Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08629

Full Text
ir

Atino XXIV.
Qiiarta-fciri
T-.-^rSL-AWMWiftEfW
0 DIARIO pul>lica-se todos os diasque xa
fjii'in do guarda: o preco da assignatura he
j,.(owO rs. l'Oi quirlel, piiyot adianiaioi. O
inuncin dos signantes sao inseridos
Lujo de 20 rs. por liaba. 40 rs. cm typo dif-
.rente, eas repelicrJes pela melade. Os nao
si..nances pagarao 80 is. por lirtha e 160 rs.
Typo ditl'erente, por cada puulicaco.
PIIASES DA LA NO ME/. OE AGOSTO.
/ ,a t7, a 14, a, 5 hora, e 56 min. da tard
J/noanle.aSl, al horac safe* E*
UMWMh a 28, s 4 horas c 49 min. da tard.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Gi.tiiua e Parahiba, s srgs. r sextas-feiras.
Rio-G.-do-Norte, qiiintas-feiras ao nleio-dia.
Cabo, Serinhaem, Rio-Formoso, Pono-Calvo
c Macelo, no l., a II e 21 de cada me?..
Garanliuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista <: Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, todos osdias.
PRF.AMAR DE BOJE.
Piiineira, l6 horas e 6 minutos da inanli.
Segunda, s 6 horas e .'10 minutos da tarde.
de A rosto de 1848.
TV. I.
DAS DA SEMANA.
28 .Segunda. S. AgOItloho. Aud. doJ. dos
orph. do J do civ. -do .1. M.di'2. v.
2!l Terca. S. Adolfo. Aud.do i. do < di I.
! do .1. de paz do 2. dlsl di"
l.
30 (luana. S. u/i do Lima. Aud. doJ.
do e. da 2. v. e do J. de paz. do 2 'Ii^l. det.
31 Quinta. S. Ra\ inundo Nonato. Aud. do I.
dos orph. e do J. M. da I. v.
1 Sexta. S. Kddio. Aud. doJ. do civ. e
do J. de pa/.do 1 dist. de t.
i Sabbado. S. Estenio. Aud. do .1. do c.
v. e doJ. de pudo I dist. de t.
.'1 Domiugo. Nossa Senhora da IVnlia.
CAMINOS NO DA M DE ACOST.
l,re Londres a 3 d. pm-IMHm rs. a60d-
Pars a 31.C 350 rs. por franco. Nr.ui.
Lisboa 120 por rento de premio-
Rlo-rlc-J ineiro M iar.
de leu drbomnrnus a i ', aomei
sil.ieou.i-.de l'ebrrlbe. M M,aJ:
-Oneas hcapanliola 32.....0 a JMM
Moedasde6#400v. 17/800 a MOOO
defimin. 10/400 a 10/800
de4#ooo... 9/500 a n Palacios bra.llciroi M3P a 2#H-iti
Pesos eoluinna.ios. 2*KW a WJ
Hilos mexicanos..... IW0 a l/Wi"
lese
ICfoe
(taro.
l'ruli
P.'RTE 0FFI3.A
i
t
GOVSRM DA PBdVINCIA.
EXPEDIENTE DE 17 DE JNHO.
Qf|co. Ao E*m. Sr. Domingos Malaquias do A-
euiar Pires terrena, convidando-o n vir lomar posse
,1,, n'ilministraeno, na qualidado de prlmeiro vico pre-
sidente.
Di(0 ao commandante das armas interino, (IP-
rluandn-lhe que por aviso da secretaria de estado
dos negocios da guorra, do 26 de maio deste anuo,
tivera scicncia do se haver mandado asseular praca,
romo voluntario, no stimo batalhao decacadores
/. Pedro de Mello Souza e Morieses.
Dito. Ao fnesmo, inlclligenciando-o de ter con-
cedido'baina. por tercm acabado o lempo desorvico,
no cabo da quinla companliia do sexto batalhflo,
Marcolino Pereira, e ao soldado da cmnpanhia de ar-
tlleos, Hsvmundo Rodrigues dos Sanios.
I,ji0- "ao coronel liento Jos Lomeaba l.os, con-
vidando-o, coi ciimprimeiito do aviso de 3 deste inez
hmhu], a vir tomar posse, independen te ila apresen-
Uclo da respectiva patente, lo cargo de comman-
dante das armas desta provincia, para que lora no-
meado por decreto de 24deniaio. Parlicipou-so
ao commandanle das armas interino c ao commis-
sario-pagador.
Ditos. Ao presidente da relacffo e ao inspector
da tliesouraria de fa/.enda, participando que lia pro-
visoriamente enearregado eojuiz municipal Gerva-
sio (oncalvcs da Silva o esercieio do cargo to cheje
de polica da provincia, por loro doiitor Manoel l.i-
hanio Pereira de Castro, que interinamente o oceu-
pava, declarado que ia partir para a llahia, allin de
pozar ahi da licenca de tres ine/.cs que ohleve para
tratar do sua sondo. Olliciou-so a respclo ao ba-
charel Gervasio Concalves da Silva.
Dito. Ao precitado inspector, significando que o
Oulciat maior da secretaria da presidencia, Antonio
Jos de Oliveira, lieava cxcrceiido interinamente o
lugar de secretario da provincia, de que olilivera
dispensa o hacharcl Ignacio Francisco Silveira da
Motta. ,
Dito. Ao agente la companhia das barcas de va-
por, ordenando faca por disposieflo do comman-
danle das armas interino os deso lores do stimo ba-
talhfio de cacadores, Manoel Antonio Cordoiro e Ma-
noel Jos Ferrcira, viudos da corle a bordo do /m-
peralri, Participou-se ao commandante das ano
inlerino.
Portara. Nomeando ao hacharcl Antonio Epa-
minondas de Mello para exercer o lugar de procura-
dor-Osea I da fa/.enda nacional omqoanto durar o
impedimento do ridndilo Antonio Joaqnin do Mello,
que oceupa o mencionado limar. l'urliclpoii-so ao
inspector da thesouraria da iazenda,
UlDcio. lio Kxm. Sr Domingos Malaquias ile
A guiar Pires Feneira, coniinunicaiido aos presiden-
tes das provincias do norle e SU I, que havia lomado
posse da adminislracao desta de Pernambiico, e olle-
recendo-lhes seii servicos.
DEM DO DA I".
Odicio. Ao commandante das armas inlerino,
declarando, em consequencia do disposto no impe-
rial aviso de2(! de maio desto anuo, que pertence ao
Icrceiro batalhUo de fuzileiros o capilSo graduado
lolio Duarlc Pereira Rentes.
rjrto. Ao inesmo, recoinmendando a execucuo
.iwaviso da secretaria de estado dos negocios da
guerra, de 28 de maio prximo passado, que manda
excluir do mappa do stimo balalbSo de caradores
a l.uiz Duarto Mataren*!, por ter sido passado para a
lerceira elasse do exercito por decreto de 23 de no-
vemhrode 1847.
Dito. Ao mesino, significando que de aviso da
secretaria de estada dos negocios da guarra, de 26
de maio lindo, eonsta achai-se doenle as Magdas,
ejii inspeccionado pela junta oo sainle, o lente do
quinto batalllKo de fuzileiros, Jos Augusto de Mo-
nezea Prestes.
Dito. Ao inesmo, inleirando-o de haver levado
ao conhecimonlo do governo imperial o seuollicio
de 17 deste mez fjuuhoj, acouipanhadodos parece-
es da junta desnude acerca do cabo Justino de Sou-
za e do soldado JoSo Comes de Alhuqucrque.
Dito. Ao mesmo, autorisando-o a aceitar os su-
bstitutos oll'erecidos pelo cadete do segundo balu-
lllilo de artilharia a p, Manoel Joaquun de Castro
Madeia, o soldado do stimo de catadores, Manoel
JoaquimdoNascimenlo; visto como, segundo S S.
informa, leem elles a precisa iduucidadc.
Dilo. Ao inesmo, deelarando-se inteirado de ha-
ver fallecido, no dia 1 desle mez junho ;, o alferes
da 4. elasse do exercito, Antonio Faustino do Miran-
da. i'articipou-se ao commissario-pagador.
Dito. Ao ojcsmo commandante das armas, or-
denando mande recebera bordo do vapor Imperatrts
dous desertores do 7. hatalhio de caladores, viudos
da Parahyba, e que recommende a quein qur que
lor receber esses recrutas, pasas uuia cautela no com-
mandante do mencionado vapor, para que, a vista
dcsemelhante documento, possa a agenci a haver a
importancia das passagens del les. Communicou-
so ao commandante do vapor.
Hitos. Ao mesmo c ao commissario-pagador,
scientilicando-os do haver S. M. o Imperador conce-
gado, nesla dala, o commando das armas ao coronel
lenlo Jos Ecmenha lilis, segundo inc participa em
ollicio de boje, a que respondo. Ao passo que
assiin me declaro inleirado do semelliante evento,
nao posso deixar de louvar a V. S. os lions servicos
que presin no deseinpeiiho de suas l'uncoes ; visto
como OS repulo tRo valiosos, quetonho para mim
que elles o tornaram anda mais digno da conlianca
de S. M. o Imperador e da estima de BOUS concida-
dlos. .r
Hilo. Ao commandante das armas, SCientlIican-
do-odo haver concedido dous mezes de Mcenoa ao
alferes do 6. batalhflo de caladores Manoel Caval-
cante Lins Walcacer,cujo requerimento, ncompanba-
do do parecer ja junta de salide, veio aunexo ao olli-
cio do antecessor de S. S, datado a 1( deste mez (ju-
nho ).
Dito. Ao juiz relator da junta de jusliga, trans-
mittindo, para ser presente a niesma junta, o pro-
cesso do reo Manoel Antonio de llollanda.
Dilo. Ao agente da companlua das barcas de
vapor, rccommendaudo a expediciio de suas ordens
para que o commandante do Imperalris entregue ao
presidente do concclho geral de salubndade, doutor
Joaquim de Aquino Fonceca, o fexe de casca de as-
sac, calata de falla com algumasdoses da mesma
planta, que trouxe do Para para esta provincia. -
Olliciou-sea respeitoao presidente do concclho ge-
ral de salubridade e ao presidente do Para.
DEM DO DA 20.
sas estes meios ndo tendem antes a urna confusfio
inexplicavel que ha de seni dovida terminar porex-
cessivos sofrimentos odeagracas? NUosendc du-
vidar que as assemhlas naeionacs lano de Pars co-
mo .le Frankfort (nflo rallando as de Berliro e Vien-
na) enntam actualmente um mili conslderavel nu-
men) de homens eminentes, dolados de muitasnas
altas qualidades que M. de Maislre lia descriplo, c
investidos rom toda a plonilllde da soberana popu-
lar. Pormquando attontamos para o carcter de
seus procedimontos, e para os seos actos,
tantalios da completa ausencia da di.
legislatura, c do vigor de um governo.
por sua propria omnipotencia, zelozos de toda a SU-
perioridaile individual, presumpeosos em sua auto-
ridade, todava ncapazes de tkC$Ho collectiva sem a
guia ilo um espirito e vontade individual, estes cor-
pos rellectom cm si meamos a anarchia que existe
cm si-us respectivos paizes. Longo de eslabelecer
um governo pralico para o estado, elles nao podoin
governar os seus propios procedimentos, e alim de
se lornarem uteis nacao como assemhlas parla-
mentares, he-Ibes mister adireceflo e nspecgo '
um governo provisorio indopondenle.
lavra, co
os interesses gr
leamos es-
nidad de una
Confundidos
Em urna
comquanio urna multidUo possa representar
resses geraes da naco, c resistir as usurpa-
ras nelos governoa oerlencentcs confederacBo :
de surte que entre o partido republicano de um lado
e os soberanos iudepemfentosdo outro, sem nonhum
svsteina estabeloeido do nautas, sem nenhuna re-
cursos, afora aquellos que os iliiTerontos esl idos po-
drem consentir em deixar no governo le I ral, o ox-
ercicio do um tal poder nao pode deixar do ser una
mui diflicultosa larefa l'odem existir repblicas e
pdem existir monarchias ; masas f.'riim urna
nao pdem estar permanentemente liga las rom o es-
pirito da onda. F.-n Frankforl, u.n uradi (di i. iu
ha poucos dias, e tal vez quo com raso, w as ten
deneias polticas da Alloinaoha sflo republicanas, a
despeno de suas i'onnas inoiiarcllicas ; c qu a tenden-
cia em Eranea he para a- monarchla, nfio obsinnle a
sua repblica, duas vezes proclamada.
Como um alhvioe um contrasto, depois de-tas I -r
rivois hitas de Franca e Alomanho, vollaronios os o-
Ihoscoin peculiar satisl'acao pan um esta lo que ha
dosenvolvido bastante frca para dofen lor sua inde-
pendencia, e bastante snbedoria para sustentar suas
insliluigOes; fallamos do reino la llelgira. \lli, po-
la menos, tem o mundo um exeinplo da oais comp'ela
liberdado oni oonnoxflo com as instiluitOos moiiar-
chicnsj pois seguramente os Belgas, ouli oanlo que
lio dado ao llirono um leal 0 nioial apoio, devein sua
le
Olllcos. Ao comuiaTlanle das armas e ao coin-
missario-pasador, inlelligenciando-os-.dcjiaver S.
M. o Imperador prorogado por mais tres me/es a li-
cenca de favor, com que se acha nesta provincia o
alferes do 2." hatalhao de caladores, Jos Negreiros
de Alenla Sarinho.
Dito, Ao juiz municipal c d orpln.osdo tormo
do Cabo, dando-so por sciente de ter S. me. entrado,
a 17 deste mez (junho no excrcicio de juiz de di-
rcito daquella comarca. .
Portarla. Nomeando 2. supplente do juiz mu-
nicipal da 1.' vara desta cidadcao bachaiel Joaquim
Antonio de Faria Abreu e Lima. Kizeram-se as
convenientes participacoes.
Hita Nomeando subdelegado de San-Jose a Jos ............,.,--------
Fernandos da Cruz. Participou-se ao chefe do po-lsa confederac,ilo, paroce-mo que liase
lela inlerino, de conformidade com a proposta do justa aprcoiacio da natureza Humana
rocedra esta nnmeaceflo.
experiencia, una especie d fatalismo se apodera de
seus espiritos a medida que elles percorrem sua de-
clive estrada, e mis com melancolis havemos I ido a
lingoagom dos pcrplexos oradores do Frankforl,
osquaes ropetem as palas-ras de Miiabeau: alie
demasiado larde para fazer parar a revolueflo, OU
inesmo para restringi-la ; ludo o que podemos lazcr
he sallar sobre o carro quo gyra, o lalvoz perecer
com ello.
P^/4
,) ir 1 i
lilil se p.------------------
Dita. O vicc-presidcnle da provincia, allenden-
- do ao que Iho representou o doutor Alexandre de
as Souza Pereira do Carmo, e tendo em vista as inloi-
'macOcsdo commandante das armas, de n do ror-
rete, celo major commandante inlerino do 2. bata-
Hio de artilharia a pe, ha por hem nomea-lo medico
consultante do hospital regimenlal, para servir cm
quanlo l'r necessario, percebendo a gratiheaeflo quo
Iho competir nos termos do rogulamciito de 17 00
fevoreirode 1832.Participou-se ao coittmnndante
das armas.
EXTFROa.
O cond Josoph deMaistre que he sem conlradic-
efio um dos escriptores mais profundos0cloqueles
que leem examinado os grandes problemas da con-
dico social do genero humano, eque Um investi-
gado os phenomonos polticos da revolueflo franceza,
ha descripto com a sua usual frca e penelraQflo os
abortivos esfarcos de nina nacflo que procura re-
constituir todo o seu edificio poltico sobre urna ba-
se nova pela nica e directa accao de sua propria po-
pular energa. < Supponde, diz elle, que a Provi-
dencia ludo concede a essa nacao. Supponde que el-
la tem jui/.o, riqueza c valor juntamente com urna
conlianca Ilimitada em si mesma e um genio ao
mesmo lempo suhtil omprebendedor, a que nada
possa fin harnear, nem intimidar. Supponde que.so-
ja exlincto oseuanligo governo, e que sejam apa-
gadas as suas primitivas affeicOes ; entretanto que a
victoria e 0 poder vigiem em suas fronteiras de sor-
te que ncnhiini de seus vizinhos possa intervirein
seus negocios nem embarazar o progresso de sua
Obra. Supponde que he ella una naci lllustreem
scicncia, rica em philosophia, embriagada com o po-
der humano, e emancipada de tojo u laco de prejui-
20 e auloridade. Supponde que nada llie falta, para
quo nao impute dopos o resultado de seus esforcos
a i nenesela de seus meios; eque obra llvreinenle
com esles inmensos recursos, uliui de que seja.de-
baixo da prolecco nexoravel do co, urna licao
eterna para o genero humano.
Pela segunda vez, denlro de pouco mais da niela-
de de Uill seculo, o genero humano ho chamado a
tcsteinuiiliar este estranho e humilhante espectcu-
lo. Em mullos dos principaes paizes da Europa se
esta actualmente azendo esta mesma tentativa, l.'ma
deslruicOo tflo rpida quanlo o raio, varrou as nsti-
tuiefies ilebaixo das quacs uuia geraeflo inteira se
liulia applicado as arles o aos gozos da paz; e no
meio do furor destes demonios sociaes e destas pai-
xes polticas, com o crescenle excitamenlo de ell'u-
so de sangUO e descspeiTs, largas assemhlas popu-
lares, deltas por sulfragio universal, lio assumido
os deveres do legislaQo orgnica, e governo execu-
livo. Em outraspalavras, ellas lio emprolienddo
livrar seus reapoctivos paizes das calamidades da
anarchia, banca-rota o guerra civil; e erigir sobre
asininas do passado urna poltica estavel que con-
? !1UZa.^ T% Pot qo'se pSig'anente
'ijeilos ao severo e
so esta empreza
re- pone ser exec ir" "*JTlfi.'SSSl'.iS'JKI!"
reir do Reg. Fco sciente de haver V. S. entre- gados para promovc-la, ou spela mluieza da cou
Quflo differenle l.ecsta extravagante e desespera-
da lingoagom da calma conviec.no que Washington
nao hesilou cm expressar peranto a couvencao de
Philadelidlia, quando dissO: Na lorniaeao de IIOS-
- basemos ledo urna
A experien-
latom-nos nsinado que sem a nlorvencflo do um
poder coercitivo, os homens uo adoplatn nem oxo-
cutam, nem mesmo as medidas as mais hem calcula-
das para osen proprio bem. Portim os nossos re-
publicanos da Europa em isis estilo tflo longo dos
principios do grande fundador da repblica america-
na como do sen carcter pessoal. F.ste poder coer-
citivo, quer debaixo da lrma de inonarchia, querda
de govomo oxecutivo, be precisamente oque a ro-
volucio ha destruido. Ileslaura-lo he tflo dilhculto-
so como empregar os poderes do una roldana sem
um poni de suspensao. Para consegulr-se a re-
consliluicflo de um oslado sobre a luso da liberda-
do 0 ord-in, a experiencia de todos os seclos mos-
tea que he pieciso que o poder que inspecciona seja
externo e ndepcndeule do mero elemento popular,
entretanto que o poder que cria he. tradievional, e
do alguina sorie divino. Na formacao da sociedade
ha tanta vida quanla na do homein, 0 uo he a com-
bioaeo de una asscinblea potjca.e nem so asdis-
posicoes do una COIISlitlliqflO escripia que nunca a
lio de suppiir.
Fin Franca, a experiencia da revolueflo tem dado ao
paiz nina convinccfio inslicliva destas verdades, e
conseguTntonienle ha mui pouco de sincera illuslio
quanlo ao curso provavel dos aconteciinelilos. A
assemble.a nacional nada deseja tilo ardeiilcmenle
como a auloridade de um chele, e a proporeflo quo
ttr solVren.lo pela dissolugflo da auloridade legal,
ella procurara suppriro seu lugar pelo poder militar.
0 principal, ou antes o nico dueito que o no-yo go-
verno tem a conlianca do paiz, he ter elle enllocado
quatro generaos nos mais altos emprogos to estado.
Nos uo temos ncnbiinia duvida do que este cim-
neutos homens, Cavaihnac, lledeau. Clianganuer
eLamoricire.sflo os mais proprios depositarios do po-
der coercitivo na crise actual. Nos nao llies imputa-
mos nenliuma intencio sinistra; nos os nao ac-
ensamos de ainhico pessoal ; mais nao podemos
suppr.qe as campanbaa de frica e os govornos do
Alger, em que elles aprendern!, Sejam escolas de li-
bordade constitucional, ou de moral republicana, e
pedimos licenca para le.mbrai urna pradiecao rolla,
ha niuitos anuos, por um presidente estadista ran-
ees, o qual disso que os jovens generaos do exercito
africanoerara destinados para serem umdia os rege-
dores militares da Franca. Suacarroira polun-a co-
meca agora ; e em um paiz tal como a Franca a ohe-
dioncia do povo gravita com nvencivel lorca para o
poder central.SOia esto poder qual lor, quando reves-
tido da auloridade militar.
Na Allemanhaain dase'nflo percebe nenJium signal
da volla da ordem. A assombla cm Frankfort parece
nao ter anda condecido que a larefa que emprehen-
dera nao pode ser completada pelos meios a sua dis-
posieflo Seus votos seguem-sc nos aos outros em
urna confusaosera Um. chele do partido modera-
do f llenr* vonGagern) triumpha um da c hedor-
rota lo no outro Sem ter poder nem torca para tazer
calar o tumulto do suas propras galeras, este \>;\r-
lamenlo espera ser obedecido des
o Itbono; sous di re toa nimia uo
ja dia elegeu um Ilustre principe para ser
lente do imperio scui nenliuma iiiltencao real .le
'llll, I l.llll .,:..|,................
leccssor, jhaviain sido sub-
a asscmbla provincial, mas
nai
ditendo que, se as posturas I que
lia Bill ollicio de T do enrenle, eiam asqiie li
do reniellidas ao seu anle
metidas a caiisideracan da asseinlilea \
que, se eraiu oulras, enlSo nao aeoiiipanliaram ao men-
cionada ollicio. I ii leada.
<;.....pareeeu o eidadao .Simplicio .los do Mello, pro-
fessor publico do prlmeiras leltras da Ireguczia de San-
Frei-Pedio-Cioiiralves. provisionado ltimamente pelo
l'.sin. presidente da provincia, c prestou juramento dn
estylo, e I. vauloii-se a sessao. -- Fu, /<"'" '"' -remira
deAauiar, secretario, a subscrevi. r- frgo AHiuquirqiif.
piesideuie. Anu'uiB -- 1/iHie.e. Barata. -- Agotliiin
t? ilarrot.
a o Vstula at
foram delinidos, e
I ligar
!!!<>! \ti \S'I> '.
:-1;! :::*'.' t''H' %.
\i\
Pin lufjlcliu i
, I ,.!.., .. i .1. i, r*tlf0.
inadoa respelto dos se
1
Cnmarc municipal d Iecife.
si ss\(i RXTRAOKDINAIUA EM 0 l)K ACOST
DF. isis.
PRRSIDRMCIA DO SKMIOii REG M 10 ol IHO I.
Presentes os Sis. llanos, l)r. Aquino, Barata t Mame
de, convocados especialmente em virtude doolUclo do
Kxm. presidente da provincia communicanda o nasri-
inenlo de um principe que S. M. a Imperalri/ do a lili
no dia III de julho lindo, ahiio-se a sesso, sendo lidi e
approvada a acia da antecedente,
l'eita a leiiura do dito olieio, dellberou a i uara que
se alxassem edltaes convidando os seus municipes a
illiiininareiii as frentes de suas casis ms Bolles dos dias
II, 1-2 e 13, eque se respndeme ao Kxm, presidente
da provincia uianilesl indo-se COIlleiltamentO por esse
aeonleciinenlo reliz,
I.eu-se mais cuno olieio do mesmo F.xni. presidente,
essa cmara se refe-
. ni nina questao de pessoas, del-
isnonder ao cominunloado do lllm. sr. Dr. Joa-
lc Aquino t'onseca, publicado em o .* n
Por nao querer entrar
xo de n
oiiiiu de Aoi.i,." ,-.-*.* i......
liara l/ /v'mim".,,. e po.lo que e.n SUS .uoxiu.lada
de 159 lluhas me ponlia de nptetiaiar i Malorelro. (ico
aisai singado com o elogio que S. S. -em r. remonl i al-
auma faz de sua propria pruna; porqiianto todo oinun.
Horeco......ce inulto bem a crdadc do .inexini |>rlti-
ll(.j elogio em fcoeeapropria h- ritapeno.
lie natural a iodo o homem oqueixar-s
las que se llie fa/.ein ; e por Isso nao qili/
lado o modo grosselro com que me 1
b-r concclho geral desalubridadi
buco, esua infame perseguico
crapossivel, pois. que en me eonsovass,- > noloSO a
respelto do Inoominodo................'
en soIlVer ca-
ira i ido n ciilc-
publiea de Pcrnain-
a homo' maibl i. v-"'"
eonservassr
o inesmo conei
l'OII-
rv'icos que o ooncelbo de salubri-
ItadO aquella provincia
cooliar-lhe um poder eseculivo ndependente. Suas ,', c a'iK..iJade. que entre ^^S^^l^
molidas seus l -alados o suas uouieacoes serao dis-1 peitt da hoiiiieopathia com aquella den ncia i noi < c/.,
v
MUTILADO


>
v-


8


ucsar-te-ha V. S. .i este pedido feito com tanta Ihaneta
e chindado ? Nao o espera o publico, e ncui o seu al-
tenlo venerador e rriailo
Or. Satino Olegario Ludgero l'mho.
I'< mambiico, 19 d figos to de 1818.
'' S Sr. t'iu Chriiln, V. S. cnvoncnnii lilinll n pa-
lavra* ; e he or eiM raaio que me chama bli eoto mullo de ver mu hoinem religin), e crea que V.
S. o he ; mas agora perdeu-se por oxcesso de /.elo. Se
pensaste bem nu que eu disse, se fosse menos precipi-
tado em publicar seu artigo, me eoniprebenderia me-
Ihnr. e estou persuadido que nao chamarla blasphemia
a iiiiuha couiparacao. Ku curvo-me respeltoso peanle
o aliar do Dos Sacramentado, eu venero os teui pro-
digios, e i iii j 11 i .i sti i misericordia. Son medico homico-
patna, e os hoinn'opathas sao religiosos por conviccao ;
porque nao he pnssivel ver-se tumi in gotta i'ngoa crista-
lina e puro curar os males do corpo sem se dar grac.is ao
Supremo Ser dos Seres, e reconhecer iua omnipoten-
cia., he a religio DOS nao cnsiiassc que na hostia de-
pois de consagrada existe o corpo, sangue e alma de
losso Scnhor Jesus-Christo tio real e perfeit.iincnle co-
mo esta nos ecos, o raciocinio por si sii sem o.apoio da
le nao poderia eoinpreheniler esle nivstei in. Assiuini
hoatia, que venios, vai o corpo de Christo, que nao ve-
mos, curar as cnfcrinidadrs d'.iinia. Os medicamentos
li unceopathifOi, que sao tenuissima porCO de materia
quasi espiritual, se dissolvcni em una pequea quanii-
dade d'agoa, a qual administrada aolioiuem iloenle val
curar seus males phyticos. Ora, se essa materia sendo
levada :. um grao innnito de divisan adquire um poder
indefinido nara curaras cl'erniid ules corpreas, porque
chama V. S. blaiphemia a dizor-se que nessa materia,
que nao vemos, vai vida, como na hmtia consagrada val a
redimptia V. S. sabe que militas vejes as comparacdei
>e la/eiii para tnellior termos entendidos ; e como eu
ricrevn paran poyo, permitanlo V. S, que eu anda use
d' i!, que nao lie iiiinha, mas que milito me agradou.
I.reio lei-uie explicado,
ltr. I.udgero Pinlio.
ni lino oe i'Enwiiiirini.
ECIFE, 29 DE ACOST DE 1848.
CONSULADO GE RAL.
RENDIMENTO DO DA 29.
Geral...................lati/OSB
Uirersas provincias............. (i/902
1:349^8,'t
CONSULADO PROVINCIAL.
RRNRIMR.VTO 110 DA 29..........!)Kl/i83
ovimiMito (lo Porto ^
Para o tio-ilc-Janeiro segu viagem, com mili-
ta brevidade, a sniiiii nacional Curiosa por ter
parto de soa carga engajada : para o restante, es-
cravos e passageiros, tra.ta-.se com Luis Jos do S
Araiijn, na ra da Cruz, n. 26, ou com o capitao,
Do.iiiugns Antonio do A/.evedo, a bordo.
Para o llio-ile-Janeiro pretendo seguir com
lirevidade o brigue Mercantil, por ter parto de seu
oarregamenlo prompto quem no mesmo quizer car-
regar, embarcar escravos, o ir de passagem para
o que lem escolenles commodos dirija-se aos con-
sicnalarios, Amorim Irmilos.
1.C.IO
Savias sabidos no lia 29.
Londres barca ingle/a Spar, capitao .lames Pain, car-
ga a mesnia que trouxe'
Urnova ; brigue sardo Cernina, capitao F, Serlorio, car-
ga a niesina que trouxe.
I'aliia ; escuna brasileira (alante-Mara, capitao Jos
Mondo de Souxa, carga varios gneros.
rfdaraces.
--O onpitlo James Durffc far leilo por inter-
veneno do corretor Oliveira o por conta o risco de
quem pertencer em um s lote de cerca de 35 cai-
xas de assiicar, avariado d'agoa salgada a liordo do
brigue americano Uarriet, arribado a osle porto com
agoa .iberia na sua recente viagem procedente do
da llaliia rom destino ao de Cowos : .sexta-feira ,
primeirodeaetembro, s 10 horas arina/em de llenry Forster t Companhia trapiche
do llamos.
Avisos diversos.
o
brigue porluguez Maria-Jos, chegado lionloni
de Lisboa, nilo nos trouxe cartas do nosso corres-
pondente. Entretanto, suppomos que elle no-las en-
vin por algum dos tres navios que haviam sabido
untes do sobredito brigue.
Do alguns jomaos, porm, que vimos, col liemos
nos que nada novo oooorrer.i no reino de Portugal,
T.....'o a tranquilidade publica, e que esta se ronser-
vava inalleravel.
No locante as noticias do Tranca e Inglaterra, ca-
ses ornaes nada ada na m ao que liemos communi-
cado aos loilores.
Segundo urna carta particular, que se nos mos-
Irou, corra em Lisboa que Veneza Cora tomada pe-
los Austracos.
Correspondencia.
Sr. Redactte: Nunca passou-me pelo pensaiuen
lo que eu tena de justificarme, peante o publico, de
um cuino lao hediondo ; hoje niesui.i que o venho fa-
zer, eu me sinlo descer de minlia dignidade. Mas lia
impilUCOCS i o graves na vida do homem, que, para re-
pelli-lai, o homem deve pr de parte indas as rasos de
orgiillio ; tal he asltuacao em que hoje me aelio. Ha
P .neos das uinassassino Iraleo iro pretenden por ui
i vida de um cidadao honesto, de um pai de familia re-
cominendavel, do Sr. Jos Alve Guerra, quem me li-
gavam relaces de sincera amitade. Por um infortunio
o Sr. Guerra dil haver reconbecldo no seu assassino uni
pretn que Tora escravo de met pai, e des la decloraciio
lem resultado que homens que me uo conliecem, o
que talvez achem em si o germen productor de relos
semeiinntes, me indicaran) como mandante do assassi-
Bflto. Guando pensara eu que. na i lade ,le 22 anuos, pe-
sar:.! sobre iiiini um impiitacao de semelli une nature-
za. A principio olhei com todo o despiezo para lao in-
fame Innliranra ; mis, vendo que .'ligninas pessoas slsu-
das me trem fallado, ainda que laicndo-me a devida JllS-
lica, nessa impniaco alrivosa, cu nao possn deixar de
vir peanle o puhlieo repellir com todas as miiili.is fi)r-
cas lao negra aleivosia. Antes de ludo, que acto de mi-
liba vida pode aulorisar um ficto desia ordein ? Como
rapa/ posso ter leviandades, e quem se dir iscnlo del-
tas. Mascobrir-..... de sangue .' Galg.-.r de um su salto
todos osdegrosdo erime I Oh! pelo amor de Dos.
niais indulgencia, mala COIlfianca no eoiaeao de um
mancebo, que nao beben principios desta (udein na ra-
le da sociedade. Denois ilisip com que Interesse, poi
que nintivn alternarla eu contra osdiasdeum homem
que nunca me I,/ o menor mal, de um homem
mizade eu cultivara, com cujo jogro e uunhado
n is melhores relaedes ? Porventura o faci d
perpetrador de um rrlme lito grav
ra escravo d.....eu pai. e me lmi
-- O fi." b.italho ilo caladores convida a quem
quizer lornocor para o rnuelu .!.. mesmo oseguinto:
carne verde, dita socea, bacalbo, azeile o vinagre,
rebolas, lai inb.i, l'eijan, caf, lenlia, issuear,p:*os de
fioneas, arrozesal, todo do boas qualidades: quem
quizer, e estiver as circumslancias compareca na
secretaria do mesmo batalhSo, no dia 31 do crrante,
as 9 lloras do dia, trazeiulo as suas propostas em car-
tas l'eebadas.
Quarlel as Cinco-Pontas, 28 do agosto de I88.
intonio Cenerozo da Silva,
Alferes agente.
O 6. Iiatallio de eacadores convida a quem
quizer razer bonetes para o mesmo, sendo de panno
azul com vivos verdes e Humeros grandes de metal
amarello: quem quizer compareca na secretaria do
balallifio nn dia 31 do correte, as 9 horas do dia,
Quarlel as Cinco-Pontas, h de agosto de I8ts.
Antonio Generoso da Silva,
AUeics agente.
-- O arsenal de guerra compra (i dlizias de taboas
de assoalbo de louro 2 pranchOos de amarello 12
costados de ;>n!i.> e hilu/ias do taboas do pinlio"
quem ditos gneros (jiii/or fomecei, mandara sua
proposta a directoria do mesmo arsenal, al odia
30 do eorrente inez. Arsenal de guerra, 28 de
agosto de t8i8.
o escripturario,
Francisco Serfico de slssis Carcalhn.
O lllin. Sr. coronel commandante das armas ijn
provincia, em cumprimento do disposlo no artigo
22 do regtilamentn do 17 de levereiro dn 1832,"man-
da fazer publico qtio no da II do viiidouro inez de
selembro, as 11) lloras ta mandila, lera lugar na
secretaria militar a arrematacito dos medicamentos
precisos ao hospital reg menta I no correle anuo,
em vista do formulario, paraesse lim organisado.
Os Sis. pharmacetiticos eslabeleeidos tiesta capi-
tal, silo pelo presente convidados a tomar parte em
lita arrematado
Secretaria do commando das armas na cidade do
Recfo, 2H do agosto de I88
Francitco Camello Peuoa de Laetrda,
(lapitlo secretario.
O arsenal de guerra compra OS arligos seguin-
les: verrumas caibraes, cola da Babia, pedras dea-
molar de grita dura, pregos ripaes sortidos. feixos
Je arcos de ferio piraancoretas, caixas de folbas delc'a ,la r'co- 'm inieressado.
i.....!-,... .1..1.-.- 1... 1 .. ti___..... ....
Lotera do theatro.
As rodas tiesta loleiia andam imprele-
rivelmentc no dia ?> de selembro, e o pe-
queo resto de bilheles que existe s se
vende al o dia 4\ nos lugares do cos-
Itirne.
-- O abaixo assignado faz verao respeitavel publi-
co, e principalmente a seus amigos e conhecidos,que
pela brovidade de sua viagem a Lisboa nao Ihfi foi
possivel ilespedir-se de cada um em particular, e por
isso pede desculpa e oftorece a seus amigos o pe-
queo prestimo no lugar do sen destino.
Manoel da Silra Amorim.
Aluga-so o segundo andar do sobrado da ra
da Moeda n. ", com commodos para grande familia,
por precn commodo: na roa do Vigario, n. .i
Os Senliores que subsereveram para a Iradue-
efo do compendio de dogma pelo padre Domingos
Sebram, poderiio dirigir-se no convento de San-
Francisco desta cidade ao cubculo do padre mestre
l'r. Joflo Caprislano de Mondones, para receberem os
exemplares que assignaram.
Para as pessoas que (eiicio-
iiam seguir viaein.
Na na do P.angel, n. 9, conlinuam-se a tirar pas-
saporles para dentro e fura do imperio, despacham-
seescravos com brevidude, e por proco muito e
milito commodo, como no decurso de 8 anuos se
lem dado prova.
-- Lina miilher desimpodida o com muito boni
leile propoo-soa criar : quem de seu prestimo se
qtn/er ulilisar, dirija-se a ra do Sebo, n. 36.
Aluga-so tima casa terrea na rua Helia, com
duas salas,3alcovas, cozinha fia quintal e ca-
ci.iiba : a tratar 118 rua do Collcgio, 11. 15, segundo
andar.
Como consta ao interessado do tbcsouio na-
cional que ainda o Sr. Jos dos Santos Noves nito re-
cojhcu os 309,510 rs. da dcima da casa da rua dos
Qu artis, n 13 que teni em seu poder, da execu-
cao que leve na relacflo, pede-sc encarecidamente
ao lllin. Sr. Dr. juizdocivel da segunda vara, baja
de lomar conbeciment,poiso lempo iom sido bs-
tanle para poltica, para quem intima de consequeii-
5 do selembro prximo futuro, que bajado n1o
pagar o premio quo sabir ao meio bilbolo n. h-j'-j
que foi oxtraviado, pertnncente ao abaixoassiguaj0'
Can hdo Machada t'.unha Fetvetra
Iloga-soa pessoa que, por engao, lovoq ,'lv
reprliQlJo do sello urna carta do liberdade, que
torne a levar mesnia reprfrliQfo. *
0 Sr. Manoel Jos de Sotiza Luna
lio novamente rogado para ir a rua I.'ireita sobra-
do de um andar que faz esquina para a travessa i|
S.-Pedro, por haver qiiTi queiri fillar-lhe.
Francisco Correia de Mello, subdito de S, u
F., retira-se para-o Rio-Grande-do-Sul.
lliivcndo, no bairro dollocifo, algum.i familia
particular que so nucir encarregar do fornecer
diariamente a comida a um moco solteiro assim
como de lavar n cngommar-lbe a roupa queira do-
clarar a sua morada para se lhe fallar o tratar i|0
ajuste.
Aluga-se o lercciro andar do sobrado n. 1, ja
rua da Cruz : a Iralar no primeiro andar do mesmo
sobrado.
lina crioula de meia idade, e de bous costu-
mes, se oflVrcco para ama de casa de pouca familia
quem de seu prestimo se quizer ulilisar, annun-
cio.
Aluga-so o armazcm n. 27, da rua da Cruz, no
Itccife : 11 Iralar na mesnia rua armazom n. 13.
-- Na rua d'AIrgria, n. 11, precisa-ic alugar urna es-
crava que esteja as circumslancias de beni fazer o
servico interno c externo de tuna casa de familia.
Haymuhdo Cotinhode Azevedo, Porluguez
retira-se parafra da provincia
Narcizo Antonio Campos relira-se dcsla pro-
vincia para onde lhe convler a tratar de sua sade.
Francisco Hibeiro de Brito
do luga
, pro
sitio
do Cajneiro, que encontrar CotjM
ernne
nieu pai, e que lio|e
a inrnoi prcsiinipcao contra miui
C esle iiidivi-
eseravo, quem
que lsse eu o
cuja a-
eslava
e ser
pelo que lo-
he forro, daria
Ainda qiiando
o Si. Guerra sean huiivesse engaado na qualilicaeao
do individuo que attentou contra seus das, que
ponto de contacto existe entre mili
do tillando mesmo fosse elle me
se jnlga aulorisado para d'alli inferir que ISSC
mandante do crime ? Por que rosno serei eu cullocado
entre ossas deigraeadas aberraces da Irtiinaiiidade .'
Ol nao. nunca a ininlia man se manchn no sangue de
nutro homem, e no mel do desesp..... que me cansa
lao rstranha imputifo, en, confiado na niiiiha innocen-
cia e no bolll senso da sncii dade, venho rogar a esla
mesnia sociedade, que me naojtilgue lao estiaiiliauen-
te, que me reslitua a millha reput.icao, da qual me uo
loruei indigno ale o prsenle. Urdo, pon 111, que a par-
le sensata me l'.i/. js^liva, e que s no cerebro de al-um
esluute^do poder adiar echo lio grave calumnia. J11I-
guei, Sis. Redactle.....cessario dar esta satisf'aiao pu-
blica, c d'ora em (liante s inc resta aniparar-iue na
li juquillidade de minlia conscicncia.
Joaijuim t'Mro de itraei Carvalho.
1 '
LUrvirntriC -. .
ALFANDEGA.
IIKNDIMKNTO 1)0 DI A 29.........
Oescarregnm hoje, ,'lli le agosto.
Brigue -llrandywine -farlnha, bolachinha
abatidas.
Galera Serafina mercadorias.
Drigue .{iinmhrn iilrin.
Ilrigue ItaitnOor carvao.
O.707/879
e barricas
(landres dobradas, ere, alvaiadc, pos prctos, colhe-
rosde pedreiro, pas dn ferro, ac grosso, dito lino,
limas sortidas, ferru da Suecia de urna e meia pollc-
gadas a dnas de largo, folbas de Ierro para fecliadu-
ra, ditas mais linas para robera, carviio de pudra,
oleo de Imhaca, garrafOes grandes, enxadas, panel-
las de Ierro sortidas, chumbo em luucol, panno ver-
de, fila de letroz amaiclla, laixas amarellas, couro
do lustro, caivetes, papel de machina, bolaxa, fa-
rinlia de tapioca, dia de aramia, sabo, cba, panno
azul, bollauda de bur, casimira encarnada qi......
os ditos gneros quizer fornecer mandara sua pro-
posta a diiecloria do mesmo arsenal ate o dia 31 do
coi rente inez, em que os mesmos vendedores lio de
comparecer pura se realisar a dita compra.
Arsenal de guerra, 28 deagosto de 1848.
O escripturario,
Francisco Serfico de As.ii: Carvalho.
-O arsenal de guerra compra sola de lustro para
capelladas o roldres de eavallaria: quemo mesmo
genero quizer fornecer comparecer na sala da direc-
tora do mesmo arsenal, com aua proposla o a (Hos-
tia, no dia 1." do.setemliio, prximo vindouro Ar-
senal de gueira, 29 de agosto de I8*s.
0 Escripturario.
Francisco Serfico de Ats't CamUho.
--Pela lielogacia do 1 nmeiro districto do termo do
Heeire.se u-,. publico que se acha recolhido na ca-
icia dcsla cola,lo o prcto Domingos, que diz ser es-
cravo .lo n Mara do llego Ranos Fumino: qu.....
no seu legitimo senhor, compareca nesta delegacia
eoiu os competootes ti lulos, que, provando perlcncer-
ine, sor-lhe-ha entregue.
Meleg.icia do primeiio districto do Icrmo do lie-
dle, 39 de agosto de iss.
O delegado de polieia,
Feliciano Joquim dos Mantos.
Avisos maritimos.
iros < esciavo quem pretender p-
consignatarios, Airioriiu Irniaos: rua
Para o Rio-Grande-do-Sul salina breve o brigue
Vormn, por ter pronipta a maior parte da carga : inda
porm, pode receber alguma inluda, e teiu bons com-
modos para passageiro
de contratar com os co
da Cadeia, n. 45
= Para a cidade do Porto partir, com a maior bre-
vidade possivel, o patacho porluguez ei/rnimf-io tem
a maior parle de seu enlegmenlo prompto: para o res-
to da carga e passageiros para oque offrece excellen-
tescoinmodos. trata se com o consignatario, Firniino
lose rehx da Rnsa na rua do Trapiche, 11. 44, ou com
o capitao, Jos de Oliveira Faneca, na praca do Cur-
po-Santo.
Para o Cearn.com escala pelo Aracatv, sabe irr-
prelerivelinente, no da 31 do correle, blate Ten-
tador, mostr Jos Joaquim liuarto : para o restan-
te e passageiros, para urna e oulra parte, Irala-se
com l.uiz Jos de Sa Araujo, na rua da Cruz, 11. 26
ou com o mestro, 110Trapiche-Novo.
-- Aluga-se um sitio na Magdalena estrada no-
da da Torre, com boa casa de vivenda estribara,
qu .irlo para pretos o cacimba, por resta ou an-
imalmente : no Aleno-iia-lloa-Vista, n. 43.
Roga-se ao Sr. Vicente Jusiiniano Bozerra Ca-
valcanlo que baja de fazero l'avorde apparecer na
rua da Cadeia do Reeife, 11. 55, para receber urna
rarla.
Precisa-sede una ama que saiba cozinhar o
diario de nina casa : na rua do pilar, om Fra-de-
Porlas n. 64, fabrica de charutos.
Aluga-so urna preta para lodo o servico de casa,
anda mesmo para o de rua ; quem lhe convier tli-
rfja-se a rua do Livramenlo, n, 20, terceiro andar
em que mora Joaquim .los de Miranda.
Vai a praca, no dia 31 de agosto porta do Sr
lr. juizdeorphos, urna barcaea do carga do 10
caixas, o urna jangada, a requcrimenlo do tcsta-
menteiro inventarame, Alexandre Joaquim Satyro.
Precisa- so de um bouiein estrangeiro ou "na-
cional que emenda de plnntacoes para lomar con-
lo de um sitio, distante desti praca legos e meia,
dando-se-lhe um escravo para trabalhar do mcias ,
cujo silioiill'erece muita vantagem para todo o ser-
vico o tem embarque o desembarque na porta : na
rua do Livramenlo, n. 14.
Na lipographia Aasarennse carece do destribui-
dores, o vendedores de folbas, a quem se pagara mui-
to bem.
Oabaixo assignado, como tutor dos orpbios Af-
lonso e Adolfo, lilhos do fallecido Jos Mauricio de
Oliveira Maciel, avisa a tolas as pessoas a quem o
coiihecimenlo desta chegarque uo vendaiiionom
contratem negocio algum com os dous orphos, sli
pena de liear sem ell'eito qualquer coulrnlo que fa-
cain os ditos orphilos; c declara desde ja que como
ellos uo podom contratar, lorna-se nullo o que a
semclhanle rospeito se pralicar.
Guilhermt Patricio Uezerra Cavakanle
Quem precisar de urna ama de leile do muito
boa conducta e muito carinhosa e cuidadosa diri-
ja-se a rua da .Seuzalla-Velha luja n. 52.
Aluga-se una preta que seja Del .para vender
na rua pagando-se-llie 320 rs. por dia o dando-se-
lhe de comer: na rua do Fogo, sobrado 11 26
Furtaram um par de brincos pequeos, de pri-
mantes, para meiiiDa, com tres ou quatro cm cada
um sendo o furto loilo lia dous para tres mezes e
agora boque se den por elle : a quem l'or olferccid
q na tro casas no sitio
prias para se passar a festa, por (er banlio
perto com banheiro : as casas teem bstan-
les commodos, quintal murado e estriba
na 5 sssim como alnga urna olaria, na
PassoSfcm-da-Magdalena, con barro den-
tro, trra para plantar e pasto para vac-
cas. (luem pretender alugar (lilas casas
e olaria, dirija-se casa grande do dit
jo Cnj
quem tratar.
Jos Peroira Leile, subdito porluguez retira-
do para fra do Imperio.
Antonio Franco de Souza subdito de S. M.
Fidelissima retira-se para a corle.
Antonio Carlos Ferreira Soares vai a provincia
do Rio-Grande-do-Sul, levando em sua eompiuilua
Jos Joaquim de (lampos.
Antonio .los Soares retira-te para Babia.
Bernardlno Comes de Carvalho vai ao Rio-de-
Janeiro, e deixa por seu proouindor seu irmilo,Fran-
cisco Comes de Carvalho.
* JS'uvu pao de Prtwenca.
"i
W O propriclaiio da pallara do paleo da Sania- %
* Cruz., n. ti, e do deposito da rua estrella do Roza- #
* rio, 11. 39, contina 110 fabricainento do afamado "
S pSu-provenca que tanta syinpatbla tem adqui- 9
^ rido do povo desta cidade, j por suaalvura e bom S
. goslo, como pela forma edelicace/.a coinqiic he fa- *
brisada, e por oulroi inultos motivos de sua cous- 9
9) trualo se toma um tanto mais superior ao que 9
ate agora nos supi 1,1. Justifica esta verdade a gran- 9(
jg de concurrencia que tem apparreido nessas pon-
^ cas padarias que presentemente o fabrican).
o mesmo proprlctario entre os outros i|ue j an- S
99 niinciam po-provcuca he um de entre ellcs ha- .5
t bullados liara este lim tanto por entender perfei- $
# lamente de seu fabrico como por ter em sen po- 9
* der as melhores farinhaa que rxislcm presente- 9
g mente 1 nina das priineiras partes que se tornain 9
uceesTaiias. Nos mesmos estabeleciuiciilos acha- 2
t
rao us fregueses a boa botaohinha de regaba tan-
icouto.

rao us licgucics a boa boiacb
lo doce como agoada e bisco
0
J. A. S. Jane, artista, ten) a honra de avisar ao res-
peitavel publico que tem voltado do norte e se acha
reiidindo na rua estrella do Rozarlo, n. 1C primeiro
andar, aonde continua a por denles artiliciaes, de por-
eellana coinposicao esla inteiraniente isenla de cor-
rupto como bem tira as caries dos naturaes, calca
de otiroe praia. O aniiiiociinte declara a todas as pes-
soas que sequizerem ulilisar de sen prestimo que nao
exige receber paga alguma, se por acaso nao Mearen) os
ditos denles artiliciaes ao bem postos, que nao se possa
dilfereiifar dos prnprios naturaes sendo os mesmos
postos sobre chapa de ouro e sobro tarracha os quaes
ftcan lao seguros, que se pode mastigar loda a comida
com ellos sem causar a menor dor.
Precisa-se do un feitor que entenda perfeia-
mento de tratar e plantar um sitio': em casa de An-
tonio da Silva Cnsino no Alerro-dos-Afogados.
Aoha-so fgida desde o dia de
maio prximo
passado nina escrava do natjo Angola, do nomo
Thereza bastante alta e grossa : quom a pegar le-
ve-a a sna senhora Mara llctiriqucta de Castro ; na
estrada dos Aflliclos, quo recompensar genero-
samente.
Findos osdias da lei se ha de arrematar o enge-
nho denominado Goiaboira na freguezia de S.-Ama-
ro Jaboalo muito perto desta cidade que apenas dis-
ta quatro legoas e meia com safra criada achando-se
eorrente c inocnlc com todos os seus pertences ne-
cessarios ; o qual ollcrcce militas vantagens a quem o
comprar : tildo so acha avahado muito em conta quem
o pretender pode ir rxaiuinn-lo, e para ver- seu valor
noesc.riptoqiiescaol.aeui poder do pnrlelro do juizo,
Serra-firande; bem como nina casa terrea na inesma
povo.icao avallada em 120/rs.
A pessoa que aniuncion querer, vender urna
escrava quesabe cozinhar eengommar, o quo mo-
aviamenls de piano, de prlmeira qualidndo: tam- 7. queira trazar a mesma escrava para
bem concerta e alia pianos com toda a perreiclo. ,,, d ,ua "" """el, n. 36, primeiro andar, nn-
-- O abaixo assignado roga ao tbesoureiro da lo- ''^ comprara a dita escrava se agradar,
teria do theatro publico cujas rodas andam no dia|o^atwC^TercoC, n,n1a6>ama co,n bo,n e bl",a"e 'cl"
e eslivcr de posse, querendo restituir, dar-so-lbe-ha
a qiinntiaquc liver dado por olios e se guardara
sogro.lo alem de se licor obligado : levando-o no
largo da praca da Roa-Vista principio da rua do
Ar.igo, n. 19, .segundo andar.
FABKICA DE PIANOS,
na rua do Qneiinado, n. 11.
Jo.lo Vienes tem gratule sorlimento de cordas e

I


--Aluga-se um escravo bom odlcial ele pedreiro ,
para lo lo o servico que so oflorccer : i tratar na ra
Ja Guia n. 46.
Na ni mil.i i d 21 do cnrrenle appireccn na ra
Ju Hruin fundif.li> do ,Mcsi|uita St Dutra um sujciloa
vender um f uno ilc cobre do coxer farinha c mi con-
l,ii|iiencia de nao ser elle condecido da casa pedio-sc-llic
' conticcimento de sna pessoa ao que annuio e relirou-
-.-, Jlim de ir linscnr quem aiiancasic sna capacidade,
dcixando o dito Turno: c como nao voltasse niais, descon-
fia-se que o mesmo fosse furlado: por Uso quem se
adiar com dircllo a elle dirija-se a mesilla fundicao.
Pcde-sc ao Sr. que no dia 20 do crreme na occa-
>iao da procisso de N. S. do Rom Sucesso tomou das
maos das figuras duas salvas de prata baja de as
mandar entregar ao (liesoiirciro daquella festividade ;
|,His nao si' ignora quem foi c fai-se-lhe o presente
annunclo para Ihc servir de aviso : outro lili roga-se
aos Srj. burivrs ou a outra qualquer pessoa a quem
sejain offerecidas de as nao comprar, capprehende-las:
urna das salvas tem una lirnia com as Icltias II. J. R. e
a outra nao tcni;nrma e smente un lavrado em
roda.
__ Precisa-sc de um canoeiro forro ou captivo, pa-
gando-sc diariamente, pelo lempo que se convencionar :
quem quier dirija-se ra da florentina, n. l(i.
Aluga-sc, vende-se ou perinuta-se por outra mal
perto da praca, nina boa casa na povoacau do Monlci-
ro, com duas salas de frente, duas atrs, seis camari-
nhas,cozinha fra, quiito para esclavos e estribara :
tildo de pedia c cal | quintal murado com pnrliio que
d sabida para o rio Caplbaribc : a tratar com J. J. Tas-
so Jnior, na ra do Ainorim, n. 35.
__ Urna pessoa com pralica de escripia
coininercial, e bonita lettra, propoe-se a
escrever as horas vagas, nos domingos
c dias santos, com imnoza, mediante m-
dico estipendio : quem precisar, annuncie.
- Alugam-sc dous sitios com muito boas aconinioda-
roes um na canipinlia da Casa-Forte e outro na ra
da dita povoacao com cocliciras c cavallarices ; assim
cuino varias casas, de preces coinniodus para se pas-
s ii a fes la: a tratar na ra do Amoriin, n. 15.
, Precisa-se de pretas para vcndereni pao pagando-
I se-lhcs a vcudagein sendo sb responsabilidade de seus
enliorcs: na ra Direila, padaria n. 2.
Prccisa-se de um prelo para lodo o servico de urna
casa estrangeira que jeja fiel: na ra do Trapiche-No-
vo n. 8, terceiro andar.
3
^=-*.r
Tr
imagcns
segnmtes
roenrn-se as
. Santa Anna, N. S. da Conceicao, S
/oao Baptista, Santo Antonio e Jesus
Christo crucificado, esculpidas em ma-
deira, por lira dos mais peritos pioesso-
res desta arte ; sao novas o recentemente
cliegadasda Kuropa: na ra da Cadeia
do liecife, armazem n. io.
Est justo e contratada a compra da casa, sita
na ra do Fagundes, n. in da'qual he proprielaria
Joaquina Mara da Cnuceigno : quem se julgar com
direlro a dita cas, por qualquer titulo,' queira an-
nunciar por eslo jornal, no pra/.o de olla dias.
I'rccisa-sc de um Porlugucz de iilode para fei-
tor do um sitio, distante desta praca 19 legoal
na Iravossa das CrUzes, n. 8.
Casa de modas francezas.
y/. Millochau.
No Atexro-da-Boa-Vista n. 1, primeiro andar defron-
te do chafarla.
Pelo navio eaujeu, recebeu um lindo escolliimenlo de
chapeos de moda nova para senbora ehaposde pa-
llia aberta ; ditos de palba Inglesa milito alva e lina;
ditos de palba da Italia ; ditos de palba aberta ,
muito ricos para meninas; trancas de cores diver-
sas para cnfeites de vestidos ; I uval de pellica para
senliora ; cambrai.i de liiiho.sein mistura de algodao
rendas lisas de linlio ; lilas de ricas cotes para grava-
tinlias.de senliora ; ricos lils bordados pira vestidos e
veos de noivas ; flores e palmas ; verdadeiros bicos de
lindo braneos -, tiras bordadas ; lilas de todas as largu-
ras ; toucailos para enancas, etc. Na niesuia casa lia
sempre para o escolliimento das senhoras, um sor-
lmenlo de chapos de seda de todas as cores, toncados
c toncas para meninas : tanibem se fi/.rin veslidos de
noivas e OUtrol com proniplido e preco cnmmndo.
Precisa-sc de una inullier de bous
coslnmes, que saiba perfeitamente cozor e
engommar, para o servico de urna senbo-
ra, em urna casa de familia: na ra Bella,
n,37.
Precisa-se alugaruma pela de niela idade que nao
tenha vicios, e que saiba bem c o/.inliar, con. prar c
determinar bem una casa, ilando-ie o sustento e 10 rs.
mensaes : na na larga do Ro7.irio, n 32, ou annuncie.
-y Quem quizer roupa rngominaila com prompll-
> "liii c preco commodo, dirija-sc ao paleo do Carino,
dcfronlc do portao deSanta-Tliere/.a, n. 2.''.
Na ra larga do Rozarlo, padaria n. 48, precisa-sc
de uma pessoa que possa tr.ib.ilhar de massrira, e suli-
jeitar-sc ao 'mesmo tenipo a entregar pao na ra, para
o que dar-se-lia bom ordenado, prefeiiudo-se pessoa
que j tcnlia disso experiencia.
Alogam-se duas casas no sitio do Cordciro a n.ar-
geni do rio Capbar-ibe, conl excellentes coniinodos para
grande familia, cozinha fina, eslribaria, loxcira, casa
para criados, etc.: 01 prelcildentei dirijam-se ao paleo
do (.'armo n. 17, a Halar com Gabriel Antonio.
-Aluga sea luja n. 37, da roa da Cadeia do Recife ,
com fundos para a ra do Encantamento com armacao
propria para luja de fazendas : a tratar na inclina ra,
loja n. 45.
Aluga-se urna casa terrea na ra de Santa-Rita, jun-
to ao Sobrado de tres andares com dous quartos, duas
salas, cacimba sobre si e rom portan pira a ra da Praia:
a tratar na ra de San-Francisco, oulr'ora Mundo-No-
vo, n. 30.
OBRAS DE CABELLOS.
Fazenvsc na ra Nova, n. 30 toda a qualidade de
obras de cabello, como sejain : tranceln! para relogios
e lonetas', de dilt'crentcs modelos adercr,os, pulseiras,
brincos, alfinetes e cresccnlcs, etc.: ludo por preco
coininodo.
HOTEL-CQMMERCIO.
Esteestalielerimenlo, sito na ruada Cadeia da
f'pguezia de s.-Antonio na propriadeda n. 13, adia-
se augmentado de commodos mdopendenles o de-
centemente moliiliados para hospedes com fami-
lias e sein ellas e para pessoas que c^ijam menos
lialaiiuMiln. ti segundo ailar do referido eslabcle-
cimento olicrccc as precisas commodidades para
liailes e partidas. A posigilo da casa era siluagf.o
fresca c aprasivel vista e enllocada no centro da
cidado concurrerra a sor prcferivel a outrosesta-
bclecimenlosseinellianlcs. Os pregusserflo mdicos,
k cm relugSo as proporges que scollercccm.
Geonietria, geograpbia e Irancez.
Uma pessoa de irrcpjeheiisivel comportamento ,
estando habilitada cm geometra, geographa e
frailee? propOe-se a dar licOes das referidas mate-
s
rias n8o s em casa de stia residencia como na de
qualquer particular, ou pai de familia que se dig-
narem procura-la. Adverte-se, portanlo que llave-
ra o maior zelo e delicadeza no cumprimeuto doscus
deveres alm duque nflo s promovo o adianta-
mcnlo dos seus alumnos como prometi liavciido
a precisa habilitago, acompanha-los em seus exa-
mes na academia : quem, pois, quizer inteirar-se
melhor de outras condicOcs queira dirigir-so a
Iravessa das Cruzcs n. 8.
6

NOVO PAO DE PROVENGA. V9
l>ndc-j todo* i., diai. O
8 0 proprielano da padaria e pastcllaria franceza \
do Aterro-da-lloa-Vista. u. 50, desejando agradar W
Q cada vez mais aos seus freguezes, resolveu oB'ere- M
J; ccr-lhcs iii.i pao imc se fabrica cm Provcnca por J^
Cal
8wi-mci um pao que se turica ora riuvmya i*" ^-j,
um processu muito dill'erentc do ordinario, c que, \fy
^ exigiudo farinha das mclliorc qualidades, mere-
ce a preferencia do publico, pela sua alvura, \f
apure/a e delicadeza de sua fabricacao. /I
S se farao pues de id, 80 e ItiO rs., c sci fcil vv
conhcci!-los pela sua forma oblonga c cleganlc. O
Na iiiesma casa conliiuia-se tambem a vender p
Qi boliuhns para cha de todas as qualidades, c Um- Qq
^I bem a enfeitar bandejas ricas para bailes e sa- ^
yy r.ios. O
^5>-;S>--3>->$
\luga-so um inolcqiic para o servico de casa ,
o qunlcozinlia o diario de uma casa: na praca da
Independencia, n. 3.
l'reci&a-se alugnr nina escrava
para o servico interno de uma casa de punca familia,
que saiba bem ensaboar comprar na ra c cozinhar,
dando-se-lbo o sustento ,e 10,000 rs. mensaes: na
ra da Soledade, indo pela Trompe lado esquerdo,
casa nova n. 42.
-- Pcrdeii-sc, na madrugada do dia 87 do correte,
do pateo da Itibcira ale o Chora-Muni no um relogio
de caixa lavrada e com cadeias do o uro, viilro e mos-
trador blanco bordado : quem o achou e quizer res-
tilui-lo poder leva-lo ao seu dono que mora na ca-
sa n. 25 do mesmo polco, que ser recompensado.
A mancio Pires Gomes declara nao
dever pessi alguma n'esta provincia :
quem, pois, se julgar seu credor, luja de
dirigir-se a sen amigo Jos Manoel
Francisco Hamos, morador na cidailc de
Olinda,que ser promptamente pago.
Um homem casado offerece-se para cnsmar f-
ra da praca primeiras letlras o Francs: amadas
Agoas-Verdes, casa II. >t>.
UOANCA.
-5 l). \V. Hajnon, cirurgiao dentista, do Estados-
SBxTUnidoi, respeiiosamente noticia aos seus amigse
pcilavel publico, que tem mudado a sua residen-
cia da casa n. 40 di ra da Iruz do Iteeife para a de n.
86 da riiada Cadeia de Santo-Antonio, terceiro andar,
aonde ltimamente resida o retratista americano l'rfde-
rlckl, e aonde daqui em dianle o annuneiantc lera inul-
to gostu de receber os que precisaren! dos seus lervi-
cos professionacs.
Agencia de passaporles.
.\o pateo do Collegio, na loja de livros do Sr. Douia-
do, euconlrar-sc-ha urna pessoa habilitada para tirar
passaportcs para dentro e forado imperio, assim como
despachar escravos ludo islo faz-se por menos de
que em outra qualquer pessoa.
--Quem precisar de um fritar para tratar de algilin
litio ou mesmo para caixeiro de engenho, lano nesla
praca como lora della, dlrija-sc r ra do Encantamento,
ariiia/.eui. n. 11.
__l'rerisa-se de nina ama, com bom
cbastante leite: no Atcrro-da-Ba Vista,
loja u. 78.
DENTISTA.
Jl. S. Mawson, cirurgiao dentista acha-se rrsidindo
no Recile rua do Trapiche-Novo, 8, segundo andar,
onde contina a por denles miiieracs licando ineor-
ruptiveis e parecendo inteirainente como dentes natu-
raes : tambem tira a pedra, aqual, nao sendo extiahida,
em pnuco tenipo tanto arruina os denles; chumba com
01110, prata. 011 dentico para privar de augmentar a
corrupcao tambem lira, limae la todas as operacoes
denlicaes com a maior delicadeza possivel. Elle espera
que os elogios c o muito patrocinio que tem recebido
pelos beneficios que tem prodimdn na sua pralica du-
rante 8 anuos de residencia nesta cidade serao sarn-
iias sullicientes para as pcsioal que, precisando de sen
prestimo, nao o deixcni de procurar.
Compras.
__Coinpra-se 11111 molequede 12 a 14 anuos de bo-
nita figura, C que tenha boa conducta : 110 Hulcl-lann-
uiercio
Compra-se toda a qa< lidade de
pennas de aves : na roa Nova, defronte
da ConceicSo, loj n. 33.
Compram-se enfeitea de cinteiro: as Cinco-
Ponas, II. 8.
Compra-se urna mobilia de Jacaranda cm meio
uso: na rua do Trapicho, n. 6.
Compram-se 3 ou i barricas de farinha do rci-
uo avariada : na rua Helia ti 37.
Compram-se osaba de lioi : na rua do Codor-
niz, n. 8.
Vendas.
Vende-se um carro de duas rodos com cuber-
a de couro de lustro e be muito forte, por ser bem
frito e ter boas molas na rua Nova, cocheira n. 5i,
do Sr. Adolpho
Vende-se urna lipoia construida em Angola ,
em muito bom oslado : na rua da duz no Recife,
venda de Mannel Jos Concia u. 4C.
a rua de Agoas-Verdes, ti. 46,
vend-se urna mui linda mulatinha do 16 anuos, de
ptima conduela e com habilidades; um casal de
escravos, por 450,000 rs. ; urna escrava de 38 an-
uos por 220,000 rs ; 3 ditas para todo o servico ;
2 moloques de 18 a 20 anuos; um escravo carie i ro ;
3 bonitos moleques.
Vende-se um soph de Jacaranda : na rua do
Tamlii, n. 1*
__Vende-se uma cama com enxergao : na rua
estreiU do Ito/.ario, loja n. 22y
virgrm,
chavada do Lisboa no corrento mez, de superior
qualidade em harria de V arrobas, por prero enra-
mado : 08 rua da llooda armazem n. 1.
- Vende-se urna bonita parda de 95 anuos, que
engommat cozinhae faz alguna dores, por prego,
commodo/rna rua Imperial, n. 39.
Vende-se urna negrinha crioula, do honda li-
gura, que representa ter 16 anuos, sum vicios e mui-
to sadia, aqual sabe cozer, engommar bem, Ta/er
doces c renda, e he ptima mucama, por ser rero-
lllida : no llapicio, na primeira casa, passando o
quartel.
Biscadoa monatros.
Vcndem-se riacados monstros, a 280 rs. o cova-
do : na rua Nova, loja n. 26, de Tinoco r\ Rocha.
ptimo vinlio doce abalado.
Vende-se este excellento vinlio no armazom que
foi do fallecido Braguez ao pedo arco da Concei-
eao he Ifio bom ou mollior que o bom moscatel de
Selulul : o seu preco agradar aos compradores :
trata-se com Viriato de CarvalllO Tavares.
Vende-se um mubilinlio de II a 12 auno-;, mili-
to sadio e esperto proprio para aprender qualquer
ollicio i no caes lo llamos, casa da esquina piula-
da de encarnado.
Vndese uma secretaria moderna com dous
gavelOes, e puxadores decrystal : na rua da Con-
cordia, n. 35, primeiro andar.
-- Na rua das t'.ruzes, n. 22, segundo andar, vcn-
dem-se escravos sendo : um Crioulo e. outro de
naco, de 30 anuos ptimos do servico de campo ;
duas esclavas, urna parda e outra crioula de 26
aunos, queengommam, cosom ebrio, cozinhara o
11 va lll de sahao ; una negrinha de 8 anuos, muilo
ladina e linda, com principios de costura.
-- Vende-se una escrava do trinta e tantos au-
nos,, sadia e robusta, que cozinha bem o lava rou-
pa: na rua larga do Ito/.ario, n. i8, primeiro andar.
-- Vende-se, na loja de trastes do Leal, no Aler-
ro-da-lloa-Vista, um piano bastante usado, porem
devozes muito boas, o urna secretaria tambem
vclha.
mmmmmmmmmm
No Aterro da-Boa-Vista, loja n.
78, vndese marroijuim nniarello a 1,76
ts. a pclle.
-\ ende-se urna linda pre.a de 20 anuos ptima en-
gommadelra, com urna cria de 2 auno, multo linda.
un.adit.de l5annoi, que cose multo be m ni
lalinha de Hialinos; um ...olele de .ihumIc
nos bom coslnhelro e opeiro um mol..pie d 1)
noi 2/preuupara todo o icrvico um i,,ldo *\'.r"
con. oltieiode allaiale ,e que he bom cope.ro Uin dito
de cOr clara do muito boa conduca, c que he multo
bom pagem e mais alguna escravos > na rua oa
rangeiras 11. 14, segundo andar. ",
-\ende-,' a venda do largo do Pilar n. 15, am.FO.-
ra-de-PorUI com commodos para tamil.a e com pou
eos fundos, propria para qualquer principiante',, poi
O dono deste esl.ibcleciiueiilo,vendo-se em Cir-
cuinslancias de Ihe ser preciso rcllrar-se para a
t Kuropa precisa primeiro pagar a seus eredo-
Ircs.e para elliituir este pagamento 0 mais
breve possivel, olterece algum abalimento a
i si'.is devedores que quizi re.11 saldar mal eiiu-
I tas i assim como lem resolvido vender todas as
1 fazendas por diminutos precol, a s .lie. : pecas
I de madapolao, a ig j^MM), 3/200, 3^500, 3>700,
i M'.uiilr -V rs. ; ditas de chitas ricuras, luase
i entre-unai, de cures flxas, a 4/800, fi#, ooOU.
1 0/e 0#00 rs. ; ditai inulta superiores, entran-
j do ligninas de coberta, .11f rs. a peca c a 100
I rs. o eovado ; alpaca, a800 rs. lila larga, a .su
I rs.; cazoleta pela \#rt. ; los linos c eran-
des de linho, a 0*400 7# c //.'lOO rs. ; chales
j grandes de garca a i#;'i00 rs. ; dilos de cila a
j 800 rs. ; vestidos de canihraiaconi blcoe renda
I de superior qualidade, a 3# rs inanias de cani-
j braia para enhora, a 1/rs. ; luvasdc pellica,
[ seda c algodao, para homem, a 330 rs. ; pesco-
I cinhos c golas de bonitos goslos, a 240 c 320 rs.;
1 bicos fraocezei, inglexcieda ierra ,ealguna de
j de seda pela, a 180, 160,800, 210,320, 4(10 c 040
) rs. ; lencos de cassa par grvala a 200 rs. ; li-
stos de miiilas qualidades para liomrm e se-
nliora a 180, 200, 240, 300, 320, 360, 400, 4Sll e
560 rs. ; suspensorios ;i 40. 120 e IttO rs. ; ditos
! linos de borracha a200, 240 e 360 rs. ; garca
! de seda mullo larga com llores dourailas a 240
j rs. o eovado ; cassa da India,a 400 e 1S0 rs. a va-
ra ; merino lino c entre-lino a 1/800 SsOOO e
: 8/800 rs. pannos linos, a 3/800. 4/ e 4/00 rs. ;
e outras multas fazendas que nao se aununciam
j por oceupar milito lugar as ipiaes se veudeni
! indas anda mesmo coni grande prcjulzo s
alim de se acabar com 0 dilo estabelecin.enlo ,
i o qual tambem le vende no estado que se acha,
havendo quem o queira comprar anda nies-
I ino a prazo com leltras de firmas que agrada-
j nal a seus credores.
H.MHiiai'n'Uiaii
m
^jf Veiidem-se pipas vasias oharrisquo fornm
de vinho o de loucinlio, por prego commodo: no pa-
teo do Terco venda II, 7.
~ Vende-se, ou troca -se por lijlos do alvenaria
grossa, ladrilho, tapamenlo e alvenaria batida, urna
canoa de mil lijlos mu tu boa e com pouco uso:
a listar com Manuel Antonio da Silva Mulla na rua
ila Cruz, n. 32.
Vcndem-se cobertores de algodao americano,
proprios|para escravos, a 700 rs. cada um; pecas do
ganga azul com 13 COvados a 060 rs. ; pe^as de al-
godao azul da India, de i\ covados, com qualio
palmos de largura a ,800 rs.; algodao trancado de
xadrez a 180 rs. o eovado e oulras muitas fazen-
das por barato prego : "n. rua do Crespo, n. 10, lo-
ja do Jos Joaquim de Froitaa Guimarilcs.
-- Vende-se urna venda com poneos fundos, ou sem
Cites, com bonita armaefloa moderna, por barato
prego, na rua estrella do Itozario n. 8: a tratar na
mesina venda, ou na rua Direila, n. 76.
Vende-se uma preta de 15 anuos, propria para
mucama, por ser muito linda e rccolhida e quo
sabe bem coser marcar, engommar c fazer lava-
rinlo : na rua Nova, n. 21, primeiro andar.
Vende-se um cavallo anda novo.com boas car-
nes proprio para ambas] as sellas : na rua de
Agoas-Verdes n. 39.
-- Vende-se uma salta dous castigaos e 6 garfos
de preta sein feilio e mais urna porgiio de prata ve-
Ita : no pateo do Carmo venda n 1.
- Vende-se uma escrava de 13 anuos, de bonita
figura, de nag;lo Costa, (fue cozinha o diario de
una casa c lava de sahfio ; na rua do lamba, n. IS-
Vendo-so,' por preciso, urna crioula do I!) au-
nos, com um (libo pardo de um auno : nesla lypii-
graphia.se dir quem vende.
Vendo-so cal virgen de Lisboa muito nova,
para fabricar assucnr : no armazem do Sr, Antonio
Aunes, defronte do caes da Alfa 11 doga.
Vendem-se dous pianos fortes de Jacaranda ,
cliegados ltimamente, que, alm de seren um
magnifico ornato do urna sala, leem excellentes
vozes sendo o mcclianismo da milita approvada no-
va invengilo, chamada repitidor patente do Col-
Isrd : cm casa de i. Keller k Coinpanhia na rua da
Cruz, n. 55.
^
! MUTILADO
eos luimos propria par qii.ui|uci i.....-.-----;.,.
ser muito afregueada outra dita com poneos unuos.
com commodos para familia sila na mesma rua ,1. J-
lodo o iieRocio se far : a tratar e.im lose \ cenle ui 14-
COc.o si- iai .' >.. *..... -
.na, ou com OnoCre Jos da Cosa, nos rmaseos aa
elcadinba da aifandega, .
-- Vende-se salitre retinado le minio boa quali-
dade : em casa de Claudio Dubeux na rua das l.a-
rangoiras, n. 18.
Vendem-se stecos com farelo, pelo
t.r,n i-a it i nn da
barato preco de s '|O0 rs.
Sanzalla-Vellia, n. i38.
-- Vende-se a armacao eom lodos os teui pe. lences ,
da venda da rua do Codorniz n.0, no I orii'-do-Mitlos,
por barato preco: cen separado se retallis na mesma,
louca Ingiera lorlida a 900 rs. a du/.ii; c u tei de clil-
carai, a 1/400 rs. vinho do Porto a ion rs garrafa,
muilo superior.
___policial elementares da homnspathia nn manual
do faiendclro, do capullo de navio edopal de familia,
contendo a acco de 21 prlncipaes medicamentos ha-,
nneopolhicos, I rol. Organon de llalinrniai.n, ou ev-
poiicao dasdoiurinas homoeopathlcai.
Vende-ie na casa n. I da rua da Cruz, 2 and..,
por coniinodo preco.
Vende-se um carro de quatro ro-
das, anda novo e do muilo bom goslo,
mu seus competentes arreios, por preco
commodo : na rua da Aurora, n. ti.
Vende-seo deposito de refinagiio de assucar da
rua Direila, n. 54, com poneos fundos, 0 por prego
commodo a tratar no mesmo deposito.
Vendem-se duas Irhhas de ca.nassari-earun-
cho com .", palmos de comprimenlo : a Miar COIII
Joflo Venancio Machado da Paz em S.-Anna.
-- Vende-se a venda do beeeo do Lobato que ven-
de de 10 a 20,000 rs. diarios, com POUCO fundos :
vende-se por seu dono retirar-sc para fra : a tratar
na mesma venda.
Vendem-so.60 palmos de Ierra na Solodade : na
rua de S.-Colgalo, n. 13.
-- Vendem-se -l escravos sen lo um moluqut de
18 onnos e oulro de 30 anuos, por preco muito
commodo por haver grande precisan: ni rua Im-
perial, u. 3.
Na loja (I i rua do Crespo no p do or-
co le S \ nloiiio. n i A,
lo 15cardo Jos do l'rcilas Itilieiro vendem-se cor-
tes do chita com 10 covados, muito linas o escuras,
pelo barato prego .le 1,600 rs ; ditos de eainbraia
pintada a 2,000 rs. chapos de crep para senho-
Ofa muilo bem l'eilos e de bonitas cores a
.uoo rs. ; corles do cassa de barra blancos e do
cores os mais bonitos que leem apparecido neslii
praca a 5,000 rs.; cortos de fustflo pa*a rollete, u
500 rs.; cassa do cores com palmos do largura, a
240 rs. o'eovado ; um sorlimeoto de pannos linos
de todas aseles muito bous e baratos; 0 outras
militas fazendas linas.
Vende-se una escrava crioula de 30 e lanos
anuos, quo cozinha, faz doces, lava, cos'com mili-
ta limpeza, faz todo o arranjo de uma casa eengoui-
ma ptimamente, e ao comprador se .lira o motivo
por que se vende : na rua doCollegio, venda da es-
quina, do Sr, Sobral, so dir quem vende.
Vendem-se caixas de vdro para
ioias, toilas guarnecidas de podras, pelo
preco de 2,000 a 4iuo vs-: "a lja ('e
francisco Joaquim Duarte, rua doCaltii-
g. n. 1 C. a mesma loja vendem-se
tons escravos por preco commodo
-- Vende-se una parda moga, com habilidades:
na rua da Iluda, 11. I.
Vende-se um encllenle caudivde por prego
commodo: na rua larga do itozario, Mrica di
charutos n. 32.
-- Vendem-se pipas cbarrisqu" loram de oleo do
iinhaca : na na larga do Hozarlo, 11. 36.
Vende-se um cooiro de casimira bordado: as
Cinco-I'onias II, (it-
-- Vende-se uma pela do boa ligura de 22 a 24
anuos que cozinha bem o diario de urna casa o lu
muilo cuidadosa do arranjo da mesma : na rua do
Queimado, n. 39.
Vendem-se poldrus bem augurados ptimos
para engenho : na Iravessa das Ci u/es n. 8, 0U em
Caraha, engenho na comarca do Nazarolh.
-- Vende-se um cavallo novo ala/o com bous
andares e quo est bem gordo: em Fra-do-Por-
las, sobrado de um andar 11. 13.
- Venden.-se 4 porras milito gordas o do muilo
boa qualidade, lauto em tamanlio como um prodtlC-
gao : na rua de .S.-francisco na loja do sobrado
11. 66.
0?V9 vyVVv'WVVv v v'vv I v *
** 1 S
i> Vende-se pinino de isrodSo *
> B <5
p> da trra, a aoo e 220 rs. a vari :
f? na rna doQucimatlo, qu./tiocinlos, ^
> loja da casa amarella, 11. xg
% <:
#liiftAAA.*AAiaiAA#**A-'iAA *4 A ft?
Vendem-se charutos superiores, do todas as
qualidades e muito bom fumo para capas dos ditos:
IIO pateo do Carino, fabrica n. 43.
Vende-se, em casa de Kalkmann e
Hoseniniinii, rna d 1 Ornz, n. 10, espa-
das p ira olliciaes, muito ricas; asim co-
mo bridas de cavallo, de metal hranco.
Vendem-se pegas de mudapolo com 20 varas,
muito largo e muilo lorie a 2,800 rs. e a retallio
140 c 160 rs. 1 chitas muilo linas e do ramagens para
Coberta a 160 rs. : na rua do l'asscio, loja ti 17.
Presuntos inglczes, pelo ultimo na-
vio, milito bons e baratos : vendem-se na
rua do Trapiche, n. 4o-
'/



ha de receberos seguinleu
Vende-se un palanquim u bom ikci na ruado
Queimado. n. 3.
Vende-se a casa terrea sita na ra do l'adrc-Flo-
li 111,10 n. 93, com comilia fra bom quintal e com
bous commodos para l.iniili.i :_a tratar na iiii'sma casa.
Na ra larga do Rotarlo nadarla n. 48, vende-se
excellenta pao, relio da luperflua farlnha fontana a mc-
Ihor que tem rindo a este mercado; lainhein se da do
vciidagem a pelas com responsabilidade de scus eolio-
rcs.
-- Vr-ndeni-se dous inolcqucs de lindas figuras ; 4
pelos de 20 a 25 annos bastante robusto; mu pardo
de 18 anuos proprio para pagein ; uiua negrinha de l2
anuos perfeila eostureira de lavarinto e marca ; un
prelode inea idade por 220/rs. 4 prctas toni habi-
lidades; un pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4.
Nao lia t|neni venda mais haralo.
N endeni-sc cortes de cassa de cores seguras c bou?;
pannos pelo diminuto preco de sele patacas o curte
coin e lucia a sele varas ; curtes de caiubraia de cores
iara vestida a nove patacas padrocs do boin loui ;
nenda de linho lino, ptima para vestidos e roundes de
senhora, a 48n rs. o covado ; oassa de quadros e listras,
a 2^al rs. a peca de K varas e niela ; chitas b*as, a 1-10,
160, )80, 20(1, 220e2-iOrs.o covado, e a 5*200, ..-41)0 c
0*200 rs. a peca c de raniagein para cubera a M0 o
,\ ido, c ,'i -.'(Id rs. a peca; sarja preta de boa c|iialidade e
larga, a 2/rs. o covado ; oailueta pnta, ptima para
palitose calcas, a 1/200 rs. o covado ; panno de cores
iiicsclado a ty.'iOO rs o covado ; cones de fuitfio bron-
co e de cores de lions padioes, a 800 rs. o corte de fol-
ete ; castores para calcas, a 240 c 280 rs o cavado ;
liaiiiburgo a 200 rs. a vara; corles de rolletes ; casi-
miras pelas e de cores ; grvalas ; pannos linos entre
files pelo, azul i verde de boa qualidade .i 3/200 rs. o
COV ido alpaca ; merino mad.ipoloi s ; algndes haiu-
bui gol bramantes brelanbas de linho e de algodao ; e
outrasmuitas (atendas por menos preco do que em
Ol Ir i i|iiali|iier luja : na ra da (.adeia do llecil'e n. 50.
--Veiiili'-se un lini gi.iu.lo de car roca ; mu novi-
Ihotce algo mas vareas sol luirs : no sitio (|iie Coi da
!>lailii'-cle-lei)s, em Cruz-do-Almas. No mesino sitio
tambetn so venden) ps de plantas, arbustos', arvo-
es de llores flores para bouquotes jarros e restas
le ipreja.
--Voiiilein-sc ditas prctas que engommam c cozi-
nliam ti diario de tima casa, sendo tuna dellas boa
doccira ; duas prctas de nacfio urna de 14 minos, e
a otitra de 20 ; duas pretns de mcia idade do na-
gilo, boas quilaiidciras o tima dellas enzinha mui-
to bciii o lava de salino e varrella ; mu preto de :I0
annos boro ganhador; um pardo alfaiato de 21
uuiios: na rua Bella, travessa da Florentina, n 26
No p:ileo do Coilegio, laja nova de livros,
n. 'i, de JoSo da Costa honrado, ara-
livros:
Compendio elementar de grammalica portuguoza ,
por Carlos A. de I'. Vieira leroeira edi pai a uso das escolas por preco muito commodo ;
Knsain sobrea orlhngraphia porlugueza por Carlos
A. de F. Vieira muito prnpno pina os meninos de
psimeiras letlrat, pelo diminuto preco de l rs.
Na ra do Trapiche Novo, n. 11, arma-
zein de llchrartl & Companhia ,
vande-se vinhode Dcrdeaui, cmquariolas o Barra-
ras de diversas qualidades ; dilO Chateau-ia-ltosc j
dito hcoville ; dilo S.-Julien ; dito graves ; dito sau-
terne; dito barsac ; sgo'ardenlo de Franca n cognac
superior; clierry-cordial; marrascliioo; licores fi-
nos ; ptima champanha de diversas qualidades:
tambera se recebcuda Babia urna porrjilo de charu-
tos regala os melliorcs que leem viudo a esle mer-
cado; azeite doce fino, da marca Plagnol; herv -
Ihas a sardinlias cm latas; mostarda ingle/a e fran-
ceza ; frtelas em vidros com calda de assucar e de
icor; agua do flor de laranja ; queijos londrinos; e
loutros muitos gneros: ludo recen lomen te ebegado
e de superior qualidade.
POItQUE QUERIS PADECER?
PORQUE
desprezuis aquellos symplomas precursivns que vos
est annunciando que lio necessario algunta cou-
sa fa/er, para salvar-vos do lumulo do phlysico *
PORQUE
animis essa perseguidora losse a dr no costado ,
tianspirafOos nocturnas cfforvcscencla dosanguc ,
cu diulculdade na rospiracilo '!
PORQUE
acarinhais c animaos a molestia que est consumio-
do vnssas parles vitaos redtizindo diariamente vos-
sas fincas e pressurando vossos passos para aquel-
la mandilo donde o viajante nucen volta1 Appres-
sai-vosa buscar a nica cura para a plilhvsica.que lie
obem conhecido XAROPK l><> BOSQUE, que, pelo
penco lempo que lem itc importaran ncsle imperio ,
lem rcito curas extraordinarias e milagrozas, puden-
do ser applicadoa mais delicada crianza. O deposi-
to lie na ra do Trapiche, n : i e lamliem voildc-se
mi ra da Cadeia do Recito, luja de miudezas, n. 9,
a 5<*j00 rs. cada garrafa.
Alpaca alrorlioad., a 8oo rs. o covado,
vende-ie, na luja qtte faz esquina para a ra do Colle-
" sSt t.niiipaiiliia, a nova alpaca
< I.isba fazenda uiteiramente
la e cor de caf, de 4 palmos de
eco de 800 rs. o covado.
to erioulo de 10 a .'12 anuos, com
ue lie de buuila figura : na Cain-
meteado, c pefr preco mais Iiaralo que em
onlra qualquer parle : na rua da Cadeia
Hecil'e
i <
n.
5o.
V'ende-se o verdadeiro xarope do
bosque, viudo do Hio-de-Janciro no va-
or Paraense: m rua da (Cadeia do Reci-
e
, botica de V..). de Brlo.
Lotera ilo Rio-de-Janeiro ,
aos 'jo:noos'
de ris.
Vendem-se bilheles e lucios dilos da lerceira lotera
a benelicio do hospital de< aldas da provincia de S.-Ca-
lliarina ; na rua da (.'adeia do llacife loja de ferra-
gens n. 56.
Vende-se urna pela ptima eozinheira e 011-
gommadeira : na rua das Cruzas, o. 39, terecrio
andar.
Vendeni-st canivetes linos ; te-
somos de indias e le costura : ditas de
ill'aialcs, licitas em (uimaiaes; sacarro-
1 has de patente ; cainpainhas de cores ex-
quistas J machinas para illiozes a 1,200
; ci.slicaesde vidro a a,400 rs. o par :
l.'j.i
. n.
tle qiiado portas da rtl do Calni-
1 C* do Dtiarlc.
gio n. de Guini
alcochoada vlnd
nova nesta clda
largura, pelo b i'
--- Vi'nde-se ti
otlieio de CBIIOCll i
Zioa-do-CarinOi n
Vende
band
UM),
a mu
se
par
rica espada, tuna
a e um
e muito em
oflicia
nina
d
conta; ludo pertencenlo
superior : na rua da Cadeia
e dragonas, com ponto
'sntigos riscados monstro.
Na loja de GiiliunrA^a & C, rua do (ircs|>o, vrndrm-se
s hi'iii conheeidos riscjdoa monstrui de padrdefl inulto
inoderiioi. c f|iic [com ijuasi 11111,1 rara e largo,pelo ba-
rato preep de 320 rs. cada tini rovado.
Venuein-tfc sacca com iiiilho, a .'t^'200 ; jo^os de
bancas de ama relio lavatorios e toucadorea : nulo no-
vo v Ixin fi'ilo, c jmi' h*it 1(0 prreo ; na rila <\a Cadeia
le Santo-Antonio, arinaaem n. '21.
Vendem-se aeges da cx-
(nicia companhia de Pernambuco
e Parahiba: no escriptorio de O-
liveira Irmos & C, na da Cruz,
a. 9.
Vendem-se Itoles amarcllos
tutos ordinarios
ditos pira cavullaria
nos,
para
dilos pa-
s
ditos
de I'. II.
casacas ;
ra inlant .ria ; ditos para libr de pagens,
brancos e amarellos ; ditos pretos de bo-
nitos padros ; ditos de vitlio, para enfe-
tes de toiipas de menino : na lofa de qtia
tro portas da rua doGabug,n. i C. do
Duarte.
r'ARINHA DE TRIESTE.,
marca verdadelra SSK,chegada ulliinamenle: vende-se
em case de V O. Kieber k Companhia, na ruada Cruz ,
11. ).
Fazenda de algodo para llioa
llias.
eia loja de Gulinardcs St C, na do Crespo, u f, veu-
dc-sc a excedente la/.enda para toadlas de algodo,
trancado hranco, com 8 palmos de largo, pelo barato
preco de Srlll ra. a vara.
Vendese cal virgem de Lisboa,
chegada no ultima navio, em barra pe-
queos, por menos do que em ontro quil-
quer parte na rua do Trapiche, onna-
zein n 17
Vende-se, por preco commodo, muito superior sal
do Assu' : a tratar na rua da Mocda n. II, com Silva S
Grillo.
FARELO
a Isooo rs. a saeta
nos armasen* nt. Ic.'l do caes da \lfandega, e no dr
Mi da ma do Amoriui, de J. .1 Xassn Jnior,
Vcndem-sc queijos londrinos de superior qualida-
de .' na na do Trapiche-Novo n. '22 casa de llebrard
Si Companhia.
Riscados mnnstros.
\ endein-se superiores riscados uionslros, j heni co-
nhecidos lauto pela qualidade como pela largura em
demasia, pelo barato preco de 280 ri, o covado. Estes
risoadossao chegados uliimamcnto : ascArcssSo lixas,
e os padioes muito niodei nos e de houi gosto na nova
loja da Kstrcila da rua do Collcglo, n. I.
"W '"
oih/oji op e8JV| i'ii.i cu : 'ola 'BAoas-.i sim||c.m;ii'ej
-nos.) OUIOJ i;q.n:(| ir j.r/oj cjed oiivssaaao o opu.ij
-lio. UU90|A BJBd sei.ldnid scji.i|ji.'.> seuess.MJil su
iii.ipn.iA js uiaqtiiui: oaafqo janb|enb no upiuzej janb
-lelil 4lmji!iii t'fo| no oi.i.i.iMiiiio.i ,ip tst.i j,iulip;nli
cjuiI ai.iiMS mu moa sc.iiipliModSi suxum seucss.i.i
-.ni oiiiiiii se o.Vud oinuiMiip ,i)s.i jod js-iu.ipu.)\
SJ Sly JO
Vendem-se alfes de o uro verda-
deiro, de lodis as larguras, c mais barato
do que em otitra qualquer parle : na rua
tos, por |n e. o o mais rasoavcl poiiivel: trala-se Da rua
do Aragao, n. 27.
Cal virgem.
Vende-se barris com cal virgem vinda de Lisboa ,
por preco mais baratu do que em outra ipial |iu i parte:
na rua da L'adcia-Velha, arinazeni n. 12.
A 1/000 rs. CADA UM CHALE.
INa loja que faz. esquina para a rua do Coilegio n. 5 ,
vendein chales de larlataua grandes e de padries cs-
i ni n- pelo barato pi eco de mil rs. cada um.
Casimiras elsticas.
Vendeui-sc superiores cortes de mcia casimiras els-
ticas de pura lia, pelo barato preco de 2^)00 e 3/000 r.
O corte de calva : na nova loja da estrella, da rua do
Coilegio, n. 1.
Vendein-se no arma/.ein que lm do fallecido Bragucz,
ao pedo arco da Concciciio, ceblas saas e solas, pro-
prias para gaslo de casas particulares, a ,r>00 rs. o
rento.
CHV'HYSSON,
de opiiina qualidade a 2/2'iO rs. a libra: na rua da
Crua no Rrcire armazem n, l'-i-
j.g -u cii.ii 7ii | pp BtjB| vnj bu : opom
-moa oijid aod 'soiaafqo so)mui soj)no a saao[j a sbaii|
sbiji op sapepqunli se sepo) ouioa tn.iq I jcpjoq a jas
-03 ejed o)ii,mii{)jos o opo) uioa sB.ii.ijjca ma iiiaquiB)
! SB7,I.1ULJ| SBIII) SIM||ll1e SIMI.iptpj.lA SB .is-lll.ipil.l \ -
-- Vendenise lellias tle vidro,
e cadinlios
do Brum,
\
para ourives : na rua
undico de Mesquila

no liosario, n
1 Vende-s
',
de Sanio-\ntonio, casi n a5,
Vendein-se, no armazem uue loi do linado dragues ,
superior Trelo de Lisboa a 4f rs. a barrica.
Vende-se, no armateiu de Dias Ferreira, canaslras
com hlalas e ceblas em inolhos e despencadas, por
i i coinmodo.
Flruilno J. F. da Hoza vende exccllenle vinho ve-
Jho da Kigueira, qur em barris, quer em pipas ; cera
lavrada de Lisboa, de diversos lamailhos, e lindos vasos
jiara jardini
Vende-se cal virgem de Lisboa cm barris de 4
arrobas chegada pelo ultimo navio, por preco commo-
do : a tratar com Aducida & Fonseca, na rua do Apollo.
A .s'ooo rs. ,
ancorclas com azeitonas superiores : ven-
dem seno caes da Allandega armazem
n. 7, tle Francisco Dias
--- Kiidi-M- :*-n ni- t un i n p i t -(
Jlio de superior qualidade; ifueljc
Voni bolachinlias de ara ruta inulta
'erreira.
Gal virgem.
Cu'nlia it. A M,o jni leem para vendei
coras com
mais nova
an-
l\ arrobas de ca de Lis! a, da
e mellior qualidale que lia no
se cera de carnauba em porcao e a reta-
os londrinos ; latas
to novas a 2/ rs. ;
latas com sardiohas i dilas com 4 libras de murinelad.i ;
ditas com figos: tudo por preco commodo : na rua da
Cru/., no Recite, n. !().
Vende-se arroz de casca ; niela! ue algodao feitas
no Corlo; cera do II io : nido por preco eoiiiiuodo : na
rua da l'raia arina/em n. 37.
Vendem-se barris pequeos OOlll cal virgem de Lis-
boa a inaii nova que ha i(o mercado, por preco coni-
inodo : na rua da Moda armazem n, 17.
%%W%BW
*&!/ Na rua Nova, n. 7, priineiro andar, vendein- (
le varios trastes por commodo prc9o por'o ,/r*.
dono retirar-sc delta provincia $?,
3 J O) #) B& g 0 O
.'OTASSA.
No deposito da ruada Cafieia do Recite, n, 12, ven*
de-ic inulto aova eauperloj potassa em barris peque-
nos, por prefo mais barato do que ltimamente se es-
lava vendendo.
Vende-se Ulna casa terrea muito grande, sita na
run da Mangueia, na Roa-Vista, n. 11, com graedes com-
& I) ti Ira.
Vendem-se pecas de madapolao com 20 varas,
multo largo e forte a 2^800 rs. e a 140 rs. a vara ; chi-
i.isde ramagcni para coberta a l(ii) rs. o covado ; ditas
cor ile rusa, a Itil) rs. ; e outra! fazenda!0 mais barato
possivel : na rua do Passeio-Publico loja n. 17.
Vende-se um alambique novo de cobre com lodos
o cus pertenec ; um reloglo saboneta de onro com
correntc luilia : na rua da Cadeia de Santo-Antonio,
armaiem, n. 21.
Vende-se na ruaca da Independencia, na loja de
eucadeinacao n. 12, o testamcnlo que fez um infeliz
cao sentenciado a pena ultima ; a peleja da alma com
o iliabo e San-Miguel, e a revolucao de l'eruambuco cm
|S|7.
-- Vende-se um preto de boa figura que emenda de
plaiilacocs e lie muito diligente para qualquer servifo,
ua rua Uiieita, n. 03, segundo andar.
Vendein se chapeos de pallia, da
Italia, [tara scnlioras e meninas, a 1,200
rs. ; birretes de padre e gollas de diver-
sas fazendas : bonetes pretos, de velludo,
a 960rs. e de panno piscado a 0\o rs. ;
lencos de garca a 1,000 rs. ; dilos de gr-
vala a 1,000 rs. ; luvas de algodao, de cu-
es, a 200 rs.opar; ditas de pellica, de se-
nhora, a l,ooo rs. e para bomem a 1,600
rs 5 llores para enfeiles de chapeos; bicos
do PorlOj de looati/(oo rs. a vara; dilos fi-
nos, Irancezes e
inglezi
' fe
'aloes brancos
e amarellos, finos; tutos ordinarios ; es-
piguilbas e rendas ; volantes largos e es-
treitos ; espelhos de parede a 1,000 rs. :
dilos de augmento a 800 rs. : na loja de
quatro portas da rua do Cabug, n. 1 C. ,
1I0 Duarte.
Chrquemaa barateira que rllA lando ludo muilo barato.
Linas de pellica para boinem e senhora ; caixas de
tartaruga a2/ra. muito finas ; abotuaduras de casa-
ca, muito ricas jarros de banha franceza muilo ricos;
boas facas com callo de marfiui ; divas para homem c
senhora a 100 rs. o par linhas linas de 200 jardas;
agulhas francezai, muilo finas ; tesouras muilo linas
para costura ; escovas linas para cabello c facto ; papel
de todas as cores; sabonetes para barba em caixinbas
linas ; linhas de meada para bordar, mullo linas ; ben-
galas de haleia lina ; dilas de junco : nielas de seda .
brancas e pelas para senhora ; dilas prctas para pa-
dre luvas Inancasde dous lios proprias para andar a
cavado a 2S0 rs. o par ; delas de tartaruga muito ba-
ratas ; agulheiros de vidro mili to linos ; dulciros de
porcellana muito ricos ; litas de seda largas e ricas pa-
ra chanda! de palha : ludo por barato preco: na rua
larga do Rozarlo, n. 2(i.
Chocolate amargo de musgo islndico,
ou thesauro do pcilo, preparado por
Mr. J. i;.c.
As all'eccoes do peilo oll'erecem todas um symptoma
geral e constante. A tosse essa doen;a IO conimum
quando deicuidada, tan graves sao suas consequencias
qiiauto parece ligeira em seu principio, tao matadora
por si su como todas as outras doeneas que consoiiiein
a especie humana nao linlia para combale-la e destrui-
la um medie iiienio especial e nico. Tallas as pastilhas
c xaropes queticiii apparecido et boje, leem sido im-
potentes.
Nao (em acontecido
islo com o chocolate de musgo
preparado por J. O, <). O principio que forma a sua ba-
se principal oll'ereee propriedades inconlcslaveis e re-
couliet 'idas depnis de muilo lempo, e iiingucm ignora
os feli/es resultados da sua applicacao em todas as
phleuuiasiaiaguda, ou chronica, do pulmfio, afTec-
c.iodo peito phlisica, delluxo, tosses etc. para dar
tom ao estomago abrir a vontade de comer conser-
var as gengivas e o bom alito matar as lombrigas ,
principalmente as enancas
Toma-sc puro mascando-o, e pode-se tomar tambem
combinado em agoa como outro qualquer chocolate, e
com leile (omando-sc nina das dses mareadas eni
una chavena dos ditos liquides ou mais de una con-
forme a gravidade da doeuca.
Vende-se nicamente na ruado Queimado n. l, lo-
ja de .lose Dias Siinocs.
-- Vende-se vinho do Porto muito superior cm
pipas e barris dequarto e oitavo, proprio para engarra-
far ; dito mais inferior tambem em pipas e barris de
quarto c oilavo ; cevada pnico ; penetral de arante
relroz do Porto, sonido ; fechaduras para portas de ar-
mazem ; coeiros de algodao ; pillas |da familia ; anco-
rclas com a/.eiionas meiasde linho c de algodao para
homem ; panno de linho: ludo por preco commodo na
rua do Vigario n. 11", casa de JFrancisco Alve da
Cunha.
A loja nova de livros do pateo do Coi-
legio n. (), de Jouo da Costa Doma-
do, acaba de veceber os seguintes li-
laos :
Obra ae ferreira Itorqet, Diccionario jurdico, Cdigo
OOlumerclal portugus, Fonle prxima do cdigo com-
inerclal, Contrato mercantil, lnstiiui(ao de direito cam-
bial, Comentario! acerca dos seguros matrimos : l.nba.
Notas de uso platicas e criticas, llaratt Carneiro. Direi-
to civil de Portugal, Gullera finio. Tratado do testa-
mento. Cottha ila Hucha. Direito civil, I.ii Ttixeira. Cur-
C. ihnezet. Pratlca dos inventarios c jui/.o divisorio ; as.
mu como Reporlorio commercial por um amigo ma.
gislrado. Assento da casa de suppcacao ; muitas difl
remes novellas e romances entre estes o Judeu errante
a Salarnandra vende-se por pr*9o muito commodo.
Vendem-se fazendas, por menos de set/vl
valor na loja dos Qualro-Cantov da
rua do Queimado, n. 2o,
lirm como : luvas de seda prctas e de cores para se-
nhora, a 320 rs. o par ; sarja larga de laa de cores a
800 rs. o covado ; corles de caifas de casimira de cores
a li..- rs. ; chales de cambraia bordados a 640 rs. ; rj$J
cados ii .un, .utos americanos a 160 rs. o covado ien~
fos brancos com cercadura de cor, a 200 ra,; corles d>
cambraia de cores fixas a2/rs. ; dita de quadros mul-
lo lina, a 320 rs. ; ila de flore! a240 rs. o covado; cas?
tores para calcas a 200 rs. ; brins lira neos de listras j
300 rs.; chitas brancas de llores, a 120 rs. o cnvad'g
melai para menino a 160 rs. ; dilas para senhora j,l
240 a 500 rs. ; dilas para menina! a 320 ri. o par ; i,._
eos de seda preta de 1/a 4/ri, ; suspensorio! de fila"
a 120 rs. o par; venidos de cambraia com babado, j'
superior qualidade, a 3/ rs. ; guardanapos para chij e
S00 rs. a duzia ; ditos para mesa a 2/000 u.
Yendem-se 2 lindos moleqnew, sem
vicios, nein achaques, e proprios de todo o
servico de casa e campo; urna mulata de
i) a 18 annos, de muito boa figura,eostu-
reira e engommadeira; c um casal com
urna cria de 16 anuos, pouco mafj 011 me-
nos: na rita do Crespo, loja n. a.-i,sertir
(jiiem vende.
Vendo-sc um relogio horizontal de ouro,por preco
coinmodo: na rua Nova, u. 21-
Vende-se nina escrava do gento de Angola, de
mcia idade, sem achaque, hbil para todo o servico, e
por preco coinmodo : na rua Imperial, n. 45, defronte
do viveiro
Vendem-se esteiras de palha da
Italia, para forrar salas e camas : no Ater- '
ro-da-Ba- Vista, loja n. 78.
Vende-se, na rua do Queimado, n. 35, urna famo-
sa loja de ferragens com poucos fundo! de capital,
situada no melhor lugar, com proporfocs de le fazer um
bello eslabelecimeuto couimcrcial;a tratar na meiiua.ou.
de se diraoas condicocs. ,.
Ka i ua do Coilegio, u. 9 loj i de miudezas, do am'MB
go baraleiro continan! -se a vender bichas de 11 a ue'- \W
burgo inulto grandes a800 rs. i tambem te alugam ,
por preco commodo.
Vendem-se queijos londrinos e presuntos para
Hambre chegados pelo ultimo navio de Liverpool ;
hervidlas proprias para sopa ; vassoras para varrer sa-
las : no armazem de Davis & Companhia na rua da
Cruz, n. 7.
Escravos Fgidos
modos, quintal muilo grande e muitos arvoredoi de fruc-1 so de direito civil, Jtira. Memorial orphanalogica, A.
Kugio, no dia 17 do concille una preta, do li-
me Ksperanca de nacao Angola mas parece criouli ;
representa ler 24 annos ; he bem fallant-; tem os ps
grandes, mal feitos c os dedos comprldos; tem nos
bracos c nos ps signaes de ftidas antigs; levou ves-
tido de chita branca com dores encarnadas panno da
Cusa azul e um laboleiro que andava vendendo: quein
a pegar leve-a a rua da Ciuz no Recife, n. 15, qne se-
ra recompensado generosamente ; assim como se pro-
lesla colina ipieni a tiver occulla.
Kugio, no dia 23 do rorrenle urna escrava de
nomo Antonia erioula de 18 annos estatura re-
gular er bem pela um lauto carrancuda quando
se falla com ella fui vista na ponte da Tacaiuna ,
indo para a citlade de Olinda queni a pegar leve-a
a rua do Passeio, loja n. 19, que sci bem recom-
pensado.
-- Fogio, na ooitcdo 22 de corlete, de bordo do
brigUO 'aquele-ile-l'ernambuco um cscravo pardo,
le nomo l.ui/, alto c grossodo corpo de bonita 0-
p/irra ; levou vestido a roupa com que andava no ser-
vico e chapeo de palha de ibas largas. Este cscra-
vo pe teuceu a Jos l'ereira do l.ucena por alcunha
Tute, morador em Maripicy, freguezia do Bom-Jar-
tlim donde lie natural ; he desuppr que seguisso
aquello caminho. Roga-se as autoridades policiaes
capiUea de campo que o appretiondam e levem ao
Recife rua da Moda n. 7 a seu senhor, Leopol-
do Josu da Costa Araujo, que dar 100,000 rs. de
gratillca;{io.
Desapparcceu no dia 19 do correte, da casa
de Manoel Ferroira da Silva llamos, o preto do no-
mc Domingos de naeflo Congo baiXO, pouca bar-
ha feio do rosto; lem um calomho no cachaco,
ps chalse radiados nos calcanharcs o dedos, fal-
la mal principalmente quando o quer fuzer mais de-
preca do uue 008tuma ; lVOU camisa de nlgod,1ffft-\
olio calcas de estopa e chapeo de palha. Pcilc-se
as pessoas encarregadas da polica, que o apprchcn-
datn e levein-iio a rua do Coilegio, n. 15, segundo
andar.
ugio, no dia lerca-fcira, 18 de judio do correnle
anno do engenho S.-Joo do Sr. inajor Flix Jos da
Cmara l'iinenlel a escrava erioula de nome Bernar-
da, que lepresema ter SO annos para mais; lem bas-
lantei cabellos brancos na cabeca ; be baixa um tan-
to barriguda muito ladina ; lem os ps um tanto apa-
Ihelados olhos baslaute vermelhos nariz chalo ; le-
vou vestido blanco um chale velho de cor nos hom-
bros dous saceos pequeos e mis cobres. Esta escrava
lie de um morador do referido engenho o qual inan-
dou-a no referido dia a |nivo.n;:io de N.S. do O" oomprar
mis cocos: al boje oo vollou ; suppoe-se que eslar
occulla por alguus dos engenhos da frrguejia da Ksca-
'la por ler ahi muitos coiihcciinciitos em consenqueii-
cia de vender ha baslaute tempo um laboleiro com ar-
roz, pelos engenhos Jundi alanialnco, Frcixeiras, Ro-
la, Campestre lloa-Vista, Cabccade-Negro e Itonilini.
Roga-se s autoridades policiaes c capiacs decampo ,
que a apprehendam e leveni-n ao dilo engenho ou
nesta pi ai.i ao Sr. Joaquim Francisco de Mello Santos ,
na rua Augusta .que scrao gratificados.
Kugio, na noite de II para 12do correte, o
molcque l.uiz, de 15 anuos, natural do Aracaty ,
baixo, caa larga nariz chato, falla bastante desen-
telada ; lera um signal na lesla do um cotice de bes-
la ; rida calcado o com bonete j intitula-so forro ;
lem sido vislo ua ma do Cjueimado o da Aurora:
quemo pegar leve-o a Manuel Carduzo da Kooseca ,
em S.-Amaro ou na praca do i'ommerciu.
Fugio.no dia 27 do crreme, a preta Itil, ilo
naglo Cora um flandres com azeile quo andava
vendendo de estatura baixa, corpo regular.de
mcia idado. muito reg isla com deleito nasorellias
c na mflo ilirelta olhos vennellios ; tem div.ersas
marcas nos bragos e as cosas; levou vestido de
chita e panno da Costa : quein a pegar levea-a a rua
\
ER.V. : NA TYP. DE M.
F. DE KARIA. |848