Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08734

Full Text
Ann0
Quarta feira 4
O "11
o tore
rahe
Jos
publicare todo os dias que
L'ini U: o pre?o da assigna-
J)0 rs. por quarlcl paooiadion-
,. annuuclos dos signantes sao in-
lJOL.a raiSo de 20 rli por linba.40t.
''"^oditierente, c repeces pela me-
"i O aur "'" forfil" a'*0""1" PW
jr!por Unha, e 160 em trpo differente,
ESDALO MEZ DE FEVEREIRO.
,-,. a 3 as 2 bor. e 51 mln. da man.
rP 'h^i a 11 as 6 hor. e 51 mlh da man.
!i" ,'., tV a 10 as2 hor. e 23 min.-da man.
r"1 ya 25 *' 5 hor- e "
PARTIDAS DOS CORREAOS.
Goianna, e PaH-ahyba, S?gd." e Sextas feiras'
Rio Grande do *orte, chegaas quarlas
feiras ao nielo da, eparte as mesmas ho-
ras as quintas feiras.
Cabo, Serinliaeni, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1., II e 21 de cada nw,
Garanhuns e Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 e 28.
Victoria as quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 11 he 42 minutos da mandila.
Segunda as 12 h. e 6 minutos da tarde.
de Fevereiro.
Anno XXIIN. 97.
DIAS DA SEMANA.
2 Segunda ><>f< PuriQcaeao de >"ossa Se-
nhor.i. S. Kloseulo.
'! Tena S. Tlgidcs, aud. do J. do clv. da
1. v., e do i. de pai do i. dist. de t.
4 Quarta S. Aventlno, aud. do J. do clv. da
v., e do J. de paz do 2. dist. de t.
5 Quinta S. Albino, aud. do J. de orf., e
i'lii i. M. da 1. v.
6 Sexta S. Amando, aud. do J. do clv. da 1.
v., e do J. de paz do 1. dist. de t.
7 Sibbado S. Romualdo, aud. do i. do clv.
da I v., c do J. de paz do 1. dist. de t.
8 Domingo S. Corinthia.
COimOS NO DFA 3 DE FF.VF.RE1RO.
Caiub. sobre Londres. 2 d. p. 1 ^ a 60 d. #
o Paris 350 ris por franco,
i) Lisboa 105 pe. pr. p. in.
Dc.sc. de li-t. de boas Brutal 1 'A P '/ '""'
Owro-Oncas despalilllas 3Q/M0 a 31*000
- Moeda deflOft vel. ltiiW a I6VR00
de($f400.iov. Ki/200 a 16*400
de 4*000 8*600 a 8#S00
Pnla-Palacrs .... 1000 a 1/!).'W
.. Pesos Coluiiinares I#920 a \/fm\
. Ditos Mexicanos. 1840 a lfWO
Pr.ua Miuda 1*500 a l*t>20
Accoes da C do Beberibe de 50*000ao par.
DIARIO DE PERRTAMBUCO
PARTE OFF.CMl.
Governo da provincia.
EXPEDIENTE DO DI* 29 DO PAISDO.
(inicio Ao commandmle dai irreal, recommendan-
Ido. faca avisar os vogies militares da junta de justici,
pira se rouninm etn sesslo do da 5 de fevereiro (cor-
,nle) Officieu-se i reipeito ao vogae logados da
junla de jualica
DitoAo director do arsenal de guerra, autonsando-
|oi trocar por outros mediante urna folla razoavel, 01
lirios indos di lhs de Fernando.
DitoAo comn islario pagador, declarando, que he
Jtopoil de elTeituada revista geni de inottri, que de-
[ve proceder-se aoexa mee conferencie dos lundos exis-
tentes no cofre di pigidoiii militar.
Dito Ao engenlieiro em ebele das obras publicas,
[significando, que da erbs do 2 "do artigo 7.da lei
Iprovinciil n." 144 be que devem ubir os 800jOOO rs.
I desuados aosrepiros da casi, pin onde ai passir o
I lyco.
DitoAo chefe de policis, inteirando o de haver or-
denado, que pela pigidorii militar tej utisfeila a con-
ti do despendido rom os presos do Ccir e das Aligis,
que se destinio para a ilha de Fernando.
Dito Ao niesino, scieotifrando-o de ter mandado
por a un disposicio o recruta de mirinbi, Francisco
[ Ribeiro, denunciado porcrime de furto.
DEM DO DI* 30
OflicioAojuii relator da junta dejustics, remet-
iendo, psra seren definitivamente julgidoi. os proces-
ios dos soldados do segundo bstslbio de artilbirii p,
I Luis Frincisco de Mello, e Domingos Jos Ferreira.
D.inAo presidente do concelho geral desaluhrida-
de, nutorissndo a rompri de 25 ou 30 saccas de guano
Portiria Convocando extraordinariamente a nova
sembles legislativa provincial para odia 9 de marco
prximo futuro. OfnViou-se respeito a todas is c-
maras municipiei da provincia.
tm man n i iiiMim iiiiiiMaiiisrMnii' -..--ti a m mi 11 '
pe namb; co.___
liendtmtniu da meta ta itcebedorii de renda$ mlernai
gerat-t, no mes dejateiiop. p.
A saber :
Foros de terrenos de oiarinbs'....... 71.368
Laudemios............ 22 750
Sia dos beos de raz......... 1:743.697
Direitos novos e velbos........ 185,862
Ditos de chancellara........ 6,160
Dizima da mesma......... 419,268
Silo6. 1:360.680| mm
Dito pi porcinnal 1:317,600| '
Imposto sobre casas de modas, roupas,etc. 120.000
Emolumentos de ceitid&es...... 5,420
Tlenle das lypogrephiai...... 50,000
2.' decima, de mo mortu...... 1:095,176
Imposto de lujas ibertai........ 2:660.040
Ditode6cges ecsrrinbos....... 20,000
Dito de barcos d* interior............. 24,000
Taia de escrito.......... 1:015,000
10:095,521
Becebedoria, 3 de fevereiro te 1846.
No impedimento do vscrivio,
O 1 escripturario
Mantel Antonio Simdei do Amoral.
A IUINHA MAKGOT. (*)
pob 2HcjranJirc Duintw.
QUARTO VOLUME.
CAPITULO V.
DIO! Ditri.
Comn o dissera u duque aos dou mancebo, reinara
"" Luuvre o niais profundo silencio.
lUvilu cora eUeiln partido para a ra Tiion Margari-
eiuoiliui.n di Nevrrs. Coeaiuias e La Molo linli&o-lbe
"I" no enrulen El-rei efienrique vagueavao pela cida-
*' ilui|uc d'Alrnenn c.iiiM-ra?-s> 00 sen qurto n
g expectativa dos lareeasol, pie Ibo havia predlto i
ramba-nn, em fim Calherina se havia deitado e mada-
ma uY5uvi. ,i (na cabt-ceira li,i-lhe cerlus omiloi italia-
"" de que muiln rin a boa rsinha.
Havia muiii. u-iiipo que ni esliver ella de tfto boni
liiiniur. Dcjmi de haver erado multa beiu ooin as auas
d'ns, de ler consultado o roedioo, e ajustado as cunta
() Vida iori n.* 20.
IIMRIII l)E PEBWBl'Cfl.
Temos i vista iliuns numeroi do Alagoano, recebi-
doi hoja (3), e cuj ultim dita chega a 24 do pu-
lido.
as Alagoas nSo havia sido alterada a tranquillidade
publica. A 12 do meide dezembro do anno Sudo fon
ipprovadi a lei do orpimenlo pira aquella provincia no
anno fnineeiro cerrente de 1845 a 1846, e que cilcu-
la sua despezi em 154:992*547 rs.
fulgimos proposito transcrevor alguns dos artigos
dessa lei,decu|isdiiposic8es miis convem estejao in-
teiridns aquelies dos nossos leitores, que na relerida pro-
vincia entreteem relacoes commerciaei ; nlo nos sendo
possiveldeixirde notar, que. segundo ella, o issucsr
eiportado tem de pigir all 1 por cenlo miii do que i-
qui paga, o algoaSo, alm de estir, como o noiso, sub-
jeito 10 imposto de 12 por cenlo, hesobreesrregado di
imposico provincial dccretadi no 13 do irtifio 2*,e
os couros devem pijjar nao s os7 por cento exigidos po-
lis leis gerae, mes timbem o de quo trata o 23 do
citido artigo:
Artigo 2. A receila dcsta provincia no anno fimneei-
rodo l.'de julbo de 1815 10 ultimo de junbo de 1846
eonstar somenle do producto das imposicOes seguin-
tei:
7. Quatro por cento do issucar exportado pira den-
tro e fon di provincii.
8. Cinco por cenlo do algodo na uiesmi confor-
midade.
9. Meil lili dis vendes. irremiticOes, adjudica-
cSes e permutas doi esenvos, coreprebendidos os que se
mandarem vender para fra da provincia/
11. Dito de patente lobre a igo'irdenle bruileira,
cobrado as casis onde se fibricsr conforme a lotacio
d paiz, ou pan o coinmercio, comprebendendo-se a que
for exportada pelos meimos fabricantes.
13 Dito de 50 ris em arroba de elgodSo im-
peccionido, e duientos ris em ucea,que entrar as ca
sas de inspeevao. e devora ficar depositada nos emu-
len! psra osle fin destinado, it que seja conducid
para oembirque.
14. Imposto dis cmbarcicoei entradas ou sabidas
do rio de S. Frinciico. '
23. Cinco por cento sobre couros seceos, salgados,
ola ou palles miudas, que sabirem dos portos da pro-
vincia para fra della, ficando iientoi da taxi sobro vo
lumes, psgindo somente quilio por cento os referidos
gneros, quesshirem pelo rio 5. Francisco.
25 Vinle mil ris sobre lojs, ou casa em que se
venderem srmis prohibida.
Artigo 7." Os mestresdii barcicas, canoas, ou quaei-
quer outras embarcaces, que dos portos do Norte da
provincia, se dirigen soporto di cidade dolfecife.
carregidis de ciixis, feichos, barrica, saccas, ou ou-
tros volumes coni assucir, ficao obrigados a solicitar, ni
agencia respective, a competente guia, por onde se co-
nbeca, que o assucar de sua carga be da produccio dei-
ti provincii.
Artigo 8. Os metlres d'essas embarcacSes quiei-
quer, queseguirem vilgem Pernembuco sem apre-
sentarem lili a guia de que trata o artigo antecedente,
ou conduzirem alguns d'ese volumes, sem que n'elles
se achem escripias as lettras iniciaes determinadas pelo
regulamento da agencia d'esta provincia em Pernimbu-
co, ficao sul jeitos a multa decincoenta mil ris, pela
primeira vez, e so duplo desta qutntia no ciso de rein-
cidencia. A multa ser pigi pelo dono doi generoi ex-
portados, se os uiestres nao tiverem aieio de s sitii-
fiierea-..
diarias de sua caso, havia ordenado nina oracio pelo re-
iiili.iilu de certa cmprea importante, disia ella, para a
ventura de leus fllios ; era rufliimo de Calherina, cus-
tume alia todo florentino, faser em certa rircuiniiaii-
cii diier mia o recitar oracoe, de cuja iutencao i
Deo e ella abito.
Em fim linda ella tornado a avlar-e enm Rene, e
cscolhidu no sen rico sorlimenlo miiilas uousa nova.
Vo aaber, dase Calherina, se minlin filha a rai-
nlia de Navarra et no seu quarto, e e ahi ediver,
|ii-;"in-lli.- da minha parte que me venha faier coropa-
nhia.
O pagem a quera esta ordem fra dirigida, ah>o, e
vilion logo acuinpanhado de Glenne.
Eeta! di.ie a rainha-niSi, mandei charoar a iraa
o ro a criada.
Senhora, disse Gillonuo, auppoi dever cu propri
vir disera V. magestodo que a rainha de Navarra sabio
cun a un amiga a duquesa do Neer.....
Sabio a taodehora replicn Calherina fruniiii-
do o aobr'i'lbu, e mide fui?
__ A' nuil ledo d'nlrhinii, respondeo Gillonne,
que dote ter lugar no palacio de Guise, na bar rana habi-
tada por madama de Nevera.
E quando se recnlbcr ella ? perguntou a rainha-
mSi. .
A sessa tero do prolongar-se minio prla noite,
re.poudeo Gillonne, de ule que he provavel que 8.
mauestade fiquo at rleiuanhaa em cata da na amiga.
He felisn rainha de Navarra, murmumu Cthen-
na. Tem amiga, c he rainha ; carrega urna cor, tra-
to-a por megettade, e nao tem vaillo. He multo
relis.
Art. 9. A multa se far eflectiva n'esta provincia
vists ds ptrticipscao documentad!, que deve enviar ao
agente respectivo o agenta das rendas provinciaes em
Pernsmbuco, remetiendo copia i tbesoursrii provin-
cial piraiui intvlligencii, quando all houver de pres-
tir contis o agente, que liver de irrecadar i multa.
De urna portara da presidencia, quo na parle official
deixamos extractada, verlo os nossos leitores, que a no
vi sssembla legislativa provincial (ora convocidi extra-
ordinariamente para o dii 9 de marco prximo luturo.
Variedade.
PODER MILITAR DA Rl'SSI A.
A forca vital do imperio di Russii reside ossenci l-
mente no seu poder militar : p rm he asas dirticil
lxir o valor real deste poder, porque nesle particular
cumpre no ittendcr ns ridiculas exagericdes de alguns
citringeiros ou os oncarecimentoi das estalisticis ofll-
ciaes. N'um piiz onde nao hi liberdide de imprensa,
onde umi simples indiscricio pode expro fjnccionario
a perder o seu emprogo, e al ser desterrado pan
Siberii, nSo pode haver muita conanc em docu*men-
tos ofliciaes Accrescente-se que as repetidis altera -
cues l'eitas pelo monarcha que tem queda pira a vida
militar, conlribuem pin complicar is queslOes de
fseto Entretanto be impossivel formar urna ideia da
Itussia le pelo menos se nlo conbecerem is bises da sua
orgiuisaclo militar, visto que todas is instituiedes
civil do paiz eslo subordinsdas e accommodadas to
systema militar. Trataremos pois do dar alguma in-
formaclo neste assumpto.
lima boa parte das lonas numricas da Russis he mo-
ramente nominal, e s existe no papel ; e psra darlo
czar urna autondsde e influencia vastas n> s negocios
polticos di Europa, o Allkemeine Ztitung, a Gazela
d'Augiburgo, e o Diario de Francfort costumao des-
crever o seu exercito como immeuso, e como prepara-
do psrs l'ornndaveis empre/as.
Posto que a llussia possuo urna populaclo de 60 mi-
ihes de habitantes em urna superficie de terreno de
pedo de 225.000 legoai quadridas, dividida em 31
governos adininistndo por 11 governadores genes, he
preciso nlo nos deslumhrar com to imponentes algsris-
mos, porque a imn ensa exlensio territorial do imperio
estl longe de ser elemento de poder militar. As pro-
vincias esteris e mal povoadas de Arcbangel, Olonetz
e Vologda conlribuem mui insignificantemente para o
recrutamento do exercito. A tribus dispersas, que
egetio na Siberi, e que comprehendem os Tongutzes,
os stiaks, os Simoiedes, os Y.kurte, os Konaikes,
os Kamtchaldalos nao 1'urma mais do que urna massa
baterogenea sem principio algum de cohcilo : quanlo
aoi Mmguie, ios Mongoles, que apenas slo conbe
cidos na Europa, mas que pelo nomo sservem para
augmentar a cifra di populaclo, be impossivel tirar del-
le recurso algum pira a f rea militar da Russia. A
provincia de remburgu, que be mais extensa quo inul-
tos reinos da turopa, tem umi populiclo de um mi-
Ihlo de almas; mis em csmbio rilo se conta om
Yakoultk mais do que quatro honiens por milbi qua-
drada. A Sitiera, i Nova-Russia, a (.rima, a Geor-
gia, o Caucaso nao fornecem to ciar uin s soldado.
Diqui se deduz pue s provincias distante do centro
do imperio nlo oOerecem em geral mais do que recursos
quasi nuiles so exercito ictivo, o anda que dolas se
podesse tinr soldidos, luctsr-se-bn com urna gnnde
diDculdade. qusl lerii a de por om movimento estas
massas ; pois nao sscris mister crear meios, que filtlo
completimente ; mas timbem le tormria necessario
substituir estas tropas por outrss, porque, para comba-
ter bordas como as que habido is fsldss do Csucaso e
dos Montes Orsl, be indispensivel dispr de forcis mui
respeitiveis. Ni- Georgii nao se pode viajar, nem
meimo em lempo de piz, senlo com urna boi escolta,
e Si vezes convem levsr arlilbsrii. Quanto as provin -
cisscenlraes da Ruisia prnpriamente diti, que formlo o
ncleo principal do exercito, slo ni mor pirte feriis
e bem povoadas ; porm entre ellas bi algumas como
a Finlandia, quo nlo podem contribuir com miis de
20,000 soldados. Desle modo o recrutamento do exer-
cito ipresenta gnve diliiculdides; epiripruvi dests
verdade bastar citar as campinbn del8l2el813, a
gUerri da Turqua, e a sublevar/So di Polonia.
Em 1812 clevava-se o exercito russo segundo os
msppas ofliciaes, o 493,197 homens, aos quaes deve
tintar-se um armamento em missa.e umi milicia(i>of-
cAini'e), que o> autoiidadcs russss fixio em 900,000
bomens. Pois bem, aperar destes immensos moios,
nunca poderlo apresenlar om linha, nem reunir em
um ponto dado muis do 120,000 combatentes, que he
a fora, de que se compunha o exercito russo ns Mos-
kowi, e destes 20,000 ou 25,000 erio esmponios. ves-
tidos com pellas decarneiro, que biviiocolhido ms ter-
ris de spus senhoros. QuaDdoem lS13os Ruisos entra-
rlo ns Polonia, em consequoncia dos desastres do exer-
cito francez, nlo poderlo reunir miis de 55.000 bo-
mens debaixo dos muros de Wsrsovia. He igualmen-
te notorio, que as fallas do exercito russo, quando se
verificnu a invsslo da Franca em 1814, lorio preen-
cbidis com auxilio dos Baschkirs o dosCossacos, qu os
recursos do paiz eslavio complelimenle eigatidoi, e
que, se i guerra so prolongaste, lerii sido impossivel e-
fectuar novofocrutamento.
A guerra da Turqua, sob a direerjao do Diebitscb,
cuslou ios Husso 2U0 000 bomens, dos quaes se per-
deo nielado na primeira cimpsnha; e era tal nesss po-
ca a escassez do thesouro, que se suspenderlo as obras
publicas. Na segunda campaiiha, que precedeo o tra-
tado de Andrianopohs, Diebitscb nlo pode reunir mais
de 18.000 homens ellectivos, tinto havia loflrido o seu
exercito, menos peles fadigas da guem do que pela
dysenteria o m orgini8c,i> dos servidos do cummissa-
riado e hospita'S As vantagens, que nesse lempo a
Russia obteve sobre a Turqua, (orlo antes devidas s
intrigis diplomticas do bario Aluffling, do que &
forca de srmasou a pericia dos seus gemines.
Nacsmpanhada Polonia, o gabinete de S.-Peters-
burgo conseguio reunir um exercito de 110.000 ho-
meus : no fim de tres semana pererrlo 23.000 nos
hospitaes, victimas a mor parle da m administraclo
de iveres, da impericia dos officises de satde, duas
pngis que psrecem inseparaveis di existencia de um
exercito russo.
Estes fados bullo, em nosso entender, pan demons-
trar quinto slo exageradas as deiss, que genlmente le
forino sobie o elediv real do exercito russo. Se fosse
preciso poderiainos citar tambem a energici resiilencia
dosCircassanos desse pequeo povo, que ba quinze
annos desafie ai forcas do imperio, que he lenhor dos
mares, que o circundo. A Russia emprege nesti guerra
as suas melhore tropas, tem prodigalisido ii merc*, a
investido os generae do poderes discrecionsrios. Os
Circusianos slo sem duvida sientes e bellicosos, e a m-
lurea do paiz aprsenla grandes dilRculdidei ; po'in,
ipezar disso. parece nos, que a Franca ou a Inglaterra
de ha muito que tenia posto termo a til cimpmba, se
nella se achassem envolvidas.
Eis-aqui a aclual orgmisicio do exercito runo. Ca-
da regiment de linba, no estado completo de guerra,
deve compor-se de 4,000 bomens, divididos emqus-
Iro batslhes, porm s forgs numerici doi regimenloi,
que nlo eslo em servico activo, viril muito Os que
eslo icantonidos as provincias distsntes mis vezei
attingem o total fissdo pira o lempo de paz, oduem.
Depoia detc repente, que fes rir interiormente o cr-
cumstaiile:
. Em lim, prnirguio Catbcrinn, visto que ella nlo
eal.i em caa ; poi que nhio, diieil v ?
llavera meiii hora.
Tudo ai muito bem, rclirai-vo.
Gillonne lesa ma reverencia, e sabio.
Cniliiiuai tmiii leilura, Carlots, disse a rainha.
Madama deSauve cuntiiiuou.
X" fin de un des inmuto, iiiterrompeu Calherina a
leilura.
Ah I a proposito, niondi m retirar ns guardit da
galera.
Era o aignul queMaurcvel etperava.
Exeeiitou-e a ordem da rainha-nij e madama de Sali-
ve eontillUOU a na liialori.i.
Tinba olla lido um quarto d'bora pouoo mai ou me-
n sem interrupcl'' alguma, quindn te ouvio na cma-
ra real um grito longo, terrivel, que orripiou o cbel-
lo amanitenles.
Seguiu-e-lhe um tiro de pdola.
Que he islo, ditse Calherina, e porque nlo lde
v rosi, CarloUi
Senhora, diuo a joven dama empallideoida, nao
oovirteaP
O queP perguntou Calherina.
Ese grito, retpondeu Carlota.
E eaio liro de pdola, iccrciccntou o capillo da
guarda.
lira grito, um tiro de pistola! diuo Cilberin; eu
nloouvi nada......... Dcraai, que tero d'extraordiaario
no Luuvre um grito e um liro de pitlul ? lde, lde,
Cirluti.
f MUTILADO
Mai ouvi, Mnfaore, de eU, era quinto M. de
iVanccy .econservava de pe, com a mo no punho da es-
pada, por nao ornar ihr son ordem da rainha; cu-
li, ouvoiu-o pasaos, e voieriai.
_ Quereii que me v informar do que io he, e-
nhori ? disse o capitn. _
Por modo neuhum, Sr. raen, fieai ah, du.o Ca-
lherina orguendo-ie uro pouco, como para dir roiior
furc un ordem. Quem me guirdnria entio no en.
deperigu? Sio algn. Sui..o. bebido, que o.llo bn-
8A MNOdada da r.nh, oppoit 10 terror que dorai-
nava todo. o. outro., fonu.va uro conlra.to to nolavcl,
que madama de Sauvo, npeiar da sua tiroides, htou na
rainha uro olhar interrogidor.
Mu, Motora, exclamou, como que mallo al-
BaE a quem he que bfta de roilir ?
*_ Talvc el-rei de Navarra, leohon o irruido
ven do lado do eu npoiento.
_ Atoleiroi... rourn.urou.r.inha.cujo.l.b.o.,.--
pesar de qu.nto ella ie ubi eoaler oon..Ca., a a6i-
Ur-.o por clrnnh mod, l-rque re,Kit.. nm, ..rajao
por entre o. denle. ; nf.leiron. e o.eu re. de Navarra
nur tod a parto.
_ Meo Den! meuDeo! du.e madama de bauve,
deixand.i-e cahir na au poltrona.
Acbou-ae. acbou-e, dusa Calherina. Capillo,
uonliniio.. ella dirigndu-.e a M. de Noncey, en e.|iero
une, e houver escndalo, facaii amiiibaa punir severa-
mente o culpado. Coiitinuai voa leilura, Carlota.
Etornuu aencodar-e no traveeiroi ero urna iiu-
mobilidade que muito se aisomelliav abatimente,



'





'
!?
eCdarrrreroohoaen'"d'u--d-
O quadro do oxercito comprehende :
* A guarda imperial.
5H.Cf0rp.0 de 8r\0,d.eiro. compoito de (re divi-
de1afanl",a ("d t-m quatro regiment)
.rUh'ri'. ??*"""" ''o., de dufs baten
peda 6 de U"" ba,eri8 de "lilh""
l.L.SHi,TP0J",er,erCt0, Cda um doiquieicon"
,r"i7,fe8de lof' "-a de callara ligei-
. o 17 bateras, sendo dim volantes.
4. Oouiou trescorpoide exercito de reserva, que
Unt!" Um ,oUI de 2* reim8n, com 71 bateras vo-
5. O corpo dn Caucnso compotlo de tres divides de
nlanter.e. un. reg.n.eolo de dragos, e deases bate-
ras de ertilharia pesada.
6. Os corpoideOrcmburgo de Siberia e de Fin-
landia cada um com ama divisio de infantera.
7. Em fim as tropas do interior, que formio
cincoenta batallies de milicia, qutenla batelhdrs de
aspadore, e urna divisio de artilbana volante.
A guarda imperial he necessariamente o corpo mode-
lo, quanto 4 disciplina, uniforme, e premio as ma-
nobras. O imperador assiste com frequeocia aos ejer-
cicios em S.-leterburgo ou Moskow, e cumprecon-
feasar que as evoluce destas tropus dio urna ideia p-
proximada, quinto be possivel, da sua perfeicio. A
disciplina russa desee a minuciosidades incriveis ; e da-
qui resulta, quo a idontidade dos movimentos n'uma
Imba de mil e oitocentos bomens apresenta algum tanto
di- n.arenlboso. Movem-se lio simultneamente
ps, asmaos, os olhos, que o espectador imagina
volunariamente, que sao outroi tantos automatos mo-
vidos pelo inesmo fio. Se esta porfeicio automtica cons-
tituir a excellencia do soldado, as tropas russa nnde-
niop.sar pelas primeiras do mundo ; mas nem'sem-
ore as melbores machinas sio o melbores soldados.
Por oulro ludo as tropas de linba russas sio mui infe-
riores a guarda, quanto a uniforme c instruc{o, por-
que o seu niformede panno pardo forma um contraste
mu ridiculo com o brilliante uniforme das guardas, que
d.vom sen. duvid i proficigncia do allaiste urna nota-
*el psrledo suas vanlagen.
Compoe-se a guerda imperial de tres divisoes de in-
famara, urna de couracoiros. e iluas de cavallaria li-
geira, (res brigadas de artilbana pesada, um regiment
de eng, nboiros, e urna batera de fogueles congreve
ignifica talan, ou bandoleiro a eavallo, applica-ie como
genrico a toda a casts de tropa irregular.
O verdadeirotCosticoieiliverloiubjeitoi at mela-
dos do ultimo seculo, a certas prestaron de servico mi-
litar, em recompensa das quaes disfruiavio certos pri-
vilegios, entre os quaes o dreito de elegerem os isut
oiTiciaes. especialmente o seu attaman. ou hetmn, nao
recebiio sold algum, e somante viviio de rapia, nao
sediMinguindo muito, a nio ser pelos exeeseos, que
commelliio, seguindo osexercitos russos. Depois forio
disciplinados a m.tiursd .s com os Russos; pjrm per
dendo o seu carcter originario e a sua naca.oalidade,
perdrio lambem o que constitus o seu principal me-
nt. No momelo em que comee rio a vencer sold
regultr, apparecfirio em S.-Petersburgo em Moskow,
entregirio-se aos piaieres e devaasidlo, e As frivoli-
dades Hessas duas espitaos, carregario-ae de dividas, e
hcrio entio merco do governo. Os seus chefes, sedu-
zidos pelas distiner;8es, sacrificirio o respeito de inde-
pendencia, que linhao, equaado morreo Platoff cede-
rlo cora a nomeacio do betman, cujo titulo boje
pertenoeao berdeiro presumptivo do throno. O cossa-
cos sio julgados pelos proprios ofliciaes russos como
mos militares, que apenas conservio de suss anterio-
res qualidades o instincto da rapia. Nio obstante os
Guarda imperial. .
Infantera......
Cavallaria......
Arlilbaria......
Exercito de Polonia.
60.000
330,000
170 000
40.000
bO.000
Domea 640,000
Este eiereito recruls-se por meio de urna eonscrip-
cio, ou antes em virtude de um uian, que determina o
numero de servoa, que se exig- de cada propietario
nobre. Este numero, que de ordinario he de dous io
dividuosd'entre cada quinbentos em cada tres annos,
vsria necessariamente conlorme as urgencias do servico.
Se urna, ou muitas propriedades nio nunem o numero
sufficiente de bomens para ministrar o contingente pre-.
fixo, designa-se por sorte o proprietario. que deve com-
pletar este contingente, e este proprietario recebe dos
outrosuma ndemnisacio pecuniaria. Por autro lado
nada perdem, em que Ibe lirem alguns dos seus servos
para o exercito, porque os outros servos (icSo dirigi-
dos a satisfazer-lbe o que rendiio os trabalbos de to-
dos : em cada povoacio ba lambem urna caixa com-
mum, para o fardan-ionio eequipamento dos recrutas.
Um servo fica nominalmenle
exercito rosso deve servir por k
nples soldado, e > ba exempfnH
eiire, em fevor do principe Pas
.,, j d An __. M -----------. i "uiii.iiimiiio iivre ao entrar noexerci-
Si....?', jt 8r ri0 emPrSHl0 oque equivale a tornante propried.de doimpe-
o Sraisiannn. qU'a' "''.Tm'"le cont M" ; corU se-lhe a barba, e o.'seu. amigo, nio con-
os lircassiannos, aosqu.es so assemelhio em astucia e
destrata.
os
a miaara distinguem-se os regiment {poHst)Prco-
- e Siminofck. formados na sua origein por
bavtioski
Pedro o Grande : Ismilsloki, cstaliclecid" em comoie-
moracao da tomada do Ismail por Sowaroll; o Paulo-
fski, creado por Paulo, quando anda era grio-duque
Os soldados desteuitimo corpo ainda Irazem a barreti-
na da poca de Frederiro o rando. Com um escude-
te de cobre na frente furado por duas ou tres balas,
que be um capricho, que ainda se conserva do tempil
d.. imperador Paulo. Entre os couraceiros avullio o
cavulleiros guardas, que non leem menos do jinco un
form. s, cuja cor ordinaria be azul e prata ; os guardas
montados encardado do servir;, interno do palacio
leem grando uniforma de cor a/ul e ouro. A cavalla-
ria hgeira comprehende entre outros o remenlo de
dragOes, que pas da. a alier : o regiment do Cossaroi do Don (Ata-
manski-poli) iiiluramentoconiposto deCofsacos, que
te mudan.lodos os annos. Traxem colla de malba, e
goz8odo merecida f.m pela sua deslrea como caval-
leiros e como aliradores : os oficiaes-trazeni ao lado
urna aljava com Irecbas. Este corpo ho inusulmano.
A guarda propiamente dila (pos muitos regimen-
t, que se dio romo perlencenles a ella, s recebem o
sold sem os privilegios) pode or(,ar-se em quarenta e
dous mil bomens ; porm em lempo de guerra e as
vezespor rama de ama simples revista he elevado com
auxilio de cerlf. angre^aeo.s at si lenta mil homen.
Nesles corpos addicionae ba dous r- gimentos modelos,
um de cavallaria, oulro de inf litara, composlos cade
um de dous offii iaes e de/ soldados de cada renimenlo
di. exercito, os quaes lecebem triplicado sold, e no
limdeuiii anno re((resSo aos respectivos corpos (os
so Id dos em sargentos) pare sei virem de instructores.
O imperador de Austria, o re d" Pru'si., o principe
roelde l'russi.., ro duque de Wellinulon teem lam
bein o< seus regiment, que turnio os seas nomes, e
dos qu?.e sao coronis. Estes regimentos aggregao-se
os vezes guarda.
Segundo dijem, os Cossacos ormio 146 regimentos
de perto de 800 bomens cada um. Podem accrescen-
larse a estes as Iropas dos Haacbirs e Kalmuces, que se
elevio a mesma cifre ; mas a lrca numeraria destes
corpos he mui incerla, e outro sim inspira mui pouca
eonianta. Actualmente o nome cosiaco, que em turco
tu;>: --i. ^^masmLMjmmmm
porqne notario osnsiislcntes qnclberolavao pelo roslo
grande, baga de uor.
Ubedeeeo madama dcSauve etia ordem formal ,
inJa eiSn os seus llioa e vos somenlo que funccionavSo.
1' tu |i. os .ini'iito, vaguemido por oiitros oLjoclos, Ihc
represejateea um perigo mrdonho suspenso aobre una
rebeca que llie era ebara, Em fim depois de algn, mi-
ninos ilcsle combale, nrhou-se por lal modu opprcs.a
entre 0 nbnlo c a cliquclln, que a ves deiiou de ser in-
lolli/;ivrl, olivro ciihiu-lbe da. mao, eella desiuaiou.
Do repente ouvio-ae aimln mai. vilenlo eslrondo; eo
tropel ele pasaos pesado, o aprensados abalou i. corre-
dor j punirn dous tiros, que ob.lro todos os vidros ;
c Call.crina, admirada dessn lucia prolongn'da aloiu de
termo, erguco-se, deala ves lamben, paluda, e com os
i:liii dilatados; c no momelo em que o eapitio das
guarda ia subir, ella segurou-0 pelo braco diiendu :
Fiquem todo, aqui, cu uie.ma irei ver ah o
que ba.
* Ora eis-aqui 0 que havia, ou antea o qm: linha lia vido.
Havia .I.- Mol.y pela manbia recebido deOrthon a oba-
\r de He
lescobert
elfincli'.
Ere o santo do Louvre para a aeguinle noile.
Ilavia-lhe Orll.on lein disto tran.n.itlido verbalmcn-
te o. palnvra. de Heiinque convidando de Muuy a ir ter
lino el-rei n Louvre pelas dra llora.
Pele, novo emeia, lumia le Muuy urna armadura,
enj- sol ule liavia tiln uocaaian, |mr roaia de urna ve, de
ni 'i'iil.ecrr, vestir.' sobre a armadura um gibio de seda,
e postas a t spadu e o lamo.o capote carii.csim de La Mole.
Os Cosssco doWolga achio-ie boje quasi civilisados
pelos dss msrgens do Terek, do ldemburgo, dos mon-
tes Oral e da Siberia; consorvio todava algn, hbitos
selvticos, e sao tio numerosos eoceupio tanta exten-
s8o de leirilorio, que a Itussia os considera como pode-
roso mero de accio, quo empregar Utvet quando pro-
cure realisar os seus projectos icerca da India. Entre-
tanto consrvalos obedientes, nio be fcil trela; por
que, sendo inconstantes e afkicoados a ludo, que be ir.
ravilhso, ieem te ioroado repelidas vetes instrumentos
deedn;de. Por isso spoirio as pretenedes do Stre-
lltt, abracrio com arjor a causa dos falsos Demetrios,
e favorecrio a tentativa do rebelde Sbenko Rosan, qu
quii fundar urna sobersni. independente em Astrales o.
Os Calmucos descendentes dos entigos Hunos, e dos
Mongols de Gengishan oceupio os desertos psludosos, e
a cercanas do mar Caspio, conservando algumas das
qualidades bellicosss de seus antepassados ; aperar de
ludo a educacio penetrou nelles, e j nio ignorio o
que he Ifir e escrever.
Os Bashc.kins, guerrilh.s de profissio, formio urna
grande tribu nmada eguerreira; usio o arco e fro-
che, e alguns ainda trajio colla de malba. Omesmose
enconlra nos kirghis, povo de pastores, queseestende
al os confins da China.
Entre os auxiliares estrangeiros, incorporados so exer-
cito russo. encontrio-se alguna regimentos formados pe
io marecbal Paskevitch na Persia, ot quaes, posto que
musulmanos, combalrio com ardor contra os Turcos.
Ha alguns annos havia dous regimentos destes em War
ovia, que conservavio o seu Iri-ge narional, e o seu
modo particular de montar a eavallo. Tambem so nota
um corpo de Tcheiketet commandado por um sullio
ou chele, cujas tropas se admirio pelo valor, destroza e
ferocid.de. quemostrio; alguns dos Klians lallao sof-
Irivelmente o Irancez, frcquenlio a sociedade, e imitio
os costumes europeos.
Resta nos examinar a quettio da frc. numrica real
do exercito russo. Urna .1,., causa., que ieem felo con
siderara Russia, postoque sem ratio, conioapot. n-
cia militar mais gigantes.u da Europa, consiste em que
amor parte das ubs trcas, aparte mais completa sob
o aspecto da disciplina e do material seacba acantona-
da nas Ironleiras, resultado de urna poltica, que lata
do reinado de Izabel, cujo mioisiio Besluchefl empo-
l.receo o imperio, e del.ililou o centro pela sua obstina
cao em mandar (5ras demasiado consideraveis para as
Ironleiras do paiz.
Compre observar igualmente, que estsvs j em uso
n outro lempo (uso. que exista, v.. em trinta annos)
considerar como incorporado ao exercito lodo o indivi-
duo, quo recebe sold em virtude de um titulo militar;
eso se allender a que quasi todos os ttulos conferidos
pelo imperador sao de naturea mai ou menos militar,
com-elier-se-ha fcilmente, porque se a< hio tio avulla
dos os quadros do pessoal do exercito russo O quadros
olliciaes lateo subir as lorias numericns da Kussia ao
enorme total de 1:020,000 bomens, e sem as reservas
a 362,000 Ho verdode, que alguns escriplores leem
pretendido redurir esta cifra a 400,000 ; mas beum
erro evidente ; por outro lado semelbante total nio
guardara proporcio alguma com a immensa ettensio
de territorio, que oceupa a Russia, com a sua popula-
cio, com o estado de suas financas, nem com os teus re-
cursos materiaes de toda a especie. Julgamos nio alfas-
tar-nos muito da verdade avallando as forca reaes do
exercito russo em 610,000 bomensatsim distribuidos :
Ji Viiiid como antes de recollier-so julgira llenrique
a proposito fnier niua visita Margarida, e coma ebe-
gra pela escoda secrela uo ponto justo de encontrar
La Mole no quarto do dormir de Margarida, c de lomar
o .cu lugar ao. ol.os de el-rei na .ala em que ce.viio
Er precisamente ne.se nicsmo linimento quedcMouy
a favor do sanio enviado por llenrique, e ubreludo du
apoto carii.esira, Iranspunba o pu.iigo do Luuvre.
lio mais com elle. Os proprietario. cotlumio dar para
o exercito os peiore individuos. A paga do soldado rus-
so be por outro lado lio pequea, he elle tio maltrata-
do, e be tio grande a d.flerenca de climas de um a o\i-
tro extremo do imperio ( deve adverlir-se, que na Rus-
sia, assitn como na Austria, ba o coslume de enviar os
rrcrutas de um districlo par o outro mais distante),
que no fim de cinco annos felo muitss pracat inb.beis
para o servico, e acontece frequontomeote, que os ser-
vos se mutilao para ?o eximirem ao recrutamento, ex-
pondo e j ser condemesdo a iaalo. Toreados pa-
ra a Siberi. O lempo regular do trrico he devinto
annos na guarda e de vinte e cinco no exercito de li-
nba : todava, um toldado, que mottri bot conducta,
pode alcancar a sua baixa no fim de detoito annos no
primeiro caso, e de vinte no segundo. Um soldado da
guarda, nos ltimos dez annos do seu servico, paisa i
ciaste de sargento, e depois be promovido t official. No
exercito de linha um paisano, que sabe lr e escrever,
pude obter promocio no fim de dore annos de servico ;
mas isto acontece raras veies. Para os veteranos relira-
dos corn pequeas pensdes. estao reiervada alguma
collocacjdes nos bospitaes militares, e nasadministra-
yoi's pblicas; vant.gem de que se achio privados os
ofliciaes, pois qusndo estes chegio ao posto de general,
recebem a sus reforma, lomo que haveria em aclivda-
de um immenso numero de ofliciaes generaes. Algu-
mas ver concedem-ie-lhes cerlo privilegio ; podem
usar ue uniforme, e tolicilio e conseguem entrar em
diflerenles commissde militares, navae e civil. Na
Russia nio ha necessario. que um funecionario ie,nha a
maiur aptidio para as funcedes especiis, de que se a
cha investido ; por isso se v s veres um major gene-
ral, que nunca vio um navio, enllocado frente de
una reparticio naval, ou um almirante melbamorpho-
seado en tenente-geneial ; e como prova destes mgi-
cas transformarles, operadas pela omnipotente v.ilude
de um listase, citaremos o principe Menrikoff, gover-
nador da Finlandia, e o principe Tcbtcobakofl, que
comb.teo contra Napoleio. O soldados veteranos tam-
bem se mandio as colonias : os seus ti I los oascem li
vres, e gozo do privilegio, menos Ilusorio, de seren
educados nas escola, do. legimenlos i cusa do governo.
As colonia, militares devem a sua origeic ao general
Ar.chiel. Sendo .argento instructor no reintdo de Ca-
Iharina, foi encarregao de commaodar a arlilharia do
grio-duque Paulo, queie compunba de dua peca, e
qusndo esto lu coreado imperador, Arachief sabio dea-
paihado general. Empregado pelo imperador Alejan-
dre na poca da invasio franceza, chegou a ser favori-
to desse principe, e por este motivo o hornem mais po-
deroso Ja Russia absiio do czar; actualmente cabio em
desgrava, e vive obscuramente em algum canto, apre-
enlando o exen.plo, assai commum na Russia e no Or
ente, da rpida elevacio e queda dos favoritos. Olim
das colonias militares era a cre;io de una especie de
milicia destinada a substituir o tystema de recrutamen-
to, que eili em pratica. Estas colonias estavio disso-
ininu..as en. povoaioes de terrenos da coioa : duzentos
homens formavio um povo, e quatro povos um bata-
Ihio. Cada soldado possuia um. cabana com um peda-
CO de trra, e dava-se-lbe urna muiher : os hlbos ve-
rdes erao destinados as filheiras, o as flitas, a casar com
novos colonos. Estes deviio dedica -se 4 agricultura e
proporcionar subsistencia sua lamilla com o producto
do seu Irsbalbo, de modo que nada custanem ao go-
verno, e at deviio oceupar-se algunt diat em estradas
e obras publicas, ludo era organisado militarmente
Havia -te calculado, que, colonisando atsim 100,000 sol-
Subio dircilo o mancebo ao aposento de el-rei de Na-
varra, imitando Leu. ou mal, como era de cosluroe, o
andar de Li Mole, c na aute-camara coconlrou Orthon
que u e.pcrava.
M. do Muuy, diase-lhe o raont.nl.ei, el-rei ..hio,
maa urde non-mu que vua fie.te entrar para o .eu quar-
lo, c voadis.es.e o esperasteis i voiividando-vt, te lar-
darmilito, a vos deilarde. na sua cama, comu tabeia.
Entrn de Mouy eru pedir oulra cxplicacio, porque
o que dille Orlhon era a rcpclic&o do que Ibe havia dito
pela manilla.
Para ulilitar o teu lempo de Mouy, approximanda-.e
tinque. Neass ehnve, que ero furada, tinlia e|le|de*uma etccllenle carta de Franca, pendente da paredo,
tu uiu papelinlio enrolado, que lirn com um|p"<-te a calcular us jornada, que Iiuim de Han. a Pau.
Ma. este trabalbo fui i.egooiu de un quarto d'hnra, o
acabado elle ficuu de Mouy tein saber em que sooccu-
pet.e.
Do loas uu Ir. vi.llai pela cmara, cafregoi
lili.., bocrj.iu. teiltou-te, l.vnnl..u-.c, tornon a seot.r-
ite. I'.iu hin, aproveitando-se do vntiie de llenrique
altas eaeujad-i pel.a lela dr fan..|i..ridlc que eiisii.i.
entro u( p.i.ii'.pes e os sen, genlis-lionu-ns, pul sobre a
mesa da cabeeeir as pistolas ti a il..iupa.l, estello. -
fundu da cmara, culloeou e espada meit junto ti, e
certa de nio ser sorprendido, puiaque havia um cria-
duna nnto-cani.ira, adormecen com prufuiido so.i.no,
cuja bull., eni brevo ro.ouo not echos do '.obrero.
De Mouy retunava eoino verdadeiro aoldado, e c.le
rctpeito, cumpeiia eon o propriu rei de Navarra.
Foi enlloque teis homeu. le espada em panno, opu-
iibnl cinla, se intrudui.rflu (iiblilraenle nu corredor
que por nina puna pequea ctuniounicava euro o apo-
sento de Calherina, e por outra grande lava uo do ilen-
rique.
A' frente dctic. teis humen, m.rohava um que alen.
da eapada, o do puoli.il grande cuino urna faca de cafe,
iratia ai tuat liis pdola, presa, cintura por ganchos
de prata.
E.te homem era Miurevel.
Ao eheg.ir elle i porta de llenrique, parou.
. Certifica.tet-vo. ben. de que uto liaviao mai. sen-
iiii<.-ll.sa no corredor? pcrguiilou elle ao que pareca
roiniirandiir pequea tropa as suat orden*.
Mo ha mai. urna no .eu podo, responden o
cabo.
Benil dit.e M.urcvel. Agora no. re.ta infor-
mar-no. d'uma cousa, he ae quera procuramos e.l fui
casa.
Ma>, acudi o cabo, tuipemlendo a mo com quo
Maiir.i.l .a ja a baler puna, mai, c.pitiu, este apo-
sento he d'cl-rei do Navarra.
Ou< ii vosiln o couirnno ? responden MaurVvrl.
a esbirros o-tuprfacios oll.ara.. nos para os utrus,
o i-abo e. mu passo reetagu.rila.
II'-iii d.i.e elle, premier nl^xem c.la hura no
dtdot, no fim de quarenta annos devia ter o eksdo Dril
matta enorme de recrutas, promptos para c>ir,. '
Mas nio se permittia aos colonos cultivar ai terrk, '
alvedrio ; eslsvio lubjeitos a um rgimen Vio i\p,0
que se sublevirio em masa duas, ou tres vezes, pp^
cialmenle em 1831, depoii da guerra da Polonia! k
colonial da Europa erib aa de Nowogrod. onde S
40,000 bomeni de infant.ria, e as de Cherson e h*.
tawa.cada urna das quaes conlava 1,600 cavados. ,'.
tes eslabelecimentos desapparecfirlo ; boje ji nil
trata de eolonias militare, nem o governo cooiente, I
se falle nrllaa
Todo o oucisl doexercil
gum lempo como imp
urna excepcio a esta regra,
vitch, que, em contideacio aotservicos de teu r,^
reeebeo a patente de officitl qusndo ainda se ac avi (
escola ; e lodo o officitl, antes de chegsr a esta clasii
deve ser porta-bandeir. ; mas, se fr graduado em t|.
guma universidsde, qualidade, que se adquire com uaj
anno de frequeocia em qualqer dallas o lempo de ti.
periencia nio excede de seis mexes. N'outro lempn n
posto do pai era o que determinava a policio do filbo i0
entrtr ntcarreira militar; anim, por exemplo,>e ueigj.
neral bavia tido um lilbo, quando nio era mai* do q,
cabo, etle nio poda entrar para o lervico senio con*
cabo, ao patio que o irmio menor, nascido quando *
pti ji era lenle, entnva como nobre ; e por um. rs.
zlo anloga o filbo de um official-general linha adj,
reito de eolrar de.de logo na cl.ise de official superior
Todtt as vezes que o exercito pasta a fronleira p,,',
se-lhe em rublos de prata ; e como estes rublos vil**.
quatro vete, mais do que o rublo em papel ( que ra-
le perto de 160 rt. da nos moda ) tem sen.pre certa
popularidade a guerra ao exterior, e be ao mesmo tem.
po mui dispendiosa para o governo. O toldo ordinario
do toldado da suarda he de 38 rublo: { ;;. SfOSO j pw i
anno, tatiifeito de quatro em quatro metes. Noi rs>^
gimentos de linbt o toldo vtrla de 21 27 rublo; din-
te* era s de tei rtilos. Um porta-bandeira tem 4&Q
rublos deoldo, e 300 por indemniaacio de aljame-
lo. Um coronel tem 1,200 rubloi de sold, 600 de io.
demnsacio. e 3,000 para meta, qual comen: o setu
ajudantes. Um major genertl tem 7,500 rublos.
Na guards o toldo de lodos os postos be maior, posto
que neste te nio admita nenhum official, tem justifi-
car, que tem meiot de lubiiitencia independente do
odo. Muito oflici.es gastio t mor parte do toldo era
dar de comer tropa quando estio de servico: a lobm
enlrao oas despeas do regiment comprebendeodo me-
dico, capello, muiica, e os reparos do uniforme do sol-
dado. Explora-te com muito engenbo esta vaid.de doi
filhos- familiis, enesrregando-os das remontas de civil.
laria, e para esse lim di-se-lbes licenca de um anno con
promessa de promocio no seu regresso ; ma entend-
is tcitamente, que devem trazer para o edrpo cav.lU
de dobrado valor d. sommas, que recebem, ..bindoo
exceiso da al^ibeiro do commissiunados ; e estes en-
cargos, apez.r de mui dispendiosos, sio com ludo ia-1
el solicitados.
Todoi os recrutst devem aprender um officio, e por
este meio o soldado russo grsngeia alguma commodidi-
des ; mas em caso algum pode largar o uniforme. 0
metmo auccede so official ; e se o teu coronel ou outro
de ciaste tu'perinr tus o vine sem ounilorme di or-
denanca, seria julg.do e punido pur um concelho ds
guerra. A tropa rerebe a sua rscio de pi negro, de ce.
vada, rntelo, toucinbo salgado e Ireico airoz esal;
porm frequentei vezes parle desle vveres reverte em
proveito dos ofliciaes, que alojio os soldados nas povoi-
cet, obrigando os habitantes a sustenta- los Os coro-
nis tambem tirio grande vant.gem dos unifrmese
equipomentos, ostentan urna futluna, que nio potsurm,
e sabem augmentar o seu escaseo sold com o auxilio de
adianlamenlos simulados de contratos fraudulentos e de
inappas falsificadut, do que se tem exemplos todoios
das. O acontecido com o general G' ndre, que em 1821
mlico em si os fundos, que Ibe derio para a remonta da
cavallarra ligeira, he assat nolono para que sej. neces-
sario referi-lo ; citaremos todava dou. lacios occorri-
do, um em 183 i durante a grande revista de K.lwh, o
os outros dout, annos depois em Vosnnaensk. Pane.it
urna manhia o imperador pelo campo de kalish quando
forio ter com elle dou soldado, e se queixirio de nio
ricebrrem senio racOet de pi de peisivi qualidade.0
imperador diste Ibet, que na parada do da teguiote Ihe
fornecessem provas do que avancavio ; porm no dis
teguinte ninguem se opreseniou. O imperador enfure-
ceo-se, e renovou a sua ordem, declarando que acolhia
sob sua proterfio quantos livessem a expr algum sg-
gravo. Quando isto ouvirio dous aoldado lahirio i
frente e renovro a quoixa ; fOiio poslo debaito da
proteccio de um ajudante de esmpo do czar, que de-
via reiponder por ellet com a sua cabria; procedeo-ie
a urna informado em que se provou aextclidio Jo
lacios denunciado ; e o remitido foi a demisiio c ixi-
...... ----------- i"-......- ".....|..., (.iriidr. -,c ii'-ui uisae F.ie, pri'.oier n.^'.e.u h
ttnbre o vatio leilo de cortinal cscur.it, quo guarneca o | Louvre, o no aposento d'ei-re de Nararral
Que ubiervaclu farici v. untio, rapliouu Mju-
revel, se eu vo. diaiette que s pc.aoa que ide. prender
he o proprio rei do .Navarra?
Obtervaria, capitn, que a couaa era grave, oque
tem ordem assignad. do proprio punliu do el-rei Car-
lutlX.....
Lde, dase Manrevel ; e tirando du gibflo a ordem
que Calherina Ihe havia entregado, den tu cabo.
Est bem, diste cito depoi. da haver lido; nd
mais tenho a diter.
E e.ta. promptu ?
' Eslnu
E v. lP coiitinuou M.urevol dirigindo-ie aot
oulro. cincu F.birro..
Esles fin-rio nina respeitma reverenoia.
Eacutai-me pnia, nieu.Sr.. ditte Manrevel, cil-
aqu plano : dous de v. ficnr.io ne.ia porta, duut na
porta do quarlo de dormir, e dum entrarlo oomniigo.
E depoi. ? dit.c u cabo.
Ouvi bein iato: teinu. ordem de impedir que o
prc.o chame, grite ou rutista ; toda a iiifracco e"
ordem deve aer punida de morir.
Vmosla, vamoi, tem carta branca, diaaoocabo
* hornera designado com lie para acompanhar Manre-
vel au (ponto le el-rei.
J.istn.uei.te, lissr Manrevel.
Pobr d.abu dn rei de Nava/ra, ditte um d.i ho-
mem, eslava la Fin cima esnsV.pl>. que nio devia escapar.
E aqu en. baix.., losr Msurev. I ti.insudo d liio
d" eabo o ordem de Calherina, que lornuu a nielier na
algibeira.
(Ctuttnuar-ie-ht.)
mutilado!



LoaraaSiberia do coronel b de alguns ofic.ae. O
Imsuccedeo em Vosno.en.k outros offlei.ei gane.
Coi. tudo re.el.ce. desla especie .o ger.l-
CS. de ob...r que ella, cheguem ao, ouvido,
Ido.mper.dor. (Continuar-u-ha.)-
C01YIME3CIO
Alfandega.
RUND 00 DU 3.
' hicarreg&o hoje 4.
,]gae~Riehmon paucb0-'-'<'V''e"-b,,c,,ho-
| piueboff arrutadem.
Consulado.
RENDIltCNTO DO DI* 3.
; 4:293*0*6
G-ril...........
Provincial ... ... ..
Huertas provinci
2:808*2)8
1:187*3!
4:017*999
.11 ovment do Porto.
Navio mirado no dia 3.
hio-de-Janeiro; 20 dita, brigue ingloi Venilia, de
203 tonelada, capitao W." Mortio, equipagem 10,
cm ltiro ; a Beaoe Youlle A Companliia.
\aviot sahidos no mamo dia.
Liverpool; galera ingleza Columbui captio Daaiel
Greeo, carga a meima, que trouxe.
t ....u.. aa'ara :n-,"ri:*as !<"** ceoitio W. II.
Swain, carga a meima, que trouse,
Editaes;
O Illra. Sr inspector da thesouraria daa rendaa
prov.nc.iaa manda Itxer publico, que. em cumprimen-
10 da ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, de
19 do correte, rio praca notamente no da 9 de fe-
tereiro, aomeiodia, a obraa dos reparo da capella-
mur da igreja matrii de Jaboatio, aob o orcamento
dai:150,0C0 r. incluido o augmento de 25 '/. em I a-
I w do arrematante.
(Ji licitante, devidamente habilitado, compareci
na sala daa e5e da meima theiouraria no dia e bora
indicado. .
Secretaria da theiouraria da renda proviociaes de
Peroambuco, 20 de Janeiro de 18*6.
Luis da Coila Porlocarreiro.
OBRAS D\S MATIlIze.
Matriz de Santo Amaro Jaboatio.
Clausulai eipeciaee da arremtatelo.
Artigo 1 A obra de raparos da matriz da povoa-
cio de Santo Amaro Jaboatio far-e ho conforme
o orcimenlo e o plano, approvados pelo Exm. Sr. pre-
sdanle em 17 do maio d-i 1845. e pelo i.reco de
4 130.000 rs., que be o importe do orcamento ug-
mtntido de 23 /
Art. 2.' As obra* principiars no prazo de dous
mezr-s, o serio concluidas no prazo de doze me/es,
ambo contados em conformidade do artigo 10 do re-
glamento das arrematacdes.
Art. 3 O pagamento far-ie ha conforme o artigo
15 do precitado regulameolo, aondo de 12 mete o
prao de raspontabilidade
Art. 4.* Para tudo o mais que nao est determina-
do us presente chusulm especiaes. eguir-se-ba in
ii'ir.niii'iiin o que ditpde o precitado re^ulamento de
11 de julbodo 1813.
Reparticio das obras publicas, 23 de dezembro de
1815. O engenheiro em chafe,
Fauthier.
O ioutor Jote Thomaz Nabaco de Araujo Jnior,
/dalgo cavalleiro da cata tmpaial. cavallei'O da
urticante Cknslo. juii de direilo do civel deela c>-
darle e seu termo, por i. M, /., quem Ueoe
guardf, etc.
Faz publico,para conhecimento do credore hypothe-
carios e pessoas interessadaa ae o houverem que a
caso sita na ra da Camboa-do-Carmo na eaquina
do buceo, que vai para a ra das Flores foi deaappro-
pritd a Jos da Cesta Dourado o qual te acha au-
euleeni Portugal equeo preco da desappropriaclo
be de l:900/rs. e esta depositado no deposito geral
dala cidade. E para que chegue a noticia de todos ,
mandei pastar o pieiente que tai por mim asiignado
e sellado coan o ello deste meu juio ou alna leui
sello x cauta.
Recife, 14 de Janeiro de 1846 Eu Jote Jutlino
Fernandet Souza rscritao o escrevi. Jote Tkomaz
Kabucode Araujo Jnior. Ao sello 100 r. Va-
Iha tem (ello ex causa Nabuco d* A'aujo Jnior.
Declaragoes.
_-Olllm. Sr. inspector interino do anenal de ma-
tinba manda fater publico, que amanhaa, 4 do cor-
lante, pela 10 hora do dia, contratar a compra de
urna peca de cabo de linbo de 3 pollegada, tres dita
de 2 e meia dita, e trea ditos de 2 ditas ; assim como
de qualro par de linba de barca, cinco arroba a vio-
la tete libraa de toucinbo, dua arrobas de sabo, e dus
ditas de fumo.
Secretaria da inspeccao do anenal de marioha de
Pernumbuco, 3 de fevereiro de 1846.
secretario,
Alexandre Rodrigue! doe Anjo:
""O arsenal de guerra compra 14 arroba de reo de
e"0e diferentes larguras: quem Ibe coovier vende
,0 i remeta a directora do mesmo arsenal ua pro-
P'l em carta fechada at o dia 5 do futuro mez.
^l'wtorit do Arsenal de guerra 31 de Janeiro de
1816 a= O escripturario Francisco Serfico de Asm
wtalko.
COMPANHIA De'bEBERIBE.
' Srs. accionistas bsjio de realisar urna prestacad
oe6prcenlo, dentro do praio de dOdiaa. coudos
desla dU. Estriptoiio da compenb, 22 de Janeiro
a 1846O secretario, B, J. Fernanda Bar ro.
COMPANHIA BRASILRIla. DE PAQUETK DE TA*OR,
No escriptorio da ra da Cruz, n. 7, existen: va-
rias encoinmendas, vind por diversos vapore de dif
ferente porto para o lllm. Sr. commen lador
Vicente Thomaz P. F. Camargn, capilio-tenenle R.
fael Priende de Moraes e Valle, tenente-coronel Fran-
cisco Jos de Carvalho, Joo Baptista Pereira Lobo,
Antonio Marcellino Nunes Gonpalves. GusIhvo Aniceto
de Souza, e Jos Joaquim Ferreira do Val'.
THEATRO PUBLICO.
CIUMMIM ITALIANA.
Sabb'ido. T.de fevereiro,
em beneficio da seohora
Marielta Marinangeli,
ser repreteniado o melodrama-cmico ero dous acto do
Sr. Cav. G. Donuelti
A FILHA DO REGIMENT.
Pereonagent. Acluree.
O marque?, de Berckenfield. O Sr. Joo Toelli.
Sulpizio, argento......O Sr. Paulo Franchi.
Tonio joven suisso (simple no
l.'iato, educido e nobre no
2.............
Maria.-vivandeira pnianteira al A Srl Miriea M,_
seusivel ( incgnita (Iba do fin.og.ij.
marquez) -.......,
Orlensio mordomo do mar-JO Sr. -Giacomo Bo-
quea ...........' nanni.
Um notario.........N. N.
Uoi cabo de esquadra.....N. N.
Coro de soldados francesa," camponezes suissos, e
criados do marquez.
Com esta brilbantissima peca a beneficiada espera,
salisfaier completamente aos Srs. apaixonados da can-
loria, que a quizerem honrar com sua presenta e pro-
O Sr Jos Marinan-
gal i.
lecpSo
O bilhetes
Nova, n. 7;
tro.
vendem-se ja em caa do director, ra
e, no dia da recita, no botiquim do thea-
(Principiai ai 8 Aorar e meia.)
N. B. Esta recita nao be da assignatura.
Avisos martimos.
Para o Rio-Grande-do-Sul sahir, poi estes 15
dias, o brigue brasileiio Independen te ; tem praca para
carga leve, passageirose escravos a frete : os pretenden-
tea podem tratar com Manoel Alve Guerra Jnior, dat
10 hura da manhfia em diante, no armarem de cabo do
Sr. Francisco Mamede d'Almeida, ou com o capito
Fructuoso Jos Pereira Dutra.
- O brigue-eteuna Henriquela eguir para o A-
racaly no dia 8 do prximo futuro mex do fevereiro :
quem nelle pretender carregar e podar entender, na
ra do Vigario, caa n. 23, primeiro andar.
Para o Rio de Janeiro sabir:- com brevidade o mui-
to veleiro e forrado de cobre brigue brasileiro Ledo :
quem no metmo quizer carregsr, ir de pastagem, ou
mandar escravo a Irete, falle com Gaudino Agostinbo
e Barroa, "na ra da Crui, n. 66.
=l'irao Kio-Orande-do Sul sahir com brevidade,
e inda recebe carga, passegeiros, e escravo a fretn, o
brigue-eicuna Bella- Virginia, da conaignacio de as
cimento Schaefler & C.
= Manoel Joaqtiim Ramos e Silva roga aos Srs. car
regadore do bergantim Importador o- obsequio de
mandarem teua conhecimentos para seiem aiii^nado e
poder formalisar seu manilesto.
Le.I i.
= Rolbe & Bidoulac fio le.lio, por inlerven^io
do corretor Oliveira, de um bello aortimento de la-
iendaa de seda, la e algodo as mai proprias deste
mercado: quinta-feira 5 do corrente as 10 bora
ri, nlia no sen armazem ra do Vi ario.
s visos diversos.
=Jos Simes de Arevedo, lento de lingoa franreza no
lyco," tem aberto em tua rasa, roa estreita do Rosa-
rio n. 30, terceiro andar um curso de PUlLOSo-
i'in a e oul'o de likcoa FRancbza. As pessoas que
quizerem estudar qualquer dettas disciplinas podem
dirigirse a indicada residencia a quslquer bora.
Na ra Direita sobrado de um andar n. 56,
precisa-se de urna ama de leite que o tenba I om e em
abundancia e tem lllio.
O CLAMOR PUBLICO.
O n. 74 cha-te a venda, na praca da Independen-
cia, livraria ni. 6 e 8.
l)eseja-se saber aonde mora o Sr. Paulino Anto-
nio de Arevedo, para se Ihe fallar a negocio de seu in'e-
rece.
O abaixo assignado fax publico principalmente
aos pas de seu alumnos, que,desde do primeiro de fe-
vereiro corrente a sua residencia e aula de primei-
rst ledras da ra da Conceicio da Boa-Vista lie na
travesa do Verat (do mesmo bairio ), no sobrado n.
13, contiguo ao Sr. Victorino Jos de Souza Travassos.
Policarpo Nunei Correia.
Lotera fie S. Pedro Itartyr
de Oiinda.
Neo lando sido possivel eflectuar-se no dia 30 do
prximo lindo mex o andamento das rodas desla lotera,
como se havia aonunciado, por existir anda por vender
um crescido numero de bilbete, cujo valor sobe a pou-
co mais de metode da lotera, o que so deve attribuir
continuaciodo paisamentoda fetta ; declara o respecti-
vo tbesoureiro, legtimamente autoriiado, que tem
traniferido para o dia 26 do corrente mez o lobredito
andamento, bem convencido que, no espaco de lempo a
decorrer atee dia, o amadores deste jogo concorre-
ro a prover-e de bilbete no lugarai j publicado.
Joaqun) P. reir Lima, subdito portuguez, reli-
ra-se para lora desta provincia.
__ precia-se fallar com o Sr Manoel Bibeiro J-
nior, natural da fregueiia de Naspereira, concelbode
Lomada ; islo para seu rateresse : na ra da Cadeia do
Recife loja de JoSo Jos de Carvalbo Moraes.
Carlos Hardy, ourives, mudou sus loja, do Atter-
ro-da-Bo-Vsta para a ra Nova, n. 32, que foi do Sr.
Caj, alfaiale; tem um sortimeoto de obra de lora, e
ditas da trra para vendar, tudo de ouio dalei; e fas
obras de ouro de eocomn eoda,e concrta qualquar obra
com presteza a a preco eonmodo.
- Precisa-se da uma mullier para criada de um
oaia de pouca familia, que laiha engommar, coiinhar,
e todo mais servico interno da mesma : a ti star na ra
d')Sbn, casa entre ns 34e56. Na mesma casa o-
cima ha uma mulner desimpedida e de bons c tumos,
que se uropSo a ser ama de leite, o qual tem bom, e
em abundancia.
Tondo-se extraviado do poder do abaixo assigna-
do tres letiras a saber: urna acreita pelo Sr. Joa-
qini Goncalvea CascSo, da quantia de 132 000, rs., a
venecr-seom 20 de maio, oulra dos Srs. Santos Neves
& Guimarea, de 155.000 ra em 16 de junho, a a
ultima, pelo Sr. Antonio Jos Antunes Guimar3es,'de
240.900 rs. em 5 de junho, tudo no corrente anno;
fazrm sciente ao publico para quo nlo lacio traniae-
rOes com as mencionadas lettrss, porostarem ossenho-
re acceitante prevenido para s pagarom aos aaccado
res abaixo assignados. Eliltr tf C.
- A oflicina de enoaderoacio, que o padre Lemos e
Silva dirijo na ra di S Francisco antigamente
Mundo-Novo, n. 66. aclia-se prvida da todo o neces-
sario para desempenhar quaesquer encadernaroes. que
se exigirem, com a perfiiu/io e gosto j conhecidos do
publico, ea um preco commodo.
= Francisco Ribeiro Pires embarca para o Rio-de-
Jaoeiro a escrava crioula de nome Anglica, com 13
annos de idade, para entregar ao Sr. Francisco dos Sao-
tos Tarares.
= Ctaem precitar de um moco portuguez que di
fiador a sua conducta para venda padaria ou ar
mazem dirija-ia a ra da Senzalla-Velha, n. 81.
- Quem precitarde um moco portuguez que d
lianza a sua couducta para pagem de orro ou para
criado de porta dentro dirija -so a ra da Somalia \ e-
Iha, n. 81
- Joaquim Manoel Carneiro da Cunha participa
a aeua davedores, que, pretondondo retirar so da pro-
vincia da Parahiba, aonde he morador, para a dol'er-
nambuco, Ibes adverle que, da data do presento avilo
a 6 mezei devem remir tuat ledras a fim de o nio
comtrangerem a lanzar mo dps meios judiciaet.lo re-
pugnantca ao seu genio ; assim como Ihe avila, que
Antonio Thomaz nao be mais seu procurador. Cida
de da Parabiba do-Norte. 24 de Janeiro do 1846.
O prelo da Costa, JoSo Renediclo da Costa, ca-
tado com Rozo Mara da ConceicJo. declara, que ha
perlo de 5 annos se acha separado della ; o mesmo
declara que d'ora em diante nio paga divida alguma por
ella.
= Olerece-so uma ama com muto boro leite para
criar levando em tua companbia o filho que tem de
9 a 10 mezei e que nesla occasiio o desmama : quem
de seu prestimo sequier utilisar, dirija-se a Por'-
Velba n. 14.
Declara-se quo o annuncio inserido no Dia-
rio de hontsm com aa lettras inicises J. J. L, nao
se entende com JoSo Jos de Lima.
Francisco Jos Pacheco de Oliveira faz publico .
que deiiou de ter gerencia no armazem de assucar de
Jos Gomes Villar desde odia 31 de Janeiro do cor-
rente anno.
= Na ruajla Cadeia do Recile, n. 46, ha uma gran-
de quantidade de chumbo de municao de diflerentea
quahdadea e igualmente um sortimenlo de multo
excedentes vinhosdo Porto, muto velbos, Sberry, Ma-
deira Figuera, Lisboa, Bruxellaa Claret, e muilo
boa agn'ardente de Franca tudo por preco comm do.
Aluga-se uma preta captiva que tenha bom loi-
le para criar uma menina ; na ra Uiieita n. 112,
segundo andar.
__ Aluga-se uma boa casa terrea na ra de Agoas-
Verdes n. 12, d> fronleda porta travessa de S.. Pe
dro : a tratar na ra largado Rozario, sobrado n. 44.
= Precisa se de urna cozinbeira ; na ra do Mun-
do-Novo, n. 58.
Quem precisar de dinheiro a premio rom pe-
nhores deouro e prata ou com hyp tbeca em urna
casa sendo a quantia de 600,000 rs. v a ra da
Praia por delrsda nbeira n. 17.
Precia-se lugar uma preta para uma casa de
duas pessoas que s*ua laier o servico de uma casa ;
ni si typograpbia so jira.
a-se dmhero a juro com penhores de ouro e
prata mesmo em pequeas quantias; rebatem-se sol-
do e ordenados com condiies : na ra do Rangel ,
n. 37, ou na ra da Praia, n 22
No escriptorio de Le Bretn Sihramm 4 Compa-
nbia na ra do Trapiche, acbo-se cartas, vinda de
Cotinguiba. para os Srs. Joas Neiluliano Curcinode
Macedo Francisco Antonio Bibeiro' de Oliveira, Ju-
dio Antonio Guimares. Americo Militiode Freilas
Guimaries, Francisco Rabello Leite; os quaes f^rao o
favor de vir buscar s mesnias pessoalmcnte para te lal
lar a reipeito de negocios do meimoi Sr., al quarta-
feira 4 de fevereiro.
Roga-e ao Sr. J. F. A. ( que veoba pagar a
quaotia de 11 #320 r.. que dse, ba mais de dous an-
oos, na loja da ra da Cadeia-Velha n. 60 isto no
prazo de 8 diaa ; do contrario ver o seu nome pu-
blicado por extenso.
Roga-se ao Sr. J. J L. que dentro de 8 diaa
venha pagar quanti de Hi9l0, que deve, ba mais de
2 annos na loja da ra da Cadeia-Velha n. 60 ; do
contrario ver o eu nome por exteno.
O abaixo assignado tendo de r- tirar-ie para (ora da
provincia com sua familia, se Ihe faz preciso vender a
sua venda n. 68. da ra da S. Cruzd Boa-Vista, a II-
nbeiio ou a praio ; a qual tem commodos para fami-
lia ; vende mais as suas oscravas do trrico de cata e
alguot objeclos da sua mobilia : a tratar na metm
venda.
JciSoare Pinto Correia.
O padre lolo Jote da Cotia Rbriro fax sciente ao
publico e aot pan de eut alumno, que te acha abar-
te a sua aula e que continua a receber pensionistas e
meios pensionistas e Umbem entina grammatica la-
tina e franeeia. Ra do Vigario, n. 8.
= A matricula d aula de obtletricia a acha abor-
ta e tar fechada no ultimo do mes; at lices principia-
ro no da 16.
a> Acbou-io uma vacca ; quem for eu dono, rece-
be-la-ba no sitio do Rozarioho dando o signaos
cortos.
Umtpessoa habilitada ede bons costume e of-
ferece paraensinar primeira leltras indo a casa de
seu alumno : quem de seu prettimo e i|uier sbltsar,
dirija-e a ra do Collegio botica n. 10, que se dir
quem he.
Tranceln de quliuei mu ie.o, annei, fita, flores
adereco, pulceiras brincos, &c.; tudo o mais bam
leito possivel e por preco mdico.
O abaixo assignado, procurador bastante do Sr.
J lo Lui Vianna. o por elle competentemente auto-
risado a receber de todos os seus d-vedores o importe
de seus dbitos, previno aos meamos por elle annuncio,
que. a contar da dala deste 20 das, prope-se a cobrar
amigavelmente; o, lindo esto prazo, psara a usar dos
meios judiciaes : e para cumprimeolo de seu dever
faz o presente por elle assignado
Jote Ferreira Oliveira Souto.
0 abaixo assignado, tendo dn retirar se pira lora
da provincia, avisa a toda a pessoas, que teem penho-
res em seu poder, que os vio resgatar da data deste a 30
das ; do contrario passar a vende-los para ser embol-
sado de suas quantia ; assim como avisa a todas 89
pesson quo Ihe devem cuntas de livro de fazerem o
obsequio de ter toda alloncao em mandarem satis-
fazer os seus dbitos, que so Ihe ficar summameoto
agradecido. Jote Soaret Pinto Correia.
Al'Jga-se um eptimo oscraro padeiro p"j \1,
rs. mensaes: na ruadaa Irincheiras n. 46 primeiro
andar.
= Di-se dinheiro a premio, com penbore met-
mo em pequeas quantias : na ra do Rangel n. 11.
Joaquim Pereira Arantes mudou a sua loja d
calcado da praca da Independencia para defronte da
mesma ns. 13 e 15.
\cIih-mi de novo aberta a muto contienda loja de
ralead.i sita na praca da lodependencia ns. l3 a 15,
com bom sorlimento de calcado novo e outro muilos
velhot que serio vendidos a todo o preco.
= O Sr. V. T C. queira ter a bondade da vir pa-
gar na ra da Cadeia-Velha loja n. 60. aquella con-
la que ficou do pagar : por ser j muito enliga nio
se pude mais esperar.
Aluga-se o sobrado de dous andares e agoas-fur-
tadas no pateo do Livramento, de Joaquim Jo6 Fer-
reira n. 33 .com ptimos commodo: a tratar na
loja do mesmo sobrado, ou na lua'prenta no Forle-
do-Mallo.
= Manoel Francisco Coelho, professor publico de
grammatica latina da fieguezia de S.Jos desla ci-
dade avisa aos pas de familia que mudou a aula
publica e sua residencia para a ra da Praia do S.
Rila, sobrado n. 43 Os pas de familia, que quite-
rem matricular seus filbos dirijio-se a sua residencia
a cima declarada.
Agencia de passaportcs.
Na ra do Collegio,botica n l.eno Atterro-da-
Boa-Vfcta luja n. 48, liro-so pasaporles para dentro e
forado imperio,astimcomo despacbao-seotcravot.tudo
com brevidade.
__ Precisa-so de um bomem do boa conducta, que
entenda do amansar e foinear, para uma padaria em
S Anlo : quem oslivor nestas oircumstanci.s diri-
i,.stf fa larga do Ro/uriO n. 60
i Desoja so saber, se existe nesla praca pessoa que
lenba alguma relelo com o Sr. Manool Pacheco de
.guiar, residente no Rio-Grande-do-Sul, para se
tratar negocio de urgencia a benelicio do dito Sur.
Aguiar.
Teodo-se deseucamnhado umn letlra do abai-
o assignado da -luanlia de 200*000 rs. aceeita por
io Jaeiolho Prreira Cabial a vencer; prevnose
n qualquerpessoa quo nio f.ca Iran.acco com a re-
ferida ledra por estar ja p-ga polo .ceilanle.
Amonto Jote da Colla.
Desappareceo no dia 27 do corrente do Aler-
ro-da-Boa-Vsta loja de cha.ulos n. 12. o pardo
M.noel Joaquim lorro que eslava empiegado na
dita loja ; furtou 4 veslidos de chita. 3 camisas do se-
nhora 5 ditas de homem 1 lolba ue rosto um
calcas de brim de listia 1 jaquel de bnm trancado .
2 pare de meia 1 lencol uma encbada 1 P
f.cio, 1 machado 2000 r. em cdula 8 libras de
carnedoCear 1 laceo que levava tola e.ta ferra-
menta dentro; levou na cebeca 1 chapeo de palhinba
debrunbadode fila azul e em roda amarrada fila la-
minada urnas calca nova de algodo trancado com
lislra branca e a.uei nova, camisa de algodoz-
bo lamben, nova ; o qual lem o. legu.ntei sign.es :
1,81X0, cheio do corpo e cheio de becbg.s olbos pe-
queos ps ebeios de cravos seceos, cabello meio-
corridos; tambem levou urna aqueta de panno lino
prelo, urnas calcas de merm ji velhas : roga-o a
Iquer pessoa que o encontrar o mande pegar a
ir a dila kqa, ou inelta-o na cadeia, que er grali-
ss fos Lopes Roza de Albuquerque lev, para seu
tervico na corte do Rio-de-Ji.ne.ro, um mulat.oho eu
eeravo de nome Lucianno.
__ Aluca-se o primeiro andar do so-
brado da ra da Senwlla-Vellia junto
ao Sr. Lesserre, com commodo para
grande familia, e muito fresco : a tratar
na ra db Collegio n i4, segundo an-
dar, ou no armazem do Bacellar, no lar-
go da Alfandega, com Jos Marcellino da
Roza.
Compras.
__ Compra se uma prensa e mai perlencesde fsxer
farinha ; defronte da nbeira da Boa-Vista, venda
n, 58.


Comprio-se para fra da provincia escravos
de 13 a 20 annoi; sendo do bonitas figuras pigao-se
bem : na roa da Cadeia de S. Antonio, sobrado de um
andar de veranda de pao n. 20.
Comprao-se dous escravos, um pedreiro e ou-
tro carpina para urna encomienda do Ro-Grande-
do-Sul ; na ra do Collegio armwem n. 19.
Compra-se ama casa terrea cui qualquer dos
bairros dest* cidade que o seu valor se ja de 800,000
rs. pouco man ou menos: na ra da Cruzas, d. 30.
= Compra-se um moleque de Angola, nSo eice-
dendo de 20annos.; paga-so Lean : na ra Nova, loja
francesa, n. 10.
Compra-se urna canoa aberta, quo pega em 500
lijlos de alvenaria e um terreno em alagado ; tres
da ribeira de S. Antonio artnazem de cou'ro* no bec-
to do Goncalves.
= Compra-se urna duzia de cadeiras e urna mar-
quesa rom pouco uso; quem tiver, annuncie.
Na olsria do Cotovello, compra-so a troco de li-
jlo e Iclha, 1 canoa que pegue em 1500 lijlos de
alienara grossa eoutra fechada ou intimo aberta
sendo pequea urna ve/ que sejio novas ou eitejio
em muito bom estado : quanto a grande, nio impor-
ta que seja de conduzir agoa estando ella no estado ,
que se requer.
l-------- =
4
Vendas.
*= Vende se n.Manuol do Cidadio ern um governo
representativo ou principies de direito publico cons-
titucional administrativo, o das gentes por Silvestre
Pinbeiru Ferreira 3 v.; na praca da Independencia ,
linaria ns. 6 e 8.
Vende-se superior vinbo tioto do Porto, em bar-
ra de oitavo em pipa : na ra de Apollo, n. 34.
= Yendem se os mais modernos cortes de tarlataoa
escocer pelo barato preco de 4000 rs. o corte ; ra
esdo? franceses de quadrosc cores (xas, a 220 e 240
rs. o covado ; coi (es do chitas de asiento branco e coks
finissimas pelo diminuto preco de 1G00 rs. o coitedo
13 a 14 covados ; algodo de listras azues proprio
para escravatura a 200 rs. o covado ; ruarte aiul com
4 palmos o meio de largura, de superior quahdade ,
a 2SO rs.; macos de me es de linbo para bomcm, mui-
, to finas a 6000 rs. a duzia ; fustdt'i alcochuados pa-
- va o,lides o 800 rs. o corte ; meiaa do seda preta e
branca p.'ia senbora o mais superior que tem app&re-
cido a 3/ rs. o par ; eoutras muitas fazendas bara-
tas: na ra do Crespo loja n. 12 de Jos Joaquim
da Silva Maia.
Vende so urna parda vistosa o sadia engomm8
bem ro/iiiha o diario de urna casa cose mu bem
costura cbaa cnsaboa, e corla vestidos de senbora ; na
ra du Cadeia do Itecife loja de Joio da Cunta Ma-
golbies.
=;Vende-se milho a 25G0 o 5200* rs. o alqueire
pela medula n iba ; saccas do arror. pilado ; ditas de
fejiio mulatinlio ditas de (arinba ; barra com mel,
chelos no cngenbo ; todos estes gneros sao proprios
para embarcar,^ior sua qualidade ser rnuito boa: na
ra da Cadeia do lenle n. 8.
se Vende-se cera do cor para limes de ebeiro a lj
rs. a libra ; na ra do Rangel, n. 52.
ss Vende se urna obra do diccionario de tbeologia
por licrgier ; na ra do Cabug loja da esquina de-
fronte da matriz. de Jos BrandSoda Rocha.
= Venue-se um bonito moleque de Angola, peca,
de 18 annos bom canoeiro e cozinheiro muito fiel
e nSo tem vicios ; na ra estrella do Rozario ctica
do Sr. Pararnos.
= Vende-so um piano de ptimas vozes chegado,
ha pouco. de Hamburgo do melbor autor que ate
hoje tem apparecido ; na ra da Cadeia do Htcifo, o.
16, primeiro andar.
= \ende-sc a annacao da loja sita no Alerro-da-
Boa\ isla, n. 70 : a tratar na iua iSod, n. 15.
= Vendem-se superiores cartas francesas para jogar;
na ra Nova n. 25.
= Vende-se um relogio de ouro brincos, anne-
l6cs boluca, trancelins, corddes, fivelas, 1 roiario ,
24 colburcs para soupa e cha duas caitas do prata pa-
ra rap pralos rasos e fundos a 880 rs. a duzia ;
copos, u 100 e 120 n.; casticaes do vidro, a 1440 rs. o
par ; o outrss obras de ouro e prata e objectos de
venda : na ra do Rangel, n. 11.
= \ ende-se um n.ol que do najo de idade de 18
annos, ptimo cozinheiro, e de boa conducta, o que se
efianea ; urna mulnlinhn de 14 annos cose e tem
principios do engommar ; um mulatinbo de 15an~
noi; urna negrinba de 16 annos ; 4 escravos de ncao ,
com bonitas figuras ; urna parda ptima para ama de
urna casa : na ra Uireita n. 3.
=; Vende-se a venda da ra da Cadeia do Recife n.
1 : a tratar com Jos Goncalves Torres.
= Vendem-se excellentes charutos de regala, em
caixinhas, por preco coinmodo ; em casa de Novaes &
Companbia ra do Trapiche n. 34.
= Vendem-to i cscravas gendo duas crioulas de
13 a 16 anoos, de bonitas figuras eduas de naci ,
de 20 a 30 annos com varias habilidades ; doui mu-
iatinhos, de 12 a 15annos, ptimos para aprenderem
cilicio ; um moleque de 15 annos, para todo o ser-
vito ; um pardo, de 22 annos, ptimo para todo o
servico de campo ; um escravo de naci d.B *0 an"
nos ptimo padeiro : na ra da> Cruzes, n. 22, se-
gundo andar.
tendo urna cra de idade de 2 annoi muito eiperta ; I pequea* porcSes para embarque : no pateo do Car-
na ra do Queimado n. 45.
=Vendem-se sacras com fareloi, viodos de Lisboa,
o mdico preco de 2500 rs. a sacca ; no armasen do
Braguei, ao pe do arco da Conceicao.
= Vendem-se cortes de cana de cor a polka a
2600 rs.; cambraia lisa a 320, 480 e 900 rs.; brm
branco de listras superior, pelo barato preco de 280
rs. o covado ; lencos brancos pintados grandes, a 260
rs.; tarlatan a 3200 rs. o corte ; chitas finas escu-
ras, a 160, 200e240rs,; panno fino preto a Ai
rs.; lencos de seda, a 600, 1400 e2000 n. : no Ater-
ro-da-Boa-Vista loja n. 14.
' Vende-se, ou permuta-se por casas
terreas, nos tres hairros do Recife, um
armazem grande de pedra e cal, na ra
de Atollo do Recife, ns. a8 e 3o, da par-
le da tnar, o qual tem muilas proporcSes
para se levantar um elegante predio, e
com desembarque no fundo, proprio para
algum estabelecimento, que se quizer por,
e" he tambem de esquina, o qual pode abrir
portas e janellasno oito da parte do nor-
te, e juntamente com o mesmo predio
vendem-se duas canoas de agoa, urna no-
va e nutra em bom uso, duas ditas abertas
grandes e seis escravos canoeiros : quem
tal negocio Ihe convier poder diiigir-se
ra da Sanzalla-Nova, venda n. 7, que
adiar informac5es sobre venda ou tro-
:. vi
OH QUE BOLAX1NHAS!
Vendem-se latas pequeas e grandes da
muito superior e recommndavel bolaxinka
du jrar-uta ltimamente ebegada, bem tor-
rada de difiereole qualidades, e ebeiros
agradaveis, como sejio; flor de laranja, bau-
nilba, herva doce &c em poredes e a re-
lalho por baratos.precos : no armazem do
Hacellar, defroole da esctdinba da "sifan-
dega.

m
=Vendem-so um crioulinbo, e um mulatinbb ,
proprios, pela idade, para aprenderem qualquer officio ,
e mesmo para servirem de pagens ; na ra da Pal n.
38. Adverle-ie que nio sao vendido* laes escravo*
por difeito algum asmenle por precitao.
ca.
Vendem-se duas moradas de casas, na ra da
Guia sendo urna de sobrado e sollo com seu quin-
tal e cacimba cblos proprios n. 9, e a outra terrea,
com sollo e fundos al a ra de Apollo n. 2 ; na ra
da Moeda, n. 7, a tratar eom Leopoldo Jos da Costa
Araujo.
Potassa americana
de muito superior qualidade, vende-se a 250 rs. a
libra ; no armasem do Hraguez, ao p do arco da Con-
cedi.
= Vndese farinba de mandioca do Rio de-S.-
Francisco, em saccas ou alquoires, de muito boa qua-
lidade ; assim como um alambique novo, com 411 li-
bras : no arco de S. Antonio loja n. 2.
Vende-se puUssa ameri ana, ltimamente ebe-
gada em barris grandes e pequeos; lencos pretos,
de seda da India ; selim prelo de .Vacio ; velas de es-
permacete de 4, 5 e6 em libra ; cera amarellu ; al-
godlo gros6o para saceos ; ludo por preco comuiodo :
em casa de Malbeus Austins & Companbia na ra da
Alfandega-V'elba n. 30.
ss Vendem-se moendas.de ferro para engenbnsde
assucar, para vapor agoa c tiestas do diversos tama-
ribos por preco commodo ; e igualmente taitas de
fero ruado e balido de todos os tamanhos : na pra-
ca do Corpo Santo n. 11, em casa de Me. Calmont &
Companbia ou na ra de Apollo armazem, n. 6.
Vendciu-st' pilles de be-
zerros raneczes, grandes c de
superior qualidade: na ra da
Cadeia do l&ccife, u. 55.
RAPE DE GASSE.
Cbeguu pela barca firmeza nova lomada ato muito
apreciado rapgrosso e meio-grosto, com bom sorti-
menlo de meiaa libias para se poder satisfaser a lodos
os fregueses dessa saoorosa pitada : vende-se no de-
posito gersl da ra da Cruz do Recife n. 38.
Vende-se polassa ameri-
cana ,
ebegada ltimamente e de superior
qualidade, em barris pequeos, a a5o
rs. a libra ; em casa de J. J. Tasso J-
nior.
2Yo caes do Collegio, n. 9
existe um novo armasem com farinba de S. Malbeus e
millio, ludo, tanlo_a retalbo como em porcCes, e mede-
seavonlade dos compradores, medida velba rasa, ou
caculailu como de matulo, e por-menos do queem outra
qualquer parle : os prelendentes dirijio-se ao mesmo
armarem, ou a ra da Cruz, n. 54, a fallar com Manoel
Antonio Pinto da Silva,
Vendem-se pcllcs gran-
des de bezerros envernisadas
e engrachadas, muito frescas
e macias; e carnciras de lus-
tro de tamanbo grande, e "
prego barato: na ra do Vi-
gario, n. 11.
= Vendem-se lijlos de marmoie com os compe-
tentes cantos de 8 e 10 pollegadss quadradas; lonas
largas iguaes as daBussia para camas de vento e en-
cerados por sereio todas de linbo ; 10 barris de po-
laisa da Rusta de 4 arrobas cada um ; 10 barra de
eblorre deca ; 42 vasos elegantes para flores ; todos
estes objeclos por preco commod > sendo para lecha
contas : a tallar com Jo-fe Saporite, na ra do Torre* ,
n. 34. lerceiro andar.
= Vende-se um nellim patente inglez quasi
J-novo ; na ra da Cadeia Velba botica n. 3.
Contioua-se a vender chocolate novo, a 240 rs. ;
caf moido a 160 rs. ; dito em grao a 140 rs.; ca-
vada a 100 rs. ; paisas a 320 r*. ; carnauba de 7 e
8 em libra a 320 n. ; espermaeeU a 800 rs.; man-
teiga inglesa a 880 rs ; dita francesa nova a 600
rt.; cha byssoo a 2560 rs. ; dito perola, a 2400 rs.;
dito ucbm 1600 rt. ; caiiSet com bom doce de
goiaba, com 8 libras a 800 rs. ; esiim como toda-
a* qualidade* de doce de calda o mai bem feto possi-
Vende se urna e*cravacrioula, com b*bilid*de*,|vel, por preco commodo tanto em grande, comoem
010, esquinada ra de Hortas, lado direito, n 2.
Ijjoi aidmfli ijss ojj
-n| op oSajsjjo sajopuduioa so onb ogHiinuioa ranli
-|nb onb a loquiiueq soiaad jod topipuo ojdujas
0{jai 'oBuoiouauj oru es anb soiinu sojino a >o8iij
lopvuoiaoaui so anb 'o>i|qnd |0aiiadtaj os es-eiiatpv
ii||9jujB 0 sousjq sopuej a laqjingdsa iajn9ia|
aiaajejjjp meo so||3j*ui a losuejq sos|j sao|i9
! */.oj ap joo a 0||aj*m* 0|ip o)iaj)ie a o9ji| oaotiq
aioijoA : topepjoq o sosq *)auiqoq a oqoi| ep 0|ij
! itjn8jB| la upo) ap soajq ap oiuauii)JOs moq i vjoqu
-o o uiauoq Bjnd |osepioadiqa '. tajossejiooq ap op
-iduieisa sojip alats ap a *a|di{^ ap soj8 ap 'miia* ap
'eiard *pa* ap sojob| '. iissny tu lopiaa)' iop30Jiaa
IQJ3 Ojjq ojapoui iB'/aausjj ssj|iusi3 lioq sop
-jijo* maq souijsouusd lajoa op *tpaeit{j*s 9]a|
-|oo tjd oaanj ep una* iiajoo-aiJnj a omauno *ox
-noj soouuq 'sanzt 'tapjet iag)ajB| ta9ooota sojip
' uiiiaujio 'sapjaA sajoa-tjjnj sos| *ia|d)j ep sojW
'. ipes ap sa|iqa iooij epaipQ a a lazaaoa laojpid
moa 'aroquas ajad uiijat ep saiuauj epoiuaujijoi uin vq
' sipuaicj s*)ipejqoi ssp ui?|y 'BuiMJ '*J Bojpaso)
-io a |iui tnop a o5buj|b op ojeiuioj o uioa ipui||oq
Biaui opuiSuy |adtd uioq opaaoa o **j jueijo a so|
-uso ojjBnli b 'som soiino a ioi|uijjbd jbjjoj 's9jsbj|
Jijqoa BJBd suijdoid ibjoj laioajajjip uioa o|po9|B
a bb| ap soaituiap saaijtd sias a apapijBnb Bpunoi
ap sojip : iB3i|*d eaou a tpas opu;9uy ag| a ogp
-o8|B sopezjiBui Bj?ABiu;id ap soi;p '. seasiBd zaj) b
' i ,'g ap sojip u |im snop e f/ ap oi;p *t3*)d
tooi 'oquBUiBi op f/g moa *(| ap *a|Bqa isd o iuoj
-oa ezop uiauoq Biad laudojd siaoosg *p oy ep
scauajq stAn| jad apaa susiuj esop a aioqua* bjbiJ
sBudojd M||a uioo a sopap mas Biajd apas ap scn|
! bjba a opasnja e apipj|*ob |3Aij[|osap *pi|iua jos
a uros saiuajdsuej) *ni| (BiBjqujes i opimos o asaj
-sd e 0Riu|| ap lAOjd e scpaduiBisa segjpid tojino a
s*j|i|| 'topniuj soqujUJBi *b8ji| 'tesaauuj tajiqa !op
-baos o suajuu ezop soaoq sagjpad sej|i)| a sojp
-snb utos 'zaipiqs op sazasuBj) topiaiu opiAoa o suaj
-oa baou b SBiy 88JOD UJ03 oqui| a OJpo8|B b sopio
-8) 'bjo8jb| ap ioui|Bd f moa soquipniuj soqujpcssu
turn apaa i ibihia a/op a 'spes j;9uy a sbxij sajoa tajp
-sq.1 ap io5oa| uiapuaA ai uiaquiei : sopauSjsap osisq
oei snb soiijb sibui so sopo) uiisib maq a '. izajniau
aiaq|8iuas ep oi;ejep uiau bjjbab uiaai oso ssiiqo
SBpBuoisuauj ib onb'9s-Bjatoise a : BIUJ0U039 oBJiiud
anb s*{|i otsi jod a'si||i 1.1)11.i||93sa 'soquesap siatepuSa 'aoouad
suoq utaa) SBjiqa sejipaiqoi : opaAoa apas Bt|td tiaui
p oSajd opjapouj oa 'OBVIO 00 OlRatlOM 30
SVJJHD ei-ujapusA oiuoiuy ; ep 03j* o ajad a)uajj
a ujo3 oi8d||ie) op sor ap *uinbia Bp ajoi u\ =
Vende-se urna canoa que esl
em muilo bom estado e de muito boa conitruccio ;
carrrga 600 lijlos do alienara : na ra do Rosario da
Boa-Vista armasem de farinba n. 53
= Vendem-te chapeos de teda de cores para senbo-
ra de muito bom gostoe modernos, pelo mdico pre-
co de Vil a 14j rs. ; na ra da Aurora n. 42 se-
gundo andar.
=> Vende-se a venda da ra Uireita dos Afogados,
n. 42 com poucos fundos, e bem acreditada : a
tratar na mesma venda.
= Vende-se a venda do paleo do Carmo n. 13 :
a tratar na mesma venda.
= .Vendcm se as verdadeiras pillas da familia do
autor Salasar, chegadas ltimamente do Porlo ; na
ra do Vigario, escriplorio de Francisco Alve* da Cu-
nba, n. 11.
= Vende-se urna prola de Angola moca e bem pa-
recida cotinba bem o diario de urna casa lava en-
i.omiiia liso e be perita compradera ; na ra do
Rangel n. 64.
= Vendem-se G escravos mocos, bom para o traba-
Iho do campo c da praca ; dous mulatinbo*, de 12 a
16 annos, I ons para pagens; 4 pretas com boas ha-
bilidades, eumaengommae co/.inha bem ; dua* di-
tas boas quitandeiraa ; duas pardas ja de idade, pti-
mas para amas de casa : na ra do Crespo, ti. 10, pri-
meiro andar.
= Vende-se urna*preta coziobeira engommadeira
e fas todo o mais servico de urna casa : na praga da
Independencia n. 4-
Ha Vende-se um moleque crioulo de idade de 20
anuos, pouco maia ou menos ; na rus da Moeda ,
armasem n. 15.
=Vendem-se 11 escravos, sendo 2 pardos 3 pre-
lo* urna negrinba urna cabrinba dous molecote*,
e2 mulalinbo*; no largo do Corpo Stnto n. 23 a
tratar com Antonio Rodrigues Lima.
Vende-se urna commoda de amarello 4 mar-
queras novas de conduru', ludo por preco commodo;
na ra do Aragio n 33.
= Vende-se urna escrava crioula de idade de 18
a 20 annoi, com urna cria de um anno cose engom-
ina, coiinha, e lava ludo sofli ivel; na ra da Cadeia
do Recife n. segundo andar.
Faunda da moda.
Vendem-se ptimas sedas para vestidos de senbora ,
creps de cores, cambraias casias, eoutras fasendas
da moda chapeos de sol luvos, meiat e lencot de le-
da para senbora do ultimo gosto panno* lino* chi-
tas madapoldes muito finos, e outraa muitai fazen-
das ludo por preco commodo ; na ra Nova, n. 13.
= Vende-se urna casa de pedra e cal, bastante gran-
de, toda envidracada com booi commodo* para gran-
de familia quintal e sabida para o banbo com um
sitio, na PasMgem-da-Magdalena o. 29; na ra
Direita n 3.
Vende-se arroz branco por barato preco; na
ra da Praia n. 46.
- Vende-se um cavallo novo gordo e bom anda-
dor de baixo at esquipar ; atril da matriz de S. An-
tonio n. 16, primeiro andar.
Escravos Fgidos
as Tendo-so desapparecido de Manoel Adero de
Souia Reis dous eicravoi e vendo por frequente* ve-
temos jornae* o* esrravot apprehendiJoi e depositados
em algumai cadeiaa Je lora, roga ai autoridades e maia
'gentes policaes vejlose em sua* continuas apprehen-
s5es ou mesmo no* ja apprehendidos descobrem o
leguintr* escravo* fgidos ou furtados ha annos ,
visto que muito* nio declerio ot leui senhorrg pirt
que i or mais lempo nio se veja delle* privados, os
quaessao: Jaciotbo de naci Rebolo, de 22 annoi,
alio de bonita figura, bem prelo, com urna marca no
peito esquerdo a imitaclo de urna ancora ou talvet
j.csteja apagada denles alvos e mindos falla meit
decancada, toma baitaotetabaco : Julio, do 16 annoi,'
de naci Benguella secco do corpo meio fulo,
tem o embigo quebrado e grande, oom um taquinh,
tirado da parle de urna orelha. He natural, que b
esiilio oa dito* de norses trocado*; por Uto pede
todo o cuidado da parle das auloridadei, poit o anoan.
cianle Jila promplo a(stiifaser todae qualquer derpen,
que leja preciso faser-ie.
- Fugio, no da 3 do correte da ene de Vicen-
te, Antonio do Eipirito Sanio, urna cicrava parda da
nome Filipa natural da Parabiba com os aigoaas
leguintes : de idade de 28 anno* pouco mais ou me-
nos; Liixi, cheia do corpo, cabellos cortado* e ao
tanto crescidos, naris e beicos grosso, dente* limados,
p* e mos grouas, orelha* acabaada*; luppe-tg
andar mesmo aqu oa praca por.ter sabido da Capun-
ga em direccio para a Boa-Viita ; quem a pegar, lera
a ra do Aragio na loja por baixo do sobrado ondi
mora o comm.ndante geral do corpo de policio, que
ser recompensado.
Fugio, ou furtrSo a 6 de juobo de 1844, j<
lugar de Gurinbero-Grande termo da villa do Pilu,
da provincia da Parabiba-do-Norte um prelo de ne-
me Joao do gento de Angola de idade de 35 to-
no* altura regular, peroa* direitas mise pi pe-
queos e o dedos curtos duas cicalrzes de ferimeo-
toi na c'abeca urna dita no lagarto de um doi bracos
e com grande* ciettrise* de quennadurai de fogo, doi
p* at a altura dos peito*, falla bastante atravessado:
quem o pegar, leve a ra da Concedi da lioa-Visli i
entregar a Francisco Xavier da Silva Mendonca qui
gratificar generosamente.
= Em -2 do correle pelas 8 horas da ooute, dei-
appareceo da escada da casa em que mora Jos Disid
Silva um preto de nome Manoel de naci Angoli,
bulante alto barba fechada ; o qual tinlia viodoo
Ceara pelo vapor, remellido por Manoel Jos Salga-
do a quem pertenee o mesmo escravo ; tendo o dita
Salgado remettido-o por coala delle para ser vendido
em Pernambuco ; e por i*so roga o annunciante a lo-
daassautoridades policaes*, capitei decamno, appre-
bendio dito escravo e ftcio recolber a cadeia e tn-
nunciar pelo* peridico* para conhecimento do io-
nunoiante o qual *e retpoossbiliaa por qualquer dei-
pea que com a captura do dito escravo ie.fi/er.
= Fugio, no dia 3 do correle um prelo de Do-
me Caetano de naci Angola ; suppde-se qoe toma-
ra o caminbo do Ceari ; lera de idade 26 anno*, pou-
co maisou menos de estatura regular muilo laiiino,
cheio do corpo cor nio muito preta, quando fall
parece que eil rindo se fasendo na testa ruga* ; teto
duas leudas em um* perna; levou calcas largu, cami-
sa e aqueta brancas, e urna facba encarnada na cintu-
ra ; suppe-se que levou um trouia com roupa e um
rede : quem o pegar, leve a ra da Ctdeia do Recife,
n. 42, que ter recompensado.
Fugio, no dia 20de Janeiro um escravo de co-
me Franciieo. com osupotto de Roque Albanno, criou-
o, alto, oielba corladas duas cicalrzes naa faces,
sendo urna de cada lado e he capado e se intitula for-
ro : quem o pegar, lee a praca do Corpo Santo, n.23
=Fugio, em 31 de Janeiro p. p. urna preta da ida-
de de 16 annos pouco mais ou menos de nome Bo-
za de naci Costa ; tem urna lerida no calcanhtr do
p direito ; levou vestido de chita usado com pedico
de saia rota : quem a pegar leve a ra da Senzalli-
Velba n 114, ou na ra do Rozario venda n. 39.
Fuftio, no da 29 do mes pastado, da fabricado
sabio tila na ra Imperial do Aterro um pardo de
nome Antonio de 22 annoi, claro, cabeiioicaitanioi,
alto, magro, muito leio do rosto e corpo ; tem ai ma-
cees do rosto e oS petoi muito saliente*; pi muito
malfeitos cicatrizal de alporca e dous talhos no pei-
coco : roga-se as autoridades policaes o bajio deip-
prebender ; e prometi-se gratificar a penca que o
levar a seusenior na dita fabrica ou lia ra Mor*,
n. 44 segundo andar.
Tendo desapparecido ao tallecido Joio Maris
Seve alguna escravo*, o* abaiio atsignados, vendo por
frequentes veses nos jornac* escravos apprehendidos, e
depositados em algumss cadeias de fra; rogio as auto-
ridades e mais agentes policaes se em 'uas conlinuii
apprehersoei, ou mesmo nos j apprebendidoi des-
cobrem ot segu o (es escravos fgidos, ou fuitados, bi
annos, visto que oiuitos nao declarao teui lenuorc,
para que por mais lempo nao se vejao delles privado*,
oiquaessio: Julio de naci alio, um pouco huc*!,
bonito, bem preto e bem feito dentet limidoi, ta-
ri* 15 a 16 anno* quando *e usentou, e hoje doro
ter 27 a 28 : Antonio do naco Coila preto bo-
nito altura regular, denles alvos ; tem urna peque-
a mancha um tanto arqueada e pouco saliente sobre
urna dai lacea, teria, quando detappareceo, 13 a 14 tn-
no* e hoje deve tarde 25 a 26 annos: Joio, prelo ,
baixo de naci cara redonda com o libio infe-
rior um pouco libido teria, quando te deiencanu_
nhou, 18 a 20 annas e boje deve ter de 34 se
anoos: Antonio, de naco Angola, bucal altura re-
gular com urna marca de ferida da cireurofereocii de
um vintem em cobre, em urna da* perna*. deve ter bo-
je 40 annoi, pouco mais ou menos. He natural que
hoja exiitio de nome* trocados, por no pedem lodo
o cuidado da parle dai autondadei, e eilio prompto*
a latislazer toda e qualquer deipesa que teja precito
foser-*.
ViuvaSiw^Ftlhoi.
50*000 rs. de gratificarlo.
Fugio, de bordado biigue Jpiter na noote do
27 para 28 do p. um pardo de nome Marcoi, de io-
do de 25 sanos pouco man ou meos eilalu'* 'f
guiar grossp do corpo cabellos grandes >e' u0
eertao ba 6 ou 8 tne/ei e loi vendido para o enga-
ito Yodabi de Una a Francisco Ettevio de Mello, o
onde veio outra vez pira aer vendido : quem o pe"
leves ra da Cadeia-Velha n. 33.
PEKN. ; KA TYP. DE M. P. DE FAMA
, 18o&.