Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08796

Full Text
tnno de 1847.
Ter$a-feira 21
O f)HIIJO puMica-sc lodos os diis que nao
ret 'le i;iiarJi i o preo da assignttura he He
iHftiit' rs.ooi quartel, pngnt tc&iatUuiQt. Os aa-
nuneioi iiseril< i rasod'
jo rs. porlinha, 40 rs. em typ di'erente, e as
rPpeli:ei pela metade. Os que nio firem aJ'lig-
nantesrpaaro 0 rs por lintn, e lOrt em typo
difl'erenle', por cada publicado.
PHASBS DA LANOMEiDK DEZGUItUO.
I,im ora, a 1, i horas e II- minutos' da maiih.
(iiescente a I i, I hora e G inin. da mauliSa.
Luinheia a 21. sii huas e 19 min. da larde.
Mnsoaute a 2, s 11 horas e 29 mi. da tarde.
PARTIDA DOS CORREIOS.
(oianoa ePar.ililbas segundas escitas feln
Ria-IJrande-.ln. Norte quintas feiras ao meio-dia
Calm, Scriu!i."..Mii, Hio-Formoso, Porto-Calvo e
tlaceid. no i .*, a II e 21 de cada mez.
il ir.i iliuns e Binitn. a 8 e 23.
Boa-Vifta e flores, a 13 e 28.
Victoria, s qui;ilas>feirai.
Olinda, tollos os das.
PHEAMArt HE HOJE.
Primeira, as 3 lora* e 42 minutos da tarde.
Segunda, as 4 horas e G minntos dimantia.
de Deaembro Anno XXIV.
N. 288-
IH
pas;
DAS DA SEMANA.
20 Segunda S. Liberato.And. iloJ. dos orpli.e
do J. don. da 2 v. edoJ. M. ila v'.
51 Terra. S. Thom. Aud. do J. do civ.
da I. v. e do J. de paz do 2. dist. de t.
5! Quarta. S. Honorato. Aud. doJ.dociv da
2 y. e do J de paz do 2 dist. (Je I.
23 (Quinta. S. Servulp. Aud ilo i. de orpli. e
do J.-ritunictpal da I. vara.
t\ Seit. S. Gregorio, Aud do do civ. da I.
v.e do J. do pat do I. dist da t.
2S Sabbailo. Jftift Nascimento de Nosso Se-
nlior Jess Clirlsto.
20 Domingo. S. EstevSo Protomartyr.
CAMBIOS .\OniA 20 DF.DE/.."-MaO.
Sobre Londres a 27 d por IJ rs. a Pars 300 rs. por franco.
Lid.fti OS por 100 da premio.
Dcsc.deiattraade l>oas ilrin..* I a il
uro^CVie.s hespanhoJai.... 28 Joo a
Modas de .!"" vclli I6JIO0 a
a a de 6tAi' nov.. 18
d de'4*000..... 9,fi.00 a
Pro 4 Paiacoei.......... I #900 a
Pesos columnares... IJ40 a
a Ditos mexicanos... IjJJGO a
Miuda...... ...... '*90n
aoni.
J-iSOO
19*700
Icj10
ojlOO
i foso
IJ96U
IjItlO
l|92
Acne dacomp. do lielurilie de iOfOOO r.aopar. v_
DIAR
AV
P RTE OFFICIAL.
QJ*1
RNO DA PROVINCIA. ?
JENTE DO DA 20 DO PASSADO.
i'.-^"1Ao commandantoflns armas, recommen-
rlanilo intelligeneio o tencnle Pompeo Romano do
Carvalho lie haver sido declarado em aviso de 5
deste mez (novemhror que he do corpo legislativo
que ello devo solicitar a passagem da terceira para
a primeira classe do exercito, no posto do capitilo.
IbEM.DO DA 22.
OlllcioAo inspector da thesouraria das rendas
provinciaes, validando o contrato por que Joo
Francisco do Reg Maia se obrignu e-construir a
barreira do norte, sob a condigno de abater no prego
das respectivas despezas 21 por cont sobro o valor
doorgamenlo.
DitoAo mesmo, ordenando faga adiantar o sub-
sidio de novembro e dezembro admirtistragao dos
estabelecimentos de caridade.Participou-se ad-
niinistragflo dos estabelecimentos de caridade.
DEM DO DA 23.
OflicioAojuiz dedireito do crime da comarca
de Garanhuns, declarando-so inteirado de ter S. me.
nomeado Antonio Vctor Corroa para substituir o
promotor publico do lermo durante seu impedi-
mento.
DitosA' adminis'trago dos bens dos orphSos e ao
director do respectivo collegio, srientilicando-os
de ter concedido a Jos Antonio de Moraes a do-
missflo que pedir do lugar de porteiro do mesmo
collegio, e de haver nomeado para esse lugar o ci-
dadao Antonio Firmino Barroso do Moraes.
DitoA' referida adminislrago autorisando-a
a encarregar do concert do collegio dos orphlos o
cidadilo yo fo Francisco Teixeira, queso compro-
melteu a faze-lo&pelo prego de 97,420 rs.
DEM DO DA 24.
OflicioAo Exm. presidente do Maranhffo, rogan-
do a expedigilo desuasordens para que sejam des-
pedidos do servigo os soldados do 5." batalhfo de
fuzileiros, Manoel Ignacio de Souza e Theodnro Mi-
randa de Moraes, a que se referem os avisos que
por copia lhe remelle.
DitoAo inspector do arsenal do marmita, (de-
clarando que podo romgtter p*ara a corte Ventura
Machado, marinheiro do classe superior da corveta
ona-Franciica.
DEM DO DA 25.
OflicioAocommandante das armas, recommen-
ilaiidn a expedigilo de suas ordens para que o sol-
dado Joaquim Jos de Oliveira seja entregue ao car-
cereiroda cadein tiesta cidade, alim de ser remet-
tido para a comarca do Po-do-Alho, onde tem do
responder ao jury.I'arlicipou-se ao chcfo do po-
lica, cuja rcquisigfio de lugar expedigfio deste
ollicio.
DitoAo commit.ario-pagador, validando a ar-
reinatagflo de 18 capoles do faldamento do extinc-
lobatnlhfo de guardas nacionaes destacados, fcita
por Jos Nunes de Faria.
DEM 110 DA 26.
Oflicio-Ao Exm. hispo diocesano, solicilando as
necessarias providencias para que so cncham do
santos-oleosos vasosquo remello, e que teem do
ser enviados para a illia de Femando.
DitoAo commandohte das armas, declarando
quo o cominandanto do 5 hatalhfio do fuzileiros
pode a lugar urna casa quo sirva para sua residencia
e para a secretaria do corpo que commanda, urna
vez que se regule pela informagfio do commissatio-
pagador, quoporcia transmute.
DitoAo administrador das obras publicas, au-
torisando-o n mandar pi oceder aos coucertos quo o
inspector da estrada do norte reconheceu seren
nccessaiios ponto de Santo-Amaro.
IDF.M 1)0 DA 29.
Oflicio Ao Exm. presidente do Cenr, aecusau-
do recebla a l do oflicio do alfercs Joaquim Jos
Comes de Menezes.Transmiltio-se a f de ollicio
ao commandante das armas. .
EI.EICAO PARA DEPUTADOS PROVINCIAES.
rrsumo rfavotafail nos collegioi do Redft [exclusive
ot votos doi eleitoret de JabotBo e Muribera),
Olinda, lguaraisu', Rio-Formoto f presidido
pelo mpptenteiio juix de pn), Serinh&m, l'o-
d'Alho, Limoeiro, Naiareth, Bonito, llrejo e
Santo-Antdo.
'Bl
O lL qi i: de GUISE. (*)
pon .tfreDerico koule'.
PBIMEIRA PARTE.
XVI.
Era j entrada a noitc; o co, cuberto de nuvens
espossas, nfio permiti seguir dlrecgilo alguma se-
Kura.....Nenhuma estrella no co, nonlium resto do
crepsculo na costa..... Sement os nossos aventu-
n \ uabiam quo o vento soprava com violencia do
wir-all<, e por isso procuravam siistonlar-so contra
elle com o auxilio dos remos. O din se havia passado
tf mcriveis esforgos..... Guise o Scoppa tomara ni o
lugar dos dous morinheiros emquanlo estes repara-
vam as suas frgas com alguns viveros que o duque
mandara embarcar, mais quatro mil pistolas (desa-
sen contos de ris); que era lodo o dinheiro que el-
le tinha podido MTanjar. Dcpois foi a vez dellenri-
(*) Vide Diario u.* 287*
OS SENIIOKES. ,
Manoel deSouza'Teixeira
Laurenlinn Antonio Pfereira do Carvalho
l.ourengo Trigo do I.ourciro
Jeronymo Villela.de Castro Tavares
Padfc Joaquim Francisco do Fana
Antonio Alfonso Ferreira
Antonio Teixeira de Borba Jnior
Joaquim Nunes Machado
FilippeCarneiro de Olinda ('.ampollo
Francisco Rarboza Nogucira Paz
Joaquim Jos da Costa
llerculanoGongalvcs da-Rocha
Luiz Ignacio Ribeiro Roma
Joaquim Jos Nunes da Cunha Machado
Filippe Lopes Notto Jnior
Antonio da Assumpgflo Cabral
Antonio llerculano de Souza llandcira
Antonio Percira Rarroso
Padre Vicente Ferrer de Alquqnerqtio
Pedro Bezerra Percira de Araujo Beltrao
Antonio da Costa Reg Monteiro
Ignacio Correia de Mello
Antonio Carneiro Machado Ros
Joaquim Teixeira Peixoto de Ahrcu o Lima
Vicente Ferreira Gomes
Luiz Duarte Percira
Tibnrtino Pinto de Almcida
Jos Carlos Teixeira
Jos Pedro da Silva
Manoel Claro Congalvcs Guerra
Jos Severo Granja
Padro Joaquim Jos do Azey.do
Joaquim Luiz de Mello Carioca
Bento Jos Lcmenha Lhs
Jos Mamede Alvos Ferreira
Francisco Camello Pessoa de Lacerda
Joo demento Pessoa de Mella
Joaquim Villela do Castro Tavares -
Simplicio AntonioMavignier
Manoel Percira do Moraes
Francisco Elias do Reg Dantas
Christovflo Xavier Lopes
Antonio Trislo do Serpa Brandlo
Jos Theodoro Cordeiro
Fraocisco Carneiro Machado Rios'
Joaquim de Aquino Fonsecn
Jos Francisco Arruda da Camera
Jos Pacheco de Moraes
Zeferino da Cunha Bastos
Pedro Din Mellas Pessoa
Um bel i no Forreira (^lo
Manoel Mendes da Cunha Azevedo
Joao Baptista do Amaral e Mello
Francisco Joaquim de Barros Correia
J. P. de Albuquerquc Maranhao
Urbano Sabino Pessoa de Mello
Bellarminode Arroda Cmara
Luiz Correia de Qeiroz Barros .
Padre Nemesio de S. Jofio Gualbcrto
Joaqun! Iligino da Molta Silveira
JoAu-Jos Pereira
Luiz Jos do Sampaio Jnior
Manoel Teixeira I'cixolo
Francisco de Paula Carneiro Loflo
Francisco Foi reir Brrelo
Francisco SiniOes da Silva
Manoel Florencio Alvos de Moraes
Caetano Alvos de Souza l'ilgueiras ,
Jos Cela no de Medciros
JouquiuV Antonio de Faria Ahrcu e Lima
Jos Bento da Cunha Figuoiredo
Viriato da Cunha Gouvcia
VOTOS.
652
58
579
574
5*9
548
548
532
521
515
481
480
474
472
470
458
458
458
449
441
439
430
427
420
415
407
404
400
400
393
392
387
385
i*i.
380
360
346
342
340
335
310
288
254
244
237
237
224
224
221
200
200
199
194
185
177
167
160
155
154
147
136
132
129
127
122
121
121
105
88
85
84
82
IIIARIO DI PI1INAWBDC0.
wim&m, so 'jjj saaa'i'ja ana aaa'
llonlem noito, deu-se na ponto da Boa-Vista um
facto bem desagradavol, pois quo denuncia quo a
insuhordinagio j vai lavrando por entro as fileiras
da guarda nacional deste municipio ; dessa guar-
da nacional que, ainda nlo ha muilos mezes, se ra-
tita dignn.de ologios, pelo espirito de ordem que
pslentava, e pela promplido com que so prestava
o servigo activo, sempre quo era chamada a elle.--
Eis o faci :
Volitiva do bairro da Boa-Vista para o do Sanlo-
Antonin urna guarda do honra do 2. balnlho, que
asistir festa de Noss Skshorx i*"huDAnF, que
Uvera lugar na igreja de San-Gongalo, eacompa-
nliara a procissSo da mesma Shnooha, que, pela
tardo, percorrera algumas das ras do primeiro dos
precitados bairros : tuna das pragas de que so
comptinha a segunda divisio negou-se a cumprir a
ordem de pristi qno Mo fdra intimada pelo coni-
mandanto della, 0 Sr. tenenlc Joo Jos de Faria ;
e, no cumulo do desvario, otisou apunhar a baiono-
tn para o ollicial : no presenciar esto acto, a pa-
lmilla do tropa de I i liria, que eslava presente, cor-
icu em soccorro do mencionado ollicial ; e, ao lu-
larcotn a praga, acontecen que esta recehosse urna
pancada sobre a nuca, a qual prostiou-a : entremen-
les, chegou toda a guarda, e ao ver ocamarada dei-
lado, sein que nem ao' menos se movesse, prorom-
peu em insultos o ameacas dahi extraordinaria vo-
zeria; dahi grandomotim, no meiodoqual oqvio-sc
t> sonido um apilo: despertada por este som, outra
pntrulhadncavallariaqueostava na ra Nova, porta
do Sr. delegadodo 1." districto.buscouapressada a
ponle: aochegaresta patrulhii, toda a guarda calou
baionetas, o preparou-so a receb-la hostilmente :
entilo a confusilo iornou-segeral: as diversas pes-
soas, que se achavam sobro a ponle, espavoridas en-
conli avam-se urnas as oulras: muilos gritos as-
siislaiiores chegavam al os quvidos dessa gente,
j lo aniedroptada : iam as cousas emim to-
mando ttm carcter medonho, quando seapresenlou
o Sr. delegado ; e, felizmente, conseguio reslabelo-
cer osocego.
O quo cima se l, foi escripto deaccordo com as
informagOcs de corto amigo, que, inteirado de seme-
ntante uccurrencia por um dos individuos que tes-
temuharani-na, dignou-se de no-la vir commu-
nicar.
0 Sr. doutor Gervasio Congalvcs da Silva procurou-
nos hojo para dizer-nos que o tachlgrapho, que assis-
tira aos ullimos trabalhos do jury nSo o romprchen-
dra bem ; porquanto, aodt'clora'r encerrada a sexta
Sesillo do mesmo jury, S. S. allegara quo o fazia :
1., porque o 6.supplente do juiz municipal da pri-
meira vara communicara quo seacliava doenlo, o
nlo era possivel recorror, de momento, a queni o
devia substituir; 2., porque o doutor promotor pu-
blico nao comparecer d nlo havia quem quizesse
fazer as suas vezes interinamente; 3", alfim, por-
que a estes dous inconvenientes junlava-sc o de nlo
serpossivol quo a referida sesso livessc lugar nos
poucos das doste anuo, quo ainda restiivam a de-
correr.
'.'j2ser.znesnaa' --- '. aiisBapwmmin.'Miiiiw
Variedade.
que o de Carniolle. O futuro rei de aples o o ban-
dido parliram entre si um pedago de pilo, o beberm
na mesia cabaga alguns goles devinho. Fcitoisto,
pozeram-se cllcs a reparar tanto quanto Mies fra
possivel asavarias quo tinhum soffrido. Havia na fa-
la um mastro de sobrcsalcnle; levantaram-no, e
apparelharam a vela, l'm novo accidente quasi que
torna inulois a coragem o a persistenciu de.llenrique
de Lorena. Ilaviam elles amarrado a caima dolme
.para que.os marinheiros podessem remar juntos, e
Scoppa e Guise ficassem livrespara trahalharna col-
locacao do mastro. Urna onda furiosa, que quasi vi-
ra a fala, apauhou o lome de lado e quebrou-lhe a
caima.
Maisdcduas horas sopnssarani durante as quaes
Scoppa governoucom os mais peniveis esforgos, soc-
corrondo-so apenas de um pedago da caima, em-
OS BARDES DE REM1SSA.
Ha muita gente qu so persuado que as remissas
pertencem nicamente aos jogos do voltaieto o bos-
tn : pois nlo he ossim : nos diflerontes jogos das
aegos da vida humana existom as tacs roinissas, que
limitas vezes os pareciros nao chegam a levantar por
mais maos quo recebam, e so vilo contentando com
laucar o tent da passagem.
i.iuanios peccadores nlo deixam do romissa a pe-
nitencia? (.inanias amadas nao deixam do romissa
Carniole nlo pareceu descontento com scmelhan-
te resposta, e eslendou-se no fundo da fala, com
o corpo encostado ao banco do moro, emquanto o
duque1 licava ao leme ; desta maneira estavam ellos
vojtadiis um para ooutro. Dahi a poUco j Scoppa
pareca dormir a somno sollo; o lendo ablandado a
tempestado, as uuvens tendo-so dissipado em parle,
os marinheiros poderam dizer ao duquo que cllcs
iam felizmente em boa direcgo, masque nio po-
diam calcular a que distancia estavam do costa.
O duque dcu-lhes ordem do quo so appioximasscm
pouco c pouco de Ierra, carregaiido sempre para o
lado do aples, o a fala conliuuou o seu caminho.
O duque, immovol no seu lugar,, entrogou-so entilo
a esses sonhns se ni (iin, que, em toda a imaginagio
ardente, acompaiihaiii o plano de urna grande ein-
pre/a. Representou-se-lhe a sua chognda a aples,
as tencesdos amantes? Quaotas dividas nlo ficam
do remissa por omnia scula sceulorum ? Quanto soi
disant homem de estado nlo v do remissa em todos
os seus dias a volta de urna pasta ? Quanto homem
atrs do um emprego o v do bolo continuamente
som podr levanta-o?
Emfim, so nos foseemos a mencionar todos os bo-
los quo licaram e so acham do remissa na mesa da
historia humana, loriamos de escrever o domestico
dessa historia desde o palriarcha Adlo al estes nos-
sos lempos, a que alguoui quer chamar afortunados,
mas quo dosgragadamente silo os mais5dosditosos o,
estultos do toda olla.
Os desejos de Catlo licaram de remissa. Julio Go-
zar, que levantara o bolo, repoz tambem, e uns pon-
eos de palmos de forro o ohrigaram a largar o bara-
Iho. O ilho do Cromwel nlo estevo para continuar
a mito quo lhe deixra o paj, e abandonou o jogo,
dando ossim urna prova do seu hom juizo Na|ioloao
tinha a remissa na Franga, o pedia liceiMa de Santa
Helena, mas o clima desta ilha ombagou-lho as car-
tas, o o mandou para o outio mundo, som que a i-
cenga lhe fosso concedida. I). Miguel quer outra vez
ser rei do Portugal ; est do romissa Espartero
quer voltar Hespanha ; ost do romissa : c a junta
do Porlo, quoqueria democrfttisai a sua Ierra, tor-
na-la feliz moda dos Ciachos, de romissa osla.
Mas, ja quo fallamos as remissas da junta do Por-
to, nto podemos dcixar de mencionar a remissa dos
harnnatos, viscondados, marquezados o al duca-
dos; que grande bolo! co quo nlo porfiaran os
parcoiros inleressados para levanla-lo !_
A junta jogava com muilos haralhos, que manoja-
va com una sagacidade a toda a prova. Os peritos
na esquinela, na roleta e na brunquinha c negra,
hiTo de reccher della ligiles de ligeire/.a. (i liaralho .
republicano era- aprovoitado para a mesa ta classe
baixa : tiesta mesa de ordinario ju'gava-se a vinho, o
lo naipe favorito era o de paos. As guardas a dinhei-
ro, a biiselga dos honiens para Irincneiras, a clapo pa-
ra us esfiuneados, as calcas o jaquetas paraos ns :
ludo estado remissa.
Mas por Dos que ionios a principiar a historia
das remissas da junta, c isso seria um nunca acabar.
Os ompregos, as pitongas, os fardamentos, as assig-
iialuras puta as msicas, as patentes, as.., vamos aos
haronatos.
A Junta jogava com o haralho aristocrtico, como
jogurium owhist os primeiros diplmalas da Euro-
pa. Que decencia .' que respeit aos pergamiithos !
Dir-se-hia quo ella ia cstabelecor em volta do si a
nobreza do um imperio. Napolc3o assim foz, o a
junta tinha scus lnivos de napolenico. Lembra-nos
a historia de corto militar, poi tuguez, que, manei-
ra que ia subindo de posto, ahandonava a mulhcr e
casava com outra. A junta, com altribuiges de ma-
gestade, quiz em paite abandonar a toga de tribuno
o vestir a purpura. Oasou-so com urna nobreza que
era assim urna nobreza a modo de quem nlo be no-
breza: era urna pobrealdea <|tio veste, pela primeira
vez, vestido de seda, mas quo, por descuido, salto
com os lauiancus com quo calcara o mallo silvestre.
Assim acontecen b um sujeilo desta cidadojdo-
funto, que, tendo-sc vestido de calgflo para um en-
terro, ap arreen nolle de ehinellns. Descuidos, des-
cuidos. A junta armava a popularidatle, ora toda pe-
los interesses da baixa classe, cotufa e bebia com el-
la, o eram estes os chinelloscom que apparecia as
grandes funcgfies a quo convidava a sua nobreza.
Descuidos, descuidos.
Mi.ila gente pasmavu de ver a junta toda plobca,
loda polas garantas popularos, crear um som nu-
mero do nubres, sefli que para isso livesse poderes,
nem lhe consentisse a posigilo e amisslode que se
revestir : mas esta gente nio tinha rasilo: era pre-
ciso laucar estas redes, porque pilhavam muito pa-
pal vo, c a junta, que em mu las cousas fez de lacaia
do larca, ijni/ dar tima larga a imitagio da dos fitlal-
gos suppostos.
u Quem he estosenhor de bigodes muito grandes
jaqueta de papel .'
lie o seiihur harn ile.....
i No teiiho visto esso nome na rosenha.
He dos fcitos pela junta.
Quem be aquello cavalheiro todo parvetiu que.
vai por aquello passoio, do charuto na bocea.
quanto o duque do Guiso, com a adaga na man, cor-jo onlliusiasmu do poyo, os scus combtese victorias,
lava a extremidado do un romo o o adetgagavu, |>ara 'c emfim esse momenlQ solemne o sublimo em ,qu7
do povo, um sacerdote lhe
substituir a caima que so quebrara.
Entretanto, a fadiga se lornava insuportavel ; a
noito, duraiilo a qual Guise viajara, do Fumiciuo, o
embocadura do Tibro al altura da ilha do Ponza,
so passara sem dermic.
E agora? inou senlior, disso Scoppa, quando
vio acabado o concert da fala, nlo quer V. A loza
descansar Din pouco?
Doi nie tu, se queros, respondeu o duque, por-
que eu, ja agora, nao dormirei seno em aples
ou na sepultura.
em presonga do Dos c
ponlia na cabega a corea soberana, que tinha sido a
ambiguo do todos os da sua raga, a esperance
sempre frustrada c sempro presento a essa familia
de hroes,
A estos ; cnsamentos, a estas imagens, que elle
pei'corria com arder no silencio da nolo, cquo se
he desenlia vam fielmente, no espirito, so mescla-
ram logo vagos phanlasmas, uns lulioulos, otUros
aineagaiiores. Honrique estremeca, abria osolhos
j pesados com o somno, o langava em toruo de si
urna vista rpida o segura : cutan, achando-se s
iiossn frgil barca solada, com esses dous maririhei-
ros lutando corajosos contra as ondas, dofrontc do
Scoppa adormecido, oxpulsava de si ossas plnintas-
ticas appurgOes qiro pareciam prcdizcr-lho um des-
tino fatal, o dahi a pouco ora ossaltado do novo pe-
los meamos sonhos ambiciosos, o punha-se a medi-
tar do novo na atrevida einpreza em quo se met-
iera.
Estas alternativas do vigilia perfeitamento lucida
c de somnolencia, em quo se insinuavam tao vagas
apparkoos, duraram muito lempo. EmUin, foi a fa-
diga quem venceu : o duquo no pedo resistir-lhe ;
e anda que ello so nao entregasse inteiramente ao
somno, cnmtudo licou nesso estado intermediario
em quo a vonlado nao est de todo ausento do pen-
samenlo, mas em que lambein a agitagio da febro
d aos objectos o aos rumores externos apparoucias
desconhecidas e una lingoagem sobrenatural.
Figurava-se a Guise que eslava em aples, diante
do altar-mr da metropolc. Este inouuiuento nao era
seinelhunte aos que elle ja linha visto : as columnas
laiigavam-sedosolo a urna altura inconieiisuravel,
e suslculavam nos capiteis mil figuras extravagan-
tes ou graciosas, que se inclinavom para a nave, on-
de iji ter lugar ima grande ceremonia. Parecia-lhe
que os coos haviam desodo para servir do cupola a
esso prodigioso edificio, evia-os resplandecemos do
luz e todos semeados do amos com azus cor de rosa,
de virgens com longos veos braucos, do apostlos

MUTILADO


r^r
Do o visconde de.....que no salvara a patria,
e o nffo clevassem a nobre.
Mas como he isto, quem nflo he nobre podo fa-
zer iiohres? Anligamente os eavalleiroseram arma-
dos pelos da classe, como ho que pleheos podem
crear grandes ?
A junta tem altribiiicfies magestaticas e pontifi-
cias
ara
>, eat se diz que vai promulgar urna bulla para
Dar rom os dias dejeium.
Mas quem a ungi ? quem a fez rei ?
i. Foz-sn ella. Ego sum papa, e arrumou.
l)e todas as ridicularias da junta, esta bijouteric
eos haronatos foi por certo a que mais de ridiculo a
iyv colmo. Ah Cervantos, Cervantes, quem dra que
j vivesses {|0 te escapara o metieres na cabera ao
\ af ten hroe> a mania de dar ttulos. O-famoso Rocinan-
te nao dmxaria de ser felo, pelo menos, barflo
no ctiocalro. O que nflo aproveitaras tu, Cervantes,
los disparates da junta!
Sr baro, Vmc....ai ai perdilo, V. Ex. faz favor
de vir fallar junta.
Ewvouj. Olhe, limpe-merfum instante a lama
uaquellas botas.
Que hares, meu Dos, que bardes!
Mas, ainda mesmo quealgum destes senhores ba-
rdes estivesse no raso de ser bar3o, que triste docu-
mento nflo dava de s S. Ex. improvisada em ac-
ceilar eservir-se de um titulo, dado scom tenc.lo
de (i atlrahir, e ficando dependente da coiifirmacfo
lo chefe do estado, contra o qual se tramava, e cu-
ja existencia se desejava ver terminada! Ser barSo
em nomo de urna rainha que se quera desthronar,
era cha mar por Deoe, abracando odiabo.
A Italia manda chusmas de bardes a viajar pelo
inundo, com a leconhecida utilidade de tirarom den-
les, enrtarem os calos, llmparem as churinas e can-
taren)! su aria. Km Portugal em breve acontecer
o mesmo, pois que at una junta revolucionaria so
lombrou de fazer baroes.
Mas, no meio das fumaras aristocrticas sancullo-
linascom que a junta se almentava, urna revoltan-
te Injustica se commettora. Que titulo se deu sem-
fre heroica e nunca assaz louvada excelsa Mara da
unte? um ducado pelo menos, j que ella tflo
\ generosa promoveu a muitos dos setis a rocepcflo de
bous ducados; mas vimo-la preterida : contenle-se,
senhora Maria, com a nomeada do seu cntaro, eom
a sua chula, que u Europa vio com admirado, sem
terna sua maior parlo ouvido fallar de ta respei-
tavel matrona.
Como esqueceu o espoto, forno o torno ? a penna,
o camino o a louza i' Vilo eram todas estas palavras
distinetivos de uobres campeoes da junta, para os
tornar celebres, creando solares que transniillissem
u posleridade arcOes famosas de arreganho burles-
co e trgico? Paciencia, para outra vez ser. Fica
de remissa.
A junta, prodiga em lodos os seus actos de de-
mencia, dava haronatos a quem Ih'os pedia. Que Ihe
custava a dar uro baronato ? Eraisso mais fcil do
que pagar urna quinzeuaaos desgragdos que Ilu-
dir, e que por militas vezes pediam em alias vozes
dnhsiro.
COWWERCfO.
Alfandega.
OKNDIMGNTO DO DA 20............ 3:237,954
Descarregam hoje, 21 de detembro.
Brigue Veloz memulonas.
Barca John-Earnum farinba e bolachinha.
Barca Vriscilla mercadorias.
1MPORTACAO'.
fetos, cter portuguez, vindo de Lisboa, entrado
no correte mez, consignado a Oliveira lrmflos&
Companhia, manifestou o seguinte :
50 pipas c50 barris vinho tinto, to meias pipas e
50 barris vinho branco, 10 caixas passas, 6 ancor-
las azeitonas, 5 barricas bacalho, 17 pipas vinagre,
270 aleef,s, 193 caitas ngeSi bdrris poiio salga-
do, 30 caxas ameixas, 1000 mlhos ceblas, 2 sac-
eos nozes; aos consignatarios.
10 caixas uvas; a Joaquim de Almeida Baplista.
CONSULADO GEBAL.
RENIWMENTO DO DA 20.
i;eral.........................4:452.644
Diversas provincias............... 158,285
4:610,929
, Para a Baha sabe, impreterivelmente no dia
24 do correte, por ter a carga prompta, a escuna
Curiosa : para miudezas o passageiros, trata-so com
Domingos Antonio de Azevedo, a bordo da mesma,
ou na ra da Cruz, n. 26, com Luiz Jos de S A-
raujo.
Para o Rio-de-Janero sabe por estes dias, por
estar quasi.prompto, o brigue Sociedade : para o res-
to da carga, passageiros ou escravos a froto, falla-
so com Jos Francisco Colares, nos trapiches das es-
cadinhas, ou na toja de ferragens da esquina da ra
la Cadea, com o capitSo.
Para o Itio-de-Janeiro o brjgue-escuna Feliz-
Venlura segu com brevidade por ter a maior par-
te do seu carregamento prompla : o capilflo he Joflo
i.onealves l.oite : quem no mesmo quizer carregar
lirija-sea Camno Agostinho de Barros, na pra-
cinba do Corpo-Santo, n. 66.
Avisos diversos*
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 20..............3:541,072
lloviiiiciito do Porto.
Navio
lahido no dia 29.
Porto; harca ponuguezaEspirito-Santo, capitfo An-
tonio Ferreira l.eile Jnior, carga assucar e cou-
ros. Passageiros, Domingos da Costa, Joflo Anto-
nio Guimarfles, Portuguezes; JoSo Jos Ruarte
GuinarSes, Julio Cezar Augusto, Brasileiros.
Declarares.
Aliiila atten-?ao !
flNCAEciDA e respeitosamente roga-se aos
jltcverendissimos Srs. examinadores no ultimo
concurso s vigararias vagas deste bispado, ba-
ja m de declarar qual a bulla que autorisa os vigarios
a suspenderen! o sacrificio da missn,dopois da segun-
da consagraclo, para ircm levar o Sagrado Vibatico
^fra da greja^J a algum dos scus parochianos,
que o reclame in articulo morlii. A solicitada decara-
eflo produzir dous resultados mu provetosos :
em primeiro lugar, far essa bulla conhecda de mul-
tas pessoas entendidas na materia inclusive alguns
lentes de moral, que asseguram ignorara existencia
della :em segundo, arredar de sobre SS. Reveren-
dissimas a suspeita de que a allegacio de semelhante
bulla apenas leve por fim arranjar as cousas de ma-
nera a dar dous pontos a um dos concurrentes, que
sem elles nflo poderia deixar de %er reprovado.
Participo autoridades, que meu
marido, Hermann Hobret Albrecbf, Alie
mao de nacao, desappareceu de ni inda ca-
sa, levando em seu poder: quatro pe-
quenas moedas de ouro, estrange'uas, rom
a dala de 184 ; (res trancelins, no valor
de ioo,noo rs. ; (res i elogios de ouro,
no valor de 3oo,ooo rs.; um alfinete depei-
(o, dcperolaina; quatro atinis de brilban
ts; urna nnelSo; um dedal de ouro; um par
de brincos ; um relogio de prata, e diver-
sas obras midas de ouro: 0 dito meu ma-
rido tem os signaes seguintes: idade 25
annos,'baixo e grosso do corpo, bastante
barbado, eabeos e barbas ruivss, oiuy
azues-claros e as sobrancelhas bem l'c-
ebadas. Bogo s mesmas autoridades,
de quem possa ser encontrado, que o ap-
prebendam.
Mara Henrieth Albrecht.
ama deleite : no I" do
quasi a ser
En quero ser barflo. Pois seja barflo, socegue: e o
diploma lavra-se. Esles diplomas serflo ao menos
ii"i titulo muito respeitavel para os descendentes
dos agraciado* Com que ufana nflo diifio os seus
vindouros : Bu live uro avqueesteve
barflo.., ran-tan-plan.
Mas a maravilha das maravilhas anda nfo fo di-
la. I ((inliir rt i nlclt. A Junta mandn o diplomado
baro a um general que se Ihe uni por cabula, ou
por inleresse. O diploma ia passadocomn os uniros
em noQieda rainha e da nacao; mas o bom do ho-
mem, que nada quera com a rainha, maudoudi-
zcr i|iie nada arcitava em nonie de seinellianto mu-
Di r. A junta ircnieu a estas palavras eapazes do
enfroar o mundo, e vio a necossidade de enfroar o
sgraciado. Tirou do diploma o nouie da rainha e
0 .-enhoi baro foi fcilo baro cm lime da nagfo...
lau-taii-plau.
A nacao a despachar ha ioes A junta entenda
que urna fabrica de barOes era como urna fabrica de
t.julo panellis de barro, roldas ou oulra qual-
quercoiua.
Foi realmente una pena, que esles haronatos nb
fussem por diante. Agora he una enlalladella, para
quem fallar com os agraciados,!, orque se nao sabe o
Iralamcnto que dar-Ibes. Lina senhoi a a um ho-
mem que ja se ebamou baro nflo sabemos o que
1 arete, lina excellcncia que a convonc,flo de Gra-
miilo uo cunsente ho urna iufracco a este bello
doeunniiio iliploinalic que se quer cumprido a
naca Parece-nos que o verdadeiro he voltar ao
classico Vin., que, aupposto lira um tanto o ouvido,
era eom ludo tratainento antigo para pessoas do
distineQao.
Tainbem nos subscriptos das cartas hade haver
seus embaracos. Ai ranjem-se como poderem que
nos nfo estamos para dar consclhos para todas as
hypolhcses.
Ora pois, os haronatos estilo de remissa, e no s
os haronatos, todos os projeclos da junta. Fiquem
de remissa os baronalos, mais no Ibes decui l-
ceiica pura os levantar preliram-lhe sempre.
Cautela com os barOes de remissa.
( O Puritano.)
'i'i-iiua rrucinrciM, que iouos appiaudiam o
i tnumpho Do fundo desta igreja de proporefles
anlescas, va elle caminhar urna comprida pro-
sio de prelados, vestidos de hbitos magnficos
dientes de ouro e pedrarias.
eom aspectos veneraveis, que todos appiaudiam o
SI II ll ii.iiii lio
Higa
eiss
era
.\flo eram homens do proporcOes naturaes que v-
iihaui consagrar-lhe a vicloria ; ludo oeste sonbo
tomava foimascolossaes; parecia-lhe que se acha-
va n'um inundo de gigantes. Os nobres que o cerca-
van. 4>areciam tambem pertencer a urna raca supe-
rior. .\enhum homem se poderia revestir com as pu-
jantes rmaduiaa que oscobiiam, nem manejaras
tongas e sopesadas cemitarras, cujas ponas esses
nobres conservavam inclinadas ante ello.
De repente, no meio dessa piocissflo que eami-
nbava, ao som dos orgaos edo canto dos sacerdotes
por entre gritos confusos da mullidflo, vio elle un
grupo de pielados que levavam aos hombros um co-
lrc santo o maravillado, cercado de raios luminosos
Approximava-se elle lenlaiiiente emquanto a mul-
liitao Uos populares apinhada na igreja bata palmas
a sua passagern. r
Avista desse singular objecto, sentir Gui
raeao perlurbar-se-lhc com urna esperanca
taeuma emoeo amorosa. A'medida
"," Cr Se "l'^011""**8 delle, parec.a-lhe que
setransforaiav, Sh as sombras luminosas que o en-
volvan., ejulgou ver um magnifico pallio* sobre o
qualpoisava a guma cusa maravilliosa, mascuja
Jornia anda nao poda distinguir.
O lllm. Sr. coronel director do arsenal de guer-
ra tem de contratar, para o sustento da companhia
de aprendizes menores o fornecimenlo de arroz
branco, assucar dito bacalho carne secca ca-
le em gnlo farinba, eijao lenha e toucnho pe-
lo lempo de 3 mezes a saber : Janeiro, fevereiro c
marco do anno prximo futuro : a quem csse con-
trato convier comparecer na sala da directora do
mesmo arsenal, das 9 horas da manha as duus da
larde dos dias 22, 23 c 24 do corren te mez com
suas pioposlascm carta fechada.Arsenal de guer-
ra 20 de dezca.bro de 1847.- Joao Iticardo d ti-
ra, amanuense.
--Olllm. Sr. coronel director do arsenal de guor-
ra tem do contratar o fornecimenlo de carne verde
para os aprendizes menores do mesmo arsenal pelo
lempo de tres mezes, a saber: Janeiro, fevereiro
e marco do anno prximo futuro a pessoa que a
esse fornecimenlo se quizer propor, podera compa-
recer na sala da directora, das 9 horas da manhfia
as 2 da larde dos dias 22, 23 e 24 do correte mez.
Arsenal de guerra, 20 de dezembrode 1847.
Joo {cardo da Silva,
Amanuense.
Deordem do lllm. Sr inspector da thesourara
da fazenda se faz publico, que o concurso do lugar
deterceiro escripturario, annunciado para o dia 9
do prximo vindouro mez de Janeiro, fica transferi-
do para o dia II do mesmo mez, por seraquelle dia
feriado.
Secretaria da thesouraria, 20 de dezembro de 1847.
O oflicial-maior,
Ignacio dos Sanios da J-'omeca.
AVISOS marilunos.
Para o Rio-Grande-do-Sul pretende sabir, em
poneos das, obligue liaira Generoso, capitfloJos
de Oliveira e Souza. O mesmo tem bons commodos
para passageiros e escravos, nicos objectos que
pode receber. Quem pretender pode entenderse
com o sobredito capilflo, ou com os consignatarios.
Amoiim Irmflos, na ra da Cadeia, n. 45.
Para o Porto sahe com a maior brevidade o
brigue portuguez Ventura-Eiliz, por ter a rrfaior
parte do carregamento prompta : recebe carga a
rrele e passageiros. para o quo temexccllentes com-
modos. Trata-se com os consignatarios. Mondes &
Tarrozo, na ra da Cruz, n. 54, oucomo capitlo,
Zeferi no Ventura dos Santos, na praca do Com-
mercio.
ise o co-
ca inquie-
que se ni e-
Inslantaneamente, ecomo se urna luz mais viva,
saluda do fundo desse pallro, lvesse extinguido ol
vapores luminosos que o cercavam, pareceu-lhe ver
despontar urna estrella fulgurante. Era como o olhar
ue una mulher, atrevidamente cravado nclle o
Millo continuou a approximar-sc, c Guise julou
dah apouco reconliecer o rosto daquclla que Ihe
apparecia no meio desse esplendor sobrenatural,
fcra madainoisella de Pons, que vinha assislir ao tri-
uniptio do seu amante; era a sua noiva que vinha
receber delle o nome que Ihe prometiera, e a cora
que ella Ihe pedna.
Ja ella nao eslava senao a alguns passos detle : -
eiitro cm pouco viram-se defronte um do oulro
(.uise poz umjoelho em Ierra, e apresentou-lho a
rano para a ajudar a descer desse throno resplande-
cenle; mas, no instante em que madamoisella de
Pona se Ihe arnmava ao braco, no momento em que
ella pareca prestes a Icva.itar-se para se ir sentar
junto delle, llenrique seinio um apertlo lerrivel
queldoquebrava o pulso, e pareceu-JJj tordianl
uesi um gigante monstruoso, que oamoacava com
um longo puiibal que linha na inflo.
O duque, arrancado ao phantasticosonho por es-
sa dr horrivel e por lo aterradora api ariclo, le-
vanlou-se sobresaltado, eachou-se dianto de Car-
Precisa-se de um rapaz portuguez, at 18 an-
nnos para ajudar a um outro caixeiro de venda ,
ainda que nao tenha pratica : na ra da l'raia, n.
46, so dir quem precisa
Quem precisar do urna ama secca para o ser-
vico diario de urna casa dirija-se a ra de Agoas-
Verdes, n. 10.
Precisa-se deum trabalhadordo masseira : na
ra Direita, padaria n. 24.
Na ra doQueimado, n. 30, deseja-se fallar
com o Sr. Jos Nogueira GuimarSes, a negocio de
seu interesse.
OSr.JosCactanodo Carvalho tem urna car-
ta na ra do Trapiche, n. 34, terceiro andar.
Alugam-se duas pequeas- casinhas por 4/
rs. mensacs cada una urna sita entre a ra da Au-
rora e a do Hospicio a outra na Solcdade : a tratar
na ra Nova, luja n. 58.
Sorvlc da ra da A mora.
Avisa-se aos freguezes que de hoje em diante llave-
ra das 5 horas da tarde as II da noite, sorvete o
mesmo para fra, das melhores frutas, por prego
com modo.
$
m
^
%
Vcnde-se urna mulatiuha rccolhida, de
13annos, quo coso bem, faz lavarnto,
marca, tem principios do engommado e
ho inulto desembarazada ; urna dita de
14 a 15 annos, inuito esperta o com prin-
cipios de habilidades; urna prcta de 18
anuos, de muito bonita' figura que en-
gomma soffrivelmenle, cozinha o diario
de urna casa lava de sabflo, c he muito
dcscmbaraqada ; duas ditas de 26 a 30 an-
nos quo cozinham bem o diario de urna
casa, engommam liso, layam roupa e von-
dem bem na ra ; urna dita de iiarflo de
muito boa boecteira de fazendas e miude-
zas, coni umafilha de 10 annos que j
tem principios de costura : desta escrava
se alancam as boas qualidades: tam-
bem se vendo sem a (lina : 3 molecotcs de
18 a 24 annos, muito habis ; douspretos SS)
bons para todo o servico ; 2 mulatinhos
de 9 a 11 annos muito esperlos : na ra
do Vigario,, n. 24, se dir quem vende.
m
luga-s a casa de sobrado na ra da Aurora
n. 36.
Alfonso Maugin, subdito Francez, retira-se pa-
ra fra da provincia
--Jos Rodrigues deAraujo Porto embarca para
o Rio^e-Janeiro o cabra Domingos, escravo de
Francisco Jos de Souza, morador em Pedras-de-
Fogo.
Aluga-se o sobrado de um andar e solflo, na
ra da Praia, n. 74 : a tratar no armazem por baixo
do mesmo.
lista para se alugar o primeiro audar da casa
n. 26 atrs da matriz da Boa-Vista, com bastantes
commodos para familia i a tratar na mesma rqa ,
n. 22
Segundo que fizera para se livrar desse n cruel o
para repellir Carniole fo tflo rpido e violento,
que o bandido tinlia tornado a cahir no funjo da
fala antes quellcnrique podesse pensar nem no
que acabava do ver nem no que acabava de fazer.
Que quer dizeristo, miseravel? exclamou Gui-
so emquaulo Carniole lornava a por furtivamente
cinta o punhal que luzra por um momento aos
olhos do Guise. Porque lo vi eu em p diante de
mim, c para que me apenaste o braco com Una
violencia.
Leve o diabo a sua! respondeu Scoppa com
inao humor; todas as precaucOes quetomei para o
acordar sem fazer rumor nao meserviram do nada,
e os que nos perseguem e que nflo devem estar Ion-
ge de \. Alteza, hflo de nos ter ouvido; e agora sa-
orn provaveloiente quem somos, e onde estamos.
Tinha-se applacado a tempestado, e j os piimoi-
ros arreboes du aurora coloralo o horizonte por
tras ilo cumo longinquo do Pausilippo. Guise conton-
ou-se com laucar sobre Scoppa um olhar descon-
tente, cdepois lancou os odos em torno de si. A
obscuridad*'anida era mui grande para que se po-
desse descobnr com faclidade alguma veta, a i.3o
estar mu prxima. Entretanto (uise, nflo vendo
Je fl Ku^ro &%prepe7X-SSU8Ur'
Precisa-se de urna
Terco, venda, n. 7.
Francisco Jos de Paula Carneiro e Jo. '<-
ra da Silva previ nem ao publico, que ninguem faca
negocio com urna lettra da quantia de 232,000 rs.,
que assignaram ao Sr. Dr. Feitosa, em o dia 8 de
novembro do corrento anno, a 48 dias, o primeiro
como aceitante, e o segundo como garante, por-
que dita lettra jase acha reclamada pelos annunci-
antes, por termo que assignaram n carlorio do Sr.
escrivSo Santos, por despacho do juizo do civel des-
ta cidade, pelos motivos expendidos no requerimen-
to e no mesmo termo; o por conseguinle, estando
assim dita lettra litigiosa, nflo pode ser traspassada,
nem negociada : para nflo haver, pois. duvida, e pa-
ra segura re m o sou diroito, fazem o prsenle au-
nuncio. Francisco Jost" de Paula Carneiro. Jos
Mor eir da Silva.
Aluga-se a casa terrea, no bairro de Fra-de-
Portas, ra do Pilar, n. 7, e outra na ra dos Guara-
rapes, n. 13, ambas novas, envidracadas e com bons
commodos para familia : a tratar com Antonio Joa-
quim de Souza Ribeiro, na ra da Cadeia, n. 18.
Para casa de familia estrangeira precisa-se alu-
gar urna preta escrava, que seja carinhosa para
meni nos de lenra idade e que saiba lavar roupa
dos mosmos : na ra do Trapiche, n. 16, primeiro
andar, ouannuncie.
Deseja-se saber nesla praca quem
be correspondente dos Srs. Carlos Jos
de Albuquerque e Joao Lopes dos San-
ios aquelle senbor do engenbo San-
Francisco, em Porlo-( alvo, e este senlior
do engenbo Bastio, termo do. Rio-For-
inoso, pura negocio de grande interesse
aos mt-smos senhores; na ra'da Cadeia
de Santo-Antonio, casa onde mora l'tan-
eisco Joarjuim Cardoso.
Fugo, na noite do da 28 de novembro.do cor-
rente auno, um escravo de nomo Rufino, nacflo Con-
go, de idade 40 anuos: levou calca de estopa, camisa
de algodflo azul; tem estatura alta, corpo medio, cor
fula, olhos grandes, nariz c bocea regulares; he bar-
bado; tem urna perna cambada, e um braco malhado
le branco, do cotovello ale a mflo ; quem o pegar
leve-o a ra da Senzalla-Velha, n. 98, que sera ge-
nerosamente gratificado.
Roga-se a pessoa, que no dia 4 do corrente re-
ooheu, tal vez por engao, cinco latas com bolachi-
ndas de aramia, que um preto levava para o Hotel-
Commereio, sendo quo as queira entregar, diri-
ja-se aodito Hotel, ou na escadinha da alfande-
ga, armazem ns. 1 ou 2, que so pagar toda a des-
pezaj
D-se diuheiro a premio sobre penhores de ou-
ro, prata hypolhccas em casas tejreas, ou boas fir-
mas : na ra ostreila do Rozarlo, n. 30, segundo
andar, se dir quem d.
Aluga-se, por preco commodc urna excellente
casa terrea para se passar a festa no Poco-da-Pa-
nella /prxima ao no cora grandes commodos na-
ra familia dous quintaos, cacimba, cozinha fra,
banheiro e qno est pintada do novo tratar no
Atnrro-da-Boa-Vista venda n. 54, com Thomaz Pe-
reira de Mallos Eslima.
Precisa-se alugar um preto ou moleque pa-
ra o servico de um casa e junta monte de urna ama
quecozinheecngomme : na ra da Cadeia de S.-
Antonio n. 19.
Precisa-se do um amassador: na padaria de
urna s porta ; junto ao sobrado da esquina da ra
Velha na praca da S.-Cruz.
Precisa-sede um caixeiro de 14 a 16 anuos,
que enlenda de negocio que seja diligente e d
liador a sua conducta : na ra Direita n. 26, se di-
r quem precisa.
h^ssssffiaf^ssssss
.1....... r -------m rr Dw.*F w uut.iai a mulla VIUIC
duque foi tflo arrebatado; o| tido do lugar em que estamos ?
ter adver-
Vossa Alteza, respondeu Scoppa, he como to-
dos os da sua raca,olha sempre para diante ejul-
ga-se seguro para Irs, porque se sent com. frca
de quebrar os obstculos que se iho apresentam ;
mas esquece-sc de que a cadeia que alguom arras-
tra aps de si pod tflo fcilmente fazc-lo cahir, co-
mo um precipicio abcrlosob seus passos. Olhe um
pouco para tras, e ver, como V. Alleza dizia ha
poucas horas, se abi nfo vera uma barca que con-
duz um humera tflo animoso e lo solTredor como
V. Alteza, eoue, para atTronlar os meamos perigos,
deve ler um Din tilo elevado como o seu.
Com elTeilo, llenrique de Guise, laucando um
olhar rpido para tras da fala, vio na penumbra
uma barca que caminhava para a sua. E, ou fosse
porque a tempestado Ule lvesse despedcelo a vela
e arrebatado o maslro, ou fosse porque osqueiam
nena o livessein ari aneado, o certo lie que ella es-
lava totalmente sem apparelbos. Era dillicil reco-
nhec-la pela barca que conduzia Borgia, masGui
se comprchendeu imroediatament que Scop^ li-
nha rasflo. Todava, poz-se a observar, com mais al-
lencaoo aspecto do bandido, c disse-lhe :
Como hopossivel que lu leudas reconhecido
nesla barca aquella que donlein nos perseguio com
tanto fuior ? Ainda que os leus odos sejam melho-
res do que os oculos do Cucurulle, e mais penelran-
-llle :
nos per-Lies que os do tigre, tu nflo poderlas .distinguir nel-
a nem o maslro
I la barca.
azul nem a flmula encarnada da


O LIOADOR.
O n. 239 acha-se a venda.
Ja londo-se descoberto quem lio o autor do
roubo da taixa do cobro nova, com 9 a 10 pal mos de
bocea,que furlaram, ao amarillecer do dia 16 do cor-
rente, do trapicho Giqui, o qual jseacha occul-
to; previno-se novamenle a qualquer pessoa que
deseobrird'ta taixa, ou a quem for offerecdaj de
participar na ra do Quoimado, n. 38, que se gratifi-
car com generosidado, ou mosmo participar com
certeza onde existe, assimcomoo autor que se acha
escondido.
Manoel Lopes da Silva faz sciente ao respeita-
vel publico, que, leudo sido eslajielecido na ra' do
Rangel, n. U, aonde tem negociado com molliados,
fazendas ; ole. julga nada dover a pessoa alguma;
porm, nflo obstante spndo que alguma pessoa se
julgue ser sua credora queira apresentar sua con-
ta ateo lini do corrente anno, que, sendo reco-
nhacid \mi>.\, ser psgs : cutro sin; sd verte ;c
mosmo publico, que nflo tem autorisado pessoa a-
guma para fazer nenhuma transaceflo cmseu nomo,
cqueporisso s so. responsabiliza por aquellas
feitas por si proprio. Adverte mais a todas as pes-
soas efuo llie estilo devend proveniente de qual-
quer transaccilo I he vilo pagar no prazo cima di-
to (indo o qual usar dos moios judiciaes.
-- Aluga-se urna pequea casinha na Solodade
para o Manguind, ra de Joflo-Fernandes-Vieira ,
n. 2:V"-,|ratr na ra Nova, toja n. 58.
lassa-se o armazem lo assircar da ra da
Se- alfa-Velha, n. 110, com todos os utensilios c
arranjos necessarios para o soque de assucar, por
muilo barat prego e com o consentimonto ilo pro-
prietariodo predio : a tratar no primeiro andar da
mesma casa. *
Os Srs. assignantes do Panorama tenliam a bqn-
mo sejam, licores milito finos, ago'ardente de Fran-
ca, kirsch, absinlhe, champagne das melhores
marcas, vinho tinto o branco, tanto om garrafas co-
mo em barris, das melhores qualidadcs que teem
vindo a esta pinga ; vii.no mais ordinario, norm
bom, por um prego mu lo em conla, voltando i gar-
rafa; azeito doce ; verdadeiro salame de Boulogne ;
presuntos;salchichas; moslarda; queijo de Cruzre;
fructas conservadas om xarope, e ludo da melhor
qualidade ; verdadeiros charutos da Havana ; ditos
da Babia de todas as qualidados : o vendedor res-
|'onsahilisa-se pela boa qualidado dos comeslives
cima, embora sejam mais baratos do quo. om qual-
queroutra parte.
Precisa-se do um caixeiro que tenha pratica de
negocio : na ra Direit, padaria n. 82.
Precisa-so do urna ama para todo o servgo de
urna casa : tambem se aluga urna preta ou mulo-
que para o mesmo flm : na ra do S.-Jos, confronto
a gameleira da Penha.
Para as senhoras Pernam-
bucanasque trapm a moda.
Na npva lojn da ra da Cadeia do Recife,
Compras.
Compra-se
um escravo, preto, sem vicios, nem mo-
lestias, e que tenha inteiio conhecimen-
to de trabathar Com arado, para o que se
pede garanta, e nao se olha a preco : na
ra da Cruz, n. 45, cm casi de Nasci
ment & morim.
Compra-se um paliteiro c urna salva do prata,
quo lave dous copos : quem liver qualquer das di-
dade do mandar buscar na ra da Praia n. 2i alo tas pegas e as quizer vender sem feitio dirija-so ao
o numero 36. Na_mesmacasa vende-so o primeiro largo do Carmo venda n. 1.
anno da llluttraco cm 52 nmeros, por 4,000 rs.
Precisa-se do urna ama, ou do urna cscrava que
saiba cozinhar e eugommar : na ra do Crespo, loja
de tniudezas, n. II. Na niesma loja compra-se urna
escrava de 18 a 20 annos, de bonita figura, que
saiba cozinhar, eugommar, lavar do sabilo c fazer
todos os mais arranjos de urna casa e que nlo te-
nha vicios nem achaques; agradando, paga-se bem.
Aluga-se urna grando casa terrea na ra Impe-
rial com duas salas, 7 quurlos cozinba fra, quin-
tal murado e cacimba : a Iratr na ra da Cadeia do
Recife, sobrado n. 55
Precisa-se de prelas para venderem po pa-
gando-se vendagem, sublianca de seus senhores :
na na Direila, n. 26.
-- Precisa-se de um trabalhador de masseira que
seja perito em sua oceupaedo : na ra Direila, pa-
daria n. 26.
Perdeu-se, desdo a praga do Commereio" at ao
pateo do Collegio, una cdula do 200,000 rs. :-quero
achou sendo queira restituir levo ao tanque do
agoadeJodode llril Corroa atrs da ribeira, que
se Iho dar urna ferga parle desta mesma quanlia.
Desappareceu, nodialC do corrente, pelas 2
horas da tard, do pateo da Santa Cruz, um caval-
lo castanho novo, com urna marca branca na testa,'
6|C0-'h "'"* Ca"?"'na se,c saecos de carvflo vasios ;
attribue-se ler ido com algum comhoi : quem o pe-
gar leve-o ao Aterro-da-Boa-Vista loja de bahs, n.
a?, ou na estrada da Tamarloeira, a fallar com U-
cintho A (Ton so Bolelho, que recompensar a quem
Ihelizer entroga ou Ihc der noticias.
Precisa-so de um pequeo para venda quo te-
nha alguma pratica se dir quom precisa -
j- Con\pram-sc, para urna encommenda, escravos
do ambos os sexos de 10 a 40 annos : na ra es-
estreita do Rozado n. 31, primeiro andar.
Na ra Nova, loja n. 58, compram-soos ferros
necessarios para um official do surrador ou esco-
liador de couros a apparclhar os couros ; para o
que tamhem se precisa de um official do dito cilicio,
que saiba e o queira executar.
~ Compram-se, para o mallo, escravos do am-
bos os sexos do 12 a 22 annos : sendo de bonitas
figuras pagam-so bem : na ra Direila, n. 3, se
dir quem compra.
Compra-se um diccionario Magnum Loxicon ,
da nova edicto : quem tiver anjinncie por esla fo-
Iha.
Ra do i*assciooPublico, n.
Jollo l.oubct participa aorespcitavel publico, q
recebcu, por estes ltimos navios francezes, um com-
pleto sortimento de chapeos de sol, de seda, amis
rica e superior qualidade; furta-cres e outras mul-
tas cunliecidas, tanto para homens, como para Sras.
e meninos. No mesmo estflbelecimento ha um sorti-
mento de chapos de sol de paiiinho, dos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo : tambem tem chapos de sol do paninho
para meninos o meninas, por sercm inuito finos: po-
dem-se chamar chapos de economa. Na mesma loja
ha sorlimcnto de bengalas, bengaliuhas o chicles
muito modernos; cobre-se qualquer armadlo de cha-
peos do sol, com sodas de todas as cores e qualida-
des. Na niesma casa ha um grande sortmento de
paniiinhos trancados e lisos, imitando seda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vendo aretalho.
Concerta-so todo qualquerchapo do sol, por haver
um completo sorlimento do todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfecto e brevidade.
Hebrartl, DA ra Nova, n. 19,
avisa aos amantes do quo he bom, que acaba de re-
ceher de Franca, pelos ltimos navios, um grande
sorlimento de conservas de todas as qualidadcs,
proprias para as pessoas que vilo passar a fest,
pois que tem das qualidadcs seguinles : conservas
do verduras, ditas deervilhas, ditas de sardinhas,
etc. etc., todas muito frescas o bem conservadas:
tem tambem um grande sorlimento de bebidas, co-
Vent-las.
FOLHINIIAS PARA 1848.
Oh e V. Alteza nlo sabe, respondou o bandido,
recobrando toda a tranquillidade, que'inSsle espaco
ilos ares ha ruidos, cheiros, sympathias inexplica-
veis, que advertem o corac.no da presenga das pes-
soas a quem amamos ? J V. Alteza nlo so lembra
dodiaotn quo a condessa ile llossue adivnhou a
sua presenga no festim em quo ella seacbava, sem
que nada de natural a livesso advertido da sua che-
gada ? Pois bem .' meu senhor, a minlta barca he a
minha vida, be o meu amor, he a mnha amanto'; c
no mesmo momento em quo a sua quilha fendo as
ondas em queeu navego, s'intocm mim nlo sei que,
que rae diz que ella esta ah
Safa mestre Scoppa, dsse o duque, tu lo tor-
nas bem romanesco; mas cu iulgo que acertara
mclliur com a verdade se le dsSesse que aquella
barca j deve ter estado bstanle prxima da minha
para que tu tondas podido trocar aigumas palavras
eiunjjnuelle que vainella ;. agora que a rcalidade
tomn o lugar; das loucas imagiuagoes do somno,
reronhego que a barca em que va Borgia be o mag-
nifico pallio que se approximou de mim na santa
calhedral de aples. Estou bem corto do que so
procurasse no leu cinto, liavia do l encontrar urna
bolea chcia do ouro, alrri dopuubal que l acabas
de por.
Ab I meu senhor, replico Scoppa chacotcan-
m.i iiiujv>iivii,i>piwa "'n' .vum.-oii- cm vciiiauc, mas mes cuquiz icr-lc ueliuixu das
do, eV. Alteza me julga capaz de otrahir por al- miosdoque deixar-te livre para completar a la
guns miseraveis escudos romanos
Vendem-sc follinhas dealgiboira, de porta e de
padro as mais lorrcctase mais regulares : na pra-
qa da Independencia, livraria ns. 6e8; na ru da
Cruz, loja n. 56 ; na ra do Crespo, loja n. II ; na
loja da esquina do Collegio"; na botica do Sr. Mo->
reir defronle da matriz.
Vcnde-se, na ra da Cadeia-Vclha, uma^loja
de miudezas bem collocada e com poucos fundos ,
adinheirooua prazo cora boas firmas: na mc3ma
rus, n. 33.
Vende-so ulr.a niiilulinha recolhida do 14 a
15 annos, que cozinba o diario de una casa, lava
de salido e tem principios de costura : ao compra-
dor se dir o motivo por que se vendo defronte do
oililii do Iheatro novo casa t. 5.
Vendem-se 3 moleques; dous escravos do 20
a 22 annos sendo um dolles pedreiro ; 4 mulali-
nhas do 14 annos ; una escrava do 18 anuos, que
engomma liso e cozinba; 4 ditas de todo o servico,
por preco commodo : na ra Direila, n. 3.
Oh que grando sorlimento do obras para as au-
las-ha'na livraria d ra da Crespo, numero
11 tanto portuguezascomo frncozas o inglezas
como sejam : obras de Virgilio, 3 v. por 3,000 rs ;
Saluslio, por 1,280 rs, ; Conidio, por 1,000 rs.
Pbedro, por, l.OOOrs. Selecta, por 1,000rs. ; gr'am-
matica portugueza de Constancio, por 1,280 rs.;
Fonseeo, lexicn, por 3.200 rs.; arithnielica do
Besoul, por 1,280 rs. ; l'rimeiros elementos pra-
licosde frocivjl, porM. II. S com o sou apn-
dice, por 3,500/s. ; Historia de Inglaterra, por 3,200
rs.; Telemaco, por 1,600 rs.; Diccionario do Ro-
queto por 6,000 rs. ; Histori ofCreece, por 1,280
rs ; Cliefs d'ceuvrc de Voltairo por 3,000 rs.; Dic-
cionario porluguez e francez e francez e portuguez,
por 4,000 rs.; folhinhas de algiboira e do porta pe-
lo prego do coslumc ; taboadas e cartas para meni-
nos a 80 rs.; e outras muitas obras que serdo pa-
tentes aos compradores.
Vendem-se quejos de mantoigado Serid : na
ra da Cadeia do Recife, n. 8-
- Vendem-se e alugam-se superiores bichas de
Hamuurgo : no Aterro-da- Boa-Vista venda que
foi do Maya por prego muito coinmodo.
-Veudem-so4 cavallos de bons andares, bem
gordos o de bonitas figuras, proprios para os pas-
seos da fosla lano para senhora como para ho-
rnem : na ra do Collegio, n. 16, por baixo do so-
brado em que mora o Sr. doutor Branddo.
n. 32
do Claudino Salvador Pereira Braga vendem-se
extremadas sedas finissimas brancas e de cores
transparentes de excellenles padrOcs o do su
mes gostos proprias para noivas, bailes nu q
queV funcg'no principlmenlo para a (esta do Natal,
a 2,000 rs ; grandes corles do superiores gorgurft>s
com bordadosriquissimos, para colletes, a 7,000
rs,;' engranados bonetes de velludo, com enfeiles,
para homcni o meninos a 720 rs.; ricos chicoti-
lhos francezes encastoados para bomem e so-
nhora, a 1,600 e2,000 rs.; famosos brins trangados
do linho branco com listras lavradas, a 1,440 rs. ;se-
tim macan preto o fino, a 2,240 rs.; ditos francezes,
hrancose de todas as cores, a 900 rn.; lafet a
600 rs. ; alpaca pret fina de cordd a 1,280 rs.;
dita lisa mijito fina a 1.000 o 1,280 r*. ; lapim a
1,200 rs. e muitissimo lino a 1,800 rs.; panno da
Costa encarnado o azul, francez proprio para co-
brir mesas e cobertura para quando so andar em-
barcado, a 1,200 rs. o covado ; chitas rxas, a 140
rs.; riscados de quadros e listras padrOcs miudos,
a 160rs.; meiasdoseda preta, para homeni, a 1,500
rs. ; ditas compridas brancas, para senhora, a
2,000 rs.; chapeo* francezes do palbiuha amarella,
para homem a 3,000 rs.; luvas do pellica para ho-
mem a 1,000 e 1,500 rs.; ditas para senhora a
1,000 rs., com borracha a 1,500 rs. e enfertadas a
1,600 rs. ; chapos deso, de sed, para homem,
com barra grando basteas do baleia com capa de
sola c fivela pma trancar, a 7,000 rs. ; longos do
sotim macau para grvala, do coras o de padres
muito agradovois ,a 1,280 rs. os do tres pontas, e os
dequatro pontas a 2,560 rs.; cambraia lisa muito
fina a 880 rs. ; dita mais grossa, a 560 (10 e 720
rs. ; madapoldo fino para camisa a 200, 220 e W
rs. a vara e as pecas de 20 varas a 4,000, 4,400 o
4,800 rs.; dito do forro a 140 rs. a vara, o a 2,400
rs. a pega ; algodilozinho americano muito encor-
pado a 200rs. ; dito ingloz a 140e 160rs.; bicu
de dedo o meio de largura a 100 rs. a vara ; dito de
dous dedos, a 140 rs. ; dito de tres dedos, a 180 rs.;
dito de tres dedos o moo a 200 rs.; cortes de Ves-
tidos de barra a 4,700 rs.; ditos de seda para se-
nhora a 12,000 rs.; ditos mu superiores, a 18/ rs.
Vende-se um Cfttocinli de quatro ro
da., com as.sento para duas pcssois e cria-
do, pintado de novo, com arreos para
um e dous cavtILs : para ver, na coclici-
ja do Adolfo, na ra Nova, e para tratar,
na mesma ra, n. Vi? primeiro andar.
Tresse, fabricante de orgflos e realejos, no Ater-
ro-da-Boa-Vista n. 21, tem para vender tres or-
gflos proprios para groja ou qualquer outra parte:
tamhem concerta dilos instrumentos, poc mar-
chas novas o compra realejos j sorvidos.
"Vendem-se velvutes protos e volas de cera do
Rio-de-Janeiro : na ra estrella do Rozario n. 3
loja docorieiro o armador do Antonio Valenlim.
No armazem do Braguoz, na ra da Cadeia, ven-
dem-.se barricas com superior farelode Lisboa, o di-
las com nozes por commodo-prego.
PARA A FESTA.
Vende-se, no largo do Livramenlo, n. 20, um
pralode18 annos; una preta da niesma idade :
ambos do bonitas figuras proprios para qualquer
survigo tanto de campo como de casa : a prcla co-
se, cozinba e engomma : quem nretonder annun-
cio.
Vendem-si, na ruada Cadeia do Jk-J
Recife, n. 37, cera em velas, fu- gj
bricadas no Rio-de-Janeiro, em ra
urn das melhores fabricas, em ca- M^
xas pequeas, de urna al dezaveis Lj]
em libra ;o calvles com ditas, la- j|j
bricadas em Lisboa, ortinento ao {jj
gosto n comprador : <' laabeni **'
vendem brindoes, fabricados no
Rio-de-Janciro, e todo por preco
mais .commodo do que em outra
|7JJ quslquer parle.
Vendem-se 12 cadeiras com assento do pa-
Ihiulia em bom uso; un guarda -lauca; urna com-
moda de Jacaranda-; duas mesas ilo sala; duas ca-
mas, una de armagao o outra sem ella : na ra do
Queimado, 11. 30.
Loleriu do Kio-de-Janeiro.
I
rT
i
1
Vendem-se biHieles c meios dilos da
8. lotera a beneficio di construcio e
reparo das matrizes : na ra da Cadeia,
loj;i de cmbio,n. 38, de Manoel Gomes.
Venderse-marniclada nova, viuda do Lisboa
no patacho Andorinha : na ra das Cruzes,
11. 41.
38

1
No escri]>lorio de Frederico Robilliard, ra do
Trajiicho-Novo, n. 18, vende-so a retalho, em barri-
cas de 3 duzias, a muitO afamada cei veja preta, om
botijas, o mais superior que aqui lein viudo. Na mes-
ma casa cima, vende-se moda de cobre por prego
commodo.
Vendem-se, na ra de San-Fran-
cisco, casa n. 7, por cima da cocheira, ca-
tingas para presepes, de todos os lama-
nbos equalidadcs, por mdicos piceos.
Vende-se um braco de balanga com conchas
pesos : na ra do Trapiche, n. 8.
Vendom-sc no armazem do Das Ferruira ,
junto asescadinhas da alfandega es seguintes g-
neros por commodo prego o do superior qualida-
de ; caixas com passas ditas com ameixas, jlilas
com figos, potes do uvas, aneorelas com azoito-
nas de Elvas .barricas com sardinhas ; ditas peque-
as com ditas e batatas a 1,000 rs. a arroba.
i ^ '
i A6,S00rs.
Ndo, Scoppa, cu sei quo vendes mais caro os
teusassassinatos, disse oduqao com voz tranquil-
la, c como so eslivesse rallando d'uma cousa imlif-
ferente ; mas se a esses miseraveis escudos roma-
nos tu ajdntasses as quatro mil pistolas quo estn
no fundo desta barca, sem contar com a somma
que o duque d'Arcos daiia pelo cadver do Guiso ao
bandido Carniole.....
Ndo ; V. Alteza proprio nflo acredita nisso,
d isse Scoppa examinando o duque sem temor; por-
que, so acreditasse n'uma s plavra do que me diz,
nao pegara no lemc com nio Ido firmo, e a sua es-
pada ndo dormeria na bamba.
Cala a bocea, picaro! lornou o duque com
desprezo, julgas tu que eu tenho lempo de me oc-
ruparem punir nm patife da lua especie ? Con ho-
co-te Ido bem quanlo tu me condeces, Carniole ; o
lio por issoqao aceilc os leus servigos, quando-me
propozeste o conduzir-mc na lua barca. Desde o
diaem que me appareceste emRoina, entend que
tinlia um assassinoqe nieaconipanhava. ize-me,
fosto tu mandado por Mazarin ? Kstas tu ao salari
do conde d'Ognate o do duque de Arcos ? Promettes-
le tu a minha morte s ambicOea de Borgia, ou s
de Peppo-Palamboe do Ccuuino, ou a algum ou-
tro da canalha napolitana f Pouco me importa Isso,
em verdade ; mas antes eu quiz ter-te dobaixo das
traigao. Desde o momento em que le embarcaste
; Vendem se chapeos france- |
P zes, finos, para homem : na M
ra Nova, loja n. 2;3.
Vende-se a casa terrea da ra da Praia, n. 54,
por prego muito commodo: quom a pretender cn-
tenda-secom Domingos Jos da Costa Cuimarcs
no tra|iiche--Barboza, defronte do Corpo-Santo.
Vendc-sc, ou permuta-se por urna casa nesla
praga, um pequeo sitio na Capunga, com casa no-
va, cercado de I i inflo, com aigumas arvores que dfln
fructo o outras que ndo do, e boa agoa de beber :
lia 111a liireita, II. 16.
Coiiipanliia^cra! da agricul-
tura das viudas do Alfo-
lio uro
O abaixo assignado, agento desta companhia ties-
ta praga de Pernambuco acaba de roecbor pelo bri-
gue-uscuna Fetos urna reaiessa do viudos daqueiia
companhia, depois'que ella fo rcabilitada pola
lagslatura do Portugal c dolada com os fundos
pblicos, pelas lei de 21 do abril de 1843 para le-
var a todos os mercados os padres o bausas do vi-
nho gmuiino o puro da Allo-Douro gemlnienlo
conhecido pelo nome de vinho do Porto, afim do
sei virem de guia ao couiiuercio. Ksta remessa, to-
da do vinhos da mais escolhida qualidade, devn
offerocer aosfTrs.consumidores, ndo s a certeza
de sua pureza mas tambem o typo vordadeiro dos
excedentes vinhos do Purto. Espera pois o abaixo
assignado, quo os Srs. consumidores se dirigirn a
sua residencia na ra da- Cadeia do Recife loja
n.51, para tratarem do ajuste do qualquer pon-..
que desojaren!. \ntouio Francisco de maraes.
Vende-so 11 m negro perito ollicial de s'apaleiro,
deidadede 0 annos, c una negra cozinheira, cos-
lureira, lavadeira o engdmmadelra, do dado de '22
anuos pouco mais ou menos : na ra estreita do Ro-
zarlo. 11. 43, sefenudo andar.
Bichas de Hamburgo.
Vendcrii-se as superiores bichas de Hamuurgo, a
500 rs. cada una aretalho, o aos eco tos por menor
prego: tambem se alugam e se vo applicar, para
mais commodidade dos prctendcnles : na ra da
Cruz do Recife, n. 13, loja de Jonquim Antonio Car-
neiro& C.
.------Vendem-se onciles de f'roco de di-
versas cores para cabecas de senhoras 1
na loja de Maya Hamos ck C, ra Nova,
n. 6.
Vende-so fariuha do reino a 100 rs. a libra; as-
sucar, passas, hlalas, arroz do vapor, toucinhn,
mantega, pomada, salido branco, cha, lenha do
mangue o quejos, ludo isto muito superior, e do
inclhor : na ra de llortas, na esquina quo dela,
para Santa-Thcreza.
. Vende-sc froco de todas as cores,
os mais lindos que ha : na ni 1 Nova,
ii. 10, loja de Hiplito Saint Martin
nesta barca commigo. ligaste a tua vida minha Ido
fortomente como se cslivesso'mos alados um ao ou-
tro por urna cadeia de ferro. Ilei de chegar boje a
aples, ou hei de morreraqui. Tu me levaras at
o flm, ou morreras commigo. F. agora poder-me-
nas dizer, Scoppa, porque Borgia ndo nos persegue
mais, e porque corre direilo Costa ? F.sl elle bom
certode.que lu executarso asassinato que Ihe pro-
mcttcslo ?
Scoppa ouvra estas palavras com os bracos cru-
zados no poito e com os olhos filos 110 rosto pla-
cido odesdonboso deHenriquc de l.orena. As fei-
cAestinha-as elle contrahidas por urna poderosa 0-
mogdo, e pareca hilar com esforgos conlra o sen-
tmenlo que o dominava ; cmflm sabio da sua im-
mobilidade ,- descubrio-sc, e respondou com voz
sombra, masque tinha alguma cousa do solemne :
Senhor duque cu vi de perlo a VVallenslein,
que era o re dos oxercitos do imperio ; vi de por-
to a Vasconcollos, que caminhava por cima das ca-
begas dos fidalgos mais distinctos de Portugal ; en-
contrci-nic no campo de batalha com o conde de
Soissons, quo houve um momento em quo fez tre-
mer o grande Richclieu. O primeiro ora um gone-
ral fero, que se embringava com sangue, com vi-
nho e com pilhagem ; o segundo era um insolente
valido, que, sombra da auUiridado de una Iraca
mulher, se farlava de ouro c adormeca na moleza;
0 tercoiro era um revolucionario, um turbulento
imbcil, cuja coragem consista om vaidades. Mas
011 anda nflo tinha encontrado o hoirem intrpido,
indoinavcl, prompto para lodosos pongos, o que ar-
risca Ido alegro a sua vida quanlo os oulros arris-
eava 111 a dos seus soldados; anda ndo tinha en-
contrado o principe que ousou partir n'uma barca
om que o mais animoso pescador apenas se atreve-
ra a metter-se ; o homem que correu ao encontr
da tempestadecom mais animo do que outros te-
riam fgido della ; o cavalleiro que marcha con-
quista do 11 m reino, sem nutro apoo mais quo a sua
espada ; aiuda ndo tinha encontrado aquel le a queut
Carniole Scoppa poda servir com orgulho. Este ho-
mem, esle principo be Vossa Alteza, meu seahor;
disponha do mim, porque d'hora cm diante Ihe per-
tengo, cu Ih'o juro sobro a cruz desto punhal ; ou
eu hojo hei de Picar no fundo deste mar, ou Vossa
Alteza esl noite estar em aples; aceita Vossa
Alteza um servidor prudente e devotado, a quem
podera dizer : Mala .' e alie matar ; a quom po-
dera dizei
Morro o elle morrer ?
Esperava essa proposigdo de t, Scoppa a-
ceito.
Pois bem exclamou Scoppa com entusias-
mo, agora e para sempre Ihe perlengo. Que partido
toma Vossa Alteza, c que caminho quer seguir ?
{ConlHuar-$4-ha.)
MUTILADO


*

a

Ve em-se pecas de chitas scuras, multo en-
corpadti de cores (xas ; ditas .-rde rosa todas
limpil, a 5,300rs ea!60rs.a relalho; madapo-
Ifio lino largo ;e nutras f zondas baratas : na ra
estreila do Itozario, n 10, terceiro andar.
Hestwii algn* esuravos por s vcn-
dcrem, omita baratos, p todos de bonita
lisura, pois be para se fecharem asconJ
tas deste annc : um lindo negro peca de idadc do 20
anuos, de nacflo, bom canoeiroe cozinheiro ; um
dito de 16 unos, crinulo, ptimo para um pagem,
por sor bastante ligeiro; um dito de idade to 25
annos, perfeilo offlcial de sapatciro, este vcnde-se
milito enicoiila. por tor um pequeo deleito ; um
mulato.de idade do 35 annos, de milito boa conduc-
ta, bom para tomar conta i!e um sitio, por 360,000
rs.; ilous negros muito fortes e de bonita figura,
do idade de 22 anuos; um dito do nacilo, bom ga-
nliador derua, e que sabe fazer todo o sorvico do
urna casa, por 340,000 rs.; um dito por 00,000 rs.,
anida moco; um dito por 00,000 rs.; urna negri-
iiba de idade do-20 anuos, un coso ptimamente,
taiiavuiiuto. engomma o cozinha ; ulna dita de 26
annos, perfoita cozinhoira o engommn4eira ; urna
mulata do ptima conduela, por 450,000rs. ; una
negra por "00,000: na ra das l.arangeiras, n. 1*,
segundo andar.
Vende-so urna armado toda envidragada por
preco muito commodo, a qual pode servir para unta
loja de miudozas, ou qualquer outro negocio: na
ra larga do Itozario antigamcnte dos Quarteis ,
loja de culi'eiro.
Vende-se umcovado muito gordo, c de bom
tamaulio : na ra da Gloria n. 26.
A 4#200 Rs.
Na loja le Guimares Serafim &
Companha ra do Cres-
po, n. 5,
vendem-se chapeos de sol de se-
da para homem, pelo barato pre
co de 4,^200 rs cada um.
---Vende-sc champanha de muito superior quali-
dade
n. 38.
recenlemento chegada : na ra da Cruz
sa.i
0
-
I
(iquad a.K| is scjjsotutj se as-o?p
:tun epua *gj 005#!' ^P otead ojbj
-iq o|od 'apppp eisdiiopioajcdde
uiaaj anb soou sigu sojsoS a saojp
-lid snp l')s.) epuazej 'sacuadiui
sesma ap sajdoa soau as-ujapua
' *u 'od
-sur) op en.i 'eitpiruJujoQ
2g DJUeJ9< sanjeiuinr) ap eloi B{j
saeuaduiisesseo sbaou sy
QHMIfVI *0 |7 W ]# Wj0W010Q
& a
& \endem-sc corles de cassa e cambraia de se- fe
da, a 9,000 e 10,000 rs. ; ditos do novos fl ri- 0
0 (ospadrOes, a 14,000 c 16,000 rs. ; chapos
: ile massa, francezes, da ultima moda; risca- O
dos francezes para vestidos de senhora ; no- r^
vos cortos do cassa-ebita ; eoutras muitas fa- 0
zendasdegosto, propriaspara o lempo de *,
festa : todo por menos preco, do quo em'ou- 0
lia qualquer loja : na ra do Queiniado, nos Q
quatro-cantos, loja da casa amarella, n. 29. 0
0 %
G''foa>]<2>]<@\ fc && e>;% &\>& #;** a
Pannos finos.
Vendcnv se superiores pannos tinos, a prova de
limito piolo, -o 3,000, 4,500, 5,500 e 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito fino, a 4,500 rs. Estes
i .nios silo novos c pela sua baratez, attendendo
a sua boa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na ra do Collegio, n. 1.
Na loja nova da ra d Quci-
inado, n. 11 A, de llaymuii-
(io Cario. Le te, a '2 ,400 rs. o
covado.
Alm ile ler um completo sortimenlo de fazendns
linas e grossas pelos precos mais rasoavuis possi-
veis ha casimiras lisas e elsticas da mellior qua-
lidadi' que temvindoa esto mercado, a 2,400-rs. o
colado bem como do lislras, a 4/, 8/ e 10/000 rs.
o corte.
Vendetn-sedous armarios grandes, 4 ditos pe-
queos e 3balces : na ra da Cadeia Jdo Recite ,
l. 36.
Ciiiuiras clsticas e finas, a
7#00 rs.
Vcndeni-se superiores casimiras elsticas, finas e
de cores, pelo baratsimo preco de 7,000 rs. o cor-
te decalca. Ksta fazenda he recommcndavel pela
sua qualidadc lano em fazonda como em goslos ,
porserem os mais modernos; casimiras pretas ,
superior fazenda porserem muito finas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, loja n. i.
PARA A FESTA.
Xa I ja nova da rua do Quei-
riiado, o. II A, deltaymuii-
do Carlos licite ,
vendem-se os melhercs chapos do Chili, quo teem
apparecido nslo mercado, a 16,000 rs. cada um :
t .nibem ha de 7,000, 8,01)0 e 9,000 rs. ; mantas de
seda a 2,000 4,000, 10,000 e 16,000 rs. cada urna ;
ii m novo sorti ment de chapos francezes; meias
pretas e grandes, para padre, a 600 rs. o par ; e um
completo aortimento de pannos finos, de todas as
cores por precos commodos.
Vende-se urna casa terrea, sita na rua das
Cinco-Ponas, n. 112 : a tratar na mesmacasa.
Vendc-se a posse, com urna casa de lijlo arrui-
nada dositio da Piranga, quo Toi de Francisco
Itodrigues do Kozario junto ao capitflo Jos Con-
nives Sirvina : a tratar com o proprietario do on-
geuho Gigui a quem pertence o mesmo sitio, por
oxecucSo que o empossou delle.
Va rua do Crespo, loja n. I,
de Jos Joaquina da silva
Maya,
vendem-so muito lindos chapeos para meninas ,
tanto do seda como de palhinha chegados ultima-
mente do Paria; chapos de seda para senhora;
cortes de crambraia de seda.de ricos goslos, por
Kreco muito commodo; cortes de vostidos de cam-
raia ecassa-chitasde difforentos qualidades por
precos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 o2,500 rs. cada corto; mantas de
seda e lila para senhora, das mais modernas que
teem vindo a esta praca s.nnn rs cj;!. u.r.s ;
manU e chales do seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca prcta a 800 e 1,600 rs. o covado ;
panno d linho a 400 rs. avara; casimiras fran-
cezas e elsticas para calcas a 5,000 rs. o corte ;
fustfles; setinse velludos para cdllete, por preco
muito em conta ; bem como um sortimenlo de ou-
tras muitas fazendas, que se vondem pelo barato.
Na rua i\o Trapiche, armazem n.
3-, de M. Bernel, vende-sc o
sfiffuinle :
salame fresco ; presuntos de Weslphalia ; licores
superfinos e superiores a todos que teem chegado
amigamente; coraco verdadeiro de HollanJa; an-
chovis muito fresco; absinlho da verdadeira marca
e kirschwasser da Suissa ; wermoulli; fructas em
ago'ardente ; conservas de petits-pois e sardinhas;
ditas inglczas em vinagre ; conservas de bajes
fschnitlbohnen) em potes muito frescos, chegado
no ultimo navio de llamburgo; licor de kirsch em
meias garrafas brancas de superior qualidade; as-
simeomo todas as qualidades de vinbos, go'ar-
dentes, conservas de carne, etc.; charutos regalos
de llavana; e muitos uniros objectos de superior
qualidade e por preco mais commodo que om qual-
quer oulra parle.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n,
78, vendem-se ricos chicotes para mon-
tara, obra de muito bom gosto ; assim
como superiores chapeos de sol de sed
para senhora, de muito bonitos padr5es
e por preco commodo, proprios para a
festa.
Vendem-se 6 escravas, sendo : 3 pretas de
25annos, boasquitandoiras, o que lavam bem de
sabilo e varrella ; urna dita do meia idade sem
molestia alguma por 230,000 rs.; 2 moloques um
de 16 anuos de muito bonita figura o o outro de
12a 13 anuos, que cozinha soffrivclmcnto ; um
mulalinhode7a 8 annos, muito lindo o sem mo-
lestias : no pateo da S.-Cruz n. 4, se dir quem
vende.
ac-
Potassa.
lo de 600 rs., e hambur""s finos": estRo se
bando osguardanaposc ,; .no a 800 rs.
ATTENCAO'.
Vondem-se bandejas muito finas, de todos os ta-
maitos por proco commodo : na rua Nova, n. 20,
loja de ferragens junto ao relojoe'ro.
A venda reformada toda de novo defronte da
matriz da Boa-Vista n. 88, convida a todos os seus
freguezesa comprarem os superiores e novos gene-
ros, por preco o mais commodo possivcl, a sabor:
vinho do Porto engarrafado, a 400 rs. ; dito do Lis-
boa PRR,a 240 rs.; dito de outros autores, a 200
rs. ; dito liranco, a 240 rs.; vinagre, a 100 rs. ; cer-
veja, a 480 rs.; azeite doce a 500 rs.; dito do co-
co a 400 rs.; dito de cirrapato a 240 rs., macar-
r.To aletria e talharint, a 300 rs. a libra; passas, a
240 rs.; figos, a 240 rs.; amoixns a 240 rs.; cha
hysson muito superior, a 1,600, 2,150, e2,300 rs.
a libra ; chouricos, a48ors. a libra ; paios a 240
rs. cada om ; manteiga ingleza, a 800 rs. ; dita fran-
ceza a 600 rs. ; queijos fiamongoi a 1,400 rs. ;
sabilo hespanhol. a240rs. ; '!'ro igicz, a liSrs, ;
nozes a 160 rs.; amendoas a 240 rs. ; esperma-
cote americano a 800 rs. ; dito francez a 700 rs. ;
bolachinha ingleza a 240rs.: em todos estes pre-
Cos se faro abates comprando-se porcSo maisavul-
tada ,0 que ludo sofarcom muita promptid3o e
ssseiadamente.
Vende-se um pardo de 25 annos pouco mais ou
menos.sem molestia alguma,que liecopeiro,bolieir'o
c tem principios do alfaiate : ao comprador se dir
o motivo por queso vende com preferencia e por
menos para fra da provincia : na rua do Joilo-Fer-
nanpes-Vieireira, aosahir da Soledade em um si-
tio que tem liOes nos portoes Jas 3 horas da tarde
em diante 011 na alfandega das 8 horas da ma-
nkfla at as ditas da tardo a fallar com o inspector
da mesma alfandega.
Vende-so um prelo sem vicios, que he bom
carreiro : na fabrica de licores do terro-da-Boa-
Vista, n. 17.
-Vende-se urna das melhores vendas em Fra-
de-Portas, bem afreguezada para a Ierra, o tem
commodos para morar urna pequea familia : ven-
de-se a dinheiro, ou a prazo com boas firmas, por
seu dono se retirar .- a vista se far todo o nogocio :
a tratar na mesma venda n. 92, ou na casa defron-
te da dita.
Vende-se urna venda com poucos fundos,
bom afreguezada para a trra, e tem bons commo-
dos para morar urna pequea familia : na rna de
S.-Francisco, n. 68.
Vendem-se, na rua do Trapiche, n. 6 11 es-
cravos sendo : 5 mulatinhos de 6 a 14 anuos, pro-
prios para aprenderem qualquer olcio ou para
pagens; um bonito moleque de 12 annos; duas
pardas costureiras, o que cozinham o diario de urna
casa ; duas pretas de 35 annos-, proprias para cam-
po; urna cabra de 24 annos: ludo por precocommo-
po pelo donse retirar para fra da provincia.
Vendem-sesaccas com milito; ditas do arroz
de casca ; urna porc3o de saccas vasis de estou-
pa una bandeja rica de casquinha prateada, com
18 casaes do chicaras e piras de porcellana dourada^
urna cama de Jacaranda com seus pertences : na rua
da Cadeia do S.-Antonio, n. 19.
ns qualidades, e de palhas diversas, desde 2,000 rs
al 12,000 rs., lisos ; chapos o bonetes de palha da
Italia; ricos filos de linhobranco ; filo de bico proto
de quasi duas varas de largura, para mantas, man-
teletas o vestidos ; bicos pretos verdadeiros; b'icbs
do blondo o de linho ; lencos do mflo de todas as
qualidades ; gravatinnas de fitas ; cinturas de fita ,
as mais ricas possiveis, para senhora: cartbraias
do linho puro ; entremeios o tiras bordadas ; fitas do
velludo; rendas de seda e de linho ; vestidos bor-
dados, brancosede diversas cores; visitas do bico.
Madama Millochau contina semprca fazor chapeos
e vestidos do senhora toucas para senltora me-
ninas, por preco muito rasoavel, na sua casa de
de modas francezas, no Aterro'-da-Boa-Vista, n.
1 ,-prmetro andar, dofronto do chafariz.
AO BOM TOM DE PARS.
Vendem-se o mais superiores e ricos chapeos de
castor para meninos ao gosto do Honriquo VIH.,
e que estilo mais em moda em Pars chegados lti-
mamente do Franca pelo hriguo Ceiar ; bom como
chapeco frsncszcs Ja ultime moda; bonetes do to-
das as qualidades, para meninos ; chapos de pa-
iha da Ha lia, paro meninos; chapeos de castor bran-
eos e pretos : tudo por preco commodo : na rua do
Qeimado, loja do chapos, ti. 38.
Vende-se urna boa scrava de nacilo Mocambi-
que, que etigomma, cozinha o diario do urna caa,
cose, ensaboa e.nto tem vicios nemlnchaques : a
qual tem urna cria : na rua do Vigario, n, 7, ou
n. 5.
. Vende-se, por necessidado.fum pard mx a
annos, do bonita figura, muito robusto, e que
trabalba alguma cousa de carpina : na rua do Cres-
po n. 15, cana de Antonio da Cimba, do dia quar-
ta-foira em dianto.
- Vende-se a colleccao das lis do Brasil, de 1822
at 1831, encadernada por 12,000 rs. ; Peroira o
Souza, primeiras linhas, por 3,000 rs. ; Historia dos
crimes inglezes por 2,000 rs. : na praea da Inde-
pendencia, loja de encadernacilo, n. 12.
Na rua de
n
O BAHATEIRO
avisa antes que cheguc a
Vende-se potassa mui nova, prxi-
mamente chegada do Rio-de-Janeiro :
na rua da Cadeia-Vclha, armazem de
Bailar k Oliveira.
Michas de Hamhurgo.
Vendem-se bichas de Himburgo, a
G40 rs. a retalho e em porco : emeasa
de 31,inoel Jos de S Araujo, na rua
da Cruz, n. 24-
Na rua da Cadca-velha, n,
O, loja de O. Elster,
vendc-se vinho do Porto, de diversas qualidades;
dito da Madeira ; dito de Malaga ; dito de Siten y ;
dito de Carcavellos; dito de Tenerife ; dito do Lis-
boa ; dito do librillo ; dito Craves; dito Sauter-
ne ; dito de Bordeaux; dito Chateaux-la-rose; dito
S.-Juliim; dito S.-Ceorge ; ago'ardente de Franca,
de varias qualidades ; cherry-cordial; marraschi-
no ; licoros linos; PTIMA CIIAMPANHA.em garrafas
inteiras o meias ditas ; velas de composiSfio ; cha
prcto o verdo do superior qualidado ; presuntos c
salames de Hamhurgo; sardinhas em ltase vidros;
petits-pois, em latas; mostarda ingleza o franco-
za ; vidros com frutas em calda de assucar e espi-
rito ; agoa de flor de laranja; Clllllil TOS DE IIA-
VA \.\ E DA BAHA ; o outros muitos objectos : ludo
recentcmente chegado.
lid 111 ir as.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora ,
pelo barato preco de 4,500 c 5,000 rs. o corto. Esta
fazenda he nova c de muito sublimes gustos sen -
do as suas cores mui apreciaveis,, por serem cor de
Uro rosa e penda. A ellos, antes que so acabein.
isa rua do Collegio loja 11. 1.
Vendem-Sfl caixasdech hysson de 13 libras,
om porcio, op a retalho: na rua da Alfandega-
Vclha 11. 36, em casa de Mathcus Austin & C.
AGENCIA DA FUNDICA0- I>E I.OW-MOOR.
Na rua da Senzalla-Nova, n. 42, contina a ha-
ver um completo sortimenlo de moendas e machi-
nas de vapor, para engenhos de assucar : bem como
taixas de ferro batido e coado de todos os tama-
itos : tudo por preco commodo.
Na loja nova da rua do Qei-
mado, n. 11 A, de Itaymun-
do Carlos Leite, vende-se a
1,000 e 1,200 rs.
a vara de um escolente panno de linho, que che-
gou ltimamente de Portugal, cujas pecass no de 21
varas : tambem se vende a retalho: assim como che-
gou novo sortimenlo do de 800 rs. a vara, e as pe-
cas com 18 varas e meia -. ainda contina haver
festa.
O barateiro Ricardo Jos de Freitas Ribeiro, as
suas duas lojas, uarua do Crespo, n. 4, e no l'asscio-
Publico.n. 17, recobeu um variado sortimenlo de
fazendas finas do mellior gosto possivel e que es-
t vendendo aos seus freguezes que teem de com-
prar para festa por preco o mais commodo possi-
vel como sejam : ricos vestidos do cambraia do
seda, a 12,000 rs. ; cortes de princezinas todas de
soda, a 15,000 rs. de gosto rico; mantas de seda
da mellior gosto a 9/, 12/o 15/000 rs. ; ricos cha-
les de soda a 12/, 15/ 20/e 25/000 rs. ; ricos len-
-Cos de seda da India padrOes nunca vistos a 2,560
rs.; ditos de seda de bonitos padrees porem nfio
de tiio boa seda a 1,600 rs. ; chapeos de massa
francezas, dos mais modernos, para homem a
7,500 rs.; ditos de mola, tanto brancos como pre-
tos de escolenles formas a 8,000rs. ; lindos len-
cos de cambraia fina, com bico abertos e com cer-
cadura e sem ella a 640 rs.; um grande e variado
sortimenlo de cortes do cambraia., tanto brancos
como de cores de 2,560 rs. at 5,000 rs.; bem co-
mo um sortimeiito de chitas finas, do 160 rs. at 320
rs. o covado ; pannos finos de todas as cores; o ou-
iras muitas fazendas proprias do consumo desta
cidado.
S A PATOS.
Vendem-se sapatos a turca e borzeguins de cores,
para senhora : na praca da Independencia lojas
ns. 13 e 15.
ATM.
Vende-se muito bom atum vindo prximamen-
te de Lisboa feilo de escabecho o j proinpio a co-
mer-se a 240rs. a libra : na rua estreita do Roza-
rio venda da esquina que volla para o paleo do
Carino, 11. 47.
Caf da trra,
vende-sena iua estreita do Rozario, deposito de
assucar, n. 43.
Vendem-se, na rua Augnsla, n. 34, 3 casaes de
rolas brancas de Hamhurgo, por preco commodo.
Vendem-so duas moradas de casas em caixflo ,
una com 31 palmos e j travejada e a oulra com
36 palmos o com quatro portas de frente, todas uni-
das o vendem-se mesmo a prazo que convenlta as
parles : as casas silo sitas na rua Augusta confronte
ao Sr. Pcssoa. Itavendo quen se julgue com algum
direitoa ellas, de hypolheca ou outro qualquer do-
cumento,queira declarar no prazo de 30 das, conta-
dos desta data, a l.uiz Jos Marques na rua do Ran-
gel a qualquer hora.
Na rua do Rangel, venda de 3 portas, defronte
do boceo do Trem, vende-se cerveja bocea pratea-
da do suporior qualidade a 4,800 rs., e a garrafa
a 400 rs.; queijos novos ; macarro; aletria ; ta-
lharm ; cevadiuha ; vi 11 tos de boas qualidades de
1,600 rs. al 2,240 re. ; dito engarrafado ; e outros
gneros de venda mullo om conta a dinheiro a
vista para liquidar.
-- Madama Millochaurecebeu pelo Cesar, ultimo
navio vindo de Franca, um lindo sortimenlo de
chapos de soda da ultima moda, para senhora;
luvas de pellica brancat e d,o cres,de qualidade su-
perior para senhora ; espartilhos; litas ; bicos;
larlatanas cor de rosa, brancas o cor de palha ; tou-
cas e camisMihas do montara; cambraias de lislras e
bordadas ; trancas To enfetar vostidos ; franja de
ret -iiz ; ricas llores do ultimo gosto de Pars; um
bonito soi lmenlo de chapos de senhora de todas
Agoas-Vcrdes,
46,
vende-se, por precisilo^um escravo moco, mui pos-
sante.de bonita (gura,mo foge e nem bebe,lie quasi
mostr de marceneiro, e trabalba mui bem de car-
pina ;2 bonitos molequesde iiago, do .44 a 16 an-
nos, sendo um delles ptimo canoeiro; 2 ditos de
nacSo, acosluinados ao ser vico do campo por 800/
rs.; um dito do nacilo mu ito fiel e sem vicios nem
achaques, ptimo para todo o servico por 380,000
rs.; duas bonitas escravas ptimas engommadei-
ras.de bonitas figuras, e que nSosa o viciosas.
Escravos Fgidos.
Fugio, no dia 5 do corrente,, um prelo de no-
meFilippe de nacao Mocambique ; representa 25
annos, cheio do corpo baixo cara larga. Este es-
cravo pertence ao Sr. Jos Mara de Jess Muniz.
Quemo pegar leve a rua do Brum,, fundico de
Mesquita & Dutra que ser recompensado.
Fugio, na noite do5 do corrente, do bordo do
brigue S.-Maria-Boa-Sorte, o escravo marinheiro ,
u*e nome Joaquim de nacflo que parece crioulo ,
de bonita figura, bcmfallante, estatura alta bar-
bado com suissas por haixo doqucixo ; representa
30annos pouco mais ou menos; consla andar pe-
los arrabaldas desta Cliade. Roga-se a capturado
mesmo certificando-se que quem o levara bordo
do dito briguo, ou a Amorim Irmflos receber boa
gralificacflo.
Anda contina a ester fgido, des-
de o dia 8 do corrente, o cabra Manoel,
natural do Para, eijue tem os signaes se-
guales : reprsenla ter 30 annos, alto,
rosto redondo, cabellosprelos e corridos,
olhos pretos, pouca barba; tem a falla >1-
guina cousa descansada ; consta que tem
andado pela Boa-Vista, inlitulndo-se
por forro, e julga-se que com esa eva-
siva j llie assentaram praca no Para.
Costiinia embragar-se amiudadas vezes.
Este escravo pertenee 10 Sr. Nicolao An-
tonio HodrigueS'Chavea, do Para. Quem
o pegar leve em casa de Novaes & C, na
rua do Trapiche, n. 34, qe receber boa
gratifica c5o.
Fugio na noito de 12 para 13 do corrente o
preto Silvestre grosso, baixo, ps apalhetados.cdr
avermelhada1, cabellos tambem avermolltaios ; tem
a marca C no peito esquer lo ; tem dous methodos
de falla grossa e fina ; revou camisa e coro 111 as de
algodflo da trra, e chapeo de palha ; conduzla um
bauzinho forrado de couro pfeto com malhas bran-
cas, do Recifo parto Sanches cheio do roupa:
quem o pegar leve-o a rua da Praia, sobrado n. 95 ,
a Antonio Paulino da Silva ou ao dito sitio de
Francisco de Carvalho Jnior, ou no engenho do
Meio, que ser recompensado.
Desappateceu, no dia 17 do corrente, depois
das 4 horas da tarde o moleque Domingos da 14
anuos pouco mais 011 menos do nacflo Costa ; tem
alguns talh<>sna cara nariz grande, cabeca com-
prida para Irs, olhos pequeos, ps grandes o mal
feitos ; levou calcas de brini j velhas camisa do
algodflo azul, e bonete de panno com holotas en-
carnadas : quem o pegar leve-o a rua da Cadoia do
R ecife loja do cambio, n. 38, que ser recompen-
sado.
Fugio, no dia 4 do novembro, do pateo do Col-
legio, n. ^ um moleque, de nome Manrique, criou-
lo, de 17 para 18 annos de estatura regular soc-
co do corpo, rosto comprdo, feicOes grosseiras .
cabeca comprda pernas finas, ps grandes ; levou
calcas de setineta branca, camisa do algodflo ja-
queta de riscadn de quadros, e chapeo preto ; mas
desconfia-se que lenha mudado de trage; suppe-
se quo esteja servindo em alguma cusa, por se ter
onconlrado comprando peixe em Fra-ue-l'oras,
o conduzindo troxas do roupa para o rio; anda
ueste gyru tanto nesta praca cmo pelos seus ar-
rabaldes, o ho muito ladino: por isso quem o pegar
nflo se deve liar no quo elle diz o sim Irazu-to a
cssa cima, que ser recompensado.
=
PERM. : NA TYP. DS. F. DBFA*1A. 1847
~ta