Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08699

Full Text
Anno de 1839. Quinta Feira
Tudoat>ra depende d noa mesmos; da notu prudencia, moderel
to, e energa : continuemos con o principiamos e serenos aponiadot
con admiraco entre as >arej mas cortas.
Proclamaco da Asstmblta Geral do Bfatil.
CE
i--------------
-
Subsereve-aepara esta folba a 3#ooo por quarlel pago* adiantadoa
sia 1 ypografia, ra das Cruies 1). 3, enaPracada lodependencia
3f DE NoVEMBRO. NuMBf> 2>S*
Mr
Resta
D. 37 e"5r*n ' nsirindo-se estes 31 atis, sendo dos proprios asignantes, e rindo assiit-
lado. *
Partidas dos Correios Terrestres.
C?tadJ! 1? Paraliiba Villas de sua pretencio...................\
Dita do Rio Grande do Norte, e Villas dem...................L c .
Dita d Fortabia e Villas dem. .........................| Segundas e Sextas^Feiras.
Villa leoiann..................................)
vii j OI'"d"..................................Todo* w *"
Villa de S. Antao..................................Quintas fairas.
n i^??""^*. '.Povo,c^ 0 BoniU ...............DlM *. e a< d' ""
Ditas do Cabo, Sermliaem, rlio Formlo, Porto Cairo............dem 1 11, e 2, ditj dito.
Lidade das Alagoas, e Villa de Macei.........................dem dem
Villa de Paja de Mores.................................Id.,, jv dito dito.
iodos os Corretos partem ao meto da.
CAMBIOS*
Nove*io. 50.
tondres......33 por ffooo eed*.
Lisboa ....... % ptr 0/0 premio; por swmiagaraaidaj
*'.**<....... o> res portrane.
r>io de Janeiro ao par'.
OOHO jToeda. de 6|*oo r. TeftW .
t "a ,, ., o* tghom a i MATA vT rf*B,*'BO,M" 4"* V*
ritA TA PaUeoes Branleiras ..-...- r/tUo a i#J6
X"05 co|,nics *------------- |>4o 15Aa>
Ditos Mexicanos.......--- ifSjo ,. ,|u
Premios das Letras, por mez f 1/8 a t rp por fe*
Moeda de cobro 4 a > aer ieode diat
Das da Semana.
18 Segunda -
19 Tarea--------
a Q.rla------
al Quinta-----
aa Sexta -
a3 Sabbado
a4 Domingo -
S. Cecilia V. ----------- Se d Tire*. aud. do 1. rh D.'da .'T
b.ClementeP..........*. Re. aud. do J. de D. da i. *
b. J0S0 da Crux C. ------- -
Mare chela para ffdia 2 f de Novembro.
Af 5 horas t 18 minutos da sa.nL- As & horas e minutos da tarde.'

PERNAMBUCO.
fOMMANHO DA' ARMAS.
Expediente do dia 14 do corrate.
Officio-Ao Exm Prezidente, remettendo-
lhe o orcamcnlo das despezas que se tem a fa-
zer com o concert de dous quartos do Forte
do 1'uraco cujos lect s se ahalero e d-
zendo-lhe que brevemente far remessa do
orcamcnlo dosoutros quartos domesmoFor-
te que se acho arruinados.
I ilo-Ao Inspector interino das Obras Pu-
blicas, para que houvesse de mandar apresen-
tar ao 1. Teen te Anadelo Lopes de Santa
Anna os mesmos Mestre de Carpina, e Pedrei-
roq ao Forte do Buraco (innato hido avallar o
material prerizo para o concert dos quartos
arruinados.
Dito-Ao i.'Tenente Anacido Lopes de S.
Anna communicando-llie em resposla aoseo
officio desta data o exposto no que cima se
disse ao Inspector interino das Obras Publicas.
Dia 15. .
Dito-Ao Exm Commandante *das Armas
da Corte acensando o recebimento do seo of-
ficio de a do corrento mez e a apresentacao
dos soldados no mesmo mencionados sendo
desertores do -i. Balalho d'Arlilheria ,e um
destinado ao servico da Ilha de Fernando
Dito-Ao Inspector do Arsenal de Marinba..
requisitando-lhe transporte para desembar-
que de Irez pracas que se achavo a bordo da
Barca de Vapor S. Salvador, ebegada da
Corle.
Dito-Ao Director interino do Arsenal de
Guerra, para mandar receber amanba pe-
las t botas do da do Commandante da Guar-
da das Rendas internas os pertences da mes-
nia Guarda que pela transferencia da Re-'
partieo para a caza onde se fez o troco da
moeda de cobre ficou iluminada da Guarni-
co.
Dito-Ao mesmo, procurando saber se o Ar-
senal tinba os j> retizos me os para desmontar
e conduzir as qtiatro Bocas de fogo que se a-
cliavo no abandonado Forte do Mar e no
cazo contrario que partecipasse a fim de se
da 1 em as precizas providencias.
Dito-Ao Commandante interino do Forte de
Gaibu devolvendo-llie os papis de Conta-
belidade que em viou com seo oflu-io de 14 do
trrenle para os reformar no sentido que se
indicava e dando- ll.e varias determina oes
acerca da mudanca do Destacamento e de
ouiros objectos tendentes a Disciplina do mes-
mo.
Dito-Ao Commandante interino do 3. Bata-
Ibo d Ai tilberia para mandar receber no
Arsenal de Marinba una Lancha e trans-
portar para terra trez soldados vindos da Cor-
te na Barca de Vapor S. .Salvador dous que
ero desertores do Balalho do seo interino
Confinando e oulro quedevia ficar addido
predilosannuncios*
Avista do que cumpre-me dizer a V. S.
que lendo annunciado para se pagar aos Em-
pregados que nao tivessem Emolumentos nos
das 5 a ? do corrente mez ; no mencionado
dia 5 receoi urna Portara de V. S suspen-
dendo os pagamentos e tendo no dia x rece-
bido mitra determinando a continuado dos
mesmos deixei de fazer novos annuncios po
me parecer desnecessario por terem concorrido
a receberem os seos ordenados al hoje os di-
tos Empregados : neo que me cumpre imfor-
mar a V S. Thezouraria Provincial de Per-
nambucoiSde Novembro de -8 o. Illm.

THEZOURARIA DA FAZENDA.
Kxpedienle do dia la.
Officio-Ao Juiz de Direito do Crime Presi-
dente dos Jurados ponderando-lhe que
tendo a Thezouraria de entregar no ultimo do
corrente mez ao Exm. I residente da Provin-
cia diversos trabalhos que exige o Tribu-
nal do I hezouro dos quaes tambem se acho
encarregados os primeiros Escriturarios Miguel
Antonio Pereira de Oliveira e Antonio Vi-
tal de Oliveira que acabtvo de ser cha-
mados para a presente Sesso do Jury sedi-
gnasse por em execu o o que eslivesse da sua' ,
parle para que os mesmos Empregados po- Snr. Joo Baptisla Pereira Lobo Jnior. Jo-
dessem voltar para o, seus Empregos, sendo o Manotel Mendes da Cunha e Azevedo,
dispensados de comparecer mais em dita Sesso. 1 hezoureiro.
da i 3.
Porlaria-Ao Collector de Diversas Rendas
de Sanio Anto prevenindo-o que se vai pro-
ceder na forma da Ley caso nao d cumpri-
mentoat odia j5 do corrente Portara de
4 de Outubro passade em que se lite reco-
mendou aenvialurada Guiados rendimentos
da quantia de 1 :aoos' rs que recolheu em de-
pozilo ao ofre em > 'issim a importancia das Letras vencidas seu
cargo
Dito-Ao Collector de I" versas Rendas de
Nazarelh ordenando-lhe mande recolher ao
Cofre o importe das Letras dos rendimentos a be a malla para Lisboa boje
seu cargo que nelle se acho vencidas fa- tarde
zendo esta entrega ate o dia 5 do corrente. I
da < .
Officio Ao Exm. Presidente da Provincia
pedindo-Ihe em consequensia da mudanca
da Recebedoria de Pendas Internas e da Meza
de I endas Provinciaes do Pateo da Rebeira
para a taza da Thezouraria onde se fez a Illm e Exm. Snr.J^M partes hoje recebi-
opperaco do tioco da moeda de cobre, para das consta sement que foio prezos hontem a'
expedir as suas ordens para que d ora emdi- minha ordem e ti verlo hoje deslino : Fran-
anle se ponha de dia urna sentinella na porta cisco Antonio de Oliveira, pardo, eLuiza
da dila caza e outra na da entrada da The- Mara branca pela n. patrulha das 5 I on-
zouraria prxima dos Cofres at qne se fe- tas por desordem e Joze preto escravo
de Manoel Pereira pelo Sub-Prefeito da
Diversas Repnrticoens.
ALFANDRGA DAS FAZENDAS.
- A Pauta he a mesma do n. % 47.
MEZA DO CONSULADO.
~ A Pauta he a mesma do n. a54-
COR R FIO.
O Brigue Portuguez Felis Destino
rece-
aa as 5 horas da
O Pataxo Oliveira, recebe a malla para o
Rio de Janeiro hoje ji as 11 horas da manha.
PREFEITURA.
PARTE DO DIA 19
e destinado para o serwce da liba de Fer-
nanda*
Lilo-Ao mesmo mandando com urgencia
organizar urna conta do que se eslava a dever
de larda metilo as Pracas destacadas no Rio
Grande do Sul at o dia em que se deixou de
tirar para ellas quanlitalivo para o mesmo fal-
damento e enviando-lhe urna relaco das
Pracas do Corpo' xpedicionario a mesma Pro-
vincia para que no l.ivro Mestre notasse as
allerace deeorridas de \n de I ezetubrs de
16J7 ao ultimo de Junbo do correle anno
e abrisse asiento aquellas que ainda nao
fin bao, i
chem as portas e de noite huma sq dentro
do pateo do Palacio em lugar que possa ver
as portas e Janellas ; e Iembrando juntamen-
te que o corpo da Guarda que se acha no re-
ferido i ateo da Ribeira pode ser retirado ,
sendo assim conveniente.
Boa-vista por suspeila de estar fgido.
DIA ,0
Illm e Exm SnrI oro presos hontem
minha ordem, e tivero hoje destino: Ma-
noel do Nascimento preto por um Soldado
I ito-Ao mesmo informando sobre os officios de Polica por conlravir as ordens eslabelle-
lo i rehilo e do Promotor 1 uhlico da Co- cidas eterlhe rasgado a farda ; Joo Anlo-.
e ("aciano tambem
esle escravo
d
marca de (iaranhuns em que parteciparo
ter sido aecusado, e pron
de versas Rendas do mesn
de Miranda Aibuquer
recebidu deveisa quaniiasuo imposto da Siza do, e o segundo ~ requer ment da seo Sr.
dando conhecimentos por elle assi nados e e Antonio, igualmente preto, pela I atrulha
passados pelo punho do f'scrivam sem a for- da Sinta ( ruz por suspeita de estar fgido.
malidadeesseiicMl^recommendada pelo fiegu- E' o que consta das partes boje recebidas
pela sua miseravel condico, eu respeito cg
direilosdo homem eu reconheco qtie huma
semelhanle pena deve ser applicada com todo
o escrpulo e reflexo mas quando Srs., at-
iento na conissao do proprio reto quando ex-
amino as pravas concludentes que existem no
proeesso, quando reflieto no sangue fri ns
perveisidade com que o reo projeclou o delicio,
e preparou o lugar da execuco aguardou oc-
casilo em que melhor podesse segurar a sua
victima, quando considero nos motivos que
lerara o reo a commeller hum horroroso al-
ten lado nao hesito em pedil-a. Comefleito
hum homem quesuSbcando todos os sentimen-
los naturaes perturba a obra da Providencia ,
contraria os designios do Creador, corla o fio
da existencia material, e priva o seu seme-
lhanle do bem mais precioso que Ihe loi con-
cedido pelo Ente Supremo para vingar-se de
huma lgeira e supposla otfensa merece ser
olhado com borrar deve ser considerado co-
mo inimigo cruel do genero humano e poem
a Sociedade no doloroso dever de fasel-o ex-
piar no patbulo a sua maldade ; porque s-
mente o i igor, e efficacia das Leis pode que-
brar o furor dos acelralos que nao hesitad de
causar huma immensidade dedesgracas para
saciar o odioso desejo da mais brutal vinganca.
Pasma Srs que a ingratido, que o es-
quecimenlo dos mais sagrados deveres chegue
a lal excesso que arroje o homem a era va r o
punhal no seu proprio bemfeitor, e indigna
que tal malvadesa possa ser commettida de es-
paco sim o deudo de que he acensado o R.
nao foi efteito de huma exploso violenta que
semelhanto ao relmpago ofTusca desvair a
raso; nao Srs foi pelo contrario obra da
mais bem combinada reflexo o monstro pode
dormir dous das sobre o seu projecto, pode
procurar os instrumentos mortferos pode ic
escojher e preparar o lugar da execuco po-
de visital-os durante os dous das pode faser
e acertar a pontaria sem que recuasse de hor-
ror sem que o lgubre apparato da morte ,
sem que a lembranea da desgracada sorte a*
que hia envolver a innocente familia do sen
bem feitor sem que a presenca da innocente
victima Ihe podessem desarmar o brec,o homi-
cida mas Srs. de que rentorsos de que sen-
tmenlos humanos pode ser capaz hum mons-
tro O desgra ado Kezerra havia dado pelo
R. a quantia de tresentos mil reis com a ge-
nerosa e benfica condico de sugeital-o a es-
lamento de >.j de Janeiro de 8J1.
Lilo-Ao Arrematante da Illuminaca para
mandar lirar do Corredor da entrada da The-
zouraria o lampio que nelle se acha visto
nao ser mais necetsano.
THEZOURARIA PROVINCIAL.
Illm. Snr. Hontem recebi a Portara em
que me ordena V S. que Ihe informe com ur-
gencia porque motivo anda nao dei cumpri-
meuloa Portara de 8dorotrenle pela qual
se me determinou que pagasse aoS Empregados
Pblicos Provinciaes os ordenados do mez dt
Agosto em moeda de prata somenle lazando os
annuncios necessat ios e guardadas preferen-
cias eslabelecidas por quanlo etao passados i>
dias e anda nao tiaho sabido uo Diario os
nesta teretarta,
TRIBUNAL DOS JURADOS.
15. Sesso Ordinaria a 5 de Novembro.
Presidencia do Sr Ir Juiz de Direito Interi-
no Moraese Silva
Proeesso de Antonio I rogo Cabra escravo do
fallecido Jos Bezerra de Aibuquerque Mon-
tenegro Morte do seu Senbor,
Continuado do N, aa.
Permlti agora Srs. que eu chame a vossa
alien o sobre a enormdade do delicio, sobre
a necessidade de impr-lhe a pena pedida no
Libello ; eu nao poda nutrir o pensatnenlo de
que tosse o reo condetnaado morte smente
todos os sabbauos para pagar-ihe o satano
I i pu lado e recebar acomida para a emana
vindoura, e n'islo consista o captiveiro do
Reo : anda va com a decencia que nao he
commum nos nossos escravos e como se livre
fora : tal procedimento devia chamar o reco
nhec menlo e gratido do coracab o mais des-
leal e criminoso, mas quo diversamente a-
conteceu ? Eu estremeco de diser huma
reprehenso huma ameaca de castigo futuro
por huma falta commettida de proposito fot
bastante para desaefiar as iras oeste monstro
(apontando para o Reo) que o desgracado Be-
zerra havia aquerido ;i seu seio. A morte pie-
matara e horrvei do sen generoso >'enhor e
bemfeitor desse homem geralmente amado e
res|iekado pelas suas virtudes e reeonbec da
bondade eis tuda a gratido do Reo .' A sua
inronsolavel consorte coberta dedo, debu-
Ihada em doloroso pranto entregue a n.aii
truel desesperaco por haver perdido o caro
esposo sus desdilosa consorte para quena sj
I



"w
2
DIARIO
J
P

M IS
C O

> *
-
acabara todas as esperancas murchara to-
das as glorias e praseres desle mundo, para
quem est so meo lo reservado hura leito de dos,
das amargurados e medonhos eis Srs. o
lgubre quadro que se desen-volve peanle vos,
eis lodo o rcconhecimenlo e gratulan do Reo:
o desamparo deste iunocenlc menino, de lo
mesquinha sorle que j he duas vezes or-
pho, veudo-se agora privado dos (lisvellos de
seu segundo pai que extremosamente cuida-
va da sua educaoo huma honesta familia
entregue ao desamparo a conslernaco dos
itmigos do infeliz ede quantos o conheciao ,
eis anda Senhores, a gralido e o reconhe-
ciment do Reo. Eis toda a obra deste ace-
lralo que reveste a figura de homem Nao
desojo Srs. mais ennegrecer as co^es de
huno quadro j por si to melanclico. Nao
desejoainagoar a sensiilidade d'esla Sendos
(oltando-se para ella) que repagada da mais
vehemente magna, se apprescnla n este Tri-
bunal para pedir Justca contra o causador de
todos os seus males para faser valer os l-
timos direilos de esposa para reclamar de vos
a execug dasleis: nao desojo tao pouco fa-
ser presumir, que meexforco pela condem-
naco do Reo chamando sobre o mesmo vossa.
pista ndignaco. Ao Srs.., em nome des-
ta desventurada viuva a quem represento pe-
co simiente justica, peco que cumprais o vosso
ile er
O delicio se acha suHc en:emente provado ,
e o reo del lo convencido ; a cousciencia publi-
ca que aqui representis lem lavrado acon-
demnacao do Reo, resta somente que a sanc-
cioncis e que por huma mal entendida com-
paixao nao deixeis de impor ao Reo a pena
pedida no I.bello. E pederis vos, Srs. ,
dar semelhante cxemplo de fraqueza ? Quere-
reis animar de novo ocrime pelo espectculo de
huma condemnaco estril, cu jos effeitos se-
ria lalvez mais desastrosos do que os da im-
puuidade ? Eu u nao posso acreditar. An-
da retumb em vossos ouvidos essegrito de in-
diguaco que produiiu a primeira noticia
desse horrivel attentado. Nao he possvel que
se tenha desvanecido em vos oabalo, que vos
causn a commocb horrorosa que nao cessou
anda de agitar a populaco tisinha ao lugar
do delicio. Nao! vos jamis daricis logara
que se grave no tmulo do miserando Bizerra
estas palavras consternadoras Aqui jaz hum
honrado pae de familias brbaramente as-
sassinado por seu escravo ; as lis fora inef-
ficazes para vingar a sua morle, Rasta ,
julgai.
Uepois de assim ter dicto o Advogado da
Accusadora e desenvolvido todas as provas
que baseava a aecusacao dice -
O Advogado do Reo Sr. Dr. Juiz de Di-
reito A certeza com que me alfirmaram que
nao havia quem quizesse tomar a defeza do in-
feliz que hoje vai ser julgado e o praser que
minli.i alma sent quando se me proporciona
meios de dar a mo a ura desgraeado abando-
nado por lodos induziu-me a feixar os olhos
tumba, propria inhabildade e aceitar a de-
e/a do reo para a qual V S. se dignou con-
vidar-me : permita-me por tanto V. S. que
en nao despreze um so raeio que me condnza
ao im a que me propuz e que comece a mi-
nba trela submettendo a deciso de V. S as
queloes prejudcaes que passoa expor.
Aleu constituinte foi escravo de Liego Jos
de Carvalho morador em S. Paulo e inteu-
tando libertar-se em r836 pedu a quanta de
qualrocentos e rincenla mil res prestada a
Antonia Espindola tambem all morador ,
contractaudo com este que amortizara a di-
vida com o producto de oito annos de servico ,
que se ohrigava a prestar-Ihe. Este negocio
consumou-se ; Espindola deu odinheiro, e
Diogo passou caria de T.ibcrdade que ficou
em poder de Espindola servtndo-lhe de titu-
lo a divida. Mas como determinasse vir para
Pernambuco a Senhora O. alaria Barbara ,
que est presente, e meu Cliente quizesse ac-
companhar esta Senhora irman de sen ex-
Senhor pelo resneitoso affecto que Ihe tinha,
|em desde seus primeiros annos pediu o
esta Senhora Ihe prestasse 34oL' M para sa-
tisia/er a Espindola o que ainda Ihe resta va.
A >enboi a cedendo a este pedido prestou o di-
jilieiros, e o negocio feilo cora Espindola foi
transferido para o infeliz Bezerra cu o assas-
sinio faz o objecto da presente aecusaco i pas-
sando para mod'ellea carta da liberdade que
servia de titulo a Espindola.
No fira. disto volimlo-*e o Advogado para a
acc-Msadora convidou-a a confirmar ou ne-
^ar o que ncanava de espor, certificandr>-a que
eile confia va tanto na sua proLidade que 011-
ira projva nao qaeria, se nao a sua niesma
afMftjcafe Enlo a Senhora suspeudendo
a*I agrupas, e agradecendo o bom conceilo
qfiFO Advogado fa/ja d'elia ; respondeu He
verdad* que o Antonio (o reo) pediu-me os
3 oU rs. prestados para pafjv a Espindola ,
e como eu nada deberava sem consentimento
de meu Marido, pedi-lhe queTizesse esse ne-
gocio ^e com effeilo o fei j mas nao sei, e
nem me consta que meu Irmao passasse carta
de liberdade quando fez o negocio com Espin-
dola.
Concluida esta resposta continuou o Advo-
gado do Reo : Mas em vez de carta de li-
berdade, que eslava cm poder fia Espindola
apareceagora um papel [no qual neth ao me-
nos o nomfc de Espindola se repele) em que
Diogo Jos que a pcrlo de dois annos j nao
tinha dominio no reo, transfere a Bezerra os
servicos do mesmo Reo por cinco annos. Este
papel de transferencia de servicos he falso e
a falla de reronhecimento das firmas o faz ca-
recer de toda a f Jurdica. Como podia Dio-
go Jos em i838 transferir para Reserva os ser-
vicos do reo, si desde r836 j nao tinha do-
minio sobr'elles? Meu Conslilunte desde
iS36 est liberto; havia sim he verdade,
hypothecado os seus servicos a Espindola por
oito annos, e pela quantia de4'oU rs., po-
rem como conviessena transferencia d'essa hy-
potheca ou engajamento para Bezerra da-
bitou-se para com este na quanlia de i.\o rs.
sentenca que deve str certa, tendo por baze
um principio incerto, Como julgarao oa
Snrs. Juizesde Facto ,ti elles ignoram se de-
vem regular-se pelo Cdigo ou pela Lei de
dez de Juuho ?
Sur. Uoutor Juiz de Direito nao se trata
de um encedente a penas relativo a orden: do
processo trata-se sim de saber se meu Cliente
be ou no escravo e tambem no cazo de
affermativa si be escravo de Jos Bizerra co-
mo pois pade elle ser julgado na. qualidade
de escravo si esta ^uestao nao est irrevoga-
velmenle decidida. E nem se diga que nao
tendo o Art. Si expressamente determinadla
suspendi do processo ella nao tem por isso
lugar.
A Lei foi escripia para os Jurisconsulto ,
e occioso seria enxerlal-a de palavras occiosas
Como poderSoos Snrs Jurados formar o seu
i. i /.o si a questSo do que elle depende est
indiciza ? Seria o mesmo que pretender nm
resultado certo de principios encerlos.
Apezar d'estes argumentos e doutros o
Juiz decediu que o Process conliuuasse.
O Advogado do Reo derigindo-se ao* Ju-
rados dice : Que elle tambem tinha adesgraca
de possiiif escravo, que comparta bem a

NOTICIASS PROVINCIAES.
RIO DE'JANEIRO.
a fim de^h'apnijar eopr s'servicos de cinco !eu pW.at as ideas duras, mas necesaria
annos. Mas tornar-se-hia noreste engaja- jqneacabava de mmr rrorem qtae no -estando
ment escravo de Bezerra ? Nao cerlamente. convencido que o reo era o autor do delicio
Por este mesmo papel, cu'a fulsidade meu pem um escrapulolhc restava de o defender
Conslitnnte sustenta como pode ser conside- prestando este servico a humanidade. Mas
rado escravo, si elle nao be somente objecto queacbando-seencommodadoemsua saude nao
do contracto ; mas lobem parle conlraclante poda ser longo e que portanto reslrin(;ir-se
Alemdetudo islo : dado, e nao concedido a ao exame dos auclos. Sustentou que a
que este papel fosse bastante para reduzr meu confisso tinha sido exlroquida que o reo
le a escravido, nao pode ser considera- 'tinha. sofrido pancadas; que as testen
ClienI
do fa-
do se nao como um papel de venda 5 mas a si- que depunham sobre as circunstancias
za nao foi paga esta falta annulla o contrac- cto atnrmavam empossiveis bem como o
to ; logo o reo nao pode ser cousiderado escra- conhecer que um bocado de plvora embru-
vo de Bezerra, logo nem todas as disposces lhado em um papel branco era aquella mes-
da Le de 10 de'unho de i'5 lhesoappli- ma plvora que elle tinha embrulhado em
cavis; tanlomaisevidenciando-sepeloque.se um papel pardo, concluindo a contranedade
acaba de provar com a declaracao exponlanea com reperguntar as testemunhas.
da Senhora D. Mai a que o reo nunca repu- | Na treplica respondeu ao descurso do Pro-
lou o falescido Bezerra como seu Senhor. E motor com mu breves palavras e entre al-
corro o reputara si com elle contractava co- guns argumentos que espoz no que mais en-
mo com outro qualquer Cdadao ? Esse caval- gistiu foi em que os Jurados do Brazil nao
lo de que se tracta nos autos Ihe tinha sido eram iguaes em atrbuitoens aos Jurados de
apoucosdias vendido pelo mesmo Bezeria I ranea que os d aquella Nadiono eslavam
Minha Senhora (voltando-se para a Acensa- adstrictos a nem urna regra escripia que no
dora) nao he verdade oque acabo de expor ? 9eu juramento apenas se compromeltiam a ter
Nao vendeo o Sr. Bezerra (dirigindo-se ao em vista Deus e a sua conciencia ; mas que
seu Enteado que eslava preseule] ao reo esse os Jurados do Brazil pelo contraro juravam
cavado ? (Sim amrmou o mesmo Enteado) ter so em visla Deus e a Le e que | or tanto
dando sua Mi tim signal de confirmaco com ellos nao podiam apartar-se das desposicoens
a cabeca) S Bezerra (continuou o Advogado) legaes porque nem urna das palavras de seu
considerasse o reo seu escravo abaixar-se-hia juramento he proferida em vo, ou pro forma,
a conlractar com elle vendendo-lhe um ca-
vallo como attesta sua Consorte, e seu En- Guarda Nacional,
teado ? O Promotor dos Conselhos de Disciplina
Depois de mais alguns alguns argumentos da Guarda Nacional d'este Municipio do Reci-
de momento concluio o Advogado sustentando fe faz saber que em consequen ca do officio do
que o reo era liberto e que por maneira al- Snr. Major Commandanle do segundo Bata-
guma podia ser reputado escravo do finado Be- lho da dita (uarda Nacional, lem de se
zerra e submettendo as qesles a decsao do proceder a Conseibo de liisciplina contra o Sr.
Juiz de Direito rcqnereu que previamente Alferes do mesmo Batalho .Sarafim Pereira da
elle decidifse se ellas era de Fado ou de Di- Eonceca l'astos por se ter amentado do Corpo
reito. para fora da Comarca e do Imperio alcm do
Pedrao a palavra o Promotor Publico, e termo legal, e porque sendo o mesmo Sr. Al-
o Advogado da viuva e sustentaras em hre- feres procurado por o Guarda Nacional orde-
ves palavras que a questao era de Direito, nanca do < onselho para intimar-Ihe a nota
Recebemos folhas da Capital at 6 do cor-
renle, que nos asseguraoda sua tranquilidade.
A Sociedade Ltteraria 'Instituto Histri-
co Cjeogrnnhico Brazileiro'j^instalada no dia 11
de Outubro do auno passado s ib os auspicios
da Sociedade auxiliadora da industria Nacio-
nal tinha celebrado no dia J do correte
mez de Novembro a sua primeira sessao publi-
ca aun versara no Paco imperial com aas-
sistencia dos Exms. Snrs. Regente do Im-
Ministro da Marinba General das
Commandanle Superior da guarda
nacional _. \]inistios eslcangeicos Comman-
danle da Fragata Regina Prelados das reli-
gioens e grande numero de outrasjpessoas
de elevada categora tanto nacionaes como es-
tra.ngeiras.
Nj iremos dando publicidade aos actos ma-
is nota veis de tao util Sociedade.
peno,
armas ;
Tratva-se no-Gabinele Porlugue/. de Lei-
hira doestaheleci*enloH a Sociedade com a
denominaco de 'Sociedade Porlugueza de Be-
neficencia com o fim de soccorrer os Porlu-
guezes necessltados.
O Commandante da Galera ingleza
'Iza-
bel entrada de Vew-Castle no Rio de.Janei-
ro no dia i de Novembro aflirmou ao Reda-
ctor do Desperlador Commercial e Poltico, que
nodiadez de >elembro elle partir de Ply-
month e que ali constava que D. Carlos se
tinha rendido a Lord John Hay.
BAHA.
Das folhas recebidas desla Provincia al i5
do correle consla estar ella no gozo da paz e
tranquididade.
RIO GRANDE.
Pelo Patacho Flores entrado do Rio Gran-
de no dia 4 do corrente tinha-se recebido ,
na Corle folhas at nove deOutuhro p. p. ,
e deltas constava nao ha ver occorrido nada de
importante.
O Chefe das forcas navaes tinha partido pa-
ra ;. capital da Provincia no da i5 na Barca de
vapor Casiopca. O General Manoel Jorge
Bodrigues ficava no Ro Grande.
A barca de vapor Paquete,do Sul, que sa-
hira para Santa Catharina no dia treze com
tropa arribou no dia dezesete.
dar
e n reo escravo de Jos Pezerra combalendo qUe a Lei determina para comparecer e
a dea da falta do pagamento da siza e o De- sua defeza nao foi encontrado nem se pode
fensor sustentou que a questao era de facto e obter certeza do seo domicilio poro presente
que oreo era liberto Terminado este debate convida o Promotor ao dilo Snr. Alferes para
decidiu o Juiz que a questao era de Direito qUe haja de comparecer no termo de trinta das
que o reo era escravo, e escrvo de Jos Be contadosd esta dacta para o fim queficaex-
zerra. posto : e lindo esse termo quando nao compa-
De ter o Juiz decidido que a questao er? de pateca proseguir o Conselho sua reveha.
Direito appellou o Advogado do reo requeren- Rccie 19 de Novembro de if 3y.
do a suSpenco do ju!;amenlo secundo o art.
81 do Cdigo do Processo mas o Juiz nao man-
dou escrever o Recurso permctlindo ape-
nas a reqnerimento do mesmo Advogado ,
(ue se lavrasse um Termo de declaracao.
Joze Narcizo Camello.
O Promotor dos Conselhos de Desciplipa
da Guarda Nacional d'este Municipio do He
Ainda insistid o Advocado do reo firman- cfe. faz saber nue em conseauencia do oEcio
do-se no mesmo Artigo para que se suspen-
d esse o curso da cauza argumentando: que
de'erminando o citado Arti>,o que as qesles
encidenlesde que dependerem os Jnlgamenlos
finaes ossem decididas pelos Juizes de Direi-
reito ou de 1 arto segundo a materia per-
tencer, e que duvdando-se si a materia he
de Facto ou de I ireilo decedisse o Juiz de
Direito com recurso para a Relacao clara-
mente se conluia que o legislador nao qtiiz
que a-decislo do Juiz de Direito fosse irrevo-
gavel, e que se Ihe nao incumhiu urna derc-
co desla naluresa porque SrSse diz sentema
irrevogavel aquella de que nao he permeilido
recorrer conclne-se evidentemente que to-
das as vezes neos incedenles de que de-
penderem as dicises finaes, forem decididos
como no presente caso deve-se suspender o
curso do processo appellando-se : por quanto
[dissa o Advogodo] como proferir-se_ urna
do Snr. Major Commandanle do segundo Ha-
lalbo da dita Guarda Nacional tem de se
proceder a Conseibo de Disciplina conlra o
Snr Alferes do mesmo Patalho Jos Peres de
Albuquerque IVaranhao por se ler ausentado
do Corpo para fora da Comarca alem do termo
legal e porque sendo o mesmo Snr. Alferes
procurado poro Guarda Nacional ordenanca
do Conselho para inliniai-llie a ola que a I ei
determina para comparecer e dar sua defeza ,
nao foi encontrado nem
do seo domicilio por o presente convida o
Pron.olor ao dito *-nr. Aderes para que baja
de comparecer no termo de ti na das conta-
dos desta dada para o fim que fita exposlo ;
efindoesse termo quando nao cempareca pro-
seguir o Conseibo sua retelia.
Recfe 19 de Novembro de i83q..
Joze Narcizo Camello.
Noticias Estrariffeiras
Retropecto poltico.
Os Carlistas nao lem repetido em Ingla-
terra os seus motins e reunies mais nio
porque se deem como vencidos, nem porque
desistam de seus planos, aos quaes sao de
certo modo estimulados pela miseria publica ;
tem dado Iregoas ao governo aguardando a
occasSo propicia. Um jornal Francez mui
afilado em suas reflexes descreve em poucas
palavras o estado da Inglaterra com muita
viveza e exaclido. A Inglaterra diz elle,


approxima-se a unja crise mercantil e politica
a sua sorte depende de urna boa ou m eo-
Iheta : a inquietarlo e o temor apoderaram-se
dos seus habitantes as colonias escapam-lhe
das maos, e por ultimo a voz ameacadora de
0-Connel| araba de dar o grilo precursor de
urna commoco lerrivel annunciando a
revogaco da unio Irlandeza. E nao obs-
tante a aristocracia Ingleza cega e obstinada
em sua errnea poltica nao descobre o a-
bismo que ameaca tragal-a. Julga que com
remedios desaccreditados s ha-de curar um
mal inveterado, que faz rpidos progressos
encara a olhos exutos as calamidades publi-
cas e se o infeliz ergue o grilo pedindo pao
e trabalho julga mais acedado descarregar o
lalego para sofforar os seus ais lamentaveis.
Em quanto a miseria nao se tornio quasi ge-
ral a fbr.,a conseguio reprimir as queixas; po-
rem quando todos padecem, e o sorimento
chega ao maior augenao ha j poder que
abale o clamor geral. As noticias da prxima
colbela sao Irislilssimas sabe de Inglater-
ra muilo numerario e o banco apezar do
se pode obter certeza! emprestimo (|ue fez em Franca nao pode fa-
1 zer lace a todos os seus encargos; O connnercio
por consegiiinle descae, e ludo annncia um
luluro funesto. E como continuam os Minis-
tro? a govemar apesar de lanos obstculos er
con! i-a lempo? ? Porque nao ha qemsealre^-
va a substiulil-os ou os que se apprcsen^
tem nao possuem mais propriedadfs do tpieos
3ue esislem no poder para levantar a na,.o'
oseo abatiracnto mortal,
1



DIARfO
D E
PERNAMBU0
Km Franca cncerraro-se n cmaras : ja
'demos coala da neubuma utilidade dos seus
trabalhos pode diier-se que nao fzeram
mais do que volar coro plenilude quantos mi-
llies pedio o minislerio. Este no meio da am-
biguidade e irresoluco que mostra em suas
disposices se preslou mais solcitamente a
auxilir a cauza constitucional da Hespanha ,
tendo-se oflerecjdo para coadjuvar quaesquer
planos de passificaco que o governo Hespa-
nhl queira levar a eCTeito.
Arranca interessada em que a Turqua
seja independenle, e em que se nao destrua o
Reino scenle n o Egypto a Franca que
tem a recear tanto ou mais da sua alliada In-
glaterra do queda Russia acha-se hoje inde-
cisa em vir'tude da miseravel poltica que se-
gu Luiz Filppe que nao sabe o rumo que
deve seguir. Por lodos os lados encontra ca-
cbopos teme despostar o gabinete Britnico,
e ao mesmo tempo nao quer chocar alertamen-
te o S. Petersburgo. E' tal a sua irresoluco
que segundo consta nao se altreveram os mi-
nistros a repellir com enrgica indignaco a
proposta que parece ter feito Lord Palmeston
para incendiar as esquadras Turca e Egypcia
no caso de recusar Mehemet-Ali entregar a
primeira. Parece que as grandes potencias
firmaran) urna nota em que se mostrara ac-
cordes para terminar por va de negociacoes
amigaves a queslo do Oriente ; mais que
nao obstante divergem muito ao consderal-a
secundo o particular interesse de cada urna
nao se tem dado suficiente importancia ao
Egypto abundante em elementos de poder, e
dirigido por um principe rapaz nem se tem
attendido aos amigos que elle lem no Imperio
Ottomano, nem a fatal discordia que nesle
ultimo paiz existe nem rivalidade dos
governadores das provincias Turcas nem
nos desgosts que tem causado o syslema po-
ltico verdaderamente estrangeiro, que se-
guia o Sullo defunlo Todas essas cauzas
que ameacam a dissoluco do imperio dos ca-
lifas favorecem os planos de Mehemet-Ali, a
cuja astucia nao ignoto que Ihe cumpre
ganhar tempo porque assim adiantar muito
os seus negocios Pelo emquanto nao ac-
cedeu restiluico da esquadra Turca e
insiste em suas anteriores pretenges sobre
o direito hereditario s provincias qu-^ hoje
governa, e acerca da demisso de Koscew-
acli.
Mehemet-Ali lem mostrado ser de carcter
inllexivel ; e como conbece as vantagens da sua
iosico certo que nao ceder s urna
brea superior vencer a sua obstinaco. Se
considerarmos o interesse dos povos Musulma-
nos e mesmo o da Europa seria para dezejar
que a fortuna ate aqu propicia ao Y ice Hei
do Egyto posesse em suas mos o ceptro da
Turquia porque ento este imperio aug-
mentado com o Egypto e a Syria e gorernado
por um principe sano e activo recobrara o
seu antigo explendor ou ante s chegana a
um grao de prosperdade e de poder que al a
qui nunca conheceu conservando sua Re-
li;io costumes e condicoes sempre res-
peitaves para os povos nao despresando a-
quellag reformas indispensaveis para os inte-
resses pblicos.
As noticias de Hespanha alcanco al i3.
Nada ha de grande importancia a relatar. Os
carlistas sublevados assassinaro o general
Moreno (o algoz deTorrigos) que tendo che-
gado a Urdax pretenda passar-se para Fran-
ca Elle tinha pedido a sua demisso
porem a muilas instancias de D. Carlos
acceitou o commando e o posto de Tenenle ge-
neral. Na Navarra esperava-se D. Carlos
que pelo em quanto se achava em Lecumber-
ry. Diz-se que o Padre Cirilo Conde Negri
e outras personagens (inham chegado ao ter-
ritorio Fiancez e que se supunha que o
Prelendente nao tardaria em seguil-os. Em
Toloza apresentou-se a Espartero urna mul-
cial da Guarda Nacional lencos de seda de
cores cha isson e outros muitos objectos de
mindezas.
XSf Precisa-se de hum caixeiro portugus
de ia a 14 annos, ainda que se jai i dosqueche-
Boa-vista D. 38 no mesmo lugar ha para
vender 48o pecas de corda propria para an-
dames ou sacas de algodao.
\s&~ Perante o Juiz do Civel da terceira va-
exclusivamente aattencao da nossa imprensa
peridica e j vai sendo objectos das aisser-
tncoes dos jornaes Francezes, e Allemaes.
Do interior nada ha a relatar digno de no-
la.
(Nacional de Lisboa de a3 de Set.)
THEATRO PUBLICO.
Hoje vinle e um do corrente beneficio do
Actor 'olo Maciel d'Oliveira, baver o se- ra, se bao de arrematar duas Casas terreas,
guinte divertimento. | chaos proprios, sitas na na da Gloria do
Depois de executada a nova Overtura inti- bairro da Boa sta numero 5 e nos dias
tuiada Ladame Blanche-dar principio o soea3 do corrente.
divertimento com a mui sublime Peca, que tsr Precisa-sede hum caixeiro para huma
Unto tem agradado ao resneitavel Publico | venda prefere-se Porluguez : quem se a-
intitulada Calharina Escrava deMariembur- rhar nestas circunstancias, dirija-se as 5 pou-
go No fim da Peca o Actor Pedro Baplista tas casa D. 14.
com a Actriz Mara Joaquina canlaro um dos j cy Precisa-se de hum negro, ou negra pa-
melhores Duelos ; rematando o divertimento ra vender frutas na rua ; quem o liver v a
com o mui jocoso Entremez que ha muito nao rua A Cruz D. Co.
se representa neste Theatro, intitulado O 1 j*y Avisa-se a certo senhor morador no
Pintor Ambicioso 011 o Defunclo fingido. O beco do Padre, que baj de se nao importar
Beneficiado nao podendo ir pessoalmenle ca- com a vida dos caixeiros e mais pessoas, e ser-
ia de todos os seus amigos, e protectores, con- vir de correio para com os patres ; islo Ihe
vidal-os para que ocoadjuvem com snas pro-' pede pela primeira vez, urna pessoa que he
tecces e assisteneia porquanto a sua pezada 8Cn amigoo.
tarefa nao Ihe d tempo para assim o fazer I cj- Vende-se ou troca-se um sobrado em
por isso roga-lhes que altendendo as suas fa- (Olinda 1 ua do Amparo, por urna casa tr-
digas e a critica circunstancia de fazer o seu rea em Santo Antonio ; tractar na rua das
Beneficio quasi no fim da Empreza hajade -Cruies D. 19
SS7" Preciza-se alugar at 6 pretos para
servico de enxada dando-sede comer ; qurai
os tiver tnnunrie.
Quem tiver algum negro para singar
para o servico de padaria : annuncie ou diri-
garo prximamente ; defronle da Ribeira da ja-seas 5 Ponas D. 48 ; e igualmente se pre
concorrer com as suas costumadas protecces ,
pois que he de esperar de um Publico to be-
nigno que por mais de urna vez o tem bene-
ficiada.
:as~ .1..
?-""adeires corone, co-
negos, e limccionarios carlistas.
As Cortes haviam encelado os trabalbos.
Depois de constituida a cmara dos deputados
leu-se urna proposta assignada por quasi to-
dos os membros da cmara expressando a S.
M. a saptisfacao e reconhecimenlo que os a-
nimavo por se ter obtido tao assignaada van-
tagem para a cauza publica pelas diligencias
do duque de Victoria edeclarando a neces-
sidade de conceder os foros as proviencias
sublevadas Com efTeitO no dia 1 1 subi
tribuna o l inislro da justica e leu um pro-
iecto de lei para confirmar os foros das pro-
vincias Vascongadas e da Navarra, o qual
IScon para ser quanto anles tomado em consi-
deracao. .
Cada dia se torna mais provavel a continu-
*cao da actual administra, ao de Portugal*!
menor allcraco al reauo das Corles.
' A questo da Inglalerra anda oceupa quasi
Avisos Diversos.
tsy O abaixo assignado faz se ente ao
publico que ninguem faca negocio, nem por
compra, nem por bypoleca do Engenho de-
nominado Crneiro na Freguesia deSerinhn-
em, pois perlende annular em Juizo compe-
tentemente a (loaban daquella propriedade ,
feila e Bernadino Jos Arantes, por haver
huma lesao enorme para o anuunciante e pa-
ra os mais seus Irmos menores. Antonio
Maria de Vusconcellos Borbom.
tsrO Substituto das Cadeiras de Francez ,
e Iuglez do Liceo tem aberlo a sua aula par-
ticular por ora em Olinda ladeira do Va-
radouro terceira casa terrea do lado direilo
ao subir, e as pessoas que pretenderem receber
as suas lices no Recife dirijo-se ao Collegio
Pcrnambucano, a falar com o seu respectivo
Director.
V3~ Alluga-sc oquarto andar da casa na
rua da Moeda ltimamente reedificado ;
tractar na rua do Vgario D. la, com o seu
proprietario
t*y A pessoa que annunciou ter para ven-
der capim no cilio da Tamarina na estrada
da dos Afilitos baja de dar melhor signar
onde he dito cilio, e com quem se deve fallar,
visto ler-se procurado e nao se ter deco-
berto.
*Zf Precisa-se de quatro rentos a qui-
nhentos mil reis, a premio de dous por cenlo
ao mez dando-se firmas : quem os tiver an-
nuncie.
ts&~ Quem procisar de dusonlos e cinceen-
ciza de um Forneiro.
37" Akiga-se pelo tempo da festa na Ci-
dade de Olinda um grande sobrado de um
andar com muitos commodos grande quintal
murado, e muito fresco cito na rua de Sao
I enlocom a frente para o oito da Malriz d^
". Pedro Vlarlir : na mesma Cidade rua
Malinas Ferreira caza n. 4'*.
UT* Quem quizer dar trezents mil reis a
premio com hypoleta em urna caza : annun-
cie. J
SS?" Preciza-se alugar urna canoa que pegue
quauocentos lijlos dealvenaria : quem a ti-
ver annuncie.
%^ Na rua do "Mundo novo penltimo so-
Irado D. 41, precisa-se alugar hum negro que
seja bom car.oeiro para andar em urna canoa
aberta.
tsy Quem precisar d& um feitor porlu-
gue/. para fazenda ou engenbo o qual tem
pratica de servico annuncie para ser procu-
rado. .
* SSf O abaixo assignado faz publico que
deixa de ser caixeiro de Joo Lopes de L ma ,
desde o dia vinte do corrente mez.
Antonio Joaquim da Costa.
cy Perdeo-se no sabbado tarde de/eseis
do corrente indo da rua da Cruz para a pon-
te d'Uchoa o encaixe de lato amarclo de
urna roda de carrinho que cobre o eixo ;
quem o liver adiado, e o queira restituir,
dirijase a rua do Vgario armazcm de as-
sucar D. i ou no atierro da Boavisla ao Se-
geiro francez Mr. Emilio que ser recom-
pensado.
tsr Quem quizer papel pautado de muito
ta mil reis a premio de dous por cento dan- superior qualidade para muzca e urna es-
do os competentes lucros lodos os meses, sobre tante de Jacaranda propria tanibem para mu- 1
pinbores de ouro ou prata dirija-se a rua zica ludo rior preco commodo dirija-se a
Velba casa nova com venda, que se dir quem rua da Moeda N. cento e cincoenta e um.
osd. XSW Quem quizer comprar urna canoa meia
C7- Aluga-se para passar a festa tima casa aberta concertada de novo boa para conduzir
terrea no Poco da Panella defronte dorio, grande familia dirija-ie a rua do Cabug f
junto a casa do Sacrislao : a fullai na botica da' toja de ourives cinco a tratar de sen ajus-
rua do Queimado D. 8. te.
XSF- Quem quiser dar um cont de reis a j cr Perdeo-sc urna cabra bicho mocha ,
juros, sobre hypoleca em um sobradinbo, por cor preta malhada debranco a qual eslava
lempo de um auno dirija-se a rua do Pa- criando e por isso est dando leite : quem da,
drcFlorianno sobrado novo de dous andares mesma sonber annuncie ou dirija-se a rua do
e trepeira. i Livramenio Iqja deferragem N. treze, que so^
tsy D-se quatro centos e cincoenta mil daro as alvicaras
res a premio sobre penbores de ouro ou pra- I tsy Deseja-se saber se existem nefita pra-
ta quem os pretender dirija-se a rua do ('o- ra os Srs. Jos Texeira Aires Luiz Jos da
legio D. 2 segundo andar qne se dir quem Cimba e Antonio Goncalves de Moraes pa-
os'd. ra se tractar de negocio de seus inleresscs.
\sr Precisa-se alugar urna casa que tenba c?- Precisa-se allar nesta Praca aos Srs*
r Jos Baplista Gomes faz publico que se salla inde|iendente da mesma ou um pri- Antonio Pereira de Aguiar 'Joao Antonio de
despedio da casa dos Snrs. Rosa & Irmos meiro andar nao excedendo o seu alu^nel de Siqueira Jos Tarares Caj e Manoel An-
por nao Ihe couvir aos interesses. 11 a 1 4U000 reis. dando-se fiador a contento f Ionio (europeo), que em algum tempo mo-
tST Precisa-se de huma senbora branca, ou pagando-se adianlado, annunc:e para se rou na ru* do Amorim ou quem as vezes fu- |
nacional ou estrangeira. que saiba bem co- procurar. | cadesses Senhorcs aqu nesta Praca. (
zer, e engomar, para huma casa de pouca tST O abaixo asignado pede encarecida-! tsr O Senhor que annunciou querer com-
familia: quem se adiar nestas circunstancias, mente ao Reverendo Snr. Antonio Aires da prar prata velba sendo queira, dirija-se a.
anuncie pois sendo que agrade nao haver Silva Freir queira ter a bondade tornar, rua da Moeda N. cenlo e cincoenta e um que I
duvidaem ajuste. segunda vez, escrever carta para o Snr. Ca- achara com quem tratar.
cr O Portuguez solteiro que annunciou no pito Joo Mauricio Teixeira do Alhuqiier-j CT O porluguez que anr
Diario de ao do corrente querer ser feilor que visto o abaixo assignado ter perdido a que de 10 do corrente se oHerecepara feioruaral-
de sitio dinja-se a inspeceo do algodao Ihe foi entregue,
nos dias uteis das nove horas da manb as Manoel Lourenco Justinianno.
tsr Quem precisar de hum Portuguez sol-
teiro para criado, ou feitor de algum cilio,
duas da tarde a fallar com o inspector da
mesma.
gum sitio dirija-se ao Collegio Pernambu- *
cano por detraz do Templo dos Inglezes.
ST Acaba de abrir-se noatterro da Boa- '
vista D. a3 urna padaria franceza onde se
S25- Quem tiver algum escravo Sapateiro do quem tem baslante conhecimento, queira faz o pao por um meio mecnico que o torna
e quiser tomar obras d sola e vira para fa- annunciar. I melhor e mais limpo ; este modo de fazer pao
t*T Traspassa-se o restante do arrenda-' con becido ja e mu acreditado na Corte do
ment de um sitio todo cercado com boa ca-' Rio de Janeiro deve achar aqui a mesma es- '
zadepedra ecal, envidracada terrago na timajo ,-visto que para o amarar se nao
frente, estribara para dous ca rallos cosi- emprega bracos e s urna maquina, evi-
tando-se assim o misturar a maga com o suor
dos amacadores* Tambem se fabrica tudo
zer-los em su a casa, ficando seu senhor res-
ponsavel annuncie por esta folha para ser
procurado*
537" Quem precisar de hum Porluguez de
meia idade para Caixeiro de qualquer arru-
mago: annuncie.
rey Arrenda-se hum armazem no porto das
canoas : quem o pertender dirijs-seao mesmo
lugar tanque de Agoa para tractar de seu a-
juste.
?C7* OfTerece-se huma ama, que faz o ser-
vico que for necesssario deportas a dentro de
urna casa de homem solteiro : quem do seu
presumo precisar, dirija-se a rua da Cadea
velba D 6.
$T Quem precisar de hum homem para
ensiuar primeiras letras, nesta praca ou fora
del la. annuncie.
tsy O Bacharel Formado Francisco Joo
Carneiro da Cimba, aviza a quem convier .
quclrndo sido nomeado Juiz substituto do
Cnel 011 Crime desla Cidade despacha na
casa de sua residencia na rua da Praia, e
tem designado para as suas audiencias os di-
as qnarlas feiras e sabbados por as la ho-
ras da manb.
527" Na Praca di Independencia numero ai
e aj ha para vender ricas bandas para- oi-i
n ha fora cacimba, e tanque, algumas fio
e ortalice boas arvores de fructo, e
res, e onaiire nons rvorca u>- nunu, c. um amauuui ^* .-...v... -. ...^..^.. ,,.,,,_,,.
perlo do banbo por ser o silio na entrada do mais que pertence a urna padaria sendo os'
Cordeire o nual naga annualmenle cento e' precos iguaes aos das outras. 4,
sessenta mil rei's tenio a desfrnclar ainda por
este iraspasso at o fim de Abril do anno pr-
ximo vindouro : a quem convier dirija-se ao
mesmo silio que achara com quem tractar.
rc^- Quem preciar de um menino de ida-
de lia i5 annos, para Page ou Caixeiro
de alguma venda : dirija-se a rua das Cre-
a caza terrea D. l lado do nascente.
rey Aluga-se urna caza para se passar a
festa na Caza Forte : quem pertender diri-
ja-se a rua das Cruzes D. 7 lenda de Tano-
eiro.
SJ7* Quem quizer alugar urna meia agua
por detraz de Santa Rila Nova: dirija-se a
lima piulada de novo no mesmo sitio.
tW Precisa-se de um feitor para um sitio
distante desta praca meia legoa que entenda
de plantares e trabalhe de fenxada : dirija-
se a rua do Rozario quina do peixe frito na
venda.
Farinha de trigo Pernambucana.
tsr- A Fabrica de vapor vende fni inha de*
Irigo nova de mui superior qualidade, da]
primeira, segunda e lerceira sorle, e por
preco commodo ; igualmente rende sacras com.
i'arellos mui frescos proprios paia carallos por!
serem mui nutritivos cu jos gneros se achaof
venda na dita Fabrica na Boavisla e no
Recife nos armazens de Joaquim de Souzaj
Piulo c na ma da Senzalla nova D urna.
t^> No seguimento da rua da Praia junio
casa do Sr. Yianna, ha terrenos para veu-
derfaposse) com os palmos de frente, qnrf
cada um quizer ; vendem-se baratos fascn-J
do muita conla a quem quiser comprar o res
lanle ; pois se perlende estacar e alienar pa
edificar o pretenden tes dirijn-se rua da
Senzalla nova urna que ah acharad com
quem Iralar.


DIARIO DE P'ElNMBC C'O
tsj- Quem tiver algiH oegro para alugr
para srvenle de pdaria dirija-se as 5 pon-
las padaria U. 4*.
fST Aluj'a-sc v.m prelo lorie para socar as-
. suca.- ou srvenle ; na ruada moeda i
m Aliryi-si; un silio na estrada do mon-
teiro com cusa de pedia e cal com multas
ryures de (rucio, banlio perto tertrboa ca-
cimba para passar a fesla ; a tratar na pra-
ca da Boa vista venda da quina da Matriz
, ). i.
s_y Precisa-sede urna ama para casa de
i nm liomcmsolleiro, para cozinhar engom-
niar e comprar na ra na ra de agoa>
[verdes venda grande D. um.
tZF Precisa-se deccm mil rs. a juros so-
bre pudieres zes ; quem quiser dar aniiuncie
cy Qualquer Sacerdote regular ou se-
fcular que quiser dizer missa em urna capella
particular no Monteiro desde o dia em que
contratar a'c dois de Feverlro do anuo vin-
douro procure na ra do Tergo casa de
Antonio Jos Teixeira Basto.
$~f Johnes Edwardes eosmais credores
de Tliomaz de Aquiuo l'into Bandeira, avi-
so a quem convier, que na piara do Sin
JL'r. Jniz de Direito do Civel da primeira vara
que lia de ler lugar depois da audiencia de a1
do correte na ra do < respo D. 5 ho de
ser arrematadas as fazendas pinhorades ao di-
to Tliomaz de Aquino linio Bandeira, e por
issoque lie essa a ultima praca as pessoas
que as ditas fazendas quiserem hincar hajao
de concorrer ao referido lugar.
SSF* No dia ao do corrente perdeo-se urna
carleira des de a Madre de Dos al a lingocta.
onde se acliava dentro urna ordem de 32oos'
a pagar pelo Snr. Coronel Francisco Jacinto
Pe reir e it ooo ene sedulas um bilhete|da
actual loteria do Livramenlo de n 4)a^ > e
um requerimento com licenca para fabrico do
Brigue Porluguez Experiencia e como o Sr.
Coronel ja esleja prevenido para nao pagarse
nao ao proprio ; roga-se a quem acliou dita
carleira, quena eutrega-la no largo do Cor-
po Santo loja de cabos de Caetano da Costa
JVloreira (pie sera recompensado.
liy O porluguez que no diario de ao do
corrente annunciou querer ser feilor de um
silio ou criado dirija-se a ra do Aragao
D 17.
CT fTerece-e um rapaz brasileiro para
" caixeiro de ra ou armazem tanibem se
sugeita a escrever em algum carlorio ; qum
precisar annuncie.
Avisos Martimos.
1 o horas da manhS no scu armazem da ruaTrorcelane branca de muito bom gosto, vinlios
da Cruz de l'ordeaux champagnhe de superior qua-
No dia immedialo sexta feira a- do lidade vinho de Xerres e Porto ervilhas
corrente as mesmas horas continuara o leilSo sardinhas em conserva, fructas da europa,
e consistir de espingardas para caca ditas ludo ebegado ltimamente ; em casa de A.
lasarinas parnahibas facas de diferentes Hosch ra da cadeia velha D. 17 pnmeiro
cualidades pennas para escrever. demuilas andar.
miudesas de prompta venda e igualmente de
Ires magnficos piannos inglezes de muito acre
Jitado aulbor.
isr- Que se hade fazer quinta feira a 1 do
correle as 11 horas da manila na ra do
Trapiche novo dos seguintes objeclos slva-
los da encendiada Galera Americana Harold
os quaes ho de serem vendidos por ordem do
onsul ; e por conia e risco de quem preten-
cer ; una lancha leme quatro remos 1
coletos de gavia 5 paos de colelos urna pi-
pa baldes e um espeque.
C? Quinta feira ai do corrente a< dez oras
do dia continua o leilo na ra nova )>. 54 do
resto das jolas de onro e alguns brilliantes ,
entrando um rico adereco de filagr, urna por-
cao de colberes de prala para soupa urna di-
ia de vidros de crislal consistindo em garra-
las ecampoleiras nm lustro de ololuzes ,
1 lelogios sendo dois de ouro mo!erno que
regulo mui bem e dois para cima de mesa,
una burra de ferro pequea para sedulas ,
duas ricas coleeoens de quadros para sala un
jogode espclhos grandes, e dois pequeos,
um hamburguez eontro inglez um apa re no
de mesa de louca azul e oulro dilo dourado
para cha, obra de bom gosto, e mais alguns
mo\cis que esta rao patentes; assim como se
recehem todo e qualquer objecto lano novo,
como u/.ado para serem vendidos por mcio
desle eslabeleeimento.
tST Hoje a 1 do correnle as 10 horas da ma-
nba na ra nova casa de leilo 11. 34 dos se-
SET Um molato claro, grande official di
carpina com 5o annos de idade, e com a
mulhpr Umbem parda de idade de to annos.
oplima rendeira cose cha engomma liso .
e i'ozinha o diario de urna casa e cora os 4
filhos sendo 3 molatas e um molato a
primeira de 7 annos a segunda de 5 e a
terceira de 3 o malato de a annos ; na ra do
crespo D. 7 do lado do sul.
5=y* 900 a i5oocbifrpsde boi por pro-
co commodo ; na ra da cadeia velha loja D
nula e quatro.
Cj- Urna parelha de cavallos alazoens o-
veiros proprios paracarrinho ; na ra do co-
legio em casa do contador Francisco Loduge-
rio da Paz.
K3" Um pardo official de alfaiate de ida-
de de ao a a5 annos he muito claro e pode
servir para pagem nao tem vicios nem acha-
ques ; no atierro da Boa vista sobrado D .
no primeiro andar das 6 as 9 da maulla, e
das 3 as 6 da larde
I2f Urna canoa de carreira aberta muito
commoda para carregar familia : na ra Di-
reila n. ti.
C3" Panno de linho de Alemanh ; em
casa de Hermano Mehrlens ra da Cruz
D. 5.
SST Potassa de superior quilidade em
barra pequeos por preco commodo $ em
casa de Me. Calmont &Companhia.
C^- Selins elaslicos estufados no assento ,
c com molas e cabe adas brancas redondas ,
C9- Potassa da Russia em barris pequeos
chegada agora, e farellosem sacos de quali-
dadesuperior ; emcasadeN. O Bieber &
I Companbia ra da Cruz D 6*.
r Urna hegrnba do gentio de angola de
idade de 1 annos cose faz renda e ce
zinha o diario de urna casa ; no beco'do Bur-
;os no segundo andar do sobrado que fica por
letraz da casa donde mora Manoel Lourenco.
ty Um escravo de naco de idade de vo
innos de bonita figura com officio de pedreiro,
e coznha o diario de urna casa e ptimo pa-
ra qualquer officio ; na ra do (lozano da Boa
vista no segundo andar do sobrado defronte da
S. Cruz.
tSF Pratica Criminal por Ferreira e o
astriota Luzilauo ambos em bom eslado ; na
ra eslreita do Rozarlo botica de Joa Pe eir.
it Urna escrava de naco com algumas
babelidades ; no fundo da Igreja do Terco so-
brado de um andar.
=> Urna vacca com urna cria de seis me-
zes a quald dez medidas de leite muito
mansa e feita a corda ; na estrada do Reme-
dio sitio de Miguel Crrela de Miranda o
qual faz todo negocio por nao ter pasto para
a menina.
guintes livros que se arremataro muito en- silbas de la courode lustro estribos de as-
conta; obras de Mirabcau 9 v. Volney 8 vo- so pulido ebegados ul I mmente e bichas
lumes- DAlembert 5 grandes volumes- Ge- boas; na ra nova loja de Antonio Fereira
og rafia de Casado G i raides 4 v. Elncedario- da Costa i raga. n.l3cif.
Oricem dos Cultos 4 v. Lavater 5 grandes tT Na ra da N'oeda armazem defronte da
casa de morad a doSr. Braga velbo se vende
____________________________ em pipas barris e garrafes o superior e
(J O 111 I) I* 'l S ja muito conbecido eapprovado vinho do san-
_________ Quinal como o mcllior que vem da Lis-
volumes
tST Quatro escravas com algumas habeli- boa por preco commodo.
dades ; na ra Direila loja de couros I. 18. C^" Um escravo de bonita figura, bem
tsr Um oratorio em bom uzo ; quem ti ver possante, esabe perfeilamente trabalhar em
annuncie. padaria ; na ra Direila padaria D ia.
_____________________________________ i35" Urna canoa aberla quecarrega mil ti-
V 6 II (IaS 0*os na rua Direita D. -/i.
tZT h couros salgados ; na pracinha do
PARA A II HA DES. MIGUEL, segu
imprcteriv cimente al 70 de Dezembro prxi-
mo o bem conbecido Patacho Porluguez Pa-
quete da Terceira de primeira marcha for-
rado e pregado de cobre tem excellentes c-
modos para passageiros e anda pode rece-
her o completo de seu carregaincnto ; trata-
P se com Antonio Francisco Santos Braga rua
da moeda n. 1 ;>..
PaRA OMARANHAO'o vclleiro Brigue
Inglez Aun ; quem ipiiser carregar ou ir de
passagem dirija-se a Me. Calmont & Com-
panhia.
PARA FRLTAR para Liverpool ou qual-
quer oulro porto da Europa o superior Bri-
gue Inglez Rorlh l'ole de primeira classe ,
forrado e encavilhado de cobre os preten-
denles dirijo-se a Me. Calmont & Compa-
nhia.
PARA 1L11A DE S. .1GUCL com escala
por qualquer das ouiras libas dos A ores o
Brigue Poituguez \aleroso, Capilo Joaquim
osdeOliveira segu viagem com brevi-
dade : quem quiser carregar ou hir de pas-
sa-'em dirija-se a Jos Antonio Gomes J-
nior, rua da Cruz D. 2 ou ao Capilo e
o mesmo vende a pequea por.o de lastro
de pedra que eonduz o dito Brigua.
PARA LISBOA segu com a maior bre-
vidade o Brigue Porluguez S. Domingos por
ter a maior parte da carga prompta ; quem
quiser carregar ou ir de passagem para o
que tem excedientes com modos dirija-se ao
apUo na praca do Comnv.rcio ou a Iler-
riiLno Mara Bessone.
l c i a
tZT Que fazem Jones Edwards, por inler-
vencaodo' orrelor Oliveira de um inleiro
sorliuiento de fazendas Inglezas todas de lei
enmi ver. da veis lerca feira *6do corrente ,
as lo horas da manb em ponto no seu ar-
mazem da rua do Trapiche novo
tST Que faz Adolfo Scl.ramm por inter-
vencodoCorrelor Oliveira, de grande va-
riedad* de fazendas ingle/as e ira mezas,
principalmente quinta leira 21 do corrente as
C3* Um terreno proprio a margem do rio Livramenlo venda de Jos Domingues da
capibaribe com porto de banbo no lugar Cosa.
do remedio para o lado da passagem com 100 V^" Filosofa de Ponelle ; quem quiser
bracas de fundo e 'o de largo, com sabida annuncie.
para a estrada cujo terreno lem olera de te- SST Urna venda nos bairros haixos D. i5 ,
Iba quasi acabada ; com cinco millieiros de com po uros fundos; a tratar na mesraa.
lijlos ja cozidos, de bom barro do mesmo ter- tsr Chapeos de castor e de burracha de
reno promplo* para fazer a casa de va pada superior qualidade ; na rua do Livramenlo
e para islo tem ja muita metralba junta para o L>. ai e na rua do Queimado D. i3.
alicerce pedra de soleira arela junta ta- 19" Banheirosa 0000, canecos de car-
ves de coberla madeiras de raparlimento regar aoa a 000, tinas para despejos a aooo,
cn\umeis e portas do interior promplas culos a ajt'o lodas estas obras de madeira de
assim como grades portas, e caixiihos das amarelo como tambera ancoras de iti a aa
pftas exteriores O terreno lem alguns ro- caadas a 5ooo de madeira de pipa e tambera
queiros que jdo e por lodos mais o ps de amarcllo de i/\ caadas a 6000 e todas as
tem agoa de beber, e vende-se edm lodos mais obras desta oficina por menos uina terca
estes preparos pelo pre o mais commodo pos- parle do que mesmo no arsenal de Guerra ;
siel i na rua de agoas verdes por cima do no atierro dos affogados defronle do vivero do
assongue Muniz I). 11.
C?- Tres molecas de na:o, de idade de cy Um escravo pardo de idade de a4 a a6
13 a 14 annos, mui lindas figuras ja cosem anuos, de bonita figura ptimo page com
sofrivclmeule ; urna escrava de idade de o olHcio de sapa'eiroe alfaiate, e mais oulras,
annos por |3 o,ooo cose bem cha, faz do- babelidades. avistado comprador se dir o!
ees de todas as qualidade* co/inba bem e motivo na rua do crespo D. 7 lado do sul.
engomma bem liso ; um moleque de idade de SS^ Um completo sortmento de missangas
uo annos Lom canoeiro ; um esiravo de na.o de diversas cores ; no atierro da Boa vista
de bonita figura, proprio para palanquim loja D. ifj.
com idade de a anuos, sem vicio algum; nal ssy Urna escrava de nacao com bonita fi-
rua de agoas verdes I). 3S. I gura engomma co/inba cose cha e lava
Sf o porto das canoas armazem que foi de sabo ; na rua Direila L. io lado Livra-
.1 TsntAAfl II. ...i. 1 I. I .....I Jn RIAntA
i' IUIUIUU lywiuiii. "' uu> a UOSVS IUUUUUU UC "".nvi/i
pinlio de ludas as largurss, grossuras ecom-
primenlos por preco muilo enconta.
^ Urna cami de angico sem uzo algum.
cera seu colxao e travisseiro cheio de l seis
cadeiras, urna banquinha de Jacaranda urna
marqueza de conduru' urna mesa de jantar,
ludo novo ; na rua de Moras D 1 \
XSf Urna casa em Api pucos a margem do
rio capibaribe com os seguintes commodos ;
duas salas f\ quarlos cozinha fora e um
grande copiar de lacanica ladrilhada e
muito frescas ; a tratar na rua da Florentina
D. 10.
CT Urna taberna no largo de N. S. do Ter-
c,o D oito ; a tralar na mesma.
CJ- Urna barraca de carga de 8 caixas, com
todos os scus preparos por preco commodo :
no beco da pot venda D. tres.
irr" Copos de crislal de muito bom gosto .
para sei veja e vinho aparelhos para cha dt
t3r" Na olaria nova junio a camboa do Be-
medio a margem do Rio lijlos de alvenaria
grossa de marca muilo grande e de boa qua-
lidade ; a tralar na mesma ou na rua de
agoas verdes sobrado I). 3.
t~r Urna casa terrea sita na Boa vista rua
do Cotovello D. 3, bem construida sala
forrada e chaos proprios ; a tratar alraz da
Igrea dos Martirios D. 3o.
EJ- Ou aluga-se, por peeco commodo a
moradas de casas terreas em Oinda rua da
mangueira urna grande com bastantes com-
modos sotao com trapeira xos proprios ,
e grande quintal com cacimba outra menor
lambem com solo, quintal, e foreira ; a tra-
lar na rua da cadeia do Recite loja n. a8.
C?- Aluga-se o 4. andar da casa da rua da
moeda pintada e ltimamente reedificada ;
os prelendeutes, dirijo-sea rua do Vigario
D. 13,
K&cravog Pujidos
SS5- Sabbado 16 do corrente fugio um
moleque de nome Julio de idade de 16 an-
nos baixo cor retinta rosto e peilos com
grandes marcas de bexigas e diversas rugas
nos ditos lugares de irruco de pello quem o
pegar leve a rua do Vigario D. a que ser
recompensado ou no sitio no caminhodo cor
deiro a fallar rom Nune Mara de Seixas.
ET Roga-se a qualquer pessoa que tenha
em sen poder um creouiinbode rt a 9 annos de
idade de nome aximiano fullo cara re-
donda e com algumas marcas de becbigas qua-
si apagadas olhos vivos muito esperto, seco
do corpo levou vestido camisa de madapolo,
calsa de ganga azul quasi preta chapeo de
palhi, anda desea Iso ; quemo pegar leve a
praca da Independencia loja D. -i o que s,er
recompensado.
XST Fugio no dia 15 do corrente urna es-
crava creoula de nomeLudovina de maia de
a5 annos de idade bastante alta magra ,
cor fulla, bei os grossos e mui pretos fal
to-lhe os denles da frente aparte superior,
levu vestido de riscado azul e panno da
costa da mesma cor tudo uzado desconfia-
se ter hido para as parles de Goianna ; quem
a pegar leve ao segundo andar do sobrado de-
fronle da Igreja do Roza rio ou a rua do
Queimado a casa do Dr. Casimiro Jos Moran
Sarment que ser recompensado
C5" Roga-se as aulboiidades policiaes e
Capiles de campo a aprebencao de um escravo
creoulo de nome Pedro 1-unque official de
sapateiro alto secco rosto comprido, anda
por esta Cidade e pela de Olinda inculca-
so por forro quem o pegar leve a casa de a-
noel Jos Gonsal ves Braga junto ao arco de S
Antonio ou a seu Sr. Caelano Francisco da
Barros Wanderley no engenho caxoeira de Se-
rinhaem de quem receber 0,000 de gra-
tifica o
C7' Na tarde do dia 17 do p. p. de Ti-
gipi desencaminhouse ou fugio de um
combo! que lita para o Brejo da Madre de
Dos um moleque de nome Casemiro de 10
para a annos de idade olhos grandes,
sobranceilhas c beicos grossos, nariz compri-
do e pouco chalo embigudo com urna pe-
quena ferida nos escrotos com camisa e se
roula de panno de algodo da trra e chapeo
de palha ; quem o pegar leve ao Padre Luiz
Carlos Coelbo da Silva morador no Brejo da
Madre de Dos na fazenda do oco ou a Jos
Cordeiro de Carvalbo Leite morador no Re-
cite na rua Lirga do Rozario.
iiioviiiitiiio (io Porto
NAVIOS ENTRADOS NO DIA ao.
RIO DE JANEIRO pela Babia e Mace,
Paquete de Vapor Nac. Alaranhense Co-
mandante o Capito de Mar e Guerra B.
Hayden traz il passageiros euclusive 3
officiaes por ordem do Governo.
SANTOS ; .'5 dias, I rigue Nac. Boaventu-
ra de 171 tonel., AL l'allazar Jos dos
Reis equip. i5 carga toucinho fejo,
e mais gneros ; a Jos Gonsalves Ferreira
Cosa.
SAHIDO NO MESMO DIA
HAVRE ; Barca Franceza Camelia AI, Ge-
ullicrt carga couros e algodo.
RECIFE NA TYP. DE JA. F. DE F. 1833
0
1