Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08705

Full Text
Anno de 1839. Quinta Fkira,
TuHo agora depende de nos meamos; da nossa prudencia, modera.
co, e energa : continuemos como principiamos e seremos a po litados
con admirarlo entre as IWoes mascullas.
Proclamaco da Asstmblta Geral do Bratil.
Subscreve-separa esta folha a 3jfooo por quartel pagos abantados
nesia lypograna, ra das Crujes D. 5, enaPracada independencia
D. 37 38, onde se receben) correspondencias lepalisadas, eannuucios;
i nsirindo-se esles latis, sendo dosproprios assignantes, e vindosassiy-
mados.
Partidas dosdorreios Terrestres.
Cidade da Parahiba e Vias desua pretenco...................
Dita do Itio Grande do Norte, e Villas dem...................
Dita da Fortaleza e Villas dem..........................
Villa ce Goianna..................................
Cidade dr- linda..................................
Villa de S.Anto......_............................
Dita de Garauhuns e Povoaro do Bonito ...................
Ditas do Cabo, Serinhaem. Rio Formozo, e Porto Calvo..........". .
Cidade das Alagoas, e Villa de Macei.........................
Villa de Paja de Flores .................................
Todos os Corraos partem ao meit da.
28. DK NoYIOMBRO. Nl/MKRO 261.
-w
,
NoVEMBO. 27.
Londres......3 por Ifooo oed.
l^|S'>oa....... ^o por 0/0 premio,
*r,nca.......oSreis por franco.
nio de Janeiro ao par.
CAMBIOS.
por mciai oerecid*.
OUH'J
PUATA
?

Moedas de 6floo rs
Ditas
Ditas de *niKi rs.,
Pataces Rrazileiros -------
Pezos Columnarios---------------
Velhas tiffao a
Novas tijlioa a
8f o a
lj->o a
#5io a
Ditos Mexicanos-------------------- ij/io t
Premios das Letras, por mez 1 1/8 a 1 111 por loo
Hcela de cobre 4 a 5 por 100.de disc.
Dias da Semana.
igoo
1*0000
-ioo
i#.*>o
1 Tifio
i#54o
, Segundas e Sextas Fciras.
Todos os dias.
Quintas fe iras.
Diag lo, e ti de cada mez.
dem 1 11, e ai dito*dito.
dem dem
dem lo, dito dito.
..i
75 Segunda------S. C* marina V. H.---------------Ses. da Tbez. e aud. do J. de D. da 1. r
16 Terca---------S. Pedro Alejandrino (. M.-----ItelaeSo e Aud. do .1. de I), da 1. vara de manh;
17 Qnxrta--------S. Margarida de Saboia.----------.cess5o da Thez. Audiencia do J de U da 1 v sTki
18 Quinta--------S. Gregorio 5. P.-----------------Re. e aud do J. de t. da 1. v.
19 Sexta----------Jej. S. Saturnino M.--------------Ses. da Tliez. e aud. do J. de U. da 1. V
3o Snbbado >Jc S. Andr Ap. -------____ 4
1. Ucz. Domingo 1. do Advento S. Eloy t. *
m
Mitre cheia para o da 28 de Novembro.
As 10 horas e 54 minutos da manh As 11 horas e 18 minutos da tarde.
PERNAMBUCO.
COMMANDO DASABMAS.
Expediente do ti i a 19 do corrente.
Offieio-Ao Exm. Presidente pedindo-Ilie
a expedieco de suas ordens para que fossem
recebidos a bordo do Vapor S. Salvador e
transportados a Babia e a Corte, o soldado Joze
de Souza Tcixeira cuja guia lhe enviaba, e
os ex-soldados vindos do Par; Antonio Benig-
no Pereira Manocl Joaquim das Neves e
Agostinbo Joze d Oliveira.
Dito-Ao Commandante interino do 3. Ba-
talbo d Artilheria communicando-lhe em
Tesposta ao seo ofRcio de 11 do corrente me/.,
que pela Repartico das Obras Publicas se
hio fazer os concertos de que necessitava o
Hospital Regimental.
Dito-Ao Preleito da Comarca requisitan-
do-llie a priso de um desertor do Deposito ,
cujo norae e signaes lhe transmita em urna
nota.
Dito-Ao Prereito da Comarca de S Anto,
deprecando-lhe a aprebenso de um desertor
do 3. Batalho d Artilheria constante da
nota que lhe enviava.
Portaria-Ao Commandante interino do 3.
Batalho de Artilheria mandando dar de-
micb ao soldado Francisco do lio/ario por
ter finalizado o seo engajamento e nao que-
rer continuar no servico.
Dita-Ao-Quartel Mestre Aflbnso Honorato
Bastos mandando cobrar o que se estava a
dever aos soldados Jote Ignacio e Mano 1
Lauriano durante o lempo que serviro na
.guerra de Panella3 fasendo depois o paga-
mento na forma das ordens estabelecidas.
lia ?.
Officio-Ao Inspector do Arsenal de Marinha
communicando-lhe em rcsposla ao seoofficio de
20 do corrente hontem recebido que pelo
Arsenal de Uuerra lhe seria remettida a ca-
brilha que requisilava para o dcsmotitamen-
todas Pecas de Bronze do Forte do Mar e
bem assim dous soldados que com a mesma ca-
btilha soubessem trabalhar.
Dito-Ao Director interino do Arsenal de
Guerra para que mandasse amanha apre-
sentar ao Inspector do Arsenal de Marinha a
cabrilha e aous soldados da Companhta de
Artfices que com ella soubessem trabalhar ,
a fim de se desmontaren! as Pecas do Forte do
Mar.
Dia iP.
Officio-Ao D>. Procurador Fiscal da The-
zouraria remetiendo incluzo o officio de Es-
crivaS e Administrador da Meza de Rendas in-
ternas e os quatro papis originaes e 3 em
pblicas formas de venda de escravos que
o accompnnharo, para que proceda contra os
vendedores ou compradores dos mesmos ,
como direito Cor.
Dito-Ao Escrivab e Administrador da Me-
za de Rendas Internas Provinciaes aecuzando a
recepcao do seo officio de 15 do corrente e
partecipando-lhe que mandou proceder co-
mo direito for contra os vendedores ou com-
pradores de escravos que nao pagarlo a meia
siza.
Diversas Reparticoens.
ALFANDEGaDAS fazendas. .
A Pauta he a mesma do 11. *$j.
MEZA DO CONSULADO.
A Pauta he a mesma do n. a5o.
Preciza-se de Officiaes de Pedreiro para a
obra da pequea ponte na estrada de S. A-
maro e de serventes para a da ponte da Boa-
vista : as pessoas que nellas se quiserem em-
pregar dirijo-se ao Inspector Geral interino
das Obras Publicas na respectiva Bepartico
as horas do expediente.
Iuspecco das Obras Publicas a3 de Novem-
bro de 1839.
J. Boycr.
Inspector interino.
^alaquias Antonio Goncalves e Joo, escra-
vo de Sebastio Antonio do neffo Barros este
por estar fgido e aquelles requerimento
de seos senbores por desobediencia, cujos
presos tivero o competente deslino.
Os Credores do fallecido subdito Porltifpiez
Francisco Antonio de Mello sao convidados
para apresentarem na Chancellarla do Con-
sulado, dentro do prazo de id diasas suas
contas justificadas para serem pa^os pelo pro-
ducto do espolio do mesmo fallecido.
Consulado de Portugal em Pcrnumbuco a
os 21 de Novembro de ibig.
O Cnsul.
Joaaptim Baptisla Moreira.
NOTICIAS PROVINCIAES.
MABAKIIAO'.
Artijios d'Officios.
mor Silvestre Marques da Silva Ferro est
em perij-o de vida : se V. Ex. nao mandar al-
gum outro para o tratar ea cento e sessenla
doenles que tem o hospital, fcaio estes ao de-
samparo.
Dos guarde a V. Ex. Quartel no Acam-
pamento da villa do Icat i-j de Outubro de
i83o. Illm. eExm. Snr. Manosl Felisar-
do de Souza e Mello, Presidente desta Pro-
vincia. Luiz Antonio Favilla 'Pnente
Coronel
gada.
e commandante da primeira Bri-
THEZOBARIA PBOVINCIAL.
Expediente do dia i5 do corrente.
Portaria-O Inspector da Thezouraria das
Rendas Provinciaes significa ao >nr. Thezou-
Teiro que nao obsta o que allega em seo offi-
) de 14 do crtente para se deverem de fazer
annuncios de pagamento dos ordenados ven-
Lv.idos no mez de Agosto como se lhe deter-
IVminou em a Portaria de 8 do. corrente por
quan'.o nao s os primeiros annuncios, que
elle fuera ficaro sem efleito pela Portaria
se lhe derigio em 5 como por que os pre-
ditos annuncios devem de ser repetidos e
tantos quantos dias durarem os pagamentos
,nnnnciados ; o que ludo lhe partecipa para
:sua intelligencia e execuco.
Officio-Ao Exm Presidente partecipando
3ue hontem effectttou-se a mudanca da Meza
e Rendas Internas Provinciaes da casa em
*iue se achava collocada para aquella onde
stirera os Cofres da Thezouraria da Proviri-
-*ia o queja previamente haviacoramunica-
.'4o vocalmente.
PREFEITURA.
PAUTE OO DIA 36.
Illm. Fxm. Sr.Forao presos hontem
mi 11 lia ordem e tiverao hoje destino : F-
lix Nunes Cavalcinte branco pelo meo
Ordhanca por andar correndo a cavallo as 8
horas da noite na Ponte da Boa-vista; Guido,
eMalaquias, pretos escravos d Conceico Luzia, Pedro e loaquim tam
bem pretos, o penltimo s e o ultimo, escra-
ves de Antonio Nobre Auguste Bourgeaex ,
francez e Hila Maria da Penha parda, pe-
lo Sub-Prefeito de Santo Antonio 01., -j.,
e3. por disputa 04 e5. por frem arro-
jado unid tai roca sobre uui sujeiio ao qual
depois disso maltractaro ; dentadas, o t.
requisico de seo Cnsul por ser insubordina-
do ; e a ultima por ter a tirado com nm vaso
sobre um sugeito a quem offendeo no rosto;
eTheodoro J9ze da Silva prelo por dis-
puta.
O Sub-Prefeito de Ipojuca partecipa que
no dia 18 do corrente mez apparecera enfor-
cado um preto escravo de Joaquim Pedro
Brrelo do Reg Rendeiro do Lngenho Sao
Joze out'ora Carass desta I- reguezia, sem
que tivesse sido violentado commetter sime-
lliante attentado.
E' o que consta das partes hoje recebidas
n'esta Secretaria.
Dia 97.
Illm. e Exm. Sur.Partecipo a V. Exc. .
que das partes hoje por mim recebidas cons-
ta somante, que foro presos hontem a minha
ordem pelo* Sub-Prefeito de >anto Antonio os
pretos Antonio Garca, escravo de Ignacio Ex., que me mande a que ja tinha^pedido
Marques da CosU Soaxes, Diogo esaavo de J com a competente jnunicu. OCirrgiar^
Illm. eExm. Snr He cheio deregosijo
que levo ao conhecimenlo de V. Ex. o gran-
de triutnpho que alcancamc* coutra os re-
beldes ( grande triumpho em consequeneia
das nossas diminutas fon-as ra comparaco
da dos malvados;.
Tinha dado ordens para se atacarem duas
trincheiras detles, como partecipei a V. Ex.
em o meu officio numero i5, o que teve ef-
feito. Tbmou-se-Ihe as ditas trincheiras,
mattando-lhe alguma gente e feriudo-Jhes
Illm. eExm. Snr. Fico enlreue dos muitos, nao podendo diaer a V. Ex. o nume-
officiosdeV. Ex. datados de >5 do corrente, rocerto por se lerem por ora encontrado pe-
e mmedialamente dei cumprimenlo a quanto lo mato 6 mortos, e muito sangutem lodosos
V. Ex. uelles me ordena va. Muito me re- pontos, e tendo depo> d arrasadas as mesnvts
gosijarlo e a todos os meus companheiros trincheiras mandando retitar a nossa gente a
de armas, as noticias doBrejo, etalvezem seos postos ; tive noticia que os rebeldes mui-
poucotempo, seo Commandante das forcas to desanimados estavo com a perda que tinhao
mandar ja marchar algum Balalho a cor- sofrido : aproveitei a occasio e mandei im-
tar a retaguarda dos rebeldes, que cerco mediatamente tocara reunir, deixando as nos-
esta villa, eu possa dar aV. Ex. iguaes no- sas trincheiras com pequea forca mandei
licias respeilo aos meus sitiantes, pois que atacar todos os pontos d .elley o que se fez cora
sendo piles em grande numero, que julgo tanta valentia da nossa parte que leamos
montara a mil e quatro ceios com o refor- de rojo toda a sua for^a abandonando todas
co que reeebero da Meritiba, niaior ser a as casas que oceupavo trincheiras foitissi-
S^or'a mas bois cavallos, alguns quartos de car-
A Brigada do meu commando acha-se pos- ne fresca caldeires de ferro etc. fazendo-
suida doroaior enthtisiamo possivcl e ape- lhe, na retirada grande estrago na sua gen-
sarde nao lerem a tres dias lium s monten- te, que tivero de levar muilos deitados em
lo de descanso por tciem os malvados pro- cima de cavallos. entrando neste numero o
curado a todo o custo apossar-se da villa, commandante (nao sendo o velho Poderosa
bateado toda a noite, ora um ponto, ora nutro, que ja se tinlva retirado) que hum soldado de
a Jim de ver se pene! rao por algum deHes ; es- itiannos de idadeihe deu um tiro na cara,
to promptos para avancar aos rebeldes quan- quando montando em um bom cavallo tratava
do se offereea occasio. Elles alem de outros de fugir ( a este Soldado dei a graduaco de
morios que tiverao no fogo de antes de hon- Cabo ) e outro oficial companlieiro deste c5-
lem morreo o filho do seu primeiro com- mandante por nome Verdehomem ter-
mandante. Rogo a V. Ex. que quando man- rivel, que juJgo j;i ter.i morrido pelo fer-
dar munltmentos para esla Brigada mande ntenlo que soffreu. A nossa gente perseguio
abordo yer se osqueesto embarcados sao os malvados em distancia de Iros quartos de
iguaes s amostras, pois que esles que viero legoa sem os deixar parar e julgo que ellea
agora nao podem ser petores e julgo que t- se foro reunir no Murro, vou ja mandar, ex-
ludema tnesma commisso encarregada dos plorar at l, caso al i estejao hirei batel-os
comprar, trorando-os quando vo para o em- e tomar-lhe aquelle ponto, e deixa-lo guar-
barque A villa apesar de estar defendida pa- necido.
ra os nossos fracos inimigos, esto muito mal, O fogo dureu seis horas, pois principio u as
construidas as trincheiras tanto que algumas cinco horas e meia. Muito se distinpuiro
eslo abandonadas pela m; posico em que se nesle ataque o Capillo Joo Lnit ale Castro da
acho collocadas e tem sido preciso contruir- Gama, o Alferes Quartel Mestre Joaquim &
seoutras. Havendo antigamente a qui muilas loy deQueiroz o Alferes Joo Antonio Bap- *
fotcea, e faces, hoje s ha quatro, e estas lista de Sudr o Alferes Secretario Eduardo
quebradas, etomo tenho de continuar a der- Joaquim de Oliveira, o Sargento fumino Sil-
verio Coutinho eo commandante de Gucr-
rilhas Deiniciano Jos A y res sendo qnasi i-
gnal o valor dos mais officiaes e officiaes
inferiores, qe avancaro ;s rincheiras Nao
merecendo menos elogio o Cintrgio-mor da
Armada Nacional Francisco Pereira Guima-
res Coutiabo pelo zelo e agilidade coso que
soccorria aos nossos leridos, que muito devero
a sua pericia.
Ti vemos de perda a morios, 10 feridos
conutaotesdaicla.au junta. Muito fui o en-
tbusiasraoda nu>sa tropa, sendo igual o da
Compaubia de Im|)eriacs Mariuhciro toiu- ,
rnbar o mato que esla unido as trincheras ,
ro^oaV. Ex. queira mandar quanto antes
lotees, machados enchadas, e pregos gran-
des, assim como algum papel para cartuxame,
pois exi.tem aqui muilas balas de rarluxos ar-
ruinados emuita plvora que posso encar-
tuxar ; tambem pederneiras nao as lia. e gran-
de he a falla que fazera. A peca que aqui ex-
isle, e que muito servico tem feiio ar-
rebentou boje oparafuzo que grada as pon-
tanas motivo porque tambem rogo a V.
4
I
I
i


m
DIARIO DE
mandados pelo primeiro TcnenteJe.ui.io La- que a,,rovo confiando mullo, dosou reto arti- mes as galeras presenciavao "^^
mero e Coste Inclua remello a copia do of- vidade e experiencia para o bom exilo d este delirio da Assemblea : baionetes porem t.
felo do eommnudante das Coreas, cando V. -empreza Deus Guarde aV S Maranho apparecessem pois que algumas

se
Ex. cvrio de (ni- a leilura delle, nos mostrou
o caminlio queliiihamoeaB|flHi e fez com
que ajacasseuios com bstenle furia aos mal-
vatios a tim de t s expulsar de boma vez
A I orea d reunida no Icalu' era de est nessa cidade o sub-prefeito doCodoRai-
i aoo homens ( .,;iindo todos os actosdos que \ mundo Alves da < ruz-, rogo a V. Ex. o la a
sepassaiu ) i issaibrca que os bateo foi de' seguir com brevidade a aprsente r-se-me nes-,
6o pracas <,: t _- valero para os malvados piir te acampamento do Itapiicurn-mirim parad
1,600, em proporefo do nossovalor, a da sua fim de seguir com a expedi o que pertendo-
fi .. Rogo a V Ex. desculpe quando
seguir para Caxias cuja demora esta em q
lie
1 'a noticia comd hecosltimc) alguma cliguem o balaiboda Bahia., e o balalliao
.ria (i' ouvesse, em eonsequencia j da guarda nacional de que comm
tit 1 .1 nao ler :i pericia militar a adorna a mu- capito Favilia.
is dos fneus Camaradas, e que muito nec s-
96 faz instas oceasitu-s sobra udo-me ,
eaosmeus mpanheiro* todava o dezejo de
bem servirmos a nossa .Patria < >s nossos pi-
quetes ;u-bao- se agora peilo de hmn quarlo
de legoa de distancia tomando as embocaduras
tias Iros prncipaej estradas, estando a villa
guardada por idos os lados com vdelas de 6
homens, e inj
Leos guarde a V. Ex. Quartel do acampa-
mento da primeira Brigada na villa do Icatm'
y de Novembro de 1 -9. lilai. e Exm. Sr.
Alaiioel ilisardo de Souza e Mello, Pres-
dante deata I rovineia Luiz Antonio Favil-
i 1 Tenenle Coronel ecommandante da pri-
meira Brigada.
Relaco das pracas qua sairo feridas no
ata: 1 ne do dia 7 de Novembro de
Primeiro Batalhho de Guardas Nacionaes
Destarados.
TeroeiraCompanbia. A'.feres Joao Anto-
nio Raplista Stidr giaveniente.
nimeira AReres Quartel Vestre Joaquim
l.lny de Oueiroz levemente.
rimeiru Sargento Higiuio Silverio Cou-
tinho levemente.
Quarta. Cabo Joo Tereira Madureira,
gi aveniente.
ados, .Manuel Antonio- Gravemente.
Joo Antonio de Oliveira.
11 ni IIlimando da Luz, Lelemente
hilippe dos Santos.
Jos Raimundo da Luz
lialalho expediccionario do Para.
Soldados. Honorio Antonio gravemente
Lucio Jos Ferreira, Levemente.
Jos I aptista ereira.
1 .mi iro liatalbao da primeira Brigada.
Soldados. Benlo Jos de Barros grave-
mente.
, Lev (guenles : Antonio 1 01 innato.
Miguel Alves
Companbia de Imperiaes Variuheiros.
Soldados. Meterio Alves gravemente.
o,artel do Acampamento da primeira bri
^ada na villa do Icat 7 de Novembro de
-9. Luiz Antonio Favilia TenenteCo-
ronel e Commandante da primeira Brigada.
lllm. Snr. Honlem em v'wgem recebi o
oficio do Major Jos Thomae Henriques, c-
inaiidanle da segunda Brigada, pedindo-me
rom a maior urgencia socorro por ter o cau-
dilbo Raimundo (jomes oceupado Boa-vista
OMU 600 rebeldes com o qual batera-se no dia
u<) e Jo e nao tendo o dito Major pouco
mais de v00 homens desponiveis pelo e.xces-
sivo numero de doentes que tem em aquelle
acampamento. O caudilho pertende fa/.er
em Itapicuru' o mesmo que abi fez o caudilho
Poderoza comquanto seja a forca hora exis-
tente no Itapicuru deminuta o seja abi
hum ponto central espero que nao conse-
guir, eo que mais sinto he essa opperaco
dos rebeldes estorvar que nao sejo ahi esses
ladres cortados pela retaguarda como eu li-
nda calculado, 110 entretanto V. S. vganhan-
rallei com o Coque e tal vez tire delle o mes-
mo partido que do Domiciano
I eos {naide a V. S Quartel docomman-
do em chele das I oreas Lxpediciorarias na
\illa do osario .-j do Novembro de 0M9.
lllm Sur. Luit Anlorio Favilia, 'Pnente Co-
ronel Commandante da primeira Brigada
Assignado Francisco Sergio de Oliveira. Te-
nente Coronel Comandante das Forcas Ex-
pedieionarias.
Est conforme. Eduardo Joaquim de O-
liveira, Alferes Secretario do 1. Batalho de
G.N Destacados.
(Do Chronica Maranbense de n do cor-
rente.
bem
4 de Selemhro de ihVq. ~ Vanoel Eduardo mu pomas alada existo se por ventura .
d Souza e Mello. Snr. Teneirte Coronel nao apadrinhande ellos huma obediencia que
Francisco 'ergio de Oliveira. j consideravo deshonrosa com a coaccao em
___lllm eExm.Sr Constando-me que que fignravo aeha.--se declarassem resis-
tencia ao exercico legitimo de minbas att'.i-
buites.
Adiei com efTeitonodia '9 de Setembroa
Assemblea Legislativa; circunstancias mui
serias me rtipellro a isso nao me foi possivel
acquiescer mais aos desacertos desses homens ;
o seo procedimento anticonstitucional e ca-
prichoso ; os insultos ; os pesados baldos ; as
iolcntas declamaces com que a cada mo-
mento me brindavao e aguilhoavo a minha
paciencia; as continuas provoca oes de deso -
hediencia aos meos actos : huma indjfferenra
total aos successos das Provincias visinhas ,
que lio' de perto nos tocavo ; a desvairada
ambico de me roubarem a for. a moral e a
forca p'dsica que as actuaos melindrosas
circunstancias redusiro a metade a usurpa-
do de attribuicoes propriamente minbas ;
hv.m deseoemfm bem manifestado o ti par-
lisse da ignorancia ou da deliberado de
so tornarem quasi oligarchicos ; eis asrazes .
nue fe"itmaro o meo procedimento Evitei
O major Leal em marcha para a Vargem
grande passou a Malta do Leite sem novidade
e hoje est no lugar Joo Isidoro e assim vai
continuando.^
Mandei bojealtacar a Raimundo Gomes i
no lugar S Joz onde est com hagagem e
munices ; al a noite espero noticias do re-
sultado que farei communicar logo a V. Exc
Posl-sciiplnm Neste momento me
foi entregue o OFicio de V Exc datado de
bontem emoqual me commuiiic.i ler expe-
lido ordem ao Capito Carvalbo para me vir
coadiuvar na explora'5o do Morro, o que com islo maiores confliclos Em Dezembro
muito agradeco a V..Ex mas ao mesmo tem- ellos continuaran e se a violencia das pai-
Do devo sseverar com satisfaco a V. E\c quexoesnao ceder prudencia, e a/x-flexo cir-
arde porquanlo o ^ orro ja se relia cunstancias be que me^convencem tle qenao
ado e at a Caxoeira grande, c mais poderao fazer muitos males. Ellos porem os-
liaces tenerlo Htm. Sr; Fio sciente do que me mandou
dizer em o seu officio de 3i d Agosto prximo
findo sobre a posico das forcas dos Raimundo
Gomes Balaio e Coque, e bem assim da
resolucao, que tomau de attecal-os, resoluco
po
j he tard
explora"
immcdiaces t per._
lugares nao existem rebeldes. Deus Guar- blea que deve reunir-s,e em o;deJunho*,
dea V. Ex. por muilos e felizes anuos. e de cii]os membros a metade, ou talvez mais
Quartel do Acampamento da r. Brigada na partilha as ideiasda Administraco ese rom
Villa do Ical o de Novembro de Novembro poe dos mais notareis cidad.os pora termo
de 1839. lllm eExm. Sr. Manoel Feli- aos estragos filbos do capricho, edo nteresse
zardo de Souza e Mello. Muito digno rresi-' V Exc. de certo nao se satisfar com a ex-
dente desta Provincia Luiz Antonio Favl- pendida serie de motivos a que recorro pa-
la Tenente Coronel Commandante da 1.* ra ahonar-me ; eu pisso a desenvolver era
Brigada. rezumido quadro a historia de nossos conlli-
----- Os rebeldes abandonaran de todo as vi- ctos e desintelligencias.
sinhancas do Icat e ao que parece devem V. Exc estar lemhrado de haver eu dito
ler-se dirigido para a Vargem e Boa-vista ; em hum de meos anteriores Oficios que nao
ou para asparles de Itapucuni-mirim. Os me anima va a enunciar o meo juizo acerca da
cadveres dos rebeldes mortos no altaque das poltica da Assemblea, sem presenciar al-
trincheiras dado no da 7 do correte e gnus factos para que, levando-os a consi-
que j se lemachado j andan por tre/e. deraco de V. Exc. ao mesmo t*mpo que o
Em Pirapemas appaieceu hum grupo de re- meo relatorio podesse argumentar com fun-
heldes que fez toda a sorte de estragos as fa- damento.
zendas Fora a casa do cidado Manuel .Toa- No meo relatorio fue ora tnhmetto a sa-
quim da Rocha Vianna a quem amarraran bedoriade V. Exc achara V. Exc hum dos
e de certo malaria a nao lhe valer hum dos termos necessarios para o fim de bem avali-
daquadrilha, que foi fmulo do seu cuuha- aro nosso proceder. Vnitos defeitos nelle
do. se encontrarlo poreni a par delles muito
Acabamos nesle momento de ler huma carta amor a Monarcbia^ muito interesse pela or-
de do corrente de luim lavrador visinho dem muito empenho pela minha intelligen-
da Yargem-Cirande. Assegura elle quedes- cia com a Arsemhlea muito afn pelos me-
lle as oito horas da manban desse da al as a llioramentos da Provincia Talvez estes sen-
da larde em que feichava a caria se estivera tmenlos aggravassem os meos suspposlos cri-
ouvindo hum fogo aturado e vivssimo entre as mes mas em fim sao esses os sentimentos ,
nossas trepas ,' e sn dos rebeldes ; mas que bu- que hoje principalmente devem animar o co-
ma pessoa vinda do lugar da accao dera a raco de todo o l'rasileiro, que verdadeira-
noticia de que o inimigo j comecava a afracar, mente ama o seo Paiz
e a recuar. Antes de retnr-se a Assmblea eu perfota-
lVIas cartas escripias de Itapucun-mirim no mente conbeca que a nossa desinlelligencia
dia 7 j asseguraG que os rebeldes foraS com- seria infallivel- E com e'eito como com
pletamente derretados. ella marchar em harmona se exigiste de
(Da Chronica Maranbense de i3 de No- mim a deporlaco de algum cidado ou a de-
vemhro.) misso de empregadosde minha inteiracon-
------------------ fian a e reconhecidamente preste veis ao Go-
Para inteira confuso dos inimigos do Pre- verno como succedeo a meo Antecessor ?
sitente do Cear esua completa justificaco Apezardisso, sem ressentimento .'com ajna-
rogo-lhs Snrs. Fedactores se dignem inse- or dignidade. e franquesa Ihedirigi o meo re-
rir os seguintes documentos com o que muito lalorio que nao detxar de dar cpnhecer a
obrigar ao seu constante leitor.
O Cearense.
--N.
Artigo de Officios.
a5-Illm e Exm. Sr -Esta Provincia
quem quer que o leia, que entre os dous po-
deres se conservava, e se fomentarla o maior
accordo e que deste resultaran a Provincia
proveitsos fructos. .
Ha urna Ley Provincial, que determina
goza de tranquillidade : o adiamento de sua seja de festaProvincial o dia da abertura da
Assemblea Legislativa foi para o Povo huma i Assemblea e nada mais; mande-o solem-
occorrencia mui ordinaria talvez porque era: izar corno se fesse de pequea galla. Nao ha
Selembro de i83(i elle presencioo hum acto Ley alguma que mande fazer as Asscmbleas
semelbante da parte do (i o verno -, sendo enlo frovinciaes as honras militares que me
Presidente o Sr Alencar que por hum in- competem nem quaesquer outras ; delermi-
cidente bem pouco importante em comparaco nei que as nao fizesse. Nao ha Ley alguma,
aos motivos que me levaro a dar esse passo que mande dar aos Secretai ios das Asscmbleas
tambera a adiou quatro das antes de se aca-
bar a sessao. O meo procedimento, Exm.
Sr. tem sidoapoiado pela melhor gente pe-
la parte mais sao dos Cearenses, cujas felici-
taces me offerecem a este respeito nao equi-
vocas provas de sua convieco. Ni nao o
aprovarao s acremente o censurrao esses
Empregados frenticos, que compunho a
maiora da Assemblea que, no momento de
reconhecerem o adiamento proclamarao ce-
der as baionetas e nao a huma prerogativa
constitucional que me disputaro e a que
cegamente obedecero quando em 18'(i foi
ella para com elles igualmente posta em pra-
tc. Protesto porem a V. Exc. que huma s
baioncte nao appareceo : apeaas quatre Offi-
Provinciaes o tratamento de Excellencas;
prohib que o dessem na correspondencia Ofli-
eial c por nimia civilidade permilti o de Se-
nhoria que depois tambem revoguei por
que ao -ecrelario do Governo davo elles o
de Merc.
Supuunha e ainda supponho ter marcha-
do em Tegra porem este meo proceder cbo-
eou sobremaneira o amor proprio de muitos ,
e principalmente de hum Juiz de I ireito, Se-
cretario da Assemblea o qual leve a coragem
de reprehender por Officio o meo Secretario ,
desenvolvendo no primeiro dia dos trahalhos
contra mim huma furiosa diali be impropria
seguramente de qualquer bomem de mui li-
mitada histrucco -f nao aatisfeito com ludo
isso, aventurou-s a propor huma resplucao.
em que se decrelava o tratamento de tx aos
Societarios da Assemblea Felizmente .nao fot
adoptada e nao Uve o trabalho da a rppel-
lir. .
Foffri prudente e silencioso esta primeira
aggressfe. IXepos de tonga calma porem, to-
mando-se talvez a minha discricSo por flaque-
za ou ciassa ignorancia de meos deveres e
de minha posico coutinuaro os altaqties ;
nao se.reconheceo limilte algum ao direito da
censuia ; oindiuiduo e tfs suas ac oes erao
innocente objeclo dos sarcasmos e das furio-
sas invectivas ludo tolerei porque sempre
me persuadi de que nenhuma seusaeSo causa-
riao no publico a respeilo da coufianca ,
de que para com elle gozo as declaraces de
huma Assemblea desde milito ja couhecida por
descomedida e euergumena.
A guerra de morle insinuada d'abi por
bem conhecidos chefes que nos escriptos e
nos actos de desobediencia ento apparecia ,
rompromettendo-se com ella a mesma tranqui-
lidade da Provincia e a ordem as outras,
que sempre tenho sido disvellado era coadju-
var eom soecorroa que a oppoaico longe
deauxiliar-me procurou sempre diminuir,
nao Conomi/.ando meios appareceo final-
mente na tribuna. Nella ouvia-se quasi
goralmente o grito de guerra ao despota ao
malvado e ltimamente tambera ao assassi-
Fserosem rebueo i eys de toda aqualida-
de tendo-se em todas por intuito cerecar mi-
nbas atlribuicoes tirar-me toda quanta
foica podessem Revogaro actos ou ch-
dens do Governo expedidos Thezouraria :
redusiro 5b pa as o Corpo Policial : ti-
ra ro-me o direito de o mover para qualquer
ponto da rovineia em lempos ordinarios de-
' creta rao que nao se podesse nomear para elle
Officaesde linha eireclivos ou reformados;
reduzirao os Empregados da Secretaria : revo-
garo huma demisso dada era vil lude da Ley:
revogaro a remoco de hum Eserivo firma-
da em Ley executada por todos os meos ante-
cessores : tiraro-me o direito de remover qual
quer Empregado incluzive os Juizes de Di-
reito i fi/.erao vitalicios os Empregados da
l'Phezouraria Provincial inclusive o Porteiro,
e Continuo ; determnaro que osJui/es <1j
Orfosdtis Municipiosfossem eleitos pelos E-
leilres decrelaro que os Officaes da Guar-
da Nacional fossem fe i los por Elei lores fa-
zendo-se da Secretaria do Governo Secretaria
dos Collgios Eleitoraes ; mando publicar
Ley que nao havia passado pelos tramites
legaes ; mandarao publicar urna resolucio ,
que linha sido enviada sem a minha sanecao, o
a presen lata dentro do decendo a contar do dia
em que justamente della me fizero entrega;
estavo deliberados a mandar publicar todas as
Leis que eu nao livesse sanecionado embo-
ra offensivas da constituieo ; receberaq huma
denuncia contra hum Juiz de 'ireito amigo do
Governo julgaro-no procedente e o mele-
i rao em processo, contra o disposto no Acto A
dicional e com exurpaco do Poder Judicia-
rio ; suspendero por hum auno hum Cidado
que tinha servido o Lugar de luiz Municipal ,
e que ia se achava demillido j elo Governo do
j Lugar de que d suspendero fisero Ley of-
1 fensiva de hum imposto geral; proclamaro-se
I superiores ao Governo e isso fazia-.;e arleira
I menle calar nos espiritos do Povo ignorante ;
nunca trabalhocom mais de a membros, e
a I unas vez.es nao houve casa por nao haver
gente, e isto so pela raso deno chamarem
supplentes visto parlilharem estes os senti-
mentos da Administra! ao : nao me fizerao a
menor pergunla sobre os successos dos nossos
vi'/.inlios e relaco em que elles prrentu-
ra estivessem para com nosco nunca me de-
ra5 a menor demdnstraco de aqxilio ou de
] inleresse pela conservaeo da ordem dndo-
se ao contrario o epitheto de auarcbsta mor e
de Balaio mor a mim cujos serviros a respei-
lo a pesar de sua nveji e de sua opjiosi-
co bem conhecidos sao no Piauhy e no
1 Maranbo. So o Poder Morador escapou a
seos desmandos. A'lodos esses decretos por
rem excepto um ou oulro oppuz o reinct^
legal. >
No meio de todos esses desvarios nunca fot
perdoada a minha administra ,o nunca pou-
pedo o meu nome Deixo de referir algunas
outras resolu oes filhas |)iopriamentc de hum
reprovado capricho de hum pequenino inle-
resse.
Eu suppunha perdidas todas as armas, ,
e esgotados todos os recursos da alrabiles dar
Assemblea, quando hum Empregado publico,
o segundo Secretario depois de hum afronto-
so prembulo, pede que se me reinentta por"
huma depula o, huma mensagem a mais in-
sltente e calumniosa que se pode imagi-^
nar. Essa peta infame foi quasi geralmente'
fl
"fl
ILEGIVEL


ta-
*"**
+ -.:J
DFAlt'lA
DE
P K R N A M fl.U C V>

f
;applaudda decidindo-se que se nie remet-
'tesM. Ella com eBeito me loi purothcio en-
derezada no da dezoilo mu alterada ja po-
rem com hum estado que denuncia inda a
niaior (alia de respeito, amis requintada
perversidadi-
Resoluto eu a soffrer todo o genero de mar-
'tyrios porque as circunstancias assim o re-
querem e porque queria obrar cheio de ra-
so e como nao fosse su luciente poracanha-
da a casaem que resida para eifeito de re-
ce bel-a e bem assim o concurso dos melbo-
les cidado que me deveria acompanbar
nesse lance de amargura, mudei-me no dia
dezesele para a melhor ca/.a da Cidade (visto
ncliar-se o Palacio em obra ) e mandei-lhes
diser que com excessio prazer receberia a de
pulaco Apezar de constar a minha mudaa-
ca no recinto da Assemblea a deputacio ul-
goa todava mais prudente despresar o appira-
to com que a pretenda receber e dirigir-
se como ignorante minba antiga residen-
cia no que procuiou inculcar sumWa alloite-
za ; bem que cu allribua semelhante evasif a
;i falta de coragem com que em minha presen-
ca e de tantos cidados conspicuos deveria
cobrir-me de calumnias e de baldes.
Assentei po s que era irremediavel adiar a
Assemblea evitando a continuado dos con-
flictos e de algumas medidas mais que po-
deria sempre influir no melindroso estado
'd'Oste da Provincia Nos ltimos dias e
De/.embro poucos mu les poder faser, se nao
acontecer contrario segundo supponho, ca-
so em-que a prorogarei. loi rece'bido com es-
pecialissimo agrado o seu adiamenlo que
procurava Iludir nao querendo receber o of-
iicioem que secontinba a. Portara : differen-
tcs classes de cidados me tem felicitado por
isso a opposico cada vea perde mais terre-
no : cada vez se convence mais o Poto de que
as suas tendencias nao sao as mais conformes
com o espirito Nacional e com a prosperida-
de da Provincia
V. Ex sobre todo o exposto me dar as suas
ordens, que sero religiosamente cumplidas
Ueus Guarde a V, Ex. alacio do Governo
doCear em ideOuluhro de i83q Illm.
e Exm. Sr. Francisco de Paula de Almeida e
Albuquerque, Ministro e Secretario de Estado
interino dos Negocios do Imperio Joo Anto-
nio de Miranda
-----N. titi. Illm. e Exm. Sr. Fico de
possedo Avizo que V. Ex em vfrlude de re-
quizico da Cmara dos Srs. I eputados diri-
gi a este Governo com a fecha de 4 de Outu
bro (indo e passando a cumprir o que nelle
se exige de mim tenho a informar que nem
hum acontecimento ti vera lugar nesta Provin-
cia motivado pelo recr uta ment a que ultima-
mente se ha procedido lendo mais a declarar
a V. Exc que a menor desorden nao se mani-
festou uo que se fez na Comarca do Crato ,
deixando-se at de |>r em pralica o u/o de fer-
ros recommendado no Decreto de a de Novem-
bro de iH^5 sendo os recrutas seguros apenas
com algemas de pao e smente o espirito de
calumnia, e o manifest desojo de desfeiar
qualquer acto por mais simples que seja da
prime-ira Authoridade da Provincia seria ca-
paz de apresenlar em publico factos que nunca
existira e que sao engendrados nesta Cidade
por meia duza de descontentes da Adminis-
tradlo actual. Exm Sr sse to fallado re-
crulamentoda Comarca do Ciato reduzio-se a
sete individuos que me fora remellidos os
quaes estava todos as circunstancias de as*-
sentar praca sm ollensa da Lei Cumpre mais
accrescentar a V- Ex que o maior numero de
recrutas que se prendeo no Crato ftra de vin-
te-e dous e daqui se pode eouhecer quo ca-
lumnioso foi o o [lie i o que se apresentou da res-
pectiva Cmara Municipal o qual se arranjou
aqui | com vistas de calumniar pois o origi-
nal era muilo dierenie dcsie que foi lulo na
Cmara dos Srs. Deputados A Comarca do
Crato he huma das mais populosas da Provin-
cia he tal essa ( ornares que depois da re-
volu ode Joaquim Pinto Madeira a Cmara
de sua respectiva cabeca declarou ao Governo
da i rovincia que della se poda mu bem ti-
raT o numero de tres mil individuos e toda-
via be a que menos concorrido ha com recru-
tas. Araso, Exm. Sr. dessa supposU
perturbacao e desorden/ nao deve ser desro-
nliecida a V. Ex : tinha na Provincia hum
f'im poltico e na Corte serva para outro.
Julo ter plenamente satisfeito o dever queme
foi 'imposto por V. Ex em seo citado Avizo
Dos Guarde a V. Ex. Palacio d Governo
do Cear em ib de Nqvembro de i85p. -
Illm. e Exm. Sr. Conde de Lages Joo An-
tonio de Miranda.
A Cmara dos Supplcntes nao se pejou en
dizer o Throno que a Aisembiea Provin-
cial occuuamenlarepresentou contra S Ex. diversas especies de mceda-pape" que tem i- torio da mesma teneravel ordena no dia sab~
He o qu diz o Correio N. .97. He
verdade que a Cmara Municipal desla Cidade
em que apenas entrou humsuppiente fez ver
ao Throno que a Assemblea Provincial tinha
clandestinamente representado cqntra o Exm.
Sr. Presidente. He verdade e verdade in-
conteslavel que a representa-a foi clandes-
tina 5 e para prva disso foi assignada porto-
dos os membros da Assemblea que formava o
lado da opposico. o que nao teria Jugarse
houvesse sido tratada e discutida em sesso,
pois nesse caso seria smente assignada pelo
Presidente e Secretarios e por Nso nem o Go-
verno Geral a recebeo com o carcter de re-
presenta jo da Assemblea mas c<>mo Jiieixa
de varios cidados. Decida agora o Publico se
foi ou no improvi?o ou remend a acta que
o Correio publicou da sesso de > de Agosto ,
em qe se faz menco de que o Sr. Jos Lou-
rpnco apresentou alai representadlo e que
foi inmediatamente approvada. embros d
Assemblea existen que assistira essa sesso ,
e nao ouvira ler discutir e approvar esse
libello famoso ou compendio de mentiras e
g'rosseiros baldes. E provera a Dos que to-
dos que assignara estivessem conscios de se-
rem suas as assignaturas que apparecem,nesse
infame papeluxo.
i O Dehesis ainda sustenta, e est
prompto para provarque nao foi exacto o que
publicou o correio N.'oo sobre a sesso do a-
.diamento da Assemblea Provincial
CDo Dezfcseis de Dezcmbro)
nlindado os d Aferentes pontos do globo mas a
cmara me permita que Ihe eu faca o epilogo
de alguna fados dcsla ordem A cmara sabe
que em Franca, no anno de 1716 a 17 iq,
quando o nglez Law tratou de instituir o seu
banco, apparecera funestos inconvenientes
de semelhante circulaco | a cmara sabe que
nos primeiros tres annos desse eslal>eleemeiili>
elle prosperou porque o papel tinha hum va-
lor igual ao que represenlava ; mas logo que
o regente lomou sobre si esta especulacao e'
convertea o banco de Law em hum banco real I
o papel deixoude valer aquillo que represen-
tava serias crisA appareeera,
A cmara Ha de rcordar-se ainda da his-
toria dos assignados, e eu nao insistirei nella ;
mas nao posso deixar de fallar do papel do
banco emiltido na Inglaterra desde 1798 at
1818 poca em que esta grande naco foi o-
hrifada a fazer consideraveis despezar e deve
lembrar-se de quantoo papel do banco chegou
a depreciar-se. Recordarei cmara o facto
do papel dos Estados Unidos as calamidades
que arrastrou semelhante estado de cousas ;
finalmente pedirei cmara que olbe hum
pouco para Buenos-A yres e veja at que
ponto o depreciamento to papel pode chegar ;
reflicta a cmara que huma nova emisso de
fiapel pode produzir no nosso paiz hum seme-
hante estado de cousas. Oxal que o estudo
de taes successos e a experiencia desles ex-
emplos arredem de mis to desastrosas calami-
dades !
(Contina.)
I
nscuRSO
Pronunciado na Cmara dos Srs. Deputados.
na sesso de a de Outubro pelo Sr. Maciel
Monteiro.
Continuado do N precedente.
Srs. esta questo tem sido to debatida fu-
ra da cmara e tantos tem sido os expedientes
empiegados para apadrinhar a idea de emisso
de notas, que talvez se tenba querido apoia-la
com opinies de sabios mui respeitaveis tal-
vez mesmo se tenha confundido as opinies "de
diflerenles autores sobre a materia ; e eu peco
cmara que nao se deixe ofFuscar pelas opi-
nies mal sustentadas de hum 01 outro autor
que se possa trazer em apoio de tal recurso.
He verdade senhores que a circulaco do
apel moeda traz grandes bens a todo o paiz ,
je verdade mesmo que o economista Edmonds,
tratando da circulaco do papel, diz que a
circulaco do papel tem sobre a circulaco me-
tlica a mesma superioridade que tem a circu-
laco metlica sobre o syslema das trocas em
especie.
He verdade que tambem o Dr Smith diz
que a ntroducco do papel na circulaco a-
partando della os metaes preciosos, trouxe
grandes beneficios visto que c metaes pre-
ciosos que sao verdadeiros capi'.aes vo lru-
ctificar novos ramos de industria ; lie verdade
que o proprio Ricardo diz que a circulaco mo-
netaria s se achara no seu mximo estado de
perfeico quando consistir smente em papel
Mas reflicta a cmara na reslricco posta por
este mesmo esenptor e na reslricco posta
por todos aquel les que aconselha o papel mo-
eda e vem a ser para que taes cffeitos van-
tajosos se realisem be preciso que este pa-
pel tenha hum valor igual quelle que profes-
sa representar ; estas sao as palavras de Ri-
cardo.
Senhores en refWirei ainda a opinio de
hum sabio inglez Thomaz Tok. Diz elle
que, posto a circulaco do papel seja huma
cousa muito conveniente, todava he preciso
nao perder de vista qe os inconvenientes gra-
\ issimos que podem resultar delle sao maiores
que as vantagens de huma circulaco mais ba-
rata mais econmica. Ora, senhores, eu
perguntarei cmara se por ventura o pa-
pel duc gira no nosso mercado he o papel de
que falla Ricardo eoutros economistas ? Se es-
te papel representa hum valor real ? Se 10U
rs. em papel representa 10U rs. em valor ef
fectivo ? Eu eniendo que a cmara deve tomar
muito em considerasoesta questo e que a-
quelles que quizerera apoiar suas ideas na au-
toridade de taes escriptores nao devem omittir
a condico por elles considerada e que he ca-
pital ; isto he, que o papel (cuba o valor igual
ao que deve representar.
Senhores, a cmara he muito esclarecida e
nao precisa que lhe eu faca a historia do de-
preciamento do papel em differentes naces;
mas eu supponho que em questo de tanta im-
portancia e magnitudw nao ser ocioso fazer al-
gumas recordaces a este respeito. Eu nao
pretendo, senhores, fazer aqui a historia das
THEATRO PUBLICO.
GRANKE" CALLA.
Dia m de Dezembro.
ANNOS DE S M. O SR. D. PEDRO II.
Haver um novo Elogio Dramtico urna
Aria de Carcter e a grande Peca no\a cha-
nda de Lisboa intitulada O PATRIOTA
ESCOSSEZ Muzica acrescentada Caza ar-
mada e toda a mais pompa propria deste
da : o Expectaculo principiar chegada do
Exm. Sr. Presidente.
Sexta feira ao do correnle.
Beneficio para N. Sen hora da Conceico da
Matriz da Boavista. Peca D. Jos Segundo
visitndoos crceles de Alemanha Entr'emez
Enfermara dos Doudos e o Duelo do Za-
bumba.
Quinta feira ?R boneficio dos Actores Jo-
s Mximo Cabral e Joo Francisco de Bu-
Ihes Peca Nova Castro Farca o Dr. Sovi-
na e Duelo
-----Sabbado 3o benefiecio de Mara Joa-
quina Pedro Baptisti, Zebedeo Cezar e An-
tonio Affonco Actores e Embregados do mes-
mo Theatro Pe: a -Convidado de Pedra-
Farca Aldeia de Loucos e um Dueto dos rae-
lhores.
Avisos Diveiso
".
ssr OS LIQU1DATARI0S da Casa da
fallecido Snr. Antonio Marques da Cosa So-
ares, fazem publico, que no dia 6 de Dezem-
bro prximo fncturo vo proceder venda
de todos os escravos, gado vacum, cavallar .
e maisulencilios sobrescellentes em lotes u
em separado, pertencentes aos Enge'nhos Tra-
piche e Agoa 1 na em Sernhahem, cuja
venda ser effectuada a dinheiro naquelles
mesmos Engenhos aonde se contratar tam-
bem os cascos dos dilos com as respectivas
tnoenda e safra, assim como a proprie-
dade do Gamella, a prazo, ou a dinheiro co-
mo convier.
XSf recisa-se de qua'tro centos a qui-
nhentos mil reis, a premio de dos por cento
ao mez dando-se firmas : quem os tiver an-
nuncie.
i/ A casa de pasto e botequim da ra dos
Quarteis D. 8, precisa de hum rapaz livre de
servico de Guarda Nacional, para caixeiro,
que saiba escrever, e d pessoa que abone a
sua conducta ; quem esliver nestas oircuns-
taneias dirja-se a dita casa tractar com o
dono.
%33- Aluga-se o sobrado da ra do Nogue-
ra D. 15 ; quem o pe tender dirija-se a ra
da Cruz numero ta, primeiro' andar, para o
ajuste.
tT" A quem lbe faltar urna barrica com
bacal bao, dirija-se a rua da Cadea do Recilc.
loja numero 40 quedando os signaos cerlo*
lbe ser entregue.
C^ Os Irmos da Veneravel Ordem '1 ereeii a
do S. P. S. Francisco desta Cidade do Recife
to convidados para comparecercm no consis-
bado 3o do corrente mez as 9 horas da manh,
para ctinuaco da discusso dos seus estatutos.
X2&~ Um pardo oflicial de alfaiate de ida-
d o ai5 annos, muito claro, e pode ser-
vir para pagem nao tem vicios, nem acha-
ques ; no atierro da Boa vista sobrad
I). i 110 primeiro andar, das 6 as 9 horas
da nianlia, e das as 6 da tarde
t?" Alluga-se huma pela que esteja a-
coslomada a vender azeite ; sendo do meiodia
para a tarde e tambem se compra dando-se
t contento diiijo-se a rua de Santa There-
za venda >. 1 i. #
CT O Snr. Jos Joaqm de Araajo natural
da Villa de-Atalaia da provincia das Alagoas,
qi*eiradirij5r-se a ruadireita I. 3 ou an
ndnciar sua muradla, para negocio de seu in-
ICvcSSCa
S&- Qliem precisar de hum homem para
ensinar primen as letras, nesta praca ou fora.
della, annuncie.
C^*Preciza-se de hum escravo ou creado
forro (' saiba cozinliar o diario de urna caza
que tem de servir smenle a um homem sol-
teiro ; quem esliver as circunstancias annun-
cie
XSf Queni precisar de um menino Porta-
guez para caixeiro de loja de iasenda do qu
tem alguma pratica, de t a 14 annos de i
dade annuncie por esta folha sua moradia
para ser procurado
C7" O Snr. que annunciou no Diario do dia
27 querer um criado para um engenbo ar-
redado desla praca cinco legoas ; annuncie a
moradia-
tSf Quem precisar deum minino para Cai-
ro ; anuncie a sua moradia par se procurar.
jEf Quem quizer alugar urna casa para
passar a Festa no lugar denominadoCaza
Forte d fronte da Igreja : dirija-se a Tua
dasCruaes na tenda de Tnoeiro D. 7 que
achara com rpiem tralar.
SST O abaixo assignado com Padaria na
rua do Azeite de Peixe aviza aos seus fre-
guezes que tem familia de trigo da raelbr
que lia n mercado para fazer pao e o mais
que se offerecer segundo a sua arte e como
alguns Snrs. (ou seus portadores ) se teoha
auzeiitado convida de novo que podem con-
tinuar at que lhe agrade e os servir bem .
como costuma assim como mandar entregar
o pao em suas cazas as oras que indicarem
nao uzando ainda de maquina para o fabrico d
pao mais sim dv bracos com.' sempre uzou ,
t ndo o mp.ior cuidado na limpeza e zello dos ^
que trabalbo ; e nos mais arranjos em que
consiste o laboratorio da fabrica. Manuel
Ignacio da Silva Tcixeira.
tS Quem precisar de um homem Portu-
gus de idade 99 3o- annos para Caixeiro
de venda do que tem bastante pratica ; an-
nuncie.
ZSTUrna mulber parda de meia idade se olfe-
recepara ser ama de casa de homem sollciro ou
casado com pouca familia 1 a pessoa quedo seu
prestimo se quiser utilisar annuncie para ser
procurado.
tw Convida-se m Corneta msico para
organisar urna muzica do mesmo instrumento '
na Provincia das Ala;oas em cuja capital
servir de Corneta-mr de um dos batalhes f
respeclivosde G. Nacionaes. A pessoa quem
convier este negocio dirija-se a tratar do a-
justecom o Agente- da mesma Provincia, na
Praca Jo Comercio > andar por cima d bo-
tequim do Sr. Patricio.
*& Aluga-se urna casa terrea para pouca
familia nao excedendo seu alugiiel de seis
a sete mil reis mensaes e sendo em qualquer
rua ; quem a tiver annuncie.
tsy Boga-sea quem por engao tirou un a
carta do Correio para Antonio Jos Fernando
da Cost vinda no Vapor Baiano-, n ritS ,
quena manda-la entregar na rua U Qutima
do loja d. cinco ou boti-a no mesmo L.orrc'o.
SS" Exisiem duas cartas viuda do Porto
para os Srs. Manoel Joaquim Pinto Machado
Guimarcs e Manoei Antonio Domingues ;
na rua do Queimado defronte do beco da Con-
gregaco loja D. dezeseis.
isy O Sr. curioso que tirou do Correio u-
ma carta de iVIanoel Lopes Maciel. vinda pe-
lo Vapor dos Portos do Norte sirvh-se de
mandar entregar na rua do bangel venda D.
qualorze.
iy A muiher que quer ser ama de caza d
pouca familia dando pessoas de crdito que
informem a seo respeito, v a rua do Cabu-
g caza de sobrado defronte da loja de cera por
cima do Ourives para se ajustar.
t~f Quem quizer comprar seis cadeiras ,
um joro de bancas e um sof ludo de ja-
caranda um globo e dois pares de mangas de
vidro lapidadas, ludo por preco com modo ,
dirijrt-se a rua do Fagundes D. dezoito, e
idveite se que s se vende ludo junto.
,i




5

DIARIO DE
P.ER NAM BU
VST Aluga-se o primeiro aislar de ura so-
brado na ra da cndeia D. i"j ptimo para
ascriplorio ou outro qualquer estabeleci-
mento 5 a tratar na racsma ra na loja de Jo-
s Gomes Lial.
CT Alnga-sc uma loja na ra estreita do
Rozarlo propria para armazem ; o tratar na
ruado Livramento l 7.
%rg- Qucm precisar de umcaiveiro de ida-
de de lannos, para loja de que tem tas-
tante pratica dirija-se a praca da Indepen-
dencia loja de chapeos 11. 18 e ap.
gy Precisa-se de uma ama de leile para
criar prefere-se sendo tcrava ; annuncie
CT O abaixo assignado faz sciente ao res-
peitavel publico e amigos do diverlimento
do jogo da bola e engenhoca de emhalanca,
que se cha morando no atierro dos a Bogados,
no sitio que tem coqueiros do Trindade es-
pera das mcsmas pessoas que se quiserem
devertircm concorro ao dito lugar. Jos
Ferreira.
t^> A pessoa que por engao tirou do
correio uma carta vinda do Ceara para An-
tonio Aleixo de Bilaneourt queira ter abon-
dade de a levar na ru 1 do eabug loja de Ven-
seslo Machado Freir Pereirada .vilva.
SS7" Quem annuncion no Diario de terca
feira, querer comprar um selim em bom
uzo dirija-se ao armazem de vidros ao lado
da cadeia.
CT O abaixo assignado roga ao Sr. A. M.
S. que queira ir tirar os seus pinhores at
o dia a8 do corrente, do contrario ficaro ven-
didos pelo principal e juros. Domingos
Moreira Dcniz.
CT A commisso administrativa da socie-
dade pastoril convida a os Srs socios a reu-
nirem-se na casa de suas sesses quinta fei-
ra a8 do corrente freas 6 horas e meia da tar-
de ,' para sesso extraortinaria.
CT Qucm deseja fazer negocio com uma
Tacca com cria de seis raezes e d dez medi-
das de leite dirija-se atraz da Matriz da Boa
vista casa n. 17 no 3. andar.
CT Aluga-se para o servico de casa um
preto ou preta sendo fiel ; na ra de agoas
verdes no cartorioda provedoria que se dir
quem precisa.
CT A pessoa que se offerece no Diario de
I 37 do corrente para caixeiro de venda do
que diz ter pratica dirija-se a ra do Roza-
rio da Bou vista casa de doissobrados delimite
do pateo da S. Cruz no a. andar.
tsy Precisa-se de uma ana que saiba co-
zinhar e lazer todo o servico interior de uma
casa de pouca familia ; na ra nova U. 4 no
a. andar defroute do oito da Matriz.
Kty Constando a os lierdeiros do fallecido
Jos Rodrigues de Sena esuamulher, que
se vai proceder a partilhas dos bens que ficarao
por faleciment de Joaquim Apolinario iVayer
e sua mulher declaro que o engenho Bam-
burral est hypothecado a os mesmos herdei-
ros segundo a escriptura de venda que seus
pas fizero aquelles e como ainda nao esto
eslej pagos do toda a quantia porque loi effe-
ctuadadita venda e estejoem litigio de co-
branca por isso fnzem o presente para que o
herdeiro a quem tocar dito engenho fique cer-
to do expendido.
XJ~ Um moco que tem dado latim fran-
cez e geometria offerece-se para dar lLes
de primeiras letras, indo as casas dos alumnos;
quem o pretender dirija-se a ra Direita no
primeiro andar junto do Livramento.
CT O abaixo assignado testamenteiro no-
miado por sua finada i una D Roza Francisca
Regadas constando-llie que Joaquim Perei-
ra Homem testamenteiro ad hoc tem procura-
^ do receber dinheiros de um dos devedores da
mesma finada e como a abaixo assignado ,
seja o legitimo testamenteiro nao obstante
acharem-se em lide, o mesmo abaixo assignado
previne a os mesmos que*nao paguem at que
se decida pelo Juizo competente. Manoel de
Qoeiroz fMonteiro Regadas.
CT Thom Pereira Lagos rematante do
imposto de jo por cento sobre o consumo das
agoas ardentes de produ.o brasileira avisa
a todos os Srs que devo dito imposto, que
enconformidade com a lei que principia a
cobranca do mesmo do segundo quartel do
piimeiro semestre do anno financeiro de iKjg
a 1840 na mesma casaem que tem recebido ,
e pelo mesmo escripturario que ja foi pu-
hlico, desde o primeiro de Dezembro at o
dia a8 visto que no dia 2y impreterivelmen-
te deve entrar esta quantia no colre National
por inteiro sob pena do que o nao fizer pro-
ceder-se-havexeiulivamente na forma da lei,
e para qfce seno chamem a ignorancia faz o
prsenle anniincio.
xw Precisa-se de uma ama forra para tra-
tar de um homem solleiro 110 ntontelro ; quem
quiser ir annuncie.
cr O Sr. Joaquim de Albuquerque rer-
nandes Gama queira por favor dirigir-e a
ra do Rangel D. 4' Para negocio de seu in-
teresser
C?" Pergunta-se ao Sor. inventariante do
finado Major Faustino Carneiro de Sampaio,
que fim levon uma Cruz pendente dcixada pe-
lo finado a N S. do Livramento visto qu<
semelhante Cruz nao foi entregue ao thespu
reiro da Irmandade, e se nao sabe onda existe
CT .O abaixo assignado para esclarecimen-
to do seu annuncie- no Diario de terca feira at
do corrente declara que constando o enge-
nho Bamburral do casal de seus fallecidos pais
de uma legoa de trra quadrada e vendendo-
se a Jos Gomes da Silva a qua'rta parle da di-
ta legoa istohemeia legoa quadrada, resta
ainda no dito engenho tres quarlas partes da
dita legoa istolie 3 meias legoas quadradas
( e nao tres quarlos de legoa quadra como
est no sitado annuneio ) que nada influe para
diminuir o valor do dito engenho-, por quan-
to na avaliacao para as partilhas ja se abateu
a dita venda ; declara mais o abaixo assignado
ue os sitios viola ajudante esto incluidos
nao se olha prero e que tifio sejo viciosas
na ra de agoas verdes D. 'it.
Vendas
dentro da meia legoa vendida e nao sao ven-
da separada de 200 bragas. O Major Jos
Gubriel de Moraes Mayer.
CT nuo Coadjurtor he um sacerdote
instrnido e cumpre com os seus deveres se
diz missa lora da Matriz he em razo do esta-
do de 1 uina em que se aclia a capella mor da
mesma e por mim ja foro scientes os rxms
Presidentes transato e actual os quaes fica-
ro de dar as providencias ; a minha eslada
aqu he por motivos de molestias mas breve
pertendo retirar-me ; e s por espirito deen-
triga e malvadesa he que se falla do dito coa-
djutor. O Vigario de Agoa Pela Patricio
Jos de Souza.
CT Nodiaati do coraente appareceo no
porto dos Coelhos um canoa aberta ; quem
for seu dono dirija-se ao dilo lugar a fallar
com Antonio Carneiro da Cunhu.
Avisos Mari irnos.
Folhinhas de algibeira ; contendo
alem do Kalendario &c., a confissao do ma-
i-ujo f um I ialo^o entre um Algaravio e
sua Maria ; a a4o ris cada uma ; Ditas di
lita, dita, dita com anedoclas, historias, bon
lictos &c. a a^o ; ditas de porta divididas eru
semestres a seis vintens o anno ; ditas Ec-
lesisticas a pataca ; na praca da Indepen-
dencia loja de livros n. 37 e 38 na ra do
cabug loja do Sr. Bandeira no bairro do
Rtcife defronte da Igreja da Madre de Dos,
venda da quina do beco do azeitedo peixe ; na
ra da cadeia loja que foi do Sr. CUiaresma ;
defronle da Vatriz da tea vista botica do Sr.
Joaquim Jos Moreira 5 e em Olinda Botica
da ru do Amparo.
CT Tres molers de naco, de bonitas
figuras, cosem e fazem todo o mais servico de
uma cosa, deidadede il a 11 annos um
moleque de nacao mucambique muito ladino ,
de 1' annos tres eseravos, entre clles um ca-
noeiro e uma escrava de nago ptima para
todo servi o de uma casa ; na ra de agoas
verdes II. 38.
t^T Urna escrava moca de bonita figura ,
boa cozinheira lava e engomma ; em casa
e Francisco Gonsalves do Cabo na ra Au-
gusta adiante dos Martirios.
tS9" Quatro casaes de pombos grandes de
boa rassa e bons baledores ; na ra da Con-
cei.o da rioa vista armazem de sil I) S
XST m moleque ladino de naco mugam
bique de idadede 18 anuos, l>om cozinheiro,
e ptimo para pagem ; na ra da Cruz n. 0.
tSf Urna casa terrea sita na Boa vista ra
do colovelo D 3 bem construida salla for-
ha de manleiga dito com vinho tinto P RR.
ditos com vinho branco ditos com bolachi-
nha ingle/a caixas de cha isson de 6 libras ,
ditas com passas caixes peqneno com doce ,
garrafoensco superior aniz a cariada a 800
rs. paios presuntos choui issos touci-
nho,e lodos os mais gneros pertencenles a
venda ludo a preco muito enconta.
g^ L'm completo sortimento de taboado
de pinho da Suecia o melhor que aqui tem
chegadoj, tanto em alvura como em quali
dade tem i4 'p^s decomprimento^, e um de
largura e de meia al 3 polegadas de gros-
sura : no armazem atraz do theatro da parte
do mar ; assim como larinha de trigo.
CT Urna moleca com principios de costu-
ra ; na ra da Cnu n. ti j no primeiro an-
dar.
t2F- Excellentes bichas pretas de todos os
tamanhos ; no atierro da Boa vista D. ip.
-uy Uma escrava de naco de idade de
annos cozinha bem o diario de urna casa ,
lava desabo e ptima quitandeira e se a
lianca nao ter vicios ; na ra Direila D. ao la-
do do Livramento.
ssy Um paliteiro de prata obra muito lin-
da ; nesla Typografia.
C? Rap de Lisboa ltimamente chegado,
as libras eoitavas 5 na ra do Cabug loja do
Sr. Bandeira.
XST Saldo Assu' provimamente chegado,
a b'orpo da Sumaca Emilia ; a tratar com An-
tonia Joaquim de Souza Ribeiro.
it
Kscravos Fgidos
tsr No dia aa do corrente fugio ou foi
seduzido para se deixar furtar um moleque
creoulo de nome Joao de idade da i3 annos,
vestido com camisa e calsa de algodo olhos
grandes e muito brancos a'guma coisa barri-
rada e chaos nroprios ; a tralar na ra do'gudo. psapalhelados. eeom signaesde b-
caldereiro por ietrazdos Martirios J). 3o.
inrop
detraz dos Martirios J). 3o. j chos vinha do Monleiro com Urna pequea
ES- Urna rica mobilia de sala sem uzo e troixa de roupa lavada, foi visto ueste dia as
do melhor gosto possvel toda de Jacaranda., ti horas da tarde no lugar da solidado ; quem
e bem envernisada constando de um grande o pegar leve a ra da praia a casa de Joo Xa-
trem duas bancas dois consolos uma me- ver Carneiro da Cunha que ser genersa-
. sa redonda de meio de sala com cobertura de mente recompensado.
PARA ILHA DE S. MIGUEL segu im-
preterivelmenteatodia ao de Dezembro o -
l,om conhecido Patacho Paquete da Terceira ,- pedra igual a da mesa do trem um sof SST Nod.a ,odo corrente desapareceo um
e 11 cadeiras de um esteirado talvez sem nefiro de nome Miguel, de nacao reo o n-
de primeira marcha forrado e pregado de
cobre encarreirado para este porto e do an- secundo no paz e um enserado tambera de a muito bucal, d
nunciado com excellentes commodos para sala; nesta Typografia se dir. baslanle lulla le
passageiros e ainda pode receber o completo d" Uma porcode chumbo muito proprio daoznho nova
de seu" enrregamento tratarse com A. E. dos para qualquer fabrico
Santos Braga, ra da moeda n. i de idade d o annos cor
ou vestido camisa de algo-
calsa de cazimira cor de ra-
para fazer latas pra P. et.e P1^10 com signaes muito Iresco*
PARA O RIO DE JANEIRO segu viagem
at 10 de Dezembro o Patacho Brasileiio Espa-
darte para carga ou passageiros trata-se
com o seu Consignatario Manoel Ignacio de
Oliveira na praca do Commercio ou com o
Capillo Jos dos Santos Braga a bordo.
PARA O ARAGATY o Patacho Rainha
dos Anjos sahe impreterivelmente no dia 1.
de Dezembro, recebe carga at o dia ao, do
correntede manb ; quem quiser carregar di- "o ,
rija-se a Manoel Joaquim Pedro da Costa ra o
encapotar, rap; na ra da penha sobrado de- de sangria* sarjadas as lonta e as costas;
fronte do Sr. Camboim quem o pegar leve a ra da penha sobrado de-
OT Sal de Lisboa a bordo do Paquete da fronle o Camboim que ser recompensado.
Terceira; a tratar com Antonio Francisco CT Sabbado .ti do corrente, fugio um
dos Santos Braga ra da moeda n i4. moleque de nome Julio de idade dfe Iti an-
XST Seis eseravos moleques de 16 an- nos' baix0 cor re1'01? > rosl .e Pei,os mm
nos de idade um cozinha bem o diario de grandes marcas de bexigas e diversas rugas
uma casa um dilo com principios de oncio nos ditos lugares de irruco de pelle quemo
decarpina, um pretc oplimo para.todo Ira- pegar leve a ra do Vigario D. .a, que ser
balho um molato ptimo official de sapalci- recompensado ou no sitio no caminhodocor-
e bom pagem a pretas cozinho, la- deiroa fallar com Nuno Maria deSeixas.
roupa e fazem todo o mais servico
cr Fugio um escravo de nome Guilberme,
de idadede jo annos pouco mais ou menos.
ra de agoas verdes casa terrea D. !.
Escuna Bom Jess de1 tsr Quatro vaccasde leite com be/erros no- com principio de barba de cor parda, bai-
vos ; no largo da praca da Iudependencia. xo < cabellos cachiados traz chapeo de coiro ,
S2T Um sobrado de dois andares e soto ca'sa azu' lem sido vislo nesta praca ; quem
da Cadeia n
PARA CEARA' a
Camaragibe', com parte de seu carregamenlo
prompta e sahe com brevidade ; quem qui- (
zer carrejar entenda-se com Manoel Joa- no fim da ra do roda com uma casa terrea PeSar leve a casa de Jos Joaquim Caval-
uim Pedro da Costa rua da Cadeia n. I. no '"ido ; a tratar na ra das Cruzes D ai. ca',le morador detraz da Matriz de S Antonio
PARA LISBOA o Brigue Portuguez Afri-1 tsr Um preto moco cozinheiro, ecanoeiro, sobrado de dois andares quesera recompen-
cano no dia 13 de Pezembro quem quizer e uma preta engommadeira ; na rua da Pe-
ca rregar ouir de passagem dirija-se ao Ca- n'ia sobrado de,3 andares na quina do beco
nlti ni nnn mi an cun P.nnsionatario. da 1 enlia.
isr Uma treoula moca cozinha o diario
de uma casa lava de sabo e varrella ,
engomma sofrivel e cose cha ; no paleo de
S. Pedro D. 3 lado da viraco
pita na praca ou ao seu Consignatario.
Lei la o
sado
cr Desapareceo ou fugio do Deposito ge-
ral um preto de nome tamiro de na ao an-
gola ainda milito bruto e que quasi nada
falla pouca barba estatura mediana ros-
to redondo olbos fumacentos com um de-
feilo em os dlos de uma das mos pernas
CT Que fazem N. O. Bieber 5c C. por! CT Plumas para cavallaria e infantaria grossas e falla fina; quem o capturar oudel-
intervenco do Corretor Oliveira de varias choroens de pennas finas bandas de seda pa- 'e t,er noticia certa ser bem recompensado p*e-
caixasd'espingardas espadas, facas, hotes,. ra oIBciaes aparelhos para cavallaria e in- lo Depozitario geral.
agulhas broxas e sovellas de sapateiro ej'anlaria, galo fino de oiro para devisas, di-
muitas miudezas de difrerentes qualidf.des to largo para bonet vidros de poz purganti-
quinta feira vintee oitodo correnle as dez ho-
ras da manh, no seu armazem da ru da Cruz.
CT John Stwart, Consignatario da Barca
Ingleza Mary-Charlotte-Ueber arribada a
este porto com agoa aberta faz Leilo por
conta de quem pertencer, e por intervenco
do Corretor Oliveira de trinta milheiros de
tijollos de iadrilho muito bem cosidos e de for-
ma quadrada e sextavada de sessenta tonel-
ladas de carvo pedra de cinco cestos de vi-
nho champanha setenta e cinco barriz de al-
catro e cem botijes de manleiga d porco ,
sexta feira vinte e nove do corrente s o horas
da manb no seu Escritorio na rua da Cruz
onde j se acha as amostras dos tijollos para
exame das Srs1. perlendentes.
Compras
cr Uma Habito de Aviz ; nesla Typogra-
fia se dir.
xsr Duas escrava- boas engommadeira ,
vos de Manuel Lopes
retroz carmezim para
tal iris nara nfflciaes
bandas cananas para
omciaes de G. N. tudo chegado ltimamente
do Rio de Janeiro ; na praca da Independen-
cia n. iie la.
!LT Uma carroca em bom estado ; assim
como dois bois pertencenles a mesma; na tra-
vessa do Rozario para o Queimado venda de
Joaquim do Reg Pereira.
cr Lma negra de naco moca, e ptima
para todo o servico ; na rua da Conceico da
Boa vista D. 34*
CT Uma morada de casa terrea com excel-
lentes commodos na rua da Gloria da Boa vis-
ta ; e uma fazenda de gado vaceum e caval-
lar, situada em muito bom lugar do allinho ;
quem ambas as coisa quiser annuncie.
cr Na rua do Rangel venda D. 11 ni
quina do beco que volla para o trem sacas
cem arroz branco com alqueire ditas com de
casca feixos de abanos barris pequeos com
Movimento do Porto
NAVIO SAHIDO NO DIA a6.
RIO DE JANEIRO pela Babia e Macei Bar-
ca de \ apor Nac Pernambucana Cap.
Francis Conhy, conduz >4 ;>assageros.
ENTRADOS NO LIA %-
MONTEVIDEO ; { dias Brigue Escuna
i Amerioanolo de 179 tonel. Meslre W."*
' H. Trainb equip. 9 carga carne ; ao
Cnsul ; passageiro um Americano ; veio>
' arribado com o maslareo do traquete rendi
do, e segu para Havana.
SAHIDOS NO MESMO DIA
GOIANNA ; Iliate/iTac. Conceico do Pilary
M. Antonio de Souza Lonreiro carga di'
versos gneros passageiros Domingos da
Costa Guimare?, Joo Gomes dos Santos y
e Jos Fernandes de Mello.
-11
I
agoa ardent Reao, ditoa com uiwt arro- HECtFE NA TYP. DE M. F. DE F. i83^