Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08777

Full Text
Ufino de 184^
Quarta-feira 28
o di Amo pui.ic-e *I; O "'/"'"A o nreco da assiRnatura he He
roen ''e 11" i pac'" adianlados.'Oi an-"
L,000 "P,,'",,1,Illi, lia inseridos a raio d.
nuncios ><' ", em Itpo diiTcrente, e as
I JP rS. I"""'""'"' ,,-J. (I. mi. n.".o f rem .
BASES DA LA PI MEZ DE ABRIL.
g ioiM mi. d Urde.
Mi>)!0" i,' s 4 lioras e I min. da manliSa.
I.Ui ""'*'*,', g |iors e<6 min. d* inanliHj.
Cretc*** >t ,loraJ e 6 mn0> d, urje
I Lu che'*.
',-1' '", metHe. qu. i>5o fren, .si ,-
lr^pe"0**l,*Tors por linha.-e le em Ijpo
PARTIDA DOS CORREIOS.
(omina e Parahyha, s segunda) eseiUs feiras
Rio-Granile-dn. Norte quimas feiins omeio-ilia.
('abo, Serioliem, llin-Formoso, Poito-Calvoe
Macelo uo I.", a 11 e Ji de cada mez.
(araiiliuns e Bonito, a 10 e 21.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 58.
Victoria, as quintas feiris.
Ulinda, lodos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Prmeira, a 2 hora i St minutos da tarde.
Segunda, i I hora e 18 minutos da manha.
de Abril.
Ann XXIII.
N. 9.

das da semana.
26 Segunda. S. Clarencio Aud. do J. dos or-
phos, do J doc da I Y. e do J. M. dj 2
2T Terca, i. Turibio. Au I. do J. do civ. da I
. e 28 Ouarli. S. sga.'ito. Aud do .'. do civ.
n '' v e do J. de paz do 2 dist. de t.
29 Quinta. S. Hugo Aud do J. de orph.,
.do ). ii.iiin. i|.m d. I ver.
30 Sesta. S S pina. Aud do J. do civ. da I.
v. e do i. de paz do I. dil. de l
I Sablwdo. S. Ureocio. Aud do J do cir. da
I. v. e do J de paz do I dist. de t.
I Domingo. S. Athanazio
CAMBIOS NO DA 26 DE ABRIL.
Cambio sobre Londres de Jf a 10'/, d. p. II n.
t i1 i.i 3 lilis por franco.
> I.i.Ui.i 95 de premio.
Desc. de leltras de boas Brasa* I '/ p.*/
(JuroOncs lespantiolas.... JMI0 a
a Mcdasde Ofmo velli. ISMOO a
a ileGflOO nbv lOjtfliiO a
Am 1 iniwi..... !l#fl(HI a
/'raa l'ataces'."....... vf'iJO a
a Pesos col u m na res... 2jnni a
a Ditos mexicanos ... i#60 a
Miuda............ 1*900 a
A croes da coinp.do llrberibe de S0JO00 rs
an me.
29|nc
I6IMM
|6JOO
9*100
2040
l|u?0
lfnn
1*920
. ao par.
DIARIO
PERNAMBUGO.

PARTE'QFFiCUL.
Governn da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 13 DO CORRENTE.
Olicio Ao commandante das armas, declarando
rjup o capellSo Bernardo Lucio Peixoto que estar
6rrvndo no l.'balalhilo de cagadores, deve seguir
para as Alagas, e al'ii esperara decs lo do governo
imperial acarea da declaraglo da junta medico-ci-
rurgica, que o aprsenla como incapaz do servigo
.jiltar.
>lo Ao mesmo, declarando que aos recrutas l-
timamente feitos, e aos que se forem fazendo, so-
mente compotom os vencimentos especificados na
informago do commissarjo-pagador, visto ter a
presidencia determinado que elles nilo assenlom pra-
ga nos corpos atesta provincia, mas sigam para a cor-
le do imperio.
DitoAo mesmo, significando quo Joaquim Anto-
nio (los Santos o Antonio Filippe, que se reconheceu
nlo screm desertores, dovem ser considerados co-
mo recrutas. s* forem julgados aptos para o servigo
de primeira linha
Dilo-Aochefe de polica, participando ter man-
dado por sua disposigfio o recrula de marmita Luis
Antonio Alves Teixcira, que pela junta de sade to-
ra julgado incapaz do servigo da armada, por se
adiar pthysico.
Dito Ao delegado de Iguarass, declarando que
n freguezia do Pasmado deve julgar-sc insultada pa-
ra os efieitos civis, menos no que disser respeito as
eleices, n"io obstante anda se nio adiar cannica-
mente prvida.
Dito -Aocommandantc superior da guarda nacio-
nal deste municipio, louvando os senlimentos pa-
triticos que levaran! a olTIcialdade das l."c 2 le*
gies da mesma guarda nacional a declararen) que
nilo queriam recober .venciment algum pelo ser-
vigo que prestara ni na guarngito da praga, e que
estavam promptos a continuar gratuitamente no
mesmo servigo. .
DEM DO DA 14.
OlcioAo commandante das armas, inloirando-o
de ter indeforido o requerimento,cm que o njudante
Antonio de Soulo Gondim pedia tres mezes do sol-
do adianlado.
DitoA Joaquimajitaptista More ira. jJnVrl1S".n?.'V.?
aioaua ir >__-^v^ '- --"" Bxtfrcicio do cargo
tfe cnsul de Portugal nesla provincia; e promet-
Icndo-Miecoadjuvagfio em tudo quanto possa con-
correr para o promjilo expediente do servigo de S.
M. Pidclissnia.
Ditoi--Ao desembargador juz relator ila junta de
juslga, transmiltindo o processo do reo Jos da Cos-
ta Gomes.
DitoAo inspector da thesouraria das rendas
4>roviiiciacs, ordenando que faga ndiantar o sold de
maio ejunho ao destacamento policial do Bonito, e
o de oitenta das s seto pragas que vilo destacar pa-
ra Garanhiis.--Parlicipou-seao comuiandanlo geral
interino do corpo de polica
DitoAo inspector interino do arsenal ilo inari-
nlia, aiilnrisando-o a remeltor para bordo da corveta
a /?t/ferp/t.i Joaqun) Lopes Marcellino que se declarou
desertor da mesma corveta.
Ditos-A'cmara municipal desta cidade, orde-
nando que, em exccugilo do quo resolveu a assem-
bla provincial, pruceda nos termos da lei n. 129 a-
cerca do terreno de Joaquim Claudio Monteiro des-
tinado para passcio publico na ra da Aurora, e a
respeito do que se acba reservado para praga pu-
blica no baiiro de Santo-Amaro, o pertence a Mi-
guel Archanjo Fernandes c ma.s herdeiros de Ma-
nuel Lu/ da Veiga.
DitoAo administrador das obras publicas, deter-
minando raga suspender obra da cadeia la villa do
Brejo, c mande organisar a planta e orgamento do
2." andar queso tem de fazer na mesma cadeia em
consequencia do disnosto no artigo I.*, titulo 2.,
da lei provincial n. 192, de 12 do crrenle.
PortaraCreando maisdous olllcaes, cum con-
tinuo para a secretara da provincia ; resol vendo
que um lestes ollicaes sirva no gabinete da-presi-
dencia ; e declarando que ests tres empregados de-
vem de perceberos vencimentos que Ibes marcou o
?i 1.* do urligo 3. da lei provincial n. 192, que per-
niillio a sua creagao.
DitaOrdenando que ao bachure! Jos Antonio de
Figueireilo'se passe nomeaglo de ollcial da secreta-
ria da provincia, para servir no gabinete la presi-
dencia.I'ara o outro lugar de ollicial Coi nomeado
o escriplurario Manoel Jos de Souza Luna, pora
subslilui a este no emprego que vagou pela sua
nova nomeagflo, mando-se passar titulo ao cldadBo
Manoel Joaquim l'creira Lobo; o para o lugar de
Continuo, nomeou-se a Germano Antonio Alves: o
quo ludo se parliripou ao inspector da thesouraria
das rendas provincaes.
Dita-Determinando que ao doutor Pedro de A-
thayd Lobo Moscoso so passe nomeaglo- para se-
gundo medico do hospital de caridade.Coinmun-
cou-seao commandante das armas, adminslra-
gtlo dos estabelecimentos de carijade o ao nomeado
DitaAo commandante do brgue-escuna l'ideli-
i'.adt, ordenando que transporte para as a I aguas o
eapilflo lo 1." batallifio de cagodores Cuilhermino
Jos da Silva, o respectivo quartel-mcslrc Americo
Fernando da Cunta, e o cirurgiflo ajudanlc do"mes-
mo bata 11)3 o Manoel Adriano da Silva Poules.I'arti-
(!inou-se o commandante das armas.
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAMBUCO.
Litbaa, 10 fe feoereiro de 1847.
Tem circulado o rumor de modiflcagio ministe-
rial, oqueentrava para o mjnisterio da fazemla o
conde do Toja!. Dizia-soqu este flnanceiro altri-
huia ao actual ministro da fiierra e da fazenda a
crise monetaria em que nos adiamos, pela juncgfo
da compatihia-Confianga-ao banco de Lisboa, fa-
zendo a este a concessOo do emillir papel-mneda
com curso forgado, o queso deva ser permittido ao
governo. Parece que se toem posto em prat.ica gran-
des intrigas para supplantar o dito miniJtro da fa-
zenda, Souza Azevedo; porm por emquanlo julga-
e quo esta personagem poltica e financeira anda
permanecer no poder. Assegura-se que o conde do
Tojal leclarara que s entrara no ministerio com o
conde de Tomar : isto por ora nDo pode ter lugar,
mas l se chegar.
Ilojc quaesquer circunstancias d:lo lugar arts boa-
tos mais extravagantes. Ha dios, tendo chegado a
alfandega, vindo de Inglaterra, um caixilodo papel
para notas, com as competentes lettras transparentes
&., causn issoa maiorsensagno nos cambistas, e
fez no primeiro momento augmentar o descont das
notas. Nlo dziam senilo o seguiule :- Ja de In-
glaterra nlo voein soberanos nem palacas, agora s
nos enviam papelada.
O atraso dos pagamentos aos empregados pbli-
cos he consideravel, porque lodo o ilinheiroque o
governo pode apurar, va para o exercilo. Pagou-se
o mez de outubro, e deve-se novembro, dezembro
e Janeiro: nilo ha quem os queira rebater, porque
so sabe a falta de recursos o porque se receia um
novo salto nos pagamentos. Semelhante atraso tem
levado os empregados ao maior apuro; o a maior
parte dellcs tem vendido tal vez at o necessano, pa-
ra dar do comer s suas familias. Apezar de nilo se
Ihes pagar regularmente, silo obrigados, com pe-
quenas folgas, a aprpsentarem-sodearma ao hom-
bro as guardas ou destacamentos, sob pena de sus-
pensflo, ou perda de vencimentos. .
Tem-se publicado no Mario a rolagSo dos devedo-
res ao estixlo. por dividas dos extinclds conventos,
e tem-se mandado activara cobranga destasdividas,
que parece montam a 200 contps de res. A maior
parte destas dividas data do sceulo passado; min-
ios dos devedores j nilo existem ; c ha poucas es-
perangas de obter o pagamento dos se"sJu.$-e'n,x
LiMiMW *- -'"" 'Brrora-se, qnem .>.. .
Pubcou-se ltimamente urna portara do minis-
terio da fazenda ao director da casa da inoeda, para
quodepos deso ter cunhado uns 60 contos de ris
que all existem de prata (nlo so declara se he do es-
tado, ou particular) proceda com a maior actividade
a cunhar moedas de 20 ris de robre, cujo padifio ro
approvado. Vamos, pois, a ter mais urna nova inoe-
da de colire. Al agora s linhanins3 ris, 5 res,
10 ris o 40 ris; porm de futuro leremos tambem
20 ris; o que nlo deixa de ser vantajoso, porque
as nossas moedas do 40 ris silo bastante inconio-
grandeemprestmo em Hespanha ou em Inglaterra ;
e cssa noticia tem sillo bstanlo para que o agio das
notas tenha diminuido consideravelmnnte ; pois de
1,600 ris a quo chegaram, tem haixado a 1,200 res,
que ho hoja o que se perde em 4,800 ris ; e talvez
anda desgam mais, lonoquese rease o emprcsti-
mo, e eomeco a circular mais algum metlico ; ou
seos aeonleciments polticos forem tomando o as-
pecto de annuncarem o prximo reslabelccimento
da paz.
Assegura-se que o major Cabrcira, quecomman-
dava o bilalhilo 8 do capadores poroccasiilt) da ro-
aeglodanoiledefi de outubro, e quo nilo quiz hos-
tilsar este movimenln, conservando-se at*c agora
dosmnpregado. ofTeroceu os seus servigos ao gover-
no, evai partir para o quartel-general de Saldanha,
encarregadodo lo'))ar o commando a regiment n.
15, dadivsiodoconde do Casal. Diz-se que dera
como causa desta sua deliberagoa liga feta entro
os setcmliristas o miguelstas. Tambem se diz
que, com o mesmo motivo, se anresentara no quar-
tel-general do duque do Saldanha o Sr. Micario de
Castro, rico propietario de Lamogo, o que loi pro-
sidenlodo congressoconstituinte em 1838, tenilo-se
conservado desde entilo em sua casa, sem tomar
parte nos aeonleciments polticos.
Partiram da alfandega do Lisboa dous veri leaito-
res para a de Vianna.n que parece provar a lalsida.ie
da derrota do conde lo Casal, quellio annuneici na
ininha ultima ; muito mais quamlo agora se dizque
o dito general, tendn deixado Vianna guarnecida,
marchara de novo sobre Braga. .
Consta que o ha rilo do Almargem, tendo saludo
do Porlo com urna torga de 2 a 3 mil homeus, reco-
Ihra aquella cidade com-um combo do 100 car-
ros carregados de coreaos, palhas o outros gneros
Diz-se que o Porto tem vveres para tres mezes.
De Lisboa tem partido reforgos para o exercilo de
Saldanha. ltimamente marchnu nm regiment pro-
visorio o o batalhio do capadores n. 6. KSWS dous
corpos silo formados, pela sua maior parle, dos pri-
sioneros de Torres-Vedras. Marcharan) tanibom con-
lingeiites.los 1." e 2 batalhoesnaconacs. Lsla tor-
ga qumontar a 1,000 pragas, va guarnecer Coim-
bra, e a brigada do general Mesquita que all se
acha, marchar a rcunir-se ao exercilo de opera-
gOes do duque de Saldanha. Parece que a marcha
destas frgas tem feilo augmentar o servigo dos cor-
pos nacionaes na capital, os quaes parece que so
folgam um da.
El-rei I). Fernando, acompanhailn d so .Jr.os,
paMn .crfsia as lionas quo marcliaram. Alem dis-
to visita todos os das os epositos do recrutas, para
activara sua inslruccilo ; os hosptaes e o ministe-
rio da guerra, para se nteirar dos negocios porten-
centes ao exercilo
S. M. a rainlia contina tambem a enviar donati-
vos de camisas e outros objectos para os lenles e
ferdos quoseacham nos hospilacs militares.
' Vola-sea maioraniniosdado entre os partidarios
d'i ministerio c os seus adversarios Familias que vi-
viam na melbor harmona, estilo divididas por causa
da poltica. ,\os pasaeose sociedades forman) circu
los a parle, o nilo poupam uns aos outros os epilhe-
tos mus injuriosos. Os mnsleriaes lesgnam os
l'iunta lo Porto acaba de commetter o g#anle er- parti.laros da revolla com o optheto de ulm-bur-
rr^ile n^an.biu r im ca imb particular as notas risla, formado dosanligos temosHtakWl e burro,
role manual poi um wn uuu P">" ,.,. ,,.,, ,,,,,.ram dosnztiailos os nrosressistas e os mi-
le
uc all haviam no banco filial de Lisboa. O governo
oo Lisboa, apenas soube listo, deu ordem para que
taes notas nlo fossem recebidas em parto alguma ;
por conseguinte a sua crciilagilo pde-se julgar cir-
cnmscrpta ao Porto e seus arredores. Ora, os ha-
bitantes lo Porto, quo sabem quo as tropas lo ma-
rechal Saldanha, mus cedo ou mais larde, hilo de
entrar naquella cidade, tratarlo forgosamente de
se livrar las referidas notas; o por isso consta ja
que o sen agio tem chegado a 50 por cento.
Segundo O novo regulamento do banco do Portu-
gal, as nolas,pagaveis a vista, de prata scrlo de 20 o
50 mil res ; e as de cobro de 10 e do 25 mil ris ; -
prescinde-sedas notas de 4,800 ris. Conlou-se de
antemlo com a repugnancia do povo em receber
ese papel-mocda ; e por isso-tratou-se de restringir
a recepgilo classe commercial, para facilitar as
suas transaeges, nlo sendo obrigados os negocian-
tes, quandolnnliam a fazer grandes pagamentos, a
andar com gallegos, carregados de saceos de prata
e cobre, como aconteca amigamente.
Tambem pelo dilo regulamento se determina que
se declare a classe de moeda dos depsitos, para
nuc as restituigOes sejam feitas na mesma moeda.
Isto ho urna garanta para os depositantes, e para o
futuro nilo acontecer o que acontecen aoxlirector
do circo de Madrid, Paul Laribeau, que antes de
partir para o Porto, depositou no banco do Lisboa
4 contos de ris, em bons pintos, e quamlo voltou,
e quiz receber o seudinheirn, pagaram-lhe em no-
tas, as quaes j se perda uns 400 ris em cada urna
de 4,800 res; o que exctou o despeilo do dito La-
ribeau.que blasphemava contra tal procedmento; e
agora, que dcsbaralou a sua compendia equcslre,
e parti para Despalilla, por certo que nilo ira la
fazer mulos elogios a boa f dos Srs. do banco de
Lisboa.
dem, II deferereiro.
Apparcceu ltimamente no Diario urna proposta
apresentada ao governo pela direcgo do banco de
Portugal, parase conlrahir um cmprestino de mil
contos em metal, forado paiz, afim do diminuir o
agio das notas. J ha das se cspalhou quo um rico
banqueiro hespanhol, chamado 1). Jos Salamanca,
fuera ao governo portuguez propostas de empresti-
mo ; porem as suas condeges eram inadmissiveis,
pois quera nada menos que todos os rendmentos
das nossas possessoes ultramarinas para seu reem-
bolso. Entretanto assegura-so que se verificara um
com que eram designados os progresistas e os mi-
juelistas. Quando lermiuartlo estas nialfadadas dis-
senses! i
Por decreto do primeiro de fevereiro declarou o
governo, que a quanlia de 5:000 contos de ris, som-
nia das notas do banco lo Lisboa, em circulaglo, he
garantnla pelo estado, c reconhecida como divida
sua propria. Estas olas deverilo ser selladas na jun-
ta lo crdito publico at o da 30 de abril, e desde
essedia mo serao recebidas as repartigOes publi-
cas, sem o compelentc sello, nem nngucm sera obri-
gado ii recebe-las como moeda crtenlo. O banco de
Portugal receber as notas do banco de Lisboa que
Ihe forem entregues, o dar por ellas immedata-
mento ou tras ja selladas.
Antonio Brrelo Fcrraz de Vasconcellos, conec-
Ihero do supremo tribunal dejustiga, foi nomeado
gvernador civil de Aveiro. Esta nonicarto faz sin-
gular contrasta com as do Antonio Emilio Brandan,
para Coimbra ; Manoel Mara do Albergara Couli-
nho, para Kvora, Brrelo Fcrraz con;cgou a sua ge-
rencia administrativa por palavras de paz e de conci-
liaglo; manifestou que iletcstava os excessose vio-
lencias ; queera tolerante para todas as opinies, e
s queria castigo para os criminosos.
Consta que o coronel Lapa, hojebarilo de Villa-No-
va-de-Otirem, parti loquartel-goneral le Saldanha,
para se reunir com alguma frga divisilo do conde
le Vinbaes, c operar em Tias-os-Monles.Que o co-
ronel Sola (barflo dos Francos) parti da Guarda,
frente de urna brigada.em persoguigao dasguerrilhas
do commando do general Povoas.
Diz-s; que o visconde de Setubal vai percorrer o
Aleintejo, para o pacificar; entretanto ha 20lias que
nada se sabe le positivo desta provincia. No distrcto
de Lisboa lo sul do Tejo goza-so desocego.
Todas as tentalivas dos revoltosos para revolucio-
narcm as demais Ibas dos Agotes se teem mallogrado.
A junta de San-Miguel enviou proposta ao Fayal, que
fornm rejeitadas, o o coronel Jos Joaquim Gomes
Fontoura, que servia de gvernador mililardo Fayal,
o manifestou desejos de permanecer neutral, foi exo-
nerado pordecisilo do general Zeferino, gvernador
militar dos Agores.
O governo determinou que os recebedores das d-
cimas c impostos receban) as olas do banco de Lis
boa, no pagamento dos ditos impostos, quando estes
prefagam a importancia das notas apresenladas; o
quando osconlrbuintes declararem que cedem a fa-
vor do estado doexcesso queliaja da importancial
dos impostos ao valor da nota. Os recobedores n8o
queriain at agora aceitar estes pagamentos; por-
que,nilo ehegaiiilo a inporlaucia dos trbulos a 1200,
2,400, ou ou 4,800 ris, o pagamento se fazia todo,
ou parte em metal; reunido este em grandes por-
ges, iam comprar as notas, e o lucro mettiam-no os
Srs. recebedores n'algibera.
Tem-se fallado muito da convengilo feila entre os
mguelstasoos selembristas ; porm lopois de mul-
tas divagages eonheceu-se que era impossivol rjpe-
rar a fusilo de dous partidos quo defendom prirrei-
nos tilo oppostos; e que se nlu fosse o contacto em
Itieosmembros de um o nulro bando teem oslado
as lucias eleitoraes contra os Cabraes, o sobretudo
na ultima revolugao do Minho, porcerto que nU'Uoa
se chegaria a accordar nem sequr na menor transac-
glo. O partido miguelista cooperou exlraordinaria-
mentepara olrumphoda revolugao do Minti; eos
caracteres mais respeitaveis desse partido, como os
Povoas, os Azenhas,os Guedos o outros, estilo unidos
junta do Porlo. Ilouve, ponMn, urna fracgilo delle,
que, depois do Iriuiuplio da revoliicilo do Minho, jul-
gou chegada a hora da volla do exilado de Uwna a
Portugal. Dessa fraegilo formaram par le O visconde
da Vanea, O ailVOgado Francisco Jeronymo la Silva,
do Porto) o padre Casimiro (le Veira) e oulros.
Conslituo-se urna junta em Cui maraes; echamou-
se Portugal o ofiical general escocez Reinaldo
Macdouall, qiiecoinmaii'lou o exercilo le 1). Mig4iel
em 1833, o quo leu pravas de intelligenca militar na
sua retirada de Lisboa para Saitlarem. Este ptide
reunir alguna soldados dos amnistiados de Evora-
monte, os quaes, unidos a oulros.formur.nn um cor-
po le 2,000 e tantos bomens, com quo o dito Macdo-
uall tomou posse de Braga, e donde ltimamente fot
arrojado pelo conde do Casal, o que porcerto ile-
monstra que o Macdouall de hoje, nilo he o mosino
Macdouall le 1833; pois quo, tendo estado um mez
em Braga, cidade eminentemente mguelsla, nilo se
i'oriicou tfio'bem, quenfiodeiusse urna ra aheria
para poder all penelrar a cavallaria do conde do _
Casal.
Entretanto, para trazer a seu partido essa frga, o
com algumas guerrilhas mais que se Ido fossem rcu-
nindo, lie que a junta do Porto tem estado em no-
gociagoes com a junta miguelista consliluida em
CuimarSes; porem oque al agora se tem feilo, he
quasi menos que nada.
I'.is-aqu oque se sabe, por assm lizer ollicial-
mente, a osse respeito. No da 8 de Janeiro partiram
-lo Poilu para (>uimari1w o marechal do campo Anto-
nio Joaquim Guedes de Olveira e Silva, eobacharel
Joao de l.enios Seixas Castelro Branco, encarregados
da proposta da junta, I que ninguem deixar de
reconliecer demasiaiio ambigua.
A junta realista responden a esta proposta com as
seguiules coudiges. (2
Ve-seque, nem na proposta da junta do Porto,
nem as coudiges da junta realista, se diz urna pa-
la vra sobre a questo lyuaslca. Parece que esto as-
sumpto licou adiado, eque si> se Iratou em ennver-
sages. Diz-se que a junta do porto, ou alguna dos
seus Miembros, enunciara a idea de ofierecer a cora
ao ilho do inarquez del.oul, com o nome do Pe-
dro V; da sua parte a junta realista nio desiste da
querer D. Migue!, c na sua falta opta pela casa de
duque de Cadaval, ramo immediato casa de Brao
ganga, preferindo-u aos descendentes da infant-
il. Anua, com o fundamento de que ella perdeti osla
categora, quando casou com o inarquez do Loul.
Seja por este motivo, ou porque a junta do Porto
julgou iuadmissiveis as COfidicea da junta realista,
parece certo quo nada se concluid at agora dcdeO-
nitivo. Segundo uns a junta do Porlo rejeitou n tt-
mine as ditas condiges; oulros dizem que as admt-
ttra com algumas modtlicagOes. Por ora nada so sa-
be de positivo senilo quo os dous partidos lucraran)
apenas a vantagem.com estas transaeges, do tifise
guerrearen) um ao outro, como acontecen na Regoa
a divisilo do visconde de Sa, que leve que combater
com as guerrilhas miguelistas. depois do vir perse-
guida pelas tropas do, entilo, liaran de Casal.
Espalhou-soaqu uina.nolicia, o depois foi publi-
cada olliciulmonto no Diario, que, a realsar-se, d
um golpe profundo no partido miguelista; e p
anda em maioros apuros a situagilo dos revoltosos
do Porto. He esta a moi le do general Macdouall.
Parece que este chefe, depois de expulso do Braga,
maginou passar a Tras-os-Monlcs, essa Vende por-
lugueza, nfio s para ver se revolucionava aquella
provincia, mas tambem para dola tirar gente ero-
cursos. Para isso lirigio-se a Villa-Real, capital la
provincia, com una pequea frga, o Icnlou lorlili-
car-sealli; porCm, perseguido deporto pelo couue
do Vinbaes, abandonou aquelle ponto, dinginuo-se
para Chaves; o sendo alcangado no caminlio pelas
tropas do dito conde de Vinliaes, foi desbaratado o
morlo. Eis-aqni o ollicio quo o Diario publica a esso
Govenut civil de Ma-Real.- Illm. c Exm. Sr. -
Tenho a honra e satisfagan de levar ao conhec.mento
de V. Ex., que no momento e.n que eslava para mar-
char o expresso, portador deste, com os olllc.os ad-
junclos, recebi exlraollicialinente, nas por va se-
gura, a importante noticia dehaver sido alcangado
e morlo pela columna do commando do valeole e
benemrito general conde de Vinliaes, as proximi-
dades deba brozo-de-Aguiar, no da dedontem, os
intitulados general Macdouall, e o coronel do realis-
tas de Baifio, quo se diz ser o genro do visconde do
Beire. Este intitulado general tentou incutir valor
nos 100 homens que o segiam para esperar aquella
columna, e reconhcccr a frga de que ella se compu-
HI
ti) Vide Dtorio n." 50 de 3 de margo deste anno.
(2) Vide Ciorio cima referido.
ILEGIVEL



pp

m
<:
nha; todava sonrio seus esforgos baldados, porque
ninguem se offeroceu para o acornpanhnr, sen.lo
apenas cinco do scu estado-maior, com estos vollon
retafriuirtlii. sendo entilo alcangado, n entilado
pela cavallaria, as-im como o referiJo i n l i L >i l;i < I o
coronel, os quaes morreram cobardemente. A iden-
tiilade da pessoa de Macdonall Coi reconliec diversas pessoas, e desla circumslancia se lavron
actojudicial, que se remetteu ao lito benemrito
conde de Virilimw.
Daos guarde a V. Ex. Villa-Re il, 31 de Janeiro
O cnncelbeiro governador civil, Jote Cabial Teixeira
tU Muran, u
Do conledo desle oTIcio v-.se que Macdonall
nito suecumbio em cmbale, equo a sua niorle fui
elTeitoda lemaridadc. Ha quem diga que nflo acon-
teceu como dzo ollcio : refere-se que, tondo man-
dado debaodar a sua gente, se acoular n'uma casa,
e sendo descoberlo, ra morto por alguns soldados
de cavallaria.
Sendoccrta, como parece, a morte de Macdonall, fi-
cam em maiores embaragos o partido realista c a
junta do Porto. O partido realista, porque natural-
mente a genlequeaquelle general havin reunido, de-
bandou toda rocolhendo-se a suas casas, o com difll-
culdade se achara outro chafe de prestigio que a cha-
me outra vez a campo; a junta do Porto, porque, de-
semharagadas as frgas do conde de Vinhaes daquolle
obstculo, podem fazora sua juncgflo com as do con-
de do Casal, c operar contra o Porto, em com bina -
cito com as de Saldanha, sem ter muito quem as in-
comode. He por isso queso assegura aqu, que em
breve o duque de Saldanha atacar o Porto; e parece
quo.o lenta fazer por trra e por mar, porque o go-
verno de Lisboa armou em guerra o vapor Porto, da
companhia da cidade desle nome, que se achava no
Tejo, e o mandou sabir i>ara as agoas do Douro. Di-
zemquose espera de Inglaterra um outro vapor de
guerra, comprado pelo governo purtuguez, o que se-
ra empregado no mesmo servido.
Nodia2do correnle, su ni rain a barra do Tejo, a
bordo do brigue de guerra portuguez Auda, o conde
de Boinfim, D. Fernando de Souza Botelho, o gene-
ral Celestino, o mais 40 olllciaes dos aprisionados em
Torrcs-Vedras. Foram inuteis todas as tentativas
que se fizeram para rovogar o desterro destes prisio-
neiros. Diz-se que vilo desterrados para Angola, po-
rm custa acreditar islo; porquo nem mesmo no
tempo de F. Miguel se mandou gente degradada pa-
ra a costa d'Afi ica, sem um processo c urna se'nlenca;
e alm disso, era um terrivel precedente para o futu-
ro. Oralmente se acredita que vilo para o ilheo da
ilhada Madeira, onde ja estiveram desterrados al-
guns implicados polticos, poroccasiflo da revolta de
Torres-Nova, no tempo dos Cabraes-
Assegura-sequeo marque* do Fayal, filho do du-
que de Palmella, enviara aos desterrados um pre-
sente no valor de 15 contos de rcis Este piesente
conslava de t,200 pecas em ouro, capoles, barretes,
camisas, sapatos, botas eoutros objectos de vestua-
rio, comesliveis ile todo o genero; e alm disto lel-
tras cndossa'das pelo marquez, para poderem saccar
dinheiro logo quechegassem a Angola, ou a Madei-
ra.
Iliz-se que a esposa de D. Fernando de Souza Bo-
telhoseacha em perigos de vida, em consequencia
do desgoslo que Ihecousou o desterro de sen mari-
do.
0 titulo concedido ao brigadeiro Lefio he o do ba-
rdo de Almoralla, e ao coronel Barreros o de barflo
da Senhora-da-l.uz.
Segundo urna participaeflo do governador civil de
Santarm, foi destruida, com peda de 12 morios,
urna guerrilba que se apresenlou em Thomiir.
Corre lia das que o general Povoas, a frente de al-
giiinas frgas populares, lizera um movimenlo sobre
Castollo-Branco, para passar ao Aleintejo; masque,
chegando a Cea, se achara cercado por todos os la-
dos, e a ser destrocado, o talvez morto como Macdo-
nall. Entretanto anda mo se publicou cousa alguina
ollicial a esse respailo.
As noticias do Porto dizem, que a tropa se acha a-
quarlelada pelas casas, oque causa bastante vexa-
me aos habitantes. Que a cidade se acha fortificada
com duas Indias, c que os chefes estilo decididos a
defender-se ate ultima. Da tropa de linha diz-
se que na priineiraoccasifloopporUina.se passa para
o Saldanha Militas familias se tceni retirado da cida-
de, teniendo o cerco e os seus horrores. A junta em-
bargou todos os cereaes, e parece que mandou ar-
rombar algunsarmazens de deposito, porque os do-
uos recusaram entregar-Ibes as chaves. Dizem que
se tem apoderado de todos osrendimenlos, e falla-se
de um emprcslimo forjado Parece qiieexistem des-
intelligeucias entre o conde das Aulas e varios
membros da junta, por causa dos aconlecimentos de
Torres-Vedras. Diz-se quo contina a desergflo da
tropa de linha que existe no Porto, a qual so vai a-
presentar ao ronde do Casal queja formuu um regi-
ment de apresentados. Os acadmicos percorrem as
ras, e parece quo fazem alguns disturbios. Assegu-
ra-se que procura rain o Barbtiro doi Pobres, para Ihe
chegarem a roupa ao couro, porm nflo o encontra-
ran! por ter fgido-
No meiado do mez passado, abrio-se o nosso theatro
de San-Carlos. A companhia, he mais que.mediocre,
e tem assassinado os Dois Tdtcari e o Hernani, muito
a seu sabor Dizem que o emprezario parti para
Despalilla e Franca a escripturar algumas primeiras
partes, dcxando-iios agora cntretidos com as segun-
das. Se ufl fosse urna boa copia de hailtfnuos, eo
engranadocorpo de baile quo all sempre ha, de corlo
que a concurrencia [ que tem sida diminuta pelos a-
contecimentos polticos, ea falta de pintos; anda
seria muito menor
SS. MM. anda nlo apareccram naquellc theatro,
nflo obstante irem all diariamente em pocas de so-
cego. Parece que boje (anniversario da restaurado
da corte em 1842 sera a primeira vez que all cum-
pa recam.
O theatro de D. Mara II vai arrastrando a sua pe-
nosa existencia. Desde o principio dos acontec me-
los polticos, a concurrencia diminuio all conside-
ravelmonleje a abertura de San-Carlos veio por re-
mate sua decadencia. Apezardos esforgos dos ar-
tistas, se nlo fosse o subsidio que Ihe d o governo,
ha muito que eslava fechado.
Em Hespanha huiive mudanca de ministerio.
Os novos ministros sao: presidente do concelho,
e ministro dos negocios eslrangeiros, o duque de
houto-Mayor; ministr do graca e juslica, o Sr. Bra-
vo Mundo, da Tazenda, o Sr. Santillan; da guerra, o
mJ?'?Jo"noL Sr' Seixas l-OMno; do com-
da Sil T T.g0re?; 'la ra". Sr. Bol-
do no^m hB mele.perJlenc6 ao ParUl, modera-
oeoPL nerCmp08l de,ull,da,le8' comecando
pelo seu chefe, que.era ltimamente embaixador
em landres, o que parece fazer acreditar que a mu-
danca do gabinete hespanhol tem porobjeclo fa,.er
a corte a Inglaterra. O duque de Souto-Mayor tem II-
gurado na scena poltica da Hespanha, porm nao
tem influencia, assim como nenhum dos sous colle-
jas; e por isso llovido muito queso smtanto no po-
der, se nflo der occaslflo a urna revolta; porque os
llespanhcs s estilo quietos com um arvaez, ou
i.m Gonzlez Bravo, quo os manda fusilar sem pic-
dade. 0 celebre corifeo progressis'a, D. Manoel Cor-
tina, que eslava emigrado cin Inglaterra, vollon a
Madrid, e tomn assonto no parlamento, por ter sido
eleito deputado
Km Franca c nn. iFigilrra n*.~rdm-se en-
maras as pocas do costme Tcm-se notado que
nem no discurso do rei dos Francezes, nem no da rai-
nha do Inglaterra, se faz a menor allusflo aos acon-
lecimentos de Portugal. Mu i los quorem ver nislo
um signal de desprezo dessas duas grandes nacoes
paracomnosco; outros julgam esta nmissflo volun-
taria,causada por urna prudente reserva dos dous
perspicazes gabinetes. Parece-me que estes pensam
com mais acert. O parlamento inglez e as cmaras
francazas occupam-.se com a grande queslfio do ca-
samento do duque deMonlpensior com a infanta de
Hespanha, e com a aggregacflo de Cracovia ao impe-
rio da Austria
Nos demas pazas da Europa nada lem occorrdo
ile notavel.
dem, 12 de fevereifo.
0 Diario tem continuado a publicar olcios do go-
vernador civil de Villa-Real, e boletins da mesma
autordade,relativos derrota e morte do general
miguelista Macdonall. He a repeticHo do mesmo que
j deixo dito.
Porohlcodoquartel-general do barHo da Ponte-
da-flarca, Jeronymo Pereira de Vasconcellos, consta
que a 21 do passado se apresenlra no concelho de
Arouca urna fdrea rebeldecommandada por Antonio
Francisco Pinheiro de Castro, viuda do Porto, como
(im de levar os dlnheiros pblicos, e armar o povo;
porm este ropellio os rebeldes, desarmando 26, e
perseguindo o resto.
A suspensa"*) das garantas foi prorogada por mais
um mez, isto he, at 7 de margo.
0 governo delerminou ao concelhoro administra-
dor do Ferreiro Publico que informe com urgencia
sobre a quantidade do trigo estraugniro que he ne-
cessarioadmillir na capital, visto a caresta que ha
deste genero, e custar cada alqueiro 850rs.
A assembla geral do banco de Portugal approvou
a proposta da direcgflo do mesmo banco para o em-
prcslimo de 1,000 contos, alim de diminuir o agio
das notas. Entretanto as notas anda nlo baixaram
de 1,200 rs.
Cofreram boje noticias pouco favoraveisao gover-
no de Lisboa. Assegura-se que o chafo revoltoso
Neulel, a fenlo de 60 cavallose 60 infantes, sorpren-
der e aprisionara, em Alcacer-do-Sal, a columna
volante do majorllharco. Parece que esto e os do-
mis oficiaes da columna se achavam jogarido n'uma
casa, e a tropa rccolhida era outra. Sorprendido
o piquete, foram capturados os oficiaes e soldados
com pouca e nenhuma resistencia, e conduzidos pa-
ra Evora. Esta va rita geni he de pouca monta para os
revoltosos, comludo sempre incommoda a gente
da situacflo.
Diz-se que um caldque da alfandega que se acha-
va em Pacos-d'Arcos, recebra a seu bordo uns60
emigrados, e fugra com elles para o Porto.
Corre o rumor de quo o brigue Auda: que condu-
za o conde de Bomlim e outros desterrados, fra
aprezado pouca distancia das nossas costas pelos
vapores, que a junta do Porto tem s suas ordena
Esta noticia nflo s carece de fundamento msate
esta em contradicQflo com outra recebida do Porto,
pela qual consta que os ditos vapores esta va mrece-
bemlo tropa a seu bordo,ignorando-se o seu destino.
Por passageiros chegados ltimamente do Viauna,
e que leen eatado na Poi to.consla que aquella cida-
"u se acha forlilicada corn tres hullas,que leeni aldn
Poslos fra da cidade todos os individuos que po-
dalo inspirar suspcitasde fomenlarem un a revolu-
flo contra a junta,que tem recolhidoaoPorto mui-
la gente de toda a provincia do Minho, c queem
todos os largos daquella cidade nao se v senflo ins-
truir recrutas. Que a Torca, total quo all se acha
montara a mais de 15 mil bomcus,'em urna carta pu-
blicada no Diario do Corrno,dilo-se como existentes
all uns 8,000 honieos, sendo 4,000 de linha) que o
conde das Antas ha va passado revista a todas estas
frcas; parte das qtiaes ia sabir do Porto om duas
divi&cs, para operar as provincias.
O vapor Porto que daqui sabio para as agoas do
Porto, conduz para Valenca 1,400 espingardas, e
40,000 carlusos. Valcmja lie aguarida do cunde do
Casal; pois all se vai acodar quando he perseguido
por qualquer I ore, a que salie do Porto. '
i barril corveja, 20 caixas linhas de algodRo, 1
djta ferragem, 1 dita dita e ohjactns de selleiro, 34
ditas fazendas dealgodiTn, 2 fardos ditas do linho, 1
cmrulhoamostras; a G. Knnworthy & C.
6 fardos fazendas do algodlo, 11 caixas ditas da
"lito; a J. Jeronymo Monteiro.
8 toneladas de ferro em barra, 1 dita de dito em
chapa, 1 barrica forragons; a B aBrandisccC.
42 fardos fazendas de algodlo, 4 caixas ditas de
uto, 2 ditssditas dellnho, { fardo longos de dito;a
Latham & Hibhert.
5 caixas fazendas de algodlo, 7 fardos ditas de
dito ; a J. Slwart
25 gigos tonca, 50 meios ditos dita, 31 fardos fa-
zendas de algodlo, 3 caixas ditas do linho, 2 ditas
lmeos de seda, 1 barril mantcga, 1 caixa quinqui-
lliara, 1 embrulho amostras, 52 caixas fazendas de
algodlo, 1 dita cha, 50 pegas machinismo, 10 taixas
do ferro ; a Me. Calmont & C.
4 fardos fazendas de linho,' 27 ditos ditas de algo-
llo, 13 caixas lengos, 5 fardos chales, 5 caixas fazen-
das de linho, 15 barricas ferragens I caixa ditas,
V ditas objectos da snllero, editas.fazendas de al-
godlo, 500caxas sahlo; a J. Pater & C.
15 caixas r.i/ernlas de algodlo, 10 fardos ditas de
dito; a I). Youlo&C.
110 caixas folhas de Flandres; a Rolhe& Bidou-
ack.
4 caixas fazendas de algodlo, 5 fardos ditas de di-
to, 2caixas meias dealgodflo j a Fox Brothers.
1 caixiuha livros; a M. S. Masn.
1 fardo fazendas dealgodao.1 embrulho; a C. Cha-
duich.
19 caixas fazondas de algodlo, 5 fardos ditas de
dito; a II. Cibson.
1 caixa 1 telescopio, l dita 1,000 soberanos; a Le
Bretn Schramm &%
20 caixas fazendas de algodSo, 6 fardos ditas de
dito; aj. Ryder&C.
22 fardos fazendas de algodlo,14 caixas ditas de di-
to, 2 fardos fazendas de algodlo e 13a, 4 ditos ditas
de linho, 2 embrulhos amostras ; a J. Patn & X'..
2 volumos utensilios; a companhia de Beberihe.
4 caixas fazendas de 13a, 24 ditas ditas de algodSo,
5 fardos ditas de dito, 1 caixa I pega de panno, 7
ditas fazendas de linho; a i. Crabtree & (.'.
7 caixas ogo'ardenle; a Stores.
I fardo e um embrulho aderegos; a Comher.
1 dito meias esetiin, 3barricas, 3 caixas e 1 barril
medicamentos; aV Bravo & Companhia.
9 fardos fazendas d'lgodiln ; a F. Robilliard.
38 caixas ditas do dito, t fardo pellos; a R. Braga
6 Companhia.
4 barricas ferragens, 21 ditas enxadas; a Cox..
32 caixas fazenda d'algopfio, 15 ditas iengns de di-
to, 9 fardos fazondas de dito, 3 ditos ditas de dito e
seda, 2 ditos ditas de 13a, 1 embrulho amostras; a R.
MellorsA Companhia.
28caixasfazendasd'algod3o,6 fardos ditas de dito,
15 caixas linhas dedilo, 3 fardos fazendas de linho,
1 dito ditas de 13a, 3 ditos pannos, 1 caixa fazendas
de 13a, 1 dita lencos de seda, 1 embrulho amostras,
2 caixas ignora-so; a A. Howie & Companhia.
1 caixa fazendas d'algodiio; a_R. Jamisson & Com-
panhia.
20 presuntos, 2caixas conservas, 1 dita mostarda,
3 barra fruclas, 2 caixas biscouto, 4 jarros cormibo;
a Fon les.
?0 presuntos, 71 queijos, 1 barril manleiga, 2 jar-
ros dita, 1 barrica louga ; a Araujo.
1 caixa com uinsellim;a J. J. Gomes.
2 chicotes, 2 chapeos, 1 barrica louga; a J. G,
Taylor.
1 barril raantega; a G. J. do Reg.
1 barrica cerveja, 1 caixa amostras; a R. Royle.
I caixa vidros ; a Lazary.
1 volume conservas; a W. Gravly.
J embrulhos, 1 mago uociin.viu, 11,
ta; a"M. Saindcrs.
28 barricas medicamentos; a l)r. May.
1 caixa com 3:091 patacOes ; a H. M.
para isto autorisado polo governo imperial, manda
fazer publico quo far o contrato de compra com
aquellos Srs. que d'alli queiraro rometto-la. ou man-
da-la vir; devendo apresentar suas prospostns no
prazo de 1 dias contados de hoje para ser effec-
tuadocomo quo se comprometa a vendo-la do boa
qualidade e mais cm conta. -- Secretaria di napec-
g3o do arsenal de marinha de Pernambuco 15 do
abril de 1847.--0 secretario. Alexandre Rodrigues
An? AninK.

leudo apparecido algumas proposlas igua
o contrato da arrecalaao da lacha nos cli
annuncados ,c bem assm oulrasque'
explicadas pelos proponentes ; a adminii
companhia convi'la a todos os Srs. que s
rom a esse contrato. o aos.que de nofn se
propor ,para qlia hajam de comparecer por sr, ou
por seus procuradoras india 2!) do corrento, pe-
las 10 horas da mantilla no escriptorio da compa-
nhia, afim de se fechar o contrato em.presenga de
todos. ((.secretario, B. J.-Fernanda barro,
Theatro publico.
BENEFICIO DE CINCO ORPHAS.
Domingo, 2 detnaio, se representa a verdjdtira pera,
JOS MARA,
ou
TRFS DU8 DE OIUTOMO,
prodcelo do grande lilteratol portuguez Antorffo
Felicianno de Castilho, chegada prximamente de
Lisboa.
Iiizemosa verdadera.porque aqui se tem repre-
sentado outra com menos figuras, o do autor hes-
panholHerrara
Findar o espectculo com a linda farsa
O PASSADOn DR MOKDA FALSA.
Nesta vem urna nova dama, em obequo s tristes
orphilas representar pela primeira vez e he por
esie acto de pura philanlrophia que se Ihe deve con-
ceder toda a indulgencia e attengflo ; pois nlo vom
suscitada por outro (im mais do que suavisar asorte
dosuassomelhantes.
Consulado.
REND1MENTO DO DA 27.
Geral.......................... 9192,969
rovincal..................... 904,730
Diversas provincias ............... 345,326
3:443,025
.llnviiuiMito do l'orto.
___PERNAMBUCO.
THIBUiNU, DA KliLACA.
JULGAMENTO NO DA 27 DE ABIL DE 1847.
faembargador de semana o Sr. Serqueira aite.
Na appellagao civcl entre Jo3o Jos Pereira e o
major Jos Carlos Teixeira, mandaram dar vista s
paites.
Nadita dita entre Jos deMedeiros e Mara Zurr-
que, reformaram a sentenga em parle.
Na dita dita entre Congelo Guedes Alcanforado e a
viuva ellhos de Jo3( Guedes Maciel Alcanforado,
reformaram a sentenga.
Na dila dita entre a vuva e herderos de Vicente
JosCorreia da Silva n M. Mendes da Cunha Aze-
vedo, mandaram dar vista asparles.
Nadita dita entre Jos AI ves Guerra e Antonio
Gongalves Ferreira, mandaram dar vista as partes.
Na dita dila entre Pelronilla Florentina da Sole-
dade n Vicente de Veras Falcflo, maudaiain dar vista
as partes.
Na dila dita entro D. Vicencia Joaquina da Con-
ceigilo e Francisco Joaqum Cardozo, mandaran) dar
vista as parles.
Nadita crimeem que s3o partes ojuizo o Jos
Quiuliiio, mandaram dar vista uo curador geral.
Navio entrado no da 27.
Trieste ; 68 das, brigue austraco listona-Amicitia,
de 224 toneladas, capitn Antonio Marcos Bivilac-
qua, cquipagem 11, carga farinha c papel; a N. 0.
Bieber&C.
Baha ; 13 das, brigue brasileiro Tentador, de 196
toneladas, capilflo Antonio Pessoa, cquipagem 12,
carga carne; a A mor m Irmaos.
Macei; 40 horas, brigue de guerra brasileiro Leo-
poldina, cominandarile Candido Jos Ferreira.
Vem estacionar.
Rio-Graude-do-Sul; Odias, brigue brasileiro Violo-
ria, de 181 toneladas, capilflo Jos Monteiro, equi-
pagem 13, carga carne ; a Au.orim limaos. Passa-
geiros, Francisco Augusto da Costa Guimarfies,
Brasileiro, Antonio Augusto Porto de Siqueira,
Portuguez.
Ncw-Port; 38 das, brigue dinamarquez Anna-Gici-
lia, de238 toneladas, capitflo W. Moller, cquipa-
gem 10, carga carvflo depedra; a Joaqum Bap-
lista Moreira.
CMMEhCIO.
Alllll(l(';;;i.
RENDIMENTO DO DA 27........... 9:306,975
Descarregam hoje 28.
Barca francoza Zitia mercaderas.
Calera ingleza -- Columbas dem.
Ketch hespanhol Adriano pedra o chumbo.
IMPiiTAGAO'.
Columbus, gaiora ingleza, vinda de Liverpool, en-
rau*''fC!',e"lo mez, consignada a Me. Calmont &
*- manifestou o seguinte':
Ro-de-Janeiro; 13 dias, galera americana Bazar, de
452 toneladas, capilflo Thomas G. Simpson, equi-
pagem 18, carga caf e couros ; ao capilflo. Se-
gua para New-York, oarribou com agoa aborta.
Navios taludo no mamo da.
Una, hiate brasileiro Novo-Dutino, capilflo Eslevao
Riheiro, carga varios gneros.
Sag-llabor, galera americana Pkenix, capitfio Sa-
muel B. Briggs, carga a mesma que trouxe.
PiihUcA^ao IJlterario.
HISTORIA DEPORTLTG*L, POR ALEXANDRE
HERCULANO.
Os Srs. que mais quizarem assignar para esta cx-
ccllante obra ,-cujo primeiro volume j aqu foi
distribuido aos Srs. assignanles, podem dirgir-se
a ra da Cruz, casa n. 7, segundo andar. O segundo
volume deve estar nesta cidade at ao meiado do
mez seguinte,
Publicacao Geographiea.
Aos estudantes de geographia.
Acaba de tahira tu*, ntidamente impresta, a seguinte
brochura :
PROBLEMAS DE GEOGRAPHIA PHYSICA E AS
TRONOMICA, por E. S. A. um volumo n 12.
He a solugflo pratica dos principaes problemas
de geographia terrestre e celaste, para facilitar o
re1pec\/to-slaxJaS.?f,|i,nca..l.S KPaJar.0ACslu.llnn!8 ao
vraria do Santos & Companhia na ^"ua da Cruz.
Avisos martimos.
Para a Baha sabe, Impreterivclmente al o da
30, a sumaca Santo-Antonio-de-Padua; anda recebe
alguma carga miuda o passageiros : quem quizer
carregar dirija-se a ra do Vigario, n. 5.
Para a Rabia pretende sahir, at o fin do corren-
le mez, o hiato lioa-Viagcm: quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem, dirija-se a toja de fer-
ragem, n. 63, junto ao arco da Conceigflo.
Para Rio-Crande-dp-Sul subir em poneos
dias, o brigue nacional /).- Pedro-.Segundo: quem no
mesmo quizur embarcar carga e escravos ou ir de
passagem, para o que tem excedentes commodos,
d irija-se a Joo Francisco da Cruz, na ra da Cruz ,
n. 46, ou ao capitn a bordo.
Para oRio-Grandc-do-Sul e Porto-Alegre sahi-
r, cm poucos dias, o brigue Ledo; o qual pode rece-
bar escravos a fete : quem pretender pode tratar
com Amorim Irmflos, ra da Cadeia, n. 45.
Al o fim do correnle mez, pretende sabir para o
Havre o brigue francez Nelie-Mathilde, capilflo Cnil-
liert : quem quizer ir de passagem, para o que tem
excedentes commodos, dirija-so a tratar com os
consignatarios, J. P. Adour & C, na ra da Cruz ,
n. ai.
Ld'ilfK,
Dcchtrnces.
~ 0 arsenal de guerra compra cncoenta o tres
mantas do algodflo; 210 esleirs de perpery, 236
pares do sapatos; 213 paras de lucias curtas; 122
pares de luvasde camurga : quem laes gneros qui-
zer fornecer mandar sua proposta em carta fecha-
da as amostras, directora do mesmo arsenal, at
o da 28 boje) do correnle mez. Arsenal de guerra,
24 de abril de 1847. Joo Hieardo da Silva.
O lllm. Sr. inspector interino do arsenal de ma-
nilla,temi de enoommendar para a Parahiba a ma-
deira de sicupira que precisa para sor empregada
na construcgflo de nova barca de escavagflo pelas
formas que existen) no mesmo arsenal, por estar
Ilenry Gibsou far leilflo, por intervenguo do
corretor Obvcira, de grande sortimonto de fazendas
inglezas, todas proprias do mercado : quinta-feirn,
99 do correnle, s 10 horas da maiihfla, no seu ar-
mazem, ra da Cadeia d Recife.
O corretor Oliveira fara leilflo da mais esplen-
dida mobilia, consislindo em guarda-roupas, sofas,
mesas de jogo, e de meio desala, aparador, asan-
les, commodas, niarquezas,' lavatorios, cadenas
de mulas qualidades, mangas de vidro, lanternas,
espedios, candieiros de globo, apparelhos de mea,
o para cha, garrafas, almario, baleflo o carteira
para cscriploro, burra de ferro, cama de dito,
obras de prata, sellim com seus perlences, e valio-
sas c inteicssantes coecgOes do livros composlos
porabalsadosautores nos idiomas inglez, francez
o allemflo, assim como um carro de de duas rodas
com seus perlences; e muilos outros objectos de gus-
to e utlidade : hoje, 28 do correnle, as 10 horas da
manhfla, no 1.' andar da casa nova do Sr Cunha,
roa do Brum, immediala rundigflo dos Sis. Mes-
quita & Dutra.
Avisos diversos*
O NAZARENO N. 26,
est a venda as 2 horas da tarde infallivelmenlo na
praga da Independencia, livraria, ns. 6 e 8. Est no
caso do ser procurado.porqueesl muilo de isto :ne-<
recedor, por sua variedade.
^ -'--------"
^r-""--


Agencia de passaporlcs.
Na ra do Collogio, n. 10, o no Aierro-da-Roa-
Vsta loia n. 48, continuam-so a tirar passaporles
tanto'nara dentro, como para Tora do imperio; assim
-&..BM ..* oa/rouna In.tn pnir^ brCV(|il(lp
precisa de
""To despachan) so escravos : tudocom brevidade.
C Tiioin Francisco Cosa alfaiate ,
At*eilC v I Novo-T*merario, tendo encontrado nesta cidade ou-
Um rapaz, de bella conducta, casado, so offorece trns pessoas de igual nome ( e at mesmo nos da sun
__Thom- .
fficiaes do mesmo olncio.
\ q.animan, natoral dos Estados-Unidos.re-
Hr-seira fra do imperio
.Nacocheirado becco da ra da Cadeia de S-
Antonio, acbarno os freguezes, alcm dos cavallos
fastumados ile alugncl outros modernos o muito
bous mas nada de montar sem ... Na mesma
vendem-se e compram-so cavallos.
Aqu nao lia usura.
D-se dinheiro a premio com penhores de ouro ,
mesmo cm pequonas quantias : na travessa dosMar-
ivrios, n. 2.
'__Jos Narcizo Alvos, Portuguez, retira-se para
Portugal. .
___l>recisa-se alugar um preto para servico de ca-
ga: a pessoa*quo o tiver e quizer alugar dirija-se ao
largo da alfandega, armazem de Francisco Das Fer-
reira, que se dir queni precisa.
__precisa-se alugar um moleque ou negro feit,
que seja intolhgerito o sem vicios, para o servigo ex-
terno de urna casa do pouca familia. Dirigir-se ra
doRaugel, n. 59 segundo andar.
Antanio da Silva Kerroira o Santos retira-se pa-
ra Portugal, a tratar de sua sde.
Pcrdeu-se o meio hilheto da lotera do Ihea-
tro de S.-Pedro-de-Alcantara do Rio-de-Janeiro ,
n 2-288, penenceirte aos abaixo assignados, cujas
firmas se achamescriptas no verso do mesmo : quem
qurqueo tiver achado podo entregfl-lo no Atterro-
da-llna-Yista n. 6, ao doiitor Moscoso. Dr. Lobo
Moscos. ~ J. t\ luarU Jnior.
> Bernardina Maria do Espirito Santo parteira
examinada faz publico que mudou-se da Soleda-
de para o pateo da S.-Cruz, na Boa-Vista n. 10 :
quem de seu prestimo se quizer utilisar all a deve
procurar.
D-se a juros at a quantia de 1:200,000 rs. com
hypotheca, ou penhores: na ra dasTrincheiras, so-
brado n. 50.
Na ra das Trincheiras, n'. 17, correm-se fo-
Ihas e liram-se passaportes, levand-se pelo traba-
Iho de cada cousa 2,000 rs,
Arrematago publica.
Quarta-'feira, 5 de maio prximo, tem de ser arre-
matada, por ser a ultima praea, pela segunda vara
docivel, Dr.^iaburo, logo quo'se linde a-audiencia,
o na sala das mesmas, do renda annual, e por lem-
po de un anno, a requerimento dos consenhores, a
casa da esquina da ra do Crespo, que volff para a
ra do Colirio, de 3 andares esotSo, duas lojas, o
urna dellas ptima, por ser na ra do Crespo ter
portas, seado 4 de frente, e urna para a ra do Col-
logio ; a qual propriedade fui avahada por700,000 rs.
Ospretendentescomparecam no indicadodia.sedese-
jam obterum dos melhoresestabelecimentos, ecom
todos os mais commodos para a moradia, sem o me-
nor sacrificio de luvasou empenho, porque lemde
ser entregue ao mais animoso dos concurrentes, que
este be smente o desejo dos inleressadns.
A mesa regedora da irmandado da gloriosa S.
nila deCassa pelo presente convida a lodos os
seus rm&os para compareccrem cm mesa gcral
iic consistorio da irmandade no dia 3 d maio fu-
turo, pelas 8 hora da manhaa, para clegerein a
nova mesa oue tem de reger a irmandade no an-
no do 1S47 a 1848.
sitio da Passagem, de JoOu Antonio de Carvalho Si-
queira.
--Dseja-ses,aher quem paga os premios que sa-
hiram na primeira parte da terceira lotera a favor
das obras da groja de N. S do Rozario da -Boa- Vis-
la ; porque, apezardas diligencias e do lempo que
ha passado, anda so nSo recebeu um bem'pequeo.
Iloje, 28 do corrente mez, pelas 4 horas da larde
na'porta do Sr. doutor juiz da segunda vara do ni-
vel, se ha de arrematar por venda por ser a ultima
praga uma morada do casa de 3 andares e so til o ,
na ra do Livramcnto, n. 20, com 31 palmos o
meio de frento e 112 ditos de fundo, cozinha fra,
no prmeiroe segundo andares, quintal murado,
cacimba e ciifos proprns.a vahada cm 20:000,000 de
rs. sendo por execugflo de Bernardo Antonio de
Miranda por s e como procurador de seu pai.
Trocam-se duas imagens, urna da Concerno
eoutradeS Francisco : na ra da Cruz, n 59.
Joaquim Jos daSilva Regadas vai a Portugal.
(Jueiii tiver urna IV S da Uoucei-
c3o com um -palmo de altura queaeja
milito bem feila e a queira rucar, di-
rija se a na Bell", 4o. .
Aluga-se Urna casa e sitio no largo do N. S. da
Paz, nos Arogados.n. 17, com bstanles larangei-
ras e coqueiros, ecom os fundos para a mar; na
ra doQueimado loja n. 13. .
Precisa-se de um rapaz para caixeiro de venda,
com preferencia a algum dos ltimos .chegados : na
ra do Colnvello n. 31.
No dia 29 do corrente pelas 4 horas da tarde,
na porta do Sr juiz do orphos vilo a praga, por
venda todos os bens de raz pertencentcs a hersn-
ca jar-ente de Antonio Vaz de Olivera.
= llenrique Julio Catulino da Silva Pontes ensi-
na a locar (rauta violiio e cantar, por prego com-
modo, na ra das Flores, n. 20. As pessoas que
quizerem aprender, dirijam-so das 6 as 9 horas da
manhfla,edomeo-dia as duas da tarde.
-Auna Joaquina do Espirito Sanio Maya embar-
ca para o Rio-Crandc-do-Sul os seus escravos Bene-
dicto, crioulo, e Joanna.
Quem precisar de urna ama de casa para coz-
nliarpara homem solteiro, ou de pouca familia :
naruadeS.-Bom-Jesus-das-Crioulas, n. 5.
Arrenda-se um silio em S.-Jos do Manguinho,
defronle do Sr. Jos Ignacio Soares de Macedo com
boa casa, cacimba, estribara earvoredos do fruc-
to : a fallar Do sitio contiguo ou no Alorro-da-Boa-
Vista no prmeiro andar da casa, onde mora o Sr.
doutor Nabuco.
-- Precisa-se alugar um preto que seja bom tra-
halhadorde masseira; paga-so bem: na ra Direi-
ta piularan. 24.
Quem annuncou, no Diario de honlem pre-
cisar de um caixeiro para una padaria sendo que
anda precise dirija-se a ruaDireila n. 9 quo se
dir quera he.
-Jos Alves da Cunha retira-se para fora do im-L a ^^ rnercado,
perio.
para onsinara msica, lano por casas particulares,
como na sua prnpri, para o que afianca o seu ta-
ento a qualquer pessoa que quizer conseguir tal ar-
le, promcllei.do nilo s po-las habis em cantoria ro-
mo em quaesquer instrumentos aquese quizerem
apphcarj bem como em piano, raheca. flauta, rlari-
uela, etc., ele. O mesmo concerta e' afina planos.
Quom o pretender dirja-se as Cinco-Ponas, n. 80,
quo achara com quom tratar.
-O escrivflo da irmandade da Senhora da Soloda-
dc do bairro da Boa-Vista, autorisado pela mesa re-
gedora, convida a todos os irmflos para que com-
parecam no cons storioda greja da mesma Senhora,
domingo, 2 de maio, pelas.9 horas do dia, aflmde,
neslc mesmo da, em mesa geral, se proceder elei-
cflo do novo juiz que tem de servir at selembro do
correnlo anno.
Iloje, pelas 4 horas da larde, na porta do Sr.
Dr juiz do" cvel da'segunda vara, soba de arrema-
tar um esclavo de Antonio Joaquim da Silva Castro,
avahado em 380,000 rs., por execueflo do seus credo-
res.
Tpoca-se por pouco dinheiro
um diccionario Magnurfi Lexicn ; umdito francez;
um dito portuguez e latino; um dito de fbula; um
commento de Horacio; um dito de T. I.ivio; um dito
de Saluslio; um compendio de rhotorica; urna arle
potica; una historia da Grecia; uma arte de Scvene,
e outros mais; ludo em muito bom estado: na ra es-
trella do Itozario, n. 43.
~ Da-se dinheiro a premio sobre penhores de ou-
ro e prata, hypothecas e boas (Irmas: na ra estrei-
ta do Rozario, n. 30, segundo an lar, se dir quem
d.
Aluga-se o prmeiro andar do sobrado n. 5 da
ra da Cadeia do Recife, proprio para escriplorio,
ou para pequea familia, por prego commodo : a
tratar na loja do referido sobrado.
Precisa-se de um caixeiro para venda: no Mun-
do-Novo, n. 68.
I'erdeu-se ha mezes um annel de ouro esmalta-
do, tendo no centro a letlraR: quem o tiver a-
chado ou comprado, leve-o ra da Cruz, n. 43,
que se lhedaro 10,000 rs., que he mais do quo elle
vale,
Precisa-se do uma ama de lete boa e sadia no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 49.
AUVKItTKNClA.
O encarregadu da venda, nesta
provincia, do rap fino, grosso e meio-
fosso da fabrica de Estevo Gasse ,
do Rio-de-Janeiro, declara ao publico
consumidor deste rap que n3o confun-
da o mesmo com um outro fabricado
na Babia com a imitaco do formato ,
papel, rotulo c nome de seu commitente,
e que se acha espalhado por algumas lo-
jas e vendusdesta cidade ; o qual fcil-
mente pode ser differencado, por nao
trazerem um dos lados do boleo sello de
que usa este deposito, e porvir nos r-
tulos do mesmo -Babia-, e nlo Hio-de-
Janeiro-; differenca nica que existe ,
alm da qnalidsde que difiere do ver-
rA-:-. c-...,v. a niu-iie-janciro g que
laz com que vendam mais btalo.
Ounico deposito deste rap be na ra
da Cadeia do Recife n. 37 onde se
vende pelos precos j annunciados.
Arrenda-se ou vende-se, na comarca do Po-do-
Alho, um engerido moente e corrente, distante des-
la praca 10 legoas; tem boas Ierras de canna, roca e
loda lavoura : quem pretender dirija-se ao Aterro-
da-Boa-Vista, n.55.
Ilussell Mellors & C. mudaram seu escriplorio
e ai 111 azem da ra da Cadeia do Recife para a ra do
Vlgario, n. 23.
Clemencia Mara Felicidadc avisa ao respcila-
vel publico, que ninguem contrate negocio algum
com seu marido Martindo Jos da Silvcira sobre a
venda dos escravos Elias e Luiz; porquanlo ditos
escravos se acliam em qucslilo : e para que ao depois
ninguem possa allegar ignorancia faz o prsenlo
aniiuiicio, para quo chegue ao conhecinieiito de
lodos. .'
-- A Senhora Rita Maria da PaixiTo queira dirigir-
se a ra de S.-Franclsco, outr'ora Mundo-Novo,
n. 46, a negocio de muito seu intereso, ou mandar
pessoa sua.
Pcrdeu-se, sexta-fera da PaixSo a noite, na
porta do annuncianto, uma caixa de tabaco, com
frma de pistla, do Jacaranda, guarnecida dolatilo:
quem aachou.querendo restitu-la, leve-a na ra de
Moras, 23, que ser recompensado.
Precisa-sede um bom horlelilo, e do boa con-
ducta para um engenho pouco distante desla pra-
ca : na ra doQuemado, 11. 46.
Ni ra Nova, loja n. 58, so dir quem d a pre-
mio 1:000,000 de rs. com hypotheca em casas ter-
reas ou pequeo sobrado.
Na ra 1I0 Sebo, n. 3, empresta-se dinheiro a
juros com penhores do todas as qualidades, em pe-
quenas porgues.
r'rancisco Carneiro da Silva, arre-
matante do imposto do gado vaceum de
toda a provincia no Iriennio. financeiro
de 18/17 a i85o, convida a todas as pes-
soas que quizerem arrematar qunlquer
ilos municipios de fra, e bem assim as
freguezias dote municipio do Recife, de,
munidos de suas competentes garantas,
compai-ecerem, s 10 horas do dia 3o do
corrente, em casa da residencia de seu so-
AnacletoJos de Meudonca, naBoa-
nccupagJo) faz sciente ao publico quo d'ora em
alante se assgnar Jos Antonio Candido do Souza.
Fabrica de chapeos de sol, no
Passeio-Puhlico, n. 5.
Neste estahelecimento se recebeu uma porg.lo de
chapeos do sol (urta-cores, da ultima moda de Paris.
O mesmo esta beleci.monlo lem a mesma fazenda
para cobrir armages com toda as galantnrias pre-
cisas para as mesmas; lamhem tem chapos de sol
ile panninho, muito proprios para feitores de enge-
nho, por serem de muilo boa fazenda e muito gran-
des poia teem a servonlia para as duas eslagOes de
ve rilo e invern : tambom se faz todo o qualquer
concert nos mesmos-, pois para isso tem todos os
nocessarios, e prometi toda a promptidSo.
; No da, 16 de marco prximo passa-
do, desappareceu do poder do abaixo assig-
nadq_asua escrava Maria Jacinlha, criou
la, de i a para i3 anuos, cor preta, de es-
tatura baixa, pouco muculosa e desen-
volvida, denles mu alvos, saos e bonitos,
bocea rasgada, que, ao filiar ou rir, diixa
ver todos os tientes, falla pausada e des-
cansada ; be muilo viva c ardilosa ; ne-
nbumas cicatrizes tem,ou leses visiveis,
6 smente sobre o peito es')uerdo desco-
bre-se- Ibe uma pequea nodoa negra que
sobresalte pelle ; levou camisa de algo-
(laozinlm e vestido usado de lislras e ra-
oiagens azul-brancas. I'i esume-se que nao
tenln sabido da cidade, e mesmo lie pro-
vavel que tenlia sido seduzida, e esteja
occulta ah para a estrada aova de DI in-
da, (Jidade-Nova, e contornos ; onde
consta baver urnas olarias, um pequeo
quilombo, que deve merecer a attencao
la polica. Quem quer que capturar a re-
ferida escrava, dirija-se casa n. 56, ra
do Hospicio, que ser gratificado.
Jo&o Francisca uarie.
Compras.
Compram-se urnas Horas Marinnnas, novas ou
usadas traduzidas do latim para portuguez pelo
reverendo Fr. Francisco do Jess Maria Sarment,
reimpressas em Portugal em 1818: quem tiver
nnuncie.
Compra-so um banheiro grande usado: na ra
do Calinga, n. 11.
Compram-se, nos agougues de Joflo Dubois, ao
p dos quarteis, moedas de prata do 160 rs. a 109"
por cenio de premio sobre papel, o a mais a cento
por cento em pagamento.
Compram-se escravos de ambos os cexos: na
ra Nova, loja de ferragens, n. 16, se dir quom
compra.
lecta: na ra doCaduga, n. 16.
Compram-se cdulas encardas de 20,000 rs. .
com pouco descont; duas vonoziannas com pou-
co uso: na esquina do Livramento, loja de 6 por-
tas.
Compra-se um sellim de mola, quo nlo esteja
roto: na ra da Cruz, n. 43.
Vendas.
CIO,
Vista, ra dos Cqelbos, n. a.
- Matioel da Silva Santos, ven-
de fariuha de trigo da verdadeii a
marca SSSF, ehegada ultimamen-
Casa da F
na ra estreita do Rozario, n. 6.
Neste estahelecimento acham-so venda as cau-
telas da bem acreditada luleria do tbeatro jiublico
desla cidade, para cujas rodas esla aununciado o an-
damento para o dia 12 do maio prximo futuro.
Nesle estahelecimento tambem se acham venda Ires
trancelinsdeoiirode lei sem feitio: a ellos quesao
de muito bom goslo.
Vende-se, em S-into-Amaro, na
travessa do Lima para o Veigas, o eaixSo
de una casa em respaldo, com alicerces
para um primeiro andar, com trinta pal-
mos de frente, crin de fundo e cento e
vinle de quintal, tendo promplas mu-tas
obras de car-pina, como portas, janellas,
etc. ; assim como mais cento e quarenta
palmos de frentes, em respaldo, com pro
porces pira set casas terreas, e cumdu
zentos c vinte de fundo ; ludo junto ou
separado, a dinbeiro ou a prazo : a tra-
tar na ra Nova, n. 3, com Antonio Fer-
reira Lima.
Vende-se cera em velas, vinda de
Li>boa, sortimento vontade, em caixotes
pequeos ; mercurio doce, em caixinbas
de 3 libras; vinbo tinto, do Porto, mui-
to superior, em barra de oitavo ; dito en-
garrafado, em caixotes de 18 garrafas ca-
da um : na ra da Cruz do Recife, n. 54,
escriplorio de Hiendes & Tarroso.
__ Vendem-se casacas de superior pan-
no preto. e sobrecasacas de merino omito
fino : no Aterro-da-Boa-Vista, loja de
alfaiate da esquina do becco : na niesnia
recebem-se aprendizes.
Vende-se uma casa terrea, sita na ra Imperial
dosta cidade, n. 15: quem a pretender dirija-so a
ra das Triocheiras, sobrado n. 50,"
Vondcm-selindosbico.i delinho; ditosdoa
godilo ; ricas luvas deseda lil o pellica para ho-
mem e senhnr.i; mantos de seda e de fil; meiasde
seda de patente ; veos prelos de fil ; longos de seda
para algiheira e pescogo ; luvas ingleiaa do pclli-
cn, para montara; oculos finos do armngffo o da lo-
dos os graos ; riqusimas filas para cintos e cha-
peos; chapeos do Chili: ludo di. ultimo gostoe por
prego barato : na praga da Independencia, n. 39.
A' 2.7OOO rs. o corle.
Na loja do Guimariles Serafim & C, confronte ao
arco do Santo Antonio.n. 5, vendem-so corlas de cas-
as de padres agradaves e cores fitas, pelo diminuto
prego de 2,000 rs. o corte; lencos francozos grandes
c finos fingindo seda, a 480 rs. cada um; longos de
cambraia com bico, a 640 rs. pada um; ditos de dita
muito finos com renda o bico, a 900 rs. cada um.
I Vendem-se superiores cbapos de
JiaV.casior, pretos e brancos, por prero
muito barato : na ra do Crespo, loja 11.
ta, de Jos Joaquim da Silva Maya,
Novos ftambreoes.
Na loja de Guimar.les Serafim & ('.., confronte ao
arco de Santo Antonio, n. 5, vendem-se novos gam-
breOes a 1,400 rs. o corte de tres envados e meio;:os-
ta l'azeuda lorna-se recommendavcl para a estacan
presente, por ser fazenda encorpada e escura; e lingo
a casimira franceza por terpadrOcs imitantes ;| chi-
tas a 120 e 140 rs. o covado, o alm disto um com-
pleto sortimento de toda a qualidade de fazendas.
Vende-so um relogio de caixa de ouro, moder-
no, muito hom regulador: na ra do l.ivramenlo,
sobrado n. 1.
Vendem-se alguns paos dcsirupi-
ra, proprios para obras de embarcacQes,
011 candas : na ra de \ pollo, a fallar com
Joao Esteves da Silva.
Vende-se urna canoa aberta grande,
usada, que pega em um milbeiro de t-
jolos de alvenaria., por preco commodo :
a tratar na ra de Apollo com Joao Este-
ves da Silva.
-- Vendem-se accoes da ex-
mela companhia de Fernamhnco
e Paraliyba : no escriptorio de Oli-
vera limaos & C, ra da Cruz,
n.9.
Vendom-se dous pretos do meia dade, proprios
para uma casa, 011 silio por serem baratos: a fallar
na loja de Joflo Jos de Carvalho Moraes, na ra da
Cadeia do llecife.
O modernismo no seu auge.
Entre os ltimos espectculos, saraos ,
balese diyertmentos, em que abunda
, variadamente a capital da Kranga ( Pars1,
que em modas, loucas enfetes de lu-
xoebrilhantos alavios leva a primazia,
I na v,ii'i<-ludi> .vsiilili milla de de gostoa to- ^
das as cidades europeas, uns riquissimos g
vesiidos d'uma fazenda composia e fabri-
cada de seda e lila denominada Cha- ,
mariinserviam de eleganlissimo ador- ^
no aos bellos delalhes do madamismo
parisiense quo so torna va digno de ge-
ral aiieneao. Ksta preciosa fazenda com-
I posla das duas mais preciosas teias.-seda
o lila, lem uns lislrados dcseda.alraves-
' sados uns, outros assentes sobre um te-
|cido parecendo merino, que Ihe da um &Vy
realce que a torna mais digna de atten-
I glo do que se fra seda s ; pois he uma |
, maravilha o seu bem desenliado e real-
gado goslo. O madamismo pernambuca-
no com justa rasflo apreciador de tilo ,
tbas qualidades, em una fazenda intoi-
ramente nova para seus vestido de bai-
les, nflo deixar de receber com particu- f
lar allcngilo a noticia de que o achama-
rim so vendo tilo smente na loja nova
n. *, de llicardo, ao p do arco de S.-An- ,
tonio, a troco do 1,200 rs. cada covado.
Aprega, leva lonjea fama,
Levanta osom meu clarim;
Esbeltoscorpos das bellas cinge
C'os lindos vestidos de chamarn).
Vcrfde-se uma solircasaca de panno verde-gar-
rar,i, foitaa moderna, com gola de velludo, por es-
trear, e por menos de seu valor: na ra da Cruz ,
n.43. .
Vendem-se 4 escravas mogas do boas ngu-
ras, com boas habilidades; uma mulatinha boa
liara ser educada ; 3 escravos bons para o Iraba-
Iho do campo; um dito bom cozrihero : na ruado
Passeio loja nova n. 17.
Vende-se um chao na cidade de linda, na
ra de Malhias Fcrroira ao p da Senhora D. Dioni-
zia com alicerce, oitflo meiciro com a dita senhora;
urna casa na.rua do CotoveUo n. 19 ; urna dita na,
ra de S.-Tbereza n. 17; 3ditasnarua Imperial ,
ns. 44, 46 e 48 ; 5 ditas na ra Augusta ns. 53, 55,
57, 59 c 61 ; duas ditas de taipa na ra;Imperial, ns.
204 e 206 : 8 ditas do pedra o cal, ns. 210 212, 21,
216.218, 220, 222, 224 e 226 ; uma escrava que est
no deposito geral, de nome Iria para Pagamento
do dcimas; 3 canoas sendo urna dellas boa para
abrir; uns poucos deporcos. As casas vendem-se
metade a visla o melado a prazo do 3 annos. ou mais,
pagando o juro de meio por cento, com hypotheca
uas mesmas : na ra Pireila n 14.
Vendem-se 3 lindos moloques de 16 a 18 an-
nos .sendoalguns de nagilo; um pardo de 18 an-
nos oplimo carreiro e proprio para pagom ; 3 pre-
tos de 20 a 24 annos, sendo um dclles bom carreiro;
uma parda de 24 annos, com habilidades; cinco pre-
las de 20 a 30 anuos sendo algumas dellas de na-
g3o, e com algumas habilidades : na ra co Colle-
gio, n. 3, segundo andar, so dir quem vende.
Tinla verde de oleo ,
em latas pequeas vende-e por pre;o commodo : na
ra da Crui, n. 10, armatem de Kalkiuanu & Rosenmun*

^


^
m
h (i
I
. Vcnde-se a verdadeira e su-
perior potassa da rtussia, branca
e em barris pequeos: na ra da
Cadeia do Kecife, armazem n. 12,
de Bailar & Oliveira.
A PARISIENSE,
NOV E MUANTE
para piano: vende-se na ra da Ca-
deia, loja il viiivn Cuidoso Ayres &
Filhos; preco 50o ra.
Potassa da Russia,
pelo preco de 180 rs. a libra, em harria pequenoa :
na ra da Cruz n. 10, armazem de Kalkmann &
Rosenmund.
Yende-se urna cxcellente casa (erren, com com-
mndos para urna grande familia sita nesta praQa :
a Iratnr no principio da ra Imperial, n 9.
Vcnde-se cal virgrui em nielas barricas chrgada
itciii.-itut-iite- ; calas vaslas para a9sucar ; urna porcia
de pe sos de ferro, de duas arrobas ; serras grandes para
serrar madelra tudopor preco coinmodo: na ra da
JIui il.i, armazem n. 17.
POTASSA DA RUSSIA, A 180 E 200 RS.
Cunha & Amnrm vendem potassa ruasinna nova e
de boa qualidade, pelo diminuto preco de nove vin-
tens e dous tustes a libra : na ra da Cadeia-Velha,
n. 0.
Vendem se VELAS de cera do
Hio-de-Janeiro e de Lisboa grande e
completo sortimento : na ra da Setual-
la-Velha armazem n. no, de Alves
Vianna
Vendem-se moradas de ferro para engenhos de as-
Ucar, para vapor, agoa e beatas, de diversos tamanhoa,
por preco cummodo ; e Igualmente taixas de ferro coado
e batidu, de todos os tamaitos: na praca do Corpo-San-
to, n. II, em casa de Me. Calmont i Companliia, ou na
ruade Apollo, armazem, n. 6.
N A l A 1)0 QU El M A DO, N. 11,
Vendem-sc lindas mantas e seda ,
milito finas as mais modernas que lia ,
proprias para senhora e meninas, u 3,7oo
rs. ; cortes decassa de cores lisas, ede
lindos padres, a ^,ooo rs. ; sarja lies-
panhola ; dita franceza ; los pretos ; lu-
do por menos de sen valor, por ler aca-
bado a Quaresma : na loja nova de B-
C. Lcile.
ar Vende-actima parda de muito bonita figura,
que cozlnba bem o diario de urna casa lava
de sabito e varrella cose chito o he muito boa pa-
ra casa de familia : na ra do Collcgio u. 16, tur-
re i ru andar.
Vende-se,na ruada Cruz, n. 23, j1
cera em vela, de urna dos melliu- 2
res fnbricas do Hio-de-Janeiro M
Ijlj sortimento vontade do compra- W
|7l| dor, em caixas pequeas, e por li
ci preco mais barato do que em ou- 7
'} tra qualquer paite.
El
IB

1
mm&m&mmmm&m^&L
l
(ti
G
az
Loja de Joao Ciiarclon ,
Atorro-da-ltoa-Visla, n/S.
Nesta loja acba-seum rico sortimento de LAMPEOES
PARA CAZ com seus compeleotcs vidros ,' acevudedo-
i rs e abafadores.
Estes candiciros os nethtrts
lois modernos queexistem hoje : rreommendam-seao
publico, tanto pela seguranca e bom gusto de sua boa
confecjo como pela boa qualidade da luz, economia e
asscio de seu servico.
\l IllCSIlia loja os consumidores sem-
pre acharao um deposito de GAZ de cujo se afianca a
qualidade e em porcio bastante para consumo.
PANNOS PRETOS FINOS"
e novos na loja ; velludo pelo; chama
lote de seda, para collctes e gollas ; se
tiin macan ; o verdadeiro brim trancado
de listras de cores : na ra do Qucimado,
loja nova, n. ii,de tiaymundo Carlos
Leite.
Vende-se um escravo de Angola do servico de
campo por 260,000 ra.; dous relogios de ouro : a
ra Direita, sobrado n. 29.
Excellente rap.
Arha-se aberto um novo deposito na ra da Crui,
n. 44, de superior rap lauto lino comogrosso e mrlo-
grosso de Gasse da llahia e por multo coinmodo preco.
Acha-sr a veuda no dito deposito o bem assim no
bairro de Santo-Antonio as tojas dos Srs.: Fillppe
de Santiago Joaquim de Abren, Henriques & Con-
panhia ; Almi ida e Campos., Antoniu DominguesFer-
reira Joaquina Monteii da Cru S (.nmpannia ,
Manoel Jote da Costa Oliveira < udeceira StGuiuarrs;
burro da Boa-Visla os Srs. Antonio Ajrei de Castro &
Coiiipanhla, Caetano LuizFerrelra; bairro de S.-Jos ,
oshrs.Joao Jos Pinto de Oliveira, Vicente Jos Ta-
vares.
e fc a0T do *"lu Indtftndente tundeado de-
irote do Collegio vende-se sebo em rama e carne
aecca por precos commodos, boa fazenda.
Annuncio mpoi lanle.
Na toja n. da ra do Crespo, ao p do arco de S.-
Antonio, de Ricardo J. de F. Bibeiro, acharito os
concurrentes um bello sortimento de casimiras do
cores com muita elaslicidadc e de goslos os mais
modernos ,~recebidas da afamada Pars ; assim como
igualmente ha um sortimento completo da reconhe-
cida boa fazenda pela ana consistencia denomina-
da pclle do diaho, sendo o preco de cada corlo
1,440 rs. ; advertindo que seus padres nada ficam
restando a qualquer oulra fazenda dealtocusto : ha
lambem um completo sortimento de fazendas de to-
llas as qualidades, que merecem a devida conside-
raran em seus apurados gostos como em seus mo.li-
eos precns e entre estas merecem particular atlen-
cilodas senhnras tins risradnschilados e chinezes,
de elegatitissimos padres crealcadascilss de rosa,
azul, e cor de cafe, adamascados a escoceza, a 280 rs.
0 covado proprios para vestidos, e sendo suas
amostras francus aosprctendenlea.
Barateiro da loja nova.
O novo barateiroRicardo, da loja nova n. 4ao
p do arco de S.-Antonio, est vendando peras de
chitas muito finas, cores muito fixas e novos pa-
drOes a 5,800 ris.e o covado a 160 iris ; casimiras de
algodflo, padres inteiramenle modernos, o cortea
1,600 ris; lencos de soda muito modernos para ho-
mem, a 1,440 res ; dilos de cimbris muito fina, a
400 ris; cortes de chaly muito moderno, a 5,000
ris; mantas de seda, padres chinezes, no mais
moderno gosto, n 10 e 12 mil ris; algodflo azul e
riscado cara escravos,de 4 palmos de largura, muito
encorpado, a 200 ris o covado. Tem -um lindo sor-
1 i ment de sedas modernas no gosto chinez, rece-
hidas c desembarcadas hontem, da ultima moda de
Pars, para vestido de bailes, &c e que vende muio
barato, assim como todas as fazendas de luxo ,
assciado gosto, rrotandn-se uns lencos com franja
para senhora, da melhorseda degros de INaples, pa-
dres nunca nesta praca vislos.a 6,000 ris.
Vendem-se dous pretos e 3 pretas mogas, sem
vicios : no largo do Collcgio, n. I, segundo andar,
se dir quem vende.
Sa leja de Jos ilnnoel llon
iciro Braga na ra do Cres-
po, ii. lie, esquina que vira
para a ra das fau'/es,
vendem-sn ricos corles de vestidos de seda decrese
brancos, para casamenlos; ditos de cambraia.de
seda com flores adamascadas; dilos de cambraia ,
com barra; chales e mantas de seda, o mais rico pose
sivel; lencos de linho para mito ; aloalha lo adamas-
cado para toallias gtiardanapos do mesmo adamas-
cado ludo de puro linho; casimiras francezas de
listras clisas, asmis modernas c de nielhor gos-
to; brim trancado de listras, de linho ; chapeos
pretos francezes, os mais modernos ; eoulras mui-
tas fazendas lauto linas como grossas.
Vcnde-se urna poreflo de madeira, sendo :
65cnchameisdo 23 palmos, c5 travs : na venda
do Sr. Nicolao Rodrigues da Cunha n 16.
Vcnde-se, ou Iroca-se porcasas terreas nesta
cidade um silio na estrada do Monleiro defron-
ledo Amorm contiguo a propriedade de S.-Anna,
com urna soffnvel casa de vi venda, boa agoa de be-
ber circulado de excellcnlcs baixas para capim ,
mesmo em lempo de vero, arvores de fruclo,
como larangeiras coqueirOs mangueiras hana-
neiras cajueiros, cafezeiros, pilombeiras etc. ,
com a frente cercada de limociros : a Iratar na ra
dos Tanoeiros sobrado n. 50.
Vende-se um escravo de bonita figura do 18
unios com ollieio i; raplliu| < ..', i... ,. ,.:ll;i
pagem ; urna parda da 25 anuos que cozinha la-
va de sabflo e cose chao ; um escravo crioulo de 25
mnos, dr elegante figura para lodo o servido ; urna
linda mu lil i nlni de 10 anuos propra para ser edu-
cada : na ra das Cruzcs n.22, segundo andar.
Vende-se. ou troea-se porescravos, um ter-
reno de propriedade sito no Alerio-dos-Afogndos,
do lado do Mscente com 220 palmos de frente c
mais de 3,000 de fundo leudo proporces para um
grande viveiro : na ra direita sobrado n. 121.
Vende-so por preco com modo sal do Ass :
a tratar a bordo do patacho Esperanto, fondeado de-
fronto do trapiche novo. 00 no escriptorio do Ma-
noel Joaquim Ramos e Silva.
Farelo de arroz.
Esta tilo proveitosa substancia nutritiva para ali-
mento de cavados ncha-sea venda, em barra de 4
arrobas no armazem do llacclar, defronte da cs-
cadinha da alfandega.
Vende-se um bom cavnllo alazSo, novo, e com
bons andares na na Relia, n. 40.
Vendem se duas putas mocas de boas figu-
ras urna parda de 18 anuos pouco mais ou menos ;
todas com principios de costuras, boas coznheiras,
lavadeiras, c proprias para todo o servico de
casa; duas negrinhas de 7 anuos, proprias para an-
darem rom criancasem casa: na tua da Cadeia de
S.-Antonio, n. 5.
Vende-se, na livraria da ra do Crespo, n. 11,
llistorc of England 3,000 rs. ; lloralii 3,000 rs.,
novos ; novo diccionario porttil das lingoas por-
tugueza e ingleza e ingleza e portugueza, por 3,000
rs ; lloras Mai aunas rica encadernaefiodourada,
por 3,500 rs.; Visitas ao SS. Sacramento, rica cn-
cadernacilo dourada por 3,000 rs. Na mema loja
precisa-se de urna moca que saiba coser bem para
urna casa de pouca familia, e qued fiador a sua
conducta.
Vendem-se bandejas muito finas: na ra Nt-
va loja de ferragens, u 20.
Vende-se una escrva a quem se pode entre-
gar os afazeres de urna casa, sendo ptima cozi-
nhetra edoceira, he Sel, nflo tem vicios,*; he de 25
annos; duas ditas de cxcellenles qualidades, de 20a
22 anuos; urna dita boa quitandeira por 200,000
rs. ; urna dita por 240,000 rs. ; urna bonila mole-
r de 12 anuos; 3 bonitos moleques; um mulati-
nho; um bom escravo pata qualquer servico; urna
parda mucama rerolhida, de 18 annos com boas
habilidades : na ra de Agoas-Verdes, n. 46.
Vende-se, por precisflo, um moleque de 13 an-
nos ; una preta de 18 annos; urna cscrava para o
mallo por 300,000 rs.: na ra do Nogueira, n. 19 ,
segundo andar.
Vendem-se escravos baratos na ra das
Larangeiras, n. 14, segundo andar, a sa-
ber: um molecotedeidade 15 annos pouco
maisou menos, do elegante figura, com
algum principio de cozinha; um dito de
idaile de20 anuos, muito forte; um dito de 18 annos,
de linda ligura; un. muleque de idade 10 annos, bom
para se le ensillar qualquer ofllcio; um negro muito
forte, por 400,000 rs; um dilc- bastaute forte, por
300,000 rs.; urna negra de elegante figura e maisal-
guns escravos, queaos prelenuentes se mostraro.
[Va loja de Francisco Jos Perei-
ra Braga, na ra do Crespo, n.
3, ao pedo arco de Santo An-
tonio,
continuam-sca vender chitas de padres cacuros pe-
lo diminuto preco de 100 rs. o covado; pecinlias de
cambraia lisa, a 3,600 rs.; cortes de cambraias ada-
mascadas, a 5,000 rs.
Vende-se um boi muito gordo, homcarrocei-
ro, e urna carroca em bom uso : na praca da Boa-
Vista, n 12.
Vende-se um muito bem- construido tanque de
ferro com duas ptimas torneiras tambem de ferro,
e com a competente grado de madeira para assento
do mesmo; he excellente para deposito de azeite e
vcnde-se por preco commodo : na ra da Cadeia de
S.-Antonio, n. 13.
No armazem do Rraguez, ao p do arco da Con-
ceicjto vendem-sc, por preco commodo latas com
biscouto de araruta ; charutos em caixas, e borra-
chas do Para : tudo chegado ltimamente.
A' 8Q0 rs. o corte.
/ Na loja de CuimarSes Serafim & C, confronte ao
arco de. Santo Antonio, vendem-se lindos cortes de
fustao, cores fixas, pelo barato preco de 800 rs. o
corte; cassa-chitascom flores, finase largas, suecas
e ingezas, a 240 rs. o covado.
Vendem-se superiores charutos de'regalia, por
prego commodo, e chegados ltimamente no va-
por S.Stbatto, da Babia : na ra do Trapiche,
A' 12^000 rs.
Na loja n. 5, confronte.ao arco de Santo.Antonio,
vendem-se ricos cortes de chaly de lila e seda, pa-
dres modernos, pelo barato preco de 12,000 rs. ca-
da corte; riscados francezes finos e modernos, a 240
rs. o covado; zuarte azul encorpado, da fabrica por -
ttiguczN, a 200 rs. o covado: esta fazenda he propria
para escravos.
Vende-se um grande terreno que tem urna
ptima olaria com bom bairo para todas as obras,
na margem do rio, e pde-se ler 10 ou mais vaccas
de leite a pastar no mesmo terreno annualrocnle,
na Passagem-da-Magdalena, defronte da Capunga
quem o quizer comprar dirija-seao mesmo terreno
afim de o ver, e onde se dir quem vende,, ou tro-
ca por escravos. Vende-se tambem urna meia-
agoa que serve de cocheira no boceo do Jou*o l'iim-
cisco, na Boa-Vista.
A' 7^000 rs. cada urna manta.
NalnjadeGuimarftes Serafim & C, confronto ao
arco de Santo Antonio, n. 5, vendem-se mantas de seda
modernas para senhora, pelo.barato preco do 7,000
rs. cada urna; riscados francezes linos, padres mo-
dernos, a 240 rs. o covado.
Treni de eozinha.
Casserolas, panellas, rhaleiras e fregideiras de
ferro forradas de louea. Kste trem de cozinha tem
merecido tanta aprovac.lo que sendo a quarta fac-
tura contendo 2,000 pecas, apenas restarOo 50. Ven-
dem-se na ra Nova loja de ferragens, n. 16.
He verdadeque lodos lioje sao
novos barateiros, mas ellcs
nao i|ii('iiiiiiiic(iiiio o,,
tigo barateiro da ra do
Collcgio!
O antigo barateiro est torrando por todo o tl-j
nheiro, na sua nova loja de miudezas da ra do
Collcgio, n. 9. Cheguom as riquissimas e mimosas
fitas, chegadasdo Rio-de-Janciro, queellasj estilo
no ti ni, depois nflo venham dizer que o barateiro.lito
avisou r que ellas Se ai\i haram : filas de velludo
preto, de varias larguras; filas assetinadas de to-
das as cores e larguras ; penlea de tartaruga, para
mairalas, a 960 rs. r parrilla ; ditos de tartaruga
com enfeites dourados para prender cabello, a
2,000 rs. cada um; agulhas francezas, muito finas ,
a 280 rs. a caixiuha ; luvas pretas de seda, compri-
das, com dedos o sem elle, e com flores de cor-
ditas curtas sem dedo, para senhora; brincos atar-
larugados a polka ; loques de seda com enfeites
dourados, a 2,400 rs cada um ; luvas do pellica
pretas para homem a 480 rs. o par ; chapeos de sol,
de seda para senhora a 2,880 rs. cada um de cores
escuras; luvas de algodflo de cores e brancas, a 320
rs. o par ; bengalas de canna da India, a 1,920 rs.
cada urna ; linda de carretel, branca e do cores a
320 rs. a duzia, e sendo do 50 duzias para cima so
dar mais em conta ; riquissimos caivetes linos c
decabo de chifre do viado de 1, 2, 3e4 folhaa;
lesnuras finas, tanto de unha como para costura.
A ellas, que eslito no resto, ao depois o barateiro
nao aceita de&culpas daquelles freguezes que nilo
ebegarem a lempo.
Na ra da Senzalla-Hova, n. 3o,
(padaria) vendem-se juncos de superior
qualidade, em porco e a retall.o, e por
menos do que em outra qualquer parte.
novas, contendo 8 medidas de meio alqueire pa-
ra baixo por preco o mais commodo possivel: as
Cinco-Pontas n. 80.
Vendem-se superiores vinhos engarrafados,
moscatel de Setubal Madeira-secca o Porto ; agoa-
ardenle de Franca; latinhas com biscouto nglez" e
conservas : tudo. por proco commodo na venda de
Miguel Joaquim da Costa & Comp'anhia, na ra da
Cruz, n. 66.
Vendem-se, na ra dos Tanoeiros, n^24, por
preco muito commodo, os seguintcs instrumentos,
ein meio uso : 4 clarinetas, duas trompas, um pis-
tn urna corneta de chaves e um clarim.
Vnde-se um sitio no lugar de Paratibe, com
casa de vivenda, grande larangeiral jaqueiras, al-
gunscoqueiro.se mais fruetniras boa baixa para
capim ou melancias, e mesmo para o que se offe-
recer por preco commodo : em 01 inda na ra de
S.-Bento n. 18, a tratar com Francisco Amaro Bar-
boza.
Vendem-se dous pretos um de 12 annos e o
outro de 30 : na ra Velha, sobrado n. 18.
Vendem-se duas pretas e, um preto : na ra
de Agoas-Verdes, n. 11.
Vendem-se duas casas terreas cora bons quin-
tiles r cacimbas independenles, sitas defronte da
fortaleza das Cinco-Pontas; urna dita na ra Au-
gusta com urna mei'agoa no fundo, que faz fren-
te ta ra do Alecrim ; um pequeo sitio na Torre,
a margem do Cabibaribe, com cem palmos de fren- .
le e 700 ditos de fundo, casa de pedra e cal, boa
cacimba d'agoade haber, o todo o arvoredo plan-
tado; uma casa pequea na travessa do Marisco; a
poss de um terreno na ra do Alecrim com dous
mil palmos de fundo: na ra da Concordia, n. 25,
primeiro andar.
Vcnde-se, na ra do Passeio, loja nova n. 17,
um completo sortimento de fazendas de linho lila
e algodflo ; tudo pelo menos preco possivel.
Vendem-se carracas por preco commodo : na co-
cheira defronte da ordem lerceira de S.-Francisco, v'
Escravos Fgidos.
No da 7i do correte ( abril) fugio
um escravo de nacao, por nome. Pedro,
cornos signaos seguintes : idade pouro
mais ou menos de 10 annos, estatura re-
gular, cheio do corpo, ps apallietados, e
tem em um dos olhos huma pequea bi-
lide ; tem no rosto uns pequeos arra-
nhes de andar brigando ; levfu calca e
camisa de estonpa j velha. Hoga-se a
todas ts autoridades policiaes, capites de
campo, e mais pessoas, por quem possa
ser encontrado dito escravo, o apprehen-
dnm e mandem levar ra da l'raia, n.
68, ou ao abaixo assignado, na ra Di-
reita, n. 2, segundo andar, que gratifica-
r o portador com generosidade.
Jos ra Silva Oliveira.
Fugio, nodia 7 de marco, uma escrava par-
da, de nome Valentina, a qual pertence aos bens do
fallecido Jos da Silva Botelho e lem os signaes se-
guintes : bastante" alta grossa e bem feita de corpo,
cabello de cabra e coi lado como de homem, lendo
na Irruir marrafas corh pentes ; tem os peitos gran-
des,
doc
Calcado.
Vendem-sc os muito superiores e acreditados sa-
palosdc Nanles, de uma e duas palas; ditos de
costura de 3 solas, proprios para o invern; um
completo sortimento de calcado inglez para homem,
tambem proprio para invern ; borzeguins gaspea-
dos e do ponta de 3,600 a 7,000 rs. ; ditos para se-
nhora ; sapalosde inarroquim e duraque para se-
nhora ; ditos de marroquim duraque o de lustro
para meninos ; um sortimento do sapalinhos de cl-
cheles para meninos ltimamente chegados, por
preco commodo : na ra da Cadeia do Itecife n. 35
loja do Moreira.
Vendem-se luvas do seda preta e branca, para
homem e senhora a 640 rs. o par: na praca d
Independencia n. 39.
Vendem-se luvas de pellica branca, para ho-
mem c senhora a 500 rs. o par; ptimas eordas
do tripa e bordos para rabeca e violflo : na ra da
Cadeia do Becife loja de miudezas n. 5.
Vendem-se dous moleques de 12 a 15 annos-
3 escravos do bonitas figuras; 10 escravas de 16
28 annos : na ra Direita n. 3.
Vende-se um terno de medidas de pao Inda
v0^rf,WifsSp.An.,!S52.ml,rida18 >rosto .""edon-
abertos e urna cicatriz em um dos bracoshXo"se
pode dar noticia da roupa quelcvott, visto ler ella
conduzidoentrouxada toda a que tinha, inclusive
travesseiro, lenijol, meias sapatos, &c. A dita
parda f.i vista nos Afogados, em uma casa de ran-
cho e consta ahi dissera que segua para a,s Cur-
rurauas r de in ira para Pajah ou para o t'.oi ren-
te. Uoga-se, portento a todas as autoridades capi-
tiles de campo ou pessoas particulares, que a cu
eonlrarem a facam prender o levar a ra larga do
Bozario n. 23, primeiro andar, ou na ra das Cru-
zes n. 36, primeiro andar, junio a typographia do
Diario, que serflo generosamente recompensados.
Fugio, nodia 21 do corrente uma preta de
nomo Josepha do gento de Angola ; representa ter
40 annos, estatura alta bastante gorila cara lar-
ga andar descansado ; levou vestido de metim
preto ,anda novo.e panno da Costa azul com lis-
tras brancas ; foi escrava do Sr. Joaquim Antonio
de Facas llarboza morador na ra do Itangcl, a
quem fui comprada o mez passado : quem a pegar
leve a ra das Larangeiras, n. 18, que ser recom-
pensado.
Fugio, no da 21 do eorrente, um escravo de
nome Francisco de 40 annos, altura regular bas-
tante barbado ; tem dous denles arrancados na fren-
te ; be Quebrado de ambas as verilhas; levou ca-
misa de algodfiozuho e ccroulas de estopa ; be bas-
tante cachacciro. Roga-se as autoridades policiaes
e capitiles de campo de o appiebenderein e levaren)
a Fra-de-Porlas ra do Pilar, n 80, que serilo re-
compensados.
Fugio, no da primeiro do crtenlo uma pre-
ta de nac3oflengiiella que representa ler 30 a 35
annos cor fula ; levou vestido de riscado amarello
j desbotado, e panno da Coala novo; lem um dedo
da mito esquerda muito torio, por causa de calor de
ligado. Esta preta foi comprada ao Sr. Joito Fi edifi-
co do Ahreu Hcgo', e no fim de oito das fugio. Bo-
ga-sea todos as pessoas ecapllfles de campo que a
apprehenderem de levarem a Fra- de-Portas, con-
fronte ao arsenal de marinha n. 143, segundo an-
dar que sero bem'recompensados.
Fugio, no dia 23 do frrente um moleque ,
de nome Constantino baixo, grosso, de 18 -anuos;
levou jaqueta e camisa de ganga azul, calcas do
riscado de quadios ja velha. Pede-se as autorida-
des policiaes, ou a oulra qualquer pessoa a sua
captura, levando-o as Cinco-Pontas, padaria, n. 154.
Dcsappareceu, nodia 26 do corrente, pelas 7
horas da noite um mulalinho, de nomo Joaquim ,
do 15a16annos, crclara, rosto redondo,com o
p esquerdo lorio e grosso natural de Mamangua-
pej- levou camisa eceroulas de algodfloziiiho, cha-
peo de couro que usam os serla nejos : quem o pe-
gar, ou souber onde esteja pode leva-lo a seu
senhor, na ra do Hospicio n. 7, que ser gra-
tificado. Advertiudo-se que tambem pode ler sido
agarrado, ou ter ido em algum comboio.
PERN
I A TTP. DE, r. DEFAKIA.1(547
t
ILEGIVEL