Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08770

Full Text

Anno (te 184?.
Ter9a-feira 20
n t)lAflO pubca-se todos os das, que n3o
u P d .g"rtul.. d
.a?...po' q'r? ps5o ioserirtos rMllo d,
-uncios rtoj ... ., J(r,r..,. ,
'" 'i'itt lilla matada'. <' q ni!o f,""n "'8-
"P!n.o.Hio 0 porlinh, e 160 en tipo
PjlASES DA LOA .NO MBi DE ABRIL.
.. ole 8, 0J & mi"- d larda.
M'"^1, ', u', .. t limiel min. d. manl.Sa.
';"* .,' i }1, lis horas ata mo. da maiiha.
'u'ehei'.- "i ** ''*>** e 4 a"aa- da Urde.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna Pr-I.Tb., i, segundas a seiUs felr.
ll.o-t.rande-dn.Sort* quimas felras o meio-di,.
Cabo, Serioliaem, Rio-Formoso, Pono-Calvo e
Macelo, no l.\ a 11 e Ji de cada mez.
I.aranliuns e Ronito. a lOeJl.
Boa-Vista e Plore, a 13 e 18.
Victoria, as quintas feiras.
Olinda, todos os das.
PREAHAH DE HOJE.
Primeira, s 8 doras a 10 minutos da tarda.
Segunda, aa 8 doras < a! minutos da mandila.
de Abril.
Anno XXIII.
N.88.
DS DA SEMANA.
19 Segunda. S. Scrates A'nd. do J. dos or-
phaos, ilo J. doc. d v. e do J. M. da 1 f.
10 Tere*. S. Accindino. Aud. do J. do civ.da I.
. T. e do J. de pat do 2 dist. de t.
21 Oi.arla. S. Aiicelmo. Aud do '. do CV.
na! r e do I. de paz do 2 dist. de t.
11 Quinta. S Soler. Aud do i. de orph.,
edo J. municipal da 1 vara. -
31 Sena. S. Jore. Aud do I. doci. da I.
v. e do i. de pat do I. dit. da I
24 Sablatlo. S. Honorio. Aud do J do or. da
I. v. e do J de nai rio I disl. de t.
26 Domingo. S. Mucos.
CAMBIOS NO DFA 18 DE AORIL.
mbio sobreLondrasdeI9l/,al>,/jd p. Ir*.
i l'ns 31 S rs. par franco.
Lisboa 8a de premio.
Desc. de lettras de boas (irm.s I'/ P-'/a mei-
Duro Onr.s lesp.nholas------IgjaOO a 18#hft
Moedas de 6f 100 rell.. I6fl00 a 16/300
de 6/100 or 161:00 a I0f300
* d* 4/000..... 9/000 a 9JI00
Prata PaUces......... #010 a 2/040
Pesos columnares... i/00* a 2/MO
Ditos mexicaaos ... l#*0 a l/TOO
Miuda............. I|90 a li10
A croes da comp.do Heberibe de 50/000 rs. ao par.
<
mm
DIARIO DE PERNAMBUCO
BB*I!
P*TEOFFICWL.
LE! N. 190, DE 30 DE MARCO DE 1847.
Concede a quantia de 4:000,000 de rs. para a colloeaeaO
da primeira pidra do grande hospUal de earidade, e
indica a terba donde tfeve ser lirada ella quantia.
Antonio l'into Chichorro da Gama, presidente da
provincia de Pernambuco. Fago saber a todos os seus
habitantesquo aasserabla legislativa provincial de-
cretou, e eu sanecionei a resoluc.no seguinle:
Artigo 1.' Fica concedida desde j a quantia do
qualro contos de ris ao grande hospital de earidade
para acollocacflo destia primeira podra.
Art. 3.' O presidente da provincia he.autorsado
a mandar realisar o pagamento dessa quantia com as
6obras quo nossam haver nos artigos de despeza.
Art. 3. Ficam revogadas todas as leis e disposi-
coes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem
o conhecimento o execugo da referida resolugo
perteneer, que a cumpram e fagam oumprir tilo inlei-
ramentecomo nclla so conten. O secretario interino
tiesta provincia a faga imprimir, publicar o correr.
Cidade do Recife de Pernambuco, om 30 de marco de
1847, vigesimo-sexto da independencia e do imperio.
L. S.
Antonio Pinto Chicharro da Gama.
Carta de lei, pela-gual V. Exe. manda executar a re-
solucaO da assembla legislativa provincial, que htuve
por beta sanecionar, eoncedeado desde j a quantia de
qualro contos de ris para a colloeaeaO da primeira pedia
do grande hospital de earidade ; tudo como cima se de-
dura.
Para V. Esc'ver.
Theodoro MkKado Freir' Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 30 de marco de 1847.
Antonio Jos de Oliveira.
Registrada a folhas 12 do livro 2." do registro de
leis que serve nesta secretaria da provincia de Per-
nambuco, aos 30 de marco de 1847.
Manoel Jos de Souza Luna.
I-EIN. 191, DE 30 DEMARCO DE 1847.
Au/orisa o presidente di provincia a contratar o estabe-
lecimento de una linha de mnibus dula cidade para
qualquer dos seus arrabaldes e para a de Olinda, e a
illuminacaS daspreditas cidadespor meio de gaz.
Antonio Pinto Chichorro da Gama, presidente da
provincia de Pernambuco. Facosabera todos osseua
habitantes que a assembla legislativa provincial de-
crctou, eeu sanecionei a resolucoseguiitc
Artigo 1." Fica autorisado o presidente da provin-
cia contratar o estabelecimer.loMe conduceflo por
linha de mnibus desta cidade para qualquer de
seus arrabaldes, e para a do Olinda, logo que so An-
dar ponte da TacarunH.
Art. 2 Fica igualmente autorisado a .conceder o
privilegio exclusivo de dez anuos aos emprezarios
tiesta condu-cilo.
Art. 3.* Fiea irais o presidente da provincia auto-
risado contratar a illuminacao por gnz para as ci-
dade do Recife o Olinda, sob as condicocs quo jul-
gar mawconvenientes aos interessos da provincia,
pudendo conceder o privilegio exclusivo at viole
annos.
Art. 4,' Ficam revogadas todas as leis e disposi-
cOes em contrario. '
Mando, portanto, a todas as autoridad*, a quem o
conhecimento e execuQIo da referida resolu?ilo per-
teneer, que a cumpram e facam cumprir tilo inteira-
mentecomo nella se contm. O secretario interino
desta provincia a faga imprimir, publicar e correr.
Cidade do Recife. de Pernambuco, em 30de margo de
1847, vigesimo-sexto da independencia e do imperio.
mo Ralton, baro da Araruama, commandanto da le-
gislo Gregorio Francisco de Miranda, do conego Mi-
randa, de seus criadosde honra e outraa pessoaa dis-
tinctas dirigio-se pelas 6 horas da manhiia ao trapi-
che, e ahi embarcou em urna galeota elegantemente
arranjada pelo Sr. Ratton, aflm de conduzir S. M. po-
lo canal at o primeiro desembarque. Em escaler
separado acompanhavam ao mesmo augusto Scnhor
a deputacilo provincial e o juizde direilo o Sr. Jos
Augusto Gomes de Menezes.
Pelas.8 horas desembarcou S. M. no lugar denomi-
nado Porto-do- Rarruto, onde acaba a primeira linha
do canal, e do carruagem soguio dalli acompanhatlo
pelo piquete do cavallaria da guarda nacional, pelas
autoridades do lugar, e por algn cidadlos quo
commitiva se incorporaran!. S. M. dignou-se dar
lugar no sen cocho ao camarista de semana, ao mi-
nistro da fazenda eao presidente da provincia. As 9
horas chegou S. M. fazenda do, Sr lenenlo-coronel
Meirelles, onde um explendido almoco oesperava.
O asseio da casa c a profusAo de iguarias nada deixa-
ram a desejar. Depois do almoco odealgum descan-
so, S. M. se dignou dar a ni lo a beijar a diversos ci-
dadlos que al I i seachavampara comprimcnta-lo, e
s 11 horas seguio para Qissaman.
Esta viagem foi enfadonha, nito s porque o ca-
minhos nilo estavam em omito bom estado, como
porque os cavallos, em consequencia do grando poao
da carruagem, empacavam frequentomente. O ca-
lor ora oxcossivo.e S. M. tomou a resolucilo de entrar
cm um carimbo leduas rodas pertencente ao baro
de Araruama, para proseguir na jornada, finalisan-
do-a emlim a cavallo.
Durante toda a viagom por trra (5 legoasj, o baro
cm urna idade j vaneada, o commandanto superior
Gregorio Francisco de Miranda, o sargento-mr Ren-
to Goncalves da Silva, o Sr. Manoel Antonio Ribeiro
de Castro, subdelegados, juizes de paz e miiitos ci-
dados acompanhavam constantemente a cavallo a
carruagetr dcS. M.
0 baro pz disposico do presidente da provin-
cia todos os meios de eonducc.no para a comitiva do
immenso trom do S. M., e gracas a esses meios que
foram numerosos e variados, ludo chegou na inelhor
oidein ao scu deslino.
A's tres horas da tarde chegou S. M. ao lugar onde
principia a segunda linha do canal, e ah o espera-
vam para terem a honra de o cumprimentar o tenen-
to-coronel Joo () da Silva, oSr. Jos da Rosa Sal-
gado, as autoridades, o diverso cidados. S. M. em-
barcou cm urna galeota denominada Flor-da-flagea,
ricamente adornada, levando em stia companhia o
baro e scu irmo; adianto ia um cscalor com urna
banda militar tocando o hymno nacional e varias pe-
gas de msica; seguiram depois dous escalerescon-
dn/indoas possoas distiuclas do lugar quo vioram
ter a honra de acompanhar a S. M. A's 4 Ida tardo
desembarcou S. M. na fazenda de Qissaman no
moio de eslrondosoa vivade muitas pessoasquo o
esperavam, omuito penhorado se moslrava o mo-
narcha por urna rccepgo to cordial. Na entrada da
casa destinada para o Imperador, a familia do baro
levo a honra do beijar a nulo a S. M., que, dirigin-
do-se Sr.' baronoza, lestemunhou-lhe a sua satisfa-
i'TT~
SS
A estas toscas canTTfnas
Sejaisvem vindo, Senhor!
Recebei sincero rotos,
Nascidos de puro amor.
Viva o grande Imperador
liiiinortal Pedro Segundo!
Sua gloria soja tanta,
Que sua fama encha o mundo !
Tu anjo dos cos baixasto,
Tilo melgo, terno e gentil;
Teu nomo sor* bemdito
No Imperio do Rrasil.
Viva o grando Imperador
Immortal Pedro Segundo!
Sua gloria soja tanta,
Quo sua fama encha o mundo!
L. S.
Antonio Pinto Chichorro da Gama.
Carta de lei, pela qual V. Exc. manda executar a re-
salucad da assembla legislativa provincial que houve
por bem sanecionar, autor sondo o presidente da provin-
cia a contratar o eslabelecimsnto de comlucaO por linhas
de omnibvs desta cidade para teus arrabaldes, e para a de
Oliadu, logo que se lindar a ponte da Taetruna, ftcando
mais autorisado a contratar a illuminacao pot gaz para
a* cidades do Recife e Olinda ; tudo como cima se de-
clara.
Para V. Exc. ver.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, ao 30 de margo de 1847.
Antonio Jos de Oliveira
Registrada a folhas 13 do livro 2.9 do registro de
leis quo srvenosla secretaria da provincia de Per-
nambuco, os 30 de margo de 1847.
Manoel Jos de Sousa Luna.
INTERIOR.
ConBatalORTDKCJA DO JORNAL DO COMMERCIO.
Viagem de S. JH. o Imperador.
Macah, 22 de margo.
S. Ma'gestade, acbmpanhadoda depilaco- da as-
sembla provincial; do juiz de direito^ras Srs. Jaco-
qo com lisongoiras oxpressOes o ar affuvol. A'a 5
servio-se ojantar, para o qual S. M so dignou con-
vidar a familia do dono da casa. Todo o aposento do
S. M. achava-sc ricaincnto adornado, o as accom-
modagOe para os seus criados mui dcceulcmcnl.
arranjada. A' noilo illuminou-so a casa da residen-
cia imperial c oulrasadjacenlos, bom como una py-
ramidecollocadaein fronte do edificio, na qual so
liam estes versos:
FACE IIE LISTK DA BASE DA PTBAM1UB.
Por largo campo indmito o fervente
Corre o Nilo espumoso :
Feroz alaga a rpida correnle
0 Egypto fabuloso;
Mas so na gra carreira, s ondas grato,
Trbulo do caudaes rio acoita,
Sobordo no rejoita
Pobre feudo do incgnito ingrato.
[iniz)
FACB DO NORTB.
Ha de ficar, Senhor, perpetuamente
Indclevel gravada no meu pe lo,
Passagem que fizestes neste sitio,
Que se curva ante vos com mor respeito.
FACE DO OESTE.
Inclinai por um pouco a magostado
Que neste tenro gesto vos contemplo,
Queja s moslra qual na inleira idade,
Quandosubindo iris ao eterno templo.
(CamOtt.)
FACB DO SOL.
Em vsacham amparo os desvalidos,
O sabio prolecoo mtiniliconle,
Justiga a innocencia perseguida ;
E's dadiva a maior do co dmente.
A banda de msica, composta de escravos do ba-
ro, tocou; differentes pegas, o foi cantando o hym-
no seguinle :
Salve, apio do co dadiva !
Salve, anjo da harmona 1
Por onde passas derramas
A doce paz, a alegra.
Viva o grande Imperador
Immortal Pedro Segundo I
Sua gloria seja tanta.
Que sua fama encba o mundo!
S. M. se recolheu s II horas da noito.
Di a 23.
A's 6 horas da manha, S. M. sahio a pa darum
passeio, e foi visitar a igreja da fiO|fezia de Qissa-
man, que, pouco dista de palacio, e s 11 assislio a
um oxercicio de frexa o arco manejados por varios
Indios que o cidado Joo de Almeida Pereira tom
domesticado em sua fazenda. Este diverlimonto, om
que os Indios mostraran! summa pericia, muito di-
vcrlioaS. M., que mandou distribuir por entro el-
le algiim dinhero.
A's 5 horas da tarde sahio S. M. a cavallo, e foi ver
um dos lados da Laga,-Feia que (ca a um qliarlo de
legoa distante da fazenda, e regressou s 6 1. S. M.
parte para Campos na madrugada do da 24, e ten-
ciona fazor a viagom pelo canal ale legoa e meia dis-
tante da cidade: S. M. goza do porfoita saude.
Fazenda do Queimado, 21 de margo do 1847,
s 10 horas da noile.
A's 5 i da manha S. M. parti pelo canal de Qis-
saman para a cidade de Campos. Alm de seus cria-
dos Jo servigo acompanharam a S. M na mesma ga-
leota o baro de Araruama e sou irmo o Sr. Joo
Cameiro da Silva. Esta navegago foi mu aprazivel
a S. M. no s por viajar com toda a commodi.la-
fdo, como pela linda vista de que ia gozando. Pelas 9
horas chegou S. M. ponte de Macab, onde encon-
trn um concurso immenso de povoque dos diver-
sos pontos da .'Ji ciimvi/inliaiica all aIIIuira para ter
o prazer de ver o monareba.
A pontb quo he vasta e nova, achav-se toda guar-
necida de ramos e flores, o apiuhada de povo; aos
lados e no prolongamento do canal levantaram-se
Suatro allos estrados forrados de colchas e guarneci-
os de folhas e lloros, para d'alli ser satidado com
estrondosos vivas o soberano, que benigno se dignou
s.hir.ledebaixo do toldo-da galeota e conservar-se
ompsobrea popa para mostrar-so aos seus fiis
subditos. Eram laesos desejos quedey-lo linha a-
quella boa gente, que, logo qu S. M. 'se naostrqu,
prorompou em novo e estrondosos vivas. Um sem
numero do fugeles (loar annunciavam ao longo o
motivo da alegra dos habitantes' do .Macab. Porto^
da ponte narou a galeota emqliaiito S. M. almogou,
mesmo a bordo, onde ludo estiva promplo para tal
fim. Proseguio-aedopor na viagom, o dalti ejn tli-
anloS. M. voio divertindo-se na caga de multipli-
cados e variados passaros que abundam na margen!
do canal.
A's 5 horas da tarde chegou S M. ao luga'r do des-
embarque, chamado Travago, e ahi epeiava.n
immensas possoas e um luzidn csqua.lrotle caval-
laria, cumposto do joven campistas, cm cojos sem-
blantes se divisava a alegra e satisfagan nhareni o seu monarcha. Apenas desembrcon S. -M.
o digno com mandante superior sol Ion o grito de viVa
S. M. o Imperador, o um movimento elctrico so a-
poderou da tropa o povo, que, agitando no meio dos
vivas as espadase longos, ofTcreciam ao. monarcha,
nesta manifeslago, o seu coraeo e oseusanguc. A lugflb :
todos estos actos do amor o dedicacSo corresponda
S. M. com um saudar benigno o aflavcl.
S. M. culi on com o sou camarista em um carri-
nho do duas rodas, o parti para a fazenda do Quei-
mado, pertencente ao Sr. capito-m'r Manoel An-
tonio Ribeiro o Castro; seguio-se inmediatamente
a guarda de S. M., formada pelo esquadrflo de ca-
vallaria da guarda nacional, vindo aps o ministro
da fazenda, o presidente, guarda-roupa o medico, e
cavallo todas as pessoa quo no desembarque ti-
nham vindo esperaras. M.
Na fazenda do Queimado achavam-so reunidas
muitas pessoa dislincta de Campos, que vieram es-
perara S. M. para terom a honra de comprimenta-
lo. A' porta da casa, e fronte dessas pessoaa, esla-
va um velho com o uniforme dos anligos espitaos
moros, aiida forte e robusto para urna idade de 80
annos, em cuja veneranda physionomia todo liam a
satisfagan de ver em sua casa o imperial hospedo.
Esse velho, balbucanlo de prazer, heija a mo ao seu
quinto monarcha, e acostumado a respirar o ar da
monarchia desde el-roi D. Jos at boje, no sabe
como agradecer ao monarcha brasilero to honrosa
visita om sua casa. S. M. oceupou-se cm conversar
com esso velho o Sr. capilfio-mr Manoel Antonio
Ribeiro e Castro, e depois com varios individuos
que o achavam noswloes da casa, hcando todos em
extremo cali vados da afTabildade do S. M.
TendooSr. capito-mr recebido parlicipago de
que S. M. s se demoraria em sua casa o lempo nc-
cessario para jaular e voslir-se, alim de fzer a sua
entrada em Campos naquolle mesmo da, o no es-
tando por isso o dono da casa preparado para oulra
sorte do recepgo, achou comtudo S. M. o sua co-
mitiva nessa noile um aposento commodo e mui de
centc. Ojantar foi servido as 7 horas da noile: era
esplendido o digno do imperial hospede que fez a
honra do admiltir a mesa toda a familia do Sr. ca-
pito-mr e a o barfio de Araruama.
gERNAMBCO.
SESSAO EM 16 DE ABRIL DE 18*7.
FMSIDIMCU DO J. SOU/. TEIXEIIA.
SUMMAR10. Chamada. Approvacdo da actas das
tesslies anteriores. Expediente. Pareceres. fe-
querimenlos dos Srs. llego Monteiro e llanoso. Ap-
proraeo da reduccilo da representarn assembla
geral, acerca da restituicio do ea\'/iciod'alfandega ao
patrimonio dos orphot. Apresenlaco dtumpro-
jecto relativo canalisaco do rio Una. Adopco
da ultima redaccaB do projedo n. 12 enm urna emenda
do Sr. llego III .nleiro; das posturas addiccionaet s da
cmara da Fictoria, edas ptsturtido t.imoeiroe Cim-
bres. omeaco da depulacdo qut lem de-aprrsentar
ao presidente da provincia os actos Ugiilalivos decreta-
dos, edeum membro para a commissaOdeoreamento.
ApprovacaS, em t-rceira discutido, doprojecto do or-
(amento municipal com algumas das emendas apresen-
lados, edo den. II, com urna emenda do Sr. Lauren-
tino; em segunda, do de n. 3-2 do anno pauado, e em
primeira, dos dens. 16 e 19 i/r/e anua. Dispensa de
intlersticio para enlrarens, na ordem do da M tettio
seguinle estes tres ltimos projeoios.
Ao meio-dia, oSr. l.'Secretario faz a chamada,
e verifica eslarom presente 19 Srs. deputado.
O Sr. Presidente declara aberta a sesso.
OSr. 2.*Secretario 16 asadas da sessoes antece-
dentes que so approvadas.
O Sr. 1." Secretario menciona' o seguinle
EXPEDIENTE.
Um requerimento, cm queAntonio Marques do Cas-
lilho, vigaro da ftoRuezia de S.-Jos do Rio-Fnrmo-
zo, pedo assembla, resolva a duvida que o ar-
tigo 151 da lei deUdemaio do 1845 lem^atUdo
aceica dos verdadoiros limites da sua-frflsRtia.
A' commisso de legislacio.
He lido e approvado sem discusso o seguinte pa-
recer :
A commisso de instruego publica, a quem foi
prsenle o parecer dado sobre a pretengo de Angelo
Custodio da Silva Fragoso, professor jubilado de pri-
meira lettras da froguozia da Varzea, allm dedarfa
sua opinin sobro ello, oxaminou o mencionado pa-
recer, requerimento o documentos, om vista dos
quaes foi elle dado; eatlendendo, alm dn funda-
mentos ahi exarados, que a lei de 18 de novembro do
anno prximo passado declarou vigente a gratifica-
g.lo marcada noarligo 1.* da lei de 15 de outubro de
1827, mandando-a dar ao professor de Goianna, e de-
clarando-a extensiva a todos os demais professores,
qtio preenchessem as condigOes exigida na mencio-
nada lei, en leude quo o referido parecer esta no caso
do sor approvado.
Sala daacommissoes, 16 de abril de 1847. Joa-
quim Filela. Pereira de Carvalho. Ferriira Br-
relo, a
l.-se o seguinle parecer que sejulga objecto de
deltberago :
a'A cpimisso docontas c despezns provinciae,
examinando o requerimento do arrematanto do 13.*
lango da estradada Victoria, quo eflorece o abalo do
12 por cento.iiiis prestages que tiver de receber em
virtude da h*i provincial n. 115de8 de malo de 1843,
lio de parecer que se defira favoravelmente aosup-
plicante, atitorisando ao governo a mandar fazer
o abirto offerecido, designando a quota para esse
fim.: e assim acommisso olTerece a seguinte reso-
a A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolvo:
Artigo M Fica o presidente da provincia auto-
risado a mandar pagar, com o descont de 13 por
ceuto, ao arrematante do 13.'lango da estrada da
Victoria as preslagOes que o mesmo tenha na thesou-
raria provincial, na forma da le n. 115, do 8 do mato
de 1843. .
Art. 2.* Esta despeza ser foita com as sobra
da obras publicas que se no flzerem no correnle
oxercicio. ..._
Art. 3.- Ficam revogadas todas as le editpo-
siges em contrario. .
Pago d'asembla, 15 do abril de 1847. Tttxmra
de Borba. Reg Monteiro. Sampaxo Jnior.
Vai a mesa o seguinte requerimento que he appro-
vado sem discusso: ___
Requeiro a dispensa do imprcsso do projecto
oflerecido pela commiao de conlaa e despeza pro-
vincaes, dando-so para ordem do da i amannfla.
S. R. Reg Monteiro.
Le-se ejulga-se objecto de doliberago o seguinU
parecer: .
a commisso de ordenados, a quem oi presenta
o requerimento do professor de primeira lettras do
collogio dos orphos, examinou apretencAo do pe-
ticionario; e, attendendo a que he o supplicanle
muito mais onerado de trabalho do que os demais
professores, no sendo a sua paga proporcional a que
estos percebem, he do parecer que o mejmo peticio-
nario seja deferido com a seguinte resoluQo ;
A assembla legislativa provincial de PerMmJM*-
co resolve:
a Artigo nico. O ordenado do professor de pri-
meiras lettras do collogic dos orphos llca elevado
a 700,000 ris animaos. '
a Ficam rovogadas as leis e disposicooi em cqq-
Itrrio.
u
/


II
I
i
'm
Sala das commissOes, 1* de abril de 1847.
Arruit da Cmara. /larroto de Moran. Joaquim
Jos da Coila.
Va i mesa o seguinte requerimento:
Requeiro que se dispense a impressflo do parecer
da commissflo lo ordenados sobre o rcquerimenlo
do professor do collegio dos orphflos d'Olinda.
Barroso.
He approvado sem discussao.
He lida capprovadu a representarlo redigida pela
conimissto nomeada para solicitar da assembla ge-
ral urna resoluc8o que mande restituir ao patrimo-
nio dos orphflos o edificio oceupado pela alfan-
dega.
He lido, julgado objecto de deliberaeflo e manda-
do imprimir um projecto autorisando o Exin. presi-
dente da provincia a contratar, cor.i um ou mais ci-
dadilos brasleiros, a canalisacflo do rio Una, desdo a
povoaclo do mesmo nomo at ao lugar oni quo faz
barra o rio Pirangy.
Le-se a rcdaecflo do projecto n. 12 deste anuo.
OSr. Reg Monteiro, depois de algumas reflexes,
manda mesa a seguinte emenda, sobre a ultima
parle do artigo 4." do projecto :
( Os empregados actuaes da mesa das rondas in-
leanas o osdous amanuenses que passam para a me-
sa do consulado provincial servirflo com os mesmos
ttulos.
lleapprovada a rcdaecflo com a emenda.
Sitolidas capprovadas as redaeces das posturas
das cmaras municipaes doLimoeno o Cimbres, e
das^diJiconaes da cidado da Victoria.
OSr. Presidente declara que se vai ofliciar a S. Ex.
oSr. presiiionto da provincia para declarar o da e
llora om que pJo receber a dcpulacflo que lem de
a presen tara sua sanceflo os actos legislativos decre-
tados; nomeia para a mesma dcpulacflo aos Srs.
Sampaio, Da nozo e Cabial, e para membro da com-
missiio de orcamento ao Sr. Joaquim Jos da Costa.
ORDEM DO DA.
Terctira discussao do orcamento municipal.
Vai mesa o artigo additivo relativo a Caotano
Theodoro Antunes Villaca, rejeitado na segunda dis-
cussflo.
Sendo apoiado.entra em discussflo com as seguin-
tescniendas:
Suppri'ma-se o 7." do artigo 17. tocha.
Ao* 1." do artigo 4., em lugar de sendo o or-
denado do secretario de lgnarass 150,000 res dga-
se sendo o ordenado do secretario 300,000 riis ;
o mais como esla no artigo. Duarte.
Emenda substitutiva ao $ 6. Com o fiscal de
Santo-Autoiiio 400,000 ris ; o mais como esl no
artigo. Duarte.
Supprma-se o artigo 22. Jos Pedro.
Ao 0." do artigo 5." Diga-se com os repa-
ros dos predios, ponles, fontes e limpeza das ras
300,000 ris.
Supprima-se o 7." do artigo 20. Barroso.
OSr. /arroio:Senhorpresidente, nflo posso dei-
xardo lomara palavra, paraapreseutar casa afu-
mas i-cllexocs sobre o imposto de 2,000 ris por cada
mscalo c boecteira, que vendercm em cada muni-
cipio, por me parecer siiuimameiile gravoso popu-
lacho, porquanlo do todos be sem duvida o mais
desproporcionailo que so lem visto. Sei, Senhor
presidente, que inuitos individuos teein laboleiros
tilo diminuios, quo nio faz conta pagar 2,000 ris
por urna s vez, quautn mais cm cada municipio;
c por isso mu i tos teem abandonado esseramo de ne-
gocio que dava subsistencia a urna parte da nossa
populado pobre.
OSr. Reg Monteiro :- Em cada municipio, nffo.
OSr. llanoso :-Sim, senlior ; lie da lei : cada in-
dividuo que levar um lalioleiro pelo municipio de
l'ao-d'Alho paga 2,000 ris; se' passar a Na/.areth
tem de pagar nutres 2,000 ris, &c. .
O Sr. laurenlino :Aqui, 0 anuo passado, se alie-
gnu isto; e passou neste sentido.
OSr. llanoso:Senhores, eu sei que todos de-
vem concorror para as despezas do estado com al-
guma cousa ; mas esta concurrencia deve ser em
proporcito aos scus haveres: eu sei quo a agricultu-
ra concorre muito, mas como concorre ? Dedu/.in-
do-se5ou 10 porcentodo que se vende: as lejas,
por exemplo, pagam de imposto 30 a 40 mil ris;
mas uellas existem capitaes de 40 a 50 con tos de
ris.
O Sr. Boma : Tambem lia lojas que nao leem
200,000 ris.
OSr. Barroso :Mas estas .nflo pagam 30 ncm 40
mil ris de imposlos, esim em proporcito aos seus
fundos.
O r. Laurenlino : Supponliamos quo ten lia de
pagaros mesmos 30, ou4oml ris de imposto, es-
t em relacflo ; o be o que nflo acontece com os'la-
boleiros.
O Sr. liorna :-Ha tabolciros queteom 400,000 ris.
O Sr. Barroso -.- Onde lia isto ? Aqui, purquo no
nialto, no municipio de Nazareth, por exemplo, nao
vejo isso.- all liaviam muitas boecteiras que niio ti-
nham 10.000 ris deomprego em seus laboleiros, e
por causa do imposto doixaram de usar desse nego-
cio que nio rendia cm proporcito doquodeviam pa-
gar de laxa: assim, estabeleca-so um imposto re-
gular, mas nunca desta mancira, porque be o mais
oneroso que pode haver para a populacho pobre.
O Sr. Roma :-Nflo reconliece a necessidade da
taxa f
O Sr. Barroso :Reconheco a necessidade da taxa,
porque reconheco que se devem (azorasdespezas pu-
blicas; mas niponha-se de urna mancira regular
menos gravosa classe pobre.
Um Sr. Deputado :Mande urna emenda.
O Sr. llanoso :Ja ni.indei, supprimindo o por
me parecer de maisjustica.
Domis, Senbores, o que be que rende esse im-
posto ? Aqu na praga pode rpnder lguma cousa,
mas a cmara queja tem muilosreiidimentos, pode
ocm e sem inconveniente algum dispensa-lo; no
mallo, porm, nflo rendo mais de 30 a 60 mil ris,
f.i't01' conseiencia tambom se pode alliviara popu-
em^esCado,rabmaK.0ia0 *mt> ^ d
zem SJSMS? :~A<,U h* Ub,CrO ue lra"
iSaIJ!?0 :~E'ua. Pa8c estes que teem con-
t? de res, na rasflo de sua importancia ; porque
hem ve o nobro deputado quo nSo ha proporcito em
pagarem o mesmo aquelles que s teem 200,000 ris
ou anda menos.
'd quizera, Senhor presidente, que todo o indi-
duo concorresse para as despezas publicas, mas do
inodo que essa taxa nflo fosse Ilusoria para o rico
e onerosa para o pobre : portanto contino a votar
pela supprcssflo do artigo.
OSr. /Murentino :Senhor presidente, ped a pa-
lavra para declarar-mo inteiramente a favor do re-
querimento do nobre deputado quo me proceden, e
fazer simples reflexOes sobre o mesmo objecto.
O imposto, do que so Irata, be exigido ao povo, a
titulo de rendimento da cmara, e os rendimenlos
da cmara chamam-se patrimonio para esta poder
occorrerasnecessidades publicas. Eu, porm, qui-
zera que algum dos Senbores deputados que moou-
vem, e que assislem em algumas comarcas defra,
me provasse quantos beneficios tem recebido a pro-
vincia das cmaras munieipaos do Interior. Eu te-
nbo conhecimento de urnas poucas do villas, cada
urna dolas tem urna cmara, tem um patrimonio
talouqual, c lem odireito de impr ; a imposico
he sempro a titulo do beneficio publico, mas, quan-
do se quor fazer urna obra publica, de qualquer na-
l iire/a ano seja, dirigem-so a esta assembla, pe-
dindo dinheiro para ella; entretanto qn nflo se
pode negar que o individuo que lauca inflo de um
taboleiro, e niette-se pelo centro da provincia, leu-
do comprado quenquilherias, ou retalhos de fazen-
da que ja teem paf.'o nabos tribuios, o que 1 lio silo
vendidos com ganhos^Wrbitanles, porque multas
vezes Ihe sito fiados, nflo se pode negar, digo, que
lie i| uanlo basta para prova da sua indigencia, o por
conseguinlc toda a imposiclo que se Ihe fizer,he ty-
lannica, tirando-sc-lbe assim o Iriste recurso com
que dirija pilo u scus ilhos, principalmente so at-
teudermos a que csso imposto be pago aqui, all c
acola, em todas os municipios om fin por onde pas-
sa, c onde vende.
Nito ha rasflo, Senhor presidente, para fazer pesar
sobre a pobreza um tal grvame, quando a experi-
encia mostra quo os ordenados dos empregados das
canniras andam sempro em proporcito com os redi-
tos de seus patrimonios, sem quo sobre nunca um
saldo a beneficio do municipio; e eu appello, Se-
nhor presidente, para o archivo da easa,.ondese
ai liam os balancos nnuaes.
As cmaras que ha alguns annos pagavam, por
exemplo, 150 000 ris a seus empregados, hoje pa-
gam 300,000 ris, e be s a que chegam os patrimo-
nios; porque rasflo pois. ha de oprimir-so a pobre-
za ? Eisas rasfles em que me firmo, Senhor presi-
dente, para apoiara emenda do nobre deputado c
votar pola supprcssflo do artigo.
O Sr. Reg Monteiro : Queixa-se o nobre depu-
tado que as cmaras municipaes de diversas villas
nflo fazem hem algum a sous municipios, porque nflo
teem reudimentos, o no entretanto uuer-approvar
esla suppressfloque importa a ilininunfio das ines-
mas rendas. O Ilustre deputado com isso deixa en-
trever que as cmaras dissipam as suas rendas, vislo
que nflo fazem ou nflo cuidam do nielhoramento dos
sousmunicipes...
O Sr. I'erreira Brrelo : Nito disse isto.
O Sr. laurenlino : -- O nobre deputado ou nflo en-
tendeu ou nflo dosonvolve hem a minha opiniflo.
O Sr. llego Monteiro : So as cmaras municipaes
nflo fazem o beneficio de seus municipios e teem
rendas, o que fazem dellas P
OSr. Ferreira Belo : Deve-se perguntar a ol-
as. Apoiwlo.l
O Sr. llego Monteiro: Senbores, as cmaras nos
rcmetlem o o eaiueutu da sua recolta c despeza, e
nos somos os que liscalisamos as suas rondas. Se el -
'as nflo podeiii gastar mais do quo llie consigna o
orcamento o consentimos nisso, somos nos os. cul-
pados ; ose o nflo fazem, que destino dito a essas
rendas ? 1'ortanlo, se as cmaras de diversos muni-
cipios nflo l.i/ em obras he porque niio teem rendas,
ou mal chegam estas para as suas despozas; pois cu
devo crer que as cmaras desta provincia, das quaes
sito iiiembros os homens bous c uolavois dos luga-
res a q,ue perlencem, nito absorvem o dinheiro da
muuicipaldade: se ellas teem mais dinheiro do que
o uecessario para as suas despezas ordinarias, Caca-
mosapplica-lo enl hem do municipio ; se. pelo con-
trario, as rendas sito tflo insignificantes, que mal
chegam para o pagamento de seus empregados, co-
mo as vamos diminuir f
Ora, esta laxa oslabelocou-se, nio de boje, mas de
mu los anuos, do lempo iiniiiemoravel, e nito so di-
ga quo ella he gravosa, porquanlo as casas libertas
pagam cm proporgo nina taxa mais forte; porque
pela loi geral ha um tributo ou contribuido de 20
por cenio do alugucl da casa, o sendo as casas mui
curas uesta cidado, tem de pagar-so maor imposto.
Ha laboleiros que teem 2 a 3 contos de ris, porque
ha individuos que, alui de Calendas finas, vendem
ouro, rata e diversas obras preciosas; e o nobre
deputado sabe que ha lojas que nflo leem tres contos
do reis de fundo, como algumas de miudozas, eque
ellas pagam o imposto na proporgflo do aluguol da
casa que oocupain.
O .Sr. Ilarroso : Na proporeflo...
OSr. llego-MonHro : Sim, Senhor : o nobre de-
putado sabe que ha mscales que Irazem em seus la-
boleiros ou conduzbm em canaslras3, c i contos
de r s, por exemplo, os mscales que vflo para o
sei tilo, que coslumain vender pelas povoacoes, o de
fazeuda em fzonda,200, 300 e 400 mil rs. do una vez:
portanto eu julgo que est imposto nflo be tflo gra-
voso, como se disse, eque elle auxilia as cmaras
municipaes, que, senJo privadas pouco a ponen de
rondas, se para rito em um estado do al nflo podo-
rom pagar a seus empregados, quanto mais de fa-
zerem obras e beneficios nos seus municipios. De-
claro que voto contra a supprcssflo.
Lom-se, e sito apoiadas para cntrarem em discus-
sflo as seguimos emendas:
amda mais enflaquecer esses meios, e por conse-
guinte privar a cmara de recursos com que para o
futuro poderia aformosear esta capital.
O Sr. ^unes Machado pronuncia-se contra a emen-
da do precedente orador, sobo fundamento de se
nflo destruir o mercado com a demolieflo das casi-
nhas quenada mais sito do que depsitos de im-
mundices ejasigos de requintada immoralidade.
O Sr. Jos l'edro insiste na sua opiniflo, e contina
a sustentar a emenda.
O Sr. Hego Monteiro vota contra a emenda e sus-
tenta o artigo.
He lido eapoiado oseguinto artigo additivo :
Artigo para ser collocado as disposqos ge-
raes :
Nenhum vendedor ser obrigado a ler temos
completos de pesos o medidas, pode'ndo ter os posos
i medidas de que necessilar na rasflo da importancia
do seu commercio. Joaquim Villela. >
Encerrada a discussflo, he approvado o projecto
com as emendas; exceptuada a do Sr. Jos Pedro,
quosupprimia o artigo 22, e a do Sr. I.uiz Duarte,
que augmenlava o ordenado do secretario da cma-
ra de Iguarass, as quaes foram rejeitadns ; o bem
assim a do Sr. Barroso, relativa ao imposto dos mas-
cales, que ficou prejudieada.
Segunda discussdo ds projecto n. 32 do anno passado.
Artigo 1. Eica pertencendo nova mente fregue-
zia de Bezerros o lugar denominado Carangucjo,
que, pela lei provincial n. 132, do30 do abril de 1844,
passou para a freguoziado Bonito.
He approvado.
a Artigo 2.a Os limites entre estas duas freguezias
serflo d'ora cmdianle os mesmos indicados na lei
provincial n. 65, de 12 do abril de 1839.
Vai mesa urna emenda do Sr. Rocha, substitutiva
do artigo, e apoiada entra cm discuss'ilo.
Encerrada a discussflo, he o projecto approvado
com a emenda.
OSr. Nunes Machado requer a dispensa do inters-
ticio para que este projecto se d para ordem do dia
da sessflo seguinte.
A assembla approva o requerimento do Sr. de-
putado.
l'rimeira discussao do projecto n. 19 que autorisa o pre-
sidente a conceder as permutas qut requeran os pro fes-
sur es de primeiras lettras.
He approvado sem discussflo.
OSr. Iaurentino requer disponsa do intersticio,
para que esto projecto entre amanhfla cm segunda
discussflo.
A assembla decide-se pela affirmaliva.
terctira dlscussaO do projecto n. i 1 que restitue a frac-
cao' de Ipr.juca ao municipio a que outr'ora perten-
cira.
Xfnviniento Navios entrados nodia\9.
Gamaragibe, 2 dias, hiato brasileiro Novo-Destino
de 21 toneladas, capitSe Manoel Kstevito Ribeiro!
cquipagem 3, carga assucar; a Manoel Gonca
ves da Silva. Passagciros, Jos Al ves Pereira e
Joaquim Rodrigues.
Philadelphia 34 dias, brigoe-escuna americano Z^-
F.-Loper, de 167 toneladas, capito ,\\. Nortli,
cquipagem 10, carga farinha e mais gneros do
paiz; aMalheus Austin & C.
- Navios sahidos no mesmo dia.
Marvin, escuna dinamarqueza Aalborg, capitiio II.
P. Madson, em lastro.
Portos do Norte, vapor S.-SebaitMo, commandanlo
ol. tenente Antonio Xavier de Noronha Torre-
zflo. Alm dos passagciros quo trouxc dos portea
lio Sul para os do Norte, leva desta provincia para
a l'arabiba, o Dr. Graciano Adqipho Cavalcanti de
Albuquerque, e o Dr. Maximiano Lopes Machado
com um esclavo.
;IK'Clai'i<;cs.
Ao 7.' do artigo 20Suppi imam-so as palavras
--que venderem dentro dos seus municipios, eac-
creci:nte-se paga annualmentc no municipio do
sua residencia.Camello fessoa.
Ao 1.' do artigo 5. Com o portero dga-se
120,000 rs., n com o porteiro do audilurio#),000 rs.
Cunha Machado.
O Sr. Laurenlino insiste as suas primitivas ideias,
e contina a sustentar a necessidade da abolieflo do
imposto.
OSr. Nunes Machado reconhece que cumpre nflo
onerar de mposicos o negocio chamado de tabolei-
ro, a ponto doprohibi-lo, pois que desse negocio
vivem muitas familias; mas, como est convencido
dos abusos queso podem seguir da abolieflo do im-
posto, vola pela emenda do Sr. Pcssoa, que, ao pas-
so que rcmedoia o priineiro dos males figurados,
previne o segundo.
O Sr. Jos l'edro, fundamentando a emenda por
3uc propoz a supprcssflo do arligo 22, quo decreta a
emoliclo das casinbas da ribeira, diz que por to-
dos be rcconbocida a necessidade dos morcados p-
blicos, e observa que, sendo por falta de meioa que
a muicipalidade nflo tom podido alargar diversas
ras da cidado muito mais importantes do ue casa,
em cuja frente Acamas referidas casinhas, eulende,
ae nao deve votar por semelhante demolicSo que
He approvado, com urna emenda do Sr. Laurenli-
no, para quo em vez do Cabo se diga A. S.
do O'.
Primeira discussao' do projecto n. 16.
He approvado, e dispensado do intersticio para
entraron) segunda discussflo n a sessflo seguinte.
O Sr. Presidente levanta a sessflo s 2 horas da tar-
de, depois de haver dado para ordem do dia da se-
guinte: Untura de prnjectos o pareceres; primeira
discussflo dos projcclos ns. 22 e 23; segundados
ns. 16 o 19 deste auno, o lerceira do do n. 32 do anno
passado.
REUNlAO KM 19 DE ABRIL DE 1817.
1'n.ESIDENCIA DO SR. Cl MU MACIUUO.
SUMM.VRIO. Leilura de um offlcio, em que o secretario
da provincia participa o dia e hora em que o Exm.
presidente tem de receber adeputncao' que deve apre-
tentar t sancrao' os actos decretados. Convite a sta
depulacav' para cumprir sua missao'.
Ao meio dia faz-sc a chamada, e nflo havendo nu-
mero legal,
OSr. i.'Secretario 16 um oflicio do secretario da
pravincia, participando que S. Ex. o presidente da
mesma provincia tem designado odia de hoje para,
s 2 horas da tarde, receber a deputac,ao que lem de
aprosciilarsanccflo os actos legislativos da assem-
bla.
OSr. Presidente convida a commissflo nomeada
cumprir sua inisso, e dissolvo a reuuiflo.
Existem no correio geral as cartas seguras para
os Srs. : Joaquim Jos Quirino, Joaquim Jos da
Silva Regadas Bernardiuo de Sen l.ins, Manoel
Jos Cardozo, ausente, a I.uiz Antonio de Siqueira.
O arsenal de guerra compra setenta e nove es-
le ras de perpery. Quom dito genero quizar lornoccr
mandar sua proposta em carta fechada, o a amostra,
a directora do mesmo arsenal, at oldia 2S do cor-
rente tnez.
Arsenal do guerra, 19 de abril d 1847.
JoaO Ricardo da Silva.
O arsenal de marinha compra, no dia 21 do
correnle, pelas 14 horas da manhfla, momio enxo-
frado. As pessoas quo semelhante objecto quizerem
vender, comparcam nesta secretaria no indicado
dia e hora, com as suas propostas em cartas fecha-
das, acompanhadas da competente amostra.
Secretaria da inspeceo do arsenal de marinha de
Pernambuco, 19 de abril de 1847.
O secretario,
Altxandre Rodrigues dos Anjos.
'= A alfandega das fazendas compra duas balas do
papel almaco.quatro milheiros de pennas, duas gro-
zas de lapes, inoia resma do papel de llollanda pau-
tado para mappas, meia dila de papel mata-borriio.
Quem laes gneros quizer fornecor mandar sua
proposta em carta fechada e as amostras ao respes
tivo inspector da mesma alfandega, al o dia 24 do
corren te.
Publicarlo jurdica.
Ligos de direilo criminal
ni mu \\t i'Eii.viyiiUcu.
BEOtTB, 19 SZ ABRIL DE 1847.
Fallecen hoje a (arde, e ser sepultado amanhfla
na igroja da Concoicflodos Militares, o Kr. tcnentc-
coronel Francisco da Rocha PaesBarreto, consenhor
doengnhn Dous-lrniflos, nflo ha muito levantado
em trras de Apipucos.
Filho desta provincia, o Sr. Paes Brrelo sempro
se pintn de mancira a honra-la com o scu procedi-
mento.
Cidadflo prestante, bom prente o ptimo amigo,
deixa elle muitas saudades : e quando os seus restos
mortaes forcm levados ao jazigo, onde talvcz te-
nhain repousado os de algum (inicial tflo brioso
ouanto o lora esse benemrito Pernambucano, mais
do urna lagrima se desusara pela faco daquelles dos
circunstantes desse acto lgubre, que, durante a'
exislencia do nosso mui digno patricio, tiveram oc-
casiflo de apreciar-ihe as qualidades nflo vulgares.
CCMMErtCIO,
redigidas pelosSenhoresCouto e Carvalho segun-
do as prelecces oraes do doulor Basilio Alberto de
Souza Pinto lente da faCuldado dedireito na uni-
versidadedeCoimbra e momhro doconcelho su-
perior de instrucgflo publica ; feitas no anno lecti-
vo de 1844a 1845 edieflo brasileira mais correcta
que a de Coimbra e augmentada de olas, e reinis-
ses ao cdigo criminal, 1 v. oilavo francez con-
tendo a materia de 400 paginas da edieflo- porlugue-
za. Afalla e necessidade quo gerelroonle se sent
de obras originaos Sobre este importanlissimo ra-
nio iln direilo ; e o mrito destas liedes do distinelo
profssor, elogiadas nos jornaes portuguezes, de-
terminaram a publicaeflo da prsenle edieflo quo
por ccrlo ser favoravelmcntc acolhida no Brasil
pelos homens Ilustrados e particularmente pela ma-
gistratura promotores, advogados esludantes ju-
ristas, ele llecebcm-se assignaturas para esta
obra as livrnrias da praca da Independencia o da
esquina defronto do Collegio ; e em (Hinda casa do
Sr. Meira de Vasconcellos substituto de laliui; cus-
tarcada exemplar brochado 4,000 rs., pagos na
occasiflo da entrega que lora lugar no principio de
maio, fechando-so a assignatura no lim do dito
mez.
AvisoS maritinios.
Para a Babia sahir com muita brevidado o ve-
leiro hiato Tentador, pregado e forrado.de cobre : pa-
ra carga ou passageiros, trata-se na ra da Mocda,
n. 11, com Silva & Grillo.
Para o Bi-Grande-do-Sul segu impreterivel-
inenie quai ta-feira, 21 do correte, o brigue nacio-
nal S.-Manoel-Augusto : as pessoas que liverem de,'
embarcar escravos, deverflo manda-Ios at 20 do'
corre'nt, a tarde, para bordo.
--Para o Rio-de-Janoiro sabe, no dia 21 do cor-
renle", o patacho nacional Laurenlino quem no
mesmo quizc/ ir de passagem ou embarcar escra-
vos fret, dirija-so ao seu proprietario l.ourenco
Jos das Nevos na ra da Cruz n. 64.
Para o P.io-de-Janeiro pretendo sabir, na quarta-
feira(2l), nflo havendo iiiconvennienlcs o veleiro
brigue Norma, o qual tem superiores com modos
para passagciros e mesmo para escravos para o quo
trala-so com Amorim Irmflos, na ra da Cadcia,
n.45.
ParaoAracalysabe, improterivelmcnte, coma
carga que tiver a bordo, no dia 21 do eorrcnlo.o
patacho nacional Anglica : quem no mesmo qui-
zer carrogarou ir de passagem, para o que tem I ons
commodos dirija-se a Luiz Jos de Sa Aruujo na
ra da Cruz, n. 26.
Recebe carga e passagciros para o Acarac com
escala peloCear o hiato Iguia-Brasileira ; os pr-
tcn lentes dirijam-so a bordo do mesmo, a tratar
com o capitiio, ou com Manoel Goncalves da Silva,
na ra da Cadeia do Itecifc. -
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 19............il;962,766
Desoarregam hoje 20,
Brigue -- larmoulh ca vito.
Brigue Ernestina farinha.
Hiato Tentador fumo e barricas abatidas.
Consulado
RENDIMENTO 1)0 DIA 19.
Ceral.............."........... 3-796,411
Provincial..................... 1:693,851
Diversas provincias............... 261,969
Le i i oes.
5:752,231
O corretorOlivoira fai leilflodo diversas fazen-
das inglezas, francezas o suissas, que serflo vendi-
das sem limites: qiiinta-feira, 22 do correnle, s 10
horas da manhfla, no scu cscriptrio, ra da Ca-
deia.
Leilflodo urna poreflo do hacalho, no dia 21,
s 10 horas da manhfla no caos da alfandega, no ar-
mazem de Raccllar.
Avisos diversos.
O NAZARENO N. 23,
est a venda as 2 horas da tarde na livraria da pra-
ca da Independencia, ns. 6 o 8. NSo se precisa rc-
coinmendar a sua Icitura, o povo. sabe com esla ello
agora aprecio

i


LOTERA.
Af) theatro publica
milesta loteria.tendo dosdej i posto a
0 thesoureiro biIhcteSi(|esigna o dia 12de maio
venda os respe- 0 mprcterivel andamento das
prximo ful"' i'crwito de que sempro gozou a
rodas, ntten lam-bom goza de sy.mpathias. O
mesma loieri i (,jS(10sl0 ,,111 cspaQar o referido
tliesoinero "gy,^ qUe os consumidores j0s bi-
nndi,nihieem a mai prompta extracgflo.esecom-
Ihetcsin'9 R|,oum ma| para as loteras o se nflo
PcnrtrCm de bilhetes sem que sejam publicados se-
provcrem ^rosannuncios. Semelhanlo pratica
gui acabar, demora a extracto da lotera, e a-
t|U" 1 10 thesoureiro infundadas criticas liberali-
c"ir,tor ouem menos ponsa, e que entendo que
-.mr. thesoureiro deve fazer impossiveis. Ello
," mTrcado um prazo doi.tr.> do qual julga sor pra-
-vM a venda total dos l.tlli-les: cuncurram por-
l,n a compra-Ios os amadores desde jogo, e as
uandarflo ainda mesmo antes do da destinado.
..lanoheoqueabaixo vai transcripto, e os bi-
ihmm serao encontrados no bairro do Recite, iras
do cambio dos Srs. Vieira e Mannel Gomes; e
no do Santo-Antonio, na Botica do Sr. Joflo Moreira,
n" ma do Cabuga ; e na ra do Qucimado, na luja
do thesoureiro.
PLANO
naro cada urna das tneias loleriat do theatro publi-
" co dista cidadi.
3 750 Bilhetes 8,000 .... 30000,000
' Beneficio e imposto 20
porcenlo.....6:000,000.
Sello de 3,750 bilhetes
130 rs......562,000
-----------6:562,500
Mquido 23:437,500
1 premio de.........6.000,000
1 Dito de........ 900,000
o Ditos de.......800,000 1:600,000
3 Djtos do.......500,000 1:500 000
5 Ditos de. ..... .200,000 1:000,000
10 Ditos de.......100,000 1:000,000
16 Ditos de.......50,000 800,000
20 Ditos do.......30,000 600,000
25 Ditos do.......20,000 500,000
1165 Ditos do. ....... 8,000 9:320,000
2 I)itosl.e2.brancos. .108,750 217,500
Rs.--23:137,500
1,150 Premios.
8,500 Bilhetes braceos. ---------------
9,750 total.
N. B. No acto do pagamento se descontara no-pre-
mio grande 8 por cento do segundo imposto, o aos
dous primeiros nmeros que sahiiem depois do
esgotada a urna dos premios caberflo os dous
premios orticos designados ueste plano.
Itccife, 16 de abril de 1847.
O thesoureiro,
Antonio da Silta Gutmo.
Approvo. Palacio dePernambuco, 16 do abril de
1847. Pinto Chicharro.
- Quem Ihe faltar um cavallo magro com canga-
Iha diiija-sea na do llangel, n. 24, que, dando
os sigues cortos, llie ser entregue, pagando as dcs-
pezns.
-- O-se 1:200,000 de ris a premio sobro hypo-
Ihcca, ou penhores de ouro e (.rata ou boas fir-
mas: na ra estreita do Rozario, 11. 30, segundo an-
dar se dir quem d..
('asa da F
no 1 na eslrita do Hozario n. 6.
Este estabelecimento principia a pagar as cau-
telas premiadas da lotera da cidade da Victoria de
lioje as9horasda manhfia em diante alas6da tai-
do, cera todos os das ulcisss mesmas horas. Na
mesma casa acham-se a venda as cautelas da lotera'
do,lhatro desta cidade, cujas rodas estilo uniiuii-
ciiidas o andamento para o da 12 do maio prximo
futuro. A ellas, pelo mesmo prego.
ALUGA-SF, POR 8,000 RS. MENSAES
urna ptima casa com duas salas, 6 quartos co-
piar, cozinhae quintal murado sita na ra Impe-
rial n. 187 : a tratar na ra rcita, n.82, primoi-
ro andar.
Mudou-se o,consulado britannico, da ra, da
Cruz para a do Trapiche-Novo n. 15, segundo an-
dar.
--Aluga-se um bom armazom para assucar, ou
deposito de qualquer Outro genero, sito no heceo da
Mooda bairro de Recita: a tratar na ra das Trin-
cheiraa, n. 50
Engomma-secom toda a perfeigiio, por prego
commodq : na ra da Mocdn, 11. 39.
r- A pessoaque foi a casa n.9 no principio da
ra Imperial, para compra-la cujo negocio se nflo
cll'ectuoii em rasflo da decisflo de oulra pessna com
i|uem se hava contratado appareca quanlo antes.
Jos. Da 1 hoza de Souza pela quarla ve/, faz
publico que ninguem contrate negocio com Joaqui-
na Rodrigues dos Santos, sbreos bens que possue;
pois todos estil hypolhecadosao annunciante, in-
clusivo urna casa que ella possue no areial das Cin-
co-Ponas, n. 41, o dous sitios as Curcuranas cu-
rato do l.oreto
AScnhora D. Victoria Maria do Sacramento,
mili 1I0 fallecido Joo Ncpo'muceno de Faria ou as
sohrinhas deste, D. Claudiita e outra lilhas do fal-
lecido Manoei Dias de Faria, ede Francisco Tellea
de Monezes para negocio que Ihcs interessa, di-
rijam-so a ra da Cruz, no Recife 11. 66.
Joflo Alves Perera vai a Portugal.
Na ra Nova, n. 58, so dir quem d a premio
1:200,000 rs. com hypolheca em casas terreas.
Aluga-se um armaxeiri d madeira proprio
para odlcina de ferreiro ou deposito do carvflo c
mesmo para outro qualquer estabelecimento, silo
em frente da ra do Brum na praga projectada : a
trataron) Fra-de-l'ortas, ra do Pilar, n. 108.
Um honiem casado com pouca familia e com
as habiltacOesnecessarias para ensinar com per-
fciciio as primeiras lettras, so offerece para este
magisterio a qualquer senhor de engenho que te-
nha tilhos para educar : no engenho Rom-Fim da
comarca de S.-AnUo, o dir quem lie o prolen
denle.
-Naterga-dra 13 do correte, dcsappareceu
do sobrado n. 13 da travessa do Veras, na Boa-Vista,
un galo amarello, capado ,0 muilo manso; tem a
cauda corlada, o no meio da restante urna torcidela :
roga-se a pessoa em cujo poder estiver, o obsequio
de manda-lo entregar na dita casa, que ser grati-
ficada.
Na ra de Ilortas, n. 5, ha urna ama com muito
bom leite, que se offerece para criar em sua !pro-
pria casa algum menino, com o maior zelo pos-
sivel.
- Hojn, as 4 horas da tarde, a porta do Sr. doutor
juiz da primeira vara do oivel, teem do sor arrema-
tadas as bemfeilorias de um sitio, pertenecnte aos
herdeiros do finado Jos Francisco Xavier de Lima ,
em trras rendeirasa engenho Apipucos por exe-
cgflo.
Precisa-so de umbom forneiro: na ra da Flo-
rentina, 11.3. <
~ t)a-se dinheiro a premio sobre penhores de
ouroe prata om maioresou menores quantias : na
ra da Florenla n. II, defroutedn guindaste.
Precisa-se de urna ama que lenha bom leite ,
forra e mesmo captiva : na ra larga do Rozario,
indo para osquarleis n. 21, segundo andar.
--Dflo-sc 50 a 60,000 rs. a premio, com ponhores de
ouro ou prata : na ru do Cahug, loja n. 3.
Aqu nao ha usura.
D-se dinheiro n premio com penhores do ouro ,
mesmo om pequeas quantias : na travessa dos Mar-
lyrios n. 2.
O viga rio do Brejo-da-Madre-de-Doos, Pedro Ma-
rinhoFalcflo, faz sciento ao publico que o vigario
Flix Jos Marques liacalho dcixou de ser procu-
rador tanto de sua congrua como dos alugueis de
sua casa sita no bairro da Boa-Vista, ra do Mon-
dejo ou Quatro-Cantoa, n. 5.
Aviso aos Srs. cipites de
navio.
Roga-so a algum Sr. capilflo d navio que lenha
receido carga no Trapiche-Novo,nos dias 15, 16 c 17
do correnle, o favor de ver se por engao iria jun-
to um caixote pequeo encapado, com a marca i'FV,
o qual eslava despachado para o Aracaty, para bordo
do patacho Anglica; pois no caso de se adiar a bor-
do de algum navio, roga-se a favor de o mandar bo-
tar no dito trapicho, ou na ra da Cadcia do Recife,
n. 25, quese pagarflo todas as despezas. Igualmen-
te se roga a alguina pessoa a quem fr ufferecido
por algum prelo para comprar, de o appreltendor e
mandar entregar nos lugares cima, quese pagarflo
todas as despezas o so Picar obrigado; pois ignora-
so o dcscamiiiho que leve
Ainurim Irmflos embarcan)'para o Rio-de-Janei-
ro o escravo do nomo Flix, perlenconle a Jilo Fran-
cisco Fernandos daquolla mesma praga, d'ondeveio
fgido como forro para osla provincia, e aqui foi
preso e rccolhido a cadeia pelo subdelegado ta fre-
guezin de S.-Jos, o qual o mandou entregar com li-
aivga dos mesmos cima.
Aluga-so urna casa no Aterro-da-Boa-Vista, n.
68, propria para negocio, o que tem duascamariiiltas,
slito, cozinha fra, quintal e cacimba: a tratar na
ra Nova, 11. 32, loja de ourives.
O bacharel formado Francisco Pereira Freir,
ex-procurador-fiscal da thesouraria de fazenda da
provincia das Algas, propc-so a advogar no foro
desta cidade, tanto no civel como no crime, c no ad-
ministrativo, req'uerendo o diroilo e justiga daqucl-
les que o procurarem, petante o governo da provin-
cia, thesouraria, alfandega, mesa do consolado, ecl.
He a sua residencia na ruado Queimado, n. 6, pri-
ineiro andar, onde o acharilo a qualquer hora do
dia.
Precisa-se de urna ama que tonha bom leilc pa-
ra criar: na ra Nova, D. 20, primeiro andar, cuja
entrada he por detrs.
Luiz Bruguire, negocianle francez, eslabele-
cido nesta praga, leudo tle relirar-se para n Europa,
participa que deixa eucarregados da liquidagflo de
sua casa aos Srs. A. Regord &Caucanas.
Luiz Bruguire retira-se para a Europa, com soa
scithora.
--Adolfo Regord & Pascoal Galicanas, 1-rancczcs
residentes nesta praga, acabam do estabelecer urna
casa de commercio sob firma social de A._ Regord*
Cancanas, cuja casa esta sita na ra da Cruz, n. 1,
onde resida a Sr. Luiz Bruguire, da liquidadlo de
quem esinocncarrcgados.
Na ra do Sebo, n. 3, empresta-se dinheiro a
juros com penhores do lodas as quididades, em pe-
queas pnredes. ,"* ,.
l'ercisa-sc do um caxciro que lenha pratica
de venda : na ra de S.-Rta, n. 85.
Aterro-da-B'oa-V.sln,n. 5.
Pommateau. culileiro,
tem a honra de prevenir ao respcitavel publico,
que acaba de receber pela ultima embarcagfloyinila
de Franga um rico ecompleto sortimentode culilena
flnas.a saber: eanvetes de mola deuma o mais Tollias,
apuarelhatlos de |rata; facas e garfos do mesa e so-
bre-mesa, e trinchantes do diversos modelos; cai-
vetes e tisouras para jardiueiros; um lindo sortimen-
todolisourasdo lodos os tamandoa o modelos pata
sendoras; dito de ditas para alfaiatcs o barheiros;
esloios deduasesetenavalhas (estes mullos finos,
por se (hncara qualidade;; aliadores e massa para
os mesmos; caivetes de uml o 4 folhas, de aparar
pennaa; caixas e eslojos para limpar e tirar den es;
escarificadores para ventosa; caixas do matliemal-
cas- chicotes o dangalas do ultimo gosto; bridaste
lirfeontes modelos; lncelas para sangrar caval-
esporas delatilo o de ago, tle dillcrenlcs modc-
fondas de aml>os os lados; balciras; sacatrapos;
espoletas; ccniineos, &c &c. Concerta espingar-
das o toda quatidado de ferragem lina. Amla senv
pre as quartas e sabbados; e os Srs. ourives que pre-
cisaren) do folhas de faca e garfos para apparclha-
rem de prata, podem-so dirigir ao mesmo.
Arrenda-so o vende-se um grande sitio entre a
Casa-Forte e Monteim, perlo do bando do Capiban-
be, com casa.grande baixa e com mullos comntodos;
dita para cscrevos, cocheira, eslrbaria para dous ou
tres cavallos cacimba de boa agoa de beber, bas-
tantes fructeiras de varias qualidades, cafezeiros que
dflo por auno de 16 a 20 arrobas, coquciros antigus
o novos queprincpio a dar fruto, trnta e tantos
ps de ntangueiras de fructo e varias prximas a da-
rcm, varias jaqueiras de fructo e nutras prximas a
darem, cinco ps do tamarindos, inclusive dous que
ainda 11.1o .dilo fructo, varios ps de larangeiras de
diversas qualidades, limas de duas qualidades, li-
mito-doce, romeiras, piulieiras, Ogueiras, abacale,
c mais diversas fructeiras,oiticor, condessa.ctc. cVc.
&c.: arrenda-se pelosannos gue o rendeiro quizor,
e a venda ho muilo commoda para o comprador.
Quem o pretender dirija-se a praga da Boa-Vista ,
88- ,. i
O doutorCasanova, medito francez, morador
na ra Nova, n. 7, primeiro andar olferece o sou
presumo a lodosos habitantes desta cidade e pro-
vincia : o sempre o acharan promploa receitar, cu-
rar e fazer todas as operagOes de cirurgia gratuita-
mente a pobreza.
AVISO PARA AS PESSOAS QUE TENCIONAM
SEGUIR VIAGEM.
Na ru doRangel, n. 9, contina-sc a tirar passa-
porles para dentro e fra do imperio, e a despachar-se
escravos, Uido com a' maior brevidade, e por prego
muito comntodo; duque jase tem dado exuberante
prova.
Roga-seao Sr. Luiz Francisco Vieira de Luna o
favor deapparecer no primeiro andar do sobrado n.
3 do Aterro-da-Boa-Visla.
Roga-se ao Sr. Francisco Porcira Marques o
favor de apparecer nn nrimeiro andar do sobrado
n. 3 do Aterro-da-Boa-Vista.
A pessoa que estiver de possedo urna ctica sa-
cada por Joaquim da Costo Villas o aceita por Lau-
rentino Gomes da Cunta, endogada pelo coronel
Jos Maria tle Barros Barrcto da quanlia de 2:4001
rs., a vencer no ultimo de maio do correnle anuo ,
querendo rebalc-la com o mesmo premio nella men-
cionado pelo lempo que falta a vencer pode apre-
senta-ia a Manoei Ignacio de Oliveira, na ra da
Cadeia do Recife. n. 40.
Precisa-sc de urna ama para casa de um ho-
mem solteiro, que faga todo o servigo : na praga da
Independencia, ns. 6 e 8, ou anuncie.
Da guarda de Joaquim TMmioro da Silva Cis-
nciro desapparecou no lia ultimo de fevereiro do
presente anno a prcta Rita, do nagao Angola le-
vando comsigo duas filhas pequeas ; escravos es-
tes pandorados ao casal do fallecido Antonio Leo-
cadio Paes Barreto, por execugilo de Joaquim da
Silva Costa, sendo o dito Cisneiro depositario dos
mesmos, e faz constar semglhanic fuga e pede, a
quem os apprehender de os levar aoengenho Utinga-
de-Cima da freguezia do Cabo.
Manoei Antonio Fcrreira Lopes avisa ao publi-
so, principalmenteaos Srs. que teem casas do yen-
derema relalho que protesta nao se rcsponsabili-
sarporcousa alguma tomada liada em scu nome
pelos scus escravos, sem ser por bilheto seu auto-
risandoa tal, isto para evitar repeloso que pessoas
esquecidasdequecom fillios familias o escravos nflo
se faz negocio liado, s" para darem exlracgHo a suas
mereadorias, as fiam n estes aguardando seren
pagos pelos que para sto nada concorreram, antes
se opporiam no s pela indcmnisaglo, como pelos-
perigosem quose metteni os escravos.
Na ra Formoso esquina da ra da Unio, pre-
eisa-sedoum criado, urna criada e urna ama de
leite.
Mauoel da Silva Sanios, ven
los
Casa de modas francezas, no
Alerro-da-BoaVisla, n. t,
primeiro andar.
Recebeu-so pelo navio Netii-Mathilde um sorti-
mento deedapeosde pallia lisos, abortos o borda-
dos, ta Italia, para sondora; chapeos redondos de
palha da Italia; ditosJoinville para meninos; su-
periores Invas tle pellica brancas ede cores, para
senhnra e homem ; camisinhas bordadas de mon-
tara e outras ; cabego>s; ricas mantas de bicq pre-
to ; fil blanco o prelo de seda o de lindo ; ricas e
lindas flores; vestidos to baile; bico de hlonde;
toucas para senhora ; ditas horda.las para meninas ;
longos de eambraia bordada; ditos de bretanha;
cambraiadclinhoeoutros muitos objectos de uso
das sendoras. Madama Millocdati so encarrega sem-
pro tle fazer vestidos de noiva o to bailes, do melhor
gosto, chapeos c toucas de senhora por preco
commodo.
Quem tiver para alugar urna eacrava quesalba
engommar e fazer todo o servigo de casa para um
estrangeiro solteiro annuncio por esta folha, para
ser procurado.
Aluga-se um sobrado de um andar o sotdo no
Aterro-da-Boa-Vista : a tratar na loja de cutileria
Je Pommateau.
-fe
de fariiilia de trigo di verdadera
marca SSSF, cliegada ltimamen-
te a este mercado.
--Ainda se contina a alugar o segundo andar da
casa n. 17 da ra do Collegio proprio para fami
lia: a tratar no armazem da mesma casa, ou n
ra do Vigario, n. 5.
D-se iliiilieroa juros sobre penhores de ouro
prata: na run largado Rotarlo, ao p dos Quarteu
ns. 0 e ll.se dir quem tl. Na inesina casa vendein-se
as seuitlnles obras de prata do ?ut lo ; unta lellelra um
nssiiearHro um bule unta cnfeielrn, una ttgella an-
da nova c multo rica, com 1,400 olwvas.
Oabaixo assiguatlo, respondendo ao annuncio
do Sr. Antonio Joaquim Tavares, em cujas ultimas
linhas este Sr: previne o publico a respailo das trans-
acgOes que elle houver de fazer, declara ao mesmo
-publico que nlo faz transacgilo alguma em nome da
sociedado j dissolvda desde odia 14 do correte,-
o pedo a lodos aquel les com quem liver cotilas, qur
em nomo da sociedado, qur particularmente suas,
queasapresenlcm para serem pagas; pois nflo se
julga impune como o Sr. Tavares, que recebeu urnas
remessas do consignagao tle Lisboa da mais de um
auno, e o dono dellas desde esse tempo que esta cho-
rando ecgo sem nada ver, e quando as reclama, o
Sr. Tavares responde que quem tem pressa quo ve-
nda c receber... "
un Gontaga doi Santos.
Arrcnda-so o engenho Macaco,1! situado na fre-
guezia de Ipojuca, na inargem do ro, aondo se em-
barca a safra to mesmo engenho, todo de varzeas
boas, tenas tanto de plantago como de cercado, e
tambem se vende a safra nova: quem o quizer dirja-
se ao mesmo engenho, a tratar com o propnetano
Filippe Santiago Vieira da Cimba.
Precisa-se do urna ama quo tonha muito bom
leilo, para criar um menino: na ra Nova, loja de
ourives, n. 32.
Lima alaiate,
na ra do I.lvra.nenio sobrado n. 1 precisa de bons
officlari de seu officio e recebe apremliies.
Aluga-se unta negra muito boa cozmdeira, lava-
deira tle varrella c sabSo; cozinha e deapta para to-
do o domestico do urna casa d pouca ou mu Ha fa:
milia, menos para a ra i a tratar com Joaquim Jos
Lody, na ra larga do Rozario.
Fabrica (le chapeos de sol, no
l'asseio-Publico, n. 5.
Noste estabelecimento se receben urna porcffo de
edapeos de sol lurta-cres, da ultima moda to Pars.
O mesmo esta belecimento tem a mesma azenda
naracohrirarmages com loda as galanteras pre-
cisas para as mesmas; lambem tom chapeos tle sol
de panninho, muilo proprios para fcitores de enge-
nho por serem de muilo boa fazenda e muito gran-
des t.osteem a serventa para as tinas estagOcs de
verflo c invern : tambem so faz todo e qualquer
concert nos mesmo*, pois para isso tem todos i
necessarios e prometi toda a-promptidto.
Perdeu-se, do Pogo-da-Ponello para e Reci-
fe, notlia l4docorrenle, as 4 doras e mcia da
.mandila, um relogio do ouro susso, peque-
o com ponleiros do relogio pllente e ponloiro
degonossegundos;trabaldasobre8 robins, tem
mostrator de louga. Roga-se a pessoa a quem Tor olle-
recido por venda quo o appretenda, que sera recom-
pensada generosamente : A se for adiado por pessoa
ue o queira entregar pode levar nn Atcrro-da-Boa-
Visla .n. 26, que tambem ser recompensada.
-Antonio da Silva Ferreira e Santos faz Menlo
aoDUblico quo suhslluio os poderes e sociedade |
aoputiin h____ ,,in.iln Murniins Si va de il
Cnmprns.
Gompram-se cdulas de vin-
le mil ris, da eslampa encarna*
da, com algum abate; na loja de
miudezas da ra da Cadeia-Ve-
ta, n. 37.
Compra-se um ou dous sellins inglezes, j usa
dos em bom estado : quem tiver annuncie.
Compra-so un par de mangas de vidro j na rna
Direita, u 0.
Gompram-so as OrdonagOes do Reino, anda
mesmo usadas : quem tiver annuncie.
-Compra-so um cavallo rugo-sujo, de dinas o
cauda prelas que seja novo e possaute: na ra da
Cruz, n 63, primeiro andar.
Compra-so um relogio de ouro patento inglez,
tle sabonelee pequeo, dos modernos, e que regulo
bem : na ra do Collegio, n. 16.
Compram-se diccionarios de Moraes, da quarla
quinta edig.lo: no ra do Crespo loja de livros ,
n. II.
Compram-se, para urna encommenda, escravos
de ambos os sexos ; pagam-se bem : na ra Nova,
loja de ferragens, n. 16.
Compram-se molequos de 12 a 20 annos, e pre-
las da mesma idade; sendo de bonitas figuras pa-
gam-se bem : tambem se compran) alguns oftlciaes
dosapateiro: na ra do Concordia, passando a pon-
tczinha a direita segunda casa terrea.
Compram-se escravos de ambos os sexos.com
habilidades e oflicios, de 14 a 20 annos, para fra da
provincia ; pagilo-se bem : na prancinlia do Corpo-
Santo,n66.
(jompram-sa cdulas cnernadas e
de aosooo rs., cotn pouco descont ; as-
sim como tambem A Sagrada Escriplura,
com olas, e urna porco de pedra larra*
da, ainda mesmo sendo refugo, que sirva
para calcada; na esquina do Livramento,
oja de 6 portas.
Compra-se um relogio sabonete, patente, de
0uio, bom regulador : na ra do Amorini, n. 36.
~jy;'j.jai!lZZfflir.Z.T___iXZZZI___LJ--1
Vendas.
aos esludantesde {jeogrnphia.
Acaba de sahir a lu; ntidamente impreisa, a uguinti
brochvra :
PROBI.F.MAS DE CEf.RAPHIA PHYSICA E AS-
TROiNOMICA, por R. S. A., um volume m 12.
He a soluco pratica dos principaes problemas
de eeographia terrestre o celeste para racilitar o
estado dosta disciplina e preparar os esludantes ao
respectivo exame Vende-sc por 1,000 rs., na li-
vraria de Santos & Companhia na ra da Cruz.
Barateiroda loja nova.
O novo barateiro-Ricardo-, da loja nova n. 4 ao
n to arco do S.-Antonio, est vendondo pecas o
chitas muito finas, cores muito (xas o novos pa-
droes a 5,800 ris.o o covado a 160 ris ; casimiras do
algodflo, padres inteiramente modernos, o cortea
600 ris; longos de seda muito modernos para ho-
mem, a 1,440 ris ; ditos de eambraia muito linaza
100 ris; cortes de cdaly muito moderno, a 5,000
ris- mantas de seda, padrescliinezos, no mais
moderno gosto, a 10o 12 mil ris; algodflo azul o
riscado para cscravos.do 4 palmos de largura, muito
encorpado, a 200 ris o covado. Tem um lindo sor-
limento de sedas modernas no gosto chinez, roce-
bidase desembarcadas honiem, da ultima moda do
'aris, para vestido de bailes, &c e que vende muilo
ha ralo, assim como todas as Tazendas do luxo e
asseiado goslo, notando-se uns lencos com frai a,
para senhora, da melhor seda de gros.de./tapies, pa-
dres nunca nesta praga vistos.a 6,000 res.
Vende-s um cavallo alazao,
com muito bons andares : a tra-
tar, na ra da Guia, n. 36'
. Yende-sc o diccionario de medici-
na de Chernoviz : na livraria da esquina
do Collegio.
__Vcndcm-se sementes de hortalico de todas as
ualidades chegadas prximamente do Porto por
reg commodo : na ra estrella do Rozario ven-
sSuffi?r*asa.? ^- """de c"
as ao Sr. Jos Fernandes Ferreira; por isso peto a
ses crodores liajam de comparecer no prago de 8
'.-1 pelo novo destino que deu ao edificio da sua
residencia na ruado Hospicio, poderaoDr. Sarmen-
t receber em sua casa doenles que desejem vir
tralar-se nesta cidade. Serflo recbalos nflo s os
doentcs de qualquer sexo e condigao que sejam,
mas lambem as pessoas, ou familias, que os quize-
rem acompanhar.
a 400 rs. a garrafa :
na ra Direita venda n. 14.
Vende-se urna peneira de rame, propria para
refinagflo, por ser muilo fina : um quadro grande
dourado; urna farda de artiltisria barretina, etc.;
ludo muito emeonta : na ra da UniSo, junto a ly-
pograpdia.
Vende-se a casa terrea n. 7, no bairro da Boa-
Vista ra da S.-Gruz, em chflos proprios bom
quintal com alguns arvoredos: na ra da Conceicflo,
n. 43.
i >,r+


A



Vcndem-se 4 escravos, sendo 3 negras e um
preto ; todos do milito boas figuras e mocos, pro-
prios de todo o servido : na ra da Cadeia de S.-An-
tonio, n. 25.
A bordo do hrtgun Independente Tundeado de-
fronte do Collegio vende-se sebo cm ram; c carne
secca por procos commodos, boa fazenda.
Medicina universal.
* Pilulas vegetaes de James Morison.
A medicina vi-roi.i1 universal he o multado de 20 an-
noa de ilivcstlgacdes do celebre James Morison. Por
mrio drstas pilulas ronscgulo seti autor innmeras e
admiraveis L'itras, desde as afl'ecces que alacam as
crlaucas de pello at as molestias chronicas do ancio.
A Europa aaudou este remedio como remedio univer-
sal para todas as doencas cali1 hoje ainda uo foi des-
ineutidu tal titulo.
Ksta medicina vem acompanhada de una reccitaque
ensina e facilita a sua applicacao. Consiste em tres pre-
paraces a saber : duas qualidades do pilulas distinc-
tas por nmneros, e um p: cada qual guia de modos e
acedes diversas.
As pilulas n.1 so aperitivas; purgam MM abalo os
humores biliosose vicosos, e os eupulsam com efticacla.
As do n. 2 expulsan! rom essrs humores igualmen-
te com grande fdrea, os humores serosos, acres e ptri-
dos, de que o sangue se acha a miudo infectado ; prr-
corrrm todas as partes do corpo e so cessam de obrar
.iii.iinl'i term .-xpulsado todas as iinpureas.
A tercena preparacoconsiste em urna limonada ve-
getal sedativa: he aperativa, temperante e adocaule: tor-
na-se em o.....muiii com as pilulas e facilila-lhcsos me-
Ihores effeitos.
A posiet social doSr. Morlson, a sua foituna inde-
pendente repellem toda a ideia de charlatanismo ; e as
adiuiravris curas operadas com o srusystema no col-
legio de satidede Londres, sao mais que garantes da
emeacia do seu remedio.
Rrc'ommenda-se esta medicina, que nao pede nem
resguardo de tempo nem de posicao da parte do doen-
te a todos os que atacados de molestias julgadas in
curavris se quizerem desengaar da sua vlriude.
Oala que a humanldade feche os ouvidus aos inte-
ressados em desacreditar estes rcmeuios to simples,
tan commodos e tao verdadeiros.
Vendem-se smente em casa do nico c verdadeiro
agente J. O. Elstcr na ra da Cadeia-Velha n. 29.
Vendem-se duas pretns mocas de boas figu-
ras, urna das quaes engomma, c cozinlia ; urna mu-
latinhade16 annos rccolhida o com principios de
habilidades; 2 pretos bnns para o trahalho do cam-
po e da praca ; um dito boni cozinheiro c boliciro :
na ra do Crespo, n. 10, primeiro andar.
"Vondem-seS lindos molequesde 16 a 20annos,
sendo alguns de naclo ; tres pretos de 2i a 30 an-
uos sendo um del les ptimo canoeiro ; 2 pretas de
20 a 21 annos, com habilidades (endo urna dcllas
bom leitoecom urna criado um anno; urna prela
de idade, por 180,000 rs. : na ra do Collegio, n. 3,
segundo andar, se dir queui vende.
da pelle do diabo, sendo o preco de cada corto
1,440 rs. ; advertindo quescus padroes nada ficsm
restando a qualquer oulra fazenda do alto custo : ha
lambem um completo sortimentode fazendasdo to-
das as qualidades, que merecem a devida conside-
radlo cm scus apurados gostos como em seus n\oJi-
cos procos o entre estas merecem particular atten-
<;.mi ilns senhoras uns riscados cliilados e chinezes,
deelcgantissimospadrocserealcadascOres de rosa,
azul, e cor de caf, adamascados a escoceza, a 280 rs.
o covado proprios para vestidos, e sendo suas
amostras francas aos pretenden tes.
Vende-se urna cscrava de nacffo, de 16 annos ,
de bonita figura, oque tcm algumas habilidades :
na ra Augusta, n. 48.
Vendem-se escravos baratos, na ra das
Larangciras, n. 14, segundo andar, sen-
do : um molecotc de 22 annos, ptimo
canoeiro o bom pescador do alto e tarra-
liador, sem vicios e nem o menor acha-
que; um dito de 14annos, de bonita figura com
alguns principios de eozinha ; um dito de 20 annos,
bom para qualquer servio ; um preto ,' por 400,000
rs. ; um dito bom para sitio, por 220,000 rs. ; urna
prela, por 340,000 rs. ; una dila de elegante fi-
gura; urna dita que engomma, eozinha bem e cose,
por preco commodo, ou troca-se por outra ain-
da mesmo que tetilla vicios ; e mais alguns escravos
que a vista dos prctcndcnles se mostrarlo.
PANNOS FllTUSFl!NOS
en ovos na luja ; velludo pretal chama-
lote de seda, para colleles e gollas ; se-
liui niean ; o verdadeiro briin trancado
de lisl ras de cores : na ra do Queimado,
loja nova, n. (i,de Bayniiindo Carlos
Leilc.
".- Em cisa de Manuel da Sil-
va Sanios, no ra da Cadeia, n.
4, vendem-se caixas contendo ca-
da unta do/.c garrafas de supe-
rior azeile de oliveira.
Vendem-se aderemos deperolascom brilhantes,
brincos de brilliantes.di tos de diamantes rozas, bor-
hbletas de brilhantes, alfincles de ditos grande.- com
unhas, emeios ditos de ditos. No Aterro-da-Boa-
Vista, loja de Joaquim do Oliveira e Souza.
Vidros para vidracas
"s cem ps cbicos, vendem-se
na ra da Cruz n. 10, arma/e
seuraund.
Vidros de espellto
em caixas de cem ps cbicos, vendem-se por prreo
comiiiodo : na ra da Cruz n. 10, armazeui de Kal-
kinanii & Itosenraund.
Na ra Nova n. 0, loja de
Maya Hamos & .
vendem-se encllenles chapeos de sol com armacno
de ferro muito proprios pars o invern por pre-
(,o commodo.
Vende-so urna serafina de muito boas vozes ,
propria para meninas aprenderem a piano, ou para
groja ; varias obras de ouro; c as superiores sar-
dinhas : na ra do Rangcl, n. II.
Vende-so, ou troca-se por casas torreas tiesta
cidade um sitio na estrada do Monteiro defronle
do Amorim contiguo a propriedade de S.-Anna ,
contendo urna soffrivel casa de vivenda, boa agoa
de beber, circulado de expelientes baixas para ca-
plm mesmo em tempo de veriio, arvores de fructo,
como: larangeiras, coqueiros mangueiras, bana-
nciras.cajueiros, cafezeiros, pilonibeiras, etc.;
tcm a frente cercada de limociros : a tratar na ra
dasTrincheiras, sobrado n. 50.
Scmrnlfs de hortalicc.
Rbanos, rabanetcs, salea, senoulas, cebolla,
chicoria, chicorella selgas, nabos, coentro de to-
ceira, rcpolho, couve-trunchuda, almeirflo espina-
fie, aipo, pimpinela, couve, alfare-repolhuda, dita
ullemila : ludo chegado de Lisboa, no brigue liobim,
o muito novas : vcndem-se na ra da Cruz, n. 62.
=- Vende-se una parda de muito bonita figura,
3oe eozinha bem o diario de una casa lava
c labflo e varrella cose chito c be muito boa pa-
ra casa de familia : na ra do Collegio n. 16, ter-
ceiro andar.
Vende-se um terreno no lugar dos Coelhos,
com 11 bracas e 3 palmos de frente c C7 ditas e 8
palmos de fundo : na ra do Collegio venda n 25.
IV a ra >ova loja de Maya
liamos & Cnmpanbia, n. ti,
ha urna porcio desapatos de couro de lustro para
setibora de p pequeo a 1,000 rs o par ;e tambem
sapalosdeduraqiie detodos os lmannos, a 1,000
rs. o par, e um reslodepellesdo couio do lustro
a 2,500 rs. '
Vende-se nm bonito moleque de 14 annos, com
principios de carpina; um dito de 12 anuos; um
mulatinho de 12 annos ; um dito de 18 annos ; 10
escravasde bonitas figuras com varias habilidades:
na ra Direita, n. 3.
Vende-se um bonito mulatinho claro de 20 an-
nos, de boa conduela, proprio para pagem por
ser bom cavalleiro : na ra eslreita do Rozario, n.
10, terceiro andar.
--- Vendem-se botina para me-
nino e bomem, de todos os tama-
itos ; capacbos redondos e com-
prlos de crese blancos, para
ornar salas ; esleirs de Angola :
na roa larga do Rozario, n. 2i
Champanha.
Vendem-se gigos com 12 garrafas de vinho de cbam-
panha, de qualidade multo superior, em casa de J. J
Smto Jnior, ra do Amorim, u. 35.
Annuncio importante.
i JJPi8 "j ** ru, do Cre9Po. "O P do arco de S.-
Anlonto, deRtcardo J. de F. Ribeiro, chamo os
concurrentes um bello sortimento de Casimiras do
cOres. com mujta elasiicidade e de gostos os mais
modernos, recebtdas da afamada l'aris; assim como
igualmente ha um soi tntenlo completo da reconhe-
clda" boa fazenda pela ua consistencia, denoraina-
NA KUA DO QUEIMADO, N. i i,
Vendem-sc lindas manas de seda ,
milito finas as mais modernas que ha ,
proprias para senhora e meninas, a 3,>oo
rs. ; coi tes detassade cores ixas, ede
lindos padroes, a 4i00 rs.; sarja hes-
panholn ; dita franceza ; los pretos ; lu-
do por menos de sen valor, por ler aca-
bado a Quaresma : na loja nova de It.
G. Lcite
= Vendem-se moendas de ferro para engenlios de as.
mear, para vapor, agoa c brstas, de diversos tamaitos,
por preco commodo e> igualmente taias de ferro coado
e batido, de todos os tamanhos: na praca do Corpo-San-
1, n. II, em casa de Me. Calinont Si Companhia, ou na
ra de Apollo, armazem, n. 6.
Vende-se na loja de mindeas da ra do Cres-
po, n. II, urna rica caixa de msica nova que leva
a tocar 40 minutos; vidros com graxa para calcado
de lustro e correiames, de nova iiitcncfio, a 500 rs.
cada frasco.
Vendem-se 12 accOcs da companhia do enea-
namento dasagoasdo Pratn com todas as piesta-
cOes pagas em dia : em Fra-dc-1'ortas, ra do Pi-
lar n. 108, das 6 as 10 horas da miinhila, e das 2 as
6 da tardo.
Vende-se urna prcta muito boa costureira e
engommadeira e que ensalma bem ; be moca e de
boa figura : na ra dn Cadeia n. 40.
Vende-se urna niulatinha de 5a.nnos, muito
bonita c com habilidades : na ra eslreita do Roza-
rio n. 31, primeiro mular.
Vende-so urna mesa de pinho, propria para
fazenda com 15 palmos de cumplimento e7 ditos
de largura : na ra do Queimado loja n. 8.
vende-se familia de trigo, de Ti esto, da ver-
dadeira marca S*^I' : em casa N. O.
Companhia na ra da Cruz, n. 4.
Vende-se iim bom sitio, com una cxccllente
casa ile sobrado, com bastantes commodos para
grande familia, com 4 salas, 13 qtiarlos inclusive 3
maiorescom janellas. 2 coziuhas, urna cm baixoe
outra em cima, bstanles arejadas.com Tornos mo-
dernos, e outros diversos arranjos, quarto para fei-
tor, senzalla para pelos, estribara para 3 cavallos
a folga, alm de urna pequea casa vclha que pode
servir para cocheira: o sitio lie de urna extensSo
mmensa e conten diversos arvoredos, um pomar de
larangeiras enseriadas com la tanjas selectas e de
embigo, limOes doces e limas deerobigo qne ja pro-
duzem fructo, alm de outros ps j antigos que
produzem laranjas muito doces, coqueiros, Iguus
dedenzoiros, cajueiros, mangueiras, jambreiros, pi-
tombeiras, pilanguciras, ubaieiras, assafroeiras.ja-
queiras, pinheiras, ligueiras, goiabeiras brancas, ini-
mensos aracaseiros, ananazeiros, oiti-cors, com
ha.xa de capim plantado que sustenta 2 cavallos,
om um grandc.viveiro subdividido em 3, com bas-
tante terreno para diversas plantacoes, como os bons
melOes, medobins, macacheiras, lugar para jardim e
com algumas llores, outro lugar para horta, todo
cercado de limito, com um grande poco dagoa de be-
ber c mais outros dous pequeos, em ch3os propri-
os, muito perto da capital, por ser no principio da
estrada de Joflo-de-llarros: a tratar no mesmo sitio,
a qualquer hora do dia.
Vende! se VLLAS de cera do
liordc-Janciio e de Lisboa grande e
completo sortimento : na rita da Senzal-
Uibeer &
de diversos tamanhos, vendem-se por preco multo com-
modo : na ra da Crui, n. 10 armazem de Kalkinann
& uoseumund.
Refrescos.
Xaropede groselhe feito do verdadeiro summo,
viudo de Franca a 10OO rs. agarrafa ; dito de o-
res de larangeira, a 1,000 rs. a garrafa; dito feito da
verdadcira resina de angico, que he muito condeci-
do c approvado por as pessoas que padecem do pai-
to, por j ter feito ptimos beneficios, a 1,000 rs. a
arrafa ; ditos de maracuja, tamarindos, ananazea,
in.floc laranja, a 500 rs. a garrafa: no Aterro-da-
lioa'-Visla fabrica de licores, n 17.
--Vendem-se urnas herancas na ilha de S.-Miguel,
freguezia da S.-Cruz, villa da Alaga : na ra das
Cruzes, n. 30.
--- VeiideuTse cadeiras de
pinho, a polka para assento
de portas de lo jas ; um novo
sortimento de taboas de pinho, de costado e costa-
dinho assoalho e forro para casas e tambem para
fundos de barricas; taboas americanas de todos os
comprimentos, c at de 3 palmos de largura: atrsdo
Hiendo, iriiiayein de Joaquim Lopes de Almcida,
caixeiro do Sr. Joilo Malheus.
Vendem-se mantas de seda escoceza, dos melho-
res. gostos possiveis; chales tambem de seda deiffe-
rentes qualidades; sedas brancas de superiores
qualidades, para vestidos de noivas ; ditas de cores;
lencos de seda para mflo de lindos padrOes ; cortes
de rllele de gorguriio, com barra, do melhorgosto
que tem apparecido; cachos de flores de difieren les
qualidades; chapeos deso, para bomem e senhora,
sendo de furta-cres ede urna scr;chapebs de mas-
sa franeczes dos mclbores e mais modernos j len-
cos de garfa para pescofo de senhora; cortes de
cambraia de listras para vestido ; luvas de todas as
qualidades, para homem o senhora ; borzeguins pa-
ra senhora; ditos para homem ; sapatos do couro
le lustro; ditos de marroquim, para homem e se-
nhora; um completo sortimento de perfumaras,
assim como outras muilas fazendas que se vndenlo
pelo menor preco jiossivel: na esquina da ra do
Cabug, junto a botica do Sr. Joflo Moreira Mar-
ques.
Vende-se urna casa terrea de taipa enchamea-
da de lijlo e cal, com 3 quartos 2 salas, eozinha
fra, com quintal de 64 palmos de frente e 500 de
fundo e com varios arvoredos, em ch.los foreiros ,
sita entre as litas pontes da Magdalena : na ra do
Queimado, n 15.
Vende-se um cavado castanho que carrega bai-
xo e que be muilo crfrnudo ; um carro de 4 rodas ,
com os seus competentes ar^eios : na Boa-Vista ,
travessa do Veras, sobrado n. 15.
POTASSA DA RUSSIA, A 180 E 200 RS.
Ciinlin & Amorim vendem polassa russiana nova e
de boa qualidade, pelo diminuto preco de nove Vin-
lens e dous tustOes a libra : na ra da Cadeia-Velha,
n. 50.
I.IVROS BARATOS.
Vendem-se os seguintes: Manuel de Philosopliie;
Ijromignire; philosophie ; Arthmetica pralica ;
Colonie chretienne ; Partidas deliradas; Walter Scot,
visin de l). Rodrigue ; Tratado de operares de
banco t ludo por 8,000 rs. : urna collcrcflo de 15
voluntes de dilTeientes malcras, por 1,000 rs. : na
roa larga do Rozario loja de encadernaefio.
Vendem-se 500 arrobas de ossos, a 160 rs. a
arroba : em Fra-dc-Pottas vendan. 92.
Vende-se um pardo de 18 annos; um cabrinba
de 13 annos ; um dito de 9 annos; urna parda de 24,
outra dita mais escura de 16, outra de 12, tambem
escura ; oulra de 10 annos, e outra de 7 : todas de
muilo lindas figuras, com principios de hbil i.la,le ,
e aptas para qualquer emprego : na ra de S.-Con-
calo, n. 34, de mnnhfia atas9 llorase meia o de
tardedepoisds3 horas.
Vende-se a venda da ra do Fogo n. 20, bem
afreguezada para a Ierra com poucos fundos,com
desobriga a praca ou a prazo.
Vende-se ou anenda-se a engenhoca deno-
minada I.imeirinha, sita na freguezia de Tracu-
nhlein de oplima produccilo e de bom assucar ,
capaz de um principiante arraujar-se : a Iralar no
engenho Tamotope-de-Flores.
Vende-se urna boa prela que cozinha,.engom-
ma, ensalma e faz lodfto mais servio do urna casa :
na ra do Collegio n. 15, segundo andar.
Vendem-se na ra da Cadeia do Recife,n. 25,
gigos com batatas de boa qualidade.
Gaz.
Loja de Joo Cliardon ,
\ lerro-da-iioa-Visia, n. 5.
Nesta loja acha-se um rico sortimento de LAMPEOES
PARA GAZ com seus competentes vidrot, accendedu-
res e abfadore.
Estes candieiros o os memores
mais modernos queeilstem hoje : recoinmcndam-se au
publico, tanto pela seguraiifa e bom gosto de sua boa
confeceo como pela boa qualidade da un, economa e
asseio de seu servico.
IVa IIK'Sma loja os consumidores sem.
pre aeharaoum deposito de GA7-, de cujo se aftanea a
qualidade, e em porco bastante para consumo.
AlISO
aos Srs.de engenho
Ka ra doCrespo, loja u.l,
de Jos Jonqtiim da .Silva
Maya, vendem-sc
cobertores de algodflo, muito encorpados, proprios
para escravos; bem como urna fazenda de linho a
im i tcito de estopa, forte e propria para roupa do
escravos e saceos para assucar; tudo por preco mui-
to barato.
!
Vendc-se.na ra da Cruz, n. a3,
iji cera cm velas, de urna das tnelho-
'r; res fubricas do Rio-de-Janejro ,
[j!j sortimento vontade do compra- 4
|T> dor, em caixas pequeas, e por
ij preco mais liaralo do que em ou-
if tra qualquer parte.
Ib)
8
Polassa da Ilussia,
pelo preQij de 180 rs. a libra, em barris pequeos:
na ra da Cruz n. 10, armazem de Kalktnann &
Rosenmund.
Vendem-se chitas limpas, bons pannos, a meia
pataca o covado, e a peca a 5,700 rs.; sarja prela de
boa seda limpa a 1,280 rs. o covado; um Guarda-
Livros moderno em bom uso ; utna canoa aborta ,
deconduzir familia : na ra eslroitado Rozario, n.
10, terceiro andar.
Vendem-se saceos com sal fino o muito claro,
de mais do alqueire de medida vclha, por commodo
prego: no armazem n. 6, do becco do Concalves, por
detrs da ra da Sanzalla-Velha.
Vende-se urna espada um talim e urna banda
de borlas de ouro para oflicil subalterno ; tudo com
muito pouco uso : no Aterro-da-Boa-Vista n. 84.
8
Escravos Fgidos
armazem n. no, de Alves
la-Velha ,
Vianna
Vende-se cal vlrgem em meias barricas chegada
ltimamente ; caitas vasias para assucar j una porco
de pesos de ferro, de duas arrobas; serras grandes para
serrar madeira tudo por preco commodo: na ra da
Horda, armazem n. 17.
Vende-se, por preco commodo, urna cama de o-
leo com colxOes e enxergOes, tudoquasi novo; e u-
ma commoda em bom estado, de condui : na ra
da lintiio. iutltO a tviuiirmnliin
A ESTRELLA DA NOITE.
Lindissitna valsa para piano : vende-se na ra da
Cadeia do Recife, loja de viuva Cardozo Ayres & Fi-
lhos: proco, 500 ris.
Excellenle rap.
do
io, junio a lypographia.
ria Vcnd^e um" Plcfi0 <>o Podras de amolar
no eb -francisco : na ra do Crespo, n. 11.
Rita" nU'l8 "*6 Uma p,eU de MSo: rua de 8-
Artia-sc abrrlo utn novo deposito na rua da Crin ,
n. 44, de superior rape*, tanto lino coniogrosso e meio-
grotso de Gasse da Bahia c por multo commodo preco.
Acha-se a venda no dito deposito, c bem assim no
bairro de Santo-Amonio, na lejas dos Srs. Fillppc
de Santiago Joaquim de Abreu, Henriques & Com-
panhia ; Almcida e Campos Antonio Doiniligues Fer-
reira Joaquiui Monteiro da Crus & (.ompanbia ,
Manoel Jos! da Costa Oliveira < odeccira &Gumares;
bairro da Boa-Vista os Srs. Antonio Ayres de Castro &
Companhia Caetano Luir Feri eir ; bairro de S.-Jos ,
os Srs. Joao Jos Pinto de Oliveira, Vicente Jos la-
vares.
Vende-se, no primeiro andar do sobrado n.
da rua do Aterro-da-Boa-Vista, uma arroba de prus-
siato de polassa (cyanoferruro deputanium).
Vendem-se8escravos, sendo: 3 pretas cozi-
nheiras ; duas ditas quitandeiras ; uma mulatinha
de 11 annos; um casal do pretos, por preco commo-
do ; 2 pardos de bonitas Bguras de 18 a 30 annos :
no pateo da Matriz de S.-Antonio sobrado n. 4.
Vendem-so saccas com a'mais superior farinha
que existe no mercado a 3,200 rs. : na rua Direi-
ta n. 9.
Na noite do dia 13 para 14 do corrento mez,
desappareceu da casa de l.ima Jnior & Companhia
um preto crioulo, de nomo F.lias natural da pro-
vincia do Cear peTtencenle a Joaquim Jos Ma-
chado finiente!, da mesma provincia; estatura baixa,
reforcado do corpo, de 25 annos pouco mais on
menos com principio de barba ; levou camisa de
riscadinho e ceroulas do algodfiozinho, chapeo de
palha-usado, e um sacco com calcaste camisa de ris-
cado Recommenda-se as autoridades policiaes e
capitcs de campo sua captura e a pessoa que o le-
var a casa dos nnnunciantes na i'ua da Cruz no
Rccifo n. 28, ser bem recompensada.
Fugio, no dia 18 do prximo passadu, do enge-
nho Congacari, o cscravo Antonio Perciral; repre-
senta 30 anuos do altura regular, corpo reforcado ,
bem fallante ; levou calcas c camisa de algodilozi-
nho ; foi comprado, tendo ebegado ha pouco do
serillo, ao Sr. doutor Alexandre Bernardino dos
Reise Silva: quein o pegar leve ao dito, engenho,
ott na rua Imperial, sobrado n. 3, que ser pago
de todas as despezas.
Fugio, do abaixo assigado, do Forno-da-CM ,
no domingo do Pascua do correlo anno o preto
Joaquim coralgum tanto fula, estatura regular,
nfio he feio de Angola posto que pareca crioulo ;
consta ler andado pelo Recife a dizer que he forro ,
etraz uma caria para moslr..r a quemo quizer pe-
gar ; anda de bonete de panno fino o calcado : qttem
o pegar leve a seu senhor, no referido Forno-da-Cal,
ou nos Quatro-Cantos cm 01 inda toja do Sr. Do-
mingos Jos Alves da Silva, que ser recompensado.
A. Jos de Souza Gpmti.
Fugio, no dia 1S do correnle, um preto, de
nome Caetano crioulo, da freguezia da Muribcca,
com os slgnaes seguintes: de mediana estatura ,
cheio do corpo, espadando, faces grosseiras nariz
chato denles alguma cousa alvos e perfeitos e os
da parle superior meio abertos, olhos naturaes,
oabeoa um tanto grande, cor fula ; tem do lado es-
querdosobreo peito para as costellas uma grande
merca do caustico de pouco tempo, e das costas
procurando as cadeiras, uma marca de menos de
pollegada que parece signal ou queimadura ps
um tanto largos ; be muito fallante, e he provavel
que tetiha ido para as parles de llamarar aondo foi
criado ou para Haria-Farinha ou que se offerec a
a andar em alguma barcaca, pois he canoeiro. 0
abaixo assignado roga a quem o pegar sendo no
Recife, de o levar no armazem do Sr. Jos da Silva
Campos que ser recompensado, e fra da prac
no engenho S -Bai tholomeu, em Muribcca; fugiocom
camisa encarnada e calcas de algodflozinho azul de
listras, chapeo de palha e urna trouxinha em um
lenco vcrmelho. Silvano Thotnas de Soum Maga-
Ihfiei.
IPERN. S HA.TYP. DEM. F. PEFARIA.---- I&47
MELHOR EXEMPU