Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08775

Full Text

-' '
W"

"fc
Anno ce 1847.
,. nURlO puMc-se lodos oj das, que nlo
" ,ie R..rd l,re d ass.Rnalura he de
"^i.ra Mi quarlel. pB admiladm. Os an-
. 4Jnoi. i, k .,nntes san inseridos i rnso de
"""""ir"..''. *" em lypo diUVrent, e a,
'" '.Vi-es P'1 metade. Os que n*o f rem ass'K-
''CCJrSo 80 rs por lint., e 160 em lepo
PHASES DA LOA NO MEZ DE ABRIL.
oiole, i "" J mi'1, d" ,"',e-
ii o l*f '* ? horas I oiin. d manliSa.
':'" "" (e' }j, s 8 horas e!6 miq. da manha.
hia'clieii', a SO, af 11 hora e 6 minu. da larde.
Segiinda-fera 96
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goienna e Parahyhe, s segundas eseilas felrai
Rio-Orancle-Hn. Norte quinlas feiraaaomeio-dia.
t-al, Serioliem, llio-Formoso, Poito-Calvo
Macelo, no I.', a 11 e 31 de cada raez.
(>arauliuiise llnniio, lOeJl.
Roa-Vista e Flores, a 11 e 28.
Victoria, s quintas feirai.
Uliiidn, todos OS das.
PREAMAd Dfc HOJK.
Primeira, a I liora a 18 minutos da tarda.
Segunda, i I liora a ti minutos da maaliia.
de Abril.
Anno XXIIT.
N. 93.

DAS DA SEMANA.
20 StUBda. Si Clarencio Aud. do dos or-
plioa, do J. doc ila 1 v. e do I. M. da 2 r
57 Terra. S. Turibio. Aud. do J. do or. da I
v. e ilo J le pas do 2 dial, de t '
28 Quera. S. Agauito. 'Aud do i. do civ.
da J v e do J. de pazjio 2 dial, de t.
3 Quinta. S. Hugo Aud do i. de orph.,
edo J. municipal du I vara.
10 Seala. S. S pina. Aud do J. do cir. da I.
ft v. e alo J. de pai uv disl. de I
Sabbado. S. tlrencio. Aud do J do cir. da
I. e do J de paz do I dist. de t.
2 Domingo. S. Allianazio
CAMBIOS NO DA 24 DF. ABRIL.
Cambio sobre Londres de 2 a 20'/, d.
t a Pris 8I& rs. por franco.
Lisboa 96 de premio.
Desc. de latirs de Jioas firm.a l '/, p.*/
ClaroO.ir.as lespantiolas.... ?8>&n0 a
* Moedas de 6f 100 velh 18'Soa a
a de ofIO nov 16*000 a
a > de tiOflO..... 9OO0 a
PrU PaUcdes ....... #020 a
r*' coiumnaree... 2"IU a
Ditos mexicanos ... i|* Muida............. IJ0OO a
Acedes da comp. do lleberibe de Mf 000 rs
p. lrs.
ao mee.
29|ni>0
H400
t|l00
5100
2{0I0
'I"'"
t)7nn
14920
,aopar.
DIARIO DE PERN AMBUCO
PARTE OFFICtAL.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 6 DO CRRENTE.
Ollicio. Aocommandante superior da-guarda na-
cional do municipio do Recifo, louvando a S. S., ,o
hem assim aos coronis, tonentes coronis e mais of-
ficiaes e pravas das duas primciraslegiOes da referi-
da guarda nacional, pelo servico que preslaram na
guarnicflo da praqa desde noVembro do anuo prxi-
mo passado.
DEM DO DA 7.
Odicto. Aocommandante d vapor Correio-Bra-
sileiro, declarando que no dia 9 deste mez pode se-
guir para o lugar indicado as suas nstrucecs, vis-
to como se acha fntla a sua commissflo, por nflo ha-
ver mais tropa a ser coroluzida para as Alagas.
Dito. Ao agente da componhia das barcas do va-
por, recommcndando faca dar passagem para a Ca-
rabina a Cypriano Fgneira da Silva, para o Kiii-Grau-
cl-clo-orle a Joaquim Pedro, e para o Cear a Fran-
cisco Jos de Oliveira; os quaes silo desertores,
e hflo de ser remcttidos pelo commandante das
armas.
DEM DO DIA 8.
Cilicios. Ao presidente interino da relac.to e ao
inspector da thesouraria da fazenda, scienlificando-
es.de baver S. M. o Imperador concedido seis mezes
do liecnca sem vencimento de ordenado ao desem-
bafgadur du medro a relacfto, Pedro Fernandes Rodri-
gues Chaves.
Dito. Ao desembargador juiz relator da junta de
justica, transmitlindo o processo dosios Elias Ro-
drigues e ManocfPereira de Souza, afim de ser sub-
nietlidoa julgamenlo (Inal. .
Dito.Ao inspector da thesouraria da fazenda,
recommondando faya constar a Manoel Antonio da
Silva Molla, que foi indefci ido o seu lequerimeuto
cm que solicitara licenQa do governo imperial para
airainlegar uin armusem na ra de Apollo.
Ditos. Ao inspector da thesouraria das rendas
provinciaes e ao director efleclivo do lyco, scicnli-
licando-os de ter iiilcrinauenle encarregado a di-
rectora desse estahcleciniento ao respectivo profos-
sor de geometra, Antonio Egidio da Silva.
Ditos. Ae inspector interino c ao contador do
arsenal de marinha, participando que o capito de
mar e guerra e inspector do mesmo arsenal, Manoel
de Siqucira Campello, obtuve mais tres mezes de li-
cenciado govemo imperial
Ditos. Ao commandanle superior da guarda na-
cional do municipio do Recife, ordenando mando
dispensar do servido activo os guardas Francisco Ma-
thias l'cicira da Costa e Antonio dos Santos Mira,
que se acharo no meados inspectores dequarleiro;
c bem assim ao pot teiro da pagadora militar Par-
licipou-se ao subdelegado da fri'guezia de Sanlo-An-
ttfnio e ao coroniissario-pagador.
Dito. A'administrac. phfos, inteirando-ada nomeaqao do cirurgiBoFran-
cisco Jos da Silva para facultativo do collegio das
(irphnas.com a gratificarlo animal de 00,000 ris, e
coro a obriga^fio de curar gratuitamente aos ex-
postos.
DEM DO DIA 9.
Odlcio. Ao commandanle das armas, autori-
sando a haixa de Pedro Jos de Sant'Anna, alien-
ta a doneidade do substituto por ellcofferecido.
Ditos. Ao mesmo e ao commissurio-pagador,
transmiltiudo a cnminiiniraca'o que recebeu doExm.
presidente da Baha, dohaver o governo imperial
irorogado por tres mezes a I cenca que conceder a
lanoel Agoslnho da Silva Moreira, rapitilo do 6.' ba-
talhao do cocedores de primeira linha.
Ditos, Aos mesmos, ao inspector da thesouraria
da fazenda eaocht'fe de policio, participando que
por aviso da secretara de estado dos negocios da
juslica, de 9 de marco prximo lindo, Iheloi decla-
rado que asdespezos de luz o agoa com os destaca-
mentos de primeira linha, empregados no servico da
polica, devem ser pagas por conla da consignacto
3ue para ella est designada ; porque semelhaulrs
estacamentos s3o considerados como corpps po-
liciaes.
Dilo. Ao inspector da thesouraria das rendas
provinciaes, ordenando salisi'aca o subsidio to mez
do marco ultimo aos membros da assemhla provin-
cial, declarados na relatno,ue Ihe remelle.
Dito. Ao mesmo, determinando que no prel do
dia 10 de cada mez mande adianlar os sidos dos des-
tacamentos policiaes to Cabo elguarass. Parl-
cipou-se ao commandanle geral iiileriuo do corpo de
polica.
Dilo. Ao mesmo, recommendando a expedidlo
de suas ordena para que seja paga a quuntia de
543,625 ris ao ex-carecreiro da cadeia dusla cidade,
Manoel Thomoz dos Santos. Tambcrn se oidenou
ao commissario-pagador eulregasse ao dito Sanios
a quantia de 103,340 rs. para iudeinnisaco do que
elle despendeu cum os presos do MarannAo e Ala-
gas, que para aqu vi era ni com destino 11 lita de
Fernando; e participou-se ao chefe de polica.
to.Ao inspector da thesouraria da fazenda,
recommendando a execuQc do aviso da secretaria
dajustiqa, que por copia Ihe reroette, o fra expedido
a 11 demarco prximo passado, acerca do paga-
mento do ordenado dojuiz dedireilo de Nazarcth,
Antonio Baptisla Gilirana, c de oulros em .idnticas
circumstancias.
Dilo. Ao inspector interino do arsenal de mari-
nha, determinando que em cumplimento d'orJem
imperial fatja quanln antes construir um escaler ma-
neiro que demande pouca agoa, para o servico da al-
fandega do Ceari ; e recommendando que o remeta
para aquella provincia em qualquerembarcacBoque
para all partir, qur directamente, qur com escala
pelo Maranhio.
Dito. Ao juiz de dircito interino da comarca da
Boa-Vista, declarando que o cidadilo Jofo Zacaras
de Oliveira PitangaqueS. me. nomera interinamen-
te para o lugar deescrivilo privativo do jury, deve
requerer presidencia o competente litulo, avista
de documentos que cbmprovero a sua idoneidade
para semellianio emprego.
DEM DO DIA 10.
OlRco. Ao commandante das armas, recom-
mendando a rxectiQ.'io do aviso do 22 de mareo ulti-
mo, pelo qual determina S. M. o Imperador, que sn-
jam previamente vacinados os remitas que forem
embarcados para cArte, c anda no tverem passado
por essa operacAo; e bem assim, que haja o maior
cuidado em prov-los deludo, a quo teem direlo
segundo as lcis,eemfazer com que a seu respe i tn se-
jam observadas as prescripijes hygienicas dosre-
gulameulos militares.
Dito. Ao mesmp, significando quo o recrtlta Ma-
noel Francisco da Silva deve allegar e provar perante
a presidencia, que esta comprehendido na exeepQilo
do artigo 2." do decreto de 2 de novemhro de 1835,
para que ella possa ajuizar se ao referido recruta
aproveila.a circumstncia de ser casado.
Dito.Ao juiz relator da junta de justica, trans-
mitlindo os procesaos dos reos Manoel Percira.de
Araujo, ChrislovanrDutra Pereira, Francisco Anto-
nio Bernardo e Gabriel dos Alijos Pereira.
Dilo. Ao inspector interino do arsenal de mari-
nha, determinando faca vacinar o recruta Joaquim
Lopes Mai celliiio que fra julgado apto para o servico
da armada nacional.
Dito. Ao bacharel Maximiano Lopes Machado,
concedendo-lhe. a dispensa que solieitou do cargo de
promotor publico-dos termos de.Olinda e Iguarassu,
sob o fundamento dehaver sido nomeado juiz mu-
nicipal e Campia-Grande e Brejo-da-Ara na Pa-
rahiba ; e louvondo-o pela maneira por que se por-
lou noexe.rcicio do empiego, euja exonerac^o ora
pede. Pai ticipou-se ao presidente da relatjflo, ao
inspector da thesouraria da fazenda, aosjuizes de
direito do crroe do Recife, e aos municipaes de Olin-
da e Iguarass.
Portara. Ordenando qu ao mjor Antonio
Goncalves Ferreira so passo patento de lenenle-coro-
nel do 2. batalhlo da guarda nacional do munici-
pio de Olinda. Communicou-se ao promovido.
DEM DO DA 12.
Ofllcio. Ao inspector da ihesournria da fazenda,
determinando quo faca pagar a Manoel Joaquim Soa-
res a quantia de 1:400,000 ris por cem armas novas
do adarme 17, quo se compraran! para o corpo de
polica. Parlicipou-se ao director do arsenal de
guerra.
Dilo. Ao chefe de polica, recommendando quo,
visla dos documentos que Ihe remelle e pelos mcios
legues, busque dcscobrir, por seus agentes, os ins-
trumentos de chimica e physica, oque os mesmes
documentos se referem.
Dilo. Ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio do Itece, resolvendo fiquem
pertencendo ao resjiectivo esquadrlo os guardas Jos
tiernardo da Rocha Falcto, Joaquim Bernardo da Ro-
eha FalcBoc Antonio da Silva Fragoso, quo nelle se
acham alistados.
Dito. Ao mesmo, declarando que devo mandar
passarguia ao guarda Francisco Pinto de l.emos para
servir no hatalhBo, cm cujojlistriclo morar, dopois
de havor verificado a sua residencia actual.
Dito. Ao commandanle superior da guarda na-
cional dos municipios de Olinda o Iguarass, scien-
tiicando-o de haver concedido a reforma requerida
pelo lenente-coronel commandante do 2."butalhflo
da primeira legiBo da mesma guarda nacional, o
nomeado para subslilui-lo o majordo referido bala-
Hio, Antonio Goncalves Ferreira.
Dilo. Ao director interino do lyco, interan-
do-o de ter mandado iiassar provisfto de professora
da cadeira de primeiras leltras para osoxo feniini-
no na villa do Bonito a oppositora D. Mara Lindosa
CavalcantiMaciel, que fra plenamente approvada.
Parlicipou-sc a cmara municipal do Bonito.
Dito. Ao director do collegio dos orphlos, or
denando que mande para a oflieina de marceneria
aquellos dos mesmos orphoes que mais habilitados
Ihe purecerem, e para a de sapaleiros, os quo forero
menos aptos; c recommendando quoscientifique a
presidencia do que occorrer na execueo desla or-
dein, para dar as providencias quo mais acertadas
Ihe parecercm.
Portara. Suspendendo os vereadores da cma-
ra municipal do l'ao-d'Alho, Jos Jaiiuario Soares
Ferreira, Bernardino Barbosa da Silva, Pedro Do-
mingos Carneiro, Jos Carneiro da Malla c l'ornrio
lavares Coulinho, por lerein exorblado de suas at-
tribuices no acto de julgarem nulla a elcicBo do
juiz de Paz do l.'disliiclo, padre Vicente Ferrer de
Albuquerque, e de cnamaroni o respectivo supplen-
le para tiercer semelhante cargo; e determinando
que em lugar dos mencionados vereadores e"l!cm
em excrcicio aquelles a quem competir. Ofllcioii-
sea respeiloaojuz de direito docrime da comarca
do Pao d'Alho.
Dita.Ordenando quo ao capilDo do *: batalho
da guarda nacional do Recife, Francisco Marlins Ra-
poso, se passo patente de major do 2.* batalhlo da
guarda iiariujaa/ do municipio d'Olinda.--Parlci-
pou-soao commandanle superior do Recife, oaodc
Olinda e Iguarass.
EXTERIOR.
ESTADOS-UNIDOS.
A QUESTXO DA RSCRAVARIA NO CONGRESSO.-
SF. ASPECTO POLTICO E PECUNIARIO.
A lamentavel porda de tempo, em que tem incor-
rido o actual congresso, n'uma qtiaura que mais se
reante da necessidade do legislacBn, oceupando-se
elleem quesldesde interesse remoto para os Esta-
dos-Unidos, he para ser chorada por todos quantos
petisani bem. Se ha poca na nossa historia, em que
o paiz lenha soffrdo por falta delegislaco, he cer-
lamentoa presente una dolas; hoquando estamos
a bracos com una guerra externa, que requer
maior energa e liberal supprimento de gente edi-
nheiro para leva-l ao seu termo, antes que come-
cem as carneiradas ; he quando ainda as nnssas tro-
pas se conservam n'um estado passivo, esperando ro-
forcos que as habiltem o proseguir a campanha, e a
conquistara paz, antes quo o rom/loas tenha alle-
nuado, que vemos os nossos representantes no con-
gresso desperdicarem o precioso ten po em conten-
der e altercar acerca da questflo de escravaria noO-
regon, c no novo ten itorio quo talvez nos seja cedi-
do pelo Mxico, em liqttidacBode contas com elle.
Que monta agitar-se a quesillo da escravaria no
Oregon, quando he physicaihcnte impossivel que el-
la exista alli ; o nflo ser prematuro agta-la, cni-
qunlo California ou Novo-Mexico, antes quo esses
territorios nos tenham sido regularmente cedidos
por trabalhos ?
Que a escravaria nflo pode existir no Oregon, ere-
mos ser urna proposicilo por si mesma evidente. E'.-
la s pode existir onde se podeni cultivar em grande
escala o arroz, o algodflo, o assucar c o tabaco, e on-
de nflo se pode otyer Ira ha I lio livre. 0 Irabalho de
escravos expirar, qiiando se Ihe oppozer o trabalho
livro. O Oregon nSo he, nem ser jamis proprio pa-
ra produzir os gneros cima mencionados. O tra-
balho livre, pois, ha de ser alli superior. Elle s he
adequado, como os nossos estallos do norte, para a
cultura do trigo, grflo, etc etc e a experiencia de
Now-Jersey, New-York, ele pro va que o trabalho
dos escravos nflo pode competir com o trabalho livre
dos brancos na producto uestes gneros, (orn effei-
to estamos dispostos a crerquo a questflo dos pesos
e a srdida poltica Uveram lana influencia na abo-
lClo da escravaria em os eslados do norte como os
motivos de philantropa ; qife ella foi abolida, por-
que s julgou intil, e corresponda a um lim polti-
co do tempo. Nflo estamos dispostos a (er o norte
cm menos proco, e cromos que no movimenlo aboli-
cionista ha poucoshomens sinceramente ph Han tro-
pos; mas pendemos muitissimo para 8 opiniflo, que
seo Irabalho nflo-livrc fosse Iflo lucrativo, o o livre
tflo raro como no sul, provavclmente teria o norte
obrado exactamente do mesmo modo por que obrou
o sul, conservando a escravaria al o presente. A
questflo loca algbeira e poltica em ambos os
casos, e nunca podcroinos crer que o povo do norte
leha'menos conta com odinhero, ou seja menos
dado s intrigas polticas do quo o do sul. Somos
mais inclinados opiniflo contraria.
Nflo negamos quo a escravaria podesso ser intro-
duzida no novo territorio que adquirrmos do Mxi-
co mas, pela natureza das cousas, sustentamos
qu he muito improvavel que um s escravo fosse
para alli transportado, anda quo o norte o quizesso
admtlir.
Nflo negamos que nflo he a primeira vez que se
tem agitado essa questflo nos nossos concelhos na-
eionaes, masa nossa questflo he, so ella foi jamis
tao inopportuna. Se o nosso exercito nflo so cst-
vess enervando mingoa.de supprimentosse a
honra o os interesses do paiz nflo soffresscm por
falta de legislacfioso o paiz a quo so reforo a dis-
cusaflo, estivesso eflecti va mente em nosso poder,
nflo haveria inconveniente em que ella fosse discu-
tida cm todas as suas relacOes ; mas porguntamos :
se he esta a occasifl opportuna para sso, quando o
congresso est em sessflo ha seto ou oilo semanas,
sem fazer colisa alguma, e qoando apenas restam
mais algumas semanas de sessflo .'
Quando o norte o o sul estavam divididos sobre
esta questflo ha- muitos unios ; o quando ossent-
menlos do ambos estavam excitados no mais alto
grao, eflectuou-se um compromsso que satisfez_a
ambos, concordando enlre si sobre urna certa li-
nha ao norlo da qual nflo devera existir escravaria.
Ora, se se assentasseque essa linha divisoria, mar-
cada pelo compromsso, so eslendcsso pelo novo
territorio, prestes a ser adquirido por nos, at o
Ocano-Pacifico, suppmos que assim o norlo como
o sul Bcariam igualmente satsfeitos,- o nesse caso
obteria o norte maior talhada de territorio livre do
que o sul de nflo-livro.
Consta-nos por informaces particulares, quo a
poroflo patritica de ambas as parles cuida seria-
mente n'um compromsso desta especie, e que,quan-
do fr tempo, sera proposlo; mas nflo julgam pol-
tico prop-lo, quando soflrem olros interesses
mais importantes. He melhor nflo regularmos as
nossas geiras, omquanto nflo as possuimos effecliva-
m"l0> (WeMy'terali.)
A IND1CACAO DE CILEY NO CONGRESSO AMERICA-
NIZARA RETIRADA DAS TROPAS DO MXICO.
* Quando ha poucos diascorreu p boato do qu o
dislincto senador por Carolina-do-Sul, o Hon. John
C. Calhoun, tencionava propr no senado .urna rc-
paiz toda a desculpa para nflo entrar em negociacoes
do paz com os Estados-Unidos, causou elle muita
admiraeflo o assombro onde qur que chegou. Jul-
gou-se impossivel que uro estadista como Mr. Ca-
lhoun, cuja vida passada tem sido tflo honrosa para
ello, e do tanto crdito para a sua patria, se esque-
cesse der si proprio a ponto de propr tima medida,
3uo virtualmente collocaria o seu paiz na poseflo
eaggressorna presente guerra, o importara urna
cnnfissflo perante o mundo civilisado de que o nosso
exercito nflo leve motivo justificado para atravossar
o Rio-Bravo, depnis que o Mxico tinha nflo s es*
gotadoasua ingonuidadi'acr-umiilando sobro os Es-
(ados-Unidos urna serie do insultos e injurias que
nenlium outro paiz teria soffrido por meladedo lem-
po que nos sonYemos, mas elTectvamente alraves-
80u o limite entro os'dous paizes, o malou os nos-
sos concilladnos sobre o nosso proprio solo.
Se as circunstancias quo deram causa guerra,
nflofossem geralmente mohecidas-se o modo cla-
ro, ingenuo e indisputavcl, porque o presidente
eniimerou cssas circumstancias na sua monsagem
ao congresso, nunca tivessem sido publicadaspo-
deria haver alguma plausibilidadc para urna tal in-
dieaeflo : mas, quando se reconhece d'uma a outra
extremidade da nniflo a justica da guerra, depos
que ella comecou, o a inteira impossibilidade do
preveni-la da narledos Estados-Unidos, a todos cau-
sou sorpreza o boato de quo o dislincto lilho de Ca-
rolina-do-Sul, cuja vida o servaos passados tanta
glora teem conferido ao seu paiz, tinha proposto
urna tal resoluto.
O effelo da contradiceflo do boato, quando se
dsse, sob incontrastavcl autordade, que a Mr. Ca-
lhoun nunca passou pela lembranca urna tal cousa,
mais so podo imaginar do que descrever. Parece
porm que Mr. Cilley apresentra com effeilo'no se-
nado urna resolueflo semelhante, quo so nflo fr con-
siderada como o projeclo mais louco quo elle ou
qualquer outro hornero jamis cnncebcu, confessar-
notvhemos ignorantes dos sentimontos o impulsos
do povo americano.
Retirar as nossas frcas, pois nflo ? E para que ?
lie para roconliccernios, que nflo foroos injuriados
pelo Mxico? Que urna nacflo, a quero poderiamos
esmagar d'um sil golpe, nflo nos deu pontaps nem
noscuspiona face? Que he urna guerra do aggres-
sflo, o nflo de direito e justica, que estamos prose-
guindo 1 Que depois de havermo-la coroccado, acha-
mo-nos mpossibilitadosdocoutinua-la? So o sena-
dor Cilley nutro estas ideias, ludo quanto podemos
dizer, lie quo olio adiar mu poucos sectarios nos
Estados-Unidos.
Eo quo ganhariamos nos coni'issn* Estaramos
urna pollegada mais periodo conseguir a paz? Nflo
temos nos sido ja demasiado e mu severamente en-
gaados pela diplomacia mexicana? Nflo temos nos
confiado lauto na f mexicana'que a achmos tflo
llexivel como a f pnica? E devetnos nos retirar o
nosso exercito o a nossa esquadra, o confiar outra
vez na sua f, para sormosde novo engaados ? Dei-
xa-lo-heinos fecobrar frcas.colher supprimentos, e
concentrar exercitos, afim de p-los em ordem do
marcha contra os Estados-Unidos ?
A iodicacSo he toda ridicula. Mr. Cilley nflo he
deste seco n, e fez a mais louea indicacjio que se
tem feto no congresso.
Nflo! Devemos levar a guerra ao Mxico.-Dove-
mos tomar Vera-Cruz e S.-Juaii-de-Ulloa. Devemos
dictar a paz na capital do niniigo. Ha muito que
temos alnado torros ao rapaz vadio. Agora devo-
mos empregar pedias para reduzi-lo A sujeicflo; a
o hornero que despreza o nterosse do seu paiz no
congresso, nflo apoiando medidas taes quo chamen
os Mexicanos ordem, sera lielmento lembrado pe-
lo povo. Notai isto.
(Neie-York Uerald.)
NOTICIAS INDUSTIUAES. ___
DE8C0BERTA DA HOMEOGRAPHIA.
Einlim, est decidido quo o grflo problema, cuja
resolueflo se propo a scencia da nossa poca, con-
siste realmente em acabar por urna voz com todas as
garantas quo o genio do homem, frca do experi-
encias e do trabalhos, tinha conseguido eslabelecer
uasociodado para seguranca, ventura o tranquillida-
do de todos: pelo-menos ho o quo devo suppr-so
quando se v que cada passo quo vai dando pelo ca-
minho das dcscobertas, equivale urna verdadeira
desgraca, cada progresso quo realsa, urna catas-
trophedoqueo genero humano parece ameacado.
Anda os governos nflo sobem de quo meos assaz ef-
lcazes possam servir-so para preservar as sociedade,
confiadas a sua administraeflo o cuidado, dos perigos
do que parecem aroeacados por occasifl do dcplora-
velinvencfloda xyloidna, e eis-ahi ja realisado ou-
tro descobrimento cujo emprego podo produzir a
completa e total ruina financeira de qualquer estado
que seja, por mais bem administrado que possa ser,
e por mais rico queso supponha. Eslo novo desco-
brimento ou inveneflo he arla homepgraphia.
A homcographia, prenla mu prxima o mu che-
gadada lithographia,ja tinha sido presentida pelo
IlustreSemfablor, inventor desta ultima industria,
de que nflo tem resultado senflo vantagens o benefi-
cios. Grando numero de ensaioso tentativas tinha
elle j posto em praticn para realisar o seu pensa-
mcnlo, e sempre intilmente. Oulros depois del re
tinnam coromeltrdo, choios de novo ardor omclho-
res esperancas, a mesma ayentura, o todos sem re-
sultado. Quasi que j so linha desesperado de rea-
lisar a ideia do Semfelder, e o problema eslava a
pontos de ser declarado rresoluvol; porm o demo-

m

solucflo para quo as nossas f^as so retirsscm dolnioda sciencia he incansavcl, e quando se prope
territorio mexicano, afim delirar ao poyo daquelle,qualquer llm, emquantoo norealisa nao cessa do
LAR ENCONTRADO


trabalhar. Assim acontecen effectlva mente no easoj Dttcarregam hoje 96.
deque so trata; porque o que a fortuna tinha recu-. c,tk\ej -- Columbut mcrcadorias
sado com tanta obstinagflo sos trabalhose dligen- j|ialc Juliet f;irinha o liolachinha.
cias de tantos nrustas experimentados, acaba, omfim
de conced-ln a dous artistas francezes, Boyer e Mas-
sias, por meio de cujos esforgosa nova arte da ho-
meographia he boje urna acquisigflo da industria,
completa o consummada.
A homeographia consiste na arte de reproduzir
instantanoamonto certo numero de copias de qual-
quer Impressoou gravura que so queira, com tal
pcrfeigflo e rigor, que nem a vista mais exercitada
nem o mais escrupuloso exime pode dw***'rentre
o orignale as copias a mais pequea differenga a-
preciavel; eludo isto se verifica som que o original
empregado como modelo sofTra a mais pequea al-
tcragflo l'ara obtereste resultado, eis-aqui a mane-
ra por que procedem os inventores.
Submolle-e, primeiro que ludo, o original que se
trata do reproduzir, urna prcparagflo desconhecida,
cm que consiste o segredo da nova arte. Isto felo,
estende-seo mosmo original sobre urna pedra litho-
graphica ordinaria, e passa-se-lho por cima um pe-
3ueno rolo do madeira ou simplesmento a unha do
edo pollex. Som necessidade de mais trabalhn, tica
a macern do original reproduzida na pedra de !'!
maneira, que no mosmo instante se podem obler
por meio del la at tres exemplares, nao ssomellian-
tes, mas perfeitamenle idnticos o mpssivc de
distinguir do original, soja gravura seja impresso
reproducido.
As experiencias foitas pelos inventores em mela-
dos de Janeiro passado peranle a sociedado Anima-
dora da Industria .Nacional de Pars para prova da
realidadeda descocerla, nlto deixatnacsle respeto
a menor duvida Todos viram com admiraeflo e es-
panto reproduzidos instantneamente documentos
ouligns, impressos o pavura-, lomadas ao acaso; c
todos viram, nflo s com admiragflo e espauto, mas
ao mesmo tempo com susto, reproduzidos alguns
bilhetosdo banco de Franca com tal perfcigflo e ri-
gor, ((lie, a presentados aos proprios empregadosdo
mesmo banco para que decidssem se eram verda-
deiros ou falsos, declararan), dopois de minucioso
exame, quo eram verdadeiros, e que nflo teriam du-
vida cm troca-los pelo valor correspondente em os-
pecies metlicas, logo quesequizesse.
As vantagens que a bomeographia prometle, e que
os inventores esperam do seu emprego, sJo impor-
tantes; porcm os inconvenientes que della podem
seguir-se, parecem-nos iucomparavclineiite maiores.
Sunponha-se, por cxemplo, queum dos inventores
da nova industria, ou alguina outra pessoa iniciada
nos scus myslcrics, se lembra de pegar cm si, e de
vir para o Brasil fazer fortuna; do cada bilhele de
500,000 rs. que Ibe cali ir as nios puder fazer qua-
tro no mesmo momento, c dentro de poucos Uias
poder limpar o paiz de todas as especies metli-
cas que existirem em crculagflo. Descobertas de se-
melbante natureza melhor fra quo nunca se tives-
simii realisado; porm tal boa mana do nosso sec-
lo, que quanto mais desastrosos silo os inventos que
apparecein, tanto mais honra grangeiama quoin os
lirou donada.
Fallando da descoberta da homeographia, e sem
querer tirar aos inventores francezes a mais peque-
a partcula da gloria que Ibes resulta, he comtudo
necessarin, par fazer jusliga imparcial edireila, de-
clarar ouea mesma invcngilo du Boyere de Massias
ja tinha sido realisaua, longo lempo antes das ex-
periencias cima referidas, cxeculadas peranle a
Sociedade Animadora pelo famoso .Napolitano Pedro
Hrocchieri, inventor da celobre agoa hemosttica, com
que tanto se teeiu oceupado neslcs ulljmos lempos
differentes fnlhas naconaes e cslrangciras. Por meio
do denominado papel'sensivel por elle inventado, pode
com elleito reproduzr-se todas qualidade de ma
gens, desenhos ou escrpturas, seja que se trate de
impressos e documentos unligos, seja que se trate
de relalos sobre marli m, seja emfin que se trato do
pinturas que se encontram as vid ragas da idade me-
dia, ou em qualquer outra materia transparente.
Segundo so ve, a applicago do papel sensivel he mais
extensa; porm os resultados estilo inni longe da
perfeigflo, idcnlidadc e belleza das copias homeogra-
phicas. A precipilagflo com que, por falta do lem-
po, oscrevemos esto artigo, nilo nos permilte sor
mais extensos ueste momento sobre as propriedades
o natureza do papel sensirel de Hrocchieri; porm em
outro artigo, depois de termos examinado a cousa
mais de raz, daremos sobre osla industria em par-
ticular lodos os esclarec montos necessarios. Por
agora d-se o luilor por coulento com a noticia que
lica dada. [Jornal doj'ommercio.
Consiliario*
RENDIMENTO DO DA 2*.
Geral..........
Provincial......
Diversas provincias
3-438,863
1:467,393
251,985
5:158.241
PERNAMBUCO.
TIUBUNAI, DA HELACA.
JULGAMENTO NO DA 24 DE ABIL DE 1847.
Deumbargador de semana o Sr. Peixolo.
Na appellago civel entro Alcxandrc Jos Bastos e
D. Thereza de Jezus, .julgaram procedente o re-
curso.
Na dita crime, em que silo partes o juizoe Manuel
Jorge Maciel, julgaram procedentes as rasos da
appellago, e mandaran) submelr o prjjcesso a no-
vo julgamcnlo.
JVa dita civel entre Lima Jnior & Companhia e
Joaquim Ferreira GuimarSes, 'desprezaram os em-
bargos.
Na dita dita erilrc Manoel Bapliala Jlodrigues e
Joo Jos Rodrigues, confirmaran! a senlenga.
Na dita crime, em que silo parles o'juizo, Mara
Francisca e Jos Antonio Millar, julgaram improce-
dente o recurso.
Na dita civel entre a viuva e herdeiros de Antonio
Jos Lopes de Miranda o Jos Luiz Percira Lima,
mandara ni dar vista As partos.
Nadita crime, cm que sflo partes ojuzo eFabio
Jos da Costa, mandaran) dar vista s partes.
Na dita dita, cm que sflo partes o juizoe Joaquim
Concalves do Moura, julgaram improcedente a an-
pellagflo. -'
Na dita civel entre Francisco Jos Marlins eLlma
Jnior & Companhia, receberam e julgaram prvi-
dos o embargos.
N3o loniaram conbecimento do aggravo, vindo da
provincia da Parahiba, ontre Eslevflo Cavalcanli de
Albuqucrque e sua mulher, e Manoel Figueira de
COMMEHCI.'
PRACA DORECIFE, 24 DE ABRIL DR 1847,
AS 3 HORAS DA TARDE.
Sevilla semanal.
Cambio...... Nilo houveram transaeges duran-
te a semana, pr falla de navios.
Algodlo.....Sem alteracflo do pregos.
Assucar. ..... Contina. ser ofTerecido de 900 a
1,000 rs. por arroba sobro o ferro do
branco, e a 1,000 rs. do dito dito
masen vado.
Couros......Mais procurados aos pregos do 107
1/9a112 1/2 risa libra.
Bacalho. .... O deposito no de 1,100 barricas de
qualidade inferior.
Carne secca. .. As vendas foram.moderadas, e os
pregos do 1,600 a 2,400 rs. a arroba,
existindo no mercado quarenta mil
arrobas.
Carvflo de pedra-Vendeu-se a 9,000 rs. a tonelada.
Cerveja......Idom de 4,200 a 4,400 rs. a duzia
de garrafas.
Farinha do trigoChegaram 2 carregamentos dos
Estados-Unidos com 2,000 barricas,
e as vendas foram regulares, temi-
se vendido a de Trieste a 25,000 rs
a barrica, da marca SSSF, e a a-
merienda de 21,500 a 23,000 ris a
barrica.
Chegaram dous carregamentos nos ltimos dias da
semana, sendo um do Mediterrneo com carga sorti-
da que anda nilo fui vendida, e outro do Havre, bo-
je, com fazendas e manleiga.
Existem no porto 45 embarcages, sendo: 3 a-
mericanas, 1 austraca, 23 brasileiras, 2 francezas, 1
hespanhola, 8 inglezas, 2 porluguezas, 4 sardas e 1
sueca ; leudo entrado na semana 6, o sabido 13.
Olllm. Sr. inspector interino do arsenal de ma-
i inha,tendo de encommendar para a Parahiba a ma-
deira de sicupira que precisa para ser cmpregadH
na construegflo de nova barca de escavagflo pelas
formas que existem no mesmo arsenal, por estar
para isto autorisado polo governo imperial, manda
fazer publico quo far o coptrato de compra com
aquelles Srs. que d'alli queiram rcmetto-la. ou man-
da-la vir; devendo apresentar suas prospostns no
prazo de 15 dias contados de boje para ser effee-
luadocom o quese comprometa a vende-la de boa
qualidade e mais cm conta. -- Secretaria da inspec-
giIodoarafn.il do uiarinli. de Pernambuco, 15 de
abril de 1847.O secretario, Aiexandre Rodrigues
dot Anjos.
Pifblcacfto Geographca.
Aos estudantcs de geographia. .
Acaba le tahira hit, ntidamente impreua, a leguinte
brochvra :
PROBLEM AS DE CEOGRAPHIA PHYS1CA E AS
TRONOMICA, por E. S. A. un "volumo in 12.
He a solugo pratca dos principaes problemas
de geographia terrestre e celeste para facilitar o
estudo desla disciplina e preparar osestudantes ao
respectivo exame Vendc-se por 1,000 rs., na li-
vraria de Santos & Companhia na ra da Cruz.
Avisos martimos.
Alfandega.
ENDIMENTO DO DA a*............14:405,608
.11 o vi tu en lo Navios entrados no da 24.
New-Zealand, leudo sabido de Sag-Habor ha 21 1/2
mezus, galera americana lKaAno ladas, capiio Nuthain C. Sandford, equipagem 26,
carga azeile de peixe; ao caplto.
Malaga, pela ilha de Tenerife filha das Canarias.,
42 dias, Uetcli hespauhol Adriano, de 94 toneladas,
capitao Francisco Oliver, equipagem 9, carga vi-
nlio e mais gneros ; a Joo Piulo do Lomos.
Havre-de-Cracc; 38 dias, barca l'rance/a Zilia, de
227 lonela.las, capito Delaunay, equipagem 12,
carga fazendas ; a Dedier Coloinbiez. Passageiru,
Gregorio llcuriot, Francez.
Navios saludos no mesmo dia.
Aracaty patacho brasileo Anglica, capito Ma-
noel Antonio do Uliveira, carga varios gneros.
Passageiros, Jos Antonio Rodrigues, Theophilo
Alves Ribero, Brasileiros; Joo Joaquim Pages,
Allemo; Aucibald Me. Culluin, Ingle/
lio-de-Jaueiro; patacho brasilciro Laurentina, capi-
to Joo Mal los dos Sanios Carduzo, carga car-
vo de pedra. Passageiros, Antonio Alves da Sil-
va, Cbrisliauo Bernardo Itodolpho, Portuguezcs.
Sag-Habor, galera americana WthingtiMj capito N.
C. Sandford, carga a mosina que trouxe.
Navios entrados no dia 25.
Mar-Pacifico, tendo sabido de New-London ha 22 nie-
ves, galera americana Merrimac, de 414 toneladas,
capio George Destor, equipagem 30, carga azeile
de peixe ; ao capito.
Ne\v-(.asile ; 33 dias, brigue inglez llrilliant, de 204
toneladas, capilflo Alexander Stwart, equipagem
9, carga ca vao de pedra ; a Me. Calmont & C.
San-Miguel; 20 dias, brigue porluguez Otiteira, de
158, capilflo Antonio Francisco llezende, equipa-
gem 23; a Joflo Tavarcs Cordeiro. Traz 179 passa-
geiros, dos quaes 37silo para esta provincia.
Rio-de-Janeiro ; 15 uias, galera porlugucza Tentado-
ra, Ue 645 toneladas, capitao Emigdio Jos de Uli-
veira, equipagem 20, carga couros, assucar* mais
gneros ; a Manoel Joaquim Ramos eSilva.
Mar-Pacifico; tendo saludo de Sag-Habor ha 30 nie-
ves, galera americana fhenix, de 314 toneladas,
capitao S. B. Briggs, equipagem 26, carga azeiUi
de peixe; ao capio.
Navio sahido no mesmo dia.
Canal, com escala pela Parahiba, brigue inglez Cen-
turin, capio John Gallie, em lastro.
9*
Mlilal.
Jodo Xavier Carneiro da Cunha, /dalgo catatiro da
casa imperial, cavalleiro da ordem de Chriilo, e ad-
ministrador da mesa do consulado dista provincia,
por .S. M. o Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que, no dia 30 do correte, a urna hora
da tarde, se ha de arrematar em praga, na porta des-
la repartilo, urna caixa com assucar mascavado de
ii. 1, com a marca III, do engonho Junco, da provin-
cia das Alagas, pesando liquido 61 arrobas e 3 li-
bras, a 1,500 rs. a arroba, consignada u Lourenco
Jos da Neyes.e apprebcndida no trapichodo llarbo-
za, por falsilicago da ta, polo guarda Jos Correia
Leal: sendo u arrematago livre de despeza ao arre-
matante.
Mesa do consulado de Pernambuco, 24 de abril de
1847.
O administrador,
Jodo Xavier (arneiro da Cunha.
Para Lisboa sabe, impreterivclmente no 1.* de
mao, o brigue porluguez /ooim; anda recebo carga
e passageiros : trata-se com o capito, na praga do
Commercio, ou com o consignatario, na ruado Vi-
gario, n. 19.
Para Rio-Crande-do-Sul sahir, em poucos
das, o brigue nacional />.-l'edro-Segundo : quem no
mesmo quizer embarcar carga e escravps, >u ir de
passagem paraoquelem excellentes com modos,
dirija-se a Jollo Francisco da Cruz, na ra da Cruz,
n. 46, ou ao capito a bordo.
Para o Rio-Crande-do-Sul e Porto-.Megre sahi-
r, em poucos dias, o brigue Ledo; o qual pode rece-
be.r escravos a froto : quem pretender pode tratar
com Amorim Irmlos, ra da Cadeia, n. 45.
Para o Rio-de-Janeiro sane o patacho S.-Jos-
Americano, capilflo Jos Antonio do Matozinhos, for-
rado do cobre e de prmeira marcha: quem no mes-
mo quizer carregar escravos ou ir de passagem, di-
rija-s ao dito capito a bordo, ou a Gaudiuo Agos-
tinho de Barros, ra da Cruz, n. 66.
=Segun viagem no da 25, domingo, impretervel-
menle, o muito veleiro hiale S -Jodo, para a Baha,
com escala porMaec: air.da recebe algiima carga
miuila, ou passageiros. Quem pretender dirija-se a
bordo do mosmo, ou ra do Crespo, loja n. 2,
que achar com quem tratar.
i iii
Leudes

Adamsnn Howie& Companhia farflo leilflo, por
inlervengflo do corretor Oliveira de variado sorli-
ment de fazendas inglezas todas proprias do mer-
cado : terga-fera, 27 do corrente, as 10 horas da
manhii, no seu armazem da ra da Alfandega-Ve-
Iha.
O corretor Oliveira far leilflo da mais esplen-
dida mnbilia, consislimln em guarda-roupas, sofs,
mesas de jugo, o de mel desala, aparador, estan-
tes, coiniiiodas, marquezas, lavatorios, cadeiras
Ir mu i las qualdndes, mangas de vidro, lanlernas,
espelbos, candieiros de globo, apparclhos ile mesa,
o para cha, garrafas, almario, baleflo o carleira
para cscriplorio, burra de ferro, cama de dito,
obras de prata, sellim com seus perlences, e valio-
sas e inteicssantes collecgOes do livros composlos
por abalisados autores nos idiomas inglez, francez
o allcmflo ; e muilos outros ohjectos de gosto e uti-
lidado : quarta-feira, 28 do corrente, s 10 horas da
munhfln, no I." andar da casa nova do Sr. Ctuina,
rus do Itrum, immcdata fundigflo dos Srs. Mes-
quila & Dalia.

Avisos diversos.
Deca meos.
Oarsenal de guerra compra cincoenta o tres
mantas do algodflo; 210 esleirs de perpery, 236
pares de sapalos; 213 pares de incias curtas; 122
pares deluvasde camurga : quem taes gneros qui-
zer fornecer mandara sua proposta em carta fecha-
da as amostras, a directora do mesmo arsenal,
at o dia 28 do correte mez. Arsenal dogifcrral
24de abril de 1847. Jodo /ticardo da Silva.
... O patacho Mentina recebe a mala para o Rio-
de-Janeiro hoje (24j,M 9 horas da manhfla.
O NOVO MESQUITA DE CAPOTE N..1,
est a venda as 10 horas do dia na livraria da praga
da Independencia, i.. 6e 8, a vintem cada cxemplar.
Est digno de ser lido, o nflo se arrependerflo de per-
der o vintem.
O NAZARENO N. 25,
est a venda na livraria da praga da Independencia,
ns. 6 e 8. Traz um addilamento ao interrogatorio do
Sr. Borges da Fonscca, publicado em o numero an-
tecedente, o mais outros arligos dignos de seria at-
lengflo. .
Precisa-se do urna ama deleite limpa e sadia :
no Aterro-da-Roa-.Vista* n. 49, primeiro andar.
Roga-se ao Sr...., com armazem na ra de Apol-
lo, que nflo confie tanto em os seus soberanos, e
deixe-se de entrar em apostas, afljrmnndo que o seu
armazem ser preferido para ser alfandcgado. Se a
presidencia-mandar examinar, de cerlo o seu arma-
zem com jusliga nflo sor preferido no que em toda
a hora, em toda a mar, desde ao amanhecer do sol,
facilita o embarque de duas ou mais alvnrengas, e
entilo nflo podera elle dexar de perder a sua a-
posla.
O Sr. Raymundo Jos Perera Bello tem urna
carta do sertflo, na praga da independencia, livra-
ria, n. 6e8.
D-se al 1:000,000 rs. a premio sobre penhores
ou hypolheca em propriedade : na ra das Cruzos, n.
36, primeiro andar. N'ajjicsma casa vende-so urna
mei'agoa sita na campia da ra da Alegra, n. 5, li-
vre o deseintiaragada.
-Precisa-se alugar um prelo para servigo do ca-
sa: a pessoa que o tiver e quizer alugar dirija-se ao
largo da alfandega, armazem de Francisco Dias Fer-
reira, que se dir quem precisa.
Emprcsla-sc dinbeiro com penhores de ouro
ou.prata : na ra do S.-Francisco, outr'ora Mundo-
Novo, sobrado ao p da mar.
Precisa-se alugar ummolequo ou negro felo,
que seja intelligenlo esem vicios, para o sorvigo ex-
terno de una casa de pouca familia. I)irigi-se ra
do Rangel, ii. 59, segundo andar.
-Perdeu-se, no da 24 do corrente, da ra do Col-
legio, indo pela ra do Crespo, at o neceo defronte
da '^K Ao l>araiz0uma pequea carta fechada com
urna cdula de 5,000 rs.dentro,com esto subscripto--:
Para Dtd que d Ermelinda: quem n tiver achado,-
querondoipstituir.enlrcgaraoserventedasecretnria
do governo, Manoel das Mercs Leva, quo llcar o-
brigado.
Jos Narcizo Alve, Porluguezrelira-nB p,ra
Portugal. Antonio da Silva forrcira o Santos retlra-se pa-
ra Portugal, a tratar de sua sade.
Pelojuzo de orphflos vai praga, de renda
annual, o srtio dos herdeiros de Boa-Ventura Con-
ga I ves pelo tempo de tres annos, tendo o arrema-
tante de p8gar os mesmos herdeiros, e a Fernando
Jos Bragues a quantia Je 105,120 rs., fra da arre-
matagfl d.uo consta da avaligflo, de macachera,
mandioca o parreiras.
Francisco Joao de Barros declara
a quem convier, que rnente pagar
qualquer divida que elle haja contraliido
pessoalmente, como tem de costume, ou
por esciipto seu; mas nunca satisfar
aquellas que o forein de pessoas queso
lenliam ulilisdo do seu nomef como Ihe
consta, tem ltimamente acontecido em
nlgumas partes ; e isto lambem se Picar
ente'ndendo de boje para sempre, afim
de evitarem-s duvidas futuras.
Perdeu-se o meio bilhele da lotera do thea-
tro de S.-Pedrede-Alcantara ; do Rio-de-Janciro ,
n. 2288, penencenleaos abaixo assignados, cujas
firmas se achamescrptas no verso do mesmo : quem
qur que o liver achado pode entrega-lo no.Atlerro-
ila-Boa-Visla n. 6, ao loulor Moscoso. ~ Dr. Lobo
Moscosa. J. F. Huarte Jnior.
Bernardina Maria do Espirito Santo, parteira
examinada faz publico que mudou-se da Soleda-
de para o pateo da S.-Cruz na Bo-Visla n. 10 :
quem de seu prestmo se quizer utilisar all a deve
procurar.
Clemencia Maria Felicidade avisa ao retpeila-
vel publico, que ningueiu contrate negocio algum
com seu marido Marlinho Jos da Silveira aobe a
venda dos escravos Elias e Luil; porquanto ditos
escravos se acham em quesillo : ojiara quoaodepois
ninguem possa allegar ignorancia, faz o presente
annuncio, para que chegue ao conhecmento de
lodos.
A Senhor Rita Maria daPaixflo queira dirigir-
se a ra de S.-Francisco, outr'ora Mundo-Novo ,
n. 46, a negocio de muito seu inleressc, ou mandar
pessoa sua.
Perdeu-se, sexta-feira da Paixflo noite, na
porta do annunciantc, urna caixa de tabaco, com
forma de pistla, do Jacaranda, guarnecida de hitilo:
quem a achou.querendo restitui-Ia, leve-a na ra de
Hurlas, n. 23, que ser recompensado.
Precisa-se de um bom Inn lelflo e do boa con-
ducta para um cngen.no pouco distante desla pra-
ga : na ra do Qucimado, n. 46.
Na ra Nova, loja n. 58, so dir quem d a pre-
mio f:000,000 ile rs., com hypolheca cm casas ter-_
reas ou pequeo sobrado. 7
FructusoJos Perera Dutra capilflo do bri-
gue lndependente chegado prximamente do Ro-
Grande-do-Sul, faz publico que se acham a seu
bordo 20 rolos de fumo, viudos a entregara ordem.
Roga-se a quem forem pertencentes queira vir to-
mar conta del les e pagar o frele; do contrario se
vpnderflo por conta c risco de quem pertencer so
nflo apparecer dono dentro do prazo do 8 dias.
Precisa-se de um caixeiro porluguez para to-
mar conta de urna venda por balango : na ra do
Rangel, venda n. 50.
oSr. D. N. queempenhou um bolfio do br-
Ihanles, o anno p/oximo passado, por 30,000 rs. na
casan. 104 da ra deS.-Miguel dos Afogados, quei-
ra irlira-lo no prazo de tres dias, sob-pena de ser
vendido.
J. C. Mauvernay vai fazer urna viagem a Eu-
ropa, e dcixa por sua procuradora, sua senhora, Luiza
Angelina.
Precisa-sede um caixeiro para urna paitara,
qued fiador a sua conducta: quem estiver nestas
circunstancias annuncie por esta folln.
Airemalaco publica.
Sabbado, 1. de mao prximo, lem de scrarre-
matada, por ser a ultima praga, pela segunda vara
do civel, Dr. Nabuco, logo que se linde a audieuokr,
o na sala das mesmas, do renda annual, e por tem-
po de um anno, a requermenlo dos consenhoses, a
casa da esquina da na do Crespo, que volla para a
ra do Collegio.de 3 andares esolflo, duas lojast o
urna dcllas ptima, por ser na ra do Crespo ter 4
portas de frente; a qual fui avahada por 700,000 rs. Os
prclendentes cotnparcgam no indicado din, se dese-
jam obter um dos mclhores estnbclecimenlos, ecom.
lodos os mais commodos para a moradia, sem o me-
noi sacrificio de luvasou empenho, porque tom do
ser entregue ao mais animoso dos concurrentes, quo
este he smenle o empenho dos iuleressados.
=Quem precisar de urna mulher para ama de li-
ma casa do pouca familia, ou mesmo para homem
sorteiro, dirija-se ra das Cinco-Ponas, n. 70.
Aluga-seum pardo, perito cozinheiro do forno
e massas: quem delle precisar dirija-se a rusta Moe-
da, n. 9, segundo andar.
Precisa-so do um forneiro edum magndor,
quesejam bons trabalhadores: pagam-se bous orde-
nados: na padariado paleo da Santa-Cruz; n. 8. Na
mesma precisa-se alugarumpreto para o todo servigo
Ja mesma padaria, pagando-se dozc mil ris men-
saes e sustento.
Peni eu-se, do Recife al a ru estretu do Roza-
rio, urna carleira vente de marroquim, grande, com
43,000 rs. sendo 4 notas de 10,000 rs. una de
2,000 rs., e outra de 1,000 rs ; duas cartas, urna pa-
ra oescrvflo da cmara episcopal de Olinda, e ou-
trn para o rctor do seminario da mesma cidade.
Quem a achou, nilo querendo rcslkur o flinlieio, faz
um grande obsequio em restituir as cartas ; c nflo
querendo entregar pessoalmente pode dirigir-so a
praga da Independencia, n 3, c melle-las por baixo
da porta; e se troucer ludo perfeilo, ser recompen-
sado.
Precisa-sede urna ama de' leilo para criar un
menino: na ra Nova, loja de ourives, n. 32.
Prccisa-se alugar um prcto para o servigo leve
de um armazem, pagando-se-lhe mensalmenle 12" -
rs. e o sustento : na ra do Trapiche, n. 34.
O bachnrel formado Francisco* Perera Freir,
ex-procurador-liscal da thesouraria de fazenda da
provincia das AIgas, propOc-so a advugr no foro
desla cidade, tanto no civel como no crime, e no ad-
ministrativo, requerendo o direito e jusliga daquel-
les que o procuraren), perante o governo da provin-
cia, thosouraria, alfandega, mesa do consulado,, ect.
He a sua residencia na ra do Queimado, n. 6, pri-
meiro. andar, ondo o acharflo a qunlqer hora do
dia.
Na ra do Sebo, n. 3, empresta-se dinbeiro a
juros com penhores de ludas as quididades, em pe-
quenas porgOes.


los Antonio de Songa, (-pililo do. patacho
"" frmtrario, lerido encontrado nesta cidade .ou-
^""^ssnas de goal nom'e ( cat mesmo nos da sua
""apim1 fazsernte ao publico que d'ra eni
?? inS asignar Jos Antonio Candido do Souza.
Os abaixo assignados, tendo, em 8
de iullio de 1846, d'S.solvido amigavelmen-
L a sociednde que tinbam as lojas da ra
Nova n. 8 c esquina do Cabug n 11, que
oyraram debaixo da fiema de Amara &
pinheiro, julgam nada dever pertencen-
le dita firma ; e qnem se jiilgar credor
nucir apresentar suas contas, no prazo
je (res das, para seren salisfeilas : e de-
rlaram mais, que 'ja da roa INova n. 8
ficoo perlrncendo a Jos de Alenqucr Si-
niesde Amaral. ea da esquina do Cabula
n> n a Manoel Hinbero de l^endonca, fo-
cando o cargo de ambos a cobranca das di-
vidas activas. Recife%ai deabrir.de 1847.
.. Manoel Pinheiro de Mendonca. Jos
de Alenqner Simoesrie Amaral.
- Manoel da Silva Sanios, ven-
de fardia de trigo da verdadeia
marca SSSF, chegada ullimamen-
le a esle mercado.
__Aluga-se urna casa no Aterro-da-Boa-Vista, n.
68, propria para negocio, c que tem duas camarinhas,
sotilo, cozinha fra, quintal e cacimba: a tratar na
ra Nova, n. 32, loja de ourives.
-- JoSo Jos Rodrigues vai ao Rio-de-Janciro
Precisa -se de una menina do 11 a 13 annos ,
para andar atrs de urna crianca ; quem estiver nes-
las circumstancias, ou alguem quo tenha alguma
tilda que queiradispr della para esse fim dirja-
se a ra airas da matriz da Boa-Vista, sobrado n. 28,
spgundo andar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da ra
ira Cruz, n. 18, ptimo para cscriplorio, cu moradia.
de hornero solteitro : a Iraiarno segundo andar do
mesmo sobrado, de mantilla al as 10 horas, e de
tarde das 3 om dianle.
Aqu nao lia usura.
na-se dinheiro a premio com penhores de ouro,
mesmo cm pequeas quantias : ua travessa dos Mar-
tynos.n. 8.
Precisa-se alugar um escravo para carregar
pilo e fazer o servico diario de urna casa : na ra do
Pires, iiadnlia n. 44.
Aluga-sc, a urna pessoa capaz, metade de urna
casa, com dousquartos, por 4,000 rs. : tender dirija-se a Boa-Vista, travessa "do Capim ,
n. l.
Sorvote
\o Aterro-da-Boa-Vista defronte da casa do
r. coronel t'.habi, contina \ haver son-
te do varias fiuctas a 00 rs. tendo prin-
cipio as 5 horas da tarde.
Compras.
Fabrica de chapeos de sol, no
Passeio-Publico, h. 5.
Ncste estabelecimento so receben urna porgflo de
chapeos de sol lurta-cores, da ultima moda de Paria.
0 mesmo esta bele cimento lem a niesma fazenda
para cobrir armages com toda as galanlarias pre-
cisas para as mesmas; tambem lem chapeos de sol
de panninho, mu i lo proprios para feitores de engo-
lillo, por seren de muilo boa fazenda e muito gran-
dos poisteem a servontia para as duas estages de
verflo e invern : tambem se faz todo e qualquer
concert nos mesmos pois para isso tem todos os
neerssarios e prometi toda a promptidiio.
No dia iG de marco prximo passa-
iln, desappareceu do poder do abaixo assig
nado asua escrava Mara Jacinlha, crion-
la, de 11 para i3 anuos, cor preta, de es-
tatura baixa, poueo musculosa e desen-
volvida, denles mili alvos, s3os e bonitos,
jocca rasgada, que, ao fallar on rir, d< ixa
ver todos os denles, falla pausada e des-
cansada ; be muilo viva e ardilosa ; ne-
nliumas cicatrizes tem, ou leudes visiveis,
e. somonte sobre o peito esquerdo desco-
bre-se lhe urna pequea nodoa negra que
sobresalte pclle ; levon camisa de algo-
daozinbo e vestido usado de lislras e ra-
tnagens azul-brancas. I'iesnme-se que nao
tenha sabido da cidade, e mesmo be pro*
vavel que teulm sido sednzida, e estoja
ocouha ah para a estrada nova de Olin-
ila, (Jidade-Nova, e contornos ; onde
consta baver ninas olarias, um pequeo
quilombo, que deve merecer a alteuro
da polica. Quem quer que capturar a re-
ferida escrava, dirija-se casa n. 56*, roa
t\j Hospicio, que ser gratificado.
Joo lr Joseph Facfiinelti, profes.sor c compositor de
msica, previne de novo a quem convier, cparlicu-
larinente aquellos Srs. quo ja resol vera m princi-
piar seusestudos, que vai abrir sua aula na ra.do
Uueimado, rt. 8, segundo andar, no primeiro dia do
prximo mez deniaio, dcmauhfta ate as 9 horas, e
de larde das 5 horas em vante; sendo as mais horas
do d,ia reservadas para as senhoras em suas casa
particulares". O referido compositor dar licOcs de
cantura, piano harpa, rebeca, violeta, violflo e
contiaponto simples e dohrado pelo melhodo mo-
derno, c com toda perfeicRo; estalji lerendo em um
dia da semana urna aula separada de lingoa italiana,
hoja muilo usada na curte do'Rio-de-Janciro, e |>ro-
ria para a msica vocal. As pessoas quo se quze-
iflin tililisar do sen prestimo, o poderao desde j
rocurar na dita casa, al as horas cima doclara-
Jas.
Na dita casa achar-.se-hfio A venda as obras se-
iguintes, a saber: Tratado de contrapunto, offerecido
pelo seu autor, com previa e especial licencia S. M.
I. o SeiihorD, Pedro II, 1 v. 8.* fianccz ; Tratado de
(antora moderna, olTerecido s Ilustres senhoras
I r.isilciras; a Bella Feiliceira, linda pega com yaria-
goes, fcil para o piano; asKauslissimas Nupcias do
Scnhorl) Pedro II, peta musical para antora com
nniiipaiilianieiilo de piano, offeiecida pelo scu autor
a iIlustre-nacAo Itraiileira; (esta pega fui iinpressa
no llio-dc-Janeiro, e tem.um lindo frontispicio que
cpccrra as Id tras iniciaos dos Romea preciosos dos
augustos imperantes do Brasil;) arias novas em lin-
loa italiana, com acompanhamento de piano; livros
ilc pecas escolliidas para o forte-piano; variacOcs.da
.Norma, etc.; modinlias novas impresSas, e outras
iiianuscriplas, com linda msica de gusto modrrno;
assim como diversas outras composicOes. Achar-se-
lia no dilo estabelecimeiilo'um copisla liso para a-
quelles senbiires e. senhoras que desejam manjar
copiar pegas de msica com toda a perfeiclo,asscio e
promptidiio.
Agencia de passapoi les
Na ra do Collegio, n. 10, o bo Aierro-da-Boa-
Viste, loja n. 48, conlinuam-sc a tirar passapoi les
tanto para dentro, como pura fra do imperio; assim
como despacham so escravo* : tudo com brevidade.
FirminoJ F. da Rosa agradece a todos os Srs.
que se prestaram a'auxiliar o seu estabelecimento,
na ra da S.-Cruz, do incendio principiado na lici-
te do dia 80 do corrente.
- Compram-se, nos acougues deJoSqDubois, ao
p dosquarteis, moedas de prata de 160 rs. a 102
por cento de premio sobre papel, o a mais acento
por cento em pagamento.
- Na ra do Queimado, loja n. 37 A, compra-se
urna flauta com quatro chaves.
- Compra-se um cavallo a troco de tijolo de alve-
naria grossa, do mclhor quo se fabrica ; sendo o ca-
vallo de todos os andares, que esteja carnudo, e
~~1a novo: a quem.convier annuucic.
------Compra-se la de frecba ou su-
niHinna.- na ra
Nova
sellei
10,
loja de
Jefronte da Lopceico, n. a8.
Compram-secscravos do ambos os sexos: na
ra Nova, loja de ferragens, n. 16, se dir quem
compra.
Compra-se o diccionario inglez por Yieira, de
formato grande eque esleja em bom uso : na ra
da Aurora, n. 42, segundo andar.
Compra-se um Magnum Lexicn usado, e Se-
lecta: na ruadoCabuga, n. 16.
Vendas.
Casa da F-
na ra estreita do Hozario, n. 6.
Ncste estabelecimento acham-so venda as cau-
telas da bem acreditada lotera do thealro publico
dcsta cidade, para cujas rodas est annunciado o au-
(lamonto para o dia 12 de maio prximo futuro.
Neste estabelecimento tambem se acharo venda tres
trancelins deourode lei sem feilio: a el les que sito
de muito bom goslo.
A' 2#000 rs. o corle.
Na loja do Cuinardes Serafim & C, confronte ao
arco de Santo Autonio,u. 5, vendem-so corles de cas-
sa de padies agradaves e coresfixas, pelo diminuto
preco de 2,000.rs. o corle ; lencos francezos grandes
e linos ingindo seda, a 480 rs. cada um; lencos de
cambraia com Ilico, a 640 rs. cada m; ditos de dita
muilo linos com renda e bico, 900 rs. cada um.
Deposito de vinagre, da fabrica
da ra Imperial, n. 7,
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater-
ro-da-lioa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grande poreflo e por prego com modo.
1 Veii'lem-se superiores cbapos de
J^castor, pretosebrancos, por pirro
muilo barato : na rua do Crespo, loja n.
12, de Jos Joaqnim da Silva ftlaya.
- Vcinlem-se ricas filas de setini lavrads, para en-
feitai chapese vestidos, de padrOes muilo moder-
nos; bicos c rendas de todas fis larguras; caxinhas
com agirthas francezas, a 280 rs.; tesouras muilo fi-
nas para costura; caxinhas de madeir, enverniza-
das, proprias para guardar costura, ou qualquer ob-
jcclo, ludo por prego commodo : .na anliga ruados
Quarleis, terceira loja de miudezas.
Vendem-se penles de marfim para alisar cabel-
lo; caivetes de 2 folhas com cabo de ponta de via-
do; lapes muito linos para desenlio c para escrever;
niivalhas (inissimas com cabo de marfim; charuleiras
com retratos muito finos; facas e garios com cobo de
osso polido, o melborque ha e muito barato : na
anliga rua dos Quarteis, terceira loja de miudezas,
do Vicente Jos Comes.
Novos gambreoes.
Na loja de Guimarlles Serafim & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, n. 5, vndem-se novos gam-
breoes a 1,400 rs. o corle de tres covados e meio;;os-
ta fazenda lorna-se recommemlavel para a eslagOo
presente, por ser fazenda encqrpada c escura; e tinge
a casimira franeeza por lcrpad[Oes imitantes;) chi-
las a 120 e 140 rs. o covado, e alm disto um com-
pleto sorli nenio de toda a qualidadedo fazendas.
Vendem-se alguna paos de situpi-
ra, proprios para obras de embarcacSes,
ou canoas : na rua de .4 pollo, a fallar com
Joo Esleves da Silva.
Veude-se urna canoa aberta grande,
j usada, que pega em um milheiro de li-
jlos deolvenaia., por preco commodo :
a tratar na rua de Apollo com Joao Kslc-
ves da Silva.
Vende-so a barcaga S.-Caelano-Diligenie, de
prmeira viagem de lote de 30 caixas : a tratar a
bordo na praia do Collegio ou om Fra-de-Por-
tas, n.74. Na qiesma barcaga vende-se podra de
amolar.
Vende-sc a venda da rua da Praia, n. 46, com
Vende-se um grande terreno que tem urna
ptima olaria com boro barro para todas as obras,
na margem do rio, e pile-se ter 10 ou mais vaccas
de leiles pastar no mesmo terreno annualm'enlc ,
na Passagem-da-Magdalena, defrnnto da Capunea :
quem o quizer comprar dirija-se ao mesmo terrono
afimdeaver, o ondesdira quem vende, ou tro-
ca por escravos. Vende-se tambem urna moia-
agoa que serve de cocheira no becco de Joflo Fran-
cisco na Boa-Vista.
Vendem-se urnas herangas na ilha de S.-Miguel,
freguezia da S.-Cruz, villa da Alagoa : na rua das
Cruzes, n. 30.
A' 7^000 rs. cada urna manta.
. Na loja de Guimarfles Serafim & C, confronte ao
arco de Santo Antonio, n.5,vendem-se mantas de seda
modernas para senhora, pelo barato prego do 7,000
rs. cada urna; riscadosfrancezes finos, padrOes mo-
dernos, a 340 rs. o covado.
Veniam, venliam corr%idoe
Iragam dinheiro para com-
prar as pechinchasdo u-
lico harateiro.
O anligo harateiro est quemando por todo o di-
nheiro na sua loja nova da rua do Collegio .i. 9 :
papel do peso inglez de primelra sorle a 1,760 rs
a resma ; dito almago, a 2,600 rs. a resma ; dito
proprio para fogucteiros, ou para cmbrulho de fa-
zendas a 1,600 rs. a resma, islo he r-rra acabar)
com o resto de todo elle agora : eheguem aos cai-
vetes limpnssem ferrugem a 240 rs. cada um ; te-
souras grandes e finas com ferrugem proprias pa-
ra cortar papel, a 160 rs. cada urna; trinchantes,
sendo faca grande e gario com mola, a 830 rs. o
trinchante ; carapugas de algodilo decores, a 160
rs. cada urna ; tamancos para hornero e senhora ,
a 240 rs.; ditos para meninos a 160 rs. cada um;
carteirasdealgiheira ,a 160 rs. cada urna; brincos
prelos com enfeiles dourados a80 rs. o par; dilos
amarellos, a 60 rs. o par ; fio de sapaleiro, a 600 rs.
a libra, he muito bom, fino o Uo forte,que ninguem
he capaz de o quebrar; finissimas charuteiras, a
500 rs. cada urna ; torcidas para candiero, a 100 rs
a duzia, de todas as larguras; bico branca, a 20
rs. avara ; chicotes inglezes, a 800 rs. cada um. A
elles, de pressa, ao depois nao fagam harlho com
o barateiro.
Vende-se urna cnmmenda deChristo, e um ha-
bito do Cruzeiro : a fallar com o guarda da Concei -
g3o dos militares.
Vende-se um bom sitio, com urna excellente
casa de sobrado, com bastantes commodos para
grande familia,i com 4 salas, 13 quartos inclusive 3
maiorescom jancllas, 2 cozinhas, urna em baixoc
oulra em cima, bastantes arejadas.com fornos mo-
dernos, e outros diversos arraujos, quarto para fei-
tor, senzallu para prelos,.estribara para 3 cavados
a folga, alm de urna pequea casa vclha que pode
servir para cocheira: o sitio be do una extcnso
immensa o conten diversos arvoredos, um pomar de
larangeiras enxertadas com laranjas selectas e de
embigo, limoes doces e limas de embigo que j pro-
duzco fructo, alm d outros ps ja anligos que
produzem laranjas muito doces, coqueiros, alguna
dedenzeiros, cajucirs, mangueiras, jambreros, pi-
tombeiras, pilangueiras, ubaieiras, assafroeiras, ja-
queras, pinheiras, figueiras, goiaboiras brancas, im-
mensos aragaseiros, ananazeiros, oili-coriSs, com
ha xa de capim plantado que sustenta 2 cavallos,
com um grande viveiro subdivdido em 3, com bas-
tante terreno para diversas plantagOes, como os bons
roelOes, medobins, macacheiras, lugar para jardime
coro algumas (lores, oulro lugar para borla, lodo
cercado de limAo, coro um grande pogo d'agoa do be-
ber mais ou Iros dous pequeos, om ch.los propri-
os, muilo perlo da capital, por ser no principio da
estrada de Jnlo-de-Barros: a tratar no mesmo sitio,
a qualquer hora do dia.
A' 2.?000 rs.
Na loja n. 5, confronte ao arco de Santo Antonio,
vendem-se ricos corles do clialy de lila e seda, pa-
drfles modernos, pelo barato prego de 12,000 rs. ca-
da corte; riscados francezes finos o modernos, a 240
rs. o cavado; zuarte azul encurpado, da fabrica por-
tugueza, a 200 rs. o covado: esta fazenda he propria
para escravos.
Trcni de coziuha.
Casserolas, panellas, chalciras e fregideiras de
ferro forradas de louga. Ksto trem de cozinha tem
merecido tanta aprovaglo que sendo a quarta fac-
tura contendo 2,000 pegas, apenas restarflo 50. Ven-
dem-se na rua Nova loja de ferragens, n. 16.
RAPE' PRINCEZA NOVO LISBOA.
Acaba de chegar pelo ultimo vapor urna nova re-
messa deste excellente rap, muilo fresco e com de-
licioso aroma, e contina a vender-se no deposito da
rua da Senzalla-Vcllia, n. 110, e em todos os lugares
do cosame, at boje annunciados.
Veiido-se urna bella escrava que he excel-
lente engommadeira sabe lavar, cozinhar e tem
principios de costura : rto Mondego, n. 78.
Vendem-se dous moloques de idade de 12 a 15
annos, tres escravos sem vicio, dez cscravas de idade
de 16a 28 annos: na rua Direita, n 3.
Vendem-se escravos baratos na rua das
Larangeiras, n. 14, segundo andar, a sa-
ber: um molecolede idade 15 annospouco
maisou menos, do eleganto figura, com
_ algum principio de co/inlin; um dito de
idade de20 anuos, muilo forte; um dilo do 18 annos,
de linda figura; um mulequo de idado 10 annos, bom
para so lhe ensinar qualquer otciii; um negro muito
forte, por 400,000 rs ; uro dilo bastante forte, por
300,000 rs.; urna negra do elegante figura 6 mais al-
gn* escravos, que aos pretendontes so moslrarSo.
AO BARATO, FREGUEZKS.
Na loja da rua Nova n. 26, de Tinoco & Rocha,
vendem-se riscadinhos francezes, a 220 rs. o covado;
chitas finas quo nto largam a cor, a 200 rs o cova-
do ; lindissimascassas para vestidos de senhora;
corles de colletes ; brins para caigas ;Juvas; meias ;
chapeos de sol ; alm do completo e sempro varia-
do sortimento de fazendas higlozas e francezas, que
esta loja vende por prego commodo c sompre mais
barato que em outra qualquer parto.
Vende-se um moleque de 18 annos: na rua
Nova, n. 26, casa de Tinoco & Rocha.
Vende-se um muito bem construido tanque de
ferro com duas ptimas torneiras tambem de ferro,
e com a competente grade de madeira para assento
do mesmo: he excellente para deposito de a/.cite
IVa loja de Francisco Jos Perei'
ra BrafjrH na rua do Crespo, n.
3, aop do arco de Santo An-
tonio,
conlinuam-se a vender chitas de padrfles esc uros pe-
lo diminuto prego iln 100 rs. o covado; pecinhas do
cambraia lisa, a 3,600 rs.; cortes de cambraias ada-
mascadas, a 5,000 rs.
Vende-se um bo muilo gordo l>om carroeei-
ro, e urna carroca em bom uso : na pragn da Boa-
Vista, n. 19.
A' 800 rs. o corte.
Na loja de GuimarSes Serafim & C, confronto a
arco de Santo Antonio, vendem-se lindos cortes do
fustflo, cores fixas, pelo barato prego de 800 W. o
corte; cassa-chitascom flores, linas o largas, suecas
e inglezas, a 340 rs. o covado.
]mm&
AGOA DO JAPAO'
DELICIA PUI'.V.
Hochegada urna pnrglo deste mystc-
rioso elixir que do Rio nos trnuxe o va-
por S.-Salvador. A umita extraegilo e
immensos effeitos quo tem produzido ,
nilo pdedeixara sua continuago, as-
sim como pela brevidade com quo ef\-~\
cazmente produz o seu effeitn nflo po-
de deixar de dar prompta extraegilo
porque todos auc della usam o mal;
mas a outros cada passo Ibes nasce e
della precisflo. He intil apregoar suas
bondades pois he bem conhecida e es-
t (o quimlo pode serjacreditada, tanto
na Europa como no Brasil, pois cm toda
Cartc se faz digna de crdito ; muito
asanle lhe he o ter sido examinada
eapprovai.bi pela sociedado das scien-
cias. Vende-se nicamente no deposi-
to da praga da Independencia loja ns.
13 e 15, a 1,000 rs.; assim como ontras
muitas perfumaras e oalgados.
Vendem-se sapatiVs do pala muilo bem fal-
tos e proprios para invern, polo barato prego de
1,44o rs. : na praga da Independencia n. 3. A elles,
freguezes.
-- No armazom do Braguez, ao p do arco da Con-
ceigilo vendem-se, por prego commodo latas com
biscoulo deararuta; charutos om caixas,e borra-
chas do Para : tudo chegado nltimamente.
Vendem-se superiores charutos de regala, por
prego commodo, c chegados ltimamente no va-
por S.-Sebastido, da Babia : na rua do Trapiche ,
n, 34.
O modernismo no sen auge
Entre os ltimos espectculos saraos,
balese divertimentos, em que abunda
.. variadamente a capital da Franga ( Pars?,
T( que em modas, lougas enfeitcs do lu-
xJv xo o bi'ilhgnles atavos leva a primazta,
na varedade esublimdade de gostoa to-i
, das as cidades europeas, uns riquissiinos ^
* vestidos d'uma fazenda composta efahri- '
cada de seda e lila denominada Cha- ,
mariro serviam do elegantissimo ador- |
no aos bellos delBlhes do madamismo
liarisiense, que so lornava digno de ge-
ral atleng.lo. Esta preciosa fazenda com-j
posta (fasduas mais preciosas. leias,-seda '
o 1:1a, tem uns listrados de seda, atraves-
ils* sados uns, outrosassentes sobre um te-I
cido parecendo merino, que lhe d um|
realce quo a toma mais digna de atten-
gio do que se fAra seda s ; pois he urna |
maravilha o scu bem desenhado e real-1
gado goslo. O madamismo pernambuca-
no com justa rasilo apreciador do Ifio ,
boas qualidades, em una fazenda intei- ,
ramento nova para seus vestidos de bai-
les, nflo deixar de receber com particu- (
lar altengflo a noticia do que o adiama-
nto se vende tilo smente na loja nova '
n. *, de Ricardo ao p do arco de S.-An-
tonio, a troco de 1,200 rs. cada covado.
Aprcga, leva lonje a fama,
Levanta osom meu clariin;
Esbeltos corpos das bellas cngo
C'os lindos vestidos de chamarim.
Vendem-se lindos blcos de linho; dilos do al-
godo ; rica3lvasdeseda fil o pellica para ho-
rnero e senhora ; mantasdeseda o de filo; meiasdo
seda de patente; veos pretosde fil ; lengos de seda
para algibeirae pescogo ; luvas inglezas de pelli-
ca, para montara; oculos finos do armagflo o de lo-
dos os graos ; riquissimas Illas para cintos e cha-
peos; chapeos do Chili tudo d ultimo gostoe por
prego barato : na praga da Independencia, u. 39.
ATTENCAO'.
Vende-so o buharda Camboa-do-Carmo em cu-
ja casa ha botiquim de bobidas, todos pertences
para sorveto commodos para familia eo sou alu-
guel he de 8,000 rs. mensaes : a tratar no sobrado d*
um andar n. 21, por cima do mesmo bilhar.
Vende-se um carro de 4 rodas, quo serve par*
um ou dous cavallos, coro seus competentes arreos
varaos e langa : na rua do Queimado, loja n. 17.
Vende-se, para engenho ou para fra da pro-
vincia ama preta de 18 annos, quo coziuha o orr
dinario de urna casa lava, engomroa raz lavann-
to e todo o mais srranjo de um casa de familia,
tem lolte, por ter parido ha pouco urna cria parda;
bem como outra quo tem 3 anaos, que or ser fl-
Iha della se vender tambero : no For'c-do-Maltos ,
prensa doRrto se dir quem vende.
Vonde-se tfm supplomento colleccflo das leis
portuguezas, pelo desombargador Delgado; o tra-
tado de appellagOes, porGouveia Pinto; umagram-
matica ranceza por Constancio ; niti diccionario
porttil da lingoa portugueza por Fonscca ; urna
Imitagflo de Chrislo om francez : na livraria da
praga da Independencia, ns. 6 e 8.
Tinta verde de oleo
muilo poucos fundos, a dinheiro ou a prazo por do mesmo ; neexceue.ue para ueposuo ae^iu .....- --------------"'-,- .
rLd.lesm?vreaae P"" """**" "^ 1 S^Anionio0,? lT """"^ ; "" '" ^T^SS^^^^USS^^
. na
Koenmund




;4.
I

Vende-se umii armago envidracada, propria
para nlfaiale ou miudezas, que tem 80 vidroa gran-
des, pelo preco de 80,000 rs.: na ra Nova, loja de
ourives, n. 32.
Vonde-so salitre e enxofre de muito boa qua-
lidade e por menos do que om oulra qualquer parte:
no aacriptorio Je Claudio Dubeux, na ra das l.aran-
geiras, n. 18.
* Vcnde-se a verdadeira e su-
perior potassa da Russia, branca
e em barris peauenos: na ra da
Cadeia do Recite, armnzem n. 12,
de Bailar & Oliveira.
A PARISIENSE,
KOV E RUJIANTE
i para piano : vende-se na ra da Ca-'-
deia, loja da viuva Caldoso Ayres &
l'ilhos; preco 50o rs.
Vendcm-seS lindos moleques do 16 a 18 an-
nos ; um pardo.de 18 annos ptimo para pagem ;
trespretos de 20a 2* annos, de bonitas figuras ,
sendo um delles bom carreiro; urna pacda de 21 an-
nos, com habilidades; duas pretas com algumas
habilidades; urna preta de idatle por 180,000 rs. :
na ra do Collegio, n. 3, segundo andar, se dir
quem vende.
Vende-se um preto ptimo para o servico de
campo, de25 annos pouco mais ou menos, e de
oonita figura : na ra da Cruz, n. 28, segundo an-
dar, casa de Lima Jnior & C.
' Vende-se um carro de duas rodas bem cons-
truida e quasi novo, por preco commodo : na ra
do Hospicio, coclieira do Emilio Francez.
Vendem-sesapatosde Nantes de urna o duas
salas; ditos de costura; ditos de 3 solas, proprios
Eira o invern; sapatos inglezes ; borzeguins e
Dtins diloa; borzeguins a 3,600 e 7,000 rs.; sapa-
tos de duraque para senhora e meninas; um com-
pleto sortimentode sapatinhos para meninos; di-
tos de lustro rom fitas para meninos e outras umi-
tas qualidades de ralbado chegado do Franca pe-
lo uflinin navio : na ra da Cadeia do Recito luja
do Moreira, n.35.
Vende-so urna cama deangico moderna, em
muito bom uso, por preco commodo : na ra dus
Trincdeiras, n. 31, casa do nicho.
Polassa da Russia,
pelo preco de 180 rs. a libra, em barris pequeos:
na ra da Cruz n. (O armazcm de Kalkmann &
Rosenmund.
Vende-se urna excellente casa terrea, com com-
modos para urna grande familia sita nesla praca :
a tratar no principio da ra Imperial, n. 9.
CHEGUF.il AoVaraTO !
Vendcm-se casaes de pombos grandes, bons ba-
tedores, bonitos e de urna raga encllente por um
preco muito rasoavel. A clles, antes quo se ac bom.
Na ra da-Florentina, casa de porta ejanella, defron-
te da cocheira doSr. Sebaslio.
Vende-so um escravo de Angola do servico de
campo h por 260,000 rs.; dous relogios de ouro : na
ra Direita, sobrado n. 29.
Vcnde-ie catvirgem em mriai barrlca .chrgada
ltimamente ; caixai vasias para assucar ; urna porffm
de pesos de ferro, de duas arrobas ; serras grandes para
serrar madelra ; ludo por preco commodo : na ra da
Moeda, ariiiazem n. 17.
lole de seda para colletes e gollas ; se-
tim macan ; o verdadeiro brim (raneado
de listras de cores: na ra do Queimado,
loja nova, n, u, de Hay mundo Carlos
Leile.
= Vrndem-se moendas de ferro para engenhos de as
sucar, para vapor, agua c beatas, de diversos tamaitos,
por preco commodo; e igualmente tallas de ferro coado
e batido, de todos os tamanhos: na praca do Corpo-San-
to, n. 11, em casa de Me. Calmont & Coropanhia, ou na
ra de Apollo, armazem, n. 6.
Vndelo urna parda de muito bonita figura,
3uc cozinha bem o diario de urna casa lava
e sabflo e varrella cose chao', o he muito boa pa-
ra casa de familia : na ra do Collegio n. 16, ter-
ceiro andar.
Vendem-se alguns escravos, sendo : urna par-
da anda moga ; urna mulatinha do 6 para 7 annos;
una negrota le 11 para 12 annos; um preto ainda
inoQo ; urna preta de 20 a 22 annos, com muito bo-
nita figura muito prendada por saber cozinhar ,
engommar, coser chao, fazer ronda, lavar desabito e
vender na ra : vende-se porque o dono se retira :
no flm da ra da Florentina virando a esquorda, n.
It, defronle do guindaste.
(nadara) vendem-se juncos de superior
qualidade, em porcio e a retall.o, e por
menos do que em outra qualquer parte.
fiarateiro da loja nova.
O novo barnteiroRicardo, da loja nova n. 4ao
p do arco de S.-Antonio, est vendendo pecas de
chitas muito finas, cores muito (xas o novos pa-
drees a 5,800 reis.e o covado a 160 res; casimiras de
algndlo, padrOes inteiramente modernos, o corlea
1,600 ris; lencos de seda muito modernos para ho-
mem, a 1,440 ris ; ditos de cambraia muito fina, a
400 ris; cortes de chaly muito moderno, a 5,000
ris; mantas de soda, padrOes c'hinezcs, no mais
moderno gosto, a 10e 12 mil ris; algodiio azul e
riscado para escravos.de 4 palmos de largura, muito
encorpado, a 200 ris o covado. Tem um lindo sor-
timenlo de sedas modernas no gosto chinez, rece-
ladas e desembarcadas hontem, da ultima moda de
Paris, para vestido de bailes, &c, e que vende niuio
barato, assim como todas as fazendas-de luxo,
assciado gosto, notando-se uns lencos com franja
para senhora, da melhorseda degros de INaples, pa-
dres nunca nesla praca vistos,a 6,000 ris.

Vende-se,na ra da Cruz, n. >.'i,
cera em velas, de nma das melho-
_res fabricas do Rio-de-Janeiro ,
sortimento vontede do compra-
dor, em caixas pequeas, e por
preco mais barato do que em ou-
lra qualquer parte.
I
P
8
Gaz.
Loja de Joo Cliarrion ,
\ le To-cla-lloa-t isla, n.5.
Nesta loja aclia-se um rico sortimento de LAMPEOES
l'AltA GAZ com seus competentes vidros accendedo-
res e abafadores.
li.SlCS eaildiCrOS w <> melhore e
mais modernos queenistem boje: rccoinmendam-se ao
publico, tanto pela seguranza e bom gosto de sua boa
oufiTfao como pela boa qualidade da luz, economa e
asseio de seu servico.
i\a flICSma loja os consumidores sein-
pre acharao um deposito de GAZ de cujo se afianca a
qualidade, e em porcio bastante para consumo.
mmmm
Nesta loja vende-se um completo sorlimento de
roupa fcitade todas as qualidades, de panno fino ,
merino, alpaca ; assim como palitos de lila lina da
ullima moda ; robe de chambre etc.; panno fino
preto e azul, merino, alpaca muito fina quo se afian-
ca nilo deslilar; botoes de massa preta corr corda,
proprios para-fardamento de olliciaes de cacadores ,
e outras militas fazendas por preco rasoavel.
Vendem-se dous prctos e 3 pretas mocas, sen
vicios : no largo do Collegio, n. 1, segundo andar,
so dir quem vende.
Excellente rap.
POTASSA DA RUSSIA, A 180 E 200 RS.
Cunda &. Amorim vendem polassa russiana nova e
de boa qualidade, pelo diminuto prego de nove vin-
tens e dous tusles a libra na ra da Cadeia-Velha,
n.50.
Vendem-se gementes de hortalice do todas as
qualidades, chegadas prximamente do Porto, por
prego commodo na ra estreita do Rozario, ven-
da n. 8.
Vende-so urna preta muito moca sadia de
bonita figura, com principios de engommar, cozi-
nhar, coser e lavar muilo bem : na ra do Rundel,
, n. 26, primeiro andar.
-' Vende-se urna escrava do nacflo, muito fiel,
que cose liso, marca, engomma faz lavaiinto e co-
zinha o diario de urna casa : na ra do Vigario, n.
14, segundo andar.
Vendem-se lijlos do ladrilho, a 20 rs. : na ra
atrs da ribelra serrara n. 13.
Vendem-so saccas com a mais superior farinha
que existe no mercado a 3,200 rs.: na ra Direi-
ta n. 9.
Vendem se VELAS de cera do
Hio-d-Janciro e de Lisboa grande e
completo sortimento : na ra da Senzal-
la-Velha armazcm n. n, de A lves
Vianna
-- Em Clisa de Manoel da Sil-
va Santos, no ra da Cadeia, n.
4, vendem-se caixas contendo ca-
da urna doze garrafas de supe-
rior azeite de oliveira.
N UUA DOQUEI.MADO, Ni i,
Vendem-se lindas mantas de seda ,
muito linas as innis modernas que lia,
proprias para senbora e meninos, a 3,>oo
rs. ; cortes decassade odres fixas, ede
lindos padrdes, a 4>000 rs- i sarja bes-
panbola ; dita franceza ; los pretos ; lu-
do por menos de seu valor, por ler aca-
bado a Quaresma : na loja nova de Ba
C. Lcite.
Vende-se urna rica caixa de msica, com
caixa de charflo por preco commodo; curso da
historia da philosophia por V. Cousin 2.000 rs.;
frascos de graixa de lustro de nova nveneflo a 500
ILCi "I" P0'8 serve P*r* qulq"r couro ; co-
nhecimentos, a 20 rs. cada um, e o cenlo a 1.000 rs
na ra do Crespo, lojaue miudezas, n. 11.
PANNOS i-RETOS FINOS
e novos na loja ; velludo preto; chama-
Arha-sc aherto um novo deposito na ra da Crus,
n. 44, de superior rap liinto Mim como groado e meio-
grosso di Uasse da llahia e por muito commodo preco.
Acha-sc a venda no dito deposito, e bem assim no
bairro de Santo-Amonio as lujas dos Srs. i Filippe
de Santiago, Joaquim de Abreu, Henriques !t Coni-
pnnhia ; Almrida e Campos Antonio DominguesFrr-
iiii.i Joanulipi Mnnteiro da Criu Si Companhia ,
Manoel Jus da Costa Oliveira ( odeeeira StGuimarcs;
bairro da Itoa-Vista os Sis. Antonio Ayres de Castro St
Companhia Caelano Luiz Ferrelra ; bairro de S.-Jos ,
os Sis. Joao Jos Pinto de Oliveira, Vicente Jos Ta-
vares.
-- A bordo do brigue Indeptndente fundeado de-
fronte do Collegio vendo-.sesebo em rama e carne
secca por procos commodos, boa fazenda.
Annuncio importante.
Na loja n. 4 da ra do Crespo, ao p do arco de S.-
Anlonio, deRicardoJ.de F. Ribeiro, acliarflo os
concurrentes um bello sortimento de casimiras do
cics ', com umita elaslicidade e de gostos os mais
modernos rocebidas da afamada Paris ; assim como
igualmente ha um sorlinieulo completo da reconhe-
cida boa fazenda pela sua consistencia denomina-
da pelle do dialm sendo o proco de cada corle
1,440 rs. ; advelindo que seus padrOes nada ficam
restando a qualquer nutra fazenda do alto custo : ha
tambem um completo sortimenlo de fazendas de to-
das as qualidailes, que merecem a devida conside-
radlo em seus apurados gostos como em seus mdi-
cos procos e entre estas merecem particular atten-
Silodas senhoras uns riscados editados e chinezes,
e elegantsimos padrdes e realfadas cores de rosa,
azul, e cor de caf, adamascados a escoceza, a 280 rs.
o covado proprios para vestidos, c sendo suas
amostras francas aosprctendentes.
Medicina universal.
l'ilnlas vegelaes de James Morison.
A medicina vegetal universal he o resultado de 20 an-
nos de investigaedes do celebre James Morlson. Por
mrio drstas pilnlns consrguio sen amor innumrras e
nduiiravels curas desde as aMrccdrs que atacam as
crianzas dr pello at as molestias chronlcas do anciao.
A Europa saudou este remedio como remedio Univer-
sal para todas as docncas e al boje ainda uao fui des-
mentido tal titulo.
Esta medicina vem acompanbada de urna receitaque
ensina e facilita a sua applicacu. Consiste em tres pre-
paracoes a saber : duas qualidades de pitillas distinc-
tas por nmeros, e um p: cada qual gota de modos e
acfdes diversas.
As pilul.is o. I san aperitivas; purgam sein abalo os
humores biliososc vicosos, e os cupulanm com rmcacla.
As do n> 2 rxpulsaui rom rsses humores igualmen-
te com grande forja, os humores serosos, acres e pul i
dos, de i|ur o migese aclia a ududn Infectado ; per-
correin todas as partes do rorpn e so cessam de obrar
iiuando ncni expulsado todas as impurezas.
A terci'lra preparacao consiste em nina limonada ve-
getal sedativa: he api-rali va, temperante radneantr: tor-
na-secm enmmum com as pilulas e facilila-luesos ine-
lhores elTi-ilos.
A posicc social doSr. Montn, a sua foituna inde-
pendenle repellem lod a idela de charlatanismo ; e as
admiraveis curas operadas com oseusvstema no col-
legio de sade de Londres, so mais que garantes da
erncacia do seu remedio.
Recommenda-se esta medicina que nSo pede nm
resguardo de lempo nem de posi(ao da parte do (len-
le- a todos os que atacados de molestias julgadas In-
curaveis se quizerrm desengaar da sua vil lude.
Oalquc a humanilade feche os ouvidot aos inte-
ressados em de&acreililar etles remeuios tao simples,
lao commodos r Uo vrrdadelros.
Vriidem-arsmeule rm casa do nico e verdadeiro
ageute J. O. Elstcr na ra da Cadeia-Vlha o. '29.
Escravos Fgidos.
No dia ii do corrente ( abril) fugio
um escravo de naci, por nome Pedro,
com os signaes seguinles : dad pouco
mais ou menos de ao annos, estatura re-
gular, cheio do corpo, ps apalhelados, c
tem em um dos olhos huma pequea hi-
lide ; tem no rosto uns pequeos arra-
nhoes de andar brigando ; levou calca e
camisa de estonpa j velha. Roga-se a
odas as autoridades policiaes, capitaes de
campo, e mais pessoas, por quem possa
ser encontrado dito escravo, o apprehen-
dam e mandem levar ra da Praia, n.
68, ou ao absixo assignado, na. ra Di-
reita, n. a, segundo andar, que gratifica-
r o portador com generosidade.
Jos da Silva Oliveira
No dia ^4 do corrente, ao amanhe-
cer, desappnreccii de casa do abaixo as-
signado, um mulatinho claro, de cabellos
corridos,denles clarse limados; repre-
senta i4 anuos de dade,.dc nome Igna-
cio, que servia de criado ; levando comsi-
go tuna carteira de algibeira, de marro
quim escuro, j velha, dentro da qual ha-
viam nove cdulas de 5'00 rs. e urna de
j0|000 is urna relaco de alguns deve-
dores, e mais alguns papis, que s ao
abaixo assignado podem servir, um tran-
celim de relogio, de ouro, com o pas-
sador esmaltado; e urna caixa de flandres
pintada cor de caf, tendo dentro, seis pa-
res de coicas de brim, tima de casimira
escura, de qudro, oito camisas c duas
aquetas, e urna calca de panno azul, com
\ ivos encarnados. O abaixo assignado
ro{a a qualquer pessoa, ajquem elle se fr
ofterecer para criado, ou delle liver noti-
cia o obsequio de iaiersciente na Boa-Vis-
ta, ra da-Aurora, casa n. 38 ; assim co-
mo por este declara fazer lodos as pesqui-
sa* que estivercm o seu alcance, para del-
le ter noticia, e protesta ha ver lodo o
producto do roubo da pessoa em cuja ca-
sa fr encontrado. /Manoel Luiz Vides.
Fugio, no dia 7 de marco, urna escrava par-
da, de nome Valentina, a qual pcrlencoaos bens do
fallecido Jos da Silva Boleldo, e tem os signaes se-
guinles :' bailante alta grossa e bem feita de corpo,
cabelle de cabra e cortado como de homem, tendo
na frento marraras com pentcs; tem os peitos gran-
des, bracos grossos, niflos compridas rosto redon-
do com marcas pretas db bexigas, denles miudse
abertos, e urna cicatrizcm um dos bracos: n3o se
pode dar noticia da roupa conduzidoentrouxada toda a que titiha, inclusive
Iravesseiro, lencol, mrias sapatos, parda fui visla nos Afogados, em urna casa de ran-
cho, e consta ah disaera que sguia para as Cur-
- Na ra da Senzalla-Nova, n. 3o, ^^^?^Z8^\
tltes de campo oo pessoas particulares, que a en-
conlrarem a facam prender e levar a ra largado
Rozarlo n. 23, primeiro andar, ou na ra das Cru-
7,es n. 36, primeiro andar, Junto a typographia do
Diario, que serlo generosamente recompensados.
No dia 23 de marco do corrente anno 3 indi-
viduos do serillo furlaram do engenhp Camorim-
Grande, um escravo crioulo, de nome Pascoal, mui-
to moco pouca barba nariz chato e grosso esta-
tura mediana falla grossa pos limpos e n.to gran-
des orolhas furadas para brinco; gosla muito das
cantigas e dancasdos pretos do Angola : quemdellc
der noticias ,ou conduzi-lo ao dito engenho sera
generosamente recompensado.
No dia "6 do corrente mez, fugio um escravo do
nome Manoel, de dade 25 annos, de estatura regular,
rosto redondo, nariz achatado; levou vestido calca
de brim cr, camisa de madapolflo, o chapeo de pa-
Iha de abas muito largas; he muito carhaceiro, -
quando est bebadoarma desorderts, e he muito lao
drSo tem sido visto n'outra banda, nos Afogados; o
para as bandas do engenho do'Meio: avisa-se a pes-
soa quo o tem acoitado, e o traz no seu servico, do
que j. ha noticia, eque em 24 horas o' venha restituir
a seu sendor, se nlp quizer flear subjeito s penas da
lei; o roga-sc a quemo pegar que o traga a ruada So-
ledado, n. 32, onde ser generosamente recompen-
sado.
Fugio, na madrugada de 21 do corrente de
bordo do brigue Norma, o escravo crioulo, de ri-
me Flix altura regular, bastantesecco do corpo,
rosto cmpralo cor fula; levou calcas do riscado
azul e camisa branca intitula-se por forro, sabe ler
ehemuito esporto ebemeonhecido nesta praca,
por ter em outro lempo pertencido a Antonino Jos
de Miranda KalcSo. Dito escravo veio do Rio-de-Ja-
neiro sob pretexto de forro ; foi capturado pela po-
lica e oSr. subdelegado da freguezia do S.-Jos,
como consta do Diario-Novo; e sendo condecido da
propria pessoa que o comprou aquello Miranda por
JoUo de Carvalho Rapozo, este Sr. o vendeu em
Santos ao capitflo do brigue Encantador Joito Fran-
cisco Fernandos; os abaixo awignados o reclama-
ra m como encarregados dos negocios deste nesta
praca e Ibes foi entregue no dia anterior sob
flanea dos mesmos como consta do Diario de Ptr-
nambuco de 20 do corrente. Eni conseqtlencia nilo
s do compromelimento em que se acham os abaixo
assignados, como para constar a quem perlence, os
abaixo assignados oflorecem desdeja cen mil rs. a
quem o*possa capturar e trazer a ra da Cadeia,n ji.'i,
reconimcndando-se nio s as autoridades policiaes
da provincia como a todos os capilflcs de campo.
Amorim Irmios.
-- Fugio, no dia terca-feira, 20 do correle mez de
abril, um moleque crioulo, com 18 annos, de estatu-
ra media, bem regular em fcicfles, tendo os beicos
grossos, e a bocea cfTectivamenlo meia aberla; lio
ttaro, o tero o andar um tanto arrestado; levou ves-
tido camisa e calca de algodQo branco Uno, e com
um chapeo de palha grosso; tem a mili forra cm 0-
linda, onde tambem mora; quem o apprehendcr le-
ve-o a seu dono, Joflo l.insCavalcante de Albuquer-
que, na ra de Matias-Ferreira, que ser gratifica-
do.
Fueio,nodia 21 do corrente, urna preta de
nome Josepha ; do genlio de Angola ; representa ler
40 annos, estatura alta bstanlo gurda cara lar-
ga, andar descansado; levou vestido de tnetini
preto ainda novo, e pnmio da Coala azul com lis-
tras brancas ; foi escrava do Sr. Joaquim Antonio
de Farias llarboza morador na ra do Rangel, a
quem fui comprada o mez passado : quem a pegar
leve a ra das Larangeiras, n. 18, que ser recom-
pensado.
Do engenho S.-Anna, de Antonio Das, da pro-
vincia das Alagas, fugiram, no dia 8 do Janeiro pr-
ximo passado cinco escravos .sendo dous cabras o
3 pretos com os signaes seguintcs : llazilio, cabra,de
22 annos pouco mais ou menos, baixo,grosso,princi-
piando a barbar olhos pretos, roslo redondo, den-
les limados-, nariz regular cabello piedaim : Anto-
nio, cabra, de 30 annos, altura e grossura regulares,
roslo cumplido odos pretos, nariz grosso bocea
regular, pouca barba cabello piedaim : Manoel,
crioulo altura regular do 28 anuos, secco do cor-
po olhos pequeos, cor fula nariz grosso, ulll-
cial do sapateiro : Antonio, crioulo, de 22 annos pou-
co mais ou menos, cor fula, altura regular, bom
corpo beicos grossos olhos blancos principiando
a barbar, com alguns polmOes pelas costas: l.uiz,
crioulo, de 21 annos pouco mais ou monos cor fu-
la secco do corpo,-pouca figura ; pouca barba ros-
to corrsprido ; tem um pmais grosso quo o outrO.
Roga-se as autoridades policiaes o capilfles do cam-
po que dos mesmos tiverem noticias, de os pegarem
o levarem ao dito engenho, a seu senhor, o capililo
Antonio Joaquim Lina Pirau.ou na praca de Pernam-
buco a seu correspondenle, o Snr. Lourenco Jos
das Neves, na ra da Cruz, no Recife n. 64, que re-
compensar. Adverte-se que os ditos escravos le-
varam um jogo de pistolas de bronze que rouba-
ram a seu seu senhor.
Fugio, no dia 21 do corrente, um escravo de
nome Francisco de 40 annos, altura regular, bas-
tante barbado ; tem dous denles arrancados na fren-
te ; he quebrado de ambas as venidas; levou ca-
misa de algodfiozinho e ccroulas de estopa ; do bas-
tantecachacciro. Roga-se as autoridades policiaes
o capilfles decampo do o apprchendeiein e leva re ni
a Fra-de-l'orlas ra do Pilar, n 80, que serflo re-
compensados.
Desappareceu, no dia 19 do corrente ,'"o Afri-
cano Joflo, de nacflo ('.aladar; tem nielaile do dedo
mnimo de urna das mitos corlado ; representa ler
50annos para mais, poisj tem alguns cabellos
broncos na caheca : quem o pegar levea estrada dos
Remedios na Magdalena, sitio n. 5.
Fugio, no dia primeia) do corrente urna pre-
ta de nacflo Renguclla que reprsenla ler 30 a 33
annos cor fula ; levou-vestido de riscado a'inarllo
ja desbolado, e panno da Costa novo; lem um dedo
da mfloesquerda muilo torio, por causa de calor de
ligado. Esta preta foi comprada ao Sr. Joflo Frcdiri-
co do Abreu Reg e no lim de oito das fugio. Ilo-
ga-se a todos as pessoas c capilfles de campo q,,c *
appreJjenderem do levarem a l'ra de-l'ortas, con-
fronte ao arsenal de marinha ,n. 143, segundo an-
dar, que scro bem recompensados.
ERRATAS.
Na lin. 23 do 3.* periodo do communicado do Dia-
rio de 24 do correnlc, depois da palavra assistento ,
leia-seo Sr. Francisco Jos da Silva; na 2* I. do
4. periodo, depois da pafbvra parlio, leia-se : o Sr,
Francisco Jos da Silva com o Sr. Joaquim de Aqui-
aoEonseca.
PERN. ;.HA TTP. NI. F. DEfABIA. 1&47"


Aiino de 1047,
Segunda feira 9C de Abril.
N. 17.
5BHHBKSS
SOSAS
ai
DE
PEftNAMBDCO
(SOB OS AUSPICIOS DA SOCIEDADE COMMERClAL.)
Subscreve-se na Praca da Independencia, loja de livros n. 6 e 8, por asooo ris por anuo, pagos adiantados.
PRESOS CORUENTES DA PRAA (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
o

O mu
Jlifs
. c
.81
5 3
o
a
M
.s
2
a -3 .5 .5
v w w o
5 3 !o 2oj:o-ojs
6-3
i S S-'
*- te
'-i
ti 2
S5
5-1- I
I.
a a n a
-3 1-3 .':= i Ci i-VJ & -H-o
|g.j < <5t- <<* y___3___
o rao33soooc>osEo o a a =
o z
-!;..s.2
-a
o
1
o
i.
tJtaKftUQjt
s* 8"
o o = o e
oo o c o
H.S
** O
O o o
O ** o
oo r
^^-ooooooooo
sil
J
3

3t
? > a a
W I- i-* I- w m
^ ** te :c_.-io-
< tn r*
tso^jjj a aja;
o es
-O
=
-r o O O =
t r e^ v- r w
= o c <

t( W O "1 (
3 s =
! 8 3-5
-Ja S
a ero r-j o a
' ,* C O,
<
* A ft A B a ft <
3-J

O o O
^ -*
o c o o -*
no O *o *
SOS'OOOOC*--^
o
-j0-100* oo
r- OOrtr. ./> u
*>>'* %
-* w n 'O n
O == c
c# m^ c
O r< c -o c (- O O
Cf O -4 C C ifl
M
<
o o a o o o o i
roo

A O O O O
r r c.
* e .*
5;
0<*O0 co
ooooo oo
C C O O > O
attc%k )) *
c o n J9 n c i-
C* OJ B 0M>
c c o c <
O O O K >
C O O C. I
te,
o
c
X
I I I I I
i*!
ilJJs=JI
3
o

H
es
2
1 I
141'
sil
lili.
S *> I I I
sseg'2s
i i i Ss
O I I
y.
I!'
alo
XS8
!S'Il
! 1
-S
9 I
l"JI.,
=1
I*'
o.

i i l
i I
i I I
I I '
>v
a m
'II

8 >
:.= :
liili
a
0.3. C
I I I I I I I lll
I I I I | I I I I I
i '......2
i i 2 i f i \
S:W3|lf||.
(V
i i i i i i i i i i
i i i i j i i i i i i i
i i i i i i i
i i i l e 1
i Ij| i
J|' u'
18 8 a
,0J
i i i o i
> e i
= 50.

u
I
r i
1* '
lia 1
I 'i
I I I
e..... g
3.1! esa 8.a 3
1- ,

s K = e

i!
?!
i i i i i i i i i i i i i i .a
t-'i'i.....i" !"i
. t fl..- i g i 0 ie
, Sif-i0. S -S if-i,
So a y" 8 5
h o '3 i '2 -- S-.2

M
1 8
-c "3 o w
V "O T3
2
i .=
ES
x =
o. '
i i i
i -a i i
l.i
I II I ISI II
' i '-8 'g '
i o J i i i i I
::-;*H
J U V
i = -o "C
I
~o a I a
i O B & V C I 9
.8C5
CK9 aSo '*
ja

a -5, -5g
o o o 5 il
_____ _z fc__________>a
B |--57^3 2 ifl 5-3
sooco ococo o:
O O O i 00000**0 CC O >A0 ac X. ^ -_9 "" CO roM
I O N -^ r *
a S
= >Z
o o s o
V *x ti V
o a
n 2 c T3 =
_ x -o-" '_
5 : c c o 5
_; x v ** -a -
a > > t ^,
o o
a x
i Fsi 1
( M> C I '-
Jaca
- 4) *x
a
5^ =
-3 2"3*
3 3 __ 3 O *-
a
a s
C
'___
> -2
* a gj ;^a
8-T-5 2J -5.5.5
Crf!*t 3 -_3 3 IZ
4
O'
0*5-
O o o o
eo e*o *
* 4 -r -r e "I
S 5 c i I"? 2S 2 2 .f #4 j. _
O1-! ato O o
O
-rt
o o
o o j
O
o =
-s r ;
o

ce *
o a-
fi
^a -
0<-'000000OO
CO C f r* ~i -1
gfi
8
3./E
I
a
i .a a o s
O" <

rlJ
Cf-J
ii.spsF::';0"!.;!:?:"11
-a stlT.; 5^Jt S-iJ 6 jf j
5 = -. I -; as < 3
o-
<
H
ce
2
s a .0 .2
a -**'?
"a._
I I I I 1 I ^ I I I I I I I I I I
8

5-3SS e c
o-uaSce aa u
"I'
1 un
. iS,
'i .ai-
8._3
<<<<
ia-S
1 1 1 1 1
! 1 1 a 1 1
, g||,. .
.listo, a '
tlfg-gg-s.-ij
1 1
I i
|N
i]
5 t
1 1 1 1 1 1 1 1
1 g 1 1 1 1
< 1 1 1
I iTjl 1
"'lili:
8 j -i
li
paaSaa al ai
'Illij'I
MM^i|lM___il]::Jll=
1*
>,| I I I
I I I I I
I I I
I
I I I I I I I I I
-3 i 8 s* _^B I S> B.J
1 1 1 1 1 1
V
Itiit
Sol .8 *
I I U J3
|3
-3_
< 1 j,
I e
lIJ
1 a n
E
3 1
5sS--
s sa H vi f- o. aj
T7TTTTT
'1 -a >
1
il;
i
a
, 3
.2
1 1
:*
imiii
y
.oda,.
=,s, *'c
- -

.2 '
m|fS_ -i
ESfi&v ^
III
;a
cu 5


MBHHH
(2)
EXPOBTAgAO.
Agoardente Cataca -
Algodo I orle- -
2. -----
[ A5.1m.ar branco cin caitas -
> mascavado -
ein barricas ou sac-
eos, branco -
> malcarado -
t.oilros secco salgados. -
Mcios do sola -
C'nlWs da trra -
* do Kio Grande -
EXPORTS.
Hum ------
Colln I. quelily -
. 2. -
Sugar in cases while -
> browo
a lor barris or Uses
while *
browu
Ijry sane iiities -
Tanne bids -
()(-lionis -
CAMBIOS.
Londres........................
Lisboa...................
Franca.......................
Itio de Janeiro...................
PK ATA iniuda..................
Paiaces Braiileiros.....
* Pesos Columoarios........
a Ditos Meiicanos..........
OURO. Moedas de 6*400 velhas..
ti niina ditas novns...
Ditas de 411000...........
a Oncas liespanbolas........
> Ditas Patriticas..........
Letrai..........................
20 2B'/4 d. por Ifr. a Odias.
9a por cenlo premio, por metal clTecluado
S1 & rcis por franco,
ao par
IJMft.
24040.
J|0S0.
I i too.
I6J400
I#206.
9JIP0.
2o;ooo.
28,9000.
00 so mes
uono
2*020
2J0IO
ir.60
16/3 n u
IflflOO.
0)000
28JSOO
27J500
1 '/, por
FUETES.
ASMICAll.
m
.Lirerprol...............Saceos n0 3 ? S,CCM I Com 5 /
Cal porto, lories......CijtW *> '<>
lpi.o .iwrnlrellainb.e Havre. Dito { f> 0 0 I,. ,,,
Vicov,.................Saceos 400 Com .0 /.
I Hamhurgo caitas............... ( 4 no
iS'::;::::::::::::::'^ coinsv.
lslados-Unidos.................
ft2.'.".'.'.^'.'.'.'..'.'.'.'.'.''.'.''' t!'tO 10 Vade primasen,
Portugal..........
Franca...........
Inglaterra..........
Harcelona..........
Inglaterra Seceos t
tranca...........
Estados l!nidos ..
ALGODA.
,... 600 por (ffi sem primagemnominal .
.... 400 por @e 10p/ aocAmli.de 160 p Ir nominal.
... 716 p d.e 6p. %> de primagem,
... 4C0ris
COUROS.
i & 0 0
por tonelada e a por eenlo,
70 liaucos por toneladas, coinlOp eeob
N.o lia.
WVA.C:
m
Da fe II de Nove...l.ro de 1(14 I* '< Pf->" p. c.o rap0.1 tabaco
, os cimillos ou cigarros, o fumo rolo 011 em lolha.
Pagano SO p. c. os saceos dccanliaiiMiso. grossaria ou gimes da InJia. os cai-
vete, em Inrm le ptinh.l. as almona, .r.ca,.ugcs. a, pe.l,a, lvica, para la-
godo, as p
encanamenlos
quer inane
UBI! II. I. o ,- --------------- n------ *> .
Irma le punb.l, .sal.nor-das ..recarruagens. a, pedia, lavn;dn, para la-
eilnu decanta.. pira porles. portt l>i.l*S, a, pedras l.vrad, p-r
los cepas, embaes e cornijas, o assucar retinado, cryatalisado 011 de qnl-
ira' confutado, o cha, a agonrdiruc, a cervej1 a cidra, a eoneftim, o mar-
de qualquer naro, que sobrecarregsr os geucros brasileos de maior direilo, que
iguaes de oulra naco.
riiiioOi ou
outroslicores, e os vinbos de qnalquer quahdade e preceilenea
l 11(11, lili JC1IHI. W Utiww 'w v-j.^-.........-..... 1------ *, f,.,,*lfiei
o sebo cm velas, as velas de Stearlna ou composicao, as ameixas.ou onlrasl rucias
em frascos 011 Utas, seecas, em calda, ou em espirito, o clioi-olate de cacao ordinario,
O vina-re, os carrinlios, carruagens 011 caitas jo;;os, rodas, arreos para uina e ou-
,-a muta as esleirs para forrar casas, os carros para conduzr gente, os sociaveis,
i silhc,. os areiciros e linteiro, de porcelana, e qualquer ohjecto de louca nao com-
prebendido na tarifa; 01 luitrcs. o, clices para licor ou vmho de vidro lujo oritina-
rio o de vidro moldado ordinario lavrado ou moldado e lavradn ordinario da Alle-
mi'nlia e scinelhantes' os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo corlado ou liso.
com molde ou lovor ordinario ; 01 clices para Champnnhe ou cervrjn, as canecas,
e copo, direilos de 10 a I em quartillio. hs garrafas de vidro ale I qiiarlilbc ou mais,
sendo todos estes olijectos de ns le! as garrofas .le vidro pretas ou escuras da
iiiesma capacidade, coniprchendidas a, que serve.n pira licores ou Le-Hoy os copos
pira taliem.is at urna canada, os fraseos de vidro ordinario com roldas do mesmo
nl 3 libras ou mais ; ou sem rollia al 2 libras 011 mnis, os de laica larga1 com rollias
do mesmo, li 4 libras ou mais, 011 sc.n rollia para opodeldoc os vidros para a-
lampndasou candeiros, as taboas ou folhas de mognoou oulra madeira boa, e tras-
tes de qualquer madeira.
Pagar 25 p. c. o ac, alcatro, lineo em barra 011 em folha. chumbo em barra
niilcn.-ol, estauho em barra ou em verguinlin, ierro embair vergninha, chapa o
linguados para fundicio. folha de Flandres, gallia de Alepo, lala em folhas, lalocm
chapa, marbm, salare, vime, bacallio. pcive pao, e qualnner oulro, secco ou sal-
gado ;' bolacha, carne secca 011 de salmoura, berva-doce. arinha de trigo, pellcas
branca ou pintadas, cordovoe ou ediles de beterro para calcado, bezerros e cnuros
envenii/.ados, cnuros de poico ou boi, salgado, ou seceos sola clara para sapaleiro
011 correeiro, coore c caparrosa.
Pagaro20 p. c. o trigo em grao, barrilh, canolilho espiguilha, fieiras, fios,
franjas, lanlijoulas, palhetas, passamanes. sendo de ouroou prala entrelina, ordina-
ria ou falsa': gales damasina nalure/.a, ou tecidos com rciroz, linho. al-odonu
seda, rendas 011 entremeios de algodo Bao bordados ; rendas de tilo, as de algodo,
relro 011 troca! j lencos de cambraia de linho ou algodo, e bandas de re tro 1 de
malha.
Pagar.o 10 p c. os lirros, mappas e globos eographicos, instrumentos malhe-
malico,, de physica o>i cbimica, corte, de vestido, de velludos 011 damascos, borda-
do, de prata ou ouro lino ; retro* ou trocid, e cabello para cabelleireiro.
tagar 0 p e. ocanutilho, cordao de fio cpiguilha, fieira, os, franjas, ga-
lio detioou palheta, lanlijoulas, pall.ela. rendas, cadarcos e lodoso mais objec-
os desta nalureza, sendo de ouro e prala fina,
Pa"a-o 5 p. 8. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobras e
utensis de prata,
Pegara 4 p, c. as joias de ouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pagar 2 p. c. os diamantes e outras pedras preciosas tollas sementes.fplan-
a e raras novas de animaes uteis.
Pagar 30 p. c. todos os mais objectos.
O, gneros rceuportados ou baldeados pago I p. e. de direitos alm da armaie-
;-3m e o despachante presta Ranea ule a approvaco desta medida pela Astem-
bi'ea UeraL
Coucedcm-se livres de armazenagens, por 15 dias, as mercadorias de Estiva, e
dous mezes as oulras e (indos estes prazos, pagar//, p. e. ao mez do respec
vo valor.
Os rdireitos das fazendas, que pago por vara, deve entenderle vara quadrada.
Os direilos nao podem ser augmentados dentro do anno financeiro mas o fio -
verno po.ler mandar pagar em moeda de ouro ou prata urna vigsima parte das que
lorem maiores de 6 e menores de 60 p. c. dos preros das mercadorias, ou n-.esmo
Siiniuuil-os, segundo IKe parecer.
O Goveruo est autorisadoa estabelecer um direilo difierencial sbreos genero
arbitramento para designar
Sao isentas de di.cito, as machinas, ainda nao usadas no lugar, em que forera
impoitadas.
'J Os direitos pago-te sobre a avaliaco de urna pauta sema-
!: Assucar 10 p. c. Algodo, caf, e fumo 12 p c. Agoar-
UXPOnTACAO
nal na razo seguinte :
denle, couros, e todos os mais gneros 7 p. c. Alem destes direitos pago-se as
tazas de 160 rs em cada caita, de 40 is. em cada fecho, de 20 r. e,n cada barrica,
ou sa*cos de assucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo.
Couro, e todo, o, mais gneros solirres de direilos para os portos do Imperio, a
excepeo do algodo, assucar. caf, e fumo, que pago 3 p. e. e as laxas por volme-
Os melaes preciosos em barra pago de direilos 2 p c. sobre o valor do mer-
cado, e a prala e o ouro amoedado nacional ou eslrangeiro paga nicamente '/, p.c
Os escravos exportados pago 5^000 por cada um*
DKSPEZ4. DO PORTO As embarcacoes nacionaes, 011 estrangeiras, que
nave^o para frra do Imperio, pag.1V) 00 rs de nncoragem por tonelada; as
nacionaes, que navegan entre os diversos portos do Brasil 90 rs. As que entraren)
em lastro e saliirein com carga e vice versa, pagar muade do imposlo suprn e um
trro as queeutrarem, esahirein em lastro; e mesmo as que entraren) por Manqui,
011 escala, quer cnliem ein lastro, quer com carga Desln imposico po.riiiero
isenlas as que iinporlaremmais de 100 Guinosbrancos, e asqueeiitr*drem poi anibada
forcada, com tanto que eslas iiho carrcgiiein, 011 descarieguem t nieiilc os generes
necessaros para pagamento dos reparos, que fizerem.
VENDAS DE NAVIOS As embarcacoes eslrangeiras, que passarem a ser
nacionaes, pago li p. c e a, nacionaes, mudando de pioprielano, ou de baudeia
pago & p, c. sobre o valor da vrnda.
REVISTA SEMANAL.
CAMBIO Nao houvero Iransacces alguma durante a semina, por talla de
sabidas de navios para a Kuiopa.
ALGODO Entradas regulares, e vendas aos preces quotado,.
ASUCAH Contina a ser olfcrecido mais francamente uelas quota toes.
COI'HIIS Mais procurados.
B4CAT.I1AO Naocnegou carregamento algum esta semana; o deposieo he
de 1:100 barricas de qualidade uif-' ior.
FAI11NIIA DE TK1CO Chegaro dous pequeuos csrregamentos dos Estados-
Unido, com 2;i>00 harricos ; vendas reglale,.
CARME DE CHARQUE Mo cliegou cerregamento nlgum ; o deposito
actual he de 4?00 arrobas, e venda, moderadas aos preros qnolados.
N. B = Chegou um patacho Hespanho! do Mediterrneo com carga sortida, a
qual fica por vender.
Chegou igualmente huma barca do Havre, irazendo tazendas e mantelga,
Retumo dai Embana5et existentes neite porto no da 24 de Abril de 1 847.
A mericanaa......................................................#. *
Austraca,..........................................................
Bras.leiras.................................. ......................... "
F rancezas.......................................................... :
Hespaohola..........,............................................ '
Ingl................................................................ ?
Portugueza..................,......................................... z
Sardas................................................................ *
Sueca.............-.................................................... '
Total *a
A Provincia gosa Iranquillidadt.


(5)
LISTA das Embarcares existentes neste porto at odia 24 de Abril de 1847.
rtTMOAI. DffllDBYM.
|8" *?
18"
M,rl Woteiford
Boston.
Phlladclpbia.
Raltimore.
CISCO.
NACAO.
fetcml'ro *
H FavereHO l
|8" M,rf
,|,7 M""
||47 Ab'd
||7 Marco
1847 Abnl

IJ47 Marco
H47 Abril
a
1887 Abril
a
11
:
Babia
As>
llm-GrandedoS.
Ass
Rio Giande dos.
MatanbSo.
Rio (irande do S.
\smi

A naca ti
Rio de Janeiro.
Ilaina
Acaracu
fijo Crnn le do S.
OinaroaiUe
Pnrm-Calvo
Rio Grande doS
l'iio (.rande do S
Rio de Janeiro.
P.irjlivb.
H:0 de Janeiio.
Aas.
Cmr-e,ibe.
Citacbo
r.-eC.
Iiiale
alacbo
sumaca
ln igue
briguo
biale
biiqur?.
brese
baiCa.
pklac'.n
br.-isc.
sumaca.
brigUf.
secuna
liiate
brgue.
hrbue
pala cho
Liate.
(.alacho.
a
ltala
Anier.
Atislr
lli-nzil
NOHB8.
TONS.
1847 Abril '<
30
1
a
l
o
Havre de (.race

Msiaga p.C. T.
Liverpool .
Liverpool.
Lanares
Hull
libas Faulkb.nL
Liverpool.
Lsbo-.
llal.ia
Genova
RiodeJanei.o
Babia
Genova.
Trieste p. Malaga
patacbo
barca
ia lera.
brigu
lirigua
*
baica.
galera
brigue.
balea.
Iirigue
polaca,
barca
polaca
brigue.
Tamocbanlrie.
R F. Lo per.
Juliete.
Minegham
Sania Anna
Socicdade.
Lito
S. Joo
D. Ped.o II.
Veloz.
(ieneroia.
S los Americano.
Ilenriquela.
S Antonio de Padua.
ArKos
,-i -l.mt.
A^nia Hrazleia
lupiwr
S J si gloi ioso
S. Antonio flor do Uelfe
lnde|>e miente
Unio.
Amazonas,
Santa Crin.
Saudade
Eaperanca
Novo Destino.
hrigu* Franc.
barca.
lleap.
iugl.
Port.
Sirdo.
t\ebe Methilda
Zilia.
Adriano.
F.slher Ann.
Wir. Russcll
Jol.n Camnb.ll
lloivley.
Conlurion
Y.nnio u tu
Thhak
Coluiubua
Robim
N. da Boa Viagem.
Remae
Giove
Hara Eugenia
Alaria Amelia
Sueco Broaatna.
HB8TRE.
86 J. 11. Franks.
7 Wm ISnrili.
til
170
2
I0&
no
it
2)7
243
298
167
|M
76
187
74
1.8
247
tp
21
1!)2
104
1*4
.1
131
infl
21
181
271
M
284
20S
41&
7l
175
lal
387
Si
130
177
178
817
20?
176
W. S Wacker.
John Mareuciih
Joo de Dos Pe reir
Jernimo Jos I elle*
Antonio Rodrigue* Garca.'
Jos Antonio da Silva.
M.J. Montenn Yimna
Franc. Bernardo de Mattoa.
Jos de Oliveia "Iva.
Jos Antonio Matlozinbos
Jos Josqnin Altea da Sil*.
Manoel Jos Hihnru.
Jos tli l o-.li Piincnta.
lose loaq'ii'n Aivcs.
Manoel Joa dos Sanio*
Antonio Jos tlua lien
Manoel Fern.ndes de Souti
Tilomas Gomes d' In.eidn
kructunzo J. Pe reir Itulra
Joatpiiin Jorge Go.ic.lves
Manoel Maicianno Ferreil*
Anioaio M not'L
henlo Jos Goviin.
loaquiro A. G dos S.
Vlauoel Bslevo R.lien o.
loan lia).lista Gmllierl.
Dclonuay.
Francisco III. ver .
J. 11 linter.
LieMeBg,
Pal i son.
Win Lampbell.
Jolm Gellei.
W. Furslylhe
F. Ileolc.
Daniel Green.
--------------------------------------!---------
CONSIGNATARIOS.
Hcnry Forilcr Si C.
Matheuj Austin t C.
Hcnrv Forsier Si C.
Jos Joaqulm de Oliveira
Notaes St C.
Jo< Francisco Collares.
Amnrim Troios
Jos Mara Barbo.
Joo Franc Co da Cruz.
>ia::oel Di.arte Rodrigues.
Amnrim limaos.
Gaudino Ago-tml o do Barros
Frat.c Joaq. Pedro da Cosa
Luir Horsej de ; iqueira.
\ 11:011111 Irtnios
C S. ('.. Moieira
Manuel Gonralves d Silva
Inloilio Gooranves Pe reir
los Slveslie de Mendjnri
O Meslre
ln el Alvca Guerra
(.na.lino Af-OStiubo de B
niO'iui Irmos.
O Meslre.
Guadino Agoslinbo de B.
Manoel Jiwpiim Hamos e S.
O Meslre.
I. P Adour St ''.
IJditr Si Colombier.
Joo uto de LemosSt Filho.
lames CiablreeStC.
Russcll Mellon St C.
Me. Calmout St C
JalMI Grnblree i C.
Deai.e Youle c C
Me Cnlinoat St C.
Cnsul Inglez
Me Caliuont St C.
DK8TINO.
Ant. Jos dos Santos Lapa.
Joo Jos llodriguea.
Jos Antonio Demoso
Joo Baptiata Cbiozza
0 Lazzolo
Nicolao Raggio
Miguel Cldchitola.
H.o de Janeiro.
Habla por Macelo .
Rio Grande do S.
I'ii de Jaueiro.
l'c.i. aj
Rio de Janeiro.^
A caraca pelo Caar.

Thomaz de Aquino Foneeca.
Francisco Alvis da Cuulia.
Joo Piolo de Lemos St Filbo
Guidino Aitoslinho de Barros
l.c BrctnuSc r.mStC.
LenoirPugel St C.
Jos Joaquiai de Oiireta.
Havre
Liverpool
Dito
I lito por Mace i o.
Canal jorPa.ahyba.
Canal.
Lisboa
Porto
Iriest.
(irnoa.
lriesie.
Genoa.
IrieslevinParahyb.
Pernambuco na Typo.rap.i. de M. r. r.ri..-.l.