Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08800

Full Text

Auno de 1847.
Quarta-feira 29

O DIARIO publici-jeto los os dial que iiho(
rem < jOOft rs.pw qmrlel, pugot tutiantadat. O an-
nu'.cios dos assignanlas %3o inseridos i rus/io de
la t. por linda, 0 rs. e:n lypo dillei-ente, o as
rrpetifMl psla-inetode. Os qucniio forem Miig
: mies pagarlo SO rs por linda, e I6 en lypo
dillcreule, porcada publicarlo.
P11ASES DA LA NO ME' DE DEZEMBRO.
I.ua nova, a 7, 0 lioias e Ifc minutos da inanli.
Cscente a la, I dora e 0 min. da mauhia.
Lacheia a 21, s < lioivs e 49 min. da larde.
Miugoaula 2, is II horas e 29 lia. da tarde.
PAIITUA DOS CORREIOS.
GoiaiinaeParahibas segundas esextas feir.
llio-rande-Jn- Norte quintas feirasao meio-dia
Cabo, Sarlnbeiu, Uio-fm-moso, Poi lo-Calvo e
Maceiii. no I.*, a II e 21 de cada mez.
(varaiiiains e Bonito, a 8 e 23.
lloa-ViMa flores, a 13 e 28.
Victoria, s quiulas-feiras.
Dunda, todos os dias.
PUEAMAB DE HOJE.
Primeara, as 10 tor.ii e 6 miautoi da manbs
Segunda, as 10 doras c 30 minutos da tarde.
ce Dezembro Anno
!! tu ai 11 mu >i'ii 1111 aiii i ia ni ii
f> DAS DA .SEMA.NA.,
27 Segunda >J< S. Joo aromlo c crangclistt.
!8 Terra. B Os Santos Imioc nlc.s.
59 QuarU.'S. Thomuz are.
30 Quinta, S. Sabiio.
31 Seila. % S. Silvestre.
1 hablado. 8J ijt Circumciso de Seulior.
2 Domingo. S. Izidoro
XXIV. S. 29^.
Mili I "
CAMBIOS NO DA U DfDBZBMBRO.
Sobre I/>ndrea 27 d. por II rs. a C" dia.
i) Paris 100 rs. por franco.
i) Lisboa 9i por 100 de premio.
Desc. Ir- lellnis de boas firuiis I a US % ">
Ouro-Onrhtspiiholas....*8#000 a IO00
MbMasderfiifOnlh. nifioo a ispoo
deOlOOuov.. I0#00!) a HjlOO
. de 4 jtOOO..... SfSOO a M0l.
Pr,a-Pataco*..f........ I#M< a Itj
Pesoscolumoa.es... 1*920 a I#
Ditos mciicanos.... I* **J0
Miud...............*" #"itf
Acones dacomp. do Ueberibe de 50.(1000 r.ao par.
DIARIO
toar aab tflta^i rito ^MP
5
EXTERICR.
COIII1ESPONDENCIA D() DIARIO DE PF.KNAMBUCO.
J.isba, 14 de noiembro de 1847.
y O bom successo de S. M. a rainha veio prolongar
a crise ministerial; n poslo que el-rci so ache au-
torisado para assislir ao despacho c rubricar de
chancella os diplomas, parece que nfo quer decidir
nada n'um assumpto ossaz melindroso, paro se li-i
vrar de futuras responsabilidades e arcusaces. Por
conseguinte, parece quenada se decidir i. o dia
16; e entretanto contimiain as variantes relativa-
mente formacodo ministerio. Todava, diz-se ge-
almenle que o ministerio se compor das seguintes
personagens : ~ dtiqno de Saldanha, pcsidenle sem
past.1; Rodrigo da Fonseca MagalhSes, reino; Anto-
nio Jos d'Avila, fazenda; conde de Ijiviadio, es-
trangeiros; Oltotini, justica ou marmita, Ikando
l'errilo na justicia ; Lefio ou brigadeiro Ferreiro, por
alcunha O Irinla (liabas, guerra. Ha lamboin queni
indigitc para a fazenda o baro de Chanccllcirns
(Manuel Antonio de Carvalho) c los Antonio Mara
le Souza Azcvodo porm esto ultimo nao lem pro-
babilidades nenhumasa scu favor. Tambem ha qtiem
asseyerc que ningueni se aclta encarregado da for-
moeo do. ministerio, e que s se pretende ganbar
tempo, at que cbcgttem as eleicoes; c depois nada
se poder fazer.
Diz-se que urna das objecces que a rainhaoppe
mudanca de ministerio e do poltica he que a
manira das potencias signatarias do protocollo de
21 de maio ultimo (a Franca e a llespanha; o julga
cumplido; e que s a ni noria (a Inglaterra) he que
manifest opinio contraria.
Ha tambem qtiem diga que se pretende demorar o
negocio.at chegada dos novos representantes de
Franca e llespanha, para apoiarcm as pretencoes dos
Cabrees. .'-
No da 6, apresentaram-sc no paco varias persona-
gens da opposieSo, como os marquezes do Fayal e
das Minas, os condes das Galveias e das Alcacovas, os
viscondes do Sil da Daudcira c de Uenagtiazil (Poli-
carpo Jos Machado), Joaquim Antonio de Aguiar,
Joaquim Jos Pcreira Derramado e outros. El-rei r-
cebeu-os cotn a maior all'abilidade: disse que ha
muito lempo desejava vr-se rodeado de pessoas tilo
conspicuas, c coiivcrsou muito com Joaquim Anto-
nio de Aguire outros. Ovisconde do S fallou, nes-
la entrevista, de botnica e planlacao de arvores, e
referida esta conversa a S. M. a rainha, dizcm que S.
M. tira muito, porque se lembrou que em 1838, por
occasiflo da revolla do arsenal, o visconde fallara de
Macacos !
Afavoravel reccpcioTcila aos membros da opposi-
1o, que l'oi presenciada por partidarios cabralistas,
os aterrou sobre maneira, e vieran) referir ludo ca-
sa dos Cabraes e aosalo de San-Carlos. F.sla recep-
(,'ao e o rumor de que so formara un ministerio em
que entrariam dous setembristas, irrtou altamente
os cabralistas, os quacs, tanto no dia 7, como no dia
8, andarm cm grandes magotes, ("comespccialidade
os soldados dos batalhttcs nacionaesj armados de c-
leles, pelo Passeio-Ptiblico, sallo do theatro do I).
Maria II, praQa de I). Pedro e boliquins adjacentes,
arremetiendo com lodos, allaslandu os cidadilos pa-
clicos dos lugares de recreio, c ameacando com ber-
iiarda se se verificase a noticia da formaco do mi-
nisterio.
O Estandarte do dia 8 diz o segu tile : Tem conti-
nuado a maior agitado no espirito da capital:al-
gumas noticias desagradaveis que se'twcm ospa-
lhado sobre formaQo de ministerio, e outras
-rclaecsenlie sirH. Soymcure as principos nola-
bildades, ou agentes da revolla de !> de outubro ;
O ULQUl lili GUISE. (*)
pon frrmeo ^oule'.
PRIME1KA PARTE.
XVIII.
a sua comprenla, lalvez casual, mas simulla-
nea, no pa;o, a maneira affavel da recepQ.lo, c
ontras particularidades que a anciedade publica,
ii lalvez sem maior fundamento, registra, tem ludo
produzido effeitos bem dignos de altender-se.
O orgflo cabralista quer dar a entender que a oppo-
sieao foi ao paco, por insinua^lo do representante
inglez ; porm gcralmente Se essegura que este acto
da opposiciio foi espontaneo; pois que all nao fo-
reni todos os ebefes do partido no mesmo dio, tvo
conde das Antas, Julio Gomes da Silva Sanches, fo-
ram llalli a dousdius.
Ha quein pretenda que, epezar das bravatas publi-
cadas |ielos nacioiiecs, nada farao, e soiVrerio cala-
diuhosa mudanca ministerial, ou farilo elgume tle-
monalracio desvairada, t|uc approximerii a sua dis-
solu^Qo. Conlnua, segundo se diz, a divergencia en-
tre oscorpos de lnlia, querendo uns submetler-se s
disposit;es da rainha e outros no. Todava, julga-
sc que lodos obedecorto, mesmo por nao dai em oc-
cosiilo a que descmbarqucm os Inglezes.
Todos osjoniacssito unnimes hoje em clemerque
he preciso feducg3o as despezas, porque s assim
so poder salvar o paz. Quando ha alguns annos os
progressistas clamayam por sso, erain impugnados
por aquellos que lucravam com o desperdicio. Hoje,
porm, que vcm nflohaver recursos alguns, o que
s com grandes economas he que poderemos viver,
advogam a doutrina que cntio impugnaran).
O Lusitano publica una conta circunstanciada dos
rendimentos recebidos pelos Cobraos, durante a sua
gerencia, dos empreslimos' quo lizeram e tributos
que lam aiain. e demonstra que cssa odministracnn
(leu cabo de lodos esses liidiineiitos, tribuios e eili-
prestimos, deixou urna divida superior a 6,S34 eoli-
tos com vencintentos prximos, e sem recursos al-
guns nos cofres do thesouro, c comprometteu alcm
disso as rendas futuras em 6,400 contos, legando ao
paiz, de cniprestimos e anticipaqo de rendimenlos
futuros nosqualro annos da sua gerencia, mais de
30 uiiiiies do cruzados i:i
0 govorno acaba de" praticer um acto de justicia,
concedetido soriedade eslabelecida no theatro de
n. Maria //osubsidio de 6,000/000 risannuaes. Km
vista do grande costeio da(|tielle theatro, e de ser o
pagamento melade em olas, cujo agio se ocha a
2,030 ris, o auxilio nfo vem a ser grande cousa. To
davia, semprc servir para que os artistas que esto-
ven! reduzidosa viver de continuos beneficios, pos-
sam comer algttma cousa. Km consequencia tiesto
auxilio a dita sociGdade, que sfazie recitas aos do-
mingos, as far agora tres dias na semana.
Com o decreto do subsidio publicou-se tambem o
regulamcnto pare o dito theatro, tanto sobre as obri-
gec<3cs dos actores, distribuiro de papis, cnsaios
de pecas, mullas, Ot.j como a respeito dos autores
Iliterarios, leitura de pecas, censura dramtica, &0,
S. M. a rainha, por occasiilo do anniversario de el-
rei, scu esposo, perdoou a quatro reos a pena de
morte.
Consta officialmentequc a rainha Adelaide, de In-
glaterra, j chegra iijia da Madcira, onde foi recc-
biila com as honres devidas sua alte gcralchia.
O duque de Polmella e o suo familia j se achava
tambem na mesma ilha, tendo levado una viagom
de dous dias c mcio do porto de Lisboa ao Fun-
che 1.
A esquadra ingleza, do commando do almirante
Nanier, illuminou toda edeitou logelesido ar, na
nuitedodia .', cm obsequio da nossa rainha e pelo
sen feliz successo.
Corre o rumor de que o Sr. liarreiros, actual mi-
nistro dos negocios cstrangeiros, chegra a redigir
um prolccte tie tratado oll'ensivo e defensivo com a
llespeulia.
A vi uva do lenlo de Barcclleiros, (Manoel dos
Contos) cuja fortuna se avalla em alguns milhOes de
cruzados, vai casar com um mejor, chamado Aojo.
Fsla rica viuva lem lido mais de cem pretcndeiilas ;
porm agora parece que se leva a orleilo o matrimo-
nio, pois j se assigneratn es escripluras.
Diz-se tanibem que o redactor da frroluedo de
Selehibro, Jos Fslevao Coelho de Magalbaes, coser
com a viuva do desembargado!- Saraivu. Parece que
a ditasenhora lio possuidora de ume boa fortuna.
As noticias das provincias nflo sito completa-
menle satisfactorias; e uns cVrcios por outros refe-
rem seinpre mais ou menos tropelas e violencias.
lili ii ni lie PEiiviyiimi.
A chalupa do otlicial hespanhol conlinuou a ocom-
panhar por algum lempo a fala dcGuisc: j a at-
Ificao dos uniros navios scnieados pelo golplio so
linha Hxado nessa fala, que era comboyada por
una daVembarcar.Oes da real mnrinba dcllespanlia.
Sera a algum nobre mcnsngciro quo ella prestava
sciuellianlo honra? seria algum prisioneiro que ella
assim levava diente de si .*
Do repente Cuisc, que desde quo fallara ao ofllcal
tirara arrimado ao mastroda fala, alcmi um grito
estrepitoso. A fala parou por um momento, e a
chalupa se acliou bordo a bordo com ella.
Senhorcapitao! bradot elle, dirigindo-se vi-
vamente ao otlicial hespanhol, tem V. Merc armas?
tem municOes?
E para que? disse o ofljeial.
Que amaldicoados! exclamou Guise, tifio v V.
Morc que,cmqtianto eu corroa annuiiciar ao duque
d'Arcos cao principe I). Joiloque oduque de Guise
so embareou para aples, ei-loque desenlbocca pelo
estrello de Prcida, oque vai chegar cdade antes
quo una s embarcae/ni de toda esta esquadra faca
o menor movimculo para o embargar ? -
O capitfio olliou para o lado quo o duque de Guiso
Ihc designava, e vio com efleilo a barca de Dorgia
que, pela sua vez, chogava a reina-roma.
() Vide Diario n> 290.
Ma peste rnate! exclamou Scoppa ajudondo
o engao tecido por Henrque; he elle; nflo ha llovi-
da que lie elle; reconheco a barca daquello palifo de
Carniole, quo linha jurado inlroduzir oduqueom
iples, sem fazer coso da frota hespanhola.
lio verdade, disseram alguns marnhcirns da
chalupa, he aquella mesma a barca daquclle ladro
que nos ha por lanas vezes escorregado as mfus
como urna enguia.
Senhor capitfio, conlinuou Guise, dirigindo-so
ao oflieial da chalupa, cu nlo devio dar semeskante
noticia seno aovicc-rei, mas o perigo urgente que
me lia feito communicar-lh'a deve dictar-lho o scu
dever.
Immediatamcnle, o sem esperar resposla, Guise
fez um signa!~aos remeiros, c a fala poz-se de novo
a caminho para a galera almirante, cmquaTito a cha-
lupa viravo de bordo para ir ao encentro da barca
cm que ia liargia.
Quo pedaco d'esno! disso Guise, coriespon-
dciuloao oflieial da chalupa o corte/.ie que olio I he
fez: ei-lo ahi vai sondando olguma recompensa
magnifica pela captura quo vai fazer, e lalvez que
amanliSe o mandem para as cadciasd'Oran, por me
lor dcixado escapar....r
' E para onde vamos nos?
Pera a galera almirante, disse Guiso.
Algutnas chalupas haviam notado o movimculo
que acabava do operar-so, o lalvez que ellas livcs-
sem abordado a fala de Henrque, se ella se hou-
vesse desviado por um momento do caminho que
dovia seguir; mas, ao v-la dirigir-senara os navios
hiispaiihes, coiiientaram-so com vigia-la de longo
c pozei im-se em estado de ajudar a cace que urna
das suas embarca^-des ia tentar.
Coniludo, a allencSo dasgalcras foro altrahida por
essu movimculo das chalupas. Sahiam que oduquo
deGuiso tinha dcixado Itoma ; e anda quo suppo-
zcssoni que as fragos embarcegOes de que elle poda
dispon tinliam perecido na tempestado da no te an-
tecedente, peni por isso deixavam de vigiar com
igual exaclid&o as menores barcas quo appareciin
na balita.
Ja os dous cheles supremos do excrcito e da frota
dos liespanhes esUYum sobre oconvez da galera
Os dous navios chegados ha pouco de Lisboa trou-
xcram-nos carias do nosso correspondenle nessa
capital, tlatadas de 8 o 14 de tiovembio prximo in-
do, o ultime das quaes exaremos no lugar compe-
tente ; assim como diversas gazelas que alcancain a
2-2 desse mcz.
A Sen hora l). Maria II dra a luz, com feliz suc-
cesso, um pe feito infante.
Quanlo a Portugal, os jomaos quasi nada adian-
laiu ao que se conten as predtas carias : pois que
apenas vimos, de mais, no Diario do Govemo um
desmentido solemne a certo artigo em que o Es-
tandarte annuncira que o almirante Napicj prevale-
cer-se da sua situeqfio, e das frcas de que dispOc,
para'exigir o govemo portugus os yficiinenlos
que se I he deviam do lempo eni que servir as ordons
de I). Pedro; e bem assim a nova de ter a imprensa
lisbonense publicado mais um peridico semanal,
que, sol o titulo de Artista c oo preep O 240 ris
por trimestre, propOc-se a advogar os tnleiesses da
arto.
Quanto, porm.a outros paites, vcem ellescnri-
qticcidos de noticias de algum interesse, as quaes
vamos extractar, preferindo as do precitado Diario
do (averno, que aecusa tlatas do Hespanhe al ti, de
Franca at 3, de Inglaterra al 6, c da Sussa at :i de
noveinbro ; de Helia al 23 c de Argel al >!> de
outubro; -- ta AlleniBiihe ate 22, de llollanda at
2, da Grecia ate li, e da India at 30 de setembro.
IIksi'akiia. Pretlila pelo imprensa progressisla, e
contestada semprc pelos cebos do partido modera-
do, realisra-se, emlim, tima modilicecilo no gabi-
nelc, passando para apestada guerre o Sr. presi-
dente do concclho, duquo de Valencia, e encarre-
gamlo-se iiiteiinemente eo Sr. Sertorius, ministro
do reino, a docommercin iiistruccitoc obras ntibli-
eas, que alinal lora confiada ao Sr. Bravo de Mti-
rillo
almirante, cercados da maior parte dosseus olli-
ciaes.
lio sem duvida algum corrcio do conde d'Og-
nele, que nos vem fallar, disso o duque d'Arcos
mostrando ao joven principe D. JoSo d'Austria a bar-
ca de Guise que coulinuave a ca mi libar para el les.
lio corrcio bem pouco inleressanle, replicou
D. Joilo, e que nos traz provavolmcnlc as noticias
que nos j sabamos pele ai lidiara das fortalezas....
Quizcra cu antes saber quo barca lio aquella que se
dirigo tilo atrevida para Nepotes, o quo es nos-
sas chalupas pcrsegucui....... lie lalvez o proprlo
Guise.
Um principo de Lorcna mcltido cinsonielhante
barca he impossivel, disse Sentenciosamente o du-
que d'Arcos.
Mas quom diabo pilc cntfo resistir com tanta
ohsliiiac,fto aos signaos das nossas chalupas?
Algum iniserevcl maiinheiro, que.leva alguns
saceos de farinha aos esfaimados to Mercado-.Novo.
Que basbaques replicou D. Jolo, sero ellos
tilo desasados quo o dcixciu escapar?.....
Ulna chalupa ao mar, exclamou o joven prin-
cipe, cu mesmo le vou.....
Nlo be preciso que V. Alteza so incommodc,
disse o duque d'Arcos, a chalupa de I). Iigo Malil-
las acaba de mandar a cssa barca menhosa unta ed-
vcrlancja que ella compreheudera mellen do que os
signaos de V. Alteza.....
Deleito, a chalupa ecebeva do laucar contra a
barca do Borgia una bala Uio grande, quo Ihc que-
brara o mostr.
He verdade, be verdade, disse o principe, ei-lo
que para..... e.....quu obedece.
E assim era. Borgia, decidido a tentar a aventur-
se empreza quoLuigi del Ferro Ihe suggerra, tinha
emprugado todos osseus eslbrcos para chegor a a-
ples antes do duquo do Guise. E lalvez queoal-
eaneasse, a ifo ser o ardil do duque, quo o designa-
ra a pcrsguic,3o dos Hespaulics. Tinha elle, por-
tento, corrido aoseu elvo, sem se importar com os
sgneos que Ihe ordenevam que ehordasse, al eo
momento em que o tiro de peca alirado a sua barca
o paz na iinpossibilidadc do continuar a viagem.
I.ogoque se divulgara essa mudilcecfto, correr o
boato de havcrella lido por Ara punir os dous mi-
nistros demitlidos, os generaos Cordova o Hoz do
Olano, de manejos que empregavam pare e ilsso-
lucflo do gabinete; mas, allegando que, so seme-
Ihnto boato lora verdadeiro, o governo nao honra
ria oprimeiro desses senhores com a nouieaeoo de
senador e com a griio-cruz de Carlos III, nein tilo
pouco incumbira ao segundos missSo de represen-
lar a S. M. C. junto a corlo de Portugal, na qiialnla
de de enviado extraordinario o ministro plenipoten-
ciario, o Heraldo asseveni que a nova organisacio
ministerial a nada mais temlia do qtre a conslitiii-
lo de modo que merecesse plena e inteira conliane.i
tles ct'ut1 s.
Por decreto de 28 de outubro cicara-se o lugar do
chele superior da real casa e patrinionio, declaran
dos queo individuo a tiuciit fosse comiqeltido i.
exercico dclle, loria o ululo de governado de pala-
cio ; seria o nico intermediario das ordens da rai-
nha, relativas a sua casa c patrimonio; proporia,
illini, as nomeacties dos criados e domis ompre-
gados do paco, que lliu parecessem convenientes,
qualquer que fosse a classe que pertciicessciu, ou
a denominaefo que tivessem.
Tinliam sido Horneados : para esse cargo e para
o de presidente do senado o Sr. marquezdc Mirado-
res j vico-presidentes do mesmo senado, o Sr.
duque de Cor c o Sr. principe de Anglona ; di rec-
io r-gera I do corpo do estado-maior, o Sr. general
1). l.euranoSanz ; enviado extraordinario o mi-
nistro plenipotenciario de S. M. C. junto corte des
Ttilheries, oSr. morquez do Domo, general I). Ma-
noel de le Concha ; capilo-general de Barcelo-
na, o Sr. general Pavia.
Haviam sido exonerados : ~ da direceo da caval-
laria, o Sr. general D. Jos de la Concha ; -- da di-
receo da infantera, o Sr. general Blasser ; do
cargo de embaixador extraordinario o ministro ple-
nipotenciario de S. M. C. junto santa s, o Sr. Pa-
checo.
(Modestes funecionarios fra substituido pelo
Sr. general Schclly ; o 2.. peloSr. general l>. Fran-
cisco do Paula Figueras; e o 3.% pelo Sr. Martnez
de la Boza.
O banco de San-Fernendo obrigara-se a supprir <>
governo, em eatle um dos mezes de novembro e de-
zembro do cadente auno, Janeiro, fevereiro e marco
prximos vindouros, com nina quantia lixa edanlc-
mo conhecida, que o habilite a faaorponlualniChlo
os pagamentos a queesl obrigado. Para itidemni-
sar-se do supprimento, o banco recebera o produc-
to tle todas as renda e conlrihuie.es, assim como a
importancia do Inda a arrecadaeflo, rom corlas ex
cepcOes.
Em Matlrid, receiave-se muito quo epparecesse
talla de combusliveis, e de substencia, temondo-se,
mais que tildo, tpte escasseasso n trigo. Convoca-
dos pelo ministro do interior para indagGrem a cau-
sa do malo romedia-lo, os membros do ayvntamenlo
foran concordes em suppor que a penuria inmi-
nente provinhe do monopolio exercido por alguns
individuos : quanto ao ineio de prcvcni-lli, uns lein-
brerom urna lexa moderada sobre o piio ; outros o-
pinaram que se propozesse um premio para quem
descobrlssa umcouibuslivcl, quo siibstitutsse a le-
nlia, cevitesse a completa deslruicfio das maltas.
S. M. a rainha decretara pera os lillios da finada
viuva do general Len ume pensaoque Ibes propor-
ciono tratameiito condigno a sua alta calegurie, com
ii ii ii mi iiiiimraar-"""
Manifestou-sc entilo no rosto de- Itorgie um movi-
menlo ndisivel do raiva o de dr; um rugido gurdo
soTtie escapara do peito, c licou por um listante im-
movol e indeciso; mes tfio promplo em abandonar
um partido desesperado quanto cm se arremessar
a urna empre/a perigosa..... contcnlou-sc com cn-
colher os hombros, dizendo :
Miseravel Iigo, nem ao menos Ihe vem cabo-
^a que a bala que elle aceda de alirar quebrou U'iia
corva !
Depois accrcscciilou:
Pare a chalupa, mcus filhos ; e ao menos nin-
guem abique nesse cidade, j que nos nfo podemos
la chegar mais,
Immediatamente virou de bordo, eseguio na di-
recefio ta chalupa hespanhola que olinliaobiiga.lt
a parar ; logo que se pode fazer rcconliecer e utiyir,
poz-se cm pe na barca, o comecou a gritar com [oila
e forca dos pulmes.-
Estpidos, desastrados, caos do m race, qu
corris para ciniadcciiv'alorese deixais escapar a le-
ra..... Fu son Borgia, olbai pare ni i ni.....conheceis-
mc'agora f...... Pois bem! l vai Guiso acula......
Guiso que vos l'ogc das mos-
Que o senhor soja Borgia, replicou o oflieial
hespanhol, eu nfo o duvido, mas lio sel oqucV.
Fxcellencia ia fazer-a aples, senhor conde.
O que cu ia fazer a aples, senhor capitfio.'
disso Borgia com una segurance insolente, ia op-
pr-me sozinho, e com osla barca montada por duas
iriaiici.-i, a pnssageni do duque do (iuise, visto qua
os senhores, queseo osseus primeiros inimigos, u
deixaram passar pacilicamente o Ihc lizeram a hon-
ra de o ucoinpeuher.
Ando la, eudo l, senhor Borgia, replicou Ii-
go, vemos dar cont cade um do seu proceder ao vi-
co-rei c eo principe almirante; mas nao vejo que so-
ja um grande crime daixar passar una fala, que,
como o senhor o v<\ continua to rpida o lao diroi-
ta a sua carreira para a galera almirante.
A barca de Borgia linha abordado a chalupa : Mel-
chior subi ao convez o lomou um ocuio das na os
do oflieial, observou a fala tle Guise, e urna cmoct
extraordinaria se Ihe piilou uo roslo.
\
MUTILADO




*
v
y
dorlaracita deque conservar-sc-hito no gozo do be-
ncficfoat que oMenliam emprego que llies ronda
Irinta mil reales por auno, c sonipreque perram es-
sc emprego por demissfio 011 oulra qualnuer causa
licita.
> orneado embaxudor extraordinario de 8. M. Ca-
i ilica junto corte de aples, o duque da Victo-
i i'neral Espartero, recusara a nomeaciio, sob O
fundamento de lhc nita pennittirem suas actuaes
circumstanciasquc no excrcicio desemelhantc car-
go se trate coni o devido esplendor; mas cria-sc
quea ratona Ih mandara urna lcenca de seis nie-
ves, ordcnando-lhe que, durante esse tempo, se dc-
morasse ou viajasse em paizes cstrangeros.
Alhrmava-se que os ministerios Pacheco e Goyena-
Salamanca iam ser aecusadosante o congresso, por
rime de concus$ilo.
!)izia-sc que o actual gabinete apresentaria um
projecto sobre libertado de imprensa, e outro a
respejtoda ordem publica ; assim como, que lizera
reeolber os ornamentos organiaados pelo ministerio
Pi I mella, para reformo-loa em algOffiaa de suas
parles.
Do uceordo com cortos proprietarios c ricos Pa-
lmeantes, o deputacao provincial de llarcelona en-
raya de providenciar sobre a oonstruccta e conser-
voslo das estradas da provincia.
Assegurava-se que p Infante I). Francisco voltaria
i>"ra Madrid, e que se lhc eslava preparando o pala-
cio em'Valladolid.
0 partido moderado ia obtendo triumpho, nita s
nas eleicrtcs municipaes que se proceda, como na
reeleicfio da mor parte dos deputados, que haviam
aceitado empregos do governo.
Oa guerrilheiros continuavam a ser perseguidos,
com successo da parte das frcaa legaes.
Pin Catalunha tiuliam liando accOes mui serias
entre riles e essas fincas, as qiii.es de ordinario ter-
imnavam pela morto c prisfio do muitos rebel-
des, asam como pela apresentacita do nita poucos
dessea bandidos, que, cansados de solTrerem priva-
qdeg e derrotas, sollicitavam o indulto.
Sabida a proteccio que a pequea repblica de
Andorra prestava aos facciosos, duas columnas das
lonjas liespanholas penctraram no territorio dessa
repblica, e conseguirn! a prisfio de alguns rebel-
des, que, tendo-se apresentado ao cnsul de liayona
o prestado o juramento com que deviam de obter
passaportes, haviam sabido da Franca, nfio para
iiun, como Ibes cumpria, mas para os valles de An-
dorra, afim de se armaren) e irem engrossar as lac-
eos, syndico desses valles protestara contra essa
entrada de tropas, qualilieando-a de invasao de ter-
ritorio.
1 -'banca. Fizera grande bulla em Paria a publi-
racita de un folbeto, em que o Sr. de Lamartine
propaga as niais exageradas ideias radicaos; e a de
outro em qucoSr. de Capeh'gue aconselba a reac-
efio dos principios que pareciam ter sido proscriptos
para sempre pela revollicita de 1789.
A 28 de outubro, dera-tc um esplendido banquete
no paco, eom o lim, segundo corra, de, celebrar-so
o -i'.' anniversario da exaltacfio doSr. Guisot ao mi-
nisterio.
I.nglateiiba.-- A crisc commercial anda nao ti-
nha dosapparecido. A quebra da casa de Iliva em
San-Petersburgo, com um paasvo de 150 a ^ou mil
libras esterlinas, e que muito poda influir no com-
merciodo lialtico, concorrera para que apparec.sse
le novo o pnico; mas as Paculdadcs ltimamente
concedidas ao banco de Londres tinham eoopeado
para que esse susto Posse espancado.
No dia .r> re novoml.'io,ao abrir-sea praca, os con-
solidados estiveram a 83 3/8; com a noticia, porm,
das desordens que a suspensivo dos trabalhos do ca-
minho de Perro provocara no norte, desceran) a
823/4; mas subiram outra vez ; c, ao lechar-sea
praca, achavam-se a 83.
Italia.Sua sanlidade o papa Po IX publicara
um decreto, regulando as attiibuices da asscmblca
consultiva que devia de rcuiir-se a 5 de novembro.
O decreto consta de sote ttulos e cincoenla e seis
artices, cujas princpaes disposicocs/ transcriptas
no Diario do Gvvcrno, silo as que inserimos em se-
guidai
O concellio de estado, ou consulta, ser compos-
i. to de un cardeal presidente, de um prelado vice-
'residente e de vinto um concelheiros nomeados
pelas provincias; e com ordenados determna-
dos.
" Cada provincia nomca um concelheiro, exeep-
i i liando Bolonha que nomOa dous.
< O concclbo deestado ser cncarregado do exa-
modos assumplos seguinlcs : assumptos gover-
i
r>J*-WK7i
I)ar-se-ba que aquillo que Carniole nta pode
completar esta noite, niurmurou elle cstrcmcccndo,
o tenba elle feito por cima desses perigosos recites
que acaba de transpr com tanta audacia? !
Veja, disse ooflicial. Aquella faina que leva,
como o senbor diz, o Puturo soberano de aples, j
Osla nas agoas da esquadra ; mais alguns minutos, c
ella estar ao alcance da nossa arlilliaria.
tteverdade, disse Borgia ; mns, quando o sc-
nlior a aboidcu, niio levava ella senifo dous ho-
inens'
I.evava tres.....
Eeu nio vejo mus quo dous! disso liorgia
com voz estridente.
Entilo llavera algum que so esconda ?.....
A menos que nita estoja Peilo um cadver lici-
tado no Tundo Dean Palua, e pelo qual Cumile nio
vi pedir algum premio ao vice-roi.
~ (I cadver de quem?.....
- O cadver de Guise.....disse Boigia com impa-
ciencia. Sin, deve ser isto, porque Scoppa conti-
a a caminnardireito para a galera almiranta.
F. oscnlior ve queja os avistaram, porque Ibes
fiznni signaos para que se approsimem.
Consumido sojas lu por todos os demonios!
exclamen Borgia, balendo com o p na cobci la en-
furecido ; olhe como ellos obodecem ao sgnnl quo
so Ibes d.....Oh tlenriquc de l.oreua be um valen-
te principe, que bem merece cliegar onde quer!
mas, a ilizer a verdade, elle nao se poda encontrar
com ntais estpidos inimigos.' Corra direito aquella
barca, senbor capilfio, o pelo santo re cujo nomc
iinlio, ou llie hei de coitar o caminbo, ou niorre-
iei nelle.....I)e-me d'ahi dous remadores.
O quo havia excitado a tal ponto a colera de lior-
gia, era que no momento em quo as galeras pare-
ciam saudar a feliz ebegada lia Palua do duque de
Cuiso, quo scapproximava dolas, o duque so er-
gura repentinamente sobro o banco da fala, c
afl'roiitaudo altivo osseus inimigos, bradra agitan-
do o chapeo:.
Guise I a Franca e Guiso!
No mesuro momento, u Palua mudou do direccilo,
e correu direita i Ierra, a alguma distancia do a-
ples.
nativos que disserem respeito aos interesses do
estado, ou aos das provincias, redac^o, reformas,
modificaefio do leis, examedos rcgulnmentosad-
ministrativos, rreacflo dos mesmos, allienaofio
dos bens do estado, coneessta e confirmac;'lo de
>i privilegios, paulas das alfandcgas c tratados do
commorcio, exames dos ornamentos c con tas da
u administradlo do estado o das provincias, revi-
silo e reforma do regiment actual dos concolhos
municipaes e provinciaes.
Sua Santdade dirigir urna caria aulhographa ao
imperador e outra a imperatriz da Austria, exhor-
tando-osaconlrbuirem para que lerminasseamiga-
vclmonlc a qucslfio relativa Ferrara. Em geral, jul-
giira-se que essas cartas produ/iriam o effeito dese-
jado: o propro conde de Lulzow pensara desse'
modo: assegurra-se que a Austria acceder s
ultimas proposlas do papa para que a predita cdade
passasse a ser guarnecida por Suissos, urna vez que
se Ihe nfio negasse o direito de guarniefio; mas, no-
ticias posteriores vicram desvanecer tfio gratas espe-
luncas, pois quo annunciavam que Ferrara ainiia so
acbava oceupada pelos Austracos.
O duque do Lucca abdicara em Modcna, de aecr-
do com o legitimo successor, os direitos que tinha
coroa, e declarara incorporado a Toscaua o territo-
rio sobre quo cxerci^ra sua soberana. A incorpera-
'5fio eclebrara-se com toda u pompa na presenca de
grande concurso de povo, que, apinhoado em frente
do palacio ile Pitti, acujajanella via-so o grao-du-
que com a familia, saudira-0 com unnimes accla-
inaeoes; c, terminado o acto, iclirra-se rcpelin-
do entusisticamente: Viva Leopoldo, princi-
pe reformador! Viva a rcuniilo do Lucca o Tos-
cana!
O Diario de lucca noticiara que, a 11 de oulubro,
tomara posse desse ducado o grita-duque de Tosca-
na, por intermedio do concelheiro seu delegado ; e
que, depois do prestado o juramento do lidelidade
e obediencia a S. A. II., tanto pelos magistrados co-
mo pelas autoridades cvis e militares, publicra-se
um decreto em que o referido grita-duquo, ao passo
quo coiilrmava os empregos, honras o condecora-
cOes, que seu antecessor conferir, abola a pena de
mora.
\ Patria, peridico florentino, noticiara que, a
do precitado oulubro, linham entrado no Galli
cano delegados do duque Francisco V, com tropas de
Modcna, destinados'a poderarcm-so do territorio
livizzano; oque, opaiz se mo decidir a ceder ou
resistir, por nio liaver ahi um commissario sequr
do governo toscano, nem ter este adoptado pro-
videncia alguma acerca de semelliante acontec-
mento.
Ccruce, pequea cidade de aples, que nio con-
la mais que *,000 habitantes, tara assiillada por urna
partida do insurgentes, que, em numero de 6,000,
tiubam-se refugiado nas montaiibas. Itcchassada
durante o dia, essa partida voltura noite, excitara
a populacloa armar-se, clevra-a a soltar o grito
de : Viva Fernando II. Informado desta oceur-
rencia, trasladra-so para essa cidade, com o lim de
bater os rebeldes, o general Nunziaute que eslava
no caminbo de Monle-Leone com alguns balalhOes
eselepunas de arlilliaria. O general colhra bons
resullados deslo movimento; porquanto sufTocra
inleiramente a nsurreicfio; aprisionara um dos che-
fes della, o barita do Longo Duceo; c lizera perse-
guir o capturar nove companheiros deste, que ten-
taran! escapar-so. Segundo o contexto de una carta
inserida no JVcureue do Marselha, o barita ia ser fu-
zilado. A mcsina caria alliinava que os nicos cho-
res da insurrcicSo, que anula existiam, eram Joita
Andrs Itomou cuja posiefio se nilasabia, co bario
Plotino, que, com o irinQo, capilaneava urna poiQlo
de rebeldes nos bosques do Sila.
Suissa. Era bem melindrosa a siluacao desse
paiz ; ludo so preparava para um conflicto terri-
vel: aflirniav-se que as potencias do norte ha-
viam pactuado com a Franca inlerviroui nas ques-
lOes que ahi so debatem, logo que, como se acha
prevenido no tratado de Vienna, os estados do Soun-
dtrbund solicitaren! a interferencia; a qual, em to-
do caso, ser exorcida pela Franca c Austria : a
Proutcira de Lucerna, donde tinha partido tropas
para Willisan, eslava oceupada por dous balalhOes
de inPiintaria o duas companhias de carabineiros,
que o governo de lierna lizera marchar para all:
roceiava-se que a numerosa populacho catholica de
Argovia se pronunciasse pela liga, c apromplavam-
se lrcas para 1 lie i re ni guarnecer a frouleira :
o districlo do Moral, em Friburgo, declarara mui
positiva c terminantemente, quo nio acudira ao
chamamento do governo : o directorio cncarre-
Tudo Poi sbita commocio na esquadra : as gale-
ras dispararan! toda aiiililliaria que linham sobro a
Palua, c as chalupas foram laucadas ao mar. F.ulre-
tauto o povo do aplos so havia apinhado pela
praia, avisado pelos primeiros tiros de pega, que al-
guma cousa extraordinaria se passava no golpho.
Tiuliam vislo a caca dada a fala do Cuise; depois
a da barca do Uorgia ; e o interesse Pora vivo ; mas
quando as duas embarcac,es Poram obligadas ase
approximar dos navios hespanhes, a murtidilo co-
mocou a dispersar-sc : era precisamente quando a
barca eslava sendo dolida pola manobra audaz do
llcnriquode Lorcna.
Assim como as numerosas assemblas teeni algu-
inas vezes um sentido moral superior ao do homem
mais intelligcnlo o mais instruido, da mesnia sotte
parece quo a subiileza dos sentidos physicos clic-
ga nas massas popularos a urna potencia de pcrce|i-
efio inerivel. Fssc grito do Guise que pareca dever
perdor-so e morrer no espaco, dominou o profundo
murmurio do mar, o confuso motim dessa esquadra
do chalupas, ochegoual mulld-lo quo sederra-
tnavn pela praia. Mil outros gritos Ihe rospondo-
ram, cosechos do Castellamaic osrepcliram com
surdo mugir. Depois, o do repente apparcceu um
tumulto Infernal : tudas as galeras so pozoram em
movimento, lodos as pecas dispararam ao mesmo
lempo, o mar vio-se cavado por milharos dbalas
as chalupas, as falas o embarcaces do toda a espe-
cia correrm para esta fala, que coulinuava a vo-
gar para a cidade, cinquanto o duque de Guise, agi-
tando como nina bandeira as plumas do chapeo, em
p sobre um banco, affroulava, sorUndo, lodos csses
(rovOesquo roncavam contra ello, e mostrava aos
quo elle ia commandar quanto podem a audacia e a
volitado inflexivel do um hoiiiciu.....
Porcio, entro todos essas ligeiras embarcacOes,
alvorotadas com a caca dada Palua fle Guise, urna
barca levo o estrella so tinha adiantado a lodas as
outras..... um rapaz Ihe diriga o lemc, einquanlo
dous vigorosos marinheiros Paziam vergar os romos
sob esforc.es desesperados. Tambem umhoinemahi
so ergua em p com a espada na mlo, a cabeca des-
coborl, e o rosto inflammado de cruel ardor; a seus
gara ao coronel federal Kurn a exlracco de 300 mil
'rancos dos fundos militares do Zurich e Lucerna,
os quacs coiisstam em sele ou oito milhOes do
Crneos, depositados, por parios iguaes, nos dous
ltimos .los precitados cantees, o no do Berna ; mas
cra-se gcralmente quo a ordenada exlraccilo so nao
vcrilicaria. ,
Achando-se as cousas nesso estado rcunira-so a
diela; mas a sua re.unta quo parecer percursra
do acoiitecimentos Polizes, como que veio apressar
o roinpimnlo.
Hepois do ter proclamado aos cantes do Sounder-
bouiui; o do haver-lhes mandado commissariosen-
carregados do promoverom a conciliacflo; depois de
ler rejeitado a proposta em que os deputados dessos
canlcsdcclararam quo osseusconstilnntcs depo-
riain as armas urna vez que Ibes assegurassem a in -
dependencia oalibordado religiosa, garantidas no
pacto fundamental; depois de ter sido informada
que o iounderbund recusara receber os enviados fe-
deraos, sob o fundamento de nada ter a tratar com
es, vjslo como ja tiriha cleito seus M;presritdi-
tcs; a referida dicta assentou que ora indispcnsavel
a guerra o nomcou general em chcfo para o exercito
federal.
Se bem que este passo parecesse o ultimo, todava
os que c-.licv.aiii dispostos a sacrificar ludo pela paz,
coiiseguifwBi uma conPerencia entre os deputados da
liga c os delegados da dieta, na qual se ujustasso em,
urna proposla, que, sem ferir nenhuma das parcifl
ldudcs cin seus interesses vitaes, habilitasse cada
u ma a ceder das pretencGes deque podesse desistir
sem quebra da dignidade. Os mencionados deputa-
dos lembraram o adiamcnlo da qucslfio ; mas tive-
ram a iuPelicidade de ver essa lemhranqa repcllida,
nio mi por nio ser a propria para corlar mal pela
raz, como por poder tornar-se Patal ao partido radi-
cal, -caso o adiamento so prolongasso at que o go-
verno central so transforisse para Lucerna, eos jesu-
tas viessem a sor arbitros na causa. Mal succodidos
ola pi inioira tcntaliva, o leudo observado que os
radicaos persistan! em exigir a expulsta dos jesutas,
propozeram os deputados, quo os dous partidos se
desarmassem, e subjeitassem decisflo do papa esta
quesliio particular: tiveram," porm, o desprazer
de testemunhar a rejeiefio deste segundo alvitre ;
mri)iianio os delegados da dieta cnteuderam que se
nSonarmonisava com as regras da decencia o sub-
jeitar a maioria protestante semclhanto decisfio,
ncm tilo pouco permiltir que o poder, que represen-
tavam, se despisse, por essa forma, de urna attribui-
qto quo linham convicefio de pertcncer-lhe.
Kntilo os depuladosda liga accordaram em sabir
do Berna, e exceularam o proposito pelas duas ho-
ras da tarde do dia 29 do outubro, depois de terem
enderezado um manifest dieta, e de haverom for-
mulado um rclatorio de todos os passos quo precc-
deram sua ultima resolue'io.
Km 2 de novembro ainda se nio linham encelado
as hostilidades; mas acreditava-so gcralmente quo.
o rompimeuto lena lugar no dia 5
Allbmanha. A 3 de selembro chegra Ischl,
S. M. el-rci da Prussia coiii os principes Luiz e Fran-
cisco Carlos, que exercem grande influencia no go-
verno interno da Austria, este como herdeiro prc-
suniptivo da cora, e aquello como director da po-
ltica interior. Estes dous principes pensam de di-
verso modo acerca da scienca degovernar; tanto
quo, tcndo-lhes o rei observado que cumpria refor-
mar o aclual systema de governo, mxime no que
ilizia respeilo a bohemia o Austria, tilo carecedras
de certas concesses. o primeiro adherir immedia-
(amonlc a observaefio; o o segundo opinara que
convinha nfio perder do vista a posQo particular
da Austria.
O principo de Wallestin, o conde do Rusberg o o
conde do Schwenhorz obliveram maioria de votos
na cleicita a quo, no dia 2:2, se proceder na prima-
ra Caara dos estados prussanos para os dous can-
didatos denlrc os quaes o rei de\ ia do cscolher o se-
gundo presidente. Na mesma casillo foram no-
meados secretarios : em primeiro lugar, o barita de
Slaiiflenbcrg ; em segundo, o conde deMortgcla.
HoIlanoa. Pola voz primeira, um representan-
te da santa s recebera, nesse paiz, a grita-cruz do
l.clo noeilamlez Esto representante foi monse-
nhor Ferreri.
Grecia. Escaramuzas entro as tropas do general
Mmenseos rebeldes de Mauparta linham. contri-
buido para o fornculo do varios soldados.
As ultimas correspondencias de Alhenas exaradas
nas gazetas brilannicas asseguravam que o general
Grivas, cliefe da ultima iisiirieiqilo contra o gover-
no da Grecia, recebia ptimo tratamento das aulori-
ps ahi estava urna moga de joelhos quo esconda a
cabeca entro as mitas.
Aqui estou cu, Guise vem c ; aqui estou
cu bradava Borgia, (era elle osseliomem).
Eavoz de Borgia nilo menos estrugidora quo a
de Guise, dominou tambem por um momento todo
o tumulto desta secna, e chegou at ao duque.....
Vollou ello a cabeca a oslo desali; um indisivcl
movimento Je temor so ostentou no rosto do tilo al-
tivo principe, que alravcssava com tanto socego as
mil njortosque o porseguiam. Cumile olhou para
elle o deixou escapar um sorriso ; mas quasi que
ao mesmo tempo Honrique do Lorona exclamou :
- Parem- os romos! nunca doixei <\ respon-
der a quem me chama com una Aspada nua na
mita.
Os remeiros obdeccramj, mas inmediatamente
Carniole so levantou hradando com colora :
Aos remos, miseravcis .'.....aos remos!.....
com forca, redobrem.....
E como Guise Iho quizesse impdr silencio :
-- Sonhor duque, replicou Scoppa, Vossa Alteza
nSo traz smeulo na pona da sua espada a honra
dos Guises, tambem ahi traz xis destinos de um po-
vo : Vossa Alteza j se no pertenec.
A barca do llenrique tomou do novo carreira o a
de Borgia velejava com urna rapidez exlroma ; ca-
minhavam ellas em ngulo roclo urna para a outra;
Guiso osforcando-se para abicar costa, e Borgia
procurando corlar-lhe a carreira. J o duquo esta-
va alm do alcance da arlilliaria das galeras, o mui
porto do torra para que as bateras da cdado con-
servassom em tal distancia as chalupas quo podes-
soin aventurar-se a dar-lhecaca ; nem reslava mais
esperancis aos Hespanhes noin obstculo ao du-
que, senSo essa barca conduzida por Borgia. To-
dos os olhos se cravaram sobro esses dous foros ini-
nii nos.
Com cffeito, as barcas de ambos corriam com
igual volocidade ; ese a de Guise viosse apassara
de Borgia, seria tilo pouco espaco, que ora impossi-
fcl calcula-lo.....Dentro em pouco acharam-s ido
prximas, que todos julgavara o encontr inevita-
dades turcas de Janna, e davam a entender que es-
se general nilo s aceitara um posla do accesso no
exercito turco, como so comprometiera, anle o go-
vernador HaliPax Pacha a reduzr |a Grecia ao jugo
ottomaiio, sepozessem sua disposiefio m exer-
cito de 3,000 homeus : mas accroscentavam que ello
so constituir patriota grego oxaltado, logo que sou-
bera da morto do general Collcti; abrir correspon-
dencia attiva com os descontentes do interior; o
dispozera-so a provocar outra insurreicta.
Ikdia.- Prevenidas do que projectava-se urna
conspiraco em Labora, as autoridades inglezas, cididas a extinguir o gormen do mal, linham feito
recolher fortaleza de Shaikhoopr.i Ranee Chun-
da, a rainha-mfii, e o moco Maharajah. O lim da
conspiraco era demittir o primeiro ministro, cuja
affoigfio pelos Inglczes hesummamente conhecida.
Esta providencia concorrera para que as cousas
tomassem apparencia mui satisfactoria ; tanto que
o durbar publicara urna proclamacilo prohibindo o.
infanticidio, o outra supprimindo o trabalho for-
"ado.
Lord Hardingo ia propr urna boa penslo ao rei
do Oude para quo ellodemitlisse do si toda a auto-
rinilc poltica. Esta proposla dizia-so filha da ru-
conhocida uccessidade de suspender a progressiva
desorganisaefio do paiz; o so o ro a rejetasso, o go-
vernador o mtoiraria da disposiefio em que eslava
do relirar-lhe a proteccta e dexa-lo exposto aos
Caprichos dos subditos.
Tambem se curava de melhorar o governo de Ni-
miii ; mas, ltenla a docilidade do rospectvo prin-
cipe, se Ihe permitliria conservar a autoridado poli-
tica, uina vez que se elle nao negasse a fazor certas
conccssOes aos vassallos.
. P ora preso em Itaipootana o dacoil em chefe Don-
oorSnigh; mas esta ^risto demandara o emprego
e urna frca de sois mil homeus.
O commorcio Uvera notavei incremento em llom-
baye Calcuta.
Argel. Os Kobglos linham acommeltido as tro- J
pas francezas; mas, rechassados cnmpletamenle,
haviam retrocedido, e conservavam-se quiotos.
Boatos que so destruam reciprocamente) e que
pareciam comprovar o equilibrio da lula entre o
imperador de Marrocos e Abd-el-Kader, ora iuculca-
vam que esto se achava sonhor de Rif, ora assegura-
vam quo se ello escapara para o sul. Entretanto,
cria-se gcralmenlo que Abden alunan, ou se approx-
mava de Fez, im'ja a tinha oceupado; e que; so o im-
perador nta eslava disposlo a tomar a iniciativa,
tambem se nfio arrecciava do avizinhar-se do emir.
A sublime porta ainda nfio desistir da preteneflo
de cousdcrar-Argel como dominio seu ; pois que ne-
gara passaportes a dous navios gregos,- allegando
que esse porto pertencia ao imperio oitomano. O
minislro fraucez reclamara contra este acto; mas
nilo conseguir cousa alguma ; c os commsndanles
dos navios, a lim de poderem seguir viageni, viram-
so obrigadosa declarar que a transferan para Mar-
selha.
CGMMEftCIO.
Alrandega.
RENDIMENTO DO l*. 24............ *:S32,79
Deicarregam hoje, 29 de detembro.
11 ligue. San- Domingot merendonas.
Barca l'riicilla dem.
Barca John-larnum idem.
Brigiio Putuatn farinha.
CUNSUL.-vpO GERAL.
ItENDIMENTO DO DIA 94.
Geral......................... 1:837;586
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 24..............1:782,991
Ulovimento do Porto.
Navios entrados no dia 24.
Ro-do-Jineiro ; 32 dias, brguo brasileiro Ntro, da
193 toneladas, capitfio Joaquim Pedro de S Paria,
vel. a fala de Guise ia ser apretada de lado,
3uan lo repentinainonte Carniole muda a dlracefio
a sua barca, inclina-a para o lado da dn Borgia ,
como quo para a deixar passar; e depois, vullanilo
sbito o lemc, o animando os remadores rom gritos
e a mea gas, corro sobro a barca do Italiano, aborda-a
de lado, abalra-o. vira-a, aubmergu-a o paisa
victorioso por cima das ondas, em uno a barca o
os quo iam nolla haviam dosapparecido! Mil ari-
tos do triumpho rchentain do lado, de aples e a
arlilliaria das galeras comer do novo a trour, lau-
cando a Guiso balas inutois, maneira desasa fu-
riosos que, nio podando mais atrancar o iiiimigu,
o peisegiieni com injurias. Um moniouto dapois
vio-so appareccr. na supui lieiu das agoas 0 ssiulo
encarnado do Aila, o a barca do Guise parou, lta>
hia alguns Instintos a moca era rocolhida portar
niolo.
Sonhor duque, disso o hundido entilo, a>u
Vossa Alteza vendo aquella caboc que nuda a mala
tiro do mosquolo f pois n;ta ho .ioiii s de KrailouMtto
nom a de nenhum do* remeiros quo se toinsisiii
bordo da chalupa do Iigo.
Tons rasan, respondan Honrique, he lloigia.
Nfio Iho pareco quo bu hum umproguds agota
a hala quo osla nesla espingarda ?
Pareca-mo mais do que ssu, disso Cuino j ds~
vo-lhe urna desforra.
Tomo sentido, mou seiihur, so Unos "lis e-
mo ello a tomar.
Carniole assoprou & mochada espiigm
Para ixapolos, responden t.uiss sirsiiosii4>
Ih'a da inflo.
Mein hora dopois, dosoiubaicava Guiso sin apo
les, no moio do eom mil liomuns quo luih
do so seu onoontro, o quo o lovsvam Bill tiiuinplin,
omquiinlo liorgia, inuiiiilu o qua>i a inmlo, a
corras mais prximaolialupj, oc
mo um criminoso a |>rnssnoa do li Joan do AUSltll
e do duquo de Arcos. Qiianlo a ftu .iiiguom
so importuu com o lim que levan,
(GabAMr-iH4s.)


vu
c
eqn
.. fgem13\ carga plvora o mais gneros; a
'l'eopoldo.Josc da Costa.Araojo. Passageiros, Joa-
i.Viim de Merlo Cardoso; <> soldado do sexto baia-
"10 de fuzilelros Manoel Trindado de JeSUsyfrM-
odo Nascimenlo, Hrasileiros.
); 28 diag, brigue portugus San-Dominga,
,ie 200 toneladas, eapilifo Manoel Gqncalvcs ViaBr
na, rqi/pagom 17, carga vinlio c mais gneros;
a Monde! Ti:iroso.
jV<^v.Carlis!c;N47 das, brigue inglez C.-T.-Sullon,
' de.197 toneladas, ca-pilflo John Palto!, equipagem
J1anrg* 2520 barricas o 100 caixas com bacalho;
* Me. Calmpnt & Companhia.
Navios sahidos no mesmtf iia.
Portos do norte; vapor brnsileiro Pernambucana,
commondante Joflo Miritio llcnriquo. -- Afm dos
pas do norte leva a sen bordo : para o Cear, Joflo
Francisco Rarboza Cordeiro.
Liverpool; galera Ingleza Serafina, cap tilo John
Taylor, carga assucare algodflo.
labia ; escuna brasileira Curiosa, capitflo Domingos
Antonio de Azevedo, carga varios gneros.- Paspa-
geiros, Dr. Pedro F.pifanin Soares, Jos Francisco
de Silo Boa-Ventura com una atildada menor, una
criada c urna cscrava, o capilflo Manoel Agoslinho
da Silva Moreira co:n una sobrinha c 5 escravos,
Francisco Jos da Itocha, Francisco Jos da (tocha
Jnior, Brasileiros.
Canal; escuna ingleza John-llomelly, capitflo Ri-
chard Kendall, carga assucar.
Navios entrados no da 23.
Lisboa ; 35 das, brigue brasileiro Despique, do 178-J
toneladas, capilflo Joaquim Jos dos Santos, cqni-
pagem 13, carga vinno, sal e mais gneros ; a Ma-
chado & l'inheiro. Passageiro, Joio Gomes de Oli-
veira, Portuguez.
Porto ; 28 dias, balea porlugueza llella-Peinambuna-
na, de 347 toneladas, capilflo Manoel Francisco No-
gueira, equipagem 30, carga vinlio e mais gne-
ros ; a Antonio Francisco de Moraes. I'assageiros,
Manoel Joaquim da Costa Maia, Antonio Joaquim
Vas de Miranda, Manoel Luiz da Silva, Jos Alaria
DiasGumariies, Jos Antonio deFaria, Joaquim
(ornes Duarte, Francisco Ferrcira Itangel, Miguel
Alaria da A^umpijito, Aijtonio Duarte Cnrnciro Ju-
ii*, Joaquim Duarlc Campos, Augusto Jos da
Costa. Justino Antonio Hamos, Antonio do Souza
Alachado, Joflo Joaquim Gomia Alalhado, Joaquim
Dias da Silva, Joaquim Bernardo Alonteiro, Fran-
cisco Jos Lopes, Joio Joaquim de Souza, Jos
Francisco Fernandos, Francisco Jos, Jos Alanoel
Fortuna, Alanoel da Silva c Santos, Firmino Fran-
cisco Flores,'Antonio do Souza, Antonio Domin-
gos Alves, Jos Pedro, Antonio de Azevedo Cam-
bio, Custodio Antonio Soares, Jos Luiz de Mal-
los, Jos Alves Aloraos, Jos Antonio de Mallos,
Antonio Francisco Vassoura, Jos Mailins da Sil-
va Vianna, Thom Pereira, Antonio Pinto Coelho,
Jos Bernardo Goncalvos Ferrcira, Faustino Anto-
nio GoiiQalvcs, Francisco Cbanies com sua mullier
0 una (Iba, Joio Fernandes de Magalhflcs c Silva,
Anlonra dailva Campos Jnior, Joaquim Ai.Ionio
Dias de basteo, Antonio Soares, Alanoel Francisco
Gomes, Christovflo de Souza Araujo, Joflo Teixci-
ra da Palha, Alanoel Fcrreira, Joaquim Soares, Ali-
guel da Silva Aloraos Guerra, Scypriano Augusto,
Jo.lo Alartins, Victorino Alarlins, Joaquim Anto-
nio Rodrigues, Antonio Alves, Forlunalo Itodri-
Bcrnardo Jos da
e Oliveira, Ala-
Malhado.An-
ira dos Santos,
Francisco Rodrigues da Silva Moreira, Jos da Sil-
va, Luiz da Silva, Joilo da Silva Ferrcira, Francis-
co dos Reis, Antonio Jos Alves do Oliveira, Joiio
Pinto da Silva, Alanoel Poderosa e Joo dos Sanios
F. de Souza.
Assu ; 14 dias, hiato brasileiro Aan-JoJo, de 44 tone-
ladas, capitflo Bal bino Alves de Souza, equipagem
7> carga sal e palha ; a Jos Alaria Barhoza.
Declarares.
- 0 arsenal do guerra compra 8 duzias de' pra-
tos le louca branca do p de pedia 8 iltiziasde
tirillas de dito, 65 cobertores do algodflo 400
varas de brini liso 110 covados de chita para-co-
berlaY 43 IravsscirOs de panno de Indio 150 es-
teirasMe paflia do carnauba : qocm Ues gneros
quizer mrnecer mandar sua proposta, ein carta
fechada e^ amostras a directora do me-smo ar-
senal,at o dra 4de Janeiro do auno prximo futuro.
Arsenal de guerra, 24 do dezembro do 1847.
Joo liicardo da Silva,
Amanuense.
O arsenal de guerra compra 18*livros eru bran-
co de papel paulado sendo cm formato grande ,
tim com 300 roldas um com 200 ditas, c3 com
150 ditas cada um ; e 13 em formato mais peque-
no sendo um de 200 folhas, 2 de 133 ditas cada
um c 10 com 50 Toldas cada um: queni tacs livros
tiver o quizer se incumbir de os fazer, compare-
cer na sala da directora do mesmo arsenal, das i)
horas da manbfla as 2 da larde, dos dias 29 e 30 do
corrento mez o 3 c-4 do Janeiro do anno prximo
futuro.afin de vercm os lamanlios de quodevem sor
os livros para|nieldor apresentarem suas propos-
las, cm caria fechada a mesma directora.
Arsenal de guerra, 24 de dezembro do 1847.1
Joo Ricardo da Silva,
Amanuense.
escrivo chefe da segunda secc.flo do consulado
provincial, de ordem do lllm. Sr. administrador do
mesmo consulado, faz constar a lodos os proprieta-
rios de predios urbanos dos bairros dcsla cidade,
que, dodia 1." do corrento mez do dezembro, se
principiaran! a contar os trinta uteis para O pagamen-
to, bocea do cofre, da respectiva dcima do 1. se-
mestre do* anno finaneciro corrcnle de 1847 a 1848 :
e todos os que dcixarem do pagar, dentro do referi-
do prazo, incorrem na multa de 3 por cont sobre o
valor do scus dbitos, c serfo do prompto executa-
dos. Recifc, 6 de dezembro de 1847.
No impedimento do "scrivflo,
Jos Cuedes Salgueiro.
THGATRO PUBLICO.
GRANDi: I- AIAGF.STOSO PRESUM.
Quinta-fcira, 30 do corrate ,
se represeutar o muilo applaudido drama
A CEGUEIRA DE TOBAS E O ACTO DO NWSCI-
ME.NTO DO MENINO DOS.
O director, para nao demorar tanto o espectcu-
lo reduzio os 6 quadros da peca coi mutacOOl do
secna vista, para evitar que o panno desea tan-
las vezes ; modilicou quanto Ihc foi possivcl as ce-
lias, alim ue que por espacosas se nao lornem Ion-
gas demasiadamenle. As dansas sorflo iliflcreiilcs ,
osefaratodoo possivel para continuar a agradar
aos amadores deste divertinienlo.
- rt* f a,na M. i -l-^I^JS^fiJfcS^'jSJ^
Avisos martimos.
Navios sahidos no mesmo dia.
car-
Havre ; brigue francez Be/iu/eu, capilflo Evers
ga assucar e algodflo. (
Londres; barca inglezaSun-Flotcer, capitflo J. I'or-
roster, carga a mesma que Irouxe.
Londres; galera ingleza llarpley, capilflo T. Bu-
ckland, carga a mesma que irouxe.
Navios entrados no din 26.
Edgerlown ; 56 dias, galera americana Vineyaid, de
380 toneladas, capitflo H. Al. Goon, equipagem 28,
carga 120 barris do azeite deespermacetc ; ao ca-
pitflo. Vem refrescar o segu para o Alar-Pacih-
co pesca.
Terro-Nov ; 50 dias. briguo inglez Mary, de 171 to-
neladas, capitflo Samuel Cunton, equipagem 10,
carga 2250 barricas com bacalbo ; a Me. Calmont
(S: Gompanbia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Maranhflo; briguc-cscMia brasileira Arcclina, capi-
tflo Antonio Silveira Alaciel Jnior, carga assucar,
caf, ago'ardenlc e mais genero*.
Mar-Pacilico; galera americana f'ineyard, capilflo
H. M. Coon, carga a mesma que trouxo.
Navios entrados no dia 27.
Marscilles; 36 dias, briguo francez Avago, de 176 lo-
nelsdas, capitflo Simflo Deyn.r, equipagem II,
carga vinho e mais gneros ; a Hegor & Caucanas.
New-Bedford ; 40 dias, galera americana Ueurgs-
Washington, de 373 toneladas, capilflo Benjamn
F.Gibbs, equipagem 29, carga utensilios para a |
pesca ; ao capitflo. Vcm refrescar o soguc para
o Mar-Paeilico. '
Rabia; 21 dias, briguo brasileiro Prudente, do Ii3,
Fara o Porto sabir, n da 10 de Janeiro, o
briguo portuguez Primavera de que be capilflo
Rodrigo Joaquim Concia, forrado c cncavilhado de
cobre c de primeira marcha por ter scu carrega-
nicnlo quasi | rompi: quii nclle quizer Carro*
gar, ou irde passagom, para o que tcm bous com-
modos dirija-so ao consignatario Antonio Joa-
quim de Souza Ribciro ou ,ao capilflo, na praca.
--Para oAracaly pretende seguir viagcni, ala o
melado de Janeiro proximo.o briguc-escuna Hcnri-
qu(ta, meslre Jos Joaquim Alves da Silva : recebe-
r carga para o Ass c Touros : quem nelle qui-
zer carregar cnlenda-so com o mesmo meslre, ou
na ra da Cadcia-Velba, n. 17, segundo andar.
__Para o Porto subo com a uiaior brevidade o
brigue portuguez Ventura-l-'elis, por ter a niaior
parto do ca riega ment prompta : recebo carga a
frele o pa'ssageiros.para o que lemvxcollentes com-
modos. Trata-so com os consignatarios. Mendos &
Tarro/.o, na roa da Cruz, n. 51, ou com o capilflo,
Zeferino Ventura dos Santos, na praca do Com-
mercio.
-Para o Bio-de-Jaiieiro sabe por estes das, por
estar quasi prompto, o brigue Sociedade : para o res-
to da carga, passageiros ou escravos a frote, falla-
se com Jos Francisco Colares, nos trapiches das os- .
cadinhas, ou na loja do ferragens da esquina da ra
da Cadeia, com o capitflo.
Tcrr;o, venda n. 7.
Joaquim Jurencio da Silva embarca para o Ri-
le-Janeiro o sou cscravo preto, crioulo de nome
Antonio.
Furlou-so, ou descncaminbou-sc na noitc de
sabbado, 25 do corrente do sitio aonde_ actual-
mente reside o cnsul inglez, no Cal leiroiro, um
eflo grande o preto da rar;a do Tei ra-Nova com
os cabellos enroscados trazendo a roda do pesco-
eo una colleira comosoguintolottreiio II. B. M.
consol Pernambuco gravado em urna chapa ; cha-
ma-so "e atiendo ao nome de Nrp : qualquer pes-
soa que o encontrar, ou souberaonde existe o pe-
der leva-lo ao dito sitio, ou ao consulado britanni-
co.rua do Trapiche-Novo, quo receber 20,000 rs. de
gratilicaeflo : assim como quem o liver occulto cm
casa e no o entregar, sondo dopois descoberto ,
ser rigorosamente perseguido pela Ici.
Oirercce-so um liomom portuguez para c,aixoi-
ro de urna casa particular, para vender na ra qual-
quer negocio : queoi do sou prest i mo se. quizer uli-
lisardirija-.se a casa do Francisco Jos de Freitas
Cuiniarfles, no paleo de S.-Jos n. 2, que se Iho di-
r quem he.
~ Manoel Ferrcira Ramos faz publico, que, no dia
24 do corrente pdrdou desde a ra do Collegiq
al o sua loja da esquina da ruado Crespo, urna
leltra da quantia de 161,600 rs. sacada no dia 23
do corrente a prazo de 4 mezes sendo aceitan-
te o Sr. Joaquim O. Elslcr, e sem si.cador oxprossu.
Roga-se a quem a achou o favor de a enticgar,
porque s dever ser paga a ordem do Sr. Francis-
co de Carvalho Paos do Andr.ide, a. quem dita lel-
tra pertencia o declara-se que tica milla so appare-
cer com outro sacador.
--Jos Ignacio dos Santos retira-so para fra da
rovincia.
Alfonso Maugin retira-se para fra da provin-
cia.
Quem annunciou querer fazer negocio com
duas casas a Iroco de escravos, dirija-se ao pateo da
S.-Cruz, n. 14.
Dcsappareccu, ni manha do dia 24 do cor-
rente, do segundo andar do sobrado da ra Nova,
n. 21, um gato com os signaos seguidles : branco ,
com malhas amarcllas, bastante grande 0 gordo;
lie capado e mullo manso. Roga-se a qualquer pes-
soa cm cuja casa tenha elle entrado, que timba a
hondade de o mandar levar na venda da ra das
Cruzes n. 41 que se gratificar generosamente ao
portador.
Perdeu-se, na matriz de S.-Antonio na oeFa-
siflo .la missa do Natal um lenco de lavarmto :
quem o achou c livor boa consciencia o poden en-
tregar ao guarda da dila matriz ou no pateo do
Carino .sobrado dcum.andar n. 16.
Ao* Srs. de engenho proprltlatios dista pruen.
Desncccssario be allegar rasos, sem obras evi-
dentes, o postas em exccuc.no, por isso o aniuin-
cianle dcixa do fazer nicncflo ; e vista pois de quem
pretender, dar-se-lhe-bio os esclarecimenlosde sua
habililacfloecapacidade para senielhante emprego
de reger e prosperar qualquer engenho, fa/endo os
que sflo ruina bous, c os que sao bous licarem com
doblados valores, tanto no augmento da safra,
como cm cortas bcnifoilorias, inda uflo vistas nesta
provincia. Diiijam-se a la das Cruzes, sobrado
de um andar, com varandade ferro, por cima do
Cartorio, ou aiinuncicm.
Furtaran, no dia 22 do corrente das 8 para as
9 horas da noitc, de cima de.uns prancllOoS, no caes
pordclrsda ra da Praia um chapeo preto de
massa que linda dentro varios papis, como fosa-
sen! : urna leltra aceita por o lllm. Sr. coronel Jos
de Rarros Falcflo de Lcenla com alguns recibos
do da esquina di ra Velha.
r.'4Ui>ras.
-CompVa-se um c.ixflo para amostras de venda,
(iuo tenha 10 palmos de largura e oito ditos lie al-
lurapoucomaiaou menos; o um candieiro irau-
ee/ em meio uso : que n liver aiiuuncio.
-Compra-se Ifl. de Irecba e bariiguda para en-
cher colchos ; paga-so be ni : na roa Nova, n. 28,
defronte da igreja da Coneeicflo.
.iw..... i -
'
Vendan.
(i.
; na.
Mo-
nas cosas, una obrigacilo imprestada quantii de
91 810 is. contia o Sr. .Manoel Jaco da Silva a v< n-
eei-seem marco futuro, e alguns mandados de
embargos. Roga-so as pessoas que tivcicni noti-
cia destes objectos de os lomarcm e lovarem noticia
a ra da Praia n 41, que se gralilicara.
Vendem se
frocos soitidos, muilo lindos; riquissimos cha-
peos de palha da Italia, e de arroz, abertos c le-
chados para scnbora c meninas ; ditos de palha da
Italia para meninos ; ricos bonetes de panno para
bomcm : na ra Nova n 10, loja de Hiplito Sanil-
Martin & Companhia.
boizeguins
rs: os iTiui-
Attcnco.
Na noilo de 19 para 20 do corrcnle mez fot
ado en sua casa Filippe Rodrigues Teixeira ,
w
Avisos diversos.
....... .-. .-
N AO I. E I A Al 1. ..
Para fechar o anno de 1847.
A CAPISTRAADA. -A
dita leltra.
casta-
Epstola Ugeira em verso hsroico.
Resuire urna oraeflo de meeling na Cabanga, es-
pecio de supplcmento da Orando Tempeslade, em
honra dos cujos, etc. Vende-so na praca da Indepen-
dencia, loja do cncadernador, n. 12. Preco, 40 rs.
Horlas, n. \\'2t
ecisa-se de urna
Na ra de
pi imeiro andar, pr
ama de leile para acabar de criar
um menino de idade de 8 mezes.
-- Precisa-sede um caixeiro do boa conduela o
toneladas, capitflo Joaqun Das do Arene, equi- | au0 tcnlia pratica do negocio : na ra Direita, pa-
nagem 16, carga sal e barricas vasias ; a Nascimon- Jj^ %
Precisa-so alugar una prcl para o serviQO do
urna casa do pouca familia : na ra cstreita do Ro-
zario n. 22, primeiro andar.
A J'ozdo Brasil n. 9 esl a venda nos lugares
seguintcs:ruaNova loja do Sr. Cnrnciro ; praca
da Independencia, loja do Sr. Souza, n. 14 ; r
Colleg
9*
daSr.' Sc'verina ;'e na" typograpbia da ra da Praia,
n 45. Recommenda-se muilo a leilura deste nume-
ro que esta importante. .Nos lugares cima indica-
do acharflo lambem exfostos a venda os nmeros
anteriores.
O bacbarel formado Candido Autran do Malta
Albuquerquc, advogado no civel, criine e cecle-
siastico, mudou a sua residencia para a
Queimado, n. 10, primeiro andar.
lo & A ilion in.
Navios sahidos no mesmo dia.
Lisboa ; chalupa Velo:, capitflo Joaquim do Almcida j
Raplista, carga assucar.
Mar-Pacifico; galera americana t.eorge-Washington,
capitflo Benjamn F. Gibbfc ,-carga a mesma quo
Irouxe.
Navio entrado no da 28.
rhiladelphi
245 tonel;
10, carga familia de trigo
^_ reir & Gumpanliia.
.... .. sahido no mesmo dia.
ihia : 3'4HS, barca americana Navarre, de
Miadas, capilflo James Veacock, equipagem
ea farinha de Higo c fazendas; a L. C. 1er-
Trieste; brigue dinaman. -' '-isa, capilflo Nico-
ls LourencoEluerg, carga assucar.
la Independencia, loja do hr. son/a, n. i ; run no
Gollegio, foja de alfaiatc ao pedo Sr. Ignacio Vie-
jas ; no Recite, trawasa da ra do Vigario.n. i,
'oja'desapalciro ; na povoacflodo Montciro venda
rou-
bado en sua casa Filippe Rodrigues Teixeira mo-
rador no engenho Contondas da freguczia de N.-
Senhora-da-Escada c cnlreo que Ihc levaram foi
una leltlra da quantia de 300 rs. sacada por el le,
e aceita por o Sr. Joflo Francisco Lopes, rendo I ro
do mesmo engenho o qual j esla prevenido para
uflo pagar : c por esto se previne ao publico para
que pessoa alguma faga transaceflo com
A quem Ihc faltar um cavallo de carga
libo escuro dirija-se a ra Bella n. 40, quo, dan-
do os signaos cortos c pagando as dospezas, I lie se-
r enl regu.
Torna-se a participar aos Srs. que oncommon-
da ram mergulhos do parreiras na roa do Rozara
da Boo-Vieta, n. 2, que os venbam buscar, queso
acham promptos : do contrario, se passarflo a ven-
der.
Quem liver um sitio para alugar, nos logares
de S.-Auna, Ponte-de-l'cboa OU Poco cuja casa
tenha milito bous BommodoS, dirija-se a ra da
Cruz, sobrado n. 34, primeiro c segundo andares ,
ou annuncie.
Antonio Serafim da Silva, Brasileiro, c casado,
vai dar una viagem ao Aracaty.
Joflo" Jos Cirilo re ira-se para a provincia do
Ccara.
Sorvetc da ruada urjpra.
ra do
Avisa-so aos freguezesque de bojeen dianlc llave-
ra das 5 horas da tarde as 11 da noitc, sorvete e
mesmo para tora, das melhores fruas, por pceo
eoiiMoodo.
Alugam-se boas bicha-:, tanto em lamanho
como em qualidado, viudas prximamente do llam-
burgo : tanibem so vondem cm porcflO o a retal lio :
ludo por preco commodo na ra larga do Rotarlo,
ii. 52, venda da esquina confronte a igreja.
Procisa-sc alugar um prolo ou molcque pa-
ra o servieo do um casa ,e |oniaincnle do urna
que cozinlic e engomme : na ra da Cadeia
Antonio n. 19.
-- Aluga-se urna casa terrea na esquina da ruaL
do Noguelra para S.-Jos, com mullos bona oom-U|aVana
modos : a tratar na praca da Independencia .
ria 0. 6 o 8.
anta
de S.-
FOLIIINIIAS PARA 1848.
Vendem-se folliinlias dealgibeira, do porta e do
padre as mais correctas c mais regulares : na pra-
ea da Independencia, livraria ns. (i eS; na ra
Cruz, loja n. 96 ; nn roa do Crespo, loja n. 11
loja da esquina do Collegio; na botica do Sr.
i eir del'ronte da matriz.
Riclias de Hamburgo.
Vendem-se as superiores bichas de Hamburgo, a
500 rs. cada urna a rctalli, o aos ceios por menor
preco: lambom so alugam o se vflo appliear, par*
mais commodidade dos pretendentes : na ra da
Cruz do Recifc, n. 43, loja de Joaquim Antonio Cu-
iioiroiiC.
--Vendo-so The Vigar ni Waklield%: na
praca da lu lepondenca, livraria, ns. i e8.
Companhia gcral da agricul-
tura das vinlias do Alio-
Do uro
o abaixo assignrulo, agente desla companhia nes-
la praca de Pernambuco acaba de reeeber pelo l'i i-
gue-esciina Fetos una remessa de vinhos daqnella.
companhia, depois que ella foi reahililada pcl i
legislatura de Portugal, e dolada com os modos
pblicos, pelas lei de 21 de abril de 1843 para le-
var a todos os mercados os padrOes e balisas do vi-
nho genuino o puro da Mlo-Douro geralinen o
conhecido pelo nome de vinho do Porto, alim do
servirem de guia ao commereio. EsU remessa, to-
da do vinhos da mais escollnda qualidade, dCTO
olerecer aos Srs. consumidores, uflo so a certeza
de sua pureza mas lambem o typo verdadeiro dos
exrellentes vinhos do Porto. Espera pois o abaix..
assigoado, que os Srs. consumidores se dirigirn a
sua residencia na roa da Cadeia do Recite toja
n.5i, para trataren do ajusto do qualquer porc.jo
que dosejarora. Antonio Frmntiseo de Vanas.
Vendem-se 12 cadeiras com assento de pa-
lliinha ,om boni uso ; um guarda-louca; urna rom-
moda de Jacaranda ; duas mesas de sala ; duas ca-
mas, una do armaeflo e outa sem ella : na ra do
Queimado, n. 30.
. Vcndein-se borzeguios para
senhora; sapatos de lustro e de
cordovo para dila; ditos de mar-
roquim para dita; s.ipaloes da
lustro para homeni
para dito, a 3^600
lo acreditados sapatos de JNan
3 solas, taxeados; dilos^
sallo alio; ludo eliega-'
ullimo navio: na ra
da Cadeia*Velha, n. 35, loja do
Moreira.
Vonde-se urna mulalinha recollda de 14 a
15 anuos, que cozinha o diario.de urna casa, lava
de sabfl e ten principios de costura : ao compra-
dor so dir o motivo por que se vende : delronte Uo
oilflo do theatro novo casa n. 5.
__ Vendcin-oe bolinhoa franceie*, de
varios gostos differenle qualidtdeaj as-
sim como biscoutos e folias com ovos,
do melhor gosto possivcl, lano pofcSo
como a retalho, e por prcej comnWifo ;
na na Diteita, padaria n. !\o.
Vende-so vinho do Porto muilo superior cm
pipase barris de quarto ooilavo proprio para eu-
arrafar; dito mais interior, lambem em pipas a
larris de quarlo e oilava ; Iceliadiiras grandes do
broca para porla ; eoeiros de algodflo ; cal virgeni
de Lisboa; panno de linho muilo lino e mais infe-
pilulas da familia : ludo por proco comino-
modo : na ra do Vgario, n II, casa en quem-
la Francisco A. G. da Cunha primcno andar.
Yemle-sc um caniulio de r|uaho ro
das, com assento para daas pessois c cria
do, piulado ilc novo, com ai icios para
um e dous cava lies : para ver, nacoctici-
ra do Adolfo, na ra Nova, e para tratar,
na mesma na, n. t\\* primeiro andar.
... Vendem-se V2 pipas abati-
das: na ra da Cadeia do bairro
de Santo-Antonio, 25.
MOBII.IA.
Vemle-se urna poreflo de trastes novos e quasi RO-
VOS loucase cryslaos ; urna mulatinha de i anuos;
um molcque de 7 anuos ; caixas com vinho de Itor- .
deaux .Colares, Lisboa, Porto e Madolra i lambem
algumascaixas de cera do Kio-de-Janeiro : tildo
muilo barato em Virludo do retirada: para ver o
tratar na ra da Senzalla-Velha n. lia.
__Em casa de M. Bemel, na ra do
he, n..3'|, vende-se salame 80-
r e muilo fresco ; assucar refinado,
a aoo rs. a libra ; cbarulos da
verdadeiros ; vinhos Bordeaux
Je Sautcines, cm caixinhas.
tes, de
de pali
do
ueste
Traph
peri
cu
pao,
k<.



B
I
7
r'Vende"seazeitede carrapato muito bom, a
ico rs. agarrara : na ra da matriz da Boa-Vista ,
n. 36. '
Vcndc-se um bergo de condur envernizado
lo novo e quo he do um modelo muito moderno
ni Aterro-da-ltoa-Vstu, n. 21.
--Vende-se urna toalha de lavarinto de muito
bom posto : na ra Nova n. 33. 60 dir
vende.
qucm
or qua-
vendcm-se
F1C0S
chegados ltimamente de Lisboa, desuperi
Jidadc, emcaixasdcS, lfi o 32 libras ver
no caes da Alfandega armazem n. 1.
SCl.l.INS l.fGLEZES,
vendem-se na ra da Senzalla-Nova, n. 22, em ca-
sa deS. P. Johnston & C.
Vende-so, por 100,000rs. um relogio de al-
pihoira.do ouro, de rcpeticHo, dando as horas
como os do parede, c que he muito bom regulado!:
no Aterro-da-tloa-Vista, n. 21.
Com esjecialidadc para as
minlias compatriotas ce
adequado gost .
Na nova leja da rua da Cadeia do P.ecifo, n 32 ,
ilo andino Salvador Pcreira itraga vendom-
se niidissimoschapeos de suda, brancoa e do todas
as corea, enfeilad se com plumas, paia senhorae
meninas, dos mais ricos e precioso que tcom vin-
o a esta praca a s.ooo, to.ono o 12,000 rs. os
ae meninas e a 14,000, 16,000, 18,000 o 20,000 rs
nado senhora; toncas o capellas touefias de n-
comparavel belleza, para senhoras e meninas pro-
prias para passearem nos das sanlosde Testa a som-
bra dos arvoredos e BOChciro das Dores das hiran-
eiras nos arrabables do Itccife, a 6,000, 8,000 e
10.000 rs.; chapeos de sol, de seda decores, bor-
dudoyicoffl Iranjas, para senhora excedientes pa-
ra se Bbrigarcm dos raios do astro do dia quando
loreni banbar-se no Capibaribe, ou seus con-
tornos a 6,000 e 7,000 rs. 5 chapeos de palhinha
amaiella, francezes, muito.linos c entallados, para
meninos e meninas, a 4,500 rs. ; luvas de pellica
*lc limito superior qualidado, blancas e cor de cali-
na, para homcm a 1,300 rs. ; ditas para senhora ,
oas inesmas cores, a 1,200 rs.; ditas do ponto in-
gle/ para homcm, de ambas as cores a 1,800 rs. ;
lencos de setim maco, pelo e com barra de
tro dedos de largura, para grvala a 4,500 r
011 tras multas fazendas por prego commodo.
qua-
s.; e
Vende-se
una pela de nacao, bom Ogurada ,
.1 2.1 a 2o anuos, boa engomniadeira o que enzi-
ma, ensaboa faz lodo o servico de urna casa de
lamilla c sealianca nao ter vicio de (|iialidade al-
guma: uaruado Vigurio, 11. 18, terceiro andar.
do as suas cores mui apreciaveis por serem cor de
liro rosa o perola. A ellcs, antes que se acabem.
Na rua do Collegio, loja 11. 1.
: A 4^200 Rs.
Na loja de GuimarSes Serafim&
Companhia rua do Cres-
po, n. 5,
vendemse chapeos de sol de se-
da para honiem, pelo barato pre
co de //j200 rs cada um.
PARA A FESTA.
Xa loja nova da rua do Qtiei-
mado, 11. II A, de Rayen mi-
do Carlos Le te,
vendem-se os melhcrcs chapeos do Chili, quo leom
apparecido neste mercado, a 16,000 rs. cada um :
lambem ha de 7,000, 8,000 e 9,000 rs. ; mantas de
seda a 2,000 4,000, 10,000 e 16,000 rs. cada urna ;
um novo snrlimcuto de chapeos francezes; meias
pelas o grandes, para padre, a 600 rs. o par ; o um
completo sortimenlo de pannos finos, de todas as
cores por piceos commodos.
Na rua da Cadcia-velha, n,
9, lo ja de J. O. Elstcr,
vcnde-so vinho do Porto, de diversas quididades;
ililo da Madcim ; dito de Malaga ; dito de Shcrrv
dito de Carcavellos; dito de Tenerife ; dito de Lis-
boa; dito doltheino; dito (rayes; dito Sauler-
ne ; dito do Hordcaux; dito <".hatcaux-la-rose; dito
S.-Juliim; ditoS.-f.eorge ; ago'ardenlc de Franca ,
de varias qnalidades; cherry-cordial; niarraschi-
110 licores linos; PTIMA CHAMPANIIA.cm garrafas
inteiras c meias ditas; velas de composijio : cha
preto e verde de superior qualidado; presuntos c
salames de llamhurgo; sardinhasem ltase vid ros;
petls-pois, em latas; mostarda ingleza e franec-
za ; videos com fruas em calda do assucar .i espi-
rito ; agoa de llorde laranja; CIIIIIUJTOS DE ||,\-
VA.VA E DA HAIIIA ; c oulros mtiitos ohjcctos : ludo
recentemento chegado.
o ccvHiw
tarlatauas cor de rosa, brancas o c<5F** palha ; tou-
casecamisinhasdo montara; cambraiasfle I fot rase
bordadas ; trancas do enfeitar vestidos; franja de
rctroz.; ricas flores do ullimo gosto de Pars; um
bonito sortimenlo de chapeos de senhora de todas
asqualidades, e de palhas diversas, desde 2,000 rs.
ate 12,000 rs., lisos; chapese bonetes de palha da
Italia; ricos filos do linhobranco ; fil de ico preto
de quasi duas varas de largura, para mantas, man-
teletas e vestidos ; bicos prelos verdadeiros; bicos
do blonde e de linho ; lencos de mito de todas as
qnalidades; gravalinhas de fitas; cinturas de fita,
as mais ricas possiveis para senhora ; Cambraias
do linho puro; entromoiose liras bordadas ; fitas do
velludo; rendas do seda e de linho; vestidos bor-
dados, brancos edediversas cores; visitas do bico.
Madama Millochau contina sempre a fazor chapos
o vestidos de senhora toucas para senhora e me-
ninas, por prego muito rasoavel, na sua casado
de modas franeczas, no Aterro-da-Boa-Vista n.
, prmeiro andar, defronte do chafarz.
mos escravos possantesf, do 82
prios para qualquer servico, duas esc
anuos, com algumas habilidades:
so fazer um pagamento.
Vende-so cada um mlh 'cm lo es
de carnauba, a 2,400 rs.: na rua dos Tanoer
n. 5. i
Vendem-se, no pajeo do Terco, vcqda n. 7I
Ihinhas de porta ealgibeira. _
Semen tes de borla lice-^
de todas asqualidades, hervi I has tortas edireta^'
l'eililo-crrapalo: ludo muito novo, vinJo daj s''
boa : na rua da Cruz, n. 62, ^ 'f
DEG PORTAS H2
Potassa.
Vende-se potassa mui nova, nroxi-
jnamcnic chegada do Rio-de-Janeiro :
na" rua da Cadeia-Velha, armazem de
Bailar fc Oliveira.
Vende-se urna pela muilo moca, de bonita fi-
gura boa coznheira o cfigommadcira : na rua do
i.iueimado, loja n. 17.
Vcndeni-sc 5 escravos, sendo 9 molecotesdc
10 a 20 anuos, propnos para todo o se
'sacuaduu
os-uiopunA
po 011 mesmo da praca
1 servico de cam-
, duas escravas de uaclo
Angola,,do Pannos, quocozinbam lavam de sa-
e.oesaoopli.nas quitandeiras ; una linda mula-
imhade 19anuos, que engomma .cose chao e ser-
ve bem a tima casa : na rua das Cruzes, n. 22, se-
gundo andar. '
yondem-se dous novos relogios de saboneto
ntedoouro; e urna corrcnle de 011,0 para re-
n?u',.T 1 "i," ; 'v"''0 P7r niuit0 Pommo.lo preco :
no Atcrro-da-l!oa-\,sla, loja de ferragens, n.46.
a rua do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquini da Silva
Maya,
yendem-se muito lindos chapos par;
. por
-n elle, a 2,000 c^rs." "C mft C
reeos baratos; ditos
cada corte; mantasde
das mais modernas
praca a 5,000 rs. cada um
mantas o chales de seda '
'S9.I
oquod o.iqos SBJ1SOIUC SC OS-ORO
:wn prja *u Q0S> P otoid o|u
nq o|D(l 'opppp bjsou opiDDJcddc
ui99j onb SODIJ 91801 sojsoS 9 sooip
-R(I sop cjsa epuazpj
sesseo op sdj.kki soo.i
'5 'u *od
-sojf) op unj 'cujiiudiuo^
3guiyu.ia^ san.iBunnQ op cfoj e^
soBijodiuissseo sc.vou sy
Pannos finos.
Vcndem se superiores ipannos (nos, a prova de
hmSo preto, a 3,000, 4,500, 5,500 e 6.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos sao novos e pela sua barateza, Bltendendo
a sua boa qualidado, lornum-se recommendaveis
Na rua do Collegio, n. I.
Na loja nova da rua do Quci-
mado, n. II A, de Raymun-
do Carlos Leite, a 400rs. o
covado.
Alm de ler um completo sortimenlo de fazcudas
linas egrossas, pelos procos mais rasoaveis possi-
veis ha casimiras lisas e clsticas da melhor qua-
lidado que lemvindoa osle mercado, a 2 400 rs o
covado ; bem como de listras, a 4/, 8/0 10/000 rs.
ti COrlf*
I Nosla loja das melhorcs pechinchas, anda
I existe um resto das mesmas, que, para se
i acabar Cornelias, antes do balanco, so an-
| nunciain algumas pelos precos seguiulcs :
I pannos piolse do cores,' a 2,500, 3,000,
I 3,500 o 4,000 rs. o muito fino, prova de J-
mio, a 5,6 e 7,000 rs.; cortes dojcolletes de
setim preto de cores o do velludo a 2,500
e 3,000 rs. ; cortes de cassa de bonitos gos-
los, com 7 varas, e do cores (xas, a 3,000
e 4,000 rs.; um grando sortimenlo de cha-
les de Lia o lila eseda, tarlatana'c garca ,
com barra, franja, bico o renda a 2,000 o
3,000 rs.; um grande sortimenlo do chitas e
madapolOes; eoutras muflas fazendas, quo
por todo o proco se vcndem, s alim de ac- I
bar antes do balanco.
'S
Na loja nova da na do Quei-
maclo, n. 11 A, de Kaymim-
do Carlos Leite, vende-se a
1,000 e 1,200 1 s.
a vara de um cxccllcnle panno do linho que che-
gou ltimamente de Portugal, cujas pc<;ass 3o de 21
varas : lambem se vende a retalho: assim como cho-
gou novo sortimenlo do de 800 rs. a vara, e as pe-
cas com 18 varas o mcia : anda contina ha ver
do.de 600 rs., o hamburgos finos': estilo se aca-
bando osguardanaposde linho, a 800 rs.
Casimiras elsticas e finas, a
7#00 rs.
f Vendem-se superiores easimiras elsticas linas o
do cores, pelo baratissimo preg de 7,000 rs. o cor-
te de calca. Esta fazenda he recommcrulavel pola
sua qualidado tanto em fazenda como em goslos .
por serem os mais modernos; casimiras pretas
superior fazenda por serem muito linas a 2 3
3,500 rs. o covado : na rua do Collegio, loja n. 1.
VELAS DE CERA DO RIO-DE-JANEIItO.
Vcnde-so sortimenlo completo o a vontado do
comprador o mais barato, 50 rs. por libra do que
em oulra qualquer parto para liquidar ; bem como
brandfles o bogias : na rua da Scnzalla-Velha, n
110, primero andar.
- Vende-se urna mulatnha muito linda de 6
unos; um molcquc de 8 anuos por precislo : na
rua da Scnzalla-Velha, n. 110 so dir quem vonde.
Lvrara do bacharcl B. Cou-
tinho.
THEOLOG1A MORAL
do padre Monte, segunda odcilo revista, correcta
e augmentada pelo autor, actual hispo do Rio-de-
Janeiro, condo de I raja etc. Accrosceram nesta
edicilo a liturgia de cada um dos Sacramentos unu"^
appendice sobro o estado religioso, variasdecsOes *IB
pontificias acerca da usura, o urna tabella ou ndi-
ce rasoado de todas as materias contidas na obra
3 vol. '
Vendem-se saccas do f-irinha lina ; queijos fres-
caes do Sord : na rua da Cadeia do Itecife, 11. 8.
Lingoagem das flores,
ou diccionario do bom gosto seguido do secreta-
rio de cupido ou novissimo correo dos amantes '
ludo cm onlemalphabctica; conlendo a lotera
jogo o braculo das flores o varias poesas sobre o
mesmo assumpto, 1 v. de 224 pag. : vendo-so na li-
vraria da esquina do Collegio.'
Vondom-so, no armazem do Das Ferreira
junto asescadnhas da alfandega es seguinles g-
neros por commodo preco o de silperior' qualida-
de; caixas com passas, ditas cbm ameixa*, ditas
com figos, polos de uvas, ancoretas com azeito-
nas .o Elvas barricas com sardinhas ; ditas peque-
as com ditas o batatas a 1,000 rs. a arroba.
Admiraveis navalhas de ac
da Ghina^
Na rua larga do Rosario, n. 35, loja do Lodij? v.
Estas navalhas leem a vantagem do corlar o ca-
bello sem offender a pelle, dejxando a cara parecen-
do estar na sua brilhante mocdado. Este ac he da
China, o scu autor lio Shan. Por todas as socieda-
des das sciencas medco-cirurgicas, tanto da Eu-
ropa como da America, Asia c frica, he reconhe-
cido o uso destas navalhas maravilhosas, nilo s
para prevenir as molestias cutneas a quo a huina-
nidadoeslsuhjcila mas lambem como um meo
de as curar.
Vendem-se as verdadeiras s na loja cima indi-
cada.
movis que
le varias oualidadna o ha-
ralos;,ilpaca prcU a 800 e 1,600 rs o covado
SSfiSSSSji' m TSa vaV^r2frn:
as elsticas para calcas a 5,000 rs. o corle
fosloes; setmse velludos para colleto, por (;reco'
muiloen. conta ; bem como um sorlimifto de oT
tras mu.tas fazendas, que se venden pelo barato.
-Na rua do Trapiche, armazem n
34, de M. Bernel, vende-se o
sefjuinle :
salame fresco
presuntos de Weslphalia
stiperunos e superiores a lo."
antii
dos que leem
; licores
chegado
-schniUbohnen, en, .u,^ mui^escos, chcSio
mt.iUastmarr,,roll0,l::m!,Ure(): ,COr ^SSti
meias garrafas brancas de superior qualidado- au
f'mcemo todas as oalidades de v.nhos, agoV-
derttea, conservas de carne, etc.; charutoi r/gafos
Vendcm-se 6 escravas, sendo: 3 pretas
2., annos, boas quitandeiras, e que lavam bem
aabiioe varrolla j urna dita do meia idade
molestia alguma por 230,000 rs.; 2 molec
le 16 anuos de muito bonita figura
l-'a 13 anuos que eozmha s<
mulatmho do 7 a 8 annos, muito
: no paleo da S.-Cruz n. 4, so dir quem
de
de
sem
ues, um
c o outro de
soll'ri vel ment ; um
ndo e sem mo-
O BAI1ATEIKO
avisa antes que chegue a
esta.
0 baraciro Iticardo Jos do Freitas llibeiro, as
suas duas lojas, ua rua do Crespo, n. 4, e no Pastero-
l ublico n. 17, recebeu um variado sortimenlo de
fazendas linas do melhor gosto possivel e que es-
la vendendoaosseus freguezes que teum de com-
prar para fesla por preco o mais commodo possi-
vel, como sejam : ricos vestidos do cambraia de
seua.a 12,000 rs. ; cortes de prinecznas todas de
seda a 15,000 rs. de gosto rico ; mantas de seda
da melhor goslo a /, 12/e 15/000 rs. ; ricos cha-
les de soda a 12/ 15# 20/e 25/000 rs. ; ricos len-
cos do seda da India padroos nunca vistos a 2,560
rs. ; ditos de seda do bonitos padroes porm nfio
de tao boa seda a 1,600 rs. ; chapeos do niassa
Irancczas, dos mais modernos, para hoineni a
7,500 rs. ; ditos do mola Unto blancos como prc-
tos de excedentes formas a 8,000 rs. ; lindos lon-
gos do cambraia lina com bico libertos o com cer-
cadura e sem ella a 640 rs. ; um grande o variado
soi lmenlo de corles do cambraia, lano brancos
como de cores de 2,560 rs. at 5,000 rs. ; bem co-
mo um sorlmenlo de chitas linas, de 160 rs. al 3>0
rs. o covado ; pannos linos de todas as cores; o ou-
lias inuitas fazendas propras do consumo desta
cidade.
Na niesma casa existem alguns ricos
tamben) sevendem muito baratos.
N. 40, rua do Trapiche, ha para venderos nos-
sos bem condecidos, superiores e verdadeiros VI-
N1IOS do Porto, Chery, Clarete, Vidonia ago'ar-
deiilo cognac cerveja engarrafada o em cascos e
mais gneros.-Christophers & Donaldson. .
No Aterro da-Boa Vista, de-
Ironlc da calunga,
est o baraciro trocando por pouco dinheiro
patos inglezes do orelha o de urna c duas
para ho.nem, a 2,000 rs. ; bem como um completo
sortimenlo de calcado franlez lauto para homcm
como para senhorae meninas; chapeos de massa
brancos de copa baixa para honiem ; ditos do-sol,
no cassa, para senhora muito pronrios para os d-
veitmenlos da fesla : ludo por prego commodo
Vendem-se toros de mangue, da
Paraliiba, milito bous, e por baixo pc-
eo: a bordo do brigue-escuna Henf/uea,
fundeado ao pe do trapiche novo.
No armazem do Bragucz, na rua da Cadeia, ven-
dcm-se barricas com superior fareludo l.idbda, o Ji-
las com nozes por.commodo prego.
Vende-se um braco de balanga ""y fMir'""'
e pesos : na rua do Trapiche, n. 8. ^*
Vende-se um negro perito ofiical dclapatcriL
de dado do 20 annos, e una negra cozinll^^-cTs-^
tureira, lavadeira e engommadeira, de idade de 22
annos pouco mais ou menos : na rua estroila do Ito-
zario, n. 43, secundo andar.
Vendem-se sapatos deselim e tapete, a 800 rs.,
botina e borzeguins, a 2,000 rs.: no Alerro-da-l!oa-
Vista, n. 84.
Vendem-se, na rua da Cadeia de
Sanlo-Antonio, confronte ordem ter-
ceira de San-Francisco, por cima da co-
cheira n. 7, leilocs, pelo barato preco
de 2S000 rs. cada um.
Sal do Ass,
vende-se a bordo do patacho S.-Cra,ou ac lado
do Corpo-Santo loja n. 25.
sa-
solas,
Escravos Fgidos.
Itesto das pediin-
chas da loja do nicho.
Na esquina do Livramcnlo loja do nicho,alinda
existo um reslo das boas pechinchas, das quaes so
aiinunciam algumas para se acabarem antes do ba-
ugo a saber: chales grandes de garca c seda
venden
Bcliniras.
Vendem-se
superiores cortes da fazenda nova
JenoBUnada belmira para valida, de senhora
pelo barato prego de 4,500 o 5,000 rs. o corle. Esta
la/enda he nova e de muito sublimes gostos, se
\cndem-se caixas de cha hvsson de 13 libras,
em_porgflo,ou a retalho: na rua da> Alfandega-
n. 36, tm casa dcMalheus Auslin & C.
Vclha
AGENCIA HA FUMUCAO" DE I.OW-MOOR.
Na rua da Senzalla-Nova, n. 42, contina a ha-
ver um completo sortimenlo de moendas e machi-
nas de vapor, para cngenbos de assucar : bem como
taixas de ferro batido o coado de todos os taina-
nlios : ludo por prego commodo.
Madama Millochau recebeu pelo Cenar, ullimo
navio viudo de Frang, um lindo sortimenlo de
chapeos de seda da'ultima moda, para senhora;
luvas de pellica brancas e de cres.de quaiidade su-
perior!, para senhora; espaitilhos; lilas; bicos;
arrendados e com bicos, de muilo bonitos gosto
a Co rs.; eoutras mui fas pechinchas, queavisla
dos Ireguczes so fanlo patentes.
PARA A FESTA
Saborosissiwas bananas seccas
drogadas do Ccar pelo ullimo vapor, c exccllcn-
ics para fazer parte do u.n dse, Vendom-so na
rua da Cruz, armazem de Manoel Joa,,u"mGo .calves
Silva, en, porcOes a vontade do com iradm
riu.^'i ~rf u.,nave"incmmuito bom lugar, na
cidade deOlinda .esquina da ladeira da Misericor-
di muito bem afreguezada : slo porque sen dono
nao goza aude e querer retirar-so ai Iraia?
mesma venda. naiai ua
- Na rua dos Tanoeiros, n. 5, vendem-se 2 opii-
--Fugio, n da 21 do correte, um pardo de
nome Jacob que representa 18 annos; heseceo do
corpo .cabello corrido ; lem falta de um a dous
denles no qucxo superior; levou chapeo de palha
embreado ca Igas de panno pelo ceroulas de gan-
ga azul, cami sa de riscado ia muito desbotada, quo
costuma traz er por cima das caigas : quem o pe-
gar leve-o a rua Nova, loja de Jos Luz Percira,
que gratificar.
Fugio, no dia 18 do correnlo urna escrava
com ossignaesseguinles : crioula de nomo Joan-
na, baixa, bastante cheia do corpo cara mui be-
chigosa, olhos arregalados o embranquigados na-
riz pequeo o chato, bragos curtos, mitos 0 pe pe-
queos e seceos ; tem no brago esquerdo urna mar-
ca de becluga que pa rece ser de chicote com todos
os denles da Tren lo porm lascados; levou vesti-
do de cassa cor de rosa deshotada-panno da Costa
ja usado c com franja bi-ancu ; coslumava vender
obras do cabello 0111 umacaixade pinho enverniza-
Uaja usadada; he'bcm conhecida por ter sido do
I orluguez l.aurlano, o qual a comprara a JoDo Ma-
ri iiho lalcao. de llamarac. Iloga-se asaulordades
policiaes lanto da cidado como do termo do Olin-
da e Iguarass pura onde so suppOe ter ella do,
que a apprehendam e levem-na a rua Direila, n. 25,
primero andar que sera o generosamente recom-
pensados.
~ Fugio, da casa de Em. Bidoulac na Capunga,
em a madrugada do dia 7 do correle o cscravo
ledro, crioulo, de20 annos pouco mais ou menos,
de boa estatura e sem barba. I-o comprado ao Sr.
Augusto Theodoro Voli do no mallo, por ter servido a este senhor como
pagem as suas viagens para Serinhtem. Koga-so
a todas as autoridades o raplfes de campo, que o
apprehendam e levem-noa rua do Vigario, n. 4, quo
serflo gratificados.
i
IL
PRI
V.
XATYP. DEM. F.^