede a
como as
1110 a p.
M. a imperatriz ; e os batahes patriticos, e o
povo era cardume, c todos porfa, levantara m
n'um s grito a voz enrgica do contentamente,
aue cchoou em todos os ngulos daquelle vastis-
tissirao campo. D'ahi a pauco essas phalaugeK.
com todo esse apparatoso cortijo,desfilaram pelfls
ras da cidade ; visitaram os mrincipa.es monu-
mentos artsticos erguidos em difieren tes puntes,
da capital; e sempre fervorosas e aleares tiveram
de rocolher-se mais tardo aos seus quarteis, no
meio das mais estrepitosas manifestarles de ap-
plauso e de regosijo.
Que prova tudo isto ? O que ja havenios di o
por mais de una vez : o amor dos povos un
grande testemunho que falla em prol da grande-
za e da bondade dos principes.
Tudo quo se houvesse de exprimir semclhan- da 3 do correntY
le respeito seria pouco : fados ha que se 1100
explicara : v-los medir-lhes a importancia,
ler-lhes o proprio elogio.
olvidava, dizeme-lo, ao pisar pela primoira vez
em Pernambuco, ao visitar a lena elassica da li-
berdade.
O monarcha se diguou de visitar Olinda ; e
esla, avelhantada j, ergueu-se do leilo onde a
lem enllocado a, negligencia de alguns espirilos
egostas ; e revestio-se de galas o de pompa, de
flores e de atavies seus, para acolher em seu re-
cinto o sen Augusto e Generoso Hospede.
Recostada ao longc, em suas eminencias de
relv;., em seus montes pittorescos, ora suas col-
linas saudosas ella mira-sc, de ha muito, as
aguas (l'um rio que lh" banha os contornos, e
as vagas do Ocano que nao si> peija de bei-
jar-lhc as plantas.
Dominadora oulr'ora, quasi soberana dos ma-
res que por alli se eslendeni, vio ella irem-lhe
ddinbando pouco a pouco ns toreas malcraos.
Escasseou-lhe a industria, fugio-llie o commer-
cio, desamparoii-a a sciencia, abandonaram-na
era sua enfennidade prematura e mullo remadia-
vel, e deixiram-na lalvez apenas com a sua he-
ranca de fe e de religio, com os seos templos
e sacerdotes, rom os seus collngiosdo educaeo,
que, sem duvida, de muito mais estmulos nc-
cessilam.
MONTES EM HESPANHA.
Da estatislica geral dos montes pblicos feia
pela repartigao de engonheria ha em Hespanha
30,646 montes, que medem 10,186,014 hec-
trea. Os montes inalienaveis sao 10,872, dos
quaes perleucem ao estado 1,639, aos povos
9,058 e s corporagoes civis 175, com urna ex-
tenso entre todos de 3,427,561 hectares. Os
mants exceptuados da venda sao 19,227, pe -
lencando 3,49i ao estado, 16,227 aos povos e
53 s corporar5es civis, com um total de.. ..,
6,758,483 hectares.
LUTO NA SUECIA.
O rei Osear da Suecia roorreu a 8 de julho,
e os funeraes fizeram-se cora grande pompa em
Siockolmo. Poroccasio da morle desle so-
berano todos os habitantes da Suecia toraaram
lulo. Urna correspondencia de Siockolmo, que
publica a a Gazeta do Norte d curiosos por-
menores sobre o lulo na Suecia.
A correspondencia diz :
Sabis que por morle dos nossos reis todo-
tomamos luto, porm ignoraes, sem duvida, a
sua forma original.
As mullieres vestem de preto, e usara urna
louca branca cora um largo capotudo ou ro-
raeira, queas assemelha s rodeiras de alguns
conventos de Fracra. Os homens trajara caiga
prela e casaca preta, cuja gola e guarnicies sao
cobertas de crep branco.
Usam, alero dislo, grvala branca com orna
comprid volt partida, como a dos magistra-
dos. Figurai, pois, a povoajo d'uma cidade,
to Ja assim vestida, e julgareis quanto lgu-
bre e montono, mas tambera imponente o es-
pertaculo que offerece.
O luto continuar, ao menos officialmenie,
al lindar o praso de seis mezes, depois da mor-
a do rei ; porin, findos os tres mezes, deixa-se
o luto pezado pelo alliviado, que como por
toda a parte.
ligio : todos elles seguirn) do campo do pa-
co (boje Campo das Princezas), quando SS. MM.
se dignaram de partir para esta vagem.
Apenas SS. MM. chegaram a Olinda, soes do contentamenlo foram innmeras e un-
nimes ; e desde os monumentos artsticos que
alli se viam ao eolrar no Varadouro, desde a casa
da cmara que se ochava decentemente prepara-
da, at as de mais ras por onde SS. MM. tive-
ram de transitar, ao subirem para a S, o rego-
sijo era completo, as raoslras de salisfaco eram
publicas.
Seria bem dfficl para nos o entrar agora na
evposico de ludo quanlo alli se passou, do que
havia de elegante alli, sob a relago d'arte, do
que havia de expressivo as inscrpees do arco,
recordando a antiga capital de Pernambuco.
Ainda mais dilficil fra desenhar o sumrno pra-
zer, de que todos se achavam possuidos por lo
imprtame visita: desde a municipalidade, asse
nlinras que receberam S. M. a Imperalriz, os ci-
dados de lodas as classes. ateo povo mais rude,
um s desejo arrebatara a lodos, e lodos pensa-
vatn n'um s objeelo.
Esses cavalleros que lo galhardos acompa-
nhara SS. MM. al Olinda, eram incansaveis em
Era impossivel que a antiga Marim. a pr -
raeira capital de Pernambuco, Ibealro de tant;s
proesas na poca do dominio hollandcz, se con
servas.se ndifTerente ao impulso patritico di-
que esta provincia vai dando solemnes previ s
todos os dias.
A vel ha Olinda que tem um livro de tradices
to bollase valiosas, que vira sempre o sea'a-
me inscripto na memoria de todos, e 003 fastos
histricos do paiz, nao polia esquecer-se dds
brases bordados, malbaratar seus bros, sen
pundonor, e essa legitima altivez que se funda,
Sara ella, no seu proprio solo, teslemunha d|o
croismo de ura Malinas de Albuqnerque, djc
um Henriquc Dias, do um Brrelo e de lanos
oulros.
Por outro lado o grande Imperador do Brasi .
o Sr. D Pedro II, nao se olvidava, sem duvida
dessa cidade, hoje pobre e decadente, mas qus
nao s
lanos ttulos nobililam e cugraudeccni
/"
MUTILADO
Nao podiam, verdade, nrrancar-lhe o patrie- I victorial'-o, em seguil'-os por todos os pontos
tiento : tornara-a este juveuil, quando ja decahe Ida cidade, em darem provas exuberantes deseo
para a velhice ; e cm tal caso Olinda, a des-1 amor as iustiluices do paiz, ao Monarcha e
thronada, remo;ou, reergueu-se, reanimou-se sua Excelsa Consorte.
de lodo, quando o monarcha mostrou desejoso de Alguns d'esses digamol'-o, por que a verda-
v.'la. E lem ella muita razao para tanto : do I de), nao sendo hrasileiros pela nacionalidade.
Soberano que lhe pode pro vi r principalmente a j ruostravam sel'-o pelo bro e pelo patriotismo :
sua completa rehabilitaco ; que lhe bao de par- o qne prova que a fesla do povo presentemente
tir os signaes precursores c propicios de melho- i a fesla de iodos, a fesla de todo o paiz.
ramelo e de una nova existencia. I.................
Preparou-sc, portento, para urna recepeodig-1
na do Personagem Elevado que ia visital'-a ; c! Quando SS. MM. vollavm noite, a piltoresca
essa honra porque suspira lano elle a oble ve no Olinda, saudosa de to rara visita, mas ufana pru
loT-a gozado, illuminava-so de todo ; e essa ve-
! Iba murallia de monlanhas era enlo um pano-
Era ura dia claro e sereno : a madrugada fra rama lindissimo, c de mullo feriis inspiraces,
deliciosa : o ar eslava purissimo : a viagem de- 1 para o historiador c para o philosopho.
vera ser incantadora.
Pelas 6 horas manha pouco mais ou menos,
SS. MM. pailiram em seu coche para a cidade de Esses briososcavallcirosdos quaes j fallamos.
Olinda, aconipanhadas pela sua especial comili-' entravam com SS. MM. n'esta cidade. s \) para
.... n nn. ..:.. _...!__ ____j__rj_ ______- I .. 11 1_____ ...,:. J_ ...;._ .... _r 1
va, e por muilas pessoas gradas da provincia.
Essa viagem lo sublime em si mesma foi una
nova inspirarn, 11 m novo Ihenia para por cm
mnvimenlo a populaco da capital : foi ainda
um grande assumplo para um dos mais a-
gradaveis, dos mais expressivos, dos mais bellos
espectculos que al boje temos presenciado.
Mais do duzentos cavalleros, deccnlemenle
vestidos, e elegantemente montados, seguiam de
em lomo o coche imperial, cm alas regulares ;
prorompiam em vivas, exprimam-se na lingua-
gem de um entliusiasmo sem limiltes ; c por lo-
dos os pontos al Olinda, repicsenlaram sempre
esle papel eminenteinenle patritico, c de um
lo espontaneo liberalismo.
Eram jovens de familias dislincla, de verda-
deira posicosocial, mtiitos commerciantes. mui-
tos proprctaiios, lioraeus de reputacao e de pres*
as 9 horas o meia da noite ; e ao passarem pelas
ras, na volta, ao tocarem no largo do paco c ao
relirareni-se depois, ouviram-se-lbesaiuidados
os gritos de fervor patritico, as saudaces que
Ibes dictava o cnlhusiasmo, as dcmonslraces de
jubilo que eram incessantes.
Paremos aqu. Tudo islo a que nos referimos
de ura senlimenio e de uraa poesa admi-
raves ; e ludo islo demonstra cada vez mais o
pensamento do Imperador Constancio, quando
dizia :O mais ine.rhaurivel thesouro dosprir-
cipes o amor dos poros.
T. B.
PER.VVIP. I. JJ F !>*:.tltll- IHjH
'