Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08688

Full Text
I......*
II
Anno de 1839. Sexta Feira
5|
Tudo agora depende de ns mesmos; da noaaa prudencia, modera*
^io, e energa : coutinuemos con.o principiamos e seremos apuntado*
cora admiacio entre hs fWoes mas cultas.
Prociainco da Assembka Geral do BraiH.
------ un
Subscreve-se para esta folha a 3ooo por quartel papos adiantados
rusia Typogiafi. ra das Ciu/cs L). 3, ena Praga da Independencia
y_ y, t 68, onde se recebem coirespondi-nctaslenalisadas, eannuurios;
insinndo-se estes "patis, sendo di prupiios assignanies, e vindosassig-
nados.
Partidas dos Correios Terresres.
Cidadeda Parahiha e Villas de sua pretenco...................\
Olla do Rio (irande do Norte, e Villas dem...................Sepmd.s a Sextas Feirai,
Dita da r ortah ue v illas dem. _...................... \ 3
Y illa ue (joianna. ......................... ...k..../ %
Cidade Villa deS. AnlSo.................................. Quintas letras.
Dita de Garanhuns e Povoaco do Itonilo.......... ..........Oas lo, e ? decada mex.
Ditas do (.alio, Serintiaem, Rio Foi mozo, e Porto Calvo............dem 1 n, e ai dito dito.
Cidade das A lauras, e Villa de Macei....................... dem dem
Villa de l'aja de I-lores.................................dem 13, dito dito.
Todos os Correios partem ao meto da.
______ < i i i i
8 DB OVEMBRO. tftlMWM j44
CAMBIOS.
NoVEWTOO. fl. .
Londres...... y> 3{ per tfom 'eed1.
L'sl.oa ....... So por o/O premio pe*
Fran hio de Janeiro ao par.
Cf'J Uodaa de 6foc- rs VettW i(f*o* tSfk
Orla ,t Novas i(rioo r$.<8>
lYaas de foe r., 8#oa> a> 90ioo
PHATA Pataces IWeeileios.....-- 1&& i>5o6
,, Peas Coluiwiario -------- i|ji'4i ujfjo
)ilos Mexicanos--------------.-- ififo >4S*
Premios das Letras, por mez I i;H> li|i pee le
Hoeda de cobre 5 a 4 P* ieo.de dice
Dias da Semana.
i Segunda-----S Carlos Borrme B. Card. Ses. Trie*, e and. do i. Ae I). da t;
5 Terca---------S. Zacaras.---------------------- KelacS e Aud. do J. de D. da i. vara de
6 Quera-------S. Severo B. M.-----------------t'es*o da Tbex. Audiencia do S. de l). da %,,
- Qaff{a_____S. Florencia tt. --------- Reh *"d dcJ. de ds *. v.
8 Sexta---------S. Sevenano e seos Comp.------Se, da TtttS. e aud. do I. de D. da I. .
r, Saliltado S.. Tiieodoro Monge.---------------Bel. e aud. do J. de O. da 3. v.
io Domingo-----O Patrocinio e N. S.----------
Man chela para o da de Novembr.
As 6 hars e 54 minutos da tarde As 7' horas e 18 minutos d manh.

fe* V

'.*'

i
V
I
v
\
nha rcconliccer que p the-ouro tem dinlieiro
de sobra.
O Sur. Carneiro da Cunlia mostra que nao
he s o governo que lie culpado dos alu/.os
de que se qjieixoii o precedente orador. Vola
a favor do requcrimenlo.
O Sur Carneiro Leo de/.ejaria que ao re-
querimenlo do nobre depuludo se accrcscen-
lasse a data cm que forao contratadas essas
dividas de Minas para enloa cmara reconbe-
cer que essa divida de |.ooo contos nao foi
heontraida de- y de setembro para c;, mais sim
que lie muito antiga, e que torna aindamis
diHicii a sua cobrama
He apoiado o se',uinte addilamento:
Peco-se lambem inf'urmacoes ao governo :
i. so'.ireas dalasem quem foro conlrabidas
as divides, especialinenle as da provincias de
Minas : *. que quanlias se arracadaro des-
sa divida activa na pro>incia de Minas des-
de i de Dii I libro de 1^35 al tq de setembro
de ib 7, e quanlo desta ultima data al ao
presente Carneiro Leo.
Os Snrs Nunes ^adiado, e Andrada Ma-
chado (azem al;;timas observaces
O Sur Paula Candido vota pelorequeri-
mento, e lambem pelo addilamenlo proposto
pelo Snr Honorio nao porque.- elle tenda,
como bem explicou o seti autor a justificar
a admiuislraco de p de setembro qie Do-
tador nao qner delender, mas cujos principios
se ii la na (Je lee sustentado, porque acredita
'ni' batidos, sao esscncialmente constilucio-
naes....
O Snr. Otloni : Forao principios que
trouxerao o dficit actual de <),ooo contos
O Sur. 1 aula Candido deixa que acredite
quem quizer que este dficit dalou da ad-
u i o i si i-a, ao de 19 de setembro : o orador o nao
acredita.
Continuando no assunrplo interrompido ,
declara que vota pelo requer ment c addita-
' RIO DE JANEIRO.
ASSEVIBLEA GERAL LEGISLATIVA.
CMARA DOS DEPUTADOS.
Sessao extraordinaria em q de setembro.
Presidencia do Snr. Arau;o V iatma.
As 5 horas da tarde, faz-se a chamada
dos Snrs. deputados e logo que se reunem
em numero legal abre-se a sesso.
0 Sur. presidente annuncia achar-se na
sala inmediata o Sr. ministro da I'azenda que
he recebirjo com as formalidades do estilo ,
e sentando-se a direita do Snr. presidente ,
l huma proposta da reparli o a sen cargo
1 oncluida a leilura di/, o Snr. presiden-
te que a proposta ser tomada na devida con-
sidera o.
O Sr. ministro rctira-se com a mesma for-
lidade com que entrn
A proposta be remetlida r terceira commis-
so de lazenda e primeira commisso do or-
camendo da fa/enda-
U Snr. Ribeiro de Andrada pede a palavra
para mandar bum requer ment meza, tra-
ta-se de hum crdito e quando se lala de
hum objeclo desta nalureza precisa que a
cmara se,a bem informada Queria pois que
se mandasse o nome dos credores do estado
porque isto pode milito encaminhar o pensa-
mento da commissso mostrar que nao es-
tamos cm lo as circunstancias comosejul-
6a- ,
He apoiado o segutnte requenmento :
Reqtieiro qne se peca ao governo com ur-
gencia huma lista dos devedores do estado,
com a declara :o dos seus nomes e da som-
ina que cada hum deve Paco da cmara, 9
de setembro de ib3> Ribeiro de Andrada
O Snr Vianna nota que o que dezcja saber
o Snr. Ribeiro de Andrada podesabe- o pe-
los balancos queseeslo imprimindo e que ment, nao fiorqiie se dirija a justificar a
devem estar prontos a manh ou depois. I;- admiuislraco de iq de setembro, mas port|tie
ora se podero aprcsenlar essas lisias com esl convencido de que o dficit que aparece,
a especifkraco nessuria, e que lempo nao se e a proposta que acaba de ser prsenle;! casa.
levara a promplifical-as pois que be preci- he a essencia das cotizas (Tnio nasi-e de fal-
so inscrever mais de sete mil nomes; oque tas commrllidas pela adminislraco de selem-
levara' demora muilo prejudicial quando as Im-o. Est convencido com Monlesquieu, de
providencias que exigen*, sao urgentes. Nao que a lei nao serve se nao para exprimir, e
duvidat- votar peb requerimenlo do nobre nao para crear as necessidades do povo, ella
deputado se elle annnir em que se aprsente ha de Craquear E' poris>o que a arrecada-
essa relaco em qual quer outra occanio, cao nao pode ter lugar em toda a sua peuiludc.
pois que para esla duvida que veiiha* a lempo porque ella nao e-t muito conforme com gran-
O Snr Ribeiro de Andrada observa que de parte do rasil,
nao Caz depender desta rela.o o parecer da \ uitodeze|aria que na provincia de Mina*
ccmnisso e tsn ouer lanihem huma lisia houvesse riiiuissimos proprielanos, como se
exata. Ha bum a grande mullido de devedo- dissena casa: o o ador se ve des^racada-
res, e muilo cip.iz.es de pagar, ludo oque mente na obrigaro de declarar que a sua
der o tbesouro serve; e isto he bom para o provincia nao lem muitos propietarios riquis-
eslado, porque os seus credores vero que el- sinios como jiorem de algum modo lbe pa-
l tem Hiuilo dinbeiro. > receu querer-se laucar o desar solire algutis
USnr. INiarinhoapoia orequerifiento. A proprielanos de Minas julga dever lomar a
cmara conbecei que as urgencias do the- sua deCeza.
souro sao causadas pelo mesmo tbesou-; O Snr. Marinho Nao se acuza aos pro-
ro. A divida da provincia de Minas mon- prietarios mas ao prevaricador. ^
tatalvez a somma de 4,000 contos esto em O Snr. Carneiro Leo Acuse quem he ?
roaos de pMtOU cojpssaes, eque, porsso mes-
15 mil contos exce-
no sao incomodadas netn
i o ti
os males pblicos
O Snr. Marinlio He Bicalbo
O Sur l arneiro Leo \ dizer isto la
roo que sao ricas, ,
o serao e nem islo se acabara O governo Cora aonde ell
agrava anda
e a-
OSnr Marinho : Hei de dizel-o aqu por-
paihinlil a delapitedores a prevaricadores. que sou depula.lo
OSr.r Mouia agallies. com irona. O >nr Carneiro Leao Srtn, aqu, porque
Como ao liitalho ?...%
O Sur. ^ arinboSm, Sr. deputado: co-
f
00 ao Iticalho.
O orador vota pelo requermento : pois
que conta que com esta informacoes se ve-
est cobetlo com a inuolabclidade
O Sur Paula Candido continua atribuin-
do a falta de cobranra da divida activa na
provincia de Minas Gcaes a im|iossibelid.nle
em que eslo muilos lazendeiros de a pagar
sem fcarcm inteiramente ariTuinadose redu-
zidos extrema miseria ; e tambem falta de
instruc o e educaco constitucional, que sao
as raizes dessaarvore chamada da Liberdade
Declara que estas ideias nao sao sitas mas do
grande deputado Emile Girardin da cmara
franceza (votos, votos). Huma das necessida-
des que o paiz reclama, lbe parece ser que
os legisladores pesem bem os imposlos dis-
tril/uiido-os na rr da possibelidade e le-
es dos conlribuinles.; e tambem que quando
a cmara vota huma despeza eslaheleca para
ella huma receila equivalente (apoiados), ar-
rpiando da carrea at lio e seguida de se
votar huma receita de
deudo a despeza muilo desla somma.
U Sur. Limpo Creio que ninguem pie-
lea lio je aqui a cauza, nem a poltica da ad-
minislraco de 19 de setembro : o nobre de-
putado porlantoda provincia de Minas Geraes
quiz ohciosamcnle lomar a defeza dessa admi-
nistraco...
O Snr. Honorio:Parece que me"he li-
C,l* t
O Siir. Limpo ... a quem nao se fez ac-
cusaco algitma
O nobre orador depiis de traclar sobre o re-
querimenlo e addilamentato, diz Snr. pre-
sidente, cu o que en leudo'he que se deve sim
votar pelo requerimenlo e addilamento mas
que se deve igualmente tomar nota da de-
ca raco nllicial feila pelo nobre contador ge-
ral do tbesouro que nos communica que a
divida activa do tbesouro monta a mais de
7 mil con tes de reis.
O Snr Vlanna- Liquidada.
O Snr. I iinpo Se eu podesse tomar huma
ola na acta. ..
O Snr, Vianna Nao precisa.
O Snr. Limpo -... de que temos huma di-
vida activa liquidada que 7 mil e lanos con-
los de reis. he j bum grande recurso que
ns temos para suprir o dficit (apoiados i-
ronicos risadas ) que acaba de ser apresen-
lado cmara.
En nao sei portarlo Snr. presidente, se
V Ex. me permitir que eu faca hum reque-
querimcnlo ifim de que se lome ola des-
ta ded 1 raco offirial feila pelo Snr. contador
geral do tbesouro. .
O Snr. \ anna Faca o quequiser.
O Snr. Limpo : ... para que a lodo o
lempo se nao diga que foi proposico quees-
capou na discusso.
O Snr. Vianna : Nao Snr. : esl no ba-
taneo.
O Snr. Limpo Se est nobalanco. como
he provavel que a discussio da proposta nao
pteceda apresenlaco do balauco desistir!
do requerimenlo para qne se tome esta nota.
loroccasio de 0 nobre deputado por i-
nas (o Sr. Honorio) declarar que a divida ac-
tiva naqudlla provincia monlava a 4 u*'1 con-
los de reis, elle quiz lomar tambem a dele-,
/a dos ohciaes de lazenda da tbesouraria la-|
quilla provincia. A defeza feta pelo nobre (
deputado me pareceu tal qual se devia espe-
rar para que nao podesse ha ver alguma oes- |
confian'a a respeito da boa fiscalisaco na ar-
reeadacJo das rendas publicas naqaella pro-
vincia. Oque dtsse o nobre deputado ? Que
a ta arreCadaco nao se poda nicamente al-
Iribuir ao aclual inspector, e presidente da-
quclla |irovincio mas que o mal vinba de
mais longe Ora pergnnlo eu l'orqne o
mal vem de mais longe, segu se que o actual
inspector e presidente fiscaliso como devem
[a arrecadacao das rendas publicas ? (apoidos).
0 que eu conclao das expressSes do nobre de-
putado quando sejo verdaderras, heacou
liss'ii) explcita de que maos admini^lradurei
sao tanto o inspector de..
1 OSnr. Honorio O Snr. Limpo fe a mes-
ma couza,
O Snr. Limpo ... Minas Geraes, como O
actual presidente
U Sur Honorio E lambem o presidenta
que servio em i8a{.
O Snr. Limpo Como ? (o Snr. Honorio
repete) ; porque continuadlo na mesma mar-
cha fiscalisando mal as rendas publicas.
Eu nao pretendo justificar a conducta das
admnislraccs que precedern aquellas qao
boje existem 011 seja na Ibesouraria ou se-
a na presidentia da provincia ; porque afa
ar a verdade eu mesmo nao acho muito quo
ouvarna minba adminislraco..
O Sur Honorio Ah Apoiado.
OSnr Limpo ainda continua a falar, sen-
do inler|ielado pelo Snr. Honorio.
Falo mais na materia os Snrs Alvares
Machado, Gonsajves Martins, e Torres
O5nr. Nunes Ncbao oflereoe a seguinta
emenda que he anoiada.
Mandando cada um desses escJarecimeuto
medida que se forem apromptando.
I'epoisde mais alguma discusso em qtm
tomo parte os Snrs. Otloni e Rilteiro da
Andrada ; este ultimo conclue votando pela
additamenlo dos nrs. Nunes Machado Ho-
norio (na-primeira parle) e Alvares Machado.
O Snr. Moura Magalhes aprsenla o se
guinte addilamento ;
Reqtieiro que se pergunte ao governo se j
se acliaem inteira execusso o artigo 19 da
lei do orcamento vigente, relativamente co-
branra da imposico Janeada sobre casas do
negocios que letp caixeiros estrangeiros. '
Julgada a materia discutida sao ap|trovados
o requerimenlo do Snr. Ribeiro de Andrada
e os additamentos dos Snrs Carneiro Leo
(em tolas as suas partes), Alvares Machado,
Moura Magalhes, e Nunes Machado.
O Sur Nunes Machado lembra a conveni-
encia de ha ver sesso de tarde, em qnaiito du-
rar adiscussoda assemblca geral.
Muitas vozesNao, nao, a manh vo-
ta-se.
O Sr. Secretatio l a acta da sesso de ho-
je, que heapprovada, e levanta a sesso as.}
horas da uoile.
PERNAMBUCO.
THEZ0U8ARIA DA FAZENDA.
Continuaco do expediente do da 3t de Outu-
bro de iKJ0.
Portara ao Coll.clor de Diversas Pendat
do Municipio de Garanhuns Vicente Fer-
reira d'AlbuquerqueTitara dsendo-lbe em
resposta aos officios que dirigi as datas de
>.< e it do mesmo mez v partecipando a-
cbar-se pronunciado, ecom os seus bens se-
qtiestrados sem poder continuar no exerci-
cio do seu Emprego, pela acciisaco que
lbe fez o Promotor Publico de haver rece-
lado diversos impostos antes de lbe seretn
remellidos os I ivros de escripluraco e co-
uhecimentos impressos fazendo lancamenlos
em cadernos purticulares e dando conbeci-
menlos assignados pelo seu Escrivao que de-,
ve dentro do prazo de quinze dias recollier ao
(joCrc as quanlias arrecadadas com os mencio-
nados cadernOs a fim de serem examinadas,
e liquidadas as suas conta*, pois que antea


s
T*&.
-_-
DIARIO

D E
p
PE R NA M BUCO
3*
F"*
desta liqudara nenhuma providencia se pode
dar seu respeilo.
Dia 4 de Novembro.
OflBco-Ao F.xm. Presidente do Tribunal do
Thezouro Publico Nacional partecipando ter-
se embarcado na Galera Ingleza-Emilia-que
Be destina para Londres eom escalla pela Pro-
vincia da Parahiba as i>7 quintaes, a arrobas,
e austro, libras de Pao Bra7.il em 1 o J i 1 toros,
e que entrando emduvida se a remessa devia
ser feila caza de .lamuel & Filipps: 011 ao Mi-
nistro do Brasil em conseqiiencia das novas
ordens do mesmo Tribnnal relativas ao rend
ment de hum por cento do expediente e ar-
masenagem das Allandejjas oi ella enviada a
o mesmo Ministro rroommendando-lhe que
a bouvesse de traspassar ao dito Samuel Phi-
lippes-, no cazo de serctn estes e nao elle as
pessoas authorisadas pura a receber.
Dilo-Ao Exm Piesidente da Provincia pe-
dindo-lbe para transmillir o precedente.
I ito-Ao Exm. Ministro do Brasil em Lon-
dres parteripando-lbe a remessa do Pao Brasil
deque trata o precedente oracio, derigido ao
Tribunal do Thezouro Publico nacional.
I)ito-Ao Administrador da Recebedoi ia de
Rendas Geraes pura satisfacer a reuuizico do
Director do Curso Jurdico da Cidade de Ca-
linda em ofticiode ai de utubro p. p. man-
dando iutregar sempre na venda das Cartas
dos Bachareis buin conbecimento cm forma ,
do qual e declare a pessoa que lem de for-
xuui-se 6 a quantia paga.
da 5.
Officio-Ao Commandante das Armas com o
requerimciilo de io/e Francisco Montciro | ara
se dignar dar o seu parecer cerca do que o
mesmo pretende.
Dilo-Ao Inspector da Tbezouraria da Pro-
vincia do 1 ara acensando o recebimento do seu
oftico de 6 de Selembro p. p. que acompanbou
a relaco das Notas do 'Novo Padro destinadas
a conlinuaco do troco que loro emittidas
na circula o da mesma Provincia por ordem
do Governo della e ponderando-lhe que
no se adiando na dita relaco as assignaluras
originaos dos assignatarios deque igualmen-
te trata o citado olhcio pode esta fulla causar
algum translorno quando as referidas Piolas
venho a circular nesla Provincia e se entre
cm din ida sobre as mesmas assignaluras.
Dito-Ao Director do Arsenal de Guerra re-
metlendo-lhe o othcio do Inspector da Tbe-
zouraria das Rendas Provinciaes cerca de aoo
armas e mais pe 'lentes, que foro retlidos
psra a Comarca de Flores em o anno finuncei-
ro p. p. a fim de dar alguns esclarecimentos
a tul respeitc.
Diversas Repartiere,is.
TBIBUNAL DA RELLAa.
sESSi do oa 7.
Pos Embargos oppostos por a Cmara Mu-
vicipal desla Cidade contra Antonio Cordeiro
da Cunha na Cauza de appellacao crime desta
t idade Escrivo Postliumo se nao tomou
conbecimento a face doart. 81 do Regulamen-
to das Helaeoes.
Ta appellacao crime do Jnizo de Direito da
Villa de Santo Anto appellante Joo Luiz
W'anderley, eAppellado o Juizo : Escrivo
Bandeira se julgou pela confirmaco da sen-
tenca appellada
Na Cauza de lia de appareeerdo Juizo de
Direito desta Cidade de Vanoel Joze Ribero
contra Francisco l.udgero da Paz tutor do
menor Manoel dos Alijos ; Escrivo Bandeira;
foi julgada appellacao diserta e nao seguida.
Na Cauza de Dia de aparecer do Juizo de
Direilo desta Cidade de Joa Francisco de Sou-
za Peixe Escrivo I osibumo: se julgou a ap-
pellacao dizerta e se mandou cumplir sen-
tenca de que se havia appellado!
Nfc anfcpMacIo Cvcl do Juizo de Direito
desla Cidade appellante o Procurador Fiscal ,
appellado Antonio loze da Costa Escrivo
Chaves : foijulgado nullo o processo de fl.
nm diante.
ao Inspector Geni Interino ni Repartico as demisso do Presidente apesar de se ver ro- Cmara Joze MacieUe Araujo.
horas Jo expediente. lead" de buionelas sem que sobre ellas t-nha
InspeccoGeral das Obras Publicas Jt de influencia legar, tolerando que seo Illustre
Oulubro de ltjo.
J. Boyer.
Rendimenlo da Meza das Rendas Geraes In-
ternas no mez de utubro do crrenle an -
110.
Decima de mao morta
Matricula do Carso uiridico
\ endas de Cartas de Hachareis
Emolumentos de Certidoes
Sello de llerancas e Legados
Direitos novos, e vellios
Ditos de Chancellara
Impostos de 11 a por cento so-
bre letras ajuizadas
Di/ima de Chancellara
Imposto de Caixeiros Estran-
geiros
*>iza dos hens de raiz
Foros de terrenos de Marinha
Laudemio dos mesmos
Imposto de lo as abertal
Imposto de l'scravos
Sello dj papel
i:65is'io
1 J'4$'ooo
sti o
QSuOO
5 i 1sbo
9f
79"
G'os'ooo
Qia.i'ii-i
1} 9 t
i6sVo
Est conforme
O Secretario Francisco Manoel Marlins Ra-
Anlecessor se conserve encerrado enlre as pa-
redes de Palacio tomn as redeas da Admi-
nislraco eseacha no Governo Logo que
estes fados mu fora presentes tendo a certeza
de que o Presidente da Provincia se achava em
eoacco e capturado e antes mesmo de sa-
ber que o 5." \ ice Presidente havia assumi-
do o Governo na qualidade de Vice Pre-
sidente escolhidq por Decreto Imperial e j
juramentado pela respec
laliva Prouincial comee
mos.
Tendo o Dr. Agosliuho da Silva Neves
deixadoa Piesidencia desta Provincia porsua
declarado dada a Cmara Municipal desta Ci-
dade com data de boje como veroVms. da
copia inclusa passei em conformidade do
preceilo da Le de 3 de Oulubro de i83,
Art 6* e do officio igualmente incluso por
copia que me derigio a referida ("amara Mu-
liva Assenildea legis- inicipal com a mesma dala ;i assumir a Ad-
cei exercer actos da 'minsiraco desta Provincia como quinto Vi-
'ce Presidente juramentado e mais prximo ,
.P
laururo Goveriioe a I ci. A dude acba-se
em armas por agora nao rae consta haver-se
ommellido oulros desalios alem dos que le-
nhu referido ; a exalta ao he grande 5 mas at
boje o grito da sedicao nao lem paspado dos
54 'ooo suburbios da Capital Meu empenho he reu-
8000 or loicas com que possa redu/.il-a ao estado
i:iaal6oo de asedio : confio no resto da Provincia e
-----espero que a anarebia nao triunfar:!. Todavia
nao ten lio ar-
11:9 i.Hoi acho-me privado de reemsos
Recebedoria das Rendas Geraes Internas 4 mas, nem dinheiro, e temo que se por algu-
de Novembro de 1 *3u.
O Administrador,
Antonio Ferreira Duarte Vello/o.
ma circunstancia qualquera lula se prolongue,
- Jos Tavares Bastos Sis Presidente e
mais Vereadoresda Cmara Municipal de Ma-
Copia Illm. e Exm. Snr.Pela copia
indura ver V Ex. que o Exm. Sr. Doutor
Agostinlio da Silva tem-se demillido do Go-
verno da Provincia, pelo que nao couvindo ,
que esta continu em estado acepjialo cum-
prequeV. Ex. tome coiila das redeas do Go-
verno em quanto se nao aprsenla o pi irneiro
na ordem numrica eslabellecida pelo Gover-
no (leral que nos consta ja seacbar na Se-
men
quem
jas da caza que outr'ora foi oceupada pelos ox-
postos : as pessoas que as quizerem arrema-
tar poder comparecer no Grande Hospital
no dia I do rorrele mez as 4 horas da larde
com seos fiadores.
, anula que sea
aiilaiidoo supprimenlo que est auclorisadoa
fazer a esta Provineia.
Disposto como esiou a nao transigir com os
revoltosos, e fazendo-se mis'er por em segu-
.-alla das Sesses d'Administraco dos Esta- rauca aquelles que cahirem Jebaixo das For-
belecimentos de Caridade 4 de Novembro de cas di legalidade muito conveniente seria,
me veja imposibilitado de obrar com a ener- crelaria da Presidencia, enuea Cmara pi-
gia ep.omplidao, que o cas exige. Nes- de a V. Ex. se digne envial-a a lim de ser
tas circunstancias recorro a V. Ex. para me. chamado quem de lereilotor. Deos^uar-
Paco da Cmara Municipal da
sem Sesso Eslraordinaria
de 1^9- Hlm Exm.
ius e dinheiro, aitida queseja a-li- Snr Doutor Jos Ta va res Bastos, VicePresi-'
denle desta Provincia. oo da Costa l'm-
beiio Presidente. Jao Francisco 1 inbeiro.
Perante a Adminislracao dos Estab.'lcc- enviar algum auxilio de Tropa de Linba sejajde a V. Ex. Paco c
Mitos de Caridade se bade arremallar a qual for para servir ao menos de organisar a jCidade das Alagoasc
em mais deras rendas do sobrado e lo- lor,a que tem de entrar em operaces e sobre de p de Oulubro 1
,8J9.
J. M* da Cruz.
Escriplurario.
PROVINCIA DAS ALAGOAS.
RTICOS D OFFICIO.
que V Ex. me mandarse por a disposico um
Navio de Guerra pequeo que seja.
V. Ex. se servir levar ao oonhecimento do
Exm. Sr. Ministro do Imperio o relatorio dos
accontecimenlos que venho d expr asse-
gurando ao Governo de S M. I. que confio
Joaquini Jos Toledo Pimenta. Francisco de
Assis Reheiro. Silvestre Domingos da Silva.
Jos de Mello Concia. Manoel Joaqun da
Costa. Jos Joa^uim de Mendonca.
Esl coniforme
Francisco Manoel Marlins Ramos.
Secretario
Illm. Exm. Snr. Inclusa achara V. Ex. a
a. via do ofticio que em dala de o do mez p.
findo tivea honra de deri,;ir a V. Ex de-
Illm. eExm Sr. Das copias jimias dos of- populadlo desla Provincia parlecipaca esla, pos de cuja expedicco tem occonido o que
ficios derigidos pelo Exm Presidente desla que nao techo lem no de fazer n-sia oresio Passo a expora \. Ex. Havia o \icelre-
'rovincia, afamara Municipal da apilal masquefarci em breve. Apoveilo eta op- sidente intruso res.d. nte na Capital enviado
desla ao quinto Vice Presidente, e desta a portui.idade para apresenlar a V Ex os meus a es' Villano da de bonlem urna commis-
Camara iinicipal desla Villa ver V Kx. protestos de cousid raco e respeilo Dos sao para convidar-me a recolher-me a Ca-
a exposicodos ullimos acconlecimcntos occor- guarde a V. Ex. Palacio do Governo das A- Pal e ao mesm > temo) ...car.egada de tra-
ridos na Capital desta trovncia, acconteci- lagoas na Villa de Macei :?o de O-ilubro de *W com o eslre do Patacho Dous amigos-
mei.tosde nalureza grave e que podem por i^q. Illm e Exm. Sr. Francisco do Reg que devia partir para a Babia a passagein
em com promet ment a tranquillidade pu- Barros, Presidente da Provincia de Pernam- do Exm. 'residente que os sediciosos j.re-
blica j de alguma sorle alterada. Tendn buco Joo Lins Vieira Cansansodo Sinim- tendio deportar o que aquella comnnssao
Tribunal do Tbeiouro Publico Nacional por b. cHectuou: saliendo eu desta negocia cao or-
Axizodendestecorrenteordenado ao Gover- Copia N i. denei ao referido Mestre que losse com elleito
no desta rovincia de. fazer mudar a Thez.ou- lllms. Srs. Achando-me cercado, e pre- aquella expedicco ; mas que em vez de se-
raria da Cidade onde se achava para esta Villa so no Palacio da Presidencia por todo odia de fir Para a Babia condii/.isse o Exm. Presi-
por assim ser mais conveniente aos inleresses boje em consequencia de se ler o Povo armado, dente para onde llie elle delermiuasse ; oque
pblicos, e ordenando o Exm. Presidente ao e de ter-se a Tropa existente nesta Capital u- assim execulou de sorle que lendo-se jeito
Inspector da mesma para fazer esta Iransferen- nido a elle para pedir que eu deixe de conti- boje de vela pelas 11 horas da manhua e
cia acconteceu que algunas pessoas sedici- nuar na Adminislracq da Provincia por nao pondo-se a capa na altura do porto do llan-
osas para obstar semelbanle transfereni ia s ler querido ante bonlem annuir a petico de < Para onde o Exm. Presidente tinha suio
mente por frivolas e falsas rases podessem varios Cidados que insistira que nao se fi- condu/ido |>eto proprio intruso Vice resi-
reduziroPovo da' apilal a cxallacao alean- zesse a transferencra da Tbezouraria da Fa- denle acompanbado de lodosos influentes na.
cando delle urna represenlagao derigida ao zenda para a \ illa de Macei ordenada pelo sediccao, e de grande parte da sua lor a ar-
mesmo Exm. Presidente na qual pedia5 que Governo Supremo e lornando-se V S. in- mada 5 ali o recebeu a seo bordo e o -
bouvesse de sobrestar 1. a execiic;o do referido trrprelcs dos sentimentos do mearan Povo, e z' l'ura o Porto desla Villa onde I
Aviso, ao que noannuindo este por nao Ibe Ti opa no ollicio que aciba de dirigir-me an,(?s das 9 boras da noile. O Lxm.
eo condu-
fundeou
Presi-
ALFANDEGA DAS FAZENDAS.
A Pauta he a mesma do n. ii.
MEZA DO CONSULADO.
m APauta he a mesma do n. *S6.
CORR 10
A Barca Pbrtugueza Tentadora sai para o
Porto 110 dia q5 do corrente.
A Sumaca Delniira sai para o Aracaty no
dia 13 do trrenle.
Os Oraciaes de Carpinteiro que se quize-
vemoos representantes um aspecto am^a'-ador, a V. Ss. que nao delri a representa o o- V, Ex. nada mais acerescentare ao que levo
resullou, que toda a populara da Capital c bredila, pela intima convieco em que eslou expendido por ler findado a minlia misso.
amotinasse ganbasse a orca da polica, que de que nao devia sobrestar no cumplimento de Dos Guarde a V. Ex. Palacio do Governo
al enlo pareca fiel ao Governo forcasse o urna ordem superior quando os peticionarios das Alagoas na Villa de Macei aos > de JNo-
deposilo das armas e marchasse contra o Pa- podia dirigir a sua supplira ao Tbrono para vembro de i8Ji) onze horas da noile.
lacio do Governo pondo-o em estado de cer- conseguirem o fim de sua prelenro send H'm Exm. Snr. Francisco do Bgo Barros,
co nao consenlindo que delle sabhse o Presi- todas as medidas que lomei posteriormente a Presidente da Provincia de Parnambuco. Joo-
dente nem que com elle podesse baver com- esse aclo para satisfazer o que eu julto do meu \ Luis V ieira 1 ansausao do inimbu.
municaco. Tinha tido lugar a repre-nla- dever e nao para exercer persegukoes albeias i im Exm. >nr. Referinuo-me em ludo
cao antes de bontem anoile, e bonlem de i do meu carcter tonbecido, mas que lendo que diz respeilo aos acconticimenlos occorridos
que seacba na Capital desta 'rovincia as parlecipaies
manli este ultimo acconlecimenlo que acabo | ebegado as cousas ao poni em q
de referir. Assim se passara as cousis at
que pela tarde a Cmara unicipal da Cidade
se reuni paracbamara Presidencia o 5o Vi-
re Presidente que ali se acbava ; nas bavendo
este respondido qne anda nojulgava im-
possibilitado oaclual Presidente, a Cmara
loroulro officio derigido a este ultimo fon'ou-
be o aclo da demisso constante da copia in-
clusa 1 i", na qnal ver Exc. a maneira
coacta
com qne obrou o Presidente. Essa
demisso forrada servio de causal Cmara
para ofliciar de novo ao 5* \ ice Presidente pa-
ra assumir o Governo ; esle apesar de ha ver
[iresenciado a marcha irregular de lod; s aquel-
es acconlecimenlos apesar de conhecer a ma-
ttxn mpre^ar as Obras Publica : 'djrije~e neira coercitiva com que se extorquio o acto de
ten lio
mente,
dcxo de continuar na Administrato da Pro- feitas pelo Vice Presidente da mesma ,
vincia e cont que V. Ss. que esto resol- por ora a sguificarde mais a V. Ex. so
vidos a lomar as providencias que as I eis que me acho rerolbido a este Villa onde rassu-
e as ciicunslancias momenlosas em que se ada niindo de novo as redeas do Governo espero
a Capital permillirem, segundo sou informalo nicamente ser habelUado com auxilio de
pela Deputaco que me enviaran r me deixa- diubeiio, ede armas, que se ha pedido u
r immed latamente seguir para um logaron- essa Pio'ineia para fazer chamar a orden
dse nao duvide da minba liberdade al que os sediciosos da Capital. he eiio por tanto a1
se oreca occasiode transpoilar-me para lo-I V. Ex. reconimenduco ja feila da prempta-
1 a da Provincia dando todos os meios de se- remessa dosobjectos especificados adverttn--
>uranea a minba pessoa. Dos Guarde a V.
Ss. n.i:ilii- anuos Palacio do Go\e; no das A-
lagoas >.. de Oulubro de iH. Presidente, e mais Vereadores da Cmara
Municipal desla Cidade. Agosiinboda Sil-
va Neves. Lata conforme, Secretario da
do, que no caso de poder V. Ex. dispensa*"
alguma forca de tropa de Linba ser de muit
utilidade. Dos t.narde a V. Ex Palada'
do Governo das Alagoas a de Novembro de*
i8'q( 11 ij horas da noite ) Illm. Exm.
Snr. Francisco do '6o Ba"w Pcw>d*ntf
< I
i
\

>


VvTV1!
DIARIO
D E
PERMXMtltJCO
rmim
zs
W!
r* Pro*""10111 de Pernambueo. Agostinhoda
Ipilva Neves.
y------------------------------------------------^----------1-----_,------------------------------s_---------r
Noticias Estrangriras
6oo;ooo Libras em favor de -Portugal, expres-
samenle se refere ao tilo Artigo i" como para
no-deixar davida deque um linlia to tmme-
diatu co-relaco com o oulro,
(Co:il:n'.a.)
;*
-ola dirigida pelo-Sr. Biro da Riheira de
Salirosi, actual Presid ole do Comedio'',
ao Lord lloward t\JmislrodeS. M. B. nes-
la Corte.
Continuado do N* precedente.
Parece que o Governo Rrilannico nao espe-
Yava que se llie podesse provar, como to e-
viden'.emente llie provbu o Sr. Visconde deS
da I uca na sua Nota de a de Abril de
18 H era destituida do menor fundamento a
increpa.o feila ao Governo Portugus, de
que liavia recelado em >8i5, roo;ooo Li-
^ bra< Esterlinas debaixo da condicao de coo-
perar coi a Gram-Brclanha para a futura to-
tal abolico do Trafico da Eseravatura ; sem
que aind.i tivesse cumplido essa mcsm.i condi-
co. Fui-por isso que nessa parte da Nota de
S S. mais afincadamente se trahalliou por
sustentar aquella menus exacta asser,o ; mas
os multiplicados' esforcos nisso cmpregados
deixam ver alravcs do artificio com que estn
os argumentos entrelazados quanta anciedade
bavia por se nao pojer su (Tocar a verdade e
quanlo dicultoso.era justificar o Governo
Bri'annico de ler apoiado em Parlamento, e
mandado transmillir ao Governo Portuguez u-
ma tal accusaco contra urna Na o Amiga e
Adiada (piando nos seus propros Arcbivos
tinlia as provas do contrario.
Na citada Nota de j< de Maio demonslrou
claramente o Sr. Visconde de S da Bandeira
'proceder aquella divida de um emprcslimo
contrahido na Gram-Brelauha para compra de
'I pelrccbos e muni<,cs de guerra a fim de re-
llir a invaso que Portugal sofreu pela sua
Variedade.
>
pellir
ndelidc
3
adeAllian a com a Inglaterra. Po
. vou que nao llie loram remetlidas pelo Tracta*
do de ii de Janeiro de 18 > :> todas as too;ooo
Libras, como se quizera fazer acreditar mas
to smente 4^o;ooo Libras porque o restan-
te eslava j; pago com os seus competentes ju-
ros. Fez ver que nunca existir a sonbada es-
tipula.o de ceder a Gram Brelanha do paga-
mento do resto desta divida com tanto que
Portugal se obrigasse a cooperar com ella para
a total abolirn do Trafico da Eseravatura ;
antes pela Nota que os lenip >le'uiiarins Por-
tuguezesdirigiram em i* de Janeiro de iK 5
a Lord Casllereagb de acord com elle lo-
mado na conferencia do dia antecedente se
mostra que elles Ibe baviam proposto a ressao
do resto daquella divida cm compensaco .
sim dos pjejuizos que as Alfandegas do
Bra/.il e da frica estar.db exhaustas as
rendas publicas com a ultima guerra 'a cau-
sar a immediata abolico daquelle Trafico ao
Norte do Cali Formoso, que por ulterior a-
crdo ticou sendo ao Norte do Equador; mas
como equivalente tambem e porcertornu li-
mitado da restiluico da Guiana ; Franca ,
estipulada pelos Plenipotenciarios Britannicos
nc l'raclado de Paz de Pars sem aulhorisnao,
nem consentimento do Principe Regente de
Portugal, que por isso o nao quiz ratificar.
Em consequencia de acido e Nota mencio-
nados se obrig.ra Portugal no Io Artigo Se-
creto do dito Traclado de m de Janeiro de
181S restituir a Guiana i Franca suavi-
sando a Gram-Brelanha os prejuizos dessa lor-
iada restiluico com a cesso da divi la men-
cionada no Corpo do Traclado e com a pro-
messa feila no dito Artigo Secreto da sua me-
dia cao com a franca para terminar a conlro-
versia que entre esta I oteucia e Portugal
bavia acerca das respectivas fronleiras niA-
merica. Urna tal promessa todos podem co-
nheccr por si s jamis seria sufliciente
compensaco da restiluico de urna Colonia tq
importante como a Guiana conquistada com
.gravissimo dispendio do Tbezouro Portuguez.
A evidencia do (|ue fica resumidamente re-
ferido nao pde ser abalada pela interpielaco
que se pretende dar ao rcambulo e ao Ar-
tigo 4 doTractndo de" > de Janeiro de i8i5.
'ste Artigo estipulando a obrigaco de se fi-
jar o periodo em que devia ser prohibido o
Trafico da Escravalura em lodos os Dominios
Porluguez.es, urna natural Consequencia ,
urna ralificaco da obrigaco j anteriormente
ronliabida pelo Traclado de Allianca de iHio ,
qual allude o dilo Prembulo do mesmo
Traclado de 1815.
O ubiecto novo e essencial deste Traclado
fri innegavelmenle da parle de Portugal a
rc'ial abol o daquelle Trafico ao Norte do
Equador, estipulada n seu Artigo i ; e o
-Artipo 5' em que ficou convencionada a eessao
*datW-BUba do reta dadiida da
PAZ.
:Paz' a tranquilidade de que goza a
sdciedade poltica ou interior pela boa or-
dem que reina entre seus membros ou ex-
teriormenle, pelataa intelligencia cm (|ue
ella vive com os oulros povos
Hobbcs tem pretendido q' os homens estafo
continuamente em um estado de guerra de lo-
dos contra todos1; o senlimenlo desle philoso-
pbo atrabiliario parece-me ser igual a est'ou-
tro que a dor e a infermidade natural ao
homem. Assimcomo os corjK).* pbisicos so
su oilos a revolucescrueis e perigosas : an-
da que estas enfermidades sejo consecuencias
necessarias da franqueza humana ellas nao
podem ser consideradas como um estado na-
tural A guerra o filelo da depravat-o dos
homens a doenca convulsiva e vilenla
do corpo polilico ; elle s goza desande isto
sest noseu estado natural quando go-
za da'paz' ; ella quem d; vigoraos impe-
perios ; mantem a ordem enlre- os cidados ;
deixa s leis a forra que Ihe necessaria-, em
a palavra, ella procura aos povos a felicidad';,
que o fim de toda a sociedade Pelo contra-
rio a guerra despovoa os estados ; ella l'az com
que nelles reine a desordem ; as leis sao obri-
gadas acalarem-se ; vista da licenca por ella
Introducida ; ella torna incertas a liberdade ,
e a propriedade dos cidados ; ella perturba ,
e diminue o commercio as Ierras fica in-
cultas e abandonadas Os Iriunfos por
mais brilhantes que sejo nao podem indem-
nisar a naco da perda d'a mullidlo de seus
membros, sacrificados pela guerra : as suas
victorias mesmo Ihe abrem profundas (hagas ,
ques podem ser curadas pela pa/ .
Se a razio governasse aos homens se ella
tivesse sbreos cliefes das naces o imperio ,
que Hie devido ; elles se nao entregaran
inconsideradamente aos furores da guerra e
;i sanha s propria dag feras.
ltenlos a conservar a tranquillidade de
que depende a sua felicidade elles se nao a-
proveilario *de lodas as occasioens que se
ibes o'erecem de perturbar a dos oiros;
salisfeilos dos bens, que a nalureza tem dis-
tribuido por lodos os seus filiios nao olhario
com inveja para aquelles que ella ha conce-
dido a outros povos ; o.s so' tinos sentirio,
que conquistas pagas custa do sangue de
seus vassalos ja mais podem valer quanto
cuslaro. Porem por a falalidade deplora-
, vel as naces vivem em a continua descon-
fianca perpetuamente oceupadas a rechacar
as injustas emprezas dos outros ou a for-
mal-asellas mesmas os pretextos, os mais
frivolos Ibes poe as armas as mos e pare -
ce que ellas lem a permanente vontade de
se privarem das avanlagens, que a Preziden-
cia ou a industria Ibes lem adquirido. As
paixes segas dos principes os levo a eslender
os limites de a*us estados, pouco pecupados
da felicidade de seus vassalos elles s procu-
ro augmentar o numero dos homens que
elles lorno desgracados. Estas piixes exci-
tadas, ou enlretidas por ministros ambiciosos
ou por guerreiros cuja profisso c inco;npa-
tivel coin descancM, tem lido, em todas as ida-
des os effeitos os mais funestos ; bumani-
dade. A historia nos refere muitos cxemplos
de 'paz' violada de guerras injustas e cru-
eis de campos assolados cidades rednzidasa
cinzas Parece, que s o consume total das
forcas queobriga aos principes a fazerem a
'|iaz' ; elles conhecem ta de que o sangue de
seus vassaios corre junianieiiie ioni o n iuhiii
go ; esla carnagem inulils tem servido para
cimentar o edificio chimerico do conquistador ,
e dos guerreiros turbulentos ; a felicidade de
seus povos a primeira victoria .. que se im-
mola a seu capricho ou s vistas iulcressadas
de seos corlezas
Nos imperios em oulro lempo estableci-
dos pela Torca das armas ou por algum resto
j de barbaridade s a guerra cendulia s bon-
; ras consideraco e gloria, principes, ou
ministros pacficos esto continuamente expos-
toss censuras ao ridiculo ao odio d a
! multido de homens nobres cu:o interesse
deoende da desordem. I'roba^ guerieiro a-
favel e humano, massacrado por seua sol-
dados por ler paleuteado suas dispos oes
pacificas I"-m um governo militar, o descan-
co para muilo um estado vilenlo e in-
cominodo e necaaario, que oaoberano aeja
wmmmttBmmmmaaBmMtmsmm
dolado d'a firmeza inaherivel d'um amor
invencivel dn ordem e do bem publico para
resistir aos clamores dos guerreiros que o
cercan Sua voz. tumultuosa abafa sem inler-
rup o o ;ilo d.i na o cu jo interesse s>
se i ncontra na tranquillidade. Aos parlidis
tas da j-Oerra nunca fallo protexlos paia exci
lar a desordem e para fazer com que seu
de/eos sejo atlendidos : E' pela guerra, di-
zemelles, que se consolido os estados ;
naco se e''emina e se degrada com a 'paz'
a gloria da mesma naco a convida a lomai
parle as qiirstes das,naces vizinbas ; o par
; lido do desean o o partido dos Traeos
soberanea engaados por estas razoens espe-
ciosas sao forrados a ceder sacrifico a te-
| mores e a vislas chimeneas a tranquidade
c singue e os tbt*sOuros desnis vassalos. A-
, inda que a ambi ao aavareza, a inveja e
', a m. I dos povos vizinbos forneco militas
1 rnses legitimas para recurrer-se ^s armas a
'guerra seria muilo menos Trequente se se
aitendessea motivosreaes, ou a a necessida-
de absoluta de fazel-a ; os prncipes que a-
mo seus noves salem que a guerra a
mais necessaiia sempre funesta ejque ja
mais ella ulil se nao assegura a 'pa'.'.
* izia-so ao grande Gustavo que por seus glo-
riosos suenessos pareca que a Providencia
Ihe (mi,a dado a vida para a salvaco dos ho-
mens (pie sua coragem era um dom da '"ro-
videncia e um e eilo visivel de sua I-onda le.
' izei antes sea guerra que faco um
remedio ella vem a ser mais nsupporlavel ,
que os mesmos males que ella cura
(Traduzidb de UiderOt. )
Sai
GABINETE ILITERARIO.
A Direccao do Gabinete 1 ilterario de Per-
namiiuco de conformidade com o artigo 19
dos Estatutos convida:! salisfazerem a joia
de entrada aos Snrs Socios pie anda o nao
fizera 5 entendendo-se com o Snr. Thezou-
reiroVanoel Alves Guerra em sua caza, ra
do Vgario n. 7. Rccife -j de Novembro de
18J9.
Luiz da Costa Portocarreiro.
1. Secretario.
Tendo a Pirecco do Gabinete l.illerario
de Pernambuco em Sessao de 10 de 1,ieiem-
bro ultimo, resolvido mandar imprimir e des-
tribuiros Estalulos taes quaes os a ppresen-
tuu a Commisso de exame ; resol veo igual-
mente fizar o prazo de mezes contados des-
ta dala a fim de que os nrs kocios offere-
cao nesle prazo as emendas que julgarem con-
venientes para que a IMrecco as lome em
considera o na occa/io em que disculir sobre
elles conforme a deliberaco da Asseniblea
do Gabinete em sesso extraordinaria de (> do
referido mez O que manda fazer publico a
os Snrs. Socios. Recife 7 de Novembro de
18.9.
Luiz da Tosa Portocarreiro.
1. Escriplurario.
Ultima Recita da terceira Sociedade Thealral,
O Emprezario pora em Srena a brilbante
peca nova O Bravo de.Veneza f* tem a salis-
faco de apreseutar a sol erba vala do Palacio
ruca I coma Columna do Leo de S Marcos,
o canal onde navega as Candlas e um rico
> estuario ao 11-ro I almala para o Bravo. O
ntreme/ Bernardo na La e far lodo o
possivel (mas nao promette) para se cantar o
novo I lucio I igaro e Rozina com o nue es-
pera remalar acntenlo dos Illustres Socios,
os seus expeclaculos parliculares.
THEaTRO pubuco.
Mr. Ran annuncia aos rs. que perlendia
Cama roles de frente nohre para odia uoze do
seu primeiro Expeclaculo de X'agica que a-
inda tem dpis dos dilos pois que o Sr. que os
assignou nao tem comparecido.
Avisos Diverso*.
XST OTerece-se quatrocenlos reis diarios, e
sustento a um escravo i\W seja capaz de vender
agoa em urna canoa ; cpiem o liver e quizer
al'ugar dirija-se a ra da Loncordia caza
da esquina que lem o distico da mc.ronada
ra. .
tST A luga -se um moleque muilo deligen-
te para o servico d'oma casa c venda na.ra
quem o pretender dirija-se a ra da Pehha ,
lado do nascenle D. 7.
tsr Quem qaiaer comprar cazaes de pora-
bos baledoics derjff-se a esfa Typografia quu
se dir quem tem.
rr Constando a Joo Francisco Santos
de Siqueira a cazaem^ -e eaiste a sua escra'a
crila de nome Felicia, que a dias sevadio
de caza nao queiendo o mesmo seo *enhor-,
ter ocazio de preseguir a pessoa em cuja caza
1 mesma se acba por isso roga de Iba man
lerr. entregar quando nao por si o menos
en leuden do-se com o mismo seo ^enhor, que
elle de acord com a rebrida pessoa a mandar
recebei; aasim o e.vpeva e promete guardar se-
pedo.
S35* No dia sabbado q do correnle, em pTa
a publica do Juiz da Praia se bao de ariematar quinze escra-
vo* f\ do servi o de campo e caza ) e gado
vacum e cavallar por exedeo contra os her-
deirosdo fna lo \ cenle I ereira l.urjo
SS- Aluga-se urna coc era para recolber
cari inbo ao pe da Igreja de N. S. da Solidado:
ipiem a pe tender dirja-se a ra do Cebo L).
la que abi achara com quem 1 radar.
C?" A luga-se o Sitio de Fiancisco Antonio
de Oveira na estrada dos Afllilos fronleiro
a Capella o ijual tem excelente caza de viven-
da bastantes aores de Inicio e Ierra para
ptknlacoens : quem o pertender dirija-se ao
auniiuciaule n aterro da Boa-visla saindo da
Ponte piarla caza do lado direito
t2f amado Rngel no segundo andar
do sobrado que lica delioule/los Diversos re
cebimentos econia escada defroirte da gua
rila da guarda da mesma Reparlico se en
gomma toda qualidadede roupa tanto lisa,
como com pregas com lodo asseio e prompli
ilao ; assim como lambem se cose toda quali-
dadede costura al mesmo de allaiate tu-
llo a preco mais barato de que em oulra qual-
quer parle
UrU Professor do Fnsino mutuo do Liceo
propoe-se a liccionar (luanle eslas ferias A
rimelica e Gramtica.da lingua materna ,
tatito na caza de sua re/idencia ;ua-verde L). aa} 1 como por c<*zas parlicu-
ares.
isyP ecisa- ?e altigar urna prela cativa quo
sail a vender na ra : qucni a tiver v a ra
^ova U. 19.
C^Alujja-se urna caza no milbor local do
Arrombado com commodos sala adiante e a-
traz dous quarlos co inha lora e quin-
tal murado : na ra do l respo loja 12.
S Na refnacu nova das S puntas largo
deN. S. do i erco lia as ucar refinado muilo
superior a %) o rs. a arroba
\ZF a refinacao do Forte do Mallos I). 4 *
e na padaria do Sur. Corles tem Batucar
refinado bom a 100 reis a libra, e em porco
mais em conla.
ja* abaixo assignado nos acuellas
peesoas que com elle tem jugado jogosde
parar, como os (pie lem prezenciado e com
cerleza sabio de laes jogos bajan de declarar
por esla folba os seus nnics ou das pessoas
com qem jogou e lugar aonde leve occazilni
o jogo, a fin do publico respeilavel a juizar
do seo procedimento a respeito ; visto que
onlem a sua noticia chegou que pessoas ; ou
jiessoa que ll>e e desaffecla o calumniou de ju-
gador ; lembrando-se o abaixo assignado ,
que durante 4 ou i5 anuos, que tem
permanecido nesta Provincia tir jogado o
\alt.rele ( ror condesa ndeucia ) com o Sr
Capilam Manuel luiquim d'Oliveira em
caza do Vicario do P. do Albo ei, ou 2
vtzes manilba 10 rs. o tent com cuja
declaraco verdadeira ficara muilo agrade-
cido. --Joaquina Pcirera Xavier d'liveia.
t~f Pieciza-se de urna caza para pequea
familia por dois mezes preferiudo-sc nos lu-
gares do Cordeiro at oCaxang: quem tiver
ani.uncic.
C^- O abaixo assignado avisa a quem quer
que lenba direito aos foros do lerreno em quo
o aniiui ianic. comosenborio til levanlo u-
ma casa lenca na ra da Gloria da l'oa-vis-
la D: !> declara, o abaixo assignado a&e
a importancia dos dilos foros se ada node-
pozifo geral visto nao ler sido positel ao an-
nuncianledescobrir quem seja o senborio di-
recto Francisco Moreira Dias.
d" Quem precisar de roupa lavada een-
gomada com perfeiio, assim como lambem
lz-se cosura com todo o asseio drrijo-se a
ra da Sanzalla nova casa onde mora Joo
lavares do Nascimenlo meslre de allaiate
no terceiro andar. Na mesma casa tem
urna seubora que dezeja-seempregar no ser-
vico de ama de casa de liomeui solteiro de
portas dentro.
cy Offerece-se urna pesssoa para dar li-
ces deLulim, e prlnieiras lelras durante
as ferias, lamo em sua casa como em casas
particulares, com o maior zelo e promj li.o;
.piem do seu prcslioio precisar dirija-searua
d'Afeai L). ib.


DIAIIO DR PERNAMBt'CO
dos na freguesia de Serinlyem junios ou
nidos rom seas utnclios
e escrava-
sepa.a, ,
tura respectiva .a propriodade denominad.i
Gaimda: ,^e'pafrles1 Os engenhos campia c
Boa vista-, cIlha.do'LaiHenha na mesma Ire-
f ucsia v ftem-Quaipuiesta praca urna casa terrea
na ruads Tirincheiras n. 4 i uma dita "-:
de Horlasjni 53," urna dita de i andares na do
Ranpel n. ia, eoulra na Boa vista com Irenlc
para o cemiterio da lgreja Matriz; as pessoas
que pretenden! comprar quac (|uer dos bens a
cima mencionados sirvo-se appresentar s-.ias
propostas no escriplorio da Liquidaco da dita
casa na rua di allandega vcllia n 7 at i5
do correne uit, ^ia em que principia M
remata-, ao em hasta publica.
tsr Quem precisar de um homem viuvo ,
para caixeiro de engenho ou para eilor de
algumsitio dirija-se aira/, da abobada da
Penlia casa terrea I). 17.
tsr Roga-se a pessoa a quem veio entre-
gue do Rio'de Janeiro um livro intitulado -
mmila oens de Jczus Cliristo para ser
entregue a Joo Perera de AraujoNeves ,
nucir annunciar sua morada.
jty Luiz Jis Ferreira Perfeto, fazscien-
te ao n-speilavel publico, que por cauzasque
oecorrero da parle de sua mulher Bernardina
Wariada ConeeLao se retiran de sua com-
panhia e como lhe consta que a dita sua
wullier queira atraliir dividas que nunca de-
veo s com o fim de destacar sen marido nao
se importando ser elle ceg, como o annunci-
anle possue cluas crias sendo um de nome be-
nedicto e outra de nome Auna e urna casa
terrea nos arromhados em Olinda por isso
declara que nenhunulesle bensesto sugeilos
WST Os Liquidatarios da casa do fallecido bastantes cammodos para grande frmilia, no lentes aeran os e algnns del les secretos.
$r Antonio Marques da Costa Soares ven- sitio do cajueiro ; a (aliar como seo proprie- uma estante de guardar livros ludo de ama-
demos engenho Trapiche eAgi Tria silu- tarioF.ancisco Rbeiro de rito. rel e por pre, o commodo; no atierro <^amtabwaho ^ de^ -^g pedro nas ,0_
t^. Uma camadeangicocomcohaoeen-
banquinha de amarello e
indun embutido tuilo
xergoens uma
6^ O ibaixoassignado eomprou de soeie- Boa vista I), t. ... T. -j..-. nueaooucoki
dade com o Sor Antonio Francisco de Souza | tsr Caf Muido, sevada, a ifo a libra em I ]s do sobrado de dois andares que apouco
Lio um bilbete da primeira parle da quar-pesode *> libras pura cima e em menores a 1
ta Lo'era a, favor das obras da Igreja de N I o ; nos lugares se;uintes; na venda da qiii-
S do Livramento desla Cidade de n.-'946. nado hero do Lobato no atierro das 5 pon-
tas confronte ao viveiro e na ruado Alecrn.
da noel Jos Lopes Braga
tsr Para os elegantes ha na loja franreza
le AlfonsoS. Martin, pannos I rancezes sor-
tidos decores
tsr Aluga-se um segundo andar e solao ,
no largo de N. S. do Terco ; a tratar na ra
eslreila do Rozario >> 3*
tsr Arrenda-se uma casa no bairro de S
Antonio as seguintes ras borlas, agoas
verdes, dircia, e irincheiras que nao exce-
da de t-'ooo da-se fiador a contento ; a tratar
na ra da Gloria 1) >a.
tsr Preeisa-se filiar ao Sur. Jos Perera
do Hc{o a negocio de seu interesse ; na ra do
Crespo loja de Joaquim Maia da Silva.
Avisos Martimos.
PARA LISBOA com toda brevidade por
ter a maior parle da carga prompta o mui-
lo velleiro Irrigue Pftrluguez Fcljz festino
por baixo do sobrado doSr. .Monteiro.
C5" A obra de Vlerlin em <3 volnmes ; no
escriplorio do Advogado Antonio Vicente do
Nsciniento Feitoza na travessa do Rozario .
ou a sua casa que he a primeira de vidrassas
ao virar da ponte velha para a ra da Gloria
CT No atierro da Itoa vista casa I) iodo
lado direiloao sabir da ponte no primeira
andar, botoens de metal fino amareos e
blancos amarcllos de todas as qualidades
ditos de ferro envernando, espartilhos para
coleles colcbeles muito superiores c ricos pa-
ra capotes ditos para guardanapos de mesa,
trama de algodo de todas as cores fitas de
nbo muila larga e botoens para jaq
militares tudo por pre o commodo
tsr Urna negra crconla de idade de ian-
ios, boa co/.inheira engomma cose cha e
u renda; ua ra de S Thcresa venda D. 1J
tsr Uincavallo mult > fiordo novo e bom
carregador baixo ; na ra Augusta casa da
quina que tem lampio
tsr Um esttavo parlo official de pedreiro,
de idade de 20 annos 'e ptimo para pagem ;
na ra da Madre de Dos loja n >.
XZr fjm escravo canoeiro e ptimo oleiro
de telha e lijlo, idade de nita figura j 11a piULiiii< u uiVriiictO t/c-
cima >\.
tsr- Um sitio no lugar do Jang\ cm boa
cacado vivcnda mais de mil ps de coquei-
i-os e bastantes arvoredos de dnlerentes qua-
lidades compo.o, e tanque para lavagem ,
u de!4*8 pedrae cal, com perto de ineia legoa de
1 fundo ; na ra da sen/ala velha n A .j na
Uma arma ao nova de mui.o bom gos- esma casa uma negra da casta l>oa ^^leira.
to para fa,end,s construida de amarelo I tsr Bous sapa los inglezespara homem 5 na
toda envidrassada e envernada e a posse da Cadea do Recle loja .0. ____
da lo a que juntamente se traspassa por nove
de que he Capilo Joaquim Pedro da S e Fa- annos que terminao em i4 de
1 por no e ,-> >
Mar o de' LsCHiVOS
Fgidos
ria ; quem ne.le quiser ou regar ou ir de pas-
sagem dirija-so a Francisco Seve iano Rabelo
no (orle do mal tos ou ao ihesnpo Capilo.
PARA O ASSU por Toros, Caissara e!
|S|S. a tratar no Recife rna da Cadeia D.
31 na mcsma loja.
tzr Urna cscrava de '8 annos creoula de
bonita t'gura corintia en^omma. lava bem
e cose e troca-se um
Guamai, a sabir p>r esles (lias, o Broue de sabao e rarrella e cose e troua-se
Escuna Rainlia dos Aojos M. Isidoro da Sil- sobrado por v.ma casa terrea tendo hons com-
va ; quem quiser carregar dirija-se ao Mes- modos, e seja em boa ra o sobrado he sito
lie ou na ra da Cruz 11. -*o. nn ra Direita ; a tralar na ra Direita so-
S3?- Roga-se a todas as Authoridades po-
liciaes commandautes do registo e de em-
ba cacoes mercantes todo o cuidado em ps-
uuisarem as escravas que forem1 a embarcar
a *er se descobrem urna miiih 1 escrava de no-
me Anua ladina de Angola de bonita figu-
ra estatura regular cor prela roslo puxa-
ig wii ni 1 uu u.i v PARAORIOD'.JAiXEIROoBrigueEs- bradode um andar D. 55 junto a Igreja do cuna Amis-.de subir imprett-rivelmen.e no : Terco. '' SS r *? I,uraii ma_rea ^J fJij?
a dividas' contiabidas por sua mulher, p isdia 15 do crrente anda recebe carga miu- tsr Um molatinho de idade de 8 annos;
at csla data nada deve senao ao Sur Antonio da, e passageiros; tralar-se na ra da "cadeia na ruado azeite de peixe '\ 4*
Jos Gomes t'< ,00o e todas as mais dividas n 5q ou com o Capilo Joaquim Goiisalvts Wf Prelos em sacas de superior qualida-
que posso aparecer sao falsas.
0T Joo Carroll & Filho faz scienle ao
respeitavel publico que mudou o seu arma-
zem da ra da Cruz, para a'praca do Commer-
ftlaia.
C o ni p r a s
de a 3oon a sara ; na ra da ruz n So.
esquerda e no braco esquerdo humas letras,
ou marcas d'Angola, peinas grossas e ps,
levou vestido de riscado desbolado e panno
da (osla, e sendo que a dita escrava tenha
procurado a alguem para a comprar duvidd al-
te*" Uma escrava mo, a de bonita figura, nuncie.
quesaibe bem engommar coziniiar, e coser, l (5- Por preco commodo uma casa nova,
ponas ,* prcisa-se de um caixeiro para a dila tudo com perfeico; em Olinda rua do balde no. na ra de S. Pedro Apostlo em Olinda ; na
tomando-a por balance e dando fiador e varadouro l). -^ 011 annuncie.' ; rua da Cruz n. 1. .
tamhem de eecravos de ambos os sexos para \^T Dois casaes de poinbos batedores; quem j "xsr Urna carraca muito bem construida e
venderem pao. tiver annuncie. cmi pouco uzo ,
1S- Na rua da Cruz n. 8, precisa-se de' C^* Boinas de genebras vasias ; na venda so do Gitp.ii
omc'mes de sapaleiio e mesmo algum mole- de Joao Loffle na da Cruz n. 4b | izr L'm n
que para aprender dito officio \ C^ Um Diccionario de porluguez para bonita figura muito deligente
t* I recisa-se de um homem estrangeirp fraiucz ; na rua da .Madre de Oeo 11 n\
ISf Urna fazenda de >v\o com 5o vareas,
. ... ," Ruma lerc em a veuder. podeudo-me procu-
situada om muito bom lugir, perto desla pra- '
ca
ivredomar triste ; quem quiser ae-
rar a pessoa que a quizer comprar em cu,a caza
ella se aeba para o ajuste : assim como pro-
testa seguir os termos judiciaes contra quema
tier occulla pois consta ter si lo sedusida ;
quem a pegar leve a rua Nova caza do Te-
nente Coronel Trajano Cezar Burlamaque
U. o ciueser tea. ."ratificado,
por preco commodo : opas- "' ^ M"1-3 >
tsr Na larde do da 17 do p. p
moleque dogentio de an^
; ,*bptiii
dcseiicamiuhou-se
de Ti-
ou i'iro de um
. ** I
-ola; de (.'P1" .
mo para cura'01 1 quclua para o BrejO da Madre de
que entenda pe leilameute de padaria e re-
fina, o de assucar ; a tralar com Vlanoel Jos
Veo das
Gonsalves Braga.
^- Precisa-se de um a dois escravos de >
tsr 1 reciba se uC u __ LiMamento a 3.sooo: nosla
bluguel para venderem pao, paga-se l.ooo, ., '
por mez e suslcnto ; na rua das larangeiras gl*al|a.
tsr ftk'ios Dilhclcs da Loteria do Livra-
4T Mcio.s bilhetes da Loteria do
T
lypo-
por
padaria U. 5.
t^r Arrenda-se para passar a festa
011
l eos um molerjuede nome Casciniro de 10
aprerfder al ;um ofhcio por ter bstanle pro- 1 .. ,. ,
pono, e sabe vender na rua; a rua por Pa ,a .?,n,10S f ; fundes e
aetm do. Martirios I), ao. sobranee.lbas e be.cos grossos, nar.z compri-
cr Uma barretina para G. ; nesta ^ e pouco chalo emb.gudo com urna pe-
,- r quena (crida nos escrotos com camisa e se-
Typog
izr Urna escrava de bonita figura boa
roula de panno de algodo da Ierra e chapeo
engommaueira
na escrava de liomla ngura noa ,. V 1 i
leira cosecha, faz hici e rendas, ^^^^^^ tStfei'2
nieiilu ; na rua nova lo;a de l'eriai'eus I)
z~r Meios bilhetes da Lotera do Livra-
co/inha o diario de uma casa he recdlhida
o e da-sea contento ; na rua I iieila i), /o la-
por anno urna casa no \ ouleiro, com gran-
des commodos com quintal e sabida para o 'ment a nove patacas ; na praca da lndepeu-
"a Penha sobrado de S dencia lo a de encadernador n.
les commouus iui q
rio: a tralar na rua d
andares por cima da venda de garapa.
tsr Perdeo-se desde o arraial de fora de
Pollas a treinpe uma chave de uma burra de
ferro ; quem a tiver adiado querendo restituir
leve a rua do Crespo loja de Joaquim \ iegas ,
quesera reconqicnsado.
6.
tsr Cambalas bordadas de cor a 700 a va-
ra cassas piuladas a 180. >. o.eioo o ca-
vado, murceliuas finas a iooo e a -..oo a
vara chitas e riscados de cores fitas a -joo rs
o covado coulros muilas (pendas baratas;
na rua do Cabug loja de Antonio Rodrigues
tsr O Sr. Manoel Raimundo dos I'razeres, da t ruz.
Procurador do Palrimonio da Irmandade de, tSf Por preco commodo duas excellenles
N. S. do Livranienlo queira ter abondade partlhas de liicudos e curias; na rua do
diri.ir-sea lo a de Jos Antonio do Carnio Hospicio casa terrea junio ao lampio. .
paraJrecebcr a quantia amillonada no Diario' tsr Uns novilhus de boa raca capados e
de dois do correne devendo o mesmo Sur. | muito mansos, a co-.lumados ao pasto; nos
Raimundo apresenlar as letras, que o aunun- alHiclos sitio da Capel la.
nte passo 11 como fiador de uma casa do pa- tsr Bilhetes c meios julos da loleria do
Livramento ; na rua do Cahug loja de relo-
joeiro junto do Sr. Bandeira.
tST Meios bilhetes da olera do Livra-
cia
trimon'io da dita li niaudande.
jry So dia nove do con ente se ha de ar-
rematar em piara publica um escravo de
naco por execuco de Dcima quem no
mesmo quiser lansar compareta na porta do
tai- Andr Alves da Fonseca director de
msica avisa a os seus fregue/es e a quern
convicr, que mudou a sua residencia para o
pateo da penha sobrado novo junio a Guar-
da-das diversas rendas quem qui?er servi-se
de seo presumo promete servir bem nao s
com zelo que costuma como com novas mo-
Bicasdos.nujlhoies aulhores de que est pre-
venido-
5y Precisa-se de uma mulber rapaz, que
saiLa cozin!iar,e engommar | aia se oceu-
ar noserw.-ode urna casa de pequea inn-
|,a na piinicia casa de ridrassasao virar da
Doule vellia para a rua da Gloria.
tsr Uuem annunciou querer comprar um
paliteirode piala dirija-se a iua da moeda
"' Aluga-se para passar a festa duas casas
terreas na margem do rio capibarii*, com
do do Livramento.
CarlosCoelhoda Silva, morador no Rrejo da
Madre de Dos na fazenda do oco ou a Jos
Cordeiro de Carvalbo Leile morador no Re-
tsr Um sitio grande na estrada da Ponte <:ile a 'aa }:irSd^ I0'ano/
decha com esa muito grande toda en- r 1Nd,a ',3 dc ^m^ do crrante .
vidrassada com tres salas grandes orue fugm um negro de nome Severu.o me.obu-
.Miartos.cozinbafora, copiar. casa de fari- a de idade de o annos levou vesl.do
nha, estrilara para o cavallos casa para calsa de algodao e camisa, chapeo de palha,
feitor, e negros, com muito arvoredos de "f ^f ,,eve uma. ,e,!da e. no ^'fiT,1130
liulodetodasas qnaliqades e muito cal 'em ,;d,,,|l' os dedos das ,a4 compndos ,
duas baixas p,ra capim e muito terreno pa- *"., '!" 1",'^ de mulher pe, gran-
ra plantacoens cuo sitio se vende melada a
metilo a tres mu res ; na rua larga do Roza-
rio loja de miudetas I). se le.
*^ Meios bilhetes da loleria do Livra-
mento a nove palai as ; na rua Direita venda
que foi de Jos da Penha.
tsr Urna escrava de idade de 1 annos, com
principios dc cosiera e hbil para todo o ser-
via); na rua lar;;a do Rosario D. 4 no a and .r
tsr Ou arrenda-se um sitio no lugar da
Piranga povoaco dos afTogados com duas
moradas de casas de pedia e cal com cozinba
lora, sen/ala para pretes, estrihaiia para 4
cavallos tendo una das ditas casas boto um
grande viveiro bastantes ps de coqueiros ,
l.iiaugeias eoutras inicias, advci-lindo que
tem lente para se edificar mais de o ra-
das dc casas; a tralar na rua da cade Iba
D. 34.
tsr Urna preta dc toda o ser i o de ida-
de de 41 anuos |H)uco uiais ou menos ; -na rua
do Arago 1). 314.
Urna carleira de uma face com excel-
vista e metlica praso ; a tratar na rua Di-
reila I), a na mesma casa se arifiida oulro
sitio mais pequeo com casa de pedra e cal .
e algumas Inicias muito boa tena de plantar
capim e mais lavoura.
fgr 'ara lora da provn ia um e cravo cre-
oulod bonita figura possanle serrador e
vaqueiro na rua do sebo casa junto da do
Sr Labra
tsr Uma cscrava le angola de (onita fi-
gura ; na rua deS. Pedro D. i.
OC-TS" i J.O nalinos de erra em frente i.om
3oo de fundo por 710,000; a tratar no be-
code Joo Francisco I), o.
tsr L m moleque de idade de 12 annos ,
creoulo e de linda figura ; na rua da ca-
deia do Recife n ti. .
tsr Um venda no6 a (Togado na rua direi-
ta com poucos fundos e commodos para
familia; a tratar com Tliom Perera 1 agos
tsr Um bonito escravo de naco de ida-
de de 20 annos, bom canoeiro tres escravas
mocas de bonitas fignras fa/em lodo o ser-
vi o de una casa duas molers ; um mola-
tinho de 14 annos. proprio para pagem ; e
una cadeirinha para Seiibora por pre o com-
modo ; na rua de a(,oas verdes I). 8.
isr Para Cora da provincia ou engenho,
urna negra de naco cozinba prfeilamente .
engomina e faz lodo o mais enko de uma
casa ao comprador se dirvi o ruulivo j na pra-
ca da Indepeodencia n. 30.
des, e abrerlos algunia coisa para lora; quem
o pegar leve a rua do Apolo em casa de Ma-
noel Perera Das que receber tio 000 dc
gratifica ao.
tsr U'sapareceo'a lempos um escravo par-
o de no,ni.' Gregorio ollicial de marciueiro ,
i'-lalua um lauto baixa cor escura de ida-
de o e tantos anuos anda as e/es calsado
be bem conhecid) nesta praca e seus arrebt-
eles e consta elle andar dizendo que he forro,
quem o pegar leve a seu Sur. Antonio Jos
Pires na pracinba do I ivramento D. 11 ou
na ponte do Uchoa no sitio da viuva do Coro-
nel Benlo Jos da Cosa que ser recompen-
sado.
H* 1 ent (I 1 *orl
NAVIO ENTRADO NO DIA 6.
ENGUELA ; 01 das, Brigue Portugue,
Experiencia M. i uiz Antonio de Abren s
equip. car,;a cera ursela e p.mla
de abada ; a Jos Joaquim da Silva l ega-
das ; passageiro porluguez Tho'maz Pinto
Caldas.
LiS OA ; 8 dias Brigue Porluguez S.
lomingosde botone!., M. Manoel Goi.
sales Vianiia, equip. iS ca ga yiubos ,
e mais gneros; a Herculano aria lies
son : passageiros dois brasileiros, e um
hespanhol.
1RECH-E JNATYP. DE Al. F. DE k\ 1^
ILE6IVEL

I
.1


N
TABELLA IV 1
1IESPEZA PROVINCIAL.
Classiicacao da despeza feita pelo Almovari'e Thesourei-
Pagador das Obras Publicas, Henlo Bandcira de
ro
Mello, no 1. Trimestre do atino flnancciro de 1850
a 184o, que decorreo do i. de Julho athe 5o de
Septcrobro de 1859.
OBJECTOS DA DESPEZA.
ADMINISTRAR \ FISCAL......
Auno anterior a Le. Auno da Le. Total.
Ordenados, e gratificarles aos Empregados. i 44<)Ui64
Impresfio do 3, e 4. Trimestre........ 56Uoo
dem de Conhecimentos era forma......... iGCJooo
Aluguel da Casa .............. 75U000 75U000
Desperas miudas............... u^Vo 695U8a4
INSPECA GERAL.
Coronel de Engenheiro, e Inspectc Geral .... 60JJ000
Capillo as Ordens.......:...... 45Uooo
'Amanuence extraordinario.........-. aiUooo
Livroi................ 6U4"0
Despoa miuda............... 5U;6j i38L'i6o
GABINETE THOPOGRAFCa
Dous Dezenliislas ........,.., i ,' 5oUooo
Hum dito Extraordinario. ........... 21U000 7IU000
Serventes. ;............... 5Uiao 48U480
Ferragens............. 72U000
Material de Carpira............... jollooo
Despea rnindai............., 9U600 ^Uao
GOMPANHIA DE OPERARIOS.
GratificacSo ao Medico. .,...... : 5aUooo
Premios dos 3 Inspectores Parciaes. ........ ?5Uooo
Gratilicacoes para 3 Cotinheiros. ......... 3<>Uoo
Impres9lo do Engajainento nesla Provincia...... iUooj
Faldamentos ............... 'ig^USG
dem em dinlieiro aos Oltciaes de OIBcio. ..... 3i5U5ao
Papel e penas............... 34U3o
Lona ....*........... 56Uooj
78Ua84 i.-iogUioo i:iaiUt84



Transpotte,
Jornaes. ...... :
Faldamentos...... .
Mantimentos comedor ia* ....,,
Uiensis para cozinha. ....
Jlluminaco.........
Refreno e fumo........
Camas de vento., .......
Expediente para o Comandante .
Mjteriaca de Marcineiro......
GraI i6cAcSes aos sobres mandadores
Despez* joeuda ........
QUARTEL DOS ENGAJADOS.
Male iaei de Carpinas.......
Anno anterior da Le. Anno <]a Le
782U284
Total.'
(a)
(O
()
()
()
i
Jornaes .
Material de Pedreiro
4f)"Ugoo
i45Utao(a)
8iU6oo(a) j
50U900
PONTE DO RFCIFE.
Materia] de Carpinteiro. .....
PONTE DA BOA-VISTA.
1-.109U100 i:i2iUi84
5:593Ui4
2:9090410
2:122(1537
i6oU3oo
i5U<'oo
8iUa8o
122U000
54U680
.fc8Uio
ia76o
2iUa8a ii^3tD88i
i'.oioUojg
636U720
i3aU5oo
1.779U239
.Inspector P.-rcial
Jor
3 U00O
Grade
36tiUooo
gofjooo
366Uooo
de ferro!............ *J6oo njtff^o
Ferregen.....
Material de Carpinteiro.
dem de Pedreiro ,
Concertos Je Fereiro .
Despeza miuda. .
9,ja4o
5i8UH4o
37255
abU ><>o
5iU3ao
2aUg2o
4-n6U645
PONTE DOS AFFOGADOS.
Jor
PONTE DE MOTOCOLOMBO.
Material de Carpinteiro.......
PONTE DE BJARI.
Inspector Parcial ...,.....
PONTE DA MAGDALENA.
6a4o 3U770 42U010
237U000 337U000
4oUooo 1 aojtf 000
i6jUooo
Feitor
Jornaes
. .

38oo
Material de Pedreiro. ......* .' 64
SgUooo
KoiaUqio
6U400
i:i6i75e
i:p79464 i9:835U245 20:9140709
PAGINACO


f
'.
V

nno anterior d* Le. Auno d Le. Total.
Transporte. H079U464 i9:835U245 ao^U;^
'PONTE DE S. AMARO JABUATA..
Jornal ao< trabajadores. ., -aolUlao
Xeirameota................ a6U8oo aa?U9?o
ESTRADA DO MANGUINHO.
'eilor..............i ooo 8Ujoo
Joraaea ............... 67U56o i56o4
Alugelda Casa. .,.......... l5ooo ^^
Despea meuda................ 4rj200 a68OM
ESTRVDI.-DO PAO DO ALHO.
Tenente Eucarregado ,,.,'.; 36U5oo
Jurnaes............... I1U680
1. LANCO.
3. e allima prestado o arrematante. ,; ; i:g5iaa3
a. LAN^O.
Por couda 3. ultima preataco. ; 3:oooooo 4:gggUao3
ESTRADA DO SL.
AlfereaEricarregado...... ; A6U000
Grati6c.c6esaoatrbalhadores ........ 53^4, l63U68o a63CIl*o
ESTRADA DE*. ANTAO.
EngenheiroCiTel ...;..;;..- aooUooo ^ooUooo
Gratificacftes aoa Soldado.......... l6Uooo aog0O
Aluguel da Caaa............. 7U68o jf)6So
a. PARTE.
3.- e ultima prepucio. ......;.;;.; a:333U334 3:i85U49
CADEIA DO RECIPE.
Ferragens................ aU5oo
impera aeuda............. llU44o j^
CADEIA DO LIMOEIRO.
Inspector Parcial. ...... ... ,. 4^000 laoooo i6oooo
MATRIZ DE S. PEDRO DE LINDA.
inspector Parcial. ....... 16666
^'P"1-................... ati6oo
aiUgtf
.1.781LI430 aSiag.Uia 30:07*1/39
INCORRETA J
-


jjm

Anno anterior da Le. Anno da Lei. Total.
Transporten i:?8iU43o *8:a9oU86a Soio^aUag
MATRIZ DO CABO.
'Inspector Parcial. .....;!.!;. julloeo 5oU666
3. e ultima pret>tacfo.......... i:359bto i:45oU3a6
QARTEL DE POLICA.
Jornaes. ....... i ....." '. 34U8*0
Material de Pedreiro ........*.
dem de Ca pina.........i.
-Ferragrns..............
Despeza meuda. ..........
THESOURARIA PROVINCIAL.
Feiior. ;.......;..-.:
Jornaes. ...............
Material de Pedreiro. ...
Dito de Ca pina............
Despeza meuda ............
GRAL DAS OBRAS.
Jornaei ....;:...; ; ; ; ; iSUiao
Ferrageni,.............
Cabo de linhn, correitte de ferro sebo aieite &c.
Material de Carpinteiro.......A #
Material de Pedreiro.......... ^
Despeza meuda ..............
ifiU6oo
64U5io
5Uuoo
5U64o
3U6o
34U88o
i:o56U54o
20-'l)980
6aoL)iK>o
55U46o
aj3U3io
1196911860
57f58o
57Uii6
Su^CJooo
636Uuoo
270U000
4U54o
i:8i3U356
i:869U45o 33:7097i4 35:57$Ui4
Elias Joze Mar lint Pereira,
l. Eaciipturario.
Pern; Na Typ. de M. F. de Faria. i*39.
I PAGINACO M


O Cofre da Admnstracao Fiscal das Obras Publicas a
leira de Mello, ein l com o Cofre da Thesourar|
de 1839 i. 9 Trimestre do cor-

fiECEITA,
1&39.
Jullio
Agosto 7
Sipleinbro 3.
> ji.
> 1 a.
97.
Pelo saldo que passou do 4- Trimeatre do uno Gn
passado para o 1. Trimestre. .
Dinhtiro recebido nestc diada Thesouraiia
jdeai dem dem. .
dem .1.Ii;m .Iilon.
Uem Moga dem. .
dem dem dem. .
dem dem dem. .
anceiro prximo
Agosto
Bi.
aa. Pelo que'je recebeo de Francisco Carneiro Machado Ros importe
de cedro velho tirado do forro 4a Cpela mor da igreja do Co-
legio segundo arreinataco. ,. .
-Administrado Fiscal das Obras Publicas 11 Je Oulubra de iq.
Rento Bandeira de Mello.
Almoxarife, Tbesgureiro, e Pagador.
Deve.
i:a96U56S
8:000 Uoop
I9:o,5iUo2$
8:000 Uoou
8:OuoUoOO
9:333U53
907CJ644
41:9181156*9
aoUioo
4:238U6(9
1
IV. 16.
As ndicoes da Tabella N. i. que levlo a nota (a) lorio despezas feitaa pela:"Reparlicio do Arsenal
.T.icia, Admin Unci Fiscal das Obra Publicas 11 de Outubro de i83cj.
r


I
cargo do Almojarife Thesoureiro Pagador -liento Bau>
Provincial desde o. de Julho the5odeSeptemb.ro
rente anuo Financeiro de 1859 a I84o,
DESPEIZ4,
1839.
Septenio 3o. Pelo que se deapeodeo com as OSraa Publicas Provinciaes do i. 9
de Julho tbe 3o d* Siembro de i83g com 7$ documentos
conforme o Extracto e Tabella. .
HaTr;
35:579Ui44
dem com ai Obras Publicas Geraes com 26 documentes con-
We o Extracto e Tabella........'. fcoioG*
Soma. Bi 39:58911784
Saldo que passou ao a. Trimestre d# correte anno. < i:648U885
4i:a38JLT69
Elias Joie Martina Per eir.
I. Etcfipiurario.
Jde Mariafy, e pagas ptijf esta Admniat racf o Fiscal era rejrtudeda ordenido Exm. 5r. Presidente da Pro
Elias Joze Martina Per eir.
1. scripturario.