Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08744

Full Text
IA uno de 1846,
Segunda feira 16
i) MAMO publica-se todos os dias .
. ia forcmdneuard: o projo da assigua-
,'., il,,- de 4)00 rs. por quarlcl pagos adian-
,,1 ,,. O annunctosjlos snanles SoJn-
srrldee
jiiriuiiviv< ---------a
razio de 20 rdls por linba, 40 rs.
\ ivlni diU'i'uente, cas repetices pela ilif-
If.'le Os que nao formu asignantes pagan
i rs. por linha, c 160 mi tjrio drffcrente.
pHASESnALUANO MEZ DE r'KVKUF.IRO
.11 in^an.
d i nuil.
l-rrscenie aSj2hor. e.5l inin.
|*hriaTl*ff- o 51,ni,.
Ii incoante a 10 as2 hor. e 23 rain da man.
I La ner 25-as 5 hor. e II mta. da tard.
partidas dos correis.
iliylia, Segd." e Sextas fetras.
'r.iiide do'xorte, chega as quartas
uno incio'dia, criarte as mes mas ho-
ras as quintas (oirs.
Cali, Scfiuharin, Rio Formoso, Pono Cal-
vo, e Macey, no !., 11 eSI de cada me/..
Garauliuos e Bonito a 10 e 24.
Uoa-Vlsta e Flores a 13 e 28.
Victoria as quintas felfas.
linda todos os das.
' PREMIAR- DE HOJE.
Hiimi'ira as 9 h. e 1S minutos da iiianhia.
Seguuda as 9 h. c 42 minutos da Urde.
de Fevereiro.
Aiiuu XXII N. 57.
OAS DA SmiA?A.
1G Segunda Si Porfirio, aud. do J. dos orf
lo J.doC. da 2. v., do J. M. da 2. v.
17 Terca S. Sllvtoo, aud. do J. do slv. da
1. v., e do .f. de paz do 2. dlsl de t.
18 Osarla S. Trictomo, aud. do .1. docW.
da 2 v.. e do J. de pal di. 2. dist. de t.
11) Ouiiita S. Conrado, aud. do J. de or., e
do J. M. da I. v.
20 Sexta S. Elcuteiin, and. do J. do civ. da
1. v., edo J. de paz do 1. dist. de t.
21 Sabbado S, Fortunato, aud. do J. do civ.
da 1. v., c du J. de paz do I. dist. de t.
22 Domingo S. Margarida.
CAwmos no m\ 14 de fevereiro.
Gnnb.obrc Londres. 2 d. p. 1/afJOd.
ii Pars 350 iris por franco.
u Lisboa 105 p. c. pr. p. ni.
Bese, de tvt. de io is Armas I '/, p. % me?
Oero-Oncas hespanliolas uOl) a :!lf00(>
. Mocda du>4iiovei. llisSOO a, 1ZM00
ii de/-OOuov. H<3!il a 1SW5<)0
de 4^000 8^D0 a OiPlOO
PraM-Patarfles 1A020 a 1*1)40
Pesos Coluiniiarcs I#M0 a 1/nlljO
Ditos Mexicanos. I#60 a 1#')00
Prata Miada I/Uui> a 1/700
AccSes da C do Beberlbc de 50,0000 ao par.
DIARIO
PT?, ZPPitW
Governo <|a provincia.
KXPEDIENTB DO BU 9 DO CBRENTE.
[ Concluido.)
OfficioAo commandante superior da guarda nacio-
nal do municipio do Recile. scientificando-o d'harer
inundado abrir assentamento de praea ap cometa Frao-
ciscode Paula Bamoi, engajado para a terceira compa-
shis 'Jo respectivo terceiro baUlbao.
DitoA' cmara municipal do Cimbres, doclaranJo
.-"a rem-se feitase expedidas as ootneacdesdo delegado,
Indeleg do daquelle turnio, e supplenles dotes, lobte
cuja necejsidade representou ella om oflicu de 24 de
novenibro ultimo ; e que dentro en) pouco se providen-
cala acerca das dos supplentei do respectivo juii muni-
cipal-
Portara Ao proveJor da laudo do portu dista ci-
dade, determinando,deixe de dar quarcnlcna ao paque-
te ingler, que no mesmo porto se espeta, se nao trouxer
doentes de molestia contagiosa, e Dio bouver se demo-
rado eiii portos, onde actualmente larra a febre ama-
relia.
IDEH DO DA lO.
OfficioAo inipoctor da Ihesouraria da lazenda, de-|
terminando, que a Ro/endo Alvcsda Silv mande satis-
fa/er 3204040 r. por dirersos objeoto, que reodeo pa-
ra a secretaria da polica. l'ai licipou-se ao cuele de
polica, que com officio de 9 daite mez remetteo a con-j
ta, eujo pagamento Reo ordenado.
DitoAoiospector da Ihesouraria dis rendas pro-
vinnacs, validando o contrato, pelo qual Manuel I'er-
reirados Santos PimenUrt se enearregou dos reparos da
matriz de Santo Amaro Jaboelao.
Dito Ao mesmo, determinando, que a ordem do
chelo de policio, e para pagamento do que, no inex ul-
timo, so despendeo com os presos pobres do j uslica na
cadeia desta cidide, faca entregar n quantia de 395.748
rs.Participnu se ao chefe de polica..
DiloAo inspector interino do arsenal de mirinba,
validando o contrato, por que ante aquella impe
bri: so Leopoldo Jos da Costa Araujo a faier por ai
I'arahiba, & ditpoaicSo do respectivo lixm. presidente.
loOOsaccas de larinha de mandioca, de alqueiru raso
da antiga medida deste mercado, ao preco de BjOOO rs.
rada urna, que ser all pago nicamente por aquellas,
que ebegarem cm liom estado. fficiou-so a respeito
ao lixm presidente da I'arahiba.
DitoAo priaieiro escriplurario d mus do consu-
lado. Antonio de ouza Beis, agradacendo a olTerta,
que de um mappa impres.su da exporlario desta provin-
cip. eni Janeiro prximo fimio, fe/. S me. a presidencia.
UitnAo commandante das armas, aecusando rece-
bido o termo, porque Jos da Itocba Paranhosso obri-
gou a Ininec r de medicamentos o hospital regimentsl
DitoAo ju relator da unta dejuslica, traiiainit-
tindo, pira a esto ser psente na sua primeira sossao,
um officio, ein que o commandanto das armas Ui diver-
ss eunsideracoos ubre u demora dos pracessos, ltima-
mente jul uIks pola mesma unta, dos saldados Manoel
Iianciseo, Joao Salvador e Joio Nepumuceuo. l'arti-
ci iiu-e ao commandante das armas.
(litoAo cemnisr.danta >f>erior Ja j;u;fdc nscional
uu itei ife, declarando, de conoimidade com informacd
d" juidu direilo chele de polica, qu nao podo ser or-
a i llura to rufifula de maiiub Ge aQ l'ran-
cisco de Paula, outc'ora segundo sargento > sei.lo ha-
lallioo da terreira legiSo da mesma guarda nacional.
Dito-^Ao comraiss to pagador, ordenando, minde
inJeqinisar o irsenal de marioha de 12^800 n. que
espendeo cun o desembarque de presos, trazidos de
corleo Babia pela corvla ete-d.-Abril, coa destino*
ilha du Fernando.Porticipou-se ao inspector interi-
no do mseaal de msiiiibs.
DitoAo tenenlo-coronol reformado Jos Joaquim
Beieira de Mello, ordenando, que,, quinto antes, en
trege ao ebee da legiSo do Buuitu o armamento c
mais objectos do batalbio, que commandou. Tam-
ben) se determinou ao coronel reformado Jos Moreira
Altes da Silva, que ao mencionado chele de legiio fi-
lena entieg do armamento do terceiro batalbao da
mesma ; e participou-se' ao chele da legiSo do Bonito,
que a semolhante reapoilo bavia representado.
iukmdo nuil.
CircularA cmara municipal do Recife, ao pres-
^^-cicgcra! J- -!-! -:-!-!- = .....*
ucnio u Cuneei nct' uu oiuunutuo, o dv, t
da laude do port > desta cidsde, communicandp baver
S.M. o Imperador mandado revogsr por aviso de 7 de
Janeiro ultimo as disposic,es -do do 22 de dezombro do
anno prximo pasia.du acerca dos nivios procedentes da
ilba de Malta, e de todo o liltoral du Inglaterra, e de
cujas dispusieres se Mies recommendou a exetueao em
circular lie 3 deste mez.
OIBcioAo inspector nterpo do arsenal de mari-
nl'g, autorisndo o pagamento de 12JB00 rs.. pola pa'-
acem dosdous recrolas, de que trata en officio de 10
deste mez.
DitoAo chefe da legiSo do Pao -do-Allio, declaran-
do que n3o deveni ser receliidas, mas sim recambiada,
para, na forma do ultimo membro do artigo 66 di le
de 18 de agost de 1831, serem concertadas pelos guar-
das, cm cujo poder eslnvao, as armas arruinadas, que
acompanlicitan o seu officio de 9 deste tnei
PortaraReformando o capito da sexta companhia
do quarto batalhio da guarda nscional do hecife, An-
tonio Cerdoso Queiroz da Fonseca Jnior, e o alfares
da segunda, Antonio Jos de Castro.Participou-se ao
commandanto superior da guarda nacional do Recife.
bir sobro elles. Ao raiar o sol do dia 25, estavamos a
EXTE
^^^t
A RAINHA MARGO?. (*J)
pop. airronor Dum6,
QUARTO VOI.U.ME.
CAPITULO II.
OSATB.IDAS. (1)
Driiiliaid, spa.yoltaaPn.rw, n" onda aullado
fnriqic d'Aiijnu em lilierdade cini Callurioa su niai,
c queni como lodoasabem, era ii filli p'rcdilfa
F"fnelle n$n ero iito'iima TU'sali.f.-iviu da etiqueta,
l'J Os Alridas so os filbos d linda'Ilvppodama', com a
'l"i nadase iwitria ( ailirln .1 M,lici." r> Sr Alotniulr*
mas, aurtWtftule diste riigo 'llnd- ao odio Vilenlo dos
dU\ "?""' ** "r. como o que tViara nos dous it rnto
Argolida, quaai que por igual motivo.
NOTICIAS DO IMO-DA.-PRA I A.
Montevideo, 23 de diumbro.
TIHLMPU0S DA REPBLICA.
. Chegou honlem pert i das Ave-Haras una baleen a
das Torcas ao commando do coronel Ganbaldi, condu-
lindo para o goveroo as importantes communicaQdes,
que transcrevemos. A lepublica torna o escarmentat seu
invasores no Salto o no Rincao das Galinlias. A hora
a qu oblivemos estes documentos, que foi As dez^p
noule, d-nos apenas lempo para publica-los aem com-
mcntarioalgum. Temos tmbem um interessantissimo
diario das operscSes, com um plano da foitificaco do
Salto, que ne urna batera mais alta do que a Cmodo-
re, com abobadas subterrneas, etc. Publicaremos ama-
nhaa o referido diario.
Esquadra oriental. .
E*m. Sr. Depois da nossn chegada, tivero lrgar os
seguintes acontecimientos; o commandante Mundell,
a (esta do 100 homens, tondo se posto em marcha pa-
ra se incorporar comnosco, eonseguio sorprender, no
dia 12 do passado.na sua estancia do Quegusv. a Mar-
cos Neira, que so chava com igual numero no dito
ponto fatendo reuniode partidas. O resultado da sor-
ireza 'oi escapar Neira em pello com sete horneas,
deisando em poder do commandante Mundell o resto da
sua forca, morios e prisioneirot, entro os quaes se acbio
4 ofBciacs.
No dia 16 do mesmo, o dito commandante sorpren-
den tsmbem o commandante Alcain, que marchara com
18 homcoi comlioiando umascarretas, e todos fic rio
prisioneiros. tistes eos de Neira tomrSo goilosos as
armas om defess da causa. '
No dia 24 do mesmo, as 4 da tarde, sahi desto pon-
to coro urna frca de 300 borneas de cavallaria e 100 de
infantnrij com direccao ao Tapeley, onde sabia, que se
sebava I.avalleja com a sua frca, e o comboi dcarre-
tas composto de familias, e la/endss deste povo. Mar-
chamos toda a nnulo para podermos de aiadiugada ct-
(Nola do traductor.
,(
iiein (Jo punco un aeramnnial incommodo, porem sim
i ciimpriuiciilo de um duver, bciu grato para mu tillio,
que, e nliiamava ana mfii, estova no menos ccrlo de wr
per ella tcrii.iiiieiitc amado.
Com cTeilii, piiifi-rio '.'...:'..: :'::::<. rcajinnto este filhu,
ou foste por sun bravura, ou fosie aniel pela sua belluin,
porquu eiu Cailierioa liaviu uloui du ser de luai, u ser Ir
niiillier, ou tosac cnirini purquu, rgundu algumaa clirn-
nieaa eicaidalnaaa, llenriajua d'Aujuu recordare a Hi<
renlm.i certa poc rioau auioica.
Stlalluon ii ...i ii'iuc,d'Anjoaj 4 Paria,
\..|la que (l.iiiaiX It' acaso o nao le-
frente fotpajj.s de Conde mi sSvumntu mesmo
em que cu irmao do la labio. Epcravo-u Carlos so-
uente no dia icjjuuilfl elleuriquo (fAiijuu osperara oc-
cullar-llie ai runa dura emprezaa que liaviao adinnladii
do un di) ana viudo, e quo rio, a Sua visita a bella
Mario de CIcveS, princesa de Conde, e^a sua conferencia
idnrcs polae.oa.
Era ral ultima diligencio, ubre cuja uiciico ettara
Cailoa iuoi rl.i, qup duque d'Aujuu Imlio de otpligar k
ua uiai, c o leilur que, cerno Heiinque du Navarra, es-
tara por cortu eiuxriu a,rcapciU dclla, apruveilar-se-ba
da explicado. *
Por aso quundo o duque d'Alcmun, a tanto tempees-
d? ana mi. Catlicrma. I5n
urna legua do inimigo. por terem os guias errado oca-
minbo, o nisrchinosassim mesmo, encontrando-o pre-
parado para o combate. Tinba o inimigo "250 homens
de caiolaiu e 100 alantes ; dosioLeito, foi carroa-
do, derrotado completamente e perseguido por mu tas
legoas. Km resultado da victoria ficou em nosso poder
(oda a infantera entre morios o prisioneros ; muitos
de csvallaiia, t Um sssim B00 covallos, urna pepa de
6 de brome, eom lodosos petrecbos e municSes ; no-
ve mil eartuiea de fuzil embalados, tres mil de davina,
muto s.-msmento, chumbo, o comboi. o finalmente
tuiioo quo exista em poder do inimigo. Ti vemos o ges-
to de libertar com o comboi deste povo trinla e lanos
prisioneros francetes e ingle/es, alguna com ferros.
Bonifacio, o commandante da esquadrilba inimigs,
eommaodava a iofantaria, entre a qual bavia quusi to-
da.a sua tripolaciii que est em nosso poder, tondo-
se escapado elle a cavallo e medido a pique as suas tres
embarcjiOes, das quses salvamos parte do apparclbo.
Os homens, a quem tive a boma do commandar nos-
tedia, eicedem a toda elogio. Rivalisarloem valor, o
o seu comportamento para com as familias e prisionei-
ros foi, comosempre, digno dos principios dehumani-
dade, queearaclerisio a causa do povo oriental.
No mesmo da puiemo nos em marcha e chegmos a
G a este ponto. As familias exultav&o de prater ao vol-
tareni outra vez aosseus lares, e davSo graeas Provi-
dencia por tfi-lasarroncado das maosdosmalvndos. A fa-
milia do coronel Laralleja foi pnsl8, segundo o seu dese-
jo. no campo do general Garzn, com varias outras fa-
milias.
Pela nossa parte, tiremos ueste dia dous morios c
cinco feridos.
No dia 29 do mesmo, ebegou a este pmo, proceden-
te de Uruguayana (Brasil), o coronel Lez com a sua
divisao, armada o regularmente montada, Irazendo as
communicaedes do general Pai, que vio inclusas. A-
corr.psnuio-no Ssrnbcm os commondantes Carvalho o
Kojs : nosprimeiros das da sua obegada, esto bene-
mrito e incansavel ebefo oceupou-se em rounir gado.
No dia 3 do oorrente, apresuntou se na (rento urna
lorca de 400 bomens de cavallaria, que, segundu as
suas manobras, deo a conhecer oio ser i, e realmente
souliemos. que era a vanguarda de Urquia. No dia 6
ebegrao Urquia e Antonio Das com as suas torcas
reunidas, quo dizem poderd monti.r a cerca de 3,000
bomens das tres armas.
No momento da sua chegada atacrao a praca pelo
flanco diroito com artilbaria, cavallaria o nfantaria ;
masforo rechacados rigorosamente,doxando umapor-
c8o de morios, dous prisioneiros, e levando bastantes
feridos. Os nossos irmaos da capital redo lalvez com
gnsto, que no esquecmos as licous, que recebemos
juntos (ora das sus trincheiras. Tioba-ee comecado a
levantar urna batera, que domina o poro e seus arre-
dores, o nella se baviSo montado duas pecas, que ser-
viro perfeitsmentc. Hoje ssjjj essa baloria prxima a
concluir-se pelos esloruos da guarnicio e populacao, e
) tem qualro pecas. *
No dia 9 fomoi atacados pelo iuimigo com cinco pe-
cas de artilbaria, e esperara elle desalojar-nos de nossas
posiedese arrojar-nos pare o rio : mes succedeo como
da primeira re a despeito de seus enormes apparalos
Passo porderoDte dcse poro, ba tresdias, cavallos
afogedos, o que be indicio cerlo. de que seestaopas-
sando cavallos aeima do Salto-Grande. Para cima do
dito ponto est a nossa esquadrilba da vanguarda, com-
posta da escuna Emancipacin, ketch Palmar e urna
bafeora, a a esquadrilba correolina, composto de um
ancho e duas baleeiras, eommandada pelo tenon(e-co-
ronel D. Matbias Rivera. Daqui para cima est o rio
completamcnlo livre de inimigos ; porm por falta de
agee noSsIto tornou-se-nos quasi impoMivel a commu-
nicaco com Corrientes. 'Espranos 6em embargo
ebegada do general Paz de um dia para outro.
Vem se grandes queimadas do lado de Mendisori.O
inimigo propzse a nao deixar os nossos cavallos come-
rein, o quu d m tivo a muitos combates parciaes, que,
dirigidos pela babildaJe do coronel Baez, sabetn todos
lavoraveis, pora o que nao concurre pouco o moral dos
nossos soldados, que excede muto ao do inimigo.
Remeti a V. Exc. urna bandeira, lomada a Marcos
Neira, eduas tomadas a Lavalleja ; outras duas toma-
das ao ultimo forao rasgadas pelos soldados.
Dos guarde a V. Exc. etc. Salto, 14 de dtiembro
(fe.1845. Exm. Sr. ministro da guerra o niarinha.
Jos Ganbaldi.
dem, 1. de Janeiro de 1S1C.
niMRTAUTES NOTICIAS DP.MALDIINA0O.
Exm. Sr.presidonte da Repblica Oriental do Uru-
b'By I. JoanuiiSuares.
Acampamenlo as chacarss de San Carlos, 2o Je
dezombro do 184o.
l'.xm. Sr.Lovo ao conbecimento do V. Exc., quo
no dia 21 noute sorprend no Alfrez ao coronel Gar-
ca, chefe que Urquia tinlia deixado cncurregado dos
(parlamentos do sul do Rio-Negro, temi obldo o
triumpho deapanhar-lbo toda a sua cevalbuda cm nu-
mero de 2,000cavallos, deixando esses miseraveis coni-
pletamenlo p.
FicrSo igualmente no campo uns cincoenta morios,
o o resto consegoio ganbar o monte por estarci prxi-
mo delle. NJo me foi possivel ir-Ibes no alcance, porquo
nio me achara com toda a forca reunida, e o peso das
cavalhadas ora muito ; alm do quo, os inimigos tinhao
ous esquadroes fra. Retirei-me, pois, para poJCI.is
salvar, e o consegu.
Acho-mo, Exm. Sr., operando no departamento rom
100 valentos, e decididos pela cana que defende-
mos ;...............
e nio soffre a menor duviija, Exm. Sr., que apenas t-
vermos algum encontr com o inimigo daremos um dia
nossa patria....... .
ucg.or.
iu i<*,Ct|*\i

ii.i, tai'i ioiupaif.ida por coaliime, Utiioriiia que desde
a paOida do aeu amado Ribo, eu horia abracado com tf-
i uogny, qnedevia no srguiiie di aer aasiua-
do, abri u.brai"* no filho do cu amor, e o pertoe
ubre o cunean com tal "orno de affeicao maternal,
que odmirava chr-o inda nesse inirrado curaca.
E so desriava delle, onoarara-o, c tornara a nbra-
cn-lo. ; "''
Ab aenhura, diase-Ibo elle, ja quo o ceo me cun-
oede o favor de abracar roinlia nii aem leileiniiiibaa,
oonsolai o liomein ilion desgra9do do inundo.
__ b aieuDeoe! ineu querido filhu, exclatuou Ga-
ibernm, que -aconleeeo eulauJk
__ PjaeU que nao aib.ii, minne nii. En amu e aun
amado i na ease mesmo amor que lana a felieidado de
qualquer oulro, he quee milB me Ib inrerfl.
ExplieWnie <*<" ""'" ftlhu, io Catherina.
__ Oh! minlia mai..... eiaea embajadores, eisa par-
tida.....
Sim, dase Calderilla, cases embaiisafeen sin ebe-
jadi8, css* partida be urgente.
iNaek) Khd de urgente, mas urge oseo irmio, que
me dolastSMMou-lbc deacanfiaucas, (iucr okaembaracar-
0 portador desta lio o capilo D.Jos Mara Mart-
nez, o qual deve rogressarcom as resposlas de V. Exc. ;
ello pode informar bem a V. Exc. do estado, em que ij
acha o departamento, pois que do ludo esta inteirado.
Dos guarde a V. Exc. muitos a unos.
Brigido SiUeira,
dem 2.
Eis o que podemos accresceotar s noticias, que bou -
tem publicamos de Maldonado, e que nos foi referido
palo capilo Martnez.
Em lodo o deparlamento est a opinio completamen-
te pronunciada contra os invasores, a ponto tal, que os
soldados de Oribe-nSo podro! transitar sos, sem perigo
de serem morios, ao mesmo tempo que os apreientadoe
depois da India-Mora alraveiso seguros em todas aa
direcces.
Parto das torcas, quo teta o commandanto inimigo
Barrios, sio de Rueos -Arres: frio-lbe mandadas do
Cerrito.
Segundo refere o capilo Martnez, Urquia levou
comsigo mais de 2,000 homens, Lucas Pires o Manoel
Das estavo em S. -Miguel com 200 homuns. Ignacio
Oribe est no Cerrito aem commando.
O commandanto Silveira, o capitio Martnez o outros
ofiiciaes da sua forca forao chamados por Oribe ao Cer-
rito, onde osliverao baver 20 das. Oribe disse-lbos, que
o eelvugene etio to loucos, que estavo publicando,
que elle (Silveirs) se tinha sublevado o estara oporaodo
no departamento de Maldonado, e que ia desmentir es-
sa notioia do Pefenior. Dawmontio-a com elleilo. zom-
bando do ao nuncio ; mas quem he agora o tolo ?
Por dous botes ebegados bootom deSanla-Luiia com
dez Hepaobes, sabe se, que aquellos montes esli
cheios de desertores; que nioguem pode desviar-se do.
te r laata
Iberlni
m
Catbenna lorrifaSf.
L)ajda-os un ihrono, poare infelii cornado.
Oh! nao .uipurta, lunilla mi, replicou Henrique
j-nuj adunia, nioquero sabir d'aqui. En, um principe de
Fra.iuu, educado n apoco dos costumes pnlidua, junto
a .m'ih.ir i,,;, amodu da urna daa mai encantadores
luulhervs da torra, bei de ir la para -nses geloa, no fin
do raun lo, morree merlo lenta eatro groaieira gente,
quo ee embebed* desdo a manilla ata a nuilc, e muda a
capacidades do eu re pelas do una pipa, ouuformo u
que ella nontm. Nao, minlia nii, nu quero la ir.......
Uso me mal ano !
Ora, Henrique, disse Cathcrina apenando ambas
as mo du filhu ; ditoi-ate be eas* a verdodeiro raa .'
Henrique abaixaj os ollioa, eoiuo quem uu pro-
prio mli nao iiusa confeaiar o que se passara no sen
ooraclo.
au ha outro motivo, insisti Callierina, nieno*
fanlailien, mais srriiaunilo..... maia poltico7
Minlia nli, nao be culpa minlia quo ino lenho li-
cado do evpiritn esla uleio, que lalvez tumo nclle maia
legar du qne ciinipria ; moa nln niediaieslea ros incaiiia
quo o rtorusej tiredu au naicimenl de meo irralo
Gerles, o ceodeaiaa v n morrer moco ?
Sim, dina Catbenna, bu um boroacopu pudo
mentir, mm*Hio. mesma, caluu agora persuadida
quo lodos otaca linroioopo iSo falaoa.
M.i ein tro, nao diaia uto u cu horosoopo?
O cu horscopo fallara do um quarto de tenlo ;
mas nao dizia se era do un vida, ou deteu reinado.
Pola bem! taici que ea fjquo, hiiuhn m.'u. Meu
irnilo tem perto de 24 auno; em um anno estar resul-
rida a quettlo.
E reflectio profundamente.
Sim, por eerto, diste ella, isso seria mellror, se
assim pndi-Me ser.
Ob! julgaientio, minbo mii, exelamouHenrique,
qual seria o meu detospero, se eu houretse alboreado a
cora de Frange prla da Pnlunia! Viver atormentado la
da ideia de que poda reinar no Louvre, nesta cftrte ele-
MUTILADO


^"
montos sem risco de ier roubado, e que a quasi todoi os
Hospanhes, que serviao com Oribe ie deo baila.
(Commercio del Piala..)
COBRESPONDBMCU DO JORNAL DO COMMERCIO.
Montevideo, 23 di Dezembro de 1846.
Escrevo-lhes por ta do Rio-Grande, para Ibes eom-
municar aa noticias recebida hontem a noute do Uru-
guay. Havia muitO'lempo que nada abismos da expe-
difiio commandada por Garibaldi, nem do interior da
campanba. A Gatela de- Buenos-Ayres annuncava-
nos, que Urquia tinha passado para Entre-Ros, e eii
que hontem nos chegio as noticias, que verio no Com-
mtrcio del Plata de boje. Por ellas soubemos, que Ga-
ribaldi sorprendeo o acampamento de Manuel Lavsl-
leja em Tapebi, que Iba tomou toda a cevelhada, car-
retas, 100 homeni de infantsria, urna peca de artilha-
ria, munices, etc. A parte de Garibaldi lie um docu-
mento notavel. A elle me refiro. .
Pouco antes deite succesio, um commandante Mur
dell, que se levantou por aquellas alturas, depois de ter
aido muito exasperado e de ter soflrido grandes violen-
cias, derrotou outra forca inimiga, reagalando muitos
moradores ingieres e franceses, que oa oribiatas levarlo
presos, indo alguna a ferros.
Finalmente alguna das antes, a (orea que commanda
no Yaguary o coronel Montoro, sorprendeo ao inimigo
no Rincoo-das-Gallinas, mstando-lbe 40 bomens.
As muitas cartas, que vi do Salto s adianto porme-
nores dos successos, e referem o escolente estado de de-
fensa em que so acha aquella ponto. Urquia com toda
a sua Torca [cerca de 3,000 bomena) atacou o Salto, on-
de j tinblo ebegado Mundell e o coronel Baez rindo da
Uruguayana com 80 homens e muita caralhada. Ur-
quiza foi rcpcllidc nos ataques que deo illa.
Aqu nada ha de novo. Oribe fortifica se cada vez
mais no Carrito : levantou urna fortaleza segundo todos
os preceitos da arte. O seu batalbio de Vascos, a sus
forca de lite, principiou a desmantelar-se. Nestes dias
toum-se apresentado aqui 30 passados daquelle corpo.
dem 1 de Janeiro de 1816.
Escrevi antes de hontem pela.corveta D.-JoSo-l, e
boje o Jaco de noro para communicar-lhes as noticias,
que boje mesmo se recebrio do departamento de Mal-
donado. Antes disso, porm, os informare! dos antece-
dentes.
O commandante Brigido Silreira era bomeni de reta-
rdes e influencia naquelle departamento. Depois de ac-
93o da India -.Morta nio tere remedio senao aubmetter-
se ao vencedor. Oribe,em cujo interesse eslava apparen
tar, que os Orientaos se Iba reuniio voluntariamente,
deo a Silveira o commando de algumaa forcea, a maior
parlo compostas de individuos, que se acbavio no seu
caso. Assim eslava esae chefo, quando no dia SO do pr-
ximo passado dezembro sesublevou em Malbajur com
300 homens, marohou toda a noute, e ao amanhecer de
21 cahio sobre o commandante, que Urquizt hara dei-
xado no departamento, um tal Camello Garoia, que es
tava no Arroyo-do-Alferescom 200 bomens. Sorpren-
dido este completamente, pode apenas escapar depois de
perder SO homens morios, algum prisioneiros e una
dous mil carelios. Desdo o dia 21 at 28 Silveira per-
correo varios pontos, pondo a sua cavalbada em segu-
ranza, Um comoalgum gado, que reuni para agente
que eslava na ilba de Gorrily.
O commandante oribista Joao Barrios, que eslava
na Rocha com 400 bomens, pz-ee em seguimento de
Silveira ; porm seus soldados so passavao diariamente
para este, e ihe davSo aviso das marebaa de Barrios, de
modo que Silveira elevou a sua forca mais de 400 ho-
mens. Com ella ebegou no dia 28 a praia de Maldonado,
e pz-seem communicaefio coma fragata ingleza Eagle,
e com a gente, que os coronis Freir e Centurin ti-
nhSo na ilba. hsla forca desembarcou nesse dia em nu-
mero de ISO homens. A Eagle deo a toda a divisSo, ele-
vada ja a 560 homens, abundancia da armamento e mu-
niedes, e essa forca internp-se no dia 20. Nio Ihes d-
rei o queso espera, porque nao goslo de fazer prognos-
licos : quando chegarem noticias Ih'aa communicarei.
Nio posso. entretanto, deixar de fazer-lhes notar,
que o lerantameoto de Maldonado teve lugar 15 ou 20
dias depoii da retirada de Urquia para Entre-Hios,
qoe mostra claramente, que s a presenca ota forca ee-
trsngeira de Rosas he que mantear essa Meada sub-
missao dos Orieotaes, que, apenas easa forca se apartar,
comecara a reaccio.
Nada mais de novo.
REPBLICA DO PARAGUAY.
I'HOCLASJACA.
Paraguayos I Na primeira aurora da independen-
cia foi invadida a vosss patria, mas vos outrjss castigae-
les devidamente o invasor. Das margeos do Paraguari
e do Tacuari teve elle de fugir vencido e coberto de ver-
gonha e de temor. Hoje o mesmo invasor, rgido por
um governo ambicioso e tyrannico, intenta combater
de novo a independencia nacional e violar vossos lares,
o sagrado territorio da patria. Convm nio aperar por
2.
elle, convm ir ao leu encontr, e obriga-Io a retroce-
der aobre seus criminosos passos. Assim o oxigonios
interesscs, a honra, o nome e a gloria da repblica.
Marcha!, marchemos todos se preciso lr. Des-
mintamos as calumnias degradantes, que esse prfido
governo fax circular contra a noasa oiviliacio e valor.
Mostremos lace do mundo que somos Americanos, ir-
mlos dos esforcadoi Orientaes, que levantaras um pa-
drio de gloria eterna aobre aa muralhas de Montevideo,
que aomoa Glhos dos bravos, que derrotarlo aos meamos
invasores, que somos valentea, dignos da liberdade.
Todos os sacrificios aejio poneos; mas, quando a
victoria ornar vossos estandartes, lo imitis ao inimi-
go; sede generosos e clementes com os vencidos; vol-
lai com vossos tropheos brilhaotes, reaplandecentes de
gloria, nio manchados de crimes e de croeldadea. As-
sim adornars magestosos os monumentos da patria ; e
vossos concidadioa, apontando para va, dirio que fos-
tes dos bravos e generosos soldados da independencia.
Eia, Paraguayos! marchemos i victoria ; por el-
la aguardio os dias de grandeza, de prosperidade ede
jubilo da patria !
Viva a Repblica do Paraguay!
a Independencia ou Morte 1
Vivi oa bravos Paragoayoi!
Assumpcio, capital da Repblica do Paraguay, 4
de dezembro de 1845 Cario Antonio Lpez.
(Jornal do Commereio.)
INTERIOR.
gante o Iliterata, ao lado da inelhor mii domando, oojos
conselhoa me pooparilo a melado do trabalha e das fu di-
ga, e que habituada a aupportar com meu pffjena par-
te do fardo do eatado, quererla aluda supjinrta-Je oom-
iiii|i"! ali! minha rali, ou havia de ser uiu grflsde rei
Animo, charo filho! dieee Catherina, cuja maia
grata esperance havia aempre aido eaee futura); constan-
cia! nao vos deaconioleia. Nio tendea da voaaa parta
cogitado em algum roeio para arranjar aa ootrsaa?
Oh! por certo quoaim, e fui particularmente por
isto qoe vim doua ou troa diaa antea do que se me rape-
raa, deixando crcr a meu irraio Cario que o fuera por
amor de madama de Conde; depoia avistei-roe com Lai-
co, n mais importante dua enviados; dei-rne a conbecer,
fatendo neaaa primeira conferencia ludo o que me foi
poaaivel para mu turnar odioso, e espero have-lo cuii-
aeguido.
Ah meu querido filho, isso he mo. O interesse
da Franca deve preferir s noaaaa repugnanciasinhas.
E quer o iniereieo da Franca, minha mii, que no
caso de acontecer urna deagraca a raen irmio, reine o
duque d'Alen; on, ou o rei de Navarra ?
Oh! o rei de Navarra, nunca, nanea, inurmurou
Catherina cuja fronte ae Ihe annuuoira, como aempre
llie aconteca todaa aa veaea que essa qaestio sa ihe apre-
sen la va.
VIAGEM DE SS. MM II,
CORRESPONDENCIA DO JORNAL DO COMMERCIO.
Porlo-.4legre, 16 dednemhro de 1845.
Sio 6 horas e meia da manbia, e vai a corte embar-
car para os Trea-Portos no vapor Amelia ; all tomar
cavados para a Colonia de S. -Leopoldo, que fioa a duas
legoaa de distancia, nio porque nio poaaa ir desembar-
car na Colonia, mas por ser fastidiosa a viagem dos
Trea-Portos em diante pelas multiplicadas rollas, que
dalli cornaca a fazer o Rio-dos-Sinos, alm de atalbar-
se por Ierra cinco boas legoss. Da Colqnia dire o que
vif digno de saber-se At j.
Colonia de S.-Leopoldo, 16 de dezembro.
a Quem tem pressa anda por trra dizvelho an-
nexim portuguez ; e foi justamente o que fu eo para
preceder a ebegada da corle, e melhor observar a recep-
ta" o, que Ihe fazem os Allemies, que sio aqui os donos
da Ierro.
A' f, que me esli parecendo-maia contentes e es-
pirituosos do que costumio ser estes enligad i cas-
murros ; e nio be para menos : vio ter hoje a maia hon-
rosa visita, que podero desejar,
Com direciao aos Tres Portos, encontrei delles 120 a
eavallo, metlidos nos latos domingueiros ; e soube que
ha tres dias all se reunrio 400, pensando ae effeetuas-
se entio a vinda de SS. MM., transferida para hoje.
Ora, abi est o que se chama sem-ceremonia : velhos
e velhas, rapares e raparigas ostio-se a vestir vista de
Dos e do mundo ; aodio em viva dobadoura, cruzan-
do as ras em lodos os sentidos, cada um em busca do
que Ibe falta para complemento do toilette. Emquau-
(o a mii grita pela filha que se avie, esta,
Co'a innocencia do co ,
est enriando as rebeldes meias, com os vestidos arrega-
ce doa al aos joelhos, sem que a perturbe o olbo pers-
picaz de quem quer que se ebegue jmila lio que as
Aliemieise eoosiderio enancas alaos 18 anuos, o sio
pela semelbanea que bajio notado em feirSes do filho
com as da virtuosa mii, caja santidissima morte ainda
nos punge o coracio.
Passado o prestito, nio guardarlo mais ordem na des-
filada : de tropel se precipitarlo aps a cavaihada, ex-
postos a ae pisaren e aoa ardentsimos raios do sol, es-
trelo horas para gozarem da prosenca dos soberanos,
que, apenas apeiados, se chegirio as janellas.
A ra ficou quasi intransitavel at s S horas da Ur-
de, em que sahito SS. MM. ,a p para verem a povoa-
clo, seguidos de tal mullidlo, que me fez lemhrar de
Santa Chatharina.
A' noute, reunidos porta da imperial residencia, e
dirigidos sempre pelo mesmo mestre de cerimonias, as
meninas e meninos,que pela maohSa fizarlo alas, canta-
rlo mui accordea e entoados o bymoo God saca ihe
king, e em seguida all mesmo tomarlo pares e valsa-
rlo conjunctamente assim cousa de ubi 50 I Recolh-
rlo-se ao depois a urna casa prxima, e foi ahi que ar-
deo Garthago. Allemies e Brasileiros atirrio-ie is rapa-
rigas como gato a bofes, e as forio levando quasi de ras-
loa para o meio da sala, porque aioda nio est aqui ad-
mitido o ncommodo systea de engejamenlos para a
contradanza ou para a valsa tal.
Em toda a parte ha que aprender; e nio sei se pega-
r ahi pelo Rio-de-Janeiro um estylo, que vi pralica-
rem os Allemies daqui, e vem a ser que nio fazem con-
vites para aeos baile : l vai quem se quer divertir
com tanto que estejlo vestidos, como sio iguaes anlre
si, vio entrando. Urna vez na sala, pode estar como Ihe
aprouver e dansar com o chapeo a cabeca e charuto
bocea, se Ihe parecer. Ainda iato nio he ludo : a msica
olo ten eontrato para tocar por noules ; o cavalleiro,
que quer obsequiar sua dama se chega aos msicos e
manda locar; os outroa podem apruteitar-se da oces-
silo para dansarem com sa aoaa: ha muitas vezes ques
toes entre msicos e cavalleiros, porque eate quer que
fosse elle quem prinaeiro maodasae tocar, emqoanto ou-
tro Ihe diepsts a prisjssis Por vi de regr **n jai?
os msicos, e sempre se decidem pelo que deixs cahir
mais alguna cobres.
Quem nio conhece eata gente nio faz adequada ideia
do seu luror oela dansa, quero dser pela valsa, aquel
danslo ao compuso de qoalquer muiica, como oa vi fa-
zer do bymno naeional !
A maioria delles pesca aeu poncacbito de msica ;
tem na povoaclo urna casa de baile onde ae reuaem eos
domingos e das santos com o s fim de dansarem, pois
Ibes nio vi arranjo psra o estomago, a nio aer espiritoi.
Nem para que aa mocee compareci precalo da compa-
nhia de pais ou irmloa : lahem de suas casas, sos ou a-
companhadas de vizinbaa, atraveaslo picadaa de urna
e duai legoas, eso so amanhecer ou alta noute voltio ao
tugurio paterno, mui bem encarapitadas em seus peli-
coi e alegres de sua vida : e v um barbieaa diser-lbes
grecas
O mesmo Laico hoaitou, quando eo o inalei que
pediaae audiencia. Oh! se elle podease eaorerer para
a Polonia, annuilar eata eleicio.
Loucora, meu filho, loooura....... Oqne asna ai-
aembla tem decretado be sagrado.
Has era fim, minha mii, nio ao poderia fiaser que
essea Polacoa aeoeitaHcm oieu irmo em meu lugar?
lie, ae nao iinpoisivul, ao menos difficil, reapon-
deo Catherina.
Nio importa! experimental, tentai, fallai a el-rei,
minha mii; laneai todo em conta ao meo aeaor por ma-
dama de Conde; dizei que eslou loucu, que perdi o ti-
no. Elle vio-me jallamente sabir do palacio do princi-
pe ooni Guise, que me presta todos ua servido* de un
hora amigo.
Sisa, 1>ra faser a Liga. Vos nle vedes uto, mas
vejo-o eu. ^^
Aioda assim, minha mti, tambora o aje; maa en-
treunto vou-me aproveitaada delle. E ai* omu nos
frlises, quando um hornero nea aerve, iervia)alo-ie?
Eque diaacel-rei aoencontrask-voaP
Pareoeo-me acreditar o qne Ihe aQIrsnei, iato ho,
que a o amor rae havia traiidu a Paria.
Maa nio voa pedio elle conta de reate da noile P
Pedio, minha mii, maa eu fui cear i caaa de Nan-
S urna cousa pode dar ideia da gravidade com que
valsa esta gente ; e como por seu baixo preco esteja ao
alcance de todos, he fscil de satisfszer a curiosidade ;
cbsme-se a um desses cercamaobos, que pelas ras so-
dio earregadoi de um realejo espreita das criaoaee ; oa
bonecoi que nelles danslo ao som do instrumento re-
presento muito ao vivo a aeriedade dos Allemies ; lio
sisados e circunspectos nests densa como se praticae-
sem ceremonias religiosas.
Vejamo-los, porm, fra dos bailes, em suss oceupa-
c5ea. Laboriosos, econmicos, circunspectos em seus
,. T ,,.TJ. ii a .nVaT Lro. o h ">" 8f,nd" foitunan, por datar
reliquias daquellas de quem, (alando Phimto, dille :' Ir ,r,
n. .._. ITe mu pouco lempo seu estsbeleeimeoto neita Ierra a-
ii De trinta annos as mocas c os rapares
Briocavio sem malicia....
race mui diflereote da outra do quem diz o trieimo poe-
ta que
a Nasnerlo j do berro, e ainda promettem
Mais potera rale.
Emquanto estes se arreiio, esto grasoando pelas taber-
nas oaque residen fra da povoaclo, e para ella enlrio
jde ponto em branco.
as extremidades da roa principal dispozerlo dous
arcoa arranjados do melhor modo que poderlo, e pela
frente das casas corren duas liabas de palmeiras, alga-
mas das quaei esto enlacadas por (esloes de flores ar-
tifjoises.
As 11 horas annuncirio foguetes a approximacio de
SS. MM., e foi como aetocasse a postos. Na emboca-
dura da ra at ao primeiro arco collocrio-se en alai
100 meninas vestidas de hranco, con OMnhsi de fio-,
res; ao pedo arco a msica, comporta de um rabeclo.
duas rabocas, duas flautas e urna clarinete, e dahi at
porta da caa destinada para SS. MM. outra ala de me
nios. Omeitro-escola o foi tambem de ceremonias, au-
xiliado pelo director da Colonia o coronel e Dr. Ulde
braod. Urna menina dirigi curta allocucio ao Impe
rador, e todos enthuiiaantdos responderlo os pausado
tiitias levantados pelo director. Vi que slnto ve-
Iboi,' com Isgrimes nos olboi e aponiendo para o les pe-
redor, dziio : rckiduftuia /.opo/./ie! archidu-
quesa Leopoldina! S posso explicar ests exclemaclo
DIARIO DE l'mUIHICp.
Quando en o oosso nunero 35, ao transmitlir ac<
.,0, {.lores trates scsis:, que sMbsajc-i aUi pe'
riodicoi do Cear, Ihe referimos um fratricidio, nen
pela ideia nos pmou de que dentro em pouco seria eo
tre nos perpetrado esse crimo, e acompanhado decir
oumitancias, qoe ainda o tornio mais horrivel do qu
elle be em ai mesmo : entretanto, contra toda a dosis
expectativa, elle se verificou, e como abaixo vai nar-
rado. %
Francisco da Silva Jnior, joven pernambacano, _,
25 annos apeoas, lente quartel-mestre da legiio i|,
guarda nacional de Iguarass, pelo aeu bom comporta,
ment, e pela dedicacio a seu pai, de ao p de cojo le-
lo jamis se separara, sempre que alguma moleitn 0
acommetlie, havia grangeado a estima de sea ihm, ,
i,o Sr. Francisco da Silva, rico capitalista deataeidi.
de, a ponto de Ibe confiar elle a gerencia dos negocios d)
sua casa, dosquaesjA nio podia cuidar,nio soporten,
longos snnos, como por viver acabrunhsdo de moles
tiaa. Esta preferencia^ esta prova viva de demasiadi
confianza, que Ihe dra o autor deseusdiss, eqm!
sempre elle correspondeo. grsngeoo-lhe, principio
despeito, e depois odio de um irmio, de nomejoi.
quim, de 19 annos, cujos deimandamentoi procu-
rara por termo para poupar deagostos ao seo velho paj;
este odio foi ceda dia tomando novas (oreas, e a 14 do
correte, entumeceo a tal ponto o coracio daquelle,
que oentretinha, que elle, pelas 4 horas da maohii,
toma pistola, penetra o quarto de dormir de quem o
excitara, que era o mesmo do pai, e sem reipeitara
presenca dttte, sem se importsr de que o ia precipitar
tslvez ns sepultura, privsndo-o do filho, quem man
snava, eem quen firmara todas as esperanca do fu-
turo da sua casa descarrega sobre o peito esquerdoK,
seu irmio a arma homicida. A bala corre ligeira, apr'S-
funda-sa no peito todo cheio dos mais puros senliaien-
ioi iaea, e, em puutw iuiiauiet, o oi.ova Jnior
deixs de existir. A viotima jas sepultada no convento
dos franciscanos: o seu verdugo, e juntamente um par-
dinho de nome Manoel Yertsimo, com quem conviva,
e em cuja casa se achrlo para mais de dous de ri, que
o asssssioo all mandara depositar, esto recolhidosi
cideia.
Correspondencia.
pouco teoip
bencoada, nio ba lamben grandea miserias; todos teem
msis ou menos de que viver, com rsras excepces.
- Dos que habito a povoaclo, uns connereiio, e al-
guna j com (undos avallados, outros trabalhio de cor-
rieiros, em otarias e n'oulros miileres da vida. A maioi
parte dai babiticoes rusticas e Isvonrsi esto alen do
rio dos Sinos, a cuja margem fica a povoaclo, diiposteaf
em linhas, a que chamio picadas ou mesmo liohaa, e a J
diitanciss quaii iguaes.
A batata inglesa, o feijao e toda a aorta de legune, o
arroi em pequea quantdade e a nandioca em grande
lio osgeneroi deiua lavoura principal; lasen muita
manteiga, e sobro tudo empregio-se em corlumesde va-
quetas e pelfes, que eiportlo em broto ou em obras,
tees como lombilhos, arreios, calcados, etc. Som eaaaa,
especialmente as ds povoaclo, teem quasi lodas as pecas
no lanQo da frentee pouco p direito: da roa, sem mui-
ta curiosidade, se pode ver o quarto de cama, que mui-
tas vetea he tamben a safa de receber, a dispensa,
toucador, etc.
Sio ellee os que sbasteaen a capital de horlalicai.
reacio, ovos e mantimentos. Seus meioi de Iranaporte
lo carreta e pequenoa barcos, que vem carregar ao
porto da Colonia ; he para aqur que a maior parte dos
Isvrsdores trszem seus gneros em carretas; aqui os
venden aos commerciaotee.e estes mandio por sua cen-
ia para Porto-Alegre. Hornee! e mulheres todos tra
baihlo; oinguem espera pelo boceado, qoe o oulro far.

mmmmmmmmf^mmmmimmmmm_ ^_
Bom, tanto melhor. Proourarri eolia fallar-lho
por vos, charo filho; mas, bem aabeis, sobro eaaa in-
Iractavel naturea nenhuma influencia he real.
Oh! minha mii, minha mii, que ventura aeeu fi-
easao! como voa amara eu ainda maia do que voa amo,
se foase possivel.
So fioardea, roandar-vos-hlo oulra ves guerra
Sr. Heladora.Techo at boje identificado o
publico da maoeira atroz, por que a polica do Pio-do-
Alho me tem tratado, e parece-me, que se nio poda-
r diier, que deiviei-me da moderacio, que rigorou-
nente be obrigado o bonen de educacio meimo
quando sequeixsdo injuitiess; mas o Diario-n. de
31 de Janeiro forca-roe a'Iterar o meu proposito, e a
chamar n7 a in/ame calumniador ao miseravel, que
asseverou n'aquella folha qu bavendo sido feita em
segredoa diligenciado engenho Ramos (queme perlen-
ce ) forio all spprehendidos Irints esersvos, quisi
todos furlsdoa He precito ter um habito muito in-
veterado de mentir e calumniar para com tanto des-
caro, asseverar duaa falaidades em lio poucas palarrai!
Mentio o miseravel rabiicador primeramente qusn,-
do affirmou ter-se a diligencia feilo em sogredo ; por-
que, teodo aquella tido lugar ao meio dia, is 8 horai
ds manbia ja eu havia receido aviso, estando pre-
sentes n'esia occasiio o Sr. Joi de Hollanda Cavalcanti
d'Albuquerqueeoutras peisoas : calumniou quando as-
severou, que qussi todos os escravos apprehendidoterio
fartados; porque smente 3dosposiuidos por Jos Mara
Pses Brrelo forio assim qualificados,sendo-me entre-
gues 16 meus no fim de 12 diss! Calumniou ainda,
quando disse que eu havia mandado fazer compra da
algum eseravos com papis antidalados. Vejo, que lu-
do iato tem por fim tisoar a minha reputacio ; vejo que
ota infamia se dirige a macular a minha honra por-
ue o calumniador est muito certo de que sctualoien-
te me he imposiivel obler das autoridades reparacJo
de urna injuria; mas eslou bem persuadido de que tu-
do isto nio me prejudioar no cooceito dos bomens
honestos e quando mesmo este me faltasse rettiva-
me e minha propria eonscieneia, cujo julgsmento rei-
peito mais que tudo. So todos os meus escra>os me fo-
rte entregues, sem queeotre elles te acbasse algum ,
qoe legtimamente me nao pertencesse ; se oa ques-
eados pela polica como furtados erio de outrem e nao
neus que neceisidada tinba eu de compra-loa con
ttulos aolidaladoi ? Que nodoa deveris temer em mi-
nha reputacio quando a mesma polica confena e
todos sabem que o meu crime nasce de ter eiercido
bospitalidade para com urna senbora quem a mesma
polica desacatou e perseguio ? Se al boje, felizmente,
nunca fui suspeitado de querer augmentar a mmlia for-
tuna com o hensslbeios asea maior parte dos el-
eraros spprebeodidos pela polica erio meus e me fo-
rio restituidos, como diz o calumniador do Diario. ,
que quisi todos erio furlsdos ? Embore lodos conhe-
cio, que essa folba nio publica em suaa columnii ums
Oh! pouce ai ; importa, com lauto que eu nio dei- Ln Muir, e raoitrra-ac cora algout ardor na odeoa
tuuillet, onde As ua burulhu horrivel, a fim da que se
eipalhaeee o boalo deaie escndalo, e nio dovidaiae el-
Nio vale maia do qoe elle, conlinuou Henrique, jrei que eu la citara.
meu irmio d'Alenoon, nem raaia voa ama.
Em fim, replicou Catherina, quo diite Laico?
Entio elle ignora a votia viaita Laeco ?
Abaolulamenle.
xe a FaencaS*"* *
Va fareii que loo maleas.
Minha rali, nlu he de golpes qnc ao morre
morre-se do dr, de ahhorrimcnto. Maa Carloa nio me
deixar fioar; elle roe aborrece.
Tem einme de va, mea bello vencedor, he roma
sabida; tambera porque fuetea va lio valenle, tle felia?
Porque com vinte amioi apenas, ganbaalea batalhas co-
mo Alexandre eoomoCeaar? Maa entretanto nio voa
deacubraia a ninguem, fing que eataia reeigondo, fasei
corte a el-rai. Hoje meaniu ha oonoelho privada para ler
e diaculir os discuraoa que aeriu prunuooiadoa no eeri-
monial; moatrai-voa rei de Polonia, e u maii deixai a
meu cuidado. A propuaito, em que ficou a voaaa expe-
didlo de hontem I noile? p
Pordeo-io, minha mii, o gali eatava prevenido, e
baleo aa ataa pela janella. ,
- Er fim, diaso Catherina, um dia hei do eaber qocra
he o mo genio, que aetim contrara todoa oa meus
Ipruiectos...... Entretanto, eu dciconfio, e...... deagra-
Deixai-me dirigir cale negocio.
E heijou lernamento oa olhoa Henriqtie, poml"-o
fra du aeu gabinete.
Era breve ao aprraentrlo na cmara da rainlia o
principes da ana caa. Carloa eatava de bom humor, por-
que o deaembareco de aua irmla Margot hevia-lberau-
adu maia praier que deagutlu neiihuma averalo
tinha
do corredor, porque era urna especio de cacada de es-
tafe.
D'Aloncon, pelo contrario, eslava muito preoecupa-
Itlo. A antipallna que aempre aentira por La Mole, ha-
via-io mudado cm odio, dcade quesoubera que era ella
oemado de ana irmla.
Margarida eatava ao mesmntempn penialira e allenl',
porque tinha an encuno tempo do que lembrar-ae e em
que velar.
Oa depuladoa polacoa linhio romettido copia doa dii-
curaoa que dcvilo pronunciar.
Margarida, a quem ae nlu havia maia fallado na acea
da vcapera, como ae ella nio houvesie exiitido, leo "'
diaouraoa, o a excepelo de Carloa, todua diacutirl o
que reapoederiSo. Carloa deixou Margarida reapondef
como aMtaeeae; com d'Alencun moatrou-ae muito dilli-
cil ua eaeolha doa termos i maa cora o diaourao de Hen-
riqne d'Anjou foi que elle mualrou raaia qne ma venta-
da, foi que ae moitrou encarnizado a corngir.e allerai.
Ifadodetlel
Port
Per tanto, miaba nii...... dase o duque d'Anjou.
(f^iar-e-A).
\


wm
w
i verdade e que eus eseriptores caprichio en dis-
tinguir-se por jtieio das mais atroiei oalumniaa, toda-
via julguoi de meu daver escrever eitai liabas, nio pi-
ra os qae me conhecem, mas para aquciles-, que, igno-
rando a miuiM conduela, e nlo oupponJo (anla proter-
via di parle de meus infames perseguidores possio
interpretar o meu iileoeio como assentimento 6 confis-
sio. Digo qoanto quierem urna ro que a provincia
boje s canta dous lados de vencedores e vencidos, t
eo estou no numero doa ltimos ; porm lembrem-ae
bem de que, quando o cidadlo pornamhucaoo poder
contar com a impareialidade da auloridade publica,
cjuando as palivni lei e direito u nio forem nomei
vlos, e tiverem adquirido a forja, de que goiio sob ama
administracSo regular e sensita eu protesto desag-
gravar-me e fazer sentir calumnia qu nio poder proteger 01 teo adoradorei.
Sirtio-se, Srs. Redactores, de dar pablicidade i es-
tas linbas, com o que muito obrigari ao sea &c.
Jrronymo dt Albuquerque Mello.
Po-do-Albo, 12 de fevereiro de 1840.
Srs.Redactores.Li o'um dos artigos do
D.-novo de 11 do corrente, qae me foi
remettido por um amigo que o engenho
Ciirsahy (a que eu infame autor chama
Corsahi-)eracoiVo de escravos fiirtados!
Estou firmemente convencido de que
o individuo, que a tanto ae atreveo, con-
ta com a impunidade, que na presente
.quadra garante os malvados, que com au-
dacia atassalho a honra e reputacSo mais
bem firmada ; e corto de que tal caljim-
r\;a me nao rcbaixar no conceito ainda
d aquellas pessoas, que de leve me co-
nhecem; como possa ella, porm, no animo
de outras produxir alguma impressao me-
nos favoravel a meu respeito ^ j que
litro recurso me n9o resta, desafio aesse
covarde, para que prove, e publiqueqnal o
escravo, ou qualquer outro objecto Cur-
iado que tenha sabido deste engenho ou
de casa de meus moradores, desde o an-
uo de i825, era que para aqu me mudei,
zendo,de ser quaiificado pelo mais infame,
mais covarde, mais despreztvel, e mais vil
calumniador.
Com a publicacao da presente, Srs.
Redactores, muito obrigaro ao seu cons-
tante leitor, e assignante
Jos Mara de Barros Barreto.
Engenho Cursahy, i3 de fevereiro de
1846.
Oliveira. presidente da associaclo commereial desta ei-
dade, 0 mais aliento venerador ecriado
Jtrunymo Mariiniano Figueira de Mulo.
S.C., 13 de Fevereiro de 1846.
COMMEBCO;
Alfandega.
Bbndihbhto doduM................3:873,i588
DacarregBo hoje 16.
Brigue -escuna Cumberlandmercadoria*.
Polaca Concordiataboado, barricas abatidas e arcos.
Brigue Dainomercaduras.
BarcaW.m-Knntdyfarinbi.
Brigue5. -fl.-Cam6Mbaoalbo.
Patacho//a/yconcanio.
tMPORTACAO.
CUMBERLAD, brigue-escuna americano, vin-
do de Philadelphia, entrado no corrente mes, a con-
signacio de Matheus Austim & Companhia, manifeslou
aseguiote :
1001 barricas fariobt de trigo, 300 barriquinbas ho-
lasinhas, 535 barricas abatidas e seus pertences, 100
turril manteigado porco, 50 saccas pimenta, 25 cai-
tas canelia, 2 cadeiras de balanco, 2 chicles, 6 pares
de sapatos ; aos consignatarios.
l barrica e 1 fardo ignorase; a Luiz Gomes Fer-
reira.
. Consulado,
UNDIMBCro DO DU laj-
Geral............................. 2:397*379
Provincial.......................... 914*007
Diversas provincias.................. 105*392
3:417*378
Publicacao a pedido.
Illm, Sr.Pelas cartas e peridicos, que ltima-
mente vierto doCear, consta me, que esta provincia
so acba reduzida ao mais infeliz estado, em cousequen-
cia da horrivel seces, com que lucia ba quasi dous an-
uos. O povo docentro, que nio emigrou para Piaubj
e Maranbio, tem afluido quasi todo para as costas; mas
tanto este, como o que permaneceo nos seas lares, be
boje dilimado pela miseria e pela fome. A larinba,
principal base da alimentacio publica, tem chegado em
alguna lugares ao eilraordinsrio e nunca visto proco de
80 e 100,000 rs.por alqueire, e para cumulo de das-
grata iieni ainda asiim pode ser encontrada. A canda-
de publica, a candado dos homens mais favorecidos j
nio pude bastar, para soccorrem aoa ioleliies retirados,
que demando e imploio aos milbares urna mesqui-
' nha esmula. Na capital da provincia um espectculo
horroroso de lamintos eesfarrapados esqueletos, som ba-
bitacio, percorre as ruaa, e sensibilisa os cidadios,
que entretanto nlo Ibes podem dar o necessario ali-
mento.
Filbo da provincia do Cear, nlo posso deizarde
sentir sobremaneira as desgrscas, que actualmente o
vecbio; nem de procurar quanto em mun cabe os
meios de preitar-lhe o aoccorroa de que elle tio ur-
gentemente carece.
Sob a impressio dolorosa, que em mim eicitao as
(hites ciicumstancias de minba pstria, recorro por-
lanto a V. S., a lim de que, como presidente da as-
socia.'fio commereial desta praca, oonvoque urna reu-
niao dos seua membros, pronsova por intermedio des-
tes urna subscripto no corpo 4o commercio, eeom os
fundos, que delta provierem eavie urna ou duas em-
barcares com farinha, que no Cear sedutribua gra
til pea pobreza, segundo as regras que o governo pro-
vincial tiver estabelecido, ou que a sabedoria da asso-
ciacio commereial entender, que deve adoptar,para que
sejio completamente satisfeilas as suas benficas vistas.
E como nio me be licito suppor, que o corpo do com-
mercio de Pernambuco se recuse a urna obra lio merito-
ria,desattendendoas vozes da drsgraca, animo-moa pru-
por ainda, que se trate logo de raawtUr alguossoc-
eorres,-antes nvsmo de reonirem-ae o* fundos deesa
infallivel subscripcSo, pois que toda a remora be fatal.
e o beneficio pode ebegar tarde. Alguna ricos commerjl
lundot, sob o ge.-
PRAQA DO RECIFE, 14 DE FEVEREIRO DE 1846.
AS TRES HORAS DA TARDE.
IIE VIST K SEMANAL.
Cambios Continuarlo regalares aa transsecoes da se-
mana a 27 d p. 1 ri.
Aasucar As entradas lorio regulares, e he procurado
a 1*350 rs. a arroba sobre o ferro do brso-
co, e 1*150 rs. do mascavado encaizado;
de 2*400 i 21800 rs. a arroba do bran-
eo, e 1*350 rs. do mascavado embarrica-
do; a d 2*400 i 1*750 rs. a arroba do
branco, e 1*750 rs. do mascavado eo-
saccado.
Algodio Diminutas entradas, e pequeas vendas de
4*550 a 4*600 rs. a arroba de 1.* sorte, u
4050 i 4* 100 rs. o de segunda.
Couros Sio oflerecidos de 120 i 130 rs, a libra.
Bacalho Chegrit d Boston 300 barriese, que fo-
rio vendidas a 12*200 ra. a barrica. Ai
vendas da semana forio avultadas, e o de-
posito he de 3,300 bsrrieas, e se esta reta-
Ibando de 12*500 14* rs. a barrica.
Carne secca Eolrou um carregamento do Rio-Gran-
de, e o deposito boje he de 4,000 arro-
bas, tendo si Jo as vendss regulares de 3,f
a 3*800 r*. a arroba.
Farinha de trigo Entrarlo dous carregamentos esta
aamaoa, e e deposito boje be de 4,000 bar
ricas em primeiras mioa, tendo-se vendi-
do de 19* 20| rs. a americana, e 21*
rs. a de Trieste marca SSSF.
Dita de mandioca Enlro um carregamento do Rio-
de-Jasieiro ,. a contina a sabida para as
provincias do Norto tendo-se vendido a
4* rs. o alqueire da antiga medida.
Entrarlo durante a semana 14embarcacdes e sabirio
19, ezistindo boje no porto 68: sendo 3 americanas, 1
aualriaca, 32 brssileiraa, 1 dinsmarqueza 1 ham-
burguesa. 1 hespanbola, 9 inglezss, 1 napolitana, 7
portuguesas, 7 sardss a 5 suecas.
PRODUCCAO LITTERAR1 \.
Publica-se na corte do Rio-de-Janeiro semanal-
mente um folhelo sob o titulo
OS MYSTERIOS D* INQUISI^
Eoutrat lociedadei tecnias de Uetpanka,
contendo cada numero oito paginas do formato do
oitavo francei pelo preco da 160 rs. pagos no acto
da entrega. Achio-se j publicados 16 folbelos que
serio dados pelo preco estipulado a quem assignar pelo
resto da obra que ao todo compOe-se de 80 folhetos.
Ha entre nos tanta falta de esciiptos a respeito da his-
ria da llespanha, edos horrorosos actos all pralicados
pela inquisicio.e sio nesta obra ezpostos com tanta cla-
reza alguna delles, que suppomos far urna boa acqui-
sicio qualquer, que delle se quizer prover : acquisicio
tanto mais fcil quanto he tio diminuto o preco da as-
signatura. Subscreve-se na praca da Independencia ,
livraria n. 6 e 8.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro sshe, ateo dia 28 do
corrente o hiate nacional Mara-Fir mina : quem
quizer carrejar, ou ir de passagem dirija-so a Jos
Antonio Basto ra da Cadeia do Recife, n. 31.
Para o Rio-de Janeiro sabe, com n maior bre
vidade possivel o patacho nacional Vtnm forrado
pregado de cobre : quom no mesmo quizer carregar ,
ou ir de passagem para o que tem ezcellentes com-
modos, dirjase a Novaes & Companbia ra do Tra-
piche n. 34.
Para o Porto sabir!, no' dia 25 do corrente ,
brigue portuguez Primavera, capitio Jos Carlos Fer-
reira Soares: quem no mesmo quier carrear, ou
de passagem, para o que tem ezcellentes commodos ,
dirija-se ao dito capitio na praca ou ao consigna-
tario Antonio Joaquim de Souia Ribeiro.
Vende-se o patacho nacional Lopct, de conslruc
co americana, forrado e encavilbado de cobre, de lote
de 127 toneladas, ancorado no Mosqueiro : quemo
pretender, pode dirigir-se abordo, aonde eziste o in-
ventario do mesmo, ou i ra da Cruz, o. 43, em
caaa Nascimento Schaoffer & C.
=Parao Rio-Grande-do Sul sabir com brevidade,
e ainda recebe carga, passageiros, e escravos a frete, o
brigue-escuna Bel/a-Virginia, da consignadlo de Nas-
aimento Scbaefler & C.
Para o Rio-Grande-do-Sul unir com brevida
do o brigue brasileiro Indtpendenle; tem pra;a para
carga leve, passageiros e escravos a frete : os pretn-
denos tratem com Manoel Alvcs Guerra Jnior, das
10 horas em diante, no armazem de cabos do Sr. Fran-
cisco Mamede de Almeida, ou com o capitio Fructuo-
so Jos Pereira Dutra.
= Para o Maranhio segu, por toda esta semana
o pataelio brasileiro Unido : para carga pissageirose
escravos a frete dirijan se a Gaudino Agostinho de
Barros, na pracinba do Corpo Santo n. 66.
O brigue-escuna llenriqueta s.ilnr.i impr"terivcl
ment para oAracaly no dia 18 do corrente, e s ad-
mita alguma carga miuda : quem tiver e protonder
remelter, se poder entender, na rus do Vigario, n.
23, primeiro andar, ou com o mestre no trapiche.
cianlesadiantardiem duvida es
'"-ioso empeobo de V. S.
s= Pelo lyceo desta cidade se faz publico que este
Poderla eu aqui expender algumas razoes para mos- stabelecimeoto se acba tranaferido para a caaa, qae
'rar, que, azendo o commercio essa subscripco, ten
nissoo jmior interesse, pois que V. S. nio ignoro, que
" Cear be o maior consumidor dos gneros, que se
"nportio no ettefaso mercado desta praca, a como tal
ilsved r de grandes quanlias; mas quero e devo smen-
e recorrer ao espirito de beneficencia e de religiio,
quesempre distingui ao corpo do commercio per-
oambueano, e que nio pode falbar aos Cearenses, que
eitremadoa de fadiga e j sem esperanca da lenitivo,
cihem e morremde fome.
Esperando, que V. S. se dignsri aco'.ber estas pou-
cas linbas, e que os meus votos philantrophicos serio
atisfeitos, tenbo a honra de ser, com a mais subida
considerado De V. S., Illm. Sr. Jos Ramos da
Movimento do Porto.
Patsagtiroe, que, no dia 13 do corrente, condutio
o vapor S.-Salvador para os portas do Sul.
Para Macelo Pedro Ferreira de Araajo Gaimaries,
Portugus; Bonefond, sua seohora e 1 filbo menor,
Francet.es, a 2 desertores por ordem do governo: pa-
ra a Babia, Jlo Maris Seve, Jos Pereira de.Araujo
Piobeiro e 1 esersvo, Brasileiros; Frederico Paack,
Allemo: para o Rio-de-Janeiro, Joio dos Mariyres
Barboza, Portugus.
Kavioe sakidos no dia 14.
Canal ; brigue inglez Venilim, capitio W,1" Msrlin,
csrga asaucar.
Stockolmo; patacho su co Carl-Gustaf, capillo N.
Lmck, carga aasucar e couros.
Trieste ; polscs sarda Novo-Socorro, capillo Nicolo
Maugene, carga sssucar.
Rio-de-Jsneiro ; barca ameriesna Caroline, capitio
Oliver G. Lae carga o resto da que Irouze de
Boatos).
Savioi talados no dia 15.
Canal ; patacho inglez Conques!, capitio J. F. Wil-
aon, caTga asaucar.
Trieste; brigue sardo /Verme, capitio Angelo B. Ve-
net, carga assocer. '^tr w PfsW
Leila.
ajas Adamson llowie iSi Companbia fario leilio, por
ntervenciodo corretor Oliveira de um sortimento
de fstendas ingle/as as mais proprias deste mercado :
hoje 17 do correte, as 10 horas da manhia, no seu
armatem ruada Alfandcga-Velha.
,4visos diversos.
Declaracoes.
fioa ao lado do arsenal de guerra aonde se faiilo as
sessdes do tribunal do jury e no dia 13 do corrente
comelo os trabalhos das aulas pela aeguinte ordem :
a aula de lingoa nacional trabalhar das 10 as 12 horas
do dia ; a de latim daa 8 as 11 horas ; a de Irancez ,
das 10 as 12; s de inglez dss 8 as 10 ; a de geogra-
pbia das 10 as 12; s de desenho, das 10 as 12 ; a da
geometra das 16 as 12 ; a de rhetorica, dss 8 as 10;
a a de philosopbis, daa 10 aa 12.
Societaria do lyceo, 12 de fevereiro de 1846. O
secretario ./cilo Facundo da Silva Guimart.
__ A sumaca S.-Maria-Boa-Sorle recebe a mala
para a Babia boje (16) as 11 horas ds manhia.
II QUE OSSAJIA !
Sabio hoje a lu o i. numero do novo
peridico, que tem por titulo o Esque-
lsj|nt e acba-se ;i venda na praca da
Independencia, loja de livros, ns. 6 e 8 :
a elle freguezes !
=OSr. Joio do Reg Barros Canderimba, ba pouco
chegado do Ass, tenha a hondada de dirigir-se a ra
do Cabuga, lojas de fazendas do Pereird & Guedes, pa-
ra receber resposta de urna carta, que Irouze do mesmo
lugar.
= Aluga so a pequea casa no Altcrro-dos-Afoga-
dos, o. 103, por 4,000 rs., ou por menos a quem con-
certar : na ra Nova, loja n. 38.
ONAZABENON.3.
Est a venda na loja de livros da praca da Indepen-
dencia, ns. G e 8, na casa da Fe! na ra estreita do Ro-
sario, a na ra da Florentina, n. 8. Traz noticias do
Sul.
AO PUBLICO.
Habitantes desta provincia, tanto nacionaes, como
estrangeiros I Generosos Peroambucanos 1 Os Cearen-
ses nossos irmos morrem de fome. Urna secca horroro-
sa tem derramado a mirara e a conslornacio no meio
desea populacio laboriosa, a digna de melhor sortc.
Centenas de familias se scblo all reduzidaa.ao estado
de disesperacio. O povo privado de recursos principia a
morrer as estiadas e as snesmas ras da capital, e de
outras cidades, e villas da provincia, segundo as ulti-
mas notisaas. cm'fim o Ceari vai ser em pouco lempo
despovoaft se seus babitsnles noachurem no meio do
vos os masjoos soccorros, com que em outro lempo sal-
vastes da nizaria os nossos irmios do Par.
Eu, pois, vos convido em oosne da bumanidade, e
desse povo, que lucta com a morte, que vos aproaseis a
soccorre-lo,subscrevendo para este fim asquentias, que
estiverem.sjM proporpio com ascircumstansss, e calc-
daes de easSom de vos.
Nao se trnl de ventilar urna queslo poltica, nem de
eslabelee*f*tM interesses da um partido : trata-sedo que
he mais precioso f do salvar a vida de nossos irmios,
que se scblo em um transe horroroso : por isso, escre-
vendo estas linbas, eu mo dirijo a todos vos, quaetquer
que sejio vossas opinides, e os partidos, a que perlen-
cais, esperando, que em vossos coraedes achar acolbi-
mento este brado, qae solt a favo idos Cearenses.
Recife de Pernambuco, 13 de fevereiro de 1846.
Francisco Carlos Branddo.
aa Os sbaizo assigoados, berdeiros do engenho
Qaeimadas, sito na freguezia de liarreiros, da comarca
do Rio-Formoso, fazom sciente ao publico, ou a quom
convier, que ninguem contrate ou faca negocio algum
de comprado mesmo engenho com I). Anna Victo-
rioa de Mello; porque, tendo-o esta sonbnra comprado
a nossi mu e tos, aquella nio poda vender a parte
perlencente a seu cas .i pelo fallecimento d nosso pai,
Jos Correa de Jess, fallecido depois do fiillecimento
de nosso at, Manoel Leilio Figueira, sem so proce-
derem aos respectivos inventarios, tanto tiesto,como da-
quello finado; tanto meis scifiloum dos ahaiio assigna-
dos orpbio, ao lempo da tema em 1843, o batendo
alm disso outra berdeira orphia.
He mais de notar tero doutor Fernando Alfonso de
Mello, juiz municipal e do orphios de dita comarca,
julgadopor sentencaui) inventario amigivel.aque nesso
anno, on no de 1842, sn procodeo por fallecimento de
nossa av, sem se contemplaren! os abaizo assignados
como berdeiros na ineiacoda heranc", quo veio ao ca-
sal de" nosso pai, dando -se ji de pretendo lodo 0 qui-
nbio do engenho a nossa mi, bavendo dous orphios,
para depois figurar na sua compra, como ptocurador da
dita Anna Virlorina de Mello, sua m, o nio escru*
pulisar a vista da lei, tanto em apmprar directa ment
para a dita sua mSi (que ho o nsssnin que ser para si)
um bem de rair, om que orphios team parle, e suhjeilo
a sua junsdico, cu guarda, om r.i/ao de seu ollicio,
(artigo 116 do cdigo caiminal). como em fazer a com-
pra pela quantia do 22 conlos do res em algum di-
nbeiro avista, e diversas desobrigas, que inda nao
cumprio, e mandar passar as esenpturas pela quantia
de 16 contos de ris em fraudo da sita nacional, o qun
denunciio a quem comprtir. para nio incorrerem as
penas da lei. E como os abaizo assignado vio traUr
da accio de nullidade da venda do referido engenho
com a compradora, protestio desdo j contra toda o
qualqual pessoa, que se proponba a querer effeituar a
compra do citado engenbo, visto estar litigioso : e fa-
zem o presente sviso, para se ni poder em lempo al-
gum allegaV ignorancia. S. Josda Cora-Grande, 21
de Janeiro de IHitj Mam,el Fidelisdc Almeida,
Manoel Leitn Cor rea de Jess.
Olfsrece-se uin leitor portuguez para sitio ou
ongonho, para qualquer uecupacfui, o qual asua conduta ; quem precisar, dirija-se a ra do Li-
vramento, n. 24.
=Aluglo-8e ssseguinlas casas: um sobrado de 1
andar com solio lojas e quintal na ruado Sebo, n
''!. por 300,000 rs annuaes; os dous terceiros. an-
dares dos sobrados ns. 4 o 6 com sotio no Aterro-da-
Boa-Vists/; o sep.undo andar do sobrado n. 24, na ra
Ja Aurora com quintal o estribara para dous cavallos;
as casas terreas ns 5 e t na ra Formosa e outra na
ra do Sebo n. 5, com quintal, cacimba o mais com-
modos para grande familia ; oulra dita com i^uaes
commodos na ra da Soledade n. 35 ; oulra dita na
ra da matriz n. 32. por Ubiilin rs mensaes; o so-
brado de dous andares com lojjs notamente remira-
do o pintado lodo na ra do Kozario n 24 : quem
as pretender dirija-se ao esrri|iiono de Francisco An-
tonio deOliveirs & Filbo na ra da Aurora n. 2t.
O traductor do tratado da religiio tendo se de
retirar no fim de fetereiro para a sua provincia, roga
aos Srs. que sulncrctrio para a impressio da dita obra,
queiro mandar lei'eber os eiemplares, que Ibes per-
lencem e pagar as suas assignaluras, na roa do Amo-
rim no Recife n. 17, primeiro andar.
O Sr. Domingos da Silva Barboza queira an-
nunciar a sua residencia ou procurar Gaudino Agos-
tinho de Barros-, pracinba do Corpo Santo n. (i6.
Na ruado Itangel sobrado n. 9, tirio-se pas-
saportes para dentro e (or do imperio, e desparhao-io
aseravos; ludo por preco coinm do e com brevidade.
Ouinta-feira 12 do corrente tirarlo do col-
legio S. Antonio do quartodo director das 10 ho-
ras at ao meio dia tempo em que o mesmo se acha-
ta o'aula um relogro sbemete il ouro com tran-
celn) ; o director nio ignora quem foi o autor da gra-
cinba e serve-se deste meio para Iho diier, que
pode reslilui-lo ouporsi, ou por segunda pessoa,
que tere s dignidadepie se calar e a ninguem paten-
tear tal infamia visto que a occasiio aproteitada nio
foi l das mais felizes, nem das mais gratas. Na casaba
muitos olhos, e olbosde rapases, que sio atilados, e quo
obserti i todas as seces e niovimentos. Dado que o re -
logio esteja ji empenbado ou vendido quem o tiver
reconliece lo-ba pelos seguintes signacs: He um sa-
bonete do ouro patente ingle-- meio chronomelro
compensado, do tolume ; a un 11 para abrir o sabo-
nete est relaizada a qual nao fecha bem e falta-lbe
um brocho na motado ac que segura a coberla da
machina quu be tambem de ouro. (Qualquer pessoa
a quem for oderecido, muita justica fsri, se oappreben-
der e dado que se acbe empenhado ou vendido, po-
de manda-lo entregar que receber a quantia que
houver dado.
Aluga-se ama canoa aborta, que pegaem 500lij-
los de alvooaria; na ra do Rosario da Boa-Vista,n. 16.
= Quem pretender escelleoles postillas do primeiro
e segundo anno da academia de Olinda dirija-se a
botica do Gonzags ; Bsstm como odes de Oracio em
portuguez.
Agencia de passapnrtcs.
Na ra do Collegio,botica n lll.eno Alterro-dj_
Boa-\ isla loja a. 48, tiro-se passaportes pora dentro
forado imperio,assim como despachio-seescravos:tuds
oom brevidade.
io-se 500,1 rs. a juros com bypotbera em
urna casa cujo aluguel fique pelos juros, ou penbores
de ouro : na ra larga do Itorario venda o. 21 que
faz es>|uins para a travessa das Cruies se dir
quem di.
A abaixosssignada que mora no segundo andar
do sobrado n. J6, defronte do Ibealro velho, por mo-
tivos de grates enfermidades em pessoas do sua casa,
tem deiado bem a seu pesar de abrir a sua auls no
tempo apretado ; purin espera poder estar no ezerci-
cio de seu magisterio no | rimeiro dia til ao depois do
enlrudo ; o que participa tos pas de suas alumuas e
a quem contier ; assim como se olferece a receber me-
ninas pensionistas.
tfaria Carneiro de Souca Lcenla Villa-Secca.
* Joio Jos Ferreira de Aguiar mudou a sua re-
sidencia para a ra Nova, n. 54.
A quem la llar urna cabra (bicho), procure na pra-
ca da Boa-Vista, botica do Sr. Ignacio JosdeCouto,
que dir quem a acbou.


'

I!

W1 '
Quem annuociou querer comprar um cavallo de
estribara bum passeiro e eiquipador, dirija-so ao
Httodn Manguinho, quo loi de Francisco Manoel da
Silva Tova ios.
Offerece-ie para a mu de k ile urna crioula que
o te ni bum e com abundancia ; quom de seu presumo
so quirer utilisar dirija-so a ra de Agoei-Verdes,
n. 90.
Francisco Severianno labello & Filho despedi-
rlo o seu eaixeiro Antonio Jote Vieira do Araujo, no
di 13docorrenle.
Precia-se d" trm menino ou homom do maior
dude para eaixeiro : a tratar no paleo do Terco ,
vend n. 7 aonJo ha areito doce a 400 rs.
Manoel Joaquim Machado Guimaries Iiz publi-
co quo deixou de ser caiieiro doi Srs. Firpiino Jos
rVlil dn Roza & lrmao, desde o dia 12 do corrente.
1' intuiianle aprotcita a occasiio para p,tontear ao
I ullico o agradecer aoa ditos Sri. Firmino Jos Flix
i Rotead Iruuo o bornlralamento maneira e doli-
com, quesempie o tratro, durante o tempo,
uo (i memo <.t servio !...
Perdorfio-te duas a plices do thesouro dona.
21, da quantia djft.jQlb is. cada urna e unidos as
i, dous cunhWnientoi, sendo um da quantia
. v outm do 40# rs. documentos estes que
odaoi servir ao seu proprietario por depender
.;>.->! .ilidades que exige a lei: roga-se a
i de fa/er o favor de entregar na toja de
im'i.-hs, d. ;">7, na ra do CJueimado quesera gra-
pela seu ptopriolario, Jos Antonio de livoira
Alu;;a-se urna casa torre na ra da Soledad,
i J largo o impartida a moderna, com duas salas,
6 ; tartos corredor no lado cozinlia fre quintal
- lo e ofltM aereado, cacimba com multo boa agoa
ur a trotar na ra da Aurora n. S8.
AlugSo-se dous andares e um gran-
de .i inazein na ra do Trapiche com
imulo boa vista para o mar e milito fres-
cus: a tratar na roa da Aurora, o. [>8.
Firmino Jos Flix da Roa & IrinSo fazom scien-
to ;.o publico e principalmente nos saus devedores ,
que Manoel Joaquim Machado Guimaries deixou do
iii en esiieiro desde o da 12 do corrente.
Aluga-so o seguodo andar do obrado da ra da
Ponba n 31 tniuto fresco por preco commodo : a
tratar na meima roa por bsixo do sobrado do coronel
Joaquim Bernardo.
Prensil-le de um con'nhciro eeeravo para cori-
nliar em rasa de liomem solteiro mal que seu sonhor
Banc sua conducta para ser encarregado das com-
pril: quem o tivcr neslas circuinstanciaa annuncie ,
i u dirija-ce u ra Nova loja n. 11 de Guerra Silva
StI ompeahia?
Apessoa, que empenbou um relogio, ha 15
' NM i-ni urna d'.s rasa dos Quatro-Cantos da ra do
_>!.'. lio queira tira-lo no prazo de 3 dias ; do con-
trario ser vendido para pagamento de principale juros.
Jos Lourenco Meira de Vasconcellos substituto
il lalim do cnllegio das artes de Olinda fax publico ,
para quem eonvier que ensina a materia de sua pro
fi^o em casa de sua residencia, na ladeira da S,
para o que, e para os preparatorios, que tenbao de
dar n'outras aulas, ja tem, e contina a admittir alum-
nos internos, menores de 16 annos, eos quaes se com-
prometi a prestar zelosa educaco.
=Drdlefl karrpo vai para o Rio-de-Janeiro.
William IL'iiry Tbomas Verran, subdito ingle ,
retira-se para Inglaterra.
Precisa-so de um hbil eaixeiro que tenba to-
di 'iiain i de venda o dundo conbecimento de sua
ioi oselho fara bom ordenado, conforme sen
rnereciroento : ni oledade, venda n. 20.
Pedro Riguaire, agricultor franoez, vai para Lo-
an da.
Precisa se fallar rom o Sr.-Jo Paulo Brabo,
vindo do Porto na barca Uirmelinda, na ultima liagem
rs este porto, a negocio do seu interesse : na ra da
Cruz, n, 10.
.rlos Dub is, relojoeiro, tendo de fazer viagem
I uropa, o querondo liquidar, vender de hoje
lato relogios de toda* as qualidades pelo preco do
tsiiu como aiiamentos do relojoeiro e lerramon
, ele Por esta occasiao pede s pessoas, que
j.ios para concertar na suq oflicina, bajao de
r bu;car para evitar duvidas: pede tambem as
icm evi -, qu i*e apreseutem suas conlas
:-i pagas; o rs peataM* que Iho devem, que Ihe
:.'l>ik>. I
= O abaixoassignado, leaaVPjMprado os serviros
a par-jo cierno, de nom Simieo, com o cilicio de sa-
:ro, o qu!l foi cscravo do fallecido Sr Villela, que
ni na Casa-Forte) e que por escriptura pertoncia
ao Sr; Antonio Mariano Paes Brrelo, cujos servicoi
tinlijo de lindar em 15 do setembro do corrento anno,
.ra pelo presento ao inesmo Sr. Marinbo, que elle
inda contini a andar ausente,como j se Ihe fea ver pe-
lo enouncio do Diauo ae I'irnambuco de 13 de maio,
n. 104 ; o aiiva.te aqunlqaft" pessoa, que o tenba em
podei i i viudo denunciar por estes dias), de usar
u'os moi s, que Ihe faculta affai; e roga a qualquer pes-
soa, quodcllesouber, Ihe participo.
Domingos da Silva Campoi.
Quem quizer comprar, ou lomar conta, por so-
ciedoJe, de uma paduria, sita cm muilu bom lugar de
negocio, e cjiii todos os utensilios necessarios, e quasi
novos, rom bonscommodos para moradia na mesms,
pode dirigir-so a ra da (uio do (iecife, casa n. 7, par
cima de Um marcineiro, a tratar eoano Ihe coniier: po-
dendo ser o negocio vantajoso, por querer o dono mu-
dar de estabelecimento.
Aluga se uma canoa de conduzir agoa muito
lunpa c nova por preco commodo ; na ra larga do
Rozario, n. 22.
=AnlonioValeiilim da Silva Bairoca faz publico ,
que Manoel Bodriguei da Silva Figueiredo deixou de
ser seu eaixeiro desde 11 do corrente.
= Da >-se30GV rs. a juros ; oa ra Nova o. fiZ ,
loja de cera,
Aluga-se a cisa terrea sita na roa do Cotovelo ,
o. 81, com dos salas, 2 quartoi, coxinha fura, quin
' curado", cacimba com boaagos, e independen!
viiinhos: a tratar na ra eatreita do Rozario n. 30 ,
segundo andar.
__Urna mulher moca e desimpedida, que sabe fa-
zer lodo o servico ioteiior de una casa, te propooa'
4>
ser ama de qualquer casa; quom dola precisar, pro-
cure na ra do Mondego, adiante do sitio do Sr. Luir
Gomes, n. 151.
ompras.
= Compra-seum preto de naci Angola que le-
ja possante, e que nao tenba vicios; paga-se bem : na
venda da esquina da Penba por baixo do sobrado do
coronel Joaquim Bernardo.
Compra-se uma duzia de cadeirai de palbinha ,
sendo em conla ; na ra de Apollo tanque d'agoa ,
n. 28.
Compra-seum par de globos geograpbicos ; na
ra larga do Rosario n. 36, terceiro andar.
Compra-se um compendio de potica por Freir
de Carvalho ; na ra do Crespo n. 10, primeirO an-
dar.
Compro-se travs de qualidade, que tenhao
35 palmos do comprido, e I palmo em quadrode gros
sura : na ra da Cruz no Recite, n. 11
Compra-se o segundo volume das ordenacoas do
reino de Portugal ; no caes da Allaodoga armazem
o.6.
Vendas.
= Vendem-sii varios cavados entre elles urna fa-
mosa psrelliu de cavallos grandes e gordos, e igualmente
um carro de 4 rodas, com os competentes arreios, ludo
om bm estado ; em casa de Luir Gomes Ferreira
no Mondego.
Conlinuo-se a vender chapeos finos de castor
n retalho ; ni ra do Trapic'.ie-N'ovo n. 5, casa de
Joio Slewart.
= Vendem-se duas negrinhas, de idade de 18 an-
nos muito lindas, com principios da ongommado e
costur. ; outra dita de idade de 22 annos, boa cozi-
n.ieir.i ; um cabrinhd de 11 annos com principios
de pedreiro ; dous ditos de 24 annos bons carreiros ;
4 escravos do nuci ptimos para iodo o servico ; um
dito de nacSo de idade do 16 annos, cozinheiro ; 1
preto bom canoeiro todos por proco commodo : na
ra Direita n. 3.
ata Vendein-se clrntos de ptima qulidade, e maii
em conta que em parte alguma em porfi e a reta-
lho ; na ra da Praia, n. 31.
= Vendem seduas taboletas do madeira deamarel-
lo proprias fiara qualquer estabelecimento ou obra
quo dellas queirio larer; assim como uma duiia de ca-
ileir-s de pao envernisadas com pouco uso por pre-
co muito commodo ; na praca da Independencia fa-
brica de chapeos de Joaquim de livoira Maia.
AU BOM GOST'J.
=Vonde-se por muito barato proco, uma rica toa -
Iba de bretanba toda aberta de lavariato a polka ; na
ra Volha.n. 101.
= Vendem-se, sem feitjo, duas crranles para se-
nhora ; 4 anneldes do muilo lindo gosto ; dous cor-
dei; uma medallia ; 3 pares de brincos com diaman-
tes ; um trancelim ; botos para abertura o oulras
n.uitas obras do ouro do lei ; 12 colberes de pista para
soupa ; t ditas para cha ; uma canda de carreira, no-
va por preco commodo : na ra Bella, o. 37.
ATTENCAO A O BOM!
= Vcnde-se farinha da trra muito boa o torrada,
para mesa, a 6 rs. o alqueire velho bem medido e
caculado ; um cavado gordo e novo bum andador ,
sellado e prompto ; na ra do Rangel vendan. 50.
Continuacio da lista dos livros que se achio a
venda em a ra de S. Francisco anligamente Mundo-
Novo n. 66 os quaes vendem-se ou trocio-se por
outros quaesquer com tanto que nio Ibos faltem IV
Ibas, seja qual for o seu estado : diccionario de com-
posifao latina ; Historia Universal por J. S. Barbosa ;
Lgica; Melhaphysica ; Ktica ; Preceitos de Rhetori-
ca estruhidns de Aristteles Cicero e CJuintiliano ;
Sintaxe de Dantas; Novo Metbodo de Pereira ; ,J?0pe
em inglez ; Historiada Grecia em ioglez; Constancio,
mestre froncez ; Geograpbia moderna por Vctor Le-
vaiseur ; Instruccio Moral; Director Espiritual ; Dos
he lodo puro amor ; diccionario Irancez porttil ; No-
ticia geral dos Pontfices Romanos ; Oracios latinos de
dillerentcs odifoes ; Ministerio Parocbial ; Cdigo de
Napoleao ; Compendio de Doulrina Christia; Manual
da Missa ; Arto de dourar o bronze, &c.
Vendo-se um moleque de muito boa figura ,
bom oluial dosapateiro e proprio para pagem ; uma
preta de 20 annos, pouco mais ou menos, boa la-
vadeira e costureira chao tambem do boa figura am-
bos sem vicios nein achaques : na ra da Cadeia de S.
Antonio, n. 2o.
MUITO BARATO.
=Vende-ie um pequeo sitio a margem do Capi-
baribe com casa de viveoda coqueiros e trra para
plantar alguma cousa agoa de beber, muito Iresco e
elegrn com estrada pela Passagrm e pelos Afogados;
as mais proporedes se dird ao comprador : na ra de
Agoas-Verdcs, n. 21.
Vende-se um casal de ganaos, estando amboi bai-
faotealvoi; na ra Augusta, n. 34.-
Vende-se um uniforme completo
para official da guarda nacional, sendo
o telim proprio paraoquarto batalho, as-
sim como um mui lindo e rico par de dra-
gonas para oficial de fileira di tnesma
guarda nacional : quem pretender ditos
ohjectos, procure na Boa-Vista, ra For-
mosa, quem vira para a travessa do Mar-
tins, que achara com quem tratar.
Lotera do Hio-de-Janeico.
Vendem-ie bilhetes e meios ditos, a rallo de 24000
rs.; na ra da Cadeia- Velua loja de cambio, n 38.
=s Vende-se sal do Ais ; a bordo do prtacbo Con-
etiqSo ao p do trapiche novo oua fallar com Fir-
mino J. Flix da Roa & Irmio.
sr Vendem se fogfiea quadradoi, de 5 e 6 boceas ,
muito moderno!, cbegadoi ltimamente de Inglater-
ra ; ce ra Nota loja do fertagens. c. 25.
mm Vendem-se superiores cartas francezas para jo-
par e lambem ordinarias; oa ra Nova loja de
ferragem, n. 15.
= Vende-se um sobrado com muilo boni commodes louce.
para grande familia com quintal na ra do Ampa-
ro ; outro sobrado com seu litio na ra do Jogo-da-
lola ; urna casa terrea com quintal, na ra do Cabral;
todas em Olinda o em cbSos proprios: na ra dai Flo-
res n. 7.
= Vende-ie guano; no armazem o. 44, ruada
Alfandega-Velha.
= Vendem-iooso volumei da traducrio em portu-
guez do tratado da religiao peloi padres Richard e
Girand; na ra larga do Rozario, o. 20
= Vende-so a w ais superior sarja bespaahola pe-
lo barato preco de 2560 n. o covado ; eaaimirai entes-
tadas as mais superiores que he possivel a 4200 rs. ;
ditas de uma largura a 1000 n.; lencos de sotim os
mais asseiadoi, a 2880 rs.; ditoi para meninas, a 40
rs. ; as maii aiieiadaa mantas deseda ; chales de lia e
seda ; e oulras multas tazendas baritas : na roa do
Crespo loja n. 12, de Jos Joaquim da Silva Maia.
= Vende-se um torrador de caf, em bom uso ; oa
ra da Scnialla-Nova n. 4.
Cheguem ao barato!
= Vendem-se botios e meios ditos para homom de
640 a 1000 n. ; tpalos de couro para mulher e ra-
pazes, a 160n.; ditos de setim para senbora a 320
rs. ; ditos para meninas. a 80 rs. : na praca da In-
dependencia ni. 13 e 15, loja do Arantes
= Veode-so cera de cor para limasdecheiro, a 1000
rs. a libra ; na ra do Rangel, n. 52.
Vende-se uma prela crioula de 15 a 16 annos,
de bonita figura eozinba e engomma soflrivelmente ;
na ra d > Crespo, n. 9.
= Vendem-se 8 escravos, sendo um pardo muito
claro, de bonita figura alto, de idade de 18 annos;
um preto de 20 annoi; uma preta de 20 annos, lava ,
cose, engomma e eozinba ; uma Bfgrioba, de 10 an-
nos ; uma parda com dous lilhos de 6 a 7 annoi;
todos ebegados prximamente do Aracaty por preco
commodo : na ra da Cruz, n. 51.
= Vende-se uma negrinba de 14 annos, coiinha
e lava de sabio ; uma escrava de naci, ptima qui-
tandeira ; dous mulitinhus, de 12 a 13 annoi, pro-
prios para ofticio ; um dito de 17 annos proprio pa-
ra pagem ; um dito do 22 annoi para o servico de
campo ; um eicravo de naci de 40 annos ptimo
padeiro ; um moloque crioulo de 14 annoi, para to-
do o servico : na ra dai Cruzes n. 22, tegundo
andar.
Vende-se um escravo de 20 a 25 annos de ida-
de de boa figura postante proprio para todo o ser-
vico sem vicios nem achaques,; o qual ae vende para
pagamento : na ra do Amorim o. 36.
Na ra do Amorim n. 36, continua-ie a ven-
der muito bom caf moido sem mistura e de boa
qualidade, em grandes e pequeoas poredes porpre-
co commodo.
= Vende-se um cavado ruco grande muito bom
passeiro carregador e esquipador; na ra do Cres-
po n. 10, primeiro andar.
= Vendem-ie duai aegrinba, uma de idade de
12 annos e a outra de 14 ; um moleque, de 11 an-
nos ; ai negrinbas teem principios de costura, e sao de
bonitas figuras; no pateo da matriz de S. Antonio, n. -i,
segundo andar.
as Vende-ie tal estringeiro a bordo : a tratar com
Leopoldo Jos da Costa Araujo na ra di Moeda ,
n. 7-
= Vende-se luperior fariaba de S Gatbarioa ; a
bordo do brigue Niro tundeado defronte das eica-
dinhas.
ss Vendem-se 9 escravos ebegados prximamente
do Aracaty sendo 3 escravas pretas dous prelos 3
.ibras e um mulalinho ; todoi mocos : na praca do
Corpo Santo n. 23 a tratar com- Antonio Rodrigues
Lima.
Vendem-se 4 escravos mocos bons para o tra-
badlo de campo e da praca; um dito official de cirpi-
na ; dous muletioboa de 10 a 12 annos; um moleque
peca, de 18 annos official de alfaite e bom pagem ;
um preto de meia idade por IU0 rs,, bom para tra-
lialhar em um sitio ; 4 escravas uma engomma e eo-
zinba bem ; duas ditas quitanileiras ; uma mulatinha,
do 14 annos com bom principioi de habilidadei : na
ra do Crespo, o. 10, primeiro andar.
= \ ende-se um piano do Hamburf, do ptimas
vozes e do melbor autor; carneiras de lustro, por
preco commodo : na ra da Csdeia-Velba n. 16 ,
primeiro andar.
= Vende-se a venda da ra da S. Cruz, n. 3, a di-
nheiro ou a praio com os fundes a vontade do com-
prador : a tratar na mesma venda ou na meima ra,
n. 3.
= Vendem-ie doui optimoi pianoi inglezes, de
muito boai vozes o construepio por preco commodo ;
na ra do Crespo loja n. 4.
Vende-se muilo superior potassa
da Russia, em barris pequeos, pelo m-
dico preco de -x!\o res a libra : na ra do
Trapiche armazem de Jos Teixeira
Busto.
Na fabrica doi engenheiroi e machinitai M.'Cal-
um & Companbia ra do Brum, ni. 6 e 8 vendem-
se moendas de canoa, de diversos tamanbos, para agoa,
ou animaei; e tambem se concertao por preco com-
modo. Na dita fabrica igualmente se recebem encom-
mendas para mandar vir toda a especie de machinas da
melbor e maia moderna comlruccSo.
Vende-se oiilho velho a 2600 rs. o alqueira ;
dito novo a it a. ; uceas com laiinba de Mago a
51 rs: na ra da Cadeia de S. Antonio deposita/
larioha a. 19.
=> Vende-se um cavado ruco carregador bar
de meio, por preco commodo; na ra Direila, n.
Vende-ie um cosmoram**, em ponto pequen
com 12 vistas de paizes para dedia, o 12 para de aoule,
por preco commodo ; ese ensina ao comprador como
so arma : oa ra larga do Rozario, n. 22.
= Vendem-so ornas de ferro com ermacaa'e seejj
ella ; cafeleiras de fazer cal pela prosslo do ar ; can-
dieiros de bronze para meio de isla ; casticaei de
bronze e casquinba ; iiojos com todos o preparoi pa-
ra barba ludo ingles e muilo boi fasenda : na ra
da Senialla-Nova n. 42. ,
= Voude-ie uma escriva de elegante figura de
idade de 18 a 20 annos, muito boa coiinheira e ca-
riohosa para meninos; ao comprador se dir o moti-
vo da venda : na esquina da ra da Aurora loja de
= Vendem-ae, para desobriga de bypolheca, cu
traspassa-se e mesma hypothoca em duas moradasi|e
casas na Soledade, ao pedo palacio do hispo, ondot,;
e padana ; na ra do CabugS loja de miudezas tt
Joaquim Joa da Coita Fajozes.
= Vndese o diccionario de Moraes, da quarta oili-
Vio por 16# rs. ; na ra Nova, loja n. 58:
= Vendem-se superiores eaixas de tartaruga par
rap vindas ltimamente do Aracsly por me
pceo do que em outra qualquer parle; assim como .
esplendido lortimento de chapeos de todsiai qualida
dei como sejio : chapeos de palha italianos mui;.,
finos ; ditos do Chile ; ditos de castor branco ; di;,
dito raspadoa ; ditos de mana fina francezes; pelluo
de seda; carneiras; taboainbas; papolio ; fitas; mssis
portuguesas, franceses e bamburguozas; e outros mui-
tos objectos para fabrica de chapeos que so vender;.;,
por preco muito commodo : na prac.i da Independen-
cia fabrica de Chapeos de Joaquim de Oliveira Maid
os. 24, S6, 28, 30, 36, 58 e 40.
sa VenJe-ae um baloto coa 22 palmos de impr-
menlo 5 fiteirosenvidracadoi por preco commodu;
oa ra do Rozario, n. 2.
= Vendem-se sophi de Jacaranda ; ditos dein^.
co ; oadeirai de Jacaranda e de angico ; jogos de bin-
ca de Jacaranda o angico ; marquetas, camas, inltl.
modas de angicoe de amsrello r meiss-commodas \.
dito ; esdeiraa para meninas ; bancas de meio de sal.,;
ludo de gotto o mais moderno queso pode encontrar
por preco mais commodo do qu em outra qualquer
parte : na Camboa-do-Carmo, casa de marcineiro
o. 8.
axs Vende-se um cavado de estribara novi. K-,r.
do e com muito bom andares ; na praca da Indepen-
dencia livraria ns. 6e 8, se dir quem vende.
. Vende-se uma boa morada de casa trros n
chaos proprios livre e doteinbaraciita de ludo in
oa Iravessa dos Exposlos, po' delris da mjirit Je .
Antonio n. 22 com quintal e cacimba ; as Cm-
co-Ponlas n. 4
AZEITE de CARRAPATO.
Vende-se lodo o anuo, cm
grandes porcoes e s caadas,
vontade do comprador, c
sendo de 200 caadas para
cima cinco por cenlo menos:
no deposito da ra da euzal-
la-Velhan. 110.
= Vende-se potassa nova, e barata, meias do linho,
mlhos de arcos de caslanbo volteados e direitos:
meias barricas com larinha nova, da mirca gallego ,
barricas com dita de SS e SSS peneiras de rame;
na ra do Vgario, n. 9.
= Vendem-se moendas de ferro para engenhot
assucsr, para vapor agoa o bestas de diversos tama-
nbos por preco commodo ; e igualmente tainas ds
ferro coado o batido de todos os tamanboi : na pri-
mado Corpo Santo n. 11, em casa de Me. CalmonU
Companbia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
Escravos
Fugidos
- Desappareceo, da casa do J. J. Tasso Jnior,
um moleque crioulo de nome Marcianno, vinJo pr-
ximamente do Ceara de idade do 6 annos, | cuco
mais ou menot olboi bastante! grandes ; levou ti-
mita de algodao tuja de carvio o comprida : quom o
pegar, leveao dito Tasso, quo recompensar e proce-
der com todo o rigor da loi contra quemo tivcrocculi ,
= No dia 14 do corrente pelai 10 horas da mi-
nhia fugiodo abaixo assignado uma prela hou'j.
de nome Mara, que loi escrava do Sr. dbutor Janiem,
morador em Olinda de estatus mais que regular,
bem fallante o sunca', representa 2o annos de idade ;
tem uma berruga ou ligoal em cima do beico supe-
lior ; foi vista com saia preta de lila e panno lino pe-
lo pelos hombros ba noticias de andar acollada por
Olinda ondo tem bastsntes amitades : quem I
leve a ra do Crespo lojan. 10, ou em Olinda aoSr.
doutor Maximanno Lopes Machado queiertgeon
lamente recompensado.
Joti Joaquim de Frtilat Guinuraei.
Na manhia de 28 d dezembro do 1845. ligio da
villa do Principe ao Serid um esoravo criou.u .
bem preto de nome Francisco de 45 annos de id--
de, bom cozinheiro estatura ordinaria pouca bar-
ba ebeio do corpo (areola tabaquista ; tem uma
orelba furada em que melle uma argolinha por cm
banca ; he bem eonliecido por toda a parle, porqee ['
annos acompanhou o finado senador Francisco de Un-
to Guerra asi suas viagent de visita e da corte : <]><"
o pegar, leve ao dito lugar, a entregar ao vinario Sis
noel Joi Fernandei, que gratificara generosamente
Fugio, na madrugada do dia 7 do corrente ca
cidade da Olinda, uma parda de nome Cosma |'e"
cendo branca por ser bastante clara cabellos cortj-
dot e corridos estatura mediana, nio mal parerid",
olboi pretot e grindn sobranrelbis grossas, '<'
falta do denles na (rente peitos grandes ps e r. "'
regulares ; em um dos pi tem uma pequea (crida rn-
Ire oa dedoi, que nio a deixava andar bem ; o de
de maio da mi direita, na ultima junta, be *l'l,u'"^
de uma panaricio; representa 20 a 22 anncisdeidsd'.' c-
vou alm da roupa do curpo, urna Irousa com um >(i'
re chita novaya algumss camisas sendo 3 de n
olio (loo anda cm olha e 45 rs em eedu'a*
a pagar, leve a sobredita cidade de Olinda ''
do Passo-Caslelbano esta contigua ao tbeali"
ou no Recife na ra da Aurora n. 12, que sera i
ocrosamente recompensado.
__ Desappareceo, na noule de 7 do correle borto do brigue Flor do-Sul, o escravo matinheirO'
de riaclo Benguella de nome Manoel, representa U
25 annos pouco mais ou menos sem barba ro> '
redondo, orclhas furadas ; consta (pie em Ierra *''
calcado : quem o pegar, leve a ra da Cadeia, n. *>
ou a bordo do meimo brigue que receber boa g'--
tinese.
PERM.
WA TYP. DE M. F DE VARIA
14
-W ,.


uno de 1846.
Segunda feira 16 de Ftvere.ro
n. y.
DE
PERNAMBCO.
(SOB OS AUSPICIOS DA SOCIEDADE COMMERCIaI.)
Subscreve-se na Pra9a da Independencia, loja de livros n. 6 e 8, por msooo ris por anno pagos adiantados.
S3$3 Ca^asaS^aSG>41 @lft.fl(.llv. (Corregido Sabbadoas 5 horas da larde)
i
-3-"
S.S
C"0-3 S-v o
32
i
ti =
O
1
> .
e o
IX IX
i
.s
lili
u-S fe -3-3
=, p-3 t C i47 4 -aS = 2 l -3-a
!> -a 3 2 "- >2E2-ai:,J"*2s,""2"-a5J">:ic's gj. ......=

es
o o o o
O O 00 O O O .
- ro o
-**
.fl e* C* O r
:
-o H f-t i
>ooeoo
i r* r* o n -oo
p o
COCQC
aCt-aP-r-arOOC c
IH c(.-*.-( :t r. ;- .-i
e o o o
c- o o o
- z i. Z :
c O o o
O -* so
.5

-3
H
as
2
IfJlf.
o a3-
s^ i si 3
a 9 a a s a
"'-a
- s I-.5 | b5
s
.aij
QX J

.i
. 8.
A a a e
.2
0-
o o
irt O
i ^
, (o o
o o o o e
o o o o =
C *t = -O i g
**-> *.**<* V
- 00
oo
oo-s
-F -* -r TI -fl I- f Nh OM
-- eo -cito r CCOOOOC
= o;.c-*c
.*- -o o o --> o
-. i *, *%
---------* o
e
O -o O
ra r*
O O O c O
(0(fl so
c-* cn n oo -*
S-S
e oro eco
oo eco ooo
oo C* C O ooo
*..-. "=a.-> % *. i >
-o -j o n o o -*
r^?
o $ o o o
O O O o
e o o
* r*
Sooooooo
on o *oo
*. ** O 3
J o
Ot T =tt
o o o e c o o
o o o o o o *
o m c o o eo m
r oo r- o>
a.
.3
i
i
s--
"ir
J lili"!
-9 _
Oes
51
flf
i i
-.S
i
S
a
9
s .
I I
J.
il
i..
j
I I
2
'


lili
'.3
Q.
3 = 1.=
i Sis-1
c 5 S 2
a.c5~tfl i
lilil
I -g I I I I
a i i i
la. i
ji
" =
TT
i i i i i i i
i i i i i i i i i a i i
i i i
i <
l
i i
2
.8.5
i
2
! 0
--^8.1
, s

5=s-r
o- S
* =
I I I I I 1 I
I
I I I
I I I I 2 a 'lllllg;l|lo'
lH 8 ifi-.-. i
I
II
"5-a
3 iBfi-3
J
3111
i O." I I
"^!s Jira
eseii.
t a a V o
i. -J O O J
I
3J
sr a m \
OTD
2 o
a Sra-
ji ssao
ir.

.1. ,
2
'I
' '1 =
s jf.fa
= !
a a S-s E -
I I I I
i I I i
i I i i
S a '
ill:'
a 8
i i
i i
I I i i I i i i
I l I
sf-fj
- -= s
Si 2
i g|2S2
Ca

-O a
* fl filad
> s
i i i i
a 1 I l I
l|ll
*- a
(A *e -a u
, s-i .
EOS.3
- t

g-l-

So
si II

I
^ = J
1
i
ll
' g cu '
"h I'l'"
0 :,.S 3 2 a
i 3 i
1,1.1
i:
,3-
cu cu cu a. a. c. cu
ir!
i o 8
iiplll'fll
c t s ^ o
a a o.=
b S n
"bJI
;:f
> i i
l s
te

: "3 V C -J
O "O
s "> 2
5 -S
c aaaaaa
V a u i >
u -a -a ^o "3
d.v"3
||-|
a a a
o S
v F
5 a-
e s*
>>
= e o
4. O i
O a 19
2 teZ
3 O
= -
! I ''
O < >
3 Ja
ill
|3|
.a 5
i a^-3
j'111'
i. 5
>
silln I*
a
s
>
.s.s
4 |1 i.%
0 3 0 = 0
a^ -a -a v
JS
a a
T5 3
ss.s
>a!z
3
e
.s
.si
3
Ifi 5 j = o C
3
o-
1
i
5 "3 fi"
S S-a
3 O -
3
I 3
j
O-
J
;s
"-a
a
JJ \

sfl
^^
Si
<
-3 .9
c -o o o <
O 00 o
O -O O (
o o o o o
O O O O OO
cp OO o
ooo ce
OOO
ao O oo
- >o
O O *J O
OU)0
N O O
O O
e o
a o -
w o o
o o
o o >o
o o o o
o o >o o
O -O 1~ =
o o o o
O O
- 03MM
OOO
X o -
Ce- ^ o
C ff^ (O 00
(D *
oooooooo
^.OOOOOOOO
M O O O O O
r e o o i
llallis
xa a,.
.-|JSl..f .if. ..f|.|-*a -f .-
= .2 C
ct2-i
" 3
Q
.S -o
a 3 a" S a a 3
'jtillJl
OOO
O C O
oes
-n c. o o
r,o:o^ o
r* r- o
ooooooocooooo
C->Or.--rociOCJ>0,*'rtO
O O O
o e o
O O c o O o
o o o o o o
O O O O W N
******* % -. >
n e ^ -
o o
o o
O M
o o o o e
o o O O
O O OO O Ch>
I- 00
o o
- o
O O
c oooooooo
oocooooooo
Ncos-or-cooo
O O O O O O *; OfCCCCO
oocr o^a-i-ootopisaOic >o
1-00 --m-* too ooooooooo
o>oo oooococoo
i J5 0OOO(_../1O4
O -- Bt 1 <% -k
O -i"9*O0O0J
i.'l"
I I I
I I I
I
i ia.i
lili
33
Mil.
' -a s .
2 fe
u O 9j.H I
a"a aunas ts 3
I I
lili
I I I I
I
2 i f l
i gflaH-r, r- a. yj -.
I I
I I
I
lili
f 1 I I
oS I. ;
S -"i| SI
.^^-3,2,3^.
s|iS.!^S.alls
2 v 9 a. JS u ; o
Ui'S'JJ
o
- v o a
od-3 JJ3J3
J o ?-= o
o S'5-*|3C
' .2 ,. S


<>
EXPORTACAO.
Agurdente Cataja -
A Igodio I corte -
a I. -_-__
[ Assucar branco em caitas -
mascavado _
branco embariicado
em saceos -
> mascav em barrica do
* em saceos.
Cauros seceos salgados. -
Meios do sola _
Chifres da trra -
* do llio Grande -
EXI'OP.TS.
Ruin --.-----
Colln I. qnality -
_ a 2. -
Silgar in cases whiie -
brnivii -
' in barris wliile -
> baga >
a Bairels liroivn. -
a ags
Dry salted liiilrs -
Taime bids -
Oa-borns ....
PRECjO DA PRAg
i&fooo
,#650
4 060
5#100
.'.?."!)
1*750
120
3#o0o
?#ooo
7jnoo
I600
11850
10150
VfMHI
2*750
l*70
130
ijbliCi
POR
Pipa.
Arroba
Libra.
Iluin.
Ccnlo
CAMBIOS
Londres......................... J7 d. pnr If rs. a 60dias.
Lisboa......................... 106 por ccr.'.o paeioio.por metal cffcciuauui
Franra.......................... 360 ris por frauco, a
Rio de Janeiro.................... 1 por ccnlo descont.
l'HATA miuila................... I CIO a l|700.
a Pataces Rrazileiros........ I #920 a I 040.
i l'esos Columnarios......... IjlHO a 1116*.
Ditos Mexicanos........... 1*860 a I*I00.
OTJRO. Momias Ditas ditas novns... 161306 a 161600.
Dias de 44000............ 8#800 a fl00-
lluras lies pandlas....... 30*600 a 31*000.
a Ditas Patriticas.......... 3r*000 a 30*500
'etras.......................... 1 FUETES.
ASSOCAR.
Lverprol........................ I I iT
Caiialeiilre Amburgoe II itic........) 2 12 6 saceos
a incluindo portos Ingleses ...... I {3 6 0 caitas
Genova em saceos.............. f 2 16 0 1 6 porcenlo de primagem
llaniburgn caitas.................. 3 6 0
Bltico...........................
Trieste para caitas................. f 3 10 o
Estados-unidos............,....... 200 por @ sem primagem.
Portugal.......................... Jou a 260
F'nca........................... I 1 6 e 6 %de primagem
ALGODAO.
rorlugal...... .. ... 600 por $L acm pimagcm nominal
Franca................... 1"0 por @e 10 pg/Oaocamb. de 160 p Ir nominal
Inglaterra.................. >/,p. e5p. % de primagem.
Uaiceloua.................. 600p @e 10p /0aocaiiib. 800o pes p. Ir
COUROS.
Inglaterra Seceos t 3 I 0 0.......... por tonelada e 5 por cenlo.
franca ........... ................ ico cada liuin elOp "/0cainb. 160 I |>
Lslados Unidos.................... Nao lia.
a*S8e
T)s "dia II de Nnvemhro de 1844 s 1. .liante papar 60 p. e.o rapou tabaco
de p, os charutos ou cigarros, o fumo em tolo ou em luida.
Pagarn 50 p. c os saceos de canbam. vetes em forma de punhal, as almofada* p.ra carruagens, as pedrea lavradas para la-
gedo, as pedras decantaiia para portoes, portas e janellas, as iwdras tarradas para
ciicanamentos, cepas, cunhaes e cornijas, o assucar refinado, cry8talsad.i ou de qual-
quer maueira confeilado, o cha, a agoardcite. a cervej a cidra, a geueura, o mar-
rasipiiuo, ou outros licores, os violtos de qualquer qualidade e precedencia
Pagar6 40 p. c. as ale,tifas ou tapetes, o canhamaro ordinario ou groas*ra, as
bataneas de qualquer qualidade, e roupa feita, nao atpecilcada na tarifa, as cartas pa-
ra ioar, aa uro re ralm de marfim, o logo da China em cartas, ou qualquer Mi-
tro logo de artificio, o papel pintado, praleado. u domado, sendo de qualidades
linas, o pa|l pintado para forrar salas em colleccdes ou paizagens, o papel de llol-
indi* imperial ou outro nao especllicado na tarifa a plvora, os jabonetes, o sabio,
o sebo em velas, as velas da Stearina ou composico, as ameixas, ou outras fructas
em frascos ou Utas, seccas, em calda, ou tra espirito, o chocolate de cacao ordinario,
avinagre, os carimbos, carruagens ou caitas, jogos, rodas, arelos para urna e Oti-
lia- cousa as esleirs para forrar casas, os carros para conduzir gente, os soeiaveis,
|ir,silhk-s, os sreieiros tinteirns de porcelana, e qualquer objecto de lonca nao com-
hpiai ntido na tarifa; os lustres os clices para licor 011 vinhn de vidroliso Ordma-
rmu os de vidro moldado ordinario lavrado oti moldado e lavrado ordinario da Alie*
co inda e semelhanles os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo cortado ou liso,
r 011 lavor ordinario ; os caliees para Cbainpanhc ou cervrja, as canecas ,
eoposoldereitos de 10 a I em quartilho, as garrafas de vidro at I quarlilhc 011 mais,
aendo diodos estes objectos de us. I e 2 as garrafas de vidro prelas ou escuras da
incsma lapacidade, coinpehcndiUas as que servem para licores ou Le-Hoy ; sa copos
para laceruas al urna caada, os* frascos de vidro ordinario com roftias do mesmo
al 3 libhs ou mais ; ou sem rolha al I libras ou mais, os de lmcka larga con ralbas
1I0 un simo, il 4 libras ou mais, 011 sem rolha para opodrldnc os vidros para a-
lampailas 011 candeiros, as laboas ou folbas de auogno ou outra madeia lina, e tras-
tes de qualquer madeira.
Pagarn 55 p, c. o ac, alcatro, tinco em barra ou em folha chumbo em barra
011 leucol, estando em barra ou em vergiiinha, ferro em haua verguinha, chapa o
1111.1 i.ntos para fundico, folha da Flandres, galba de Alepo, lata em folbas, laloem
chupa, mi 1I1111, sahtie, vime, hacalho, peixe pao, e qualquer oulro, secco ou sal-
ido ; liolacba, carne secca ou de salmoura, herva-doce. farinba de trigo, pell cas
Tanca ou piuladas, cordoves ou corles da beserro para calcado, lieierros e coiiros
eiivernizados, couros le poico ou boi, salgados ou seceos ; sola clara para sapateiro
ou correeiro, come e caparrosa
Pagaren 20 p, c. o trigo em grao, barrilhe, canolilho espiguilha, fieiras, flos,
Ira njas, lanlijoulas, palbetas,
passamanes, sendo de ouroou prata entrefina, ordina-
ria ou falsa : gales' la mesura ualureza, ou tecidns com relroz, lindo, algodo 011
eda rendas ou ntremelos de algodo nao bordados ; raudas de (id, as de algodo,
etroz ou trujal ; lenjos( de cambraia de linho ou algodo, bandas de retrot de
malba.
goar-
ae as
rrica,
de qualquer naco, que sobrecarregar ot geu eros brasileos de maior direito au,
iguacs de outra naci. '
Os artigos nao especificados na paula pago o dircito tul valnrem solire a faciun
aprasentada pelo despachante 1 |iodenilo poim ser impugnados por qualqiirr ofliciil
da Alfandega, que em tal caso paga o impone da factura ou valor, e os direiloi
>o caso de (divida sobre a classificaco da mercadura, pode a parta requera
arbitramento para designar a qualidade e valor da paula, que Ihe compete.
Soisentas de dheitos as machinas, ainda nao usadas no lugar, m que foieai
impoiladas.
EXPORTACJAO Os direitos purfo-se sobre a avaliaeo de umalnanta um..
nal na razio seguinte : Assucar 10 p c". Algodo, caf, e fumo 11 p. c.. A
denle, couros, e todos os mais gneros 7 p. c. Alem desles direitos pagao
tasas de 160 rs em cada caita, de 40 is em cada fecho, de 20 rs. em cada ha
ou sa -eos de assucar, a de 40 rs em cada sacca de algodo.
Couros todos os mais gneros solirres de direitos para os portos do Imperio t
xcepeao do algodo, assucar. caf, e Junio, que pago 3 p. c. e as laxas por volumV
Os metaes preciosos em barra pago de direitos 2 n c. sobre o valor do mer-
cado, e a prata e o ouro amoedado nacional ou eslrangeiro paga nicamente '/, p. c,
Os escravos portados pago 6j000 por cada um.
DKSPEZA DO PORTO As embarcar nacionaes, ou eslrangeirai, que
naveuo para fora do Imperio, pago 00 rs de ancoragem por tonelada : e as
nacionaes, que navego entre os diversos polios do Brasil 9C rs Ai que entraren
em lastro e saliireui com carga e vice-versa. pagaro meiade do imposto supra e uin
terjoas que enlrarem, esahirem em lastro; a mesmo as que entraren! por fannui.,
ou escala quer enlrem em lastro, quer com caiga. Desta imposicio poi joaumi
nenias as que impoitaremmais < a 100 Colonos broncos, e as queeiitrarem por arrikid
forcada. enea tanto que estas nao carreguem, ou descarreguem s mente os generoi
necessarios para pagameuto dos reparos, que fizerem.
'VE^DAS^Df NAVIOS-As embtroacoes estnngeiras, que pasiarem a irr
nacionaes, pago 15 p. c e as nacionaes, mudando de proprietano, ou de bandein
pagao 5 p, c. sol re o valor da veuda.
REVISTA SEMANAL.
CAVBI'S Tem continuado a haver transacres regulares durante a semim
a 27 d. poi 1t rs
ASSDGAR A, entradas foio igualmemte regulares no decurso da semina,
lanto em caitas como em cargas e fica procurado aos preces quntados.
ALGODAO Tem conticuado limitadas as entradas, continuando as vendas
Pagarn 10 p e os livroa, manpas globos seotrapliicos. instrumentos malhe- as quolaeoe'.
:__. J___1.:__... -1.:.-! -/.___I. _:J-- JT_1II..J__... J.___. l___l_ I lllllll:
matiros, de pbysica ou chimica, coi tes de vestidos de velludos ou damascos, borda
los de prata ououro fino ; relroz ou Irojal, e cabello para calielfeiieiro.
Pagarn (i p c. ocanutillio, cordo de fio. espiguilha, fieira, fios, franjas, ga-
lio le fio ou palbela lantijoulas, pall.ela, rendas, esdarcos e lodoso mais objec-
tos desla ualureza, sendo de ouro \ praia fina.
Pagarlo & p. e. o. carvio de pedra, ouro para dourar, ou quaesquer obras e
utensis de prata,
Pagaro 4 p c. as'joias deouroou prala, ou quaesquer obras de ouro.
Pagarn 2 p. c os diamantes e outras pedras preciosas solas, semenles, plan-
as e rajas novas de animaes uteis.
Pagar 30 p, o. lodos os mais objectos. '
Os gneros reexportados ou baldeados pago I p. c. de direitos alm da rmate
n.gein ; e o despachante presta llanca al I approvaco desta medida pela Assem-
abla (eral-
Coucedem-se livres de armazenagens, por I i das, as merradorias de Estiva, e
?us mezes as outras ; e Godos estes pratos, pagara//, p. c. ao mes do respec-
d valoer r
Os rdireitos das fazendas, que pago per vara, deve entender-se Tara quadrada.
oO dtoojtos nao podem ser augmentados denli odo anno financeiro j misoGo-
jerno pode mandar pagar eni raoeda de ~!r aj prala urna vlresima parte das que
orem maiores de 6 e incoares de 60 p. c. dos piejos das mercaduras, ouajeasno
dimmiil-os,segundo Ihe parecer.
O Gveruo est autoiuadoa estabetecer um plrsi todiffereuciil sobre os generes|
CUIHU3 Sao otierecirios aos precos quotados.
BaCALIIAO Checro 300 bsmeas de bostn, as quaes lorio rendidla
cerca de 12 j?00 a barrica ; Yendas avultadas, sendo o deposito actual de ii300 bar-
ricas.
CARNE DE CHARQUE Entrn hum carregamento do Rio Grande coi
liOOO arrobas; o deposito ictual be de.4:0t)0 arrobas e vendas regulares.
FAKIKHA DK MANDIOCA Eotrou hum carregamento do Rio de Janeiro;
a sabida para as provincias do Norte continua
FAHINHA DE TRIGO fcnlrrSo Ires carregamentos dos Eslados-TJnidos,
incluido nelles o mencionado na revista passada com cerca de 4:200 harneas- o
deposito ha de 4:000 barricas em primeiras mios, e vendas regulares.
Reiun. o Americanas......................-..T.............................;,, 3
Auslriaca............................................................ 1
Brasileas........................................................,, 31
Dinamarquesa....................a................................. I
Hamburgueza............................,.......................... |
Despalillla..................................,......................... I
Inglesas........................................,..,.,,............,.
Napolitana'................,........................................ I
Portuguesas.................................. I
Sardas..............................................!!!.!.!..... t
Suecas.............
A Provincia gota Iranquillidade,
.....................
Total
(8
- i


(3)
LISTA das Embarcares existentes nesle porto at odia 14 de Fevereiro de 1846.
Jane"o
A (oslo 0
Oulubro 7
Novemb. 0
13
J*
!.S
II
IMS
|8IS
IStS
i.ili Deiemb.
1846 Janeiro
Fevereiro
22
Jl
31
31
I
4
14
1S
18

2.'.
30

7
I
8

10
a
II
a
1846 Janeiro I
1846 Janeiro JJ
Janeiro 10
! Janeiro
Feveieiro
II4S Janeiro. It
1845 Oulubro II
I84S Novemb. 17
I84 Janeiro I
4
e
a
ta
1845 Deremb. Jo
1846 Janeiro 1
52
7
Fevereiro 4
8
7
1846 Janeiro I
4
II
Fevereiro 7
Rio Grande do S.
I Santa Calharina
Rio de Janeiro
Santa Calharina
Sania Calharina
II Grande du Sul
Rio de Janeiro
4ss
A ngola
A Ico baca
K.Grauda do Sul
Cabo-Verde
Baha
Marseiltes por G.
Paralaba
R. Grande do Sul
A raes ti
Ass
Parahybt
A rao.lv
Santa Calli. ina
S- Malheus
Santa L'athariua
Assu

Rio de Janeiro
R Grande do Sul
A carac
Ais
Aracaty
Ass
Trieste
Rio de Janeiro
Rio de Janeiro
Tcrra-Nova
Tena-Nova
Lisboa
Gasde
Terra-Nove
Hh d'Assuinpco
Terra-Nora
Babia
New-Port
Pa termo
Figueira
Baha
Porto
Lisboa
a
Porto
Lisboa
Genova
Baha
Genova
Montevideo
Boston
Genova
Babia
Lisboa
Baha
Stoekholm
Rio de Janeiro
Riode Janeiro
brigue
brigue
brigue
brigue
brigue
brigue
Eitacho
i*'gue
brigue
hiate
brigue
patucho
b. esc
brigue
hate
alacho
. esc.
brigue
brigue
lflC
hiate
brigue
sumaca
patacho
sumaca
hrit-ue
brigue
brig-esc
hiate
pataobo
llrazil.
brigue
galera
brigue
polaca
brgue

brigue
patacho
e>cuna
brigue
brgue
a
p. tacho
barca
Din
Hamb,
Hesp.
Geovanna Mara
Feli nestino
Leo
Con-petldor
Sagitario
A tllame
Bella Virginia
Venus
Soarrs
rhunipho do raxil
6. los
Leo
niao
Santa Crnx
g. S. da Boa Viagem
boa-Viagem
Lo pe
Ilemiqueta
Indepenilente
Ueos-te Guarde
Sanio nt nio de Padua
F-spa darte
ftero
Santa Crux
A matuUaS
CaIota
Feliz Unio
Aniorm
Isabel
Maiia Feriiiim
Conceico
Nalividade
Flix
spra
Cari
Coiio
brigue
patacho
larca
brgue
. a
barca
brigue
brgue
brigue
barca
polaca
Solace
rigue
tarca
patacho
tingue
brigue
brigue
barca
Ingles. LadyPolkland
| ery Hounsell
i'ichmond
Conqiest
Harreil
Enterprxe
Sir Bo.i i Campbell
Thotnas Ballersby
Hale yon
apo. Antoinette
Port. Primavera
Restaurarlo
Bella Hernambucana
Hercules
Tarujo II
Espirito Santo
Kobira
S rdo Moto Soccorro
Nerina
Palie*
Boa lulellgencia
Concordia
Dame
Dous Iranios
Suecco Cari Gustief
Heliana
Solide
Oberon
Le Ionocence
MESTRE
190
Job 3. Mnrlim
Oliver G Lame
Caasar
Antonio Fatula
Antonio Jos de Abren
J. da Costa Rama Guedes
Feliciano Jos Gomes
Fructuoso J. Pereira I luir
Custodio Caetano
Malinas "erreira Braga
Joaquim Soans Mrarim
Jos Antonio (abra I
Candido Forjas de Lacerda
Joaquim de Sotlza Gomes
I Antonio Hodrigues Garca
Agoslhiho F. C. de V.
Jos Francisco da Crux
Antonio Ferreira IXuoes
Jos Antonio da Silva
I Jos Cardias da Costa
Jos Rodrigues Pinhiiro
Joo Alves Guerra
, Jos Moreira Oas
IManoel Jos Rilieiro
Joequim Jos dos Santos
J Perico de S e Feneira
lUItliazar Jos dos Res
Jos da mi va [Seves
Jos Goncalves Simas
Francisco da Silva Mallos
Guilherme Pinto da Silva
Joaquim Anlonio Gadr
A-itonio Duarte Rodrigues
Anlonio Jos da Silva R.
Vital Jos da Mallos
AUxandie Jos Gomes
J. i Holdt
John Fishar
CONSIGNATARIOS.
Joo Matero
Elias John Folla!
James i'oiue
Roliert Thonias
Johnd Francia Wilsoo
W Williams
Edword J0|,n Ward
James Baird
Wm Whlt,
Wot All,
II & A adr Bsrlbolo
Jos Carlas Ferreira Soares
Aleiaudie Jos Crrela
Manoel Francisco Ramaiho
Francisco de Oliveira C
i'everianno Antonio de A.
Rodrigo Joaquim Correia
A. P. Rodrigues Jnior
Nicolao Marigeni
Angelo B. Koelli
Antonio Risso
Joo Baplista Gorlero
Jernimo Canesi
Domingos Bayona
Joo Baplisla
A. Sinck
J. H. Knoll
II. G. Wehsaaan
P. H lijo, ti,
A. C Engstrom
L. G. Ferreira & C,
Henry F0ster8i c.
Mathens Austio Si C.
Johnslon Paler i c.
Pedro Das dos Santos
Jaliricl Antonio
Gomes Irmaos
Anlonio dos Santos Braga
Manoel Ig lacio de Oliveira
NascimentoSchaetir & C.
A ordem
Dito
Gabriel Antonio
Vmorim Irinos
Cuadino Agostinho <*t Barios
Dito
O Mestre
Francisco Alves da Cuuha
Jos Van, Vianna
Nascimenlo SckaelTer Si C.
f. Joaquim Pedro da Costa
Manoel Alves Guerra
Bailar & Ulivoir.
Luiz Borges deSiqueha
Joo Pinto de Lemos Jnior
C Jos da Costa Araujo
C. Siriaco da CoU Morri
Jos Joaquim Antuiics
O Mestre
Nascimenlo Schaeffer & C.
< Mestre
O Mestre
Jos nionio Bastos
9- I- Flix da Rosase C,
Manoel Iguacio de Oliveira
* 1. Flix da Rosa es C-
W. O. Bicber Si C
Me CalmoiilSiG.
M. Joaquim Ramos e Silva
James Ciabtree St C.
Dito
Me Calmoot si C.
Le Bretn Sc'iramm St C.
James Crabtree SiG.
Me Catmont Si C.
Cbardes Roope
James Cabrelrecsc C.
M. Caltnnnl 8t C.
DK8TINO.
Canal
Loanda
Eira
Rio Grande do Sul
N. O. Haber k C.
A. Joaquim de Souxa Ribairo
rirro. J.Fex da Rozastlnn
Tilomas de A quino Fonseca
Thomat de A quino Fonseca
F. i. Flix da hosa Si [.
r_rancisco Alves da C-Jnba
Tliomai de Aquino Fonseca
l.enoir Puget & C.
H. Robilliard
Luis Biuguiie
Joo Pinto de Lemos St FUho
Henry Forsler Si C
Oliveira Irinos Se C.
Johnslon Palor st C.
N O Bieber & C.
N. O. Bieber & C.
Le Bretn Schramm & C.
Le Bretn Schramm Si C.
Le Bretn Schrainsn & C.
Trieste
Canal
Ilamburgo
Canal
Canal
Copeubagen
Lomlres
Canal
Paleimo
Porto
Lisboa
Porto
Lisboa
Lisboa
Lisboa
Trieste
Dito
Stockhoirao
Dito
Dito
Pernasaboe, na Typ de M P. de Paria -l|||.
S