Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08752

Full Text
Anno de 1846.
Quarta feira 2if
0 DIARIO publica-se todo o dlaa que
n-io forem de guarda ; o preco da ass.gua-
,-a he de 4/bifc rs. por quarlel pajo.nd.-in-
Irfas. Os annunclo. dos assignantes sao io-
5m a raxio de 20 reia por liona. 40 rs.
lm tvoo diuVirente, c as repelicoes pela me-
de Osque nao forem assignantes pagao
80 rs'. por llnha, e 160 e.n typo qlfferfente.
PHASESDALUANO MEZ DE FEVEBEIRO.
Crescente a 3 as 2 hor. c 51 min. da man.
'.obela a 11 a hor. e 51 min da .au.
iingoante a 19 w*hor. e 23 min. da man.
Iua nova a 25 as 5 hor. e 11 ui.n. da Urd.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Ooianna, e Parahyba, Segd." e Sextas feiras.
Rio Crande do Norte, chega as (ruarlas
Tetras ao ineio dia, e parte as mesmas ho-
ras as quintas feiras.
Cabo, Serinhaern, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, -no 1., 11 e 21 de cada mer.
Garanhuns' c Monito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAHAR DE HOJE.
Primeira as 4 h. 30 minutos da Urde.
Segunda as 4 h. e 54 minutos da uianha.
de Peverero.
Anuo XXII N. AS.
DIAS DA SEMANA.
23 Segunda S. Lzaro, aud. do J. dos orf.
I edo J.doC.da2. v., do J. M. da 2. ?.
24 Terca S. Mathias, S. Pretxtalo, S. E-
delberto.
25 Quarta de Cinta. S. Cenarlo, aud. do J.
do i'iv. d;i i v., e do J. de pazdo 2. dist.
26 Quinta S. Toroato, aud. do i. de orf., e
doJ.M. dal.v,
27 Sexta S. F.ustotiuia, aud. do I. do civ. da
1. v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
28 Sabbado S. Serapio, aud. do J. do civ.
da 1 v., e.do J. de paz do 1. dist. de t.
1 Domingo S. Seutberto.
CAMBIOS NO DIA 24 DE FEVEREIRO.
Ca.nb. sobre Ixm.dre.1. 27 d. p. lf a 60 d.
Pars 850 rls por franco.
Lisboa 105 p. c. pr. p. m.
Desc. de let. de boas firmas I Vi P- *A me/.
Ouro-Oucas hespiuliolas 30V00 a 311000
Moeda de80Jvcl. 16/tOO a I70UU
de6s400itov. ItijWO a I6f800
de 44000 8700 a 9/000
Praln-Patacdes .... Ifli a 1# Pesos Coluin.iares l.fKM a 1/170
> Ditos Mexicanos. 1/860 a 11880
PralaMiuda 1/800 a 1/720
Acedes da C* do Beberibe de 50/000 ao par.
MKWin'm'f':
DIARIO DE PERN AMBUGO
DIARIO DI PERAIBBCO.
QDAHTA-reiBA DI CINZA. KNSINO DK8TB DIA PARA
TODOS OS 8OL01W B BRUTOS DA POCA.
Hontem os folgares, as limas, os mergulhos, as fl-
lliozes, os regabofes, as indecencias talvez; hoje o
recolhimento, a modestia, o pejo, a piedade, a peni-
tencia Hontem as nossas casa* invadidas pelo en-
trudo desenvoRo; hoje as nossas igrejasapinhoa-
das pela contriccilo abatida Hontem mascaras;
hoje cinzas FiccSo e realidade Oh que para o
homem, que pensa, ainda que nao seja melanclico
ha ah um espectculo bem triste, bom doloroso,
bem amargo, ea tudo quanto hoje v4 passar-se. 0
lilhinho, que bebe a vida em golphaos, sombra be-
nfica do pai; a virgem formosa o morena desta nos-
sa zona de fogo, que delira de espranos o de raceio,
sob a frondente copa da mangueira ; o mancebo ro-
busto e atrevido, que j ve ergue r-se-lhe ao longe
mil castellos de ouro e de glora ; a msi estremecida
de amor, e a velha trmula de susto, todos, curvados
hoje diante do altar, recebom da bocea do sacerdote
um annuncio bem lgubre.. Depois, l se levan-
t3o todos, assignalados na fronte com o mesmo p,
de que foro fabricados, e tambem com a memoria
bem viva do fatal anathema, que o primeiro homem
ouvira do proprio Dos : Tus p, e tas de('-
teemp! 0 silencio, a tristeza, as serias med(aces,
que esta sentenca de morte produz em todos os ni-
mos, do t3o grave ceremonia urna melancola in-
defnivel. Hoje, todos os orgulhos da torra se humi-
lhSo, todas as jerarchias se confundem: o rico
eo pubre, o sabio e o ignorante, o (dalgo e o popu-
lar, o livre'c o cscravo, todos se reconhecem feitos da
mesma aiassa, todos sao nobres diante de Dbos,
lodos sao miseraveis na trra ; sao/m, que ho de
voltar ao p!
Que terrivel verdade para aquelles, que se atirao
cheios de ardor pelos caminhos fractuosos da vida, e
que liofio enrgica ho esta do desenho da cinza na ca-
bera do quecre, que,ochristiatismo envelhece com
a cruz, e com a displicencia, que manifesta pelos pra-
zcres da carne Nao. O christianismo nao envelhe-
ce, nem he inimigo dosprazeres terrestres, que s3o
necessarios conservacilo do corpo. O christianismo
he a l'' do homem : s quem o nflo estuda, s quem
o nao comprehende he que o suppOe contrario ao seu
dcsc-nvo!virr.c:tG. O christianismo nao pdc cr.vc-
Ihecer, porque a lei do ente moral munca envelhece
he sempre urna, he sempre*1dentca ; nem he
inimigo dos prazcro's da carne, porque o christianis-
mo reconhece, com a philosophia, que o corpo be
necessario ao espirito nesta viagem tao breve, que o
homem completa na Ierra : ao que o christianismo
se oppoe, ao que elle se mstra contrario he ao abu-
so das torcas physicas do ente moral; e nisto est
elle de accordo com a lei do homem. Entregai-vos
a urna voluptuosidade desregrada, e veris como to-
das as molas do principio vital seafroiixilo, e como
perdem n'um momento toda a energa e poder, com
que o Creador as dotara : veris como o espirito a-
borrecc a materia, ecomo d'ahi em diante vos he a
vida insupportavel. Nao querereis vos cumprr
vossa missSo na trra, que he tornar esplendido este
planeta, que o Creador vos dera por heranca, e en-
cher de flores a mesa do banquete, a que elle vos
chamara desde o principio ? Qorerieis antes falsifi-
car todas as leis de Dos, e aecusar depois q christia-
nismo, porque infrings essas leis ? Antes de con-
demna-Io, studai-o ao menos em qualquer dos seus
preceitos, e veris que elle he o composto da mais
alta philosophia : he o Verbo de Dos ensinando aos
bomens a lei" moral, e mU lei resumida em duas
grandes palavras para asoejiadade : liberdade
ordem.
Aqu he que os nossos fazedores de constituitjoes
e saltimbancoa polticos de todas as cores e de todos
os paizes deviflo estudar a lei do homem; e depois
desenvolve-la na trra, segundo a propria vontade de
Dos, que he a justica universal, em vez de nos esta-
rem incommodando a cada instante com leis inser*-
satas, e de urna mesquinhez do principios semexem-
plo, cuja base he o capricho e a mais criminosa de
todas as cegueiras.
Estabelecida a liberdade christaa na sociedade,
que presidisse a verdadeira philosophia, seria a or-
dem urna consequencia inmediata desse precioso
elemento; ou antes a ordem, que nao seria mais que
a exacta proporcao das partes para o sea centro, ou
a expontanea concurrencia dos membros para o sou
Gm, achar-ae-bia por esse nico facto identificada
com a liberdade, e a liberdade e a ordem do christia-
nismo serifio um e o mesmo elemento indispensavel
para a sociedade christaa. Em quanto estas palavras
nao forem meditadas e comprehenddas pelos nossos
Solons e Brutos modernos nao so verificar na trra
o reino de Dos ; e os povos serfio o ludibrio da ig-
norancia e da m f de charlataes polticos, que se
apresentaro na scena do poder em guisa de protec-
IW fU.U, \J UIU 33 .UUUL.fV-----, r---..., -.- --
chegar, porque as palavras de Jess Christo sflo a
Verdade, e a Verdade he DeoS" mesmo.
O ensino, pois, que a cinza nosoflerece, he urna es-
colente lic3o para o homem e para a sociedade : do
ura lado o p, do outro lado o espirito;do um lado
a vida, do outro lado a morte; de um lado a carne
do individuo, que se converte em cinza, do outro a
communhao militante de todos os homens, que vai
completando os fins da Providencia, com a fronte
cingida da aureola da immortalidade !
E esta ceremonia, tao significativa, remonta ao
berco do christianismo : he urna continuarlo do
antigo uso dos primeiros seculos, em que nossos
pais, t3o religiosos e 13o penitentes, se aprosentav3o
porta da igreja no primeiro dia da quaresma, vest-
dos de cilicios ecoberlos de cinza. Que profundo
ento de respeito e de saudade nos n3o dexa
na alma a recordarlo de Ues ceremonias, com todo
o cortejo de humildade, que as acompanhava!
Um dos mais bellos edificios do bairro da Boa-Vista,
que o Sr. Francisco Jos Barbosa, ha poneos dias, aca-
bara de faier construir na praca daquelle bairro, e cujo
valor be calculado em miis de 30:000/000 rs., icha-sa
de todo loceodiado, e apenas moslra ao* olbos doi cu-
riosos tres das paredes mostras, que dentro em pouco
tambem deiabar5, pois j ieacbo drsaprumadss.
O incendio, que se manlfettou pelas 11 doral e tre
quartcs da noule de 23 do correte, que s 3 | ba-
ta r'eito o estrago cima referido, e que se tera alu-
da mais communicado s casas, que i devorada pelas
chammat fleavao annexas, se medidas prerenlivss le
nSo lomaitem, (oi, sem 1 menor dusida, parto de al-
guna desias almas peqeninss e malvadas, que & vln-
ganca da mais trivial odensa sacrificio lodos 01 senti-
mentol de humanidade ; pois que o edificio alada por
alguem era habitado, fura varejado oa mesma ooute da
cataatrophe, antes que se esta verifleatse, e selle se
nao encontrara cousa alguna a que se a pona attnbuir.
Esse acto da mala requintada maligoldade prova at
evidencia, que bomens ba, cojos planos, boos ou maos,
urna vei concebidos, sio realisadbs 4 despello de quaes-
quercoDsideracdes, sejo quaes lorem os seus resulta-
dos, olTendio a um A ou a mullos, e ponhSo embota em
perlgo a sorte de todos, com tanto que alllnjio ao a|vo,
qae em villas tlnbio ellcs, qoando o formrSo poli
que, i nlo ser asslm, nmguem te abalaoearia pOr logo
a ama casa, nao solada, mas cercada de outrai multas,
eujoi moradores j boje nlo exiitiriio, se, prevenidoi a
tempo, se nio houvenem escapado, e entre ai quaes se
contavio tres botlcaa. e diversas tabernas ; estabeleci-
mentos estes, cujos tffeitos sio, pela mor parte, de na-
turea Inflammavel.
A proprledade incendiada nfo se acha segura, como
se tentou iur crer : e o Sr. Barbota, lio leliz ate
aqu em todos s leus negocios, e aps de quem a fortu-
na parela correr rlsooba, tem de rsignar-ie ao nao pe-
queo prejuio, que loffreo, pois be deiconhaclda
mao, que Ih'o procurou. -
Varieclade.
A RAINHA MARGOT. (*)
por aia-unff Diimas.
QUINTO YOLUME.
CAPITULO V.
OKTBsar. (Continuaqo).
Um i|urto d'bora depois de Mauretel, entra.. Ortl.on
no Lonre, n.usirnvn-n como de Mony Ihe hatia re-
coniniendadu, ganhaV. o.psenlo de madama deSin-
"', depon de haver rallado a aloni cominenjaei do
paeo. '
ariole tmente elWva no aposento de sna ama. Ca-
H.trma aeabRTa de mandar chama-la par copiar certa.
carta, ..portante., a rin^., ~;-:o; ~-~. .,.. .n...
lo da raiab*..
Bsl bem, disse O.ti.o... eu caperarei.
AproveUando-ae Ja aua fittniliaridade na casa, o ma-
\\ (*) Vide Diario n.' 44.
ceba entro., para o quarto de dorair da baronets, e dc-
pi.it dse rraer bem certificado de ettar s, pos o bhe-
te atrs do espelbo.
No instante em que elle d'ahi retirara a alo, eotrou
Catherina.
Orthon etnpallidecoo, porque Ihe pareria qne oolhar
rpido e preterutador da rainha-mii se baria logo diri-
gido para o cipelhu. ,
Quo fines tu ah, rapas, pergonlou Catherina; oto
procuras madama do Saure?
Siin, tenhora; ha mt.ito tempo qua a nlu vejo;
e a tardar por mais lempo era rir agradecer-Il.o, lou.iu
piatar por ingrato.
Tu entlo etii.nat n.uito esta querida Carlota?
Com toda a minba alma, tenhora.
E tu s fiel, ao que duen.
V. magesladereeoi.liecrr qne he uma oohm mul-
to natural, quai.do suuber que madama "de Sauvo leve
cummigo c.ndadot que eu nlo mereca, pnis que aou
um simples criado.
K ero que occatiSo tere ello enes euidadot? per-
gunton Catherina fingindo ignorar o qoalivia aconte-
cido a Orthon.
Quan.lo fui Herido, tenhora.
Ak! pobre menino! ditte Catherina, tu osle fc-
rido? '
Sin., m-Miiura.
E quando foi it*o ?
Na noile em que tinhio para prender a el-rei de
Navarra. Tito lauto medu ao ver soldados, que grite!,
OS MAHAtUTT'AS DO OESTE.
O invern consiste na India n'uma serie de dial com-
pletamente serenos e demasiado calmosos, mas tempe-
rados por brisas um pouco mais Ireicas, que ai que cor-
retn ordinariamente. Algumai urvores msii delicadas
se detfolblo nesta itacio ; mis nutrat. snmpre verdes
e loucias, apenas soflrem urna pequea paralisa?3o na
aelividade da iua Miva. Esl.i estapio nio traz comsigo
a tristeza a melancola, que produz a entrada do ou-
tono nai latitudei tropical: eonheco-se, sin., que a na-
tureza eit como lubmergida no me.o do um letbargo ;
mu cada raio de sol, cheio de calor e de vida, a tira ds-
qeelle estado com o qual lio prxima est a esperance,
que nio lem cabimento a tristea. Aquellos meiei em
n.in o sol ;f;;t: alguna graos, reanirnantlo enm urna
noa vieja es povoaedei e os campos, lio ulli esperados
com impaeienoii, en vez deietamerem, como aconte-
ce n'outrai partes. O curso do aitro do dia ao solsticio
do verlo (ra comiigo fecandn nuvens, que, abrindo-
se, lancio Ierra copiosas chusas, com as quaes re-
Lgadas as lementeins, principiio a crescer, e a prepa-
rnr-se para a colheita. Acabada esta metamorphose,
urna temperatura msii benigna convida aquelles povos
a emprebender ai grandes viagem, que praticio para
venderam 01 leus gneros. Ai noutes, um pouco mais
ongas, que de ordinario, fazem com que o orvalbo pos
a penetrar melber o solo com que o homem tenba
maii Torca e msia ilude pira arrostar com ai fadigis, e
que osanimaes, sous subordinados, tenbio mais valor
para alravessar es grandes dislancias, trepando i rnun
tanhas, e transpondo os areaes das planicies. O inver-
n he poca em que os Europeo! Taren) as suaa excur-
st'S, e tambem i|uandi) os habitantes de Hombaim la-
hem de urna ilha, e ie fazem tela para as grutas de
Elephanta, ou para as cavernas de Salseto, estendedo
algumai vetes ai suas vitgeni tt Elora, porque all se
cr.c.-.-ire 5!on,j,"entoi onijniMlient. marcado! com o
tello cania o entendimento em investigar a suaorigem, mas
(iueeierce.il um grande prestigio sobre o bomom pen -
iidor. Sem decifrar 11 nieripcoei, lem aclarar os sym-
boloi, se inicia por um momento nos mysterios das ge-
raQSe, que se extinguuio, levando comiigo o legre-
do da iua exiirjmcie.
' Aquello, qne, deiembarcando da Europa queira
aclimatisar-se, ou evitar o calor em urna almosphera
man lia, devia ir eitabelecer-ie as mootanba de Ma-
habelwar, ou nos cenles de Poonah. Basta ter per-
manecido alj;um lempo entre o* areaes, e o abrasado p
de Bombaim para sentir a nccesiidade de aventurar-se a
ir da ourra parle das monlanbn. qne guarnecen) 1 ba-
ha. Ocaminhodas monlsnhas vai terminar n'um pe-
queno rio no fundo da abrigada a nove legn de Bom-
baim. A viagem Taz so em famosas barcas de velas la
tina, ordinariamente de noute, porque he preciso apro-
veitar-sede urna bria, que, depois de ter soprado por
(re horas com bailante Torca, vai Jiminuindo pouco a
pouco para o anianhecer. Bem de pressa se deiiio airas
oa grandes navioi europeo, e aiimmunda chalupas
asiticas, que o commerco, cada vez mais activo, at-
iza be aos centensres ao redor da cidade ingiera A me-
dida, que le vai lentindo a calma de urna noute lerena
sentem-M tallar ai vagas agitadas, experiroeota-so urna
latiiTacSo ineiplieavel, e nio parece senio, que se ad-
quir) urna nota vida com aajradavel murmurio do ven-
to, que geme nos coqueiroi alinbidoi por toda a mar-
gara di ilha, A viagem comeca-se por entre os sombros
e escarpados rochados ; depois costeia-ie urna ribeira
mais baia e menos lelvagen ; diitioguiodo-ie vaga-
mente oa cotia detrs das cabail, onde nio brilha luz
alguma, 11 palmeirat, qua agitio lentamente ai mas
copas sob um coemearfo de innumeravon estrellas.
Os mariuheiros odios, abandonando n dogurai de urna
lio bella viagem, dortnem en tollos em compridaa pecas
de algodao branco, que parecem lences, e o piloto can-
ia eaa voz blizi, 1 cujo cntico corresponde a gralha
soltando dos juncaes o seu grito to penetrante como a
campainha de um relogio. As ive aquaticia, seme-
Ibantes aos ribeiroi, que nunca interrompem o leu cur-
io, nem o seu murmurio, jamis impenden) os seus
cante;, nem deizio aquellas mirgens leUriit, Dcsta
maoeira navegamos al ao porto de l'anwel, onde lan-
cmos ancora, ranwei he urna prafa de comninrcio
mu.to importante, que une Bombaim com ase.da Jet do
interior, vindo por uso a ser a primeira linha de oom-
municacao entre aquell. ilha, e 01 pequeos estados da
Cooledetacio Mabaralta resumidos no territorio da
companhia. Aoamanhecer distinguimos grandes bar-
cas carregadn de algodio esperando na praia o refluzo ;
vimos tambem alguns carros, muilos bois, estallos e al-
gunt camellos, que oceupavio todooespapo de umquar-
(0 de iegoa, que lepara a povoacao da ribeira. O lu-
dios, longe de, eslarem detoccupidoi a etlt bora, en-
tregao-se aosieui trabalhos ordinarios, cumprindo com
certo recolhimento ai prescripcOei religiosas e hygieni-
cn, que fotmao o quadro da iua vida. Naquella comar-
ca, na qual a tipecie humana lio multiplicada parece,
que se envilece, e que perde o seu valor, nio na nin-
guem, que oo tenba presento, que procede de Dos
que sahio do p de Brahama, ou da cabeca daquella d-
tindade encaotadota, e que o destino o tem leilo naicer
para servir, ou mandar.
Desde a ribeira at o f do; ;a6> o prCiOcgSc es-
pacoiaa planicies ckein de marnbn de sal, e de panta-
nos, onde vio os Ingttzei entregar le cica daigilli
nbn cegai, seu paisalempo favorito.
A aldeia de Fanwel est construida i entrada dai pri-
meirai girgmlai das monlanbaa, e asruinaide um en-
ligo forle attestio, que aquella posicio tinha determi-
nado aoi bellicoso habitantes da comarca a conslruir
um importante posto Ue guerra. Sitnbadgi, cujas con
quiln limilstao tanto 01 eonfins do imperio mabaralta,
.lestruio em 1682 a cidadella, que Tazii lombra aoneui
ioteresse, em consequencia dos gjvernadore de Au-
vang e Zol) se lerem ipoindo daquelle poni para so-
lar os seusnimigos nasmargeni do mar, impedindo-
Ihes ameacac as costal com ai iusi chalupa! trinadas em
guerra. Di Europeo nio construir all eslabelec.men-
t algum, de sorte que Panwell licou leita um vaito ba-
zar assombrado de (rondoasa errores, e atraveisado
continuamente pelas cara 1 anas, que commerciio no in-
terior, e onde ech 1 sempre o tamboril dasbailadeirai,
os gritos doi mendigo!, e ai vozei doi sendelhdei. O
terreno tai subindo sempre deide ai primeirai oabanas
lilusdas da planicie ; e desta maneita se trepa i escar-
padas rochi. Se se desee a urna montanba depoii de a
ter attateiisdo, be para subir a oulra mais elevada, e
aisim luccessivamente al ebegar ieiplamda dosGa-
hutbas. Ai cideiai de monlanhas, que aiiim se deno-
minio, eslendem-ie deide o rio Taplt al ao cabo do
aiiiorrn, eitando afastadas do mar, em quasi toda a
sua eitensSo, urnas 40 a 70 anilhis, ezceplo n'um s
ponto, em que ai suas vertentea vio banbar-ie na agoa,
mostrando aos navegantei em toda a ma prolongicio 01
cuines das niootanba ligeiramente inclinados, que ai
Tazem parecer as mootanhai da Arabia, ooeitreilo.de
Bab-el-Mandeb.
He urna lei da naturera, que ai extremidades dos con
or.an.ei; um delles deo-rue urna pancada na oabeca e eu
cal. i desacordado.
Pobro rapas! e agora etiis iateiraraeRto roslabe-
lecido ?
Sini, senhora.
De sorte que procura! o rei de Navarra, para tor-
nar a entrar no reu tervico P
Nlo, tenhora. O re de Navarra, tabendo que eu
tinl.a-roe atrevido a retislir t ordent de V. magealade,
me detpedio tem n.iiericoniia.
DeveraaP ditte Catherina com um tom de quem
tomata o maior interetse. Poit be eu me enearrego
Jcitsscgoiiu, ioaa a esperas madama de Sanve, h d
balde; ella ctl ocoupada aqu cu. cima, no iiieu gabi-
nete.
E Catherina, peinando que Orthon ..;. baria taUei li-
do tempo de esconder obilhele atrs do e.pelliu, en-
trn no gabinete de madama de Sauve para deitar an
mancebo toda a liberdade.
No metmo momento c quando Orthon atilintado del-
ta chrgada inesperada da rainha-mai, cuniultava entre
i te tal aiiparifl nlo oconltaTa alguma contpiraclo
contra teu amo, ouvio dar tres paneadinliat no forro;
era o aignal que elle metmo devia dar nv cato de perigu
1 seu amo,, quando este eslava no aposento de madama
de Sauve, elle de viga.
Essaa tras pancadas o 6serio estremecer, ua revela-
cao tnyitvioaa o illuioinou, o elle pemou qo eala ves
era o aviso para ti 1 correo purlaul aootpelhu, o reU-
rou obilbete queja l hara potro.
Catheriua segua, atrav do urna abertura da tapeta-
ra, todos ulmovimenlos do rapas, vio-o dirigir-so para
o etpelho, mas nlo soube, te paraeicooder all, ou re-
tirar o bilhete.
E ella 1 murmuro a impaciente Florentina, que
fas elle n.ait qae se nio vai embora?
E entruu inmediatamente no quirto oom riaonho
rosto.
Ainda aqu ests, rapaiinho? diiaeella; que es-
peras tu P Naotedissej que tomara a min o ouidado
do teuarranjo? Duvidat, quando le digo urna oouia ?
Oh! aenhora, Deot mo.defeoda respondoo Or-
thon. .,
E o rapos approxiinsndo.-se da raiona put um joelno
em trro, beijou ai pregas do vestido do rainha, e reti-
rou-se rpidamente. ... .
Ao sabir rio n antecmara o capitn dai guardas,
que etperava Catherina. E.la vitla nlo era para Ihe
dettruir at tuspeilai, o t fes augroema-lai.
Ba sua parle Catherina, mal que vio oahir o repoatet-
ro atrt de Orthon, correo ao etpellio. Mas de balde in-
trolui.oiellaamlutrmula de impaciencia, quei.eobum
bilhetaaanou.
E todava eitava ella certa de ter visto o rapas appro-
ximar-ie do eipellio. Era, pon, para lira-lo, e nlo para
p-ln ii. A falaldado dava urna forc.i igi>al aoi seua ad-
versarios. Urna crinnea turnava-ae um homem no mo-
mento em que luctava contra ella.
Moxeo e remexeo, olhou, sondou, nada !.....
Ob! o malaventurado 1 exolamou ella, euntolha

i
%


A-
tinentos Mancados no meio dai tgon, estejio suiten-
tadas por una lioba de montanhai, di meima manei-
ta que 01 Andel formio o esqueleto, digamoe assim,
de tuda a America do Sol, deila maneira oaGahuthai
ao, com as suas diversas reinificacoes, 01 membroi da
Pennsula Indiana. Se nio tem, como ai cordilheirai,
o teui cuines chelos de nave, elevados M s nuvens,
apresentio em troca disso multiplicados escabellos se
melhantes aos cuines successvos, pelos quaes se sobe
desde as ribeiras do Ocano-Pacifico ao oais alto do
Gbile. No meio das cadeias inferiores, cujas veas coo-
tem grande abundancia de prfido, do qual oa Iodios
fazem estatoas collossaes, prolongio-ie planicies tio re-
gulares, que poderilo tomar-ae por lagos seceos. An-
tigof caminhoa, lio especoios como as estradas roma-
nas, atrevessio por algamas partes aquellas planicies, a
algumes palmeiras selvageo, que o vento semeou em
irregulares espacos.assombrio a estrada com os seus ra-
mos, utrss arvores da meima familia, quasi sempie
cordadas de abutres pretos, se elevio en. diversas partes
naquetles solitarios lugares, urnas seies entre urna mol-
la de arbustos, e outras no leilo secco de um ribeiro.
Ao p daquullui montes unidos e susves na sua base, e
speros o cortados noseucume, se veem ainda alguna
restos de bosques, nos quaes termina a estrada entra
da de uin deifiladeiro. saseles divisa se ao looge, no
limo de um brilbante horironte aiul, um vapor negro,
que faz conbecer existir allialguma cabana entre aquel-
las bosques tranquillos, rara na verdade, porque as por-
cOes de terreno, que nSo alo banhedes por algum rio,
abrasadas pelos raios do sol relleclidos as rochas vi/.i-
nbas, sao incapazes de cultura, o tio quasi deshabi-
tadas. Aquella regiio, to prozima do Ocano, d a co-
nhecer o que aeria o porto de Botnbaiin se, por conse-
quenna de um grande cataclismo se relrasiem aaagoas,
deizando secco o intervelle, que separa as ilbas. A
medida, que se vsi entrando no corceo tio paiz, as
montanbas, sempre damnificadas pelas ebuvas, apre-
sentio prodigiosas desolecdes, espantosos precipicios e
valladoa, oode a vegelacio ae desenvolve com todo o seu
esplendor.
Na poca, em que atravesamos aquella pitareica co-
marca, deifilava pelos seus caminbos, cheios de p, urna
populado intuir, compoela depastoreseoommerciantcs:
erio as familias mabarattas, que conduziio para o por-
to o algodio, que os navios traniportio do lado de Bom-
baim. As colbeitss fazem-se no interior do paiz mais
prozimo de Bombaim, que de Madras. Os Mabarattas,
logo que chegio aquella primeira cidade, deposito os
seus fardos de algodio junto s muralbas da cidade, all
ficao no lempo secco ezpostos ao ar livie, esperando que
ebeguem os navios, que ho de leva-Ios aos mercados
ue i.unuit t> Ji- Liverpool, c s: fci'oiiss do Csq'So, cu
troca-lo por cb e seda da China.
Os mootanherescolbem tambem arroz eoutros grios
com que sustentio os seus gados, veodendo o resto, e
com o seu producto comprio sal, ferro e peizes peque-
nos, pesesdos na costa malabar, o qual comem como
karry, depois de os ter seccado ao sol.
Os Maharsttas pi usio carros para conduzir 01 seus
productos, poique p mi pilo dos caminhos Ihei em-
barace o poderem rodar com facilidade : para sopprir
esta falla servem-se de bois e de bfalos, os quaes car
regio com dous lardos do algodio e dous de cereaes,
perleilamente equilibrados, e Udi com fortes correias
Ha comboys de duzentos e trezenloi animaes carrege-
dos destd maneira, caminhando meros intuiros por mon-
tes e valles, escollados de alguna guerreiroe armados
com a sua espingarda de mecha e espada, outros com
massas de armas, lanera e escudo. A' fente da caravana
marcha o mais lormoso daquelles pacficos quadrupedes,
que geralmento be uin boi, porque o bfalo com as suas
curtas patas, e sempre'procurando os mares e os ribei-
ros, a mi de banbar-se, tem maneiras demasiado hu-
mildes para aspirar a bonra do cominando. O glorioso
boi, aqun, se confia aquello brilhante posto, vein a
ser ao mesmo lempo gerieral e porta-baodera da cara-
vana, cuja ultima func^io era urna das quatro grandes
dignidades do imperio mabareita. as ponas do ani-
mal fluctuio compridas flmulas rouxas.quese tem todo
o cuidado de evitar nio fiquem presas as moitas, que
guarnecen) os caminbos, e no poscoco osla fiza urna
pequea bandeira com as corea do seu dono, que serve
de signal para a reuniio do comboy. Duas enliadas da-
qucllas campainhas brancas, chamadas na India kauri,
caliem em grinaldasao redor doiolbos doquadrupede
privilegiado.
QuanJo chega a noute, a tribua busca um lugar pro-
prio para alvergar-se, e aili fai alto. O fardos de algo-
dio emonloados uns sobre os oulros formio um re-
cinto de quatro paredes capares de resistir a qualquer
ataque, dentro do qual se abrigio os bornese o gado,
e este eolrincheirameoto nio tem mais do que urna
entrada. Nos descro, ondese pode temer o ataque de
algum tigre oudealguma qusdnlha-de salteadores ,
ha sempre duas sentioellas i poila. No meio deste re-
cinto armio os Mabarattas barracas de lonas, ou es-
leirs, para descansen ni com mais eommodidade e
quera mal, porm, tirando elle o bilhete, vai ao enconlro
do sen dealino. O' li, M. de Nancey, l 1
A vibrante vos da rainha-mii straveseou a sala e vai
;i antecmara, onde eslava o capillo das guardas.
M. de Nancey fi ter com ella.
Aqu estou, senliora, diise elle. Que deseja V.
mngeatade?
Ealaveia na antecmara?
Sun, aenhora.
Vistea aabir nm rr.pai, urna enanca ?
Note ilutante.
Elle nio pode ainda ir longeP
Mal estar no meio da cacada.
Charaai-o.
Como ae chama elle.
Onlwii. Se elle recuaar rollar, tratei-o a forca.
Todava nio o amedrentis, se elle nio fier resistencia
algumn. Preciso fallar-lhe agora ja.
O capillo daa guardas correo.
Como elle o linbo previsto, Urtlion ia apenas no meio
da cacada ; porque deacra do vagar na esperance de en-
contrar ou avialar em algum corredor el-roi de Navarra
nu madama de Same.
Ouvio, poia, que o chamavlo, e estremecoo.
Qui priineir fugir; niaa, por urna refleiio superior
sua idada, vio que, ae iugiaae, todo eslava perdido.
Parou portento.
Qnem me chama?
Bu, M. ate Nancey, reapondeo o capillo das guar-
das, jireripilando-ae peloe drgraoe.
pendurando as sais armas em estacas fizas do solo, se
assentlo em roda fumar. O cachimbo consiste n'um
odco vasio mais ou menos adornado com um comprido
canudo de caona da India. Um Maharalta nunca labe
de sua casa sem levar o seu cachimbo porque elle e a
antiga espada de grandes copos sio seos rnieparaveis
companheiros de viagem. O traje dos homens compoe-
se geralmento de urna larga cinta de tecido enrolada em
volla da cintura e que Ihe cobre as eozaa sem Ihe im-
pedir o movimento dos oelhos, quando oaminhio
pelas planicies, levio a, espada cinta, mas, quando o
terreno he escabroso, levio-na oa mi. O Araba bedui
oo, que marcha pelas areias do deserto, traz lauca-
da a liracollo a lina folha de damasco com a sua baiob>
de pi ; mas como poderia fazer o mesmo o Maharalta,
gil e ligeiro como um gamo quando tivesso qua tre-
par pelos montea Galuthas ? As asperezas das roohss os
obrgio a uiar urna especie de grossos bolins, e al-
gumes vezes caldo umae caigas como as dos antigos
Frsnoeiee. Na cabeca levBo um turbante indio feito
de um tecido rouzo, ou branco o qual vem a eahir
em punta pelas costas abaizo e que Ihe serve tambem
de os resguardar dos ardores do sol.
As mulheres mabarattas sio as incumbidas dos traba*
Ihos domsticos: em quanto os homens deseoslo,
accenJem o lume vio ao campo cortar a lenha, e e
fonte, levando sobre a cabeca nm grande cntaro, a
eicarrancbado sobre o quadril algum menino, que ama-
menlem e seguidas dos outros msis adultos. Nos das
fros levio urna capa curia com um capuz feita de um
tecido riicado desconhecido nss mais provincias in-
dianas. O resguardo, que Ihe cobre a garganta e os
hombros,deiza n ludo o quemedea desde aquella par-
te superior do vestido e a saia curta, que usio as mu-
lheres maharatlas fluluanle.como as crioulas bespanho
las e i'oriuguezas. Esta saia deiza ver um artelbo ador-
nado de sonoras campainhas e a parte inferior da per-
na rodeada do snnojs de ac, cobre e prata. Os bracos
sio tambem adoroadoa de braceletes desde o puobo al
cima do cotovelo, e no naris usio preso um enorme
aanel quelhecahe abaizo da bocea Usio grandes
brincos nss orelhas ornados de camafeos e de mil ca-
prichosas liguras que Ihe chegio at aoi hombros.
Todo eiteeztravagante trajo bo usado pelas mulhe-
rei mabarattas com muita dignidade, e as que pre-
tendan descender das familias radjpontai trazem
rosto coberto como as mahometanas.
Acontece muitas vezes encontrarem-ae reunidas na
fonte aa mulheres de muitos acampamentos, e entlo
as que sio mocas lulo as suaa capas e vio eocher os
cantaros das mais velhas. Durante isto as msis que
ainda estio em boa diiposicao vio pasear o lempo
nra oricr;Tidc cae, s; vslhs: qus fofi
fonte por coslume para se misturaren! com aquella
mocdade, que as res pe i ta para ver a felieidade da-
quellas raparigas cheiaa de encanto e de vida oa idade
das illusese da esperance ; recordando assm os seus
antigos lempos. Aquellas reunidos debaizo da aboba-J
a celeste teem ao oriente oode as mulheres estio se-
aradas da sociedade d. s homens um nio aei que de
myiterioso e de confidencia que o mesmo europeo
conbece nio dever perturbs- las com a sua approzima-
cio.
Logo que ecboa o buzio, os bois vio vagarosamente
para o seu curral, e os bfalos vio indicando a aua mar-
cha com as gotas de agoa que de si derramio. Os ces
cansados seguem o gado, iodo por lim deitar-se aos ps
de seus donus. Entlo flucta sobre a barraca a bundei-
ra da tribu, e, dispertando-so, as mulheres correm a des-
cansar nos seus leitos. Fica deserta a fonte, porque na-
quella liora andio errantes os moa genios, e, assustado
o menino do gemido do chacal, abraca-so com o seio de
sua mii ou se esconde detris dola. A rapariga, que vem
da fonte, apresta o passo em risco de quebrar os canta-
rol, que leva, temerosa porque vio voar a ave agourei-
ra do fundo de urna caverna.
Eipalhandu-so aa trovas,ja se nio ouve o som dos au-
nis de cobre, que indicio urna marcha firme e segura
e um tranquillo somno vem envolver aquellas familias
com os seus coslumes patriarebaes primitivos e inelte-
reveis. Logo que rompe o dia a carevana ae poe em mar-
cha, eescolbe para descanaar, durante a mesma, os luga-
res mais sombros.
Analysemos agora o que acontece a um viajante, que
encontr urna caravana ao deiemboccar de um desfiladei-
ro : so monta num dos pequeos cavalloa do paiz cha-
mados tattoui, sahiri com as pernea mortificadas pelo
choque dos fardos, que indiitinclamente levio os bois,
desejosos de sabiiem para um caminhomais largo. Se,
pelo contrario, monta num cavallo persa, pouco hsbi
luedo aquella genero d'encontros, sssustsdos com ellos,
comete a galopar ; mas o boi-guia se atravessa adiante,
ameacandocom aa euas pontea, enlo o cavalleiro cor-
re um perigo real de aer despenhado atravs daquelles
rochas pelo seu cavallo deeboccado.
I'enwell dista de Poonah perto de trinta legoas de
montantss. Ainda que os desfiladeros se vio mullipli
cand, & medida que o camiobo se afasia do mar at ao
Mas eu tenho tanta presea, dille Ortlion.
Da parte de S. mage-tade a rainha-mai, roplicou
M. de Nancey, no ihegar junto a elle.
O rapas enchugou uiaor que Ihe alegara a fronte,
tornou aeubir.
O capillo eegui-o no encalco.
O prinieiro plano que bavia formadoCatherina,era de
prender o rapas, faiu-lo apalpar, e apoeaar-ee do bilbe-
tc, de que anbia era portador; era-eonaequoncia, linlia-
se leiiibrad de aocnea-lo de fnrlo, ojn ha va desatacado
uro clchele de diamantee, cuja aubtrarcau quera faser
petar sobre o rapas mas reflecli que mein era peri-
goeo, porque deepertava as aOspeitaa de Ortlion, o qual
preveniria a aeu amo, que desconfiara, e na eua deecou-
fianc* nio deizaria porem-lhea rulo.
Sem druida poda ella mandar melter o rapas n'um
rallnbouco ; mas o boato da pristo, por mais em segre-
do que se ella desee, ae eapalharia u I.ouvro, o urna
palavra deaee eucarceramenlo poria Henriqne em
cautela.
Kntrclaiito Catherina precisara danc bilhetc; porque
um raeripto de M. de Mouy el-rei de Navarra, o re-
comniendado com tantos cuidado., devia cooler urna
conspirado intefra.
Tornou, poia, a por o clchete dundo u bavia tirado.
Nio, nio, diaae ella, islo be una ideia de eabirro;
mi ideia. Para um bilhete..... que talyes nle leuha va-
har algum, conlinuoo ella oarrrgantlu u snlr'olho, e fal-
lando lau kaixo, que ella rnrsana apena, poda ouviru
aoio daa auaa pUvrss. O! psr sisha f, qae a culpa
ponto de torner-ie bastante penoso, nio se sent isto
muito, porque a alinelo est oecupada naquelles luga-
res tio solemnes, e nsquelles pontos de vista tio encan-
tadores. Algumes vezeso caminh> atrevessa o declive da
montenbae vai acabar o'uma aldeia oceulta nos espes-
aos bosques. Ns parte mais risonha do valle, encontra-se
esa priineiro lagar o pagode, de ordinario sempre collo-
esdo as margena do um lago rodeado de oseadas lio ar-
ruinadas como o templo; um jardim sempre vordo e
sempre coberto de flores e frustos cerca eate lago, e dous
bfalos tirio de ums ora a agoa necessaria para o re
gar. Esta apparato no meio de um eolo aempre fresco e
loucio, las com que nunea feltem offrendaa no templo
Nsquelles bosques cante o rouzinol indio o o boulboul,
cujo canto be mais agudo do que odas nossas selvas,
porque tem mais especo para dilatar a sos voz. Desco-
brem se logo as quebradas doa montes, as cabanas es-
palbadei sem ordem nem concert, depois oulras colli -
nss, delris dellss as elevadas montanbas, cujos cumes
ums luzdemaaisdo viva banha deum vapor azulado, e
por ultimo, i esquerda, como urna facha brilbsnte o
mar. A' vista de um quadro to magesloso, o viajante
pira eztaiiado para o contemplar ; e sent nio ter azas
para lancine nsquells imsneosdade, que so pode abra-
car a vists. Em tods a parte as grandes montanbas com-
movem e ezaltio o espirito ; mas all a illuslo he mais
completa, principalmente quando urna vegelacio tro
pical adorna as gargantas dos montes e dos vadea, quan-
do os monstruosos cipos cobrem com a sus folhagem os
lmpidos regatos, e que enlacio com as suas flores em
(esloes os troncos de outras pendentes sobre o sbysmo ,
Suandoo pee-fior gorgeie nss bananeiras. eremontan-
o-se is teos pera dessfiar os cumes dss elevedss mon-
tanbaa, entlo beque.se v a natureis em toda a sua ma-
go lado, e ja risonba, ji terrivel. oceupe inteiramente a
alma. Se a poesa indiana be desigual e desordenada, be
porque se bsrmonisa com as fontes, donde toma aa suss
tmagens e as suss creacoei. Toda ests msgestade da na
turara se manifest no invern, e t entlo be que o via-
jante pode cemnbsr a p e de noute. Ella desapparece
como urna cor difana, que se diviss por eima doa mais
sitos montes, a qual pouco a pouco se vai lerendo rouza.
Ouvo-ie entAo cantar i okohila, o cuco e os pequeos
pasgarinhoj de eflr verde-esmeralds, to alegres como
calandras, que ae aprsalo a aaudsr o sol. Quando as
massas coofusae dos bosques se projeolio com os maties
do outono, vio os periquitos ioternar-see perder-ae no
meio dos bosques.
Sobre alguna remos j meio quebrados dss errores le-
cula/es, vem-se slguns preguicosot abutrea. que eioda
nio teem tirado o aeu n Descoco debeizo da aza. Para
acorde los ha preciso atirar-lbes com urna pedra : vem-
ss estas squc.ss gigantesca* stcs iSjfir-o iOuo ro-
chas apinhedas, e projectar a sua sombra incerta ao cur-
so daa torrentes.
Quando aquella briaa da India, pereursra das tem-
es, rebenta com toda a sus forc nos Gheuttes, e
quendo ae (oirentes, detpenhsndo-se dos rochedos, a-
compenblo com o aeu eueurro o estampido do trovlo,
que retumba borrivelmenle pelas cavernas dai roebea,
quando as enormes arvores acontadas pelos furaedee sio
arrebatades aos ares, e depois se precipitio nos abys-
moa, quando os penbascos rodio com frsgor, o tigre vai
refugiar-ie ne sua caverna, e as aves le escondem : esta
desordem da netureza pode lomar-ee pelo fim de urna
daquelles idedes, que, segundo a crenca dos Indios, re-
novio periodiesmente o nosso globo: aquello espantoso
ch ios nio fai aiaia que refrescer as montaobas, e alca-
tifar as roches de flores e verdura,
Quando o eol esti ja bastante alto para peoelrr com
os leus raios al eo centro dos bosques, soimio-se os ca-
minhos com curioso grupos Numas partes vem-se
acampados entre os juneaes os barqueiros, que vio ca-
minhando de eidade em cidade com a sua eanastra de
cobras e os aeus apparelboe de pelolices, e algum boi in-
telligenle, que be oencarregado de levara hagagem.
Tambem o arlequim fai coier o seu arroi em quanto
descansa, e vai preparando os oropeis, que bio de servir
para engaar depois a mullidlo, concluido o que, o
animal encerregedo da direccio da caravana torna a to-
mar a sua condcio servil. Por outro lado vem-se pss-
sar por urna eacabroaa vereda douemeocebos trebelbedo-
res levando ao tanque sagrado, sobre urna grosseira ma-
ca, aua ml enferma e agonisante Aquella popula-
cho primitiva nio mudou anda em couea alguma, e
conserva as creness e as tredic-'i de outra poce. S
percorrendo aquelles lugeres Be que se podem sorpren-
der as intimidades e os sogredos de seus utos e eos-
turnes.
A difficuldade dos trsnsitos delevo msis de urna ves o
ezereilo britannico nss suas expediedes contra os Ma-
haratlas. Lord Elfinslon emprebendeo e coneluio um
caminho estratgico, depois que terminirio as guerrea,
segundo o atiene ums inscripelo, queslli se echa. No
mais.eicerpedo do estreito es abeleceo-se urna barrei-
ra, onde ludo quanto por all passa paga urna contri-
buido, que, nio oblente ser muito diminuta, reodei
Inglaterra 100,000 francos. O que condut osgadoe di
nio he miiiha, he ana. Porque nio pui essa pequea
aerpente u bilhete, onde devia p-lo! O que en quero
be o bilhete.
Nene inttante enlrou Orthoo.
Muito terrivel exprsalo devia ter o relo do Catheri-
na, porque Orlhcu parou ao limiar da porta perdnelo n
cor do relo. Era elle anda muito novel para ter per-
feilameiite trnlior de ei.
Senbora, dftao elle, fume,-me e honra de mandar
rhamar-ine ; em que puaao ser bom a V. magostado ?
O nulo do Catherina illurainou-ie, cura ee um reio
de eol viene direito a elle.
Mandei chamar-te, filh, dieeo olla, porque me
agradlo ae luee fecea, e tendo-te feilo a prumeaaa de
arranjar-te, quero cumpri-la eem demora. Acoule-
o, a ni outroa rainhni, de eequecidee. Nio o he
iiiaati corajlii, he o nono eipirilu arrebatado peloa
aucceeeoa. Ora, reoordei-me que oa rea leeni em ana>
nilua a fortuna due homens, e chamci-le. Vem, rueu 0-
Ih; ergue-me.
M do Aanery, que tomara rala siena como teria, via
eate enternecimenlo do Catherina com grande admi-
radlo.
Sabei montar a cavallo, pequeo? pergunton Ca-
therina.
Siin, aenhora.
Neile caao. vem ao meu gabinete. Vou entregar-
te urna carta, que tu levar* a Saint-Oermain.
Eetwii e orden* de V. magostado.
por eicripto so cnesrregado de reeeber a contribac50
urna lilla de lodosos animaes, que conflu, e contndo-
os de novo os les desfilar depois. Ests operado, dome-
ciado morosa, causa obitruccao no caminbo, porque
emquanlo urna caravana sobe, outra desee ; e, encoo-
trando-se os bois, os esvallos eos carros no desfiladej.
ro frmio urna confuilo, ruido e p infernal. Nume
deatas paradas obrigada live a curioiidade de ezeminir
mui eircumspeetamente es armas de um Maharalta dis-
tincto, que, sentado perto da barreira, diriga a viste
para o immenso torseno, qua descobris, *e que seus peii
lnhio possuido noutro lempo. A lenca consista nii'n
ferro mu comprido com dous gomes, fizo em ums vire
de medeirs dura, coberta de correias negree todee pr.
gades, terminede em um eipigio de met! com algumn
gravoras. O eseudo redondo estsva coberto como a per-
tasane de um eouro preto ; o seu disco, que teris umes
20 pollagadas de dismelro, levantado por cinco peque-
nai prominencias, nio podia cobrr mais quo o peito o a
cabeca, se se levantasse o braco. A maca, que se perece
coma dos antigos cavallairos, eeojo effeito deve ser
terrivel em urna lucia de corpo a corpo, uelo-ne os Ma-
barattas lancada a tiracollo. A espingarda, ainda da me
cha, he tio comp'da como a grega ; nio tem fechos,
em luger delles, levio urna-corda de algodio sempre
access. Usio tambem de espada, cuja bainha he devel-
ludo encernedo. Na verdade, que ezperimentei urna
grande sorprea vendo as mos de um bomem dos noi-
sos disi armas, que perteocrlo a outra idade, e que
provavelmento elgumei dellas figursvlo nss mos dos
povos sntigos as guerrea dos Gsulsi.
Ao principio olo se eonhocrioss vsntegens daquel-
le caminbo militar, e o Maharattes, suhmetlidos pela
forja, murmurarlo da contribuido, que se Ibes exiga'
para eobrir as despeas ds cunstruedo ; mal, como ne-
eessitsvio ir vender as suas colbeitss i coite, foi preciso
resignerem-se e tramitaren) por ell. Com ludo, nio
falli Maharatlas atrevidos, qne se lando airares dos
precipicios, cortsndo pelo msis breve ante o iWAouii.
0 monten'iei sobe e desee aos precipicios em risco de
perder a vida, agarraodo-se aos cipos, e be pera elle
urna secreta alegra pnrder-se naquellsi incultas soli-
dos, luctar com os perigos, e eoirer todo o genero de
aventura pelos bosques selvsgens. O montsnbez el
Ismbem este eeminbo, porque necessita entregar-se a
certaa pratioas supersticiosas, queezigem mysterio. El-
le deve consagrar aos deoses as primicias do animal, com
que se alimenta, tingindo de sangue a pedra sobrs i.
qusl o immole. Esta pedra be sagrada para elle, e ven
a ser a seus olbos ums divindade, que preside i sua
viagem.
Naa sinuosidades de urna rocha inacceseivel, perto
de um deposito de agoas formad nnr nm Vi. i; -r;
entre duas moitas de bambs, meitjhellos entre os Ge-
hutei, que em toda a pennsula indiana, observa se ume
palmera daa de melhor especie Os Indios prestlo a
eita arvore um culto religioso, e trepando at eo pon-
to, em que aquello tronco marcado de anneis se divide
em folhaa dentadas, suspenden) so lado dos dactis, e
pendurio em elegantes cachos, alguma oftrenda ou
algum ei-voto, e depois emprehendem alegremente o
seu caminho. Se morrem naquella perigosa jornede,
ninguem o aebe, e as agoias e os corvos pretos, que se
reunem all aos milheres gresnendo fortemenle, sio o
uoicos, que atiesta, que all existe um cadver. A'
medida que se vai penetrando no paiz, vio-so xncon-
Irando veetigios daquelle antigo leudali.imo, do qual
oe velhos csstnlloi alo evidentes testemunhss. Os le-
nbores de Maharalta, do grande reino, tinbio cons-
truido aa suas fortalezas nos cumes dss monlsobase
algumes vezes nes aldeias, as quaes, apeiar de oslares)
hojo abandonadas, ainda aisombrlo pela extensiodo
eu circuito e pela fortaleze de sues posicSes. Quando
urna cidedella oecupava, como deve. a parle superior de
urna povoa(lo, as suas murelhaedesciflo at i plenicie
ou margena de sun no por mais distantes que esli-
vesiem, subindo aisim urna exlenslode terreno considr-
revel. Oulree vetes encontravlo-se duas montanbas
unidas por ums fortificado, que as converta n'umi
fortaleza tio grande como urna immensa cidade, onde
acampavio milhoes de bomens ao abrigo daquelle i-
po enlrincbeirado. Ai torres e ss forti(cacos eiio
pels maior perte construidas de Ierra, e os autores mu-
solmanos aflirmio, queaisim momio bestavio para re-
sistir is bateriee de mediano calibre. Nos seclos ds in-
dependencia cada altura linba a la fortaleze, e quan-
do em lempo de guerra le loblevava aquella popult-
cio fantica pelo culto bramino, contra o imperado-
res Mogoles, viio-se de repente iluminadas lodit H
cralas dos montes, e n'um momento os gabutss teco-
brilo de homens.
He natural, que um povo bellicoso poresieneia, qus
cada anno t inhe que emprehender alguma guerra, de-
pois das ebuvea, seja apaixonedo peles tradiedes. Iluje
j coneluio o seu papel, e que Ihe resta da sus antiga
gloria? Maso Maharalta o em serrfp're presente ai
sua imaginado, he bem comparada a mecha da tui
espingarda, que se v fumegando de dia e de ooule so' |
leu lado as tranquillas planicies, e no seio de ums pai
ric-!!;c preparar ua
;,SRCcy,

M. de Nancey dceappareoeu.
Vamos, filh.,, disee Cntherine.
E o pul adente. Ortlion a segua.
A rainha-raii deseco um andar, entrn n'un r.orrnlcr
onde fioavlo oa apoaentoa do re e ito duque d' AlenC11"'
tomn a eeeada eepiml, desee anda uutro andar, abril
orna porta que dar ii'uina galera cirrular, da qual
ella e o re tinhlo a chave, tei paaaar Ortlion, enlrou dr-
poie, o fer.hnu a porta. Esta galern oirnilava com" "'"
parapeitu oertae porcoes dos aposento, do rei e de rai-
nha-ml. Era como o corredor de Santo-ngel ein
Rome, e o do palacio Pill em Florenca, urna retirada
em caao de perigo.
Fechada a porte, Catherina achou-ee com Ortlion nes-
ee corredor eeouro. Andar amboe una vinto pasto',
Catherina adiante, Orlho apila ella.
De repente folU>o-se Calhrrma, o Ortlion vio-lhe no
rosto a nieeiua etprcsel carrancuda, que Ihe nra des
minutos antee. Oaaeue olhoa rododoa, comvj>S de iimi
gala, ou d'um pauthera, pareoiio nu eaefo lenes:
rogo.
Pira, die ella.
Orthon eolio curror-lhe peine hombroe um arripio :
um fri mortal, qual um manto degelo, catii ">"
abobada. O aeeualtio pareca murno, como a campa da
um tepulchro. O olhar de Catherina, ae ee pode aun
dizer, romo que penetrara nu pe tu do rapas.
E>te reruou ciiroaUido-ir lodo Irrniuln i parede.
Onde eal o bilhete, qne te enoarregarlo do entre-,
gar ao rci de Navarra? j


X asocie... en.re a. quae. se misturan .nd.t.nc-
umenle as tradicSes legendu, rio chamada.
X. derivada, da p.Lvr. katha que quer d.ier
I a"como o canto tradicional delsl.nd.a chamado
Ja, que rem de ,eg,a. que significa d.zer. E.lu
ribu.eKitao no. circum.taote.. que o. observa, um
eoho.o pacifico, ma. profundo que se ronbece
Jala imraob.l.dade da mullidio rerflldeiramente sus-
pensa dofUbios do cantor. .
F Um. noute, que eu me achata deKinndo ni aldeu
de Karli, oun uma guitarra, que nio cessava de tocar,
rasio por quo me decid, aierigu.r o que occorr.a i-
nuoUa hora na praca de um logarejo indio, fcscondi-
n,e por delws do bambfti. a lui .vaneando corr cau-
lela por entro aleaban. at ebegar praca, onde ti
mullidio absorta ouvindo dous velbos cantoral. Quin-
ao p.reeia, que le i. concluir o c.nto, a. mulberei.
detejando *em duvida prolonga-lo. deitavo azeite.e
aticatio a. alampadas acceas s porta., e aquella nove
clariade pareca excitar a improtisacio do poeta. Era
aquillo a recordacio da poeii antiga cantada com o
gesto e declamada ao som da munca. que participa.
au mesmo lempo do poema pico e do drama. O poto
torrii 10. combite. quando acabava de outir aquella
cato, guerreiro. e patritico. Auinrpanei um. par-
te da noute. O. telbos, de urna presenc,a tenerave,
que eseulavio o canto, tiobio o. olbo Utos no chin, e
experimente vio um. contreccio de ervos to (orle,
que sedeixava conhecer pelo movimentc. convulsivo da
u. bocea : mulbore., ro.i animada., paralo lof-
Irer influencia do canto, e os homeff. eitevlo domi-
uadoapetnhittoria, que ealevio ouv.ndo. Quando o.
velbosse eelirlo. occultou-e detrs da. mur.lh. uo
cattello do lugar urna estrella, que em dutidi parecu
a attlaia, que uUu vigiando aquella mullidio....
A cidadi-ll. .ituada a elgumal legoa. da ildea, .
rnii. forte de Maharalta, en reputada por uconquis-
tivel, a por no o leu gobernador recuiou entrega-la
ao soberano de Pooo.b. Qu.ndo te eoncluto a guerra
eml802. cooieolio Dn-Deo Pun, que eolio a go-
vernivi,ementrege-le. a. instancia, do general Wei-
leilej, a quem aitegurou bter trila annos que d.h
nao sabia. ...
Defionte do lugir, em um .itio donde a vista ibnn-
ge um e.pico de m. de trint. legn, m.is alm de
Bombaim e a meia legoa d. aldei. de Karli, eocontra-
ae um le .Tipio con.lruido na rocha, que deveoitar-ie
nao s pela sua grandeta como pela aua magnificencia.
Kt temlo tem canto e vintee sen p. de compnmen-
to e quarenta e eis de l.rgura ; a tu. abobada ne
muito eleada e e.ta revertida de madeira em ti bom
estado. quereela urna poca muito mai recente, que
a da con.lruecio do templo. A fachada, precedida de
um peristilo de columna, gigantesca*, descansando em
lede, eili adornada de esculptura. mui delicada., que
repre.enllo um combate de elepbantes. No interior
do templo em-.e, de ambo o. lados, urna :olumneta
adornada de elephantei, que termina n'uma e.pecie
de choro, onde ba um rico ent.boamento, que remata
em figura de um chapo deso; m. no se all
nenbuma especie de dmndede. A que .eita pert'ncia
elle t-jupio ? Ha algn, motivo, pira crer que fra cons-
truido pelo. Djainas povo. que floicecio o'outro
lempo na Penin.ula, e que ainda eiiste em Gouxi-
rale.
A qee desconhecido dos eslava dedicado 1 Ai in.-
cripedes demasiado antigs, que te leem em diversea
parte. s conleem o. nomei de alguna donatarios;
mas nada dzem sobre o que a ciencia pretende lotee-
ligar. Alguma. celia., construidas na rocha e.quer-
da da entrada do templo, dio a entender, queserti-
rio de retiro a religiosos. No apilis da. columnai
aninblo-ie boje os piorcegos; e nos nicho, i rod.de
urna c.talua braiwna, alumiada sempro, te abrigio as-
querosos mendigo., importando-Ib pouco siber, que
deo. habita aquella lugar, pois que nio veem seno um
asylo consagrado a urna divindude qualquer, e lorio
alli oceultar a. .u.s miserias
O senlimento religioso e o amor patria sao os ns-
gos caractersticos daquelles mootaohezeii: os M.ha-
rallas, que suslentavio as crencii bramanicas, a defen-
derio das invttoei do itlamismo, combatendo a lodo o
cusi com os sectarios do prophej pela independencia
doseu territorio. Pelas invenligacoes dos seus sacerdo-
tes, fundcio um imperio epheuiero, mes inmenso^ e
pude mu bem ser, que com o auxilio da. ua. intrigas
leriio recobrado a sus liberdade, sea empreza lera fcil.
Maso, individuo, desta raga, apezar de goxarem um
grande crdito entre os Maharattas, aio comtudo pouco
considerados pelos povos da outri provincial, e nunca
contrahirlo com etica nenbuma especie de allianca. Os
Brabamancunabarattes v.ngluriio-se, com o. seu -
2nbosdoSul da India, de possuirem o paii por dis-
posicio de deo Paraeourama, eita encarneci de
Vicharon, que baiiou i trra para laier cenar a guerra
__ Obilhete? balbuciou Orthon.
Sim, o de por em ua aaaencia atra do eapelho?
En, aenhora? dissa Orthon. Nio oi u quoi|nereia
diser.
O bilheto que de Mouy to entregou, lia urna liora,
tria d jardim d'Arbalte.
Eu nio lenlio bilhete, ditac Orllion, V. tnogeitade
tan duvida eal cuganadn.
Tu mente., d.so Callierina, d-ine o b.lhete que
cu r.uinprirei a |irome..a que te Al.
Qual, aoiihora ?
Enrique^u-tc. ^
Eu ni... tenh bilhete, aenhora, replieou rapa.
Ullicnua coructou uiu ranger de deutei que acabou
por mn (urriro. ...,, ,
Querea tudar-m'o? (liase ella, lera, mil e.cudo*
d'iiur.
Niu leiibu bilheto, atnhor..
Duu mil e.eudni.
He MBiweaitcl. Nlu paaau dar-vo o que nio
Icnhu.
Des mil e.cudiia, Orthon.
tale que va a culera aubir,, como a maro, do corao*o
frnpte da raiitha, |ii naoo que o nico roco de aalvar
un apio, era cngulir, u billule. Levou mi algi-
bi ira. Cnllieriiia adivinhuu-llie a inlenclu, o auapendoo-
lbe a mo. .
. Anda 1, menino! diaae ella rindo-ae. Bem, a fi-
el. QuvikIu os rea querern lomar um aervidor, nio be
naaa uue acaaiesurem de que he um curacio leal. Abo-
que ha*ia entre o sacerdote, e o. guerreiroi Se se
quer entender squelle dogma, e dar-ll a o juslo valor
histrico, deve conceber-se um enligo rei pondo em
pai aa duat racan ritae., estabelecendo em um grande
numero de portoa a iamiliai militare., e noutros o.
sacerdotes. t Ha alm disto innameraviis Radjat (no-
bres) com morgados o senhorioa, e a. agrtharas. con-
cesioe. de trra. Teitas ao. braminea. Este devil em
duvida .ero meio de propagar a religiio, -a lingoa e a
organi.acio civil e militar dos Indio, era plii lio ei-
lenso. forlalecendo-se delta nianeira aquella a'cco ei
vilisadora, ainda que lenta, a qual uio podero deler
a intasoe. da Indi central.
O que .em duvida he pouco favoravel ao. Mabomela-
oos be descenderem de tre. ca.t. nfimas, ou para me-
Ihor dizer, de trea ramos da ultima caita, que nio ie
acbava regenerada como a. outrat. O. seus antepas-
s.dos forio trabalhadore., aldeio. ou vaqueiros, e esti
be i r.zio, porque, ipeur da. iua. preten(Oei, nio
podetn competir com o. Hadjpoulat, descendente do
rei., dos quae. <> o nme enchia a alta nobrea, a que
odio ligado*. He verdade tambero, que diflerecca
phy.ic. o morae di.tingoem o povo do Ridjaslan
do. de Msbaratta, e prevalecendo o .y.lema federativo
em mba. ai comarcas, a guerra loi a primaira necei-
tidade entre ai doa. nacSes ; mal dte aqu diier-se,
que o Maharattas nio oflerecem .enio um typo mui
interior do que devia eiperar-.e daquelle tronco com-
mum. Nio parece .enio, que .ahirio da. claue. mai.
secundaria, da urna sociedade, onde o Radjpoutas
represen lio o primeiro papel. Desde logo se reconhecem
ai tribus emancipadas dos Maharattas, cuja enrgica
pbysionomia nio carece de distinceio; teem omito
chato, e o seb perfil nio reproduz aquellas linba. final
e pura, que se admirio as tres caber, de Trimourti
de Elephanta ; i. suis formas .So muito mu. robus-
Mi do que eogracada; a grot.uri da sa cebera, o
Ibid como urna excepcio da regra geral entre n povos
da India, fat com queem nada se pareci a imagen
esculpidas nos templo da melhor poca.
O nomede Maharalta encontra-se deide lempo in-
memorial nos livro da Indi ; mas nio representa
nenbum aeontecimento politico at ao dia em que Au-
rang-Zebe lubio ao tbrono de obli. (unido o con -
quistador mescou com as auaa aran! ir.tnriosaa o ul
da India, um principe Maharalta, chamado Civadj,
dolado de um valor heroico, e cuja historia he um ma-
ravilhoio romance, atreeo-se a oppr-lbe urna terri-
vel barreira. Separando do lervico do imperador Mo-
gol cerpoa de cavallaria, que elle mesmo linba eom
mandado, edosquaes os musulmanes tiravao vanta-
gen. coo.ideravei., cb.mouao.eu partido o oonita-
rio. da monianha,, e collocou se i frente da revolucio.
Tes Jo es psi Sbiudji :scudido o jugo, pro? mand-
te rei do territorio, cujo goveroo Ibe linba confiado
imperador Mogol, Civadji pronguio a.uaobra de e-
maucipaclo, e fos.e por efleito de aua propria ia.pira-
co, ou movido pelos cooselho. de um velbo bramane,
leu mestre e o seu orculo em todas a. occ.ide., o cer-
to be, que quix dar sui causa um cincter s.grado,
reali.aodo-.e dette modo sua projectada unilo do paiz
sob um s chefe. A medida, que as fortaleza, cahio
em .eu puder, ia augmentando o tbeilro de iuii con
quistas, e telendo tempre nsi suai mios o poder su-
premo. Como at entio i forc das circunstancias nio
linlia dado a ninguem tanto ascendente na navio, pode
alcanc.r a obediencia e a submissio des ,mai rebeidrs
unitario, faiendo com que de.appareces.e o federalis-
mo porque le ulgata impotente pira conquistar a inde-
pendencia,
Quando Civadji morreo, delxou ao leu succei.or um
e.tado compacto e poderoso, do qual o remanes for-
n.avio urna grande pirte. A reaccio tinlm lido tanto
poltica como religiosa ; e os ttulos da corle, pulidos
em Idioma persa, forio substituidos por outros em idio-
ma sagrado. U dialecto maharalta ricou todavia puro,
sem penetrar nelle a Influencia musulmana.
Sainbadje, o fllho do lundador da dynaslia, cabio nal
mios de Aureng-ibe; e a vinganca do Urao-Mug >1 fot
completa.
A cibeca do desgricado prinolpe maharalta cabio de-
capitada, mai o .eu imperio tomou o deienvolvimecto
a que linba direito sob o reinado de Saboo-Badji. Esta
mullidio de pequenoi red, que passavio a vida asaai-
taodo a planicie e relirando-se ao cume das monla-
nbas com o seu despojo, estes bandido, highladt,
que vexavio continuamente o paix, uniio-se, logo que
se tralava de destruir o lo i migo commum, encerrndo-
se naa.ua. fortaleza para depoi tornarem a olTeosiva
Us Maharattas eiao senbore em 1740 de toda a parte
da India, que banhao os dou mare, desde Agr, p<
parle do norte, al ao cabo do Cmorin, pelo lado do
tul. As .uai incur.Oe. te e.tendlio deide o Indo at
Bengala, e ai naedes europeas, apenas estabelecida.,
tiio-.e continuamente ameacadai. En 174'4 cercirao
o. Inglese, a cidade de Calcuta, com um osso, para a
defender do ataques da cavallaria. Naquella poca o
forte de Baiiein, e um porfi de territorio da iiba de
Salsetd peitenciio ao aocce.tore de Civadji. Hivia ol
toanoo que as suas armas victoriosas tlnbio descldo
dos Cantas para queimar os arrabalde, de Delbi, e para
insultar a paitada gloria dos Musulmanes.
rnseiujuito quo devo f.ixvr de ti. Toma, aqu tena a
ininh bolaa como priroira recompensa. Vai levar eae
billiele i leu amo, e da-lbe parle que d'hoje em diante
eata. a roen aervico. Vai, tu pudea aaliir aem inin peln
puria por onde eutrimo. ella abre-no por dentro.
E Callierina, metiendo a bi'lia na mo do rapa, eata-
pefaelo, do algn, paa.o. para diantc, e pus a mo na
parrde.
Entretanto Orthon demorata-ae de p e tacillanle.
Nio pudi crer que o perigo que vira deicurregar-ac-ltie
aubro a cabrea, live.te deaapparecidu.
Vamoi l, nio tremas aaaim, diaae Callierina, nio
le dae que poda, relirar-to, e que te quitte, voltar,
linbata la t'iirluiia feila?
__ Obrigado, aenhora, date Orthon. Com que enlio
me perdom ?
Anda mai., recuiopen.o-te, a uro bom portador
de billietea amoroso, um gentil mensigeiro d'amor,
na. eiqucce. quo leu afcio le capera.
Ah he terdade, di.ie o rapa dirigindo-te para a
1,0Mae apena, havia elle, dado tret patio., que oaaaoa-
Iho .e Ihe abaleo debaixo do. p. O pubre Orthon ea-
corregou, ealcndeo a. nilot, .oltou um grito horrivel, e
,ibiimou-ie no oalebuuco dealcaplo do Luuvre, ceja
mola Catheriua aoabava de impellir.
_ Ora tamo, muriuurou Calherin, agora, gracaa a
tenacidad dease manilo, lenho que deacer oenlo e cin-
ooenia degrioa.
Catherina cntrou no seu aposento, accendoo urna lan-
Os Maharattas unirao-se, por meio de um tratado,
com o Nisan e o rei de Mysora ; e figura rio eotre os
40,000 cat|llos de Hider-Ali, e junto s tropn francesas
commandada por Lally.
Rava-Radje, auccessor de Ssbon, principe branco e
incapai de governar, fol encerrado na cfdadella de Sat-
tafab pelos dous grandes dfgnitarlot da corfla, com o
que se dividi o imperio.
O tbesoureiro Rabadje le da cidade de Nagpour a ca-
pital do reino do Oriente ; e o brabama Rdje-Ka, que
era o primeiro ministro, escolheo a Poonab para ponto
da sua residencia, e por capital do reino do Occidente.
Esle ultimo falleceo em 176, deixando a seu Olbo a
soberana com o titulo de Pchwa, que se toroira here-
ditario. Dous annos depois, em Janeiro de 1771, per-
drao os Mabarattis. junto de Paniput, orna batalba da-
da contra Abmelt-Chah Abdalia-dednouJ, a mator bi-
ttlhi que derlo os Indios ios Mulsumanoa desde a po-
ca da prfmein fnvasio. Os autores mahometano dtiem
que o seu exercito se compunha de 43,000 estallos,
30,000 infante e 80 peca de artilharia ; ao mesmo
lempo quo, exagerando um pouco, fatem subir o do
loimigo a 50,000 cavallo, 16,000 infantes, tuilentidos
por urna multidio de tropas Irregulares, e um trem de
arlilharii de 30 pecas. 0 campo maharalta encerrase
mal de 500,l'OO individuos, entre soldados, mulberes,
crfancas e escravos, dos quaes porecrio a maior parte
na derrota. Este terrlvel retes deteve aoi principal con-
federados ; o imperio foi desmembraodo-se pouco a
pouco ; conspirares palacianas pronuncian a guerra
civil, e i Inglaterra tomou parte na contenda. Quando
em 177:2 morreo Pechwa Madbou-llao, o seu immedla-
lo successor Narrain foi assassinido por ser tio Rago-
bah. Descontentes, os povos armirio-se contra o as-
saisino, a favor de um fllho posthumo de Narrain, e
aquello se vio obrigado a refugiar-se entre os Iogleies.
Duas vetes ameacirio com guerra aos Maharattas, e ou-
tras tantas resisliiio os montanhetei aos ataques es-
trangeirot. Finalmente, fet-se a paz por um tratado,
no qual se convelo em restituir as pravas conquistadas.
aqui em diunte vai ver sea politice europea mis-
turada em todo os negocios do tul da India e ios
cheles maharattas equelln bomens activos, impetuo-
so, e de pouco. principio! pira >e miiturarem naquel-
la labirynto de intrigai, sem saber que partido hatiio
de tomar. Os Maharattas instigados pelo rei de Minora
atacarlo em 1784os pequeos estados tiiinhos das pos-
iesses biit.nnicas ; e depoi. de lerem rompido m-
PUBLICACOES LITTERARIAS.
O MONTE DO DI ABO
ou
O AVENTBREIRO,
Engi
POR
prudentemente aquella barreira que dettrio respei-
tar te detiverio espeotado. Lord H.itiogs o .epa-
rou enlio pela allianca que fez com Hider-Ali e
po.to que elle nada titessem a ganhar com as victo-
rias daquelle beie musulmano cruel para com os In-
dio, e tio fantico como Aureng Zebe. Quando Tip-
poo ibtndonou aoialliado. do .eu p.i umi parte dai
sua. provincia. o. Maharattas nunca mais a. podero
recuperar .em recorrerem ao. loglt-iei, eus oovoi al-
iiauua.
A murte do joven Pechwi, contri quem tomivio
parte n'outro lempo i. tropa, britanoic. trouxe com
tigo urna lucta desa.lroia entre dous competidores, que
disputavio o poder e que acabou por faxer desappa-
cecer a lombra do poder que anda consrv.va o im-
perio de Mah.ratta. O reino do. M.h.ratta. te leh.va
reduxido depois da. guerra, da .egunda parte do .eru-
to XVIII aos povos deste nome que obedeciio^o
soberano de Poonab pois que te Ihe tinhio tirado as
provincias conquistadas. Abandonsdo o fllho do Ra
gobah daqutlles que acolhrio seu pai na sua des-
graca vio-se esse principe obrigado a retirr-se pela
frca das ticiasitude. dimte de Halgi-Rao. Em maio
de 180:i foi quando d ordem no. gahutauob ai condiedesseguintes : o prin-
cipo m.haratta aceeilata o rgimen .ub.idiario recd-
nbecia a oberaoia de .eus alliados e renunciara a
direccio de sua poltica esterna O Pechwa estata pro-
tegido e separado dos outros cheles da Confederaeio
contras os quses ia continuar a guerra. As cidadellas,
queestsviovsntajosamento debiixo di dominarlo do
oulro pretendenle e alguma quo bavia que nio po-
diio reduiir-ie senao pela fome entre as quae. te
contava.....Logar diitanle 10 leguas de Poonab ta-
l.vio impunemente o paiz.
(6"on/inuar-i-'ia.)
Moviiuenl do Porto.
Navio mirado no dia 24.
Falmouth, M.deira e liba da. Canarias ; 46 dial, pa-
nuetuogle l'inguin, commandantellacre- Le.ie.
Segu para o Sul. P.ssageiro, G. A. Bwnder a brin-
dis, Hullaadez.
Ueclara^aO.
ene Sue.
Este cxcellenle lolhetim acaba de ehegsr do Rio-de-
Janeiro, em 8 Irance/, 3 volumes, e acha-se i venda
na praca da Independencia, Mirara, n. s 8.
Galeras dasOrdens Religiosas
c Militares.
OsSr. luhscriplore da. Galera, da. Orden. Relj-
giotase Militara queirio mandar recebar o. numeroi
7 12 do 2. volumen! pnc di Independencia, li-
vrarii, ni. 6 e 8.
Ifysterios da Inquisicao
de Hespanha.
O. Sr., que .uliicrevrio para a biitoria dos Mys-
lerios da Inquisicao de Hespanha, queirio mandar re-
cebar 20 nmeros, que acabio de chegar do Rio-de-
Janeiro -----------
b 8, onde .
cac,io a 160 is. o numero
PR0DUCCO LITTERARIV
Public.-se na cflrte do Rio-de-Janeiro semanal-
mente um folheto sob o titulo
OS HTSTEBI0S O* INQDIS({*S
E outrat tociedadet tccrutas de Heipanha,
contendo cada numero oito paginas do formato do
oitato fr.ncet pelo preco de 160 r. pagos no acto
da entrega. Achio-se i publicados 16 folhetos que
serio dados pelo preco estipulado a quem asiignar pelo
resto da obra que ao todo compOe-se de 80 folhetos.
Ha eqtra nos tanta falta de eicriplos reipciioda hi-
ria da Hespanha, edos horrorosos actos alli praticado
pela inquisicio.e sio nesta obra expostos enm tanta cla-
re?a alguna dalles que suppomos far:i urna boa acqui-
sieiio quaiquer, "ue uee se quizer proter : acqU!!C0
tanto mais fscil quanto helio diminuto o preco da ii-
sgnatura. Subicrete-so na prsc di Independencii ,
'itriria n. 6 e 8.
Hieron, que acauau uo tucgi .-*-
na praca da Independencia, litrsria, ni. 6
continua a subscreter-se para esta publi-
Avisos maritinios.
Para o Rio Gr.nde-do-Sul sabir, no dia 25 do
eorrente, o lirgue Dtos-U-Guardt c.pitio Manoel
Li dus oallloa r< C6116 SSC.STG! S ."C.C C pSSSSgCl'GS .
o. prelendenle. dirijlo-.e a ra da Cideia-Velha ir-
maiem, n. 12.
=Para o Rio-Grande-do-Sul labirio com brevidi-
d o brigue Vilxi-Unido, e o patacho Loptt: quem no
mesmos quier carregar ou ir de passagem, dnja-sei
ra = 0 briguo Independente sahe rara o Rio-Grande-
do-Sul no fim do correte mu. Roga-se o Srs.
carregadores de esclavos maodem apromplar as guias e
conhecimentos, que os detern acompanhar.__________
ASSOCIAgAO COMMERCIAL.
Na mesa da ssocaclo commercial praga do Cor-
po Santo existe urna lista pira as pesioas que qui-
erem voluntariamente subscreter p.ra o soccorro dn
familias penegudas pela secca.______._____
tema de fnrtaf-go, t.-llou ao corredor, pox a mola oni
aeu lugir, abri a pona de urna ete.ada deoarac.il, que
pareca euroir-se nat eiilranhat da Ierra; e mitigada pe-
,'ade imaciavel de urna curio.idade, que nio era mai
I,, que o miaiitro do .eu odio, foi ler a urna porta d
rrro, quo data para o fundo do tubterraneo.
Era ah, que, enianf neniado, moldo, eamagado por
una queda de cent e cinooenta pnlmoa, ma todatia
ainda palpitante, jatia o pobre Orlbon. Por fora da oa-
rede, outia-aeeqraer agua doSena, que por urna in-
filtradlo aubterraiaa ohegava au p da atoada.
Callierina cnlMn humilla o nauteabunda maamor-
1, uue, desde qu*eiitlia, havia do icttemuiiha de mui-
t quedo aeineltiantei que acabara de tr, correo.
uorpo, achou a carta, rcrtifioou-ae de que era a meima
qt> detejava tr, emporrou com o p o cadver; earre-
iu ooe o dedo urna mola; o fundo balancou inclinan-
i-te a um lado, o o cadater, eacorregando, impeilidu
lo prupriu peto deaappareceo na direccio do rio.
De|ioit fechando oulra tes a porta, tubio, metleo-te
aeu gabinete e leo o bilheto que era concebido nettrt
Leies.
= George Kenworlby & Companbia ferio leilio
publico, por intervengo do corretor Oliveira e por
conta e riico de quem pertencer, de atullada porfi
le fa/end.i americanas atariada a bordo do nitio
Concordia cbegido de Boston e de niuilai outm
inglezas s mais proprias do mercado : quiota-feira ,
26 do crrante ai 10 bon. da manha em ponto no
teu armazem ra da Crui.
Francisco Severianno Habello &
Filho fazem leilo por-conta e risco de
quem pretencer, em pequeos lotes
vontade dos compradores, de 36oo ouri-
ns de p de pedra, e de urna por?5o de
barricas com tapioca : quinta-leira a6
do frrente, as 10 horas da manhaa em
ponto no caes da Allandega ao p do
armazem de Francisco Dias Ferreira.
= Joio Keller & Companbia fario leilio por in-
tertencio do corretor Oliveira de grande sor ti ment
de faze'nda propria. deite mercido : .exl.-feira 27
do eorrente a. 10 hora, da manhia no seu arma-
zem ra da Crux. __________.
se
no
termo.:
Eata rite, ai dex horat, ra do l'Arbre-Seo, hotpe-
n dara da Bella-Ealrella. Se vierdea, ule reapondaia
nada, no oaio contrario, diiei no ao portador.
Da Moov 8AIKT-PHALI. .
Ao lr cite bilhete tinta Catherina em .orri.o no. la-1
Avisos diversos.
A CARRANCA.
O n. 65 acba-se a tenda, na praca da Independen-
cia, livraria ns. 6e 8.
bini; penaava tmente na victoria, que ia alcancar, o
ciqueeia completamente pr que preco a coinpriva.
Maa tambeni o que era etie Orlhnn? Um enrabio fiel,
urna alma detotada, um mofa bello nada mai..
lato, como bem te ve, niopndia fater inclinar um l
linimento a concha dona fria btlanca onde te pciio oa
,lc.t.....a dot imperioa.
Lido o bilhete, aubio Callierina muiediatainante ao
apoaento de madama de Sautil, e |i-lo atril do eapelho.
Ao detcer achou no corredor o capillo dai guardas.
Scnhara, diete M. do Nancey, tegendu ai ordena
que me deo V. roageelade, o catallo etla promplo.
Meu churo bario, diaie Catherina, o cavallo lie es-
cutado, conteraei cop cate rapa, e achei que era mui-
to bruto para M encarregar do emprego, que Ihe eu
quera encarregar. Toraata-opornm lacaio.e he quan-
do muito um palafrenero; dei-lho alguaa dinheiro, a
iiiaiidei-o tahr pelo pequeo pottigo.
Mas, diate M. de Nancey, eata cnroiuialop
Ktia cummiaaio? repeli Catherina.
Sim, que elle detiafaierem Saiut-German, V. rna-
geatade quer que en a faca, ou a mando fiuer por algum
doa meua hiimenai1
__ Nio, nio, rcapondeo Catherina; tos e oa vossoa
licnurnt tereii eata nuile oulra couaa a ftier.
E Catherina reculheo-te ao aeu apoaaulo, bem certa
de ler neaaa nuile entre ai raiot a torle dette maldito
rei de Navarra,
(Omlrmutr to ha),


V*
1
O.LIDADOR:
O n. 87 acba-se a venda, na praca da Independen-
cia, livraria ni. 6 e 8.
Agencia de passaportes.
Na ra do Collegio,botica n. lO.eno AUerro-da-
Hba-Vista loja n. 48; tiro-se passaportes para dentro e
forado imperio,asiim como despacb5o-se escravos: tudo
com brevidade.
A coinniistao administrativa a sociedade Apollinea
convida pela segunda vez aos Srs. soeios para ero as-
aembla gersl procederem eleicio da nova commisslo,
no dia 28 do crrante pelas 5 boraa e previne eos
mesmoi Srs., que, na rma dos estatutos, nesta segun-
da reumio se proceder i cleigio com qualquer nume-
ro de socios, queseacbarem presentes.
Lotera de S. Pedro llartyr
de Olinda.
Nio tendo sido possivel eOecluar-s no dia 30 do
prximo lindo mea o andamento das rodas detta lotera,
como se bavia annuneiado, por existir anda por veuder
um crescido numero de bilbetes, cujo valor aobe a pou-
co nifus de melada da lotera, o que se deve attribuir
continuacao do passamento da fasta ; declara o respecti-
vo tbasoureiro, legtimamente autorisado, que tem
transferido para o da 26 do correte mez o sobredito
andamento, bem convencido que, no espaco de lempo a
decorrer at esse da, os amadores deste jogo coocorre-
rct a prover-se de bilbetes nos lugares ja publicados.
=Perdrio-se, da ra do Arago at a ra do Cano,
25 rs. sendo urna cdula de 20/rs. e outra de 5;
quem lircr sebado por caridade queira restituir na
TUS fin llurlat n Kt nijc Iim Hfl un nnhio IlSeTiVC!
Na pracj da Independencia, livraria, ns. 6 e 8,
existe urna carta de importancia para o Sr. Manoel Bor-
ges de Mendonce vinda das libas.
Tem-se contralado comprar a caaa n. 22 atrs
damaliixdeS. Antonio, queba pouco loi arremata-
da em praca e neste acto designada com o terreno lo-
reiro : e porque haja oalo engao deja-se saber
ae ba dono au referido terreno.
Ds-se dinheiro a premio sobre peohore* de ou-
ro e prata o boas firmas: na ra estrella do lionrio ,
0. 30, segundo andar.
-Oflerece-su urna mulber parda do boos custumes
para ama de casa de horneo) solleiro ou casado de pou-
ca familia, de portas a dentro; a qual aabe cozinbar e
ongommar com porfeicao: -quem precisar, dirija-iea
ra do Fugo, por baixo do bilbar.
a conservar-se abortos algn, ba-
agoa do alagado do rio Bebribe ;
= Continuando
nbeiros que tirio
lembrt-aeao fiscal. queira fazerexecutar postinea
a bem da populacio.
Quem praciaar de ama ama de bom leite e de
boa conducta. dinja-ae a roa do Encantamento, ao sa-
bir para a mesa das diversas reodaa, por cima da loia
de trastes do Sr. Jos Carlos, marceneiro.
= No da 22 do correte, aa 11 boras da noote ,
estando o abano assignado dormindo na porta de sua
tanda, na roa do Livramento o. 5 entrou urna
preta, baixa, e secca e Iba urtou ama casaca por aca-
bar estando em quartos e as mangas por pregar ,
urnas calcas do mesmo panno, j promptas, urna ca-
sase pela em meio uso umss eticas de princeis, urna
jaqueta de esguio um lenco preto em meio aso : ro-
ge-se a pessoa quem lorem ollerecidos alguna desles
objectos de o ippifhender e no ctso que oa le-
ona comprado, vir receber o importe deltas na dita
tanda. = Antonio Firreira ata Souta.
O secretario da irmandade de S,
Jos d'Agonia, erecta na igreja de N. S.
da l'enha, faz sciente a todos os irmaos,
que domingo, i. de marco, pelas g ho-
ras do dia j haver reuniao da inesma ir-
mandade, em mesa gerl, para se tratar
de objectos de grande interesse, e dos
quaes depende a continuacao da irmanda-
de : e por isso o secretario rosa a todos os
irmaos, queiro comparecer na referida
igreja a hora indicada.
Vendem-se as melhores sarjas lar-
gas e hespanholas, por preco commodo ;
na pracinlm do Livramento, hoje ra do
Queimatlo, n. l\6.
Vende-se ama venda defronte da ribelra da Boa-
Visla n o8, s-so todo o negocio com & mesma : a
tratar com Jos Soarea Pioto Correia. *
= Vendem-se BefleiSes sobre o estado das Guaneas
no Brasil, e meiosde o melhorar, e da pagar a di-
vida publica pelo deiembargsdor Manrique Velloso
deOliveira por 600 rs.; a Substituible do trabalbo
dos escravos pelo trabalbo livre oo Brasil por um meio
suave esem difficuldade, pelo meamo desembsrgador,
por 600 rs. : na ra do Trapiche n. 31 casa de
Novsa & Companbia.
Vende-se um melhodo de violto por Alexsndre
Carull; a obra do Jadeo Errante, em 5 voluntes,
encaderoados; o tratado da existeocia e dosattributos
de Daos; na ra do Crespo, loja que faz esquina para
a oadeia.
. Compras.
Compro-se, para fura da provincia escravos de
13 a 20 anuos; sendo de bonitas figuras, paglo-se
bem : na ra da Cadeia de S. Antonio aobrado de
um andar de varanda de pi n 20.
= Comprlo-se dous-escravos de oiicio ; sendo um
pedreiro e outro csrpioa para ama encommenda do
Kio-Graode-do-Sul : na ra do Collegio, armaxem,
n. 19.
Comprio-se escravos de ambos os sexos; tendo
de 12 a 20 annos, e com boas figuras paglo-se bem :
na ra Nova, loja de lerragens n. 16.
= Compra-se urna tipoia que esteja em bom uso ;
na ra da Cadeia-Velha loja n. 39, ou annuncie.
Vende-se a mais superior sarja
larga hespanhola, los de linho pre-
tos superiores, panno preto muito
uno, casimira preta franceza els-
tica muito superior, merino preto
o mais lino possivel, e cutas [Qui-
tas fazendas por preco commodo:
na pracinha do Livramento, hoje
rita do Queimado, loja nova, n. 46.
51Vende-se o drama histrico de NepoleSo esa
Helena ; o celebre e carioso drama Ernani, qUe s.j
representado no aabbado ; e outros mais ; Bulln 0J
42 volumes, com estampas, por 33# rs. ; J. J, p^
seau 23v. I6#' rs. ; diccionario universal frsne,
le ingles e vice-veraa alguna manuaea, e outras mui-
tas obras de artes, e officios : a fallar com Jlo de Dy~
bois, na ra dos Quarteis n. II.
Vende-se potassa americana, ltimamente cha.
gada em barra grandea e pequeos ; lecos pretos"
de seda da India ; aetim preto de Maceo ; velas dees-
permacete de 4, 5 e 6 em libra ; cera amarells >|
godio grosso para aaccos; ludo por preco commodo
em cssa de Matbeaa Austins A Companbia ni rus di
Alfandega-Velba n. 36
Vende-se, na na da Cruz, n.
6o, primeiro andar, cera em vela,
recehida directamente de urna das $
melhores fabricas do Rio-de-Ja- '
neiro ; he de ptimo sertimento
e por preco mais barato do que
em outra qualquer parte.
annos,
too
Vendas.
_<>P XX. C
rt /~<~v' cTX^
UiVx
Trancelins de qualquer modelo, anneia, litis, florea,
aderecos, pulceiras, brincos, &c.; tudo o mais bem
feito postivel e por preco mdico.
Aluga-se o segundo andar da casa
n. 20 da ra Direita, com boa vista, e
bons commodos ; assim como o primeiro
andar do sobrado da ra da Senzalla-Ve-
llia, junto ao Sr. Lasserre, muito fresco,
e com bons commodos : a tratar na ru
do Collegio, segundo andar, n. I 1, ou no
Recife, armazem de liaeellar, a fallar
com J. Marcellino da Llosa.
Urna passoa de saber e capseidade e que ji
tom pratica de ensino propdu-se a dar liies de prs-
meiraa leltres grammatica nacional e msica pelo
melhor melhodo possivel em casa de sua residencia ,
ou em dital particulares atrancando o bom aproveita-
mento. A pessoa que se qui/.er utili-ar de leu pres-
umo dirjase a ra Bella n. 11 que achara com
quem tratar.
sb Adverte se a pessoa que esta mandando carre-
jar enluiho do terreno da ru por detrs da bica de S.
Pedro entre a caaa do Sr. Cunba e o muro do falle-
cido Manoel Antonio Ferreira, que aquelle alagado tem
dono, o qual nlo aulorisou nem aulorisa aemelbante
furto.
Joaquim Lopes de Barros Cabial,
professor de desenlio, e pintura, partici-
pa ao publico e aos seus discpulos, que
tem aberto a sua aula desde as 9 horas
at as 2 da tarde para os que se quizerem
dedicar a esta arte.
PRECOS DAS MENSAL1DADES
Dse 11 ho....... 6S000.
Architectura .... 6i'ooo.
Pintura a oleo .... 8^000.
= Preciaa-se de um psdeiro, que entaoda perfeita-
mentede massa para administrar o trabalbo de urna
padaria : na ra ireita, n. 82.
= Antonio Ferreira Braga avisa ao reepeilavel pu-
blico que o Sr. Jos Joaquim do Nascimento deifou
de fazer suaa cobrancaa desde o dia 21 do correte,
ficando o substituiodo o Sr. Jos Joaquim da Costa
Re
=? Aluga-se um sobrado de um andar e solio, na
rus do Hospicio com commodos para grande familia :
a tratar no Altorro-de-Boa-Vista loja o. 40.
BU
R:.h.r ........------j .,.,...
rs-ss sai
i ..i.i.j
= Vendem-se 15 escravos, sendo 4 pretoa, de 20
annos, 2 moleques de lo, duaapardaa, urna de 9
annose a outra de 16annos, 3 pretaa que cosem ,
engommio e cozinhao duas negrinbas, urna de 9 an-
nos e a oulra de 12 urna parda com dous mulatiohos
de 6 a 9 annos: na ra da Cruz n. 61, ou oa ra do
Trapiche, n. 20.
= Vende-se urna bonita preta de Angola.de 18
rAvos sem vicios ; um moleque, de 14 annos, da
bonita fisura: na ra rslreila do lio/ario, botica,
n. 10.
= Na botica da ra do Rangel vendem-se os re-
medios seguintet dos quaes a experiencia tem confir-
mado os melhores eflejlos : dcntifico que tem pro-
priedade do limpar oa denles cariados 0 restituir-Ibes
a cor esmaltada em muito poucos dias ; o uao do dito
remedio fortifica as gengivas e lira o meo cliriro da
bocea proveniente nlo s da carie como do trtaro,
que se une ao pescoco destea orgios ; o remedio be
designado pelos nmeros 1 e 2: orchata purgativa ,
mui til aa chancas e as pessoaa de toda a qualquer ida-
de ; be composta de substancias vegelaes, nio contem
mercurio, nem droga alguma que posaa prejudicar ;
remedio para curar caloa em poucoa dias; dito para
curar dores venreas antigs e que teem resistido ao
tratameoto geralmente applicado; dito para provocar
a meostruacio e accelerar a acgo do tero nos partos
naturaea em que nio se precisa daa manobraa acien-
tificas da arte ; dito para resolver tumores lymphaticos,
vulgo glndulas ; ditopara curar bobas e cravoa aec-
cos o mais elcaz que se conbece at aqui ; dito oxi-
mel de ferro muito til naa chloroies, vulgarmente
chamadas frialdadea ; pos anli-bihosos de Manoel Lo-
pes ; capsolas de gelatina contando balsamo de cu-
pabiba ; ditas de oleo de rocinos purificado ; ditas de
cubebas em p fino ; ditaa de assaletida ; ditas com pos
purgantes; ditas de ruibarbo da Chita ; ditaa de sul-
phato dequinino de 1 e2 graos cada capsola ; alga-
leas velinlias elsticas; pilulas de sal de cabacinbo ;
goa das Caldas, chegada prximamente ; remedio que
cura a firaldade dentro em 40 dias mesmo estando
incbado ; macella nova a 240 rs. a libra : o preco de
todos estes remedios be mui razoavel e oa bons re-
sultados da sua applicaco hequedevem fazer a sus
apologa.
= Vende-se farinba para porcos; no largo da Bibei-
ra n. 3.
Champagne da marca C &c C, viu-
da no ultimo navio de Franca : vende-se
em porrocs e a retalho, em casa de Me.
Culmont &c C*
= Vendem-se varios escravos, bonitas pefaa ; urna
preta, que lava, cozinba o diario de urna casa, e cose;
um mulatinho de 12 annos de bonita figura pro-
prio pera pagem : na ra de Crui, a. 3.
= Vendem-se II escravos vindoado Aracaiy no
dia 22 do corrate sendo 7 pretaa 1 cabra, 1 preto,
2 mulatinbos; na praQa do Corpo Santo n. 28 a
tratar com Antonio Rodrigues Lime. Na mesma qasa
vende-se cera amarella e de carnauba.
Vende-se um violao de muito boa,
vozea, e urna chapeleira ingleza de couro,
e muito bem feiia ; tudo por barato pre-
co : a fallar com o Sr. Thomaz Dias Soa>-
to, ra da Cruz do Recife n. 62.
> Vendem-se duaa pretaa sendo mii a" filha esta
de 18 annoa cozinha engomma cose cbio tem
principios de renda e faz todo o mais servico de urna
casa, e aquella lavadeira e Umbem coiinheira; ao com*
arador ae dir o motivo da venda: na "ra do Sebo ,
Casa da F,
Na ra estreita do Kozario. n. 43.
Na cata cima coolioulo-sea vender cautelas' da lo-
tera do S. Pedro Martyr de Clioda cuja: redi Jo-
ven) tar seu infallivel andamento no dia 26 do correte
mea. A ellas, que sao poucai.
= Veode-ae superior farioba de S. Galbarina ; a
bordo do brgue Ntr tundeado defronte das eaea-
dinbas.
MUITO BARATO.
=Vende-ae um pequeo sitio a margem do Cspi-
baribe com caaa de vivenda coqueiros e trra para
plantar alguma cousa agoa de beber muito Iresco e
alegre com estrada pela Paaaagem e pelos Afogados;
aa mais proporedes ae dirld ao comprador ; na ra de
Agoaa-Verdea, o. 21.
.= Na loja de Jos Gomes Leal, na roa da Calis
do Recita vende-se boa sarja preta por commodo
prego.
aa Vende ae sarja preta portuguesa, muilo boa, por
prego commodo ; um relogio aabonete de prata pa-
tenta ingle; ; estopa do Porto boa para roupa de es-
cravos por sor encorpada : na ra da Senzalla-Velha,
n. 142 icgiio andar.
as Vende-se um preto de afio aorador do assu-
car, trsbalba eir padaria, e mesmo lie proprio para en
genho, por ser robusto ; na ra da Senzallt-Velba
n. 98.
=Vende-seumoscravo padeiro e perito forneiro ,
para o que da-so a conteni; na ra ireita n. 82.
= Vende-se um esclavo crioulo de idudede 22 an-
nos de bonita figura e sem vicios: na ra do Pilar,
n. 135.
pes a oposijujj soiuai uisaj a
sueiuu azop
sj so)uaao)io s
l!iu snop a aput||oq sjoih |aded saiue|oa asq|io8
adta : stjjoaj : tao|a8 sajQassatpoi psejsjvi J eoo
-jepom 'mjiasap saiuamatoq sappi|anb'aaaspoi ep
soou9| a ssjsqo ep oiuauii,jos m.q inri '. opstos o aaa)
-ad a soojoj sopaasu o ss8je| SdZ8jUjj sojiqo opa
-oo o aiiBiui oxop a 'ljpsx op sszaauBjjssji'p iaiuu
esou e sojoaia ssQjpad moa aopiS)' aoSiaisopaasu
! opaaos o asjid aiam a oqei(] op ouoqoy ep sa)iqo
. opBoo o sBa|Bd ojjsnb a o>jg ap som|ad moa a)
-osd Bzaaujd .' opssoa o seaB)Bd oauo a espesaa-ejqos
OSB3BSID Bjad sijdojd o)|nm aaad|a' opesoa o liad
zji ejn8jB| ap aom|ad ojo oiajd 901J8U1 '. opom
-moo oiajd jod 'aoq ojinsa 'a|oqudseq iip opasoa
o -sj |;tu snop a aoqar] ma SBpaaijqaj sai^jd salas
: Jad o soaio;* etop a ejoqoes s'nd saudojd a||a
masa sopap soiBoi meo sejoaepoaiajd pasepssAn|
opssoa o biso a SBaaiad ojanb e opiisaa sssd sajp
-ax ap apaa aa-apuat ojuojuy -g Bd ojie oesad ai
- ueij ojos o|*a||f,3 op ana ap aupse ap alo| asj =
= Contna-se a vender chocolate novo e 240
rs. a libra ; caf moido al60ra. ; ditoem grao a
140 ra. ; cesada, a 100 rs. ; manteiga inglea a 960
rs ; dita franceza a 640 rs. ; passas, a 320 rs. ; bo-
laxioha inglea a200ra.; eapermacate a 800 rs. ;
carnauba de 7 e 8 em libra a 320 ra.; alpiata a 400
n. o quarteirlo ; queijoa novoa a 1200 rs.: no pa-
teo do Careno esquina da ra de Horlaa lado direilo,
Vendem-se palbaa de coqueiro aos cantee, por
preco commodo ; 00 Aterro-de-Boa-Viata fabrica de
licores, n. 26.
=Aluga-se um sitio que tanha pasto para 4 vao-
cas, petto da praca embora nlo tenha muilo arvo-
redot; feo Aterro-da-Boa-Vista, n. 26.
=Vndem-e 12 escravos de afio sendo 3 pretaa,
de idade de 14 a 20 annoa com boas habilidades 5
pardos, de 16 a 28 annos sendo dous bona carreiros e
um pedreiro 6 pretaa oom bonitas liguras, ptimos
para o servico de campo lodocde muito boa conduc-
ta : na na tretta n. 3.
Potassa americana.
Vende-se a 240 rs. a libra da melbor e mais no-
ve que exista oeste mercado ; no armaxem do Bra-
guezao pedo arco ds Conceisflo ou e tratar com J.
J, l'asso Jnior.
Vende-se a venda da ra da Cadeia do Becife ,
v). 1 a dinheiro, ou a prazo : a tratar m "!
3= Vendem-se 4 pardas, do 16 a 20 .
bilidades; 3 pretaa, de 17 a 22 annoa com ba.
bildades ; urna oegrinha, de 13 annos ; um pre[o
da Coala de bonita figura de 20 annos j doot prs-
tos para o servico, de campo, por preco commodo i atrs
da matriz de S. Antonio n. 16, primeiro andar.
Vendem-se as seguintes novelas;
Mil e urna noites, em8 vol., 6# ; CelesK
tina, ou os Esposos sem o serem, em 4
vol., af ; Ivanhoes, ou o Regresso da
Cruzada, em 3 vol,, 5; o Vadaaeco dos
poetas, i vol 800 ; cartas de Echo
a Warcizo vol. 800 ; as Alulhere
que se teem tornado celebres, 1 vol.
a'4 j,a Freir esclarecida 1 vol, iGoj
e outras muitas obras para o curso juri-
dico, e estudos de latim, de francez e dt
ioglez; novelas em francez, &jc : na
ra do Crespo, loja da escadinha n ti.
Vende-se superior essencia de aniz
em garrafas de ao oncas, por preco com-
modo: no Aterro-da-Boa Vista, na fabrica
de licores n. 36.
= Vendem-se moendas de ferro para engenhoide
assucar, para vapor agoa e beslas de diversos Ums-
nbos por preco commodo ; e igualmente lanas da
ferro coado e batido de todos os tamanhos : na prs-
c,a de Corpo Santo n. 11, emcaaa de Me. Calmool&
Companbia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
Vende-se muilo superior potassa
da Hussis, em barris pequeos, pelo, m-
dico preco de ao ris a libra : na ra do
Trapiche armazem de Jos Teixeira
tiasjo.
Vende-se um cssa I de rolas de Hsmburgo,por
todo o preco ; na Ira ves-a do Queimado, vtnda, n .
Escravos Fgidos
I a. ., r.
veasuaw
Fugio, na madrugad., do dia 7 do corrente da
cidade da Olinda, urna parda de nome Cosme psre-
cendo brenca por ser bastante clara cabellos corta-
dos e corridos estatura mediana nio mal parecida,
olbos pretos e grandra sobrancelbas grossas com
falta de denles na trente peitos grandes pea e mioi
regulares ; em um dos ps tem urna pequea ferida en-
tre os dedos que nlo a deixava andar bem ; o dedo
do meio da mo direita, na ultima junta, be defeiluoio
de um pansricio; representa 20 a 22 annos de idade;le-
vou alm da roupa do corpo, urna trouaa com um vel-
lido de cbita novo e algumaa camisas sendo 3 de ma-
dapollo fino aioda em (ulna e 45t rs. em cedolsi:
quem a pegar, leve a sobredita cidade de Olinde na
ra do Passo-Caslelhnno casa contigua ao tbealro,
ou no Recife na ra da Aurora o. 12, que stri ge-
nerosamente recompensado.
= Fugio, pelas 3 horas e meia da tarde do dia 19
do corrente, umapretacrroula.de nome Faustins,
de cor preta bocea grande nariz chato ; quando
falla parece eslsr asaustada e o melhor argnal que tem
he tar aigneea naa palmas daa mos de ler levado ba
poucos dias bolos por oulra fgida que fez ; jt f i vis-
la na praca da Boa-Vista e pela ra da Conceicio do
mesmo bairro ; levou vestido de chita sujo de cozi-
nha camisa de algodio e panno da Costa : quem s
pegar, leve a ra da Senzalla-Velha n. 142, segundo
andar, que ser! recompensado com generosidade.
100^000 ris de gratifica cao
a t quem trouxer um escravo de nome
Antonio, naco Muchicongo, de estalu-
ra regular, poucOse entende do que fal-
la, be delgado do corpo ps pequeos e
seceos, o rosto descarnado, os dentes di
frente um tanto sabidos ; levou vestido
ceroula de algodo e camisa de baeta.
Este escravo j fez urna fgida e foi pe-
gado na villa do Cabo ; e em fins de ou-
tubro prximo passado fog/o de um sitio
do engenho Junqueira : quemo levar a
sajo senhor Gaspar da Silva Froes, na ra
das Trincheira?, n. 18, ou no dito enge-
nho a Miguel Garcez Alves Lima, rece-
ber a quntia cima. '
***** } HATYF. DB DB I'AIIIA a^* S