Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08707

Full Text
i'I n '
>1~
Auno de 1844.___Segunda Feira 1.
OjDiakio |iublica-ir ti ilus os das que iiio forera sant'lieadus : o preco da assiirnatura
he d; tre. mil r por qunriel pagos ailianlailoa Os aniiunciosiios assignantes sao inseridos
jrsti. e os dos que ru (orem l razan de SU res por linha As rrrlamares devem ser diri-
gidas esta Tj|> ra daa Cruies n. '4 ou a praga lia Independencia l.ja de li.ru n 6 e 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Co.AMIU, Ptrahjbl segundas e seXIaa fciras. Rio Grande do Norte, quintas feras
Cabo. Serinliaem Rio Fornoio. l'orio Caito, Macev e AltgtMal no 1.* M t 21
dt cada mei Garanhuns e lionilo a il) e 'i de cada mei Boa-vista Flores a i3
28 dito. Cid* !e da Victoria, quintas feirat. Olinda todas o dial.
DAS da semana.
4 Se? Macsrio Aud.do J. de 1). da '2. t.
3 Terca a. Thcoilmia Re. aud. do de I) da 3. t.
Ouarla a Benedicto. Aud do J. (le I), la 3. T
4 Quii l.Isidoro. Aud. do J de l).'da 2. t.
5 Santa a. Iria. Aud. do J de D. da 2. T.
6 Sab. a Xarcallino Bel. aud. do J da D. da i. t.
7 l)om de asro.i a Fpifsnio.
i -. mr
de Abril
Anno XX. N. 77.
ludo agora depende de nos meamos da nossa pro.le-.-ia, noderac|JO- e energa, con-
tinuemos como principinos e serenos ipontldoi com admiraij.io entre as nagoea man
cultaa, (Proclama.;..., la Amable! Geral do irail.)
CiMllOi
Camliios sobre Londres 28.
ii lVis S7U reis por flanco
u ii Lisboa HJ por lUl) de premio
?'odia de cubre 5 por OBM .1 e nai l.a
dem de lelrss Je boas fifaSM I 11'1
NO lila lili PK su 111 11.
Our.-Moeda de 6,100 V
11 "
, de 4.0UJ
PrMt"P*M8M
11 PsOfl colummiiaras
,1 Unos menanos
compra
17.*)c
16.000
y,100
i ,800
i ,9G0
senda
17,800
1.7.10U
,oo
1,080
', .980
PHASES DA LA NO HEZ DE \Hllll..
La cheia a ; as 4 huras e ;li min da manli.ia
Minguante a y as 7 horas a *^ tain ila larde
17
min. . da manlua.
ICrBBCeaU > Jo as j h_ c 45
Preamar de luye.
Primeira as 3 hOMi e 5-' min. Bjanriaa | Vegunds as doras (ie minutos da larde
'I I..... lilil i ...'.. J-.-

DIARIO DE PEBNAMB
tiaan ..--..Jbii-m.'-iw:^.:^.--^.-' .
.- -"." -"' -'-
P&RTE OFFiCIAU
i-. ------iliTi-l--T-TT---i-i---rirnrrir..
DECRETO DE U DE MARO) DE 1844.
Concede amnista dt pessoas (ue se acharem envol-
vidas no* crimen polticos eummeltidos em 1842
as Provincias de S. Paulo e Minas (ieraes.
Tomando ti" consideraco a exposicio que me
nzero os milis ministros < secretarios de estado
das diversas repartices e havendo sobre ella
ouvido o concclho de estado hei por bein ,
usando das attribu'icdes que me confere o ^'.)."
do art. 101 da constituicao decretar o segua-
te : ~
Art. nico. Fico ammistiados todos os < ri-
mes polticos cOmmettidos eui o auno de 1842
as provincias de S. Paulo e Minas (ieraes, e
era perpetuo silencio os processos que por mo-
tivos d'elles se tenlio instaurado.
Manocl Alves Braneo eoneellteiro de estado,
ministro e secretario de estado encarrilado in-
terinamente dos negocios da justica o tenha
assim entendido e lina exeeutar. Palacio to
Rio-de-Jaiiciro, em 14 de marco de 1844, vi-
gsimo terceiro da independencia e do impe-
rio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Manuel Alees liranco.
EXTE IOR.
MONTEVIDEO.
A asscmblca geral abrio-sc no dia Ib" de feve-
relro. Da mensagem apresentada pelo poder
execulivo copiamos o trecho que diz respei-
to ao brasil.
O governo nomeou uin cnsul geral em Pa-
rts, eelevottao emprego vago de cnsul geral
no Rio-de-Janeiro o vico-cnsul da Repblica
n'aquella capital
Somos devedores ao imperio do Brasil de obri-
garoes mu subillas pela nolire aneiedade que
manifesta por nossa surte.
Unta porcao consideravel de nossas milicias,
contra nao menos Importante dos habitantes de
nossa campanha refugiou-se em Rns do au-
no passado na provincia ilmitropbe do Rio
Grande do Sul, e receben de suas auctoridades
e habitantes tuna fraternal hospitalidade. Oxa-
l que em tempoa mais felices possamos retri-
buir a noMOs frmdoiosbrasileiros toassignalados
servicos e que elles se penetrem do co e ef-
fusao de nossa gratido.
O governo espera que o do imperio do Brasil
robustecer cada ve/, mais, com a contemplacao
de novos faetn, a conviccao em que deve estar
de que a independencia da Repblica Oriental,
aconservacao de sen actual estado de cousas,
um antemural poderoso sua seguranca, i
una garanta para a sua ordem.
O coronel Marcelino Sosa, que havia pres-
tado assignalados servicos Repblica, fallecen
no dia 8 de levereiro victima de unta bala de
artilharia das forcas sitiantes.
Foi executado no tlia 28 do pass.idn Fa-
cundo Saavedra, por haver tentado, pela qttar-
tavea, minar unta parede docarcere, para c-
vadir-se.
As folbas de Montevideo exasperaram-semul-
to por haver o General Rosas mandado fusilar
unta qtiad.tiilia de salteadores .' !------
bHXHOS-Al ni s.
A Gateta Mercantil de .r> de feverelro
diz o seguinte : Tem-nos sido limito grata
apublicagao dos bnletinsNs. 47 e 48 do exer-
cilo que instru ni a respeito do glorioso
triunipho obtido sobre os scleaaens unitarios
correnlinos que se liavi.in precipitado sobre
o salto oriental, e da derrota de unta patu-
da de nitros bragidos salteadores que inl'esta-
vaoo departamento de S. Jos. N'aquella bri-
lliante jornada, o n'este golpe feliz, OBUvagent
unitarios forio batidos derrotados e persegui-
dos morlalmenle. Estes triuinpbos precedet ao
a esplendida victoria sobre o srlvagem unitario
Pardejn Rivera a 24 de Janeiro ultimo as
ponas do Sauce. ( *">' da )
Miguel Archanjo Monteiro d'Vndrade ) 12offi-
claes, dito; 10 cavalleiros, dito; 2cavalleiros
de Aviz.
Pelo ministerio da guerra estado inator de
1." classc~2 teiietites coronis graduados, ina-
jores graduados, 1 capilo cilectivo e 1 dito
graduado. .
Estado niaii.r da 2.a classe ~ 1 tnajor clleeli-
vo I dito graduado, I capito efl'ectivo, I di-
to graduado. 2 tenentes graduados.
Imperial eorpo de Engenlietros 2 coronis
graduados, 2 tenentes-coroneis ell'ectivos 2 te-
nente-coroneis graduados, 8 majores gradua-
dos, 2eapitaes graduados, .'5 primeiros-tenentc
ell'ectivos 4 prinieiros-teiientes graduados,
2 segundostenentes.
Vrtilliaiia 2 tenentes-coroneis graduados ,
2 majores graduados, .> segunjlos-tenentes.
Cavallaria 1 major graduado, 2 alfcres.
Infamara3 coroneis-graduados, 1 tenen-
te-cbronel graduado, 9 majores-graduados, 8
capitSes-graduados 1" alforos 8 atieres alum-
nos de dillercntes armas.
Pelo ministerio da inarinlia~l eapttao de
fragata, 4 segundos-tenantes de artimaa de
niaiinlia. .
Foi iiomeado inspector da allandega da C-
dade do Rio Grande do Sul 0 inspector da tlie-
souraria do l'ar Francisco Emygdlo Soares da
Cmara sendo substituido n'este cnipiego por
.loao Jos de Dos e Silva.
Depois desaceros sofirimentos de urna vio-
lenta enferniidade fallecen na cidade de Sali-
dos pelas 10 botas da inanhaa de 23 de leve-
reiro o Sr. Maitim Francisco Ribeno de An-
illada coberto das lagrimas da afiUcco de sua
virtuosa esposa e queridos BlbOB do pranto
amargo de sua adorada familia c dador inten-
sa de seus amigos, ^^'ls deploramos sinceramen-
te a tnorte do iII118tre Brasileiro !!.... Sen cul-
po a/, na i-reja de N. S. do Carino ..raquella ei-
daiie. One a letra lhe s,cja leve, e que sua
alma gozc da beinavcnturanea eterna .
a ser, ueste caso,extraordinario, e a quantia de-
signada pata este lini diminuta. Depois, Sis.,
esta questao i' multo simples. O n. d. nao teiu
mais que vero art. da constituicSbi con. d.,
multo hbil na selencia econmica, deve estar
preparado para urna discussao desta natures upa-
ra saber se un monopolio sobre mu genero de
priracira necessidado, pude pelas regras da sii-
encia econmica ser admiltido, quando alias
val encontrar urna disposico expressa na cons-
tituicao do estado. Oue mais csrlareeiineulos
quer o U. d.? \s propostas feilas julos dous con-
currentes Siio ns dados, que leve a coinuiissn; e
a querer que estes documentos ln eMeiisos se-
jao iuipressns, e que seja tanibem impressa a
represeulai ao da e. muuicipal, eut.To pertnitla-
ineon d., que lhe pergunte, para que servem
os trabalbos das conimisses .' Basta, que mari-
demos imprimir todas as peras officiaes, todos
os documentos de que as commissOes se possao
servir pata d.irem o sen parecer. A questao da
Incxequibilidade da lele tambem muio shn- ............................-
pies; ella se prova por este lacio: foi proinul- cliuado a appro\-ar todos os requerimentos, que
gadaalei provincial, e querendo-se p.'.r cm exc- tendaoa 1'oriieeer esclarec
cucSo apenas apparecrao dous concorrentes
um Bugeitando-se a todas as cond^des, que
regulamento estabelece, exigiudo porni un
i i'j;ill 111 ii' u I' i esiaiH'tccc, i-xi^iuim im m "ni -................ Vi
pre, o mais alto, e o outro obriga-se a dar a car- pies da seienct.i debaiXO dos qu tes esta
ni' por pceo maisbaixo, entretanto nao oll'ere- '
ce as garantas necessarias para que entregue-
mos o iio\ o a niere desse monopolio. Voto ]ior
povo a merc desse monopolio. Voto i
eonseguinte pelo adiaiiiento propostO pelo u.
d., equando se tratar do projecto apresentnrei
as i.iMifs porque a commissao deo este parecer.
OSr. Francisco Jodo:J as pode apresentar;
porque o projecto est tambem em discussSo.
0 Sr. .Salmeo:Po8 bein; ao n. d. que com-
pete mostrar, que alel que se quer tevogai
exequivel.e nao val d'encontro a constituidlo.
0 Sr. Lopes Gama:Sr. pres., nao entrarei na
discussSo, na quesuto de saber si o contracto de
carnes viriles OU nao contra a eonsliluieo.
OSr. Taques:Pqs o que est em discus-
sao. e nao pude entrar em iluvida, que contra
RIO DE JANEIRO.
__Pelo ministerio dos negocios estiangeitos,
houvenodiall de Marco os seguinles despa-
chos' Ministro residente em Vlenad*Austria,
oSr 'Sergio Telaeira de Macedo sendo exone-
rado d'csta inisso O Sr. Candido Kaplista de li-
veira Secretario da legacao c encariegailo
de negocios interino cm Turin o Sr. Antonio
Jos Cupertino do Amara!.
Tiverao lugar no dia 14 de marro alguns des-
pachos sendo pelo ministerio do imperio un.
KrSO, uma dama do paco, dous mulos le
coneelbo Uin olfieial do ei-,, ,n, .. cavallei-
ros dito; 8commendadores de thristos 38ca-
valleiros dito 1 conuncududor da lloia( o>r.(
ii) rn VM)F !il constituicao.
-Chegoud'aliil'outen., etn 4 lias, o vapor O Sr. /.^W/ioii,,:--^,,, .M-tido pan- -, n.
Thetis nelo aual recebemos urna carta, d.jmas nao i'para mnn, e nein foi para esta as-
PS Vi. I ule' e S Pedro en. 25 de leve- s.mbla, quan.lo se prn.i.ulgou a le,, que hoje
isti.pi.i ta ciwhh .->. i se quer revogar imoarffw). Kssa le existe, appa-
VTpet:,:,u rn'de C varr^ Ben.o Goncal- reclm varias conqi.iu.nas, que querem Mn.
ves -, bise o ,r c ne al do Oa.o de (Ja- >>; a C. municipal apresen.a jilg.imas reilexues
sisa.ia.s. no q i.u < i g -'' ,,,,_ este respe to maso ... .1. nao quer que se at-
ril, d,/.cm,ue traa...lo das la ;" ".I !.' 1(,(|a ;, s|(li v,,in,os esses documentos,
ve assentara pacfica?. la p ;'^ ,m qUer que estejamos informados de ludo se... lr
orre ^^^^^^^^.^Sta sem examinar, e que decidamos j o negocio!
eoucordao n tsso. E provavel mesmo.que. i renuerimento im-
"lli minio s a i-.". |.. .-- ----- .
paaso seja so do Benlo Conralves ; desacredita-
do e sera auctoridade entre os seus busca un
nielo plausivel de passar-se para a legalldade.
Os outros pode-te asseverar sein nudo de cr-
iar que nao cedem. Canavarro, sempre victo-
rioso, c de um carcter tenaz, nao deixaia o
alto posto a pie por se valor soube elevar-se
entre os seus para redu/ir-se classe de sim-
ples cidadao na legalldade.
Dis-se que o baro dera ordem a (.luco Pedro
para nao continuaras hostilidades. Dos queira
On. d. veio di/endo", que o requerimeuto iin-
porta um augmento de despesa; mas, Sis., nos
todos nao vimos, que o n. d. votou a poneos dias
para que se imprimisse um volumoso projecto
de instruccao primaria oflerecido por um lllus-
li-e men.bi'o ilesl. .asa.' Porque nao attendeo
entiio i esse augmento de despesa ?
0 Sr. .\ahura-Por que essa impresso de-
terminada pelo regiment.
O .Sr. LopesQama:Tambem esta e.
O Sr. Nabueo:Perdoc-me, est engaado: o
para nao continuar as host. '*^- / "; rCgime'to nSo determina, que se ...anden i.n-
qff B!li0 ? 8 i"'"'1' requerimentos de partes.
. -,__:___i
"Os empregados demittidos do commissariado,
trein c alfandcga ando inuito salisleilos con.
amudanca do ministerio, porque esperan de
novo entrar para a e/i.ir/i/ir / lia aqu um pa-
gador Jos .loaqiiim Quadrado, pie sera ter
fortuna, apresenta-se Ce repente pronnetarlo ,
nienibro de sociedades mereantis, c laudo lios-
inemoro ai-so< iiu.iui-, ............-,-------------- ..,;......:.., ...
pedagein Iranca a quantosse queren. utilizar de ^^..e
. requerimentos departes.
OSr. Lopes Gama:Srs., tu tambem teubo li-
do algnnia cousa de economa poltica; sel que
a economa poltica nao tem termos mathema-
licos, que nunca falhao, urna selencia pratica,
e napratica falha multas vezes; multo mais es-
lou disto persuadido, quando vejo, que outros
pases mais adiantados, que nos nesse ramo das
m tachado sobre gneros de prinici-
, magnficamente mobiliada.
Tem dado milito nos olhos este escndalo, o
qual se diz estar envolvido com documento! da
compra de cavallos para 0 cxereito. Ah se o
Sr. Maciel cstivesse no ministerio
(Senl. da M. )
lo iiot.teni do
O vapor Trien'*, entrado Iionleni do Rio
Grande tras a importante noticia de acbar-se
liento Goncalves com o s. ii se.itiito no acampa-
_ _.----...n.n.. it.. nillllll
ment d
lacio. N...-
Canavarro Neto c Joao Antonio.
ra necessidade, como sejo a lcnha, o azeile, be.
Mas, delxemos esta questao para oeeasiao op-
porluiia. Existe tima lei, que manda contratar o
tornecimenta de carnes verdes, ha varias pro-
postas, ha varios pareceres a este respeito, de
que en nao tenlio eoiilicciinento algllin, e ereio,
pie niuitos de tneus illustres collegas slo nes-
t, aso: por eonseguinte, porque senos ba de
negar todos esses csclarcciinentos Para que
esse desejo de se votar de eliol'ie ? I.n
..eacrer. que essa lei val balso; sou
I do Com ) ""'io propheta (risadas), mas va abatxo com lo-
' dos os crainenios, disciitindo-se, e volndose
conscienciosainente; mas querer que uns se de-
cidi com coiihcciiuento da materia, e teiulo
ionValvcs con. o set squito no acampa- n^y
to LrSo de axias para tratar de cap,.,.- SSt7^t
Nada se sabc_por.li. das in i t. s (I. ,:,.,,,..,,.._.,
ASSEWLA PROVINCIAL.
Conlinuacao da sessaode 27 de marco de 1844.
O Sr. .Sabuco:Sr. presidente, pronu
altamente eoptra o adamelo proposto-
deputa.lo, pelo precedente_a que -
........ com .....-----------
examinado todas estas propostas, c pareceres, <
que outros votem no escuro, si pelo pretexto de .....
uevai augmentar a despesa, cat falta de ca- erer que a importancia do objeclo, e
rldade. produz esta oh aquella votac.no. O uiteresse,
O Sr. Nobmco-.Mo so por isso. que temos de decidir bem esta questao e,que
inuncio-nie 0 Sr. Lopes Gama:-Enito porque c ? Por ser os ieva a pedir esses esclarectuentos, eo
ito pelo no- contra a constituicao? Nao, isto questao se- n j mesmo foi quem nos revelou este n<-
clle vaidar enndaria: agora s se trata de >r^eilS)dMF d j Jisendo-nosquc vial
. ...... ,1.,.,.. ,.,.- .iKtn nrn nf>ln i i 11.1 11 i I i 111 apresentaie.aconsid.iaao g^t^ caleou aos ps a constituicao do estado. dados, que o n. d. teve para reconhecer que
',,,!;'?. i.r Te roiurao i dia.ncnto. Passando o OSr. Mano,I CaraieaM.':Naquella le caleou. a lei era inexequivel, O n. d. e multo gene-
tiren o scu parecer; o augmento de despesavem causa.
OSr, Taque:Sr, pus., temos cm nnssos tra-
balbos uma necessidade mu grave a que (leve-
mos obedecer, picea de aproveitarmos o lem-
po, que tan pouco temos para occuparmOsMios
de dlscusscs de utilidade publica; e sempre que
forraos diseutindo, e vol mdo por adiamentos de
prOJeCt08 bein sr ve, ipie iremos 1 sjus li.ando
o tempo necessario pera os nossos trabalbos,
pois que depois esses mesinos projectos tem do
ser Dovamentc discutidos e volados.
II Sr. Francisco Joao:O u. d. tem votado por
alguns adiamentos.
DSr. Taques:Sin., Sr., por alguns, quo jul-
go indispensaveis.
O Sr. Francisco lodo:EJ o que me acontece
respeito deste.
OSr. Caques:Por tanto, nao devenios votar
por adiamentos; que nao sejo limito impor-
tantes.
OSr. Lopes Gama:E este nao importantef
OSr. Taques:Eli liaoposSO volar pelo reque-
rimento do n.d., ainda que sempre esteja in-
que uo vejo.utilidade algiuua nelle
As rasdes, que lia a considerar sao de tres fon-
tes: 1." a constituicao do estado, l." os princi-
a mate-
ria do projecto, e 3." a experiencia
gares. Ora o adiamento nao |iod
d'outros bi-
llar-nos es-
clarecimentos tomados le nenhuma d'estas fon-
tes, a eonstiltiii,;io, cas leis das amaras sao cla-
ras, as suas disposiCCS lodos as eoiiliece.u; os
principios d'economia poltica respeito da ma-
teria de que s' traa sao sustentados de unta ma-
ncha inconclusa, e a experiencia que llvenos
ter do que tem acontecido este respeito, pro-
vomulto em favor do projecto, que deroga a
lei, pie estabelece O monopolio d carnes ver-
des, nao s por exemplos de pases estrangeiros.
ron.....esmo no /'rasil; cu eitarei um excinplo
da Babia, aonde havia nina lei semellianle a es-
# 'cabio pela desordera, que causn com a
aiiiniadviTsao publica. AgtVa pelo adiamento
vamos terperdade tempo. Seos nn. dd. que-
rem discutir ile boa le, se nao ipten ni protelar,
bastachegarem a mesa, verera esses documen-
tos, que estao sobre -lia; ou lr o relatorio do
presidenteda provincia,que expde ludo quanto
naeste respeito. Deque pois dos servein essea
esclareciinciitos ? Virao augmentar a nossa I-
lusli.ieao inliirniaet'ies, que nao se fui.do cm
experiencias? As inforinacfles da cmara l'uii-
d.io-se em apontar o que oeeorreo, quando se
quiz l'a/.rr esse contracto, c as propostas que an>
parecerao. O que serve para esta discussao. '
a constituicao do siado, a experiencia de ou-
tros pai/.es, e os principios da selencia: as in-
forniacdes da cmara nao servem para nos es-
clarecer.
O Sr. Frmotco Jota.Sr. pres. continua-
re a sustentar 0 requerimeuto de adiamen-
to, que mandei a mesa, fundado nfios nal
rasea que j Uve a honra d'apresenta'r, se-
nSo tambem ajudado pelos orgUmentos oiTe-
recidos pelo mesmo n. elle. Esse n. d. encarando este adiamento
como um objecto do qual nenhuma utilidade
pmlc vir, descubri nelle augmento da des-
pesa, e o poder servir de precedente para
outros casos da mesma ordem. Sr. pres., eu
ereio, que nfio ha jirejuiso algun, no aug-
iii-nto de ilespc/a urna vez que elle traga
como van tagem os esclareciraentos precisos a
aquellos que leem d'entrar na discussao.
A importancia do objecto faz esquewr essa
pequea vesha de despeza da impresso de
quatro linhas. e nem espanta o precedente
que lia estabelcido, urna vez, que ello
lorapplicado sobre objeclo da mesma ordem
e importancia. Mas o n. d. ainda descubri
uma outra inconveniencia, e que assim as
commissOes seriSo desnecessarias ouviria<
apresentar irabalhos inteirainente inuteis.
Nos vemos, Sr. pres., que aniaior parte das
vezes ostrabalhos das commissfies sao votados
quasi quena le dos padrinhos, pela conti-
ancque se deposita em quem fazos trabalhos
entretanto que outros cahem, o que nos faz
que *<
cessidade disendo-nos que vista das pronos-
ias, e do parecer da cmara se tinh Teco*
V
BBBMBl


$
trada a importancia e necessidade desses es-1 contractos pblicos, att
clarecimentoa. Eunfio quererei dfioar de offerece mais, ouaoquo
" ^ ,,,,,..... .,.. oin- Que da mais soguratica?
tocar em um ^ argumento, mnp i0 -Sr r (M7....K;sl,,n
attende-so aquello, que
que da inaior garanta, ao
jioulin ile muita consideraco, masn&oadmis-
sivcl, que l'oi apresentado por um n. d.
que se asseuta do meu lado, quando disse que a
lei ([iic discutamos, tenda a revogar urna ou-
tra, que tinha sido ofensiva constituico do es-
tado, na pule que garante o pleno dlreito da in-
dustria. Sr. pres., eucreio que uiesuio na casa en-
contraiei precedentes de se ter restringido este
dlreito, quan Jo a bein en tendida utilidade publi-
ca o iem reclamado. Aquesto pois, entender se
podemos estabelecero monopolio por t.il modo
que guardando a bem entendida utilidade pu-
blica, possa a restriccSo da constltulco ser feita.
OSr. Nabuco:"SSo sel cmque caso se restrin-
gi a contituico.
OSr. Francisco Joo ; \ respeito do encana-
ment das aguas.
0 Sr. Nabuco: Ah\ nao se restringi; fun-
doii-se a lerein outro art. da constltulcn.
0 Sr. Francisco Joo : Pols esse mesmo art.
inc ptte servir.
o Sr. Nabuco: No paii o encanamentoda
auna una cousa nova.
0 Sr. Francisco Joo : Pos eu dlrei ao n, d.,
pie pender carne boa e barata tambem hoje
urna invenco; assiin aquestbdeve versar em
se sabei si' a lei inexequivel 0,11:10 se ella
oliendo OU nao o art. da constituico.
o Sr. Sabuco : Essa questo e primordial.
() Sr. Francisco Joao : A-om effeito, ficaof-
fendido o pleno direito de industria, mas em
compensacao disto colhe-se a bem entendida
utilidade publica o ge me mostrarem o con-
trario dar! as mSos ;i palmatoria. Mas, Sr.
pros., eu disse que estou baldado de esclare-
cimentos para poder entrar nesta dlscussSo, e
se entro e forjado.
Agora que eu vejo, que o n. d. que eu
esperava que apoiasse o ailiainento nao o
fac pelo contrario decididamente se declara
contra elle; n3o me resta outro recurso,
seno de provocar a. dlscussSo sobro o pro-
jeetc d.. que se trata. kailrarci, como dis-
se nesta diseusso, baldo desses esclarec-
meatos 1 que servirn de orientar ao n. d.
mas. Sr. pros., oque exacto, que esta as-
sembla em um dos anuos passados apresentou
Ulna lei que mi paSSOU see.ao depois do viva ,
e ronliidissuia diseusso ostabelecondo o con-
trato das carnes verdes. Algum motivo decen-
te enobre, devia cortamente ter animado esta
asscinbla quando apresentou a cxpresso do
sua volitado nessa lei: por conseguinte hoje ser
iecessaio, que motivos igualmente decentes, o
generosos a farao ealiir por torra o qualquer,
rei seno, que a assembla foi movida por osses
motivos; mas insistirei 0111 rpic se rasos de
utilidade publica sao aquellas, que devem faier,
ooni que una lei soja apresentada ser neces-
sario que novas rasos so apresontein contra
para que olla deixe de ser lei, por nao represen*1
t a mais o ridiculo papel do querermos boje
urna oousa, o ainanha mitra. Procurando eu-i aqlI(1|i(.Si ql. partecipSo dola,
trar por partes ua diseusso cu me referir* (, qualquer dostes oasos
em primeiro lugar a inlormarao que nos da o
administrador da provincia a respeito deste
contrato.
O Sr. Sabuco: Ah estao todos os osclaro-
ci montos.
(i Sr, Francisco Joa"o: Serao para o u. d., pa-
ra niim nao. U nobre administrador da provin-
cia declarou-nos no sen relatorio que tratando
da execucao da lei nao a'tinhacuinprido; por-
que 110 momento de .seren recibidas as licita-
rles pela (.municipal tinha acontecido, que en-
tre os dous licitantes que apparecrao, um su-
gettava-Se a todas as coadices do regulamcu-
to o o outro (pieria pr-so a salvo dessas < 011-
djcdt'S, oli'ereeciido um proco menor paria car-
ne que tivessedo ser vendida ; mas que como
aconteca, que o segundo licitante naosesu-
loitava as multas o a outras condkes do se-
pa dp contrato a cmara tinha entendi-
q'uc era inexequivel o contracto ior esse
lado e siippunba que nao podia sor contrac-
tado coni aquello que so Sllgeitava a todas as
(ndicfdes exigindo porm um proco mais al-
1'i porque pareca que mi se executava a lei,
que tinha por lini vender-se carne pelo proco
mais barato. Ora, Sr. pus. eu respeito milito
a ntelligencia de todos os hnmen* o rom mal
subida rasao a d'aquelles que se achao collo-
cados em umaposicab d'ondepdem descubrir,
coin perspicacia maior do que CU nao tenho,
todas osrases de utilidade publica; as eu
creio, Sr. pres., pie o lim da le de cuja rovo-
garao agora se trata nao l'oi siniplesineiitc de
venderle carne mais barata, Coi devender-se
carne mais barata, c carne boa guardadas to-
das as condieces deste contracto ; di' mancha,
que nao acontecesse que um e.-qiortalho se
apresentasse querendo vender carde mais bara-
ta, nos nos entregasse-inos a ello, o d'ahl viesse
miseria ao povo. Ora as condieces ib- se-n-
ranca para cuinprimento da lei estavSo as mu-
[ is ,' que a lei iinpiiiilia, e urna voz, que um dos
lieiradori s otleieeia euniprir todas as condie-
ces queero requeridas no 1 itie-iue, que cailia ao pres. ("'a provincia SO
quizesso investigar o espirito da lei, por iiiime-
diuilo a questo em favor daquelle, que se tinlia
cingido ni iis ao espirito da mesma lei.
O Sr. Taques : -- O espirito da lei era
%endosso carne barata.
0 Sr. F)-ancisn> Joo : De duas una 011 eu
estou de oeulos verdes, e o n.d.do oculos azuos,
e por isso vemos as cousas do dinerente modo ,
nu entSb nao tenho rasan Pois, Srs., urna le
manda,que se arremate a carne polo proco mais
bjrato guardadas as condires de soguranra 5
apparece um licitante que offerece carne a
<)>M0 reis a arroba, o sugeita-se a todas ascon-
dceoes ; ma "i"> "i"' ua a c'l"".1' ",iais ua-
rata ; porin nao so
gura lie.'
do
que se
sugi'ila a condi o alguma;
nao ser do espirito da lei fazer-so o'contracto,
com aquello, que se sugeita a todas as con*
dieces .' r
>Sr. Taques: Entb o espirito esta na lor-
lU' Sr. Francisco Joao: A seguranca d'uma
leinoconstuetodaaforfadella? ^a ledos
aques: estamos tratando d'espirito
da lei.
0 Sr. Francisco Joao: Kspirito da le a se-
guranca, e a oxequibilidade de seu cumpriiuen-
to. Mas eu nao trouce teto seno para mostrar
a maneira, porque eu entenda esta lei, que pe-
lo nobro jiros, da provincia foi entendida d'uma
maneira contraria.
0 Sr. Taques: Da um aparte, que nao pode-
mos ouvir.
O Sr. Francisco Jodo: Rrspondendo ao apar-
to don. d., 011 nao soi seoSr. pros, da provin-
cia deixaria do sanecionar esta lei, so olla Ibe
fosso conunetlida, o que sabemos que existe
como lei, que est sauccionada, o que por
conseguinte motivos ponderosos tirados da nies-
ma le, devino ser o nico embarazo do adini-
iiislrador da provincia na sua execuco Mas
Sr. pres. eu supponho do algum modo provado,
que o n. administrador da provincia nao descu-
bri o verdadoiro espirito da lei j pela raso
justificativa da mesma lei, ja oinliin pola coin-
paracb della com outras, que temos sobre al-
guns contractos juiblieos.
Procurare! agora provocar a dlscussSo dos ns.
ds. autores do projoclo cerca dos pontos capi-
lar-, : dissero cues em primeiro lugar : que a
lei oa oll'ensiva (lo art. da nossa constituico,
que garanto o pleno oxorcicio da industria, e
cpio tambem ora inexequivel; porque tonde a
resringir nesta parte o direito do industria.
Quanto questo constitucional eu proeurarei
resolvel-a coin o inesmo espirito da nossa cons-
tituico, o do todas as oonstituicos conbocidas:
ellas nao foro feitas, o n. (1 concordar contigo,
alm de outras rasos, seno tambem para as-
segurar de una maneira firme, todos os direi-
tos da communldade inteira, e a este respeito
citare! una deflnicSo d'um osoriptor, cujo
nomo nao 1110 record, que doliniudo o que ora
constituico, disse, que nao oraoutracousaniais,
do que a deelaraco dos direitos da natu-
reza. Ora parece, que o bem da coiniiiunidado
inteira um direito da natureza, quando os
bomens se reunem em associacSb, e que assim
isto o que dovir ter em vista aquello, que le-
gisla. 0 n. d., ipiando de passagem toquei a
poueo ueste argiiinonto, disse, que elle era pri-
mordial da questo. Posto que eu reconhec.a
a importancia do argumento todava nao o
posso considerar como o primeiro, porque a
questo constitucional vom a ser decidida pela
utilidade, 011 nao utilidade da lei. Fu direi, o
talvez sustento, que o principio da plena pro-
toeco dada pela nossa constituico ao direito do
industria (levo ser sempro observado em todos
aquellos oasos 0111 que por ventura o bem da
communldade nao soja superior ao interesse in-
dividual d'uui, onde outro membro industrio-
so : todas as ve/.es porin, que para o aperfoi-
coamento d'uma industria, 011 para o dosonvol-
vimento dola, quando nova, ou emfim por
qualquer uina daquellas rasos, polas quaos
urna industria so torna mais proveitosa a todos
todas as vezes,
po qualquer dostes casos so oHoroca tem
o direito de industria privada de ceder ao direi-
to de utilidade goral Talvez 011 nao tivesse a
fortuna do me fazer bem entendido polo n. d.,
o se assim acontecen eu me explicaroi depois.
Ku supponho, Sr. pros., que os monopolios
se estabeleeeni. nao como pensa o n. d., smen-
to na occasio de novo invento : os monopolios
sempro se do todas as vezes, que so ohegue a
descubrir, o a estabelocer por nina maneira de-
terminada, que o interesse de 20, 011 30 peasoas
exclusivamente se alimentava dequalquerindus-
tria, soin ser altamente compensado polo In-
teresse de urna populaco inteira: assim acon-
teca, quando se traton do incanamonto das a-
guas, (pie nao um invento novo.
O Sr. Nabuco: No paiz .
O Sr. Francisco Joo: Tambem carne bara-
ta um invento 110 paiz. Mas como ia dizendo,
os monopolios so ostaboleeom sempro, que una
rasar reconhecida da utilidade publica, apre-
sentada. Quando nos aqu estabelecemos o mo-
nopolio do oncanainento das aguas nao nos im-
portamos do maneira alguma com quem vendia
agua em canoas neni com quem a vendia em c-
lice;** de pelos, o que quizoinos foi dar agua,
mais pura, o mais barata popnlat-ao, e oque
queremos nos agora dar carue mais barata,
superior. A questo pois, como ou dizia, pri-
men a, c nica, verse ser possivel estabelo-
cer-se nina companhia, que proeneha satisfa-
toriamente o que por lei est deterininado. Ora
Srs., que (' possivel estabolocer-se esta compa-
nhia. nao ha duvida alguma : nos nao tratamos
do mu sucesso l'uturo tratamos de um facto
passado; a companhia nppareceo, ollereceo as
suas propostas, o sugoitou-se as eondiQos do
rcgulanionto; entretanto hoje se diz, que a lei
inexequivel, o isto se diz com toda a eonlir-
macSo 110 momento mesmo em que una com-
panhia tem apparecido para exeeutar esta lei!
Ou 011 do corto nao conhorto o valor das palavras,
ou ento os un. dd. vao dcscobrir-nie um eami-
ulio novo na diseusso dosto projecto. Por a c\uc
eu resorvo-ine para (aliar sobre o projecto se-
no passar o meu roquerimento.
O Sr. Prndente : Se nSc !i
qtieira a palavra vo pora votos.
O Sr. Unplisla : Pe^o a palavra.
0 Sr. Presidente : Est adiada este diseus-
so pela hora. Vamos entrar ua 2.v parte d-a
ordem do dia.
SEGUNDA PARTE DA ORDEM DO DIA.
Continua a 2.* ilisous^o do orcamento
provincial.
Art. 3. adiado d'ontem e a emenda do Sr.
Nainico.
da assembla por tachigraphos 6:450/000
reis.
O Sr. fei/o fanos : combatendo o argu-
mento produzido ontem pelo n. d. author
da emenda que rene as gralilieacjtaj. aos
ordenados, de sercm P^ueoshff^sprorp^:
nados, e do desfalque que vinna iazer essa
dfviS de ordenados c gratificares, quan-
ar o orador observa que pelas resolubles
ornadas por esta assembla estes emprega-
dos s amoviveis, sao conservados cmquan-
?obem servirem, o que se conhece meamo
pelos ttulos de suas nomcaces que passa
a lei, se nao cumprem com o seu devir'a as-
sembla os pode demittir e chamar outros.
ola que pela lei da criacao destes empre-
ados Ibi-lbcs dado um ordenado muito me-
nor do que actualmente tem ; e que depois
or differentes pareceres de commissoes lo-
ro a titulo de gratificares tendo aug-
mento em seus vencimentos ate que velo
a lei do orcamento n. 90 que mandn reu-
nir a gratificado do olicial maior ao seu
ordenado ; c a lei n. 110 do anno passado dis-
uia5 qucill
Va i
mesa e dopoi? de apoi
i i... 1
d()
cussSo a seguinte emenda, substitutiva
Sr. Taques.
Art. 3. Com a secretaria da assembla
provincial supprimidas as gratificaces de
todos os empregados inclusive a que se
ajunlou ao ordenado do olicial maior ; Ion-
do o 2. olicial o ordenado de 400/000 e sen-
do 3:500/000 para a publicaco dos trabalhos
pondo 0 mesmo acerca dos outros emprega
los, a excepeo do 2. ofTicial que nao tem
a gratifleaeflo encorporada ao ordenado. En-
tende que a vantagem que resulta das
gratifcacOes seren separadas dos ordenados
salta aos olhos de todos porque devendo
perceber urna e outra cousa somente aquellos
que cumprirem bem com o seu dever isto
servir como que d'um estimulo para que
assim procedlo todos receiosos de que se
lhes tire a gralilicaco ; o que se nao pode
fazer a respeito dos ordenados. Por ultimo
diz que a commisso procurou aliar os mte-
resses dos empregados com o estado dos co-
fre prnvinciaes, e que nestas vista? apresen-
tou lgumas reduceOes.
O Sr. Lobo: declara ter se conservado silen-
cioso at hoje porque desde o dia (inmediato
ao em que toinou assento na casa tem soirido
em sua saude ; mas que entrando em diseusso
a lei (lo orcamento, julgadever tomar parte nesse
debato, nos respondendo como membro da
eoin. doorenmento, a interpellaco que Ihe fi-
zerem como tambem dando algunias informa-
cos na qunlidade de inspector da tbesouraria
provincial. Em rosposta a un n. d. que na
sosso antecedente so oppor. medida consagra-
da no art. que so discute por nao ser applica-
da a todos os empregados pro vi ociaos obser-
va que a coinmisso foi generosa com aquellos
de que se trata eonservando-lhos os seus ven-
eimenlos, querendo to somonte que subsis-
tase a divisan de ordenados, e gratificaces ,
como de principio se tinha marcado, e que osla
mesma diviso a coinmisso estabelecoo para
todos os empregados, pelo quejulga, que o
n. d. a quem responde, deve votar pelo artigo ,
por isso que tem desaparecido o motivo da sua
impugnaco. Falla acerca da pequenhe dos
ordenados primitivos dos empregados da assem-
bla e diz, que reconhecendo-se depois os
bous sorvicos que prestavo gradualmente se
fro elevando os seus venciinontos a ttulo de
gratificaces; mas que pola lei do orcamento n.
0, fro estas gratificaces reunidas aos orde-
nados ficando por conseguinte do nollior con-
dico do que os mais empregados provinciaos,
porque basta observar-so, qiiotiabalho apenas
dous mozos,oquandoniuitolros,quando osoutros
trabalhao todooanno; quodisto rosultou julga-
rom-seprejudicadososniais empregados, o en tan
iminoditaiiionto na' lei seguinte obtivero da as-
sembla a niesnia eoneesso suas gratificaces
foro consideradas como ordenados. Respon-
dendo ao que disse hontoin o n. d. o Sr. Taques,
na parte em que annuindo diviso de ordena-
dos e gratificaces passou a apresentar lgu-
mas consideraces cerca da diuiiiiuico de
ordenados, nao si em referencia ao art. que se
discute, mas tambem aos empregados da the-
ouraria provincial o orador diz -que quando
se entrar na diseusso do'art. relativo a osses
empregados procurar mostrar rpie ellos nao
sao os mais bein pagos, oque nao faz agora ,
poique nao juiga cabivei esta diseusso no pre-
sento caso.
O Sr. Taques:Diz, que quando fallou na
sessao passada fra explcito em declarar'
queachava muito acertada a distinecao, que
fez a coinmisso entre ordenados, c grati-
fcacOes concedidos aos. empregados da
secretaria da assembla; porm, que logo
declarara que nao estava satisfeito com
isto; que entenda, que devia haver urna
reduccSo nos vencimentos em geral que
tem esses empregados; que contina na
mesma opiniao, e que por isso mandava
mesa a emenda, que ha pouco foi apoiada ,
em sustentacio da qual observa, que quando
se cra urna reparlieo, urna ordem, ou serie
de empregados, avalo-se os servicos coni-
forme o peso, que auppia quem os pra-
tica, e conforme a utilidade, que dellastira
o publico, e que entao determina-se qual
a justa retribueflo, que se deve dar por
compensac desses servicos; mas nota,
que depois de feta assim urna lei geral, den-
tro em pouco apparecem requerimentos des-
ses empregados, e os ordenados vo subin-
do gradualmente: que foi isto o que aconte-
eco com os empregados da secretaria da as-
semhla, como bem ponderou o n. mem-
bro da commissao, que acaba de sentar-se.
Os quaes tem hoje um vencimento mais do
que iiplicamente maior do que tnho no
principio percebendo o primeiro oflicial um
vencimento superior mesmo a aquelle, que
percebem os deputados. Assim, entende ,
que nao devem ser conservadas as gratifi-
caces concedidas a estes empregados, e
pensa, que a commissao devra cingir-se
a lei permanente, que existe a este respei-
to, apresentando conforme ella o seu paret 'er,
e nao conforme a lei do orecamento passa do.
Diz que a sua emenda satisfaz cumple ta-
mente, supprimndo essas gratificares in-
clusive a que se ajuntou ao ordenado do
olicial maior, e que havendo um empreg ado
na secrataria, que o segundo olicial, cu-
jo vencimento estabalecido por urna lei
muito anmala, pois que tems gratificac o,
e nao ordenado, e a sua emenda estabeU ice
que este olicial tenha o ordenado de 400/C i00
reis, assim entende, que por tanto deve : ;sr
approvado porque trar alguma economi, a ,
o que muito convem aliento o estado tisic o,
em que se achao os cofres provinciaes, est a-
do em que a mesma commissao pondera, e
em consequencia do que foi obligada a faz er
algumas suppresses, que montao a sessen ta
dantos con los de reis, desped ndo at em-
pregados com familia numerosa que tom
longos annos de servico. Conclue reconht-
cendo, que sao habis os empregados da se -
cretaria da assembla, mais julga, que sao
excessivos os ordenados que percebem.
(Conlinuar*c-ha.)
Henil i ment Mal d'alfandega em marco de 1844.
Rendimento total.........l2:()23/:V2(i
Jlestituicoes........... 425/400
Plvora 50 p. o/o a dr.
50 eni assig-
nados .......
Vinhos e lquidos es-
pirituosos ; a saber:
48 1/2 p. o/oadr." .
48 1/2 p. o/o em as-
signados .....
. 425/250
. 393/750
1:371/06-1
15-597/268'
161:597/866
819/000
10:968/332
I Diversas outras merca-
dorias ; a saber
15 p. o/o a dinheiro. 14:917/456
15 i), o/o eni assig-
uados.......88:439440
Jolas 5p. o/o........
Arniazonageni addicional de 3 1/2
p- ;<> i.........
Heexporta9ao 2 p. o/o......
Expediente do 1 1/2 p. o/o ...
Gneros nacionaes 1/2 p. o/o .
Premio dos assignados 1/2 p. o/o .
Armazenagem do 14 p. o/o .
Emolumentos do cerlidoes .
Sello dos despachos.......
Imposto de 240 rs. por alqueire de
sal : ...........
Multas.............
103:356^890
3/000
25:583/033
104/142
11:067/101
11/181
2:340^577
121/773.
10/560,
729/431
297/840
176/000
161:597/66
Roeeita geral .
Dita applicada
. 136:014/83.3
. 25:583/033
161;597/866
O escrivo da alfandega ,
Jacoine Gerardo Maria Lumachi de Mello.
pi.i Liim.u.."n
torit spoiKit neta.
Srs. lidiadores Tondo-se lido no recinto da
assembla provincial, quando se discuta o re-
qucriiuouto que exiga a apresentacSo do lvro-
das actas do collegio do Igtiarass una carta
do Sr. Manoel Silvestre l'erroira ao Sr. Ignacio
Antonio iiorges, o apparocendo liossa carta o
meu nomo e a narraco de um lcto que se
acha Inteiramente adulterado o que recebido
como verdadeiro, j>6do ferir ou pelo menos
tornar duvidoza a minha ro]iuta9o na quali-
dade de empregado ; tenho o dever do em bre-
ves linhas enunciar ao publico o que fielmen-
te se passou entre nim c o Sr. Ignacio Anto-
nio Horges.
Em um dia das sessos do jury aohava-me em
uina pequea roda com os Srs. Mimoe! Silvestre
rerreira, l'.ernardino deSenaGiiiinares, eFran-
cisco de Sales o Albuquerquo, e outras pessoas,
o conversava coin nosco o Sr. Miguel Allbnso
Forreira; suecedendo jiassar por nsoSr. Ignacio
Antonio Borges dice para o Sr. Miguel Allbnso
= nao fallos com os corcundas, que esto mui-
to fortes, 5= isso em ar de gracejo, ao que res-
pond que elle fallava com gente peior =e
nada mais bouve, nenhuma- s<> palavra se ar-
ticulou sobro eleiedes, e sobre outro qualquer
objocto poltico ; poitanto j se v, que a fal-
silicaco de acta acrescinio infiel ao que jus-
tamente se passou, e bem parece, que seine-
Ihante circunstancia um invento da intriga,
coin o fin talvez de me acairelar algum des-
gosto.
Entendo ter dito quanto basta para resalvar-
me de qualquer imputacab desairoza, que me
possa trazer o artigo dessa carta, 'ou dos Sr?.
redactores fcc, &c. Jos Ignacio Soares Ma-
cado.
Publicaco a pedido.
Bellas Arles. Duas palavras sobre a Gran-
de Galena ptica.
De ha muito hayiamos feito proprosito do
nunca mais acreditar nos pomposos annun-
cios e progammas que nos fizeram algumas
vezes cahir no opio de levar reverendsimos
logros e mararlri* eusta de bOa viutens. As-
sim pois, teem vindo eteem-se ido do
Hio de Janeiro muitos Srs. Pelotiqueiros sem
que bajamos entrado no numero dos arre-
pendidos. Ha poucos dias, porm, quebra-
mos a jura. Instados por um amigo, nao
houve como deisarmos de ir ver a "Galera
ptica", exposta ha cousa de urna semana,
em uina das salas por cima da Praca do Com-
mercio. E com efleito, j que fomos os mes-


\t

mos que a tantos induzimos para declararem Sardas.
guerra do exterminio aos taes Srs. Peloti- Suecas.
queiro; julgamos de rigoroso dever lomar
adianteira nos merecidos elogios que cum-
pra tributar aoSr. Andorler.
Quanto ah vimos, principalmente no
Neorama sorprendeu-nos inteiramente !
e pelo que temos litio e ouVtdo pode ser
comparado ao que de melhor tem appareci-
do n'cste seero era toda a Europa. A mais
completa o ao mesmo tempo a mais agra-
davel illusHo sobresane de todas as partes ,
e niTo haver por corto urna so pessoa por
menos potica que sea, o menos suscepti-
vel ilos doces onlovos da phantasia, que pos-
sa deixar do reconhecer o artificio o belleza
da pintura da capel la doSepulchro daSanta
Virgeni dosjazigos subterrneos deS. Di-
niz, edo monumento de Poniatowski!! ..
0 espectador sente-se transportado a essses
mesmos logares; elle ve observa attenta-
mente ; e quanto mais observa e v, tanto
maissejulga seguro no erro que lhe parece
verdade osdous recintos magestosos o do
.sepulcbro da Virgem o o dos subterrneos de
S. Diniz) estilo Iluminados e essas luzes ,
ellenffo as'tem como pintura, reputa-asan-
tes o effel toda luz verdadeira, susceptivel
dequeimare de apagar-se! Bis oefleito
admiravel do .Neorama
l'assemos agora as vistas do Cosnura-
ma. A praca de armas de Milito quanto
a pintura obra prima de bom gosto : o bel-
lo co de Italia apparece abi em toda a sua
transparencia, e a variedade di'colorido na
mullido dos espectadores produz milito se-
ductora sensaeo. O l.ago de Thiui na Suissa
tambem urna excellente execueo do pin-
cel posto que no Rio de Janeiro menos in-
teresse inspire sua paizagem, Masa se le-
vanta a excelsa Atbenas, oantigo bercodas
sciencias e das arles cujas reliquias vene-
randas niTo pode o espectador deixar de con-
templar sem grande pena A praca del Po-
plo em liorna ... so vendo-a se pode avaliar.
Porm deixemos ludo o mais, e abandon-
mosnos de novo as gratas reeordacoos'do que
em nos produziu a vista dos tmulos de S
. > rtf w
4
1
36
vSvisiienlo to 3orlo
quem pertencer, mu i i is outras llrapas, como
s o, cassas d quadros, paninhos lavrados,
inurcelinas, chita i, n unios de l. e diversasou-
tras, ipil' sern vendidas por todo o proco, ede
chapeos de castor superfinos, < de una norcao
dos uielhores sapa tos iuo-lezes de una e de duas
Navios tnlrados no dia 30.
Baha; 20 dias brigue-eseun a nacional Leopol-
dina comm. capitao-tcnonto Joo Nenomu-
ceno de Menczes.
Rio-de-janeiro 13 dias vapor nacional Para-
me eommandante Manoel Pedro dos liis ,
equipagem 27 : passageiros, coronel Joaquim
JosliOiz deSousa, ua senhora, 2 Albos me-
nores 1 criada, e2escravos, Joao de Olivei-
ra Ramos, Manoel JosVianna, n 1 escravo ,
ir. Joaquim da Purificacao Araujo e I escravo,
rr. Saturnino de S. Clara intunes Luis An-
tonio Pereira Franco
c 1 escravo Manoel
Alvos Regaa < l escravo Goncalo Muniz
arreto, Domingos Ribeiro Kolho, Jos Arau-
jo da .-unlia. Polis C. Maday Joao Jos Ro-
drigues Sancho bitancourt Berenguer Cczar,
(ulhei me Moon, sua senhora 1 hlha 1 cu-
nhada e 2 criadas.
Navio saludos no mesmo dia.
Babia; patacho nacional Krarita'ro.de 90 toneladas,
capitn Manoel Jos Ribeiro cqilipageil] 12 ,
carga varios gneros: passageiros Antonio
Joaquim Monteiro, Luiz Antonio de Sampaio
Manoel Dias de Amoriin, Brasileiros ; Ignacio
Jos Portugus.
Una ; hiato nacional Novo-dettino capito Es-
tevao Ribeiro carga varios gneros passa-
geiros Amonio Caldas ila Silva Jos Grego-
rio de Macedo Manoel Roberto da Paixo, e i
lillio itrasileiros.
solas
nha, no pt
da Cadeia.
terea-feira 2de abril
iiieiro andar
, as 10 horas di m <-
da sua casa, na ra
visos diversos.
no Diario n. 74 querer
o tempo que falta a un
Parabiba ; lanxa nacional i'. Joo liaptista, capi-
to Florianno Jos Pereira, carga varios ge-
Cadi
Navio mirado mi din '.',[
Diniz, doda Santa Virgem e do do Principe
Poniatowski. E* o que temos visto de melhor
ede mais curioso na primeira exposieo.
O Sr. Andorfer pois credor da gratidao dos
Fluminenses. Supperior aos perigos, nein pou-
pando-ses despesas de uma longa Viagem, el-
le veiopara offrasll: oxal se realise o juizo,
que formara dos sentimentos de generosidade,
e de boin gosto do publico d'esta capital pelas
bellas artes!....
Nao terminaremos sem tocar na escollia .indi-
ciosa, que o Sr. Andorfemos asseverou ter li-
to das vistas, que devem ser expostas durante
estes dias da semana santa: eerto ninguem dei-
Xar de contemplar coni a mais profunda onio-
cao a do, santo sepulcbro, na capel la que o en-
cerra em Jerusalem, a do Jess Chrisio orando
no jardini das Uliveiras.
romos mais extensos do que pretendamos;
porm, a culpa nao nossa, sim do enthii-
si asmo, que nos siiscit nao toouriososobjeetos.
-Concluiremos convidando o publico Ilustrado
a que se apresse a gosar de um espectculo to
completo, e que pola primeira vet se nos apre-
se, ita, alim de poder formar d'elle urna ideia
exacta. (Sentinclla da Itonarehia.)
equipa-
ris; 35 dias, brigue inglez Deley, de l(>2 to-
neladas, capito Thomaz Linfesty, equipagem
9, carga sal.
Monte-video; 2 dias, polaca sarda Coralina, de
200 toneladas, capito Piapo Castro,
geni 9, carga lastro
Uuenos-Aj res ; 2b dias, patacho argentino Car-
melia, de 100 toneladas, pitan Christovo
Carlos, equipagem 10, carga carne.
Pesca; 5 meses, barca americana Mje, de 211
capitoomith, equipagem 20, caiga azeite.
Naviq tbido no memo da.
Buenos-Ayres ; brigue hespanhol Dous-amigos,
capito Jam Ferrol, equipagem 13, carga as-
sucar.
Quem snnuneiou querer comprar um rel
e um tracado, dirija-se ra de Sania Thereza,
n. M.
Quem annunciou
um houiein paraacaba
que voluntario isento do recrutamento ; di-
rija-se a ra dos Quarteis casa n. 2, que achara
coui quem tratar.
abaixo assignado, leudo o Diario tic Per-
nambueo de quinta feira 28 docorrente, vio o
annunclo, que lizera a senhora l>. Vnna Joaqui-
na l.ins \\ anderlei de querer vender O sobrado
do principio do Altero dos Aflbaudos, de 3 an-
dares i e como o abaixo assignado temiiomesmo
sobrado a quantta de 2 contos e duzentos e i m-
tos mil rs., previne a quem quizer fazerqual-
quer negocia que o nao effectue sem tambem
se entendercom o abaixo assignado.
Marciano Lint llanadas.
k M SOCIEDADE -flf?P:'
irinSos, a preco de .'520 rs. a caada : o mel
novo, e assegura-se, que ser seinpre vendido
sem mistura alguina.
Os Srs. credores il<> cazal do finado Joaquim
f.opes Machado laro o favor de apparecor em
casa de Heury Forster SC.\ ruado Trapiche,
na ter. a-!'i ii.i 2 de abril prximo futuro, a lim
(le reeebercni oquintO ultimo devideudo.
Segunda vez se avisa ao Sr. solicitador Jos
francisco de Sonsa Magalhes, que ijuanto an-
tes dirija-se ;i ra da Alegra, casa u. '$(), a uc-
gocio que lhe di/, respeito, do contrario se far
publico a qualidade do negocio.
Na ra das Criues, li. (i.'?, vondcin-se tras-
tes, a saber: guarda-loma, guarda roupa, so-
las di'olio, bancas dedito, marquetas, tocado-
res, relogios para cima de meza, me/.inhas para
costura, cadeiras para alcova, bancas de 4 ps,
lavatorios, canias de vento, e m'uitos outros
trastes, nulo de superior qualidade e por preco
commodo.
Precisa-se de .'lOOsOUO rs. por hypotheraem
um siiio pe io da praca quem pretender an-
uuncie.
Aluua-se o primeiro andar da casa da ra
EiUtA.
>.;j
A! Tan lega.
Rendimenta do da 30.......... 2:300/458
Descarrega hoje 1.
Escuna =Princcza~ podras.
Miguel Areanjo Monteiro de Andrade cavalheiro da
ordem de Chnslo e inspector da alfandrga porS.
M. I., que Dos guarde ele.
Faz saber que hoje, |. do crlenlo, se ho
de arrematar etn praca publica porta da alfan-
dega ao mel lia oucas elaterim valor 18^
res, 2 ditas janis, r 8 ditas extracto de jalapa
0/rcis 2 '/, libras extracto di
, 2 libras uaples BOaf, .50 t.njns!' uiir. sa-
hyosci inni
ijas, 1 onc
licms 4 ditas extracto de gitales, I dita solalo
cbiconine 4 ditas ciasucreto polassa valor I ,
rcis 2oitavas laclado de ferro, 2ditas fetocy-
auato de quinino, I grosa capsulas valor 83*5(M1
res, 4 oucas indian red 500 reis, niuostrasdc
lilas valor l/reis, impiiguado pelo 2."
ario Jos lidelis Aarrozo no di
ni
escrip-
spaclio por
lacinia de \. bravo; sondo a arremataran livre
dos dir.'itos ao arrematante. Alfandetra 3o de
mareo do 1844.
Miguel Areanjo MonUirO de Andrade.
oei'iaracot'S-
PRACA DO RECIFE 30 DE MAR^O Dli 1844.
Cambios llouvcrao transacoes regulares a 25
d. p. 1/ res.
Algodao As entradas orao grandes e baixou
a 54600 res.
Assuoar ilouvoro grandes entradas e o de-
posito andar de quatro'acinco mil cal-
xas; os vendedores oiterecem a 800 reis
por arroba sobro o forro ; porm nao
ha compradores aquelle proco o al-
guinas partidas foro vendidas a 7o0 rs.
Couros Vcndei ao-sc do 4fl a 4/320 a arroba.
Iiacalho Chegou um carregamoulo com
2770 barricas com asquaes o deposito
anda por 3,800, o esta-se retalbando do
10/a 12/reis.
patatas Vondero-se a 1/ rcis a arroba.
Carne socca Kntraro dous carregamentoscom
osquaes odeposito anda por 42,0l0arb.,
teiido-se vendidonoRio-grande a2/600
res o a do Buenos- A} res a 2^100 reis.
Cobro para caldoroiro ~ Veudeo-se a 580 reis a
libra.
Farinba de trigo Nao houverao entradas; mas
o deposito anida consideravel ha-
vendo falla das, (pialidades .superiores, e
nao leudo havido altoracao do piojo.
Sabao amarlo Voudeo-so all reis a libra.
A inhos Chegou um carregamento de Harcelo-
na si .Malaga que seguio para a Kahia ;
os de Lisboa ordinario tem-se vendido
de 78/a 05/reis apipa; cxislciu por
vender 125 [tipas de PRR, pelas quaei
uiirecciii l^f reis o do champaiilie
vendeo-se do 17/a 20/ rcis a duzia de
garrafas.
EmbareafOe sitenle neste porto.
'Rrasibiras.............13
[Dinamarquesa...........1
| Francesa.............1
I Hespanholas............3
ingle/.as ... T .... '.....7
Portuguoias...........
O vapor Paraeiise recebe smalas, para
os portos do .Norte, boje [l. as duas horas da
tarde e as correspondencias devem ser
entregues na respectiva administrajS urna
hora antes.
A barca iYotia Senhora da BoaViagem rece-
be a mala para o Rio-de-janeiro (hojeas 10 ho-
ras da mannaa.
= Do ordem do Illm. Sr. inspector do arsenal
de niarinlia faco publico, que se contratar ins-
ta secretaria a compra dos seguintes objectos:
8(1 estacas de J(i palmos do comprimonto o 8 pol-
legadas em quadro, quarenla travs do 30 pal-
mos de cDiuprinicnio, o ]>ahuo e couto do gros-
sura, 76 travs de lpalmosde compriinonto e 7
pollegadas de grossiira, e 250 taboas do costado
do ainarello do 16 pollegadas de largura e 5 pol-
legadas de grossura. As pessoas, a quem a ven-
da de qualguer destes objectos possa couvir, s;io
convidadas pelo lllm. be. inspector a apresenta-
roni as suas proposuis com (oda a brevidade.
Secretaria da inspeceo do arsenal do marinba
do Pernambuco, 2/de mar$odc 1844.
Alexandrt Rodrigues dot Anjot,
Secretario.
O I." secretario leinbra aos Srs. socios, que
hoje pelas 6'/a horas da larde ba sessq ordina-
ria, o tem um objecto de urgencia a tratar-se
.Io:: \ alrnliui lia Silva avisa a quem convier,
que acha-se com a aula de grammatica al.er-
ta (na rua da Alegra, haliTO da boa-vista, asa
envidraeada, n. 42), o que continua a receber
alumnos, nao poupando meios para o adianta-
inenlo dos niesmos, eiupregando na regencia, e
no medir versos, e COmposico dos mesmos as
melliores ('xplieaiaies, que lhe sao possiveis, o
que tem sido visto por algumas pessoas.
Aluga-se um arma/eni grande, com em-
barque na porta, no Coelbo, aoude bi serrarla
de vapor ; quem ipii/.er dirija-se aos locatarios
Fox Siodarl, rua da Sen/.ala-velba, n. 40.
Quem mi Diario de 29 do corren te annun-
ciou querer comprar uma armacao de toja, di-
rija-so rua dos Martirios, n. 2.
= Hereulano Alves da Silva embarca para o
Rio-de-janeiro o sen escravo de nomo Jos, a-
fio Angola.
Quem annunciou querer comprar um tron-
co para priso, dirija-se Fora-do-poi tas, rua
do Pillar, n. 85, que so dir quoiu tem um para
vender. Na mesma asa tem para vender duas
COlleCCdCS do Diario dos anuos de 1842 e 43.
A pessoa, que annunciou necessttar de ou-
tra para assentarpraca, pelo tempo que lhe fal-
ta, querendo, dirija-se ;i rua do Rangcl, n. 42,
que se dir quem quer.
\ pessoa, que amiimeiou querer comprar
mis (landres c mu barril, dirija-se rua do lian-
gel, n. 42, sendo que queira os Qandres, sem fu-
nis e sem iludidas.
Km o deposito d'agua, e padaria junto ao
iliatid publico, precisa-se de pretos ou pretas
para venderem pao.
I pessoa, que annunciou querer comprar
quatro barris e uns flaudres, dirija-se rua do
i aldcireiro, n. .'il.
Precisa-se de 400/000 rs. a premio de um e
IMPO por cont, pelo lempo Ci seis me/es, com
hypotheca em uma casa; quem quizer dar an-
iiuncie.
D-se dinbeiro apremio, sol pinliores do
ouro, na rua das Crines, n. 42.
Precisa-se de um rapaz Portugus, que
queira ser criado ; quem estiver tiestas circunis-
tancias, dirija-8e rua de llortas, n. 15, so-
brado de um andar, que faz esquina para o ho-
co do S. Podro.
Precisa-se de um pequeo Portiiguez, de
idade de 12 :': !4 anuos, p.uu caixeiro i'ra uesia
na rua do Queimado, n. 10, no segundo
coiu coiiimodos para grande
de apollo,
familia, tem 4 janellas de frente, 2 grandes salas,
7 quartos, e I grande cosinba : a tratar na mes-
ma com Jos Ajllonio de Sonsa Machado.
Precisa-se de una pessoa para administrar
a matanca de gados as Cinco-pontas < distri-
buir as carnes pelos diversos arougues! quem
quizer procure na rua da Praia n. 30, que se lhe
dir quem pretende.
IVde-se ao Sr. Alvaro Fortunato Jordo ,
,i satisfazer a quantia que nao ignora ter flea-
do dever em Lisboa, no anuo le 1833; pois
sabe quem ipessoa nesta juaca, para isto
autorlsada e para livrar de questoes judiciae,
se fazo prsenla auuuucio.
.\n dia 27 )iara 28 do corrente desappare-
:!;; Tr| com nina ina-
ViSO- iiiuriiiiijus.
O hiato lllinda sai para o Aracaty no dia 8
do abril, na mesma maro, em que sabir outra
para o mesmo porto ; recebe carga c fete feito
polos carregadoros, o trata-se com Manoel Joa-
quim Pedro da osta, rua da Cruz n. 51.
= Para o Aracaty, o hiate Flor-de-larangairas
segu viagem ao da 12 dVbil quem uw mes-
mo quizer carregar, on ir de passageiu, dirija-
se rua da Cadeia do Recife, loja de fzcnda,
n. 37.
Leiles.
O crrretor Oliveira far leilao de chitas, e ou-
tras lazendas avariadas, por couta e risco de
pra.a
andar.
= Aluga-sc un preto, que soja fiel, para o
servieo da casa do mu lionieni solteiro, quem o
tiver annuncle.
A pessoa, que no dia da abertura da acade-
mia ai bou un chapeo de sol de seda, OU 0 levou
por engao, sirva-so restituil-o, por favor, asen
dono, noVaradouro, casa terrea de duas rotu-
las, contigua ao sobrado, cin que mora o Dr.
Carlos.
O Sr. fulano do tal R. queira ter a bondade
do chegar defronte da polica, n. 15, para se
avaliarciu os seus pinliores, pois o tempo bas-
tante, por isso se faz saber ao mesmo Sr., que,
se nao vier no pra/.o de 8 dias, scro ditos pinlio-
res vendidos para pagamento do que (leve.
A pessoa, que quer dar mu menino, pardo
ou crioulo, de idade de 8 0 anuos para nina
casi de familia, dado-M--iic o sustento, o o que
vestir ; dirija-so defronte da matriz da Boa-vista,
no primeiro andar do sobrado n. 8(i.
Podo-se ericula Luisa Goniaga Noves,que
se ni mi.ni sonse horas da noite da loja, onde
morava, na roa da Guia, que venba, ou mande
pagar quanto antes os aluguois, que (con do-
vendo, e entregar a chave da mes 'a loja, e nao
o fazondo por estos dias, se proceder rigorosa-
mente, como manda a le, pois nao se ignora a
sua residencia, assim como a mesma Senhora ti-
ca obrigada pelos estragos, que fez na mesma
loja na noite, oni que se niiidou, e disso mes-
uio se vai proceder mu evame indiciarlo.
~ Alugo-se cinco casiulias* a4/000 rs. cada
uma, sitas no atierro dos Allbgados ; quem as
pretender falle na Rua-impcrial, n.67, com Jo-
s Francisco da Silva Peona. O mesmo fornecc
niateriaes para obras, mais barato que outra
qualquer pessoa; e aluga tres canoas de carre-
gar lijlo, com canociros ou sem ellcs, tudo em
tonta.
= No armazem de capira n. 25, na rua da
Concordia, vonde-se, em caadas, c mesmo em
garrafas, ptimo mol de furo do engenho Dous-
eeo da cas.i n. I> d.. .
gato mal tez um tanto pequeo
iba branca no peito, orcinas e rabo cortado ;
quem oachou equizer restituir, leve-o mes-
ma casa, ou na rua da Cruz n. 23, quesera
bom recompensado.
Avisa-so ios Sis. assignantes do Panorama ,
que quizerem renovar as suas assiguaturas, que
o inez de Janeiro do corrente auno acha-se no
sen escriptorlo.
Desoja-so fallar ao Sr. Miguel Niines mo-
rador em Muribeea na Rua-impcrial do Atier-
ro dos Abogados n. 107".
Aluga-se casa terrea sita no Atterro dos
Affbgados, com quintal, cacimba, alcova, e
uma camarinba na sala de detraz: quem a pre-
tender, dirija-so rua d'Aurora a fallar com
Angelo Francisco Carneiro.
Aluga-se um sobrado de um so andar ,
porto da matriz do Santo Antonio OU inesnie
de 2 andares.
OH'orece-se una nuilher de hnns coslumes,
para o servieo interno d'uma casa de pouca fami-
lia, ou de homem solteiro: quem a pretender,
dirija-so ;i rua do Caldeirciio, casa n. 40.
Acha-se usa, e eonlractada a compra de
una inorada de casa terrea de podra o cal sita
na rua de S. Miguel da povoacSo dos Abogados
n. (14, com a Senhora I). Maria Joaquina de Santa
Anua, : quem livor por qualquer principio di-
reito a ellas reclame nesles Sdias.
Aluga-se nina asa o sitio ooni bastantes
com nodos para familia nos Abogados largo
de N. S. da Paz com seSSCnta o lanos ps de
larangeiras e oulros muilos arvoredos de fruc-
io a qual paga 2^000 rs. mensaes: quema
pretender, dirija-sc jua do Queimado, loja
n. 13, de Antonio Jos Rodrigues da Sousa.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da rua da Cruz por cima da baca de Anto-
nio Mara Marques l'erreira; assim como tam-
bem se vendo lium proto de idade propria pa-
ra lodo osrvicoj a quem convier enlenda-
se na loja da rua da Cadeia n. 40.
Precisarse de una ama, que do fiador a
sua conducta, para servir nina moca solloira
sem familia, quem se achar instas oircuinstan-
eias, dirija-se a rua das Larangeiras n. lil.
A pessoa. que annunciou no Diario de sab-
bado, 23 de mareo, ter um sobradinho para ven-
der, ou trocar por uma casa iium no bairro uc
Santo Antonio,declaro a rua o o n.do dito sobra-
dinho, ou falle na Praciuha, loja n. 3.
Aluga-sc um armazem na rua do Ainorim
n. 14, inuio proprio para qualquer rccolhi-
mento de pipas, ouquaesquer volumes, ou
eaixas com assuoar por se achar oni lugar por-
to do desembarque : tratar no largo da ribei-
ra de Santo Antonio sobrado n. 10.
Olliroee-se una parda moca, com bom
leite, para criar um menino: quem pretender,
dirija-se Rua-direita n. 55 loja de couros.
l/wio importante aos (lenles a medicina po-
puur americana.
= Acaba de chegar uma grande quantida-
de destas ululas ( remedio composto inteira-
mente de vegetaes ) conhecidas na America e
nu Kuropa desde o anno de 1790 e das quaes
se Ipiii vendido j r.c Bras ( aoiiue conheci
do apenas i 3 annos ) mais de quarenta mil ca
xinhas, em que tecm provado sua superiorida-
de de todos os remedios em numerosas curas
nns molestias do ligado (ebres rheumatis-
mo lonihrigas ( particularmente a solitaria )
thisica ulceras inflammacoes nos olhos es-
crfulas, erisipcss, ic.
Roga-se aos padecentes pora provarem esto
infalivel remedio. Vende-se com seu com-
petente receituario em casa do seu nico asento
Jouo Kcci rua da Cruz n. 11 e para maior
commodidade dos compradores na rua da Ca-
deia emeasa de Joao Cardozo Ayres, Rua-nota
Guerra Silva & C, Atterro-da-Boa-vista Salles
& Chaves.
Aluga-sc urna escrava para todo o servieo
de una casa: quem a precisar, dirija-se a casa
da rua larga do Rozario n. 48.
"" A pessoa que precisar de um homem pa-
ra ajudar a vender fazendas pelo sertao : an-
nuncie para ser procurada.
4


c= A'(-o'.-ia-sc nina divida de "iflO^rs., e da-
se limito era conta, COIU os precisos documen-
tos d escrlptura; cuja divida se vende, por ser
de una senhora viava, qae nSp pode compare-
cer em tribunaes : neasoa que aqtuzer com-
prar dirija-se a ra da Cacada n. 3, que acha-
ra rom queill tratar.
Precisa-se alagar mu negro para o servico
do botequim da Estrella.
__Quera precisar de mu eaixeiro Portugus ,
que sabe ler eescrevercom pratica suficiente
do negocio de venda j e inesmo para qualquer
rruraacao; dirija se ra do Livramcntonu-
mero 13.
O bilhete da lotera de Nossa Senhora do
Livramento n. 1303, pertence a M. F. Xavier,
ea A. Das daSilva Cardlal.
Precjza-se le um homem eotn familia, e
que prove ter boa conducta, para feltor de um
encentra perto dista piara ao (pial offerece-se
boin ordenado, alin de todas as coinmodidades
para a gua familia, quem estiver nessas clr-
cumstancias dirija-se a ra da Florentina casa
i). lo.
Perdeo-se em a noute de 5 do correte na
ra do Hospicio um lenco de cambrata de l-
nlio de superior qualidade, eoin duas ordens
de lavarinto formando quadros e guarnecido
de bico largo, tendo no centro do mesrao len-
co as lettras iniciaes M. <'. B., feitas cora Unha
de marca azul, e escarate: quem o tiveracba-
do e (juizer entregar dirija-se .i casa do co-
ronel .los de narros Falcan de Lcenla atraz di
matriz da noa-vista (pie sera generosamente
gratificado.
O abaixo assignado, para fazer chegar ao
coiiliechnento (le quem eonvicr que por e\e-
< u ao de Jos da Silva Coimbra movida por
seu procurador Manoel Perelra MagaihSes, foi
penhoradi una casa terrea no Atli-rro dos \l-
Jogados, pertencentc ao cazal donnadoCosme
Teixeira das Trevas ; e como anda nao fosse
frito inventario c partillias dos bous OS (|itaes
proindiviso e conste que alni da divida de
que veni a referida execuco existem outras
igualmente, com prekiizo da beranca (piando
ao tempo do alleciiulnto do dito Cosme, ne-
ll!!::::',. ficou RCm consta que I'osm contra-
hlda por justificado motivo, las o presente an-
DUncio para depoiS nao se allegar ignorancia.
Amaro Jos dot Praztres.
Roga-se ao Sr. .los Fernandos da Cruz ,
que teiu relacfies com o Sr. Manoel Galdlno Wan-
deiiei l.ius, lillio da senhora do engenho Po-
twngvt o favor de annuueiar sua morada ou
dirija-se ra da Cadeia do Ricfie n. 21.
= Offerecc-se un inoro portuguez, para
eaixeiro de cobranoas ou qualquer outro cin-
progo, ou para servir em qualquer casa parti-
cular no boceo do Abrco n. i.
l'erdeo-se na noue do da 25 do eorrente
lites das 7 as S horas da noute no lugar da
Trempe una bengala de caima da India, com
castSo prateado tendo no centro una pedra
quem a achou equizer restituir, almdese
lite agradecer, d-se-lhe5/000 rs. de gratifica-
r o pode dinjir-se i ra da .S'oledade casa n.
15, ou no Recife casa de cambio amada
Cadeia n. 24.
Precisa-se alugar umpreto, ou preta para
andar com um taboleiro dol'azenda vendo; quem
pretender dirija-se Rua-velha n. 73, ou an-
nuncie sua morada.
i \rronda-so irn grande sitio logo no princi-
pio di estrada do Arraial, com grande casa de
podra ecal, com cacimba de excellente agua,
Cora estribara, riacho eorrente no fundo, e
inultos arvoredos de frtelos; quem o pretender
dirija-se ra da Alegra, cas n. 34.
D-se dinheiro a premio com penhores
de ouro, inesmo era pequeas porces; na Rua-
nova n. 55.
Quem tiver para vender obra intitulada
Romtilim ou Myiteriot do cusidlo de Monte-runo ;
unnuneie.
NA BOTICA, E ARMAZEM DE DROGAS, RA
DA MADRE DE DOS, N\ 1.
Se vendemas preparacoes seguintes por pre-
90 inuilo coininodo, de superior qualidade.
regory's 'tala-.
Nao baver pessoa alguma que tenha feito uso
deste medicamento em qualquer parte do glo-
bo, que nSo tenha sentido seus beneficios. Os
mus ilcitos principaes ser um ptimo pur-
gante, estomtico, e multo til as doencas
nao ter feito caso do presente aviso scra
chamados peante a justica territorial para o
mesnio l'un. Pernambueo 27 de marco de 1844.
__ D-se a juros a quantia de 500^ rs. a 2 por
eento-ao nicz sobre penhores de prata ouro
ou lettras sendo de boas firmas : a tratar nes
ta typographia.
__, Ycstciu-se anjos com toda a perfeicao :
no jiateo da matriz de Santo Antonio, n. 4, pri-
meiro andar, ou na loja da esquina da ruado
Cabug que volta para a das Trinchcias.
Luiz Ferin, subdito Francez, vai para a
Babia e Rio.
= Alugao-se duas inoradas de casas terreas ,
com commodos para grande familia, ambas com
quintal murado, cacimba, e cosinha fra, si-
tas una em Fra-de-portas, ra de Gararapes
n. 1(5, e a outra na Boa-visia ra do Sebo nu-
mero 3.3 : os pretendentes dirijao-se a Manoel
Duarte Rodrigues na ra do Trapiche n. 2.
=: Airenda-se um grande sitio logo no prin-
cipio da estrada.do Arraial, com grande casa de
pedia e cal, com cacimba de excellente agua ,
com riacho eorrente no fundo, e com bastantes
arvoredos de fructos : quem o pretender diri-
ja-se ra d'Alegria casa n. 34.
Alugo-se os dous andares esotao do sobra-
do da ra d'Apollo n. 1, do bairro do Recife,
com bonita vista para o mar e inuito frescos :
e se vendeni duas redes que servem para ty-
poia feitas no Maranhao : tratar na ven-
da por baixo do dito sobrado.
Arrenda-se urna boa casa de campo no
principio da estrada da Ponte-de-Ucha, de-
fronte da casa do cofmnendador Franei#co Anto-
nio de Oliveira: quem pretender, dirija-se
ra do Rozarloestreita n. 31, terceiro andar.
= Pede-se ao Sr. Joaquim Galdino Alves da
Silva ipie haja de ter a bondade de vir conclu-
ir o negocio, que o inesmo Sr. nao ignora : na
loja de fazendas da ra da Cadeia velha n. 61.
O agrimensor, abaixo nssignado, oflorece
os seus serviros s pes*ons que liverem proprie-
dades demarcar, e allanen a mais escrpulo
sa exactido e o maior zelo no desempenho da
sua arte ; devendo todo* os que do seu presti-
mose (|Uzeretn ulilisar,dirigirem-se (porcarta)
ao inesmo abaixo assignado na Bua-direita ,
sobrado n 121.
Joaquim da Funseca Soares de Figuei/edo.
Aluga-se um sitio no Atierro-dos Allo-
mados com casa para morada bastantes ar-
voredos de fruto de diversas qualidades, boa
buixa para plantar capim e hortalice por ser
bastante grando ; a tratar na ra de S. Ama-
ro n. 10.
Rio-de-janelro no anno de 18*3 intitulada, dic- Na ra do Cabug lojas de Perelra !f Gue.
onariode medicina popular, pelodoutorChef- es vende-se um grando sortimento de ricos cha-
noriz em que se descrevem segundo a ordetn les de laa e seda a 4#e 5# rs., ricos los de sed,
alphabetica e em linguagem vulgar os sim- preta muito grandes a !<># rs. ditos de linho
' ptomas, as causas, e os tratamentos das mo- brancos tambem grandes a 6^ rs. cortes da
lestias, os soccorros que se devem prestar nos linda fasenda modecna chamada larlatana a | accidentes sbitos os contra-venenos de todos rs. riscado* muito bonitos, de quadrinhose
os venenes conhecidos, os preceitos para a con- listras, e cscocezas, muito linos, proprios para
servagao da sado as plantas, a preparago vestidos eroapozmhosde meninos a 320,400,
dos remedios caseiros #c. dous voluntes em e 480 rs. e outras multas Tasendas por dimi-
quarto, contendo 950 paginas, por lO^rs. uto prego.
Vende-se urna bonita oscrava do 18 annos, Vende-se na rus do Cabug loja de fcrel.
com as habilidades essenciaes para o arranjo de ra & Guedos um diccionario em dous volumes,
urna casa; 3 ditos para todo o servico; urna Irancez e hespanhol ehespanhole francez; a
parda boa cozinheira e muito fiel por 380# lUeirosenvidracados, deamarello para cima de
5 eseravos, sendo um ptimo carpina, 3 balcao, urnas poucas de resmas de papel de
rs.
moleques pecas ; dous lindos mulatinhos. do pesobrancoa 2100 cada resma
_ l.'rtnil ...., ,. n.1,,1.1.- ,l.i Inri
10 a 13 anuos; na raca-da-Boa-vista n. 19.
Vendo-so nma armaco com balcao ocan-
teiros proprios para venda ou botequim, por
preco commodo ; na ra do Nogueira n. 1.
Vende-se excellente bolaxa de primeira ,
segunda, e terceira qualidado, pelo preco de 8,
10 e 12 patacas ; na ra dos Quarteis pada- brir .
n. 57.
Vendem-se pentos de tartaruga da moda
abertos e lisos ; tambem se concerta toda obra"
do tartaruga ; no pateo doCarmo loja do so-
brado da esquina que volta para a ra das
Trineheiras n. 2.
Vendo-se urna canoa pequea propria pa.
por i/f rs. ; na ra do Queimado
ra n. 18
Vendem-se chapeos de varias qualidades,
por preco mais barato do que em outra qual-
quer parte assim como se rocebem chapeos
do Chillo para se lavar, o enfermar ; na ra da
Cruz armasen* e labrica de chapeos n. 63.
Vendem-se ricos chales e mantas de seda,
ricos cortes de vestidos dosetim, ditos de cam-
brain com flores de seda meias de seda preta,
Vende-seo compendio da historia do Bra-
sil pelo general Abrec e Lima om 2 volumes
com estampas ; na ra estreita do Uozario, bo-
tica de Joao Pereira da Silvoira.
Vendem-se duas barias do rame sendo
urna do 14 libras e a outra de 24, a 540 rs. a
libra, um sellim e Ireio quasi novo por \-2j rs.
dous baleos fechados para loja ambos culi
luvasditascompridas e curtas sem dedos pa- 8 porteiras por 15,000 rs., um dito a ranceza ,
ra senhora sapatos de marroquim e curo de e co'" avela uor 2^00 rs. urna grande
lustro para senhora boneguins gaspeados pa- P<"-ta de ferroa 140 rs. a libra, um chexo o-
ra homem e senhora casacas feitas de panno, vo muito bom cantador, e urna potco de qua-
calcas, colletesdesetime veludo, panno A-' dros grandes e pequeos muito cm conta; na
no de todas as qualidades merino pretoe ver- ruadosQuarteisn.il.
do sarja de seda hespanhola cortes de ves- Vende-so urna negra de nacao, prenhe de
tido de laa ditos de chitas mu finas ricas c mezes c0,n um moleque^de anno e mei., ,
mantas para grvala lencos ditos ditos esco- preta cozmha, lava de sabao e varrella; uma
Compras
do ligado
1 i..i. 1
baco ,
;.i.....
&c. &e.
\as ludias, onde
stragus pruduzein
constantemente estas doeneas, sao raras as pes-
Roas que nao teeni conheeimento dos bous ef-
feitos deste remedio. O menino o velbo de-
crepito e finalmente o homem em qualquer
idade da vida podem sem recelo alguiii fzer
uso deste medicamento, cujos efiieitos saluta-
res nos fazem julgar una inspiraran divina ao
genio sabio e philantropico c seu autor. A
(lose desle medicamento lima ou duas colbe-
res de cha misturado eoni agua, duas 011 tres ve-
zes por dia.
Na mesilla casa lambeiii se vendeni tinta* e
todos os outros objettos de pintura ; vernizes de
superior qualidade, entre elles um jierfeita-
raentebranco, e que se pode applicar sobre a
pintura mais delicada sem que produza alte-
racao alguma, em sua cor primitiva ; arrow-Root
de Bcrmuda ; sag ; sabonetes ; sabao de AVind-
sor; agua de Seidlitz; llmnnnilM g*?osa; tinta
superior para escrever ; perfuinarrias inglesas;
fundas (daslicas de patente ; eseovas e pos pa-
ra denles ; pastilhas de muriato de morphina,
e bypeccuauha ; pastilhas de li-carbonato de
soda, egingibre; as verdadeiraspilulasvege-
taes, universaes do Dr. Hrandiellt viudas de seu
autor nos Estados-Unidos ; azul linissiino, pro-
prio para annilar roupa ; pos de Seidlits c de
soda.
s No dia segn da-fe ira l.de abril prxi-
mo futuro, o consulado de Franca tar vender
por conta dos credores do Sr. Carlos Turquais ,
subdito francez cm estado fallido asmercado-
rias que existein no seu arinazem da ra da
Alfandega-velha 11. 34.
Convida ao inesmo tempo todas as pessoas ,
que sao devedores ao dito Carlos Turquais
no mencionado consulado transportarem-se
liara liquidar suas contas pois que passado o
a 15 de abril prximo futuro os devedores, que
= Compra-se efTectivHmente negta Typogra-
phia toda a qualidade do pannos cortados ou
vellios de linho e aigodo toda a especie
de libra linhe/a algodo, de refugo em ra
ma papel epapclo voltio.
Comprao-se eflectivamente para fra da
provincia eseravos de ambos os sexos de 12 a
20 annos agradando pago-se bem ; na ra
da Cadeia de S. Antonio, sobrado de uma an-
dar de varanda de pao n. 20.
Compra-se um preto de 20 annos ; na ra
do sol, sobrado do dous andares n. 23 por ci-
ma do nrmasern do capim do Cezarlo
Compra-se u mea del I o de boa raca de fila
com 3 a 4 mezes de nascido ; no pateo do Car-
.110 venda n. 9.
Compra-so um terno de pesos de 8 libras
at meia quarta com sua competente b.llanca,
e braco; e um terno de medidas de pao at meio
alqueireda medida nova; na ra de Aguas- lojade Guilherme Sette.
verdes, venda n. 15.
Compro-sc dous moleques de 14 a 16
annos sem vicios, sadios e de boas figuras;
na ra da Prala n. 43, primeiro andar.
cezes chapeos do massa franceza brins e laes
para calcas, e muitas perfumaras, Le-Roy,
opodeldoc, e outros muitos objectas por preco
commodo; na Rua-nova n. 29 loja de Diogo
Jos da Costa.
Vendem-se dous carne-iros mochos, muito
mansos; na Rua-velha, indo para atraz da
matriz n. 26.
Vende-so um relogio de prata, patente in-
gle* o melhor possivel, por 80# rs. ; na ra
do Crespo, loja 0. 23.
Vende-se a vida de D. Joao de Castro, por
preco commodo, e um globo de vidro para
meio de sala ; na ra das Cruzes n. 12
Vende-se o diccionario pnrtuguez, de llo-
raos, da terceira edieo com pouco uso em
bom estado por 12.000 rs. ; na ra do Cres-
po n. 23, primeiro andar.
Vende-se urna canoa pequea propria
para abrir, por 12000 rs. ; na ra do Queima-
do, loja n. 67.
Vende-se uma boa rama com colchos, ou
sem elles com pouco uso; na Rua-nova lo-
ja n. 58.
Vende-se um sellim com "pouco uso, por
preco commodo ; na ra das Cruzes n. 40.
Vende-se uma Ierra menta de marcineiro,
com banco, e mais prepares para o dito ollicio;
na Rua-nova n. 63.
Vendem-se lencos pretos de setim e sarja,
o melhor, que ha tanto cm tamanho como
em qualidado, chapeos pretos francezes para
homem e meninos; na ra do Queimado n. 25,
Vendas
Vende-se manual de missa e conflssn ,
conlendo excrcicios quotidianos, explicarn das
cerimonlss da missa, festividades epstolas c
evangelho-dos domingos do anno, e muitas
oraces que pela primeira vez sahem a luz ;
um volume por 4600 rs. ; direito espiritual ,
convidando u todo fiel chrisfo a confessar-se ,
e faier outras devocoes, por 640 rs. ; olicio
da paixao, por 80 rs. ; na Fraca-da-indepen-
deiicia livraria 11 s. 6e8.
Vende-se um moleque crioulo de 11 an-
nos, de bonita figura proprio para aprender
ollicio ; na ra larga do Rozario, venda da es-
quina n. 39.
Vende-se um sortimento de toalhas de li-
nho adamascadas com guardanapos, de com-
| primelo do vara e meia at 5 varas, do qua-
lidade supeiior; panno de linho em pecas de
18 varas ; velas de espermaecte em caixas de
25 libras; larcllo novo, em saccas de 3 arrobas,
chegado de Hamburgo; em casa de 11 Mein tone
na ra da Cruz n. 46.
Vende-so uma porcao de taboas de pinho,
que sirviro de andaimes, e de tapamonto do
frontrspicio da matriz da Boa-vista proprias
para estacada de algum atierro ou parabahu-
sciros, assim como alguns caibros, e outras
madeiras que presentemente nao teem appli-
cacao para as obras da referida matriz, e igual-
mente urna porceo de aielraiha para alicorees;
a tratar com o thesoureiro que se ada auto-
ridad 1 pela moza para efectuar esse negocio.
Vende-se urna porcao de algodo de caros-
so por proco commodo; na ra da l'raia n. 33.
Vende-se na loja de Joo Cardoso Aires,
na ra da Cadeia-veiha uma obra publicada ou i ma dita da praia: na Ra direita n. 10.
Vendem-se 4moleques pecas de 20 annos,
2 ditos bons officiaes de sapateiro ; dous esera-
vos carreiros ; um moleque de 14 annos ; 3 es-
eravos com boas habilidades; uma dita de meia
idade por 9008 rs- boa lavadeira o ptima
para botar sentido a um sitio, e trabalhar; uma
mulata de 20 annos, de muito boa figura, en-
gomina, cose, e faz todo o mais servico do uma
casa ; na ra larsa do Rozario. sobrado n. 8.
Vende se uma casa terrea com chaos pro-
prios sita a ra de Santa Cicilia n. 4; a tra-
tar na Rua-nova n. 41, segundo andar.
Vende-se farinha da trra de boa quali-
dade por burato prego em porcao u a rela-
Iho ; na ra da Praia, armascm n. 20.
Vende-se urna morada de casa feita a mo-
derna, envidracada, com bastantes commodos
para familia um grande quintal com bastan-
tes arvoredos de fruto e ps de caf, com ba-
ldo no 1. ndo sita no largo da matriz, dos
Aflogados ; a tratar na ra do Vigario n. 18.
Vendem-se duas casacas com pouco uso,
t colletes de soda de varias coros e uma jaque-
lado panno cor de cal, ludo com pouco uso ,
e por preco commodo ; na ra da Cruz n. 49.
Vende-se assucar refinado e tudas as
qualidades, caf muidoeem grao, cha hisson;
no deposito da Praca-da-Boa-vista n. 7.
Vende-se uma das melhores vendas.da es-
Quina da ra da Penha defronle da igreja, n.
33 com o fundo de 1:400,?' rs. o motivo, por
que so vende se dir ao comprador; a tratar na
mosma.
Vendem-se ps de uvas de exceUenle qua
lidade chegada a poucos dias de Lisboa pelo mi-
gue Feliz-destino na ra do Sol primeiro andar
por cima do armazem do capim n. 23,
= Vende-se uma espingarda de rara, He
dous canos muito boa de fogo, e de muito al-
cance por commodo preco, na ra da Conccican
da boa-vista, 11. 17 assim como um quarto por
18/000.
Vendem-se ot passaros seguintes, todos
muito cantadores : 7 bieudos 2 canarios de im-
perio 2 chochos duas sabias da malta, e
'oalha do lavarinto toda aborta em roda cum
7 varas de bico para a mesma toalha por se-
ren as flores iguaes; na Boa-vista travessa ao
Veras n. 14.
Vendem-se dous negros, de bor.itas fiu-
i.is, de 16 a 18 anuos por preco commodo ;
na ra larga do Bozario 11. 50.
Vondem-se redes para viveiro, do todas as
dimenges e tambem so alugo ; nos Allega-
dos, paleo da Paz n 21.
Vende-se um cavallo preto, bom carrega-
dor, em boas carnes por prego commodo; na
Solidado, venda n 20.
= Vende-se Jacaranda superior chegado do
Rio de Janeiro pedras de marmoto redondee
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas cadeiras america-
nas com assento de palbinba camas de vento
com armago marquesas solas, mezas de
jantar camas de vento mu bem feitas a 4500,
ditas de pinbo a 3500, assim como outros mui-
tos trastes ; pinho da Suecia com 3 pollegadas
de grossura dito serrado dito americano de
dillcrentes larguras e comprimentos; assim
como travs do pinho, e barrates ; na ra de
Florentina em casa deJ. leranger.
Vendem-se sapatos para homem e senho-
ra algumas cintas e madapoles bicos bran-
cos de 3 a 4 dedos de largura caixas com col-
xetcs linhas de novelo grossas, c do carretel
finas; na Rua-nova lujan. 58.
Eseravos fgidos
No dia 24 do eorrente fugio do engenho
S. Braz freguezia de Serinhem, um pardo de
nomo Elario, baixo barbado vesgo de* um
olho, trigueiro, julga-se ter ido para as partes
de Aguas-pretas ou Cachoeira-dantas : no
dia 25 do mesmo mez fugio do mesme erig"""0
o preto Joao carreiro, mogo, sem pona de
barba, do gento de Angola julga-se ter ido
para as partes do engenho Cabega-de-porco e
Sau ; quem os pegar, leve ao dito engenho a
entregar a seu srs Francisco Goncalves da Ro-
cha que 1 eceberacom mil rs. do gralificago
por C8da um.
Fugio no dia 20 do correte um p elo
crioulo do nomo Agoslinho, cor fula, alto, ebeio
do corpo rendido de uma verilha levou
caigas de brim de listras camisa de algodo,
chapeo de palha novo ; quem o pegar leve a
seu snr. Albino Jos Ferreira da Cunha, na ra
do Queimado n. 4, que ser generosamente re-
compensado.
No dia 22 do corrento fugio o moleque
Luiz do 15 annos poucs mais ou monos, de
nacao Congo ; levou caigas novas de estopa, um
collele preto j velho com palmas encarnadas,
nao levou camisa nem chapeo sal io de casa a
vender pitombas; quem o pegar, leve a ra do
Cabug, loja n. 5, que ser recompensado.
No dia 15 do fevereiro p. p. fugiodo sitio
de Jos Antonio Basto da Passagem-da-Mag-
dalcna, um moleque crioulo de nome Bento ,
escravo do Domingos Jos Pereira Pacheco do
Aracaty o qual moleque seccodo corpo, al-
guma cousa fulo, representa 16 annos pouco
mais, ou menos, muito regista ; quem o pe-
gar leve ao dito Jos Antonio Basto, na ra da
Cadeia do Reuie n. 34, ou no Aracaty a seu snr.
Domingos Jos Pereira Pacheco quo ser re-
compensado.
Krcifb ha Itp. db M. F. db kauial&W,