Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08603

Full Text
11 1 4
11 i
ll i
\
AMO IIXKIII. IOIEBO124
J*r tres aoesadUotadts 900o *
PtP tret u:** vencidos 6|000
m:

SEXTA FEIIA 3 DE MAIO DE 82. .
Np iui adiutado ?9|000
Po^t. fraiea aara t sibscriitor


E1GAR1KGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alezaodrino de Ll-
DIARIO DE PEBJYAMRICO.
. Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva
Araa.tT, o Sr A. de Lemoa Braga; Gear o Sr.
i. Jos de Ollrelra; Maraahio, o Si. Joaquim
^ Marquee Rodrigues; Para, Haooel I'inhairo &
^a^t; Amazooaa, o Sr. Jorooymo da Costa.
^KCARRRGADOS DA SOBSCRIPCAO DO SOL
kfgOaa, o Sr. Claudino Falcao Diar; Baha,
o SrAJos Martiat Atoa; Rio de Janeiro, o Sr-
!**T *MarUw*
PARTIDAS DOS CORRRIOS.
Olinda todos os das as 9# horas do da.
Iguarass, Goianna, a Parahyba naa secundas
e seztas-feiras.
S. Antao, Bezerroa, Bonito, Caruar, Altinbo
o Garanhuna naa tergaa-feira..
Pao d'Alho, Nazareth. Limoeiro, Brejo, Pea-
qeeira, Iogazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viste.
Ouricery e Ez naa quarUa-feirae.
Cabo, Seriohiam, Rio Formoao, Una, Barreiroa
Agua Prela, Pimentelraa e Natal quimas feiraa.
(Todoa oa eorreioa partem aa 10 horas da manhaa
quarta-feira, noute, destri-
butios um supplemento, contendo as
n Bjroburgo, e o resumo das noticias da
ITurepa, de que foi portador o vapor
inglez te Paran .
PMTE OFFICIIL.
EPHBMBRIDES DO HEZ DE MAIO.
7 Quarto creaceote aoa 43 mioatoa da lazde.
13 La chela aa 8 horas e 18 mnatoa da man.
l'O Qaarto alaciante a 1 hora da Baaohaa.
[*8 Lea nota aos 44 minutos da manhaa;
PREAMAR DE UOJE.
Primeiro aa 5 horas e 18 minatoa da Urde.
Segando aa 5 horaae 42 mnelos da manhaa.
. PARTIDA 008 VAPORES COSTEIROS.
.u i^'.u &/*&" 5 o M; P o norte
al a Granja 14 e 19 de cada mez.
'AMIDA DOS MNIBUS.
. I"S S. V f/'W a 6 |2. 7, 7 liS, 8
e 8 1|2 da m.; de O/inda s 8 da m. 6 da I.; de
SWf ?8h8 a? d2 m* do C"ed Karxeo
a 7 da m.: de Bemficm'fs 8 da m.
i. ir i'* iViV1?e 6 dv-; para 0linda 7
da m. e 8. U da t.; k,r, Jaboato ia 4 da I.; pera
o Caxang a Parzea> 4 1,2 da I.; para em/tea
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES va CAPITAL.
Tribunal do aommereio : segundas o quintas.
Relajo: tergas e aabbadoaa 10 horas.
Fazenda : quintas a 10 horas.
Juizo do aommereio : segundaa ao mel dia.
Dito de orphios: tercas e sextas s 10horas.
Primeira Tara do eival: tercas t axtas ae meio
dia.
Seganda Tara do eiv.l
bora da tarde.
qearlaa e aabbados 1
Jr
GOVERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 26 de malo
de 1869.
WJ&Mb Et" Sr. presidente da provincia
5m i""~/" maos de V- *". coarto
com copia do officio do brigadeiro commandante
aas armas de huntem datado, sob n. 1,035 o
^mtn^6010/"*. iJoqainn Patricia do Sa-
cramento pede S. M o Imperador a gran, de
nM.^na^oT d- ""'S0 miIiUr eeufllho
S- vfu *r **V,hao da Penuria Manoel Feliz
d I?!?LG"t4a'1' vu 'og.r V. Exc. se sirva
de ouviodo acerca de semelhaote pmteogio ao
naT da1uel1? b.talho dar ao mesmo
requerimento o conveniente destino.
Dito ae Ezm. presideote da provincia da Para-
ra ..Na primeira occasio farei seguir para a
S coKrr8,p0n*encla i?SS".0ba" 0ffiC1 de V Exc- d Dito ae commandante daa armas.Passo aa
ruaos de V Ezc. para oa Oos conrenientes a in-
clusa certidao de assentsmanlo do capitao Jos
Mara tarretra d'Assumpco com destino ao 9o
Daiainao de iofaotarii a que pertence.
Dito ao mesmo.Communtco V.Eic. para
o nm conveniente que aeguudo participou-me o
x-d. presidente da Parahiba m officio de 20 do
correte aob n. 3,058. o desertor do Io ualalhao
de infantera de nome Antonio Pereira da Silva,
viudo para esta provi5a no vapor Cruzeiro do
>ul, ro capturado em 14 de abril ultimo
Dito ao mesmo.SirTa^s? V. Ezc. de ioterpor
a sua opioiao sobre a materia do officio do ios -
pector dathesoararia de fazenda, so o. 437 e
vid* corrente, que me ae.l devol-
Dito rfqgamo.-. Com copia da ioformaco
roiDistrada p0. thesouraria de fazenda. sob o n.
4*2, respondo ao officio de V. Eze. de 24 de abril
mimo, sob n. 829. com referencia ao do delega-
do do cir aoa medicamentos foroecidos pela pharmocia mi-
litar as enfermarlas da Fernando, Tararale
colonia militar de Ptmeateiras. -*1 *
Dito ao masmo.Previno i V. Ezc. de que,
segundo communicou-me o Ezm. Sr. presidente
da Parahiba em officio de 19 do corrate sob
n. 3,040, ser remettido para aqu na 1 oppor-
tunidade e soldado do corpo de guarnicao
daquella provincia Mircolino Augusto Cezar Pe-
drosa, sobre quem recahem suspeilas de ser
desertor da co&panhia fiza de cavallarie, desta,
anm de que V. Ezc. ae sirva de mandar rjnhe-
cer da ezactido dessaa suspeitaa.
Dito ao mesmo.Pan que possa aer aatisfeito
o pedido de livroa para a escrlolura^o 4a eofer-
mana militar do corpo de guarnirlo desta pro-
vincia, de que trata o officio de V 'ic. de 2 do
correte sob n. 883 slrva-se sJ&. de decla-
rar-me quantos livros sao praisos e o lamaoho
destea.
Dito ao mesmo.Transsfitlo V. Ezc, t
os dos cooveoienlea s/fncla,,, gaia8 das pr(,Q
J* bala,b le if.ntaria que se nchavam
> cerpo d|pguarnico da provincia,
lo desertor do 10 batalhao
Pereira da Silra.
thesouraria de hienda
. agar a Joio Francisco de
_e indica em sua informacao de 24
do corrente sob a/473, dada tom referencia a da
cooladoru desj thesouraria escripia no verso
4?nUSer'reiUo ^e a9">l'o a quaotia de......
f*WW r, proveniente de 300 alqueirea de
larinha qu\9 vandeu Graciano Jos de Freilas ao
commaodaoHe do presidio de Fernando, para
consumo dabuelle presidio.Communic&u-se ao
commandante de Fernando.
Dito ao mtesmo.Autoriso V. S nos termos
desua loforau.co de 24 do correle sob n. 471,
J?.1 "r P*J*" ,0 Pharmaceatico Franceliino
foi t* y a "uaD'' segundo ojr documentos que devolvo coberlos
5* ->S?Sio 0J>r- 'o Joaqulm Firmioo da-
yiaode 2 de abril ultimo importam os medica-
^lentos foroecidoa pele mesmo pharmaceulico
para o tralamento dos indigentes accommetiidos
do eholera-iaorbaa na comarca de Goianna, como
se v de taea documentos.Communicou-se ao
Dr. Jos Joaquim Firmioo.
Djio ao meamo.Communico V. S. para seu
cotrbecimeolo e direc?ao que o brigadeiro com-
mandante das armas participou-me em officio de
5 k. cr-reDi8 ,*.b 1'045- h,,er "P'l0 d0
9 oaiaihao de iofantaria Francisco Jos Damas-
ceno Rosado, feilo entrega ao major cemmao-
dante do corpo de guarnas desta provincia
?oerCfSfeS'Dcho da Sll,a Pedr. aa qaanlia de
1J.4U0V0OO rs. que recebeu desai thesouraria
para pagamento da torca aob o commando do
predilo major.
Dito ao iospector da thesouraria provincial.
A l WjlW 1153x00 rs. despendida com o sustento dos pre-
sos pobre da cadeia do termo da Eicada nos me-
zes de evereiro, margo e abril deste anoo urna
ez que eatejam nos termos legaes aa tres inclu-
sas contas qae para ease Qm me foram remedidas
pelo ebefe de polica com officio de 24 do correo
n *k n O0I C*_______ a r
sendo urna do s'oldi
de inlantaria AutoniJ
Dilo ao iospector
P6de ** S. mandar
Souza Cfcjiform
r" w*** WV T WJ VWIIVU-
i Commuuicou-se ao chele de
polica.
Dito ao iospector do araeoal de marloba.
Haja V. S. de providenciar para que os machi-
iiista e foguista desse srsenal compare;am
peranle o delegado de polica do Io dlitricto
desse termo no dia que para iaao forem notifica-
doa Qm de assistirem a um.ezame requerido p
por james Harrisoo no prucesso a que responde seu contrato
por aquello juo conforme solicitou o Dr. ebefe -
;L?. a e(n offlcio 8J7 le 2* d cor-
HD,lp'i0.?!?mB,l,le 00 Pradio de Fernn-
f.fi.'^it^.i* 1 officl lnto Pr 0P'a do
jutz municipal da 1 Tara tar v e rnnBna ..
rfdrtoTcr'avo^
|
onecido. Fica a.sim r.spdido nll v
. do 19 de abril ullimo, sob n a" dB V'
Dita ao commandante do corpa' d j.ii.1.
Em Tieta do que pondero o Dr.,^ Z,C',V~
em oflUio n. 409 de 19 de mare/lUlmlPi",fIel,
man V. S. am rt... A Ofi rt J&, ",ai? nfor-
sob n. 181, acabo de determinar ao CmS
thesouraria provincial que mande fornecer
guarda da ribeira de S. Jos deala cidaie 4
barras de madeira, am Ismpiao e urna jarra para
uso das respectivas pracas. eveodo porm o
iornecimenlo d'agua e luz continuar a ser felto
na rorms do coslume, recommeodo V. S. que
n^n0/ d.8TJda "'derasio a informaCo
n. n de 14 desle mei, a semelhante respeito
ministrada par aquella inspector, e aqui lunl
por copia. *
Dilo ao mesmo.-Espe$s V S. as seas ordens
para que o destacamento de 14 pracas existente
em Nazarethsiga para o termo de Goianna ocrfn
permanecer no mesmo servico. Communi-
cou-se ao chele de policia.
Dito ao mesmo.Pode V. S. maodar engaiar
na secgao volante do corpo sob seu commando
o paisano Pedro Jos da Silva, a quem ae refere
o seu offlcio n. 225 de 24 deste mez.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional do Recife.-Declaro V. S em resposla ao
seu 0111 co o. 3o da 15 do corrente que para aer to-
mado em considerado o pedido que V. S. faj de
vario objectos o para ezpediente da aeeretaria
desse commando superior e do 1 batalhao de
artilhana, \\ 2o, 3 e 4# de iofantaria da guarda
nacional desle municipio faz-se necessario que
V. h. tendo em vista o que pondera a contadoria
da thesoararia de fazenda no parecer de 20 deste
mez, junto por copia, proceda pela forma ah
indicada.
Dito ao com mandante auperior de Olinda e
Igaarassu.A vista da ana informacao de 12 do
correte, sobre o requerimento do teoente da 7
companhia do batalhao o. 9 de iofantaria da
guarda nacional sobre sea commando superior
Antonio Pinto da Molla, mande V. S. pasear a
guia de que trata o artigo 45 do decreto n. 1,130
de 12 de margo de 1853.
Dilo ao director das obras militares.Haja V.
s. de apresentar-me com urgencia o orcamento
das despezaa a fazer se com os melhorameotos
de que precisa o quarlel das Cinco Pontss, e que
sao indicados no offlcio incluso da junta militar
de saude. annexo ao do brigadeiro commandan-
te das armas de 24 do crreme sob n. 1,012. oue
me ser restituido. H
Ditoaojaiz de orphios do Reeife.Commu-
nico I Vine, que segundo declarou-me o cnsul
de Frange no offlcio de 23 do correle falleceu
DOtJ-!a /nledeate 00 hospital porluguez o
aubdito francas Jules Imalz. aem deizar ezpo-
itos.Respondeu-se ao cnsul.
Dte ao conselho administrativo.PromoTa o
conselho administrativo a compra pelo meos que
poder cegulaodo-se pelos pregos marcados na re-
lagao junta, doa matertaes nella indicados os
qases se destioam ao presidio de Fernando.
Dilo ao engeoheiro fiscal da estrada de ferro.__
Com a ioclaaa copia da ioformagio ministrada
peloDr. ehej,d poH.ftsjja, life-goWrfs t,l_P'l
o offldo de Vmc. de 9 de~""abrir 'ffT*
dos continuados embaragos qae
de 1861, e do parecer do dezembirgador procu-
raior da coma, com o qual me conformo, nao
pode o supphcante acumular aa fanegoes de eol-
C?r e..de "'tarto da cmara maoicipal.
Virgilio Vieira da Costa Pinto.Informe o
sr. Dr. director geral da inatrugo publica.
DAS DA 8EMARA.
26 Segunda. S. Felippe Nery fundador
27 Tarea. S. Joio p. m. ; S. Ranulpho m.
28 Quarle. S. Germano b. ; S. Priamo.
^n S"'?.1" *pAreno do Senhor; S.Maximiano./
2? Se,,.S- Feron 31 Sabbado. S. Petrooilla t. ; S. Lopecino.
1 Domingo. S. Firmo m. ; S. Falllo.
ASSIGNA-SE
Dn?.*.e.VDa alirida Praga da Indepen-
EXTERIOR.
T'42 resc
tt- '
js propretarioa dos engenhos da tercei-
(la nal m A A~ I___.__________. 1
ao da estr.da de ferro ao ezercicio doa di- n,"'ue uioatrarei. armaram o eatandarte da re-
y,os da companhia da meama estrada. oltaconira o actual systema de cootribuigoes e
tollo ao superintendente da estrada de ferro. Con'ra os Deso e medidas, ora, 4 preciso que ae
9 informarn iunl* nnr l-nni. nraal.rf. 1 r>. SSlOa que eale um moin natanaivn .> imh..
ra
mi,.
--perinteadente -
ua informagao junta por copia prestada pelo Dr.
c:hefe de policia em 20 do corrente, para a qual
chamo a atteogao do Sr. superintendente da es-
trada de ferro desla provincia ver que aquella
autondade nao se lem descuidado em tomar as
providencias precisas avista dos fados ezposles
pelo mesmo Sr. superintendente em seu officio de 2 e podero8. qua al agora, alheio aegao
lz deste mez, ?o fisco, quer continuar nesse escndalo ; e por
mihn rim;nioi..i;n .r>._^. ..i taso poe oa ra oa maltrapilhos e os pobrea que
inscienies do que fazem, por alguna tust.s,' dio
sanos cuidados sos poderes pblicos.
Dito ao conselho administrativo.Dando scien-
cia ao conselho administrativo, para fornecimen-
to do arsenal de guerra da reclamagao feita pelo
director do mesmo arsenal em offlcio de 13 do
corrente que junto por copia cabe-me dizer-lhe
que convem observar fielmente o que a seme-
lhante respeito dispde o arl. 27 do rogulameoto
de 14 de dezembro de 184S.
pito acamara municipal da Tilla do Bom Con-
selho.DevolTa-me cmara municipal da Tilla
do Bom Conaelbo oa documentos que foram ao-
nezos ao offlcio do Em. presidente das Alagoas
datado de 25 de fevereiro prozimo Ando relati-
vos quesiio dos conflictos havidoa entre os
em pregados dassa esmara e o inspector de quar-
a 2 d0" c'ldeires de Baizo, da comarca de
Anadia, naquella provincia, oa quaes oio acom-
panharam a ioformago da mesan cmara firma-
da em 25 de abril ultimo.
Portarla.O presideote ds provincia confor-
mando-ae com -proposla do chefe de policia o.
804, desta data resolve conceder ao capilao Frau-
cisco Aotonio de S Brrelo a ezoneragao que
peaio do cargo de delegado de policia do termo
de Nazareth. e o oomea para igual cargo no ter-
mo de Goianna.Communicou-ae ao chefe de
polica.
Dita.O presidente da provincia altendeodo ao
que requereu a profaasora publica de inslrucgao
primaria da freguezia da Boa-vista Francisca daa
thagas Kibeiro de Oliveira resolve conceder-lhe
qusrenta dias de licenga com vencmenios. psra
tratar de aua saude.
Dita.O presidente da provincia.atteodendo ao
qae requeren o juiz municipal do orphios do ter-
mo de Nazareth bacharel Joaquim Jos de Oliveira
Andrade resolve prorogar por 5 diaa a licenca de
!E temP com encimentos que Ihe fol conce-
dida por portara de 12 do correnta para tratar de
sua saude.
Despachos do dia 86 de malo.
Hequerimenlos.
Aotonio Jos Piolo.Satisfaga o supplicsnte a
ezi(?eocia do parecer fiscal iunto por copia.
Tenenle Antonio Pinlo da MollaDirija-seso
commandante superior da guarda nacional de
Oliods e Iguaraas.
Cosma Joaquioa Lima Nones.Posto que se-
jam muito lisongatraa as informagea prestadas
acerca da aupplicaote pelo primeiro director inte-
rino da ostrurgio publica am aeu officio da 23
deste mez, nao pode aer atteodida a aua proteo-
gao avista daa razca no mesmo offlcio ponde-
radas. r
Frangoia Deglsim.O supplicaDte s tem di-
tres mezes contados do termo do
pelo qae nao tem lugar o que
Borguet.-0 supplicante ao tem dimito ttttS&TZSttSSFS
;em no caso de regressar nara o aeu m>. Guimarin*. .nm h.. n.rt. ... "" oor
requer.
a passagem no caso de regresaar para o seu pai
deotro de tres mezes contadoa do termo do seu
coolrato ; e por isso nao tem lugar o que ra
quer
ver fnM t""" V'"- uireuo a passagem no csso de regreasar para o
sim reapoudidVqUr P-' w' "" paU denlr0 do pr,, de tre8 .*" cool*dos
do termo do seu contralo; e por isssat nio tem
lagar o que requer.
Joaquim Pedro dos Santos Bezerra.O suppli-
caote j foi attendido.
ero un u. w ca i ue marco ultimn aki-V.. .1. -"" '. uu" muoie ueaie oom poso, eaoa eaforroa da
mou V. 8. em data de 26 de abril7rozLt ,0-r" teP?'di" Joaquina da Concaicio.-lnforme alguoa individuos; qua com sacrifle o a. au!
-oh n. 181, acabo de determinar .o taSr?*,?.B2? ll ?' < *" ProprU .sistanaia.'s. coofundiai 2KJ''"
Maris Rosa Lima.Informe o Sr. Dr. chefe
de policia.
Coronalliburlioo Pinto de Almeida.Em va-
uto no arl. n. 118 do 1.a de margo
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAUBUCO.
Lisboa, 1S de malo de 1864.
. Ho cortejo, que heuve no pago d'Ajuda no dia
29 do paseado, por occasio do aoniversano da
oulnorga da caria constitucional, declamo S M
el-rei o Sr. D. Luiz I s deputages daa duas ca-
! : i0i p,e' "epatados, a resolugio, qae
formara de mudar de estado.
Esta noticia foi jubilosamente recebida por todo
o paz, e desde logo se comegaram a forjar noti-
cias menos verdicas urnas do que outraa, sobre
a futura raioha de Portugal.
S. H. nio designou o nome da esposa qua ea-
coibera, como nao praxe fazer-se, emqusnto
nao estao completamente ultimadas todas as ne-
gociagoes para tal flm ; por isso nao para admi-
rar, que a vea novelleira achaasa largas, para
deala vez ae espraiar a aeu bel praser. No entan-
lo, apezar de ser s noticia maia em voga, a que
Mi0.P?.m'fc"/*fh,.PortQ'1' Priocs
Mana Pa filha de el-rei Vctor Emmanuel, posso
asseyerar-lhe. qae nio ezacta, e qae este casa-
mento, por mal sympathico quelosse ao poro
liberal nao se reallss.
Segando noticias que para mim as repito por
2f? M' P.0-" ao "ota d'onda sshiram nio pode
aer authentica. S. M. el-rei o Sr. D. Luiz I rece-
mil?.^Ie3p*0,.' J quiota filha d0 duque Mazi-
mihano Jos da B.viera. marechal da cavallaria
- .I8 ro,ad" cm a princesa Luiza Walhelmi-
na filha do re Uazimiliino Jos da Baviera. Car-
iota Augusta o seu nome ; oasceu a 22 de fe-
vereiro de 1847; rica o muito formoaa. Su.s
?n|anr. t?"' "si ll0da" c'ui" i Pmt Ca-
rolina Thereza Helena, com um priocipe alle-
imana;.H"g-?.da' l8,bel Amelu Eugenia, com o
y.?f. i.,,,Au,lVa Francio Jos; s tercei ra
Marta Sophla Amelia, com o ex-rei do aples,
Francisco II; a quarta Mathilde Ludovigua com
o lrmao desle rei, o conde de Trani. -
O caatmento aera effectuado com multa brevi-
Aa loaM'-V-?*80* am ag08, ou etembro.
as joiaa j se estao faieodo em Lisboa.
Dapoiside ama noticia festival, nao caberla
"oota^ROuir*. qajaXiULQ.rAoca^ad.o gc/ode-'
Benie oa espiritoa, nos ltimos dlss. Algarnaa
voagoea do Uioho. como adianto esmiucada-
t.l 1 or Perla/de Garfa a Vieira chegou
p" hJ"""1, 8 f'ng'ndo-se igreja de S.
Pedro, obngaram o aneiro a tocar a rebate, de-
pois aeg.ir.rn S^omiogos sonde est a repar-
tigao da fazenda k administragao. e all a golpes
de machado arriombaram aa portaa daa duas ae-
cretanaa, langarfido mo de todoa os papis, que
encontraran; levsodo uos e queimando oulros e
ludo islo Ikompanhado de vivas a el-rei, morras
ecnao de fazeoda e ao ministerio.
Todava, :omo nio eocontraram as mstrizes. que
linnam ido na vespers para Braga, j com receios
desies acn ecimentos, dirigiram-se a casa do es-
envao de fi senda, e sos grito8 de morra en-
raram pela porta deotro. iangando pela jaoella
ludus os pa >eis que pilharam, o queimando-os no
meio do te reiro deS. Francisco.
Qaerism que o eacrivio apparecesse, mas nao
Ibes foi possivel encontrs-lo em casa, porque elle
COm "/enilaso tioha retirado.
Daquisefauiram recebedona. onde apenas ras-
garam algbns papis Os pequea importancia,
*ro;ee Pfrinclpal tinha-sido oceultado.
Voitandaf npvsmente psra o Toural. aoltaodo
ameagas pfar nio terem conseguido o seu verda-
delro nieslto, segairam cadeia querendo sol-
lar os pretios, e casa da cmara pedindo oa li-
vros do rejerutameoto, os novos pesos e aa matri-
zes, declastando que s respeilariam os livros dos
ezpostos. I \
Quando'chVgarvm^ praga da Oliveira, encon-
traram-secom am emptregado municipal, a quem
obngaran a dar as etnavea da cmara, chegaodo
qUf !" S* ,c,ilP do fur<>r popular.
ik Cjt maiJ> cu8l eom mut08 esforgos,
se ihesaez ver que os livros de recrutamento es
tavam Im Brsgal e que nada conseguiam em quei-
mar ol papis el livros que alli eziatiam : com
ludojfcmpre arr/jmbaram a porta do quarto da
aferidjo e destroiram tudo quanto l encontra-
raml i
Ejpalhaodo-sej depois pela cidade correram to-
i /* i ,a" c,ue Vram ebertas, quebrando os m-
rofe lavando ccam sigo os pesos novos.
euoiodo-se oluira vez, foram porta do admi-
nistrador, P*ra ilque lhea apparecesse e dissesse
lotgosamente onlde estavam aa matrizes, amea-
^ando-o e lomaoldo a desordem cada vez maiaum
/carcter assustaddbr.
Felizmente algulos individuos conseguiram acal-
ma' um pouco esla soarchia, fazeodo que se re-
tuassem para aaels casas, visto ser noite, mas
prometiendo volta|r no dia seguala.
i houve victimas a lamentar ;
pessoaa arriscaram-se bastante
liniatrador como o eacrivao de
' saem, as suas vidas da certo
sai Da que eale um meio ostensivo para aeober-
tar planos damosdos de iosligadores ts e cobar-
des, que s por meio da remita e da aoormali-
dade do paiz. podem peacar alguma cousa.
O povo nao tem razio alguma de queixa, e aer-
Te, anda maia esta Tez, de instrumento pacifico
do rico e poderoso, que al agora, alheio aegio
De mala, oa tumultos que pelo Natal houve em
Lisboa, e oa que ora ha no Hioho, tiveram e teem
os meamos agentes, miram aos meemos fin e
seguem o mesmo camioho.
Emqaanto a forga publica se cooservou em
quarteis na ezpectatiTa, os alborotadorea avanca-
ram emsusa correrles ; mal aa tratou de repri-
mir os dislurbios,o povo, aiodi o mala baixo.
comegou a fugir. c porque nio se ajustara qae
tropa andana contra os paisanos, a
Aqui, eal a feicgo principal e caracterstica
oestes rusgss. Poderiam ter sido evitadas a prin-
cipio, se o Sr. general Ferreira, commandante
SJa"!? eu"ta "lelo militar, sse man-
dado do Porto a forga neceasaria para as conler.
Nao aconieceu assim, e o governo leve que no-
mear o Sr. bario de Palme, para commanda
da terceira divisio militar, e bootem eotrou
Braga, com grande alegra do povo daquella ci-
Para melhor avallar o alcance deates tumultos.
tou dar-lhe urna noticia circumstanciada, eztra-
hida, dia por dia, das correspondencias remelti-
das para Lisboa, doa fcoa da desordem ou dos
pontos ma-.s prximos
Foi no dia 27 de abril que os tumultos come-
caram fazando-ae notar, de primeiro, na Tilla de
ravoa do Linhoso.
Um bando de homens armadoe, commandados
por um rendetro de S. Bento de Denim, fregue-
zia de Santo Emiliio da mesma Tula, invadi tu-
multuariamente Pavoa do Lanhoso das 2 para as
o noraa da tarde.
Depois de darem gritos sediciosos e tocarem os
sinos a rebate, com o flm de alarmsram os ha-
bitantes daquella Tilla o suaa immediaces, a que
nao conseguiram. porque os povos se conser-
ram pacficos e desprezaram todas aa inatanciaa
dos sediciosos para os seguirem em suas crimi-
nosas tentatiTas ; dirigiam-aeem seguida aa casas
da administragao e repartigo da fazenda, cujas
portas ftrQ.ram, e grande parte da papelada all
eziatente, fot dada em pasto s chammas:
Felizmenie o admioiatrador do conselho e es-
envao suppleote da fazenda avisados com ante-
cipagao, pozeram em seguro oa papis msis im-
ponentes, alias teriam sido victimas do furor da
populagao.
, a1?0.! 2S Dao Pe"ram os disturbios, porque,
nao satlafeitos com o qua pralicaram oa admiaia-
Iragio e repartigio da fazenda, dirigiram-ae casa
do recebedor da comarca e ezigiram-lhe a entre-
ga doa ppela relativos a conlribuigio industrial
que igualmente deslruirsm. wnai.
r* alji n
fhlaria n. 6|
-aaajjaaa susto, apaxar de
ique'Al" dTaNff-oAaTaa i
Jl'^ .De8'em.-0 aupplicaote s tem di- O escrivao da fazeoda e o juiz alelto da ,in.
?S?2T2FZ2 C" de regr8,sar para MB "ementaoirtam in.ultadoae o?m bSi ia.'
paiz deotro de tres mezea contados dn tnrmn rfo ao nio e.tivn.em .....- por um l,lu iC*-
so nio ealivesaem ausentes.
|B.i?rt1n^dL^d8"eV^mad0 depoia de terem
. ---------> uwuiujuui un revom : oor
Guimaraes. aem havernada que ibes podesse re-
_ latir, nem meios da cooclliacAo e ordem que oo-
- dessem soflrear a aua ira a iodigoacio.
O espectculo oi pavoroao ; oa aiooa a rebate,
Je.n*r.ngoi. W.trin.- aupplia.nte s tem ^^X'&&'ffiu:?&
ireito_ passagem no caao de regressar para o ares, clamando contra ai vei.co tnh7,i..?f."!
ares, clamando contra as vexagea tributarias do
governo. entregaram aquella cidade desordem
e a narchia por espaco de horas.
Se oio houveram victimas a lamentar, se a
rT,!d,d,81lD,d,TldVl oi "apellada. daTe!
anda ndole deste bom povo, e aos esforCos de
, --, i- vvu u ascnucio oa sua
pmpria eustancia, so coofuodiam entre aa mas-
is, para applacar aa Iras populares. Urna voz
nica que aa levantasse da exterminio, que des-
granas oio succederiam II .
Seria 4 horas ds tarda qaando esta multido
Como disie. o
com tudo alguma
a taoto qae o atf
fazenda ae appar
perigarlamC
A cida ool
arekar 4f
en lo oe
v?*-di" 6 ^e'eripVcau-ae aravolU em Villa-
verae, or larde eotrou a populaga, qaa
queimou da da adminiairagio e procrou
o eacrivao o -en^W para o matar.
Entre outras pessoaa quo saltaram no meio do
poro para a-dissuaoir por boas maoeiras e ver se
o conseguiam aze-lo retirar, foi am escrsTente
do cartorio do Sr. Gaspar da Coata, sobre o qual
cahiram, e que s por um grande milagre
pon escapar de ser victima da desordem,
pois tambem o quizemm malar.
Em Braga toda a noite daquelle dia se pissou
em sobresalto, reforgaram os piquetes e tudo es-
leve a poslos.
Felizmente a populaga nao sespproximou s
ras da cidade.
Diz-aeque o poto se tinhs estendido de Bom
Jess por Santa Eulalia e Nogueir, ondeficou.e
que as 8 horas da manhaa do dia 7, principiaram
os sinos a locara rebate por todaB.asfreguezias
do sol e todo o oaacente.
O correio que vinha de Amaras para Braga foi
interceptado oa freguezia de Adaufe como pre-
texto de Ihe tirarem os ppela doa tributos que
lam para Braga. Nenbum mal fizeram ao con-
ductor, que chegou a lempo.
Aa maasaa do povo de Manaul, 3. Joo de Rei
6 de toda aquella corda, Carvalho e parte do Se-
nhor do Monta marcharan] para Pavfla de Lanho-
so em grande forga, e diziam que am desarmar a
tropa que alli eal, e que d'alli seguirism psra
te, nio sel para onde, a nio aer Guimares
a.
ouro a Santa
esmo dia 7
mam a estes a baizo o recrutamento que que-
remos fetto pela le velha. Este tumulto dis-
persou pela volts da meia noite. maa na manhaa
oo da mmediato .repetio-ae o toque de sino a
rebele a aioda ae rdfniram alguns grupos, entre
os quaes foi, segunda ae diz. pactuada a ida a
Darcellos no dia seguinte.
Mal peosavam elles, jiorm, que na manhaa do
meamo da teriam entre ai o honrado administra-
dor deste conselho. cuja presenga foi bastante
para conte-loa. e para os fazer entrar nos seus
deveres. O respeitavel magistrado apenas levou
em sua companhia o secretario da administragao
do conaelbo, e um officialde diligencias ; tal a
confian ;a qua tem em si e nos povos que admi-
nistra. Foram dous os fins a que se propoi :
evitar novos alvorotos e investigar sobre o que
se tioha paaaado, para fazer punir os
amotinadores, um dos quaes se acha
pnncipaes
preso con-
sega io os ambos, sam o menor embarago, e moa-
troa aoa aediciosos e aos amantes da ordem, que
nao tem toado, e que estes tambem nio de'em
te-lo, porque diga-se a verdade, o numero dos
habitantes de Suajo, que tomara ra parte em se-
melhsntes disturbios, sem duvida, muflo iofe-
rlor ao daquellea que ficaram socegados em suas
CASAS.
A excepgio disto oio consta qua em outro
qualquer ponto do districto fosse alterado o so-
cego publico, oem que haja os menores symplo-
mas para isso.
Em Visnna reina o mais completo socego.
Tive noticias de Braga com data de 8 de malo,
em que se me diz que o povo que eslava do lado
da Ponte se retirou parte em direegio da Falper-
re, parte para o lado de So mar, e que algana fo-
ram para o Senhor do Monle.
Parte da gente que estaTa no Senhor do Monte
tioha ido para a Pavos de Lanhoso, onde o povo
eotrou outra vez e em maior forga.
Como a forga popular era grande, conta-se que
a tropa, para evitar desgragas, se retirara para o
alio de S. Sebastiioou Castello do Pilar.
O povo eotrou, pedio o processo da devassa e
deu vivas.
Diz-se maia qua mandara 12 homens desarma-
dos ao local onde estaTa a tropa para que dea-
tesse villa.
O commaodaote mandou carregar armas e mar
ebou para o centro da villa, onde o povo recebeu
a tropa com vivas.
Daooia disto, parle da geote retirou-se e parte
Qcou por alli, segundo se disse.
A chava que cshio toda a noite al a urna hora
da larde obalou muite e muilo aoa movimeotos
populares.
Sio. como natural nestas occaaiea, immen-
sos os boatos que correm. ^
Cnala que desde o cooselbo de Lanhoso rjf*
ho\-
alartha diz-se que des-
a Ierras de Bouro e A-
ia tocaram os sioos a rebata em Arno -
ao. e por aquella corda at Villa Nora de Fame-
licao, oode oa revoltosos se prepararas).
Isto cada Tez coniinuava peior.
Tem aabido de Braga alguma gente para se ir
unir populaga.
Eotre a populaga aodam alguoa bem armados e
conhece-se que sio soldadoa que tiveram baixa.
i j*8.?08 esfartn urna massa de poTo para
Tilla de Ponte de Barca.
E' cario qae a desordem estiva tomando largas
proporgoes naquella dia.
As 3 horas da tarde do mesmo dia 7, foi o aig-
nal dado, que era o repique de aiooa oo Seohor
do Honte, para o poto se aproximar de Braga.
A tropa toma posiges e marchara em duas for-
gss, ama pelos Pelamas e outra pelas Gavieiras,
para fazer retirar os revoltosos que estavam oa
00te em Nagreir. O admioiatrador do coo-
selho falln s massss estas queram eotrar.
Permittia-ae-lhea que eotrassem, maa pouco a
pouco e desarmadoe; nio quizersm annuir a
' Kk ,,uer',in entrer armados.
As 5 horas da tarda rompen o fogo entre a tro-
pa e o povo. O ogo foi muilo, e s com a massa
do poto que estar do Isdo do Negueir e
Poote.
Nao cliegoa a reunir-ae a masss popular do
lado do Bom Jess e Sete Pontee. O ogo con-
tinuou al aa 6 e meia horas, e depois cessou,
porque o povo relima para a Falperra.
Dizem os soldadoa e officiaea qua o fogo do la-
do do povo era muito em forma e que aabiam
perfeitamente dar fogo deitados e de lado 11
A forga dos paisanos com que se bateo, seria
uns dazeotos hmeos pouco mais ou meos.
Na freguezia de Suajo, no conselho dos Arcos,
houve no da 1" de maio um pequeoo motim da
povo daquella freguezis, que promptamente fol
suffocado e comegado pela manalra aegoiole:
No I daqueli.j.niez appsreeeo naquella fregue-
zia uos individuo de fora dalla, que nio s propa-
lou a falaa noticia de que ae tiohsm revoluciona-
do quaal todas as pe-voagdes do Uioho, maa ac-
crescentou que ha.a qaem disse 3:0OOJ para a
sublevacio dos povos de Suajo, e mandou por
dous ou tres emissanos. convidar varios habitan-
tes daquella freguezia para ae reuoirem oo adro
da respectiva igrejs.quaodo o aino tooasse a re-
bate.
Daa 9 para as 10 horas da noite desse dia co-
mecaram as funeges do badalo, e logo depois se
achou reuoido urna porgao de homens, mn'heres,
rspases, que percorreram diversos sitios, al que
se gruparam o largo do Ciro dando alguna Ti-
ra a 6. H. o Sr. D. Luis I, seguidos da graodea
vozenas, aa qae disiesn c abaizo os nevos dimi-
tas o os noros pesos, os i sambas como siles ths-
cJlma al Saamonde^Jocaram-8e"oa sinos'
Corre tambem que na reir de Uangualde
ve desordem. a que por isso tomara a reeolher a
forca qae tioha aabido de Chaves.
Tambem consta que houve deaordens para a
parca a Arco : que o povo que eotrou oa Pavoa
levav. 4o baionetas, e que hs quem pague aos
soldados com balza, que se reuoem aos revolto-
aos; e multas oulras cousaa que nio passam de
E" verdade que com o povo andam muitos que
toram soldados, mas tambem verdade que o do-
to que est por fra de Braga^nda cheio de to-
me, e tanto assim que para* lado da Ponte,
at pedia pi 11
-Corre que os povos do Prado se preparara para
vir Braga. r
Da Ponte do Porto para cima, pola direcco do
Cavado, tocam os sioos em todas aa aldeias.
O administrador de Amares relirou-se para
Draga.
Eotre os populares andam muitos regedores.
quando estea, com os parochos eram os mais pro-
pnos para desengaar e accommodar o povo. J
que oa parochos se esqaeceram do aeu dever, do-
rar Ib, o hia ter lembrado o Sr. arcebispo.
soube-se maia. que o poro eotrou em Amares e
teira NoTa, e que all espera o de Trras de Bou-
ro e Sania Marina.
Tem chegado Braga umitas pessoas que ae
mlS! iK'' ^ anda lhe ****" *
Como este andam por l muitos : felizmente a
genie sensata nao lhe d apoio. """"n" a
A pesar dos jornaes fallarem oos tumulto sf*
Gu,,,,arae ninguem se lembra de dizer que as
onua tt"?!9 ,ee,Dnh"do foram feita. por
i..VL r i --0a P*c,flco* e laborioso, habitan-
tes de Guimares. Hunra lhe seja feita.
S os vadlos e turbulentos que Qneem iano-
rar que com as revoluges nada se lfc 1
eaX1iPneTaC"t0m1?0a ,no"'ad0 de sobejo a qu*eT.!
naa rl -* e"" Dt^">*. JS dos auno. U
paz mal podem reslabeleeer-oos.
r.rtn.*o "h- de Gui,nro* "ma forga do ea-
V.r2!.9/M.d'roccio aV.ll.-Nova de F.meli-
cao oode da de feira. Ficou em aeu lugar un
pequeo destacamento Tiodo de Lamego. Em
tare ha socego. O adminislrador tom as suas or-
dena um..forga de 120 tr.balhadore. armado.
a qli'T8 n.0,icl" teoho vista alcaogam
a 9 de malo, sao as segaintea :
n.^h g* r8"M ,ow0- Em Amarea o povo
? .' maSaS oa,rilM e muilos documen-
tos importantes, que dentro d'um bah ou da
doauo'l'cao.'6 enler"do paraescap.rem k
esoVdrUo'.'4" h"e ,,gaem qUe denencissse o
F.',0,V.Omde,truO.,!ud0 8 M outre 'olenelaa.
aea^Mm P0r mmtM deaordeiros eoatros
seuiram para cima.
u m1'" d" l8m ';' P0T0 de di'eraos pootos, par-
te para o norte e parle para o oaacente.
uiz-se qae anda nao desistir-
voltar a Braga,
ser no dia 11.
m do propoaito de
e at se acresceota que havia do
O que certo que pelas freguezias ruraea do
Brega a outras se convida o povo. e qua a maior
parle dos regedorea oio aio eatranbos a isto.
lem apparecido alguns pasquina pelas aldeias.
?* d gA08 co?selho apparecem proclamages.
a Pavfla de Lanhoso continua o estado anor-
mal. Coma a noticia de que oa popularea man-
daran) dizer a Villa-que ae a tropa oio rtirara
a obrigariam a retirar.
A cousa fcil da dizer, maa difficl de eze-
CU l Ai".
O povo dos lados de Pedralra para cima o do
toda aquella corda corre para o oaacente.
Comtudo, segundo as correspondencias do Mi-
nti, parece que vai melhorando a ailuacio o qua
ltos se vio dispersando, haveodo
rangas de que a preseog
bom aeoso publico co
retiabelecimento* da
pontos onde
. Ifo sabb
gtarfffJ^de _
marchar 'a'rrilharia*
espe-
tares arasada e
para o nrompto
fr puWaaaaoa
aaa o Porto o re-
e tinha ordem de
tV-^---------------
d. ho0.P4lt 1lm" 'etagraphcajrecabi-
n!n J dao *s r"ca< 1"si lefminadaj. sus-
pendeu-se a marcha de nova, ror;at. "^ tlU
doa SSSiSL d8 L',boa deaappareceram alguns
rnfni ?,,quea 0Pioi0 Plice, iodicava
como os principas, agentes e instlaedoraa da
S."tata W'8 r6 3 f-^'-Krpe"
af"! C18 prioclPal desta remita a ques-
tao ral giosa, a ,dei. velha contra a ide.a oov"-
em fl\ iZ ""."'"do contra liberd.de
h?r aifa"m-,e ldoe os esforgoa para derril
f...*CW1-1 .*0Te". 1e promolto por lermo
que.tao r.l.giosa. que ha cinco anoo. se agita
entre nos. e depende Uso da approv.gao ou re-
?-m.,rS"0 1 Pr?8Cl0 *u* ora oediaenuna.
camaraa sobre a llberd.de de eosioo.
daPcomm.ssto0 p.a5U8\8 dia"-'he qbo a m.orio
e.pecial encarregada de dar o
ra contra os
pois deseja a coolinaagao das
- no eoaino.
No da lo de maio o Sr. Frrea, apreaeotou
parecer sobre
cipiesdogoTa.,lsuea
Irmaas da caridade oo eoaino.
o projeclo, rotara contra os prin-
cipies do governo ni. ..:._____:___:,*!"".
eu voto em sep.rado. ezcluindo lod.'e .aiquer
corporagao religiosa do eo.ino. quer publico
quer particular ; e oo di. 5 de.le mez comeio.'
5a va?*108 pafece'e*. 1e a e.ta. hora, ain"
suas orages a latilad
sustentado
No da 8 de maio enlraram na Pavoa de Lanho-
so outra vez massss de povo armadas de espi-
gardaa, foucea. poa e chugoa. A forca de cio-
coenla baiooetaa de iofantaria-, que alli aa achava
ha das decombinago com o administrado
conselho, tomaram as medidas precisas parrTse-
gurar as rapartiges, e nao consentiram qae o
pronunciamenlo passssse de ttss ; e consegai-
ram anal por meios suasorios taze-los largar a
villa, sem entregar o auto de iuveatigigao a que
e tinha dado principio no dia 30 palos prlmeiros
disturbios o queims dos papis da fazenda naqnel-
li villa.
Apezar disso os sioos continuaram a tocar
rebate naquella. freguezias daa immediaces. pa-
ra juotar mais poro e virem Braga.
De corto perdem o tempo, porque o regiment
ja est todo reunido e na firme resolagio do re-
pelhr pela forga os tumultuosos; os soldados es-
tao animados do melhor espirito, o os officiaea
bem coohecedorea doa aeua deveres de honra e
decoro militar. O coronel commandante tem an-
dado auito bem, e por iaso qua taoto os odl-
ciaes como soldado, leem confianga nelle; abor-
rece ai indi.pe qu.oto possivel ouvir criticar e
cl.ssificar de espalhafato aa providencias que mi-
litarmente ae tem adoptado para evitar oa tu-
multos os cidade de Braga e repellir os amotina-
dorea.
A escaramuza que se deu no dia7 aos queche-
garam a S. Joio da Ponte, e preteodiam pene-
trar em Braga, produzio o effeito conveniente, nao
s porque todo o povo que vioha obrigado apro-
veitou a occa.iio de eecapar-se para casa, dei-
zando os cabegas, que armados o srraslava, co-
mo porque fez perder aa esperangas que baviam
de se fazer em Braga o pronunciamenlo, tumulto,
revolugao, ou como melhcr nome leoba: por
coosequencla ha motivo para ae tribotarem lou-
vorea, o nao para criticar.
Esperara aa no dia 7 a entrada do povo oa
barca, e eu acredito porque o cirio ha de seguir
conforme o programo a da procisso em quanto
uao fr lempo de ae dizer alto I
Em Guimarea o povo continua percorrendo aa
rregueziaa lioiiiropb.es desle conselho.
No dis 6 uos dazeotos horneas deS. Joio e de
Saode forem a Bnto e Rjnfe, dando vivas e mor-
rea, tocaram oa sinos, a rebate o levaram comai-
go. forga, parte doa moradorea. Em todaa aa
lojaa exigiam os pesos novos odiobelro.
da 20 nao ter termi-
o governo com gran-
" eemera electiva, mas na doa pa-
governo ae oso decidir a tomar medidaa enrgi-
cas, esta provincia ae tome urna outra Calabria
O poro que foi a Brito o Roofe ora capitaoeado
por um individuo de Aireo, desertor do exercile
e da armada real que tem adquirido urna trate
celebridsde oaquetle aitio polas gentilezas que
lem praticado. Andar fugid%jara aaaapar
juanea, aproveitoar a occasio ar. apparecer e
taires para levar oteabo o seafel tanto, ha aoito
rez contra, (em dado -
fscHaa*"! .""roe ; em fim sustentado a
ul" ,i / ra 8(n q** eooumpto deveea-
tar collocado. Antes do di *n t,i. -.-.;
nado a discussio. Conta
de maioria ni
"?n.r0I6Cl0 -a0 paMa ; e ou 'emoa grande
. "",."* Uma g"Dde 0'e50 a Jos Esteva
P-L 8,m V-l 8lla fal1" na cmara, quo-
rimpho. UUra"hberae8 l"a^Pa "'
Um.0..di,-riel0 de Castello-br.nco assigns-sa
uma petigaoao corpo legislativo pedindo a reor-
ganisagao de algemaa ordens religiosas.
dos oeP|oSrCt0r*n8/,forma edu.neira apresenta-
Mri i, f, Lobfe Avila, mioiauo da fazenda,
dtml?,-''"d'flcadoo. o oio aef meamo ae a
S t X!!, ?.d,,ea de "" e limita-
ra s ao bacalho, fleando o assucar para outrn
occasio.
A* hora era qae lhe cerro esta corresponden-
cia na as melhores noticias do norte do reino :
os tumultos estao quasi acabados o a ordem bre-
vemente aera reinb.lecida-anda bem.
Lollocou-se hootem no arsenal da marioha a
2ii ?! I"*! no/ crvela que el-rei baptisou
com o ltalo de Infante D. Joo. O novo vaso
tm de ponlal 22 us e 7 polegadas e meia; boc-
ead ura no groeso 30 ps menos 10 polegadas
comprimeoto eotre prependicularee 166 pea.
o principio do mez que rom aera coilocada o
meimo ar.Ao.1 a quilha de uma fragata que aa
chamar D. Pedro Y.
A iraduego dos Miteraveit de Vctor Hugo
leila pela empresa de Googalvea Lopea, cuja
primeiro mlume j aabioa lame, tem aido mal-
lo procurado e vendida ; e.pera-ae no entaoto,
no principio do mez que vera, uma outra tra-
dcelo, a de Aotonio M. P. C.rrilho que pro-
metteser maito mais. e muito eamerada. do aun
a que ora est i veod.
Csmillo Castalio Branco vai eacroror
uma novell. em 3 rolumea intil
de e.
Corretpondencia de londret,
je s hs ae Importancia a gue...
alias agors nao pode fazer-se, porque l n
mez anda ludo coberto de agua daa churra
Nao temos noticias dirctaa de Cassange p<
ores a 26 de Janeiro ; |o por aquellas s se
lata T.i-,e toro.odo muito aortaToao ha se-to" JuVffUuVtaVo'cuL0 5" I* ^ T
gur.og. eno duvidoque d'.qui a pouco. .e o dWanda di[ foir. ** do 3 ou 4 leu.a da
Parece que com effeito o baten de veras, maa
que eocontrou nelle uma reaisjaocia -a mesmo
uma audaaia fra do costume, 1aogavam-ae aos
nossoscomo querendo batar-se com ellos i bra-
ga I o que muito desv.otsjo.o p.ra a notaa for-
ga pela desvaotagem immeoaa do numero.
Dizem do l que o ^iioflhiajj eooaequeaeia
so paa.av. cooservar-taTTsfilefansira
com effeito parece o mais prudente.
. .^.


";*
DUaUO Di tULNAMBJJCD. te 5BXTA flpJU M JB ftJfeM
Uta de 26 jl dte, :ia 0 jagu
BtMi>rtr'. etle ereprio, anindo foreJs.Mue
M ior u ds errarla contra feira.
l'oileriotii!*'"1" vieram notidtt de Malanga, e
auem je o g*nti atacan J por dais vetee Cas-
oaoge, endo de,embas es vezes re peludo, mis que
da guilde akaojou quetmar as barracas.
lito e posstvel em vista doi preparativos an-
ouocUdos ez6;| a queima das barraca* (am-
bets o miBO PO>ejue jo construir a fortaleza
j te lew em vate que~ at an-*^,,, femantes
naoeram lugar seguro, motivo porqu- fizerem
finrmaoes pira guardar o aeai haveresteo cees
ie perigo. Em todo o ca 10, porm, ate d%lb ^e
Malango, esssas noticias.
Tambera aji corra que grande nuawrn de
tios ee tinha poitado entre Cassange e Tela
oogo, aiim de interceptar r* coerumcajooa da
uoeea forja com Nalaoge e por tanto com a
apital; e etta nolioia pareco comprovada pela
ferie loa ultmoi ceneioi.
J vede*, pois, que podiam aermelhores ascir-
umatancia da (eir de Cassaoge e da forja ali
estacionada. Nao que ella receie do geotio,
mu que ho de ali eecacear ai municoea de
bocea.
gavernador geral providenciou logo, afm de
evitar quaatlo poesivel aa conaequenciaa do de-
sastre; mas vsavaltaes o que'aqvi ama distan-
cia de quisi 149 leguas a qoe estamos de Cae-
aange, o'ura paiz em que ola ha estradas, oem
beata de ovaliaria ou de carga.
A columna que devia seguir de Malango em
emiti da feira, j se aabe que nao pode sahir no
dia ordenado ; o que nao admira, se a forga que
U'aqi sanio eomo voa dtsse, 4 23 de Janeiro, so
rOle ebegar quelle sonto a 18 de fevereiro.
atea li deve ter partido em tempo competente, e
em ilalaoge deve estar formada a colamna de
observacte
Asslm, de esperar que as communicacoes se
ateteteeam, o qua aquitlo se agente convenien-
temente espera do Cacimbo, que j agora a
poca do esterar.
Saja orno Mr, porm, eis o que teoho que di-
zer-vos da gaerra de leste, devendo acrescentsr
qua o majar Domingos Aatonto Gomes marcha
dapjjs de amanhaa para Malaoge como comman-
danie superior militar para tratar da organtsacSo
dao forja, da dirtejo dos soccorros e forneci-
mentoa para Caetangt, e das fortificajdea do pri-
a)ito ponto.
E como elle ah muito con herido, visto que
servio rouios annosem iufaolaria (6) devo diier-
vee qae etta official tem aqu feito boos servijos
como commandaote de iofaotaria n. 1. e que o
goveroader confia, eegvndo us dizem, que os fa-
ca igualmente na commisso importante de que o
oncarregou. O que d verdade que elle tem
mostrado que honesto, fntelligenle, zeloso e
irabalhador.
Fra da guerra o que vos direi eu ? O sal es-
t tranquillo; a colonia de Capangombe promette
i inmenso, e pouco ou nadpcustuu ao so veri) o ; a
da aiia est rnorta teado castado caojissimo.
No norte esto em paz. El-rei do Gongo D.
Pedro V, e a saa metade O. Maa Jos, vo aero
oovidede em sua importante saude, e satisfeitos
de verem acrescencentar-s a sua autoridade e
consolidado o seu ihrooo. Parece que o governador
geral acaba de mandar-lhe um rico fardemenlo
para o rei, a duasandaioa de faclu para D. Maria
Jos ; qae tai saltar de contente ao vr-se de bo-
llona afiambrada, toucado, vestido, enaguas e
nao aei que mais. Val, pois, a trte de Gongo ser
neataa paragans um foco de luz civiliaadra, em-
bora luz escura.
Sao boas as noticias de Bombe, ludo est tran-
quillo, o gento est prompto a trazer lodo o co-
bre que se tira, de aorte que j ha, creio eu. urna
pecio de escola.
Londres 14 de marco.Chegou o correio do in-
terior. Noticias de Malango de 3 do passado do
coota de que Castaoge est com effeilo sitiada, e
nao passam oa correios ; maa ao mesmo tempo
dlzem que para all marchou a Ia columna em
24 ou 25 de fevereiro, e qoe o chefe ordenara que
matrhaaao tambem a columna de observajo, re-
forjada com gente de Malange.
M*rcboa, pois, em soccorro da feira urna forja
de 600 a 800 hoasens^aegundo as parlicipajoea.
E* de esperar quexsmgse muilo a tempo ; o por-
tento passado ettopeajgo.
i deterja fle"
Doua offlciaes defStja de'Ktiha que daqui par-
ti 23 de Janeiro, l chegara m doentee a Halaoge..
Oojo duer que o major Gomes formar tmnie-*
dlatameole ama nova columna de observacao em
Halaage.
Em fiar, sabi que eo'*au a arder o deposito de
carvo'da compaobia Unio Mercantil; dizem
qaater urna perda de 30 cootos. E' mais urna
ajuda de casto aquella prospera compaobia, que
por coota dola pedir ao goveroo mais 200 ou
300 contos.
No dio 18 de fevereiro lirgou de Macu para
Timor, devendo pois seguir u'ahi para Lisboa, a
corveta D. Joo l,
Tendo eefaido de Lisboa em 28 de agosto de
1859, a corveta nao completar no seu regresso
menos de tres snnos de urna loaga viagem em
que percorreu os principas mares do globo, in-
cJuiodo os do Japo, oode fot por duaa vezes.
De todoa os navios actualmente existentes na
marioba porlugueza a corveta D. Joo I, lalvez
o que tenha sai historia maia larga e aventu-
raea. Construida em Damo, em novembro de
1828 por indo Sinag, conla hoje mais de trinta
e tres anoos, aendo poucosos portos do mundo
com que temos trato que nao seiam cooheciios
della. '
A alacio de que se retira agora a terctira
qae faz Cbint. Posto qne antiga com alguos
vicios de construccao do seu tempo, parece pro-
metter anda urna larga existencia til.
Va o ntsta viagem una degradados para frica
Ocidenlal portugaeza.
O numero de emigrados chinezes sahidos para
Lima e 'lavaoa. nos onze mezes decorridos do 1
de maio de 1800, poca em que foi confiada a su-
perintendencia da emigrajao ao Sr. A. Marques
Perair, at i data em qae vem assigoado o seu
relatorio foi de 7,718, embarcados em 17 navios
e transportado* para 5,598 a 2.120 para o Per.
Um mappa qwe acompanha o relatorio demons-
tra o roovimeoto dos emigrantes chinezes nos es-
tabelecimentos de emigrajao existentes em Ma-
cu, durante o periodo de onze mezes, fiados em
31 de marco:
Os eatabelecimentos em qneslo sao oito: Tara-
feiro, Porta da Rede, Gamboa, o da roa de S. Lou-
renjo, Praia Grande, da travessa da Palanchinha,
o do largo de Santo Antonio, e o da ra do Hos-
pital. De todos o mais Tasto o do Tarafeiro.
O numero dos colonos matriculados nos onze me-
aos citados foi de 10,635, foram regeitados depois
da matricula 218; contratados e embarcados
8,149, arrependidos ou reclamados por prenles
depois de terem assigoado os contratos 49 ; fal-
lecern] de doeoja 21.
Os cootralos feitos pelos cules foram os se-
guales :
Obrigaram-ssa servir por oitoanoos cootados
da chegada ao porto do seu destioo, em qualquer
eapecre de trabalbo Industrial, agricula ou do-
mestico, a pessoa que os contratou, ou outra a
quem esta quuesseathear o seu dlreilo, daodo-se-
lbeedurante esse tempo do ajusto quatro pesos por
mez, comida, doua vestuarios completos por au-
no a tratameoto naa doeojas, com assisteocia de
facultativo. Antea do embarque receberam, na
conformidad tambem daa condiges estipuladas,
trea aodaiooa de roapa completas, gratuitamente,
e um adiantamento de doza.pesos, a descontar
depois por urna quarla parte o seu salario.
A China um paiz povdsido em demasi, em
atistete ao seu territorio : iegundo suas ultimas
estatiaticat, a saa popalajao de 108 habitantes
por kilmetro, por isso nenbam outro povo do
mando eaoara de lio perto com o vulto descar-
nado da miseria, visto que os brsjos superabun-
dara para os irabalhos das varias industrias.
Naa provincias a oeste de Macom, de oode l-
timamente um jsje pequeo numero de China
tem emigrado, 1 maior retribujo que um cult
iS"0*0 "otra, isto quando a encontra, de
Jtsupecas mensaes, que nao cheg a 18 ris da
naajas moeda I
E* preciso coofessar que esta emigrajio de-
vida mais assuatadOra miseria, qu ameajacom
1" pegam ao slo da patria, que
deahardeu ao paaao que outraa emigrajdes ha,
determiosdss s pela cega ambijo de riquezas
impossiveis, que os especuladores incutem no
nansa dos povos aedulos, como acontece no oos-
*o Miao o Ajoree.
A* aerea dos sconlecimentos em Bissso. rece-
bea-so as aegaiotes noticias ;
Os daogracados acontscimenlos qae se deram
-ollimameate na Gui portuguesa, e que por mo-
^saWsrtnte teeto sido eootsdos, devemeba-
1
mor multo seriamente a altencaO do governo, aa-
slm (eomo chama a do publico para p estado de
osas da provincia da Cibo Verde.
Algumss cartas deBIssan, do esclaredmentos
acerca Aa guerra de Geb, que veio eocootrar
mullas das asserjdes que se leram em a longa
correspondencia sobre o assumpto publicada ba
das no Jornal 4 Commercio. Algumas destas
noticias vem legalmente documentada.
A questo foi promovida por intrigas do gentio
do Bandera, que deseiava ir s mios comas de
Gebs, eomo so prava coa documentos de crdito,
conOmado pela*doclaracoaa dea beufares*
Esta primeira foi acaboau cauta do nogoesao-
te Barbota, ajase atHeodSMt,aW pasos fortes. Os
Poriugoezta aaflcacasn rsssitosasaS'istos da gootie,
c^a iaaoleajp. ajlajtfpu pemo oe prendar o go-
voraaeor G. Piala. laaiaa.HiS o cava lio, o caa-
sidera-lo como escravo, at que 6 gfficial satisfez
todas aa exigencias.
Estes toctos exiga m severo castigo, e para se
obter a devida reparaco fez-te a guerra, que ape-
rar de pequea, produzio booa resultsdos, con-
tendo o gentio no devido retpeilo.
Nao sao agradaveia aa noticiaa recebdaa de
ilba de Payal.
Diz o FayaUnte o seguiflle :
O oio lempo tem continuado com rajadas de
vento bastante forte. Na noite da penltima se-
mana, em que houve a grande Irovoade, teotio-
te efectivamente um tremor de trra, qae fez al-
guma ruina, o que nos consta por ora, ais casas
oca Srs. Crus a Goulart, desla cid a de.
Gt campos teem se resseotido deste lempo. As
favas e outooos esto perdidos, bem como as s-
menles lanjadas j trra. Os esmpos esto
queimados pelo fro e venios, e cheios d'agua.
Se durar eata inverneira de que os homeos velhos
ae admirara, muito para receiar que teoha in-
fluencia na futura colheita do trigo. Oa gadoa nao
teem que comer, e oa iavrldorea veem-se obri-
gadoa a vende-los por prejos baixos. Tesa-se no-
tsdo por este motivo faltas de leite e maoteiga.
Na quiota-feira passavam barcos de Pico. As
noticias daquella ilba do-oos um pensiono tempo
e algumas perdas cauaadas pelo vento e pelo mar.
Os navios desarvoradoa e cum agua aberta, que
vo chegando ao nosso porto, mostrsm que tam-
bem no ocano as tempestades nao tem cessado.
No domingo 23 do passado entrn pela primei-
ra vez no nosso porto, um vapor mercante do
confederados do aul. Pode romper o blooueio de
Charles ton, o aeu destioo Liverpool, e a sua car-
ga algodo. Quando vioha tundear fez tambem
avaria na barca Jerulasemiita. Ficou de quaren-
teaa, masj foi admiltido a livre pratica. Quer
carvao.
L.
Realisou-se ha das a reunlao dos delega-
dos das associajes industriaos, artsticas e ope-
raras desla capital, para escolher os qualro ar-
tistas que o goveroo envia exposico de Loo-
dres.
A assembla approvou que os grupos esco-
ltados fossem o do Ferr, pelo qual foi eUito o
Sr. Francisco Dmaso a'Asceujo, contr-mes-
tre de urna das mais amigas fabricas de serra-
Iharia a vapor de Lisboa, a Fnix; Madeiras,
por oode sanio eleito o Sr. Garlos Augusto
Piolo Ferreira, que j foi repreaeotaole da in-
dustria liaboneose oa exposijo unirersal de
1855Jecelagem. por onde eahio eleito o Sr. Ig-
nacio de Souza Guerreiro, meslre da antiga fa-
brica nacional de sedas, e presidente da asso-
ciajo de trabalbo dos operarios fabricantes de
seda.
O quarto arliata deve pertencer ao grupo dos
Curtidores de pellos, e na sua falta ioduatria
cermica, (cando as associajes represeotanles
de um e outro grupo, encarregadas de proceder
sua respectiva eleijo.
Sob proposta de diversos delegados, ficou en-
carregado o Sr. Joaquim Julio Pereira de Garva-
Iho, director do instituto industrial de Lisboa, de
fazer presente ao ministerio das obras publicas
que as associajes desejavsm que se ordenasse
que o relatorio dos ioduslriaes, que iam visitar
a exposijo, e que sem iodicajo superior se
obrigassem a fazer, fosse impresso em separado,
mandado distribuir pelas associajes, e publica-
do na folha official do governo; qoe se pedias
lodo o valimeolo dos nossos agentes diploma
lieos em Londres, para os artistas poderem visU
ralguns estabelecimeotos fabris; e que tam-'
' ae fizesse patete quaoto serta conveniente
qu< governo enviass todos os aonos um oa
m a artialaa a pralicar nos diversos estabeleci-
raeutos ioduslriaes estraogeiros, comejando pe-
Iss Industrias mais atrazadas.
Da imprensa nacional tambem va'i um artista,
que oSr. Jos Mauricio Velloso.
de injuria e calumnia alo os nicos que vio aos
tribuoaes ordinarios, pura e slmplesnento pes-
soa do noosrcha, aos direitos da dynastiae
so principio da autoridade real.delxanda oosa-
petencia do jury o exame que a impreosa faca
de am modo talvet inconveniente, do todas
sqaellas accoes do poder execotivo, de qoe sao
respensaveis os cooselheirbs da coros. Lisaitou
igualmente muito as attribuijes da autoridade
o que se refere s falta que possa commetter a
imprenta, e que teja ate eos Heepaoha paaidao
gravomerale.
O cabo Callado, que no da 1. do eerreott
foi aupplierado, em garrote, por lar assasitaadot>
sau tente cosa amoearvaoada, eos coosequeo-
cia dfste o castisBr, Meptrau porataa coragem*
belleza varonil, as sfSsmaUHas satmultide qoat
atailia execojo.
Urna bella rapariga, com quem linha casa-
meato tratado, companhoa-o wm a vista at
ao ulTimo momento, e, quando o carrasco ar-
rancou o feojo da cabeja do sappliciado, e que
este appsrecSJP com o rosto arrooxado pela apo-
pleja, sable -'.entre a moltido um agudtssimo
grito de desespeto-
Era a pobre nspariga, que endoudecra ds
dor 1... V
Foram spplicruos
Martines e Serrano ci
crimaa.
Apesar da copiosa cha
apiahado osa roas e com
pera va a sabida dosdetgr
A's It horas e meia
estes com muilo appeti
penta para arranjar o ca
Na vespera noite tinh
pella de Martnez o acto
sea tilho, j que nao Ihe I
A cria o ja fra ba plisad a
I8s>0.
Chegada a hora fatal, foram ctonduzidos so ps-
libulo. Serrano primeiro e depois Martines,
marchando o primeiro com ar sereno' mas con-
tricto, e morrendo do mesmo modo--o segando
com ar altivo, causando espanto ao pabllco pela
sua impertubabilidade, deque fez repugnante
alarde. '
Para maior desgraja sua, o verdugo relardoo
mais do conveniente a execujao*.
Osjornaes betpanhoes referera o seguinte
cato que ae dea na corrida detouros em Madrid,
no domingo 20 do corrale. I
O espada Jos Rodrigues Pepete foii victima de
urna cogida sem lempo em mo terreW, quando
conclua a sorte da vara.
O bicho investindo, enlerrou no pe
urna das armas, que o ferio no coroj
PepeU cahio na arena, e levantoo
diatameote para de novo cahir. Vi
depoit era cadver.
A praja eslava cheia de espectador
detgraja produzio em todos grande
porque, Jos Rodrigues era homem
ce e bom espada.
A morle de Pepete occorreu ao se/gundo touro,
mas a corrida nao se interrogara, e parece que
do agrado dos amadores.
a Correspondencia de He>tn,nha insere um ar-
em Madrid os reos
Jemoedos por varios
que cahia, o povo
ssmota algazarra es-
jados.
la manha almojaram
l e Martintz pedio um
lio.
|-se celebrado na ca-
reconheclmento de
possivel legitima-lo.
enK 15 de juoho de
ds Pepete
o.
se imme-
kte minutos
s, e esta
aensajo,
jsympathi-
liguinho a proposito da desgracia do 'imingo,
one se l o seguinte :
Nao se comprehende que nao luppnS^am as
corridas de toaros, opprobrio de poca \f> que
vivemos, e cuja suppresso nenmum perigi serio
pode trazer.
Se as oo prohibem complet&meole,
lhe ao menos, como se faz em Portugal,
usem-
o.seu
L.
HESPANHA
Madrid, O de niaio.
Publicou-se um decreto, no qual se declara
que querendo S. M. dar sua irmia, a infan-
ta D. Mara Luizy Fernanda, daqueza de Mont-
pensier, urna nova prova do amor que lhe
dedica, bouve por bem conferir ao infante oa
iofaolaqued luz, a gra-cruzda real ediatincta
ordem de Carloslllsefrvaro.e a banda da real
ordem de damis uobres de Maria Luiza se for fe-
mea ; cuja iuveslidura receber depois do sa-
cramento do baptismo.
Diz a Correrpodencia de Hespanha de 13,
que as ultimas noticias receidas de Tnger sao
satisfactorias, por quaoto a cobraoja da indem-
nisajo marroquina se faz com ficilidade, e o
imperador moslra-se cada vez maia amigo da
Hespanha e maia disposto que se cumpram
instantneamente todos os srligos do tratado de
Madrid. A inlervenjo daa alfaodegas por agen-
tes betpanhoes, enconlra-se j eatebeiecida, e
parece que produzir 4 ll*spanba animalmente
para cima de 15 milhes de reales.
No dia 12 do correte foi publicado na fo-
lha official do goveroo bespanhol, o texto do ira-
lado do commercio, celebrado entre a Hespanha
e Marrocos no dia 20 de novembro ultimo, pre-
cedido da le approvada pelas cmaras e saoccio-
nada or S. M aulorisaodo o governo para pro-
ceder A-sua ractiaajo.
Das ullimis noticiaa de Teluo, reeebidas em
Madrid, quealcanjam ae dia 11, consta que nes-
ta data se proceda ao embarque das tropas hes-
paoholas.
Suppde-se que nsquella praja s ficavam dous
etquadroes de csjsdores ca vallo.
Cbegou Sevilha o Sr. Tulai.f, secretario da
embaixada austraca, os coodes de Ribaocourt,
Liedekerk eRisbono, procedentes da Blgica ; e
o conde de Zapa, e o msrquez de Viscos, de
Portugal.
A coiumisio permanente da ordem militar
de S. Tbiago em Hespanha, sob proposta do
Sr. marquez em Hespanha, um dos seus mem-
brosresolvau adornar nesta semana santa o tem-
plo de senhorascommeodadoras de S. Tbiago o
Maior, na corte da Madrid, de um modo que
recordasse todos, e mui eepecislmeote aos
membros daquella ordem varios dos muitos ser-
vijos que a ordem tem prestado em fsvor
da religio, mooarchia e lea de Hespanha. Con-
sista o adorno do templo em baodairas de da-
masco branco, sobre as qua es se va a cruz rAxa
de S. Tbiago, e a ioscripjo do feito d'armas;
as collocadaa na nave da Igreja, incluindo o al-
tar-mr, raferiam-se feitos exclusivos da or-
dem ; as demais recordavam que olla teve urna
parle importante nos triumphos que aignalaram.
Do orao da cpula penda um estandarte, tendo
a cruz o um lado, e do outro o celebre grito de
guerra Santiago cerra Eepan al
a Trata-se em Hespanha de dessffrontsr a li-
bertado da impreosa. Segundo vemos dos joroaes
de Madrid, terminou definitivamente seus traba-
lbos a commisso de impreoaa sobre a lei que
os quarla-feira ultima devia ter se comecado a
discutir no coogresso. O estudo meditado do
projecto, e daa emendas apresentadas cmara
popular, fez que ae introduzissem algumas re-
formas importantes, e todas ellas benficas para
a impreosa. E' a primeira a que fixs de um mo-
do terminante que a querella por injuria e ca-
lumnia tenha que verifiear-se aempre requeri-
menlo da parte, e precedeodo sempre juizo de
concillajao. E'outra a de que, da mesma manei-
raque os artigos absolvldoa pelo jury e repro-
dezdos depois de largo perodo de tempo, pdem
ser sabmettidos a um novo juizo, se estabeleca
igual dispoaijao para oa artigos condemnado,
quesereproduum em circumstancias diferentes
dsquellas qae poderam influir na saa eondemna-
jo, bavendo de ser, pelo mesmo motivo, igual-
mente submeltido am aovo juizo e I umaoova
qaalificajao. Mas s reforma mala Importante
feita pois commisso a que Umita os dolidos
eonirt s monsrchia.que com os de religio o os
carcter feroz e sanguinario, e djkixem-nas li
tadas a urna diverso, se nao mullo culta, ao
nos em que se nao derramo saoKue.
A grande razo e lalvez a nica que se
para a cootervajo da corrida de) toaros, a
que com o producto do arrandaimenlo de algu
mas prajas de touros, como a h Madrid, se au-
xilia a susteolajo dos tslabelet imeolos de be-
neficencia. *
c Esta razo nao merece o o >me de tal; por-
que urna oajo, cujo orjament o de 2,000 mi-
lhes, pode sacrificar alguos a libares da duros
para qua desappareja am bar >aro espectculo,
que a humaoidade e a civiliaj o reprovam. >
Coota um peridico hespat hol, que um dos
objectos mais curiosos que d'W^spanna vo ea-
vUr exposijo de Loodrt' ma rxaW mecha-
nica, obra deumart' o qt egunlo
movimeoto que a vonl'ade da p *nari
imprima ao brajo ou anitt-brajo. te e e fecha,
loma e aegura oa objectos mais inos ; ea-
creve e executa ludo quaoto poi a m3o
natural movida por msculos e
O inventor demoottrou j sfpe>.%jo do seu
Irabalho, diaote do ministro na fazenda e dos
principaes empregados daque mioisterio, para
o que, fechando primeiro o pinho, e cobriodo-o
com um panno, poz a mo artificial, e usou del-
ta como se fosse a natural, al o poolo de pegar
em dous reales de cima de tima mesa.
-i.
lo qae incluiram no projecto a verba
giaaem nessa occaslae inlfpsQac&ts
sogors ovenbam Bier.'*l!co8c.__
koarado depulado, initado pelos seos ollegas,
que toda sosa gritara que por abi se levanta con-
tra a coaspanhia a respeito da preferencia do por-
' Tamandar outro qualquer do Rio-For-
meso, nao maia do que iotsresses chocados.
Que s companhia tem prestado provincia
servijos relevantes, tom. Uaaido moiU vaotagem,
tem conduzldo par o sea mercado muitos gene-
ros que at entao nao pecumwsm osea porto,
sagmeotsndo por coasegaanta a riqueza publica,
coasa que ninguem pote cegar. Coeclue, por-
tento, o orador qoe, se beava erro, amo dlzem
alguos honrados eollegau, e aojaello orador nega
aconcesso de aemelraaete saevencte, a culpa
to s da asembla, porque o contrato, tendo ai-
te ujeito sua approvsjo, a assembla devia
ter reflectidu para hoie nao vix qjtolxar-aa. hoja
queso se deve saber se a companhia tem ou oo
cumprido o contrato, se pela afirmativa marcar-
Ihe a aubvenjo, se pela negativa censura-la,
maa nuaca deixar do marcar-lhe a aubveojo,
visto que isto o resultado de um contrato que
provincia cumpre respeitar.
O Sr. Catanho diz que, em vista da discusso
hayida na cata subiislem aa suas duvidas a res-
pello da subveoco que a provincia concede
companhia Peroambucana ; que, existiodo esta
companhia desde 1855 o dispondo de tantos re-
cursos do longo espajo de sete snnos, ainda
nao pode realisar para a provincia eaae to de-
cao ti do progresso, ainda nao pude trazer-lhe ea-
is abundancia de productos que fisosse baratear
os gneros de primeira necessidade. que ao con-
trario de dia em dia sobem de prejo. Enlende
que, se alguma vantagem pode provir ao com-
mercio, o estsbelecimeoto de semelbante com-
panhia, ella toda em beneficio do commercio
estraogeiro, sem que a clasae pobre, tquellaque
msis reclama os cuidados dos represcnlsntes da
provincia, lucre a menor coasa com semelbante
empreza alias onerosisaima para a provincia.
Conclue declarando que, urna ves que oo po-
dem conlesiar-se as nenhumas vantagens que a
provincia tira da empreza, tem justificado o pe-
dido que fez cesa, quando oncetou o debate,
aflm de que o escltrecessem no rolo que tem de
dar com relajo materia.
Verificando nao haver casa, o Sr. presidenta
marca a ordem do dia e lvanos a sessao.
SBSSAO ORiJlNrRIA~EM 27 DE MAIO.
PretKimcva do Sr. Luiz Felippe, Io secretario,
continuada pelo Sr. Bardo de Vera Cruz.
Ao meto dia abre-so a sessao, a approva-se a
acta da anterior.
O Sr. i. Secretario declara nao haver
EXPEDIENTE.
E lido e spprovado o seguinte requerimento :
Kequeiro que pelos canses competentes se pe-
ca ioformajes sobre o syttema do servijo de
limpeza empregado por Carlos Luiz Cambroone,
em vista dos apparelhos collocados nos etttbele-
cimeotot pblicos, aiim de conhecer-se se preen-
ebem elles debidamente o seu m sem inconve-
niente.Souza Res.
0 Sr. Cuaba o Figue lo Sr. presidente, ped
a palavra para justificar urna indicajo, que te-
nho a honra de offerecer a coasiderajo da casa
Vendo eu que muitos templos importantes nos
quaes nossos maiores empregaram avalladas som-
mas, se acham em complots ruina, entretanto
que o estado gasta aonualmente quanlias im-
portantes com a edificajo de igrejaa para ma-
trizes, resolv apreaentar orna iudiojo a casa
no sentido que passo a lr. [Leudo] Indico
que esta aasembla sollictte da assembla geral
urna resolajo, pela qaal o goveroo fique auto-
risado a desapropriar as igrejaa perteneentet a
ordem religiosa de S. Francisco, sitas em Ipoju-
ca e Serinbaem, e deslina-las para matriz das
mencionadas freguezias a
-~

-
--------------^
dencia ioformaedes sobro s melhor divisio dos
offleios de josllja da provincie.
Eatra em discusso o projecto o. 24, qne ap-
prova o compromisso da irmandade da Noata
Seniora do Livramoano do Rio-Formoso; o
qual spprovado definitivamente, bem como o
projecto o. 7 conrss mendas offerecidas e io-
cluaao do compromisso da Santa Gssa da Miseri-
cordia emendado pela commisso respectiva.
Contina a discusso adiada do prorecto a. 5,
que approva a apoaaartadodn do Dr. Joo los
Pinto ; aa qual manda o Sr. Souza Res am ad-
ditivo autorisaooo o presidenta da provincia a
jubilar aeiprofoaaor de mutica do collegio dos
orphaoa Ttomuc da Caoha Uoi Csntuatia na
conforraieade da lei o. 276.
Oram Sr. Sonso Mais asa snatentacte da
emenda, e o Sr. baro de Muribeca em opposi-
jo ao projecto; o qual tica adiado para aer
submeltido a aM discusso, visto ter sido ap-
provada a emenda do Sr. Souza Res.
Paasa-ae a segunda parle da oidem do dia, en-
irando-se na contiDusjo da diacusso do art.
11 ; e o Sr. Baarque fazendo uso da palavra,
oceupou-se lsrgamente de negocios da estrada
de ferro, e respondes um um a todos os tac-
tos de que tratara na aesso anterior o Sr. Mel-
lo Reg (Rapbael) com relijo ao mesmo ob-
jecio.
Encerrada a discasso votada e approvada
a emenda do Sr. Drummond.que pede adismeo-
to da materia at qaa cheguem as ioformajes
pedidaa.
Entra em discusso o art. 12 com os seus ,
a o Sr. Buarque manda urna emenda reduzindo
o quantum total, visto entender que podem ser
reunidas s do secretario as fuocjea do thesou-
reiro da repartijo daa obraa publicas.
Levaota-se a sessao pela hora, oo sendo vo-
tada a emenda, e ficando adiada a discasso.
A ordem do dia de hoje compe-ae daa mate-
rias anteriormente dadas.
Faz-se preciso qae a autoridade, a quem
possa competir, baja de providenciar em ordem a
aue, das 9 horas da noite por diente, ae nao con-
fer>re|s escancaraa um portao da ra daa Flores;
visto que isto pode dar algum resultado si-
nistro.
E' urna espera sempre all existente, e mesmo
um poolo para couto de alguna larapioa, que
aeu salvo pretendan) assallar a quem por all
transitar mais larde..
Seguio ante hontem no vapor ioglez, o Sr.
Dr. Francisco Rsphael de Mello Reg, deputado
por esta provincia, que vai tomar aasenlo na c-
mara quatriennal.
_ Fallecen e foi sepultado na qua ra-feira,
victima de urna paralysia, o aotigo commercian-
te de Bossa praja o Sr. Antooio Aunes Jacome
Pires, alteres reformsdo das antigs milicias. Era
paa do Sr. Dr. Antooio Annes Jacome Pires, em-
pregado da secretaria da presidencia, ao qual
damos nossos verdadeiros seolimentos.
Por noticias vindas de Alagdas consta que
fallecer no Tratp, oode exercia o cargo de juiz
municipal, o Sr. Dr. Eugenio Augusto do Couto
Belmont, victima de febre escarlatioa. Joveo
anda, viu elle sumir-se o futuro risooho que o
impela vaole, longe de sua carinhosa e aman-
te mi, e queridos irmos. Do intimo d'alma
damos, sua desolsdi familia, nossos verdadei-
ros sentimentos.
Repartijo da polica. (Extracto da parte
do dia 28 de maio.)
Foram recolbidos casa de deteojo no dia
27 do correle :
A' odem do Illm. Sr. Dr. ebefe de polica, o
Africano Gaetaoo, de 44 annoa de idade, ganha-
dor, escravo de Candida Rosa Paes Brrelo, re-
meltido pelo delegado de Ipojuca, para ficar em
deposito.
A' ordem do Dr. delegado do 1 districto, a
parda Josepha, de 24 snnos, quilandeira, escrava
de Domingos dos Passos Miranda, requerimen-
Sr. presidente, estas dusa freguezias Bao s l0 deste.
oo tem matriz, como j se tendo gasto na del. A' ordem do de Sanio Antonio, Bento Jos
i publica ulflf-'-
feira de Noaaa
m publica utlidade que lev m vists modou a
o povo-
; o do
s neo- -
Ti*"?*?!!*'? quinls-elr.
Bsss medida foi retenida pelo povo, como era de
esperar, nao s com desprster. seoo at com
demonatrajes, ainda que paciflcaa, de sus re*
ventada. Gem a fetra naa qotnlas-feiraa
vioha perder dous diss atis ns semsna
quinta-feira o o da sabbado, por liso que
te dia oa marchantes matara o gado.
O povo deixou por isso de vir vender es seus
gneros oo dia marcado pela cmara; continuara
a *t aso sabbados, mas sendo-lhe prohibido ex-
per aa snaa meresdoriat venda no logar do coa-
tvtme, lava oa de regressar com ellas, ou de ven
d-lau s occuttaa por um prejo ruinoso I
E como o clamor te loroaaae geral, e a meiida
fosse cada vez tornando-so mais odiosa, o dele-
gado do lugar mandou urna forja coniideravel
para dispersar o povo, que continuara a reunir-
se aos sabbados I
Nao querendo passar de demo nttrtjdes pacifi-
cas, o povo foi vender oa seus gneros na pevoa-
jao de Ipojuca ; ali mesmo o persegu a poiiaie,
que sendo forte para isso, aso teve forja para
preoder a Domingos Curij, que espoacoa a
morador de Boatica de nome Maootl Felippe I
A polica probibiu que a farioba, que ia par-
Gaipi, lugar onde bs tambem ama mira ae ven/
oesse antes daa 5 horas da Urde. Qaal poish a
razao disso? f
Ser para que nao se vendando a dits marca-
dor a ao povo, os grandes proprielarios possam
compra-la mais barata?
A polica nao v que etta conjectura lhe pdo-
asseotar? que a malignidade pode ter ess pen-
sameoto ? '
Voltando agora feira do .
A cmara sabe que fez mal, mudando o dia da
feir.is ; recoobeee isso ; maa diz que sirva sua,
qne s restsbelecer aa velhas praliess, qaendo o
povoesliver domado I
Bello meio de favorecer-se o progresso de ama
iocalidade I
E foi para isso que se creou villa e ioslallou-se
cmara em Noaaa Sen hora do ?
Ah 1 nao; ainda ha.outro vexame, para que
parece que ella foi creada.,
Dizem que a cmara do est cobrando impos-
tos ostabelecidoa pela cmara do Cabo.
Ser isto legal ?
Pedimos autoridade competente que olhe pa-
ra esse estado de cousss.
____________^__^^_ ^ Ipojucano.
Pbiicaees a p^ido.
Distemos qua o sobrado n. 4 da raa doa Mar-
lyrioa aoffre desapprumo, e agora noa consta que
se vai proceder a visloria pela Illma. cmara mu-
nicipal.
Como quer que aeja, fazemoa patento que o
Sr. Manoel do Carmo, j urna vez sendo chamado
para coohecer do desapprumo, diaae que nopo-
dia produzir damno algum, porque elle era de
opioio que etse desapprumo provinba da edifica-
jo por ser atsim construida a parede. O Sr.
Manoel do Carmo leu ou ouvio dizer que a torro
de Pisa qoe offerece um desapprumo immenso e>
nao se sabe ao cerloqual fosse a causa, e deven-
do dizerem slguma cousa os homeos d'arte, re-
sol teram que fra asslm fabricada.
Nealea termos pedimos a lllma. cmara muni-
cipal que nao nomeie o Sr. Manoel do Carmo pa-
ra arbitro, porque sua opinio j ha muito co-
ohecida.
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL.
CONCLUSO DA SESSAO DE 26 DE MAIO
DE 1882. ()
O Sr. A.raujo Barros :(Nao devolveu seu dis-
curso)
O Sr. Drummond : (Nao devolveu seu dis-
curso.)
Vai a mesa e spoia-se o seguinte requeri-
mento:
Requeiro o adiamento da discusso at qua ve
oham a caaa as copias dos contratos celebrados
com a companhia Peroambucana.Drummood.
O Sr. Baro da Muribeca pronunca-se em fa-
vor do adiamento porque tem duvida. e as quer
resolver vendo o contracto, cuja copia foi a pern-
eo pedida pelo honrado depulado que se acbate
a asentar.
Gomo membro da commisso de orjamenlo
provincial, o honrado deputado diz, que deixou
passar essa verb, porque oo quiz innovar, por
que nao quiz mesmo parecer importuno para com
os seus honrados collegas se nao porque nao seja
avesso a essss despezss, mesmo porque essa sua
ids nao de hoje, ella data j de muito lempo.
Aotiproteciooista como elle eoteade que as
protecjoes que llberaliaam essas emprezae,
que fazem com que os disperdicios se deem a maos
largas,porque as compsohias nao cuidando em ze-
lar, em ecouomisar os seus lucros flam se somonte
as subveojoes que o governo Ibes presta ; lamen-
la que o governo de sus provincia techa estado
em mos to pouco zelosas pelos diobeiros p-
blicos, que tenha feito Ues contra tos,era que para
a provincia sexistem onus epara a companhia
beneCcios, como se d com a companhia Per-
oambucana, a quem a provincia subvenciona com
quarenta cootos de ris, para somente toesrem os
seus vapores em um nico ponto da provincia, e
a provincia sem o direito de inspecjo ao menos,
sem poder sequr rescindir etu contrato que
to lesivo para ella.
O Sr. Mello Reg (Rsphael) tomando s palavra,
mostra vista do contrato celebrado entre a com-
panhia Peroambucana e o goveroo da provincia
contrato que copla do que fez o governo geral
que nao foi a companhia quem desigoou os por-
tos de escalla de sus vaporea, qua 0 governo foi
qoe iudioou o porto de Tamtodar como o nico
em quodevlam tocar os vapores na lmh. do tul
e que Isodo-se compromeitido a maodar baliaar
os portos, at so presente nao o fez, sendo que a
compaobia, nao querendo arriscar os seas vapo-
res, nao querendo perde-los, como acontecen
com o Marquez de~ lxnda. tem deixado de ex-
plorar outros portos. Explica ainda o honrado
orador, a razo porque a companhia tem na li-
nha do norte os dous vapores msiores, e ns do sul
o menor, dsndo como razo disso. j a maior
somma da carga, que do norte, j a asteaste
da viagem que exige vapores de maior caoaci-
dade. r
Diz qne existiodo um contrato entre o presi-
dente e a companhia, e nao ae mostrando que a
companhia tem deixado de camprir aa suas obri-
gsjet, a assembla nao pode deixar da coosi*-
nar fundos para pagamento da aubveocao esti-
pulada, e que por consequenci, nao bavendo
medida nenhums a tomar, e acabaodo de lera
contrato que o nobre depulado Sr. Drummood pe-
de se sollicita do governo. Intil se torna o adia-
mento, que nao 6 outra cousa maia do qae pte-
telajo da discusso ; estranbando mesmo qaa
os proprios membros da commiaso de orcaaam-
Ipojuca algumas quiotias para a edificajo de
urna acbs-so ella apenas nos alicorees; nesta
verba vemos qua lodos os anoos graodaasommaa
correm perennemente do thesouro para.a edifi-
cajo das igrejaa matrizes, com muita louvarel
raso, mas tambem vemos que os templos mag-
nficos e de graude importancia que existem em
diversas localidades, esto desaliando, porque,
oa a caridade publica oo quer contribuir para a
jua r-edicajo, ou oorque tanha ido u""
especia ae iodiifrentiamo' da parte daquellea
cargo de quem eal a adainiatrajo.
Em referencia a esses dous conventos de Ipo-
juca e Sariobem, eu direi qae a ordem de S.
Francisco quasi extincta como se acba, baila de
meio para reedificar os seus templos nao tem
podido curar dos reparos dessss dous conventos ;
vejo que alguos padres que para all sao manda-
dos (sendo que aunca vai de maia de um para
cada convento) pelo superior da ordem, nao t
nao ratidem no convento e vivem oceupados em
capellanas particulares, para promovorem a sua
subsistencia, como at nao mostrara esse zelo que
deviam desenvolver, premoveedo esmolaa ou do-
nativos dos proprielarios abastados para a reedi-
ficado desses templos. Lembrei-me pois de a-
preaentar esta indicajo, porque constguiodo-se
-que essas duaa igrejaa, fiquem dedkadaa ao ser-
vijo das matrizes daqueUae freguezias far ao K
Lopes, crioulo, de 55 aonos, pescador, por em-
briaguez ; Claudio Miguel Francisco, pudo, de
18 aonos, marcineiro, para recruta, e Ignacia
Marta Bernarda da Conceijo, parda, de 30 an-
oos, costureirs, por disturbios.
A' ordem do da Capuoga, o crioulo Ignacio,
de 18 aonos, bolaeiro, escravo de Aotonio Mar-
ques de Amorim, requerimento deste.
.... o chefe da 2" scete.
J. J". 'quita.
Pssssageiro do patacho bra. "Maria
Jos, sabido para o Rio Grande do Su
que Das de Freitas.
Passageiros do vapor Ioglez Paran L
de Southamploo e portos intermedios: Berna?,
do Joi Pereira, Mooel Ferreira, Joaquim Gon
Calves Salgado e sua senhora, Antooio Gustavo
Madreo, Alfredo Halliday, Pielro Riphael Bo-
zaoo, Pater Denby, Cbnstovo de Barros Reg
Falco, Francisco Flix de Mello, Alfredo I.
Cooke.
Passageiros do vspor inglez Paran, sahido
para o sul: Franciaco Rapbael de Mello Reg e
1 criado, Dr. Gabriel Soares Raposo da Cmara
e 1 criado, Gustavo D. rch Riliog, T. W.
Guisi' Dr. Antonio Epamioondas de Mello. Fran-
cisco Ferreira Borges e 1 criado, Dr. Amaro
Carneiro Bezerra Civalcanli.
Pssssgeiro do brigue portuguez Mercurio.
COMMKWCIO,
NOVO BANCO
DE
Pernambuco.
BM 27 DE MAIO DE 1862.
0 banco descoma na psente semana a 10*/
ao anno at o prazo de 4 mezes, e a 12 */ *te o
de 6 mezes, e toma dinheiro em conlas correntes
simples e com juros pelo premio e prazo que se
convencionar.
mesa e approva-se a teguinte indica-
ses
') Por engao safaio hontem partida esto
80 Oe
Val
jo:
Indico que esta assembla solicite da assem-
bla geral urna resolucao pela qual o goveroo fi-
que autorisado a desapropriar aa igrejaa perlen-
cenles a ordena religiosas de S. Fraocisco sitas
em Ipojaea e Seriohem e destina-las para ma-
triz das_ menciooadas freguezias.S. R A. Ca-
nte Figueiredo.
ORDEN DO DIA.
1* parte.
Primeira discusso do projecto n... que conce-
do um anno de ltcenca com todos os vencimen-
tos ao administrador do consulado provincial An-
tonio Carneiro Machado Bios para tratar de sua
saude.
E' spprovado sem debate.
Terceira discusso do projecto n, 5 deste armo.,
que approva a aposentadoria concedida pelo go-
verno ao Dr. Joo Jos Piolo no lugar de medi-
co do collegio dos orphos de Olinda.
O Sr. Baro de Muribeca tendo bypotbecado o
seu voto ao projecto, no caso da lhe provarem
como prometteram, que o peticionario servir
gratuitamente por algum tempo, julga-ae hoje
desobrgado de tal promesas,por isso que os ni-
cos documentos de que se vaieram para prova-
rem semelhsnte asserjo foram urna certido da
ibesourarla em como pelos seus cofres elle nada
tinha recebldo, e dous altestados, um de um pro
feasor daquelle collegio que tambem j foi apo-
sentado por doenle, e hoje se acha exercendo o
lagar de escrivo da fazenda geral, que sejm du-
vida mais trabalhoso, e outro do mestre de mu-
sica a quem s o coohece por ver constantemen-
te o aeu nome nesta casa pedindo aposentado-
ris.
Quaoto a certido da thesoararis, diz o honra-
do depulado, que com isso nao se prova que elle
nao tenha percebido ordenado, porque bem poda
ser do cofre dos estabelecimeotos, e quanto aos
dous altestados nenhuma f merecsm elles, por
iaao que sao de dous individuos, um dos quaea
j mereceu igual favor desla casa e o outro quer
tambem merece-lo.
Sendo amante do syslema representativo nao
quer que elle caia em completo discredito para
o qae vai caminhando todoa oa diaa em vista doa
desmaodoa das protecjoes e dos escndalos com
qne se procede, coocedeodo favores dests ordem;
e lsmenta que agora os propugoadores das eso-
nomias nao venham auxilia-lo votando contra
semelbante projecto, em que se quer aposentsr
a um individuo contando-se para isso tempo em
qne elle ainda nao era empregado. Teodo assim
exprimido o seu voto, o orsdor ssseots-se espe-
rando que o projecto apezar de todo isso seja sp-
provado como ja o foi naa duaa discusses por-
que paseoo.
(Contintfar-se-Aa.)
REVISTA DIARIA.
Na sessio te snle-bontom, lldo o expediente,
s assembla provlnoial passoe a oacopor-ae da
primeira parte da ordem do dia, tendo antes ora-
do o Sr. Drummoad justiftcaudo um requeri-
mento qae mande mesa, solicitando da presi-
mesmo lempo o Estado urna grande economa, e fhido psra Lisboa e Porto : Adeltoo Ribeiro de
cooseguir-se-ha nao s a reedificajo daquellea 'Barros.
magnficos templos, como a sus conservajo com I MovimeDlo da enfermara da casa de de-
o esplendor neceisuio ao culto divino. Itenjo do dia 28 de maio de 1862.
Creio que com estas ligeirss observajes tenho \ Tiveram baixa para a enfermara :
justificado a micha indicajo. Aotonio da Silva Rocba, rheumatismo.
Francisco Lopes de Oliveirs, febre.
Filippe Pereira dos Santos, dem.
Teve alta da enfermarla:
Rufino Pereira da Silva, idem.
Matauolro publico.
Mataram-se para conaumo desta cidade, no dia
I do corrate 100 rezes.
\ No dia 2264 idem.
\No dia 2382 idem.
'No dia 2493 dem.
No dia 2587 idean.
No dia 2691 idem.
No dia 2781 idem.
No dia 2886 idem.
Obituario do da 28 de maio, yo cemite-
nio publico :
Manoel Muoit Roas, Pernambuco, 17 aonos, sol-
teiro, Boa-Vista ; febre amarella.
Antonio Annes Jacome Pires, Pernambuco, 62
aonos, caaado, Boa-Vista, coogeslo cerebral.
Damiaoa, frica, 65 anoos, solteira, Boa-Vista ;
erysipella.
Umbelina, Pernambuco, 30 aonos, casada, Boa-
Vista ; ttano.
Mauricio Paacbe, Franja, 21 aunos, aolteiro,
Recite; typboide.
Cyrillo, Pernambuco, 10 mezes, Santo Antonio ;
deotijo.
Fraocelioa, Pernambuco, 6 dias, Recite; ea-
pismo.
Jacintha Nobre da Silva, frica, 70 aonos, sol-
teira, Boa-Vista ; diarrha.
mea do Recife 28 de
maio de 1862.
\a quatro horas da larde.
Ctacdes da junta de corretores.
Cambio.
Sobre Londres 90 djv. 25 7|8 d. por 1J000.
^ Acjoes.
Caita? lij| do banco do Brasil 2050000 por
cada ujaV
i. da Cruz Matedopresidente.
John alissecretario.
^'andeara,
do dartVj 27. 441:849*768
a 28 \ i 26.2801928
Rendimento d<
Idtn- do dii
Movimiento da al
Velamos oniradoa com f azenf
c Velames sabidos
t
com fazeed^*'-
com (Teneros
2801928
468:1301696
fandp|ta,
aa.. 259
os.. 364
= /623
120/-
222
342

'i
Communicados.
Negocies de Ipojuca,
Urna pessoa, a quem nao podem ser iodiffe-
rentes os miles que esto pessndo sobre a fre-
goezia do Ipojuca vem tracas aqai estas linhas
psra dospertar a atteojo ds autoridade compe-
tente sobro os interesses dos povos da mesma fre-
guezia.
O cbolera-morbas tem feito nella urna grande
devsstsco, e com quanlo o goveroo tenha man-
dado para ali urna ambulancia com remedios
apropriadospara o mal, todava esses remedios
quasi nada teem aproveitado pelo modo porque
sao distribuidos. Onde o mal se acha maia in-
tonso, abi que devia tornr-ae mala efflcaz a
acjo da autoridade ; o contrario disso, porm,
o que asta saccedendo, de sorte que ha um cla-
mor geral, e a nao aer a csridade particular que
se tem desenvolvido, a colheita de morles teria
Sido extraordinaria.
Nao esse mal tmente, porm, que afRige o
povo da freguezia ; ha outro nao menos fatal;
a preaao exercida pela aatoridade contra oa inte-
resses e commodos do mesmo povo.
Boas palavraa o faro ver.
Antea da inatallaeio da cmara municipal da
Nosss Seohors do a feira se fasis ns povosjo
do mesmo nome nos dias de sabbado, que e ali,
como em qnasi todos os lugares no mato o dia
proprio para a mstaoja do gado ; o povo, que nao
pode deixar de fazer proviso desse genero para
teda a semana vindouja, perdis apenas o dia de
sabbado ; o domingo santificado,
sabsm.
como, todos
Descarragam no dia 30 de maio.
3rigue hambuigaezRosalinecarvlo,
Brigue iDglezSilvanidem.
Barca ioglezaQueen of lhe Sout m(*rcadoras.
Brigue italiaooCreilone cemento..
Barca americanaAzelafarinha de Pr'8 e D0~
lachinha.
Patacho inglezHarrietbacalbo.
Barca francesaTombela reato.
Importadlo.
Patacho inglez Hanriet, viudo de reV Nova,
coosigoado a Johostoo Pater & C., manutV/." w
seguale: T
2,490 barricas bsealho; aos mesmos. V
Exportac&o
Do dia 28 de maio.
Barca ingleza ATetAerto, para Liverpool, estre-
garan] :
Soulhall Mellors & C 365 saccaa com 1926 li2
arrobas de algodo.
Brigue ioglez SUoom, para Marseille, carrega-
ram:
Tissel freres, 600 saceos com 3,00} arrobas de
a laucar.
Hiate americano Grie/anV para Philadelphia,
carregaram:
Heoiy Forsler & C, 1,900 couros salgados com
36,120 libra*.
Barca americana Azelia, para Philadelphia,
carregaram :
Maiheua Austin & C 1,000 saceos com 5,000
arrobas de assucar.
Barca tranceza J. Parmenfier, para Marseille,
carregaram :
Cala Irmios, 800 saceos com 4,000 arrobss de
assucar.
Barca porlugueza Sympathia, para Lisboa,
carregaram:
\ Jos da Silva Loyo A C, 800 sacecs com 4:000
aixobas de assucar.
Bateebedorla de rendas Internas
areraen de Pernnmboeo.
Rendimento do dia 1 s 27. 26:2074470
dem do dia 28....... 90SJ488
27:113|58
m
Connotado provlaclisl.
Rendimento do da 1 a 27. 43:652|753
Mam da dia 23...... 2:t84#461
_ 4*ingH4
Hamburgo, 5 de maio.
Tambem nesta ultima quueoa as traosaejoss
nao foram muito animadas, e sse tiatou de sa-
lisfazor as exigencias do consumo.
Caf.Como pisemos no ;uosso bolttim polo
vapor francs, o mercado de caf se tornan muito
tranquilla desde principios ds abril. Oa procos
sao nominaes, porque s se izem compras para
o consumo. O deposita qae em cornejo te abril
ra de 14 milhes de libras, boje te 23 aUfates,
em consequeocia das ceosaderaveis imporiajaa.
Aa aolicias qua acabamos de receter te Rio pelo
ti por Slafdmkna nada influir im sobre o merca-
'<
^
__


les*
**
\i PEIHAMBCO SEXTA FElRa *rW|*AK> DE 1861.
*M
o. Daredte a mee da abril m vender cerca
praca, s 10,200 ntcii luctaaniee.
Imporlaeo de caf desde e Io de Janeiro at
J8M 36
loCl .39
1860 3|
185 2S
858 2
Eaa tar em fioa de abril.
mt 22
1861 14
tt0 1S
1859 14
1866 18
Cetamoi o caf regular ordioarlo do Rio : 63/8
6 5/8 schtlliogs a de Santos: 7 echillings.
cucar.O mercado aa cooservoa muilo tran-
quillo, aa diminutas trsnsscges a ce realice-
ram com ebatimeolo de 12 echilliogc: vende-
ram-ae 4,000 aaccoa de assucar mascavado de
Peroambuco 14 3/4-15 1/8 marcos banco aa
100 horas.
a IT!0F**9*0 *'Mear deade o 1 da Janeiro at
loa d'abrl. J

milhoes de libras.


-

milhoea de libree,
>

11 milhoea delibras.
151/2
91/*
15
8


9 milhes de libras.
8
6
61/2
81/2
1862
1861
1860
1859
1858
Ea car em fina d'abril.
MM
1861
1860
1859
1858
re.6aco.-Ae trensceges foram regulares; os
probos do tabaco brasileiro porem nao attrahi-
milito compradores, e s ce renderam 190
aiaaataa, 4 61/4 aehilliags pela segn la qualida-
oa, 7 1/2 peta primeira e 8 pela qualidade pa-
tente. ~ r
C'euroi.O mercado se comervou muito tran-
qatllo poueo, para o que tambem cootributo o
^aafevoravel reedita Jo da grande eire de Leipzig.
*ddocaen*o SOO ooaroa ealgadoe de Pernsmbu-
00 '"i0.* pe, nioAona 5 1/4 schillioge.
Alfodao.O algodo acha-ce em muito boa
eeeitacao cota tendencia de subida ; urnas 300
balea que ae esperem de Peroambuco encanira-
i'j por ieao bone presos.
Cacan.S-m movimento algum.
Jacaranda. As dualidades mais escuras sao
empre procurada!. Oe pocuidores susleotem
??*".e^9 8 Pre0f Veoderam-ae cerca de
100 mil libras.
1853.. 345tj4 46 t[4
Rdssos....... 595 a 97
a ......4 1(289 a 91
Baoco de Franja (accBes). Ir. 3150
, Fondea franceiea. 4 lril 97,95
. 3-71
Hetaes preciosos.
Ouro em barra.....P. onca 77|9
o Porluguez em moeda. s a 77|5
Brasil.....b
Ongae heepanholes. a
a americanas, a
Prata em barra ....
Patacas brasileiras .
Pesos columnsrios heepan.
Pesca das repoblleas hesp.
mesicanos.....
Moedae de 5 fr.
Craiadoc oovos
Lisboa.
Porto.
Rio
Amclerdam.
Hambargo
Parle. .
;



a
... a
...
...
Cambios.
90 d. d.52 3(4 a 52 7(8
53
77|7
a 76t9 a 7710
74|0
61 1[(
59 1|4
a 59 i|4

b 59 1i4 a 60 7|8
591|4a59(12
a 593(4
de Janeiro, o. 60 d. v. 24 li4
3 m.d. 11.18 1 i-i
3d.
-13.8 li4
b 25,45
t. 25,28112 a 25.27 Ir!
BOLETIM.
LIVERPOOL. 8 8 MAIO DE 1862.
mporarao.
Lieresde direilos para o Tendedor.
Gneros. Prego.
Algodle de Pernambuco por lib.:
13 3(4 d
123[4 da!3d
121(2 da 12 5i8
12 5[8d
12 lt4d
12 d
14 d a 14 1|4 d
13 li2
13 d a 13 1(4 d
13 5[8 d
13 1(4 d
13 d
23|0 a 28(0
20(6 a 21(0
17(6 a 20|0
23(0 a 28|0
211 a 21 (6
18(6 a 21(0
23|0 a 28i0
21 [0 a 2i[0
17(6 a 20(6
13(6 a 15(6
1(6 a 4(6
1,8 1(2
17
2|l 2(2
1|10
L
1(2
li
1(4
60|
50(0
6-2(0 a70|0
56)0 a 60(0
75(0 a 80(0
62)6 a 66|0
55(0 a60|0
68(0 a 70(0
Bom.
Mediano.. .
Ordinario. .
dem da Baha, bom. .
Mediano .
Ordinario .
dem do Maranhao, fibra longa
Alcntara .
Ilapicur .
Casias .
fdem de machina bom .
Mediano .
Ordinario. .
Assucar por 112 3 do Rio, b. .
Louro. .
Mascavado .
dem de Pernambuco branco.
Louro : .
Mascavado .
dem da Bahia e Macei b. .
Louro. .
Mascavado .
Melaco.........
Agurdenle cachaca, por gal .
Balsamo de cu paiba por t, claro
Tarvo. .
Borracha por ft, fina. .
Mediana...
Ordinaria .
Cabega de Negro
Sernamby. .
dem do Cear, palles. ...
Sernamby.
Cacao, por 112 libras:
Para bom.....
Bahia, .....
Caf, por 112Rio 1.sorte.
Segunda b. .
Escolhido .
dem da Bahia primeira sorle.
Segunda o
Escolhido .
dem do Cear.......: 65i0 a 75(0
Caslaaha por 112 do Paran. 22(0
Cebo por 112 ft do Rio Grande :
Bom e duro.. 4G|6
Mediano.. 4|G
Escuro. 44(0
Cera de carnauba, por 112%. 65(0
Chufees, por 123 % de vacca 20|0
De boi. ... 20(0 a 30(0
Cazas da ossos por tonelada:
Branca. ..
Preta .
Clina por % decavallo .
de vacca .
Couros por % do Rio,
Seceos de 30 a 35%.
b da 20 a 24 %
de tonros, 35 a 40 b
idem do Rio Grande, por %:
Salg\dos,rte 65 a 70%.
b de 45 a 50%
ade vacca 40 a 48%
Cavallo, ceceo-, 10 a 13
%. om .
dem salgados, 23 a
30 %.....
dem idem, 16 a 20%.
fdem de Pernambuco, Bahia,
Maranhao e Para por %
Seceos salg., 26 a 30
b espichados 16 a 20 %
Curtidos 7 a 9 % .
M-illiados salgados, 40
a 46 lb<............... 4dao
dem do Cear, Parahyba e
Macei por %.. .
Seceos salg. 30 a 32%.
Moldados s,45 a 50 %
Cumar, por Ib bom .
Orlioario.....
Variohade maodioca.por 112 3
jcmma oo bncho de paisa por %
50[aSf 5 2,6
fllii^a ssit
4 17i6 a t*5 0
10 d a 1(3
10 d
8da 8 1(2 d
8d
7 d
6 1(2 d
Id
5 3(4d
7(0 a 8(0
8iD a 11(0
5(0
6 1(2d a" d
6 d
8 1 a 8 1(2 J
7 3i8d
7ll2d
1(4
113
G irujuba, 1* qualid.
2 dita. .
3a dita. .
Pescada. Ia ejualidade
2a dita: .
3* dita.. .
Piriaba, Ia "ita .
2 aita .
3a dita. .
Bagre, Ia qaalidade.
2a dita .
Ipeeacaanha, por Ib. .
Jacaranda por tonelada do Rio.
dem da Baha......
Piaesava par 22iO Ib. do Para
da Bahia.....
Piturim, por 1121b. bom .
Salta parrilha por libra boa. .
Inferior ..'
Tapioca por 112Rio superior.
Ordioaria ...
Qrae por % do Para bom
FaMrfof e Cambios.
Fondos ingle"*-
aaedd Inglalerra (acges) Por OjO-236 a 233
CMMtfMadd?. ; T 3-3 7*W
alajdemMda...... b 92a 921(8
Fdados notos.....
Estrangeiroc.
*,......41|2_!)9al00
BreMiloirM
*
3(0 e 3|6
3(10 a 3(0
2|0 a 2t3
3(6
2(7 a 2ill
1(10 a 2i0
2(6 a 2i'J
2(0
1,6 a 1|8
|lOdal(0
7,6
& 20 a S 30
S 15 a 25
25
14
11,9
1,2
1|0
42|0 a 50|0
35|0 a 40(0
sssrr
5100 a 101
41i2-92 a 93
N1V10S A' CARGA PARA O B RASIL.
CeariFaleoo15 de meio.
MaranhaoAone Williams14
Id e mB rooksby16.
PernambucoFloriat9.
demUary Blo.k12.
MamTrinca I o12.
Numerario.Dioheiro continua em abundan-
cia, e a laxa do juro, actualmente a 2 1|2 0(0.
provarel aer reducido. O empreatimo raeeo
pera S 10.000,000. tere un xito favoravet pare
o goreroo daquella imperio. Ac aeguiotec aso
as quantiaa requeridas pelas principees prec.es
da Europa, a ssber :
GraaBretaoha....... & 4.670.000
Berlim................ 4.500.000
Pars................. 4.000.000
Amsterdam........... 1,200.000
A abundancia de capital que procura empre*
go remunerativo vai creando diversas emprezss
e compsnhias novas, mas o successo destas de-
pender da confianza que o publico depositar
oellas. Entre outras pubticou-se o prospecto de
um banco, que vira 4 lu com o titulo de
London and Brazilian, com um capital de S6
1.000.000, em 10,000 acjes de 100 cada
urna.
Um dos primeiros actos desta nova empreze
ser abrir um eslabelecimento no Rio de Ja-
neiro.
Algodao.O mercado oo tom ealado to fir-
me em razio dos rumores que aodam em circu-
laco respeito urna intervengo da parte dos
Franceses nos negocios de Ameriee. As seguio-
tes cao as ectaticticac do nnsco mercado.
Entredas este anno 333,873 caceos contra aac-
coa 1.392.164. Em 1861.
Vendas al 2 de maio 839,290 saceos contra
1.228.040. Em 1861.
Em ser em 2 da maio 365,450 saceos contra
990,700. Em 1861.
Ineluindo do Brasil.
Entradas at 2 da maio 45,510 saceos contra
26,480. Em 1861.
Vendas at 2 de maio 55,780 saceos contra
22.520. Em 1861.
Picando em ser, em 2 de maio, 1862 :
De Pernambuco 13,850 saceos contra 7,450.
Em 1861.
D< Baha, etc. 20,650 saceos contra 200. Em
1861.
Do Maranhao, etc. 1,100 saceos contra 8,450.
Em 1861.
Asgucar. Temos a notar baia neste genero
de 9 d s 1(6 por 112 Ib e o mercado suppri-
do com abundancia. As vendas desde a nossa
ultima at 2 do correte, monta em 160 caixas
e 40,200 seceos aos preces de 21(9 pelo de Ma-
ranhao; 19|3 a 21, pelo do Cear ; 20 a 20,6
pelo velho, e 21(3 pelo novo de Macei ; 17|9
pelo da Behia ; 21[ pelo de Pernambuco, e 19(3
a 19,9 pelo de Perahiba.
Borracha.O mercado conserva-ce firme. Aa
vendas montam em 454 caitas, e 90 saceos aos
precos de 1|11 fi3, 2(, 2(2 por Ib. pela fina ;
1,8 per Ib. peta mediana, e 1(1 .$ 1(2 e 1(3 1(2
pela cibec* de negro, misturade com garrafae
groasac. Em ser em 7 do correle 320 tooeWdaa.
Em Londres lem-se vendido alguma a 2(2 1(2
por Ib. pela fina velba.
Caf.Mercado firme e qualidades exportado-
ras em procura. Vendas 1,330 saceos a 69( pelo
do Casr, e 58( a 60, pelo do Rio.
Couros.Continuara em apatbia, e as vendas
sao limitadas a 4,980 couros, a saber. Pelos do
Cear, boas, de 32 Ib. e 7 3,8 d. por Ib., e com
defeto 6 3,8 d. por Ib., e peloe de Pernambuco
de 1' classe de 31 1,2 Ib., a 7 1(4 d. por Ib. Ea-
Iradas desde a nossa ultima 13,651 couros.
Jacaranda.A ultima venda foi de 67 loros da
Bahia, aos precos de S 16 10, a S 0 10(, daado
um termo medio de St 17 18, por tooelade.
Pao brasil.- Vendeu-se um lote de 14 tonela-
das a S 8 2,6 por looelide.
Salsa oarrilba.Iovendavel.
reunlao decradorea, afim de ser nomeado depo-
aitario ou depoeilerioa.
E para que chegue ao coobacimento da todos,
mandei pasear editaos que aereo afiliados nos lu-
gares do costana publicados pela imprenta.
Dado e paasado neste cldade do Recite de Per-
nambuco, aoa 26 diaa do mez de maio de 1862,
quadregealmo primeiro 4a independencia e do
imperio do Brasil.
Eu, Manoel da Carvslho Paec de Andrade, es-
crivao o eubscren.
Tristio de Aleocer Acarie.
O cipitio Joc Luic.Pereira Jnior, cavalheiro
da imperial ardeos "de Rose, e juiz de pez do
terceiro anno, com oxerclcio oo cegando anno,
do primeiro diclricto da freguezia do Sanliacimo
Sacramento do bairro de Santo Antonio da ci-
dede do Reeife, provincia de Pernambuco, em
virtade da le, etc.
Fajo saber aoa que a presente carta de editoc
virem, quo por parto de Jamea Ryder & C. me
foi feita a peticao do theor aeguinie:
Illa). Sr. juiz de |ias do primeiro districto da
freguezia de Sauto Antonio.Dizem Jamea Ry-
der & C, que teodo de mover pelojuizo conten-
cioso a competente acclo contra -Manoel Jos
l.eite, para dalle exigir o pagamento da quaotia
de 6729990, de (acendaa compradaa a crdito, o
por que soles da proposllura da acc&o ae fez ne-
cessario esgotar primeiro o acto preparatorio da
conciliario vem por isso oa aupplicaotes reqaerer
a V. S. se digne manda-lo notificar, decigoendo
e audiencia em qaedevei elle comparecer, para
conciliar-ae a reepeito do pagamento menciona-
do, o caco nao comparece, enleo digoe-ae V. S.
proceder a revelia dalle, mandando o eacrivio
dar a cerlidao ou nota do resultado, pera eaaim
poderem oaeupplicaolee proceguir em aeu direi-
to entretanto, como o aupplicedo actualmente ae
aeha ausente em lugar nao aabido, oa suppliesn-
tec tambem requerem, e espersm admiltida 4
competente jueliQce;o, V. S. ae digne mandar
passar carta de editoc pelo lempo de lei para a
citaclo do aupplicedo. E porque ludo aesim se
tetermioe, pedem V. S. defer meulo.E. R. M.
O procurador, Leopoldo Ferreira Martin* Ri-
beiro.
Ne qual petigao dei o despacho quo ae cegu :
Justifique. Primeiro districto de Sent Anto-
nio, 20 de maio de 1862.Pereira Jnior.
Em virtude do qual despecho ae procedeu e
inquiricio da testemonhes, que depozerem sob o
juramento dos Ssntos Evangelhoc a reapeito da
ausencia e incerteza do lugar da reaidencia de
Manoel Joc l.eite, e aen i o ludo autoado o pre-
parado me foram os autoe conclusos, e por mim
lidos, nelles profer a seotenca do theor se-
guiote:
Julgo por aentenca a justificacSo defolbas psra
produzir seus effeilos ; o escrivo passe a carta
requerida com o prazo de 30 das e paguem os
juetQcantea aa cuslaa.
Primeiro districto da freguezia de Sent Anto-
nio do Recite, 20 de msio de 1862.Jos Lniz
Pereira Jnior.
E nada maia aecootloha em dita sentenga dada
noa autos, por bem da qual ae peceou aoe justi-
ficantes o presente edilal com o prazo de 30 das
pele qual se chama e cita o referido Manoel Jos
Leite, para qut dentro dos 30 diss comparec
por al ou por aen bastante procurador para se
proceder aos termos de conciliagao na forma da
peticao e a qualquer outra pessoa para que lbe
faga aaber desta mesms cilago, aflm de que elle
oo fique indefeso.
O porteiro interino deste julio publicar este
nos lugares mais pblicos deste districto e afil-
iar paseando cerlidao em forma.
Dada e passeda oeste primeiro districto da fre-
guezia do Santissimo Secremento do bairro de
Saoto Aotonio da cidade do Reeife provincia de
Peroambuco, aos 20 das do mez de maio de
1862 Eu Josqulm de Silva Reg, escrivo que
o escrevi.
Jos Luiz Pereira Jnior.
5 sanadas do vinagre de 1 qualtdede. -
3 oocea de valeriaoeto de quinino.
4 ditea auleheto de qalnioo.
50 vid roe de xarope de Had.
30 garrefinhes de arope Lamre.
30 garrafas pequeas de xarope peitorel inglez.
?,rraf*' d* 2 libree de cucco de eapargoc.
2 libree de boretode soda.
. 6 libras de boies de rosas.
24 copos graduados aorlidos de 4 oncea e 4 di-
tas e 2 ditcs.
2 graea de marmore de 2 libras do espacidad.
12 raes de vidro sorlidoc.
12 funis sortidos de vidro.
12 caneces de graduar aortidas.
12 cepeulec de porcelana sortidss.
6 pellas deesmursa o. 6.
2 canadaa de aceite de dend.
Para o araenel de guerra.
30 milheiros do pregos eaixais.
500 canadaa de aceite decarrapato.
Quem quizer vender laes objectos aprsente as
propostas em carta fchala, na secretaria do
cooselho. s 10 horss da maoha do dia 30 do
crrante mes.
Sala dae aeases do conselho administrativo
para foroeetsaemo do arsenal da guerra, 22 de
maio de 1862.
Antonio Gomtt Leal,
Coronel presidente ioterino.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
________ Coronel vogal secretario interioo.
THEATRO
DE
Declarados*.
Movimerito uo porto.
A'at-ioc entrados no dia 28
Soutbarapton o portos intermedios 18 das, va-
por inglez Paran, de 1,720 toneladas, com-
man jante Jellicoe.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do eulVepor inglez Paran, com man-
dante Jellicoe.
Lisboa e PortoBrigue portuguez Mercurio, ca-
pillo Manoel Francisco Jnior, carga ascuccr,
mel e agurdente.
ParaII.au bresileiro Santo Kmaro, capito Ma-
noel da Silva Saoloc, carga diferentes g-
neros.
A'ai'tos sahidos no dia 29.
Genel pela Parahybabarca inglea Iris, capito
J. Le Cooteur, em ledro.
Rio Grande do Selpatacho brasileiro Maria
Josi, capito Valeriano Pereira dos Santos, car-
ga eseucar.
Nao houveram entredas.
JUitatca.
Hdltndecss.
Differdos
Pacsivos.
es 1856 tfc7..
1859..
354 a 5*11*
3441|8a443i8
320 1(8 a 20 3(8
2 1(2-64 le a 65 lt2
-JWdle
3 31 7j8 a 32 1(8
845 li4 a 45 3,4
Pele inspeceo da alfaniega se faz publico,
que no dii 31 do correte mei, porta da mes-
mi reparticao, e depoia de meio-dia, se ho do
arremeter quetro eaizas de merce PJASG, con-
tendo 125 duzies de boceles de pioho enternadac,
com o peso liquido de 1.168 libras, valor da li-
bra 600 re viodas do Porto pelo navio portu-
guez Sympathia, entrado em 12 do correte
mez, o abaodoaadas sos direilos no acto da con-
ferencia do despacho por Francisco Jos Aires
Guimares, sendo a arrematego livre de direi-
los ao arrematante.
Quarta secgo da alfandega de Peroambuco, 28
de maio de 1862.
O primeiro escriturario,
Firmioo Joc de Oliveira.
O Dr. Triclo de Aleocar Araripe, official da im-
perial ordem da Rosa ejuiz de direito eapecial
do commercio deste cidede do Reeife e seu ter
mo, capital da provincia de Peroambuco, por
S. M. irnperiel e constitucional o Sr. D. Pedro
II, que Dos guarde, etc.
Fago saber pelo preaeote que a requerimento
de Saunders Brothers & C, ae acha aberta a fal-
encia da firma commercial Ferie & C pela aen
lenga do iheor segointe : rendo-se dos prsenles
cutos, que os commercisntes Feria & C, estebe-
lecidos nesla cidede com toja da fazeodas. ceaca-
ram os seus psgemenloc. bei por declarada a aoa
(silencia, cujo termo fixo a datar do dia 1* do
abril prximo paacedo, o ordeno que em todos os
beos. Irnos e papis dos fallidos se pooham sellos
na forma da lei, remetiendo para ease flm ao
juiz de paz competente copie desta despecho.
Nomeio curadores flseces da maesa fallida aos
credores Saunders Brothers & C, que prest a rao
juramento, e publique-ce e fetleocia por edileee,
procedeodo-ae as domis diligencias legaes e
convocedoa os credores para o da 16 do corre-
te mez a 1 hora da tarde.
Reeife, 10 de maio da 1862.Tristio de Aleo
car Araripe.
Nada maia ce contioha em dte aentencaqoe
equi ala verbo ad verbum irauscripte e copiada,
e teade um dos socios aggraceda da aaaemaaoo
tenga, e acodo cemelhaate aggrero nao prvida-,
(ora novamente marcado por esta jiiizo dia 30
do andante a i hora da tarde, para ter lagar a
Griancas de menos
de (0 annos
pagarlo 1J500 por cada entrada para camarotes
e cadeiras, da acema forma como se praticou
domingo paccado.
Cbema-ce a alinelo do publico, para que na
acge de compraren) bilbetes, meociooem ae
sao para de tarde oa de noile.
Para
BAILE
C4SSIN0 P0PIL4R
DE
Mascaras esem mascaras.
NO
COHPANHIA LYRIG1
DE
Sabbado 31 de maio tic 1862.
8.a Recita da assigaatura.
ERNANI.
Principieri s 8 borac em ponto.
Oa bilhetes vendem-se no dia do espectculo.
O CIRCO
GtUNDE 0CE4N0
MAGESTOSO SALAO
DO
PALACETE DA RA DA PRAIA.
Sabbado, 3.1 do corrente.
Fraocisco de Souza Reg, coohecido por YoiA,
tendo oblido generocemente o aslo do palacete
da ra da Praie dar neste dia um pomposo baile
o para ae tomar maia variavel apprasivel o in-
signe professor de daosaoSr. Magathes por ob-
sequio se comprometi gratuitamenle a execatar
algumas dsnsasde seu variado repertorio.
O beneficiado muito confia as pessoas que
conheceodo as suss circunstancias e o grande
peso de familia da que eubcarregsdo se tem
ioleressado para que eate baile corresponda a
, seus esforcos as quaes tributa desde j eterna
, gratido.
Sero empregados os meios. aflm de que no
Csssinu continu a reinar ordem, moralidade e
respeito. e que sejsm observadas as disposiges
do regutamento inlerno.
Ingresso para damas,. gratis ; psra cavalhei-
ros, 28000.
Segu com breridee o palhabc>te cSanta Crur,
para o recto da carga trata-secom Caetano G. da
C. Moreira & Irmos. no lado do Corpo Santo da-
mero 23.
Pera Licboa cegu com multa brevidede <*
brigue c Pon Activo o, tosa prompto a moior
parte do carrega melo, e paja a resto que rocfb*
afrete ou pera passageiroc, aos quaea oSVrece ex-
cellentea com modos : trata-ae do eccdplorio <
Amorlm & Irmos, ra da Cras n. 3, od ceoa
capttao Jos Antonio de Oliveira, na praca da
Commercio.
DE
SPALDING & ROGERS
COMPiNHU PERIUlBUGiltt
M
Navegaco costeira a vapor.
Macei pelas escalas.
O vapor cPersinuoge, commnndantd Mour.
cahir para oa portos do sol toce a do Dea escalad
no dia 5 da juoho aa 4 horas ds tarde.
Recebe cerga al o da 4 ao meio dia. En-
commendac. paesegeiroe edinbeiro a fred at >
dia da cabida ao meio dia : eccriptorio do lo. tu
do Mattoc n. 1._______
' LBIUO-
A 3 de junho.
O agente Oliueira pora em leilo publico pela
segunda vez, por ordem em preceoge do Illm.
Sr. oonsul de Frange nesle cldade, no respectiva
consulado e por eonta e risco de quem perteocer
a barca franceza aMarie Neoleee, victo qoe os
coocorrentes eo primeiro nenhnm Icngo eflore-
cer m cobre o prego eslabeleeido pare cobrir o
gsitos de reparos conegados e outros feitios com
t mesma barca neale porto, cojo exaroe continua
a aer franqueado no lugar do aeu ancoredovro. o
em seguida os vveres anteriormente aononcit-
dos ; tudo de conformidade com ae meemascon-
diegea e clausules anteriores, expoctac a ooo.
ou antecipado exame, oo escriptorio do dita
agente:
Terca feir 3
de junho so meio dia em pooto.no mencionad >
consulado de Frange, ra do Trapiche Novo o.
! Segu com toda a brevidade o patacho S. Joa- U> 8e8uodo aDaar.-
neiroe. capito Joo Gaspar de Oliveira, tem par-
te de sea carregamento prompto : para o restante I
trate se com o consignatario do mesmo Meaoel
Alves Guerra, ou com o capito.
Avisos ntariUBio.
Rio de Janeiro
LEILO
DO
BEBBRIBB.
O Sr. caixa o commendador Manoel
Goncalves di Silva esta' autorisado a
pagar o 28" dividendo desta companhia
na razio de 5^-200 rs. por apoliers :
advertindo-se aos Srs. accionistas que
este dividendo sera' pago em cobra,
visto ser na especie que o Sr. caixa tem
recebido dos arrematantes dos cbafari-
zes e bicas pertencentes a esta compa-
nhia.
Escriptorio da Companhia 27 de maio
de 1862.O secretario interino, Justi-
no Pereira de Faria.
Consulado de Franca.
Em confermidede com o art 7 da convengo
consular coocluida em 10 de dezembro de 1860,
entre o Rrasil e a Frange, o cnsul da moeme ne-
go fez publipo que o eubdito frencez Mauricio
Puecb fallecen hontem 57 do corrente.
Conselho administrativo.
0 conselho administrativo, para fornecimento
do arsenal de guerra, tem de comprar os objectos
aeguintes:
Para a pharmecia militar desta provincia.
30 libras de acido ctrico.
60 garrafas de alcool de 36
34 garrafas grandes da 2 libras d'agua de flor
de lareoja.
24 garrafas grandes de 2 libras d'agua rosada.
lx arrobas de assucar refinado.
16 libras de assucar de torro.
24 borrachas vulcanlsadas de 1 libre.
24 borrachinhas para injeeges de 2 oogas.
24 dilae pera iojecg5es de 1 onca.
32 libras de cera branca em flor.
6 grosas de caixas para pilotas.
4 libras de cordo de dan cores para garrafas.
6 eo adores metlicos com cabos sortidos de n. 6.
20 libras de espermacete em rama.
2 libras de extracte de elcacas.
2 oogea de dito de coloqueotidss.
2 ditaa de dito de taraxais.
2 libraa de folhas de acnito.
12 ditas de flores de sabugo.
8 ditas de ditas de rnica.
8 ditea de ditea de tilia.
20 ditas de nos deliobo.
24 fundes do lado direito.
24 ditas do lado esquerdo.
24 dites duples.
4 oogas de iodoreto de ferro em vidro azul.
4 ditas de bydrochloralo de morfina.
2 libres de lacre de primeira qaalidade.
1 machina para estender a para drapoama.
4 arrobas de malvas.
24 borraxlobaa para elyster de 8 oneas.
1 arroba de maoteiga de porco.
4 libraa de mamulla.
21 vidroa de oleo de mastruco.
64 libras de oleo de ricino.
64 ditas de oleo de amendoas.
50 vidros de pilulas de Vllete.
2 peces de madapolo o. 5 oe 20 varas.
4 libraa de paslilhas de saotonina franceza.
2 libraa de pastilhas de ipeeacaanha.
2 libras de ditas de ipecacuanha e morfina.
2 resmas de pspel azul para embrulho.
2 resmae da dito branco pealado.
2 panellas de ferro forradas de porcellans de
capecidede de 82 libras.
4 libres do pontee de viado calcinadas.
24 garrafas de Robe de Laftecteor.
24 vidros de salsa parrilha de Saode.
4 librea da aalaa hortense.
4 arrobaa de aal Ingles.
4 librea de eeotauria menor. -
4 libras de aabao para opodeldoc do primeira
quelidade.
1000 rolhas de eortiga para vidros.
2 arrobaa de salsa parrilba.
2 altea de mam commiam
14 libras de dito de Ugrtmc
48 garrafas de vintio tinto de
HOJE
Maio 50.
Hiver
quisite e
lada
pela eegonda vez neeta cidade
eiliceira pantomima equeetre, intitu-
CDUMEM
DAS
Messagenes imperiales.
No dia 31 do correlo espera se dos portos do
sul o vapor trancez aGuienne, commendente
Eoout, o qual depois da demora do costume se-
guir psra Bordeaux locaodo en S. Vicente (on-
de ha am vapor em correspondencia com Gore]
e Lisboa. \
A companhia encarrega se de segurar as mer-
cadories embarcadea a bordo dos vapores, assim
como tambem recebe dioheiro e objectos de va-
lor com destino e Londres em trausito por Bor-
deaux e Boutogne.
Para ae coodigdec, frtle e peesagens trsta-se
na agencia ra do Trapiche n. 9.
a ex-
4 apparicao de urna chu-
ya deprala,
comprehendendo toda s forga dos joven? artistas Txi']^lUiQ il iaki)
da companhia, abundando na elegante arte de
montar a caf alio, bellos quedros. densa elegante,
mysteriosos jogos e transformagoes, esplendidos
coslumes e seus ornamentos, magnficos jaezes e
outros acceseorios, e msica appropriada.
O director recommeoda este cerie de pantomi-
mas, e roga de chamar a eapecial atteogo do ele-
gante e Ilustrado publico desta cilade.
PERSONAGENS.
A Apparicao Errante da Chuva de Prala pelo
Sr. N. Rogers.
Atas de Abelha, a Fada da Golmea, pela Bella
Rogers (meoim).
Flor de Larangeira, a Fada das Flores, pela Aona
Worlaod (menloaj.
Beije Flor, a Fada do Jardim, pelo joven Carlos
Fisb.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
R
E' esperado dos portos do sul at o dia 30 do
correte um dos vapores da companhia, o qual
depois da demora do costume seguir para os
portos do norte.
Desde j recebem-se passageiros, e engaja-ae
a carga que o vapor poder conduzir, a qual de-
ver aer embarcada no dia de sua chegada,diohei-
ro e frete e eotommendas at o dia da sahida s
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
&C. ,
Ao mesmo tempo ser produzido pela segunda
vez nesla cidade
As escadas perigosas
pelos Srs. Worland, N. Rogers, Neal e Duverna.
E um novo acto de
Equilibrio Chinez
pelo Sr. Joo Nobles.
E urna sceoa cmica equestre, pela segunda
ves, intitulada
4 primeira visita do ma-
tulo ao circo,
pelo Sr. Natiumel Rogers.
E' urna scena cmica que sepassa na loja de
um barbeiro da Boa-Vala.
PERSONAGENS
O Barbeiro................ Sr. Jorge Sharp.
O Freguez................ Sr. W. Ruggles.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
rMPI?IS f f M.
At o dia 3! do corrente, esperado dos
portos do norte o vapor Oyapock, commandan-
te o primeiro tenente Antonio Marcelino Pootes
Ribeiro, o qual depois da demora do cosame
seguir para os portos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e eogsja-se
a carga que o vapor poder conduzir a qual deve-
r aer embarcada no dia de sua chegada, en-
commendas e dinheiro a frete at o dia da sahi-
da as 2 horas: agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Aotonio Luiz de Oliveira Azevedo
& C.
Frets-ss para o Rio da Preta um navio de
primeira classe. lotado em 1,500 o 1.610 barri-
cas : quem o pretender, dirija-se a Bailar & Oli-
veira, ra da Cadeia do Reeife a. 12.
48 dltu de dito branca da
Todos osdislinc-
tos artistas aa apresentsro esta
nnite.
tsr AMANHA (Sabbado) nao haver represen-
tico.
|S* DOMINGO haver deas representarles.
DE TARDE, as portas estaro abertas s3 l|2 ho-
ras, e a representarlo principiar s 4 borac
em ponto
Logo depois da represootagio de tarde, isto
s 5 horas e 314, a dietinct* e corajosa artista,
Sra. Worland
Subir por um dbil rame prolongado al urna
graode altura da parte exterior do amphitheatro,
seudo do chao at o cume do muslro do centro,
oque ser executado em plena viste do publico da
p'srte de fre, e iovisivel para quem estirar da
parte de dentro.
OE NOITE as portas estaro abertas s 7 horas,
e a representado principiar s 8 horas em
ponto.
Grandes Variedades
se esto preparaodo para as representagSes de
domingo de (rel e de note-.
Em atteogo a diversos re-
petidos pedidos, e para coramo-
oidede do publico em gerel ;
resolveu-se que o escriptorio pa-
veoda da bilheteaK eadeiraa cemerotaa,
para es doaa represntela*! da DOMINGO estera
aborto oo cabbado do Urdo is 4-horas,, assim
como no domingo. d& manhia.
C01PAMIA PER1U1BIICA1U
navegaco costeira a vapor
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma
cau do Assu', Aracaty, Ceara' e
Acaracu'.
O vapor cJagusribea, commcodsnte Lobato,
aahir para os portos do norte at o Acarac,
no dia 7 de junho as 5 horaa da tarde.
Receb carga al o da 6 ao meio dic.Encom-
mendas, passageiros e diubeiro a frete at o dia
da cahida a 1 hora; escriptorio no Forte do
Hattoc n. 1.
Lisboa e Porto.
Segu brevemente a barca portugoeza Sym-
pathia, porque tem quasi toda a carga engaja-
da ; recebe para qualquer dos portos ladieados a
quo lbe (alta e pesssgeiros, obrlgsndose os con-
aignatarioa a dar pass-gem a aquetlesque trata-
ren) para o ultimo porto, logo que o navio cha-
guo ao primeiro : trats-se na ra da Cadeia do
Reeife o. 12.
Para Maranhao e Para.
O biate Garibaldi, capito Coatodio Jos Van-
os, tratar com Tasso & Irmos.
Para o Aracaty
a hiato nacional cJaguaribe pretende seguir al
dia 8 do jocho por tar parle da carga prompta :
pardo resto e passageiros, trata-aa na ruado .
Creapo n. 14, oa com o mesure a borda, defronte'por mdico preco : a tratar oa rat da flortaf m-
do caes do Ramos.. 'neroli.
_ o
Quarta-feira 2 de junho.
O agente Poto far 1-ilo a requerimento dos
curadores scaes da massa fallide de Joa Adia-
nto Socres de Acrelo, e por mandado do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio daa divida
pertencentes a mesma massa, as 11 horas do- di.i
cima mencionado em seu escriptorio roa da Ca-
deia n. 9.
1ILA0
12 dejunho
O agente Oliveim [5r leilo a reqoisico dos
consignatarios J. Reliar C., por ordem e em
preseoga do Illm. Sr. cnsul ds Blgica neata ci-
dede, por cont e risco de quem perteoeerdd
JK4CTC n. 60. ama cono cnBiind* -60 duiiu
de leogos d linho, evsriedos a bordo do navio
trance/. Sphere, capito Riba, ne sua recenta
viagem procedente do Havre para este porto :
Segundi feirn 2
de juobo, s 11 horas da manha. no armazem
dossobreditos J. Keller & C., roa da Cruz t
Reeife.
LEILO
DE
Um predio chao
proprio
Sabbado 3L do corrente as 11
horas.
Plo agente Euzebio se vender em leilo ao
dia 31 do corrente uro sobrado d-a ai andar co
Camioho Novo ou ra da Esperanga n. 45, enm 2
portoea de trente e 22 palmos de largura, 62 di-
tos de fu o do em armazem estabelpcimeoto de
molhados. no andar superior 2 janellas, 2 salas,
3 quartos, este predio novo e f-ito a moderna
acabado a um anno ; a madeira de qualidade
louro e amarello, boas ferragens e a mao de obre
tanto de pedreiro como de carapioa com per-
feigo e seguranza, incluiodo um bom quintal
cercado de 30 palmos de largura e 150 ditos de
fundo, com cacimba de b >a a^us, bem planta-
do, garante-se a auperior qualidade do terreno
por aer frtil ; julge-se que este predio d um
rendimento de 6009 por anno, e os Srs. preten-
dentes que o forem caroioar com anteceden-
cia coohecero a probabilidade e para melbores
ioformacoes achero o rrf-trido agente prompto
< presta-Ios no seu escriptorio ra da Cadeia o.
45, oude aera effectuado s 11 horas em ponto.
DE
Um predio chao
proprio.
Sabbado 21 do carente
ao meio dia.
O egonte Enzebio far leilo de um sobrada a
3 andaras na ra do Amorim n. 13. chl*dra-
prio, sendo de frente pr a ra da Moeda; dtsV
em bum estado, reode 600 por anno. cooforca*
oarreodamento antigo e mais render com el-
gnns reperos que posteriormente se nzareav,
victo que o referido agente preeuroe entregar
pelo meior prego que ce cebar oo dia 31 doc**
rente ao meio dia em ponto no aeu escriptora
ra da Cedis n. 45. onde cera effectuado se pe-
ra isto os pretndanles exemioarem coa ante*
cadencia o ruearoo predio.
Avisen tvmm.
Neita typographia precisa se lai-
laraoSr. Daro Fortuna 1Jes6c.
Neste typogra) pifia precisa -se fal-
lar ao Sr. Manoel Joaquim.Pereira 14a-
galhaes, que se mudou do Campo Verde
cu Baixa Verde.
terga felr, 3 de jsnno, Ir pela ultime ve
praga o eogenho Desterro, el tu lo oo termo d
Iguarass, por meio de arrendamenlo trienal, a
cootar do ultimo de meio do-carrate anno i
maio da 1865, perante o Sr. Dr, juiz doa orphaosv
na sala daa audiencias : quem quizer arca
o referido eogenho, cpmparega do lu
do, munido dos competentes Badcres.
Aloge*sa por 30J ao mez o veste
do sobrado n. 52, sito oa roa da Crula, e ocegun-
doHadardo mesmo, cota bastan ea commodos.

-'
_________- --'______
JkS
____


1 '-'

.
^mmm
latat*
m
%
ISO DE LINGIAJRMCEZA
a' noite
para a cl4sse de commercio.
-...,..
Jos Soares d'Aievedo tem de abrir
um curto pratico theorico de Lingua
Franceta pelo Boto systema de Ollen-
dorf, para a classe do commercio que
ido pode frequeatar este estudo de da.
As pessoat que desejarem fallar e eicre-
?er eita lingua, podem dirigir se a' re-
sidencia do aununciante, ra de Santa
Rita Nova n 47, at o dia 31 de maio.
Empreza de illu-
minaQo a gaz,
A vista de muitas queixas a empreza
de gaz participa ao publico, proprieta -
rios e moradores as diversas casas que
se queixam da insuficiencia e mesmo da
falta total de Iluminacao publica, que
ella esta' sempre prompta a cullocar os
lampeoes cuja falta se faz sentii, logo
que receba do governo provincial as
competentes ordens, da roesma forma
mandara' encaar gazem todas as casas
particulares, gozando os proprietarios
destes da grande diminuirlo de precos
estabclecido em marco prximo passao.
Guama tambem a attenco dos mora
dores das muitas ras aonde nao che-
garana anda os lampeoes pblicos, ao
fado que com certo numero de casas
particulares, a empreza esta' prompta
collocar o eucauamento geral a sua
custa pelo servico dettas, anda que
nao esteja autorisada a collocar a illu-
minacao publica.
Outro sim faz publico que para as ca-
sas peliculares s s quaes deve o gaz ser
conduzido de distancias consideraren
(cima de 100 ps por exemplo) eolio-
case o devido encanamento pelo mini-
m) custo e traballio dos materiaes, e
emeertos casos por menos ainda.
Lustres, candieiros etc., vendem-se
pelo mnimo preco que permita o
grande prejuizo em quebras e despezas
estando a empreza determinada a fazer
quaetquer sacrificios pava satisfazer ao
publico.
. Rostrn Rooker & C,
Gerentes.
Aluga-ae o segundo andar do sobrado n 55
da ra da Cadeia com grandes commodoi para
familia : para tratar, na ra do Imperador nu-
mero 48.
No dia 30 do corrente mez depois de meio
dia se ha de arrematar por venda em pra;a pu-
blica do Dr. juiz municipil da primeira vara es-
crivo Baptuta, um sobrado de um andar do
ceceo do Sarapatel ou travessa do Cirmo, a re -
qiaenmenio do procurador fiscal da fazenda pro-
vincial para pagamento do aelo aos legados dei-
xadoapelo finado Joaquim Ribeiro Pentes, cuja
arremstacao ter lugar na isla das audiencias.
Recife 26 de maio de 1862.
No dia 31 do corrente mez a 1 bora da tar-
de na aala das audiencia se ba de arrematar
por venda em praca publica do juiz manicipd
sepplenle da segunda vara, um negro de noma
Jos, penborado a Jo- Florencia de Oliveira e
Silva por execucio da Manoel Joaquim Biplisti?
ecriio sanios. Recife 20 de malo de 1862.
O abaizo asiignado por ojdnm da masa re-
gedora convida aos irmaos das almas da matriz
da Boa-Vista a comparecem no dia 29 do an-
dante mez ia 9 horas da manhaa aflm de aseisii-
ram a bencio dos sinos pertencenlea a mesma
irmandadee espera o comparecimento dos mea-
mos irmaos para mais solemoitar o acto.
Jos Pacheco de Medeiroi,
Escrivo.
IMPERIAL INSTITUTO
DE
Nossa Senhora do Bom Conselho.
Ntate estabelecimaoto, raa da Aorora n. 50, re-eebem-se pensionistas a meio-pencioniatas
at aidadede 16annos, a esludantes externos da toda a idade.
Aicondicdei-U admiaaio variara eegundo a daado reciplando a a naturaza do estudo a
que ae destina.
Oensino, qaealli ae recabe, o segaiote : ,
Prmeiras lettra, compreheodendo lelrmra, calligrapbia. palo ayatema da Adler, artthmelica
(aa*operac6a).doutrina chrislaa e elementos de civilidade, grammatic portuguesa e nocoee de
geograpbia ; linguas latina, francesa oingleza. geographia e historia, rhetorica e potica, pniloio-
pbia racional e moral, arithmetica (at logerithmos) e geometra. ..
Estio creados, alm disto, dous curaos, um de agricultura e outro de commsreio, que serio
abortos logo que hja alumnos.
O edificio em qae funeelona oImperial Iostitutotem aa aeommodacoes necessarias para
receber grande numero do pencionlstaa. e pelo aeu estado de aceio a pela ltasela preenche a to-
das aa eondiccoes de hygiene a da commodidade para os alumnoa externse meio-pancionietae.
O direcior do eatabelecimento, que ha cerca deoito annos se tem votado ao anrino da mo-
cidade com toda a dedicacio de que capaz, tendo recebldo altmamente de s. H. o Imperador a
honrosa distioccio do nio das armaa imperlaea, e do titulo de Imperial para o sea dito esU-
beUcimeoto. que \i antroo-no quarto aono de existencia, eompreheode que dave envidar todos os
ees eitorcoa para manter ao Instituto o crdito que tem adquirido.
RA NOVA N. ANTI6A LOJA FRANCEZA
DE
Jll?
Este grande e bem montado eatabelecimento acaba da receber de Pana, um gran-
de e variado aortimento de fazendas e sriigos francezes, os quaes offerece a coocur-
rencia dos respeiisveia habitantea desta bella cidade, onda encontrarlo sempra um
grande sorlimenlo a escolha em que posssm aatisfazer aeus capricho, por menos 10
por cento do que em outra qualquer parte, a saber :
O retratiaia americano
O retratista americano
O retratista americano
O retratista americano.
Ra do Imperador
Roa do Imperador
Ruado Imperador
Ruado Imperador.
Notos estylos de ambrotypo
Notos estylos de smbrotypo
Notos estylos de ambrotypo
Notos estylos de ambrotypo.
Multo baratoa
Muito baratoa
Muito baratoa
Huito baratos.
Lindos cartes de visita
Lindoa cartdea de visita
Lindos cartes de visita
Lindos cartes de visita.

fife Honlem a notte 19 do corrente maio.
T a entrada do circo americano, perdeu-se
um relogio de patente ingles descober-
$ lo, e com a caixa do fundo liso leod
no centro um pequeo circulo com o
desenbo de am cinto seguro com urna
fi flvela, do fabricante Leuis Woolf, sup-
att p5e-ae que a entrada quebrara a fita
k que o segurava ao pesclo e que sahio-
V do do bolso peto impulso cahiaae no
^ chio : quem achou e quizer entrega-lo
a sea dono pode leva lo a raa do Tra-
picho n. 4, primeiro andar, qae sera
*9 gratificado generosamente.
Carvalh, Nogueira C,
eRezende C.
Sacam sobre Lisboa e Porto, na ra do Vigsrio
o. 9 primeiro andar, e ra do Brum o. 58, ar-
mazem.
Procurador geral.
A abaixo aaiigaado, Tiuva de Marcelino Anto-
nio Pereira, fiz acienta ao publico e especialmen-
te aos aeus credores e devedores, que nesta data
tem constituido seu procurador geral nesta praca
ao Sr. Dr. Joaquim Borges Carneiro, com quem
o'ora em diante ana e oulroa se devem entender
acerca do que Ihes (or mister. Recife 22 de maio
de 1862.
Rita Jerooyma de Hendonca Pereira.
Aluga-se um aala propria para escriplorio,
na ra do Imperador : a tratar com Policarpo J-
le Layme os mesma ra n. 45.
Lices
Attenco.
Msica.
Instrumentoa completos da chavea e
apiaton para msicas militares, do primei-
ro fabricante de Paris, Gaulrdt Ain. e cora
muitos melhoramentos tanto em afioaco
e belleza como pela facilidade com que se
prestara ao artista, tambem existem nes
tes estabelecimentos outros muitos instru-
mentos avulses do mesmo fabricante e um
grande sortimento de violdes de diveraaa
formaa e preco.
Para carros.
Guarnicoea completas psraarreiosdeum
e dous cavallos, brancas e amareliaa, fer-
rsgeos para carroa de todaa as qualidades,
molas, gsloes largos e estreitos, vaqueta
francezas com lustra e sem ella, sedal pa-
ra forro, laoternas de todoi oa precos etc.
Espelhos.
Grandes e pequeos de diversos tatua-
rnos com molduras pelas e donradat
muito proprios para ornamento de aala,
sendo os Tidros muito grossos e de pri-
meira qualidade.
Crystaes.
Candelabros de 4 a 5 luzes. serpentinas,
laoternas cok piogentes e tem elle, ro-
domaa de todos o lamanbos para imagena,
mangas para laoternas e candelabroa de
todos os tamaobos, vidros para espelhos,
clices para tinhos e licorea etc etc.
Porcelanas.
Apparelhoa e meios ditoa para jantar de
muito fina porcelana branca, vasos para
flores etc., etc.
Lavas de pellica
do verdadeiro fabricante Jouvio & Filhoi,
ponto certo daqul em diante aonde se en-
contrar aempre variado aortimento, brin-
ca, de cores e pretas, para homem e se-
nhora, recebidaa por lodos os vapores fro,
cezes.
Para noivas.
As mais elegantes e mais ricas capellaa
com ramos para o peito, que com orgulho
asaeveramos ser o melhor que aqui tem
Tindo oeste genero.
Poma ia a re taino.
Em latas igual ou melhor do que a que
Tem em jarroa, amarella e cOr de roaa,
vende as libras, quartaa e at ama oo-
ca. Esta pomada torna ae de muita van-
tagem porque dispensa de compraren) va-
aos em que se d nao pequeoaa quanlias
quasi que s pelo vaso que a cootem.
Encerados para cobrir
mesas.
Largos e eslreitos com mallos lindos de-
senos a 18200, 15500 e 1$ o covado, di-
tos pretos e de cores muito groiio para
forro de carroa.
Photographia.
Machima francezaa e americana dos
melhores fabricantea deste genero, vidroff
e laminas de cobre para retratos e
grande aortimento de passepasloas
iobas, drogas para trabalhar am tov oa
proceaaoa de photographia, ambroiwo e
daguerreolypo, tambem ae collocam retra-
tos em caxiohaa, paaaeparloua e molduras
de madeira, mudam-ae os qae esliwrem
mofados, ficando perfeitamente bons.)
de francez, inglez, grammstics poilagueza e ari-
thmetica sos que se dedicara ao commercio, daa
6 aa 9 horas da noite ; loma-se tambem llc5
em casas particalares das meamas materias : a
fallar na ra do Cabag o. 3, segundo andar.
Os senhores que team peohores na mo do
Sr. Santos teoham a boodade de os vir tirar at
o prazo de 8 diaa, senSo sero vendidos.
O Sr. Antonio Tristo de
Serpa Bramido tenha a bon-
dade de apparecer na loja do
Germano, na ra Nova n 21.
MMKWiKM MBeKMSeMMeK
Saques sobre Portugal.
O abaixo asaigoado agente do Banco
Mercantil Portuenae nesta cidade, aaca
efieclivamente por todoa os paquetea so-
bre o mesmo Banco para o Porto e Lis-
boa, por qualquer somma avista e a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo serem
descontados no mesmo Banco, na razo f
I
Manoel Pereira Lopes
Ribeiro,
com" loja de barbeiro na ra do Biogel n.
Iranaferio ana rooradia para o o. 18 da mesma
ra no qual se acha prompto para iodos os mil-
teres de ma profissao como ae]a tirar dantei,
sangrar, pontear, amolar,applicir ventosas pela
presso do ar, pode ser procurado a qualquer
bora, assim como tem sempre aortiaenlo de bi-
zas para alugar.
aseoctacu t&spoigvapitica
PrctumimcatiA
Domingo 1* de juoho, s 10 horas da manhaa
baveraeaaio ordinaria do conselho director, no
lugar do costume.
Seeretara da Aaaociaco Typographica Per-
nambucana 28 de maio de 1862.
Juvencio Cesar,
1* leeralario.
Jos Ferreira Veiga, subdito portugus, re-
tira-le para a Bahia.
Aluga-se um escravo para qualquer trrico,
tendo muito fiel: di ra do Imperador n. 30,
terctiro andar.
MSiJk
de 4 por canto ao anoo aos portadore
que assim lheconvier : naa ras do Cres-
po n. 8 ou do Imperador o. 51.
Joaquim di Silva Catiro.
Asphalto.
M. L. Coelho de Almeida, primeiro e unieo aa-
phaltista nesta provincia, traoaferio aeu eacrip-
lorio para a travessa do Csrmo n. 10, onde ou-
tr'ora esleve : ahi recebe encommendss para os
productos de sua fabrica, como lejam: calcadas,
terrac.0, aoalhos dearmazena a caaaa de morad*,
eocanamentos d'agoa, rodaps, degroa de esca-
da, e outroa miilere a que applicavel o aa
phallo.
MezdeMaria a 1$.
Vende se na livraria n. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia o livro Mez Ma-
riano, conforme o uso dos missionarios
capuebinhos at|t
- Precisa-se de urna ama de leile : na ra do
Baegel n. 7, segando andar.
8
8
M SihA\JbAatSlMttS.aMBA AICHSUEtJUXJI ejUlJfcfllaL iiiT
Silvino Guilherme de Barros compra escra-
voa de amboa os sexos : na ra do Imperador n.
79, primeiro andar.
Casa para alugar.
Aluga-se a da ra de Santo Amaro n. 40: a
tratar no eteriptorio da viuva Amorim & Filho,
ra da Cruz o. 45.
MM
O Dr. Garolloo Fran-
cisco de Lima Santos,
mudou-ae da ra daa
Cruzea para a do Im-
perador, sobrado n.
17, em frente da igre-
ja de S. Francisco, on-
de continua no exerci-
cio de sua prolissao da
medico.

Um moco que deixou de continuar
com seus estados por falta de meios por
ter urna boa let ra e eacrever ora acer-
t se offerece aoa illuslres acadamicoa
detta faculdade para eacrever algumat
postilas mediante urna paga mensal.
Tambem entende de eacripturac&o e se
offerece para fazer algumas escriptas
I ambulante : a tratar oa ra da Ca"eia
i do Becife o. 28.
Os Srs. devedorea da loja do finado
Antonio Franciaco Pereira, qoeiram vir
pagar seus debites na meima loja ra
do Crespo n. 8 A.
Attenco.
Para escriplorw.
Primeiro andar da ruada
Cruz n. 24.
Aloga-ie este primeiro andar : a tratar na ra
da Cadeia o. 57.
Antonio de Souza Baptista Farreira, sub-
dito portuguez relira-ae para a Iiha de Fernando.
Jlo de Soasa Azevedo pelo presente de-
clara que deixou de ser caixeiro do Sr. Joao Jos
do F'BueirPflo Im n rti 21 do rorrnnl mez
A viuva lhoa do coronel Joao Joto de*
Gnuveia, victima da epidemia reinante na
ridade doJc, aonde se acheva i negocio,
convidam*aos seus amigos e s almss cari-
dosas para asaistirem urna miasa que pelo
deacanco elerno de seu marido e pai, man
dam celebrar oa egreja do Divino Espirito
Santo, aabbado 31 do correte, pelas 7 ho
HCIsvo b aii^ut-ira MaOu, SdOr- a 111.
[esso da mais viva dr, convida aoa seus
arnigoa e s almas caridosas para aabbado
s 7 horas da manhaa, na egreja do Divino
Espirito Santo, asslstirem urna miasa que
manda celebrar pelo repouso eterno de seu
pae, mai, lioi e irmaoj, fallecidos na cida-
de do Ir por occaaio do cholera que all
tHI B"ado inten*mu||la.
Toda attenco.
Custodio Jos Alves Guimarica avisa ao rea-
pettavel publico, principalmente a lodoa os seas
freguezea e amigos, que ae mudou da loja da
aguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo n. 7, para a bem conhecida a soliga loja
de miudezas que foi do fallecido Joo Ceg, boje
ser conhecida pelogallo vigilante,e pede ao
i respeitavel publico e aos aeus fregueses e amigos,
| que o queiram procurar no dito eslabelecimento,
; onde acbaro um grande sorlimenlo de miodezaa,
queaflanca servir bem e vender por menos dez
ou Tinte por cento. do aue em outra qualquer
I parte.
Precisa-se alugar urna preta para
vender : no Corredor do Bispo n. 15.
Na travessa da ra das Cruzes n
2, paimeiro andar, tinge se para todas
sa-cores com presteza e com modo preco.
AmaQ
Preclss-se de nma mulber forra ou escrava
para urna casa de pouca familia e que sirva para
todo o servido : na ra do Queimado n 39 loja
defazendaa.
CONSULTORIO ESPECIAL H01E0PATHIC0
00 DOUTOR
SiBINOO.L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo p8geirosiquiqeerhoradodaou < >
v Todo o aervico feito com promptidao. ice
Novo) n. o.
Gonsultaa todoa oa diaa tela deada ai 10 hora
t meio dia, acerca daa aeguintaa molestias :
noltttias da mulhtrtt, molcttiat dat crian-
eat, molestioi da palla, molasttoa do* olhot, mo

No domingo 20 do correnle, furtaram de caa
de Manoel Teixeira Basto, na Passagem da Mag-
dalena, um relogio de ouro do systema moderno
de dar corda por cima sem auxilio de chave, foi
feriado juntamente com urna cadeia de ouro,
contendo urna chave quebrada. O prejudica-
do nao te recorda do nome do autor, e o nnmero
do relogio e'7851, e por issoapensa comsig-
naes, pode indicar aer de bella apparencia, dea-
coberto, e com um vidro bem saliente em gros-
sura. A quem quer que o descobrir se agratifi-
cara generosamente.
Aos Srs. consumidores de gaz.
Nos armazeos do caes do Ramoi ni. 18 e 36 e
na ra do Trapiche Noto no Hecife n. 8, ae Ten-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
receotemente chegado a 149 lala de 5 galea,
aiaim como latas da 10 e de 5 garrafas em
garrafas.
-
C Deseja-ae fallar a negocio com o Dr. #
IS Amenco Fernando Trigo de Loareiro, na #
# ra do Crespo n. 17. sj

Hotel inglez
3Ra do Trapiche3
Precia*ie de urna ama para comprsr e cozi-
nbar para casas de rapazea aoltairos : na ra de
Apollo n. 80, primeiro andar.
Santo Antonia.
A trezeoa do glorioso Santo Antonio, conside-
ravelmente augmentada, ntidamente impresia e
embruchurads, com capas proprias, acha-se
venda na raa do Imperador n. 15, daa 9 horas da
manhaa aa 3 112 do tarde.
Bartholomeu Francisco de Souza tendo de
partir para a Europa no primeiro vapor, deisa
por aeu procurador o aea socio o Sr. Jo Cae-
tano de Garvalho.
Novidade
Amendoaa confetUdaa, aortea das mesma, p-
pela com eatalo, Indo mullo novo, vnde-ae por
menoa do qae em outra qualquer parte : na ra
da Senzala Nova n. 30.
OSr. empregado publi-
co que recebeu differentes
quantias para pagamentos de
objectos de sua repartic&o e
noospagou, queira mandar
entregar essas quantias que
existAm em seu poder como
deposito, alias se publicar
seu nome e mais cartas pelas
quaes se pro va a existencia
deste negocio..
Nesta typographia precisa-se fal
lar ao Sr. Joao Goncalves Rodrigues
Franca que morn em Olinda e dizem
morar nesta cidade do Recife.
Attenco
SEGUNDA EDICCAO
DO
THESOURO HOMEOPATHICO
ou
Vade-mecum do homeopalha
pelo domar
subs i. rai.
Ktle livro qe ae tem tornado lao popular,
quaolo necessario, acaba de ser publicado com
todos oa melhoramentos, que a experiencia e oa
progresaoa da acencia tem demonatrado. A no-
va edic;o em tudo superior primeira, en-
cerra:
1.* Mais ampias noticia! acerca do curativo
daa moleslias, com iodicacoes mui proveitoaas
dos medicamentos novos reeentemenle ezperi-
menladoa na Europa, nos Estados-Unidos e no
Brasil.
2. A exposicaoda doutrina homeopalha.
3.* O estudo da apropriaco dos remedios ae-
gundo as predominancias dos temperamentos,
das idades, dos sexos, e segundo as circunstan-
cias atmosphericas etc., ele.
4.* A preservacao ouprophilaxia das molestias
hereditaria.
5." A preservacao daa molestias epide -ricas.
6.* Urna estampa Ilustrada demonslraiiva da
coniinuidade do tubo intestinal desde a bocea al
o anua etc., etc.
Vende-se ns fharxacia especial uomeopa-
niicA, propriedade do aulhor, ra de Santo
Amaro (Hundo Novo) o. 6.
Preco de cada ex em piar. 20&000
N. B. Os senhores assignantes queiram man-
dar receber seua exemplarea.
dociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Sontos & G. ncam etomam
aqnea para a pracs de Lisboa.
Manoel Ferreira da Silva Tarrozo
sobre Por-
Precisa-se de urna ama de leile sem filho, as-
sim como urna outra lorra ou escrava, que nibi
engommar e cozinhar : aa ra da Cadeia do Re-
cife, loja n. 30.
Na noite de aabbado 24 do corrente perdea-
sa urna carteira com oito letraa acellaa a iavordo
abaixo asaigoado, no valor de 4.5009 a praios
aceites em 24 de abril prximo paaaado, a sella-
das no dia 22 deate, e o aceitante eat previnido,
na meama carteira tinha em aedulai qualrocentos
e tantos mil r., sendo duas aedulaa de 200$, e o
restante de menor olor, de coja qaantia ae dar
melsde a petsoa que ti ver achado, e qaeira lazer
o favor de entregar na ra Bella n. 23, ou ra do-
Queimado, loja de ferrageoa o. 14, ou no Recife,
raa da Cvieia n. 56, aonde aa dar cumplimento
ao cima dito. Amonio Joaquim Vidal.
Precisa-se deum menino de 12 a 14 annoa
de idade para caixeiro de urna luja na cidade da
Victoria : a tratar na ra larga do Boaario n. 21.
Perdeu-se urna pulseira de ouro com 7 pe-
draa de camapheos, desda a caa o. 4 raa da
Aurora at a rampa do Gymnaaio, a da rampa do
theatro al ao meamo iheeiro, na noite de aabba-
do 24 do correle mes de maio : quem a acbou,
queira ter a hondada de reatilui-la a aeu dono,
na referida casa n. 4, que ter generosamente
gratificado. Pede-te aos tenhores ouri-es que
lenham a bondade de nao fazerem negocio algum
com dita pulieira.
Kft WWfW ra) /ntw earaiv asrUUVf aTJTiartara vaa* asFJ* ***
| EscripUrio de advocaciaj
Ruado Imperador n.
37, primeiro andar, a es
querda.
Neste eslabelecimento trabalha o adro-
gado Joaquim Borgea Carneiro [gradeado
em direilo pela faculdade do Becife) des-
de ai 9 at as 3 horaa do dia.
Advoga em todoa o juizoi a tribumei '
desta prac, e encarrega te de negocios
para o inlerior da provincia, principal-
mente para aa comarcas de Santo Anto,
Bio Formoso, Bonito, Nazareth e Goianna.
Recebe gratuitamente aa causas dos
desvalidos, nao podendo cada qual tra-
zar maia de urna qaeslao por vez.
No meamo eitabelecimento solicitan!'
se ltalos e patentes de empregados p-
blicos e offlciaes da guarda nacional do
interior, mediante mdico eitipendio.
Em sua falta e impedimentos sar
substituido, nos negocios cireii, pelo Sr.
Dr. Joaquim Jos de Campos, e dos do
crime pelo Sr. bichare! Jorge Dornellia
Ribeiro Pestol.
Aluga-se um primeiro andar de um sobran-
do na ra das Aguaa-Verdea : quem pretender,
falle na ra das Cruzea, sobrado n. 9, penltimo
quem vai da raa do Queimado para S. Francisco,
lado direilo.
Ha para a lugar tres escravoi mogos para
todo o aervico : na padaria no Hanguinho le
dir quem tem, oa na roa Nova o. 36.
O abaixo assigoado, como herdeiro do caaal
dos finados Joo Manoal de Siqueira e aua mu-
Iher D. Isabel Maria da Silva Siqueira, avisa s
pcsioas a quem o dito casal eateja a dever, apra-
senlem suas coolas ou titulos de dividas, ao in-
inveDtarianle Joao Uaooel de Siqueira Filho, pa-
ra serem examinadas e legalisadaa afim de serem
descriplas no ioventsrio e dar-ie bens, quando
se proceder a parlha para os saos pagamento!,
pois o inventario est a concluir-se, e o annun-
cianle nao se aujeita a pagar qualquer divida que
appareca depois daapartilhas, e nao eateja dea-
cripta ou junta aos auto de inventario. Recife
27 de malo de 1862.
Duarle Borgea dSilva.
Compras.
Precisa ae de ama ama para cuambar para
casa de pequea familia: na raa Augusta n. 114,
sbralo.
Joao Leopoldo do Reg Villar, tem contra-
tado Tender a aua taberna aita na ra Direita o.
48; alguem ae julgar com direito a impedir
este negocio, conpareca na meama, no prazo de
quatro diaa. a contar deata data. Recife, 27 de
mato de 1862.
Os aeohoraa assigoantes da corresponden-
cia de Portagal queiram mandar receber o n. 8
que coaduno o vapor inglez Paran.
Aluga-ae a eapacoaa casa da eaqulna da ra
Formosa o. 14, pintada e ladrilhada de novo : a
tratar na raa da Cadeia do Recife n. 62, primeiro
andar.
Antonio da Molla e Silva, subdito portu-
goez, relira-ae para (ora da provincia.
Noeicriptorio do Eira. Biro do Livramen-
t deseja-se filiar com muita urr.en.cia com o Sr.
Adelpbo Aatolpbo Vascoacellos Pimeotel, que
dizeaa eit raoraodt na cidade da Olina: a
negado le tea interine.
lutiat typhitieat, todas ai tspecn de fibrtt
'tbrtt inttrmitttntti sul consequtneias,
FHABJKACIA ESPECIAL H0BB0PATHICA .
Verdadeiroa medicamentos homeopathicoa pra-
aradoa aom todaa aa caatela neceaaarias. in-
illiveis em seus efTeitos, tanto em tintura, come
m glbulos, pelos pregos maia commodoi ps-
trala.
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
misamente vendidoa err ana pharmacia; todoa
(a o forem fra della ai falsa.
Todaa aaearteiras o acompanhadaa de am
rapresso com um emblema em relevo, tendo ao
eopr as seguintas palarraa : Dr. Sabino O. L.
Pinho,medico braaileiro. Este embiema posto
guatmente na lista dos medicamento! qua ae pa-
la, As carteiraa qua nio leTarem ene improaso
isaim marcado,ombora enham natampa ano-
nado Dr. Sabino so falsos
Precisa-se de ama ama de leile : a tratar
na campia de Sanio Amaro por detras do cemi-
erio iogle, cass grande lo p da igreja.
Criado.
Precisa-ie de am criado capis e fiel para tra-
tar de cavallos e trabalhar de oxida no aillo,
dando garaotia para saa conducta : dirija-ae ao
Corredor do Biapo no sitio com porio de ferro.
Desappareeao no dia SI do correnle, doa
Remedios, um carallo eaatanho, de aegunda mu.
da, bem falto, teodo oa pea e as mios pretas, e
naa mios alguna cabellos braceos, e com o ae-
gainte ferro : quem delle tiver noticia, dirija-ae
a raa da lasperatriz ni 47, primeira aadar.
Preeiaa-aa d ama ama : no pitio do Tir-
so n. 12, legando andar.
Acha-se de novo completamente montado es-
te antigo estabelecimento e prompto a receber
oile.
celo e
barateza, harendo no eslaDelecimento interprete
para piaaageiroa ioglezes, francezea, beapanboaa
e allemiea.
Recobem ae pensionistas e alugam-'se qaartos
por semanas ou por mezas, garaniindo-se o me-
lhor servico poaaivel.
Tambem no eatabelecimento apromplam-ie
jantarea e almocos, aaaim como d-ae comida pa-
ra fora, envidando o dono do hotel todos os ex-
forcos para bem agradar aa pesaoal, que o bon-
rarem com aa sua freguezias.
No intuito de preencher urna lacana lio aen-
sivel a ama capital Uo commercial como a do
Recife, nio ae pduparam daspezaa e exforcoe.
aflm de ser collocado o hotel inglez no bora p,
em que aa acha. Agora s a animacio do pu
blico poder fazer medrar um eatabelecimento j
lio reclamado pelaa neceaaidadea commerciaea
da nona praca.
*
O bacharel Witrutio po-
de aer procurado na raa
Nova o. 23,sobrado da es
quina qae volia para a
camboad Carmo.
I
Antonio Cesario Moreira
Dias, faz sciente ao respeitt-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, qu mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n 3% e est venden
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora
churu bo e salitre e aftianca a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
Gasas para alugar.
Segundo andar da casa n. 1S da ra do Encan-
tamento, loja n. 33 da roa do Vigario, com ar-
micao para taberna : a tratar na rna da Cadeia
do Becife n. 33.
^a* svasi ^'aH*aBr aVaaV aFanaaj VaT*! iijl tsrfJTW ^nii uau|
816Hua da Cruz16g
O Dr. Rocha Bastos
d consultas lodos01 din.
Cura radical e em pouco daa moles- M
Usa ayphililicas e dos orgaos genito un- *o
narios. Jf
Conaultas de grs$a daa 8 as 9 horaa da %
manhia. S
ra do Apollo n. 28, saca
tugal.
Nova aula particular de
primaria do aexo masculino
Cidria Velha n. 52.
instrucc.ao
na ra da
Aluga-ae asa aotao na ra da Palma, urna
grande loja na ra Velha, e trea casiohas no Cho-
ra Menino, propria oara carroceiroa : a tratar
cora Jos Higlno de Miranda.
Doaingoa Pereira vae a Europa e deisa por
seua bstanle procuredore era primeiro e se-
geod j lagar .us manos Luiz Antonio dos San-
toa Paraira e Joaquim Pereira dos Sintoi a en
terceiro Jos Bernardo Penis.
S
i
1
I
Ao commercio.
O abaixo inignadoi fazem publico qae por
d alao acoordo e voluntaria resolucio de am-
boa diasolveram amtgavelmenle no dia 24 de
abril prximo paaaado a sociedade que gyrou
nesta praca em negocio de ferragem na ruada
Cadeia do Recife o. 66 A, aob a raiio de Vi-
dal & baatos. Arma que Oca dissol'ida, fican-
do deonerado a todaa aa tranaaeces e aera
mala coosa alguma na casa o ei-aocio Antonio
Joaquim Vidal, e liqaidatario possuidords caa
de or em diante o es-socio Joio Carlos Baa-
tos Ollveira que continua o negocio por aua
propria anta. Recife 21 de malo de 1862.
Antonia Joaqun Vidal. Joio Cirios
sr
Aluga-se o sobrado da travessa do Pires,
em o qual moraram os Illms. Srs. desembarga-
dorea Figueira de Mello e Gitirana : na ra da
Senzala Nova n. 30.
O abaixo assignado d 505000 a quem lhe
achar dous cavallos que lhe furtaram do engenho
Pacas, freguezia de Agua Preta, na noite do dia
15 para 16 do corrente mez de maio de 1862, com
oa igoaes S'guitites :
Um rugo, grande, com muita clioi a cauda, e
esta cachada, no queixo direito, no lugar da lan-
dre um ceroco, no pesclo acompanhando a goel-
la urna eapada romana, em grao, tendo a um, e
tem todos oa qualro cascos brinco?, gordo e bar-
rigudo, o ferro mais vizivel que tem um h.
Um dito rulado, lalhado, de bom tamaoho, nm
pouco sellado, com o cabello da dina e cauda
bronco e prelo, no cabo pela parte de dentro tem
am lubiobo oa caroco, e em cima da anca em
um lado e outro tem sigoaes de maca quaai
ignae, queae toroam confiedlos, porque o ca -
bello maii prelo, capado, gordo, e tambem um
pouco barrigudo, lera andares : quem oa achare
oa levar ao dilo engenho. ou no Recife, ra nova
de Santa Rita, ahi receber a gratiflca;ao cima,
e ficar-ae-lhe-ha muito obligado.
Franciaco Botelho de Mendonca.
Escrava fgida.
No da 16 do corrente fugio ama ecraa de no-
me Antonia, cabra, cabello annelados, meio
agallado, estatura regular, ebeta do corpo, com
falla de dentee na frente, ps grandes, um pouco
aberlos, representa ter de idade 40 annos, pouco
mais ou menoa, levou no corpo Teattdo de chita
roxa, camisa branca, chales braoco; roga-ae as
autoridadei policiaei, capiles de campo, e nats
pessoae era geral, a captara da dita escrava, e
traze-la oa raa larga do Boaario a. SI, fabrica de
cigarros, aue se recompensa com generosidade
Proieta-ae contra quem a tiver oceulta.
Pede-ae aoa Sra. Jos Mendos Rodrigan
Cempello, Francisco Xavier Carneiro da Cunha,
o favor de apparecerem na taberna da roa doa
Martyrios n. 36 a negocio.
Precisa-ae de 400 a 600} a premio por oiio
mena, dando-se para garaotia penhoreade ouro
e praia : quera convieranoaBcie sua morada por
este Diario para ser procurado.
Alexandr Jet da Silvi. Portoguez, ngue
para o Rio de Janeiro.
Compra-se urna mesa elstica de
ana relio, en vemisada e com pouco uin :
a tratar na ra dos Guararapes em Fo-
ra de Portas, sobrado n. 26, ou se an-
nuncie para procurar-se.
Compra se urna preta que n5o se-
a de ra e quesaibacosnhar e engom-
mar com alguma pereicao: na ra da
Imperatriz n. 66.
| Compra-se um relogio de patente io- A
f glez em segunda mao e d-ae prefe- ^
* reocla aendo dscobarlo : na ra do 1
| Queimado o. 28. P
i
r.
Compra-se um prelo de meia idade, de
bnni cosiamea e proprio para sito, urna eacrava
qae saibi coaer e engommar bem : sa ruada Ca-
deia Velha n. 35.
Comprase urna prensa de aparar papel:
na roa da Santa Cruzn. 14, ou aonuncie.
Comprara ae.moedaa de ouro : na ra Nova
n. 22 loja de relojoeiro.
vinda.
A vender.
Urna victoria em bom estado e am lindo ca-
briolet novo ambos com arreios : para ver e tra-
tar ra Nova n. 59, cotbeirsrde P. Eduardo Bout-
geoia.
A banba fina,
em copos graodea, chegoo para loaj d,aguia
branca, raa do Queimado n 16-
Atten^ao.
Vendem-se daaa carrocas en bora.nand
doua boia proprioa para todo o ansio : na taberna da ra daa Florea de Victorino do Al-
meida Rabello. ha m* .
Vende e ama caaa terrea no Peca Pa-
nella, em chio proprio, commodes. para gasead "
familia, frente para o rio Caoibanbe : qoesa -
leoder, dirija-ae a raa Nove n 47.
Vende-se a caaa da eaqoina da raa da.Gna-
ceico da Boa-Vista d. 47, 3m mMWrUfKK/f*
quem a pretender, dirijs-ie a ra do Caofafl o.
,0,,, Feijo superfi#r
Na tas do Vigmrio 10, aeasno, Um par
'ie vender mullo aupeiior eijio. .


f
0*4*1*1^MUMW1G0 MULTA fBUU 90 JK MAiO Bft tfe
A 5o covado.
Panno loo maito bom cor de rap, fazenda
que val 7f: na rna do Queiaudo n. 47.
Vndese urna preta de bonita fi-
gura que engomma e cotinha com per-
feic: na ra da Imperatriz n. 66.
4 boa fama
vode gollinhas e pnnhos com boloes para se-
nboralaeenda mullo boa, e pelo baratsimo pre-
coi dT|: na na do Qaeimado n. 35, loja de
miadezas da boa lama.
Atlenco ao vigilante
Na ra do Crespo n. 7, loja que
foi do fallecido Joo Ceg,
est torrando por todo o
preco.
Coraes.
Oa verdadeiros floi de corsea redondoa aaaim
eomo raz, pola o maia superior que tem i iodo
ao mercado : a no ?igilante ra do Greapo n. 7.
Micanga ou continhas.
Mieaaga ou continbaa de muito lindaa corea a
140 ra. o macinbo : a no vigilante rea do Cres-
po a. 7.
Continhas do Rio.
Continhas doaradinhas miada e groisa proprio
para polcelraa das quaea ae ealio nzindo muito
por ser ultimo gosto, a 240 ra. o macinbo, asaim
como aljoir b.anco e de cor a 300 rs.: s no
vigilante roa do Crespo n. 7.
Lencos braucos para algibeira.
Anda ae rendaos lencos brancos Anos para al-
gibeira pelo baratiaaimo prego de 29400 a duzia :
na loja da boa f, na roa do Queimado n. 21.
Mei-s para senhora.
Vendem-se meias finas pars seobora pelo ba-
ratissimo prego de 39600 a duzia : na raa do
Qaeimado n. 22, oa bem conbecida loja da
boa la.
Peanas d'aco.
*JtZJ'Ttiti"' D,n" lnle" caligraphicaa a
1#400 rs. a caixinha : s no vigilante ra do Crea-
do n. 7.
Banhas ou leos e cbeiros.
A superior banba transparente a 900 rs. o
irasco.
Dits em latas de folhade meia libra a 500 rs.
Dita em Iatinbaa de quarla a 320 ra.
,er,1,diro oleo da aociedade hygienica a
900 ra. o frasco.
Dito macasear e muito fino em irasco peque-
o a 1|600 a dazia.
A verdadelra agaa de colonia frasco grande s
900 rs.
Ditos pequeos mesmo em garraGnhas i 400 rs.
Ditos com superior agaa de flor de laranja fras-
so grande a 400 rs.
Dito com ezcellente agua celeste frasco gran-
de a lf.
iJ?'l fr,81u'n'10 pequeos com vinagre rug a
400 rs.: s no vigilante roa do Crespo n. 7.
Para conservar den tes.
Oa verdadeiros pos da sociedade bygienics pa-
ra denles em frasquinhos de vidro o maia supe-
rior que tem apparecido pelo baraliasimo preco
de 1| o frasqainho, assim como em caiziohas
qasdradiohaa a 200 rs.: s no vigilante ra do
Crespo n. 7.
Gollinhas e pulceiras.
Lindas golliobas e pulceiras de miganga pelo
baratissimo prego de pulceiras o gollinhas 3fl.
pulceiras a 2 e gollinhas 15 e 19500: s no vi-
gilante ra do Crespo n. 7.
Sestmhas
Saatinbas muito lindas com seus pertences pa-
ra menino 3} e 49. assim como iodiapensaveis
ae cootiobaa ou miganga proprioa para menina
lX*ZOr do brujo com lociaho pelo birtliisimo
preco da lf s no vigilante raa do Crespo nu-
mero 7.
Tinteiros.
Tinteiroa proprios para menino de escola ou
meemo para quem os q tissimo prego a 500 ra.: s no vigilante ra do
Crespo o. 7.
mmmmwimm vtoKvntmu
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DE
BASTOS & IEG0
Na ra Nova junto a Gon-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm ande variado sorllmanto de
roupas le tas, calgados azendas e todos
estes sevendem por pregos muito modi-
ficados como i de sen costume.aasim como
sejam sobracaaacoa de auperorea pannos
e casacoa feitos pelos ltimos figurinos a
269,28J, 80 e a35, paletota dos mesmos
pannos preto a 16J, 18|, 20$ e a 249,
ditos dt casemira de cor mesclad o e de
novos padrea a 14. 16, 18. 20 e 24,
ditoa aaccoa das meamas caaemiraa de co-
rea a 9, 10. 12 a a 14, ditos relos pe-
lo diminuto prego de 8, 10, e 12$, ditos
de sarja de seda a sobrecasacados a 12,
ditos do merino de cordo a 12, ditos
de merm chines de aparado goato a 15,
ditoa de alpaca preta a 7, 8, 9 o a 10,
> ditos saccoa pratos a 4, ditoa de palba de
oda fazenda muito auperior a500, di-
tos de brim pardo a da fustao a 39500, 4
a 49500, ditos de fustao branco a 4,
grande quantidade de calcas de casemira
preta e de corea a 7, 8, 9 e a 10, ditaa '
pardas a 3 e a 4, ditaa de brlm de corea
flnaeatl500, 3, 3500 e a 4f .ditsde !
brim brancoa flnaa a 49500, 5f, 5500 e a
a3ea3500,ditos dabrim lona a 41.
ditoa de merino para lulo a 4 e a 49500,
calcas de merino para Uto a 41500 e a 5f,
capas da borracha a 9. Para moniooi
de todoa os tamanhoa: caigas de casemira
pretaeda cor a5|, 6 a a 7, ditaa ditaa
da brim a 2J, 3 ea 3500. paletota sac-
eos de caaemira preU i6fai 7, ditoa
da cor a8 a a 7f, ditoa de alpaca a|3,
eobreeaeacos do psnno preto a 12 o a
14*, ditoa de alpaca preta a 5, boneta
para menino de todaa as qualidadea, ca-
misas para meninos de todos os tamanhoa,
molos ricos vestidos de camorata fettos
Kra meninas de 5 a 8 annos com cinco
bados lisos a 8 a a 125, dito de gorgu-
rao de cor e de lia a 5 e a 6, ditos de
brim a 8, ditos do cambraiaricamente
bordado para baptieados,e muitaa nutras
faitndas a roupas taitas qaa deixam do
ser mencionadas pela sua grande quantl-
~"; ssioacomorocebe-setoda equal-
** 'ne*SBonda do roupae para se
; t",aB,clf a.qaa pera ests fim
Potassa da ftussia
Veode-seemcaia deN. O Bieber 4
C, successores, na da Cruz n. *
80
40
10
200
720
720
40
200
1#000
120
10
240
160
160
200
800
500
320
600
320
500
900
1000
800
500
100
800
60
20
30
240
1*000
Sapatos de bor-
ra cha.
A 1. 11500 e 25 o par, sgulhas Victoria a 120
rs. o papel, lamparioaa economices a 100 rs. a
caita, earteiras para eacrover a 14$ e 16, caixaa
para coalora a 8f 16f, grma francesa econ-
mica a 640 o pote, facas americanas psra mesa a
oo 7a duzia, meiaapara aenbora, bomem, me-
ninaa etc. por todo o prego, braceletes de cabello
com pedra roa e amarella a 5 cada um : s
na na ras do Queimado loja Esperanga n. 33 A,
Guimares & Rocha.
W9M*
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55 loja de miadezas
de Jos de Azevedo Maia e Silva, esta vendando
todaa as miudezaa baralissimas, a aaber :
Papis de agulbas a balio muito aupe-
rorea a
Caixaa com mullo floes obreias a
Cartes com clcheles, tem algum de-
feito a
Frascos de mscasa perola muito fino a
Caixinbaa com papel pequeo de diver-
sos gottoa a
Pacotea dito dito dito a'mizade a
Novelloa de linha de Crux a melbor
que ha a
Caixas com agulbas curtas de saperior
qualidado
ntremelos, a peca com 3 va raa 1,2 a
Sabonetes maito finos a
Papeia de agulbaa francezas com toque s
Pares de botes para puohos de muitos
modelos a
Pares de meias creas para meninos a
Ditos de ditas cruss para pequeo a
Ditos de ditaa para menioaa a
Frascos com agua de Lavando embreada a
Ditoa com cbeiros muito flnoa a 240 e
Ditos com banha muita Qna a 240 e
Ditos com superior baoha de ursoa
Ditos com oleo babosa maito lino a 240 e
Ditos com oleo do Rio muito superior a
Ditos com superior pbilocome a
Ditos com baoha pbilocome Qnissima a
Ditos com banha transparente a
Ditoa com superior agua di colonia a
Ditos com macaas (oleo) a
Ditoa com superior opiata a 500 e
Candes de lioba Pedro V, com 200 jsrdas a
Ditos de dito dito, branca de cores a
Carriteis de lioba com 100 jardas s
Masaos de linha frouxs para bordar a
Pentes de marflm de superior qualidade a
Rival
sem segando*
N'i raa do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, loja de mludezas de Jos de Azevedo Maia
e Silva, est qoeimando ludas as suas miudezas
pelos pregos que abaixo se declara, poia a qaadra
boa para apreciar :
Duzia de metaacraas maito encorpadasa 2400
Dita de ditas brancas maito boas a 1600
Dita de ditas cruas muito Unas a 45090
Dita de ditaa brancas para aenbora, mui-
lo flnaa a 35000
Carriteis de relroz de todas as cores a 280
Crotaa depennaa de ago de todas as quali-
dadea a 5qo
Dita de ditas caMIgraphicas 1600
Nvelos de linha muito grandes a 60 e 120
Caixas de agulbas perfess a 160
Baralhoa portugueses a 120 e 160
Groza do botes de osso pequeos para
caiga a 1S0
leaourae para unbas maito superior qua-
lidade a 400
Ditas para costura maito Qoss a 400
Ditas pequeas porm Anas a 200
Baralhoa francezea muito flnoa a 240
Agulheiros com sgulhas superiores 80
Caivetes de aparar pennaa de 1 folha a 80
Parea de sapatos de 1 ranga de la a a 11280
Cartas de alflnetea franceses a 100
Parea de lavas brancas de algodo a 100
Escotas para limpar dentes muito fi-
nas a 200 e 3Jo
Massos de grampos de todas as -quali-
dadea a 40
Dedaes com fondo de ago a 100
Caixaa com colxetes francezes a 40
Tinteiros de vidro com tinta a 160
Ditos de barro com tinta auperior a 120
Areia preta muito Una a libra a 120
Labyrintbo por todo prego.
Vara de franjaa largas brancas a 200
Pides de nova invengao para meninos a 200
Linha branca do gaz pelo prego j sabido que
10, 20 e tres por dous, e outraa muitaa miudezaa
que vista far ( pelas suas boas qualidadea e
pregos eoto nao fallemos.
Queijos
os maisfrescos que tem viudo ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
20400 e no passado a 1#800.
Amendoas
confeitadas a mais bonitas que ba no
mercado a 800 el# a libra : vndese
nos armazens Progressista e Progressi-
vo no largo do Carmo n. 9 e ra das
Cruzesn. 36.
Rival
sem igual.
Miudezas e rap.
Ra larga do Rosario numero 36.
La da cores sortida*. libra a 68400.
Sinloa dourados a I96OO.
Ditoa ditos com ponas a 3500.
Agalbas francezas curtss e compridas a 60 rs.
Ditaa cantofas a 120.
Pentes de messa para alar cabello a 500 rs.
Ditos da dita idem (dourados) a 1200.
Carreteis de relroz de cores a 320.
Escovas para cabello muito boas a 800 "l.
Cartas de alfloetes a 80, 100. 120 e 140 ra.
Escovas para unbas muito boaa a 320 e 500 rs.
Franjaa pretas com vidrllho a 320 e 400 rs.
Trangas pretas com dito a 240.
Bicos pretos muito bons a 180, 240, 320 e 400
ris.
Carreteis de linha a 30, 60 e 80 rs.
Enfeites de relroz com franja a 5300.
Meias para senhor (duzia) a 28500..
Ditaa crasa para homem a 2400 e 3.
Teaouras ordinarias a 30 rs.
Franjaa de la estreitas (pega) a 900 rs.
Sabonetes de bola finos a 640.
Frascos de diversos cheiros a 320.
Linha de Pedro Va 30 rs.
Boloes para casafeqne a 20, 30 e 40 ra.
ape Paulo Cordeiro (verdadeiro) a I96OO.
Dito dito fino a 1|280,
E outraa muiUs maia miadezas que com a pre-
senga do bons freguezes se venderlo baratas
Papis com estallo
psra sortee, francezes : oa ra da Cedis do Re-
cite n. 15, a 500 rs. o cento.
Verdadeiros de espuma e superiores charutos
do Rio de Janeiro, Baha e Harina ; na ras ds
Cedis do Recife n. 15.
Meias de ti compridas, as melhorea qne
tea indo so mercado : na loja da rus do Quei-
mado a. 46, de Goes & Bastos.
0' que pechin-
cha,
dos verdadeiros qaeijos do Serid de superior qua-
lidade, como a maito lempo nao vem a eate mer-
cado, e pela grande porgoque temos reaolvemos
a vender pelo diminuto prego de 500 rs. a libra,
460 ioteiros, e em porgo faremoa abalimenlo :
no estsbelecimeoto ds ra eslreits do Rosirio,
esquina da rus das Larangeires n. 18.
Attenco.
Vendem-se muito bons violes pelo diminuto
prego de 6, bordoes psra ditos a 120 rs.. ditos
para rabeca a 80 rs., cordaa de tripa a 40 rs. : na
ra da Imperatriz, oelr'ore aterro da Boa-Vista,
loja de miadezas n. 58, junto a loja do rasgo.
Venda de um predio.
Vende-se s csss terrea sita no becco da Vira-
gao n. 27 com sais de frenie, dits de jantar, duas
camarinhea grandea, celo ha fora, um grande
quintal com cacimba no centro, um solio com
duas ealaa e ama alcove, vareada para o quintal,
e janellaa para a frente, um segundo solio com
janellas para todos os lados : os pretendentes
podem dirigir-ae e mesma a qualquer hora, que
acbario com quem tratar.
Vendem-se urnas travs do mangue, de 30
a 50 palmos de comprimeoto : a tratar na rae
do Queimado o. 65.
Vende-se s preetages annuaes o engenho
Sania Croz, sito na freguezis da Luz, a margem
do rio Tapacuri, distante desla capital seis e meia
a 7 legoas, lendo trras da maior produegao para
3.000 paes annuaes, boas malss e todas as obras
precisas para locrar-ae, bons lavradores, dous
cercadrs ; e tambera vende-se, no caso de convir
ao comprodor, ama boa safra criada : a tratar no
meemo engenho, oa na rea do Livramento n. 36,
aeguodo andar.
*
meias tnoendas.
ferro batido e
Moendas p
Taixas de
cosido.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Rrum n. 38, fundicao
de D. W. Rouman.
JNo duvidem que na ra*
{ do Crespo d. 17, loja de
Guiinares pesi
'Vejte-se urna senhora dos
ate a cabeca.
Principiando pelos chapeos de palba a
Garibaldi e cbapelinaa de palba de Italia
oa mais superrores que tem vindo de
Frange.
Manteletes de gros bordados, capas e
casacoes a Lulz XVI, sedas de cores e
moireaotiques pretos e de cores e aca-
bando pelos respeitaveis baldea de crox
e de musselioas e que vendem baratis-
simo. Senhoras fregaezas a vista faz f,
mandem ver.
S
I
i
%
X
Na ra da Vigario n. 10, arma-
zem tem para vender por precos m-
dicos o seguinte:
Superior vinho do Porto em barris de &
Dito dito dito engarrafado.
Cofres de ferro prora de togo.
Algodao trancado da fabrica da Baha-.
Bataneas decimaes,
Carneiras inglezas para selim.
Pregos caixaes e enxadas portuguezas.
Cal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
do deposito da ra da Gadeia
do Recite n. 12, mais barato
do que em outra qualquer
parte.
Novo sorlimento de a-
zendas baralissimas,
NA
Loja do Pavorua da Impera-
triz numero 60.
DE
GzVMLrY & SILVA.
Vendem-se as segaintes fezendes por pregos
baratissimo a6m de apurar dinheiro : capas
snissas a imitago de sedas de quadrinhos sen-
do de todas as cores e corea muito fizas a 200
rs. o covado, brilhantinas de quadrinhos muito
eocorpadas para vestidos de seobora e roupas
para meninos sendo muito maia larga que chita
a 200 rs. o covado, gorgurao de linho fazenda
muito nova para vestidos a 280 rs. o covado,
musselioa branca com 4 1|2 palmos de largura a
200 rs. o covado, graude o variado sorlimento
de cassas para vestidos sendo-os padre moder-
nissimos e as corea fizas a 280, 300 e 320 rs. o
covado, chiles francesas de cores fizas escuras e
alegres a 240. 260. 280. 300 e 3.0 rs. o covado
chita inglezas a 140.160 200 rs. o corado!
cortes de cassa tendo 7 1]2 varas cada um' a'
2400r., corles de organdys com barras tendo
2 vara cada corle a 5>, cortea de bareges com
22 covado s 59. ditos com as saias fetas a 5#,
laazinhaade cores a 280 rs. o covado, de todas
esta fazendaa dao-se as amostras deizando e
penhor na loja e armazem do Pavo, de Game dt
Silva, na raa da Imperatriz n. 60.
M&dapolodo Pavo.
Vendem-ae finisaimas pegas de madapolocom
24 jardas a 4500. 498OO, 5. 5g500 e 6>. ditas
francezes eofeetadaa com 14 jardea a 39 : na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavio de Gama &
Silva.
Lisa320 rs.
Vendem-se modernsimas ISazinhas com pal-
mas a 320 r. o covado: na ra da Imperatriz o.
60, loja do Pavo.
O Pavo vende a A$.
Pegaa de cambraiaa de corinhoa brancoa e de
todas as cores leudo 8 lit varas a 49 : na roa da
imperatriz o. 60, loja do Pavo.
. O Pavo vende
cortes ue csmbrsis maito fina com dona babados
o duas saias sendo delicadamente bordados a
49, ditos sendo lodos adamaacadoa a 49, cortes
de phaotasia fazenda finissima a 6f, ditos a 49500
e 59 : na ra da Imperatriz o. 60, loja arma-
zea-sao Pavo de Gama & Silva.
Panno preto,
Vende-e panno preto muito encorpado a
IfOOO, 19800 e 29. e dito cor de caf.: na raa di
Imperatriz n. 60, loja do Pavio.
Chales do Pavo.
Vendem-se chale de merino eatampados mul-
te grandes** 89. ditos de caasa adamascada a 800
rs.: na rus da Imperatriz n. 60, loja o armszem
do Pavio dt Gama A Suva.
Paletots e calcas.
Vendem-se paletota de panno preto fino a 69,
calgea de caaemira preta a 49500. paletsde farjev
de cores a 69, caigas de dito a 3f5O0 : oa rus da
lmperstriz n. 60, loja do Pavio.
As seroulas do Pavo.
Vendem-se seroulas de linho frencezss a 29 o
CHALES.
Grande pechincha na loja do
Pavo
Vendem-se os mais ricos chsles com pona re-
donda e borlotsi tendo as barras a imitago de
pelucia e assetinadss imitando as cspinh>a mais
modernas pelo bsralissimo prego de 49500, ditos
de 4 pontss s 49500, ditosa Garibaldina sendo
maito grandea a 59: na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavio do Gama & Silva.
Saias bordadas a 2,0500.
Ifn ** "i" bordadae maito bonitas a
29500 cada ama: na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavio, de Gama & Silva.
Bales do Favao.
Vendem-ae baldee de bramaote (ranees com
arcos, sendo as melboresarmagdes, pelo diminu-
to proco de 39 a 3|50O: na ra da Imperalrii n.
60, loja do Pavo, de Gama & Silva.
Saias com arcos de linho,
Vendem-se as acreditadas saias com arcoa de
linho que fazem aa vezes de balo a 8f20O e a i$
cada m, estas saias s ha na loja do Pavo, raa
ds Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama &
Silva. /
Para meninos a 4^500
Vendem-se vestidinhos de seds para meninas,
maito bem enfeitados, pelo diminuto prego de
48500 cada um : na ra da Imperatiiz n. 60, loja
do Pavio, de ama & Silva.
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinba com golliohas e manguiloa de cam-
braia bordados, fazenda muito modernissims s
59000.
Ditas de fuatao com salpicos de cor a 39000.
Golliabas bordadas com botozinhos s I9OOO.
Ditas ditas de gostos a 640 e 800 rs.
Ditas com manguitos de cambraia bordados a
1J600.
Manguitos de cambraia fina bordados s 1$000.
Gollinhas bordadas a 240 rs.
Romeiras de cambraia enfeitadaa para lato s
35000.
Gamiziohas para senboraa bem enfeitadasa 3$.
Lescinhoa de linbo com labyrintbo para mo
a 29500.
Ditos a imitago do labyrinlho a lj) e a 19280.
Lava de torgal enfeitadaa de vidrtlbo a 5Uu e
e 640 rs.
Eofeiles pretos com vidrilhos a 89000.
Ricos eufeites a turca e Garibaldi a 5|500.
Ditoa muito bonitos a 29500 e a 39500.
De ludo do-se as amostras ficando penhor: na
loja do Pavo, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Papel de todas as qualidades.
Vende-sr'a 49400 de quadrinhos, ditos pauta-
dos s 35600, dito almago pautado a 4/ e 49200,
dito greve a 4(600. em caizinhas de diversas co-
Caixnhas e cabazes para
as meninas razerem
no bra*?o.
Muito lindas caizinhas e cabazes psra meninas
do 100 ris sl 29500: oa loja da Victoria, na ru
do Queimado n. 75.
Enfeites para senhora.
Oa melhorea enfeites pretos e de cores que ap-
parece a 59500, 69 e 6S500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricos sorlimentos de franjas pretas e de cores
com vidrilboe sem elle : na loja da Victoria, na
rea do Queimado n. 75.
inhasde peso verda-
deras..
l.inhas finas de peso verdsdeiras, meada
grandes a 240 ri : na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Phosphoros de seguranza
Phosphoros de seguranga, por que livra de in-
cendio, a 160 ri a caiza : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Balelaa muito grande e boas a 160 ria urna :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho
Ae melbores liohas de croxel para labyrintbo,
novellos monstros s 320 ris ur : na lo|a ds Vic-
toria, na raa do Queimado n. 75.
Kicos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegou para a loja da Victoria urna peqaena
porgo de ricos espelhos de varios tamanbos para
ornamentos de salas, afflangando-se serem o
melhores em vidros que tem vindo : na loja da
Victoria, oa ra do Queimado n. 75.
La para bordar,
La muito boa de todas as cores para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, na ra do Quei-
mado o. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindos sinlos dourados pars senhoras a 2-200,
ditos de pona cabida a 49, ditos de fita a I06OO:
na loja da-Victoria,na ruado Queimado o. 75.
Liohas do gaz.
Caizinhas com 50 novellos de liohas muito fi-
nas do gaz a 900 ris s caixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
Blovi.ids -da' ArMM^Pn
S na grande exposi$o de
fazendas baratissimas
na ioja e armazem da
Arara, ra da Impera-
triz n. 56, de Maga-
lhes Mendes.
Vende-se o mais bsrato possivel s aaber: lis-
r?i Po veslldoi de senhor, o roups de me- r
nioos a 320 rs. o covado, la chineza de um* s
cor propna pira cape* da moda com 4 o mel
palmo de largara a 610 rs. o covado, fusilo de
cores para vestidos de senhoraa r280 e 320 rs.o
covado, cassas a Tarca multo fina a240e80rs.
o covado : na ra da Imperatriz loja da Arara
n. 56.
Arara vende as cambraias.
,"dem-se pegas da cambraias lisas a I96OO e
28C0O, iias Gnas a 29500, 39000, e 3$5O0, golli-
ohaa para senhoras a 500 r. gila e manguitos
UhvHBh.w' a7*2fc '"S" branco <*ilcaode
labyrinlho a 18600: na ra de Imperatriz loja e ar-
mazem da Arara o. 56.
As saias da Arara.
Vendem-se saias brancas bordsdas s 29W.'**>
ditas de 4 pannos a 3J e 3J500, cambraias deca-
rocinlros com 8 e meia varas e 49 s pega, cortes
dechilaa finas com 13 covados a 29500 : na na
da Imperatriz loja e armazem da Arara o. 56.
Arara est vendendo.
Vendem-ee peges de madapoln elepbante
V*?J"i C/.oin i0 >t" a 14*> dit0 de 24 jardas
? 4900, 49600. 59OOO. 59500 e 6*000. dilo in-
I 3*' co,,es de c">braia com barras a
25500: na ra da Imperatriz loja da Arara
o. 56.
Arara j vende as roupas.
Vendem-se palitots de panno preto a 69500 o
ojO, ditos de casemira de coree a 1O9OOO cel-
gee de casemira preta a 49500. ditaa rfe ce'res a
5S500, palilots de alpaca a 35500 e 4SO00, ca-
rnizas francezas a 1}600 e 29000, seroulaa de li-
nho a 196OO e 2J, collsriohos de linho a 500 ri.
na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende as capas.
eJ^^^'0" P'ffeitemente modernas a
69000 e 109000, manteletes de grosdenaple pretas
mull0,.^erD0' 258000 e305O0O, chales de
laa a IJOOO, ditos de la e seda a 29000, ditos de
merm a 29500 e 49500 ditos 'do crep de ponte
redonda a 75500 e 89: na ra dalmperalriz loja
da Arara n. 56.
Arara \ai liquidar sua casa,
porque quer ir passeiar.
Vendem o maia barato possivel para acabar.
41
lit
dito greve 45600. em ceizinhas de diversas co- i vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
res a 640 el9, dito braneo pautada a 800 ra,, ao- | a 700 ris, brsncaa e pretas: na loja da Victoria,
velopes de cor a 640, dito branco a 900 rs. : na na ra do Qaeimado n. 75.
Candieiros de gaz
loja do beija-flor, ruado Qaeimado n. 63.
Ricos cintos dourados;
Vende-se a 29 e 29500, ditos de fita a 18600,
fita pera debranhoa de collete a 280 a pega, tiraa| "? 5"" J". Yicjoria os lhores
bordedes a 19 a 19200 ; na loja do beija-flor, ra "I'*18 de gaz que tem vindo ao mercado, por
do Qaeimado n. 63. ?rei08 ommodos_: na loja da Victoria. 1
Vendem se tesoura finas para costura a
19, dita para anba a 640 e 800 rs., ditas finas s
900 rs. a dazia, pentea oe travessa para menina a
61O : na *^
mero 63.
Vendem-
hida o lado
de Peri, po1
raa que deis
guante, raa
do beiia-flor, ra do Queimado ne-
is para senhora.
. riqaisaimos sin tos com borla ca-
iio cb'que, aendo o ultimo gosto
parece-me que nao horer aeoho-
de comprar : isto a no gallo
> Crespo o. 7.
jneites de cabeca.
Vendem-se toa riquissimos enfeites, tanto com
franje como sem ella, por baratissimo prego de ,
295OO, 39 e 59: s 00 vigilante, ra do Crespo .
numero 7.
Linha de peso.
Vendem-se as verdadeiraa linbss de peso, o
mais fino que se pode encontrar a 2J500 o mas-
sinho de 30 miadiohss, sssim como de outras
qualidades : s no vigilante,
mero 7.
Vendem-se msotinhas de corsl a $, 29400,
e flos de coral a 720, masaiohos de contas mia-
dinhas de diversas cores a 140, caixlnbas de alfl-
oetes a 200 rs. e 240: na loja do beija-flor, rae
do Queimado o. 63.
Vendem-ae lu vas de pellica da Jonvin bran-
cas para senhora e homem, thegadas 00 ultimo
vapor : oa loja do beija-flor, ra do Qaeimado
numero 63.
' Vende-se cascsrrilha de seds de todas
core a 25 e 25400 a pega, linha de Pedro V a 20
rs. o csrto, grvalas de seda estreitinhaa a lf :
na loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendem-se ricos enfeites a 59 e 59500, di-
tos de vidrilboa I96OO, aderegos pretoa a 29500,
rosetaa pretas a 160re. o par, gollinhas pretaa a
800 rs. e lf : loja do beija-flor, rea do Queima-
do o. 63.
Vendem-se earteiras proprias para guardar
dinheiro de ouro e prata a 18 e 19200, esporas
finas de ago a lf, bandeijas de lindos desenos a
18500, sioluro de borracha a 200 ra. e 240, ben-
galas de canoa a 29 e 29500, chicles finos a 29
e 29500, de estalo, ditos sem ser de estalo s
640. toucaa de la para mecios a 19, sapatiohoa
de lia a 800 rs., ditos de merino a IfOO : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendem-se penies de tartaruga virados a 8
e a 99, carretel de linha de 200 jardea a 940 a
duzia, clcheles de diversas qualidadea a 40, 60
e 80 rs., ditos bordados a 100 rs., massos de
grampasa 40 e 80 rs., ditos em caizinhas a 120
r*. : na loja do beija-flor, ra do Queimado nu-
mero 63.
Vendem-se loucadoresde jecarand a 2$200,
ditos brancoa a 29, caizinhas com espelhos para
navalnes a 29 e 21400, colherea de metal princi-
pe para sopa a 48600, ditaa para cbi a 28100, con-
cha para assacar a 640, orulos fios a 400 rs.;
na loja do beija-flor, ra- do Queimado n. 63.
Vendem-se caivetes finos a 800 rs., caba-
zes pira meninas de escola a 3, 4 e 59, carteiraa
com agulhas franceza s 240, caixas de pennas
de ago a 500 rs., meias para senhnra croas a 240
o par ; na loja do beija-flor da ruado Queimado
numero 63.
do Qaeimado o. 75.
Ricas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
A loja d'egola braoca acaba de receber um ex-
traordinario sor ti a-, en lo de ricas filas, tio boas
em qualidade quio bonitas nos desenhos, lendo
entra ellas o mais largo que possivel ; asaim
Vj_ como algumaa pega brancas com o centro liao
proprio para intcnpges, e muitas outra de de-
ferentes cores como de cal, rxs, escura, etc.,
etc., e como de sea louvavel coslume : a loja
d'aguia branca, oa ra do Queimado o. 16, ven-
de por prego commodo essas boaa e bonitas fitas
Grava tas de setim com
ponta larga a 1#
Vendem-se grvalas pretas de bom setim e
1 ponas largas a 18 cada urna, to baratas
do Queimado, loja d'a-
ra do Crespo nu- S(sim s se acba oa ra
1 guia branca n. 16.
Allenca! altenfao!
Aos pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja o. 20 da ra da lmperstriz scha-se s
venda um completo e variado sorlimeolo de boas
fazeodas, e que i vista de suas qualidadea ao be-
ratissimamente vendidas, e para mais varacidsde
do que ficadito, abaixo vo mencionadas algamas
das ditas fazendas, a saber :
Chitas largas cor fixa a 240 rs.
Madapoln fino com 24 jardas a 59.
Cambraias de cores 280.320 e 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto e de cores a 29.
Lindeza de cores s 160 rs. o covado.
Lencos pequeos s 80. 120 e 160 rs.
Chapeos da castor fino s 89.
Chitas prelas multo largas e finas s 240 rs.
Algodo trangado preto muito bom para velli-
dos de eacravoi s 200 rs.
Cambraia lis. com 10 isrdisa lf.
Casss de salpicos com 10 ditss 139.
Cambraia bordada para cortinados com 8 Ts-
ras o 9/.
Vendem-se dous po'cos ingleses proprios
paracrlagio, que devana agradar muito a algum
eenhor de eogenbo, ou mesmo pira algiim sitio:
I* estrada de Joio de Birro, sitio defronte ds
Wats, psra tratar do tjaste.
1 Grande I
do g
liqoidacao por todo
o pre^o, na bem co-
nhecidalojadoSer-
tanejo.
Ra do Oneimado n. 4S.g
AppareQam com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escaras fins a 160, 180 e 200
rs., cortes de vestido pretos bordados a
velludo de custo de 1509 e se vendem
por 309,409, 509e 709.sahldas de baile
de velludo e setim a 129 e 139, camisaa
para seobora a 28000 e 38500, golliRhas
de cambraia bordadaa a 500, 600 700
800, 900 a 19. ditaa de 016 bordadas a 120
rs., casaveques de fustao a 59, 69.7f, 89,
meias de seda brancas e pretas para se-
nhora a I920O o par, liras de babados a
500 e 700 r., lias de quadro enfesladas a
300 e 360 rs. o covado, cambraia preta a
400 e 440 rs. s vara, orgsndys de cores a
600 rs. p vara, fil branco adamascado
psra cortinados e vestidos a 400 e 500
rs. a vara, cortes de colleta de caaemirs
bordados pratos a 29 e 39000. ditos de
velludo de cor e pretos a 39, 49, 59 e 69,
paletots de brim braoco fraocezes a
39500 e 49500. ditos de casemira de co-
rea a pratos a 149 e 169. ditos de alpaca
preta e de corea a 39,35500, 49 49500,
camisas de peito de linho a 29500, corta
de collete de aorgurio a 19500, 19700,
292OO, 35 e 355OO. colletea feitos de brim
brsnco a 29500, ditoa feitos de gorgurao
a 28500 e 395OO. ditoa feitos de casemira
a 35500, 45 e 45500, ditos de velludo a
59, 69e 79, ditos de fusilo de cores a
15500, um variado sorlimeolo de meias
para homem e senhora, grinaldaa com
flores, chiles de troco, espartilhos, e lo-
ds a qualidade de roupas feitaa para ho-
mem que ludo se vende por metade do
sea valor.
mm kmmink mmmmmM
Attenco.
3,800 Vs.
rAnfcLLUem grsndes saceos, chegido ltima-
mente, muito novo e bom a 39800 : em frenie
da slfsndega, no armazem do Annes.
Vendem-se seges ds oompinhia Peroam-
bucana : na prega do Corpo Santo n. 11.
Vende-at ama linda melatioba d7 tnnoi;
ds mi i, Impmtriz n. 80, taberna. ^'
hilas com pequeo loque de mofo" a 160 rs.
mpss a 200 rs. o covado dilaa largaa a 240. 260
280 rs. o coado, sao preta para lulo a 500 o
640 rs. o covado, cassa preta a 280 rs. o covado
zuaite para roupa de escravosa 160 rs. o covado
cortes de casemira prets para caiga a 39 e 31500,
e outraa milites fazendas que se do as amos-
tras : na ra da Imperatriz loja da Arara nume-
ro 56.
Palitos da Arara.
Vendem-se massns de palitoa finos psrs den-
tes com 20 massiDhos a 200 rs. para acabar: oa
ra da Imperatriz loja e armazem da Arara n. 56
de Msgalt-es & Mendes.
'VENDE SE
um clsrinto de d com maito pouco aso : na
ra nova de Santa Rila n. 40, das 6 as 9 1|2 da
manha.
Attenco.
Q
Chegaram de Pars para a coofeitaria da ra da
Cruz d 21 os maia liados papis para sortea, sem
nal nene genero, bem como amendoas confei-
tedai. as melhores que ezistem no mercado : re-
cebendo-se toda e qualquer eoeommeoda oar
bolos, sortes, etc.
Manteiga para os bolos de
8, Joao.
Vende-se no largo do Carmo, esquina ds roa
de Hortas n. 2, manteiga ingleza a 800 rs., 900
13120 e 15440, franceza a 710. e 800 rs. muito fl-
na, cb a 29560. 29880 e 39200. amendoas a 360
chourigas a 480, toucioho a 820. sag a 320, ligo
a 320, goma a a 120, librsde queijo do sertao a
720, e sendo inteiro a 640, queijos do reino a 29
um, cauao com 3 libras de doce de golaba a 640
viohos de lodaa as qualidades a 480, 560 e 640*.
? mA10 n0 a 80 rs engarrafado de 1J000 al
l&aOO muito fino, olt-o de ricino a 800 rs. a gar-
rafa, e em libra a 640, alelria a 400 rs. mecar-
lo e talharim a 320, graxa em latas a 19200 a
duzia, e urna lata a 120, banba de porco a 400 re.
a libra, e outros muitos gneros por commodo
prego.
Antes que se acabe,
Veodem-se queijos do sertao a 16 a arroba
defroute da matriz da Boa-Vista o. bB.
Vende-so um cabriole! de 4 rodas com B-
senlos para 2 e 4 pessoas, e bem assim ama pire-
Iha de cavallos rudados, ludo em bom estado
com arreos : quem pretender, dirija-se ao aillo
da Estancia, sobrado de dous andares, que acha-
ra com quem tratar, at as 9 horas da manhia,
ou das 4 da tarde em dlante.
Vende-se um bonito escravo oficial da
carpina, urna negra forte para lodo servigo, urna
oegrinha de 8 a 9 annos, um pardo forte de 24
annos : ni rus das Crozes n. 35, segando sndsr.
Sapatos de borra-
cha para senhoras a
1,500 o par.
Eslamos no mez Marianno, e por isso 4 de ne-
cessidade qne as senhoras que bem se applicam
a essa boa devogo se previnsm de um par d.e sa-
patos de borracha, para sssim lerem ps res-
guardados da hunaidade, e em stleogb a to jus-
to e louvavel fim. eslo se vendendo a 15500 o
par: na ra do Queimado, loja d'aguia braoca
numero 16.
Paredes Porto
temsempre para vender um completo e variado "
sorlimeolo de roupa feila por pregos muito com- I
modos : na ra da Imperatriz n. 48 junto a pe-
dera franceza.
Attenco
Coegou i loja de Paredes Porto, raa da Impe-
ratriz o. 48, junto a padarLe francaza, manteleta
pretos rice mente enfeitsdos a 12,16 e 259 caps*
prelas de grosdenaple para menina do 8 a'12 an-
nos, por prego commodo.'
Altenfao
para a ra do Queimado n. 43, esquina
que volta par a Congrega co.
Vendem-se saias balo de brilbsntioa a 39500,
4 o 49500, e muito grandes a 5f, ditas srrendo-
doi a 59, chita frarntota s 220 o cavado.
L
o vo
sortimento-4e cambraia dauezta do Oriean
520 a vara, orgsndys liso a 600 rs\ vara ; dfi
se smostras com penhor : aa raa oVHlaeslo
omero 43. >
\



------------_

- Ti M.BrtrtWkito 0,1.


tve
ARMAZEM PROGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
Largo da Penlia
Vende-se ueste armazem de molhados os melhores ge-
roi que veta a eite mercado e por manos 5 a 10 por canto do que em entra qaslqaer parto,
Saraaliado-se a boa qualidade, por iaso rogi-se a todos oaSrs. dapraea, de engeotao la?redores e
ifor de mandsrem suas encommendas ao armazem Prograaso, aflm de verem a dlfferenca de
preco e qualidade que fas, se fossem comprados em outra qaalquer parle.
BsVUaVtelg* lUg\ia ,je prjmaits qualidade a 800 e 1*000 a libra, e em barril te (ara
abatimento.
wtantelg& iranecia, mBii n0Ta, 7i0 ri>i, ubr,, tm birruf 6oore.
la tty8S 0 mais ,up9rior qua n, n0 mercado a t}800 o 2*500, a libra.
C\li\ UUXim. imitando a perola, pela siia superloridsde a 8*000, e 2*600 a libra:
Olla. pT*5*0 njC0 par3 os doentes que tratam com a homeopathia a t|500 a Hbre.
$ftljdf <*0 reino navio a 2*200
Qlta}*S londrittOS 0 qU9 ha d, bom BMti genero JNO, a libra o em porcio se
faz abatimeoto.
Qtt.MJO IJTatO 0 mai, superior qua tem vindo a este mercado a 1**00 a libra.
PSUMO Ug\ei pata UaUlblC miUo novo a 6<0 ra. a libra, e em por-
reo se (ara abamento.
C %8li\eta8 iag\5iaS^ropraj para nsmDre s 800 rs. a llbca e em porco a 700 rs.
Irf XUBt 4 TQ1UO ,j iap,rior qualidade a 480 rs. a libra etntelro, a 440 ra.
9ian&Q-g.SMii,(ir oetisco {tie pia haver por estar prompto a toda a hora a 1* a libra.
em porreo a 900 rs.
T ouifta 4o reino mait0 n0TO a^ ri llbr8t e em barrUde 3 tob, 71000.
GuOUti^aS e paiOS Ce 0mb0S a 640 r, a llbt8i ,m p0rco se (ax abat-
ment.
V mercado a 25OOO cada urna.
Banaa ue porco retinada ,m ,ala com 10 ubr por 4*500 cada .m..
oaaaa de porco mail0 flaa al7a a 480 rg a lbra, em barrit a 400 fa.
niaTlUeada mpeTiai d0 sfamaijo brea a de outros mallos (abrlcsntes de Lisbos
a 800 rs. a libra, e em porgo se lal abatimento.
La\a8 COm trUtaS d doce Cm Calda como sejao pers, damascos pe-
eego, alpexe, e gioga, a 800 rs. cada lata.
"IW****0^ alpCTX em latag de 2 libra por 1*200 cada urna.
Latas com ameadoas coateitadas COntendo mu conieitos a..ucar
candi, multo proprio para mimo, a 2*000 cada ama.
lJOCe da C*BCa da gOiaba muit0 fln0 a 800 rs. e em porc.So se las abatimento.
B OCC S CCO C em Calda d9 dlfferantes qaalidades, em latas de 4(f e 5 por
aj 2*500 cada ama.
Csrtoti* coa bailo francez propr)08 para mlmo a seo.
P&*aa em caxiaa* do 8 libras
430 rs. a libra.
Figo 4a c smma&re mia
por lJOO, ditas com 2
Ra da Senzalla Nova n. 42
Neste estabelecimento rndese: ta-
cha de ferro coado libra 110 rs. dem
de Low Moor libra a 120 ra.
Libras sterlinas
Vende-se no escriptorio da llanoel Ignacio da
Ollveira & Filho, largo do Cerpo Santo n. 19.
Araruta verdadeira.
Na ra 4a Cruz n. 52, toja de II roa, em calxi-
nhas de 2 1(2 librea para cima a 6|400 a libra.
Superior caldo Lisboa.
Tem para vender em porcio e a retalho Anto-
nio Lalz de Oliveira Azarado & C., no aea es-
criptorio raa da Cruz n. 1.
Brincos pretos a balo, e
outros objectos para
luto
Desees objactos de que boje infelizmente tantas
familias precissm, na loja d'aguia branca achs-se
un bom sortimeato delles, sendo brincos e rse-
les a balio, palaeiras modernas de grossss e (or-
les cootae, alBoetea psra pello, ditoa lambem pre-
tos, em csixinhas, bonitos e modernos aderecoe,
e meioe ditos, cinteiros de fltss e finias pretas,
eofaitea psra cabera, grampoa de no vos moldes
psra aegarer cabello. Uvas de torzal de aeda e
pellica, meiai de aeda e algodo para horneo* a
sanboras : com oscompradorea de tass objectos
se ter a maior coolemplacio, altelo o flm pata
qaesao: por isso dirigiris-se raa do Quei-
mado, loja d'agaia branca n. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
A loja d'aguia branca recebea ama porcio de
srroelss ou argolas de borracha, que acertada-
mente se spplicsm a difterentea fina, como tam-
bera aeja para emmaasar papis nes dirersas re-
psrtico! publicss, nos cartorioa, escriptorios,
armazens, lojaa, boticas, tabernas, etc., etc., e
meamo de alguna particulares, o que na rerdade
vele ap*na comprar-se pelo diminuto preco de
140 e 820 a dazia, para poupar-ae o trabalho de
atar e desatar um maaso de papis todas as vezes
que se precisa, assim como aa mais largas servem
para aegarar carleirse, e manguitos de senhoras,
e mesmo para pulseiras de missaogas, adrertin-
do, porm, que cada argola tem aua flvela

-
Vendem-se dous pavoes:
nestatypographia.
Calcado francez
* Chegado de novo. '
Grande sorlimento de botines para hornera, e
as mais bellas para senhoras e meninas : na loja
do rapor, ra Nova n. 7.
% Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende se toda a qualidade de mobi-
lia tanto ao gosto moderno como anti -
ga, phantbasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
No armazem de E. A. Burle &' C, roa da
Cruz d. 48, veade-se excellenle (arello em saccas
grandes a 3*600.
Amendoas.
Vendem-aa amendoal em (restos e avulios e
oabonse ricos papis com estalo para aortea :
na raa da Senzala Nova n. 80.
Algodo da Baha.
Proprio para roapa de eecravoa e aaccoa de aa-
sucar : vende-se na ras da Cruz n 1, escriptorio
da Antonio Lalz de Oliveira Asevedo 4 C.
Relogios
Vende-se em casa da Jonston Psier & C,
. do Vigsrio n. 3, um bello sorlimento da
i elogios de ouro, patente inglez, do um dos mais
afama Jos fabricantes da Liverpool; tambem
urna variaiade de bonitos
mesmos.
STSTEli MEDICO H0DELL0WAT
PILLAS HOLLWOTA.
Este inestimavel especifico, composto in tetra-
mente de hervas medicinaes, nao contera mercu-
rio nem algama outra substancia delecteria. Bei
nigno maistenra infancia, e a compleicio mas-
delicada, igualmente prompto a seguro par;
desaneigar o mal na compltelo mais robustas
MENOS DEZ POR CEHT0
NOS ARMAZENS
PROGRESSISTA
36.
, DUARTE Jb C.
do ra das Cruzes de Santo Antonio
,. O largo do Carmo 9
Us propneurios destes acreditados armazens di molhados participara aos seus numa-
*2E,I! Pr W>?08 S vapore$ e n"'108 da EurPa rec8Dn d P~P aocomoieoda
Jf^iii^"09' P5 q?a p,ra isso tm Pso, **& n diversos pontos da Europa,
para os ecolberem, aos vendem por menos 10 por canto do que em outra qualquer parte, por mo
roga-se a todos os Srs. da pra^a, de engenho e lavradores o favor de mandsrem ,uas encommendas
aos nossos armazens, aflm de verem a superior qualidade de gneros e differsn5a de ptecos.
farfatilmenlI628 ^ Primera qUaHd,de 80 If rS" ,bra e m barriI "
Manteig-a ira nceaa mai8 nova, 700 rs. a Ubra e m barrl 8 600 .
n\(A }JSSPn *,U supe"or que ha no mercado a 2400 e 280O a libra.
Cna llUXUO oqu nidj meihorneHegenero a 2*500 e 39000 a libra.
Cn preto
.
omito oras por 5S50O a a retalho a
libra.
i in'o, em caixasde8 libras por 2*500, ditas com 4
muito bem enlejiadas por 900 rs. cada urna e a retalho a 320 rs.
dam-ae em dita loja d'aguia branca, ra doQael- >tirmnte rnnocente em suas operacoes e ef
mado n. 16. feitos; pois busca e remove as doencas de qual-
! quer especie e grao por mais amigas e tenazes
que sejam.
Entre mimares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j eslavara s portas da
_ morte, preservando em seu uso conseguiram
Guimsraes 4 Lux, donos da loja da miudezaa rfteoDrar sauda a (oreas dermis de havr tanta-
Ji raa do Qaeimado n. 85. boa fama, particlpsm v"8!*..,* ".Ior aep018 *
ao pabllco qae o aea eatsbeleclmento se acha do intilmente todos os outros remedios.
muito superior vindo a primeira vez ao nosso mareado a 2*200 a libra.
fl tiySSOll o atelhor que vera do Rio, em latas de urna libra por 19800 e em porcia
se far abatimenio. r ^ww
O UeiJOS (lO reillO chegados neste ultimo vapor a 2200 e dos chegados no ultimo
navio a 19800 cada um.
tranosllins para os flfina nratn
VUiJ" I' *w como nunca veio ao nosso marcado a 1*000 a Ubra e inteiro a 000 rs.
aiOS e ChoUr9^Smutonovosa560rs. s libra e era porgse far abatitnoota.
La tas COHl liliwu ajaSja promptas para se comer a toda hora, viadas a primeira
vez ao nosso mercado a 1*800.
reixe ein latas dediversos tamanhos,savel, sardo, pargo. pescada, cavalla, lingua-
dos fritos, atm'marenado, robllos e lulas de tigelada, da 1*300 a 29000 a lata.
lO dO reino mnitonovo a 820 rs. a libra e 9*500 a arroba a timbara
i 10.
Attenco
completamente prvido daa melhores mercadorias
tendentes ao meamo estabelecimento, e muitos
oatros objectos ie gosto, sendo quaai todos reci-
bidos de suas proprias encommendea ; o estando
elles inteirameate resolvidoa a nao vanderem
dado, atianQsm veader mais bsrato do que oatro
qaalquer ; e juntamente pedem aoa aeua devedo-
res que Ibes mandem ou veobam pegar oa aeua
dbitos, son pepa deaerem iustigadoi.
Soahall Mellors & C, lando recebido or-
dem para vender o sea crescido deposito de rslo-
gios visto o fabricante ter-ae retirado do nego-
cio ; convida, portanto, s peasoas qae qutxerem
possuir um bom relogio da ouro oa prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-se da op-
portunidide aem perda de lempo, pera vir com-
pra-loa por commodo preso no aea eacriptorio
raa do Trapiche n.18.
As mais afilelas nao devem entregar-se a des-
esperarlo; far^am um competente ensaio das
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recuperarao o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar esta remedio
Aara qualquer das seguales enfermidades:
do duque do Porto e de outraa mullas marcas acreditadas
rs. a garrafa e em caixa a 12*000 ra.
fetmtaai tf iuceim* portugusxas ,m utii d, t llbrt| por 64o rs.
ditas em meias latas a 500 rs.
SImSaVi tOlUalO em latas de 1 libra por 800 rs.
&mulo*A& Ao efse% isiolo mull0 noT, 320 rf. a tnn.
8ZM a \2Q rs. a libra, e 3^000 a arroba.
fla.,aB\*X.^8 iraUCfaiaS em laUl com 3 nbr por t*800, ditas com 1 li2 por 1*500.
ALmaX.%8 ^^rlUgU^iaS 323 rl, Iibra e tm calxa ,e(sra batimento.
CVlOe.^ kUIQ llCS^SaiaOla 1500i dUo franeei igaoo dito porlagaex s800 ra. a libra,
aSjnQi-se a boa qualidade.
BOlaXlUna e 80(ia em |a(8g com dillerentes qulidades, a 1(440 rs.
MLa(^fl paVTa 8^pa ielriai macarfaoetalharim.a400rs. a libra e em caixa por 8(000 rs.
Pa<OS UO a Seroja* em frascos com eli2 libra por 800 rs.
1JOIO frsact'i para limr>ar(acass 200 rs.csda um, emporio se (ax abatimento
BoltMUU^ lUglOZa a maiJ nova do mercado a320rs. a libra a em barrica a 4*500
\KvuliU4 para oogommar, multo aira a 100 ra. a libra e em sacca se (as abatimento.
btBIXC (je p05t, em latas das melhores qaalidades de peixe qae ha em Portugal a 1*600rs.
Ei8"OOrma^Ol i-perior de cioeoeseis velaspor libra a760 rs. aem caita, a 740rs.
StaiUliaS d9 Naotes era latas muito novas a 400 ra.
tOlXft ataia 0 superior qualidade a 110 rs. a libra e em barra com 3 arrobaa por 7J.
ivlOltO lOO refloado de differentes marcas e o mais saperior qae ha a 800 rs. a garrafa
e em caixa a 9$.
Viuaos eagarraados
neste mercado a 1*200
\iau.OOo\ 'Dl^a porto, Figueirae Lisboa a 560 agarraa eem caada 3*500, 4*e4*500.
3TVOja dss Qjjj, ,creditadas marcas a 5* rs. a daxia, a em garrafa a 500 ra.
"aaUaYaaVpag^O das marcaJ msis superiores qae ha no mercado a 15* e 22*000 rs. o gigo
Cogaae ngloz a l0J00O ri> a csiI e 1200 ri., gajra[,.
110 uta le Q.0Uailia T9rdad,itaem (tasqueira a 6*000 ra. a o (rasco a 560 re.
t amaras 0 12. gy jjltO a 6i() rS t nbra a em caixlnhss com 9 a 10 libras por 5|.
taaeisra VngYoia 10j000 rs. a daxia e a retalho a 1*000 a garrafa.
Palitos do gai. ^o rf., groti
ai refinado em potes grandes a 500 ra. cada um, em porQo se far abatimento.
*-*aiC lindo o que se pode desejar oeste genero a 320 rs. a libra e em arroba a500, 9| dito mais
baixo a 280 rs. a libra e 88000 arrebs.
SavaalUaa de pranCa a mais ora do mercado a 280 ra. a Ubra, em por?ao se fas abati-
mento.
^**'1 mullo novo e alvo s 320 rs.a libra.
* anana d0 reino dig atca sss e Ralega a j, r,. t ubre.
Ulta dd Haraahio alva e eheiror.a a 160 rs. a libra e em arroba a 4*800.
ttet vi las iecill ^.^ n3TM 1160 ri a ,ibrB>
"aa carnauba reBoadi:. a 400 ra. a libra e em arroba a 12*000.
rVlOll4oiie ^ Lisboa 7i(l rs. garrafa,sganga-se a boa qaalidade.
W aagrO ,,, u$boa v j Pa"Cbere/t'*600a girafaNa em caixs se (ax abatimento.
* braneo/e mais saperior <|ue hX ercado propio para missa'a 840 rs. a garrafa e em ea-
caoao>|QO. "^
Prfhoje,4al6m ao mea repreteoiolkW avCheg** do> atixaaaa>tapc Ina 4a Karops, palo
al e*ef6 noro tortfmeato s nso serei prtgVsMO ffl o pabllcsr ao respelUval pabllco.
Loja das 6 prir-j
tas em frenk j
Livramento>
Caasas (rancezaa de bonitoa oslos a
320 rs. o covado, luvas de iroc* pretas
e da seda a 500 rs o par, chitas (ranee-
xas largas escoria a 240 ra. o covado,
ditas finaa a 260 e 280 ra., G16 de llnho
liso a 640 ra. a vara, tarlatana fina de
todaa aa corea a 800 rs. a vara, lencos
brancos com bsrrs de cor a 1*400 a du-
ia e 120 ra.cada um, meias para ho-
rnera a IftOO a daxia e 120 ra. o par,
chitas para coberta de bonitos dese-
nhoa a 220 ra. o covado, pegas de bre-
tanha de rolo a Z*, ditas de cambraia lias
com 6 1(2 varaa a 3*. musaelina encar-
nada a240 rs. o covao, calciohda para
meninaa de eacola a 1* o par, peitos
para camisa brancos e de cores a 200
rs., pecas de cambraia branca de salpi-
co a 3*500, algodo entestado o melhor
a 700 ra. a vara, dito braoco para toa-
lhaa alga vara, eofeitea doa mais mo-
dernos a garibaldi a 6*, loja est abor-
ta at as9 horas da noile.
Febreto da especie
Gotta.
Hemorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmacoes.
Irregularidades de
menstruagao.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mar de podra.
Manchas na cutis,
Abstruc$ao do ventre.
Phtysica ou consump-
Qo pulmonar.
Reten^ao de ourina.
Rheumatismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
libra
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se em casa de S. P. Jonhston & C,
sellias e silhes inglezos, eaodietros e casti^aes
bronzeados, lonas inglesas, fio de vela, chicotes
para earros e montara, arreios para carros de
um a dous cavados, e relogios de onro patenta
inglez.
Vende-se ou arrenda-ae urna grande pro-
priedade muito perto da prae,a. com grande ota-
ria de dous (oraos, capella, urna boa casa do vi-
venda, diversas casas habitadas, dous grandes
vivelros, muitas arvores de (ructo, laclaxlve di-
versos coqueiroa : a tratar com o Dr. Souxa Rea
ou com o majorBelarmioo do Reg Barros nes-
ta cidade, oa na Magdalena.
0 Livro do Poyo.
Sahio luz publica o LIVRO DO POYO, publi-
cado aob a direcqao do Sr. Dr. A. Marques Ro-
drigues, e conlm a vida de N. S. Jess Cbrino,
segundo a oarraco dos quatro evangelista, o
msis os seguintes arligos: o vigario, o professor
primario, o bom homem Ricardo, a moral prati-
ca. Simio de Naotua, maximaa e penssmantos,
a byglene, os deverea doa manios, e o Brasil.
A publicaco do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim untformlsar a leltura as escolas prima-
rias, onde cada menino aprende por um livro
differente, e portelo facilitar o trabalho do mea-
tre e do discpulo, como tambem vulgarlaar, por
um preco barstissimo, a historia do atlvador do
mundo, e oa melhores preceitos de moral.
Vende-ae o Livro do Povo, no -Recite, na
livraria da praca da Independencia ns. 6 e 8, a
500 rs o exemplar em brochara, e a 800 rs. car-
tunado.
Moedas de ouro de 16$ e 20$
Vende-ae ne eacriptorio de llanoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Gorpo Santo n. 19.
Roa da Cruz o. Al.
111 casa de James Crablree
A Companhia.
dadeira
e polea.
ccidentes epilpticos.
Alporcas.
A m polas.
Areias(malde).
Asthraa.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidade ou extenua-
do.
Deblidade ou falta de
torcas para qualquer
couea.
DesHiteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Enfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Encbaqueca.
Herysipela.
Febre biliosa.
Febre intermitente.
Vendem -se estas pilulas no estabelecimento
geral deLondres n. 224, Strand, e na loja
de todos os boticarios droguista e ontras pessoas
encarregadas de sua venda em toda a America
do Su!, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dallas contem urna instrucc,o em portu-
guez para explicar o modo da se usar destas pi-
lulas.
0 deposito gsaal em casa do Sr. Soum
ph armaren tico, na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambaco.
Manguitos a balo com
gollinbas bordadas.
A loja da agnia brsnca em atleoc.o a sua boa
freguvxia quer que todos parlilhem do proveito
que Iheresultara das bosa compras as pechin-
chaa, como agora mesmo acontece com urna por-
reo de manguitos a balao, punhos virados e bo-
nitas gollinhas, tuio de elegantes e Urgos bor-
dados em finas cambraias, cujas guaroicoea eat
vendendo pelo admtravel e bsrato prego de 2*
cada urna, a mesma obra que ainda ha pouco
tempo ae venda por 5*. A snperloridade da fa-
xeoda e bordado Cinconleslavel, aasim pois nao
muito que urna seohora compre 3 oa mais pa-
res deases bonitos manguitos qusndo o importe
quasi equivalente as de um s dos antigos, po-
dendo-sedesss (orma e com pouco gasto mostrar
variedade no sea aceiado trajar. Sao aa gollinhas
aoltas que servem igualmente para senhorss e
meninas, sendo os bordados (axenda em nada in-
ferior as outraa, e cuatam estas 1* a vista do que
convem que todas as senhoras aproveitem essa
dvoravel oceaalo e nao se demorem em man-
dar comprar tudo isso na loja d'aguia branca raa
doQueimado n. 16.
Calcado
Tem para vender a verdadeira graxa n. 97 em
m 15 daziss d
barricas co
Camaa de (erro.
Brim trancado de llnho branco e de cores de
superiores qualidades.
Muita attenco.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n. 40, vende-se roupas feitas
de todas s qualidades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os fregueses com-
prar porque pechincha.

Joao Jos Pereira com loja e fabrica de caiga-
do na roa larga do Rosario n. 12 junto a botica
do Sr. Pinto, participa o publico que tem ex-
posto em e dita loja diveraaa qaalidades de cel-
gados feiloa na mesma, os quaes sao aem diffe-
rengs algama Iguses aoa franceses mas como o
proprialario nao pode aer juiz em cauaa propria
por isao pede aos seus numerosos fregaszes e ao
publico em geral, que aioda mesmo qae oio
queira comprar, cocotudo venbsm asmpre var aa
amoslraa e admirar o trabalho dos arliataa per-
nambacanoa que trabalbam aa aaa fabrica, pois
ae assim o fixerem, indubitavelmente apreciarlo
o esmerado trabalho dos mesmos; a se alem da-
so altenderem a esUcao actual jtmais deixario
de comprar porque alem de a obra aer da muito
mala duragao acresce maia eircumstanda de
eustar um diminuto prego em relelo aos (rao-
ceses.
Machinas para lavar roiup.
Monteiro, Lopes & C. receberam machiollpa
ra lavar roapa eyatema inteirameate novo e
adoetado a cate patx, pois qualquer pessoa pode
trabalhir com eltae por ser a sea aso a mais sim
pies que se podarla deaejar, sendo tambera mais
econmico e breve : quera qulxer comprar diri-
jam-se a ra da Cdela do Recite n. 80, qae ae
la* dar todaa as explicagea por eacripto po-
dendo saber dos seus bons resultidos por \k n
oaar nesta praga 00 colleglo das orphas dirigida
pelasiimaas de ciridade.
a 820 rs. a
temos para 240 rs. a libra e 6*500 a arroba.
Banlla Ue p )1 CO em latas com lOlibrss por 400 e 480 a libra.
Marmelada imperial de todos os conservemos de Lsb3a,em latas de
meia e 2 libras a 750 rs. a libra
LataS COIO frutas em Calda como sejam pera, pecego, damasco, alper-
xe, ameixas goja, a 700 rs. a lata.
Vlamielada dt; Alperce em latas de 2 [Aras por 100 eada urna.
Doce da CaSCa da gOiaba a 700 rs.a m pocrlo se far abatimento.
U JCeS SeCCOS e differentes qualidades em hcelas muito bem arranjadas a 3*000.
A ama raS as mais superiores que tem vindo ao mercado em caixnhas elagaotamento en-
feitadas a 29500 e 600 rs. a libra
Passas em caxinhas de 8 libras 29500 eeoo rs. cubra.
I Ig'OS da Comadre muo novos em cixinha de 8 libras e muito bem enfeitadas a
a 2*200 a 320 rs. a lbra.
Krvilhas francezase portuguesasa64o720 rs. a uta.
3IaSS 1 de tomate em Utas de 1 hbrra a800 rs.
Amendoas da casca mole BUto novas a 400 rs. a nbra.
Di OZes muto novas a 200 rs. a libra.
AmexaS francez 4S 6a latas com 5 libras por 4*000 e a 1*000 a libra.
Ch "CoLite liespanllol a 1*200, francez a i*OOOeportagueza 800 rs. a lbra.
Bol xitlha d 80da emlatascom differentes qualidades a 19400 a lata.
yi aiiS 1S pa ra SOpa macarrao e talharim a 240 rs, a Vibra e a caixa por 59000.
v^ft 1XlllllaVS muito bem enfeitada com pevide, rodinha, estrellinhs, etc. a 700 e 800
r alltOS llXadOS para denles em molhos com 20 macinhos a 200 rs.
^erejaS em frascos de lbra e mea a 700 rs.
i ijOlO h raUCeZ para limpar facis a 180 rs. e em porqao se far abatimento.
Esper mcete Superior amansa! a 740 eem caixa a 760 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes muto novas a 400 e 600 rs.
AI pista muito nova a 200 rs. a libra e 5*500 arroba.
AZdte doce refinado de diverjas marcas a 800 rs. a garrafa e 09000 a dtuia.
Ijlacllilllia inglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra e 49200 a barriea.
CxOina muito alva a 1O0 rs. a libra e 2*500 arroba.
VillhoS engarrafados duque do Porto, genuino. Porto fino, madeira seeca, Carcavellos, nc-
tar, feitoria, velho secco, Muscatel a 1*200 a garrafa e 129000 a duzia.
D t S em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 4*000 a 4*500 a ca-
ada.
StrV: ja8 das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Ijll mpailUt ,jas marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 ogiga.
Cognac inglez a 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
Ginebra d Hollallda verdadeira a 79500 a frasqueira e 800rs. o frasco.
Azeita IlaS em ancoretas as melhores que ha no mercado a 2* e a 400 rs. a garrafa.
I raques superiores em caixinhss a 10* e a 340 rs- a carta.
Pfc llt S do gaZ a 29500 a groza e 240 rs. a duzia de ca xas.
*$* 1 refinado em pacotas de mais de urna libra a 240 rs. o em porcio ter abatijsaoio.
Cafe do Rio o melhor que ha no mercado a 320 rs. a libra e 9*000 a arroba.
Se?alnlia de Franca a mais nova do mercado a 240 rs.a libra.
SagU* muito novo a 320 a libra.
Farinha do .VlarailhO mnito alva e nova a 160 rs. a libra e 49800 a ar-
roba.
Velas de carnauba e de composieo a 400 re. a ubra e a ti
a arroba.
Vinagre pUrO de LSboa a240 n. agarrafa e a 1*800 a caada.
GrO de b iCO muito novo a 200 rs. a libra.
^eraS SeCCaS eill caixinllaS deoite libras a 29500 a 640rs. a libra.
Marrasquino verdadairo de xara.de Hmone, caf, menta, genepro, mandoraaara
curaciu, rosa sublime eoutras qualidades de 19500 a 29 a garrafa.
Bat fetaS em gajos de urna arroba por 19000 e 40 rs. a Ubre.
Com nll OS os mais novos do mercado a 800 rs. a libra
Er Va doce muito nova a 400 rs. a libra.
ArrOZ COm toque doavaria6rasaccosde5arrobasa5asaatal50
a arroba.
CUarutOS verdadeiros superiores a 2* a eaixtnha do 50.
Salmn em lataS com duas libras o mais bem srranjaJo qua tara viudo ao asar
eado a 19400.
Vlailteg'a em lataS com 4 librasa melhor do mercada Iterado srmelieamaaii
39200 cada urna.
Vinagre em garrfbes com 5 garrafas da superior qualidade a 19200.
Araruta Terdadeira muito nova a 320 alibra.
Alm destes gneros encontrar o respeitavel publico em uossos armazens aja!
sorlimente de tudo tendente a molhadas.
AtliendoaS ConfeitadaS as mais baratas que ha no mrcalo a 800 ".
a libra.


a
stiu-
W
L


eas-sseaj
D1AB10 M KRKAIliOCO -. SE1TA MU 80 DI Mi DE 1862
I
i
fttsis artifieiaes para ca-
bello.
A loja do UUa-flw tendo recebido bonitat ro-
?.q i" *. UMBdo para oa cabelloe, vende
M rui do Qaeimado na loja cima n. 68.
Aljfar fino imitando perola.
.?nd',! 50 fi0 a U*" floo, imi-
undo parola : na ra do Qaeimado, loja d'aguia
noca n. 16.
Cabriolet, carrosa e cavallo.
Vende-se uo cabrtolet deacoberto. quasi novo,
com oa arreioa para am cavado, o c, al est sen-
do pintado do doto, um excelieotd cavallo do
unesmo, de corruga, e muito manto, aendo um
doa melhores animaos do cabriolet que existe
oesta cidade, e urna carraca em booi alado para
avallo : para ver, na cocheira de Thomaz Jos
da leia. perto da praga do cipim, e para tratar,
na ra do Trapiche d. 14, primeiro andar.
Cambraias
Vendem-se cambraias de corea de bonitos e
alegantes desenos a 280 e 320 rs. o covado : na
roa da Ioperatriz, loja n. SO.
Oliados.
Vendem-se oliados pintados de lindas viataa
palaagens, larguras de 6, 7. 8 e 9 palmos, pro-
prioa para meaa de jaotara Jfto corado : na ra
da lmperatriz, loja o. 20.
Vende-se por muita preciso duas moradas
de casas na cidade ae Olioda, aendo urna a ra
do Amparo contigua a eacada que aobe para o
largo do Amparo, com' 4 quarlos, cosiohe fra,
quintil murado a plantado e com estribarla ; e a
outra oa ra de S. Francisco propiia para resi-
dencia de quem precisar de baobos silgados, para
O que excellenle por ficar muilo perto: essaa
vendas se faro para remir dbitos com hypotbe-
ca, para cujo flm aeaignar aaeacrpluraa de ven-
da o credor que oesaa occaaiao dar deaooeragao
da bypotheca : procure-se para tratar no Recite
nado Cabug n. 3. Io andar, e em Diinda nada-
ra do Sr. Soares no Varadouro.
Borzeguins.
Ra da lmperatriz n. 10 loja
do Pinto.
Vende-se pelo baratisaimo prego :
Borzeguins de lustre para homem a 83.
Ditos de bexerro para homem a 8.
Ditos de cordavo para dito a 89.
Por este prego s a dinbeiro vista para li-
quidar.
Vende-se um bahu qnasi nove, e tambem
um bote proprio para paaaeio, com todos os aaus
perteoces novos : a tratar com o Sr. Santos, na
do Gordonizn. 1.
Visporas e dminos para
divertimentos.
A loja d'aguia branca acaba de re:eber as bo-
nitas caixiohaa da madeira enverniaada com via-
poras. leudo algumaa que os cartdes trazem urna
cbapiha de metal movidlga, a qual serve para
cobnr o numero que se falla, cuja invenco
noviasima e proveitosa : aaaim como caixiohas
de dminos oom os tantos mui claros e bem se-
8,ro* reodem-se por procos rasoaveis, na ra
do Qaeimado, loja d'aguia branca n. 16.
Fazeodas pre tas
superiores.
Grosdeeaple preto muito superior pelo dimi-
nuto prece de o coado, panno preto maito A-
no *' 6- 7 e covado, casemira pres
multo floa a 25. J500, 3, 3*509 a 4 o covado
mantas pretas de blondo maito auperiores a 12A
manteletes de auperiores grosdenaplea relos rt-
eameote bordados a 350, sobrecaaacas de paDno
preto multo floo a 30, casacaa tambem de panno
preto muito fino a 30, paletots de panno preto
fino a 18 e 205, ditos de casemira di cor mei-
clada a 189, superiores gravatinhas atreltaa
1, ditas de setim maclo e de gorgur) multo su-
periores para duas voltas a 29, ditas uetreitinhas
com liados alQnetes a 29, superior goigurio pre-
to para eolletes a 49 o corle, ricos eofitites pretoi
a d9, e aaaim outras maltas fazeadaa que sendo 1
dinbeiro i vista, vendem-ae por prego.) maito ba-
ratos : na ra do Queimadon. 28, na bem eonfea-
cida loja da boa f.
Panno de algodo da Baha.
Vende-se no eacriptorio da Antonio Lnix da
Oliveira Azavada & C, na na da Grt n.l.
Nova exposi-
cao de candieiros
Obras de vidro,
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vende-aa na laja d'egala branca mal bonitas
escarradeiraa da vidros de cores a 49500, 5 e 69,
aaaim como palmatorias da vidro lapidado com
mangas bordadas a 49600 cada um : na na do
Qaeimado, loja d'aguia branca n. 16.
Meias em quantidade*
Na loja d'aguia branca seba-se um completo
sortlmento de meiaa de todas as qnslidades e
pregos, sendo para homena, senhoras. meninos
e maninas de 6 mazes a 12 annos. Ennumerar
os differentes pragos contundir o pretendente ;
sssim quem se quizer convencer de quao baratas
se estao ellas vendendo, dirigir-se com dinhei-
ro 8 dita loja d'aguia branca na na do Queimado
numero 16.
Superior sebo em "velas e em
pftes, ca'xas de urna
arroba
Vendem Antonio Lulz deOliveirs Azevsdo &
C, no aeu escriptorio na da Cruz n. 1.
Jacaranda superior.
Tem para vender Antonio Laiz de Oliveira A-
zsvsdo & c, no sea escriptorio na da Craz n. 1.
Coraes lapidados.
bao grossos que admira.
A loja d'aguia bronca acaba de recebar urna
pequea quantidade da eoraes groasos lapidados,
os quses servem pata as voltas qae ltimamente,
usaos as senhoras, o est vendendo cada Ao por
29. 29500, 3 e 49 : na ra do Qaeimado,
a'aguia branca n. 16 c aaaim como recabeu
aa bonitas pulseiraa de miasaugas.
loia
mala
Chumbo
Vende-se chambo de mnoigio a diaheiro por
219 o quintal o a arroba por 5)500: no arma-
zam de Antonio Cesarlo Moreira Das, ra da
Madre da Dos n. 32.
Atten$o
43 Ra do Amorim 43
Vende-se srroz pilado da
pelo bsrato prego de 19600
4 a 5 arrobas.
maito boa qaalidade
a arroba, saceos da
Olliem para o pavaO
leiani.
Camisinhss com golliobas e manguitos
de cambraia bordados, fazenda mo-
deroissima a
Ditas de fuatao com salpicos da cor
Gollinhas bordadaa com botaozioho
Ditas da todos os gostos s 640 a
Ditas com msogaitos de cambraia bor-
dadas a
Manguitos de cambraia bordados maito
finos a
Gollinhas bordadas a
Romeiras de cambraia enfeitadsa para
lato a
Camisinhss para senhora a
Leocinboade linhocom labyrlntho para
mi a
Ditos a imitagio de labyrintho alfa
Luvaa da torgal enfeitadascom vidrilho
Enfeites pretos com vidrilho a
Ricos anfeites pretos e do cores, a Turca
a Garibaldi
Groadensple preto a I96OO, 19800 e
Todas estss fazendas vendem-se na rus da lm-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavao, de Ga-
ma & Silva.
Sementes de hor-
talices
Na ra da Crai a. 32, deposito da pao e bola-
cha, voadem-ae sementes de bortacee vindas de
Liaboa.
Milito a 3$500 a sacca.
Milho de superior qualidade em lotes de dez
saccaa para cima ao prego cima, no armazem n.
4, deroole da porta da alfaodega.
59OOO
39000
I9OOO
800
19600
18000
240
39OOO
39000
29500
15280
500
800
68000
29000
Ricos
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendem-ee ricos cortes da vestidos brancos
boraadus com S babados pelo baratisslmo prego
de 59 o corte : na na do Queimado n. 22, na
bem conhecida loja da boa t.
Camisas inglezas.
Vendem-se superiores camisas inglezas com
pregas largaa pelo baratisaimo prego de 359 a da-
lia : na loja da boa f, na ra do Queimado nu-
mero 22.
Ricas gollinhas e punnos
com boioes
Vendem-se ricas golliobas e paoboa da cam-
braia e fusta o ricamente bordadas com lindoa bo-
ioes, pelo baratiasimo prego de 2J> cada guarni-
do : na ra do Qaeimado n. 22, na loja da
boa f.
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de linho com duas varaa de
largura a 29400 a vara, atoalbado da linho ada-
mascado com duas larguras a 29500 a vara, brim
branco do linho muito superior a 1J440 a vara,
dito de cores, (azonda mutto auperior a 19, dito
pardo do linho paro a 800, 19 a I92OO a vara, di-
to da qaadrinhoa muito proprio para caigas, ja-
Saetas e paletots para meninos a 200 rs. o cova-
0, gangas francezsa muito auperiores a 400 rs. o
covado, cambraias francezas muito finca a da
muito bonitos padrdes a 260 e 280 o covado,
cambraia liaa muito fina a 4J, 5 e 69 a pega com
8 li2 varas, cambraia com aalpicoa tambem com
8 1(2 varas cada pegas a 49500, dita maito supe-
rior o melhor que ha neate genero a 1lg500 a pe-
ga com 17 varaa, ou a 800 rs. a vara, chitas fran-
cezas de muito boas qoalidadea e de lindos pa-
drees a 240, 280, 300 e 320 o covado, fil de li-
nho liso muito fino a 720 a vars, larlatana bran-
ca e de corea a 760 a vara, toalbas de linho para
mos a 79 a dnzia, ditaa pelludaa muito superio-
res a 119 a duzia, gollinhas de cambraia borda-
das a 800 rs., manguitos e Rollas de cambraia ri-
camente bordadas a 29 o par de manguitos com
urna golla, leogoa brancos muito fios com bico,
renda e labyrimho a 1J280 cada am, ditoa da
cambraia de linho para algibeira pelo baratisaimo
prego de 4, 5 e 69 a duzia, a aaaim um completo
aortimeoto de fazendas de todas aa qualidadea,
que aendo a dinheiro vista ae vendero por pre-
cos mui baixoa : oa bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Camisas e ceroulas
Vendem-se superiores ceroulas da linho muilo
finas pelo barato prego de 269 a dnzia, ditas tran-
adaa de algodo, mas de mallo boa qaalidade, a
79 a duzia, camisas brancas francezas a 229,349,
26 a 309 a duzia, ditaa para meniooa a 22| a du-
zia, ditaa para bomam com aberturas de cores a
229 a duzia : na bem conhecida loja da boa f
na na do Queimado n. 22.
Manguitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com gollinhas, fazenda
muito boa, pelo barato prego de 28000, gollinhas
e punhos ultimo gosto a 29000, gollinhas muito
unas e bem bordadas a 15000 cada ama na ra
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
n. 35. '
Tiras e ntremelos bordados.
Vende-se pegas de tiras bordadas de 2,500.
3,000, 3,500 e 4.000 ntremelos a I56OO e 29OOO
cada pega na roa do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas francezas.
Veode-ae bonecaa francesas ricamente vestidas
400O e 5J000, e M000 bonecaa de cera com oa
olhoa rcovedgos a 28000 e 39000, na na do Qaei-
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 85.
Fivelas de ac para sintos.
Vende-se fivelas de ago para ainto a ij>500 ra. o
29OOO na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Baleias.
Vende-se baleias 120 rs. cada urna aspa de ago
para balo a 160 rs. a vara, baodes a 19500ra. a
2y00 o par, oa ra do Queimado loja de miudezaa
da Boa fama, n. 35.
Cascarilhas de seda. As afamadas agulhas impe-;
J-Sa fattf.r.ilku A* m*Am napa mnlailmr ,
naes com fundos acurados, |
e dedaes de marm.
Acaban da ebegar para a loja d'aguia branca,!
na do Queimado n. 16.
MM&NCIzV
OA
Fundicao Low-Moor,
Ba da Sencalla Nova n. 4*.
Nesta eslabelesimeoto continua a haverum
completo sorticnento de mocadas a meias mona-
das para engenho, machinas da vapor e taixas
de farro batido e coado de todos os tamanhos
para dito,
CALCADO
45 -Ra Direila-45
Vende-se cascarrilhaa de seda para anfeiUr
vestidos a 19000 a peca na ra do Qaeimado
leja de miudezas, n. 35;
Meias de borracha.
Vonde-se meiaa de borracha paraqaem padece
de erveipela a 159000 o par, meiaa da aeda preta
para senhora a lfOOO o par na na do Queimado
loja de miudezaa da Boa fama, n. 35.
Sapatos de borracha para
senhoras.
Vende-se sapatos de borracha para senhoras e
meninos a I950O rs. o par, sapatiobos de lia para
creangas a I9000 rs. o par, ditoa merino al500 ra.
touess de lia para creangas a 2|000.19000,800 rs.
sspsttnhos de seda ricamente bordadoa proprioa
para baptj9Sdos a 39000 o par, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Palmatorias de vidro lapi
dado.
Vende-se palmatorias do vidro a 1|600rs., ditas
com mangas proprias para rapaaea a 49500 ra.,
,"?*JJ*, aaarradeiraa de vidro a 49500 rs.
e 59000 o par, na na do Queimado loja de
miadesa da Boa fama, a. 35.
Perfumaras muito finas e
baratas.
P'at iogleza a 19500 rs, dita franceza a 500
' 640, 90OO, oleo da sociedsds hygieniqae
verdadelro a 19C00 O frasco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 ra. o frasco, agua balsmica
para oa dentea a lfOOO, dita de Botot tambem
para es denles a i$000 o frasco, pomada france-
za em pios a 500rs. e 19000, 320 rs. sabonetes
maito fino 640 ra., 800 rs. e 18000 cada um na
ra doj)uaimado loia de miudezas da Boa fama,
n. 35.
A 200 rs ,so pavo.
Vende-se cbtta franceza escura de cor Ca a
J" iuatoea o covado : na roa da lmperatriz n.
60, loja e armazem do pavio.
A 2$500, s o pavo.
_ Vendem-ae cortes da cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditoa de tarlaUoa brancos a
de cores, com barras e babados a 39: na ra
da lmperatriz n. 60, loja e armazem do pavo de
Gama & Silva.
A 500 rs s o pavo.
Vendem-ae asmis moderse a fioissimss laa-
zinhss de quadrioha e de florea soltas e palmi-
nhas, desembarcadas do ultimo nano viudo do
Havre,pelo baratiasimo prego da quinhentoa ris
o covado. e dio-se as amostras com penhor : na
rBa l'npCTalriz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma & Silva.
Cabaias hespanholas na
loja do pavo. a 400 rs.
Vende-ie sata nova fazenda de padres delica-
dlssimos com 4 1,2 palmos de largura, propria
para veatidos de senhora a 400 rs. o covaao: na
ra da lmperatriz n. 60, loja e armazem do pa-
vo de Gama & Silva.
Sabio luz o
Gallo Vigilante.
Na ra do Crespo n. 7, aonde o reapeitavel pu *
bllco achar um grande e variado sortimeoto de
miudezaa qae se vende por pregos mala baratos,
10 por ceoto do qae em oatra qaalquer parte,
assim como seja, franjas pretas com vidrilho a de
corea. Otas de todaa aa qualidades, frsnja e galio
de linho, eascarrilhas pretas e de cores, frocos de
todas as coras, os riquissimos eofeites de cabega,
galiozioho'a de linho e de aeda para enleitea,
chspeoiiohoa para criangaa, cbapelinhaa para se-
nhora, bonete de panno o velludo muito flooa
para menlnoe, fitas maito chiques para sintos,
mangtrltos .'atittiobaa millo Boas, leogoa de
cambraia df^Kho muito finos, e mnitos mais
objacto qaaWe continuar annanciar, poia ven-
de-se tudo purupregoe baratlasimoa por ae achar
em liquidagajs.' Na mesma loja ae achara um
rico sortimeoto de amendoas e confeitos proprios
para qualquer mimo, que se vende pelo baratis-
aimo prego de 1|600 a caixinha.
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para aloja d'aguia branca,
na do Queimado n. 16.
|
A epidemia declina sensivelmente, e o sea >
completo desapparecimento est prximo I O
proprietario deste bem sorlido estabelecimento
convida os seus numerosos fregueses a substituir
o saleado velho, que todo eati cholerico, por no-
vo, e que possa reaialir ia mil sebolis e mazzur-
caa qne vio ser danaadaa em louvor do realabe-
lecimento da saude publica. Oa pregos con-
vidara :
HOMENS.
Bolinas afamadas Millas. :
o non-plus-ultra Nantes.........
Nantes 2 bateriat..............
a > lastre....................
ingleses de boioes..............
bstedores.......................
couro de porco.......
bezerro e lustre...............
inglezes pea aelvegens.........
tallados brasileiros............
Sspatdes non-plus-ultra................
3 bateras e meia..............
esmaga cobra..................
Nantes 2 bateras vaqaela.....
> 2 bateras bezerro......
a trsbalhadores..........
a brasileiros de 38500 a..........
Sapatos 2 solas e salto..................
tranga portnguezes..........
> francezes......
SENHORAS.
Botinas dengozss.........
salto de bater......
peebincha de 49500 a. .
a americanas 3|500 a .
I
MENINAS.
deixa
128000
129000
11*000
109000
109000
9*500
99000
99000
79500
58500
79000
69500
5*500
69000
59500
59000
29000
59000
29000
15-260
59500
59000
48000
29500
39000
I9920
800
500
800
Attenco,
Joio Jos de Figueiredo tem a honra de parti-
cipar a aaus numeroaoa fregueses que em scu es-
tabelecimento de fazendas flms, ns ro do Cres-
po n. 9, ae enconlra am completo soriimcnto da
fazendas do ultimo goato e mais baratas que em
outra qualquer parte por ae querer liquidar, co-
mo sejam :
Capaa de grosdenaple de 30, 40 e 45$, maito
S&222.0* de p',b* "^ Il,Ua P" "nhora a 18f
Ditos de seda para senhora a 12 elff.
i?S2eofeile" de flore P,ra tbeatro ou bailes
a 159000.
?20*oorlei d6 Md* de mUl(>bn* g*t0i aM
Chales de casemira muito ricos a 159000.
Manteletes brancoa de aeda de rede para se-
nhora a 289.
Vestidos pretos bordados a velludo.
Ditos de cores de diversos gostos a pregos,
amitos outros artigos para senhoraa a nomens,
muito modernos, e mais barato que em porte al-
guma.
Injeccao Brow
Remedio in'allivel contra as gnor-
rbeas antigs e recentes, nico deposito
na botica franceza, ra da Cruz n. 22,
preco 5f.
ae
sabir
Sapatoa de sallo (Joly)
sem elle (dem)
tapete: .
a econmicos. :
lastre 32 e 33.
MENINOS E
Ha de tudo em relagao e nao
dinheiro.
Um completo sortlmento de couro de porco,
cordavo, bezerro francs, couro de lastre, mar-
roqaim, sola, coarinbos etc., que tudo se troca
por dinheiro vontade do comprador.
.
Ultimo gosto.
Gollinhas bordadas e puchos
com botos para senhoras.
A loja d'aguia branca, onda bem ae encontram
objectos modernos e de gostos, acaba de receber
um lindo sortimento de gollinhas bordadas e pu-
nhos com bonitos boioes, o que boje ultima
moda, e por isso neohuma aanhora ae deve ne-
gar a comprar urna deaaaa guarnieres por 2*000,
tanto maia quaoto ellas sao oecessariaa para
completo ornamento daqaellaa quo tero de apre-
ciar aa bellas representagoes do Marinangel a
meamo aa que nao forem teem igual direlto de
comprar eases bonitos arranjos : na loia d'asaia
branca, raa do Qaeimado n. 16.
Borzeguins inglezes.
1 N,J",?" lB,Per,lr "10 defronte da noneca
toja do Pinto, recebeu-se pelo ultimo vapor um
grande sortlmento dos j bem acreditadoa bor-
zeguins inglezes que vndese por IOS e 119. di-
nheiro logo contado. '
Escrayos fugiaos.
agaz.
Q proprietario da nova expoaigo aviiia a todos
os consumidores do gaz hydrogeoio qui tem re-
cocido novamente urna qualidade de gaz super-
fina, aaaim como tambem de todas as qualidadea
eommuna qae se vendem oeste mereado, gsran-
tado o mesmo proprietario a qualMade que
vende aua de falaiflcsgdes. Tambem avisa que
tea recebido grandes remeasas de candieiros que
vende em porcio e a retalho pelo prego da fac-
tura, cuja vantagem pode ser conhecida pelos
pretendentas. tendo sempre neste eitabeleci-
ntento todos os atencilios pertencentes ao con-
sumo de candieijos a gas : na ra Nova n. 20 a
24, loja do Carneiro Vianna.
Fagio no dia 12 de abril deste crtente an-
no do poder do abaixo aaaigoado, o pardo de no-
me Francisco de 17 annos de idade, que tem bo-
nita figura, lodosos denles, cabellos carapinhoa
e ruivos, lando sido este pardo escravo do Sr
Dr. Antonio Borges da Fonaeca, 6 de presumir
que ande poralgum dos lugares por onde o mes-
mo senbor tem viajado, como sejam Igusrsas,
Goianoa, loga S. Joo, Campia, Serra do Tei-
xeira, Po d'Alho, Limoeiro, as tres villas da co-
marca de Paje de Flores, sendo que segundo se
suppoe esteja tambem no engenho Inhama por
haver sido visto ha poucos das em Iguaraes por
ter amizade com una mulalinbos desse engenho,
anda de presumir que o dito escravo por ah
se inculque como a servigodo dito Sr. Dr. Bor-
ges da Fonsece, afim de nao ser apprehendido :
quem pois o aprehender ondeqaer que for encon-
trado esse escravo e o vlr entregar ao seu legi-
timo dono na ra do Hospicio n. 6, que ser mui
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz de Brito Taborda.
Ausentou-se de casa de seu seobor, no dia
21 do crrante, o preto Antooio, de nago An-
gola, idade 50 annoa pouco mais ou menos,
meio corcovsdo e ps baatanle grossos, levou
vestido caiga branca e paleto! ji velho: quem o
aprehender le veo-o a roa das Cruzer n. 41.
Fugio ha das o escravo Crispiniano, de 20 a
25 annos de idade, estalura e corpo pouco menea
que regular, barbado e eom boos denles, tam of-
tiode sapateiro, mas consta andar trabalhando
de servente de pedreiro e ganhador para aa ban-
daa das Cinco Ponas : quem o pegar leve-o i
ra do Sol n. 21, primeiro andar: tem sido en-
contrado na Eatantia onde, junto ao sitio do com-
mendador Manoel Gongalves da Silva, tem elU
um irmao alugado.
Escravo fgido.
Contina a estar fgido desda os ltimos das
de abril prximo paseado o moleque Herculano,
que foi eacravo do finado Manoel Antooio doa
Pasaoa Oliveira, tendo oa signaea seguintes : coi
fula, catatara regular, a falla um pouco desesn-
1 cada e afinada, tem ama cicatriz n'um dedo de
I urna das mos, proveolenle de um unheiro, ere-
presenta ter a idade de 26 annoa: roga-aeasaa-
londadea policiaea a apprebenaao do meamo e
su entrega a Manoel Antonio Gongalves, na ra
do Cabug, loja o. 8.
Fagio de casa do abaixo aasignado o seo
escravo Eufrazio, de nago, representa ter 35 an-
nos de idade, e com um pequeo lobinho cima
do olno, foi comprado ao teoente-coronol Joio
Francisco de Carvalho Paes de Andrade : quemo
apprehender leve-o ra do Trapiche n. 14, qae
ser bem recompensado. *
Manoel Alves Guerra.
Dos premios da 2.* parte da 2." lotera, concedida por lei provincial para a edificaco da
casa do Gymnasio Pernambucano, (3.' concesso) extrahida em 28 de maio de 1862.
NS. PBEMS.
c*
NS. PREMS.
NOVA
O proprietario da nova exposigio avisa ao pu-
blico que seus estsbelecimeoloa se acham todos
os das abortos at as 9 horas da noite (Ilumina-
dos com o mesmo gaz hydrogenio contando noa
meaaaoa aoUbelacloaanloa urna riqaissiu a gil.ru
do qoedroe que muito intreter a curios idade daa
familias que quierem vtailar eataa eitabeleci-
meauoe, assim como um numeroso se rtimento
de ebjectarias que por goato ae podem comprar,
garantindo aos concurrentes a franqaea do in-
grese em seus estabelecimaotos : na ;:aa Nova
n. 20 a 24, loja de Carneiro Vianns.
Attenco
Caegoupara aloja da victoria, candieiros a
gasa ato novoa gostos e modelos, tanto para aala,
sesea: para eeeada e quartoa a para outr is maitaa
canees: na loja da victoria na raa do Queimado
n.75.
SEDAS
Cinco tusteSa
S nt loja do pavo
W1m?V2., d? ditas de liatraa ao
compndo, ditaa da lUraTatraveasadas, ditas
do qaadriohos, senda doamelboraa pad. oes e de-
*? "* M,"ao piena, o .lio-m aa
m'S1*L*"^ lM l-iaaalfin.
60, loja e rmaseos do pavao de Gema & gilva.
Arado americanos e machina
part latar ronpa: em cata de S P
J*Jton 4 C ra da SenzaUa Noa
n. .
2 5 175 IlUJICi 59
3 79 _
5 81 __
12 84 _
15 91
2 201
27 a _
28 4
36 6
39 9 _
41 19
42 22 .
44 24 mm
45 29
46 _ 81
47 33
52 109 37
58 5 38
59 M. 39 M
63 -_ 48
64 51
67 54 .
69 __ 55
77 __ 63
80 66 _
81 68
88 73
89 77
90 87 109
92 105 91 5
93 58 92
95 98
106 ^ 312 mJ
17 __ 13 m
20 _ 21 _
21 . 26 mm
22 28 -_
31 30
33 35 ^^
36 89 _
3 10 41
40 5 45 5:000
49 46 5|
52 mi 48
53 _ 50
54 20| 51
55 5 54 -4
M 55
70 S08 59
71 6 61 nf
NS. PREMS.
367 5J
73
78
81
83
84
91
94
401
10
11
12
14
16
18
25
26
27
28
29
38
39
41
49
50
56
61
66
68
69
70
71
74
75
77
78
80
88
90
91
95
500
6
9
11
13
15
16
18
1001
59
5$
NS. PREMS.
520 59
24
27 -
29
30 -
31
32
34
38
40
42
48
52
55
60
61
63
64
409
59
67
68
69
70
72
77
78
82
86
88
90
97
99
604
5
10
11
15
17
23
28
39
34
38
41
43
46
51
56
58
60
109
5J
409
51
469
59
109
59
NS. PREMS. NS. PREMS
661 59 835 5
65 38
66 _ 39
69 109 48
74 59 53
75 HBBJ 57 _
79 aaaa 66
85 usa 68
90 ^ 73
94 mm 78
95 ama. 81
97 eaaa 86
98 409 91
99 59 93
700 94
2 . 97 _
9 99 .
10 904 _
13 _ 8 __ '
14 13 ^
15 14 p.
16 17 mm
18 18 ^^
20 23
22 25 .^
28 27 ^^
34 30 H^
46 . 34 __
56 35 _
57 37 ^
62 40 m^
63 45 _
67 52 2009
72 59 309
V 67 59
79 209 69
81 59 70 mm
82 209 71 m.
83 59 79 ^a.
89 * " 76 __
92 84 _
97 86 _
800 88 _ '
6 * 89 __
7 94
11 97 ^^ .
14 ~. 99 _
17 8009 1000 "~ 1
21 5 4
26 r t JM 1
NS. PREMS.
O eserivfo, Sneriano Jos de Moura.
1008
11
18
19
20
22
32
42
43
44
50
51
52
53
57
58
59
60
64
66
69
76
79
81
83
84
87
89
90
92
94
97
1103
6
8
12
13
14
27
28
34
41
45
50
51
5
81
65
6
I
59
109
5$
NS. PRBMS.
1171
72
75
76
78
79
81
82
85
86
93
99
1201
6
9
11
13
16
17
30
22
25
34
36
39
40
45
46
55
57
62
68
70
73
75
78
81
83
84
86
89
90
95
1308
13
19
27
38
34
59
109
59
i*
55
NS. PREMS. j NS. PREMS.
591 1495 55
1500
1338
39
40
43
46
54
57
58
63
66
68
73
75
80
82
83
87
88
99
1403
6
15
16
18
22
24
25
27
29
31
34
37
38
89
41
42
47
48
55
57
60
66
67
68
73
74
77
80
98
209
59
3
4
6
10
14
16
20
21
25
28
36
87
39
42
45
53
57
59
66
72
73
80
83
84
87
89
90
93
93
96
1601
11
15
20
31
38
30
36
37
50
51
52
54
55
60
61
63
65
NS. PREMS. I NS. PREMS.JNS. PREMS.
109
5
109
5f
1666
71
72
78
80
81
83
84
86
90
91
95
97
1700
4
7
11
12
20
26
28
30
31
38
44
48
54
59
63
68
70
71
72
74
77
93
96
90
1803
6
13
14
18
18
36
38
29
30
31
59
26
59
10
59
10
55
109
59
5
1837
43
48
51
53
4
58
60
61
62
63
65
66
8
70
73
76
83
83
86
87
93
95
1901
a
4
12
14
15
23
25
27
33
37
41
43
46
47
49
50
58
58
64
66
68
70
71
83
66
1009
59
109
55
5 1990
93
95
97
2000
3
4
6
17
24
31
33
34
37
38
42
44
50
59
68
71
76
82
83
85
89
91
93
96
97
98
3101
3
5
7
10
17
18
1
30
31
35
99
8t
36
38
55
109
59
26
5
-
NS. PREMS.
2145 59
46
52
59
60
62
65
66
69
78
81
83
86
91
95
2301
3
4
5
7
18
22
34
33
36
37 -
38
42
46
49
55
58
61
63
64
71
72
73
75
76
79
81
82
96
209
59
10
59
9
15
36
37
NS. PREMS.
2338
29
30
34
40
41
47
49
55
56
63
64
66
71
72
73
76
83
83
85
89
97
3405
8
9
15
20
21
22
23
34
26
29
30
34
35
38
43
47
48
54
53
54
56
(1
66
10
59
409
59
NS. PREMS
2470 59f
76
77
81
88
97
99
2504
5
7
8
20
22
23
NS. PREMS
3642
59
27
32
33
36
37
39
41
47
48
53
58
71
72
74
77
79
81
90
93
97
2600
L
8
10
18
19
22
34
36
37
34
35
39
3
20
59
45
46
48
49
52
59
62
69
70
73
77
81
85
86
88
93
95
96
97
98
99
2700
2
4
5
7
16
19
21
23
35
28
80
88
51
54
64
65
68
n
7
iJL
n
36

10
.5.
* a
:r
Pem Tgf. 4$ Jf. F. Pmrk & W#.-1862.
asM
iae
gV
hI ZC
^ X.
'



D11RIO DE P11NAMB0CO. SEXTA flULA SO 01 MAlO DE -1MI.

Estados ira tices sobre os caminhos de
ferro frtncezes.
( Cootinuajio ).
Pera poder reunir 10 graode empato exercido
por eua altara de agua, neceissrto foi dar eo-
eccedeira, que envolva eeies doua pilares. 3
metros de espessura, e reforgii-le por um syite-
m de talai ligando aa dusa illas de atacas.
Com easa Drecaugao pdo-sc execotar, seguio-
oo o mesmo methodo emprendo dos alicerces
dos pilares os. 2 e 3,, as fon lages dos pilares
us. 4 e 5.
Restara, pois. aomeote fundar os qaatro lti-
mos piltres o 6, 7, 8 e 9.
A ultara da agua chegava nelles a 4 m, 5, ao
passo que a espeasura da carnada de vasa dimi-
nua a ponto de aer ao 8* pil.ir aomeote de tres
metros.
Netaaa eircumataocias nao era possivel cooli
nuar a seguir os procesaos usidos dos primetros
pilares. Com effeito. aa estacas da eoseccadeirs,
que tiobam dereaiatir preasio de 4 m 5 da at-
ura d'agua, as mares ebeias, nao podiam ser
enterradas seno de tres meros" em tees", e se-
riara, portado, incapazea de tal resistencia.
Se ae podease livrar o rio Auray da influencia
a alar no local daafuodscoes, ter-se-hiaas poe-
to a alvo aa paredes da enso 'cadeira da enorme
pressao que tinham de aupportar as mares
cheia, e a execugo da funde<;o dos ltimos pi-
lares (Icaria, pelo menos, em condlcoes ideticas
* dos primeirot.
Isto se cooseguiu proceileodo do seguate
modo :
A 300 metros, pouco mai> ou meaos do via-
ducto, o rio Auray forma um cotOTello, e estrei-
ta-se contorneado um roebed).
Corlou-se esse rochedo st niel medio do mar e em (re le do corte se cons-
truirem doas (orles pilares do al venara dislando
de 4 m, 80 entre ei e do rochedo, segundo urna
liohs perpendicular ao eixo do rio.' Os dous vaos
assim. obtidos (oram fechados com duas compor-
tas, engastadas no rochedo e nos doas pilares.
Embaixo de cada urna deeaae con portee, quo se
levavam de 9 m, 22 cima do nivel das maie al -
tas mar*, hara quatro eberuraa rectangulares
de 1 m, 20 de comprimentc sobre 1 metro de
largura (echadas por outras t iotas rotulas abri -
do-se para o lado da juaaote.
Terminadas aa comportaa. loterceplou-ae a
correle do rio por um aleo, iodo do segundo
pilar da comporta outra mirgem, e cuja altu-
ra exceda de 0 m, 40 ao nivel das maia alias
mares.
Com essa disposico, s agua do mar, dorante
a nchente, retida pelo dique que acabamos de
descrever, nao chegra ao ligar da (uodaco do
viaducto, ao passo que, du reate a vaaanie, a
agua do rio amootoada atrs do dique, abria aa
rotlas da comporta e corra para o mar.
Pela cooatrucco desse dijue obieve-se ama
imiouicao de trea metros de altura d'agua, e aa
fundacea dos quatro ltimos pilares paderam ser
feilat seguiodo o mesmo nielhodo empregado
sos pilares ns. 4 e 5.
As honras dease engeohoso trabalho de funda-
Ci cabero ao eogenheiro do districto, Mr. Sve-
oe. e ao eogenheiro em chefii da linha, Mr. Mo-
randire.
A nao ser s feliz diiposicao do terreno, que es-
ees dous dtstioctoe eogenbeiros soubersm to ju-
diciosamente aproveilar, a fun lago dos quatro
ltimos pilarse (eria exigido o emprego do ar
comprimido. Cora effeito, esse o nico meio
de fundir com seguranca e rapidez sob a pressao
de ama altura de agua consid ;ravel.
E' por isso que esse methodo de Candar tende
a substituir em condicee dilSceis todos os ou-
tros soteriormeote embregados.
No entonto, o syslems de undacSo com cai-
xes sem fundo tem recebido ltimamente alguns
aperfeicoameotos, e com ve nagem empregado
quando a profuadidade em qu > se acha o rochedo
nao mui conaideravel.
Asaiatimoa a urna ioterestante applicacao desse
aysteme naa fundagoea do encontr e dos pilares
do viaducto que succede inmediatamente gran-
fJCaPonte do Scorff, a obra de maior vulto do ca-
minbo de (erro de Savenay a L'orient.
Fica eaea ponte na estrada da estacao de L'o-
rient ; tem urna abertura de 175m,18, que ser
transposta por um s tubo formado por duas tra-
vs duplas degradil de ferro Ureillis de fer, lat-
tice) e por um cu e am taboleiro formado por
pegas do meamo metal.
O taboleiro da ponte repousar sobre dona pila-
res, diciendo de 68m,8* entro, si, e de53o,17
dos encontros ds ponte.
Os dous pillares sero fundados por meio do ar
comprimido com caixes pelo novo systema de
Mr. Fl-ur Siint Dinis. A fundaran de um del les
ir procurar o rochedo a llm.o abaixo do ni-
vel das mares cheias; a do o Jiro a 15m,0. Os
caixes de foiha de ferro para easas importantes
fundacoes e a ponte tubular cm gradil aero fa-
bricados no grande estabelecimeoto ae Brnest
Gouive e Comp., em Paria.
A faadacao do encontr da margem direita (oi
feita por meio de um grande caixao sem fundo
sobre o rochedo, a 8m,05 abaito do nivel da ma-
c cheia, sendo elle oease ponto precedido por
urna eipessura de vare de 2 metros.
Tioha eise caixao 8m,50 de altura e a (rma
de uo (ronco de pyramide de base rectenguler.
rende basa linha I5m,40 de compriment co-
bre llm,80, e a pequeoa 12m,55 aobre 7m,75 da
largara. Era rsforeado por cinco ordena de talaa
horisooteea, formando outros tintoa quedroe pe-
rallelos is bases, e maniendo um syiteme-de vi-
gas, prependiculates delles, espegadae de lm,45
urnas daa oatraa.
O revestimmto das psredes do caixao era for-
mado por um duplo tabeado, eruxaodo-se em
ngulo recto mantido entre aa talas.
Foi o caixao construido em ama das margeos
e laufado depoia ao rio com aa precauQdea que
se tomara oo lancameoto doanavioe. Pereobter
ue immerao foi necessario carrega-lo, segando
seu perimeiro superior de barricas cheias de
agua.
A arde em que devie aer collocado o caixao li-
aba .'ido previamente dragada, depois de sus
collocacao foi essa dregagem apereigoada com
eacaphaodras.
A escapbaodra inventada por Mr. Sy*be euba-
titue com vaniagem oa aiooe merguibadoree. E'
empregada com grande ulilidade nos trabalho
hydraulicos dos portos de Mereelbe e Breet O
deposito desees excellentes apperelhos em Pa-
rs, ra do Fauboarg Moal marlre o. 106. Cas
ta urna escaphandra com duas vestimentas, urna
machina de comprimir ar, taboi de aobreseleole,
etc., 2.500 franco.
Feita a ultima dregagem com auxilio daa ea-
caphandree, procedeu-se (ormec&o de em se-
gundo recinto de estecaa-prancha pararello s
psredes do caixao.
Entre esse recinto e o formado pelas parede
do caixao derramo -se betn. Para executar ea-
sa operaco principiou-ae por ealabelecer sobre
as talaa, quecoroavam as paredes do caixao e as
da estacada, duas Olas de rails, sobre os quaes
montou-se um carrinho supportaodo um sarilho
diferencial. As calas para derramar betn erm
de pioho, teodo a forma de um tronco de pyra-
mide de base rectangular, com um volume de
Om.lO cubicos.
Tiobam nos lados menores duas argolas, pelaa
quaes eram peoduradas as extremidades daa cor-
das do sarilho differenciai.
t A immerso do betn am grande profuodidade
d'agua urna operagao que exige aer feita com
grande cautele. -
Sob a aeco d'agua, parte de argamaasa do be-
tn forma, diluindo-ae, urna eepecie de lema
(fai(ance), que conservando-ae aempre fluida oa
massa do betn, d lugar a flltraces e muito
prejudica eue solidez.
Para evitar aua formaco procedia-ae aasim:
limpo bem o pooto quedevis reeeber o betn por
um obreiro, muoido com a escaphandra, descia-
se lentameote a caixa at tocar o fundo, elevava-
se am poseo e derramava-ae ento o betn, du-
xando-se urna corda presa ao seu fondo.
Procedendo-se assim, forma va-se urna primea-
ra carnada de betn de 0m,60 de espescura, a que
ae dar 4 a 5 metros de coraprimeoto. Passa-
va-se immediatamente i formagio de urna ou-
tra, que terminara a lm,50 do fim da primetra
carnada, depoie de urna terceira terminando a
lm,50 da extremidade da segunda e assim por
diaote, de modo a formar um talude, que faci-
litara muito a limpeza da lama que que produx
a argamasss do belon em coolseto com a agua.
Esse processode immerso do betn de'ido
a Mr. Noel, director nos trabalhos hydraulicoe do
porto de Toulon, e (oi por elle pela primeira vez
applicado aa construeco dos diques do araenal
daqoella ciJade.
Collocado o betn entre as paredes do caixao e
o recinto interior formados pelas es tacas-p ran-
cha, ficou e rea am quedeviaaer fundado o en-
contr cercada por ama eosecesdeira em excelleo-
les coodiges. Tralou-ee de eegola-la por meio
de bambas Le test u, e, deseoberto o rochedo,
consiruiu-se sobre elle o alicoree do encontr.
Estudandoo systema'de fundagao do encontr
da ponte de L'orient, v-se que o servigo do cai-
xao aem fundo ahi empregado ae reduziu a for-
mar a parede exterior da enseccadeira de betn,
que permitiiu execatar-ae a secco s fundagao so-
bre o rochedo.
A applicacao de um caixao sem (uodo pera esse
mister muito bem lembrada ; obtem-se assim
urna parede exterior pan a eosecesdeira com
urna solidez, que difficilmeote se poderla obler
fincando estacas e reuoiodo-i pnrtslee.
Em circunstancias menos diTkeis, qaando a
profuodidade da agua e a espeeeara da cemada,
que precede o rochedo, sao menores, pode se
prescindir de construir o caixao aem fundo e for-
mar a eosecesdeira com estacas e estacas-prao-
cha somente. A parede exterior ento cons-
truida por urna aerie de estacaaespscdas de um
metro e reunidas por talas; o intervallo entre
as estacas perfeitamenle prel-encbido por esta-
cas-prsncha, bem cerradas urnas as outras.
A parede interior formsda simplesmenle
par estacas-prancha reunidas por travessss. Nes-
se systema (oram construidas asenseccadeiras da
ponte do Bague sobre o Vezre (cemlobo de (er-
ro de Perlgueux Agen). O intervallo entre ae
duas paredes da eosecesdeira (oi cheio com ar -
gila perfeitamente amassadi com pslha picada.
Esaas ensecadeiras provaram mui bem ; a ar-
gila amassada mesmo preferirel ao betn quao-
do nao se dispe de escaphsodras para aperfei-
goar a dragagem e ejudar a aua immerao.
As fundacea por meio do er comprimido fo-
rana objecto de um primeiro trabalho nosso, pu-
POLHETIM
0 PAIZ DO
O
POR
A LE GONDRECOURT.
blicado oo Crrelo Mercantil de 88 da julho de
tool.
Nelle expezemoa detalbedementa o novo sys-
tema de fundar com caliee da forro, tal quei o
imoc applicar ponte de la Voulte. segundo o
methodo imaginado por Mr. Fleur St. Denle, e
pala primeira vez empregado oaa fundacea da
celebre ponte da Kehl aobre o Rheno.
Naa pontee da Fioirse e Cspdeasc empregoa-
m o syeteme lubalar des pootei de Rochester a-
perfeicoado.
Os apparelhos de que se fez aso tiobam j ser-
vido, oss undaedes da graode ponte de fer-
ro de Bordeaux, que esiabeiece a commnni-
cago eotre os camiohos de (erro de Orteans e os
Meio-Dia.
O systema dafuodar por meio de ar compri-
mido de urna applicacao to vantajoaa, e aeu
aso principia a generalissr-se lauto, que de
nosso dever sccresceoter eioda algumas palavras
a respailo.
O leito do rio, tent em Capdeoae, como em
Ploirec (cemioho de forrada Brirea & Cspdenac)
formado por eapessa carnada de aelxos ro-
lados.
Em Cspdenac easa carnada linha 7 metros de
espessura, ashando-ao depois immediatamente o
rochedo ; em Floirsc o rochedo achav-se
profundidade media de 10 metros, sendo pre-
cedido por graodes padraa aoltaa que considera-
velmente augmentaran a difllcutdade da fua-
decio.
Cada um doa pilarea deesas duas pontos for-
mado por doas colum.aa de 3m 60 de dimetro
cada uma, ligedes por abobada, aobre a qual aa-
eeole o taboleiro da ponte.
Cida columna foi fondada por meio de am
grande tubo de ferro (uodido de 5m,60 de dime-
tro, formado com aoneia deum metro de altara
e do peao de 3,444 kilogrammas.
Os aooeieforam reunidos ao lugar mesmo da
fandsco por meio da parefosoa, que se atarra -
xavam noa rebordoa de que eram para isso ma-
nidas ss desees snneis.
Psra impedir,que o ar comprimido eahis-
sa por essss juntas, ss extremidades de cada an-
nel traziam raohuras abertas na sua espessura,
onde se iotroduziam corda da borracha que n-
cavam (ortemeaie aperladas, quando se cerra-
vam os parafosos qae reuoiam aa extremidades
doa aoneis.
Para facilitar a elevaco dos anoeis e a ar-
maco do tubo, construiu-se em torno ds sra
da (uodaco um andaime, sobre o qual de es-
tsbelecea um forte sarilho psra a suspenaio e
transporte dos aoneis.
Foi sobre esse andaime que ae collocou a
machina a vapor de comprimir o ar e ama pe-
quena locomovel, que servia para elevar as
trras que ae extrahiam do ioterior do tubo.
Armado o,tubo com o comprimeoto egual ex-
pessura da cameda de seixos rolados, espessu-
ra que ae tinha previa m ente determinado por son-
degens repetidas, collocoa-sa sobre elle a ca-
mera de entrada, constituida por qaatro aunis
com as mosmas dimenses dos que formara)
o tubo.
Era a cmara de entrada separada do tubo por
am forte placa de (olha de (erro, oa qual existia
uma vlvula para entrada doa obreiros no tubo e
sabida daa trras.
A elevaco das trras era feita em 30 pequeas
caixas de pinho com m,30 cbicos de volume, por
meio de um aarilho eetibelecido aobre o aoelho
de cmara de entrada e movido pala locomovel.
Reuoiam-se ss esles cheias de trra na cmara
de entrada e se as (azie sahir do caixao (odas so
mesmo lempo, manobrando aa valvalaa da cma-
ra de entrada e aa tqroeiraa respectivas para im-
pedir que ae escapases o er comprimido do iote-
rior do tubo.
A treoamisso do movimeoto da Lacomovel,
collocada aobre o aodiime, ao sarilho estabeieci-
do no ioterior da cmara de entrada, hermtica-
mente fechada ae fazia por meio de um eixo de
ferro, queatravessava a parede da camera de en-
trada dentro de uma boceta da estopa (stufing
box), que impedia a ashida do ar comprimido.
A cmara de entrada era fechada por ama pla-
ca de folhs de ferro, munida de oms vlvula
abrindo-se psra dentro e destinada s manobras
de entrada e sabida.
Para cootrabaleocar a reeceo do ar comprimi-
do, que, actuando no fundo de cmara de estrada,
tende a elevar o tubo, impedindo ?. elle pene-
tre o solo, eaipregavaai-ae eonti _so cottoca-
doe de um lado e de outro, pesaridcTSO 000 kilo-
grammas. Eren ellec formados par duee gran-
dea caixas cheias da pedra e de ratrs. Essss cai-
xas assentavam sobre duas fortes*vigas em du -
po T de (olha de ferro, que repousaram sobre
ama estacada especialmente construida para esse
mister.
A aeco dessee contrapesos transmittie-ee
parte superior do tubo, isto ao teeto da cmara
de entrade, por meio de fortes tirantes de (erro,
qae selsm reunir a ama travessa, assentada so-
bre duas outras vigaa em duplo T, collocadas em
cima do lelo da camere da entrada.
No meio dos tirantes hsvia parafosos, munidos
de porcas, qae se torctam por meio de pequeas
manivelas; com essa movimeoto encurtavam-ae
oa tirantes, o que tenda a levantar oa contrape-
sos, que, reagiodo com aeu enorme peso sobre o
alto do tubo, promovam o sea enterramsoto no
solo.
Este systema de contrapesos muito preforivel
aoa usados a principio; aeu peco extraordinario
fas penetrar o tubo oo solo aem que seja necease-
rio eleva-loa de grande qaeotidede e dispor por-
tento apperelhos especiaos para guia-los em seu
movimeoto, como aconteca com os qae forsm
empregados na ponte de Rocheater.
O systema de faadacao tabular com ar compri-
mido, meamo com oe aperfeicoameotos ultima-
mente introduzldos, Inferior ao novo systema
da fuodaco com caixei, segundo o methodo em-
pregado naa pontea da Kehl a La Voulte.
Na verdade notam-ae nelle os seguintes incon-
venientes :
1. Perda de um grande volme de ar compri-
mido (o da cmara de entrada) todae as vazes que
se tem de exirehir deaaa camera aa 30 caixea
cheias dos productos de escavac&o ou que alguem
tem de entrar no apparelbo ou delle sahir.
2.a Necessidede de aesmonlsr a camere de en-
trada, e conaeguintamenle de inlerromper o tra-
balho, quando ae tem de augmentar o tubo por
ser preciso descer mais a fundado do que aebe-
via previsto.
3.* DiQlculdado do tranaporte e collocacao dos
pesados anneis de (erro (uodido, que (ormam o
tubo, dos quaee cada am lera o conaideravel peso
de 3,444 kilogrammas.
4. Emprego de rail e caixis cheias de sra
para contrabalancar a reaeco do ar comprimido
e promover a penetraco do tubo no solo, em lu-
gar de sproveitar para isso o peao da alvenerie
do proprio pilar, que se tunde, como to enge-
nhosamente (az Hr. Fleur Saint-Denie no novo
systema de (uodaco com caixes.
5." Elevar-se os productos da eacsvac,o, que
ae effectua oo Ioterior do tubo, com caixas em lu-
gar do empreger para isio ama noria vertical,
como se faz no outro systema.
Teodo a escavagio dos alicerces alcaocado o
rochedo, preparou-ae aobre elle am bom asseoto
psra o pilar, e conslraiu-ae ama primeira carnada
de elveneria com argamaca de cimento de um
metro de altura. Logo que essa alveoaria (ez
pega, ceesou-se o traDalho com ar comprimido e
termioou-ae a alveoaria do alicerce ao ar iivre
por nao haver maia a temer a ioraco das aguae
do ro.
Em Capdenac, as fundaedes leem 6 a 7 metros
de profuodidade, a cuitaran) 50,000 francos por
pilar ; em Flotrac descer-se-ha al 10m,0 e con-
tara-ce dispender 60,000 freocos.
Etsas fundacoes sao, cumpre confessa-lo, de
subido custo ; mas deve-se observar:
1. Que ellas sao indispenseveis, por nao aer
racionel fundar ama ponte de caminho de ferro
aobre aeixos rolados.
2." Que, sem empregar o ar comprimido, nao
se poderla descer a to grandea profundidades
sem dispeoder o duplo oa o triplo, e que telvez
mesmo se fizesse eses despeza e oo ae coaae-
guisee fundar a secco aobre o rochedo.
Caet e cimentas, argamassas e alvenariat.
A composicao e coofec?ao das argamaeses, de
que ae deve (azer uso as obras de arte dos cami-
ohos de ferro, sao com razo consideradas com a
maior atleoco peloa engenheiros fraoeezes.
Antes de se encetar a execuco das obras de
arte, procede -se a minuciosas indagacoes sobre a
cal das viziohaocas, eosaiando o seugru de hy-
draulicldade, para reconhecer-ce qual e qae po-
der ler com ventegem empregadas.
Esses eossiosso bem simples ; tomam-se dif-
erentes amostras de cal, e ae aa dilue em agua
de maneirs a formar uma massa consistente,
com a qual ae eochem os dous tercos de um co-
po, que se acaba de anchor d'agua. Feito iato,
beata exprimentar todos oa diaa o estado dea
amostras, e ver quando ellas se achara asss re-
sistentes psra austenterem a agulha Vicat, pe-
queo instrumento que consista em uma haete
cyliodrice de 12 millimetros de dimetro, termi-
nando-ce superiormente por am peso de 0,3 ki-
logrammos.
As caes eminentemente hydraulicas, aa ni-
cas empregadaa nasobraa d'arte dos camiohos de
ferro fraoeezes, devera pooer sapportar a agulha
Vicat, aem depreeso seosivel, doas a quatro das
depois de saa emerso.
Quando ss eses fsbrieedas as eircamvisinhan-
na nao poseuem o gru de hydrealicidede de-
aejado, procede-ea a experienciac sobre os cal-
careos do paiz, no iotailo de reconheceroa capa-
zea de prodazlr boa cal para calcinaco.
Reiulla deetee. indagares, proeeguldee com
intelligencie, perseverante e methodo, que mui-
tas vexea ae vera a encootrar, meamo sobre pon-
tos do lracdo, excellentes calcreos para a fa-
bricago do caes bydraulicae. e sneemo de cimen-
toe, oo ce teodo maia do que estabelecer tornos
oes proximidades psra ter econmicamente ca'
que sem isso serie necessario fazer vir de longe
e por alto prego. Assim, no camieho de forro
de Brivee a Capdenac, a excellente cal bydreu-
lice, (sustentava a agalha Vicat depoia de 48 ho-
rae) empregada naa obras da arte das circumvi-
etnhencas do Figeac. provinha de calcreo ex-
irahtdo na triacneira, que precede ao tnel de
Capdenac.
0 meamo se dava no tnel de Montplsisir e no
camioho de Periguex, a Agen, em queae fabrica-
ra cal em um ponto da liaba perlo de Saawe-
terre.
No viaducto de Ceiodeau a cal era fabricada
com oa estilhaco do calcreo, empregado em
aua eooetrucco, em tres foroes estabeleci ios eo
p da obra. Fot por isso que o custo deste via-
ducto attingiu um mnimum, qae raras vezes se
pode alcaogar nesse genero de construidas.
Tendo elle 20 areoa de 12 metros de abertura
com a altara media de 27 metros iclmi do afilo,
e ama extenslo de 306 metroa com ama s vis,
importare spenes em 350,000 (rencos I
Campre ser sinda notado que.alm da oircam'e-
lencie extraordinaria de ae ler encontrado todoa
os maieriaea necesssrios naa proximidades do
viaducto, multo coocorrea para a molicidade do
aeu casto o ter sido construido segundo o typo
estudedo por Mr. Krsntz psra a reda central de
Orleans, qae reuoe solidez a mais estricta eco-
noma.
Em um cemioho de ferro nao cao aomeote as
obras que tem de flear em contacto com a age,
como oa alicerces das pooles e os tunis em que
exictem ltragoes, que exigem o emprego de caea
hydraulicaa ; as obras d'arte em geral, que, sus-
tentando o cemioho de ferro, devem oo s po
der aupportar aa presses vertieses devidas so
sea proprio peso e ao dos treos, que sobre ellas
transitara, como tambem resistir as violentas vi-
brares que alies Ibes transmitiera, oo podem
ser construidas com caes tracas, inespazes de
aggregar fortemente os msterisai e de dsr al-
veoaria a aolidez oeceesaris pera resistir efficaz-
raeoie s (orces que teodem e desorgsnise-le.
Alm disso, as argamassas (eitas com caes gor
das, meamo de excellentes qualidedaa, neceasi-
taodo do contacto do ar para faier pega, oo de-
vem ser empregadaa nos grandes massigos daa
obras da arte, nos quaes se conservariam indefi-
nidamente em estedo pastoso.
E' por essas rezee que priocipio em Frenes
oo empregar oes obras dos caminhos de (erro
seoo caes, gozando de propriededes hydraulicas
bem eminentes, e aempre cimentoa nae que de-
vem licar em contacto com a age.
A cal geralmente empregada no Rio de Janei-
ro, proveniente de calcioaco de conchsa des-
tituida de propriededes hydraulicas,* seobriga-
do a recorrer ao emprego de cimentoa eatren-
geiros. oblidos por cito prego, para ae construc-
Ces hydraulicas. '
E' portaoto.da maior oecessidsde qae se pro-
ceda a uma aecurade indagago dos pontos do
imperio em que exislem calcreos proprios psra
a fabricarlo de cimento e cal hydraulicos ; que
se estabelecam nestes pontos tornos e todos os
apparelhos neceaaarioe pare esea fabricaco peloe
procesaos moderos ; e que as localidades em
que tses calcareoa nao exislam, como acontece
naa proximidades da capital, em que o terreno
grantico, ae recorra prepararlo de cal hidru-
lica artificial por meio da calcinaco aimultanei
de cal gorda e arge.
E' easa uma indualria de atlidade iocontesls-
vel, que campre quaolo antes crear oo peiz, e
que, estabelecida com iatelligeocia, oo poder
deixar de proluzir excellentes resultados.
As compaobias dos caminhos de ferro exigem
sempre que os foroecedores enviem a cal, per-
feitamenle apagada, reduzida a p i m palpa velera
barricaa ou saceos, e que ella seja guardada em
um lugar fechado al ao momento de aer em-
pregada.
Para verificar a boodade de cal e evitar frau-
des nos fornecimentos, enssia-ae de vez em
quando a argameess. Esses eosaios reduzem-se
tomeruma porgo de argamaaaa em um beld,
mergulhe-le em agua corrate e observar quao-
do ella faz pega.
A preparago da argsmeeea se faz noe traba-
lhos de pouca importancia em um amaasadouro
de tonel, movido por um cavallo ; e naa obraa
em que devem trabalhar simultneamente mais
de 16 pedreiros em um amaeaadouro de rodae,
eoDhacido pola denominarlo de manejo das forti-
ficsces de Pars, onde foi pela primeira vez em-
pregado.
(Coiitumes dota nmades.)
TERCEIRA PARTE.
(Coolinuacc.J
XV
Eram poneos mais ou menon exactos oa esclare-
eimentos foroecidos por Ghre lab ao cberlf, e ao
aeu conselho. *
Qom effeito o kalifa Si-lian: za avancava ao en-
contr dos Nmades com um partido numeroso
de cavelleiros submettido nosss aatoridade ;
mas nao era imposaivel vence-loa, tanto meis
quanto o apoio que Ibes prestava a columna fran-
cesa, qae oa seguia de longe, oonsislia antes n'um
apoio moral do que n'um re!occo effectivo.'
O coronel Durrieu pariiu le Hetlili com mil
horneas de nlaotatia, tres esjuadres de Spahis,
6 algumaa centenas de cavtlleiroa rabes, para
acompaohar na direceo de Ouargla os passos do
goum ae Si-Hamze, arremeaisdo em perseguico
oa antea procara do cheril. Ora, manobrando
em to enormes distancias do i nossos postos mais
ovaocados, e n'um peiz qae ti noess deatimidain-
fantera via pela primeira vez, paiz ardente e deso-
8o, era muito natural que o coronel devesce
Otar os sabios conselhos da prudencia, e re-
sistir aoa impetoa doa seus a ais fortes desejos; e
isto especialmente quando ti iba o espirito escla-
recido pelos cnefes experimentados de nossas tri-
bus alliadas.
Todos esses chefes schav.im-ae unnimes em
effirmar qae era Si-Hamza um ambicioso de du-
Tidose delidade, capaz ou (le trahir-nos psisao-
do-ee para o lado du cherif, ou de combater e ar-
ruinar o meamo cherif por nos coate, no inico
intuito de acabar com a ioflt eocia daquelle e re-
veiiir-se de sus autoridade cootra nos.
A sitaec&o era pois pajada de embaracos ; e a
columna (ranceza s poiia uvencar pequenea
marchas, muito longe doa cavalleiroa de Si-Ham-
ga, a quem ecte impellie para uma das suas msis
arriscadas empresas (1).
O coronel penetran no terrivel paiz dos Beni-
H'zaba, e qaando o atrareaaiu viu que a sua lo-
faataria oo podia ir maia idiante. Os sapatos
feitos de proposito psra aquellee terrenoa padre-
Sosos ao se tiobam msis da estragados: por to-
a a partehavia falta d'agui>, eo deserto se spre-
aenlava i vista de todos con o seu triste silencio.
Ordenar a marcha para ediaite cee eaamir ter-
rivel respooaabilidade, seria expor-ss sem duvi-
da alguma a sepultar oas areias cerca de doua
mil borneas sem gloria e proreito para aa nos-
sas armas
Por outro lado Si-Hamza podia trahir-nos, e
serem-nos fechadae as portas de Ouargla, tornan-
do-se deate modo impossivel a nosss retirada.
O coronel fez poia o que a prudeoeia a con se-
Iha, e o que em aemelbanlea circunstancias exi-
ge o eapirito cavalleiroso da nossa vlente na-
Cao : deixou ficar a aua iorantaria a viota e cinco
ou trila leguaa de Ouargla, assim como aa ba-
gagens, os esquadroes, e o goum da aribes, e
partiu com quireota spahis somente (2) para re-
conheeer por ai meamo o3o a a disposico des
populaces do oasis, como tembem a conducta
do kalifa Si Hamza.
Voltaremoe eioda as cooaequancies deses au-
dacioaa empreza de am genio paramente trances.
Veremos muito breve o forte estandarte da pa-
tria, erguido por mos firmes, penetrar i mais de
duzentas legues de Argel oo gremio das ppala-
Ces armadas e iaaatisadas : aim, abi o veremos,
e reconheee-lo-hemos mais anda pela aua no-
bre oueedie do que pelo brilbo de suas cores.
Por agora deixemos eese ledo do qasdro, e
transportemo-nos psra alem da Oaargla ao acam-
pamento de Si-Hamze.
O sol encaminha-ae para o seu oceaao : pou-
caa horas maia eaer noate. Si Hamza, instrai-
do por seus espies dss marchas e contra-mar-
chas do cherif, parou contra o sea cosame lon-
go do sitio que pels. msoha designsrs para ter-
mo de saa viagem daquelle die.
Si-Hamza um peraonagem Importante ; me-
rece que Ihe consagremos especialmente algumas
liabas.
Em 1853, poca doa acoDtecimeotos: que nar-
ramos, tinha elle ao mullo quaranta annoa : era
entao, e atoda boje am dos msis perleilosca-
velleiros da typo aribe : de estatura alta e ele-
gante aleare com mui rara dignidade a aua ca-
bega chela de fioura, e ao meamo tempe de ma-
gostos simplicidade.
O sea olhar teroo, a sue vos melodiosa : a
barba preta e bem fechada, tratada com todo o
esmero, orna maravilhosameote o seu bello sem-
blante, que seguodo o aso entre oa rabes de
distioegao, reveate-ae com extreme mobilidede
do carcter adequado diplomacia do peneamen-
to. Si-Hamza deixa ver com complacencia as
suas liodss mos, de que to cioso como ams
mulher bonita o dos seas rseos dedos qae oc-
culta em perfumadas luvas.
Esse homem, veleate tods a prora excesi-
vamente arictocrats, iodoleote e activo, iodoleo-
le em resolver se, activo e iofeligavel quando ae
decide a obrar, rico a ponto de igoorar aa riqne-
sss qae possue, e avaro a ponto de calcular o
seu alimento, esae homem, digo, goza em lodo o
argelino de immensa aatoridade espin-
el amaasadouro do tonal consiste em um gran-
de tonal, teodo no aeu interior travesaae ermedaa
de denles de (erro; um eixo vertical, fezendo
syalema com um manejo, traz traveeses seme-
ntantes com denles alternando com os dss tra-
veseas de tonel. Us ingredientes da argamases
introduzidos pela bocea do tonel, ao miaiuredos
e revolvidos por esees pontea, sebindo a erge
massa prompla por uma porta, que exiete na par-
le inferior do tonel.
O manejo de rodaaae compe:
t. De ama cuba anoulsr da elvenaria, que
deve ficar a dous metros cima do slo natural,
deveodo-se para ecoBomiaar em aue coostrueco
eproreitar alguma elevaeeo que aprsenle o ter-
reno naa circuravUinbencas da obra. Em am
ponto do fundo deess cube be um pequeo alga-
pao, que asrve para a aahida da argamaase quando
prompta.
S. Da um eixo eupportando daas rodea, a gy-
rendo era torno de um pta-o slidamente engas-
tado na alvenaria ; eiae aixo prolooga-ae de um
lado alm da roda, e na aua extremidade se amar-
ra o balancim, ao qual preso o animal; deve
ser elle formado, nao da uma pee* de madeira
interiga, msa aim compor-ae de tres partee: ume
centrel cufiada oo pilo e aa duas oatraa articula-
das i alia de meneira a permrttir movimentoa no
plano vrtice I. Sem essa pieceucio o etoo ce
curvara quando a roda encoatraaeo alguna obs-
tculo durante sea gyro, que a obrigaase ar ele-
var-ce.
3. Ue duas rodas bem pesadas com um triibo
de 0m, 10 a 0m, t largura.
4." De deas especies da garlos, flxo so eixo
dss rodas acompanbando-es em aeu gyro, para
revolver a argamesaa e emooloe-la ooe pontos
por oode peaaam es rodas Para preparer a ar-
gamases uestes apparelhos priacipta-ae por ccl-
locer a cel a secco em diversos pontos de cuba ;
? ."*.lffrar "d" tMeja-la perfeitamea-
? 'T?""* *^oU c preecrpte e colloce-sa, emfim, a arela, espalhan-
*"* *?', ,0** eifcumfereejcia da coba. Du-
rante lo Je ecaa operaco o rx anejo est sempre
prompt. P ,,,Dd0 "amam ***
Para um servieo de 10 horaa por dia coa esae
smasssdoura sao neeeasarios tres animaes Wsba-
lhanJo alternadamente.
A arela,, que se em prega naa argemassss. de
graos medios ; prefere se a arela grosae a fina.
sobretudo para a alveoaria de pedra tosca E*
sempre perfeitamente lavada, devendo ranear
aem adherir quaodo ae esfrega oa mo. '
A dosagem da argamaaea aempre (ella em
caixsc, fornecidas pelo empresario, tendo o vol-
me preacriplo pelo engenbeiro.
Essa dosagem determinada por experieneies
directas, fazendo-se argamassss em diversa pro-
porges e vendo a que prava melhor ; geralmen-
te e retaceo da 1 de cal e 2 de arela.
A quaotidade d'agaa deve ser apeoassufficien-
te para dar argameasa a consistencia de cima
pasta forte; um excesso d'agua mai prejudi-
cial ; a areia lavada e se separa da ca. E' por
isso preforivel empregar s srgamaaea am pouco
forte e molhar os materiaes no momento de em-
pregs-los; essa preceugio 4 indiapenaavel qaando
se coostrecom lijlos esom cortos calcreos ab-*
sorreotes.
O lugar em que ae faz a argsmsssa aempre
abrigado por um lelheiro ; saa coofecca dase
eer dirigida por um obreiro iotelligente; a com-
panhia tem ahi aempre um vigilante para fiscali-
zar essa importante observa gao.
XI vtnaria.
Nos trsbelhos dos cemiohoe de ferro fraoeezes
distioguem-se quatro sortea de alvenaria :
1.a A de cantara propriameote dita, oa qual
os paramentos de jante e o vleivel ao perfeita-
mente talbadoc. Ae juntas neasa aorte do alve-
naria sao de 4 a 6 millimetros de espessura, com-
pletamente preenchida por argamasss s ; o aso
de cuabas de madeirs expresssmeote prohibido.
Para eocher ai juntas vertieses com a argamasas
empregam os pedreiros freocezes ams especie de
colher alongada com denles, e qae chamam fiche
e que mui cooveoieote pare esse mister.
Para cada metro cubico de alvenaria de canta-
rla prescreve-se 0m, 10 cubico de argamaasa, qaa
deve ser feita com areia mais fina do que a em-
pregada para aa oatraa alveoerles.
2.a A de cantara tosca (moeifons piqus) em
qae s o paramento visivel telhado regularmen-
te e oa de juntss o sao maia ou meos toscamen-
te. Cada metro cubico desia alvenaria exige o 0m
15 de argamaasa.
3.a A de pedra simplesmente eeqnadriada
[moellone quarris) que neceaaita de om, 25 cu-
bico de argamesaa para cada metro cabico.
4.a A alvenarta, emfim, de pedra toaca. em
que preciao empregar 0m, 35 cubico a 0m, 45
cubico de argamaaaa por cada metro cubico. A
execugo deaea alvenaria, com a perfeigo ne-
cesciria para as construeges dos camiohos de
ferro, o objecto constante da attengo dos vi-
gilantes. E' bem difficil conseguir que oa pe-
dreiros empreguem a quaolidede de araja-massi
devida,e engatam bem ae pedra uma as oatras
de mmeira a dar alvenaria o mximo grao da
solidez ; tanto maie que eese elvenaria fica ouaer
cempre occulls nos massigos e qae ama vez feita
impossivel verificar a perfeigo de saa exeea-
go a nao querer deafeze-le.
as obras de arte muito elevadas, em que a
elvenaria deve ser sujeita a fortes>reses, teta-
se adoptado ltimamente, no intuito de poder-js
cootar com a resistencia da propria pedra S rup-
tura por comprecao, e oo com a da argamasas,
que Ihe muito toferior, um systema de cons-
trueco especial.
desorlo .
i) Vtaa Diario o. I** tual, perqu herdero directo do poder mystl-
(1) A expedico de Si-Henze cootra o cherif Go ae Sidi Chiks (3), descendente principal de
1853. Com qaanto Stdi-Beu-Bekker-Seddik, primeiro kalifo do pro-
leve lagar em dezembro de
teohamoe oaservado a Teutrieta exaetldao doa
tactos, todava por casia o exigir a coovenieocta
da aierraco antacedemoa el^uos metes a esaa da-
ta. Tambem a nica liceuca qae tomamos nes-
4e otMso romanee histrico
pheta.
(2) O capitn Aaroo, doa epabia 'Oren, acorn
panhou o aorooat nesaa perigosa ai carato.
(8) DosOuled-Sidi-Chikrs-Cberragas.
O acampamento de Si-Hamza estavs oceupsdo
por alguna mil horneo, sendo cavalleiroa cerca
de seiseentos. Essa tropa aguerrida offerecla o-
aspecto maia trisloaho poasivel : bem se podia
(azer idea daa enormes (adigaa que homena e ani-
maes haviam euperado at ali, nao a ista dea
flancos emagrecidoa doa cavallos, como peles
semblantes tostados e desfeitos dos soldados e
cavslieiros : nao obstante, estando prxima a
hora suprema e decisiva, cada qaal appellava pa-
ra sua ultimas torces aflm de coocluir com uma
victoria eatrondoaa os tormentos, que j se iam
tornando iotoleraveis.
A' alguna paaaoa do ailio em qoe Si-Hamza des-
cancava vamoa encontrar doua cavelleiros senta-
dos aobre a areia; fcil reconhece-loa apezer do
uniforme arabo que vestemumdelles o baro
roold d'Amatadt, e o outro & bravo G*aco
Pompidou.
Eatao, mea pobre rapaz, dizia Arnold, oes-
tes quiuze ou vinle diaa oo tiveete uma s vez
saudade da briaa de Viznau, dea fra rajadas do
Wytensteio, a das frescas footes de Sealisterg i
Anda a eaae meemo adorador do fogo, qae eu
conbeci ouir'ora cheio de deaorezos pelo saave
clima da floreaceote Helvecia
Ah I Sr. bario, reapoodeu Pempidou. Eu
deaejava ardeolemente aquecer-me ao calor do
aol, maa nao quera ser torrado. Apra I qu calor
iosapportavel (ez por aqu I Onde iremoa nos
ter ?... A agua diablica que tiramos daquelle
poco est morna, as rajada de vento que cnti-
mo perecem eebir de um (orno, e eu lenho areia
l na garganta. Onde vamoa na, bondade di-
via.
. Poia te queitas, quando ha ama mulher que
pasaou adente de nos oeste mesmo camioho que
e E' verdade, Sr. baro, verdade I Mea ao
mono deve V. Exc. couvir em que a seora ba-
rooeza uma mulher excepciooal.
Pobre Tbereza I Quem aabe ae a esta hora
j nao foi victima da sua dedioaco 1 Mas tam-
bera eooQar-se assim desse miceravel qae tomou
por gula I...
Perdo ; eu nao parlilho detse sea receio,
Em toda a parte oa maiorea acelerados leed) mo-
mentos de arrependimeoto, e V. Exc. ha de ver
que o tal Francisco f ara es coases do melhor mo-
do possivel. Depois V Exc leve. boes noticia
corease mensageiro que elle nos enviou : ao que
parece, a aeohora baronesa tratada cora lodo o
reepeito e attengo. O qae me d qae fazer ti
modo porque V. Exc. ha de aahir dease nego-
cio 0
Porque eotao i
Porque estou quaai peraaadido de que saa
fllha ihe ha de aer restituida, e ecle caco est
V. se. disposto a confirmar o consenao qae deu
a snhora baronesa a Frencieco Klein para o ca-
samento deaie-com mademolsella Magdalena 1
Ests doudo I
Nao, aenhor : pelo contrario tatou racioci-
ocodo com todo o sanco.
-- Mes eu naaes te autorleei a crer em seme-
Ihsnte eoormidsde. O que poderei fazer per-
doar a este grande criminoso.
Porem se alo bouver alguma repagnaofii
la parte da mademoitelli 1
A pedra, qae ce emprege no ioterior dos msa-
sicos, tslhada com duaa faces parellelea para
aervirem de leito, deixaodo-se todaa as outras no
eatado natural.
Essas pedrss sao assentadas sobre suas facas
para Helas, eng razio do-se urnas as oatras de
modo a formar em plante um moaeieo.
fc'aie excelleQle typo coaatraceao foi eted*
por Mr. Mootricher oo monamenlel eqaedacto
de Roquefivour e foi seguido na esecaclo dos
dous bellos viaductos.de Chaumoat e de Dian.
as localidades em que ha falla de podra recor-
re se aos lijlos para a eooetrucco des obras da
arte des caminhos de ferro.
Afebriesco dos lijlos tem feito grandes pro-
gressos em Franca ; exislem actualmente impor-
tantes eatabeliciraeotoa, nos quaes ae fezem, por
meio deengenhosoa mechioismoc, movidos a va-
por, lijlos dos e telbas chatas de modelemo-
dernos, com admiravel perfeigo.
Um dea maia importante estabelecimantos des-
se genero o de MM. Mertin & Frres, em San-
to Andr, ne baha de Meraelba,
Aotea de se principiar a construeco das obres
de arte (azem oe eogeoheiros executar, per pe-
dreiroe escollados, modelos para as diveraaa al-
venaria, a oa empresarios sao obrigados a se coa-
formaren) rigorosamente com elle, tanto uas-di-
menses dos materiaes a empregar, como na
grandeza rtaa juntes e em todoa os detelbes de
execugo.
(Co;iiitar-e-/ia.)
Mioha fliha nao pode deixar de encarar com
horrar o moastro, de quem aera o meu primeiro
dever copara-la.
Telvez, replieou o Gasco, telvez ? Esse
Francisco um homem de terrivel concepeo, e
ninguem pode imaginar at que ponto levar o
seu capricho.... Maa o que ha de novo ? Ali vae
um cavalleiro, que nao dos nossos, e que levsm
talvez presenga do kalifo,
Arnold e Pompidou interromperam- a ana con-
versago para examinarem um cavalleiro toue-
regb, que com o roato coberto, uma langa na mo
direita, e um escudo na esquerda, acabava de
apear-ae em (rente de Si-Hamza.
O kalifo receben uma carta que ihe entregou o
cavalleiro deeconhecido, e a paaeou ao sea secre
tario. Apenas, oavira a leitura do que continha
a carta, levantou-ae precipitadamente, ordenou
que Ihe trouxessem oseaeavello,e(ez am aigoal
ao baro Arnold para ae elle aproximasse.
Toma as toas armas, monta a cavallo com-
migo, e qae te siga tambem o tea criado.
Onde vamoa?
Nao vamos longe.
M omentos depoia o kalifa, o baro Arnold, Pom
pidoa, e viole cavalleiro escolbidos, deixevam o
acampamento repaaaando peloa rastos que ha-
viam deixado na areia os seus cavallos na mar-
cha daquelle meamo dia.
Impaciente porcheger ao seu fim o kalifo dei-
lou o cavallo a galopo, e todoa oa maia o imita-
ran). Bm pouco tempo perceberam uma aenti-
nelle; paaaeram por olla : mate adianto outra, e
depoia um grupo de alguna vtnta cavalleiroa, de
onde ae deatacarem dous de eotre elles psra ir ao
encontrado kalifo.
Si-Himza e oa da su esaolta poaeram os ca-
cavallos a passo : os dous csvslleiros avancavam
sempre, e pd-le-ee logo coohecer que um delles
era um chele rico e poderoso. As suas veetea
eram brilhaotea ; o cano de aua longa espingar-
da cioiillsva aos frouxos raios do aol; o cbapu
de forma cnica, trancado de palhaa de diveisee
coree, era ornado de magnificas pennas de abea-
truz; e sea enorme eavello de batalna caminbava
com a altivez doa corceia de alta origam.
Sidi Ghrellab I Sidi Ghrellab T exclamaram
os cavalleiroa do sequilo do kalifo.
- Poia aera possiml ? perguotou o bario.
Sim, respondeu Si Hamza. Ful prevenido
deate encontr, e eis porque fiz boje uma pe-
quena marcha. Peco-te que conserves todo o tea
seogue (rio : deste entrevista dependem a taa fo-
licidade e a mioha honra.
Maa esse homem meu inimigo; delesto-o,
e elle pertence minha vinganca.
Lembro-te de que agora maa hoapede, e
est sob a miaba salva guarda.
Porque ento me chamaste para fazer parte
da taa escolta ?
Porque quero que seja tealemaoha da mi-
aba lealdade; ta ea ch'riato, e tena irsaos me
accaaam da traidor. Silencio; v e ouve, e deixa-
me fallar a.
Era com effeito Ghrellab que tioha a ama con-
ferencia que na veapere solicitara do kalifa ; en-
eamiohou-se a este directamente, e depola das
formulase sum primea tos usedoc em Uaa cesos,
olhou para o bat&o Arnold coa tanta firmeza ou
colea indifferenga que pareca nao o ter reco-
obecido.
Quiz aer complceme para com ligo, Ihe
dase Si-Hamza, e por ieeo cetisfiz o teu desejo.
Aqu esiou, falla. E' preciso qae estejam bem'
compromettidos os negocios do teu cherif impos-
tor psra que te resol-vesses a recorrer a mim, lu
qae ea eonhecido coreo indomavel.
Nao ae treta dos negocios de cherif, e sim
des meus ; e en vou provar-te em como aquel-
lea aeacham no melhor p posaival. Sabea oode
eal o cherif?
Est em Djeribez no camioho do Paiz do
Modo.
Est muito maia perlo de ti: basta somon-
te que eu ihe faca- um signal pare que elle te
ataque de frente, e ameohe logo ao erguer do
sol. Quanto mioha geote, sabes endejest ?
Que me importa 1
Est na rectaguarda da toa tropa ; segue-
ta passo a passo, e poder cshir sobre ti e os
tena, logo aoa primeiros Uros dadoa pela gente
do cherif. Asaim, pola, achas-te collocado eotre
doua fogoa. O cherif tinha a oito diaa 4.000
homena aob aa sua baodeiras ; enviou 2,000
para guarnecer os ksours, e com os outros pode
esmagar-te por mais vaUote e temerario qae
aneira aer.
E' iato ludo quanto tinhas para sonan-
cia r-me?
Nao; vira aqui para offefecer-te a minha
aUiaoce, isto ama victoria complete e segur.
Acceito a toa sabmisso t aprsenla as con-
diges.
Os meus csvslleiros tero psrte nos despo-
jos ; oo sers iacommodados por suas viotan-
ciss paasadas, e ficaro livres- em estabelecer-se
onde bem Ibes parecer. Quanto a mim....
A o te vejo pouco mais oa menos a tua am-
bico.
Engao perfoito 1 Nao me conher.es sinda.
S pergunto uma cocjsa : este homem que ahi
eat a leu lado, e me encara com olhar (lamme-
jante, ssber recompensar o servieo importaote
que Iba vou prestar, respeitar a patarra dada
por sua mulher.
Nao, nunca 1 exclamou o baro.
EniJo, replieou Ghrellab ; demos por Cada
e entrevista, e voltemoa a armas. Ta' Si-Ham-
ze, aeras amanha atacado pela vanguarda e pela
rectaguarda ao meamo tempo por guerreiroa que
juraram vencer ou morrer: sabes tambem como
eu, que oa Francezee nao ta- pdem auxiliar, por
ieeo que se acham aioda & dose marchaa d'aqui,
e caminham j extenuados aja (ediga. V. Esc,
Sr. bar&o d'Amatadt, pode procurar a morte ao
combate, que vemos ter ; porqaa ser o nico
meio de approximer-se fie sua mulher o de ana
Ulna, ae verdade que oa chrletos ae tornera a
encontrar na eterbidade___
Miceravel l Tem o atrerimento de follar-
me aasim !
Sim, ou ao, Sr. bario f Refllcta bem.
Troaxe-te comigo eotravtcte, diese o ka-
lifo dirigindo-aa ao baro, para eiaflr-me aa tea
parecer; Decide poia ...
Aceaitamos, ioterrompeu Pempidou, qaa
depoia voltendo-te para tea ama eootioueu :
Mea qaertdo amo, deixe-me (ter ai cousn co-
mo entendo. Soppoe amar aua fllha com mata ter-
nura do qae a am sua me ?
Pola bem ; cedo, replieou Arnold : reapei-
tarei a promeeaa feila por madama Seelorf, com
taato, porro, que fique livre a mioha filba sua
voolsde...
Nem eu quero outrs cousa ;. acudiu Ghrel-
lab. Agora fleamoa todos de accftrdo. Amanille,
Si-Hamze moota cavallo multo cedo, oarrega-
um pouco i, esquerda, e encontrars logo o che-
rif; aeguir-te-hei como o abulte aos combaten-
tea ;. aerei a comego mero eapectador de lata,
quando fr tempo, eolrarel na eeeio pere te au-
xiliar. Os meus cavelleiros ho de levar todo
Diurnas pretaa noa chapeas. Adeus : s beoeo dd
Senhor te acompanhe 1
Ghrellab eaporou vigorosamente o seu cavallo,
e deaappareceu logo s vistas de todos.
Na noate quo ae aeguiu essa entrevia*^ che-
gou um mekhalif por elle despachado eo-eeem-
pemeoto do cherif, que se epreeeou am reunir
oa chefes priocipeea dos contingentes de sjae po-
dia dispor a disee-ihes com- a apparaocia da-
triumpbenle alegra :
Ob meue filhos I Gloria so Ssnhor i' Glo-
ria so Todo-Poderoso 1 O sol de amanha ala-
miar a vergooha dos traidores e inflis, ao pas-
so qae revestir de novo brilho as nossas virtu-
des. Eis o qae me commonica o piedoso-, inren-
civel, e vlente Ghrellab. Seja o seu nome ben-
dito pos ae, e por nossos-descendentes.- Bteej-
tee bem o que vae repetir este cavalleiro, Feita
meu ftlha.
Stde-Grellab communica sea irmee,
diese o-mekhalif com ve firme, qu o goum da
Si-Hamza ae acha acampado no poco de
ronba. Ot malditos suecumbem quasi f
Oe cavallos nao pdem dsr mais de si, e oJ
prios homens marchaos gstenteos pelo <
que os impela saa perda I Sidi-Ghrellet>
ceiba ao piedoao cherif que nao comas I
Iha logo cedo, limiteado-ae apeace a
de modo qae possa altrahir Si-Haces* pee !
do Medo, do leda da Dzaooum. Eolio eaatja
j meio-mortos ps'os ardores do sol a pal aa-
asgo, nao tero ooiro gailo aeno atesaderem
pescogo eos noaaoe forros. A gente aja ftil ap-
parecer quaado o cmbale estival- Btn rea ni-
do ; ouvirela os teas bredo territmi veris a
plumea preta doa aeee ahapas, eraseflMce-t-
heis pelos golpes que daacsrregsrcm os seus pa-
jados bracos. -
Assim, pois, peeses toda, a noute, um sttppll-
caa, replieou o cherif, e ccoformemo-oos com a
sabia reaolugo do bravo e fiel Ghrellab. Volta
elle, mekhalif, e diz-lha qu ton expedir ertam
a fim de qae eigam j os meus infaalejsVf]
gana para Dtaaoun. para onde *s>airi i
com os meue deatimidoa cavalleires earn
dos por Necear, Maasonr, BetvPeyeb so er
tro do Inimigo com o fim da enrabieto I arlan f
Parte { e Daus te permilta lenles freces, quaaRaa
crioaa ha entra os olhoe dn tea cavallo.
(Coaliatutr se A4
r. DIFARUat fita,
PaltN.TTr ni M
TT
i

M