Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08774

Full Text
1847.
Sabbado 54
i""*'"' liUa, "lO ra em IT|K diflrrante, e as
,P ".';.< o-l metaHe. Os que nSo f.-rem asvR-
piiases da lu NO MEZ DE ABRIL.
., -.n. 05 M min- d-,rde-
Mingo"' i^ |5i 4 |,orse I min. d manliSa.
"* "nie J,-? ,lor" e'8 n,in- da n,aunS'-
''"'chela', 'o'i '' horM e 5 m,DU- da ,,n,e.
Golsnnae Paraliylia, as segundas escxlas feirn.
Kio-l.rBiide-dn.Morl< quimas feiras aomeio-dia.
(abo, Sennliaem, Rio-Porraoso, Poito-Calvo e
Maceid no I., a 11 e Si de cada mez.
(.aranliunl Bonito, a 10 e il.
Boa-Vista t Plores, a 13 18.
Victoria, as quintas feiras.
(Jlinda, todos ot das.
PREAMAtt DE I10JE.
Primeira, s 11 horas < 4 minutos da Urde.
Segunda, s 12 horas e 6 minutos da manilla.
e Abril.
Anno XXITT.
y. 92.
DAS DA SEMANA.
19 Segunda. S. Socrtei Aud. do J. dos or-
phSos, do J. doc da ? y. e do J. M. da I v
30 Tere*. S. Accindno. Aud. do J. do civ.da I
t. *do I de pa do 1 dist.de t
Jl Quarta. S. Ancelnio. Aud do .'. do civ.
lia 2 y c do J. de paz do 2 dist. de.t.
22 Quinta. S. Soler. Aud do J. de orph.,
edo J. municipal da I vara.
21 Sett. 8. .'orc. Aud doJ. do citr. da I.
v. e do J. de pai do I. di 2* Sabbado. S Honorio. Aud do J do cir. da
I. e do J de nai do I dist. de t.
25 Domingo. S. M.rcos.
CAMBIOS O DA 23 DE ABRIL.
Cambio sobre Londres de JO'/, a JC'/.j d
a Pris lli rs. por Tranco.
Lisboa 95 de premio.
Deac. delettras de boas lirin.s I /, p.'/o
Uaro-Oncu l-espaiiholas-----JaiiQ a
Moedas de 100 velli lO/llOO a
de 6/100 or lOficO a
de 4 */dbn..... 9J000 a
Prato I'atacoe........ 2#020 a
a Pesos columnirei... 2id<> a
a Ditos mexicanos ... 1 futo a
a Miuda............ 1*900 a
Accoesdacomp.do lleberibede 50|000r
p. II M.
no mez.
}9|ai.n
I1300
tt! (13011
9*100
2/040
2|020
l|T09
1*910
,ao par.
DIARIO DE
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DA I DO CORRENTE.
Oflicio. Aocommandante das armas, dotorm i-
r.ando mande receber e aquarlelar25<> pracas do 6.*
liatalhflo de caladores de primeira linha, viudas das
Alagos no vapor Corrio-Brasileiro : recommenda n-
do qu<*. logo que seja possivel, faga render os pracas
iiol.,baUlhSodamcsma arma, que se acham em
LAgoa-l'rcta, e d suas ordens.para que ellas mar-
chen) por ierra para Jacupe: declarando quo desse
poni teem de partir para aqui 51 pracas do referido
6/batalliHO, que all estSo em destacamento : trans-
niiltindoomappa da Torca deste corpo: participan-
do que el fe ve m papo at o ultimo de marco flndo, e
significando que pelo arsenal de marinha serflo for-
necidas as lanchas precisas para o desembarque da
(ropa.
DEM DO DA 2.
Oflicio. Aocommandante das armas, recom-
mendando faga embarcar para a corle, no brigue de
guerra llratiltiro, os remitas que se acharen) promp-
tos. Expediram-se as precisas ordens para que
os recrulas fussem recebidos 110 mencionado brigue.
Dito. Ao mesiiio. declarando que os reclutas, a
que se refere o oflicio antecedente, devem seguir
para a corle cm oulra occasflo, visto nao so adiar
promplo o respectivo fardamenlo, segundo S. Ex.
informa. Ofliciou-se arespeito ao inspector inte-
rino do arsenal de marinha.
Dito. Ao mesmo, procurando saber se, do dia 4
cm dianle, podera a tropa de primeira litiha darai-
gumas guardas e quarlos; e dizendo que, no caso de
ser isso possivel, expega logo os suas ordena neste
sentido.
DEM DO DIA 3.
Oflicio. Ao commissario-pagador, ordenando
que aocapilflo Guilhormino Jos da Silva entregue
us vencimenlos de um mez, a que tverem dircilo as
pracas do I." baialhSo de caladores que se acham
destacadas em Agoa-Prela, e v3o seguir por Ierra
para Jacupe; e declarando que o dito capilAo pres-
tar as suas cotilas em lempo opportuno. Parlici-
pou-so ao commandante das armas, exigindo-sc-llic
ao mesmo lempo Um mappa da Torga que aclualmcn-
le existe na provincia, cotn o detallie do servico em
que seempiega.
Dito. Ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio do Itccife, significando que de
amanlifla em dianle as guardas da thesouraria e con-
sulado serflo dadas pelo tropa de primeira liulia.
Dito. A'aJminislraciio do patrimonio dosor-
pblos, rccommer.daudo que faga quanlo anlcs pre-
parar o sabio para asoflicinas do collegio dosmes-
mos orphflos, e compre os utensilios de que ellas
precisaren) para comecar-se o eusino. Commuui-
cou-se ao director do collegio dos orphflos.
JDEM DO DIA *.
Oflicio. Ao commandandante das armas, dizendo
expega suas tu dens para que de amantillo em dianle
sejam dadas pela tropa de primeira India, niio s os
guardas da Ihesouraria e consulado, como as da al
findega o arsenal de marinha : significando que por
ora deixo demandar tender as plagas do 1." bata-
Ihflo de cagadores, que estSo em Agoa-I'rcta ; e de-
clarando que as faga substituir pouen a pouco, lias
orcaoiOes que mais oppoi tunas Ihe parecerem.
Parlicipou-se ao comnwniianle superior da guarda
nacional do municipio do Rccife.
EXTFIOR.
^-.awii. .. .>.................-...
ESTADOS-UNIDOS.
WASHINGTON.
DBMISS*0 UO MiJOn-GENRUAL SENTN.
Exigencia extraordinaria.
I'biladelpbia, 11 de margo de 1847.
Recebemos lionlem, pelo lelegrapho magntico,
nolirio de Washington, de um carcter verdalleira-
mente extraordinario. Dizcm que o major-gcneral
BeHton pedir a revocago dos generaes Scolt, Tay-
lor, Dutlcr e l'altcrson ; que o gabinete discutir a
materia por espago de seis horas, e depois recusara
annuir proposta : pelo que se deinillro o major-
gcneral Dentn do posto militar que lito recente-
mente Ihe fura conferido. A noticia, ou ao menos
parte della, aquella que aflirma quo o general lU-n-
Ion lizera a exigencia que referimos, parece quasi
incrivel. Um tal acto formara una prova de prc-
sumpgfio, philaucio, e deliberado insulto a bomens
valentesedistinclos, sem igual. Certo quodevede
haver ah alguin engao." O coronel Benlon, como
sup|iomos pod-lo chamar daqui em dianle, nunca
loria sido Ifio egoista, para usar du pbraso mais
blanda. Nflo he para admitar que o gabinete tenha
rejeita.do urna lal proposta, se he que foi feita;
porque qualquer otilpo procedimento teria produzi-
do um movimenlo deindignacSo em todo onaiz, c
deum carcter verdaderamente assustador. Mas, se
a noticia fr plenamente confirmada, se urna exigen-
cia semelhanle foi feita pelo coronel Benlon, quanlo
mais depressa elle resignar o seu assento no senado,
e se retirar vida privada, melhor. O paiz nunca
Ihe perdoar um. lal ullragc, um tal aclo de lou-
cura.
correspondente do Evening-Posl de New-York
(autoridade locofoco, e que so presume estar inicia-
da nos segredos), diz que se er geralmenteque
lalvezseachem meios de prainda o general Benlon
nocommando em chefe.
NOVO-MXICO.
Proclamando do governador fenl.
O correspondente do Republicano de S.-Luiz, em
Santa-F, remetteu a seguinte proclamaglo do go-
vernador do Novo-Mexico aos habitantes, em conse-
quencia do nina- tentativa de revolugao uaquelle ter-
ritorio. Ella he inleressante como parte da historia
dos lempos:
Cario llenl, governador do terrilori do Noto-Mexico,
aoi habitantes:
(0NciD*rM'os. Um concurso de successos ex-
traordinarios se condensa sobre mim, e offerece-me
materia |iara dirigir-vosa palavra pela primoira vez.
Nilo me servirei do phrasesolnqnentesou sublimes ;
porque a verdade nflo carece dos alivios da lisonja
para fazer impressio. Ella tem seus attractivos pro-
prios, e sempre oblrr crdito.
Cheguei pela primeira vez a este paiz em!829;
ilesilcomeu primeiroconbecimento del le, o vosso
carcter franco o ingenuo despertou a minha sym-
pathia, que tem creado profunda raiz, e liguei o mcu
deslino ao vosso. O Novo-Mcxico vei a ser minha
patria adoptiva ; todos os meus interesses eslilo
concentrados no seu slo ; o tanto mais agora, que
unidos aos Estados-Unidos, met paiz natal, fazeis
parle da uniilo, bergo da liberdado.
A 18 de agosto M anuo passado tomou o geno-
ral S. W. Hearny posse militar deste torritorio e asin-
ti o mais vivo prazer ao ver que sem frga d'ar-
mas, sqm luto ou lagrimas, recouhecestes o go-
verno republicano, que ora pertenceis. Sois ago-
ra governados por novas leis, e gozis do governo
lj*re que vos foi promeltido pela sua proclamaglo.
Usai desta liberdade com moderagad; Esta vos ha-
bilitar a colheros ricos fruclos que vos aguardam
para o futuro.
Esesque formavam estacoga opposig.So ; que
conhecidos pelos seus vicios, eclieios de ambigao,
aspiravam aos primnos cargos; -esses que ponsa-
vam poder escravisar o povo aos seus caprichos,
desengaados per verem que nlo pntliam obler os
cargos que pretendiam, c que se conferan) a bo-
mens honrados e- benemritos; esses Thomaz Ortiz
e onnligo revolucionario-Diogo Arcliulela-arro-
jaram-se desespcradamenle a capitanear urna revo-
Iuqo contra o governo actual, e reuniram nesta ca-
pital, no meiadodo mez passado, algumas pessoas
incautas e sem principios, as quaes, depois de as-
sislirem aos seus mretingt, foram indu/idas a se-
guir o estandarte da rebclliOo. Esta traigao foi des
colieria muito a lempo, o foi suffocada logo nas-
cenga : ellesj andam fugitivos; mas as suas don-
trinos anda estilo disseminadas entre o povo, c cau-
san) alguma anxicdade ; pois que os descontentes
que reslam, dflo publicidade aos seus planos de des-
truigfio.
A lei orgnica e os estatutos so a base, cm que
seapoiam estes anarchisias; dizcm'elles.que con tri-
bu igOcs e tenas ano as mximas do actual governo;
queellosqucrimpr aquellas e privar-vos da pos-
se destas,- falsidade espantosa Examina) as leis
desde o principio al o lim, c nfio acharis urna so
pagina que sustente essa falsidade. lio verdade que
os estatutos impcm direitos sobre o commercio e
distillagOes ; mas uo langam impostes alguna so-
bre o povo. Ha igualmente urna repartigo estahe-
lecida para os registros de litlos de trras ; mas isto
he para garantir-vosos ttulos das vossas proprieda-
des, e nflo para despojar-vos delles, como os revolu-
cionarios vo9 querem induzir a crr. Elles se valem
igualn)entedeoutios meios para incutir terror, on-
ganamjo-voscom o boato de viren) tropas do inte-
rior para reconquistaren) este paiz. Quem auxilio
podemos nos esperar do dislricto tle Chihuahua, vos-
so viziuho mais proximo.quando o espirito de parti-
do tem all suffocodo c reduzido a nullidade os seus
habitantes.'
o-O coronel Donipban que io ovongando sobre
Puebla-del-l'aso, com o seu regiment, foi atacado
por urna frga superior no Punlo-del-Bracito: -em
poneos minutos foi derrotado com perda de Irinta
bomens. Tal he, meus amigos, a futildnde dos arti-
ficios com que esses espirilos turbulentos yosque-
liam Iludir! Eu vos rogo que nflo deis ouvidos s
suas doutrinas falsas e venenosas. Permanccei tran-
quillos as vossas oceupages domesticas, para que
sob a prolecgflo das leis possais gozar dos ineflaveis
bensque se vos offerecem, e unindo-vos ao vosso
governo Ihe indiquis quaesquer medidas que pos-
so m contribuir para o progresso do vosso paiz, ego-
zes assiin individualmente do toda a felicidadeque
vos desoja o vosso maior amigo
Car loe Hcnt.
a Sahlfl-F, 5 de Janeiro de 18*7.
(Ptnmylvania Jnguirer.)
noticia sc>i:nt.fic.
EKKEITOS DO VAPOR DO ETIIER.
AoSr. Redactor da parte medica da poca.
Muito se comega a fallar do descobrimento, frito
pelos mdicos americanos, das propriedades sopor-
feras do vapor do elber, e experiencias, em Londres
e em Pars uestes ltimos lempos repetidas, esUbe-
lecem que de fado os docules previamente adorme-
cidos pelo ether poderlo supportar, sem nenhum
sipnal de soffriment, as mais dolorosas operages
cirurgcas. Julgoterodlreito do reivindicar, nflo a
honra, porm o acaso desse descobrimento, e con-
sipnei-o baver dezasete annos em um-artigo por
mim assignado e publicado no jornal poltico c lille-
rario do Tolosa; e como desdo entflo fiz em mim
mesmo pelo menos duzontas experiencias com o va-
por do ether, lenho sobre esto assumplo fados cu-
riosissimos, de todo novos, que podem inleressar
sciencia, e que por esso nico motivo resolvo dar ao
publico.
Ha, pois, cerca de dezasete jnnos. tendo mflo um
frasco dc^ ether, o gostando muito do seu cheiro, puz-
me a aspira-lo com fi'ga, como se faz com os fras-
quinhosileses. Smente o frasco do ether qu eu
tinlia era muito grande, podia conlcr cerca de um li-
tro: o prpalo era de largura proporcionada, e como
aspirava eu com todo o bofe, ahsorv urna consdera-
vel quantidade de vapor. Ao cabo do cerca de nieio
mnutol tive de suspender para procurar explicar-
me a singular metamorphoso que cm mim se reali-
sava. Parecia-me que se deliam os objectos exterio-
res; j nflo achava o frasco na minha inflo; mal sen-
la a minha roupa, c, sem tremer ou fugir soh os
meus, ps, o cinto emcimadoqital pisava, nflo mepa-
recia lera sua rcalidade primarla. J nflo soffra:
sentia-me, pelo contrario, interiormente felicissimo,
e nem se jur podia reprimir um riso involuntario.
Conlinue. Rpidamente augmentaram de ntensida-
do os prmeiros pbenomenos; porm ao cabo de
cerca de um minuto scuti que me fugiam toda a fr-
ga e toda a vontode: com urna nova aspiragflo teria
iufollivelmente cahdo; sentei-me, tendo entretanto
bstanle liberdade de espirito para aperceber-me
desse tflo singular estado physiologico, que com um
pouco do elber e menos de dotis minutos teria eu
substituido ao mcu estado normal.
Vou tratar de dar urna ideia desse modo de existir,
oue muitas vezes ao depois reproduzi sempre com os
niesmos caracteres e com a mesma sorpreza; pois a
inlellgcncia nflo se pdefamiliarisar, ncm anda pe-
la experiencia, com phenomenos.de alguns inslantes,
que tce n> cm resultado completamente supprimii o
mundo exterior, sem destituir a alma do seirtimenlo
da sua liberdade.
Na carencia de palavra apropriada, chamarei a cs-
sc estado urna embriaguez; melhor Ihe cabera o no-
mo de exlosis, pois de Tacto seute-se qualquer arre-
batado, transportado da rcalidade para o ideial. J
nflo existe o mundo exterior c material; sentado,
nflosesonloa cadeira, deilado nflo se sent a cama,
julga-se estar suspenso no ar. So, porm, est des-
truida a seusBilidado externa, chepa indizivel
cxallagflo a sensibilidade interna. I)ir-se-hia que o
corpo, especialmente nos bragos e )ias pernas, lie de
una a oulra extieniidade atravessado polas innme-
ras curdas de urna nova lyra, que estremece com in-
unda stiovidade, e cuja longinqua msica be tflo su-
perior dos grandes mestres como be o primor de
Hossiiii a um charco de coaxadoras rflas. V'-se, ou-
ve-seeat Talla-sc como no estado ordinario; so-
mente sentc-se urna grande repugnancia a deixar-se
distrahir dessa inlimlaalegria, de quo se esta pene-
trado, o queso aversflo o desdom inspira pelas cou-
sas da vida, porjnais doces ou mais amarguradas que
seasqueira suppr.
Urna vez que ^ acaso me ilcu o posse desso segre-
do, Uve curiosidade de experinienta-lo em oulra
pessoa. Sbmetlu-so um dos meus irmflosao vapor
Jo ether, o senlio perTeitamente os mesinos resulta-
Ios. Foi-me, pois, demonstrado quo os plienomeuos,
de qpe acabo de fallar, prendiam-se realmente as
propriedades do ether, o nflo eram o fruclo da minha
prfpi'ia orpanisagflo. Nflo fallarei dos combates in-
ternos que ti ve do travar para resistir tentagflo de,
com nimia frequencia, repetirs nimbas experien-
cias. Verdade he que muito pouco dura essa embria-
guez; nflo leva ordinariamente mais lempo em des-
apparecer quauto levouem foimar-se; deixa apssi
urna especie de besitagflo nos pernas e de vacuo na
(ahoga, que aodemais ficam sem dr; pode, porm,
ser indefinitamente prolongada, e nflo besito em orar
que se lia de lomar deludas a mais enlevadora, e
talvcz a mais frequento
Kulrelaiilo nao lardou o mcu descobrimento para
mim adquirir um valor sriuu pralico. Soffio, deba
vinte annos, violentos enxaqucas que loem o carcter
singular de acommelter-nio com regularidad em
diase horas (ixas, o do mesmo modo desapparece
rein. Por espago de dez annos acommelteram-me
no dia 23 do cada mez as 6 i horas do manhfla, pora
dissipar-se s 10 horas da noite. Os mdicos, a quem
por muito lempo consulte, conseguirn) mudar o
dia do \ encmenlo, sem todava modificar a dr sem-
pre extrema, eas vezes horrivel- Veio-me a ideia
experimentar o vapor do ether contra essa cnxaqu-
ca. Um dia de accesso mais vehemente do quo era
coslume, promov a embriaguez de que fallei, eem
dous minutos, sem que perdesse nem o stintimento
ntm a roflexo, esse lomo vivo que me esmigalhava
as fon tes foi-so apagando e de todo desapparecendo,
de modo que desde entflo nflo deixei de applicar aos
accessos de enxaquca, por de mais violentos, a po-
naca do ether, e minha ultima experiaucia, que he
recentsima, nflo foi diversa das domis.
Acabo do dar ao vapor do ether o nome de pana-
cea, e lenho ainda que contar o seu resultado mais
admiraval. As experiencias de New-York, do Lon-
dres e de Paris revoiaram a propriedado quo tem de
supprimir a dr phvsica; possuo ella no mesmo grao
a de supprimir a dr moral, imaginai o desgosto
mais vivo, a mais profunda desespcragflo; um pouco
de elber Talos-ha desapparecer absolutamente em
dous minutos. Reparai bem que nesse caso nflo o-
etber deixa alma os seus senlimentos, ao espirito
a sua liberdade; mas transporta aquello do quem se
poderou para alturas liio inaccessveis s cousas
roaos, que os maiores descostos da trra como os
seus maiores prazeres ahi nflo podn alcangar.
Os experimentadores de New-York, de Londres e
de Paris caminharnin al aqutao acaso. Em vez de
experimantar o ether em si, o que Ibes leria facul-
tado comerehender o apreciar us seus resultados, ex>
perimentaram-o sobre alguns collados, levados aos
hospiUos, pouco acoquinados analyse, eem ge-
ral fra de estado de apreciar o de expr o que sen-
tirn) Por isso compararam com a syncope, com
a patalcpsia o estado produzido pelo other. Hoer-
ro profundo. Oes,tndo produzido polo otbr deixa
subsistirs funegoes intelleetuaes ; somonte faz os-
vaeccrem-se os objectos maleraes, supprime-os, o
torna as alegras como as dores da vida real do lodo
indiflorenles em comparando da alegra interna, em
que embebe todas as facilidades. As pessoas, a quem
nesse estado amputa-se um membro.sontom, emiso-
ra vagamente, que se Ibes esta fazeudo alguma coli-
sa ; mas dosdenliam-so do com isto oecupar-se.
Devo todava confossar quo s por nducoiio apre-
cio o estado daquelles.om quem se provocou osom-
no com o auxilio do elber. Nunca as minhas ex-
periencias fui alm do momelo, em que desappare-
cem as dores physicas sem produegflo desomno ap-
parento. Par sempre no limiar do mundo mystc-
rioso, paraoqual me senta arraslado, porque nflo
ah.i com certeza se dee me seria dado vbltar. As
experiencias que acaban) do ser feitas, me provam
quo os meus recejos eram vflos, e estott profunda-
mento convencido de que o estado dos quo foram
operados sem dr nflo era, com um pouco mais do
iutensidade, senflo o estado em que tantas vezes
achei-me eu prnprio.
Poroulro lado, nada ha mais fcil o mais inno-
cente do que essas experiencias, c iBo me posso ox-
plicar os singulares terrores do autor deum artigo,
bontem pelo Jornal dos Dibates publicado. Cumpro
nflo ter dous francos deTecurso e dous minutos que
perder para nflo fazer em si essa experiencia. Aqui
damos lodo o programma com o modo delle servir-
se.
Maudai buscar botica urna ou duas ongas de
ether sulphurico purissimo ; pedi que o ponham em
um frasco de pargalo largo, fechado com esmeril.
Desarrolhai o frasco, tomai-o com a mflo, para que
o calor facilite a cvaporagflo. Leva,i o frasco ao na-
riz e aspira! com Mrga Isto frito, expelli pela boc-
ea o ar a vapor aspirados pelas ventas, para que se
nflo confundan) com o vapor quo idos de novo aspi-
rar. Continuai esse divertmento at sentir quo vos
colic das inflos o frasco, o que succede depois de cer-
ca de dous minutos.
Sobretodo, o be isso essencial, cuidado nflo engu-
lais nem despojis na bocea urna s gola de other;
,ois be de atroz amargor, c nflo ha bocea que o
possa supportar. t'.umpro nflo enguli-lo, porm res-
pira-lo; nao deve entrar no estomago, porm nos
bofes.
Desojo que estas explicagOes paregam de algum
prego aos cirurges que comegain a experimentar
o effeito do vapor do elber ; sflo fundadas ora expe-
riencias antipas o multiplicadas, todasom mim mes-
mo feilas, primeiro com um lim de curiosidade, de-
pois com um lim de allivo, o as quaes nunca me
aconteeeu experimentar um resultado nocivo, de
modo nenhum, nem de nenbuina exlensflonem du-
ragflo.
*. CnAMEn DE CtSSAONAC
[poca de 18 de Janeiro )
Jornal do Commercio.)
ni litio lie i'i;i \uiiin:o.
RECIi'I, 23 BE ABRIL DE 18*7.
Pola galera Columbus, recebemos jornacs inglezes
at 12 de margo ultimo ; dos quaes oque mis im-
mediatamenti! interessar pode aos nossos leitores be
o sepuinte resumo das ultimas noticias de Portugal
que, comquanto pouco acci'escenlem s que ultimo-
mente tivemos polo norlo esul do imperio, todava
alguma cottsa mais adantam.
L-so no Times de 11 de margo :
* Temos noticias de Lisboa at 3 do correte. O
Saldanha linlia cnilim ebegado s margeos do Dou-
ro, defronto do Porto ; e annunciava-se quo la tratar
de fechar o cerco daquella cidade : para o que ha va
o Casal recebdo inslrucges a fin de fazer juncgflo
com elle. __
Tinham-se dado duas aeges importantes, om am-
bas as quaes baviam as tropas da ranilla tirado mul-
to bom resultado: urna um pouco ao norte do Co-
imbra.onde morrnram 11 dos mstarsenta^s; 0 ouM
em Eslremoz, onde houve 12 morios o 100 fondos
o conde Mensdorff, Sr II Scymour, e o coronel
Wvhl juntos procuravam persuadir a rainha a quo
ceitasse a mcdiagflo britannica para urna pacifica
composigio. Lord Palmerston eslava solicilo pola
accommodagflo.e tinha ofTerecdo a mediagflo directa
da propria Inglaterra ; masa repugnancia da rainha
e no seu governo ainda nflo mostrava disposigflo
para ceder.
As dlliculdades monetarias do governo eram
ainda mui grandes ; e o descont das notas do banco
de Lisboa eslava ainda a 30 por cento.
Tambem recebemos cartas da nossa correspon-
dencia da cidade do Porto do l.*e de 2 do corrente.
Tudo ficava no faiu 7110. O Saldanha conservava-se
na mesma posigflo, sem se mover com urna fanfarri-
oe da junta, que havia poucos das, com 6,000 ho-
brara ello tirando a conscencia da causa que produzl mens, eatendera urna linha de balalha sobre outei-
a dr moral, o que seria um eQeito siinplicissimo; ol ros,menos de 8 milliasdistanWdo qnartel-geueral do
.t


2
marocha L OSaldanha nlo tinha cntflo comsigo mais
de 4,500 ho.nens, incluindo 7"0 de eavallaria.
A junta adiou para o I do mnio qualquer mu-
danga na circtilagiln monetaria. O Porto estava pw-
feitamente tranquillo, a ahiindanternente prvido.
b O vapor n/ondhound linhi pausado pelo Porto,
na sna volta de Lisboa a 27, sem eommunioar.
Corriam no Porto boatos de intcrveng1o hespa-
nhola, p un tlespacbo annunciava quo tinha ontrado
urna frga de Caliza.
O vapor da junta, l)uque-dn-!'orto, na ti tragn na
barra do Porto, um dia ilennis que se perdeti o Tibrc.
Ambos riles li/i Os generaos da rainha, Casal, Lapa e Vinliacs,
eslavam fazendo juncco na margeni direila do
Do uro.
Cor mu meado.
Alunita npoiitmii'it o* >olnv a molextla
rto ft-.Hcrido Sr. tenente coronel
Francisco t!a llocha Pac Brrelo.
OSr. tenente-coronel Francisco da Rocha Pacs Bar-
reto soIlVia, desde alguna anuos, de un estroitamen-
to da porgo superior do recto, pelo que tinha, pelo
antis, um continuo oscorrimento muco-purulento,
e por vezes se vira cm apuros, sem poder expedir as
materias excrementicias. Km razfo rlcsse estreita-
mento oSr. Paes Itarreto passava oito, dez e quinze
das.sem ter evacuagoes alvinas; mas, apezar de co-
uliccer o sen estado, e saber perfeitamento o pongo,
em que corra, expondo-se a consequencas lemives,
nao tinha dieta alguma, alimentava-so suculenta-
nientc; es(|tiando senta inoommodo pela presen-
ga de grande qunntidado do massa estorcoral, he que
por si recorra loa purgantes;, tendo por sto feito
uso de todos esses, que silo diurnamente preconisa-
dos pelos charlntlles, que por incio dos jornaes ex-
ploran! acredulidade publica.
Nesles ltimos lempos, tomava o Sr. Paes Brrelo,
(piando se aohavacm apertos, algumas colheres de
magnesia, bebendo logo em cima limonada tic polpa
de tamarindos preparada ; mas, nilo tendo paciencia
para esperar pela aog;1o dessas substancias, procura-
va, por meio de esforcos, e at introduzindo velas de
cera branca, fazer sabir as materias estercoraes, cuja
preseoca no intestino o incommodava. Nossa prati-
ca tinha hidoalguin lempo; o apezar de experimen-
tar sempre dores em todo oventre, mesino depois
que expeda as fezos, apezar dos conselhos dos fa-
cultativos, que oassitiam, ou daquelles com quem
tinha ainizaiie, mo guardava dieta, so sendo restric-
to no uso dos purgantes, quaiulo a quaulidaile das
materias retidas nos intestinos ja era tal quelheeau-
sava soTrimetilos; e mesmo assim o fazia sem cau-
tella alguma.
No dia 13 docorrenle, sentindo-so pesado .lo ven-
tre, eeoni algumas dores vagas, mo quiz alntocar,
tomn urna tassdecaf efoi passear al urna casa
que eslava a concertar perto da sua ; masvoltando
comas mesmasdores, beben um poueo de agoa com
agoa-anlentee assucar; e, continuando ellas, ivcor-
reu magnesia, de que toniot tres colheres mistura-
da! com assucar e agoa, e logo depois quasi um co-
po de limonada de tamarindos, como costumava nes-
ses casos. Qur fosse pela limonada, qur por outro
motivo, laucou melado, pouco mais ou menos, do
que beber; epor sua impaciencia ordinaria, o re-
celando que o resto das substancias purgativas, que
ficaram no estomago, nilo fosse bastante para deter-
minar a expulslo de tanta massa estercola I, come-
C" fe** eslbrgns; e com elles nada consegiiindo,
procurou, com a dilataefio do estrella ment por meio
de repelidas intiodueges de velas, aliviar-sc do in-
commodo, que augmentava; mas vaos esforgos, a
porcio de magnesia nao era bastante, e as introdc-
enos das velas o feriram, do que proveo algum sali-
gue. Como augmento dos Hcommodos vio-a abri-
gado a chamar sen assistente, e este, compiehcnden-
do com razilo que era indjspensavel que as materias
retidas sahissem, tanto mais que durante a noite o
dnente expedir, amuitocusto, pequeas poicos
ora empedernidas, ora pastosas, mas recriando al-
guma irritaco intestinal, applicou-lhe um banho,
e depois doze excedentes sanguesugas sobre0 baixo
venjre, e na parto correspondente ao cstreilanieiii.o
onde havia dor, c elevacHo. Depois disso deu-lhc un
pouco de agoa desedlit/.; mas o^loenle langoii-a :
recorreu a outra dse, e com ella principiou a ex-
pulsilo das fezes ; mas, apezar' de serem estas, em
Srande abundancia, apezar da grande quantidade
osatigue.qucperdou odocnle, este n8o apresenla-
va melhora, como era costume depois dos purgan-
tes; pelo contrario o assistente notou que a estada
dos lquidos, que Ihodava para inclhor conseguir
que as materias conlidas nos intestinos passassem'
era mais retardada, do que devia ser ; c por isso ro-
solveu-se a consultar algum collega ; tanto mais que
o ventre aptvsenlava meteorismo e dor, mais inten-
sa na parte do baixo ventre correspondente ao es-
treitamento, onde se encontrava um tumor bein cir-
cunscripto.
No da sexta feira 16 a urna hora da tarde, da cida-
de partios Srs. Francisco Jos da Silva c Joaqun)
d Aqtitno Fonceca; mas, apenas se achavam em me-
nos de metade do caminbo, ja ei.contravam um por-
tador a cavado, que vinba pedir-Ibes que correasen)
porque o doente principava a ter solucos; e s duas
horas eslavam estes dous facultativos junto ao do-
ente, cujo estado, com quaulo grave, nilo era assus-
tador. Examinado o ve.nlre do doente, depois do
pulso, que era normal, tendo apenas 76 pulsaees
viram os facultativos quo as dores, que antes se no-
tavaemtodo, se tinhain concentrado sobro o lugar
ilo tumor, que o meteorismo continuara, apezar di
terdetemposa lempos evacuagOes, o quo apenas os
pes nilo tmham calor igual aodocorpo, sem duvida
porquo odoenle os linha descoberlos. A vista deste
estado; recorreram aos meios, que o raciocinio a
artcaconselham; c como nao se cousegusse extin-
guir os solucos, apezar de se lerem aquecido os pes
com facilidade, apezar dos estimulantes applicados
as extremidades, e dos anlispasmodicos, parti o
or. Aquino, encarregado de mandar ludo quanto
litigas*, necessario; e esse facultativo enviou, logo
?econ'2Uta C,-a"det lu,1 <"a"l S I,,,",CI,S rnais
.soSVel8 pel """ber aconselham en, laes
inspirado Pf*?** **" SUlfU"C *" SCr
^8.a.1,!m,1 es'<> do doente pareceu melhorj;
s, eram
c inte ira-
os Mucos, ainda que nflo eslTv ^ xl clo
menos Intensos, c paravan. por instantes '
n! > c Ura!Uu .80n,no- nao passando, de vinle c cinco o triutn m
^tn """ \c*^ sendo aoisot^e'rT
quanto desojava a familia e o abstente, odo
ras.da noile fo. chamado o Sr. Aquino o ,
Aquino, que parliu
s nove, levando com sigo grando porcllo de medica-
mentos at mesmo tnicos, e vesicatorios. Du-
rante essa noito foram empregados hanhn*. fricQes
calmantes sobre o ventre, e antispasmodicos; mas,
como o meteorismo nflo cedesse o incommodava o
dnente, Ihefoi dado um pouco de magnesia; sobre
ludo por que do lempos a lempos expejlia elle algu-
nas pequeas porcrts de fezes semelhantes a rvas
Induradas, com cheiro mu desagradavel, sem com-
tmloser semelhanto ao que se nota, quandn alguma
pnrpno de inteslino cao em gangrena. Logo com a
prmoira expulso, que teve lugar duas horas de-
pois, desappareceu o mao cheiro; mas 'o meteoris-
mo pouco qu nada cedia, eos solucos s aprsenla-
vam mui curtas ntorrupertos, cessandoinleiramente
durante o somnn. que sempre era tranquillo. Assim
se passou css noite. e pela manhaa pediram os dous
assistentes que mandassem vir mais alguns cnlle-
gas para consultar, se hava alguma cousa a fazer, e
snbretudo porque estavam resolvidosa applcar um
vesicatorio em todo o epigastrio, as proximidades
das insersoes anteriores rio diaphragma, e nilo que-
riam fazc-losem ouvr a opiniao de mais algumas
pessoas. A's oito horas o meia chegou o Sr. Eusta-
quio Gomes, que approvou todo o tralamento segui-
do, c aquclle queso pretenda seguir; pelo que em
primeiroexcitamento parecen melhorar os solucos ;
mas o Sr. Aquino, devendo estar na cidade a urna ho-
ra da tarde, e na casa do doente nilo havendo nom-
inada mercurial, que resolvern) queso applicasse
sobre todo o ventre, nom mas ungento vesicatorio,
nartiti do Apepucos ao meio da. A's duas horas la
tarde chegaram os Srs. Monteiro e Sarment, que
Itaviam sido chamados desdo as sete horas da ma-
nlilla, e esses facultativos, depois do examinaren) o
lenle e nuvirom a historia do seus sofTrimcntos e do
tramonto, approvaram^udo, apenas lembrando o Sr.
Sarment mais um' vesicatorio sobre o lugar do tu-
mor, lembranca queja linliam tido os assistentes
para po-la em pratica mais tarde, e o Sr. Monteiro
um sedei.hn, que pareceu intempestivo nesso caso
urgente. A's seis horas da lardo chegou de volta o
Sr. Aquino, levando outra porc,:To de medicamentos;
e vendo os assistentes que o mal n.lo cedia, -appli-
caram novo vesicatorio sobro o tumor; e s oito ho-
ras e meia deram alguns antispasmodicos, com a in-
fusao de a o i/ estrellado, e duas gotas de oleo de erva-
doce, segundo o conseho do Sr. F.ustaqtio; mas os
soIuqos continuavam, o pulso nao se elevava alm
de 80 pulsaees, o o meteorismo era um pouco me-
nor, apezar de haverem algumas evacuacOes pouco
abundantes. A's nove, horas foi tratado o caustico,
posto pelas nove horas da manhaa e sobre elle
tendo sido applicado o acetato de morphina em pe-
quea dse. segundo aconselbilo os bomens emi-
nentes na arte de curar, e depois um emplastro de
pommada mercurial e bella,lona, tal foi a dor, que
o doente arrancou-o, e instantneamente pararam os
solugos. Logo depois adormeceu o doente, e at ti-
ma hora meaos um qoarto despertara duas vezes
sem solucos, tranquillo, com toda a lucidez de ideias
que sempre Uvera, e al prazenleiro; mas porto de
mna hora da manliaa despertou com solucos inten-
sos ; c o doente, que al entilo nao era por elles ve-
xado diiranlo o somno principiou, a ser .100111-
mettido ; notando os assistentes algumas polavras
destacadas pronunciadas, quando ia adormecen.lo.
Esse estado nao deixou de inquieta los ; mas poden-
do ser devido ao excitamculo dos vesicatorios, nao
Ibes fez perder as ultimas esperaucas. A's quatro
lloras e tres quartos examinando o Sr. Aquino o pul-
so notou urna Folha entre qualorze e, s vezes, entre
dezasele pulsaees, e entilo as suspetas de lermina-
cio fatal assaliaram o espirito dos assistentes ; mas
tendo o Sr. Silva de achar-se na cidade na segunda-
reir, parliu s cinco horas da manhaa, e licou s o
Sr. Aquino. A's seis horas a falla se tnanifestou cm
espaco menor, entre oito ou dez pulsaees, e entilo
recorreu-se aos excitantes tas extremidades, e disso
logo o Sr. Aquino ao Sr. Antonio Lilis Caldas, quo as
esperaucas que a interrupeno longa dos solucos Ole-
ra conceber noite, se linliam ntiraironfe desva-
necido. A's seto horas o pulso cumecou a Concen-
tra r-se, o calor das extremidades a diminuir; e oSr
Aquino prevenio que era lempo de lembrar ao doen-
te, que l/esse as siiiis disposiges, e que se cuidasse
de sua alma, como ellemuito recommondara ; pe-
dndo que se mamlasse chamar a toda a pressa o Sr
Silva. Pouco depois appareceu o Sr. Eustaquio, que
julgou que a terminagao fatal aproximava-se, e ten-
do-se elle retirado, deu o Sr. Aquino um tergode ca-
lix ordinario de vinho quinado; oasoilo horas e
meia apparecendo os Srs. Sarment e Monteiro, na-
da lemhraram, approvando a applicago do vinho
quinado, e recommendando os excitantes internos,
como quera o Sr. Aquino ; posto que sem neuhuma
esperanga, para o que se preparou um pouco de in-
fusao de rnica. O pulso do doente conccnlrava-se
con, rapidez, as fallas erao mui repetidas, a frio'za
dos membros augmentara, sem que o doente soi.tis-
se os sinapismos fortes, applioadus as pernas e bra-
cos ; do quese inferi que houvera um derrmenlo
ilo materias inlcstinaes na envidado do peritoneo
por causa de alguma ulcoragao. Odoenle, paciente
ate entilo, comegava a inquieta r-se, mo consentndo
nada sobre si o pulso tornava-se cada vez mais po-
quenoe irregular, a frieza ganhava os membros, o
ventre eslava pastoso, a anciedade era extrema, ape-
zar de terem cossado os solugos; o semblante dc-
compunha-se, ecohia-se do abundante suor visco-
so; a morle aproximava-so; mas o doente conser-
va va lucidez das ideias, e aproseutava a resignaclo
ilo maityrchristao, posto que conhecesse perfeita-
inenle seu estado. A's nove horas o 11 cia lite foram
ministrados os Sacramentos ; o meteorismo augmen-
tava, e o doente s pedia agoa. Sua coragem era ex-
trema, a reslgnagao cxcmplar. Tudo foi-so aggravan-
do ; a urna hora o doente, aportando a mfio do Sr. A-
qufno, lito dizameu Dr., lieos mo quiz que eu es
capasse-; as duas inandou-o chamar, e pedio-lhe que
lliedesscum pouco de opio; pois que ja n.lopodia aof-
Irer, profenndo estas ultimas palavras : multo se
custa inorrer} crueis horas. A's tres horas menos dez
minutos oSr. Aquino entregava ao.Sr. Aguiar, quo
liavia passado o da anterior o a noile em casa do l-
ente, urna vela, que se acliava junto ao ciuxilieo,
paia que fosse posta na m3o do moribundo ; as tres
menos um quai toja nao era desle mundo, doixan-
do-o com um sorriso melanclico, nica contrac-
gilo, que Ihe causara a morle !
N. li. Nesta brevo noticia nao era possivel di-
zer-se tudo quanto so empregou para sal rar-se o do-
ente ; ludo quanto Tez a amizado e a arte.

de msica mui conhecido no Brasil, e particular-
mente nesta cidade, vlnha escrever aqui urna grande
msica a dous coros, com solos de todos os princi-
paes instrumentos.
Sabemos que o dito compositor j se acha recolhi-
do a osta cidado : be portanto do suppr quo tenha-
mos breve a salisfaegao de ver executar essa nova
composgao sacra em alguma das nossas igrejas com
aquello desemponh ebrio, de que s:1o capazos os
uossos habis profossores, e amadores de msica.
Consta-nos que o digno compositor daesta compo-
sgilo o titulo de n r-anao II imphiiooii no bbsil,
titulo assaz apropriado para morecer dos bons Bra-
sileiros a ge ral approvago, c toda a attong.lo possi-
vel, afim de que se torno sempre mais digno do
nosso amore respeito, e abrilhante n.lo smenlo a
seu compositor, como a irmandadn que livor o ati-
ladogoslode aprem pratica, assim como. Os nos-
sos aptos executores.
O amante da boa msica.
CGMME.tCIO.
Alhinde^a.
HENDIMENTO DODI.V33...........
Desearregam hoje 24.
Hiato Juliet farinha e bolacha.
Galera Columbus mercadorias
Cnsul.1 < lo.
RENDIMENTO 1)0 DI.V 23.
Coral........................
Provincial....................
Diversas provincias ..............
8:324,918
1-113,316
612,941
49,416
1:775,673
Hovimcnlo do Porto.
^aiio entrado no dia 23.
Liverpool; 39 das, barca ingleza Columbus, do. 319
toneladas, capitilo Daniel Creen, cquipagem 20,
carga fazendas ; a Me Calmoutcc C.
,Vario sabido no mesmo dia,
Philadelpha ; brigue americano Gowperihwail, capi-
tilo Luis P. Cassan, carga assucar.
vlial.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade, oficial da im-
perial ordem da Rosa, caialleiroda de Chrislo, e ins-
pector da alfandega, por S. M. I. que Deas guar-
de, etc.
Faz saber quo no dia 24 hojel do correntc, se hilo
de arrematar em hasta publica, porta da mesma, ao
meio-dia, 47 duzias de vidros com agoa de Colonia,
18 duzias de potes com banha, 30 ditas do macas-
sar, no valor do 140,000 rs., o 20 ditas de caixas de
inassas paia rap, no valor de 40,000 rs., impugna-
das pel guarda Pedro Balbino Jos da Molla, no
despacho por fatlura de Luiz Bruguire : sendo di-
ta arremafagao subjetaa dircitos.
Alfandega, 23 de abril de 1847.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
' Para a Bahia, a sumaca Santo-ntonio-de-Padua
ainda pode rcccbcr alguma carga miudn e passagei-
ros : quem quizerrarregarou ir do passagem diri-
ja-so a ra do Vigarin, n. 5,
O hite Tentador sahe para a Baha, domingo,
25 do corrente, mprctcrivolmente ; recebe apenas
alguma carga miuda o passagoiros, para o que inm
bous comino dos: a tratar na ra daMoeda, n. 11,
com Silva & Crido.
Aleo im do corrento me.z, pretende sabir para o
Havre o brigue francez Nelie- Vathilde, capillo Guil-
bert: quem quizer ir do passagotn, para o que tem
excedentes commodos, dirija-so a tratar com os
consignatarios, J. P. Adour & C, na ru da Cruz ,
n. 21.
I.oila.
O corrotor Oliveira far leihlo da mais esplen-
dida mobilia, consislindo em guarda-rotipas, sofas,
mesas de. jogo, o de meio do sala, aparador, estan-
tes, commodap, marquezas, lavatorios, (jadeiras
demudas qualidados, mangas de vidro, lanternas,
espedios, candielros de globo, apparelhos de mesa,
o para cha., garrafas, almario, balcffo o carleira
para escriptorio, burra de ferro, cama do dito,
obras de prata, sellim com seus perlences, e valio-
sas e inleicssantes colleccesdo livros composlos
por aba Usados autores nos idiomas inglez, fraifcez
o adcmOo ; e muitns otitros ohjeetos de gosto e uli-
lidade : quarla-fera,28do correnle s 10 horas da
manhaa, no 1.* andar da casa nova do Sr Cunha, :
rita do Bcum, immediata fundigilo dos Srs. Mes-
quita & Dutra.
iKiiMWMM.- _i,l.'-i -..- ma^mmm v 1. ijjli
Avisos diversos*
Aluga-so o segundo andar, com um grande so-
lilo. do sobrado n. 46, na ra Nova, por cima da to-
ja de alfaiate, que ca na esquina do boceo defronte l
da botica do Sr. Pinto. As bondades deste segundo
andar s1o taps que, s vendo-se, so pnder apreciar.
Os prctendentes dirijam-se a sobredita loja de al-
faiate.
Arremat.iQo publica.
cclaracoes.
O patacho .uwentina recebo a mala para o Rio-
de-Janeiro boje (24 ,as 9 horas da manla.
--O lllm. Sr. inspector interino do arsenal de ma-
rmita,tendo de cncomuieudar para a Paiahiba a ma-
deirado sicupira que precisa para ser empregada
na coustrucgiloda nova barca de escavagilo pelas
formas quo existen) no mesmo arsenal por estar
para isto autorisado pelo governo imperial, manda
fazer publico que far o contrato de compra com
aquclle Srs. que d'alli queirain rometto-la. ou man-
da-la vir; devendo apresentar suas prospostas no
prazo de 15 das, contados de hojo para ser effec-
luudoconi oquese comprometa a vende-la de boa
qualidade o mais em conta. -- Secretara da inspec-
g.lo do arsenal de mantilla de Pernamhuco 15 de
abril de 1847.--0 secrotario, Alexandre Rodrigues
dos Anjoi.
Tieatro publico.
OS 30 A\i\OS,
da vida de um jugador.
Se representar a beneficio da actriz
Leocadia Moi.teria, domingo, i5 do ce r-
reute, com todo o capricho, no llieatro
publico.
PublCuclo Geog-rapliica.
Aos estudantcs de geographia.
Acaba de tahir a lut, niidamente impressa, o seguinte
brvchvra :
PROBLEMAS DE CEOCKAPHIA P.HYSICA K AS-
TRONMICA, por K. s. A., um volumo i 11 12."
He a solugao pratica dos principaes problemas
de geographia terrestre e celeste, para facilitar o
esludo dcsla disciplina e preparar osestudantes ao
respectivo exame Vendc-se por 1,000 rs., na li-
vraria do Sanios & Companhia na ra da Cruz.
ivisos martimos.
Para oRio-Grande-do-Stil e Porto-Mcgro sahi-
r, em pouco das, o brigue Ledo; o qual pode recc-
ber escravos a frote : quem preteuder |de tratar
com Amorim Innilos, ra da Cadeia, n. 45.
- Para o Rio-de-Janeiro sabe o patacho S.-Jose-
mencano, capitn Jos Antonio do Mato/.inhos, for-
CoiTt'spoiiciicia.
Sr. Redactor.Leu
lo n imnStoL?ml>ra-mo ter lido 00 supplomen-
&Tdo?,H,JZnaid0 Cnu-re* J Rio-de-Janeiro,
deTdejulhodo anno passado, que um compositor
Americano
rado de cobre e de primeira marcha: quem no mes-
|Oto quizer carregar escravos ou ir de passagem, di-
rija-se aodilo capitn a bordo, ou a Gaudiuo Agos-
itnlio de Barros, ra da Cruz, n. 66.
Seguo viagem no dia 25, domingo, imprelcrivel-
mente, o mudo veleiro hiato S -Joto, para a Babia,
com escala por Macoi: anda recebe alguma carga
miuda,.ou passageros. Quem pretender dirija-sea
bordo do mesmo, ou ra do Crespo, loja n. 2,
que achara com quem tratar.
Sabhado, 1. do ma o prximo, lem de sor arre-
matada, por ser a ultima praga, pela segunda vara
do civel, Dr. Nabuco, logo que se Ande a audiencia,
o na sala das mesmas, de renda animal, e por tem-
po de um anno, a requermeulo dos consenhoses, a
casa da esquina da ra do Crespo, que volta para a
ra do Collegio, de 3 andares esntilo, duas lujas, e
urna dolas ptima, por ser na ra do Crespo e tor 4
portas de frente; a qual foi avadada por 700,000 rs. Os
pretendentes comparegam 110 indicado dia, se dese-
jam obter um dos melhoresestabclecitnentos, ecom
todos os mais commodos para a moradi, sem o me-
nor sncrlicio de luvasou empenho, porque tem do
ser entregue ao mais animoso dos concurrentes, que
este lie smenle o emponho dos inleressados.
=Quem precisar de urna mulhor para ama ele u-
ma casa de pouca familia, ou mesmo para homein
sorteiro, dirija-sc A ra das Cinco-Ponas, n. 70.
Aluga-se um pardo, perito cozinheiro de forno
e inassas: quem delle precisar drija-se a ra da Moe-
da, n. 9, segundo andar.
Jos Pires Ferreira morador no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 46, paga aos credoresdo llieatro.
Perdcu-se, na tarde de 23 do corrente, da ra da
Madre-de-l)eos at a ra do Queiinado, urna carlei-
ra de algibera, com 24,000 rs. cm cdulas, sendo
urna de dez eoulras miudas; dous meios bidictes da
lotera do llieatro que esta venda, rubricados no
verso com o nomo de Alexandre Fclicidade ; e um
meio bilhetc da lotoria da Victoria, com a rubrica
do Joflodetal : quemaachou o quizer restituir, di-
rija-se a ra da Cmleia, casa do Sr. Jos Antonio
Bastos, que ser gratificado.
Oflerece-se um rapaz brasileiro para caixeiro
do engenho, ou oulra qualqtier arrumagao : quem
de seu^iruslimo se quizer ulilisar, dirija-se a ra
Direita, n. 24, ou annuncie.
As pessoas que liverem carias, ou as que houvc-
rem 110 correio para Manuel Jos Anlunes, farflo o fa-
vor trazer no Aterro-da-Boa-Vista, n. 37, no lercei-
ro andar, visto que este Sr. se acha cm um sitio no
Monteiro.
Precisa-so do um forncro edoum amagador,
quesejam bons trabalhadores: pagam-sc bous orde-
nados: na padara do paleo da Sanla-Cruz, n. 8. Na
mesma precisa-sealugarumpreto para o todoservigo
da mesma padaria, pagando-se doze mil ris men-
saes e sustento.
OSr. D. N. queompormou um botflo de bri-
Ihanles, o anno prximo passado, por 30,600 rs. na
casan. 104 da ra do S -Miguel dos Afogados, quei-
ra irlira-lo no prazo de tres das, sob pena de ser
vendido.
1. C. Mauvernay vai fazer urna viagem a Eu-
ropa, e doixa por sua procuradora, sua senl)ora,l.uiza
Angelina.
Precisa-se do um caixeiro para urna padaria,
qued fiador a sua conduela: quem estiver nestas
circunstancias annuncie por esta folha.
OSr. S. R... queira vir entregar pessoa, quo
bem conhece, asqualro caixas de prata para rap,
que ha tanto lempo levou para amostra, e lato 0
mais lardar atsegunda-fera; pois do contrario, ve-
ra publicado ueste mesmo Diario seu nomo, ea ina-
neira pouco honrosa com que so houvepara so apos-
sar das referidas caixas. ,
- Hoje, pelas 4 horas da tarde, na porta do Sr.
Dr. juiz do civcl da 2.' vara, se ha de arrematar um
escravo de Antonio Joaquim da Silva Castro, ava-
dado em 380,000 res, por execugAo de seus credo-
res.
Precisa-se de um mogo do 14 a 16 annos, para
caixeiro de urna loja em Macei : na ra do Burgos,
padaria n. 31.
No dia 27 do corrente, pelas 4 horas e meia da
tarde, a porta do Sr. Dr. juiz do civel da 1.'vara,
na ra Nova, se lulo de arrematar, por sera ultima
praga, 3 casas sitas as areias do Ciqui, sendo ama
do pedra e cal avadada em 500,000 res, o 2 do tai-
pa, una no valor de 120,000 ris, e outra em 100,000
res, e urna taberna com varios utensilios no mes-
mo lugar; pon horados os mesmos bens viuva e
herdeirosdo linado Joao Firmo dos Santos Rodri-
gues, porexecug;1o do Antonib Joaquim de Mello.
lima pessoa ca-paz so oiVeieeo pura tomar es-
cravos de commissilo para os vender : quem de seu
presumo se quizer ulilisar, dirija-se a liavessa do
Rozario loja de encadornador, 11. 2.
Quem annunciou querer comprar um bom rc-
logio de ouro, de sobonere, querendo ainda, dirija-
se a loja do louga, n. 68, atrs do Corpo-Sarito, de
Antonio DiasSouto.
H



ffl
Alua-so o segundo andar da casa da ra da
Sezalla-Nova, n. 14: a tratar na ra do Vigario
"' prdeu-se, lo Recite at a ra estreita do Roza-
n nina caraira verde do marroqu., grande, com
inoo rs sendo 4 notas de 10,000 rs. urna de
onors e outra de 1,000 rs ; duas cartas, urna pa-
" oescriviloda cmara episcopal do Olinda, e ou-
tra para
retor do seminario da mesma cidade.
iniachnu, nloquorendoresliuiir.odnheiro, fai
ni randa obsequio em'restituir as cartas; o nilo
ricrondo entregar pessoalmenlo podo dirigir-so a
nica da Independencia, n. 3, e melle-las por.baixn
d porta; o se troucer ludo permito, sera recompen-
MAluea-so, por 8,000 rs., urna ptima casa com 2
alas 6 nutrios, copiar, cozinhae quintal murado,
tana ra Imperial, n. 187: a tratar na ra Direita,
- O Sr.Jolo Xavier da Maya queira dirigir-se airas
do Cnrpo-Sanlo, n. 68, loja de louca, que se Ihe quer
Callar a negocio deseo particular Interesa*.
O abaixo assignado faz certo que tem dissolvi-
do a soeledade que tinha na loja dejpiudezas dobai-
xoda firma de llenriquns & Companhia : ficando a
su cargo pagar aoscredorese receber dos dcvedo-
resa mesma llrma por isso que ficou com o esfahe-
leriinento sobre si. Ilecire, 16 de abril de 18*7.
Joaquim Henriquei da Silva.
-Os abaixoassignados fazem publico que Jos do
Almeida Nones Lima deixou de ser seu caixeiro des-
do o dia 19 do crrente liraga, Silra & C.
-Arrenda-so um jtio, milito per lo da praga ,
rnm casa de vivenda iluai excellentos haixas, urna
decapim eaoutra para qualquer plantaclo duas
carimbas d'agoa de. beber, e com bastantes arvo-
redos de fructn : na ra Velha, n. 26.
AntonioJoaquim Gongalves. Guimares retira-
so para o Rin-dc-Janeiro.
JosCarvalho da Costa embarca o seu escravo
Jarintbo de nago Angola para o Rio-Grande-do-
Sul.
_Quem annunciou terum tanque de amarello ,
com galos do madeira de sicupira que leva 400 a
500 cargas do mel, annunciesua morada, e onde o
tem.
Precisa-se de um amassador preto ou branco, que
entrala depailaria : na ra da Florentina, n. 3.
I'erdeu-se urna carloira de marroquim verde,
conlendo a quantia de 45,000 rs. em cdulas de
1,000 o 10,000 rs e mais unas relacOes de botica;
nm rol do encommendas urnas leltras de pessoas
do serillo, e mais unas carias. As litas lettras s a
pessua que as perdeu ho que as pode receber: quem
a tiver achado e quizer restilui-la, leve-a na lo-
ja do Lamego, na ra do Crespo, que ser gratifi-
cado.
Jacintho Antonio Alfonso relira-se para fra do
imporio, o paicce-lhe nada dover; mas se bonvcr al-
guma pessoaquese julgue sua credora, aprsente
suas cuntas no prazo de 8 diaspara promptamente
sersatisfeito.Oannunciante constitue seus bastantes
procuradores aosSrs. Antonio Joaquim Ferreira da
Silva, Jos Joaquim Dias Fernandez e l'onciano Lou-
renco da Silva.
c-Alugatn-sc tres grandes casas trras com 3 sa-
las, 6 quirtos*, cozinha, grande quintal e cacimba,
ua ra Formosa, lis. 2, 6 e7; oulra dita na ra da
1'niU), n. 4, por 14,000 mensaes : quem pretender,
dirija-so ao cscriptorio de F. A. deO.liveira &Filbo
na rua da Aurora, n. 26.
Precisa-sede urna ama de leite para criar un*
menino: na ra Nora, loja deourivcs, n. 32.
- Um homem branco casado j de idade,
quer ser empregado em adminislragflo de algum en-
genbo : qualquer Sr. de troin comportamento que o
queira sem resalvu nenlium o pode procurar no
engenho Moreno a Thom Concia de Araujo, ou
annuncie por esta folba para se fazer oejuslo.
-- Antonio da Silva Ferreira Sanios, subdito por-
tugucz, retira-se para fra do imperio.
Precisa-se alugar um preto para o servido leve
de uni armazem, pagando-se-lhe mensalmenle \%f
rs.e o sustento : na ruado Trapiche, n. 3*.
Os abaixo assignados, tendo, em 8
de julho de iS/jt, dssolvido umigavel-
mcntc a socicdadc que tinlnm as lujas da
ra Nova n. 8 e esquina do Cabug n 11.
que gyravam debaixo da firma de Amaral
k Finheiro, julgain nada dever pcrten-
cenle dita firma ; e quem se julgar cre-
dos queira aprcsenlar suas cotilas para se-
ren satisfeilas : c deciaram mais, que a loja
da ra INova 8 ficou pcriencendo a Jos
'de lenquer Simes de Ama ral, e a da
.esquina do Cabug na Manoel Fiuliei-
rode Mendonc-a, ficando a cargo de ambos
a cobaucra das dividas activas. Itecife, 21
de abril de 1847. Manoel Pinhriro de
Mendonca Jos de lenquer Simes
de dmaral.
Precisa-se alugar um escravo para carrcgar
pilo e fazer o Mrica diarjo de urna casa : na ra du
Pires, padaria n. 44.
Aluga-se, a urna pessoa capaz, metade de urna
casa, com dousqnartos por 4,000 rs. : quem pre-
tender dirija-so a Uoa-Visla Iravcssa do Capim ,
-- Firmino J F. da llosa agradece a lodos os Srs.
que se prestaram a auxiliar o seu cstabclcrimonlo,
na ra da S.-Cruz, do incendio principiado na noi-
le do dia 20 do crranle.
ATTENCAO.
O abaixo assignado so dirige a todas as pessoas
que, allendcndo assunsnis circu.mslancias e per-
seguiccs que tem soffrido,o leem beneficiado,
rogando-Ibes que nilo s Ihe aceitem eAe pequeo,
mas sincero testemtinho de sna gralidilo mas tam-
benique.se o abaixo asignado se encontrar com
algum das pessoas referidas e nilo a compriuien-
tar,cnmonexigem suagratido e dever, se digne
do o desculpar, altendcndo ao seu meo roiihcc-
mentoe a imperfeicilod sua vista beui que inda
moco. Esta Ibana cxposgilo de sua alma prova nilo
equivoca deseusenlimenlos, -ompreliende nilo so
alodosqueo lecui beneficiado- outr'ora princi-
piando do cometo de seus estudos como tambem
aosqueo estilo fazendo presentemcnlc r do um e
entro credo poltico tanto ilesla capital como de
seus arredores. Joaquim l'ranciio lia finia 1 Mtl-
lo Oala, estudanteem direito at oquartoanno.
- Precisa-sede um criado de 12 a 14 annos para
11rahomemsollciro, fra destapiaba: no Collegio-
S,-Antonio.
No sitio da caixa d'agoa na ra do Pires pre-
eisa-se de um feitor que cntenda do plantacoese
Irahalbo do enxada.
-- J0S0 Jos Rodrigues vai ar> Rio-de-Janeiro.
.Precisa-se de urna menina, de II a 13 annos,
para andar alias do urna manca ; quem esliver nes-
ta.s elrcumslanciiis, ou alguem quo tenha alguma
hlba que queira disprdella para esso fi'm dirja-
le a ra atrs da matriz da Boa-Vista, sobrado n. 28,
segundo andar.
Aluga-se o primeiro anda do sobrado da ra
da Cruz, n. 18, ptimo para escriploi o, ou moradia
de homem sollcilro :a tratar no segundo andar do
mesmo sobrado, demanhila at as 10horas, e de
Jarde das 3 em diante.
Sorvete
o Atcrro-da-Boa-Vista, defronte da casa do
*r. coronel Chabi, contina a haver sorve-
tede varias fiuctas.a 200 rs., tendo prin-,
cipio as 5 horas da. tarde.
Precisa-se de um criado : no paleo do Terco
sobrado n 9.
-* Manoel da Silva Sanios, sen-
de farinha marea SSSF, cliegada ullimamen-
le a esle mercado,
Aluga-so urna casa no Aterro-da-Boa-Vista, n.
68, propria para negocio; e quo tem dunscamarinhns,
soto, cozinha fra, quintal e cacimba: a tratar na
ra Nova, n. 32, loja de ourives.
O hachare! formado Francisco Percira Freir,
ex-procurador-liscal da thesouraria do fazenda da
provincia dasAlgas, propOe-se a advugar no foro
desta cidado, taio no civel como no criine, e no ad-
ministrativo, requerendo o direito e juslica daquel-
les.que o procurarem, peante o governo da provin-
cia, thesouraria, alfandega, mesa do consulado, ccl.
He a sua residencia na ra do Queimado', n. 6, pri-
meiro andar, onde o acharo a qualquer hora do
dia.
Na ra do Sebo, n. 3, empresta-se dinheno a
juros com penhoros do ludas as qualidades, em pe-
quenas porces.
Jos Antonio de Snuza, capitfio do patacho
Noeo-T'ineiario, tendo encontrado nosta cidade ou-
trts pessoas ilc igual iiome o at mesmo nos da sua
occupaQilo ) faz sciente ao publico que d'ora em
(liante.se assignar Jos Antonio Candido du Souza.
Aluga-se um bom armazem para assucar, ou
deposito de qualquer otitro genero, sito no beceo da
Moeda bairrodeRecife : a Iratar na ra das Trin-
cheiras, n. 50.
Aqu nao ha usura.
D-se dinheiro a premio com penbores do ouro ,
mesmo em pequeas quantias : na travessa dosMar-
tynos,n.2.
Fabrica lie chapeos de sol, no
l'asseio-Publico, ir. 5.
Noste estaheleeimento se recebeu urna porco de
chapeos lie sol lurla-crtres, da ultima moda de Paris.
O mesmo esta belecimento lema mesma fazenda
para cobrir armaeos com toda as galantarias pre-
cisas para as mesmas ; tambem tem chapeos de sol
de panninhn, inulto proprios para frito res de enge-
nho, por serem de muito boa fazenda e muito gran-
des pois leem a serventa para as duas estaees lo
verilo e iilvcrno : tambem se faz todo o qualquer
concert nos mesmo*, pois para isso tem lodosos
nocessarins e prometi toda a promplidao.
Francisco Joto de Barros declara a quem con-
vier, que somonte pagar qualquer divida que elle
haja contrahido pcssoalmente, como tem du coslu-
mc, ou por escripto seu ; mas nunca satisfar aquel-
las que o foreni de pessoas que se tenhain utilisado
do sen nomo, como Ihe consta tem ltimamente
acontecido em algumas partes ; e isto tamhom se
Reara ontendondo de boje para somprc, afim de evi-
tarem-se dovidas futuras.
No din id de marco prximo pasan-
do, desappareceu do poder do abaixo assig
nado a sua escrava Alaria Jacinlha, crioo-
b, de u para i3 anuos, cr preln, de es-
tatura balsa, pouco musculosa e desen-
volvida, denles inui alvos, saos e bonitos,
bocea rasgada, que, ao fallaron rir, deixa
ver lodos os denles, fulla pausada e des-
cansada ; be mnilO viva e anulosa ; ne-
nhumas acalmes tem, ou lesoes visiveis,
estmente sobre o peito esquerdo desco-
bre-se- llie urna pequea nodoa negra que
sobresalte pellc ; levou camisa de algo-
daoziiibo e vestido usado de lislras e ra-
rnagens azul-brancas. Presmese que nao
tenln sabido da cidade, e mesmo he pro-
vavel que tenha sido seduzida, e estejn
ocenlia abi para a estrada nova de Ulin-
da, Cidade-Mova, e contornos
ondt
consta haver urnas olarias, um cqueno
quilombo, que 'leve merecer a atlenc3o
da polica. Quem quer que capturar a re-
ferida escrava, dirija-se casa n. 56, ra
do Hospicio, que ser gratificado.
Joo Francisc Ituarle.
Compras.
<:ompram-so alguns ps de fruela-pno de mas-
sa j mudados para pequeos caixOes: na na lar-
ga do Rozario junto ao quartcl de polica loja n.
20,se dir*quem compra.
' Compra-so um par de mangas de vidro .- na rna
Direila, n 9. .
-- Corapra-se um cavallo carregador baixo al
meio c que tenha bonita figura : as Cinco-Pontas,
padaria n. 154. '
Compram-se duas bandejas de prala, sem rei-
lio : na rna dasCruzcs n 30- ~
Compram-se, nos acougues dcJo3o Dubois,ao
p dos quarteis, moedasde prata de 160 rs. a 102
por cnto de premio sobre papel, c a mais a cento
por cento em pagamento.
Compra-seo drama o Judcu, pelo seu dobla-
do valor : no boliquim junto aolheatro.
No boliquim da Cnya-da-Onca na ra larga
O Hozaro n. 34, contina-so a comprar cobre
para troco a 6 por cento.
- Na rna do Queimado, loja n. 37 A, compra-se
urna flauta com quatro chaves.
- Compra-se um cavado' n Iroco de tijolo de alvc-
naria grossa, do melhor que se fabrica ; sendo o ca-
vallo do todos os andares, que esteja carnudo, o
eja novo: a quem convier annuncie.
------Compra-se la de frecba on su-
'iianina; na ra Nova loja de selleiro,
defronle da Conceitao, n. a8.
-*
Vendas.
Vendc-seuma escrava de 95annos, muito hem
jucada, a quem so pdcVntrcgsr todo c arranjo di-
urna casa; alm de onlras habilidades, he ptima
cozinheira; urna dita do 18 annos do idade, com boas
baliili(l:idi's;uma dila hoalavadeira equilandeira.por
220,000 rs.; urna dita por 250,000 rs.; una bonita
meleca de 12anno* do idade; urna escrava.de na-
i'.'i'i, ilc :!o .iiimiis (le iilaile; um bonito moleqne de 11
anuos de idade ; ires lindas moleques de 17 a 20
annos de idade; um escravo para lodo o servico;
um bonito muloquofoffical do alfaiete.bom pagem e
holieiro; urna bonita mulata mucama d 18 an-
nos de idade, com boas habilidades: na ra de
Agoas-Verdes, n. 46.
Vende-se um honilo molequo para fra da pro-
vincia, e una negra de nacjlo : na ra do Nogueira,
u. 19, segundo andar.
Deposito de vinag'O, da fabrica
da ra Imperial, n. 7,
na fabrica do licores, de Froderico Chaves, no Ater-
ro-da-Uoa-V'isia, n. 17, onde se achara sempre
grando porcilo e por preco commodo.
1 Vendem-se superiores chapeos de
.^a^caslor, pretos ebrancos, por preco
nimio barato : na ra do Crespo, loj n.
12, de Jos Joaquim da Silva Maya.
Vendem-se ricas filas de setim lavradas, para en-
feitar chapeos e vestidos, de p.idres muito moder-
nos ; bieose rendas de todas as larguras; caixinhas
com agulhas franceZas, a 280 rs.; tesouras muito fi-
nas para costura; caixinhas do madeira, envernza-
das, proprias para guardar costura, ou qualquer oh-
jecto, ludo por preco commodo : na antga ra dos
Quarleis, lerceira loj de miudezas.
Vondom-se penlesde marlim para alisar cabel-
lo; caivetes de 2 folhas com cabo de pontn de viu-
do; lapes muito finos para desenlio c para escreyer;
navallias linissimas com cabo de niarfim; charuleiras
com retratos muit finos; facas e garfos com cabo de
osso pedido, o melhor que ha c muito barato : na
antga ra dos Quarteis, lerceira loja de miudezas,
do Viconto Jos Gomes.
Vendem-se alguns paos de sicupi-
ra, proprios para obras de cuibarcacoes,
ou canoas : na ra de A pollo, a fallar com
.loao Estoves da Silva.
Vende-se urna canda aberta grande,
j usada, que pega em um milbeiro de fi-
jlos de alvenana., por preco commodo :
a Iratar na ra de Apollo com Joao Ksle-
vesdaailva.
He verdadeque todos hoje sao
novos barateirns, mas cllcs
na queiiiiamcoin oan-
tigo haraleiro da ra do
Collcgi!
O anligobarateroesl torrando por todo o di-
nheiro ua sua nova loja de miudezas da ra do
Collegio, n.9. Chegucm asriquissimas e mimosas
(las, ebegadasdo Ito-do-Janeiro, que ellas ja estilo
no fim, depois mo venham dizer que o barateiro mo
avisou e que ollas se acabaram*: fitas de velludo
preto, de v.-.rias larguras; filas asselinadas de to-
das as cores o larguras; pentes de tartaruga, para
merrafas, a 960 rs. a parellia ; ditos de tartaruga
com enfeites dourados para prender cabello, a
2.000 rs. cada um ; agulhas francezas, muito finas ,
a 280 rs. a caxinha ; luvas pelas do seda, compri-
das, com dedos e sem elles c com flores de cor;
ditas curtas sem dedo, para senbora ; brincos alar-
tarugados, a polka ; leques do se.ia com afeites
dourados, a 2,400 rs cada um ; luvas do pellica
prolas para homem a 480 rs. o par ; chapeos de sol,
de seda para senbora a 2,880 rs. cada um de cores
escuras; luvas do algodo de cores e brancas, a 3-20
ri. o par ; bengalas de cannada India, a 1.920 rs
cada una ; linlia de carretel, branca e do cores, a
320 rs. a duza o sendo de 50 duzias para cima se
lar maism conta; rqussimos caivetes finos e
Jecabodochifre de viudo do 1, 2, 3o 4 folhas;
tesouras finas, tanto de unha como para costura.
A ellas, que estilo no resto, ao depois o barateiro
nao aceita desculpas daquelles freguezes que nilo
chegarem a lempo.
Na botica da ra do llangol, vendem-se os re-
medios segrales, dosquaes a experiencia tem con-
firmado os melhoreserieits: denlico que lema
piopriedade de limpar os dentes cariados c rcsti-
tuir-lhes a cor esmaltada em muito poneos das;
o uso do dito remedio fortifica as gengivas o tira 0
mo cheiro da bocea proveniente nilo s da cano,
como do trtaro quo so une ao pescoco desles or-
eaos ; o remedio he designado pelos nmeros pri-
meiro e segundo : orchata purgativa, mu til as
enancase as pessoas de tod e qualquer idade: ne
eoihposla de substancias vegela.s, mo contera
mercurio, nem droga alguma que possa r-rejudicar :
remedio para curar calos, em poucos das ; ilil? pa-
ra curar dores veneras antigs, e que leem resistido
ao tratamenlo geralmcnte applicado; dito para pro-
vocara menstruacno o accelerar aaccilodo ulero
nos parios naturaes em quo mo se precisa das ma-
nobras scentlicas da arto; dito para resolver in-
moles lymphaticos, vulgo glndulas; ditos para
Curar boubaso cravos seceos,o maisefficaz que se
conhecealaqui; dito oximel de ferro, muilo til
nascliloro7.es, vulgarmente chamadas frialdades;
pos anti-bilosos de Manoel Lopes, capsulas de ge-
latina contendo" balsamo de cupahiba ; ditas do
oleo de recirios purificado; dilas de cubebas em po
fino; ditas de assafetidn ;difas com pos purgantes
ditas do ruibardo da China; dilas de sulphato d_
quinina de 1 e 2- graos cada capsula ; algaleas; veh
nhas elsticas : pitillas de sal deeabacinho; agea
das Caldas .choqada prximamente : remedios quo
euram a frialdade dentro do 40 dias mesmo estan-
do inchado; oleo muito bom para conservar o ca-
bello, quo,alean de niiodeixar caliir o cabello, lim-
pa a caspa e cujo uso continuado faz reapparecer o
cabello perdido ; pilulas especificas para curaras
gonoi rlieas dirimirs quando a lesilo nilo passa da
iireta ; igualmento um xaropo'anti-hemorragico ,
applicado nos casos em quo se deitasangue pela boc-
ea, (i preco de todos os remedios he mui rasoavel,
e os hons resultados da sua applicaclo beque dovem
fazer sua apologa.
O modernismo no sen aue
Entre os ltimos espectculos, saraos ,
balese divcrlimenlos, em que abunda
variadamente a capital da Kranea | Pars',
que em mudas ,loucas, enfeites do ju-
xo o brilhantes atavos leva a primazia,
na variedade csuhlimidadcdc gostoa to-j
das as ciliados europeas, uns riquissimos
vesiidos d'uoa fazenda composla c fabri- '
, cada do seda c lita denominada Cha-
.marim-serviam de eleganlissimo ador-
no aos helios delalhes do madamismo
parisiense, quo se tornava digno de ge-i
' ral altenc.1o.Ksla preciosa fazenda com-!
'posta dasdiias mais preciosas leiss,-scda
c lila, tem uns listrados de seda, atraves- ,
' gados uns, oulros assentes sobro um te-
loido parecendo merino, que Ihe d um!
reajee quo a torna mais digna de atten-
| ciln do que se fra seda so ; pois- he urna |
i inaravilha o seu bem desenhado e real- |
cado gosto. O madamismo pernambuca-
no com justa raso apreciador de 18o ,
boas qualidades, em urna fazenda inlei-
rainenle nova para seus vesiidos de bai-
les, naodexar de receber com partcu-
' lar alleiiQiloa noticia de que o achama-
' rim so vende Uto sincntc na loja nova
n. *, de Ueardo ao pe do arco de S.-An- (
Ionio a troco do 1,200 rs. cada covado.
Aprega, leva lonjea fama,
Levanta osom m.'ii clarim;
Esbeltoscorpos das bellas cinge
C'os lindos vestidos dochamarim.
Vendem-se lindos bicos de linho; ditos do al-
godo ; ricas luvas de seda fil o pellica para ho-
mem esenhora ; mantasdeseda c do fil; meiasdo
sola de patente ; veos pelos de fil ; Icdqos de seda
para algibeirae' pescoco ; luvas .inglezas de pelli-
ca, para montada; oculos finos do armaco o de to-
dos os graos ; riquissimas lilas para cilos e cha-
peos ; chapeos do Clil ludo do ultimo goslo o por
preco barato : na praca da Independencia, n. 39.
ATTENCAO'.
Vende-se o buhar da Camboa-do-Carmo em cu-
ja casa ha botiquim do bebidas, lodos pertences
para sorvelo commodos para familia eo seu alu-
guel he de 8,000 rs. mensaes : a tratar no sobrado do
um andar n. 21, por cima do mesmo bilhar.
Vende-se um carro de 4 rodas, quo serve para
um ou dous cavallos, com seus competentes arreios
varaos c lauca : na ra do Queimado, loja n. 17.
Vende-se, para engenho ou para fra da pro-
vincia urna prcta do 18 annos que cozinha o or-
dinario de urna casa lava, engomma faz Javarin-
to
tem
iii.iii-.".......-.-., .-, ---0 ---
oe lodo ornis irranjo de urna casa e tamilia,
.emleile, por ler parido ha pouco urna cria parda;
bem como outra quo tem 3 annos, quo por ser fl-
Iha dolase vender tambem .- no Forte-do-Maltos ,
prensa do Brito se dir quem vendo.
-- Vende-se umsupplcmento cnlleccito das leis
portuguezas, pelo desembargador Delgado; o tra-
tadodo appellaces, porCouveia Pinto; umagram-
matica francoz por Constancio ; nm diccionario
porttil da lingoa portugueza por Fonseca ; urna
Imitaclo de Cliristo em fraucez : na livrana da
praca da independencia, ns. 6 c 8.
Vende-se urna linda parda recolhida propria
para mucama, por ler boa conduela e que sabe
engommare coser; ao comprador se dir o motivo
por que se vende na ra eslreita do Rozario n.
31, primeiro andar.
Vende-s urna cama de casado, com colchflo,
onxergo e travesseiro ludo novo o por 40,000 rs. ,
sto por seu dono so retirar ; um lavatorio com ga-
veta ; una mesa de engommar, grande; um qua-
dro grande dourado ; urna mesinha de conduru, por
3,000 rs.; um par de bancas de Jacaranda moder-
nas por prego commodissimo : na ra da Uniflo ,
junto a lypographa.
Vende-so um muito bem construido lanquo de
ferro com duas ptimas torneiras tambera de ferro,
o com a compleme grade de madeira para assento
do mesmo; he escolente para deposito de azeito e
vende-so por prego commodo : na ra da Cadea de
.-Antonio, n. 13. .
-Vondem-sesapaWes de pala muito bem lei-
tos, e proprios para invern, pelo barato preco de
1,410 rs. : na praca da Independencia n. 3. A enes,
^-"Nua'rmazom do Braguez, ao p > o d. Con-
ceico vendem-so, por prego commodo latas com
Sulo deararuta';' charutos en. ca,xas e borra-
chas do Para : todo chegado ltimamente.
vendem-so superiores charutos do regaba, por
preco commodo, e'cheg.dos ltimamente no, v-
porS.-SebaUiOo, da Baha : na ra do Trapiche,
,M' AOB.VBATO, FRECUEZES.
Na loja da ra Nova n. 26, de Tinoco & Rocha,
vondem-so riscadinhos francezes.a 220 rs. o covado;
chitas finas quo no largara a cor a 200 rs o cova-
do lindissmascassas para vestidos do sennora ;
enres de col leles ; brins para caigas ; luvas; meias ;
chapeos de sol ; alm do completo o sempre vana-
do sorlimento do fazendas inglezas o francezas, que
esla loja vende por prego commodo e sempre mais
barato que em outra qualquer parte.
Vende-se um moleqne de 18 annos: na ra
Nova, n. 26, casa de Tinoco & Rocha.
Vidros para vidracas
em caixas de cein ps cbicos, vendem-se por preco
commodo : na roa da Crux o, 10, armazem de Kal-
kmann S Rosenraund.


I*
,1
1
I
Vendem-se sapatos de lustro para senhorajdilosde
duraque.francezes.pretos e de cores; ditos de setim;
ditos ife panno o do marroquim par homem e sc-
nhnra; ditos de lustro o de marroquim para meni-
nas; sapates de lustro e do becerro, francezes e in-
glezes; ditos de Vantes, de pala e de tres solas; bor-
zeguins inglezes, proprios para a chuva; ditos fran-
cezes, para, homem, senhora 6 meninasjehiquitos no
lustro, de marroquim e do la, para meninos, c ou-
trosmuitos calcados chegado* de Franca polo ulti-
mo navio; assim como um rompido sortimenlo de
perfumaras : o que ludo se vender por commodo
proco: na praga da Independencia, loja ns. 13 e 15,
de Joaquim Peroira Arantes.
Vende-se urna armago envidragada, propra
para olfaiale ou miudezas, que lem 80 vidros gran-
des, pelo prego de 80,000 rs : na ra Nova, loja de
ourives, n. 32.
Vende-se salitre e enxofre de muitoboa qua-
lidade e por menos do que em outra qualquer parte.:
no escriptorio de Claudio Dubeux, na ra das Laran-
goiras, n. 18.
Yeudem-se tres pe^as de armacao,
envidracatlas, para loja, por limito com-
niorto preco : na ra Nova, n. a3.
- Venderse a verdadeira e su-
perior potassa da Russia, branca
e em barris pequeos: na ra da
Cadeia do Recite, arinazem n. 12,
de Bailar & Oliveira.
A PARISIENSE,
NOVA E IMLBiNTE
para piano : vende-se na ra da Ca-
deia, loja iln viuva (lardoso A y res &
"***~-i Filhos; preco50ors.
__Vendem-se 3 lindos moleques do 16 a 18 an-
uos ; um pardo de 18 annos ptimo para pagem ;
trespretos de 20 a 2* annos, de bonitas figuras,
sendo um delles bom carreiro ; urna parda de 24 an-
nos com habilidades; duas tirelas coin algumas
habilidades ; urna prctatle idade por 180,000 rs. :
na ra do Collegio, n. 3, segundo andar, se dir
quem vende.
Vende se arroz pilado branco ; dito vermelho,
tanto por alqueire velho como a peso; feijflo ordi-
nario para e era vos ; ludo por barato proco : na ra
da Praia, venda n. 39
-- Vendem-se chitas limpas, bons pannos, a meia
pataca o covado, e a pepa a 5,700 rs.; sarja preta de
boa seda limpa a 1,280rs. o covado ; un Guarda-
l.ivros moderno em bom uso ; urna canoa abarla,
de eondtizir familia : na ra eslreitado Itozario, n.
10, torceiro indar.
Vende-se um prelo ptimo para o servigo de
campo de25 annos pouro mais ou menos, e de
jionita figura : na ra da Cruz n. 28, segundo an-
dar, casa de l.ima Jnior & 6.
Vende-se um carro de duas rodas, bem cons-
truida e-quasi novo por preco commodo : na ra
do Hospicio, cocheira do Emilio Francez.
Vendem-se sapatos de Maules de urna e duas
salas; ditos de costura ; ditos de 3 solas, proprios
para o jnverno ; sapatos inglezes ; borzeguins o
botins ditos ; borzeguins a 3,600 e 7,000 rs ; sapa-
tos de duraque para senhora e meninas; um com-
pleto sortimento de sapalinhos para meninos; di-
tos de lustro com litas para meninos e outras mui-
tasqnalidades de calcado chegado de Franca po-
lo ultimo navio : na ra da Cadeia do Recife loja
doMoreira, n.35.
Vende-se urna rica raixa de msica com
raixa de chanto, por prego commodo; curso da
historia da philosophia por V. Cousin 2.000 rs.;
frascos de graixa de lustro de nova invengilo a 500
rs. cada um pois serve para qualquer couro ; co-
iibocimeutos, a 20 rs. cada um, e o cento a 1,000 rs.:
na ra do Crespo, loja de miudezas, n. 11.
Vende-sc urna cania de angico moderna, em
muito bom uso, por prego commodo : na ra das
Trinciieiras, n 31, casa do nicho.
Vendem-se saetas grandes com mi-
lito lu,ido, a 2,000 rs : a sacca, e caixas
com charutos regala a 1,9.00 rs. no pri-
men o armazem do caes da All'andcga.
Polassa da Kussia,
polo prego de 180 rs. a libra em harris pequeos :
na ra da Cruz n. 10 armazem de Kalkmann &
Bosenmund.
Vende-se urna excellente casa terrea, com com-
nioilos para urna grande familia sita tiesta praga :
a tratar no principio da ra Imperial, n. 9.
(iheguem ao iiauato !
Vendem-se casaes do pombos grandes, bons ba-
tedores, bonitos e de urna raga excellente por um
prego muito rasoavel. A ellos, antes quo se acabem.
Na ra da Florentina, casa de porla e janella, defron-
te da cocheira do Sr. Sebaslio.
Vende-seum piano muito bom, por 250,000 rs.,
com cadeira o excellenles msicas do cantona: na
ra da S.-Cruz n. 22.
Vende-sc um cscravo de Angola do servico do
campo por 260,000 rs ; dous re I og ios de ouro : na
ra Uireita, sobrado 11. 29.
Vcnde-se cal virgrm em nielas barricas chegada
ltimamente ; caixas vasias para assucar ; urna porcoo
de pesos de ferro, de duas arroba* ; serras grandes para
serrar madrira ; tudo por preco coiiiinodo : na ra da
Moeda, arinazem n. 17.
POTASSA DA III'SSIA, A 180 E 200 RS.
Cunha & Amorim vendem potassa russiana nova c
de boa qualidade pelo diminuto prego de nove vin-
lense dous tuslesa libra : na ra da Cadeia-Vcltia,
n. 50.
Vendem-so sementes de hortalice do todas as
qualidades, chegadas proximamonle do Porto, por
piego commodo : na ra estreita do Itozario, ven-
da n. 8.
Vende-se urna preta muito moga sadia, de
bonita figura, com principios de engommar, cozi-
nhar, coser e lavar muilo bem : na ra do Raime!.
n. 26, nrimeiro andar.
Vende-se urna cscrava de nagilo muito fiel
que cose liso, marca, engomma faz lavarinio e co-
zinlia o diario de urna casa : na ra do Vigario n
14, segundo andar.
Vendem-se lijlos do ladrilbo, a 20 rs. : na ra
airas da 1 boira serrara n. 13.
yendem-o saccas com a mais superior farinha
que existe no mercado a 3,200 rs.: na ra Dirci-
ta, n. 9.
Vendem se'VIiLAS de cera do
Hio-dc-Janeiro e de Lisboa grande e
completo sortimenlo : na ra da Scmal-
la-Velha armazem n. i:o, de A lves
Vianna
, Em casa de Manoel da Sil-
va Santos, no ra da Cadeia, n.
4, vendem-se caixas contendo ca-
da uina doze garrafas de supe-
rior azeite de oliveira.
NA UA DO QUEMADO, N. n.
Vcndem-sc lindas mantas de seda ,
muilo linas as mais modernas que ha ,
proprias para senhora e meninas, a 3,7.00
rs. ; cortes decassa de cores ixas ede
lindos padrSes, a 4>000 rs-; sarja hes-
panhola ; lila franceza 5 los pretos ; tu-
do por menos de sen valor, por ter aca-
bado a Quaresma : na loja nova de B-
C. Lcite.
Vende-seum bonito mulalinho claro de 20 an-
nos de boa conducta proprio para pagem por
ser bom cavalleiro : na ra estreita do Rozario, n.
10, tercero andar.
PANNOS PirTQSF!*OS
e novos na loja ; velludo prelo ; chama-
lote de seda, para colletes e gollas ; se-
lim macau ; o veidadciro lirim trancado
de listras de cores : na ra doQueimodo,
loja nova, n. 11, de Baymundo Carlos
Leilc.
- A bordo do brigue ndependenle fundeado de-
fronte do Collegio vende-se sebo em rama e carne
secca por pregos eommodos boa fazenda.
= Vcndeni-se mor mas de ferro para eiigenlios de as
mear, para vapor, agua c bostas, de diversos tamaitos,
por preco coinmodo ; c igualmente taitas de ferro coado
e balido, de lodos os tanianlios : na prac.a do Corpo-San-
to, n. 11, em casa de Me. (.almont & Gompanhla, ou na
ra de Apollo, armazem, n. 6.
=- Vende-sc urna parda de muito bonita figura ,
que cozinha bem o diario de urna casa lava
de salan e varrella cose chio e he muito boa pa-
ra casa de familia : na ra do Collegio n. 16, ter-
ceiro andar.
Vendem-se alguns escravos sendo : urna par-
da anda moga ; una mulatinha de 6 para 7 anuos ;
urna negrota de 11 para 12 annos; um proto anda
mogo ; uina preta de 20 a 22 anuos com muito bo-
nita figura muito premiada por saber cozinhar,
engommar, coser chito, fazer renda, lavar desabito e
vender na ra : vende-se porque o dono se retira :
no fim da ra da Florenlina virando a esquerda, n.
11, defronle do guindaste.
AVISO
aos Srs.de engenho
i\a ra do Crespo, loja n.12,
de Jos Joaqun, da Silva
Haya, vendem-se
cobertores de algodflo muito encorpados, proprios
para escravos ; bem como urna fazenda de linho a
mitac,fo de estopa, Tortee propra para roupa do
escravos e saceos para assucar; tudo por prego mui-
to barato.
fii
i
i
l?l
Vende-se.'na ra da Cruz, n. a3, y1
cera em velas, de urna dos melho- iL
SU
res fabricas do Rio-de-Janeiro
Pj sortimenlo vontsde do compra-
7| dor, em caixas pequeas, e por lii
iy oor, em caixas peq
Tt preco mais barato do que
p] Ira qualquer paite.
poi
em ou-
Gaz.
I.oja de Joao Chantan ,
Uerro-da-lloa-Vista, n.5.
Netta loja aclia-se um rico iorliinento de LAMPESE
PARA GAZ com scus competentes vidros acceudedo-
ret e abafadores.
Estes CaodieilOS io os meihore e
mais modernos queexlsteiu boje : rrcommcndam-so ao
publico, laulopelaseguranca c bom goslo de sua boa
coi>fec(o como pela boa qualidade da luz, economa i
asseio de scu servico.
Vil MlCSina loja os consumidores tem-
preacharao um deposito deGAZ., de cujo se afianca a
qualidade, e eiri poican bastante para consumo.
Excellelile rap.
Arba-se aborto um novo deposito na ra da Cru,
n. 44, de superior rape1 lauto tino enmogrosso e mrlo-
grosso de Gasse da Itahia e por muito coinmodo preco.
Acha-se a venda no dito deposito, e bem assim no
bairro de Santo-Amonio as lujas dos Sr. 1 Filippe
de Santiago, Joaquim de Abren, llem ijdcs i Com*
panhia ; Almeida e Campos, Antonio Domingurs Fer-
relra Joaquim Monteiro da Cruz St (.oinpanbla ,
Manoel Jos! da Costa Oliveira ( udeceira'&Guiniares;
balrro da Iloa-Vlsta os Sr. Antonio Ajres de Castro &
Companhia Caelano Luiz Fcrrelra ; balrro de S -Jos
osSrs.Jofi Jo Pinto de Oliveira *
vares.
res gostos possiveis; chales tambem de seda de diffe-
rentcs qualidades; sedas brancas de superiores
qualidades para vestidos de noivas ; ditas decores;
lengos de: Jila para mflo de lindos padrOes ; cortes
decolletc do gi.rgurfo, com barra, do melliorgoslo
que lem apparecio; cachos de flores de difierentes
qualidades; chapeos deso, para hornera e senhora,
sendo de fnrla-cre ede urna s crjehapeos de mas-
sa francezes dos mclhores e mais modernos ; len-
gos de garga para pescogo de senhora; cortes de
cambraia de listras para vestido; luvasde todas as
qualidades, para homem e senhora ; borzeguins pa-
ra senhora; ditos para homem; sapatos de couro
de lustro; ditos de marroquim para homem e se-
nhora ; um completo sortimento de perfumarlas ,
assim como outras muitas fazendas que se venderA,
pelo menor prego possivel: na esquina da ra do
Cahug, junto a botica do Sr. Jofio Moreira Mar-
ques.
Vendem-se escravos baratos, na ra das
Larangeiras, n. 14, segundo andar, sen-
do : um molecote de 22 ainos ptimo
canoero o bom pescador do alio o lana-
fiador, sem vicios e nem o menor acha-
que; um dito de 14annos, de bonita figura com
alguns principios de cozinha ; um dito de 20 annos,
bom para qualquer servigo ; um pret'o, por 400,000
rs.; um dito bom para sitio por 220,000 rs. ; urna
preta, por 340,000 rs. ; urna dita de elegante fi-
gura ; urna dita que engomma, cozinha bem e cose,
por prego commodo, ou troca-se por oulra an-
da mesmo que lenha vicios; e mais alguns escravos
que a vista dos prctendenles se mostrarlo.
Annuncio mpoi tante.
Na loja n. 4 da ra do Crespo, ao p do arco de S.-
Antonio, de Ricardo i. de F. Ribeiro, acharflo os
concurrentes um bello sortimento de casimiras do
cores com muita elasticidade e de gostos os mais
modernos, recebidas da afamada Pars; assim como
igualmente ha um sortimenlo completo da reconhe-
cda boa fazenda pela sua consistencia denomina-
da pelle do diado, sendo o prego de cada corte
1,440 rs. ; advertindo que scus padres nada ficam
restando a qualquer outra fazenda de alto custo : ha
tambem um completo sortimento de fazendas de to-
das as qualidades, que merecem a devida conside-
raglo em seus apurados gostos como em scus mo.li-
eos pregos o entre estas merecem particular atten-
gilodas sen horas uns riscados cbiladose chinezes,
de elegantsimos padres c realzadas cores de rosa,
azul, e cor de cafe, adamascados a escoceza, a 280 rs.
0 covado, projlrios para vestidos, e sendo suas
amostras francas aos prctendenles.
Medicina universal.
l'ilulas vegetaes de James Worison.
A medicina vegetal universal he o resultado de 20 an-
nos de invrsilgacOes do celebre James Morison. Por
nielo destas pilulas rnnsrguio seu autor Innmeras e
ni 1 iravris curas desde as aQ'eccdes que atacam as
criancas de pritn at as molestias cbronlca do ancio,
A Europa saudou este remedio ruino remedio univer-
sal para todas as docncas cat hoje anda uo foi des-
mentido tal titulo.
Esta medicina vem acnmpanhada de unta receitaque
ensina e facilita a sua applicaco. Consiste em tre pre-
parares a saber : duas qualidades do pilulas distinc-
tas por numero, e um p: cada qual goza de modoso
accoes diversas.
As pilulas n. I sao aperitivas; purgam sem abalo os
humores biliosos e % irosos, e os expulsam com efllcacia.
As do n. 2 rxpulsam rom rsse humores igualmen-
te com grande forra, us humores serosos, acre* e ptri-
dos, de que o sangue se acba a niludn infectado 4 per-
correui todas as parles do corpo e s cessam de obrar
quand'i teein expulsado todos as impurezas.
A lerceira prepnraco consiste em urna limonada ve-
getal seda'.iva: lie aperativa, temperante e adoran ir : tor-
na-sc em cnuimum com as pilulas c facilita-Ihes os me-
llinirs efTeitos.
A poslcc social doSr. Morison, a sua fmluna nde-
pendente repellen) tod a ideia de chailatanismo ; e as
admiravels ruras operadas com osrusystema no cqI-
legio de salid o de Londres, sao mais que galantes da
1 ilii'ai a do sen remedio.
Reeommenda-se esta medicina que nao pede nem
resguardo de lempo nem de posico da parle do duril-
lo a lodos oque atacados de molestias julgatlas lo-
curavels se qiiizrrrm desengaar da sua virlude.
Oxal que a humauldadc feche os ouvidus aos Inte-
ressados em desacreditar estes romalo Ifio simples ,
tan 1......lliuilm e lao vi-i il.ul, ii os.
Vendem-se sOinente rm casa do nico e verdadeiro
agente J. O. Elstcr na ra da Cadeia-Velha 11.29.
Paris, para vestido de bailes, &c, e que vende niuio
barato, assim como todas as fazendas de luxo,
asseiado goslo, notando-se uns lengos com franja
para senhora, da mclhorseda degros doRaptes, pa-
dres nunca nesta praga vislos,a 6,000 res.
AGOA DO JAPAO'
DELICIA 1'liKA.
He ehegada urna pin gao ileste iiiysle-
i'ioso elixir que do Ro nos trouxe o va-
por S.-Siilcndtir. A muila etracgio e
immoiisos i'lleitos que tem produzido ,
mo pdedcixar a sua contiuuagno, as-
sim romo pela brevidade com que effi- '^^
cazmente produz o seu effeto nilo po-
de dexar de dar prompta cxtracgito
porque todos que delta usam o mal ;
mas a outros cada passo Ibes nasce e
della precisilo. He intil aprogoar suas
bondades pois lio bem couhecda c es-
t (o quanto pode ser) acreditada, tanto
na Europa romo no Brasil pois em toda
Kirie se faz digna de crdito ; muito
stanlo Ihe he b ter sido examinada,
eapprovuda pela sociedado das scien-
cas. Ycnde-se onicamentc no deposi-
to da praga da liiiTcpemlencia loja ns.
13 e 15,.1 1,000 rs. ; assim como outras
%j$ muitas perfumaras o calgados.
Sn
^
A.l m -
Vm^ VP" * mm

1 mm 35-^j
Nesta loja vende-se um completo sorlimento do
roupa feta de todas ns qualidades, de panno fino ,
merino, alpaca ; assim como palitos de HIa fina da
ultima moda ; robe de chambre, etc.; panno fino
preto e azul, merino, alpaca muilo fina quo se afian-
ga n.to desbotar ; botes d massa preta com cora,
proprios para fardamento de ollclaes de cagadores ,
e outras muitas fazendas por, prego rasoavel.
Escravos Fgidos
Oaraieiroda loja nova.
0 novo barateiroRcardo, da loja nova n. 4ao
p do arco de S.-Antonio, est vendendo pee,as de
chitas muito finas, cores muilo lisas o novos pa-
dres a 5,800 ris.e o covado a 160 ris ; casimiras do
algndiJo, padioes inteiramente modernos, o corlea
l.tOO'reis; lencos do seda muito modernos para ho-
mem,_ 1,440 reis; ditos de cambraia muito Iiib, a
400 reis; cortes de chaly muito moderno, a 5,000
reis; mantas de soda, padres chinezcs, no mais
modorno goslo, a 10e 12 mil ris; algodito azul o
riscado para cscravos,do 4 palmos de largura, muilo
Tem 11111
Vicente Jos Ta-jencorpado, a 200 risocovado. Tem 11 mundo sor-
v' j I lmenlo de sedas modernas no goslo chinoz. rere-
-Y9P4em-o manas de seda eacoeeza, dos melbo-1 bidas e desembargadas hontero, da ultima moda de
-- Fugio, no domingo, 18 do correte urna preta,
donme Genoveva, de naglo'da Costa; levou ca-
bogrio ile algod.to saia do chita branca com ramos
mludinhos ; healta.com um talho grande as cos-
tas signal de sua erra, falla muilo.'alravessada.
Recommenda-se as autoridades policiaes, e eapitfles
decampo de a pegarimi o levarem a ra da Concci-
gflo da Boa-Vista, n. 46, que serflo generosa ni en lo
recompensados.
No dia 23 de margo do corrente anno 3 indi-
viduos do sorto furiarm to engenho Camorim-
Crande um escravo crioulo, do rime l'ascoal, mui-
to moco pouca barba nariz chalo c grosso esta-
tura mediana falla grossa ps I impose mto gran-
des orelhas Turadas para brinco; costa muito das
cantigas e dangas dos pretos titi Angola : quem dello
dor noticias ,011 conduzi-lo ao dito engenho, ser
generosamente recompensado.
No dia 6 to rorrento mez, fugio um oscravo do
nome Manoel, de idade 25 annos, de estatura regular,
rosto redondo, nariz achatado; levou vestido caiga
de brim cru, camisa de madapolfio, o chapeo de pa-
Iha de abas muito largas; ho muito cachaceiro, -
qnando est bebado arma desordens, che muito lao
ilrao tem sido visto n'outra banda, nos Afogados; o
para as bandas do engenho do Mein: avisa-se pM
soaque o tem acoilado, e o Iraz no seu servigo, do
queja lia noticia, equeem 24 horas o venha restituir
a seu senhor, se mto quizar finir subjeito s penas da
lei; e roga-se a quemo pegar que o traga a ra da Su-
ledade, n. 32, onde ser generosamente recompen-
sado.
Fugio, na madrugada do 21 do corrente de
bordo do litigue Horma o escravo crioulo de no-
me Flix altura regular, bastantesocco do corpo,
rosto comprido cor fula; levou caigas do riscado
azul ecamisa branca intitula-se por.forro, sabeler
e be muito esperto e hem conhrcido nesta .praga ,
por ter om outro lempo pertcncidoa Antonino Jos
de Miranda Falcilo. Dito escravo veio neiro sob pretexto de forro ; foi capturado pela po-
lica e oSr. subdelegado da frrgtiezia de S.-Jns,
como consta to Diario-Noro ; e sendo conhrcido da
propria pessoa que o comprou aquello Miranda por
Joflo do Carvallio Rapozoj esto Sr o vrndeu em
Santos ao capil.lo do brigue Encantador JolO Fran-
cisco Fernandos ; os abaixo assignados o reclama-
ran) como oncarregados dos negocios deste nesla
praga e Ibes foi entregue no da anterior sob
(tanga dos mesmos como consta do Diario de Ctr-
nambuco de 20 do corrente. Em consequencia nilo
s do compromelimonln em que se actiam os abaixo
assignados, como para constar a quem perlcnce os
abaixo assignados offorerem desdeja cen mil rs. a
quem o possa capturar e trazora ra da Cadeia,n ;45,
rccommcndaiulo-se nfio s as autoridades | oiiciaes
da provincia, como a todos os capilfics de campo.
. Amorim Irmot.
Fugio, no dia 6 de agosto de 1842, um pardo,
de nome Jos, de 20 annos, cabello bom c verme-
lho, que com a cor que lem, passa por branco, odos
1 m;ii ellos, cara redonda, beicos grossos ; lem da
parle dircita um denle tirado no qucixo superior,
dentes limados, falla meja lata ; tem una barroca
na tesla de umcouceque Ihedcuum cavallo, quo
estando com o cabello grande adianto encobre o ta-
lho da testa, chcio do corpo; quando fugio anda nilo
tinha barba ; he rendido de urna verilha que es-
tando de caigas apparece a quebradura, quando an-
da lie com os joclhos cabidos para adianto. Roga-so
as autoridades policiaes e capitlos de campo tico
apprehcndercm o levarem aoseu legitimo senhor,
no engenho Moreno fiegurziade S.-Amaro-Jaboa-
lao que serfm gratificados generosamente.
Fugio, em dezembro de 1839, urna parda de
nome Antonia de 50 anuos pouro mais ou menos,
cabellos meio vermellios e ralos, testa grande, oIIiob
acastanhados nariz grande e meio carcunda, beigos
grossos denles limados o o da parle dircita ou es-
uuerdo do queixo superior lirado; lem na barroca
da barba um signalzinbo preto da parle dircita,
peitos escorridos secca 'o corpo nOo he alta nem
Lbaiza quando anda lio escanchada, ps curtos c os
dedos abertns; he parda clara,beba funio.sabe coser
o lazor renda, mas tudo faz de ocultis; tambem apar-
teja o lienzo quiotas bruxarras ha : quem a pegar
leve ao engenho Moreno, em S.-Amaro-Jaboatito,
que ser recompensado.
Fugio, no dia terga-feira, 20 to corrente mez de
abril, um moleque crioulo, com 18 anuos, de estatu-
ra media, bem regular em foiges, tendo os beigos
grossos, e a borra cITcctvainenle inoi aberla; fio
lalaro, o lem o andar um tanto arraslado; levou ves-
tido camisa e caiga do algodito branco fino, e com
un chapeo de palha grosso; loin a na i forra om 0-
linda, ondo tambem mora; quem o apprehendor le-
ve-o a seu dono, Jofio l.ius Cavalcanlo to Albtit|urr-
quo, na ra do Matias-r'errcira, que ser gratifica-
do.
PERN
4 ^A TfP, DEM, F. DE FARIA. lU-Jj.
1
-
MELHOR EXEMPL