Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08636

Full Text
.
-----' er--------^
ANNO DE 1838. QUARTA FEIRA
7 DE MAR0: I 55.
K*f
eKjUtio wm wmmAM
PF.RN. ha TYP. n. M. F. nr KARIA. 1838
Dl O A B M v a
5 *.*ennda s. Teofili B. Audiencia do Juis
crime de tarde ses da T. P.
6 Terca 8. Ollcgario b. Re. de m. e aud. do
J. dos Orf- de tarde.
7 Ituarta (ti-mporas) s Thomas de Aquino Dr da
ifrreja. sessao da Thesourarin.
8 (Amata >. Joao de Dos fuudailor. Rellacio de
manha etc.
9 S.-xi% (tmporas) o Misterio da Paixilo de N. S.
J. C. Sessio da Thesouraria e aud. do J. dos
orf. de tarde.
10 v-ifi ni., (tmporas) s. Millitao e scus comp. Re.
de manli. e ud do V. (}. em Olinda
11 Dominiff. 2. da Quansma. S. Candido M. La
Cheia as 6 lior. e 2o min. < Mare' cheia para o dia 6 de m;iii;h
as 2 lime 6 m. da ni 2 li- 30 m ila tard.
Tudo agora depende de nos meemos da nossa
prudencia, moderarlo, e energa i continuemos
como principiamos, e seremos apuntados com admi.
8Cao erntre as Naques mais cu tas.
Proclamacao d' Assemblea Geral do Brasil.
Subscreve*s* a 1,000 res mencaes pagos adiantadoi
nesta Tipografia. na das Cruses r>. 3, e na Praca
da independencia I). 37 e 38, onde se recebem cor
respondencias legalizada*, e annuncios i inserindo-ie
estes gratis sendo dos proprios assignantes, e viudo
assignados.
CA MUIOS.
tarco 5.
JLiOndret 32 l|* Di. 8t. poi 1,000 i ed-
Lisboa 05 poroto premio, por metal, Non-
Franca 315 a 30 Ri. por franco
Rio de Jan. 6 p.c- de desc.
Moedas de 6,400 I3,6i)0 ui reina*, novas 13,400
v 4.000 7.400 7.50O
Peos Colunares ,565 a 1570
ditto Mexicanos :,5n() a 1565
Patar.Oes Brasileiroi i.565 a 1570
Premio das lettras. por mus i l|i por o;o
Cobre a par dai sedulas
PARTIDA DOS CDllKRIUf.
Ulinda-Todoa o <|i* ao mel da.
Ooiaua, AHiaudra, Paraiba, Villa do Conde, Me-
oatguapc, Pilar, Real de 8. Joao, Brejo d'Are
rlainba, Pomlial, Nona de Sonta. Cldade do Nal l
'iMi de Qoiannlnha, a Nora da Prineete,.Cidad
la Fortaleza, Villawfo Aouir, Monte mor noto
tracal*- Catear el. Teninde, Granja, Imperatris
' Bernardo, 8. Joao do Principe, Sobral, Novada
8llle, Ico, 8. Mathena, Reach do tangiir. S
Antonio do Jardim, Quexerainoliim. e Parnahiba
- Segundat e Sextas feias ao meio da por ra da
Parailia. Santo antao-Toda at quinta. *ii*en
meio dia. Garanbun, e Bonito not u 10 e 24
le rada mea ao meio da. Floreeno da 17 d#
;ada mea ao meio dia- Cali,Seriulitem. Hi" F' '
moto, e Porto Cairo- not diat I, 11, e 21 de cada
mrt-
PAUTE OFFICIAL.
PERNAMBUCO.
ASSEOTBLEA LEGISLATIVA PRO
VINCIaL.
Acia da a. SessaS ordinaria cl Assem-
blea Provincial de Ptrnambuco toa 3
da Mareo de i838.
Presidencia do Sur. Maciel Monttiro.
Feita a chimada, acharfo-se presan-
tas a6 Snrs. Depntados fWtando com par-
tecipacio o Sr. Silva Nene e aera el'a
os Snrs. Main a Pedro Cavalc.mli.
O Sr. Preoidente declarou abei ta a Ses-
fo a lid.i a .Acta da antecedente, foi ap<
prvida.
O.Si. 1. Secretario dando cunta do
expediente leu hura < ffi io do Secretario
do Guveruo de 2 do crrente enviando a
Assemblea. as Posturas das Cmaras Mu-
uiepaes do Bonito Pefqueira Gera-
nhuus, e Lirnoairo; e participmdo que
as da ultima Villa foro interinameute
pproTadas pela Presidencia : foi remelti*
do a Commissio dos Negocios das Cma-
ras.
Findo o expedienta o Sr. Luiz Caval-
ti fes o seguinte requerimento que foi
approvado Requeiro qoee d, co-
mo Projeatoj para a ordem do dia a Lei
de fixaco da Forca Policial boje era vi-
gor para soffrer a emendas que fo-
rera approvadas por esta Assemblsa as
discussdes.*
Paifou-se a Ordato do dia que foi in-
ceptada cora ai.* discussf o do Projecto
IV. 3. do aono passado sobre a In-truc-
co Publica primaria e elementar de
cuja le tura fui dispensado o Sr.i. Se-
cretario, tnto pela ua extensio como
por que cada bum Sr. D*putado ja o ti
nha irnpiesso. OSnr. Nunes Machado
requereo que 6c^se o Projecto adiado
paia a Seafo inoual vindeara cujo re-
querimento entrando era vu tapio, icou
ata empatada por issr mesmo adiado
o Projecto. Entrou em i. discuso o
PiojectoN. 8 do anno passado sobie Sau-
de Publica de cuja leitura tambara foi
dispensado o Sr. 1. Secretario, e so-
bre elle o Sr. Pereira de Brto fez. o se-
guinte requerimento, que foi approTado
Requeiro qoeo Projecto aej remat-
tido a Comi sao de Saude Publica para
o resumir e apropria-lo as eiii'uuilatw
cias da nossa Capital .
Entrou em i. discussioo Projecto n.
3a do anno passado a cerca de alguna Em-
bregados da Admiaistraco do Patrimonio
dos Orfs; e depaij de soffrer alg um
dis-us o foi nasta i. approrado para
pa'-.ir a a. Entrou em i. discussio
o Projecto N. 30 do a' no passado sobre
as catas de C*i idaile d'asta Culada m-
xime sobre a dos Exposto*, a favor de
quem re havia pronunciado a Comis o dt
Saude Publica. O S>. Mendas mandn
a M- za o eguinte requerimento que foi
approvado Requeiro, que fique adi-
ado o Projecto ate que se saiba dus ren-
diraeoloido Hospital e se imprima a
falla do Exm. Presidente na Abeitura
Entrou ara a. d*ciusfo o Projecto
N. a do anno passado sobre a excluzlo
dos Ecclesiasticos d'esta Provincia de al-
gn empregoscivis. OSr. Nunes Ma-
xttdooiTareceo a segrate emenda substi-
tutiva ao Projecto* Art. nico : Na
Provincia de Pernambuoo nenlium Eocle-
zitstico poder esercer emprego a'gum
excepcio efe Gura d'Alraas, e Magote-
rio O Sr. Dantas mandou a Meza nutra
emenda Nenhum Ecclesiastico p d-r
ser obrigado a exeroer funcea era que
tenha lugar a imposico de pena de mor-
te ; poetas as emendas vwL.qo nio
foro approvadas, nem O art. i. do
Projecto, ficandoea. prejudirado.
Entrou em a. dis. wsioo Projecto N.
11 do anno passado com declararles ,- e
nodi6cac5es a Lei de if\ da Abril de
1836; e discuiindo-so oart. a. ja adi-
ado drt S^s-o a6. do sobredito anno,
sobre tile vioo Sr. Tiburtino
cora butn requerimento da adia-
manto (leste projecto por 8 dins que
aando apoiado rifo foi approvadr; e con-
tinuando a discussio do art. o Sr. Nunes
Mazad offereceu a elle a seguinie emen-
da Supprime-se as palavras lirai
ti s aos directos a qual foi somente a-
poiada, adiando-ie a discussio por dar a
hora.
OSr. Pre-identemarcou para a ordem
do dia : Pareceres de Commissea e lei-
tura da Projectos; continuaco da 2. "
discuti do Projecto N n ; a.* discos-
'So do Projecto N.-33 : 3. discussio do
Projecto N. 10; e primairn disciiaao dos
Projectos N. a6 32, 35, e 36, e le-
vantoQ a Ses-io pelas duai horas do
Urde.
Thomas Antonio Maciel Mqnteiro.
Presidente.
Antonio da Costa Reg Monteiro.
Primeiro Secretario.
Joa Evangelista Leal Perequito.
Segundo Secretario.
V
OOVERNO OA PROVINCIA;
expediente do dia 5 da Marco de
1838.
Offivit s Ao Exm. Sur. Bpo Dioct-
zano enriando Ihe por copia um olli.io
do Pref ito da Comarca do Rio Form-
lo sobre a ausencia que da respectiva I-
grajt (ez o Carocho da Freguiaia de Agoa
Prata sam que d-ixni.se um Sacerdote
que administre aoi Povox o Pasto Espiri-
tual ; a tim de que S. Ex. d as provi-
dencias que julgar convenientes.
Dito Ao Iif-p ctor da Thesouraria ,
com iiiiniraiHo-Ilie, que a Presidencia BU"
torisada pela artigo ao da Lai de 2o de
Outubro de i83? tem ai b trad<> aos Da-
potados Geraea a quantia de i:8o"J5-oo
res para as despegas de vinda* volta du-
rante a Legislatura de 1838 a i84a de-
vendo eita mesma qunntia ser peicehida
pelos Deputados Supplaoies que forem lo-
mar asssntae voltarain em qualquer po-
ca.
Dito Ao raesmo re^pondendo-lhe a>
vista do seo oicio em que requisita que
se divia pelas difeientes C->niarca9 a qui-
tia de i2.'ooot^ ion de reismar Lei da 9 de Juoho de 1837 para o sus-
tento e uonduccA dos presos pobres ; q'
d< ve ir abonndola/ sustento a conduo-
ea5 como lera feitoa'aqui visto pre
lantemete se na5 poder it>vr a devisa
requerida por iunorar e o numero de
presos pobies existentes era cada urna das
Comarcas.
Dito Ao mesrno para mandar pagar
.oPief-ito da cirairm do Limoeiro a
dispesa que ello tv#r feito non o concer-
t e arranjos da Casa destinada p>ra
Quartel da S cca de Companhia d'a-
quella comarca a vita dos Orcamentos
que se Ibe enviiS e das contas que Ihe
forem apresentadas. ,
Dito Ao Prefet* da comarca do Li-
mooiro, commiiriicnr.do Ihe o conteudo
no precedente officio.
Dito Ao Preleito da Comarca do Re
cifii, reco-nrtendand' Ihe que al as ne-
cessarias providencias para que o s ipii-
mento para o sustento dos preses sej
I-ito -rnente aos presos pi bies, e nao a
aquellig que poderem suitanUr-se a sua
custa.
Dito Ao Commandante Superior da
Guerda Nacional de O inda e Iguaressu'
para ord. nar que o 1. Batilhio de O-
l'nda acompanbea ProcessaS do Senhor
dos Pjsi'ii que tem de a >Hemnisar-8e nV
quella Cidade no dia 9 do correte mes.
DiioA' Meta da Irmandade do Se-
nbor dos Passos de Olinda, communi-
caodo-lhe o conteud no precedente offi-
cio.
Dito Ao Chefe minino da Legia5
da Guarda Nacional de Olinda despen-
sando do ex^rcici" de Inductor Psrci!
do 1. Bitalba da mesma Legia : ao
Alferea de 1. Liaba Joaquim Guedes de que actualmente encwo o R.gi-H^da
Quiabo#us o qual errJuara' que te spre- Brum caroparativamenle a J?rpa de U-
Zente ao Commandahte das Ai toas.'
Dito Ao Commaudante das Armas
commuoicando-lhe o precedente offi-
oio.
_ Igual communi58cs6 fodeiigtda a
o In-peclor da 'I'htS mraaia.
Dito i Ao rector do Arsenal de G
r spondendo-lbe qoe n5 tem luger a re-
quisic5 que fez de prte de um dos Cor ""
redores d'Aula do Enaiuo Mutuu >>ai**
formar ura A masam de reeoltier madei*
ras vi>to serir dito Corredor para rej
colbiinento dos meninossra quauto nao
comparece o Profcssor e chaga a hor
de antrarera o trabado seguudo iuloc
ma o Directcr do Liceo.
Dito A Cmara Municipal de NasaJ
ret eonvindo ere que proceda a arre*
matacad d.ewp'esa de um as5ougue cou-
fortne ie juis'tou de!).*ixo das conJicoern
que aconp.iibar.5 o so ofi io de l5 de
Nivambro do anno pssado e pieencbi-
das as forraalidadva legats.
Parlara Nomtaudo o CapitaS da
extinrta 2. Linha Miguel Jos Teix ira
para Instructor Parciar do I. Bttalha
da Guarda N. de Olinda.
Offijio Ao cumratndante Superior-
da G. N. de O in la e IgsjariMu' com-
nj'iiii.-an lo Ihe a oomeafaS frita pela pie*
cedenle Por'aiia.
Iguaes communicacoens foraS feitas ao
Commandante das Armas e ao Inspector
da Tlics.'uraria.
Poitaria Ao Chofis da 1. a a. Le-
gioena da Guarda N. do Recile mrndan-
do despenr-ar os Cirpo da mesmas Degio-
ens, do extrcicio por espapo dea meses
era atteiivi aos prestantes aervicos qut-
os mesraos Carpos tem feito.
Olficio Ao Gommarid*nte Superior
da Guarda Nacin*I do Recif- communi-
cando-lhf a despenen de que trida a
Portai ia antecedente.
( Cootiouar-se-ha. )
COHSIANDO DAS ARMAS.
Expediente do dia 5 de Marco de i838.
Oficio Ao Eim. P/evidente, pedin-
do Ibe houvnse dedarsuaa ordoin pa-
ra a reraosa6 do Paiel plvora do,
particulares do Broro para o Forte do
Buraco e expondo as causees que dava
luger a emlhaole exigencia.
D'to Ao mesmo Exm. Snr. pon-
perando-lhee disproporcaS dos sold,'


X
3
M B O C O

a
v^
' nha, a ao ser vico em que se acharaS era-
pregadas, e rogando-lhe trense a bonda-
de de mandar regular o* venoimenlos dos
meamos Engajados pala Tabella que envi-
ara veocimentos que anda assiua erad
inferiores aos da piimitiva organisacad
de taoa prafas im lampo que os gene-
ros da primeira uecessidado oad teobaS
chegado a tad excesairo preco e que o
aervice se limeutava somanto ao ialaruu
da Fortiticaga.
Dito Ao CapitadCommandanteCom-
Tnandaote do 4- Corpo o'Artilheri* ,
diaendo-lhe que contare cora os Ga-
piiaeus da extiucts a. Liaba Maooel Joa-
quim Gomes Antonio Joaquim de Mel-
lo o Aatoaio Martin Ribeiro para Vo-
gaes dos Couselhos de Guerra que tinbad
4a ser feitos no Corpo do sao intarioo
Conimando mandando avisar olli. al-
enle ora un ora outro ou lodos con-
formo a oecessidsde que iivase d'flioi-
as.
Dito Ao Mijor Cora mandante inte-
rino do Corpo distado respoodendo
convinienteniente ao seo officio de hcje,
que tracteva da piisad de um a. Sar-
gento da Gaarniuad do Brun e man-
daudo proceder a Cocuelho de Iureatiga-
cad para se conbecer da veracidade do
facto que uiolivou a priii do Sargen-
to.
Dito AoCspita da es linda a. L-
tilia Miguel JoseTeixeira communican-
do-lhe ter o Exm. Sar. Prasidaata o no-
meado p-ii a Instructor d 3. Bataba-
Jhao da Guarda Nacional do Municipio
d'Oliuda e ordenando Ihe que se a-
presentase ao respectivo Com man da uta
Superior.
Dito. Ao Inspector do Thssouro,
pare qua houvesse da mandar satisfacer a
importancia do Pret do sold do Almo-
xaufe da Fortale.-a da Tamandarc no
mez p. p. na5 obstante contar com a
etapa a i8j i'i.-is qondo ella segundo a
nova tabella era de 370 certo de qua o
excedente seria cobrado no Pret do mez
que corre faaeodo seas competenlaa no-
tas como eia cusame em taas casos.
Dito Ao Coniiuaodanta Superior da
Guarda Nacional do Municipio da Oliada
(111 rau nicaudo le a lemesa do Cu ida
Pedro Velho Brralo qua taodo sido jul-
gtdo incapaz do ser vico do Corpo de-taca
do della bavil sido excluido por Porta-
ra desta data aervindo-ae S. S. de uiau.
d '-lo substituir por outro.
D.to Ao Prefeitada Comarca res-
pondendo convenieotemaLte o seo oficio
de bonlem que pedia urna guarda para
o Tiibunal dos Joiados.
D lo Ao Comandaote da Fortaleza
de Tamandar authorisando-oa dar de-
missa ao soldado Andie Alves Fernandes
quetrah* completado oseo engijameuio,
e a contratar outro, que o substituase;
mandandando qua no Pret do crreme
iue tiras.e ao Almoxarife o excede.te
do valor do Flape que fei cobrada no
rnexp. p. a i8n quando pela nova Ta-
bella devia ser a a^O e finalmente que
dito Almoxarife dsvia ser considerado ad-
dirlo ao 4 Corpo id'Arlilheria e oa5
a Compaubia aquartelada no Brum que
nao exista por ter crvido da Casco ao
iDtsmo 4. Corpo.
Portaia do dia 4 Mandando desligar
do Dspotito as 1OO piucas que tinhao de
seguir para a Babia, e cujos noraes bad
discripto na relaca que se Ibe envi-
ara.
DIVERSAS REPART1COENS.
THESORARIA DA PROVINCIA.
EDITAL.
O Mas: Snr. Inspector da Theaours-
ria de Fasanda da Provincia manda Ester
publico que >-e bao de arrsmlar pean-
le a mema Thesourana nos dias 10, II,
e i2 d'Abril prximo futuro as Rendas
srguinle:
1/ Imposto da 2#ei por cabeca de
gado racum que for consumido.
2. Dita de ao pvc cento d'-ajoardenle
do consumo.
3. laxa das passagans dos Rivfl BO
JMuaicifiea do iHecif e. OJiad.-."
4. Disimo doCapim de planta dos ditos
Municipios do Recite e Olinda.
5. Dito do Gado vacura e cavallar.
A arremataban de cada urna das ditas
Randas ser feila por lampo de um arma
contado de 1. da Jalho de i838 a 3o de
Junho de l839 e dividida segundo os di-
versos Municipios da Provucia sendo a
ultima da apparicab do Gado nascido no
conente auno fnaueeiro da i837 a 1838
E para constar se mandou affixar o
presente, e publiea-]o pelo Prelo.
Conladoria Provincial de Perrum' uco
21 de Fevareiro do 1858.
O Contador.
Joa5 Baptista Pe eir Lobo Jnior.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS;
A pauta ba a mesma do n. a6.
COhREIO.
O Biigue Portugus UniaS do qual
Mestre Francisco Antonio Goncalrt-s iVlai a
sai para Lisboa 00 dia a5 do correte.
PREFEITURA.
Parte do dia 5 de Marco de i83g.
Illm. e Exm. Sr. Fono presos bon-
lem a miaba urden e tivera diff'iiu-
tes destinos: Francisco Jo-e das Nares ,
Juatioo Gomes Villar ,a Antonio Gou-
Ivs, bianco, pelo Sub-Prefaito da
Freguesia do Recife, este por consentir
adjunctoaem urna pejueua casa em que
elle mora no baco do porto das canoas ,
deque resultou houtem a noite sair gra-
vemente ferido o prelo Jos Joaquina d
Santa Anua de urna estocada que lbe
dera urn marojo que deixou de ser tain
bem preso por ter logo fgido tirado
o dito prto alli concorrido para oonter
a desorde'm, que promova o referido
marujo ; e aquellas por briga em casa de
urna mullier : Laroie, F< ancas pela
1. patrulha do distiicto de Foca de Por-
tas, por insulto ; e ameaca ao seu respe-
ctivo Capita6 ; Francisco, preto, es-
crao pela 1. p.tiu'ba do distrito do
Corpo Santo por ser ei confiado tarde
e aupor-se estar fgido; Manoel Louren-
co da Cotia paido p.-lo Sub-Prefeito
da Fraguesia da Santo Autonio por tar
espsucado cquebrado a cabeca a liuui
pialo no] Alteiro do Alfogados ; e Ma-
ra Joaquina dos Arijos neta pelo Sub-
Prsfeilo da Freguesia da Boa-vista por
ebria, a in-ultadoura.
A 1. pittulba dodistricto'da Madre de
Dos participa, que, peiteudendo ella
bonlem pula 8 horas da noita faier re-
tirar a 8 Marujos nflales que se fin -
ga5 ebrios no lug*r do Forte do Matos,
para faserem desorden] ests se arma-
rio de remos de urna laaaiina e de
pedras e acornmetera5 a mesma patru-
lha que para sus delfesa e os forcar
a embarcdieni-se deu a voz de Carregar
ntuaii lose ent > os reffsriJos marujos.
E' o que consta das partea hoje recebi-
das n'.-sia ecretaria.
Deo. Gaarde a V. Exc. Prefeitura d Gomaron do Recife 5 de Mareo da 18J8.
lil.u. e Ex n. Sor. Prnuciac' do R*x
lirros Presidente da Proriucia* Fran-
cisco Atitou.o da S Brralo Prefeilo da
Comal ce.
Do Jjrnal Francez Le Secle, extrac-
tamos o aek;uinte artigo sobre a peniien-
ciana de Londres. Agora que ha pouco
que dizer sob iitia.i, sobre lulas da partidos, agjr que
toda aatteocaS publica est deserapenlia-
da e livre pois que a nao merecen] es-
es continuados asforcos, estes astrebucha-
mealos coovol-ivos que nos ltimos ios
i.ni-? de sus xintencia iSn f Corle eias de barUdi* reliquias da or-
dem da cousas (|ua cessou em l9 de Se*
iiuibrcj jumo be que lhe deinoa aclvida
da, e alimento oceupando-nos com os
progresios sociaes de outra natoreza da
que carecemo. Nesta estrada tara anda-
do o Correio Olfiai.l, j oceupando-se com
desenvolver as utilidades da m8trncca5 se-
cundaria, preparando aisiin os espritus
para a grande obra da f undaqo do Colle-
gio do Pedro II, j api-asentando algo-
mas consideraees buscadas em I luerue de
l'omraeuae sjbre uteis meios de repre-so
dos crimes e decorreocio dos crimino-
sos. He como segaimento, ecomplemen
to desta materia que damos a traduaeio
do artigo doSeculo.
A Penitenciaria de Londres.
Para defender-se contra aquellas qua
perturbad a ordem por alia estabelacda ,
a Sociedada na5 tare por muito terapo ou-
tras armas que au osseru os castigos ; a
mor te de qoa oi, de qae anda infeliz-
mente he tio prodiga ; (i) as matila5es
que era raortes parciaes; os tormentos ,
suplicios preparatorios, aos quaes nem
sa quer e.-capava5 es raconhecidamente
innocentes ; o sai rico das gal*, e das mi-
nas e oolroa trabalbos afanosos que de
mistura com os criminosos sojeitava5-se
os pi i-ioneiros de guerra a amllm a pri-
sto nao tendo por destine seuo separar
perpetua ou temporariamente o crimino-
so da commuoho des Cidadio*. Traba-
se aiuda imaginado imprimir neise crimi-
noso a quem a Sociedade uaS arraocava a
vida ras que somante expellia de seu
seiohuma marca iadelavel semelbsnca
da que Dos imprimi na trente de Caim
fratrecida para que deste modo recouhe-
cido em toda a parte como inimigo dos bo-
inans, fosse de toda a parte expulso : e
desi'arte ts-e hornera qua recebia de to-
dos acolhimeato bosld era obrigado a
acaeitar perpetua guerra e condamoado
n.ivos crimes em puoieie de hura pri-
mairo crime. A aboliaao dessa pratica to
absurda qnanto era barbara foi Iran
piimeiro progiesso de que davamos agra-
decer rasio publica.
Mas nao era esse o nico melhoramento
qua se poda introdutir no systema pen 1,
nem o nico que importa que vejamos rea-
lisado e isso eom a maior brevidade. Co-
mo se ple ver ni nomenclatura dos de-
lletas e d(b psnas ludo foi sabiamente
calculado pelo Legislador *, elleexbauio
todos os e.foicos de sua imaginaca5 para
enumerar todos os cuines que hura mera-
bro rebelde da Sociedade pode oommetter
contra as Leis que ella estabeleceo e de-
pois para inventar hum castigo proporcio-
nal ceda hura dessea ciimes, e loi a
peifeicio da sua obra estatuir huma gra-
daca de castigos taes, que houvasse per-
feia correlaeo entre a pena, eo delieto.
At esse ponto ludo foi justo e boin.
Ei-la a Sociedade armada p como ella exige na5 que se obtdega
'koas Leis, us que tambera, se as co-
nbeca, fiquem todos os seus tnerabroa
bem capacitados diso cada crime lera
seu castigo. Todava comeca-se a sentir-
le que esse edificio tio bello tio laborio-
samente construido o decurso de tantos
sculos pela scienoia dos Jurisconaullos,
e pali.s observact-s dos algoses, nio asta
peifeito e complato qua aqui, all acha-
ae Itcuuas que pieencher, pequeos es-
quecimentos que reparar. Duaa eousas,
por exemplo na5 tiubad em lab laboro,
sa conste necio adiado lugar huma o ar-
1 epamiimeulo essa rirtude do peccador
que aos olhos de Dos faz osquecer o cri-
me ; aos olhos odos de cada indiriduo em particular,
nos olhos ruesmo do offandido : mas qua
a Sociedade, severa que he, nad adinit-
ti, ,is5 couhece, de noma se quer em
seu* Codigus. Em segundo lugar o rae-
lhoramemo do culpado melhorameuto
queameuver oa5 ara nem menos para
desejar, nem meuos til Sociedade do
que seu castigo. As penitenciarias, pri-
sOes de natuieza a da formas novas, tero,
por objecto reparar ua pralica e na ap-
(1) Aasitn be na legislafaS criminal
Fincasa : na nosss Ivgslaea poim a
Soeiedade Brasileira mostrou-se parca
dessa pena e tio parca quo ple mes-
ura ser laxada de imurudeote a de ha-
ver atienta sua civilisaca compromet-
tido sua seguiauca por m calculad bu*
aiauidade.
plicaga ds penas esses esquecimento
da theoria Legislativa. Da hum lado o ar-
repeudimouto provado pela dor de bavsr
oommeltido huma accio m, pela volta s
pratioas boas que denotad a veraio que
se tem ao crime, pe" D0,a oomporta-
ment e boro exemplo motiva alguna leni-
tivos alguma minoraeaS no rigor e na
duraua da pena, a qua se est condam-
nado ; da outro lado, e especialmente o
lempo dessa pana empregsdo ao melhora-
meuto moral do culpado ha causa ordi-
naria desse arrepeudimento dessa volt
pira o bem. O horneen que a Sociedade
bavia punido expulsando-os temporaria-
mente de seu gremio e privando-oda vi-
da commura he-lho restituido mais de-<
presaste melbor. Tal o duplicado fim das
penitenciarias. Tivemos a feliz opporlu-
nidade de visitar a penitenciaria de Lon-
dres; cous que para hum eslraugeiio
na5 be to fcil como ir ver a Torra, ou
o tunnel, (2) porque he nacessaria huma
licenca especial do Ministro do Interior,
e nos julgamos que agora que tanto le tra-
ta em Fraosa de multiplicar as casis peni-
tenciarias na serio ssm alguma utilida-
de, alguniHs particularidades sobre a for-
ma e rgimen interior desse estabeleci-
ment. Exporemos ao de pois e em pun-
cas pala vras, os resultados do systema de
qae uelle se faz applicaca5.
Na parle inferior do quarteirio da Wes-
tminster, nai margeos do 'lamisa peito
de WauxhalIBridge se eleva hura \a-i,
e extraordinario edificio qua se tomara,
ao ver seo plano geral e seos aspectos par-
ticulares por huma Fortaleza da mua 1-
dade. No centro acha-se huma larga tor-
re rodeada da hum pateo quadrado, e
sobra os qustro lado, desse pateo esten-
dem-se carpos de id Qcio de forma da
pentgono, que apreseota5 para a paita
exterior seu ngulo extremo como qual-
quer fortificabas. No centro de cada
hum desses edifi-ios pentgonos acha-te
buma outra torra menos elevada do que a
piiineira central de queja fallamos. Dal-
la pariera p- redes divisorias que separad
cada patso era qu. tro repartieres. bao
e-sas torres particulares a inoradia dos
Guardas, esses pequeos pateos o lugar
de recreio e paseio dos presos e ese* e-
dilii-ios do arredor da aua residaucia.
Hum Capel lo que se acha igualmente
inoumbido das fuucr;5ei administrativas
da casa, tere a urbauidade deservir de
guia a humas senhoras que me havia
consentido que as acorapanbasse. Levou-
nos ella para eome^ar qoelles dos pateos
peutagouoj em que se achab resiilindo as
mulheres. Peuetramos em compridos cor-
redores sobre os quaes dio as poitas de ha*
au serie de celias inteiramente iguaes e
que se assemelha com os dormitoiios de
hum Conveuto, ou de hum Collegio. Ca-
da huma das presas rajando hum ves-
tuario uniforme, e cojas cores vaha pa-
ra cada corpo de t difiera, e para cada an-
dar, oceupa huma^dessas celias, cuja,
mollia ha composta de huma maca que
serr de cama de huma masa e huma ca-
daira ., de hum estrado rnovedico que tem
de altura algumas pollegajas aeima das
1-g'S do pavimento, e com isso huma es-
pecie de oratorio no qual sa echad huma
Biblia e alguns livros religiosos. O ar e a
loz do dia coramunica instas celias p 1 >
abertura de huma pequea jaoella, e pala
pjrta em gradil que abre para os corredo-
res nos quaesse acha5 continuamente os
Guardas, os quaes sio aerapre do sexo
duapiesos, eassimeraS mulheres ua par*
te do edificio eu que noa chavamos. Na
estacad fi ia toboacalorihcoa di>tiibuera em
todas as celias igual oalor. Nos ngulos
que loimiS os corredores passan<4o de
hum corpo do edificio para outro, achr-
se preparados como grandes toucadores,
nos quaes cada manb ao levanlarera se ,
e cada noite antea de deilarera-se rio ra-
da urna por aua vez as presas e ah a -
cba5 quanto exige o mais desvellado sceio.
Tiei veaes por dia aistribuem-lhe ali-
mentos sadios e abundantes. racSas de
leite da carne de legumes e de pi
excelleuie. A's horas de pa-iaeioellas des-
cera aos pateos nad junta* e tumultan.
(a) Poucos sio os que ignorad que esta.
noray designa hum caminho que se esta
brindo era. Ljudrea por baixa do >
Taojaij



i a k i o bipibamidco:
ana
na
mente, mu humas atrs dis outras se 3
bh communicarem sem se dirigirem hu-
ma t palivra, e.iruU u'hura circulo
marcado como nos manejos de equitacaS :
ellas caminba deixauuo entre si grandes
intervallos, coro passos vigorosos e recu-
bres, e conservando-se silenciosas. Des-
de que acordad at que se deitad ex. ep-
tuaudo as horas que levaS iiq lavar-se e
aceiar-se, excepto as que si destinadas
para tomar alimento e para os pssseios en-
tfr>5--e sem interrupcaS nem descanco ,
a tribalhos manuaes, cosem bordad,
ou fsem meiag. Somente huma Tez por
da Vis t <-j o Capalliu tm preservas dxs
Guardas, conversa, ou le cora ellas, da-
Ihas instrucees religiosas ou moraes en-
sina-lhes a ler a escrever e a contar as
quatro espeeies lamentares. Quandose
paisa por e-.ses corredores tio lirnpos, por
essai celias to aceiadag e tio sadias ,. no
meio dessa silencio a dessa aclividade,
quando se olha para essas mulheres tio
gordas a tio frescas trabalhaudo com ar-
dor ou uum ardor orando ante seu ora-
torio, cumprimentando com os olhos
baixos da vergotiha c coradas as faces ,
as pe a porta de suas celias certatnoote se he
levado a suppor-se que se est no pacifico
retiro de virgeus Santas qoe espontnea-
mente renunciaran aomuudo para cousa-
grarem -se virtude, e uo que se aeha no
eceplaculo impuro eoi que a Sociedade
Janea lolentamente suas lazas.
'Nos lugares em que s aodaS 01 bomens
be absolutamente igual o rgimen ; igual
o perpetuo isolameot0| igual a continua
vigilancia iguaea os pisseio silenciosos,
igualaoeio, iguaes consolos, iguaas l-
c5ei do Saceruote a #m fm igual sujei-
cad doradouro tr*bilho. As oceupa-
ces manuaes dos bomens na5 s6 todas
de natureza se exercerem na solido e
por i-so deve cada preso escolher huma
das que autorisa o ragulamanto da casa ,
hum tam cm la Celia hum lear de teoe-
lao, e fabrica de estofas, outros tecean
meias pela mtior parte preferem ser il-
la i a les ou cipaleiros ecort. e fazera o
vestuaiio, a o Oalcado do Exercito e da
Marinha.
Em boma nica occasia todas os pre-
sos quer homens quer mulheres se a-
cb5 reuuidos n'hum mesmo lugar he
eos Domiogos para issistirem ao Oflicio
Divino Mas reunem-se sem que se cum-
muniquem, e seu perpetuo isohmenlo
u se intenompe saoad para os olhos:
pudemver*se, podem me>ma tocar-se,
roas ua conhecerem-se, e menos ainda
lallarem-se. A Capaila oacupao primei-
ro andar da grande torre central os pre-
scampara ella sa encamiuba por cowpa-
nhits pausando [O.1 estreitos corredores
entre os muros de spparacaS. Nest* Ca-
pella o lugar destinado aus presos e que
1)ni poder-se-hia comparar com a platea
dos iosbos thaatros ha dividida eih mui
tas repartiees com a forma de hum tii-
aogulo agudissimo ; em frente de cada
hum desses tringulos e-t sentado hum
viga ou guarda que dando costas ao altar
tem constantemente dsbaixo dos olhos to-
do o rancho da presos confiados sua vi-
gilancia. A menor desordem a menor
infracca regra do silencio ss5 castiga-
dos com a expulsaS inmediata do culpado
do lagar santo. cima desta platea des-
tinada a>'9 horneas ha huma especie de
tribuna ou grande camarote dividido e
inspeccionado pelo tnesnu modo nella
tomad lugar as mulheres sempre multo
. iihiioj numerosas do que os bomens. O
altar eo pulpito esta collocados de modo
que podem todos os asistentes seguir com-
modamenteas particularidades do.oflicio ,
e ouvir a predica.
(Continua.)
AVIZOS DIVERSOS.
_ Francisco de Paula Almeida e Alhu-
querque extremamente agrade Srs.
ieitoies desta Pcovincia que acabad de
hoora-lu com seos votos na5 pode daixar
de Jar Mies hum lesleiuuubo publico dessa
giaildu Unto iuji dettda quauio me
he honrosa a sua eslima ; estima que se es-
iursirsempra por murecec-llies at tiaaa*.
tolbefor possivel a geral de tola a Pro-
vincia. Aproveita esta occasiaO para se
despedir das pessoas das auas particulares
relaces.
A pessoa que quiser hypotecar u-
ma morada de casa em a ra do Jardira
pur a5o$ reis ficando o aluguel da da ca-
za pelo juros do dinheiro : quem preten-
der dirija-se a ra de 5. Theiesa U. a7.
Na ra do Livrameoto armasem D.
lo existem urnas cartas para ser entre-
gues aosSnrs. Joa5 Jos de Medeiroa ,
Jo*e loaqmm Viauoa, Josa Victorino,
Antonia Luciano da Silva Pessoa, Josa
Fraucisoo da Costa Jese Jacinto Silvei-
ra por tanto quam for saos donoa procu-
re na ra assima qoe Ihe seraS entregues
na iDisini casa vende-se mil novecien-
tas lolbas da Carnauba por preco eommo-
do.
Precisa-sc da um bomam para feitor
de um sitio muita perto da praea pigir-
se h liom ordenado sendo perilimo em o
leu ti'ab'lho.
ftoga-se aos Snrs. Sub-Prafeitos
desta e mais Comarcas e Autderida-
dcs Policiaes e pessoas pai ticularas qae
ouberem ou virem urna uagra da Cos-
ta de iioma Catharina ja Josa alta ,
algum tanto secca afola, quando auda
deita os paitos para diauta quebrada de
ambis as varilhas costuma intitular-sa
por forra suppe-se e tar acoitada un
vendida ; a mande prender e Jevar a
seu Senbor na Boa-vista roa do Aragio
D. 37 que satisfar tada a despeza.
efljpj Aluga-sea casa da riia d'Alegria
D. 5 a fallar com o Padre Jea Rodri-
gues em Oliada ra de Malinas Ferreira
sobrado amarallo ; ou em seu sitio da pri-
mavera na Solidade d Ba-vista.
rtP" Um ptimo ollicial de otfioial
Francs viudo prximamente da Baha de
zeja so em pregar na qualquar officinado
mesmo ofEaio o Senbor que pracizar po-
da dirijir-so a casa de pasto da Fellis Jos
da Mello atrazdoCorpo Santo D. 66 a
onde achira com -uem tratar.
*Ca?" Joaquim Jo> da Costa lendo no
Diario n. 51 o anuuucio que fez o Snr.
Luizde Franca da Groz Ferraira, em que
declara que a sua llanca pira com o Ho-
rnera Bom Soares e Mendonaa nos alu-
gueis da ama caa rio aununciante que
t leria vigor al o fien de Janeiro do cor-
rento anuo depc do qual ficaria sem
effeito a respailo deque nenhuma du-
vida poria o annunciaute se assim hoavesse
o mesmo Sr. Franca declarado na tianga
que prestou ; mas qne assa nio traz aon-
clitjlu alguma e nem lempo marcado,
para dapois do qual ae tornar de neuhum
eifeilo e menos foi prestada por meio de
aiiiii.il iu no Diario razio porque o an-
nunciante faz si.ieote ao Sr. Franca, que
ssuiprescr ebrigado pelosos alugueis da
casa em quinto nella morar o seu allanta-
do eurelhor decidir o Juiz.
A pessoa que aununciou aiecessi-
tar de urna criada para caa de um !n>-
niein solteiro procure na ra daa Larao-
geiris casa D. 3.
J^> Manoel Alves Guarra em vista
da paite da Prefsitura desta Camaroa do
dia 4 do corrauta, dejara que a esa que
abaleo o talo na5 I lie per trino.
Piacisi-se de um bomem capaz de
tomar conta da urna barcada para nave-
gar at o Cabo de S. Agostiuh"; quem
nestas circunstancias estiver dirija-se ao
Recite ra da Cruz n. la ascriptorio de
Jos Antonio Gomes Jnior.
*J3> Pieciza sa da um rapas Portu-
guez de idade de lo ai5 anuos, para
ser caxeiro de urna loja na Commirca de
NaZarelb, di tanta desta Praca i5 leguas
com o predicado da vencer ordenado q'
ae convencioncr: quem estiver estas cir-
rootanciaa aonuncie ou procure a casa
da Joiquim da Silva Castro: na ra de
Crespo.
VGJP* Preciza-ie de urna tsulher para
ama de urna casa qua tanba urn menino
que sirva pira fazer Igualas compras,
quemostiver nestas cireuutancias aonun-
cie.
- O Dpozito do Galo estibelecido
na ra dos T anueiros,' bairro do Recife
acba-sa aberto, e alise vende o mesmo a
sem rea a libia, en porcScas grande: OU
pequeas comoconvier aos compradores.
Arrenda-se um aimjsem na ra
do azeite de Paixe, com fundos para a
ra da Cacimba mui proprio fiara ar-
ma sam da assucor : na praca da Boa-vista
botica D. 3.
%3kv" Jos Fernandez da Cunha Vianna
a Miguel dos Aojas fazem publico que
Joio Gomes uartinsde ora era di me uio
he procurador dos aununciantas por as-
sirn llias convier, ficando por tssa rasi.
de ueiihuru affaito e validade urna procu-
ragio Bastante que os aununciautes haviio
dado ao dito Joio Gomes M.artins na6
podendo este jamis contractar por paite
dos aununciante*, nem fizer negocio ou
proeptalario dequalidade alguma.
~r O Sr. que precisa de orlada pira
casada um hornera solteiro, dirija-se a
esta Typografia.
- Quem precisar de urna moradia
da uin sobrado de um andar com muito
bous comuiodos e com cacimba e quin-
tal dirija-se atril do Rosario sobrado de
um andar a5.
W Alluga-se huma caza terrea cons-
truida a moderna e com mu.tos como-
dos para uiua numerosa familia sita na
ra nova que Vai para a Trempe ; a ta-
lar oom Joa5Sebistia5 Peratti coa ua ca
sa no pateo da Santa Crusu
WP" Alugi-a um bom cosinheiro pa-
ra pouca larnria : quem livar annuncie
011 dirija-se a Hospedara do Sor. Biau-
do junio ao quarlel da l'olicia, que se
dir' quam o piecisa.
JOiT* Aluga-se u.-na casa no Bairro de
Sanio A'itooio, que m exceda o alluguel
a 8 un I reis : qu.-m a tiver vauha uesta
Typogrifia para o ijuste.
/J^ D-ie 100,000 a 3oo,ooo rs. a pre-
mio de i,a5o ao mez sob peohores de ou-
ro bom : uesta Typ. ie dir.
Sjyjp* Precisa-stf de urna criada de meia
idada para casa de homem alteiro : an-
nuncie.
9^> Quem praciear de um Caixeiro
Portuguez que sabe ham ler eucrever ,
e contar para armasem de aasaear ou
Esciiptorioa da um bom fiadora sua
conducta : annuncie.
tjQPJp A pessoa que aununciou querer
aoo$ reis para dar no li m de Junho
a3o$: dirjasearua da Hortas lado do
puenie D. 42.
|^> Precisa-se de um preto ou pardo
forro pa s-.ja idoso, e queira sugei*
tar-se a mui pequeo sarvico, dando-se-
llie comida oaia e alguma gratificaga:
na ra estreita do Rosario sobrado de 2
audaresoude tem por baixo urna venda
de Bnbeiro se tata esta tracto a vislade
quem appirecur.
r3 Quem (j-iiser vender Flor de La-
ranja em toda e qualquei poraad dirija-se
a rui estreita do Rosario Bjlica de Joj
Pereira da Silveira pintada a freuta de
amarsllo.
Quem tiver urna canoa que leve iOOO a
aOO lijlos e (jueira alugar : auuncie a
sua morada.
Precua-ae da cem mil rs. a juros srbre
hipoteca de huma liauda da casas sitas em
Ul-nda quem q iiz-r dar anuncie a sua
morada.
Odia precisar de hum caxeiro portu-
gus pii* *ua ou loja o qual lem bastan-
te pnticicae dallador a na conducta,
dirija-se a ra das Cruzes casa de lauoeiro
defroute de Luiz Pereira de Fari.
Quem precisar de -hum homem pira
adurinistrar alguma fasanda ou officina
embora saja fora desla praCa : na rilieira
do paixe d-- S. Antonio armazem N.
11.
e/y'Ainda se continua a aforar o res-
tante, dos dois terrenos situados na estrada
da Sodade para o Manguind d> fronte
mesmo da Ponte e da parle da estrada ,
que segu do Manguind para a Igreja do*
Aflictos, priacipiando logo do fim da ca-
za nova do seu proprietirio o Dezamhar-
gador Tbomas Antonio Miciel Mouteiro ,
conlendo o fundo de cada bum palmo alo-
rado cem palmos ditos, na risio de
3ao reis cada hum palmo aforado : adver-
ando porem que hum e outro terreno ,
be todo enchuto beneficiado, e prom-
pto para logo ee edificaren prop edades,
independe ule de outro qmlqaer tiabilbo,
quando pelo coutrario na6 uccede assim
era outros terrenos p?r aquellas immedi-
avfies que em lamaoal se tem aforado e
pelo mesino prego : os pieltudeutes en-
tendaS-seoom o Escrivfo Almeida em se
ftitorioaa ruadas Trinxeiras, que est
rjuoido de poderes pira faser tees afora-
mentos.
W Alluga-seo terreiro andar do so?
brado amaiello uo atierro da Bejtvitta de-i
fronte da Mit/is : e no mesmo logar ha.
paia veuder hum Piano ferte OgUl uoo,
e de muil> boas vuses por 3a>.,ooo a
hum ca nnbo de duaa rodas, e hum ca-
Vallo com apardhos para o mesmo.
Urna pessoa capiz qua dar co-
ni ecimerrto de si se o'erece aqualquer
Senhor que teuha tr.rns.n.cO< s paca osser-
t6cs desU Provincia para seenenrragar da
algumas cobravas, conciliaes, ou ou-
tro qualquer negocio cuja pessoa lem iu
talligeucia de negocios do toro: quem
piecisar do seu piestimo para o dito fim ,
annuncie paca ser procurado.
W Aluga-se o Armazem no beco do
Theatro : quem pertendar dirija-aea ra
do crespo D. i-j.
Quam precisar de urna ama para ser-
vigo de urna casa de piquena lamilia ,
dirjase a ra da aoda I). 16, ou a mili-
cia.
D'seja-se fallar ao Sr. Joaqnim Jos
Moieira para Ihe s. r entregue urna car-
ta vinda do Porto : anuncia a sua mo-
ran .
A pessoa que anunciou precisar de um
Caxeiro para Macci dirija se na Boa-vis-
ta ra de Domingos Piras confronte a
manguera csa de Juas purtas.
Quem pucisar de bum rapaz filiio do
Rio da Jautiro chegado a pouco : para
criado que sabo bem 1er escicver e con-
tar: anuncie.
Quem precisar de bum bolieiro que sa-
be desempauhar a oocupaca ; uo atierro
dos A logad js pegado as gamileiras.
WQT Arrenda-se annualmenle huma
morada de cazas terreas novas, sita no
principio da entrada dos Aflictos defronta
da casa da Seuboia Lauriana e com qua-
tro quartos di-peiua boas sallas es-
trabara e seu quintal murado, e pela
quaulia de i5o^ ra. : os prtiendentes en-
tan lao-so com o F.>ci ita Almeida em seo
Caitorio na ra das Triucheiras que es-
t munido de poderes para fase tal arren-
demento.
rrs AUugi-se a oavallos para carregar
tijollos ou area : quem dos raestnos pre-
cisar dirija se a ra da Praia casa do Vi-
anna ou annaucie ; e tambem se alugar
bum preto para aeompauhar os mesmua ,
se assnn convier ao allogador.
__ Fugio da ra do Quuimado Domingo
4 do correte hum cavallo pedrs as o-
elhosacabauadas j bastante velbo da
meias carnes, comcar.galha e caeus at
a ponte da BuavUta foi visto: quem o pe-
gn diiija-se a Olaria de Manoel do Albu-
querque Buros no lugar do .Monleiro,
que sei hm paga a pausoa qua o levar,
ou dirija-se uneama ra laja i). 5.
Um rapaz Urasileiio de idade de 18
anuos, que sabe ler escrever e contar,
e que d fiador a sua conducta ofiaiece-se
paia ser caixeiro da qualquer oceupaga ,
exceptuando venda : quem pteciiar an-
nuncie,
Precisa se de um padeiro para treba-
Ibar no foruo : quam estiver uestes cir-
cunstancias dirija se as 5 Ponas padaria
. 2o, que achara com quem tratir.
O Sr. que aununciou querer um ca-
xeiro queeutenda de tsenpta para ir a
Macei diria-e a ra do Rozario estrei-
ta boliua de J ji Pareira da Silveira qua
achara com quem tialar.
Precisa-sc Je cincuenta 1 oitenta mil
reis a premio, dando-se ponhores de orno
bom em obras: quam este negocio quiser
annuncie.
_ Quem preci-ar de um leitor ou para
qualquer outra oscupacao de campo dirja-
se ao aiterro dos Atingidos na casa da Sr.
Simoens.
Arreuda-ae um segundo andar de
um sobrado com um bilhsr dos mehores,
com pauuu ovo asiento de cadeiras ,
marcador, bonita illumioacsS jogo do
g.mo e todos os mais olensilies peitan-
ceutasao dito bilhar egamio, pelo tem-
po e pre^o que se convesciouar : ua ra
Direita sobrado U. ao onde exista o mes-
roo bilhar armado, a fallar com Ana-tacio
Jos dos Passo < manba das 9 horas
ao meio dia, e is 3 ui tarde tus duae,


T
DI1IIO P E R w A m n rt c o
I
fK?. O Director do Lyceo avisa os Srs.
Provisores ds Aales publicas que e>t
aulhoritado suprir as mesrnas awjfls da
litros para suas matriculas, por tanto
queiraS mandar ao Lyceo por ti, ou seus
procuradoras recebe-loa e pascar rvcibu.
LEILAO.
Quesef.zna quinta feira 8 do
correute p las n horas da mau'tii, de
urna aorcio da bolaixa ordinaria no ar-
masrm de Joio dos Sm!o Poito ra da
aanzalla volha n. ai.
> Que f z N. O. BUber Quinta fei-
ra 8 ao corr* nte, a-i i o horas da aianlii ,
de faz-radas limps e avaiiadas qo seu ei-
toazem ra da Cruz o. 63.
NAVIOS A CARGA.
Para o Maranho
f^* O Lugre Duarte terceiro, Capitio
Antonio Jos Veiissimo a sabir puc es-
tes 15 das portar a maiorp carga pronta, quam no mesrno qaiser cr-
ragarou liir de passagem podeenteoder-
s coiti o nes mu Optio, ou cem Joio
Vieira Lima ra doVigario O, i7.
PariPhiladelpbia
Sahir com toda a breviluie a
barca Americana John ; Capitio Thomaz
Duling ; quem nella quizer cariegar ou
hirde pas ager diriju-se ao esciiptorio
de Jjseph Ruy.
COMPRAS.
tflsT* Um carillo noro sem achaques,
e comalguas andares ; quero o liVer. aa-
nuncie.
-= Um carro de duas rodas am es-
Tallo para o mtrsmo e outro para ca valla-
ra : annuucie, ou dirija-se a Hop -dira
do Sr. Brando, junto ao qaarael da Po-
lica.
?jtp"' Um pu do rede, da qoalqaer
qualidade 5 anuaucia.
VENDAS.
IHippas E taticos pira seren da-
dos pelos Reverendos Parucbos das fie-
guesies segundo as orjeus do fizm. Sr.
Prei lente da Provincia : na prca da
Ind|)nden. ia loja de livro n. 37 e 38
e preco de mea pataca.
|bV Urna negra tnuilo b<>a ngummi.
deira e cczuheu'a lava de Vi-pella :
111 rua doCabug l Xa?" A laja defazeniasda ra da Ala-
dra de Dflot a ti alar na mesma.
tT^ Fitas de gai*a pretas a de sed*
froxa por preco c de froute do oito do Livraraeolo.
Y9* Urna rscravi de nacii> mofa boa
figura cozinha o diari-a de urna casa om
saboa muito ru-m da sabio e muio boa
?endadera de ma ; na ra du S. Tuere-
ca D. a7.
%3P* Uma parte do aitio grande do Ar-
raial, com b-stantes arvores de fruto de
todas as qualidadcs por preco eo n,a 1 lo:
a fallar na rua do Fogj na-lujas dos so-
bradado D te.'i>bn -aV Urna cazsea pret quazi nova e
duai bincas uma da eroarello e outra de
condur tudo por preco comruodo :
tiu-m qniter aununcie.
*W U.n muleque crioula,- da dada
9 a loanno', bonita figura propio para
qualqoar nrn offi io : Da ra bt:cita do
Rozario venda nava D. 28.
O Sitio part^nceuto a Thomaz
Stiwart, no Poco da panalh car Gado de
Jim? 5 cora boa cas estribara para 6
cvalo? cocheira, carral murado, gran*
de baixa da espira, muitas laranjeias ,
outraa fructas pureiras das tnelhor-.s
qoiliJade um p'-co de axceente agoa ,
um vacca um cava!lo dois carril.hos
de ma dois bebedores de pedra e va-
rios utencis da Jardi e com toda ou
parte da mabilia de casa; na ra das Cruz
n. 55.
3 5 vaocas de Jrif?, sendo quatro
com cria notitiode Jernimo Muios,
va estrada que vai pa a Virzw.
- **_ i... __.-1
Quatro muleques de dada de 18
aipaiMios, muito 1 obiiblos e'dnas na-
gra com duas crias de idi>de da 4 armen
mut lindas e por preco coramodo: na
ra dos Martirios pa.-s.uid a I^reja no
primtiro sobrado primeiio andar.
feST* Um escravo da ncao rouito bom
eoziuher : na ra da Cruz 11. 5S.
----- Duas eheravas com boas hahelda-
drg a vista do comprador se dir a cau-
sa d venda; na ra Direita hfoo do Sin-
gado eob do novo segundo andar.
t^*> Urna carr ca e dois r>is para "
n r-m 1 : na quina da pracinha do Livra-
ment l<>ia do Burgos.
t> Um terreno na estrada da S. Ama-
rinii pro;.lio para plantapSes por star
ja livre de agoa salgada : na ra do Cre-
po D. i?.
tt^ Bap muito superior immitando o
piinczn da Lisboa : era casa de M. Cal-
mont Companhia.
W1 Um jogo de pistolas de bronze,
mu boas te fogo e um clavinote tm-
bem mui bom com o letrero de proprie-
d.-de paiticular e por sso nao pectance
a Naci." na ra de S. Bento n. 16.
WF" DoU cavallos um alazo bom
corregidor baixo a muit'> novo e es'
mautiudo, a outro muito bom paa-eiro ,
novo e predez : no oitio do Livramento
D a5, loja de fazftidas.
WP* Um parda moca e de bonita figu-
ra eose engomm e cozinha cora per-
feico : na ra nova D. 17 no segundo
andar.
J^ Uma negra cozinhera ,. qni-
tandtia : na ra do Qiemado loja Da-
cima 5.
- Uma loja de caldereiro com todos
os s**u pertencas : na ra Direita D. 5o.
JC| Ua rede ainda ero follia com
excelleota varandas pintada da hranco e
de azul : na ru do Crespo loja do Sr.
Ttiomaz da Aquiuo.
t^> Uma negea da costa bul coata-
reira e tngommadeira cozinha o diaiio
de uma easa ; e outra de bonita figura
i) ouna para servigode uma cata : na ra
du Hurtas D. 46 das 6 al ss 8 horas da
manhi.
t^ Um prn cao de cera de carnauba :
na 1 ui da sanzalla velha no armazem
grande do fallecido Bento Jos dt Costa.
W9* Um preto da idade de a4 annos ,
peiTaite offioial de padreiro : na praca da
Independencia n. ai.
jrjr* Para Tira do Imperio uma peque-
a porcia de espingardas para soldados:
na roa do Vigario D. a9.
Iry* Umaescraa de naci da costa ,
com i lade da 2a a 24 annos aogomma ,
cozinha lava de varrella e sabio decla-
ra se que tambera se troca por outra es-
crava as-iiu como um rriulenue de 8 a 9
annos ptimo para servir urna casa ; na
ua Direita D. 20 quera vem das cinco
Pont is lado direito.
jqj^ Um cadeira de bracos coro os seus
pertences um espanador grande uma
sella, eomi podra de marinare: na loja
de Movis que fiea por baixo do Douctur
Navarro : na rur nova.
tt&t" Uma rano de caneira ebegada
de Macai com 3o a 35 palmos de co.u-
primento e doia e muios de ba : a
fal'ar no eslaleiio de Joio da Brito Cor-
reia junt-a a ribeira ou no cartorio do
Aliu i!* n.t roa da* Triucbairaa.
<(CP* Pe.les de pennas d Cmazes : na
ruada Madre de Dos loja do Pcnna.
V Un palanquim iru muito bom
uzo : na ra da Cruz n. 7.
WiW 6io pataces velhos e pa/.os co-
lumnarios por adulas a iG->o : na ra
et az da Igrtji des Martirios cana de 3 ro-
tulas veide, que dji quam os vende.
Sty Biigcr Americano Wizard ,
avilliado e forrado ra co re e muito v.
e pronio.para qualquer vigem : em casa
e P. Manstield.
*CP" Uma escrava crioula d idada de
16 a i9 annos, coz.una e cuse: na pra-
emba du Livramtrntu luja D. 33.
jrjr Uma porfo de pi de calle pira
se mandar para qualquer oatro teneao :
na prai do collegio aunasen de car ir; a
fallar oom Miaeel de Souzi Guimaries.
tlSP Umt nrosodia latn* nn patera
da S. Pedro casa D. 3 do lado da viracio.
VJCP*1 Um preta que sabe sozinhir o
diario da uma cwa. Urar da varreiia, e en>
tende do servigo de campo he boa
quitandeira : no beco da pol no piimei-
ro andar do sobrado O. 1.
atP" Oualuga-se4 pretas e pardas, que
sabam fazer o'se^vico interno e externo
de uma cosa ; a-sim como um preto ca-
noairo : na 1 na do Bangui casa D. 6.
Iff* Oa aloga-se uma molata para ama
de uma rasa, sabe lavar coser, engom-
mar, o cozinhar: na ra de JS. Rita D-
cima t.
ttfP" Duas cs'-ravas da rugi mocas ,
f-y< m todo o sei vico de urna casa e ama
he boa vendedeira de fazenda : na ruado
Fogo D. 11.
faV" Ti ucinho de superior qualidade ,
chrgado ltimamente de Santos arroba
a 2:88o a ratalho iao rs. a libra : em
for* de Portas, de froute do beco laigo
venda n. ai.
VWP Taboas de pinho costado ros-
tadinho assoalbo e forro tanto da Sue-
cia como d'Ameriaa tudo por preco
muito commodo por se querer desacu-
par o arma-era : no rmasela atrs da
casada opera.
YJf Bichas prximamente ebegadas
do Porto tanto os ceutos como a reta
Iho, de 6o a 3ou rs. : na loja de relojoeiro
junto a do Sr. Bandcira.
rjT" Ura aparelho de louca pintada
para meza um dito de vidio lapidado,
um porte licor un a baud* ja fina e
duas ditas ordinarias, por p.aco muito
commodo : na ra do Livramento D. 6.
jry Ou ai renda se um 1'ypogiafa
com todos os' seus pertances, por preco
muito commodo a fallar com Maaoel
Marques Vianna : na ra do Livramento
D. 6.
t^S> Um mulato ce 18 annos, boni-
ta figura, ptimo para pagsm por saber
hain montar a cavado : na ra do Fcgo
. 11.
rtr Quatro muleques mocanbiques
de idade da 18 ai9anns, omito rehu-
tos e doas muleras da mesma naci de
idade i4 a i5 annos tambera mui lindas
pesiando os Martirios no ptimeiro sebea-
do no segundo andar.
JTJT m escravo crioulo de a5para a6
annos de idade bom page e ptimo of-
icial de s'pateiro : na ra do Apollo no
armasem do Lobo ou no pateo da Matriz
de S. Antonio, que dir quemo vende.
tv**)1 Quatro cabras hixo todas pre-
rihus, a um bode tudo por preco commo-
do : na rua de S Therezi D. 27.
*/9* Huma porcia de cordas proprias
para andamos de casa a faser se em mui-
to bom uzo no armas. 111 da cata nu-
mero 5. na rua da cacimba.
1W Uma escrava, que cosinba o qnoie-
diano de uma case engoma, rnsaboa, e
refina asaucar e faz qu.-lquer doce : na
Ponte Vlha casa da quinua do lado do
tanque.
t'.W Uma escrava por preco muita
comraodu: ejn o comprador se dii o mo-
tivo por qne te vende : ua roa do Cres-
po loja D. 4,
KJP" Ca leiris daalgihara linhas roris
rap da Babia de areia pi ata : na praca da
Independencia n. 39.
-. Leite puro a quem queira a fregu-
zar s, mandando-se at levar cazas
dos frrgnezes pelo preca de 5o res a me-
dida cujo leite afianca-se aer puro por
que vem trancado na vaK'ha, evitando-si
as i'u alguini espiculacaS dos poi t i-lores '.
os pieten lentes dinji-se a casa de Fran-
cisco Jo- dos Prazeres Camhoim as
Sirico l'unts lado direito D. ia a darem
seusnomes, e a purca de que cada hum
pieciitr, para logo que ehegue a fiegue-
zia a 4 ou 5 caadas pdr-se O negocio
em pn tica por itso que sendo menor 0
consumo, nao compensa otiabalho da
couducad, e a qualidade da purzs.
_, Uma escrava c'e idade de i4 a >fi an*
nos, do gento de Anguila a qml sabe
faser o sei vico de uma caza : no Arco da
Conceica na casa da esquina por cima do
anii.n'iii de Autonie Joaquira Perera.
P> brincos para calcar bmius era
porca grande de arrobas : na roa estrel-
la do Bosario Botica do Joa Pereira da
Sikeira.
tr^ Ds: !s;a Je cuuiua ua rus do Li-
vramento com poneos lundos : porbai-
xo do Snr. Juaquim Jos Ftrreira a tra-
ctar na mesas.
por preco commodo uma escrai
do gento de Augola de idade a7 anne
be pexeira, e maiiscadeira, eusaboa mui!
to bem faz todo o ser vico de cesa coiopr,
na rua e muito propria pira o servico de
Campo pois tem bom corpo : queta al
pretender dirija se a rua Direita sobradeer
do beco doSerigado 1. andar.
Manoela crioula sem vicios si0t
engoniir, coser, e cosinba r : na 1:,,
do Collegio a. andar da propriedide
D. lo.
ESCRAVOS FGIDOS.
No da 2 do corrente mez fuga
um negra com i-Jado de i5 a 16 aunoi
rucie c. h m l piquena tfnia do corpo
pus apslli.tailoai, beicos jjo-^o., oho
carnudos bem filante e tem no peito
direito ura oito le coata levou vestido
de liacado roixo, e panno da costa com
I stras aznis, chama-sa Mugarida e o m.i'.
or signal he est chairan lo azeite de car.
rapato por qne o venda na rua : roga-e
por tanto a todas as Authori iades pohei-
aes pe-soas particulares assim como tos
Capities de Navios que a vista do sit>naas a
faci entregar a seu Sen lio r Baimudo Jos
Pereira Bello : na rua larga do Bizario
D. 8 ou no sitio da Solidada juuto do Exm.
Senbor Bispo.
aK> No dia a3 do mez pas-ado fugii
um preto de nome Joaqnim de S. Auna,
que tei 4 4^ |annos de 'idade ebeio
do corpo com camisa azul de chilla, e
calsas de hrim pardo, doente des pea por
cauza de bixos : os apprehenJedores le-
vem-no a oficina de ferreiro estabelecida
no armasen do sal o< rua da Piaia da Ri-
beira d'onde fugio onde serio rscompeosa.
dos.
*^ Jos naci cabund do genlio dt
angv.-1'a com idade de 34 4'' anuos es-
tatura regular ebeio do corpo cabeta
grande tem um talho des de a testa tlie
o firn do btico de rima do lado direito en*
trando parte do talbo no naris, naris cha-
to cor fula, toca a pillo lera umi ru-
tura a cima do imbigo pi a palhetados
como os tornuzellos grocos ba-tante,
rnuite picapa de bixigas e foio de fe i c oes:
os apprehendedores o levem a rua da ca-
cimba ermasem de assucar casa n. 5 qtia
serio generosa mente gratificados do seu
trahalbo.
t^> No dia 13 de Fevereiro fugio nrn
cabra de nome Benedicto ofcial da carp-
na com os s gnaes segumtes estatua
regular cheio do corpo, cabellos ja pin-
tando bastante espedo e bem falaute,
ju'ga so ter hido para o mato por ter si-
do do Sertio, e quem p'gar Uve ^ na
rua do Cadi ia velha loja de fazenda de
fronte do Qoareama que ser generosa-
mente recompensado,
rjr No dia 28 de Setambro p. p. fu-
gio um negro de nome Joa de Naca5
Camundongo com os s'goaes segnintes:
boa estatura, um tanto corpoleuto, mui-
to pisto, b ni parecido posto que car*
latiendo, beicos e sobram elli. orelhas, ecab trises no rosto da porte direita proveni-
ente de ura talho ; este ne^ro foi comprado
em Macei a Juaquim Jos de Asevedo q'
o vendeonesta pra^a de Pernambuco ao
Ajudante Francisco Jotquim l'eieira Lobo
c qual offerece tooj' reis de gratifica9a a
quem o tiocer a casa di sua residencia de
fronte da matriz do Sacamento .do Bairro
deSnita Antonio na esquinada rua das
Trinxeirus 1. andar.
YJf* No dia a3 para 24 de Janeiro p.
p. fugio do Monteiro unja preta de no-
me Ko'.a cora os stgu.M a s> guiutes ; bai-
xa, cheia de corpo fula, ps apallieta-
dos, com urna grande scalrif n* junta
do braco direito e varias pelas costas,
cara chata, macies d> rosto altas, be mui-
to reg isla, and< sempre de vestidos mu
curtos e as veses calcada muito amig
de batuques econsta andar por Ol.nda,
O Atfogados ; roga-se a todas as pesSoas
uncu regulas da Polica e mesmo Ca-
pitaens de Campo quo souberera a
prebendad e levem a sea Senhor no be-
co do Padre D. 1 que sera recompen-
sa uua.
?f'EBH. MA TlP, OB V. F. DB B
fi
7
8
9
li
1