Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08631

Full Text
>r
ANNO DE 1838.' QUiNTA FEIRA
X
^
<
1. DE MARCO. N. 47.
~~
MAM
PRHN. ka TYP. >. M. F. ...- PARIA. 1838
01 S DA SUMAN
26 .erni.da s. Trocato Are. Audiencia do Juis
crime de tarde ses da T. P.
27 Terca S. Leandro Are. Rcl. de m. e aud. do
" J. dos Orf- de tarde.
28 (WU Domingo.) Proc. de tar. dos tere, de s. trenesco
Nao lia despaxo. '
I, de Marco .nt S. Aiidnao M. Abertura da a.
' L. P. Nao na desp.
2 Sexia S. Simplicio M. Scsao da Thesourana
" e aud. do '. d'>s rf. de tarde.
3 Sallados. Il.nnetcrio m. Helac. de manh. eaud.
do V. O. em Olinda de tard. Quat. cresc. as 3
hor.'e oam'm. da man
4 Domingo l. da Quaresma Si Casimiro Re
nare'cl.eia para odia I de Marea
a, 9 horas e tH m. da m 9 h- 42 in. da tard.
Tudo agora depende de nos mesmos da nossa
prudencia, moderacao, e energa : continuemos
como principiamos, seremos apontados com adini.
acSo erntre as Nacoes mais cu tas.
Proclamado d'Assemblea Geral do Brasil.
Suliscreve-sp a 1.000 reis menead pagos adiantados
neita Tipografa, rua das Crines i). 3, e na PraCa
da independencia I). 37 e 38. onde se recebara cr.
respondencias legalisadss, e annuncios inaerindo>ae
estes gratis sendo dos proprios assignantes, e rindo
assi CA MUIOS.
Feverciro28.
I-iOndrei 32 1|2 Ds. St. poi 1.000 ed.
Lisboa65 por o|o premio, por metal, Nora-
Franca 315 a 321) Hs. por tranco
llio de Jan. 6 p. c de desc.
Moeda de 6.400 13,600 as vellias, novas 13,400
4.000 T.40O 7.500
Pesos Colimares 1,565 a 1570
dicto Mexicanos ;,5B(ia* 1565
Patacei Brasileiroi ,565 a 1570
Premio ,|ai lettra*. por ius i \\t por o|0
Cobre a par das sedulas
PERNAMBUCO.
D1VEHSAS REPAUTlCOSNa.
THESOURARIA DA PROVINCIA.
EDITA ES.
O IUm: Snr. Inspector da Thesoura-
ra He Fasenda da Provincia manda faser
publico que s ha5 de arrematar pean-
le a mesau Tnesourjria nos dias io 11 ,
e i2 d'Abril prximo futuro ai Rendas
Ssguiutes:
1.' Imposto de 2^ ie9 por cabeca de
gado vacuua que for consumido.
a. Dilo de 20 por cenlo d'agoardente
do consumo.
3. Taxi das passagens dos Ros nos
Municipios do Ricif: e Olinda.
4- Dsimo doCspim de planta dos ditos
Municipios do Recile e Olinda.
5. Dito do Gado vacuna e cava llar.
A arrematarlo de cada urna das dilas
Bandas ser feita por lempo de um auno
contado do i. de Jolho de i838 a 3o de
Juribo de i839 e dividida legando os di-
versos Municipios da Piovi'icia sendo a
ultima da apparici do Gado nascido no
con i rito anno nanceiro de i837 s 1838
E para constsr se mandou affizar o
presente, publ ca lo pelo Hielo.
Conladoria Provincial de Pein mbll o
2i de Fevereiro de i838.
O Contador.
Joa5 Baptista Fereira Lobo Jun or.
Joa5 Coelho de Carvalho; Presidente
do troco da moeda de cobre fas publi-
co aPoitaria do tbeor seguinte :
O Snr. Presidente do troco da moeda
de cobre ficaudo na ole bgencia de que
do ultimo do crreme roe fioda em
Cu ufo r cu i da de da Lei o troco da moeda
de cobre por Natis e destas pela me mi
uioe.li com > ja foi annunciado por Edital
de a3 de Desembro prximo pissido ,
ter ig mmente em ?it.ta que ate' esse dia
deve fcQdctu.ir.se quanto for possivel o
troco de todas as quanlias que se offere-
rem eque por tanto se nao bouvor
moeda puntada sullicicntc pira satisfiser
tos portadores pode dar-Ibes caulellas
para seren depuis resgiladas pela ordem
las datas numeraca com q'fora pis-
sidas.
Thesouraria da Faseorla de Pernambu-
co a3 de Fivireiro de 1838. Joa Uoq.
palves da Silva. Pernambuco 23 de Fe-
vereiro de i838,
Joa Coelbo de Carvalho.
Presidente.
MEZA DAS DIVERSAS RENDAS;
A pauti he a mesma do n. 26.
^
OBRAS PUBLICAS.
Na Salla d'Administraca Fiscal das O-
bias Publicas se bid vender em hista
publica a quena mais dar 12 bois man-
sos de cirro, muito bons ; os quaes e-
xislem na Coxia do Corpo Policial pa-
ra quem oa pretendar comprar hir ali
vellos: os dias 1 ,3, 5 de Margo
prximo vindouro sao os dias aprasados
para a dita anemataca: quem os quiser
comprar, achar se hs na aobredila salla
1 hura do mio dia pira linear.
Amaro Francisoo de Moma.
Administrador Fiscal.
PREFEITURA.
Parte do dia 27 de Fevereiro 1838.
Illm. e Exra. Sr. Sou a partecipar
a V. Ex., que das pirtes hoje recebidas
n'esta Secretaria somente consta que
fono presos honlem a minhi ordem os
individuos seguintes os quaes tivea
destino: Antonio Jos, pardo, pelo Sub
Prefeito da Fieguesia do Recife, por
furto ; Jos Cardim d'Oliveii t.m.bstn
parJo Antonia Manoel do Nascimento ,
brinco Rofino Theofilo tambetn par.
do e Jos Mara Indio, pe') Sub Pre-
feilo de Santo Antonio o 1. e 2. por
terem perlendido fo reara urna molber
com urna faea de ponta o 3. a pedi
do de sui mii por ser da mos coturms
e o ultimo por estar bastante ebrio ; e
Pedro dos Anjos crioulo pulo Desta-
camento da Magdalena por ter insulta
do ao mesmo ; e que o preso sentencia-
do Graciano Jote de Fietlas ( em a oc-
casia, em que se ah ira o alcipa do
Seguro para d'tlle se tirar um preto ,
subindo pira a salla livre, abi dera cinco
facadas morties no outro sentenciado Fer-
nando Francisco Dias da Cunha estindo
este daia lo ; pelo que mindei proceder
a mo de vcsiot ii, e por a ferros o di
tinquete.
F.' o qne consta das partes boje recebi-
dis n'tsta Secretaria.
Dees Guarde a V. Exc. Preleitura da
Comarca do Recile 27 de Fevereiro de
i838. Illm. e Exm. Sur. Francisco do
Reg Barros Presidente- da Provincia-
Francisco Antonio da Sa' Brrelo Pie-
feilo da Comarca.
Parte do dia a8.
Illm. e Exm. Snr. Fora presos hon-
tem a minha ordem e tive< a5 o compe-
tente destino: Jos B pardo, pela 1. patrulha do districto do
Corpo Santo por ser encontrado em de-
sordem 5 Jos Goncilves Pereira bren-
co U1 lia no preto, e-'cravo de Joi Ro
drigues de Miranda Luiz da Assump-
cao e Joa Francisco deAraujo, par-
dos Claudino Jos da Costa e Loureu-
9a pretos esta es-.rava de A odi Fran-
cisco pelo Sub Prefaito da Freguesia de
Santo Antonio o i. por contraventor
das ordens ,02. por ter ferido na ca-
bera a um taberneiro no lugar do Terco
o 5. por querer as^assinar ao Caixei
o da urna Padaria na rua Direita o
4. por estar ebrio, e insultir a quem
passava pelo Alieno dos Afl'ogados o 5.
por insulto ao dito Sub-Piefeito c a ul-
tima 1 por suspeita de estar fgida; A-
dolfo, Alpm.- pela 1. pUrulba do dis
trirta do Sacramento da Boa-vista por
estir em desorden^ Beuto Francisco Bra
ga pardo e Joa Alves de Sousa e
Antonio da Costa do Nascimento, pr-
dos, pelo Sub-Prefeilo da Freguesia de
Iuaiaisu'j por serem desertores de 1.
Linlia pertencentes a guarnici do
Bi uro.
E' o que consta das pirtei hoje rece-
bidas nVsta Secretaria.
Dos Guarde a V. Exc. Preleitura da
Comarca do Recife 2b* de Fevereiro de
838. Illm. a Exm. Snr. Francisco do
Reg Bu roa Presidente da Provincia.
Francisco Antonio de S Brrelo Pre-
feiiu da Comarca.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE
DE OLINDA.
4.* Sessa ordinaria de 8 de Fevereiro de
i838.
Presidencia do Snr. Gaedcs.
O Presidente abri a Sessa estando pre*
smle osSnrs. Veriadoies Doutor Rosel-
lis Passos Laage Jnior, Miciel Mon
tiiio ; faltando com causaos mais Sintie-
res.
Aberla a Sessa e lida a Acta da ante-
cedente fui appreradi.
fAKTlOA DOI CttH KIO.
1'nula TkiI.i ) dias ao nirn- Oa.
(i nana, Alliandra, Paralia, Villa do (onda, Ma-
iuai|(uape, Pilar, Real de S. Joao, Rrejo d'ArM
lainli, Poinlial, Nova de Sons. Cidade do Nati I
v'i|ii de Goianiiinlia, e Nova da Princesa. Cidada
Is Korlalesa. Villas do Aquirs, Monte mor novo
1 racat CaBcaTel, ("aninde. Granja, Iniperatris
i- Bernardo, S. Joao do Principe, Soliral, No*a da
l lie y, Ico, S. Matliem, lle< lio doaii|tne, S
tntonio do Jardim, Qiiexersmoliiin. e Parnaliilia
-Sefundsse Sesta teira ao meio dia por i da
Parailia. Ssnlo AnlioTodas a quintas feirssao
neio.dia. Garanliuns, e Honilonos das 10 e 24
le cada mes so meio da. Flores-no dia 11 da
:ada mes ao meio di. Cabo.erloliaem, Hio Kor-
mino, e Porto Caito- no da l, II, e II de cada
mea. __
O Serr* taiio dando conta do expedien-
te rnoncionou um Ollicio do Fiscal da
Freguesia deS. Pedro Marlyr putecipan-
do de ha ver elle com o Fiscal da Fre-
guesia da S feilo urna conida dos ani-
mies prohibidos pelo o irt. 56 das Postu-
ras e que fora aprehendidos 16 por-
cos o cinco eabraa as quaes fora eulre-
gues ao Pnxurador da Ctmira para se-
rem condoaidos a Cidade do Ret ife e se-
rena in. real idos prK< J \z competente na
forma da Lei : inleiada.
Oatro olTicio do Cidda Cosme Jos
Guedes participando nao poder coropa-
leoer na qoalidade de Ellaiior da 4. Le-
gislatura para a Ell-ica que ee vai pro-
( ceder de dous Depuiadcs por estar mo-
lesto : inteiiad e esolveo a Cmara que
se oflicias-e ao Elleiior Splente Francis-
co Antonio Mandes Guij^ ; resolveo
mais a Cmara que su clli iasse ao Eilei-
lor Supplc ite Francisco Jacinto Pereira
pira ssrvir em lu^ar de Francisco Jos
Martin) por su achar este na liba de Fer-
nando.
Na mesma Sessa pela Corrmisda en-
carrega'Ja de rever as cotilas do Adminis-
trador das balancas fori apresentadas e
igmlmente aprovad-s avisia do parecer
da mesma.
Pelo Procurador foi apresentado mis
coDtaa do 1. trimestre findo no ultimo
de Desembro p. p. que for*6 remetidas
a CommimS dos Sara. Maciel Monteiro
e Aibuquerque.
Houvea varios rtquerimentos d-? par-
tes que se diepacharaS e por ser dada a
hora o Presidite Ieav..oto.i a Sessa de
que fu este acta em que assignara. Ea
Jos Joaqaim de Fig"tiredo Secretario
o escrevi. Guedei Presidente. Pas-
soii Laage Jnior, Maci.l Monieiro, Ro-
zelli. .
Esta coiifome.
O Secretaiio.
Jos Joaquina de Figuereido.
INTERIOR.
1
Carta que aieu aro;go Y dirigem os re
dadores doCHROisxA.
Querido amigo.
Ouer Vm. hiver de n< orna roisi, si-
m impoisivel ao menos de arroda dt-
ffien'dade para beaens qOe mo I rquen-
tam as grande* compb 1 pri-
vmi com es pen."" ciu --dir
noticia de quinto le p I W80 muitoj
nem Vm. deve Iei- ubido pon-
i a exigencia C' mm ewaid e obeden-
cia da nosia. Cout.nuaotna orno at
NUMERACO INCO.RRETA


'I
||At(0 fliPIINAMIOCO:
qui s s podermos-, mais .-olicito-; sere-
naos para epanhar as oc.ui rencias dase-
uiani. /
O ministerio vie seguindo a sua anti-
ga mtrcha ; n6 sao eesacei tadas a* me-
didas que da, mas 1-6 rosquiubos sao era
dal-as os ministros que ha logar de oom-
paral-os com esses navegantes medrosos ,
que ao spproximar di tioite me'tm as
tela nos rizas ebordejam ou atraves-
sam para se nao aventuraren a a'gum
ruina encontr, posto que nafeguem em
mares limpos e ja arroteados por as qui
lhas de iningua.ias sumicas goveiriadas
por imperitos sumaqoeiros. E si al-
guma de culpa Ibes damos, vem ta do
astado piovisoiio em qae >ta5 ; todava
t de crer qu* em sua contt co; reute en*
irasse essa parcella coutassem com Ha
e achassein favoravel saldo para se nao
verern depoi tm f.iIta uo que piomette-
vam e nos em brauco. Ja decorreu so-
lido lempo d.pois que suniram a t5 al-
ta capitolios pra perderem o eiij i ,
nem sa5 maiinheirosde priineira viagem
que levem tanto lempo para sea ostuma-
rem com os mares onde navegam.
Anda n s soam aos ouvujs as argoi-
coens queaogoverrio do instincto se fi\e-
ratn por ter empregado homeus reprova-
dos pela opioiaS publica e presentas a-
iuda temos ai palavrascom que a esperan
eos adminiraya deste l9 de setembro
uasi nos adormeceu. Mas ja la v5 qua-
tro mases, e aiud.i eburnos com espa-
ran9s sem se lembrar o govemo qua si
querser tido porverdadeiro deve trasero
dar as ancas do prouieiter. Nao so' lem
demittido esses empegados de quem t-n-
tose lallou e que lautas veses forera a-
tirados em ro^to ao paliado gaveroo com
prova desua inep Ja5 ou iuitnpens*r,
como ate' naa oova9 uomeiacot-os temoa
visto erapregadus hooicns votados em
corpo e alma ao gove no-demonio, eq'
tantas vsses mostrai am su* ineptid-5. A-
puntaremos um por todos : lembia-*e
d'aquelle celebre Araujo Ribeiro, a quem
odepulado Rafael de Carvalho cbamou
presidente- doma l e o Sete d'A-
bril epodaucemos tafiengranados versi-
nbos.
Marin pleure Manon crie,
Marin veut qu'ou la marie ,
esse homem q' ain la hojo merece as sym-
p.ilhias do Parlamentar por sen esdi ulu-
lo voto separauu sobre a nuullaca das
eleic-em de Serg pe e Parahiba ? pois ce-
se mesmo homem la vae agora ulcandooa
mares ni paquete ingle* para repre
sentar o Brasil na corle de Franca na
delicada coojunciura vm que timos,
quando temos de f ser reclaraacoe.is sobre
limites O.ivimos que por isso encimo
lora He numeiado levando-se-lhe em
conta a amissde que tena ao general Ber-
nard mes que n 5 abemos si retri-
bu d<
Temo* para ni que ha goveimos
fracos por que a poio do voto nacioual, e goveruos ha-
-os poique despresam esse voto ua oc-
casa opportuna, e o m encontram ma-
is quanJo u'elle necesitara. 1-t de po-
litice como o jigo e rauit* seuielhau-
ca tem com bisca : o min4eiio joga
em perceiia com a parle da nace.5 qae o
sustenta e tem pr contrarios os cheles de
n-ca5 que o sustenta e tem por contrario
os cbefes da opposica que sa5 p.rceuos
naturaes dos descouleiiles de qualu,uer na*
taresa. 8i o ministerio na& vae embar-
cando logo aa suas biscas as guardas
para o um arrisca-e a acbar o parceiro
Iraeo, e os contrarios carreg-d s de truiu-
phoaeom que va6 l.seudo valiosas vasas;
Entendemos o que saja o que sej o st-
tema de transigir mee uem ha possivel
transigencia com quem nos na6 pode ou
nao quer dar compesaca5, oem te6 pou-
co tr.dusiaios t.ausigaucia por medo. O
govemo justo e forte o* tem que temer
onspiracoen*. .
Grande barulho te tem feto a qu. com
a crelo do collegm Pedio Segundo. O
estatutos andaS de H >rodes para Plalos e
nfo ha amigo ou privado do ministro a
quem d*o Unha enviado provas de
maS, para fe ser observac6es sobre o que
|e deve amendar augmentar on suppri-
mir.'Ee ate utu bom modo de utilizar id-
ias, mas o que nao nos psrece til
que pessoas, qne nunca liverio ideia do
que iutiucco Fecuudaiia searvorem
ni legisladores de um colegio em que se
voensinar as doutrints qoeforroam essa
parte do educacio literaria. Bem dese-
j a va naos que o ministro nfo se limitasse
somante a esa especie de iustiurcad : la
vem na conjtituicao do estado um ai tigoa
que nao menor desenvolvi)8010 devia
dar, e que, ai nao tem prioriiade, ao
meuos devia ir em cimpanbia e e relhada, Qoeretno1? fallar da instruego
primaria que esta' mesmo urna misena.
rm Imenie amigos, oremos, talve er*
temos que quem nao sa"be 1er e escrever
n pode apiender latim grego &c. alo.
a quatru paginas de etc. Bom ver o J.
dos Debates declarando qne s daia *U o
pino a respailo quaudo fjrem nomeados
osn.o-lrese empregados querei o ho-
mem alguma raiieira ?
Que liie d remos sobre a exclusio do
Dr. Ateredo ? .la v. m, sabei que cor-
mii-i) polos pe iodicos que quaudo o
principe de Joinville loi convidado p-rra
jautar no paco imperial com S. M. e O*
as Augustas Irrnas boove nao sabe-
mos por q-ie, a x :luzo d'eeaa antiijo m.'-
Oico da cata imperial, A affronta foi pu-
blica e persiude-s-3 quem a fe/ ou so-
bre qu m rei'abu a cesara d'esse tarto
que simples tatisfacis particulares sr
sallicieutes paralival-a! AlgU'is dos m-
dicos da casa se portwam com t di a
diguiJ.ula a di^nidade, para si a dcs-
leila, e despedindo-se. Nao menor qui"-
nhio de elc.frjus sena) ruis alio e subli-
mado compete pur direito a Fr. Pedro,
aio de S. VI. que a sim mesmu se excluio
da mesa, onde nao poda sent>r-se o Dr.
Aseredo : aque les que ain la lem um
pjuco de briu nao podero deix.r
ci tomar a ese honrado nacei dolo poi ex-
emplo em aeces de si bn'oias. Mas al-
guma colisa loe poderiernos diser, tlvat
lile pjdessemos di ao Doutor Ateredo foi teila a afronta,
mas.... liesti' uPiomotrr, e nao que-
remos que elle nos encele o queijo.
As noticias da Bahit que nos trouxe o
vapor Potjueie do Norte sao lisougeiras,
masaiuda ru =-o decisivas.
Grande novidade O cullegio Emula-
cao aproveitou urna das nossis maiores
u Jiabelidad-s, e a verdade vae correr
melifla da b >ua do bido br*b-ileii o no en
siuo da p'i I i-oli.i ,k'.: iu;a eousa nova
entre n. TaUtt ao perguntara' Vm.
corso que urna das maiores notabilida-
des do Brasil, na ftlda que seote o no-so
mercado desta gmero, se subj-itou a ir
0si04r fem um collegio particular mas
lumbre se do amor que a soitmcia e a us-
sajuveutU'le lem o bar lo, e tuda Ihe se-
ra' espcido. Si quiser convencer-se do
que aqui l'Vmu, dit.i, leia o Jornal
do comiuarcio, que apenas u'elle somos
echo.
Nada llie di-samos na nossa carta pa-sa-
da sobre o Jorml dos Debates p^r nos na6
sobrar lempo ; f gara o vamos fa/er. Na6
nos dado a n-> tirar lo alio o malbo
d critica cumpre nos apenas, s-j ufo
louvar, ao menos admirar a maneira por
que se rio desusan lo seu* redactores pela
lmpida coi rente do jornalismo, dndo-
nos a todos lic5es de bom acert de pen-
sar de bem coustruida phrase ede dic-
es > correcta. O Jornal dos Debates <
anjo das viogaric>s relestes que todas as
quintas feiras to< aobre nossas cabegas as
mal Jiges do ceo pela crise de decompo-
sica5 que contra ni chamamos por a mer
ca a que nos eolr.g irnos. Qoe tal Ihe
parece asa nos>a u.nnparaca ? de ad-
mirar poii m v. m. Iese o tal jornal a-
c ib i ia com nasco que mel'ior que elle nt6
se publi ou publica, ou publcala pe-
liodico algum. W prima nicamente
na acieucit social a litieratura para I-
le campo b sabe qne o. p nlii e leues assadus sad
o adobo dos bauqueiei d r ca uve os
murmurios das stiellas, e sabe que o
coulo dos tres deZejos que s^m duvH* v.
m. ouviu oontar a sua bisav, si ruta
coubeceujjto repeitavel matrona ,' da
Perrault. LarPenault, litterato obscu -
ro i que ninguam condece niuo peUs sa-
tyras de Baiieau / moila crudica
muita Ituuia ui adoiifamos pasmados
lo portentoso redactor!
Aqui lindamos nossa carta noticiando-
Ihe que foi encontrado o principe de Jo-
inville por essa estrada de Minas (ora ad-
mirando todos a prodigalidad^ com que
ia gastando plvora nos tiros que ia dan-
do e que boje o Hercules fraucez alean-
coa applausos de infantera no theatro do
Roco, por peonar qoe as nossas boleas -ao
roca ba de jue pode usar e abusar, dan-
do-nos massadas de posicSes.
Rio 2i de Janeiro.
(DoSeted'Abril.)
ARTIGO COMMUNICADO.
Nao deivireraos sem resposta o artigo
communiesdo no Diario de Pernambuco
de 16 do correla me* de Feverniro.
DiS'.e-se n*quelle coromunicado que o
i n que a irmandade possuia no
laiRO do Corpo Santo nao servia de logra-
doui'o publico, mais sim de despejo,
e deposito de ancora^, ferros, e outrot
objectos de interesses pai ticulares, com
risco de nelles se precipitaHra pessoas
regas, e outras que o nao fos-.em, em rioi-
les escuras e tenebrosas, qu erando atra-
vesar da ra do Vigario para a do En-
cant.mento oudaC'deia. Esta he huma
inciepaco das mais virulenlas que u
Author do commanicado pode fiser,
nao a essse a quem chama denunciante
mas sim ao Fiscal Agente da Cmara
Municipal, a quem competa fa.-er de-
sunlulhar osse largo, e conservado limpo
e transitavel a todas as pessoas cagas ou
nio cegas, que por elle quiae-sem passar
fosse da di uu de naite escura ou cla-
ra.
Diz mais qne o amor proprio faz di li
guiar os fado*; a-siin o parece; por-
que Ierran ios --Iba nos nlhos esias an-
coras e ferros de que falla, nunca vio as
caixas va-ias de assuasr, q' ueste mesmo
largo e-liveio por minios lempos, e em
giande numero apesar deserem dorni-
ior vulto do qu-> os leno* e oceuparern
mainr espaco do que estes. Poiern como
se venan aquel< s ar*>iiros se erfo cai-
xas, ancoras, agulhoans e correntes do
Sur..........? Nao admira que o
Sur. Manuel Al ves Guerra fac,a todas as
diligencias por edi6car a sua casa
que para isio tenba sabido convencer ;
a Irmaodade da grande conveniencia que
di* em sea contracto (dous coritos de ieis)
poreru oque adrara lie que sendo a-
quelle t rreno comprebendido nos de roa-
iinha, por estar enera vado lias quinte
bracas da Le, e ser ordenado pelas ios*
iruccoens a mesma lei, qua as Cmaras
escolherfo daquelles mesmos terrenos os
que forero inai9 convenientes para pracas
publi'as, e dcixi se a Cmara do R ci-
te, estrellar o daminuir a Praca do Gom-
mercio de Pernambuco, a nica que mais
devia m-recer sua attenco e a do go-
vunu quando s dalla dependa o la-
ser conservar aquella praca no estado em
que se acbava. As incoherencias das or-
d< ns da Camaia nio admirad menos ; por
que a Guerra p.rmiti e Ihe levantar sua
casa uo largo doComrnercio, a Antonio
Jos Magalbies Bastos prohibe-sa Ihe
que edifique no largo li-onteiro a sua ca-
sa junto ao arco de Santo Antonio, por
nio astretar o mismo largo; qu nio
he praca nem merece a comider. que se faz di^na do Commercio de P-r
nanbuco. Mudo embora diga oa..tir
do communicado que eu escievi para o
Diario, movido s por se acbar ofT.iidido
meu aUreM particular com a edili.-a-
9s daquella casa; e que nio he pelo bem
bem publico que movo miaba peona : es-
ta assercio sera1 -dtsmeotida por todos
os qae tiverem conheennento da Cymetna
em qj se achava a praca do ommercio
antes daquella obra, ea virem agora mu-
tilada ; e disforme, como corpo a quem
seamputou hum dos bracas, que con-
coma para a sua perleici.
Mas se as Autoridades quiserem que
asiim fique ; Gquemos nos tambem sem
mais escraver aquella resposta; porque
ulgo eufficiente o qoe dito temos para
despertar a iievo as tD*smai Autno-
ridades encarregadas do bem publico
multo priui-ipalrJKUte o Sur. Doutor
Procurador Fiscal da Fisenda Ntcio*
nal. |
Por esta disse.
EXTERIOR.
NEGOCIOS UA BBLGICi.
Bruxellas ai de Detembro.
Escrevem de Flessiogue, em 16 de De-
zembro o seguale : ,, Nos devemos faer-
vos couheuer que boje o Ministro resol-
vi que para o futuro os Navios Belgis
viudos do mar, ou d'Auvers ao aucora-
douru de Raminekens serlo sujeitos de.
claraeaS de entrada e sabida e ao paga-
ment das despazas dos fare* e das bali-
tas,,
Destemodo, qntr-se acabar com a li.
vio oavegicfo do Escaut. Isto uos parece
muilo mais grava do que o negocio de
Grum ditar que esta milicia se confirme ; por.
que ella impoi tai ia o mesmo que lechar o
Escaut, do (pial os tratados de Vietiua
proclamaras hvre nvegca.
O Commercio Belga Peridico quea-
caba de sabir luz publica o segunde
holletim, datado de Bruzellas, em al de
Detembro s 3 horas da tarde :
" Oespiiios continuad sempre egita-
dos porem manos do que honlera. Com
tu Jo, falla se domovimento das tropas,
e das enormes despetas que ellas occasio-
naie. Hum esquadro de lanceiros (j.*
do i. regiment) atravessoii Brnxellas es*
ta uoite. Dous esquadres de cassadores
a civallo se acantonaras em Schaeib. k e
suas visinhangas. O'iserva-se grande ac-
tividade uas repartices da Intendencia ge-
lal do servico, e da saude ; organi^aS-se
ambulancias, e prepara-se medicamen-
tos na pliarmacia central ludo finalmen-
le e-l posto no p de guerra. Carros
coberlos aabiraS do deposito do Brumliae,
levando loo barricas de plvora a Arlan.
Os Ofliciaes com liceoga fora todos cha-
mados aos seus regimentos ou poslos tts-
peclivos.
,, No nieio desta. demonstracSes de hu-
ma guerra imminenle v se com grande
pesar a polica interior para inquietaros
obreiros oascidos ern Holanda que tia-
balhaS no eamiuno de fero ou uas olli-
cinas particulares j sete destes obreiros
farad preosem G^nd, e postos disposi*
50 do administrador de segurauga publi-
ca.
,, As cartas da Colonia annuncia bura
grande movimenlo no Exeiciio Prussiaoo,
desde as fronleiras da Weslpbalia al as
margeos do Rlun.
Dusoutios factos vem complicara
pusicaS actual : o primeiro be relativo
prelenaso do govemo Hollandez, que
quer impor diieitos aos nossos navios que
passaremo Escut} o segundo he relati-
vo chegadaao Brabante septentiional de
alguns balalhes viudos da Hullanda ctu-
tral.
Algumas pessoas explicaS tudo isto
pela necessidadeem qae se acba o gabine-
te de Haye de renovar as negociares pa-
ra conseguir hum arranjamenio final. Os
votus dos Estados geraes aob linancas, os
coiibtitaem na imperiosa obrigaifio deem-
pr.garem todos os meio que esliverem
ao sen alcance, a fim de que a Inglaterra
e a Franca pega6 huma nova conferencia
em L.nire-. A questio dos dircilos sob.e
o Escaut, condua naturalmente a este
fim.
A Cmara dos representantes adop-
to' unanimid.de de 7o ruemb.os prescu-
tes, a lei que fixa o contiugente do Exer-
cito em 1 i4,ooo homens, e o do recruta-
ment de 1838 em 12,000 humeas
NEGjCIOS de HANVER.
Goettingue 16 de Dezembro.

Depois de haver lan?ado na posta a mi-
nha o.rta da hontem C.dade sofreu
hum novo susto. Como na6 se tmha att-
xado na porta da sala do curso do Proles-
sor Ew-Id oue elle ns5 davs aula os es;
tud.ates em numero da i se reunirse
n.flnlaordiu.ri. Os gusales do Pri


-at-a-
DI1RI4 Bl PB*MAMBCO
fe-sor Bergmunn le linbaS igualmente re-
unido defronte da sua casa ; o mismo a-
conteceu en iMobleu-Bru.k junio do do-
micilio do Professor Miller que liuha
fe.itoafixar na .porta do seu curso que
lie nao podia dar aula. Todos estes gru-
pos de esiudantes se a]untar5 se diri-
giraS para as casas dos Prolessores Muller
eKw'ld, para os saudar cora 01 seui es-
lrondo9os vivas. O dr^ges montaraS
immedietamenie. a cavallo e chegarad *
galopo e>n columna serrada junto I te
jUtitemerjto que ?* diriga pelo Ger-
n.TsirOse ao domicilio do Professor
Grimu. Os e-toddnlHs sepra-se zum-
bando dos dragse, que avaricavi ^ona a
-|)da na mi. Urages a p officises
da justiga e agentes de polica se eafor-
cara em dispersar esits 5oo etudaotes;
mas elle-, s conseguirse em paite ; por-
que os astudautas sa rennira de novo na
ra de Waen Je. Euta paasare a pren-
der. NaO obstante asprises, o movi-
mento e o tumulto contiuuou.
Viute estudantes for.16 presos, eso pe-
las duas horas da tarde lie que oa poser
ni liberdade j depoia de os fazer passar
por hum interrogatorio. As tiaesmas ho-
ras alguns coritos d estudantes se tiulia
reunido diante do amplnleatro de anato-
ma e depois da haverem saudado cora '
mullos vivasoProfesso Giimn se enca-
iinuliaivo ao marcado pausando palas
ras do Principa, a de Gothuiar. A ca-
valaria cbegou ao passo de carga atacou
os siudaotes n tiladas. Alguns for*5 feridos levemente ,
mis hum deilfS rerebeu huma ferida oa
cabeca e cahio. Os drages a p levara
o leudo Caza da Umvem iaJe. Mais
tarde os estudantes se dmgia em maesa
ao logar autjde ha va sido lindo o sen Col-
lega, para observaren! os sigues do san*
gue depois a tranquillidade se restele-
ctu. Durante a de-onlam o govarao mau-
dou recolher as bandeiras, qae tinha
decorado a Uoiersidde ; depois do jubi-
leo reciando que os taludantes se spode-
rasseui MUb para .uJarem a partida dos
Professores.
As siguiles resolucea fora adoptadas,
na grauJe asseuibla dos estudantes so-
bre ti Itdona : 1.a Neuhum eatudante Ire-
uoerilei algum curso, e&cepva do de
Clnmua ; a. Todos os 4'poderem de-
terg) eucamiuhar-se tabli.ido a p a
cavado, oaemsege, a Aluden para di-
reui os Professores desterrados, huma
escolta ou guaida de honra at Cassel; 3 *
Fassar poi hum indigne, a uo misera-
vel, lodo aquelle que reclamar dos Pro-
tcstuies oa honorarias, qua ltie tjver adi-
antadu. Esta rn-oliaa Umversidade est
deserta : nad se l nella tienhum eldan-
le. Obse va-se sobre a tabu negra ,
hum aviso que prohibe oajuutauunlos.
Pariz a4 de Dezembro.
A Sentinella dos Pyrineos annunciou
que o governo Fraocez deu ordem em
l4 do eorrenie a tudas as Alfandegas da
fionleira de He-pauh 1 para nao deixar
pastar, saja o que lar para os pontos oc-
cupadospelos Carlotas. A passagera sei
hvre .-mcle pelo li un e Cuulriuc 00-
cupados pelo* Lhristinos.
O !V1essageiro falla do cazamento de S.
A. ft. o Duque de Nemours, cora a tilha
piiujogeuita de D. Francisco da Paula ,
Infante de Haspanba que teco actualmen-
te l5 para 16 anuos de idade.
(Le Temps.)
VARIEDADES.
Conl'ouaci do a. 4.
Ora, emsi do mesmomez urna cicada
fui ie-olvida o ordenada para (ros-Boios.
Napuleio que havia assistido a essa par-
tida ; apenas a vio terminada dirigise
para Melan e foi ter a Fontainebleau. Su*
ehegadaiuopiuada prevalo o effeito das
mas diaposices q' nao ter-se-bia deixado
de iuspirar ao Santo Padre : esle receban
o imperador com sumara aQ>iyid e uu
da scguiata pagoa ibe sua tteila : a con-
ferencia que tiverio durou perto de a
horas: forioa principio todas as ricipocras
queixisqua cada uo linha do outro sera
que todava viesas alguma palavra irritan-
te azedir as disposic5es da eeus epiritos.
Tudo o que tinha da seductor empregoa
nesta conversaco o Imperador paia cap-
tivar o Papa, q' tambem o ouvia com urna
attencfo, eiuteie-.se que nao procurava
dissirnular. A lingua qua f tabana. Concordarlo em as-sentar por es-
cripto as bazes de rima nova concordata.
Immediatamente o Imperador fee vir um
de seus Secrelarios Ibas dictou. A ca-
da artigo o Santo Padre inclinava a ca-
brea em signal de approvaco. Em fim
no di.1 a.3 de Janeiro depois de tres dias
de conferemia a concordata eslava con-
cluida. O Santo Padre foi visitar a Iro-
peratiz qua na vespora havia chegado a
Fontaineblaau, e ahi uo caeio da um cir-
culo b ihante formados de prelados,
militares, e grande dignatarios da Coroa
foi a-.i^nada a concordata. Foi empre-
guio o dia seguinle em visitas folicita-
c6es di>tribuic6es de gracas e de livo-
res : mil francos foiio mandados dar pe-
lo Imperador a cada um dos criados do
Papa ; urna peosio de la,000 francos foi
concedida ao Dr. Porta Medico de S.
Santidad, os Cardeas Bi>pos e mais
Eccle^iasticos que linbo cabido no Impe-
rial desagrado, sahirad de Vincennes ou
vira acabar seu destarro. At mesmo o
Vigario d'Astros fui promovido a ora dos
Bispades que seachava5 vagos. Em fim
NapoloaS perdoou a P.-rtalis filho, e por
intervencs6 de Mr. Mole, que servia de
Grlo-Jui, foi He nomeado Presdente
do T ibuual de Angere.
O Imperador voliou para Pars no dia
37 e fez pub'icar no moio de salvas da
Aitilheria, e dos repiques de sinos da
Capital, a concluraS da concordata;
eu'r.ndo m eeus aposentos b dadeira alegra da menino na aba de sua ca
saca em cuja algibeira traza o papel
cantando em m-ria voz as palavra*. A
victoria hnosle A victoria be oossa I...
Da opera da caravana do Cairo enta5
milito appliudida.
Quinto ao Papa foi elle rodeado de
pompas, e de horrienagens.|Nipolea tifia
feito delle um dolo se bouvesse queido
fi.-ar em Pars porque nesse caso tornar-
su- hia a capital da franca, capital do mon-
docatbolico. Mas o Santo Padre quera
votar para seus Estados: Elle sabio de
Fontainebleau em a4 de Jan>-iro de 1814,
lo vi n lo magnficos | piesentes. Convm
reconhecermos que na potcaS aniscada
m que se acbava para rom o Imperador ,
mais que muito sei vira6-o suas virtudes ,
e adocura de 6ea carcter, Deve se-lbe
anda um elogio nao menos merecido : era
talvez de todos os Soberanos da Europa
aquelle que mais motivos tinha de quei-
aar-se contra Napolea e fb da todos 0
nico que ao depois cobuo com sua pro-
tecca a familia perseguida do hroe.
( Uo Correio fficial. )
O Bispo da Huesca.
O facto que pissiroos a expor, e cuja
autherilicidade garantimos, encerra hum
dos mais bellos siemplos de coragem e
dedevoUco que posa5 ser enregistados
nos annaes di guerra civil da Hespanha.
O Bispo de Huesca anligo Fiade Fran-
ciscano celebre por seu liberalismo n'
humpaiz, em que pela maior paite na5
dtixad os Conventos fermentar em
seus muros sena huma ooica opioiSo ,
piesidia Cmara doa Proceres, quando
a Cmara dos Procuradores votou a perpe^
tua excluslo do Tb'OOo de Diarios, 6
sua descendencia. Foi o Bispo de Huesca
quem offeieceo adopsa aos Proceres o
voto dos Procuradores, esusltntou vva-
mtole cui opporlunidade, esa medida
que eslava no espirito e na vontade da Hes-
panlia liberal, passou para su legi^lacaO.
D. Ca lose seus descendentes ficara ex-
cluidos do Throno: no entanto na5 lar-
dou o Pretendente a responder com h'im
Decreto que con ieroniva pena de mor-
te todoi os Procuradores e Proceres, que
haviaS concorrido para a adopaa desse
VO'o i-, re ere ato. .
Quando no wex de Uiia ultimo D-.
Carloi se aproximou de Huesca den
conseibo ao Bispo liberal, que se retirasse
da Cidada e assim evitaste huma viu.
ganca j prevista e annunciada. f' lie re
cuaou constantemente duendo que no*
lempos dilficeia nao tinba5 os grandes D'fi'1
nitarios da Igreja por o turne dar laes ex-
mplos de cobarda. Seulior de Huesca,
D. Carlos foi hospedar se no Palacio Epis-
copal e achou-se frente com o h<>mem
que havia presidido Cmara dos Proce-
res com hum dos seus i.iimigus mais ac-
tivse mais resolutos. O Bispo entregou
seu Palacio ao Pretendente, eencerrou*
se em seu aposento ordinario, era hum
quarlo mal mvbilhado com huma cama
de luna dais cadeiras commun-, huma
mesa e hum Crucifixo. Echevarra e
hu'ii outro chafa da expedica apreseota-
ra5-se diante delle eoconvidara6 a que
fus>e ter com D. CarlosEnlreguei meu
Palacio a bomens armados, respondeo o
IJ.spj mas entre lies nad recouheco Rei
legitimo, retirai-vos Moiiio apreseu-
tou-se de uovo, e ameacou mandar ar-
re nabar a porta do quarlo se elle o nao a-
bnssa incontinente. O Bispo cutio fui a-
bri la Que me queris? l)ise com
Singue fri, se be a riqueza que suppon-
des existir no quarlo do Bispo, qoe vos
impeli a pertuibar suas ora^es e seu re-
colbimeuto, extminai elevai... uuno
bomem que aqui vos manda se recorda do
Presideale dos Proceres, levai llie tam-
beru minha cabeca ; as revolucSes preci-
sad da [rjaityres, e o saogue de hum Sa-
cerdote j velbo fecundar a ciusa de vosso
Rei Citbolico.
O Pretendente nao se atreven a ir en -
contrar-se curn bum I.mam to resoluto ,
a tio enrgico : a Cmara do Bispo Ui
respeitada l> m que o resto do Palacio
foise vergoubo.amante saqueado.
(Sentinella dos Pyreneos.)
1
AVl*ZOS DIVERSOS.
ty A mulher de meia idade que nos
diaiio* da 26 e 27 de Fevereiio p. p. an-
nunciou queier servir huma casa de bo-
mem solleno sem familia dentro e fura
de casa ; aouuucie sua morada s qui-
zar.
tTJT Hum rapas brazileiro exirninido
em Latina a que traduz alguma rousa
francez se offerece para qualquer caxei-
riria excepto venda ; quem do seo pies-
timo se quner ulilisar dirija se a caza
ao p do tbeatro, que ahi se dir quem
he.
3 Na mema casa se dir quem tem
tres negriulias ciioulas ama da idade d
doze anuos, por uome Liuriinua eoo-
lia de nove annoj por D outra de 6aunos por noms Felicia.
f^Jf OSr. que no diario N. 47 'Ia""
rersaber a morada de Carlos Fraoci-CO
Soaia-, dirija-se a ra da Smzalla Velba
sobrado D. 37 ou aunoncie a ;ua morada
pea ser procurada.
g^. 0 Sr. que quer saber a moradia
da passoa que tem para dar a juros i4j*6
rs. dinja-se a Foia de Poitis caza ri. 1 .,
que l se dii quem tem.
. Hypolheca-se hom sitio no lugar
ds Piring* com boas teirai para planta
Qoeas, pora50$rs. por hum auno, a
a purcento ou por fuendis qoe che-
guem a essa quantii; quem quiser faier
este ntgocio dirija se a roa d'Agoas verdes
cofionte as tribuna da Igieja na caza
noa de duis portas pintadas de verde.
Precisa-ie da alugar o prmeiro
andar de hum sobrado ou casa terrea
com quintal nos bairros de Santo Antonio
ou Boa vista, nao sendo em ras exqi-i
tas, prtfeiindo-se em Smto Antonio em
ras de procisses pagando-se t-eis me-
zes adianlados ou fiador codtento :
quem a tiver annnncie, ou d.ije se a
Boa vista ni ra nova da Tjempe na
casa pintada de marello ao p de hum
portio que adiar cora quem tratar.
_ Precisa se alugar urna ama que
tenha bom leite pira critr quer .tja lor-
raonciptiva: quem estiver nw cir-
cunst-m is dirija-se ra da Paz qaarta
casa vindo pela Boavista, que se dir
quem pretende.
W Um rapaz que tem todos os pre-
paratorios, a de b-ns costames se propa-
lar a ensinar as PrimeiraJ UlfN Gi-
3
mMica Portugueze Aritbimelca *i
Liagoa Frauces : quem quiser servir-s*'
do seo presumo dirija-se a ra Direitt
D. 34 andar que as dir* quem be.
----- Arreuda-ae mu segundo andar de
um sobrado com um b llisr dos melhores,
com pauuo novo, issento de cadeiras ,
marcader, bonita illumtndc>5 jugo do
g%mo, e todos os mais utensilios pe ten-
centas ao dito bilhar egamo, pelotera-
no e preco que 6e convtn< iour : na ra
Direiia eobi ido D. ao onde existe o mes-
mo bilhar limado, a fallar com Anastacio
Jos dos Passos de manb das 9 horas
ao mcio dia e das 3 da taide em dian-
te.
- Uma pessoa capaz, que dar co-
nhecimento de si, se offerece a qualquer
Senhor que tenha trans.'cpes para os ser-
l6es de-la Provincia paia seencarregar de
slgutnas cobraucas conciliac5es, ou ou-
tro qualquer negocio cuja pessoa teru in*
lallig. una da 11 gocios do foro : quem
pie- isar do seu p estimo para o dito fim ,
annuaoie para ser procurado.
W* Uut sitio no lugar das Curcura-
nas oa caa detaipaelem do 3o a 4' i
pez de Cuquen os e trez p s de maoguei-
ras, e teira para plantar melancias e ros-
sa ; por preco comrn.do : quem o per-
leuder dirija-se a ra dos Motn s do
lado esq; erd> sobrado D. 7.
(> P.ecsa-sede 100$ res para ser
pagos com os ser vicos de urna esciava que
sabe faser comida comprar na ra en-
aboar, e de boa conduela ; quem os
quiser dar dirija-re ao i-obrado D. 25 B
tus do Rosario do Bairo de Santo An-
tonio.
----- Quem quiser comprar a casaca
preta que annunciou no Diario da hon-
tem 28 do pasiado: dirija-se alraz do
B'ario do Borro de Santo Antonio so-
brad D. 15.
?< Quem precisar de bum pequeo
Porlugue-. para Caixeiro : Miuuocie.
----- Quem quiser vender Flor de LJ
rauja toJa e qu. a ra estrella do Rosario Botica da Jo*5
Pereira da Silveira pintada a lienta de
aiuaiello.
Hjr Hog se eocaie, idamnta as pes-
sois a cujo cargo ae echa a puli. i 1, e raii-
uio a pai liculeies o obsequio de appre-
ben.ierem um escravo puto crioulo de
coma Custodio fogido des Je 27 de No-
Vembco do SOOo p. p. cajos Signa.s sao
os siguiules, altura regular, cb'10 do car-
po lian fallite, m\ filo de pe, e
peruas aquelle uu pouco inclinados para
fara naiis chato ab.nxo do qu urna sicairis procedida de urna queda em
pequeo, asco-lis tambem com sicalri
ses de assoiles om pequea marca no
c.ingote : ba toda a prolxbelidaJe de qua
o mesmo escravo tranzita com passapor^
te falso as peseoai que oappiebeuderem
levem-o ao eii^eulso Pxx; provincia de
Alagoas e Sobaihio Ferrara de Araujo
de quem o me!.mo he e>cravc ou nesta pra-
va a AlexandreTav.res deMelio, na me
da Cruz u. i7 de quem lecebeio urna re-
compensa gencio^a.
aray Rog^-^e aos Sis. Sob-Pcefeilos ,'
des'a e mais Conurca<, e Authoridades
Policiaes pesioas pailicolans, que sou-
berem ouviiemnm mole.|iie de nome
Valenlim, nico Co.ta de idade 17 a 18
anuos e com os feguintes : cor preta ,
corpo aecco altura proporciooida a
idade cabcci o ourellias p-.quena9,'
olhos abugalliados uieios vesgos nari*
mais afilado do que chato bocaa-bicu ;
da pescoco comprido paito opi vado
mise p propoiciogal peinas finas,'
levuu vestido saroula de algodao innansa-
do e jiquele de lescadinho, supe-sa
ciar fuil'do o qual de-apareceuem to
de Afci il do anuo de 1837, o mande pren-
der e levar alraz di Matriz di-Boayiata
segunda casa, a entregar a Manoel Elias
de Moura ou rjoenganbo Conceico do
Mam termo de Serinbaem, a Antonio
Joaqu.mde Moma, que gral.BAia seu
trab.dho com cioeoeuia "' rei* 1 'ul
da d> sp si dacouducio.
VaT- Alluga-se buma caza terrea cons-
truida a moderna cera muitoa como-
dos para orna numerosa familia sita na
ra nova qae vaipara a Trempe ; a la,
lar com JoadSebahtiaS Peratti em sua ca-
. Sn mico da Santa Cruz
'<
i
i
I
m


<.
I
DI1IIO U FEINAMlfl
c'o:
/*
ro W l'recisa-so de io< $coo a premio
c~c-m bypotheca eoi uai moleque sapateiro,
quem este negocio quizer fizer aaaoacie
eu<> morada.
<9" Urna mulher parda mu cspsz se
cfTrece para ser ama ue ama casa de um
liomem solteiro, coja engomma czi-
nba e faz todo o mauarranju de ama ca-
sa ; qaem do seu piestimo precisar an-
nuncie.
V9* Precisa se dealugiruma cisa tar-
rea com quintal e quecontenha asseio ,
em lora de portas, ou do Burro da Re-
cife ; a f-1! (rf1 Manoe) Antonio R retiiar-se para fura da provincia para tra
tar de scasaude etoda via certo da que
nsd i deve cesta mesma provincia com
tudo declara pelo prseme amiunce, que
havendo qaem se julgue seu cr.du- por
quslquer titulo llio aprsente dentro do
preso de : 5 dia* depuis d.i pubact > des-
te snouotio, e ceito do que ni) o fazen-
do | o aanunciante seoio rrspunsibelisa t
oem deixa procurador que suas rszes la-.-
ea ii quanto a estefim, e para que senio
chame a igaeraacia tas o preseote annun-
co.
fjr> Queo piecisirde um rapaz por-
tuguez para caixeiro de trinase.u ou de
tua e d tiidor a sua ond la aoauocie
a sua morada.
V^> Precisa-ae de um caixeiro Por-
tugus eaptx de tomar conta de ara venda
por halando e que escieva sofriv-lmen
te j o Sr. qae estiVer nestas circunstan-
cias d.. i i i-se a ra larga do Roz j, que ah stber quem o pretende.
- F.loJuizo do Civel da segunda
Vara, escrivio Cunba se ha de airema-
tar no dia piiuiairo de Marco, urna S i-
mica valleira lenoarnada S. Jos" Viajan-
ta fundada defionle do estaleiro de J>-
a5 Ttiomaz Pereire avalia Ja por 801$
s requ-;i ment de Miechael Sieiall.
iy No dit 7 de Marco na praca pu-
blica pelo Juizo da terceira Vara n<> prin-
cipio do atierro da Boa-vist <, se ha de arre-
matar a quem mus der pr ter lindo os
dias da le e e ultima das 3 pravas mais
urna casa de sobrado na ra do Bom Suces-
so na Cidade de Oliada com 83 ptlmos de
fundos e 64 de lame carimba de pedra
cal e con'tanque, maro tambemde pedia
caja casa vai a piaca por execuco de Jo-
s Francisco B :lem, contra Joio Pinto dos
Santos avaliada em 3:5o< $ooo rs.
jrjT O Sr. OJanoel Jos Luna mora-
dor na feguesia de Ip ,'uca e que ja foi
escrivio na Villa do Cabo queira ter a-
bondtde aparecer nesta praca na ra do
R.mg 1 oesa D. 6 do lido do mar que be
para se tratar sobre a leda que o dito Sr.
aceitou ao Sr. Reverendo Vigario do Cabo
JooCavalcanli de Albuquerque a qual
boje p rteoce ao acauaciante, c cita a
ponUda e protestada.
y Quem precisar de urnrapiz por-
toguez de idade de so anuos, o qual Ha-
be licin ler, etscrever, para venda ou
armasem, do que tem bstanle pra-
tica eda fiadora sua conducta dirija
ee e ra das Cruzas O. i4.
----- Aneuda-se um sitiio na estrada do
Rozarinho com pequea casa de madeira,
cercado para vaccas ba x i para c.-pim ,
3oo ps de laraojeiras sendo parte de em
bigos 2oo ming-bei-as, coqueiros, mao
gueiras jaqaeiras, (amariueiros e bas-
tantes cajueiros e vende se dois terrenos
anexos ao mesmo sitio : os pretndanles,
dirijio-teaos E-teres na estrada de Bellem
on uo forte do malto, que esta5 pira isso
aothorisados.
* W No dia i2 para i3 do corrente
mes de Fevereiro furtario do sitio deno-
minado boca de mar junto do torno da
cal em .inda onde mora Francisco das
ChagasSalgueiro, a Cavados um pre-
to, bastante novo e magio, com oa p>
calsados, cimas apandas e tem um s fer-
ro na penis direita. Outro alazio com
* frente a berta um p calcado e sera
ferro algara cimas ruiva a cabidas :
qaem deltas souber ou tiver noticia di-
rija-se ao mesmo sitio ou a ra larga do
Rozrio oa quina qae volta para a st'ierii
primeiro en lar P. 5. u 4* Haj
hora em Oliada n. 3o, que em qualquer
fiarte serio recompensados.
jqp* Do lugar do fundi da beberiba
debaixo litio denominado mingabeiaa,
desaparcceu um cavallo csslanho cla-
ro frente aberta, 3 ou 4 P9 Isados,
tem o espinhago mui osando feio de an-
ca de 5 para 6annos quem do mesmo
tiver noticia dirija-te ao mesmo sitio,
ou na la Direita L). 14 qae <>er gene-
rosamente recompensado.
%cp* Um rapaz br.-sileiro de muito
bons costumt'8, chegado a pouco do ma-
to queda fiador a sua couducta se of-
ferece para caixeiro de qualquer casa de
negocio : quem o precisar annuncie.
V9* Arrenda se oa vende se o sitio de
Laiz de Mello Albaquerque Pita oa es-
trada que vai para o moateiro psra ci-
ma pouco para a ponto de Uch>s no la-
do direito, estrenas com o sitio que foi
de Antonio Farreira de Farias boje do
Sr. Elias Baptista, grande bastantes
fruteiras a casa para nio pequea lami-
lla e lomo de lozinhar pao: a fallar com
Francisco Manoel di Silva Tararea.
tjqp Precisare de um Sr. Sacerdote
para Captlio de um eogenho distante des-
ta praca a5 legoas, obrigando-sea ensmar
os filhos do Sr. de eogenho as piimeiras
letras e grammatica latina peicebmdo
por isso ama boa paga na ra do Viga-
rio defronte da Igreja do Corpo Santo un
mero 3.
%V Qaem qoiscr dar 200^000 pora
recebar no fi-u de Jimba a3i^JJjo >,
se fiador capnz ; quem este negocio qui-
zer fazer annuucie.
WT* Quem precisar de urna mulher
de meia idide para ama de casa de ho-
mem solteiro. ou casado com pequea
familia; aqutl serve para tudo o servico
tanto iuteror como exterior de urna ca-
a : auuuricie.
%ry A Caza de Pisto e Botequim da
ra dosQuartcis D. 8 de hoje em diante
lera' sorvetes dediforeo'es qualidades e
tem destinado as horas seguiotes, em que
o dveia'5 procurar de aanhan das il
horas at as a da tarde, e das 5 at as 8
da noile.
___ O Depozito do Gelo estsbelecido
na ra dos Taoueiros, biirro do Recife
acha-seaberto, e ali se vende o mesmo a
cera res a libra, era porcSens grandes oa
pequeas, como convier aos compradores.
LEILAO.
trjjj?" Que fazem Lenoir B-'ssuchet &
Buget de 5o clisas de 32 queijos vindos na
gilera franceza Athalia em lotes grandes
ou pequeos a vonlade dos compradores,
por conla e ri>code quem prelencer no
caas da Allandega defionte da escadioha ,
no dia Quinta leira primeiro de Marco,
as lo horas da manb.
ajp De fizeodas Ioglezas sexta feira
3 de M-ico as 10 horas da manhi, em ca-
sa de Luttkens Se Companbia, ra da Cruz
n. 1.
NAVIOS A CARGA.
Para Angola
fPT Subir at 10 ou i5 de Marco,
o muito bm constraido Patacho Portu-
guez Curioga ; quem no mesmo quizer
carregT ou hir de passagem dirija-se a
roa do Queimade loja de ferragem D. 5.
Para o Rio de Janeiro
-
asa Com todobrevidade obem conbe-
cido Brigue Bom Jess CapitioJoio Ro-
drigues Amaro forrado de cobre e ve-
leiro : quem no mesmo qui-er carregar
ou hir de pa^sagem para o que tem ex-
cedentes commodos dirija-se aoCapilio,
oa atraz do Corpo Santo D. 67.
pp Sahii com toda a brevidads o
bem coohecido Patacho Paqueiie do Rio ,
Capitio Manoe] Francisco da Silvaj quem
no mesmo quiser carregar ou hir de pas
sagem dirija-se a pracinha do Corpo S.
D. 67, ou ao Capilio.
^prjjjf" Para Hamburgo ithircm pon-
eos dias o Biigue Escuna Hambarguez
Fortuna Capitio P. Petersen muito velei-
ro e forrado de cabr filia para completar
b erg dalle pouco mais ou meuos o pe/.o
de 5o caixas, quem quizer carr. gatas ou
bir de passagam dinja-se aos seus eouai-
gnatarios N. O. Biebec & Cempiobia
ii rui da Crai 5 ti3,
NAVIOS AFRETE.

Para qualquer porto da Europa ,
a Galera brasileira Santa Cruz Ctpito
Joio Jos Gomes, vinda do Rio de Janei-
ro ; quem quiser fietar ou carregar por-
go de carga dirija-se a ra da Cruz a
casa de Antonio J s de Amorira.
tCJP Para qualquer porto o maito
superior Brigue Ioglez Helen a tratar
em casi de VI. Calmont a Componbia.
WW Para qualquer porto, o muito
superior Patacho Surprize; a tratar em
casa de M. Calmont & Companbia.
VENDAS.
a/y Na praca da Iu'lepen'lencia loj de
livros n. 37 e 38 existe um grande sor-
tmenle de papel pintado de differenles
n.. dlos lisos, lavrados a marroqui-
ntdos, domados, pi aliados, er.apel de
cores sur. lu tro.
VW Um terreno no alinhameoto da
ra do Aurora pouco mais a diante do ter-
reno de Joio Mara Seva com casa de
pedra e cal com bous commodos para
urna (amilia tem de frente o terre-
no 53 palmos, ejadequni.il com arvo-
redos 800 palmos de fundo um viveiro
coin 53o palmos de comprimento a caba
noce do E pirio onde ja tem principio
de atteno: no atierro da Boa-Vista lado es-
querdo D. 11 ou na nie-nn propriedade
que achara com quem tratar.
WV Urna caderinba para Senhora em
mu to bom eslado por pieco commodo :
na ra da L>raiigeiras primero audar por
cima da relinaco de a-suc.ir.
IP^T Supeior chapeos de castor pretos
apare Ibos de banilina para G. N. na pa-
u da Independencia n. 28, 29 e 3o.
%V Urna preta de idade pouco mais
ou menos de a annos engomma cozi-
nha o diario de [uroa casa : as cinco
I', nta- i). 36 a esquerda bind > para o
Atierro que l achara com quera tratar.
t> 4 escravas pelase pardas de boas
fijuras e a vista do comprador se dir as
habelidades de cada urna a o motivo por
que 60 vendem no beco por de traz do
RozariodeS. Antonio sobrado de um an-
dar D. a5 na mesma casa vende-se urna
lanterua m -gica e dois relogios e varias o
liras de ouro e preta e diamantes para se
venderem.
ttjr" i3 duzias e oito garrafas hoai pa-
ra engarrafar vinbo, ou outio qualquer
espiiio, ao beco do Sirapatel, sobrado
novo de dois andares da parte do sul que
achara com quem tratar.
tQP" Huma porcio de cordas proprias
para andamos de casa a faser se em mui-
to bom uto no arraasem da casa nu-
mero 5. na ra da cacimba.
gu9> Urna escrava, que cosinba o quota -
diano de urna casa engoma, ensaboa, e
refina as-ucar e faz qualquer doce : na
Ponte valba casa da quinna do lado do
tanque.
tgp* Duus Escravos muito lindos, na-
cao ni' gamt>ique idade 19 annos. pro-
(.lio- para cadeirinha : passaudo a Igreja
dos Marlirios no prinoeiro andar do So-
brado pegado a Igreja do lado do Sul.
Para o mallo, ou foradesia provincia
hum escrava de naci, moca bonita figura
sabe lavar, engomar, cosinhar e coser
tem boa < ondula : no largo de Santa Tbe-
i-' si casa que faz canto D. 12.
ap^ Urna crioula bonita figura com
l5 a 16 anuos cose costura -h, faz
renda e tem principio de lavarinto, co-
sinba o diario de um. casa em saboa ,
ve 'e-e por nao querer servir aosSnrs. :
em Fora de Portas n. 54-
- Um mulato de dese>eis annos, bo-
nita figura, com officio de capafeiro,
seno vicios, e muito fiel proprio para
pagem ea vista do comprador se dir a
raso por que se vende : nesta Typ. se di-
r quem o vende.
W* Huma preta de naci, que sabe
coziohar o diario de huma caza lavar de
sabio, a varrelia, entende do seivico de
campo, e ha boa quiandeira sem vicio,
nem achaques : no beco da Pol sobrado
D. 1 no primeiro andar.
sjrjpma venda tila nos quatros can-
tos do Bairro da Boa-vista com os fon-
dos de 700$ nii quem paita&dar di-
rija-se a mesma venda adverlindo que tem
excellentes commodos para familia.
Sjry Um muleque de naci angola corn
idade de 8 a 9 annos propio para servir a
urna casa ; as-iui como orna escrava- de
bonita figura ptima engommadeira 00-
zinba o diario de urna casa, lava bem de
sabio e boa boseiteira : na ra Direita
quem vai para cinco Pontas lado esquerdo
D. ao.
ESCRAVOS FGIDOS.
Y
Fugio no dia i/\ de Fevereiro urna"
muUti de nomo Mana do poco d- nmel-
la da csa de Jo *lexrande Farreira,
magra e peijada c mcb lio, levou ves-
tido de chita chales de la de cer ; qaem
aprehender levem-a a ra du figuodo casa
. 7 ou no poaso da panela que sei
recomp- nsado.
st^> L)u/.*pareceu no dit primeiro de
Fevereiro um escravo por nome Francisco
ntcio ctbund estatura regular cheio
do corpo rosto redondo, lei2o a 1%
aun s sem barba : quem d'ella souber ,
ou o pegar leve-o a ra nova sobrado de
3 andar! por cima do arraasem do capiui
a filiar rom Luiz Pne^-Ferreira.
Hry No dia 15 da Feversiro do corre-
te fogirio a escravo-pietencenles a Canu-
to Jo Vellozo da Silveira mocador no
pateo da Paz na Povoaijio dos AfFogados,
os quaes tem es sigoaes seguiotes : Onofre
p.irdo 38 annos de idade estatura bii-
xa groco do corpo : birbido rosiore-*
dondo beicos grocos fallo de ouc/s,
offi'-ial de sapateiro, desfig-uado por ter
estada em uzo da assougue com umi
canellasdas pernas groc.as pioveniente de
urna goma cabellos crespos olhos pre-
tos, UM de beb r agoa aidente a ponto
de embebedar-se : Anna idade 3a an-
nos catada com o esciavoOnoIre par-
da, mais clara que o marido, e mais al-
ta coral-rngada cheia do corpo ros-
to curto, pannos na palle brancos, e|pre-
to* no rosto, no pescoco e nos bracos,
ps giandes, e mal feitos taes escravos
lorio deManoel Ferreir de Araujo ca-
zado com Dona Jozefa |, \iova antigt
pos-nideira do Eogenho Pixixe, do termo
do Porto calvo |, e ha indicios de terem
2 escravos procurado o caminbo d'aquel-
la villa por l terem filhos, e quem os a
coute : quem os prebendar a entregar a
seu Seuhor recbela da gratificaba
xoo$0'o rs.
yy No dii 28 de Selembro p. p. fu-
gio um ue^ro de nome Joi de Naga5
Camundongo com os sigoaes seguales:
boa estatura, um tanto corpolento, mui.
to preto, bem parecido posto que car-
rancudo, beicos e sobrancelh orelhas e cab- ca pequea tem urna sica-
trises no rosto da parte direita proveni-
ente de um taino ; este ne^ro foi comprado
em Macei a Joaquim Jos de Asevedo q'
o verileo nesta praca de Pernambnco ao
Ajudante Francisco Joiquim Pereira Lobo
c qual offerece 100^ reis de gratificacaS a
quem o tiocer a casa di sua residencia de
fronte da matriz do Sacramento do Bairro
deSinto Antonio oa esquinada ra das
Trinxeiras 1. andar.
W Pedro naca Benguela estatura
regular, idade pouco mais cu menos ao
annos levou vestido caiga branca e jaque*
ta branca de riscado a chapeo de pelo
preto imbarcadico ao olhar a revesado ,'
com pequeo bugo de btrba naris cbaio
lieicoa (rogos com alguna sigaaes de beii-
gae quem o pegar oa dalle souber deri>
jad se ao seu pioprietario Jote Luit Pare-
des no forte do mitto ou no armasem da*
caza n. 5 ra da casimba que gratifcala o
eu trtbalbo,
AIOVIMENTO DO PORTO.
Navios entrados no dia a7
ASSSU'; 6 diss, Patbaxo Nar. 4 de Maio,
Milzidorio Domiogos dos Pasaos, carga
al.
PHILADELPHIA; 3a dias, Brigue Ame^
ricauoJaoe, M. Thoroas Bull, carf
pa varioa teneros. 8 JoZepb RiY
PBBW. MA XiP. BBM, F, Dit FRA. CT^8