Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08790

Full Text
Anio de 1847.
BBVWfTH
(Y Til 41110 piMici-ft todos os liis -) 10 it'n
oren le guiri : n ;>rcn 4400 rj.poi qiwrtel, pagos aHin.iladui. Os un-'
mitirinl dos assi.jnanMs lo Inserido* i ras.odo
! fJ. parlinlra, 40 rs o u tp:i r*ntc, ejs
,^j,;l;jej pll ll't' l I 'i <(u I u ".. I n ASS'g-
nunles pi|tc*o O ri (>> liii'i-i, elttitie iio
dulcirme, por id* pnblic.-ic'io.
Ter?a-feira 14
PHASE3-DA LU V no MEZ, de dezguihio,
I.ii nova, a 7, as horit e I : minutos di imnli.
Ciescenle a Ib. liora e 0 min. da manhSi.
La cheia II. i < Iioim e 49 min da tanle.
M intoaiita a 21, s 11 liaras e 29 mi. da'Urde.
PART 3V DOS CORRRIOS.
oiiiiM ePariliibas segundas escitas feir.
Ro-' i. .ni de-,|r>- Norte quintas fetrasao meio-dia
f*ali.i, SariilliiafD, Itia-Kormoso, Poi to-Cilvo e
itnoeM no I .*, a 11 e 21 de cad mez.
Vara dlUill e Rouito. age 21.
lioa-'Vi.'t.i c flores, a lie 28.
Victoria, s nuintas-leiras.
Dunda, todos os das.
PREAMAd DE HOJE.
I'rimein, as lu loras c C minutos da fnanhfn
Segunda, s lOhorai e tuinutaa 4* larde
TITADT
3J JLJHLM&M,
Dezembro Arno XXIV.
pr. 22.
DAS D\ SEMANA,
13 Se^undaS. I.ujii} And. duJ dtisorph.eda
.1 idic da i v. e)lo J, M. da !,v.
i 4 Tere, a. -s- Acn.llo. Aud. rio _J, do ci
da I. v. e do .1. de pnz do ?. disl. de l.
;.', Qimrli S. l-aitebio. And. ilo J V. e do J. d pal do 2. dist. de I.
Quinta. 8. Mliina. Aud do J. de orpli. e
do J. municipal da l.vara.
Sella. S. Colainco. Aud do l.docir. da I.
v.e do J. do paido I. dist Sabhado. S. Esp i idilio. Aud do J do ci.
da I. y. e do J. de paz do I disl de I.
19 Domingo. S. Panal*.
CA MUIOS ,\D DA 10 DI DET17.fi MRO.
S! iv hojldrS a 27 '/, I por IJ r a
a Paria StO rs. por QajMO.
,i T.'si Ai 9', por ion de premio.
Di'-.r.deleiir.i> lie linas lirms i a 11 "/
DuroOncas l-aspinholai... MJ!ii a
* UoMd >' velii. lflM
y de #!'' no lafnna
* de 4*0Uli..... fO a
Praa l'atacoes.......... I 9011
* Pesos cotuminres. .. I!i4i> a
a Ditos mexicanos ... ||7G0 a
a Miuda........... U
Acedes da comp. do Hclierihede bOfOOO rs
dia.
aom.
}S|S00
IO*V"0
fflf |M
jlOa
l|9S0
IjKfiO
IJS0
ao par.

^r<-rtrir
EXTERKR.
INGLATERRA.
LlVEaFOOI., 1.* DB ISOVEHIDBO.
Os interesses merrants conlinuavam n'uma po-
siclo favoravel. A prxima rcunia"o.dos proprieta-
rioado banco roal eontinuot hoje a formar o prin-
cipal assumpto de interesas na praija ; o natural-
mente os commentarios em rebeflo aos sctis ne-
gocios,, e as previscia respoito da sua surto, dilTe-
rem grandemente.
O mercado to algoilflo apresentou hnjn um aspec-
to muto triste ; vemlcram-se 20011 saccas, c os pre-
sos tcmlem levemente a declinar.
Nfio temos por ora novos desastres a registrar.
inrw, 3liK NOVRMBBO.
Depoisda rcmessa da minha carta dehontemne-
nliiiiii acontccimenlo ou mudenca de importancia
occorreti nos negocios geraes. Apenas seannunciou
una quebra que fni p de MM. MTear e lladfl-
eld cuja posicto de negocios Tora previamen-
to coiiiiuunicada e rujo fallimenlo catiSmi geni
consternacilo. Os socios cram os originarios cm-
prt'hendedores da nossa cummunicaefio por vapor
comolirasil.
O mercado doalgoililo mclliOrou hojo mui visi-
velniente, lendo passndo de urnas para outras mitos
3000 Saccas Os prqos sito todava a favor do com-
prador.
Consta-nos a respeito do banco de Cales do nor-
te o dosul, que o presidente (Mr. Rae) o tima de-
pulaco dos directores est em Londres tratando de
arranjar a continuado do banco.
Hojo expediram os directores do banco real a se-
guinte circular, cuja substancia nos fui bontcm
communicada : --
Por esta se noticia que os directores do ban-
co real, em conformidado do desojo geralmciilc
manifestado na reunido dos propriolarios que
honvo lugar no banco no da 30 do postado outu-
bro, resolveram quo so tlesse um pedido de 100
libras ao proprietario de cada accHo de 1000 libras,
e que o mesnio pedido seja pago no banco no dia *
de feverciro prximo futuro.
a John Uighfield, presidente.
Liverpool, 2 de novembro.
As noticias de Mancbester dizem que as relacAes
nfliciae* do eostume1 moslram urna ulterior, tliml-
iiuqHo de bracos ompregados, aleo numero do 215
despedidos e 465 reducidos a menor prazo. 0 Cou-
rerde Mancbester lia que osla reducco comc-
ca a mostraros sotis resultados activos e pernicio-
sos para os pequeos traficantes; c aquellcjornal
faz njciiCilo do um negociante de trigo, que rece-
ben dos seus freguezes a retalbo nilo menos tic 20
parlcipaces de que uflo poiliam satisfazer os seus
empenlios. Mr. R. Gardncr fazia vigorosos esforcos
para satisfacer os seus emponlios no periodo ni8is
breve possivel
As Caitas rocebidas da Escocia esta mandila dizem
que a gravidade da crise experimentada aqui tirilla
i'oiiiocinlo por ultimo a sentir-se nos dislrictos ilo
norte ; e as noticias de Glasgow accrcscent am lis-
ta das suspensOes previamente referidas naquella
cidado a firma de MM. Ogilvie & (',., agentes de
ci)ininunica?iio. O sen passivo era avaliado em
grande sominn.
damenle como as instituicOos militares do paiz.
Sabe todo o mundo, o especialmente' aquellos go-
vernos estrangeiros quo talvez esperem aprovei-
lar-sedasciroumstancias, que a Inglaterra nem lio
protegida por um exererto permanente, nom por
urna frtrea de milicia popular. Immensos sacrificios,
especialmente pelo que respeita forca militar da
nc;to, tecm sido feilos ao espirito de economa
que dopoig da paz de 1815 lem atado as mitos do to-
da a adminisltaco ingloza. Km toda a Escocia o In-
glaterra apenas serla possrvel reunir 10,000 bomens.
lie verdade que as tropas da gnarnicito da Irlanda
tfl rnais numerosas, mas intoiramento absorvi las
pelas necessdadesdaquetle perturbado paiz. Opo-
vo da Inglaterra lio de todas as acOes da Rurofra o
que menos afeito est a manejar as armas o O MaiS
avosso ao servico militar; be, pois, mister quo os
Inglezes sesubjeitem ao mais longo curso da dis-
ciplina, afim de se1 fazerem soldados. Urna das
consequencias deste estallo de colisas lio urna es-
sencial declinac^o da influencia ingleza no exte-
rior ; pois.q>ie a frca militar do paiz forma um ri-
diculo contraste com o tom quo ao visconde Pal-
inerston apra?. assumir as negocia^Oes diplonuiti-
cas ; e mitra be um perigo real do invas;io da par-
lo da Franca, para o qual o paiz nao pode maisolbar
com indifferenca. Algumas ceulenas de barcos do
pescara levados a reboque por vapores atravs
do canal no decurso de urna noite serena c nublada
poderiam fcilmente transportar urna consderavel
frca'franceza para os praias de Albion ; c por mais
arriscada que fosse utt>B tal cxpedclo, e anda que
sortissomal paro os invasores, todava o^ Inglezes
senliiiam profundamente a desboura o injuria de
urna tal tentativa. He claro quo, no caso de guerra,
urn'oxercto permanente de 30,000 bomens pelo
menos devo guardar elTeclivamento as costas de
Ktit e Suissex ; o o aspecto da poltica be actual-
mente tilo critico por todos os lados, que mal se
pdeduvidar que o governo inglez. adopte medidas
cllicazcs para a defosa do paiz, logo que o parla-
mento se rena. Falla-sc muito de urna trausfor-
maefo da milicia, ora (ijiasi intil, em um /
dwehr
(uia
AS FrtnC^S MILITARES DA INi:!.TElRA.
O Allegemtine Zeilung dizia o seguintc:
a No mel de tn la a confuslo da crise moneta-
ria e apuro commercial, das perlurhaccs o con-
vulsflos que assolam a Irlanda, e do oslado critico
ilos negocios estrangeiros, nada oceupa presente-
mente a altenc.to publica na Inglaterra lio pro fu n-
o nuQi i: de guise. (*)
por f fiDcrco *>ou!ic'.
PRIMKIRA lAUTE.
XI.
Era iuteiramentc noite; efui urna cruel fadiga para
esses dous cavalheiros, do botos e esporas, armados
dos ps al n cabera, o seguirem o andar lapido dos
salteadores, que apenas am vest.los, c andnvam
acnstuinados as mais ingratas niarehns.
Medina ia supportandn esse marlyriu com a fra
rcsignacilo que da o nrgullio : mas liorga nflo bavia
anda andado tres millias, qiiludo comocoa h lamen-
tar-se,com o mais r lenlo modo, contra a sua actual
posiejao.
Ora, qtiauto Dos o nSo favorecen mais do que
a mini, senbor D. Kelixl cxcrainon ello, dirigndo-
se a Medina; Dos o tez magro e sein carnes como
un* lazznronc ; e en que, son pausudo e gordo rom
um abbade, sito neslo.meu gibo, suiToco com esta
' *).Vide Dimri n. 281.
os tecelOf.s.
Folgamos do saber que, nilo obstante o crjlico es-
tado do mercado monetario, comeenm j Oarlislo e
sua vizinbanga a sentir os benficos efTcitos do com-
mercio livre. Km consequencia da rovogacflo das
Icis dos ce.rcaes e da miligaco da tarifa americana
est agrande iuipoitacjlo do provisOes causando
urna ampia procura do tccedoies de tear a mlo
acbandti os Americanos mais lucro em receber as
manufacturas nglezas em troca da sua producefto,
do queom ouro. Todos os IciclOes quo se podem
adiar nesta cidado e as povoacesciicuniviziidias,
Ma mu promptamenlo ompregados polos nossos
manufactores; c, oque anda be mais satisfactorio,
por salarios excedentes cm 30 por ponto aos que se
pagavam lia alguns ai.nos tendo-se dado parto
desse augmento durante a semana presento. At-
iento, pois, o diminuto preco do pilo, a com ello dos
lecedoresde tear mito be muito mais satisfacto-
ria do que se podeiia esperar n'uma poca de gran-
de apuro commercial. Com petar diurnos que as
machinas de liar algodo estilo trabalhando so 42
horas por semana llliistraglo'|iratica da loucura
do bil das doy. horas ido (ra lia I lio por dia.)
(Carlitlc Journal.)
(Timts.)
O Sr$.
Urbano Sabino Potsoa do Mello
l.aniontiuo Antonio Pfrera de Carvalbo
Antonio Pinto Chichorro da Cama
Filipp< Lopes Notto Jiinior
loaquim Nunes M icba lo
Jos Podro da Silva
Antonio da Costa llego Montoiro
las Francisco Arruda da Camora
Flix Peixolo do Unto e Mello
Padre Joaquim Francisco de Faria
Joaqum TorXeira IMiXolO de Abren o Lima
Pedro I!-zorra Poraira de Araujo Baltrlo
Manoid Mendos da Cimba Azevodo
Fiiippo Camoiro doOlinda ampollo
Luir. Duarte Perera
Uanoel Ignacio de Carvalbo Mendonqa
Jos liento da Ciinbao Figuciredo
Joaqum Villela de Castro Tavares
Padre Miguel doSicramenlo LoposGatna
l.ouronco l'rigo de Louruiro
f'olos.
> i
5i
53
53
52
52
50
47
i6
3
36
23
17
ti
10
9
3
3
>
I
RKM;m os- rolo rfoi titilan dt Muribtca e Jahnal&o) ,
Oltnda, l'iio-d'AIMo, Wo-I'ormoso irnidido
pth tuppltntt do juit de pos., Striiihtm,
Sanio-Anido, Goiannn, Umotiro e A'as-
relh.
OS SI'MI 'HI'S.
Antonio Alfonso Ferreir
Antonio Pinto Chichorro da Gama
Joaquini \unes Machado
Jeronymo villela de CastrTavares
Urbano Sabino l'ossoa de Mello
Flix l'eixoto de Itrto c Mello
Jos Francisco Anuda da Camera
JoaOjUim Toixcira l'eixoto de Abren o Lima
Fiiippo Lopes NeltO Jnior
Manuel Mondes la Cunha Azevodo
Antonio da Costa llego Montero
Manuel Ignacio de Carvalho Mendonca
Laiircntino Antonio Purcira de Carvalbo
Padre Joaqum Francisco de Faria
Padre Miguel do Sacramento Lopes (ama
Jos Pedro da Silva
Pedro Rezorra Perera do Araujo liellro
Fmppe Carneiro do 01 inda Ca ni pe lo
Antonio Carneiro Machado Ros
Antonio da Assnmpcflo Cabial
l.uz Duarte Perera
Joaquim Villela do CasjJJp lavaros
llorciilanoCnucalvos da Rocha
JOquim lose uos da Cuuba Machado
Manuel de Souz.a Toixcira
Antonio Trisldo de Serpa BrandSu
VOTOS.
597
581
576
575
573
'.78
V7.-.
39S
897
30G
377
339
290
->!.!
2*3
21 (i
199
197
193
lf.9
137
128
93
83
73
PERMtYIBUiCO.
KLKICAO PARA DKPL'TADOS GKRAKS,
COLI.ECI0 HE NAZARETII.
O Sr.
Jeronymo Villela de Castro Tavares
Antonio Alfonso Forreir
Votos.
55
54
LI.KICM") PARA DKPUTAIK1S PltOVINClAKS.
COLLECIO DO RIO-KOI1MOSO,
cua primtira reunido presidio o jtiii de paz mais
volado.
Os Srs Votos.
Sehastifio do llego Ranos
Pedro Francisco de Paula C. do Albuquerque
Baro de Suassuna
Antonio Peregrino Maciol Monteiro
Jos Antonio Lopes
Jos Podro Velloso da Slvcra
Francisco Antonio do Oliveira
Jofio I!m| li.-tn Pcroira Lobo
Manuel Concalves da Silva
Jos Bento do Cunha Figuciredo
Leonardo llezerra de Siqueira Cavalcanli
Abinoel F. do P. Cavalcanli do Albuquerque
Joilo Pinto de Lemos
22
22
22
22
22
22
22
22
22
22
22
22
22
BUCO
Os Srs. Votos-
Isidro Francisco do Paula Mesquila o Silva 22
Apollnario Florentino do A. Maranhfo 22
Antonio Pedro de Figuciredo
l.ouronco Avollinolo Albuquerque Mello 22
Tliome Fornandes Madoira 22
lodo Manool de llarrns Wanderloy l.ins 20
Francisco de P, C. do Albuquerque lcenla 20
Lourcnco llezerra Cavalcanli de Mbuquerque 20
Franciscodfl Paula llaptista 20
Joaquim Klvirio de Morios Carvalbo 29
Anliuiio Borges da l'ons.'e.i 20
Miguel C.oncalves Lima 80
Ignacio do Marios llarrelo 20
Jsao de CaldasRibeiro Campos 20
Manool Perera da Silva 19
Manuel Concalvos Poroira Lima 19
l.oiiioneo llezerra Carneiro da Cunha 19
Padre Joaquim Pinto de Can pos 19
Manool Carneiro Lins de Albuquerque 19
Jos FiUppo de Souza Lolo 19
Fnnino Perera Monteiro l
JOS liancisco de Paiva 18
Loureitco Francisco do Almcida Calando 18
Joaquim Jos de Souza 12
Antonio do Vasconccllos Menozes Drumoml I*
Luiz Paulino Cavalcanli Vello/ de Cuovara III
Antonio Jos de Souza Comes 10
Simplicio Antonio Mavignier *>
DIABilEPRNJBllC.
I ZmM &J8'JljtJafi JiliMti
Aoabam do informar-nos (pie o pardo Jos dos
Santos Turres so acha em perigo da vi la cm conse-
quencia de muilas caceXadas que reeebeu aiite-bon-
tem noilo, no lugar donominado Chura-Menino.
O pobre hornea) tem a eabce.a partida em Iros par-
tes, e o corpo summaoiente maaaado.
ComiiiiiiHcado.
Chegando-mo casualmcnle as nulos o n. 270 des-
le Diario, nelle depare com um artso quetratava
dos merocnicntos ailislicos da scnliora M. Deporni,
0 qual com admiraeo li e rel Que qualqucr
dirija a uulrem com qiieui sympalhsa, os maioro-
louvoros, o o eleve (a sor possivel) at ao (Irmame-
lo, nada ha mais rasoavcl ; pois sobre gofios uo ha
disputa ; mas querer fazer cror que taes louvores
sano resultado de um sentimento unnime, he cer-
lamcnleum absurdo indesculpiivel.....
Por vozes (enbo ouvido canlnr a senbora M. Pepe-
rini, e hci formado o meu juizo, tanto a respeito do
sua voz, como de seus talentos artsticos. Ksta se-
nbora canta, be verdade, e nfio causa enfado ouvi-
la ; masoSr. I. I. M, autor de tal artigo, fo ox-
cossivo, quando em competencia com outras can-
tlas quo aqui tecm estado, t contempla em prmei-
ru lugar. A scnliora M. Deporni lem urna voznan
commum o agradavel, nioguom Ib'ocontesta ; mas
he istoo que apenas possuc: aqui toe 111 sidoouvidas
outras cantoras quo a una bella voz reuneni excel-,
lente mmica, cumnosei que, quo em scena des-
ampara a esta senbora..... Pormitta-me, pois, oSr,
I. I. M., queeti pela minha parto contesto a sua opi-
nin; que admire a sem-raso com quo nega a Ce-
sar o que he de Cesar; e quo me sirva do occasiflo
IHo opportuna para fazer recordar o nomo de unja
Maiiotta Marinangelli cujas virtudes e talentos
l'uram apreciados cun ustin na corte do Rio-de-
Janeiro, u ltimamente o teem sido na baha, 011 lo
ella acaba, de se escripturar, como primeira dama,
no tbeatro de San-Pedro
grvala, o no poderei sem duvida ebegar ao Jim, se
a piedade (lestes va lentes de mosquetes me uo per-
mittir descansar um instante.
Vamos, vamos, Ihe lornou Medina ; pense na
sua digliidade e nilo poca nada a estos patifes. O quo
vem a sor ujna pouca de fudiga vala da vorgonha
do sermos assim prisioueiros do um bando do la-
drOes ?
Knllo o senbor D. Flix nfio solfro nada i' Ihe
perguntou Melcbor; pois ou lonbo os calcanbaros
lodos esfolados, e as pernas posam-me cada urna
mais de trila arrobas. ... Nilo posso mais..... eu
morro..... Ab setibor l.uig, do-mo liccnga que pa-
re..... Um quarlo de hora que ou durma ser bastan-
te para que recobre as frcas neceasarias.
Veja que aqui be a morte, Ihe dase l). Flix.
Poissoja a morte, pouco 1110 importa.....eu Pi-
co aqui, roplicou Melcbior, deitando-so' no chito.
Tenha pieilade, de uiim senbor Luigi ; nilo posad
mais..... Acaben) couniiigo, mous bravos senbo-
res..... J que lie neeessario qoeeu morra, lio nia-
Ihor que seja do um tiro de espingarda do quo da
l'oliie.
Um dos bandidos soproil a media que liazia ; mas
Luigi del .Ferro o oslen Jeu no chao com urna plan-
chada do cmpralo o pesado sabr.
Malar o futuro genio do l'appone exclamou
ello; lenstu vontado de sor Atareado o to fazer
com que so onforquem todos os leus ea mu radas 7.....
Vamos ; coiagoui, scnlinr liorga, levanto-so ; lente
ainda as suas frcas, e so ellas o Iraliiiem iutuia-
nienlo, euto us o canogaremos.
liorga se levantou, e poz-se de novo acaminbo,
mas com tanta dfculdadc marchava, quo os bandi-
.. '>m:i
de obrigados a proporcionar o seu andar ao andar
de liorga, comeen rain a murmurar.
Neste andar, dsso um delles, chegaremos aos
muros doTarraoine j dia claro; c se a guarnicflo
nosvir e nos atacar, seremos todos presos, e tani-
hem bollamento enl'orcados pelos ollicaes do Sua
Santdado, e pelos carrascos do capitilo..... Ou 011 lo
mais depressa, ou demos cabo delle !.....
Jurei, dsso l.uig, lova-lo vivo a Sessa, e nin-
guno) Ihe tocara;.... Ande la, senbor liorga, mon-
te-se nos mcus hombros..... nos nos revesaremos
mis ao.', oulros.
liorga 11I0 pode deixar de 1 ir, e exclamou em hes-
paiiliol, cmquanto se osea rran cita va as costas de
Luigi.
Que bolla cavalgadura para um fidalgo napoli-
tano' be o muito illustrn embaixador d'ol-rei de
Franca, junto real repblica de aples !
.Tu nilo achas em ludo isto sonilo motivo do
rir, dsso Medina' com azodumo, cmquanto o duque
W GUISO talvez so embarque ncslo moifienlo, lias de
ver que ellocbega a aplos, som quo leuhamos fe-
to cousa alguma para o impedir.
Fazo cousa molino-, su podes, disse Melcbior.
E d'alii poz-se a cantarolar.
Ol exclamou um dos bandidos, parece-nie
que e-dou vendo um arrieiro emeima do n.aclio,. ..
caula pura o animar. <
He para me conservar acordado, illustrissi-
1110....., disso liorga. Se no fosse isso, adormece-
ra ; tanto 0 andar do seu chelo he macio c natural :
pola minlla alma, que digo isto cm louvor dille ;
quando eu ainda era pequeo e monlava nos burros
O Jutticeiro.
--'" lii'all lUBjaiW
dos jardinoirosdo Pu/.zoles, nunca encontrei um tilo
bom como este.
Todos os bandidos so pozeram a rr, c Luigi, vol-
tando a caboja para o cavalleiro, dssc-lhe em tom
alfectuoso e em mu discreta voy.
Que pena, sonhor B^rgia, quo um bom ov-
lente lidalgu, como V. Fxcellcucia he, soja do parti-
do dessos damn.idos llespanhuos! Ab que se V.
Exeelleneia quizesse seria tluqtiq do aples, e ge-
neral do povn, em lugar desse Francoz que ninguem
conlioco ....
\b dase Borgia emar dequem se ochava
convencido,-se lo los os populares lossem tilo facis
de levar cmo tu, ha muito lempo que isso estara
Teito.
Bom, bem...... ilisso Luigi, podemos submet-
te-los, o ha um meio do o conseguirmos.....
Kusina-m'o, Luigi, disso Borgia, eou te juro
que o lugar que te reservo nao sera inferior ao quo
pre-enloiliento OOCUpSS.
Ouca onlSo, disse I uigi. Kis-aqu o que eu es-
tn anear regado de dizer-lho : eis-nqui porque o es-
peiei. n Papponc cominauda os quatro mil bandi-
dos mais determinados de toda a Italia.. -He mais
do que be preciso para rediizir os llespanhes ul-
tima miseria se ello os quizer atacar por um lado,
omqnanlo V. Excedencia se pe frente do povo de
aples.
E 0 que he preciso fazer para chegar a isso ?
perguntou Borgia, quo so poz a escotar com mais
attoucilo.
Esposar Anita ; o l'appone dar a seitgenro O
auxilio que recusU ao cardial Filomarini.


->>
2,

Correspondencia.
Srs. Medidores. lie justo llar a Dos o que he de
|V"H o a Cezar o quo lie de Cezar ; permittam-me,
pois, Vinca, queeu me valha las paginas do son Ma-
rn para defender o fallecido Sr. I). Thomaz das
censuras quequas directamente Ihe fez o Jusliceiro
ilo tmirii'ro 260 domesmo Diario.
O ^r. I). Thomaz esinerava-se arn cumprir rom os
devores do cargo do direelor decurso jurdico de
Olinda, como mmcnsas~ pessoas sahem perfeitamen-
tc ; fa'/in mais do que as suas frtreas o pormltium ;
eso mo evilava urna <>u oulra achilo d esa i rosa dos
estudantes, ca porque nflo o poda fazer, nem pelos
estatuios se I lie firilitavam outroi meios mais do
que os de adinoeslare reprehender.
Militas pessoas sabein que o fallecido Sr. D. Tho-
maz nilo pedio tal emprego, mas urna vez que 8. M
I. houve por bem nomea-lo, o aceitou, c fez o que
pode; e quaudo comecoil a padecer, pedio sueces-
sor, comofol notorio, afim deoservico publico nilo
soffrer mostrando assim quo elle nao estava, como
costuma dizer, qual ostra pegada ao rochedo.
I.u, como contemporneo o pai de familia, tive
uccasJoes do eonhecer bom que o dito Sr. I). Thomaz
tintn milito boas intcncoes, e era multo nssiduo c
/il'iso no desempenho dos scus deveros.
Sabem inultos, o principalmente os estudantes,)
que elle os tratava como lilhos, ja aoonselhando-ns,
ja prrsiando-lhes os soccnrrns queestavain ao 86U
alcance, mrmente aos quo tinbam talento e se con-
duziain bem.
Qunram, Srs. Itedactores, publicar no seu Diario
i la simples correspondencia do um consunto lei-
tor, afim ile f.izcr ver ao Jtuiietiro que os artos do
Sr. I). Thomaz. como director da academia olindoil-
80, anda nilo foram osquecidos pelo
JtlSlO.
Descarrejam hoje, 1* de deuembro.
I'.rigue Cetar mcrcadorias.
I'.rigue Carlota-e-Amelia idem.
CONSOLADO GERAL.
RENDIMENTO OODIA 13
i.eral......................
Diversas provincias............
3:002.553
85,364
3:087,917
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 13..............1:903,936
Xiovimeiit-o fio Porto.
Publicaco i pedido.
Illm. Sr. Tenho levado por militas vezcsaooo-
nhcimento tiesto juizo n necessidade de serias pro-
videncias sobre os graves males que pesam eni dc-
triitiento e perJa do terreno desta aldea, do que me
echoenoarregado, na qualiilado de curador; mas,
appzar das miubts instancias, ludo se limitou em
me dizer eslejuizo que todo havia rcpiesentailo e
I edi lo remedio A presidencia dcsta provincia, e que
eu, no entretanto, fosse dando as que polesse. Eu
limara de ineommodar mais eslejuizo com taes
represenlacoes, se o mal deixasse de Ir em augmen-
to, oh de iiiim dependessea sua paralisscflo ; porm,
infelizmente, nada disto succodendo, peco a V s.
I i cenca para novamente esclareo-lo do estado em
que se scham semelhames males, que veem a ser =
ter continuado Itoquo Ferreira d'a Costa ou seu cu-
nhado Jos Sancho Bezerra Cara cente a apossar-se
escandalosamente do terreno que se me informa, e
eu considero da posseepertencente a aldea, constru-
in lo nelle urna nova casa e grande cercado; pelo
que exigi de mim o indio Joflo de D?oa ordem para
co M os mais indios demolirem a inesma casa, e cer-
i do ; mas eu me peguej a lano, por me nao consi-
derar autorisado. Oqueixumc dos indios continua
que seus hereos, a excepeflo do engenho Para,
* i tomando arbitrariamente terrenos da aldea, e
Ululo de pertencerem as suas propriedadea, o que he
d suppr que continuo anda com mais escndalo,
so continuaren) a fallaras necessarias providencias ;
p< lo que a V. S. novamente as peco. J tenho inl'or-
ii ado a eslejuizo que com a curadora, a qual, em
: i dojulho ce 1840 leve lugar, nilo me Coi dudo litu-
I" algum do terreno desta aldea, que, sendo demar-
cada ha iimis de un seculo, e at o presente nilo ten-
rj sido aviventadosos rumos quo passaram por mat-
i is virgens, e jA hsvendo falta do muilos mareos,
11,lo se ple mais fazer un juizo legal do terreno
Hnrenle a referida aldea, sem que tenha lugar
urna novn demarcarlo ou avlvenUcflo dos rumos,
u queosditos proprietarios demarquem as suas
lonas; an que al o presente se hilo negado, di/.en-
ilo que se demarquem = os da aldea. A vista disto,
izo V. S. que providencias podor dar osla cura
i ria, at inesmo no autorisado par* empegar a
! CO da referida aldea quautiu alguina a ella per-
iencent; pois toda quo tero recobido, provenien-
te as imporUncias de terrenos arrendados, lem re-
udo ao thosouro nacional, em virlude da ordem
leste mesmo juizo; e he ludo quanlo nesta occa-
siu teuiio levar ao oonhocimentii de V. s.
Heos guarde a V. S. nuiiios annos. Matapiruma,
!>2deou(ubro 18*7. Illm. Sr. f)r. Filippede Souza
Leilo, juiz municipal da cidadeda V ctoria.
Ilenriquc Margues Lins,
iwEBr.7--.i emonao
COMA .10,
(Vlfaudoga.
IIFADIME.VIV. DO DIV13. /. ........6:289,087
/Vatios entrados no da 13.
libas de Sardenha Mar-Pacifico,) ; 103 das, galera
americana WiUiam-llamillon, de 463 toneladas,
capillo Lorenzo Fisher,,equipagom 32, carga azei-
te de peixe ; ao capit.lo. ~ Sahio de Ncw-Bodford
ha 29 niezes a pesca.
Kirkally; 37 lias, brigue inglez Georgeann, de 280
toneladas, capillo David Brnwn, equipagem 6,
carga carvo de podra para lastro ; ao capitilo. --
Vom em procura de frete.
HOITAES.
Miguel Archanjo Monleirode tndrade oficial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de l'ernambuca, por S. M. o
Imperador, que fleos guarde, etc.
Faz saber que, no dia 15 do corrente, se hito de
arrematar om praca publica A porta da alfandega,
ao meio-dia, 6caixas com 528 libras do marmela-
da, no valor de 158,400. rs., impugnadas pelo guar-
da desta alfandega Pedro Balbino Josda Molla, no
despacho por factura de Jordflo Jos Fragozo : son-
do a arrematarlo suhjeita ao pagamento dos diroi-
los.
Alfandega, 13 de dezembro de 1847.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade
Fago saber a quem conver, que os exames das
lingpas franceza e ingleza no fim do anno prximo
serita nos livros seguintes :
France: em prosa.
O Tlemaco, e o Genio do christianismo, por Cha-
teaubriand.
hm verso.
As fbulas de l.a Fontaine.e as sslyras de Boiloau.
Ingle: em prosa.
Historia romana, por Coldsmith.
O vigario de Wakelfield pelomesmo.
Em verso.
Kslagfies de Tompson e o Paraizo.
Secretaria da acadomia jurdica de Olinda, 16 de
nnvenibrode 1847.
O director,
Padre Miguel do Sacramento Lopes Goma.
Manoel Ignacio de Otiveira tobo, fiscal da [reguezia de
Snn-Frei-Pedro-Goncalves do bairro do Recife, em
virlude da lei.
Faz saber a todos os moradores do mesmo bair-
ro, que leein eslnbelecimenlosdo negocios o artistas,
asdisposicoes dn artigo 12, S I.* e 2 do titulo 2.
das posturas addicionacs de abril de 1840, que de-
terminan! :
Art. 12. Os vendedores nos mercados, logistas,
taverneiros, dimos de armazens, pallaras, refina-
coes, artistas de qualquer offleio, saeristiles de igre-
jasou caprllas, e finalmente todos os que tiverem
qualquer genero de nogocio ou industria de portas
abortas, (carita subjeitos as soguinles disposioOes,
almdasj especificadas.
1." N3o lancsro ra e passagem interior de
suaslojasou oflicinas, palha, cisc, cavacos, ou fi-
nalmente qualquer residuo quo inenmmode o tran-
sito, ou concorra phra menor asscio de sous lugares,
lujas, fabricas ou ras, o embarace por qualquer
maneira a livre c fcil circuladlo doar tmosphcr-
co, qur na ra, qur em ditos lugares: nos dias de
sol, aguaran com regadores suas testadas tres vezes
aodia, s 10 horas da manhia, A 1 hora e As 4 da
Urde.
2. Todas as mantillas at 6 horas, serta obri-
gndos a fazerem varrer os ditos lugares, lujas,- of-
licinas e respectivas testadas do edificio cm quo se
comprchender a loja taverna, armazem ou ofilci-
na, at ao meio da ra, se do lado opposlo houver.
igual obrigacita, alias toda a largura da ra ; fa-
zendo logo conduzir o lixo ou varreduras para os
ligares a esse firn destinados pela cmara, sob pe-
A cmara municipal desla cidado faz publico I"" l,c 2,000 rs. de mulla, edous das de prisflo.
que lem nomcado ao fiscal do hairro do liecife pa- '-1':"';' M"1' ,l;"1" se chainem A ignorancia, mando
ra oxercer provisoriamente as funccOes de fiscal I publioHr as rcreridas ilisposic Bairro de San-Froi-I'edro-Goncalvos, 11 do de-
zembro de 1847.
O fiscal
Fscrptorio da companhia do Beberibo, em
s.lo do 11 de dozembro de 1847.
O secretario,
B. J, Fernandes Rorros.
se s-
Escrava apprehendida pela polica.
Anna, do l.oanda. Foi, presa candnzindo duas
peras de chita, vinte e nove velas de cera o seis do
sebo, que nta quiz declarar de quem recebr o a
quem levava. Acha-so recoihida cadeia desta
cidade, edeve do ser reclamada na suhdelegacia dos
Afogados.
* visos martimos.
desta freguezia de Santo-Antonio, por se adiar es-
te impedido.
Paco da cmara municfpal do liecife cm sessilo
de 11 de dezembro de 1847.
Manoel Joaquim do Regoe Albuquerque,
Presidente.
lodo Jost Ferreira de Aguiar,
Secretario.
Devendo nroceder-se cm o dia 19 do corrente,
na cmara municipal desla cidade, apuracflo ge-
ral tos votos para dous senadores por esta provin-
cia, na coiiformidade do artigo 86 da lei regula-
menlar ele eleigOcs, de 19 do agosto do 1846 ; a
mesina cmara convida as pessoas que quizerem
assistir a estes trabalhos a comparecerem na casa
desuas sessoes no indicado dia, pelas 9 horas da
manha.
Paco da cmara municipal do Hccife, em sessilo de
II de dezembro de 1847.
ManoelJoaqumi dn Rega e Albuquerque,
Presidente.
Joo Joii Ferreira de Aguiar,
Secretario.
Que dizes tu ah de Filomarini, eque tem elle
com todo esse negocio? pergunlou Borgia.
Incline-ce bem paradutnte, de maneira que
f possa V. Excellcncia ouvir o que Ihe tenho a
dizor.
Oizc, respondeu Medina.
I is-aqui do que se trata..... O canica I man-
dou dizor a l'appone, que, se elle Ihe qui/esse prcsUr
o apoiu do seu lemivel exeroito, elle seohngava a
(azcrcomquo cerio senhornapolitano, que o mes-
mo cordeal escolheria, fosse elcilo duque de ap-
les o general dos cxercilos'do povo, com arondi-
eflo desse sonhr esposar a Casta___ a neta de Ge-
nuino. .
E (Iba do canica I e da cortcsSa Olympia......
He verdade.....
Entilo para que me fallavas tu anda ha pouco
de esposar Aila?
He peu-que l'appone achou que Ihe era mais
proveiloso fazer servir as suas forceas ao casamento
de su a propria lilha, do que a elevaeflo da do cardeal,
li/endo (juo Ihe era mellior ser o sogro do duque de
.aples "lo que ser seu general.
Oh! disse Borgia balendoalegremente na ca-
brea deLuigi, ois-ahi um plano cxcellenleniente
combinado} assim elle nSowbisse de una cabeca
de 13o poucos milos como a de Pappone.
Luigi poz-soa rr; e um dos bandidos que linha
visto a acclo de Borgia, eomecou de gritar:
Olbem como elle faz andar o macho !
Tudo issu he mnilo bom, disse Borgia, conti-
nuando agora a conversa em voz baixa, mas he pre-
ciso em pumeiro lugar ser eleito general dos exer- |
CURSO JURDICO.
Faco saber a quem convier, que des de o dia 3 de
fevereiro prximo al 15 do marco os estudantes
Berilo admiltidos sos exames preparatorios quo
Ihe faltaron) para matricular-seno curso jurdico",
mpreterivelmenlena rasfio dos queja houverem
feilo guardada sempre a ordem dos quo ostudaram
nocollegiodas artes nos lyccus, etc. Outro sim ,
os examinandos serio chamados segundo os seus
nomos pelas lettras alfabticas.
Serrelaria da academia jurdica do Olinda 29
de novembro de 1817.
O director,
Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama.
Para se poder observar a ordem dos exames
preparatorios de conformidad^ com o imperial avi-
so de 23 de agosto do corrente auno, faco saber
que os que quizerem frequontar as aulas do colle-
gio das artes deverao vir matricular-so nesta secre-
taria donde serflo distribuidas pelos prnfessores
copias das respectivas matriculas.
secretara da academia juridica de Olinda, 29 de
novembro de 1847.
O director,
Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama.
citas do povo ; e se o cardeal tem essa eleicilo as
mitas, porcerto que mo fara com que ella reverta
em proveito de um homem que nita servir sua am-
bil'Ho, esposando Casta.
O cardial he um dolido, replicou l.uigi; os W
dadeiros senhores da-clcicflo seriio o Ponne, Santis,
Peppe-I'alombo e eu. O primeiro sera do seu parti-
do, se Ihe prometieren! a mita de Gasta, que elle ado-
ra ; c a certeza de (car com ludo que ellos teem
juntado pelos seus roubos fara com quo osoulros
dous lambem o sejam.....Mas, para ser bem sucedi-
do cm tudo, seria preciso ter a coragem de me
acompanhara .aples, e de seapresentar la ao po-
vo..... Muilos dos capas-negras desejam fazer al-
I ia iioa eu ni a nohreza, e.....
Ah .' l.uigi... Luigi..., exclamou Rorgia, quan-
lo seria magnifica a minha entrada em aples,
montado como ora eslou .' mas outro ha de la ebe-
gar primeiro que nos. O duque de Guise parti de
Roma, o entrando elle na cidade, toda a probabili-
dade.do Ihe disputar o lugar lica perdida para mim ;
nilo porque eujulgue que o nflo niereca taulo quan-
lo elle, mas tu sabes que basta fechar nina porta
com a punta dos dedos para fazer com que ninguem
eniie ii'uma cidadella; e que una vez quo lase
esteja he preciso bat-la com arlilharia para que de
la se saia.
Tem V. Excedencia rasfio; o mais urgente he
prender esse Francez...... Mas como so ha do fazer
isso?
Ah .'secu estivesse livre 1... disse Borgia.
E V. Excelleucia aceita ?
Ainda o duvidas?
Manoel Ignacio de Olheira Lobo.
DedMiMocs.
A cmara municipal desta cidade faz sessilo ex-
traordinaria no dia 15 do corrente.
O cscrivo olile da segunda seceflo do consulado
provincial, de ordem do Illm. Sr. administrador do
mesmo consulado, faz constar a todos os proprieU-
rios de predios urbanos dos bairros desla cidade,
Um', do dia I.* do corrente inoz de dezeiiiliro, se
principiaran! a contar os Irinta utois-para o pagamen-
to, A bocea do cofre, da respectiva decima do 1. se-
mestre do anno financeiro corrente do 1847 a 1848 :
e todos os que deixarem de pagar, dentro do referi-
do prazo, incorrem na multa de 3 por cento sobre o
valor do scus dbitos e serio de prompto executa-
dos. Recife, 6 de dezembro de 1847.
No impedimento do escrv.to,
Jos Guedes Salgueiro
L BEBBBDBS.
0 caixa da companhia do Bebcribc, tcndrtdo pres-
tar as suas cuntas. Icmhra aos Srs. accionistas a rca-
lisacflOdoj 4 por cento, ltimamente pedidos.
Estando a terminar-so a obra a quo a compa-
nhia do Beberibo se comprometleu pelos seus con-
tratos, sao convidados os Srs. accionistas para se
reunirem cm asse.mblca geral, quarU-feira,' 22 do
corrente, pelas 10 horas da nianhaa, no escriptorio
da companhia, afim de se tomarem as medidas con-
venientes para ella entrar no gozo do privilegio ex-
clusivo, e se deliberar sobre outros ohjectos do seu
interesse. Na mesma reunido o director farA o rela-
torio dos trabalhos do ultimo semestre, n o caixa
apresentarA as snas cuntas, sendo de esperar que no
entretanto se completo a entrada dos por cento
9BTX
E posso eu dar essa certeza a l'appone f
Digo-te, que eu mesmo Ih'a ira dar se esti-
vesse livre.
l.uigi reflectio porum momento.
Deixeo negocio por minha conta, disse elle,
e ajudc-nio.
E immediiitamOiito den nina grande saciididclla,
o atirou com Borgia aochlta, Agora ja devo ter descansado ; caminhc.....
Ai.' vt.. oh !..... ai de mim .' exclamou Borgia ;
pelo contrario, tenho as peritas dormcnles e gela-
das.....au posso dar un passo... .Pelo amor de
Dos! por piedade .'. ... mo llavera entre estes se-
nhores algum que me queira prestar o mesmo ser-
vido que tu ?
I ni murmurio do desconteiHamento respondeu a
esta proposieflo.
Julga elle que somos bostas de carga ? disso
um dos ladrOes; liquo ah, se quizer.....ou so nta,
podo morrer.
Ah.'.... continuou Borgia, eu daria cem'pis-
tolas (400,000 ris) por um cavado.... sinlo-me des-i
fallecer.....
E com cffeilo dexou-se cahir, e ficou som mov-
menln.
Ponliam-no sobro ocsvallodelle, disse Luigi;
pelo menos podemos dizor ao capitilo que emprega-
mos lodos os moios para o salvar.
Pegaram em Melchior, epozeram-no a cavado;
dous bandidos o suslcntavam de cada lado, porque
ello pareca nao se poder sustentar.
Dos Iho d o too! disse um dedos ; j estA fe-
chando os odios.....he um homem do menos.....
Os Sr. carregadores para o Porto na barca JEj-
pirito-Sanlo queiram ateo dia 18 do corrento ,
entregar os conhcimnios para scrm 'assignaitos.
Este navio devo sabir no da 21 do corronte impre-
tervelmento :. so recebe passagoiros para o. que
lem excedentes cnmmndos : a trata'r com o consig-
natario, Francisco Alves da Cunha, na na do Viga-
rio, n. 11, ou com o capitilo na praca dn Com-
mercio.
Para o Aracaty segu com brevidade o hiato
Ptmidoto; par carga e passageiros, trata-se ao lado
do Corpo-Santo, loja do massames, n. 25.
Para a Rabia segu viagem com muila brevida-
de, por ter a matar parte da carga prompta, a escuna
Curiosa, forrada o pregada de cobre : para carga e
passageiros, trata-se com Domingos Antonio de A-
zevodo, a bordo da mesma, ou com Luiz Jos de
S Araujo, na ra da Cruz, n. 26.
Para Lisboa pretende sabir com toda a brevida-
de por ler parto d carga prompta o brigue por-
tuguez Carlola-&-Amelia do que he capitilo Ma-
noel Joaquim dos Santos: quem nelle quizer carre-
gar, ou ir de passagom, ora oque tem excedentes
e assoados commodos, dirija-se aos seus consigna-
tarios Francisco Severano llabello & Filho ou ae >
mesmo capilta.
-7 Para o Porto sabe com a maior brevidade o
brigue portugnez Ventura- Feli; portera maior
parle do carregamento prompU : recebe carga a
fretoe passageiros, para o que tem excedentes com-
modos : trata-se com os consignatarios, Mondes &
Tarrozo, na ra da Cruz, n. 54 oucom o capiao,
Zeferino Ventura dos Sanios, ni praca doCommor-
co.
Para o Ro-de-Janciro sabe o brigue nacional
Sociedade: para carga, passageiros c cscravos, tra-
la-sc com Jos Francisco Collares, ou com o capitilo
nos Ira piches das escadinhas, ouiia loja do ferra-
gens da esquina da na da Cmioia.
I,(il.ll).
Lcilita, por iDtervencflo do corredor Oliveira,
consislindo em um carmlio de duas rodas com ca-
vado e mais pertences, sellim com portences, com-
inodas, mesas de juntar, do meio de sala o outra.s,
sofs, cadeiras, ditas de balan(0, bancas de Jogo,
espetaos, dous pianos no vos o um usado, camas de
armacita e de vento, secretaria de vidraca, lavato-
rios, louga, apparclho de cha, de prata, vatros, relo-
gos do patente inglezes, quadros, outros muilos oh-
jectos e nlgumas obras de ouro, &c,Ac.j'scxla-feira
17 do corrente, s 10 horas da manhila, em casa de
Jofio Kellcr& G., ruada Cruz, rujo socio pretende
fazer urna viagem a Europa, pelo Sword-Fieh, dei--
xando a gerencia da casa ao Sr. Gustavo Lulz.
Avisos diversos
m
I'elojuizodeorphtas.fla ra do Aterro-da-Boa-
Vista, na quint'a-feira, 16 do correnle mez, pelas 4
horas da larde, so ho de arrematar, porser a ultima
praca, tres cscravos, a saber: um prelo oficial do
maroeneiro ; oulro dito de maior idde, do servido
decampo; cuma preta que sabo cozinhar o diario
dC urna casa.
Quem precisar de urna pessoa capaz o inlelli-
genle para administrador de qualquer engenho, di-
rija-sc A na do Hospicio, n. 50, que achara com
quem tratar.
Troca-se um oratorio com bstanles imagens,
por preco commodo: troca-so porque a dona retira-
se para o mallo : quem o quizer dirija-se a rua da
Moda, n. 34. ,
Aluga-so um primeiro andar do sobrado, na
rua do llangel, defronte da botica : a tratar na rua
do Cabug, loja de Joaquim Jos da Costa Fnjozes.
I'recisa-se de una ama forra ou captiva para ca-
n ilcpouca familia : na rua daSaula-Ciuz n. 60.
I'rcrisa-se de urna ama ou lamido para o ser-
vido de um homem sollciro : na rua Nova, n. 40.
Alugem-so os segundo e lercciro andares do so-
brado da rua da Cruz n. 40, no Recife, ptimos
para um consulado, ou escriptorio visto estes an-
dares n"io terom coziiiha i a tratar no primeiro an-
dar do mesmo sobrado.
"
a-
Olha, disso oulro, ests vendo como as mitas
se Ihe ampiam ?.... J as onvulsles vilo principiar.
Com elToilo, Rorgia que se baloiQava na sella co-
mo um homem qua^i adormecido, seagitou dahi a
um instante com sobresaltos convulsivos, estorcen-
do as mitas o os bracos j e por esse meio cliegou a
apoderar-se das redeas queapertava forlcmenle nos
dedos.
~ Parece-mc quo est com o estertor da agona,
disse um dos bandidos.
lie verdade; o sorb urna boa accilo se I lie ro-
Z'i-semns i> rospousodus defiinlus.
He verdade, disse ainda oulro.
E eomecou logo :
Rquiem aternum dona eis, Domine.
El lux perpetua luceat es, respondeu o outro.
Domine, libera animan* metan! exclamou re-
pentinamente Borgia, com urna voz retumbante.
E ao mesmo lempo enterrando as esporas na bar-
riga do cavallo, l-io empinar e escoucear muito ; e
dcsomhaiacaiiilu-so por essa evolucao violenta dos
dous bandidos quo-o suslenUvam de cada lado, Jan-
cou o cavado a galope, o desappareceu a lodosos
odios, antes que ningue%i se podesse oppr a sua
fuga. Alguns salteadores laucaram-se airas delle,
outros atiraiain-llm liesou igualro tiros, mas den-
tro em pouco o ruido dos passos do cavallo do Bor-
gia se perdou no espaco.
No primeiro transporte do clera, os bandidos
quizeram vugar-so na pessoa de Medina da lina ma-
nila do Borgia ; mas cm vo o procuraran), poique
havia desaparecido.
'Conlinuar-se-ka.)
->


f
BB

5
tu J'
A Voz dofrasiln.8 est a vcndii nos lugares
do costume.
Traspassa-se a posse de um terreno no lugar
da malta da Torre) margem do rioCapIbaribo, ja
beneficiado com urna mci'agoa de pedrn e cal, ca-
cimba de boa agn, roca em estado de fazer-se far-
nha, o capim de planta i confronte a olaria do Jos
Francisco-Bellem, ou a tratar na ra do Caldeireiro,
numero 68.
Precisa-se de um menino- para caxeirode lo-
ja de fazendas, oque steja habilitado para poder
tomar conta de um halcio : na ra da Cadeia, n. 19.
Na noite de to para onze do cor-
rente, destppaicceu um cao d'agoa. to-
do branco,raspado do meio do corpo para
Irs, com as pernas tambem raspadas :
quem o pegar ou algnem que o tenha
recolitiJo, It-ve-o ra Novaj armazem
de lr;istes, defront'! da ra de Sanio Ama-
ro, u. f>f), que ser bein recompensado.
-- Alugaui-so dous sobrados com mirantes, mili-
to grandes com bous commodos para grande f-
mula e com grandes quintaes sitos na ra Au-
gusta : a tratar no viveirn do Muniz.
--Joa Martina Gomes rclira-se para fra da pro-
vincia.
Aluga-se urna pequea casinha na Soledado
para o Manguind, ra de Jofio-FeriKindos-Vicira ,
n. 22: a tratar na ra Nova, loja ti. 58.
O Sr. Joo I' re lenco de Abren Re-
g queir.i dfrigr-se rtu do Queunado,
n. '(, a negocio de sen interessa.
-- l'rccisa-se de urna mnlher para rozinbar cm
casa de um hornero soltoiro a qual seja pirita nes-
te ollicio, o que d liador a alia conducta : na ra da
Cadnn-Velhn, loja n. 40, se dir quein precisa.
O Sr. Fiscal da Bon-Visla queira por candado
dar um passeio a ra da Aurora a ver soso piule
evitara moile de duas familias no desahamento de
duascasas, pelo mo oslado em que se acha a
que (lea no centro dellas.
LOTERA
DO
Hospital Pedro
It
Vende-sein do/e escravos, a saber : 5
"escravos muilo 1110505, bons para lodou
servico ; duas mulaliolias de 13 a 14 ali-
os, recolhdas, nina das quaes cose
muilo hem, marca, faz lavarinto, 011-
gomma soffrivel, c be muilo desembara-
zada para o mais arranjo de casa; 2 mu-
lalinios de 9 a 11 annos, muilo lindos o
espcrlos ; 3 prelas muilo mocas, com al-
gumas habilidades, o que aabem vender
na ra : na ra do Vigario, 11. 24, se dir
quein vende.
Sabbado, 11 do crrente, furUramda escadinha
da nlfandcga dous rolos com fumo, os quaos, alm
de leicui o peso marcado, teem una marca I'. Ilo-
ga-sea pesaos a quum forem offereciilos, queira dar
parte no armazem de Kaccllar quo ser gratifica-
da.
Mensal..
l'rccisa-se alugarum moleque mensalmente : na
ra larga do Roza rio, n. 24.
--Precisa-se le un horlelilo para una borla em
um engenho dislantc tj legoas desta praca : no Atcr-
ro-da-Uoa-Vista n. 6.
I'rcrisa-sc de urna ama para casa de' um ho-
mem solteiro na ruado Hangel, 11 59, primeiro
andar.
Na ra do Mondcgo, n. 59, engomma-se porfei-
tainente por preco commodo-.
Cari s D Fredricks, profes-
sor do dagiirrfoiypo,
contina a tirar retratos na sua residencia da ra
da Cadca-Nova, 11. 26, das 9 horas da u,anima al
as duas da larde.
A ci.sa do modas francezas de M
ibeanl, na Nova, primeiro
andar,
receben, pelo ultimo navio viudo de Franca, um
grande soi lmenlo le chapeos de pal lia do todas as
qualidadeso da ultima mod, para senlmra e meni-
nas; bonetes e chapeos de palba da Italia, muito
alva, para meninos e meninas ; um completo sor-
limeiilo de filas ricas o elegantes, o de bico verta*
deiru e imitante ; rollarinbus e camisinhas borda-
das, para vestidos afogadus e de montana ; chapeos
de plianlazia, para senlmra; vestidos bordados para
bailes; ricos lils brancos le lindo, bordados e
lisos; tiras e enlre-mcos bordados; cinturas e
giavatinhas de lilas com franjas, para senbora ;
camliraias bordadas ; filos de seda preln, bordados,
para mniil'alclas, visitas e inanias ; creps ; flores
ricas e seilas de boas qualidades c de todas as cores,
para chapeos de senbora. M. Tbeard faz sempre cha-
peos e vestidos de senbora da ultima moda e por
preco rasoavel.
LEPB
as Cinco-I'onlas padatra n. 63, ainda se pre-
cisa Ue um moco pnitugiiez para tomar conta, por
bulanco, do meaino estabelecimento.
Sorvelr.
Na ra da Aurora, junto loja de louca, haver
sorvetc com todo o asseio e perfeicao que for possi-
vil
Aluga-se para seassnr pa fesla ,a casa do sitio
Cnjoeiro sendo a primeira na entrada do poit.10:
u tratar na na da Cadeia ile S.'Antonio, n. 49.
Quein aiinunciou por esta folha querer com-
prar uina venda em bom logar, dirija-se a ra da
Senzalla-Vclho, ao pe do liecco-l.argo, 11. 98, que
se dir quein vende.
Pe inla-so urna casa terrea, 11. 3 sita na ra
do ltoni-Succsso da cidade de (ilinda, reedifica-
da de novo com um sitio soffrivel, 0111 chaos pro-
prios, por outraqualquer nos bairros de S-Anto-
nio ou Boa-Vista preferindo-se no Aterro-dos-Alo-
gados, ouSoledade : na praca da Boa-Vista, por
cima da botica n. 6, ou na ra de S.-Francisco, do-
Ironto da venda do Nicolao.
Quem precisar de um capellito para dizer ms-
sa de Natal, fra desta cidade dirij-se a 1 ua D-
reita, n. 6.
Othcsoureiro da primeira quinta patio da pri-
meira lotera a beneficio do novo hospital do l'e-
droll. tem a satisfcelo do aiinunciar ao rospeitavel
publico, quo acaba deconseguira formaclo de urna
abastada o philantropica sociedade composta do ne-
gociantes nacionaes e estrangoiros para o restante
dos bilboles-quo bouverem de ficar, cmv rindo do
que alianca quo o andamento das respectivas rodas
ser impreterivelinento nodiaSO do corrente mez,
j annunciado e por isao s se venderfio- bilhetes
al odia 19ao meio-dia. Igualmente roga,o mesmo
Ihesouroiro as pessoas que apartaran! bilhete que
hajam do ir busca-Ios al o antecedente dia 19 as
horas marcadas para a venda.
As pessoas que precisarcm de um sacerdoto
para celebrar a missa do Natal nesta praca, 011 mes-
mo no malto, nflo excedendo a distancia de urna a
duas legoas, dirijamrse a ruado Queimado, 11. 44,
aonde acharo com quem tratar.
'ompaiihia geraj (la agricul-
lura dns vjnhas do AI to-
lto uro
Oabaisoossignado, agente desta coinpanhia nes-
ta praca do Pernambuco acaba de recober pelo bri-
gue-escuna f'eloz urna romessa do vinbos daquella
companbia, dopois que ella foi roabilitada pela
logislatura de Portugal c dotada com os fundos
pblicos, pelas lei de 21 de abril de 1843 para le-
vara todos os morcados os padrees e bal Isas dovi-
nho genuino e puro da Allo-Douro geralinenlc
conhecido pelo nomede vinho do Porto afim lo
serv rem de guia ao commercio. Esta remessa, to-
da dovinhos da mais escolhida qualidade deve
olTercceraosSrs.consumidores, nao so a certeza
de sua pureza, mas tambem o typo verdadeiro dos
cxcellentes vinbos do Porto. Espera pos o abaixo
assignado, que osSrs. consumidores se dirigiriio a
sua residencia na ra da Cadeia do Recifo loja
n. 51 para tratarem do ajuste de qualquer poreflo
que desejarem. Antonio i'ranciscn de Moracs.
-- Alugam-se o vendem-se tanto a retalho como
os ceios muito grandes o boas bichas chega-
das de llamburgo : tambem so vilo applicar para
mais commodidade dos prelcndentos: na ra es-
treita do Itozario loja de barheiro n. 19 defronte
da ra das Larangeiras.
5|ch vPi:os Dtfsot!
Ra do l*asseio*Publico, n. 5.
Joo l.oubet participa ao rospeitavel publico, que
receben, por estes tillimosnavios francezes, um com-
pleto sortimento de chapeos de sol, de seda, amis
rica e superior qualidade; furta-cres o nutras mili-
tas condecidas, lano para domens, como para Sras.
e meninos. No mesmo estabelecimento ha um sorti-
mento de chapos de sol de pauinho, dos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para domens
decampo : tambem tem chapos do sol do pan indo
Sara meninos^) meninas, por scrcm muito finos: po-
ein-se chamar chapeos de economa. N11 mesma loja
ha sortimento de bengalas, bmigalinhas o chicotes
muito modernos; cobre-se qualquer^TiMCflO do cha-
peos de sol, com sedas le ludas as cores o qualida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
paiiiiinhos trancados e lisos, imitando seda, para
cobrir os mesmos: desta fazemla se vendo areladlo.
Concerta-se lodo qualquer chapeo de sbl, por haver
um completo sorlimento de todos os pertences para
os mesmos, com"loda a perfeiQTo e brtvidade
__Fugio, Ha noile do da 8 do novembro do cor-
rente auno, um cscravo de nonm llulino, nacilu Gon-
go, de dado 40 annos: levou calca de estopa, camisa
de algodio azul; lem estatura alia, corpo medio, cor
fula, odos grandes, nariz e bocea regulares; he bar-
bado; tem urna pe na cambada, c um braco nialhailo
no tita-
le branco, docotovello ale a limo ; quem o pegar
eve-oa ra da Senzalla-Velha, n. 98, que sera ge-
nerosa men le gratificado.
Novaes & Companbia remellem para o Itio-de-
Janeirooseu csciavo de lime Fernando. '
Madama l'orla parlicii a as pessoas que a lem
donradocoui sua prolccco no seu negocio de mo-
das francezas que ella se mudou da ra do Aragilo
para o Aterro-da-Boa-Vista n. 3, primeiro andar.
Pelo juizo do civel desta cidade, se da de arre-
malar uina inorada do casa de sobrado de quatn. an-
dares n. sita ua ra dp Crespo ; e oulra de um an-
dar c slito, na roa do Collegio, n. por execucOo
de Jos Baplista ltibero de lana e lenlo Jos da
Silva Magallifles, contra os berdeiros do fallecido
Antonio Baplista Bibeiro dcFaria
-- abaixo assignado, encarregado do
deposito do rap l'rincza-de-Lisba,-
faz scicute ao respeitavel publico, que-
lendo vindo ordens positivas do contrato
para ii2o se vender o rap liado, por isso
de boje ein disnte sem excepeo de
pessoa, s vender o dito rap a quem
he pagar visti ; o que luz publico pan.
conhecimenlo de todos. I'ernambuco, 1 "
de novembro de 1847.
Antonio Francisco de Moma.
ATTKNCAO".
A mea regedora de N. S. da Conceico dos milita-
res, nao podeudo fazer a eleicflo do presidenle no
dia marcado no couipromisso, em rasHo de se nao
ler reunido o numero de iiinos sullicientcs para a
eloicSo convida do novo a lodos para, no dia 16 do
concille mez, us 4 hoiasda larde, se aeharem no
consistoi o para a referida eleicAo,
A fatuo Honorato faitoi,
Secretario.
trages de grande carcter, para presepe !
tro publico, a follar com o director.
Compra-so um cachorro que seja bom para
guardar casa: no Alerro-da-lloa-Visla loja de fa-
zendas, n, 94,
--.Va ra Nova, loja n. 58, compram-so os ferros
necessiirios para um fficiul do surrador ou esco-
liador d couros, aapparelhar os cuinos; para o
que Iftinbooi se precisa de um oflicial do dito ollicio,
que sai lia c o queira oxceular.
Compra-se urna casa torrea que tenha bom
quinlal : ua ra do Sebo n. 37, ou annuncie.
Vende-se urna casa terrea na rm das (;n co-
Pontas, n, 112 : a Iratarna mosma casa.
Vendem-se sellins ingle/es clsticos e de 99
tente, para montara do liomem os mclliores iin-
t'orlados noste morcado', por preco oommmlo 1 tam-
bem vemlcm-se panos dos muito ac-editados au-
tores C.ollard & Collard do Londres: em casa do foo:
Kenwortdy & Compandia, na ra di Cruz, n. 2.
Vendem-se, por diminuto preco, as obras de
llerger, diccionario de llioologia ; lid Fritol, scimi-
cia do pnblicislo; de Comlc, tratado do legislado;
de lloiste, diccionario universal ; de. Guisot, pena
le morle na ra do Cabug, loja de Jos Brando
da Rocha, defronte da matriz.
Veinein-so tres cisnhas do taipa com scus
quintaes que bolam para o rio .Canibaribe e com
suas plantas, por 300,000 rs. : na ruado Amoriin ,
n. 21.
Vendem-se 6 escravos sendo : uma pela de
20 anuos que cngointna liso c 1'0/iulia ; uina dita
quitondeira ; uma ilila que vendo miudezas, ou ou-
lra qualquer venda e cozinha bom o diario de uma
casa ; uma dita do meia idade por 230,000 rs. que
he boa vendedeira ; um mulalinho de 12 annos ; um
moleque de 12 a 13 anpos que tem muito bous
principios de Cozi.nluj.ro : lodos mo teem vicios
nem achaques : no pateo da S.-Cru/. 11. 14, se di-
r quem vende.
_ Vende-so um moleque de 22 annos. pouco mais
ou menos, que enlende de oleiro e he cauoeiro na
ra da Cadeia-Velda, n. 17, no segundo andar. Ven-
de-se por preco cpminodo, por o dono estar de via-
gem para o Parahiba uestes dous dias
Vende-se unta miilatinha recolhida, que tem
principios do costera, cozinha o diario de urna casa
e faz o mais servico que se Ido mande : o motivo da
venda se dir ao comprador : defroute do oilUo do
lina tro novo, casa n. 5.
Vende-se, ou permuta-se por uma casa nesla
praca, um pequeo silio ua Capunga, com casa no-
va, cercado de ItniflO, com algumas arvores quo dao
fructo o outras quo.nfio dito, e boa agoa de beber :
na ra Direita, 11.16.
. Veiidein-sc 12 cadeiras com assenlo de pa-
Ihinlia cm bom uso ; um guarda-louca; uma com-
lltoda de Jacaranda ; duas mesas de sala; duas ca-
mas, urna de ariraija'o e oulra sem ella : ua ra do
Queunado, n. 30.
Vendo-SO meia duzB de cadeiras de condur ,
em mel uso, por preco Commodo : por baxo do
hospital da ordciu lerceira de S.-Francisco loja
que lica confronte a venda da esquina da ra das
Cruzes.
Vende-se um parda de 20 a 25 annos que cu-
gonuna, cose e cozinha : cuja conducta se afianea :
vende-se por precis.lo: ua ra estreita do Itozario,
n. 11, segundo andar.
Vende-se urna morada to casa torrea na ra
do Puciulio-da-l'anella : na travesa dos Quarleis ,
n. 29,
Vende-se um bom cavallo de sella,que carrega e
esquipa por preco commodo : na ra to l.ivra-
ineiito 11. 22, primeiro andar.
Vende-se uma propriedade de meia legoa de
Ierra, na comarcado Limoeiro, com duas legoas
de fundo casa de vivenda assudo 3 curraes para
gado, bom cercado,eque be muito favoravel d'agoa:
na ruadaUoiiodiQflo da Boa-Vista armazem do sal
do Sr. llulino a fallar cun o piopt ietario Francis-
co Lopes Bandcira,.que a da por pre<0 commodo.
1 Ir-
4>oisi|)r-is.
( ompram se
vestidos bordados de prala ou 011ro; limos de
velludo ou de seda, niltigos ; cahelleiras de lo-
dos os Umanbos e caracteres ; fazendas de 1:1a de
urna s cor, excepto pela; e oulros quaesquer
objeclos antigos,proprios para se desmancharen] 0111
ipeos de rnolii, Drant'08 e
pelo-.
Vende m-se chapeos francezes, para homcm ; di-
to de sol, de seda furla-cres lano para hnmeni
como para senbora ; chapos do seda e de pald ,
para seithora ; mbi ricas sedas para noivados ; lin-
das capelln mflor de laranja; plumas brancas de
passarinlto tanto para enl'eiles de Caboca'COtno pa-
ra chapeos ; chales ; maulas; lencos ; luvas do pe
lica o do seda ; uieiasde seda brancas, lisas o com
pinha bordada ; a verdadeira sarja liespandola; sa-
palns de lustro selin marroquin tanto para
sendoia como para meninas; meias de laia preta
para padre ; mili lindas sedas para chapeos ; crep
decores; copas d fil para chapeos de crep; bor-
zeguins para senbora perfumaras muito finas:
ludo de melhor gnsto e qualidade, por preco coin-
ntodo : na ra doCabuga loja de Mannel l'inbeiro
de Mendonca, junto a botica do Sr. J0A0 Morcira.
Vende-so o magnifico predio sito na ra do
Aniorim prximo a alfamlega grande o qual he
quasi novo construido com forti dio o esmero a
moderna com vara odas de ferro, de quiltro anda-
res formando o quinto um mirante muito elegad-
le cuja mai avilhosa e arrebatadora vista abran-
ge o mar alio esla cidade o os campos adjacen-
tes recortados pelos tilo justamente decantados ros
Capidanbec llehcride ; foi o em que 11 01011 james
Ciahlree e lio mili propru para qualquer cslabe-
lecimetilo de commercio; a dinbeiro de contado
pelo quo so ajustar no todo, 011 ora parle, c em
parto a prazo : os preleudenles dirijam-se ao cor-
rcturOliveira.
Vonde-scuma bonita banca de meio de sala ,
ain. la nova toda de angco e de gosto moderno;
uma c.ideira de balaiieo, tamh'iil nova; urna mai-
queza;un lavatorio ; 6 cadeiras de palhiuha or-
dinaria : ludo se vende por muilo commodo preco,
por seu dono se retirar : na ra Nova, 11. 28.
PARA A FESTA.
No eseriplorio de Frederico ItobNIiard, ra do
Trapiche-Novo, n. 18, vende-se a retalho, em barri-
cas de 3 duziis, a muilo afamada cerveja preta, em
botijas, o mais superior quo aqu lem viudo. Na mes-
ma casa cima, vende-se inoda de cobre por pr.ecO
commodo.
Vende-se uma casa terrea feila a moderna, c que
tem mais 7 meias-agoas indepeudenlcs da mesma,
que para rcndiuienlo, n:1o da melhor cousa, sita
la ra da Florentina .- quem a pretender dirija-se a
ra do Collegio armazem, n. 19.
Lotera do Ro-de-Janeno.
Vendem-se bilbctes c mci-s .Utos da
H. lotera a beneficio da conslruccio e
reparo d,is matrizes : na ra d> Cadeia,
loja de cambio,11. 38, dv MjmiocItiome.
No armazem do Brtiguez, na run da Cadeia, ven-
dem-se barricas com superior (arelode Lisboa, e di-
tas com nozesporcotnmndo proco.
Na casa de modas fr.i mezas
de M. Mlllocliflu,
no Aterro-da-Boa-Visla, n. 1, primeiro andar, do la-
do dochalariz, vendoin-so chapos de palha da Ita-
lia, muilo fina e alvo, ditos de dita aborta, dilos dita de arroz o nutras, para senderas ; chapeos re-
dondos, proprios para garantir do sol; ditos de pa-
lba fina da Italia, para meninas ; ditos de dita 0 .io-
nes, para meninos ; chapos doscda c crep, para
senbnras; litas a llores minio ricas, decores e qua-
lidades, para oufcites de vestidos o chapeos; lilas
eslreilas. para lauras de meninas ; cinturas e gra-
va! indas de lilas superiores para senhoras ; colla-
rinhos e camizinhas bordadas; camnalas lisas e
bordadas francezas, muito alvos e linas, para vesti-
os ; corles bordados ; bcos largos e estreitos Jo li-
ndo verdadeiro ; ditos de milacflo ; rendas de bi-
cos ; ontremeios burilados ; ricos filos de bico, pro-
prios para maulas a visitas ; lencas para senhoras;
bonetes de montara ; visitas de bico ; creps de co-
res ; bicos pretus verdadeiros; bicos c rendas do
blonde ; lils de seda e do lindo, brancos e pivtos ;
cassas brancas ; luvas para senhoras e meninas ; len-
cos de m.lo ; trancas prelta ; larlatanas hrflncas e de
cores ; chales c mantas de 1:1a de ricas cores ; veos
de montara ; sedas de ludas os cores, pata chapeos
de senhoras ; conloes de seda ; trancas eslreitinlias,
p.tra enfeitar vestidos de meninas ; retro/, e linlios
de todas as cores; dotiles de passementeria, e mul-
los oulros objeclos de modo, e por muito barato pre-
co. Na mesma casa l'azetn-se sempre vbslidos deca-
sainenlo o chapeos de senbora, a ultima moda, e
ior preco commodo.
Vendem-se toalbas e guardanapos
ile liiibo de lo los os tamaitos, por mui-
lo diminuto preco : na rut do Cabug,
luja de mindeaa, 11 /.
' Vende-se bolacha de forinl'.a de primeira qua-
idade a 14 patacas ; dita de segunda qualidade a
8 patacas ; l'arinha de trigo, propria para chapeloi-
ros a 2.500 rs. a arroba e a 80 rs. a libro : na an-
tiga ra dns Quarleis, n. 18.
SSSF.
.Hanoel da Silva Santos vende barricas
le firinhade IrigOda matea SSSP* ebe-
.>.ida no ultimo navio a este mercado.
Vende-so nm preto de noeo, muilo robusto,
bom ganhador de ra < do servico de casa ocam-
po do qual entende muilo, nflo lem vicios nem
achaques: vende-se para se comprar um molo|iie,
ou uma negrinha", tambem se troca alto leudo vi-
cios nem achaques : na ra da Concordia passan-
do a pontezinha a direita, segn 11 caso terrea,
se dir quem vende.
Vende-se untescravocneiroe oleiro, de 22
anuos pouco mais 011 menos, por proco mdico:
na ra da Cadcia-V'ollia. II. 17.
"i'chificba para |)resepe.
Na esquina do l.ivramento, loja de 6 portas, vn-
dein-se boas pccltinchas para presepes como se-
jam : ricos vestidos bordados o ouro, a 2,non rs. ;
fazenda da mesma qualidade 00111 5 palmos de lar-
gura a 210 rs. o covado: velludo encarnado, a
400 rs o cova lo ; madapoln de nova invoncSo .1
loo rs. a vara ; o outras militas cousas exquisitos ,
[trnprias para as lidias pastorinhas.
Vende-se a melhor venda da ra Imperial, n.
145, por seu dono ler de ir a Portugal: o compra-
prodor toin a armocao da dita venda a seu favor,
por ser do prop ivlario.
- Vendem-se diversos escra-
vos mocoa ede boas lisuras, che-
patios prximamente do Cear ,
sendo rieleras, mulatas cosltirei-
r;is, hvvaileiras e eo/.inheiras; mu-
latos, negros e-mo'eques, proprios
de lod 1 o servieo : na na do
Crespo, loja, n. 2 A, se dir quem
vende.
Vende-se a bom condecida e superior cbam-
piinha da marca cometa ; vinho da Madeira engar-
rafado ; cita hysson e petla cm eaixinbasdo7 a 10
libras cada Urna ; bom papel de copiar en machina:
ludo chegadn rccenlcmcnle a esta praca : na rila
do Vigann, n. armazem do liothe N. ldoulac.
Vende-se lima preta do 2i anuos, a qual he p-
tima engoiiiiiiadeira,ccziiiheira, costtireira ede es-
collante conduela : na ra estreita do Itozario, n.
31, primeiro andar.
--Vendem-se duas molculas, de bonitas figuras,
de iJade de \i anuos cada urna, pouco mais ou me-
nos, por preco commodo*: na ra da Cadeia-Vciha,
casa n. 33, se dir quem vende.
Vende-se sal do Assii a bordo do brgue Mis :
a ti alar com o propriclaho, Firmlo J. F. da Boza,
ra do Trapiche, n. H
Vende-se, para engenho ou oulro qualquer ser-
vigo, um negro de nacao, to 20 a 24 auno*, sadio e
forle : na ru da Senzalla-Nova, n. 4.
f.oja de 6 portas.
He s lia loja de 6 portas da esquina do l.ivra-
mento que da vestidos de cambraia com bico a
renda, a 4,000 rs.
---Vende-se col wreem em pedia, chegada ulti-
m a mente, o liabas de vimos, ludo por preco com-
modo : na ra do llnim, armazem de Mendos &
Tarrozo.
Vende-se um negro perito oflicial de sapaleiro,
de ilade to 20 anuos, e urna nogra cozinheira, cos-
ttireira, Invaden i e eiifioinmadeira. de idade de 22
anuos ponen mais ou menos : na ra esUcitado Ito-
zario, n. 43, segundo andar.


'
w-


4
Reatan alguna es*ravos por se ven-
der*, muito baratos, e todos de bonita
figura, poia he para se fecbarem as con-
tis deste miou; um lindo negro pega de dade de 20
anuos, de naclo, hom canoeiroo cozinheiro ; um
(lito de 16 annos, crioulo, ptimo para um pagem,
por ser bastante ligeiro: um dito do i.laJe de 25
annos, perfoito oflicial de sapalcirq, este vende-se
mnito enmonta, por ler um pequeo deleito ; mu
mulato de dade do 35 anuos, du milito boa condue-
la, bom para tomar conta de um silfo, por 360,000
rs; dous negros muito fortes e de bonita ligura,
de idadedo22 anuos; um dito de nacHo, bom ga-
nliailorderua, e quo sabe fazer todo o servico do
urna casa, por 310,000 rs.; um dito por 400,000 rs.,
anula moco; om dito por 200,000 rs.; urna negri-
iilin de dade do 20 anuos, quo cose ptimamente,
faz lavarinto, ongomma e cozinha ; urna dita de 26
anuos, perleita coziuheira e engoinmadeira; urna
mulata do ptima conducta, por 450,000rs. ; urna
negra poi iio.ooo: na na -las Larangeiras, n. li,
segundo andar.
para o servico decampo e da praca por serem de
boaconpueta: na ra do Collegio, n. 3, segundo
andar, tediraquem vendo
-Vende-se urna duxia de eadeiras de Jacaranda
ni me.o uso e outr.i duzia e um canap de oleo
por pi eco ron,modo na roa da l'onlia, n. 21
<1 2*000 rs.
Vcndem-se sacras coin bom milbo : no caes da
Alfandega armazem do Antonio Aunes Jarome
Prea.
A 4 #200 5 Na lo ja le Guimaraes Serafim tk
Compaohia na do Cres-
po, n. 5,
vendem-se chapeos le so! de se-
  • <;o de 1^200 rs cada um.
    Vendc-se champanha de muito superior quali-
    lade recentcmciite chegada : na ra da Cruz,
    sa.i
    "< quad ajqos sbjjsoiud se as-oep
    :mn epeo -s.i Q09#/ p otojd ojbj
    -nq opd 'apppp Bisan opiD3jndde
    luaai anb soau siui soiso a sao.ip
    -b(I s..p Bisa epuaKBj 'saBuadmi
    s3sbo ap 9a)joa boom asuiapua
    'e *u 'od
    sa.i') op tm.i (cii|uudiuo^)
    ^luyeja., saBJBmmj^ap efoi b\i
    'SdBIJdduil &BS8BO SBAOU 9y
    /)^^^:#^i9 *>i& si]0 %i& wj& cas corn tS varase meia : ainda contina ha haver
    do de 600 rs., o liamburgos finos;: estilo se aca-
    bando os guardanapos de linho a 800 rs.
    Casimiras clsticas e fins, a
    7^000 rs.
    Vendem-se superiores casimiras elsticas linas o
    de cores, pelo baralissimo preco de 7,OJO rs. o cor-
    te de caiga. Esta (atonda be recommcndavol pola
    aua qualidado tanto em fazenda como em goslos ,
    porsorem os mais modernos; casimiras pretas ,
    superior fazenda por serem muito finas a 3, 3 e
    3,500 rs.o covado : na ra do Collegio, loja n. 1.
    , por preco commodo ,
    multo moca una preta ,
    que cose, lava cozinha fjz doces e
    vende na na : na ru i do (Crespo, loja
    II. i o.
    Vendem-se mascaras de bi-
    chos e de difereiiles caricatu-
    ras .* na ra do Cabug loja de
    Manoel Pinheiro de Mendonca ,
    junio a botica do Sr. Joo Mo-
    reira.
    Vende-se
    por nao ser
    mwwmzmmi
    IjOJJ\
    DE6 PORTAS H<22
    < iVcsta hija das pechinchas, vendem-se pan- fi
    _g; nos linos, a 2,500, 3,000 3,500 0 4,000 rs. 3
    e milito lino, prova do limito a 5, 6 e 7,000 5
    fg rs. ; casimiraa de duas larguras, a 1,509 o ^
    B 2,000 rs o covado, e muito superior, a 3,000 8
    ^ e 4,000 rs. ; cortes de sclim e do velludo l
    ' para cohete, a 2,000, 2,500 c 3.000 rs.; man- I
    tasdesetim para houiem, a 2,000 rs.; un H
    grande sortimenlo ile madapoloes chitas
    e nutras muitas fazendas para a festa por
    "laratissiino preco, para acabar antes do ba-
    anco,
    h
    "X"l
    -


    Vendem- da, a 0.000 e 10,000 rs. ; ditos de novse ri-
    cos padrees, a 14,000 o 16,000 rs.; chapeos
    de massa, franeczes, da ultima moda j risca-
    ilos nance/es para vestidos de senbora ; no-
    vos cortes do cassa-chita; eoutras muilas fa-
    /'Mici.-is degoslo, propriaapara o lempo de
    festa: Indo por menos preco, do que em OU-
    Ira qualquerloja : na ra do Queimado, nos
    quatro-canlo, loja da casa amarella, n. 99.
    ' fcaf ?/'% p;fc di^ #ft [Si K-^-
    Pannos finos.
    Vendem-se superiores pannos finos a prova de
    I i inflo preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6,500 rs. ; di-
    to azul, a 3,ono rs.,e mullo lino, a 4,500 rs. Estes
    : annoa alto novos e pela sua baratez, altendendo
    asna boa qualiJade, torna m'86 recominendaveis.
    Na roa do Collegio, n. I.
    le na loja do nicho que
    apparcccm estas pichinchas.
    Na esquina do I.mmenlo loja do nicho, ven-
    dem-se mantas para senbora a 1,000 e 2,000 rs
    setim branco de llores, rom duas larguras, a'
    1,280 rs. o covado; riscadinhos chinezes, com lis-
    tras de seda a 360 rs o covado ; chales muito gran-
    des do arca c seda a 2.000 rs. ; lencos grandes da
    mesma fazenda a 1,000 rs. ; ditos escoce/es, de
    bonitos goslos, a 200 e 320 rs. ; c outras militas
    pechnenaa novas ohegadas de proposito para a
    reata.
    ('chinchas para a festa,
    Venitcm-ee bonetes para r ao Iwmho, a 360rs.,
    ntto pode haver mais barato : no Aterrn-da-lioa-Vis-
    ta loja ii. 78.
    Sao de patente,*c smente se
    vendem no Aterro-da-Bia-
    VMa, loja n. 7,
    excellenles bonetes do verdadeiro marroqnim pre-
    to e cor de ganga, de modelo muilo engracado ,
    obra rrauceza cujo gosto pode ser bem avaliado ,
    vemlo-se a fazenda e silo tao decentes quo podeni
    serem usados por qualqucr personagein ; ditos de
    merino de cores bordados o de exellentes gustos.
    Na loja nova da ra d Quci-
    mado, u. II a, dclayuun-
    do Carlos .cite, a 2 400rs. o
    covado.
    Almdelerum completo sortimento de fazendas
    unas egrossas, pelos procos mais rasoaveis nosai-
    veis, lia casimiras lisas e elsticas da mclhor qua-
    lidado que lemvindoa esto mercado, a 2,400 rs. o
    covado bem como do listras a 4^ 8/e 10/000 rs.
    o corte.
    >o At< rro-da-lloa-Vista. lo-
    ja n- 7,
    endem-se sapatos do lustro para meninas do 3 a 15
    assim como para scuhora.
    S.-Juliim; ditoS.-C.eorgo ; ago'ardente de Franca,
    de varias qnalidades ; cherry-cordial; marraschi-
    ^io ; licoros finos; PTIMA CHAMPANIIA.em garrafas
    inteiras e meias ditas ; velas de composi5!lo ; cha
    preto o ve rdo de superior qualidado; presuntos e
    salames de llamhurgo; sardinhasem ltase vidros;
    petits-pois om latas ; mostarda ngleza e franco-
    za ; vidros com frutas em calda do assucar o espi-
    rito ; agoa de flor de laranja ; CHItltUTOS DE HA-
    VANA E DA BAHA ; o outros mullos objectos : tudo
    recentemente chegado.
    PARA A FESTA.
    \a loja nova da ra do Quei-
    mado, n. II A, deRaymun-
    do Carlos Le te ,
    vcndem-se os melheres chapeos do Chili. que teem
    pparecdo nesio mercado a 16,000 rs. cada um
    tambem hade 7,000,8,000 o 9,000 rs.; mantas de
    seda a 2,000 4,000, 10,000 e 16,009 rs. cada urna
    um novo sortimento de chapeos francozes ; meias
    pretas e grandes, para pudre, a 600 rs. o par ; e um
    completo sortimento de pannos finos, do todas as
    crtres por precos commodos.
    Va ra do Crespo, loja n. 12,
    de Jos Joaquim da Silva
    Maya,
    vcndem-se muito lindos chapeos para meninas ,
    tanto ilc seda como de palhinha chegados ltima-
    mente de l'aris ; chapeos de seda para senbora
    corles de crambraia do seda.de ricos goslos, por
    preso muilo commodo; corles de vestidos de caru-
    braia ccassa-cliilasde tullronles qnalidades, por
    precos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
    sem elle a 2,000 o 2,500 rs. cada corle ; mantas de
    seda e lita para senbora das mais modernas que
    teem vindo a esta prara a 5,000 rs. cada urna ;
    mantas chales do seda de varias qualidades e ba-
    ratos; alpaca preta a 800 e 1,600 rs. o covado;
    panno do linho, a 400 rs. a vara; casimiras fran-
    cezas eelsticas para calcas, a 5,000 rs. o corte;
    instos; setinsevelludos para cohete, por preco
    muilo em conta ; bem como um sortimento de ou-
    tras muilas fazendas, quo se vendem pelo barato.
    Potassa.
    VenJe-SR potassa da Htissia a
    nova que hoje existe no mercado
    rna da Cadeia-Vellia armazem de
    lar e Oliveira.
    mais
    : na
    Bal-
    Va ra do Trapiche, armazem n.
    34, de JM. Hernel, vende-se o
    squinle :
    salame fresco; presuntos de Westpha|ia ; licores
    superfinos e superiores a todos que teem chegado
    antigamento ; corarlo verdadeiro de Molan.la; an-
    choyis muito fresco; absinlho da verdadeira marca
    o kirschwasser da Suissa ; wermoulh; fruclas em
    ugo'ardenle ; conservas de petito-poia e sardinbas;
    ditas inglezas em vinagro; conservas de bajes
    scliiiillbohnen; cm potes muito frescos, chega.do
    no ullimo navio de llamhurgo; licor de kirsch em
    meias garrafas brancas de superior qualidade; as-
    sim como todas as qualidades de vinhos, ago'ac-
    dentos, conservas de carne, etc. ; charutos regalos
    de Hilvana; e muitos outros objectos de superior
    qualidade e por preco mais commodo que em qual-
    qucr nutra parle.
    Na ra da Cadeia Velha a. 29,
    loja de j. O. Elster,
    vendem-se bilheles o meios ditos da lotera a bene-
    ficio da ronstrupciio e reparo das matrizesda provin-
    cia do Itio-de-Janciro. Adverle-sc aos amantes da for-
    tuna que al o da 20do correnteja poderilo gozar
    , do premio que por soi te Ihcs sabir : e como ja res-
    lazenoa ne nova e de muilo sublimes goslos, sen- tam poneos bilheles por isso se annuncia
    s mu apreciavcis por serem cor de ; -- A venda reformada toda de novo defronte da
    \
    anuos
    AGENCIA DAHJSDICAO'DELOW-MOOlt. .
    .Na ra da Scnzalla-Nova n. 42, contina a haver
    um completo sortimento de moendas e machinas de
    vapor para engenbos de assucar : bem como tai-
    xas do ferro balido e coado de lodos os tamaitos:
    ludo por prego commodo.
    tic lu iras.
    Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
    denominada bel mira para vestidos de senbora
    pelo barato prego .le 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
    lidade como em forma snmelhantes s de Itambur-
    go, por preco commodo : na ra larga do llozario
    botiquim da C.ova-da-Onca, n. 34.
    Vende-se urna preta de nseflo d Costa, de 22
    annos, que cose chlo, cozinha, lava de sahSoe var-
    rella e engo mma soffrivelmente : na ra do Corpo-
    Santo, sobra don. 16. >
    Escravog Fgidos.
    280
    , a 200
    .,. rs- ; dito branco a 240 rs. ; vinagre, a 100 rs.; cer-
    L.heffuem cine eslao se acabando v,'Jilf *80rs- ;Hze|ledoco,asoors.; dito deco-
    'iCO, a400rs.; dito de currapato a 240 rs. ; macar-
    rito aletjia e lalliarim a 300 rs. a libra ; passas a
    aterrO-da-940 rs ; ligos a 240 rs. ; ameixas a 240 rs.; cha
    livsson muito superior-, a 1,600, 2,150 o 2,300 rs. a
    libra; chourlcos a 480 rs. a libra; paios a 240
    rs cada um; manteiga ingleza, a 800 rs. ; dita fran-
    ceza a 600 rs. ; queijos flamengos a 1,400 rs. ;
    sahao hespanhol a 240 rs. ; dito ingle/., a no rs. .
    nozes,a160rs. jamendoas, a 240 rs.; espermacc-
    lc ameriacno a 800 rs.; dito Irancez, a 700 rs. ; bo-
    os sapa toca de bezerro para bomem, a 1,28
    bongalinhas para passeio a 320 rs. : no ,1
    Boa-Vista, loja n. 78.
    ac
    Admirareis navalhas de
    da China,
    NA ItUA LARGA DO I10ZARIO, ti. 35,1.0JA DO I.ODV.
    das sciencias mcdico-cirurgicns tanto da
    Europa como da America, Asia o frica he reco-
    nhecido o uso destas navalhas maravilbosas, no s
    para prevenir as molestias cutneas a que a bumani-
    ddeestsubjeita; mas lambem como um meiodeas
    cm ar.
    Vendem-se as verdadeirass na loja cima indi-
    cada.
    Vendc-se urna armacflopara loja do couro, e
    juntamente lodos os apparolhos para leuda do sa-
    paleiro tom muitos poucos undos, no largo do
    l.ivramento, n. 41 : a tratar na mesma loja.
    Yo .Uerro-da-Boa-Vista, n.7,
    vende-se bauszinbos de pao com lindas pinturas c
    que serven) para guardar roupa de enancas o eos
    ra, de 640 a 2.560 rs. ; bonetes de velludo para 11
    nios ; sapalos^iara senbora a 1,000 rs.
    Bichas de llamhur.. o.
    Vendem-se bichas de liamburgo,
    t4o rs: a rellho c em porcSo : em
    csi de Manoel Jo> de S Aianjo na
    ra da Cruz, n. a4.
    Xa ra da Cadeia elha, u.
    l, loja de 4. O. lilstcr ,
    i
    i
    Na loja nova (\a ra do Quci-
    niadoji. HA, de la y mun-
    do Carlos Le i le vende-se a
    1,000 e I 200 1 s
    a vara de um excellente panno de linho que cha*
    gou ultima,nente de Porltugal. cujas pecassDo de 21 dito de Carcavelos';"dTto do'Teuirifc "dilo diT.VI ^r t-FC;
    varas : lambem se vende a retalho ; assim con. che- boa ; dilo do Itl o i mJ di o de araves in L ,1?" M*1* '-'
    ,ou novo sortimento do de 00 rs. a vara, o as pe- M; dito de Borffl; dito LBS.lS'Cl vud
    vende-so vinbo do Porto, do diversas qualidades
    : dito de Malaga; dito do Shcrry
    1 Na loja de Jos WanoeIi
    Honieiro lirada, na ra *
    do r.respo, u. 1 (i,esqui-
    na que vira para a ra
    das Cruzes,
    I
    iI
    I
    vcndem-se mu lindos chapeos para senho-
    J:i ra, de goslo o mais moderno e do cores
    -jj mu lindas, por lerom cliegadosjultiinamcn- ,
    .-Ki te de Franca por procos rasoaveis;' e ou- H
    jjil iras muilas fazendas de gosto.

    rugi, da casa do abaixo assignado, na Capun-
    ga em a madrugada do da 7 do crrente, o escra-
    vo Pedro, crioulo de 20 annos pouco mais ou me
    nos, de boa estatura e sem barba. Fot comprado ao
    Snr. Augusto Theodnro yon llein; he bastante
    conhecldo no matto, por ter servido a este 8r. como
    pagem as suas viagons para Serinhlem. Rng-
    a todas as autoridades e capltites de campo,que o ap-
    prehendain e levem-no a ra do Vigario n. 4, que
    serilo gratilicados. Em. Ilidoulac.
    Ausentou-se, na noite do da 8 de novembro
    do correle anuo o escravo Herc.ulano decArfu-
    la, que parece cabra, cabera pequea, cabello ra-
    lo olhos pequeos, corpo grosso pouca barba ,
    estatura regular; tem urna cicatriz no hombro os-
    querdo que pile ter 3 a 4 poilegadas de compri-
    mento; costuma embebodar-se e neste caso inti-
    tularse por Ilerculano Jos dos Santos Tranca-ltua ;
    levnu camisa e caigas de algodTo trancado azul e
    nlgumas camisas do madapolito : quom o pegar le-
    ve-oa cidade de Olinda na ra da BnvHoia a scu
    sonhor, Jos Fcrreira Marinho quo gralllicir ge-
    nerosamente.
    Fugio, na noile de 5 do crrente de bordo do
    brigueS.-J/arfl-floa-Sori?, o escravo marinheiro ,
    de nomc Joaquim donacilo.que parece crioulo r
    de bonita figura, bom fallante, estatura alta f bar-
    bado com suissas por haixo doqueixo ; representa
    30 annos pouco mais ou menos; consta andar pe-
    los arrebalda'desta cidade. Roga-se a acaptura do %
    mesmo certiflcando-soque quem o levar a bordo V|
    do dito brigue, ou a Amorim IrmSos receber boa
    gratiflcacfio.
    Fugio de bordo do brigue ConRanpa, na noitb
    de 30 de novembro passade, o escravo marinheiro
    de nomo Jos, de nacilo Gablo; representa 30 o tan-
    tos annos; do estatura haisa; sem barba ; levou
    cale* do brim, camisa de algodao e barrete, e assim
    mais urna calca do casimira amarellada, camisa do
    chita e uns sapatos. O dito escravo sabe lodos os lu-
    gares da provincia, e assim como os do fura della,
    ej foge por habito, visto que no anno prxi-
    mo passado tambem fugio de bordo do brigue Men-
    tor, e (oi capturado para as partes de Porto-Calvo,
    aondo se iuculcava por forro: elle pertence ao
    Sr. Jos Maris de S, negociante no Rio-de-Janeiro.
    Roga-so, e pedo-sea todas as pessoas e autorida-
    des policiaes a sua captura, certos de que quem o
    trouxer a esta praQa aos abaixo assignsdos, receber
    boa gratificiTo.
    ^imorim Irmdot.
    Desappareceu, no da 10 do corrente, pelas 8
    horas da ni*ahile um molcquo crioulo, do nomo
    Manoel de 10annos pouco mais ou menos, bem
    frito de corpo, cor alguma cousa fula ; he bastante
    simples por ser natural do sertilo ; foi comprado
    aoSr. Jos Antonio, mostr regio, morador na ra
    do pateo di Ribeira nesta-prac* ; levou- calcas do
    ganga azul camisa do riscado j usada ; conduzia
    um taholeiro com compras para casa de seu senbor;
    desconia-se que fosso rrlado por nio ter isto de
    costume. Roga-se a todas as autoridades policiaes
    o pessoas do povo que o ipprehendam e levem-no
    a fabrica de charutos, na ra estroita do Rozario,
    que serilo generosamente recompensadas.
    ~ Fugio, na noite do 8 do corrente, um cabra
    natural do Para o qual tem os signaos seguintes :
    representa ter 30 annos, alto, rosto comprido ca-
    bellos preto* e corridos olhos prelos, nariz gros-
    so pouca barba ; costuma andar devagar ; tem a
    Talla alguma cousa descansada. Este escravo chama-
    se Manoel, e perler.ce ao Sr. IV'icolo Antonio Ro-
    drigues Chaves do Poni. Quem o pegar love-o a
    ra do Trapiche n. 34, que ser recompensado.
    Fugio, no da a3 de novembro, do
    engenhodas Maltas frtgtiPzia do-Cabo,
    um cabra carioca de nome Jofto que
    lia pouco foi comprado a Antonio lava-
    res de Andra le morador em INazareth;
    o qual (razia umn goia do subdelegado
    do- lugar, o major Amaro Jos Lope
    Coiilinlio (iavalctiti. Os signaos do es-
    cravo sSo os aeguinlrs : baix bastante
    rcforc.iilo do corpo escuro, oflios bran-
    cos cabillos incara pin hados: cm qnal-
    quer paite que chepa intitula -se forro e
    se ofFcreee p^ra carreiro. Quem o pegar
    leve-no ao dilo engenlio, q.te ser gra-
    hlicado generosamente.
    I'1 ligio, no d a 9 do corrente, do en-
    genhod-is Maltas,freguezia do Cabo, un
    paulo, de nome Filippe, muito conbeci-
    por muito tempo pssou poi forro, apol-
    lidundo-se por Manoel Cauassary, e
    lambem no eurato do Bum-Jarriim ,
    di me j veio peso : tom os signaes se-
    guintes : bastante alto secco ; repr-
    senla 3o a 35 annos ; tem a cara bcclu-
    gosa ollios pequen.ise bem pitt'S, na-
    riz grosso e com Instante tabeo falla
    eleminada; tem inore de acontes ca-
    bellos prelos e corridos : quem n pegar
    leve-o ao dito engenbo, que ser bem
    recompensado.
    Fugio, no dia S do corrente um escravo, do
    nomo Paulo; reprsenla ler 60 annos, haixo, des-
    dentado na frente caa redonda pouca barba ; le-
    vou nina trouxa com roupa de sou uso um coco do
    llandrese urna ligella ; desconlia-se ter ido para, o
    serillo do Ass donde veio ha dolis annos. Quemo
    pegar leve a ra de llortas sobrado n. 70, que sera
    '((-(impensado.
    .-------,, ,-
    Vendem-se bichas do Estreito lardo em qu-' l'i ha.: na
    Vi III
    tyi'. ui; m. r. db faRia. i h 47.
    ~