Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08704

Full Text
Tudo pora depende de nos mesrros; da nossa prudencia, modera*
co, e energa : continuemos orno principiamos e seremos apontados
, cV| ----------r------------------------------ -----------| "i
com admirado entre as INacoes mascullas.
Proclamaco da Assemblea Geral do Brazil.
00-
Siibsrrevc-se para sta folha a 3|fooo por qnartel papos adiaramos
nfS'a Typogiafia, ra das Cruies D. 3, e na Frac da Independencia
D. "y] &> onde e 'cebem coirespondcncias It-galisadm, eannuucios;
insiriudo-se estes iatis, sendo dts proprio assignantes, e vindosassig-
oiidos*
Partidas dos Correios Terrestres.
Cidadeda ParnhiriB e Villas de sua prelenco. .
Dita do Itin (Irande do Norte, e Villas dem. .
|).i da Ki>rtal Villa ce Goianna...................,
Ciriade d Olind...................
Villa d^>. AnlSo...................
|).i,, de Garaiitums e Povoaco do Rrnilo......
Ojias do Ca'H>, Serinliaem, Rio Formozo, e Porto Calvo............ dem i n, e ai dito dito.
(Jid-de das Alagoas, e Villa de Macei.........................dem dem
Villa de Pajaii' de K ores ................................ dem 13, dito dito;
Todos os Correios pnrtem ao meio da.
21 DE NOVEMARO. Nl/MRRO 2<
AMBIOS.
NoVEMBBO. 9.6. ?
Londres......3^ por 1!000 ced. _
Littaa....... lo por 0/0 premio, por mciaioiTerectdo."
Franca.......ayb res por franco.
liio de Janeiro ao par.
Ol.'JIO Moedas de 6#4oo rs .Velhas lifbo a lfSo
Ditas Novas 14.0400 a lftao
Pitas de 4oo rs., 8T too a
PRATA Pataces Braiileiros ------- if Pezos Columnarios-------- i|5{o a
Ditos Mexicanos-------------------- 1 falo a
Premios das Letras, por mez 1 1/8 a 1 i|i por loo
Moeda de cobre 4 a 3 por 100. de disc.
8/100
i/56o
i/56
#54
Dias da Semana.
........
I Segundas e Sexta? Feiras.
J
. Todos os dias. ,
. Quintas Viras.
. Das lo, e i{ decada mez.
- Ses. da Thet. e aud. do J. de I), da a. r;
- Heladio e Aud. do J. de D. da 1. rara de manb;'
;ej da ihez. Audiencia do J. de da a. r. de
-- Re., aud doJ. de D. da a. r.
- Scs. da Tez. e and. do i. de D. da 1. v.
a5 Segunda S. Cantarna V. M. -.--------
a6 Terca.....S. Pedro Alcxandriuo B. M. -
37 Qa-frla--------S. Malparida de S.boia_____
aH- Quinta-------S. Gregorio 3. P.-------------
ag Sexta----------Jej. S. Saturnino M. '+ -
3o Sablmdo------> S. Andr \p........-
1. cz. Domingo 1. do Advento S. E'oy t. -
Jare theia para o dia 7 de Novembro.
As 10 horas e Diminutos da manila As 10 horas e 30 minutos da tarde.

PERNAMBUCO.
GOVERVO DA PP01INCIA.
EXPEDIi NTE DO DIA IQ
fficio. Ao Inspector da Thezouraria das
Rendas Prvinciaes envando-lhe acontada
despesa que o Commandante Geral do < orpo
de Poliria fez com a comi.ra de qnalorze ca-
vados pitra remonta da Companbia de Cn-
valluia do mesaio Corpo a fim deque llie
d o conveniente deslino.
Dito Ao omm.indante Suprrior da G.
Nacional de Goianna, respondendo-lhe que
por ora nao pode ser saliseila a requisii o
que acompanliou o seu ofciode 8 do correte,
e quunlo a secunda (rarle do mesmo ofHcio .
queem texnpo oportuno ser eila anomea-
cu loInstructor para o Ralalho numero
a de ucupado
Dito Ao Inspector do Arsenal de V'ari-
ha para alionar ao ex-soldado Agoslinho.
Jos de Oliveira, que tem de seguir para a
Corte a cuja f.uarnico perlencia as com.e-
dorias de embarque necessaiias a sua via-
Dito Ao Pirector Interino do Curso Ju-
rdico de Olinda, communicando-Rie que o
Regente tm ^ome do Imperador pelo Itup*-ri,
al a iso de 96 de Selembro deste anno bou-
ve por betn prorogar por mais tres me/es im-r
proroga\eis a licenca r|ue obleve oPorteiro
lo mesmo Curso Antonio Maaoel remandes,
a litn de tratar de sua aude.
Dito Ao Director do Collegio dos orlaos
Tespoudendo ao seo officio de 1 1 do correnle,
quunlo aprimeira parle, que pode mandar
entregar o or o Zeferino Ferreira de Olivei-
a, a sua mi visto acliar-se bastante cres-
cido, e suficientemente instruido em 't'uzisa,
comcujes ganbos a pode ajudar a viver ;
quantoa segunda que mande entregar o or-
lan Agoslinlio da Cunba e Silva ao Comman-
dajtite da Companbia de operarios a fim de
seapplicar ali a IVlarceueria para que niostra
decedida propenso ; e quando finalmente
tercena que sendo a quantia de voooo reis
proveniente de esmollas que tem dado os de-
volos de nossa Seubora das grotas collocada
no Collegio ume obla o piados rnesmo tle-
vol'.is, neubuma duvida ha em que seja a
mesma quantia applicada a objeclos do Culto
da mesma Senbor.i.
DiId io oiiimandunte da C^impanhia de
Operarios Engajados para icciber na mes-
ma o C;rao Agoslinlio da Cunba e Silva de
Ollf Irala o ;iiil<'t' ' Porli
obras
lal novo de madeira na casa da arrecadagao
do Uus .ii.il Rcgimenlal, por duas dobradices
nacancella da pnmeira Enfermara, oulras
n.is na da lerceira e ladrbar a cozinba ;
tonliorme requ isila o Commandante das Ar-
tfva,
ffico Ao Commandante das Armas,
immunicando-lbea expediecoda ordein su-
fra.
Dia ai.
Officio Ao Inspeclor da Tbezournria da
azenda enviando-llie a ordem do Tribunal
o Tl.ezouro I ublico Nacional sol numero
0^ t mandando que na conlormid.ide do
rtigo .. do decreto de 1 1 deOutttbro do cr-
enle auno se(a 7emplo do Direilo deinipot-
J^aodocar\ode pedra.
Lito Ao Coronel Chefe da Legio da
uarda Nacional de Serinhaem, cojnmuni- d
cando-lbe que foi transmtt'nlo a Tbezoura-
ria oassentament de pnca do Corneta da
pnmeira Companbia do Ratallio de Serinha-
em \'anoeld>s Reis que aconipanhou o seu
officio de 3 do corrente
l'itoAo 'napector do Arsenal de Marinha
approvando o contracto que fez com o propi-
etario do Brtgue Jpiter, que segu a liba de
Fernando com a nova condeao de Irazerip
pa
Pemandes Vianna a fim de substiluirem
lquelles na arrecadacao das Pendas Geraes.
^ I ilo-Ao Inspector d'Alfandrga narlecinnn-
mesmoRrigue umcomplelo carrcgamenlo de1 dn-l!.e a disnosieo da ordem do Tribunal do
l,edl'a- Tbezouro Publico Nacional de 5 do crlenle
. Da 99. M> ,0o, ^ para, em conformidade do artigo 3.
Officio Ar> Inspector da Tbezotirari
Faxenda enviando-lbe os assentamertos pracas dos Cornetas do secundo jjerceiro l'a- pedra.
IJnal doCa- bu r>3.
1 Manoel Francisco do Espirit
anoel Vicente da Trindadc a
Dilo-Ao Contador da Thezouraria das
"endas Provinciaes partecipando-lhe terem
sido nnmeados, em coriscquencia de se terem
dcniittido o Colleclor e Escrivo da Colle-
etnria de Flores para o \, lu^ar Manoel l^o-
minfiiesde Andrade e para o Antonio1 Pbiladelpbia entrado em a5 do corrente
dito *ovarasde pinho 90 Rollosde este-
ras da india ,
handei jas tt
nora-se 900 rfarricascom bolaxa.
O Pataxo Americano Cumberland vindo
1 caixa com encerados par
irrica com rap a caixas ig-
Capitam 1 otvell Smatk consignado a Jobon
Matbeus.
Manifestou o seguinte*
r
ra da do Decreto de t > de Outtibro p p n. 80 ser saccas com pimenta l\> o l
os de sent do direito de importaco o carvao de sinha .'oduziasde cadei
(ao
lalbes da Legio da Guarda N'afnal do Ca-
iro Santo e OIHcio-Ao Fxm. Presidente da Provincia
_ fim de que cnviando-llie as contas da despeza feita
Ibes mande abrir os comitentes assentos. nesla Provincia com os Ministerios da t.uerra ,
I no A Cmara Municipal d Sinto \n- e da Marinha no mez de lunho, asdo segn-*
respondendo-lbe, que a Presidencia a do semestre e do anno financeiro p. p.
auctonsa para continuar a fazer por contados
seus rendirnentt. as despezas que forem' '-------------------------------------------------------------
necessarias al a ultimaco da ohra da Cndea
d'aquella Villa visto nao ter sido suficien-
te as prestaees dadas para esse fim como
informa em sen officio de i do correte.
' ito A mesma respondendo aoseu ofi-
cio a que arompahhou o orcamento pira
dma ponte sobre o Rio Tapacnr na es-
Goo Barricas com farinba 5i? caixas com
cha, 'oodilascom vellasde spermacele i5o
barricas com bola-
ras 7\q barricas
abatidas, 34 ditas com ampos 1000 Arcos,
1 caixa com pentes 8 barricas com polaca ,
25oo charutos, i5 fardos cora fazeudas.
Dtversfls Reparti^oens.
T?.IBUjY.\L DA RF-Lr-A^AO.
SESSA do da a6.
*auta he a mesma do n. 47
MEZA DO CONSULADO.
~ A Pauta be a mesma do n. a 59.
Preciza-se de Officiaes d Tedreiro para a
obra da pequea ponte na estrada deS. A-
maro e de serventes para a da pnnte da Roa-
vista ,. as pessoas que nellas se quisercm em-
pregar dirijao-se ao Inspector Geral interino
das Obras Publicas na respectiva Reparticao
Os Embargos de Manoel Joze Ribeiro op-
rada geral desta cidade para a dita Pon- postos ao Accordo contra elle proferido na as horas do expediente,
te a *usta das rendas da mesma Cmara, oh- A ppellaco Civel desta Cidade favor de.Ma.ria Inspecco das Obras Publicas a3 de Novem-
servando-se primeiramente o disposlo no ar- Victoria d'Assumpco Fscrivao Rebell ; fo- brodci839.
ti-'O 5 da Lei de

47 da do de Outuhro do mesmo anno cita-
dos no mencionado officio.
Na A ppellaco Civel do Juizo de Direito da
v Vara desta Cidade. Appellante Manoel
Portara Nomeando oCidadb Alexan- TcixeiraRarcellar e Apnellado Innocencioda
dre de Alhuqnerque Cavalcante para o Car- Cunha Goianna Escrivo, Ferreira; se
de Sub-Prefeito da '-'reguesia do Ruique ju'gou R^'a reforma da senten a de fl 9, < que
Officio Ao Prfeilo da < omarca de Ga- suslentoua ce fl. i II para se receberem e
raubuns, communicando-lb a nomeacao su- contrarearcm os Embargos de fl. 9 do Appel-
pra, eenviando-lhe o titulo do nomeadoafim lante edar-se lugar a prova.
de o fazer entrar logo em exercicio. 1 a A ppellaco Civel do Juizo de I ireito
Dia 9, \ desla Cidade Appellantes Francisco da Sil-
Ofncio -Ao Inspector da Thezouraria da va Santiago e outros e Appellado Francisco
Fazenda communicando-lhe que o Regente C em Nomedolmpera lor y por Pecretode i5 de don proceder a vistoria e descer os Autos
Oultibro prximo passado concedeo a Jos,* de para o dito fim.
Pinho Borges a pensao de 55 U^. reis co-
j. Boyer.
Inspector interino.
mo indemnisa o da perda do officio de Juiz
da Alfandega desta rovincia.
Dilo AO Coronel Chefe da Legio da
Guarda Nacional de Serinhaem. responden-
do-1 c que nao foro lirados os vencimentn*
do Corneta do I estacamenlo'da Comarca do
I io Formoso. ne|0 Commandmte Geral d)
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
EDITA L.
Vicente Tho-Tiaz Pires de Figueiredo Ca-
margo inspector dAlfandega faz saber que
no da t) do corrente ao meio dia e na por-
. la da mesma se hade arrematar em basta pu-
(Corpo c l olicid conjuntamente com o do blica um eaixap com livros imprpssos compos-
lana Ao InspeclorGer.il Intenno das mesmo destacamento, porque se,.undo a nra- tos de l)iccioirios Latinos, e franceses ,. no-
Pabltcas, jMraman>larc^oB>r iimpor- tica adoptada, eordens da Presiden- vel las e outras obras desencadenadas, po-
cia, o devem ser pelos pYets mensaes do Ba- rem novas, no valor de cem mil reis impu-
talho a que pertence o mesmo Corneta. gnado pelo Guarda Francisco Andre Corsino
Portara Ao'i rector Interino do rse- da 'ocha, no despacho por Re Dcshayes &
nal de Guerra, para mandar caiar a entrada, Comp. oqual despachava como papel de
e corredores do Palacio, para a solemnidade emhrutho. A arremataco he sugeita a di-
do dia i de Dezembro Anniversaiio de S. reitos.
M I. o Snr. D. Pedro Segundo.
Dio Ao mesmo, para fazer activar o ser-
vente encarregado d limpeza da Setretaria
Militar a fim de que varia lodos os dias e com
maior cidado e acreio a estrada do Tnlacio
e as escadas que se conservo coberlas de lixo.
THEZOURARIA nA FAZENDA.
Expediente do dia a a.
Officio-Ao Exm. Presidente da Provincia .
informando o requerimento de Antonio Jozc
le Souza Couseiro.
Alfandega 26 de Novembro de
83f
Vicente Tbomaz Pires de Figueiredo Camargo.
O Brigue Brazilero Telfim vindo de
Npw Yorck entrado em '5 do correnle f a-
pilam Ajitonio Cardozo Aires consignado a
Jos fereira N iaona.
Manifcstou o seguinte. *
5oo Barricas com farinba, 00 mcias ditas
NOTICIAS TROVINCIAES.
PAfi A'.
Nao tiremos folhas desta Provincia, porerd
vimos cartas que a do tranquilla tanto
quanto pode estar com prfrle de seu territo-
rio oceupado por Fstrangciros.
CEARA';
Recebemos folhas do Cear at 90 do cor-
renle. Ainda continua a indisposco contra d
V ice-Presidente como melhor se conhecer
pelos documentos qu pretendemos publicar.
MARANHAO*
Para darmos aos nossos Leitores um conhe-
cimenlo exacto do que se tem nassadn nos dif-
ferentesencontro que tem tido as tropas da
Legalidade com os rebeldes copiamos a partw
official, constante das follias recebidas.
Confirma- se do revez que sofJreran o*
rebeldes no Munim. Quarenla de entre el
les commandados por um cerlo Domiciano ,
se passaram para a legalidade, e no dia do
tarjad comba lera m denodadamente contra os
antigos companlreiros segundo as nfoima-
c5es officiaes. Os rebeldes tiveram 1a mor-
ios e abandonaram as trincheiras queoecup
pavam e maior seria o sen destroc se o
capilo Simo Ibes hovesse corlado a retaguar-
da como lliefoi incumbido e nao praticou ,
retirando-se ao cdntraro para a villa sem ha-
ver combalidoIslo o que igualmeutedi-
sem as parteripaces. Voi no~os hottve dous
com dita 10 Barricas com polaca, 3o ditas morios c alguns feridos. I al vez ja ali se
com bolaxa iti caixas com cha 5o saccas, aebcm mais oo homens dos 1 atalhes dos
com pimenta, 30 caixas com vellas de sper- sen bores Havilla c Ernesto que o Snr. Com-
macete, 3itJtaboasde pinho, n vergas de ] mandante das forra fez marchar do Rosario.
MUTILADO


DIARIO DE
PERNAMBUCO
.
As margensdo-Itapucur desde esta villa t migo aonde elle se for acantonar tendb assim
at de Ilapururi-miiim, que estavam in- a completa gloria deserto os restauradores
Testadas de rebeldes ja se acham limpas del- da Provincia Jo Maranlio e livrai mos aos
'les A respeilo do ulii:oo acontecimenlo do
Pirangi onde foram atacadas as canoas que
[subiam rio cima, pelos rebeldes enguerri-
Ihados dos matos temos a acrescentar que o
tenente Joo Paulo commandante da expe-
dico metteu-se no pnro da canoa em que
ia logo aos primeiros tiros.
Juslica a quem a tiver premio aos bravos,
castigo aos cobardes O >nr. presidente da
f-provincia deve fazer indagacSes serias sobre
estes factos vergonhosos.
Da Parnah i ha sao ptimas as noticias. Os
rcCiuCS uOi M.iioes uram eoiii|>eia
U...J.. .__ i
'=.ente der
rotad
os, como ja ba vamos ann iniciado ; per-
deram mu i tos morios e >oS prisioneros ,
qre hontem(a5) chegaram a esta capital no
liyate-Vintc oito de Julho e patacho Aurora.
O chefe Lirio fui com eTcilo completamente
derrotado as immedicSes do Eslanliado per-
deu toda a sua gente jo barris de plvora ,
armamento e bagagem e elle fugiu apenas
acompanhado de seis homens Segundo car-
tas que vimos da Parnahiha acb.i-se de pre-
sente no Cear onde pertende embnrcar-se
s occultas
O chefe Balaio foi igualmente destrocado ,
e fugiu com urna perna quebrada ; no ataque
d.do contra as forcas desle malvado que
perecen gloriosamente frente dos seus bravos
o major Clementino.
De todas as noticias porem a mais impor-
tante a da reslauraco do Brejo onde o di-
gno capilo-mor Valerio fez a contra-revolu-
cao e tinba ja sob as suas ordens 600 ho-
mens-
Em o numero scguinle publicaremos nume-
rosas pecas ohciaes que recebemos da Parna-
biba a respeilo destes acontecmenlos dando
por agorao seguinte oicio do Exm, Presi-
dente da Provincia.
N. 6'9. Illm., Snr. Communico-lne
com grande satisfa ao que tive boje noticias
ofBciacs de (jue o I rejo se acba oceupado por
seis ceios Legalistas e que a forca rebelde ,
que ameacava a arnabiba foi toda anniqui-
lada ; leudo sido presos conloe noventa e dous
facciosos, e morios 3 fcando assim intei-
ramenle dcsafronlada esta ultima villa a qual
actualmente se acb guardada por 00 homens
da Legalidade capazes de obrar alem da forca
do Capilo Pedro l'aulo de .Moraes liego,
que se snppe descer para o Hrejo. Talvez
chegado sejao momento mas oroprio de lser
V. S. marchar para Veriliba a Columna ,
3ue pcrlendc para all mandar e creio que
essa operado colber nao pequea vanta-
gem se ao raesmo lempo fiser V. S. seguir
iara aquelle ponto urna Canhoneira que
lem prxima cosa pode prestar importantes
serviros forca de ierra e com ella cooperar
poderosamente para o fim de dcbellarcm-se
os rebeldes por a quelle lado feos Guarde
a V. S. Maranlio em 'i de Outubro de 18 -o.
Manoel Felisardo de Souza e Mello Snr.
Tenente Coronel Francisco Sergio de Oliveira.
N. 1.
Recebi ira olicio de V. S. a que vou res-
ponder sem acosar a dala por se ha ver con-
fundido. Desde que sabi de Oeras com a
forca de 3oo homens nial armados, tenbo-me
conservado em opperacao contra os inimigos :
alravessei em S Francisco, fui bater manga,
Viudos Paslos-bons Mirador Passigem
Franca e S. Joze desci ao Bananai Sanio
Antonio Cruz e barra das Pomhas. S
encontrei urna pequea resistencia no Mirador,
que nada duron nos mais pontos os inimi-
gos os hio desamparando proporco que
me Ina aproximando. Ueixei Destacamentos
meus em Pastos-Bons e Passagem Franca ,
e por miaba influencia ja ha forcas a nosso fa-
vor nos Maloca e jimio a Ca MI ;s oidens do
CoTOQel 'Oo Paulo l'ias Carneiro Cavias
est evacuada de inimigos. Livio que oceu-
pava a Burra das Pomhas com a maior for a
dos ladrSes desamparou o ponto ; minba
e'irgada e consta-me abi que elle atravessa-
ra no Riacho dos Cavados fiz logo a minba
passagem fiara esla Provincia e chegando eu
iqtM vejo que aptnas elle tocou ali para apri-
sionar o oosso piquele mas rertode que os
rebeldes esfo de posse do porto do Estanha-
do vou marchar contra ellcs. Aqui per-
tendo dividir a minba forca em duas colum-
nas huma por cadn margerndo rio e assim
birei a van ando a varrer nossas frouleiras. Se
V. S. nao puzer no mesmo movimento as
forcas que me consta existirem nessa Villa,
te re de mortificar as minhas forcas, quede-
vera moilar a i :5oo homens, athe ah ,. e
enfo ser-lhe-ha pezado manter-nos. A rc-
foluco vence mais que o numero ; por isso ,
nossos Irmnos amigos da Legilidade, das
garras dos ladrSes. Alegrou-me a noticia das
disposicrVvs dos Frexeiranos can cuidado de
V. S. confia o floverno impedir qualquer su-
blevado que por abi possa haver. Tenha
V. S. niuito em vista a seguranca de nossa
Provincia, e por isso afastindo-se dos meios
de hrandura uze de rigorosa forca contra os
inimigos e contra os suspeitos a nossa cauza
Tobem me acompanlioduas barcas armadas
pelo rio abaixo e levo mis minhas forcas
duas bocas de fogo. Commnnieo a V. S.
que a divisa das hui-as de Legalidad*, he
divisa encarnada no chapeo. Heos Guarde
a V. S. Acampamento as MeUncias 9 de
Selembrode 3o.Illm. Snr. ''enenle Co-
ronel Jos Francisco de Miranda O/orio ,
Prefeilo da Villa da Pama iba Manoel
Cl'menlino de Souza Martins Major Com-
mandante das Opcraces Militares.
( Chronica Maranbcnse de 28 de Outubro. )
Artigos Offiria-.-
Tendo tido as minhas Porcaa dous encon-
tr* com os malvados no Bom Je/.us a o e
aqi a 11 do corrente aptvnr do favor que lhe
prestao as matas e gut-rrlhas entrincheira-
das nao foraS capazes de sustentar dous tiros
em huma pos:co, e s a favor do rio fizera
lodo odia de honlem vivo fogo :s barcas sem
rom ludo as ofender Isto bastn para que o
majvado Livio desamparasse seus sectarios ,
e fngisse honlem pelas i) oras da noite com
seis homens do ponto do Estanbado e em di-
reitura ao centro do Long, pelo que expedi
immediatampiitedous manos meus, o Capi-
lo P ai mundo e o Tenente Antonio com o
Capilo Irino e o Al Ir-res Jos Francisco,
acompanhados de trinla prartt de Cavallaria ,
a fim de o seguir para o prender ou malar em
qualqii'T parte desta Provincia, ou de oulra
onde elle se ai bar ; por falta de Cavados nao
foi maior numero de Soldados confio pois,
que V S. a bem doservico puhliio seempe-
nhe na captura desse indigno chefe de ladres,
prestando todo o auxilio de cavados homens,
armas, e mais que lhe for requisit ido bem
como que os dirija com as instruceoes que a
resppilo Ibes possaS ser uleis nodesemnenho de
to importante arefa. Ho'e mesmo fiz passar
huma norrio de tropa pun atacar a cosa de
Antonio de Moura nonde me conslava haver
gente da hag-' oulra cousa arhou-se mas aprisionaraS-se 7
soldados do Balaio os quaes dzem que esse
( abollo junio ao Ruivo. e Millomi perten-
dem amanh vir sobre minhas forcas ; em vir-
tude do que milito cei'o vou atravessar, e m ir-
idiar .10 sen encontr noenlanti asseveran-
do-me os prisinneiros que o ponto do Esta-
nbado est evacuado do inilPgO( orleno-
Ihe que marche a apoderar-se delle que breve
l me acbarei, se nao chepar primeiro que V.
e enlao mandare! descer as minhas Bar-
e bagagpm que aqni deixo com humafor-
anda huma expedidlo, Temos-lhe apanliado
bastante munieao duas pecas montadas e
al^uma hugagm e bem assim muitos secta-
rios e algunsoffictaes entre os quaes o re-
l' re Pao de hinho Capilo o Capilo Ca-
pixaba o Tenente Amado e o Aderes Cu-
irim ouir ora Cadete da primeira Linha do
v.'aranbo
Muito nos be necessario saber do estado dos
negocios por abi e com especialidade se j ha
conhecimento das forcas do Maranlio seus
feilus e posiioes ; pois qne del las s nos con-
sta por huma carta re Joo Paulo de Caxias
que lora tomada a Villa do Miinim e que
marcharan, em numero de cinco mil homens
leudo o Andrpas em sua frente, se assim for
breve acabaremos com esla lula. Dos Guar-
de a V. S. Acampamento no Estanbado iq
de Selembro de 18 q. Illm. Snr. Tenente
Coronel Jos Francisco de x randa Ozono,
l'refeito da Villa da Parnahiba Antonio de
Souza Vlendes Capilo Commandante das O-
peracoes Militares.
-----Illm Sr, Desde que dessa Villa sa-
S.
ras
ca de commandante das forcas de linha asrdeos do
Livio rennio-se boje a mim rom parle dos
soldados dessa arma naquella Provincia, e
com todos os de Oeiras que o Livio tinba pri-
sionado : muilo lhe recommendo que con lo-
za para o l'slanhadn a maior porco possivel de
nvalgaduras do que tenbo milita necessida-
de. Dos Guarde a V. S Acampamento em
Sania Rila 13 de Fplcnhro de i8Jq. N. B
Mande V, S j pepar duzenlos e mais bois das
fazendas do Gil Velho e Anlomo da Silva
Cavalcanti eremeliel-os para o Estanbado
para o suprimento das tropas asignado
VanoelClementino de Souza Martins. Major
e Commandante d.is Operacoes Militares
Illm Sr Alferes Silvestre Jos da Cunha
Cdsteo Rranro,
-----No ultimo ataque quedemos ao mi-
migo as malas do Baixn nodia 14 do cor-
rente apesar de apossarmos da posi o dos
malvados, que nao con\indo sustei lar redu-
zimos a cinzas sofrer.os a irreniediav I per-
da do bravo Major commandante Manoel Cle-
mentino que na vanguarda de urna fileira
rrcebeiruma halla cima do enibigo a qual
lie arrancou a vida em menos de meia hora.
Pahi lendo-se-ine em Conselho Militar con-
fiado o commando em chefe da coluir.ua mar-
chamos para efe poni, onde m acho preste
a ir ao encontr do mesmo inimigo-que se con-
serva pelas referidas matas aleo Vorro Agu-
do, aharracamenlo do Balaio e Ruivo. An-
tes dislo Iml.a-mos vantajosamenle ganhado s
Iropas do Livio os pontos do Bom Jrzns e S.
Rila nesta Piovinria ; e achando-se elle se-
nhor de huma contra margem do rio ath aqui
havendo-a fcil sera operar como cu albe nos desamparou tudoe fugio vergonhosamenle pa-
nconlrarmos e depois perseguiremos o ini- ra o centro do Long quasi s atraz de quem
T
b al que a esta me recolbi nao occorren 110-
vidade algjma digna de communicar a V.
S Eu fiz a minba marcha pela e.-Irada de
cima que mais prxima passa Povoaco das
Frexenas o pelas indagaces que fiz soube
que nao existia por aque'las parles rebeldes al-
guna. Clieguei a esla Villa nodia 17 a larde,
e j ah se achava o Tenente Jos da Costa
Portella qne no da antecedente havia chegado
com quarenta pracas das forcas que V. S. con-
serva no centro desle Municipio sob oscom-
mandosdos < apiles Pedro Paulo de Moraes
Reg e Francisco Xavier Morena de Car-
valho contra os rebeldes das malas do Pinto ,
eChapadinha, que em virlude das requizi-
coes das autboridades desla Villa aquelles com-
mandanles mandaran Aqui fui informado
que os rebeldes que se dirigia a alacar esla
Villa se acbava acampados na Fazenda deno-
minada Ipoeira dote legoas distante, e que
montavao a perlo de tresentos. Em conse-
quencia das Inslrucces que V. S. me deo ,
exilei hum pouco em seguir daqni por temer
alougar-me dessa Villa mas em fim depois
de alguma conferencia com as autboridades ,
resolv a marchar sobre os rebeldes e parli
nodia 18 alarde, e fui pernoitar no lugar-
Mala-fria e ah soube que os malvados j se
achavao na fazenda Bebedor distante d -
q 11 i legoas. No seguinte dia rp me derigi
para aquel le lugar, e fui abarracar-me de
noile muito prximo do niliigo e sobre a
madrugada me liz de marcha para o ICO Abar-
racamento e logo queoaxislei fui dispondo
a ropa em ordein a polo em cerro o quecon-
fegui sendo apereehido do inimigo que lo-
go trepando sobie suas Irincheiras nos dirigi
em alias voz.es muitos insultos, convidan to-
nos para o fogo. Sofn ludo callado e trata-
va tmente de aperlar o cerco mas alies rom
pera logo sobre nos hum vigo fogo a > qual
lhe respond com huma descarga porem ob-
servando eu que os mcos tiros nao aproveila-
va, suspend o fogo O inimigo oceupava
huma eminencia onde era a casa da fazenda ,
e a roda da qual lnhd construido huma forte
Irincheira em duas ordens huma mais ao
lone e oulra mais pioxima da casa com bil-
ma u nica entrada correspondente a da ca a ;
delta nos fi/era por lodo o dia hum continua-
do fogo que nos obrigou a procurar cada hum
o abrigo que melhor pode descubrir servin-
do-noa das arvorrs pedras e lugares mais
baixos onde apenas drilados podamos estar ,
ma spmjire conservando o cerco. Serian cin-
co horas da tarde quando piles cessara o fogo,
e me pareepn por alguns indicios que edes cs-
lavao de alguma forma esmorecidos; aprovei-
lei esla orcasio cfallei para edes em alias vo-
zes nue se remlessem que en Ibes segurava
as vidas, e logo fiz esse officio (copia N. 1)
qiiederti oos commandan'es enfiand.1-0 em
huma vara para que fosse del les visto e orde-
nei ao portador para dizer em alias vozes que
Lia levar boma embaixada eqne o nao of-
fendessem. I erao com e: eilo entrada e me
respondera (copia N. 9 ) Depois disso os
mesmos comniandantes me diiigirao algumas
palavras laes que receavao enlregaiem-se por
tcmerem eu Ibes lallasse com a garanta da vi-
da promettida e liberdade pessoal : e por
fut me convidaras para hir dentro das suas
Irincheiras conferenciar a respeilo eomelles,'
respond convidando-Os lamb m a virem mi-
nba linha mas riles se negarao. Pareceo-me
que resultarla alguma tanlagem ltenlo o des-
lenlo que nelles olseivava, se ellecluasse a
tal entrevista e enlao rrsolvi-me a encami-
uhrtr-me para as Irincheiras di ixando a espa-
da e ao mesmo lempo disse que riles fizessem
o n esmo e \ icssem rr,conlrar-me no meio do
can.nbo. Ellts in.ilai-me e nos encon-
tramos junto a porla da casa. Fallei-lbes do
modo que me foi p'ossivel a fim de os persua-
dir a deixarem as ai mas e o partido que to
erradamente seguia Mostraran desejos ib:
abra arem o met parecer, mas dssera-me
que s no dia seguinte poderia decidir, e qu
eu Ibes concedesse a laculdade de poderem be-
ber agoa cuja falta experimentavao durante to-
do o da ; c jnCedi-lbes esla permisso com a
clausula de ficaretn suspensas as hoslildade'i
e de eu poder aperlar unir e feicbar o cer-
co. Durante a noite mandei lambem organi-
sar huma tosca trinebeira de madeira do cr-
Icadoem diversos logares onde colioquei a mi-
nba gente em porcoes porque nao me era
possivel fazella em parede seguida. Ao ama-
nbecer do dia vinle e hum leinbrei-lbes a
promessaque me linha feito e enio ee>
me convidara novamente a hir no seu ahar-
racamenlo para onde logo me derigi ; con-
|vidara-me para entrar dentro das trinchei-
1 b is e commelli a temeridade de aeceitar o seu
'convite F.u julguei que edes eraS menos em
' numero e qua do me vi rodeado de m lis d
'duzenlos malvados conheci o perigo que cor-
ri ; cumpria-me enlao nao mostrar fraque/a,
'e continuei a convencel-os que se deviaS en-
tregar. Os commandantes fallaraS aos seus
para assim o faserem e vio-s que uns qu-
raS e outros nao ; enlo vollando-se para
mim o Commandante Pedro da Costa me enlre-
gou a sua espada e disse q lemandasse lomar
conta das armas d 1 tropa. Voltei a minba
trinebeira e mandei o Alferes Jos Manoel
Braga rom huma partida receber o armamento
'que foi promplamente entregue, Assim pri-
sioneiros, tralei de os mandar formar e alis-
tar e neste interim oito delics rompendo o
cirrulodeilaraa fugir, eseado logo seguidos
fora morios seis e dois se esca parad os que
se achavao dentro da casa se alvoracaraS
commetlera a porta para fugirem e vi-me
enlo forrado a mandar que as Sentiiiellas des-
ea rregassem as armas sobre elle*, de que re-
sultou anda a morte de mais oit) entre O
quaes os dois commandantes ledro da Costa
Bezerra e Pedro >eleslrino A' vista desle
procedimento nao pude deixar de amarrar o
reatante que em numero de ddenlos e cinco
chegaraS honlem a esta Villa e cmo se este-
jan apromplando troncos de campanha s
poderei da-mi partir no dia vnte e cinco. Pre-
vino a V. S. que entre esla gente alguns ha
que sao legalistas., e prisioneiro* que esl*
mesmos nvilvados tinlli feilo em Mat'ies
quando alacara ali o destacamento. Tenh a
dizer por fim a V. S que toda a omcialidade e
tropa de meu commando, que s compunha de
ioiico mais de cem pra .as se bou ve naquel-
a a'cofo com toda a bravura disiin;uindo
entre os primeiros os Teupnles Antonio Pire*
Ferreira e Jos da Cosa Porlella e os Alfe-
res Jos Manod Braga e fenicio Feneira.de
S Paio. He a segunda \cz que V. S salva
esle, e esse Municipio pnrecefldo inspira-
das pela Divina Providencia as medidas
que a resp'ito lem senipre tomado,- e
pelo que dou a V. S nipos parabens Dos
Guarde a V, S. pormuilos anros. Villa de
Piraciiruca ai de Selembro de 8 'q. Illm.
Sr. Tenente Coronel Jos Francisco de Miran-
da O/orio Prefeito do Municipio da Parna-
hiba e Commandante em chefe das Forras
do mermo. Joaqnim Ribeiro da Silva ,
Major e Commandante da Exped fio.
N. 1.
Falla Nao sendo do inlenlodo Comman-
dante da Forca ver derramar osangue de seus
Palrcios, o que liem perlo em punca-, horas
(era de succeder ; Camaradas O mesmo
Commandante vos manda declarar que qo dia
de hoje pelas ri horas da manb vos pos de-
baixo de crculos com rto pracas armadas,
eslas 00 de primeira Linha do Cear Per-
namhuco 100 ilo aranho de G. N. e i5o
da \ illa da 'arnabiba, e Piraciiruca eo
mesmo Commandante vos lem de mostrar os
exemplos da Babia Panellas de Miranda ,
Ceara e ara e se vos entrgateles as armas ,
desde j seris recebidoS as'01 cas da legali-
dade, onde terei a honra de vos Commandar
e tratar com aquel'a dignidade de que sao me-
recedores e isto lhes affirmo del aixo de Pa-
lavra d iiomrni. Ponto do Bebedor o de
Setembro de iK.-lq. O Tenente Coronel En-
gole Cobra. ( )
N. ?.
Illm. Snr. Coronel IngoleCobre.--Recebi-
a falla de V. S. e vejo o que me dis sobre a
eu me entregar morro no campo da honra e
nao me entrego visto em toda campanha quan-
do se manda emhaixador nao ha mais fogo por
onde desconfi dislo o que me dis eu me acho'
com 3oo homens drsles tenbo de tropa d* Li-"
(*) O Commandante da exprdito julgou*
conveniente omitlir-se o eco veiiladeiro nonio'
e servir-se deste.


TT~3T
U -
---! --

-
DIARIO
DE
P E B N A M B V C O
s
/
toba -b soldados qne me virSb de Sobral e
fiara snsttenlar o fogp ainda tenho Iros harris
"de plvora e lioje espero sem falta pelo o Ca-
pilao 'o/e Paulino e a minha forra que esta no
Sobridinho lfrci grande gosto de encruzar as
armas com os que me querem aterrar he o que
tenho a dizer. Quartel do Bebedor o de Se-
tembro de '81q. Pedro Selistriho Comman-
dante da forca da Serra grande e Sobral. Pe-
dro da osta Bizerra. Commandante t>m Che-
fe da forca da Religiao Catholica de Jezus
Chrislo (*)
Como -tenho noticia que he o Snr. Tenente
Coronel loaqtiim Ribeiro da Silva venha a es-
;ta forca que Ihe passo Palavra de onra que
anda a minha gente quereudo obrar ngrali-
do morro por V. S. para conversa'r-mos
Seu AmigoPedro da (osla Bizerra.
( Chronica Maranhense de Ji de Outubro. )
Restauraco do Brejo e Tutoyak
Acta da Restauracao Aos 14 dias domcz
'de Outubro do anuo do Nasciment de Nosso
Senbor Jezus Christo de "8 Ir, na Villa de
S. I'ernardo Comarca da Provincia do ^*a-
ranho e casas do Capito^mor Valerio Al-
ves de Souza sendo esle presente, e os cida-
dos Ignacio /oaquim de Carvalbo. Filippe
Benicio Fontanelles Alexaudre Bernardiuo
Ribeiro Jos Francisco Arago Alexaudre
Francisco da Silva Ribeiro, 'oaquim Igna-
cio de Laiola, Victorino Jos de KaU Fran-
cisco Antonio Rodrigues, Angelo Rapts.la
Alendes, Paulino Jos Rodrigues Francisco
Xavier Castello Branco, Demetrio Jos de O-
veira Jos erreira de Carvalbo, Guilher-
me Rodrigues Barbosa Joo Jos do Reg
Jnior e Povo reunido a seu chamado ahi
dsse oditoCapito-inor com os demais cida-
dos, que achando-se esla Villa Comarca,
alem de outras da Provincia invidida desde
0 dia ai de Abiil ultimo e submergida no
abismo da anarqua por urna orda de ban-
didos rebeldes e sorido por isso os seus ha-
bitantes todos os horrores de males pratica-
dos por acuelles malvados absolutamente
sem haver quem os repellisse por falla de
meios e socorros, elle com tudo nao sucum-
bindo furia de semeihantes oppressores da
Lei e da humanidade que m numero su-
perior se achavo de posse da Forca em-
punha as armas a favor do Governo de S. M.
I.eC. o Snr. I). Pedro Seguirlo a fim de
reslabelecer a ordem e ornar a lei ao seu
Imperio ao que ouvido por todos foi unane-
menle apoiado e com o maior enthusiasmo,
einsessantes voses bradar : Viva a Reli :o
Catholica Apposlolica Romana. Viva o Nos-
so Augusto Imperador o Snr. Pedro Se-
gundo \ va o Regente Viva a Assemblea
Gcral. Vivao todas as Auetoridades Legaes
E Vivao os restauradores da ordem Depois
do que fo aclamado Commandante das For-
cas Keslatiradoras o sobredito Capilo-mor. E
para constar lavrou aprsente, queassigna-
ro. Seguio-se as assignaturas
(dem de 0 de Novembro )
PARAIBA.
Illm. e Exm Snr. Antei que cheguem
por ahi noticias menos exactas acerca do esta-
do desla I rovincia, apresso-me a levar ao
conhecimento deV. Fx que no dia 5 do cor-
rente algunsdesses linimientos e anarquis-
tas de que o lempo he frtil e esl Provin-
cia nao esl. isenta, desengaados de urna vez
pela prxima nmeaco d oulor Jernimo
Martinianno Figueira de Mello de que o
Governo de Sua Ma;;estade Imperial nao es-
la disposlo a mimozel-os com Presidentes, que
venho coadjuval-oS a promover a d**sordem
eainda mais inflamados por insinuaees trans-
mitidas da Corle, preltehdero alterar aqui
ase^urania e Iranquilidade publica, ex por
< rovinria aos furores da anarqua e pro-
clamando a reheldia no meio d alarma derra-
111 nulo, e accommelendo mesmo varios pon-
tos da guarnico da idadc para <|ue reu-
niro a gente armadada quejhe foi possvcl a
cu a frente se adiarlo o 'Pnente Coronel da
Guarda Nacional Alexandre Francisco de
Seixas Machado bem condecido Antonio
Borges da Foncececa eoutrs que taes, bem
'como fossem Jaquim da Silva Gimares
1 engodo e Joa^uim di Silva v'ediros, am-
bos olhciaes da Guarda Nacional
Mas tend sido tojo emprgada a frca re-
ressaria e expedidas as mais promplaseenr-
gicas providencias a fim de re real-os, e sendo
lera disto repelidas inlen ,6es tao criminosas
e iuiquas por quasi toda a poplacao, pude
fclismeule
ue fossem
log
su-
(**; Este ao menos nao dir o Investigador
que commandante da forra bcmtevio.
de referir e desnvolver eu pe
que reflirta que quaudo lver
hum dficit no anno futuro
o a cmara
de discutir
e nos seguinles ,
planiados sem que sedemorasse urna s gota
de snigoe reslando-lhe apenas lempo para
se evadiiem. desorle que imedillmente res-
labelleceu-se aordem e j hoje permanece neiibnm ontro recurso so ollereccr a conside-
a Provincia em plena paz, esoce,;o sem que raco do legislador brazile.ro seno o da eruis-
liajio ivos receios, entretanto tem-se feito .sao do papel.
algums prises e cantinuo a ser perse- E pergnntare eu :-Quando a naco brasi-
guidos os cabecas da revolla os qnaes nao leira entender que o governo nao tem oulro
podero ainda ser'descobertos por andarem fo- recurso de que lance mo seno a emisso di.
rpidos i papel, poden! esle papel inspirar alguma con-
Deos Guarde a V. Ex. Palacio do Governo fianca ? Haver alguem que acreilile no seu
da Paraiha 9 de Novembro de 1* q Illm. valor? F enlo Srs.. quem nao querer a-
e Fxm. Snr. Francisco do Reso Barros Pre- parlar de si hum papel depreciado eque ten-
sidente da Provincia de Pernambuco Tra- de a depreciar-se cada vez mais ? .
ano Alipio de Holanda Chacn.
DISCURSO
Pronunciado na Cmara dos Srs. /Vpulados,
na sesso de a de Outubro pelo Sr. Mace!
Monteiro.
Continuado d N precelenle.
(Contina.)
Correspondencia
Sn'rs. Pedactores.A falla do pasto espiri-
tual un dos grandes male para O povo,
sempre sentida pelo pacifico povo Brazileiro
'quede seus maiores herdou um Sanio apego ;
Sr presidenle o corpo legislativo j; rero- Religiodo l'ilbo de Des ; por isso nao pode-
nbeceu qne a emisso do papel moeda era hum m,,s deixar de carpir com os habitante dAgoa
mal, emalmuilo grave: mandando extin- Prela o abandono de sua I'reguezia feilo pelo
gir cunbo do cobre esubslitnindo-o por pa- Viga rio Patricio Joz^d Souza que desde
pe moeda, o corpo legislativo enlendeu que evereirode 18 7 retirou-se para esta Cidade
semelhanle expediente era snmmamente Rra- do Recife donde foi apenas m Coaduior
Voso, epodi tiazer grandes compromelli- em Agosto que se demorn somenle qu tro
menlosaopiiz tributando a populaco para mezes e meio n'aquella Freguezia que lo,o
consignar rendas ; amorlisarao do papel o deixou por ser chamado do Fxm Ordinario ,
corpo legislativo enlendeu anda qite e*te mal sem um Sacerdote que administrasse os Sa-
era de rande monta e que ronvinha alalhar- cramenlos at i/evereiro de Sp quando foi
se os effeitos quanlo anles. E per ;unlarei eu mandado o Padre Je
; cmara : dep'iis de tero corpo legislativo ma-
nifestado a sua opiviiocm questai to impor-
tante nao seria assombrosa contradi .o nao tos e di/.er Missa em todos os Domingos,
tra versatilidade indiscrtlp'avel fazer nova e- e Dias Santos de Guarda foi servir d t'.-
missio de papel ? Perguntarei mesmo : Da' pllSde varios Engenbos onde dizia Missa
inconsislencia do corpo legislativo na adopeo aos Domingos alternadamente com a Matriz ,
dos principios que devem dirigi-lo em questao deixanda o misero povo sem Missa em muitos
to capital, nao resolta necesariamente a des- dias guardados pela Igreja. No principio de
confianca publica ? Prgurttarei ainda : Por Agosto veio o referido Pro-Parocho ao Rci-
ventura a praca do Rio re Janeiro a popula- fe, e quando voltou foi para abandonar de
cao toda do imperio huma vez que o corpo todo a Matriz e fazer-se exclusivamente Ca-
legislalivo decrete huma emisso de notas nao pellao dos Engenhos, porq' diz elle livera esta
ter. raso para suspeitar que dia vira em que permissao de Rvm. Snr. Gama Delegado do
tambem se decrete a suspenso di pagamento Fxm. Diocesano oque se nao deve crer a
do juro do empresent-, eque finalmente le- vista da integridade e caridade Christ deste
vada a legislatura por huma necessidade ins- Digno Sacerdote. Estes misera veis habitantes
tantanea mas imperiosa tambem possa de- que eslquase acoslumados pelos Ministros
mandado o Padre Joaquim Mauricio Wan-
derlei Pro-Parocho o qual em vez de rezi-
dir na Freguezia administrar os Sacramen-
-----Sabdado 3o beneficio de Marra Joa-
quina Fedro Baptista Zebedeo Cezar e An-
tonio A doeo ,, Adores e Empregados do mes-
rr.o Tbeatro Pe$a Convidado de Pedra -
Farca Aldeia de Loncos e um Duelo dos me-
Ihores.
Avisos Diversos.

Ciclar nualquer outra medida oTensiva dos di- da Igrea a viver sem Reli',io e tnorrer sem
reitos dos credores da naco ? Sr* quando Sacramentos, levari o seu soffrimento
!>0
se trata de ponlos cssenctaes e to canleaes da in^nito ( por ser esla a prlilha do pobre) se
o tal Pro-'!arocho no declarass aos devotos
legislativo
se huma da Senhora da Conceico queso
diria \lisa
ciencia he preciso que o corpo
seja mu cirenmspecio e coherenle :
vez j se enten'leu que a emisso denotas era na Matriz 110 ubi 8 de Dezemhro se Ihe pa-
damnosa ao paiz, se j: se derretoii rendas para gassem cinco mil reis que nella ouvirio el-
amorlisa-la 5 mudando ho'e de opinio far les lima das do dia de Natal se Ihe dessem
acreditar quenada reconliece de fixo, de per- 5os rs. porque os Snrs de Engenho tanto Ihe
manente de immiilavel em o crdito publi- davo por cada urna., alias leria de acompa-
co, e no que respeila aos dogmas mais mcon- nhal-o para essas Capellas particulares
leslaveis da materia. Sendo quase impossivel maior parte dos
Eslacnsideraco, Sr. presidenta be mui- pobres Parochianos d'\goa-Preta mendigar
lo valiosa para o meu espirito j e fu/, em mim as Missas dos Senhoresd'Engenho, e mili sen-
grande peso ; porque, lomo adizr. de (al sivel a perda da Missa da Ora do Nascimenlo
medida nao pode deixar de resultar a descon- do Salvador do Mundo, dirigem-se ; Im-
fian a publica. prensa 'nica salvaguarda do povo onde a
Srs. he bem sabido por todos que tem po- a responsabilidade letra morta) araq'cbegue
dido examinar o nosso estado financia! que as aos onvidosdos Fxms Ordinario, e Presidente
circunstancias do paiz nao sao florescentes, da Provincia o seu clamor a fim de lerem um
riio sao prosperas. Nos sabemos que depois do Pastor, que cuide das ovelhas conforme as
acto addicional depois da diviso da renda inlences do Fundador da Religio, e nao se
em gerale provincial, dus fonles nicas de dedique somentc a gaiiliar dinheiro e ven-
valiosa renda ficrao ao ihesouro geral estas deraosSnrs.de Engenho o pasto espiritual,
fonles sao os direitos de importaco eo.direi- que se deve administrar ao povo porconla da
los de exporlHco porque lodas as outras ren- Congrua, que a Naco paga,
das inferiores sao de pottra ou nenbuma mon- Um Procurador dos Hobres Parochianos.
ta 1 sahemos tambem que, com o andar dos: ---------~
lempos, nos seremos obrigados alliviar a
nossa exporlaco dos pesados direitos que pa-
ga ; sabemos emfim que lodas as naees que
produzem ^eneros colortiaes semeihantes aos
iiossos forceja por alliviar completamente sua pela Associacau Comrilcrcial dcsta Praca as
exporlaco. Se slo he verdade, se os esfor- duas pelices dirigidas ao Inspector da Me/a do
i,os do legislador brasileiro se devem dirigir Consulado ertseridas nos nmeros passa-
para sentar de direitos os nossos gneros de dos, copiamos a siguile ^
exporlaco, be claro que a nica renda vaho-, l'ELARAC^O. .
sa com que se poder contar no imperio he a de Pela dminislraco da Meza do Consulado
importaco. Mas nos sahemos que no estado d esla Cidade se faz publico que na Sexla fe-
actual do nosso direilo internacional nao pode- ra 1 f do corrente depois do meio dia sero
mos elevar os direitos de imporlac e s o vendidas em praca 4 Caixas de assucar bran-
poderems fazer quando (vt-rem'expirado os co viudas de Periimbuco no Patacho Nov
traclados celebrado* entre o Brasil e a Gr Bre- Especulador e aprehendidas na ronfrmidade
tanh o que nao poile succ^der antes de do art. 100 do reglamento de 18 u : se poiss podemos contar con esla fon- iVi por con lerem as laras ilo arrobas d
le pnica le renda se por utrd lado as calami- falsificaco. Balda Meza do Consulado 9 de
dades publicas a a;ila5o dos partidos, a Novembro de iR'cj. .
frequenci dos movimenlos revolucionarios o- (Asignado) Joze A
ASSCIAgAO' COMMERCIA.
Para coadjuvar a usliga da requisico fe.ita
hriga e brigaro o governo a dispendios cn-
sderaveis lie claro que o estado em que nos
adiamos boje de deficiencia de renda se ha de
reproducir at que cheguemos ao poni de po-
der augmentar os nssds direitos de importa-
cao. Se he verdadeira a proposic que acab
inlonio da Cimba.
THEATRO PUBLICO.
Quinta feira 38 bonefirio dos Actores Jo-
s Mximo Cabra! e Jo Francisco de Bu-
Ihoes Peca Nova Castro Farca o Dr. Sovi-
im Duelo
ss^ Aluga-se urna casa terrea para pouca
familia nao excedendo o seu aluguel de seis
a sete mil reis mensas e sendo em qualquer
ru t quem a tiver annuncie.
tsy Troca-se urna venda na ra de Santa
Thereza 13 por cauza de inimi/ades com o
vizinhos, por outra as seguintes do Fagundes,
Santa Rila Praia Rangel, Orlas e Trinxei-
ras.
SS7" Quem precizar de um padeiro : diri-
jast- a ra dos (^uarteis caza de pasto D. a.
cy Quem piecisar de um bomem Portu-
guez de idade y a 3o annos para Caixeit
de venda do que tem bastante ortica; an-
nuncie.
C7"Uma mulher parda de mcia idade se ofe-
rece para ser ama de casa de homem solleiro ou
casado com pouca familia a pessoa que do Sea
preslimo se quiser lilisr annuncie para ser
procurado.
CT Quom precisar deum minino paraCai*-
ro >, annuncie a sua moradia para si* procu-
rar.
tsr Tendea preta forra de nome Delfina ,
se auzentado da caza do abaixo ussignado,
dando com este proceder muilo que suspei-
tar de sua conducta e nao saliendo o abaixo
assignado para onde ella foi morar previne
por tanto ao Pblico que couza alguma Ihe
dem em nome do baix assignado, por
quanto nao lendo por ella mandado pedir nada
absolutamente em parle alguma quando em
! caza esteve muito menos pois poder agora
I mandar e para que disto mesmo Publico
fique seienteficado faz esle avizo.J Arce-
nio Barboza.
XST Quem quizr alugar um casa para
assar a Fesla no lugar denominadoCaza
orle di fronte da Igreja : dirija-se a ra
das Cruzes rta tenda de Tnoeiro D. 7 que
, adiar com quem tralar.
tsr Arrinda-se por lempo-de fesla, ou por
anno o cilio denominado mangabeira o qual
tem huma grande casa de sobrado, confronte
o jardim botnico quema perttttfer dirja-
se a ra do Rosario larga botica U. 10. Na
mesma botica ha para vender-se Hiima s-
crava moca e sadia.
XSST Quem precisar de hum Portuguez sol-
leiro para criado, ou feilor de algum citir>
do que tem bstanle conhecmento queira
annunciar.
jtyPreci^a-se de lium escravo 011 creado
forro q saiba coznhar o diario de urna caza e
que tem de servir somente a um homem sol-
leiro ; quem estivr as circunstancias annun-
cie.
XST A casa de pasto e botequim da ra dos
Quarleis D. 8, precisa de hum rapaz livre de
servico de Guarda Nacional, para caixero,
1 que saiba escrever, e d pessoa qUe abone a
sua conducta quem esliver neslas circuns-
tancias dirija-se a dita casa tractar com o
dono.
ZST Os Irmos da Vneravel Ordem Ter-
ceira de S. Francisco desta Cidade do Recife,
sao convidados para comparecerem 110 consis-
torio da mesma Vneravel ordem n > dia sab-
bado 3o do corrente niez para continuago
da dscusso dos seus estatutos
SsrOSr. Reveiendo, que mora ta Fre-
guesiada Malla grande, queira f ou mandar
entrepar o dinheiro que certo Seminarista
deixou em seu poder para pagar os quarleis de
sua suslerilaco, e vestuario, de que tem tan-
ta preiisao, que ja nao pode assistr aos actos
da commonidade, e quando n cumpra, como
se espera r o seu nome por estenco nesta
foi ha para que o respeitavel publico faca
conceilo que o dito Reverendo merece Um
Seminarista.
ssy Prerisa-se de urna pessoa hbil para o
servico ordinario de urna casa de pouca faai->
lia : quem a islo se pro. oser v a ra do Sol
D a.
$3^ Hoje pelas quatro horas da tarde se ha-
S'e arrematar em praca publica e peraute o
uizda lercera vara do Civel, varas pessasde
piala uzadas pertencenles ao Casal do la-
sescido Francisco Jse da Cosa Guimar.
tsr Vende-se urna barretina de G. N. 1
na ra dos Pires D. 4 m ^
Xy Na ra da Madre de Deus defronle d
Guarda existe urna carta viuda de Lisboa*
nHi a o Scnhor Antonio MonleirO Correia;




im m
DIARIO DE M!RNAMBl'CO
tST HenVlque do Azevedo Mello mora un na ruado Cabula loja D. 4 defronte do ceri-
Olinda nos4canlos sobrado n. i'i no segundo, ciro.

tST
tsr Honlcm a3 do correiile perdeo-sc um
-meio bilhele da primeira parte da 4. lolena a
r^dTu t- ,N 'p-a^r; I "^ 1* ** o S, *. M. ib "reilo *. 'no idioma n>, na ra da Madre
Xuporfa,or^eirae11.reV.raJo5CoWeJdoCvelda lereeira vara pelas /, hora* d.j deDeo. n. .4.
ampellonaruadeHorlas, que lbe agrade- tarde em casa de sua retdencia i
rer ; odilomeio billete eslava embrnlliad.
em um pedaco de papel ; assim como roga-s
ao'Sr. Tliesoureiro da mesma lotera nao pa
gue a pessoa alguma que o apresante; sendo
saia premiado.
tsr O abaixo assignado parlecipa a todo-
s donos que esto fazendo obras e que pre-
cisa rem de Iravejamento ou madeirus para
cobertas caibros linbas de |1 palmos Ira-
ves de -i ale 40 ditos de cornpi id> e prome-
te vender mais enconta do que nos ainimba-
dos toda esta madeira existe no deposito em
S. Amaro e a vista era escolba se far o ne-
gocio Manoel Cardosoda Fonscca.
tsr Precisa-se de um criado para ir mo-
rar em om engenho distante desta praca S le-
goas ; em ponte de L'cboa no sitio de Jos
Cordciro de Carvalho Leite.
tsr Precisa-se de um cont de ris a pe-
mio de dois poi cento ao me/. com seguranga f
Faguudcs se lia de arrematar por venda por
ir a ultima pra a a quem mai- der um.
MWt da esa de dois andares na ra do azeili
lepeixei). 17 nvalida a dita parle em un
nnlo cento c vinlc e cinco mil c novecenlos 1
-cis ris p r ter sido avallada toda proprie-
lade em 6:765 3oo a qiia! vai em praca a
rrquerrmenlode seu propriolarioLuiz. Bbei-
ro Peixoto com a condi o do arrematante
IST Aluga-se um segundo andar do sbra-
lo O. q4 na ra eslreila do Rozarlo para
um homem solteiro ou casado com muilu
pouca l'amilia ; a tratar 110 primeiro undir.
tST Prccisa-se de una ama para casa de
nm homem solteiro qued dador a sua con-
ducta ; na ra da cadeia loja de la/.cn 1 .s nu-
mero 1 '.
tST" Hy poli lo Lavenere avisa a os seus fre-
guez.es que se miidou do palco do Hospital
1 sitio perlo desta nra^a; qoem : para a ra nova as tojas do sobrado da nava
nnuncie. do Sr. Thomaz ii.s onde continua a la/er
tsr Na ra Direita sobrado de um andar' toda a qualidadc de twistes e cuncerla p-
o p de dois sobrados de varandas de ferro doi- annos.
A historia da Grecia anda qu leja
V e n (I a s
em um bom
quiser dar a
Tadas delimite do nincho D. i5 vende-se urna
escrava de naco boa coz.inheira cdoreira,
engomma lava e faz pndelo moca e'de
ton i la figura.
tST Ho;e perante o
Avisos Martimos.
PARA 1LIA DE S. IGU L com escala
Sr. Dr Juiz de Direi- por qualquerdas oulras libas dos Aiores o
tsr Um terreno proprio a margem do rio
cap bar be com porto de hanho no lugar
lo remedio para o lado da pa>sagm com ion
bra as de fundo e o de largo com sabida
liara a estrada rujo lerreno lem otaria de te-
ma quasi acabada ; rom cinco milbeiros de
lijlos ja co/idos, de hmn barro do mesmo ter-
reno prompio* para fa/er a c.isa de va pada .
e para islo lem ja murta mciralba junla para o
alicerce podra desoleira areia junla tra-
vos de eoberta madeiras do raparlimonto ,
enxameis e portas do inlerior promplas ,
assim como grados portas e eaixhos das
portas exteriores O terreno tem alguna co-
queiros que jdao e por todos mais 'o pos,
lem agoa de beber, e vende-se com lodos
osles proparos pelo pie o mais com modo pos-
sivel na ra de agoas verdes por cima do
assnngne.
tSJ' Sapatos de marroiuim francez.es lano
para meninos com para senbora ludo ebega-
dode prximo; no atierro da Roa vista D o.
tST Papel paulado para msica de su-
perior qualidade ; ni pra a da Independen-
cia Inis n. '.
tST Urna escrava (]s naci de.id n'e de '>.
anuos cozinha bem o diario de urna casa
na travessa de S-Jos na loja do sobrado do
Sr. Cosa '7- ,., ,
tsr Lonas da Russia de qualidade supe_
rior ; em casa de Hermano Mebrtcns ,
da Cruz D > <. ^9
irr U.na viola com ex mclbodo eucdernado para violo ; no allerro
da Bpa ^sla lo^ade sapalciio defronte do be-
codo ferreiro.
ISP- Una prela de dade de 18 annos, co-
zinha com perloicao o diario de urna casa, en-
totuma li?o lava de sibo e be boa qui-
tandeira j na ra do Livramenlo O. 10 *>
andar
S^- Um molalo claro grande ofucial de
ca pina, com 5o annos de idade, e com a
mulher tiubcm parda de idade du o anuos
ptima rondeira cose cha, engomma liso,
e lo/.inha o diario de urna casa e com os 4
ftlhos sendo S mtalas e um molalo a
primeira de 7 annos a se,;uuda de 5 e a
icrceira de i o mtalo de / annos ; na ra do
crespo 1). 1 do lado do sul.
lisera yus Fu idos
todoCiveldatorceiravara polas 4 horas da Rrigne Porlugucz \ aleroso, Cap.lao Joaqu.m b'va (losaban o ophma qu-landeua o so a ,','
tardo, em casa de sua residencia ite ra do losde Oliveira segu viagem com bren- <">"<.' nao ter virios ; na ra Dircila L> vola-l^'J^L
Faf-undes se ho de arrematar por venda a dade: quem quiser carregar 011 tur de mis- odo l.ivramenlo
quem mais der por ser a ultima praca, 3 sagem dirija-se a Jos Antonio Gomos Ju- t3" Uiy.a prela de naco bastante salia co-
irioradas de casas terreas duas as 5 ponas nior ruada Cruz. D. 1 ou ao Capilao e nhha aft rivel. para nina familia l-.vale'ua .
DeeH, e a mitra na ra do Colovcllo D o mesmo vende a pequea por ao de lastro r(M todo o servjpp de. urna rasa e ra ; na
U'('avahada esta por 800,000, c aquellas de pedra que conduz. o dilo Hrigue. ra da Ponba D noso-iimlo and ir
or 1(00000 cada urna, por execu o de PARA O HAVRE o lrigue Franeez Ar- ^f jMnls barretinas uoi de pillo. e 011-
Francisco Antonio de SouzaV contra ende- morique apilao Pcnouf recebe carga e tM de oiado dois c in amos de lustro um
ssageiros o pretende sabir a 20 ds I c/om- rofo com son trassado e urna lauda, ludo J^l0?18 \f
prximo ; trata se com o
vedor Jos Rodrigues Lima; Eserivo Achioly. nas
tST" Na ra da scnz.ala nova D proel- hri
sa-se fallar romo vr. Domingos Al ves Bar- L. A. Dubourcq ra do Vigario n.
losa a negoctq de i
C5~ A commissao
djde Terpsichore
mesma que boje
sero lidos os no vos
tST No da --2 do correntc fugio 011 foi
sedu/ido |iara se deixar furlar, mn molcque
creonlo de nome loao de id dj da 3 anuos,
vestido com camisa e calsa de algodo ollios
grandes e milito blancos a gum 1 coisa barri-
gudo ps a pal helados e com signaos de bi-
chos, viihado M.onteirocom urna pequea
troixa de roupa lavada lo: \i>to ueste dia as
(i horas da larde no lu;;ar di solidad quem
evo a ra 'la prala a casa de Joo Xa-
r 1 da Cunha que ser generosa-
moiilo recompensado
tsr Nidia o do corrate fu,;io um negro
aii;ico, de nome Joaquim, idade de 5 anuos,
altura ordinaria, gro-so do corpo malloilode
pomas, pqs muios apelheUidos, com os dedos
aherlos tfini algnns ca.bmb'os pelo corpo de
ebifole lerou calsa de riscado encarnado e
Iba de riscado amarillo; io(;a-sea
ignalario P*r inferior de G. IV. : no pateo
rj# monto venda do Cardcal
do Livra-
osSrs. Sul.-Piofeilos commissarios a mais
agentes de pojicia pi.nhao as Mas vislas so!re o
lugio da casa de
mero suficiente proceder-se-ha a elcico da caixasd'espingardas espadas facas boles, coso oh i lavadesabo faz. renda, cozinba
nova mesa. agulbas broxas e sovollas de sipateiro e o diario de urna casa; e um negro d* idade
SSy Oahaixo assignado faz saber no res- muilas mindezas de difieren tes quatnb.des de-i1 annos. ptimo servente de pedroiro e
peilavel publico que desaparlou a sociedude quinta feira vintee oilo do corronte as dcz. ho- l raba Unidor de oncbada ; no ai torro da Roa
quetinha com Antonio Francisco Martina ; e ras da manba, no seu armazem da na da Cruz, vista |oj do rerragens junio a Matriz
avisa a os Srs. credores que tiverem contas em tsy obn Mwart Consignatario da Parca SS?* Pon ao de millieiros de lijlos de at-
rtnmeda mesma firma social de Martins & Ingle/a Ma'y-Ch.1ilolte-Ucber arribada 'a venaria grossa", de forma grindc muto
Galvo hajodeasir rocobiTili mesmo \'ar- este porto com agoa aberta faz I.oilao por gro so bem coz. id o o por proco rom modo ; u
tins pois que o abaixo assignado por nadase conla de quem perleueer, o por intei vemao na ra de agoas verdes por cima do assou- t5p"0 abaixo assignada ro,,a a loii.is as au-
rcsponUl)elisa Anireto Jos Galvo. oCorrotoiOliveira de t.inta milbeiros de g" ; thoridados pol.ciaes, e pessoss particulares ,
lano desta como de qualqucr provincia ties-
to Imperio lbe la' ao o lavor de prender, un
que anda fugio desde de Janei-
oile 18 6 cajos signaos sao os seguinles ;
rapo quesera recompciib
tsr o dia 8 do p p
Jos Alexandre Fot reir lra pr#tq creoulo,
de nome Mailiubo alio, re'orcado do corpo,
bem pi oto pouca I arba e quando anda lem
um goilo om um p por causa de una tri-
Ihadura ; quem o pegar le gundes '. 7 que ser reeoinpensado.
spons
tsr Faz.-se chapas para marcar bolacha ,
e concerta- se caixas de tartaruga para rap;
na ra Direita deironle da casa Decima vinlo
e seis.
tsr Prccisa-se tle urna mulher para ama
lijollos de ladrillio niuilo hem cosidos c de for-
ma quadrada o sextavada do sessonta toneE-
ladas de ca vao pedia de cinco cestos de \i-
nbo champanha setenta Ccinco harriz de 1-
pontea de tartaruga tiara 1
lila pela do os- seu cscravo que anda lugio.desde de Janei-
catrao o cenr I ol,oes de manleiga de porro ,
de urna casa de pouca lumilia ; quem tstiver sexla feira vinte e nove do corr ule s 10 botas do cabug I), i
nestas circunstancias annuncic. da manli no seu Estritorio na nui ih Cruz IST Lina mtala do idade de i5 annos, co- al<{rc nn"ll) ld,u9 ,1,lla 8a6a '
i.ollos paia so engomma co/inha c laz lodo o mais mais fiando '|,,pr lullar de Pf" le
Ssy Aluga-se um sobrado para se passor a onde j se acha as amostras dos l
SO- Fitas de garra e sarjada, biros dcli- la,,J V* ,?MB,ae ^^JI^I? ^Tl
ntio ligas de seda
matrafas pontos do alisar
riovor a
anuos estatura baixa grosso do corpo ar
c mulla
111 limito
sver a'oc .00 ts o frasco tinta azul e l0 (IC ', tll.l"b -
'a. nada ludo por prero com modo ; na ra i Mcto ial,,,,da e. nome JSe "llHle fesla com bstanles commodos para familia
na Cidade de Olinda ra de S. liento de-
fronte ila ladeira do varadouro por prec.o
eommoda ; a tratar da ra de ogoa verdes D.
3t no segundo andar.
tsr Tirou-se duas cartas do coi icio por
engao sendo umado Rio Grande c outra
do Porto com o nome Antonio Jos de Car-
valho ; a quem pertenece procure-as na ra
da scnz.ala ve!ha n 3 .
tsr A pessoa que-ti ver urna escrava que
sirva para o sei vico de urna casa e comprar
na ra dirija-se ao sobrado atraz do palacete
que foi do Monte i 10,
tsr 1 esapareceo ao amanhacer do dia a4
dcorronte ; lima ranoa iberia de carreira .
que se acbava no eslaleiro de finado Figueiie
do por delraz da Igreja dos Martirios; quem
del la soiiber ou livor noticia parlecipe ao
Lscrivo Alinoida que ser recompensado.
exameclos vrs
ser vi 10 de urna ca
dos
peileiiflenlos. serviiocie u.na casa ; na ra atraz
tST O loilo annunciado pata 27 do cor- tirios ca-a de < rotulas verdes. eugommar
rente lora I u;;a ripia rta feira 7 do crtenle al tST l na cama de conduru'om multo bom bom vendedor 110 que se emprei.ava quando
ar_ i .*-'1'0 de tratar
uso e entenda de
do.crianca s..l coser clia c
adeiro he
nova oslado, na ra atraz dos
IJ -.
Martirios 11. 311 e
o horas da maulla no armazem ra ra
D 14 ? onde clevem entrare -l\ figuras
parajardim de muilo I om go-lo em fajes XST Urna porcaode frrramonta do carpina,
de 2 c de i e urna porcn de Hvtos sendo em bom estado e por pre3o commodo ; na
varias colecoens e outros muilos oh eilos que ra i\,\ Aladre de |)eos n.
ostaro patentes nesta occasio; assim como re- tST ois casaos de pombos e urna rola
cebe lodo e qinlquer ohjecto para ser vendido do sel l.io ; na na do Jardim I). .
por meio deslc eslabeloeimento tST i m pelo tanoeiro ; no forte do ma-
tST No armazem da ra nova D 34 faz los armazem do Campos,
leilo boje pelas 10 horas da manh de 4 tsr L'mcaxoiro de Terra Nova, proto e
lu
molalinhos mui lindos de idade de 5 a o
annos.
C o 111 p r a s
tST Precisa-se alngar urna parelha de ser- travs de 3 palmos de cornpi ment
lores, pagando-se n oris por dia; na em quadro urna dita de 40'ditos ,
rad
pracinba do Livramenlo n. 29.
MT" Qualquer Sacerdote regular, ou se-
cular que quiser dizer missa em urna cape-
la particulat no monleiro desde o dia em
que contratar at dois de Feverero do anno
vindouro procure na ra do Terco, casa
de Antonio Jos Terxeira Bastos
ny Hezeja-se fallar a negocio de seos in-
teresses aos Snrs. Antonio Jozeda Cosa so-
brinbode Jos Joaquim da Costa e Rafa I
Ananjo de Cmalho Fanfa filho de Joaquim
Alws'de Lanalhol anfa : roga-se-lhcs an-
niii.ciem suas residencias, ou procurem a
.andino Agcstinbo de i arros na Pracinha
do Corpo Santo D. 17,
tsr Para a obra que se tom de fazor no
forte do buraco os materiaes seguinles ; -
lo e de un
e de un
em quadro ditas de >5 ditos e palmo 1
coito, a 1 caibro de opalinos, citidilos di
4o ditos v duz.ias de ripas 5 laboas d
cosladinhode amarcllo ti pares de dobradi
as de tarugo para chumbar leudo de asti
2 palmos i Icixadnras de brocas 00 pro
goscaibr.ics r00 ditos ripacs 'ioo lelbas
Ivoo lilos do ladrilho 'o alqueiros de cal
2 solcirasde pedra de .'i palmos de compii
to ei em quadro elrez arrobas de chuin
bo ; trala-se na fortaleza do lii um no di.i lio
de Dezein 10 prximo co.no Pnente An
cielo Lopes de S Anua
> O primeiro lomo das obras compiti
eFilinto Elysio, niva, ou em bom uzo j^
de tamanho c linda cor que aqu lem ap-
perecido ; na ra da a bodega vaina arma-
zem n, -V
tsr Cobertores de algodo proprios para
escravosa 0,o ; na pracinha do Livramenlo
' 9
tsr No sitio da Tamarina na estrada dos
UHictos deironle do r. Silvestre muilo bom
apim de planta palhas de oqueiros e (
.Iqueires de lamarinos ; o capim manda-so
oor a porta do Ireguez onforine o ajus le
tST Lma Irrelina nova para olhcial do 4-
orpodo arlheria, na ra velba n. j.
IST Hirlias de loa qualidade o cenio a o
.ilrs e a reta [bode 80 ra a 20; na rus
la cadeia venda de Jos Gons I^es da Fonle
ZST rios de oiro ro/olas de dilo. um
acilim toa Ibas e guardananos de lotloa Os
''manilos, de Gnini.iracs unioavallo casta-
lio 11 is '1 ponas j.
BT" mca allo rod fldo escuro, bom car-
ogador l.aixo al meio, o sem aih.nue al^iun.
pa. a da lioa vist a botica D. 1U.
tsr Pois palalivos 5 bicudos e 3 coriiis .^
consta que Ibi *Ulo primeiro en Jia-
baiana depois na Paraiuba e no destlelo
de S Hila, d dla pro\incia, poreni nao
leudo sido possivel ser pegado : o annunci-
anle se obliga a toila e qual uer desposa cjua
bouur do se l'a/or com sua priso ou com
parlecipaooens lbe sendo entregue nesla pra-
laodilo esclavo alem disto lera 0000 de
grafitica.ao, Manoel Ignacio da Silva Tei-
veira,
BS" Roga-se as aulboi dados policiaes e
Capiles de campo a aprehenijo de um cscravo
creOQin de nome Pidro I innne ollicial de
sapaleiro alto, secco rosto comprido, anda
por osla Cidade e pola de Olinda inculca-
so por lorro quem o pegar Ice a casa de a-
noel Jos GonsaUes braga juutoao arco de S
Antonio ou a seu Sr. Laelanu Francisco de
Barros Wanderloy no engenboeaxocira do Se-
rinbaein de quem receber j,oo de gra-
tilica o

i
)}
^uviiucnlG NAVIOS ENTR\DOS NO DIA .G.
IaCEIO'; Brigue Escuna de Guerra fVac.
yclheroy l.ouimand.inle o apilao Te-
ole Antonio Conrado Sabino ; conduz. co
rciiuus,
REC1FENATYP. DE M. F. DE F. 1839
MUTILADO