Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08644

Full Text
&NNO DE 1838.' SEXTA FEIRA
US DEMARCO. N. 6 i.
Ul___l'i. I '-
m&
PERN. Mi TYP. n M. t. nr PARIA. 1838.
DI/8 DA SEMANA
iM'ennd s. Gregorio P. Audiencia lo Jais
exime de tarde se*, da T. P-
13 Terga S. Rodrigo M. Re. de n.eaud. do
J. dos OrC de tarde.
II Uua.ru s. matbiides Rainha. mimo da Lhesou.,
15 Unite S. Henrique Re. Rellacao le maaha
etc.
16 Sexta S. Ciraco m. Scssio da Thesourana c
aud. do J. OS Or*, ite tarde.
17 Salterio %. Pntricio ap. da irlanda Rol. de m.
aud. do V. O. ein Olinda.
LS Domingo 3.da Qiraresma. S. Gabriel .rcanjo.
mare'clieia para odia Ib' ile uarfo
as 10 horae 6 m. da ni, 10 ti- 30 ui. da tard.
Tndo agora depende de n mesmos da nossa
prudencia, moderarlo, e energa i continuemos
OOmo principiamos, e seremos apontailos con adun-
agito erutre as Nagoes ruis cu tas.
Proclamacaod'Assemlilea Gcral do Brasil.
Suliscrevcse a 1.000 roismencaes pagos adiantados
.ii-i.i Tipqgrafia, ra das frutes d. e na Praga
da independencia I). 37 < 88. onde se receben) CTi
respoodenciai legaliaadas, e annuncioa -. inserindotg
estes, gratis sendo dos proprios assignantes, e viudo
awirnados.
CAMBIOS-
Marco 15.
LdOodre*32a33 l| Os. Si. poi lono.ed.
Usboa.65 poroto premio.por metal, Nom.
Pranea315 a 3i0 lis. por tranco
Rio de Jan. ti p. C- de deSC
Vledas de fi.ioi) 13,800 ai re has, novas IS,400
,, 4.000 7.400 7.500
Pezo* Colunarc* ,505a 1570
ditto Mexicanos !,5ft0 i 1565
Patacea Brasileiros i,565 a I5T0
Premio das lettras. por mea l i por O|0
Cobre a par da scdulas
P.tHTMM DOS CDHK ROS.
Ol 11!.i __ Tu iliai io iiirin da.
Qoiana, Albaudra, Paraiba, Villa do Cond, Mi<
masguapa, Pilar, Ileal de 8. Joao, Hrej d'Area
liainlia, P<> mt.al. N'nva oe Soma, (idade do Nal* I
v'iMai de Qoiannluha, e Nota da Prioeeaa, Cidada
la Fortaleza. Villa- do Anuirs, Moiile mor no'O
Vracat Cescatel, Can inda, Uranja, Imperatria
' Bernardo, 8. Jlo do Principe. Sobral, Novado
K'Re, Ico. S. Matlien*. Reaehodoseitsjae, S
tlltoqjo do Jardim, Queieramnliim. Parnaluli"
-Segundas e Seitasfaifas ao mel da por va da
Paraiba. Santo antlo- Todas as quinua !>'"*
meio da. Garantios, e Bonito-noa aa *
de cada mesan malo lia. Flores- oo ole
eada mea ao meio dia- Cabo.Seriolieem, K
I moso, .PortoCalso-toadiasl, il.el de."-
I me i. __________
PARTE O P FIC 1 AL.
PERNAMUUCO.
Contiauaco da Falla, que, na occesiaS
da abertura da As-emblea Legislativa Pro-
viuci I de Pernambuco no 1. de Marco
de 1838 recitou o Exra. Sur. Francis-
co do Reg Barros, Presidente da mesma
Provincia.
Obras arrematadas.
A Poute de Motocolamb sobre o Rio
Tigipi, tendo sido arremaltada em y de
Desembio de t83a para ser acabsda ato
o Gin de Maio do anno seguinte, com a
coudicco de p -; r o A n umaltanla a mu
ta da 3oc$ooo, se ua6 u findasse oesse
lampo apeonas acbava feita pouco
tois da mella-la, a pesar de haver o Ar-
remaltante oblido do extincto Conselho
do Gove no a proroRicfo do pra-o at Ou-
tubro da i854. Urna tal violagio do
contracto Ieito rom a Csmara Municipal
nao podia ser tolerada setn grave incom-
mudo, risco, e piejui/.o da populauio, e
em cousequeucia determine! aoPiocuiador
Fiscal, qne exigisse do Em precario a mul-
ta mcncionadi, e ao Inspector Geral das
Obras Publica* a couclusio da obra por
adraiuistracio. Consta-ma que os Ira-
balboa principiarlo a 15 de Janeiro do
corrento anuo, sque ja assentara algu-
mas cuadres, e estivas do primeiro lance,
e apromptou-sa o segundo para as rece-
bar. A porcio que resta a faser tiesta
ponte podei dispeuder de seis a sete cori-
tos de reis.
A Ponte da Magdalena sobra o Rio
Capibaiibe, foi arremaltada em 9 de Ju
Ibo de i836 no valor de i4:5to$ o<> reis
}): tanto tendooseu Empresario oblido do
mea antecessor o ser-lhe prorogado o pra-
zo por maia quatro meses contados de q
de Novembro do anno passado deve por
sso aer terminada al 9 d correte
me*. O Anemataute requerca-me noya
proroga9o ; persuadido porem de quenm
semelhsnte favor teria por Gm d'lalar pa-
ra mais longe p^rcepeso das vantageos
que o Publico deseja colber indiri o
sou requerimento. Consta-me que esta
ponle ja se acba cora todos os cavallete?
enllocados, e estivada com boas msdeuas
em m.'is de metade de sua extenco, t
que offerece p.ssagem franca e segura pi-
ra pesaoas a p, e acavallo, e at para cir-
ios por meio de um assoalhj, que se ibe
le.
A ponte grande dos Carvalhos sobre o
^.ioJaboato na estrada do Sul, foi arre-
ttrtUida no Talor de iQiShftooQnu pa:
ra ser concluida etn doze meses contados
da-primeia prestaQfo, que leve ubrera
14 de Julho de i83t, sob a condicio de
pagsr o Arrematante no caso contrario a
multa de um cont de reis, e de ser a o-
bra acabada por administradlo a aua custa.
Este piaso foi prorogado plo meu Ante-
cessor for mais trez meses; mais nio
tendo a obra fin lado como devera em i4
de Outubio do anno passado, mandei
piaticar com o respectivo Arremstante o
encuna quehavia ordenado a respeito do
dt ponte do Motocolomb. Constarme
qne os Viandantes tem pssiagem e que
ate' 1 de Fevereiro ainda no se havia
principiado os trab.'lhos por que baven-
do o Inspector Geral exigido do Arre-
matante u ma nota (amalen a, que para
a obra existe, oo recebera at ento res-
posta alguna.
A Ponte do Varadouroem Olinda ar-
rematada pela importancia de 899$ >o.
reis, deve ser acabada dentro de oito ma-
res, contado do dia do recebiraento da
primeira presagio, que leve logar em 24
de Outubro do anno psssado-, ra.'is ainda
no teve p'incipio. OiCidadios se ser-
vem da ponte velba que ja se acba bis-
tante arruinada egund me consta.
A Estrada do Giqui, comcesndo na
roa de S. Miguel ro $^ir da Povoacio dos
AHog^doj, a terminando no principio
das Aiess cotu a extengio total de I060
br-cas foianem.>Uida em a6 deJulbode
856 00 valor de l8:36i$77 para se-
reno todas as obras terminadas no pras
de 20 rnee-, o que deve ter lugar a a8
de Margo do correnta anno. Nstaesha
da acba-se Ieito o atierro de a95 bracas
na Campia do Giqui os das entradas
da ponte a ponte e o atierro das 2oo
bracas al as reas, Miando o aiteiro da
ra de S. Miguel. Nao tendo sido orpa-
dss, oeste obra certas despeaai indispen-
saveis para sua conservag.*, coniu fos-
bem piitueiro, desposas para cobnr do a-
ra os ltenos, que alias laiiiio intiao-
sitaveis, e fwrmsriao atoleiros pelo inv.r-
00 ; segundo o revesiirrerito dos taluJos
dos atierros em os lugares em que sao
desamparados de paredes, ou muros ; e
terceiro a contrueyo de um arco para
psssagem das tgoas interiores pela rala no
lugar onde a estrada he onconttda p- la
que da communicago para a Vaivea, e
bem assim onoa rampa doca no rne>mo
lugar, que lacelite a psssagem de u-ds
para nutra Estrada ; prdenei ao fu pac
tor Geral das Obras publicas, que pro-
cedesseaosubridilo orgamento, e passisse
b.go a faser arrematar as mencionadas
obras, activando quauto losse possivel a
sua ronclusio.
A Estrada denominada do Sul al a '
poa'.a o Monta dos PrMcTM asta] devi-'
dida em tres lances. O primeiro de
73) bracas, comeando na sai I* da Pou
te do Motocolomb, e terminando na
Irnberib-iie foi arrematado em 23 de
Novembro de i836, no valor de......
l:U69(*5 ion is para ser concluida em urn
tono cotitadod dia quinto dasinin
Ligio, Concluindo-se o praso em de
Descubro do anno passado a estanda a
obra ainda multo atrasado man lu acaba-
la por administraco e exigir do Arre-
matante a multa de 6o"55-oo reis, em
que bavia inrorrorido na forma do coulri*
ito, deixaudo de eooc dar J'ie a proro-
gago desse praso a V sta das inl-r-oagrs
do In pettor Geral das Obras Publicas,
que cibalmente refutarlo as coiiMidera-
cs expendidas para a sua ohtengio.
O segundo e terceiro lance da estrada
do Sul couiecando na Im' eiibeira fora5
arrtmtttados em 18 de Agosto do anno
pausado para serem concluidos em imita
meses contados do dia em que fosse pa-
ga a primeira prestacio, que tivero )u-
gr p^ra o primeiro em 18, e para o se-
gundo em i4 do mtzspguinte. O segun-
do l.nce de 1445 bracas foi arrematado
pelo valor de Rs. aa,983j532i, e o ter-
ceiro de t3i9 brasas pala quaotia ds...
n:9!)9^ooo reis, lora o dinbeiro para
COii'pra de forramenla, e utenOios. O
Padre Antonio Thereso Antunes de
Bombn, 1 epresentou per vea-s aoGofer<
00 contra a dreeeio desta Estrada, na
pai l<-, quealtravessa a tu* pupriedade
naexiengao d>> 63j bragas, pteteodeodo
privar que outra mais recta t uconoini-
ca sh Jtvera adoptar j mais depois de
ser-iho coucedidt a ftculdade de ovest
gar esa pretendida direegio, e dase ha-
ver conhi-cidoo ugino eTi que ltboravj,
Coi il'. Ir.itiv.'m nti* decidido, que se pro-
cede se aos tiabalbos pel> nba indicada.
Os Ariematlantts ai Desembro nio ha
nao dado oomeco aos Ir.'balbos.
A Estrada da Varzea do Bujari com
Ponte sobre o Rio diste nome que de
veui tomar transitavel ste perigosissimo
prt-so ila estrada do Norte foi arrem ilada
em 5 de Agosto do anuo pascado no valor
de 28;999j5oo reis, e deve ser concluida
ttn 3o meses contados do recebimeoto da
primeira preslac'>, que se fez em 16 de
U Seteir.bro seguinte na importancia de
Rs. io:66a$5oo, iuclusive o valor da
Urramenta. Consla-me que os trabslbos
siada nio lorio principiados, mas que o
Arremetante breve lliea dar' comeco ;
por ja ter prompta grande porgaj dosne-
ssasarM Bsteriaes.
Alara tiestas obras forao tambara ar-
rematadas a da ora Cadea da Villa do
I.imoeiro, e os reparos das Capellas Morpa
vle 5. Lourenco de Tijucitpapo, da S.
Peda Mirtia: de Olinda. 0 Arretna-
tanteda primiira destas obras devia coi-
cluil-a no pra-o dedousannos, contados
do dia 6 leJulbo do anno pa-sado em
que receb'U a primeira prestacio de Rs.
i:203$999; ma tendo falescido dupo-
is e bavel-a piiucipiado, sua Viuvn
e herdeiros diriguio ao Go vai-
na um requerimento pedindo Igu-
mi modificacio as condieges do contrato
que nio se poderiio ext-cutsr se nio com
extrema dificuldade. Tsndo ouvido o
Inspector Geni deredi qus rat liessse Sota
ella ocootraclO feito, urna vez |ue orla-
dor lambem ralifioase a lianga e que fos-
sem aceitas as coudicg^s noveraente pio-
poata. Quauto es du-s Capellas Moras
Pedro Mrtir da Oluida acba-se emefle-
clivo traballio ocoiiserlo da primeira ar
lematado pelo Val >r de Rs. 2:3o t^)4oo
para *tr acabado em oito msses, conta-
do do pagamento da primeira pre-tagio,
que teve lugsr a 5 de Agosto do auno pas-
sado, e sinda nio se prinoipiou o ds segun-
da srrematado em ao do mez Satn.hro
seguiule nu importancia de 3;988$4a
reis.
U'eutre as obras arrematada, conclu-
irSo se o atierro dosCaTvalho pelo valoc
de u;a38$-94 reis.e -Herr Ja Camboa
do Carvalhos, e o canal para o Rio 3a-
b .alio que sub-lituira pequeua
Poute dos Carvalbos, e que forlo arrema-
tadas pela soma de i3;448^5o5 reis
l'alarei igora das Obras administradas.
Continuir-se-ha.
OOVERNO OA PROVINCIA.
Fxpedieute do dia i3 da Wargo de
1838.
OH'-cio AoCommsndante das Armis
para em cumprimento do Aviso da Sen
crttaria da Guerra de i9 de Fevereiro ul-
timo remelter a Presidencia urna iufor-
maciS do numero d pragss do que se
ooifapuem'a GuarniaaS desta Cidade as-
sim coa'> a i'as Fcrtalesas.
Dito Ao mesmo para em observan-
cia do Aviso expedido pela Secielaria da
Guerra em data de a de Fevereiro ulii-
mo informar acerca do raquermeoto q'
selheenvia do Teneule Ernesto Ensaba-
no de Mudeiros ,m que pe o i)-'m i
to da 3.a paite do olJu que deixoo de
seoeber quando eslava empregado na
guerra de Pan. a-.
DitoAo mesmo, pare reaiei ter pa-
ra boi do da Becuna Labre jas tewoelar-'
gar para as AUgoas os la de-eriores per-
iseceutesi guaiuifuo t.?atuelU i'ioics.t
1PLAR ENCONTRADO


''PVAi^Wiii "!
ca
.'
"
BUHO D R P H ft W A M BUCO
M
alim de serem para ali transportado.
Portara Ao Comroandanteda Esru-
na Lebre para rece be r a sao bordo e
trrupjit.fr para a Provincia das Alagoas
os 12 deserlurea deque trau o preceden-
te c-ficio.
DitoAo mesno p sanie no dia i4 do
corrate par Provincia da Alagoas.
Officio Ao Inspector daTbesourana
para maod*r pagar ao CmmandanteGe-
r.l laterino do Corpo de Polica a quan-
tia de i:028#360 reis importancia do
quedaspeudeo com a compra da 7 La-
ligaduras para a Coropanha montada ,
troca de outras, ecom alugueis de ca-
vallospara montar as Precaa da Villa de
Santo AnlaSate'o Bonito, e varia* Cu-
tres cc-uses, constante tudo do officio,
coota a documentos que se lbe enviad.
Dito Ao mesmo para mandar cono-
piar os gneros constantes da iela$a3 que
ae Iba remalla, rubricada palo Prefaito
da Comarca precisos para a Enferma-
ra da Cadei.i.
DitoAo Director Interino do Curso
Jurdico autorizando o em vutnde do
Aviso de i4 de Outubro de i837, P*"
uomer urna pessoa de sua escolha com
o vencimento de i-# reil nosdiasem q*
traba I bar para aduntar a escripturaca
do mesmo Curso, vi a anta o respectivo Oficial, a ser mistar
trasel-a emdia.
COMMANDO )AS ARMAS.
Expedienta do dia 13 de Marco de i838.
OEcio Ao Commandaoto dos Cor-
pos destacados nsendo-lhe* varo prec.O
do fardaniento foi nacido pelo A< seal de
Guerra estabelectndo a forma da pro-
cedea o discoato e recommeudaodo todo
o ascrnpulo em tal negocio.
Dito Ao Mjor# Commandante do
Corpo destaaado providenciando sobia
a falta do regularidade na Parda, na par-
te que disia respeto ao Oficial Supe-
rior do Dia.
Expedante do Da 13.
Officio Ao Inspector do Arsenal de
Marinba, p ara qua fornecesse ao poitador
deste urna Unxa para transportar para
bordo da Escuna Lebre ia praeas das A-
l?goa*.
Dito AoCapitac? Commandanta in-
lirinodo 4.0 Coi po o'Arlilheria mand in-
do ticluir passar guias e remetter pa-
ra boido da Escuna Lebie recebendo
transporte no Arsenal da Mar'raha aos
12 dese toras da Provincia das A lagoas, q'
as eesMVifi naia pieoa p" Couseiuu de
Guaira e addido ao seo Corpo.
Expediente do dia i4-
Officio Ao Exm. Presidente da P.
das Alagoas, coramnncaudo-lh-i a remes-
sa dos dose desertores qua para esta havi-
a sido mandados para respon !er a Conc-
ibo de Guerra pela dificuldade de se dar
audamtnto aos se. 8 procossos pela falla de
acquisicsS dos nuio de iccusacad e de
t'ffts e mesruo porque era mais con-
forma com* Le, e principios de equi-
dade qua os Militares respede-sem pe-
las suastulpas as respectivas guarni-
eotns.
Dito Ao Mijor Commandante inte-
rino do a. Bitatbad quarleedo pro
viniudo-o que tinba da passar mostr na
tarde do dia 16 do eorrente de Bear o
Batallia diepeosadodo servirpo da Guarn-
cao a de Polica e que oeaia sentido
tivease promptoa os papci* oe coutabdi-
dada.
DIVERSAS RtPARTlCOKNS.
TRIBUNAL DA RELLAQAO'. '
Scssa dai5 de Marco de i838.
O Embargos de Antonio Rodrigues da
Almeida oppostos na causa da appellacaS
Civel em que ba appelladoSima5 Corraia
de Lima, eoutroe; EscrvaS Rebello ;
foraS lspresados, e se mandou queoac-
corda'6 embargado tramitarse pela Chin-
cellaria.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS
Pauta do'pieco correte dos ganaros pelo
qual se fa em osdespaxos na Mesa das
Diversas Rendas desta Provincia da
Pern*mbuco, na semana de i5 a %i
da Marco de i838.
As. B.
1
i<3fta5o \ M
$85o \
i

1. sort.
a. ,,
3. ,,
4. ,,
5.
G. ,,
Novo Velho.
a&55o a$i5o
2$45o a$5
a$35o i^95o
aaoo l$8o:>
a$'5o lvJ65o
1 #9 10 1$5oo
85o
45o
As. M. 1. sor te
1* j ai 1
Novo Velbo.
i$35o $<)5o
i$25o cj85o
Algodo 1. aorta
Monteiro.
6JJ600
5$6oo
COF.REIO.
Exista na AdministrnaS do' Gorreio 1
oflicio do Exm. Presidenta ao Ministro da
Guerra utertsse de Manoel Joaquim Ma-
dureira.
ARSENAL DE GUERRA.
O Arsenal de Guerra precisa de burn
preto par o servico dos Educandos do
mi smo Arsenal : qoem o tiver e qtiiscr
allogar comparea na Salla da Derecto-
ria em qu.Jquer da ut-1 das 9 horas da
manhia ate as 5 da tarde.
Arsenal de Guerra de 15 de Marco de
l838.
Jos Crios Te xeira.
Dirootor.
PREFEITURA.
Parta do dia i4 de Marco de (CJ38.
Illm. eExm.Sr. Fore5 presos bon-
tem a minlia ordem ativerab o com pa-
tente destino : Francisco J b Lisboa,
)<>se Ciraco Ffrreira a Jote Rodrigo*9
Seixas hraiKos Pedro, p*rdu rs *ra-
vo de M'fianna Goncalves doS Santos,
Martinbo Josa Cavalcante, e Alai i, Fran-
cisca da AssumpC'6, pratu, e Jos ,
tambiim pelo tscrnvo de Ioa6 Roiri-
gue. de Mu indi palo Suli Prafeito da
Fraguesia de S. Antonio, o 1. a. e
o 3. 3 por seren encontrados em su-sia ,
no laga- do Terco fasendo grande ala-
rido e atirando pedradas com eneom-
modo da vi^inbanga o 4- por aupol-o
fgido o 5. e 6. por estaiem em
desordem da que rasultoa frrimant ;
e o ultimo por furto de ucoi caixa da
tabaco de oiro ; e Jus5 Fernandez de
Souto branco e Jos Soa.ras da Silva ,
preto pela Guarda Principal por de.
Koriem.
E' o qua consta das partas boje recibi-
das n'csta Secretaria.
Dej Guarde a V. Exc. Prefciura da
Comarca do Recifa i4 de Marco da i838.
Illm. e Exm, Snr. Francisco do Rege
Barros, Presidente da Provincia Fraa*
ci^co Antouio de S Brrelo Prefaito da
Comarca.
TRIBUNAL DOS JURADOS.
Sessio do dia 14 de Marco de 1838.
Jury do Sentenca.
S.everino Salvarioda Costa conhecido
por SiTcrino M-iracaa aecusado por
Laurenlino Antonio Pereirado Carvalho
a ltimamente por parta da Jastioa por
htver assassinado ao preto Joie Gomes ,
conhecido por Jos Firo l'oi-lhe confir-
mada a sentenca de galles perpetuas que
lbe havia dado o Jury de Nasareth donde
bavia viudo por protesto.
Jory de Acensarlo.
Joaquim Corre Gemas de Almeida e
seos es ravos Antonio, Elias, e Anto-
nio aecusado por parte da Justica por
resistencia a meiraa Justica ; o Jury a-
cbou materia para aecusacao,
1$ uto F'M reir Maxado acensado por
Antonio Josa Gongalves Braga, o ultima-
mente por parte da Justica por os feri-
mentos que lisera em dito queixoso j o
Jory achou materia para accusacca.
Joa Luis da Costa Gaimaraens acensa-
do por parte da Justica por us de faca
de ponta ; o Jury achou materia para ac-
cusacfsS.
O mesmo acensado por Antonio Mar-
tns de Braga por crime de emeacas ; o
Jury achou metera psra accusacea5.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DO RECIFE.
EDITAL.
A Cmara Municipal desta Gidade do
Recife ote.
Faz snbar que no da 18 do Correte
pel-s 9 horas da manhia am casa de
suas Sesioens se bada pro> eJer a ultima
e peral apuiaca dos votos para a F.laicaS
da a Deputados por esta Provincia a A-
semblea Geral Legislativa, em lugar do*
l'xms. Snrs. Antonio Perigrino Maciai
Monteiio e Sebastia5 do Rtgo Barros
por haverem entrado paia o Ministerio,
conforme loi ordenado pelo Exm. Pre-
sidente da Provincia em oficio de 7
de De-embro do anno p, p. E para q'
ebegae ao conbecimanto de quem eonvi-
er m.indon a Cmara faser o pieseote E
dital que seis' publicado.
P*c da Cmara JM inio.pal da Cidada
do Recife em Sessa ordinaria de i3 de
Margo de 1838.
Joaquim Bernardo d' Figaeiredo.
Presidente.
Fulgencio Infaute d'Albuquerque e Mello.
Secretario.
Con-u'ado de Franca em Pernambuco.
lloje sexta feira .16 do presente
me/, da marco, as 1 boris da roanh, os
Snrs. Lanoir, Besuchet & Puget proce-
deru em stus armasens da ru da Cruz
N. 5, a venda em hasta publica da tner-
cadorias b ixo declaradas poitencentes
n surces-u do fwlescido Snr, ( h rnblon,
capitio qua Ib i da Galera Francesa In-
dnstria.
As mercadoiias serio divididla nm di-
versas loten, e os compradores obu'gtdos
a retirar >>oas adjudicacas as a4 ho.-as,
pagando previamente su 1 importancia.
H. 1 iiambuc 1,9 de marco de 1838.
O Cu. Gar. do Cnsul dq da Franca.
F. Naudin,
i4 Dudas de cadeiras.
1 C 'ixi com brinquedoa para meninos.
1 ,| com couse vas daaardinhis.
1 ,, com randas e outras fazendas.
I ,, com Pyro-p'iC'phoricoa.
l cora toiciias, tira fogo &c.
l ,, com bijuteria falsa.
1 ,, quai tolla com um rasto de vinboi
No dia Sabbado i7 do presante mea
de Marco no caes d'Aif'ndvg." se prin-
cipiara' a tender em !>ast< publica, por
coala de quem pertencer o uarregamen-
to de milho viudo da Costa d'Africa na
Gab-i Francesa Napolen le Graud Ca-
pitaS Baibeau.
Os lotes sea compostos da quantida-
de d" aooa nua conviar ant UnraJ-jtz: ,
e os pagamentos feitos immedialamente
no acto da arremataca aos Snci. Bolli e
Chavannas Freras. Nanhuma reclaman
a ser admittida sobqnalquer pretex-
to qua saja.
Pernambuco i4 de Marco de 1838.
O Ch. Ger. do Consulado do Franca.
F. Naudin.
RIO DE JANEIRO.
Revista Commercial.
o ANNO de i837.
Rio de Janeiro, 1. de Janeiro de i838,
Tamos de passar em revista as transan-
edescommerciats de hum anno o mais
memoravel que os annaes do commarcio
aprese'ntaS, e que talve jamis apresan,
taro !
Houve hmna crise cojo estrondo e ef-
feito nao serio fcilmente rscados da me-
moria do negociante do capitalista do
lavrador e do estadista. Passou he ver-
da Je, a tempestada porem as ondas qua
solevou Iavar5 milito lempo a amainar.
Principioo nos Estados-Uuidos, e a hs.
toria a denominar a crise americana;
porom os seus effeitos rbegra aos tuga-
ros mais remotos nem o contrario poda
acontecer, porque o giro do commercio,
assim como aciicolacaO osangue, na5
pode ser esencialmente interrumpido em
qualquer parle sem que o toio se ra-
sinta dessa interruptio.
Huma ori-e semelhanta despertou natu-
ralmente a atteoca geral, a todos pro-
cuiarad indagar as suas causas: escreversfir
sa grandes volumes, pronuociaraS-se Ion.
gos discursos sobiC ete importantssimo ai
aumpto, e todos chag*6 mesma conclu-
sio, todos concordad em attiibui-la ao
tx e.s'ivo espirito de espeuulacad estima-
lada pela facilidade com que os e^peruli-
dores de todas as clases obtivera dnhei-
ro por meo dos descontos, que os capi-
talistas particulares e os bancos prestiaS
com huma piofusio que excedeu todos 01
limites da prudencia.
Nesta criseoffreo a praaa do Ro da
Janeiro manos do quo era de esperar l-
tenlas as gran ias transac,-5es qua anda es-
tavaS pendentes quando essa crise tave
lugar e pie o Brasil. como j tivemos
occis ;> de obiarvar ufanar-se com a i-
re* de que, um rinanto as outras prscaa
d commercio e tavaS abaladas a pouto de
ver todas as suas rjpaiaoes parausadas,
era (moto muitas casas da maior cooside-
ra;a5 estayaS ahi ou nteiramente arrui-
na las ou com o seu crdito portal mo-
do fai-ido qne corrUS o maior risco da
perderem-se, cuntinoou aqui o commer-
cio a sua marcha ordinaria e com poucas
excapSes (e estas de casas cujas Iransac
Ces era6 muilo alera da forga do* anua
fundos), todos os negociutaa atisfitera
as suas obrigacSes com a maior pontuali-
dado.
N6 se davam por certo lar as paginas
d h-storiacomo hum romauce, para t-
mente satisfazar a curiosidade cu entra-
ter a iraagin^cu porem arji coniulta-la,
para cora osexemplo qua offerece, co-
nheeerquaas as causas da prosperidada de
huma naga, ou das suas calamidade, e
aprovaitar assim a experiencia a1r-eia pa-
ra evitar oa rocliedos e baixos onde os oa-
trostem naufragado. Nesta sentido he
que, na revista que hoja faxemos das
t.ansaccSe^ do anno prximo passado,
los n.5 limitaremos a hnna simples qoa-
dro de factos porem ajuutaramos algu-
masr*n*xes erca do edado actual do
nosso commercio o ds suas esperencis
futuras. .
O Brasil pdc ser considerado i'a
osseui iramensos recursos como anda
na infancia do seu estado poltico e com-
mercial e, a na5 querer ser seinpre hnm
pygmeo com preporces de gigante mis*
ler he aproveitar se e qoanto antes, das
vantagcusaom qua a nstuiaza 'io prdiga-
mente o dotou. A sua posicaS geogra-
Bca o seo solo emineolimente frtil
riviGcado por hum clima benfico e pu-
ro que pela grande extenslo do seu ter-
reno psri:c:p2 ass asu-as --
climas do mundo e pode por isso produzc
todos e quaeiquer ganeroa ra a exlensio
t



n
lili! MPUNiMIUeOtf
o sea littoral qut possue numerosas se-
aros e vastsimos por tos,todas estas
vaotageas roaoorrem para tornar oate paiz
i^e mormsnte o porto do Rio da Janeiro)
por asjim dizer o oixo obro qne dave
virar o commercio do mundo. O Brail
no liara paiz t commerpial como agtco-
Ja: mbora te diga qne os interesses de
ambos sa incompativeis, alies sao gmeos
que *ympaiis5 em tudo o que toca a qual-
ajuer dos dous, a ns be posbivel qne
hum padeca e qae o ootro prospore. O
commercio a agricultura a navegaca
e as (naneas da hum paiz saS partes com-
ponentes de hum e do menino edificio 5 sa
huma dellas solTi er abalo correr risco a
segurancia do todo bsm orno hum mem-
bro gaogreoado do corpo humano peem
pergo imminenta a nossn existeoAa.
Porem para nao se abusar detei gran-
des beneficios que a natureza com Unta
libaralidade prodigalisou a esta paiz,
cumpreque ossem habitante? os nao dai-
xem inuti!iaados, a que procurem dar-
Ibes valor, e>forpando se por desentrn-
nliar da trra as s.ias riqursss e sp>ovei-
rando-se do auxilio que offerecem os oapi-
taes], industria e bracos astrangeiros; dos
systemas mais conformes com os principios
da ciencia para melhorarem a agricultu-
ra; e mais que tudo queosau governo
nao repula aos portas rurtenos o com-
mercio estrangeiro, com regulamentos
fiscaes injustos ou inexequivsis, como
sao rouitos dosartigosdo novo regulamen-
to da alfandega, decretado em virtude da
)ei de 20 de setemhro de i834- P""'1
iaslar muitos navios que procurad os par-
tos do Imperio nao bastar o conheci-
ment das innumeraveis maltas qne os a-
meaca e que coostitnem huma addico
de bstanla importancia no orcamento da
receita apresentado por hum ministro da
fazenda s cmaras legislativas 7 (i)
24
13
ial/4
11 i/4
X i9
Importaos 5.
O commercio cm artigoa de importaQaS
foi menor no anno prximo pasaado do
que no de 1836 : o valor das importares
em 1836 foi segundo os direitos pagos
na alfaniJega de 24,000 coritos de fea ,
pouco mais oq menos e o do anno do 1837
nachegou a a3,000 cont, (a)
UV-te commercio participara as n-
ces eslraugeiras na proporaa abaixo
mencionada a saber :
Gram-Bretanha ... a razio de 8 Franca.......
Portugal ......
Cidades Hanseaticas. .
Estados-Unidos .
As nutras nacts junta-.
He difficil esempreosoi em quinto
na alfandega no bouver para este fim hu
mi escripturagaO especisl dar com ex-
actidio a quantidade de cada artigo im-
poitado ; porem com liam trabalho nao
pequeo presentamos aos no>sos leito-
res huma tabella dos principaes artigo im-
portado* no decurso do auno paxsado que
nos Iongeamoa d ser a no is aproximada
posbivel, e distar mu pouco da inipor-
tac"6 real.
Dos artigos mais importantes damos a
seguinte comparaoa entie os aanos de
i836edei83;:
Fazendas de a'godio em i837 23610
voluntes; em i836, a55'>o ditos.
Fazeudas de linho em 1837, 4797 vo-
Jumes; eml836, 385-J ditos.
Li.ucaem 1837 344-> voloraes ; em
i856, 625o ditos.
(1) Podamos apontar varios caso*
entre outros os dos navios Lord Goderich
e Florence em qne estas muletas fora
ezigidas por hora modo tal que cuati a
acreditar que ?entubante procediroento
podesoe ter lugar em hum paiz ta adan-
tado na car reir da civilisaca.
(a) Pode sa suppor que por seren
pala maior parte txcessivas as avaluaces
da pauta o actual valor das importases,
cativo de direitos e desposas, que exis-
te m 00 paiz, nao he leo grande como a
soturna qae notamos : porem visto qne
m t>doa os panes, sonde as raeicadorias
piga grandes direitos de importaca,
multas pasia por alto, aquella exeaiso
pie bem valer ontr eatea extta ws.
Sabio em i837, 3l350 caizas; cm
1836, 358oo ditas.
Mauteiga em l837, 1654o barris ; em
1836, 2oooodito8.
Cerraja em 1837 65100 daxias ; em
i836, 656oo ditas.
Farinba de trigo em 1837, i2oooo bar-
ricas; am i836, 9964o ditas.
Vinhos de todos na por tos em 1837 ,
i84ia pipas; emi836, 28117 ditas.
0
Entre as fazendss de algodio importa-
ra-so cerca de 18,600 Totumas da G.am-
Bretanha a,oo das outrai nsces Eu-
ropeas a a 800 dos Estados-Unidos. A
diminuicio na quantidade de voluntes des-
te artigo, importados era i837 compa-
rada com o anno de 1836, be principal-
mente devida ao empate, que por algum
lempo houve no commercio cota a costa
de A Inca.
As vendas nos prKeiros mazas do anno
efleituaia se pela maior parta com dilli-
culdade a a precos pouco favoraveis ; lti-
mamente os presos alcaocado tem sido
mais vantajosos, e ha muita falta deatas
fszendas cora pequeas excopces.
A importaca de fazendas de lioho e de
linho e tendi j que clarificamos na mes-
ma lista foi maior e de aoiageos e ca-
Ibamaco rauito grande : quanto s vendas
e aos precos, pde-se applicar o mesmo
que temos dito sobre ss f alendas de algo-
dio.
O estado poltico da provinoia do Rio
Grande tem sido a principal causa da d>f-
fereoca na qaautidade importada de fa-
zendas de li, e o mercado continua a es-
tar frouxo naste ramo.
As ei-tnocias nos armszens da alfande-
ga no fim dos ltimos sais annos fiuan-
ceiros, era asseguintas:
INo anno de i83a, i8549 volme*;
de i833 4565 dito ; de i834 i4789
ditos; de 1835 16567 dites; de 1836 ,
,5469 ditos; da 1837 1.3359 ditos; e
actualmente o deposito he mito peque-
no ; porem como s nos fias de janho
be que se costuma fazer o resumo, na5 o
podemos especificar. A diminualo qne
ae nota depois do anno de i8a3 be cau-
sada pelo regulamanto que impe o im-
posto de i|4 pf ento, por aez, sobre
a avaluaoa dos arligos porarmazenagem ,
logo que nao forem despachados dentro
de 4o'dial depois de desrarregados. Pela
leide 11 deoutubro da 1837, arrecadar-
se-ba do i. de julbo prximo futuro
em diante 1 3|4 por cento addiciooal 00
imposto de aimaenagem que ser devi-
do no da seguinte ao das eutradas das
mercadorias nos arraazens da alfandega.
Este regnlsroento he todava hum tanto
duro, visto a impossbilidado qne temo
consignatario de despachar os volumen no
mesmo da em que forem descarregades;
e espara-se qae a este re>peito haja algu -
ma modi6caca5 na execuca5 da le.
Vinbqs: Tem oslado muito empata-
dos durante a maior parte do anno de
lorte qoe varios navios carregado deate
ganero e qne se destinava a e-te porto,
for5 obrigades a procurar ouiros merca-
dos: oconsuromo tem prcgressvamente
diminuido desde o anno dei834 cotu<>
se v do mappa que ajumamos: attrihue-
e ito em parta ao roaor uso da cerveja ,
que em i854 na6 passava de 3o,000 a
35,ooo duzias, a, nos dous ltimos an-
uos prximos passados, exceden a 65,000
duzias, e tambero circunstancia de nao
faz-T hojea clssso trabalhadora tanto uso
de bvbidoa espirituosos cerno fazia em
ouiroa Umpos.
i835 i836 i837
Hespanhs. 7,555 2,968)
Franca. ia,357 12,995)10,260 pip
Italia. j.775 3,954)
Portugal 3,32o 8,100 8,15a
i3,4o7 28,1 z6 i8,4ia
Farinha de trigo, a trigo: A quan-
tidade importada excedeu muito a do anu
da i836: cbegra6 109,761 barricas o
sacras de farinba e 26,55o, saccas e bar-
ricas de trigo, ehavendo lirado cni de-
ponto no fim do anno de i836 peito de
9,ooobarricas, nao ha actualmente exis-
tencia alguma deqnalquer destas artigos
am primeira mo, com excepsio das
4,ooo barricas que na semana pasaada en-
trara5 dos Estados-Unidos. Notamos hu*
ma glande mudenca na natureza destas
importsooes: o meio termo da qnaatida-
da importada snnualmente do^ Estados-
Unidos desda 183o ati836, era certa
de il8,5'io barricas, e das outras naees
cerca de 6,000 barricas; mas em i837 a
mportaend do primeira paiz nao passou
de 5r,ooo barricas de farinha de trigo e
das outras nec6ns chrgou a 59.168 barri-
cas a mais 25,8g3 saeras e 696 barricas
de trigo. Consta qne as importaedes di
Europa tem, pela maior parte, dalo
grandta preiuizos. O consumo aonual
deste artigo no Rio de Janeiro e as suas
dependeucias excede a 100,000 barricas.
Por algum tempo houve grande falta des-
te importante artigo, e o cooseqnsnte
augmento nos preoos deu logar a essasa-
hndanles entradas do Chile a da varios
porlos da Europa.
Mappa dosBiippiintentos o venda de fari-
nha de trigo e de trigo rednzido a
barricas de farinba no anno de 1837.
Existencia em 3t de dezembro de i836
_ 9,5oo barricas.
Eutradas dos Edades-Unid. bar. 5i,o2a
Ditas de outros panes.
Ditas de trigo igual .
59,i6i
1
menor do que a impoitaca do anuo da
1837. O con-umo da carne secca nesta
provincia be calculado am i,5oo,ooo ar-
robas por anno, de sor te que, em
quanto a provincia do Rio Grande n6
tornar ao astado tlorescente em que ser
acbava antes das desgranadas desordena
polticas qne ha dous annos a agitad, de-
penderemos de supprimentos do exteri-
or para metade do consumo qua {asemos
deste importantsimo mantmento.
Saltan : A diminuicaS na importa- .
cao desta art. be devida ao progieaso que
va5 fasendo as fabiicasnactonaes.
Velas : A impoitaca nos ultmoa
meses foi grande e os preces esta actual-
mente baixoH.
Sal: As entradas foraS a continn-
io a ser excesivas de sorte que aa ven-*
das se effdituao com bastante prejoiso.
Tabuas de Pinho : Ai oda q'o mor
cadojfojbem prvido deste artigo, os
procos tem se conservado com muita fir-
meza.
Olios da Linho : Oeste artiga boa-
va e anda ha falta do de boa* qaalidade 5
nferior nao dave mander-ae para esta
mercado, porque a sabida iimita-se prin-
cipalmente ao d-t R,u-.5ia melhor e ao in-
glez legitimo de patente,
Azeitn de Peixe : Em i836 foi a
importaca cerca de 200,000 gales ; no
anno p. p. andou per 3o8,ooo gales ;
nos primeiroi meses do anno alcancou
este artigo melhores pcegos do que depo-
is obteve, bavendo-ae ai ultima vendaa
eQeituado a couea de 48o a 5oo rea eativo
de direitos. Huma venda da cerca da
4o,ooo gales efieituou-se em segunda
ma no mi-z pzssado a 5a > res, pagan-
do o comprador os direitos de baldeaea.
Nos ontrn ramos de commercio de
importaca nao tem havido oceurrenoi*
as qae meroce ser especialmente menci-
onadas.
( Continuar-se-ha.})
r: :t3
Ilo,i9o
12,444
122,634
Mappa comparativo da importacio de vi-
nhos no poito do Rio de Janeiro.
I83i 183a
Hospanha. 10,016 8.z^4 pipas
Franqa. . 5,554 8,144 a
Italia. 2,824 3,u6 u
Portogal .
i833 1834
Hespsnhs. 1996a 12.649 pipas.
Fraofa. . . 12 997 12,018 a
Italia. . . 1,887 2,096
Portugal . * 4,170 4 -,933 a

Abate se.
Tornsraa sahir do porto 7,016
Deposito em 3i de dez. p. 4,ooo
r -...... 11,oi6
ni.618
Total das vendas em 1837 121,118
B icalliao- Man'eiga Cerveja : A
importaca toi regular e os preoos con-
sarvars-se geralmante firmes.
Cobre : $s primeros meses do an-
no, o mercado foi, por cansa do augmen-
to consideravel rioseupree na Europa ,
pouco prvido ; parena nltimaraeole tom
tnirailo varias partidas e sio offerecidas aos
precos que rotamos.
Forro Eata artigo esteve por muito
tempo empatado e o ore?o lem-se conser
vado baizo porem j e percebem signaos
de algum mclhoramsnto. A eztracfio
tem diminuido muito rarmente na qua-
lidiado importada da Suocia ; e isto nasce
do augmento consideravel na produccio
flo paiz o de teroru as fabricas nacionaes
continuado a fasar progressos considera-
ves, tanto na qualidade, como na quan-
tidade das suas obras. O consumo de
ferro estranajoiro nao excede actualmente
a5,ooo at 3o,ooo quintaes por anno, a
deste calculo se que 3|4 partos vende In-
glaterra i|4 Plle daSuecia.
Hou\*era importacos muito conside-
rsveis de aimamerj'os aperar de al-
guroas compras de importancia feitas pelo
governo para remessas para as provin-
cias rebelladas o artigo contiaua ompata-
do e os proco lisiaos.
Carnassecas Estrangeiras : Tema-
vido entiadas oxcassivas e anda queal-
gumas destas fora reexportadas para ou-
tros poitos do imperio para Havana ,
as vendas para o consumo da provincia
tem sido muito grandes. No anno finan-
cairo do l836 a 1837 os direitos arreca-
dadoa obre este artigo montara a
159:707^ reia sendo isto sobre boma
avaiaa'ada l^aoopor arroba, d urna
quantidade da 776jua rrobvc qua he
.THEATRO.
Carlos Bissini Professor de Rebeca no
dia 2a do crtenle prope-ae a apresen-,
tar ao respeitavel publico a Comedia o
Criado axernplar no fim do piimcro
acto o Beneficiado desempenbar na re-
boca a grande variscio da Pernviinna com
po^tanoPei pelo Beanficiado ; no fim
do mgundo acto desimponbar o ultimo
pen^ameto do celebre blalibran variada j
para rebeca ; no fim da poca ao^ gran-
de variaees tocadas sobre urna s corda
do mortal [Paganini. O Beneficiada de-
sojara apreaantar seao respeitavel publi-
co em os intervalos de unta peca adrqua-
daao tempo; masa falta de espaco para^
levar-se a sceoa urna opera Sacra, fez,*
que o Beneficiado lancasse mi da monciu-
nada Comedia escolhendo-a como urna
das pecas moiaes, e mais decante que sa
tem representado.
AVIZOS DIVE RS08.
po Roga-se aos Sors. Sub Ptefeitosy
e Authoridades Policiaos, desta e ruis
Comarcas e pesaoas particulares baja5
de empregarem um tanto as suas vistea
sobre um cabra escuro ; com os signaos
eeguintes : cabello pixaim, rosto radon-
do testa ouvada em oima do olho tem
urna sicatriz de um talho, queixo fino ,
tem todos oa denles da frente, em urna das
mos tem um dedo menor provioiente d<
urna roctdors de roda de nwr mandioca
tem do idade ao annos, fgido emaod*
Desombro de i837 do AUinbo em dit
fuga levou um cavallo Castanbo, oom
urna sella giuete e vivido casaca de cou-
ro a chipe do dito: queira prender e
levr na roa das Tioxeiraa s -niragar a
o Snr. Joaquim lose Ferroira da Silva ,
on a Maooel Elias de Moura, atraa da
Itfatrin da Boa vista segunda can q
gratificar sao trabalbo.
___ Blegocia-se orna Letra da 4.0003
dereis, para se sobrar : a quera convier;
quereodo, vista safar todo o negocio,
dirigindo a**a d ttareuiiuo, tuej 04
Dir terceira cazi tarrea, duaili^
#


-mmm
.
D I
IIO D t PBBNAMB1CO.
Ot-
Na ooite do da ia tendrvsa dado
um preto ganhador ama j<>i-co do fer-
rameutapar conduzir da ma ov at
ponte velha, cujo preto dtsapireceo das
?islas da pessoa que hia com alie ; roga-
se a quom for olerecida a dita ferraoeota
oh della tiver Doticia diiija-se a ponte
velh* as casas novas do Sr. Cilio.
jH,* Urna pessoa que seacba paito des
ta Cidade eom confie -mritos da es-
critura Mercantil dobrada e simples j e
alguna confie.imantos que (etn das liugoas
Inglea Fraooeza a offarece para to-
mar coala daescripturocio de alguma ca-
sa de comuiercio; queco o precisar ao-
suacie |.oresta lolba*
e/3jr AJuga-se uuia casa tarrea na ra
da Alegra cmn 3 sala 6 quaito* boa
eoziaha quioial cacimba, e sanzalla
para pelos acabada de novo ; quem a
pretender ,dirija-se a casa da viuva do fal-
lecido Joio Baptista Branco ua praca da
Boa-vista.
W A pessoa que quer comprar ama
canoa embrulo da 4o a 5 palmos di-
rija-se ao pateo do Cerni reuda defronte
de S. Tnoreza.
V9* Aluga-se ama casa tarta nova ,
com commodos para urna grande familia ,
forrada a piolada coco um grande quin-
tal ;todo murado da pedia e cal com
bastantes pea da iarangairas coqueros ,
rumanzairas e maogueiras uo lugar da
solidade defroote da capelia cjuam a
pretender dirija-be a praca do Coi po San-
to por cima do botequim de Auionio Lo-
nas, no segundo audar t a fallar com
Joio Antunea Guimaries.
ft^ A quem Ibe conviar dar a premio
de un a roco por cento i.-4oo$joo por
aspado da 2 a 3 anuos bypotiecando-se
para esta quantia um predio livre e de-
aambarassado anuuucie oa dirija-se ao
pateo do Livramento botica D. 8, que
abi lhe dir que& pu'teude.
jrjr* Perdeu-.-a t. b-'guudo voluma de
Hemiquete de Orleans oo alterco novo
do motocolorab, quemo ecliou-, dirija-
se a ra Augusta sobrado do Footes que
dar os biguaes do livro e ser gratifica-
do.
ajrjr Furtaro do lugar de S. Amaro ,
na noita do dia 14 P" a i5 do crrente ,
um cavado cuco pequeo com um ca-
lo no eapinbacj ; (j mm ouber aorula elle
eziste participe m piafa da Boa-vista ,
D. ai que ser generosamente recm
pensado.
ajrjr OTerece-si para ensioar gramma-
tica latina fora deola praca nao sendo
iauito distante, um professor api-ovado
na mesma liugoa quemo piecitar dir -
ja-seso p Jado da viraqo junto a venda.
(^> A pessoa queannunciou no Diario
de i5 do Sor renta precisar de urna Senho
ra branca OU de cor para tom governo de urna casa de pouca familia :
quecendo urna parda de meca id >oe a qul
lem sirvido desde 1 a anuos em casas estii-
geiraa a dac fiadores dtritase a iua
estreita do Rt>zano loja d Sipateiro D-
cima 52.
=rr= O Si. J-io Gualberto Eacrivo
de Orlaos da Garanhuns, dirjante por
favor ao Ca torio do E>crivao Ciccaeo, que
be Ibe dtseja fallar.
jrja Pracisa-se de i:oeo$oo a pre-
miu de um a meio por cento ao mez, so-
bra hypotbeca ua urna propriedade de
oasa livrc e de*embarassa.la, por tempo
de ao metes queui os quizer dar [aiioou-
nuncie.
XtW* O Sr. Jos Pedro Carreiro da
Cuaba; Professorde primeiras letras de
larangeiras queira dirigir-se a esta pra-
ca atraz do hoiuio D. a5 para tratar
negocio de sau intecesse.
atgr llueca quiser dar a juros aoo$rs.
por tempo de 6 mezes, a 2 e meio por
cento ao ruez sobra urna firma segura :
annuuoie oa dinja-se a ra <'o Noguaira
casa tarra defreutedo sobrado D. 6.
19 Precisa-se de um caiz iro portu-
Juez qat tenha aa i4 ann>s do idade :
na^rua nota D. 5.
fQa* AIug*-*a o primero an^ar da se-
ganda casa do atierro da G<-a-i.i do Ja-
do diraito iodo da ponte : a tratar no ser
gunioandar do ai-uno.
fle* Precisa-* de um criado ,' ouarna
SS *!a* *i ? ''V'0 oe uo casa de am bo-
mam aolteiro ; quem estiver nestas cir-
cunstancias di> ija-se a i na da cadeia do
P.ecifa na botica n. 4j-
IcJJi1 A pesaoa que aanuoriou querer
comprar o Cdigo do Cotnmercio por Ro-
gron dirija-se a ra das Flores, casa ul-
tima junio ao ermaseni de porta larga.
traT* Da se a premio a quantia da 5oo$
sobre bypotbeca ou tirinas a contento :
quem os precisar dirija-se a esta Typo-
grafia.
If Um brasilairo branco e solteiro
com 28 anoos de idade a de boa con-
ducta se offerece para ensioar primeiras
letras fora da praea ; a pessoa que do seu
uri'-litno precisar, annuncie a saa mo-
rada.
- O Major Cota daseja fallar ao
Sr. Antonio Peraira Freir, morador que
foi de Caiabi, termo da Villa do Limooiro ,
e de presante morador em S. Anta. subre
a compra que pertendo do Engeaho dois
braeoa da Villa de Sirinhaem pois
achando-se justo cora o Sr. Jo. do Reg
Barros para lhe dar as desobrigas dos ere-
dores, e como o dito Costa o soja da quan-
tia de oais de 5:ooo$oo rs. da que tem
sentenca ; por iaso dwt ja fallar com o
mesmo Sr. Pt reir a tal respeito.
f^ Negocia sea venda de urna divida
de mais de 6x $ >oo ja era execucio de
sentenca que pertence ao finado Anto-
nio Gonsalves de Macedo Sr. dos doia en-
genhos na Fr >\i icii dasAIagoas ; os bar-
deiros desta finado que a quiserem com-
prar dirija-se a ra doCollagio casa D.
5 a fallar com o Major Coata.
*jy Na padaria da roa Direita D. 34
precisa-sa de uta trabalbador forro oa
captivo.
fc^- A pessoa que quer filiar com An-
tonio Lopes Chaves, dirija-se a ra nova
loja de seleiro D. aa
----- Tcocaseuraa negra incoa, que
sabe cozinhar o diario de urna casa e la-
var roupa por ara preto que nio seja
viciozo 5 quem quiser fazer este negocio
diiija-se a roa nova D. 3/|.
WP"' Quem precisar do madeiras de
construco para obras e gu'lroeiile ma-
deiraa para facturas das pontes e obri-
gando se a botar ni lugar, que se destinar
cora moita brevidade: a tratar na ra lar-
ga do Rozaiio 0. 8.
g^ Alugase um molequa com cilicio
de sapnteiro psia o servico de urna casa ,
(juera o precisar dirija-te a esta Typo-
gr?H.
OtT-raca-se tijullo d'alvenaria groco
i7 mi! res na Olaiia do Giqui e a 2t
milis, posto na porta do comprador em
qualquer dos 3 Bairros do Reoife Santo
Antonio e Boaviata r- fi!'ii io o raesmo
comprador o que nao estiver cozido e in-
teiio, e vende-ae tambera pedacos de 4
por hora tijollo pelo mesmo preco nadita
Oiuria a fallar com Fnnrisco Jos dos
Hrazeras Camboim e ha huma porcio de
4o roin-iros cozidos, e ajusta-se cora
quam quiser comprar al cem milburos.
COMPRAS.
= Saceos vazios am bom estado e pro-
prios para transportar milho em casa de
Bolli e Chavanoea Freirr ; ra da Ciuz.
ajr^>* Una arreios de prata sera feilio :
quem os tiver aununcie.
VENDAS.
sK On.a 4a do ECHO da Rel.'gio
e do Imperio : na praca da Independen-
cia n. 37 a 38
^rJP" Urna negra de nac, dada pnu-
co ni'is ou menos de a5 armo asm
como urna Guia da masma de idade da 10
*nnoa cuja negra he vendedeira da iua :
na ra da Vigariocasa n. 9 istona par-
te da mesma casa que ah se acha o seu
proprio Satihor que a vande.
43st* Um terreno com 6a palmos de
frente e 2oo de faodo ja alicerciado no lu
gar do atierro dos lAffogados a fallar cora
seu proprietario Manoel Ignacio Beierra
Cavalcante.
WT" Uina negra de naci moca booi*
ta figura cozinba o diario da urna casa
lava multo baui de sabio e varrella e
boa venrlpH-ij.- s ua IIU t jt-
reza D. %j%
Binas de todas as qualidadea as
grandes 4$o as pequeas a aoo rs. na pta-
i,-i da Boa vista botica D. 10.
t^> Bixas grandes e pequeas, por
pracocommodo e da muito boa quali-
dade : 00 atterro da Boa-vista na primei-
ra venda ao p da ponte.
t^a> Urna venda com pouco fundo si-
ta oa quina da ra da Alegra junto ao so<
bradode Jo-e Joaquim Botelho oa ama
loginha da miudszas na ra do Aragio ,
qualquer destas muito boa para retalho;
ao comprador sa dir o motivo por que se
vende: os per tendentes dirijo sa a qual-
quer das mesmas.
> Um violto por preco commodo :
na ra velha D. 32.
JTJP1 Urna espada de ponta direita p o-
pria para Official de G. N. as cinco Pon-
tas D. i7 adverte,-se que ba uzada e se
d muito euconta.
?jr^s" Um excellenta ofticial da sapatei-
to preto de naci : na ra da Cadeia de
Recifa n. li.
tjtlT Slereometria e um Ily Irome-
trodeNswman: na ra da Cadeia casa
do Senhor Cardozo Ayres.
XW Capira de planta diariamente em
bons feixos a preco de 160 cada um, no
porto das Canoas da roa nova na quina
que vira para ra das Floras, aoode
tem l.unpio.
Jt^'Ura jogode Diccionarios Ioglefes
por preco commodo : a 13 raeios do sola:
na ra Direita D. 34.
%tjp Ura Atlas moderno por Lopi
na ra Direita D. 34 pelo cu.-to.
1W L'ma negra com bom principio
de cozmha e da engommado a boa
quitandeira, propria para todo servico de
uma casa da familia: na ra Direita ao
entrar do Livramenlo sobrado D. 3.
tW 4 escravos de idade de i7 a 18
anuos, ptimos para qualquer servieo, por
preco commodo: oa ra dos Martirios pas-
eando a Igreja n-> primeiro andar do pri-
mero sobrado.
%9" Urna escrava moca de rucio ango-
la para fora da Provincia, ou mesmo pa-
ra a praca sabe bem cozinhar o diario
da uta casa cose, faz LaVarioto : na
ra do Amorim no segundo andar por
cima de uma taberna nova, qua a li se
acha posto de novo.
WW Um guarda roupa am bom estado
com commodos para se guardar bem rou-
pa e eom las gavetas falcas, igualmen-
te uma otaca azul que o dono so a visti
duas vezes, cujo panno he sofrivel ad-
verando bem que a cazasa o dono a ven-
de pelo oasto do panno perdendo o feitio
lodo por preco commodo : na ra de S.
Jo.- as lojas do sobrado que Gca ao correr
da Igreja.
sK^ Hap muito superior immitindo o
piineM da Lisboa : em casa de M. Cal-
mufil o Compsnbia.
^ Dois escravos, um muleqtie boni-
ts figura de lo a i2snnos, ptimo pa-
ra a pran'er qualquer officio i epara ser-
vir uma casa uma escrava de naci pti-
ma para todo o servico da casa e boa
vendedeira da roa : oa ra do Fogo De-
cima 11.
Np* Um batello com % p.-lmos- da
comprido e 5 ditos do boca com oa se-
us competentes remos e vella o q >a 1 ser-
ve pra servir algara Hiate, a pessoa q'
o pert- nder dirija sa a ra por detrs da
Ignja dos Martillos, casa verde da dua-
poitas defronte de uma serca de p.lha.
QCp* Uma mulatioha com la anuos
incomplftos : oa ra da Aurora n. 9.
----- Xarutos da Havana legtimos, de
5 >$ooo rs. o milher, a dinheiro .* na
fUfldoi Uarbeiros n. 8.
t^ A dinheiro ou a prazo com boas
firmas uma casa terrea nova com solta'o
da sacada na frente maito bem cepartida
sita oa ma do Jaidtm junta a casa do
mesmo : na ra nova armasem de louca
tina U, la:
fW Urna escrava de afio da costa ,
comiJade da 2a a 24 annos, engomma ,
cozinba va de varrella e sabio decla-
ra se que tambera se troca por outra as-
orava 1 assim como ura mueque de 8 a 9
anuos ptimo para servir uma casa : na
ra Direita D. ao q\iem Tem das cinco
Pontas lado direito.
f&* Continua-se a vender leite maito
saperioc a 5o rs. a medida, e j vae tea-
-t
do bastante estracelo : as 5 Puntas en*
eaza de Francisco Jos dos Prazares Cam-
boim.
ajrjr Toucinho de superior qualidade
cbagado ltimamente do Santos a rouba
a 288oa retalho 12o a libra: em Fora
da Portas defronte do baco largo venda
n. ai.
*Jq^ Um oscravo crioulo de -5 para a6
anuos de idade bom page e ptimo of-
ficial de sapatero : na ra do Apollo oo
armasem do Lobo ou no pateo da Matriz
da S. Antonio,' que dir quem o vende.
tjrjp* Bichas prximamente ebegadas
do Porto tanto os ceios, como a ret.i-
lho, de 60 a 3oo rs. : na loja de relojoeii c
jun'oa do Sr. Bandeira.
ajr^ Ou arrenda se um Typografa
cora todos os seua perlticas por preca
muito commodo a fallar com Manoal
Marques Vianua : na ra do Livramenlo
D. 6.
ESCRAVOS FGIDOS.
No dia 28 da Setembro p. p. fu-
gio um negro de nome Joa de Na<;a5
Camuudongo com os sigoaes seguiates:
boa estatura, um tanto corpolento, mu,
to preto, bem parecido posto que car-
rancudo btifoa e sobraocelhas grossa ,
orelhas ecab-ca pequea tem umapica-i
trises no rosto da parte direita proveni-
ente deum talho ; este negro foi comprado
em Marei a Joaquim Jos de Asevedo 0/
o vandeo nesta praca de Pernambuco ao
Ajudante Francisco Joaquim Pereira Lobo
c qual offerece iooj' res de gratificaca a
quem o trocer a casa de sua residencia de
fronte da matriz do Sacramento do Bairra
de Santa Antonio na esquinada ra das
Trioxeiras 1." audar.
ajLfP No da la do mez passadodezapa-'
receu do sitio da ponle do cha, da via-
va do Coronel Bunio Jas da Costa um
mu laque de rucio angola de nome Joa-
quim de idade de l4 para i5 annos, a
prendisda carpina, da bonita tigura po-
rem com o ar triste levando vistido ca-
misa da algudopor cima decalsa de brim
enzovalbadas julga-se ter sido furtado
quem dellc souber ou der noticia aviza
no me-mo sitio que sar generosamente
recompensado;
iy No dia 26 de Favereiro do cor-
rente fugio do Allogado da ra do Moto-
colonbo um escravo de nome Paula ,;
alto groco bonita tigura naris chato ,
crioulo levando chapeo da baeta cami-
sa a siloura de biim: quam delle tiver no-
ticia dirije-se a Joaquim Gonsalves Vieira
Gamariea : na pracinha aa no Allogado
em casa de Canuto Vallozo da Silveira a
onde sar bem recompensado.
ajCBr No da aa de Fevereiro fugio umtt
crioulla da Cidade de Oliuda de nome Lui-
za com os kigoaesseguintes, haiza, um
poucocheia do corpo fula, levando cora
sigo dois vistidos, ura escuro de quidro ,
a outro de assentu branco com palmas ro-
zas e um panno da costa ja uzado, cons-
ta por enformasdej do ante possuidor ,
que ella tem l7 annos, pouco mais ou
menos e dizem que tem apparecido pelo
Recita a pela -ir.da do balgado e Be-
lem em companhia de um preto a pes-
soa que apprebendar pode leva-la e
enlrega-la ou em Oiinda ra dos Mathi-
asjFeireia sobrado de quatio janelas de
ferro, n. 6 ou no Be lie, na ra das
Ti iuchairas sobrado c<>iifroute a roa estrei-
ta do Butano onde (em um marciueiro
por baix -, e lampiio na pai ta.
a/9^ Na noita do dia i4 dozapareceu.
uma pretade nome Maria levando eom
sigo ama erianca preta tiln de outra pa-
recer com idade de 8 mezes a preta tem
os sigues seguidles haiza rosio redondo
preta, nata chato, tem am tilhouo ros-
to de faca bera teita de oorpo perms
grogas ps paqueaos levou vestido ca-
misa da brim groco e vestido azul ea ue-
grinha lula a bonita por estar oouito
gorda e tem na barriga das pernas ornas
enalbas porseter botado senapsmos e le-
vou n orsibss srgOiukai de oaro lizas r
quem dallas tiver noticia oa as adiar po-
de leva-las a casa de seu Senhor Jo.- Del-
liiio da Caitnago ra do Cotovt lo 1>. SI
que oi bem recompensado.
pr-n, ha JL'ifj db Uj * MELHOR EXEMPL