Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08740

Full Text
Lnn de 8*tf.
Quarta feira 11
O MAMO publica-se todos-o das que
|io forem de guarda: o preco da aaalgna-
Inira he de 4iD00 rs. po< ciuarlel pagoi adian-
Zloi Oa annuncios dos aignante sao m-
I"1,' i,los a razio de 20 ris por Wntia. 40 rt.
llVlvpo diferente, cas repetiedea pela-me-
I <. Osnue nio forem asaignantes pagao
IgOi rs. porllnha,el60enitypo difireme.
IrilASESDAT.UANO MEZ DE FEVEREIRO.
L-rPeoe a 3 as 2 hor. e 51 mlu. da man.
V .hela a 11 as 6 hor. e 51 min. da man.
V/Voan?e a 19 as 2 hor. e 23 min. da man.
[uaCva a 25 as 5 hor. e 11 min. da lard.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Goianna, cParahyba, Segd." e Sextas feiras.
Rio Crartde do Norte, cheganaa quailas
Teiras aomeio dia, eparte as infamas ho-
ras as quintas feiras.
Cabo, Scrlnhaem, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1., 11 e 21 de cada inez.
Garanhuns c Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as quintas feiras.
Olnda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 5 h. e 18 minutos da manhaa.
Segunda as 5 h. e 42 minutos da tarde.
ce Fevereiro.
AnnoXXII N. 35.
DAS DA SEMANA.
9 Segunda S. Apollouia, aud. do I. dos oi'f.
edo J.doC. da 2. v., do J. M. da -2. v.
10 Terca S. Gullherine, aud. do 1. do civ. da
1. v., e do J. de paz. do 2. dist. de t.
11 Quarta S. Laxaro, aud. do I, do civ. da
2. v., e do J. de paz do 2. dist. de t.
12 Quinta S. Mottesto.aud. do J. de orf., e
do J. M. dal. v.
13 Sexta S. Benigno, aud. do J. do civ. da 1.
v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
14 Sabbado S. Valentim, aud. do J. do civ.
da 1. v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
16 Domingo S. Jovita. .
CAMBIOS NO DIA 10 DB FEVEREIRO.
Camb. sobre Londres. 2 d. p. 1/ a 60 d.
Part 350 ris por franco.
Lisboa 105 p. c. pr. p. ni.
Dcsc. de let. de boas firmal 1 Vi P- */ ",,z
Ouro-Oncas liesp.iuhulas .'10*500 a 314000
. Mocda de67400 v.-l. HifllOO a I6#tt)0
dcUflOOnov. ICifiOO a 16/500
de 4000 8T5nO a 8/800
Prat-Palncfl.:s .... 1>.100 a 1/920
Pesos Coluinuarcs 1/920 a 1/940
Hilos Mexicanos. 1/840 a 1*870
.. Prata Miuda L?580 a 1/700
Acfes da C* do Hebet ibe de 50/000ao par.
-
DIARIO DE PERMAMBCO
PARTE OFF.CWL.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DI*. 6 DO CORRENTE.
Offieio__Ao preaiden'e do Rio-Grande-do-Norte,
enviando, definitivamente julgados pela jonU de juati-
ca os proeestoide Jeaoioo Psufioo Monleiro da Albu-
qu'erque e Ignacio Jos* de Oliveira, H*t aoldado e aquel-
la particular da companbi proviaoria de pr.meira liaba
da provineii sob ana presidencia. Tamben) se remel-
larlo aoi presidentes daiAlegoaa eCeari 01 pr. oeiiot
de Antonio Pedro de OMveire, Antonio Roberto do Sa-
cramento, Anselmo Goncalve da Coala e Manoel Igna-
cio dt Silva, e de Tedio Jos Barbota. Joaquim Abe
>*y6ilv, Antonio Manoel de Oliveira). Pnaco Jos da
trux. Franeiseo dw Chagss, Joaqun) Gomes d Santa
Ansie, Raimundo de Souia Manoel Antonio de Oli-
veira, soldados, estes do baUlblo provisorio de cacado-
res de primeira linba da aegunda dat mencionadas pro-
vincias e aquellea do da corte.
DitosAo commandante da* armas, reeommendando
a eieoclo daa sentencas proferidas pela junU de juelioa
nos proceaaoa, que Ibeenvia, do capillo Francisco de
l>ula d'Albuquerque Grillo, do primeiro batalhio^ de
eacadore. doa respectivos soldsdos Jlo Andr da Cos-
ta e Carlos Jos ; do soldado do primeiro balelhio de
arlilliaria 4 p, Manoel Simplicio Bu boa ; dos da eom-
panbia proviaoria da provincia da Parahiba, addidoa
sosegando batalblo de artilharia, Jlo Nepomuceno,
Manoel Franciico do Naaeimenlo e Jlo Salvador; doa
da companbia provisoria de guardaa nacionaes desta-
cados, Manoel Anjo de Santa Anna eJoio Pareira da
Paiio ; e dos do segundo batalhao de artilharia a p,
Innocencio Gomes da Coala, Domingos Joa Ferreira,
Francisco Eatolano da Silva e Luis Francisco de Mello.
DitoAo juiz municipal supplente do termo deO-
linda, deelarando-o competente para eonbecer dore-
curso, que Ibe foi apremiado, por nelle se haver tver-
badode suapeito o juiz municipal de Iguarasa, actu-
almente em eiercicio da primeira vara do erimedesta
comarca ; porquanto, segundo o regulamento da preti-
dencia de 1S de Janeiro ultimo, he ao juiz municipal do
referido termo, cujas vetea se acba S. me, faiendo, a
quem compete subttituir aquello de IgfJirasi em a
mencionada vara.
DitoAo commandanto geral do corpo de polica,
autoriaando a retirada do deateetmenlo, que ae acba es-
tacionado na comarca do Brejo, e reeommendando, or-
dene ao commandante da forc, que est destacada no
Bonito, receba, e laca conduiir para asta capital, os
presos que, para terem este deatino, Ibe (orem remetti-
dos pelo delegado da primeira daa referidaa comareaa
Ofllciou-se a retpeito toa delegados do Bonito e Brejo.
DitoAo inspector interino do arsenal demarinba,
ordenando, que receba o conserve em cuitodia, at que
tenba provado ai iieocdes, que perante a presidencia
allegou o recruta de marioha Manoel Aguiar de
Carvalbo, que, com ottroa, embarcou na corveta4
5'eie-d-i4ril Determinou-se ao commandante da
dita corveta, que fitesse desembarcar e por ditpoiiclo
djinspector do arsenal de marioha o recruta, de que
cima se trata.
PortaraDemittindo o capillo Manoel Soare de
Sousa do lugar de instructor do 8 batalhao de guar-
das nacionaea do municipio do Recife.Nomeou-se pa-
ra substituir o demltido ao alferea de 1.a luba refor-
madn, Francisco de PsulaCarneiro Lelo, e ptrticipou-
e ao commandante auperior da guarda nacional do Re-
cife, ao inspector da ihesourari da faienda e ao no-
meado.
DitaOrdenando que A Brai de Viveiros Camello
Pessoa ae passe patete de tnajor commandante das
A RAINHA MARGOT. (*)
por Tlitxanbtt Dumao.
QUARTO VOLUME.
CAPITULO IX.
os iisiEBaoaAToaio.
Hsvia-ae Carlos recolhido ao seo apoaente, riaoobo e
"mbeteiro ; mas ae o virei depoja de urna ounveraac
nniinutos oosnsua triai, diaaereia que llie havia ee-
'tenido n ana pulule e olera, temando 0 alegre hu-
"""'donlhii.
- M. de La Mole, disia Carlea, M. de La Mole. He
PtteHo.chaaur Henrique e o duque d'Alencuo. Henri-
1"*, porque esae rapai era huguenote; o duque d'Alen-
1"", porque elle esta ao sen servio?-
Chanai-ut, ae quiaerdea, meo filho, porm nada
aabereia. Henrique e Francisco ato ruaia ligadoa uto que
0 <**itlo ere*, as apparenoiae. lnlerroK-lu. he dar-lhea
'-i- uspeitar, maa Valeria, erei eu, a eaperieuoia -
'a esegi,rt d'alguns dias. e deixardes que oaoulpadoa
. O Vid. DiarU n.* 32.
daai oomnaoMii de guardas nacionaes dn Taqntritin-
gi. Participou-se ao commandante superior interino
da guarda na*al do oinnieipio do Limoeiro e ao no-
meado.
DitaAo commandante da eorveta Stte-ae-Abril,
para que faca desembarcar o voluntario Justino Fran-
cisco de Lima.
" Dita Ao coronel comunitario pagador, ordenando,
mande adiaoter tre mezei de aoldo a Domingoa Joa
Martina, alfere do 4. batalhao de luzileiroa. que vai
reunir-ie ao seu corpo.Participou-ie sd commandan-
te das armaa.
Gommando das Arma.
EXPEDIENTE DO Dli 3 DO COKSErlTS.
{Concluso.)
Olucio Ae general commandante dai armaa ante-
rino da corle, commuoicando-lbe, que todas as
auaa participacOea ofTicaes, tendentes a praca dopri-
meiro batalhao de artilharia A p, que ora ae acha em
aervico na provincia da Baha, ilo aer levadas ao conbe-
cmento do reapectivo general preaidente e commandan-
te daa armaa, a fin de lomar eflectivaa aa disposifdes
nellaa cootidaa, ficando dest'erte aatisleila a exigencia
expreaaa no aeu oflicio de 4 de Janeiro prximo pas-
sado.
DiioAo commandante da corveta Site dt-Abril;
psra que entregaise ao segundo lente Hermas Ernesto
da Fonaeca (portador deate) a fim de serem conduzidos
para tetra, oa doua caixdei de lardagem pertencentes so
quarto batalblo de artilharia A pe, remettidoa pelo ge-
neral preaidente e commandante das armaa da provin-
cia da Babia.
DiloAo coronel commandante do primeiro bata-
lblo de cecadorea, mandando-lhe apresentar, com auaa
reapectivaa guias, tres aoldados do meamo batalhao, vin-
doa da cflrte na corveta S*tt- de-Abril.
DitoAo tenente-coronel commandante do quarto
batalblo de artilharia i p, eovando-lhe ai guiaa do ci-
rurgiao-ajudent.', Dr. Policarpo Ceurio de Barroa, e
outraa pracas e desertores, vindoa aa corveta Sett-di-
Abnl.
DitoAo coronel commandante do aegundo batalblo
de artilharia i p, exigindo 01 assentamentos do primei-
ro cadete Andr Avelino de Menezea Amorim, para se-
rem aonexadoi a uro requerpento, que enderece ao
governo imperial.
Dito Ao aubdelegado da fregueria doa Afogados,
enviando-lbe a certidlo de bito do soldado desertor di
compinhia de artfice* Manoel Ferreira Gome, que
havia requisitado por seu oficio de 26 de Janeiro pro-
limo pasiado.
DitoAo subdelegado do curato da Sede Olinda,
diiendo-lhe, que tivera conveniente destino o desertor
Manoel Pedro Fortunato, roaiettido preso com o aeu
oflicio desta data.
PortaraMandando excluir, com guia, do segundo
batalblo de artilharia A p, os primeiroa cadetes Luir de
Queiroi Cotinbo Jnior e Pbilinto Elisio de Queiroz
Coutinbo, que por ordem do governo imperial, coni-
municadi em aviso de 9 de novembro ultimo, fiaerSo
passagem para o primeiro di meima arma ; oa quaei de
vilo seguir para a provincia da Babia, na corveta Sele-
d*- Abril.
dem do da 4.
OflicioAo presidente da provinci, enviindo-lhe,
pan aer definitivamente julgado pela unta de justica, o
proceaso verbal do reo InnocencioTjornea da Coala, tol-
dado desertor dotegondo batalblo de aajlbana i p.
Dito-Ao meamo, informando o requerimento dea
cadetes do primeiro batalblo de artilharia A p, L. de
Q. C. Jnior e F. E. de Q. Coutinbo, qu pedilo per-
respirem, osea filho, e acrediten) ter escapado A vntae
vigilancia, afoutadoe otriumfanlea lito de furneeer-m
melhiir occasilo de proceder rigoruaainenle contra el-
las ; enllo saberemoa tud.
Carlea paaaeava indeciso, tragando a aua oolera, como
o cavnllo masoa u freio, e ooaprimindo com a mko in-
teiriceda o coracio picado da auspeila.
Mo, uAv, diste elle ero fia, nlu too para espe-
rar. Vi'ib uto ubeit u que he aperar, ladeado de finua-
maa, como eu ando; alotu de que todoa ua don "i-
laaquilboa se lurnto iuais .usolentea; anida esta noite
lous delles ouaartu faser-nus frente, e rebellar-se con-
tra n..... Se M. de La Mul fur innocente, bcni, mas
nio oie desagrada aaber onde eatava elle esta noite,
quMido ataeavlo oa meta guardas Lonvre, eanim na<
ra CUobe-Perce. Vlo-iue poi chamar oduqoed'A-
iencon, e depoia Henrique; qnero ioaerrega-lua aejiara-
uamente. Vos podra Bear, miaba mi i.
Catt'-crisa Staa-te. Par aan genio forte e ioflexi-
vel como o aea, ludo o ineidaole, ageitado pela aee po-
derosa ni5o, poda leva-la ao aeu alvo, aiada que par-
eoste arrtdr-ae delle. De todo o choque surge um ea-
irepito ou urna ecntelha. O eatrepiiu guie, a eenlelha
[liaiia.'
Kutron o duque d'Alencon: a ana conversa
Henrique havia-o disposto para etta eonfer
eslava auflloientemente calmo.
Forao aa aua reapoatas preoiaat.
J para Cca.r uo aeu aposento, igna
,. que de noe ae pataaire. Cuasio *~
meamo qorredor que e do rei de Hat
primeiramenta euvir un> bulba como
Uo bail, depoia imprecaco, e por
mitalo para conduzir sui familia A provincia da Babia,
na corveta StU-dt-Abril.
DitoAo meimo, informando o requerimento dot
referidoi ctdele, que, tendo-se de incorporar ao aeu
batalblo, primeiro de artilharia A p, na provincia da
Babia, pedilo o abono dit comedorias de embarque.
DitoAo general presidente e commandante dat ar-
mas da provincia da Babia, remettendo-lh'' copia de no-
ve officios recebidoa da preaidencia deata de Pernambu-
co, e de seis do general commandante das armaa interi-
no da corte, contesdo varias diapoaicoea, tendentes as
pracas do primeiro batalhfto de artilharia A p, a fim de
que S. Ele.. por ua parte, Uzease effectivaa taea dia-
poaicSea, lito que o batalblo all ae demorava por al-
gum lempo.
DitoAo coronel commandante do legundo batalblo
de artilharia A p, para que eiigiite do capillo J dn
R. B. F. aa partei aecusatoriaa doa deaertorea do quarto
batalhao da mesma arma tambor Feliabino Rodrigues,
e soldsdo Manoel Carloa Duarte, e aa remettease ao rea-
pectivo tenente-coronel commandante, para em viala
dellai proceder a eoncelbo de disciplina, na forma da
lei, nio obatante t falta daa guiaa, que nlo aeompan
rio a estas pracas, quando forlo addida ao seu batalblo,
devendo por tanto aa partea iccutatonai mencionar a -
menle aa oceurrenciat lnvidn deade o dia, em que fo-
rlo addidas, al o da deaerclo. Communicou-ae ao
tenente-coronel commandante do quarlo batalblo de
artilharia A p.
DiloAo coronel commandante do aegundo batalblo
de artilharia A p, diieodo-lbe, que oa cidelet Queiroa
Coutinho, que fizerio paaaagem para o primeiro bala-
Ibio di mesma arma, devem ir pagoa do pret e etape at
10 do corrente, e de fardimeolo al o ultimo de Janei-
ro p. p., remetiendo-te i caia idminiltrativa do re-
ferido primeiro batalhio importancia dot 50 rs. dia-
rios tindoi nsi relsc5et de moetra, acontar do dia, em
quo etto pagos de lerdamente io ultimo do citado
mez de Janeiro.
DitoAo coronel commandante do primeiro bala-
Ihlo de caQidore, miedando- pitaar a etectiva tres
pracaa addidas. que outr'ora 5zerlo parlado ettinclo
primeiro batalhio da meinu arma, com o que ficava rei-
pondido o aeu oficio de boje (4) datado.
DEM do da 6.
OflicioAo preaidente, informando o requerimento
dol.*aargento Manoel Joaquim Pinbeiro, do4j*bi-
talbio do artilharia a p, que, tendo unaliaado o seu
engejameuto, supplici io governo imperial escuta do
aervico. a
DitoAo mesmo, informando, sobre igual preten-
cloi o do cabo doa tamborea do mesmo batalblo, Anto-
nio Frincitco Perein.
DitoAo meamo, informando, tobre igual preten-
co, o do cabo de esquadra Bernardino Jos da Coala,
do 4.* batalhio de artilharia a p. %
DitoAo meaaio, commuoicando-lbe, que loda
as ordeaa do goveroo imperial, tendente ao 1. bata-
lblo de artilharia a p, tranamittidaa em differenteaoffi-
cioadeS Exc, bavio aido levadaa ao general presi-
dente ecomnanden-te daa armaa da provinciada Bihia,
ondeo batalhaose demorara em servico por algum tem
po, a fim do terem devidamenteexecutadaa; bencomo
oulras diapoaicoea communieadea por intermedio do ge-
aeral commandante daa armaa da corte
DitoAo meamo, requiaitando a expedieio de ua
orden gencia doa vaporea, a fim de aer receido e
transportado ao PerA no proxiaao vapor,que vier do Sul,
o aoldado particular Ricardo da Fonaeca Castro e Sil-
va, do 3.' batalblo de artilharia a p, que pordoeole
deixou de aeguir no vapor S. Salvador.
DitoAo mesmo, rogando houteae de pastar auaa
determioacea, para que foseen) recebidaa a bordo da
corveta SeU-dt-Abril, e tranaporladn A provincia da
Bahit, oito pracas do 1. batalhio de artilharia a p,
que nesta se achio, e que se devom incorporar io seu
batalhio.
DitoAo mesmo, communicando-lhe, que o alfe-
rea D. J. Martina, do 4.'batalblo de futileiros, tendo
frnalisado a ticenca. com que viera do Rio-Grande-do-
Sul a esta provincia, devia, na forma do aviso circular
de 29 deoutubro do anno passado, ser recebido e
transportado corle na corveta Stltt-dt-Abril, dan-
do S. Exc. auaa ordena A este fim.
DitoAo general presidente commandante daa ar-
maa da provincia da Rahia, requiaitando a vinda, para
esta provincia, do capillo do 4. batalblo de artilharia
a p, Jlo Jacquea Godfroya, que conttava ter acoan-
panbado da corte pan a da provincia, na qualidade de
addido, o 1.* batalblo da mesms arma.
DitoAo mesmo general, farendo-lhe remesiade
1 cabo e 4 aoldadoa do 1 batalblo de artilharia a p,
pela corveta Sitt-dt-Abril, cujot norma encontrara
na telscio, que cubra aa respeclivaa guiaa.
DitoAo meamo, dizendo Ihe, que na corveta Se-
tt-dt-Abril leguitj a ser-lbeapresentado,o toldado de-
aertor do 1.'batalhao do artilharia a p, Joa Pinto
Bandeira, remettido preso da provincia da Parabiba-
do-Norte com a gaia.que Ihe enviava anneta a urna es-
cusa falta de que ae acbava munido,o mait a guia queae
Ibe passou pelo 4.* batalblo di mesma arma, onde es-
teve addido, aire de que, na pono de todot esle do-
cumentos, podesse aer convenientemente julgado.
DitoAo inapector interino do araenal de marioha,
requisitando-lbe transporte para cerca de vinle pracas
do eiercito, que na manhia do dia 7 do corrente de-
vtio ser passadas para burdo da corveta Sele di-Abril,
com destino e Babia, e corto doRio-de-Janero.
DitoAo comtnisario pagador, communicando-lbe
para sua intelligcncia e governo, que em 23 de novem-
bro do anno p. paesado fallecer o capillo da 4.* claaie
do exercitoJosLuii Peretra-Bacellar, em 12 de de-
embro do mesmo anno, o lenenle-coronel graduado
da 2.* linha com aoldo, Joaquim d'Annunciacio de
Siqueira Varejio, e finalmente em 21 de Janeiro do
corrente, o major da 4*claaae, Joa Gomoi Ferreira.
DiloAo meamo, communicando-lhe para aua in-
telligencia e governo, que o juiz municipal e interino
de direilo da 1 vara do crime deate capital fora exo-
nerado da auditoria de guerra no dia I (i de Janeiro ul-
timo, e aubatituido pelo uiz monieipil. Vicente Fer-
reira Gomea, que ae achava no exercicio do aeu em-
prego deade o referido dii,legundo communieAri op-
portuoagtente a presidencia.
PENAMBUCO.
cora
enllo somenle qne se elle animrs a su-abrir a aun por-
ta e vira fugir um homem de capote enoarnado.
Carla* e ana mli trocarlo om ulhar.
_ De capote encarnado ? ditaeurei.
De capote encarnado, repetio d'Alencon.
E nto vea fea sutpeilar d'algueiu. esse cpete en-
oarnado ?
D'Alencon reuni todas aaauas forcas para mentir o
maia natiiralim-ule p-aaivel.
__ Ao primeiro aspecto, diaaeelle, devo cunfeaiar a
V. magestede que sup|>ua ser o capote encarnado de
nm doa nieua grntis-luiuiena.
__ E corno se chama esse geiitilhomeiii ?
M. de La Mole.
Porque nio eslava M. de La Molo com voaeo, co-
me o aeu dever o exiga?
Eu tiuba-o despedido, disto o duque.
Eal bunt, retirai-vua, disso Carlos.
Escsainhou-ae o duque d'Alencon para a porta por
ende havia entrado.
Por esaa nlo, dase Carloa, por esta. E indicou-
lliu a que dave para a guari da ama.
Nao qneria Carlos, quo Francisco e Henrique aeen-
conlraaaem. Ignorara queellea eetiveeeern visto por um
instante, e que este instante huuvoate sido aufllcienle
para que oa doua cunhadoa concordando no que Ihes
convieba.
Apa o duque d'Alencon, e A um aignal de Carloa, en-
Irou por aua vea Henrique.
Mu eaperou este que Garios o interrogaste.
Senliur, disae, fe V. magesUde betn em mandar
chaiuar-me, porque ia eu ja deacer para Ibe pedir joa-
tica.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE.
SBSSid EXTEAORDIBARM, DB 19 Dli JANEIRO
DE 1846.
I'rttidenria do Sr. liego Albuquerque.
Presentea oa Sra. Remos, Carneiro Monleiro, Mello
Cavilcanli, Reg Barros, Nery e Cintra, faltando com
cauaa participad o Sr. Oliveira, abrio-se a tsalo, ep-
provando-ae a acta da antecedente. O aecrelano leo um
oflicio do Exm. presidente da provincia, em que man-
da obaervar a diapoaiclo do iriso di aecretatia de catado
doi negocot do imperio de 9 de dezembro do inno fin-
do, tobre II regnt, que cumpre obtener na correipon-
deneia offlcial Inteindi, e que se aecute o recebi-
mento.
Oolro do secretario da provincia, remetiendo actoi
..ialativoa.lnteirad.
Outro do procurador da cmara, pedindo autorita-
rio para a detpe/a de rt. 190000, com a liza da casa,
n. 2, exappropriadi ni Cimboa do Carmo, que foi ava-
Carlos enerespou o sobr'olho.
iro, justica, disae Henrique. Comeco por agrade-
cer a V. magettade o me haver levado corotigo hoalem
a noite, porque com itao, agora oaei, aalvou-me vida;
maa que havia eu feito, para que contra miiii a tenUtse
um assatainato? ,
__ Nlo ora mn aaaaainato, aoodio de prompto Ca-
iherina, era urna prialo.
Poilbeml <-ji, diaae Henrique. Que orirae havia
eu commettido parajaer prcao ? Se aou culpado, tanto o
era hontem como hoie. Ditei-me o meu criroe, Sr..
Carloa sen) aaber que resposu detse olhou par aea
inii. .
Meu filho, retpoadeo Catherina, va dmiilipea-
aoaa auapeitaa.
Bero, e ealaa peasoaa auapeitaa me oompromeltem,--
ho he aiiim, aenbera P
Sim, Henrique.
Nomeai-m'as,nomeai-m'aa! Qaem alo ella? Con-
frootai-me com ellas I
Com effeito, diaae Carloa, Henriquiuno tetn direilo
do pedir uma explicaclo.
E eu a peco replicuu Henrique, que aentindo a
aoperioridade da sua posiclo, quera deila tirar partido,
eu a peco a meu bom irmlo Carloa, a tninha boa mli
Catherina. N'o me lenho eu, deade o meu caaamento
com Margarida, comportado como bom esposo? Per-
gonlem-o Margarida ; como bom calholioo7 diga-o
u meu confeaaor; como bom prente ? abi esto
quantoa hontem ao achavu na cacada.
Sim, he verdade, Henriquinho, dase o rei; maa
que querea tu ? ditero que conspiras.
Contra quem ?

ILEGIVEL


'da em n. 1:900*000, atsim que se delibere a manoi-
r. por que se deve demolir a dita can. Mandou-se
aulor.iar a despe/a e deterrr oou-ae, que se aflixasse
ililaes para arrematado do material, com os onus da
oemoiifio.
Outro do mesmo, participando ler arrendado a casa,
n. I-, da praca da Independencia a Antonio Jos Ribei-
ro Gu.maries, sob flanea, de M.ooel Figucroade Fa-
w P0' se mtni 'rar o competento termo.-
Asiim deliberou-se.
Outro do presidonta do conceibo geral de stlubrida-
le publica, remetiendo os mappas, correspondentes aos
mezes de outubro, noyembroe deiembro, das pessots
vaccinadat, que nio voltario no oitavo da. Accuso-
e o recebimento, e os mappas sejio enviados ao pro
curador para promover a cobranca das multas.
Outro do procurador, pedindo autorisacio para a de%
pezade rs. 8*000, despendidos com o sello das lettras
provenientes da aferiiio arrematada. Aulorisou-se.
Outro do fiscal da Uoa-Vista, participando terem ren-
dido as multas do raez de novembro do anno prximo
lindo, rs. 170|000, e as de deiembro rs. 77000 re-
quintando o pagamento de IOUO rs.. para satisfacio
de despeas fetascom entorramento de cadveres e cor-
ridas desade. Mandou-se pagar.
Outro dojuizdepaz do segundo districto da Boa-
Vista, propondo para escrivio doseujuizoa D Anto-
nio do Locio Scibles. Approvado e empossou-ae.
A commissao especial, nomeada para contratar com o
doutor Joao Ferreira da Silva sobre o preco da indem-
nisacSo do terreno, que Ibe loi deaapproprado por util-
dado municipal, dco o seu parecer, que se tratasse de
promover o processo de indemnisaefio, visto que be
exorbitante o preco de 4:000* rs, pedido por aquell
doutor. Foi approvado.
approva
AssignrSo-se olimos e despachr8o-se os re
Bienios deJacinlho Ignacio Martins, ThomaideCer-
valbo Soares Brandio. Henrique Jorge. Antonio Jos
da Costa. I.un Gonzaga das Noves Lima. Joaquim
francisco da Crux, e de Simplicio Anlonio Mavigoier.
Dada a hora levantou-se a sosslo. E eu Jodo Jote
Ferreira de Aguiar, secretario a escrevi. Reg Al
buquerque, presidente. Ramo Carneiro Montei-
10 Mello Cavalcanli. Reg Barros__Vari/ __
Cintra. *\
i
PAHECER A QIE SE REFERE A ACIA SPIU.
A commissSo especial, encarregada por esta cmara
do contratar com o Dr. JoSo Ferreira da Silva a in-
demnisacao de um seu terreno no largo da fortalesa das
Cinco-Pontss, com duzentos palmoi de frente e cunto e
oitcnta a duientos do fundo, pouco mala ou menos o
qual, segundo a planta da cidade, deve lazer parte 'di-
urna praca projectada n'aquello lugar, nada pode con-
cluir com o referido proprielario, porque elle exige pelo
mesmo terreno a quantia de 4:000*000 de rs. a razio
de iOsOO rs. o palmo: e como essa quantia seja, na opi-
niao da commissSo, exorbitante, e est muito alm do
valor, que a commissSo julga valer o terreno em questo,
neporlantodo opiniao que se promova a indomnisacio
pelos tneos ordinarios. Recife, em sessio de 19 de Ja-
neiro de 1846. Mello Cavalcanti. Camino
Monteiro,
SSStaBBBatajatF'lll ttaMBBBBBBSBBSI
Correspondencia.
Sn. fedaclortt.
. J No centro desta provincia, e
em um exilio penoso, de todo retirado desso turbilhao
de urna mesquinba politice, esperava, que as settas da
maledicencia jamis me seriSo arremecadas na nullida-
do, em que ha moito procuro viver : mas ...
com doro digo! nunca enlrou em meu pensamenlo',
queaquelle, que se dizia mou intimo amigo,"% que sa-
be das angustias em que vive meu coracio, que lio leal
tem sido a seu primo (nico dolo de suas edoracOes, em
quanto poder faie-b deputado), em vez de consolar-me,
de lao longe mandssae publicar, contra mim e toda a
minha lamilia, tudo quanto ha do mais torpe e infame,
pelo motivo nico de ter eu sido, despeito delle, o pri-
nieiro votado para representante da provincia, e nao ba-
ver minha familia cooperado, para que sahissem depu-
tadoso tal VieirSo, o todos quintos oSr. padroCarlos
em o seu delirio queria, que fossem os nicos eleitos,
com exclusao de muitos, que se julgavio com melhor
direito aos suflragios de seus concidadSos.
Minha resposta ser extensa ; e como smenle agora
(10) veio ao mou conhocimento, por ter aqui chegado.
(') No querendo o Diario novo acceitar urna mui
auccinta correspondencia de um meu amigo, que, sa-
liendo de minha ausencia, apretsou-se em prevenir o
publico, at que eu podesse responder a tantas calum-
nias e infamias, temendo eu nova recusa, recorro ao seu
jornal, sentindo nSo poder defeoder-me onde sou ac-
cus,do- J- L. Catiro e Silva.
nio he possivel responder a osso libello de torpezas,
assignado pelo irmo do Sr. padre Carlos, e publicado
oo Diarto-novo de 21 do mez paasado, pois cumpre,
que remonte ao anno do 38, o.apanbaodo o Co dessa se-
rie de acontecimentoi notaveis, mostrar com evidencia,
que nao sou de um carcter timulado, que por vil in-
tenues nao dirijo minhat acetes, que nio fiz liga com
ot desasimos de meu lempre ohorado tio ( ateodo-a
publicamente o Sr. padre Carlos com os deamadores des-
sa victima Ilustro, de quom se confessova amigo, e que
por sua dodicacio e lealJade lora sacrificado), que nio
passoude443|rs. a importancia dodinheiro. queme
derio no Rio para urna viagem de mais de 500 legoas,
levando dous oficiaes de primeira lioba, typographia,
^loM etc., para se faxer oo Ceari a revolucao ; o que fi-
nalmente os Castros nio sio traidor, como todo fez
publicar por via de seu irmio, um pobre curador de
bixeirai, que, retirado no Sacco do-Ex, sem nenhuma
importancia, nem o menor conhecimeoto do que se pas-
sa um pilino almdeieu oiriz, nio poda sern o dedo
delamador do Sr. padre Carlos vir apontar-oos aos seus
correliginaribs nesta provincia, para que te acautelen
de nt, por havermos feito liga com o meiuas do Cea-
r, como se o partido aqui dominante se nteress, em
que se hostilise sos amigos da administncao actual! O
Sr. Roque, cujos milos comprimidos pelas evapora-
cues espirituosas de aeu adorado Bacho, nio podendo
penetrar a signilicacSo do que assignou com tanlo gar-
bo, l de lao longe veio deacobrir me no meio da oul-
lidade em que vito, quando alii nio entretenho ne-
nhuma relacioiobre poltica, procurando amizade en-
tre ambos oslados, que le combaten) nesta provincia,
acbando tolerancia entre mesmo aquellos, que infensos
nossos principios respeitao nossa opioiio e a devocio,
que temos por Santa Luzia.
Nio desejo sorprender ninguem : eis porque a
apresso a prevenir ao Sr. padre Carlos, que organisarei
miohs defeza tomando por ponto as proposites cou-
das no capitulo abaixo transcripto, e que de urna vez se
convenca, que nunca seremos o provacador, e que abar-
lo o campo da lica ne'lle nos encontrar forte de nossa
conscencia, enrgico pela frca de nossas conticcSes; e
que cobardemente nio fugiremos jamis, sebemreco-
nhecamos nossa insuDcieocia. Saiba mais, que loi
grande minha sorprea, veodo-me tio torpemente pro-
vocado, eu que todo o direito tinha para esperar do*
amigos consolacio, dos adversarios generosidade e res-
pailo : mas tacs sentimentos nio entrao certamente em
um espirito fascinado pela epbemera importancia, que
ora goza, e que at a pouco estere tio longe de aeu pen-
samenlo.
Em seus delirios alevanta-se qual assanbada cascavel
procura morder a todos, quo se nio domio servilmen-
te s inconsequencias de seu capricho, ea sua tio sr-
dida e asquerosa avareza.
Dignem-se, Srs. Redactores, dar publicidade a estas
linhas, e a carta, que ao Sr. padre Carlos dirijo. De
seu constante leitor. Josa Lourenqo de Catiro e Silva.
Recife, 11 de fevereiro de 1846.
ulllm. e Revm Sr. Carlos Peixoto de Alencar.
O primo de V. Revm. o mui digno senador Alencar,
denuem tenbo lido constante e leal amigo, e a quem
V. Revm. julga agradar, maltratando e defamando
Rosque suspeita acharm-se fra da grafa delle, ven-
do os destemperos e iojustca, com que V. Revm. res-
pondeoicarta, em que me queixava de alguna de seus
prenles do Ex por haverem concorrido para que eu
fosse considerado o primeiro cabecn desso movimento
sedicioso, que all leve lugar em'1842, quan Jo lodos
elle qui/erio ser procetsados como meros cumplice*,
sendo alias os que tudo Oxerio para essa reuniio arma,
da, nio exerceodo eu all a menor influencia sobre a
populacho, procurando o mesmo Ilustre senador ate-
nuar os eggravos, que V. Revm. tio gratuita e injusta-
mente me dirigi, assim se exprimi em urna su*
carta :Rio novembro da 41.
lllm. amigo e Sr. doutor Jo.i Lourenco. Vi
que o padre Carlos foi imprudente em nao desfaur wat
queixai tobrepido Ex com boat palavras, e um aug-
mentar o deigoitos de um amigo, que j tanto tinha
que toffrer e urna vex te arritcra pela cauta publica.
V. Revm-, porem,procurando mais e mais aggravar
meu soffrimento, nio respectando os desgostos domes-
ticos, que nceisantemente me opprmem, porque seu
genio rancoroso e vingativoni esquoce nunca a quem
nunca os Iba desagradar, manda publicar, com ares
de consumado poltico um libello de torpes infamias
contra quem hojetanto padece, e nunca offeodeo a V
Revm. observando silencioso os excessos de seu agora
mais que nunca repugnante procedimento. Como mi
nha clnica trabalhosa me nio di tempo para organiar
com promptidio minha defesa, o deseje, quo depois
de publicada, nio haja demora em rehaler suaa novas
calumnias e infamias,appresso-me a dirigir a V. Rvem
as proposieoes, que servira5 de ponto ao que me cum-
pre responder, para assim ficar logo decidida a accio,
&
o o publioo sensato ajuiar a qual de nos a railo ai-
siste.
Como ie, que V. Revm. s appareca descoberto,
quando |em de defenderseus nteresseae a reputacio de
meu primo, de proposito nello fallo, cootando deste
modo aeha-lo em eampo.
Digne se V. Revm. acceitar os protestos de respeito
e, considericio da quem foi de V.- Revm., P. a amigo
obrigado, J. L. de Castro e Silva.
Propotici que tirtirO de ponto de defetd.
Jos Lourenco de Castro e Silva provooado pela
intolerancia asquerosa do padre Carlos Peixoto de A
lencar. A bestialidade do irmlo deste, Roque Carlos
de Alencar Peixoto. Importancia do dinheiro, que
se deo para a revolucio do Cear. Movimento sidicio-
io do Ex; desanimo a traico de alguna parantes do
padre Carlos, com a ebegada do juii de direito da Igre-
ja-Nova,Urna revelado importante.A lealdade e
padeeimentos do* Castros, sua dedioacio, e servicos
prestados ao senador Alencar; e a justica e ogratiddes
deste. O pdre Cario* em delirio por^juorer lar ohefe
do partido. *
Variedades.
tem um capote encarnado P
Contra mim.
Sr,, so cu conspirosse contra vos, nio linba mai*
que deiinr oorrerem aacousns como foasem, quando
voaan rarallo, oom a perna quebrada, *o nio poda le-
vantar, quando ojavali furioso se lanoava sobre V. ma-
gostado.
Ol! piorto dediabo! minha roij, sabis que mai* j
elle tem rasio. '
Ma cni fiui, quem eitava esla noito em vosso apo-
sento r '
Senliora, disio Henrique, flk lempos em que tio
poneos ousio responder por (i meamos, nio respunderei
j-iinais pelos outros. Sabi do mou quarto a* ele hora*
da noite; a* de Icvou-mo meu irmlo Cario* ooroiigo
c no o dcixei mais em tuda a noite. NSo poda estar ao
mesmo lempo com S. mageslade, e aaber o quo se pai-
rara no meu npoirutii. t
Ma* tambem, diste Catherina, nio he menos ver-
dada quo um homem vetso matou dous guarda* de S.
mageitade c ferio M. de Maurevel.
* lim liomem meu! di**e Henrique. Quem cr ene
homem, aenhorap nomeai-o.....
Todo ecusfio M. de La Mole.
M. de La Mole nio mepertence, enliora, he deM.
d Aiencon, a qoem foi recommendado por vo**a filba.
Ma* em fin, dine Cario, era M. de La Mole que
e*lava no teu quarto, Henriquiihop
Como queris ti qne eu saiba Uto. Sr, ? Sin Hi-
go aia, iit-sa no. M. de Lt Mole he um'oplimo *crv-| Ma* dltia ella alm disto, que, so me nio acha*-
t A VRBDADB ACEBCA DI GHETNA-GREEN.
Acrediia-se geralmeote na Europa, que o* calamentos
eontrahido* em Gretna Creen sio celebrado* por um
ferreiro, cuja familia goxa deste antiqusimo privilegio,
nio tendo ninguem mais na Escossia o direito de unir
em legitimo matrimonio. He iito um grave erro, em
que eu mesmo laborei, at ao momelo, em que me
convenc, pelo* meu* proprios olhos, de quanto era ab-
surda urna tal crenca. Na Escossia pde-se casar quem
quixer, tomando por teilemunhtt de *ua uniio a* dua*
primeras peisoas, que apparecio ; e esta be urna velba
pe, que, como outraa muilas anda mais barbaras, nio
teem sido derogada*. Ora, como Gretna-Green he <
primeiro lugar habitado da Escossia, que se encontrado
pois de ter atravesado a fronteir de Inglaterra propria-
mente dita, e que be o mais prximo deste ultimo pai
por sua posicio geographica, he natural quetenha sido
escolhido com preferencia peloi amanta*, impaciente*
de conseguirem osieui fio*.
A'medida que nos approximavamos de Gretna, a nos-
sa impaciencia ia augmentando, e anciosos desejavamos
ver esse celebre ferreiro, cuja reputacio be universal.
Emfim cbegamoi barreira, que separa a Inglaterra
da Escossia, estabelecdx, como om todo o reino unido,
para a percepgio dos di re loi de transito, que pagio oa
cavados, carruagense gado ; o quaei sio applicados
reparacio dsi estradas. Depoii de alguns minutos de
marcha vimos urna estalagem de bella apparencia, ten-
do por dittico Gretnd Hall, a qual se achava a um lado
da estrada, tendo defronte iluas ou tres pequeas casas.
Estavamoiem Gretoa-Greeo, a nossos olhos procuravio
a officina do ferreiro; porm nio ouviamoi nem o io-
pro dos folies, nem o ruido do marlello : o mail pro-
lund siloncio reinava na pequea aldeia.
Tomamos o partido de entrar na estalagem para nos
informarmos sobre a causada nossa indecisio. Depois
de mandarmos vir urna garrafa de excedente cidra, in-
terrogamos o servente, e ois-aqui o que elle nos respon-
deo : Julgo que ba, d'aqui a algumas milhas, na en-
liga estrada de Carlisle, um mestre ferrador; mas nio
tei que tenh* sido escolhido muits* vezes para testemu-
nba de casamentes. He aqui que vaem todo* o* conju
ge* favorecidos da fortuna; he aqui que te cssou o
principe de Capua ; e se meu amo nio estvesse ausen-
te, poderieis ver, por um schellng, e sua assignaturs
no registro, que elle tem para attestar os matrimonio* ;
e eu sou a segunda testemuoha. Ao mesmo tempo
foi buscar os impressos com os nomet e as datas em
branco, que o hospede enebia, e dava depois aos noi-
vos; eajuntou: u Os pobres amantes deixio-ae casar
pelo colleetor da barreira, pela qual passastes ha pou-
co. Pela somma de seis penca*, obtivemos um im-
presso, que devia servir de monumento da nossa passa-
gem por Grelna-Greeo, e continuamos a nossa ornada
fazendo tristes reffexoes, sobre que a desobediencia filial
far s a fortuna desta estalagem, e admirando-nos de
que a hiitoria do pretendido ferreiro fosse ainda lio ge-
ralmente'acreditada, quando tantos viajante! teem visi-
tado a Eicoisia desde 1818.
03 OREOS.
Do Tiempo transcrevemos o seguinte sobre urna das
muitai especies de gatunos, que por desgraca formigio
por (ota a parte :
Os gregos sio certa classe de jogadores, que lem-
pre ganblo, gracia i tua esprtete, is astutas mano-
bras, e audaxtw trapicas, de que se valem. Entre eisi
infinidade decriminoiai industrias a que se dedcio va
ros individuos, que, collocados em dilTerentes degroi
da escala lociil, nio teem, linda que por diversos mei-
oi, outro (m maiique o deippropriar-iedoibensild0.
o, urna das mais caracterstica* talvz, e que todoi "
anno arrebata maiore sommaslioa f publica, U
dos gregos.
Os gregos formio urna especio de sooiedade scrt.
ta, urna fraocmaoooaria, cujos adeptos se conhecenj Uo,
aoioutroi por meio d cortos sgnies combinados, plw.
lando-se mutuo apofo e ajuda, e guardando em ger,|
um inviolavel segredo. No invern frequenllo cid.
um, na esfera de suas relacoes, o baile*, a* fuoccdei
as *ocieddes.
Quando um grtgo comague entrar em qualqger
casa, procura logo iotrodutr nella algum compsdrj
porque be mais fcil o mai* eguro o trabilho de dous
que o da um so. Mas o momento da colheita iafi||j.
vel dos gregos he a estacio dos banbos. Em todoi
osestibelecimeotoi de baohoi de algum crdito sisq.
cootrio muitos destes cavalheiros de industria, qUs
lavio urna vida regalada, fazendo grandes despatss
aproveitando-ie da franqueza que reina neises aitiot de
recreio, para porem em obra toda ai astucias i0j1(
as delicadesas do jogo.
Nio emprehenderemos seguramente tracar iqui 0
quadro dos mil procedmentos, por meio doi qme,0(
gregos engommiO o pateos ; bailara dizer, que i|.
gum delles realisao em cada temporada de banhoi umi
lomma cooiideravel; que muito* delle* oceupio umi
bo* poticio na sociedade para afastar de si toda a ideia
de suspeita; e que muitas vete* aquella*, a quem des.
pojirio, sio o* mesmo* que os receben) em suas casar
e apresentio nal sociedsdes, onde encontrio novo* m-
tinhos pira depennar. Urna oircumttaflcia, igualoita.
te digna de notarse, he, que de algn* anno* a esta par-
to o numer do* gregos tem-se augmentado consideri.
velmente; e que os seus adeptos nio se reerutio jj
como antigament entre oa jogadores obscuros, pirtoi
ao principio velhaco* depois. Hoja diz-se A bocci
ebeia, que nio ba meio, que nio seja bom para enri-
quecer ; e o que le pitia neste sentido nio be i pro-i I
mais terminante qne poderk apreientir-seiem apoioji |
um* tal assercio ? -
Seguramente terio ouvido lallar nossos leitores dos
biralboi mircados; mai isto be um* das groasen** di
arte, e o* delicados nio ae eompromeltertio a empre-
gar semelbante meio. Um grtgo esperto o a si eio
seu adversario o jogo que quer; e tem outro* mil re-
curios, que emprega nos caso* de apuro, edoiquseis
citsremo* um exemplo. Um grego deve sempre ajuda
e proteceio a outro grtgo; be por isso, que, quando un
delle* joga algum* partida, outro se eelloca como ia
dilerente, ma* a urna diatancia tal, que possa ver as car-
tas do cootraro, ou aposte, ou no. Quatro ledras do
alphabelo, E C M B, forman toda a lingoagem dos jri-
got, lingoagem mjsteriosa, que designa os naipes, E
paos, C copas, M ouros, B espadas. Quindo
um grego nio sabe quecarta ba de jogar, urna phraiein-
significante pronunciada pelo seu acolito Ih'a indica por
meio da primeira lettra de cada palavra.
Fcil be de conbecer o soccorrido, porque em algn*
jogos ha sempre est* especie de lelegrapbo fallante, a
com tudo nio be este mais, que um doa mil recurso* ia-
fames, que empregio os tiei oreos.
(Diario do Govcrno )
COMMEftCIO,
Alfandega.
RENniMEHTO DO DA 10............
DucarregOo hoje 11.
BrigueS.-R.-Campbellbacalbo.
PatachoUalyconcar vio.
Polacafoa-lnlelligencia podra.
BrigueIndiano charutos.
BrigueDainoalbo*.
Polaca Concordiamercadorias.
...3:700j630

**l*ei
d'Aiencon, cjver do me ni o duque. No pono poiaduer
que nio fo**e M. de La Mole,
Era elle, diiso Calhcrina, virio-lbe o capote en-
carnado.
Entio M. de La Mole
Tem.
E o homem que lio bem arnnjou o* meu* dous
guarda* e M. de Maurevel.....
Tinha um capote encarnado ? pergunUu Hen-
rique.
Juitamente, diuc Cario*.
Nada lenho a diicr, replicou o Reames. Mas
pareee-me, m-ite cato, que om vet de me chamaren) a
mim que nio eslava no meu aposento, era M. de La Mo-
le quo U eslava, diseis vos, que devia *er interrogado.
Observare! comludo, oonlinuou Henrique, utnaeouia a
V. mcgestxle:
Qual he?
Se foue eu, que, vendo urna ordein anignada por
el-rei, me houvesio defendido, seria culpado o merece-
ra toda a orle de castigo; ma nio era eu, era um dei-
conbeeido quero en uniera era nada diii* rctpeiio;
quiserSo-o prender injustamente; elle defeudeu-*e, o
nnito bem; eslava no seu direito.
Todava..... murniurou Calherna.
Seohora, disio Henrique, Iratava aordem doprerc
der-meP
Sim, disse Callierina, e foi S. raaaettade meimo
i f ajattiiirniiii
dor, todo devotado a rainha de Navarra, eqoe algum**l*ein, prendessem a quem etive*ie em raen logar?
vate* me Ira* luemigen*, qur de Margarida, a quem hel Nio, reipundeu Cotherina.
recouhooido por have-lo recommendado ao Sr. duquof Poii beta proseguio Henrique, em quanto
nio
provarem que eu conspiro, eqne o homem que eitava
no meu quarto oonipira eommigo, esse homem he in-
nocente.
E vultando-ie para Cario IX, aooretcentoo:
Senhor, eu nio ssio do Louvre. Eituu at promp-
to a recolher-me, por urna imple* palavra da V. roa-
gcilade, priiio d'EsUdo que Ibe approuver indicar-
me. Ma* em quanto nio ha prova do contrario, lenho o
direito da diter, e diroi quo sou fidelinimo aorvidur,
ubdto e irmlo de V. magedade.
Ecom urna dignidade que ninguem tlalli Ibe vira,
Henrique audou Cario e retiru-e.
Bravo, Honriqiinhu dista Carlos- depois quo o
rei de Navarra lahio.
Bravo, porque no* confundi? disse Catlierinn.
E porque nio appUudirei? Quando no* jogatniu
a espada, o elle me loca, nio digo eu bravo! do mesmo
moflo? Minha mai va biu loiri rasiu de deipretar
elo rapaz, oomo o faiei.
MeHIJho, disie Callierina apenando a mo Cr-
loi IX, eu niu o deiprexo, temo-o.
Pois bem | nio tendea rasio, minha mli. Henri-
quiuba he meu amigo, e como elle o disse, ao cunspi-
raste contra mim, deixar-me-bia-enlregue ao jtvali.
Sim, diue Calherna, para vir a ser rei de Franca
i'Aujoii, seu inirnigo peol.
.niii, que importa o motivo pelo qual Hen-
vou a TJa ? u fado be que elle a'a Mi-
de ludo o* diabos, nao quero qM ae Ibe
a M. de L Mul oiitendar-nie-bei com
nen, que o tem a teu servijo.
ir a Ciiherina, qae ae retiran procu-
uai vaga* susneta*. La Mole, per tua
I1MPORTACAO.
B JLEVQN', patacho ingles viudo Je Newpott,
entrado no correte mez,a cootignacio de M.' Calmonl
&. e C. manifestou o seguinte :
192 toneladas de carvio de pedra ; aos consignata-
rios.
CONCORDIA, brigue ordo, vindo de Boston,
antrido no correte mez, aconsignacio de H. FoUst
&C, minifeitou o seguinte :
35.184 pea de taboado, 100 barril breu. SO dito*
cune de vacca em lmoura, 1766 barric** abatida*,
102 ditai com lampos, 16 raixas com 16 duiiaide
cadeira*, 89volumescom 208 duzas, um embrulho
aiendas de algodio, 1 caxa lementei de ilgodio ou
fumo, 2 ditas drogas, 3 ditas 18 relogios de pareife,
2 dilai pndula! para o dito* una arreios peraesrri-
nbos, 116 pide oabos de manilha ; aos onsignata-
rio.
*
pouc* importancia, nio corresponda ga suaa nccfiii-
dade*.
Ao entrar na ana cmara, Callierina aohou abi Mar*
garida. que a esperava.
Ah ah! diaae ella, aoi v, minha fillia; rnandei
chamar-vu hontem a noite.
Sei, senliora; ma eu tinha tbido.
E esta manilla?
Eita nianhia, lenhura, venho ter com V. ratgei-
tade, para diier-lhe que va commelter unu grande i"-
juitica.
E qual he?
Vt quereit mandar prender o conde de L '
Eilgaoi-vo, minha lh, ou nio mando preuacr
ninguem, el rei he quem manda prender e niu eu.
au focamos jugo de palavra*, teiihora, quando**
oiroumalanoia* lio grave. Vio prender a ti. de La Mo-
le, nio he assim ?
He provavel.
Porque o aeoutiodeee aehar eila noita n* cimir
da el-rei de Navarra, e de haver matado doui guarda* r
ferido M. de Manrevet?
He oom effeitn o oriine que Ibe impulo.
Esein rasio Ih'o impulio, senliora, dita* M*rg,rl*
da, M. de L Mole nio esla culpado.
M. de L Mul nio est oulpadu | disse Catherina
faiendo um lobretallu de alegra, o aateveodo que algu-
na* lea drvia (urgir du que M^rajarida ibe ia diter.
Nio, replirou Margarida, nio est culpado, nni o
poda citar, porque nio ae achava na cmara d'el-rei.
B onde ae chava elle a
No meu quarto, senhora.
No voato quarto!
ILEG


lOOfardoi fasenda de algodio, 1 caisa amostres ;
a G. Keowortby & C.
(i fardos fazendas de algodao, 20 caiai com 200
uU,iasdochspeoi de palha; aJaKeller* G.
DARO; brigue eardo, rindo de Genova, entrado
no corrente me, eootigoado Oliveira Irmioi 4 C,
manifeslouoeegunte:
2 pipas e 19 meias dita* vioho, 1.000 pedral de
laianhe, 21 late d'oleo delinbaca, 176 fardos papel
deembrolbo, 25 ditos dito de eserever.'l caita,1 iac-
c0 3 fardo, e 3 barricas drogas, 10 barricas, alpis-
l,' editaslinba{a em grao, 25 barricaa cera amarel-
|,,' 4 uceas piojenta, 1 partida batatal, 1 dita albos-
u rooiiini de sal; aos coniignatarios.
Consulado.
BEHDIMDTTO DO DU 10.
Geral............................. 3:725*243
Provincial.......................... 1:117*999
Diversas provincial.................. 81*465
4:924*707
ra oa homenade lettrai paraoa negociantes, paraos
militares^ e para aquellos que se oceupio com a pol-
tica. Ab I quero nao estimara em certas occaiiOes
poder deeifrar urna escriptura obscura ?!
Esta obra sabr lu por todo o roes prosimo futu-
ro. Aquellas pessoas, que aquierem asignar, diri-
jio-se ruada Crut, loja de livroi, d.58. Preco da
assiguatura 2,500 rs.
O escriptor se compromette a explicar gratuitamente
aosSrs., que aiiigoareni a cryptograpbia revelada, to-
das m diffbaldades, que por ventura posto ah en-
contrar.
Avisos martimos.'
Jos Louranco Muir de Vasooncellos, substituto
de ltiro do collegio dai artes de dinda Tai publico ,
para quem convier que ensina a.materia de sua pro-
fissio em casa de sua residencia na ladeira da S,
para o que. e para o preparatorios, que teobio de
dar n'outras aulas j tem, e continua a admiltir alum-
nos internoi, menores de 16 annos, aoiquaes se com-
promette a prestar zelosa educacSo.
Pede-se ao Sr. doutor Haooel Duarte de Faria ,
que tenha a hondada de declarar a sua morada a fim
dse Ibe entregar urna carta viada da Baha.
Al o vial en tu do Porto.
Atavos entrado/ no cita 10.
Boston ; 30 di ai,- barea americana Carolint, de 192
toneladas, capillo Olivar G. Lae, equipagem 10,
carga farmba, bacslrnio e velas de esperncete; i
Hemy Portier &Coropaobia. Tirou carta para o Rio
de-Janeiro.
Ass ; 13 dial, brigue brasleiro Flix- Unido, de 188
toneladas, capitio Francisco da Silva Malbeus, equi-
pagem 11, carga sal, cera e palha ; a Naicimento
Schaefler & Companbia. Pasasgeiroa, Hanoel Elisia
de Souta, Portuguez; Targioio Jos Cavalcanti, Ni-
colao Pereira de Mello, Lucio Queiroz -Brrelo, Luis
Rogero Barbota, Delfino Prusiianno do Espirito San-
to, Brasihiroi.
Rio-de-Janeiro e Macei, 31 dial, tratando 2 das do
ultimo porto, brigue brasileiio Amorim, de 190 to-
neladas, capillo Guilberme Pinto da Silva, equipa-
gero 12, carg forinba; ao capillo. Conduz um pre
sodejustics, que legue para o Caarl.
/Vamos aludos no meemo dia.
Rio-Grinde-do-Sul ; brigue braaileiro Blor-do-Sul,
capitio Jos Ignacio Piroeota, carga assuoar, algo-
dio, sal e eola. Passageiros, Joaquim Pereira Li-
ma, Portuguez e 8 eseravos a entregar.
Canal; brigue ingles Louise, espillo J. Domaille, car-
ga aasucar.
dem ; barca ingleza Couniesi-of-Minio capitio
GeorgeAnderlon, earga assucar.
Lisboa ; brigue portuguez Carlota a Amelia, capitio
Maooel Joaquim dos Santos, oarga assucar. Passa-
geiros, Diogo Haliday e sua familia, Jos Vieifa de
Carvalbo, Braiileiros ; Duarte Aolonioierra, Por-
tuguez. - Edial.
U doutor Jote Thomaz Nabuco de Araujo Jnior,
/dalgo cavalleiro da caa imperial, eatalleiro da
ordemde' Chrnto, juit d$ diretto do civel desta ei-
dade seu termo, por S. M. I., quem Oto*
guarda, etc.
Fax publico,para conheeim nto dos credores bypotho-
carios e pessoss intercaladas, se os bouverem que a
casa sita na ra da Camboa-do-Carmo na esquina
do becco, que vai para a ra das Flores, foi desippro-
priada i Joii-da Coila Dourado o qual le acha au-
sente em Portugal e que o preco da deiappropriacio
he de 1:900* ri. e eit depositado no deposito gera
desta cidade. E para que ebegue a noticia de todos ,
uandei pastar o presente que vai por mim atiigoado
e sellado com o sello dette meujuito, ou valha lero
sello ex cama.
Recile, 14 de Janeiro de 1846 Eu Jote Juitino
Fernandes Souza, eicrivio o eterevi. Jos Thomax
Nabuco de Araujo Jnior. Ao sollo 100 ri. Va-
lha tem tello ex causa Nabuco de Araujo Jnior.
PUBLICACAO LITTERARIA.
A CBYPTOCitlAPUU REVELADA
ou
arte de tradutir t deeifrar rodas os eortis de eteriptu-
ras obscuras tem conkecimento algum ptelimenar
doscaracteres embregados, quatiquei que sejdo eeset
caracteres.
bous fin tem esta importantiaima obra; ol*. en-
tinar a eicrever de urna roaneira obscura, e tato por
diferentes methodos; o 2. entinar a traduzir e deci-
fiar todas essas escripturas.
A cryplographia revelada he de grande utilidade
pira todaa as petaoai em geral, tnai o he lobre ludo pa-
Vende-ie o pitaeho nacional Lopes, de cooitruo
Co americana, forrado e eneavilhado de coba, de lote
de 127 toneladas, ancorado oo Mosqueiro : quemo
pretender, pdedirigine a bordo, aonde eiiite o in-
ventario do roaaroo, ou ra da Cruz, n. 45, em
eaaa Nasciraento Schaefler C.
Vende-so o patacho nacional Fenus, de lote de
224 tonelada forrado e pregado de cobre prompto a
seguir viagem : a tratar a bordo do roearoo.
-Para,Lisboa partir,dentro ero poucos diaa, o pata-
cho portuguez featautacSo, forrado de cobre; anda
recebe alguma carga a frete. e para paiiageiroa offere-
ce etcellentes coromodos : o pretndanles dirijio-se a
Firmino J. F. da Roa & Irmao, na ra do Vigario,
n. 23, ou na praca ao capitio Alexandre Jos Cor-
rea.
Para a Babia sabe at o dia 13 do corren le a
rouito veleira lumaoa S.-Maria-Boa-Sorte : quem
quizer carregar trate com Novaei & Companbia na
ra do Trapicbe-Novo.
Para o Ro Grande-do-Sul sabiri coro brevids-
de o brigue brasleiro Independente; tem praga para
carga leve, psssageiroi e eseravos a frete : os preten-
deres tratero com Maooel Alves Guerra Jnior, das
10 lioras ero diante, no armazem de oaboi do Sr. Fran
cisco Mamede de Almeida, ou coro o capitio Fructuo
ao Jos Pereira Dutra.
Para o Rio de Janeiro aahir com brevidade o tnui-
lo veleiro e forrado de cobre brigue brateiro Ledo :
queui no meamo quizar carregar, ir de passegem, ou
mandar eteravot a frete, falle coro Gaudioo Agostinbo
de Barros, na ra da Crut, n. t)6.
apara o Rio-Graode-do Sul sahir com brevidade,
e anda recebe carga, passageiros, e escravoi a frete, o
brigue-escuna Helia-Virginia, da coniignacjio de Nas-
oimento Scbaefler 4 C.
Psrs o Ars~3ij ssbe sto dis !5 do correr.te
luroaca S. -Antonio- de Padua por ter a niaior
parte de teu carregamento prompla : quem nella qui-
tar carregar ou ir de panagem dirija-so a ra do
Vigario armaiem n. 3.
Avisos diversos.
Sin*, no meo qtiirtu !
Catherini devia enfurecer-so i vista de tal onnfisilo
de un princesa de Franca, niascoiilentou-se cm eru-
ur mam aubre a cintura, e depuis da um momento de
silencio, dase.:
E.... se prenderen) M. de La Molo, e o interroga*
'....
Elle dir onde ealava, e oom quem ratnvn. minha
ii, rcapundeo Margarida, anda que ealava certa do
contraria.
Poia qne a cuuaa bo saaini, tendea rallo, ruinha -
Hia, ii,n, conten que aeja prcao M. de La M"le.
Margarida e.tremeccu : pareceo-lho que hovia na ma-
"i' purqueaua mai prununcava eaiaa palavraa, um
(nudo iiiyaterui.o elirrivel; na nada tulla a diter,
hrqueae Ihe conceda o que ella viera pedir.
Ma entln, eontmuuu Calherina, ae nio era M. de
"Mle que na va nu alimento de Henrique. era oulro ?
I'rgarida cf lou-so.
~ I'-eunlievvia vaeaio uulru, minha filhaP iniitlio
Ctberiitt.
Nlo, minha ml, rctpondeo Margarida, oom mal
"gura vot.
Ora andai la, nio facaia nieiai confidencial.
~* Repiu-To, aenliora, que nlu o conlieco, reipon-
ceo segunda ves Margarida, iicrdendo mo grado leu a
cor do ruato.
Bern, berd, dine Cathcrina oom ar indifforente.
"etirai-oi traiiouilla. niinh fiJha; voaa n3 el i>m
"i'ialiunra.
Margarida aahio.
Ali I murmuro CallicVina; Henrique e Margarida
e,llu ligadut, eutendeni-ie; com lano que a mullier ie-
J tanda, o-marido be r**o: Ah | seis bem aitniel, i*au*
Na ra Direita, sobrado da um andar n. 56,
preoiii-tedeuma ama deleite que o letilta boto e em
abundancia e lem lillio.
Avrial Irroioi embarcio pin o Rio-de-Janeiro
o leu escravo Antonio, de Angola.
Lotera de S. Pedro Martyr
de Olinda.
Nio teodo lido pouivel eflectuir-se oo dia 30 do
prximo nodo mea o andameato dai rodal desta lotera,
como se havia anunciado, por existir anda por veuder
um cresoido numero de bilhetei, eujo valor tobe a pou-
co maii de melado da lotera, o que ae deve atlribur i
continoacio do patiamento da fetla ; declara o respecti-
vo tbesoureiro, legtimamente, autorisado, que tem
tramferido para o dia 26 do correnle mez o lobredito
andamento, bem convencido que, oo eipaco de tempo a
deeorrer at eate dia, os amadores dette jogo concorre-
riO a prover-ie de bilhetei nos lugares j publicados.
Precia-se alugar dual pretal ou moloques *
que sejSo fiis para venderem na ra psgando-ie a
vendagem do cosame ; na ra do Raogel, a. 43.
= Francisco Jos Duarte embarca os scus dous es-
eravos Andr pardo, e Joio Angola, para o Bio-
Grande-do-Sul e Porto-Alegre.
O Sr. doutor Antonio de Carvalbo Raposo quei-
ra or favor mandar pagar a obra de Voltaire que S
S. cooiprou, ou alies mandar os volumes que levou,
visto que o Sr. Antonio Jos Pinto (livreiro) nao quii
dar cumprimeolo a sua ordem pastada em 1842.
Aluga-se uro solio e tojas de urna casa na rus
Augusta : a tratar na ra do Collegio, n. 8.
Mara Theodora Vianna de Carvalbo profeso-
ra publica da freguezia de S. Fr. Pedro Goncalves
do Reeife, participa ao reapeiletel publico que a la
aula est aberta.
fillina, o vua anppondos iiiuitu fortea; rail nuil turca
eiti na vuaaa iinilo, e eu vuaeamagarei una ap oiilroa.
Alem de que um dia vira em que Manrevel puaia fallar,
uu eaorover; |ironunoiar um norae, ou furtnar mon du-
tu de leltraa; e eniio aaber-ie-ha ludo.
Siro, mai d'aqui !!s, pur-ic-ha o culpado em legu-
ranja. O que lia de melhor, he deiuni-lm deade j.
E em virtude deale raciocinio, Calherina volt" ao
apoaentu de aeu filho, que ella aohou em cuufereucia
cun d'Alencon.
Ali I anl diaa Carina IX, ioi vi, minha raair
Porque nlo dilacalea atada outra ce? aa palavraa
eatavio nu vuaa |irn>amrnto. Carina.
O qoe eali no roeu peuaamentoi a mim pertcnce
enliora, din o ro nene Ion. duro e brutal, que algu-
uiaa vetea elle imnava, at para fallar a Calherina; que
me (|nereia v>? ditei depreita.
bem! va Uulieia raalo, meu filho, dine Calheri-
na i Carloa, o va nio d'Alencon.
__ Em que, acnhnra P pcrguutrlo oa duua principea.
Nio era M. de La Mul quem ealava na cmara du
rei de Navarra.
Oh dirae Franciaco empallideeendo.
E qneiu era cutio ? pergunlou Carloa.
Anda o nluaabemua, porm labe-lo-homos, quan-
do Mnurevel poder fallar. Aaaiiu deixemua de parlo ea-
te negocie, que nlo pode lardar a eaclarecar-staal
lemoa a M. de La Mole.
__ Ma que tendea viSa com M. de La
mai, logo que nio ealava no apuaento do
Nlo, diaae Calherina, elle tilo ealav
do ri, toa ealava no.... da rainha.
No apoaenlu da rainha I disse Cirloi,
gay8llia

  • em um eogenho falle com Gaudino Agostinho de
    * Barroi, ni ra da Crui, n. 66.
    = A seobora Msria Luita de Moura queira mandar
    reeeber urna carta vinda do Ro-Formoso ni roa do
    Crespo loja da viuva Affooto& Companhia, ao pedo
    arco deS. Antonio.
    = Precia-ie de um caixeiro qae nba ler e escre-
    ver para tomar conta de urna psdaria : quem estiver
    nestas circunstancial, falle a Joio Manoel Rodriguei
    Vallenca.
    U'-se dlnheiro a juros tobre relogioi de ouro e
    trancelini, obra moderna ; na ra dai Floral, o. 18,
    caa de relojoriro.
    Urna mulherde bons costumes ae encarrega da
    riaclo de meninos de peto impedidos e desimpedi-
    dos ; tambem recebe meninos para se detmamarem ,
    oo que promette etmerar-se : quem de seu presumo se
    quizer utilisar, dirija-so a ra da Palma, n. 17.
    = Aluga-se urna casa terrea na ra das Cioco-Poo-
    tai, do lado da sombra n. 60 com janellts de vi-
    paca boa sala, doui quartoi coiinba fra quintal
    coro cacimba e port&o: a tratar na ra do Rangel,
    n. 17.
    D-ia diobeiro a juros com peohore do ouro e
    prita meamo em pequeas quantias, erebatem se sol-
    dse ordenados, inenm provnoles, com condicOei ;
    na ra do Rangel, n. 37, ou na ra da Priia, n. 22.
    = Alugio-se os primeiro e segundo andares da casa
    da ra larga do Boiario defronte do Sr Bartholo-
    meo ; a tratar na praca da Independencia ns 6 e 8.
    = Precisa-te alugar um escravo quo seja moco e
    postante pira fabrica de papelio ; as Cioco-Pontai,
    n. 33 Na mosma ha grande porciu de papelio
    prompto, de todas as grosiurat, al para livreiro
    tambem comprio;se aparas de papel de toda a qualida-
    de e relalbos de paoelao, pagando -le bem.
    =A(uga-se um primeiro andar em Fra-de-Portas,
    por cima da segunda venda : a tratar na mesma venda.
    = Antonio Ferreira da Coila Braga fa< sciente aos
    teui devedorei.que Vicente Jote da Coita deixou de
    ter seu oaixeiro deade o dia 7 do correte, e por mo nio
    tem mais ingerencia no negocio da caa do annun-
    cante.
    Engomma-se e lava-so por preco commodo e
    promette-se todoo dosvelfo, por lerem as engomtnadoi
    ra e lavaJeirai propriai: na ra do lotario da Boa-
    Viita n 32.
    = Preciii-se de urna ama de leite que o tcnba
    bastante e bom e que saiba bem tratar de meninos ;
    oa ra dai Crutei, n. 22, legundo andar.
    Francisco de Jess, Portuguesa, retira-se para
    Portugal.
    Maris Rota, subdita portugueza retirase para
    Portugal com 4 filhos de menor idade.
    = Perdeo-se, no dia 9 do correnle urna ordem ,
    de Fra de-Portal al a ponte do Reeife da quanlia de
    100* rs. comoabatimento de 2000 rs., sacada, em
    29 de Janeiro do correte anno de 1846 por o Sr.
    Jos Antonio Muni/. sobre Antonio Francisco Martina
    de Miranda : quem a acbar, far o lavor de a entregar
    Vital Pereira da Silva Belmonte na ra da Concor-
    dia n. 18 que ser recompensado ; poia a dila or-
    dem dio pode servir em razio de ja ettir prevenido
    o dito Minnda, pare nio a pagar tenio ao dito Bel-
    monte.
    D.-se dinheiro a premio sobre penhores de ouro
    e prata, e grandes em pequeas quantias; na ra estrel-
    la do Bozario n. 30, segundo andar.
    O Sr. T. A. C. faca o favor de tirar o brincoi e
    redomii do us antigo que empenbou por 35* rs. ,
    por um mez ditendo que era de um seu amigo que
    Ibe pedio para fazer ene empenbo e bem vio que lo
    dai ai pecaa pesario 25 oitavis de ouro o etse foi ava-
    hado por cinco palaca a oilava, e nlo ebega para o
    pagamento da quanta e juros; por isso avia-lhe, que,
    seno tirar no praio de 8 dial, ser vendido o ouro
    para pagamento da quanta e juros.
    O Naxareno n. 2 esta a venda na praca da Inde-
    pendencia livraria, ni. 6 e8 ; na ra estreila do Ro-
    tariq cata da F ; e na ra da Florentina n. 8, na
    typograpbia Natarena.
    __Aluga-se a casa terrea lita na ra do Colrelo ,
    o. 81, coro duat talas, 2 quartos, cosioba fra, quin-
    tal murado cacimba eom boa agoa, e independenle de
    vitinhos : a tratar na ra estreila do Rozrio n. 30 ,
    legundo aodsr.
    O abaixo atiigoado faz ver aos Sri., que linbo
    penhores oa vende do becco do Serigado, n. 1, que di-
    tos penhores se achio em sua mi, e por isso roga aos
    ditos Sn. de o virem tirar no praso deSdiai, acontar
    da data deste: docontrarh o abaixo auignado passa a
    vendo los para seu pagamento, fican lo os ditos Srs. sem
    direito algum aos meimos. Bernardo Jos da Costa.
    D-se dieheiro a juros sobre penhores de ouro e
    Quem te achar no cato de poder servir de feitor prata, mesma em pequeas quantias: na ra da Flo-
    rentina, n. 3.
    Perdeo-se no dii sabbado, 7 do correte, das 3
    para ai 6 horas da tarde, da igreja da Cooceicio dos
    militares, na ra Nova, at ao porto de embarque da
    ponte da Boa-Villa, urna carteira decapa de marro-
    qu m encarnado, forrada de atul, lendo dentro urna
    cdula de 100* ts. branca, duas de 50* rs., duat do
    10* rs.. e mait urna porcio do 5*. de 2* edel*rs., e
    ama lellra de 348* rs., acceila por Victorino Teiieira
    Leite, com recibo, as costas da mesma, de 200* rs., a
    lavor de Jos Antonio de Magalbioi^Biitos, e um re-
    cibo da subscripta do Mano de Pernambueo ; quem
    achar o qui'er retttun, pule leva-la, na ra das Cru-
    zei de S. Antonio, o. 28, segundo aodar, que ser bem
    recompensado.
    Na ra do Vigario o. 33, primeiro andar, ha para
    vender urna negrada 17 annos; coiiuba o ordinario ,
    engomma calcas e carnizas solfrivelrnenle.
    Anna Mara R> retira-se para a Europa.
    = 0 profestor de grammalica latina do collegio das
    artes morador em Olinda declara ettar aberta a res-
    pectiva matricula.
    = Jos de Almeida Bitancourl retira-so pira Lisboa
    a tratar de sua laude.
    aa Camilla Candida da Coila e iui Giba Hermioa
    vio para o Porto.
    A aula publica de latim do barro da Boa-Vista
    acba-ie em seu exercicio desde o dia 3 do correnle ; as
    pessoas, que qui/eraro matricular leui filhoi, entendi-
    le com o respectivo profesior, oa ra Velba do mel-
    eno bairro, n. 55.
    Chegon o muito superior doce de
    arar goiaba e banana, na ra do Cres-
    po, n. 14 terceiro andar e na ra das
    Cruzes venda de Joao Jacintho.
    Aluga-se o primeiro andar do so-
    brado da ra da Senzalla-Yelha junto
    ao Sr. Lasserre, com commodos para
    grande familia, emuito fresco: a tratar
    na ra do Collegio n. i4, segundo an-
    dar, ou no armazem do Bacellar, no lar-
    go da lfandega, com Jos Marcelljno da
    Hoza.
    Aluga-se o terceiro andar do sobrsdo n. 2 da
    ra do (ueimado esquinado becco do Peixe-Frito :
    a tratar na loja do mesmo sobrado.
    Aluga-se, por etpaco de 5 anaoi, toda a casa da
    ra Direita n. 27 lubjeitando-ie o inquilino a 'a-
    ter alguns concerlos, de que ella neceisila: quem a pre-
    tender dirija-tea ra do Hospicio o. 14.
    __O abaixo aisignado, tendo de retirar-se para f-
    ra da provincia, com sua familia, te Ibe fax preciso
    vender a sua venda n. 58 da ra da Santa-Cruz da
    Boa-Villa a dinheiro ou a pralo ; a qual tem bom
    commodoi para familia : veode maii Ires eicravaa
    boas sem vicios nem achaques sendo urna negra de
    naci, coinheira; urna cabra vendedera de ra e perita
    lavadeira ; urna mulatinba de 13 annoi, recolbida em
    caa : a tratar oa mesma venda.
    Jos Soaret Pinto Correia.
    Compras.
    Compra-te um catal de cachorros de lili; no
    largo do Carmo, venda n. 1.
    __ Comprio-se eteravot de amboi o lexoi, de 12 a
    30 annos; pagio-te bem : na ra Direita, n. 3.
    Compra te um cavallo de estribara, que teja
    bom paitero eeiquipsdor ; quem titer, annuocie.
    Vendas.
    No aposento da rainl.ol murmuro d'AleaCoo,
    (oruandu-fo deacoradouomo uro cadver.
    Nlo, nlo, diaae Carina. uiae me diaie baver en-
    contrado a liteira de Margarida.
    He iaao, diaae Calherina; ella lem urna caaa na ci-
    dade.
    Na ra Cloohe-Pereee! oxelamnn o rei.
    Parece-meque aiin, dine Calherina; ra Cloehe-
    Perce.
    Oh oh aa he de niaia, diaao ri'lencon, cravan-
    do aa unhaa uaa carnea do peo. E recoiiinieiidar-ni'o a
    mim menino I
    __ Ah | agora vejo, diaae o re parando de repente,
    que aeu dunda era elle que di-fendeo eala uinle con-
    tra ni, e mo laucou um jarro de prala cabecil que
    palife I
    Na verdade! que palife repeli Franoiaco.
    . Tendea rail, inem filbin, diaae Calherina, eom
    dar BBuairai do perr.eber o ciiinuenlu quo rana raiiar a
    cada um doi ieui filhoa. Tendea raiio, porque una a
    indiacriclo dene genlilliomein pode cauaar un escnda-
    lo borrivel; perder una pruieeia do Franca! Pora uto
    baila nal momento de embriagos.
    Ou de vaidade, diaae Franaiioo.
    Sem duvida, loro duvida, diaie Carloa; maa na
    nlo podemos todava levar a oaua a juit, aem que Hen-
    riqiuiihu cnnaiola em figurar de queixoao.
    Meu filho, dine Calherina pondo nulo tobre o
    hombro do Caaloe, e carregando do uianoira aaaat aigni-
    ficaliva para olumar toda a atlenclo d rei para o que
    ella ia propor, eicatai bem o quo voa digo: Ha criin--, e
    pode haver eacandalo. Mai ni hecomjuici e verdu-
    go! que te pnne etla lorie de delicio! contra a roageala-
    He real; aefaaaeia aiuiulee geutia-hoiuene, nada teria a
    = Vende-ie a caa do becco da Bomba o. 4: a
    tratar na ra do Collegio, botica do Cypriaono.
    = Vendero-ie 12 camisas de madepollo, por 16*800
    rs, ; na ra Nova, n. 21, terceiro andar.
    adverlir-voa, porque loii bravna amboi; mal vl loia
    principea, ni podis crinar i vena capada com a de
    um fidalgule. Penaai, poii, em voa vingardea como prin-
    cipea.
    __ Mor te de todoi ui diibm dine Carloa, tondea ra-
    alo, minha mli, e vn pensar no coa.
    Ku vui iijndarei, meu irmio, exclamou Franciaao.
    E eu retiro-me, diaie Calherina, tirando o cinto
    de icda preta, que Ihe data Ire voltea em redor di cor-
    p, e cujaa poulai teJBinada pnr trauj.u d'uuro Ihe ca-
    hiio at ui juelboi, nrfl deiio-vos iilo para me repre-
    sentar.
    Ah! ah I diaae Carloa, enlendo.
    Eate cinto.... diaie d'Alencoit apanhando-o.
    He a puniclo e oaileneio, diaie Calherina vctorio-
    amente; todava, accreioenluu ella, nlo haveria mal
    nenbiim em envolver Henrique oalo tudo.
    E aahio.
    fardieu, diaie d'Aiencon, nada maii t'aoil, e quan-
    do Henrique aouber quo aua mullier o ntraicoa... Aiaim,
    aj untciii elle vollando-ie para o rei, adoptaia o pareoer
    de minha mli?
    Em ludo e por Indo, diaae Carina, aem pensar que
    eravava o inaia agudo punhal n coraclo d'Alcii(ii.
    Depnia ehamou um uflieial dai suaa guardas, a ordeoou-
    Ihe que fone chimar Henrique; mudando, poreiu, lgo
    de pareeer :
    N d'Alengon, previne d'Anjou eGuiao.
    E aahiudn do aposento, tomou a pequea cacada, puf
    onde ae tubia pan o segundo andar e le ii dar a porta da
    cantara de Henrique.
    [Cnt.nuar-*e-k).
    5IVEL


    1
    = Vende-se urna prota, de 17 annoi, boa para
    vonder na ra por a sto estar aeostumada ; urna ca-
    noa aberta que carrega 600 a 700 lijlos do acena-
    ria : na ra da Praia de S. Rita n. 25.
    == Vende-so urna etcrava crioula de 22 annoi,
    cozinha bem o diario de urna casa, engomma liso, nio
    logo e ho muito fiel, d-se at a contento ; um pre-
    to j& de idado : na ra Nota n. 39, segando andar,
    du manhla al as 9 horas, o das duas as I da tarde.
    = Vendem-se cortes de cambrtia escoce de to-
    dis as cores, padroes muito moderno!, pelo barato
    preco de 2000 rs. ; dita em varas, a 400 rs.: panno
    chinea de quadros para vestidos e aquetas, a 2)0
    rs.ocovado; madapoldes entestados, finos, a 5800
    is. ; peras de bretaoha de rolo com 10 raras a 1t
    rs.; cassa-chitss, muito finas, de listras echadrezes, a
    240, 280 e 320 rs. o covado; merino fino de duas lar-
    guras pelo barato preco do 1280 rs. o covado ; chi-
    tas finas para coberta, a 240 rs. o covado ; cortes de
    chitas enviazadas, muito lindos padrSes, a 4200 ri.
    ditos, a 3500 rs. ; brim troncado branco muito en-
    corpado a 560 rs. a vara ; e cutras muitas faiendas
    por barato prego m na ra do Crespo n. 14 loja de
    Jos Francisco Dias.
    Yende-se urna escrava
    crioula, de
    ligara a mais lin dia sem vicios, nem achaques ; a qnal
    lava de varrella e sabao, engomma liso,
    cose, faz renda e cozinha o diario de
    urna casa : na ra de Santa Rita, n. 85.
    = Vende-se superior farinha de S. Gatbarina ; a
    bordo do brigue Vero tundeado defroote das eeea-
    dinhas.
    = Vende se farinha de mandioca de superior qua-
    liJado em saccas, ou alqueires, por menos preco do
    que emoutra qualquer parte ; assim como gamelas de
    dilTerentes tamanbos: no arco de S. Antonio, n. 2,
    loja de Mii noel Jos Goocalves Braga & Companhia.
    Vendein-se as melhores sarjas lar-
    gas e hespanholas, por preco cominodo )
    na pracinlia do Livramento, hoje ra do
    Queimado, n. l\6.
    =Vendom-sesaccas com fardos vindosde Lisboa,
    ao mdico preco de 2500 rs. a saoca ; no armaiem do
    Biaguei, ao pedo arco da Conceigao.
    Vendem-se duas moradas de casas, na ra da
    Guia sendo urna de sobrado osotio com seu quin-
    tal ecbcimba chSos proprios n. 9, e a outra terrea,
    com lotao e lundos at a ra de Apollo n. 2 ; na ra
    da Moeda, n. 7, a tratar com Leopoldo Jos da Costa
    Araujo.
    Potassa americana
    de muito superior qualidade vende-se a 250 rs. a
    libra ; n'o armazem do liraguez, ao p do arco da Con
    ceicio.
    -^ Vende-se potassa americana, ltimamente che-
    Rada em barris grandes'e pequeos; lencos pretos,
    de suda da india ; setim preto de Macao ; velas de ei-
    permacete de-4, 5 e6 em libra ; eera amarellu ; al-
    godo grosso para saceos; tudo por prego commodo :
    cm casa de Matbeus Austins & Companhia na ra di
    Alfandega-Velha n. 36.
    = Vendem-se mendas de ferro para engenbosde
    assucar, para vapor agoa e bestas de diversos tama-
    nbos por preco commodo ; e igualmente taixas de
    ferro coado e batido-, de todos os tamanbos : na pra-
    ca do Corpo Santo n. 11, em casa de Me. Calmont &
    Companhia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
    =Vende-se um piano de Hamburgo de ptimas
    vozes, cdo melbor autor; carneiras de lustro, por
    preco commodo : na ra da Cadeia-Velha n. 16,
    primeiro andar.
    = \cndem-se dous traneelins, cordei, botCes,
    um aonel de brilbante um pardo brincos de diaman-
    tos, tudo por preco commodo ; na ra das Flores, ca-
    sa derelojoeiro, n. 18.
    = Vendem-so borzeguins gaspeados para homem ,
    ns. 35 e 37 a 5 rs. o par ; ditos de meia gaspea ,
    ns. 37, 38 o 43, a 4500 rs. ; ditos de poota de lustro,
    ns. 38, 39 e 40, a 3500 rs. ; bolins de Lisboa, a 2560
    rs. ; sapatos de marroquim francezes para senhora a
    1200 rs. ; sapatos iuglezes dos novos recente ment
    chegados c outras muitas qualidades, por preco^mui-
    to commodo : na ra da Cadeia do ilecife n. 3o.
    Vendem-se dous moleques, um de naci Ango-
    la de idade de 15 annos e o outro crioulo de ida-
    de de 10 annos; na ra Imperial, n. 50, das 6 as 8
    horas da manbSa.
    MUITO BARATO.
    = Vende-se um pequeo sitio a margem do Capi-
    baribe com casa de vivenda coqueiros, e trra pa-
    ra plantar alguma cousa agoa de beber, muito fres
    coe alegro, com estrada pela Passagem, e pelos Afo-
    gados; as mais proporedesse dird ao comprador i na
    ra de Agoas-Verdes, n. 21.
    =a Vendem.-se 4escravos mogos, boni para o trn-
    balho do campoe da praca ; um dito ofliciil de carpi-
    ra ; dous mulatiohos de 10 a i 2 annos; um rooteque
    pega, de 18 annos official de allaite e bom pagem ;
    um preto de meia idade por 1004 rs., bom para tra-
    balhar em um sitio ; 4cscravas, urna engomma e co-
    zinha bem ; duas ditas quiiaodeas ; ama mulatioha,
    de 14 annos com boas principios de habilidades : na
    ra do Crespo, o. 10, primeiro andar.
    = Vendem-se lindos cortes de eeasa-ehitis muito
    modernas, a 4000 e 4500 rs.; ditos da tarlatana de
    gosto muito moderno a 4000 rs.; ditos de cambraia
    de Mitras de cOres pelo barato preco de 3600, 4000 e
    5000 rs.; meisi casimira muii encerpsd;s psr cai-
    gas pelo diminuto prego de 640 rs. o covado casi-
    netas para collete a 720 rs. O covado ; chales de lia
    e seda muito finoi a imitacio de leda a 7000 rs. ;
    merino preto fino, de duas larguras pelo diminuto
    prego de 1280 rs. o covado; bicos de fil de linho mul-
    te fiaos e de bonitos gostos pelo barato prego de 200
    a 320 rs. a vara ; cintas escuras finas a 200 e 220
    rs. o covado riscados muito modernos para vestidos,
    a 200 rs. o covado; e outras mu i tas faiendes por me-
    Crespo, n. 8, loja de Campos & Mais.
    Gaspar da Silva Fres vende o seu eicfavo pardo
    de nome Ignacio mestre sapateiro muito bom pa-
    gem e fiel a toda prova ; o motivo di| venda be o mes.
    mo nio querer atomptnhar seu seohor para o Por to-
    Alegre; assim como urna preta quitandeira muito
    fiel quetambom nao quer ir, por ter uma|filba em
    casa do Sr. Manoel Lucas; vende mais urna cama rica
    com cupola e encbergSes um tojeador de jacarando ,
    com meia commoda e repartimento para os enfeites de
    urna senhora urna commoda de jaearand com co-
    lumnas um guarda-vestido*, de mogno, um guar-
    da-livros, umgusrda-louga, de mogno: na ra das
    Trincbeiras, n. 18,
    = Vende-se urna casa terrea com 30 palmos de lar-
    gura e muito fundo sita na ra Augusta por 700s
    rs.; no pateo do Csrmo venda n. 1.
    = Vende-se urna casa terrea, lita na travesa do
    Lobato por 1:000j rs.; no pateo do Carura venda
    n. 1.
    Vende-ie ama moeda 4 6400 rs. guarnecida de
    ouro tem 'sitio ; um par de brincos ; umi moda-
    Iha ; um cordio ; no largo do Carmo Venda n. 1.
    = Vende-se asi estrangeiro a bordo : a tratar com
    Loopoldo Jos da Costa Araujo na ra da Moeda
    o. 7.
    = Vende-se um carrinho de duai roda, pintado
    de novo, com o competente cavillo ou sem elle; para
    ver na coeheira do Miguel, e tratar no largo do Col-
    legio, n. 6.
    =Vende-iea venda da ra di S. Cruz, n. 5, a di-
    nbeiro ou a praio, com os fondos a vontade do com-
    prador : a tratar na mesma venda ou na meima ra,
    n. 3.
    = Vendem-se, na livraria da raa da Cruz n. 56,
    bairro do Recife o leguintes livroi com pequeo
    uso : Flos Sanctorum per Sarment, 2 v., em folio
    Biblia Sagrada traduzida pelo padre Antonio Perei-
    ra 7 v., em folio ; SermSes por Pontea 5 v. ; An-
    noPanegrico, 2 v. ; assim como um grande sortimen-
    to de msicas modernas pira piano.
    s Vendem-se dous ptimos pianos ingleses, de
    muito boas vozese construegio, por prego commodo;
    na roa do Crespo loja n. 4.
    = Vende-ie por prego commodo urna marqueza
    de coodur ama commoda e duas banquinbas de ja-
    caranda um bahu' grande com o competentes ps;
    tudo em muito bom uso : na ra do Sebo n. 6.
    = Vende-se i melbor propriedade, que se pude
    encontrar no centro desta capital e que offerece toda
    vantagem cora dual caiai tarreas na frente da ra
    da Florentina e fundos para a nova ra do Sol, con-
    tendo grande extensiode terreno plantado de fruteiras,
    ama grande fabrioa de pedrae cal applicavel a toda e
    qualquer sortede negocio, por ter ptimo porto de
    mar, e terreno para se poder edificar 3 grandes pro-
    piedades de casas de 30 palmos cada urna; a vista do
    merecimooto da mesma se poder tratar do ajuste: na
    ra da Florentina n. 16.
    = Vende-se urna porfi de vasos de barro para flo-
    res, por mais commodo preco.que nos armazena de lou-
    ga, quecomprio para vender, e alguidares de dif-
    ferentea tamanbos; na ra da Florentina, n. 16.
    => Vendem-se 4 escravas, sendo duas crioulas, de
    13 a 15 annos, de bonitas figuras e duas de necio ,
    de 20 a 24 annos, com varias habilidades ; deas
    uiulatmbos, de 12 a 13 annos proprios psra oflcio ;
    um dito de 17 annoi, ptimo para pagem ; um dito de
    22 annoi, muito robuito para o servigo de campo ;
    um moleque crioulo de 14 annos; um escravo de na-
    glo de 40 annos, ptimo padeiro : na ra dasCru-
    zes n. 22, segundo andar.
    = Vende-se urna preta d 20 annos de idade com
    una cria de um anno e meio ; a preta engomma, cote,
    lava e cozinba o diario de urna cesa: na roa da Cadeia
    do Recife o. 59, segando andar.
    . Vende-se m capote de panno cor
    de rap com gola de velludo bem fei-
    to e quaii novo tendo servido somonte durante a
    viagem da senhora, que o trouie da Europa; no pateo
    do Collegio primeiro andar, junto da casa amuralla.
    Vende-se muito superior potassa
    da Russia, em barris pequeos, pelo m-
    dico preco de il\o ris a libra : na ra do
    Trapiche, armazem de Jos Teixeira
    Basto.
    =Vendem-se 3 varas de bico largo, de recorte e ra-
    magem, de muito bom gosto para camisa de senhora
    ou roquete de padre ; na ra da Palma n. 17.
    =Vende-se por prego commodo urna pequea
    porgio de latas de marineleda ; na ra Direita refi-
    nago n. 10.
    Vendem-se ladriibos de marmore ; ni ra da
    Cruz n. 9, casa de Oliveira Iranios & Companhia.
    =Vende-so massa pbosphorica, a 1000 rs. a onga, e
    a quem comprar de 5 libras para cima, ss ensinar a facer
    mechas de tirar fogo oraiii; na ra doi Quarteis
    n. 11.
    =Na fabrica doi engenheiroi e machinitat M." Cal-
    lum & Companhia roa do Brum, ns. 6 e 8 vendem-
    se moeodss decanna, dediverioi tamanbos, para agoa,
    eu aoimaes ; e tambem se concerlao por prego com-
    modo. Na dita fabrica igualmente se recbela encom-
    mendas para mandar vir toda a especie de machioai di
    melhor e mais moderna cnnitruecio.
    Vende-se um pardo pedreiro ; um dito para pa-
    gem de bonita figura iem vicio algum, o que se
    garante ao comprador ; urna parda com um ilho ou
    sem elle moga e de boa figura ; um preto crioulo ,
    le bonita figura, sem vicios : na rus da Cadeia de
    S. Antonio, n. 19 deposito de farinha.
    Continulo-se a vender chapeos finos de castor ,
    a retalho ; na roa do Trapiche-Novo, n. 6, easa de
    Joao Stewart.
    = Vende-ie milho velbo a 2500 n. o alqueire ;
    dtc DOT a 4| rs. j iiccn com larinba de Mag a
    5/ri: na ra da Cadeia de S. Antonio deposito de
    feriaba n. 19.
    = Vende-se arroz de cisca em saccas : oa ra da
    Seozalla-\ elba armssem o. 144.
    sss Vendem-se 3 pardal, de 16 a 20 annos cosa
    habilidades ; 2 moleques de 14 annos ; dun pretal
    mogaa coro habilidades e de bonitas figuras ; 2 pretos
    de meia idade por prego commodo : airas da matriz
    de S. Antonio n. 16 primeiro andir.
    = Vende-se plvora muito superior, ebegada pelo
    ultimo navio de Londie, trs bsu, .csfccc.'ds qss-
    (idadei F, FT, FFF; em caa de Frederico Robilliard,
    raa do Trapiche-Novo o. 16, primeiro andar.
    S= Vende-se urna parda vistosa e sadia engomma
    em, cozinba o diario de urna casa, case mu bem
    coiturs chis, entibos e corta vestidos de senhora ; na
    roa da Cadeia do Recife loja dejlo da Cunha Ma-
    galhies.
    Na loja da esquina do Rozario, que
    vira' para a ra do Calinga vendem-se
    as bem conhecidas e bem feitas caixas de
    tartaruga para rap, vindas do Aracaty
    prximamente.
    1)10301 0jdcU3l BJ38 '013
    n| ep osSsjojjo lajopsjdinoa so enb ogsiimmoa janb
    -|snb enb a soquijejiq soiaid jod lopjpaei oidmss
    oeas 'ogaopusm oeu as aob loijam soi|no e ioSijib
    lopiuopaaui so snb 'O3i|qod laas-jadiai oa os-ojiaapv
    il|9JBins- o stauajq sspaai e stq|in8idt9 '. iun9is|
    siaajoMip meo io||9jttni o sooauq sos|tj tso|s9
    ! szoj ap'jod a o||ajuis oiip orante e oz?it' oausjq
    9iot|os ropipjoq e soii| staoiqoq a oqO|| ap o|ij
    ! iun9jt| te ispo) ep soaiq ep oiuainiijoi moq t tjoqa
    -o e memoq sjd ios ap losdsqo ssioo isjiaoq ap sop
    -BduiBjso soiip bIjbs ap a saidBjj ap oj9 ap 'anjes ap
    'sjeid spes ep so5no| iismy su lopioa)' Sopa5aU)aa
    inio sauq itojapom 'szbjubjj ssiimilisstoq Jsop
    -i|ios maq soog soooad mjoo ap lipes a sviss ejei
    -|oa bjbJ oaoanj ep mijai isaioo-aiinj a misamiia soi
    -noj soDuuq 'tanza 'tapias lanajn .' nraaoasa so)tp
    ' ujisaiujia 'sepjaA sejg-siinj au| 't3|dij ap ioj
    pat ep sa|qa ioojj i spu;io a sazeaoosa saoipad
    woi 'sjoqoaitjsd m|issapss)suiapo)aam!iJOs mnsq
    ' iipuozc/ ssiipajqos ssp ms|V 'aunei a -sj sojaeaoi
    -o a ||in snop a o5iui|i op o)suuoj o moo poi||oq
    ioki pa;9ug |adsd moq '. opssoa o *u atoado a so)
    -uso ojjsnb a 'ioio sojjno a soqaujsa jsjjoj saiJ)
    Jijqoa sjtd loudojd taio) sataajeujp moo otpo9|
    o bb| sp loassmsp i sioijsd sui b apspi|inb spun9si
    ap so)!p iBDBjid aaou a apai opu9uy su a ogp
    -o9|B a sopazjtam ueAimud ap io}ip isaaiad iaj| s
    f//g ap soiip -u] \\w inop a t/ ap so)p t saasiad
    esou a 'oqaimai ap f-/g moa s|| ap iasqa nd o mai
    -ou ezop a meuoq uld siudojd spoosg p og ap
    SBo'usjq ltin| jsd spsa tuainu eiop a uoquai jad
    siudojd sa||a moo a lopap mas iajd apai sp mn|
    usa s ptima i epip||inb isiuuosep apipas joj
    moa sajuejtdiaaj ssi| isjsjqmaa i opssoe o toa)
    -ad a obuii| sp eojd a sepadmsim segjpsd ioii.no a
    iej|i| 'lopnin loquimaj ib9ji| 'issaoosjj iijiqo op
    -sao o luaioM azop a soaoo saoipid ibji>;i a tojp
    -snb uioo 'zaipsqa ep sataaasjj sopsosjj ops&oa o suoi
    -ni oaou e sssy sajoa moa oqa| a oe,po9| isopio
    -a| 'sjo9ji| sp souj|d f moa soquipmw soqopioiu
    !mn apea suaiuu azop a 'spas ji9q) a tixg sajoa sajp
    -tqj ap io5aa| mapuet es tuaqma] : sopia9jtep osisqa
    o|i eob io9i)ie iiiui so sopoj mista maq a i etaiaiaa
    eiasqiemes ep opajap man eusaa mea) oso ispqo
    ispaooiaaam sa enb'ai-siaaassea ajmooooeo;3f)*jd
    enb sifpmsj ssp osn o Riad siaispaammosai ojinu ofs
    omi jod9'ti)U|i sa)ua||aaxa'soqaemp sieisptjSs 'lonusd
    tuoq mea) sstiqs tsiipejqose : opsaoo spsa estjsd sigu
    ap oiaid opuopoui oa OBVIO 00 01H3aOH 30
    SV.I.III3 es-mapaea oaoiuy ep ois o lid ejnajj
    mu oi9apo3 op sni ep tuinbsa ap alo| asj =
    Vendem-se duas escravsi de 18 a 20 annos ,
    recolhidaa eom todas ai habilidades; duas mulsti-
    nhss de 14 s 17 snnos de bonitas figuras com ha
    bilidades ; um moleque, do 14 snnos; um preto, de
    35annos, por300/rs. bom trabalhadorde enxada ,
    por ter tido muta pratiea ; duas pardas de 20 an-
    enos; urna preta da Cosita boa quitandeira: atrs
    da matriz de S. Antonio, f 16, primeiro andar.
    b Vende-se a melhor venda da ra de Agoai-Ver-
    de n. 15, com commodos para familia : a tratar as
    Cinco-Poetes, defronte do Terco, o. 4.
    = Vende-se um preto de meia idade bom traba-
    lhador de enxada libe tratar de gado a tirar leite; oa
    ra do Rosario da Boa-Viita, n. 32.
    MAMES
    as mais superiores em quali-
    dade c tamaiiho, que tcciii ap-
    parecido no mercado, e por
    preeo commodo; ao p do
    arco da Conceicao, no Recife.
    Vende-se um violao de muito boas
    vozes, e urna chapeleira ingleza de couro,
    e muito bem feita ; tudo por barato preco:
    a fallar com o Sr. Tbomaz Dias Sonto,
    ra da Cruz do Recife, n. 6a.
    Vendem-se garrafas grandes, com
    agoa de Cologne, chegada ltimamente
    de Franca, e pelo moderado preco de
    a4oo rs. cada garrafa : na ra do Cies-
    po, loja nova n. I, de Jos Joaqun)
    da Silva Maia.
    Vende-se um bonito mulatinho,
    com idade de \t\ annos, sem achaque ne-
    nbum, muito proprio para pagem, ou pan
    acabar de aprender o olTicio de sapatei-
    ro, e um moleque com a mesma idade,
    por mdico preco : a tratar na loja da
    Sra. Vitiva Cunha Guiraares.
    Vendem-se mascaras finas para
    baile: na ra Nova, n. 6.
    Na ra do Crespo, loja nova n. i a,
    de JosJc-aquis? rl* Silva Maia, vendem-
    se as admiraveis e bem acreditadas nava-
    Ibas de 390 da China: estasjnavalhas teem
    a vantagem de cortar o cabello sem oft'en-
    sa da pello, deixando a cara parecendo
    estar na sua mocidade. Este co vem ex-
    clusivamente da China, e s nelle traba-
    i^Hpous dos melhores, e mais abalisados
    nij Itiros da nunca-excedida, e rica ci-
    dal Ltekim, capital do imperio Chim.
    ATJCTOB SHORE.
    N. B. fie recommendado o uso desla|pxR>
    navalhas maravilhosas, por todas as socie.
    dades das sciencias medico-cirurgi'cas
    tanto da Europa como d'America, Asia e
    frica, nao s para prevenir as molestias
    da cutis, mas tambem como um meto cos-
    mtico.
    = Vende-se muito bom firelo de Liiboa a 1280
    rs. a arroba ; no caes da Alindega, armazem da
    Francisco Din Ferreira na esquina que vai para al-
    ai fandega.
    Escravos Fgidos.
    Fugio no dia 20 de fevareire de 1835 um et-
    erno de nome Antonio de naci Mocambique, bii-
    10, grouo, ejeon) a marca C na fonte cor fula (
    olhot grandes, esra bem bechigosa dous dantas da
    cima podres e os mais limados, nariz chato mal (ei-
    to de ps e pernss cadeiras grandes de idade de 30
    a 40 annos, pouca barba atrapalhado na falla ha
    eanoeiro : -quem o pegar, leve a N, S. do Terco 10.
    brado n. 1C, que ser reeompenssdo.
    Ausanton-se de easa de sea senhor o escravo To.
    mas de nacJoCabinda alto, magro, pernas fiois
    ps pequenoi; da testa atea pona do nariz tem calo-
    aos proprios de sus meo e be bem eonhecido nu-
    la praca : quem o pegar, leve a Luiz Gomes Ferreira,
    no Uoodego que recompensar.
    Fugio, no dia 2 do correte ama preta de Bo-
    rne Benedicta de naci Angola alta bastante tjU.
    to msgra ; levou vellido de cbila azul: esta eserivi
    nunea andou na ra ; roga-se a pesaos, que a reeolbto
    em iui casa a queira mandar entregar a leu teaaor,
    Joio JosideCsrvalho Moraes na roa da Cadeia do
    Recife e oa falte, o aaeitno passari a proceder qae 1
    lei Iheeoneede,
    lOOaOOO rs,
    Fugio, no dia 20 de outubro do inno prolimo pli-
    sado do aogeobo Boa-Vista, comarca de S, Ailo,
    um pardo de nome Antonio eom o tigeaei seguiolti:
    estalara regolar alvo e corado barba preta e ponto
    fechada cabellos dos bracos e pernas reivos, denles
    limados, rosto redondo e um tanto descarnado, falla al-
    guma cousa gago ; todo seu esereiaio be tratar-de ga-
    do a entonele tambem do ofiicio de sapateiro; sup-
    pe-ia ter libido encourado e montado em um ca-
    vado alazio, pequeo e capado: roga-se a qualquer pat-
    eos que o pegar, de levar ao dito engeabo a estregar
    a seu senbor Joaquim Jos de Miranda, ou netts prati,
    oa Camboa-do-Carmo o. 19 que receber 100j 11.
    Se Antonio Luis do Amaral e Silva.
    Na manhia de 28 de dezembro de 1845, fugio di
    villa do Principe, no Serid un escravo crioulo,
    bem preto de nome Francitco de 45 annos de idi-
    de bom cozinheiro eitatura ordinaria pouca bar-
    ba obaio 3o corpo forrla tabaquista ; tem umi
    orelha furada em que melle urna argolioba por chi-
    banca ; be bem eonhecido por toda a parte, porque 14
    annoi acompiohou o finado sonador Francisco da Bn-
    to Guerra as suas rigaos de viiita e da curte : quem
    o pegar, leve ao dito lugar, a entregar so vigario Ma
    noel Jos Fernandos, qae gratificar generoiamenle.
    D-te lOOfOOO rs da gratificacio. ,
    Fugio, ha 4 annoi, do engenho lioncadorzinho,
    da freguezia de Una o paido Mendonca appellidi-
    ao Cabucho de idade de 29 annos estatura regular,
    bailante corpoiento cabellos pegados; he um pouco
    gago; tem os beifoi grossos denles limados, pernal
    meias grossss; he bastante rhetorico ; preiome-se ter-
    se relugiado em algum dos engenhos do Norte : quesi
    o pegar leve ao dito engenbo ou a Joaquim Feliz
    Machado, na ra do Collegio n. 23.
    Fugio no dia 28de Janeiro do correte anno'
    um preto crioulo de nome Joaquim de 20 annoi, es-
    tatura regular, um tanto ebeio do corpo, cor bem pre-
    ta, denles alvos, sem barba, nariz chato; tem uma pe-1
    quena cicatriz sobre os paitos, causada de uma sntig
    queimadura, pernas alguma cousa arqueadas, e o andar
    gingindo ; tem tido oceupsdo em servigo de padsris, a
    vender po em Olinda : quem o pegar, leve a rus di |
    Moeda n. 15 que ser rocompeoiado genetou-1
    mente.
    Fugio, na madrugada do dia 7 do corrente, ii I
    cidade da Olinda, uma parda de oome Cosma part-
    eando branca por ier bailarle clara cabellos corta-
    do o corridos estatura mediana, nio mal parecid,
    oihos pretos e grandes aobrsmeihai groaiat, falta de dentei na trente peitos grandes pt e mioi
    regulares ; em um doi pi tem uma pequea Tend eo-
    tre 01 dedos que nio a deizsva andar bem ; o dedo
    do meio da mo direita, na ultima junta, be defeiluoio
    de uma panaricio; reprsenla 20 a 22 annoi de idade;le- j
    vou alm da roupa do corpo, uma tronza com un re-
    tido de chita novo e algumn camiai, lendo 3 da mi-
    dapolio fino anda em folba e 4uf rt. em cdula:
    quem a pegar, leve a lobredita cidade da Olindi. >' I
    ra do Paaso-Caatelheno casa contigua ao theatro,
    oa 00 Recife na fu da Aurora o. 12, que uri ge'|
    neroiamente recompensado.
    Roga-se as autoridades policisi|
    capites de campo, e pessoas particu!<*rtf<
    que a'pprehendo por onde fdr visto, o pre*|
    to Jos, nacao Lassange, o qual julg~se
    que ra para Fo-d'Albo, por ter la a
    filho ; tem 5o a 60 annos de idade ; ba'x0>
    groso dos corpo, pernas lachadas, bastan-
    te potroso, e padece de frialdade, e Porj
    esta molestia canea continuadamente;le"
    ula de|
    sj ati I
    eaic
    vou chapeo preto, camisa e cero
    aigodaozinho. Adverte-se, que
    cravo j fez outra fgida em i3 de ouU'-
    bro de i843, e foi preso em Paratibe.e
    desappareceo do filio do Monteiro, na tai*
    de de 5 do corrente : quem o pegar leve"
    ap Aterro-da-Boa-vista, n. 37, no ter-
    ceiro andar, que ser gratificado, ou no
    Monteiro, sitio que foi do finado Dorfl1"
    gos Rodrigues do Passo.
    ; KA TTP- DE M. F DE KAHIA-