Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08779

Full Text
aaaaaaa
P
Anno de 1847,
Sexta-feira 50
n DIARIO pu'dica-e ^P* ** 1ue "5o
_ te cuarda > o Pref da Ma.natur he da
rtem <' B""
"m t. o quarlel. pagos adianadns. Os a
4,0 l~ asin.nlej 5 Inserido rnso de
^"oortnh.. r. m lypo diu'rreme, e a,
..Unrt DJla melade. < >' que n> f rm arg-
piiasks da la no me* de abril.
... n.nlf. B, os S min' d* ,arde-
'"'C. *,i*hotellhin.d.
fcaola,
.. _a manlina.
l chei, *"> ** '' ',0^,, e s """> da larde.

PAHTIOA DOS CORREI03.
GoiannaeParahyba, s segundeesextasfein.s.
Rio-l.raiide-dn.Wte quimas feras ao meio-dia.
'abo, Serinliiiem, Rio-FormMe, Poilo-Calvo c
'Macei nol.\ a ll eii decada mei.
I.araahunse Bonito, a 10 e Si.
Bol-Viau e Flores, a II e J8.
Victoria, s quintas feira.
Ulinda, todos os lias.
PRKAMAR DEHOJE.
Primeira, 4 bota JO minutos da tarde.
Segunda, 4 liura e ii mioutoi da mautiaa.
de Abril.
Anno XXIII.
N.9*

das da semana.
JO Segunda, S. Claremio. Aud. iloJ dosor-
idios, do .1. do c il ? v. e do J M. da 1
?7 Terra. S. Tertuliano. Aud.do i, do tiv. da
I e do J. de nai do 2 ilisl. de t.
JS Quarta. S. Vital. And. do .'. do civ. da
i v e do J. de pi./. do 1 dist. de l.
19-Qtiinta. S. Pedio Aud do J. .le orpb.,
do J. municipal da I ara.
:in Setta. S. Caliiaiina. Aud do J. do civ. da
l. v. e do J. de paz do I. dial, dt t
- I SablMdo. ^f S. rilippe S. Tiago.
.' Domingo. S. A l'nna/.io
CAM.IOS NO DA S DE AflRIL.
Cambio sobre landres de a I'/,d. [>. I*.
P>ris Sl!> rs por franca.
I.itlma 95 de premio.
Dec. deleltrai da boas lirm.s I'/ P-'/a *n ""*
Ouro-Oiieaa Iespanhobs.... 8l6'"> a *{*;n
a Mnedas de afino vell.. UfSOO a I6#0
a de OfiOO nov I fono a iCfOi
a de000..... |0(in a !l<">
PriHa Patacoe........ 1|">'
Pesos columnares... 31 10
a Ditos mexicanos ... alinda............ ll* I'0
Acetes da eoinp.do llolwnhe de iOfCOO rs. *o par.
i
a IfOsO
a tintii
a ifr'"
>..
*
INTERIOR.
----------------j---------,--------------:-------------------------.
COHRMOlfDMTCJA SO JORNAL DO COMNERCIO
Via.srin de S. .ff. o Wat perador.
Campos, 3 do abril do 18*7.
Ilontem i't noile S. M. foi a pe ver a procissSo, de
rasa da Sra. D. Anua Barroso. Ao cliegni perto ta ca-
sa, enrule eslava postada suna guarda de honra tira-
da da guardo nacional, S. M, foi receido pelo Ksm.
Kr. Jos de Saldonha, pelo Sr. Jos Vianna, por ou-
irosSenhores da familia o mais alguns cidodflos, que
rom tochas ollumiaram a S. M, al entrar na primei-
ra sala.
. Alii acliavam-se a Sra I. Amia Barroso,dona da casa,
c sua familia, a Sra. D. Vario, mffi dos Srs. Vannos,
c militas senhoras quo vieran) rceeber a S. M Depois
de todos Ihe terem heijado ijno, S. M. perguntou
uo medico I)r. Torres llomcm, qual das senhoras era
a Sra. D. Anna, e depois de a conhecer, S. M. se diri-
,gio a ella, e poralgum lempo demorou-se a conver-
sar com ella.'
Em seguida S M se dirigi Sra. 0. Mara Vianna,
c porespaco de dez minutos entretove-sea conversar
eom ella. Percorreu depois o'scmi-circulo que as ou-
tras senhoras linham feilo, e a algumas detlas S. M.
dirigi a palavra, conversando por algum lempo com
nsenhoradoSr Jos deSaldanha. S. ,M. passot de-
poii para outra sala, e conversando ora com uns, ora
com outros, deixou lodos muilo penliorados do seu
are manrirasalVaveise polillas. S M. logo que en-
trn, ordenou que todas as senhoras se sentassein,
entretanto que elle eos mais se conservaram de pe,
sentando-se de lempos a lempos perto la Sra D. Au-
na Barros, com quem continuou a conversar por
muito lempo.
As 9 horas servio-fleo cha. S M. apenas aceitn
urna chavena le cha que Ihe fra oflerecida pelo seu
camarista Saldando, nflo querndo tomar mais nada
em aUencUoaodia. ,
A'sWe 1/-2appapeceu na praca a procissHo, que
Ira/.ia um grande numero de arijos ricamente vesti-
dos, e por mais serio que estivesse o acto, comtudo
nSo deixon de causar riso o ridiculo cenfurifio, o
qual apezor de ter parado o prestito para o anjo can-
tar, marchava, sem ganhar lerreno, de um e outro
lado das alas com passos tilo gigantescos, ar la o fu-
ribundo, e caliera tflo levantada, que pareca over-
dadeiro algo.z do fllho de Dos. Esso polyphemo bar-
rigudo, percador dos lempos modernos, brnndindo a
.i..Ai9,4irf$!ftn,uiri ca"|i rom o braco esquer-
do, olhava furioso, ora para o povo, ora pare sua co-
horte ; o pora que o general das armas o nlo casl-
gasse por ter deixado de ctimprir o regulamenlo do
conde de I.ipe, ordenuu que a bandeira tendo a ins-
cripsiio S. I\ 0- H.. fosse inclinada ao Imperador
do Brasil, istosc fez no meio do riso dos especta-
dores.
Depois do passar a procissiio, S. M. dirigio-so i-
grejo do Cormo, onde ouvio ocloquenlo e tocante
scrmo de lagrimas, pregado pelo conego llanoel Jo-
s Pereira Brados, recolhcndo-sc para palacio meia
hora depojs da meio noile
A's8 1/2 da nanhfa dehojejS. M. se ochava na
matriz para assislir Testa do allcluia, e ao meio-dia
voltou para palacio.
A' 1 hora da tarde o Sr. Manoel Pinto IVelo Cruz,
Sr. baro do Aroruama e o Sr. capitflo-mr Jlanocl
Antonio Ribeiro e Castro vieran) de carruagem ca-
lcha, com todas as suas familias, dar as boas fostas
a S. M., que os receben com deiiionslraces da maioi
affabilidade ; o mandando sentaras senhoras, entre-
tove-se a conversar ora cotnllas, ora com os chefes
dessas respeitaveis e numerosas familias.
A's 12 horas da I arde S. M aeompanhodo docoma-
risla, guarda-roupa eos olliciacs de fuzileiros, foi
ilar um passcio apeal o lugar denominado Cura-
da-Arcin. A rapidez com que den esse-passcio, pas-
sando depois por diflerenles ras dos aira baldes da
cidade, fez cotn que noilo S. M. se aehasse muito
cansado, e por isso rctirou-se para o seu aposento as
!) horas di noile.
de abril.
A's 10 horas, S. M. trajando meia gala foi de carru-
agem ver passar a procissflo da casa do Sr. Jos Mar-
lns Pinheiro, presidente da cmara municipal. A*
porla esperavam pelo Imperadoro commandante su-
l>erior, oSr MarlinS Pinheiro coulras pessoas que,
no som fio estampido dos fugeles chombas, doram
vivas a S. M. ea S. M a lmeperalriz. Ao entrar na sa-
la, fui S. II. rerebido pela dona da casa c pelas se-
nhoras prenles da familia. S M., que sempre neslas
reunies so tem mostrado nflavel, dirigio-se logo a
conversar rom a senhora do Sr. Mnrlins, com a fo Sr.
firegorio, e com algumas senhoras que se chavam
presentes.
Depois de ver passar a nrocissao, S. II. rctirou-se
com as inesinas formalidades c acumpanhamento,
deixando todos pezarosos por no terem tido a for-
tuna de gozar por mais lempo da amavel compendia
de um moco, que, declinando por momentos a nia-
gestodc, pparece com odmiraveis qualidades de
um pcrfeilo cavalleiio, eque tem sabido graogear
o rrspeito, amor e adoradlo dos Campistas' vclhos
o mucos, grandes e pequeos, ricos e pobres.
S. II. sabindo da casado Sr, Pinheiro, dirigio-se
igreja matriz para assislir k fesla da llesurreiQo,
sendo bregador nesse dio o conego Francisco Jos
de Almcida, capellaode'S. II. Ao meio dia vullou
S. II. a palacio, e a nina hora receben varias pes-
soas que o \ieranr felicitar pelos anuos da'rainha de
Portugal.
A' la/de S. M. nao sabio, apezar do lempo estar
VVotimo.
A's 7 e meia da noite S. M. parti para a casa do
Sr.Joaquim Pinto Neto dos Bois, para assistira um
bailo que ello ofTcreC)>ra ao mesino augusto Senhor.
Depois de um quarlode hora deviagom, avistou-se
no longo urna estensa e brilhanle illuminaqao si.mo-
tricomenle disposta, e no meio dola frente de urna
caso com i5janllas ricamente Iluminada, de ma-
neira a produzira mais linda perspectiva.
S. M; chegando entrada da casa, foi rocebido pc-
ios Srs. Joaqun) Pinto Neto dos liis, o berilo de Ara-
mama, Manoel Pinto capitfio-mr, seus prenles o
outros cidados, que com tochas acompanharam a
S. M. at sala principal, onde as senhoras, rica o
elegantemente trujadas, laucaran) llores sobre S M.
Poucos instantes depois S. M. o as senhoras passa-
ram-se para um rico e vasto salfo que Rea ao lado
da casa, destinado para a denso. O Sr. Joaquim
Pinto nada-poupou para lomrosle bailo digno da
imperial pessoa A casa he vastissima e elegante-
mente inobilhada : tem cinco salas de frente, prin-
cipiando do lado direito para a esquerda ; a primei-
ra serve do cas de buhare de outros jogos ; na se-
gunda estilo dotis ricos pianos; a terco ira lie desti-
nada para sala de espera ; a quarta para visitas; a
quinta pare quartn d* cama : o sabio de daile u a
Casa de jantar sn vastissimos, o estavam elegante-
mente preparados.
A'9 horas prijicipiou o baile, cujas contradansas
foram locadas pela banda de msica que lambem
tocara o hymno.logo que S. M. chegou a casa do Sr.
Joaquim Pinto.
S. II. dignou-so dansar a primeira contradansa
com a Senhoro I). Antonia, mulherdo Sr.Joaquim
Pinto* a segunda, com a Senhora D. Mara, esposa
do Sr. Salilouha, cdepois com diversas senhoras per-
tencentes familia do baro, capito-mr, Manoel
Piulo, Gregorio, Dr Siqucir c liento Benedicto. A's
10 huras servio-so um esplendido e rico cha.
A's 11 horas da noite a Senhora I). Sebastiana, So-
hrrnha do cimrginoMarianno Jos Machado, dansou
a polka, tendo por par o Sr. Jos Pinto Machado.
Continuaran) depois as contradansas e valsas, lias
quaesS. M. constantemente' dansou, valsando com a
lilha do Sr. Joaquim Pinto, com a Senhora D. Ilachel
Pinto, c dtias vezes com a Senhora I). Sebastiana.
A" inoia-noilo servio-se urna esplendida ccia, sen-
tando-sc a mesa S. II. e as senhoras, Meando os ho-
mens para a segunda mesa. .
Depois da ceia S. II. o toda a sociedade se dirigi
para a sala contigua do bilbar, e ahi ouvio urnas
lindas variacoes de piano, tocadas nela l'",' l^i*~
i, j i iii>i c fuiipirnnanasem um outro piano
pelo Sr Zimmerinann. Depoisdoque, S.M.e as se-
nhoras foram para o sabio du baile, o continuou a
dnnsar al s 2 horas da noile.
I.'iaiii 3 horas da madrugada quandoS. M. com pe-
zar deixou tilo brilhanle cumpanbia; e posso ser
interprete dossentimentos de lodos, dizendo que
com saudades viraiu ausentar-so o nionai'cha.
Durante esta-uoite todos donsavilo com libe,rdade,
conversovilo em grupos reunidos em difieren tes pon-
tos, e no meio de tanta liberdade, e de tanta fran-
queza appareceu sempre u respeito c o acalamenlo
devido a to alta personagein.
S.M.,indicandoasua retirada com urna afl'avel cor-
tezia, teve do parar no meio da sala, porque a elle
se tirigiram pressurosas as senhoras para Ihe beija-
rein a milo, viudo em seguinenlo os honicns. A de-
moro desse beija-mo fui lilo scnsivcl que mo fez
crer que esse foi um meio de reler o monarcha an-
da poralgum lempo.
.Nao ha pra/eres completos. Durante o dia \ houvc
dous acontccimcntus desagradaveis. I'ma balsa de
madeira indo ao fundo dorio, porto da l.apa, cau-
sn a mortc a dous cscravos pertenccnles ao Sr. Ter-
ra ; c ao voltar da casa do Sr. Joaquim Pinto, urna
sege passou por cima de um dos msicos perlen-
cenles banda de msica dos imperiaes mnrinhei-
ros, e partio-lhe o usso da cuxa esquerda. Felizmen-
te a fractura foi inmediatamente encallada na santa
casada misericordia, c uenfermo nao tem o menor
pcrig).
."> de abril.
,S. M. achou-sc um pouco cansado, o com a ino-
loze de corpo divide ao exercicio da vespera e ao
pouco lempo une leve para dormir; entretanto s
9 foi a p i matriz ouvir missa, que Coi celebrada
pelo Reverendo vigario o conego Joflo Carlos Mon-
te i ro.
A's 10 i S. M. regressou a palacio, e a una dora re-
coden a "cmara municipal e varios cidadlos que
vieram dar-Ideas boas feslas.
A' lardcS. M. foi a cavado casa do Joaquim Pin-
to. Depois de jogar duas partidas de bilhar, dirigio-
se ao engenho para ver moer pelo vapor. Posta a
machina em andnrenlo, S M deitou as inoendas
una conna enramalUetada ; e muitas senhoras quo
se achavam presentes, pralicaram o mesmo. S. M.j
arnmponhado de todas as pessoas presentes, foi de-
pois ao jardim, onde colhendo llores as offoreceu s
senhoras, em retribuicao das que linda recebido dol-
as. Seguio depois para casa, o anda jogou duas
partidas do bilhar, urna de bagatela, e assistio a ju-
gar o gamflo.DasS horas em diante datisaram-se con-
tradansas francezas, e S. M. dignou-se dansar e val-
sar com diversas senhoras. A' mcia-noito servio-se
urna brilhanle ceia, e S. M. retirou-se para palacio
as 2 i horas de noite.
6 do abril.
da vista quo aproscnlou o rio Parad i da, visla da-
quclles lugares, o pela perspectiva pitloresca que
offeroen a cidade vista daquclle poilo. A's 0 1 doras
S. M. j so aedava do volta. Por todos os lugares por
onde passou, qur no embarque, .urr no desembar-
que, fui ollosaudado com vivas, salvas e fogirotcs.
A' noilo S. II. foi assislir a un bailo que o Sr. Jo-
s do Saldanhe, ofTerecro ao mesno augusto So-
nhor.- S. M. foi recebido a porta pelo Sr. Saldando c
muiloscdadilost|uo-com locdss o icompanlinram
al primeira sala. Um luzido concurso desenlio-
ras o esperava nesse lugar, e depois de Ido teroin
heijado a inflo seguiram para a outra sala ondoso
achava urna cadeira de bracos forrada do seda, desti-
nada para S. M.
A's 9 horas romc^ai-am as contradansas, e 8. II.
oscolheu para o seu primeira par a esposa do Sr.
Saldando, daosando depois com varias senhoras per-
tcnceutes a familias distinctas do paiz. Seria urna
luna da noile quemlo S. M dansarido urna valsa,den
iiingniln no p, que o mpossibililou dC continuar
a dansar O pozar e trstaza derramarain-se im-
mcdiatamenle no sociedodo, S. M., poivm, com ar
afl'avel agradecendn a linios, dizia que o incotnmodo
era ligeiro, o quo majorera o seu pozar do mo po-
der proseguir em liio agradavel e brilhanto divert-
ment. S. M. ainda se conservou no salilo ate as >
huras da noilo vendo dansar. Kocolhondo-so S M. a
essa hora, o l)r. Torres Homem fez algumas appli-
caces no lugar que soliera a distensilo, o S. M. pas-
sou tem a noile. Esse sarao esteve brilhanle; ea
senhora D. Anna Barroso, cheia de nvodestia s la-
ineulava o nao ter tido mais tompo, para quo o seu
genro podesso offerecer a S. M. cousa dingade tilo
alta personagem.
7 de abril.
S. M. acdou-se mellior do p, c pode calcar-sc para
ir ossistir, ao Te-Dtum na matriz. A's 11 doras S. M.
trajando grande gala, c acompaudadopelo esquadrao
decavallaria de guarda nacional, parti para a igre-
ja ; e depois do ouvir o Tt-Deum, dirigio-so a pee
debaixo do palio, sustentado pelos vcreadores.a casa
do Sr. Dr. Siqueira, donde assislio a parada da guar-
da nacional. Ao meio dia S M regressou a palacio,
e 1 dora den deiia-m;1o cmara municipal, as au-
toridades, aos oriiciaes da guarda nacional c a mui-
tus enlodaos dislinclnsque vieram l'elicila-lo pelo
memoravel dia 7 de abril.
Depois do cortejo, S. II. icou deilado ate s 7 bo-
ros da jioit, rxwsentir atguma dor no pe. A's 7 ho-
ras levantou-se, vestio-se, e ns 8 parti para o thoa-
tro, que se ochava apinhado ile senhoras, ricamente
vestidas. Apenas S. II. appareceu na tribuna, parti-
r m de lodos os lados vivas a S. II. e au da 7 dia
abril, seguiu-se o hymno cantado pola mes.na cmi-
ca de que j falloi em outra correspondencia, e de-
pois a peca intitulada O larinheivo de S.-Tropel.
S. II. chegou a palacio as II i horas da noite. A
essa hora nuvas applicac/les foram feitas ao pe (l-
ente, e S. II. dormio perfeitamonte al as 5 huras da
madrugada do dia 8.
8 de abril.
S.-JoSo, dirigio-se ao monarcha para Ihe offerecer
um cha em sua casa, o que S. M. aceitn, iridicando-
Ihe o dia 9 do frrente .\cssa occasblo o mesmo
rumtnendador se offereceu para no seu oscaler acom-
panliar a S. M. o servir-lhe do pratico, visto come-
corera o apparecer no rio comas do arta; a ludo S.
II. annuiu, agradoccndo-lhe os seus offerocimedios.
Xo dia U, pelas j horas di lardo, o Sr. Paria appare
ceu na cidade de Campos em un lindo escalor todo
embandeirndo, e ao apprnxiniar-se da l,apa.'soltou
mili tos fngtieles.
No dia da viagem o Sr. Paria Irouxo em seu escoler
osquatro olliciacs do fiizileiros o oulrqa cidadlos
que vinham lomar parle no regozijo dos habitantes
dcS.-Joao-da-Barra; ceomo a galeota andasse ninfa'
rpidamente do que o escalor, veio elle aconipM-
uhaudoaS M-. annunciando, por meio do nunie-
rosos [Viguetes que lancava ao ar, que sobre as goas
du Parahyba viajava o monarcha do liras';!.
Depois do cortejo, S M. rorollieu-sn a son apo-
sento, o leu os jornaes que da corlo recebara esta
mandila pelo vapor Urania.
A's ;t S. II. appareceu no sabio, onde o espora va ni
para jantar, por lorcm sido convidados, os Srs. Ma-
noel Pinto, Joaquim Pinto, Manuel Antonio Rideiro
e Casiro, lilbo, o Sr. Crogorio c o coiniiandanle do
vapor Urania.
A's 4 S. II. sadio a cavado a dar um passeiq pela
vida, o Iros minutos depois da sua sabida S. II. vio-
se acompanhado de um immenao povo, quo, dando
vivas repelidos, 0 seguirn) por toda a parlo al a
casa, Olido8. M. chegou s5 '..
A's 6 horas da tarde S. II., para n.lo molestar o
pe, to qual anda senlia alguma dor, fui a cavado
al porta da igreja, onde se achava um concurso
i inmenso de povo.e a cmara municipal sustentan-
do o pal I id para rceeber a S. M. Seguiram ao monar-
cha, taiubom a cavado, o camarista, presidente, mi-
nistro, guarda-ruupa. medico e estnbeiro-mciior, e a
p muilus cidadaos disididos. A'porla da igreja S.
II. apeando-so, eiilrou na igreja debaiio dopalho, e
fifi las as ceremonias do cuslume, seguio para o rico
camal im que Ido ora destinado. Subi ao pulpito o
conego Almeida, capellao de S. M. eem um ser-
milo agradecen ^io Imperador, em nomo dos dabi-
lantes da villa do S.-Joad-da-narra, tilo honrosa visi-
ta. Seguio-sedepuis un Te-Deum o o annm eroo. A
igreja eslava ncamenlo armada.
Sunl,o de pcs.iuM lidi.'digiia que a .suliscri|ic."io nao
clieguu para os festejos, o quo o digno cidadilo Jos
Alvos Itangel, presidente da cmara municipal, gas-
luu da sua algiboira mais do 5 contos do rois, |wra
que a recopgno Coate digna da imperial pessoa.
Neale inuuieutu principiani-sc a acconderas lumi-
narias dos arcos o pyramide; do (|uo darei cunta na
alinda primeira currespondouria
SaoShoras o vai-so reedara mala.
S.-Joflo-da-Barra, 8 do abril, pelas 8 horas da
noite.
RlO-l).-:-J\NEH.O.
NOTICIAS DA AMRICA DO NORTF..
A's 9 S. II. foi ouvir missa a igreja matriz, cele-
brada pelo sou capcldlo o conego Almeida, e reti-
rando-se para palacio, s sabio a tarde para dar um
passeio a cavado d outro lado du rio, e ir ver o ca-
nal du Nogueira.
lisie passcio foi mui agradavel c divertido, nao so
porque a larde estove fresca e bella, como pela liu-
A's 6 horas da moiilnle S. M. enibarcou na galeota
o parti, rio.abaixo, para a villa da Praia ou do S.-
Joilo. A mandila eslava bclja e fresca, o a viagem foi
mui'diverlida. No (im do :i boros e meia de viagom
ovistou-sc o villa, o um pouco aquem muitos escalo-
res embanderados, trazendnns autoridades do lu-
gar, c muitos cidadaos, que, fazendo subir aoar um
sem numero de fog"uetcs, o dando vivas a S. M. o
esperavam naqucllo lugar. A praia, as ras c os bar-
ros estavam cheios de povo, e logo qucS. II. appro-
xrmou-se do desembarque, pruromperain os vivas do
todos us lados, subiraiu au ar mudaros de logelos,
a msica locou o hymno nacional, o o povo so agita-
va de um para outro lado para ver o monarcha. Va-
rias pessoas de di'.tiiu-ei'io viei.im d Campos esperar
aS II. no desembarque, e dentro estas vi o Sr.
Saldanha, Joaquim Pinto Noto, baro do llapeincrim,
Siqueira, Gregorio e .Manuel Piulo, o qual leve a
doma do vir na guenla com S. II'. Sua Magostado
soguio dedaixo do pallio sustentado polos vereado-
res por urna extensa tea foita de esleirs c Turrada do
llanella branca, encarnada e verde, que do desem-
barque ia ter porta da groja. Como S. M. nao t-
vesse ainda almocndo, resolveu dirigir-so directa-
monte a casa de sua residencia, ordenando que o Ti-
Deum tivesse lugar a larde.
Ptrlo do rio havia um lindo orco, em cuja fronte
se via piulada a ligura da America, o aos lados liam-
so os nomos segiiinlcs: Pedro, Theroza, Alfonso c I-
zabel. Na piarle inferior estavam escripias oslas pala-
vras: Monarcliia Constitucional. Porlu da iv-o-
dciicio imperial nolova-se nutro arco primorosa-
mente arranjado, e na fenlo dacasadoSr. com-
mendadui'Joaquim Thomaz de Paria, una linda py-
ramide levantada cusa deste senhor. Os dous ai-
coi cimo mencionados, o a tea por oudo passou S.
M., foram foitos com o producto de urna subscrptflo
agenciada por urna cuinmissao composlo dos Sis.
comniendador Joaquim Thomaz de Paria, Dr. I.uiz
l-'eireir da Silva Maja, JofiO Kantista de Castro, An-
tonio Joaquim de Paria, sobrinho, e Andr oncal-
vosda Croco; e lodos 08 festejos foram dirigidos por
outra comuiissllo compusta dos Srs. Candido Jos da
Ilusa Fraga, Jos do Canto Coutinho e Joaquim Piu-
lo das Noves. Depois do ahnocu, S. II asslstio as
continencias da guarda nacional, que no frente do
palacio deu as deseargas do cstume, seguindo-s de-
pois o beija-mflo, ao qual comporeceram a cmara
municipal, as autoridades e muitos cidadlos decen-
temente vestidos. O presidcnle da camera recilou
um discurso, ao'qual S. M. sedignou responder que
muito agradeca us scnlimenlos da camera.
I.ogoque o Sr. coinmendador Joaquim Thomez ,
de Paria soube que S. M. tencionava visilar a villa de'da so sabe por ora do positito; mis a opimao mais
Beccbctnos honlem (9 do abril! folhas do New-York
at 21 de fevereiro.
No dia 13 receben o enngresso federal urna mensa
gom do presidente dos Estados-Unidos, recoinmuu-
dendo: 1., um augmento no quadro dosolliciaes
superiores; 2., adminuitao do preijo das trras
pblicos, quo nao liuliain adiado compradores, ao
proco mnimo lixado por foi, e:i., um direito do im-
porlac.lo sobre o cafe e clin, oinquanto durar o guer-
ra com o Mxico.
O presidente nr<;a a ronda proveniente desto direi-
to o da diminuie/io do preqo das torras publicas cni
tres mlioes de posos por anno. A mensagom foi re-
meltida a commissau de guerra pelo quo locaquos-
tflo militar, c commissau de fazoiida no quo di/.
respeito a que.sino linaneeira.
Lis o trecho da mensagem sobre os direilos do
mportae,ao do cafe e cli :
Na mensagem animal do 8 dedezembro p. p. ,
submelli a consideradlo do congresso o convenien-
cia de impr, como medida de guerra, urna taxa em
alguns dus arligos que ligura ni boje na lista dos que
sflo importados livres do direilos. D'entre estes,
aquellos que poderom principalmente dar urna ren-
da avullada, silo o cha oo caf. I'm imposto mode-
rado sobre estes artigas produ/.iria provavelmento
nina ronda do mais de dous mlioes c meio de pesos.
Ainda quo em lempo do paz, quando ampios meios
podem lacilinente ser obtidos para o servico publico,
mo fosse conveniente laucar mo de impostus so-
bre osles arligos. todavia, quando opsizsevfiem-
penhado n'uma guerra, estrangeira, o que ludus os
nussus recursos sau nocessarios, para fazer face ao
ongmciito de despez iuerilavel para mantor os nos-
sos exercitos em campanha, nflo ha rasM solida quo
soopponha a quo nos aproveitomos dos rendas.quo
iiossamprovirdeslafoiitc. AsobjeccOes que ale-bo-
je apparecean contra a imposi^lo dessos direilos,
era ni appdcaveis ao estado de paz quando no cran
precisas, lias agora estamos empenhados em urna
guerra estrangeira. Precisamos do diuheiro para con-
linua-la, c para inanlcr a honra e o crdito publico.
Nilu so pode duvidar do que o patritico poyo dos
Estados-Unidos aceitara contente, e sem queixa so
subinetteria ao pagamento deste direilo addicional,
ou de qualquer oulru que seja necesario para man-
ter a honra do paiz, paro fazer faco asdespezas iuc-
viloveis do paiz, c pora sustentar o crodilo publico.
Kccuminenda-se que todo e qualquer direito queso
tancar nesles arligos so limite em sua duracAo ao
periodo da guerra.
t.iuanto a decisao lomada em Washington a res-
peito" do proced ment do Sr. Mise tiesta cOrte, na-
IlLEGVEL


US
*
g<*r.l nos Est.dos-Unidos en que o governo ameri-
cano tinli desapprovadn o prncedimenlo do seu mi-
nistro. O transporte Nortampton, que tr.z essa dc-
<"sflo, eque sahio de Norfolk cinco dias antes do
Courier, entrado lionlcm de Hichmond, devo chegar
*cad. momento.
|)o thealro da guerra nada ha de novo. Ogcno-
rnl Srnit cnnliiiuava a concentrar as suas frgas em
-"T.mpco.
W De Vera-Cruz alcanram ns noticias a 2 de feverciro.
Santa Anna eslava Anda em San-l.uz-de-Potos
cora 22.000 homcns, c linha aceitado a presidencia
da repblica.
Segundo referom as folhas americanas, linlia re-
cusado o clero mexicano pagar a eontrbuigilo de oi-
to milhoes de posos, decretada pelo congresso, e
Erncurava excitar ura pronunciamonto contra o ga-
inelo e contra Santa Anna. Accrescentam mesmo
essas folhas, que corra que o gabinete tinha dado
a sua demissAo, e quo rcinava grare desintelligon-
cia entre os generaos mexicanos, e grande confusflo
c desorganisago no governo e no paz.
Dizem mais esses lomae, que a guai qo de Vn-
r.-Crux se compunha de 3,000 homens, aos quaes
mu lo i i iiliii desanimado a noticia de que scriain ata-
cados pelas torgas americanas ; e que no castcllo de
San-JoSo-d'Ulloa nflo havia nodia no da 2 do feve-
reirosenflo 1,000 homens mal abastecidos, que nilo
pnderiam oppor senilo urna resistencia Iraca. Rele-
va porem dizerque as noticias quo do Mxico publi-
mip as folhasnmeiicanas ilevein ser recebidas com
mu i la reserva.
Em 24 do dezembro decretou o congresso mexi-
cano, por 73 contra 2 votos, que nenlfum represen-
tante da nogilo poderiu aceitar emprego publico du-
rante o lempo do seu mandato, c uin auno depois de
espirar pise prazo.
O Diaria del Gobierno de 30 do dezembro publica
urna carta de Acapulco com data de 15, queda as no-
ticias seguidles ileMontcrcy, da California e de San-
Francisco :
Os Americanos,' depois de seren cxpollidos da
idade de los Angelos, reunir ni 400 homens e tenla-
ram tornar a ataca-la, masem San-Pedro, a 3 legoas
la cid.de, sahio-lhes ao encontr urna frga de
Californienses o obrigou-os a retirar com grande
perda.
A crvela franceza Jjsmprote, entrada hontem
de Valparaso, traz n noticia do terem sido comple-
tamente subjugados os habitanles de Taiti qnesc
oppunham ao protectorato francez. Depois de vHrios
recontros, encerraram-se no forte de Fatuo, onde
se entregaran! todos n discricfln.
S.-PtDH-DU-SLL.
l'il: w MM. mllll'.OHOSOS ASSASSINATOS.
___Tnnho hoje a participar-Ule aconlecimcntns
hem desagradiiveis.que a todos teem por aqu cnchi-
do de constornagflo o susto, nilo s por causa das
victimas desses horrorosos acontec montos, como
lamhein porque, niin havendo por estes lugares a
tilo precisa seguranca individual, cada um teme por
si, que Ihochegue urna hnra igual a dos iufelzes de
que vo tratar.
.....Parece quo vivemos em paiz de barbaros, on-
de nfio ha rei nem le!
Na imite de 11 do mez de fevereiro ultimo, no 1.a
districto.de Canguss, foi barbara o atrozmente as-
sassnadu quasi emseu proprio leto, onde com sua
consorte dorma, o Oriental commercinnte da cam-
panha Caetano Villa-Nova. Ja 'alta noile, arordou
osle infeliz casal sobresaltado por. um forte estrondo
quesentiram, occasionado talvez peloarrombamen-
to da porta da casa, ea favor da escassa luz quo Ihes
forneciam dous grandes lines que Iraziam um ne-
gro e um pardo ou indio, arremetieran) estes sobre
o infeliz Villa-Nova, arrastaram-o"para fia da ca-
sa, c com tres enormes Tacadas flzeram-llie voarn
alma do corpo. A desventurada consorte conseguio
fugrpor umajanclla com urna menina que pensa, e
foi ter sa e salva casa do um hom viziuho, onde
encontrou agasalho, porem nflo suuloento coragem
c I'Hva pata perseguir os miilvados. Do corpo de
delicio a que su proceden, rcconhcccu-se que o des-
granado Villa-Nova, alm das tres lacadas com que
o mataram, linha sido castrado por seus assassi-
nos !!... A casa dsto infeliz foi tamben) por ellcs
incendiada.
No dia 20 do mesmo mez, e no mesmo districto,
l'ui encontrado mcoto, pela mandila, em sua propria
casa, outro infeliz, o joven Cyprano da Silva Soa-
res, commercianto rural. Tinhaem sou corpo quil-
tro profundas Tacadas, e o pescoco inteiramcnle des-
locado, echeode muilas manchas roxas.
Por maiores diligencias quo se fizeram, nilo so po-
de do prompto conliccer quem feram os autores de
lmannos atlcntados. Urna negra do probo cidadflo
Florentino da Luz os descobrio.
Participou ella a seu senhor quo na tarde de 23
encontrara no pede cerlo lagoilo urna Irouxa com
fazendas, o que.linha nesse mesmo dia nuvido di-
yer que o carpinteiro o o pedreiro liuliam matado o
roubado o Sr. f.ypriano, eque o primeiro daquollcs
Mo havia recoiumendado, com promessas e amen-
gas, que ella Iho desse parte de ludo quantn ouvisse
ao senhor fallar ou conversar. Ouviudu isto, acre-
ililou desde logo o dilo Luz que os assassinns eram
os seus ditos escravos, eem consequencia foi imme-
diatamente denuncia-Ios ao subdelegado, o qual,
convocando uns cinco homens, concertou entre ol-
les o plano do prender os malfeitores, porquanto,
sendo por demais valenlese volhacos, e mull co-
nhacedores das maltas os ditos escravos, preciso era
empregar a astucia para hem poder captura-Ios.
Encaminh.ram-se, porlanto, iimporum, cromo
por visita casa do dito Luz, os cncarregadns desta
diligencia, e depois de all se acharem, se destina-
i am tres prenderen! o pardo carpinteiro, c dous o
negro pedreiro. Nflo Ibes foi fcil oinlenlo; Uve-
ra m de lula r, e com muito risco de vida, eporlim
Ihes foi mister malar para nto morrerom !..'. O par-
do, com urna faca na mito, resisti denodadamente,
e senlindo que um golpe de espada ihe tinha inuti-
lisado a nulo direita, passou a faca para a esquenia,
e contiuuou por esla forma a resistir e oflendur com
DIARIO DE PIR.\A1B'DC0.
BXCXrC, 3 DE ABRIL DX 1M7.
Leitura de pmjeetos e pareceres, primeira discus-
slo dos projectos ns. 15 e 17, e continuagilo da or-
dem do dia (le hoje: cis o de que se deve oceupar
aassembla na sessfiod'amanhfla.
Temosa vista os jornaes que nos trouxe o paquete*
inglcz Sulft, que. procedente do Rio-do-Janoiro,
entrn boje nesto porto.
Os da corle aleangam a 12 do corronle.
S. M. a lmperatriz e seus augustos (litios nada ha-
viam soffrido em sua importante sa le.
A correspondencia do Jornal do Commereio, que
neste numero transcrevemos, inloirar os nossos
subscriptores do que occorrr em .Campos com S.
M, o Imperador, desde 3 at dest" mez.
Tambem transcrevomos do referido Jornal um ar-
tigo da respectiva- redaegilo acerca dos negocios da
America do norte; e outro do Rio-Grandense, narrati-
vo de dous horrorosos assassinalos commetlidbs
dentro do districto de Car.guss.
Em o numero seguinte ou no immediato extracta-
remos do mencionado peridico algumas noticias
das repblicas do Prata.
I) Diario do Hio diz quo no dia 11 se insta liara na-
quella capital o Gabinete nacional de leitura, o que a 9
chegra de Paranagua o encarregado dos negocios
do Brasil junto repblica do Prata, doutor Joflo da
Costa Itego Monteiro. -
As tuinas da llahia cliogam a 2(i do mez que a ma-
ullan linda.
Contina ah a carestia das carnes verdes; o o
Mercantil, oceupando-sc deste assumpto, lamenta
que a assembla provincial o tenha tomado em tilo
poura consideragilo, que, estando a fechar-sc, nflo
so resolva a discutir o parecer que tora dado polas
eommissoes de conslituigilo e fazenda acerca de ou-
tro em que a cmara municipal expenda asuaopi-
niilo a respeito dos meios mais a/ados a remover es-
so mal, que he tanto mais considera vel quanlo aflec-
ta a todos os memhrosda-familia hahiaua, qualquer
que seja a sua posieflo social..
Convidada pelo presidente ila provincia a formar
urna cuinpanliia que se eucarregue do encanamonto
d'ugoas potaveis para a cdndc baixa, a a&sociagflo
commercial da llahia publica na precitada gazetn o
ollicio em quo se Ihe fez este convite ; o roga i to-
das as pessoas que em lln louvavel empreza queiram
tomar parlo, dignem-se do Ihe enviar suas propos-
tas. Sinceramente desojamos quo o Exm. Sr. An
ionio Ignacio de Azevedo consiga proporcionar mais
esse hem a Ierra em que iiasceu, e que tem dircilo a
receberdelle lodos os beneficios que deve a mili o
ilho ciimpriilor dos seus deveres.
E nflo lie este o nico voto que fazemos pela pros-
peridade do povo, cujasorlo, em grande parte, de-
pende de8. Ex.; d'aqu, (leste Pernambuco, que
tambem alguns favores Ihe deve, continuamoiite
imploramos ao Sen dos Skhks purifique asinlencOes
daquelles, cujos destinos estilo confiados ao sou cui-
dado, para que ulgum dellcs se nflo manche com
crimes tilo hediondos como esse deque se fez reu
Joilo Estanislao da Silva Lisboa, c do qual vamos dar
cunta aos nossos leitores.
Ilacharel em bellas Miras, lente de gcographia no
lyceo da cidado de San-Salvador, Silva Lisboa ena-
uiorou-le de I). Julia Clara Fetal, moca de 17 anuos
apenas, c lilha do fallecido negociante Joilo Baptista
Prtal, quo, nos inuimam ^nlrelivera mui boas
relacoes commerciiiescoin esta pTaTa ilu necifo.
Augmentada a paixlo, esse homcm, sem duvida
na persuasilo deque a sua existencia dependa da
minina que Ih'a inspirara, resolveu fazer ilcssa mu-
Iher a coiupauheira de seus das, e porisso pedio-a
e ii Casamente; mas. depois de haver lutado por tres
mo dessa m'o;u urna esposla negativa.
I el i.Iu un intimo .lo em ac.'iu, vendo fin um nio
iiicnio desl'eilos lodos os seus sonhos do l'clicidinlc,
o desgranado, ao recebar o desengao fatal, excla-
mou : llei de vngar-mo; uilo sei, port^m, quando
o como.
l.licm longe do procurarcombater a inclinaflo
que tal desgosto Ihe havia causadu; bem longo de
empeuharo ultimo dos seus esforgos para arredar de
sobre si ojuizo desfavoravol quo dello nucessaria-
ineiiie liaviam de ter formado os que Iheouviram a
exclaiiiag.no, que o despeilo Ihe arrancara, c que tilo
mal cabe na bocea de pessoas de urna rasan desen-
volvida ; bem longe, dizeinos, de adoptar um proce-
dimeuto que eslivesso de accordo com a sua presu-
mida llusuacTio, o misero tratou de por em execu-
gfio o negro projeclo, que he dosup; r coucebesse,
ao proferir alerrivelameaga quo cima citamos, isto
he, assassiuai u pudibunda virgem, cujo destino uilo
quizeram que fosse ligado ao seu.
De l'eilo, no dia 21 docorrcnle, trazondo chapeo
de palha e jaquela, armado de tres pistolas carrega-
dasc de um caivete de mola, o insensato apeou-se,
deuma cadeira de aluguel, aporta da casa em que
morava a infeliz 1). Julia Clara Fetal; ganhou as os-
eadas do 1." c 2. andar; disso a um individuo, que
ah onconlrou, queferi-lo-hia com ocauivale que
Ihe mostrava, se ousassearredar-se do lugar em que
seachava; preeipilou-se na sala dejantar, ondea
l'amilhteslava a mesa, oaponlou urna das pistolas
para a innocente donzella, que espavorida langou-se
nos bracos ducarinhosa mili, eque nein mesmo all
podo escapar ao furor do brbaro algoz; pois que
elle, approximando-se, desparou a arma por cima
dos hombros da assustada matrona, c arrartcou a s i-
da i pobre menina com um tiro quo Ihe. parti a
iugular e a corolyda, e offuuileu-ihu o dorso c o bo-
fe, onde abala licou depositada, segundo vorilica-
ran ao depois qualro mdicos quo visloriarnm o ca-
dver, eque exlrahiram dessas rcgiOes 16 ca reos
de chumbo miudo.
Ao ou vi re ni o estampido do tiro, o os gritos, pelos
quaes implorava soccorro a gente da casa, onde esta
luluosu sceua se? passaru, arrojaram-se as oseadas
dessa casa, um subdito inglez de nomc Lae, oSr.
e o niajor
to de fazer-lhe urna pergunta; mas que, vendo-se
rodeado de innmera gente, desesportra e com met-
iera o delicio. ....
No interrogatorio que no quartel de polica ^e fez
a este scclcrato, confessou elle o crime, e conservou
presenca de espirito.
Recolhido prislo, e tendo-se-lhe porguntado se
pretenda mandar buscar alguma cousa a casa dos
parpntcs, apresentou em resposta urna relacflo dos
livios quo na mesma priso quera ler: a relaco ora
de sua propria lellra. Custa a. crer tanto sanguo-
frio em um homem que tem perpetrado to horro-
roso crime; tanto mais quahto sabe osse homem,
quo se Ihe est formando o processo, dove con-
tar com a imposicSo da pena deque o faz predorum
acto tilo nefario I

COMMERCIO.
7r.O 10O
maisruroraihda. Deslerhaiam-lhe entilo um tiro desembargador Manocl Vieira Tosa,
na cabega, do qual insUntaneamenle mor/y,u. N1o Kelly, commandai.te do deposito.
resistencia do negro, j uestes Sis., o 1.", depois de haver recebido algu-
'rara o delnquente, con-
seg
menos tenaz c furiosa foi
Kecebeu tambem um tiro
no braco esquerdo, mas, mas punhaladas que Ihe alin
io querendo anda assim rende.-se, atraram-lhe seguio livrar a viuva Fetal da morte quo o monslro
tifi n^ihoT! Cah,i0 '0,e Prostrado.' dar-lhe com a segunda das pistolas que tr.azia ;
a?ffl^ T.^,S.tPi^ ,h. ,eVUl"' c,onre"ou 2 lancou-se ao ..saino, e quebrou-lhe o pun .I,
v, apenas balbueiou algumas palovras que no- fjWt! m3M dl,,',U: e 3' ^ '""' "S bn'
deram aer entendidas, aconou com acabecacomo S ? qUe P"rec" ,luerr8U,c'?",-
ilizendoquesim, o morreu.
(.Carta particular.)
Hin-Orundenu.)
Alhndega.
5ENDIMENTO DO !)!.'. 25.........
Detoarregam hoje 30.
Galera ingleza Columbas mercadorias.
lirigue austraco -- Buona-'Amieitia farinlia.
Brigue dinamarquez Auna & Cieilia carvflo.
IMPUTAGAO'.
Tntjol, brigue portuguez, vindo de Lisboa, en-
trado no crrenlo mez, consignado a Firroino J. F-
lix da Hoza, manifestoii o seguinto:
7 pipas vinho branco, 6 meias ditas dito dito, 35
ba.rns dito dito, 26 pipas vinagre, t eaixotnho livros,
5 pipas vinho linio, 10 barrs dito dito, 10 ditos azei-
te doco, 10 dilos paios, 10 ditos chourieps, 5 caxas
toucuho, 2 latas galilo e franja de ouro; a Thomaz
de Anuino Fonseca.
4 pipas vinho Unto, 10 barris vinagre; n Policarpo
Jos l.ayme.
4 caixas rap, 5 barris presunto, 10 ditos cbouri-
cos, 10 ditos paios, 5 caixas toucinho; a Joilo J. de
Carvalho.
45 barrscal; a Pedro Alexandrino Comes.
28 barricas sardinhas; a David Ferroira Bal triar.
10 liarrischouricns, 10 dilos paios, \ caixas toil-
cnho; a Joaquim Ferreira Mendos GuiOiarfles.
10 gamellas cera, 2 caixas ganga azul; n J. Perei-
ra da Conha.
1 caxote livros; a Manoel Joaquim Ramos e Sil-
va.
1 caixaimagcm; a lenlo Antonio Coulinho.
30 barris vinho branco; a Jos Joaquim Alvos Fer-
reira.
38 barris vinagre, 9 barricas sardinhas; a Jos
Antonio Sohastilo dos Santos.
20 pipas vinho tinto, 25 barris dito dito, 50 anco-
retas dito dito; a Amorim limaos.
10 pipas vinho tinto; a Nascimento & Amorim.
1 barril pos de sapalos, l dito oca amarella, 1 cai-
xa drogas, 5 ditas oleo do recio; Viuva Cunba.
16 barricas sardinhas; a Manoel Forreira da Sil-
va Ramos.
40 barricas sardinhas, 10 barris vinho tinto; a Jo-
s Antonio de Magalhes.
8 ditos vinho tinto ; a Antonio Joaquim de Araujo.
jo meias pipas vinagro, 10 barris vinho tinto; a
Jos remandes Ferreira.
2 caixdes livros usados e doce; a Manoel f.on-
qalvcs da Silva.
1 embrulho gazetas; a Izidoro Luiz do Souza Mon-
teiro.
27 gamellas cera; a JoiTo Pinto do Lcmos&Filho.
1 caixa estamenha de lila, urna dita drogas; a Bar-
Uiulomeo Francisco de Souza.
.i eaixolos uruKus, o!. i....* *'*', a i-.;i mol,,
a Sebasliilo Jos de Oliveira.
7 volumes drogas ; a Jos ATitonio Bastos.
3 caixas cera, 40 pipas vinho tinto, 50 barris dilo
branco, 20 ditas toucinho; a Firmino Jos Flix da
Roza.
n barris vinho tinto, G ditos dito branco, 2 caixo-
tos conservas; a Manoel Caetano Peroira de Men-
donca.
3 latas sardinhas; a Sehastilo Augusto Pimentel
de Souza Peres
6 barricas p de osso queimado; a Miguel Joa-
qu m da costa.
1 hall livros; a Jos Morcira Lopes.
15pipas vinagre, 4 ditase4 barris vinho tinto, 2
ancorelas d'to dilo, 5 barris azeite doce; a Machado &
Pinheiro.
15 pipas vinagre, 4 ditas, 4 barris e2 ancorelas
vinho tinto; a Francisco Severianno Rabello.
5 pipas vinho linio, 5 ditas dito branco; a Oliveira
Irmilos.
1 barrica sardinba ; a Veriato lavares.
10 barris toucinho; a Jos Joaquim Botelho.
60 mullios ceblas, 1 caxote fructa ; ao capilo.
7 pipas vinagre; a Jos Baptista da Fonseca J-
nior.
1 caxote com dous bracos de baiancas, 6 ditos
vinho; a Antonio Jos de Mqueira
1 ca vite potes de |>oniina Silva.
2 caixotcs fio de vela ; a Manoel Nunos da Silva
10 barris paios, 10 dilos chouricos, 3 caitas touci-
nho ; a Antonio Joaquim de Souza Ribero.
10 barricas p de carvflo queimado, 1 caxote aci-
do muriatico ; a .Vnlonio Ferreira Lima.
10 barris azeite doce; a Manoel Ignacio de oli-
veira.
8 caixas cebollas ; a Manoel do Nascimento.
i barril paios e presuntos; a D. Genoveva Roza
da Silva.
Geral. .
Provincial
/.lia, barca franceza, viuda do Havre, entrada
no correle mez, consignaciio de Didier Colom-
biez &C, manifeslou o.seguinto:
2 caixas fazendas do seda, 1 dita ditas de lila, 4
ditas ditas d'algodilo, 1 dila lucidos suissos, 1 dita
bijouterias, 10 ditas cha, 1 dila fazenda franceza : a
J, Keller&C.
2 caixas com chapeos, 1 -dita medicamentos, 10
ditas queijos, 80 barris e 40 humos dilos manteiga, 1
burra de ferro : ordem.
Ijo barra o 20 mel, dilos manteiga; a N. O.
Bicber&G.
I caixa bonetes, 2 ditas perfumaras, 1 dita esco-
vas, pentes, lencos, chicles, caixas para rap e
chapeos, I dita chapeos de sol d'algodilo, 1 dita cal-
cado, e lecidos de seda e algodflo, 2 ditas bijouterias,
t dita loncteric, 1 dita instrumentos de msica,
1 dita couros, 4 ditas vi dios, 1 dita candciros, cal-
cado, e lecidos de seda e algodflo, 1 dita castigaos e
c.ndieiros, 1 dila fieiras, 4 ditas pellos, 1 dita fazen-
das d'algodfio, 1 dila ditas de lila, 2ditas chapeos; 310
barris e 180 ineios ditos manteiga; aos consigna-
tarios.
ditas setim de 1.1a, 1 dita tecidos para chapos, 1 cai-
xa merinos, 2 ditr.s bezerros de lustro, 1 dita cassas,
1 dita porcelana, 1 dita tinta, 1 dita chicotes, 1 dita
longos d'algodilo, 6 ditas conservas, 2 ditas carnei-
ras, 1 dita calcado, 1 dita escovas, e lapsis, 1 dita ob-
jectos de funileiro, 1 dita macassar porola, 1 dita fa-
zendas d'algodilo, 1 dito rulas de lila, 2'ditas sedas,
4 ditas chapeos, 1 dila suspensorios, 2 ditas alun-
les e colxetes ; a Avrial Fn
1 caixa medicamentos, 2 ditas fazendas d'algodfio,
1 dita ditas d'algodilo linho, 1 dita ditas de lila, 2
ditas carneras ; a Lenoir Puget & C.
4 caixas litas de seda, e seda de algodflo, 1 dila
bijouterias, 4 ditas fazendas d'algodilo, 1 dita ditas
d'algodilo e lilo, 1 dita ditas d'algodilo o seda, 5 ditas
fazendas de seda, 2 embrulhos amostras, 95 caixas
queijos; a Kalkmann & Rosenmuud.
12 caixas bsiiithn, 1 dita papel de forro, 1 dita
vidros, 1 dita quenqiiilharias, 1 dila hotes, flores,'
luvase fustes, 1 dita fazenda d'algodilo, 70 barris
e 20 meios ditos manteiga; a Rigord & Cancanas.
2 caixas tecidos suissos, 12 ditas absinrho, 1 dita
chapeo' psr homem. 1 dita challes d'nleodfio. \
dita agoa dcolognc, 1 dita merinos, 2 ditas chapeos
de pellucia, 2 ditas galilo d'algodilo, 1 dita ch.p<
de sot do seda, sedas, calcado, e bengalas, 4 ditas
fazendas francezas, 10 ditas ditas d algodflo,-1 dita
ditas de seda, 2 ditas ditas de seda e algodflo, 3 em-
brulhos amostras, 3 fardos fazendasd'algodflo ;
Schafleilin & Tobler.
2caixas livros, 2 ditas com agoa ( cncostaleque);
a L. C. Ferreira &C.
1 caixa pt. linos do lila, 1 dita cambra i as, 1 dita fa-
zendas d'algodfio, 1 dita fazendas de soda; a E. Bolli.
8caixas panel, 2 chapeos de sol de seda, 60 caixas
queijos; a B. Lasserre & G.
1 caixa objectos de modas ; a Buessard.
50 gigos com vinho champagne; a Me. Calnionf
jtG.
2 caixas carias de jogar, 2 dilas calgado, I dita
chapeos de seda, 1 dita papel, 1 dila lencos d'algo-
dilo, 8 dilas alfineles, 1 dita fazendas de algodflo;.
Cals Frres.
1 caixa espedios, 2 ditas tecidos encruz-ados, 1
dila modas, 9 ditas quenquilharias, 1 dita fazendas,
francezas, 3 ditas tecidos para chapos, 4 ditas per-'
fumarias, 3 ditas fazendas de Pars, 7 ditas chapeos,
I dila mercearia, 2 ditas fazendas de lila, 1 dita ditas
d'algodflo, 1 dita ditas de lila esoda, l dita velludo*
de seda e algodflo; a J. P. Adour&C.
1 caixa obras, 3 ditas balangas, 2 ditas obras do
ferro, 4 ditas drogas, 1 dita perfumaras, 1 dilacha- .
fopc ants'iphiliqne, 1 dita vinho de salsa-parrilha,
1 dita suspensorios d'algodilo, 1 dila cixnhas de pa-
pelilo, 1 dila fasendas d'algodilo, 1 dita charuteiras;
1 dita bijouterias falsas, 2 dilas agnas mineraes, I
barril alfinetcs, 1 caixa mercearia ; a Cesar Krugcr.
1 caixa com caixas de msica, t dita bijouterias,
&c.; a Garnier.
1 caixa fructas c chocolate; a F. Belenot.
1 caixa perfumara, 1 dita fazendas de lila, 1 dita
mercearia, 1 dila papel, 1 dita livros em branco; a
Dencker & C.
2 saceos bixas; ordem.
Ctm.MllMo.
RENDIMENTO DO MI A 29.
..............A....
ll7,48
590,726
2:408,l9t
HIO-DE-JANEIRO.
cambios .0 da 10 he imn. di 1817.
Precos da ultima hora da prata.
Cambios sobre Londres........28
llamburgo......620
Metaos. Ongas despatilllas......29,500a30,000
da patria.......28,800a 29,000
Pesos hespanhes...... 1,950
..da patria.......1,810a 1,820
>. Pegas de 6,40o, velhas .... 16,500 a 17,000
Prata.............99 a 100
Apolicesde 6 por cento.......82 a 82 f
n proviheiaes..........80 a s
(Jornal do Commereio.]
BAHA.
CAMBIOS NO OU 26 OE ABRIL DR 1847.
Londros ......... 29 .
Pars...............320 o franco.
llamburgo............640 o marco.
Lisboa ..............100a105p.c.depr.
Ongas hesponhlas ......30,000 a 30,500
mexicanas ........29,500 a 30,000
Pegas de '6,400 .........16,000a 16,200
Moedas de 4,000........ 9,000
Prata............... 98 a 105
Apolices do seguro Lealdado 20 p. c. de pr. nominal.
do governo 55 por cento de descont.
Aceces do banco 20 por cunto do pr. nominal.
(Do Mercantil-1
ioviiiiciilo do I'.irto.
Desarmado o preso, Joflo Estanislao do Silva Lis-
boa foi conduzdo presenca do chefe de polica, an-
te quem naonegou o facto, o apenas allegou, que 5 caixas agoa de cologne, I dita papel, 1 dita ob-
ao entrar na casa da lastimavel viuva, lovava o inten-|jectos de (landres, 2 dilas livros, 5 ditas panuos, 3
Navios futrados no dia 29.
Ria-de-Janciro c Baha; 16 dias, o do ultimo porto
3, paquete inglcz Stoift, commandanto Lorie.Se-
gu para Inglaterra.
Maranhilo c Cear; 26 dias, o do ultimo porto 11, bri-
gue-esciina brasileiro Laura, do 163 toneladas, ca-
plilo Francisco da Silva Santos, equip.gem ib,
carga gneros do paiz ; a Novaos & G. Passagcros
do Maranhilo paro osla provincia, Manoel Caval-
canll de Mbuquornuo, Antonio Thcodoro da <:os-
ta, Jos de Agrole Je Goveia, Pedro Augusto lava-
res, Raymundo Lobato Jnior, Manoel Jos Cor-
deiro, Custodio Domingos Jnior, Guilherme Pa-
checo'da Silva, Itrasileiros; Manoel Nunos de Mello
com um escravo, Antonio Jos Maduroira. Guilher-
me Augusto do .Miranda, Jos Jacinlho Biheiro, Jo-
s Joaquim Garneiro com um escravo, Jos Martins
do Campos, c 7 escravos .entregar.
Hio-de-Janeiro; 11 dias, brigue brasileiro Lilia, do
160 toneladas, capitil Joaquim Ferreira dos San-
tos, cqupagem 11, carga gneros do paiz ; a No-
vaos &G. Passagero, Joaquim Jos da (Osla Pi-
nheiro com um escravo.
A'am'o sabido no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro ; brigue porluguez Oliveira, capitil
Antonio Francisco Rezondo Conduz 133 passa-
geiros.
Marauhflu; brgue-escuna brasileiro relo*, capitil
Francisco Bernardo de Mallos, carga caf e mais
geueros. Passageira, I). Glaudina Henriqucla o
Bitancourt com um sobrnho. ~
H



,5i
Phladelph ; brigue-escuna Americano R.-F.-lA>per,
camino w- Nesll". carga assucar.
livei'pool porMacei; barca maleza John-Campbell,
capilfioSoml. PUjr8on, carga assucar.
Observaco.
Fundearam no LameirSo, para acabarom de carre-
r.r obligue in8'e1'- Wou>'e.'/. capitilo William Cam-
pbell, 0 l barca ingleza W.-Rusteli, capitilo John
r.oulW- i
MVlital.
Rodrigo Theodoro de Preilas, o/Rcial da imperial ordem
Ja Ilota, cavalleiro da \San.-Bento-d' Avi; condeco-
rado com a medetlha dm rcslauracia da Rahia, capillo
Je mar guerra graduado d armada nacional e impe-
rial, inspector int'.rino do arsenal de marinha deila
provincia de Pernambuco, i oapiito do porto da ma-
ma, por S. M. o Imperador, que Deot guarde, ele.
Faz saber que no prazo de trinta dias, contados da
ilala dente, conciir-se-ia na gapiiana a matricula
da gente emurogsda ofFecti va mente nosta cidade na
pesca exterior e interior; pelo que doverlo os que
ii.lo entejara anda matriculados, apresentar-se
para uto dentro desso prazo, sobpena de nilo denlo
poderom depois continuar nesso servido, alm
das mais que se lhes podem impor pelo regulamenlo
das capitanas.
faz saber mais que no mesmo prazo conclur-se-
Im tambem o arrola ment das jangadase de quaes-
(|iiorontras embareacOes ompregadas nesse ramo da
vida do mar, por cuja causa deverilo os propietari-
os, quo nfio tenham anda arrolado as suasemtmrca-
crtes, apreaentar-se igualmente para efite flm em
dito prazo, sob as penas cima declaradas.
Capitana do Porto do Pernambuco, em 29 de abril
,lo 18*7.
Rodrigo Theodoro de Freilas,
CaplHo do porto.
Para o Rio-do-Janeiro sahe, no dia primeiro de
maio, o patacho S-Jote o que se ajinunca para
serem levados na vespera os escravos a frete : ajus-
ta-se com Caudino Agostinho de Barros, na pra-
cinha do Corpo-Santo n. 66.
--0 bfiguefrancez llie-Mathilde fecha a mala
para (.Havre, sabbado, l.'de maio, as 2*horas da
larde, no escriplono dos consignatarios, J. P. Adour
O (j.
Para a IJ*nia Ml,e. impretervelmente hoje
30, a sumaca Santo-Anionio-de-Padna; ainda recebe
alguma carga miuda e passageiros : qiiem quizer
carregardrija-se a ra do Vigaro, n. 5.
Para Rio-Craride-do-Sul sahr, em poneos
dias, o bngue nacional D.-I>edro-Segundo: quom no
mesmoquizer embarcar carga e escravos, ou ir de
passagem para o que tom excellentes commodos,
dirija-se a Jolo Ffancisco da Cruz, na ra da Cruz ,
n. 46, ou ao capitilo a.bordo.
At o lm do corrente moz, pretende sabir para o
Havro o briguo franco/ Nelie-Nathitdi, capitao Gul-
bert: quom quizor ir db passagom, para o que tem
expelientes commodos, dirija se a tratar com os
consignatarios, J. P. Adour, & C, na ra da Cruz ,
n. 31.
I.cuati.
Me. Calmont .& Companhia farSo leililo, por
intervenclo do corretor Oliveira de grande por-
eflo de fazendas inglezas proprias do mercado :
terca-feira 4 de maio as lo horas da maullan, no
seu armazora do largo do Corpo-Santo.
*
P""
|>Cl O arsenal de guerra compra azcilc de carrapato
c de coco lio de algodlo e navios e 72 varas do
brim : quem laes gneros quizer Tornccer, manda-
r sua proposta em carta fechada e a amostra do
brim a directora do mesmo .arsenal, at o dia 3 do
prximo futuro mez. Arsenal de guerra 29 de
abril do 1847. Joo Ricardo da Silva.
BBBBBQBBo
A adminstnicilo da companhia do Ileherilie faz
sciente aos Srs. accionistas cujas entradas se acharnj
ora atraso, quena prxima ecunifio, em assembla
geral de accionistas apresentar urna relaclo dos
que nilo tiverem completado 80 por cento afim de
so tomar urna resoUtcJlo defenitiva a scmelhante
respeito ; a qual polo ser em piejuzo delles, quatt-
do he certo quo a companhia tom sido prejodicada
com a falta das entradas em devido lempo. Escrip-
toro da companhia 29 do abril de 1847. O se-
cretario H. J. Jernandes Barros.
Tliealro publico.
BENEFICIO HE CINCO ORP/US
"~......j-, ucinuio, se reprsenla a verdadeira pera,
JOSfi MARA,
ou
TBRS OAS DE ORATOKIO,
pioductio do grapdo lilterato* portuguez Antonio
Fclicianno de Custilho, chegada prximamente do
Lisboa.
Inzemosa verdadeira.porque aqui so tom repre-
sentado outra com menos figurus, o do autor hos-
paiiholllerrera--
lindar o espectculo com a linda farsa
O l'ASSAllOn OK MORCA FALSA.
Nesta yem urna nova dama, em obsequio s tristes
orphflas representar pela primeira vez, o lio por
esie acto de pura philanirophia que se Ihodove con-
ceder toda a indiligencia e atiene;fio ; pois nilo vem
suscitnda por oulro tiin mais do que suavisar a sorto
de suasscmelhantcs.
Avisos diversos.
Pufoliincoes Literarias.
As SETE C01IDAS DA I.YR \, romance, por Geor-
go Sand, sahe luz por livracesde 16 paginas, iriti
(lamente impressas em lindo papel o typos novos ; o
preco de cada livracfo lio do 200 rs. Vendc-se no
Itecife luja do Sr' CardozoAyres ; em S.-Anloflo,
livraria da praea da Independencia, ns. 6 c 8; na
Roa-Vista, loja'do S. J. E. Churdn. As primeira
o segundu livracocs acham-se venda nos lugares
cima indicados.
-- Acha-se sobre o prelo o resumo do arilhmcticn
de litcroix e a segunda edieflo do epitome de geo-
metra pralica composta pelo professor publico S.
II de Albuqucrqitc. Recebem-sc asignaturas para
esUs obras na loja de livros da praca da Indepen-
dencia ns. 6 o 8, e na da esgiiina defronte do Col-
legio ; cada assicTiatura a 1,000 rs.
Publica $a<> religiosa.
Acha se sobre o piolo, c breve satura luz o livri-
nlio denominado .
O OVO MU M maiov,
QU
MEZ DE MAIO,
consagrado gloria da hldi de Dos.
Esta ediefio hc-feitasoh a verdadeira (raducco
do italiano, 0 impressa oni Portugal, e segundo o
uso dos Imiiis padres capuchnhos do N. S, da l'enba
ilesta oidmlo, e ncrcscoiitnda com a novena da nic-
dalha n:lagro.-a; < sera vendida pelo preco de mil
res, em meia encadcrnacHo, e don mil riSr*em
encadcrnacilo inleira, para quechegtio ao alcance
de lodos os devotos possui-las
Avisos marilimots.
Para o Aracaly seguir brevemente o hiate jVi:o-
linda, meslre Antonio Jos Vianna qiiem nelle
pretender rarregrr, se entender rom o mesmo mes-
ire, no trapiche novo. '
ONOVOMESQl'lTA DE CAPOTE N.'i,
est a venda ao meio-dia na piara da Independencia,
livraria ns. 6e8. Traz cousas muito nteressanles,
eque valem mais quo un cinfatm, porque se ven-
de.
Preclsa-se de urna ama de leile sada, e nilo so
olha a preco; no Atcrro-da-Boa-Vista, n. 49, primei-
ro andar.
0 Sr. Manocl Ignacio, jiropriclarin do cugonho
Cavaco,-mando ver no engonho Inhamil dous escra-
vos seus quo alli foram parar: un pardo, c urna pre-
ta.
Alnga-se urna meia-agoa no becco db aroal
das Cnco-Pontas, n. :10 -A por 6,000 rs. men-
saes: quem a pretender alugar entenda-so com o seu
proprictario, na ra da Cruz do Recifo, n. 12, quo lio
Jolo Leite Pita Ortigucira.
Jos Epifanio DuriTo de nova mente provine ao
publico, para que ningiiem compre, nem faca tran-
saccoos alguinas com as her.leiros de Jos da Cimba
Teixeira, a respeito das moradas do casas na ra da
Cruz do bairro do Recife, pertoncentcs a sociedade
que houve entre Francisco Antonio Duro, pai do
annunciaule, e Jos Benlo Fernandos, visto quo so-
bre ellas ponde litigio, o dolerminaa lei da ordena-
CTr. livro 4." Citulo 10, que a cousa litigiosa nilo so
possa alhear nem vender.
Frecsa-se de un caixeiro
que eiitenda de mudez>s, e que
escreva ooffrivel: na ra da Ca-
deia, n. 9.
I"m rapaz portuguez do boa conducta sooffo-
rece para caixeiro do loja de couros do que le ni
pratica ; quero de seu prestmo se quizer utilisar
annuncic.
Jos dos Santos Torres, proprielario do holel
ambulante-Oh .' que bello retiro previne a seus
freguezes e amigos que no da primeiro de maio
reapparecer no largo da imperial capella da Estan-
cia a sua nundh assaz louvada barraca, onde so en-
contrarn cxcellentes pctiscos.optmo vinho e varia-
das qualidades to refrescos; ludo por preco.rasoavcl:
assoi, pois, roga a seus amigos quo concorram para
fosta'arem tilo glorioso dia : assim seja.
Teem de ser arrematados hoje as 3 horas dn
tarde, na porta do jiiizdodireilo da primeira va-
ra dous escravos, por eucucAo de Sebastiilo Jo-
s da Silva Braga contra Paulino da Silva Men-
dello.
Quem precisar de una ama para amamentar
alguma croce, dirija-se a Camboa-do-Carnio,
defronte do oitlo da casa em que mora o cirurgiSo
Miguel Felicio da Silva.
OITerece-se um rapaz portuguez chegado l-
timamente do Poito para criado, ou oulra qual-
quer arrumcelo, por saber Icr: quem de seu pres-
talo se quizer ulilisar, dirija-SO ao pateo da S.-
Cruz nadara n 6.
~ Precsa-so alujar um escravo para carregar um
panic de pilo e fazer o servico diario de casa: na
ra do Pires n. 44.
Novamcnte se faz sciente a pessoa que llie (al-
tar umcavallo magro com gangalha, desde o da
15 do corrente mez dirija-soa ra do Rangel, n.
24, que, dando os signaos certos., Ihesr entregue,
pagando as despozas.
No dia 2 de maio lera lugar a solemnidade da
SenhoiadasFronlerasom sua imperial capella da
Estancia.
Tem descrarremalado, em nraca publica, do
Sr. dutor iuiz c!o civel da primeira vara, na casa
lesna residencia na ra Nova no dia 4 de maio
prximo vndouro pelas 4 llura da larde um t*
lio com trras de phuiUcOes, no bigardo Arraial,
com casa do pedia ecal foreiro, por exocucflo do
Manocl Jos remande Fins contra Joaquim Miguel
Estoves Soulo Ai.lonio Moreira da Costa o sua nui-
Ibcr : os preteiidemes drijain-.sc ao lugar e hora in-
dicados no mencionado dia por ser a ultima praca.
Furlaram da ra Nova, da cocheira n. :>4, dous
relogiossalioncles, coro caixas de prata, sendo um
patente ingle/., de John Moncos a Liverpool, n. 9297,
e oulro horizontal i quem dolleS der noticias, ser
generosamente recompensado.
(i Sr. Jolo Jos de Almeida venha. pagar o quo
ficon deveudodo aluguer da casa em que morn na
ra Imperial, no prazo de tres dias, findos os quacs
cobrar-se-lia judicialmente.
Precisa-sede um caixeiro para venda quetc-
Anna Joaquina do Espirito Santo Maya embar-
ca para o Rio-Crande-do-Sul os seus escravos Bene-
dicto, crioulo, eJoanna. *
Precisa-sede um administrador paraengenho,
e prefere-so algtim Portuguez: a fallar na ra da
Aurora, n. 42, segundo andar, ou no sitio do Bar-
balho, confronto ao Monteiro, com o coronel Jos
Comes dos Sanios Perira de Bastos.
- Pelo novo destino que deu ao edificio da' sua
residencia na ra do Hospicio, poderoDr. Sarmen-
t receber em sua casa doenles que desejem vir
tralar-se nosta cidade. Sorlo recehidos iiito s os
doentes de qualquer soxo e condiefo que sejam,
mas tambem as pessoas, ou familias, que os quize-
rem acompanhar.
Agencia depassaportes.
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Roa-
Vista, loja n. 48, continuam-so a tirar passapories
tanto para dentro, como para lora do imperio; assim
como despacham se escravos : ludo com brevidade.
Aluga-ae urna casa e sitio no largo do N. S. da
Paz, nos Afogados, n. 1" com bastantes larangei-
ras e coquoiros, ecoin os fundos para a maro: na
ra ifoQueimado loja n. 13.
ADVERTENCIA.
O encarregado da venda, nesta pro-
vincia, do rap fino, grosso e meio gros-
so, da fabiica de Paulo Gasse, da Bahia,
declara ao pnlico, consumidor deste ra-
p, que nSo confunda o mesmo com ontro,
fabricado no Rio-de-Janeiro, com a imi-
larao do formato, papel, rotulo e nomo
do sen commitente, c quo se.aclia espa-
Ihado por al^'iimas lojas e vendas desla
cidade ; o qual fcilmente pode ser diffc
retirado, por no trazer em um dos lados
do bote o sello, o que nao usa est? depo-
sito, o por vir nos rtulos do uiesmo roo-
de"Janeiro c nle fahia, dilTerenca nica
quo existo, al(';m da qualidade, que dif
fero do verdadeiro (insse da iiabiu : e
alm disto vendem mais caro. O.nniro
deposito dosle rap lio na ra da Cruz,
n. 4. onde s vende pelo proco j sabido.
~ Arrenda-se um sitio cm S.-Jos do Manguind,
defronte do Sr. Jos Ignacio Snares de Macedo com
boa casa, cacimba, estribara carvoredos da Inic-
io : a fallar no sitio contiguo ,ou no Aterro-da-Boa-
Vista, no primeiro andar da casa, onde mora o Sr.
doutor Nabuco.
U secretario da irmandado do glo-
rioso palriircba S. .losd' Agonia, erec-
ta no hospicio de lN. S. da l'enba, con-
vida a lodosos seus im.aos para compa-
recerem cm mesa gcr.l, sabbado i.' de
maio futuro, pelas 8 botas da manbaa,
para eleicao da nova mesa, que tem de re-
gernoannode 1HI7 91848.
O escrivloda irmandade da Senhora da Soleda-
de do bairro da Boa-Vista, aulorisado pela mesa re-
gedora, convi.la a todos os irmlos nara q>"> "">
lre. ^ ...ns mono da i groja da mesma Senliora,
domingo, 2 do maio, pelas 9 horas do dia, afim de,
nesse mesmo dia, em mesa geral, so proceder elei-
qUa donovojuiz que tem deservir at sotembro do
correle anno.
Troca-se por pouco dinlieiro
um diccionario Magnum Lexicn ; um dito francez;
um dito portuguez e latino; um dito de fbula; um
eommento de Horario; um dito de T. I.ivio; um dito
de Salustio; lim compondio de rbotorica; urna arle
poelica; nina historia da Grecia; urna itrio de Scvone,
e outrs mais; ludo em muito bom estado: na ra es-
treita do Bozario, n. 43.
D-se dinheiro a premio solire penhores do ou-
ro e prata, hypolhccas e boaslinnas: na ra cstrei-
ta do Hoza rio, D; 30, sogundoan lar, se dir quem
d.
Aluga-ae o primeiro andar do sobrado ti. 5 da
ra da Cadeia do Itecife, proprio para escrplorio,
011 para pequea familia, por preco commodo : a
tratar na loja do referido sobrado.
I'ordeu-se ha mezes um anncl de ouro esmalta-
do, leudo no centro a lollra-R-: quom olivera-
cjiado ou comprado, leve-o ra da Cruz, 11. 43,
que so llic darflo 10,000 rs., que he mais do que elle
vale.
Precisa-so alugar um proto quo seja bom tra-
ba Ihador de masseira ; paga-so bem: na ra Direi-
ta padara n. 24.
Arremataco publica.
Quarta-feira, 5 de maio prximo, tem do ser arre-
matada, por ser a ultima praca, pela segunda vara
do civel, Di. Nabuco, logo que se (Indo a audiencia,
o na sala das mesmas, de renda animal, e por lem-
po de um auno, a requerimenlo dos conseiihorcs, a
casa da esquina da ra do Crespo, quo votla para a
ra do Collegio, de 3 andares esotlo, duas lojas, e
una dolas ptima, por ser na ra do Crespo oler:
portas, sendo 4 de fronte, e urna pora a rlia do Col-
legio ; a qual propriedade fui avahada por 700,000 rs.
Os|irelendeiitescomparec,ani no indicado da,so desc-
jam obter um dos mclnorescstabclecimciitos, o com
todos os mais commodos para a moradia, sem o me-
nor sacrificio de luvas 011 empenho, porque tem do
ser entregue ao mais animoso dos concurrentes, que
osle he Mnente o desojo dos inleressados.
ADVERTKNCH.
CT encarregado da venda ,
provincia
do tap fino, grosso e
nesta
iiicio-
nha alguma pratica, de 12 a 16 annos: em Fra-de-
Portas, n. 92.
Precisa-se de um rapaz para caixeiro do venda,
com preferencia a algum dos ltimos chegados : na
ra do Col ove! If), n 31.
Ilenrique Julio Catulitio da Silva Pontos ensi-
na a tocar flauta viollo e cantar, por preco com-
modo, na ra das Flores, n. 20. As pesaos* que
quizercm aprender dirijam-so das 6 as 9 horas da
manliSa e de meio-dia as duas da Urde.
grosso da fabrica de Estev3o Gasse ,
do Kio-de-Janeiro, declara ao publico
consumidor deste rap que nao confun-
da o mesmo com um outro fabricado
na
Bal
imilaco do formato
na, con) a
papel, rotulo c nome de seu commitente,
e que se acha espalbado por algumas lo
jase vendas desta cidade \ o qual fcil-
mente pode ser differencado, por nao
trazer em nm dos lados do boto o sello d
que usa este deposito, e por vir nos ro-
llos do mesmo -Babia- ,enio- Rio-de-
Janeiro -; difforenca tnica que existo .
alom da qualidade que differe do ver-
padeiro Gasse do lo-de-Janeiro e que
faz rom que vendam mais barato.
0 nico deposito doste rap be na fu
da Cadeia do Recife n. 37 onde so
vende pelos precosj annunciados.
Na ra do Sebo, n. 3, emprcsla-so dinheiro a
uros com penhores de todas as qualidades, em pe-
queas porertes.
Francisco Garneiro da Silva, arre-
matante do imposto do gado vaecum de
toda a provincia no trlcnnio finar.ceir
de i8.'i7 a i85o, convida a todas as pes-
soas que quizercm arrematar qualquer
dos municipios de fra, c bem assim as
froguezias deste municipio do Recife, de,
munidos Je suas competentes garantas,
comparecorem, s to horas do dia 3o do
corrente, em casa da residencia de seu so-
cio, AnacletoJos de Mendonea, na Boa-
Vista, 1 -na dos Cocidos, n. >..
-* .Manocl da Silva Santos, ven-
de fariidia de Irigt* da verdadeita
marca SSSF, chegada nli mamen*
le a esle mercado.
--Jos Alvos da Cimba rotira-so para fura do im-
perio.
Aluga-se o primeiro aodar da .casa 11. 18 da ra
da Cruz do Recifo, por proco commodo : a fallar no
segundo andar do mesmo, de manha al as 10 ho-
ras, c de lardo das 3 em vante.
No dia 16 de marco prximo passo-
do, desapparoccu do poder do abaixo assig-
nado asna rscravaMariaJacintlin, crion-
la, de 1 1 para |3 annos, ciir preti, de es-
t.ilnia baixa, pouco musculosa e desen-
volvida, denles mui alvos, s5os e bonitos,
bocea rasgada, que, ao fallar ou rir, deixa
ver todos os denles, falla pausada e des-
cansada ; be muito viva e ardilosa \ ne-
nhumas cicatmes tom, ou lesoes visiveis,
c smente sobio o. poito esqnerdo desco-
bre-'se Ibe nina pequea nodoa .negra que
sobrt'sabn palle ; levou camisa de algo-
dSzinho o v.estido usado de listras e ra-
magens azul-brancas. Vresume-se quo nao
tenha sabido da cidade, e mesmo he pro-
vavel qto. tcnliu sido sednzida, e- estoja
occulla ahi para a estrada nova de Olin-
da, Cidade-Nova, e contornos ; onde
consta haver unas otarias, 11 m pequeo
quilombo, que deve merecer a altencao
da polica. Quem quer que capturar a re-
foiida oscrava, dirija-se casa n. 56, ra
do Hospicio, que ser gratificada.
Joo Francisco l/na re.
Antonio Rodrigues Selle relira-se pora Lisboa.
Henrieta Middloton retira-so para a Europa.
Precisa-so alugar um escravo que seja de meia
idade para o servico deum pequeo sitio; pagan-
do-se mensalmentc : na ra da Trompe sitio da
casa cor do chumbo.
Precisa-se do .una ama para cozitihar: na ra
doFogo n 40.
Os devotos de N. S do bairro do Rearo, que
tecm eslabelecido a missa do todos os sabliados ,
em honra da mesma senliora na groja da Madre-
de-Oeos, estilo determinados a celobrar tambem,
na dita igreja os exercicios do mez maranno pre-
sididos polo reverendo Sr. vigaro desta paroclua.
Convidatn, pois, a todos os Piis para que concor-
ram a estos piedosos e tilo nteressanles oxercicios,
cm todos os dias do manhia cedo, no proximomez
o maio.
James llyde Arkwright, subdito britannico,
relira-so para a Rahia.
OSr. J. X.M. pode cumprir o quo prometteu,"
do contrario, nilo se queixe. A. D. S.
Quem annuuciou querer comprar o tanque do
amarello dirija-so a .Manuel Antonio da Silva Mol-
la na ra de Apollo 11.27, primeiro andar.
A pessoa a quem for offerecido um cliales.alguns
vertidos o pares do meia do senhora, um lenco do
seda o um viollo, oncamnho-se ao Alerro-dos-A-
fogados.n 33; ou, apnrehendemlo.annuncie por esto
jornal, quo ludo foi desetncaminhado por occasiilo
de una familia que se retirando da ra do Cotoyel-
lo, entregou a um prelo ganhador: se I1011 ver des-
posa na appronhensilo de taes objetos, naquetw ca-
sa, n. 33, alom do gradeccr-sc, satisfar-se-ha.
OSr. Or. Jesuino Marcondcs de Olivara eSa
queira drigr-seruado Vigaro, 11. para receber
urna carta vinda do Sul.
Aluga-se, por ,000 rs, nionsaes, urna pequea
casinha na Soledade, ra de Joilo Fernandos \ letra,
n. 22 : quem a pretender alugar, falle na ra Nova,
loja n.. 58.
Na ra Nova, loja, n. 58, coiitinua-se a comprar
ea vender calcado da trra, alguns couros, sola e
mais alguma cousa.
('asa da F
na ra estreita do,Rosario, n, 6,
Nesle cstabelecmento acham-se venda as cau-
telas da bem acre-litada lotera do tliealro publico
desta cidade, para cujas rodas est annuncado o an-
damento para o dia 12 do maio prximo futuro.
Nesle estabelecimetilo lambem se acham venda Ires
trancelinsdeourode lei semfeilio: a elles que s3o
de muito bom gosto.

I J
J
1
l


U'

'.
Precisa-sede urna pret captiva que saiba co-
zinhare tratar de meninos : quema tiver dirlja-se
a proca da Independencia, livraria, ns. 6 e 8, a
fallar eom o caixeiro da mesma livraria.
Precisa-so de um feitor para um sitio porto
desU pasca : no Aterro-da-Boa-Vista, n 37, ter-
celro andar.
--OSr. Francisco Joaquim Teixcira ilhodo Jos
Teixeira, da ilba de S.-Miguel, queira procurar
urna encommenda que Iho remottem da mcsma ima,
no Aterro-da-Boa-Vista n. *3.
A nova casa de pasto da ra das Cruzes, junto
apadaria, contina a ter todos os domingos boa
m.lo de vacea e rim guizado para almoQo, e dia-
mente diversas comidas o caf com milito asseio :
tambem se ajustam jantares para fra, mensalmcnte;
e o sorvete contina as horas do costurao at lindar
o gelo.
Boga-so ao|Snr. J. B. S. baja de vir pagar
ti,160rs. desorvnles que tomn cora seus amigos,
na Tua doifange, puia para mangaran e proinelti-
menloi j basta o este genero he comprado a di -
nheiro; aseo nJofizcr at 30 do corrente ver o
aeu nomo por extenso, e depois nfio diga que sou M.
-- O coronel Joflo Francisco de Chabi nflo embar-
ra mais por sua conta a sua escrava crioula Eulalia ,
e por contequencia fien sem effeito o annuncio do
iario-Novo, publicado no da 29 do corrente.
Doseja se fallar ao Sr. Antonio l.uiz Jo Amarai
o Silva : na ra Nova n. 16.
--Jos flibeiro da Silva Portugucz, rclira-se para
o Rio-Crande-do Sul.
*-NarOada ConeeicSo, n. 16, ensina-se a ler,
escrever contar gramm tica porlugueza coser,
fazer la varilo bordar, marcar de todas as quali-
dades e fazer flores, a 1,600 rs. ; tambem se ensina
.u msica o se tinge roupa de todas as cures. Na mr-s-
maeas* recebem-se pretas para vnderem varias
qualidade de objectos de vendagem : tambem alu-
gim-.se por moz.
- Antonio Joaquim do Almeida natural de Por-
tugal mora na ra do Agoas-Verdes, n. 44.
Compras.
-- Compram-se, nos acougues de Joo-Dubois, ao
p dos quarteis, moedasde prata de 160 rs. a 102
por cento do premio sobre papel, e a mais acento
por cento em pagamento.
Compram-se escravos do ambos os cexos: na
ra Nova, loja de ferragens, n. 16, se dir quem
compra.
--Compram-se cdulas encardas de 20,000 rs. ,
com pouro descont ; duas veneziannas com pou-
co uso na esquina doLivramcnlo, loja de 6 por-
tas.
Compra-se um scllim de mola, que nflo esteja
roto: na ra da Cruz, n. 43.
-- Conipram-se 100 psde larangeiras sendo da
trra melhor; 10* ps de frucla-pflo: na ra da
Concordia sobrado de um andar n. 5.
Compram-se pffectivamente escravos de ambos
ns sexos, le t2 a 20 anuos sendo alguns ofliciaes
desapateiro ; sendo de bonitas figuras, pagam-se
ln'iii : na rus da Concordia passandoa ponlozinha,
adireita segunda casa terrea.
Vendas.
Novos gambreoes.
Na loja de Cuimarffes Serafim & C, confronto ao
arco de Santo Antonio, n. 5, vendem-se novos gam-
breoes a 1,40o rs. o corte de tres covados e meioj'es-
ta fazenda toma-se recommendavel pura a cstaQ.no
(frsente, por ger fazenda encorpada e escura; e finge
a casimira franceza por terpadroes imitantes;i chi-
tas a 120 e 140 rs. o covado, e alm listo um com-
pleto sortimento de toda a qualidade de fazendas.
Vende-se urna canAa aberta grande,
j usad, que pega em uin milbeiro de t-
jolos dealvenaiia., por prcr;o commodo :
a tratar na ra de Apollo com. Joo Kstc-
ves da Silva.
Vendem-se acyoes da ex
(neta compnnl.i.'i de Pernambuco
e Parahyba : no escriptorio de Oli-
veira lrmos & C, na da Cruz,
n.9.
Vendem-se 40 aecfies da companhia de Bebe-
ribe : no pateo da Matriz de S.-Antonio, n. 4, se-
gundo andar.
Vende-se um piano de muito boas vozes e por
preco commodo : na ra das Trincheiras, n. 18, so-
brado de um andar.
- Ha, na ra da Cadeia-Velha,
loja d miudezas, n. 9, um cumple
(o sortimento de estojes finos, i
caixinlios propras para as senho-
ras guardarem as sitos galanteras.
Venden-se cenlas cliegadas pelo
ultimo navio.- no armazem do Uraguez
junio a Conceicao.
V,endem-se por preco commodo,
duas canoas de conduzir agoa ; e nmn
dita mei'a aberta : na ra de Apollo,
a fallar com J Yende-se um tronco em born es-
tado : na ra d i Senzalla-LNova n. n.
Vende-se urna caixa de ouro para relogio com
6oitavas a3,5O0 rs. a oitava : na ra do Crespo ,
loja de miudezas, n. 11 .*
Venden a duas pretas moceas de boas figu-
ra urna parda de ISannos pouco mais ou menos :
louaa com principio da costuras, boas cozinheiras,
P..ejM* e'P.roPri" l'ra todo o servico d
caaa duas negrinhas de 7 annos, propras para an-
iTk. ,^",',CMl" um- : n rud Quemado,
" 8, toja do Jos JoaquinVda Costa. '
mTh.^.r^- Pre,0-'i,*" ltete o decore,
2S.hL2u ?i"eCllle' ,8' se8"''J0 "lar dr
lanWtratas 10-hora; efde tarde das 3 em vanlc
darem com enancas em casa : na ra da Cadeia de
S.-Antonio n 25.
Vendem-se escravos baratos na ra da
Larangeiras, n. 14, segundo andar, a sa-
ber: um molecotede idade 15 annos pouco
nui.s ou menoa.de elegante figura, com
algum principio de cozinha; un djto de
idade de20 annos, muito forte; um dito de 18 annos,
de linda figura; um moleque de idade 10 annos, bom
parase Iheensillar qualquer ollicio; um negro muito
forte, por 400,000 rs ; um dito bastante forte, por
300,000 rs.; urna negra de elegante figura e mais al-
guns escravos, queaos pretendientes se moslrarfo.
Na loja de Francisco Jos Perei-
ra Braga, na ra do Crespo, n.
3, ao pedo arco de Santo An-
coutiniiam-se a von.lcr chitas de padroes escuro pe-
lo diminuto preco de 100 rs. o covado; peeinhas de
cambraia lisa, a 3,600 rs.; cortos de cambraias ada-
mascadas, a 5,000 rs.
Vende-so um muito be.ni construido tanque de
ferro com duas ptimas lorneiras tambem de ferro ,
e com a competente grado de madeira para asiento
do mesmo ; he exccllcnte para deposito de azoito o
vende-se por preco commodo : na ra da Cadeia de
S.-Antonio, n. 13.
A' 800 rs. o corte. %
Na loja de Guimarfles Serafim & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, ven fustflo, cores (xas, pelo barato prego de 800 rs. o
corte; cassa-chit.iscom flores, linas o largas, suecas
e ingczas, a 240 rs. o covado.
Vende-so urna casa terrea de taipa encha-
meada de lijlo e cal com 3 quartos 2 salas co-
zinha fra e quintal de 64 palmos do frente e 500 di-
tos de fondo com variosarvoredos do fructo c mais
bemfeitorias sita entre as duas pontes da Magda-
lena em chflos foreiros offerecendo grande van-
tagem ao comprador, por se fazer todo o negocio,
tanto no aforamenlo com por Venda na ra do
Queimado, n. 15.
\viso a meus fregueses e aos
mais que quizerem ser,
ft3*sendobcni servados. &&
Joaquim Antonio Carneiro de novo avisa a todos
os seus freguezes que hoje recebeu urna grande
porQHodaquellas venladciras bichas hamburguesas,
que est vendendo aos ceios c a retalho por me-
nos preco do que em outra qualquer parle; assim
como tambem aluga evai applicara qualquer hora
do dia ou da noite, para commodidade dos pro-
tendentes. Venham, freguezes, pois aqu he s onde
ha boas bichas que dfio sade a quem n nao tom.
Vendem-se conservas inglezas ; ditas le fructa
para podins; biscouto ingle/., em latas; saln fio ;
conserva franceza de fructas; pecego ; alperce c pi-
ra eoi calda da mesma fructa : marmclada em latas:
ludo de superior qualidade por preco commodo :
na ra da Cadeia-Velha n. 2, venda de Jos ton-
calvcsdaFonte.
Vende-se umn parda de bonita figura que co-
so elava rom perfeic,flo, por commodo preco: na
ra do Crespo loja de Antonio da Cunda Soarcs
Comanles n. 15.
Vendem-se pclles de guaras, vindas prxima-
mente do Haranhno : no arina/iiii Jo lUuguoj $a
pe lo arco da Conccicito.
Vende-se caf moido o melhor possivel nesle
genero; lito ordinario, para menor preco, para
as vendas ; arroz torrado que serve em lugar do ca-
vada sendo'qualquer deiles torrado emoido sem
alguma mistura ; a qualidade he que fazo prcc,o :
no paleo da S.-Cruz junto ao sobrailo da esquina
da ra Velha n. 106 e na travessa da Madre-do-
Deos anude Coi reflnacito onde tambem ha pfloc
bolacha. Na mesnias casas compra-se papel.
A'12,^000 rs.
Na loja n. 5, confronte ao arco de Santo Antonio,
vendem-se ricos cortes de chaly doliaeseda, pa-
drOes modernos, pelo barato preco de 12,000 rs. ca-
da corle; rscado rane'ze finos "o modernos, a 240
rs. o covado; zuarte azul cncorpado, da fabrica por
tugueza, a 200 rs. o covado: esta fazenda he propria
para escravos. ,
Vende-se um braco de balanza com conchase
correnles um torno de me.lidas de pao dous ditos
de ditas de folha um lerno de pesos de 8 libras al
meia quarta um marco com balarica para rap ,
ludo ainda novo ej afondo ; dous Irados para Tu-
rar pipas novos : na ra da S.-Cruz defronle da
ribeira da Boa-Vista sobradinho u. 60. Na mesma
casa precisa -se do um caixeiro para venda.
Vendem-se chitas limpas, de bons pannos, a
sele vintens o covado o a peQa a 4,800 rs. ; ditas
mais finas entro as quaes algumas para luto bons
padrOes a meia pataca o covado e a peca a 5,f>00
rs. ; sarja prota limpa superior e de boa seda a
1,280 rs. : na ra eslreita do Hoza rio n. 10, ter-
cciro andar.
Vende-so um mappa quarleirflo do sul, om
bom estado, por preco commodo : na ra larga do
Hoza i io, n. 21.
Vendem-se dous pelos, viudos do mallo em
pagamento, bons trabalhadores : no Forte-do-Mat-
tos prensa de Joaquim Jos Ferreira.
Vendem-se capsulas do gelatina com balsamo
de cunahiba simples; ditas com oleo de (gado de
bacallio ; lilas com dito de figado de arraia ; ditas
rom balsamo de cupabiba e cubebas: na ra da Sen-
zalla-Nova, n. 40, primeiro andar, das9 horas as 10
da manhSa c das duas asi da tarde.
Vende-se ou arrenda-se o sitio do Cajueiro ,
com varias casas que se acham dentro: a tratar no
mesmo sitio.
Vendem-se, na ra Nova n. 18, loja de M.
A Caj, casacas de todas as crese qualidades;
sobre-casacas de panno e merino d todas as ciares c
qualidades; ditas de alpaca muito lina ; ditas de
hrimeliade diflcrcntes qualidades ; jaquetas de
panno lino de lilfei entes cines e qualidades; ditas
de alpaca merino, duraque brime de.riscado;
'illclcs de sel un pelo de Macan ; ditos de chama-
lote, muito superior; ditos de velludo de cores, mui-
to ricos padrOes ; ditos de gorgurflo ; ditos de fus-
tilo branco e do cores; calcas de panno fino preto e
azul ; ditas le casimira de corea; ditas de merino
piolo ; litas de biim branco e de cores, superiores
e mais ordinarias ; um sortimento de pannos doto-,
das us cOrese qualidades ; fazendas para hornera, de
loua as qualidades q>e forem precias; chapeo
Vidros de es-peltio
de diversos tainanhos, vendem-se por juejo muito com-
modo : na ra da Cruz p. 10 ainiazciii de Kalkinanu
k xoseniiiiiiid.
Na na d*a Scnzalla-Nova, n. 3o,
(paduria) vendem-se juncos de superior
i|nalidfide, em porco e a reluIKo, e por
menos do que em outra qualqircr parte.
Refrescos.
Xarope de groselbe feito do verdadeiro suramo,
viudo de Franca a 1000 r. a garrafa ; dito de flo-
res do larangeira a 1,000 rs. a garrafa; dito feito da
verdatleira resina de angiro, que he muito conheci-
do e approvado por as'pessoas que pailerem do pe-
to, por ja ler feiio ptimos beneficio, a 1,000 rs a
garrafa ; dito de maracuja, tamarindos, anaiiazes ,
lirr.floelarnja, a 500 rs. a garrafa: no Aterro-a>-
Boa-Vista, fabrica de licores, n 17.
He vewladeqtje; todos hoje sao
novos barateiros, mns ellos
nSo qucimaicomo oai-
ligo baraleiro da ra do
Collfgio!
0 antiao baraleiro ost torrando por todo o di-
nheiro, na sua nova loja de miudezas da rpa do
Collegio, n.9. Cheguem asriquissimas o mimosas
litas, chegadas do Itio-de-Jneiro, que ellas j esto
no flm, depois n3o venham dizer que o baraleiro nflo
avisou e que ollas se ncabaram: fitas de velludo
preto, de varias larguras; fitas assetinadag de to-
das as crese larguras; pentcs de.tartaruga, para
ni arralas. W0 r< a purelha : ditos do trtarilBn
eom enleilcs dnurados para prender cafceio n
2,000 rs. cada um; agulhas francezas, muito Anas ,
a 280 ra. a caixinhk; luvas pretas de seda, compri-
das, com dedos e som ellos, e com flores do cor
ditas curias sem dedo, para senhora ; brincos ata,r
tarugadas, a polka ; loques de seda cora onfeites
dourados, a 2,400 rs cada um ; luvas do pellica
pretas para homem a 480 rs. o per; chancos de sol,
de seda para senhora a 2,880 rs. cada um de cores
oscuras; luvas de algodio do cores o brancas, a 320
rs. o par ; bengalas de canna da India a 1,920 ra.
cada urna ; linba de carretel, branca o de cores, a
320 rs. a duzia e sondo de 50 duzias para cima so
dar mais em conta; riquissimos caivetes linos o
decabodechifre de viadu de 1, 2, 3c folhas;
tesouras finas, tanlo de unha como para costura.
A ellas, que ostilo no resto, ao depois o baraleiro
nao aceita desculpas daquellas freguezes qne nfio
chegarem a lempo.
Vende-se um bonito escravo lo 20 annos,
ptimo ofiicial de alfaialo; um exccllenle pardode^^
18 annos de reconhecida conducta bom pagem ,
vende-so por precisflo ; dous lindos raoleques de.
17 a 18 annos; um escravo para todo o servico; urna
parda com urna linda lilha de 11 annos por 700,000
rs.; urna bonita moleca do 12 annos; urna dita
propria para lodo o servico de 13 a 14 annos; duas
escravas ptimas quitaudeiras por 430,000 rs. am-
bas ; urna dita por 250,000 rs. ; urna dita que co-
se, engnmma cozinha e lava muito bem ; um dita
muito fiel ptima quilandeira nflo tem vicio al-
gom, e de 23 annos por 420,000 rs. : na ra do
Agoas-Verde, n. 46.
, Vcndeni-se notas cartas para aprender a ler,
as quaes se moslra que nflo he preciso o estudo daa
syllabas soladas dos nomes, compostas pelo profes-
or publico 8 II de Albuquorque : nu loja da esqui-
na defronto do Collegio, prego 80 rs.
Vende-se .salitre refinado de mui-
to boa .qualidade por menos preto do
que ernutra qualquer parte : no e>crip-
torio de Claudio Duheux, na ra das
Larangeiras n. 18
Vendem-se charutos da Babia, regala, non-
plus-ultra e de varias marcas de superior qualida-
de, e juntamente deS.-Kelix a 2,000 rs. a caixa :
na ra do Crespo, loja de miudezas n. 11.
Vendem-se dous'pretos de meia idado, proprios
para una casa, ou sitio por Seren baratos: a fallar
na loja de Joflo Jos de Carvatho Moraes, na ra da
Cadeia do Becife.
Vende-se urna sobrecasaca de panno verde-gar-
rafa, feita a moderna, com gola de velludo, por es-
traar.
n.43.
Vendem-se 4 escravas mocas do boas figu-
ras com boas habilidades; una mulatinha boa
para ser educada ; 3 escravos bons para o U-aba-
I bo ilo campo; uro ditobom cuzfuhcii'o : na ruado
Passeio loja nova n. 19.
Vende-se um chito na cidade de Clinda, na
ra de Mthias Ferreira ao pe da Senhora 1). Dioni-
zia com alicerce, oilfio meieiro com a dita senhora;
una casa na ra do Cotovello n. 19 ; urna dita na
ra deS.-Thereza n. 17 ; 3 ditas na ra Imperial,
ns. 44, 46 e 48 ; 5 ditas na ra Augusta ns. 53, 55,
57, 59 e 1 ; duas ditas de taipa na ra Imperial, ns.
204 c 206; 8 dita de pedra o cal, ns. 210 212, 214,
216, 218, 220, 222,224 e22C ; urna escrava que esta
no deposito geraJ, de nomc Iria para pagamento
de decimas; 3 canoas, sendo urna dellus boa para
abrir; uns poneos de poicos. As casas vendem-se
metade a vista e melada a prazo de 3 annos, ou mais,
pagando o juro de meio por cento com hypotlieoa
as mesinas : na ra Pireita n. 14.
francezes ; dit de sol, de seda ; e outras mudas
fazendas quea vista dos compradores serflo pateh-
tes. Afiana-se sahir deste estabelecimento qual-
quer pessoa promptade um facto inteiro.
A' 7^000 rs. cada urna manta.
Na loja de Guimarfles Serafim & C confronte ao
arco deSanto Antonio, n.5,vendem-se mantas de seda
modernas para senhora, pelo barato preco de 7,000
rs. cada orna; rlscados francezes finos, padrOes mo-
dernos, a 240 rs. o covado.
Trcm de cozinha.
Casserolas, panellas, chalelras o fregideiras do
ferro forradas de loutja. Estelremdc cozinha tem
merecido tinta aprovaeflo, que sendo a quarta fac-
tura contondo 2,000 pecas, apena*restarllo 50. fen-
dem-se na rua Nova loja de ferragens, n. 10.
Calcado.
Vendem-se os muito superiores e acreditados sa-
patosde Nantes, de urnas duas palas; ditos de
costura de 3 solas, proprios para o invern ; um
completo sortimento de calcado inglcz para homem,
tambem proprio para invern; borzegums gaspea-
dos e de ponta, de 3,600 a 7,000 rs. s ditos para se-
nhora ; sapalosdc marroquim o duraque para se-
nhora ; ditos de marroquim duraque o de lustro ,
para meninos; um sortimento do sapatinhos de cl-
cheles, para meninos ltimamente chegados, por
preco commodo : na rua da Cadeia do Recife n. 35,
loja do More ira
Vendem-se luvas de seda preta e branca, para
homem c senhora, a 640 rs. o par na prara da
Independencia n. 39.
Vendem-se luvas de pellica branca, para ho-
mem c senhora a 500 rs. o par; ptimas cordas
de tripa e bordos para rabeca e violflo: na rua da
Cadeia do rtecife hija de miudezas n. 5.
Vendem-se superiores vinhos engarrafados,
moscatel do Setubal, Madeira-secca o Porto ; agoa-
anlente de Franca; latinhas com biscouto inglez e
conservas: ludo por proco commodo : na venda de
Miguel Joaquim da Cosa & Companhia, na rua da
Cruz, n. 66.
Vcnilem-so, na ruadosTanoeiros, n. 24, por
preco muito commodo os scguinlcs instrumentos,
em meio uso 4 clarinetas, duas trompis, um pis-
tn urna corneta de chaves e um clarim.
Vende.se um escravo que enlende de cozinha ,
e he sapateiro; um mulatinho de 12 annos; urna
poreflo de barricas do sebo; esleirs em porces;
caixasque parecem ser de tartaruga, muito em
conta ; sola e couros miudos : na rua la Cruz, no
Recife, n.26.
Vendem-se cixas de fo-
Ihas do Klandres e a retalho por preco commodo :
na loja de ferragens de Joflo Jos de Carvalho Mo-
raes nrua da Cadeia-Velha n. 53.
Venilem-so3 lindos moleques de 16 a 18 an-
nos sendo alguns de narflo;. um pardo de 18 an-
nos ptimo carreiro e proprio para pagem ; 3 pie-
tos Je 20 a 24 annos s,endo Um driles bom carreim;
urna parda de 24 annos, com habilidades; cinco pre-
tas de 20 a 30 annos sendo algumas del las de na-
eflo, e com algumaB habilidades i na roa to Colte-
gio, n. J, segundo andar, se lira quem vende.
Vendem-s dous pretos um de 12 anuos c o
outro de 30 : na rua Velha, sobrado n. 18.
Vendem-so duas pretas e um preto : na rua
do Agoas-Verdes, n. 11.
Vendem-se duas casas terreas com bons quin-
taese cacimbas indepeuilentes, sitas defronle da
orifica /las Cinco-Poptas urna dita na rua Au-
gusta com urna mei agoa no rundo, qire nu tivw ***t-~e par menos de sen valor na rua da Cruz ,
! na rua lo Alecrim ; um pequeo sitio na Torre,
a margem lo Cahibaribe, com cem palmos de fren-
te e 700 ditos de fundo, casa de pedra e cal, boa
cacimba d'agoa de baber c todo o arvoredo plan-
lado ; urna casa pequea na liavessa Jo Marisco; a
posse de um terreno na rua do Alecrim com dous
mi| palmos de fundo: na,rua da Concordia, n. 25,
primeiro andar.
Vende-se na rua do Passeio, loja nova n. 19 ,
um completo sortimento de fazendas de linho lila
c algodflo ; ludo pelo menos proco possivel.
NA VENDA DO PATEO DO TERCO, N. 7,
contina-se a vender tinta de escrever ingleza
engarrafada em garrafa grande, a 320 rs. e meia
garrafa a 200 rs.; graxa n. 97 a 160 rs. ; oleo lo
linhaca em garrafa e a libra a 260 rs. ; espermacele
a 720 rs. a libra ; velas de carnauba, a 240, 280 e 320
rs. a libra ; sebo do Porto e banha de porco, a 320
rs. a libra; toucinhode Lisboa a 240 rs. a libra
manteiga ,a480e 640 rs. a libra; cha hysson, a
2,000 e 2,560 rs. a libra; dito pcrola.cm caixinhas
de iluas libras, ca retalho, a 2,240 rs ; chocolate,
a 280 rs. a libra ; caf moido a 160 rs. a libra, e'era
grito a 140 rs. a libra ; cevada a 120 rs. a libra
farinha do Maranhflo, a 80 rs. a tibra ; dila de ara-
rula a 200 rs a libra ; arroz a 80 c 60 rs. a libra
aletria ; talharim ; passas; lingotes; paios ; aincn-
doas ; prego da todas as qualidades, a retalho por
proco commodo"; coutrosmuitos gneros, dctoitos
quaes se alianca a boa qualidade.
-- Vende-se urna bonita preta de 18 annos cos-
lureira.cngommadeira oque faz o mais servico
de casa : no pateo do Carmo, n. 7, loja.
Vende-se arroz branco de superior qualidade,
em saecas a peso c lqueire velho ; dito vermelho:
ludo por preco muito commodo : na rua da l'iaia ,
venda n. 39
Vinlio de Bordeaux
de superior lualldade em caixas de lilila por preco
t'iiiiiiiindo : vende-se un rua da <.'rix n. 10 arnia/rin
de Kalkmaiin & Rosriiinund.
Escravos Fgidos.
Kugio, no lia 2 do concille um moleque ,
de*nome Constantino baixo, giosso, de 18 annos:
levou jaqneta o camisa do ganga azul, calcas de
riscado do quadros j velha. Pcde-se as autorida-
des policiaes, ou a outra qualquer pessoa, a sua
captura, levando-o as Cinco-Ponas, padaria.n. 15<
Desappareceu, nodia 26 do corrente, polas 7
horas da noite um mulatinho, de nomc Joaquim ,
le l.'i a 16 anuos cor clara rosto redondo, com o
p esquerdo lorio c giosso natural le Mamangua-
pe ; levou camisa eceroulas de algodflozlnbo, cha-
peo de couro que usan os serlanejos : quem o pe-
gar ou soubcr onde esteja pode leva-lo a son
senboi na rua do Hospicio, n. 7, que ser gra-
tificado. Advcrtindo-se que tambera pode-ler sido
agarrado, ou ter ido em algiu coinboio.
Fugio, no dia 21 lo corrente una preta do
nomc Joscpha lo gentio de Angola ; repre-
senta ler 40anuos, de estatura alta bastante
gorda, cara larga, andar descansado; levou vestido
de metim preto anda novo panno da Cosa azul
coiu listras brancas; a qual se suspeita esteja es-
condida na outra banda pois ja fui vista no
pateo do S.-Pedro e na rua do l.ivramento, com sain
de chita branca e panno da Cosa. Esta piola fo.i
escrava do Sr. Joaquim Antonio do Karias liarboza ,
a quem fui comprada o mez passado : quem a pegar
lo# a rua das l.araiigctras n. 18, que sera recom-
pensado.
~ Fugio o preto Joflo escravo de Luiz da Costa
Le i te morador na rua Nova, loja n.58; o prelo
tem una ferida no pcilo do pe direilo", noqual Iho
ralla o dedo gratulo; lein um boceado da cabrea
pelladoquasi cima da oiclha.
her.
NA
TTP. DEM. F. DE FAMA.----!&4">
ILEGIVEL
MUTILADO