Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08623

Full Text
*.
Auno XXIV.
QtiartA-fcra 95
n ''/ lili<> publlca-se todoi odiasque uo
forra de guarda: o prejo da assignalura he
,|c 1/000 r. |">r quartel, pagan idiantadoi. O
anuncios dos assignantcs sao inserido!
/, m de 20r. pui linli i, 40 n. eiu lypo diF-
V^rentr, e as repetljfles pela mctade, O lian
^signantes |agar5o 80 rs. por hulla e HhI r.
em lyP difl'ercnle, por cada publlcaco.
PI1ASES DA LA NO MEZ DK AGOSTO.
Crescenle,*7, a 37 ma. da inanh.
luaeheia, a 14, as.') lloras e 50 mjn.datard.
nqoante, a2I, a 1 horae 48inin. da tard.
La nova, a 28, s 4 horas e 42 min. da Urd.
PARTIDA DOS CORREIOS.
m
Oolanna e Parahiba, s srgs. e sextas-felras.
Rlo-G.-do-Norte, i|iintas-f<'iras ao meio-dia.
Cabo, Scrinhem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macei, no 1.a, a II e 21 de cada inei.
Garanhuns e llonito. a 8 e 2.1.
Boa-Vista e Plores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, todos os dias
PRF.AMAR DE HOJE
Priraeira, aos 30 minutos da tarde.
Segunda, aos 54 minutos da manb.
DIARIO
ilo Ag-osto do I84ft
H. Ift.
DUS da semana.
II Segunda. S. loaniia Krancisca. Aud. do
J dosorph.doJ dociv. do 1. M. da2..
22 Terjs. S. TlMMMMM, Aud. do J. do c. da
I. v. e do J. de pat do 2. disl de i.
23 Ouarla. S. Pelippe Rntalo. A mi d.> I
do c. da 2. v. e do 1. de paz do 2 dial, del.
24 Quinta. y-. S. Barllioloiueo.
25 Sexta. S. l.uiz re de Franja. Aud. doj.
do civ. e do J. de paz do 1 dist. de t.
20 Sabbado. S. /.elcrino. Aud. do J. do c.
v e doJ.de pat do 1 dist. de t.
27 Domingo. O Sagrado Curasao de Maria.
CAMBIOS no DA DE ACOST.
Sobre Londres a 21 d. por 1,000 rs. a 60 d.
l'aris a 315 e 350 rs por franco. Nora.
Lisboa 112 por cciito de premio.
n Rio-dc-.l iiieiro ao par.
Hese, de lelt de boas firmas a l'/j ao ""
Acenes da como, de lleberib.-. S.60/ rs. ao p.
Oaro.-Onjas liespaubolas 32,1*10 a 32/20.
Moedas de 6/400 v. 17/400 a 7/ti0O
. de 6/400 n. 10/000 a 10/200
. de 4/000... W* 9/WU
PraaPalaces brasileiros 2/020 a ^H
Fros coluinnarios. 2#040 a J/04U
Ditos mexicanos..... 1/870 a l/W"'
BUCO
DIARIO IIE PBH.1BBC0.

nsoirs, aa si agosto di iss.
He sanente hoje que podemos vir informar os sub-
scriptores do que occorrra na assembla i.eral legisla-
tiva, segundo refercm os jornaes que hontein recebemos
da corte pelo vapor Pararme.
Os trabailios du senado eos da cmara temporaria, pu-
blicados nesses jornaes, chegam a 9 do correntc.
.Na primeira dessas cmaras apreciava-se o prejecto
obre eleljdes n lerceira parle do cudiiro commcrcial.
Ao disculirem o referido projecto, os vencraveis an-
cio<- jiic oceupam as caderas senatorias liuham-se en-
volvido por vezes em quesles de alia poltica, e mani-
festado os seuiimenios pairioiivoi que os domlnam-
Ka cmara dos deputados votra-se o orjamento do
ilnisterio dos negocios estrangeiros, e bein assim urna
resoluco que manda desappropriar o thealro de San-Pe-
dro de-Alean tara e incorpora-lo aos proprios uaciouaes
_ approvra-se un requcrimenio em que o Sr. Nunes
alachado propoiera que o projecto sobre caixcros na-
cionaes fosse adiado por 15 dias ; tratra-sc dos nego-
cios da aula casa da Misericordia ; dscuta-se.cuilim,
o orjamento da marinha.
Ao considerarcm-se os sohrcdilos negocios da santa
casa, dera-s ainda na mencionada cmara um inciden-
te qut bem prova qu.inlo csto pouco dispostos a se res-
peitarem osSrs. que ah se asientan!.
Trauscrcvcremos do Jornal rf" Commercio a parte da
scsso de.9deslc mea relativa a este sujeito, para que
fiquin os leitoressabendo que nada exageramos, quan.
do aventuramos semclhantc proposijo.
Entretanto, aftm que se lenha sciencia de que he sein-
pre o maldito espirito de partido que conspira para que
os eleitos da najo se troqucui insultos c dnestos, decla-
ramos que o actual provedor da santa casa da Miseri-
cordia do Rio-de-Janero he o Sr. Jos Clemente Perci-
ra, cuja poltica, como ningucm ignora, he avessa da
maioria.
Fcita esta deelarajo, passemos transcripcao a que
noscomprcmettemos inais cima. Ei-la :
O ir. Jnbi'm acredita que nenhum fundamento ha
para sedijer que a mortalidade do hospital da Miseri-
cordia, propriamentc do hospital, seja excessiva em
comparado aoque se observa nos hospitaes da Europa;
antes lhe parece que ascstatislieas que se ho de apre-
sentar em tempo competente mostraro o contrario des-
sasasserjcs. Se se descontar a grande quanlidade de
escravosque vao morrer na Misericordia, que eus se-
hores para all inandam quando nao pdeui mala esca-
par inorte, se.se dcscontai' o grande numero dedoen-
tes que para ajli entram coin molestias incuraveis, ver-
se-lia que he (ffminula a mortalidade.
Nao ha adininislraco alguma que seja capaz de fa-
zcr diminuir a mortalidade seno deierminaudo que os
moribundos que entram para o hospital sej.un deposita-
dos em um sala, c nao sejain contados como doentes
do hospital.'Acredita que a diminuidlo da um por cen-
"o que se teni lido na admnistrajo actual he una van-
' tagem extraordinaria, mas esta vaiitageiu nao pode nun-
ca crescereinquanlo nao se allastar o grande numero
de individuos que entram para a santa casa em um es
tado moribundo.
Quanto mortalidade dos exposlos, observou que
essa nao tem nada de extraordinario c se attender
que se- d na Europa. Na Europa a mortalidade he tal,
que a maior parte dos povos priiteslautes teein ossentado
que he nielhor que nao baja semellianles casas, que con-
sideran! antes casas de immoralidade do que de morali-
dad?. Se se attender as eslalisticas que devem vir c-
mara, ver-se-ha que a mortalidade dos expostushnje he
menor do que foi em temps remotos. O que o orador
pode asseverr he que o provedor da Misericordia fe7. o
que foi possivel para destruir as causas dessa mortalida-
de: clleconsullnu os facultativos da sauta casa, consui-
tou pessoas estranhas santa casa, mudou o cstabeleci-
inento, ea final desenganou-se.
i A adintnUUaAia actual tem inlrndu ido alguns me-
Ihnramenlos na Misn icordi, mas csses mclhoramcntos
nao puclcm ser de naturesa tal,i|ue possam influir sobre
uossos costumes, e que previnaui a mortalidade que se
observa.
Est promplo a dar y sen voto ao requerimenlo,
pori|e nelle se pedem alguns eselarecimcnios, mas ob-
serva que ha una preveoco muilo injusta contra o pro-
vedor da santa casa: em sua conscicncia entende que he
um doshomens inais benemciilos que teem apparecido
noUio-de-Janeiro e no brasil todo. (Apoiados: vivas re-
clamacei. Grande susurro.) .
/"mu vos da mainria: lieuemciito em l'orlugal.
OSr. Fernanda Chaves: Os Srs. faiein-lhe guerra
porque empregou toda a sua aclividade em dcbellar
as rebctlics' de San-Paulo c Minas, (/{cc/amiife, apoia-
dos taparles.)
u OSr. Marina; casa!!.....
O Sr. F. Chaves : E ainda inais no Mereanlil.
a OSr. Marinha: Muito mus ha de elle dizer de
agora em diante.
O Sr. P. Chaves: Nos nao temos medo; basta a
ehronica para os matar.
O Sr. Marinha: Oh! oh A rhroniea he bem digna
- dequein a redige e de quem a apoia.
OSr.F. Chaves: Nao he redigida por ueuhuin
codea.
- w< tLSt.J^ttrin/iev ^las^tajvct seja. pc-r algum tig*e.
O Sr. b Chaves: Porm he tigre que uu lem pe-
le amarclla, nem unhas na palma da mo.
(i O Sr. Joi de Assis nao sabe porque se anticipa urna
discussao a respeitojda mortalidade da santa casa da
Misericordia do Rio-de-Janeiro, j sobre os relevantis-
slmns servicos qne se di'zem prestados a bem do pai
pelo provedor da santa casa, que o Sr. Jobiin colloca na
altura de um dos homens inais benemritos da patria.
O orador entende que nao he esta a occasiao de se. ave-
riguar se o Sr. provedor da santa casada Misericordia
pelos servicos prestados ao paii se tem constituido o ho-
ini-iii mais benemrito do Brasil, ou um dos mais bene-
mritos, porque cada um tem sua maneira de pensar,
cada um tem suas allelffles, tem seus favores apagar.
Tudo isto influc muito sobre o espirito humano, e faz
nimias vezes cun que um hoincm coberto de crliues, e
que tenha fcito mal ao paiz, seja considerado por um li-
Iho do paiz como um dos mais benemritos.
Diz que o estado do hospital da santa casa da Mise-
ricordia he digno de lastima. Por amor de se fazercm e-
dticicis. de se levantarem monumentos que perpetuem a
ineinu ia do actual provedor da san!: casa, beque n
pobres doentes sofl'rem muito e muito no seu tratamen-
to. (Apoiados.)
O Sr. Jabim : Nao apoiado : recebem tudo quan-
to he necessario.
O Sr. l"'r d; Ait : A alimentaeao all he muito
ni i, (apoiados) os remedios nao sao dos melhores. I-
poiadoi.)
a O Sr. Joliim: Em todos os hsspitaes he assim. (AMo
apoiados.)
ii O Sr. Mello Franco : Nao ha tal.
O Sr. Jos de Assis : Se em lodos os hospitaes sao
assim, ai da humanidade {Apoiados.) Porque se nao ha
de dizer a verdade, e he que a custa de se levantar um
edificio se tem non lo muita gente no hospital da Miseri-
cordia ? (Apoiadose no apoiados.) Quer-sc dar inais valor
s pedras do que aus homeus.
OSr. C. Olloui: Qucr-se deixar monumentos para
se passar por benemrito custa de centenares de vi-
das. (Apoiados eredamarws.)
USr. Presidente convida ao Sr. Jos de Assis a inler-
rompr o sen discurso por ter dado a hora.
O Sr. Jotim (coin frca) : A poca mais desgrafa-
da da santa casa foi quando certos patriotas se apodc-
raram dclla. (\poiadose muitos nao apoiados. kailacao.)
O Sr. Nanee Machado : lie urna miseria que um
Brasileo diga isto, (MimertMo apoiadoi.)
h O Sr. Mello Franro : Isto nao dizia o Sr. Jobim an-
tes de ir para o Rio-tlrande-do-Sul. (.ponido.)
O Sr. Nunes Machado: Mata rain um menibro des-
ta casa a poder de torturas ; (apoiados) um 111090 infeliz
que la foi cahir ; (apoiados) eu l o fui ver.
OSr. Jobim (levanlando-se e coin forca) : A poca
mais desgranada da santa casa foi quando certos patrio-
tas se apoderaran! della. (Aperado* 1 numerosos nao apoia-
dos. Vivas reclamacocs.)
a OSr. Nones Machado (coin frca) : Miseria, njise-
ria, miseria ; he tao miseravel o aparte como quem o
deu. (Numerosos apoiados e reclamacoes. Viva aijilacao.)
O Sr.' Femandes Chaves (para o Sr. Nunes Machado):
Miseravel, nao : v tomar banhos no Pharoux, que lie
do que o Sr. precisa. (Risadas.)
USr. Nunes Machado : Nao cuide que isto he ne-
gocio de Pedro Boticario.
> (Cruzam-se varios apartes c aflnal restabelcce-se o
silencio.)
A uuinuarem as coma por ffta teor : ase nao se
resolveren! os Srs. deputados a acalar-se reciprocamen-
te, como convin ao alto e nobre carcter de que se a-
chain revistidos, talvez que dentro em pouco passem
das palavras s via de facto : e enlfio o sancluario das
leis Reara conspurcado para sempre. Dos os llluuilue,
liara que lal desgraca se nao verifique.
Vamos continuar com o extracto dos jornaes estran-
geiros que ltimamente recebemos.
Em Franfa a assembla nacional oceupava-se com a
discussin do projecto da nova constituivo da repbli-
ca, o qual lhe fora apresenlado pela commisso especial,
uomeada para este fim.
Oarligo que diz respeito representa^ao nacional ha-
via dado lugar ao mais serio debate. Muitos deputados
erain de opiuio que houvessc duas cmaras, uniros,
porm, que smente nina.
Os defensores do primeiro systema, entre osqnaes se
contam M. M. Thlers, Vctor Hugo, Isamberl, Julcs de
I.astere, Raimbault, Demesanges, Pigeon, Osear, La-
fayelle, Abraham Dllboll e Itienne, sustentaram seus
argumentos, rel'eriudo-sc aos Estados-Unidos que, 00
mocando com urna s cmara, reconhecermn dentro de
pouco lempo a necessidade de formar outra. Elles ds-
seram (|iic una assembla s em Franja acabara por
iin n 11-.i- ou tyrannica, ou escrava, como acontecer
em a primeira revolucio. Os partidarios do segundo
systema, cutre os quaes se acliam M. M. Marrasl, Ci-
mieiix, Babaud Larvire, Haviu, Donaiien Marquis, Rc-
gnaud, Gaudin, Barthe, G. Sarrat, Fleurj, Conli.Grevi e
llrunet, responderam que o exemplo dos r.stados-Unl-
dos nio linha applicajao para a Franca, por isso que
aquelles estados formam urna repblica federativa. El-
les sustentaran! que o principio da repblica franceza
sendo a unidade, as duas cmaras estaran! constante-
mente em opposijo, c pudcriain ollerccer a um usur-
pador occasio de oppriinir ulna pela outra.
Mr. Jules Favrc propz em a commisso de fazenda a
seguinlc resoluco :
Que as Ierras c propredades do ex-rei I.uiz Philip-
pe fsscm declaradas pertencentes ao estado.
Que uina commisso de dez membros, noineadpe-
lo ministro da fazenda, passasse liquida;o das divi-
das a que taes bens estavam obrigados.
u Que os principes da casa de Orleans, que tivcrcui
propredades em o terrrtorio da repblica sejain obri-
gados a vend-las dentro de doze meses a contar da
presente dala.
Que no caso de nao se conformaren! os principes
com esta resoluco, as propredades em questao, sejam
vendidas pelos administradores dos proprios uacionaes
por um piejo fix'ado pelas respectivas autoridades.
A Blgica ficra tranquilla.
Pela manhaa do dia 29 de junho houve em Venesa, no
larco de San-Marcos, urna grande demonstrado popu-
lar cm favor do re Carlos Alberto. Ogoveroo inandou
nue nao tivesse lugar a revista da guara cvica, que pa-
ra es dia tinha sido ordenada, receloso deque reuni-
da elbao povo poJessVi.rihm'no voto-da sMSJStlMea. ue.
Svia reunirse para decidir da sorie do pas. Todava,
nao obstante a contra-ordem, locou-se a rhamoda, 4,000 1
guardas corrern! ao campo de Marte, onde, reunindo- |
se a sen ofliciaes e a urna mullidlo de povo, deram j
vivas a unio italiana, a Carlos Alberto, a Pi IX., ao du-
que de Saboia e ao duque de Genova.
Elles deputaraiu depois o general Mengaldo e o seu
comniandante ao presidente Man'", aiim de pedir a in-
corporajo de Veneza com o Pieinonte e .1 Lombardia.
O presidente, depois de pedir alguin lempo para con-
siderar, responden que o governo nao podia tomar so-
bre si o decretar a inmediata unio com o l'icmonte, e
I. mi resolvido deixar esta deciso assembla, a qual
deveria reunir-se 110 dia 3 de julho. O general Mengal-
de, adiando que a resposta do presidente nao satisfara
ao povo, esperouat a noite no palacio do governo. M.
Manin, comtudo, nao quiz receb-lo, porm lodos os mi-
nisiros prometieran! que o dtsejo popular seria atten-
dido ; que Manin havia de /arlo cessado de presidir o
governo, e que elle permanecera presidente nominal
al a rcunio da assembla geral. Elles accresccntaram
depois que os deputados com toda a probabllldade nro-
1 I.11n.1r1.ini un 1111 nini-nii' a unio italiana.
Com cll'eito, a ciita l'itmonlesa de 8 do passadn an-
nuucia que a assembla nacional c!e Veucza resolver
por 127 votos contra (i a unio iunnediata do territorio
veucziano ao reino da a!u la'ia, 3b ar Biaainas con-
dijesquea Lombardia.
Ojornal laliadel Poplo de G de julho noticia que o
imperador da Austria propozera ao rei Carlos Alberto
ccder-lhc a Lombardia al a linha do Adige ; incluin-
do as fortalezas de Mantua e Verona, comlanto que fs-
se permittido a elle imperador o conservar o territorio
veneziano, o qual deveria ser governado por um prin-
cipe da familia imperial. Carlos Alberto havia rejeita-
do a proposta.
A C.azela PiemoMeta de 5 do passado publica um de-
creto real, chamando ao servico activo 50 batalhoes de
guardas nacionaes nos doiniuios coiitincntacs do reino
do Picmonte. Outro decreto proqlamou a adopcao pe-
lo paiz das familias indigentes dos soldados que bao
morrido combatendo por sua patria.
O senador Colla havia tomado posse do ducado de
Pai 111a emnome do rei Carlos Alberto.
Em aples rcinava perfeita iranqiiillidade. No pri-
meiro de julho linha lido lugar a abertura do parla-
mento napolitano. OduquedeSerra-Capnola leu nesla
occasio a falla real a qual he como se segu :
u Signori. Entretanto que cu contemplava com
praiero desejado dia em que me vera rodeado das c-
maras legislativas do reino, um desastre fatal, que nun-
ca cessarei de deplorar, infelizmente occorreu para es-
paear a solemne abertura da sesso. A profunda flor
que hei sentido por to desgracada demora he agora
mitigada pela vossa presenca. pois sinto a necessidade
de vossa leal, Ilustrada c prudente assislencia para la-
zer revver com piomptidao nesta nossa chara patria a-
quella verdadeira prosperidade que lodo o povo civi-
lsado tem dreito de reclamar.
uAsinstituices livres.por inimirrevogavelincnte sanc-
rinnadase juradas, serian! inuteis. se leis propnas, fun-
dadas em bases semelhantes, nao as consolldassem por
mel de seus diversos systcmas de applcajao.
Eu invoco, pos, a vossa parleular altenco para este
importante assuinpto. Em osdiflerentes projeclosque
vos sero apresent.idos, devereis determinar priuieira-
menlc os egulamentos que euiuprcui seren eslabclec-
dos para a adninislraco especial das comarcas c pro-
vincias que formam a base principal de lodaa sociedade
poltica ; aquelles que ho de organisar delinitivanientc
a guarda nacional, cuja misso he vigiar sobre a inanu-
lenco da tranquiliidade interna do estado; e ulluna-
inenteaqnelles que sao calculados para derramar com a
maior ellicacia a nslrucco publica em todas U Claases
para o lim de promover o augmento de civilisacao e de
preservar inteira a gloria que tantos nobres talentos
nos tinham antes procurado. As linancas publicas me-
rece sobre tudo a vossa particular altcucau. Provi-
dencias proinplas c geracs sao necessanas para reme-
diar a iiievitavel desordem em que ellas prescnleinei.le
laboram, em conscqucncia de tantas vicissiludes polti-
cas. Nem cu recelo que ueste ico paiz falte por muito
lempo o equilibrio entre as necesidades indispensavcis
e os melhores meios de prov-las. Vos procurares co-
rajosamente descobrr as rascs ou os pretextos que de-
ram lugar aos fataes disturbios que, agitando continua-
mente o reino, paralisaram de una parle toda a sorle de
industria e commercio. c da outra eonduzram ao cx-
cesso de atacar a propriedade e honra de individuos par-
ticulares ; vos providenciareis por meios enrgicos con-
tra a conlinuaco ou renovaco de um taoideploravel
estado de cousas. He esta nina necessidade, cuja ur-
gencia e imporlanca sao unversalmeulc sentidas.
A ordem, sem a qual nenhuuia prosperidade civil he
possivel, s pode proceder de leis sabias e he sobre a
ordem exclusivamente que descansa a liberdade. r.u
nao tenho em geral ncnhuina raso para crer que nos-
sas pacificas rclacdcs com as outra potencias da Europa
eslejam alteradas. Senlo-nos.pois.fcliimentc permittido
dirigir toda nossa altenjo para a adminslracao interna
do estado, nos podemos conjunetainente contribuir pa-
ra faz-lo pacificamente prosperar em seucaminlio. ln-
flexivel naniinha intenjao do assegurar a meu povo o
bem-cslere o gozo da liberdade racionavcl, esle nobre
objecto ser o constante alvo de iiiinha vida, e a vossa
poderosa assisteucia he para mira um completo garante
de botu successo. Ilavendo j invocado a Dos como les-
lemunha da pureza de niinha intenco, eu nao posso
agora fazer outra cousa que invocar o vosso testeniunlio,
c o da historia.
Nimiamente contristado pelas ultimas neticas da Fran
ja, um nosso amigo compoi e remetteu-nos o seguinte
Quare fremuerunt gentes,
Et populi uoditati sunt inania ?
DO SEI FROFIIETA.
Por que causa asnacOes seenl'ureceram,
B os povos meditado teem loucuras?
SSo ra'ios l das Clica aHurn,
" Quando o*s homens no crfme podreceram
Na Europa um mar de lagrimas verlaram
Da Calila as llieorias, sempre impuras !
ICis resurgen as inesmas imposturas
Dos que de Sau-JLiii^ throno aliateram !
EnlSo gaulez poltica recua ;
Pe sobre o Solio um despota profundo.
Cuja forrea vonladc era a lei sua !
Paria, Pars, ol toxico lo mundo '
Do ten Robeapierre a toga orna
Va ler algum Napoldo ugundo.

1
Publcaoo 1 pedido.

O abaixo assignadu faz scentc ao publico qne lio me m.
um dia posteriormente immedialo ao encerrainenlo da
assembla provincial, foi que recebeu um ollicio do go-
verno mandando ao abaixo assignado responder, como
pela infama assembla lora determinado, acerca de urna
reprrscntajo de alguns moradores da povoajao u." Mu-
ribeca : e para que ninguem julguc que o abaixo assig-
nalo ha mais lempo recebra tal ollicio, faz a present-
declarajo, e publica o documento que se segu.
Engeuho Novo da Muribeca, 22 de agosto de 1848.
Joauutin Machado l'wldl 1.
S> dia de hoje tiz entrega ao lllin. Sr. Joaqum Ma-
chado Portclla de un ollicio do Exni. Sr. presidente da
provincia: e para constar mandei passar a presente de-
clarajo, na qual me assigno com O meu signal coslu-
111,ido. que he nina cruz.
Engenho Novo de Muribeca,21 de agosto de 1848.
Cruz de Luis \ Monleiro.
Como testcmunha que esta fiz a rogo,
1 '.irta/ni Josda Silva.
Como testemunhas,
Joo Cien/fuir Filguriras de Meneles.
Joa'o dos Viveiros Patricio
lleconhcco verdaderos os tres signaes supra. Reci. ,
22 de agosto de 1848. ..... .
Km teslemunlio de verdade. O tabelliao publu o Mu
noel Antonio t'oe/lio de Oliveira.
!
COMMEHCI.
ALFANDEGA.
REND1MENTO DO DIA 22..........4;(2/fi7ti
Descarregam hoje, 23 de agosto.
Ilrigue Sultana carvo.
Ilrigue Kaimbow mercadorias.
Hesumo da imporlafao da aifandega de l'trnambuco, duiaue
o anno financtiro de l847 a 1848.
Despachos de consumo.
8,53G:U28/885
1,010:680/813
277:708#S9I
Gra-llrctanha
Franja
Cidades anseticas
Portugal c suas pessesses
Despatilla
Paizes-Haixos
Suecia
Italia
Dominios Austracos
Estado-Huidos
F.stadosdo Rio-da-Prata
Despachos de reexporlajo.
Liverpool
Portugal
Hcspanha
Estados do Uio-da-Prata
744:841/153
li-f:H7/962
70:397/49(i
I4:302/S6li
00:074/142
132:3581902
718:170/039
28:013moo
---------------- 0,708:212/899
0:938/300
3:560/000
5:535/840
9:337/434
25:369/5*1
Despachos com carta de guia no segun-
do semestre do anuo findo de 47 a 48.
Rio-de-Janeiro
Itio-Grande-do-Sul
Baha
Alagas
Parahiba
Ceai
.M.1r.111l1.nl
Para
30:031/200
350/000
30:9641000
432/1100
5:651/500
507/000
12:001/500
3:578/HI
84:116/200
Total de todo o valor 6,817:697/679
reitos roriespondcntes 2,072:053/749
Pernanibuco, 15 de agosto de 1848.
Organisado pelo amanuense da aifandega,
6. J. da C. e Su.
'I
CONSULADO GERAL.
RKNDIMENTO DO DIA 22.
Cera. .. j...............'=*
Diversas provincias............. is/boo
1:496/257
CONSULADO PROVINCIAL.
RENDIMF.NTO UO DIA 22. ,.....1:079/317
t
I
i
-ADO


I-
)
I
UovmiciKo .Virio estrados no dia 22.
llio-dr-Janciro e Bahia ; 17 da c do ulliino porto 4,
; iquet inglri Sea-tutl, ciiiim.iihI.iik.- o tenante
Smail. .nndiii paisagolios para Inglaterra.
Paradina j lOdias. hiatr brasleiro /'rnii-oV-.Hara, dr
Ib toneladas, capito Jalo Francisco Marliui. equipa-
in 4. carga alinear ; ao capitn.
Mein 5 da, blata braellelro Santa.Crus, de 22 toneta-
dai, capitiio Manuel Amonio Alfonso, equipagem 4
carga assucar ; a Joai|iihn da Oliveira.
Navios sahidos no mtsmo dia.
Acarac patacho brasleiro tmnUfS, eapltlo Antonio
l.oncaives Pereira, carga fazendas c molliailo. Passa-
griroa, Jos Sabino cnm I filho e I cirravo, Joiio Tho-
m da Silva com latoravo, Francisco Laurann F|.
gurira com I criado, Francisco Antonio Llnharos J-
nior cnm I criado e 1 esclavo. Jrronrino Jos Figuei-
rada Mello con, i criado. Cezarlo Ferreira Comes con.
I criado, Galdino Francisco Linhare com 1 criado,
Sancho ferreira Gomes com i criado, Antonio Jos d
Luna com 2 criados, Manoel Marques de Souza com 2
criados, lose Antonio Bodriguos Peixc com 1 criado,
Miguel Antonio de Miranda com 1 criado, Joao Anto-
nio (.avale-ante com 1 criado, Trajano los Cavalcante
cora 1 criado, Antonio Raymundo Cavalcante com I
.nado, Domingos Gomes de Frota com 2 escravos,
lose Gomes Rodrigue! Alhiiqueninp com 2 escravos c
I Criado, F.slevo Ferreira Nonnalo, I.uiz. Francisco da
Silva, Manoel da Silvcir.i Rosado com 2 escravos, An-
tonio lose Memoria com 2 escravos, Jos Bernardo
leixi-ira com l> psoravo
Aracaiy ; hlate bVatilelro Saro-oiinda, captSo Antonio
los vii..na, carga varios gneros. Passageiru, Ju.
Mathciii Ferreira, Francisco de Cavalcante Ferraz,
Joo Paulo de Lima, Vicente Gurgcl do Amaral, Anto-
nio Guig.l do Amaral cun 2 criados, Faustino Au-
gusto de Alhuqucrqiu- com I escravo e 2 criados, A-
l< (andrino Raymundo de Carvalbo, Antonio de Ar.eve-
do Per.'ira com 1 ti I lio, Salvador Litis da Cimba com
1 criado.
Hlenos-Ajes ; brigue ingle fVffil, capitiio James Gra-
lioin, i-arga a uiesma que trouxp.
Forras dn norte ; vapor bratilelro Parscr.sc, commandan-
te o capitn de Trgala Manoel Francisco da Costa Pe-
reir.f. Alcm dos passagelros que trouxe dos partos do
simpara os do norte leva a scu bordo : para o Para,
tofio Aires da Mello, .los Francisco da Cruz, Puriu-
guezea.
TIKVTKO NACI VAL
DA
Itl'A l>\ I
IIAI.%.
ABEHT1RA.
Domingo, -2-j de agosto,
a beneficio .lo director Pedro llaptisla de Santa Rosa le-
ra lugar o segiiiuie e variado espectculo :
Uppois de execulada por grande orchestra a ptima
sj mpliiiiii i- -//,.)-,!/ delirme, represpuiar-sp-ha o lindo e
novo drama intitulado
?.
Este drama tem sido elogiado militas vci.es eni diver-
sos jornaes de Lisboa, c por isso foi preterido pelo em-
prezarlo.
Personagons principaes do drama, c actores.
Carlos da Silva
Narciso da Fonseca
Manoel de Souto ,
I). Joao......
Antonio......
Genoveva.....
Ilenriqueta ....
Gclrudes......
IfiDITAL.
Miguel Archanjo Uonteiro de Andrade oficial da im-
perial ordtm da liosa, cavalteiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de l'ernambuco, por S. //. o
Imperador, que Dos guarde, ele.
Faz saber que, no da 21 do coi rente, ao nielo-dia, si
liao do arrematar embasta publica, na porta da mes-
illa, 2 prdras para rebollo, no valor de 25/0110 rs., im-
pugnadas pelo guarda Antonio Lopes Pereira de Car-
valho, nn despacho por lactina u. 838 : sendo dita ar-
rematacao subjelta ao pagamento dos dlrcltos.
Alfandega, 22 de agosto de 1848.
Miguel Archanjo Monleiru de Andrade.
Jos Maximiano Cabral.
Antonio da Cuuba.
Jos Alves.
Fiel.
bernardo.
Santa Rosa ;na graciosa velha.J
I). Josefa Candida.
I). Vigencia Fcrrcira.
beneficiado esfurcar-se-ha por bem dcseinpenliar a
parte de velba. que tomou a si, por ler merecido ap-
plausos do publico, senipre que lia apparecldo era scc-
na fasendo semrlhante papel.
Os intervallos do drama serao preeucbidos com bel
liSSilliai syuplmnias.
anta Rosa, carta da benvola attencao que os seus
protectores seni prcstar-lbc, espera que ellcs aprecien!
di'viil.'iiueiite, uo so a ropi.senlacao do indicado dra-
ma, com u dcseinpenlio das sj inpbouias.
Acabado o drama, o beneficiado cantar a nova e jo-
cosa aria
.1 .ll.lfA ItK.I. '
Poi. lint a todo o divertimento a nova c inui graciosa
tarca que tem por titulo
o ramo ii'iMsoFU,
Fstapafardio logrado.
Ueclaracoes.
O Un atnnliu estara decentemente ornado.
s camarotes acbani-se divididos de aecrdo com o
sysleina moderno, isto be, como os do tbeatro publico
que se est rdilicando.
A platea oll'erece bastantes coiuiuodos, e est prepa-
rada com luda a decencia, por seren os assentos de pa-
lliii.li.i cora Pleoslos. Islo nao obstante, seu preco ser
de I000 rs.
As petioai que lera cncoinmcndado camarotes pdciu
in ii..!.ii blltoar seus cu loes no tbeatro a qualqucr bora
do da ; pois que riles ahi se aciain venda pelus pro-
cos seguales : I.* e 2.* ordem, 5^000 rs. frente, tanto
da I como da 2.' ordem, 10/000 rs.
Principiar as 8 '/a boras com a cliegada das autori-
dades.
frctp e passagelros, a quem offerecc excellcntes com-
inodos, trata-te com Machado b Pinhrlro, na ra da
Cadpia, n.37, ou com o espillo Manoel, Marciano Fer-
relra.
Para o Rio-de-Jneiro segu, com brevldade as-
si m que lindar a sua descarga, por ter parle da carga
prouipta o brigue brasllriro Mirwrixi,' forrado e pre-
gado de cobre : quem no mrsmoquizcr carrpgar, ou ir
de passagem dirija-se ao sru consignatario Manorl
Ignacio de Ollveira na ra da ( adela, n. 40, ou ao ca-
pito I in/ Martint da Costa a bordo.
-Paara o Aracaty pretende seguir viagem, com bre-
vidade o hi no nacional Tentador, uietlre Jus Joaqulm
Mu ii i para carga c passagelros trata-se na ra da
Cruz n. 26, com Lulz Jos de S Araujo ou com o med-
ir, no trapiche Novo.
- Para o Cear sahe, uestes das, por ler tres partes
de scu carregamento a bordo a sumaca Flor-do-Ange-
lim ine.tr.' llernardo de Souza : para o restante da car-
ga e passagelros, trata-se com o mesmo mestre ou com
l.in/ Jos ile S Araujo na ra da Crut, u. 26.
Para a Habla sabp, at odia 23 do corrente, a ve-
leira escuna talante-Maria forrada e pregada de cobre :
para o resto da carga e passageirns : para o que tem ex-
cellenlrs commndos, atestar com Silva 'i Grillo, na na
da Moda, n. II, ou com o capito, JosMcudo de Souza.
Para Lisboa partir, no corrente nipzdc agosto, o
bem condecido brigue portugus Tarujo-Primeiro, de
3ue he capito Manoel de Oliveira Fancco. Tem gran-
c parte de seu carregamento engajado : para o res-
tante de sen carregamento, asslm como para passa-
geirns, a qucni ollcrece assciados cmninodos e bom
tralamento, trata-se com o dito capito na praca, ou
com o consignatario, Firmino Jos Fclix da Roa, na ra
do Trapiche, n. 44.
= Para a cidade do Porto.partir. com a maior bre-
vid.ule possivel, o|iatacbo portuguez /lilaurofilo ; tem
a maior parte de seu carregamento prompto: para o res-
to da carga e p.issageiros para o que offerece excellcn-
tes commodos trata se com o consignatario ,'Firmino
Jos Flix da Rosa na ra do Trapiche, n. 44, ou com
o capito, Jos de Oliveira Faueco na praca do G'or-
po-Sanlo.
i'ara Lisboa sabe com a maior brevi.-'adc a barca
portuguesa 'fijo, capitoSilvcrio Manorl dos Reis : para
carga e passageiros, para o que lera os mais assciados
commodos a tratar com o capito ou cun os consig-
natarios, Oliveira limaos & C.
Para o Aracaty e Ccar spgue, no da 28 do crrente,
o patacho Sanla-6'rut, pregado e forrado de cobre : pa-
ra o resto da carga .trata-sc ao lado do Corpo-Santo, oja
de cabos, n. 25, ou com o capito Joaquim Autunio
Goncalves dos SaotOJ.
- 1 recisa-se comprar, para as obras militares dcsla
provincia os seguintes gneros : travs de 48 a 50 pal-
mos ; ditas de 3U a 32 ditos ditas de 25 ditos encha-
meis de 3b ditos, laboasde louro ditas de amarello
costados de dito todo de 28palmos ; eost idinho de di-
to ; caibros de 32 palmos ; lipas ; linhas de 20palmos ;
travesas para tesour.is frexaes icforcados : quera llver
dos ditos gneros e qui/.er contratar comparera ou
remetiera suas prnpostas, at o da 22 do corrente, pelas
J I horas do da, na ra da matriz da lloa-Vista n.7
Cidade do Recife, 10 de agosto de 1848. Innoceucio
y '.(ni/iitu rerreira de Araujo, inajor director.
Por esta subdelegada foi apprchrndldo un preto
denarao, que diz clianmr-sp Joao, e ser esclavo de
Manoel Peona : seu senhor compareca munido do com-
petente titulo, que Ihe ser entregue. SubdelpgH-
Cla da freguezia de S.-Antonlo, 22 de agosto de 1818.
O subdelegado,
llarata de Jlmeida.
-- Por esta subdelegada fui apprehendida unta ba-
Cia de rame, pelas 8 horas da imite de 20 do corrente
Pvadindo-se o preto que a condu/.ia : quem se julgar
com diieitoa ella procure-a na inesina subdelegada
que Ihe ser ewrcguo. Subdelegada da freguezia d
de a.-Antonio 22 da agosto de 1818
O subdelegado,
llarata de Almeida.
- O arsenal de guerra compra 14 pelles de brzerro
.lustro ; 12 machados; I2enxndas; 12 ps de ferro
ti duzias de varruinas de dill'eientes qualldades : qiipin
ditos gneros qui/.er fornecer mandar sua proposta e
as amostras directora do mesiiio arsenal, al o (lia 25
do corrente. Directora do arsenal de guerra, 21 de
agosto de 1848. O rscripturario Francisco Serfico di
Astil Careatho.
Fice-consalado da Repblica e Canfoderacao Argentina
em Pernambaco.
Por ordeni do Kxm. Sr. enviado extraordinario e mi-
nistro plenipotenciario da Itppublica Argentina, se faz
publico que toda a mbarcafao que se destinar aos
pollos da repblica dever levar seu manifest e carta
de saude Icgallsadni pelos cnsules da referida rep-
blica, e para isso devem ser acompaiihados dos despa-
chos dos gneros mencionados.' F. emquanto nao fr
determinado o contrario pelogoverno da mesma rep-
blica nenhuma embarcaco ser admiltida entrada,
que tenha tocado ou tido communicaco com a cida-
de de Montevideo, ao menos que nao prove que foj ni-
camente para reoeber pratico, por mel dos teuscon-
Ignatarlos no emquanto, para l'acilidade das einbar-
c.n'ocs que procrala os portos da repblica, indi-pen-
dente dos praticos que se achara a bordo das embarca-
Ces de guerra estrangeiras em frente a Montevideo, a-
cba-se urna escuna com pra (icos a bordo, na altura da
ponte do Indiu [alijo preco he todava mais commodu do
que os iiulros): outro siui, nao serlo admittidas no por-
to da F.usenada emharracocs estrangeiras de menor lote
quede 120 toneladas.
Oque o infrascripto fas publico ao commercio desla
praija por ordem superior.
Pernambuco, II d agosto de 1848.
fiuno lUaria de Seixas,
Viee-consiil argentino.
TURA SRO \U lOVA!,
DK
SAN-TR 4NC1SC0.
SAHRADO, 26 DO CORRENTF-.
I I timo b,neficio do director empresario.
Arrendarse
Varsea
OiTece-sp de urna mulher para ser ama de una ca-
sa de lamilla capaz, que sabe fazer bolinhos de todas as
qualldades, podim, arroz de leite e cozinhar, mas nao
engoinma : a prssoa que qulzer dirija-se a travesa de
San-Pedro, n. 6, u
Agencia de pasaportes.
No pateo do Collrgio, na loja de livros do Sr. Doura-
do, encoulrar-se-ha urna peisoa habilitada para tirar
passaporles pata dentro e l'iir.i do imperio, assiin como
despachar escravos i tudn isto faz-se por meaos de
que em outra qualqucr pessoa.
A vluva de Manoel Ferreira Pinto contina a fazer
bom doce de todas as qualldades, seceo e de calda, e
roga a seus freguezes de contlnuaretn a comprar, que
serao bem servidos, tanto em preco como em qualidade:
no seu ai'inazem de louca na ra do F.ncanlamento
a. 3.
Quem tlver para alugar nina p re la com bom leite
para criar urna menina, dirija-se a rW da Cadeia do
Recife, n.20, 2. o andar.
Jos Leonardo relira-se para o Rio-de-Janeiro a
tratar dos seus negocios, levando em sua companhia os
eus tres escravm, de nomes Quileria, prrta Joao e
Alexandre, pardos.
Precisa-se de pretas para venderem axclte : na ra
de tanto-Amaro, n. 3.
Precisa-se de um caifleiro : no Hotel-Commerclo,
ra da Cadeia de Santo-Antonio, n. 13.
Na ra da Senzalla-Nova, n. 40, prltnero andar,
existe urna carta para o Sr. Rernardino Antonio da-
Silva.
-- Precisa-se de um mofo biasileiro para caixelro de
venda, que tenha pratica, e que d liad.ir sua conduc-
ta, para tomar conta do negocio da mesma : quem-es-
tlvernestas circuinstancfas dirija-se a ra larga do Ro.
sario, n. 20, que se dir quem precisa'.
= F.st renda o n. 8 do Grito da Patria, na praca da
Independencia n. 12 ; no bairro do Recife ra da Ca-
daia, n. 16. Este numero est muito rnteressante. Con-
tinua a .o In a na vista dos recibos impressos.
Declaro que, por conta do cirurglo Joao Doinlnguei
da Silva, ora empregado na ilha de Fernando, compre!
e tenho em meu poder o meio bilhete n. 193 da lotera
do tbeatro que annunciou correr a 25 do corrente.
Victorino Francisco dos Santos.
Precisa-se alugar una negra que sirva para venda
uC ra: a iraiar no sobiuo du iu ua Pcnha, esquina
da travessa doCarcereiro, n. 11. No mesmo sobi idr
engomina roupa, ao s vlnda lavada romo para lavar. >'
O Sr. que annunciou querer comprar una Irania
de chaves, dirija-sc ao paleo da Santa-Cruz, no anna-
zem junto a botica do Sr. IoS" Canelo.
.Milita .i- um molrquc de 12 a 14 annos que seja' k
fiel: no llotel-Commerco.
fabricador de
lioga-se
ao
Jleprcsenlar-se-ha a mu biilhantr e insigne peja m-
gica cliegada do Rio-de-Janeiro
NtNOEU VBHCB OPOFR DE AMOR,
o
O valor di um Portuguti na Uespanha.
Rematando com a linda farfa dcnoiniaada
X CASA CONSTITUCIONAL,
um sitio na
margem do lio Capibaribe, com excelleutes commodos
para se passar a festa, casa grande e mobilada, com
coxera, estribara, etc. : tem baixa para capini e mul-
tas aivores de fructo ; no fundo do sitio corre o Capiba-
ribe : quem o pretender, drija-se ao pateo do Carino,
n. 0, segundo andar.
Precisa-se de urna ama com bom c bastante leite :
no Atcrro-da-lloa-Vista, loja n. 78.
Precisa-se de tima ppssoa que queira trabalhar em
11 li n i. .in. na ra da Sanzalla-Nova ni; na mesma casa
vende-se urna balanra grande, um peso de arroba, ou-
tro de ineia c urna bomba de despejar pipas.
Troca-sp o pngenho Gloria em Porto-de-Calvo, pro-
vincia de Alagoas, com muito boas benfeitorias e boas
tenas, por outro qualqtier nesta provincia perto da ca-
pital de oito at 10 lego'as i quem p/rtender dirija-se
ra Direita, no primeiro andar do sobrado n. 58., que
achata com quem tratar.
-- Aluga-se o segundo andar e soto de una casa na
i lia do It ngel, com coinmodos para urna grande familia:
quem a pretender dirija-sc a ra da Aurora, n. 58.
James lluntcr, Inglez, vai a Macei.
, Aluga-se um armazem com armaran para qual-|col"arca da cidade da Victoria, onde devem jusliflear
quer estabelccimento, na ra do Pilar eni Fsra-de-Por-
tas, defroute do arsenal de mai inha : a tratar com Je-
0 partidos dometticoi.
*
PEHSONAOENS.
Mr. Bertrand, pai de familia Realista.
Mr. Sourtot, Dr. honiosopathico.. Pbilipista.
Mr. Girand, bacharel........Oposicionista.
Pasqun, criado...........Republicano.
Dupin, d.'stribuid.ii de Diarios. .. Communista.
Madama Gire............Legtimista.
Madamoiselle I.ulza.........Re|iublicanaexaltada.
Ilearne, criada...........Ronapartlsla.
Para uo ir de encontr com o theatro da ruadaPraia,
paisa para sabbado, 26. O beneficiado, desojando entre-
gar o tbeatro a seu proprietario, lauca linio deste ulti-
mo recurso para recarcir os grandes prejuizos que lti-
mamente tem solli do, e apella para a proteccao de um
publico que por mais de una vez se tem dignado pro-
tege-lo, e de quem espera amparo e pruleccao.
Principiar o espectculo cliegada do Kxm. Sr. pre-
sidente.
cartas
anonymas que, era lugar de introdu/.ir una de tres em
Irrs noitcs, haja de o mimosear todas as a'oifcs, mes-
mo por ter toalhasquantas Ihe sejara precisas, pois ter
de poupar papis qu.- Ihe pdem servir de euibrulboi,
p que suas cartas nao pdpui ter outra applicaco se
nao para toalhas. Rcsolra o intrigante como Ihe apro-
ver c cu estarc muito prompto a dar extraccao a seus
trabadlos. = O amigo dos fabricantes di papel.
,-,-OSr. P. M. C. de Oliveira queira quanlo antes di-
cidir o negocio em que se envolveu alias apparreer
com toda.evidencia e circiimstanclas ueste Diario e se
procurar o recurso que a lei permitte.
= Aluga-sc um sobradinho de um andar com sotan,
lojas c quintal, na ra do Sebo, n. 50, por 264^000 an-
uuaes ; o terceiro andir e soto do sobrado do Aterro-
da-Roa- Vista, n. 4, por 250/000 annuas : a tratar no s-
criptorio de F. A. de Oliveira, na ra da Aurora, u. 26.
-- Aluga-sc urna sala com uina grande alcova e um
qtiarto do primeiro andar do sobrado n. 26 do Altcrroda-
Boa-Vista : a pessoa que a pertender,dirija-sc na luja do
mesmo.
Manoel Concalves Pereira Mina, inventarame do
casal de seu fallecido cimbado, Jos ('muralves Casco, e
sua mulher D. Maria do Espirito Santo, faz scicnte aos
credores do mesmo casal, que se acho procedendo a'
inventario de seus bcus no cnrtnio dos orpnos, na
Publicac. oesIJtlerarin.
AVISO IMPORTANTE.
O administrador da mesa da recpbedora das rendas
geraes interiias avisa, pela ultima vez, aos devedores do
Banco, declina de mao mona, seges e carrnbo, dizima
* nccllarla, barcos do interior e escravos. de 46 a 47
c47a 48, quevcnhain pagar oqiiceslo a dever : pena
de se proceder a executivo, se porventura nao comparc-
cereni ate o lim do corrente.
Rccebedoria, 21 de agosto de 1848.
Francitco Xavier Calateante de Albuuuirque.
Acaba tle sahir do prelo
0 UTUTO BSPEKTU.
DIALOGO
HIST0B1C0, ANALVTICO, CRITICO, MORAL,
BHBBI
UM MATUTO E UM LIBERAL.
A l.-ilura de suas conferencias he ntcressanle a toda
aclasse de pessoa; uiilisam no estado actual da soci.-
dado, podendo-se inesino di/.er indlspcnsavel.-
o autor desta obra.rscrevendo-a nos flus do auno pai-
tado, parece que adivnhou os aeontecimenlos do pre-
sente, e com tira espirito quasi prophetico descreve os
malea que se Ihe devem seguir, demonstrando que o in-
culcado progresso vai para o regresso.
Vende-se na praca da Independencia, livraria, n. 6 e 8
av2TJO0 rs. cada exemplar cncaderuado, c a 1#(>00 rs'
em brochura.
MEMORIAS HISTRICAS f)A PROVINCIA DE PER-
NAMRUCQ.
Os Srs. que pagaram adlantada a subscripcao dcsta o-
bra queiram mandar icccbpr na praca da Indeppn-
dencla, livraria, ni. 6 o 8, o 3. p4. lomos qup psto
concluidos, r o 5. se destribnir quando chegarem as
estampas ijue o autor niairdou lilhographar.
Avisos martimos.
ronymo Jos Ferreira, no primeiro andar da casa n.
141 da iiiesina na.
Peante o Sr. Dr. juiz da piimcira vara, escrivo Re-
g, se ha de arrematar no da 25 do corrente, depois da
audiencia, c na porta da mesma, por ser a ultima praca,
um escravo pardo e una negra do genlio, por expeu-
co movida contra 1). Joanna Maria das Nevcs Tel-
xeira.
Na ra de Aguas-Verdes, n. 26 cozinha-se para
fura toda a qualidade de comida ongomma-se roupa de
honiem a tresvntens a ppea e do-se bolos de ven-
dagem, a 80 rs. a pataca.
Perdeu-se, no dia 20, um cruzeiro de oufo todo
iavrado desde a ra da TJniao at a praca da Indepen-
dencia : quem o achou, querendo restituir dirjase a
esta typographia. quesera recompensado.
-- Joao I ,u i/ de Oliveira Ffores, subdito brasilclro
relira-se para Portugal, a tratar de sua sade.
Na ra Nova, n. 30, existe una carta, vinda de
Lisboa, para o Sr. Domingos Jos Dias de Oliveira.
OBRAS DE CABELLOS.
Fazem-se na ra Nova, n. 30, toda a qualidade de
obras de cabello, como sajara : Irancelins para reloglos
e lonetas de dill'crentes modelos aderecos, pulseiras,
brincos, alfnctes c cresccntcs etc. : ludo por preco
eommodo.
Precisa-sc de um caixeiro que tenha pratica de
venda e d fiador sua conducta pois he para tomar
conta de nina : a fallar na ra Nova, n. 30.
Oabaixo assignado faz saber a todos os Srs. com
quem teiii transacees que o Sr. Antonio Joaquim de
Freitas Guimares deixou de ser seu caixeiro desde o
dia 19 do corrente. Franeiico J/iiriiui de Lemas.
, Oabaixo assignado fat publico que val a Portugal
tratar de seus nrgocios dcixando sua casa entregue a
seu mano, Fiancisco Jos da Silva Ainorim gyrando
como at hoje ; c por seus bastantes procuradores o di-
to seu mano, os I lim-. Srs. Dr. Nuno Ayque de Alvcl-
los Aunes de Brito Inglex el'rancisco das Chagas Sal-
gueiro. Manoil da Silva Amorim.
I's ailinini.il adores da casa do fallecido Joaquim
Leocadio de Oliveira Guimares convidan! a todos os
credoros da mesma casa para so reiinirem na tarde do
dia 23 do corrente no terceiro andar da casa da na do
Livramcnto, u. 20 em que inora o administrador Joa-
quim Jos de Miranda para em rrunio se tomarein al-
gumas dclheracdcsacerca dos negocios da mesma ca-
sa. Recife, 21 de agosto de 1848. Joaquim Jos de
Miranda. Manoel Alves tuerra.
Antonio liento de Araujo faz scicnte ao respeita-
vel publico que coinprou a padaria sita na ra da Glo-
ria, o 55, a Manoel Jos da Cunta.
Antonio Jos Soars vai para a Babia.
Aluga-se a loja do sobrado da esquina dos Quatro-
Cantos, da cidade de Olinda, local excellente para qual-
qucr pslabpleeimento: dentro da mesma existe urna ar-
luas dividas para seren attendidas.
Casa de modas franceras.
A. Millochau.
No Atcrro-da-lloa-Vista n. 1, primeiro andar defron-
te do chafariz.
Pelo navio eaujeu, recebeu um lindo'escolbimento de
chapeos de moda nova, para senhora ; chaposde pa-
tita aborta ; ditos de palha Ingleza muito alva e fina;
ditos de palha da Italia; ditos de palha aliena ,
muito ricos, para meninas; ti aneas de cores diver-
sas para enfeites de vestidos ; luvas de pellica para
senhora; cambrala de linho, sem mistura de algndao ;
rendas lisas de linho ; fitas de ricas cores para grava-
tinlias,.!.- senhora ; ricos filos bordados para vestidos e
veos de noivas ; flores e palmas ; verdadeiros bicos de
linho blancos ; tiras bordadas ; litas de todas as largu-
ras ; loucados para enancas, etc. Na mesma casa ha
sempre para o escolbimento das senhoras, um sor-
tiiieuto de chaposde seda de todas as cores, toucados
e toucas para meninas : lambeiu se f.izein vestidos de
noivas e outros com promplido e preco cominodo.
DENTISTA. 'S*.,
II. S. Mavrson, cirurgio dentista acha-se residlndo
no Recile ra do Trapiche-Novo, n. 8 seguudo andar,
onde contina a por denles minoraos, ficando incor-
ruptiveis e paieccndo nteirainente, como denles natu-
raes : i i in I,, i,, ra a pedra, a qual, nao sendo extrahida,
empoiieo teuipt) lano arruina os deules; chumba coui
ouro, prala oudeulico para privar de augmentar a
coirujicao i lambem tira, lima e fai todas as operaedes
denlieaes com a maior delicadeza possivel. Elle espera
que os elogios e o muito patrocinio que tem recebido
pelos beneficios que tem produiido na sua pratica du-
rante 8 anuos de residencia nesta cidade serao garau-
ias siiiii. unte, para as pessoas que, precisando de seu
presumo, nao o deixem de procurar.
Para o Rio-de-Janeiro segUe com a possivel brevl-
dade o brgue-escuna nacional Viinda, por ler parle de
seu carregampiito engajada: para o restante, escravos al Alerro-da-Boa-Vsla, n. 24,
macan de venda que se vende por preco- muito eom-
modo, e lambem se tira a dita, se assim ennvier ao
pretendente : a fallar no Varadouro com o Sr. Joaquim
Ribeiro, delimito do embarque, ou no Recife, ra do
Livramcnto, sobrado n. 8.
Precisa-sede um caixpira para repartir pao na ra,
prefeindo-se um que j tenha disto pratica : aquello
que se achar as circiimstancias, dando fiador a sua
conducta, pode dirigir-se a ra larga do Rozario, n.
18, junto ao quartcl de polica que achai com quem
tratar. '
Aluga-sc urna casa defronte da groja da Soledade
com 2 salas, 4quartos, cozinha fra, estribarla e cacim-
bas, com 2 quinlaes, sendo um aiuuradi. e ouUo com
cerca, por IO#OUOrs. : no armazem da ra Nova, n. 67-
Precisa-se de um caixeiro para venda .' a lisiar no
J. A. S. Jane, artista, tem a honra de avisar ao rei-
pcitavel publico, que tem vollado do norte e se acha
residindo na ra estreita do Rozario, n. 16 primeiro
andar, amule continua a por dentcs artficiaes, de por-
cellana composicao esta inleiramenle seota de cor-
rupeo como bem tira as caries dos naturaes, calca
deourocnrala. Oannuncante declaraa lodas as pes-
soas que sequizereni utilsar de seu nrestimo que nao
exige receber paga algitma, se por acaso nao licarem os
ditos denles artficiaes t.o bem postos, que nao se possa
ihile enear dos |n npi ios naturaes sendo os mesinos
postos sobre chapa de oiiro e sobre tarracha os quaes
ficam lo seguros, que se pode masug.tr toda a comida
com clles sem causar a menor dr.
Liva-.se e engomma-se com toda a perfeicao por
preco eommodo : a tralar na ra da Roda, n. 23.


S
v.
\
Precia-ie d uin caiaelro, preferindo-se um que
t^nlia praillc padaria : no principio do Atierro-dos-
.fnetdoi,'defronte do vivelro do Munlz.
_ Preclsa-se, para iervlc de criado em urna casa de
milla, de uin rapsz nacional ou estrangeiro : na pra-
, da Ba-Viila, n. 32, 2. "andar.
... Offerrce-se um rapar braiilciro de boa conducta ,
nara calxelro de qualqucr estabeleeimento excepto
ruda: quem de seu prestimo se quizer utilisar dirja-
le a na do Mondego n. 51, ou annuncie.
Alugain>e duas casas na ra Imperial, uina dlts
n.'nu Augusta,toda com muitos commodos para gran-
e familia e pelo preco de 8/333 rs. por cada mez; uina
Aria aga no becco do Peixoto, per 5/n.: a tratar na
rua do Crespo, com Antonio da L'unha S. Guimaraes.
.. Aluga-se a casa n. 64 da rua daSoledde, com bons
commodos para familia, com um pequeo sitio murado,
t algn, arvoredos : a tratar na rua da Madrc-de-Deos,
D 9.
Aviso aos capitules de navios e as familias
de Pernambuco.
Pela galera ingleza Sword-Pih recentemente chega-
da a este porto, vlnda de Liverpool viera urna peque-
a consignacBo de latas contendo a essencia de leite em
nata preparado por uin dos inais eminentes cirurgides
deS.M. a rainha Victoria: estiapreciavel preparaco, he
igual *o leilc frescamente tirado da vacca o quai con-
serva-sc porqualquer tempo e em qualqucr clima reten-
do toda a sua puresa.
Tesleinunlusde referencia veem-sc na sala do coin-
incrcio e no armazem de Dousley ec Cotnpauhia rua do
Trapiche e"i cujos, lugares estao a venda as ditas latas ,
,.,. ,.,mii:i'in suieicnte qiiantidadc para formar gar-
rafusdelele.
_0s abaixo assignados razcm publico que uinguem
contrate negocio algum com Kernardino Crrela de Se-
na com os escravos e inais bens que licaram por niorte
do pai, Reinaldo Antonio Alves, pois cite, o dito filho,
Ihei teni hypolliecado por cscriptura publica, 11 escra-
vos e os mili bens pela quantia de 4:7S6f359 rs.: consta
que o Hit) Heniardno se ausenlia do lugar dos Piles-
j-Saiilo-Antonlo, enmarca do rrjo-da-Areia, e nao
se sabe para onde. Previne-se com o presente annun-
cio para cm tempo algum sequeixarem os que com elle
contrataren!, e protestamos liav-los.
I (iuimnrn & Comvanhia.
-. Osargento-mr Francisco Santiago llamos, pro-
pnctariodo engenho Tibiry em Una, devendo por urna
lollra ao Sr. Joo Manocl de Marros" Wanderlej I,1ns a
i|ii inii.i de seisecutos c tantos milis este a passou ao
Sr. Kllas Emiliano Ramos para receber dita nuantia do
dlludevedor, que pagando o importe da letlra ao mesmo
. Joo Uanoel Je Barros de quem letn recibo : parti-
r'pou este ao Sr. Elias que entregassea lettra ao dito Sr.
inajor Santiago, ou a sua ordem porque eslava dclla
pago mai o Sr. Elias a isso se tem negado, nao obs-
tantante os avisos repelidos do Sr. Joo Manocl para
que eiitregassc a mencionada lettra ; portanto o mesmo
major Santiago avisa ao publico para que nao aceite a
referida letlra em trausaccao alguiua purque esl pa-
ga i'Miiicia.
Joo Mauricio de Narros Wanderlrv, Sr.|do engenho
C.iudahy, em Serinhcm, tcm tratado comprar a Joo
Jos Marques Araujo, uiorador na villa de Rio-Kormo-
lo, duas casas de sobrado sitas na mesma villa cm ter-
reno foreiroa Sra. 1). Francisca, e sendo que algucm se
Julguc com direito s mesuias propriedade deve decla-
rar ao incsmo coinprador ou a Mmu Goncalves da
Silva le.ia praca, is o no prazO de 8 dias, contados do
prsenleannuncio, lindos os quaes se paitar a eserip-
lura -ii'iu attender-se a reclamafo alguma Recife, 17
de agosto de 1848.
Desa/>
opareceu
no ilia 15 do correnle, do poder do Sr. Lula Siines,
Francez, um molcque que andava junto com elle ven-
dendo obras de ouro, cilio moleque chama-sc Joo, he
crioulo, representa ter la 14 anuos tem nina marca
de um talho na sobraucelh.i, he bastante ladino e
perlence ao casal da tallecida D. Rita Roza de ilaccdo :
o lestainentciro Manoel Percha Lunego pede as pes-
soas que o a|iprchenilerem levein na rua do Qiicimado,
a. 7, que sero gratificadas.
@ NOVO PAO DE PROVENCA. Q
11/ Vende-tt lodos o diai. \f
X) O proprielario da padaria epastellaria franceza J.
*T 'io Alcrro-da-lloa-Vista, n. 50, deiejaudo agradar ^
rada vez inais aos seus frcgueic, rcsolven offere- W
T cer-lhes um pao que se fabrica em Prnvenca por x.
Qp um processo muito dilferentc do ordinario, c que, \9
j oxlgiudo familia das melliores qualidades, mere-
V ce a preferencia do publico, pela sua alvura, T/
^ pureza e delicadeza de sua fabricacao. f\
S se farao paes de 40, 80 e 160 rs., e ser fcil V0
Sconliecelos pela sua forma oblonga c elegante. A
Na mesma casa contina-se tambem a vender
M bolinlios para chi de todas as qualidades, e tam-
liem a enfetar bandejas i -leas-para bailes e sa-
raos.
0
..-^auoel de Souza Silva SerodioJ residente em Ra-
"cliao-de-Panellas, tendo negociado nesta |hji i com va-
rios Sra., a quem saippde nada inais dever, pelo pre-
sente convida a quem se julgar ser seu credor apr-
sente suai contal no prazo de 3 dias as Cinco-
Pona, n. 71, que icro pagas: ficando assim desone-
rado para o futuro.
Um rapaz brasileiro, tendo bastante pratica de cai-
leiro de rua c escripia, por isso que acaba de retirar-se
de urna casa aonde csteve 8 anuos, e que a nao ser o
pouco selario que oblinha, nao se retirara, ollerece-ie
para o mesmo lim, certificando que, comquauto tenha
inteira couvicco de sua conducta ser regular, nao se
evitar de dar por ella fiador: quem o prcteuder au-
uuucie para ter procurado.
ATERRO-DA-BOA-VISTA N. 16
Pommaltau, cuttlleitoearmeiro
em a honra de participarlo rcspcilavel publico que re-
cebeudc Franca pelo ultimo navio um soi tmenlo de ar-
mas franeezas, espingardas, pistolas de montar la, supe-
riores espoletas de marca G, tudoquanto pertence a cu-
bilarla, linas navalhas dasquaes se garante a qualidade,
"lujos com lodos os pertenec para lioinem, brides, es-
Poras, chicotes, bengalas, estribos, caber,adas, polvari-
"lios, chumbeiros, esponja* grandes, massa para afar
uavalhas, potes de banha preparada para conservar o
lustro do ac e prohibir que le enferruge, fundas de to-
das as qualidades e feilios, assim como outras umitas fa-
*endas, ludo por preco commodo.
5| CHAPEOS DE SOL ,J|
iiti do Plaselo-Publico ti. 5,
O fabricante deiteeitabelecimeh lo adverte ao respe-
lavelpublico'deita cidade que elle possuc presento-
mente um rico sortlmento de chapeos d? sol assim
cuino chapos de sold seda furia-cores, dos inais ricos
1uc tem apparecido nesle mercado e de cores conhe-
cda ; ditos para seuhoras de bo;a tom adamascados ,
lavrados com suas coinpctentas franjas de retrot, lu-
do que tem de inais moderno e do methor gosto ; um
cmplelo sortlmento de chapeos de sol de panninho de
i.i las as cores e de todos os tamauhos para homens ,
seiihoras c meninos ; ha tambem igual sortlmento de
1 a/endas para cubrir arinacoes tanto de leda de cre
iiiino de panninhos trancados e lisos Imitando seda. Ad-
verle-se que os freguezes serao servidos com brevdade,
1 se acharo satlsfeltos da boa qualidade, do bom goslo e
a preco.
Lotera do the Uro publico*
Nodiaa5 docorrente, e no consistorio
da igreja da Conceicao dos militares, an-
dam imoreteriveimenteas rodas dest i lo-
tera : dosbilhetesque restam vender-se-
lioate as oitohoras da manliSa daquelle
dia, nos lugares j annunciados.
=t)icredora do caial do fallecido Joi Goncalve
i-aicao, que ainda nao apreienlaram mal contal, hajam
ue o tazer quanto antes a Antonio Goncalves Pcrcira,
na rua Nova, no tereciro andar, para o preciso exame.
Constando ao annuncianle que alguem tem dito
que a telha e lijlo lino vendidos por elle annuncianle
para os reparos de quarteis militares teem sido de bar-
ro extrahido em lugares de agoa salgada, julga de seu
aeverconteitar semelhante falsldade.appellando para o
mesmo material por elle vendido, eque deve de exla-
lir nai memas obras para onde lora requisitado e onde
pode ser visto. Alm de que, ahi estao todos os Srs. de
otarias, pessoas todas que pdein ser interrogadas ; el-
las quedigam, em obsequio verdade, se o aunun-
ciante trabalha, ou trabalhou com barro de agoa sal-
gada, como se nllirmou. Km cnnclusn, pede o an-
nuncianle a quem qur que uo leva a bein que elle
venda para obras militare!, que, querendo continuar
por tal motivo a guerrea lo, guerreie-o, poiin, con
verdades Uiiiuameulri pois que, como se sabe, a uien
tira sempre apparecc com vergonlia do mentiroso, co-
mo agora mesmo se est vendo.
Antonio de .Vouzj Hangrl.
ub&ixo assignado faz scieote ao pu-
blico que deixou de ser caixeiro do Sr.
Francisco Martins de Leinos,desde ig da
crrente mez. 0 mesmo aiaixo assigna-
do, nao podendo deixar de agradecer ao
dito Sr. I.finos is boas maneiras com que
se dignou trata-li, o faz pelo prsenle.
Antonio Joaquim de Freitas Giiimar&ts.
--Joaquina da Silva Ferreira subdito portiiguc, re-
tira-separa.lora da provincia levando em sua compa-
nlii I MI i .r lilm i a.
- !.... -| im i.i.. uii vjz, i*:rtngu'-, rctira-sc paiu
fura do imperio.
Cali Ain relira-se para Europa.
= Joo Casimiro Govea subdito pnrluguez, retira-se
para o Rio-de-Janeiro.
v ossa Senhora to Bom Successo
dos > aveg.uites.
Os devotos da excelsa Senbora do liom
Succt'sso dos Navegantes, summente
penboradoa pelos grandes obsequios que
receberam de todos os Senbore.sque.se tlig
naram de concn er com suas presentas no
acto da procsSo da mesma Senhora, tlei-
xnriam de cumplir com um dos maiores
develes, quanto o da gralidao, se presu-
rosos nao tributnssem os seus devidos res-
peilos de agradecimenlos por lo rele-
vantes obsequios. Queiiam, pois, os mes*
mos Senbores oceitar seus puros c since-
ros votos.
= Pelo presente se faz publico que se acha justa c
tratada a compra do botequim da rua do Rosario larga,
denominado Cova-da-Onja ; a passoa que se adiar com
direito ao mrsi.no por qualqucr transaran, haja de de-
clarar nesles tres dias antes de se fechar o negocio.
I'ri cisa-se de um bom amassador,
que cutenda bem de sua obrigaro, pois
se Me pagar bom ordenado : na padaria
defronte do viveiro de Muniz, n. 43.
Francisco de Freas Gamboa, que-
rendo por-se em din com a piara, vende
urna casa na travtssa da Bomba que
rende 16,000 rs. mensaes, por i:/|tio,ooo
rs. : quem quizer dirija-se ao tbeatro.
Compras,
Compra-se um moleque de 12 a 14 annos de bo-
nita ligura, e que tenha boa conducta: no llolel-Coin-
mcrcio
Compra-se ouro e prata, meimo em obras quebra-
das : na rua do Queiiuado, n. 14.
Compram-seduas negrinhas bonitas, c que tenham
boa conducta una de 11 a 12 anuos, e a outra ale 14:
na rua da Cadeia n. 40.
Compram-se, para urna encoinmenda, escravos de
ambos os sexos pretoc e pardos de 10 a 40 annos f na
rua das Trincheiras sobrado de um andar n. 16.
- Compra-se una Rauta de quatro ou 5 chaves que
esleja em bom estado.: quem tiver annuncie.
Compram-se diarios vclhos : na rua larga do Ro-
zarlo boliqiiui nva-da-Onca II. 34.
Compram-ie os sexto nono e dcimo voluntes do
romance Conde-do-Monle-Christo ; pagam-sc bem :
quem tiver annuncie.
i omp a ni se lapos curunis que sejam grandes :
nesla typographia ou na rua de lionas, n. 62.
Compra-se urna preta de uieia idade que saiba
coiinhar o diario de nina casa e vender na rua : na
Boa-Vista, iravessa do Quiabo n. I.
Compra-te nina estante sendo velha e barata : au-
nuncie.
Vendas.
Vende-se uin sobrado novo, de um
andar, com 7 palmos de frente e 100 de
fundo, quintal de i3o palmos, cacitnbi
de boa agoa de beber : est livree desem-
baracado: na rua do lospicio,junto ven-
da dleao de ouro, a tratar com o proprie-
tario, Manoel Joaquim Venancio de Souza.
Vende-se vinho do Porto muito superior em
pipas c barris dequarto e oitavo, proprio para engarra-
far dito maif inferior, tambem em pipai e barris de
miarlo e oitavo cevada ; pain0 ; peneiraa de rame
retroz do Porlo, orlido fechaduras para portas de ar-
nzein i coeiros de algodo ; Pllulai|da familia anco-
rela.Toin aieilooa.rii-ia.de linb.oe df algodao para
"nho: ludo por
casa de
m. ^r a ,-t
Vende-ie um reloglo sabonetc de ouro, patente
su isso com segundos todo lavrado ,e bom regulador,
com urna corrale de ouro c chave para o mesmo, por
preco commodo : na rua Nova, n. 5.
Vendcin-sc mcias de linho e de algodo para ho-
nieni ; peneirns de rame; blxas de Hainbiirgo (que tam-
bem se alugnm) ; pilulas da familia : na rua do lio/i-
rio padaria junto a igreja defrontc da botica do Sr.
Paianhos.
Vende-se urna preta de 16 anuos, bem parecida e
muilo hbil para se aperfrir,oar nos principios que j
tem de costura, engommado e ensaboado : na rua da
Cadeia do Rccile a fallar com Jos Gomes Leal.
Cal virgen*.
Cimba & A mor i ni teem para vendaran-
coras com 4 arrobas de ca de Lisboa, da
mais nova e mellior qualidade que lia no
mercado, e por preco mais barato que em
outra qualqiier parte : na rua da Cadeia
do ftecife, n. lio.
Vende-se a retalho fumo para charutos, de primei-
raqualidade i na ruada Lapa, u. 6.
Vende-se urna bonita parda de 25 annos, que sabe
coier, entornillar, ensabnar, cozinharo diario de uina
tasa e he muito esperta e sadia : na rua Imperial, so-
brado a. 39.
Han chegado pelo ultimo navio franeexos mais deli
cados Icio nilio. de seda para meninas, pelo diminuto
pre9o de 040 rs. cadaiiiu: no Aleno-da-lla Visla ,
n. 24.
&$ss&$&
174
Tjiod. li-b.: ^P-S^tveida
rua do Vlgario
Cunba.
n. 11
0 dono deste rstabcleciuiento,vendo-scem cir-
cuiustaucias de lite ser preciso relirar-se para a
Kuropa precisa primeiro pagar a seus credo-
res e para e'eituar cale pagamento o ai! sj
breve possivcl oll'erecc algum abalimento a
srui devedores quequizerem saldar suas con- j|S
tas assim como tem resolvido vender todas as
fazend.is por dimiuutos precos, a saber: pecas S
de madapolo, a ig 2^900, 3/200,3^500, 3/700, m
3/000 e 4/ rs. ; dilas de chitan escuras, linas e g
entre-Anal, de cures fixas a 4/800, 5/. S/^1"" pS
t/e (i/500 rs. ; ditas muito superiores entran- gfj
do alguinas de cubera, a 7/ rs. a prc.a c a M|
rs. o corado alpaca, o000 rs. ; lila larga, a 380 |
rs. ; casineta preta a l^rs. ; los tinos e gran- 5?
des de linho, a t400 7/ c 7/500 rs. ; chales ^i
grandes de garca a 1/500 rs, ; ditos de edita a jg
800 rs. ; vestidos de cambraiacom bico c renda is|
de superior qualidade, a 3/rs ; mantas de caiu- <.--
Iiraia para lenhord, a 1/rs.; luvasdc pellica, ^.>,
seda e algodo, para hoiiiem, a 320 rs. ; pesco- S
cinhos e golas de bonitos gustos, a 240 e 320 rs ; w
bieos franceies, inelezei rila trra ealguns de gn
de seda preta, a 120, 100, 200, 240,320, 400 e 040 3
rs. ; leu, o. de casaapara grvala a200 rs. ; di- ^d
tos de militas qualidades para homem e se- j
nhora a 180, 200, 240, 300, 320, 360, 400, 480 e gS
560 rs.; suspensorios a 40, 120 c lO rs. ; ditos
finos de borracha a 200, 240 e 200 rs. ; garca gj
de seda muito larga com llores domadas a 240 S
rs. o covado ; cana da India,a 400 c 480 rs. a va- ra merino lino e entre-lino a 1/800 2^000 c Q
2/500 rs. ; pannos linos,* 3/800, 4/ c 4/500 rs. ;
e o o 11 i. mullas fazendasque niiose annuiiciaiii :<:{
por oceupar muilo lugar as quaes se vendem K|
todas anda mesmo com glande prejuizo s j>J
a ti m de se acabar com o dito eslabeleciiiiento gt
o qual tambem se vende no estado que se acha, S2
havendo quem o queira comprar ainda mes-
ino a praxo com lettras de fuas que agrada- ^
rein a seus credores, S
Vendein-sc 5 molequrs de 17 18 annos; 5pretos
de 25 a 30 anuos, sendo um dellos bom uarrelro j 2
pardos de 18 annos ; duas niiilalinhas de 7 a 14 anuos ;
una negrinha de 12 anuos todas com principios de
habilidades ; 4 prctas de 20 a 25 anuos, alguiiias del
las com habilidades ; na rua do Collegio n. 3, se dir
quem vende.
Vende-se una esclava de meia idade que cotinha
o diario de uina casa lava e hequitandeira por pre-
co commodo por ser por preciso : na Soledade, indo
para o Manguind n. 19.
Vendeni-se G acees do theatro de Apollo por
nielade de seu valor : amado Cabug, loja de ouri-
ves, n. 5.
Vende-se o verdadeiro xarope do
bosque, viudo do hio-de-Janeiro no va-
por Paraense: na mida Cadei-t do l'.eci-
i'e, blica de V. J de Hrilo.
Vrndem-se duas escravas, sendo una preta criou-
la, de 20 annos e a outra acabralhada que representa
trinla e tantos anuos propria para o srrvico de casa :
na rua da Cadeia do Recife casa de Joo Jos de Car*
valho Moracs.
Vendeni-sc tres mil lelhas muilo boas por bara-
to preco lijlos de alvenaii.i batida ladrillo) compri-
do c qundrado tapamento e de fogao : ludo barato :
no Ilccco-Largo, no Recife junto as taixas de ferro on-
de foi tanque d'agoa
Vcndc-ie nina canoa alfrrta propria para carga
ou lastro de navios por ser grande : em Fui a-dc-1'or-
tas u. 90.
Lotciia do Rio-de-Janeiro aos io:ooos'
ue ria.
Vendem-se bilheles c inelos ditos da lerceira lotera
a beiiclicio do hospital de' aldas da provincia de S.-Ca-
thariua : na rua da Cadeia do llacil'c loja de Ierra-
gen. u. 50.
= Vende-se una linda cabritilla de 25 annos de bo-
nita liguri que engomina muito bem colinda, cose ,
lava de sabio e varrella e nao tem vicios neiii acha-
ques : u motivo por que se vende se dir ao comprador :
no paleo do Carino, n 9, segundo andar, das (i ;is 9 ho-
ras da inanhua e das duas s t da larde.
He impossivel
havercorles de cassas para vestidos mais bonito, e com
(i 1,2 varas cada um, pelo diminuto preco de 2/500 rs.:
no Aterro da Ra-Vista, loja n 24.
-- Vende-se una linda gargantilha, doui anneloes, um
cnrilao, um resplandor de ouro bom, doze colhcrrs pa-
ra sopa, una dita para tirai sopa, una salva de prata
sem feito, tres pares de brincos com diamantes e um
par de pulseiras : no paleo do Paraizo, u. 20.
Vende-se una casa terrea na ruados Marlynoi, n.
15 : quem quizer comprar dtrlja-se a rua da. I.aian-
geirai, n. 24. ,,.
Vende-se a venda de Fra-dc-Porlss do largo do Pi-
lar n. 17 : a Halar na mesma.
--- Vndese um cavallo gordo e manso, ensinadn para
'carro e sella,"sein aThaqut;- areum : na->rrraea da ia-
Viita. botica do Sr. Ignacio Jos do Couto, sedirquem
o vende.
Novo />o de Provena
~ Vende-ie um c.rravo preto, de nacio Angola, por
prer.o commodo : na rua da Cadeia do Recife, loja de
fa/.endas, n. 28.
amada Aurora, n.Gi, terceiro
andar, contina-so. a vender o'verdadeiro
xarope do bosque, a 5,3oo rs. a garrafa ;
-- Vende-se 10119a da llahia : na primeira caa palian-
do o quai trl do lluspico.
Vende-se por preco muito barito na
loja de .Victorino & Cuimares,
na rua larga do Rozarlo 11. 22, amigamente dos Quax-
teii um rico sorlimeuto de franjas brancas e de cores,
propiias para cortinados e loalhas ; toalhas e guarda-
apos de varia, qualidades e lmannos ; liros de novos
moldes para marcar ch ipos prelos de castor fino ; ba-
bados de linho largos c rstrriloi proprio para barra
de lenccs e loalhas-, tr.incclim de reros preto, pro-
prio para cirgueiro ; ditos de cores para obras deallaia-
te ; tranca preta propria para o mesmo lim ; boccaes
devidro proprios para charutos ; carapur.as de laa de
cores; hcelas de pinhode varioslaiuanho.; estojos com
arran jos proprios de costura de senhora ; rscovas finas
de limpar denles ; um soi lmenlo de aljofares de toda
as cores, cm macos, r brincos do mesmo ; nula em po-
tinlios e garrafas, de superior i|ualidade ; earteiras ;
peonas (Icfco finas com cauelas de metal lino ; creio ,
c uniros arranjos de marliiu que veem junto; caive-
tes papel de cores para entalles c capa de livros; mii-
sangas de militas cores para voltas de peieofn; tesou-
ras proprjas para espivilar candieiro ;Juvas proprias pa-
ra rscovar cavallo ; livro e fnlhelos proprios para me-
ninos de escola ; e oulras inulta miudezas.
$#Si989'e99W#l99St
8
9)
4f> O proprielario da padaria do palco da Sania- o
W Cruz, n. (i, e do deposilo da rua eslreila do Roza- '
* rio, n. 39, contina no fabricameulo do afamado *
* po-pruvenca que lama sjuipalliia ten adqui- "
g rido do povodesta cidade, j.-i por sua alvura e bom ,
d( BOStO, como pela furnia edelicace/.acomqiie he fa- ]
a* bricadu, e por uniros inujtos motivos da sua eons- (
tmceSu se torna um tanto mala superior ao que 1
W al agora nos supria. Juslilicaesla verdade a gran- <
* de CODOurrencla que tem apparecido nessas poil-^*
S cas padarlas que presentemente o fabriram.' ".
O mesmo proprielario entre os oiiiios (pie j an- j
f. ininciain pu-piuvcn^a he um de entre riles ha- -
K bilitaaos para 1 siciiiu tanto por entender pencl--!
j lamente de seu fabrico como por ter cm sru po- jj
ft der as melhores farinha que existen) presente- i
mente, urna das priuiriras partes que sr loruain J
uci'cssarias. Nos mesinos estabelreiinentos acha- ;
rao os fregueses a boa bolachinha de regala tan- t
lo doce como agnada e biscouto. i
i
I
i
W>MWtMW>IttWMIilMWe
---Vende-se una linda preta de 20 annoi ptima eu-
guiiiinadcira com una cra de 2 anuos, muito linda;
ama dita de 15 anuos que cose muilo bem ; urna mu-
laiinlia de 10 anuos; um inolecotc de naci, de 20 an-
uos bom Cotlnhelrc e copeiro ;uui moleque de 14 au-
nos ; 2 prelaspara todo o servido ; um pardo escuro
cun ollicio de all'aiatc e (pie he bom copelro ; um dil
dccflr clara de inuito boa conduela e que he inulto
bom pageni ; c inais alguns escravos : na rua das l.a-
raugeiras n. 14, segundo andar.
Vendein-se, na loja'deJ. E. Cbar-
don, Merro-da-Boa-Visla, n. 3, os livros
leeuintea Hisloire de dix ana, por L.
Blanc Histoire des Cirondins, por Ca-
n iiiine ; l'iqnillo Alliaga, por E. Scribe ;
Annnario do Brasil (1846) ; U Frogres-
so ; (1846 e 1847) j As Sete Gordas da
Cyra ; (primeira, segunda, terceira, quar-
ta, quinta e sexta livracoes) ; Melliora-
mentos do porto, por L. L. Vautbier ;
Mecanique industrielle, por foncelet ;
Traite depbysii|ue, por l'oiullet ; Manuel
de mineralogie, por lluct.
Vriidem-se chapeos de castor branco a 5/ rs.: na
pra^a da Independencia loja ns. 21 e 22.
___Vende-se tuna cabrinha de 12anuos, propria pa-
ra dar a nina menina ; na rua de S.-Rita, 11.88.
=Vende-se a vendada esquina dos Afouginhos n. 20,
confronte a do Sr. Victorino rom poucos fundos : a
tratar na moma venda.
__Vende-se una preta crioula de 30 annos sadla e
sem vicio algum que lava de sabo c varrella cose
chao cozinha o diario de urna casa : na rua da Cadeia
do Recite 11. 53 tereciro andar.
Vende-SO uina esefara parda, de idade de 15 a 16
anuos : na rua do Cahug, loja de Antonio Rodrigues da
Cruz.
Vcnde-ieum moleque de 18 annos de bonita figu-
ra : na rua .Nova n.i(i.
XAROPK 1)0 BOSQUK.
Para acurada plilhysieaciii todoios seus difl'erenles
graos, qur motivada por aigumas das seguintes 1110
leslias :
Constipares I Coqueluche ,
1'osse Oor de costas e peito ,
Asthina Bronchites ,
l'leuriz I I'ir na garganta .
(.en 1 os de saugue e todas as molestias dos orgaqa
pulmonares.
Kste exccllenlc remedio que tem gozado de lao boa
repulacao nos Kslados-l-'nidos d'Americado Norte pelo
seus bous effeitos na cura de varia molestias cima
mencionadas indutio os propnctarios delle a mnda-
lo para o brasil onde a esperanca de suas virtudes nao
fi ain sem fundamenlos como a rsperiencla tem mos-
trado desde a sua introdiiccao ; pois os adiniravels et-
felos que tem produ/.idoaqui, sao igiiacs aos inrlborec
que all teem frito c que sao bem alteslados pelos va-
rios teslemunlios e certificados das pessoas que teem si-
do curadas por este medicamento sem igual, particu-
larmente aosuldesie imperio onde fui primeramente
introduzido c j nesta mesma provincia rcceilados pe-
los mdicos e sempre com bom successo. O receuuarli
que rnsina a maiicira de usar acha-se gratis no de-
''Nov.iesJtCompanliia, os nicos agentes neita cida-
de e provincia Horneados pelos agentes geraes no RIo-
de-Janeiro os Srs. K. C Yates* C.. asseguiam ao pu-
blico ter sempre o mais novo possivcl vindo daqnelle
deposilo. Cusa ft/500 rs. cada garrafa, e cm duzia maia
em cm coula tanto no deposito como na rua da Cadeia
do Recife loja de miudezas, n. 9
Vende-se urna mulalinha de l* annos, de bonita
figura e cun principios de costura 1 na rua da Praia ,
"..'. Vendem-se duas vaccas muilo boas Icileiras urna
com uina cria de 15 dias e a outra com o beierro de
3 mezes :-estao bem gordas : vendem-sc por o douo re-
tirar-se para lora da provincia : na Passagem plisan-
do a ponlezinba no primeiro sobrado do lado direito.
Vende-se um preto peca, de natao Angola de ]8a
20 anuos muito forte e adio c que he proprio para
Uembarcjidico ,pur ter disto miiUa prajica, ou paj;aou-
tro qualqucr servico; na rua Oireila n. 3(5, tercetro
andar.

.
I-
.
*
s
I
?'-a *



.1
c
II
!
ii
II
r
i
f
i
I
>

Vende-se cal virgem de Lisboa,
cltegad-i no ulliin i navio, eni Larris pe-
queos, por menos do que em outra qual-
qucr parte : na ra do Trapiche, arma-
zem n I7.
-Vende-se un alambique novo de cobre coni todos
os scus pertenec ; um relogio abnete de 011ro coin
crreme suissa : na ra da Cadeia de Santo-Antonio,
.ii ni 1/. in. n. 21.
Vende-se, por preco commodo, uiuito superior sal
do Assu" : a tratar na ra da Moda n. II, coin Silva Si
Grillo.
Vendem-sc pastas perfumadas para guardar luvas
de senhora ; agulhas francezas em caixinhas ; agulht-i-
rosde vidro; linteiros em caixas de jaspe j tinta azul e
encarnada ; caivetes finos c una, duas c tres folhas,
poi preco commodo ; no Aterro-da-lioa-Vista, n. 84.
Agna
Cnntimia-se a vender a agoa
de tingir cabello.
de tingir cbelos e suis-
sas: na ra do Qucimado n. .'II. o metliodo de appli-
car dita agoa acoinpaulia aos vidros.
Vendein se barris coin cal virgem de Lisboa, de
4 arrollas, a irais novaque lia 110 mercado por menos
preco do que em outra qualquer parte : na ra de Apol-
lo, aruiazem n |8.
Vende-se una rica cadeita viuda da Hahia nova
< tetn usii: na ra da Cadeia 11. 40.
Vende-se una mulalinlia de 14 anuos, que cose c
engoiiima coin perl'eicSo ; urna preta de IH anuos com
as iiiesmas habilidades; um mulatinlio de 12 nnns ,
propiio para pagem ; um pardo e um preto de 20 a 25
anuos ; uuimolecote bom s.ipateiro ; um prcto ganha-
dor que leni disto bastan!/- pratlea : 110 paleo da matriz,
de S -Antonio sobrado 11. 4
= Vendeiii-sc uns perlences de armazem de seceos ,
para qualquer potsoa que quelra botar nlgum princi-
pio deate negocio, por preco cnminodo: a tratar na
praca da S.-Cruz, n 0, ao pi1 da botica.
Vendeni se chapeos de palha, da
Italia, para senhoras e meninas, a 1,200
rs. ; barretea de padre e gollas de diver-
sas fazendas : bonetes pelos de velludo,
a)6ors. c tle panno riscado a 6'|0 rs. ;
lencos de garca a 1,000 rs. ; ditos degra-
........i.
\ ala i 1 ,OOU lll, IllV
es, a 200 rs. o par
nho
rs. ;
s ue algodo, tic co
ditas de pellica, de se-
ra, a 1,00o rs. e para homeni a 1,60o
(lores para cnleitcs de chapeos; bicos
do Porto, de 100 ate /100 rs. a vara; ditos fi-
nos, l'ruicezes e ingleses ; galoes blancos
c amarellos, linos ; ditos ordinarios j cs-
piguilbas c rendas ; volantes largos e es-
treitos ; espelhos de paredea 1,000 rs. :
ditos de augmento a 800 rs. : na loja de
qualro portas da ra do Cabug, n. 1 C ,
do Dnarte.
ir. "
Oa 'nAoasa sei||B.-.cu "ej
l:ll il OUCSSJD.1U O OpUJ)
' .! 11 1111 1 scucssoj.Hi se
'oiie/oii op e3rc| enj eu
nosai uni.) i-.| m'i( e jjzbj
-noa iiij3ria eji'd scudojd
111 i|.ii.. \ js tujquiei'. oaafqo jjuli|cnl> no vpuaztj .unli
-icnli jcajem v(o\ no opjjuimoa ap eaaa jjnlqcnli
Jad .uuis mu moa si'.)H|dcjHoiUi scxiea niantaa
-.)" < 1:1111 se 1,...lid oinuiuiip aita aod as-tnapua \
sj iy joj
Vendein-se botoes amarcllos, linos,
de P. 11. : ditos ordinarios; ditos para
casacas ; dilos para cava I la ra ; ditos pa-
ra inlant dra ; ditos para libre de pagens,
brancos e ama re los ; dilos pretos tle bo-
nitos padroes ; dilos de vidro, para cnlei-
tcs de loupas de menino : na loja de qua-
tro portas da roa do Gabug, n. 1 C. do
Dnarte.
FARINHADF. TRIESTE.,
marea verdadeira "SSF, rhegada ulliniamenle: vende-se
fin case de N. O. Bleber & Coiupanlii.i, na ra da Cruz ,
u. 4.
No Passeio-Publico, n. l),
Vendem-ie pannos linos de todas as qualidades a 3/,
3/jOO, 4*"c y rs. ; corles de l.ia para calcas, a2/500 rs. ,
ditos de casimiras., padiaies escuros a 6/000 rs. ; ditos
4/;'iOI) rs. ; lencos de seda a I/e 1/500 rs. ; ditos para
grav.ua a 400 rs. ; ditos de cassa a 200 rs. ; chitas
linas a 140, KM).200, 220 240 e 320 rs. ; madapoln
lino a 3/200, 4/, 4#500, 5/c 5/500 rs. ; mantas de seda.
a 12/000 rs. ; chales de la, a 1/600 e 2/500 rs. dilos de
seda padroes ricos a 9/ rs. ; pelle do diabo a 200 rs.;
castores 200 rs. ; brim pardo de puro linho a 10200
rs. ; dito braneo a 1/600 rs. ; chapeos de sol, (ic seda ,
a 5/500 e 6/400 rs.; sarja preta inulto boa a 2/e 2/400
rs. ; riseados Irancc/.es a 200 rs. o covado ; primores
modernos a 320 rs. ; esguiao milito fino a 2/ rs. a va-
ra ; brins de linho de cores a 900, l/e 1/200 rs. ; e ou-
tras militas fazendas por preco inais em conla do que
em outra qualquer parte.
POTASSA.
No deposito da ra da Cadeia do Recife, n. 12 veu-
de-sc muito nova esuperioj potassa em barris peque-
os, por preco inais barato do que ltimamente se es-
lava vendendo.
Vende-se cera de carnauba em porcao e a rem-
iti de superior qualidade ; queijos londrinos; latas
com bolachinhas de aramia muito novas a 2/ rs. ;
Jalas com sardinhas ; ditas com 4 libras de iiiarmelada ;
iln i. com figos : ludo por preco commodo : na ra d.i
Cruz, uo Recife, n. 46.
.il.nin.nl ajqos e l l-oilic. B
S.l) ni.i mi .is-orii -J]jp) epea M. ii le.l ,i|.is .|. iii.uil .lilil
-iiuip o|ad 'sexq sjjpa ap a sapjpedso.-ii.i ap opepu
IS3 B i|ll l-IIIMIIlllll sl;|il 71 ,,| I S.ISIIJISMI.il Kl.'SSB.l KCAll
C 3S-lUjpujA '5 -U iilllii|U\ 'S- .i[. u.ili; ni.' .i|iini|ii,,.,
' ',9 N1 sayjnuiin'j 9p vl,> mi L ,).iqo o
til fzfz t> l S9su<>isuv(isms.~> svaott sy
Veri(Jem-e aeges da cx-
tmeta companhia de Pernambuco
e Parahiba: no cscri|>toro de O-
quisitas ; machinas par<1 ilhozes a i,aoo
rs ; CnSticaesde vidr a 2,400 rs. o par :
ni loja de quatro portas da ra do Gahu-
9, n. 1 O do Duarte.
?sangos riseados monstro.
Na loja de Guimaraes & C, ra do Crespo, vendcm->e
os lii'ni condecidos riseados monstros de padroes inulto
modernos, e que leeui quasi uma vara de largo.pclo ba-
rato preco de 320 rs. cada un covado.
Vendem-sc saccas coin inilho, a 3/200 ; jogoi de
llancas de amarello ; lavatorios e toucadores : ludo no-
vo e bem frito, e por barato preco : na ra da Cadeia
de Sanlo-Antonio, armatem n. 21.
A 1/000 rs. CADA UM CHALE.
Na loja que faz esquina para a ra do Coilegio n. 5 ,
vendem chales de tai lalana graudes c de padroes es-
curos pelo barato preco de mil rs. cada um.
Contimia-sc a vender, na ra da
Cadeia do Recife, n. 37, cera em velas,
fabricadas em Lisboa e no Rio de Janeiro,
sortimcntos ao gosto do comprador, cm
i\ii\is pequeas, e por preco mais com-
uiodo do que em outra qualquer parte.
Sapa loes de Ircs solas,
a i.sooo rs.
No A terro-d i-boa-Vista, loja ti. 78,
contunii-.se a vender sapalOes de tres so-
tas, a 1,00o rs.
Cera de Lisboa
Na ra da Cruz, n. (5o, vende-se a me-
Ihor cera que ha 110 mercado, em caixas
de t>dosos tamanhos, vontade dos com-
pradores, e mais barato que em outra
parte.
A 4/000 rs. CADA UM.
fh "ja de Ominarnos & Companhia na ra do Cret-
po, n. 5, vrendem-se chapeos de sol, de seda verdee azul
com anuacao de ferro multo bous, pelo barato preco
de 4.* rs.
Vende-se um tanque que leva 600 caadas de aiei-
te de earrapato ; 2 pares de mangas de vidro do ultimo
gosto ; 2 livros grandes riseados para o diario e cor-
reles ; um sellim com seus arreios, e com pouco uso ;
mu lorrador de caf novo ; 4 casaes de rolas sendo
dous brancos ; urna carleira de urna so face pequea;
2 jarros de llores de porcellana do ultimo gosto: ludo
se vende barato, por seu dono retirar-se : na ra da
Treinpe, venda n. I, se dir quein vende. Tamban se
vende a inesuia venda.
:\o Aterro da-Boa-Vista, loja n.
7H, vndese man oqniii amarello a 1,760
rs. a pelle.
Vendeni-se 2 lindos inolecotes de 20 anuos de
milito boa conducta, e que sao peil'eitossapateiros de to-
da obr.i ; um inoleque de 15 anuos que eoiinha o dia-
rio de urna casa c lie muito fiel e humilde: atrs do
Corpo-Santo loja dcsapaleiro.
Vendem-se Jazendas, por menos de seu
valor na loja dos Qnatro-Cantox da
ruado Queimado, n. 2o,
bem como : luvas pretas de seda para senhora, a 320
rs. o par ; bico de fil de seda preta, largo guarnecido
de cor de ouro proprio para armador a 40 rs,a vara ;
meias prelas de algoilao curtas, com defeito a 40 rs. o
par ; sarja larga de laa de cores, a 800 rs. o covado ;
cortes de casimira elstica fazenda superior a 6/ rs. ;
chales de cainbraia bordada a 640 rs. riseados ame-
rii-anos a 160 rs. o covado ; brim braneo de lislras a
300 rs. o covado ; castores para calcas a 200 rs. o cova-
do ; lencos brancos de cassa com risca cin volia a
200 rs. ; cortea de cambraia pintada para vestidos ,
fazenda lixa a 2/400 rs. ; ditas mofadas, a 2/rs ; chi-
tas brancas de llores a 120 rs. o covado ; meias para
meninos a 160 rs. ; ditas para meninas, a 320 rs.; ditas
para senhora a 240 c 560 rs. ; lencos de seda preta para
grvala a l rs. ; dilos de cores emsctiiu a 1/600 rs. ;
suspensorios de lila, a 120 rs. o par ; pecas de mada-
polao lino, a 3/500 rs. ; guardauapos para cha ,a 800
rs. a duzia ; dilos para mesa, a 2/rs.
Cal virgem.
Vende-se barris com cal virgem vind a de Lisboa,
por preco ni.iis barato do que em oulra qualquer parle:
na ra da Cadeia-Velha, armazem n. 12.
Vende-se cal virgem de Lisboa cm barris de 4
arrobas ehegada pelo ultimo navio, por prc90 eoninio-
do : a tratar com Almeida & Fonscca, na ra do A'pollo.
h
c~rrr-
A
i sooo rs.
ancoretos com a/eitonas superiores : ven-
dem seno caes da Alfandega armazem
de
n. 7,
Allandeg ,
Francisco Das Fcrreira.
#ftf;g;i;^-^wv^Wf# Wf
Vende-se
algodao
vara :
panno de
da trra, a ioa c 170 rs. a
na ra do Queimado, quatto cantos,
loj da casa ama relia, n. 29
<:
<:
<-
<
<;
<1
Vendem-se caixas pira guardar
oias, pido diminuto preco de Qoors. : na
l"J
1 de (i
liveira
n. 9.
Vendem-se
Irmos & {!., pa da Cruz,
caivetes finos
te-
souras de nnhas e de costura; ditas de
alfaiates, leitas em Guimaraes ; sacarro-
Ihai de patente ; campainhas de cores cx-
piitio porlas da na do Calinga, n.
1 C do Hilarte-.
- Vende-se umaescrava de 18 anuos com urna cria
de 3 un/i -. : a escrava he perfeila cozinbeira c cngoin-
iii i I"ii.i : na ra Nova, n. 16.
Vcnde-searro7.de casca ; meias ne algodo feitas
no Porto; cera do Rio : ludo por preco commodo
ra da l'i na arninzem n. 37.
Vendem-se barris pequeos com cal virgem de Lis-
boa a inais nova que ha no mercado, por preco com-
modo : na ra da Moda armazem n. 17.
Vendem-se galoes de ouro verda-
deiro, de todas as larguras, e mais barato
do'que em outra qualquer parle : na ra
larga do H osa rio, n. 2/c
CHOCOLATE.
Na fabrica de licores do Aterro-da-(ioa-Visl.i, n. 17,
ha sempre porcn grande proinpta do melhor chocolate'
desande, canella baunilha e do ferruginoso, rite
milito conhecido pelas suas boas qualiilades tnicas e
principalmente para as pessoas que sofl'rem de frialda-
de e do estomago.
^5 -u oijb7o\i op bSjbj un u : opoiu
-luoa oljjd jod 'soiaafqo s'oinuu sojjno a s.uon a sAn|
sbiij ap sapepnanti sb sapoi ouioa uiaq JBpaoq 3 as
-oa i' iril ni o i'iiii ios o opoi moa se ni) n..i ma uiaquiei
si:7.i.iiicj| sbuu seqiiiHe sBJiapepjaA sb as-uiapuaA
-- Vende-se uma casa .terrea inuWo grande, slia na
ra daMangucira, na Boa-Vista, n. 11, com grandes com-
modos, quintal muito grande e muitosarvoredos de fruc-
tos, por preco o mais rasoavel possivel: trala-se na ra
do Arago, n, 27.
Vendem-se queijos londrinos de superior qualida-
de .' na i ua do Trapiche-Novo n. 22 casa de Hebrard
& Companhia.
Riseados monstros.
Vendem-se superiores riseados monstros, j bem co-
ndecidos tanto pela qualidade como pela largura em
demasa, pelo barato preco de 280 rs. o covado. Estes
nacidos sao chegados ltimamente: as cores sao fixas,
c os padroes muito modernos c de bom goito : na nova
lujada Eslrcila da ra do Coilegio, n, 1.
Fazenda de algodo para thoa-
Ibas.
Na loja de Guimaraes & C, Tua do Crespo, n 5, ven-
de-se a excellente fazenda para toalbas de algodo,
trancado braneo, com 8 palmos de largo, pelo barato
preco de 800 rs. a vara.
- Na padaria de uma so porta na praca da S.-Cruz,
c no deposito da mesina na travessa da Madre-de-Deos-
n. 13, vende-se caf moido o melhor possivel ueste ge.
ero tanto a retalho como pelo grosso sendo a 240 rs,
a libra e a6/400 rs. a arroba: nao contm mistura al-
guma e a vista faz f do que se assevera.
S8SF.
>
Vende-se a muito superior farinhaacima, por preco
muito em emita : a tratar com Joo lavares Cordeiro,
na ra do Vigario, n. 8, ou no caes da Alfaudega, das 9
horas da inaiihaa em dlantc
Vende-se um relogio caixa de prata horizontal, e
que regula muito bem : na ra Bella, n. 26.
Vendem-se finissimos charutos de Havana checa-
dos do Rio-de-Janeiro no ultimo vapor : na ra da Ca-
deia-Velha, loja de J. O. Elster, n. 29;
-- Vende-se urna negrinha de 10 a 12 annos, boa cos-
tureira marca e faz lavarinlo ; 1 prelas de elegantes
figuras que engoinmam e cozinham sem vicios nem
achaques ; 3 pretos bem robustos para lodo o servlco :
2 moleques de bonitas figuras de 16 a 17 annos; um
preto de meia idade : todos por preco rasoavel : no pa-
leo da matriz de S.-Antonio, sobrado u. 4.
-Firmino J. F. da Roza vende excellente vinho ve-
Iho da Kigueira, qur cm barris, qur cm pipas; cera
lavrada de Lisboa, de diversos tamanhos, e lindos vasos
para jardim.
Vendem-se no armazem que fui do fallecido Braguez,
ao pe do arco da Conceico, ceblas sas e solas, pro-
prias para gasto de casas particulares, a 500 rs. o
cenlo.
Vende-se um moleque de mu lin-
da figura, e proprio de todo o servico de
casa e na : na ra do Crespo, loja n. i
A se dir quem vende.
Com toque de ovara
pecas de madapolo largo c ptimo com
loque de avaria de agoa doce a 2/800 rs. ,
ria so em uma ou duas dobras ; um grande sortimen-
lo de fazendas linas c grossas que se vendein por ata-
co e a retalho: no novo armazem de fazendas de Raimun-
do Carlos l.eit
um pequeo
sendo a uva
na ra doQueimado, n. 27.
FAKELO
a 3sooo rs. a sacca
no- iini.i n- ii'.. 1 e 3 do caes da Mfandega, e no de n.
35 da ra do Auiorim, de J. J. Xasso 'unior,
^/os padeiros.
Vende-se a minio acreditada farinha de Trieste da
marca Fontauia superfina, a melhor que existe neste
mercado ; assiui como os padeiros nao ignorain que he
so a nica que se pode fazer o afamado po-provenca ,
por -na pureza c ahina : os fabricantes do dito pao pre1
viu.iiii-sc cmquanlo he lempo : do cantrrio deixaro de
fabricar o dito pao : vende-se so atrs do thertro arma-
zem de Joaquim Lopes de Almeida caixeiro do Sr. Joo
Malhcus, a fallar com Francisco Martina Ferreira.
-- Vendem-se c alugam-se bichas de llaniburgo : tain-
beni se vao applicar por preco mais commodo possi-
vel : na ra do Itozario da Boa-Vista loja de barbeiro.
No caes da Alfaudega, armazem tle
Antonio Aunes, vendem-se caixas com
superiores p;>ssas.
ISa loja que faz esquina para a ra do
Coilegio, n. 5,
vende-se princeza larga preta muito superior pelo
barato piejo de 1/rs. ocovado ; luvas brancas finas, de
algodo a 120 rs. o par; alui destas fazendas ha um
completo sorlimento de ludas as qualidades de fazendas,
ludo por preco commodo.
Vendem-se saccas com inilho a 4/ rs. ; meias de
seda para homeni pretas c de cores a 1/ rs. o paj ;
luvas para senhora das mesinas cores a640 rs. o par :
na ra da Cadeia de S.-Antbnio, armazem n. 21.
AO BARATO.
Na ra do Rangel, loja de louca n. 17, acha-sc um
sorlimento de loufa vi diada, diegada ha pouco da Ba-
ha, por piejo muito coiiuuodo, tanto em porcao como
a retalho.
Vende-se na praca da Independencia, na loja de
eneadernaco n.,12, o testamento que fe um infeliz
cao sentenciado a pena ultima; a peleja da alma com
o diabo e San-Miguel, e a revoluco de Pernambuco em
1817.
BIX.AS.
Vendem-se e alugam-se excedentes bixas de Ham-
burgo por preco muito commodo: na ra do Rozario
da Boa-Vista loja de barbeiro.
--, Vende-se uma balanca grande com pesos de 6 ar-
robas para baixo : na ra do Vigario n. 15.
Vende-se urna negrinha com 8 anuos de idade, pro-
prla para se dar de mimo-a urna menina, por ser muito
linda : na ra Nova, n. 21, priiueiro andar.
Na ra Nova loja de alfaiate n. 35 ha um com-
pleto sorlimento de obras feitas de lodaias qualidades ;
assim como fazendas proprias deste estabelecimento :
i un lino se vendem luvas de pellica muito boas pro-
prias para meninas a 800 rs. o par.
--Vendem-se 50 espauadores : na travessa da Madre-
de Dos n. 5, |n nuil o andar.
Vende-se um prelo de boa figura que enlendade
plantaccs e he milito diligente para qualquer servico,
na ra Dijcita, n. 93 segundo andar.
--Vende-se um quarlo gordo carregador : na na ad
Concordia, ultimo armaicm de madeiras.
Vendem-se lellias de vidro,)
e cadinhos para ourives : na rua|
do Brum, (undico de Mosquita
& Dutra.
Na ra Nova lojj deferrdgensn. ao,
m*
de Joo Fernandes Prente Vianna, ha um completo
sorlimento de apparelhos de metal, muito superiores
para cha, cojos se tornam recoinmendaveis, nao so pe|i
sua delicadeza c perfeicao, por seren feitos de um novo
modelo aluda aqui nao apparecido, como.pela Ump-
ta e assefo em que sempre se conservain; assim conu9
ricas bandejas, c superiores facas de cabo de marfim -
a ellas fregueies antes que se acabem, poi que tudo Ui9
se vende muito barato.
Vende-se, por muito diminuto pre-
90, uma casa de dous andares e sotan, ^
ra da Guia, n. 36, com um armazem no
fundo, com frente para a ra do Apollo
n. 7 ; uma dita de dous andares e sotao
na ra de Apollo, n. ai ; nutra dita de
tres andares e sotao, na ra do Amorim,
n. 44 ? e aforam-se alguns terrenos de 30
palmos de largo, na travessa do Mon-
dego, com fundos al a cambda : a tratar
no Aterro-da-Boa-Vista, n. 63,-primeiro
andar.
Casimiras elsticas.
Vendem-se superiores corles de meia casimiras els-
ticas de pura laa, pelo barato preco de 2^00 e 3/000 rs.
o corte de caifa: na nova loja da estrella, da ra J
Coilegio, n. 1.
Vende-se uma escrava crioula, de 18 annos, qUe
lava cngoinma cose e vende na ra : na ra Velha
n.78. X
Vendem-se pecas de madapolo con) 20 varas,
muito largo e forte a 2/800 rs. c a 140 rs. a vafa ; chi-
tas de rainageni para eoberta a 160 rs. o covado ; ditas
cor de rosa, a 160 rs.; e outras fazendas o mais barata
possivel : na ra do Passeio-Publico loja n. 17.
Vende-se urna escrava de 18 annos, de bonita figu.
ra, que cozinha, engomina, coze, e nao tem vicio al-
gum : no pateo de San-Pedro, n.7.
Vendem-se sapatos de marroquim

t
francez,a is'oeo rs. ; e de lustro a i,-Co
rs., para senhora: na ra larga do Rosaru
n. i\.
GKOZEL11A.
Vende-se xarope do verdadeiro summo de gro/.elha .
viudo de Franca a 1/ rs. a garrafa : igualmente se w\<\
de ni garrafas de suiuuio de grozelha a 2/ rs. : no Alr-
ro-da-Boa-Visla, fabrica de licores, n. 17.
Escravos Fgidos
- Fiigiram, no dia 10 do corrente, do engenho I.i-
mocirinlio 2 escravos, sendo um pardo de nomr
Francisco de 25 a 30 annos balxo, eorpolento cabel-
lo corrido acaboclado pea alguma cousa apalheta,-
dos ; levou camisa de algodo azule calcas do inenno :
o outro de nome Anto, de altura regular, cabra; tem
o embigo grande e um olho de menos ; j tem estado
fgido por duas vezes para as partes de una ; represen-
ta 30 a 35 annos. Roga-se as autoridades pollcaes ca-
piles de campo e pessoas particulares, que o appreheu-
dam c levem-no ao dito engenho, ou nesta cldade a
ra do Qucimado luja n. 6, que, alcm de se pagareui as
despezas que se nzerein se gratificar generosamente.
--/"ugio. no dia terja-feira, 18 de julho do correnlr
anno do engenho S.-Joo do Sr. major Flix Jos da
Cmara Pimentel, a escrava crioula de nome Bernar-
da, que representa ler 50 annos para inais ; tem bas-
tantes cabellos brancos na caneca ; he baixa um tan-
to barriguda muito ladina ; lem os ps um tanto apa-
Ihelados olho- bastante vcrmelhos nariz chato ; le-
vou vestido braneo um chale velho de cor nos hom-
bros dous saceos pequeos e uns cobres. Esta escrava
he de um morador do referido engenho o qual man-
dou-a no referido dia a povoaco de N.S. do ir comprar
uns cocos: at hoje nao vollou ; suppOe-se que estar
oceulta por alguns dos engenhos da fregueiia da Esca-
la por ler abi muitos conhecimeiitos em consenquen-
cia de vender ha bastante lempo um taholciro com ar-
roz pelos engenhos Jundi Mamalnco, Freixeras Ro-
la, Campestre Roa-Vista, Cabcca-dc-Ncgro e llomfini.
Roga-se s autoridades policiaca e capiles decampo,
que a apprehendam e levem-a ao dito engenho.., cu
uesta praca ao Sr. Joaquim Francisco de Mello Sanios
na ra Augusta que scro gratificados.
Fugio, no dia 15 do correnle as 7 horas da tardt,
a preta Eugenia, crioula, de altura regular rosto oval;
levou vestido de chita camisa de algodozinliu. Roga-
se as autoridades policiaesc capiles de campo que a
apprehendam c levem-a a ra Direita, n. 53, ou no en'
genho l'enedo, do Sr. 6 rancisco de Paula Marinho Wan-
derley que sero gratificados.
Kugiraui, na madrugada do dia 3 do correnle do
engenho Pindoba da freguezia de Ipojuca dous escra-
vos sendo um cabra, de nome Izidoru e urna preta ,
de nome Rita o primeiro de cor Irigueira, de a llura re-
gular grosso do corpo queixo bastante salieifl: V
ollicial de carpina : a segunda de cor preta alluil
malor que a ordinaria secca do corpo, voz estrepitosa,
sabe coser, engommar e cozinhar soflrivelmente: sao
casa Jos. Quem os pegar levc-os a seu senhor, l.ouren-
co de S c Albuquerquc Jnior ou ao engenho Guara-
rapes que ser generosamente recompensado.
-- Fugio, no dia 19 do corrente, o preto crioulo, de
nome Marcos de cor prela alio, secco do corpo; les:
a vista torta; levou caifas e easiina azues : quem o pe-
gar leve-o a ra Nova, n. 12, que ser generosainenic
recompensado.
Fugio, no dia 17 do corrente uma preta, do no'
me F.spcranca de naco Angola mas parece crioiil' i
representa ler 24 annos ; lie bem fallante ; tem os J>>
grandes mal feitos e os dedos compridoS; tem noi
bracos c nos ps signaestie le idas amigas; levou ves-
tido de chita branca com flores encarnadas panno di
Casta azul e uiniaboleiro que andava vendendo : quem
a pegar leve-a a ra da Ciua no Recife, n. 5. que se-
ra recompensado generosamente ; assim como se pro-
testa contra quem a llver oceulta.
Fugio, no dia 21 do crreme um preto de noiue
I.uiz de naco liengiieila de 24 anuas pouco mais ou
menos indo buscar um feixc de lenha para as parles
do Arraial ; levou camisa de algodozinho velha cal-
fas de algodo de listras azues ; dfe estatura regular,
meio fulo, rosto meio compririo falla grossa pernas
um lanto arqueadas ps mal fcilos ; tem no brafo es-
querdo, ou direito um furo que bem mostra ler sido de
eslocada ; lem no pello uma marca principia a querer
barbar ; foi escravo da vluva do finado Vasconccllos.
Roga-se as autoridades policiaes, capitaes de campo e
pessoas particulares que o apprehendam e levem-no a
seu senhor, na ra do Uueiinado n. 28, que sero bem
recompensados.
Fugio, no dia 20 de agosto da casa do abaixo as-
signado um escravo cabra, de nome Viclor de 32 an-
nos, baixo, um lano cheio do corpo pernas um tanto-
cambadas e linas, c o signal mais caraelerisco he uns
cicatriz no beifo superior, do lado dirello: quem o
pegar leve-o ao escriptorlo doSr. Manoei Goiifalvcsda
Silva na ra da Cadeia do Recife, ou ao Hospicio a
casado Sr. I)r. Jeronymo Marllnianiio Ffgueira de !<'
lo, juiz dos feitos da fazenda que aer geuerosanienl
recompensado,- Jo Saboia.
ern. : na tvp. nniw. f. nRr*ni*'
-,848
.