Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08801

Full Text
1847.


a-se todos os dial que iiho
Mi.rt : preo da atlignalura liede
? ^s[j>oi q.!W-r ^( < tinta*"*- Os "-
5 dos asignantes j1i> inseridos a rns.io lo
irlinlia, '" 'n lTP dilb-mile, e as
M pala metada. O que ni.0 forem aasig-
pa-irSo 80 rs. por linlia, e 18U oin lypo
.en, poraid publicado.
,nle, poraaii* pti
..ASES A O ME'A DK DEZEUltllO.
|l.i*DOV. a T. i' 6 l'0l" e l'ininulos da manh.
I<,.. DO. > "v -;------------. .
|JL;scflita i'one 6 ""J niaun*a.
11 u*W* a ?l. s 0 ">* e 49 '"'" rla ,a,,re-
y uToaute a 29, s 11 Loras c 29 mo. PARTID* DOS CORP.EIOS.
Utfianna e Paralaba s segundas eseita fein.
tlio-lirande-do-Nortequinlasfeirasao meio-dia
Cabo, Sennlicm, llio-Formoso,Poflo-Calvo e
Mapeid. no l.*, a 11 e 21 de cada mez.
(laranliuns e Bonito, a S e 23.
Boa-Vi."1* e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quiuiaj-fciras.
Oinda, todos os dias.
PIlEAMA DE HOJE.
I'rimeira, as II) Loras e b4 mininos da man!:.".:..
Segunda, as 11 lloras e 18 minutos da tarde.
de Dezembro Anno XXIV.
N. 29*.
DAS D\ SEUANA.
CAMHIOSNO DA 25 DEDBZSNBRO.
Secunda S. Joio arnstolo c ov:.n!elsf. Sobre Londres 27 d. por IJ rs. a
a Pars 160 rs. por franco.
CO di..
Terra, iJG Os Sanl s liinoceiilrs.
Quarti S. Tbomai are.
Quinta. S. Salii".o.
fcila. .f. S. Silvestre.
alil ado. >< >> Cfrewneiiio do cubor.
Domingo. S. Uidoio
Lisboa 95 por 100 doptpmio.
l),sc. de Irmas !. Loas firmal I a I U V. >" "
Molidas do 61 oovelb. I6?I06 a i
ileCtOO nov I6600 a lOfino
, ,. de 1)006..... f R06 a Ul
pr(,_l'.t.coei.,........ !* l
PeSOl roluiiiinics... I|<0 a l.'1'"
Hitos mexicanos ... IfOOa 1*00
Miada............. HOOOa l|t.O
Aceta da eomp. do Bebtrlbe de SOfOO rs.ao par.
^ s^a m
P#RTE OFFICW
COMMANDO DAS ARMAS.
, Quarlel do commando das armas na cidade do Reci-
fe, 9 de deiembro de 1847.
ORDF.M DO DA N. 31.
O commando das armas nnmea para scu aldan-
le de ordens ao Sr. leiiciite do estado-maior Jos
Ignacio ilc Medeiros llego Monleiro (cando des-
ligado da companbia de artfices que se acha ad-
diilo.
Manotl Ignacio de Carvalho Mcndonfa,
t-------------
Quarleldo commando das armas na cidade do llecife,
10 de dezembro de I87.
ORDOI DO DA N. 32.
Ocommamlanto das armas faz conslnr guarni-
rilo, para os Qjis csicncntes quo S. M. o Im pe-
i'jiiL lio tifingo r hein por aviso da rcparlicio da
gflcrra de 30 de otiluhro ultimo, conceder licty;a
para estudar na escola militar da coi te o curso de
sua arma aoSr. alferes do sexto balalhflo de cala-
dores, Alcxandrc Augusto de Fras Villar; e por Oti-
lio aviso de 20 do novembro prximo passado con-
ceder ao Sr. scgundb-tenenlc do segundo batalho
deartilliarla a p, Francisco Rapliacl de Mello liego,
Irez mezes de liecnca cun sold, para vir esta
provincia.
Manotl guaci de Carvalho Itendunca.
as guias que se houvcr de p.nsssr s pravas que
ora se manda excluir, irflo consignadas por inlciro
as sentencas que liveram cm primeira e segunda
instancia. ,, .. ,
Manoel Ignacio de Carvalho Mcndonca.
EXTERKR.
Quarlel do commando das armas na cidade do l'.ecife,
11 de dezembro de 1847.
^.'^ OltDKMDODIAN. 33.
Ocommandantcdas armas publica, para conhe-
cimcnlo da guarnidlo, o aviso que se seguo expe-
dido pela reparticilo dos negocios da guerra, na data
de 11 de novembro prximo (indo,que por copia llie
fot transtnittido polo Bxm. Sur. concclhciro presi-
dente da .provincia cm 7 do correnle.
I." Secco. lili, c Exm. Sr. S. M.
ji quem rol presente o ollicio de V. KXC.
r Ito do corrento anno sob n. 83, rea
tivamente'is duvidas que suscitou o ex-eomman-
tc interino das armas dessa provincia acerca da
verdatleira intelligencla ilo artigo qnarlo da provi-
siio concclho supremo militar, de 21 de marco
de 1829, e ultima parle do artigo 13 las nstruecos
le 10 de Janeiro de 1843 ; lia por liem mandar de-
clarara V. F.xc. que, logo que as iracas condem-
nadasa Iraballios pblicos tenbain tido cxclusfo ,
ainda que temporaria dos corpos a que perteneam,
nao devem inais ser addidas a algum dos coi pos do
excrcito o aim.sermandadas para as cadeias pu-
blicas, quando mo possam seguir imniediatiimon-
le aosseus destinos ; obtendo desde entilo os soc-
corros caritativos pelas repartibles a quem forem
ellas entregues na forma declarada na circular de
15 de novembro de 1831 o decreto n. 421 de 26 de
junho de 1845; o que tambem se acba explicado no
lim do citado artigo 13 das nstruccOcs cima referi-
das, e na proviso de 29 de fevereiro de 1844. -Dos
guarde a V. F.xc. Palacio do Rio-dc-Janeiro cm
11 do novembro le 1847. Antonio Manoel de Mil-
lo. Sr. presidente da provincia de Pernainbuco.-
Cumpro-se.-- Palacio de l'ernambtico, 6 de dezem-
bro do 1847. l'into Chicho/ro.Conforme.-- Thn-
doro Machado Freir l'ercira dava.
"OsSrs. eommandantes de corpos remllenlo bojo
mesnio secretaria militar urna relaeflo nominal
das pracas sentenciadas aos Iraba 11)08 pblicos ,
com espccilicacio das sentencas, so ja eslao ou
nflo entregues autoridade civil, o linalmente se
silo ou nilo'soccorridas pelos corpos a que perlen-
cem ou estilo addidas alim do se providenciar
no sentido do referido aviso.
Manoel Ignacio de Carvalho Vendonen.
i
Ji
Quarlel do commando das armas na cidade do llccife, 13
de dtzembro de 1847.
ORDF.M DO DA N. 34.
Segundo as dsposic'CS do imperial aviso de II do
novembro ultimo, publicado na ordem do da 11 do
correnle, sob n. 33, determina ocommandantcdas
armas que nesta data sejam excluidos, c remeltulos
com guia ao jui/.o municipal da 1.' vara desla cida-
de.os.Jioldados do primeiro balalliHodo catadores,
addidos ao segundo de artilliaria a pe. Carlos Jos,
Jos Concalves. Joaquim Jos de Santa Anua, Joflo
Andr da Costa, Joaquim Porfirio e Manoel Francis-
ca de Olivcira, todos sentenciados, pelo enme de se-
gunda descrcHo aggravada,' a quatro anuos de Ira-
ballios pblicos na tilia de Fernando, bem como o
soldado Antonio Morena, do sexlo batallio de caca-
dores, sentenciado a quatro anuos de trabalbos na
referida ilba. .
Estas pracas Hcam com demissao temporaria los
corpos u quo perlencem, e passam a ser soecorridaa
caritativamente no sonlidu da circular de 15 de no-i
vembro de 1831. e do decrelo n. 421, de 26 de jtinlio
do 1845t O soldado da companbia de artfices, Ni
lippe Jos de Santa Anua, que na supradita tilia esta
,......, ...... i' ....i.,,ii. Irnu IIIS
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBtiCO.
I.isbu, 8 de novembro de 1817.
A demonstraco que, no lia dos annns de ol-rei,
fizeram oscabralistas, nio concorrendo ao beija-
mfo, nem llie dando vivas ou palmas noile no
Ibealro de San-Carlos, ficando ludo mudo c silen-
cioso, quaiido SS. MM. appareceram na regia tribu-
na, niio obstante tocar-so o cantar-so o bymno,
comparecendo lodos ou quasi lodos paisana os
que silo militares] c os que silo palacianos scniiis
competentes fardas, e nem sequr de ctiquela. so-
bresal indo a todos o conde de Tliomar, ebefe dos
cabralistas, que eslava n'uma frisa, de casaca prcta
e calca branca, a sorrir-se Iraicoeiramente, e o c-
lebre e bojudo Joilozinlio, que eslava na plateia su-
perior, e que, sendo coronel de um dos balalbOes
nacionaes, faz'ia alarde le urna sobicrnsaca bem or-
linaria ;a demonslracno, repilo, e os precedentes
que bouve, quo foram a proclamado c pasquins,
que se allixaram al as paredes do paco, occupar.am
por alguns dias os nimos e a imprensa peridica.
A proclamado, (*; quo os jornacs progressistas
transcrevemeom as competemos ioflexi"ies, comeca
por fazer alarde, de triumpbos, insulta o partido pro-
gressisla a quem cbahia accUo Sctembro-Migtiol-
Carrasco, ataca a Inglaterra, o SCU lopresontanle
lord Seymour, e o duque de Palmclla, a quem acen-
sa de querer vender Portugal Inglaterra. Depois
segue-se o sesointo trecho:
Carlistas.' NSo vos. deixeis Iludir, crodilal no
que vosdizemos; urna alia personagem nflo he es-
.1 iranlia a todos esles infames manejos, coalligada
u boje com os nossos inlmigos toniou-se o foco da
grande conspiraeRo contra as nossas liberdades.
Este periodo alinde positivamente a el-re, que,
como ja llie disse na minlia aniel ior, se oppOc liojc
exaltacflo dos Cabrees, e com este motivo parece
lereni liavido entre os lous regios esposos senas
oonlestacOes e desiiileiligencios.
A proclamacOo termina com novos insultos a In-
glaterra c a lord Seymour; e dizendo que se nflo
leve consentir n'oulro ministerio que nflo soja o do
conde le Tliomar, a que chama honrado Portugucz,
leal e svmbolo ce nacionalidade.
O partido cahralislii, lecordnndo-se davantsgcm
e posieflo rcsneilavl que, em is:i6, o partido selem-
brisla tomou incarnando-se no principio da naciona-
lidade. poroccasilto dos aconlccimeiilos do Beim,
nuer-so intrincheirar boje esse baluarte, uo con-
siderando, poim, que os sous antecedentes o lacios
posteriores, sobrettido o pedido da iiiU'ivinc>>, o as
relacoes que se asseguiam existir coin a llespanlia,
nao llie diio direito a invocar essa nacionalidade,
nem a que ninguein os acredito; c lodos vcm lyssa
invocactlo um pretexto poltico para tlrabir as mas-
gas, que irflo para toda a parle, menos para o lado
dos cabralistas. '
0 pasquim que se allixou ate as paredes do pa-
co, di/.ia assm : O real..... [S ilesiguacao be IflO
indecente, qucn&o nos airevemos a transcrev-
la-.... que tantos contos coniuanacao, pretende
vender Portugal a Inglaterra. Carlistas alerta .
Ha quem diga que muitos desles pasquins lorain
encontrados al no interior do palacio.
Os ornees progressistas, transa evondo estes do-
cumentos, aecusam violentamente os cabralistas,
quesedefendem no seu orgflo, o kslandarle, decli-
nando a rosponsabilidade nos progressistas, eatln-
buiudo-llic o estratagema. Porm so mesroo lem-
)i o dito Estandarte continua a invectivar el-rc, c
desencadeia a sua sanlia contra 08 ministros, di-
zendo nuc ierecm os ossos motdos n um potro .
Esquecm-merazcr-ine men;8o deduas circums-
laticias, que con oboram o pacto leito enlre os ca-
bralistas para desfeitearem el-rei. lie a primeira quo
nciilium dos cabralistas do nonieada poz lumina-
rias, sendo muilo nolavel que neni o mesnio Rernar-
do.'alfaiate, ivulgo conde das agulliasj a* pozesse,
uandobo senipro dos primaros nesses regoMjos
\ segunda fui, que, costuma.ido scropre o gpvorno
civil a comprar 200 ou 100 bilhetOS de platoia para
distribuir pelos corpos da guarnicflo o pe as repar-
llCOeS, sendo esles agraciados coi.) 08billetes os
quevflo dar os vivas, no da dos anuos de Ol-ro ,
nflo comprou odilogoverno civil nem um so In-
Esle assumplooccuparia por muito lempo os ni-
mos o a aprensa, se outro mais importante o nflo
viesse substituir ; c he esse a cr.se iii.ni.te, al em
que nos adiamos c a que se alhi ma dora luga, o se-
gU|'arece que, alen, da caria dirkida pelo principe
Alberto, esposo da rai.iha de IngTaJxr.a, a el-re. I).
Fernando, odeoutraa dirigidas tndem a me si,a
nersoi.agni pelo nosso miuMUru em Londres, lord
K mentn, receloso doserios ataques no prximo
na lame ito que se vai abrir qua.ilo ....los, oll.e.ara
1 lor, Sovmour, ordeando-ll.o que hzesse CUWpr.r
a odo o usto o ,..0100110. Em cousequenaa disto,
o ministro brltaifnico pedio, o otate no dia Mdo
passado, una enlrev.s.la a ra.nl.a, c segundo dlzoni
Iho Tallou com tanta energa e firmeza, que S.M.
iTccbe una commoeflo l&JD l'm'te, M'"' se indispoz, e
roi preciso sangrar-se nodia 31. Opina asseguiam
que a sua indisposiCO toi motivada pelo avancado
da sua gravidez, o que be mais provavel.
Diz-so que sir li. Seymour exigir a inudan-
Ca de ministerio, rompondo-se osle de liomens que
nflo fossem cabralilas; a icv.sao dos nccnwa-
nienlos para que as elecVs fossetn liyres e o-
gaes ;- a demissflo do marquez de Fronteira, los
cargos de governa.bir civil, o do commandanto
geral dosbatalhOes nacionaes; a demissflo do
D. Carlos Masc.iienlias, do commando da guar-
da municipal: a de oulros commandanlos de
corpos;--a dissolucSo dos batalhOes nacionaes:
-c a demissao de todos os govornadoros ciis, a
oxeepeflo do de Cimbra. Ajuiita-so que exigua una
resposla definitiva al ao da 8 ; porque, dovendo o
parlamento inglczabrir-senodra.l, ogovernoque-
ra oslar habilitado para responder a pergenias que
a e.-te respeito Ihe lizo-eni ; anieacando ao mesmo
lempo din pedir >s seVs passaporlcsc nlnai-se, no
caso de nflosercm allendi.lasas suas exigencias.
\ causa dcslo passo lito decisivo dado pela In-
glaterra lie explicada i or alguns da maneira se-
Quinte: A Inglaterra nlloqucr perder do maneira
. alguma a hiDuencia na Pennsula ; tcndo-llie la-
. Ihado a tentativa que rezllespanba, para urna mu-
danca de poltica, o sondo alli vencida pela influ-
. enca liaiiceza, dirigida pela perspicacia de tan
Filippe, tenia dar agora o golpe cm Porluga cu
. asconsequencias devem innuir naturalmente em
, Uospanba. OexilodeSla tentativa he que todos
esperam com anciedade.
Soja o quo lor, he cato quo nodia 1." do corrcn-
leroram os ministros chamados ao paco, odalli
viera... para as secretarias onde Iraballiaram ate
,,'nilolaile, expedindo varios decretos. allou-sa
,!a demissao do marquez de Fronteira, eda nomca-
rilo do si. I.anchor para o cargo de governador ci-
vil do Lisboa, n de Porto; porem disse-so logo,
nuenlo Icceitava nem urna, nem nutra cousa. Pa-
rece quo OS decretos que o governo expedir, con-
tinbam as demissoes dos governadores civis das pro-
* No'la 2 ospalhou-sc que o marques de Fronteira
ostava disposto a resistir, so o domillissoin; o que
em consequoncia disto, o miniserio pcdiri ai aua
demissao que lora aceita, e quet.uha sido cbam.-
d o Sr. Rodrigo da Fot-seca Magalbcs paraicompr
o ministerio, do qual lorminam parlos Ss...-
dede lavradio, Jcrvs do Atouguia o oulroscava-
'i'sTa-noticia causo., a maior elTervescencia no
partido cabralisla. S batallioos foram convidados
ara se reunirn e sabirem para a ra, se nao se
nomciassoum ministerio cabralisla; porem rece-
heanr ordoni lo con.le de Tliomar para n.io iazo-
icn movimento algum, sem aviso doli.
Parece que bouve rcuniSodos coiuniandaiiles dos
corpos, convocada polo marque/, do Fronteira, o
quo lodos decidiram resistir ao governo, oexcen-
Cflo do coronel do granadeiros da reinita, o de I.
Carlos Mascarenlis, os qiiacs reprovaratn altrnenlo
lu resistencia; loque Ibes provieram algunsdcs-
iroslos pessoaes. Oulros asseguram que I). Carlos se
decidir alinal a resistir tamban DO governo.
nimiamente correram osseguintes lualos, nuc
se pretenda illudi ainda as exigencias inglesas, o
quo um dos queacinselliaia a resistencia a ellas era
coisconde la Carrdra, domuiado pola inlluencia
rrancesa pois foi por muito lempo nosso ministro
em Paria o he lioio aio o niestre dos principes. Que
ou o ministerio nao sabia, o coulinuava na direc-
eflo dos negocios, nao se leudo encarroado de com-
i a rotura adiiiinistra;floo Sr. Rodrigo dn lonso-
caMagallies como se linha dito; ou so formara
um ministerio dos Sra. duque deSaldanba, arce-
hispo deMylilena, Simase marquez de Fronteira,
licandoo Sr. Ferrao, que passana para a ';
lii/-se lambem que n'uma roumflo que liouve i m
casa de Costa Cabial se decidua que, se n lo SO 110-
moasse um gabinete oomposto dos innaos urata,
ou bis Sis. t.orjao, Miranda, .pre.si.lcnlo la K.I..
Laboriin, duque da Toreara e marquez ^*roille.-
ra, houvesso una rovoluQao. Parece que, nossa
"niao, costa cabial exhortara os comnianda, tes
dos coreos ai io o abandonaren., oque ces pro
melleram obedoc6-lo. Ajunla-sequeo aaoUM
Calual se lora laucar aos pos do milUStro ingUc,
prometiendo alraicoar Narvaoz e Luis Hli -l^, >
auto que elle lbe pieslasse auxilio para ir 10
un'Or Duvida-sc lano da lenl.Uiva do Costa Ca-
se o conde de Tliomar deu tal passo, tol CO.li o inlu
lo de alraicoor depois o ministro ingle/..
estamos, Pois, na expectativa acerca da ctm mi-
nisterial, o to quaoa safloos seusresultados, que
elifldve demorar muito, pois W**"*-
deiroo prazo marcado pelo ministro 'B1^""'
Ja |,ojo. Amaoha ou depois leve baver una de-
'''o'oonde lo Tojal deu nltima.nonle um tanlar.
,,, ussislirampalmirante !"-eoBSj%
,,ar. (iscahralislas duem que este banquete im
celeliraraalliancafeitaentree almirante iu-

: ludas as lardos aposs.im-se do caes do
sodio, o, como no lempo do I). Miguel, maltratan o
lo.e.ii os wluliat, como naquello lempo eram eace-
lados os liberaes. Infelizmente, como naquello
tempo as autoridades eapolieia apoiam os cace-
leros pois uno hojo os mallraUdoa>tambcm vo
presos para o l.imoeiro, aparece quo nFio aria"'
prolecciio as auloiidados. Custa acrcr quo islosi
pratiqiten'umpais, quo sodizgovernadoconsliln
cionalmenlo. .
Ko Porto acontece miro lano; tom liavnlo es-
pancamento, qucbradellas de vidros o oulros insul-
los Me Hflososcaecteiros, quo pela maior parlo
silo militaros, quo rominottoni tiestas o oulras tro-
pelas -- a loica armada lamban pratica o
para
lippe Jos de Santa Anua, que na suprad ta i.l a, esta J A p publicamos con. um ortigo
. ... -do a senlenca de quatro anuos de 1ir.al,all,o9|^";,(' J dr miembro, em o n. 28G desle DtarS..
pblicos, oca., de ser soccorrido, como ale agora,Ida IteoluraOa* .eterno 0 1R
pela companbia. '
lez e el
les ; porem sabe-so que Na|
icr
se jacta de
^migodelodos'.iPo'irug.uezes /masque, niih-
oxacssin.o, hade cuu?pr.r com B8 ontMIi Un
sai Koverno. Alan disso consta que leu dito a
a cin o nier OWH-, que, se houver alguma bermrda
b lsli, manda desembarcar logo g"am ges
inglesas em tona, para reprimir a todo o cu,lo o
ii.ovimenlo revolucionarlo.
x franca publica continua a ser precaria la -
lo em Lisboa croo no Forte edemais Mirras do rei-
no. Os caecteiros esnancuin quem Ibes parece, pe-
uiaudiios, e uin destacamento de cacadores n. S
commetlcu laes, cm Meiflofrio. que el-rei, como
commandanto em chefe do cxercilo oxncdio urna
ordem ao commandanto do corpo, na qual, depoisuo
llioeslranharo proccdimenlo dos sous soldados, os
manda m.ller em concclho, c rocommenda quo so
de promplo o oxemplar castigo aos culpados.
A imprensa progressista conlinna a faser mencao
isillegalidadese violencias commetlidas nasclei-
cOcs municipacs. Parccequoem Castellov-Broncb bu
.imadas tenas onde so commellcram mais 0XCCS-
sos o BovernadorcNilAlhanoCaldoira, ltimamen-
te demiltdo, roi o chefe dos turbulentos, o naocca-
siflo daoleioao fez um disenso dizendo i|.ie gedcvia
KUCrrear o governo, porque nflo era governo; pois
uroiii governava eram os Inglezes, o quo ello ira e-
niillidO l'elos Ingleses, nominando lodos os eniprc-
cados atiminislralivos, doixou son. frca o aceno >
novo governador civil, Manoel l.ui/ Pcrcira, homem
de boas inli nooos, mas sem iosolm;flo alguma. Os
commandantes dos corpos alli estacionados manda-
ran! postar palrulhas as estradas o ras para aru-
ccnlarcm os eletores. Tendo Joflo da tonseca, um
dos nriucipars proprelarios da cidade, representado
a uill dos commandanlos dos cupos que ora esoruii-
nador o estado do insubordinaco dos soldados, ro
insultado, cescapou de ser assassinado pelaDiga.
Desd0 enso rcinou competa anarchia: todas as
,,rias se rocharom, o os habitantes se melteram em
,,sa; a cidade licou desata; e su vagava.n pelas
ras os soldados enfurecidos, acutilando quem po
acaso oncoutravam. Sallaran! dentro quinta,do
bariTo doOlciros, ondo passeavam os DlbMdwle, o
deram com urna podra na cabcQa de urna las lill.as
lo dito bar.".o Apezar do. todas esas yiolonc m.o
demasas, os cabralistas so venceram a clei?fio da < l-
dade porM votos, c perderam-na mis domis cou-
ceibos do dislriclo. ,
Emoutras torras, ondo nao leemliavido estas airo
cidades, tom vencido a eloieflo o par id, popular.
Dz-so que as dcepcxaa das commissOcs revisoras
dosrecenseamenloscm Lisboa .nontam a rnaisdo
um cont do reta. Os jornacs progress.stas^ex gom
que a cmara municipal de cuntas donde segaslou
lano dinbeiro. ... ,,,..
o eoverno podio aos govornadoros civis urna tol i-
eflo iTosadminslradorpsdcconcollio que devem sor
demitlidos, o dos individuos quo os deyom subsl -
luir o mesmo governo tan posto a concurso algu-
nas igreias I alucinaos quo se achavam yagas.
Continuando os apuros financelros do governo,
issliu como os clamlos dos empregados pblicos
auohavia muitos mozes nao reccbam cinco res;
SioTerno. nao Ibes podando pagar os yencmcnlos
BoVinteri, mandn aatialaxcr-lliea melado do mos
Se outubro ulli.no, c o mes le marco tamben, ul i-
mo, dando-so aos empregados, pea nutra motado
do oulubro, ...na ecdula, da qual so descontara a do-
cima o ,s cinco porccntoaddicionaes. Para Tasc
rrcnlc a esles pagamontosc aos subsoquentos, ogo-
vernocrcou a somma de i.sculos conloa de,rcw
cm bilhetes admissivois na quarta parle dosdireilos
quesepagaremnoalfandcga grande do lisbo... na
das Seto Cosas, no lerreiro publico o no altaiidega
do Porto, desde o I. de dezen.bro prximo fti(toro
oindianlc; soifdo golpeados os ditos bilhetes, logo
nuecntrem as ditas asas llscaes. Ogovcrno man-
uou tambem recolher dos cores ccnliacs dos dis-
Iricloa (odas as quantias que cxislirem as recebe-
dorias, para so eirectuarem os pagamentos quo or-
denou Knlrelanto, nenhuma desloa modulas mc-
Ihorou o crdito, o agio das notas do banco, etnvea
do baixar, lem subido, acba-se a 2,000 tcis.
Parece que o governo quor nltender as.lua..,..
aosofllciaes amnistiados em livoramonte; poisno-
meou i ara isso urna commiss9o do ofllciaes gonoraes
osuiioriorcs, odousfacultativos, ahm dcoxaminar
os ditos ofliciacs, e depois de os classilicarr segundo
seu estado de sadc, patcnlcs o annos do sorvico, re-
nelter essa relaeflo aogovorno, para esto decan
sobre a intua sorlo dos ditos inicuos. Veremos
qual lieacollococao que Ihedao.
S \l. a rainha Ion leli/.n.ontc a luz nodia ido
cnenle, pouoodepois da unta hora da tarde, um
robusto infante, cujo taustoacoutecimenlo Im an-
nunciado por gyrandolas de roguoles oassalvas do
eslylo i) principe rccomnascido ioi logo napvisauo
,,a capel I a real do paco, e receben o nomo do Augus-
ta sendo pedrinbo, porprocuracao, oirmaodoel-
roi Nodia seguinte asaistiram el-rei eos principes
cus lillios, os ministros, bs cmboixadorcs < a corto
a um ic-lhum em accBo le graoas, na igreja caihc-
draJ .Segundo o costme toemhavido ircaiMasue
feriado em todas aareparticoes, salvas uasforlale-
/as, lepiques de sinos o lumitiatias.
I ni consequencia do impedimento da r.....lia,
.clin-so el-rei encarregado deassistir ao despacho
dos ministros, ea rubrica dos diplomas com chan-
cella.
S M. a rainha c o principe rccem-nascido passam
sen. navidado. Esta occuncucia pateco Vil cnl.a\ar
a decisflo da crise ministerial.
1 _
MUTILADO




o

92**smm!*Mm,



O mnrquez do Fayal, ncompanhado da mar-
n : /.i sua esposa a de oulras sonitonta, '.issini como
do n.arqucz dasMinhas, dos condes dasAlcagovas
e Calveas, do visrondo de S da Baiidcira, o outras
isdistinclas, flzeram umaexcurgta ao canal
i Vzambuja, cujas obras so acharo muito adianta-
d ,( djs qti|oso marque/ do Fayal he fundador o
presidente ila emprcza. I m magnifico a I mogo fo
ofli nocido pilo marquczaossousconvidados,a bor-
do do vapor que os eonduzio Azambuja,
Oconde do Villa-Real, I). Fernando di! Souza
Botelho, ltimamente chegado de \ngola, parti
um ricatos 'lias para Italia, onda sua esposa va i ic>la-
1( lecor i sua damnificada sado.
NOTICIAS DI-: NEW-YOKK.-
i i carta do Washington com data de 22 do oulu-
1 id, transcripta no Herald do 2o, di/ o seguidle so-
lire as relagoes entro o Brasil o os l.siados-l ni-
l
O Sr. Leal, encarregado do negocios interinoiio
Brasil, recebeu desou governo inslrucgCesdo nalu-
rej i tal, que promottom o ajuste satisfactorio do to-
'' as dilllculdadcs pond&iles entro o Brasil eos
i i los-L'nidos. O Sr. Leal ja leve, dopois da rocep-
> i! s instrueges, uma ou duas entrevistas com
i. prrotariorde estado, e ha toda a probabilidado de
(| sobre as recentes c desgranadas dcsintclligen-
i"is, dovidas deshonrosa conducta dos concoide -
ros do imperador, dar o sen actual representante
junio a este governo explicares laos, quo torno o
niais feliz resnl!a.!o.
;' Si. ''. iso. ox-ministrn d is Estados-Uuidos nesla
- : linliH fhega lo a Norfolk.
o los iliieiti)S suluo o cafe importado nos
i ,om naviosbrasileiros, acha-se doc-
1 iravelmente para a nossa navegagSo.
ssemos, leferindo-nosao Herald do .New-York,
'i 'pelo ministerio da fazenda se Italia expedido
> :; a Uhlos o-; inspectores do alfandegas para
c rom o direlii' do 20' sobre o cafe importado
i l'andcira brasileira. Na occasiio om quo foi ex-
i esl i ordem, havia uma embarcaglu brasileira
i don c outra cui Philadclphia, o a respeilode
; fui posta em cxecugio ossa medida. Posle-
1 ente, porcm, fui ella derogada pela seguinte
circular:
Rrparligiodo Ihesouio, II deoulubro de 1847.
< Sendo informado pela secretaria do estado do
< dopois da eessaeao do tratado do 12 de dezem-
l o de 1828, entro os Eslados-Uiiidqs e o Brasil, quo
rou om 12 do dezembro de 1841, lem procedido
vernodo Brasil a respeito do nosso commcrcio
< i ivogagflo da mesma maneira porque loria pro-
n i lo se aquello Ira lado cstivesse anda om vigor,
iu-so conveniente que, por emqnanto, procc-
. isc o governo dos Estados-Unidos do igual ma-
I Ordcna-se-vos conscquonlemenle que. adinil-
t; s livre de direilos, segundo o disposlo no anno-
! da lana do 30 du julho do 1846, o cale do
lodo directamente daquetle paiz om
reages perlencentes aquella nagSo, e que
I mente sentis ditos navios o cargas de todo e
|ucr dircilo dilTerencial de imporlago ou lo-
"' II. J. \Vai.ki;i\.
Da.cidade do Mxico alcarTgam as noticias a 28 de
lembro. s Americanos eslavam de posso tran-
: daquella capital, que comogava a sci abas-
ii ida regularmente pelo povo dos arredoros.
(loongresso mexicano eslava reunido em Qucro-
(aro, ;> legoas distante da capital, o para all mar-
i'ain tambom os restos du exercito em lrra de
1 homens rommandados pelo general llenera.
- ni Anna demittio-sc da presidencia, e organisou-
-' um governo provisorio de que ero chele, ae-
:undoas disposigocs da constiluigao de Iguala; o
sidento do supremo tribunal do Justina, Pena \
l'ena
i os da lomada da ca| ilal, nonhum movimcnlo
linliam feito as loicasamericanas. Dos Eslados-U-
conlinuavam achegar-lhcs roforcos, caflir-
iva-so quo antes dos hns do novembro loria o
icral .Scoltum exercito de 30,000 homens Quo I
sern resultado liual desta invasflo f U Herald res-
pela maneira seguinle :
l)governonSodesojaoblcr una porgfiomaior
lo territorio mexicano do que aquella que com-
i ivhcudia o projecto do Sr. Buchanhan, de que foi
I orlador o Sr. Trist. Baslam-uosas Californias o o
.\ovo-.Moxico, I'or ma nao lomos precisan de mai's.
I.ni balde, porm, fecharamos os olhos as conse-
que n sultarOo da conlnuaglo 'la
guerra por paito do Mxico. Ou nos o queirantos
1 ii no, ou seja ou nao do nosso interes.se, sera
i bsolutami ntc impossivel deixar de oceupar todo o
|aiz. Eossepaiz, se o chegarmos a oceupar em to-
da a sua cxlensflo, nunca poder recuperar a su::
posigio como uaeao iudepi:ndeule.' lis II0SSOSCOI1-
.!i rrumar-se-ho por todo o paiz, entro rilo
em traiiacgcs commerciaes, adquirrilo parlo das
ierras, e em vflo procuraramos desapossa-los da
sua propricdad, ou obriga-los a subinettorem-se
oslis do .Mxico, lia cuniiuuacao da lula resultar
nlo,a annexacilo de todo o paiz, edepois
upocio militar qiier dizer absorp^So. Com as
s tropas em todas as cidades e villas, teriloos
.anos um governo como nao tem tido lia 25
ios; julgar-se-hilo lilo seguros sob a sua protec-
i o, quo nao qucrerlo perd-lo. lia de levar neces-
inmentoalgum lempo a inspirar-lhcs essa con-
. mas hilo do adquiri-la gradualmente e com
certeza. SIu lAo grandes os solfrmeiilos porque
'- i ssar os seus ciados militaros, quo
;' imdeixai do querer lemeos nussos.
i l mal do Cotnmercto )
Desde o momento em quo os mous olhos tiveram
a dita desorem espectadoras da belleza genuina da
Uto mimosa supplicada, os ardentes impulsos de
hymeneu so. accenderam na acceso pyra do mcu
lomo melifluo e apaixonado cora^flo que desde
logo abalen as bondeiras do indifferentismo e cn-
cravando a arlilhara da resistencia se considerou
illoso priaioneiro da excelsa vencedora Entfio
l.xm. pai da inais encantadora das mulhcrcs do seu
sexo ou engagoi o meu coraqai no seu servc.o c
resolv dar-lhe a minha mo polos Iiiqos indesata-
vesdosagrado matrimonio,e isto na conformlda-
de do l'>angelho e das leis em vigor. Tarobem go-
/.ti a fortuna sempiterna de dancar com tilo divina
objeelo tres contradanzas seguidas duas valsas i
una polka no bailo da minha prima a baronesa
de.... a cuja estirpe tonho a honra de pertencer
por urna escala antecedente de vos, oque melhor
se pode ver do extracto da minha arvore geneal-
gica que lenhoa honra de rcmctler inclusivo.
Por lodos estes motivos geraos- e especiaes, e va-
rios outros de grande peso e consentaneos ao decoro
publico, lenho a honra, Sr. do vos pedir para
minha consorte lgalo em legitimo consorcio a
Kxm." lilha do V. Exc. a Sr." D... leanJo prompto
para enlabolar com V. Exc. pessoalraente ou por pro-
curarlo om forma os preliminares desta negoeiacSo,
quevai felicitar aquello que atnito espera a voss
Ir.I mu.i!i'-.i resposla o. ultimtum.
. f.
Peridico dos l'ohies no Parto.)
O NUMERO SETE.
Ha niuilo quo era noite o cu, debriic,os sobre o
paropcilo da janello, mudamente contemplan,i a
nalureza que semprohe bella !..A lu%encoborla por
cinzentas nnvens, nao doixava ver seu disco hrillian-
le.'..Era um desses momentos, em que o ponsarnon-
to, incapaz de applicar-se profundamente a ohjccto
algum de importancia, a cada passo enconlra um
tropego, urna reflexiio a fazer em qualqucr frivoli-
dado ;' mas que, lambem as vezes, na apparencia tilo
leve elende-itit ponto de chamar o espirito alten-
rJo,'e fazer-nos exclamar sem querer :~he clebre !
Tudo om roda considerava, mas sempro com des-
piezo : va 0 mar embravecido entilo, c ineus ollos,
com aborreeimento, se tiravam doli ; va o co tao
bello,e franzirinvoluntario meenrugava a fronte;
via Olinda, a eidade potica 0 moribunda, cnlao
dormitando, e uma exclaniaQao de tediome faz a
mudar do pensar tSoinspido!...Do repente selo-
assobios l'orlissimos parliram de um canto da ra....
vollei-mo para o lado donde pareciam ler viudo,
procurando, com o clarSo duvidosoila la, dcsco-
lirir (|iiem os dora,mas....nada ; esperei um pou-
co....nada !...
Minhas ideias se lixaram ncllcs !... l.ogo seto,
exclame,que numero exquisito.. Finsolodas,
creou e sanlilicoii Daos o mundo.....seto--das dou
n Noc, para preveni-lo a entrar na arca....seto-
liares t'.v animaos, que nao l'ossein immundos, man-
dn Dos que mellesso nella.....soteanuos servio
Jacob para alcanzar Lia, esetopara alcanzarRa-
chel .... tem solo loltras -- Jehovah, palavra
mystcriosa que Doos pronunciou no Mon te-Si nal, c
que e/'f mesmo significa.....sele luzes temo
candelabro do tarbenaculo.....selesao os dons
do Espirito-Santo.... Joseph--llhostimode Ja-
cob e figura do Chrislo,foi feliz pelosonho do Phara,
com selo vaccas o seto-- espigas....ho sti-
mo da de cada semana, inandou Dos (jue descan-
sassoinos.....por --setenta hebdmadas, (espago de
seleilias) se moslrou a Daniel viuda do los-
sas. ... sote sao os sacramentos da groja.... no
stimomoz nasce o homem perfeito.....omse-
to dados se divido a vida do homem.....*sctc
silo os saldos da Grecia Bias de PrineChilon de
EspartaMyson de LaconiaPittaco do Mytillona
Soln de AlhenasPeriandfo do CorinthoC.leobu-
lo de Linde. do selo--cmsele anuos desean-
[sa alona, para melhor fructificar.. ..em sote -cli-
mas dividiiam os sabios o mundo.....sotesito os
mov meu tos cimaabaixoadianteatrs cs-
querda dircitaeao redor.....selesito as cir-
cumslancias principaesdos objeclos : a figura plana,
a figura solida,o modo,a distancia,o lainanho
e o numero,.....asetecabecea so reduzem os
pocoados moraos,.....e a duas vezes soteos arti-
go da le.....desetentapessoas se cmpunha
familia com que Jacob eutrou no Egypto,.e por
setentadas, se Ihe fizeram exequias, quando ah
morrou.....adozasote do abrilcomoeou o dilu-
vio. .. sote casas, chama-so-o lugar onde si
arrecadam os direilos sobre os gneros da Ierra, quo
en Ira ni para o consumo do Lisboa....satohe vul-
garmente indicio do mentira....selesilo os propa-
la torios da academia....Aqupare um pouco para
lomar folego, julgan lo tambcn esgotado tudo que
acercadestenumero saba..mas, olhandopara o co..
coiilinuei : de soteestrellas consta a ursa inaor,
conslellacao hureal,.... de sele estrellas tambom
constam os Pleiades, ou*-sele-cstrello--outr cons-
lollagao.....doseto-especies silo as creaturas : espi-
rituaos,do simples corpo incorruplivol,de corpo
.simples corruplivnl,de corpo composlo racionan-
do corpo composto irracional,corpo d'alma VOgC-
lilva,corpo inteiramenlo morto-.... sotecida-
des dispularam a honra de sera patria de Homero
Smyrna llhodes ColophonteSalami ChlosAr-
osAlhenas.... setosao as illias JouiasCorf
silo as dores do Nossa Senhora........AT|i^r,,eius Iei;
'ores, icnham a bondado de esperar, cmquanv- "j
tomar cha,pois vcram chamar-me.
Filgueim Jamor.
Publiceos a pedido.
G4RMBN
DEDICADO ao Sr: Antonio Borges da lonteca por o seu
amigo o Dr. Joa de Barros FLCA" de Alduqi'erquf
UMknttkO, no da 17 desle mez, por occasio da dis-
solucao dos jurados, que nee dia seachavam reu-
nidos em numero de M, total que mirra a lei,
em conset/uencia do desenvolv ment da opi-
nio publica em favor do dito II. da Panuca.
He grata aos Deoscs a firmeza d'alin i
Que nao se abalo srdida impostura,
Que os rumores do vulgo vao despreza,
Que estriba na innocencia.
Elpino Duriense.
Triumphaste, ecomtigo a lberdado :
Ossetellites vis do despotismo,
Diante da rasflo, das lela, do mundo,
Paludos, mostos, recuaram trmulos.
Audaz philosopha, os vis escravos,
Ao leu pharol, em trevas alsemados,
Attonitos sofFreram baque horrvol.
(iracas i luz, aoseculo, ao progresso!
O piolo gomo, a lbenla le o escolta,
He rasiio norte seu, Natura o guia :
Desapparecem, voam, lsoabysmam,
l'i'oeonceitos, terrores, fanatismo.
E tu, Borges na senda da yrlude,
Campeffo denodado, altivo e lodo,
Vais de eolio orgullioso, e nao manchado,
Direito e firme, a san postendade.
La te aguarda um padrio, te aguarda um busto ;
E os vindouros dirflo : Ho elle, existe !
Eemquanto houvcr no mundo liberdado,
O apostlo seu lera seus louros.
Variedades.
CARTA Ql'E UM SL'JEITO ESCREVEU A OTRO I'E-
m.MiO-LIIKA III.IIA PARA ESPOSA.
1ltm. cExm.Snr. Sem Uvera a felicidado do
sujr.a eloquente facundia o talento ndlsivel e
rrlativo de un Denioslhcncs, de um cicero, e
o um JoSo Xavier de Mallos ; se CU llvessc toda a
saheiloi a do doulores da lei, ludo, Exm. Sr,, sena
i ouco para pintar, debuxar, esculpir, representar e
cantar hcioicamonlo a belleza encantadora, innata
' matutina da Exm.1 Sr." I). I'.. .. augusta o se-
ri .-.-una progenie da extirpe de V. l-.xc. o cantar
volateis passarnhos areos, das rolas e rouxi-1sulas da Europa.......-selesOo os signos da mu-
ues os fragantes aromes da rosa, do cravo, dojsica------solo- he o maor grao uu rilo maconico
ji .-uim, o ale das |a;lilhas, nada m para conipa- francez -sele palmos do lena perlonccm a cada
/ rcom oschoiros .la sua l.xm." lilha mimo is, o encanto do lieos vendado como se pode, a independencia do Brasil-... a-sote-de abril te-
>cr da mytliologia a que 0)0 reporto. jve lugar a abdicarlo do Sr. D. Pedro I.....sele
S.-MauraPaxos'l'heaki- C.liephalonia/.ante
Clrigo...scle*-lovarhe o nomo que lem a par-
tida, no jogo da banca, inmediata ao paroliin. ..
( hegando-se l'edro diz a Eacriplura -- a etie
rnio, perguntou, guantas reset podei peccar meu ir-
miio contra iniiii, ni's '.'... Hespondeu-lhe Jess : Ao te digosetev^-
zes ; mas que atrsetenta vesesseleteses......
setosao as maravilhas do mundo:..as puamides
do EgiptoO templo do Diana em Ephcsoa estatua
de Jpiter Olmpicoo colosso de llhodeso mau-
I soleoo pharol de Alexandria..os muros cjardins
da Babilonia...-Em 772a Prussia, llussia c Austria,
divdiram entro si o terreno da Polonia...em 774. .
foi Carlos-Magno cordado re de Italia em Moma...
em 778... em Moral, deslruirain os Franco/es as c-
lebres columnas d"ossos de lloiguinhoes, levanta-
das pelos Turcos.....sele loltras tecm mullos no-
nios de homens sabios: LicurgoCalvanidivino
Annibal Mecenas BcntliamAlphiori Vigille
Rapbael Scipifio Ariosto CConell Collard
Rouycr.).....Soteso os nos principaes de fri-
ca :o iNilo... o Nigcr.. ..o Sencgal.... o Cambiao
Zaireo (frangeo o (inania-----sote sao as penm-
BB.EVIS IMCONDITUS ELEGCS.
Pro decasu nunquam satis deplorando Merilisstmi ac
DeridiraUufmi Yiri, potins Hcrois, Domini Tho-
masti Anlonii Ulacielis Montciro, 1tamaracansi Ba-
rona jure mrito insigniti; llrasilicnsis '-.nperii sitb-
dit pnrstanlissia, et Chrhtiana Religionis obedi-
enlissmi filii, etc., etc., etc.
Te Patria.1 Decus, Thomas, Te SUStult aira
Vio.' liliilina; tui jam cecidore dies/
Qnam pulchii, nilidi fiieranl, non pulchrior ipsis
Cmlorum lacios candida virtuscranl.
Te pauper, di ves, magnus, Te parvos adrq,
Coinploclons omnes, lidus amcus eras.
Dexlora, cui, l'elix, irat sortc, petenti
Auxilium haud tribuili1 Cui la vana lides?
(i Paler, frater, gnalum qus diligat icque Y
Et qus sollicilus, quasgenuerc Paires ?
Qu tantum, lien illis .' Riatum amisere Parentcm .'
Quesfrater, patruus, mortuus biece Palor.'
Celsa Toga, sapiens, quando, Te judice, vindex
Astrasa erubuit, non dar cuique suum '.'
Jam magislralus faciul sedere supremo
To solio excelso justtia; quo throno.
ii mcritis plenus lacrimis quam dignus .' amaris
Lamenlis noslrs.' Te ocior aura tulit!
Alque ilerum tantum poterit perferredolorem
Transfixum pectus; lelhiferi, gladii!!
Mactc Heo Thomas, slollis coronatiis in aula
Crelesl es vissus, cclica turba cauat.
Accipias grciles voces modulanlis anTei
Exguum carmen condilum a more Tui.
/. z. Ja.
COMMERCIO,
Alatulega.
RENDINENTO DO DIA 29............ 4:911,275
Descarregam hoje, 30 de dezembro.
Barca l'riscilla carvlo.
Brigue Arago louga.
Itrigue Despique mercaduras
Brigue ero fumo.
Barca Helia-Pernambur.ana mages.
Brigue bulln bacalho.
Itrigue Prudente barricas vasias.
Barca John-lamum farnha e holachinlia.
Brigue l-mmanuel laboado
Brigue San-Domingos mercaduras.
Itrigue Putnam dem.
iMI'ItTACA'.
Sulton, brigue inglcz, viudo de Caspe, entrado no
corente inez, consignado a Me. C.almunt & Compa-
nhia mauifestou m
2.J21 barricas c 1
milanos.
i^cgunle :
io caixas bacalho
aos consig-
CONSULADO GEBAL.
RENDI.ME.NTO DO DIA 29.
Ne,\v-Zealand; 98 das, galera ingleza Charles, i,r
320 toneladas, capilflo D. Smale, cq*upan\n
carga vergas o mas gneros do paiz ; la o c,
Vem refrescare segu para l.niuircJ
Mace; 4 das, barca ngleza Hong-K/igtjjie 5.
toneladas, capilflo Thomas Boyal, cqufpagem 21,
carga algodSo ; a Adamson lovvc. Vem reco-
ber ordens o segu para Liverpool.
Rabia ; 38 das, hiato brasilniro Tentador, de 42 to-
neladas, capilHo Manool Francisco dos Re
pagem 6, carga varios gneros; a Silva & i
te, rqui-
CIVlo.
Deca racocs.
----------- ---------w ,
O Illm. Sr. inspector do arsenal do marinha
manda fazer publico, que, no dia 5 de Janeiro pr-
ximo, contratar o fornecimento depilo o bolacha
liara as embarcagOe'5 da armada o enfermara de ma-
rinha, pelo lempo de tres mozes, contados desde o
da 8 desse mez em diante, ou por mais se o prego a
isto convidar; devendo os pretendentes apresen-
tar as suas propostas em cartas fechadas, at s lt
horas da manhaa daquelle dito dia 5.
Secretara da nspecgilo do arsenal do marinha de
Pernambuco, 29 de dezembro do 1847.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Jnjos.
-- O arsenal de marinha admiti para o seu servi-
go serventes lvres ou escravos, pagando a cada um
o jornal do 560 rs por da. Os pretendentes queiram
quanto antes aprcsenlar-se ao lllm. Sr. inspec-
tor, d'ordem de quem faz-so a prsenle dcclarago.
Secretara da inspcegilo do arsenal de marinha do
Pernambuco, 29 do dezembro de 1847.
O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
0 arsenal de guerra compra azeite de carrapato
o de c>co, lio de algodlo e pavios : quem ditos g-
neros quizer fornecer, mandar sua proposta, em
carta fechada a directora do mesmo arsenal, at o
da 5 do Janeiro do anuo prximo vndouro. Arsenal
de guerra, 29 de dezembro de 1847.
Joo llieardo da Silva,
Amamieire.
0 arsenal de guerra compra 8 duzias de pra-
losde louga branca de p do pedra 8 duzias de
lgellas do dito 65 cobertores de algodilo 400
varas de brim liso 110 covados de chita para co-
berta 4:1 travesseiros de panno de linho, 150 es-
leirs de palha de carnauba : qimiri laes gneros
quizer fornecer mandar sfa proposta, v...i ca^-'a
fechada e as amostras a directora do mesmo ar- >
seal,at o da 4de Janeiro do auno prximo futuro.
Arsenal de guerra, 24 de dezembro de 1847.
Joao Ricardo da Silva,
Amanuense.
0 arsenal de guerra compra 18 livros em bran-
co de papel pautado sendo em formato grande ,
umeom 300 folhas um com 200 ditas, e 3 com
150 ditas cada um ; e 13 em formato mais peque-
no sendo um de 200 folhas, 2 de 155 ditas cada
um e 10 com 50 folhas cada um ; quem laes livros
tver ou quizer se incumbir de os fazer, compare-
cer na sala da directora do mesmo arsenal, das 9
horasda nianliaa as 2 da tarde dos das 29 c 30 do
corrente inez ,e 3 c 4 de Janeiro do antio prximo
luluro.alim de vcrcm os la manilos de que ircvem ser
os livros para (melhor apresentarem suts /ropos-
tas, em carta fechada a mesma directora.
Arsenal de guerra, 24 de dezembro de 1847.
Joi'o Ricardo da Silva,
Amonucnce.
O escrivo chefe da sepunda secco do consulado
provincial, de ordem do lllm. Sr. adminisl'n 'ir do
mesmo consulado, faz constar a lodos os pjoprirta-
rios de predios urbanos dos bairros dcsA cdade,
que, do dia 1.do corrente mez de ilezi>"j'
principia rain a contar os trinta utes para o pagamen-
to, i bocea do cofre, da respectiva dcima do 1. se-
mestre do anuo lnancero corrente de 1847 a 1848 :
e lodos os que deixarem de pagar, dentro do referi-
do prazo, incorrein na mulla do 3 por cont sobre o
valor do seus dbitos o sorao de prompo executa-
dos. Recife, 6 de dezembro do 1847.
No impedimento do escrivo,
JosGuedesSalgueiro.
Coral.
2:307,436
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimonlo do dia 29..............2:626 208
lYBovimcnl do lorlo
Navios entrados no dia 29.
Coponhagen; 65 das, brigue. dinamarquez Emma-
nuel, de 150 toneladas, capilflo L. P. Moberg, cqui-
pagem 9, carga carvlo do podra, taimado e pran-
chOes; o Rolho & Bdoulack.
Lista geral das cartas existentes na administraedo do
correio, entradas em lod o o mez de novembro de 1847..
Antonia Mara de Almeida Andraio, Aurcliano
Constantino C. Amaro do Couto, Amaro Jos F'er-
rera, Alexandre Fcrrer, Alaxandre Jos Silva, Alc-
xandrinoPodro do Amaral, A ntonio Alfonso Vian-
na, Antonio Ferreira Braga, Antonio Facundo do
Nascmenlo, Antonio FernandesLima, Antonio Fer-
nandes Percra, Antonio Fernandos Vellozo, Anto-
nio Francisco Rozerra, Antonio Jorge Jnior An-
tonio Jacinlho Silva Antonio Jos Antunes, Antonio
Jos (ornes Arantes, Antonio Modeiros, Antonio
MartinaCoelho', Antonio Martins Paria, Antonio Mar-
lins Conga Ivs, Antonio Muniz Tavares, Antonio Pe-
rcra Miranda, Antonio Percra Azevedo, Antonio
Rafael, Antonio Rafaol l.ourcngo Antonio Rogo
Mello, Antonio Santos Cordciro, Antonio Santos
Elias, Antonio Sou/.a Silva.
liardaie.oolhly Paler & C. Bazilio Gongalves da
Luz Bernardo Jos Monteiro, Bernardo Lopes Mar-
nelo, Bernard i no Dias Ferreira Grillo, Bernardino
(ionios Franco Keruardino Vieira dos Santos, Rer-
nardino Sena Das, Bernard ino do Souza Mugalhes,
Rento Caryalho Bastos, Rento Joaqun Carvolho.
Clara Faiisliua Mendos, Claiidina Fausta (iliveira,
Cnsul Franro/, Chovalicr J. Kcssler.
Duarlc da Silva Mello, Domingos Cruz Oliveira
Draga, Domingos Garca P. Domingos Joaqum Vi-
nhas, Domingos Joso Poreira C, Domingos Jos Pe-
rcra (iongalves.
Eduardo Collins.
Francisca Fipfnma Abren, Fox & Stodart, Frm-
noAnlono Souza, Francisco Alfonso Bolelho, Fran-
cisco Anlonio R., Francisco Antonio Raeros, Fran-
cisco Antonio (.ornes Braga, Francisco Antonio do
Lima, Francisco da Costa Forraz Francisco das
Chagas Freilas, Francisco Ferreira da Rocha, Fran-
cisco Joaqum 'lavares, Francisco Jos Cardozo ,
Francisco Jos Silva Moraes, Francisco Manuel liap-
tista, Francisco Machado Brindeiro, Francisco Mo-
deiros Furtado Francisco Paula Pereira, Francisco
Regs Lcao Carne!ro.
Uirolano Schcaltino, Geiovane.
II. lintel), Hiplito Agostinbo Oliveira, llerculano
Alvos Pinto.
Ignacio Manoel SoarcsM.
James Peance, Jamos Wynnc & C. Jacinlho Jos
Tavares M. Justino Pinto A. Jeronymo Sanios
Braga Jacinlho Modeiros, Joaqum Antonio Cardo-
zo Jolo Joaqum Rarboza, Joaqum Jeronymo Ci;
nha Joaquim Jos Rarboza Jnior Joaqum Josc
Ferreira Almeida, Joaqum Jos Santos Brrelo .




M-
es ti a
l! -O.StH .
ni i Luiz Aivestianaa, Joaquim Mcndes Cruz
,r.\a. '.jiojgvn Pereira Lima, Joaquim Pinto
loaeffim Pinto Moirellcs, Joaquim ,R.
l08o Alivio Machado, Joo Costa Ribeiro,
a r'emqf ro, Joio Cruz Pino A. L., Joo
ihau./, JOo Jos de Faria, Jofio Luiz Fcr-
b^tO, JoSo Pereira Cardozo, Joflo Pedro Fer-
"SoRunno Silva Pei xa, JofloSoaresMenezes,
* viWa, Josefj Maris, Jos do Almcida Mar-
1 > los Antonio Figuoiredo, Jos Bernardo
-.'Costa Bozorn Jos Costa Carvalho
Cos Costa areira, Jos Faria Costa ,
rerreira, Jos Femandes Vieira, Jos Juliio
IIdQ. Jos Jacintlio Silva, Jos Joaquim Car-
o. 'msi' Joaquim Macodo, Jos Joaquim Paz, Jos
iJoatyuini da Itocha, Jos Luiz Silva CarneirO, Jos
ilonteiro, Jos Malaquas Leal, Jos Marlins P.amos,
os Maria Hamos, Jos Narciso Guimarfes, Jos No-
ueira Soares, Jos Pinto Ferreira,Jos Pereira C.oes
'nior, Jos Rodrigues Porto, JosSouza|Guimaraes,
is Silva Pinliciro, Jos Souza Pacheco, Jos Souza
Silva, Jos Trindado Gravat.
Luiz Franca Mello Jnior.
Maria llarbo/a Andrado C., Maria de Josus Pi-
ionteI, Malinas Alfonso Wanderley MilitSo Bor-
bsUclia Miguel Goncalvos Silva Manoel Anto-
nio Santos Manoel 11. Abreu L. Manoel Rnpozo
llorges Manoel Carvalho Moura Manoel Caetano
Hotta Manoel Costa Lima Manoel Cunta Pereira,
M .noel Carneiro Nascimontn Manoel Estanislao
Costa.Manool Ferreira Harhoza Manoel Joaquim
A. Manoel Joaquim Ferreira Silva, Manoel Jos
Corroa B, Manoel Jos Fernandos Cuiiiar.les, Ma-
noel Jos Gomes B., Manoel Jos Mallos Manoel
Jos Pereira Mello Manoel Jos de Paiva Manoel
us Pereira Piulo Q. Manoel Jos Pereira Maltos ,
Tlanoel Jos Silva V. Manoel Luiz Alves V. Ma-
noel Raulino, Manoel Ribeiro Basto, Manoel Sou-
za Marlins, Mariano Ta/arcs Silva, Manoel Beira.
RoblSenglehart.
Seraflm Jos Corroa N.
Thomas Gardacer & C., Trajano Gomes Pereira.
Vicente GonQalves Ribeiro.
Zeferino Aurcliano, F., Zeferino Francisco da
Silva Order.
THEATRO PUBLICO.
GRANDE E MAGESTOSO PRESEPE."
Hojc', 30 At "corrente,
se rcpreseutari o muito applaudido drama
A CEGUE1RA DE TOCIAS E O ACTO DO NASCI-
MENTO DO MENINO DOS.
O director, para nio demorar lano o espectcu-
lo rediizioos6quadros da peca em mutacocs de
scena a vista, para evitar que o panno desea tan-
tas'vczcs ; modilicou quanto 1 to fui possivcl as sce-
nas, afim de que por%spacosas so nao lorncm ton-
gas demasiadanieiitc. As dansas sorSo difTerenlcs,
esa Tara lodo o possivcl para continuar a agradar
aos amadores dcste diverlimenlo.
<
^
\ visos martimos.
Para a'Rabia sabe, em poucosdias, o liialc na-
rional Ten/ador, forrado o pregado de cobre : para
o resto da carga e passageiros, trata-se com Silva
Grillo, na ra da Moeda, n. II.
Para a Babia segu viagem, no dia 8 de Janeiro,
o pMJ"' Santa-Crin, rcpilo Joaquim Antonio
Gonc/llves i |s Santos : para o resto da carga e pas-
a"eiros, iia-so ao lado do Corpo-Sanlo, loja de
niassainv- n. 25.
-- Para o Aracaty pretendo seguir viagem, ate o
meiado do Janeiro proximo.o brigue-cscuna llenrt-
quilu, meslre Jos Joaquim Alves da Silva : recelie-
r carga para o Ass o Touros : quem nelle qui-
zer carregar entenda-se com o mesmo mcslro ou
na ra da Cadeia-Velba, n. 17 segundo andar.
-Para o Rio-dc-Janeiio sabe poreslcs dias, por
estar quasi promplo, o brigue Sociedad*: parores-
to da carga, passageiros ou escravos a role, falla-
so com Jos Francisco Colares, nos trapichea das es-
eadinhas, ou rra loja do ferragens da esquina da ra
da Cadeia, com ocapilflo.
Avisos diversos.
Perdeu-se, depois das 5 horas da tardo do da
de festa, 25 do corrento, desde o rccollnmcnto de
N. S. daConceiclio de Oliida, pela ladeira da Mise-
ricordia at a ra do Mathias-Fcrreira um saqui-
tel, ou dispensavcl de contas franee/.as de enan-
ca sustentado por differentes voltas do cordilo
grosso de ouro com clcheles grandes, de molde
dos de vestido levando dentro um lenco do soda
pequeo, proprio de menino. Roga-se a quem
achou de restilui-lo na mesma ra do Matlnas-Ier-
raira sobrado grande de varanda de ferro, que re-
ceber boa gralilicaejio.
Precisa-se.de uni caxeiro de 12 a 14 annos :
as Cinco-Ponas rcRnaco n. 106.
A irmandade de N S. da Conceicao dos mili-
tares nfo lhe sondo possivcl ninda elogor o novo
presidente, por falla de irmlos quo se reunam ,
de novo convida a lodos pola ultima vez para que
comparecam no consistorio da referida igreja lio-
io.30 do corrento, pelas 4 horas da tardo, para
cleico ; c previne que esta se proceder com o nu-
mero de irmlos que comparecerem. __
A pcssua que precisado um caixilo de dez pal-
os sendo quo queira menos alguma cousa, lri-
N* r LE I A MI. .. *
".ara fechar'o anuo do 1817.
WT A GAPISTRANADA. A
Epittola ligeira em verso heroico.
Resumo urna orculo do meeting na Cabanga, es-
pecia, do supplcmento da Grande Tcmpcilade, em
honra iros cojos, ele. Vendo-so na praga da Indepen-
dencia, Joja de cncadornador, n. 12. Prcco, 40 rs.
Quem tiver alguma casa quo queira dar gratis
a umasenhora viuva, muito capaz para nella mo-
rar ctor todo cuidado na dita casa, annuncie sua
morada, para so ir tratar.
Existe na ra da Cruz, n. 10, um cachorro
grande com a pcllc branca e algumas malbas pelo
corpo leudo as orelhas compridas o da cor das ma-
lbas : quem forseu dono podo ir busca-Io a men-
cionada casa.
-Precisa-se do um bom amassador que entn-
da bem de masseira : na ra larga do Rozario pe-
dira II- s.
O abaixo assignado ensina em sua casa, no
Atorro-da-Boa-Vista n. 82, geographia e franco/ ,
o ir dar lices om casas particulares.
v Dr. Joaquim de Oliceifa e Soma.
' Precisa-soalugar um primeiro andar do urna
casa, para servir ile escriptorio sendo na ra do
Trapiche-Novo Vigario ou Cruz : nesta typogra-
phia so dir quem precisa.
--Jos Sicario da Silva cstabcleeeii sua aula par-
ticular na ra da Roda sobrado n 35 pertenccnle
ao patrimonio dos exposlos ,_onde mora oSr. pro-
fessorJos Bernardino do Sena o contina ensi-
llar grammatica launa c tamhem se offerece a en-
sinar primeras lellras. As pessoas que do scu pres-
limo se quizercm utilisar, o podem procurar na so-
bredila casa a qualquer hora.
OtTercce-so um bomcm portugiiez para caixei-
ro de una casa particular, para vender mi ra qual-
quer negocio : quem do scu prestimo se quizer uti-
lisar dirija-se a casa de Francisco Jos de l'rcitas
Cuimaries, no paleo de S.-Jos, n. 2, que so lhe di-
r quem he.
Os abaixo assignado, passageiros da barca
porlugueza Delta-l'ernambucana, confundidos cm
extremo pelo exccllente tratamento, delicadas ma-
neiras c allemjoes que receberam do mui digno c
honrado capitflo, Manoel Francisco Nogucra.duran-
te a viagem que lizeram da cdade do Porto para es-
te porto de Pernambuco, vilo por esto modo cum-
prir o deverde I tic votar os mais sinceros o respoi-
losos" agradci.nenlos, declarando-lho igualmente
que jamis Ibes serlo indeleveisas manchas atten-
ciosascom quesemprc os tralou, o subidas finezas
com elles praticadas. Rodo da barca liella-Pcrnnm-
bucana, cm fronte da barra do Peinan buco, 25 do
dozembrode 1847.]os Maria Otas Cuimarcs Jos
Antonio de FariaManoel Joaquim da Costa Maya.
Amonio Joaquim faz de Miranda Francisco Ferreira
l'angil Pinto,"Joaquim llernardo Monleii.-Joaquim
Comes Uuarle. Francisco Jos* Fernia. Antonio
Francisco Nogueira.Manoel tt da Silva.Miguel
Maria de AisumpcaS Lopes.
Na noite do'da 27 do presento niez, furlaran
da sala do vigario da fregnezia de San-Jose una
capa de padre, de alpaca lina o nova; deseja-sc sa-
ber quem foi o ladillo para se arredar a suspeila de
ter sido urna dessas mulhercs do limito, que com-
mummenle todasas noiles vai pedir esinola, o lem
quasi sempre sido soccorrida com alguma conlem-
placilo.
Alugaiti-sc os I.0, 2. c 3." andares da proprio-
dade n. 49da ra da Cruz do Recife: defionto da
mesma, em casa do Sr. Antonio Coelho do Rozario,
onde estilo as chaves, a tratar com o mesmo, ou na
ra da Senzalla-Nova, n 10, primeiro andar.
Remana Thcodora Alves faz scicntc ao res-
pe itavel publico, que nfo se responsabiliza por
qualquer compra que lizer scu marido Jos Joa-
quim Alves, pialico da costa do norte; assim como
lambem avisa a todas as pessoas, que, no caso do
mesmo querer vender algum escravo ou outro
qualquer objecto, dcixem de fa?.er negocio com
dito seu marido, porquanlo o niesmo nao tcm
scu perfeilojuizo. E para que em lempo ncnluim
se chamem ignorancia se faz o presente annun-
cio.
~ Alugam-so c vendem-sc tanto a retalho como
aos centos muito grandes o boas bichas, chega-
dasde llamburgo : lambem so vfo applicar para
mais commodidade dos prctcndciites : na ra es-
treita do Rozario loja de barbeiro n. 19 delronie
da ra das Larangciras.
jfeHAPKOSI>ESOL jj|
Dcsapparcceu, no dia 16 do crrante, pelas 2
horas da tarde, do pateo da Sanla-Craz, um cavi-
lo castanho novo, com urna marra branca na tosa,
e com urna cangalba c seto saceos de carvo vasios ;
nttriboe-se ter ido com algum comboi : quem o pe-
sar leve-o ao Alcrro-da-Boa-Visln, loja do l-ahiis, n.
55, ou na estrada da Tamarineira, a fallar com Ja-
cinlho AfTonso Botclho, que recompensara a quem
Ihelizcr enlrcsa ou lhe dor noticias. Consta que no
mesmo dia 1C, pelas l horas da tarde, passara dito
cavado no meio do um comboi do matulos ja sem
eangalba ; por isso roga-se as autoridades policiaes
que tenham toda a vigilancia.
y
sem saciidor oxpresso.

tTM.
Vende-so urna mulatinha recolbida, de
13 annos, que coso bem, faz lavarinlo,
marca, lem principios do engommado e
he muito desembarazada ; urna dita de (jQgJ
1ia15annos, muito esporta o com prin- ^
eipiosdo habilidades; urna prola de 18 W
annos, de muito bonita (gura, que en-A
gomma solTrivelmente, enzinha o diario ^v
do urna casa, lava de sahilo, o he muito 4fc
C
m
m

desembaracada ; duas ditas do 26 a 30 ,
nos que cozinliam bom o diario de urna
casa, engommain liso, lavam roupa e von-
dem liom na ra ; urna dita do nacilo de
muito boa boecteira do razendas o miude-
/.as, com umatilha do 10 annos quo j
tom principios de costura : dcsla cscrava
so afianeam as boas qualidades : lam- g>
es de ***
hem se vende soma lidia : 3 molecotc
18 a 24 annos, muito habis ; dous pretos
bous para todo oservico; 2 mulatinhos
tle 9 a II annos, muilo cspcrlos" na ra
do Vigario, n. 21, so dir quem vende.
m
i
5'
m & ti
-- Precisa-se alugar um escravo diligente: na fa-
brica de licores da traveseada Concordia.
Precisa-so alugar um preto para o servico de
uma paitara ; paga-so bom : no pateo da S-Cruz ,
pallara n. 6.
Aterro da-Boa-Vist-i n. Ifi.
Ppinm8tc.ui, cutileiro,
lem a honra de participar ao rcspcitavel publico ,
que recebeu, pelo ultimo navio francez um rico
sorlm.enlo de fazendas ile prmeira qualidade, bom
como ': estojos de viagem apparolhados de prala c
de crvstal ; carteiras de algbora de todos os ta-
maitos ; um grande sor ti diento de brides do ac ;
chicotes para carro o montara ; esporas de 8(0 e de
tatu polido ; facas e caivetes de todas as quali-
dades ; tesouras de costura unha e de alfaiale ; na-
valhasde toda prmeira sorle e de quo se garante a
qualidade; polvarinhos ; chumheiras ; espoletas;
cIk minse saca-lrapos.
do corrente a pra:
lo o Sr. Joaquim <>. Elsler e
Roga-se a quem a achou o favor de a *""gf
porque so dever ser paga a ordem do. Sr Vjmctt
co do Carvalho Paes de Andrade a J n' ,l'la ,ct
Ira pertcncia ; c declai a-so que fica null.i se appare
"LTK SSS querer fazer negocio com
duas casas a troco de escravos, drija-se ao pateo da
S.-Cruz, n. 14
Attenco.
Na noite de 19 para 20 do corronle mez, foi ron-
hado cm sua casa Filppo Rodrigues Te.xeira mo-
rador noengonhoConlendas da fregucxia de .Vr
Senhora-da-F.scada.eentreo que Iho levaran ro
uma letttra da quantiadeSOOi rs. sacada por elle,
e aceita por o Sr. Joio Francisco Lopes, rendoin.
d< mesmo engenho, o qual ja esta provenido para
niio.pagar : e por esto se previne ao publico pan
que nessoa alguma faca transaccilo mu dita lema.
- Aluaam-se boas bichas, lanto em tamanbo
comoem qualidade, vindas proximamcnlo do Ham-
burgo : lambem so vendem om porcilo o a relamo .
ludo por proco commodo : na ra larga do Rozario,
n. 52, venda da esquina confronte a groja.
- Aluga-so uma casa lenca na esquina da ma
do Nogueira para S.-Jos, com mullos bons com-
modos: Trotar na praca da Independencia Dvra
ra ns. 6 e 8. ,
-Prccsa-sc.le um amassador: na padanale
una so porta do paleo da S.-Cruz, junto ao sobra-
do da esquina da ra Velba.
Compras.
Jo
Srt*
Compram-se garrafas cboli- ^.
jas vasias: na fabrica de licores
'do Aterro-da-Boa-Visla, n. 17.
Compra-sc uma saia de lavarinlo largo sen-
do deesguiao ou bretanha fina: na ra larga do
Rozario n. 40, segundo andar.
_ Compra-se um caixfo para amostras de venda,
quo lenba 10 palmos de largura c oilo ditos de al-
tura pouco mais ou menos; e um candieiro iran-
ecz em meio uso : quem tiver annuncie.
- Compra-se lita do frceha c barriguda para en-
Oher colchos; paga-so bem : na ra Nova, n. 28,
defronte da groja da Conceicfio.
Vendas.
a
O doutor Alexandre de Souza Pereira
Carino, medico mudou sua residencia
para a ra larga do Rozario n. 12, seg
do e tercero andares do sobrado onde tcm
botio* jSr. Jos Maria Goncalves Ramos.

m^^
m

1
S.
Ra do Passeio*Publico* n.
JotoLoubct participa ao rcspoitavel publico, que
recebeu, por esles nltimosnavos francezes, um com-
nlcto sortimento de chapeos de sol, de scila, a mais
rica c superior qualidade; furta-cres c mitras min-
ias couheculas, lauto para bomens, como para Sras
e
Precisa-sede nm caxciro de boa conduela o
que lenba pratica de negocio : na ra Direila, pa-
itara II. 82.
Precisa-so alugar uma prcta para o servido de
uma casa de pouca familia : na ra estrcila do Ro-
zario n 22, primeiro andar.
Joaquim Juvcncio da Silva embarca para o Rio-
de-Janeiro o. sou oscravo prelo, crioulo de nomo
Antonio.
Furtou-se, ou desencaminhou-sc na noite de
gabbado, 25 do corrente, do sitio amule actual-
mente reside o cnsul inglez no Caldcireiro, um
cito grande o preto da raes de Terra-Nova com
os cabellos enroscados trazando a roda do pesro-
co urna cnllcira com o segunlc lellrciro II. I!. M.
cnsul Pernambuco gravado cm uma chapa ; cha-
ma-se o atiendo ao nomc de A': qualquer pes-
soa que o encontrar, ou soulieraonde existo o po-
dera lova-lo ao dito sitio, ou ao consulado hritanni-
co.rua do Trapiche-Novo, que receber 20,000 rs. de
gratificado: assim como quem o tiver occullo cm
casa e nlo o entregar, sendo depois descoberto ,
ser rigorosamente perseguido pela le.
- Fartirraro-, .no da 22do corrente das 8 para as
9 horas da noite, de cima de.uns prendidos, no caes
por detrs da roa da Prala, um chapeo preto de
massa que tintn dentro varios papis, como Tos-
sem :uma leltra aceita por o lllm. Sr. coronel Jos
de Barros Falcto de l.acerda com alguns recibos
as costas urna obrigaclto impressa da quantia de
91,810 rs. contia o Sr. Manoel Jaco da Silva a ven-
cer-seom margo futuro, o alguns mandados de
embargos. Roga-se as pessoas quo liverem noti-
c meninos. No'mesmo estabelecimento ha um sorti-"ria desloa objectos de os tomarcm e levafeni noticia
ment de chapeos de sol de paninho, dos mais mo- a ra da Praia n 41, queso gratificar,
demos; ditos muito grandes, proprios para homens
m .
ia-soao pateo do Paraizo, n. 20.
- Na ra do Vigario, n.9,cxistem cartas, viudas
do Porto, para os Srs. Manoel Rodrigues de Carva-
lho, Francisco Rodrigues de Carvalho o Francisco
Jos Cequcira Alves de Barboza.
-Precisa-so de um caxciro para urna venda,
nimia mesmo que nilolonha pratica e que do na-
dor a sua conducta: prefer ndo-se algum rapaz por-
tuguez : na ra Imperial, n. 9.
- precisa-sede um pequeo dos recem-chegados
para um loja de mudczas : na.rua larga do Rozario,
n. 35. i m
No dia de Nossa Senhora do Mon-
te, em Olinda, havei sorvetes e petis-
eos para os paluscos da mesma festi 5 c
quem quizer jantar para fra, queira cn-
commendar com antecedencia: no Yaro-
dui.ro, na loj do sobrado do Sr. Joaquim
es de Almeida. -
decampo : Umbem lem chapeos de sol de paninho
para meninos o meninas, por sercm muito linos: po-
dcin-so chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ha sortimento de bengalas,- bengalinhas e chicotes
muito modernos; cobre-se qualquer aru.ac.1o de cha-
peos ile sol, com sodas do todas as cores o qualida-
des Na mesma casa ha um grande sortimento do
pa.minhos trancados e lisos, imitando seda, para
cobrr os mesmos: desta fazenda se vende arelallio.
Concerta-se todo qualquer chapeo de sol, por liavcr
um completo sortimento do todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfciclo c brevidado.
.c
w
I O doutor om medicina Manoel Adriano da |}
:. Silva Pontos, contina a residir na ra larga g
S do Rozario, n. 30, segundo andar ondopo- |
1 de ser procurado qualquer hora: lambem J|
I trata homojopathicamculo aquellos quo se $
# nuizerem subjeitar a este methodo curati- -
I vo o receilarugratutainenlodas 6 as 8 ho-
1 tas'da manliaa e das 3 as 5 da tarde aos
' pobres, quo lambem terflo os remedios gratt \
ornecidos ,elo bolicario
liirw#t(IHl(6tPW
Precisa-so do urna ama secca quo cozinhc o'
diario do urna casa ,com preferencia a uma mulbcr
idosa : na ra da l'niao do lado esquerdo anlc-
penultima casa, indo para a mar.
Aos Srs. de engenho pmprielarios desta praca.
Desnccessario hc-aUogar rasOcs sem obras evi-
dentes, c piWs^om jexccucio por isso o annun-
canle dcixa de fazer mencAo ; a vista pois de quem
pretender, dar-se-lbe-bno os esclarec montos de sua
habililac.au ecapacidade para seinclhanto emprego
de reger e prosperar qualquer engenho, fazendo os
que sito ruina bons, e os que sio bons licarem com
dobrados valores, tanto 110 augmento da safra,
como em ccitas benifeitorias, inda nflo vislas nesta
provincia, liirijam-.se a la das Ciuzcs, sobrado
do um andar com varanda de ferro por cima do
carlorio, ou annunciem.
Desappareccu, na manha do da 24 do cr-
reme, do segundo andar do sobrado da ra Nova,
11. 21, um galo com os sgnaes segoinles i bronco ,
com malbas amarcllas, bstanlo grande o gordo;
he capado e muilo manso. Roga-se a qualquer pes-
soa em cuja casa tciiha elle entrado, que tenha a
hondade de o mandar levar na venda da ra das
Cruzes n. 41 quo se gratificar generosamenle ao
portador.
Veiidim-sc
frocos soitidos, muilo lindos; riquissmos cha-
peos de palha da Italia, c de arroz, a herios o fe-
chados para*salidora c meninas; ditos de palha da
Italia para meninos;ricos bonetes de panno para
bomcm : na ra Nova, n. 10, loja de Hiplito Saint-
Martn & Companhia.
FOLHINIIAS PARA 1848.
Vendem-sc folliinbas dealgideira, de porta e do
padro as mais correlas c mais regulares 1 na pra-
ca da Independencia, livrana ns. c 8 ; na ra aa
Cruz, loja n. 56 ; na ra do Crespo, loja n. II ; na
loja da esquina do Collegio ; na botica do hr. mo-
reira delronie da matriz.
I.IVROS EM RUANCO.
Vendem-sc na praca da Independencia, livrana,
ns- Ce 8. ... .^ ._
Vende-sc um preto marinheiro : 00 lado 10
Corpo-Santo, loja de massames, n. 25.
Bolacliinhade ararula.
Vendcm-se muito novas, no caes da Alfandega, ar-
ma/em n. 1; assim como presuntos para hambre, W
superior qualidade.
SSSF.
Manoel da Silva Santos vende barricas
de familia de trigo da marca SSS1', che-
gtd* no ultimo navio a este mercado.
Vendem-so velvutes pretos e velas de cera do
Rio-de-Janciro : na ra estrella do Rozario n. 3 ,
loja decerieiro o armador de Antonio Valentim.
i^j] Vendem-si, na ruada Cadeia do |W
Irn Recife, n. 37. cera em velas, fa- jC
fr}{ bricadas no Rio-de-Janeiro, em l
pi umi das melbores fabricas, em cai- j^lj
xas pequeas, de tuna at desasis L
1
I
T-
11! ll,,B
(ni libra ;c caixotcs com ditas, la- 1
bricadas em Lisboa, sortimento ao
costo do comprador : e lambem se Jh
vendem brandOes, fabricados no iTij
Hio-de-Janciio, c ludo por preco ()
do que em onlra m{
mais commoilo
'quer parle.
ki
3?
Companhia geral da agricnl-
lura das vinlias do Alio-
Do uro
0 abaixo assignado, agente desta companhia nes-
ta praca de Pernambuco acaba de receber pelo hn-
guc-escuna Felo: uma remessa de vinhos daqUela
companhia, depois que ella foi rcabilitada pela
legislatura de Portugal e dolada com os Tundos
pblicos, pelas le do 21 de abril de 1843 para le-
vara todos os mercados os padrees e balisas do vi-
nlio genuino e puro do Alto-Do uro geralincnte
conhecido pelo uomede vinho do Porto, a (un do
servircm de guia ao commercio. Esta remessa, to-
da de vinhos da mais escolhida qualidade, devo
ofTerecer aos Srs.consumidores, nao so a cerlezn
de sua pureza mas tamhem o lypo verdadeiro dos
exccllentes vinhos do Porto. Espera pois o abaixo
assignado, que os Srs. consumidores se dirigiruo a
sua residencia na ra .la Cadeia do Recite loja
n.51. para tralarem do ajuste do qualquer porcao
que desejarcm. Antonio Francisco de Maraes.
Vendem-sc 12 cadeiras com assenlo do pa-
Ihinha cm bom uso ; um guarda-louga; uma com-
moda de Jacaranda ; duas mesas do sala ; duas ca-
ntas, urna de armacilo c outra sem ella na ra do
Queimado, n. 90.
TILADO
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO
'
M'- 4 "


i

-Vendo-se azeitede carrapato muito bom a
IfiO rs. a garrafa : na ra da matriz da Boa-Vista ,
II. 36.
Vende-so uro hcrco do condur envcrnizado
de noro e que lie do um modelo muito moderno ;
no Aterro-da-Roa-Vista, n..2l.
Vende-se, por 100,000rs. um relogo de al-
gibrra de ouro de repe.tic.8o, dando as doras
como os de paredc, o que lie muito bom regulador:
no Aterio-da-lioa-Vistu, n. 21.
J3
-
-
I -,
Potassa.
potassa mu nova, proxi-
Vende-se
mmenle chegadn do Rio-de-Janeiro
na na da Cadeia-Yt-ilia, armazcm de
Hallar v Olivcira.
FIGOS
chcgados ltimamente do Lisboa, dosupcrior qua-
lidhiro, encallade8, 16 e 32 libras : vcndem-se
no caes da Alfandega arniazcm n. I.
n. 12,
Silva

JVa rua do Crespo, loja
de Jos Joaquim da
SI aya, '
vendem-se muito lindos chapeos para meninas
tanto de se.la como de palhinlia chegados ltima-
mente de Paria ; chapeos de seda para senhora
corles de ciambiaia de seda de ricos gostos, por
I <:-i inulto coininodo; cortes de vostidos de cam-
I :.;i;i ecassa-chitasde dill'orenles qualidades por
| i baratos; ditos coin urna piula de mofo e
sem elle a 3,000 c 2,500 rs. cada corte ; mantas de
seda e lila para scnliora das mais modernas que
leemvindo a esta praga, a 5,000 rs. cada urna
mantas cbales de seda de varias qualidades c ba-
ratos) alpaca pieta, u 800 e 1,600 rs. o covao
panno de linbo, a 400 rs. a vara; casimiras fran-
cezas e elsticas, para caifas, a 5,000 rs. o corte
lustoes; setins o velludos para colleto, por proco
iiiuiloein corita ; bem como um sortimento de nu-
tras minias fazendas, que se vcudem pelo barato.
N a rum do Trapiche, armazem n.
34, de M. Ijernel, vende-se o
seriante :
salame fresco ; presuntos de Wcstphalia ; licores
su perlinos e superiores a todos que'teem cliegado
amigamente; coralito verdadeiro de HollanJa; an-
chovis muito fresco ; absintho da verdadeira marca
e kirschwasser da Suissa wermouth; Crudas em
agoardente; conservas de pelits-poise sardinbas;
ditas inglesas em vinagre; conservas de bajes
-clinitlbolinen) em potes muito Ceseos, cliegado
no ultimo navio de liamburgo ; licor de kirsch em
meias garrafas brancas de superior qualidade; as-
-Mincomo todas as qualidades do vinbos, ago'ar-
dentcs, conservas de carne, etc.; charutos regalos
do llavana; e mtlilos outros objectos de superior
qualidade e por preco mais commodo que em qual-
quei outra parte.
Vcndcin-se fi esclavas, sendo : 3 pretas de
25 anuos, boasquilandeiras, e que lavam bein de
ibffoe varrella ; urna dita de meia idado sem
i; oleada alguina por 230,000 rs.; 2 moleques, um
la 13 anuos, que cozinha soll'rivclmcnte ; um
niulatinhodc 7a Salinos, muito lindo c sem mo-
lestias : no pateo da S.-Cruz n. 4, se dir quem
vende. H
ver um completo sortimento de moendas e machi-
nas de vapor, para engonhosde assucar : hem como
taixas de Cerro batido e coado do todos os tama-
nhos : ludo por prego commodo.
Madama Millochau recebeu polo Cesar ullimo
navio vindo de Franca, um lindo .sortimento de
chapeos de seda da ultima moda, para senhora;
luvasde pellica brancas e 'de cores,do, qualidade su-
perior', para senhora; espartillios; litas; bicos;
tarlatanas cor de rosa, brancas e cor de palha ; tou-
case camisinhasdo moutarin;cambraias delistrase
bordadas ; (raneas do enCoitar vestidos; Cranja de
retro/. ; ricas Clores do ullimo gosto do Pars; um
bonito sortimento de chapeos de senhora do todas
anualidades, e de pallias diversas, desde 2,000 rs.
at 12,000 rs., lisos ; chapos e bonetes de palha da
Italia; ricos filos delinhobranco ; fil de bico preto
de quasi duas varas de largura, para mantas, man-
teletas e vestidos; bicos pretos verdadeiros; bicos
de blondo o* de linbo ; lencos de mito, de todas as
qualidades ; gravalinhas de litas; cinturas do (Ha,
asmis ricas possiveis, para senhora ; cambraias
de iinho puro ; entremeiose tiras bordadas .-fitas de
velludo; rendas de seda e de linbo ; vestidos bor-
dados, brancos ededivorsas cores; visitas do bico.
Madama Millochau contina semprc a Cazor chapos
e vestidos de sclihora toucas para senhora c me-
ninas, por prego muito rasoavei, na sua casado
de modas Crancczas no Aterro-da-Roa-Vista n.
I pri'iieiro andar, dcCrohic do chaCariz.
Vende-so cada um mlbo coin 10 esleirs
do carnauba a 2,400 rs.: na rua dos Tanoeiros,
n. 5.
Vendcm-se, no pateo do Terco, venda n. 7, Co-
lliinhasde porta e algibeira.
Na loja nova da na do Quei-
mado, n. 11 A, de Raymun-
do Carlos Leile, venderse a
1,000 e l,(200 rs.
a vara de um excellenle panno de Iinho que die-
go u ultimamenlu de Portugal, cujas pegass fio de 21
varas : tambem se vende a retalho: assiui como cho-
gou noVo sortimeato do de 800 rs. a vara, e as pe-
cas com 18 varas e meia : anda contina liavor
do de non rs., e bamburgos finos : estilo se aca-
bando os guardanapos de Iinho a 800 rs.
Semen tes de horlalicc
do todas as qualidades, liervil has tortas e diroilas
lejfo-carrapalo: tudo muito novo, vindo de Lis-
boa : na rua da Cruz, n. 62,
'alios
finos.
p
Del mi ras.
Vcndeii-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora ,
j>. lo barato proco de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Usa
lazenda be nova e de muito sublimes gostos sen
do ns suas cores mui opreciavois por serein cor de
,11ro rosa e perola. a elles, antes que se acabem.
Ka i na do Collegio, loja n. 1.
A 4#200 lis.
Na loja de Guimares Serafim&
Companliia rua do Cres-
po, n. 5/
vendem-se chapeos da para hornero, pelo barato ore
code 1^200 rs cada um.
PARA A RESTA.
2Va loja nova da rua do Quei-
ai.ado, n. II A, dettaymun-
do Carlos I.cite ,
vendem-se os mclhcres chapos do Chli, que lecm
apparecido neste mercado, a 16,000 rs. cada um :
taniliem ha de 7,000, 8,000 e 9,000 rs.; mantas do
seda a 2,000 4,000, 10,000 e 16,000 rs. cada urna ;
um novo sortimento do chapos francezes; lucias
pretas e grandes, para padre, a 600 rs. o par ; c um
completo sortimento de pannos finos, do todas as
dies por precos commodos.
Va rua da Cadcia-velha, u,
20, loja de ,1. O. ISIster,
iende-sc vmho do Porto, de diversasqnalidades;
dito ila Madeira ; dito de Malaga ; dito de Sbenv ;
dito de Carcavcllos; dito de Tenerife; .lito do Lis-
boa dito doRheino; dito Claves; dito Sauter-
iie ; dita de liordeaux; dito Cliatcaux-la-roso; dilo
s.-Juliim; ditoS.-(.corgo;ago*ardentc de Franca, ..,
levaras qualidades; cherry-cordial ; marraschi- 110, prin
no ; licores linos; PTIMA CMAMPAMIA.ein garrafas -- Ven
inleiras e moas ditas ; velas de composiSflo ; cha
preto e verdo do superior qualidade; presuntos o
salames de llamburgo; sardinbas em lalase vidros;
I etits-pois, em latas; moslarda ingleza o france-
za ; vidros com frutas em calda le assucar e espi-
rito; agoa de flor de laranja ; CHARUTOS E IIA-
\ AMA b. DA IlAlllA ; e outros inuitos objectos : ludo
reccntemcntc cliegado.
Vendem-se caixas de cha bysson de 13 libras,
niiporgSo, ou a retalho: na rua da AlCandega-
> Iba n. 36, em casa de Mathcus Austin & C.
AGBNCIA HA FUNMCA0' lE LOVV-MOOR.
.Na rua da Senzalla-Nova, n. 42, contina a ba-
Vendem-se superiores 'pannos finos a prova do
limito preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. ,e muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos sao novos c pela sua baraleza, eltcndcndo
a sua boa qualidade, lornam-sc recommendaveis.
Na rua do Collegio, n. 1.
Na loja novada rua d<> Quci-
mado, n. II .*, de Rayinun-
(io Calo^ Leite, a '2,400 rs* o
covado.
Alcni de ler um completo sortimento de Cazcndas
linas c grossas pelos presos oais rasoaveis possi-
veis lia casimiras lisas c clsticas da melhor qua-
lidade que temvindoa osle mercado, a 2,400 rs. o
covado bem como do listras,a 4/,8/c 10/000 rs.
o corle.
saj
oipiad ajqos sensome se 9s-op
:uin i-peo 'sjQog^'V P ooojdojci
cq ojad 'aprpja cjsauopiDOjndde
UJ83) anb soousinuj sojsoS a saoip
-bcI sop osa epuazcj 'sacuadtuj
snssca ap sajjoa sooij as-uiapuaA
*5 *u 'od
-saj[) op enj 'cu|uudmo3
2ujyc.iaft sanacmiuQ ap cl'oj x$
saBijacfaiiscssBa se.vou sy
O BARATEIHO
avisa antes que chegtic a
Testa.
0 barateiro Ricardo Jos do Freitas Ribeiro, as
suas duas lojns, ua rua do Crespo, n. 4, c no Passoio-
Publco n. 17, recebeu um variado sortimento de
Cazendas finas do melhor gosto possivel e que es-
t vendendoaosseus Creguezes que teeni de com-
prar para Cesta por preco o mais commodo possi-
vel, como sejam : ricos vestidos de cambraia de
seda a 12,000 rs. ; cortes de priucezinas todas de
seda a 15,000 rs., de gosto rico; mantas do seda
da melhor gosto a 9/, 12/e 15,#000 rs. ; ricos cha-
les de seda a 12/, I5J 20/c 25,^000 rs. ; ricos len-
cos do seda da India padres nunca vistos a,560
rs.; ditos de seda de bonitos padrdes porm nlo
de 13o boa seda a 1,600 rs. ; chapos de massa
Crancezas dos mais modernos para homcm a
7,500 rs. ; ditos do mola, tanto brancos. como pre-
tos do excellcntcs Cormas a 8,000 rs. ; lindos len-
eos de cambraia lina com bico abertos o com cer-
cadura c sem ella a 640 rs. ; um grande c variado
sortimento do cortes do cambraia, lano brancos
como de cores de 2,560 rs. at 5,000 rs. ; bem co-
mo um sortimento de chitas linas, do 100 rs. ate 320
rs. o covado j pannos finos de todas as cores; o ou-
tras militas Cazendas proprias do consumo dista
cidade.
N. 40, rua do Trapiche, ha para venderos nos-
sos bem condecidos, superiores c verdadeiros VI-
NHOS do Porto, Chery, Clarete, Vidonia ago'ar-
dento cognac cerveja engarrafada e em cascos, e
mais gneros.Christophers & Doualdson.
Casimiras elsticas e finas, a
7?000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas, finas c
de cores, pelo baratissimo preco do 7,000 rs. o cor-
te de calca. Esta fazenila be recommendavel pela
sua qualidado tanto em fazenda como em gostos
por seren os mais modernos; casimiras pretas,
superior fazenda por sercm muito finas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado: na rua do Collegio, loja n. 1.
VELAS DE CERA 1)0 RIO-DE-JANEIRO.
Vende-so sortimento completo o a vontade do
comprador o mais barato, 50 rs por libra do que
em oulra qualqucr parle para liquidar ; bem como
brandOes o bogias : ua rua da Scnzalla-Velha, n.
moiro andar.
de-sc urna mulalinha muito linda do 6
.unos ; um nioleque do 8 anuos por precisfo : na
rua da Senzalla-Volha, n. ltO se dir quem vendo.
Na nicsina casa existem algmis ricos movis que
tambem se vendem muito baratos.
Vende-se urna venda emmdito bom lugar, na
cidade dedinda esquina da ladeira da Misericor-
dia muito bem afregunzada : islo |wrque sen done
nao goza san,le o querer retirar-so : a tratar na
mesma venda. .
Na rua dos Tanoeiros, n. 5, vendem-se 2 pti-
mos escravos possantes', do,|22 a 28 anuos, pr>-
prios para qualquer servico, duas escravas de 23 a 28
annos, com algumas habilidades: vendem-se para
so fazr um pagamento.
Nesta loja das melhores pe-hinchas, anda
existe um resto das mesmas, quo, para se
acabar com ellas, antes do bataneo, so an-
nunciam algumas pelos precos seguidles :
pannos pretose decores, a 2,500, 3,000.
3,500 e 4,000 rs., e muito fino, prova de li-
mito, a 5, 6 o 7,000 rs.; cortes delcolleles de
setim preto de cores o de velludo a 2,500
e 3,000 rs. ; cortes do cassa de bonitos gos-
tos, com 7 varas, e de cores fixas, a 3,000
e 4,000 rs.; um grando sortimento do cha-
les de lila o lila e seda, tarlatanaj e garca ,
com barra, franja, bico c renda a 2,000 e
3,000 rs.; um grande sortimento de_chitas e.j
madapoles ; e outras mulas fazendas, quo
por todo o preco se vendem, so alim de aca-
_ bar antes do bataneo.
m
wm wm wmwmmmm m&
Vendem-se saccas de furinha fina ; queijos fres-
caes do Serid : na rua da Cndeia do Recifo, n. 8.
Venlc-sc um braco do batanea com conchas
e pesos : na rua do Trapicho, n. 8.
Vende-se um negro perito ollicial de sapaleiro,
de idade de 20 annos, e urna negra cozinheira, cos-
turen-a, lavadeira e engommadeira, de idade de 22
annos pouco maisou menos: na rua eslreita do Ro-
zario, n. 43, secundo andar.
Sal do Ass,
vende-so a bordo da patacho S.-Cru*, ou ao lado
do Corpo-Santo loja n. 25.
Resto das pediin-
chas da loja do nicho.
Na esquina do Livramento loja do nicho, anda
existe um resto das boas pccbnchas, das (fuaes so
annunciam algumas para se acabaron antes do ba-
lando a saber: diales grandes de garrea c soda a
2,000 rs.; mantas do cambraia para senhora, a 1,000
e 1,500 rs. ; ditas de selm de cores de bonitos pa-
drOcs para grvalas de homcm a 2,000 rs.; len-
cos cliinezcs imitando seda a 320 c 480 rs.; ditos
de cassa de bonitos gostos e tintas fixus, a 240 c
320 rs. ; luvas do pellica a 640 rs. ; ditas do seda ,
a 320 rs. ; lencos de cambraia muito lina, abertos,
arrendados o com bicos, de muilo bonitos gostos ,
a CIO rs. ; e outras multas pechinchas, que a vista
dos Creguezes se Cariio patentes.
, seudl umi
i; 4 mfilatinh.i
nam.4ie.op; leques; 9 escravos de 22 annos .
pedreiro ; 2 dilos de meia idade i
colhidas,que cosom e engommam .4+9ru*fliv
crava de)acto de 18 annos que coso, engom
e cozinha ; 5 escravos do servido de campo -. na n|
Dircita n. 3.
Vende-se urna carteira de urna face por prl
co commodo : no pateo do Paraizo n. 20.V
Lotera
do Rio-do-Janeiro a bene<
da S. Casa da Misericordia
rfa corte.
Vendem-se bilhetese mcios (ditos desta lotera,
na rua du Radeia-Velha loja n. 29 do i. O. lster!
Ha nova loja da na da Cadeia
do Rcil'e, n 32, de Claudino
Salvador Pcrcira Braga,
vendeir.-se chapos de seda enfeitados, cara senho-
ra e meninas a 3,000,4,000 e 5,000 rs. "

de
ac
ct-
Adiiiiraveis navalhas
da China.
Na rua larga do Rozarlo, n. 35, loja do lodij
Estas navalhas teem a vantagem do cortar o _
bello sem oll'ender a pelle, deixando a cara parecen-
do oslar na sua brlhantc mocdado. Este bqo he da
China, e scu autor he Shan. Por todas as socieda-
des das sciencas medico-cirurgicas, tanto da Eu-
ropa como da America, Asa c frica, he rcennlie-
cido o uso dcstas navalhas inaravlhosas, nilo s
para prevenir as molestias cutneas a que a huma-
niiladcesl subjeila mas tambem como um meio
le as curar.
Vendem-se as verdaderas s na loja cima ii.di-
cada.
--Vcndc-se um tanque do amarello que leva 50
pipas, e que se pode desmanchar, por nilo ter pre-
gos ncm calaCelo ; por is.so, propro para niel, ou
oulro qualqucr liquido vende-so por monos do scu
valor, porsequcrcrdcsoccuparo lugar em qut os-
la collocado : para ver, no fin do Becco-I.argo no
ItecCe, junto as taixas do ferro.
Charutos de sasi^Felix.
.Manuel Joaquim Concalves o Silva
Cruz n. 43 scientifica a seus Creguezes
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Billietes e mcios ditos da if\.' loteria
a liencficio do lliealro de S. Pedro de Al-
cantara : na rua da Cadeia, loja de cam-
bio n. 3B, de Manocl Gomes da Cunlia e
Silva. y
Vondcm-se bichas de llamburgo, chegadas pr-
ximamente, sortidas, maiorese menores a 400 rs.; o
sendo em quantidade se venderito mais em conta :
no botiqum Cova-da-nca, rua larga do Rozaro, n.
34. .
-.- Vendem-se 42 pifETs abati-
das: na rua da Cadeia do bairro
de Sanlo-Anlonio, n. 25.
M0BII.IA.
Vende-se urna porcito do trastes novbs e q Jas! :s>
v '"yae crystacs ; urna mulalinha do 4 annosr
um moleque de 7 annos ; caixas com vinho de lior-
deaux Colares Lisboa, Porto e Madeira : tambem
algumas caixas de cera do Hio-de-Janciro : tudo
milito barato em vrludo do retirada : para ver o
Iralar na rua da Senzalla-Velha, n. 110.
Em casa de M. Bernel, na rua do
Trapiche, n.- 3^, venderse salame su-
perior e muito fresco ; assucar refinado,
cu i pao, a aoo rs. a libra ; charutos da
Havana, verdadeiros ; vin'hos Bordeaux
e Sauternes, em caixinhas,
Bichas de Hamburgk./
Vendem-se as superiores bichas de llamburgo, a
500 rs. cada urna a retalho, o aos ceios por menor
preco: tambom se alugam o se vito applicar, para
mais commoilidade dos pretendenles : na rua da
Cruz do Recite, n. 43, toja de Joaquim Antonio t.'ar-
nciro&C.
Ven
praca da Independencia, lvrria, ns. 6 o
Vende-so TheVigar oC Wakfiell
: na
Escravos Fgidos.

na rua da
que pelo
ullimo vapor recebeu um completo sortimento do prcta Antonia, cnoula repre
vinas e superiores qualidades de charutos, al- bastantesecca do corpo, baixa ;
gumas das quaes nunca aqu v.eram. tes na ,-.....,,. nsxri'
Diario c rasao.
Jogos de lvros de excellenle papel paulado, com
as toldes j numeradas o riscadas para diario e ra-
slo ecm ptima encaderna^flo verde de canun ea .
asseiadaede dura : obra de encommenda, e qusf
se vende por precos baxos, na livrara da esquina
do Collegio aonde tambem ha outros livros de
muito bom papel paulado o variadas encaderna-
COes, com diversos frmalos e grossuras, adaptados
aos dilFcrontos usos do coinmercio.
--.Vende-se um caixao proprio para amostras do
venda o um candieiro francez : na Boa-Vista rua
da Gloria n. 68 Na mesma casa precsa-se de um
caixeiro pequeo para venda.
Veniem-so 18 escravos, sendo ; 4 bonitos mo-
Fugio, no da 21 do corrente, um pardo de
nomc Jacob que representa 18 annos; be secco do
corpo .cabello corrido; lem Calta do um a dous
denles no qupixo superior; levou chapeo efe palha
embreado caigas de panno preto', ccroulas de gan-
ga azul, camisa de riscado ja muito desbotada, quo
costuma trazer por cima das calcas : quem o pe-
gar leva-o a rua Nova, loja de Jos j,uiz Percra,
que gratificar.
.Fugio, no da 18 do correnlo urna escrava
com os signaosseguintes : cnoula do nome Joan-
na baixa, bastante cheia do corpo cara mui be-
chigosa, ol los ai-regulados e em branquiados na-
riz pequeo e chalo, bragos curtos*, mitos e ps pe-
queos e seceos ; tem no brago esquerdo ama mar-
ca de bechiga que parece ser de chicote com todos
os denles da frente, porm lascados; levou vesti-
do de cassa cor de rosa desbotada, panno da Costa
j usado e com franja branca ; coslumava vender
obras de cabello em una cxa de pinlio enverniza-
da j usadada ; he bem conhecida por ter sido do
Portugucz Lauriano, o qual a comprara a JoSo Ma-
ri nbo Falcflo, de Itamarac. Roga-se ns autoridades
policaes tanto da cidade como do tormo do Olin-
da e Iguarass para onde se suppflo. ter ella ido,
que a apprehendam e Icvcm-na a rua Diu-ila, n. 25,
primeiro andar que scro generosamente recom-
pensados.
Fugio, da casa de F,m. Bidoulac na Capunga,
em a madrugada do dia 7 do corrente, o escravo
Pedro, criouln, do 20 anuos pouco mais ou menos,
de boa estatura c sem barba. Foi comprado ao Sr.
Augusto Thcodoro Von llein ; he bastante conheci-
do no mallo por ter servido a este senbor como
pagem as suas vagens para SorinhSeoi. Roga-so
a todas as autoridades o cupililes de campo, que o
apprehendam e levcm-no a rua do Vigario, n. 4, quo
ser.lo gratificados.
Sabio da casa do abaixo assignado no dia 26
do corrente, com um caixilozinlu) de cilungas o
sapalos de selm para vender e anda hilo vollou ,
resenta ter 3 annos,
. tem Caita de den-
tes na frente,com algumas cicatrizes as costas;
levou vestido de chita rxa camisa d algodtozi-
nho ; tem porcostume fugirparaa cidade do dun-
da. Quem a pegar, ou der noticia verdica na rua do
Crespo loja n. 10, sera lecompensado.
Jote Joaquim do Freitas Guimarflet.
Anda contina a estar Cogido o pardo Malinas,
natural do Ico ollicial de pedreiro; he baxo, sec-
co do corpo; tem cabellos crespos nariz afilado ,
barba na pona do quexo ; andava calcado; temo
dedo pollegar da mito dreila cortado : quem o pe-
gar leve na rua Imperial, n 9, quo receber 50/ rs.
de gralifiacfo.
Peh.<
N. : KA TYP. DE M*"; E F\RIA
.-,847 _J
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO MUTILAD