Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08602

Full Text
*m. IJ j.
ssp
t*


P
H
V
i

IO XXXVlii. I0MEBO I2S.
m >
He tresBezesadiailades5|00o
Pr (re e.v-g veieidos 6#000

MK
*
ma rau 28 ais io de na
i
Nr aitt atfaitrio l|00O
Parta fraaca para laaseriitor
DIARIO DE
=
E1GARREGADOS DA SUBSCRIPgAO Di) NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexaodrlno de Li-
an ; Natal, o Sr. Antonio Marques da Silva ;
Aresatr, o Sr. A. de Leaos Braga; Geari o Sr.
J. Jos de Olireira; Maranbio, o Sr. Joaquim
Mareosa Rodrigues; Para, Manoel Pinhtiro &
C; ainazonai.o Sr. Jeronymo da Costa.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO SUL
Alanzas, o Sr. Glaidino Falsio Dias; Bahte
o Sr. Jos Mirtina Alve; Rio de Janeiro, o Sr-
Jle Pereira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Olioda todos os diss ss 9X horas do dia.
Iguarass, Goianna, e Parahyba as aegundaa
e aeitaa-teiras.
S. Antio, Bezerroi, Bonito, Caruar, Altinbo
e Garanhuna naa tergae-feirae.
Pao d'Alho, Nazaratb. Limoeiro, Brejo, Pes-
qaeira, Ingaiaira, Florea. Villa-Bella, Boa-Viata,
Ouricerye Ex nas-qua. tas-feiras.
Cabo, Serinbien, Rio Formoao. Una, Barrefroe
Agua Preta, Pimentelria e Natal quintas eiras.
(Toaos os crrelos parteen as 10 horas ds manhaa
EPHEMERIDES DO MEZ DE MAIO.
7 Quarto eresetote aoa 43 niatos da tajde.
13 Lita cheia as 8 horas e 18 mina toa Ta nao.
SO Quarto minuaanta al hora da manhaa.
28 Las noTs apa44 niatos damanhaa:
PREAMAR DE UOJE.
Primeiro as 4 horas e 6 coinatos da nanha.
Segando as 3 horas e 42 niatos ds tsrde.
FAB.T1BA DOS VArORBS COSTEIB.0S.
Para sal at Alagoaa 5 a SO; para o norte
al a Granja i 14 e 19 ale ada nos.
_ 'AatlBA DOS MNIBUS.
P"? Reele: d0 *&* ia 61|2, 7. 7 1,2, 8
e 8 1|2 da n de Olinda la 8 da n. e 6 da t.; de
Moatao le 6 1,2 da n.; do Caxang e Forwa
ia 7 da n.: de BimAea s 8 da m.
i & V st.a "V: S *& t*. *. |4.
4 1(2. 5. 8 1|4, 5 112 e 6 da t. ; para Olinda a 7
da m. 8 1|2 da Uj para Jaboato s 4 da t.: para
o Caxangim ftfsss s 4 1,2 da t.; para Btmfica
as 4 da i.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNABS ya CAPITAL.
Tribunal do eommercio : segundas e qolntaa.
R elegi: tercaa aibbedoa alO horu
Fasenda : qnintaa s 10 horas.
Juico do connercio : aegandaa ao neto dia.
Dito de orphioa: torees a acatos ia 10 horas.
Prmeira Tara do rival: tercaa altas ao neio
dia.
Segn da Tara do civel: q aarUs sebeados 1
hora da larde.
PaBTE OFFICUL.
GOYERNO DA PROVINCIA.
Expediente do dia 2 1 de malo
ato 18
Oficio ao Exn. presidente da proviocia da Pa-
fahifee.Satiifazeodo ao que V. Exc. solicitou
en sea offlcio de 25 de novembro ultimo, sobo.
5459, passo as mius de V. Exc. cooia do termo
de declarado feito no prest Jio de PernanJo pelo
ceateaciado de jusliga conhecido all por Donato
da qual verifica-se ser elle o preso Donato de
sue trata V. Exe. em seu rilado offlcio. Em va-
la do expoato V. Exc. se servir de envitr a com-
petente guia en forna aOm de ter o conveniente
destino.
Bflp ao commandanle das armas.Sirva-se V-
BSeToe informar-me sobre o incluso requerimeo-
to de Saluatiano Severiano dos Santos, que val
coberto com a informagio doDr. chefu de policia
sob n. 836.
0.PUo.? e,mo-Ao offioio de V. Exc. sob o.
SM e data de 9 do correte respondo declarndo-
los, que aeguodo ma comtnunicou o inspector
da tbeaourana de fazenda em offlcio de 22 deate
mea, sob u. 461, esto dadas as oecassanas pro-
videncias no sentido de ser augmentad] a luz
ioroecida a guarda daqaella repartido.
Dito ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de expedir
as aaas ordena para que aejam substituida por
outras as pregas de liaba que se achica destaca-
das na rilla du Bonito.
Dito ao chele de polica.Pelo offlcio de V. S.
o. 828 de21 desta mez, fiquei intuir Jo do as-
aaaainato praticado em Caruar na peasoa de Ma-
noal Velho, pelo escravo Venancio queaodava
fugitivo, na occasio de aer peraeguido por um
capillo de campo e outras pesaoas e aguardo o
resaludo das diligencias empregadas para captu-
ra do astsssino.
Dito ao m>smo.Coro a copia do offlcio que
em data de 23 do correla dirigio-me o provedor
da Santa Cisa respondo ao offlcio de V S. o. 777
do 15 desle mez, relativamente ao desvalido Luiz
Francisco da Coila.
Dito ao meamo.Sirva-se V. s. de mandar de-
sembarcar com urgencia de bordo uo hiate Ser-
gipano que segu hoja para o preaidio de Fer-
naodo, o seoteociado Flix Francisco di Cunhe,
como acaba deaulicilir o coraoaaodaoie do corpo
de policia em oflicio de hoje.iob numero 228.
Connuoicou-se ao commandsnta daquolle pre-
sidio. **] v
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tranirailto a V. S. para os Lias convenientes as
Otas em duplcala da deape&utaJios
piral militar, relatiramenie aos mereTderbrll
ultimo, as'quaea aeompanha o termo de exame
a que proceden ajenia militar de sanie.
Dito ao mesmo.Certo do conteudo do oflicio
de honlem, Han. 4S, em que V. S. me partict-
pou baver resollido em aessao da juola deisa
thesoori a que para iodemoisaco da quantia de
que O teoenio reformado Joaquim
Jos dos Santoa Araujo Qcou alcanzado como di-
rector da colonia militar de Pimenteiras, fosse
descontada- a qainla pane do seu sold, at o em-
bolso ds faxanda nacional, visto nao possuir elle
beas para eaae flm teoho a diter em respoila que
approvo easa deliberaco.
Ditoao mesmo.Reco rumen do a V. S. que em
visu da conta em duplicata que me foi remeltida
palo director do arienal de guerra cora offlcio de
hoje.sobn. 149, mande pagar a Manoel Antonio
de Jetas, a quantia de 55$180, em que importa
a bolacha e o arroz, remettido para aoccorros aos
indigentes accommettidoa do cholera-morbus em
liarreiroa e Agua Preta.Communicou-se ao di-
rector do arsenal da guerra.
Dito ao meamo.Reapondendo o offlcio que
V. S. me dirigi hojp, sob n. 475, lenho a dizer-
Ihe que pode mandar pagar sob minharespoosa-
*-e ?M tern,os d0 6 arl- 5 d0 decreto n.
Moo 1" de fevereiro deate aooo a quantia de
oU|000 que por offlcio de 22 do correte, man-
dei abonar como ajuda de casto, ao juu de di-
reito Tneodoro Machado Freir Pereira da Silva,
por ter sido nomado chele de polica da provin-
cia de Sergipe, visto nao haver crdito para essa
despeza aeguodo consta do sea citado offlcio.
Dito ao mesmo.Autoriso a V. S. nos termos
de sua informaQio de 22 do correle, aob n. 451,
dada com referencia a da contadoria dessa the-
aouraria escripia no verso do reqaerimento que
devolvo, a mandar psgar ao crurgio Joao Uo
mioguea da Silva a quaoiia de 960JO00, prove
mente da gratiflcaco diaria de 2UJUU0 que ven-
ceo, acontar de 5 de Janeiro ultimo a 21 de fe-
Tereiro aabsequeote, por se achar incumbido do
trfUiBenl0 d08 'n,li8<0'e accoramettidos do
cnoiers-morbas na comarca de Goianna.
Dito ao meamo.Em villa da coota jaula em
duplicata, manda V. S. pasara 4nlonio de Mou-
lim a qaanlia de 287JOO0, proveniente de
5 aaacas de baeta que vendeu para o tratameoto
do cholera morbus na provincia do Rio Grande
do Norte.
Dito ao inspector da thesouraria provincial.
Concedo a autorisaco que V. S. pedio em seu
offlcio de 20 do correle, sob n. 299, para nos
-2'-.d0 ""S" 39 da lei n- 473 I 5 de maio de
5j, dar coa tumo peraote a junta dpsta theson
rana aos documentos relativos aos aaldos da lote-
ras que prescreveram. providenciando ao mesmo
lempo para qua a aua importancia 5:602300 pas
ae a toser parte da receita provincial no corren-
te exercicio.
Dito ao coronel commandanle do presidio de
Fernando Transmiti por copia a V. S. para
seu conheclmento e direcco, nao s o parecer
dado pelo deseenbargador procurador da coroa
soberana e fazenda nacional, e de conformida-
de com o qual deapachei o requerimenlo sobre
qee versa o seu de 24 de abril ultimo, n. 65, e
em que o aeotenciado Manoel Vicente Gomea pe
dh entrega da mandioca que plantou naqueile
preaidio, ou que aeja ella frita em farinha, para
lhe ser dada a parte a que livor direito, mas tam-
ben da lnfurmaco que a esae respeito me foi
ministrada pela thesouraria de fazenda.Remet-
teu-ae igual copiado parecer ao inspector da tbe
aouraria de fazenda.
'Dito ao commandanle do corpo de policia.
Autorisj-o a conceder a passagem que para a
aeccao volante pede a praga da urbana Antonio
i-ereira da Gama, a quera se refere o offlcio de
V.S. u.207, de 14 deate mez,
,* ,0Kme,0'-Mande V, S. por a disposi-
l^J 5.'*,dffl d0 Primeiro diairicio ds fre-
fl?T s. AI8<,o. Que asslm o solicitou em
5 deata mez un dos eslrsios a que se
i- .i,/r,m*s, 2,6 da 20 do corren-
asiinffs^, n..
Trvt,t ''' fon e o;;.
fdo destacamento da guarde
tde Garanbws. relativos .os nexea de
1 ?,'i?.qomp.aS.ramo
-I o. 15 d W de margo, tax-s necessa-
das da semana.
26 Sea anda. S. Pelipp* Nery luodador.
27 Terca. 8. Joao p. n. ; S. R.oulpho n.
28 Quarte. 8. Germano b. ; 8. Pri.no.
II c f" *_A 30 Sext. S. Fernando rei ; S. Flix p. am"aw*
31 Sabbado. S. Peirooilla t. ; S. Lapectao'.
1 Domingo. *. Fimo n. ; S. F*!into.
A8SIGNA-SE
no Recite en a livraha da praea da ImtopM.
dencia ni. 6 8,dos proprialarlos Manoel JFiaml-
roa da Faria 4 Filho. m
rio qae V. S. declare en que data all chegou o
destacamento de 1 liobat que foi aubstituir
acuelle de guarda nacional em rirtuda das ordeni
expedidas era 12 de fevereiro.
Dito so commandaote superior de Iguarass.
Com a copia do offlcio do delegado de Iguar.at
ministrada pelo Dr. caefa da policia em data de
19 do correte, respondo do de 28 de abril ultimo
em qae V. S. represeatuu contra o mesmo dele-
gado e inspector de quarteiro daqaalle termo.
Ditoao director da faculdade de direito. Coo-
cedo a autorisaco. que V. S solicita om seu offl-
cio de 10 do correte para effectuar a compra doa
dicionario precisjs aos exames preparatorioa
deata faculdade.
Dito ao cooselho administrativo.Promovs o
cootelho administrativo para provimento do al-
moxarifado do araenal de gaerra, a compra doa
arligos mencionados no pedido junto sob a 34.
Communicou-se a thesouraria de fazeoda.
Dito acamara municipal do Recife..Represen-
tando- me o provedor da Sinta Casa da Misericor-
dia, em offlcio de 23 do correte, haver-ae dado
omissao na conduccao dos cadveres cholencos
para o cemiterio publico, a ponto de j se ter
cooduzido um cadver no dia posterior so do
fallecimeoto urna hora da tarde, recommeodo
a cmara municipal do Recife que em vista do
se acha determinado nos arligos 51. 3, e 61 do
regulamenlo de 2 de junho de 1854 d aa provi-
dencias necesarias aflu de que nao ae reprodu-
xa aemelhaite abuse.
Dito a mesma.Em solucao aduvida suscitada
pela cmara municipal do Recife em sea offlcio
de 19 desle mez, cabe-me declarar-lhe para seu
coohecimenlo e execacao que nao se adiando
quahUcado o ciiado Joa Firmo Xavier, quando
tora eleito era segando lugar, oara juiz de paz da
freguezia de Santo Aotonio desta cidada, como ae
venlicou palos dados offlchea existentes na se-
cretaria do governo, em f.ce do aviso de 20 d
abril de 1849. 7o que eatalue para a hypoiheae
nao subsiste a eleigo daquelle cldadao que por
este motivo deve cessar de exercer as funccoes
do predilo cargo.
Portara.0 Sr. gerente da companhia Per-
uimbura manda dar urna passagem de r no
vapor Iguarass, at oCeari em lugar destinado
a passageiros de estado a Afio Bezerra de Me-
nezes.
Dita.O Sr. gerente da companhia Pernam-
bucana mande dar urna passagem de catado para
Maceio no vapor Persinunga, a Antonio de Al-
buquerque Hollanda Cav.lcanli.
Dita.O presidente da provincia, tendo em
vista o que requereu Alexsndre Martina Correa
Barros arrematante das obras de 450 bracaa de
empedramento na estrada da Vlstoria e bem
asim as iaformaces oiiofatrad.a a eaae respailo
palo director da reparticao daa obraa ptjbitcaa em
29 de abril ultimo aob o. 89 e inspector da toe-
aouraria provincial em 20 do correle n. 298
resolva concedor-the mala doui metes de proro-
gaqao para a concluso daquella obra a contar do
dia em qua se Qodar a que i se eoncedeu para
esse (lm
Dita.O presidente da provincia, tendo em
vala o que requeren o guarda-mr interino da
alfaodega desta capital Luiz Gomes Ferreirs, e
bsm aasim as ioformsces'das repartiges resolve
cooceder-lhe de confornidods com o parecer
do iospector da thesouraria de fazenda, dona
mezes de licencja sem veocimeotos para ir acorte
tratar de aua aaude. T
Dita.O presidente da provincia..attendendo
ao que informo o respectivo commandanle-su-
penor em offlcio n. 37 de 21 desle mez, sobr o
requerimenlo do capitao da terceira companhia
do 2o batalho de infantera da guarda naciooal
deste municipio, Aotonio Bezerra de Menezes
l.yra, reaolve conceder a este 6 metes de
licenca.
Expediente do secretarlo do
governo.
Offlcio ao secretario da aaseabla legislativa
provincial.-De ordem de S.Exc. o Sr. presiden-
te da provincia, tranamilto por copia V. S. para
ser presente a assembla legislativa provincial o
incluso projecto de posturas que remelleu a c-
mara municipal do Recife con offlcio de 19 do
correte aob n. 55.
Dito ao meamo.De ordem de S. Exc. o Sr
presidente da proviocia transmiti a V. S. para
aer presente a assembla legislativa provincial
copia di correspondencia herida entre a preei-
dencia e a cmara municipal do Recife acerca
das posturas da mesma cmara para execucao do
contrato com Carloa Luiz Cambroone, deixando de
remelter as pecas relativas a approvacao provi-
aona de alguna arligos das referida* posturas por
terera sido Ja enviadas V. S. com o mea offlcio
de 2 do abril ultimo aob n. 23; naa collecces
das leis proviociaea do aono da 1858. qae aqu
ajuoto encontrar V. S, a fl. 83 e requerimenlo
em que o referido Cimbronne oflereceu aa bases
quando pedio o previlegio. a que ae refere o
offlcio de V. S. de 22 do correte aob n. 37 que
tica sssim respondido.
ORDEM DO DIA N. 85.
O general commandanle daa armas faz publico
qae, por bem du B*co e sobre rsquisico do Sr.
inspector-de theaonraria de fazenda, dau ordem
2 deata mez guarda da mesma tbeaourari.
pera que, daa 6 boraa da tarde s 6 ds manhaa.
a aennekia do eaes 22 da novembro prohiba o
embarque de gneros e mercsdoriaa, apprehen-
dendo os gneros e nercadoriaa qae desembarca-
ren ali durante o referido lempo ; pelo que ae
infere que nao ha prohibirlo para o embarque e
desembargue de nessoaa, e eim de eouaas.
Assignado. Solidonio Jos Antonio Pereira
do Lago.
Conforme.Jos Francisco Coelho, capitao
ajudante de ordeos encarregado dodetalbe.
Despachos do dia 4 de malo.
Requerimenlos.
Antonio Climtco Mureira Temporal.Informe
a cmara municipal deata cidade.
Coronel Antonio Luis Ferreira. Ioforme
cmara municipal da villa da Ba-viata.
Braailiano Corii Paseos de Mello.Sellado
volte. r
Galdino Themistocles Cabral deVaaconcellos.
Informe o Sr.Dr. juiz de capella e residuos.
Jos Theodosio Simdes ds Silva.Informe
o Sr. Dr. chefe de policia.
Jos da Costa Btanoo Cordalro. Inforne o
sr. commandaote de policia
Joa Thomaz do Amara e Mello.Volte ao
i, d,f,,or d ioatrucsio publica.
Rfp Damasceno de Castro.Informe o Sr
Dr. juiz tralla da 2 vara na forma do de-
creto n. 2,566 de 28 de margo de 1860.
Commando das armas.
Quartel-general do commando das
armmai Je Pernambuco na elda-
.O- Bool, *5 de maio de
loo
ORDEM DO DIA N. 84.
Achaodo-se a epidemia do cholera-morbus
neata cidade em seosivel declinaco, como j se
fez publico em ordem do dia, determina o gene-
ral commandaote das armas, que cease o abono
do augmeoto da etape concedido as prscas de
pret por occasiio da dita epidemia cono ae de-
clarou en ordem do dia deste quartel general de
28 de marco ultimo aob o n. 52, e que de hoje em
diante aeja a etapa abonada aa mesmas pracas
na raso de 400 ris diarios, valor primitivo
estabelecido para o correte aenestre, flcando
por eita forma preenchida a clausula con que
foi ease augmento concedido.
Assigcado. 5o/donto Jos Antonio Pereira do
Lago.
Contorne. Jote Francisco Coelho, capillo
ajudante de ordena encarregado do detalhe.
PEBNiHBUCO,
ASSEMBLA LEGISLATIVA PROVINCIAL
CONCLUSO DA SESSAO DE 26 DE MAIO
DE 1862.
Primeira parte da ordem do dia.
Segunda aitcutsu da enenda apreaentada en
lerceira discussio ao projecto n. 40 de 1861.
E' approvada sen debato.
Cootinuaco da primeira diacuaaao do projecto
o. 13 deate auno, que abre um crdito de 12:0003
para pagamento da subveocao a G. Marinangel,
emprezario da companhia lyrica.
O Sr. Torras B and eir :-(Nao derolveu o seu
discurso.)
A commisso nomeada para levar alguna actos
r sancco da presidencia, tendo de ir cemprir a
sua misso tica a sesaao suspensa por nao haver
numero de Srs. depatados para votar.
Un qaarto de hora depois cbega a commisso
e contiaua a aessao.
O Sr. Calaoho, membro da commisso, diz que
S. Exc. o Sr. presidente da proviocia recebara os
actos deata assembla para ser saoceioaados, di-
zendo que os tomarla aa devida considerarlo.
Eucerrada discassao o projecto posto a votos
e spprovado.
Primeira discussio do projecto o. 25 desle sn-
no, que crea lugares em todas aa comarcas da
proviocia.
E' approvado sem debate.
Primtira discussj do projecto n___que con-
cede 4 loteras Santa Casa da Misericordia para
occorrer as despezaa com o curativo dos pobres.
E' approvado aem debate.
Segunda discussio do projecto n. 2z deste sa-
no, que manda pagar a Antonio Fraaciaco de
Paula Rarr.to o que ae veritlcar estar-lhe a de-
ver a thesouraria provincial, quando collector de
Santo Aolao.
E' approvado aem debate.
Terceira discussao do projecto o. 7 deate auno,
que determlo* a mioaira porqae davem ..r con-
servados os ampregados dos atabelacimentos de
caridade.
O Sr. Souza Reis :Pedi a palavra, Sr. pre-
sidente, para offerecer duas emendaa, urna subs-
titutiva da que apreaentou o noaso illustre col-
lega que occupa agora a cadeira de aegundo se-
cretario, a qual asaim concebida : (l )
< Nao obstaote a disposicio do srt. 2*, os ac-
tuaos empregados provisionados com ttulos do
governo continuarlo como taea, emqaanto bem
aervirem.
O Sr. Ara ajo Barros :Que nestre I
O Sr. Soaza Reis :O qu descobrio ?
O Sr. Areujo Barroa:Descobri una cousa,
as com relagao so Sr. Bandeirs.
O Sr. Souza Reis Vejamos se ha algn pan-
sa ment occulto nisto.
3" do art. 2o do projecto (l).
Que Ihes nao aerau appiicaveis quaesquer
disposices daa leis, que conceden aposenta-
dorias e jubllacdes aos fuocclooarios provin-
ciaea. >
V-se ben qae o penaanento do nobre autor
do projecto foi que Qcasse bem determinado, que
licaase precisamente aasentado que oa funccio-
narios doa eatabelecimeolos pos nao sio unc-
ciooarlos pblicos provinciaes, que a ollas por
conseguiote nao deven competir oa favores e re-
galas qua conpetem a estas fuocciooarios.
Mas diz-se no art. 3 do projecto: (l).
< Logo depois de promulgada eata lei, as ad-
ministrares dos eatabelecimentosde que trata o
artigo antecedente sero obrigados a fazer eoga-
jameoto pelo lempo que Ibes convier convencio-
oar com os empregados existentes aos respectivos
eatabelecimeolos.
Sendo este artigo coosidersdo pelo nobre de-
pu lado autor us emenda, que eu quero aubstituir,
como oiTeosivo de direitos adquiridos: nao que-
reodo ello por cooseguinle dar lugar a que os
actuaos fuoceloaarios, qae alias tem servido
ben, segundo parece, entran en concurrencia
com qualquer outro, que queira servir de hoje
em diaote nesses estabeledmentos. cfereceu a
emenda que ?ou lr, e qua 6 concebida em
termos genricos: (iej.
u As disposicoes desta lei oo tero applica-
cao aquelles dos enpregados que j existen pro-
visiooados con titulo de nomeaco do go-
verno*
Approvada eata emeoda qual seria s coose-
qaencia? Seria que esta casa recoohecia nos
actuaea funcciooarios dos ealabelecinentna de
caridade todoa os direitos, todas as regalas, que
os fuoccionanos pblicos proviociaes teem.
Eotretaolo, seohores, en creio que a casa oio
pode ter este peosamento, e se o Um principal
segundo namfestou o oobre collega, quaodo
sustentan a enenda, garantir aos actuaea func-
ciooarios a au. conaervagio, sem duvida algaras
eroquanto ben servirem, porque to emprendo.
de couOanca, creio eu qae a emeoda que offere-
ee prefenvel, porque aalva o qae oobre depu-
lado china direitos adquiridos.
Ecreio que tanto aera bastate para sustentar
s emeoda que teoho a honra da offerecer consi-
deracao da casa.
O Sr. Feoeloo :No neu entender .
O Sr. Souza Reis IAgora, Sr. presidente, eu
pego a aiieocao da casa para um artigo addili-
vo, que tenno tamben a honra de aubnetter a
aua apreciasio, e que concebida nealea ter-
nos: (l).
c Pica approvada a retorna do compromisso
da Santa Caaa da Miaericordia do Recife, feita
por acto do presideote ds provincia de 17 de
margo deste aono, com as nodificagea com-
anles desta lei e as emendas offerecidas pela
commisso de negocios ecclesiasticos.
Sr. presideote, constando o conpromisso da
Santa Casa, de qae trata a emenda, de 112 arli-
gos, parecer talvez caas que nlo multo
conveniente a adopgo deata eneoda, deade que
por meto della ae quer fazer approvar um tra-
balho, que merecerla ama discussao naia am-
pia, nais minuciosa; mas eu vejo que por on
artigo que foi approvado ests aooo, e qee faz
parte do regiment da casa, os conpromissos
teas apeoaa ama s discussao, eotretaolo que
ofiereceodo eu o conpromiaao cono emeoda,
tersnos, oo uas sd discussao. raaa seas, por-
que esta enenda oftorecids en terceira tert aio-
assenbla
nento do
combinan
confeccin
poiae provincia,
oavir prt
Gasa, e de
justamente o
da urna segand. discussio. A caaa v, portento,
que por esse lado nao ha iocooveaiaote algum.
O Sr. Luiz Felippe : O nobre deputado ala
ampliou. ^
Uo008?**' 0min* Prtas.J
O Sr. Sou lels.'-Pardde e sobra depulado.
O Sr. Feoetoa :Nao precisa, oo precisa.
O sr. bOBze teto : O oobre deputado diese
em aparte, alada que muito baisioho, que aa pelo
regineoto lenoa aomeota urna discussao para os
compromtasos, clsro que, approvada agora a
emenda, oio haver maia oatra discussao. Mas
o oobre dep.tado deve atteoder que, offereeeo-
do eu este corapromiMO em 3' discussao. como
emenda, e nao fazendo o regiment excepgo al-
guna, e eviqeote que ha da ter urna ^discussao,
caso teja approvada.
Continuando port.nto com a mioha argamen-
lagao direl, que amplei o terreno da discussao;
mas para que nao parega caa que, ainda assim,
nao seria conteniente em urna emeooa discutir-
se- este compromiaio, eu farei breves considera-
goea para qae os nobres depuladoaae convengam
de que tal inconveniencia nao ha.
Sr. presidents, em 1860 o presidente da pro-
Tloc. Qu o Sr. Ambrosio Leitio da Cu-
oha, deu um compromisso para a Santa Caaa;
por esta occasio esse mesno praaideote pasin
a admioistragio do patrlnonio dos orphos psra
a thesouraria provincial, eafiscaliaagodoa colle-
giot para a directora da iostruccio publica. Nao
houve quen nao deicobriase nisso urna balburdi.
de servigos; a thesouraria por um lado vio-se
atropellada, J com arrematarnos dos predios, e
j con os pedidos para as diversaa despezas ;
por outro lado a directorio da iostrucgo publica
vio-ae tanben en atropello, por que por seu
intermedio que estas requisigdes se fazen. Mas
eotretaolo, aeohores, comprebeoder alguem que
baja am tal ponto de cootacto entre esees estabe-
lecimentos e a thesouraria e a directora da ioa-
truccao publica, que julgue til a medida tomada
pelu presidente ? Creio que nao. Nao quero ne-
gar qae haja algara ponto de cootacto, as oio
tal, que se poasa concluir qae urna necesii-
dade o sujeitsr estes eilsb.lecineotos sduas re-
partieres, de que fallei. Dahi seguio-se logo a ne-
cessidade de aczbar-secomsemelhsntesnomalia,
e eu no aono paaaado tiva a boora de offerecer
a esta caaa am projecto de retorna desse compro-
misso, sujeitando estes eslabelecimentos admi-
nistrado da Santa Cass de Misericordia. Pare-
ceu-ne que am geral os nobres deputados adop-
tavam a idea, mas, nlo haveodo lempo para ae
aminar aceradamente este trabalho, resolveu a
e toase elle submetlido eo conhecl-
etidente da proviocia, aflm de que,
o com o compromisso que existia,
am projecto submelteado-o de-
5o desta casa. O presideote da
rregaodo-se deste trabalho, leve de
raatente admioittrago da Santa
* coofecetonoo o seu projecto, que
jae foi Irasido a esta assembla, e
quemereceu a. approvago da nobre commiaso
de negocios eclesiasticoa com algumaa emendas,
a meu ver, justificareis, e sao ellas :
. i. Ao 4o do art. 10. Elevando as ioias dos
unaos.
2.aAog3do art. 11. Supprimiodo as pala-
larrasda matriz de Santo Antoniopara res-
tringir o oumero de procisses que deve a ir-
niandade acompanhar.
3.a Ao art. 12. Supprimiodo as palavras O sa-
criatao levar a campa.
4.a Supprimiodo o 5* do arl. 13 quees tabelece
o segredo as deciades da junta, quaodo do com-
promisso se eslabelecea meios de serem respei-
tadas aquellaa decisoes.
5.a Ao 9* do art. 13. Delermioando iohabi-
litagao para ser irmo, quaudo mesmo teoba
sido cumpnda a sentenga, que o fuera eliminar
da irmandade.
6.a Ao art. 23. Supprimiodo aa palavras re-
condugao de toda a junta > porque por outra e-
meada prn^oe e commiaso que pelo menos de-
vem ser recoaduzidos 6, doade se coaciue que
nao ae prohibe a de todoa oaseus menbros.
7.a Ao srt. 26. Emendando ura erro para Gcar
bem determinada a poca da nomeago da nova
jauta.
8.a Ao meamo art. 26. Estabelecondo outro
nodo de fizer a noneaglo da junta, rindo pela
emenda a aer a junta tirada a'entre os menbros
existentes, seus substituios e nais irnaos, nss
conservando-ae aenpre e pelo nenoa seis dos
memDros axlttotes.
9.a Ao srt. 32. Estabeleceodo que o provedor,
ainda quaodo reeleito far oo acto da posse o re-
lalorio exigido pelo compromiaao.
10.a Ao art. 67. Para que aa notas qae o escri-
olaogar nos livros dos termos de entrada dos
irmos o sjm por ordem do provedor,
11.a o 12 a Ao art. 81. Para que quatro sejam
os mdicos para todos osestabeleei'nealos, e oio
techa cada un o aea medico e o hoapital Pe-
dro II doui, como quer o conpronisso.
13.a Ao art. 87 3*. Eilabeleceudo a applica-
gao uta roissaa pelos irinoa vivos o defuotos.
14.a Explicando, con o acreacimo d.s palavras
de morte o pensara en to do art. 101, que man-
da dar sepultura e sufrsgar.com mlssas os sen-
tenciados.
15.a Ao srt. 104. Estabeleceodo qae a juola
posta agotar todoa oa natos conciliatorios antes
que autortie a cobraoga judicial do que ss dever
a Santa Caaa.
Tase aio, Sr. presidente, as emendas da nobre
coramisiao de negocios ecclesiasticos; eu pois
offerecendo a emanda de que Irato me parece que
fago um aervigo publico, porque o compromisso
assim emendado e com as alteragdes constantes
da lei que ae diacule, satisfaz completamente as
necessldades doa diversos estabelecimentoa de
caridade, aob a admiolatragio da Santa Casa de
Misericordia do Recita ; pens que assim tere-
mus esaes eslabelecimentos com a regelaridade
que elles precisan, que nerecen e que nos Ibes
devemos dar. Eotretanto eu direi aioda casa
una cousa, e que as ideas capitaes que a refor-
ma deste compromisso abrange, e as que aso fei-
tas pela lai em diacuasso, aao apeoaa eataa; re-
gular o modo porque deven aervir os fuoccioaa-
nos que sao noneados; regalar a renda prove-
niente do patrinonlo, estabeleceodo cono idea
espacial esta (l.)
9*. (Treta-ae das attribuigdes da junta) Pro-
por ao presidente a venda de quaesquer beosque
pertengan ao patrimonio da Santa Caaa, para ser
o seu producto convertido en spolices ds divida
publica ; fazer avaliar lies bens judicialmente e
realiaar a aua venda em Insta publica peraote ai,
quando o presidente s sutorise. Era todo caso
nenhnma venda se julgar definitivamente feita.
,ea aoorovicao do presideote da proviocia, qae
a dar a respailo dos bens de raz, aempre que
sua venda for menor que oa juros das spolices,
calculado sobre o malor prego offerecldo, oa quan-
do aa achiren en (al estado de ruina que, para
repara-Jos, seja preciao conprometter as rendes
do patrimonio.ero ietrimnto da maoutencio dos
respectivos estabelecimeoios.
\ ^"Hi!! lUna idea aova deata retorna
a de sahmatter-se a admiuistrsgio dos collegios
dos orphSos Santa Caaa, sobre o que j tratei
em primeiro lugar, e creio quenada maisseri
preciso dizerpara demoostrsrasua coaveoieecia.
Me parece portaalo qae eet oo caso de aer
approvada a eneoda por mim offeracida, bem
cono o conpronisso con aa correccoes qua lhe
fez a oobre connisao.e com aa retornas do pro-
jecto que ae discute.
Teoho concluido.
Vo ness e spoisn-se as seguioles enendas:
Os contratos s torio ffeclivo vigor depois de
spprovados pela presidencia da provincia.Sou-
za Rea.Fenelon.
Subttitutivo do aubstitulivo do Sr. Bsndeira :
Nao obstante a diaposigo do art. 2o, os sc-
tuaes empregados provisionados com ltalos de
nomesgio do governo, coolinuario como tais,
emquanto bem servirem.Souza Reis. f
Additivo.
Fica approvada a reforma do compromisso da
Saota Casa da Misericordia do Recife, feita por
acto da preaidencia da proviocia da 17 de margo
deate aono con aa modificagdes constantes desta
le, e ss enendaa offerecidas pela commisso de
negocios ecclesiasticos.Souza Reis.
Encerrada a discussio o projecto spprovado
con as enendas, ficaudo eates ainda dependendo
de ama segunda diacusso.
Segunda parle da ordem do dia.
Cootinuaco da avguoda discussio do srt. 80
do projecto de orgamento provincial.
O Sr. Fenelon:(Nao devolveu o seu dis-
curso.)
O Sr. Hachado Porlella: Nao devolveu o sen
discurso.)
Eacerra-se a discussao e posto a votos appro-
vado con a emeoda do Sr. M. Pottella, lendo re-
geitada a do Sr. Fenelon.
Art. 9a. Associago dos srtittas.. 1:0009000
E' approvado sem debate.
Art. 10. Bibliotheca provincial:
1. Bibliotecario............... l,080$OOO
2o. Aluguet de caa e expe-
diente...................... 6509080
E' approvado o artigo, iicando adisdo o 2.
Art. 11. Subveogao compaohia
Pernambacana............. 40:0009800
Vai a mesa a seguate eneoda :
Accresceote-se ao art. 11 o seguiole :Juro
addicioaal da estrada de ferro 69:3019000.
Buarque.
O Sr. Catanli pede explicagdes sobre a mele-
na do artigo em diicuiaio, sobre os contratos
celebrados pela presidencia da provincia com a
companhia Peroambucana de navegago eoateira
a vapor, por isso qae nao est habilitado a votar
sem essas explicages.
SESSAO ORDINARIA EM 27 DE MAIO.
Pruidtncta do Sr. Luiz Felippe, Io secretario,
continuada peto Sr. Bsro de Vera Crux.
Ao meio da abre-ss a aeaso, e approva-ae a
acta da anterior.
O Sr. Io Secretario declara nao haver
EXPEDIENTE.
E' lido e approvado o seguinte requerimeoto :
Requeiro que pelos esnaes competeotes se pega
informarles sobre o systema do serrigo de hm-
peza empregado por Carloa Luiz Cambroone, em
vista doa appirelhos collocados nos eslabeleci-
mentos pblicos, aflm de conhecer-se se preen-
chem elles devidamenle o seu m sem ioconve-
nienle Soaza Reis.
(Con(inuar-se-ha.)
Discurso do Sr. Dr. Machado Portella,
na sesso de 10a do corrate.
O Sr. Machado Portella : Sr. presidente, pedi
s palavra, oo para impugaar o projecto, eu vo-
tarei por elle ; maa para provocar ama explica-
gao a respeito de alguma palavras que se acham
cootldaa no parecer que o precede, ou antes para
fazer um protesto contra qualquer illtgio deifa-
voravel qae ae possa tirar de taes palavras.
V. Exc. lenha a bondsde de nandar-ne trazer
o parecer.
(O honrado nembro satiafeito.)
Ji declare! que voto pelo projecto que consig-
na 12 OOO9 rs. para sustento de presos pobres, e
voto cora satislacgo ; eotretanto nao poaao dei-
xar de ler o que diz a commisso em seu pare-
cer. (L) :
a A commisso de fazenda e orgamento, ioter -
pondo o teu parecer cerc do objecto, fa-lo com
taolo maior satisfagio quanlo recoohece que a
deliberago de S. Eic. revaia da aua parto o de-
sojo de acatar as prerogaliras do corpo legiilall-
vo provincial,...
E'ana verdade. (Continua a lr):
< .... nico poder com ptente em face da cons-
tituirlo para fizar a despeza provincial,...
E' timben urna verdade. (l) :
.... e que deala sorte S. Exc. evita arrogar-se
a faculdsde de abrir crditos nao aatorisados.
Estas palavrai dio lugar a lirar-se a illsgao
qae receio ; embora me tenhan declarado doua
aigoatarioa do parecer, recooheceren fundamento
legal para abertura dos crditos, e que oio honre
a intengio de fazer censuras aquelles presiden-
0 Sr. Bsrio de Muribeca:Pego a palavra.
O Sr. Machado Portella: ... que os sbriram,
mas eoteodo que destas palavras se pode fcil-
mente concluir urna censura a quem abri crdi-
tos, e que oio se scbsvam estes sutorissdos.
O Sr. Souza Reis :Nao, seohor.
O Sr. Machado Portella : Pde-se, sim, se-
ohor. Eu respeito a ioteogao do oobre deputado.
j confeaaei que me hara declarado, que nao era
seu filo1 fazer censuras ; mas pode tirar-ae aquel-
la illagio, e pode recahir urna censura quer oo
ex-presidente da provincia, de quem me preso de
ser amigo...
O Sr. Souz'a Rea : Crditos 080 justificaveia,
islo foi o que quiz dlzer a commiaaio.
O Sr. Machado Portella : ... quer em mim
meamo, que tambem laocei mi do expedieote
de abrir um crdito auppleneolar.
O Sr. Buarque :Con a devida autorisaco.
O Sr. Bario de Muribeca : Quaodo ae tratar
disto, veremos.
O Sr. Mello Reg (Joaquim):Haremos de ver
essa autoriaaco.
O Sr. Machado Portella :Sr. presidente, sabe
V Exc, qae depois da reforma da thesouraria,
quaodo se esgotsvam es varbas votadas na iei do
orgameoto, continuara a fazvr-se a respectiva
despeza sem urna formalidade...
O Sr. Mello Rego.(Joaquim) : Continua va por
abuso.
0 Sr. Machado Portella : ... que garantiese s
apreciagao do acto do presidente da proviocia
e que facilitaste o julgameoto por parte desta aa-
a*mola ; em virtude, porn, segundo eslou in-
formado, |de um parecer da conmiasSo de orga-
mento desta aiseoibia, continuavam na thesou-
raria provincial as despezaa logo que en junta,
que era entio presidida pelo presidente da pro-
viocia, se reconhscia a deficiencia do crdito vo-
tado.
Aioda assin havia um graade inconveniente,
eegolava-se ama verba, a presideote em junto oa
a thesouraria por si msndava continuar a despe-
as, e depois se spreseorava esta casa ama reto-
gao de dividas de exeretcios findos ; o balanep
apresenlava o, exeoaao da despeza ; as nio ha-
via ame conta especial, ana deroooslragao parti-
*"!: eoc.0umP"'< ada verba excedida.
Km 1868 o oosso oobre coHega pelo 1 circulo,
que procarador Bacal da thesouraria provincial,
(refere-ae ao Sr. Feneloo) auggorio a iciee de>
adoptarse ama nedida, que adoptada en di-
versos paizes -civiliaados, e que necessarii para
a regularidade financeira a abertura de crditos
aupplementarea.
O Sr. Mello Reg (Joaquim) :Foi lembranca
niiohe, neaie lempo o Sr. procurador fiscal ni
era deputado.
O Sr. Masbado Portella :O Sr. procurador fis-
calI ne diste que liaba sido lembraoga sai.
O Sr. Soaza Reis : Foi na qualidade de pro-
curador Qseal, funecionando oa thesouraria.
O Sr. Machado Porlella :O que eerto que
a assembla provincial, em 1859 determinou no
arl. 30 da le do orgameoto o aeguiole, (14) :
Nenhuma verba de despeza, consignada em
leia do orgamento, poder aer exeedida seno por
meio da crdito especial, aberto pato presideote
da proviocia, e aubneltido a approvago da aa-
aemhia provincial.
Note-seqoe oio aiz tiesta lei. ou aa presente
lex, purm em leis de ornamentos : euasalece
ama regra.dam preceilo...
Un Sr. Do puta do : Ditpoiigao toda doctri-
naria.
O Sr. Theodoro Silva :Pernanente.
O Sr. Machado Porlella : V urna diaposigo
permsnente, cootm un principio, ama doulriae,
multo differeote das outras dlipo.sigoes que so
acham comidas no metmo capitulo da lei do or-
gamento, que diz no artigo 29, (l):
Ao preaideoto da provincia continua a auto-
risaco para effectuar a reforma de diversas re-
partiges publicas, etc., etc.
E' facultativo.
O arl. 30 foi o que j li : contera ana disposi-
gao preceptiva, terminante e aao facultativa.
No arl. 31. (l) :
c Fica o presidente ds provincia autorinado s
pagar, esa.
E' faesltativo.
No art. 82, (14) :
c Fica coocedida a Manoel Antonio Martina,
etc. etc.
Foi um abate.
Art. 33, Pica coocedida a tolano. Foi ana in-
denoaaauo.
Art. 34, (18) :
O sello de herangas a legados deve sec pago
ond o ioveotario da fazeoda for feito
Eate ditvosigao da da natureza do art. 30 : 6
preceptiva, coatn ana doctrina, e nao d una
tBlontac.ro.
Oe arte. 35. Sd, 7. 38 e 40 dizem : Fica o pre-
aidenie da proviocia aulunaado a fazer iato oa
aquilto etc. Todos elles dio auloriiagdes.
Porn o arl. 39 diz, (l) :
c Oa premios dos bilbeles de loteras, recolhi-
dos aos cofres, prescreverio pelo modo porque
prescrevem as dividas paasivas provinciaes, de-
vendo os documentos, etc.
Islo doutrina lamben, e nao autorisago.
De todos os arligos que II, s tres oio dio au-
torisago, aio os arligos 30, 34. e 39, qee nio
sao facultativos, conten principios pernan antes,
doutrinas, que deven subsistir enqaanlonio
forera expressamente revogadas. (Apoiados.)
Dizem alguna,eiti diapoaigio. esta doutrioa
nao exiate, caducou, porque o atigo 45 do orea.-
meolo vigente, assim ae exprime : (14) Fices
em vigor oa arligos taea e taea das leis lies, a>
revogadas aa demais aatorisagoes dadas Quieto
de orgameoto anteriores.
Ora, meui aenhores, qe o artigo 30 niio oi
una autorisago. Qcou demonstrado, (apoiados)
ese foram reroga las as aatorisagoes, a disposi-
gao do art 30 qae nao era urna auiorisagio, qae>
era am priocipio, ama duutrina, subtiale..:.
Uai Sr. Deputado:E' iucontealavel lsto.
O Sr. M>chaio Portella....portanto o presi-
deote da proviocia que laogar mao desle priaci-
pio, que abrir um crdito aupplemenlar procede
dentro da lei, lera um fundamento tonal. a-
poiados.) v
O Sr. Theodoro da Silva :E tanto aasin
qus agora mesmo ha na casa um projecto em
que se prohiben expressamenta os crditos sup-
plemeotarea.
(Cruzam-ae outros apartes.)
O Sr. Machado Portella :Talvez parega, Sr.
presidente, que estou um pouco fra da ordem.
por isto que nao estou fallando do projecto, qae
o que est em discussio ; naa V. Exe. ha ds
desculpar que eu eotrasse oeata jusliffeagio, por-
que a occasiio aoica que leobo.
m Sr. Deputado :Hade haver occasii) pro-
pria.
O Sr. Machado Porlella : A maia convenien-
te eata. Preceden ao projecto am parecer ds
commiaso qie contera algumaa palavra, das
qaaea se pode depreheoder ana censura, quiz
logo preveni-la ; con quaoto na digan e repi-
tam os oobres deputados que nio tiverais osa
vista fazer ama cenaura.
O Sr. Soaza Reis :Deprehsnds-se daa pro-
prias psltzras do parecer.
O Sr. Machado Porlella :O nobre deputado
sabe perfeitart ente, que palavras ha que se pres-
ta m a diversaa interpretagnes.
O Sr. Souza Reis:Mas o parecer nio se ore-
is a isso.
O Sr. Machado Portella :Pode preatar-ss :
tem-se fallado ltimamente nailo contra ou cr-
ditos aupplemeoiarea, e por isso pode-se c illiotc
do parecer que a nobre commisso quiz censu-
rar os presidentes que abrirn crediioa auppto-
nentarea, que liveran fundamento legal para
uso; mas eu que assin proced, valoo-iue d% -
occasio para justificar o neu acto o do mea oo-
bre amigo ex-presidente, (muito bem.)
D do artigo 30 da lei do orgameoto de 1850 oio po-
da deixar de continuar em vigor, e deve conti-
nuar, (apoiadoa) porque d ama disposigao sa-
lutar.
(Ha um aparte.)
O Sr. Machado Portella :Digo, qae a doutri-
na do projecto prohibindo oa crditos a qu o no-
bre deputado ie retere no aea aparte, refecatato-ae
ao Sr. Wilrurio, oteiraneote incoo real
como ji tire occasiio de lhe diier pera jar-
mente, (apoia ios) se 6 que nio absurda, per-
mita- nc a expreasio.
pSrBuyque :A doutrina insusteotavoi.
O Sr. Witruvio :Iosusltntossl oio.
o Sr. Machado Portella :-Mecano natAurspa,
noi paizeacooslitucionaea que oatoof
ga renlo....
O Sr. Wilruvio :Na
rnhoto.
O Sr. Machado Portella.,
dir doa eradnos supplemeaiarse
traordinanot, pois o noore dopoi
ben que ha differeoga entre cred
rioa e cresitou eapplenaatarea, c al
zea, con* aa Prtngi. aiida fea Sfesa km-----
lis endito siippiemsaisr e crdito sssrpil

i. n



- "' "---------------
ota un pouw sobfit, eaiis tendente
rata da tulorisacio do quedo actoamaimea-
tao. nio le pode prescindir de tee demias,
porqu ni leudo um orcameoio, teaSo fea-
^b rafee* ilMh. deames preiu-
miieV nio pode eemUir ieilhbilidade de cal-
cula),'* nobre dependo taba pereitamente,
qua'et alo podemos (er o cucho da infalltbili-
tiade ? ae la detpezas qae por m nalarea,
vadea aer prefitaa exactamente, ootrai ha que
finin e depender de nuitia eircuoasiaaeitse-
veotuae. O qoe o nebro deptitado poder* facer,
**m o acompaoharei neila parte, apreieote*
man orejela, eilaberecendo a caaoa, nao dtsM
ajeao, declarando aa verbas que presidente
poder brir crditos upplereolartt.
OSr. Bairqire >-Apo1ado. E' tata a eoutri-
na caita por todos oa rttnceiro.
O Sr. Machado Pottella:Sr. preiidente.como
tilo cita en diacuisao o parecer da cemmiitao,
-*? at>et me volt da opportnoidade para fazer
esta reclamogio, atntar-me-hei. Itrigo qae te-
cho ealiafeito o mau fiar, que teoho conseguido
o que quera, qaa ara a deelaraca ero publico
de um dea nobrea deputadoa membros da com-
an itsao, de que ato houve cea aura pela abertu-
ra de crditos tupplementares, a declara cao do
recootaecimento do fundamento legal que lera tido
t presidentei para aburen editas tappltnren-
larea: nada tois direi.
(Bailo Dem.)
do Sr. Dr. Baarque de Mace-
do Da sesso de 10 da carrale.
4> Sr, Baaraae:Sr. prefidente, os argumen-
tes offerecidoa pelo cobre orador que preceden-
ne, pareceram me lo iaaprooedeolea, que pe-
aar de aar eala iiaaa das poacaa oceaaiaa ero qae
difiri de aaa opioie, a reconheaer de outra
parte que aou o menos habilitado fiara tratar da
queafo de aposentadoras (oio apoiados,) nao re-
enei diairte da iosufllcreocie de miohis forrjis.
{nio apoiadoa) para alieader aos dictamaa de mi-
aba conacieocia robustecida pelas razoes de eqbi-
4atfe( e meimo da Justina, que assiatena ao pro-
jacto que ora se fibate, ecoupaodo por alguos
rnenlos a aiiencio da casa, cuja benevolencia
ellcito.
Seohorea, a muito Ilustrada commissao de le-
giilacao proceden cota equidade, aiteodeu aos
principios de justica, qaande approvou era sen
parecer o acto besa fundamentado da adniinia-
tracao passada, qae aposeotou ao honrado Dr.
Joo Jos Piolo no lugar de medico do collegio
dos orphios de Santa Therexa de Oiinia. Se bem
^que nio (ac parte deisa commissao, naos por is-
as aou extrsnho aea motivos que determinaran a
aaacco que lodos seas siembros prestara na a ss
ae acta da presidencia.
Entrando na apreciado desaes motivos, coroe-
Gfei por demonstrar casa as seguales proco-
coc :
1.a Que o acto da administrado foi legal, isto
*que o presidente da provincia se aebava devi-
d a eie ole autorisado quaodo coocedeu essaapo-
sentadoria.
. 2.a Que o Dr. Pinto eslava as conoides
daqaeltea que teem direito a aposentadoria, isto
,o,e elle ara empregado publico, e tioha os re-
queaitos da le para solicita-la.
Mests principios, que passn a demonstrar. oi
fundamentado o bem elaborado parecer da com-
missao de Irgiilacio.
Seohorea, esta assembla no art. 44 da lei pro-
vincial n. 452 de 21 de juoho de 1858, autorisou
o presidente da provincia a reformar o regula-
mento da Ihesourana proviocial, bem como os
dos collegio de orpbaos e expostos, etc., cando
esees reglamentos, dii a lei. sem prejuizo de sua
-exccuco, sojeitos a p. rovaco desta casa.
O presidente da provincia usando da autotia-
Sio conferida, j pela lei citada o. 45*. j pelo
lireito qae lhe assiite era vista dp art. 24 4 do
acto addictonal, dea efectivamente novo regula -
ment ao collegio doa orpbos de'Santa Therezs,
aaa data de 28 da Janeiro de 1861, regulamento,
eajs execupao foi autorisada por esta assembla,
ndependenle de sua approvaco.
O Sr. Soasa Rea: Quero he disse isiof
O Sr. Barros Brrelo : Marcando ordenados e
eatabeleceodo condiges pra aposentadoria ?
OSr. Buarqae:Fica sabida tambero, e se acba
escripia, qae eala casa conceden 1o ao presidente
da provincia aatorisaeio para dar novo regutamea
to ao collegio dos orpbaos, permiltio igualmente
sua execucao, o que importa urna approvaco
previa, urna verdadeira senecio i lodos os seas
acto que liverem lugar em virtud* dese rega-
Jameoto ( apoiadoa, nao apoiadoa). Um regula-
mento, cuja execucao autorisada por lei, tem
forcs da lei; (apoiados, nao apoiadoa) portante,
senhores, este ragulamenlo nao pode ser repelli-
do, e a casa deve aceitar os aclis consumados
em virlude de suas disposicoes.
m seu arl 75 ae Id:
_ Todo oa empregados do collegio de nomea-
co do presidente 4 provincia perceberao os
eu vencimentos pelos cofres proviaciaea, e se-
rio aposentados ou jubilados no fim de 25 snnoa
coa ordenado proporcional na forma das leis que
regolam as spoaeoladorias.
>*V. Soaia Res: Basta a primeira parle!
coe particulares pagos pelos cofres provto-
cieea I Isto elle nao poda fazer.
)Sr. Buarque :Se eale regulameuto podiaser
executado, iodependenta de approvaco da as-
sembla, te conseguiotemente esse acto do poder
ejecutivo tinha forct de lei, a se foi em virlude
do rt. 75 que acabo de ler, e na forma das le
que refalara as aposentadoras que o presidente
obfau,* eegue se que concedeu a aposentadoria
utortsido por lai, (apoiados, nao apoiados). Por
tanto, senhores, o acto do pjesidenle nao foi um
mero arbitrio, como ae quiz faier acreditar oesla
caes, o acto do presidente foi fundado na lei re-
glamentar das aposeuladnrias e em uro regula-
mento, coja execuQio eslava autorisada pela as-
sembla.
Flea por tanto demonstrada a primeira propo-
aicio, Isto que a presidencia pralicou um acto
legal, qusndo aposeolou o Sr. Dr. Joo Jos Pin-
to. (Apoiados.)
O Sr. Barros Barrato : Commettee ama ille-
s>ahdade.
O Sr. Buarque:Agora examinemoa os sarvi-
i do Sr. Dr. Piolo, vejamoa o que tez ease fs-
lativo por amor a servico publico, que docu-
ntos apresenloa para solicitar essa aposeata-
ia, se elles sao ou oio valiosos, se os cargas
i lhe foram confiados o coolemplam no nume
sB dos empregados pblicos, e se tinha elle os
requeiitos da lei.
Senhorc, nao quero abusar da vossa silencio,
sosspermiltie que remontes urna poaa invocada
pelo Sr. Dr. Pinto em favor de sua aposentado-
ria, permitiie qaa o acompanhe deade o comeco da
ogtttoicio do collegio dos orpbaos, psra que te-
ohaes melhor conhetimeoto de seus aervicoe.
A inslallacao do Collegio doa orphoa de Santa
Tbereza leve lugar em 18 de oulabro de 1834. O
director era eolio de oomeaco da presidencia, e
os empregados subalternos eram comeados polo
director com spprovgao de goveroe. O Rrd. po-
dro Miguel do Sacramento Lopes Gama, que
oceupava aquelle cargo, nomeou ao oirorgio Ser-
pa?, de qoe a pouco se falloona casa....
ISr. Soaza Reis :-De muilo honrosa me-
arortj.
l Sr. Biarqae.... para tratar de curativo doa
oipriao.
fase facultativo, que se occapava especialmente
dSFparte cirargica nao podendo por seas padec-
meato, enfermidadea chronicas, desempenbar aea
cargo cora aquella assiduMade, e zelo que lhe
sbneelbava a aua conscieocis e carcter, foi for-
col a abandonar o exercicio de aaa proQesao
n aquelle estabelecimeoto, sendo convidado por
anbatiiui-lo o mullo honrada Sr. Dr. Pinto, que
de bom grado ae preatou. O Dr. Pinto aceitan-
tJi eoMrB ^^VlI!ni k. nnit ao collegio doa orpbos, na
^JSKaV8 aclla>ej. accumulando as fuoc-
*M Ktss e elfargiess, em 1835.
!t *"? eof" eia<8 inda qual foi
JS5. *!?f!?Be"t?-|AUe?,,e<,'> Primeramente a
deflcteocja do palrlmonio naquelle lempo, nao es-
*,0^?"^5? o^naidor.soea quo devia ier para com
o tea collega Dr. Serpa, e rtnaadua a toda e
especie de remaoeraeo que lhe po-
Jda por aeua servigos, conllnusri-
Berpa a parceber saua antigoa
[jblam aparta ).
le;Pelos mus strvigos de eolio
"'leglo dos orpbos nio foi remu-
uribeca :Nao consta doa do-
:ffio fo4, posto uaavera-lo to
noftra <^Pds4M94aa ease gtstilearjlu qoe snteilorme
OUUO M PKIN1MIUO0. QAEI* IBA 38 DI MAJO DE 18I>.
'
" 'il'l *X

sos, ae asaim aw poaae exprimir, secorreu ao
mpregado que avias servido coas elle, pea-
omrfidedtgnss, qae rftd nao tfrrtsm parearlo *f-
co praasjidos
fes a Dr. Pinto t Fez o oe faria tedaVqatt qu
est.vesee as suae eoadHoes; aia iatiadVlr-
cblvea, oio podaado aaKer HoCusmUo authen-
aes, se sssim -
e
sor ii jeoigna, qae me nao aansm par ..
[e^dostaveroiimeis, om esse lestemunbo fe
varrer seus serrinas" de errtta. Bla squt, pots, i-
plicado o motivo por que figuram esias atieatados
nos docamentos com que o Dr. Pinto inalraio a
sua policio.
Creio, seobores, ter dito bastante....
Ume Voz:E moito bem (apoiados).
O Sr. Buarqae:.... para que j teobamos
oeste momento um juizo formado acerca do pro-
jecla ; e ou conciso perianto pela sua adopeo.
(Apoiados, muilo bem.)
Serpa recebeI bllitado de continuar no exercicio da seu cargo,
anteriormente lhe era arbi-1 que traba oa annoa de aervigo requeridos t Sea
duvida slguma ; portento, anda puresle lado aa
parece qae oio tem fundamenta a oppoetcao do
eobre depalado.
Eu darei alnia urna expKcacio acerca dos cer-
tificados fornecidos pelos empregados do estabe-
lecimeoto, aos quses a oobre diputado se re-
ferio.
S
=
t
trtde, mas i que nsqeelta occasiio nio tinha di-
rdl { pbr quanlo ae prestara services oo esla-
bajreciroenlo.
Eo deixa aoa sobres deputadoa o julgarem se
eaie procedimenro ou nio digno de toda a con-
sideragao. O Sr. Dr. Pinto preilou relevantes
servigos no collegio dos orphlos, durante 9 an-
noa eem que por isso fosse remunerado....
O Sr. lara* de Manbeea .Nova annoa sem
ssrreaasMiMdsi? Gieio qaa eagaoo do DSJbre
deputadax
OS. tuatMM :-U farad eppatte aa aotaa sme
isnbo eorrtgire alfar faite, a que ira en-
gknei. Elle setvio at lal. tearfo eutrad oo
eitabeeaatmaarta as 183i nao qaereatd em
qiatvt existid *. Serpeser reraufrerado, rsv.io-
que preslou 9 sonoa de servigos gratuitos.
9 Sr. Bario de Moribect :-Prroa?> axaet, ato
consta dos documentos.
O Sr. Buarque :Estes services ter V. Exe.
razio para po-los em davids, porque oio cons-
tar talvez a'eaaea documentos que tem, mss
aisevero-lhe qoe etTectivamente o Sr. Dr. Piolo
servio gratuitamente de 18% a 1814.
O Sr. Bario de Murlbeca:O que ou contesto.
O Sr. Buarque :Vejamos agora o que se pss-
sou de 184* pata c.
Em 1814 o estabelecimeoto dos orpbaos paiiou
por urna traosformacio. Augmeotaram-se as
rendas do patrimonio ; e Dr. Pinto que al entao
resida em Olroda veto habitar nesta capital; o Dr.
Pinto via-se poia na neceasidade de tancar mi de
meios de transporte, e meios oneroso para que
portease continuar a preatar seus servigos no col-
legio dos erphios.
Nao existiodo msis n'aquella poca o Dr. Serpa
parece, senhores, que era muilo equitativo, qae
era justo,qae o Dr. Pinto, coja familia ara n-
meros.', tivease alguma remuoeracio peloa seus
servigos ; qae a admioistrsgiodo pstrimoaio dos
orpbaos lhe offerecesse a recompensa da aaaa fa-
diga*. Efectivamente em 1844 foi o Dr. Piolo
convidado para aceitar am ordenado peloa ser-
vigos prestados so nstabelecimento Em vista das
razdesqoeji pooderei, nio podis elle recusar-se
a aceitar semelhsole offerecimenlo, por qnanlo
sendo pobre, nao tendo outro recursos para sua
subsistencia alera dos que lhe offerecia a sua pro-
fisaeo, sen lo-lne misler para continuar seus ser-
vigos ao collegio iraospovtar-se desia capital para
ali, oio podena distrahir sea lempo sem que aa-
feMsse urna vantsgem correspondente aoa sa-
crificios que lhe eram exigidos.
Foi por taolo o Dr. Pinlo empregado definiti-
vamente no estabelecimeoto desde 1844, e essa
nomeaco oa ease convite da administragio qoe
ba pouce fez appello o nobre depalado, foi apro-
vado pelo presidente da provincia, porque al
enlie o presidente nio nomesva directamente
esses empregados, mas delegava esse direito a
admioislrsgao...,.
No collegio dos espliMftoaasista um archivo
regular, este se aotueeesn atamerodea oa aesvi-
raasjdos da eass : aqu
HEVISTA OIARU.
Depois de approvar ara requerlmento do Sr.
isouza Reta ao sentido de solicitar ioformages so-
bre as vantagens que ba produzido o ayslema de
limpeta nos estabelecimentos pblicos, e de ou-
vlr ao Sr. padre Canh e Piguetredo, justificando
na indicado para que sejam desapproprlsdosoa
convenios de S. Fraocisco em Ipojuca e Seri-
nhaem, para nelles serem instaladas as raspec-
tivas mstrizea, oceupou-se a asseatMa provin-
cial na sessao de honlem da primeira discuisao
do projeclo a. 27, que concede am aooo de li-
cen;a ao administrador do consulado provincial,
Antonio Carnelro Machado Rioa ; a o mesmo foi
apnrovado sem debate.
Paiaaodo-ie a terceira discussao do projeclo
i 5, que concede apossntadoria ao Dr. Joio Joa
Pinto, toma a palavra o Sr. bario de Muribeca.
e soDre elle faz considerages no sentido da r-
getelo do mesmo projecto ; e segaindo-se-lbe
o Sr. Alvaro pronuncia-se igualmente contra,
maixjande o Sr. Fenelon em substitutivo ao 2o
artigo para que os vencimentos sejam pagos pe-
los cofres proviaciaes, e cootada a aposenladoris
da dala do titulo de oomeagio.
A materia adiada, para passar-se a segn la
parte da ordem da da, cooliaoando a discussao
Ou artigo 11 com as emendas offerecidas ; e aen-
do interpellado pelo Sr. Wilruvio, o Sr. Buar-
que sobre a de que era aaldr, e na qual se man
dava addiciooar ao orgamenlo
U ----------_. .^CUi ama quanlia para
a Sr. eputado r-Delegava o que nio tinha! a juros da estrada de ferro, visto que era eta
& "^V :~T,D, deIe8"a f* ,D- inferior sem duvida ao devido. tomou o inler-
meago ticava dependente de sua approvagio.)
( Ha um aparte ).
O Sr. Buarqae :A spprovagio do titulo de
1844 teve etTectivamente lugar ; a presidente
sanecionoa o aclo da admioistrscio; edessa dala
em dianle j se nao poder dizer, que o Dr. Pinto,
nio tioha urna base para a sua aposentadoria......
O Sr. Bario de Muribeca : Eu bo aceito a
explicago.
O Sr. Buarqae :Nio se pode dizer qoe dessa
poca em oante elle nao tivesse una base para
regular a sua aposeotadorla, quaodo elle era re-
munerado pelo estabelecimente, e tinha um or-
denado flxo.
O Sr. Bario de Muribeca:Tinha um contracto
um partido, do qual pdia elle ser despedido,
sempre que nao servisse contento da adminis-
trago.
O Sr. Buarque :Examinemos urna outra poca
Era 1847 o cstabelecimento dos orpbioa passou
anda por ama nova transfurmsgio ; nesss occa-
siio decidio-se que os empregados do estabeleci-
meoto j nao deviam ser da nomeagao do conse-
Iho, mts sim de nomeagao directa do presidente
da provincia.
m Sr. Depulado :E pagos pelo cofre dos
orphios.
O Sr. Buarque :De eolio pira ci conlinuoa o
Ur. Pinto a prestir seua servigos naquelle estae-
lecimeuto, em virtude de ama oomeagio emanada
directamente do poder administrativo ; o Dr. Pin-
to tioha por tanto um Ululo legal, qoe aatisfazia
lodo os requisitos da lei. e que o cooatiluia um
vsrdadeiro empregado publico. Elle eslava u
jeito a responsabilidade, achava-se Inleiramente
nivelado aos de mais empregados pblicos vis--
vis da legialagio penal, como pois ae poder ne-
gar-lhe esse carcter ?
Fica portan to provado que o Dr. Pinto na qua-
lldade de medico do collegio dos orphios era um
empregado publico.
Alm disso, senhores. o Dr. Pinto se tem pres-
tado por vetes ao servico froblico da provincia,
exercendo oulroa empregos como o de director do
jardim botnico, de professor de historia natural
do lyceu deata cidade, o de adjunto ao conselho
geral de aalabridade publica, e de secretario do
mesmo collegio.
Sr. presideale, ha pouco se dlsse na casa que
os servigos de professor de botnica nio deviam
ser considera dos como ser vico pblicos. Os ser-
vigos da professor de botnica devem iocontesta-
velmeolo merecer toda a altengao; entretanto
elles nio foram contados, nem se flzeram valer
na aposenladoris; sao aqu apontados como, pro-
va de dedicacio do Sr. Dr. Pinlo pelo bem pu-
blico.
Outros muitos servigos eu poderia invocar, ser-
vigos inleiramente gratuitos, que esta casa nao
pode deixar de attenda-loa, oao pode deixar de
faze-los valer por equidade em favor do direilo
qae asiste ao Sr. Dr. Piolo.
Timbero me parece qae nio devem ficar em
esquecimento os servigos que preslou aquelle
digno medico durante a calamitosa quedra da in-
vaiao do cholera am 1856, servigos oio remune-
rados, e que oio podem deixar de aer considera-
dos como relevaotissimos. (Apoisdos.)
Agors, senhores, vejamoa o qae provoa o Dr.
Pinto em favor de sua aposentadoria. O Dr. Pio-
lo requerendo ao ex-adminiatrador desla provin-
cia a aua aposentadoria, nos termos do art. 75 do
regulamento de 18 da Janeiro de 1861. e da lei
regulamsntar daa aposentadoria, mostrou eom
os documentos qoe se acham presentes e nio sel
se com outros; |* que era empregado publico
de nomeagao do governo; V, que eslava impos-
ibiluado de continuar no deaempenho de aeu
cargo por soffnmeotos e padecimenlos chrooicos
adquiridos naquelle exercicio; B. finalmente que
servio no lugar de medico por mais de 26 aonos,
prestando-se gratuitamente parte desse lempo.
Todos estes pontea ae acbam demonstrados por
miro, e comprovados pelos numerosos documen-
tos que existem aa casa.
A eooladoria de fazenda provincial verifle
que eiectuamente a Dr. Pinto tinha 26 anno,
11 mezea e alguna aaaa de servigos, entretanto,
qae o regulamento apenaa exiga 25 annoa para
a aposentadoria.
Um Sr. Depalado :-Mas a le exige 30 annos.
O Sr. Buarque :Atteoaamos anda, senhores,
ao facto de exigir o regulamento 25aonos, qusn-
do a lei das aposentadoria marca o prazo de 30
e vejamoa ae foi Iludida a lei.
O Dr. Pioto coalara 26aonos de servigos, mas a
saaa posentadora foi concedida na raio desses
30 annoa da lei, isto com nm ordenado propor-
cional, e nio eom o ordenado integral a que ti-
nha direito er face do regulamento. Portento,
seobores, como pessivel que se codale, como
admissivel queaa prove que o Dr. Pinlo foi ille-
galmenie aposentado? Gomo diier-se, que elle
nio linba oa annoa exigidos pela le ? Eu creio
haver provado....
O Sr. Wilruvio :E muito bem.
O Sr. Buarque :.... quer a legalidade do acto

B?
pellado a palavra, tritou de justificar a falta de
cercas nativa na mesma estrada, explicou a pri
sao do machinista, que dra occasiio a morte
de urna mulber na Cabanga, a finalmente deu oa
motivos ds sua emenda, reconhecendo coa ef-
feito que maior era a referida q uanlia, maa que
com ella s tivera em vista reconbecer o direito
que assiste ao governo geral.
Segrrio-se oa tribuna o Sr. Mello Reg [Ra-
phael), e occopou-se de negocios da mesma es-
trada, entendendo que a reapecliva compaohia
nao poda eximir-se do dever dss cercas, por
que eslava isto deniro da polica da mesma ea-
irada, e por que tanto pelo contrito como pela
I-t lhe corra tal obrigagio ; e coocluio por so-
liciiardo Sr. Buarqae explicagdea acerca de va-
rios facto, que citou.
E' adiada a materia pela hora, flcandocom a
palavra oSr. Buarque.
A ordem do dia de hoje continua a ser a mes-
ma, alm da primeira discusiio do projeclo o.
28, segunda dos os. 13, 25, 26 e terceira do
n. 22.
Hoje ae derer exlnhir a 2 pista da 2a lo-
:?I'Aerca'a oncessio) a beneficiado Gymua-
igreja de
aranhuns
o aa ao -
jote, ood
coalar
ti os loa-
I; ana Ca- i
: em Perei-
villa e aaaa
Ora nio se
DO
DA 17 DE SUIO, W0 CIMITE-
2 mezes, (.Boa-Vista
Ool'UARlO
aio ruanco :
Joa, Peraambuco,
peeoso.
Joa, faraatnboco, 40 anno solteiro, esersvo,
S. Joa; citbarropulmonar.
Corailloa Mirter, Belga, 34 annoa solteiro, Boa-
Vista ; febre itixica.
Tbeotonio Ribeiro de Paiva, Parosmbnco, 50
oe, solteiro toldad*, hWs>-Vnta ; cholera.
Romana Hara da Concetc, Pataa
noa, solteira, Boa-Via ; erte.
otonia Deluna Peralta, Catre, 76
S. Antonio ; phtyitte.
ota Mara doa Prazetes, Jrisa, 50
teira, S Joa ; phlyie.
anoel, Pernambaca, M borae, S.
gestio cerebral
at-
an-
o32an-
viuva,
ot, aol-
Jaa
con-
fio Peroambucaoo, no concistorio
N. S. do Rosarlo de Santo Antonio.
Temos igaalmente ooliclaa da
com dala de2t do correte, aa quae
guiles :
cholera cerca-coa, j em Cr
o numero doa obiloa aada por 70. *
muitos oulroa, pedorra de quarleirio ; em Peala
nhotinho, 2 ; oo termo de S. Ben
ras, 5 ; em Po-ferro, 3 : j neit
immediagoes, onde, todava, al
tem dado casos fataea*
Ojuiz de direito interino a frente dis auto-
ridades detta villa, dirija o aervica a daa pre-
videncias qae flear ao aeo alcance, doadjavado
por urna commistio central da aoccorrot de be-
neficencia, que ae entende com oulra commit-
sio que fuocciona em Correte.
'< Txm-te deslribuido medicamentos diver-
sas localidades ; mais ot recurso falham quasi
absolutamente.
Da Pao d'Albo temos noticias de 25 do cor-
rente :
A epidemia tandia a extinguir-te na comarca,
e na villa nio htvia apparecido caso algum nea-
ses ltimos dias.
No Goit raros sio os accommltimeatos; mat
appareceu a epidemia no engeuho Gursahy, onde
j ceifou a uns tres escravos, e a individuos aceommeltidos. Nio abitante n oi-
so communicante nio suppe o negocio lio feio,
pois nio se scha ella anda mailo fllalo.
Nada bavia offeasivo da seguraoga pesa da
tranquillidade publica.
Ioformam-no qae ante-hootem, 26 do
correnle. pelas 11 horas dia, no lugar de Santo
Amariobo por detraz da casa do Sr. Gome de
Correio, onde mora o pardo Joee Chhiostomo,
casado, foi a mulher deata eggredida por dous
soldados de tropa de lioha, sendo que eatavam
de capote e booet, nio podemos diter a qae ba-
talhao pertenca, um deatea soldados puxtodo a
baioneta "para eass pobre mulher pedia-ihe que
lhe entregaste o diaheird que tivesse en esas e
que nao gritasse, do contrario a malaria, a po-
bre mulber diase-lhe que nio tioha diobeiro, e
s exista em casa 4g000 que eslava deniro de
um bab ;_ o desgracado foi io bahi o tlrou os
5O00, e bo aaliafeito coro isao rouboa-lhe um
vestido de cana que a mesma eslava tozando,
sendo que um delles ficra da parle de fra e
pltou para o companbeiro ae retirar, talvez por
ter apparecido alguem. Pedimos ao Bxm. Sr.
general que por sua joatiga da alguna provi-
dencia, afim de nio reproduzicem-ae mais este
factos, a para socego daa familias.
Repartico da polica. (Extracto daa partes
dos diaa 27 de maio.)
Foram recolhidoe eass de detencao no dia
26 do correte :
A' odem do IUm. Sr. Dr. ebefe de polica Emi-
lio Jos Uamede, branco, de 20 annoa pintor
e Joo Gualberlo Baiboza, pardo, de 21 toos'
(orneiro, amboa para racratas.
A' ordem do Dr. delegado do 1 ditlricie Fran-
cisco Antonio Gerneiro, branca, de 35 aos'oi ca-
lafate para averiguagdaa em crine de morte'
A' ordem do subdelegado do Recite Ha-
noel AdIodo de Souza parda de 16 annos ca-
lafale, pan, averguacoee pelieiaea, e o ma'rujo
hamburgus W Wealbelg, de 35 annoa, a reque-
go do respectivo cnsul.
A' ordem do de Santo Antonio, Jos Francisco
doa Santos Alvea, crioulo, de 26 annoa, cocheo
para averiguacoes em crime de roubo.
A' ordem do de S. Jote, Serafim Jote Caval-
cante, branco de 26 annoa, dado agricultura
por infraegio de postaras monicipaes.
A' ordem de doa Atogadoa. Fraocisco Lopes de
Olivelra, branco, de 26 annos, dado agricultura
G naval .rnriniia^aa atltaWa*
EffIWIfKlIJttOCtAW*.
Tribunal da Relaco.
SESSAO EM 2* DE IUIo'dE 1862.
PRESIDENCIA DO EX. SH. COUSBIHKIRO BMBLINO
t DE LBAO.
As 10horas da minhia, prsenles oa senhores
desembargadores Caetaoo Santiago.iSilveira, Gi-
ttraoa, Lourengo Santiago, Huta e Perelti, fal-
lando oa Srs. desembargadores Guerra, procara-
dor da coto e Uchda CavalcaoU, abrio-ta a sea-
sao.
Passadoa oa feitos, a entregues ot dittribuidot
deram-se os teguiniea
JUtGAMEXTOS.
Recurso crime.
Recorrile, o bacbarel Antonio FirmaFigueira
de Saboia ; recorrido, o juizo.
Relator o Sr. deterabirgador Silvelra.
Sorteado* na Srs. deaembargadoraa Motta,
Peretli e Lourengo Santiago
Proveu-se em parle o recurso.
Babeas-corpua.
Foram propoitia aa petiges de Menoel Flo-
rentino doa Santoa a Victorioo Gomea de Olivei-
ra. pedio do ordem de babeae-corpuB, que Ibes foi
concedida para o dia 27 do crranle, ouvido e
Ur. chafe de polica.
Jggravo de petico.
Aggravante, Sebaatiio Marqaaa do Natcimento;
aggravado, ojuizo.
Relator o Sr. desembargador Peretti.
Sorteados aa Sr. deaembargtdores
negou-se provimeoto.
Appellace crimet.
Appellaote, o promotor : appellado.
Gomea da Cruz.
A' nova jury,
Appellante, e juizo ; appellado, Francisco Mo-
reira da Silva Frecbera.
Improcedeota.
Appellaote, o juizo
mea do Aguiar.
Improcedente.
Appellaote, o juizo
Nsscimento.
Improcedente.
Appellaote, Themaz
pellado, o juizo.
A' novo jury.
DILIGENCIAS CRINES.
Com vata ao Sr. desembargador promotor da
justica as seguintes
ippellacoes crimes.
Appellante, o juizo; appellado, Joio Mj-
noel de Souza.
Appellante, o juizo ; appellado, Joa Ignacio
doa Saotos.
Appellaote, o juizo; appellado, Igoacio Gomea
Parete e outros.
Appellaote. o juizo ; appellado, Luiz de Fran-
ca Leile e oulro.
DESIGXAC.Io DE DIA.
Assignou-te dia para julgamento dat se-
guales
Appellacoes crimet.
Appellante, ojuizo ; appellado, Florencio Pe-
reira Lope.
Appellaote, o juizo ; appellado, Refino Mar-
cos de Castro.
Appellante, ojuizo ; appellado, Francisco Pa-
rtir de Barros.
Appellante, Jos deflBarcellos e Silva ; appel-
lado, AntoDio Malbous.
Appellante, Hay mundo da Brito Pasaos ; ap-
pellado, Joaquim Meirelles de Araoio.
Appellaate. 0 juizo ; appellado, Jote Antonio
ao Carato.
Appillacoet cioeis.
Appellante, Maooel da Coala Pontees : appel-
lado, Joio do Carvalho Aloreida.
Appellante, Roque Ferreira da Coila ; appel-
lado. Antonio Joa de Flgueiredo.
O conflicto de jaritdicio entre o delegado de
Mossor e o juiz municipal da capital do Rio
Urande do Norte.
Miguel
appellado, Domingos Go-
appellado, Pedro Dits do
Olegario de Couto ; ap-
DISTRIBUIDO.
Ao Sr. desembargador Caetaoo Santiago :
Appellaco civel.
AppellanU, Joeepha Sebaalivna Cavalcanti e
Albuquerqee ; appellado, Bernardo Jos de
Barros.
Aggravo de pttico.
Aggravante, Eieoa Mara do Carmo : aggra-
vado, o juizo.
Ao Sr. desembargador Silveira :
Aggravo de peliro.
Aggravante, Joa Francisco Bittancourt ; ag-
gravado, o juizo.
Appellaco civel.
Appellaote, Joo da Silva Boaviita ; appella-
do, Cosme Jos doa Sanio* Calado.
Ao Sr. desembargador Gilirana :
Appeacn civeit.
Appellante, Jote Franeitco da Costa
appellado, o promotor de capellaa.
Ao Sr. desembargador Lourengo Samiago :
Appellaco civel.
Appellante, Mara Joaepha Leite ; appellada,
a parda Benedicta.
Ao Sr. desembargador Multa :
Appellaco civel'
Appellante, Matbiaa da Costa Barros : appel-
lado, Jos Antonio Pacheco.
Ao Sr. desembargador Peretli :
Appellaco civel.
Appellaote, Jerunymo Joaquim Fiaza eOli-
veira ; appellado, Bernardioo de Azevedo Cam-
pos.
Bocerroo-sea sesso a 1 bora.
OSr. deiembargador Guerra comparecen a 10
boraa e mala do da.
Lima
da presidencia, quer os fundamentos a apogeo- para averiguagoet poliche.
ladoria ; entretanto eu direi mala alguna pala-' O ebefe da 2a teceio
vret em resposta ao nobre depulado que me pra-
cedeu.
Disse o nobre depulado qae o presidente apo-
seotou sem ter altengao a lei. Senhores, ea eos-
tamo argumentar oa casa com oa proprios dados
que roe aio fornecidos, portanto j lendo mos-
trado qae a adroloietraga aposeaiou o Dr. Pinto
aaa cendigoea da le, examinemoa se verificada
esta bypolbese do nobre depulado, que ae nio
admitte, elle poda faze-lo. Todaa aa vezea qae nio
ha lai expresa, Uto principia da direito admi-
nistrativo, o poder executivo pode aposentar qual-
Juer era pregado publico, desde que elle se ache
eolro daeeitaae determioadaa eoBdrcfiea regola-
aaa por ama lei geral; ora.oo provou o Dr. Pinto,
que ara eraprefedo paMica, qaa estera impotti-
J- G. de Mmquia.
Movimenlo da enfermara da caaa de deten-
gao do dia 25 de maio de 1862.
Teve alta da enfermarla:
Jos Rodrigue da Coat, febre
Teve baixa para a enfermara :
Secundino Espindola.
-27-
Tiveram alfa da enfermarla :
Joa Joaquim de Seni'Aona Freir.
Gongalo, eacravo da Joaquim Mineal da Silva.
Teve baixa para a enfermara :
Paulino, eacravo de Briteajsebaitiana da Mortes
febre.
Paasagtrot ds barca inglesa MU, ahido
nata dCantl.-WemadiWraght, Thoafru Artbley.
CMARA MtMCIPAL DO RECIPE.
SESSO ORDINARIA AOS 7 DE ABRIL DB
1S62.
Prerideacia do Sr. Reg e Albuquerque, conti-
nuada pelo Sr. Barra Hugo.
Preeentea os Sra. Cezario de Mello, Henriquea
da Silva, Maia, Barata, Reg e Melle, abre-ta a
aessio, a lida a approvada a acia d'antece-
dente.
L-ae o aeguiote expediente :
Urna petigio de Joa Caetaoo d'Albuqnerque,
com despacho da pretidencia para a cmara in-
formar, em cuja petico requer para fazer ama
estrada, a aua cusa, qoe partiodo de aeu enge-
nbo Penamduba atravesse por terreado aogenho
Palmeira, e v encontrar na da Victoria que paa
sa pelo povdado de Jaboato, am da que cor
facilldade poasam os moradores de dtlo aea en-
geoho, e dos visinhos ter am transito aeguro pa-
ra acondugio de asaucar e oulroa gneros desti-
nado! ao contamino publico,Qae a eogeaheiro
cordeador iafarmassa com urgencia.
Um officio do juiz municipal da segunda vara,
eommuoicaado que, por ter tomado assento na
assembla provincial, deixra o exercicio da aeu
cargo no dia 1 do correte.Inteirada.
Oulro do juiz municipal, segundo supplenle da
aegunda vara, commumetnda ter entrado no dia
5 do correnta em exercicio da mesma vara.In-
teirada.
Oalro do juiz de paz do rrimeiro anno do ler-
ceiro dealricto da freguezia doa Affogadoa, coro-
mu nica ndo que ojuiz de paz do segundo anno nao
se seba juramentado, e por iaso aeba-ae o dito
deatricto aem ter quem nelle fuocciona.Que ae
chamaste o legando e larceiro votados pira prea-
tarem juramento.
Oulro do engenheiro cordeador, informando o
requerimento, no qual Joa Augusto d'Araujo,
empreiteiro do atierro do segundo e terceiro tan-
gos da eatrada do matadouro publico peda para
qae Ibe seja paga a aegunda piettacio do valot
da raetma obra ; declara que julge em aatado de
ser atteadldo, visto achtr-te ometmo atierra
feito en maia de dota Urcas partea.Mtndoa-ae
pagar.
Outra do ataamo, ioformando o requerimento,
no qual Maaoal Ignacio d'Avilla pede para qae
lhe teja permillldo continuar na adiQcagao de
oo telbeiro no fundo da eu sobrado aa etquioa
da eatrada doa Remedioa a entrar pela poete;
diz que a obra em quealio deafels muito a mea-
ma eitrada, poia que ate oilo palmoa do alinha-
menlo do oilio do dito sobrado.Indeferio-se o
requerimento.
Oulro do adtaioistrader do cemilerio publico,
remetiendo retegio daa peeeoae sepultada no
dito cemilerio 4 ordena daa autoridades poiietaea,
cuja, pesise socombiram da epideaaia do chole-
ra morbaeduraotao mat de margo ultimo, a que
sua familia, ames e e*oheve podte aaliafazer
a imprtamela daa sepulturas, aand dita relaco
na importncto de 800re.Q*e aertesotte-
le ao procurador.
Foi approvada o Bgatele ptreear *j A ceaa-
mTtfao eBcsrregida de examinar o tarreoo do
engenheiro Perea para odetcioco patlagem do
gado para o contamo da cidade o achoa conve-
niente, e proprio, e por iieo de parecer que ae
pega ao Exm. presiden le da provincia aatorita-
gao para ae tealiaar a compra, entrando em
aiaate.
Recife 7 de abril de 1862. c Henriquea da Sil-
va, Mello.
A cocomitiao aomeada para orgsoissr o regu-
lamento dos cemiterios das freguozias do Poco da
Panella, o S. Lourengo da Malta, apreseotju o
retallado de aeu Irabatho, o qual aeodo poalo em
discuj.io, foi approvado eom algumaa modifica
goea: mandou-ee paasar a limpo, e remetter cora
m offtcio ao Exm. presidente da provincia pe-
diodo a aua approvaco provisoria.
A' requerimento do Sr. Reg Maia foi destitui-
do do lagar a tupplente de fitcal da freguezia da
B01 Vitta Juvelino Armio de Barros Corrt, e
oomeado para o aubtlituir o cidadio Maooel
Duarle Vieira Jnior.
espacharam-se aa petiges de Augusto Luiz
Pereira da Cuoha e outros, Francisco Jos dos
Passo Guimaries, Francisco Joa Regallo Bra-
ga, Fitroe Aatooio de Figueirtio, Franeitco Al-
vet de Mone Prea, Dr. Praoeisco a'Araojo Bar-
roa, Dr. Herraogeoea Scrates Taveree de Vaa-
concellos, Jos Angosto d'Araujo, Dr. Ignacio
Firmo Xavier, Dr. Joio Joa Pinto, Joaquim
MarliniMorelra, Manoel Ignacio d'Avilla, Mar-
quea & Silva, Manoel Jote Guedaa e levmtoa-te
a aessio
Eu Franeitco Canato da Boa Viagem, offleial
motor a eKrevi ao impedimento do teereUrio.
Declaro em tempo qae, a requerimento do Sr.
Reg, maodeu-ae ordem ao fiacal da freguezia
do Recife para fazer retirar do ciea em frente da
raa do Trapiche oa bolea que se acbam ali concer-
tando e pintando, bem como que o meamo fiacal
cacasse a liceocji dada pela cmara para tal fim.
A requerimento do mmo Sr. vereador, man-
dou-ee offlciar ao Exm. presdeme da provincia,
dizeodo qae o raes da ra d'Aorora acha-te em
ruco do deamorooar-aa em alguoa lugares, em
comequencii de escavagea tenas pelaa chuvaa,
oque ae poder evuar laocando-ae nessas esca-
vsges algumaa canoaa de arela.Boa Viagem o
declare!, Barroa Reg presideote. Reg e Albu-
querque, Henriqaes da Silva, Bego, Reg Maia,
Helio.
----- n,m
oTimemo daalfaaultHrt.
Telera 111 airados c ora razad a a..
* a aoa geaeroa..
Valamea tahidot aom raaondat,.
com genero*..
i*
359
(6
-z=r- 35B
n 5 i? Bngue italianoCrestoflnamercadt riaa
Barca fratwezaTombelgeneroa de estiva.
Brigee haabaigawz-Rot.liae-carvo.
Barca iogteztBonitacarvao.
Brigaae idglezSil vanidem.
Patacho lalea Marlettbacalbo.
Barca ataeticaeaAzeliafatinba do tclazo a ho-
-Uchinho. m m uv-
Barca inglezaQoeen of the Soutmercaduras
Exporta ato
Do dia 27 de maio.
Barca ingleza Nelherlhon, para Liverpool car.
regiram:
Pbippa Brothers & C, 58 taccas cor 90 arro-
bas e 26 libraa de algodao.
Barca francesa Maric, pato Mirseille, carrega-
E. A. Burle & c., 1,000 taceos coas i 000aw
de assucar.
Hiate americano Grietond, para Ppiladalphia
Cr reg raro : *
llenry Foaloa, 681 couro salgado 30,784 li-
braa.
Brigue porluguez Luzitano, para o Rio de Pr-
ta, carregaram :
Marquea Barro C, 200 barricas e 10O mero-
com 2.243 arroba e 19 libraa de aaaacir.
P*tacho portugus Mara da Gloria, para Lia-
boa, otrrogaram :
F. S. Rabelto & Filho, 538 taceos con 2'69>
arrobat de asaucar.
Amorim Irmioa, 300 saceos com 1,500 arrobaa
de aaaucar.
Heeebedoria da raadaa Interna*
gerae ale Pcraembnaa.
Rendlmeoto do dia 1 a 26. 21 QtAjflig.
Idim do dia 27......I:293|424
26:207*470
Conanlado provincial.
Randimento do da 1 a 26. 41:0939394
Idam da dia 27......: 2:559#359
43:652,753
ALFANDEGA DE PERAMBL'CO
Pauta dot preco do* gneros sujtito, direitn
de exportacao. Semana de 2fJ a 31 da nu*Z
maio de 1862. TO ""* at
hfercado-ias. Dnidadaa. Valorea.
Aoa 8 de abril de 1862 comparecern! somente
para a aessio os Sr. vereadores Reg, e Mello,
peto que oio pdde haver.
Eu Francisco Canato ds Boa Viagem, official a
escrevi no impedimento do lecietario.Reg,
Mello. '
Aoa 9 de abril de 1862 tendo comparecido os
Sr. vereadores Reg, lleoriqo.es da Silva. Mel-
lo, e Maia, nio pJe haver sesiao por falta de
numero.
En Francisco Canuto da Boa Viagem, official
malar a escrevi 00 impedimento do secretario.
Henriquea da Silva, Reg, Mello, Maia.
Aoa 10 de abril de 1862 tendo somente compa-
recido oa Sra. vereadores Reg, Barata, e Mello,
nao pode haver bmso.
Eu Fraaeieeo Canuto da Boa Viagem, official
roaior a escrevi no impedimento do secretario,
Rago, Barata, Mello.
Aoa lt de abril de 186* lendo tmente compa-
22. ? Sr*- Terefloreo Rago Maia, Reg, e
Mello, nio pode haver sesso.
Eu Francisco Canuto da Boa Viagem, official
maior a escrevi oo impedimento do secretario.__
Reg Man, Reg, Mello.
Fogcages a pedido.
Copia
do abaixo assignado da Para-
hiba.
Na abaixo assignado, declaramos que temo
usado do prompto alivb-e maia remedioa do Dr.
Radway para cara de diveraaa molestiss, tanto
propria como de nossaa familias parentea e ami-
gos, e sempre com o maia eficaz resaltado, rem
bver nunca produzido irritagao oa indammaQoes,
pelo cootrario tem aido sempre o resultado de
nossaa applicacoes a cura maia prompla e evi-
dente (confotroe oa caaoa ); saaim pola, estando
na aulflcientemenle compenetrados da eficacia
deslea remedios, por muitas e continuadas ex-
periencias suplicamos ao governo n9o ponba em-
barago aa continucao de sua venda.
Cidade da Parahiba 10 de maio de 1862'
Joaquim da Coala Lima, negociante.
Jos Arthur Pinto de Abreu, idem.
Amaro de Barros Correa, idem.
Jos Fraocisco de Oliveira, idem.
Luiz Ferreira Leal, idem.
Francisco Pereira da Silva.
A' rogo de Jos Domingos Peixoto
Ferreira da Silva, artista.
Antonio Angelo Fernandes.
Francisco Alves Vieira Nelto.
Victorino Aotooio Pereira Vinagre, negociante.
Valenlim Antonio Pereira Guimariet.
Felippe Csrneiro Estrella.
Jos Dias de Saropato, loglsts.
Maooel Carneiro Estrella.
Jos Gomes de Araujo Qulntella, negociante.
Antooio Emidio Avila.
Davino Alfredo Tavarea Franco.
Joa Fortunato de Souza Jorge negociante e
propietario.
Joaquim Ferreira de Mello, proprielarlo.
Placido Ferreira da Silva, idem.
Joaquim Catsisoo Bezerra logisla e propriela-
Jos Luiz Pereira Lima Janior, negociante.
Jos de Silva Carvalho, proprielario.
Antooo da Cosa.
Manoel Joaquim da Silva Moreira.
Jos Aotooio Marquea da Motta Gulmaraes.
Antonio Ferreira Bailar, eommerciaote.
Antonio da Silva Figueiredo.
Antonio Lopea Chaves, commerciante.
Jos do Porto Viaona, artista.
Maria Joaquina de Mello Medeiroa propieta-
ria.
Joaquim da Silva Medeiroa, idem.
Antonio Pereira de Araujo Soaza e Albarquer-
qae, idem.
Joa Luiz Lopea de Medeiroa, agricultor.
Anoa Marta do Espirito Sabio.
Francisco Oate de Medeiroa, estudanle.
Joio Antonio Golzis, proprielario.
Joa Gomea da Araujo Quintella Jnior.
Joio Rodrigues da Aodrade, commerciante.
Manoel Jos de Almeida.
Jos Luiz de Souza, typographo.
Joio Rodolpho Gomas, proprielario.
(Cons'aaar-ie-Aa.)
cento
caada

9

>
arroba

>
>
> -
Abanos
Agurdente de cana. .
dem resillada ou do reino. .
dem caxaca......
dem genebra......
dem alcool ou espirito de
agurdente ......
Algodao em caroco ....
dem em rama ou em la. .
Arroz com casca.....
dem descascado oa pilado. .
Assucar mascavado ....
dem branco......
dem refinado......
Azeite de amendoim ou mon-
dobim........
dem de coco......
dem de mamona.....
Batatas alimenticias ....
Bolacha ordinaria propria para
embarque.......
dem fina........
Caf bom.....; i
Idem cscolha ou rcstulho .
dem terrado......
Caibros........
Cal..........
dem branca......
Carne secci charque. .
Carvao vegetal......
Cera de carnauba em bruto. .
dem idem em velas. ; .
Charutos. ......
CocoarfSRbs. ......
Couros de boi salgados .
dem seceos espichados. .
dem verdes......
dem de cabra corudos .
dem de onca......
Doces seceos......
dem em geleia ou massa .
dem em calda......
Espanadores grandes. .
dem pequeos ......
Esteiras para forro ou estiva de
navio......: ,
Estoupa nacional ....
Farinha de mandioca. .
dem de araruta.....
Feijao de qualquer qualidade.
Frechaea........
Fumo em folha bom. .
dem ordinario ou restolho.
dem em rolo bom ....
dem ordinaro restolho. .
Gomma........
Ipecacuanha (raizj ....
Lenha em achas .....
Toros..... ...
Lenhas e esteios.....
Mel ou melaco......
Milho........
Pao brasil ......
Pedras de amolar .
dem de filtrar.....
-*- Sas*. : ; : : < ;
Puntas ou chifres de vaccas e
novilhos.......
Pranchdes de amarello de
dous custados...... urna
dem louro....... >
Sabio......... libnt
Salsa parrilha...... arroba
Sebo em rama......
Sola ou vaqueta..... urna
Taboas de amarellog dama
dem diversas.....:
Tapioca........ arroba
lra*es......... una.
Uuhas de boi....... acoto
Vinagre ......- caad
5100
3100
4*500
2ga00
COMMKKCIO,
Praca do Recife 27 de
maio de 1862.
\s ^uairo Vioras da Urde.
Cotaces da jonta de corretores.
Nio houverim cotaedea.
J. da Cres Macadopresidente.
Jobo Gallasecretario.
Alfa
Randimento de dia 1 a 26.
Mea da dia 87.
438 03*1317
13.8171451
44ltS78
cento 39OOO
ICO
Ktm
5fS0O
lfSOO
104*600
76
JOO
Alfandega de Pernambuco 24 de maio da 1882.
Approvo.(Atsignado.) Barros.
O primeiro conferente, Domingos da Silva Gai-
maries.
O tegundo conferente, Jos Miguel de Lira.
Conforme. O 4." eserptorano. A. P. Vaz.
Movimento ao porto.
navios entrados no dia 27.
Terra-Nova, 31 diaa patacho inglez, Harriet do
186 toneladas, cipitao William Smilb, eqaipa-
gem 9, carga 2.490 barricas com bacilbio, a
Joboston Pater i C.
Navios sakidot no mesmo dia.
Csnal barca ingleza Hile, capitao, P. Eation, car-
ga aiaucar.
iuitatss.
O Dr. Trislio de Aleocar Araripe, offleial da im-
perial ordem da Rosa e juiz de direito eapeclsl
do commercio deata cidade do Recife e aea ter-
mo, capital da provincia de Pernambuco, per
S. M. imperial e cooiiiiucioDtl o Sr, D. Pedro
II, que Dos guarde, etc.
Fago aabar pelo preaente que a requerimento'
de Sauodera Brothera C, ae acha aberta a fal-
len cia da firma commercial Faria & C.', peUgafe.
tenga do Iheor aeguiote : venoo-ae doa pirata tea
amo, que ot commerciante Faria & C, eatibe
lecidoa areeta cidade com loja de fazendae, caaae-
ram et seua pagamento, hei por declarada al
fluencia, cujo termo flxo a datar do dia f
abril prximo paaaado, e ordeno que era toda
ben, livros e pipis dos fallidas se ponhm asilo
na forma da lei, remetiendo para eaa
juiz de paz competente copia detta aMHaema.
Nomeio curadores fiseaea da mama
credorea Siandera Brotbert & C. qoe 1
juramenlo, e publique-ia a fluencia p
procedende-ae aa demaia diliganca |
coovocadoa oa credorea para o dia 16 do e
te naz a 1 hora da Urda.


L

l
H
!
9 de mate d. 18.-Trito de Aleo-
muT. "'V* W,io nao prvido,
Ji.Ho aaVmSiSQ" de Mr n"BMd deP0"
adei^.Vi!?!"9 ehee ^ rtaPV* ,' edltM I"8 "<> fflMioi nona-
* ted. a ,,Boe e Publdo. pe. impreo...
.hi".* ^'"l0 owU ciode 0 Raci,e Oe Per-
*!:""*98ftM d0 *da m"da 1862-
ifflperi ir primero d" independencia e do
Eu, H.aoel de Carvalho Pao* de Aodrade, es-
crio o subieren.
DUWO ft PttUMttJC m QgftTA i*i M BUIO DE 1WH
O
eli!.
ni Trilo d Ateoer Araripe.
lm. Sr. inspector da ib. escurarla
. provn-
oos cumprimento di reolucao da junta da
iin!?!v22S'#L,er (,ubleo' u 00 di,8 de
<*wfatnro, perants a mesma junta se
^M arremal.r a quem por mooos fizer o forne-
wawnto dos medicamentos e utensilios ptr. a
enfermara da casa de deteacao deata cidade. por
^"&L* -1** de aolacbnh. de
di i|600. 3; 29 bsrtiszmhos coro palitos
de fogo a 100 r... 29 ; 14 ..ecos coca t.rioha
da msodioc. mofada a 1. 14; 1 frascoa de
boteai larga de vidro a 800 ra.. f600 re.; 10
g.rr.foei de vinagre a 1, 10 ; 9 librea de cho-
colate a 200 rt.. 1J90O ra. ; 20 maco, da palitos
de deotes a 100 rs., 2J; 1 barril cora arroz de
casca por 3>; 35 irascos con ginebra de Hol-
i.ud. a 500 rs.. 12J500 rs. ; 15 libras de labio
nllo i 140 rs., 3*100 rs. : 3 alquidare pe-
qaeooi vldradoi a 200 rs., WO rs. ; 33 psoellas
5 o1"* "JS n- W*80 ": S Rrrafaa de li-
cor floo 600 rs., 3j800 rs.; 13 garraias coa
champagne a 1, 13J; 4 lata de doce de goiaba
?-Jo lido- <*' com a.rdiohas a 320 rs.,
19280 rs. ; 3 latas de peiie a 500 rs., 1*500 rs.;
7 cauas de graxa a 100 rs.. 700 ra. ; 4 boide*
de maasa do tomate a 500 r... 2f: 3 fraaqui-
nhos de mOIbo de mastarda a 320 rs., 960 rs. :
ti trascol de moitarda em p 500 rs., 5*500;
" *VUK,I a 3**rs. ; 6 bules
ftVfof'i ,,M0 n- ; re"D" de PPel *.
a, TO lata grande e pequeas com amellas
E'J!?d0 ^J^'" *m ; 30 luzias d
pomada 2O0ra...6J; 1 libra de rap
>.-. K Meuron
tempe de om anoo. a cofa7d"o"' de^Tbo^o 160QTr. -- torne,r-". de A*o 100 rs.,
correte anoo ao flm de juoho de 1863.
Ai peisoas que se propozerem aestaarrema-
WJio comp.recam oa sala das sessdes da referi-
* junta no dia cima mencionado pelo mel dia
^competentemente habilitados, onie acbaro
iwoieotes o formulario e condiecag d'arramata-
cao.
- p ? c?"llr te mandn publicar o presente
peto Diario.
8ecr.tariida thesouraria provlocial 26 de malo
3 O secretario
A. F. d'lnnunciaao.
. 100 maaocas d'alho a 30 rs.. 3 ; 150
ceblas por 1; 151 .baos a 20 rs., 3S020 w.;
IWl rs., 800 rs.; 13 ljelas a 80 rs., 18040 : 80
! d taarM a 800 rs.. 6*400 rs.;
vsssouras de piaasaTa a 120 rs.. 360 rs.; 7 ca-
Sf "*'." Tin,f!r' Por 6g ; 15 can.dss de
vinagre da trra por 6|; 4 caadas o meia de
cachea a 400 rs I98OO rs ; 4 caadas de vi-
ono ordinario a 200 rs. a garrafa, 61400 rs. ; 6
caadas de Tiobo branco a 3i0
J5*3,60 r.; 3 pipas a 6J. 18 ; 2
Sff, 6; 4 barra a Ifl. 4* ; 3 barris de sata
rs. _
rs. a garrafa,
meiaa pipas a
em
m^aofariaair'S10' ^,lhe.,0Ur* PWflBd.1, ^ "* ? {.****' 12 ".,
P22 V dt resoluto da junta da a- l*600 r8 ? 7 '>ras da allaze
fflf* "'* *er Pob"c. o "o dia 18 de
4M*a prximo findoero se ba de arrematar a
ipor meos fiter a impressSo dos tr.balbos
4n* cetart^oea *ro*tnciae a aaber:
.. JT*inqot e rC4a d theaoufaa e relato-
.iJ,PlC,0r,a* coaa todos 0i d Jcomentos que
2 m* p,ta ',,,B,i, d9 1:S72|000 reis.
aaereiarii do goreroo, asssmbla. iheaoura-
tar. ,r.Bi 0" ,8ne". obr publica, direc-
tora geral da loatruccao publica e gymoazio pe-
la quaatia de 3:800000 reis.
As arrematacea aeras
anno. a contar do Io de
aWdejuaho de 18*3.
(eitai por lempo de um
julho do correte anoo
a eitas arroma-
sessoei da men-
Aa pe.soas qae se propozerem
S'** comP"Cai sala das
amadj junU, 00 dia cima indicado, pelo meio
da com auaa propostas em cartas fachadas.
t para constar se maodou publicar pelo Diaria
n.lk 2" .d* lhe>"rru prorinciai de Per-
nambueo 36 de maio de 1862.
O secretario
-. rn A. F. tS.mm' *-tatpoelor da theso
r. iulhainHF** aier Publ,c. 1ue o d 18 d
h.P mo viadouro, peraote a mesmsiua-
-4 ernatar a quem por menos flser o
" capatazia do algodao do consulado
raido anou.imente em 3:9603000
-------ma 80 rs.. 560 rs.;
30 pepas da corda 11 80 ra., 600 rs. ; 10 arrobas
fle atea 5*. 50; 9 arrobas de reas de carnau-
*2S5k W* '.maU a^^0D, de 8oaja do rarota
aVlZr0 r,V ,rroba de odaoem caroco por
2. 400 garrafas e boliias tszss a 10 rs.. 4 rs.;
8 lataa de flmdres a 1*500 rs., 12 ; 2 lata, pe-
queas a 500 rs.. I; Bc,a -lfobi oe bolachinhs
de araruta por 3g200 rs. ; 2 garrafas brancas a
.. ato *' Ul ma? de embira por 500
rs.; 5u gsrrafas de vnho com o titulo do Por-
r-ff rJttW*: l e,de,r" d arand a
o, o#: i baaquinhaa do mesmo pao por 25
1 mesa redonda por 20 ; 4 cadeiraa d araa-
rello usadas a 3, 8 ; 2 ditas com aaseoto tura-
do a 1, 3; 1 mesado
commoda de amarello
amarello a 2*. 4*: 4 lantaroas de ridro a 8J.
\ jl lle}";riaf 4o rfrorgtto-ator reformado
os Vieira do Hallo, que ibes 01 nrarcado o pra-
so de u a mes, con lados deata data, para satis-
. v.eJV X,*,4M < rHria geral da con-
tabilidad* do theiouro asciosral, as quats exi-
gencias Ibes aero communicadas neata repar-
Ucio. v
Secretaria da thesouraria de faxenda da Pr-
nambuco 32 da maio da 1862.Samado de offl-
al-maior, Manoai Jos Pinto.
De ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de f.zenda aata provincia slo aonsidsdoa
os Srs. Domingos Affooso Perreira, Jos Domin-
gos Pimecti, Marcelino Tolentiao da Olirera,
Antonio Norborto da Souza Lealdade major
rraociaco de Paala Paes Brralo, Antonio Per-
reira, Antonio Duarle da Olireira Reg, e Joi
Franciaco de Carralho, o as Srai. D. Aona Haria
da Cooceicao,, D. Tharaza da Jess Ferreira a D.
nabal Mara da Cooceicao, a entrar quanto antas
para oa cofres dasta tbssouraria, aobpeoa do Ibes
er ">brada executirsmente, com a quantia de
de 10 cada um, importancia da conducao para c
ceiuiterio pabltco, a costa da laxenda, dos cad-
veres dos seas esersros fallecidos do cbolera-
morbui.
Secretaria da thesouraria da fsxenda de Per-
nambaco 21 de maio de 1862. Sevindo de offl-
cial maior, H.noel Jos Pinto.
Consulado provincial.
Pela mesa do consulado provtncisl se faz pu-
blico que os 30 dias uteis msrcsdoo para a co-
branza a bocea do cofre do segundo semestre do
anoo financeiro correte de 1861 a 1862 dos im-
postas da decima dos predios urbanos das fre-
guezias desta cidade e dos Afogados, de 20 por
ceolo do consamo de agurdente, e de 5 por
canto aobre a Tanda doa bens de raiz pertenceo-
tes a corporaedes do mi morta se principiam a
contar do dia 3 da junho vindouro.
Mess do consalado provincial de Pernambueo
26 de mato de 1862.O ebefe da segunda seccio
F. Perreirs M. Ribeiro.
MS>AKIISM
. DO
BEBERIBE.
O Sr. caixa o commendador Manoel
Goncalves da Silva esta' autorisado a
pagar o 28- dividendo desta companhia
na razao de 3,$200 rs. por apolicri:
tel,Frnt,,r','?,,,,- .Sr.Tartltrl.
Lucrecia Conlarlni, mulher delle. Sra. Slella.
p^ilM^Ca,ndIt, co^o comiraa eU.
n ?',ar s ni pooto'
us bllbetes vendem-ee no dia e
1 ejpaitaculo
A vmum
O CIRCO
GRANDE 0GE4N0
DE
SPALDING & ROGERS
los, d rus da Gadeia do Recite d. 28, prlmei-
ro andar.
Lisboa
o patacho portagoez Mara da Glora c
Aotonioda Barras falenle, a sahir com brerida-
de por ter a maior parte <
por wr a maior parte de seo carregamento
prompte. para carga e passsgairos para os quaes
tm excallantoa eommodos trala-se com os con-
signatarios F. 8. Rabillo A Filbo, rus da Cadeia
o. 55.
jantar por 10 ; meia
por 12 ; 2 cabidos de
. a 2, 4; 4 lantsrnas
redo Campos eaopra5a por execuSo que Ibe I efte dmdendo lera pago em cobre,
""KVenTnThM0 Hfa,,So, iVlsto %er na pec'e que o Sr. caixa tem
..oharendol.nc.dorquecubr.opr.od. recebido dos arrematantes dos chafari-
zes e bica pertencentes a esta compa-
nhia.
rahafao aarremata?o ser feita pelo Telor da
>urana prorin dJOHcrao com o abatimento da lei.
o da junta daV, P^aonteser publicado na forma do estylo.
Recife 19 de maio de 1862. Eu Haooel Mara
Rodrigues do Naicimento, escriro o sabscrevi.
Tristao de Menear Araripe.
Krincial,
rafa.
A arramata;io aera feita, por lempo de 3 an-
?%\ H"0tV *? !* da lh0 d0 torrente anno,
arln.J.',Sh,0 d* 1865' Af pe,M" "J"6 e Pr:
pozerema esta arrematarlo, comparecam na aa-
. nVi*'?8' da, IDenc'nsd joota, no dia ci-
ma indicado, pelo mel dia, com
a* cartu fecbdai.
E pira constar
rio.
ahf m At lh?ar" proTiocial de Per-
aambuco 26 de malo de 1862.
O aearetario
.n .s. w A. F. iFAnnunciaeo.
Ucipitao JosLuiz Pereira Juoior. caralheiro
fla imperial ordem da Rosa, e juiz de paz do
erceiro anno, com exercicio no segundo anno.
Dadarasoes.
.un propostss
se maodou publicar pelo Di%-
- '-------^ "..wv uu arrui|iju QUUl
o primeiro diatricto da freiruezia doSantisiimo
Sacramento do bairro de Santo Antonio da ci-
tl.M^V-0' Proyocia de Pernambueo. em
irid da le, ele.
Faco saber aos que a presente caria de editos
jirem, que por parle de James Ryier & G. rao
loi foita a petigao do theor seguinte:
Illaa. br. juiz de ^az do primeiro di.tricto da
fragumia de Saulo Aotooio.Dizem James Ry-
der & C, que tendo de mover pelojuizo cooteo-
cioio a competente aegao contra Manoel Jos
^eiK Pjra delle exigir o pagamento da quantia
da 6725990, de fazendas compradas a crdito, e
por que aotes da propositura da acc&o se Taz ne-
eeaaario esgotar primeiro o acto preparatorio da
conciiaco vem por iaso os supplicaotes requerer
a V. S. se digne maoda-lo notificar, designando
a audiencia em que derer elle comparecer, para
eonciliar-se a respeiio do pagamento menciona-
do, e caso nao comparece, eotao digns-ae V. S.
proceder a rerelia delle, mandando o escriro
dar a cerlidao ou nota no resultado, para assim
poderem ossupplicanles proseguir em seu direi-
to entretanto, como o supplicado actualmente se
acha ausente em logir nao sabido, os supplicao-
tes tambera requerem, e esperara admiltida
competente justiflcaco, V S. se digne mandar
ssar carta de editos pelo lempo da lei para a
citaclo do supplicado. E porque ludo assim se
determioe, padero V. S. deferimenlo.-E. R. H.
O procurador, Leopoldo Ferreira Uartins Ri-
beiro.
Na qual peti;o dei o despacho quo se segu :
Justifl jue. Primeiro disiricto de Santo Anto-
nio, 20 de maio de 1862.Pereira Jnior.
Era virtude do qual despacho se proceden a
ioquirigo da testemuohas. que depozeram aob o
juramento doa Santos Eangelhos a respeito da
aseaeia e Incertez do lugar da residencia de
Manoel Jos Leita, e sen lo tudo autiado e pre-
parado me foram os autos conclusos, e por mim
lidos, nelles profer a sentenca do theor se-
gsnote :
Julgo por senienca a jualificaco de folhas para
produzir seus effeitos ; o escrivo passe a carta
rsjqaeri Ja com o prazo de 30 das e paguem os
-justificantes as custas.
Primeiro dislricto da freguezia de Santo Anto-
nio do Recife, 20 de msio de 1862.Jos Lulz
Pareira Jnior.
E na Ja mais se conliohs em dita sentengs dada
nos autos, por bem da qual se paasou aos justl-
ficanies o presente edital com o prazo de 30 dias
pela qual se chama e cila o referido Manoel Jos
Lene, pera qu dentro dos 30 dias compsreca
por si ou por sen bastante procarador para se
proceder aos termos de coocitiacao o a forma da
petico e a qualquer oiit'a peasoa para que Ihe
laca saber desta mesan cilaco, aQm de que olla
nao fique in lefeso.
Oporteiro iulerrno deste jaizo publicsri este
nos lugares mais pblicos desta dislricto e affl-
xira passaodo certidso em forma. 1
Dada e paasada nesle primeiro dislricto da fre-
ia do Saotissimo Sacramento do bairro de
Santo Antonio da cidade do Recife provincia de
P"?,IB!UC0. > 20 dias do mee de maio de
o ecrlTi ,qul,a da SilT Re. ecriTo que
t\ n. w .- lot* Lnil Pereira Juoior.
,1,'f0 d! Alencar Ar.ripe, official da im- !
penal ordem di Rosa e juiz de direito especial
?.^me!.C nde8la **"* "o Recife capital da
Provincia de Pernambueo a aao termo por S.
. le C o Sr. D. Pedro II, a quem Deo
arde etc.
Paco aaber aoi qoe o prsenle adital ?'retn e
^lla noticia tiverem que oe dta 9 de junho se
na da arrematar por randa a quem mal der am
!t *>.' de,le iull ,,,* i0* auditorioa
eegaioie
CoDselho administrativo.
O conselho administrativo, para foroeeimenlo
do arsenal de guerra, tem de compraros objectos
seguintes:
Para a pharmscia militar dests provincls.
a libras de acido ctrico.
60 garrafas de alcooi de 36.
34 garrafas grandes de 2 libras d'agua de flor
de laraoja.
34 garrafas grandes de 2 libras d'agua rosada.
12 arrobas de assucar refioado.
16 libras de assucar de torreo.
34 borrachas vulcaosadaade 1 libra.
84 borrachiobas para iojeccoes de 2 oocas.
ditaa para injeegoes de 1 ooga.
aat?..5- m Pienses, balsncss, posos,
iwuoallcluoe P* depoaito d taberna -
^.r.!' rJ ? a"dotudo por
aff**:rSMl -SfiS JJI -'
dial uian cald
no
4O05;
phosphoros
melada ., laooo, 2|000 ; 32 dita. d<
a
esa frasco com
MO re., 94600 ra. ; 18 ditaa
aoce de conserva a 500 ra 9a
21 Inacoe com consarv. 500 ra., laJOO 56
C*. afa. cognac a 660 rs 83o rT;' 51
garrafas de vinho do Porto a 400 rs Wtnn
SooTsV.1? *a,-^s.
* 92^!v,8 ; 8i rraU* de cerve-
la, IMMOrs. ; 96 di.., 3 rr,8,
botij.a da aoebra .200 s
l.; 50 botijas de cumiohos a 300 rs '
arril casa rao por 6; 23 u.. da
32 libras de cera branca em flor.
6 grosas de caixaa par pilulaa.
6 coadorea metlicos com canoa sortidos da n. 6.
20 libras de espermacete em rama.
2 libras de extracto de alcagui.
2 ooQta de dito da coloqueotidaa.
2 ditas de dito de taraxat*.
2 libras de folhas de acnito.
12 ditaa de flores de sabugo.
8 ditas de ditas de rnica.
8 ditaa de ditas de tilia.
20 ditas de flos de linho.
24 fundas do lado direito.
24 ditas do lado esquerdo.
24 dilss duplas.
4 oogaa de iodareto de ferro em vidro azul.
4 ditas de hydrocblorato de morfina.
2 libras de lacre de primeira qualidade.
1 machina para eatender e para drapouma.
4 arrobas de malvas.
24 borraxiohas para clyster de 8 onjas.
1 arroba de maoleiga de porco.
4 libras de mamulla.
24 vidros de oleo de mssiruco.
61 libras de oleo de ricino.
64 ditas de oleo de amendoas:
50 vidros de pilulas de Vllete.
3 pecas de madapolo o. 5 de 20 varas.
4 libras de paslilhss de ssnlonina francesa.
2 libras de phstilhas de ipecacuaoha.
2 libras de ditas de ipecacuaoha e morflni.
2 resmas de papel azul para embrulho.
2 resmas de dilo branco paulado.
2 panellas de ferro forradas de porcellana de
capacidade de 32 libras.
4 libras de ponas de viado calcinadas.
24 garrafas de Rjba de Laffectenr.
24 vidros de salsa parrilha de Sande.
4 libra, de salsa hortense.
4 arrobas de sal inglez.
4 libras de sentsuria menor.
4 librss de sabio
qualidade.
1000 rolhas de corlica para vidros.
2 arrobas de sais, parrilba.
2 ditaa de mano commum de Ia qualidade.
16 libras de dito de lagrimas.
48 garrafas de vinho tinto de Ia qualidade.
, 48 ditas de dilo braoco de Ia qualidade.
5 caadas de vioagre de 1 qualidade.
2 oncas de valeriaoato de quinino."
4 ditas sulphato de qalniuo.
50 vidros de xsrope de Naff.
30 garraflnhas de xarope Limore.
30 garrafas pequeas de xarope peitoral inglez.
12 garrafas de 2 libras de sueco de espargos.
2 libras de borato de sods.
6 libras de boides de rosas.
24 copos graduados sonidos de 4 oncas e 4 di-
tas e 2 ditas.
3 grses de marmore de 3 libras de espacidade.
12 graea de vidro sortidos.
12 funis sortidos de vidro.
12 canecas de graduar sortijas.
12 capsulas de porcelana sortidas.
6 pelles de camursa o. 6.
2 caadas de azeiie de dend.
Para o araenal de guerra.
30 milheiros de pregos caixais.
500 caadas deazeite decarrapato.
Quem taizer vender taes objectos aprsente ss
propostn em carta fchala, na secretaria do
conselho, s 10 horas da manhaa do dia 30 do
correle mez.
Sala das sessoei do conselho administrativo
para fornecimenio do arsenal de guerra, 22 de
maio de 1862.
Antonio
para opodeldoc de primeira
Gomen Leal,
Coronel presidente interioo.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel Togal secretario interino.
Consulado provincial.
De ordem do Sr. administrador interino do con-
sulado provincial ae faz publico que o. 30 di.i
uteis marcados para a cobranza bocea do cofre
do imposto de 10 0|0 sobre a renda dos terrenos
do municipio do Recife oceupadoa com o planto
do capim do anno vigente de 1861 a 1862, fin-
dam-se no dia 31 do correte, e que flcam'com-
'"hendidos na mulla determinada no art 50 da
le provincial n. 346 os que psgsrem depois desse
praso. Mesa do consulado 19 de maio de 1862.
O chefe da 3.* secaao,
F. Perreira II. Ribeiro.
- Va ordem do Illm.Sr. inspacUr deata the-
oararla ae fazscieote la Sras. D. Mara Tbaode-
. fl.2. rf n, de s"t'Anua Barros, filfas do
..... Mas: vffsts^ssisxs&vtt-
Escriptorio da Companhia 28 de maio
de 1862.O secretario interino, Justi
no Pereira de Faria.
Da ordem do Illm. Sr. inspector desta the-
souraria, esm observancia da ordem do tribunal
do thesouro n. 81 de 38 de abril deste anno, sao
pelo presente convidadas as pensiooistss do es-
tado abaixo declaradas quanto ntes spressola-
rem os titulos decan torios de seus vanclmentos,
am de que se Ihes possa abrir o respectivo as-
sentsmento, sob pena de Ibes nao serem pagos os
ditos riocimentos sem o referido assentsmento
Franclscs ds Pureza de Oliveira o Silva,
Francisca do Reg Brrelo.
Igoez Amalia Goes de Brito.
Josepha do Reg Brrelo.
Mara da Coneeicao Ov.lcanli Barros.
Mara Egyociaca de Locio.
Mana do Reg Brrelo.
Secretaria da theaouraria de fazenla de Per-
nambnco 27 de maio de 1862.
Serviodo de official-maior,
,, Manoel Jos Piolo.
Conselho administrativo.
O conselho admioietreiivo. para orneclmento
ao arsenal de guerra, tem de comprar os objectoi
aegaiotea:
Para provimeoto dos armazens do araenal de
guerra.
10 praochoes de pao carga de 11 a 12 pollega-
das de grossura e 15 a 16 ditas de largura,
oduzias de taboas de amarello de assoalho.
200 meios de sola.
50 meios de dita de lustre.
50 grosas de fivellas de ferro eslanhadas para
grvalas
200 pelles de cabra.
Quem quizer vender taes objectos aprsente
as suas propostas em carta fechada na secretaria
do conselho, s 10 horas da manhaa do dia 2 de
junho prximo vindouro.
Sala das sesses do conselho administrativo
para fornecirneoto do arsenal de guerra 26 de
maio de 1862.
Antonio Gomes Leal,
Coronel presidente.
Frantieeo Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario ioterino.
Pela thesoursrla provincial, ce faz publico, que
o contracto do aterro a fazer-se desde a ra do
Sebo at a entrada do Moodego. foi transferido
para o dia 5 de junho prximo vindouro.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo 26 de maio de 1862.
O secretario
A. F. d'Annunciafo.
Peranle a thesouraria provincial, vo nova-
mente prafa para aerem arrematadas quem
mais der, no dia 12 de junho prximo vindouro
a rend daa caaaa, abaixo mencionado, porteo-
centea ao patrimonio doa orphaos, a saber:
Ra de S. Goncalo.
Casa terrea n. 11, por anno 160.
Ra do Rosario da Boa-Vista.
Casa terrea n. 14, por anno 201.
Ra da Lapa.
Can terrea n. 41, por anoo 182.
Ra da Cacimba.
Casa terrea n. 65. por anoo 300.
Rus dos Burgos.
Casa terrea n. 63, por anoo 205.
dem n. 69, por aooo 125g.
Ra da Seozala Velha.
Sobrado de doua andares n. 79, por anno 650.
dem dem n. 80. por anno 650$.
Ra da Guia.
C-isa terrea n. 83, por anno 162.
dem n.84, por aono 168.
Ra do Pilar.
Casa terrea n. 96, por anoo 157.
Ra da Madre de Deua.
Cssa terrea n.35, por sano 1:621.
' Estrada do Parnameirim.
Sitio n. 1, por anno 500$.
Sitio o. 2, por anno 120.
auaa Frn0 d" Ca-
sillo n. 5, por anno 352|.
As arrematarles sero feitas pelo lempo que
decorrer do da da approvac>o do contrato ao
um de junho de 1864.
E para constsr se mandou publicar polo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambueo, 26 de maio de 1862.O secretsrlo, A.
r. da Annunciaco.
THEATRO
DE
Santa Isabel.
Para
Segua coso brevldade o palhabote Santa Cruz,
para o resto da carga traa-se com Caetano C.da
u Morelra & Irmos, no lado do Corpo Santo Da-
mero 33.
Para o Aracaty
o Mate nacional Jagaaribes pretende seguir at
o ais 8 de junho por ler parte da carga prompta :
para o resto a panageiros, trata-sa na ra do
crespo n. 14, ou com o mestre a bordo, defronte
do caea do Ramos.
m^
Bote
trahida
do
Nao baver representarlo
o HOJE
Quarta-feira 28 de maio.
AMANHA
Quinta-feira 29 de maio.
pela primeira
Haver
quiaita e feiliceira
lada
ves neata cidade a ex-
pantomima equestre, intitu-
4 apparicao de urna cho-
va deprata,
comprehendeado toda a torca dos jovens artistas
da companhia, abundando na elegante arte de
COMPANHIA BRASILEIRA
US
piiiras fi. TJUML
E" eaperado dos porlos do sul at o dia 30 do
correte um dos vaporea da companhia, o qual
depois da demora do cosame seguir para os
porlos do norte.
Desde j recebem-se passageiros, a eogaia-ae
s carga que o vapor podar eondusir, a qual de-
ver ser embarcada no dia de sus chegada.dinbi-
ro a frete e encommondas at o dia da sabida s
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz n. 1, es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
di c.
CQMPANHIABRASILEIRA
DE
mmtes nvm.
At o da 3! do correte, esperado dos
portos do norte o vapor Oyapock, commandan-
mootar acavaili -T-.T-' '' Jfoprimeiro lenlo Antonio Marcelioo Pootes
S55iAa!^: Tl^*?!^**??***. *l depois d. demora do cs.ume
Jstumes e ^SS^T^MlSSl' ^^ "' D0,,0, d L
<** ccessorios, e msica appropriada.
O director recommenda esta serie de pantomi-
mas, e roja de chamar a especial altenco do ele-
gante e illostrsdo publico desta cidade
PERSONAGENS.
A Appartcao- Errante da Chuva de Prata pelo
Sr. JN. Rogers.
Azaade Abelha, a Fada da Colmea, pela Bella
Rogers (ruerno.).
Flor de Larangeira, a Fada das Flores, pela Anna
Worlaod (menloaj.
Baija Flor, a Fada do Jardim, pelo joven Crios
Ao mesmo tempo ser produzldo pela primeira
vez nesta cidade
As aseadas perigosas
peloa Srs. Worland, N. Rogers, N.al e Antonio.
b um novo acto de
Equilibrio Chinez
. Joo Nobles.
Todos
seguir para os porlos do sul.
Desde j recebem-se passageiros e engsja-se
a carga que o vapor poder cooduzir a qual deve-
r aer embarcada no dia de sua chegada, en-
coromoodas e dinheiro a frete at o dia da sahi-
da as2 horas: agencia roa da Croi n. 1, te-
cnplorio de Antonio Luiz de Oliveira Axevedo
& C
Frela-se para o Rio da Prata um navio de
primeira classe, lotado em 1,500 ou 1.6C0 barri-
cas : quem o pretender, dirija-se a Bailar & Oli-
veira, ma da Cadeia do Recife o. 12.
OS
quinta fe
tos artistas
de noite.
se apresenlsro na
A nova pantomima, anticipa,
damente annunciada, foi devido
a um engao do traductor.
As representaedes tero lugar
todas as noites, excepto quartas-
feiras e sabbados, cujos dias se-
rao dedicados para os enssios de novas pecaa
assim como tambera para nao obslar s concur-
rencia da OPERA LYRICA.
Tambem haver represeolsces no domingo
prximo de larde, em cuja occasio a Srs. Wor-
land subir por um deb.1 rame que ser collo-
cado no chao da parte exterior do amphilheatro,
at a elevada altura do cume do mastro do centr
que sustenta o mesmo, e isto ser em plena vala
do.publico quo te ach da parte de fora.
A polica lem determinado que
'nao ser permittido fumar den-
tro doamphiihealro.
Por ordem do director geral,
W. T. B. Van Orden Jnior,
Secretario.
Rio de Janeiro
segu com muit. brevidada o brigue nacional
Encantador por ter parte da crgl engajada :
para o que Ihe falta, trata-ie com os consignala-
rloa Viuva, Amorlm mero 45
Para Lisboa segu com muita brevidade o
brigue Pon Activo, tem prompto a maior
parte do carreg.mento, e para o resto que recebe
a frete ou para passageiros, aos quaes offerece ex-
celleot.s coamodoi : trata-ae no escriptorio de
Amortm & Irroaos, ra ds Cruz n. 3, ou com o
capitao Jos Antonio de Oliveira, oa preca do
Commercio. ~
Para o Rio Grande do Sul segu com muita
brevidade o brigu* eacuna cGaanabara, recebe
carga a frete : para tratar, no escriptorio de A-
morim Irmos, ros da Cruz n.S.
COMPANHIA PE11M1BUCA1U
M
Navegacao costeira a vapo?
Parahiba, Rio Grande do Norte, Ma
cau doAssu', Aracaty, Ceara' e
Acaracu'.
O vspor iJaguaribe, commandante Lobato,
sahlr para os portos do norte al o Acarac,
no dia 7 de junho as 5 horas da lardo.
Recebe carga al o da 6 ao meio dia. Eocom-
mendas, passageiros e dinheiro a frele at o dia
da sabida a 1 hora ; escriptorio no Forte do
Ualtos n. 1.
Lisboa e Porto.
Segu brevemente a barca porlugneza Sym-
pathia, porque tem quasi toda a carga engaja-
da ; recebe para qualquer dos portos indicados a
que Ihe falta e passageiros, obligando se os con-
signatarios a dar passgem a aquellesque trata-
rem para o ultimo porto, logo que o navio che-
une ao primeiro : trata-se na ra da Cadeia do
Recife n. 12.
Para Maranho e Para.
O hiate Garibaldi, capito Custodio Jos Vian-
na, tratar com Taiso & Irmos.
eorrente mez, serte
impreterivelraente a segunda
parte da segunda lotera (3 concesAo) a
beneficio do Gymnasio Pernambucano,
no consistorio da igreja de Nossa Se-
nhora do Rosario de Santo Antonio. O
btlhetes acham se a venda na respectiva
thesouraria ra do Crespo n. 15, e as
casas commissionadas ra da Imperatriz
loja de ferragens n. 44 do Sr. Pimen-
tel, prarja da Independencia n. 88 foja
do Sr. Santos Vieira, ra Direita n. 3
botica do Sr. Chagas, e na ra da Ca-
deia do Recife loja do Sr. .Porto.
Os premios de 10$ at o de 5;000j|
erao pagos nesse mesmo dia da ejttrac-
cao de 1 hora da tarde em diante, e oa
outros logo que se tenha leito a distri-
buicio das listas.
O thesoureiro,
Antonio Jos Rodrigues de Souza.
Na noite de sabb.do24 do eorrente perdeo-
sa uma c.rteira com oito letras aceitas a favor do
abaixo asiigoado, no valor de 4:500a a oraeoo
ceileiem 24 de abril prximo passaoo, asiTU-
d.i no da 28 de.ie, e o aceitanta eat pravinido
na meama carteira tinha em aadulaa quatrocMtsn
e tantos mil rs., sendo daas sedulas de 200 e o
restaute de menor valor, da coja qa.nlta ao'dar
matada a pessoa qus liver achado, e queira laxer
o favor de entregar na ra Bella n. 23. ou ra do
Qneimado, loja de ferragens n. 14, ou no Recife
ra da Cadeia n. 56. aonda a. dar cumprimento
ao cima dito. Antonio Joaquim Vital.
Antonio da Molla a Silva, subdito
guez, relira-se para fora da proyocia.
No eacriptorio do Exm. Bario do Livraoeo-
to deaeja-se fallar com muita urgencia com o Sr.
Adolpbo Aatolpho Vasconcelloi Pimeotel
duem est moranda na cidade
negocio de seu interesse.
porta-
de Olinda : ,
Precisa-ae deum menino de 12 a 14 aaoos
vwarJ.e.P".' C.'Xer0 d^um, ,0* cidade da
\ictoria : a tratar na ra larga do Ro.ario o. 21
Ferdee-se um. pulaaira de ouro com 7 o*-
drss de camapheos. desda a casa n. 4 rasdo
h1rf tampa dCy"o. theairo ato ao mesmo th.atro, na noite de sabba-
do 24 do correte mez de maio : quem a achou
queira ter a bondad, de re.iitui-U a ieu doW"
2".HeerLd' 8a. n- 4> que ,e, goaeroasmenl.
fah.dK f'de'e !"' oari-esq.
tenham a bondade de nao fazerem negocio aleum
com dita pulseira.
Precisa-te de urna ama
Co n. 12, segundo andar.
no pateo doTer-
Aluga-se um primeiro sndar de um sobra-
do na ra das Aguas-Verdes : quem pretendar.
falle na ra das Crezes, sobrado n. 9. penaltim
?X%:a,d- "' d P-r. S. Priado.
lado direito.
Escravo fgido
Contina a estar fgido desde os ltimos dia*
de abr prximo passado o moleqae HercuUno
que foi escravo do finado Manoel Antonio do.'
Pasaos Oltvefia, tendo os sigoses seguiotea : cor
fula. e.t.Ura regular, a falla um pouco desean-
cada e aliada, tem uma cicatriz n'um dedo
uma das maca, proveniente de um uoheiro ere-
presenta lera idade de26annoa: roga.e'.a.m-
torid.de. policiaea a apprehenaao do mesmo, e
rc.rga: Ejsr Adiodo coBs,,f **>
Irea escravos mocos para
padaria no Manguinfco ae
aVrf-HOri
LEIL/10
DE
Uma casa com 6 janellas e 2 portes ns trente,
com 3 salas, 7 quarlos, um grande terraco ou
cupi. portas e janellas nos oiloes, grande
quintal, cacimba, cocheira e estribara.
Quaria feira 28 do correte.
O agente Pinto autorissdo pelo Sr. Raymando
B Lasserre quo retira-se para Europa, far lei-
lo da casa de campo sita na Capunga porto do
Lasserre, penltima casa ao lado direito de quem
vae para o rio, 1 hora do dia cima menciona-
do em seu escriptorio ra da Cadeia n. 9.
LE1LO
Rio de Janeiro
Sague com toda a brevidade o patacho S. Joa-
neiro. capitao Joio Gaspar de Oliveira, tem par-
te de sea carregaraanto prompto: para o restante
trata se com o consignatario do mesmo Maaoel
Alves buerra, oa com o capito.
Quarta feira 28 do correte.
O agente Piolo far leilo a requertmeoto dos
curadores fi.caea da massa fallida de Joa Anto-
nio Soarea de Azevedo e por mandado, do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commercio das dividas
perteoceotes a meama maaaa, a 11 horas do dia
cima mencionado em seu escriptorio roa da Ca-
deia n. 9.
Ha para alugar
lodo o servico : oa
dir quem lem, ou na "ra Nova 36~.
i 7.J9rCa 'Ui" 3^eunho. ir Tela ultima re*
praca oengenho Desterro, situado no lrmo de
Iguarassu. por meio da arrendamento trienal a
fA d,' D],uno de m,i0 o orrente anno* a
malo d.11865, per.nta o Sr. Dr. juiz dos orphaos
nMilrui" audlDC,a8 q-em qo*r arremau
o referido engenho, compareca do lugar indica-
do, munido dos competentes fiadoras.
Pgio de casa do abaixo assignado o i
e.cravo Eufrazio, de naeao, representa tr 391
nos de idade. e com um pequeo lobinho ieiana
do olho. ful cmpralo ao tinento eoronot J(
Frsncisco de Carvalho Paes de Aodrade TT
apprehender leve-o ra do Trapiche n. t4L'a
ser bem recompensado.
Manoel AIvps Guerrs.
Juiz dos feitos da fazeoda
vindouro, na sala
manhaa, na pre-
da f.zenda.
esa terrea o.
No di. 5 de juoho prximo
dos audiiorios, as 10 horas da
sega do Illm. Sr. Dr. juiz dos feito
e vender em praca publica urna
la no largo do Terco, na freguezia Je S. Josl
I ''or VI00?- Perlei>cente aos herdeiros do
ava
finado Manoel Pal
fzeoda nacional.
C01PANHIA LYRIC1
01
Ge M\KIN\NG,LI.
QnarU-feira 28 de maio de 1862.
7. Recita da assignatura.
I Due Fosean
' PERSONAGENS ACTORES
Irincuco Fosciri, doge de Venosa. Sr. Orlandioi
(cuDUPinii
DAS
Messagenes imperiales.
No dia 31 do correlo espira so dos portos do
sal o rapor francez Guieone, commaodanle
Eoout, o qual depois da demura do cosiume se-
guir para Bordeaux locando am S. Vicente (on-
de ha am vapor em correspondencia com Gorel
e Lisboa. '
A compsnhia eocarrega se de segurar as mer-
cadorias embarcada a bordo doi vapores, assim
como tambem recibe dinheiro e objactos de va-
lor com destino a Londres em transito per Bor-
deaux e Boulugoe.
Para as <*dicoes. trate e passagen, tr.ts-se
na agencia ra do Trapiche o. 9.
Pn Araeaty
Dous escravos ede uma quar-
ta parte do sobrado n. 13 da
ra da Seozala Nova.
Quarta-feira 28 do correte.
Antonio Cirios Franciaco da Silva far leilo
por intervancao do agenta Pinto, e para paga-
mento de aeui credorea de dous escravos e uma
quarta parte do sobrado n. 13, da ra da Sen-
sata Nova 1 hora da lasde do dia cima men-
cionado no escriptorio do referido agiote, ra da
Cadeia n. 9.
AVl* diverso.
x dn Rosa, para pagamento da
Reelfe 23 de malo de 1862.
O solicitador,
Francisco X. P. de Brito.
Aluga-se por 308 mez o vasto armazem
do sobrado n. 52, sito na ra da Guia, e o segun-
do andar do mesmo, com bastantes eommodos,
por mdico prejo : a tratar oa roa de Hortaa nu-
mero 14.
gaweieeie ettanan asam..
|E8cript9rio deadvocaei
^ Ra do Imperador n.
37, primeiro audar, a es
querda.
Nesle estabelecimeoto Irabalhao advo-
gado Joaquim Borges Carneiro (graduado
em direito pela faculdade do Recife) des-
de as 9 at as 3 horas do dia.
Advoga em todos os juizos e tribunee
desla praci. e encarrega ie de oegocioa
para o interior da proviocla, princip.t-
manta para a. comarca da Santo Anli.
Rio Formoso, Bomlo. Natarelh e Goiaaoal
Recebe gratuitamente ae causas d
desvalidos, nao podeodo cada qual ira-
zer mais de urna qaestio por vez.
No mesmo eslabeieciasento solicitad-
se ttulos e patentes de empreg.dos pu-
blico, e offictaes da gua.da nacional do
interior, mediante mdico estipendio.
Lm sua falta e impedimentos aar
substituido, oos negocios civais, pelo Sr.
Dr. Joaquim Jos da Campos, e no. do
crime pelo Sr. bachero! Jorge DoraeHee
Ribeiro Peasoa.
i
A5M
Preeiss-se de ama ama de leite sem filho, ai-
sim como ama outra forra ou eeerave, que aaiba
eogommar eeotinhar : aa roa da Cadete do Re-
cife, loja o. 50.
Ne dia 30 do crrante tem de ir owea na
ala daa audiencias do juito de paz do 1.* di.tric-
to da freguezia de 8. Pedro Goocelve do Recife,
ei bem peohoradoi a D. alaria de Boada.
Deiapparecau no dia M do correte, doi
R-medies. asa cav.Jle caateatho, de leguada me
d., bem faite, teode os pee e as moa preUs, e appareca depoia'daa partiTries?
n.a raaos algooa cabello braaeos. e osa o so- -
r.s.^ iV-uiss?-,^:-i^s^i i^^^^i^M^=j!?jr^.^ w^.^-.!;,
Irmaadade doSeuhor Bom Je-
ss das Porta.
O abaixo assignsdo, escrivo desla associacie
coovids pala aegunda vez a todos oa seus irmos
se reunirem no consistorio desta corporatjao
para a approvago do novo compromisso nste-
la-feirs 29 do eorrente, as 10 horas da rosaba.
Jos Antonio Pinto Serodio.
O .baixo assigoedo, como herdeiro i
dos finados Joo Manoai de Siqueira
Iher D. Isabel Uaria da Silva Siauev.,
pe.soas a quem o dito caaal aleja a densr, epri-
senlem suas contas oa litlos de diid., lo in-
inveotiriaote Jeto Manoel de Siquvira Filtio, pa-
ra aerem examleadae e legalisadas afir
deacriptas no inventario e dar-se
aa proceder a partilha para os s.as
pote o inveolarw est a conclnir-
eieote nao se sajeita a pagar qeettjai
ppireca depois das partilhaa, e na
cripta en juata aos autos de fVSsHH
Dairle Borges dSilvi.


atv

*
t
curso de imij\ tmaiK
Jl noite
parca classk de commehcio.
Jos Soares d'Azevedo tem de abrir
um uno pratico theorico de Lingua
Francesa pelo novo systema de O lien-
dor, para a classe do commercio que
nao pode frequentar este estudo de dia.
As pessoat que desejarem fallar e eicre-
^rer esta lingua, podem dirigir-se a' re-
sidencia do annunciante, ra de Santa
Rita Nova n. 47, ate o dia 31
de maio.
illu-
t
Empreza de
miaa A vista de muitas queixas a empreza
de gaz participa ao publico, proprieta-
rios e moradores na diversas casas que
se queixam da insuficiencia e mesmo da
falta total de illuminacao publica, que
ella esta' sempre prompta a col lo car os
lampeoes cuja falta se faz sentii, logo
que receba do governo provincial as
competentes ordens, da mesma forma
mandara' encaar gaz em todas as casas
particulares, gozando os pro prieta rios
dettes da grande diminuicao de precos
estabclecido em marco prximo passao.
Chama tambem a attencao dos mora-
dores das muitas ras aonde nao che
garm ainda os lampeoes pblicos, ao
facto que com certo numero de casas
particulares, a empreza esta' prompta
a coUocar o encanamento geral a sua
custa pelo servico destas, anda que
nao es teja autor isada a coUocar a illu-
minacao publica.
Outro sim faz publico que para as ci-
cas particulares ss quaes deve o gaz ser
codduzido de distancias consideraveis
(aqima de 100 pe's por exemplo) eolio-
ca-se o devido encanamento pelo mni-
ma custo e trabalho dos materiaes, e
em certos casos por menos ainda.
Lustres, candieiros etc., vendem-se
pelo mnimo preco que permita o
grande prejuizo em quebras e despezas
estando a empreza determinada a fazer
quaesquer sacrificios para satisfazer ao
pblico.
Rostron Booker & C,
Gerentes.
Monte Pi Popular Per-
nambucano.
Quinla-feira 29 do correte, i 10 horas da ma-
ohaa, ter lugar a seaao do cooaelho, que Dease
dia deia de aer effectuada a ncite, segundo a
determinadlo do Sr. director.
Ainda sata vez alo convidado! os aenhorea so-
cios que se acbam em alraso a pagsrem os seus j
debiioa a caixa, visto terminar do lira deste mez!
O praao concedido pira a reslisaco desse paga-
ment, em falta do qual ser Irremitsivelmente
cumprido o 1.* doart. 56 rtosnossos estatuios.
Secretaria do Monte Pi Popular Pernambuca-
do 26 de maio de 1862.
Bemjamin do Carmo Lopes.
1." secretario.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 55
da ra da Cadeia com grandes commodos para
familia : para tratar, na ra do Imperador nu-
mero 48.
No dia 30 do correte mez depois de meio
dia so ba de arrematar por venda em praca pu-
blica do Dr. juiz mnnicipil da primeira vara es -
crivo Baptista, um aobrado de um andar no
becco do Sarapatel ou iraveesa do Cumo, a re -
querlmenlo do procurador fiscal da fazenda pro-
vincial para pagamento do aelo aos legados dei-
xadospelo Qoado Joaquim Bib'eiro Pentes, cuja
arrematadlo ter lugsr na tala das audiencias.
Recite 26 de malo de 186-2.
No dia 31 do correte mez a 1 hora da tar-
de na Sala das audienciaa so ba de arrematar
porireoda em proca publica do juiz municipal
sapotete da segunda van, um negro de nome
Jos, panhurado Jo- Florencio de Oliveira e
Silva por execuQo de Maooel Joaquim Baptista,
scrivlo Santos. Recite 26 de maio de 1862.
O abaixo aaaignado por ojdera da msa re-
gedora convida aos irmos das almas da matriz
da Boi-Vista a eomparecem no dia 29 do an-
dante mez a 9 horas da maohis am de aaaisti-
ram a benglo dos sinos perteocenlea a mesma
irmandade e sapera o comparecimento dos mes-
mos irmlos para maia solemoisar o acto.
Jos Pacheco de Medeiros,
Escrivo.
Domingos Pereira vse a Europa e deixa por
seos bastantes procuradores em primeiro e se-
guod) lugar seas manos Luiz Antonio dos San-
tos Pereira e Joaquim Pereira dos Santos e em
lerceiro Jos Bernardo Penixs.
IMPERIAL INSTITUTO
DE
Nossa Senhora do Bom Conselho.
Nsste eslabelecimento, I raa da Anrora n. 50, reeebem-se penelonistes meio-pencteatts
aidadede 16aonos, a eatudantes externos da toda a idade. ......... A
Ascondicdes 4a admisao vsriam segundo a classe do reeipiendo s natureza do estado a
que se destina.
O eosino, que alli se recebe, o segeiule: ... ..
Primeiras lettras, comprehendendo letrera, calllgraphia, pelo syatema da Adler, erlthmetiea
(aa4operacosa). doutrioa corulla e elementoa deeivilidade, grammalica portuguesa e 005668 de
geograpbia ; linguaslatios, (ranceza siogleza. geographla e historia,ihetorica e potica, pntloao-
""Jadiar aVqu^rcloo. o-Imp.ri.l lo.iitato-tem .,.mmi+*. .""** P"
receber grande numero de pendonistas, e pelo seo estado de acelo e pela siluscao preenche a lo-
daaas condiccoes de hygiene da commodidade para os alumnos externos a meio-pencionistss.
O direcior do eatabelecimento, que ha cerca deolto annos se tem votado ao eoslno da roo-
cidade com toda a dedicacao ds que capaz, teodo recebldo allimameute da S. M. o Imperador a
honrosa diatioccio do uzo das armas Imperlaes, e do Ululo de Imperial- para o sea dito esta-
belvcimeolo. que S sntroo no quarlo son de existencis, comprehende que dsve envidar lodos os
aas exforcos para manier ao Instituto o crdito qae tem adquirido.
Carvalho, Nogueira e Rezende C.
Sacara sobre Lisboa e Porto, oa ra do Vigsrio
o. 9 primeiro andar, e ra do Brum o. 58, ar-
mazem.
Aluga se
o sobrado de um andar na ra Direila
n. 45, com duas boas salas, quatro
quartos grandes, cosinha fora, indo de
ra a ra, botando o fundo sobre a
torre da Penha: a tratar na loj-i do
RIJA NOVAN, i! ANTIGALOJA PRANCEZA
DE
MI?
Este grande e bem montado eatabelecimento acaba da receber de Par, um gran-
de a variado sortimenlo de fazendas e srtigos fraocezee, os quaes offerece a coocur-
rencia dos respeilaveis habitantes dastt bella cidade. onde encontrerao aeospra um
grande sortimenlo a escolha em que possam satisfazer seus caprichos, por n
por cento do que em outra qoslquer psrts, a saber :
O retratiaia americano
O retratista americano
O retratiaia americano
O retratiaia americano.
Bna do Imperador
Ba do Imperador
Roa do Imperador
Ruado Imperador.
Novoa estylos de ambmiypo
Novoa estylos de ambrotypo
Novoa estylos do ambrotypo
Novoa estylos de ambrotypo.
Iloilo baratos
Muito bcratoa
Multo bsrstos
Multo baratos.
Lindos cartdes de visita
Lindos rartdes de visita
Lindoa csrtoes de viaita
Lindoa cartoas de viaita.
Hontem s nolte 19 do correte maio. A
a entrada do circo americano, perdeu-se
um relogio de palete ingles descober- 1
lo, e com a caixa do fundo liao teod sg|
no centro um pequeo circulo com o fe
desenho de am cinto seguro com urna '
fivela, do fabricante Leuis Woolf, snp- 9
poe-ae que a entrada quebrara a fita A
que o segurara ao pesclo e que sahin- 1
do do bolso peto impulso cahisse no w
chao: quem achoa e qnizer entrega -lo ^
a sea dono podeleva-lo a raa do Tra- *
picho n. 4, primeiro aodar, qae seri
gratificado generosamente.
Msica.
Instrumentos completos de chaves e
apiatoo para muaicas militares, do primei-
ro fabricante de Paris, Gautrdt Aloe, e cora
muitos melhoramenlos tanto em afioago
e belleza como pela facilidade com que se
prestam ao arliata. tambem existem nes
teseslabelecimentos outros muitos instru-
mentos avulses do mesmo fabricante e um
grande soriimento de violoes de diversas
formas e precos.
Para carros;
Guarnicoes completas para arreios de um
e dous cavallos, brancas e amarellaa, fer-
rageoa para carros de todas aa qualidades,
molas, gsldes largos e eslreitos, vaquetas
francezas com lustra e sem ella, sedas pa-
ra forro, laoternaa de todos os procos etc.
Espetaos.
Grandes e pequeos da diversos tama-
nhos com molduras pietas e donradas
muito proprios psra ornamento de aala,
sendo os vidros muito grossos e de pri-
meira qualidade.
Crystaes.
Candelabros de 4 e 5 luzes, serpentinas,
lanternaa com piogentes aem elles, ro-
domas de todos oa ismanhos para imagena,
mangaa para lanternaa e candelabros de
todos os lmannos, vidros para espelhos,
clices psra tinbos e licores etc ele.
Por ue la as.
Apparelhos e meios ditos para jantar de
muito fioa porcelana bracea, vasos para
flores etc., etc.
Luvs de pellica
do verdadeiro fabricante Jouvio & Filhoa,
ponto cario daqoi em diaota aonde ae en-
contrar sempre variado sortimenlo, bran-
cas, de cores e pretas, para homem e se-
nhora, recebidas por todos os vapores fran-
ceses.
Para noivas.
As mais alegantea e maia ricas capellas
com ramos para o pelto, que com orgulho
asseveramos ser o melhor que aqu- tem
vindo oeste genero.
Poma 1 a a retamo.
Em latas igual ou melhor do qae a que
vem em jarros, amarella e edr de rosa,
veode ss aslibraa, quartaa e at urna on-
ce. Esta pomada tornase de muita van-
lagem porque dispensa de coroprarem va-
sos em que se d nao pequeas quantias
quasl que s pelo vaso que a contera.
Encerados para cobrir
mesas.
Largos e eslreitos com muitos lindos de-
senhos a 18200, 18500 e M o covado, di-
tos pretos e de corea muito grosso para
fono de carros.
Photograpliia.
Machinaa francezas e americanaa dos,
melhores fabricantes deate genero, vidros,
e laminas de cobre psra retratos um
grande soriimento de passeparlou c
xjnbas, drogas para trabalhar 01 toe oa
procesaos de photograpbis, ambroiy/o a
daguerreotypo, ta-nbem se collo'cam cJtra-
los em csixinhas, passeparlous e moBuras
de madeira, mudam-ae os qae esliasrem
mofados, fleando perfeitamente bons'
Asphalto.
Oa Srs. devedores ds loja do tinado
Antonio Francisco Pereira, queiram vir
pagar seus dbiles na mesma loja ra
do Crespo u. 8 A.
mmmmmmmmmm
Toda atten Lines
de porlaguez, latim, ioglez e francez em cassa
particulares, sendo ioglez o francez pelo metho-
do de Ollendoiff, nico capaz de ensinar a fallar
e traduzir em pouco lempo com perfeicao: ra
da matriz da Boa-vista n. 34.
:
AUencao.
Um mojo que deixou de continuar
com seus estados por falla de meios por
ler ama boa letra e eacrever ora acer-
t se offerece aos Ilustres acadamicos
desta faculdade para eacrever algumas
postilas mediante urna paga meoaal.
Tambem entende de escripturaco e se
offerece para fazer algumas escripias
ambulantea : a tratar oa ra da Ca"eia
do Recife n. 28.
Quarta-feira 28 do corren te de-
pois da audiencia do Sr. juiz municipal
da segunda vara tem de ser arremata-
dos dous sobrados e urna casa terrea,
sitos no largo das Cinco Pontas, a valia-
dos um dos sobrados por G:500# e o
outro por 6:0i>0# e a casa terrea por
2:"700#, foreiros a cmara de Olinda,
pertencentes a vi uva e herdeiros de
Marcelino Antonio Pereira por execu-
cao do bacbarel Manoel Gentil da Costa
Alves.
Para escriporio.
( Primeiro andar da ruada
Cruz n. 24.
Afoga-sa este primeiro andar : a tratar na ra
da Cadaia n. 57.
Bernardas afas, subdito belga, sua malher
Leonor Lisor, e tres filhos, um da 16 aonos, ou-
tro de 10, e ontro de 3, retirsm-se psra fora do
mes1o.
Acabara de negar de Italin nove italianos,
sendo dous carapioas e oa outros tem offleto, os
ouaea sa offarecem para trabalhar oeata cidade
oa fora delta, havendo entre ellas algana que eo-
tendem de sgrleallurs e jsrdioagem : no becco
dasBoiaa o. 2, casa da paalo.
Uags-se um sollo aa raa da Palma, urna
na ra Velha, e tres < aeinhas *o Cbo-
propcias para carroteiros : a iratar
isa de Miranda.
afamar tres escures pare todo ser-
vijo, oa raa Nova a. 3ti.
Custodio Jos Alves Gulmares avisa ao res-
pellavel publico, principalmente a lodos oa seas
freguezes e amigos, que se madou ds loja da
aguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Crespo o. 7, para a bem contienda o sotiga loja
de miudezaa que foi do fallecido Joo Ceg, boje
ser coohecida pelo(tallo vigilante,e pede ao 1
respeitavel publico e aos seus freguezes e amigos, |
que o queiram procurar no dito eslabelecimento, |
onde acbaro um grande sortimenlo de miudezas,
que affiaoca servir bem e vender por menos des
ou vinte por cento. do ana em outra qualquer
parte
Precisa-se alugar urna preta para
vender : no Corredor do Bispo n. 15.
Na travessa da ra das Cruzes n
2, pjimeiro andar, tinge-se para todas
sa cores com presteza e commodo preop.
Amaa
Precisa-so de ama mulher forra ou esersva
psra urna cssa de pouca familia e que sirva para
lodo o servico : oa ra do Queiraado o. 39 loja
de fazendas.
CONSULTORIO ESPECIAL HOSE0PATMC0
DO DOUTOR
SABINO 0. L. PINHO.
Ra de Santo Amaro (Mundo
Novo) n. 6.
Consultas todos os das atis desda as 10 horas
at meio dia, acerca das aegaiotea moleatlaa :
moltttiat da mulhtrtt, molestias das crian-
fas, molestias da pelle, molestias dos olhos, m&
lestias syphilitieas, todas as especies de febres,
febres intermitientes cswas consequencias,
rHARMACU ESPECIAL HOKBOPATHICA. .
Verdadeiroa medicamentoa bomeopathicoa pra-
jaradoa som todaa aa caatela necesssriaa, in-
alliveis em seas effeitos, tanto em tintara,como
am glbulos, pelos presos mais commodos pos-
N. B. Os medicamentos do Dr. Sabino sao
anicamante vendidos em saa pharmacia; todos
qae o forem tora della si falsas.
Todss as earteiras o acompanhadas de am
tmpreaso com um emblema em relevo, tendo ao
reopr aa seguintaa palavras : Dr. Sabino O. L.
Pmho, medico braaileirb. Este emblema posto
analmente na lista doamedicamentos que si pa-
e, As earteiras qae nao 1 avara m eaae lmpresse
asaim marcado, ambora enham natampa o no-
me do Dr. Sabino aio talaos
O solicitador Beroardioo de Sena Das mu-
dou a sua resideocla para a raa da Conceicao
Attencao.
s
No domingo 20 do corrente, fartaram de caaa
de Manoel Teiieira Basto, na Passagem da Mag-
dalena, am relogio de ouro do syslema moderno
de dar corda por cima aem auxilio de chave, foi
furtado juntamente com urna cadeia de ouro,
contendo urna chave quebrada. O prejudica-
do nao se recorda do nome do autor, e o numero
do relogio e'7851, e por iasoapenaa com sig-
naes, pode indicar ser de bella apparencia, dcs-
coberto, e com um vidro bem saliente em gros-
surs. A quem quer que o descobrir se agralifi-
cara generosamente.
Aos Srs. consumidores de gaz.
Nos armazeos do efiea do Ramos ns. 18 e 36 e
na ra do Trapiche Novo no Recife n. 8, ae ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
receotemente ebegado a 149 a lata de 5 galea,
assim como latas da 10 e de 5 garrafas e em
garrafas.
M. L. Coelho de Almeida, primeiro e nico as-
phaltista nesta provincia, transferio aeu escrip-
orio para a travessa do Carmo n. 10, onde ou-
tr'ora estere r abi recebe encommendas para os
productos de sua fabrica, como aejam : calcadas,
tarragos, soalboa de armazena a caaas de morad-,
eocsoameotos d'agua, rodaps, degros de osea-
da, e oatros mistares a que applicavel o as-
phalto.
Mez de Mara a 1$.
Vende se na livraria.n. 6 e 8 da pra-
ca da Independencia o livro Mez Ma-
riano, conforme o uso dos missionarios
capuchinhos al|s
Oa hachareis Manoel Pirmino de Mello e
Pedro Affonso de Mello tem o seu escriptorio de
advocada, na raa do Rosario estreits n. 27, pri-
moiro andar, onde sero encontrados todos os
as uleia daa 9 horas da manhSa a 3 da tarde.
Encarregam-se tambem para qaalquer ponto da
provincia de defezaa oo jury, e de quaesquer
outraa pendencias judiciaes, afiancando aquelles
que ohoorarem cora aua confianza o maior zelo
e aclividade no oesempenho do seus deveres.
Fors da boraa cima in licado, podero aer pro-
curados naa casas da suas residencia ra da
Imperalriz n. 86, e da Aurora o. 46.
Novidade
Ameodoas confeitadas, sorles daa mesmas, pa-
pis com estalo, ludo muilo novo, vende-se por
menos do que em outra qualquer parte : na ra
da Seozala Nova n. 30.
OSr. empregado publi
eo que recebeu differeutes
quantias para pagamentos de
objectos de sua repartico e
noospagou, queira mandar
entregar essas quantias que
existem em seu poder como
deposito, alias se publicar
seu nome e mais cartas pelas
quaes se prova a existencia
deste negocio.
Nesta typographia precisa-se fal
lar ao Sr. Joao Goncalvcs Rodrigues
Franca que morou em Olinda e dizem
morar nesta cidade do Recife.
mesmo.
Preclsa-sa de ama ama de meia idade qu
de conhecimeolo de aua conducta, para coiinha1
e fazer o mais servico da caaa de um moco sol-
leiro : a tratar na ra da Moeda oo segundo an-
dar do segundo sobrsdo do lado da raa do Amo-
rim entrando pelo oitao da alfandega.
Procurador geral.
A abaixoaasignado, viuva de Marcelino Anto-
nio Pereira, fsz sclenle ao publico e especialmen-
te aos seus credores e devedores, qua nesta data
tem constituido aeu procurador geral nesta praca
ao Sr. Dr. Joaquim Borges Carneiro, com quem
o'ora em diante uns e outros se devem entender
acerca do que Ihes (or misier. Recife 22 de maio
de 1862.
Rita Jerooyma de Mendoo;a Pereira.
F. W. Quisl retira-se para fora da provin-
cia.
Alugs-se um sala propria para escriptorio,
na ra do Imperador : a tratar com Policarpo Jo-
s Layrae na mesma ra n. 45.
Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos,
que tenha algama pratica de taberna : na raa do
Amortm n. 17
Aluga-sa um primeiro aodar na raa da Pe-
nha com fundos na ra Direila o. 9, e a loja : a
tratar no mesmo.
Pinto de boaza & Bairao raudaram o aeu
escriptorio da ra da Cruz n. 24 para a mesma
ra o. 30.
Impossivel de despedir-me pela rapidez da
minha vigem de todas as pessoas que me teem
honrado com sua confianea e amizade, rogo-lhea
de me perdoarem esta falla involuntaria, o offe-
reco-lhea os meus poucos prestimos em qualquer
parte da Europa onde eu me achar.
Carloa Fiedler.
Luiz Soares, subdito portugoez, retira-se
para fora da provincia.
Qaarta-felra 28 do crlenla, dtpots ds aa-
diencia do juiz manieipal da segaods vara, ir no-
vamonte a pra;s a armado n genero* eiistentea
ns taberna aila no palto do Carmo D. 2, pertea-
cenle a Joo de Castro da Oliveira Guimaras, por
execuco qua contra o dito movo Manoel Anto-
nio da Silva Bioa, pelo cartorio do eecrivin Mot-
ta. A arrematado ser fetta palo preco da adju-
dicarlo.
Aloga-se o sobrado da travessa do Pire,
em o qual moraram oa Illms. Srs. desembarga-
dorea Figueira de Mello e Gitlrana ; na raa da
Senzsla Nova n. 30.
SECUNDA EDICCVO
DO
TBESOURO HOMEOPATHICO i-
ou
Vade-mecum do homepata a
pelo ftoutor .
.O
>r;
t
Lices
de francez, ioglez, grammatica porlngaeza e ari-
thmetica aos que se dedicara ao commercio, daa
6 as 9 horas da noite ; toma-se tambem ligos
em caaas particulares das mesmas materiaa: a
fallar na ra do Cabug o. 3, segundo aodar.
Oa aenhores qae teem peohores oa mao do
Sr. Saotoa teoham a bondade de os vir tirar at
o prazo de 8 diaa, senSo seio vendidos.
O Sr. Antonio Tristode
Serpa Brando tenha a bon-
dade de apparecer na loja do
Germano, na ra Nova n 21.
KeweMMBMB 9*mmmm Saques sobre Portugal.
O abaixo assignado agente do Banco
Mercantil Poriaenae nesta cidade, saca
efectivamente por todoa os paquetea so-
bre o mesmo Banco para o Porto e Lis-
boa, por qualquer somma avista e a pra-
zo, podendo logo os saques a prazo seren
descontados no mesmo Banco, na razo
de 4 por cento ao anoo aos portadores
que assim lheconvier : as ras do Cres-
po n.8oa do Imperador o. 51.
Joaquim da Silva Castro.
u ujusuuajr*
Bate livro que se tem tornado lao popular,
quaolo oecessario, acaba de sar publicado com
todoa os melhoramentos, qae a experiencias oa
progressos da aciencia tem demonstrado. A no-
va adic;o em lado superior 4 primeira, en-
terra :
1.* Mais smplas noticiss acerca do curativo
daa molestias, com indicacoes mai proveitosss
dos medicamentos no vos recentemente experi-
mentados na Europa, nos Estados- Unidos a oa
Brasil.
2. A exposicao da doutrioa homeopatha.
3.* O estudo da apropriacao des remedios se-
gundo as predominancias doa temperamentos,
daa idades, dos sexos, e segundo aa dreamstan-
ciaa atmosphericas etc., etc.
4.a A prsemelo ou prophilaxia das molestias
hereditarias.
5." A preservadlo daa moleatias epidmicas.
6.* Urna eslampa illustrada demonatraliva da
coniinuidade do tubo intestioal desde a bocea al
o anua etc., etc.
Vende-se ni pharmacia especial homeopa-
thica, propriedade do author, ra de Santo
Amaro (Mundo Novo) n. 6.
Preco de cada exemplar. 20$000
N. B. Os aeobores assignanles queiram man-
dar receber seus exemplarea.
Sociedade bancaria.
Amorim, Fragoso, Santos & C. sacam e tomara.
aqoa o*r* a pr*c< 1 L'ho.
Pierre a Louis Paech, convidam a seas
amigos e conbecidoa para assistirem ao ea-
terro de seu prezado irmlo Mauricio
Puech, hoja pelas 4 horaa da tarde, na
matriz do Corpo Santo, onde havero car-
roa para aquellea que se digoarem acom-
anhar os restos mortaes do fallecido ao
emitorio.
de Santo Amaro n. 40: a
da viuva Amorim & Filho,
Attencao,
Deseja-ae fallar a negocio com o Dr.
Americo Fernando Trigo de Loareiro, oa
ra do Crespo o. 17.
Ha para
eaaa n. 25. bairro da Boa-vista, podo aer all pro^
curado de maohaa at as 9 horas, e de larde de-
poia daa 4 boraa.
Precisa-ae de ara caixeiro portuguet, de
idade da 1S a 14 annoa para urna taberna na Pas-
sagem, raa do Bamfica n. 7 : a tratar na mea*
ma, ou na raa do Aragio n. 36.
Joao de Soasa Azevedo pelo preaenle da-
clara qae deiioa de ser caixeiro do Sr. Joto Jos
de Figueiredo desde o dia 21 do correte mez.
Criado.
Precisa-se da m orlado capas e fiel para tra-
tar de cavallos e irabalbar de amada no sitio,
dando garanta para acta conduela : dirija-ae ao
Corredor do Biapa aa sitio com parti de ferro.
Hotel ioglez
3Ra do Trapiche3
Acha-se de novo completamente montado es-
te aoligo eslabelecimento e prompto a receber
psssageiros a qualquer hora do dia ou da noite.
Todo o servico feilo com promptidao, iceio e
baraleza, havendo no esiaoalecimeoto interprete
para passageiros inglezes, franceses, bespsnboss
e allemaes.
Becebem ae pensionistis e alugam-se quartos
or semanaa ou por mezea, garaniindo-se o me-
nor aervico possivel.
Tambem no eatabelecimento apromptam-se
jamares e almocos,sssim como d-secomida pa-
ra fora, envidando o dono do hotel lodos os ex-
forcos para bem agradar aa pessoas, que o boo-
rarem com aa auaa freguezias.
No intuito de preencher urea -lacana to sen-
aival a ama capital lao commercial como a do
Bocife, oao ae pouparam deapezaa e extorcas.
aBm de aer collocado o hotel ioglez no bom p,
em que ae achs. Agora s a aoima;io do pu
buco poder fazer medrar um eatabelecimento j
to reclamado pelaa neceaaidades commerciaes
da nossa praca.
Antonio Cosario Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n 32, e est venden
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e aflianca a
boa qualidade destas merca-
dorias por seren de primeira
qualidade.
Gasas para alugar.
Segando andar da casa n. 1S da raa do Encan-
tamento, loja n. 33 da ra do Vigarlo, com ar-
mac&o para taberna : a tratar na raa da Cadeia
Silvino Guilherme de Barroe compra escra-
voa de amboa os sexos : na raa do Imperadora.
79, primeiro andar.
Gasa para alugar.
Aluga-se a da ra
tratar oo escriptorio
ra da Cruz o. 45.
Respondo ao anouncio publicado no Diario
de Peroambuco de 21 e 22 do corrente, em que
pede noticias de D Victoria Mara do Sacramen-
to, mi de Joao Nepomuceno de Farias, j falle-
cido no Bio de Janeiro, ou as sobriobas deste D.
Claudina e outra. filhas de Manoel Das de Farias,
e D. Francisca Talles de Mnezes, tenho a dizer
que existem Claudina e Thereza, filhas de D.
Francisca Isabel Cesar de Menezes e Manoel Dias
de Farias, e alo netas de D. Francisca Telles de
Mouezea, sendo Claudina casada com Jos Mar-
tina Dias, morador na ra Bella n. 34, e Thereza
casada com Lidio Alerano Bandeira de Mello,
morador na mesma ra n. 22, e nao consta que
hajam ouiros prenles.
Jos Flix dos Santos.
COMPAMU DA VI \ FRREA
no
Recife ao Sao Francisco.
De conformidade com as instruCQes recebidas
da reapecliva directora, faz-ae publico que dea-
ta data em diente sSo convidados os accionistas
desta companbia a cumprirem com os termos do
aviso que por ordem da mesma abaixo ficam pu-
blicados.
Escriptorio da companhja 20 de maio de 1852.
Por procuradlo de E. H. Braman, Ihesoureiro.
Aasigoado R. Auslin.
COMPAMU 1 DA ESTRADA DE FERRO
DO
Recife ao Sao Francisco.
, 1^ JCi forceara da Silva Tarrozo
ra do Apollo n. 28, saca sobre Por-
tugal,
I A mesa regedora da irmanda- 9
i de de Noss Senhora' da Concei- O
I cao dos Militares, pretendendo s
| mandar cantar urna missa na
| madrugada de quinta-feira 20 t
I do corrente, e a noite urna la. s
\ dainha as imagens do Senhor
\ Bom Jess e Nossa Senhora da
^ Conceicao, que desde Janeiro se Q
) achara expostas a veneracao dos tg
a fiis, convida a todos os seus ir* t
s maos e devetos afim de assisti- ^
^ rem este acto que devemos tri- s
b, butar a aquellas que nos livra- jft
h rain do terrivel flagello do cho-
| lera, /cando ellas pela ultima
k vez expostas para que todos mais
i de perto as possam venerar nes-
I te dia. Recite 28 de maio de
| 1862.O secretario, F. B.
a Quinteiro.
i
I
Bariholomeu Franciaco da Souza teodo de
partir para a Europa no primeiro vapor, deixa
por seu procurador o sea socio o Sr. Jos Cas-
tao de Carvalho.
Aotooio de Souza Baptista Ferreira, sub-
dito portuguez retira-se para a liba de Fernando.
Novs aula particular de insrucco Jft
primaria do sexo masculino na ra da .
Cadeia Velha n. 52. W
MM,
ao
(limitada.)
Precisa-se de urna ama para comprar e cozl-
nhar para casas de rapazea aolleiros : na ra ds
Apollo o. 38, primeiro andar.
Santo Antonio.
A trezeoa do glorioso Saolo Antonio, conside-
ra velmente augmentada, ntidamente impresas a
embruchurads, com casas proprias, acha-se i.
venda na ra do Imperador n. 15, das 9 horas da
rrmnha 3 112 d laplo.
A u e*a leeOuia o lioiauOsOe oo 1)1l-
oo Espirito Santo, manda celebrar em saa
Igreja, sexta-feira 30 do corrente pelas 7
horas ds manilla, urna miasa pelo eterno
rieacanco do finado irmlo definidor coronel
Julo Jos de Gouveis, para o que convida
i-s irmlo* e os amigos e familia do finado.
Precisa-ae de urna aua de lene : a tratar
na campia de Santo Amaro por detrs do cemi-
terio ingiei, casa grande ao p da igreja.
do Recife n. 33.
gl (bHua da Cruz--\ 6|
|f O Dr. Rocha Bastos
I d coosultas lodosos diss.
jf Cura radical e em pouco das moles- jt
tiss syphilitieas e dos orgaos geoito uri- aa
9 natos. M
8 Consultas de graga das 8 as 9 horas da
msnhaa. M
Ao commercio.
Pelo prsenle faz-se publico que por urna re-
soltlo da directora desta companbia lomada
nasla data tem-se feito a ultima chamada de
urna libra estetlina por cada accao a qual dever
ser paca at o dia 30 de juoho prximo vindou-
ro, no Rio de Janeiro em Casa doa Srs. Hau Mac
Gregor &.C., na Babia aos Srs. S. S. Daveoport
Si C. e am Pernambuco no escriptorio do Ihe-
soureiro da mesma compsnbia.
Pelo presente fies tambem entendido que no
caso de oao ser a dita chamada ou prestadlo ss-
tiafeila at o dia marcado para seu pagamento o
accionista que incorrer nessa falta pagar juros
razio de 5 por cento ao auuo sobre tal chamada
a cootar desse dia at que sejs realisado o paga-
mento.
No caso de nao effectuar o pagamento desta
chamada dentro de 3 mezes contados do dia ci-
ma fizado para o embolso da mesma, (carao aa
acedes que iocorrerem em tal falla sujeilas a se-
ren confiscadas segundo as disposicoes dos esta-
tutos a este respeilo.
Por ordem dos directores.
AsaigoadoE. H. Bellamy, secretario.
199 Gresham floase, Od Broad Street.
E. C.
C ompras.
O bacbarel Witrvtio po-
de ser procursdo na raa
Nova o. 23, sobrado dass
quina que volta para a
camboad Carmo.
I
*f
loen, subdito britnico,
portea da norte.
segae para os
Os abaixo aaaigoados fazem publico que por
mutuo accordo e voluntaria resoluto de am-
boa diaaolveram amtgavelmenie no dls 24 de
abril prximo paasado a aociedade que gyrou
oeata praca em negocio de ferragem oa ruada
Cadeia do Recita o. 56 A, sob a razio de Vi-
dal & Bastos, firma que flea dissoWids. flean-
do desooerado a todaa aa traosac(dea e aem
mais couss alguna na caaa o ex-socio Antonio
Joaquim Vidal, e liqaidalario poaauidorda caaa
de ora am dimle o ex-socio Joao Carlos Bas-
tos Oliveira que continua o negocio por ana
propna conta. Recife 21 de maio de 1862.
Amonio Joaquim Vidal. Jlo Carlos Bsstos
Oliveira.
Aluga-se nmescravo para qualquer servico,
sendo multo fiel : ns ras do Imperador n. 50,
tereeiro aodar.
Precisa-se da ama sma de leite : na raa do
Raegel n. 7, segando andsr.
Alexandre Jos da Silva, Portuguez, segae
para o Rio de Janeiro.
0 O Dr. Carolioo Fran-
9 cisco de Lima Santos,
^ modou-se da ra das
0 Cruzes para a do Im-
% perador, sobrado o.
ej 17, em frente ds igre-
9 ja de S. Francisco, on-
:de continua no exerct-
cio de aua profisslo de
medico.
3 s
i

Precisa-sa de nm cozioheiro que sea de
boas cosame*: na raa Formse, sobrado da am
andar n. 17. annea s**. aat.
Compra-se urna mesa elstica de
amarello, envemisada e com pouco usn :
a tratar na ra dos Guararapes em Fo-
ra de Portas, sobiado n. 26, ou se an-
nuncie para procurar-se.
- Compra se urna preta que nao je-
ja de ra e quesaibacosinbar e engotn-
mar com alguma perfeicSo : na ra da
Imperatriz n. 66.
g& Compra-se um relogio de patente in- gjk
glez em segunda mao e d-ae prefe- ^t
S? reocla aendo descobarto : na ra do w
fg| Queimado o. 28. ,. s

Compra-se urna escrava crioula de SO a 15
annos, pouco mais ou menos, que saiba engom-
mara cozinhar: na ra de Apollo n. 39, primei-
ro andar.
Compra-se um preto de meis idade, de
bona costumes e proprio para sito, urna escrarva
que saba coser e engommar bem : aa roa da Ca-
deia Velha n. 35. ...{.
Compra-se urna prensa de aparar paps:
na raa da Santa Cruzo. 14, ou a enuncie.
Comprara se moedas de ocre : ns ra Nota
o. 22 loja de relojoeiro.
Yenda
s.
A vender.
Urna victoris em bom estado a asa
briolet nove ambas com ena%sAaas>jM
I tar raa Nora a. M, ceoheira da Iv Edaardo I
gsoil. dassla
i


-'
=-
=:
DIARIO Di PK1NAMWKX). QiBTA IlIkU 21 DE MAJO DB 1861.
_
>
g^So covaflo.
Piusa fiee muito bom cor de rap, (moda
qoe sal # o* ru* d Queimado o. 47.
_* Vende-se urna preta de bonita fi-
gura que engomma e cosinha com per*
feio&o t na ra da Imperatriz n. 66.
4 boa fama
?ande gollinhaa e punhos com bolees para se-
nhora, fazenda multo boa, e pelo baratlasimo pre-
50 de 89 : na ra do Queimado o. H5, loja de
miudezas da boa fama.
ltenlo ao vigilante
Na ra do Crespo n. 7, loja que
foi do fallecido Joo Ceg,
est torrando por todo o
preco.
Coraes.
Os verdadeiros fio de corsea redondos aasim
como raii, pota o mais superior que tem vindo
o mercado : s no vigilante ra do Greapo n.-7.
Mi^anga ou continhas.
Micsnga ou continhas de muito linda corea a
140 rs. o maciobo: s no vigilante risa do Cres-
po n. 7.
Continhas do Rio.
Continhas doaradiotaas miada e groasa proprio
para palestras das quaes se esli uzsndo muito
por ser ultimo gosto, a 840 ra. o macinho, aasim
come eljofsr b.anco ede cor a 300 rs.: s no
vigilante ra do Creapo o; 7.
Sapatos de bor-
racha.
? 1. 11500 e 25 o par, sgulhss Victoria a 120
ra. o papel, lamparioas economicaa a 100 ra.
caixa, carteiraa para esereter a 14$ e 169, caixaa
para costara a 8J e 16f, gr*ixa fraocea econ-
mica a 640 o pote, facas americanaa para mesa a
69 a 79 a duzia, meiaapara senhora, homem. me-
ninas ele. por todo o prego, braceletes de cabello
com pedra roa amarella a 59 cada um : s
ba na ra do Queimado loja Esperanza o. 33 A,
Guimarts & Rocha.
Lencos brancos para algibeira.
Anda ae vendem lencos brancoa finos para al-
gibeira pelo baratissimo preco de 89400 a duzia :
na loja da boa na ra do Queimado n. 21.
Mei iS para senhora.
Vendem-se meias finas para senhora pelo ba-
ratissimo preco de 39600 a duzia: na ra do
Queimado n. 82, na bem coohecida loja da
boa f.
Pennas d'aco.
As verdadeiras penaa inglezas caligraphicaa a
19400 rs. a caiiinha : s no vigilante ra do Crea-
do n. 7.
Banhas ou leos e cheiros.
A superior banha tranaparenle a 900 ra. o
frasco.
Bits em latas de folha de meia libra a 500 ra.
Sita em lalinhaa de quarta 320 rs.
O verdadairo oleo da aociedade hygienica a
960 ra. o frasco.
Dito macassar e muito fino em frasco peque-
no a 19600 a duzia.
A verdadelra agua de colonia frasco grande a
900 ra.
Ditos pequeos meamo em garrafiase i 400 rs.
Ditos com superior agua de flor de laranja fras-
co grande a 400 ra.
Dito oem -sxcellente agua celeste frasco gran-
de a 1J.
Dito frvsquinhos pequeos com vinagre rug a
400 ra.: s oo vigilante rus do Creapo o. 7.
Para conservar dentes.
Oa verdadeiros p9 da sociedade bygienica pa-
ra dente* em frasquiohos de vidro o mais supe-
rior que tem apparecido pelo baratisaimo preco
de 19 o trasquinho, asaim como em caixinhas
qaadndlBhas a 200 rs.: s no vigilante ra do
Crespo n. 7.
Gol lindas e pulceiras.
Lindas gollinhaa o pulceiras de micaoga pelo
baratissimo prego de pulceiras e gollinhaa 3g,
ptriceiraa s 29 e gMIiobas 19 e 19500: a no vi-
gilaste ra do Crespo n. 7.
Sestinhas
8estinhaa muito lindas com seus pertences pa-
ra meoino 39 e 49. aasim cerno indispensaveis
de continhas ou micaoga proprios para menina
trazar oo br.go eona leocioho pelo baratisaimo
preco da 19 : s no vigilante ra do Crespo nu-
mero 7. ti
Tinteiros.
Tinteiros proprios para menino de escola oo
meamo para quem os quiser comprar por bara-
tisaimo pre$o a 00 ra.: s no vigilante ra do
Crespn. 7.
Acaba de
chegar
ao noy o armazem
DI
BASTOS i IEG0
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Osa randa o variado sortlmento de
roupaa(ellas, calcados o fazendaa e todos
eates aevendem por procoa muito modi-
ficados como 4 de aeu costumo,assim como
ejam aobracaaacoa da superiores pannoa
a sacos feitoa pkloa ltimos figuriooa a
869, *89> 309 a a 359, paletots doa meamoa
pannoa preto a 16f, 18J. 809 e a 249,
ditos de casemira de cor mesclado a de
novos padres a 149,169. 189.209 a 249,
ditoa saceos das meamas casemiras de co-
res a 99,109,129 a449. ditoa pretoa pe-
lo diminuto preco de 89,109, e 128, ditos
de sarja de aeda a sobracasacadoa a 189,
ditoa de merino de cordo a 129, ditoa
de merino chioez de apurado gosto a 159,
ditoa da alpaca preta a 79. 89. 99 a a 109,
ditoa aaccoa pretoa a 49, ditoa da palha de
aeda fazenda muito auperior a 49500, di-
toa de brim pardo o de fusta o a j>500, 49
a 49500, ditos de fuato branco a 49,
grande quantidade de caicas d e casemira
preta a de cores a 79, 89, 99 e a 10, ditaa
Jsrdaa a 89 a a 49, ditsa de brim de corea
naaa2f500, 39, 39500 e a 4J ditaa do
> Moa brancoa finas a 49500.5|, 5*500 a
49, ditaa de brim loni a 59 e a 61, colletas
de gorgurao preto e de cores a 51 o a 61,
ditoa de casemira de cor prelos a 48500
a 59, ditoa de fueteo branco e de brim
a89 a 39500,ditoa de brim lona a 41,
ditoa de merino para luto a 49 e a 49500,
calcas de merio para luto a 4 j500 e a 5j,
capas da borracha a 99. Para meninos
de todos ostamanhos : calcas da casemira
preta e d cor a 5f, 69 e a 79, ditaa ditas
de brim a 2J, 39 e a 89500, paletota aac-
coa de casemira preta a 61 e a 7, ditoa
de aor a 69 e a 7f, ditoa de alpaca a|8,
sobreca sacos do panno preto a 129 a
14, ditos da alpaca preta a 59, bonela
para menino de todas as qualidades, ca-
misas para meninos da todoa oa t aman nos,
muios ricos vestidos de cambraiafeitoa
para meninas do 5 a 8 annoa com cinco
jabados lisos a 89 e a 12f, ditos de gorgo-
reo do cor e de lia a 5 e a 69, ditoa do
brim a 89, ditos de eambraiaricamente
bordados para baptiaadoa.e muitaa outraa
fazendaa a roupss feitas que deixam de
[ tar mencionadas pels aua grandequanti-
dada; aasim como recebe-setoda equal-
?uer ancossmenda do roupaa para so
andar manufacturar que para cate flm
aee um completo sortimento delazen- i
rf. Jf?a* ** tanda offleina de al-
r lata lo dirigida por um hbil mtatre que
pola saa promptidl a parfeicio nadadel-
xa a desojar. .,,..
sem segundo.
Na roa do Queimado n. 55 loja de miudezas
de Jos do Azevodo Maia e Silva; esti vendendo
todsa as miudezas bsraliasimss, a saber :
Papis de agulhas a balao muito supe-
riores a
Caizas com muito finas obreiss a
Candes com clcheles, tem algum de-
pilo a
Frascos de macass perols muito fino a
Caiilnhaa com papel pequeo de diver-
sos gostoa a
Pacolea dito dito dito amizade a
Novelloa de linha de Crux a melhor
que ha a
Caina com agulhas curtas de superior
quslidade
Eotremeios, a peca com 3 varas 1[2 a
Sabooetes maito linos a
Papis de agulhas frsncezaa com toque a
Pares de botoes para punhos de muitos
modelos a
Parea de meias cruas para meninoa a
Ditos de ditaa cruaa para pequeo a
Ditos de ditas pars meninas a
Prascos com agua de Lavando ambreada a
Ditoa com cheiros muito finos a 240 e
Ditos com banha muita fina a 240 o
Ditos com superior banha de urso a
Ditoa com oleo babosa muito fino a 240 e
Ditos com oleo do Rio muilo auperior a
Ditoa com superior philocome a
Ditoa com banha philocome Dnissima a
Ditos com banha transparente a
Ditoa com auperior agua de colonia a
Ditos com macassi (oleo) a
Ditos com superior opiata a 500 e
Csrtdesde linha Pedro V,com 200jsrdsa a
Ditos de dito dito, branca de corea a
Carrileis de linha com 100 jardas a
Masaos de linha frouxa para bordar a
Pentes de marfim de superior qualidade a
80
40
10
200
720
720
40
800
isooo
120
10
240
160
160
200
800
500
320
600
320
500
900
19000
800
500
100
800
60
20
30
240
I9OOO
0' que pechin
cha,
doa verdadeiros queijos do Serid de superior qua-
lidade, como a multo lempo nao vem a eate mer-
cado, e pala graode porcao que temos resolvemos
a vender pelo dimiouto preco de 500 ra. a libra,
460 inteiros, e em porcao taremos abatimento :
no ealabeleeimento da rus eslreita do Bosirio,
esquina da rna daa Larangeiraa n. 18.
Attenco.
Vendem-se muito bona violea pelo diminuto
preco de 69, bordoes psra ditoa a 120 rs.. ditos
para rabeca a 80 ra., cordaa de tripa a 40 rs. : na
ra da Imperatriz, outr'ora aterro da Boa-Vista,
loja de miudezas n. 58, junto a loja do pavJo.
Venda de um predio.
Vende-se a casa terrea alta no becco da Vira-
cao n. 27 com sala de frente, dita de jantar, duss
camsrinhss grandes, caaioha fora, um grande
quintal com cacimba no centro, um sotao com
duas salas e urna alcova, veranda para o quintal,
e janelles para a frente, um segundo aotao com
jaoellaa para todoa oa lados : os pretandantea
podem dirigir-se a mesma a qaalquer hora, que
acbario com quem tratar.
Vendem-ae urnas travs do mangue, de O
a 50 palmoa de comprimento : a tratar na na
do Queimado n. 65.
Casas para vender
Vendem se duaa caaaa na povoacao de Game-
leira, aendo urna na rus de Papaceca e a outra
do lado da estacao, muito boas para negocio: a
tratar em Gameleira com o Sr. Joao Venancio,
ou na ra do Queimado n. 47.
Paletots e calcas.
Vendem-se paletots de panno preto fino a 99,
calcas de escarnir preta a 49500. paleta de faney
de corea a 69, cicas de dito a 39500 : na roa da
Imperatriz n. 60, loja do Pavlo.
As seroulas do Pavo.
Vendem-ae seroulas do lioho francesas a 39 o
par ou a 849 a duzia: na ra da Imperatriz n.
60, loja de Gama & Silva.
CHALES.
Grande pechincha na loja do
Pavo
Vendem-ae oa mais ricoa chalea com pona re-
donda e borlolaa leodo as barrea a imitacio de
pelucia aasetinadssimitando as capioh-s mais
modernas pelo bsratiasimo precio de 49500, ditos
de 4 ponas a 49500, ditoa a Garibaldina aendo
muito grandea a 59: na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavao de Gama & Silva.
Saias bordadas a 2$ 500.
Vendem-se saias bordadas muito bonitas a
335OO cada urna : na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavio.de Gama & Silva.
Bales do Pavao.
Vendem-ae baldea de bramaole francs com
arcos, sendo aa melhores armacoes, pelo dimiou-
to preco de 39 a 3J500: na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavao, de Gama & Silva
Caixinhas e cabazes para {^ovdades da Arara,
as meninas trazerem
no braco.
as3
IsMsl I
Mocndas c meias moendas.
Taixas de ierro batido e
coado.
Machinas de vapor.
Rodas d'agua.
Rodas, dentadas etc., etc.
Ru do Bi um n. 38, fundicSo
de D. W. Bouman.
Rival
sem segundo.
Na ra do Queimado n. 55, defronte do sobrado
novo, loja de mludezaa de Jos de Azevedo Maia
e Silva, est qneimando ludas as auas miudezas
pelos precos que abaixo se declara, pois a quadra
boa para apreciar:
Duzia de meias cruas muito encorpadasa 89400
Dita de ditas brancas mullo boas a 19600
Dita de ditaa cruas muilo Qoas a 48000
Dita de ditaa brancas para senhora, mui-
to finas a 3J000
Carriteis de relroz de todaa aa cores a
Grotaa depennaa de ac de todaa as quall-
dades a 500
Dita de ditas calligraphicas 1$600
Nvelos de linha muito grandes a 60 e 120
Caixas de agulbaa perfeitas a 160
Baralhoa portuguezea a 180 e 160
Groza de boldea de osao pequeos para
calca a
Tesouras para unhas mnito superior qua-
lidade a
Ditaa para costura muito finas a
Ditas pequeas porm finas a
Baralhoa frsncezea muito finos a
Agalheiros com agulhaa superiores
Caoivetea de apara'/ pennaa de 1 tolha a
Parea de sapatoe de tranca d. laa a
Cartas de alfinelea franceses a
Pares de luvss brancas de algodao a
Escovas p&ra limpar dentes muito fi-
nas a 800 e
Massos de grampos de todsa aa qusli-
dade. a
Dedaes com fondo de ac a
Caixas com colzetes franceses a
Tinteiros de vidro com tinta a
Ditos de barro com tinta superior a
Areia preta muito fina a libra a
Labyrintho por todo preco.
Vara de franjas largas brancas a
Pies de nova invencao para meninos a
Linha branca do gaz pelo preco j sabido que
10, 20 e tres por dous, e outras multas miudezaa Jq
que vista far ( pelss snas boas qualidades e
precos ento nao fallemos.
Queijos
os mais frescos que tem vindo ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
20400 e no passado a l.s800.
Amendoas
conei tadas as mais bonitas que ba no
JNo duvidem que na rua*
do Crespo n. 17, loja de
Gumaraestft Villar.
C3T Veste-se urna senhora dos psal
at a cabeqa.
Principiando pelos chapeos de palha a
Garibaldi e chapelinaa de palha de Italia
Sos mais superrores qne tem viudo de
_ Franca.
Manteletes de gros bordados, capas e
* casacoes a Luis XVI, sedas de cores o
I moireaotiques prelos e de cores e aca-
2 bando pelos respeitaveia baldea de crox
m e de musselioas e que vendem baratis-
ta sino. Seohoras fregaezas a vista faz f,
I mandem ver.
180
400
400
800
840
80
80
11180
100
100
320
40
100
40
160
120
120
I
I
s
s
I
Na ra da Vigario n. 10, arma-
zem tem para vender por precos m-
dicos o seguinte:
Superior vinho do Porto em barril de 8-
Dito dito dito engarrafado.
Cofres de ferro prova de togo.
AlgodSo trancado da fabrica da Babia.
Bataneas decimaes,
Carneiras inglezas para selim.
Pregos caixaes e enxadas portuguezas.
Cal e potassa.
Vendem-se estes dous ar-
tigos ltimamente chegados,
no bem conhecido e acredita-
200 i do deposito da ra da Gadeia
12, mais barato
outra qualquer
parte.
de fa-
Saias com arcos de lioho.
Vendem-se as acreditadas saias com arcos de
linho que fazem aa vezea de balo a 3J200 e a 4$
cada um, estas saias a ha na loja do Pavao, roa
da Imperatrii n. 60, loja e armazem de Gama di
Vara meninos a 4^500
Vendem-ss vestidinhoa de seds para meninas,
muito bem enfeitsdoa, pelo diminuto preco de
4g500 cada um: na ra da Imperatiix n. 60, loja
do Pavao, de (jama & Silva.
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinhsa com golliobas e manguiloa de cam-
braia bordados, fazenda muito moderoiasima a
5q00
Ditsa de fuslao com salpicos de edr a 3*000.
Golliabaa bprdadas com botoziohos a l^OOO.
Ditas ditas de gostos a 640 e 800 ra.
Ditaa com manguiloa de cambraia bordados a
Manguitos de cambraia una bordados a IftOOO.
Golliobas bordadas a 240 rs.
Romeiras de cambraia enfeitadas para lulo a
31000.
Gamizinhas para senhoraa bem enfeitadas a 3g.
Leaciohoa de lioho com labyrintho para mo
a 29500.
Ditoa a imitac&o do labyrintho alflea 1#280.
Luvaa de lorcal enfeiladaa de vidrilho a 500 e
Enfeitea prelos com vidrilhos a 8&O0O.
Ricos eufeiles a turca e Garibaldi a 58500.
Ditoa muito bonitos a 29500 e a 3#500.
De ludo dao-se as amostras cando penhor: na
loja do Pavao, ra da Imperatriz n. 60, de Gama
& Silva.
Papel de todas as qualidades.
Vende-se a 4*400 de quad.rinhos. ditos pauta-
dos a 3J60, dito almaco pautado a 4/ e 49200,
dito greve a 4J600. em caixinhas de diersas co-
res a 640 e 1*. Olio braceo pautado a 800 rs,. an-
elopes de cor a 640, dito branco a 900 rs. : na
loja do beija-flor, ruado Queimadn n. 63.
Ricos cintos dourados:
Vende-se a 29 e 2500, ditoa de fila a 1*600,
Muito lindas csixiohss e cabazes para meninas,
de 100 ria at 29500: na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
Enfeites para senhora.
Os melhores enfeites pretos e de cores que ap-
parece a 59500, 69 e 6JJ500 : oa loja da Victoria,
na ra do Queimado o. 75.
Franjas pretas com vi-
drilho e sem elle.
Ricoa aortimenlos de franjas pretas e de cores
com vidrilho e sem elle : na loja da Victoria, na
roa do Queimsdo n. 75.
itihasde peso verda-
deras..
Linbas finas de peso verdadeiras, meadas
grandes a 840 ria : na loja da Victoria, na ra
do Queimado o. 75.
Phosphoros de seguranza
Phoaphoroa de segursnea, por que iivra de in-
cendio, a 160 ria a caixa : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Baleias muilo grandes e boas a 160 ris urna :
na loja da Victoria, os ra do Queimado n. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho
Aa melhores lionas de croxel para labyrintho.
novelloa monstroaa 380ria uro : na loja da Vic-
toria, na ra do Queimado o. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas.
Chegou para a loja da Victoria urna pequea
porcao de ricoa espelhos de varios lmannos para
ornamentos de salas, aaocando-se serem os
melhores em vidroa que tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordar,
Laa mnito boa de todas as cores para bordar, a
7& a libra : oa loja da Victoria, na ra do Quei-
! mado n. 75.
Sinios dourados para se-
nhoras.
Lindos ainloa douradoa psra seohoras a 29200,
ditos de pona cahida a 49. ditos de fita a 1&600 :
na loja da Victoria, na ra do Queimado n. 75.
Linhas do gaz,
Gaixinhaa cora 50 novellos de linhas muito fi-
nas do gaz a 900 ris a caixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ria, brancas e pretas: na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Candieiros de gaz
fitas para debrunhos de collete a 280 a peca, liraa C8n(jj,jros de gaz que tem vindo ao mercado, por
bordadaa a 19 e 19200 ; na loja do beija-flor, ra | pre5Qg con)IDO(jog nt i0ja da Victoria, na na
do Queimado n. 63. | do Queimado n. 75.
Vendem ae tesouras finas para costura a
19. dita para onha a 640 e 800 rs., ditaa unas a
900 rs. a dezia, pontea oe travessa para menina a
640 : nt loja do beija-flor, ra do Queimado nu-
mero G3.
L Sintos para senhora.
Vende '
bid ao <
ae Parir, .
raa que dei
gilsnte, ra
Vendem-
fren ja com
29500,39 e
numero 7.
Ricas fitas para chapeos
cinteiros, etc, etc.
A loja d'aguta branca acaba de receber um ex-
traordinario sortimento de ricas fitas, lio boas
* riqoiaaimos sintos com borla ca- em quadade quo bonitas nos desenhos, tendo
S na grande exposieo de
fazendas baratissiuias
na loja e armazem da
Arara, ra da Impera-
triz n. 36, de Maga-
lhes Mendes.
Vende-se o mais barato posaivcl a aaber: li-
zinbaa psra vestidos de senhors, eroupa de me-
ninos a 320 rs. o covadn, lia chineza de urna s
cOr proprla para capaa da moda com 4 e meio
palmos de largara a 640 rs. o covado, fusilo da
cores para vestidos de senhorss a 280 e 320 rs. o
covado, caasas a Turca muilo fina a240e2&Ora.
o covado : na ra da Imperatriz loja da Arar
o. 56.
Arara vende as cambraias.
Vendem-se pecaa de cambraias lisas s I96OO
2900O, ditss finas a 25500. 39000, e 3S500, tfllt-
nhas psra sennoras a 500 rs. goliat e maosnioav
de lioho a 29500, lencos branco a milacao de>
labyriotbo a I96OO: oa ra da Imperatriz loja e ar-
mazem da Arara n. 56.
As saias da Arara.
Vendem-se saias brancas bordadaa a 295U0,
ditaa de 4 pannos a 35 e 35500, cambraiaa deca-
rocinos com 8 e meia varas a 49 a peca, cortes
de chitas fioss com 13 covados a 29500 : na taa
da Imperatriz loja e armazem da Arara n. 56.
Arara est vendendo.
Vendem-se pecas de madapoln elepbant
maito fino com 40 jardas a 149, dito de 24 jarda*
a 49*00, 49600. 59OOO, 59500 e 65OOO, dito In-
festado a 35, cortes de cambraia com barras s>
1$500: na ra da Imperatriz loja da Arara
n.56.
Arara j vende as roupas.
Vendem-se pslitots de panno preto a 69500 S
89OOO, ditos de casemira de cores a 1O9OOO, cal-
Icas de casemira preta a 49500. ditaa de corea
55500, palilots de alpsca o 35500 e 49000, ca-
rnizas francezasa 1)600 e 29000, seroulas de li-
nho a I96OO e 25. collsriohos de linho a 500 r;. :
na ra da Imperatriz loja da Arara n. 56.
Arara vende as capas.
Vendem-se capas perfeitameute modernas a
69OOO e IO9OOO, manteletes de grosdenaple preta
muito modernos a 255000 e 305000, chales de
la a 1JO0O, ditos de la e seda a 29000, ditos de
merino a 89500 e 49500 ditos de crep de ponte
redonda a 75500 e 83 : na ra da Imperatriz loje
da Arara n. 56.
Arara vai liquidar sua casa,
porque quer ir passeiar.
Vendem o miis barato possivel para acabar,
chitas com pequeo toque de mofo a 160 rs. e>
limtiis a 800 rs. o covado ditas largas a 240. 260
e280 rs. oco>ado, sao preta para lulo a 500 0
640 rs. o covado, cassa preta a 280 rs. o cotis
zuarte para roupa de escravosa160 rs. o ovado
cortes de casemira prets para calca a 39 e 3J0O,
e outras muilas fazendas que se do as amos-
tras : na ra da Imperatriz loja da Arara nume-
ro 56.
Palitos da Arara.
Vendem-se massos de palitos finos para den-
tes com 20 massinhos a 200 rs. para acabar: na
ra da Imperstriz loja e armazem da Arara n. 50
de Msgslr>ea 4 Mendes.
VNDESE
um dariolo de d com muito pouco uso : na
ra nova de Santa Rita n. 40, das 6 as 9 1)2 da
machia.
e
mito chique, sendo o ultimo goato
parece-rao que nao h.ver aeoho-
de comprar : isto s no gallo vi-
D Creapo o. 7.
ni cites de cabeca.
os riqnissimos enfeites, tanto com
em ella, por baratissimo preco de
s no vigilante, ra do Crespo
Linha de peso.
Vendem-se as verdadeiras linha; de peso, o
mais fino que se pode encontrar a 25500 o maa-
sinhn de 30 miadiohas, aasim como da outras
entre ellas o mais largo que possivel; asaim
como algnmaa pecas brancas com o centro Iiao
proprio para inscripces, e muilas outras de dif
ferentes cores como de caf, rxa, escura, etc.,
etc., e como de sen louvavel costume : a loja
d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16, ven-
de por prego commodo essas boas e bonitas filas.
Gravatas de setim com
ponta larga a 1 $
Vendem-se gravstas pretas de bom setim e
com pontas largaa a 19 cada urna, to baratas
qualidades : no vigilante, ru. do Crespo nu- f*%"B rutt do <*o> loJa d'-
Recife n.
que em
que
i vende-se
Progressi-
e ra das
Movo sortimento
zendas baratissimas,
NA
mercado a 800 e 1 f a libra :
nos ar mazeos Progre&sista e
vo no largo do Carmo n. 9
Gruzesn. 36.
Rival
sem igual.
Miudezas e rap.
Ba larga do Rosario numero 36.
Las da cores sortidss, libra a 6|400.
Sintos douradoa a 1*600.
Ditoa ditos com pootaa a 3)500.
Agulhas francazas curtss e compridaa a 60 rs.
Ditaa caotofaa a 120.
rentes da mtaa para atar cabello a 500 rs.
Dilos da dita idem (dourados) a 19200.
Carreteis de retroz de cores a 380.
Escobas para caballo muito boas a 800 e iJ.
Cartas de alfloetes a 80, 100, 120 e 140 rs.
Escovas para unhaa muito boas a 320 e 500 rs.
Franjas pretaa com vidrilho a 320 e 400 rs.
Trancas pretas com dito s 840.
Bicos pretos muito boos a 180, 840, 320 e 400
ris.
Carreteis de linha a 30, 60 e 80 rs.
Enfeites de relroz com franja a 59300.
Meias psra senhor (duzia) a 28300..
Ditas cruas para homem a 29400 e3$.
Tesouras ordinarias a 30 rs.
Franjas de la estrellas (peca) a 900 rs.
Sabooetes de bola fios a 640.
Frascos de diversos cheiros a 320.
Linha de Pedro V a 30 ra.
Botoes para casaveqoe a 20, 30 e 40 rs.
Rap Paulo Cordeiro (verdadefro) a 19600.
Dito gasse grosso e meio grosso a 19600.
Dito dito fino a 11280,
E outraa muiUs mais miudezss que com a pr-
senos dos bons freguezes se venderao baratas
Papis com estallo
para sortes, fraocezea : na ra da Cadaia do Re-
cite n. 15, a 500 ra. o cont.
Borzeguins inglezes.
Na ra da Imperatriz n. 10, defroote do honc-
ejo, solo 4o Pinto, raeebeu-se polo ultimo vspor
um fraardo sarttaamlo dos ji bom acreditados
2fl^.t,w. ** ?* *** 0,00
119000 a inheiro, loco contodo.
9
Verdadeiros de espuma o superiores charutos
do Rio de Janeiro, Babia e Havsns ; na rus da
Cadeia do Recife n. 15.
Meias de lis compridas, aa melhores qne
isa vindo ao mercado : aa loja da ra do Quei-
mado n. 46, d Gots & Bastos.
Loja do Pavo ra da Impera-
triz numero 60.
DE
GtVMLA & SI1AA.
Vendem-se as seguintes fazendas por precos
barattssimos aflm de apurar dioheiro : capas
suissas a imitaco de sedas de quadriohoa sen-
do de todas aa cores e cores muito fizas a 200
ra. o covado, brilhantinaa de quadrinhos muito
encorpadas para vestidos de senhora e roupas
psra meninos sendo muilo maia larga que chita
a 200 rs. o covsdo, gorgurao de linho fazenda
muito nova para vestidos a 280 rs. o covado,
masselina branca com 4 1[2 palmoa de largura a
800 rs. o covado, grande e variado sortimento
de cassas psra vestidos sendo os padres moder-
nissimos e as cores fizas a 280, 300 o 320 rs. o
covado, chitas fraocezasde cores fizas escuras e
alegres a 240, 260, 280. 300 e 30 rs. o covado,
chitas inglezas a 140.160 o 200 rs. o covsdo,
corlea de cassa lendo 7 1(2 varas esda um a
29400 rs., corleado organdys com barras tendo
12 varas cada corte a 59, cortea de b a reges com
28covados a 59. ditos com as saias feitas a 59,
lazinbaa de cores a 280 rs. o covado, de todas
estas fazendss do-se aa amoalras deizaodo o
penhor na loja e armazem do Pavao, da Gama 4
Silva, na ra da Imperatriz n. 60.
M da pola o do Pavo.
Vendem-ae finissimss peces de madapolo com
84 jardas a 49500, 43800. 59. 5g500 e 69. ditas
francezas eofestadaa com 14 jardas a 39: na ra
da Imperatriz n. 60, loja do Pavio de Gama &
Silva.
Lasa320 rs.
Vendem-ae modernissimaa liazinbaa com pal-
mea a 820 rs. o covado: na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pavio.
O Pavo vende a k$.
Pecas de cambraias de coriohos brancoa o do
todaa as cores tendo 8 11* varas a 49 : na raa da
imperatriz o. 60, loja do Pavio.
O Pavo vende
corles de cambraia mnito fina com dona babados
duaa aaiaa aendo delicadamente bordados a
49, ditoa aendo todos adamascados a 49, cortea
de phantasia iazenda finissima a 6$, ditos a 49500
o 59 : na rna da Imperatriz n. 60, loja a arma-
zem do Pavio de Gama & Silva.
Panno preto.
Vende-se panno preto muito encorpado a
1J600,19800 e 89, o dito cor de caf: na raa da
Imperatriz o. 60, loja do Pavio.
Chales do Pavo.
Vendem-se chalea de marin estampados mul-
to grandes a 39. ditoa de cassa adamascada a 800
rs.: na ra da Imperatriz n. 60, loja a armasen
do Pavlo da Gama & Silva.'
mero 7.
Vandem-se manlinhas de coral a 2$. 29400,
e fios de coral a 7-20, massiohos de comas miu-
diohaa de diversas corea a 140, caiitnhas de alfi-
nelea a 200 ra. e 240: na loja do beija-flor, ra
do Queimado o. 63. ....
Vendem-se luvaa de pellica de Jouvio bran-
cas para senhora o homem, chegadaa no ultimo
vapor: na loja do beija-flor, ra do Queimado
numero 63.
Vende-se cascarrilba de aeda de todaa as
cores a 2J e 2J400 a peca, linha de Pedro V a 20
rs. o cartio, gravatas de seda eslreilinhss.a If :
na loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Veodem-se ricos enfeites a 59 e 59500, di-
tos de vidrilho a I96OO, aderecoa pretoa a 89500,
rosetae pretas a 160 ra. o par, gollinhaa pretaa a
800 rs. e 1J : loja do beija-flor, raa do Queima-
do n. 63.
Vendem-se carteiraa propriaa para gnsrdar
dioheiro de ouro e prata a 19 e 18200, esporas :
Boas de ac a 1$, bandeijaa de liados desenhos a
19500, siolurSo de borracha a 200 rs. e 840, beo-
g.las de caona a 29 e 29500, chicotes finos a 89
e 2500, de estslo, ditos sem ser de estalo a
640, toucaa de lia para meninos a 19, sapalinos
de lia a 800 ra., ditoa de merio a 18500 : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendem-ae penies de tartaruga virados a 8
e a 99, carretel de linha de 200 jardas a 940 a
duzia, colchetea de diversas qualidades a 40, 60
o 80 rs., ditos bordados a 100 rs., massos de
grsmpas a 40 a 80 rs., ditos em caixinhas a 180
rs. : na loja do beija-flor, ra do Queimado nu-
mero 63. 1
Vendem-se toucadorea de Jacaranda a 28200,
ditoa brancos a 29, caixinhas com espelhos para
navalhaa a 29 e 2(400, colherea de metal princi-
pe para sopa a 49600. ditas para cha a 29*00. con-
cha para assucar a 640, oculos fios a 400 ra.;
na loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendem-ae caivetes finos a 800 ra., caba-
zes para meninas de escola a 3, 4 e 59, carteiraa
com agulhas francezas a 240, caixaa de pennas
de ac a 500 ra., meiaa para senhora cruaa a 240
o par ; na loja do beija-flor da ra do Queimado
numero 63.
guia branca n. 16.
Grande
1 asay
[uida todo
o pre^o, na bem co-
nhecida loja do Ser-
tanejo.
Ruado Queimado n. 45.1
Atlencao! attencaO!
A.os pas de familia, bom e ba-
rato.
Na loja n. 80 da ra da Imperatriz acha-ae a
venda um completo o variado aortimeoto de boas
fszeodas, e que vista Oe sass qualidades aio ba-
ratiast mamen te Tendidas, e para maia veracidsde
do que Oca dito, abaixo vio mencionadas algamaa
das ditas fazendas, a aaber :
Ghltaa largaa cor flxa a 840 rs.
Madapoln fino com 84 jardas a 59.
Cambraias da cores a 880,320 e 400 rs. o co-
vado.
Velludo preto a de cores a 29.
Lindeza de cores s 160 rs. o covado.
Lencos pequeos a 80,120 e 160 ra.
Chapeos do castor fino a 8f.
Chitaa pretaa mullo largaa e finas a 840 ra.
Algodao trancado preto muito bom para vesti-
dos da asaravos a 200 rs.
Cambraia lisa com 10 jardas a 8f.
Caaaa da salpicos com 10 ditaa a 39.
, Cambraia bordada para cortinados com 8 va-
rea a 2/.
) Vaodem-ae dona po-coa inglesas proprios
laura lacio, que devem agradar muito a algum
senhor de engenbo, ou meamo para algum sitio:
na estrada de loio de Barros, sitio defrontd da
^Cscala, pata sa traUr do ajuste.

Apparecam com di-
nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escuras fioss a 160, 180 e 800
rs., cortes de vestido pratos bordadoa a
velludo de costo de 509 e se vendem
por 309,409, 509 e 709. sabidas de baile
de velludo e setim a 129 e 139, camisas
para senhors a 2:000 e 30500, gollinhas
de cambraia bordadaa a 500, 600, 700,
800, 900 e 19. ditaa de Uf bordadas a 120
rs., caaaveques de fustn a 59, 69J8,89,
meias de seda brancas e pretas para se-
nhora a I92OO o par, tiras de babadoa a
500 e 700 rs., lias de quadro enfeatadas a
300 e 360 ra. o covado, cambraia preta a
400 e 440 ra. a vsra, organdys de cores a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
rs. a vara, cortes da collete de caaemira
bordadoa pretos a 29 e 39000, ditoa de
velludo de cor e pretos a 39, 49, 59 o 69,
paletots de brim branco franceses a
39500 o 495OO, ditos de cssemira de co-
rea o pratos a 149 e 169. ditos de alpaca
preta e de corea a 39,38500, 49 49500,
camisas de peito de lioho a 89500, cortea
de colleta de gorgoree a 19500, 19700,
29200, 38 e 38500. colletes (eitos de brim
brsnco a 23500, ditoa feitoa de gorgurao
a 29500 e 39500, ditoa feitos de cssemira
a 38500, 48 e 48500, ditoa de velludo a
59, 69 e 79, ditoa de fastao de cores a
18500, um variado aortimeoto de meiaa
para homem e senhora, griosldaa com
florea, chalea de froco, eapartilboa, a to-
da a qualidade de roupaa feilaa para ho-
.mem que tudose vende por metade do
aeu valor.
Attenco.
3,800 rs.
lAHLLLvem grandes saceos, chegsdo ltima-
mente, muilo novo a bom a 39800 : em frente
da alfandega, no armazem do Aones.
Vendem-se acedes da companhia Pernam-
ba'cana : na prsca do Corpo Santo n. 11.
Venda-aa urna linda malatinha da 7 annos :
na raa da Impatatiii n. 80, tabana.
Attenco.
Chegaram de Paris psra a confeilaris da rus efe
Cruz n 21 os mais lindos papis para sortes, seta
rival oeste genero, bem como amendoas contes-
tadas, as melhores que exislem no mercado ; re-
cebeodo-se toda e qualquer encommenda psra
bolos, sortes, etc.
Manteiga para os bolos de
S. Joo.
Vende-se no largo do Carmo, esquina ds ra
de Hortas o. 2, manteiga ingleza a 800 rs., 900,
19120 e 18440, ranceza a 750. e 800 rs. muit fi-
na, cha a 29560, 29880 e 39800, amendoas a 860,
chnuricas a 480, toucinho a 320, sag a 320, bgos
a 320, goma a a 120, libnsde quaijo do sertio a
720*. e sendo inleiro a 640, queijos do reino a 89
um, caiiio com 3 libras de doce de poiaba a 640,
vinhosde todas as qualidades a 480, 560*640,
e muito G .0 a 800 rs engarrafado da lgOOO al
I95OO muilo fino, cito de ricino a 800 rs. a car-
rafa, e em libra a 640, alelria a 400 rs., escar-
rio e lalharim a 320, graxa em latas a 19?O0
duzia, e urna lata a 120, banba de porco a 44)0 rs.
a libra, e outros muitos gneros por cou-moiio
preco.
Antes que se acab,
Vendem-se queijos do serlaj a 169 a arroba
defroote da matriz da Boa-Viata n. 88.
Vende se um cabriolet de 4 rodas eomst-
sentos para 2 e 4 pessoas, e bem aasim orna pare-
lha de cavslloa rudados, tudo em bom estado,
com arreios : quem pretender, dirija-se ao sillo
da Estancia, sobrado de dous andsres, que acha-
ra com quera tratar, al as 9 horas da rcsnhaa,
on das 4 da tarde em diante.
Vende se um bonito escravo official da
carpina, urna negra forle pasa todo servico, urna
oegrioha de 8 a 9 annos, um pardo forte de 2|
annoa : ns tua das Cruzes n. 35, segundo andar.
Sapatos de borra-
cha para senhorasa
1,500 o par. T
Estamos no mez Harianno, o por isso de ns>
cessidade qne aa senhoraa que bem se appiirar
a essa boa devoco se previnsm de um par de sa-
patos de borracha, para sssim terem os pestes-
guardados d.i humidsde, e em atisala a ti jus-
to e louvavel uro. esto se vendendo a lluQ O
par: na rus do Queimado, loja d'aguia asese
numero 16.
Paredes Parto
tem sempre para vender um completo e variado
sortimento da roupa feita por precos moito coas-
modos : na ina da Imperatriz n. 48 junto a pa-
daria trncete.
Attenco
Cbegou i loja da Paredes Porto, raa da Imps-
ratriz o.48, justo a pactara francaza, manteb-tes)
pretoa ricamente enfeitsdoa a 12,16 e 859, rapa
pretaa de groadenaple para menina de 8 a 18 an-
noa, por preco commodo.
Attenco
para a ra do Queimado n. 43, esquina
que volta para a sSongrejjatjao.
Vendem-se saias balio de brilhantina a 99500,
4 e 49500, e maito grandes a 59, ditas arrenda-
dos a 59, chita francesa a 820 o covado.
Novo

aortimeoto de cambraia dnaueza
520 a vara, organdys liso a WO ra fr-
ac amostras com penhor: na roa do (7JAHIMO




'mpr.
-T-rrm-r



I

DuwaoB mmmmm t0A*m

1
Ne
ARH4ZEM PROGRESSO
Francisco Fernandes Duarte
largo ila Penlia
Vende-se ueste armazem de molhados os melhores ge-
Mtoi que vera este mercado e por menos 5 a 10 por canto do qas em entra qaalqaer parta,
Sraatlodo-se a boa qualidade, por iaio rogi-se a todoi oaSra. da praca, de endecho labradoras
ror de mandarem auas eneommeoda ao armaxem Prograaao, afim de verem a didareoca de
preco e aualidade que fai, ae foeeem comprados em outra qualquer parte.
rlamteigm VllgVea de priBra qatdade a 800 e 1*000 a libra, e em barril te tar
batimento.
tautaig* raiiesxm, mali om,7M ti#>, librt, #m ^^ Ooo re.
a* "Vi**** o mais superior que ha no mercado a 1*800 a 2J500, a libra.
Gll ttUXIlft imitando perola, pela ata auperlortdade a 8*000, e 2*600 a libra:
vM pT*50 unieo para oa doenles que ae tratam com homeopathta a 1*500 a Ubre.
3)Ht|*l do rei%0 ch.gedoi neste iltlmo Tapor a 1*500, dltoa chegadoa do ultimo
afio a 1*200
QalWJtS tOH&Ylas\OS 0 ,jU9 Ba dabom neate genero a 1*000, a libra e em porcao ae
faz abatimento:
QHQiJO pratO 0 maii gaperjor qa, tein Tn(lo a ete mercado a 1*100 a libra.
PrWllUO Qg\ez pa?a aiamblC Bllto n0Y0 640 r.. a libra, e em por-
ci ae far abatimento.
tjr)Sto\Q\&S 1 agidas propti para Qjmbre a 800 ra. a libra e em porcao a 700 re.
I1 rmuta d$ Tino
Salame
,Ra da Seiizaa Nova n. 42
Ueste estabelecimento vndese: ta-
I chas de ferro coado libra 110 r$. dem
I de Low Moor libra a ISOrs.
Libras sterlinas
Vende-ae no eacriptorip de afanoel Ignacio de
Olireira & Filho, largo do Cerpo Santo n. 19.
Araruta verdadeira.
Na ra da Cruz n. 51, toja de iWros, tm caixi-
nhai de S 1(2 libras para cima a 6|400 a libra.
Superior caldo Lisboa.
Tara para vender ea porcio a relalbo lte-
nlo Laix de Olireira Azorado 4 C., no aen es-
criptorio rae da Crut a. 1.
Brincos pretos a balao, e
outros objectos para
luto
Desse objectos de que hoja inftlixmeote tantas
familias precisara, na loja d'agata branca aehs-ae
m bom aortiaeoto dellea. aendo brincoe e role-
tas a biiao, pelieiras modernaa de groaias e tor-
tea cootas, alfloetes para peito, ditos timbra pre-
tos, em caitinhas, bonitea e moderno* adereces,
e meios di toe, cintelros de Atas e firalas pretas,
aofaitea para es beca, grampos do no vos motdes
para segerar cabello, luva de torcil de ssda
pellica, aeiaa de seda e algodae para homens a
aanhoraa : com os compradores de taea objectos
se ter a maior cootempleclo, atiento o fim para
que sao: por iaaodirigirem-se i rus do Quei-
mado, leja d'aguia branca n. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
A loja d'aguia branca receba ame porcao do
arroeles ou argolas de borracha, que acertada-
mente se applicam a differentes loo, como tim-
beo: sej para emmaasar papis oas diversas re-
parlicota publicaa, nos cartorioa, pscriplorios,
armazeoa, tojas, boticaa, tabarnaa, etc., etc., e
meamo de alguna particulares, o que na verdsde
rale apaa comprar-ae pelo diminuto preco de
140 e 820 a daxia, para poupar-se o trsbalho de
atare daaalar um masso de papis todas as rezes
que se precisa, assim como aa maia largaaaervam
para aegurar cartetras, e manguitos de senhoras.
da inperior qualidade a 480 ra. a libra elntelro, a 440 rs.
o melhor pelieco.qua p6de harer por estar prompto a toda a hora a 1* a libra, e
em porcao a 900 ra.
? OHC11 ti} 4o reao mnUo noyo taBOri# a iIbtBi e em barril de 3 arrobas a7*000.
GuourHas e palos aa tambos, 640 r,.. iibra, am p0rco ae fax abat-
ment.
t*a\a9 cosa
1 S prorapta3 para se comer rindas a primeira rez a este
Isla com 10 libraa por 4*500 cada urna,
a 480 rs. a libra e em barril a 400 ra
como sejio pera, damascos pe-
aaancar
Vendem-se dous payos:
cesta tjrpographia.
Calcado francez
Cllegado ae novo.
de lortimenio de botinas para hornera, e
na loja
ndei
isbe
MENOS DEZ POR CENTO
NOS ARMAZENS
euouTi^as
mercado a 2*000 cada urna.
Banaa de pareo refinada ,m
Kanna de porco mnl0 flQa alTi
Hiarmelada imperial d0 afamado Abren e de entre* mello fabricantes de Ltaboa
a 800 rs. a libra, e ero porcao se faz abatimento.
Latas eom (rutas de doee em ealda com
ceg, alpexe, e giogs, a 800 rs. cada lata.
Harmelada- de aiperie em lat de 2 libra por 1|20o d. m..
Latas com ameadoas conteitadas eonleodo miU con(eUo,
candi, muito proprio para mimo, a 2*000 cada urna.
UOee da C*SCa da gOlaba muit0 ano a gorj rs. e em porcio ie fax abatimento.
WOCe StCCO e V ^Calila d9 dlflarantes qualidades, em latas de 4 o 5S por
2*500 cada urna.
Cwrto a coa bailo franeex propriog para mimo a 560,..
P&esaa em caxiab de 8 libras mBil0 nov por ,500 a. retaiho a
480 rs. a libra.
VigOl^a C-9TOmadre m(1l(, noroii em caiiasde8 Hbraj por 1500. ditas com 4
por 1(500, ditas com 2 muito bem enfeitadas por 900rs. cada urna e aretalho a 320 rs.
libra.
drvilnas trncela e portuguezas em lat oal mt por 40 ra.
ditas em meias latas a 500 rs.
Siaeade tomate em lal58 0, x ilbra 90im .
mendosa de c^sc mole maUo novas. 320 rs. a libra.
NOieS a 120 ra. a libra, e 3*000 s arroba.
\meixaa ranceiias em Ul com 3 liDras por sjgoo, ditas com 1112 por 1*500.
aa.MelxaS portUgUeaS a 3.2o rs. a libra e em caixa se fari abatimento.
QbOCOlate UeSpHUOla ls500i dUo {raneei a 15^00 dito porlegeex a 800 ra. a libra,
aflanci-se a boa qualidade.
I&OiaXlllua de 80(ia em ialas com differentes qulidades, a 18440 rs.
n&a$S pira S^pa ieiriai macarraoetslharim.a400r8. a libra e em caita por 8(000 rs.
alltOS de UeilteS iiad0s, molhos eom SO macinhos por 200 e 180 rs. maito Anos.
mereja* 8m fragCos com 1 e li2 libra por 800 rs.
aiJOiO francez para limt>arfacaaa 200 ra.cada um, em porcao se faz abatimento
Bol^xinU \ lUgleXa mais n07a d0 mercido a320 rs. a libra e embarrice a4*500
ululntB para eogommar, muito aira a 100 rs. a libra e em sacca se faz abatimento.
*eiXe de posta em latas das melhores qualidades de peixe que ha em Portugal a 1*600 ra.
KSper msete aaperior de cinco e seis reas por libra a 760 rs. eem caixa, a 740 rs.
S&raifiUaS de Naotes em latas mnUo oras a 400 rs.
* ei^e allui de superior qualidade a 120 rs. a libra e em barra com 8 arrobae por 7J.
ivliClie Uace ra0rndo de differentes marcas e o mais superior qne he a 800 rs. a garrafa
e em caixa a 9ft.
ViUUOS engarratadOS d0 duque d0 Porto de oatr.s muilas martas acreditadas
neste mercado a 1*200 rs. a garrsfa eem caixa a 12*000 rs.
VlUUOem pipa part0,FigteiraeLisboa a560 agarrafa eemeanada**500, 4*e4*500.
rVOJSA daa mais acreditadas marcas a 5* rs. a dusia.a em garrafa a 500 rs.
ag*~ das marcas mais superiores que ba no mercado a 15* e 22*000 rs. o gigo
ic iaglez. a t0000 ri- a caixa e 1200 n gajraf,.
emebTa de Hollailda V9rdaaatraem frasqueira a 6*000 rs. o o fraseo a 560 rt.
X amaraS dO gy |tO a 6W rs> Ubra ein ixiohas com 9 a lOllbraa por 5j.
CsTCnebra Inglea a 10jooo rs. a duela e a retalbo a 1*000 a garrafa.
Patitas da gax 2,500.. groz..
^ai refinado em potes grandes a 500 ra. cada um, em porcao ae far abat Jiento.
V*aie ia?ado o que se pode desfijar neste genero a 320 rs. libra e em arroba a500, 9fi dito mais
baixo a 280 ra. a libra e 8|000 arroba.
Se\adinba
melo.
*~*8* amito noro e airo a 320 ra. a libra.
Jtt Tintl* do reino das marcas SSS e galega a 140 ra. a libra,
19US do Haraaaio aira cheiroza a 160 rs. s libra e em arroba a 4*800.
ii.ervnna8eCagmatono,ag a 160 ri a ljora> -
* "%* de carnauba reOnadss a 400 rs. a libr e e
r\aaite j0C9 ^ Lisboa a 7*20 rs. i garrsa,
Viaasre
as mais bellas para senhoras e meninas
do rapor, roa Nova o. T.
% Mobilia.
Na ra da Gamboa do Carmo loja n.
12, vende $e toda a qualidade de mobi.
lia tanto ao goeto moderno como anti -
ga, phantbasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, (az-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
No armazem de E. A. Burle &1 C, ra da
Cruz n. 48, vende-se excellente farello em saccas
grandes a 3*800.
Amendoas.
Vendara-ae amendoas en fraseos e arulios e
os boas e ricos papis com estaie para aortea :
na ra da Seaxala Nora n. 80.
Algodo da Bahia.
Proprio para roupa de escraros e saceos de as-
sucar : rende-se oa ra da Grux n. 1, criptorio
de Antonio Luiz de Olireira Azeredo A G.
Relogios
Vende-se em casa de Johnston Patar de C,
. .4 do Vigirio n. 3, um bello sonimento de
elegios de onro, patente inglez, de utn dos mais
afamados fabricantes de Liverpool; tambem
ama variedad* da bonitos irancellins para os
mesmos.
8YSTBIAIEDIC0 110 DELLOWAY
PILLAS HOLLWOTA.
Esto inesiimavel especifico, composto intaira-
mente de hervas medicinaos, nao contera mercu-
rio nem alguma onlra substancia delecteria. Bei
nigno mais tenra infancia, e a compleicao mas-
, delicada, igualmente prompto e seguro par;
ITZSI^LJSXWl 2?Kl! adertin- desaneigar o mal na compleicao mais robustas
do, porem, que cada argola lem sua Arela ven- n .
dam-ae em dita loja d'aguia branca, ra doQ.e- jenteiramente ranocente em suas operactMse ef-
mado n. 16. (eitos; pois busca e remove as doencas de qual-
' quer especie e grao por mais antigs e tenazes
que sejam.
Entre milhares de pessoas curadas com este
remedio, muitas que j esiavam s portas da
raorte, preservando em seu uso conseguirn)
recobrar a saude e torgas, depois de haver tenta-
do intilmente todos os outros remedios.
PROGRESSISTA
i
IPIrM!
36.
sos
mais nova a 700 rs. a libra e em barril a 600 rs.
o mais superior que ba no mercado a 29400 39800 a libra.
Attencao
Guimsres & Luz, donoa da loja de mludezas
da nado Queimado n. 35, boa fama, participtm
ao publico que o sen estsbeleclmento se acha
completamente prvido das melhores mercadoriaa
tendentes ao meamo estabelecimento, e muitos
outros objectos 4e gosto, sendo quaai todos rece-
idos de suas proprlaa encommendas ; e estando
ellos inteiramenle resolvimos a nao vendorem
Hado, aancam vender maia barato do que outro
As mais afililas nao devem entregar-se a des-
esperado; fagam um competente ensaio das
efficazes effeitos desta assombrosa medicina, o
prestes recuperarlo o beneficio da saude.
Nao se perca tempo em tomar esta remedio
qealquer; e juntamente pedem aos aeus devedo- Aara qualquer das seeuintes enfermidades:
res que lbea manden ou venbam pagar os seua
debitoa,8oepenadeaeremiuscad'oer ceidentes epilpticos.
Sonhall Mellon & C., teodo recebido or- Alporcas.
dem para vender o seu crescido deposito de ralo- Atnpolas.
gios visto o fabricante ter-ae retirado do neg- Areias ( mal de).
ci ; coovida, portanto, apeeeoas que qaixerem c,hm
poeauir um bom relogio de onro ou prata do t- lluua-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-se da op- Clicas.
portunidade sem perda de tempo, para v>r eom- Convulsoes.
pra-los por commodo preco ao seu e* ,iptorio Debilidade ou extenua-
ros do Trapiche n.18.
gao.
Debilidade ou falla de
forcas para qualquer
cousa.
Desinteria.
Borde garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Cnfermidade no ventre.
Ditas no figado.
Ditas venreas.
Enchaqueta.
Herysipela.
Febre biliosa.
Loja das 6 po-|
tas em fr.3iite<*o
Livramento.f
Cassas francazas de bonitoa gstoa a
320 rs. o corado, luraa de trocalf pretaa
e da seda a 500 rs o par, chitas* france-
sas largas escuras a 140 ra. o orado,
ditas finas a 160 e 180 rs., fil de llnho
Uso a640 rs. a rara, Urlatsna fina de
todaa aa corea a 800 rs. a rara, lencos
brancoa com barra da cor a 1*100a fiu-
zia e 120 ra.cada um, meias para ho-
rnero a IgzOO a dusia e 110 ra. o par,
chitas para coberta de bonitoa dese-
nhos a 230 ra. o covado, pegas de bre-
tanha de rolo a 2*, ditas de cambraia lisa
com 6 1|1 varas a 3*. musselina encar-
nada a 240 ra. o corado, calciohos para
meninaa de escola a 1* o par, peitoa
para camisa braceos e de cores a 260
ra., pegas de cambraia branca de salpi-
co a 3*500, algodao entestado o melhor
a 700 ra. a vara, dito branco para loa-
lhaa a lg a vara.enfeitea dos maia mo-
deros a garibaldi a 6*, t loja eit abor-
ta at as 9 horaa da noite.
Febreto da especie
Goita.
Heraorrhoidas,
Hydropesia.
Ictericia.
Indigestos.
Infla mmacoes.
Irregularidades de
mensiruacjSo.
Lombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
Manchas na cutis,
Abstruccao do ventre.
Phlysica on consurnp-
9$o pulmonar.
Re tone ao de ourina.
Rheumalismo.
Symptomas secundarios
Tumores.
Tico doloroso,
Ulceras.
Venreo (mal)
de Franca a maisoora do mercado a 180 rs. a Ubra, em porcao fas abati-
r arroba a 11*000.
isoca-se a boa qualidade.
ITtauo
SrQ da Liiboa a 140rs. .< garrafa, e em caada a 1*800.
Hito
Cherez a 1*600a garrafa e em calis se fazabalioeato.
raneo e mais superior que h no mercado propio para miase 140 ra. a (suata esa ea-
caaads 41800
P
alesero
Veod-ae- um faqueiro de prata, (obra da
cldade do Porto) muito bem acabado : na ra da
Cadeia n. 62, segundo andar.
Ra da Senzalla Nova n. 42.
Vende-se em casa da S. P. Jonhston & C,
sellins e silbos inglezos, eandieiros e castieaes
bronzeados, lonas ioglezas, fio de vela, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavallos, e relogios de onro patente
inglez.
Vende-se um mulatinho de 15 annos de
idade, muito sadio e de bonita figura, do trri-
co de casa e tam principio de boleeiro, muito
boa conducta e proprio para quem quizer ter um
bom criado : no caes do Ramos sobrado n. 2.
0 Livro do Povo.
Sehio luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado aob a direceo do Sr. Dr A. Msrq.as Ro-
drigues, e cootm a rida de N. S. Jess Cbrialo,
segundo a narraco dos quslro evangelistae, a
mais os seguintes artigoa: o vigario, o profossor
primario, o bom homem Rieardo, a moral prati-
ca, Simao de Naotaa, mximas e pensameotos,
a bygiene, os deverea doa meninos, e o Brasil.
A publicscao do LIVRO DO POVO nao s teo
por fim uoiformiaar a teitur naa escolas prims-
riaa, onde cada menino aprende per -um livro
difierente, e portanto facilitar o trabalho do tnea-
tre e do discpulo, como tambem rulgerisar, por
um preco baratisstmo, a historia do silrador do
mundo, e os melhores preceitos da moral.
Vende-se o Livro do Povo, ao Betife, na
lirraria da praca da Independencia ns. 6 8, S
500 ra o exemptar em brochara, a 800 ra. car-
tonado.
Moedas de ouro de 16$ e 20$
Vende-ae no escriptorio de Manoel Ignacio de
Oliveira & Filho, largo do Corpo Santo o. 19.
Ra da Cruz a. 42.
Febre intermitente.
i Vendem -se estas pilulas no estabelecimento
geral de Londres n. 224, Slrand, e na loja
(de todos os boticarios droguista e outras pessoas
enearregadas de sua venda em toda a America
do Sul, Havana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinhas a 800 rs., cada
urna dallas contem urna instruccao em portu-
gus para explicar o modo de se usar destas pi-
lulas.
0 deposito gtaal em casa do Sr. Soum
pharraaceuiico. na ra da Cruz n. 22 em Per-
nambueo.
Manguitos a balo com
gollinr as bordadas.
A loja da agoia branca em altencao a sua boa
freguzia quer que todos parlilhem do proveito
que lhe resultarla dss bosa compras as pechin-
ebaa, como agora mesmo acontece com urna por-
reo de manguitos a balao, punhos virados e bo-
nitas golliohas, tu lo de elegantes e lirios bor-
dados em fiis cambraiss, cujas guaroiQes est
vendendo pelo admirarel e birato prego de 2*
cada urna, a mesma obra que anda ha pouco
lempo ae venda por 5*. A soperioridsde da fa-
zenda e bordado eincontestavel, asstm pois nio
muito qu urna seohora compre 3 ou mais pa-
rea deaaes bonitos manguitos quando o importe
quasi equivalente as de um s dos antigos, po-
dendo-se desea forma e com pouco gasto mostrar
variedade no seu aceiado trajar. Sao as gollinbas
soltas que serrem igualmente para senhoras e
meninas, sendo os bordados fazeoda em nada in-
ferior aa outras, e cuslam estss 1* a vista do que
coavem que todas as senhoras aproveitem essa
favorarel occasiao e nao se demorem em man-
dar comprar todo isso na loja d'aguia branca rea
do Queimado a. 16.
Calcado
Por boje del fim so mea repretorio etl a ebegada do primeara vapat viuda da larajw, pela
novo sortimento ale serel praguicoso em o pabUoer aa HspelUvel pablteo.
Em casa de James Grabtree
A Companhia.
Tem para render a verdadeira graxa o. 97 em
barricas com 15 daslas de potes.
Csmaa de farro.
Brim trancado de linho branco e de cores de
superiores qualidades.
Muita attenco.
Na loja de Silva Crdeno, ra do Im-
perador n. 40, vndese roupas feitas
de todas as qualidades pelos presos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os f reguezes com-
prar porque peoKincfia.
Jlo Jos Pereira com loja e fabrica de colga-
do ca roa larga do Rosario n. 12 junto a botica
do Sr. Pinto, participa o publico que lem ex-
polio em a dita loja diveraas qualidades de cal-
cados feitoa na mearse, as qataea sao sem diffe-
reiQa alguma Iguses aos francezes mas coma o
propriatario nao pode ser juiz em causa propria
por isso pede aoa seua nnmeroaoa fregaezea e o
publico esn geral, que aiada meamo que nao
quelra comprar, coentudo venbam estupre ver as
amostras e admirar o trabalho dos artistas par-
narobacaoos que trabalbim em ana fabrica, pois
ae asslm o fizeram. indubitavelmenle apre'ciaro
o esmerado trabalho dos meamos: se alem dis-
ao attenderem a eatiQo actual Jamis daixarlo
de comprar porque alem de a abre eer da muito
mera drselo eereece msie a circumslsocia de
castar uro diminuto prego em relelo aos fran-
cezes.
Machinas para lavar roupa.
Monteiro, Lopes i C. receberam macbioaa pa-
ra larar. roupa systema inteiremeote novo e
adootado a eata paiz. pois qualquer peaaoa pode
irabelhar com ellas por ser o sea uso e maia sim-
ples que se poderia desojar, aendo tamben) snais
econmico a breve : quem quizer comprar diri-
jan) se a rus da Cadeia do Recite u. 30. que se
lhe dar todsa aa explteacdeq par eecre* po-
endo saber dos seus bona resultados par ja se
usar oesta praca oo ceUegio das orphasa dirigida
pelaairmaaa de caridad*.
DB
DEJARTE A C.
do ra das Cruzes de Santo Antonio
Largo alo Carmo 0
Us propnetarios desloa acreditados rmanos da molhados participara aos seus nume-
^uezes^ue por todos^os vapores e navios da Europa, recebara de sua propria encommenda
para
roga-
ses nossos armazens, aOn/de "verem a s^io'r'quaHda^de"^
Mailteiga ingleza de primeira quslidsde s 800 1 rs. a libra e em barril
fari abatimento.
Manteiga francesa
Cha hysson
Cha IlXim que hada melhor neste genero a 2*500 e 3*000 a libra.
L/H pretO muito superior rindo a primeira vez ao nosso mercado 2200 a libra.
Lna hySSOn 0 aelbor que vem do Rio, em latas d urna libra por 19800 e em porcao
aa tar abatimento. tr- v
QUeiJOS dO reino chegados neste ultimo vapor a 29200 e dos ehegados no abisoo
navio a 19800 cada um.
fjaijOS pratO MB0 nunca veio ao nosso mercado a 1*000 a libra e inteiro a 900 r.
Falos e c n o u r i 9 i s mu,0 novos a 560 rs., libra e em pors-0 m far abalilBaalt>
Latas COm ngUcaSja promptas para se comer a toda hora, viudas a primeira
vez ao nosso mercado a 1*800.
r*eiXe em latas de diversos tamanhos,savel, sardo, pargo. pescada, ca valla, lingos-
dos fritos, atura maraado, robllos. e lulas de tigelada, de 1*300 a 29000 a lata.
lOUCinllO dO I^iiiO muito novo a 820 rs. a libra e 9*500 a arrobas timbea
temos para 240 rs. a libra e 6*500 a arroba.
Bailll a. de porCO em lauseom 10 libras por 49400 e 480 a libra.
Jlarmelada imperial de todos os conservemos de Lisboa, oro latas da libra a
meia e 2 libras a 750 rs. a libra
LataS COm frutas em Calda orno sejam pera, pecago, damasco, alper-
xe, ameixas ginja, a 700 rs. a lata.
Vlarmelada dti Alperce em latas de 2 libras por 1*000 cada urna.
Doce da CaSCa da gOiaba ,700rs.a em wraoso fari abamuio.
U.JCe SeCCOS je diHerentes qualidades em bcetas muito bem arranjadas a 8*000.
J. a Illa Tas as mais superiores que tem vlndo ao mercado em-caixinhas elegantemente n-
feitadas a 29500 e 600 rs. a libra
Passas em caxinhas de 8 libris a29500e6oors. a libra.
V l^OS da COmadre muito novos em cixinha de 8 libras e muito bem afeitadas a
a 2*200 320 rs. a libra.
tfrvilhas francezas e portuguesas, 640 720 rs. a uu.
MaSSi de tom'ate em latas del librra a 800 rs.
Amendoas da casca mole BUto novas a 400 rs. a libra.
*" OZes muito novas a 200 rs. a libra.
Ameixas francez iS em latas com I libras por 4*000 e a 1*000 a libra.
Ch volate hespanllol a 1200, francez a l*000eportogueza 800 rs. alera.
Bol X lilla d SOda em latas com differentes qualidades a 19400 a lata.
yiasg i S pa ra SOpa macarro e talhanm a 240 rs, a Vibra e a caixa por 59000.
v/SiXlOlloS muito bem enfeitadas com pevide, rodinha, estrellinhi, ele. a 700 e 800
a alltOS XadoS para dentes em molhos com 20 nacinhos a 200 rs.
Merejas em frascos de libra e meia a 700 rs. __
1 jyolo KranCeZ paralimpar facis a 180 rs. e em porcao se far abjf Muso.
Sspermacete Superior sem avaria a 740 eem caixa a 760 rs. a ora.
Sardinhasde Nantes muiio novas a 400 e eoo rs.
Al )Sta muito nova a 200 rs. a libra e 5*500 arroba.
AZeite doce refinado de divercas marcas a 800 rs. a garrafa e 99000
Bolacllilllia oglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra
Goma muito alva a loO rs. a libra e 2*500 arroba.
VintlOS engarrafados duque do Porto, genuino. Porto fino, madeirasecca, Carcavellos, nc-
tar, feitoria, velbo secco, Muscatel a 1*200 a garrafa e 129000 a duzia.
DtOS em pipa Porto, figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 4*000 a 4*500 a ca-
ada.
SerVe^aS das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Lili H IIJ pa 11II -? das marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 o gigo.
COgnaC inglez a 109000 a caixa e 19000 a garrafa.
Ghltbia S Hol Luida verdadeira a 79500 a frasqueira e 800 rs. o frasco.
AzeitanaS tm aucoretas as melhores que ha no mercado a 2* e a 400 rs. a garrafa.
1 raC|lieS superiores em caixinhis a 10* e a 3i0 rs- a carta.
Pt llt S do g'a Z a 29500 a groza e 240 rs. a duzia de cairas.
*)* 1 refinado m paco tes de mais de urna libra a 240 rs. em porcio ter aba timen
Caft dO RO o melhor que ha no mercado a 320 rs. a libra e 9*000 a arroba.
eva iilllia de Franja amis nova do mercado a 210 rs. a libra.
*$&g'U muito novo a 320 a libra.
Farnha do Maranh&O mmto alva e nova a 160 rs. a libra e 49800 a ar-
roba. ,
Velas de carnauba e de composico a4oors. a ubra a 129
a arroba.
Vinagre puro de LSboa ,24o rs. agarrafa e a 1*800 a caada.
Grao de bCO muito novo a-tOO rs. libra,
'eras SeCCaS em CaixinhetS deoits libras a 25500 e a 640 rs. a libra.
MarraS<|UinO verdadeiro da zara, de limone, caf, manta, genepro, raandol'amara,
curacu, rosa sublime e outras qualidades de 19500 a 29 a garrafa.
Bat Otas em gagos de urna arroba por 19000 a 40 rs. a libra.
Com nll OS os mais noves do mareado a 800 rs. a libra
Er Va doce multo nova a 400 rs. a libra.
Arroz COUl toque daavariaemMci^deSarrabasaStasasMtl
a arroba.
CharUtOS verdadeires superiores a t* a eaixinha de 50.
Salmn em latas comduas libras o mais bem srranjado que lem rindo ao asar
cado a 19400.
Hanteiga em latas Com4 libras a melhor do mercado lacrado rmeticamaiMa
39200 cada urna.
Vinagre aa garrfas cora 5 garrafas da superior qualidade a 19200.
Araruta tardadaira muito nova a 320 a libra.
Alem destas generes encontrar a rweeiiavel publico em nossos armazens um cotuda*
Bortimente de ludo tandela a molhados.
AlLteildotS ConfeitadaS as raais baratas que ha no marcao a 100 r. el
a libra.
-
V
.
'
..




w ""
rrr
t=



J*ms arfeiies para
~ bello.
A loja do fceij4-ftot tonto recebide benito ro-
MI que se mu* asando pe 01 oiballof, vende
aa rua do animado aa loj. Mimo n. 93.
Aljfar fino imitando perola.
Venda-ae i 500 r. o fio da aljfar fioo, iaai-
moo perola : na ra de Qaeimado. loja d'aguia
branca n. 16.
Cabriolet, carrosa e cavallo.
Vende-se um cabriolet deacoberto. qaasi novo,
eem oa arraioa para asi carado, o ciaal est sen-
de pistado de doto, om a aceiten la cavallo do
me.mo, de corruga, e maito mamo, sendo um
dea melhores animaos de cabriolet que existe
oeste eidade, e urna carraca em bom estado para
eavatio : pera rer, na cocheira de Thomaz Jos
dea Res, perto da praga do caplm, e para tratar,
na roa do Trapiche n. 14, pritneiro andar.
Cambraias
Vendem-se cambrai.s de corea de bonitos e
alegantes deienhos a 280 e 320 is. o corado : na
ra da Imperetris, toja n. SO.
nifctail'iisiiBMliltiaBatBsIM^laayilllssTli- I
Unltl IUB1 |f VE MHu Da? Tf l
_
i-------=-.

Oliados.
Vendem-se oliadoi pintadoi de lindas vistas e
pMsageas, larguras de 6, 7, 8 e 9 palmos, pro-
prios para mesa de jantara 29 o corado : na roa
da Imperatriz, loja n. 20.
~~ Vende-se por moita precisao duas moradas
en caaaa oa eidade de Olinda, sendo ama na ra
*i sapero contigua a eacada qae sobe para o
largo do Amparo, com quartoe, cosinha tora,
quintil murado o plantado e cora eitribaria ; e a
ostra na ra de 8. Prancieeo propria para resi-
dencia de quem preciaar de banhos aalgadoa, para
o que ezcellente por flear mailo perto : eisaa
vendas se fsrao para remir dbitos com hypothe-
ea, para cujo Om asignar as eacriptaraa de ren-
da o credor que nesaa occasiao dari deaooeracSo
de bypolbeca : procrese para tratar no Recife
rea de Cabeg n. 3, i* andar, e em Olinda pada-
na do Sr. Soarea no Varadouro.
Borzeguins.
Ra da Imperatriz n. 10 loja
do Pinto.
Vende-se pelo baraliaaimo prego :
Borzeguins de lastre para hornera a 8*.
Ditos de beterro para hornera a 8J.
Ditos de corda rao para dito a 8.
Por eate prego a a dinheiro vista para li-
quidar.
Vende-se um baha qnaai novo, e tambem
nm bote proprio para paaaeio, com todoa os seas
pertences noros : a tratar com o Sr. Santos, ras
do Gordonizn. 1.
Visporas e dminos para
divertim^ntos.
A loja d'aguia branca acata de recebar as bo-
nitas caixiohaa de madeira eetvernisada com va-
poras, tendo algumas qne os orles trazem urna
chapinha de metal movidica, a qual serve para
cobrlr o numero que se falla, cuja fnvengao
novlssima e proreitosa ; aaaim como caixinhas
de dminos com os lentos mui claros e bem ae-
5uro, e rendem-se por precos razoaveis, na ra
o Queimado, loja d'agaia branca n. 16.
Fazeadas pretas
superiores.
Grosdenaple preto muito superior pelo dimi-
nuto preco de t o corado, panno preto maito n-
no f *. 5, 6, 7 e 9J o covado. casemira preti
mito fina a 22, 29500, 3, 3*500 a 49 o corado,
mantea prelaa de blondo muito superiores a 12J,
manteletes de superiores groadeoaple. preto* ri-
CauMflle bordados a 359, aobracaaacaa de panno
preto muito fioo a 309, casacas tambem de panno
Sreto muito fino a 309, paletota de panno pretc
no a 18 e 209, ditos de casemira de cor mee-
elada a 189, superiores graralinhae eatreitaa i
19, dita' de aetim maco ede gorgorito muito si
periorea para daaa roltaa a 29, ditaa eelreitiuhaa
com lindos alfiaetea a 29, superior gorgaro pre-
to para coljetes a 49 o corte, ricos enteites pretoi
a 69, e assimoutras umitas fazendas que sendo i
dinheiro vista, rendem-se por pregos maito ba-
ratos : na ra do Queimado n. 22, na bem coohe-
eida loja 4* bu f.
Patino de algodo da Baha.
Vende-se no eseriptorio de Antonio Lniz de
Olireira Azevedo & C, na ra da Cruz n. 1.
Obras de vidro,
egearradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vende-se aa loja d'agaia branca mu bonitas
esearradeiraa de ridros de cores e 49500, 5 e 6a
aaaim como palmatorias de vidro lapidado com
mangas bordadas a 49500 cada om : na ra do
Qaeimedo.loja Cgala branca n. 16.
Meias em quanlidade
Na loja d'agaia branca acha-ie um complsto
sortlmento de meias de todas as qualidades e
precos, sendo para homena, sanhoraa. meninoa
e meninas de 6 mezes a 12 annos. Ennumerar
os difieren tea pregos confundir o pretndeme ;
assim queaa se quizar convencer de quo baratas
ae estao ellas vendendo, dirigir-se com dinhei-
ro dita loja d'aguia branca na ra do Queimado
numero 16.
Superior sebo em velas e em
pes, ca-xas de urna
arroba
Vendem Antonio Luiz de Olireira Azevedo &
C, no sau eseriptorio ra da Cruz n. 1.
Jacaranda superior.
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira A-
zevedo 4 C, no sea eseriptorio ra da Cruz. n. 1.
Coracs lapidados.
bao grosso que admira.
A loja d'agaia bronea acaba de receber urna
pequea quanlidade de coraos grossos lapidados,
os qaass serven para aa rollas qae ltimamente
usara as renhoras, e est vendendo cada fio por
29, 29500, 3 e 49 : na roa do Queimado, loja
d'agaia branca n. 16 : assim como receben mais
as bonitas palestras de mitsaugas.
Chumbo
Vende-se chambo de manigio a dinheiro por
219 o qnintal e a arroba por 5*500: no arma-
zam de Antonio Cesarlo Moreira Das, ra da
Madre de Dos n. 32.
Attemjo
43 Ra do Amorim 43
Vende-se arroz pilado da
pelo barato prego de 18600
4 a 5 arrobas.
mailo boa qaalidade
a arroba, taceos de
59000
39000
19000
800
19600
I9OOO
240
3900
3900(1
29500
1|280
500
800
60000
2*000
Non exposi
?o de candieiros
a gaz.
O proprielario da ora ezpoaigio avisa a todoa
os consumidores de gaz hydrogenio que tem re-
ceido novamente urna qunlidade de gaz super-
fina, assim como tambem de todas aa qualidades
communs qae se vendem nesle mercado, gtran-
ttodo o meamo proprielario a qualidade que
vende oasis de falsificagdea. Tambem avisa que
tem recebdo grandes remessas de candieiros que
vende em porgo e a retalho pelo prego da fac-
ture, cuja vaolagem pode ser conhecida pelos
pretndanles, tendo aempre neate estabeleci-
nenio todoa os alencilios pertencentes ao con-
sono de candieijos a gaz : na ra Nova n. 20 e
24, loja do Garneiro Vianna.
NOVA
O proprielario da nova ezposigao avisa ao pu-
blico qne seus estabelecimentos se acham todos
os diaa aberlos al aa 9 horas da noite illomioa-
dee com o meamo gaz hydrogenio cootendo 00a
mesmoe estabelecimentos urna riqaissima galeria
ais) qoadros que multo intreter a curiosidad, das
familias que quizerem visitar estos estabeleci-
mentos, assim como am numeroso sortimento
de objectarias que por gosto se podem comprar,
garantindo aos concurrentes a franqueza do in-
gresso em seas estabelecimentos : na ra Nova
n. 20 a *4, loja de Garneiro Vianna.
t
Attenco
Olliem para o pava
leiam,
Camiainhss com gollinhas e manguito
de cambraia bordadoa, fazenda mo-
dernsima a
Ditas de fastao com aalpicos de cor
Gollinhas bordadaa com bolaozinho
Ditas de lodos os gostos a 640 a
Ditas com manguitos ds cambraia bor-
dadas a
Manguitos de cambraia bordadoa mailo
finoa a
Gollinhas bordadas a
Romeirae de cambraia enfeiladas para
lato a
Camisinbas para sechora a
Lenciohos de linho com labyrinlho para
moa
Ditos a imitago de labyrinlho a lfl e
Luvaa de torga 1 snfeitadaa com vidrilho
Enfeites pretos com vidrilho s
Ricos anfeitea pretos e de cores, a Turca
e Garibaldi
Groadentple prelo a 19600,198OO e
Todaa eatsa fazendas vendem-se na ra da Im-
peratriz n. 60, loja e armazem do pavio, de Ga-
ma 4 Silva.
Sem entes de hor-
talices
Na ra da Cruz n. 32, deposito de pao e bola-
cha, vendem-ae ementes de hortalicea vindsa de
Liaboa.
ahio luz o
Gallo Vigilante.
Na ra do Creapo n. 7, aonde o respeitavel pu
blico achar am grande e variado sortimento de
miudezas qae se vende por precos mais baratos,
10 por ceoto do que em oatra qaalquer parte,
assim como aeja, franjas prelaa com vidrilho e de
cores, utas de todas as qualidades, franja e galio
de linho, caacarrilhas pretas e de cores, frocos de
todas as cores, os riquissimos enhiles de cabega,
galaozinbos de linho e de seda para enfeitea,
chapeoiinhos para enancas, chapelfnbaa para ae-
nhora, booets de panno e velludo muito finoa
para meninos, filis maito chiques para sintoa,
manguitos e gollinhas maito finas, leagos de
cambraia de linho muito finos, e mailos mais
objecloa que ae continuar annanciar, poia ven-
de-ae lado por pregos baratlssimos por se acbar
am liquidaglo. Na mesma loja se achara um
riee eettinento de smendoas e confeltos proprios
para qualqaer mimo, qae ae vende pelo baratia-
simo prego de IfOOO a caizinha.
Hllho a 8#500 a sacca.
Milho d superior qualidade em lotes de dez
saccaa para cima ao preco cima, no rmate n.
4, dtffonte da parta da alfeadega.
Ricos
cortes de vestidos brancos
bordados.
Vendem-se ricos cortes de vestidos brancas
bordadoa com 3 babedoo peto baratiasimo prego
de 59 o corle : na ra do Queimado n. 22, na
bem conhaaida leja da be f.
Camisas inglezas.
Vendam-se superiores esmisas inglezss com
pregas largas pelo baralissimo prego de 359 du_
zia : na loja da boa f, aa ra do Quetmsdo es-
mero 22.
Ricas gollinhas e punhos
com boioes
Vendem-se rices golliohas e punhos da cam-
braia e fastao ricamente bordadaa com lindos bo-
ioes, pelo baratiasimo prego de 29 cada go.mi-
cao : na roa do Qaeimado n. 72, na loja da
dos f.
Vende-se um cabriolet en son estado, con
arraioa completos para am cavallo, por prego
con nodo : a tratar na roa da Florentina, cochei-
ra do major Sebaslio.
Fazendas baratis-
simas
Superior bramaste de linho com duas varas de
largura a 29400 a vara, atoalhado da linho ada-
mascado con duas larguras a 29500 a vara, brim
branco do linho muito superior a 1|440 a vara,
dito de corea, fazenda mullo superior a 19, dito
pardo de linho paro a 800, 19 e 19900 a vare, di-
to de qaadriahos muito proprio para caigas, ja-
Saetas e paletola para meninos a 209 rs. o cova-
o, gangas francesas muilo superiores s 400 rs. o
covado, cambraiaa francezas maito finas a ds
maito bonitos padrees a 260 e 280 o covsdo,
cambraia lisa muito fina a 4f, 5 e 69 a pega com
8 112 varas, cambraia com aalpicoa tambem com
8 1|2 varas cada peeaa a 49500, dita muito supe-
rior o melhor que ha oeste genero a 112500 a pe-
ga com 17 varas, oa a 800 rs. a vara, chitas fran-
cezas de muilo boas qualidades e de lindos pa-
dres a 240, 280, 300 e 320 o covado, fil de li-
nho liso muito fino a 720 a vara, tarlataaa bran-
ca e de corea a 760 a vara, loalbas de linho para
moa a 79 a duzfa, ditaa pelludaa muito saperio-
res a 119 a duzia, golliohas de cambraia borda-
das s 800 rs., manguitos e (tollas de cambraia ri-
camente bordadas a 29 o par de manguitoa com
urna golla, lencos braocos muito finoa com bico,
renda e labyrinlho a 1g280 cada am, ditos ds
cambraia de linho para algibeira pelo baraiiselmo
prego de 4, 5 e 69 a duzia, e assim um completo
sortimento de fazendas de todas as qualidades,
que sendo a dinheiro vista se vendero por pre-
coa mui baixoa : na bem conhecida loja da boa
f, na ra do Queimado n. 22.
Camisas e ceroulas
Vondem-se superiores ceroulas de linho maito
finas pelo barato prego de 269 a dozia, ditaa tran-
jadaa.de algodo, mas de maito boa qaalidade, a
179 a duzia, camiaaa brancas francezas a 5*9.249,
26 e 309 a duzia. ditas para meninos a 22f a du-
zia, ditas para homem com aberturas de cores a
2S9 a duzia : na bem conhecida loja da boa f
ni ra do Queimado n. 22.
Manguitos com gollinhas.
Vende-ae manguitoa com gollinhas, fazends
mailo boa, pelo barato preco de gOOO, golliohas
e puobos ultimo gosto a SSJMO, gollinhas muito
finas e bem bordadas a IfiOOO carta ama na ra
do Queimado loja de mtadesae da B fama,
n. 35.
Tiras e ntremelos bordados.
Veode-ae pegas ae tiras bordadas de 2,500,
3,000. 3.500 e 4.000 entremeioe a I96OO e 290OO
cada pega na ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Bonecas francezas.
Vende-ae bonecas francezas ricamente vestidas
49OOO e 59OOO, e 21000 bonecas de cera com os
olhos novedgos a 2(000 e 39000, na ruado Quei-
mado loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Fivelas de a50 para sintos.
Vende-se flvelss de ago para sinto a 19500 rs. e
29000 na ra do Queimado loja da miudezas
da Boa fama. o. 35.
Baleias.
Vende-se baleias i 120 rs. cada ama asps de ago
par* bala o a 160 rs. s vara, bandees s 19500 rs. o
29OO o par, na rus do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, n. 35.
Cascarilhas de seda.
Vende-se caacarrilhas de seda para anfeitar
vestidos a 29000 a pega na ra do Queimado
loja de miudezas, n. 35.
Meias de borracha.
Vende-se meias de borracha para quem padece
de erystpela a 159000 o par, meias de seda preta
para seohora a 1(000 o par na ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, n. 35.
Ghegou para a loja da victoria, candieiros s
gaz de noros gostoa e modelos, lauto para sala,
como para escada e quartoa e para outras maltas
coasas : na loja da victoria na ra do Qaeimado
d.75.
SEDAS
Cinco tustes.
: S na loja do pav&o
venden-se sedea de qaadros, ditas de Ultras ao
comprtdo, e ditaa de luirs atraveasadss, ditas
frtno, ,en|le dos melhores padroes e de-
M*f0 otos, com largara de chita inglesa
a 500 rs. o covado. pecnaeita, e dao-se ss
aneatrae com peehor : aa ru. aa Iosperalris n.
O, toja armazem do pavae de Gama & Silva.
Arados americanos e machinas
para layar roupa: em casa de S. P.
Joborton 4 C ra da Seotalk Nova
n. .
?vRUA 3)0 QUEIMADO M!A6
faitea fttLtni!SZluM tw222!* *InM "*. ***> "" *
ftnr i& ilt .i n.!:,Pu ac',,Ma0 d P"D P""< at 159, dilos da easemirs
fV 'S VTa TA i?U ,c?t ** p,nB0 "ire de 89 at 149, ditos saceos da alpaaa
t26l ti*lil:t%JntA*PT merin6 d# 7 ,t 10' "^'pretas da casemira da
89 ate 141, ditos de cor de 79 at 10J, raspea pira menino de todoa oa tamanhoa. arando aortl-
mento do roupa s de brina como seism salgas, paletota a colletes, sortimento de clletes pretos da
selim, casemira velludo do 49 s k, ditos par. caaameato 59 69. psletots br.nc" da bra-
mante a 49 a M calcas brancas multo finaa a f, o um randa sortimento da fazenda. fin. i mo-
dern.s, completo sortimento de eaaemiraa inglezss para homem, menino a aenhora, sroslas de
linho algodo cha pena de aoldeaeda tara, de seda de Jourm para homem e eeobotaV Te-
moa urna grande laDrtca da lhiato onde recebemos ancemmendaa da grandea obras ase para
sao ostl seado admisiatrada por am hbil medre da .amainante arto s um poesoal da maU da
ctacoeota abreiros aMoUtidos, portento azocalamos qualqaer obra com promptidio a mais barato
pe que em oatra uualquer casa. *
Sapatos de borracha para
sehoras.
T**f**"a sostos de borracha para sehoras e
meninos a I96OO rs. o par, sapaHohos de laa para
sreangaa a I9000 rs. o psr. ditea merm af 9500 rs.
touess de lia para ersangas a 5|000,19000.800 rs.
sepatmnos de seda ricamente bordados proprios
para baprisadoe a 89OOO o par, na ra do Qoei-
maeo loja de miudezas da Boa fama, n. 85:
Palmatorias de vidro lapi
dado.
Vende-se palmatorias de vidro a I96OO r... ditas
com mangas proprias para rapasea a 49500 re.,
"""""i escarradeiras de vidro a 49500 rs.
6 r*I^ ? pir rua d0 Queimado loja de
miudeza da Boa fama, n. 35.
Perfumaras muito finas e
baratas.
P!ua 'Dgle" 1|500 "' dila fr,nceia 500
" MO, JJOOO, oleo da sociedade hvgleniome
verd,dejr 19CO0 o fresco, oleo babosa de Pirer
verdadelro a 800 rs. o fraseo, agua balsmica
para os denles a I9OOO, dila de Botot tambem
para os deoles a 1$000 o fraseo, pomada fraoee-
" f. iiou S e I1100. 3ao "boneles
muito fioo a 640 re., 800 rs. e I9OOO cada um na
r" 25 Q"ei"ad0 l** de < i Boo fama,
A200rs,sopavo.
Vende-se chita francesa escura de cor fiza a
2"? 5" C0Tado M rUB Impsratrt n.
60, loja e armazem do paveo.
A 2$500, s o pavo.
_ Vanoan-sa corlea-de cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditos de tarlstaoa brancos e
de cores, com barras e basados a 39: na roa
da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pavio de
Gana & Silva.
A 500 rs, s o pavo.
Vendem-se as mais modernas e finissimss laa-
a <>a8,lrinho le flores solas e palml-
nhss,desembarcadaa 'timo navio rindo do
Havre,pelo naraliasin Jo da quinbentoa ris
o covado. e dlo-se tj^./alraa com panhor : na
"' d,ImP"trlz n. 60, loja e armazem de Ga-
ma 4 Silva.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vende-se esta nova fazenda de padroes delica-
dsimos com 4 1|2 palmos de largara, propria
para vestidos de seohora a 400 rs. o covado: na
rus da Imperatriz n. 60, loja e armazem do pa-
vo de Gama & Silva.
Veode-ae ou arrenda-se ama grande pro-
priedade maito perto da prega, com grande ola-
ra de dons tornos, capella, ama boa casa da vi-
venda, diversas casas habitadas, dous grandes
rirelros, maitas arvorea de fructo, inclusive di-
versos coqueiros : a tralar com o Dr. Sonsa Reis
ou com o major Belarmino do Reg Barros ces-
ta eidade, oa na Magdalena.
<;N.O Bieber &
ii Cruz n. 4*
Junta a podara franceza
Rua da Imperatriz numero 48
Gamita e manguitos de crep preto com entei-
tes de vidrilho a 29.
Polassa da Russia.
Vende-se emea?.-i '
C.,|successores, i u* *
A verdadeira essencia de ail
para engommado.
Acaba de chegar para a loja d'aguia branca,
rua do Qaeimado n. 19.
As afamadas agulhas impe-
riaes com fundos dcurados,
e dedaes de marfim.
Acaban de chegar para a laja d'aguia branca,
rua do Qaeimado o. 16.
Borzeguins inglezes.
Nt rua da Imperatriz n. lo defronte da 1 eca
loja do Pinto, recbense pelo ultimo vap r um
grande sortimento dosj bem acreditado- )>>r-
zegains ingleses qae vende-se por lOf ella di-
nheiro logo contado..
\GRNCI\
Fundico Low-Moor,
Boa da Senzalla Nova n. 4S.
Nesle esla beles imeo lo con liona a naverum
completo sortimento de moendss meias moen-
das para engenho, machinas de vapor e taixas
da ferro batido e eoado de todos os lamanhos
para dito,
A banha fina,
bm copos grandes, chegou para i loaj d(aguia
eranca, rua do Queimado n 16.
Oh! que pechincha.
Vsnde-se palitos lixados foliados finos psra
denles, 2 massos com 40 maasinhos por 400 re.,
na tua da Inperatriz loja da Arara n. 56.
Vende-se a preatages annuaes o engenho
Santa Croz, aito na freguezia da Luz, a margem
do rio Tapscnr, distaote desta eapital seis e meia
a 7 legoas, tendo Ierras da maior prodoegio para
3,009 pSei aoa<>*** boas malaa e todas as obras
precisas para lucrar-ae, bons lavradores, dons
cereadrs ; s tambem renda- se, no caso de conrir
ao comprador, ama boa safra criada : a tralar no
meamo engenho, oa na raa do Llvramento n. 35,
segundo andar.
45 -Rua 0reila-4S
A epidemia declina aenaivelmeote, e o isa
completo deeappaiecimento est prxima I O
proprielario desle bem sorlido eslabeleeimenla
convida oa aeua numerosos fregueses a*ubelituar
o salgado velho, que todo est cholerico, por no-
vo, e qne poasa realstir a mil tcholis e mazzas-
caa1 que rio ser daosadas em louvor do reataba-
lectmenio da aaude publica. Os precos coa-
ridam: "
HOMENS.
Botinas afamadas Milia.
non-plaa-allra Nantos.t.......
Nantcsa bateriao..............
a tualre....................
inglezes de boioes.............
batedoret.......................
s eouro de porco.......
bazerro e lustre...............
inglezes ps seivsgeos.........
laxiados braiileiros............
Sapatdes non-plus-ultra............v...
* 9 k*(aa;.. *
1)



>



I
sss
imoo
109000
10909
ft500
99000
S9II90
79S0O
51560
790OO
695CO
52
4$00O
29500
3auot'
19920
800
50
80D
aahir
DE
FAZENDAS E BOUPAS FEITAS
DE
Bernardino Jos da Silva Mata.
43 Rua do Queimado 43
Esquina que volta para a Congrega cao.
godernoeatabelecimento ae en-
wm completo variado sorti-
> axeada. roupa. feta. por
preeda mui razoaveis. O desengao da
vlaU yi ver:
Paletqtsjde casemira aaccoe e sobrecasa-
cosla 109.
Ditos de meia casemira dito dito a 5|.
Ditos de brim pardo de linho mailo fi-
noa a 59.
Ditos de lpica preta fina de 49 a 69.
Ditoa aobrecasacos de panno mailo fi-
no 229.
Ditos defustio de cor miadinho a 8|.
Caigas de casemira de cor a 58, 69. 7
e 89OOO. *
Ditas de dita preta a 79, 89 e 109.
Ditas do meia casemira s 39, 39500 e 49.
Ditas de fuslo e ganga de cor a 29,29IOO
Dilsa de brim pardo de linho a 29, 32,
49e59. -
Ditas de dito branco a 29, 39 e 49.
Colletes de cssemira preta e de cor a 48
6 59000.
Cambraiaa organdya padroes maito bo-
nitos a 600 rs. a vara.
Ditaa moderna daqaeza do Orleana a
560 ra.
Chitas largas escuraa finas o covado a
240 e 260 rs.
Ditaa muito finas verdadeira francezas a
300 e 320 rs.
Cambraiaa branca finaa a pega 39, 49 e 5|
Ditaa de aalpicos com 9 varas pega a 49.
Chales de laa escoceses para as sehoras
andarem em casa a 39.
Lazinhas para vestidos o covado a 520.
Cambraia preta maito fina a vara a 500
ris.
Cbitaa fastao para vestidos o covado a
340 ra.
Saias balo arrendada a 59.
Lenges de bramante de linho fioo a 39.
Ditos de dito de algodo a 1J280 rs.
E outras maitss qualidades qae s a
vista do freguez. Tambem manda fazer
roupas por medidas.
De ludo se dio amostras com penhor.
8 bateras e meia..............
esmaga cobra..................
Nantea 2 bateras vaqueta.....
> 2 bateras bezerro......
trsbalhedores..........
brasileiros de 38500 a..........
Sapatos 2 solas e sallo..................
tranca portoguezes..........
fraocezes......
SEHORAS.
Botinas dengozaa.........
salto de b.ter. '. \ "
pechiocha de 49500 a. i .
americanas 3|5O0 a .
Sapatoa de salto (JolyJ ..*...
sem elle (idem)......
tapete.........
o econorricos. ;......
lastre 32 e 33........
MENINOS E MENINAS.
Ha de ludo em relagao e nao ae deixa
dinheiro.
Um completo sortimento de couro de porco,
eordavio, bezerro francez, couro de lustre, maa-1
roquim, sola, conrinhos etc., que todo se troca
por dinheiro vonlade do comprador.
Mimo gosto,
Gollinhas bordadas e punhos
com botes para sehoras.
A loja d'agaia branca, onde bem se encontrad
objecloa modernos e de gostos, acaba de receber
um lindo aorlimento de gollinhaa bordadaa e pu-
nhos com bonitos botes, o que hoje 6 ultima
moda, e por iuo neohuma aenhora se dere ne-
gar a comprar urna deaaas guarnlcea por 29000,
tanto mala qnanlo ellas sao oecessari. para
completo ornamento daquellaa que lero de apre-
ciar as bellas representages do Iktarloangelt, a
mesmo as qae nao forem teem igual direilo de
comprar esses bonitos arranios ; na loja d'agaia
branca, roa do Qaeimado n. 16.
Attenco.
Joao Jos de Figueiredo lem a honra de parti-
cipar a seus nu me roaos freguezea que em aeu es-
tabeleei ment de fazendas finas, na raa do Cres-
po n. 9, se encontr aro completo sortimento de
fazendas do ultimo goato e mais baratas qae em
outra qualquer parle por ae querer liquidar, co-
mo aejam :
Capaa de grosdenaple de 30, 40 e 451, moita
ricaa.
Chapeos de palha de Italia para senhora a I89
e SoijuUv,
Ditus de seda para seohora s 12 e 26f.
R'coiienieUe de flores para thealro oa bailes
A 15JM0O.
Ricos cortei de seda de muito bons gostos a 80
e izOfcOOO.
Chelea de cssemira muito ricoi a 159000.
Manteletes braocos de seda de rede Dar su-
| nhora a 289.
Vestidos pretos bordados a velludo.
Ditos de cores de diversos gostos e pregos, o
" "itos outros arligos para sehoras e homena,
inulto modernos, e mais barato que em parle al-
guna.
tiscra^osfugicoa.
ARMAZEM
ROUPAPBPPA
IDVnES
Joaquim F. dos Santos.
40-Roa do Queimado40
Defronte do becco da Congregaco letreiro verde.
Nesle e.tabeleciment ha aenpra am sortimento completo de roupa taita da
todss aa qualidadaa a tambem se manda ezecutar par medida vontada doi fresae-
zes para o qae tem an doe melhores profsssor.s.
Casacas aa panno preto a Of,
3| S 309000
Sobreca.acos de dito dito a 359 a 309000
Paletota de panno preto e do co-
res a 359, 909, 259,109,189 e 209000
Ditoa de caaemira do cores a 228.
15f, 129.79 s 99000
Ditos de alpaca preta golla da
velludo francezas a 109000
Ditos de merino setim pretos e
do oras a 9f a 89000
Ditos de alpaca do cores a 59 a 89500
Ditos de alpaca preta a 99,79.59 s 8f5O0
Ditos ds brim da cores a 51.
, 49600,49 e r 39500
Ditos de bramante dalinho b an-
co a 69.55a 9000
Ditos de marin de eordio preto
s15f a 89000
Caigas de casemira preta a do co-
res s 129. 109, 91, 7| 69OOO
Ditaa da princesa a merino de
eordao preto a 59. 9500 a 49500
Ditas de brim branco a da cores a
59.49500
Calcas de ganga da corase
Collete de reliado preto o de co-
res lisosa bordados a 129,99a
Ditos da casemira preta a d co-
res liaos bordados a tf,
59500,59 8|500
2|5O0
9OOO
81000
Ditos do aetim preto 59000
Ditoa de seda a selim branco a 0 a 59000
Ditos de gorgurao ds aeda pretos
,. dV?M"7.l.4| 5*000
Ditos de brim s fustio branco a
81500, 29500 o 39000
Seroulaa de brim de linho a 29 o 29100
Ditas da algodio a I96OO a 1280
Camiaaa de peito de fu ata o branco
da corea a 29400 a 29500
Ditas de pslto de linho s 59, 49 a 8*000
Ditas de madapolao brancaa a da
coresua 89. 29500, 29 a 1|600
Chapaos pretos de maaaa francesa
forma da ultima moda a 109,
8J500e 79000
Ditos de feltro a 69. 59. 49 a 2S000
Ditoa de sol da seda inglesaa a
franceiea a 14J, 129, llf 7*000
Colarinhos do linho muito fines
novotfeitios da ultima moda a 9800
Ditos da algodio 9500
Relogios de ouro patente e hori-
zontal a lOOf, 909 80| a 70|000
Ditoa do prata galvaniaados pa-
tente a horizontaea a 409 30100o
Obras de oaro, aderegos o malos
adereces, pulceiraa, rozataa
anaia a
Toalhaa da linho dosis 10f, 69 a 91000
D,u grandea para maaa ana 39 a 4900q]
No dia 14 para 15 de maio do corrate as-
no tupio do engenho Varzes deoa, freguezia de
N. S. da Luz, o cabra Estevo, de 24 a 25 anoos
de idade, baixo, cabellos crespas, cara e naris
chato, Mesa grossos. pernaa finas, ps seceos,
sem unhas nos dedos grandes dos ps, calca e ca-
| misa fina, chapeo de baia e sinturfo de soldado,
, lerou nm cavallo rodado, pequeo, cabeca acar-
nerada, dinas cortadas, com om esperarlo na
perna esquerda ; cejo escraro foi do sertao do
Arecely : roga-ee s autoridades policisea e ca-
puaet de campo a ana captara, e leva-lo ao rr.es-
tno eoienbo cima mencionado, ao Sr Muoel
Cavalcanti de Albuquerqne, qae gratificar gene-
rosamente.
Fugio no dia 12 de abril desle crtenla an-
eo do poder do abano assignsdo, o pardo de Do-
me Francisco de 17 annos de idade, qae tem bo-
nita Agora, todos os deotee, cabellos carapinhoa
e ruivos, Uodo sido este pardo esersvo do Sr.
Dr. Antonio Borges da Ponaeea, de presumir
que ande poralgnm dos lugares por onde o mes-
mo aennor tem viajado, como sejam Iguarass,
Goiaona, loga S. Joo, Campia, Sorra do Tei-
xeira. Pao o'Alho, Limoeiro, aa trea villas da co-
marca de Paje de Florea, sendo qae segando se
suppeesleja tambem no engenho Inham* por
hnver sido visto ha poneos dias em Iguaraae por
ter amizade com aos mulalinhoa desse engenho,
jinda de presumir que o dito escravo por ah
se iocnlqae como a aervigo do dito Sr. Dr. Bor-
ges da Fonseca, afim de nao ser apprehendido :
quem pois o aprehender onde qaer qae for encon-
trado eaae escravo e o vir entregar ao seu legi-
timo dono na ruado Hospicio n. 6, quesera am*
generosamente por elle gratificado.
Ignacio Luiz deBrito Taborda.
Aoaeotou-se de casa de sea
21 da correte, o preto Antonio,
gola, idade 50 aonoa ponco maia
meio corcovado e ps bastante grv
restido calge branca e paleto! j velho
aprehender leveo-oa rua das Crnzes o. 41.
Fugio ha dias o escravo Crtspiniano, de20"a
25 anoos de idade, estatura e corpa pouco rr.enct
que regalar, barbado a com booa dentea.tem ol-
fitiode sapatetre, naa conato andar irabalhanoo
de servente de pedreiro e gaohador para aa aso-*
dae daa Cinco Pontea : quem o pegar leve ni
rua do Sol n. 21, primeiro andar: tem sido en'
conlrado na Balancia onde, junto ao sitio do com-
meodador M.noel Goegarves da Silva, tem ello'
um irmao alagado.
2001.
no
uesappareceram ao abaixo aiiignado
1 dia 1 de junbo de 1861 do enguio
S. Domingos na provincia de Sergipe,
comarca da Estancia, o* escravo Lean-
dro, pardo, moco, cabello annellado,
baixo, grosso e tem na testa sobre um
clho urna cicatriz proveniente de un
ouce de urna vitella ; e Baymundo,
crioulo, moco, alto, olhos pequeo e
ps grandes : gratifica-te com ltiQj por
cada um dos ditos* escravos a quem os
apresentarno dito engenho ou na crda-
oe da Babia uo esciiptoriodo neOsU3
te Jo3o Jos Leite, e em Pernajubut o o
acadejnsico do 3* anno Esw Jos Pe*
droza rua do Hospicio n. **.;"'
--------


---------------__
1
DIARIO DB

=
JU
=
a cilis de soceorro da em-
Sciencias e artes.
istmios pralicos sbre os caminhos de
ferr franceiesJ ** **
. ( Continuagio ).
ara a zecucao do* trabalhos divide-se o caml-,------------------------ r -
uno de ierro em lotea, cada ni doa quaes faz o de toeeorro.de t dcimo para o fondo de garaotia.
b]6cto d* ama empresa particular. Par com-
pagamenlo del empresarios d feito mensal-
mente no valor da obra executada, calculado se-
gando os pregos elementares, ettibelecldos na
idjuic*gio, e 00 dos foroecimeotos (ellos, e
reguUmento receidos pelos agentes da compa-
nbla, cono o deicontode 1 por cento para a caixa
anodidade efaeilidade do ervigo, essadivisio em
|oia feita de modo a coincidir com a divisao
administrativa. Assim, cada secgSo 4 ordiaarta-
snccte dividida em dous lotea, qie vem a ter,
orimio, urna extenso de 8 a 10 kilmetros. O
ysierua de grandes empresas esti boje ialeira-
ejteata absedonado em Franca. A experiencia
les ver que ou esses empresarios realitavam le-
eros exagerados, ou logo que linha m conscieocia
de nao poderem obter o gauho detejado, prloci-
ajiam a lergierar e obrigavam aa companhias
A restituico da garaotia segue-se a recepgio
definitiva dos trabalhos, que tem logar somanta
um anno depoia de terminada a sba axecugo.
Durante esse lempo o empresario reapootavel
pela obra e obrigado a velar na sea conservado.
gJOs dados uecessarios para os ajantes de coolas
meosaes sao tirados de um caderoo especial, ei-
cripturado pelos conductores em pessos, e que
forma a base de toda a contabilidad. Em suas
visitas aos trabalhoaos conductores devem t-Ios
aempre comsigo (tai para isso um formato por-
talil) e Inscrever nelle todos os esclareclmentos
necessarlos, aeompsnhsodo-os de deseohos co-
exaclameole tomadas
a oftVr*cer-lhes novas vaotageus.
Os empresarios obtem os lotes quaal aempre por 'dos com is dimensoes
adjuticicio. Na propoita de adjudicagio a com-! Pf elles nos trabalhos Essts nolis e esses de-
aseohia aprsenla o proieclo dos irabsthos a exe-jenhos sao apreseolados pelos conductores a as-
euiar. seu org.meoto e 01 prego, por que prelen-' signatura '
ele pagar cada uoidade dos diversos elemeotos de
aue a obras devem ser formadas. Asaim, por
ejemplo, se se trata da adjudicagio de um via-
ducto, aprsenla a companbia sua planta, aua
eievagio e seus cortes, seu orcameoto e os pro-
cos deielhados do metro cubico de cada material,
de cada sorte de alvenaria quer com argamassa
dos omprezartos, qne devem, no caso
de citos schar conformes, apresentar immedia-
lamente as suas reclaonacOes por escripto.
Esses eaderoos sao visados pelos eogenheiros
dos distrlctos pelo menos urna ves cada mex, pa-
ra ae verificar se saa escriplvracio feita regu-
larmente.
Os clculos de avaliagio das quanttdades de
outres necessarios
e cal hydraulice, quer com argamassa de cimeo- obra exacutada, e todos os outi
lo, do metro cubico de betn para eochimento P o iuste de contas slo fettos no escriplorio
* -cgao, em que ha ordinariamente.
dos rioa, de excavacao para fuodagdes, etc., etc.
at' sobre esses precos elementares que versa a
oestio, e oso sobre o cusi total da obra tam-
em dado pelo orcameoto, mas que s serve para
dar urna idea de sua importancia.
Os pretendemos, no dii ttxado para a adjudi-
oagao. apreseotam suas propostas, e oblem a era-
mresa quelle que offerece maior rebate sobre os
0xt%m elementares propostos.
Algum! vezes aa companhias, em lugar de
ecorrerem adjudicacio, que sempre tem lugar
jnsra a execugio das obras feitas por coala do
esta tos, que se apresentam, aquello que offerece mais
garantas de eiecutsr com rapidez e perfelgio a
Obra de qne se trata.
Quando ae procede por adjudicacio, os con-
oorrente* devem justificar pronamente sua capa-
cidade e moralidade, e depositar urna Qaoga cal-
culada peto valor da obra. Durante sua execu-
(30 1 companhia retem em todos os pagamentos
Bensaes um dcimo dellea para garaotia de sua
bi conslrnccio e somenle quando as sommas
jpelidae equivalen) a flang que esta restituida
o empresario.
A companhia d ao empressriode cada lote de
Obras um exemplarimpresso das clausulas e con-
.Jico-s geraes por ella Impostas a seus emoress-
*ios, um caderno das obrigacoes [cahier des char-
gn j, 00 qual vem miouciosameote explicado o
xoflo porque devem ser executsdosos trabalhos,
t um ornamento da obra acompaDhado de um ca-
Oerno especificado os precos elementares deta-
lladamente.
A companhia guarda sempre em seus contrac-
tos o direito de fazer executar a jornal, sob a di-
verso Immediata de agentes, as fundatus das
Obras d'arte importantes, equalquer oulro traba-
Iho "presentando difficuldades extraordinarias.
Os empresarios nao podem empregar os male-
eiat-s de coostruegio sanio depois de urna verifl-
Cacao erecepgio provisoria feita pelos agentes da
encntala. Esta recepgio provisoria nao tira o
ireito a companbia de maoda-lbos rejeitsr 00
Can de se reconhecer, duraote a execucao do
Ir ib ilho, terem elles vicios de qualidade ou de
prepare cao.
Si|o os empressrios obrigados a reazer as obras
cojas dimensoes differem das dos planos, que Ibes
fnram prescriptos pelos eogenheiros, e lambem
quelles em que se verificaren) existir defeitos de
eterucio ou de qualidade dos materiaes.
Sio os empresarios tambem obrigados a habi-
tar as proximidades dos trabalhos, acompaobar
es eogenheiros as visitas as obras a seu cargo, e
t se apresentar em seu escriptorio todas as vezes
jne Ihes for isso exigido.
Em caso de falta ou de demora por parte do
empresario no comprimento das ordeos de servi-
co, dadas pelos engeoheiros, o director da com-
P'f.hia nulifica-Ihe o prazo dentro do qual devem
er executados os trabalhos aos quaes se referem
as neos de servfco. Se 00 flm desee prazo o
empresario nao fes encelar os trabalhos, o direc-
t:.r ordens qne elles sejam immediatamenle exe-
Catados pela companhia, descontando-so ao em-
firMario o total das despeas feitas. Tem a com-
fianh a nesse caso direito de fazer aso do mate-
tial do empresario, sendo smente obrigada a pa-
gar Ihe por isso nma iodemoisaclo proporcio-
nada.
Qosndo a companhia reconhece achar-se um
empresario na impossibllidade de continuar os
trabalhos, que Ihe foro m adjudicados, o director
apode, conforme arcircumstsoclas, ordenar quer
na nova adjudicarlo a todo o prego por coota
Em todas as empresas de trabalhos de cami-
nhos de ferro reserva-se 1 \ dos paganceotos men-
ees para a formacao de urna caixa de aoccorro,
destinada ao tratamenlo dos operarios doeoles.
fio caso de fallecimento de algum, por desastre,
ni se Immediatamenle a viuva ou aos orphos
800 francos, liradas da caixa de soceorro; ficao-
para pagamento de indemnidades e de urna peo-
5o, quando houver provas de que o desastre foi
cisionado por sua negligencia. as obras do
estado as despezas com o trata ment dos opera-
ios doeotes e com os soccorros no caso de Calle-
Cimento de algum dellesso feitas pelo goveroo,
do chele de aegao, em que hs
para ajuda-lo nos seus trabalhos. um desenhista
e um empregado para a contabilizada
A verificaco desses clculos feita no escrip-
torio do engenheiro, cujopessoal se compde qna-
i sempre de umchefe, de nm empregado da con-
tabilidade com dous ajudaotes e de dous ou mais
desenhistas.
O syatema de contabilidade adoptado pelas
companhias dos caminhos de ferro o do corpo
de poetes e calcadas, proscripto pela instruccio
regulameatar de 82 de selembro de 1849. Esse
regulameoto, orgaaisado por urna commssao de
inspectores geraes, habituados a dirigir grandes
trabalhos, 6 considerado em Franca como um
modelo. Tem elle por fim nao s imposiioilitar
toda a fraude, como tambem registrar os dsdos
necessarios para urna minuciosa estilstica dos
trabalhcs executados. E' ease regulameoto de
contabilidade um digno complemento deadmira-
vel inetituico do corpo d pontes e calgadas.
Qaaido, pirj o estabelecimenlo de um eami-
nho de ferro, ou de urna via de commuuicacao
qualquer, se executa, sobre o flanco de urna mon-
tanha, um corte ou urna triocheira, a quantida-
de de Ierras q d'ahi e extrae, modifica mal
ou menos profundamente, conforme a sua im-
portancia, ai coodicoes de equilibrio, em virtude
das quaes as Ierras conservaran) a forma com qne
se apreseotava a montaoha antes do se encela-
ren: os trabalhos.
Se essas Ierras sao assaz consistentes, essa mo-
dificacao das coodicoes de equtlibrio nao aeri
sufflctenle para produzir um deamoronamento ;
no caso contrario, porm, as Ierras pdr-se-hio
em movimento aladquirirem urna uova disposl-
co em que as coodicoes necessarias ao equili-
brio possam ser pleoamente salisfeitas. Nesse
movimento a trinrheira ou o corte ser entulha-
do, e todo trabalbo primitivamente feito irreme-
diavelmente perdido.
eseorregdUlcas. *de1tm de constituir nm estonio
eetavtl para carnadas superiores.
A carnada escorregadtea, sendo quasi tmete
paralella i seperflete ds montana*, conititue nm
plano inclinado,, obre o qual eworregam as tor-
ra* para irem oceupar o vado, formado pela abor-
tara do corto ou da trinchelr.
Os molos que >e eaapregam para prevenir tae*
accideotea. perteocem i classe dos trabalhos, di-
tos drainage. Da vera er executados para na
maior efficacia ao mesmo tempo que se abre a
triocheira, e logo que se conhece a calurosa do
terreno, em que se trabalha
O procesao que vambs descrever, participa dos
methodos de drainage de Sazitly e Regel, offe-
receodo, porm, mais garantas de efficacia que
m qualqaer dos dous; (oi applicado por Mr. Per-
rsod, engenheiro do casainho de ferro de Brives
C'pdenac, s triocheiras altnadat na entrada e
anida do tunnel de Figeac.
Cavon-e, a qeslro metro* da criis da trinebei-
r, o psralellamenle a aen eixo, um tosi com
largura de nm metro, spenaasuficiente para per-
mitlir sua excavacao, o qusl foi aprotundado at
penetrar de 0a, 50 ns carnada escorregadica, ah
formada por nm baoco do marnel. Revettiu-se
eolio o fundo desse fosso com urna pequea es-
pessura de alvenaria, cuiddoamente eiecntada
com argamassa de cimeuto, para proteger o mar-
nel da accao da agua ; sobre essa alvenaria ele-*
varam-ae doue pequeos ps direito* de pedra
ecca, coroados por nma abobada, obtendo-10
com essa coostruccio um eaoo engastado na ce-
mada de marnel, para recolher as aguas filtradas
alravs das carnada* superiores. O resto do fosso
foi cheio com pedra quebrada at o metro absixo
da superficie do slo.
Estabeleceu-se, eotio, obre esse eoroesmeoto
urna sargeta eom as paredes e o fundo de alvena-
ria de cimento, psra receber as aguts pluviaes,
correndo sobre a superficie da mootanba, e assim
prevenir que ellas detlrniiem 01 talude* da trio-
cheira.
A uecessidade de construir essa aargeta com
alvenaria de cimento provece de ser da maior
importancia impedir que as aguas pluviaes se In-
troduzco) no drain e o obatruam, depoiitindo as
material terrosas que acarrelam
Desi emseisme 1 rus execulou-se sobre o talude
da triocheira cortes penetran lo nelle atencoolrar
o drain,cuja construeco acabamos deeterever, e
deseando vertlcalmeote al ao oivel dot foiso
da via. Esses cortes foram cheios de pedra aecca,
e assim coostituiram outros tantos druint, dirigi-
do segundo as linhas de maior decilre do talude
e completando a dessecac&o de todo o massico de
ierras, compreheoaido entre o drian loogitudi-
nl e o talude da triocheira. Esse massico assim
desseccado, firmaodo-ae aobre o marnel, coosti-
luiu nm muro de amparo para as trras posterio-
res ao drain.
O drain* perpendiculares estibelaclam a com-
muoicaco entre o drain longitudinal e o fosso
da via, que, atienta a granie aaaotidade d'agua,
que deve receber oos lempos chuvosos, foi reves-
tido com alvenaria ; de 6 em 6 metros, corres-
ponden do aos draint perpendiculares constru-
ram-se, para equilibrar o seu ampuxo, pequeas
abobadas, teodo por psdireilos os muros de re-
veitimeoto do fono.
Toda acamada de marnel apparente na trio-
cheira foi revestida com pedra ecca. Quando
esse revestimeoto tioha urna altura coosideravel,
construam-se para reforca-lo, de 6 em G metros,
partes de alvaoaria de um metro de largura, di-
rigidas segundo aa linhas de maior declive do ta-
lude e ligadas urnas as outras por abobadaa em
O trabalhos para comolidagio doa aterroa ao
de deas eopocie : um so executam 00 solo, qne
tem de receber o sierro com o fim de augmentar-
Iba a estabiltdade, ootro* sao feitos na massa mes-
mo do sterro, quando se obrigado a forma-lo
eom trras de mi qualidade, iocapazes de sup-
portar a accao das churas o as alternativas de ca-
lor o humidade.
Um exemplo notavel de trabalhos de eonsoli-
dscio, oos dous nasos, encontramos do aterro de
Labalme, situado entre os dous tunneis de Cam-
baste de Cimboullt ( caminbo de ferro de Brives
a Capdeose).
O aterro de Labalme aisenla sobre a encosta da
urna collioa, formada por ama carnada de terral
rgiloias, impregaadas de agua, reponsindo im-
mediatamente sobre o reehedo.
Logo que se priocipiou a depositar aa primei-
raa trras, o seu peto, alterando o eatado normal
de equilibrio, determioou um movimento na ca-
rnada tupercial da colima, que tendeu a desear
transportando comsigo o aterro.
Para faser parar esse movimeato, estabeleceu-
e, paralelamente ao p do aterro o do lado do
come da montaoha, um drain, descendo al ao
rochedo, a travos de toda acamada superficial, e
Construido no mesmo systema que o da triochei-
ra de Figeac. Por mio desse rain obteve-se a
deueccacio da carnada superficial da encosta,
que, dberiodo mais fortemenle ao rochado, ad-
quira a eatabilidade necessiria pira poder sus-
tentar o aterro.
A<*aguas, rsnoidas por esse drain longitudinal
escoavam -le pelas suas extremidades e por draim
triosvenaea, que passavam por baixo do aterro
e iam surgir do lado oppoato 00 valle.
As trra* empregada* nesse aterro provioham
dos tuontis de Cambe e Camboulit, entre os
quses ella ficava situado. Eaies dous tunneis
foram perfurados em quasi toda a aua extenso
em um marnel compacto de cor ciozento-escura,
exigind o emprego de mina para aer rxlrabido e
deaggregndo-se completamente, depois de al
gnmai horas de exposico ao ar itvre. As aguss
rBduziam a trra, produzida por esss desaggre-
gscAo, a urna lama qae conservava-ae por muito
lempo hmida e inconsistente.
Para melhorar as coodicoes do aterro, formado
por to mis trras, foi oecessario envolve lo por
urna espessa carnada de trras escolhtdas, e c-
pales de resistir i accao dos geotes athmospha-
ricoi, e dessecca-lo por meio de um syiiema de
draint, cortando de 6 em 6 metros oa taludes
segundo suas liohas de maior declive.
A execucao desses draint em aterro era feita
do modo seguinte :
Priocipiiva-se por abrir ao talude nm corte
vertical de O'", 80 de largura, a partir da crista
do aterro at ao p do leu talule. Para obter
que ae cooiervaiiem vertieses as faces laieraes
o a do fundo desse corte, era necessario reva-
telas previamente [com'estacaa-plaocha, finca-
das a mcele, que se reforgavam com travesas i
proporco que avaogava a escsvac.no. Concluida
a eaeavacio, eochia-se o vazio cora pedr solta,
a linna-se assim construido nm dos draim de
disseceagio da massa do aterro.
Os ps dos taludes do aterro foram revestidos
com pedra aecca para prolega-los contra a aegao
das aguas pluviaes.
as vibragoea que prdduz o movimeoCo doe
trem. .
Ootervandoi rettlencia que oppoe acamada
de tra, o augmentando 10a espessuri al poder
ella aupportar, aem depressio, a carga da viga,
se chega ao coohacimento da altara que ee devo
dar ao massigo de ara ; e nao ae tem mai* do
que aprotaodar seffieieolemenle e cava e nella
collocar ares bem pnra, por ctmadas de 0a, 50,
que eo vio irrigando o calcando de maoeire a
formar ums massa bem compacta, aobre a qual
se econslrue a alvenaria.
Etsa processo defuodago foi empregado com
succeaso por Mr. Pugnel. engenheiro do csmtnho .
de ferro de Renoes a Brest, em um aqueduclo
eslabelecido sobre um solo formado por
arglla iocootisteote.
A execucao das fuodaces
tion e effectua
rara a fuodaglo do encontr da margosa
quorda, oecmsarle foi exeeotir mu pocoi polo
modo porque acabamos da deserevor.
Elle Irabilho foi exictado em tres mxes;
perfurago dos pogos e sua alvenaria importo* na
consrtdoravel omma de 70,898 francos.
Sobro esses pogos chelos de alvenaria, etmo
pileros, cooitrulram-ie abobadas, aobre as quaes
se elevaram paredes do eneontro.
Ao sahir da ponte aobre o la Vitaioe, o cant-
ono de ferro de Savenay a Lorleot airavesaa a
cidade de Red00, o canal de Plantes a Brest so-
bre orna pequea ponte obllqua, e immediata-
mente depois o rio Oust, que corre no valle de
vasa e lurfa, no qual fot executado* o aterro do
nina I Redoo, de que fallamos cima.
Para diminuir aa difficuldades de fundagao da
com mastigo de ponte sobre Oust resolveu-so construir a ponto
6con e effectua de um modo anlogo aos das a secco e desviar depois o rio de maneira a aze-
funlacea aobre ares, deven lo-se calcular pr-'lo patear por baixo della.
viameale a superficie do massico, de maneira j Apezar disso, a fundagoet ainda nao erem ta-
que a pressao sobra o aolo natural, por uoidade eis, por se lerdo atravessar, como 01 poote *o-
upercial, nao seja capaz de faze-lo abater. bre o La Viliioe, aotet de chegar ao rochedo orna
Como exemplo de fuodigea apoiando-se carnada de vass compacta, outra de vaa semi-
smente em alguna pontos aobre o rochedo dea- fluida e urna terceira de aaibro.
importante fundagao da ponte : Eassiou-se fundsr por meio de pogos de lve-
, oaria no systema Bruoel! a opersgao corren bem
na eolrsda de urna ; al chegar-ie i carnada de aibro; o'ahl em
pequea tnncheira, que precede a istagio de 1diaote ai igual iovadiram o poco em tal abun-
Redoo, no caminbo de ferro de Savenay i Lo- j daocia que toruou se Imposslvel osgota-la o foi-
sSh x iMiin .se obrigado a abaodoosr o eosoio.
Tem um s yao-do 40m. 160, qie ser trans- Para vencer essa difficuldade, carregou-se a
posto por urna travo de graditde ferro, fabricada'ar, que de via ser oceupada pela poote com um
no gran 10 etlabelecimeuto, do Creusot de utarro, e. para accelerar a sua peoetracao o aolo
Scnneider e Comp. repousando sobre dous en- vasoso, abriu-se de um lado e do oatro trtnehei-
contros de lvenarn. ra: a vasa semi-fluida esespou-se por ellas o o
O encontr da margem dtrelta nao apreseotou! atierro desceu at o rochedo.
difficuldade em aua -profundado ; o rochedo', Tendo-ae por esse meio conseguido substituir *
achava se quasi i superficie do solo. J terreno natural sem consistencia por um atierro
.rm m"6ein esqeerda, porm, ficava elle a [ solido, preleadla o eoKeobeiro dease* trabalbo
15, 40 abaixo do solo natural, e forgoso foi
alcaoga-io por meio de profundos pogos,- perfu-
tobre o La Vilaioe.
Fica essa poote situtda
o engenheiro
ettabelecer aa fundagei aobre a rocha ou por in-
. lermedio de estacas ou por meio de pogos como
radoa com grande difficuldade, % va quaii lBa ponte obre o La-Vllaioe.
fluida, por arriscado fundar nm tal solo umaj
poote de ferro de 40"', 60 de abertura.
Antes deencetar-se a perfurago dos
Esse caso de obstruegao dos corte e das trio-
cheiras por falta de aggregago das trras ds
montaoha, em que sao excavadas, um dos mais
graves, que se pode apresentar na construegao de
um camieho de ferro, que obriga meamo algumis
vezes a alterar o tragado, leria tido lugar oa trio-
cheira, que succede ao pequeo tunnel de La
Voulte (ramal de Liron a Privas ), se nao se 10-
massera a tempo precaugoes efficaze.
Com effeito, logo que ae priocipiou a atacar
essa triocheira, produziu-se, em toda a carnada
superficial da montanha, composts principal-
mente de pedras solas e de seixos rolados, um
movimento que se revelou por fondas, que ae es-
tendism desde a ponte em que se execulava a
escavagao at ao cume da montanha. Continuar
a}aberlura das triocheiras em laea coo ligues era
quasi impossivel; e, aioda mesmo que ae conse-
guase termina-la, que muralhas nio seria neces-
sario construir para resistir ao enorme empozo
de toda a esmada superficial da montaoha em
movimento?
Abandonou-se, perianto, a excavacao da trio-
cheira que foi aubstituida por um tuonel da sec-
eso elliptica, com os ps direilos reforjados por
urna abobada invertida. Um tunnel, nessas con-
digoet, obstitue, mais ou menos efficaxmente,
as trras que se extrahem durante sua perfurago
le a montanha pode assim conservar sea forma
I primitiva.
As grandes triocheiras qos succedem aos tun-
neis, exlgem quasi sempre importantes trabalhos
de drainage para sua conservago : muitas ve-
zes mais seguro e ecooomico prolongar o tunnel
at passar a difficuldade. Esse expediente foi to-
mado no tunnel de Montplaisir e no de Cambes
(camioho de ferro de Brives e Cspdenac), que fo-
ram prolongados de ambos os lados.
Muitas vezes a difficuldade da xecnco, o con-
aervacio do cortes e das triocheiras, em lugar
de prvir da falta de aggregago da carnada su
perficial da montanha, devida a aer o terreno
composto de carnadas deslindas, formadas por
ierras mais ou menos permeaveis, e por outras
completamente impermeaveis. As aguas pluviaes
e as provenientes de nascentes da montanha itra-
vessam as carnadas permesveis e vio-t pur em
contacto com aa impermeaveis, quasi sempre for-
madas por argilas ou mamis, que, tornando-se
arco de circulo ; forman lo-se aaaim urna serie de
povo*
cercou-ae o lugar oa fundagao coni urna eosecca-
deira em forma de U envolvendo o encontr para
prevenir a invasao das aguas do rio dorante o
Irabilho.
A parede detta eoteccadeira, banhida pelo rio,
era formada por duaa estacadas, distante de cin-
co metro, e reunidas por um systema de talas ;
o intervallo entre ellas foi cheio com argila. Aa
outras duas paredes da eoseccadeira, perpendi-
culares i direccao do rio, coosislism simplesmen-
te em banqueta de trra.
Prompta s emeccadelra, pasiou-te a perfurar
os pogos. Sua escavagao at a profuodidade de
'2 mtrjs, 91 pode ser executada sem revetll-
meoto.
Para poder contioua-la leve-te de fiocar legan-
do o perimetro do poco, 74 eatacas dittiotei de 1
metro, 15 e formando* um rectsngulo de 4 me-
tros 60 de comprimento o formando 4 metros de
largura.
As difficuldades das fuodagdes das pontes to-
bre 01 rioi La-Vilaioe e Ouit cdem de impor-
tancia perante as da fundago do bello viaducto
d'Auray.
O viaducto d'Aury (caminbo d ferro de Save-
nay a L'orient J, aituado 00 vaile em qae corre o
rio do mesmo uome, tem 206 metros de compri-
mento, 10 arcos de 15 metros de abertura o urna
altura media de 29 metros.
A oscillagio das mares faz-te tentir no ponto
em que acba-se situado o viadutto, e prodtrz
urna variagio de 5 metros na altura das aguas.
O leito do rio Auray formado por urna es-
pessa carnada de vaaa. A profnndidade em qae
se acha o rochedo varia de um ponto a outro do
viaducto; om perfil e linha de separago da vasa
ao rochedo forma ama curva com a cavidade rol-
lada para cima.
No viaducto d'Auray teve-se de fundar done
encoolros e nove pilara que, para facilitar a ex>
poaigo, supporemos numerados a parts do en-
cootro da esquerda.
Os encootros, sitnados i meia encosta sobre as
FOLHETIM
0 UXL DO MEDO O
compartimentos, dentro dos quaes Qcira maolldo
o revestimento de pedra secca
Resumindo o systema de drainage empregado
em Figeac ae compde :
1 Deum pequeoo aqueduclo abobada i o, engas-
tado na carnada Impermeavel de maroekcom o
Um de dar sabida as aguas filtrando na interior
da montanha.
2 De um enrocameoto, auparpoito a eaie aque-
duclo, formando um grande drain atraveuando
verlicalmeate tudas ai carnadas, auperiores ao
maroel, e recolhendo as sguas que por ellas ae
intlltravam.
3o De urna aargota de alvenaria de cimento,
eslabelecida obre esse drain, v >er as
sguas correado na snperficteda m
4* De urna serie de drain perp .10. m ae
tallada da trioenaira, distante* ala 6 tros, ser-
viudo para condusr
nal do foseo da via e psra desseccar-o massico de
tetra comprehendido eatre esse drainM o talude.
5* Emfim, de um revealimeoto de pedra aecca
para garaotir a carnada de marnel da aiva doa agentes albmospbericos. 1 .
Esses trabalhos foram executados ao mesmo
tempo que se proceda a excavagio da trincheira,
o que muito concorreu para aua boa execueio e
posterior efficacia.
Os trabalhos de drainage, ties como o que aca-
bamos de descrever, apresentam aeriaa diBUul-
dadec de proieclo de execugio; s devem ser fa-
cetados depoia de um profuudo conhecimenlo da
natureza do lerreno, em que devem aer pratica-
dos ; sua oxecucao deve ser lio acurada o com-
pleta quaoto for potsivel : qualquer erro de de-
lerminago da posit.au daa carnada* permeaveis e
impermeaveis, qual juer defeilo de construegao
pode oceasiooar accidentes muito maisgravesdo
que os que leriam aaturalmeote lugar pela aegao
daa aguas : assim pieferivel nada taier mal ou
fra de proposito.
Naa Iriocheiraa o oos cortes, praticados em ar-
gilas ou mamis, sujeiios a aerem alterados pelos
agentes alhmosphencos, necessario revestir os
taludes com pedra secca ou mesmo com trra ve-
getal bem batida aobre a qual se planta gramma.
' sempre conveniente plantar oa taludes tanto
dos cortes e das triocheiras como dos sierros.
Esses importanles trabalhos de drainage foram
executados sob a direccao de Mr. Ferrand, enga-
nheiro do camioho de ferro de Brives a Cao-
denac.
As fuodaces das obras de arte dos caminhos
de ferro, (psssagens por baixo e por cima da via
e aqueductos] e aobretudo as das obras especiaos
(viaductos e pontea), exigem um estudo acurado
do aolo para o seu projecto e ama allengio mi-
nuciosa durante aua execugio.
Com, effeito aa fuodagdes das construegoes que
leem de supportar vas frreas devem nio s
poder retittir i pressio constante do seu proprio
peso e a carga accidental dos peisdos trens que
por ellas transltam, como tambem is violentas
vibrages que elles communicam i construegao e
que se traosmltlem at as fundagoes, temindola
desorganisar sua alvenaria e o solo sobre que
ellas repousam.
E' por essas razea que na construegao dos
esminhos de ferro francezes tem -se por princi-
pio descer as fuodagei at encoatar ama rocha
caja firmeza eiocompreaiibilidade nio ae possam
por em duvida.
as obras especises, viaductos e pontes, esta
regra camprid* quasi aempre rieca, inda que
para alcancar o rochedo seja preciso enterrar um
cubo de alvenaria quasi egul so da propria
coostruegio, como acoolaceu no grande viaducto
de Val Fleury.
as obras de arte, -porm, de pequea impor-
tancia permitte-ae ou astentar tornete eobre o
rochedoi alguna pilares, que te ligam por abo-
bada! tobre as quaet te coostruem os ilicerces,
ou fundar com massigos de betn ou de ara, ou
mesmo com estacas.
as fuodagdes aobre estacas, as estscas oa s9o
enterradas por meio de um macaco de bater ou,
quaodo munidas de sapa tos de parafuso, iotro-
zidaa no solo, Imprimindo-se Ihes um movimento
de rotagao por meio de um cabrestaute.
A fuodagio sobre arca comee s neoeralisar-se;
muito econmica e de ama execugio fcil *
rpida.
A operagio mais importante que ella exige a
determinagio da espessura do massigo de ara
aobre o qual deve repousar a alvenaria. Para
isso, abortos os allcerces, colloea-se em um pon-
to da cava urna certa esaessura de ara e sobre
ella urna viga com o topo cortado de esquadri,
qua- carregada com pesos, de maneira a obter-se
urna pressao por nnidade superficial egual i que
exerceri o peso da construegao e o das mais pe-
sadas machinas qae ella tem de supportar, de-
veodo-se aioda exagera-lo para levar em coota
Proeguiu-*e entao escavagao collocsndo de | coUDaf adjacenles ao valle, o&o offerecevam dtt-
1 metro.^0 em 1 metro, 20 quadros de madeira ficuldades 'oe {andarao.
reforgados por 3 iravessas. que os subdmdlam I o prlmeiro pilar, achando-sa frs do ilcanco
em 6 compartimenloi. Entre ot qaadroa e aa lar-1 da, mars cnataa n|0 f0i mis ditBcil de fuodar
ra se collocou um revestimento de taboas para l ^Ufi 0J enc0Qlroi.
POR
A. 1>E GONDRECORT.
(CoMumes dos nmades.)
TERCEIRA PARTE.
(Cootinuaco.}
XIV
O eherif foi introdozido ne sala dos hospedes
Com lodos os personagens que o acompanb*aam, e
qo eram os principa* chefea da guerra sania.
0 cheri mostrara se inquieto, posto que Qtesse
lodos os eatprgo para nao deixar transparecer no
busto e os embarazos de que estava
Ru espirito.
Nio recebaste 1 minht caria em qae le con-
r||rculo de Oaargla ? perguolou elle a
>llab.
Recebi, e obedec i la ordem.
Hai eolio como eslis frs do posto que te
deaignei?
Os meut cavalleirot li estio: quinto a mlm,
arocurava-te tncioio, e afinalle encontr. Deua
ej louvido I Com Uto deu provn de auxiliar
01 aeu fiis combaleutes.
Explica-te melhor: o que acabaa de dizer
oso eni de accordo com 01 acootecimentoi que
Oos ameagsm.
Kxplicar-me-bei qnando chegar a mtnha vex
de Miar. Digam prlmeiro 01 chafes o que en-
teodem : o parecer de todos ser talvez o meu. | j[,mia
Mansour I exclamou o eherif; a tralgio
ergue impu lentamente a aua mascara. Si-Hara-
a, ese ambicioso votado is peoas do inferno,
reuna torgas consideraveis e marcha i nosso eo-
cootro. Vem apoiado em distancia por om exer-
cito de christiot, o que toroa-o mais temerario
audacioso. Qusl o partido mais prudentecom-
iter, ou retlrar-noa? Por um lado se comba-
termos e forraos veoeldos, aniqulla-se para sem-
pre a iodependeocisdos Nmades, o a gloria de
islam : por outro ladoa faga ser-nos-ha vanta-
joa ? Nio o diri que reconhecemoi a auperio-
tldade dos Inflis, e que forte* para roubar os
Para dlzer-te a micha opiaiio preciso que
eu saiba o numero doi ioimlgot e aa qualidade.
Vou fcilmente eaclarecer-te. Hamza, a
quem se reunlu seu Irmlo Noemt perjuro aos ju-
ramentos que fez, dispe de 1,500 cavalleiroa e
200 p*5es. O seu goum deve estar a dz mar-
chas de Oaargla. Quaoto loschrislios ettio mait
distantes aioda seis marchas com muita infantera
e numerosos spabis
E quaes sio as tu as torgas?
Dei ordem para que aeja concentrado eotre
Ouargla e o meu ksar de Roulssat todo 01 mus
contingentes qne se compe de cerc de 1,200
cavalleiros, os mais bravos que ba 00 paiz das
aiaf. Alm disto Gbrellab tem is suas ordens
porto de duzentos guerreiroi, cajo eiforco o valor
noi tem dado sempre a victoria.
Nio lia poil que hesitar, disse Mansour, de-
ampara-las.
Cora ettas precaugei se conseguiu atravessar
a carnada de vasa compacta, qae se esleadia at
i profuodidade de 8 metros, 20. A essa carnada
seguia-se urna outra de van semi-fluida de qua-
Iro metros de profuoddsde. na qual foi neces-
sario modificar o systema de perfurago de mo
do a executar o revestimeoto antes da escava-
gao.
Para isso conslrulu-se um pequeo macsco de
bater com 3 metros 70 de altura, e com nm mar-
telo do peso de 300 kilogrsmmas, que se mova
a bragos.
Armou-se esse macaco no iateror do pogo e
por meio delle fincou se, segundo seu permetro-
urna serie de estacas prancha, perleramente uni-
das, que des'eram at o rochedo, formando as-
sim nm revestimeoto previo, que maotevea vasa
semi-fluida e permitliu terminar a perfuragio do
pogo.
A' carnada de vasa semi-fluida soccedia urna
outra de aibro de 3 metros 80 do profundidad,
que assenlava immediaiamente obra o rochedo,
e pela qual peoetrava muila agua no pogo duran-
te aua perfuragio, obrigado a manler um servico
de esgoto coettinuameote.
Era esse servigo teito por meio de bombas
Letestu, colkoeadas sobre estrados armado aobre
os quadros, que cooiolidaram o revestimeoto do
pogo.
As bombas Letestu sio de um excedente em-
prego oos trabalhos hydraulicos. Por maio dellas
se obtem econmicamente eievagio das aguas
por mais carregadas qae ellas se achem de ma-
terias terrosas. Podem ser movidas a bracos ou
por meio de locomoveia.
Nds grandes trabalhos de fundagao reunem-
se tres ou mais parea dessas boabas a um eixo,
que recebe o movimento le urna locomovol.
A eievagio das ierras, provenlenlea da perfu-
ragio do pogo eca feita por meio de sarilhos que
percorriam urna via de servigo, eslabelecida em
torno da fundagao.
Alcaogado o rochedo, pelo modo porque aca-
bamos de descrever. deitou-se sobre elle urna ca-
rnada de 6e(one conlinuou-se a eocher o pogo
cora a mesma materia derramada por camo-
daa, que ae ia comprimiodo cuidadosamente a
mago.
Proceden-se aasim at passar vasa semi-fluida ;.
d'ahi em diaole a pogo foi cneio com alienara de
cal hydraulica.
A' proporgio que se derramava o betn ou se
construa a alvenaria, ia-se retirando oa quadros
do revestimento do pogo.
No s-gundo pilar o rochedo ficava a 7 m., 25
abaixo do nivel da mar cheia, sendo-coberto por
urna carnada de vasa de 5 m, 92.
No terceiro pilar a carnada de vas* adquira a
espessura de 8 m, 10, ficando o rochedo a 9 ra,
24 abaixo do nivel da* mars chelas.
Aasim, poit, na fuodagio deites dous pilaren
s se tinha a lutar com 1 ro, 3 d'ague durante a
mar ebeia.
Para impedir que ella invadiese a escavsgio,
cercou-se a ara doa doua pilarea com urna eo-
seccadeira, cujaa paredes de 1 m, 50 de espesea-
ra foram formadas por duas filas de estacarei-
pagsdas de 1 metro, reunidas por urna canigada o
reforjadas por tirantea de madeira cruzando-te
de urna Ola i outra.
O intervallo dos dous canigalo foi cheio pri-
meiramente com argila. e depoi com va*. A ar-
gila foi ditpoita em talude, encostada canigada
para proteger a vssa, cotlocada no interior, d*
aegao da agua.
Terminado esse Irabalho preparatorio, proco-
dea-se i escavagao dos alicorees dos pilares nr. 2
e3.
Orcou-i? a arsa de cada alieerce poruas fila
de eslaeas-pranchas, fincadas bem unidas, e ae
as renniu por talas; este revestimento previo
msntinhi a vasa, em qosbto se escavavs o ali-
coree, e nio se tinha mais do que reforga-lo de
metro- ero metro, h proporgio que prosegua a
escavagao, com quadros de madeira que retf-
nham aa estacas-pranchas, e cootrabalangavam-
0 empuxo da vasa exterior.
Esses quadros tinham a forma rectangular com-
as dimensoes do alicoree do pilar, e eram refor-
gados nos ngulos por quatro iravessas.
Descoberto o rochedo, derramea-se betn de
cimento sobre elle al a altara de 2 m, 75 no pi-
lar n. de at a de 4 m, 74 no pilar o. 3. Sobre
essas bases d betn construiram-fe os sceos
dos pilares de 5 metros de altara faltos de alve-
naria com argamassa de cimento
A coostruegio de toda a alvenaria das fuoda-
gdes foi feita a secco, sendo as aguas elevadas
por bombas Letestu movidas por locomovei*.
No* pilarea ns. 4 e 5 o rochedo se achava a>
9 m. 41 e a 9 m, 13 abaixo do oivel das mais al-
tas mares. A espessura da carnada de vasa ere,
porm, aomente de 6 m, 42 e de 5 m, 55, teo-
do-oe, portanto, urna altura d'agua de 2 m, 9v>
no 4o pilar e de 3 m, 58 no 5o duraote as mat
cheias. '
(Conlinuar te-na.)
vemos fugir. Conhego Si Ilamis ; nunca con-
seguir sobre elle nma victoria completa, e urna
vez qne ot Francezes a aeguem de pertover-te-
has na obrigagio de dar-lhe seguodo combate
com torgas deciraadas e abatidas. Persuad-vos
todos, que appellaes para as armas, de que a fu-
gs eo deserto sio at nicas cousas que not po
dem dar a victoria, levaodo so desanimo e o
caosago esses malditos que nio lardario a cer-
car-oos se o mais depressa possivel nao fugtrmos.
E'smuito sabio e prudeote, mea 01 lio, re-
plicou o eherif que nio desejava muito acabar a
questio pelas armas. Mas cao sentirs ver sa-
queado o lea kssr ?
Que me importa, se me resta a atperanga
de viugsnga n'um futuro que niootli muito lon-
go ?
Pois eu declaro a todos vos. disse lentamen-
te Gbrellab, que perdis em pusilnimes discur-
sos um lempo assaz precioso psra a nossa fama.
Estaes muito mal instruidos a respeilo de Si-
Hamza o dos christiot. Aquello marcha com
1,000 cavalleiros, e oio com 1,500: quaoto a es-
teso medo que causara aos oosiot eipiet tem
triplicado o eu numero ; porquaoto sao 500 ao
muito, e marcham com lodo o vagar acooselbados
pela prudencia, o que bem atiesta a hesilagio de
qae se achara apoderados. Temos tempo de so-
bra para esmagar Si-Hamzs o* os seus, e depois
cahir aobre essa pequeoa tropa ioexperieote pa-
ra dispersa-la, como o vento do norte dispersa as
nuvens. O conselho que aqu vos dou em face de
votaa puiillaotmldade de oio esperar o goum
de SI Hamza, mas ir ao aeu encontr. E' pela
audacia que accenderemot o selo dos noitoa par-
torea oa^tens rebaohoi nio sabemos nem oa- uduts: a (riqueza pelo contrario far-nos-ha per-
der a influencia que temos no deserto.
Naceur-ben-Chora e a alguna chefes approva-
ram essa corajosaopioiio. Mansour tomoude no-
vo a palavra.
Para decidir-me em favor da opiolao de
Sidi-Ghrallab, disse elle, desejiai qne me deela-
rssse onde o como aoabe dot pariiculirldtdes
que acaba de pateoteir-oot T
oamoa fazer frente a guerreiros 9 Acooselha-oos
oi trame : as opimoes entre os valentes ca-
valleiros, que me acompaotiam, ae achim ji di-
tdioos em dous campos: N ceur-bem -Chora
*to combate, o Tayeb peosa como elle; porm
elly ale aconeelhs ama prudente retirada,
H Vtde Diario a. la.
Em Laghouat, e por mlm mesmo, respon-
den afoutamente Ghrellab.
Em Lagbouatl exclamou Mansour. Como
ousaste penetrar nessa cidade abandonada de
Deus?
Serei aeso nm poltrio oa o chefe de Tarfs ?
Sou um verdsdeiro crete ou um pagao ? Nio
era do meu dever levar aos ltimos limites do
telo a misaio que confiaste, 6 cherife, tu que s
dos bornees o mais santo ? Pois lodos que a van
cei at o corago do Ouled-N*ylt: aprisiooei
urna muiher no paizde Djelfa ; e aprouve-me ar-
riscar a vida em honra e gloria do propheta.iodo
observar dentro dos proprios muros de Laghouat
os perversos projectos do inimigo. .
Diafargado com vestes miseravels peoetrel no
oasis, e vi com os proprios olhos, ouii om os
proprios ouvidot o que no* disse sqni coa toda a
sioceridado. Os Francezes nos ternera ; Si-Haso-
zi arrepende-se ji da aua traigan ; os seui ca-
valleiros marcham deigostoioi, Umanbo o san
arre pend meo t:> I Quauto ia tropa chrlataa,
que os apoiam, repito-voa que nao vale a pena
de oceupar-nos della. Nio um exercito ;
um pequeo bando que se arresta morios i s le,
e destallecidos ao calor abrasador do deserto. Bas-
ta s a vista de oossas torgas para faz-los recnar.
Assim, pois, nio hesitis. A cavallo Chefea de
plvora, e combaleutes 'islam ; i cayalloe ji 1
Eu vos garanto a victoria.
A' cavallo 1 repeliram lodoa os chefe i
excepcio de Mosour, que apoderando ae de
ama vaga suapeita examinava Ghrellab da sabo-
ga aoi ps com descoofiangi.
Partiremos o'aqui i urna hora, diosa o ehe-
rif. A mioha reaolugo eati lomada. Honra a ti,
Ghrellab I Os coa le sejam abertoa I
Una hora depon deaies debates, quando con-
cluiu-ae o janlar offerecido por Sidi-atanaouraoa
seus nobres hospedes, o eherif poz-se a camioho
na direegio de Rouissat: Gbrellab a Uanaonr o
acorapaohsra'm.
O oais do Ksar-Djerid Acara entregue i guar-
da de alguna fiis servidores sob as ordoos de
Debbah, o qual aberiamente lesiemunhava a sua
cootrariedade pela coofiaoga illimitada, que nelle
depunha Mansour, a quem Gbrellab o tinha ce-
dido depoia de se fazer mullo rogar.
Antes de montar i cavallo Mansour dissera i
Debbsh":
A nossa expedigo nao aeri looga. Se en
oio voltar mais, diz a Slamia e a Brahin que os
autoriso a ae coufi uem mutnamente o segredo
que Ihes revelel, e accresceoia que o maior pe-
zar que levo deate mundo de nio ter podido
abengoar a sua uuiio, que entretacto protegerei
do cu....
Pois que 1 interrompou a mekalib eom fi-
nura : queres casar a irmio com o ir mi ?
Brablm e Slamia te fario a confidencia dea-
so segredo: trao-iutttsa-te. Minioura ptedoto
propheta. Se eu oio voltar, poi, obedecer* ao
deiejo de Slamia, pondo em llberdade a chris-
taa, e mandando-a conduzr, ae e-la quizer, at
Lanbouat ; mae se tal for o aeu capricho, deixa-a
tlcar em companhi de meua filhos. At que eu
volte, ou al que se effedne o consorcio dos
dous amantas, consorcio qne apressars apenas
tiveres noticia de minbs morte, prohibo-te sob
pena de terriveia castigos nesle mundo o no ou-
lro, de deixares a christia coramunitar com Sla-
mia. Comprehendeste tudo que te disse ?
Sim, seohor.
Emfim eis a mioha ultima reeommendsgao,
e de todaa a mais importante. Esiuta bem....
Falla.
Se Ghrellab.... Lembro-me de que meds-
seste que nio o amavaa mais com aquella dedi-
cagio que de ti fez um assaiiioo sequloso do tan-
gue humano....
Oh I sim. verdade 1 S o temor me pren-
de i elle, porque nunca me hei de esquecer de
que perverteu o meu corago, e fez de mim um
animal feroz I....
SI, pois, Gbrellab vier aqni annunciar a
mioha morte, e qaizer*apoderar-se de Slamia
psra fszer della aua muiher, lembra-te de Man-
sou: que esclarecen a tus alma, o em pagados
beneficios que te fiz salva Slamia enterrando a
la faca no corago do meu inimigo...
Juro, senbor, qne o hei de fazer 1 excla-
mou mekalib.
Em recompensa dos teas servigos, disse
Mansour afsstaodo-ae, as tuaa mioa ae mergu-
lbario em miohas riquezas : tornar-te-has um
homem livre e lndependente. Adens.
Debbab reflectia no que Iho dissera Walter
quando sentiu que alguem Ihe punha a mi so-
bre o hombro. Era noule ; maa ao ciarlo dos ta-
chos aeceaoa para a partida do Cherifvollando-
e reconheceu Ghrellab junto a ai. .
'0 que te diase o piedoso Uansonc ? per-
guotou Francisco orrindo.
O mekalib cootou rpidamente a cooveragao
qne acabiva de ter com o pae de Brahim, aem
oceultar cousa algum*.
Muito bem, replieou Francisco; eis um
bonito plano de campinha que me dispensa de
algn* louco* eicrupulo de mioha pobre con-
scieocia. ObrMtecom acert, meu tigre, fingi-
do por minha pessoa secreta averaio e horror
lacero. E agora ordeno que facas o contrario
do que te recommenduu aquello homem perver-
so. Fars que Slamia ae commuoique com sua
mi, insslruir i essa pobre menina no aeu
proprio segredo, e so eu nio voltar mais, enterra
a tua faca at o cabo no peito do piedoso Man-
sour, o que te valeri eom toda a certeza aa deli-
eiaa do Paraito. Maa fiea certo de que hei da
voltar : a balas me coaheeem o me respeitam.
Has de ter-me outra ves d'aqut das, abrlr-me-
Has de kwr que verel antes arder do
car a preza promettida aos meus amores. Adeus.
A salvagio do Seobor vi em tua compa-
nhia, lisse respeitosamente Debbah.
E depois, soltando ao interior do kzar encon-
trou Slamia sileneiosa, e com ea olhoa em pranlo.
O que tena que te causa tanto pesar ? per-
guntou elle joven.
Meu pae vae combater, e pela primeira vez
na minha vida ainlo negros prestnlimentos.
Pois eu sinlo-os bem felizes, replieou viva-
mente o mekalib. Varaos, nao chorea : nio
queiraa aasim embaciar oa leus olhoa tao bellos.
Se teos felizes presagios, coota-m'os.
Vem asientir-le ao limiar de tua casa :
shi contar-te-hei a historia de urna joven qae
enconirou aua mi. depola de quiote anuos que
a linha perdido. Esas joven ao menoa foi bem
feliz...... maa eu infeliz que aou I bei de
morrer em tornara ver minha mae I....
Que religo tem a tua historia om a via-
gem de mea pae ?
Tem, seoteoso-nos e conversemos.... que
vis saber mu lindas cousat.
Pois bem, coniersemot; mat avia-te de-
pressa.
has oe per
I prinelpio
como me chamara, jinats ultrajar! lei do I principio & fim, do que deUar de vir nelle but-
Em quaoto o cheri e o seu squito tomavam
o camioho de Rouissat, Mansour aproximoa-se
de Ghrellab, e dtaae-lbe :
Nio te agradec ainda, Francisco, o servigo
que me fuiste com a tua miraculoia apprehen-
aio.
Deixemos, charo amigo, estas ceremonial
que de nada valem entre nt. Fiz-le am servi-
go, verdsde : mas sei perfeilameote que m'o
nio agradecestes logo, porque le embargaram o
pasmoeseosagio que experimentaste. Nio fil-
iemos de lio pequenai cousas. E's agora feliz,
nio verdade?
Oh 1 lim ; e miis feliz talvez do que pon-
as ; porque a datar deite dia me considero ca-
balmente viogado I
Bravo I Oque eipern fazer de Thereza Y
Por Venua l Ella aempre bella I
Aotet de me resolver, desejsria conhecerse
foste perfeita mente sincero. E' verdsde que che-
gaita i Laghouat ?
Pois nio o affirmei 00 conselho ?
Sim : porm desejsria que confirmaste! ao
teu velho amigo aquillo que dlsseste no conse-
lho do cherif. Se Thereta parti de Lighonat em
tua companhia....
O que tem ?.... .
Verel urna outra cousa mni difera desta
aventura que roe contaate.
Entao o que T
Urna traicio.
De veras ? E d* parte da quem ?
Da tua parle, aeu Fr*ncleo.
Nio le eompreheodo por mala que buaquo
compreheoder-te. A paixio desvair fwho-
ret cab*g, e perie os melhQroa coweoes I Vejo
te quasi i amaldigoar-me, a mim qae sempre
te serv com tanta cegueira e amizade Meu cha-
ro bario, apreaionei a bella Thereza entre La-
ghouat e Djelfa, e apressei-me logo em i'a con
duzir : perteoce-le, faz della o que quiseres ;
nio quero oceupar-me de aemelhaete cousa para
emprvger 01 meua cuidado somonte na guerra
que empreheodemos. Se fores ingrato, pacien-
cia 1 Procurare! aalisfszer-te, affirmande que aao
porei mais os pea em Ksar-Djerid.
Ghrellab tangen a aua cavalgadura, o poa-se a
frente do goum ao lado do cherif.
Eato homem ha de me ser fatal, pensou
Walter. Oh 1 oio deve realmente per mais oe
ps no Ksar-Djerid, e nio os pora, salvo se passar
obre o meu cadver I
__Ob I mea fllho t dizia ao meamo tempe o
cherif i Ghrellab. Quaoto mai refiieto nos teas
conselhos. mata me admiro da sabedoria dellea.
Dever-te-hemos a victoria, e por ti que alara
vae triumphar. Oa ten mekalib, a toa gente do
ftil esti como sempre dispoata ?
Basuriam elles para a lula, que vtmos ter:
elles por si sos van cenara.
Ji nio me ro*U duvida ; o, pois, vou con-
fiar-te o man projecto. Sa merecer a tua appro-
vago, encarrega-te lu mesmo de exeeula-lo im>
mediatamente.
E com a bengao de Deui garanlo-lo desda
ji pleoo tucceaso.
O teu mehari anda mais ligeiro do que os
nossos cavallo. Corre adianto, rene o leus
cavalleiros, e colloca-le, ae for possivel. por d-
traz do goum de Si-Hamzs, isto entre este
traidor o 01 ehtuiio, que o apoiam. iin*
encontrando-noa face i face comegari o combate,
e em quanto Ihe flzermos frente, mo '"
pelo flanco ou pela rectaguarda. Dett modo
soat a aua ultima hora.
E'a um grande chefe. respondn GhreUab
nao procurando encobrir a ana alegna : o e-
pro divino quem 4e io.pira I Eu parto ^bede-
cer eta ordem que parece dictada pelo prepbe-
ta. O' cherif, o bem amado do Todo Podetoso l
Quando viret aos raios do sol brllhar o teero.de
nossas langas, podes exclamar: Gloria a Dees 1
O deserto esti purificado ; os malditos estio do
joelhos sobre os csrves ardentes do inferno 1
Ghrellab tomou a mi que Ihe esteadia e ehe-
rif, beijou-a devotamente ; o depois de tet Jan-
eado brado de guerra, acremetsou osen avenari,
_ j...nnirnm na airanain da nnultk. asMBBM-
e deaappareceu na escancio da nauta, aeenna-
nhado de quatro aervidores que eaootaeea. -em
Ouargla de entre os seni maio iulr*td*M eral-
lelros. .
{Cojmaajarso-ao.)
v
PIW. TYP. 01H P. DI FARIA er maWrtWa.