Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08760

Full Text
,*nno de 1847.
Qunta-fera 8
n DIARIO puUiea-se todos 01 dM, que nSo
-.n R,*iRn;,in'* b de
itoK rs. uo. q"r,el- WJ n.d"":'*dn?- 0 n-
4jiiii v i ,nle, s. i inserirlos a raso de
"""''"orl'n" 4 P *H>rile. as
HrfltreuV-porc^.puWc.0.
PHASES DA LOA NO MEZ DE ABRIL.
M'neoante, a-8, & """ ,arde-
I no ,S> ** ',',^, min" ** ""m11"'.
('"" rtDli',"i *J ''ora* e<" """ cl" anh5a.
I r"cheii; a SO, I > horas e 5 miau, da urde.
PARTIDA DOS CORREIOS. .
Goienna e Paralivha, as segundas e sextas fciru
Rie-Graocle-dn.Norte quimas feirasaomeio-dia
trabo, Serinlietn, II in-Formse, Poito-Calvo
Macelo no l., a 11 e li de cada mes.
Garanliuns e Ronitu. a 10 e XI.
lina-Vista e Flores, a 13 e 58.
Victoria, s quintas feiras.
wua, todos os das.
.. PREAMAR DE I10JE.
Pnmeira, s 10 limase 14 minutos da manlia
.Segunda, s II lloraseis minutos da larde.
de Abril.
Anno XXII.
N. 76.
DAS DA SEMANA.
& Segunda. Jffiff S. Vicente Ferrer.
0 Terra. > S. Muicelliuc
1 Quarta. S. Euifanio.
8 Quinta. S. Amencia. Aud doJ.deorph.,
edo J. municipal 7ZT.
9 Sel. S. Demetrio. Aud do J. ocir. da I.
v. e do J de pai do I. dit. de t
10 Sabbado. S Eiequiel. Aud. do J. do civ. da
I. T. e do J de paz lo' I dist. de t.
11 Domingo. S. Lro Maguo.
CAMBIOS NO DA 7 DE ABRIL.
Cambio solire Londres '/id P- "*
P'ris llora por frauco.
* Lisboa 115 dr premio.
Desc. de leltras de Itoas lirin.s I '/ P-Ve
OuroOucas bespinholaa.... SSjSOO a
a Meadas de Sf too velli. leffuno a
de Oflfll1 nov.. lOOnO a
- .' de I-mili..... '
Pmla Pataces .......
Pesos cnlu ni na res...
Ditos mexicanos...
a Miuda..
9000
l#'ioo a
2M?0 a
ifiail a
U900
. a 00 d-
ao mes,
j|l|no
HlJOO
tefioo
SjlOO
jfojo
IfiltO
i#flto
uajo
A croes da comp. to lliberilie de 50|000 r). ao par.
DIARIO DE PERIirAMBUCO.
PA^TECFFICUL
DECRF.TO.
Tentlo resolvido que o concelheiro Antonio Fran-
cisco de Paula ellollanda Cavalcanti de Albuquer-
que, meu ministro e secretario de estado dos nego-
cios'da fazenda, e interinamente encarregado dos da
niarinba, me acompanhe na digrestjao que me pro-
ponho fazer at a cidado de S.-Salvador-dos-Cam-
pos na provincia do Rin-de-Janeiro : hei por bem
que' dos negocios da primeira das, indicadas repar-
tices nesta capital, durante a minha ausencia, fique
incumbido o concelheiro Joaqun Marcellino de Bri-
' o, meu ministro e secretario de estado dos negocios
Jo imperio ;e que dos negocios da segunda, fique
pelo msino modo incumbido o concelheiro Jugo
Paulo dos Santos Barreto, meu ministro o secretario
do estado dos negocios da guerra. Antonio Francis-
co de Paula e HoTlanda Cayalcanli do Albuqucrqiie,
do meu concollui, ministro e secretario do estado
dos negocios da fazenda, o interinamente encarre-
gado dos negocios da marinha, assira o tenba enten-
dido e faca cxcctilarcom os despachos necessarios.
Palacio do Itio-de-Janeiro, em 10 do marco de
1847, vigesimo-sexio da independencia e do impe-
rio. Coma rubrica de S, M. o Imperador. Anto-
nio Francisco de Paula e Hollando Cavalcanti de Al-
buquerque.
Communicou-se aos Senhores ministros, conec-
lheiros de estado e presidentes de provincia.
MINISTERIO DO IMPERIO.
Por decreto de l* do correle (margo),foi nomeado
groo-cruz da ordem imperial do cruzeiro o marquez
de Marica.
MINISTERIO DA MARINHA,
nhLACAfi dos n/ficiaes da armada nacional e imperial,
promovidos por decreto de H do corrtnti jnar-
f, aos posto* na mama declarada.
Para cht fes de esquadra effeclifos:
Os chotes de esquadra graduados JoSo Taylor e Jo-
s Pereira Pinto.
Para chefes de divisto graduados:
Os capitiles de mar e guerra e'Tcctivos Francisco de
Assis Cabral e Teive, Flix Joaquim dos Santos Cas-
silo, Barlholomeu Hayden, GuilhermcEyre, Jos Joa-
quim Raposo, Antonio Pedro deCarvalho, Joflo Fran-
cisco Regis e Pedro Fcrrgira de Oliveira.
Para capitflo de mar e guerra effectivo :
O capitflo de mar e guerra graduado Francisco Mi-
guel Pires.
Para capitSesde mar eguerra graduados:
Os capilfles de fragata eafectivos Filippe Siiort, Ro-
drigo Theodoro deFreitas, Pedro da Cunlia eJoaquim
Marques Lisboa.
MINISTERIO'DA GUERRA.
urci.AQAo dos despartios que baixram pela secretaria de
estado dos negocios da guerra no fausto da 14
de marco de 1847, annicersario natalicio de 5.
N. a Imptralriz.
Para concelheiro-do guerra:
O tenente-geneml graduad Francisco de Paula c
Vasconcelos, vngal do concelho supremo militar.
Para inarechaes de campo graduados:
Os brigadeiros Joo Carlos Pardal e Francisco Xa-
vier Calmon da Silva Cabral.
Para brigadeiros efTeclivos:
Os brigadeiros graduados Joa Fernandes dos San-
ios e Firmino Herctilano le Moraes Ancora.
Para brigadeiros graduados:
Os coronis Vicente Antonio Buys, Manoel Marques
de Souza o Joflo Feliciano da Costa Ferrcira.
Para coronis elleclivos:
Os coronis graduados do corpo de engenheiros Jo-
s da Cosa Azevedo, Patricio Antonio deSepulveda
Everard, Pedro de Alcntara Bellegarde, e o coronel
graduado, commandante do 4. batalhgo de fuzilei-
ros, Vicente Paulo de Oliveira Villasboas.
Para coronis graduados:
Os tenentcs-coroneis do corpo de engenheiros Jo-
s Pedro Nolasco Pereira da Cunha, Felfcio Fortes de
BustamanteS eJeronymo Francisco Coelho.
Paia coronel graduado do estado-maior da primei-
ra classe:
O tenente-coronel do infantaria barflo de ltapicu-
rumerim.
Par* tenente-coronel elTectivo:
O leneute-coronel graduado do corpo de engenhei-
ros Manoel Estanislao do Castro e Cruz.
Secretaria de estado dos negocios da guerra, em
1* de marco de 1847. Francisco de l'aula Vieira de
Aevedo.
INTERIOR.
coBBZSFoaroEaroiA so JoaVAi. so commercio,
Viagem de. S. wW. o Imperador.
MACAB', 21 DE MAQO E 1847, PEJ.A UMk HOaA
DATAHOB.
Desde o anno prximo passado qnoS. M. tenciona
visitar a cidade de Campos dos Goytacazes e dille-
rentes villas da provincia, nSo s para ler o prazer
de coDhccer os seus fiis subditos desU bella poreflo
do iinpeiio, como, para com seus proprios olhos e
pers|iicacia ver e observar o canal que tem do con-
sumir ayudadas sommas a provincia, e sobre o qual
varios juizos tee apparecido.
Como por diversas circumstancias nao pode effec-
tuar-se a viagem em novombrode 1846, determinou
S. M. queasua partida tivesse lugar em margo do
correle anno.
Em consequencia do estado avanc.ado de gavidez
deS. M. a lmperatriz, nflo pode a mesma sonhora a-
compauharo sen augusto esposo, separagflo assaz
dolorosa para ambos, e privaclo irreparavel para os
Campistas que, cheios de enlhusiasino e dedcatelo,
esperavam tambem ter a disliucta honra de beijar a
inflo a sua augusta soberana.
No da 20 de margo, pelas 8 horas da manhfla, S.
M. o Imperador, banhadoem lagrimas, dirigi a sua
augusta esposa um adeossaudoso, o apenas teveco-
ragem de abracaros seus augustos lilbos, de quem
so separava cortado de saudades.
Nem menos custoso foi sem duvida para o bom po-
vo fJuminenso esta ausencia temporaria do seu mo-
uarcha, a quem por tantas vezes tem dado pravas
de amor e de adhesfio. Mas este mundo he um syste-
m'a decompciisacOcs. Os Campistas, chelos de ale-
gra ende onthusiasmo, vflo gozar da. presenga do me-
Ihordos monarchas, eos Fluminenses, tristese peza-
rosos, estflo privados do objecto da sua adorogao.
No da 20 ilo margo, S. M. I acompauhado do
Exm. ministro da fazenda o 8r. Hollamla Cavalcan-
li, do presidente da provincia o Sr. Aureliano de
Souza e Oliveira, do camarista o Exm. Sr. Candido
Jos de Araujo Vianna, do guarda-roupa servindo de
mortlomo o Sr. Manoel Hygino de Figuoiredo, do
medico ta imperial cmara o Sr. Dr. Joaquim Vi-
cente Tones-llomem, edo estribeiro menor o Sr.
Antonio Pedro Teixeira, chegou s 8 e meia da ma-
nhfla ao arsenal de marinha, ondeseachava inmen-
so concurso decidadflos de todas as classes, para ter
q honra de despedir-se de S M. Concluido este acto
locante, S II., acompauhado dos seus criados, om-
barcou na galeota, e dirigi -se para o vapor S.-Sol*
vador.
A's 9 horas chegou S. M. a bordo, e neste curto
transito salvaran! asembarcages de guerra e nacio-
naes. Aochegar abordo, ingou. so o estandarte im-
perial que foi saudado com 21 tiros pelas fortalezas
e mais vasos do guerra. O vapor S.-Salvador, une
conduzio S. M. a Macab, foi olterlado para esse um
pela conipanhia dos paquetes, que muito so esmorou
em torna-lo digno do imperial vianjante. S. M. I.,
scnsivclse.mpre aos obsequios quo recebe, manifes-
tou-se peitliorado por altengfics Iflo deliradas.
A's 9 cineia parti o vapor. O tnar eslava um tan-
to agitado, e na altura das illias de Marica principou
S. M aenjoare foi obligado retirar-so para o seu
aposento, onde esteve constantemente ate chegar a
Macah.
as ilhas de Marica, onde passou o vapor as II i,
achava-se sobro a vela o biigue Capibanbe, com-
niandado pelo capitflo-tenente Menezes; este vaso
salvou, embandeirou-Seeseguio o vapor. Na altura
da Ponta-tNegra, onde chegou o vapora 11 da tarde,
eslava a corveta llertioga, cominaudada ptlo capitflo
de fragata Tavares: salvou e seguio igualmente na
esleir do paquete.
Kra uitengo do S. M. Tundear ao anoitecerem W-
bo-rrio, nflo s para ver loda a costa, como porque
nada adianlava em chegar antes de amanbecera bar-
ra de Macab. A noito toinou-se, porm, tflo escura o
tempestuosa que so julgou mais prudente nflo pro-
curar a enseada de Cabo-Frio, quando pelas 8 horas
da noite chegou o vapor aquella altura. Como de
nada servia seguir viagem a tal hora, fui posto o va-
pora meia frga e aproado ao mar aleas 5 horas e
meia da madrugada, e tiesta posigflo senlia-se Iflo
poucoosseus moviniontos que S. M. suppOz estar
Tundeado. A's 5 i principiava a raiar o da e o lempo
linba mclhorado. Pz-so entflo o vapor a caminlio
com loda a frga em dirccgflo a Macahe, e pelas 8 ho-
ras-da manh.la avistaran! as ilhas do Sanla-Anna, u
paquete de vapor S.-Sebatlido o a corveta D.-Francis-
ca. O paquete linha sabido do Rio-de-Janeiro seis
horas depois do S.-SaiWfor.para o acompaiihar co-
mo guarda de honra, e linha sitio obrigado a parar
lambom na altura do Cabo-Frio por causa dotompo
A corveta I).-Francisca, commandante Lobflo, aguar-
dava na altura das ilhaso vapor S.-Salcador para an-
nunciar com o estrondo do seus canhes aos habitan-
tes do Macah a approximagao do S. M. I. Abarca
Urania, que acompanhava 0 S.-Sakador quando sa-
bio do Santa-Cruz, ficou pela popa em distancia tal
que se perdeu de vista na altura do Marica.
A's9 horas c4A minutos da manhSa dodia 21 deu
fundo em Macah o vapor S.-Salvodor, o inmediata-
mente cuuiparcceu a bordo o Sr. Jacomo P.atlon.vi-
co-consnl de Franga, para compritnenlar a S. M. Va-
rias deputages se diiigiram a bordo; mas como S.
M. ncnmmodadopeloenjO, resolver desembar-
car sem demora, j o encontraran viudo para lena.
Seguiram entflo os escaleresa galeota, e o desem-
barque leve lugar 8s II horas do da no trapiche do
Sr. Jacomo Ralln, por ser o lugar o mais fundo
Dosle edificio, que se achava elegantemente ornado,
parta um lussadigo entapetadoquo ia ato a casa da
residencia te'S. M. Oslados achavam-se guarneci-
dos de guardas naciouaes, commandados pelu com-
mandante superior o Si coronel Gregorio Francisco
de Miranda, que, com um piquete de civallaria, coto
o chefe de legifio, o barflodo Araruama e todo o sou
estado-maior, tinha vindo de Campos para esperar
S. M. em Macah.
Ao desembarcar S. M., quatro meninas Iho langa-
ram filores, o Sr. Das da Molla e toda a deputagao
da assembla provincial, que nesse lugar esperava o
monarclia, deram repetidos vivas que foiam respon-
didos com enlhusiasmo pelo povo, em cujos sem-
blantes se dfvisava a maior alegra ao ver pela .pn-
meira vezo monarcha brasileiro. S M. tlelerminou
receber a 1 hora da Urde as diversas deputages que
teetn de o comprimeaUr; a primeira que 5e apresen-
__________________!' ,
tou foi a da assembla provincial, dirigindo por in-
termedio de seu orador, o Sr. Dias da Molla, o dis-
curso que junto Iho remello. Seguio-so a cmara mu-I
nci MI, o juiz de dircilo o otitras autoridades.
S. M., ebeio de Ihanczae altabilidade, a todos se
irigia questiouandu a uns e nfonrtando-sa de un-
iros sobro variados objeclos 0 Sr.' Francisco Do-
mingues de Araujo, que levo a honra le hospedar a
S. M. receben do mesmo augusto senhoros agra-
leeimentos pela elegancia que reinava em todo o a-
posento.
s. M. tenciona sahirsS horas da lardea cavallo
para passear pela cidado e partir para Campos ama
nhfla, 22, polo canal.
S. M, goza de perfeita sade.
DISCURSO no OBAItOR DA ASSBUBLB'A PROVINCIAL.
Senhor. Desejoso de conheccr pessoalmonte
as provincias do meu imperio, lonciono visita-las
opportunamente, e confio quoesla resolugflo prcen-
che "a os \nins do pail eo do seus representantes
Taesforamas paternaes o memoraveis palanas,
que V. M. I. so dignan do proferir por occosiflo le
encerrar as cmaras legislativas om o auno de 1845.
O Rrasil inteiru as ouvio cheio d<: enlhusiasmo, e
caila urna ile suas provincias desejou ver ebegadu o
momento de san lar o lillio augiisln do fundador do
imperiu, t|iie Iflo joven anda tantas prnvastom ja da-
do de amor aos povos, cujo governo Dos o a unni-
me acclainagflu delles Iho ha confiado.
Pnuco mais de um anno tem decurrido, e j tres
provincias receberam honra muito tlislincla de ser
por V. M. I. visitadas; e seus habitantes, Senhor, nflo
cessam do com memorar a alTabilidade, munificencia,
e ludas as dentis virtudes que em gran muito subi-
do caraclerisam a sagrada pessua do V M. I
Por mais de dez annos estovo basteado o negro
pendflo da revollu na provincia de S.-Pedro do Rio
Grande-do-Sul; por mais de dez anuos Imam seus
campos la huios pelos horrores da guerra civil: o mo-
mento chegou oin quo, triumphando as armas da li-
galidado, o imperio das leis rcassumio seu predomi-
nio. Ao estridor das armas o ao furor los cmbalos,
succedeu, porm, aquella formentaefloaurda, aquello
eslailo anormal, o udiu e u rancor", q'iie soom appa-
recer quando a sorle das armas tem dividido um pu-
VI. em vencedores c venc dos.
V. M. I. desembarcou na provincia do S.-Pedro do
Rio-Grande-do-Sul, os resenliinentos foram esqueci-
dos, os odiosarrefocerain, vencedores c vencidos se
deram as oaos, o, com os coragrtes repletos do rogo-
sijo, victoriarain a V. M. I. anjoda paz, iris de bo-
nanga.
Paixdes excitadas, dissidencias polticas baviam
posto em conllagrago a provincia de S.-Paulo. I.
tambem houvo vencedores e vencidos, tambem odios
que pareciam querer perpetuar-se; vencedores o
Vencido* se fundiram, ao rancor dos partidos succe-
deu a reconciliagflo, e nos corago* los descendentes
de Amador Bueno da Hibeira reverdeceu e brilbou
fulgurante o amor cfidelidade ao seu soberano.
Por toda a parto, Senhor, deixou V. M. I. longa es-
leir de beneficios que nunca serflo olvidados, t) <:ul-
toc inslrucgflo publica, o comtnercio, a agricultura
e eslabeleci'meutos pos receberam vigoroso impulso,
o cofre precioso das gragas galardoou o mereciinen-
lo, o desvalido recobou lo bolsinho imperial pflo o
vida, e o piauto.da desventura o desesperagflo foi
trocado pelas lagrimas to rcconhocinicntoc da ale-
gra
A provincia do Rio-de-Janciro, Senhor, cujos brio-
sos habitantes jamis deixarlo em lempo algum do
dar as mais exuberantes provas do amor o lealdade a
pessoa excelsa de V. M I o as insliluigOes juradas,
so extasa boje diante da graga que V M. I. Ihe ou-
lurga, visitando alguna do seus municipios, e Iho he
summamenleagradavel quo V. M I. passando pela
cidade le Macab c dirigiudo-se a de Campos tos
Goilacazes, possa ver aquello de seus inelboramen-
los matoriaes, queda respectiva assembla o to go-
verno provincial tem merecido o mais efflcaz apoio,
melboraraonto que, pqndo ocommercio de cabota-
gom a cubera das vcissiludes c pe igos inseparaveis
Uasviagensde mar, muitu contribuir para quo a
provincia do Itio-de-Janeiro chegue ao grao de pros-
peridadeaquo tem direilo ja nflo s pela amonidade
de sou clima e ferlildade de seus terrenos senflo
lambom pelo geniu industrioso do seus habitan-
tes.
A assembla legislativa da provincia quizera, Se-
nhor, comparecer loda afim de beijar a mflo augusta
de V M. I.: achaudo-se, porm, en> poca por le de-
signada para foiicciouar, ella nos enva em respeilo-
sadepulagfloa V. M. I. para cuuiprirmos a honrusa
missflo de reliciura V. M. I. e reiterar os protestos
de firme adhesfio e lidelidade, quo aV. M. I. consa-
gran! lodosos seus mombros o os habitantes da pro-
vincia que ella representa.
Cidade do Macab, 21 de margo do 1847.
Fernando Seiiaslido Das da Molla.
FSPOSTAUaS V: OIMPKI1ADOR.
Ile-me muito lisongeiro ver que a assembla le-
islativa provincial do Itio-de-Janeiro procura todas
ss occases do manileslar a sua lidelidade o amor a
milina pessoa. US sentinioiilos da provincia me sflo
suniinameiile gratos, e na viagem que vou fazer por
aluunsde seus mais bellos municipios anida com
mais aflinco me dedicare! ao estudo de suas necessi-
dades o recursos, afim de podor molbor coadjuva-la
na carreira do prosperidade o engrandec meu lo que
tanto merece.
MACAH, 81 DE MARgO, A MEIA KOlT.
Na garla que Ihcscscrevi boje al hora da tarde ds-
se ludo quanlo sobre a viagem de S! M I. tinha oc-
corrido at aquella hora. Continuarei agora a minha
narragao.
i
ja ni a r aoSr.bar.1o de Araruama, e ao dono da casa
que serve de residencia imperial, o Sr. Francisco Do-
mingues do Araujo, bem como n seu filho.
s 4 horas S. M acompanbado to Exm. ministro
da fazenda, presidente da provincia, camarista, guar-
da-roupa, medico, juiz dedireto, alguns vereauores
da cmara municipal eoults ciilailflos, saliio a ca-
vallo a passear pela cidade, o lia sua passagem rece-
beu repelidos vivas da pnpulaglo, quo, npinhada as
rhiise janellas,sauilavam oinonareha. Militassenho-
ras ricamente adornadas langavam llores dasjanel-
las; e a todas estas lomonstrac}cs do cordial alegra
correspondas. M. com a maioraffahilidado, tendo
piulada em sua nbysionnmia a salisfagflo que Iho cau-
sava tflo entbusiaslica recepgflo.
S M. visitou a fortaleza que se acba ao sul da bar-
ra : este forte, alias bem situado, aclia-se em estado
tal, que mal podo dar as salvas du alegra; tem s se-
te pegas, oessas velhas o carcomidas. Apezardasre-
clamages do sen veterano cotnmandanto oSr. Ri-
cardo Antonio da Costa llibciro, nflo lia all songo
um pequeo paiol cobcrlo do palba, duas ridiculas
casas pai a o destacamento, e urna tenda de 4 varas
to lona, que colina alguns liareis de plvora : o bom
do vellio declarou que essa mesma robera Ihe fdra
dada de presente. O ar decidido do goveruador, a sua
franqueza nos discursos, e o garbo com que ofere-
ceu a S. M. as chaves da fortaleza fez lembraf a al-
guns oanlgn Porluguez Martim do Fretas, quo, de-
pois do verificar a niorte de D. Sandio, nflo duvidou
entregar as chaves docastHlo aoseu successor.
Depois de um aturado exame do ludo quanlo all
exista, S. M. sedrigo aoallo de urna monlanha on-
de ha una igreja dos jesutas, que loria cahido em
completa ruina se os devotos le Santa Anna a nfio ti-
vessem reparatlo. He na resudado desse lugar quo se
goza da vista a mais encantadora; dalli so descobre
toda a cidado de Macah, que, comegando a fiorescer
ha poucos annos. conten hoje numerosas casas, e al-
gumas de bom gasto: Urna lingoeta de trra que so-
para incompletamente o mar do rio quo banha as
proias da cidade, o matizado da vasta enseada, as
inonlaiilias mais ou menos elevadas cobertas do ver-
des reivas encantan) na roalidadoa vista do obser-
vador.
Depois de so demorar perto do igreja por algum
lempo, S. M acompauhado por um concurso im-
inonsudocidailgus.de todas as classes, regressou a
sua nabitagflo pelas 5 horas e meia da tardo
As 6 I 28. M. debaxo do pallio, sustentado pelos
vareadores, dirigio-se a nina capolla emeasa parti-
cular, para assistir aoTe-Oeum oouvir osermilodo
Itev. vigaro o Sr. padre Jos Antonio Oliveira Paca
l.eitflo. Digo capolla, parque em urna cidade tgo
populosa como osla, nflo ha urna igreja onde se cele-
brem os actos religiosos. Osermflo foi anlogo ao
objecto, breve e bem recitado.
Concluido osle aclo rejgoso, S. M. voltou ao pago,
acoinpauliadu por numeroso concurso de povo, qu
de distancia em distancia dava vivas aS. M. o Im-
perad ar, aS. M. almperalriz e aos principes impe-
riaes.
O prstilo teve do passar pela ra da Praia, elegan-
tomonlo illunijnada, c por umareo collocado perto
da residencia imperial.
Alm deslo arco, havia maisdous, cuja illuminae,go
conlrastava com a da cidade.
Ao chegar a palacio, foi S M recebido com repeti-
dos vivas, tocando as bandas de msica do batalhgo
dt fuzloiros oda corveta D.-Fnneise o hymno na-
cional o varas pegas do mellior gusto.
uranlo tuda a nono esleve o pago imperial cerca-
do de ge le, que nflo so saciava de olbar para o mo-
narcha, que, cheio de bondado, se moslrava nsonho
e agradecido aos Maeabenses. Ao lado esquerdo da
residencia imperial achava-se bem Iluminado tanto
o trapiche do Sr Ralln como a lea porondo passot|
S. M. quando desembarcou. .
,t guarda de honra a pessoa de S. M. foi feta pela
cavallaria o infantaria da guarda nacional, que se
apreseulou com docencia.
b i o-1 ):-7 ii i uo.
NOTICIAS DIVERSAS.
Ilontom (15 de margo; iguu a corveta nacional
Uetioga a insignia doSr. chefe docstiuadra iow Pe-
reira Pinto, na qualidade do commandante da d.v.sflo
naval quo tem do aconipanhar aS. M. olmporador
* Catecebram-se hontem (26 do margo) noticias de
S. M. o Imperador. A' carta que publicamos do nosso
correspondente temos de accrescenlar que MM-
tio do Macab no da 22, as seis ''ura* ," maa"''^
gZmTttwSaBfUJi
As3 lioru da Urde S. M. se diguou convidar para'perio
^Uo Brrelo seguio S. M. em carruagem para a U-
zcad urobaba, propried.de do lenente^jcoro-
e Joaquim de Souza Me.relles, onde S.M.fo.reoe-
Lidocoin o maircnlbusasuio.oonde. se dignou acol-
lar o sumpluoso almoco quealli Ihe eslava prepara-
do A mais de m.io caunuho entre o Barrlo eJuru-
baiiba enconlrou-sc um grande lamagal, e nflo pu-
dendo passar all a carruagem, mootou S.M. a ca-
vallo e parti a galopo, podendo acompanha-lo so-
meute os Sis. ministro da marinha e o Dr. Torrea-
llomem. ., '
De Jurubatiba sanio S. M. na tarde do da 22 para a
azenda do Quigaman, propriedade do bario de Ara-
ruama. No dia 24 tencionava S. M. fazer a sua en-
trada em Campas, onde daria beijamflo no da 25,
aniiiversario do juramento da consUtuicao do im-

MUTILADO



Festejou-se hontem (14 de margo) nesta corte o
anniversario natalicio do S. M. a' Imperatriz.
Houve cortejo no pago da cidaile : as fortalezas o
as embarcares de guerra nacionaes e estrangeiras
surtas no porto emhandeiraram e salvaram as horas
docostumc, oSS. MM. II. assisliram om grande gala
represen tcito de Beatriccdi Tenia, no thetro de
S.-Pedro-de-Alca niara.
Foi-nos conimiinicada urna carta particular,
vinrta d Liverpool, que diz que lord Howden oi no-
meado ministro plenipotenciario do S M. B. junto a
esta corte.
OSr. Joaqnim Teixeira de Macedo foi agracia-
do com o olllcialato d rt>s.
O Sr. Dr. Diofenbaoh fol nomeado cavalloirn da
ordem imperial do cruzeiro, e o Sr. Joito Diogo Slurz
cavalleiro da de Christo.
OSr. Pedro Carvalho de Monea foi nomeado
encarregado de negocios do Brasil om Borlim.
Hontem (25 dedo marco) anniversario dojura-
monloda-constituican do imperio, reuniram-se em
grande parada no largo do Paco os corpos da guar-
nieflo'i' da guarda nacional, cstiveram cmbandeira-
das o deram as salvas do cosime as fortalezas o os
vasos de guerra nacionaes o estrangeiros surtos m>
porto.
S M. a Imperalriz dignou-se receber na quinta da
Boa-Visla as umitas pessoas que all compareceram
para terem a honra do beijar a mito a S. M.
Pelo ministerio da marinha, mandou-se dar
baixa ao patacho Camafty que se nclia no Para, e
condemna-lo, a visla do resultado da vistura a que
so proceden no dito patacho;'devendo ser distribui-
da a guamicilo polos outros navios, a exeopc;to do*
olTiciacsqiicoxcederem as lotaces, os quaessero-
colherflo logoa esia corle.
Pelo mi'sino ministerio ordenou-se que a canhonei-
ra Cahy soja armada eir, transporte, alim de partir
para o Para dsposictodo ministro da razenda.
foram Horneados para, por parte da assemhla
provincial do Rio-dc-Janeiro, receberem esaularem
em Macah a S. M. I. os Srs. deputados. Fernando
Sehastiflo Das da Motta, Danto de Lagos, Jos de As-
sis Alves Brauco Monz Brrelo, Jos Augusto Gomes
dcMcnezes, Itaphael Pereira de Carvalho e Antonio
Manol Fernandes.
Por decreto de 18 do corrento (marco), foi o Sr.
l>r. Luiz Pedrcira do Coutn Ferraz exonerado do car-
go de segundo vice-presdenl da provincia do llio-
do-Janoro, ecm seu lugar nomeado oSr. Dr. Jos
Manada Silva Prannos.
OSr. commendador Jos Antonio Moroira foi
agraciado por decreto de 1 i do correle (marco; com
o titulo de barito de Ipanema.
Temos de lamentar mais um desasir prnduzi-
do por urna exploso de gaz, e devido, como lodos
os mais de que havemos dado conta, a um descuido
indesculpavcl.
Do theatro da guerra nada ha de novo qanto a o-
perac0es;fa7iam-si', pnrm, grandes prc|>arativos da
parto dos Estados-Unidos para dar um golpe decisi-
vo. Km New-Orh-ansestavam a embarcar tres regi-
mentse um parque de ohuzes com dreccto a Tus-
man, onde fariam junccflo com seis rogimertosque
ja lli deviam ter chegado. Nflo so sabia com corteza
o seu destino futuro, mas presnmia-se que marcha-
ran) directamente sobre o Mxico porGuanchinago,
Papamla-Apan e Tezano, distancia de 250 milhas, e
queo general Scott, que commandava em ehefe as
forcas estacionadas desdo Montercy al Saltillo, a-
vancaria simultneamente sobre S -l.ui/.-de-Potosi.
Cria-segoraloiente que Sanl'Anna, saliendo que
marchavam 9,000 homens do Tusman, nlo aceitara
aceito em Potos e se retirara sobre Queretuvo e Tu-
laezngo, para oppor-se di visito di Tusman e co-
nnra capital. Os Americanos contam, porcm, desa-
lojar Sant'Anna do Tulaezingo e ohriga-Io a retirar-
se sobre Tezano, a 50 milhas da cnpilal. No cnlre-
tanto marchar rpidamente o general Scott sobre
Maconi. Chico e Roal-dftl-Mont, Pachuca oOtumha,
jma
i com
donde far juncc,to em Tezano com a divisito que a-
vanca de Tusman, ou marchar por um movimcnlo
de flanco sobre Istbalmaca, dsta'nte 15 milhas da
capital.
Tal parece ser o plano de campanha adoptado pelo
governo americano, o do qual espera grandes resul-
tados.
Do Mxico ha noticias at 31 de dezombro. Gmez
Furias preslou juramento na qualidado de vico-pre-
sidente .e tomou as redeas do governo na ausencia de
Sant'Anna. Foram Horneados : ministro da guerra o
general Canalizo, ministro da fezenda o Sr Zubieta,
e ministro dos negocios eslan ge i ros o Sr. Ramrez.
Todas estas unme.icocs foram felas ai inlerim.
Continuavam os embarazos fnaneciros eas preci-
sOes do exercilo. O Sr. Lnperena havia sido aulorisa-
doa enntrahir um emprestimo de 20 milhOes de pe-
sos em Inglaterra.
Voil coiihik- on ccril l'lilstoirc
O Werkly Uerald do New-York, do 16 dejancro.dan-
do conta da desintellgencia occftrrida cutre o gover-
no imperial e o ministro plenipotenciario dos Esta-
dos-Unidos, diz que por occasiito do baptizado da
princeza a Senhora D. Izabol recusara o commodore
llousseau salvar, e accrescen.ta o seguinle :
Em consequencia desla mauifestacjto de falta de
respailo i apresentou-se urna resolueito na cmara
alta do parlamento brasilciro para a immodala ex-
puhtfto do commoilore llousseau das cosas do Brasil,
dando-se-llio sois horas para partir. Esl resolucao
foi rejeilaila na outra carilara ; em consequencH do
que, deram a sua demissito nimios membros da c-
mara alta !.". .
Whalnext?....
Recebemos hontem (I5de marco) folhas do Ca-
de adulaces ao amo quelhes'faz representar u
p'rca indigna ; nao foi senSo a ropoticno do quo c
igual motivo dissoram nos annosanterioros.
Se ha ainda quem ignore quaes sojam, as ideias
do dictador do Buenos-Ayres a respeilo dos estran-
geiros lea o discurso que pronunciou o doputado
Torres nessa occasiito Torres e os mais deputados
nito silo senito o echo de Rosas ; completam e desen-
volvem em seus discursos as ideias que Rosas indica
apenas nassuas monsagens as palavras do dicta-
dor entrev-se o odio reconcentrado contra o eslran-
geiro, mas as de Torres ostenta-so esso odio em
toda a sua implacavel ferocidade.
Rosas manifesta peloorgSo desse seu deputado
que se a Europa desiste das vistss de conquista quo
so elle Ihe altribue, lio porque nito p6de roalisa-las.
Quer dizor que se as potencias interventoras fazem
a paz he porque nito pdeni v.inc-lo. Pensem, -pois,
todos os estrangeiros no futuro que em Buenos-Ay-
res Ibes est reservado se se nalsarom as esperan-
zas de Rosas. Os estrangeiros nito sonto all ami-
gos, serito inimigos vencidos, sobre quem pesar o
odio sclvagem que Rosas nito cossa de excitar contra
ellos na imprensa, na tribuna c em todas as partes.
O deputado Torres que ifio amigse mostrados Tac-
tos, aprsenla em suas palavras arealidade dasopi-
nfles do governo actual de Buenos Ayres a respeilo.
dos estrangeiros Na bocea desses barbaros a pala-
vra americanismo nito significa amura patria, mas
sim aversfto a quem lio de fra. Pretende rodear o
seu paiz de urna barreira impenctravcl por onde nilo
possa sabir nunca o selvagsmo dos Pampas, nem
fpenetrar jamis a civilisaQlo da Euiopa! Pretendo
insensata por certo, mas que se sustenta cusa de
milito sangue, do muitas lagrimas.
Em I-nlrerios tinham-se tomado muitas medidas
conlra o commercio e bandeira deMontevido. Por
decreto de 10 lo feveroifo foi prohibida a entrada
de embarcafcs com bamleira do governo de Monte-
video, e estatuio-seque so scriam admitlidas as fa-
zends re-exnortadas daquclla pruca, que apresen-
tassem carta de guia do general Oribe.
O general Corbalan, primeiro ajudante de campo
do general Rosas o depositario de ninitos dos seus
segreilos, fallcceu em Bucos-Ayres no da 9 de fc-
vereiro.
No din 2* de fevereiro ficavam as on$as em "Bue-
nos-Ayres a 32 pesos.
[Jornal do Commircio.)
ficando o moco queiaiado no peito e as costas. O
ferimenlo nao deixa de ser grave ;. mas consta-nos
que ha esperancas de salvar o ferido.
Do Weekly Herald do New-York de 28 de Janeiro
transcrevemos o seguinle paragrapho da suaco'ios-
pondencia de Washington com data de -.5 do msuio
mez, sobren desinlelligencia com oSr.Wise.
A queslao com o Brasil aprsenla, coluo j disse,
toda a probabilidade de arranjar-sesem dilh'oiildado.
Omiuistro brasilciro teni litio ficquenlesentrevistas
com o Sr Buchanan, eludo tende para a terminacho
feliz da disputa. Tanto o Sr. Wise como as autori-
dades brasileas se nioslr.uain um pouco assoma-
dos, cosos lodos da honra nacional, que entende-
r m estar comprometida. A principio apresentava
a queslito um aspeclq_desagradavcl; mas as coiife-
rencias que depois (iveram lugar enlrc o nosso se-
cretario de estado e o ministro brasilciro collocaram-
aem um p que faz esperar um ajuste amigavel. a
Temos noticias do Paraguay at 8 do passado
(cvereiro). OSr. Pimcnta Bueno,, oncarregado de
negocios do Brasil naquella repblica, obteye licen-
ca do governo hnperial para vir acorte, e devia sa-
bir da Assumpciio no dia 10. Fiea encarregado inte-
rinamente da legac\to oSr. Albu'qucrque, addido de
primeiraclasse.
Em consequencia dos aconlecimentos de Corrien-
tes, cortn o presidente do Paraguay toda a commu-
nicacjlo com aquella provincia ; mas he destituida de
todo o fundamento a noticia viuda por Montevideo
de quese tinha mandado sahir do Paraguay a todos
os estrangeiros Nenhuma medida se tinha tomado
contra ellos; anles continuavam a receber do gover-
no a mais ellicaz proteccSo e da populacito o melhor
acolhimento.
O exercito paraguay, em frc,a de 8,000 homens,
eslava acampado na costa de Tebicuary, (lisiante 25
legoas da capital.
Acompanha o Sr. Pimcnta Bueno um filho menor
do presidente Lpez, que vem educar-se nesta corte
Recebemos hontem (22 de marco, folhas de
Montevideo at 11 do correte.
Tinham sabido do Cenilo 500 homens para refor-
far os 600 que o chee oril.ista Barrios tem as Minas
alim de alacarem a praca de Maldonado. Aquello pon-
to achava-se guarnecido por 300 pravas de linha de
Montevideoe igual numero de paisanos armados- e
no dia llsahiram do Montevideo 200 soldados com
vveres e munieOes para reforvarem a guarnicao
A colonia eslava sitiada, mas parece que nenlium
receio havia de que fosse tomada. '
O general Rivera ficava anda om Marlin-Garcia dis-
ciplinando os restos das forcas que operaram no U-
ruguay, equesediz nionlain a 1,000 homens. Oco-
ronel Pozlo ilevia sabir de Monleviilo no da 13 pa-
ra aqnella ilha, alim de concertar com o general al-
gumasoperac;0es.
Por drerelo de 19 ilefeverero foi exonerado o ge-
neral Rivera do conimando em chefe do exercito e
nomeado inspector geral do mesmocom commissao
especial de formar a divisao do Hi ugay, licando per-
tencendo a direccito da guerra ao ministro da respec-
tiva repartcao.
O sr. D. Santiago Vasques foi nomeado ministro
Plenipotenciario da Repblica Oriental junto ao go-
verno imperial.
De Buenos-Ayres alcan^am as datas al 4 do cor-
reiiie (marco;. Nada havia occoirido de novo. As on-
as hca va m a 328 pesos.
O brigue de guerra americano Baimbridge devia
da .heHM.HleVll01para f le;,ort0 2* "ras dopo s
o iSf ctre3,?,"616 'n8'eZ ^ Sahd d Rio
i?..7.ReC,?be!no,i honlc,n de marco) folhas dos
Eslados-Un.dos ale 30 .le Janeiro. A amara ,los re-
presentantes tmliH aulorisailo o governo para roolra-
iiiruiu emprestimo de 23 milhOes do peso, o a le
eslava em discusso no senado.
O Botton Wliig do dia 9 transcreve do Sun de New-
York o artigo seguinle:
As nnssas- dilliciildades com o Brasil foram, se-
gundo somosinformados, salisfactoriamenteairan-
jadas pelo nosso'mmistro de i-slado o Sr. Buchanan
o pelo Sr. Gaspar Lisboa, ministro brasileiro em
Washington. Os despachos queconlemascondicOes
do ajuste, rito, segundo se diz, no transporte Nor-
thumpton, que sahir dentro de um ou dous das.
Do Iheatro da guerra nada ha do novo quanto a
operacoos. Pelo lado do Rio-Grande conservavnin as
forcas americanas as posicOes que de ha multo oo-
cupam desde Matamorasal Saltillo,e o general Tay-
lor achava-se em Monlereyi
As tropas destinadas a operar sob as ordens immo-
(liaias do general Scott, boje commandanle em cheo
do exercito, concentravam-se rpidamente em Tam-
pieo. O general eslava ainda em Brazos-Santiago;
mas presumia-se que partira dulid de poueosdias
para por-so frento do exercito A opiniao geral na
dala das ultimas noticias era que o general Scott
abrira a campanha pelo ataque de Vora-Cruz.
O vapor (incinnali, quo con. duas companhas de
linhiio duas pecas sedeslnava a una expedictocon-
tra Solo-la-Marina, perdeu-se 25inilhas ao norte de
lamico.
Do Mxico alcancam as noticias a 11 do Janeiro
Nodia 9approvou ocongresso, aps una dscusso
tormentosa, a primeira p.irle da lei queautorisa o
governo a conlrahir um emprestimo de quinze mi-
lhOes. hypothecando ou vendendo para esse fiiumer-
los bous da itfpqja,
Esta resolueito do congresso prqduzio a mais do-
lorosa seusacf.o na capital. Fecharam-se as grojas,
eaquelles quese tinham mostrado disposlosa sus-
tentar a iuviolabilidade dos bens ecclesiaslicos uia-
niroslavam symptomasdo resistencia. 01-icayuni de
Noya-Orleans diz queo general Sant'Anna se oppu-
nlia lortemento a essa medida do congresso, e que
corra que a sua opposiclo havia por tal modo exas-
perado os seus soldados, quo estes o lnham fu/i-
lado. Lstanolicia u3o era acreditada nos Estados-
Lindos.
Recebemos hontem (21 de marco) jornaes de
Montevideo ale o 1." do correle.
O general Rivera eslava em Marlin-Garcia com os
restos da torca que operou no Uruguay, e dizia-se
que passava para a Colonia. Os oribslas tiuham-ae
retirado para cinco legoas de distancia daquelle
ponto, depois de o leiem sitiado por mais de 15
das. Sobre o alaque contra Soria no, de quo demos
conta no Jornal do Commercio, segundo a vers:1o da
tollia do Cerni, diz, o Comercio del IH.ta o
gimo:
se-
As torcas do Visca i no lizcram no dia 8 de feve-
reiro urna expedico pequea e rpida contra Soria-
no. Assegura-so que en. seu transito encontraran,
o commandanle do Soriano D. Pablo Escalada com
una pequetN partida que foi derrotada, inorrendo
o mesmo Escalada e deixaudo 10 prisioneiros. Foi I rente (marco), no paco de S-Chrislovito pela i
inorlo na costa, durante csa escaranmea, o segn-1'ma da tardo, os coi tejos dodospedida do corno di-
do-tenenlede nao [tntagne devateau) Boirau Itous-ll'lomalico.
sel Bonneterre, pertencenle a guarnicto do vaoor
t-rundeur. r
Por occasiito do feliz anniversario natalicio de
S. M. a Impcrlriz, comeQoU hontem (1*do marco) a
correr agoa no chafariz do caes da Gloria, cujo enca-
namenlo esl concluido.
- 0 Sr. LomonosolT, enviado extraordinario o
ministro plci.ipotenciario deS. M. o Imperador de
Todas as Russas,,tcv<- a honra de ser recebido sab-
bado 13 do corrento (marco) porS. M. o Imperador
em audiencia particular, o dirigi ao mesmo augusto
Sonhor o seguinle discurso:
Senhor A minha sade cruelmente debilitada
por urna longa residencia no clima dos trpicos pe-
nie na necossidade de me ausentar; o separndome
do um paiz, aonde live a honra de precncher duas
n.issOes junio da augusta pessoa de V. M. Imperial,
peQO licenga para Ihe ofTerecor ainda urna vez a ho-
nicnagem do meu respeilo, eaexpress3o da minha
viva o profunda saudade.
a llavendo recebido obsequios c favores durante
dez anuos de residencia nesta corte, e choio do ad-
mirarlo pelas quididades soberanas e pelas virtudes
privadas que vos dislingucm, Senhor, cu me julgarei
feliz so o ilion comportameno mereccu a aprcciavcl
approvaQto do V. t, 1.
Pode V. M I. estar corlo que cu nilo cessare do
fazer votos pela gloria de V. M. I., pela prosperidr.de
illi sua illuslre casa, e pelo bom uslardos povos sub-
jeilos ao vosso sceplro paternal,
Sua Magostado rospondeu osoguinte :
da vossa sade vos obriguo a ausenlar-vos dn Brasil,
onde doixais mu justas c vivas recordacOes ; tanto
pela amizade que Ihe prpfessal.s, como pelos cons-
tantes esforcos que empregastes para cstreitar os
vnculos que o unem felizmente Russia.
" Lsongeio-mo, Sr ministro, quo anda vos verei
ncsle paiz, depois quo se restabelecer a vossa sade.
Acabada esta audiencia, o Sr LomonosolT leve
tambem a honra deserapresentado a'S. M. a Impe-
ratriz, n quem dirigi o seguinle discurso :
Seiihora.Penetrado de una viva einnQjio ve-
nho ainda urna vez depositar aos ps do V. M. I. a ho-
menagcnvdo meu profundo respeilo.
Forjado a ausenlar-mo para tratar na Europa de
uina sade arruinada, acompanha-me a viva saudade
deseparar-mc de um paiz, emque passei dez annos
do minha existencia.
Professaudoloda a venoraefio asaltas virtudes
de V. M. L, choio de reconhecimenlo pelas dsposi-
cOes benvolas,com quese dignou honrar-me, peco
"Cenca, Seuhora, para que vos digneis aceitara ex-
presslo do meu mais vivo agradec ment.
Nflo me resta agora, Senhora, senilo fazer vatos
para ver prolongar por muilo lempo os dias precio-
sos de uina esposa adorada, de urna mili oxemplare
do urna soberana tito dislincta pelas suas eminentes
qualidades.
Sua Magcstadea Imperatriz respondeu.
Agredeco muilo as cxprcssOes lisongeiras que
me dirigs; e ao mesm lempo muito desejo que a
vossa sade se restabeleca, para que possais oulra
vez voltarao Brasil, aonde o vosso digno comporta-
ment tanto vos fez rccommendavel.
- OSr. L LomonosolT, enviado extraordinario c
ministro plenipotenciario deS M. o Imperador de
Todas as Russias, que so rolira desla corte com licen-
ea, aprosentou no dia 15 do corrente (maro*! ao Sr.
ministro e secretario de estado dos negocios estran-
geiros o Sr. barito Freytag Loringhoven, primeiro
secretario de legacilo, para ficar residi.lo nasta cor-
te, como encarregado de negocios de sua dita Ma-
gostado, durante a sua ausencia.
S. M. o Imperador receben hontem, 16 do cor-
nio Cerdoso Rihciro Fernandos, Joflo da Silva Pe-
reira, Anselmo da Luz Alves Riboiro, Francisco Jns
dos Santos, Agostinho Pereira Cantoso, Joaqu.n'
Fernandes da Cunha Brando, Feliciano Gomes de
Freitas, Francisco do Reg Quintanilha e Antonio
da ConceiQito Portugal.Houve appellacflo.
As chuvas havidas nestes ltimos dias teom cau-
sado alguns estragos na ci.lade, sendo o mais nnta-
vel o produzido pela queda do urna grande porcito
de barro do morro do Caslello. A ladeira quo fina
da parte da ra do Cotovcllo est quasi obstruida
com o barro que cahio sobre ella. Urna grande por-
Co de barro cahio para o lado da ra da Misericor-
dia e prejudicou urna taimara e urna fabrica de bom-
has.que de certo nito resistiriam se nilo fossera arma-
zons abortos. Podirnos polica que d providen-
cias para evitar alguma nova desgraija, quesera in-
fallivel so a chova continuar.
Foram jubilados: na ca.leira de mechanica o Sr.
conoelheir) Candido Baptista de Oliveira.e na dechi-
mica o 'Sr. l'r. Custodio Alves Serrao, lentes da escola
militar.
Foi conlirmado no posto de cirurgiito-mr de
brigada o Sr. cirurgiito-mr Antonio Jos Vieira de
Menezes.
Foram uomeados para commandar os quartos
a bordo do vapor S.-Salvanr, os Srs. segundos l-
enles da armada, Januario Xavier de Castro c Theo-
tonio Raymuodode Brito.
Pela secretaria de estado dos negocios da ma-
rinha foi nomeado o Sr 1.* lente da armada Joilo
Joaquim da Silva Cnimarles para servir de secreta-
rio e ajudante d'ordons do Sr. chefe do esquadra Jos
Pereira Pinto, cpmo commandanle da divislo naval
que tem de acompanhar S, M. o Imperador a Ma-
cah.
Foi jubilado o Sr. Dr. Antonio Joaquim ds Sou-
za, lente cathedratico da escola militar.
A secoflo do concclho de estado dos negocios
da justica. sendo relator o Sr Carneiro Lefio, est
encarregada de organisar um regulamenlo sobre a
extradic.Ho dos grandes criminosos.
Mandou-se pdr disposicfiq do Exm. presiden-
te de S.-Paulo a quanlia de 4:000,000 rs. para ser an-
plicada s dospezas com o mclhoramento da estrada
geral de commiinicac/ioentre a dita provincia ea de
Santa-Catharina, desde as (res barras do rio S.-Fran-
cisco at a comarca da Coriliba.
OSr marquezdo<:antagallo, gcntil-homem da
cmara do Imperador, leve licenga para ir tempora-
riamente Europa, podendo, em quanto alli se de-
morar, servir como camarista de S. M. a Imperalriz
viuva, duqueza de Braganca.
OSr. JosForreir Lima Sueupira foi aposenla-
do no lugar de procurador-fiscal da thesouraria do
Cear, e nomeado para substitui-lo o Sr. Manoel
Soares da Silva.
(Diarto do fio-ie-Janeiro.)
Concodeu-se ao'Sr. Dr. Jos Saturnino da Costa
Pereira a pensito annual de um cont de ris, para
se verificar, depois da sua morle. em sua mulher
D. Francisca Eufemia do MagalhOes Pereira.
Foram exonerados: do commandodo 7." bata-
Ihilo de fuzileiros, o Sr. coronel graduado Francisco
Jos da Silva, o do 4 balalhlo de cacadores, oSr.
tenenle-corbnel graduado Luiz Antonio Favilla, pas-
sando para a primeira classe do estado maior do
exercilo; e uomeados para cornil andante dcste o
Sr. tenente-coronel de infanlara da primeira classo
Francisco Xavier Torres, ed'aquellc o Sr. teiienle-
coronel da mesma arma o classo do estadu-maior,
Antonio Pedro de S Brrelo.
O Sr. conde d Caxias obteve licenca para estar
fra da cidado algum lempo : durante a ausencia do
S, Exc. licou o commando das armas da corle encar-
regado aoSr. marechal decampo Francisco Xavier
Calnion da Silva Cabral.
(Senlinella da Monarchia.)
A assembla de notaveis tinha autorisado o gover-
inode Montevideo para alienara renda das airando-
gas do anuo de 184. e os accionistas compradores
dessas rendad tinham resolvido ficar com inelade
pelo pi eco de 500,000 pesos.
De Buenos-Ayres alcancam as noticias a 24 de fe-
vereiro. A sala de representantes tinha respondido
a niensagem do general llosas, apprpvaudo plena-
mente a sua poltica, e recusando aceitar a dcuiis-
sao que elle lera, pela oitava ou nona vez, da dicta-
dura queexerco.
Sobre ,. discussiloa que den lugar essa resposta
iz oLomercto-det-llata o-giguinte:
Essa discussOo nfio foi seno iim cOro unisono
[Gasela O/ficial.)
A queixa dada pelo Sr. Leoncio Jos de Moraes
contra o presidente da provincia do Piauhy, o Sr.
doulor Zacaras de Goes e Vasconcellos, foi distri-
buida ao Sr. coi.celheiroThomaz Xavier
OSr doulor Jos Mara da Silva. Paranhos foi
demittidoiio posto dea.' lente do imperial corpo
deengenheiros, por assim.o haver requerido.
A sessito do jury, para o julgamouto dos reos
Joilo SimOes Amaro e Carlota Joaquina, terminou
boje. O 1.* que eslava condemnauo niorle, leve
melhoiiiiiiento de senlenca, sen.lo-o agora a 20 an-
uos dogales: a 2.'foi al.solvda. Koran, juicos na
causa os Srs. Malaquias Pires Leite, J'aulo Mara da
Fonseca, Antonio Marques Lameixas, Manuel Anto-
S.-PEDRO-DO-SUL.
MAIS L'M HOnnFND CHIME !
Rio-Grande, 8 de marco do 1847.
Nesle momento (meia noiteJ acaba decommetter-
se, em clara noite, o maior de todos os crimes. Re-
tirava-se do Iheatro, mesmo antes de terminado o
espectculo, o Sr. Antonio Jos Caetaho da Silva, es-
crivo servndo de administrador da mesa de rendas
proviuciaes o redactor do Itio-(rndense, acompa-
nnado de sua innocente filha, um joven prente de
sua senhora e o Sr Dr. Joto Sertorio Jnior. Ao pss-
sarem pela ra da Praia, em frente ao becco do.Ras-
gado, dous malvados, cojo coralito mpedernido
nao so commoveria ao aspecto do mais brbaro as-
sassinalo, assallaram esse indefeso cidadito OSr.
Dr. Sertorio ficou exttico ao ver passar pela sua
frente esses dous assassinos, que logo investirn)
sua victima; o joven tomou a direcQito que ocoa-
siiio Ihe poimttio, lal foi o terror de que seapossa-
ram com a so presenca de Lio desalmados assassi-
nos. OSr. Antonio Caetano pretondeu esquivar-se
ao rancor de, seus foros inimigos; mas foram inu-
l.'is seos esforcos : receben entilo uina estocada por
debaixo do braco esquerdo que olTendeu-lhe as cos-
lellase urna cutilada no pulso direito quepartio-iho
o osso.
Oh vergonha opprobrio execragito conlra es-
se adversario quo enlende que a refulacffo das ideias
so se deve fazer por meio de accOes sanguinolentas I
Que inimigos! Que vergonha para o partidos que
pertencem E ainda monstrua semelhantes ousarlo
apresentar-sea face de seHs correligionarios incul-
cando-se cidadaos prestantes, dignos da confiarfea o
eslima de seus patricios.' Como estes barbaros, cu-
ja fauce resequ da s se podo saciar com sangue,
quilillcariio a infame acijilo de pretender arrancar a
vid;, a um honrado pai de familia t do reduzir viu-
vezuma coriohosa esposa? de fazer orphos a tres
ou qualro innocentes do tenra i.lade .' Sora jior meio
deassassii.atos que se devem conibaler as opinifles
polticas ?
O dircilo poltico quo a constituigito do estado nos
garante do censurar os arlos pblicos dos funecio-
nariosda nacflo, he nosexlorquido por essecolosso
de crimes, surdidodos antros ilo Averno. Ao tra-
annos estas mesillas linhas, nossa monte vacilla,
nossa mito treme, com a ideia do quo um punhal
ameaca nossa existencia Maso malvadoque,despie-
zando todos os diretos civis, supidanta dest'arte
nossos pensares, vai receber do seu proprio partido
o despiezo que merece.
Esses homens pacficos, esses homens decentes de
oulra cor poltica, expulsarse d'enlresi essesangui-
sedento InonsUo, queso respira odio, vinganga, as-
sassnalo, como vergonha do pa. lido, escoria da so-
ciedade, horror do genero humano.
OSr. Antonio Jos Caetano, depois de sentir as
.toreado seu estado actual, deve ulanar-se de ver a
promptidiio com que seus amigos, nial so espalhou
osla noticia no theatro, corroram- a- soccorr-lo; e
nao menos pelas qualidades e posiedo social de to-


das essas pessoas, entre as quaesse achavam algu- Desalmados que assim deshonris o especie hu-
mas que, nlo pertoncendo ao credo poltico do sr. mana a que perteneca; homensscm coracina quo vos
Antonio Caetano, mas sendo caadnos honestos e pa- no compadecis das miserias dos menos favoreci-
dos membros da socieiado, os pobres operarios; de-
generados quo lodos os dias illaqueais a f publica,
abandnala condemnavclespeculadlo.a que vos (en-
ejes dado, 011 desapparecei dentro nos! Esta socicda-
de de que vos tornis indignos com a pratica conti-
nua do tilo abominavcl trapazara, delesU-vos, re-
pclle-vos, nlo vos quer em seu seio.
cificos, exprobravam conjunctamento com os do-
mis pessim, infamo e barbara accio desses ti-
gres da raga humana^___________
on! nomoa!
Porto-Alegrc, 5 de marco.
As tripolacOes (negros) dos hiates Belisario e Qu\-
bebe, saltillos do Rio-Grande para esto porto, como
quedeante-mSocombinadas, commetteram nomes-
mo dia, e talvez mesma hora, pois que vrhha um
em seguida do oulro, tilo horrendos actos, que sem
duvida sensibilisarflo os coracoes mais impederni-
dos.
Ni Lagoa-dos-Patos, a tnpnlacrtn do primmro as-
sassinou o nalrlo ; e por espaco de tres dias os qua-
trii malvados, nlo senlindo remorsos do seu crime,
muto mais o aggravaram, otTendcndo todos ellos a
honra da infeliz esposa, que testemunha tinha sido
doassassinalo de seu marido,-tratando neste mes-
mo lempo tyrannicamente os desgranados (ilhos da
miseravel, subjeita volitado dos infernaes mons-
tros. No fim leste lempo, em consequencia le ro-
gativas amiudadas e lagrimas da infeliz mulher, diri-
giramelleso hiato para o rio de S.-I.ourenco, e ahi
quiz a Providencia que fossem os monstros agarra-
dos pelos moradores, om extremo indignados com
tars noticias relatadas pela infeliz.
Igual assassinio pralicaram os negros do-segundo
hiato, nn sendo esto crime aggravado com iguaes
eiroiimstancias,'porque nesse hiale apenas exista o
patrlo; mais feljzes tambem estes foram, porque,
abandonando o hialo sobre as rostas du Pelotas, pro-
cura rain talvez nos mallos o asylo : porm temos es-
peranca de que as autoridades nlo hilo de descansar
at que presos sejam esses facinorosos.
Taes sao os efloilos da imprudencia e da avaroza :
se taes qualidades nao existissom nos dnnos ilos hia-
' tes, sem duvida deixariam de apparecer taes fados,
poissealmdo patrlo um s hoinem de conlianca
eslivesse em pregado em cada um dos diales, a tanto
nlo chegaria a audacia dos inimigos ftgadaes dos
brancos.
Oxala s'irvam estas desgranas de exeiiiplo para quo
cada um dono de hiale se acautele para que n3o se-
jam ellas ro|iroduzulas.
A' vista do taes crimes acompanhados de 13o ag-
gravantes circumstancias, desdo j pedimos aos Se-
nhores jurados que tiverem de ser juizes em taes
procossos a unanimidado de suas tlecisOcs 'morte -;
o ai da sociedade se laes Tactos assim nlo frem pu-
nidos.
{Jornal do Commtrcio.)
lOlV.ftl>ti.!0.
OUBIO DE PE II .VIII BUCO.
AZOITE, 7 DX ABHIL SE 1847.
Polo vapor S.-Salvador, enrado boje dos portos.do
Sul, recebemos jornacs do Rio-de-Janeiro.
A augusta familia imperial eslava sem novidade
em sua apreciabilissima sade.
A 20 de margo prximo lini'.o sabira S. M. o Impe-
rador para Macal) e, ende chegra a 21 pelas 10 ho-
ras da mandila, o donde partir para Campos no
dia 22.
As correspondencias do Jornal do Commercio que
neste numero copiamos d3o conta dos pormenores
da viagemilo nosso adorado monrcha.
Transrrevemos aparte oflicial os despachos que
foram publicados pelas secretarias do imperio, ma-
rinha eguerra, no dia 14 do mez prximo passado,
anuiversario natalicio de S. M a Imneratriz.
Segundo o decreto que tambem ani vai'trahscrip-
to, cmquantoS. M. o Imerador se nlo rccolher a
corte, a pasia da fazenda estar a cargo do Sr. mi-
nistro do imperio, ~e a da marinba ao do Sr. ministro
da guerra.
I emos no precitado Jornal e publicaremos com o
7Jt'arisegiiinte o decreto n. 506 qno manda execu-
taroregulamenlopara as barcas de vigia das ajfan-
degas do imperio ; o de n. 508 quo regula a cuoran-
ea do imposto que na corte devem pagar as casas de
commercio que tiverem mais de dous caixeiro* es-
trangeiros, e nus oulras (iracas c | iovoac6es, as que
tiverem mais de um ; eo de n 509 que determina
seja distribuido, do coiiformidado com o disposto
no al vara de 9 de maio de 1797, o producto do con-
trallando apprehendido |wr qualquer embarcarlo de
guerra.
O Sr. dotilor Francisco Jnlo Carnciro da Cunta
arlia-se nomeado juiz- municipal e d'nrphitoa la villa
do rio de S.-Francisco, na provincia de Sergipc.
O Sr. domingos Jos Marques obtuve confiriiiacno
dn tiuiiicacffo, em virtude da qual oxercia o empre-
godcsolicitador'ilecapellas c residuos neste termo
do Itecife.
Os extractos que em outro lugar deixamos feitos,
conlem oque du mais curioso se sabia c bnvia oc-
corriilona corlate 27 lo predilo mez, data ultima
dos jornaes que cima declaramos haver recebido.
Tambem nos trouxe este vapor o Commercio la
Baha, datado de 19 a 30 do mencionado mez; e nel-
les nada encontramos que aos nossos subscriptores
possa iiileressa/.
lloje, ao amanhecer do dia, no combro da praia,
em frente da liuha de casas que ficam por tras do
theatro velho, appareceu um saquinho cheio de cc-
lulas de 2g000rs., nao verdadeiras, que se suppc
ter sido para all trazido pela corienteza da inar.
Foi lilo grande a porcilo de olas falsas quo desta
vez recelieram os seus malditos introductores ; lauta
consciencia teem ellos da gravidnde do execrando
crime com que quolidiaiiamente so mancham ; quo,
recelosos de Ibes serern appreheiulidas em as pro-
prias mitos cssas provas vivas do seu nefando delicio,
perdem o amor ao dinhern, c lancani-no ao mar,
alim decsconderoin, la no fundo das ondas, essa me-
llior de Indas as bases para o processo que porventu-
r,i se Ido houvesso de fiirmar, esse teslemunlio ir-
refragavel la falta de homanidade, da malvadcza re-
quintada, com que procuiam tornar aida mais ira-
cas as torgas monetarias dosta piaca os homens ego-
stas por excedencia, us que buscam augmentar os
seus fundos particulares depreciando os lo eslado,
c aggravaudo a surte de centenares de miseros cidu-
dilos, entre os quaes mais dignos le lastima se lor-
nam aquelles que, baldos de outros recursos que,
nlo os provenienres lo seu penoso e aturado Ira ba-
jito, ao cabo le seis ou mais lias de incalculavcts fu-
digas, recebein una uioeila sem valor em troca las
grosas bagas de suor qilo hiodcixado cahir sobro
u bigorna, em que caforcadatiieQlC bateram o duro
ferro;sohre'a rgida madeira qu pressurosos lavra-
ram;sobre* compacta pedra que com alinco aper-
fecuaram, Ou sobre a sola que a repetidas folies
maridadas eonseguiram adelgucar! f
RIOdE-JANEIRO.
camiiosko ou'26 na xtaco o" (8*7.
l'recos da ultima hora da praca.
Cambios sobre Londres........281
"Paris.........336 a 333
llamburgo......6I0m615
Metaes. Oncas hespanhoas......29,000a29,200
da patria.......2,800a 29,000
Pesos hespanhes ...... 1,950
w d patria.......1,800a 1,820
u Pecas de 6,400, volhas .... 16,500
Prata.............99 a 100
Apolicesde.8 porcento.......82 a 82*
provinciaes..........79 i
(Jornal do Commercio.)
RADIA.
CAMBIOS NO UIA 30 OE MARCO DP. 1847.
Londres .............29 elTectuado.
Caris...............320 o franco.
Hait burgo '...........640 o marco.
Lisboa...............I00al05p.c.dopr
Oncas hesponhlas.......29,500
> mexicanas ........29,500
Pecas de 6,400.........16,000
Moedas de 4,000.........9,000 a 9,200
Prata...............105
Apolices do seguro Lealdado 20 p, c. de pr. nominal.
do governo 55 por cento de descont.
Accoes do banco 35 por cont de pr. nominal
[Do Commercio.]
. .Iloviiuciilo do l'orlo.
Para 6 Aracaty segn viagom com brevidade o
patacljo Anglica, com a carga que houver: quem no
mesmo. quizer carrogar ou ir le passagem, para o
que tem hons com modos, dirja-so a ra da Cruz, n.
26, a tratar com Luiz Jos le S Araujo.
- Para o Maranblo partir domingo, 11 do cor-
rente, o briguo-escun Joievhina, com a carga que
livor ; ainda pile reeeber alguma carga e passagei-
ros, para oque tem excedentes commodos : os pre-
tenden tes dirijam-se aocapillo, .losManoel Barbo-
za.ou no consignatario, FrininoJ. F. da Rosa ; as-
sim como tambem pede-so aos senhoreS donos de
carga ilc levarem seus eonlieeiinentos.
Para o Cear sabira, imprelorivelntento no dia
15 do correnle, o brigue-escuna Henriqueta; por ler
tratada a mainr parte do sua carga : quem ainda
pretender carrogar falle com o mostr do mesmo ,
Jos Joaquim Alvos da Silva, no trapiche novo, ou
na ra da Cadeia-Velha, n 17, segundo andar.
- Para o Bio-Gramki-do-Sul sabe,na seguinte se-
mana, o brige S.-Manoel-.'tugiisto capitn Manuel
Simos ; recebe esclavos a frote o passageiros para
o que tem os mulbores commodos: quem preten-
der falle com Manoel Ignacio de Oliveira ou com o
capitn na pra;a.
Para o Aracaty est a sabir a sumara Santo-An-
tonio-de-Pmlua: paru carga, trata-so na ra do Vica-
rio, n 5.
Freta-so para qualquer porto do Norte ou do
Sul o hiato Sio-Jodo: quem pretender dirija-so a bor-
do du mesmo.
Para o liio-do-Janeiro soguo o briguo nacional
Sociedade, forrado e le prximo eneavilhado de co-
bre o leboa marcha: para carga miuda, passageiros
ou asemos a freto, a tratar com A-norim Irmos,
ra da Cadeia, ou com Jos Francisco Collares, na es-
quina, luja ou com o capitn Juronymo Jos Tollos.
Navios entrados no dia 7.
Mar-Pacifico, temi saltillo da New-Bedford ha 34
mozos, galera americana Jnior, le 377 toneladas,
capitiloSilusTinkhan, equipagem 30, carga azei-
te de peixe; ao capillo.
Rio-de-Janeiro;25dias, brigue sueco Argos, de 232
toneladas, capillo P. I'elerson, equipagum 10, car-
ga lastro ; a \. o Bieber & Companhia.
Mar-Pacifico, lendo sabido de New-London ha 33 me-
zas, galera americana John-Elizabeth, le 251 to-
neladas, capillo David llalker, equipagem 27, car-
ga azeite do peixe; ao capitn.'
dem, lendo sabido de New-Bedford ha 21 mezes,
galera americana Endeavour', de 250 toneladas,
capillo Charles 0. Hest, equipagem 24, carga azei-
te de peixe; aocapillo.
llio-de-Janeiro, Babia e Macei ; 10 dias, e do ultimo
porlo 18 horas, vapor brasileiro S.-Salvador, de
240 toneladas, commandante o primeiro leen-
te Antonio Carlos de Azercflo -Coutinho, equi-
pagem 33 Passageiros : para esta provincia, o
cnsul poituguez Joflo Baplista Moreira ; coro-
nel de cacadores F. J. N. Gonzaga o seu filho,
lenle do engenheiros Jos B. Nevos Conzaga
oumescravo, Caclano Maria dal'aiva Lopes Ca-
ma, Tiburcio Antunes de Oliveira, Joaquim i'i-
res C M., I). Fplizarda Araujo Lobo e 4 osera Vi i,
Manoel Peilro Alvcs Moreira e um escravo, Ricar-
do Pinheiro de Vasconcellos e Jolo Vctor de Car-
valbo, Brasileiros; Desineles, P Chnpronl, Ber-
nel, Francezes ; Kalkmann com sua lilbaTJ. Ma-
Ibildc, Allemies; 1) Bita Maria la ConceicAo, Juno
Jos Ramoso Bento Joaquim de Medeiros, Brasi-
leiros : para o Maranhilo, major Licinio Jaiisen
Muller, I). Maria Ravmuiida Comes e duus escla-
vos, Brasileiros : para o Para, Jos Pinto de Arau-
jo o Jos Joaquim Cama Silva, Brasileiros.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rabia ; escuna ingleza Oihello, capillo VV. Young,
carga a mesma que trouxe.
Lisboa pela ilba de S -Miguel; brigue Brasileiro Es-
pirilo-Santo, capullo Alexandre Jos Alvcs, carga
assucai, sola e mais gneros. Passageiros, llenri-
que Jos le Carvalbo e Souza o um criado, Jos de
Medeiros Tavarcs, I) Maria le Jess Medeiros, Au-
drCza Jacintha Leonor e 1 solo inbo menor, Anto-
nio Joaquim Je Souza, Joao Jos de Souza, Sahas-
tian Jos Corroa, Jos Luiz de Mello, Manoel lo
Reg Luna, Jacintho Alvos de Sampaio, Porlugue-
zes; Izace F.rnates, Francez; Joflo Vieira Gullate,
Americano; Manoel Luiz da Molla, Antonio Jos
Furtado, Brasileiros.
Rio-Grande-do-Sul; briguo brasileiro Feliz-Viajante,
capillo Baltazar Alfonso Alves Bacelar, carga va-
rios genero*
New-Bedford j barca americana Fortune, capillo Tilo-
mas S. Raily, carga a mesma quo trouxe.
l.cil.H).
JonesPaton & Companhia farfio Icilito por
interveneflo do eorretor Oliveira, do um completo
sortimenln de fazendas inglezas : boje, 8docoriMi-
le as 10 horas da manhfla no seu armazcm da ra
lo Trapiche-Novo.-
\visos diversos.
LOIEIUA
llcclaiacoes
O vapor S.-Salvador, chegado dos por-
losdo Sul, fecha as malas para os lo
Norle hoje (8 as 3 horas da larde
Imprelii ivelinente.
lloje, 8 do correnle, ha sessOo extraordinaria
da cmara municipal tiesta cidade.
O vapor de guerra Correio-Jirasi-
leim aaU'ir at o fim dcsta semana para
o Itio-de- Janeiro tocando, na Balita.
Nlo concorrendo os accionistas lo theatro, no
dia 7, os abaixo assigmidos os convoca m de novo para
o dia 10 as 10 horas da manhta, na certeza de que
se diliberar com os que compareccrcin..VanoetCae-
tano S. C. III.Jota Pires t'erreira
Avisos inuiuiiiio.
DA
Matriz da Cidade da Victoria.
No d;a i5 do correnle as 8 horas da
mndela. e no consistorio da igreja da
'oncriraodos mi lila res andatn inl lli
velmenle as rodls desla loleria ; e o i es-
pectivo tli"souroiro istocei tifirando de
clara aquellas pessoas que teem aparta-
do bilhetes que os VO reeeber nt o (lia 8,
eerlos de que se assim o nao fizerem, se-
rao ditos bilbcles, com os que porvpu-
(ura ainda reslarein, euliegues socieda-
de r|ii'' se leiu orgnnisado, por contada
qual clles correrao.
--- Troc ni se cdulas de 20..^
rs., de estamp i encarnad.!, com
algum abale : na ra da Cruz, no
iVci.Wn.26.
O abaixo assignado, tendo passado um vale de
5fi,000 rs. no dia 6 do correnle a domingos Ribei-
rodeFaria, por se adiar ainda c rentas com o
diln Sr. roga no respeiUvel publico qu ninguein
faca negocio com o dito vale que nao se obliga a pa-
gu-lo, Luii Jos 1'ei reir.
- Precisa-sc alugar um molequo : na ra da fia
deia-Velba, ti: 9.
Furtaram, no dia 2 do corrento da estribara
da travessa de S.-Pedro para a ra Dircita um sel-
lini com unta silba, loros e eblrivos grande*do latao:
a quem for offerecido far o favor le o tomar e le-
var a casa de seu dono no largo de S.-Pedro sobra-
do n. l.que gratillcar.
Arrenda-se um sitio na estrada deJoflo-dc-Bar-
ros : a tratar na ra da Cruz n. 58.
Nanoilo do primeiro de abril corrente, per-
leu-se una correnle de braco ou pulseira de ouro,
denominada deS-liento, desde a matriz da Boa-
Vista a vlsilai as igrejasdo bairro de S.-Antonio :
3uem a acbou.querendo reslitui-la,dirija-se ao Mou-
ego casa le Jofio Baptista Accioli Lilis que grali-
licaia com gencrosidade
Quem tiver urna Historia Sagrada por Roymonl
annuiicie.
-- O abaixo assignado participa ao Sr. Jos Igna-
cio Camello P.-ssoa lilho do Sr. de cngciibo Mamo-
lenga freguezia da Taquara ou quem for seu cor-
respondente tiesta praca que venha quanlo antes
tomar conta de um seu escravo, de nomo Pedro,
o qual veio procurar o abaixo assignado alim do o
comprar pois nflo quera servir a seu senhor, e co-
mo mo trazia bilhete o julgou fugi >o, e por isso pro-
metleu c<)iii|ira-lo alim de que mo fos.su extravia-
do a seu seiibor ; mas comtudo, o abaixo assigna-
do nfloseresponsabilisa pela fugado dilo escravo ,
e previne quo o venha buscar quanlo antes ou
abrir-lhe o proco.-- bernardo Josi Rodrigues Pinheiro.
Aluga-se um sitio no lugar de Sanl'Aniia, onde
lein a casa da plvora, com boa casa du sobrado, boa
baixa de capim o muitas frucleiras : a fallar na ra
de A olio, armazem de assucar, n. 23.
Tcndo-se justo e contratado com o Sr. Ignacio
Fonian.les a compra do urna casa sila na ruados
Maityrios n. 26, por isso se faz publico, para que," se
alguma pessoa se julgar com direiluou bypolheca a
dita casa, faca seioule poresla folha.
JosDominguesCoilcceira faz scienteao publi-
co e principalmente ao commercio, que desde o lia
31 le marco so aclia di*snlvida aiuigavelmenle a so-
ciedade quo '
Precisa-se do um oflicial segeir Ou corrieiro :
no Aterro da-Boa-Vista,n. 52.
desappareceu, no lia 6 lo corrente, um boi do
carro com urna ferida no lombo, e maisalgumas ma-
taduras pelo enrpo : he de cor preta, e lesappareceu
da ra de Santo-Amaro, n. 10 : quem o pegar ou
dalle ler noticias na mesma casa, ser generosa-
mente recompensado.
Quem precisar do .ri0,000 rs. para baixo, a-juro,
sobrepenhoros do prata ou ouro dirija-se a Rua-Ve-
Iha, n. 123.
O Reverendo Sr. I. Joilo Raptista Pereda das
dores, la congregarlo do Santo Alberto, no caso do
se adiar tiesta provincia, queira annunciar sua mo-
rada, ou dirija-se a ra da Cruz, n. 20.
No dia quinta-reira sania desappareceu urna
canoa pequea de carreira, aberta, com ossignaes
seguinles: branca onm um S le ferro na proa, um
travcssloair,iv\ssailo, do. ferro; tem dous bancos,
um pedaco de corrente: o naneiro tem a tabo-i do
me i o sohreposta : quem leda d'or noticia, di rija-so* a
lora-de-Portas, vendan..92, que sera recompen-
sado.
Precisase lo um preto forro ou captivo para o
servlco ilo carvAo a bordo lo paquete do vapor bra-
sileiro S.-Salvador, que saho boje para os portos do
Norle. Quem quizer cnnlratar-.se dirija-so agencia
da companhia, na casa n. 7 da ra da Cruz, at" s *
horas da tarde.
-- A. Maugin, subdito francez, rctira-se desta
provincia, para traanle sua sade.
Carlos Augusto de Muraos retira-so para fra do
imperio a tratar de sua saudo : porisso.quem se jul-
gar seu creilor aprsenle suas cuntas, no prazo do
4 dias, para ser embolsado.
a na No a, n. 35, preci-
sa-se de officiaes de alfaiale para
bra grande e milicia
Furtaram, na madrugada do lomingo de Pas-
eos, iio segundo ailar la casa n. 12, da ra do
Torres, os oLjeclos seguinles : 9 lencos de cambraia
(na com luco cui roda, com as iniciaos M. M. J no
campo; 4 lencos le seda decores, sendo dous com
as ledras J. II. P.; um chale de lapin branco cum
linios de cor; urna pulseira do ouro; unta bolsa do
soda encarnada, cum 7,000 em cdulas o mais objec-
los inlinios. Roga-se as pessoas a quem for oflere-
cido um ou outro desles objeelos, do os approhen-
dere levara dita casa cima, quo se gratificar, pro-
li'slaudo-se de usar dos muios judiones centra o
raptor, que ja se condece, so iio entregar tudo
menos o dinheiro.
0 abaixo assignado, tendo do ir a Portugal,
leixa o seu cstabelccimenlo de ago'ardonte na mes-
ma continuacOo, Meando para reger o dilo estabole-
ciinento Antonio Peroira Mondes, e doixando por
seus procu'-ailores OS Srs. Manoel. Jolo de Amo-
rim, Manoel Joaquim Ramos o Silva c Francisco
Antonio Pereira Braga <
" Domingos Ribeiro de Faria.
I)-se dinheiro a premio sobre penhores Je pra-
ta o ouro: na ra do Collegio, luja n. 23.
Precisa-se, na ciilailo do olinda, do urna sala
mohilhada.e comedorias para um homem solteiro
estrangeiro, oque tenha estribara para -um- cavado:
quem tal negocio quizer Tazer dirija-so a ra do Tra-
piche, n. 44.
- Acha-se juslo o sobrado de dous andares da ra
do Apollo, n. 29: ese alguem se considerar cum di-
reiloaclle, queira declarar por esta folha no prazo
le oitodias.
Precisa-se alugar um escravo para carregar un
panacum do pilo e fazer oservigoda casa: na padaria
la ra dos Pires, n. 44.
Precisa-sede um caixeiro, do 12 a 11 anuos, dos
ebegados ha pouco na provincia com pratica ou
sem ella : em I ora-de-Porlas largo do Pilar, n. 17.
Aluga-se o primeiro ailar da casa da ra No-
va n. 20 : a tratar na loja da mesma casa.
Precisa-sede una ama forra que tenha bom
leitc, para criar um menino: na ra Nova, loja de
ouiives, n. 32.
Aliigiim-scossegundo e terceiro andares do
sobrado n i3 da ra Nova : a tratar na loja do mes-
mo sobrado.
A pessoa que no transito da procisflo da Re-
surreicSo sabida la igtejadoS -Francisco acbou
una carteira preta e pequea com 150,000 rs. em
cdulas, sendo las de50,000 rs., dus cinco le 5,000 rs. loas de 2,000 rs. e um de 1.000
rs. por calillado a queira levar na ra lo Nogueira,
n. 45, na certeza "do que este dinheiro foi recebido
no sabbado do Aleluia na thesouraria para se entre-
gar a varias pessoas nerossitndas a quem perlencia ,
c o annunciante que o perdeo nio tem outro para
restituir; alui dse licar eternamente obrigado, se
gratillcar com generosidade a quem acbou,
Precisa-se le um caixeiro : na ra Nova, n. 23.
d abaixo assignado,leudo de fazer umaviagem k
F.uropa, deixa a sua casa tiesta praca sol a adminis-
tracio dos Srs. Joflo Ignacio le Medeiros llego e Tho-
muz Fernandos da Cimba, como seus procuradores.
Antonio Valentn da Silva Barroca.
\vo estabclecimento, na ra
\o i\, n. K9tdc Caumou,
fabricante degaz e de can-
di( iros de gaz.
F.lle fabrica todo ncandi.iros rm brome, de mand-
il filie nulo sr ada le urna olblea mais superior aoa
leve com o Sr. Francisco Jos Alvcs
Para o Porlo sahe, impreterivelmentc no dia,.
15 do correnle, a barca Helia-Pernambucana cap- Gtiimaraos sob a firma do Codeceira 6 Cuimaraes
tilo Manoel Francisco Nogueira : ainda tem commo-'na loja de miudezas da ra doQueimado n. 53: 11-
dos para duus passageiros; para o que trata-se com cando u annunciante encarregado da liquidaeto de
m o consignatario, na ra todo o activo e passivo: o dora em dianle ftcara gy-
o cabildo, na praca, ou com
la Cadeia do Itecifc, n. 51.
-- (isSrs. ca regadores da barca Bella- Prr(im6u-
cana quoiram mandar levar os conhocimentosa ra
da Senzalla- Velha, n. 142, segundo andar, at "o dia
12 do corrente, para se fazerem o manifestos.
ramio a mesma casa sement cum a firma du annun-
ciante.
Precisa-se de um pequeo ha pouco chegado, com
pratica ou sem ella, para ser admiltiJo em unta ven-
da : a tratar na ra do Cotovello, n. 31.
i -11" .............. ........-- -- ,,
fine veciii da Europa r de lodos os procos de 10/
70/ rs loiirados, pratcailos c de todas as cores poe
os candirirn, lampadas o lustros vdlioscmcalado de uo-
vos e lainlK'iii para crvlrem paia ga.
Tem um llndosjoi liniciilo de i eloijius de cima de mesa,
de brome dourado e de varios foitios c de goslo multo
moderno por proco iiiiiilocoiiiinodo.
Ach.i-se fabricando um completo sortimento de uten-
silios de Igreja Indo em brome dourado e prateado ,
por proco tiio em conta como sc/ossein de madeira ; oa
quaes sao os seguimos: caslicaes ciuclfuos navetas,
turibulo* lampadas e caldeirinhai para agoa benla ,
indo de brnnte dourado prateado c da niauelra e cA-
res qucquierem
Fa* toda a qualldaiic de dourado c prateado era me-
tal.
Compra toda a qualidade de metal quebrado, por bons
procos.
Dourae pralcia todas as qualidades de ornamentos
militares em uielal. -
Concerla toilo r jualqurr objecto de metal quebrado ;
c de hojo em diantc acbarao sempr gas prompto e de
priiniii a qiiaiidadc a 320 rs. a garrafa.
U labin-aiilc alianza tudo quanlo elle fabricar, e le
rrsbuiiialiilis.'t por ludas as suas obras, assim como
proinclto il'ora em van lo apromplar todas ai encommen-
das com brevidade por se adiar j resiabelecido de
sua tade.
Na ra do Sebo n. 3 da-so dinheiro a premio
com poiihurcs de todas as qualidades e em pequeas
quanliat.


al I
V


m
^
'
m^m.
M
Perdcu-se uma carteira preta contcndo urna
lettra de 340,000 rs., sacada por F. H Lutlkens e
aceita por Caetano Luiz Fcrrcira e alguns papis
sem valor: queih a achou, querendo restituir, diri-
ja-se a praga da Independencia livraria ns. 6 c8,
fcando entendido que j est prevenido o aceitante
para s a pagar ao sacador, por sso que este a nao
traspassou a ninguem.
O arrematante das aferigesdos pesos e medi-
das leste municipio faz corlo a quem interessar
queo lempo da revisita principiou no primeiro du
corrente mez
~ Una pessoa muito fiel e de Loa conducta vai na
segunda-feira, 12 do corrente, ao Sul por trra at
Macei, para fazercobrangas : quem quizer seapro-
vi'lar de sua viagem para cobrar de devadores do
Sul, destn aqui at Macei dirija-se a ra Uireita,
sobrado n. 39 queso dir quom he essa pessoa.
Quem annunciou querer arrendar um sitio
que tenha boa casa cocheira, estribara e baixa pa-
ra capim, querendo um com todos estes commodos,
na estrada do Monteiro e com muilos arvoredosde
fructo e agoa de beber, dirija-se a ra Nova, n. 52,
terceiro andar.
Prccisa-se de urna ama para casa de pessoas
solteiras quesaiha bem cozinhar, coser, cengom-
marcom asseio : no palep do Collegio, primeiro
andar, junto a casaamarella.
abaixoassignado perdeu, nodia 18 de mar-
co prximo passado una carteira verde nova, com
30 e tantos mil ts cm cdulas miudas, e dillerenlcs
papis de pouca importancia, viudo de ca rodo Mon-
teiro e apeando-se defronte da matriz da Boa-Vista,
depois do que entrou na dita igreja, e andou por ella
ate as catacumbas, e dahi sabio pelo Aterro, ponte i)a
lloa-Vista ra Nova, Cahug praga da Indepen-
dencia ra do Crespo e do Collegio at a casa do
Sr. doulor Alendes e vollou pelas mesmas ras ,
tendo parado no principio da ra larga do Hozarlo,
c seguindo pelas mesmas ras da sua dtgressflo pri-
incira antes de entrar na ponte da Boa-Vista deu
pela falta da carteira Roga-se a pessoa que a tiver
irliad i, Un' faca o favor de rcstitui-la t&o smenle
com os papis que ella continha e tfcando com as
cdulas em paga do seu adiado; pelo que lh
licara muflo obrigado ~ Jos Mauricio de Oliveira
IHaeiel.
OsSrs. (fautores lentes da academia e estu-
dantes da mesma, moradores nesta cidade do Roci-
fe queqttizcrem ir todos os das lectivos, de carro,
para Olinda mediante urna mensalidade do 16,000
rs., em um carro promplode novo, envidragado e
armado para se poder andar de invern e verti, com
dous cavados e ptimo bolieiro entendm-se com
Jos Mauricio de Oliveira Maciel, na ra dn Aurora ,
das 6 as 9 horas da manilla e das i al as 4 horas
da tarde.
Aluga-se um sitio na estrada de Joita-dc-Bar-
ros, com casa de vivencia para urna pequea fami-
lia com bastantes arvoredosde fructo : a tratar na
ra da Cadeia do Itccife, n. 21.
Compras.
Compra-se, por commodo prego, um diccio-
niio prtuguez por Constancio : quem tiver an-
nuncie.
Compram-se cscravas com habilidades, ou
mesmo sem ellas ,que tenham boas figuras; assim
como molequesal 20 anuos : na ra Nova, loja de
ferragens, n 16, se dir quem compra.
Compram-seescravos de ambos os sexos, de
12 a 20 annos : na ra Dircita, n. 3.
Compra-so um relogio, sahonele de piala, cujo
prego nao exceda de 6 a 7,000 rs. : quem tiver
annuncie.
Vendas.
A ESTRELLA DA NOITE,
Lindissima valsa para piano : vende-se na ra da
Cadeia do Rccife, loja de viuva Cardozo Ayres & Fi-
Ihos : prego, 500 ris.
Livros por todo o preco.
Luziadas do CamOes pelo Morgado de Matbeus;
Jornallas familias com ricas estampas, 5 v. Milln,
liilile; Atlas geographico ; Cornelius i\epotis; Mas-
tre espagnol; novo melhodo da grammatica portu-
gueza, por Antonio Pereira; Ciceronis epstola;
Horacio : no Atcrro-da-Boa-Visla, n. 24.
Si
1
Vende-se.na macla Cruz, n. 23,
cera em velas, de uma das melho-
res fabricas do Rio-d'e-Janeiro ,
(3!
!J sortimenlo vontade do compra-
dor, em caixas pequeas e por
preco mais barato do que em mi-
tra qualquer parte.

No Aterro-da-Boa-Vista, def-on-
te da c luna ,
a dlnhelro a vida est o barateirn torrando por todo o
preco o siguile : apotos franceses de luarroquiui,
curdovo, duraque, selini e de ruiiio de lustro, para
srubura ; bolins de marrnquin ; sapalos par menino.., pur todo o pirco; sapales iuglczes, pa-
ra honirui ; ditos franceses palas; ditos de entrada baixa ; ditos de inarioquiui e
pete ; burzeguins gatpeadtis para lioinem ; sapatef
braucos.de Iiisboa, para huineni ; sapalos de cuuro de
lustro, duraque ecordovao, para sei.hora ; bor?eguns
gaspeados para sen hora ; bonetes de pallia, a i20rs. ;
pelles de couro de luslio de uiuilo superior qualidade;
nortes de collete de seda de diversas cores : tudo or
preco con.iudo. '
- Vende-so um prelo e uma preta, casados, com
urna cria de dous auuos proprios para todo o ser-
vio : na ra di Madre-de-Deos, loja de fazendas,
~ Vendein-se cinco acedes dacompanhiade Beberibe
enm relogio patente iiigtei, sabonete de piala, mull
bom regulador i na ra da Concordia, n. 26, primeiro
andar.
Vende-se, no primeiro andar do sobrado n. 8 da roa
do Aterro-da-Boa-Visla, urna arroba de pruMlato de po-
U**a (tp^noferruro de polauium).
Vendem-sc7 escravos, sendo :5 pie tas mocas e
de bonitas figuras, proprias para todo o servlco de casa,
e entre ellas nina com una cria de 9 mezes uma par-
da de 18 annos, de muito linda figura e que cose e
engomma soffrivelmente ; um pardo da mesma Idade ,
pioprio para pageiu : todos sem vicios nem achaques :
na ra da Cadeia de S.-Antonio n. 25.
Vende-so azeite lino de gerselim, para comer e
nara luz : no deposito de azeite de carrapalo na ra
la Senzalla-Velha, n. 110.
AVISO
aos Srs.deengenho
Ka ra do Crespo, loja n. I ,
de Jos lon(|iim da Silva
illa).i, vendem-se
cobertores de algodo, muito encorpados, proprios
para escravos; bem como uma fazenda de lnho a
'mitagffo de estopa, forte e prnpria para roupa de
escravos e saceos para assucar; tudo por prego mui-
to barato.
Vende-se urna canoa aborta que pe
ira em ipil lijlos de alvenaria ; uma dita
meiaabeiia, pequea, ivtificada de no-
vo ; nma dila de condozir agoa : tudo
por preco commodo : na ra da Senzal-
la-lNova n. 7.
= Vendem-se tiioendas de ferro para engenhns de a-
ui-ar, para vapor, agua e tiestas, de diversos tamanhos,
por preco cominodo ; e igualmente taixas de ferro coadn
e batido, de todos os tamanhos: na nraca dn L'orpcSan-
to, n. II, em casa de Me. t alninnt & Companhla, ou na
ra de Apollo, armazem. n. 6.
Vende-se cal virgf m em nielas barricas chegada
iiltimaiiiente ; caixas vasias para assucar ; urna porco
de pesos de ferro, de duas arrnl>as ; sen-as grandes para
serrar madeira; tudo por preco commodo: na ra da
Moni.i, armazem n. l7.
Excellenle rap.
Arha-se alierto um novo deposito na ra da Crut,
n. 44. de superior rap1 lauto lino enmogrosso e ineio-
grosso di- Gasse da llaliia e por muito commodo preco.
Acha-se a venda no dito deposito e bem assim uo
hairio tfe Santo-Aiiinnio nas lojas dos ^rs. Filippe
de Santiago, Joarjuiui de Abren, Heiirii|ues" & Coin-
panhia ; Almeida e Campos, Antonio Doiningiies Krr-
relra Jblfuiu Monteiro da Crin St l.oiupanhia ,
Manoel Josi4 da Costa Oliveira l odeceira ti Giiimaraes;
balrru da Roa-Vista os Sis Antonio Ayres de Castro &
C'ompanbia Cai-tano Luiz Ferreira ; balrru de S.-Jos ,
osSrs. Joiio Jos Pinto de Oliveira, Vicente Jos 'la-
vares.
=- Vendeni-se chitas liuipas a seis vintens o covado ,
e a 4/600 rs. a peca ; ditas liuipas e escuras de muito
boni panno e ores llxas a .'i.lillll i s. a peja e a reta
Iho a ineia pataca ; sarja preta linipa e superior a
1/400 rs. o covado ; o Guarda-I.ivras moderno em boni
uso : na ra estreita do Rozarlo n. 10, terceiro andar.
az.
l.ojn de cfoao r.liarflon ,
' lciro- Nesta loja aclia-se um rico sortimenlo de LAMPE0ES
PARAGAZcoui cus competentes vldros accendedo-
res e abafadores.
lSteS eaillerOS o os melhore e
inaii modernos queexistem boje : recoinmendam-se ao
publico, tanto pela seguranca e botn gusto de sua ba
confeceo como pela boa qualidade da luz, economia e
asselo de seu servlco.
\'a IllCSina loja os consumidores cin-
pre acharao um deposito deG7., de cujo se alianc a
qualidade e em porcao bastant para consumo.
Vende-se um pardo de 20 annos, com boa fi-
gura ; tambem se troca por uma escrava que. lenl.a
principios de habilidades : no paleo da matriz S.-Antonio n. *.
Vende se uma porgio de cera e esleirs de car-
nauba t na ra do Oabug, loja de miudezas, n. 1 I).
Vende-M urna escrava, com urna cria aqttal
eozinha, rngomma e lava de sabtio ; na ra do Ca-
bo g loja de miudezas, n. 1 I).
fecbinelia Igual a inda nao vi!
Na esquina do Livi amento, loja do nicho, vendem-se
chales de laa, de ricos padrdes, a 2/240.
Vendem-se dous relogios de ou-
ro muito modernos, por preco commodo:
na ra Uireita, sobrado n. 29.
Otilas de coberta, a 160 rs. o
covado.
Na primeira loja do Alerro-da-Boa-Vista, n. 10,
vendem-se chitas ele coberta a meia pataca o co-
vado
Vende-se um escravo de nacilo Costa de 30 a
35 annos: preferc-se para fra da provincia : na
Camboa-do-Carmo, n. 33.
-v Vende-se urna preta moca, anda
com leite por Icr parido ba poucos dias
a qual sabe coser, cozinbar e fazer lodo
o mais arranjo de urna Cipa, por sei mui-
to diligente: na roa Bella, n. 4o.
Vende-se potassa nova por preco mais com-
modo do que em outra qualquer parte ; cal vjrgcm
de Lisboa cm barris : na ra ele Apollo armazem
n.18.
Vende-se urna bomba de ferro muito forte-,
com pouco uso : no Aterro-da-lloa-Vista venda
n. 78 ou na ra do Queimado loja n. 7.
- Vende-se um escravo de 30 annos bom car-
reiro ; 3 moleqties do 12 a 18 annos ; dous escravos
do .servido decampo ; uth moleque de 5 annos ; 8
cscravas de 16 a 26 annos um das quaes he boa cos-
turcira engomma e faz bem lavarinlo : na ra Ui-
reita n. 3.
Chamranha.
Vendem-e gigo* com 12 garrafas de vinbo de cham-
panba, de qualidade muito superior, eiu caa de J. J.
Tasso Jnior, tua do Amorim, u. 35.
Vende-se urna mulalinha de 12 annos: na ra
Velha, sobrado n. 18.
=- Vende-se uma linda mulalinha de 16 annos,
rocolhiila propria para mucama com habilidades
edecxcellento conducta na ra estreita do Roza-
rio n. 31, primeiro andar.
Casa da F
na ra estreita do Hoza rio. n. G.
Nesta casa acha-se a venda o resto das cautelas
da lotera a favor das obras da matriz da cidade da
Victoria, cujas rodas teram o seu|infallivel andamen-
to no dia 15 do corrento mez, tiqueen ou nOo buh-
les por vender.
Vende-se um preto de bonita Ggura proprio
para todo osorvico por proco muito commodo : na
ra do Crespo, n. 12, a fallar com Jos Joaquim da
Silva Maya.
Vendem-se cobertores de algodao,
a 8oo rs.; pecas de ganga azul, conviq,
covados, a i,ooors.; ditas de zuartes da
India, com a5 covados, a 5,5oo. rs.;eou-
tras fazen 'as, proprias para roupa de es-
clavos, por barato preco : na ra do
Crespo, loja n. io, de Jos Joaquim de
Freitas Guimaraes.
--- Vendem-se botina para me-
nino e homem, de todos os tama-
nhos ; capachos redondos e com
pidos de crese brancos, para
ornar salas ; esleirs de Angola :
na ra larga doHozario.n. 24.
Vendem-se escravos baratos na rqa das
Larangeiros n. 14, segundo andar, sen-
do : um bonito prelo de naQo muito
forte novo sem vicios nem achaques ;
um lindo pardo de 22 annos bom para
pngem ; um prelo canoeiro, por 400,000 rs.; um
dito anda mo^o proprio para trahalhar em um si-
tio por 250,000 rs.; um dito muito forte e mn?n,
por 350,000 rs.; uma preta que entende mullo do
servido de uma casa e que be muilo diligente, por
360,000 rs.; tima dija por 340,000 rs ; duas dita
do tiac.lo por 900,000 rs. ; emais alguns escravos
que a vista dos compradores se moslrarSo.
NA LOJA DE 3 PORTAS, DE FRANCISCO JOS PEREI-
RA DRAGA, NA RA DO CRESPO, N. 3, AO
PE' 1)0 ARCO DE SANTO-ASTONIO,
ven covado ; cortes de cnlletes de padrfies modernos a
2,000 rs.; corles dechaly de-seda dos melhores gos
los que teem apparecido, a 14,000 rs.; pe?as de cam-
braias lisas muito linas, a 3,500 rs.; mantas de setim
muito superiores, a 14,000rs.; ealm destas fazendas
acha-se um completo sorllmonto de fazetrdas linas
Vndense um sitio distante da praca 3 quar-
tos de legoa com casa ele pedra e cal, com commo-
dos para grande familia, terreno proprio com
frticteiras, e sufflrioiiria para plantar-so o ter 12
vaccas do leite, todo cercado com cerca nativa e
valle, um vivoiro cavado faltando-lhe smente por
a porta d'agoa com uma vertente tl'agoa corrente
lodo anno onde se faz hanheiro pelo verflo ; tem
uma ularia bem afreguezada pelo bom barro que
teem para toda a qualidade do obra e com vantagem
de poder vender barro para oulras olarias que o nflo
lem e para obras, com bom porto de embarque:
a tratar no sobrado que lem olaria atrs dos Reme-
dios.
Vende-se uma morada de casa de sobrado; uma
dita terrea no bairro de S.-Antonio : a tratar na
ra daT.oncordia n. 3.
Vende-se uma redo grande, do algodo : na
ra da Cadeia do Recife loja de Jos Mara Seve ,
n. 57.
Na rua Nova n. 6, loja de
Maya amos & C. .
vende-se sarja pela larga ; setim preto de Maeau ; veos
pirtus, de muito lindos p.idri-s ; uvas de seda curtas
econipridas; meias de seda prrtas e brancas para' ho-
inein e seuliora ricas perfumaras ; ricos chales e
mantas dos melhores gustos que teem vindo; borzeguins
para linuieui e senhora ; sapatos de lustro para hotnem
e senhora ; sapatos de duraque milito novos e bons a
1/000 rs. o par ; creps surtidos ; (lores muito linas para
chapeos; reos lencos de seda para mo ; ditos pretns
para grvala ; c outra inultas faiendag de goslo, e pelo
mais barato posslvil.
_=Vcnde-se, por junto ou separado una grande por-
co de obras baratas, entre as quaes ha Vlrgilie ;I!iillbii;
ilontesqui'ti ; J. J, Rousseau ; Tlemaque ; Hacine ;
Conl'ucius ; o Guarda-llvroa moderno ; Secretario por
tugurz; le iliition.iiii' des arts et mtirrs ; dito de ehi-
ir.ic ; dito de astroiiomie ; dito iinivrrsel fraileis et
anglais e vice-versa.; dito sspagnol et auglais ; dito de
gograpliii' um atlas de la France ; la Nosograpliir
gm'-i ale em 4 v. ; Son medecn par ierre et par mer ;
l-i ilnuiie de chiqic, de phisique de l'orfi'vici ir de
la peche, du jarpinier, de la uienagre et de mlniature;
l'Kspi'clacle de la nalure; tiistoire du Bri'sil; le Hengat;
i'Abordage, la Comtcssed'Kgmont, elilillereus voyages ,
comedies etVaudevilles : na rua larga do Hozarlo ao
pe dos quarteis ns. 6c 8
Vinho de Bordeaux
de superior qualidade ein caitas de duiia, por preco
cominndo : vende-se na rua da Cruz n. 10 armazem
de Kalkuianii & Rosciunund.
Vinho de (hampanha
de superior qualidade : vende-se na rua da Crui, n- 10,
armaiem de Kalkinann t Hosi iiinunil.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vendem-se bilhetese meiosdilos da decima lote-
ra a bnelicio do Monle-Pio: na rua da Cadeia ,
loja de cambio, u. 38 de Manoel Gomes.
vende-se arroz banco superior: na rua do
Queimado, n, 4.
Vendt--se urna porclo de feijITo-mulatinho,
tanto a rea Iho como por atacado, por precio com-
uiodo : na rua da Praia venda ti. 39. Na mesma
vi-tula lia tima nula viuda do Porto-Calvo, para o
Sr. Joflo Das Cabral.
Vendem-se 4 lindos moleques da 16 a 20 annos,
sendo alguns de nacfo ; 3 pelos do 24 a 30 annos ,
sendo um delles ptimo canoeiro-; 3 pretas de 20 a
24 annos, com habilidades, tendo urna dellas bom
leite e uma cria.deum anuo oplima para se des-
mamur ; uma preta, por 200,000 rs.: na rua do
Collcgio ti. 3, segnndo andar, se dir quem vende.
Veudera-se 3 mojecotea de bonitas Dgura9, de
13 a 18 annes; dous bonitos escravos, sendo um del-
les ptimo carreiro ; um escravo que Ira bal ha
bem do pedreiro; um molecote de 18 annos, por
450,000 rs ; uma escrava que cose, engomma, eozi-
nha e lava ; uma dita de 20 annos, por 450,000 rs.;
uma dita boa quitandeirae lavadeira, por250,000 rs.;
urna dita, por 230,p0O rs. ; uma dita moca que faz
todo o servido de uma casa, por 420,000 rs. na rua
de Agoas-Verdes, n. 46.
OW.?f W? f f w wm
k
sj
E ALEGRA J
Temos a *
satisfaco ^
de annun-
ciaraoma- -*1
damismo *&
S, pernambucano do gosto, que se acaba de re- ^
0. ceber de Paria a fazenda denominada prazer
e alegra. Pars he O herco das modas e <(
.> onde o bom gosto est mais apurado: all -<$
* a fazenda denominada prazere alegra tem [
tido o lem o maiorapreco; todas as senhoras +
* de apurado gosto enoontram-se, qur nos **
* bailes, qur nos passeios, vestidas dopa- "
* zer e alogria. 3
O maitamismo pernambucano, pois, sempre 2
* apreciador do bello eagradavel, eporconse- ^
:? guite das modas do Pars tifio pode deisar ^
^. de receber com muito prazer osla noticia,e he -4$
;> na rua do Crespo, em casa de Antonio l.uiz
:> dos Santos & Companhia, que se espera o- <
seu reconheciment.
* Muilo ptle no mundo
* A belleza, a sympathia, S
3t Que sempre se consegue ^
jt- Com prazer e alegra
Alleluia, Alleluia! Cheguem com
presteza a yerem as novas pe-
chinchas que tem o antigo
bataleo, para as scnho
ras do bom tom.
O antigo liarateiro tem pechinchas de poueo di-
nhoiro, na sua nova loja de miudezas da rua do Col-
lego n. !> : oh que riqulssimas e mimosas filas, vio-
das 1I0 Rio-de-Jineirn as mais modernas quo teem
apparecido nos ltimos diverlitnenlos e bailes ; litas
de velludo de cores e com franjados dous lados (
para cinteiro de senhora ; ditas assetnadas de dif-
ieren tes cores e com franja de um laclo, da largura
de um dedo 1: meio a dous dedos, para guarnices;
cinteiros pitra meninas do differenles gostos os
mais bonitos possiveis; litas de velludo protas e es-
trellas ; oh que lindos pentes do tartaruga para
marrafa pelo antigo prego de 960 rs. a parelha ;
ditos de tartaruga, para segurar cabello, a 2,000 rs.;
brincos pelos atartarugados, do ultimo guato, para
senhora ; luvas pretas com dedose sem lies e com
(lores de cores para senhora, chegadas ltima-
mente; gargantilhas pretas, para senhora ; riquissi-
mas tosouras finas para costura eunha. Venham ver,
freguezes, o novo sortimenlo de chapeos de sol que
lem o antigo barateiro, pelo antigo prego do 2,880
rs, cada um.
Vende-se uma excellento casa torrea com
commodos para uma grande familia sita nesla pra-
ga : no principio da rua Imperial, n. 9.
Continuam-se a vender, por pregosssaz ra-
,soaveis, casaos de pomboa muito grandes, batedo-
res e bonitos, d uma raga excellente. A ellos, fre-
guezes, anles que se acabem. Na rua da Florentina,
n.16
Na rua da Cruz, n. 38, vendem-se, por prego
commodo cclhcres para sopa, atroz e cha facas e
g'arfos de superfino metal, intitulado prata-noya
? Vende-se una pela do nagio sem vicioal-
gum de 23 annos que lava, engomma sofTrivele
eozinha o diario do uma casa : na praga da Indepen-
dencia n. 36,
Vendem-se uvas jnoscatois, brancas e mergu-
Ihos das mesmas, promptos para plantar : na ru
dollozatio da Boa-Vista, n. 2.
Vende-se lila de velludo, para cahega de se-
nhora, a 160 rs. a vara ; luvas de seda tambem para
sen-hora a 1,000 rs. o par; tneias para meninaa a
160 rs. o par: na rua larga do ilozario, loja de
miudezas, n. 35.
Veude-se o Castriolo Lusitano ou a guerra
entre o Brasil e a Hollauda, cun tres estampas linas,
I v. ; Parnaso Lusitano, 6v. ; EscavagOcs poticas,
por A. F. do Castilho 1 V. ; um violSo eooi seu
methodo : ludo novo, por prego commodo : na rua
to Rozurio, n 48.
Vendem-se duas mulalinlias de 12 a 15 annos,
II niadts quaes cose, faz rendas e bicos, ea outra teni
principios de costura ; um escravo preto, do 25
annos, proprio para todo servigu; e uma negrinhi
crioulade 15 annos, para f&ra da trra. Na rua dos
Tanoeiros, n. 1.
Vende-se um cavallo rodado to muito bons an-
dares e bonita figura : na wa das Cr.uzes u. 11-
Escravos Fgidos
Fugio, no dia 5 do correnlc abril, do engcnlio
Trapiche de Ipojuca nm prelo de nome Thom*i
crioulo, de 25 annos, bastante alto, cor fula ; lem n
testa um sigrial que parece um C o tambem no quei-
xo ps grandes e com marcas de bichos; foi |>w-
len eente ao casal do finado Antonio Marques da Cos-
ta Soares ; tem pai e mili forros que nioratu na ma-
triz da Varzea : quem o pegar leve a ruado Crespo 1
n. 1 ou ao mesmo engonho, que ser recom-
pensado.
- Fugio, 110 dia 6 do corrente um preto de no-
me Manoel, de nngflo Massangana estatura regolai.
rosto redondo rom alguma suissa; Icvou caiga-* de
linlio eiu e camisa de madapolilo mas sempre ti
a camisa enrolada na cintura e chapeo de palna ue
abas muilo largas; he muito caohaceno, odepoi
de bebado cosluma fazer desordens e rouhar o quo
pode; he muilo ladino ; cosluma a tntilular-sc Jor-
ro ; eslava alugado no Aletro-dos-Afogados quaimu |
fugio e o fez na occasiilo tic 'Ir entregas- urna cari
n..A u,Mn n(,icir,t iiiom n nor/ar. le.ve a rUil OS
levo a
Soedade n. 32,"que ser.recompensado.
que levou cottisigo : i|uem o pegar,
-p"^
PERN.
WA TP.
BE M. r. DE JAB A. 847 |
- -
\