Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08610

Full Text

Anno XXIV.
Scguncla-feira
(tfl.iRtO publc- rodos as dias que n^io
. ,, iic guarda: o prejo da asiignau.ra he
j,4/000 r por qu.irtel, pajosedianci/n*. Os
.nuncios dos asign*ntr sao inseridos
Un" an-.....lT.,l.i ll r. -....!.., HIT.
'if'i'1'' ea* repeliefle l"'1 uielsdc. Os 11.10
iUoantei pagarao SO rs. por linln c. 100 r.
*, ipo dl'erenle, por cada publicacfio.
PIIASES DA. LA RO MEZ DE AGOSTO.
frticenU, a 7, a 37 min. da manh.
, ,,,j rhria. iH, 5horas e 5 min. da tan).
inaoanU, *M, 1 llorae min. da tard.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Ooianni e Parahlba, i legs. e se xtas-felras.
Hio-G.-do-Nortc, quinlai-fi-ra ao melo-dia.
< -.1... Srrlnlif>#i>i Rln-Pnrmnsn. Porto-Calvo
c fiiacl, no 1., a 11 e 21 de cada mes.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-reiras.
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira. 11 horase42mnutosdamanhaa
Segunda, s 12 horas e 0 minutos da tarde.
de Agosto i!e I48.
us DA sr.MANA.
7 trmnma.s Cactano. And. do J.dos or-
pli, J. iln i v. imIo J. M, il i "2. v.
S Terja. s. Crrlaeo. And. do J.do c. da I.
. v. do J. ;!.- par. do 2. dllt d. :.
9 (luirla. S. Iliunii. And. do J. do c. di
.!. v. a do J. da pac do i dist. det,
10 Quinta. >Ji.S. I.ourcujo.
11 Sexta. S. Tibuicin. Aud. do J. do ciy e
do J. de paz do 1 dist. de t.
liSabbado. S. Clara. Aud. do J. do c. da
1 v. edoJ. de paz do 1 dist. de t.
13 Domingo. S. Ilypolim.
N. IT,
cambios no da ii '.acost.
Sobre Londres a M i M '/i* P >' "' "i50.*1'
,. Parta a :ir> e 300 ra. por franco. Moni.
Lisboa 112 por eenlo de premio.
Dcse Ho | h.. i,,,iir...aal'/.,*oiiic.
AacOesda oorap. de ^'ril>r.*nfna>R:
Owa.-Oncas he.panl.ola. .lltiOO a 30/jiOO
. MuVdas de 6/400 v. 17/400 a 7#B0o
. de 8/400 ii. IB/100 a lu/*|
-. de 4/000... 9/400
PralaPalaccs brasilciros 1/980
Pesos coluninarios. 1^980
> Ditos mexicanos..... 1/850
Miuda.................. 1/920

9/00t
2/tKK)
2/IKHl
I/W0
1/93"

CO
PARTE OFFICIAL.
i- niinn Proridcncia felicitado a este impe-
"aVendn.,cl nenio que hoiHem teve lugar de un
'h^c ^5em F17nuSficoPq"eo,nesmoauEustosenhor se digna rece-
lar Tole pola urna hora da tarde, em grande gala, no
b ? 4 ICnrlJtovo, por lo fausto motivo, o cortejo
Sai;soasmVea0e,t-e,Pacto ..turnara ser adn.it.idas ,
na conforniidade dos avisos-sobre este objecto ja expe-
didos em 2 do raes passado. ...
Secretaria de estado dos negocios do Imperio era
20 de julho de l848.=lo impedimento do ofhcial-ma.or,
jMfnial XavUr Garda de Almeida.
MINISTERIO DA JUSTICI. '
Ro-dc-Janciro. Ministerio dos negocios da justija-
ein7 de julho de 1848.
ni,,, c Exm. sr. Havcndo levado.ao conheclmcnte
do enverno imperial o officio que V Exc. me dirigi cora
ta de 27 de abril ultimo, sb n. 46, em que pergunta
I -, iultes de direito sao obligados a residir as ca-
necas das respectivas comarcas ou se em outro qual-
nuer nonto della comtanto que seja dentro da mesma;
2lera assi.n promotores devem residir no lugar em
n,permanece o Jul. de direito: tenho de responder a
V Exc cesso criminal que extingui as cabe;as de comarca, nao
W,,i o lula de direito obrigacao de risid.r en, um ponto
determinado da comarca ; podendo com tudo o governo,
auando as circumstancias o exigirn dcterminar-llie
n,,e resida temporariamente em ponto que mais con-
?cnUamelhoradministra9odajustita e inanutenjao
da ordem publica o que semejantemente se deve en-
tender respelto dos promotores pblicos.
Dos guarde a V. Exc. ionio JManotl de Campoi Mel-
lo. Sr. presidente da provincia de Covaz.
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 10 DE JULHO
DA 1848.
Ao presidente de Matto-Grosso, observando-lhe que,
sendo o valor das mercaduras que a provincia rej-ebe
do Ro-de-Janeiroannualmcnle nuuto maior do que a
Importancia dos gneros que exporta en. troco, tendo
desnppriressa falta em moda, era natural que eepro-
curassemcomenipenhoasleltras sobre o Uicsouro
par, c anda com vantagem para a fazenda, porque
aes lettras, alm de seren um meio seguro e fteJI.
mover fundos, sao recebidos na pracn como ilindwlro
co.ren.c. principalmente depois que o scu veno unen o
se reduzco a olio dias'; que en. 1835, em virtudc de
consldcracoessemelhantes, se declarou a thMOUraria
que se nao aceitara mais saques que nao fssem con
vantaaemda fazenda ou ao menos ao par, c posto que
ovencinirnto entiio fsse de quiuze das ,__c8tc^fiin se
obteve pois que muitos saque e UZiaiU ser.'. "'-
ruin pelas continuadas diligencias que nlsso .emprc-
garain o entao presidente e o Inspector da '"^ornara.
Nao havcndo rasao parasupnr agora menor InMai ce
solicitude. tanto nelle presiaente .como "peclorda
tlicsourarla, do que tiveram aquelles funcclonar os na
quelle lempo e'ta-sc certo de que p V****** fid
aecrdo com o inspector, consegnm.o fazerdo a c m
diante o. saques, quando nao com lucro, P^""*0*
aopar, desempenhando asiim a rccommenda.io ,u.
agora se Ihe faz de a isso persuada as peaaoaa team-
fercV- quando, porm, ella, conulano mal. seus
proprios Interestea teimem. em exigir un I uto ,ul
'tlieaouro nao est dUposto nem deve continuar a
ir.star-lhes, conimunlque iiiiniediatamnnte para que se
i.nssam dars providencia.-! que convier, c inclusa se
,,lte a copia da ordem de 28 de fcvere.ro, que deler-
4ltno thesouraria nao sacasse mal com premio con-
tra o thesouro. ,
DEM DO DA 11
Ao inspector da alfandega, que, tendo-se mandado
proceder s necessarias informacOes sobre o objecto de
seu ofticio de 27 de junho n. 1933, se lhe declara que
os barcos de cabotageni que vceiu dos poitos ua pro-
vincia niio estao fra da fiscalisaSao da alfandega, conio
suppoe, fundado uo regulamento de 13 de dezembro de
1831; porquanto anda que este assun o dispozesse ex-
pressameiite.oqueiiaofez, flcou derogado pelo de U
de junho de 1836, o qual, nos artigo 32 e 33, deu ao.
inspectores ampios poderes como chefes dos porto. ,
na parte relativa scalisaco dos direitos, para subjei-
tarein tac barcos s visitase exames que julgarem ne-
cessarios, principalmente quando houver motivo fun-
dado de suspcltar-sc haverem Incorrido na fraudes de
<|iietratamosartlgos316 e 317 do regulamento de 22
junho de 1836.
1DEMD0 DA 13.-
Ao inspector gcral da caixa da amortisafao, respon-
dendo ao officio do primeiro do corrente, que..cora-
ouantoj se tenha publicado pela impreusa o signaet
(|iie dlsiinguem as notas falsa das *"**'}"*** a"'P
que faca publicar de novo urna resenta / "n-
tas falsas pertenecntes s classes e valores das verdade-
ras que andam em circulaco com as difterenca ma s
silientes. e a remella- a todas os provincias com alguus
ejemplares de todas as notas, ao menos das mais pare-
cidas. Pelo que respeita assignatura das notas ue iog
e50/rs. da terceira estampa, convira que, einquan o se
cmittiiem, e vio assfgnando pelos empregados dessa
reparticSo, para que nao conteca que, salundo irelia,
se extravie olguma que possa servir de modelo ao iai-
sificadorci. Quanlo subsiitul9.no, vai ser ouviuo o
concelhodc estado sobre esse objecto.
COVERNO DA PROVINCIA.
CIRCULAR A TODAS AS CMARAS MUNIcIPAES.
Dio-se actualmente nesta provincia tres hypothescs,
cada urna das quaes cumpre applicarcm-se providen-
cias diversas, para poder cffectuar-se a eleicao das c-
mara municipaes e juizes de pai. _
A primelra verlfica-se as fregueilas da Alaga-de-
Baixo, Asuinpco-de-Cabrob, lpojuca.Serinhaem c Ja-
boatao, na quaes nao Metela cleltores, ou por nao tc-
rem sido elcltos em novembro do anno passado, ou por
os haver declarado illegitiuio e millos a cmara dos bis.
deputados.
Asegunda se realisa naquellas freguenas craqueas
juntas de qualllicacSo, composlas de elcitores da actual
legislatura, embora de sua leglllinldade so posterior-
mente houvesse decidido a mesma camaia, concluiram
or trabalhos derevisao daqualiiica9.o do votantes.
A terceira se cncontra em outras freguezias, onde os
ditos trabalhos de revlsao nao fram comc9ados ou con-
cluidos em consequencia do appareciilicuto do aviso de
13 de dezembro de 1847.
Na priincira hypolhose proceder-se-ha, por idcntida-
de de rasao, nas freguezias, cni que ella je der, eni1 con-
formidade do que dispocm o 7. do decreto n.480, de
24 de outubio de 1846, aviso 11. 19, de20 de feverc.ro de
1847, na resposta m fine segunda duvida; prccnclicndo-
sc, porm, exactamente os pra/.os maleados nos artigo*
4., 20, 21, 22, 36 e 94 da le de 19 de agosto de 1840,
na furnia explicada pelo aviso n. 22, de 25 de fcycrc.ro
de 1847, c advcrliiido-sc que os coucelhos municipaes
de recurso deverao rcunir-se 24 dias, pelo menos, de-
nnisnue -is untas de nunlificacao livcrem ultimado os
seus trabalhos, como determina o aviso de 2:i da abril
de 1847 na resposta stima d.ivhla, e ser convocados
pclosjuizes municipaes, presidentes dos ditos concerno,
como he expresso nos avisos do 1. de fcvcreiro de 1H47
c 16 dcjuuhn deste anuo.
Nas freguezias em que tiver cabimento a segunda hy-
pothnse, observar-sc-hao os avisos de 18 de abril c 19
de malo do corrente anuo, sto be, sobr'estar-sc-lia no
que se houver feito at definitiva decisao do corpo legis-
lativo, e por consegulnte nao se poder proceder alu
ele9io das cmaras municipaes c juizes de paz.
Pelo que respeita as freguezias, em que tiver lugar a
terceira hypotlicse, releva ponderar que, havcndo sido
declarados legtimos pela cmara dos Srs. deputados os
seus respectivos elcitores, e tendo j condado a legis-
latura para a qual clles conconcran com seus votos,
nenhuma rasao ha para que delxem de ser chamados
para a formacao das juntas dequaliacacfio, porquan,
nos termos do 7. do decreto de 24 de outubro de 1810,
s na falta absoluta de elcitores he que poden ser con-
vocados os oito cidadaos inmediatos aos jui/.es de paz,
presidentes das juntas de qUallftcacoo: por consequen-
cia aquelles c mo estes sao os que devem comparecer
para se organlsarcm as referidas juntas, como ja 101 de-
clarado pelo aviso de 9 de maio do prsenle anuo.
Pode dar-sc anda urna quarta liypothesc, a saber, a
das juntas dequalllieao, lormadas com elcitores dalo-
elllalura passada, havcndo-se-lhes seguido as rcun.Oes
dosconcelhos municipaes de recurso ; ueste caso, cm|
tacs freguezias deve tudo estar disposto e regulado para
razersenodla7descleinbro prximo futuro aelOifo
das cmaras municipaes e juizes de paz.
Todava, de officio de um de meus antecessores,dirigi-
do ao governo imperial em data de 8 do fcvcreiro dn
corrente auno, deprehende-sc que na mor parle das fre-
guezias da provincia verilica-sc a segunda hypotliesc:
se asslm fr, nao ser possivel proceder-se a eleicao, nao
i no da 7 de selembro, mas s quando aassemblea ge-
ral legislativa resolver a duvida que Ihcroiallecta pelos
avisos de 18 de abril e 19 de malo suprocitados; e por-
lanio he indispensavel que ** cmaras municipaes, lo-
go que receberem esta circular, me communlqueincm
peda de lempo quaes as freguezias de seus municipio,
que seacham comprehendidas na segunda hypolhese,
para se providenciar como fr justo.
No entretanto deverao as cmaras municipaes expedir
as convenientes ordens, cada urna segundo as ciroumns-
tancias, em que se acliarcm collncadas as freguezias de
seus municipio, para se proceder aos trabalhos que
precedem etelcSo dos vereadores e juizea de paz, 0u
mesma eleicao, iicando na inlclligencia de qiuro pra-
10 marcado no artigo 4." da le de 19 de agosto de 1840
dever comeer no dia imnlcdialo ao em que as mesma
datados a 18 19 c0 de iullio ultimo, e traildos pelo brl-1 se lome cni consideracao, quando se discutir o artigo
datados a i, uc.uucjiiiiiou.1 111 '. correspondente do projecto do senado sobre clcicdcs.uu
guc*A'an(a-Cru:, chegado hnntcm do Hiu-de-Janciro. dc sc ual1 d0 mefm0 objecto.
- A alta importancia do projeoto adoptado na, ouii
Do ultimo desses excniplares colhmos no fausta no-
ticia de haver S. M. a lmperatriz dado luz, no da 19 do
citado julho, pela oito horas da maiihaa, c com o mais
feliz suocesso, um principe imperial, herdeiro da cora
do Brasil,
Quando ha tanto quem sc afane por desacreditar, nes-
tcpaii, o governo raonarchico representativo xquan-
do uao falta quem sc d ao luu-UCllfo.ro Irabalho de ola-
par as bases cm que descansa o systcma govcrnatvo que
r/ellmente nos rege ; quando, finalmente, o throno
sc resenta di falta de um successor, a cujo sexo estao
quasl seniprc inherentes a forja de espirito ea coragem
precisas para neutralisar os planos dos especuladores
quando tudo sto sc dava, dizemos, o nascimcnlo de
um principe nao pode dcixar de ser considerado como
mu assignalado favor da Providencia. Quena ella, pro-
seguido na obra encelada, inspirar-nos, para que pos-
samos gozar dcvidaineiite de semcllianlc favor!
Logo que sc soubc que o briguc era portador de lio
grata noticia, salvaram e cmbandciraran, nao s as for-
talezas, senao tambera as einbarcacfle de guerra surtas
no porto ; visto como para isso tinliam recebido ordem
da presidencia da provincia.
Referido tf.o Importante evento, releva que demos
conta do que inais vimos nos peridicos que aecusmos
recebidos.
O cambio fluctuava entre 23 /, c 23 dinheiros por
1/000 rls.
As pecas de 6/400 cslavam a 18/c 18*800 res.
As sesses do senado alean;avara a 19.
Nessc dia acamara vitalicia dcxra de trabalhar.
A 17, assslira a primelra lelturo dos pareceres da
commissiio de negocios ccclcsiaslicos e da de fazenda e
Ocamnto, acerca do cstabclccimcnto de cemterios na
corte ; c rcjetra a rcsolU9ao que mandava substituir
(pela legUlacSo anterior a le de 3 de dciembro de 1841.
A 18, approvra em ultima discussao, c remetiera a
commissao de redacfo, a propoita do governo, com as
emendas da cmara dos deputados, relativa (Uacffo das
forja de trra para o auno finaneciro de 1849 a 1850 :
ouvra ler tambera, e resolver fssem a imprimir o pa-
recer voto cni separado, que vamos transerever :
o Foi presente commissao de conslituijao a pro-
posta do poder executivo, einquc, Pm. f??l?a,nf "i0 ,'
o cmara 0 faz digno de lomar por s s ui
latlvo ( e a opiniao publica, que to altam
111 acto legis-
.mente o teiu
reclamado, exige d nos que o nSo compliquemos, eu-
volvendo-o cni outro projecto, que, eomprehendendo
variadas e importaulissinias reformas, pude encontrar
dRculdades, ou pelo menos longo demora na sua adop-
eSo final! separados, ambos marcharao inais expedita-
uienle.
lie tambem para iiiiin cirrumstaucia de grande valor
ser este projecto o maior tropho de gloria com que
podia oinar-se a cmara dos deputados, composta eni
tres quartapartes do numero dos seus membros deem-
pregadoi pblicos, que cm grande inaiorla despreram
as voaes que llics bradavam : Nao vos ass.issiucs.
Tambem uo concordo com o meus nobres colle-
de commissao sobn- as rOllricC&CS a respeito dos
Sesembargadores e ministros de estado. A respeito da-
quellcs, seeu liouvessc de oll'erecer algiinia emenda,
seria em sentido contrario, na conforniidade dos prin-
cipios (ue por vcies leiilni enunciado nesta casa.
'Paco do senado, 17 de jullio de 1848. I'erouriro.
As sesses da cmara dos deputados cliegam mesma
dala que as do senado.
ser necessario dar inais amp
earu
ie he una das primci.as eondifoes do syslema
representativo, c consultar mals regular i va.itajosa-
mentc osinleresses da adiiilnlstrajao publica, pretende
_ v I L M 1 1 11 rl it il 1 \l,M,i>lil
mente os interesset uj uiiiui" f.T a',,'',\{.r,
que por le se estabeleja a ncompalibilidadc da eleljSo
!. '._. e......nn..ne nnhliiTis nara os calilos de se-
A 18 e 19, como qure apenas sc considerara o orja-
menlo do impeli, tolitandn parte na discussao os Srs.
Percira da Silva, Dias de Carvalho c Jos de Assi.
A 17, porm, houvc lugar alguma cousa que devemo
eommunicar inais lutadamente aos leitores.
[nterpellando ao Sn ministro da fazenda a respeito
dos negocios do Ro-Grandc-do-Sul, o Sr. Fcinande
Chaves fallara de modo que o Sr. presidente o suppoze-
ra fra da ordem.
Advertido disso, o Sr.deputado desprc/ra a adver-
tencia c persistir cni usar da palavra como o lzera al
entao; mas, no entonto que elle prosegua no dis-
curso, vio-sc na necessidade de calar-se porque dcs-
envolvra-se urna secna de verdadeira confusao, du-
rante a qual cruzarain-se innmeros apartes e icclama-
ccs, Hlcrrompidos, de momento a momento, por cs-
irondosos gritos de ordem'.....
lie esta a terceira vez que, este anno, do-S nessa c-
mara debates tumultuosos c dcsagradaveis.'.... /'raza a
Dos que semelhante pratloa nao v adiante, para que
sc nao diga que o sanctuaro das lela transforma-se, de
quando cm quando, cm recinto de tluestos e provo-
ca jdcs.
De parte, porm, esse incidente lanienlavel, releva
eonfessarqiie a discussao que o motivoii, tiouxe algu-
ma ulildade ao pala.
Apoiado por alguns depui.ios da provincia de San-re-
dro, que se rcportavain a canas particulares, o Sn mi-
nistro da justica afiirmou que, vista das paiiicipae
eamaras cunipiirciii _
iransmittidas, c que os oiilrus prazos, que marca a re-
ferida le, deverio ser, em qualquer das hypotbese pre-
vistas, cora todo o vigor observado.
Dos guarde Vs. Mes. Palacio de Periiambuco, 4 de
agosto de 1848. vlnlonio da Cosa i'inlo. Srs. presi-
dente c vereadores da cmara municipal de.....
PRNAMB;iCO
4
Cmara municipal do llccifc.
SESSO EXTRAORDINARIA KM 17 DE JULHO
DE 1848.
PRBSWBKCI* DO SNHOB Dlt. NEBV DA FONCECA.
Presente os Sis. Fcrrcira, Dr. Aquino,' Barata e Ma-
mede, abrio-sc a sessao, sendo lida c approvaJa a acta
da antecedente.
O secretario fez a leitura dos seguinlc officio
Umdo'Exm vicc-presidentc da provincia, convidan-
do esta cmara a comparecer ao acto da posse do Exm.
presidente nomcado para esta provincia, no dia 15 do
corrente.Inteirada. '
Outro do Exm. presidente nomeado, Antonio da Cos-
ta Pinto, participando ter tomado posse da administra-
930 desta provincia em o da 15do corrente, para o que
fra nomeado por carta imperial de 14 de junho passado.
Se aecusasse a iecep9o, affixassc-sc edital. c se ollici-
asses cmaras da provincia.
Outro da cmara municipal da villa da Uoa-Vista, ac-
cusando a recepao do desta, participando-lhc a posse
do Dr. Vicente Pires da Molla da adininistrajao desta
provincia.-Inteirada.
Despacharam-se as pctijcs de Antonio Francisco da
Silva Carrijo c de Thom Jos de Souza, c levantou-
se a sessao. Eu, Joo Jote Ferreira de ijuiar, secreta-
rio, a subscrevi.- Reg Albuquerque, presidente.- bar-
ros.-Mamede.-l'erreira. Aquino.____________
BIBO i)E P*BI)CU.
turnan, = acost de is*8.
Prestaram-nostrcs ejemplares do Jornal do Commercio,
MUTILADO
s f.mc'cl^i'mT.mbiuJos-para os cargos de?'- officiaes, nada havia areeeiar pela tranqui.ldadepubN-
nadores e deputados, nos lugares cm que excrcerem ju-
lsdicco OU auloridade.
A commissao, tendo examinado tanto a dita propus-
ta, como as emendas que fram approvadas pela cma-
ra dos deputados einsuSsUtIjfio a ella, eattendendo
a une o projecto olUiveldo ao senado no anuo de I81t
" "I J ..--.- _^...,l ........ il^i.ln .Ir, rnn-
ia lilinlcuialo ao einquc as oiam a que o prujeeiu um ^ ..... .,",,,,...
asrdeos que por esta lite sao pio Sr. senador Paula Su.wa, actual presidente do .ton
. ..__ ___ .. __,_- ..... 11.. .., .i. .. 1 mu ueste auno
a esta, passo a dar os motivos :
L nessa provincia. Em seguida, o Sr. ministro dos ne-
gocios estrangeiros declarou, do alto da tribuna, qtie
. EST \ CONVENCIDO DF. QlIJS A SUA PSICAO OOURI-
OA A PROMOVER A UNIAO DE TODOS OS BRASII.EI-
ROS B OE NAO PODE DEIXAIl DE CONSIDERAR
MUITOl O.NTU RIO A ESTE FIN 0EXCITAR PAIXOES,
OTRAZRR OPINIES PASCADAS, PARA SE TRATAR DE
UM l'ACTO or: PODE OCCORRER PARA 0 FUTURO.
Estas palavras do Ilustrado ministro sao muito signi-
Bcativa, por sem duvida: ellas como que fram pro-
feridas com o nobre intuito de tirar as cataratas a quera
qur queaindasepersuadeque o governo actual se en-
earrega da odiosa missao de perseguir e ferr com a pe-
sadac cortante espada de Damocle a todos quantoa, ueste
ou naqueRe ponto, discordis) das ideias dos que prc-
icndem arrogai-sc a direejao exclusiva dos negocios p-
blicos.
Siin, pelo orgio de um de seus membros, c ante a 11a-
9I0 mtelra, representada pelas Srs. deputados, ogovci-
uo proclamou auniao de todos os llrasileiros, asseve-
rou que reprova a rec0rda9ao.de plnides passadas: lo-
go que. a TOLERANCIA, quer aJUSTig* I logo nao 1.a
de corresponder s vistas dos que sc forjan, por fazer
resuscltar o inferno de Dante.
Justifique o governo, pelo seu proccdimciito, lao se-
ductoras expresses, sabidas dos labios do Sr. Souza
Franco; satisfaea desfartc os mais pronuuc.ados dese-
jos dos Brasileiros sensatos, e cont con. o apo.o da
inaoria da najo.
Terminando aqui o nosso trabalho 110 tocante aos da
asscn.bla geral legislativa, nos o proseguiremos, so-
mente para nos nao furlar.nos a relatar aos subscripto-
res todo o resultado da revista dosjornacs.
A 18 de julho, linra-sc o Sr. concclhciro Jos Joa-
quin. da Bocha. A CrlUSM /ficial noticia assim o passa-
mento desse cidadao :
Fallcce. hontem, c foi boje sepultado o Sr. couce-
Iheiro JoseJoaquim da Rocha. Ilcainda un dos yetera-
IX 10 M se 11.111 o 1 ,-.*ii.i ..^.........^......,.......---------
ceibo, c as emendas que a elle propoicratn neste auno
ascoininissesdc eonstituiao C legislajSo, conllll a-
ln. de muras reformas a le de eleicocs, que he una se-
melhante que he consignada no artigo prmic.ro da prp-
posta; eattendendo Igualmente a que o referido pro-
jcctodoS..PalaSo../.a, C as emendas a elle ollerce.das
Ii se achara ein discussao: he de parecer que a rckii-
da proposta deve ser tomada e.u considerado quando
sc discutir o artigo correspondente do dito projecto.
A commissao pensa que as vantagens do artigo pri-
meiro da proposta serSo milita mais contestadas se o
iiiesmo artigo se solar de outras reformas mais conve-
nientes, de que se oceupa o projecto en. discussao, e a-
lm disso er dever declarar que no seu entender as e-
n.cndas da cmara dos deputados do ao artigo primei-
ro da proposta una amplido maior do que exige o
fundamento principal della. A iubijao de Seren vo-
lados osdescinbargadorcs nas comarcasen que cst.ve-
rcni collocadas as relajos, e os do Rio-dc-.Iaiie.ro de o
ser... na corte e seu termo, nao parece ncecssar.a para
garantir a lberdadedo voto ; urna ve7;que os ditos ma-
gistrados nao cxcrccm una jurisdiejao .inmediata so-
bre os elcitores. O julgan.ento que lhe compele de
causas en. segunda instancia lie seu.pre feito collegial-
menle, c pende de dist.ibuijao : nao he portante, pro-
vavelque que esse julgan.ento possa terassaz de .nflei.-
cia para coagir os votos dos elcitores A cmara dos de-
putados parece rcconhcccr isso inesmo quando limita
ainl.ibijos comarcasen, que csl.verem e^beleci.
das as relajos ; porquanto, tendo as relios a raesina
competencia c jurisdiejao en. lodo o StrlctO Teapec-
tivo, que aquella que ten. nas comarcas en. qnWfO
estabedecidas, seo julgan.ento das causas era segUDda
instancia, que Ibes compete, l.vcssc InOueno.a de coa-
cir os votos, a inhibijo de seren votados os Uscni-
feargado.es se devora estedcr-a todo o distrietc.das, rra-
pectivas relases, visto que as demandas e os deraanJis-
las uiio existen, smenlc nas comarcas em <|ue estao
collocadas as ...esmas rclates. A commissao tamben
croque he altamente inconveniente o artigo segundo
das emendas da cmara dos deputados, prob.b.ndo que
os .1 nistros de estado possan, serclcllos senado"-", saI-
vo pelas provincias do seu nascn.ento, ou ridti.t.a
habitual. A commissao reserva para a d.cuss..o o dcs-
cnvolvimento de outras raspe,
Patodo senado, 17 de julho de 1848. -//. // Car-
neiro Leo, l'iiconde de Olinda. me.ro j
a .., nnhrca colleca da com- nos de nossa independencia, que sc some no po do tu-
. Separando-uie dos meu s nobrea ole B? ,Q a3liCto ilustrado e de patriotismo a toda a pro-
missao de conslituijao sobre o l'roJe^.',c -cTncttido va, o concell.eiro Rocha prestou a scu pala os mais .de-
bilidades, adoptado na caara tcmpoiana, c icn.cu.ao v l ias gloriosa-e de maiores
Queem os ,ncusnobre;collega5 que este projecto riscos


1
1
1 i;>
4
f
I
. 1
1
i.
a
'.


msm

.. Morrru pobre porque Dio se valeu da. clrcumstan-
ai para enriquecer. Legn n.ijao ta mullid c rus
Ihus
ic .s M. o Imperador, apn ciando os serviros >lo finado
QDCflhflrO! W in.lnu que o sin funeral se Uzease a cx-
rusas do boleinlio imperial.
O nonie do conccll.ciro lloclla estrseripto nas pa-
tinas mais brilliauti' de nossa historia; elle fui un dos
loiuens que tiaball.arain com o malor alDneo pela
4mancipaco pollllN do Brasil. isto nos dispensa de 011-
in qnalquer elogio.
Pella o cidado que merece sobre o seu tmulo una
tenia 1.10 simples, u
i Ciemos firmemente nas asseredes do contemporneo;
' pois nao podemos cxiinii-i.es de dizer qne a morlc
le cidado tao conspicuo como o fallecido concclheiro,
leve de ser lameniada por todos quantos teem un co-
aro verdadeiramente brasilero. Oaqui, po. tanto, do
iosso aeaubado gabinete, nos Ihe votamos una lagrima
le saudade.
A ultima data de Baltiuiore era de (i de juubo.
Sabia-se que a cmara dos deputados do Mxico rati-
ficara o tratado de paz cont os Estados-Unidos por 51
i-otos contra 30.
Nao se duvidava(diz o Jornal do Commerciu) que o tra-
tado fosse Igualmente approyado pelo nutro ramo da
legislatura mexicana, e ja setinliam expedido as ordens
convenientes para a retirada das Coreas americanas, que
deviara principiar a sua marcha para Vera-Cruz, na pri-
me.. > quinzena de junho.
liana derramarla novas heneaos sobre as armas genero-
sas de dossus popularles, c que o rei Carlos Alberto ti-
i aria della un novo estimulo para proseguir sem tregoa
cintilas victorias, (iVrar-o.) l'eluque resprita a uo.sas re-
lcelo enm n privo de ilni-iiionles, nomo mais vivo
desrjo he que nos dcixem prover nos mesuios ein nossa
orle. A inaior desgraca que boje podr ia pesar sobre
nossa situarn seria a ami/.ade nimiamente fervorosa e
activa de algum grande potentado. Nos nao temos odio;
pelo contrario, sentimos grande estima c affeico pela
virtuosa e mui douta uaco germnica,"* estamos intei-
ramente dispostos a oll'ciecer nossa amlzadc aos Aus-
tracos, logo que o seu ultimo soldado liver cvaasiado a
ultima pollrgada de territorio italiano.
f> Nos pedimos ao governo sardo houvessc de enviar
coiunii.sarlos habis brava naean hngara para o fin
d declararan que o povo italiano deseja anulosamente
apenar lacos de boa amizade com as populacoes vial-
nlias. O ministro sardo dos nrgocios eslrangeiros par-
ticipon-nos que j linha pensado em cntabolar tacs
coiiimunicaces. Senhorcs, os tempos sao giaves ; tu;
do quanto os sceulos bao lentamente cslabelccido, esta
ameacado de sbita deslruico ; mas. depois de haver
raooi ou chrfes de governos eslrangeiros. mus tieces
sores, eu cmbaixadores e quaesquer outros agentes
diplomtico, acreditado, no estado; como MMM
jo, dirigir... injurias ao alto conceibo e a cmara do.
de M a 00 escudos lodo aqurlle que por qu.lquer nielo
que seja, .ursino pela ...prensa, provocar para o des-
rezo o direito de proprledade. ou hzer a a,o og.a ik
acto, pela lei penal qi.alineados de crlmes, M altor
o olio e.n as diversas classes da socleiLdo _ou pregar
(i.ialn.cnlc o translorno da orden e da "
Carla, de aples com data de 13 e 14 de junho an-
nuncia" que 'seis provincia, daquelle "
en. plena fnaurrclcao, a taber, as Un "***.!*";-
cate, llari e Leccc; eque o rei com o fuu de acalma
rescntlmenlo do povo Ihe o lerccra : -
cao de 1820; 2., a entrega dos folies nas maoada
da nacional, tal qual ella .e achaya a 14 di* .
inteira reconsliluicao da cmara dos deputados.
- Parahiba hlate Seas-Crui. capito Aulonlo Mauoel Af-
a constllul-
ii ii
.. a
Oroi cedendo s solicitares do ministerio romano,
de Carlos Alberto c do grao-duque de Tosca na..rengar
Alni dos jornacs francezes que recebemos pelo bri-
gue lleaujeu, temos dia.itc dos ollios quatro nmeros do
Times que no trouxe ltimamente a barca Hoptwtll, t
que alcancaui al 21 de junl.o.
.Na Inglaterra nada do extraordinario havia occorrido.
Bul mu banquete dado pelo lord mayor de Londres aos
...inist.os ras notabilidades polticas do pala lord Rus-
sell, protestando o desejo e a esperance que elle e seu
collega dos negocios eslrangeiros (lord Palmcrston} on-
;.viinham de n.anler a paz no mundo, atfim se expii-
inio :
- Milords e Senhorcs, iiilinilas gracas (levemos por
CCrtodar i Divina Providencia quepcrmiltc que possa-
mosiiianlcr as heneaos da paz. tanto interna como ex-
im i. O meu nobre amigo (o visconde PalinerstonJ apre-
cia como nliujuem es se&enclos >a Com as na{
eslrangciras. Eu capero que ella aera considerada, {4p-
elauol.) Eu accreseento que nao he s nosso desejo que
a pal entre I.iglale. ra e as outras ikiiih-.s possa ser inan-
tid.i; mas que desejamos ardentcmente contribuir por
lodosos mcios ao nosso alcance, por tu U a influencia
de que possainos dispr, por lodos os cousclhos que
un telo impa.cial c amigavel pode suggerir, para a
conservaco dcste dom celeste entre os outros povos do
mundo, '(/jijilaiio.)
Em Inglaterra! todas as classes da sociedade dese-
jain anciosaiuente a prosperidade das outras nacoes.
Anula que nao tivessenos o.il.o motivo para drsejar a
independencia e a prosperidade dos outros povos, a ex-
periencia dos seis ltimos ine/.cs bastarla para nos ensi-
llar que i.enl.uii.a perturbaclo no exterior, ncnlium pe-
riodo de iiisurrelc-ao, nenhuiu cnmec.0 de guerra entre
os povos da Kuropa tcni nunca lugar sem que a Ingla-
terra slnta ein seu couiniercio e sua industria a influen-
cia desses reccios c desses sustos. Assim, en. faltado
oulro .novel, os nossos interesses niesmo aconselhai.i-
nos a desejar a manuten(So da nas, o progressn das ar-
les, a amizade internacional da Kuropa c do inundo.
(Applausoi.) Espero que, atlendendo ao nosso desinters-
se, os outros povos, boje dcsgracadamcntc era guerra,
bao de escular os nossos cousclhos, c que seremos bas-
tante feliz.es para contribuir para a susteiitaco da Indo-
pendenciadas nacesjesperoque as grandisdilliculdadcs
da poca passarao sen. i.culiun.a inlcri iipciio da paz do
inundo. (Applautos.)
A llespauba Reara tranquilla cartas porcm de
Madrid, datadas de 12 de junlio, annuiieiain que as au-
toridades touiavain todas as nuiles precauces exlraor
diaras em antlcpafao de un oulro ron.pmcnlu.j
Osecrelario da legafao hespnnl.ola em Itcrnc, SI. Cayo
Quincenes de Len, havia rci.ietldoa Madrid nina par-
te official do restabclccuiento das relarOes diplomti-
cas entre a Hespanha e o Imperio da Austria.
O marcchal austraco Radetiki mudara o seu systema
de guerra : abandonando a posicao de Itvoli, c deixan-
do Veroua gu.mecida semiente por (,000 liomens, elle
inaniiou o general Aspara atacar Vicenza afrente de mn
iMieito de 30,000 conibatenlcs, apoiado por GU pecas de
artilharia. O general Durando com as tropas romanas
defendcraina piafa com grande valor sustentando o a-
laquc por espaco de 15 horas ; mas, faltando-lhcs a mu-
nirao, fram obrigados a capitular. Os Austracos entra-
rau. na cidade no da 11 de junho : a guarnico sabio
com as honras militares, levouas suas armas ; mas pro-
uetlcu nao lomar parle na presente lula por espaco de
tres mezes.
Carlos Alberto linha seus quarteis generaes em Villa-
Franca, e esperava-se que no cija 13 de junho noile
fosse atravessado o Adige, tanto cima como abaixo de
Veroua.
De Roma sabemos que o conde Mamiani lera no dia 'J
de junho, pcraule as cmaras e em presenta do povo
programma do ministerio, o qual (ora acolbidocom nu-
merosos applausos que se converteram em acclama(cs
enlhusiasticas cu honra de l'io IX, quaudo o ministro,
rrspondendo a una interpellacuo do diputado Uona-
parte, fez aseguinle d. clararan :
ii O programma he a obra de lodo o ministerio ; lodos
os membros dcste tiveraui parte em sua rcdac{5o. As-
sim, eu o proclamo altamente, o discurso he a expres-
sao unnime do ministerio, rali lirada c approvcda In-
teiramente porS. Sanlidade.
Kis-aqui como se exprimi .Mamiani ;
ti Nosso principe ( Pi IX ) como pai de todos os fiis,
permanece na alia esphera de sua autoridade celeste ; el-
le vive na serena paz dos dogmas, dispensa ao inundo a
palavra de Dos, ora, abenfa c perda ; (bem!) como
soberano e governador constitucional da populacho, el-
le deixa vossa sabedoria o prover cu. a malor parte
das cousas temporaes. O estatuto, unindo sua sanccalo
pessoal e poltica sanecao catholica, proclama que os.
artos do principe sao sagrados e inatacavris, que elle
he nicamente o autor do bem c que nao pode de nc-
nlium modo ter parle no mal. -e considerai.nos as cou-
sas debaixodesle ponto de vista, o governo representa-
tivo, anda niesmo no caso de que nao cxislisse em nc-
nliuma parle do mundo, deverfa ser inventado para as
provincias romanas. ( Applausoi.)
. t is mi pos dr liberantes san chamados a a miar o sobe
rano a completar o novo edificio constitucional, a mora-
lisar a liberdade e a faier lorescer a rcligio. (Applau-
ios.) yuaulo causa nacional italiana,mis havemos frito,
dpois que nos encarregmos da direceo dos negocios,
ludo quanto era possivel fazrr para activar o seu sucecs-
so. ris bavemos colloeado as nossas tropas c os nossos
voluntarios debaixo da lutella e do cumulando iuiinc-
diato de Carlos Alberto, reservando todava para o pon-
tfice e aeu governo todas as prerogativas c todos os di-
rcitos que nossa seguranfa e nossa diguidade, assim co-
mo as elli: reclama.. Vos o julgareis pelos termos da
conveneo que ser submcttlda vossa consdcrac.o.
(i pontifico, movido por seus sentiineiitos apostlicos
tanto como italianos, desejou inte.por-se entre os com-
baten tes, e fazer que os inlmigos de nossa commuiu pa-
tria comprchendessem quanto seria ao niesmo lempo
cruel e intil disputar aos Italianos seus limites nalu-
raes e sua fus.io em urna s familia bem unida.- l;.-
plautoi.
.^ O nii.iisterio julgou do seu dever agradecer ao pon-
trficco tereslabelecTuo por priiiicira c Uiiidainental con-
ilirao de paz e de concordia a restiluifo aas Italianos di-
anas frojitcira. ualiiracs.. O ministerio tnha a esperan-
ce que rstadrclaravo implcita da justica da causa ita-
de.noiido, he preciso reconstruir felizmente, he so pela
obra que se podera julgar do valor da scicncia civil mo-
derna. O ministerio tem plena conllanga que, reunidos
na cidade eterna, vos sabereis reedilicar c dirigir os
trabadlos da pai e da ci.rilisacao.
Vos rivalisais em gloria com os nossos irmaos arma-
dos, os quaes nas margens do Minrio e do Adige respon-
dem heroicamente ao insolente estrangeiro que dirigi
contra nosso nofl'einivo chefe a accusae.m c .C3l?a!
dade e cobarda. (/Ipnlausoj unaiu'mrj.)
Ocardcal Alter leu, em nome do papa, peante as
cmaras romanas o seguinte discurso, o qual produzo
una ImpressSo pouco favoravel :
Senhoret to alio eoncelho, tmhort tlrpuljdti.A
santulade de nosso srnl.or me enva a VOS com a agrada-
vel c honrosa mssao de abrir em seu nonio os dous
concellins legislativos.
ii O santo ladre quer ao niesmo lempo que eu vos iir-
a conhecer a sua saiisfaeSo, e a con flanea que tem de
ver, por meio do vosso concurso, mclborado o nosso
systema administrativo.
Elle se regosija com vosco, c-da gracas a Dos por
ter podido tao cedo iiilioduzir em seus estados formas
polticas .'clamadas pelas exigencias dos tempos, c que
pilem coneiliar-se com a natureza do governo pontifi-
cio. De boje e.n dante, Senhorcs, pertenec-vos fazer
com que estas instituiedes produzam es benficos que
S. Sanlidade quiz outorgar-nos
O santo padre tem encarregado os ministros, nao s
de vos por patente o estado da legislac.o e da odmlnlS-
irajo, sobretodo o que tem rclaco com asituafao do
tliesouro publico, como tambera de nropr-vos os con-
venientes u.eos de o incll.orar, aggravando o menos
que for possivel o peso que a populacfioj earrega.
' Elle os ha encarregado de aprrsentar-vos com bre-
idade os projectos de lei que dcvcni ser a consequenca
do pacto fundamental.
ul) sanio padre recommc.idi vossa lidelidade e
vossa incestaIIle solicitude a ordem e a concordia ; com
eslas eoudicos, a liberdade concorrei.i para a vanlagem
de todos, as boas luis produziio seus frUClOS naturacs.
as largas reformas, as sabias instituicoes. Esclarecidos
por nina longa e penosa .experiencia, e csteios da santa
religiao ijnc tem sua sede nesta cidade, vos devels espe-
rar que Dos nao vos recusar nculiuma de suas gracas
e de suas luzes, para que possais igualar a gloria de vos-
sos antepassados. .
ii Dous actos solemnes, diz o jornal francs Le Siicle,
se prepara.u debaixo dos auspicios de Pi IX :' L", a
creacao de um reino itlico, comprehendendo toda a
parte septentrional da pennsula ; 2.a, a organisacao da
liga poltica dos dillerentes estados da Italia, represen-
tada por una dieta permanente. Estes dous netos cons-
titutivos da uniSo Italiana terSo o seu complemento, o
primeiro e.n Milo. o segundo e.n liorna, c o papa n-
lervir em ambos paia os consagrar mesuiu em nome
da naCBO. O reino itlico, para os outros estados, nfio he
nina ainesca, mas una protecfo ; he um broquel que
deve cobrir a pennsula inteira. Este reino j existe de
faci ; elle nasceu da necessdade imperiosa de unidaile,
necessidade da qual os votos de Milo, Parma, Rcgglo e
Modcna hao sido a livrc expressan ; c elle permanecer
Sustentado pela vontade nacional, pois que a asse.nbla
conslituinte, fructo do sull'ragio universal, ahi repre-
sentar os iutcres.es-unidos de provincias arrancadas ao
isolaniento.
A dicia simentax^e snstentar a uno italiana ; ella
vigiar sobre osdireilos e interesses de cada um, e diri-
gi-los-ha para a vanlagem de lodos : ella garantir espe-
cial...cuto santa s o dominio temporal que parece
ser anda iioje a coiuco ria i/uu mi de sua independen-
cia.....u
O papa,dirigindo-se aos arcebispos, bispos o censores
ccclesiaslicos, falla da liberdade de imprensa da iiianei-
ra seguinte ;
A sede de escrever c de lr he grande ; o numero dos
livros, sobre ludo dos jornacs, augmenta ueste seculo
cada da a tal ponto, que se torna mui diflicil aos censo-
res ccclesiaslicos o examina-los lodos com a maduren
devida. Una va mais larga est nirs.no (berta s frau-
des daqurlles que se esfoream pin propagar doulrinas
perversas, funestas causa sagrada c causa publica,
por meio de cscriplos, c sobreludo por meio de peque-
os livros clandestinamente publicados a suaperver-
sidade produv. pira os liis um mal e un. escndalo so-
bre modo grande ; por s,so que crera estas pablicaces
exaiuiuadas c approvadas segundo as regias dos cno-
nes cmj vigor. Considerando seriamente todas estas
cousas, c depois de haver reunido em conselho muilos
de nossos veneraveis iriniios os cardeaes da sania groja
romana, leudo dia..te dos oll.os o decreto da quarta sos-
sao do concilio dcTrcnlo, no qual seacl.am disposicoes
particulares para a ImpreTsfio e publicacao dos livros cu.
que se trata das cousas sagradas, havemos resolvido mi-
ligar algum tanto as regias cima citadas, para que os
censores ccclesiaslicos possaui com mais cuidado exer-
cer o seu oflicio, encerrado assim dentro de mala estrel-
las limites, c para que nao seja mais para o futuro fcil
que escriptos fraudulentamente subtrahidos, pelo lucios
em parte, a sua censura, ou que ellos nao tenliam podi-
do' sullicicntcmcnte examinar, pairea.n ter receb'ulo a
sua approvaco. lie por isso que de nosso molupropri
e ein vil lude de no'.sa autoridade apostlica, moderanda
o decreto do concilio dc'I.atro e as oulras leis cima in-
dicadas, nos declaramos, decretamos e ordenamos que
de boje por dianlc, c al que o contrario seja por esta
santa s estatuido, os censores ccclesiaslicos, ein os lu-
gares submeltidos a nosso poder temporal, nao tenl.au
que oceupar-se senao com os escriptos relativos s divi-
nas escripturas, ieologla sagrada, historia ccclesias-
tiea, aodircilo cannico, thenlogia natural, moral e
s oulras disciplinas religiosas e innracs da ii.esma na-
tureza, c geralineiite con. aquellos em que a religiao c os
bons cosliiuics sao cspccialiucntc tratados.
A publlca(9o de obras ou escriptos impressos, dis-
pensedos da censura preventiva, e poltica, he livrc con.
a coudicSo, porm. de se observarem as condices que
sao impostas para esle li.u pelo presente decreto. Todo
o escriplo, qur seja i.npresso, quer lytographado, quer
lytograpliado, deven indicar, mi s o anuo e o lugar
e.n que foi publicado,'eo.no tambc.no nome do impres-
sor. O iiuprcsso que nao reunir estas coiidices ser
considerado como clandestino.
o Todo o cidado, no gozo do pleno exercicio de seus
direltos civis pode publicar um jornal, ou cscripto pe-
ridico, observando todava as prescripcOes seguintes :
Cada jornal ou escriplo peridico deve ser assignado
por um agente respousavel. O agente ou director deve-
r ser cidado romano. Toda a oli'eusa, feita por meio da
imprensa religiao, aos bons coslumcs, a igreja e a
seus ministros, ser punida com priso de 6 a i2 uie/.e
e inulta,de 60a 100 escudos ; scio igualmente puni-
dos com prisa O por 3 mezes c mulla de 30 n (JO escudos
nao s os que lizercm remontar pessoa sagrada do
pontfice e ao sacro collegio a sensura e rcsponsabilida-
dc dos actos do governo, e os que ultrajaren! os sobe-
a ordem que havia expedido para que as tropas comiuan-
dadas pelo general Pepe volusscm a aples
(OmMERCIO.
fonso, carga varios gneros.
JVerfM Mradoi no illa G.
Rio-randc-do-Suli 28 diaa, brlgue brasllelro PaqmU-
..PtrfnmhHH, de 104 tonelada., rqulpagriu-12, car-
Ba carne ao proprlclarlo, I^opoldo ot da Co.U
Araujo. Passageiro, Jos Antonio de Miranda, que vive
de negociar. M
Huenos-Ayres 35 dias, palacio inglez Ihp,, de 100 to-
neladas, capitin RoberlHitchens, equipagem 8, car-
ea couros e sebo ; ao capito. Arribou a rste porto
por falla de bolacha, e .eguc para Falmoulh para re-
ceber ordens. .,
Jeney ; 48 dias, patacho inglez Farmer, de 13J lonela.
da., capillo Jo.hua Falle, equipagem 8, em lastro j ao
capiloo.
A'uiio tahido no meimo dia.
Rio-Grande-do-Sul r briguebrasilelro 5rlorio, capitao
Acacio dos Santos, carga assucar, vlnhoeinais gne-
ros. Passageiro, Francisco Jos de Souzl, Portuguez.
EDITA L.
. Alandega.
RKNDIMENTO DO DIA 5.........
Deicarregnm hoje, 7 de agotto.
Thomai-Uellort mercadorlas.
Iicaujeu dem.
R:f.7Q*9?
Harca
Briguc
Escuna
Briguc
Alexander-Cochrane carvo.
I'uluam larinlia c bolachiuha.
IMPORTACAO'.
Thomas-Mellors, barca inglc/.a, viuda de Liverpool, en-
trada no correnle mea, consignada a Russell Mcllors &
C, manifeslou o seguinte :
l4 toneladas e 10 quinlacs de carvo, 700 feixcs de
junco,50caixasc40 fardos fazendas de algodao, 200 bar-
ris manteiga, 284 barricas aduchas, arcose lampos das
mesmas ; a Uussell Mellors & C.
'2U toneladas c ierro en. barra ; a Chrlslophcre & >"-
ualtlson.
1U fardos fazendas de algodao; a (J. Kneworthy & C.
30 fardos fazendas de algodao, 100 barris manteiga ; a
J. Patrr&C.
caixas lencos de algodao chales ; a J. Ryder &C.
. fardo fazonda de llibo ; a llidguay Jamlsson tC.
2 caixas lencos pintados ; a Lathain 8i Hibbert.
I'iilunm, briguc americano, viudo de Philadclphia ,
ciliado no corrente mrz, consignado a Henry Fosler &
C, inanifestou o seguinte :
1,400 barricas farinlia, 150 barriquinhas bolachiuha.
58 fardos fazendas, 52 ciiifcrulhos de esleirs ; aos con-
signatarios. -I
consulado geral.
RENDIMF.n'O do da 5.
Geral.......
Diversas provincias
, 3:491^63
420/774
3:912/037
CNSUL A D PROVINCIAL.
Rli.NDIMENTO DO DIA 5..........1:025/943
PRACV DO RECIFE, 5 DE AGOSTO DE 1848,
AS 3 HORAS DATAllDE.
Itevista semanal.
Assucar- -
Algodao -
Cornos.....
Arroz- -
Aici le doce -
Cambios.....Eizerain-se pequeas tronsacoes sOb a
base de 25 a 25 1)2 d. por 1/000 rs.
- Vieram ao mercado 131 caixas.O as-
sucar hranco eontido nessa especie de
\,-luines, vendeu-se de 600 a 050 rs.
por arroba sobre o ferro, e o masca-
vado de 050 a 700 rs.: o embarrlcado
c o ensaccado, porm, vcudeu-se de
1/450 a 1/750 rs. por arroba, sendo
hranco ; c de 1/200 a 1/350 rs. sendo
mascavado."A respeito dcste genero,
o movimenlo da pra<;a (oi mais anima-
do que na semana anterior.
- Entraran! 080 saccas. O de primetra
sorte vci.deu-se a 4/100 rs. por arro-
ba ; .e o de segunda a 3/700 rs.
Oll'crecidosa 00 rs. por libra,
- Vendeu-se de 0/000 a 7/200 rs. o quin-
tal do pilado a vapor.
- dem de 1#000 a 1/700 rs. o galao do
do Mediterrneo, c de 1/700 a 1|850 rs.
do de Portugal.
Haealho.....Ilelall.ou-se a 14/000 rs. a barrioo.--
Ila 700 ein deposito.
Cafe.......Vendeu-se de 2/tOO a2/900rs. a ai roba.
Carne secca Vendeu-se na semana cerca de 12.000
arrobas, aos piejos de 2/400 a 2/800
rs. por cada urna. Ficaram ein ser
33,000: ,
Familia de liigo-Chegou um carregamento que inda
nao lo i vendido, c que coucorreu para
que ticassem no mercado 9,000 barri-
cas.As vendas da semana regularan!
. de 19/000 a 22/000 rs.
Manteiga Vendeu-se de 750 a 800 rs. a libra da
de vacca, feita em Inglaterra.A fran-
ceza, viuda pelo raiyeu/.ainda nao fol
negociada.
Entraran! 16 cnibarcacoej. esahiram 14.--Existan no
porto 5!, a saber : 4 americanas, 25 brasileiras, 1 dina-
i.tarqueza, 2 franc czas, 11 inglezas, 3 portuguesas e 5
sardas.
MnnoeUoi Teixetra Ilailot.jait de pai tupplmle em esex ci-
elo, da freguexia de San-Jos do Reeifi, tic,
Em virtude de ordens transmitidas pela cmara mu-
nicipa esta cidade pra a eleico de juir.es de paz des-
ta freguezia e vereadores deste municipio, na canfor-
midadeda lei de 19 de agosto de 1840, e em virtude do
artigo 94 da inesma lei, convoco aos eleitores e sup-
plentes da inesma freguezia, e nella actualmente mo-
radores, abaixo transcriptos, a comparecerein no da 7
di setenibro prximo futuro, pela. 9 horas damanliaa,
na igreja da Seo hora do Terco que serve de matriz, pa-
ra a organisnfao da mesa paroebial, sob pena de screm
multados aquellcs que sem motivos justificados deixa-
rcm de comparecer; c assim tambo... convida a todos os
cidados qualificados votantes a irein dar seus votos,
sb pcna.de multa de 10J00O rs., comininada no 7 do
arligo 126 da supradita lei; devendo cada votante en-
tregar duas listas, tuna contendo os iiou.es de 9 cida-
dos para vereadores, c outra contendo os de quatro pa-
ra juiz de paz.
ELEITORES.
lligino dos Santos Arago padre Thoinc Ignacio Go-
mes. Jos Fcrnandes da Cruz, Dr. Pedro Ignacio da Cu-
nta, capilao Antonio Eerreia ua Aiioi,c;r.rac, rincis-
co Antonio das f.hagas, Slanool. Florencio Alves de Mo~
raes, Mauoel ('amello Pessoa, Francisco Seraiico de As-
sis Carvalho, Ignacio Francisco da Silva, Aprigio Jos
da Silva, Antonio Jos Pestaaa, Antonio Munii Tavares,
Domingos de Azeredo Coulinho Francisco Jos da Cos-
ta Camprllo, Manocl Antonio de Alcntara, Faustino
Jos dos Santos, Antonio Joaquim de Oliveira lladuen,
Jos Cunegundes da Silva, Diogo l aptsta Fcrnandes,
Joo Slanoel Ribciro de 601110, Mauoel Antonio de Sou-
za Mallos, Jos dos Santos Lages, Rufino da tCosta Pinto,
Manorl Amonio Nunes Machado, Pedro Antonio Teixei-
ra GuimarSrs, Joo llapli.ta Ferreira da Annunciacao,
major Joaquim Ignacio de Carvalho Mendoiifa, (oncalo
Francisco Martins, Jos Virissimo dos Anjos, Severia-
no Jos de Moura e Antonio Jos de Oliveira.
SUPPLENTIS.
Dr. Joaquim Villela de Castro'Payares, Joaquim An-
tonio de Castro Nunes, Torquatro Ilennque da-Silva,
Francisco da Cosa Arruda e Mello, Joaquim Francisco
de Mello Sanios, Andr Alves da Fonseca, Sera fim Jos
dcSouza Ribeiro, Jos Ignacio Pereira Dulra, Joaquim
Jos de Sant'Anna, Maxlmiano Francisco das Ncves, Ma-
nocl Antonio dos Santos, Florianno Jos de Carvalho ,
Ignacio Pereira Rocha, Antonio Lopes Pereira de Carva-
lho, llernardino de Oliveira Coragcm, Antonio da Silva
Reg, padre Jos Mathias Ribeiro, Jos Foliearpo de
Freitas, Manoel Joaquim Ferreira Estcves, Joao Francis-
co Regis dos Anjos, Luiz Francisco de .Mello Santos, Jos
Mamede Castro Nunes, Emeterio Maclcl da Silva, Jacob
de Santiago, Joao Marcellino Ribeiro, Jos Ignacio Ri-
beiro, Antonio1 Joaquim Goncalvcs de Moraes, Candido
Jos da Fonseca, Carlos Augusto de Araujo, Bernardlno
de Sena Ferreira Lcitc, padre Antonio Francisco da Trin-
dade, Manoel Jos Teixeira Bastos, Ignacio do Res
Camprllo c Joaquim Mara de Carvalho.
E, para constar a quem conver.niandei publicar o pre-
sente pela imprensa. '
Freguezia de San-Jos da cidade do Recite, 4 de agos-
to de 1848.
Manuel Jost Teixeira Bailoi,
Juiz de paz supplente.
IX
*
DcclaraQcs.
Foi apprchendldo esta madrugada na freguezia
da Hoa-Vsla um cavallo a lavan: quem se aehar com
direito a elle, dirija-se a subdelegacia da inesma Jre-
5ii, ia que o recbela dando os oulro aignrs. j
elrgacia da Boa-Vista, 4 de Agosto de 1848.
Antonio Pire Ferreira.
Avisos martimos.
V-
>ov.iiiciito do Porto.
Navioi entrados no dia 5.
liba de Franja ; 57 dias, galera americana Duxbery, de
30'J toneladas, capito Slcven Woodsbery, equipagem
17, carga pimenta ; a U. Foster & Companha. Vcm
cm procura de ordens para seguir o seu destino.
Rio-dc-Janeiro ; 15 dias, patacho brasleiro Sunla-trui,
de 101 toneladas, capito Joaquim Antonio Goncalves
dos Santos, equipagem 10, carga pipas vaslas cafe ;
a Caetano Ciraco da Costa Moreira.
Gounock ; 3 mezes, vapor inglez LorU-Filiroy-Somerset,
de 220 toneladas, coiiimandante James Jopp, equipa-
gem 20, cu lastro ; ao coniiiiandaule. Arribou por
fala de carvo, e segu para as Mauricias.
Navios tahidos no meimo Ua.
Porto-Alegre ; patacho brasleiro Saudade, capilao liento
Jos Gavlno, carga assucar. -
lloston ; galera americana Duxbery, capiuo aievcn
Woodsbery. carga a inesma que trouxe.
Rio-de-Janciro por Rabia ; caico hcspanliol Saa-Joi,
capilao Iridcr Maristauy, carga a mvsma que trouxe.
Para o Cear sahe, cm ponicos dias por ter a inaior
parte de sua carga a bordo a sumaca Flor-< Kara o restante e passagelros trala-se com o mestre,
em 11 do de Souza ou com Luiz Jos.dc S Araujo, na
ra da Cruz, n. 20
Para a llahia sahe eoin muila brevidade a veleira
escuna Ga!anl<-A/aria forrada c pregada de cobre : pa-
ra o reslo da carga e passagelros, para o que tem bons
con.modos trala-se com Silva h Grillo na ra da Moe-
da, n. 11, ou con. o capilao, Jos Metido de Souza.
Vende-se a escuna americana i'ulrru forrada de
novo de cobre e inulto veleira com capacidade de pe-
gar cmsele mil arrobas pouco mais ou menos : quem a
quizer comprar dirija-se .10 escriptorio dos Srs. Ileiiry
Foi ster & Companha n ra do Trapiche, n. 8, at o
dia 0 do crrenle mez ; do contrario seguir para Bos-
ton porto de onde velo.
-- patacho JVmulaedo segu, viagan para ACaracu
at o dia 20 do correnle : quem no mesmo qulier carre-
gar ou ir de passagem, dirija-se a bordo do niesmo, a
tratar com o capilao ou com Manoel Goncalvcs da Silva
ein sru escriptorio na ra da Cadcla do Recife."
Para o Maranho e Para partir, com a malor bre-
vidade possivel, o bem condecido brigue-escuna Velo*,
capito e pratico Francisco Bernardo de Mattos, por ter
parte do sen carregamento abordo, e oulro engajado:
para o restante c passageiros, para oque tem excelen-
tes eo...modos e iraumcnto, trata-sc com o mencionado
capilao, ou com o consgnala, i", Fumino Jos Feli* da
Roza, na ra do Trapiche, n. 44.
Para o Acarac e Cear segu com brevidade, por
ter parte da-carga prompta, o patacho S.-Crai, forra-
do c pregado de cobre : para o resto da carga, trata-se
ao lado do Corpo-Santo loja de cabo. n. 25 ou cun
o capito, Joaquim Antonio '.oncalves dos Santos.
= Para o R.o-de-Jancro sabe, quinla-feira 10 do cor-
renle iiiiprcteiivcln.entc, a barca nacional Tmlolifa-r-
lit: recebe nicamente passageiros e escravos a fele, pa-
ra o que ofl'erecc as inelhores coinmodidades : a tratar
com Silva S Grillo, na roa da Moda, n. II, ou com o ca-
pilao, Antonio Silvclra Maciel Jnior.
Para o Aracaty segu viagem at 18 do crrante
o hate Novo-Olinda, por estar qHasi completo o seu car-
regamento : para o restante, trala-se com o mestre do
mesmo, Antonio Jo. Vianna, no trapiche Novo, ou na
ra da Cadela-Veiha, n. 17, segundo andar.
.
MUTIL


Lcilao
r" iin.i-nmuud contlnuirio, por Inler-
M|kiuaiin k "SK" o .cu Irilao c magnifico.
"aJtlTrniacl. vmao. prximamente de II....-
tfj novos e j moi,||| rnm nruira uno:
rt {?:;T c?*ntc ,* .o b.rUv. ....m.,
E&.ru.'.Cr-
versos.
ntaa dinhelro a premio, com penhore deouro ou
Leaipequenat poreoet: no paleo do terco, n. 1,
luDdo andar.
ASSOCIACAO1 COMMERCIAL.
.,.. ecendo numero sufriente de asoci.ado na
haio an
a
nesla
geral
.iranlftrld. pira loje 7 ; e adverte-.c que
"S. rcuniao se considerar haver assembla geral
'" o... me ento e acharein presentes como
#rS?fl!dcapitulo l.'.-ftj5 i rVreira ,
retarlo.
na caes da Alfan-
^^n.^^Kl8.^. P-ada
rr ar de Meneies Vasconccllo Drumond contra
L Rcrnardino Freir de Figuelredo Abren e Castro a
['rde uiu Br. culo nome nao lembra ao aununcian-
tcVie naaaou a lenrlque Jote da Silva, e este a Mar-
i l\ Silva ttlbeiro : aaaim, quein a achou e quier
r'.^'airna-se a ma do Bangel. venda n. 9, o., an-
tci'i"ols que o dito Sr. iicriiu.u.u.. JU est prcvenl-
K So naar nao ao dito Marcellino era rasao des-
r'" ,er,,7.>doanlnguem: adverte-se que esta or-
vcio de SeriobSom, c foi passada a J8 do mez pre-
Joaquim Monteiro da Cruz embarca para o Rio-de-
LiroasuaescraTacrioula.de nome Mana.
I Na vita UoQuelmado luja de iniudezas, n. 25, ex-
t'niacaria, vinda do Rlo-dc-Jaueiro, para os Snrs.
C.GuimaraesatCoinpanhia.
.Antonio Augusto Fcrreira bampaio retlra-se para
l'hti a venda, na praca da Independencia n. 12, o
'numero do Grito dapatria.
recisa-sc de um a dous contos de rcis a premio de
.e mcio or cento dando-se as uecessarias seguran-
a nraea d* Boa-Vista, n. 2, se dir quem precisa.
I'rrcisa-M5 de urna ama que tenlia leile c queira
Lr conta de urna crianca para criar cm sua casa : na
.dasCruzes.n. 22, segundo cudar
1 ......,rSr. ( Ke for sacerdote melhor ) de boa
I'ieiae'poucaainllia.queestiver as cUcumwUu-
' entinar latim e o quizer fazer em un eugenl.o
desta praca dirlja-ee a ra do Queimado n. 4b.
E U.noel de Souza e S retirase desta provincia.
I. Bernardo Fernande. da Cunha faz sciente ao respei-
|,f| publico que pessoa alguma faca negocio com urna
,,a da quantia de 88^160. aceita pelo ani.unc.ante. e
K do sen ei-catae.ro Manocl Fernandes Mascare-
is restante dos seus ordenados, como cxpUca a incs-
delira ; e como fosse extraviada naoccasiao de faier
.menlo ao mesmo Sr. Mascareuhas, e este nao a
rindo aceitar, massim um fica da quanlia de88#l20,
si occasiao, rellrando-e o annuneiante para o inte-
r de sua casa, para Ihc passar o fica, esqueceu-sc da
ira cm cima do batcao, donde foi extraviada : protes-
portanlo, nao pagar a dita letlra a qualquer pessoa
* a posta ter, por nao ter valunento algum.
-. ,ava-se roupa e engomma-se oom a inaior brevt-
Idc eperfeicao, por mdico preco: na ra do Rosario
il casa n. 28, lerceiro adar, por cima da loja de lou-
1 sonde se receber a roupa, para se entregar a pessoa
se propde a esse trafico. ...
. Claudino do Reg Lima mudou a sua residencia,
ra estrella do Rosario para a das Trincheira, n. Ib.
.- Ao meio-dia em ponto, est a venda nos lugares do
illunieo 4." numero do Fe/etico.
-0 abaixo assignado declara aos seus amigos e freguc-
j que seacliaresidindo no hotel Commercio.os quaea
noderao procurar das 6 as 10 horas da maoliaa, c das
da larde em diante; o mesmo declara ao respe.lavel
jublico desta cidade que elle possuc presentemente um
icosortuneulo de obras de brilhaiite, aderecos para se-
hora, aoneisde ouro de todos os modelos, assim como
litros inultos objeclos em conta.chegados ltimamente,
nia qualidade se afianca. ,
' Siman Lavie.
- Precisase de urna preta para o servico Interno e ex-
rno de urna casa de familia: na ra da Alegra, casa
-- 0 Sr. Tlieolonio Joaquim da Costa, mestre de pe-
relro, queira mandar pagar o que deve na olaria da ra
lo Colovcllo.
Attcn?5o.
-Quemtlverfarinha de trigo boa jpara'de'an-
uncie por esta folha. para ser procurado po s est..o as
adaria traballiando com farlnha da Miiribec, porque
a que havla de trigo foi atacada para fazer-se pao de
cuca c bolachinlia de regala i! .
luea-se urna escrava muito fiel para o servico de
asa de familia : sabe cozin'iar, engommar. e sabe
ios de urna aenliora : na
-Al
mu casa
IfrMtainerile tratar dos arranjoa
Mi do Crespo, n. 9, se dita quem a teni.
~ Pergunta-se a quem competir se ja recebeu do br.
os do? Santos Neves a Importancia da quanlia de
-H3540 rs., da decima da casa da ra dos Quarleis, n.
3rVrtencentc o finado Manoel Vidal, como "'""
ulosacertidaojunta da mesadas diversas rendas no
'"lorio do Sr. Dr. Cunlia.
Um Amigo da naeno 6ranf/ra.
- Manocl Jos da Cunha e Souza retirarte para Por-
' s Srs. asslgnantes do /r pdein r buscar o n. 10
ncs.no jornal, pertencente ao segundo volumee .e-
imlo semestre ; na loja de livros do Cardoso Ayres na
ra da Cadela do Recite, e no escriptono de Novaes n
C, onde aluda se continuara receber as"enatur"-l.l,i.-
-- Precisa-sc alugar una burra leiteira, para .la lei e
.um doentc, em u" i sitio : quem a tlver dirija-sc a loja
de Augusto Coiombiez, na ra Nova, n. 1. w|.
--Tendo.se perdido uin vale da quanlia de lV*
'... firmado pelo Sr. Paulo Pcrelra Siinoc a fafor.de
iones Patn U C, previnc-se que ninguem facaUMgoa o
de qualidade algu.na sobre dllo vale, o qual se idninn
lor algum, por isso que o mesmo Sr. Paulo ja pagou
o cu Imprtenos- annunciantes.
Francisco de Freitas Gamboa, que-
dado pr-se em da com a praca, vende
'ma sua casa, sila na travessa da Bomba,
ie rende 16,000 rs. mensacs: quem a
lizer, dirija-se ao theatro.
- Bartholomeu Francisco de Souza faz sciente ao pu-
ico, que Joaquim Marcellino da Silva deixou de ser seu
arxciro. (
Perda.
Dase a gralicaco de 8^ 'rs ou a irapoHancia por-
que ffir avallada urna roseta de diamantes mu peque-
"os, que se perdeu no domingo, dia de Sanl'Anna.da ra
ta como mandando-te levar. Na inetma casa preclsa-se
de urna pessoa livre e de boa conduela para os irabalhos
da dita casa.
-- Gullherrae Hiddell, subdito ingle/, retira-te para as
provincias do norte.
S o ci da de Apollinea.
Acommlssao administrativa recebe as proposias pa-
ra convidados partida de 26 do crreme no da 8, pe-
las 6 horas da tarde na casa da inesina socledade.
Claudino Jote Pereira Pacheco lelirasc para tora
do imperio.
Antonio Paet de Mello val ao Hio-Grande-do-Norte,
levando em tua coinpanbia o teu escravo, de nome Lu-
cas crioulo,
TACHIGRAPHIA.
O professor de tachigrphia, querendo concorrer com
o que est ao seu alcance, para a propagaco da arte que
exerce, tein reaolvido abrir um curto thcorlco e pra-
tlco da mencionada arte, que dever comecar no prl-
meiro de setembro do corrente anno, e lindar no ulti-
mo do anno vindouro. com exclusao do mez de lesta ;
e isto com o estipendio mensal de #000 rs, pagos adian-
tadamente cada mez, sendo as llcdes diaria com excep-
cao dos dias feriados, e de hora e mela cada una. A
matricula abre-te boje, 7 do conecte mez, a linda no
dia 20. As pessoas que se quizerem aproveilar dcste en-
sino, dirijain-sc a ra Forraosa. n. 2.
D. llai iauna Joaquina da Silva embarca para o nio-
de-Janeiro o seu escravo Custodio, nacao Costa.
- Joao Rodrigues Coelho, morador na ra do Htn-
6el, n. 9, segundo andar, vende os seguintes livros : uin
leelonario theologco, em 5 volumcs. com notas; uin
dtin de Fonseca. en. 2 volumes ; a Percgrlnacao de Phi-
lotbela ao santo templo e monte da Lruz ; urna ar....-
metica do Bezout ; Luziadas de Catnoei, em pequeo
volume a Orthographla de Moraea ; una Grammalica
em francs e portuguez ; Escola mercantil, sobre o com-
mercio, e traUndo de varias sciencias, asslm como agri-
cultura, artes, .vnova, c cambios/O mesmo senhor
cbti.pra o 4." tomo do compendio da Theologia moral
evanglica, para cmnpleUr a obra de 6 volumes, ou ven-
de os 5 que te. Todas estas obras cstao em milito bom
uso, e nao precisan de ser encardernadas. O mesmo
senhor precisa de u.nofticial de eucadeinar livros, e de
alguns aprendizes, iilhot desta provincia ou de lora, c
nao os hovendo, adinltte official portuguez, ou aprendiz.
- Um rapnz brasileo, de boa con-
Jucta se offerece para caixeirc de ra de qualquer ca-
sa de comnierclo para o que d fiador idneo quem
doseupresli.no se quizer utillsar dinja-sc a ra uos
Marlyrlos, n. 142, primeiro andar, ouannuncie.
- I2nsina-se por casas particulares as
primeiras ieiiras, a 3,ooo rs. BMUMI
mais de um alumno, com todo o esmero :
quem quizer, annunce.
~ Aha-sc justa e contratada a compra da casa sita
na ra Velha do bal.ro da Uoa-Vlsla n. 105. pertencente
a Joo Leite Ribciro, morador na cidade da Parahiba-do-
Norte, e por isso, se alguein se julgar com direiio a di-
ta casa, queira da dala dcste a oito dias declarar por es-
ta folha. ._..
~ Vlga-se uin sobradinho meia-agoa na ruadas trin-
cheiras, proprio para algum barbeiroou chariileiro, pe-
lo preco de olio mil reis : quera o pretender dirija-se
atrs da matriz da Hoa-Vista, padarla n 2b.
- Dcseja->e fallar com o Sr. Albino Jos da Silva a
nceocio de seu interesse : na ra da Aurora, n. .
- Aluda esl para se vender a casa da travessa da Ma-
dre de-Heos. ii. 7 : a tratar na ra da Cruz, n.DO.
O Sr. Luiz Dcshayes, Alicnido ou Francez, que te-
ve cocheira ou fabrica de -carros, queira procurar urna
caria de seu interesae, na riia do Hospicio, n. J
., A pessoa que a*unciou pelo Dwr.oquerer vender
urna preta, pcrfelta cozlnheira, engommadcira c docei-
ra qSelra diPrig,r-se a ruado Rangel, n 3b,PJ..n.rc an-
dar, das 8 horas da raanliaa. c de 1 **"?.
- Antonio AlvesTelxeira Bastos, ...orador nrW<
Crine n. 41, faz publico que he o nico autor.sadopc-
fo Sr. Francisco de Paula Crrela de Araujo. P""e-
ber os foros vencidos das casas que lie sao orelra, Mt-
"e bal.ro de Santo-Antonio, ou no de **'"*
a todos os Sis. que cstao devendo de dlngir-se a di laca
saco.noullirao recibo, para pagare.n o que deveic...
visto inuito, Srs. nao se saber onde sao moradores
_ Os credoresdo fallido Antonio Jos
Antunes Guimaraes previnem aos deve-
dores dcste, que Ihe nao paguem seus
debilos, qur de conta de livro, quer por
lettras que lhe aceitassem : porquanto,
tendo sido arrestados seus bens, lettras e
livros, nao pode o mesmo vlidamente
receber quantia alguina de seus credores,
mas tudo deve ser rerolliidb ao deposito
em mao do porfetor liveira, como bens
dos inestns credores : o que se faz publi-
co para que ninguem se chame gn>-
rancia, e fique acautelado contra o mesmo
fallido, que consta ter desapparecido desta
praca, para ver se colhe algum dinheiro
de seus devedores, contra quem protes-
lam os mesmos credores haver oque ind
vivamente pagaren).
- O gerente, nesta praca, do contrato do rap prin-
cesa de Lisboa continaa vender e.ta boa pilada era
caixa. e a retalho a dinhelro a vl.ta : ass.ui co.no roga
a odososquctee'ra levado algunas libras fiada que.-
rara mandar .atisfazer sua ******}EL3S* tei
tem caixeiros para os e.npregar en tae "WWinenw. ,
do contrario e llies nao entregara mal rap po.s nao
he genero do seu cslabeleciinenlo.
- Sabbado. 29 de julho ', pelas 11 horas da inoite a
diante da Cruz-de-AIraas. buscando CBrfj*
gio um cavallo castauho cora sel.m. manta e eio ,
fujocavallohebem conhecldo pelo '/'" ac.
tem urna bexiga noespinhaco : quem o, uwr pegado le
veo a S-Auna? dcfronic do r. Jos Venancio, o.
ruadeCadeiadcS.-Antonio.arniazeraii. i-
- Aluga-e urna casa terrea na ra lidia, com d
salas ,3 quartos, cozinha fra e cacimba : na i
Collegio, n. 15, segundo andar.
Urna pessoa com pratica de escripia
commercial, e bonita leltra, propoe-se -
escrever nos horas vagas, nos domingos
e dias santos, comlimpeza, mediante m-
dico estipendio : quem precisar, annuncie.
- Contina a andar fgido de.de o dia 9 do corren-
te iulho o preto Joao, crioulo o qual conduzlo do Cea-
Ca estaVaca o >r. Frcderlco Jos Pereira no vapor
Precisa-ic de urna ama que tenha
Instante leite c sej sad'n, pagando-se
bsm : na ra do Cabuga, n i.
- Preclsa-se de um moleque, que seja riel para fazer
compras e o mal nece*arlo para uina casa de pnuca
ramilla: na ra da Cruz, armazem n. 48
- Preclsa-se de urna ama para casa de pouea lamilla,
que salba cozinhar e fazer o mal ervico : na ra da
Cruz, armazem n. 48.
- JoSo Mara Ferrelra avla a todo o cus devolo-
ret, quehajam de ir atiraier a.quanlla.que Hiede-
vera provenientes de carne : Uto no prazo de ,w das :
do contrario, usar do meia con.pctcnlc.
- Aluga-ie, vende se ou perniulase por outra ma.s
perto da praca, uina boa casa na povoacao do Montei-
ro, com duas salas de frente, duas atrs, seis ca.i.ar.-
nbas, cozinha lora, quarto para escravos c estribara :
tudo de pedra c cal ; quintal murado com porlao que
d tbida para o rio-Caplbarlbc : a traUr com J. J. las-
so Jnior, na ra do Araorim, n. .!>.
como chapeo, de sol de eda furta-rore. o. ...ais mo
que tem apparecid- ne.le mercado e de core, c. he-
elda. | dito, para Mnhora de bom ton. ';'1" :
lavrado. .con. .na. competen!, franjas.de retro ,u
do,.ueterad.raal....od.rn.. c do ...elhor Wo ,,"
(,,!,,l,to sorliincto .le chapeo, de ol de pam I. de
Sdasac6re.edel...lo. o. ia.uanh.it. I" '''' "jj.
.euhoras e meninos ha tambe,.. Igual .... -mi emo t
fazendasparacobr.r ar.iiav'e .'"'" ..... ; .f... ...
como de paiiuinhoi trancado e liso, imitando .eda.Ao
verte-.e que 0( fregue/.e.SCrilo tervidoj COlll brtnrtdae.
e >c achara .ati.leilot da boa qualidade, do bom goto
do |inco
Compras.
Agencia de passaportes
Na ra do Collegio, n. 10, o no Aierro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-se a tirar passaporles tan-
to para dentro, como para fra do imperio; assim
como despachan) se escravos: tudo com brevidade.
Oabalxoassignado declara que o Africano Joaquim
que esleve em poder do Sr. Dr. Ignacio Nery ca Fonseca,
seacha era seu poder ,poro haver tomado por engaja-
menlo de servicos por a.itorisacao do Sr. Dr. juli de
direitb c privativo dos servicos dos Africanos desdo o
da primeiro do corrente.
Manoel Luix Vlriti.
Francltco Tavare Corrcia faz sciente ao respeiia-
vel publico que JosGonjalves dos Reis deixou de ser
seu calxeiro desde o dia 2 do corrente mez.
Jos Thomaz de Campos Quaresraa ficou cncarre-
gado de vender uina mobilla ainda nova, de urna fa-
milia que se relirou desta provincia : quera a pretender
dirija-se a ruad'Aurora, n. 62, teicciro andar; cuja nio-
bilia he a que se segu : uina jarra de pedia da Italia ,
para ter agoa muito rica ; um sopli ; um jogo de ban
(|ui..l.as; 2 banquinhas de sala i una mesa redonda :
tildo d'oleo e eiivernizado uina mesa redonda de an-
gico ; una mesa de janlar de amarcllo ; 2 mesas de
auiarcllo com duas gavetas cada urna ; duas mesinhas
mais pequeas com suas gavetas; un. aparador moder-
na de amarello ; un. lavatorio de amarello com gave-
ta ; um estante boa.de amarello envernizado; c cadei-
ras ordinarias, do Porto : tudo cm bom estado e novo :
vcude-sc por mais ou menos.
~ l'rccisa-se de prctas para venderem pao pagando-
ae-lhe a vendaeem sendo s6b rcsponsabilidadc de seus
sennores : na ron Uweia, panana u. a,.
O abaixo aaslgnado, estabelecido com casa de ne-
gocio em o Rio-Formoso faz sciente aos hcrdclros do
finado Antonio Jos Francisco Vciga aos administra-
dores desua casa, a seus credores ou a quem convier
que, tendo tido conta e transaccocs comnicrcias cora
dito finado lhe aceitn duas lellras em 22 de maio do
anno passado ( 1847), sendauraa da quantia de um con-
t de ris, a prazo de A mezes e outra de i :0;>8W)0 rs.
Compra...-te eruiadoi novo, a I.) r.: na eiquina
do I.mmenlo, loja dc porta..
Coinpra-e ou aluga-.e nina preta de mela Idade ,
que tejacoziulieira : na ruad.- S.-IUta. n. 85.
- Compra-e ago'ardcnlc qualquer porcao que |eja ,
paga-.e a 320 rs. a caada sendo de 20 graos para c-
a : no engenho Hovo do Cabo.
Comprara-sc dous aiiliclocs de bom ouroe ion
feitlo : quem tlver annuncle.
Compra-se ouro e prata mesmo sin obras quebra-
das : na ra do Q.ieimado n. 14.
Compra-se o livrn intitulado Palmilla, e a Clar.sso
llarlouve Je Richard Sou: quera liver ani.uncic.
Vendas.

X;jmu,'
a iv
BOSOUE.
previne ao rcspeltavel publico para nao negociaren
referidas lettras e nem recebe-las em pagamento ,
as
as
quaesprotcstadesdej nao pagar, sera proceder um
minucioso exame ou ajuste de conta por quem com-
e for Interaliado na herattea do mesmo uado.
E para que se naopossa allegar para o futuro ignoran-
cia se fazo presente annuncio. Rlo-tormoso, 27 de
julho de 1848. monto da Silva Braga.
= Furtarara, do sitio do Cajueiro no da primeiro
do-corrente, 3 cavallos sendo dous caslanhos c un
alaziio capados, com o ferro B : quem dclles snubcr ,
os poder lomar eieva-los ao dito sitio, que sera recom-
pensado. .
= Aluga-se urna niela agoa, sita no primeiro beceo da
Camboa-do Carino por 6/ rs. inensac: na praca da
Independencia,livraria ns. e 8.
Casa de modas francezas.
A. Millochau.
No Aterro-da-Boa-Vista n. 1, primeiro andar por ci-
ma da loja fechada.
Nesle estabeleci.ncnto de modas fazcm-ie chapeos ,
toucados, cainisinhas, collcrinhos, vestidos de.baplisa-
do de balice de casamento, do ulilino gosto e con.
nromplidao por ter urna modista novamente e legada
de Pai is. As senhoras acharao seinpre para cscolher um
lindo sortimento de chapeos de seda de todas as cores;
lindas toucas ; chapeos de paiiiiui.a de todas as quali-
dade ; collerinhosccamisinl.as bordadas c punlios os
mais cm moda cambraia de linho ; bicos brancos ;
carabraia c cntre-incios bordados ; llores ; luvas de rc-
troz e de niaia aberta ; linlias de todas as qualidade e
uumeros ; litas de linho e de algodo lustroso : tambera
ha tudo o que he preciso para luto fechado ; mantas ;
visitas e manteletes; sedas ; cliainalotcs trancas ; Di-
cos pretos c franjas.
Pugi, marcenero francez,
na ra Nova, n. 45, acaba do receber, pelo navio Zi-
lia, um sortimento de trastes Jo mogno, domis
moderno gosto ; bem como folhas 06 Jacaranda,
mogno o outras madeiras do folear ; ferrainentas
proprias do marconeiro ; e papel do lidia. 0 mesmo
se oncarrega de fazer toda a qualidade de inolnlta,
quo se poder desojar, por ter recebido desenlios das
mobilias modernas que agorn so usam em tranca
AVISO SATISFACTORIO.
O abaixo assignado, agente dodoutor Brandrcth, faz
sciente ao respeitavel publico, que, pela a escuna ame-
ricana Oulen'e entrada a 10 do concille tem recebido
novo proviinenlo de pilulas vegetaes de seu proprio au-
tor : estas clebres pilulas sao recommendadas por an-
illares de pessoas como bem dcinostra o receituar.o que
acompanlia as caixinbas, a quem ellas tem curado de
tsica, influencia, catarros, indigesloes, dispepcsia, dures
de cabeca dores sao slmptoinas de apoplcxia, ictericia,, febres iniermi-
tentes-, bilis, escarlatina, febre ninarella c toda a classe
de febres, asma, gota, reumatismo cnferuiidadcs ner-
vosas, dores uos ligado, pleuresa debilidade interior,
abatiiiieuto decspiiitoroturas, nllamniaces, inchacocs
dos olhos accidentes, paralisia, hidropesa, bexiga sa-
ra.npo, euferinidadcsdos meninos tosse de toda a qua-
lidade clicas, cholera-morbus, dr de pedra loni-
brigas, dcsntera, .urdez, vagado de cabeca erisi-
pela, ulceras alguinas de 30 anno, canearos tumores,
Incbacdei nosps e pernal, almorrelma, erupcao de
pelle; onhoshorrlvcis, pe.adcllo toda a qualidade
le dore e raolcta de mulhcre, como obstrufoes ,
relaxaedes etc. He um medicamento inteiramente inoi-
fensivo podendo applicar-se at as trianjas rccein-
nascdas. Ulliraaincnlc se tem applicado a nina cntinl-
dade de molestias julgadas ineuravc.s de cuja applica-
cSo se teera lirado tao fellzes resultados, que parece cada
vez mais resolvido o problema de um remedio univer.
,.,. Vende-se na ra da Cadeia-Vdha ^'-^
A IntrodUCeSo do jarope da bosque em o brasil foi ani-
mada por um successo scui igual nos Estados-Unidos,
onde depois de tele anuos de experiencia c uso foi eleva-
do a tao alio mrito,que s vezes as exigencias excedan
milito quantidade que se poda manufacturar.
No principio de sua intioduccao aqui nao se pode logo
asseverar o seu mrito ueste clima : ...as as inmensas
provat que os agentes receben diariamente das curas
raararllboias que elle produz os habilita a certificar que
0 xarope do bosque he ...na cura certa para a phlhsca
en. todos os seus dillcrentes graos, qur motivada por
conslipacocs, tosse, coqueluche, dr de costa c pello,
sihma, plcurz, palpitaciio no coraco, bronchites, es-
caos de sauguc, dor na garganta c todas as molestias
dos orgos pulmonares.
Depois de tantas provas do seu merccimcnto, como
outro sini depois de se teslemunhar um linne augmento
da venda dcste remedio, como Igualmente a accun.ula-
ciio de tantos factos que coinprovam o seu bom ucce:o
1 durante a experiencia de 18 mezes, os agente nao se-
1 rao aecusados de terein imposto sobre o publico, rcconi-
mendando um remedio de ura valor ncerto, ou de exi-
gir de qualquer invalido que lixe as suas esperanzas de
cura por ura alllvio imaginario. 0 uso principal do M*
rope do bosque tem sido feito nicamente na cidade do
Ho-de-Janero e suas vzinhancas; mas.agoraque as sua
virtudes se pdein conscicncosan.cnte asseverar, os a-
gentcsooflcrccciii ao publico con. a mal seguraconll-
anca, c que era qualquer caso se achara u... remedio de
ufallivel mrito como de feliz successo.
Ha casos dcslas molestias, quando por negligencia se
deixa que a molestia tome corpo sobre a substancia do
bofes, at que os restos destes liqucm insuftieicnies (so
a sua deelinaco poder ser reprimida) a poder fornecer
o sauguc aos elementos necessarios vida de nina pes-
soa, e semelliantcs casos sao c serio scn.pie alera do co
nhceimeiito da assistencia humana, c he pelor que cl.ai-
latao anurlle que quier engaar a alguem com espe-
rancas falsas de cura ; ma ha mullos caso queapparc-
cem cni espe.ancas, mas poden, ser curados cora reine-
dios proprio.
Com alguns a tendencia para estas molestias vera de
pais para lillios, e por estes lie novamente transmillida
suas descendencias. Isto lie geralinenle conhccido
por phthisico constitucional. Era scraelliantes casos a
doenca apparece gcralmente na mcsina familia era una
certa idade, e familias inteiras fallecen! a proporcao que
vao chegando aquellc periodo. Como dissemo acuna,
remedio algum pode remediar estes casos, onde una
lonsa molestia se ada arraigada, c por cnnflee...nte ir.n.
consumido todos os recursos da vida, mas he pelo uso
de scuif Ihaiite remedio como o xarope do bosque, no inul-
to cuidado na sa.'ule, que estes periodos crticos c po-
dem passar, c a vida se pode prolongar ate uina idade a-
vaneada.
Em caso de molestia de bofes, occasionadosjior expo-
sicao ou negligencia, a molestia approxima-se por dilte-
lentcsformas| mas quer uo brochial ou asthmatica, as
membranas s.io all'ectadas cas suas secrecoes impro-
pilas ou ...ais que excitadas fazein logo scntirein-se
symptoiiias que mi se deverao desprctar ; urna coi.sli-
paco pode produzir una inllaniniacao as delicadas
membranas que guarnecem os tubos brochiacs, esta ir-
rilacao produz una tosse, e cm seu turno a tosse aug-
menta a inllammacao; c c se esprexa, as membranas
dos bofes tornam-sc scnielhantcinente aneciada, e por
fi.ii a inesuia substancia dcste he atacada, lie verdade
que multo bofe sao bastantefortcs.as vczcs.para rcslsti-
rem ao primeiro curso, se este nao fr multo forte; mas
ninguem escapa de uina maneira fcil, tima vez que te-
lilla padecido molestia que tenha atacado aquelles. uo
portanto que elles precisan, de algum remedio seguro
para aiudar o systema. afim de corregir a sccrcccs e.
'restaurar frca aos o. gaos pulmonares ; e... casos com
estes o xarope do bosque tcm-se lomado laAjB^*
hes no principio como na forma s.uiples destas raoles-
UU que este r.iedio he una cura. Ten. liaviomu-
tos ciempis en. que a sade se tem restaurado a pes-
soas que hav.an. sido abandonadas pelos seus medico o
a"oexaS.'v.pe do bosque' n.io se offerecc como ura remedia
clonada.
- Aclio-.c a venda nos lugare do coitume os ns. 47
e 48 da Vot do Ora ii).
. Na casa ... 1? da ra do Cordoniz, continua cu to-
cios os domingos e dias-sabtoa a fazer-se com todosseio
uni de vacea, e por issoconvida-e ao seu freguezes,
puij acharSoat 7 hora do dia. Na inesma casa convl-
ila-se a quem queira ulllar-se para e engajar a comer,
fa^endo a paga por 15 dia, ou por inez,tanto vindo a ca-
algodozinhor:
a qnalquer pessoa -"-7 ^SAm, prenda
eS.Cevae" ^r. da"".etadS S,Antonl.. n. 25, que se
gratificar generosamente. A.erro-da-Boa-Vsta,
,r bsasMe: tt. Zas
cora bons
quintal qi
casa mmediata,
^-CM^e^a^^nSrna
CHAPEOS DE SOL
Ra do Passeio-Publico. n. 5.
O fabricante dcste estabelcclmento adverte ao respei-
tavel publico desta cidade que elle, P .P!"-
menle unuico sorlituento-de chapese o, assim
mar sera aquellc
"Verabratse-ha o publico que cada garrafa te... dous
naneis cora a i.ropria assignatura dos agentes II. C. Ya-
PesPC.m na garrafa con. u.n perfeita direcfao sobre
o iiicthodo de usar dellc, c o outro no papel cnvolto.
Vende-S nicamente no deposito na ra do Trapiche,
n. 34, escriptorio de Novaes &C, c na ruadaCadeado
Rerife loia de iniudezas, n. 9.
Vende-se a Historia Universal por Millot. cm por-
tuguez, 10 volumes encadernados ; gcographla de Piu-
kcston, cora mappas coloridos, dous volumes : na ra,
Vender uina boniu escrava de 18 a 20 annos ,
com bastante leite, e com arguinas habilidades : na ra
Dlreita, n. 93, segundo andar.
LADO I


<
rf.
^
v:-. :-,^rfl-
-^B



A
fc---------
.superior
pelo barato prr>; de
na na eslreit.i Jo Ro-
Contina-sc vender a
mantdgi inglesa,
i,00o r. a lil'ia :
sario, \ cuta n. 8.
Vcndcm-se inassos de litas de li-
nho brancas e encarnadas, proprias para
rs.; inassos de fio de Mi-
se I lei ro
a i nni
a 85o
i
rs. a
jiaieiro, a o:>o rs. a libra : na roa do Ca-
bug, loja de quatro portas, do Duarte.
Vcndcin-sc na ra duPraia. arnftzem u. SO, liugoas
do Rio-Grande pelo preco de 140 rs. cada una, de boa
ijll.lllll.ull'.
Yeno'em-se queijos londrinos e prnunloi para fi-
.inibrca, negado pi'lo ultimo navio de Liverpool; crvl-
lliaspro: ras para soupa; vassoras para varrer salas : uo
annaxei i de Davi 4cC, ruada Cru, n. 7.
-- Vcnuc-seuin eavallo rodado, bstanle gordo, anda-
dor de baixo at esquinar, a que lambcn lie excellente
de carro por ser inulto ardigo c j estar ensinado: na
rua da Aurora, n. 50
Economa poltica.
Na livraiia da esquina doCollegio, estao venda, che-
-?das de Droxituo slgutis -pinoiares da importante
Obrade Mr. Dunnlver, inembro'do Instituto, que se
intilula : ...
Dn liberdadt do trabalho, ou simples cxposicao das con-
dicOej, mediante ai quaei se exercem mais poderosa-
mente as frcas humanas : 1840-preco UMlhlli
bem o Curso econmico de Mr. Chcvaller, 2 vol., 10/000
A l>O00rs. CADAUM.
Na laja de Guimaiaos & Companliia na rua do Ues-
i n. O, vendem-se chapeos de sol, de seda verdee azul
multo bous, pelo barato preco
po
~- *. _
i oui armacao de ferro
C_ Vende-se a venda da rna da Cruz, n. 37, coui fon-
dos baslantes para negocio a diulieiro n vista a tra-
tar na inesina venda.
___lende-se calcado inulto barato para saldar comas;
lavas de pellica, parahomcm e senhora muito bara-
tas : na pracada Independencia, n. .1!!
/ Vende-se urna escrava boa vendedeira de rua sem
vicios, e que he muito diligente para os arranjos de
.asa : nai'Ua do m-imado, n. 40.
Y.nde-seuma venda com cento e tantos mil rs. de
fuudoi, e com eonimodos para lamilla na Passagem-
da-Magdalcna .junto ao sobrado grande da estrada no-
va n. 71): a tratar na uicsmc vena.
Vcnde-se a venda do becco do Lobato que vende
diariamente i0#a20/rs.: vende-se por seu dono reti-
rarle para lora : a tratar na inrsina venda.
Vcnde-se, para o matto ou fura da provincia a di-
nheirooua prazo um bonito esclavo, ineslre tanoei-
ro de -Jo anuos : o motivo da venda se dir ao compra-
dor : ii i na do Sol. n. 13.
A 1/000 rs. CADA UM CHALE.
Na loia que faz esquina para a rua do Coilcgio n. 5 ,
veudein .diales de tarlalana grandes c de padn.es es-
curoi, pelo barato preco de mil rs. cada um.
V valor, na loja dos Quatro-Cantos da
rua do Queimado, n. 2o,
I.ein como : luvas pretas de seda para senhora, a 320
rs. o par ; l.ico de tilo de sedaprcta, largo -guarnecido
de cor de ouro proprio para armador
as, con
80U rs. o cov
-- Vcndeni-se calas de nucarrao mullo bom a .1/000
a calla de 25 libra : no arniaicui de Francisco Olas Fcr-
rer. .
Veiideui-se laceas com niillio, a *# rs.; uicia le
seda para homem pretal c de cores a 1/ rs. 0 paJ ;
luvas para senhora das mesmas cores a 040 rs. o par :
na rua da Cadeia de S.-Antonio, ariiiazcm n. 21.
CAPACHOS.
amado Queimado, n. iG,
vendcin-se capachos de diversos tamaitos c de supe-
rior qualidade por preco mais eominodo do que era
oulra qualquer parte : sao chegados ltimamente a es-
te mercado c existe urna pequea porcao em ser.
Com toque de avaria
pecas de madapolao largo c ptimo com um pequeo
loque de avaria de agoa doce a 2/800 rs. sendo a ava-
lla so m una ou duasdobras ; um grande sortunen-
lo de fazendas linas e grossaa que se vendem por ata-
co ca rctalho : no novo arinazem do lazendas de mear-
do Carlos l.cite na rua do Queimado, n. 27.
.-Vende-seuna prcta boa lavadelrac multo possan-
te na ruado crespo u. l esquina que vira para a
rua das Cruzes.
Vende-se Lizia potica, ou colleccao de poesas mo-
dernas, de autores portuguezes publicadas no Rio-dc-
Janeiro por Jos Ferreira Monteiro contendo o prl-
meiro volunie 52 nmeros com 312 paginas ; preco 2/
rs. Reccbem-se assignaturas para o segundo volunie ,
constando todooanno de 48, dividido cin 52 nmeros:
na rua da Cadeia do Recite loja de Joao da Cuaba Ma-
galhes aonde j se encontrarn os ns. 1 a 9. Na mes-
ma loja se coulinuam a receber assignaturas para
Chronicit-r.iUrria, jornal de Instruccfio e recrcio por
preco de 6/rs. por anno por 52 nmeros.
Vendem-se Jazendas muito baratas
Quatro Cantos da rua do Queimado',
loja n. 20, de Teixeira Bastos & Ir-
nio ,
como sejain : castores encorpadospara calcas a 200 rs.
o eovado ; lencos brancos de cassa com risca cm VOlta ,
a 200 rs ; cortes de canibraia pintada para vestidos ,
fazenda Iixa,a2/4(I0 rs. ditos com algum mofo a 2/
rs ; cassa chita lina c muito larga a 200 rs. o eovado ;
dita superior, a 400 rs.; riscados largos em cassa
nleum mofo a 200 rs. ; chitas brancas de flores ,
rs"; ditas escuras a. 100, 200 e 240 rs. o eovado
rija-se a rua do Crespo, ao pdo arco de
luto-(Intento, tejan. 4, q" achara com
quem tratar. .
-- Na rua da Florentina n. 16, derontc da eocbelre,
vende-se um cscravo, bom trabalhador de enfadatma-
chado nroprlo para sillo ou engenhe, e que he ga-
nhador de rua nesta praca que da 580 W. JJ e
icm ptima conduela : vende-se para um pagamento.
'soiafqo sonnu sojino D saion; 9 seAnj iq Recifc t0 M ,aixag
iirnb te seooi ouioauuq! aopaoq ajjs!-,
-moa oJ.ud iod
soiy ap sapcpnenb s epo| ouioa uuq acpj
-MMtd ojujuiiuos o opoi moa sj|au3 ui uiaquiei
I seiJOUBJi scuy seq|n8B SBJ|pBpjaA st a-ui9puA-
nos
, com
a 120
incias
a 40 rs, a vara ;
rucias prelas de lgodao, curtas com defeito a 40 rs. o
par sarja larga de laa de cores, a 800 rs. o eovado ;
Cortes de casimira clstica fazenda superior a u/ rs. ;
chales de cambala bordada a 040 rs. ; riscados ame-
ricanos a 100 rs. o eovado ; brim braneo de listras, a
f>00 rs. o eovado ; lencos de chita a 100 rs.
Vcnde-se, por preco coimnodo, inulto superior sal
do Ass : a tratar na rua da Mocda, n. II, com Silva &
Grillo. ,
-- Vendem-se dous volumes da algebra de I-acroix: na
rua de San-Francisco, amigamente Mundo-Novo, u. 00.
-- Vende-se una casa terrea muito grande, sita na
rua da Mangueira, na Boa-Vista, n. 11, com grandes com-
uiodos, quintal mullo grande e uiiulnsarvoredos de (nie-
tos, por pceo o mais rasoavel possivel: trala-se na rua
do AragSo, 27.
Vnde-se um moleque de 16 annos, de boa ligma,
e sem defeilos : na rua da Moda, no segundo andar da
casa junto a do Sr. Leopoldo.
Vendem-se, por preco muito coimnodo para Ic-
xar comas, charutos da Babia, regala, por preco com-
jnodo : na rua do Trapiche, n. 34. .
-- Vcnde-se dollicina de latuciro, na rua do I.ivra-
ucnto, n. 28, com todos os seus perlences, c tambem se
vende s a armacao da mesina, propria para qualquer
para menino a 80 e 160 rs. o par ; ditas para meninas ,
a 320 rs. ; ditas para senhora de 400 a 500 rs. o par;
leos de seda pela para grvala a 1/280 rs. ; dilos de
cores einseilm para gravata, a 1/000 rs. ; ditos de fran-
ja para senhora a 2/5l0 rs.; luvas pretas bordadas a
800 rs o par; camisolas de niela americanas, muito
boas a 1/000 rs ; e Otilias muilas fazendas por pc-
eo coininodo.
Vendem-se pautas das alfandegas do imperio do
Brasil impressas no Rlo-dc-Janciro-; na rua da Cruz
"20- ,, ,
Vendem-se jogosde bancas de amarelln ;.lavatorios
de dito : udonovo c bein fcil : na rua da Cadeia de
S.-Antonio n. 21.
Vende-se cal virgein ile Lisboa,
chegada no ultima navio, cin barris pe-,
quenos, por menos do que em outra qual-
quer parte : na rua do Trapiche, arma-
zem n 17-
Vende-se cerveja bamburgueza ,
bocea de piala, em barricas c cestos : VI-
bno de Clnret, X.eres e Porto, em caixns
de umi duzia cada urna ; e Champanba
da vcrdadclra
Vende-se urna excellente casa terrea na freguexla
da Boa-Visla, com multo bons commodos grande quin-
tal com inultos arvoredos de fructo : na rua que atra-
vessa para a Gloria, casa do lampeao.
Vende-se urna mulatinba, de i a
l4 annos de dade, a qual sabe cozer cos-
turas cbaas, fazei- lavarinto e erigommar
com perfeicao : o motivo da venda se di-
r ao comprador : no largo do Collegio,*
no segundo andar da casa junto oo sobra-
do amareo.
c= Vende-se urna escrava-crloula, de 14 a 15 annos ,
que cose alguina cousa e sabe fazer o mais servico de
una casa: o motivo por que se vende he por ter a se-
nhora de retirar separa forado imperio: 110 paleo aa
ribeira de S.-Antonio, n. 25.
-. Vende-se a casa terrea sita na rua do Fadre-no-
rianno, n. 23: para ver e tratar, na inesma casa.
Vende-se urna prcta perfeita engoinmadeira e cozl-
nheira, tanto de forno como de fogSo e que raz doces
de lodas as qualidades: vcnde-se por sua senhora ret
rar-se para fura : quem a pretender annuncle.
Vendem-se 6 moradinhas de casas, com dous quair-
tos duas salas c quintal ; urna dita com 87 palmos le
conipriiiieiito e 32 de largura assoalhada c com solao
indcpcndcnlcdas lojas : na rua Augusta, 11. M.
Balainhos para costura.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78,
vendem-sc estes balates por 56o, 1,000 e
1,280 rs : sao lo lindos, que quem os vir
nao deixar de os comprar.
Cambraias de seda do ultimo gosto.
Iva rua do Queimado, n. 46, loja de Jos Joaqiiim Pinto
Diasdc Magalhacs vendemsc cambraias de seda do
ultimo gosto; mantas de barege coin lislras de seda e
franja de reros ; cortes de cambraia aberta a IfOUU c
4/500 rs.; cassa lisa a 360 rs. a vara ; dita de listras a
;0 rs. ; luvas de seda para senhora a 500 rs. ; atoa-
Ihado de algodao a 640 rs a vara ; c outras muitas la-
zendas mais baratas do que cm oulra qualquer parte.
Vendem-se pretas, prclos e moleques de bonitas
figuras, c com habilidades : na rua das Flores, n. 17.
Vendem-se chapeos de palha, av
Italia, para senhoras e meninas, a 1,200
rs. ; barretes de padre e gollas de diver-
sas fazendas ; bonetes pelos, de velludo,
a 960 rs. e de panno riscado a 64o rs. 5
lencos de garca a 1,000 rs. ; ditos degra-
r, colindar, nao tenba ylclos e seja condeci-
da : quem pretender annuncle.
Na rua das Cruzes. n. 22, segundo andar, vendem-
se 5 eacravas sendo : duas pardas de 26 annos de bo-
nitas guras que Bugvmiiiaiu, clias coilnniu
e lavain de sabao ; 2 moleques de 10 a 18 auno,, para
ludo o scrvlco ; urna Crloula de 26 anuos que cotlaha ,
lava e vende na rua.
Vende-se una canoa que rol de conduzr agoa ,
em multo bom eaudo propria ptra urna barcacu por
ter 62 palmos de comprliiienlo e 7 de bocea, que com
no fliri do Uecco-Largo ,
de ferro, onde foi tanque
I d'agoa.
Vende-se a loja n. 17 do Passelo-Publico, com
fundos ou sem elles : a iraiar na mesina loja ou na rua
do Crespo aop do arco de S.-Anionlo, n. 4.
"s
VENDEM-SE
collec^oes de vistas de Per-
nambuco,
sendo as da ponleda Boa-Vista.ponledo Recife.Bom-
Jesus, Olinda, Po?o-da-Panella e Cachang assim
como duas grandes em ponto malar .proprias para or-
namento de sala cm fumo e coloridas ; urna tomada
do forle do Briim e a oulra tomada da ladeira da Mi-
sericordia cm Olinda, mullo beni acabadas : todaa fei-
as a beneficio da sociednde da Beneficencia AlletnS*
SiiissaViio arinazcmde Kalkinan ii Rosenmund, urnas
c outras c das colleccflcs no hotel Plstor as lojas
daSnr." vinva Cardozo Ayres & Filhos na rua da Ca-
deia do Reeife, c as lojas dos Srs. Santos Neves k
Guimaraes na rua do Crespo.
___Vende-se cera de carnauba em porcao e a rcta-
lho de superior qualidade ; queijos londrinos; latas
com bolachinhas de aramia, muito novas, a 2/ rs, ;
latas com sardinbas ; dilas com 4 libras de marmelada ;
ditas com figos: tudo por preco coimnodo : na rua da
Cruz, no Reeife, n. 46.
Sapatocs de tres solas,
a isooo rs.
No Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78,
contina-sc a vender sapaloes de tres so-
las, a 1,000 rs.
mentechegada
armazem de
tuna ; e
marca Cometa,
: na rua da Cruz,
C. J. Asttey.
ultim-
is 7j
Escrivos Fgidos;
rua do
rmac
rilabelecimentn : a tratar na inesma.
Veadc-80 urna negra que cugoinma, co'inba, lava
de varella, ensaboa e faz renda, ludo com perfeicao : ao
comprador se dir a rasao por que se vende : na estrada
dos ifflictos, no sitio denominado da tainarinciia.
Vendem-se 12 escravos, sendo quatro moleques de
nacao, sem vicios, um pi elo bom mcslre de assuear e
carpina de engenho, um pardo bom para todo o servico
de campo, um cabriba de 14 annos, una "ier'n'}* "!U1"
to linda de 11 a 12 annos com principio de habilidades,
una preta perfeita eiigouiiiiadeira c cozinheira, tres di-
tas boas para todo servico de casa e rua,muito c;n conla:
na rua do Vicario, n. 24, se dir quem vende.
Vende-se urna negra de 18 a 20 annos, de ptima
ligara, sem vicios nein achaques, boa cozinheira e lava-
deira, tanto de varrella como de sabao, engomma soln-
velniente, c ao comprador se dir o motivo por que se
vende : na rua da Moda, sobrado n. 9.
Na rua das Agoas-Verdes, n. 46, vende-se una ele-
gante c honesta mucama, niulalinha, de exeinplar con-
ducta e habilidades, de 16 annos ; urna escrava de boa
ngura, sem vicos, de 20 annos, para todo o servico inter-
no e externo de urna casa ; nina dita excellente engom-
inadeira, e que cozinha, lava e nao he viciosa ; urna dita
de nacao de 23 anuos, propria para qultandera, por
430/rs., um casal de escravos proprios para silio, sendo
o escravo bom tirador de leitc.quceplende muito dcplan-
tacoes e he bom fcitor, pelo diminuto preco de 480/rs.
ambos; um excellente ollicial de sapatclro de 18 annos
e de nacao Angola; um moleque peca de nacao.de Ib an-
uos; um escravo de 25 annos, bom cairelo, por AjOy r.s.
por ter um pequeo achaque.
A 6oo rs o par.
Yciidcni-sc sapatss de courodc lustro para senhorc ,
por iciem perdido algum lustro a 600 rs. o par ? na
piafa da Independencia, n. 33.
ISa loja que faz esquina para a
Collegio, n. 5,
vende-se princeza larga preta muito superior pelo
barato preco de 1/rs. o eovado ; luvas brancas-linas, de
algodao a 120 rs. o par; alm destas fazendas ha um
completo sortimento de todas as qualidades de fazendas,
tudo por preco coimnodo.
__. Vende-se una escrava de Angola de 20 annos ,
de boa figura que cngoiniiia, cose e cozinha.: na rua
do l'asseio, loja n. 19.
V endem-se sapa loes de couro de lus-
tro, pelo baratissimo preco de 2,56o re. ;
ditos de bezerro de sola e vira, ai,-200
vata a 1,00o rs. \ luvas de algodao, de c-
es,aaoo rs.opar; ditas de pellica, de se-
nhora, a t.ooors. ,e para homem a 1,600
rs. ; flores para enfeites de chapeos; bicos
do Porto, de 100 al l\00 rs. a vara; ditos i-
os, francezese inglezes ; gales brancos
amarellos, finos ; ditos ordinarios ; es-
piguillas e rendas ; volantes largos e es-
Ireitos ; espelhos de parede a 1,000 rs.
dilos de augmento a 8oo rs. : na loja de
quatro portas da rua do Cabug, n. 1 C.
do Duarte.
rs., e superiores a 1,600 rs. : na rua
da
Cadeia do Reeife, n. 9
= Vendem-sc 6 duzias de cadeiras com assento de
palhiiiha e que san muilo fortes todas ou a duzias
na rua dasTiincheiras, n. 36.
Vendem-se caivetes finos; te-
souros de unhas e de costura ; ditas de
alfaiates, feitas em Guimaraes ; sacarro-
Ihas de patente ; campainhas de cores ex-
quisitas ; machinas para ilhozes a 1,300
rs. ; c.sticacsde vidro a 2,400 rs. o par :
oia de quatro portas da rus do Cabu-
n, 1 C- do Duarte.
Contina-se a vender, na rua da
Cadeia do l\ecife, n. $7, cera em velas,
fabricadas cm Lisboa e no Rio de Janeiro,
sortimentos ao goslo do comprador, cm
eaixos pequeas, e por preco mais com-
modo do que em outra qualquer parte.
CHARUTOS CACADORES.
Chegaram da Babia ba poucos dias uina pequea
porcao destes afamados charutos, ein camuas de 12j ,
o que se vende a rctalho cm cas. de b rede, ico Robil-
Hard rua do Trapiche-Novo n. 18, aonde lanibcui ha
> ________-.'.i.... ,1., I lili iiiiiiIii : i \ -
__Fugio, de bordo do brigue Eiperanfa, a 26 de ju-
Iho o escravo marinheiro de notne Benedicto de
nacao da Costa ; representa 28 annos pouco mais ou
menos alto magro, prclo ; tem o rosto talhado | le-
vos camisa e calcas de ganga azul; pertence ao Sr. Jos
Francisco de Castro, do Itio-C-rande-do-Sul: quem o
levar a bordo do dito brlgtie ou aos consignatarios,
Amorim Se Irmaos, receber boa gratifteacao.
Ausentou-sc, na manhaa do dia 15 de Julno da
rua do Hospicio um pardo, de nome Hay mundo que
representa 50 a 55 annos chelo do corpo, balxo, bem
claro cabellos crespos, bem sollos e com parte delles
j brancos, bastante barba e j quasi toda branca ; tem
um pequeo defeito em unidos olhos que bem se v
3uaudo encara para qualquer pessoa ; tem falla de um
edo pollegar cm una das maos que julga-se ser o da
dircita ; levou um surrao ; julga-se ter tomado a estra-
da dosertao do Cear, donde elle foi vindo ou mesino
a de outro sert.o de qualquer provincia: quemo pegar
leve-o ao engenho do Meio na freguezia da Varzea ou
na rua do Hospicio, n. 44, casa do doutor Figutira de
Mello.
__Fugio, no dia 29 do prximo passado pela una
hora da tarde um moleque crloulo de nome Manocl ,
bastanteseceo do corpo rosto descarnado de Ida 14
aunos crmeia fula, falla fina e muito desembalada;
levou camisa e calcas de algodaoiinho ; he bastante va-
dlo por isso julga-se addar dentro desta praca ; lueiu
o pegar leve-o a rua da Cadeia de S.-Antonio n. 25,
que ser gratificado generosamente.
- Fugio, no dia 29 do passado um preto, de nome
Antonio Benedicto de nacao de trinta c tantos annos
pouco mais ou menos ; tem pouco barba e um signal
na orclliacsquerdadeuin lobinlio ; tem um dedo pol-
legar e oulro de una das maos sem unhas de um tiro
quesoffreu ; he fallante : foi escravo do Sr. Joao Fran-
cisco Duarte que o vendeu ao doutor Alexandre Ber-
nardinodos Reise Silva, no scrliio da Boa-Vista : quem
o pcgarlcvc-oa seusenhor Manoel Antonio sose Silva, na Boa-Vista oitao da matriz, n. 28, pri-
meiro andar que ser gratificado.
-~ Nuno Maria de Seixas recompensara com cem mil
ris, por cada um, a quem lhe apiesentar ou indicar o
lugar cm que est qualquer dos escravos aballo de-
clarados de sua propriedade p6dendo-se dirigir a rua
do Amorim S. 15. .
Paulo, Mocambiquc com os signaes de sua nacao,
muilo lu-
na
s-.i.icii|ii.ul aaqos cjisouis a
S31103 SO 9S-OB(J '31.103 EpBO slMI.'ied 31JS .ip (lijad oinu
-iiuip opd sexu; SJJ03 ap 3 saCNpedsoari jp apepia
sisa b aiujuiBiupin sbpb8ji|3 sjsiijjsiicd scsssa si-.mu
sb as-m3pii3A 'q -a oiuo|iiv-'s p oojb ob UOJJOOO
' 'O N S3tJl/1IIUlQ 3p VO/ J)lt 3}J0O O
i> S9SU0iSUv svssno svaou sy
guarda i
Queijos londrinos.
Manoel Joaquim (nnealves e Silva na rua da Cruz ,
n.43, avisa a seus fregueies que pela galera ingleza
Sioord-FlsA', ltimamente chegada a este parto, rece-
ben um sortimento de gneros daquellc paiz como se-
jaln : superiores quejos londrinos de dilferenles lama-
nhos ; presuntos para fiambre ; conservas cmavinsgrc ,
de difi'ereules qualidades ; lalluhas com biscoulo com
o melhor asseio e muito proprio para presentes.
Vende-se una escrava crioula engommadeira, do-
ceira, lavadeira e cozinheira : na rua das Trincheiras ,
n. 19
Vendem-sc quatro sitios de pouco valor, no lugar
'! i,nini;.t ,~- rii. ci sj>, terrenos com aliceres da Boa-
Vista ; lainbem vende-se outro sitio multo perlo da
i a.; i-, lu-hi a din!.ciro, ou a praio: ou de outra furnia se
permuta por propriedade no Rio-de-Janeiro : quem este
m-goclo convler, dirija-sc ao Sr. Meroz, na praja da In-
dependencia.
SJ OJ-S/C
Vendem-sc caixas pira
joias, pelo diminuto preco de 900 rs. : na
loj de quatro portas da rua do (Jabog, n.
1 C doDuart
Vendem-se pe^as do madapolao com20 varas, mui-
lo largo c muito encorpadO a 2#800 rs. e a rctalho a
140 e 160 rs. ; pecas de chitas limpas de muilo bonitas
cores de rosa o de muilo bons pannos, a 5#500 rs : na
rua estrella do Hozarlo, n. 10, lerceiro andar..
Vende-se urna escrava de nacio
de bonita figura, de idade pouco mais ou
menos de 18 a 20 annos, sadia, sem acha-
ques, nein vicios ; he rccolhida e tem ha-
bilidades, como sejam : eiigommar, cozer e
fazer lavarinto ; um molecote crioulo, de
1*9 a 20 annos, sem-vicios, bem compor-
tado, bastante rubusto, de bonita figura ;
e um moleqninho de 8 a 10 annos, boni-
ta figura e sadio : quem os pretender di-
de outras qualidades em caixinhas de 100
periores c por prec, o coimnodo.
CDIGO PASSA-MAO'.
Vcnde-se a 320 rs. o Cdigo criminal pralico do scine-
republica de passa-mao na Occcania organlsado segun-
do os principios do projecto de conslituico = Repu-
blico-demagogico = do doutor ; Marchc-marche : na
pracada Independencia llvr .ria ns (i i-S.
Ha para vender, na loja de Maya Ra-
mos & Companhia os seguintes li-
vros, chegados ltimamente de Lis-
boa :
os Sete peccados mortaes romance original portugus,
em 2 v. ; Eugenio, romance martimo 1 v., por Fran-
cisco Maria Brdalo; Pecciola, obra intcrcssanle e pre-
miada pelo instituto de Franca, traduzlda em portu-
gus 2 v. ; Rei ou impostor, drama original porltiguei,
em 5 jornadas por Francisco Mariallordalo ; collecjao
de mximas e pensamentos, pelo conselheiro Pastos 2
v ; Meditacocs ou discursos religiosos pelo conselhei-
ro Bastos, 1 v. ; Kstado actual da monarchia portugueza
e das cinco causas da sua decadencia, 1 v. ; urna col-
leCco de retratos lith. das pessoas mais nolaveis de
Portugal : tudo por pre{0 couiinodo I na rua Nova,
' Vendem-se botoes amarellos, finos,
de P. U. ; dilos ordinarios; ditos para
casacas ; ditos para cavallsria ; ditos pa-
ra infantaria ; ditos para libr de pageos,
brancos e amarellos ; ditos pretos de bo-
nitos padroe ; ditos de vidro, para enfei-
tes de roupas de menino : na loja de qua-
troportas'darua do Cabug, n. i C. do
Duarte.
__Vende-se, ou troca-se um preto de 22 annos, cozi-
nheiro, sadio e lem vicios por una prcta que alba
Paulino, Calabar, baixo, olhos espantados eesbugv.
Ihados fulo, denles agudos, representa ter 40 annos ;
rol escravo de um padre, no Rio-Giandc-do-Wone o
,,1.-11 Ih'o vendeu por seu procurador Thomaz Antonio
Lobo, e eslfugido desde 1838.
Mathcus, Angola, alto, magro, rendido das verilhas o
qual velo do Maranhao para ser vendido pelo annun-
ciante; fugio einjunho de 1839, do sitio do Lordeiro,
na Casa-Forte c sabio com uina corrente no pe mas
be natural que a tirasse: he a lerceira vez que foge e
tem sido sempre agarrado longc da praca.
Augusto, Mocambique, alio, gordo, sem barba com
um S no pello direito ou esquerdo pernos grossas ; te
canoeiro ; fugio cm 28 de junho de 1839.
Manoel, de nacao Augola moleque de 18 annos, ma-
gro, cor fula ; levou camisa e ceroulas de algodao ae
Minas; quando falla ou respoude parece espantado;
fugio em 10 de oulubro de 1840 e suppe-se ter ido cm
algum combo; para o centro desta provincia.
Sergio de Angola, de 14 annos, baixo, grosso do cor-
no, fulo ; levou camisa e ceroulas de algodao de Minas,
he ladino e muito pronostico ; fugio segunda-feira ii
noile do dia 17 de maio de 1841; tem sido encontrado
no Chora-Menino, Magdalena e Fra-de-Porlas ; o qual
olha vesgo de um olho
llypolilo, tanibein Angola, baixo, de II a 12 annos,
muito esperto falla correiitcmeiilc, parecendo crlou-
lo ; levou ceroulas de algodao de Minas : sem signal ae
naco retinto da cor, com-o rosto c denles coinprido:
desappareceu sabbado noitc, 5 de junho do inesni'i
aunodc 184l, naoccasio cm queiaparao silio, e jui-
ga-sc ter sido desencaminhado por seductores. ...
Victorf mas d pelo nome deSarnento) de nacao An-
gola de 15 a 16 annos ; levou camisa c calcas curias c
algodSo de Minas ; nao tem signal de nacao ; cmDi-
gudo ; tem rs psgrandes e as pernas algum lauto am-
blas; fugio no trajelo do Recifc para o sillo da < asa-r or-
le na noile de 10 de setembro das 7 horas e inea em
diantc, levando um botijo de oleo de liuhaca ; suppe-
se ter sido seduiido como j frain outros.
Tilo, do Angola, de i9 a 20 anuos, rosto Uso e sem
barba estatura regular pernas um pouco lo
chatos c curtos
falla correr
1842 suppoc-sc que esteja ..
ter cio anno de 1839 fsito igual fuga trabalhaud
este uflicio em Olinda como forro.
itatura regular pernas um pouco tortas. 1
:urtos: he pintor e bollelro multo ldl.n0,"
enteinente o portuguez : fugio em abril
ipe-se que eslea irabalhaudo de pintor p
-PEBN. : NA TYP. DEMt F. DE FABIA
,-i84B
MUTIl
/