Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08592

Full Text
^B^^
jp-
.i
\
V
r
IOMERO 113
1* ^es Be/.esadUutads 5|OOo
Par tres ae^g veifidis 6|00u
.a; :ia >ja* i
*#il
tba*i
.i *>J I.
*.
??
MARIO
Mi
I
Mmuui aa oua

i .' :* i: I -.-_;.
i
SEXTA mik 16 BE MA10 DE I&62.
raaaa adiaatada 19|0l)O
Porte frtaeo pan sabserator
am
b] -f : al
u
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCAO DO NORTE
Parahyba, o Sr. Amonio Alexatidrino de Li-
nt ; Natal, Sr. Antonio Marquisa da Silva;
Aracatr, o Sr A. de Lemoa Braga; Ceari o Sr.
J. Jos do Olireira; Maranbio, o Sr. Joaquim
Marques Rodrigues; Para, Manoel Pioheiro 4
C; Amazooaa, o Sr. Jerooymo da ('.osla.
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPTO DO SOL
Alagdaa, o Sr. Oaudino Feieao Diaa; Babia.
o Sr. Jos Martina Airea; Rio de Janeiro, o Sr-
Joio Pereira Martina.
PARTIDAS DOS CORREIOS.
Ollnda todoa ot diaa aa 9),' boraa do dia.
Iguarasa, Goianna, e Parabyba naa aegundaa
e sextas-feiras.
S. Anlo, Bezerros, Bonito, Caruar, Altioho
e Garanhuna na Urgaa-feiras.
Pao d'Albo, Nazarelb. Limoeiro, Brejo, Pea-
queira, Ingazeira, Florea, Villa-Bella, Boa-Viate,
Ouncarye Ex naaquaitaa-feirae.
Cabo, Serinhiem, Rio Formoao. Una.Berreiroa
Agua Preta, Plmenteirae Natal qaintaa eirae.
|(Toaoa oa correioa partem aa 10 horaa da manhaa
EPHEMKRIDES DO HEZ DI MAIO.
|
7 Quarto crezcan te aoa 43 ni o toa da tejde.
\3 La chela aa 8 horn e 18 mlnatoa da man.
110 Quarto mineanta a 1 hora da manhaa.
18 La nov aoa 44 minutoa daimanhae:
f REAMAR DE HOJE. < a
Primeiro as 6 horas e 6 minatoa da manhaa.
Segando a 6 horaa e 30 minatoa da Urdo.
rA"iDA noa TAroam costihos.
Para o aul ati Alagoaa & SO; para o norte
at a Granja 14 a 19 da aada mea.
PARTIDA DOS MNIBUS.
f ** 2 Re>fB: do Apipucoi s 6 liS, 7. 7 1|2, 8
e.8 l|2 da m.; de Olinda a 8 di m. a 6 da I.; de
Jaboatao a 6 Ii2 da m.; do Caxang e Farseo
h 7 da a.: de Bimfic* s 8 da m.
4 li2. 5, 51U, 5 1|3 e 6 da t.; para Olinda da 7
da m. e 8 1IX da t.; para Jaboatao a 4 da t.; para
o Caan}*Taraza s 4 1,2 da t.; para Btmfic*
az 4 da t. rt .

AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES ya CAPITAL.
Tribanal do commereio : aegundaa a qaintaa.
Relecao: tercas a aabbadoa a 10 boraa.
Faiends : qaintaa a 10 horaa.
Julio do commereio : aegundaa ao meia da.
Dito da orphoi: tercas a asilas ia 10 hars.
Primeira vara do Ira!: tergae a oxtaa a ajelo
dia.
Segunda rara do eivel: qaartaa a aabbadoa i 1
hora da Urda.
_PMTE OFFICUL.
Ministerio do imperio
3.* secgio.Rio de Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 5 de m>i > de 1862
lllm. e Exm. Sr.Tenho presente o cilicio de V.
Exc o. 20 de 22 de marco ultimo, submettendo
decalo do gorerno imperial oa aeguintes queii-
tos: 1, ae regular a deliberare por V. Eze.
tomada, da ordenar que reaasumisss o exercicio
das euaa fuucgdes a cmara municipal da Barra
da Corda, do que trien ojo paasado. por isso que
lora annullada por arito desle ministerio do Io
daquelie mez a eleigio de vereadorws e juizes de
paz feits na parochia do metmo oome eu aelem-
bro de 1860; 2\ ae derem aer julgados validos
os acto praticados por easea vereaclores e juizes
de paz.
Era reepoata declaro V. Ei o seguinte :
1.* Que o gorerno imperial approra a delibe-
rado de V. Exc, valo que, aegundo a doutrioa
do aviso d. 540 ae 19 deaorembro do anoo pas-
sado, derem os vareadores e juizes de paz, caja
eleigio annullada depois de i terem entrado no
ejercicio dos aeas cargos, ceder o lagar aoa do
quairieooio Godo, que contiouam m exercicio
emquaoto nao sao aubstituidoa polos da ora
eleigio a que te proceder.
2.* Que derem aer validos os actos praticados
palos rereadores e juizea da paz, cuja eleigio foi
annullada pelo citado avlao de margo) ultimo, ra-
lo que o foram em bdi (, oa supposigo ds vali-
dada da meama eleigio, e aasim acaba de aer de-
cldido em ariao dirigido V. Exc. em data de2
do corren te, da conformidad, com o que foi ex-
pedido ao presidente de Goyaz em 4 de outubro
do anno paasado.
Dos guarde V. Exc Joa Ildefomo de Sou-
za Ramos.Sr. prndente da provincia do Mara-
nhao.
3* secgio.Rio de Janeiro.Ministerio dos oe-
gocioa do imperio, em 6 de maio de 1862.Illm.
Sr.Tenho preaente o olBcio de V. Sxc. n. 79 de
12 de margo ultimo, aubmetleodo appronco
do gorerno imperial a deliberarlo qu tomou de
expedir or Jera para que (osse eliminado da lisia
dos juizea de paz da parochia de Pedro 11 o cida-
do Joaquim Mendea da Rocha, por iaso qae,
tendo elle apenaa 22 annos e aendo solteiro, nao
poda ser eleito para aquelle cargo.
Em resposla declaro-lhe que o gorerno impe-
perial, atleodaodo ao diepoato no an. 99 di lei
de 19 de agosto de 1846, em virtude do qual s
podem aer juizea de paz os que podem aer elei-
to, condigo asta que ae nao reritlca naquelle
cldado, nato que, seguodo o arl. 18$ 1. da ci-
tada le, elle nio pode rotar naa asiernblae pa-
rochiaee, approva o acto de V. Exc. no oresgo- A,------'--, i-""':, ^""^u i
poalodeque tase cldado nao se acha compre-i*"po.,llo,M Dremis,lM- Un> ,s
hendido em nenhuma das exceptes do telendo ^ 'lr^'f* om.0, ,t,.pe?l,.p,e-
paragrapho. mos, a ontra conata simplesmente de 601 no-
am de ser presente a auembla provincial para
ser tomado em considerado, o officio que a ea-
mara municipal da villa do Bom Conaelho dirigi
a esta presidencia em 14 de abril ultimo, men-
cionando as palpiUotea nacessidades que de mo-
mento reappsrecem noaeu municipio.
I DAS DA SEN ANA.
!? t2 di' S" Jc"E" 9'inft,; S. Pancraclo.
1, ^.,?, No" Senhora des yarlyree.-
' %*?"' S- Gil : S Bot>itt'^ >; S. Enedlna.
15 Qalnta. S. Izidro larrador; S. Dyeapna.
|tff Sexta. 8. Joo Nepomueeno m.; 8. baldo.
ir nn'd0- SpchoalBylof.;S.Possidono.
18 Domingo. S. Vensncio m.; S. Flix doCant.
ASSIGNA-SE
y-**" H'rarla ala praca da Iodepen-
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Porto, ti de abril.
Em appenao ao Commereio do Porto de hon-
tem, em folha igual ao formato do meamo jor-
nal, foi publicado o folheto de 73 pagioaa, em
olio, impresao no Recie. ni typographia uni-
rersal, o qual tem por Ululo Exequias que
saudosa memoria de S. H. Fidelissima el-rei o
Sr. D. Pedro V, mandaram celebrar oa Porta-
guezes residentes em Pernambuco.na igreja do
Espirito-Santo, nos dias 16 e 17 de Janeiro de
Quando na nossa ante penltima carta falla-
moa neste tributo de veneracao e saudade pago
pelos nosos compatriotaa ahi residentes, me-
moria do grande rei que ae lnou, nao tiohamos
os amploa pormenores deata aolemoidade fne-
bre, que nos foroeeau agora aquella publicagao.
Sabamos que aa exequiaa tinhao aido pom-
posas, dignas dos eleradoa aentimeotoa dos Por-
tuguezes que habitara a trra peroambucana.
sentimeolos por muitaa vezea traduzidoa em tac-
tos, que seria um pleonasmo inadtnissivel nesta
occasiao estar a recordar, porem a graodiosidade
do acto, a quem nao aaaistio ella, s poda aer
rerelada pela leitura da mencionada deacripgo,
iuielizraeote, o lempo que medeia entre a pu-
blicaco aqui fiU ea partida da mala do paque-
te -para Lisboa, nao nos permute larga escripia,
moa nem por isso deixaremoa de escrerer com
submisso respeito o nome do Exm. a Rvm. Sr.
conego Joaquim Pinto de Cimpoa. A aea orego
fnebre bella. E' um ampio jardim de elo-
cuencia, dispoato com mimosas ores de orato-
ria sagrada, em que nao ha eecolher belleza,
ludo agrada e encanta, tudo sao aromas e per-
fumes de igual reacendencia. E' um panegyrico
deapido dos ouropeis que de ordinario os costu-
mara adornar, a que tanto os affeiam.
A sua oragao de urna eloquencia castiga e
de lai. *
Queramos contiouar, maa nao o podemos fa-
zer sem prejudicar outros assumetos que dere-
mos tratar.
P j"'y da Exposigao Ioduatriai Portnanse de
IfeCi conciuio no domingo paaaado a discussio
do projecto do relatorio eral.
s joma portuenses puWicaram ralagoes
contera
Dos guarde V. ExcJos lldelonso de Sou-
za Ramos. Sr. presidente da prorncia do
Piauhy.
60YERNO DA PROYOCIA.
Expediente do dia 13 de maio de
186S
Officio ao Exm. presidente da provincia do
Cear.Passo s mos de V. Exc para o Qm
conveniente copia do termo do examo feilo nos
objectos comprados pelo conaelho administrativo
com destino a enfermara militar desta provincia
nos termos do aviso do ministerio di guerra de
(8 de margo ultimo.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
Em vista do incluso pedido que me foi remettido
pelo brigadeiro commandante das armas, com
officio de honom datado, sob n. 966, mande V.
S. adiantar ao almoxarife do hospital militar,
nao havendo inconveniente, a quantia de ris...
1:1009000, para occorrer as despozas daqaelle
estabelecimeoto na aegunda qainzena do presen-
te mez.Communicoa se ao commandante das
armas.
Dito ao inspector da theaoararia provincial.
Estando nos termo* a inclusa conta que foi re-
mettida pelo chefe de polica, com officio de
hiotem. sob n. 759, e havendo crdito, mande
V. S. pagar a Simplicio Jos de Mallo a quantia
de 339600 dispendida com o sustento dos presos
pobres da cadeia do Brejo no m.-i d j abril ulti-
mo.Communicou-ae ao chefe de policia.
Dito ao commandante superior da guarda na-
cional do municipio de Flores,Para aeu co-
nhecimeolo e direcgo remeti a V. S. copia do
officio que nesta dala dirigi ao juiz de direito
desta comarca relativamente aoa destacamentos
da guarda nacional sob seo commando auperior.
Dito ao director do arsenal de guarra.Em
aatisfagao ao que aolicitou o brigadeiro com-
mandante das armas em officio de liontem dala-
do, aob n. 967, mande V. S. concertar ou subs-
titutrpor oulro, ae nao for susceptivel de con-
cert, a prensa em que sao sellados os papis
otflciaea do 7o batalho deiafantans.Commu-
nicou-se ao commandante daa armas.
Dito ao juiz de direito de Flores.Bespon-
o sen officio de 17 de margo nltimo.dizendo-
do
lhe que em vista das terminantes rleos do go-
rerno imperial, nio pode aer approrads a deli-
beragao qae tomou Vmc. de mandar conservar o
destacamento da guarda nacional de Villa Bella,
que aliaa dere estar dissolrido do mesmo modo
que oa das rulas de Flores e Ingazeira, por ferga
dis ordena desta presidencia, de 17 n 18 de de-
zembro do anno paasado. Logo porSm que hou-
ver forcadispooirel mandarei augmentar o de 1*
linba que all existe.
Dito ao juiz municipal do Cabo.Nao tendo
apparecido concurrentes aos officios de partido-
res desse termo, creados pela lei prorincial n.
504 de 19 de msio do anno passado, como consta
de aeu officio de 28 de Janeiro ultino, cumpre
que Vmc. mande por novamente en concurso oa
forma do decreto o. 817 de 30 de agosto do 1851
e riso n. 251 de 30 de dezembro cid 1851, ob-
serrando-se por essa occasiao o que recommenda
o aviso circular de 25 de oatubro de 1861, a re-
metiendo Vmc. copia do eJital para ser reprolu-
zido nesta capital.
Portara.O presidenta da provincia ten lo em
vista a proposta do director ge ral di iostruegio
puoiica, de 5 do correte, sob n. 107, resolre no-
mear para o lugar de aecretario da ziesma direc-
tora, o profeasor jubilado Salvador Hurique de
Albuquerque, nio dereodo porm nccumular o
ordeoado de sua jubilagao. nos termo i do artigo
51 4o regulamento de 12 de maio .1. 1851.
Expediente do secretarlo do
sTo*rno.
loo?./0 Vm*\t0 "eterio di aasembia
ieglalatira provincial.De orden de 5. Exc. o
br presidente da prorUcia, transmuto por copia
\na' ni" ,er.DrMenl aaaemWa prorinclal
.ri. PfMidencia, pelo qeal foi jubilado o
8?i& p1Bb""'K' i"trC5o elem lar da villa
do Benito Joio Braulio Corroa da lva.
D.to ao meano.s. Exc. o Sr.
prorncia miada Iraasmellir
prendante da
por espia a V. 8.,'jornal.
mea, se que aos oao engaamos na contagem.
A veracidade da primeira foi contestada na ira-
prensa pelo relator do jary, e a segunda, posto
qae verdadeira, nao (raz oa premios, aem a n-
dicaco doa productoa que mereceram essa da-
tinegao. Esperaremos, pois. pela publicago do
respectivo relatorio do jury, para nos oocupar-
mos deate assumpto.
O Brasil, que fez a sua testa da industria uns
quatro mezes depois da que aqui rimos ostentar-
se lio garrid i e lougaa, devia, seguodo as noti-
cias do ultimo psquete, celebrar-se no dii 14 da
margo.oo paco imperial, o acto solemne da dis-
tribuigio dos premios conferidos pelo jury geral
da expoaigio braaileira aos productores e exposi-
tores que mais se distinguirn], ao passo que o
jnry da exposigo portueosa. anda oaquella da-
ta nao tioha posto remate aos aeus trabalhos, e
nem estes anda boje sao do dominio do publico.
Comtudo. devidoao obaequio de um amigo, po-
demos affirmar que os expositores i quem o jury
conferio os tres alflnetes com brilhantes que a be-
nemrita Sociedade Madrpora do Rio de Janei-
ro ae diguou orlerecer Associsgio Industrial
Portuense para serem distribuidos a tres exposi-
tores,sao osSrs; Nqnea Marques de Paiva,
por coreaos eoutroaBrodustoi agrcola! ; Eduar-
do Manoel Ramirea, por teeidoa de aeda ; e Cu-
los Augusto Habel, por pianos.
Tem havldo os seus dart* e tomara multo a-
rioa entre a cmara municipal e os directores da
companhia de illuminagio a gaz. Os directoras
enlenleram que o atrszo de p..amento da illu-
minagio publica lhes diva o direito de foroece-
rem gaz mo, pessimo, de forma que a illamioa-
gao em algumas ooitea, fazia recordar com sau-
dade a aotiga illuminagio de azaite de purgueira,
que apesar da aua luz amortecida, preferivel
ao brilhantitmo da luz do gaz foroecida em al-
gumaa occasies pelo gazometro portuense Ora
eate entender dos directores, que tem o aau fun-
damento nos descados da cmara em salisfazar
mensalmente o importe da illuminagio, foi desde
certo lampo, tambem entendido pala cmara,
que nao obstante dever companhia ana sete
coates de ris, ordeoou sos seus fiscaes da illu-
minagio que tomaaaem nota das faltas que na
mesma enontrassom, para na conformidade do
contrato ae impdrem companhia aa respectivas
multas, ai quses desde S de fevereiro do anno
passado at igual dia e mez do correle anno,
importara em 7290200 rs., quantia que os direc-
tores da companhia nio querem pagar por julga-
rem as multas injustas, pois que attribuem a m
illuminagio s mudaogis, rebaixes e cootra-re-
bsixes que as obras muolcipaes esli continua-
mente obngaodo a companhia a fazar na caua-
liaagao.
Esta qaesto da cmara com a companhia,
que no asa aomego parece ter aido tratada pea-
soalmante entre o preaidente da muncipalidade
e os doas directores daqaella, pasaou depois a
aer tratada em officios, dos quses alguna teem
visto a luz da pabiicidade, e como para con-
jeciurar, ha miles espalhadas muitas amabilidu-
aes reciprocamente trocadas ; e a Ul ponto che-
gou esta polmica official, que a cmara julgao-
do otlensivo da aua dignidad* um officio qae ha
aous ou tres dias lhe foi aoderegado pelos dirae
torea da dita companhia lh'o derolreu, sem to-
mar cooliecimeoto do coothaudo delle, e man-
dou pagar companhia a somms que lhe estar
derendo da illuminagio publica, leudo para isto
a cmara eoolrahldo um emprestimo.
Acabara aqui esta deaegradarel pendencia en-
tre a corporagio municipal e a companhia ? Al-
guna joraaea dizem que airo, mas nos parece-
nos que nio. O qae tamos como certo que a
illuminagio publica ha de melhorer muito. O
resto reremos.
No jornsl de Bar cellos, o Barttllent* de 27 de
margo, deparamos com urna circumataneiada no-
ticia aobre o julgamenlo dos rios acensados de
fabricadores da moda alaa, caja base da pro-
casso foi a machina encontrada ha annoa na fre-
guezia de Adiea.
Na carta passada demos ama alcuota noticia
deate curioso procasso, um dos mais interesssn-
tea que na sua especialidade temos conhecimen-
lo. O que entlo dissemes, nio dispensa o se-
guiote resumo que passamos a tarar do citado
O julgamenlo levoa dous dias, 20 e 21 de mar-
go. Eram reos Amaro Joa Fernandes, padre
Jos Barboza Pereira, e Joio Pareira Branco-
perteocentea comarca de Barcetlos; e Joaquim
Joa da Cuoha, por alcuoha o Santeiro, Albino
Pereira de Souza Pederneira, e o padre Mathias
Antonio de Magalhaes. de appellido o Salsioha,
perteocentes de Braga.
Procedeu-ae ao aorteiamanto dos jurados, en-
trando na urna 24 no mes, nio obstante, segn 1 o
algumas opinioes, a lei determinar qae nio po-
de coostituir-se jary sem estarem presentero
jurados. No enlamo coastitaio-se o jury com
pleno assentimento da parte aecusadora,
as regeigaa que bm quiz.
Feta a leitura doproceeso, passou-se i inqul-
rigao daa tealemonhaa, que acabou ama hora e
meia da Urde do segundo dia de julgamenlo. As
testemunhaa foram contraditorias, no dizer da
folha que nos serr de guia, falsarias, nojantaa e
repugnantes.
Seuio-ae a oragio do delegado do ministerio
publico, raapeito da qual se expressa assim o
Barcelltnst:
Sr. Dr. Carralho, com a aua lgica ede
ferro esmagou aa testemunhaa de aecusaco e
defea, que tioham dado o bem triste espectcu-
lo de palpa veis cootradieges ; o resto supprio-o
o Sr. delegado, com as pravas do auto de in
veatigago do processo administrativo ; preciao
que digamos a verdadeque nos persuadimos do
crlme de que os reos eram aecussdosexcepto
de umJoio Pereira Branco, a quem nos per-
suadimos que nio ferio, nem de leve, a aecusa-
gio : Joio Pareira Branco nanea devera ser pro-
nunciado um inooccote
Defeoderam oa reos os Srs. : Flix Mara Go-
mes Araujo. a Alvaro Viaira dt Crar, adrogados
do aaditorio de Braga, a o Sr. Darid de Barroa
silva Botelho, de Barcellos.
As ortgoes doa doas ltimos adrogados offere-
ceram pouca aiagularidade, porm a do primeiro
tornou-se uotavel palo bem que earasterisou a
achadi da machina, e a entrada d'ella em
Braga.
A este raapeito diz o referido jornal:
c Por vezea nos fez rir, e ao immenso adicto-
no de que eatava apinhado o nosso tribanal ; e
n verdade, o tal levantamento da maquina do
sitio, em que ae achou, oa corpo de auto de
delicio a aua entrada em Braga, e a aua expo-
aigio urna verdadeira fariolla ou eotru-
dadaa.
t O Sr. Dr. Flix falln com propriedade e gra-
ga a este assumpto, nao deixando de commover
o audictorio ao apraeeniar o estado lastimoso, a
qae tinba ebegado sales reos : o Ilustre advoga-
do apresentou mnitas a diversas eonsideregoes
para mostrar a ionoceocla dos res : no flm da
aun oragio todo o audictorio rolara pela sua
abaolvigio.
Fechado o debate, o delegado do ministerio
publico fez, e foi -lhe admittido um protesto so-
bre nallidade do processo por nio ter entrado na
urna numero legal do jurados.
Nao podemos conciliar este procedimento do
delegado do ministerio publico com os encomios
que lhe faz o\Barc$lhnse, cooscieoiioso : de duss urna ou nio exac-
to o que o mesmo jornal diz quando afflrma que
o delegado dra pleno assentimento i conalitusgio
do jury sem que livesse entrado na urna o oume-
ro de nomea qus a lei manda para ae extrair o
jury conforme entende o mesmo delegado ou no
caso affirmativo au honre cooaciencie. Para
nos fra de duvida que o dilemmi se dera re-
solver pele segunda das proposiges, porque o
proprio Bratelleme que nos leva a esto resultsdo
quando diz :
Note-se que, por mesdo do mez passado, o
uiustre representante do ministerioo Sr. Dr.
Peixoto, qua no inpedimento do Dr. Carralho o
aubstituio, rieram os reos de moeda falsa respon-
der audiencia, qae Ibes estara marcada, a o
or. Dr. Peixoto, ulrez, mais, por naa ter visto
ou estudado o processo do qaa por estar persua-
dido da nullidade, que apresentou, que ara qae
a nao ae poda conatituir jury aem 36 jura-
"?."" '8,e 1** recorra de revista. Os reos,
anda que opposeram que nio era nallidade. ae-
gundo a reforma, meamo, segundo oatraa lela
parallelse, e consignarem na acta que nio rejei-
laram jurado algum. nio quizeram aujeitar-ae a
esta contigencia, visto o Sr. Dr. Peixoto nio que-
rer desistir d'esle recurso : de maia a poaico do
Sr. Dr. Peixoto era especial.
O resto do julgamenlo ji nos o distemos oa
carta anterior, o jury absolveu os reos por maio-
na, e n esta conformidade o juix larrou a aeotea-
ge, mas em consequencia do recurso inUrposto
pelo delegado do ministerio publico, os acensa-
dos regretsaram cadeU de Braga, onde Uem
e'P" a deciso do Iribooal auperior.
O Sr. viscooda de Guars, que foi governador
civil do districlo do Porto, reassumio no dia 31
de margo aa funegoes de juiz de direito da aegun-
da vara deata cidade. S. Exc. membro da cama-
Iniclstiva dos seas proiectos o que lhe valer no-
vos encomios.
Anda hi pone* simos nos no extracto de ama
das sessoes da caara dos eleitos do poVo um Sr.
depntado lemVar um projecto de ;lei que dera
entrada em 18H na secretaria da respectiva com-
mitsio sem que at entio tirtsse d'elle havido
nova nem* mandados !....
A' vista datte. e de muitoa outros exempins
que podamos adduzir, nio pan eatraohar que
o projecto sobre a caltura e commereio da vi-
nhos do Douro, approrado em 1860 na cmara
lectiva, exista anda aam aolugio na heredita-
Ia9 2u( E mullo aovo o projecto, conta apenaa
t -Toas annos, e preciso decorrerem outros dous
para a materia ser bem astudada....
O dia t9;de margo, que record aos habitaotes
do Porto daaa graodea deagragaa, foi commemo-
rado, como o costuras ser no seu volver an-
nual.
A real sociedade Hmanltaria mandou dizer oa
calhedrai uma missa de requitm pelas almas dos
que pereceram na noite deate dia, em 1852, oa
barra do Douro, em consequencia do horroroso
naufragio do vapor Pord.
A irmaodade das almas de S. Jos das Taipas fez
celebrar na sua capella officios de defuntos, e de
larde dlrrglo-se a dita irmaodade em procissio
fanebre i ptaga da Ribeira, e ahi ae cantaram os
costumadoa responsos junio do paioel das almaa
da ponte-, a qual memorias a cataatrophe a que
deu lugar o ler-se levantado o algapio da ponte
de barcas aobre o Douro em 1809, quando o povo
fugia segunda i o vasa o do exercito Iraocez com-
mandado por Soult, que aquienlrou neste nefas-
to dis, teodo invadido Portugal pelo Minho.
O primelro de abril dia dos logros e engaos.
Vem de tempo immemorial esta utaaga. Anda
os mais desmsados pretenden! u'esle dia pregar a
aua pega.
Lombrarnaa esta circamstancia porque temos
de fallar n na das originalidades desta bus trra
portuense, a feira de creados e creadas que
se faz annualmente no Porto em todas as lergaa-
fir*a d abrjl, e que oeste auno por ter o dito
mez eomegado por uma terga-feira, foi tambem
o primeiro dia da feira.
Para os nossos compatriotas, lh >* do Minho
que lerem eata carta, ae torna preciao, como ae
coaluma dizer em lingusgem familiar, dar este
cavaco, maa para os leitores que porvenlura ig-
oorarem asta- relbaria, nio queremoa passar
por ef irttuoio, porque a coincidencia muito
pars se fizaren juizos temerarios, a os qaaes,
por colpa doa' nossos amigos compositores do
Diario, que se nao descuidara de encaixarnas
noaaaa cartas, algumas pitas afora outraa bagatti-
Ja*~podtarn neootrat uma tal ou qual prtveo-
' em alguna doa leitores.
o Incidente, ramos ao assumpto
a feira doa creados e creadas,
ios que esio mercado curioso ae
;a da Cordoaria para a praga de
e consiste elle, na aua malor
em contractos de ser-
um certo tempo, e por
gio dasfarorav
Mas deixem
principal qu
H doua a
mudou da pr
Cirios Albert
somms de pe^nufas,
vigoe de lavoara por
cordio de 21 do correte denogou o recurso de
revista que daquelie accordao tioha ioterposto o
miniaUrio publico. ^^
O tribunal da relagio do Porto em aeasao de
31 de margo denegou provlmeolo ao aggravo da
injusta pronuncia levado ao meamo tribunal
pelo Sr. Manoel de Mora es da Silva Ramos, Se-
mior, indiciado ao crime de fabricagio de notas
falsas no Brasil, como ha tempoa noliciamoa.
Tem de ser julgado pelo jury.
Ns aeceo daa correspondencias publicou o
Diario Merantil de 7 do correte, sob o titulo
O baro de Moreira ou a infamiauma carta
que o Sr.Jos Antonio GoncaWes Barbosa dirigiu
de Pico da Regalados, com a dala de 2, aquello
jornal portueoae.
Preterimos ao extracto que della podamos fa-
zar, copia la na aua Integra, porque aasim satis-
fazemoa melhor o nosso de ver de informador.
Eis a carta :
< Na qusrta-feira passada, 26 do paasado, fui
posto em liberdade, depois de ter prestado dan-
ga, na comarca de Villa-Verde, mioba naturali-
dads; e por nova deliberagio mioba, raaolvi de-
sistir do recurso de aggravo de injusta prooun
cia para a relagio, por entender que ante o jury,
ante os meus peres, eu devo ser julgado com
maia plenilude e decorosamente.
Foi iato o que resolv para convencer o paiz
da que, aeohor dos meus actos, nada temo, aen-
do julgado inte os meas conterrneos, e mesmo
para convencer a sucia dos corruptos socios do
ex-consul portuguez no Rio de Janeiro, que nada
me faz trepidar em os perseguir.
c Dirsi coota ao publico no entanto do mea
julgamenlo, maa muito breve da forma infame
como o delegado de Villa-Nova de Famalicao,
ausente da jurisdiego de Villa-Verde ou Pico,
all foi agora legahsar um processo, coojuDcta-
menta com o actual juiz de direito auoetituto
Cilheiro, aonde figurara nio meos de quio-
ze testemanhas, que nunca comparecern! em
juizo III *
Aos honrados magistrados do paiz parecer
impossivel um tal escndalo, 4 verdsde; maa
quando lies aouberem que o delegado de Villa-
Nova perseguio nos trbunaes da comarca do Pi-
co um criminoso de morte, cuja viuva da victima
e aua filhs, meia noite, rio aahir do tribunal
do jury o criminoso, sem Ganga, para ir para aua
casa, andando em liberdade quioze dias, para
roltar a julgar, nio admirar por certo a forma-
gio do meu processo hs dias com data de feve-
reiro de 18551III
Para aquelle criminoso aasim iosultar a brio-
sa viura a a iniaera orphaazinha, que buaceram
debalde no aaoctuario d lei o deaaggravo do
ssogue vertido do marido e pal, foi oecessario
que reodesse uma morada de casa por 700900O,
determinada quantia. Aquelle ; em r'egra geral
a litado desde abril at cooclusao das colhei-
tss, e asta raria aegundo a relagao que ha entre
a procura a a offerta.
Noa dous dias de feira que j l rio poacos
contractos se effectearam porque os creados pe-
diera pela reiribuigio dos seus servigos de lavou-
ra at oatubro 38400, e aa creadaa 20 as
feras seguiotes natural que baixera de prego.
No dia 20 da marco foi a pique, prximo a Vi-
go o hiate Flix Deslino, que havia aahido do
Aveiro com carga ds sal para o Porto. Salvou-
se nicamente a tripulagio.
as costaa da Figueira naufragou na noite de
19 de margo, salvando-se a tripolagio, a escuna
ingleza Tugm, procedente de Liverpool com
destino ao Porto:
Empregaram-se esforgos para sslvar a csrge,
que constsva de maoteiga, arroz, algodao, fer-
ro, louga, etc., porm ignoramos aa o conae-
gairam.
Na praia de Mira (Aveiro) naufragou na ma-
drugada do dia 30 de margo o navio inglez Na-
poleao Ul em viagen da Sunderland para Ge-
nova com carvio da padra.
Da tripolagio, que aa compunha de dez pea-
eoas, apenas se salvou o piloto, tendo sido o na-
vio despedazado pelo mar.
No dia 6 de fevereiro naufragou na costa da
lina do Texel, ao norte da Hollaoda. o navio
portuguez Ermelinda, procedente do Rio de Ja-
neiro para Bremen com carga de caf, aalrando-
ae a tripolagio.
No dij 13 de margo chegou a Genova a galera
americana Clara Ann, conduzindo a seu bordo
a tripolagio do brigue portuguez ioso que se
perder com agua berta na noite de 10 da fe-
vereiro, segelodo riagem de New-Caslle psra o
Porto.
A commlssao acadmica ancarregada das exe-
quias com que os estudsntes da Universidade de
truoso julgamenlo 111
< Quaoto daria a aucia doa agaolea do barSo
de Moreira par ae arranjar esle meu processo ?
Nao o posso calcular.
_<' Aguardo oo entanto as determioages do mi-
nistro da jusllga, a quem dei conta em data de
20 do paasado.
< Desespero no eotanto que o Sr. marquez de
at 20? o constar as povoagea cireumvisinhs
ceocelho de Vagos que ism aer arrematada
cTnvif* .' vnpttotoM daa retlgiosae do
i*e, mullos malvolos foram all cortar por sua
coois os mais corpulentos pioheiros, como fon
propriedade aaa, damoiftcaodo muito o pinhal
poia que os aasaitantes conseguiram derrubar
uma grande parte dos pinheiros, chegando-se a
vender a leoha a 240 ris o carro, ros logare
prximos ouvia-aa a detonagio destruidora dos
golpea de machado, qual estampido bellicoso no
campo de batalba.
No dia 27 Uve lugar oo theatro de S. Joo o
coocerlo vocal e iustrumeotil promovido pela
commissao dos artialas portuenses para o monu-
mento que os meamos artiatas rao levaotar o
prega da sVtaisM memoria d Senhor D. Pedro-
*"e vsteve lempeatuosa, porm a concur-
rencia foi como era de esperar a maia nio poder
aer. Todoa oa artiatas que entraran ao concert
o uzerem gratuitamente. As doas primas-dona
da companhia italiana, a as duas primeiras bai-
larinas. receberam lindos bouquets que lhes fo-
ram oTerecidoa pela commissao promotora do be-
neficio.
Eat tambem em perspectiva um grande con-
cert musical, promovido, aoppomoe na, pela
direcgo da sociedade do Palacio de Crystal.
cujo producto reverter a favor do fundo deatina-
do para o monumento do D. Pedro V que so pro-
jecta levantar no largo da Torre da Marca.
Por participagao telegraphica, recebida hontem
de Lisboa sabe-se que o conaelho da estado deci-
dua por quatro votos contra um, que a delibera-
gao do conseibo de districto na questio do Sr.
Pioheiro Caldas com a cmara tinha effeito sus-
pensivo, tendo a cmara interoosto d'ella recur-
ao. Nao pode, poia, o Sr. Caldas lomar posso
ao lugar de veriador sem a decisio final d
recurso.
O ooro banco Uoiio est definitiva e legal-
cente constituido. O delegado fiscal do gorerno
sssim o anclaron, quando no dia 9 do correte:
veriflcou achar-ae em caixa a quaolia de 40O
conloa de ris. Os accionistaa tem entrado coro
20j> por aegio.
Para nio deamentir a proverbial celeridarfe no*
expedieotea doa negocios qae estio conOsdos s
repartiges do estado de Portugal, diremos qu
no dia 26 de margo foram distribuidas tt esmo-
Iss que o finado Senhor D Pedro V deixou por
occaaiio da aua ultima viaita a elta cidade paro.
serem distribuidaa a peaaosa qua para este flm.
tinha entregado requerimentoa a sua magos-
tado I
A diatribiigao daa esmolas foi felts palos admi-
nistradores doa bairroa. Foram contempladas 141
pessoas a 3|000 cada uma. Preleriran-se os in-
a* tom..,-e 4O000 7 u o ZZfZZZZ 5"?"," 2"-* P'e.erir.n-.e o. in-
truoso julgamenlo III 1 ," ?? q"e ?!eraB Mr.T,?o militeres.
Loul faga justig. prompt.;como reclama"a mo- Vte da .Tdi?, J2 tMi" C.? *
ralidade e o intaraasa deates povos. H? SSfLXTSlCdade'
'. Avila rraalou pelas ruis do Rio de Janeiro "rrencS 8 q"
apresentouen^nu?5. q" 2*H-ft f" """' oin,br* "-'SS ^Sannor O Pedro
apresentou entre outros projectos de le, o que ea- V, tere a feliz lambranca de mandar tiraratThn
Ubelece ni. comarca, de L, ,o. a Porus issU.ua, togr.phl. do interio, d.? c.Thedral u eJaMo"
em que ae celebraran as exequias psra a oflere-
o" n6 o Sr" D* Luir' ea seu uu,l Pi o
Sr. D. Fernando en irros que cooterio o dis-
curso do fallecido monarcha na festa dos pre-
gf I"" He assistio na niversidsde em
1861, a oragio fuoebre pronunciada pelo Sr. Do-
nato osa ditas exequiaa, e algans arligos de or-
naos que nessa occaslio descreveram esta fne-
bre solemnidad*.
Este preaente da academia, deveri brevemeo-
e ir ao aeu destino, por iaso que os trabalhoa
typographlcos derem j estar concluidos.
O supremo tribunal de justiga coocedeu em
sessao do 1 do corrente o recurso de revista in-
lerposto pelo ministerio publico no processo de
moeds falsa instaurado contra o Sr. conde do
Bolnio.
Na nossa missira da 25 da ontubro de 1860
contamos s historia deste clebre processo, cuja
eontinuagio ou remato eatava dependente da re-
aolugioque aquello tribunal tomiase sobre o di-
to recurso.
O accordao recorrido ora o proferido em 31 de
agosto do dito anno pelo tribunal da relagio do
Porto, qaa mandou annutlar o despacho de pro-
naoea de primeira instancia dado pelo juiz o Sr.
Jos Harta de Almelda Teixeira de Queiroz, a
Pi CJ VCC,rdao r0 fo1 Posto em liberdade,
sahiodo do castalio da S. Jorga, em Lisboa, on-
de naquells poca se achara recluso.
o supremo iribunal de jastiga, concedando a
rl_ j ,Dnuno o processo desde o summario,
afim de novo ae proceder.
veremos agora em que pairam as modas.
...sr* ",d9 lo Bolhio regressou da Londres
--.. i f. *" fla de mr$<> Ubio. Foi al-
S7.a. 2 ,0 ll,e",ro ""i mas depois da
ir Ai d^.,llpre.?,, lrfbol qae rimos de refe-
rir nio toroou all a ser risto.
noVl^0r1|,,5ond^llci, da u de fc'ereiro damos
S^;n.d-,CCOr2io.d* re,,5So de Lisboa que
despronunclouosr. Bernardo Jos alachado, pro-
"""" *. como tmptiaado n pro-
ceaio da aKuos-Locomotora-, bola tamos a
iiaar qu o supremo tribunal de instiga por ac-
laoeiece na comarcaa de Lisboa e Porto tribuoaes
semelhantes aos astse de Frange, determinan-
do em cada urna das ditaa comarcas dous juizes
especiaos para o julgamenlo das causss da poli-
ca correcooal, a para a instruegao dos proces-
sos criminaos a que couber pelas leis julgamen-
lo com intervengo de jurados, chamando aos
primeiros, juizes de polica correccional, e aoa
segaodos, juizes de instruegao do processo crimi-
nal : o que reforma o jury, elevando o saoso psra
os jurados criminaea ao dobro do que actualmen-
te exigem as leis, reduxindo a sete o numero dos
jurados, que serio extrahidos de uma pauta de
viote oito nomea, e exclnindo da intervencio do
jury, para aerem julgadas correcionaimente, cor-
a especies de crimes que ss leis em vigor sub-
mellem ao aeu julgamenlo : o que extingue oa
juizes ordinarioa, e oa juizea eleitos, e crea uma
nova magistratura electiva noa juizes de paz : o,
Uoalmente, o qua dota a academia polylechni-
ca do Porto com maia quatro cadeiras de minera-
loga, de cbimici orgnica, mechanica appiicada
,aos camiobos de ferro a machinaa da vapor, a de
geometra descriptiva a auas constrnegoas ura-
phicaa, etc. 8
Pela iniciativa daaia ultimo projecto foi o Sr.
viscoQ Je da Gonva, poucos diaa depois da ana
chegada a esta cidade, cumprimentado por ama
commissio de lentes da academia polylechnlca,
a qual enirogeu a S. Exc. ama carta do conselho
acidemico em que se lhe agradecan) os sena
uons servigos prestados na camsra doa parea ao
primeiro estabelecimeoto aclenlifico do norte da
reino.
Todos os projectos qae vimos de referir foram
mandados s respectivaa commisses as quaes,
na torma do cosame, daro, ae osdevem, os seas
respectivos pareceres d'aqui a meia duzia de au-
na, seodo preciso pera .a imprinirem a e.tu-
aaren outra meia duzia, a aa lavarnoa am coata
o lempo imdisptmavei para a discusso a outros
I?\ POf1"e 'llM ,MM 0,M4r fMMMB
calculo mut favoravel de aeren precisos rinle en-
ana para os projectos do Sr. riscoude da Caouvda
se converuren en lela I Nesta espago Ir o Sr.
viscan) renovando am toda as legislaturas
OT. .- .,. vftua pcioa tusiai uu HIV uo aauouu
a honra portuguezs, o nosso bro e o nosso de-
coro I
Que nio reja, que nao pense as conse-
quen cias grarissimas que agora ae hio de suc-
ceder.
< Cada rez me conrengo mais que os altos pro-
tectores dos Moreiras estio cgos, mas gratos ao
boraem sacriQcam o seu idolo a todss as conside-
ragoes.
Fallecen na noite de 25 de margo o Sr.
Manoel Jua de Brito, negociante portugus da
praga do Rio do Janeiro.
Assistindo a uma represantagio do tbealro
italiano, achou-sa iocommodado, a retirando-aa
sua essa abi foi accommettido de uma apople-
xia fulminante. Eslava no Porto ha cousa de 2
annos.
No dis 27 fallecen o Sr. Francisco Fortu-
nato Leite, juiz da relagio do Porto, onde aerrla
desde 1841.
Era o mais sntigo dos juizes dos tribunaea da
segunda instancia.
Fallecen no dia 26 na sua quinta dos Con-
dados, na Figueira, o Sr. Thomaz Jos Duarte,
que era am doa principaes commerciantea da di-
ta villa.
Tambem na noite deate dia falleceu em
Braga o padre Jos Pimeotel, sub chantre da ca-
thedral da mesma cidade.
-- Hm jornal do Porto d em conatruego no
eslaleirodo Ouro os seguiotes nsrios :
Galera Mara, qua tem 154 palmos de quilhs
e meda 350 toneladas approximadamente. E
propriedade da Sr. Manoel Pereira Penna & C.
S espera para ser lsngada agua, que o esta-
do do rio o permita.
Galera frica da 184 palmoa da quilha e 600
toneladas pouco mais ou menos. E' da Sra.
riura Azaredo & Filboa.
De? e ser langa da agua por todo o mez de
maio.
Barca Iris, com 130 palmos de quilha a 250
tonelsdaa.
E' do Sr. Antonio de Souza Msciel.
Bsrca Aurora, dos Srs. Godinho & Paulo, da
Baha.
Tem 142 palmos de quilha e 290 toneladas ap-
proximadamente.
0 constructor destes quatro navios o Sr.
Custodio Martina da Silva Santos.
Barca Pombinha, con 130 palnos de quilha e
250 toneladas. Constructor o Sr. Antonia Go-
mes da Silva.
E' propriedade do Sr Jos Antonio Moreira, do
Rio-Grande.
O constructor o Sr. Manoel da Coata Baha es-
t tsmbem construiudo no -mesmo estsleiro uma
galera de 200 palmos de quilha e 800 tone-
ladas.
E' propriedade dos Srs. Soarea & Irmao.
Conta o peridico Districto d* Aveiro, qua no
dia 22 da margo sa apreaentaram na casa daa
aessdas da junta de repartidorea do conselho de
Paiva os povos da fraguara de Fornoa, arnados
do sachos e outrss arnas, aasgando de norte o
escrivio de fazeoda ae conliauaaae na coofsegio
da matriz da contribuigao pessoal, protestando
queinar todos ospspeis relativos aquelleservigo
a viavaa dellas, a orphaoa da pai a mii.
A preclssao de Pasaoa em Leca de Bati, qa
sanio no quarto domingo da quareama apezar da
multa ebuva que cahio neate da, ere de eocur-
ter o transito porque a cheia do rio Lega oao lhe>
permittio ir at ao aouto de Santa Anna, onda
deria ter lugar o encontr a pregar-aa o aermio.
circumstancia fez retirar com dasgosto
da sldeia e mesao da cidade, qua all
tinha ido para ouvir o sermao do encontr, que 6
naalAa **.a._ ..lt-i______ '
chama maite con-
0 jornal Porto e Carta, que tinha suspendido
a aua publicago em 1860, reapparecau no Io do.
correte mez. E' diario a perteoce a rslha cn-
horle carlista.
A Rasao, peridico de Valenga do Minho, a
que ha lempos tioha deixado de pnblicar-se, re-
apparecea noa fins do moz paaaado com aquella
denominagio, maa deade o dia 8 do correte paa-
aoa a chamar-ae A Vox do Minho. Publica-sa
tres rezea por semana.
As guias de exportagio de rinbo team regala-
do no Alto Douro a 7JO0O, o segundo diz uma
carta da Regoa, provavel que anda nio fiquem
neste prego.
Tudo conspira para assim acontecer. Hara
multa divida a aatiafazer. Alguna vinhos qu
existjam nio tioham golas; tem-se comprado
muito vinbo de consumo, que destinara para ex-
portagio de pregos baixos, e psra elles tem de
as comprar; alm disso, os vinbos de varia pro-
cedencias de fura ds demarcagio, qae precisara,
de serem habilitados com ellas, a, finalmente, o
fado de em alguns annos, para mais tarda, terem
as guias dado pregos exorbitantes, pelo qua aera
a ultima cousa de que os possuidores larguera
mi ; sao tudo circumstsnctss qoe bao de coa-
correr para lhes augmentar o prego.
Tem continuado o mi tempo. Os ltimos
quatro dias do mez passsdo, a os primeiroa do
qua vai correado, foram da ama invarnelra des-
marcada.
Alguns desses dias podem-se dizer da verda-
dero temporal desfeito.
Houve uma ebeia no rio Douro, e por conse-
quencia outra innandacio na raa dos Banboe
caes da Ribeira a da Alfandega, Fonte Tourina.
e Miragaya. Em alguna deatea aitioa a passsgem
fazia-aa em barcos. A veloeldade da corrente do
rio chegou a ser de 20 kilmetros nos dias 20 a
31 do paaaado.
Depota de cinco diaa de tempo soffrivel, come-
gou hoje de novo a chuvi Agora, 3 horas da
larde, chore bast nte, a onvem-sa ao looge o
estampido dos troves. Vem tslvez a trovoadn
fazer-oos outra viaita.
Uontem oncalhou defronte do Ouro, na mar-
gem aul do Douro, orapor Ingles Iberia. la rio
abano com deaiimo a Londres.
Um jornal diz a aate reapeito o segninle :
Deu-se este sinislro por se achar o lei lo do>
rio aaaoriado em differenles pontos, or causa
dss ultimas aheiis.
Do sitio onda encalhou tioham aido hs lem-
pos, extrabidas umaa pedras, formando-se depois
aiit um monte da areia, de cuja existencia aa nio
sabia. '
Orapor encalhou da proa. Coota-ae qua
poderi aafar-ae, passaodo-sa parte ds csrga para
a popa. Nao aoffreu arara alguna.
< A carga consta de 933 pipes da vlnho. 6,000
caixaa de fructa, bola e caliles com encom-
mendas.
f a maior carga que derta porto lem ta-
rado.
Esperava-se que podesse aafar-ae na maro
da noite de hontem, mas nio accontaceu aa-
sim. "
vivo. No sito Douro lambem a chura foi coolinua-
J" C0lnbu,,SeV P" 1" o*"" da, e quasi aempre im peluda por uma forte van-
Ni^n.?s d" ontraa freguaxlaa. tanta. Na Ragoa a em oatroa pootoa beira do
nao conata que o administrador daquelie con-
aelho deaae providencias pars conter os amotina-
dores.
O delegado do thaaouro, por partecipacio offi-
cial que leve, dra parle auteridada superior
do districto para providenciar como as circuns-
tancias o exigem, risto que a eacrivio da fazeoda
nao pode continuar nos trabalhoa a sen cargo,
aem ter o auxilio da qua curase, por iaao que oa
povoa do mesmo coosalbo sio easeucialmeote ds a torrencUlmonte. O vento forliaalmo qu
desobedientes na observancia da let a iostituicoes tinha soprado nos dial anterioras sereoou, sus-
nnU .... andando-lhe a chura, coo quem a despajara a
u oamptao dat Provimitu, jornal da Areiro, cantaros.
rio honra ameagos da iooodaglo.
Naufragaran trea barcos, um pertencente
casa de Sandaman & C, oulro de Martinas
Gasaiot A C, e o terceiro rindo doa proximida-
des da rala, Houve prejalzos, mu nio aconte-
cer m deagragaa pessoaes.
Em Colmara, aegundo o Tribuno, de 2 ala a-
brl, deade a noite da aabbado 29 da margo at
ao naio da do domingo choren ininterrumpi-
da lorrencialnente. O rento forliaalmo qu
I






>*



L
altee tnternites, e por veze rrebata!
neate. 0 Mndate, qa* i> i enr**--'*roa*
rrebalad-
olle*
mente. 0 Mondago, ej-l
jdto, *levou-e nurl*. 5 pola m hor* da
oile Hurta que oaUt iit* anua nio tteh*
tcdo, ioradindo graad* tula 4 cidada haix,
oode chagou qoati ao doiVd.'s ras que deten -
T v*i ------______
, _. cuja subtiaidtde recoalraoeu, inspiraran
quiai P*x*JaaB* Wor. Dr. Petra*!, segundo etre proprio conteste,
a resaln^ao que tomou.
6 oatiiue Doble, tua mulher, dous filhoa
onit doua compaaheire*, cbegado* da colonia
militar Caseros em companhis de Sr. jadaote da
DUUO M PStivAMlDCO. t~ sBXTA WIBA 16 DI M4I0 DE 1M.
----------------------------------------- ... ,-r*>. <*,,,(,::___________________________
ecan^ ai Saasio^e da qi i* tnajjii-"kraay *, d_um*, apreent<>rm-e hooten (18) i S. Bic. a
Sr. presidente da provincia, que oa acetosa com
d a teao*r__araa a coa **tes*ne*rtretera>por
oraga da S. Barloloraeu, obrigaoio o commer-
ia asteo ponto* aa incoo) moda do raaarerea
*t lateadas dastnt loja, ;ouirtcts ia'asia
-daaage**.
felizmente o lempo ten.non, arlo Tai ro-
olheado aos teut limites.
A agricultor esti satTren _( I a menso cam 6
a irtagolaridade da qu:ra., mal m aa 'ga-
ra o tempo nao permiliu ns tfiaenieifa da*
moto*, qua jk ha multo d'-.vlam estar feitas.
. ?*?- ** Hto* da Gutonroo*; segundo o Ccm-
citiadur. jerasl II publicado, temporaea cau-
caran immeaaa estragas, rJrrnbanm chami-
w*- tobado, araraa, nfln, flieraa comas
dicbelicaa. ltimamente, as igreja de Refojas
-4a taala. asta*a o parocha a diaer miaaa a ao
randa numero da f rntete, quaodo da repeo-
la ea-rim*nto da igaaja iremau, .aa sepulturas
brea se e aa predigieei quaniidida de agua
ieaared* a igeej I
Imagine se o alarida quo t sie acontecimealo
tiroduzra ao pora, .te, d nvolta com o padre
B*to>de-*ne oxiofualo iicttcI, togira pela
grartatra ao gritas de oMottol
A causa dalo foi a segualo :
Par baila da igreja a-rar-enara um grande
cama, qae rcrrtodt aa aguas d'aquellea sities,
parda como n'aquella oocatu > eram de mais por
uta daa muita churas, o cano allaie, e a
ga, reprimida, comagou a repuehar par tadoi
<> caotoa da igreja.
Felizmente, nao houva dwgnga* a lamen-
tar.
O Viciato, segundo una carta qae publica de
nuita lampa.
Sesfandaaas toara, fcsbte raeapelir a Sr.
deseataaegaderAtaia Rocha para rerogar a er-
dem da rea Usa frtnaCataloa, gara Noaafcay ;
ueo seta-ia tarea a que ajoMa S. Eic
H atvlbacde Doble (ai coaa pela aailia
de i. Ksrc..-a tra*ou aHBC-Wna f-MHda-
de, mimoseando-a com alguna objectos.
-?e na Comi do Sutil
Nossos leitores nao podem bsver olvidado o
ultimo o bsibaro assasainato, corametli lo palas'
Gratis oo termo da Piratmy, oas pessoas do* ir-
mos Rsduiioo Farrsz e Annioal do* Sanios.
Foi* a respailo da echada dos corpoa daa
doua infelizes escrerem 4 Aurora de Bagi urna
tocante historia, que transcrevemos como ritis-
simo exemplo 4o que Ira do antete o tanto no
amor materno -T*aa- fosan en dnaida a* cogi-
lagoes da misera qua to cetfadaa na sus prime-ira
llur as suas mais bellas esperares* qae a (iuro co-
gitar acnou : mu do tal forma, com tamanho ca-
lero, que o fio de suas reflex&es Ihe escapa, que
o calculo pesaoal se esconde, e que s do alto
julga ter recebido a inspirtQao do sea amor ma-
terno.
< Teodo, logo que tere conbecimento do assaa-
sinaio, o digoo subdelegado, o cidadia Fabiano
de Suza Fagundes, se dirigido ao lugar do acn-
tecimen'o, all fez proceder ao auto de inresiiga-
C'io, deixando de fazer o auto do corpo de delicio
por n&o spparecerera o* corpo*; e, coruquolose
fizessem todas as diligencia* posslreis, toda* se
pipas a MOf e ti a tSf. Pican tu Mr N
pipa.
Sil.-rouca melhora tan alcanzado n alta
cots^oes; ss collaat* antradaa qae team fnio,
a que noalam a 48.590 iqualrea padatamapaaaa
consernr oa prego* da 750 a Wtrrs, A mtaHa'
ei* inclalodo tres carreganenloa atradoa >
mmente anda por 100,000 alqoairaa.
A abundancia que temo* tidu da*ta artigo tan
araa dvaa-ta *_aa_Mi Bir
alten
xarq
W
ao*
fetal
missio da fai*a4a seja comaaUl-
de exantoar con acurada ttengao
autorhatra para ao depois aren
WW peas.
r. Paaaira da Latina dirrga do orador qae
aaatoav na tribuna, por julgsr que o crdito
aaawaaarfl nocaaode ser approrsdo, mormenle
teado-a* an rala a manaire porque foi elle apre-
sen tado a cas*.
9a aa tratas** daflK
i, diz o
de#aVaafepnr*do rnaabro*. |JjeriaW Uar a
u< se fez. aperar e o t
Qaaato prodoatas -afr^D**, agios anotar a comaissio da contn a aaen Dan
amar assaa deepexa* rasnada^ maft^p
S JuJo da Putqoeirsdiz quecoa as fvrteschela*t tornaram infructferas, e j se bariam perdido a*
Oo da 18 a t9 da margo, i ribeira de Vargeas e esperances deseacharem os ditoacorpos; porm
Treroes,.eagrossou a um punto tal, que nao hou-| a D.rjpa Providencia, querendo anda mal* urna
aa acude, parede, a siac.ida que nao casse ^ti ftzer-ao* conhecer a forja de aeu poder, fas
iateiramenle arruioada I T'sdaa as teaeotein* [ com que infeliz mai da* victimas em um dolo-
das propiedades limitroph >* .'iquella rrbeira 0- roso aonbo se represeotssse um dos seu* iofelize*
caran conpleameate arrusalasl Os prejuizos fllho* dando-lhe parte do lugar, em que se acht-
caundot neata* duaa regnozins soben cima do rs junto com aeu desditoso irraao ; logo que ae
art
itu canto* mil rota.
Em Coimbra deu-sa an nlrtrecer do dia 9 do
corrate, una grande desgiac* oa b Mondego.
O barco qua d psssagen no sitio do Almegue
vina* chato de gente, qua na oceupa ato* traba-
(ha* do camiaho de ferro, e eu porque o calraei-
ra 4aiu_*a escapar a rsra ou nao achaaae fun-
4o, u maamo por outra. circsmalancia, poia
secundo o* joroaea da Coiaibr boja recebido*
oo est inda averiguada i n ria Jeira cauaa, o
barco foi da encontr a un etlact qae est oo
naiu-da rio a dspeda<;ou-ue. Ignora-se o nu-
mera tacto da riciians deiio desastre, Cre-aa
** Coimbra qn* peraceram pira mais de dota'
tiesaoaa. Un barco que proridencialmeata vi-
cha prximo o que Iha p le altar a-a dea aa d.xe pe*st, porm o.
reto submergiu-ser Alora do barco ser relho
acordou, a desditoaa mai contou beohada de la-
grimas a urna mulher que estira em sua compa-
nhia, o triste sonho qae acabara de ter, coun-
dando-a para acompsnhala ao lugar indicado
em sea sooho, e caminhan4o a p por dentro do
malo em distancia de mais de meia legua ; logo
que chegsram ao dito lugar encontraran! os dous
corpos em tal estado de pulrefaccio que cuatera
a reconhcerem-se e em nulez completa.
< O assassinos corosram a sua obra do mal-
vadeta, con lu indo as duas victimas beir* da
um Isgoo, a atando-lhes pos e maot, com ama
pedra ao petcogo, o* lancaram dentro d'agua,
viodo, passados muitos dias, a ser achados, em
virtudo da falta de chutas e de le bailado o la-
goo s ponto de ficarem os corpos descbenos. A
infeliz mai, correudo logo casa do rcuilo hon-
rado e digoo lenenie-corooel Israel Soare* de
parece que coacorreu para sis grande desgrag Azambuja, deu-lha parte do occorrido ; este
falla da pericia nos barqueiros ; e o abuso qae i alm de sua probidade e empenho em perseguir
ss comaetlam em lodn a parla em qaa ha j os malrados, nao tem pottpsdo esforgos e diligea-
tem podido conse-
crimioosos pastado
te
eec. la
aiad compras iatpart
pofdjn aifeUaaagJ
proenr*; a htendo greade deposito trataran ot
atqiiiwitr-arit- fwr -TtB-rTrir, Tt^yr^j^ AlUUa
por alio* prego 400 a 440 r*, ppr rroba, para o
Rio de Jsnetru, a oa ouiro* porto* 100 ria
mar.
A* entradas da gados an Palotea team sido
repetida*, a calculamos haitr para diapr......
150,000 arrobas, sendo escusas a qualidtde
superiores. *
Os precoa da carne teem regulado para o de*-'
parelho e boa 4e ty tgQOO por arroba, a soa-
fior al *|300.
Couro* raecuna seceos.Conserraram sempre
oda procura, a as rranstgoa* do maz regulara da
SO' 29,000 cauro* ao* prego* de 80 a 285 rs.
por libra. Aa existencia actualmente nio *lo
grande*.
Dito* raecun silgados.Ha poucos para ds-
pAr e por essis existencias ex'gem. prego* al-
to*. Com tratos e adiantamantoa leem-se (eito
negocios a prego raeotteis, regulando 145 a
150 rs. pesado,135 a 140 rs. nata leianos. a a*
da rscca com 30 e iO rs. menos em libra ao* dt
norilho.
Para completar earregamento* tem-aa
155 ra. por libra.
A* noticias recebidas palo paquete desmorali-
saram oa compradores, e eremos que hoja as
eelagdes cima nio serio facen de I-
cangar.
Gorduras.Comprram-ae ni primeira quiq-
z*na cerca de 5.000 a 6.000 arrobe* a 3J600 a
graxa, e 4(000 o sebo ; fez-* ama revenda de.
2,000 a 3.000 arrobas a 3f9tO a graxa, a 49900 o
sebo: na seguod* quinzena compraran-ae carca
de 15,000 a 16,000 erraba* de 3f800 4J a graxa,
e 40800 e 59 o aebo, cujo* prego* parece Atan
Qrmes.
- 4
Cambio. Londres, 23 e 25 e 1/4 d.; sobra
Paria, 375rs.; sobra Hamburgo, nominal; sobra
o Rio, ao par 60 a 90 d.; a sobre a Baha a Per-
nambuco, nominal.
Fretea Inglaterra, 55 h. e 5 / doia, no-
minal Ktado-unido, nominal; Rio de Janeiro,
ris; Baha, 500 ris: Peru*mbuco, 600
pago a
*>rcoa de carretro, de reeeoirera maor numera
porla. Appareceram j $ cadarere* da um hu-
men e duaa raparigas.
No dia 27 de masgo, em eoosojueocia do gran-
4a leaporale mar que Mata, deu-ae o lamenta-
ral naufragio da um barco j mo pona* de Vi-
una que airare** o rio Lima. O barco rinb
4a illa de Poote do Lima com carga da tioho e
aailha.
O jornal Aurora de Lima ccreaceata que tres
aarqueiros qae s achtram no barco de*ppare-
caram, o nao pie duridar-s de que morra-
taa aifogado*, porjue de differeota* pontos do
rio elle pediam toccorro pata ierra, conhecendo-
a perfeitameate qae nadan.lj .utiram contra as
andae. sgritu* cessaram rauito perto da mei*
noita.
Protimo ao lugar do aiointro athatam-se an-
corado* tras cahique, cuja tripulages liroram
adaabaaanitada de e racunarem a prestar soc-
corro aoa infelizes naufragados.
Aaaochenlaa da rio ouc* ciusaram daa des-
gracia. Junto ponte de Kngeja morreo afo-
gado un hornera deMurlosi, prximo da
Joiode Loura riroa-M um Itaceira em que iam
-anaaseta pessoas, aa qusea aa salraram agar-
raneo aa aalguelroa excejto urna pobre mu-
lher chamada Mana Bichla.
fin 25 do margo enlrou em Vigo barca Sim-
jHHkU, anibada com arara liaba tbida do
Porto para Paroembueo em 14 do dito mez. Urna
parte lelegrtphic recebida ricerjienaote de Vigo
deahtdos todo* o* navios qie ali tiuham arri-
bada, aporisso de suppoi quo a Sympathia
aeguisseto seu destino.
_ Entraran ao Douro: en 5 da ab.il o
brigue Amalia l de Peroemtueo. por Vigo. em
dOdiaa, a o patacho oa-iVova, do Maranhao,
por Vigo, em 32 diaa ; en 6 o brigue Millo l,
a o brigue brasileiro Olinda, amaos de Pataen-
buco. por Vigo, em 40 dia; em II a galera
Camponeza, ao Rio de Jaaeiro, por Lisbos. em
58 dia.
Sahiram: em 10 a gs era CaitroII, ea
brc Paria /. ambas para o Rio da Janeiro;
em 11 a barca Activa, para Dio de Janeiro.
Abrinm termo de carga : em 27 de mar-
co o brigue S. Manoel I, para Pernimbuco ;
em t de abril o patacho Marcial, pan o Rio
Grande a Porio- Alegre.
Alm desle navios, eao carga :
Para o Rio de Janeiro as i;alens Joaquina e
Ainizode, e ti barcal Santa Clara, Amelia e 5.
Manat II.
Para a Bahii as barcas /it laura cao e Douro.
Pin o Maranhao a barca brosileira BriAon-
e, e a galen Aurora.
Para o Para a barca Amen ona.
Para o Rio tire rile do Sil a* barca* Paquete
do Rio Grande, e Alfianra, e o patacho S.Jor-
ge di Acetro.
Kaioi di carreira do iJr.uil surtos no rio
Douro, anda tem destino* Galera Camponeza,
barca* JocAo (brasil-irs), Oliveira ; brigues 0-
Jinda [brasileiro), Amafia I, e JfeHoI, e pata-
cho Boa-tfova.
cas para o* capturar; nio o
guir em razio de terem os .
Camacuan, dirigindo-te a rumo d Cachoeira, on-
de reside um irmio delles, e onde foi ha poucos
dias preso um por nome Francisco, a
De Santa Catbarina nada temos que noticiar.
Foram approtadas palo goteroo aa alleragoes
feltit not estatutos di lociodtde franceza de Soc-
corrot Mutuos.
OIIRIO OE PERNAMBUCO.
INTERIOR.
Blo de Janeiro, ti de maio.
O tenido elegeu bontem o resto daa sua con-
miitoe*.
Entrando depois em 3* disciusSo o projeclo que
eclara de fesla nscional o il a 12 do outubro,
orou o Sr. Silvelra da Motta, i Gcou o debate en-
cerrado por. nio harer mais cuom pedisse a pa-
Itvr, oem numero sufDdent ? para rolar-se.
Hootem nao houre sesio
putadoa por falla de numero.
- 9 -
liontim nao houve sesio
da numero.
A cimsri dos deputados e
duis commiisdea permanente
caaento e coat*.
na cmara doi da-
do tenido por falla
pg'>u bontem miii
:a 4* e 5* do or-
Pelo tipor inglet Oneida, rindo do Rio e
Babia, recebemos ornaos, do prmeiro al 8 e da
segunda at 13 do correlo.
llio de Janeiro.Sub a rubricaInterioren
contrario os leitores o que ha de importante.
No da 8 aahiram em commistSo : a fragata
do guerra mazoaas. sob o commaado do cepi-
lio-ienente Th^oionio Raymundo de Brillo, e a
crtela D.Januoria, aob o commando docapilio
de fragata Joao Carlos Tarares.
Baha. Seguir a bordo do Apa o Etm e
Retm. Sr. bispo de Goyaz D. Domingos Quirino
de Souza.
Fallecen, no dia 10, o conmeodador Fran-
cisco Jos Godnho, antigo e abastado negociiote
daquella praga.
NOTICIAS COBMERaAES E MaRITIHAS.
Rio Grande *9 dt abril.
Conliouarsm as transaeges da nossa prigi oo
decurso doste mez com pouc inimagio a nu
raorimenlo nio exceden ao aoteiior. A imporla-
gio foi menor e em quaai todo* os artigo, excep-
tuando o aal e mesmo o carvo, que, no aug-
mentando o deposito, cooeorreu toda ria a cooser-
rar-lhe a pongao qua lieham. Pela falla de en-
tradas diminuiram muilo as exialeocias de tarios
anigos e em outros cooservou-se a escasset que
j delles baria.
Esla falla de sortimento cooeorreu em parle
para coosertar o eslaclooamenlo do mercado,
porque as boaa xisleneiaa deienroltem a pro-
cura e animsm aos pedidos do interior.
Temos boje falta de agua-raz, arroz Carolina e
nacional boro, bacalho, caf, cb superior, pois
so ha existencias do inferior, tjgo, folha de Flan-
drea em pequeas partida, fumo auperior, min-
teig iogleza, oleo de linhiga, paitis, presuntos,
a rinhos do Mediterrneo.
O mercado de ftrinbi de trigo pouco lisonjei-
ra : a maior parle das existencias sao da inferior
qualidade ; a aua realisagio morosa, o que mais
a prejudica ; e nestas conaideragea que lm j
ido a leilo varios lotea, cujoi mullidos, como
en de esperar, nao lm sido fttoriteis.
Nao ha gnode depotiu de asaucar ; e, se nao
fosse a firmeza dos possuidores em sua otacoe,
este mesmo deposito nao existira ; por isso con-
sideramos nao estar o mercido bem prvido dest*
genere.
Nos fructos da provincia os couros e gorduras
tem sido procurado* ; o chirque qae lici mais
em apathii.
Sobre cereiei temos noticias muilo satisfacto-
rias do mercado do Poilo- Alegre, o'onde nos
commuoicam ser este um anno muilo abun-
dante, mormenle em milho. feijao e farinha de
mandioca.
Cam&ior.Pelo piquete Tocanline, sahldo a 16
do crrante pan o Rio de Janeiro, *acc*ram-se
sobre Londres 3614.000 a 25 a 251|4.
Para os poitos do imperio 14O:O00J00O ao par
60 e 90 das, e 1 *_ 10 diat. ^^ V
Para o paquete Bratil, que se echa an domo
PO'to. tm-*e ucaada : sobre Loodre* J* 26.500
a 25 114. a una pequea oparagao a 25 1|8 ; ao-
bre os porto* do imperio, por em quanto, os ne-
gocios efectuados nao excedem a 40:0(i ao par
60 a 90 diai, 30.000 a 3 |. 10 dias, a 6:000 a
4 f0 8 diaa ; sobre Piri, a 375 r., pequeo
saque. Total das operaedes do mez at hoje (29):
sobro Londres S 40,500 ; sobre o Imperio......
222:000, a sabr Pim, regula por 25,000 frs.
Fre.-_Fretaram-ie duraote o met 14 Barios,
s saber : pira couros silgados para o Canal 10 na-
Pelo rapor B'atil, entrado hootem dos poitos
da aal, recebemos datis de Porto Alegre at 30
oo pisssdo, do Rio Grinde li 4, e de Santa C-
tbarlna al O do correute.
N ultima data partir da capital para a cidtde
da Rio Grande oebefede pol ci di provincia de
S. Pedro do Sol, indo, egundo ss dizia, encirre-
*? 4e urna commiwio impe rante.
Tinb logutdo para a Urujiusviioa, a bordo do
raaoi Rto-Pardenu, o Sr, car. nal de fragata Bar-
fcota da Lomba, commaodante 1 esquadrilh* que
all^ral eaUctonar, acompanludo por ouareoU
pracas da armada.
fa da 14 do patatdo faltedla o Sr. capito do
arpa da engenhelros Antonit Dia* di Com na-
tural datta corte. '
A Ordem d a seguinle na licita;
O Sr. Cario* Beijanin peirazi, doutor en me-
dida*, natural da Alltmaoha, procorou- inatruir-
se ao* dogma* da rellgiao callio.ic*. e, 10b a oi-
reegio do padra-maitre Mignol Cibega, eonrer-
teu-ie i caiholica, ten do lii|r i solemnidado,
%m M falta com todo o appanlo, na capilla do
palacio-apiKopal.
a 5r0, 9 a 5t 112 e
O 8r. Dr. Petrazl receban o btpliaao tub con-
litaoaa, aando pidrobo o Sr. capillo Jote Eat*-
Ao da Lima Bnndo, a depois o sacramento da j
iaai,
da <
coaflracio, (ando pidrlob'o S. i'xt. R*rm.
rio, sendo : 6 a 56 cas.
5 lo. 1 a 60 cbs. a 5'|w 1 a 60 cb*. a 10-i.
p*n gorduras : 1 a 60 chs. a 5[6 { para N^rr-
York : para couros a genero, 1 nario de 106 to-
nelada* por 4:000 ; para Moolerido : 1 navio
de 160 toneladaa por 2:000 ; para o Harro : f
nario a 70 fea. a 10 *\B.
Eatado monetario. Contina pouco liion-
geiro. a* cobraoca* sempre difliceis, a falla de
dioheiro sensi^el, o qaa bastante prejudica as
traotaeges aot fructos da provincia, qu podiam
ter muilo mais activas.
A moeda nacional contina a eteassear e tai
aubindo, tendo-s j psgoS'i, da premio.
Aiiuctr de Pernambuco. Eotrartm 1,890
barrita*, 460 mei**, 100 taceos 30 brrics ms-
cavo ; rindo no Relmpago 1,165 barricas, 310
meia* e 100 aero*, doa qu*s venderam-e 775
barricas, 200 meia* a 100 uceo* a 5 ; 290 bar-
rices a liO meias de 4 a 5 ; 30 barrica* masca-
to a 3400 arroba: a 100 barriea* irgulram pa-
ra Porlo-Alegre ; 600 bsrricas e 150 meiaa do
Midas fleam em despacho ; 50 barrleaa do Cae-
ir l foram por anaanaaaad*.
D existeacia rettdaram-** 575 barricas a 59,
floendo ea deposito pira Hioor, inclalodo O trt-
regaaenlo do A/earate, 1.441 barricas, 250 mena
braoeo a 160 barnaaa -nacaro.
Caxaci. 17 pipa* rinda* no Imperador segu
i ram par* Pelotas. Vaodau-** da exirteoci 90
lo 4 maito curial a asta no cii'de ser adoptado
pela casa. __-
0 Sr. Lucen, [nao derolreu seu discurto.)
O Sr. Bario de Muribtca aioda fz alguna*
conaideragea em *ulentagio de ana emeod* da
diament, a responde s obsergoes do prece-
dente orador.
Verificando-** nio htrer casi, o Sr. presiden-
te designa a ordem da. da e levaata aiesso.
SESSAO' EU 15 BE aIO DI 862.
PretUmcia, d Sr. faro* WrarCraav
J.fi' ...... Ilil/ail L
t" "
nptoa, no
400
i
Meta*.Oogi*,3_; petos. 2f; piae6e*,2;
pegas americanas de 3 dbrs., IOj ; diUi ditas de
2 1/2 dbrs, 59000.
Moeda.papel nacional, a T.l/,*/,. ourodito
a 8 /
Rio de Janeiro, 8 de mato.
Cambio.Londre: 25 7/8 Raris, 365 i. 90 das.
Porto. 114 115 /, vi*U. 112 %
a 30 dia* e 113 /, 60 diaa
[bontem).
Aege.Eitrada de fero da D. Pedro II, 18
descont [hootem).
Frete. Vela I*le 6* orden, 70 ranco*
[hootem).
Gneros.Caf superior, 79800 por arroba.
Atracar bnoco da Macelo, 49 boje, a 4 a
49100 (bontem).
A' ultima hora.
Cambio. locluindo operagoe de pouco
vulto effectuad** hoje a cotagoes offlciaea,
lomman u aque* pelo paquete ingle
Oneida:
Sobre Loodraa: 1630.009. a* mior parla a
25 7/8 d., a o reato a 25 3/4 d. no mez anterior
e 26 d. no correte.
o_fobFr,,l5,: ce,CT de f.100.000 francos de
dt)5 a 70 ra.. sendo as Iransaccoes a ata impor-
tantes de 367.3t,9ra. i
Sobre Hamburgo 250,000 m. b
Ouro.Bxportaram-te para So
paquete inglrz Oneida :
Em Parra.......... 32.1
Em p............ 7
Em moeda......... 9
Total........361459160
Coia-e moeda nacional de 3 4 */Q de
premio
Ppel moeda.Remetleram-te par* Pernam-
buco 30:000 em nota* do thetouro.
Cambio.Sobre Londres, 26e 26 1/8 d. por 1*.
* Prn, 395 a 870 rs. nominal.
> Hamburgo, 980 a 985 ris
omina!.
Ltabo, 108 a 110 / do
penlo.
Moeds.Dobln* betpaohoe*. Slg5O0 32.
da palria, 81| a 319500.
Peca* da 9400 velahs
> da 4f-
Patacoa* braaiieiros, 2I00.
he*p*nboes,2|100.
B "xic.00*, l90o M.
Freas.Para Breaen a Hamburgo, 55 a 60
sch "
Gibrailar. 67 1/2 sch.
> Gotteojbnrgo 70
loo.
Canal a porto inglet, 50 a 32 f/
sch. por Ion.
Continente 57 1/2 a 60 sch por
too.
Liverpool 40 e 45 sch. por ton.
New-York, 60 sch. por ton.
Marselha, 60 a 70 sch. por ton.
Londres 50 aeb, por ton.
Sshio par Pernambucano : da Bahi, 9.
o brigue Liberal.
Chegou, procedente de Peroambuco: so Rio
de Janeiro, 8, o palhabole PUdade. com 30
du* de viegem.
1 henva litoido* erodito RWdfdoaga^aTatoraaT6 v'ebl
cul*dore% aaiada*. etlaodo iaea cnopaaienanteafa demon-
ijo logo, a Modo, nio pode a ana datan de --atar pelo *ubs-
au *j_ __.* I!3?!_-?'"-t0 deJdjP>f*0-
0 Sr. Witrurio nao torta durida am rotar pelo
diimcnto, *a por *Btr* por estas documentos
que for.m prenote* can, ae podesse substituir
_*"?# ?***?'' *-** daaartaio. aaa em
pnmeirq lugar Ullou: porm que dizendo apena*
eses documento, qua foram egoladu Ue a
toa* rerbe*. a qu pr* oceorrer aa deapezas in-
di.peniave, precisa te oto, intil ser o exime
a que se quer proceder. Auim eu emendo que
o ubstiiuiiro, referiodo-a i despetas etidente
mente urgente*, aat na cato 4a ter adoptado
pelaawa; e por Uso Iba prestou a sa* suigna-
tura e cooegutntemenie rata contra a adla-
mento.
O St. Barro* Brrala diz qaa nao t motiro
Pira o igodamento qua maoifetU aa caaa tn
ttvor do lubitutira ; Bue a commissao da orga-
meoto nao pode *ar aecuaada por demorar a *o-
lagao dos negocios qaa iba sao aubmlttdos. Un-
to qaa respailo do crdito que dlacuta, alia
emana o seu jUo no du imediato a aquella em
que lhe (01 preaente o pedida, a qae na naana
occasiao por alie orador (ai podida a dispensa de
imprettao. r^^
Entende qoa pedindo crdito o preaiaanta am
para fazer despena* nio um bil de indtmnida-
~DJa n,i* "toaveldo que o reqaenmeoto
aum de que a* irjatiiua um eiame sobre essas des-
peaa, tanlo mais que urna demora da24 hora* ou
de mal* nao traza um prejaito noUral. Enumera
verbnpara que sapada crdito* auppleaenta-
re fat ret qua nnhuma dalla* de tal urgen-
cia, que por um demora qaejquer pona preja-
dtcar o tervicp paUco couclue declarando que
preila o aeu aateatimenlo ao adiameoto, por i*to
qae, como dina o Sr. Btrio de Muribaca, pra-
ctpitigao na roUgao de cradilos, poda importar o
dltcredilo da Maemblea o qaa contm todo
transa evitar.
O Sr. Netto pronuncia-s* a favor do adiameo-
to, tezendo ter que nao ha motivo plauairal para
que se deixa da instituir un same sobra a ne-
cesitada do* crdito* pedido*, tanto maia quan-
to o gorerno nio ollereceu documento* qua pra-
rassem ae realmente lidia en* neceuidade,
Unto mai* qua nio posiirel caaa dentro de
poucoa momento formar o *eu juizo sobra sa-
melhant nac*Md*de.
Becooheceado qua nenbun prejoiza ir da
pequea demora qua podar Ur o atan* qaa a
commissao vi proceder, da nuita aearonlade
precia o seo roto ao adiamento.
O Sr. Buarque justifica e tequerinenlo que of-
ftrecea conaideragio da oasa.
Encerrad* dinuiaao, o raqaerimenlo poeto
a rotea a approrudo; tnim tambara o artigo do
projeclo.
CoaUnaacie da discu*ao addiada do parecer
da commirta* da consiitugo e poderea sobre o
projecto nio seccionado pela pr asi den da, con-
cedeodo a- F. al. Oupr*t o prarilegio para incor-
porar urna eompanhia pan edificar _e*U cidade,
i predio* raitito* e urbano*.
O Sr. Bati de Muiibeca dia qaa multo boa*
razde* Uve o ex-edmiaialrador da provincia qu an-
do voltea nio anexionada a projecto de que a
ca* ora ae oceupa, porque ella alen de aer in-
constitucional Incooreniente ; inconstitucional
4 o projeito porque s os poder** genes podem
conceder preritegio*. e nen 18 artigo algn na
eootituigao da Imperio que iso autorise -
ambl* prorinciae, e inconveniente, porque ir.-
dubUaralnente. hade elle tratar cono conaeqaen-
da anbaracos mui ario a industria da provin-
cia. Em vitti pola daataa conaidenget e en
quanto nio lhe deren milbore* raze*, vota
contra o proiacto.
Ao mai* di* teita chamad)* retiftea-se bav
numero Uc*l da Sr* d*pt*doa.
ar
a 75 icb. por
PErtNMBUCQ
repr-
ASSeiBinA LEGISL4T1YA PB.YblCUL.
CONCLIJSO DA SESSAO DE 14 DE MAIO
DE 1862.
ORDEM 1)0 BU.
Segunda discusso do projecto que ore *ogo-
verno um crdito lupplemenUr dequsatia de 12
contot e linio* para oceorrer a* d**p*us eon o
curativo dos preso* pobres.
Entra em discusso o art, 1.
lot* r* meM *,'p,0?," "e I* ligo soba-
Ao presidente da prorineU flea dtid* j ala-
risado a despender, em supplemaato Ui da or-
namento rigente, a quanlia de 36:714*768. asaim
desiribuida: '
Jl. Com 9 expediente da
. o da* obras publicas.....
2.* Com o reparo e contervagao
daa obra*....'.........................
S 3.a Com o expedienta do comu-
lado pro uncial..........,'...........
4. Com o* primitivos Oscaes...!
I 5. Com os coHctores..........
8 6. Com oa esciities dss collec-
lo"..................,M...........
9 7.a Com o sustento e curativo
dos preeo...........................
S 8.a Com ss despena erentuaas.
S. R.Pe reir de Luceui.A. de Soun Car-
vslbo.Torres Bandelra.Witrurio Pialo atea*
deira.J. Mello Reg.
Vai tambem a mes* e approvado 9 ngaiote
requerimeoto:
Reqneiro qaa o ubstlulivo teja enviado a
commissio de rgamento provincial pan aobt*
elle emiltir a sua opimao Buirque. >
O Sr. Bario de Muribeca dia que na verdade
fon lurprehendldo com pretentagao do sutti-
tuliro que foi tubmettido a coniideragio da *
porque ei*a* despezs* para qae elle peda ana**
volem quantias, nio tendo ido inda fete* a
nem tendo ido inaa examinadla pela aa* raa
com effeito ella* sao d urgent* naceaVla-dV
cumpraqae so depois de loffidoTaTeMn.'
mlnocioso sobre ella*. esta alia pona deH-
DCT-tT.
Nio eochergando pois a necenidada paaa qa*
j e j sequeirim rotar lies fundo*, sua opi-
360900O
142999124
7779000
463*010
2;32180
1:3499440
12:128|05O
5:000|000
do parecer por 24 ho-
0 Sr. Souia Rete, (nao derolreu aeu diacurso )
Vai meta e apoiado o aeguinte requari-
mento.
Raqoeiro o adiamento
na.Buarque.
O Sr Buarque, (oio derolrea seu discurso.)
Eoc*rrda a ditcusso o parecer posto a ro-
to* e approvado.
Primeira dtcuuio do projeclo n. 16 desle an-
no. cajo intersticio dispensado a pedido do Sr.
Soaza Rei.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco, reeolre :
Ait. 1*. A lei n. 511 de 18 de jnho de 1861
a ***eut** o *aglatea *lt*r*goes:
1*. O prazo de que trata o 5 do art. 12 Oca
reduzida 30 di**; para aa obras poren, de va-
lor exeadenta da det al ciacoenl* cootos de ris
nr de dea* mete, e deete *lor para olma de
Ira.
2\ Flea suprimido o srt. 19.
8. Na etecugao do art. 20 o presidente da
provincia altander circumatanciadamente re-
ducr,aa do paaaoal, anbon augmeote o* renci-
"*-,*. con tanto que nio ej excedida a des-
para actual.
Art, 2 O xcesso das verba* pira o expadien -
la a aeaaia daa rapartigde* e Mtabelecimentoa
prorinciae* correr por conU do* emolumentos
que em aada un dalla* aa cobra, a da ponente-
gea na* nparucoea em qaa alia *a dadas.
Art. 3. Fita prohibida *mi**lo da* plice*
utormda pelo art. 31 da lei o. 488 de 16 de
maio da 1860
Art. 4. C>eeo depoia da abertura da assem-
ole protiacial dararia aer remetlidos esta o
bateogo, o balancete. a proposla t> ornamento e
o relatorio da -thesoanria, ludo am manuscrp-
ta, ae atada nioeattvaren impreiso*.
Art. 5. Ficam rarogad** aa dtepasle&e* em
caotnrio.
SaU daa eoamissoes, 6 de maia de 1862.
Barao da Muribeca.Soun Rei*.Barro* Br-
relo.
Parto a oto* o projeclo 4 approvado sem de-
bato.
Coattauagio da primeira discusso do projecto
qoa conceda a posen ledo ria oo logar de medico do
colleglo daa orpbioa ao Dr. Joio Jos Pinto.
ral a mesa apoi-se seguinle requerimento :
Hequeiro o adiameoto da discussio al que se
discala a requerimento a que o projecto ae refe-
reBaria de Muribeca.
CSr. Burla te Muribeca diz, que com quanto
l tenha tomado parto aclira na discusso do pro -
jecto,todava seaio Armn n'om argumento muito
esaaoclil e qoa corrobora oplniio qae tem to-
are o prejret*. Nao sabia com certeza que ot
empngado da caaa do* eipottos e collegio doa
orpheos eram considerados empregadoa publico*
e coa direlto apoientadoria por am regla-
noslo confeccionada pele presidencia, e mesmo
a Iha dtnenen semelbante couia fon da casa,
deeidaria que presidente sendo autorlndo para re-
formar um regulameolote animaste a considerar
mf,e# q 0*0 sio regulaaentares. Obserra
* Utostr* orador, que quando existe ama lei re-
falando oa cato* em que podem ter lugar as apo-
fVtMoait e dislgnsndo ot Individuo! qoe podem
ter dueo a ene beoeflcio, Alo pools o gorerno
da prorincia sob nenhum pretexto alterar essa
lei aitendendo esse beneScios a outra classe de
enpregados e alterando a* coodigoe* eitatuidas
pele lei. O honrado membro comidera am aeme-
Ihanie proetdimento, como un doa matares abu-
so qua poda praticar am administrador, e com'
quanto, dix, nao lere e teu zello pela* preroga-
l'r- da neabl* provincia io ponto de ea*
tebeleoer coaflieioa com os poderes superiores,
todava satisfaz-ie sempre que pode pugnar por
esa** prerogalirai e o* oocatiao presente nao
poda deinr da o fazer ea vista do abaso prati-
cado.
Baleade a illuetre nombro que tendo o gorer-
no *ido lutoriuda a reformar o regulameoto do
collegi* do* orphlos Ocando eita reforma de-
pendante da ppr* va gao da atsembl* e tendo a
apanotedaria de que trate ido considerada em
rtu de te! regatonalo, a oproragao que 1 *s-
eabla pana dar ao projeclo en discutsae, im-
prtela a sinecio daaie regotemeoto que nio foi
iada datidaaent* apnciado pela tn ; e por
isso alende^ quejo seu requerimento de adiameo-
0 Sr. Presidente abra a sango.
O Sr. Segundo Secretario l tete da ante-
cedente qua -approvaaV.
0 Sr. Primeira Secretario menciona o *-
Batatar
EXPEDIENTE.
Um officio do secretario do governo, remetien-
do copla do aelo da presidencia pelo qual foi ju-
bilado oprofessor publico deinslrucgao elemen-
tar da tilla do Bonito, Joo Braulio Corre da
Silva.Iteirada.
Ouiro do meimo, remetiendo por copia afim d
ser prsenle a anembla para ser tomado na de-
vida cooiidengao am offlcio da cmara munici-
pal da villa do Bom Cooselho dirigido presiden-
cia mencionando a* necessidade* que alli ippa-
racem.Ioteirsd*.
Ootro do meamo, tranimiuindo a informagio
da inspector da Ibaaourari* provincial, relativa
materia de .que trata o officio desta assembla de
9 do correte.A qoem fez reqaisigBo.
Ootro do meamo, remettendo nacciooado o
aelo dest anembla n. 520.lotairada.
Ouiro remetiendo poituraa da cmara munici-
pal da viiu da Bom Cooielbo.A' commiiiio de
negocios de cinara*.
Quita do Sr. a_puudo padre Manoel Lopea Ro-
drigue! de Barros, parlicipiada que em conse-
cuencia de ter apparecido o cholera na freguezia
de que parocho, a tornando-ae alli aeceasario
01 teu sor vigo, deixa de comparecer 1 eiU aa-
sembls.Inteirada.
Um requerimento de Jos Haria de Carvalho
Jnior, pedindo ae lhe mande pagar a gratifica-
gao que deixou de receber como agente fiscal iu-
lerioo da lumiotgao a gaz. A' commisaio de
orcaaeaio.
Outra di Candido Emigdio Pareira Lobo, almi-
nialrador daa obra publica*, pedindo le eleve o
seu ordenado a 1:200$. A' commissao de orde-
nado*.
E' lido e Oca adiado por ter pedido 1 pilavra o
Sr. Baria de Muribeca o seguinle parecer:
A commissao de petigdes bem lientamente
examinando oa fundamento* d* peligio de D
Joaona da Silva Medeiros, proprielatia do litio
deuomioadoPuxenho, e oio podeodo por forma
alguma toroar-ae iodifferente a jaitiga de teu pe-
dido, aaaim cono aa proraa robustas com que se
acha comprovada a meami peiigao, aitendendo
por outro lado, que o direito de propriedade
garantido em toda aua pleoilude pela conatilui-
gio, a qaa s pode aer naliaada a detspropriagio
depois da competente indemnissgao, como ex
praa mente determinado pelo ait. S79 22. de
parecer que ae remella a presente a commissio
de otcaaenlo pan marcar quola safflciente pan
a indemoiaagio cansada a peticionaria que ae
cb plenamente prorada com os mesmos docu-
mentos apresetlados.
Pago da aaaembla proiocil 15 de maio de
1862 A. M. Cavalcanti.Manoel Nelto.
E tilo e approvado o seguinle requerimento :
Rrqaeiro que se pega ao governo a remeua do
regulameoto dado para a* collecloria*. o qual es-
t dependente da approragio desia assembla.
Luiz Felippe.
(Continuar te-ha.)
REVISTA DIARIA-
Depois do expediente, oceupou-se sembl*
provincial em aua sestao de honlem, da primeira
discussio do projeclo do orgameolo provincial,
que foi approvado sem debate.
Cootinnou-se na primeira discussio adiada do
projeclo o. 5, qaeapprota a apoientadoria con-
cedida o Dr. Joao Jos Piolo no lugar de medi-
co do collegio doa orphios ; o qual foi appro-
vado, seodo regeitado o requerimento de adia
melo.
Entrando em lerceira discussio o projeclo q.ue
nx* a torga policial, foi votado e approvado,
aubsistindo por Unto na organiaago actual do
corpo de polica ; e aeguiodo-ae Umbem a ler-
ceira discussio do projeclo n. 12, que supprime
o lugar de.primeiro tabeilio e escriro do civel
no Rio Pormoio, foi apreseotado um dditito
supprimindo idenlicoi logare* na comarca d
Nazareth e outro creando doua offlcios de escri-
ro ds fazenda provincial e de capellat e resi-
duos, que servirlo cumulativamente cornos ac-
tuaes.
Tomando a patarra o Sr. Theodoro da Sur*,
oppot-se idea do projeclo, e mandou mesa
um requerimeoto 00 sentido de voliar o mesmo
commissao de togtelacao reunida de eooatt-
taigio a poder para formular molidas genes
com relagio divino dos officios de juilica em
toda a provincia ; e depoia de orarem ranos Sr*.
de putido*, e de *er offencido um requerimeoto
pelo Sr. Fenelon no sentido de ser ouvido o juiz
dos folios, quanto divino do carlorio da fazen-
da, e de ser adiad* a discusso, foi encerrad*
esti ; e rotadas 11 emendas dos Sr*. TheoJoro e
Feoeloo, foram regeitedas ambaa, sendo appro-
radoso projeclo e os addiiivos.
A orden do dia contina a ser a mesma inte-
rior com incluaio ds primeira discusso do pro-
jecto n. 26, e segunda da do o. 15.
Amaobia aedever extrahir terceira par-
te da quinta lotera a beneficio da matriz de 8.
Pedro Martyr d'Olioda do comisiono da igreja de
Nona Senhora do Rosario de Saoto Antonio.
Acha-se j franqueada ao transito publico
* non ponte de Igatrati, aootlruila pelo en
genheiro Jos Mmele Airea Ferreira.
Esta ponte de extontio de 634 palmos, feila
pirte em ilveniri*. e parle em ferro, com todi
solidez, sem duvid urna dss boas obras, e 1
melhor que nei'e genero possue boje
tincis. \
Hootem deu-te i sepultura o cadver do
Sr. coronel Beoto Joa Lamenha Lios, presidente
do conseibo administralito do arsenal de guerra,
com ai honras militares que lhe eram detldas.
E msis um doi bravos da independencia, que
recllna-se no tmulo, depois de barer lllustrado
aos seus concidadios com a pratica de acge* de
taleolia e patriotismo, que sao conbecidas goral-
mente.
Acaba de fallecer tambem o Se. coronel
Maooel Pereira da Suva, um dot ciricleres mil
iltnstre do centro da provincia.
Cousertador de principios afferrorados, in-
fluencia que se irradiara beneucsmenle per va-
rios pontos daquelle centro, em que diipuohade
urna taceodeucia exlriordioarl, o finido deixa
illl um vacuo difflcil de ser preenchido, seodo
itsim urna perda terdtdeinmente irreparatel,
qur para aa relagdea polticas do partido con-
servador, qur pan as religoes toctee* dos in-
dividuos daquelle ponto, pan os quiei r* elle
urna protideocla, um conaelheiro, um amparo
pe* sua posigo de riqueza e importancia.
No becco do Pocinho foi hootem encon-
trada uma mulher, que havia fallecido na t*ica-
feira, e ainda eslata insepulta.
0 cadver achava-se em completa pulnfaa-
gio, e a decompoeicao era tamanba, que j o
mesmo resolvia-ie em liquidoi ftidos.
A policio ii lomar coohecimenlo do ficto es
gundo dos informado.
Achiodo-ie em tormos de coocluir-ee o
calgamento da ra das Laraogeira*. importa qoe
a aatondede quem competir lance ua nsias
jera o pessimo eatedo em que est simia ra
do Rosarlo, principalmente desde a esquina da
Vuelmado al Confronte o {lecco do Rosario.
Os moradores daa loja*, que abraogem eate
pequeo espago de ru, virara empre ineommo-
dadoa com a lama que os onimaea tiram para
dentro das meara** ; e assim etperam remedio
de quem o* pode aoccorrer.
Els o centesimo trigetimo quinto
a bolelit* offieal.
a Em um offlcio de 28 do. mu Ando dirigido
de Bezerios S. Etc., communiceu o Kvd. vi-
ga rio de*aa fregueiu Trajano de Figueiredo Lima
que, se o cbolen-morbu* nio eslava de toda ex-
tinclo naquell fre_uii, pouco* caa* f_la* li-
ahim pparecldo ; mas que a febra aeartlls, que
empre reinou all durante a epidemia do chole-
ra, tem recrudescido com alguma lnteniidade; as-
sim como que nio ae dando casos de angina e
eacarlatina, achando-sa muilis penoat affectada
algunn ea parigo d* Ida; aecnacentendo
t tto-precteo que aja enviado* alguna
_"^__*wtv**4 r -ilni-nln do* de*r*lido*
1 n**na algua qonUtiiro,poriaqaae aan-
r?n P"*uhaa-ii pronorida era ta-
auOtoieoto para oecomr a tanto mimia.
D Bt. lerrtira.
RwaaTigia da pouc*. (Extracto da par-
le da da M e t&de n*io.)
For.m 1000Ilude can de delencio aa da 15
do correte :
A' erdaa da Um. Sr. Dr. chele de policio An-
tonio Rodriguaa da Silva, de 25 anno* da ldade
e Flix Jos Redragu**, coohecido por Flix Mol-
la, ambo* breocos, dado* igricullura, o priaet-
ro para tecruU ao sago-do por coaittr ar a-
tor d* mono falla o* peno* da Joaquia Laii.
no anno de 18(8, em torras do engrane Mara-
nhao do termo da Ipojue, aasin can a attlca-
00 Roberto, da 30 anoo, eacra.ro do. bario do
Li*ramelo, por supeiio ma crine da furto;
A' arden do iudelegado do Recita, oa pertu-
guezaa Antonio Joaquim da Silva, branca. ate-SS
anno, martimo, por briga, o Maooa Per*ira
Lopes Ribeiro, Umbem braoeo, de 44 asaos, br-
boiro, por embriaga*, a o africano Praaciaee, da
43 anoo*, escravg d Leil de Birro, per indar
fgido.
A' ordem do de Santo Antonio, o afrieaao Joia
Jote, de 38aooof, ganbador, por luspeilo d* ter
escravo.
A' ordem do Illa. Sr. Dr. abete de potteia. o-
crioulo Manoel Antonio Francisco Romlo, da 40
aono, dado agricultura, rindo do presidio da
Fernando, a erioula Felippa Igoscta da Siln. d
2d anuo, lavadeira. por briga, os pardo Gau-
dencio de Fraoga Barro, da 24 aono, Uooaif*.
p*ra arenguagoe, Manoel, de 15 a o aoa, pialar,
por terse ainado como praga do 2* aUlbao d
infantaria, sendo eacraro, (como depois dectorou)
da familia do Qaado Jote Gana* da Silr.
A' or tem do obdalegado de S oa pardos Casimira Frasee* da* Virgaa*, de 27
anoo*. engommadeira, por briga, Antonio So-
'* *e 15 aune, dada a agricultura, ecrao da
Jos Caelano de 4lbuqurque, por andar fgido,
e Francisco, de 35 auno, ganbador, eacraro de
Ueleodoro Fernando* da Crot, por deaordan.
O chefa da 2* a*ao,
J. G. de Meiquita.
O v.por ioglez Oneida. abido san 8ou-
tampion e portoi iuiermedio*, condoxio* aeu
Oordo oa pasaagt-iroa *eguiotoa:
Joao E. Souto-Maior, Antonio i. d* C. Gui-
marae* P., Antonio de O. Ramo T Pialer R. H
Smilh, Joao Liy. Joaqum-J. F. da C. R, Dr.
Joaquim de A. Fooseca, tua aenbore a 1 Ulbo
menor, Adolpho II. Mulier. Dr. Loca* da Silva
A., Adolpho S., Manoel de V. Jnior, Joaquina
Dias F., Josqulm de O. Pinto, Joaqun J. C
Piohelro, sua *euhoia e 1 criada, o eenaeo-
dadot Antonio T. de MUarte.
O vapor ingle Oneida, viado dos porto do
sul, trouxe a eu bordo oa panageiroa aegaioto* t
A. Golten, a. II. Setift a 243 para os porta* da
Europa.
Morimioto da enfermara da can de de-
lencao do dia 15 de maio de 1862.
Tiverma baixa para a enfermarte :
Francisco Antonio de Mello ; febre.
Manoel Francisco de Albuqaerque t idea.
Joao Jos, africeno iirre ; Droochite.
Matadouro publico.
Malaram-te para consumo desta cidade, no dia
15 do corronte 63 rezes.
Obituario do da 15 d_ maio, no cuhte-
rio publico :
Lourengo do Espirito Santo Batboaa, Peraanbsco,
50 anno*. aolleiro, Santa Antonio ; hydropesia.
M*ria, Peroambuco, 7 netes, escrava, Rtcifa ;
enterile.
Francisco da Pialo Mariano Hlbeiro, Pern*nba-
cj, 25 aono, aoltelro, toldado, Boa-Vist ;
cholera.
Mana. Pernambuco, 8 mezea, S. Jote; eonral-
ses (escrara.)
Joseph, Peroambuco, 9 anaos, Racife ; varilas.
Mara, Peraambuco, 15 diaa, S. Jos ; espasmo.
Carolina. Mara da Conceigio, Pernanboaa, 30>
anoot, toileira, Racife i tubcrculoa palmo-
nare.
Beoto Jos Laaenba Lina, Peroambuco, 62 an-
uos, catado, Santo Antonio ; amolecimenio ce-
rebral.
pro-
Communicados.

Teodo acceitido depois de hesiUco a tmen-
le por coosidengi* ao Etm. Sr. Dr. Antonio
Marcellioo Nunea Googalve, ex-preaidente del-
ta provincia, nomeagiode membro da coamte-
sao central de soccorroa mdicos, deixei de argir
para a Europa, como preiendia, no rapor fraaaaz
de fevereiro do corrale aono, afim da ver e.
com 1 mudaoga de clima, consegua reiiabele-
cer-me, ou ao menos melhorax de meusioffrimea-
tor.que datim de alguna aonoa a ss tem aggravado
progreasivameole; mas, conciwoudo gratuita-
mente com meus servigos, decUrai desde o princi-
pio que retirar-me-bia logo que S. Exc. deixasn a
prendeocia da prorioc, e diaae isto mesmo
em um commuoicado publicado no Diario dt
Ptrnambuco,
Preteodendo o Exm. Sr. De Nune* G__e*|**
retirar-seno meiadode abril eparecendo-meque
nena poca estara exliocta a epidemia da cbo-
len-morbut que principiou a desenvolver-te em
Cruangy em 18 de dezembro do anuo paseado,
cuidei oo ir dispoodo meus negocios de maneira
que podesse partir no vapor francas dest* an ;
mas, retirando-te S. Exc anta* da poca filado
em cootequeocia de reolucio que foi lando a
lomar, a tendo trabalho* qua inceinnlemento
pesava sobre mim aggravado aioda mais nao
soflamemos, julgei iudispenuvel pulir, afim da
nao correr os riscos em que me tebei em 1860,
e expor a mioha vita, da qual depanda a educa-
gao de meus lilhos.
Deixando a commissio cenlral de soccorroa
mdicos, de qua sou membro, e em que coeli-
nuei depois da relinda do Exm. Sr. Dr. Nunea
boogalvea a pedido do Sr. Dr. Joaqun Prea
Machado Portella que atnpre me toa dado pro-
vas de estima e cooiidengao, oio odrera o eer-
vigo publico, poia que cada um doa aaua mem-
bro podar aubalituir-ma p*tfeit*a*at* preen-
chendo o vacuo que reault* de miaba relinda j
e, j eaiando lembradaa ludas as providencias
que coorem empregar, ludo igora depeade da
sua execaglo, e para isto basta que a primeira
auloridade da provincia seja auxiliada pelea fa-
cultativos encarregados doa diatrictoa medico
eco que foi devidida esta cidade, e pelos que se
acnarem em commissao nos lugares accomcoeV-
lidoa pela epidemia, para que ludo corra regu-
larmente e seja aatisfactotto o rosullado.
Se, partiodo para Europa, leobo ea vista con-
seguir meu restabelecimeolo ou aelhora, tam-
bem proposito meu dar-me em Pari* a estado*
mdicos especises, e parece-me que nio me
cuslar muito conseguir a realisseo da na*
desejo, pois que a pratiea de mais de rite a
dous aunos me auxiliar, e meu diploma na
dar facilidad*! que nio tem outro*. Retiran-
do-mo por lguo* metes, deixo a miaba cltoiea
dirdida eotre meas amigo e collega* Dr. Fer-
rer* a Perelr* do Carmo, e cirurgiao SiUe, no*
quae* depotito a maior coofiaoca a riato de sao*
telemos, llustragio ortica, e espero pote qua
todo*, que recorrism aos mea* servigo medico,
e dirigirlo a enes facultativos, affiagndo-lhee
que por elle* erio cuidadoaamento Iratadoa.
Durante a miaba ausencia ficam encenagado*
dos meas negocios, como meus procuradore*. oa
Sr*. major Guslato Jos do Reg a Antonio Joa-
quina de Vascoocelloi; com eate* derarae en-
tenderse aquellea qae commtgo tiraran tran-
saeges, ou bouterem de aatiafatar a debito* pro-
cedentes de servigos mdicos.
14 do maio de I86S1.
Dr. Jonquim d'kquino Fonoeca
CorrespoBdeacias~
__(------------------
Srt. Redactoret.-Li ao Diaria de Parnasnia-
co, oa puoiicagao doauabalhos a'aaaaabt pro-
riacial. aua oa tsala oa 8 tata approvado ora
requerimeoto do Sr. epatado Lacena, pedindo
pratideacu da prometo aeguinte* iafor-
aacoaa : ..** ex-tameanir* *o palrlaooio
do* orpbioa ja prnlou aantea : na caso aAraa-
Uaa-aa beato nido a teror ; e *e jatea reoo-
Ibido ao cetra ; no caso gativa, por qaa ton
elle deixado de faze-lo. Seodo ou o ex-ihnou-
reiro que, grataitaneol* e inatoaci** do en-
f


'vm
-MW
'.',;f
T
lio erooldaara da provincia e, hs, niatatra dos
eetrangtiros, fez parle da oxttiict'i admima-
tsnceo des erswoa, cerra-me o deverde ss-,
isssser, er tata garle. c to,TOWi 4m.
>*oaW da *"* npsaaeeAaate di proeiaem. e
'"yyy *e eieemo tana* qualquer jai-
e varase!, oe i nM tipaito por
""B,*f Haertaiaata.Iier eege-
mde o (tirito pandeo.
*['* numerar a* voolegeas, que
"i! g*<*-,oafJia a orphan trouze a ad-
"^ES* .Mllncu. ** Qoe faita m parta eom-
-SWgo leuoetoa caracteres, coaao ai o i aeohorea
*"ea*l AoavtesjM AOoaoo htrj Ferreira. Dr.
Vicenta Pereira do Reg, negocia oi Francisco
Gomes de Oliveira, e coasmendador Jm Victori-
no de Lomos: estes serrigos Ji foram aquilatados
palo publico a peta admioiatrasSo da protiocia,
oonaado-'ae consignados *oo respectivo velatorio
jais)?asWieon o ihopio de Pernan.oaco de 16 da
Jmesiatrede 1961, o qual os resume em soa coo-
srioeeo pela saeneira seguiste : < Todava, limi-
tado aos proprios recursos do patrimonio tea
prontoe-ide Botareis melhoramenus, proveodo
embae ee eoUeajtoe dos moris neceisarios com
a saeraUtatoaa dos velbos catre de mideira, que
axbou no dos orphos por 60 letto de farro no-
no*, elevando a esta numero o dos ndaoaodos,
que d'antea era apenas cuarenta. Igual encom-
menda (ex ao cemmer*i*ule Joo di Cruz dos
Santos para a cotl-gio daa orphlae, ejo nume-
ro tom augmentado ura terco man do que!
d antes era ; e aem embargo da caresta dos vi-
reres, que lem. ha rito oos tres annos da ana
edmiuiatrscio, e de lor encontra lo no cofre dos
OTphios^oimi&eto saldo da 1:421)857 rs.. lem
nojeyanaee*ho a sllamelo da-re-lo elerado
aomms do 19:6158825 rs.
Preaeiadire de tudo ieto, e apenan-oecvpar-
tne-hei da mim, e da miobas coalas, risto que
pare ent voltaria aa vistas do oobre daputado.
Quaalo tonel cotia da theaouraria do patri-
monio dos orphos recebi ds adminttraco iran-
aacta e Mido apenas cima referida le 1:421337
rs.; pelo que dentro em poueo (o -me preciso
comltUir-me cradar do patrimonio pelos adan-
lamentos, aue tire de faztr.
Tioha euido ao Rio Grande do Norle em fioa
de 1860, e atada me achara ausento, guando, no
da 6 de fevereiro de 1861, recebeu a eitincia
adminitragao urna portara do presiileoU da pro-
vincia ; cobriodo o regulameoto de 28 de Janeiro
MVIU M fCMUBCO XTA fUft* M KHAlO Df J99I.
do asame anno; maa, lendo chegido no" dia 7
do mesmo mez de fereteiro, dei-oo presss com
os meus eompsoheiros em orgaoissr as conlas
d'adminiatra;ao at o ultimo de detembro de
1860, de modo que no dia IX do meslo mez,
chaco di depois. da miaba chegada do Rio Gran-
de do Norte, (oram ditas contas upreseotadas,
demooslraodo o saMo de 19:625I25 rs., saldo
que (oi logo xecolhido, como monira o docu-
mento n. 1.
Fat&ara-me prestar contaa dos mozas de Janei-
ro a fevereiro de 1861 ; mas, alea de que me
era de mistar regolsrisar e adquirir ducumeotos
com a necesasrla altela o para avilar qualquer
dumda, tioOa de cuidar tambem doi negocios de
mioha eaaa, do qual alias eslirer* ausente al-
guna metes, e com tinto mais empeuho quanto
deria relirar-me para a corte, como Cepuiado
assembla geral legislativa pela provincia do Rio
Grande do Norte; e de eito retirei-m, sam ter
tido tirapo para a prestado de taea conlas, pre-
veniodo d'issu prssideoeia da pro< locia
Deade que cbeguei da corte, depo.a do eocer-
rameoto das ornaras, e em fios do anno pas-
eado, leoho tido necesaidade de appliuer mioha
acliridada aos meus negocios porlicjlares, e por
issoainda me nao fui possirel prealar easas coa-
tas ; sendo que tal lem sido o meu trabalho em
regulariaar aquellos negocios, qn aioda nao
pude ir para a corle lomar asseolo na cmara,
esta son.
Comprehendo perfeilemenle a ncea>idade em
que me achara col locado de eocerrir peremplo-
riamente semelbaotes contas ; mas comprebende
tambera o publico, e dere comprehender o Sr.
daputado Lucena, que muitas rezei os negocios
particulares de cada un e os cono nodos de sua
familia exigem desvellos que nao possivel por
4 margem.
E tanto menos me arreceiara de qualquer in-
terpretado meooi farorarel, quanto me coaai-
darara escudado oos meus precedentes, e no co-
obecimeoto que de meu carcter derem ter as
pessoas, cujo juizo sei acatar.
Considerando-rae, pois, ao abrigo de toda a
-maligaidade, acreditar* que, saeta como tui ee-
coUudo para exercer aem Qan;a uin lugar, que
tinha de jogarcom avuliadosiniereises ; e sssim
como fui pressuroso em entrsr pan os cofres da
theaouraria com o saldo de i9:625;:85 rs.: aa-
sim tambera s mioha reputa(3o repouaaria sobre
a confianza de que hareria promptiilao no reco-
lhimento de qualquer saldo, que ai id i bouresse
por entura em faror dos drsralidoiorpbaos.
Eogani-me I E urna vez que os meus prece-
dentes osda valeren em ordem a tranquillisar o
nobre deputado, relativamente c;ualquer pre-
juiro, que aos orphos se 1 he figure poder resal-
tar da demora dessas ultimas coitas, me dei
pressa em depositar na calza filia, do banco do
Brasil a aomma de 16:0009000 dupla pelo menos
de qualquer ssldo, com que poaaa aioda eu en-
trar para a tbesouraria.
Em face do documento n. 2 vero o Sr. depu-
tado Lucena e o publico, que o dinbeiro que
acabo de depositar na caiza filial o foi aem ven-
cimeoio algum de premio, e pode ser levantado
sam embaraco algum ; sendo que o nao ser em
quanto eu nao obliver a respectiva quilaco.
Tenho f em que, dentro em pouco acar sa-
tiafeito o Sr. deputado Lacena com a prestacao
-de miohas contas ; cessando desde j qaaesquer
escrpulos que posaam ti lo impresionado des-
agradar*! & respeito desse negocio; com a asse-
rerac/ao que aqoi consigoo, de que nenhum pre-
juizo terio os orphos, como em lempo demona-
trarei ; com a demora que de mitiha parte tem
bavido o presta;o de ditas contaa.
Ficer me ba em todo caso s sati ifn;o do que
oa resultados da minba gerencia f illam alto em
meu abono e corroborara a prora de que o Exm.
Sr. conselheiro Taques nao sndou engsnado,
quaodo de meu no me se lembrou psrathesou-
rairo do patrimoaio dos orphos.
Recife, 15 de maio de 1868.
Gabriel Soares Raposo da Cmara.
DOCUMENTOS.
N 1.
A' fl 61 do lirro de depsitos fies debitado o
theaoureiro Thomaz Jos da Silva Gaarno no va-
ler de 19:6259825 rs., entrgate por Gabriel Soa-
res Raposo da Cmara nos seguinlts ospeeias, a
aiber :
Em moda correte 19:62E825
Letras.............. 9
Accoes.............. y
Somma... 19:62^9815
Importancia do aaldo al dazembro prximo pas-
eado que exista em seu poder coma ihesoureiro
do patrimonio da extincla adminiMr;o do pa-
trimonio dos orpr'ij, em rirtude do artigo 5*do
regulsmento do patrimonio dos referidos orphos
de 38 de Janeiro ultimo.
E para cooatar se deu este, assignado palo the-
aoureiro escriro.
Tbesouraria ororincial de Pernambuco, 16 de
ferereiro de 1862.
O thesoareiro,
Thomaz Jos da Sida Gusmo.
O escriro,
Antonio Maa de Faria Neves.
N 2.
lllma. Srs. directores da caixa filial do banco
do Braail. Gabriel Soarea Rapoio da Cmara,
a bem do aeu direito requer que Vv. Ss. lbe man-
dem perlificar ao p desla, ae nesta data deposi-
tou no cofre desta caixa, e em oonta correte
simples, a qusotia de 16.0CO&000.
Pede a Vr. Ss. deferiment.E R. M.
Recife 14 de maio de 1862.
Gabriel soares Rapoao da Cmara.
?* se, nao harendo incoorenlente. Caixa
llliei do bsoco do Brasil em Pernambuco, 14 de
ele da 1862.
Visconde de Sn.iaiuna.
Eos cbservancia ao despacho do llltn. e Exm.
Sr. riicoode de Suassuna, presidente desta caixa
fllial. certifico que dos liaros qu sorrem a es-
crialurat,io de contas correles sinplei. cooata
que nesta data recolheu o sopplicatite Dr. Gabriel
Soares Raposo da Cmara em cont correte sim-
ples a quaoiia de 16 0t'0#.
B pera conalar pasaei o present) por lorca do
despacho em principio citado.
Caixa filial do b joco do Brasil n Pernambuco.
aos 14 da mato de 1862. O gua::e>.lirroa,
Ignacio Nantis Corra.
Pabiicacoes a pedido.
Sr HaU Ormond.E' Franja fue-o mundo
eqsreetre date importancia pele emal ee lera
deatinguido es caralleiros btllo$exv. Bm oan-
lo que o reste da Europa, contribue de sua par-
to- com os acrbatas gymossticos e eqottibrie-
doree, eos Estados-Unidos qusai que lem o es-
elusiro monopolio de foroecer os caralleiros,
enicameete Paria que poda afanar-ie de pos-
suir equestraa do genero femenino.
A S.-a. sTale Ormond, a primaka exsepeao da
regra, rene, com probabilidade, no maia Uo'
grao, os elementos de excellencia da arte de
montar a cavallo do que qualquor eqtra eenhora,
e lem produsida a maior aenaagao, protnieote
deum lio raro e primitivo talento deaenrolrido
deade tenra idade. Jo veo, bonita, elegante, ou-
aada, active e robusta, nao 'ha tacanha alguma
qaa o hornera poaaa fzer que a corajosa e liada
seohora Kate hesite emprehender ou (albeem
cumpri-la, lato com a decencia devida.
Embebeodo o espirito e fogo da ana Louiiena
natal, os perigos nicamente excitam a suafirre-
sistivel e domioaote paixio para vencer todoa oa
obstculos, e competencia, s6 Ihe desenvolre
urna iusxlingaivel ambicio afim de exceder toda
a rivalidade que se Ihe aprsente.
A Dtetele e tem prdigamente dolado do
prendas a ana creaooa favorita ; com aa saas
feiges encantadoras, e urna expresso cheia de
aoimaco, ao meme lempo que a elasitcidade
oolavel e graga pessoal a habilita a completar
impossibilidades sppareotes, a n'um estylo que
agrada a vista do artista, em quanto ella eat em-
briagando desta snaoeiri o negligente espectador.!
Com no modesto e cultivado gesto de corpo!
que serie maia digno e apreciado n'um a grande
sala do que oa aris ou o chao de um melo,
olla realce em sablimee vAeeaereos e espantosas
maneiras de forca cora pruetas que encanta a
vista de espectador, ella confunde e excede aquil-
lo que parecera mais pratioarel n'oma danea sa-
br o tablado, do que sobre o lacerto e Ilimita-
do espago das costas de um eavello, a tods a
percepcio e execucao raune em al poeeia da arte
de montar a cavallo.
To repentinamente despontoa este meteoro,
sobre e firmamento equeatre, que em quanto os
empresarios americanos estaam aioda pssmsdos
com s aoomslia de orna equeatre americana,
competindo com as artistas {raoeetaa, os empre-
sarios de Loodres e Paria tinham resolvido o
phenomeno astronmico, e eetav-am j em Nova
Orleaoa intilmente diligenciando induzir a jo-
ven senhota pera que vitiusse a Europa.
(.Vcie-1'orfc Arlalo
. rtsnetto.
Mara a Concelgio.
OHfMKIICIO
Praca do lecife 15 de
maio de 1862.
\a cuatro horas da tarde.
Colaces da junta de cairelares.
Cambio.
Sobre Londres90 d|r. 255|8 d. por 1*000.
J. ds Cruz Macedopresidente.
John Gatissecretario.
Al fan tirara.
lendlmentodo dls 1 a 14. .
dem do dia 15 ....
206 969*702
15.295*083
222.264*785
Movimiento da airaadesxa.
Velamea entrados comfaiendaa.. 179
e a sora ganaros.. 152
Valames sabidos
a t
som fazendas..
com gneros..
6
48
331
-=- 54
Descsrrecam no dia 16 de maio.
Barca ioglezaColinafesendaa.
Barca inglezaBonitacarro.
Eaeuna inglezaHonestadem.
Barca ioglezaIrisidem.
Patacho dinamaqaezDorotheageueroa de es-
tiva para fora.
Brigue portuguezSympalhiaidem.
Barca ioglezaNethextonbacalhio.
Brigue portuguez Activo diversos genero*
Barca trnceseTombelgneros de estiva pare
fora.
Barca franeszaMaraidem.
Barca americanaRedwiny farinha de trigo e
maia gneros.
Gslsra francezaSpherefazendas.
Barca franceza Coligny pedrs.
Brigue hamburguezMaragneros diversos.
Importaco.
0 vapor francez Gutenns, rindo de BordeauxJ
maoifestou o segoiole :
1 caixa livros ; a Jos dos Santos Neves.
1 dita objectos de escriptorie ; a Norat freres.
1 dita bilbas ; a Sodr & C.
1 dita chapeos de palha; a Christiani freres.
1 dita perfumara ; a viava Lecomte.
1 dits modas ; a L. Pagel.
1 dita roupa ; a B. Millochaa.
1 dita livros, 1 dita ditos e roupa ; a L. de C.
P. de Aadrade.
2 ditas ditos ; a Almeida Gomes Alves & C.
1 dila calcado ; a Wlld & Juat.
1 dita chalea; a Schapheitlim.
90 barria e 100 meios maoleiga ; a Tisset freres.
1 caixa modas, 1 dita roupa ; a Vaz & Leal.
5 caixas aanguesugaa ; a Henrique & Azevedo
25 ditas queijos ; e Tasso rmeos.
95 ditas dos ; a Braoder a Brandis.
20 ditas diloa ; a Ktlkmann Iranios & C
25 ditas ditos ; a N. O Bieber de Sueceaaores.
- 20 ditas ditos; a Mills Lalham & C.
25 ditas dito ; a Krabbe Thom & C.
1 dita seda ; a Lindera Wlld & C
1 dita salames; a Blandi.
1 dila pelle de lebre ; a Maia & Irmio.
1 dita toacas ; a Adour Ain.
1 dita modas ; ao Dr. Sarment.
1 dita roupa ; a Joo Pereira Monlinho.
2 ditas ferragena e ferramentas ; a F. Dubarry.
1 dila seda ; a A. Burle & C
1 dita oculos ; a L. Delouche.
1 dita mercearn, sedaa e chapeos, 1 dita amos-
tras ; a Ferreira & Areujo.
2 caixas fazendas de la e seda, 1 dita amos-
tras ; a F. Souvsge & C.
2 caixas aedaa e fazendas de algodie, 1 dita
amostrss; a Joo Keller & C.
1 caixa arligos de escritorio ; a Monhard.
1 dila amostras ; a A. Silva Ferreira.
1 dita loras ; a Seve Filhos & C.
1 dila coleado ; a Ch Leclere.
9 volumes psssss : a Antonio Lata de Olirera
Azevedo.
20 barricas alpista ; a L. J. da C. Amorim.
0 brigue nacional Siqueira. viodo do Rio de
Janeiro, consignado a Divid Ferreira Bailar, ma-
nfi-stou o seguate:
16,382 arrobas de caroa de charque. 98 ditas
de sebo em rama e 50 couros seceos de refugo ;
aos meamos.
A barca franceza Mara, viada de Mirseilla,
consignada a E. A. Burle & C, manifeaton o se-
guinle:
1 caixa calcado, 1 dila chapeos de feltro ; a
Rival.
3 caixas chapeos de feltro ; a F. Souvager &
21 pipas, 10 meias e200 barria rinho, 6 ditos
cognac, 707 ditos cimento, 25 ditos ehumeo, 10
dito* aldiate, 20 Dalia 14 calas papel. 25 ditas
eoxofre, 50 ditas sabio, 1 dita essenciss, 1 dila
amostras, 14 csnastrss alhoa. 10 saceos slfazema,
20 ditss comiohos, 10 ditos amendoaa, 10 ditoa
arelaos, 10 saceos erra-doce, 800 ditos arello,
10 ditos.ooses, 10 ditos ptmeata da India e 60792
ka. de aat ; aos meamos.
Barca iogleae Colima, riada de Liverpool,
consignada a C. J. Astley i. c, manifestou
seguinte:
85 fardos o 2 eaixas feteodas da algodioede
linho : a Henry Gibeon,
74 fardos e 25 caltas fazendas de algodo e
de liobo, 12 ditas melal amarello, 1 barril pre
gea e 40 toneladas de corri; a C. J. Aelley
k C.
22 fardoa e 9 caixas fazeodas de algodio, 5
fardos fio da dito; a Adamsoo Howle 4 C.
10 lardos e 28 calzas fazendas de algodio o
de linho. 10 ditas phosphoros, 75 barria sean.
leiga e 150 saceos arroz; a Mitls Latham ar. C.
4 caixaa e 17 (rdea(aseada de algodio, 4di-
tee teeetaH; a SenlbeL Mellon C.
10 fardos fazsnda de algodio y l
24 ditos e 20 caixaa ditas deadMo a le lidbo.
50 saceos arroz: s Seuoders BreUieri 4 C.
15 fardoa e 15 caixas aseada de algodio. .
barricaa eatanho embarra, 1 meia dita cerreja ;
a Paln Naeh A C.
5 lardos fszeoda de algodio; o Jcnetoo Pe-
ter tt
> ditos olla de dto; s Geb ?at*maou A .
9 ditas e 23 eaises dita de dte, 100 bar ricas
cerraja ; 4 James ydar & C.
m 7 fardes e^eelxas seseada de algedge ; a Wlld
& Jaet;
j 19 caixaae 2 fardoa fueoda da lgodao, 3 cal-
xa a chapeos de sol; a A'kvrright & C.
17 caixaa a 17 fardoa (senda ee algodo; s
A. Burla A C.
27 fardas 11 caixaa dita de de, 4 f acato ma-
dspotio, f dita* pannos pasa saeso, UO Jwricas
barrilhs; a ordem.
45 .fardoa o 1 caixa fesendaa de algodio, de
obflfe de lia, 1 dita camiaas d* sleodio. 1 far-
do lencas de dito, 4 barriese barril ba refina-
da ; 4 Boatroo Boeker 4 "
6 fardoa farenda de linho;- a 4}. C. Scott.
2 colzas fezenda de algodio; a A. C. de
Abren.
15 ditas lisfjaade dito; a Aires ft C
5d*ej a lgaejo fumvde o>e slapio, 6 cai-
xas miudezaaf a Jamas Crsblree c.
3 calas firtnda de linho, de algodo e lis,
1 caixs tapetes da las ; s Julo Keller .* C
a cataas cbaeoa da leltro ; a Francisee Gomes
de Olvelos SosVriamo.
50 bsrris chumbo da muoico; a F. G. de
Araujo.
4 bsrricaa cu lila ria; a Mello Lobo & C.
10 ditas lachas ; a Vil 4 leal.
3 fardos ferragens ;a Joao f. rarate Visaos
AC.
1 dita pregos, 5 caixas metal smarello; a Scott
Wleou.
25 taxasdo trro (andido, 8 barricas ferragens,
10 lina Haba da algodio, 2 ditas o 4 fardes fio;
a S. P. Johoston & C.
47 bsrris pregos do farro ; a, Rothe 4 Bi"
doulae. |
44 taxis de ferro fundido, 16 pecas e caisas
mochlnismo para engenhaj a'Q. W. JIjw-1
nano.
1 caixa penoaa ; a D. Olirera A C
1 dita lacea em folha ; 0 Bsander a aVaadia.
1 barril cerveja ; a R.afesjetrd.
7 caixas rinho, 6 ditas agardeote de fraoca ; a
E. A. Ryder.
12 tambores oleo, 1 caixa drogas ; a Csors A
Barboss.
6barricas ferrsgens, lOchapae dafogio.l bar-
rica lampse gaochos para a mearnaa, 1 caixa
candieiros de azeile o ridros, 5 ditss fio, 3 tm-
boras de,ferro azeile para caodieiro, 10 caixas li-
aba, 1 quartola e 1 barr* unta, 6 (ardorlonas, 1
dito fio alcatroado ; a -Isidoro Hallidey & C
1 csixs 1 fardo, e 1 sseco e 4 embrulbos amos-
tras ; a dirersos.
Patacho hollandez Speculaut. indo de Rotter-
dam, cooaignado 4 Braoder a Brandis, manifest*
o segulnlp :
30 (ardoa e 35 calas papel de imprimir, 50 di-
tas dito de escrever, 6 ditas dito clorido, 100 far-
dos dito de embrdTfao, 00 Batees relea otearinss.
2 ditas espingardas, 1 dila feixoa.de dila, 100 bar-
ricas pregos, 100 dilos breo, 100 ditos salitre re-
tinado. 200 caitas vieres pera vidries, 14 ditas
tenhas de dito, Vi ditas obras do dito, 750 (eixes
rotim, 30 saceos alpista, 200 ditos arras, 300 ca- [ em sua preseoga, aebbado prximo 17 do corrso-
xas queijos, 450 kaatisaa-a 406 frasqueiraa gene- -te, o aera -adjudicado como j o foi dito nos pri-
ora, 7 garrafoea azeite reunido de nabo, 1 caixx mejros aonuncios, a quem por menos fizer e ul-
licor, f dita om eacudo de armes, 7 ditas, 3 ps- timo lanc;idor.
cotes 1 fsrdieho el botija amostras ; a Brandar a\ "
Brandis.
oaSS^ N-M^ Beraadlno da Silva
guite : dirija -se ao correio delta cidade para
330bsrris rinho, 452 barris cimento, 20 barris recber tama carta rece rumen iadi,
e 50 caixas azeite doce, 2 fardos flor de lavanda, -^-r-'- -T_ ,_ 0 .__..j_ J.
75 ditoa pspel ; aos meamos. vrtto ignorar *e a sua residencia.
Patacho americano Ilannah, rindo de Neir- ___________________:______________________
Yorck, consignado a Henry Forater 4 C, maoi-
fesioo o seguinte : I
1 burro, 17 caixaa guar- '
.Hiva
Xat||
na F
Mw.se**,,,.
Prentisco da Araujo Bersos.
Fraocisco de Carvalho Pratea.
Fraateteco VieaeAe VaacooasBoe.
Joagaraji asVoeCaroeiro Mooteiro, suieute a Ua-
ooel GoacaUas.
Fstreira o fiWa.
Joa Haraae taroandes Pereira.
i. iufloo de Silva Ramos.
Jos* Antonio Araujo e Soaza.
J thomaz Gaagalres de Boserio.
Leas Maiheau Mooteko de Castro.
Maibiae da Veiga Ornellas.
Marta ds Concai90 e Silva.
lia ria Ignez Jurga Con cal res.
Maris Lias do Eagirito Santo.
Mana i*om*m* dakavra.
Maoeol Jea de Mattos.
Rodrigo Antonio Telles da Silva.
O juis owraicipai supplente de segunda va-
sa d ezpedieate a partea lodos os das alais.
ees-1 horas da manilla as 3 da larde, na casa
ds aue residencis n. 60, aa rus Nova, segundo
sodsr ; a aa audiencias nos diss e horas do coa-
lame, aa asta das essau, e/se.ae (as acieate a
qoam cenajiar. Radie Id da maio de 1862.
Goscriviodo eirsl.
Maooel Joaquim Baptists.
Con sel he administralivo.
O eoeaselho admlnisnanvo, pare fernecimento
do asjssnal degoerrs,temde compraros objectos
seguintes :
pars ofardameoto do corpo da guarnirlo da pro-
vincia do Caira.
70o,*ovadoa de panno aiul para capotes
Mjboosaj.
851 cavados de psnno azul.
28 corados de cssemira verde.
813 coiados de hollaoda de forro.
4M*5 varas de brimbranco.
457 pares de corchetas pretoe.
114 1|3 varas de aniagem.
448 covadoa de baeta verde oa azul.
Para o dcimo batslho de Infantera.
'1825 covados de paono verde.
rjswm qaizer veoder taes objectos aprsente as
propostaa em carta fechada, na secretaria do
tonselho. as 10 horas da raaohia do dia 16 do
arente mes.
Sala das sesses do eooselho administrativo
asarefornecimente do arsenal da guerra, 10 de
meio de 1862.
anforuo Gome* Leal,
Coronel presidente interino.
Francisco Joaquim Pereira Lobo,
Coronel vogal secretario interino
CvBsulafl de Franca m
Pernambuco.
Nenhum leocedor ae ten do a p retentado a ad-
jjudlcaco do emprestimo a risco martimo seces
safio so navio francez Mara Nicols, espillo
Mayoard, aoouoeiado para boje, o cnsul tem a
honra de prevenir a quem Interesoer possa, que
a anjudicacio para o dito emprestimo montando
acerca de 17:000000 gaMotidoS pelo mesme na-
vio, oaeee, apparelhos, massame e victualhas, te-
r lugar de novo na chancellara do consulado e
Correio geral
O Sr. Feliciano Bernajdino da
1
C0ARHU INiiBCAfU
ex
JNavega( cosletraa vapor
Parahiba. Rio Grande do Norte, Macau
do Assu', Aracaty, e Gear.
O vapor lguaran. commaodante Vianna,
sahiri para oa portoa do norle at o Gesri no
dia 22 do correte 4a 5 horas da tarde.
Recebe carga al o dia 21 ao meio dia ; en-
commendaa, paasagetroa a dinheiro a frote at o
da da sabida as 2 horas : escriptorio no Forte
do Msttos o. 1.
Para a Baha.
Pretendo seguir com multa breridade o relei-
.0 e bem eoohecido hiele nacional Sanio Ama-
ro. tem pane de aeu carragojmento prompto,
rara o resto que Ihe falta trata-se com os aeoa
consignatarios Antonio Luiz de Olireirs Azevedo
&|C, no seu escriptorio na ra da Cruz o. 1.
quizerem oseistir o refer Jo reilio partir-da raa
do Crespo as 10 1(8 horas em ponto deven*9
rollar aa 3 horas da tarde.
LEILIO
Rio de Janeiro
pretende seguir com tnuils brevidsde o patacho
nacional Capuan, capito Tbeotonio Jos da
Silva Rodrigues, (em dous tercos de sea carrags-
menlo prompto : para o resto que Ihe falts, tra-
ta-a* com os seus consignatarios Antonio Luiz ds
Oliveira Azevedo & C-. ra da Croz n. 1.
Para Lisboa
val sahir em poucos dlaa a muito veleira barca
Lima I por lar prompto parte de aeu carrega-
mento : para o reato e oessageiros trata-se com
oa consignatarios CarvaHio, Nogueira & C. oa
ra do Vlgario n. 9, pximeiro andar, ou com o
espilo na praca.
Para
RiodeJaneiro,
aegue eem toda a breridade o patasho nacional
S. Joaneiro, capilo.Joo Gaspar de Oliveira,
tem parte do carregamento prompto : para o res-
tante, trata-se com o cooslgaatario do mesmo,
Maooel Alves Guerra, oa com o capito.
Lisboa e Porto
Segu brevemente a barca porlugaeza aSym-
pethia, porque tam quaai toda a carga engaja-
da ; recebe pora qualquer dos portos indicados a
que Ihe falta e paassgeiros, obrigando-se os con-
signatarioa a dar piss-gem a aquellesque trata-
rem para o ultimo porto, logo que o navio che-
guo ao primeiro : trata-se na rus da Cadeia do
Recite n. 12.
14 eavallos, 4 ronies,
da roupa, 31 ditas velas,36 pacotes impreasos. 4
caixas ditos steorotypos e pertence* para um circo,
ronartfndo *m1rl ^* mqlmem -*-*, rentes, asenlos, eadelras, madeira da pinho. can-
delabros, pertencea para gaz, ele. etc. ; aos con-
THEATRO
S
DE
Bece be doria de rendas nter
greraea de Peroambaeo
Rendmenlo do dia 1 e 14. 13.708f443
dem de dia 15 ...... 2:435*62
Sfala Isabel
COWPAMHA LYRIC4
16:144*066
DE
Conanlado provlmelal.
Rendlmento do dio 1 a 14. 18:9885141
dem de da 15. ..... ; t.55088
20:0435232
Movimento do porto.
1
1
A'at-tos tntradoi no dia 15.
Rio do Janeiro15 das, patacho nacional Can- '
dida, de 217 tooeladss, cspllao Joa Maria Fur-
iado, equipagem 11, carga 4 lOOquiotaes hes-
panhes de carne : a Araoaga Hijo A C.
Rio Grande do Sal22 das, pat liidut, de 246 toneladas, capito Andersoo, 1
equipagem 8, carga 10.000 arrobas de carne ;
a Maia e Espirito Santo.
Terra-Nova 26 das, barca iogleza Nethtrton,
de250 tooeladaa, canillo Tbomax Eales, eqai-
dagera 14, carga 3,583 barricas com bacalho ;
a James Oebtree & C.
Portos de SulI dios, vapor inglez (Muida, com-
maodante Bevis
Gothembourg45 das, brigue sueco Bravo, de
290 toneladas, capito J. O, Soderlund, equi-
pagem 12. carga madeira ; 4 ordem.
Navioe sahidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro Rrigue naciooil Maria Isabel,
capito Maooel Hornera de Almeida, carga
G. M \TUJ\NG.1A.
Sabbudo 17 de maio.
4/ Recita da assignatura.
Grande ooera em tres setos. NOVA PARA ESTE THEATRO
BELIZARIO.
Os principaes papis sero desempeuhados pe-
las Sras. Giulieta Marlnangeli e Laiza Corbari, e
os Srs. Tartisi e Bartolucci.
Principiar s 8 horas em ponto.
Os bilhetes vendem-se no dis do espectculo.
ATisos tariiiiMOs.
jy.
sucar. "" i Navegaco costeira
Soutbampton e porleslntermediorTspor ioglez
Qaei'afa, commaodaole Revls.
Observago.
Saspendeu do lamarao para
G01PANHU rntlUlBUGAIlA
01
a vapor.
Micei pelas escalas.
O vspor Parsiouoga, commandante Moura,
j sahir para os portos do snl toesndo as escalas
Valpa'rsizo Barca inglesa Balgownie. capito D0 dia 2 do corrate as 4 horas da larde.
W. S. Gowiotk, com o mesmo lastro que Irou- Recebe carga at o dia 23 ao meic
xe de Gibraltar. i commendaa. paiaageiroa e dinheiro a
Rio de JaneiroBrigue nacional Unido de or- '. d'a rt* aahida as 2 horas: ascriptori
ra, capito Jee Ignaci j Pimeula, carga a : do Mattos n. 1.
asesina que trouve do Aaso'.
Fuodearam no lamarao um lugre hollandez e
om paUcho americano, mas nao t'tverem com-
maoicacio co.m a trra.
Reseou pareo norte um brigoa nacional.
ao meio dia. En-
frete at o
escriptorio no (orle
Editaes.
eo Batnardino de Vascoocelloa, official da im-
perial ordem de'Roaa, major e eommaadaole
interino do segundo batalbo da iafaotaria da
guarda nacional do municipio do Recife e pre-
aideote do cooaelho de qualificago da fregu-
zia de S. Joa por S. II o Imperador etc., etc.
F*co saber a qsem talereaaaf posas que da
onformidade com o disposto ao erl. 1* parte 2a
do art. 9 do decreto a. 1130 de 12 de marco de
1853 e iDtruccoes de 25 de outubro de 1850, se
ha de reunir ua lerceka dominga de maio econ-
selhe de qualiflca^ao para a revlso qualica-
co doa guardaa paclonaea da referida freguezia
no consistorio da igreja de Nesaa Sanbora de
Terreo que hora serve de matriz.
Epara chegar ao coahecimeuio de todoa mao-
dei passar editaes que sero publicados pela im-
preeaa e affixados nos lugares desieaados.
Cidade do Recife 18 de maio de 1862.
Joo Bernardino de Vasconcellos.
Milu
Janeiro.
Atarea esciena I a Atrevida* aegue para all
em poucos dias por ter parte do seu carregamen-
to prompto : para o reato da sarga e paassgeiros,
trala-ae com os consignatarios Marques, Barros
& C, largo do Corpo Santo n. 6.
o patacho portuguez Maris da Gloria capito
Antonio de Barros Valeote, a aahir com brerida-
de por ter a maior parte de sao carregamento
prompto, para carga e passagairos para os qaaes
tm excelleoles commodos trata-se com os con-
signatarios F. S. Rabello& filho, ra da Cadeia
n. 55. .
LeJllOeS.
-----
eeiara^on.
Correio geral
Rlaco das cartas seguras existentes
aa" al miiistraeiio da car rea tara es
seahares, aaaiio declaradas.
Amrica P*hia*vde Freslao Bsrreto Nobre. '
Antonio Plorooeo do JaVaatlbias,
Antonio Pires Ferreira. {5|
COMPANHU BRASILEIRA
DE
Espers-se dos portos do noria at o dia 17 do
correte o vspor Cruzeiro do Sul, commandante
o capito de osar e guerra Gervasio Mancebo, o
qual depois da demora do costume seguir para
oa portos do sul.
Desde j recebem-ao pasaagoiros, engaia-se
ecerga que o vapor poder cooduzir, a qual de-
vora ser embarcada 00 dia de aua chegada.diohe-
ro a frete e eotommndaa ot o dis da sabida s
2 horas da tarde : agencia ra da Cruz o. 1. es-
criptorio de Antonio Luiz de Oliveira Azevedo
&C
Para o Aracaty
eegae InprelertvsJmoote 00 da 19 do correla o
parbabots nacional lovencirel, para o qual
alona a* taeebe algum* carga : e tratar com Jos
Si Leltao Jnior, ou cam o capitn a borde.
LEIL40
DE
Urna casa terrea
O agente Euzebio far leilo no dia cima de
urna c-sa terrea na rus da Alegra 42 com mais
de 40 palmos de frente, sando 3 jaoellas e por-
ta, corredor independen!, 2 salaa, 4 quartos,
cosioha fora, cacimba, quintal, murado, em per-
mito estado, rende 30)> mensaes : os pretenden-
tes queiram ter a bondade de examina la com
antecedencia e para alguna esclaracmenlos eo-
tendam-se com o referido agente em seu escrip-
torio na ra da Csdela o. 45, primeiro andar,
onde ser effecluado, s 11 horas do dia 16 do
correte.
LEILiO
DE
punw
Segunda feira 19 do corrate.
0 agente Piotofari leilo a requerimento do
inreotariaole dos beos deixados por fallecimen-
to de D. Maria B. Ferreira Campos, e por despa-
cho do juiz municipal da segunda rara, dos pre-
dios abaizo mencionados, descriptos no respec-
tivo ioreolsrio ecujo producto destinado para
pagamento das dividss que ahi foram descriplas
e attendidas, a ssber :
10 casas terreas sitas em chaos proprios oa
Estancia, ra de Henrique Dias, numeracao par
de 2 a 20 .cada urna com urna porta e duas ja-
oellas, grande quintal e cacimba, e urna deltas
com grande sota o.
1 dita ditasila no becco do Acougue na Boa-
Viata n. 5, com quintal e cacimba.
2 sobrados o. 7 e 9 na ra da Cadeia do Re-
cife.
1 dito n. 8 da rus do Encantamento com 3
portas de frente.
1 dilo n. 104 ua ra da'Senzala Velha com 3
tojas de frente e urna no oito.
Metade do sobrado de 3 sndsres e loja da ra
do Lirrameoto o. 24,
0 referido leilo ser effecluado s 11 horaa
do dia cima mencionado no escriptorio do mes-
mo agente, ra da Cadeia n. 9, onde se dar
qualquer ioformaco a respeito.
DE
Um piano novo e forte do afamado fabricante
Pleyel A de tres cordas, urna rica mobilia
de mogno com lampo de pedra, guarda rou-
pas, guarda vestidos, cama franceza de mogno
com colzo de mogno, cpala o cortinados,
loilet de mogno com pedra e eapelno, aecrola-
ria de mogno, apparadores, mesa elstica,
commoda, oadeiras, meeas, marquezas, lava-
torios, umi machine de fezer maoleiga, urna
dita de costura, (a melhor qe tem viudo) ber-
qo, candelabro, serpentinas, arras, 1 relogio,
1 apparelho de metal prncipe, um dilo de;
porcelana para jantar, 1 fogo americano e
econmico, copos, vidros o crystaes, um si-
Ihao. um selim ingler. um carro do 4 rodas
moilo leve e com a pra carro e muitoa outros objectos que esta-
e e vista doa compradores.
IODO EU BOU ESTADO.
Terca-feira 20 do corrente.
Rsymuodo B. Lasserre lendo d retirar-se ps-
ra Europa com aua familia ara leilo por inler-
reneo do agente Pialo^dgjptdos os seus mo-
vis (cima Mencionados) eiiatecjtas em aua casa
de campo na Cspunga, penltima casa direlta
de queas i para o porto de Lasserre.
Q mnibus pea transportar as pessoas qu*
2 saccoe com caf, 2 caixss com cb, 1 dita com
comerras em frascos, 1 dita coa fraetas
para pudios, 8 duziae de flandres com sopea, 2
caizas da aletria, 2 ditas macarrio, 2 ditoa do
paseas, 1 dito de fumo, 1 barril com ssiassr.
8 pecas de loneas, 2 sinos. 3 eompecos, 3 ega-
Ivws de marear etc., "etc.
As, 10 horas em ponto do dia segunda-
.,w. Jeir* i9 <*<> correte.
Alberto Ryan, capito da gslora americana
Chicago. I.releilao por loterlaocao dn^SSt
Piolo, com aalonsacao do ioapector da slfaodo-
gso era preseoca do seu re^activo censal do
objeeloa cima mencionados eslradot sua V*-
cente nagem da Hew-Yo-k para o Maxteo.no di
e hora cima mencionado na alindose ermazesn
ala lis
Esta leilo ser effecluado a 10 horae en
ponto risto o referido agente ter de prinaipisr
um outro leilo s 11 horas do mesmo dia
LEILO
DE
Urna casa com 6 janekUe a 2 portos na frente,
com 4 salaa, 7 quartos, um gas nos terraco om
capia, portas o janollae nao c*t**s, grande
quintal, cacimba, coebeira elribaria.
Terca-feira 22 do corrente a urna flo-
ra da tarde.
0 agente Pinto aatorisado pelo Sr. Baymaada
B. Lasserre. que relira-se paca Europa, (ar las-
lao da casa de campo sita na Cspunga posto de*
Lasserre, a qual acha-so muito I i capa a neos
conserva la. no dia e hora cima maaeoneda n
mesma casa.
O referido agente dar qsalqusr iafnraaaqio
acerca da mesma casa, em seo escriptorio ra da
Cadeia n. 9.
Avisos diversos.
Grande laboratorio de lava-
ge ra de roupa a vapor de
Ramos Os donos dos nmeros aballo mencionados
podem mandar bascar as ronpaa que ealo prem-
ias : 360,157. 398. 331. 394. 37t. 245. 203. o os
novos 2, 42, 22, 29. 34. 6.15, W. 27, 24,23.
LOTERA
Amanha 17 do corrente sera' impre-
terivelmente extrahida a terceira parte
da quinta lotera a beneficio da matriz
de S. Pedro Martyr de Olinda no con-
sistorio da igreja de Nossa Senhora do*
Rosario de Santo Antonio. Os bilhete*
achara-se a venda na respectiva tbesou-
raria ra do Crespo n. 15, e as catas
commissionadas do costume.
Os premios desde os de 10$ at o de
5:0001 se pagarlo no mesmo dia da ex-
traerlo de 1 hora da -tarde por diante,
e os outros logo que se tenha leito a dis-
tribuicao das listas.
O tbesoureirr-,
Antonio Jos Rodrigues de Soma.
Juizo dos feitos.
No dia 22 do correte mez do maio. depois da
audiencia dolllm. Sr. Dr. juiz dos faitos da a-
zenda nacioual se vender em praca publica na
sala dos auditorios, urna caaa de dona aodaras s>
solio n. 17. sita oa ria do i"r*iaaor, psrlea-
ukui s francisca Thomazia da Conceigo Cu-
nda, avallada por 6:0009, ceja venda taita
para pagamento da meama fazeod*. Recife 15 de
maio de 1862.O solicitador. F. X. P. Brito.
Precisa-se de 800g a premio com hypothe-
ca em urna caaa de pedra e cal oeala cidade,
alm de boas firmas que se d para mais garan-
ta ou veode-se a mesma casa, ba msis outrax
casas tambem de pedra e cal e moderna para a
escolha do pretndeme: quem inieressar dir-
ja-se ao pateo da Santa Craz o. 18, que achar
com quem tratar.
Alufta-see a casa terrea confronte de S.
Jos do Maoguinho.com bom quintal a cacimba
d'agaa de beber: a tratar na ra Augusta n. 26.
Alnga-se a grande caaa terrea na ra da
Soledade n. 32, de novo reedificada e pintada,
com grande quintal lodo murado, cacimba pro-
pria, com 6 arvoredos : quem a pretender, eD-
lenda-se com Jos Aotunes Guimares no meamo
lugar, casa n. 60, ra de Joo Fernandes Vieir.
onde se dar as chaves para ver.
O Sr. Joo Baptists Leal, que j moro em
Macei. queira procurar urna carta viuda da cida-
de do Porto, de seu mano, em casa de Silva Bas-
tos & C, ra Nora o. 35.
Aluga-se um sitio com grande csss de vi-
venda, na estrada de Juo de Bmoi : a tratar na
ra nova de Santa Rila n. 5, oa na ra das Tria -
cheiraa, casa n. 19, sartorio.
No dia 13 de ferereiro deate aono, fugio do>
engenho Florala, freguezia de Jaboato, o escra-
ro Tbom, de naci Angola, eelalura regular, cor
fula, om poueo cheio do corpo, meio barrigudo,
falla um tanto grosss, e com sigoses de sus na-
ci na leata e no nariz, soda as rezes com m
or neo na orelba : quem o pegar far o favor 4*>
lera-lo ao sen senhor Maooel do Reg Barros, oo
dilo eogenho, ou no Recife, na ra Nora n. 60.
terceiro andar, que ser bem recompeosado.
Partindo para a Europa no rapor Ioglez
aOoeidan, e nao lendo lido lempo para doepe-
dir-me de lodosos meus amigos, psco-lhes que
me disculpem, e Ihes offereco meus eerricoe em
qualquer parle em que me echar.
Dr. Joaquim de Aqakio Fonsece.
Aluga>ae um mulato bom copeiro e com
principio de boleeiro : a tratar na roa da Aurora
o. 70. aegundo aodar.
Aluga-aa urna prala boa coaiaheiro e eo-
gommadeira : a tratar ns ra da Aurora a. 70.
seguodo andar.
M-a Hambsrger, allemao, ra a Europa.
m- Preciaa-se de um moteque ou negro para
conduzlr pi e bolacha : na padaria da roa Di-
reita, defronte do Terco "-129.
Manoel Cueiro, aubdito baspsnhol, retira-
se para o Rio da Janeiro.
Quem precisar de ama ama de leite com fi-
lho, dirija-se a ra aura de Santa Rita o, 33, se-
gundo sodsr.
F -z-se todo o negocio com um carro or
de paaaeio, e urna ricioris tambem nova, o am-
bos forrados de seda : a rur-o tratar, oa fabrica
do Sr. Groajeao, ra da Florentina. Tambem ae
vende ama carraca em muito om nao, oe *-
rheira da iraressa do Ouridor.
Aluga-se em asesare: na ca do Impera-
dor n. 50, terceiro andar.
Ama,
Precisa-so de urna para lodo o servido de casa
de pequeos familia : a tratar na ra eetreita. do
Rosario a. 28.
S. J0S u'Agente
A.meas regadora da coi.icaria de S. Jis d'A-
gooia muito agradece a ledas as pesepas quecem-
corraram com oa seus anj >j ou eamolae para bri-
thaotismo de a%a proci**ao, asaim como pono a
todoa os eos .rmaoo eti pessoas que tomaeam
capea e aioda as consecre em seo podar, queiram
tazar o faror de ee mandar entregar ao theaou-
reiro. oa rao do Lirrsaeente o. i, poi parU V
las se pediraro emaweaUdse, e preciaa^ae enlcn-
-ger a seus Oonoe-~-O saaraAsaio.
Mmoel Fraaeisto des &at|to# e Sil*#.
Caixeiro.
Preelsa-se de um oaizalro : na taberna gasaAn
da Soledade.
Braocisco Saeuss. laMito |?ortagat, ra-
Ura-se para fu do imperio..

^r


II

I I I
DUUO PIJUWAMMJOO. mtTk IWR4 1 01 MAIO h U61.
Jos Marques dos Santos Aguisr partid-
pando ao carpo commercial d >at.i praca a quem
mais convier, qua da connum eccordo deixou
noia 30 de abril de aer c xeiro doa Sra. J.
Keller & C.,cempre-lhe agradecer a eatea eenho-
rea a cooflanga con que sempre o boararam.
Becife 14 de mio de 1862.
Aotonio de Souza Moreira Lelo natural da
freguexia de Sao Cosme de Visteiroa e fllho de
Jor de Souza, em Portugal, leudo por noticia
qae tem ib lio por nome Jos de Almeida um
mano por nome Jos de Souza, teaidentea am-
bo* em Pernambuco, o mesmo lhe deseja (aliar
m Pora de Portaa, roa do Pilar taberna n 84.
Noa diaa 16e20 do corrate depois da au-
diencia do Illm. Sr. Dr. jaix de orpbioa ir a
praca o terreoo foreiro no bairro da Boa-Viata,
m eeguimento ao becro doa Ferreiroa com 100
palmos de frente e 220 de fundo, o qu&l esi de-
voluto, tendo a frente para o dito becco e a par-
te de detraz para urna nova ra projeclada ava-
llado por 800, e como nio actuase lancador a
esta avaliacao, Tai de doto i praca a requeri-
meoto de Msnoel Antonio GoogaWes, em Tirtude
da exncuQao que roove contra oa herdeiroa do co-
ronel Francisco Mamede de Almsida, com o aba-
timento da lei O eacripto est em poder do por-
teiro Amaro.
GABINETE PORTUGUEZ
DE
LEITUHA.
Tendo oa Illm*. Sra. Dr. Filippe Nery Collaco
& C. generoaamente franqueado as columnas do
Diario do Red fe, de qae sao proprietarioa e edi-
tores, para a insereno das publicecoes deste Ga-
binete, e sendo aceita tao var tajsa offerta por
ata directora, resolveu a metima fazer publicar
oa documeoloa abaixo tranacriptos, nao s em
teslemuoho do gralidao por lio sigotficanliva
prora da dedicado a este ealtbelecimento, co-
mo para scientificar ao mesmo lempo aos Srs.
aaaociadoa, que d'ora em diaole quaesquer pa-
bliciQsa do Gabinete sero inseridas no supre-
dto jornal.
Secretaria de Gabinete Portugaez de Leitura
ID Pernambuco aoa 12 de maio da 1862,
Joaquim Gerardo de Basto.
1.* secretario.
SEGUBM OS DOCUMFISTOS.
Illms. Srs. presidente e mais membroa da as-
aambla geral do Gabinete Portugaez de Leitura.
Oa abaixo aaaigoadoa, proprietanos e editores
do Diario do Recife, desejando dar a eata bene-
mrita ioatitoicao urna prora da grande sympa-
thia qae por ella seatem e aabendoqae se achara
koje aeus illuslres mambros rennidos em aasem-
bla geral para ssnecionar o projeclo de reforma
doa estatatoa que a regem aproTailam a occaaiao
para darem expaoso aoa seolimeiilov benevolu-
losde que se achara animados, poni dispo-
ajeio de Vt. S. o jornal que dirigem para nelle
sarem pTblicidos todos os trabalhos desta bene-
mrita instituicao sem gratificado alguma.
Fazendo eata offeredmeolo, os abaixo aasig-
nados s6 teem por lira concorrer, posto que de
modo indirecto, para o engrandecircento de urna
instituido que symbolisa na provincia a nnio
de doua povos mais que amigos, lembrando a
Portugueses eBraaileiroa que, gyrando-lhes as
veiaa o mesmo saogue, fallando a mesma liogua,
profeszandoa mesma religiao, e tendo amboa oa
meamos coslumes e urna historia commum, de-
vern para sempre considerar-ae como irmaos, e
como laes ajudarem-se e amarem-se reciproca-
mente.
Dos guarde a Vt. Sa. Recife 6 de abril de
1862.films. Sra. presidenta e mais mambros
da aaaembla geral do Gabinete (Portuguaz de
Eeitura.
Dr, Filippe Nery Collado A C.
Illms. Srs.01 secretario da aaaembla ge-
ral do Gabinete Portaguez de Leitura dirlgio-se
a esta directora remetiendo um oCficio de Vt.
Si., em que benvolamente pdem a disposigao
disposigo do Gabinete as colutnaas do bem
conceitaado Diario do Recife, de que alo Vt.
Ss. digoos proprietarios e editores, para nelle re-
ren^ publicados todos os trabalhos desta insti-
tuicao, sem a mnima* retribuidlo pecuniaria.
Enviando a esta directoria o indicado officio
de Vt. Ss., para qae a mesma deliberaase como
melhor eotendesse, por ser o poder para isao
competente, o itoridr, Io secretario nos com-
mancou, para ser levado ao conhecimenio oe
Vt. Ss., que a asaembla geral resolveu tribu-
tar-lbea um voto de gralidao pelo aeu esponta-
neo e generoso olTerecimento; e como orgao,
embora indigno desta directora, eu o fago com o
mais vivo prezer.
-"A directoria nao podia um s momento vacil-
laraobre o qae lhe cumprla fazer no caso ver-
tente ; e, pois, me encarrega de stieotiflear a
Vt. Ss. qae com a maior cordialidade aceita e
agradece to briosa e deaioteressada offerta, em
aea nome eno de toda a Associacio, como urna
prora evidente do amor que Vt. Ss. professam
a aro estabelecimento, que, erguido por maos de
Portaguezes nesta trra hospitalera, se toroou,
pela sua utilidade, um novo e maia eatreito laco,
qua ane pela intelligencia e pelo eoragao doua
povos verdadeiramente irmos e amigos, e dig-
nos um do outro.
E' quaoto me eumpre participar a Vv. Ss., a
quem, prevalecendo-me do ensejo, ouso pre-
sentar oa protestos de minha respeitosa estima e
adheso.
Secretaria do Gabinete Portugaez de Leitura
em Pernambuco aos 19 de abril de 1862.Illms.
Srs. Dr- Filippe Nery Collago & C;, digoos pro-
prietarios e editoras do Diario do Recife.
Joaquim Gerardo de Bastos.
1 secretario.
Ra do Amorim n. 43.
Frecisa-se de urna ama para cosinhar o diario
de urna casa de poaca familia prelerindo-se es-
rava.
Aluga-se oarmazem da ra da Senzala Ve-
Iha o. 36 : a tratar no segundo andar ou na ra
do Crespo n. 19.
DO
Domingo 18 do cor-
rente as passagens de
ida e Tolta (no mesmo dia) de qual
qaer estaeo para a de Gameleira
sero pelo preeo das simples.
Os preces das passagens de Cinco Ponas Gameleira sao os seguinles:
1. elasse 7S500
2. t 000
5. 5S50Q
EXRADlDil IIKHO DO RECIFE A & FRANCISCO-
Abertura da 3a. sec^o at Gameleira.
r Com a partida dos trens e os precos das passagens sero regalados pela tabella seguate.
ESTAQUES
Cinco Ponas...........
Afogados...............#'
Boa-Viagem.............
Prazeres.................
Ilha...................
Villa do Cabo..........'..
Ipojuca..................
Olinda...................
Timb A.............
Ecada...................
Frexeiras...............
Aripib..................
Ribeirao.................
Gamelleira...............
TREXS PARA O IMI ItlOII
Dias de trabullio
NANHA
ESTAQUES
Gamelleira...............
Ribeirao.................
Aripib..................
Frexeiras................
Escada..................
Timb Ass..............
Olinda...................
Ipojuca..................
Villa do Cabo............
Ilha......................
Prazeres.................
Boa-Viagem.............
Afogados..............
Cinco Pontas.........,
Horas
~8
8
8
8
9
9
9
9
9
10
10
11
11
11
Mis.
15
22
33
40
1
15
30
44
57
10
40
20
45
TARDE
Horas
4
4
4
4
5
5
5
5
6
6
Min.
30
37
48
55
16
30
45
59
12
25
Domingos e dias
santos
MAMA
Horas
7
7
7
7
8
8
8
8
8
9
9
9
10
10
Mo.
15
22
33
40
1
15
30
44
57
10
35
55
15
35
TARDE
Horas
6
6
6
6
7
7
Mo.
30
37
48
55
10
30
TBEXS DO 1NTEBIOB
Dias de trabalho
Horas
6
6
6
6
6
7
7
7
7
7
Mi.
12
25
40
55
8
29
36
47
55
Horas
12
1
1
1
2
2
2
2
3
3
3
3
4
4
Min.
40
25
45
15
27
40
55
10
23
44
51
2
10
Domingos e das"
santos
MAM1AA
Horas
6
6
6
6
6
7
Min.
13
34
41
52
TARDE
Horas
2
3
3
3
4
4
4
4
5
5
5
5
6
6
Min.
50
10
30
50
15
27
40
55
10
23
44
51
2
10
PBEOS DE lili II 1.11 S
Yiagem de ida
CLASSES
l.
400 rs.
11200 >
1$400 >
2700 >
33*00 >
39900 >
49500
33100 >
59800 >
69000 a
69500
7S0G0 >
7500
2/
300 rs.
900
19100 >
28200
28700
38000
3J200
39400
39800
49000 >
4200 >
45800
58000 t
3."
200 ra.
500 >
600
19100
19400
12600
19900
29900 >
29500 >
2&800
3J000
39200 >
39500
Yiagem de Ida e volta
CLASSES
I.
600 rs.
19800 >
29000 d
41000
59000 >
59800 d
7f000
7700
99000
9;500
109500
119000
118500
3.
300 rs.
800
900
19700
29100
29400
21900
39300 >
39800
492OO a
49500 >
49800 >
58200
FBECOS DE BILHBTES
700 rs
I970O t
2940O D
38300
39900
4|500 >
592OO
69OOO
69300
6S800 >
79000 o
79300
79500.
500 rs.
13200 >
19800
29200 a
28600
3SO00
39600 >
4S0O0
48200 >
48500 >
48700
48800 b
58000
IjOOOrs.
29500
38600
59OOO D
58800
68700
79800 >
98000
99500
108200 a
IO950O a
II9OOO >
119500
As horas marcadas sao
500 rs.
19000 a
I95OO
29100 >
29400
29800 >
39IOO >
39300
39900
4930O
49500
49800 a
592OO >
i... ..?1 IVau^a""""" SttU "I"611" ,m q,ue d,evem Pt' e cn8g o rene, mas a companhia nao garante que em todos os casos possa ter
lugar essa pontualidade, e nem seri responsavel pelaa demoras ; comtudo, os trens nio parlirao das eatacoea antes do lempo especificado.
Os meninos menores de 6 annos pagarao metade. F
Oa bilhetes de ida e volla-servem para 24 horae ou 48 quando nellas se comprehendem domiogos ou dias santificados,
se ultimo caso aervem para tres diaa.
Osdeprimeira nes
Roga-se encarecidamente aos seohores que tragam sempre o dinheiro correspondente ao preco da viagera que liverem de fazer para senao
verem por falta de troco as estacni nacontiDgencta de nao seguirem. aendo como certo que mais fcil Ibes trazerem o dinheiro do sea bilhete
justo, de que as estacees terem indefinidamente troco para darem a todos. umueiro ao sea mnete
._____BAGAGEM E PASSAGEIROS.-Os paasageiros podero transportar gratuitamente e (4b sua responsabilidade a bagagem de um oeso inferior
rroba, que possa ser collocada por baixo de seu assenlo e sem incommodar os demaia viajantes. Esta concessao nio se estende aos objectos
preciosos.
As bagagens e cavallos que tiverem de seguir nos trens, devero achar-se as estarces ao menos 15 minutos antes da hora marcada
a.8 portas das estafes serao techadas cinco minutos antes da hora marcada na tabella, depoiado que nao se vender mais bilhetea'
Aaaigoado.E. H. Bramah, superintendente. ^""""""
Curativo.
Molestias syphilitica.
Atiesto que as plalas paulialanaa do autor
Carlos Pedro Elchecoin, de S. Paulo, tem sido
applicadas a algumas passoaa de oiioba casa, e
curou tambem doua pretos de molestias syphi-
liticas em poacos dias; e pela emita traca opi-
oiioassevero que produzem rpidos resultados,
principalmente para os humoresA. B. Quar-
im.
DEPOSITO EM PERNAMBUCO
NA
Pharmacia do Sr. Jote Alexandre Ri-
beiro, ra do Queimado n. 15.
Precisa-sede um amassador : na ra Direi-
ta, padaria n. 69, que entenda bem do trabalho
demasseira e tendedeira.
Attenco
Offerece-ae para caixeiro de fizendas oa miu-
dezas um menino de 12 annos, maito esporto e
de boa conducta : quem precisar, dinja-se a raa
alo Nogueira n. 20, ou annancie.
Curativo de urna grande
inflammago na bocea
do estomago.
Mi poaao deixar em silencio o curativo feliz
feitopelo Sr. Ricardo Kirk, eacriptorio na ra do
Parto n. 119, por maio daa raai multo acredita-
das chapas medicinaos, as qanes me pozeram
perfeitamente bom de ama grande inflsmmacao
na bocea do eatomago, qae m< tomata quasi a
respirago, eausando-me asaim um cansaco insu-
portave! dorante o lempo de qaatio annoa con-
secutivos, pelo qae lhe aere! etf tu mente grato.
Roa detraz do Carmo n. 63Lio da Janeiro.
Antonio Joa Goocalvea Mandes.
Quem preciaar alagar ama eacrava moca, de
boa conduela, qae sabe cozinhi r bem, lavar de
sabio, engommar, comprar oa raa, tratar de urna
caaa, e tratar de meninos com delicadeza, dirja-
se a raa da Alegra o. 7.
Na ra do Queimado, loja u. 41, precisa-se
fallar coa o Sr. Dr. Joto Baptista da Amaral e
Mallo.
Aluga-se o segundo andar de sobrado junto
s casa do sabio, no aterro dos Alogadn : 'fal-
lar na i sa Direits, can d. t.
NKUAD0UEIMAD0 M!A6
P^pjgMNDElORTIMEItT0
Sorlimento completo da sobresaseos de panno a 259, 289, 309 359, casa.cn multo bam
faitea a 258, 28f, 301 a 851, pal tota acasacadoa da panno preto da 16 at 259, ditos da easemira
da cor a 159,184 a 201, paletota saceos da panno caaemira da 89 at 149, ditos saceos da alpaca
m trin a la do 49 at 69, sobra de alpaca merino do 79 at 109, calcas pretaa do caaemira do
89 al 14f, ditos do cor do 79 at lOf, roopaa para manino de todos os tmannos, granda sorti-
manto do roupas do brina como sejam calcaa, paletota a collatas, sorlimento do colletas pretoa da
setim, casemir o velludo de 49 a Vi, ditos para casamento a 59 o 09, paletota broncos do bra-
mante a 49 a 5/, calcas brsncss maito finas a 58, a so granda sorlimento do fazendas fina s a mo-
deran, completo sorlimento do casamiras ioglezas psra hornera, menino senhora, seroalaa da
llano a algodo, chapan do sol de seda, luvaa do soda do Josvin para homem senhora. Te-
mos orna grande fabrica do alfaiata onde recabemn eneommendas do grandes obrn, qae para
no eati sendo administrada por am hbil meatro do semelhante arto o uso pessoal da maia da
cincoenia obreiras seolhidos, portante eiecutsmosqaalqaer obra coa promplidio mala barato
po mo ostra fcaUser can.
Precisa-se
de um moleque fiel e diligente para o
servico de urna casa de familia : na ra
dot Guararapes em Fora de Portas n.
26, sobrado.
Precisa-se de urna ama, no pateo do Terco
n. 12, aagundo andar.
Aluga-se o silln. 1 do Arraial, em o qual
reside actualmente o Sr. Samuel Power Johna-
ton : a tratar na ra da Aurora n. 36.
Aluga-se o prirseiro andar do sobrado da
ra da Imperatriz n. 35 : a fallar na ra de A-
pollo n 35, primeiro andar.
Alaga-se o primeiro andar do sobrsdo da
ra da Cruz n. 13, proprio para eacriptorio :
tratar no armazem do meama cass.
Purtaram no dia 7 do correte, pelas 8 ou
9 horas da noile, no Arraial, doua cavallos, seo-
do um caslanbo pequeo com tres feridas do la-
do eaquerdo provenientes de csogalha, tem oa
quatro ps brancos. o outro ruco grande e bas-
tante carnudo, tambem tem tima ferida no espi-
nhaco junto ao peacoco, anda baixo, curto, etc.,
tem um caroeo no lugar de apartar a silba,e um O
do lado esqaerdo : quem osappreheoder, leve-oa
4 travessa do Oavidor, antiga cocheira do Dr.
Lins, que seri generosamente recompensado.
J Keller Sl G. participam ao corpo com-
mercial qae por mutuo accordo deixou o Sr Jo-
a Marques dos Santos Agular de ser seu caixeiro
no dia 30 do passado, cando por esta razio de
nenham efteito a procurado bastante de que ae
achava revestido. Resta-nos louvar ao Sr. Agaiar
pela probidade e intelligente actividade com que
sempre se porlou.
Feidel Pinto & C. em liquidacao
mudaram o seu etcriptorio para a ra
da Senzala Velha n. 100, primeiro
andar.
Gasas para alugar.
Segando andar da nsa o. 12 da ra do Encan-
tamento, loja n. 33 da ra do Vigario, com ar-
micio para taberna : a tratar na roa da Cadaia
do Recife n. 83.
Praeiaa-ae |da urna ama ..forra ou oscrava
para cninbar: na ra do Imperador, primeiro
andar n. 54.
O aballo aaaigoado declara que desta lata
em diante ae aaaigna por Joa Ferreira Aires Ca-
rien. Recife 13 de mai da 1862.
Jos Ferreira Alvn.
Francisco Darlo Soares, subdito heapinhol,
rttira-ie para fora da provincia.
c
c
c
a

Attenco.
Chegou do Rio de Janeiro um bom cozinheiro
ntrangeiro, que se offerece para can de familia
nacional oa ntrangeira : qualquer pesaos qae o
pretender, dirija-se ao becco Largo n. 24, pri-
meiro andar.
Precisa-se de um esersvo por aluguel ;
quem o liyer. queira dirigir-aa a ra larga do
Rosario n. 30, loja de miudezar, que ae dir quem
precisa. ;
O abaixo signado faz publico
que pessoa alguma compre ou faca ou
tro qualquer negocio com os escravos,
boit e betas do Sr. Jote Pedro Carnei-
ro da Cunha, vitto como te acham to-
dot estet bent hypotbecadot ao mesmo
abaixo attignado para garanta do que
lhe deve o dito Sr. Carneiro da Cunha,
e cuja eteriptura foi paitada na villa de
guarattu' no cartorio do eterivao Ca-
v-alcanti. Jardim 10 de maio de 18S2.
Antonio Tritto de Serpa Brandao-
DESCOBERTAS E AVENTURAS
. NOS
Nares e regioes polares.
Traduccao do inglez
DO 1. TENENTE DA ARMADA.
Colatino Marques de Souza.
A obra seri publicada em dez folhetos, do cos-
to cada um de 19- Aaaigoa-se na livraria n. 10 do
largo da Independencia.
CONTEDO.
Capitulo 1. O clima das tegies polares.
2. Vida animal e vegetal as regioes po-
lares,
c 3. Antigs viagens a o norte.
4. Viagena em busca de urna paaaagem
nordeste.
'5. Primitivas visgena ao polo do norte.
6. Primitivas visgena em busca da urna
panagem noroeste.
7. Viageaa de Roas e Parry em busca
de urna paaaagem noroeste.
8. Segunda visgem de Roas.
9. Recentes viagena ao polo do norte.
10. Eipedico aos mares roda da Boo-
this.
11. A expo&icio de Franklin.
12. A peacaria de baleiaa do norte.
13. Geologa rtica.
Expedicoes pesquisadoraa de 1850 a 51.
Mem idem de 1851 a 52.
Descoberta da passagem noroestee ultimas no-
ticias da comitiva de Franklin.
Jos Oias Pereira, Portugaez, vai para as
provincias do sul do imperio.
Precisa-se de ama ama para o servirlo in-
terno de urna casa de pequea familia na villa do
Cabo : a tralar-se ns travessa do Carmo n. 1, pri-
meiro andar.
No largo do Corpo Santo n.6,aegundo an-
dar, eacriptorio de Marques, Barroa & C, dese-
ja-se fallar com os Srs. Francisco Antonio de
Freitss Barros, Joaquim Neuton de Carvalho e
Joaquim Ferreira de Carvalho para negocio de
seu interesse.
Criado.
Na ra de S. Francisco, sobrado o. 8, precisa-
se de um criado de 12 a 16 annoa, que nao saja
vadio, burracbo ou ladrao, aob pena de, assim
sendo, ir parar na caaa de dteselo: aneen se
achar isento de taes vicios, e se achar habilitado
para um bom criado, appareca em dita casa rara
contratar-se no prsco ; a casa de homem sol-
teiro com pouca familia.
Urna pessoa que tem ama letra soffrivel e
escreve com alguma ortbographia, offerece-se pa-
ra eacrever em algum caitorio de tabelliao, ou
em casa de algum advogado: quem pretender di-
rija-se a ra doa Guararapes n. 38, ou entao na
ra do Cabugi n. 1 C, que ae dir quem .
Offerece-se um otBcial de pharmacta : nes-
ta lypographia deixar carta fechada com asini-
claes X L.
. Bailar & Oliveira, na ra da Cadeia do Re-
cua D. 13, vondem Ubras sterlinas.
Irmandade do Divino Espirito
Santo.
O procurador geral, em virtude do que diapde
o artigo 68 do nosso compromiso, tem a honra
de convidar a todos os irmios, ex-juizes e bem-
feitoresda irmandade para compareceris no do-
mingo prximo 18 do correte, pelos 9 boraa da
manbta, para darem execucao ao que dispe os
artigos 97 at 101 inclusive. Consistorio da ir-
mandade do Divino Espirito Santo 14 de maio de
1862.J. A. doa Santos Coelho,
Procurador geral.
Silvino Guilherme de Barroa compra escra-
vos de amboa os sexos : na ra do Imperador n.
79, primeiro andar.
Acba-se juato e contratado com .-o Sr. Joa-
quim Carneiro da Costa a venda de aeu terreoo
com 25 palmos de frente e 90 de fundo, e nelle
exiatenle 6 mucambos, na ra do Principe, sabida
para Bellem: quem ae julgar com direito ao mea-
mo.aonancie no praao de ires diae.a conlsr deala
dats. Recife 14 de maio de 1862.
Hotel Cinco Pontas.
Domingo 18 do corrente, no hotel da eaiacao,
foroece-se almoco aos paasageiros da estrada de
ferro, antes da partida do trem que segu para
Gameleira, a 19 cada pessoa.
Aluga-se um sobrado de um andar e solio
na ra de S. Bom Jess das Crioulas o. 35 : a
tratar na ra das Gruzes o. 22.
Luiz Barbalho de Vasconcellos declara que
sendo devedor da quantia de 8:0009 em diversaa
letras proveniente do ultimo pagamento dos en-
genbos Santo da Serra, Unlio e Jatobi, as quaes
letras ae hio de vencer em 29 do corrente maio,
aviaa a aeus cradorea que as nao pode pagar no
vencimento com dinheiro, e aim com aeua bena,
que francamente oa offerece sfim de nao ser pro-
testada a firma de seu fiador, isso no caso dos
mesmos credores nao quizerem conceder reforma
com declaragao para a safra prxima viodoura de
1862 a 1863.
Aotonio da Rocha Accioly Lins seba-ae re-
aidiodo na ra do Queimado n. 3, primeiro andar.
Alexandre Prader e Domingos Vasques re-
tiram-se psra e Baha.
; Saques sobre Portugal. S
O abaixo asaignado agente o Banco a
Mercantil Portuense neala cidade, aaca 1
effeclivamete por todos os paquetes so- a
bre o mesmo Banco para o Porto e Lia- <$
boa, por qualquer somma iviata e a pra- I
zo, podendo logo os saques a prazo aerem 8
descontados no mesmo Banco, na razio I
de 4 por ceoto ao anoo aos portadores I
que assim lheeonvier : naa ras do Crea- |
no n. 8 ou do Imperador n. 51.
Joaquim da Silva Caatro.
46G5i656Ma rar *ie.-j-mn.-jitS
Preciaa-ae de ums ama forra ou escrava pa-
ra casa do pouca familia : na ra do Amorim
armazem n. 56.
Medico.
do
fjp O Dr. Brancante mudou-ae da ra
ssa Imperador para a do Queimado n. !
P aegundo andar, oode pode ser procara-
? do psra o exercicio de sua profiasao. afi
o**o ge *
OSr. Jorge Ferreira Fernande
Siqueira, de Caruaru', queira mandar
com a pottivel brevidade solver duat
lettrat de teu aceite, sacadas por Joao
Paulo de Souza, tendo urna da quantia
de 2;000# e outra de 3:53l#620 r$., at
quaes tendo tido endonadas pelo abaixo
attignado a pedido do dito lacador, fo-
rana not vencimentot pagas pelo metmo
abaixo attignado a' caixa filial, por falta
dot outros respontaveii-
Joaquim L. Monleiro da Franca.
M*
No domingo 20 ds corrente, feriaran da casa
de Manoel Teixeira Baato. na Paaaagem da Mac.
dtlese, em relogio da ouro do aystema moderno
de dar corda.por cima sam ..iilu> de chave, foi
feriado juntamente com um. cadeia do os.
eonlendo urna chave | quebrada. O prejudica-
do nao se records.do nome do autor, e o numero
do relogio a'7851, e por isso apenaa com siar-
naes, pode indicar ter de bella apparande, des-
cocerlo, a com um vidro bem saliente em grot-
sure. A quem quer que o descobrir se agratiQ-
cari generosamente.
Aos Srs. consumidores de gaz.
Nos armazens do ceas do Ramoa na. 18 e 36 a
na ra do Trapiche Novo no Recife n; 8, se ven-
de gaz liquido americano primeira qualidade e
recentemente chegado a 149 a lata de S galn,
asaim como latas da 10 e de 5 garralaa em
garrafas.
<* (.
cj eseja-se fallar a negocio com o Dr.
# Amenco Fernando Trigo da Loareiro, na
* ra do Crespo n.i 17.
>:
Attenco
Antonio Cesado Moreira
Dias, faz sciente ao respeita-
vel publico com especialidade
aos seus freguezes, que mu-
dou o seu armazem da ra da
Moeda para a ra da Madre
de Dos n 32, e est venden
do por menos do que em ou-
tra qualquer parte, plvora,
chumbo e salitre e aflianca a
boa qualidade destas merca-
dorias por serem de primeira
qualidade.
O Sr. empregado publi-
co que recebeu differentes
quantias para pagamentos de
objectos de sua repartico e
nao os pagou, queira mandar
entregar essas quantias que
existem em seu poder como
deposito, alias se publicar
seu nome e mais cartas pelas
quaes se prova a existencia
deste negocio.
Netta typographia precita-te fal-
lar ao Sr. Jo5o Goncalves Rodrigues
Franca que morou em Olinda e dizem
morar nesta cidade do Becife.
Precisa-se de um criado forro ou
esciavoque teja intelligente e de bons
costumes, e que d fiador a tua conduc-
ta. Dirigirse a ra nova de Santa Ri-
ta, sobrado n. 47.
!
aos senhores abaixo declarados de virem 2
a raa do Crespo n. 8 A, a negocio de ft
es ioteressea :
Nereu de Si Albuqterque.
Joa Thomaz de Aguiar Jaoior.
Aotonio Prisco de Fraoca Mello.
Francisco Luiz Wanderley.
Felippe Benicio Cavalcant.
Miguel Tolentino Pires Hsrinho Falco.
Jos Thomaz de Aguiar.
Joaquim Cavalcanti de Albuquerque.
Viuva do bario de Ipojuca.
Dr. Joaquim Elvirio de Moraes Carvalho.
Dr. Pedro Gaudiano Ralis e Silva.
Padre Francisco Alves Abraotes.
Joa Gorgonio Paes Barrete
Dr. Manoel Daarte de Faria (medico.)
Toda attenco.
Custodio Jos Alvea Gelmaries avisa ao rea-
peilavel publico, principalmente a todoa oa seas
freguezea e amigos, que se madou da loja da
aguia de ouro da ra da Cabug para a ra do
Creapo n. 7, para a bem coonecida a antiga loja
de miudezas que foi do fallecido Jlo Ceg, boje
ser coohecida pelogallo vigilante,e pede ao
respeitavel publico e aos seus freguezes e amigos,
que o queiram procurar no dito estabelecimento,
oode acbario um grande sorlimento de miudezas,
que aflianca servir bem e vender por menos dez
ou vinte por cento. do qua em outra qualquer
parte
Oa Srs. devedores ds loja do Cnado
Antonio Franciaco Pereira, queiram vir
pagar aeus debites na mesma loja ra
do Crespo n. 8 A.
Aluga-se urna casa na ra do Socego da
Boa-Viata, cuja caaa tem 4 quartos, quintal, co-
sioba etc.. pelo prego de 25g ; a tratar na raa da
Imperatriz n. 49.
Precisa-se alugar urna negrinha que tenha
de 10 a 15 annoa : na ra da Cadeia Velha n. 52,
terceiro andar.
3-Rua estreita d# Rosario--3
Francisco Pinto Ozorio continua a col-
i
9 locar dentea artificiaos tanto por meio de
Sislas como pela pressio do ar, nio re-
ceba paga alguma sem que as obras nao
*J) fiquem a vontade de seus donos, tem pos
outras preparaede a as maia acreditadas
para eonaervacao da bocea:
_
Moraes Filho avisa aos teus deve-
dores nesta praca que ha autorizado por
procuradlo ao Sr. Joaquim Hugolino
da Silva Fragozo p"ara cobrar amigavel
e judicialmente de todos os seus ditos
devedores at segundo aviso por ette
jornal. Recife i4 de maio de 1862.
Perda.
Perdou-se dude o Trapiche Novo at Apipo-
eos urna chavo pequea de broca do um cofre ds
ferro : quem a acboa qaerendo restitai-la visto
que de nada lhe serr procuro sa iravgesu da
Madre de Dos n, II, es assancie que 'segreU-
ucira.
%'.
(
<
X-
Jk#*



WAWO l PCUaHMH. ai MU* I1IRA 1 DE MA10 DE 1801
l*
V
l
Othesouieiro dai lotera roga aspes-
oa que temiilgfie, e asaca bilbetes
encommendadoi favos* cieos ir buscar
ate a vespera da%r.tsj^sjj pelas 8 ho-
ras da noitflo contrario serlo vend-,
dos logo que se acabem os que exist-*
rem a venda.
O thesoureiro.
A. J. R. de Souza.
\
ENSAIO flTHO
OIR
A viagem do Brasil em 1852.
DE
GARLOS B. MAN9FIELD
POR
Precisa-se
de urna senhora capaz sem filhos e de-
sembaracada, para tomar conta do ser-
vico interno e tratar de meninos em
urna casa de pequea familia : a tratar
em Fora de Portas ra-dos Guararapes
n. 26, sobrado.
Criado.
Pretisa-se de uto criado para um sitio, e que
tenha algum conheclmsnto desse aervigo: na
rea No tiid. 23, primeiro andar, dai 9 li2 horas
da manhaa em diaole.
Sitio.
fflilM5a*,e um >o na eatrada dos
. 1 .q"VtodeP<>i'capella, tem muito
bo^nna. piaUd. e reedificada ha ponto lempo,
fc SCiEDADE BAMARIA
Amorm, Fragozo, Santos & C.
i^i.lDTi?,!).,.8Srs- ,ocios receberem o
* dividendo relativo ao semestre Bndo.
Sociedade bancaria.
aqats pata a traes de Lisboa.
J. Huader tem obrigagio aaer um. viagem i
encarecidamente a ana devedorea de maodarem
pagar sua ce ota a na tua Nova n. 67.
^.,7^^kC'sZ"!, iy* um 8iti0 nM Apipacos,
que leoha bastantes arToredoa, baixa de capim
para tattmstet eous cavallos, caaa solTrivel, e
naneo ; quem tirer algum neatis condieges, di-
nja-ae a rea do Queimado loja de ferrigeos. n.
la qe se dir quem quer.
O Sr. Antonio Tristao de
Serpa Brandao tenha a bon-
dade de apparecer na loja do
Germano, na ra Nova n. 21.
Attencao.
-se Oioheire premio aotre penhores : na
me doOweimado n.45.
A. D. de Pascual.
Oa Srs. aubacriptoraa desta obra podem man-
daa receber o 2o tomo qae a completa a ra da
Lrua n. 45, primeiro andar. Para aquellas pee-
soaa que nao auignaram o deaejarem posaui-la
costa dita obra 6.
Rezende & C., sacam sobre Lis-
boa e Porto, na ra do Brum, arma-
zem n. 58, ou na ra do Vigario n. 9,
primeiro andar,
Precisa-se de urna pwoi que queira cobrar
dividas no malo, dando fiador aua conducta : a
tratar na rna do Queimado n. 45.

Hotel inglez
3loa do
-..
Trapich
v
e-3
Attencao
Prectaa-ae alagar um primeiro oa aeguodo an-
ear, -sendo sea ruaa seguintes r Aurora, Impera-
dor, lado dopaeseie.esendoda-um a andar, no
l!"2 n I!be," e*e dar lgnaa luvaa : na
*?.* Q"". loja de errtene n. 13, ae dir
a-pcsioa que qur.
Ama.
Precisa-se de ai ama pon todo o servigo de
vm* caaa de pouca familia : a praga do Corpo
cinto n. 17.
Mudanea.
O agente Guimaraes havendo acabado com eu
armazem tem a -berto seu suiptorio na tas da
Cadeia do Recite n. 3, primeiro andar, onde po-
der ser procurado para o tim de aua prossao.
Ao publico.
Tendo adarce Lecomt rece bido de Parie um
g'ande, bello e variado aorlimanlo de perfuma-
ri objectos apropriados a se fazer presentes
tai disao scieote ao publico, a jim como que em
aua loja, na ra da Imperatrii n. 7, se recebem
encomnaeede* de tranceln, e todas as obras fei-
taa de cabellos, para o que tem um empregado
francez, perito izarte de cortar caballos, oqual se
aeb aaordena do publico a qualquer hora cua-
ndo cada corle 600 rs. A mesma madama de-
clara que recebe Iutss de pellica de Jouvio por
todoa os vapores.
JoiolKypoiito de Meira Lima avisa ao pu-
blico que a propriedade sita em Santo Amaro de
Jaboatae. caja venda asnunciada por Maooel
- Josquim Farreh-a EiteTea, anda couaa litigio-
sa, pois a-anunciante acaba de pedir vista dos
Mas de esecucao qe lhe movia o referido s-
tovea. para allegar o vicio-radical da nullidade
de todo o prooeasado. e por consequencia da io-
debila poeta judicial m que a 3 acha da meame
propriedade o referido Ksievea. E para queae
nao allegue ignorancia e boa f da parte de quera
apezar diese,* comprar,.se fs;: o presente an-
unclo.
A padaria do leao do noctli, ra do Cotovel-
0, preciaste de um homem que aeiS bom traba-
'Ibador de SMaoolrv
,~ afcorea asiignanlea da corresponden-
cia de Portugal, quelram mandar procurar na
gencia.escripteriode Tiaio Irmos, n. 7, deqte
foi portador o Guienoe.
Trocame imagens de differentes
-tamaitos muito J>em feltas, por meta-
de de seu valor, para acabar : na ra
dalmperatrizn. 21, serrara.
-Quera preeiear de-um boa codobeiro. diri-
ja-se s ra de Borda o. 34.
- -'Fede -se ao Sr. theaeureiro daa loteras des-
ta provincia, que nlo pague a psssea algama o
bhete oteiro de n. i/7 da 3." pul da 5.* lo-
tera a beoeflcio da matriz de S. Pedro Martyr
-de Olinda, no caao de aihir pre.niado, vialo ler-
e perdido, e pertencer ao abane ssignado.
Jos Caelano Martins Marques.
15.000 rs.
Alegaje por 15$ urna caaa com S salea, 3 quar-
toa. 1 solao, coznha fora e copiar, com cacimba
de eua de beber, algum arvoredos de fructo. e
um pedaco de trra para plaotacoes; em Sanio
Amaro, sitie em que ma tarara o frade.
T A,rr"n'cio n. 17, o en-
geohoS. Jtaapar, sito na fregaez.a de Seriohera,
com exeallenta parlidoa de vjrzoas mui lavra-
dioe, roda da moende, piogue careado, embar-
200 na potle, mataa e mingue; para o eervico
o mesmo eogenho. ^
Precisa-se de reQnadores : na ra de Apol-
lo a. 6.
Pede-se encarecidamente ao Rvm. Sr Fr
Pedro da Puriflcsco, religioso Carmelita, qu te-
nha a boodade de apparecer na ra do Livrameo-
to n. 22, a negocio que S. Rvm.a nao ignora.
Aviso.
OuilhermeAugusto Rodrigue; Selle, declara
que a bem deauasaude conlioi a residir tem-
porariamente em Lisboa, e mora oa ra do Am-
paro n. 82, primeiro andar ; continuando a se-
ram aeua procuradores oa provincia de Peroam-
bueo os Srs. Dr. Jeaquim Jos 1 Ponieea, Dr.
Jos Soares de Azevedo. o coron 1 Joao Jos de
bouvaia, com quem nicamente devem tratar os
interesaados a nio aer com o ani mciante direc-
lamente. O annunciante de novo proleata contra
quilqaer trato ou transaeco fon destas condi-
$0riS?",i fit0 P <'" rezes.
Lisboa 19 de dbril de 1862.
Guilherma Augusto Rodrigues Settt.
Queijos do Serid.
Vndese queljo do Serid muilo fresca! a 640
libra: na ra doa Martyrioa n. 36.
Vende-se um novilbo toorioo de pura raca :
n* eitrada dos Aflictos, sitio frenteiro a igreja.
rs
Acha se de novo completamente montado es-
te anligo estabelecimento e prompto a receber
passsgeiros a qualquer hora do da ou da noile.
Todo o servigo feito com promptidio, celo e
baraleza, havendo no estabelecimento interprete
para passsgeiros ioglezes, francezes, hespanhoaa
e allemiea.
Recebem se pensiohlstis e alogam-se quartoa
por semanal ou por metes, garanlindo-se o me-
lhor sertico possivel.
Tsmbem no estabelecimento apromptam-se
jaolares e almocos, asiim como d-ae comida pa-
ra fora, anvidsndo o dono do hotel lodos os ex-
forcos para bem agradar as pessois, que o hoo-
raram com aa auaa freguezias.
No intoilo do preencher urea lacuna to aen-
aivel a urna capital lio commercial como a do
Recife, nio se pooparam despezsa e ezforcos.
aflm de aer collocado o hotel inglez no bom p,
em que ae acha. Agora a a animadlo do pu-
blico poderi fazer medrar um estabelecimento ji
to reclamado pelas necesaidadea commerciaea
da noasa praca.
Preciaa-ae de urna ama livre ou escrava
para o aervir;o de urna pequea familia : rus
da Uoiio n. 40.
Aluga-se a excellente casa da ra
dos Martyrios n. 2, onde morouo Exm.
brigadeiro Muniz Tavares commandan-
te das armas da Baha, composta de 2
andares e sotao, contendo boas salas e
quartos, com janellas no oitao do lado
do sul^ e muito fresca : a tratar com
Antonio Jos' Rodrigues de Souza na ra
do Crespn. 15, tbesouraria das lote-
ras.
Ama de leite
Precisa-se aa ra nova de Santa Rita n. 55,
primeiro andar, junto ao deposito de carreo.
Caes d'Apolio n. 7.
Aluga-ae por preco muito commodo este ar-'
mazem com 3 portas de frente e bastantes fun-
dos, muito proprio para recolher quaesquer ob-
jectos em grande quantidade : na ra do Impe-
rador o. 46.
Joaquim Das Fernandes ae relirsr-se tem-
poraria neo ti para Portugal a tratar de sua aau-
de, pede desculpa a seus amigos que pela prea-
teza de aua vjsgem deixou de se despedir pes-
soaimeote ; assim como sproveiia o ensejo para
Ibes offerecer o seu dimioulo preslimo em qual-
quer parte ondoso sebe.
Nao lando comparecido oa credores de Aze-
vedo & Pires no da 14 do correte para nomea-
rem depositario, o 111 m. Sr. De. juii do com-
mercto adiou a contocacio para boje 16 as 10
horas.
Precisa-ae alugarum eacravo para aervl-
Qos de casa : na ra Nova o. 7.
O senhor queanounciou a venda de uoh
preta cem urna cria de 7 a 8 annoa ou permutar
por outros, pode apparecer no caes d'Apolio nu-
mero \o.
Laurino de Moraes Pi-
nheiro mudou a sua residen-
cia para a ra do Apollo n.'-Sfi,
primeiro andar.
Compras.
Comprs-se um cavallo que tenba bons an-
dares e que esteja gordo : a tratar na ra do Li-
vrament d. 20, com Crrela & Irmos.
Vendas.
Aluga-se
ama preta escrava para os eerricoe de casa
pairando o boceo das Btrreiras n. 5.
Cabriolet, carroca e cavallo.
Vende-ae um'cabriolet deacoberto. qoesi novo
com os ar reos para un cavaJlo, o qual est sen-
do pintado de novo, um excellente cavallo do
mesmo, de cor ruca, e muilo manso, sendo um
dos melhores onimaea de cabriolet que existe
nesta cidade, e urna carroca em bom estado para
oavallo : para ver, oa cocheira de Thomaz Jos
dos Rea, perto da praca do capim, e para tratar,
a ra do Jrapioke n. 14, primeiro andar.
Para brinquedo de S.
Joao.
Voode-se ameodoao pelo barato preco de 640
re. a Un : na ra de Crespo n. 7, ra larga do;
Rosario o 35 ra Vetos na Boa-vista o. 33, rua!
do Biogeln.*, ra das Cinco Pootaa dafronte a
eaia$ao a. 140, roa Auguata, esquina do beeco do
Marisco n. I.
Veode-ee um sellim coberlo de couro de
porco, em mio uso : na ru do Queimado. (oa
numero 33.
Vende-ao urna casa pequea no Caminho
Novo n. 5: a tratar na Capuog n. 35, noa quatro
canlos, taberna de Jos de Almeida Ferreira.
Vendem-se doua caiioes de louro para ta-
berna, e igaalmente urna boa balaoca, pesos e
medidas : a tratar na ra da Imperatriz o. 49.
Milho e farelo
Vendem-se saceos cora milho muilo novo, de
26 culis, por 53500. farelo a 5JJ, e farinhs a 4J :
na taberna grande da Soledade.
Attencao
Vende-ae a loja de funileiro da ra da Cruz do
Recife n. 37 : quem a pretender, pode dirigir-ae
a mesma que l achara com quem tratar.
Vende-ae urna taberna com gneros, na ra
Dlreita n. 48 : a tratar na mesma taberna.
Vende-ae um terreno com chaos proprios e
murado, com um portio de madeira, tendo 250
palmoa de freole. no lugar do Campo-verde, del-
laoafuodos com o sitio do Exm. e Rvm. Sr. Bis-
po tres mei-aguaa na ra do Socego ns. 57, 59.
Methodo deviolo.
Vende-se era segunda mo um methodo de
violao de Csrulli: a fallar oa ra Oireila n 11
loja. *
Sintos com borlotas e sintos
de camafeo.
Vandem-sa sintos de camafeo os miis moder-
nos que he no mercado, sgulhas imperiaes, ago-
Ihas Victoria, agnlhas curtas, enfeites para ae-
nhora. linhas de Pedro V de 200 jardas a 60 rs.
o cartao e muitas oqlras mildezu em conta a
vlata se dir o preco de ludo : n roa largado
Roiiriq |o|a de miodosss n. 36.
Remedio infallivel contra as gnor-
rheas antigs e recentes. nico depo-
to na botica franceza ra da Cruz n.
22. Preco 3-
Machinas americanas.
Km casa de N. O. Bieber & C, auccesaores,
ra da Cruz n. 4, vendem-se :
Machinas para regar hortaa e capim.
Ditas para descaro;ar milho.
Ditas para cortar capim. ,
Selina com perteocea a 109 e 209.
Obraa de metal principe prateadas.
Alcalrao da Suecia.
Vernit do alcalrao para navios.
Salsa parrilhade primeiraqualidade do Par.
Vinho Xerez do 1836 em caixas de 1 duzia.
Cognac em caixas dio 1 duzia.
Aradoa e gradea.
Brilhantee.
Carrosas pequeas.
Vende-se o engenho Alto, do Joao Fernan-
das, sito na freguezia de Agua Preta, com meia
legos de frente e muito mais de fundo, paasando
a lioha terrea por dentro do terreno, e ficando
distaote da eataco de Gameleira menos de urna
legoa, em qaanto a qualtdade do engoaho nao
preciso dizer, j porque o mesmo engenbo
muito conhecido, e j porque o comprador deve
vir ver ; e quem pretender, dirije-se ao mesmo
eogenho, onde tratar o negocio com o proprie-
ta rio.
Vende-ae um moleque com 10 annos, bo-
nita figura : na ra da Imperalru o. 40, segun-
do andar.
Charutos de Havaoa.
Os melhores chsrutos de Havana, aao encon-
trados por prego razoavel, em casa de Leandro &
Miranda, na ra do Crespo n. 8 A.
De Havana.
Sao chegados os msis saborosos charutos de
Havana quelem vindo a eate mercado, e acbam-
ae disposrc&o dos apraciadorea, em casa de Le-
andro & Miranda, na ra do Creapo n. 8 A.
Attencao.
JoS-o Jos de Figueiredo tem a honra de parti-
cipara seus numerosos freguezes que em seu es-
tabelecimento de fazendaa finas, na ra do Cres-
po o. 9, se eocontra um complet aortimento de
fazendaa do ultimo goslo e msis baratas que em
otfira qualquer parte por se querer liquidar, co-
mo aejam :
Capas de grosdenapie de 30, 40 e 451, muito
ricas.
Chapeos de paiha de Italia para senhora a 189
0 389000.
Ditos de seda par senhora a 12 e 26J.
Ricos enfeites de flores para theatro ou bailes
a 159000.
Ricoa cortea 9e seda de muito bons eoitos a 80
e 120J000.
Chales de csoemira muilo ricos a 159000.
Manteletes trancos de seda de rede para se-
nhora a 289.
Vestidos pretos bordados a velludo.
Ditos de cores da diversos gostos e grecos, e
muitos outros arligos para senhoras e homens,
muito modernos, e mais barato que em parte al-
guma.
Efi-genho a venda. -
Veudem-ae as partes do engenho Coa Vista
sito ns freguezia de Seriohaem, com optime-s
terrea de produeco, copeiro, porto de embar-
que, exceUenlea matas-e arrendado por 4:4509
ancuaea, partea relativas a maia da melado do
mesmo eogenho e que ao Exm. marquez de
Olinda e eos herdeiros do coronel Casado Lima
compraran o Dr. Sebaslio Antonio Accioli Lina
e seu irmao Prisciaoo de Barros Accioli Lins :
quem pretender pode entender-se esta cidade
com o -Sr. Antonio JosTeixeira Bastos na ra
do Apollo ou com os proprietarios nos engenhos
Goicaoa oc Tinoco da dita freguezia.
VenJe-ie
o brigue americano Redwing, coma
Iotacao.de 14,OoO arrobas e de superior
marcha : na ra do Vigario 2.
Novo sorliaieiito de 'a-
zen4as baralissimas,
NA
Loja do Pavorua da Impera-
triz numero 60.
DE
Veadem-se k seguiotes fazeadas por precos
bsratiesimos afim de apurar dioheiro : capas
suiasaa a imitaceo de sedas de quadrinhos sen-
do de rs. o ovado, brigantinas de qnadrinhos muito
encorpadas para voetidos de eenbora e roupas
para BMOtaoa sendo muito maia larga que chita
a 800 ra. o corado, gorguro de lioho fazesda
muito nova para vestidos a 280 ra. o eovado,
mu selina-brenca cora 4 1(2 palmea de largura a
200 ra. o eovado, grande e variado aortimento
de cassas para vestidos sendo os padrees moder-
nisaimos e aorea Otas a 280, 300 e 320 ra. o
eovado, chitas francezasde cores fizas escuras e
alegres a 240, 360, 280. 800 e 320 ra. o ovado,
chUas oglezas a 440,160 e 200 rs. o corado
coates de casia loado 7 1^2 varas cada um a
21400 rs., cortes de organdys com barree
12 varas cada corle a 59, cortea de
22 covadoi a 59, dUoa com as
lazinhaa de coree a USO rs. o
eslaa fazendaa do-ae aa amostras deixaodo c
penhor na loja e armazem do Pavo, de Gama dt
Silva, na ra da Imperatriz o, 60.
Paletots e calcas.
Vendem-se paletots do prtate puto fino a 69,
calcaa do caaomira preta a 49500, pileta de faney
de cores a 6, calcao do dito a 3500: ao ra da
Imperatriz n.'10, loja d#Pov#. i
As seroulas do Pavb.
Vendem-e seroulas de lioho franceaa a Sfi'o
Kri.VJft^dBta: na r" 60, loj*d.Bama & iva, 'v
CHALES. ;
Grande^echincha na oja do
Pavo
Vendem-se os mala ricoa chales com pona re-
donda e borlotaa teodo as barrea a imitscio de
peluda e asaetioadss imitando aa capinb's mais
modernas pelo baniiasimo preco de 4J500, ditos
de4pontasa49500, ditos Garibaldina sendo
moito grandes a 5|: na ra da Imperatriz n.
60, loja do Pvio ie Gama & Silva.
Saias bordadas a 2#500.
Vendem-se saiaa bordadas muilo bonitas a
295OO cada uma: na ra da Imperatriz n. 60,
loja do Pavao, do Gama & Silva.
Bales do Pavo.
Vendem-ao baldes de bramante francez com
arcos, aendo as melhorea armacoes, pelo diminu-
to pre;o de 39 a 3|500: na ra da Imperatriz o.
60, loja do Pavo, de Gama 4 Silva.
Saias com arcos de lioho.
Caixinhas e cabazes paralSuP^rior seo em velas e em
as meninas trazerem
no bra^o.
Muito lindas caixinhas e cabazes para meninas,
de 100 ris at 29600: na loja da Victoria, na ra
do Queimedo n. 75.
Enfeites para senhora.
Os melhores enfeites pretos e de cores que sp-
parece a 59500. 69 e 6$500 : na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Franjas preias com vi-
dritho e sem elle.
Ricoa sortimentos de franjea pretas e de cores
com vidrilho e sea elle : oa loja da Victoria, na
ra do Queimado n. 75.
inhasde peso verda-
deras..
Liohaa fins de
grandea a 240 ria :
do Queimado n. 75.
peso verdadeiras, meadas
oa loja da Victoria, na ra
tendo
baregee com
saias feitaa a 59,
eovado, de todas
Mada pola o do Pavo.
Vendem-se fioissimas pecas de madapolao com
24 jardas a 49500. 49800. 59. 5*500 e 69, dita.
trancezis eofesUdaa com 14 jardas a 39; na roa
da Imperatriz n.60, loja do Parlo de Gama &
Silva.
Lasa320 rs.
Vendem-ae modernlsaimas Iiazinhas com pal-
maa a 320 rs. o eovado: na ra da Imperatriz o.
60, loja do Pavo.
O Pavo vende a A$.
Pecas de cambraiae de corinhos brancos o de
todaa aa cores tendo 8 1|2 varas a 49 ; na ra da
imperatriz 0. 60, loja do Pavo.
O Pavo vende
corles de cambraia muito Boa com doas babados
e duas saias sendo delicadamente bordados s
49, ditos sendo lodos adamascados a 49, cortes
de phantaaia fazenda fioissima a 6$, ditos a 49500
o 59 : oa roa da Imperatriz n. 60, loja o arma-
zem do Pavio do Gama & Silva.
Panno preto.
Vende-se panno preto muito encorpado a
5600,19800 o 2|, e dito cor de cat: oa roa da
Imperatriz o. 60, loja do Pavao.
Chales do Pavo.
Vendem-se chales do merino estampados mui-
to grandes a 39, ditos de caesa adamascada a 800
r1n ra* Imperetrjz p. 60. loja o armazem
do Pavio de Gasas 4 Silva.
Vendem-se aa acreditadas sals com arcos de
lioho que fazem as vezea de balao a 31200 e a 4g
cada um, estaa saias so ha oa loja do Pavo, roo
da Imperatriz n. 60, loja e armazem de Gama &
Silva.
Para meninos a 4$500
Vendem-aa vestidiobos de seda para meninaa,
muito bem enfeitados, pelo diminuto preco do
4|500 cada um : oa ra da Imperatriz n. 60, loja
do Pavo, de Gama & Silva.
Olhem para o Pavo e leiam.
Camizinhaa com golliohae e manguitos de cam-
braia bordados, fazenda muito modernissima a
59OOO.
Ditas de fusilo com sslpicos de cor e 39000.
Gollinhis bordsdaa com botiozinhoa a I5OOO.
Ditas ditas de gostos a 640 e 800 rs.
Ditaa com manguitos de canbraia bordados a
1$600.
Manguitos de cambraia fina bordadoa a 1JO00.
Golliohia bordadas a 240 rs.
Romeiras de cambraia enfeitadas para loto a
3gO00.
Camiziohae para senhoras bem enfeitadaa a 3$.
Lencinhos de lioho com labyrintho para mo
a 29500.
Ditos a 4mitaco do labyrintho a 19 e a 19280.
Luvaa de torcal enfeitadas de vidrilho a 500 e
e 640 rs.
Enfeites pretoa com vidrilhoa a 89000.
Ricos enfeites a turca e Garibaldi a 5S5O0.
Ditos muito bonitos a 29500 e e 39500.
De tudo do-se ee amoalraa ficando penhor: na
loja do Pavo, ra da ImperaUiz n. 60, de Gama
& Silva.
Papel de todas as qualidades.
Vende-ae a 49400 de quadrinhoa, ditos pauta-
dos a 39600, dilo almaco pautado a 4/ e 49200.
dito greve a 4$600, em caixinhas de diversas co-
res a 610 eJ9. dito branco paulado a 800 rs,, an-
velopes de cor a 640, dito branco a 900 rs. : na
loja do beija-uor, ruedo Queimado n. 63.
Ricos cintos dourados;
Vende-se a 29 e 29300, ditos de fita a I96OO,
fitas para debrunhos de collete a 280 a peca, tiran
bordadaa a 19 a 19200 ; na loja do beija-or, ra
do Queimado n. 63.
VenJem-ae leaouraa finas para costura a
19. dita para unha a 640 e 100 rs., dilaa finas a
900 rs. a ducia, pontea de travessa paro menina a
640': na leja do belja-flor, ra de Queimado nu-
mero 63.
Sintos para senhora.
Vendtnse oa riqoisaimoa ahitos com borla ca-
bida aflfijlado, muito chique, aendo o ultimo goato
d* PaoMfpoia pKt-me que nao haves senho-
ras queeixe"Wo comprar : tato i no gallo vi-
gilante, Aja do Creapo n. 7.
Enfeites de cabeca.
Vendem-se os riquissimos enfeites, tanto com
franja como aem elle, por baralissime preco de
29&6O, 39 e Sf: s no vigilante, ra do Crespo
numero 7.
Linha de peso.
Vendem-se as verdaderas linhas de peso, o
mais fino que se pode encontrar a 2JoOO o mas-
-sinho de 30 miadiolrae, assim como do outraa
cualidades : s no vigilante, ra do Crespo nu-
mero 7.
Vendem-se msntinhaa de coral a 2J.29400,
e fios de coral a720, massiohos de conias miu-
dinhasde diversas corea a 140, ceixiohaa da alfi-
netes a 300 rs. e 240 : na loja do beija-flor, ra
do Queimado n. 3.
Vendem-se luvaa de pellica de Jouvio bran-
cas para senhora e homem, chegadas 00 ultimo
vapor : oa loja do beija-flor, ra do Queimado
numero 63.
Vende-se csscarrilha de seda de todas ss
cores a 2| e 2J400 a peca, linha de Pedro V a 20
rs. o cartao, gravitas de seda eslreiohas a lg :
na loja do beija-flor., ra do Queimado n. 63.
Vendem-se ricos enfeites a 59 e 59500, di-
tos de vidrilho a I96OO, adereces pretos a 29500,
rosetas pretas a 160 ra. e per, gellinhaa pretaa a
800 rs. e 15 : loja do beija-flor, ra do Queima-
do o. 03.
Vendem-ae carteiraa propriaa para guardar
dinbeiro de ouro e prata al e 18200, esporas
je de a?0 a t> bandeijaa de lindoa deaenhoa a
19500, sinturao de borracha a 200 ra. e 240, ben-
61""^ na a 29 e 29500, chicotes finos a 29
ca de el8, ',os em er ae estalo a
640, toucaa de la para meninos a 19, sapatlohos
de la a 800 rs., ditos de merino a lS-OO : na
loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendem-se pentes de tartaruga virados a 8
e s 99, carretel de linha de 200 jardas a 940 a
duzia, colchetes de diversas qualidades a 40, 60
a 80 rs., ditos bordados a 100 rs., masaos de
grampasa 40 a80 rs., ditos em caixinhas a 120
'* : n,0,<0 ^ije-flor, ra do Queimado nu-
mero 63.
Vendem-se toucadores de Jacaranda a 2S200
ditos brancoa a 29. caixinhas com espelhos para
naralhaa a 2* e 22400, colherea de metal princi-
pe para topa a 49600. ditaa para cha a 29400. coo-
cha para anucar a 640, oculos finos a 400 rs.:
na loja do beija-flor, ra do Queimado n. 63.
Vendem-se caivetes finos a 800 rs., caba-
zes para meninas de escola a 3, 4 e 59, carteiraa
com a goJfcaa franceza a a 240, catxaa de pennas
de ago a 500 ra., meias para senhora cruas a 240
o par ; oa loja do beija-flor da ra do Queimado
numero 68.
Zapatos de borracha para
senhora a 1$500 o par.
Estamos no mez Mwianno, e por laso i de ne-
cessidade que aa aanboras que bem ee applicam
a esaa boa devocao ae previnam de um par de
sapatos de borracha para aeeim terem os pea res-
guardados da humidade e em attencao a lio
jaato o louvavel fim esto se vendendo a 19500 o
par: na rus do Queimado, loja d'igua branca
numero 16.
losas artiOciaes para ca-
bello.
A loja do beija-flor tendo recebido bonitas ro-
sas que se eato uaaodo para oa cabellos, vende
oa ra do Queimado oa loja cima o. 63.
Amendoas.
Vendea-se amendoas em frascos e trillaos e
os bons e ricos papeia com estalo para sortea :
oa ra da Seozala Nova o. 80.
vende-te 00 armazem de James Crabtree &
'ir C'?1 4, **Mra g"" i6te-
4* o 07, em barricas de 15 dutias, a dinjmlro.
'"'rn;i'A<,e"M u"' """ 25 "o. qs !
VL'SSrff tods pereicio 1
fM ras ,e BQrt,f |4, primeiro sudar.
Phosphoros de seguranza
Pbosphoros de segoranca, por que livra de in-
cendio, a 160 ria a caixa: na loja da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Baleias para vestidos.
Baleiaa muito grandea e boaa a 160 ris uma :
na loja da Victoria, oa ra do Queimado n. 75.
Linha de croxel para la-
byrintho
Aa melhores liohaa de croxel para labyrintho,
novillos monstros s 320ris um : os lo|a da Vic-
toria, na ra do Queimado o. 75.
Ricos espelhos de
moldura dourada para
salas
Chegou para a loja da Victoria uma pequea
porco de ticos espelhos de varios tsmaobos para
ornamentos de salaa, affiancando-se aerem oa
melhoree em vidroa que tem vindo : na loja da
Victoria, na ra do Queimado n. 75.
La para bordar.
Lia mnito boa de todas as cores para bordar, a
79 a libra : na loja da Victoria, na roa do Quei-
mado D. 75.
Sintos dourados para se-
nhoras.
Lindoa sintos dourados pars senhoras a 59200,
ditoa de ponta cabida a 49, ditos de fita a I36CO :
na loja da Victoria, na ra do Queimado o. 75.
Linhas do gaz,
Caixinhas com 50 novellos de linhas muito fi-
nas do gas a 900 ris a csixa, ditas com 30 no-
vellos a 700 ris, ditas com 10 novellos grandes
a 700 ria, brancaa e pretas: na loja -da Victoria,
na ra do Queimado n. 75.
Candieiros de gaz
Chegou para a loja" da VictorVa os melhores
candieiros de gaz que tem vindo ao mercado, por
precoa commodoa : na loja da Victoria, na ra
do Queimado n. 75.
mmmmmus/u/A mmmmm
Acaba de
chegar
ao novo armazem
DB
BASTOS & 1E60
Na ra Nova junto a Con-
ceico dos Milita-
res n. 47.
Dm grande o variado aortimento de
roupas feltas, calcados s fazendas e lodos
estes sereodem por precos mnito modi-
ficados como de seu coitu me,assim como
sejam aobracasacos de auperiorea pannoa
e casacos feitos pelos ltimos figurinos a
269, S9, 309 e a 359, paletots dos mesmos
pannos preto a 16f, 18f. 209 e a 249,
ditos de caiemira de er mesclsdo e de
novos pidres a 149.169, 189,209 e 249,
ditoa saceos das mesmas caaemiraa de co-
rea a 99, 109,129 e a 149. ditoa pretoa pe-
lo diminuto prego de 89,109, e 12J, ditoa
de sarja de aeda a aobreeaaacadoe a 129,
ditos de merino de cordo a 129, ditos
de merino cbinez de apurado goato a 159,
ditoa do alpaca preta a 79, 89, 99 a a 109,
ditos saceos pretos a 49, ditoa de palha de
aeda fazenda muito auperior a 49500, di-
toa de brim pardo e de fuato a 89500. 49
o a 49500, ditoa de fuato branco a 49,
grande quantidade de calcaa d e caaemlra
preta e de corea a 79, 89, 99 e a 10, ditas
pardea a 39 o a 49, ditaa debrlm decores
finasa2J500, 39, 89500 o a 4, ditas de
brim brancos finas a 49500,5J, 59500 s a
69, ditas de brim lona a 59 a a 6J, colletes
de gorguro preto e de cores a 51 e a 61,
ditos de casemlra de cor o pretos a 41500
a 59, ditoa de fuato branco e de brim
a 39 o a 39500, ditos de brim lona a 41
ditoa de merino para luto a 49 a a 495o5!
calcaa de merino para luto a 41500 ea51
cap., de borracha a 99. Para meninos
de todos os tamanhos: calcas de casemlra
SIkVd* SS'*.5** 6 7. "i"ditas
de brim a 2J, 39 e a 39500, palella sac-
eos de casemlra preta a 6f a a 7, ditos
de sor a 69 a a 7|, ditoa de alpaca a|89,
aobrecasacos de panno preto a 129 11
14, ditos de alpaca preta a 59, bonete
paja menino de todaa aaqualidadea, co-
misas para meninoa de todoa oa tamanhoa,
meoa ricos vestidos de cambraia feitos
babadoaliaoea89ea 12J, ditoa de gorgu-
ro de cor e de la a 59 e a 69, ditos da
brim a 89, ditos do cambraia ricamente
bordados para baptisadoa.e muitas outraa
fazendaa o roupas follas qae deixam de
ser mencionadas pela aua grandequanti-
aaaa; aasimcomorecebe-aetodaoqoal-
quer encommenda de roupaa para ae
temos um completo sortimento defazen-
rafetl^JRfiV 8nJ offleina de al-
alato dirigida por um hbil meatre que
n ds'ej.rPtW p,rh,cl Md I" i
paes, caixas de urna
arroba
Vendem Antonio Luiz daOlireirs Azevedo
C, no seu escriptorio ra da Cruz o. 1.
Jacaranda superior.
Tem para vender Antonio Luiz deOlireira A-
zevedo & c, 00 aeu escriptorio ra da Cruz o. 1.
Coraes lapidados.
bao grossos que admira.
Aloja d'aguia brooea acabs de receber urna
pequea quantidade de coraea grossos lapidados,
os quaes aervem para aa voltaa que ltimamente
oS"^*^"*0110"*- e "'* vendendo cada fio por
9, 290OO, 3 e 49 : na ra do Queimado, loja
d aguia brinca n. 16 : assim como recebeu mels
a bonitas pulseirai de missangas.
Meias em quantidade
Na loja d'aguia branca acba-se um completo
sortimento de meias de todas as qualidadea e
precos, sendo para homens. aenhoraa. meninos
e mininas de 6 mazes a 12 annos. Enoumerar
os differentes precos confundir o pretndeme ;
assim quem sequizer convencer de quao baratas
se esto ellas vendendo, dirigir-se com dinhei-
ro dita loja d'aguia branca na ra do Queimauo
numero 16.
Obras de vidro,
escarradeiras, e palmatorias
lapidadas com mangas.
Vcnde-se na loja d'ageia branca mni bonitas
escarradeiras de vidros de cores a 49500, 5 e 69,
assim como palmatorias de vidro lapidado com
mangas bordadas a 49500 cada um : na ra do
Queimado, loja d'aguia branca n. 16.
Ricas fitas para chapeos,
cinteiros, etc, etc.
A loja d'aguia branca acaba de receber um ex-
traordinario sortimento de ricaa fitas, to boas
em qualidade quo bonitas nos desenbos, tendo
entre ellas o msis largo que possivel; assim
como algumas pecas brancaa com o centro liso
propiio para inscripcoes, e muitas outraa de dif-
ferentes cores como de caf, rdxs, escurs, etc.,
etc., e como de seu louvavel costume : a loja
d'aguia branca, na ra do Queimado n. 16, ven-
de por preco commodo eisas boas e bonitaa fitas.
Gravatas de setim com
ponta larga a 1$
Vendem-se gravatas pretas de bom
com ponas largas a 19 cada uma,
assim s se acba na ra do Queimar1
guia branca n. 16.


setim e
.o baratas
o, loja d'a-
7*
S Greide *
liquidp^cao poF todo
0 Vre?o, na bem.co-
nhecidalojadoSer-
tanejo.
|Rua doOueimadon. 45J
Apparecam com di*
nheiro que nao deixaro
de comprar.
Chitas escuras Qoaa a 160, 180 e 200
ra., cortes da vestido pretoa bordadoa a
velludo de custo de 1509 e se vendem
por 309.40$, 509 e 709.sahidas de baile
de velludo e setim a 129 e 139, camisas
,pira senhora a 2f000 e 3J500. golliehas
ue cambala bordidas a 500. 600 700
800, 900 a 19, ditas de fil bordada, a 120
ra., caaaveques defusto a 5, 6 7S 8
meias de seda brancas e pretas para so-
^! "la48d! quadro eDfk"
Sn tS C0Tad0' cam"i preta a
4b e 440 rs. a vara organdys de cores a
600 rs. a vara, fil branco adamascado
para cortinados e vestidos a 400 e 500
rs. a vara, cortes de collete de casemira
bordados pretos a 29 e 39000. ditoa de
ve ludo de tr e pretos a 39, 49, 59 e 69,
f** ,de brim branco francezes a
39500 e 49500. ditos de casemira d" co-
res e pretos a 149 e I69. ditos de alpaca
preta e de cores a 39,38500. 49 e 49500,
camisas de peito de llnho a 29500, cortes
de collete de gorguro a 19500. 1*700
22C0, 3Se 3S500. collete. ffitos de brS
br"co a 29500. ditoa feitos de gorguro W
2*500 e 39500, ditos feitos de casemira S
8&6 ?9, dl! de fu$,ao de corea a *
1S500, um variado sortimento de meias
rw. kim5 8,enno. grinaldas com *
flores, chalas de froco, espartilhos, e to- 8
da a qualidade de roupas feitaa para ho- S
"sfvalor. por melade doi
Oh! que pechincha.
Vende-se palitos lixados foliados finos nara
dentes, 2 masios com 40 msssiohos por 400 rs
Da ra da Inperatriz loja da Arara n. 56.
Grande liquidacao
DE
muitas fazendas baratas,
na loja da ra do Cres-
po n. 8 A, de Leandro
Miranda.
Lpeos de seda grandes e de bonitos oa-
de
% Mobilia.
drts a
Gollinhaa de cambraia bordadas
D,'"de dita efuslo com botoes
oVU rs. a
Bsregea de la com pilmas matizadas
eovado
Grande diversidade de collarinhos, um
Ktcaa saias de cambraia bordadas
Pegas com 17 varaa de cambraia de 8*1-
plcoa a
Grande sortimento de camisas para ho-
mem a
pito dito de ditaa para menino de 19 a
Chapeos de feltro, forma moderna a
Enfeites de grade de cores e pretos a
Manguitos de cambraia bordados, a be-
llo, o par
Ricos organdys de bonitos padroes, vara
Chale de marin liso de todas aa cores
Ditos de dito matizados, ponta redonda
a 7 JOOO e
18000
500
2S0OO
260
250
29400
12JO00
19840
1J500
39000
1J000
29000
560
48000
Na ra da Camboa d Carmo loja 11.
12, vende se toda a qualidade de mobi.
lia tanto ao gosto moderno como anti-
ga, phantbasia etc. por preco mais
commodo do que em outra qualquer
parte, faz-se toda a qualidade de obra
de encommenda com a maior brevida-
de e o maior apuro da arte.
Vendem-ae tres renezianas para porta de
WWmt W* ? Br0BP*J ^Vi|-
rlo o. *>, loja de pialara,
8J000
1986O
29000
Grande variedede de pegas de tiras e ba-
badinhos, pegas de 1 j a
Grordenaple preto muito largo e bom.
eovado '
Mil a tantos paletots de casemira de co-
rea saceos s sobres de todoa oa tama-
Paletots de brim de cor de 39 a 5J000
Chapeos de aol de alpaca de 39500, 49 e 49500
Havendo muitos outros artigos, e todos sero
rendidos sem reserva de prego, a diaheiro.
Queijos do Sent,
Vende-se em porco o a retalho os afamados
queijos do Serid, mallo fresos e por prego com-
modo, e ellos antee que se acabem na ras do
Livremento n. 3 A.


Y "
jSHBSK.
_ l_"



DUWO #E fOUUMMJQO ~ UZEA FEUU 1* J* H10 M ||tf


NO
ARMAZEM PROGRESSO
Francisco Feraandes Duarte
largo 4a Penha
Veade-se ueste armazem de raolhados os melhores ge-
aero qua vem a este mercado e por menos 5 a 10 por canto do qua em outra qaakraer parto,
Saranttndo-ae a boa qualidade, por isto rogi-se a todoa oaSra. da praca, de engenho lavradorea o
ivor de mandarem auas encommendaa ao armazem PrograHO, afim de verem dtSeronca de
preco e qualidade que faz, ae fouem comprado* em cutra qualqaer parle.
WLamtelgA \Hg\eXa de primeira qualidade a 800 e 1*000 a libra.* en beorll ae lera
batimento.
nanttiga fr%\u*jxa, miii noTI, 720 It 11 llbra e tm b,trUi 60o ri.
** UyBSwB 0 maig ,gj9ti0r qU9 Qi n0 mercado a 1*800 e 23500, a libra.
Cha aUXllla imitando .i aerla, pela aua superoridsde a 3*000, e 2*W0 a libra:
tilia pTCtO unico para 0J doentes que ae tratam com a homeopalMa a **5#0 a Mor.
^UC1JS dO reimO CDegedos neite altlmo vapor a 2*500, dltoa ehegadoi no ultimo
navio a 2*200
QUSIjtS 10H faz abatimenlo.
Quei JO pTatO 0 mai8 ,upet[0r qU9 lem ?ind0 a ele mercado a 1**90 a libra.
^rexunto ing\ez pa*a nambtc mUo n0T0, 60 ri. t UbM,, m p0T-
cao ae (ara abatimento.
CaSleletaS agleZaS propr,s para flambre goo ra. a Obra a em porclo a 700 re,
Vt^ZaUte d TiinO da faptrior q(,aijdade a 480 ra. a llbra elntalre, a 440 n.
SalUlfi 0 naelhor oetiaco que pode haver por eitar prompto a toda a hora alfa llbra.
em porco a 900 ra.
\ OUia\l9 dO TeittO mait0 n0T0 a 23,, r, a ilbra> e em b,rrti da S arrobae a 7*000.
CnOUTiajaS C palOS d> VomboS 640 r. libra, m porco se fax abat-
ment.
\ja\afJ C01A Cl\OTrriC&S t 5 .r0n,ptas para 39 COmer viadas a primcira reto ate
mercado a 2O0O cada urna.
Bauaa de porco retinada em ,,,, com t0 llbra. por 4*500 ad. um..
Banua de porco mu:l0 fina alTB a 480 rs a libra t em birtU a wo r,
"Mdmelada imperial do afaorado Abreu e de outros mttoa fabrlaanUedaLlaboa
a 800 rs. a libra, e em porcao se faz batimento.
Latas com frutas de doce em calda eomo.ejiop6r.>..mUM.p<.
ceg, alpexe, e ginga, a 800 rs. cada lata.
^l&rmelada de alper&e em ut., da 2 m. Por 1*200 *....
Latas com ameadoas contelladas eonUmdo mill con(eUM ,MBC,r
candi, muito propria para mimo, a 20000 cada ama.
UOCe da C%8Ca dS gOiaba muito flno a gOO ra. e em porco ae ai abatimeato.
\>OCC StCCO C em Calda de difTer,nL, qu.lidadei, em latea da 4 e 5 por
2*500 cada ama.
Gatloes com bollo Craucez proptiog par. mlm. 5M .
Passas em caxlab^ de 8 libras muil0 n0? 90ti9m, t reUih. .
480 ra. a libra.
Figos a c^mmadre muit0 noroa> em cajxaa de 8 iibraB por 1*500. ut* com 4
por 1(500, ditas com 2 muito bem enfeitadas por 900rs. cada uma.e aretalho a 320 ra.
libra.
^rviluas raucezas e por tuguezas ,m laU, d, t ISbtti p0f 64o ra.
ditas em meiaa latas a 500 rs.
Maeade tomate era ,ttal de t Ubra por80o .
.\meud03dS de C^SCa mole mUit0 novas a 320 ra. a Ubra.
lOZeS 1120 rs. a libra, e StfOOO a arroba.
A.meixas irauceza.s e m lalal com 3 Ubras por j^oo, um com 1112 por 1*500.
\melxaS portUgU^ZaS 320 C1. libra e tm Mila ,e Uri-abatlmaoto.
CUOeolate UeSpnUOla tJ500| dUo francei a 1 j^qo dil0 porlagaez 1800 rs. a libra,
aQan;a-se a boa qualidade.
oOlaXlUlia de aoda em [alas com difforentes qulidades, a 1S440 rs.
3rlaC/i S para S^pa itlriai macarrao e talharim. a 400 rs. a libra e em caita por 85000 rs.
ValltOS de deUtCS [radM| molhos com SO macinhos por 200 e 280 rs. maito finos.
mereja! em fra9COs com l < li2 libra por 800 rs.
1.1JOIO francezpara Iimr>arfaeasa 200 rs. cada um, em porco se fax abatimento
OlaXlUUa lUglCZa a mais n0Ta d0 m9rcado a 320 rs. a libra e em barrita a 4*500
1 WWUlIIa para engommar, muito aira a 100 rs. a llbra o em sscca se faz abatmeoto.
* ClXe de p0jta em iatas das melhores qvalidades de peixe que ha em Portugal a 1*600 rs.
VSpermaSete auperior de cinco eaii telas por llbra e 760 rs. eam cala, a 740 rs.
S&rdlUU.aS de Nanles eir, latas mait0 oras a 400 rs.
rClXe aVUul de superior qualidade a 120 rs. a libra e em barra com 3 arrobas por 75.
tXZeiie *l*JCe reunido de dilerentes marcas e o mais saperior que ha a 800 ra. a garrafa
e em eaiza a 9a.
Y1 nbOS engarr&iaClOS dodaqi,e do Porto e de outrasmuilas manas acreditada
neste mercado a 1*100 rs. a garrafa e em caixa a 12*000 rs.
WlUaOem pipa p0rto,Figeirae Lisboa a 5eq agarrafa eem canada**500, 4*4*500.
3* vja das mais acreditadas marcas a 5* rs. a duzia, e em garrafa a 500 ra.
lUampagae das marca! mais superiores que ha no mercado a 15* e 22*000 rs. o glgo
Cognac inglez. mm ri<, Cli e laoo ., trafa.
enebra de n.Ollailda T9r,ia(i9ira8m frasqaeira a 6*000 ra. o fraaao a 560 ra.
Tmaras do ILgypto a 6t0 r8t a libra t em cai?i0has com o *mmmmpor 55.
Genebra lUglCZa a WSOoo r9. a dlIia e a reUlho a 1*000 a garrafa.
Palitos de gaz a nm .. gf0M
** refinado em potes grandes a 500 ra. cada na, em porco ee tari abatimento.
^" lavado o que se pode desfijar oeste genero a 320 rs. a libra e em arroba aSOO, Of dito mais
baizo a 280 rs. a libra e 830OO arroba.
3e\aainiia de rran5a a raaisoova do mercado a 280 rs. a llbra, em porcao (as abati-
mento.
*'* multo novo e alvo a 5!0 rs. a libra.
F&rinha
Bita
Veedem-ae dous pa\ 6es:
nesta typographia.
libras stefnas
Vende-se 00 eacrlt-torio de Manoel Ignacio de
Oliveira .& FUbo, largo do Cerpo &r,to n. 19.
Araruta verdaeira.
Na ra da Cruz n. 52, leja de lieroa, em caixi-
nhas da|i 1|2 librea para aieaa a 6J400.a libra.
Bolinas de lelis,
retebidaa ltimamente, multo freacaes. grande
sortlmento de beserro e cordsio: na toja da
la do Cabur n. 10, de Borle Jnior & Martina.
Superior cal de Lisboa.
Teu para vender ota porcao a a retalho A-oU-
io Laiz de Oliveire Azevedo & C., no seo a-
eriptorio rata ala Cas n. 1.
Brincos pretos a balo, e
outros objectos para
luto
Desses Objectos da que hoja infelizmente tantas
familias preeisam, na loja d'agota branca acba-ae
m bom sortimento delles. sendo brincos e rote-
tas a bilao, paflaeires modernas de grossaa e for-
tes coaUa, alBoete para paito, ditos lambam pre-
toa, em aitinhaa, bonitea e medernos .derecoa,
e meloe ditos, cinleiros de fitas Uvelu pretae,
eafeitea para abeoa, grampoa de novoa moldes
paca sogorartsbello. tafeo de lore! de seda e
pe*Ha, SMiae de seda e algodao para -hqmons e
eonhorao: oso ooooti>t>rdOra de tae* objectoe
oe teri e maior eontemplacio, altelo o fim pera
que sao: por isto dirigiram-sa i ra do Quei-
mado, loja d'ageia branca n. 16.
Arroelas ou argolas de borra-
cha para segurar papis e
muitos outros misteres.
Cambraias.
Pende-aa caabraias de crea de bonitos e ele-
gantes deseamos a 9B0 oW0 u. o corado: na
ruada Imperatriz loja n. 20.
Oiiados.
Vandem-sa oiiados pintados de liodaa vistas a
paiosgena larguras de 6, 7, 8 o 0 palmos, pro-
prtos4>a*e.meeaedeJMUr a 2| o aovado: na
toa da lmperatriz loja o. 20.
Para onaez Marianno.
Sapatoa de borracha o melhor que aa pode en-
contrar neate mercado a IfSOO e2* o par, isto ,
por ser para o mez de Marte, por isto vende-te
por este preco: na loja do viado, na raa Nova n
8, confronte a camboa do Cirmo.
Agua ambreada
para banhos do rosto e do
corpo.
A loja d'sguia branca acaba de receber nova
remana da proveitosa o mui proearada agua
ambreada, cujoa booa effeitos de refrescar a cu-
tis, tirar o ardor que deixa a navalhe quando ee
fas a barba e acabar o mo balito proveniente
do transpirar sio j bem conhocidos, asaim co-
mo as senhoraa por nao anda rem eo sol faz
conservar perfeltameote o brilho do rosto. A to-
dos qusntos tem usedo d'sgaa ambreada nao aao
estranhos esses effeitos e elles serio ainda mais
onhecidos por aqaelles que munidos de 1* te
dlrigtrem a loja d'aguta branca raa do Queima-
do n. 16 onde nicamente ee vende.
Relogios
Vende-ee em casa do Johnston Palor & C,
. -; do Vigario n. 3, um bello sortimento de
elogios de ouro, patente inglez, de um dos mais
afamados fabrcenles de Liverpool; tambis
ama variedade de bonitos trencelln para os
meamos.
Polassa da Rnssia.
MENOS DEZ POR CEHTO
MOS ARMaZENS
1P111
36.
DE
DLATE A C.
d ra das Cruzes de Santo Antonio
Us propnetarios destes acreditados armazeos da mdhados partieipaa sos sou nuasar
sos freguezes que por todos os vapores e navios da Europa, receben de sua propria eDcomotoada
os melhores gneros, pois que para isso tem possoas encarregadas em diversos pontos da Europ,
Si. rm! TZ T n,eD,8 <0 Pr CeDto d0 'M em ?,rt qMlinec*tito. jJrTS
roga-se a todos os Srs. da praca, de engonho e lavradoros o favor de mandarem suaencommendas
sos nossos armazens, aflm de verem a superior qualidade de gneros e differenco de procos.
inantei^a^ng^Ieza de primeira quaIldade, 800 # l9a jjb a..jbjcdi ^
Ma nteig-a francea mais nova a 700 r. a llbra e em barr1. m M#
ni A ySS?n **" 8uPer'>' que ha no mercado a 2400 a 29800 libra.
Cha ll Ulllll o qiJa nada melhor neite genero a 2*500 e 39000 a lra,
CV A Pre^ n,UU) 8uPerior 'ind0 primeira vez ao nosso mercado a 2*280 a libn.
Ual tiySS>n o moinor que vem do Rio, em latas da urna libra por 1*800 em porcao
se tara abatnenlo. r ^ rs^
Q UeiJOS dO reino chegados neste ultimo vapor a 2400 a dos chagados ae ultimo
a 1**00 cada um.
navio
A loja d'aguia branca receben ama porcao de
arroelaa ou argol. da borracha, que acertada-
mente se applicam a dilerentes .fins, eomo tm-
bem aoja para ammaasar papis as diversaa re-
partiedaa publica, noi cartorioa, eicriptorios,
armazens, tojas, boticas, tabernas, etc., etc., e
meamo da alguna particulares, o que na verdade
vale apena comprar-se pelo diminuto preco de
S40 e 820 a duzia, para poupar-se o trabalho de
atar e deaatar um masa de papis todaa as vezes
que ao precia, aasim como ae maia larga aervem
para segurar carteiras, e manguitos de senhoraa,'
oseme para pulseiras de miasangas, adveran-
do, eorm, que cada argola tem aue rela ; veo- de Jos de Azevodo Uaia e Silva, est vendando
dem-se em dita loja d'aguia branca, ra do Quel- todas as miudezaa por precoa ji aabidos a co-
rnado v. 10. nhecidoa :
Arados americanos e machinas Cr2l" depennaa de acede todas ae qaalt-
Vende-se em cala de N. O Bieber
JC, successores, ra da Cruzn. 4-
SuWAIL'
sem segundo
Na ra do Queimado n. 55 loja de miadezas
americanos e
roupa : em casa de S. P.
ra da Senzatta Nova
para lavar
Johnston & C
a. 42.
Vende-se na fregunia de Ipojuca o eoge-
nho Ditmoflte, todo bem montado, coa ceea de
vivenda, aenzala, olarie. distiUco, aatribaria,
caaes para lavradorea, tudo de lijlo e cal, moa
d'sgaa e muito bom de prodcelo, com trras
para dar mais de 3,000 pes anaualaaente, com
terrea ainda por deacabrirem matas : quem pre-
tender comprar, pode dirigir-ae ao mesmo enge-
nho i tratar com o propietario, ou no Recite com
o Iilm. Sr. eommendador Lemos Jnior.
Soahall Melln & C, tendo recebido or-
dena pare vender o aea crecido deposito de rslo-
gioa visto o fabricante ter-se retirado do nego-
cio ; convida, portaoto, aa pessoas qae quizerem
poaauir um bom reloglo do oaro ou prata do c-
lebre fabricante Kornby, a aproveitar-sa da op-
poctanid.de sem porda da lempo, para vlr aom-
pra-loa por commodo preco no seu escrlptorio
ra do Trapichen. 18.
Borseguins inglezes.
dades a 500
Nvelos de linha que pelo tamanho a todoa
admiram a 120
Calzas de agulhas fraocezas a ISO
Caixa com alfinetea maito finos a 60
Caizas com apparelho para eotreter me-
ninos a 240
Ditas ditos grandea a 500
Baralhos portugueses a 120 a 200
Groza de botdes pequeooa para calca a 120
Tesouraa para unhaa muito flnaa a 400
Dilaa para costure muito auperlores a 400
Baralhos francezea para voltereta muito fi-
nos a 320
Agalheiros eos sgvlbss francesas a 80
Cioivetea de para: penoas de I folha a 80
Pegas de tranca de lie com 10 varaa a 200
Dita de tranca de laa de todaa aa cores a 800
Pares de sspatos de tranca de la a lf280
Cartaa de alfinetea francezee a 100
Pares de Iuvs fio da Escocia muito fins a 320
Ditas ditaa brencas grossaa a 100
Escotas para limpar dentes muito finas a 200
Massos com superiores grampos a 40
Carles com colzetea de algum defeito a 20
Ditoade dltoa superiores a 40 e 60
Dedaes de fundo de ac muito auperiorea a 100
Eofiadores para vestidos de senhora com
Na ra da lmperatriz o..40, defroete d bone- tnnaao8 para vestidos de senhora <
c., loja do-Plato, receben pelo ullimo por um r.7"" ., ,
graaoe aoriiueolo da. j bai orfU. krM- ^"aeom colzetea francezea 1
guio ingiere, que rende por lOf e 4**Tdinhei- r!r'",de 1Del|? ferro a
na Ioita nnudn Ch.ruteirae muito fioaa a
Tinteiras de vidro com tinta a
ro logo contado.
Para liquidar,
Calcado muito em contaQ
Na loja do Pinto, raa da lmperatriz n. 10, de-
fronte da boneca, acaba de chegar um completo
aortimenlo de calcados doa melhores fabricante
de Paria e Nantea: botinas de Melles, de bezerro
e cordavo, tanto de sola groase, como de sol
floa, botinas para senhoraa e meninas, asaim co-
mo agrande sorlimeDto de boraegeins inglezes
que se vende por menos do que em outra qual-
qaer parte, o todo o mais calcado ; a dinheiro
aviata.
Borseguins,
Ra da lmperatriz o. 10. loja do Pinto, ven-
dem-se pelo baratiasimo prec,o:
Boraeguins de lustre para homem a 8*.
Ditos de bezerro per. homem a 81.
Ditos de cordavo para homem a 8*.
Por este prego so a dinheiro a vista para li-
quidar.
Farinha de mandioca
superior; nos armazens de Tesso Irmaos.
Rosas artificiaes para ca-
bellos.
A loja da aguia branca receban bonitas rosas
desque se eslao usando para os cabellos, e ven-
de*ecua ra do Queimado loja da agola branca
n. 16.
Fita branca de borracha.
Beaa fita de que tanta falta hara ach-ae hoja
na raa do Queimado loja d'aguia branca o. 16 ;
aaaim como fita, froeras ou elstica brancas e de
cores para debruar vestidos.
Ra da Seo zalla Nova n. 42.
Vendi-se em casa dt S. P. Joahston & C,
sellins e silhes inglezos, eandieiros e castieaes
bromeados, lonas roglezas, fio de vola, chicotes
para carros e montara, arreios para carros de
um a dous cavallos, a relogios -de onro patente
inglez.
ct<
do reino das marcis SSS e galega a 140 rs. a llbra.
' do Maranhao alva e cheiroza a 160 rs. a libra e em arroba a 4*800,
H.rvi\aa8ieCMmu,t0 BOrti a 160 rtt Mn
Bl* d0 carnaoba refinadas i 400 rs. a libre eem arroba a 12*000.
doce de Lisboa a 720 rs. i garrafa, afi a oca-se s boa qualidade.
f magr45 de Lilboa a MOra s girtafa e 6m ctMit, i*800.
Gberoz a 1*600 a garr ifa e m calza se faz batimento.
Hita
vuiiv braneo e maia superior que h no mercado propio para missa a
aada 4J80O.
arrafa a em ea-
Attenco
val esero
Por hoj de fim ao mea r,pretorip at a .okegada do primetro vapot vlndo da ropa, pelo
o novo sortimento a nlo sorel mMicoio em o publicar ao rssoohsrvol auhltao. '
Vendem-ae cendietroa de gaz de todos oa pre-
coz atSg: oa ra da lmperatriz n. 65.
Vende-e a Bulailnho da 15 anno de
idode, meito sadio e de bonita fizara, do servi-
codo cas e teto priacipio de boleeiro, muito
boa conducta o proprio peca quem quizer ter um
bom criedo : no caes do Ramos sobrado n. -2.
Vende-se muito soffrlvel bolachioha para o
arranjo de escravoa a 3* a arroba, e 100 rs. por
libra : na toados Quarteie n. li.padaria.
0 Livro do Poyo. .
Sabio 4 luz publica o LIVRO DO POVO, publi-
cado sob a direcgo do Sr. Dr. A. Hsrqees Ro-
drigues, e contm a vida do N. S. Jetos Chriato,
segundo a oarraco doa quatro evangeliatas, a
mais os seguiotes arligos: o vigario, o profetaor
primario, o bom homem Ricardo, moral prali-
ce, Shsao de Nanlua, mxima o pensameotos,
a bygiene,os dovereades meninos, e o Brasil.
A publtcacao do LIVRO DO POVO nao s tem
por fim umformisar a leitura oas escolaa pilma-
riaa, onde cada menino aprende por um livro
dirTerente, e portento facilitar o trabalho do mea-
tre o do discpulo, como lamhem vulgarlaar, por
um preco barattsaiao, a historia do a tirador do
mondo, e oa melhores preceltos de moral.
Vendo-so o Livro do Poro, no Rekffe, na
linaria da praca da Independencia ns. 6 as, e
rWO a. o ezempar em brochara, e a OO.r. esr-
Itonado.
80
46
80
1*000
160
Dltoa de barro com tinta auperior a 120
Areie prele e esul muito fina a libra a 120
Tenho nova remeaaa de labyrintho para ven-
der por todo preco, eaiim como tenho trancas de
seda diferentes cores para vender por todo di-
nheiro que offerecerem.
Muita attenco.
Na loja de Silva Cardozo, ra do Im-
perador n. 40, vende se roupas feitas
de todas as qualtdades pelos precos
mais baratos possiveis que se pode ima-
ginar, pois pode vir os freguezes com-
prar porque pechincha.
Algodao da Baha.
Proprio pira roupa de eacravoa e saceos de aa-
sucar : vende-se na ra da Cruz n. 1, escriptorio
de Antonio Leiz de Olive a Azevedo & G.
Queijos
como sejam pera, peoogo, damasco, alter-
os mais frescos que tem vindo ao nosso
mercado chegados no ultimo vapor a
2^400 e no passado a 1#800.
A boa fama
venda golllohase puoho com boldes para aenbo-
ra. fazeoda muito boa, pelo bsratissimo prego de
2* : na ra do Queimado n. 35, loja de miude-
zaa da boa fama.
Manguitos a balo com
gollinhas bordadas.
A loja da aguia branca em atteocio a eua boa
fregutzia quer que todoa partilhem do proveito
que Ihe resultara das boas compras as enchin-
chas, como agora meamo acontece cora urna por-
ceode manguitoa a bailo, puohos virados e bo-
nitas gollinhas, tudo de elegantea o taraos bor-
dados em finas cambraias, cujaa guarnigoes est
veodendo pelo admiravel e barato prego de 2*
cedafuma, a mesma obra que einda ba pouco
tempo ae venda por 5*. A superoridsde da fa-
zeoda e bordedo incontettavel, assim pois nao
muito que urna seohora compre 8 ou mais pa-
res desses bonitos manguitos quando o importe
quaai equiv.lente aa de um s doa anligos, po-
dendo-sedessa forma e com pouco gasto mostrar
variedade no sea acetado trajar. Sio aa gollinhas
soltas que servem igualmente para aenhoraa e
meninas, sendo os bordados fazenda em nada in-
ferior as ou tras, e custam estas 1* a viata do que
ooovom que todas as senboras aproveitem essa
favoravel oceasiao e nao se demorera em man-
dar comprar todo isso na loja O'aguia branca raa
do Queimado n. 16.
Calcado
Joao Jos Pereira com loja e fabrica de calca-
do na roa larga do Rosario o. 12 junto a botica
do Sr. Pinto, participa o publico que tem ex-
polio em a dita loja diversas qualidades de cal-
cados feitoa na sneema, os quaoa aao sem difie-
reoca alguma Iguies aoa francezea. mas como o
proprieterio nao pode aer juiz em cauaa propria
por iaso pede eos seus numeroaoa freguezea o ao
publico em geral, que ainda meamo que nao
qaeira comprar, comtudo venhsm sempre ver ea
amostres e admirar o trabalho doa artisUa per-
aambacanoa que trebaHi. em cae fabrica, pota
ae esaim o fizerem, laduMtavelmente apreciarlo
o eamerado trabalho do meamos: o ee elem die-
so atteoderem a estacao actual jamis daizsrao
de comprar porque alem de a obra aer de muito
maia durago acresce mais a circumstneia do
costar um diminuto preco em relseao aoa fran-
ceses.
(HIJOS pralO eomo nunca voio ao nosso mercado a 1*000 a libra e ialeire a tM rs.
I aiOS e CnoUr9asmai,OBOV05a 560 re. a libra enmare* so fer aba timen to.
Latas com n^ui^a^^^^^^^^^^,^ ^^
vez ao nosso mercado a 1*800.
PeiXe em latas de diversos ttmanhos, savol, sardo, pargo. pescada, uvada, iinfosv
dos fritos, atm maraado, robllos e lulas de tigelada, do r|SH 2#000-Hatt-.
1 OUCIIlllO do reino mUitoBovo 820 rs. a libra e 8*500 a arroba itaibaai
temos para 240 rs. a libra e 6*500 a arroba.
Bat ha (le pOl'CO em latas com 10 libras por 400 e 480 a libra.
Ivlarmelada imperial de todos os tmmmm da Lisboa,ara leus do libro e
meta e 2 libras a 750 rs. a libra
Latas com frutas em calda
ze, ameixas a ginja, a 700 rs. a lata.
Mar melada de Alperce em latas de 2 libras por 1*000 uda urna.
Doce da CaSCa da gOiab* .700rs.o m poerto se fara abatimento.
MJOCes SeCCOS e dilerentes qualidades em bcetas muito bem arranjadas a 8*000.
1. B ma TOS as mais superiores que tem vindo so mercado em caixinhas elegantemente en-
feitadas a 29500 o 600 rs. a libra
Passas em caxinhas de 8 libras a55ooe6oOrs. a bata,
i* lgOS da COmadre muito novos em cixinha de 8 libras e muito bom enfeitadas a
a 2*200 a 320 rs. a libra.
tfrvilhas francezas e portuguesas a 64o 720 rs. a uta.
MaSS l de tomate em Uus de 1 libera a800 rs.
AmeildoaS da CaSCa mole au\to novas a 400 rs. a libra,
m OZes muito novas a 200 rs. a libra.
AmexaS francez4 S era iatascom 5libras por 4*000 e a 1*000 a libra.
Chocolate hespanllol a 1*200, francez a 1*000eportugoezo400 rs. a libra.
Bol < Xnha d SOda em latas com differentes qualidades a }9400 a Uta.
MaSga 8 pa ra SOpa maurro e talharim & 240 rs, a Vibra e a ct\xa pot 5*000.
vsaiXlflll&S muito bem enfeitadas com pevide, rodinha, estrellinhs, etc. a 700 eBOO
PalltOS llXdoS pira denlos em molhos com 20 macinhos a 200 rs.
^CrejaS em frascos de libra e meia a 700 rs.
. 1JOIO Jt1 raiCeZ para limpar facas a 180 rs. e em porfi se far abatimento.
Esper mcete Superior sem avaria a 740 eem caixa a 760 rs. a libra.
Sardinhas de Nantes muto novas a400 e eoo rs.
AlpiStil muito nova a 180 rs. a libra e 5*500 arroba.
AZeitt doce refinado de divergas marcas a 800 rs. a garrafa e 99000 a duzia.
BOlaC111IIlia ioglezaa mais nova do mercado a 300 rs. alibra o 49200 a barrica.
Goma muito alva a 100 rs. a libra e 2*500 arroba.
V II h OS engarrafados duque do Porto, g enuino. Porto f no, madeira secca, Ca rea vellos, -nc-
tar, feitoria, velho secco, Musutel a 1*200 a garrafa e 129000 a duzia.
DtOS em pipa Porlo. figueira e Lisboa de 500 a 600 rs. a garrafa ede 4*000 a 4*500 a ca-
ada.
SerVc jaS das mais acreditadas marcas a 500 rs. a garrafa e 59000 a duzia.
Cll 6 mpaillie 33 marcas mais acreditadas que h no mercado a 149 e 209 o gigo.
Cognac inglez a 109000 a uixa e 19000 a garrafa.
Ginebra da3 Hollallda verdadeira a 79500 a frasqueira e 800 rs. o frasco.
Azeita UaS en ancoretas as melhores que ha no mercado a 2 e a 400 rs. a garrafa.
Traques superiores em uizinhss a 10* e a 320 rs- a caria.
Pfe llt S do gaZ a 29500 a groza e 240 rs. a duzia de caixas.
S 1 refinado em pacotes de mais de urna libra a 240 rs. o em porcao lera abatimento.
Cafe do 11 i O o melhor que ha no mercado a 320 rs. a libra e 9*000 a arroba.
SeVaUnha de Franca a mais nova do merudo a *0 rs. a libra.
Sag"U muito novo a 320 a libra.
Faritlha do lUaranhaO mnilo alva e nova a 160 rs. a libra e 49800 a ar-
roba.
Velas de carnauba e de composico a4oors. alrota a it
a arroba.
Vinagre pUrO de LSboa a 240 rs. agarrafa e a 1*800 a esnada.
Gl'O de blCO muito novo a 200 rs. a libra.
t*eraS SeCCaS em Caixinhas e oito libras a 29500 a a 640 rs. a Ubra.
3IarraS(IUinO verdadeiro da zara, de limone, uf, menta, genepro, mandoramara,
curacu, rosa sublime e outras qualidades de 19500 a 29 a garrafa.
Bat lita8 em gagos de urna arroba por 19000 e 40 rs. a Ubra.
OomnhoS os mau novos do morcado a 800 rs. a libra
Er Va doce muito non a 400 rs. a libra.
ArrOS COm toque da avaria em saceos de 5 arrobas a 5 a sacca e 1*500
a arroba.
OtiarUtOS verdadeiros superiores a 2* a caixinhj. de 50.
Salmn em lataS com duas libras o mais bem arranjaio qua tem viado ao mar
cado a 19400.
Mantega em latas com 4 libras a zoathor do mercada lacrado erroelteanteote
39200 uda urna.
Vinagre #m garraos com 5 garrafas de superior qualidade a 19200.
Araruta verdadeira muito nova a 810 a libra.
Alero, destes gneros encontrar o rospoiiavel publico em nossos t*zans um complat
sortiaaenta de tudo tendente a mol ha dos.
AlliendOB S ConfeitadaS mais baratas que ha no merudo a 800 rs. a 19
a Vibra.


':'to-*
*****
mm
tUkMotmnaiumtn- stsm nui i de amo d* itra
.....

t
_~i_


Bf* espwi de fiHB-
das baratissimas na lo-
ja e armazem da Arara,
ra da Imperatriz n.
56, de Magalhaes
Mendos-
Vende-se o mala barato poesirel a aaber: lia-
ste!* para vestido* a 380 a 400 ri. corado,
dito* maile fine* suissas a 500 r>. o corado, ba-
rate de cares psra vestidos coa florea aoltaa i
300 ra. o corado, siiaa bordada! multo fioaa a
31500, ditos aaito largas de 4 paonoa proprias
pata kilHi 39 a 89500: na ra da Iaperatriz
toja da Alara o. Sf.
Arara vende.
Vendoa-se peca* da madapolo Anea de 24
tordas a 4*400, 49600, 5. 59500 e 9. ditoa en-
testado a 39, meias cruaapara bomem a 19200 e
2|400a duzia: os roa da Imperatriz toja a ar-
maiam da Arara *. 54).
Panno preto da Arara.
. Paoae prato 'para caiga a paletota a t>700,
l|800e 29* corado, tonas de aaseroira pretor
para calca a 3, 89*00 e 3*500: na ra da Ia-
peratriz loja da Arara n. 50.
Manteletes da Arara.
Veodem se manteletes da fil oa aaia moder-
nea que ba a 159. capiohaa da faato Bailo bo-
oitaa a 3f cada ama : oa ra da Imperatriz loja
da Arara o. 56.
Arara est vendeudo.
Vende-se pegar da ceabraiaabrancaaa 19000
*9, ditoa muito finasa 29500. 39 e 39500, ditos
par cortinados da SO raras a 99, de 10 raraa a
49000 a Sf, cambraias maito Qnsa de caroctnboi
a 49 a pega eon 8 li2 raras, cortea de cambraia
da barraa a 29500 e 39, ditas de babadoi maito
flois eaMtodo* eon antreraeioi a 59: oa roa da
Imperatriz loja da Arara o. 56.
Arara vende roupa feita,
Vende-se caigas de casemira preta a 48500
59500, pelefcoto de panno preto a 69500 e 8J, di-
toa da alpaca a 39500 a 49, camiaaa rrancezaa a
19000, ditaa fiaaa j com gravitas a 2J. colliri-
baa de liabo mello Booa a 610 ra. cada um, ae-
rouiaa da lioho a IfdOO a 3$ cada ama : na iaa
da Imperatriz loja a armatea da Arara o. 50.
Gorguro da Arara.
Vende-ie gorgurio da lioho para reatldoa a
380 ra. o corado, fuslio da cores para vestido a
580 a320 ra. o corado, caiaas muito fina de co-
rea a 280 e 320 ts. o corado, cssaai a tarca da
quadrinhoa para reatido a 240 e 280 ra. o cora-
do, riscados eacoeezea para reatido a 220 ra. o
corado : na roa da Imperatriz loja da Arara ca-
mero 56
Est queimando Arara
Vendeat-ee chita de corea fizas coa pequeo
toas de mofo a 100 ra. o corado, Jilas largas fi-
"*. o corado, ditas garibaldiaaa a 280
a 320 ra. o aovado, aortas de chitaa flaaa da 13
corados por 2J50O. cortes de moreaotique de co-
res coa 11 corsdos e 5 palmos de largura por 89
o corto, aorta da laa finas de22 corados por 89,
corlas de gorguro coa 18 corados por 69500,
cortea de orgaodya finos de 15 raras por 89. di-
tos de 9 raras per 79 : na na da Imperstrixloja
e araaaaa da Arara n. 56, de Megelaaes &
Mandes.
' na Arara.
Veadem-se magos de palitoa da denles lie ha -
doa coa 20 aacinhoa por 200 rs. para se acabar,
ja tea poneos: aa ra da Imparatrii laja da
Arara a. 56.
Fazendas pretas
superiores.
Groedanaple preto muito superior palo dimi-
nuto proco da 29 o eoado, peono preto muito fi-
no a 3, 4. 5. i. f o corado, eaaemira preta
muito flaa a Sf, 9500, 3, 39500 a 49 o corado,
mantas pretaa da bloodo maito superiores a 129,
manteletes de superiores grosdenaples prelos ri-
camente bordados s 359, sobrecaaacas de panno
prato avile fino a 309, casacas Ismbea de panos
preto muito fio o a 309, paletota de panno preto
fino a 18 e 209, ditoa de eaaemira de cor mes-
ciada a 189, superiores grarallnhas estrellas a
19. ditas do aetia maco e de gorguro maito as
periorea para daaa rollas a Sf, ditoa eatreitinhas
com liados alfiaetee a 29, superior gorgario pre-
to pera eolletes a 49 o corte, ricos anfeites pretoa
* 69. o aseim oatraa moilss fazendas que sendo a
dinbeiro i rista, reodem-ae por precos aaito ba-
ratea : oa roa do Queimado o. 22, os bem cooha-
cida loja da boa f.
Panno de algodo da Baha.
Veode-se no escriptorio de Antonio Luiz de
OJlrefra Azeredo l\ova exposi-
cao de candieiros
a gaz,
Q propretsrio da ora expoeicio ariss a todos
oe consumidores da gaz hydrogeoio qua tea re
cebldo ooraaeato ama qualidada de gaz super-
fina, aaaim como tambem de todas as qualidadea
coanans qae sa reodea neste aereado, giran
tiodo o mesmo proprietario a qualidade que
rende nsta de falsifiesces. Taabsa arisa que
tea recebido grandes remeaeas de candieiros que
rende em porco e a retalbo pelo preco da fac-
tura, cujs rsotagea pode ser coohecida pelos
preleodeotes. teodo seapre neste estsbeleei
menta todos os eteocilioe perteocenles ao eon
samo da csndieijos a n>i : na raa ora o. 20
24, loja do Carneiro Visnoa.
NOVA

O proprietario da ora exposicio ariss ao pu-
blico que aeuaestabelecimaotos se achara todos
os diaa aberlos st ss 9 horas da noite ilumina-
dos coa o mesmo gaz hydrogeoio cooteodo nos
meamos eatabelecimentos urna riquissima galera
de ouadros que rauitoiotretera a curioaidade daa
familias qae quizerea visitar estes estsbeleei-
meatos, sssim como aa numeroso sortimeoto
de objectarias que por goato se podea coaprar,
garandado aos concurrentes a franqueza do io-
gresso em seos eslabelecimeotoa : oa ra Nora
d. 20 e 54, loja da Carooiro Viaoon.
Farfolla de mandioca.
Vende-se a bordo da barca nacional Atrevi-
da, ebegada do Rio de Janeiro : n tratar coa
Uarqsea, Barros 4 C, largo do Co rpo San lo o. 6.
Attencao
Cbegoupara aloja da victoria, caaaieiros a
gas da 00T08 goatoa e modelos, tatito para sala,
como para aseada e quartoo a para oolaaa muius
coejsss: na loja da victoria na ra do Qaaimado
. 7b.
*1iVaGde'!e ou. 8"end-e ama grande pro-
Sa!u i"Vto petU "?" vn grande ols-
Vr 2 ono'' ?. on> boa csss da rj-
MU -!?." C"M b,J>iUu". o"! urandes
Tirelroa, aaltos errores de fruclo, ieclosir* di-
reisva tuqaaiua : a tratar com o Dr. Sonsa Res
ta cdade, oa na Magdalena.
Vios e conservas.
. chegadas pelo ultimo vapor
francez.
Hua^iova.M.
Vinhos de Bordeaux em caixas de 12
garrafas.
Hsrca St. Jalieo 12*000
< ChaleauHautBrion 249000
GrnaulaRoie 409000
Conservaa aliaeoticiss da cisa da Rodal 4 Fila
frrea forma dores da augusta caaa impsrial do
Brasil.
GslsoUoa da rolailla 59, laogaa foure 59.
Atoadles truflees 39, aodouilleltas traffea 3i.
Atoaettes Rotiea 22, andoailletlea 29.
Grires Roties 2J500. pigeons crapondiae 29.
Pleds de porc 29. ditos de moatoa 29.
Celen, poinles das parges a salaiQs aujus 29.
Foods 'arlichauts a la Barigoule i.
Carottes aujus l,au n.turel 800 ra.
Cbampigncos 19, oavets acomds 19.
S*f. e fi?a Sfc Boailloo groa 1|.
Pettta pots s 800 e Ifc Bonn frals29.
Ja liana a 500. 800, 19500 e 29&00.
Frails an jus am frascos grandes -2.
Amenas aeccas em latas de ua kilograma 29.
Peilos de fusto lavrado para
camisas a 500 rs. cada um.
Vendem-se booitoa peitos de fastio torrado e
ranead* para eaaiaaa a 500 rs. cada aa, fazeo-
da mu boa e encorpada : oa raa do Queimado,
loja d'agnia-branca n. 16.
Olliem para o pavaO e
59000
3900(i
19000
800
19600
19000
240
39000
39000
2J3O0
1280
500
800
6J000
2900C
dalm-
deGa-
Gaaisinhss coa gollinhsa a manguitos
de cambraia bordados, fszeods mo-
dernieeima a
Ditas de fuatao com lalpicos de cor
Golbnbaa bordadaa com botaoziobo
Ditaa da todos os gestos a 640 e
Ditas eom manguitos da cambraia bor-
dadas a
Manguitos de cambraia bordados maito
fios a
GolliDhas bordadas a
Roaaeirss de cambraia eofeitadss para
lato a
Camisinhss psrs senhors s
Leociohos de lioho com labyriotho para
aio s
Ditos s imitaeao de labyriotbo a lf e
Loras de torest aofeitadas com ridrilbo
Eofeltes pretas coa ridrilbo s
Rices anfeites pretes e de cores, a Tures
a Garibaldi
Groadearple preto a I96OO, 1*800 e
Todaa estas tafeadas reodea-se oa ra
para triz n. 60, loja e araazea do pavo,
aa 4 Silva.
Sementes de hor-
talices
Na ra da Craz o. 32, deposito de po e bola-
cha, reodea-se sementes de bortalices riadas de
Lisboa.
Sahio luz o
Gallo Vigilante.
Na.ra do Creapo o.7, aonda o respeilarel pu-
blico achara am grsnde e variado sortimeoto de
miudezas qae se rende por precos mais baratos,
10 por ceoto do que em outra qualquer parta,
sssim como seje, frsojas pretas com rtdrilho e de
cores, fitas de todas as qualidades, fraoja e galao
de Itabo, csacarrilhas pretas e de cores, frocoa de
ledas as cor, es riqusimos eofoites de cabera,
gslaoiiohos da lioho a de sede para eoleilea,
chapeoziohoa para criaocas, chapelinbaa para ae-
nhora, bonets de paooo e velludo muito Qooa
para menioos, fitas maito chiques para siotos,
manguitos e golliohas mallo tinas, lencos de
cambraia de linho muito fios, e muitos mais
objectos qae se continuar aoounciar, pois ven-
de-se ludo por precos baralissimos por se acbar
am liquidacao. Na mesms loja se acbsri um
rico sortimeoto da amendoaa e confeitos proprios
para qualquar mimo, qae se rende pelo baratis-
simo preco da 12600 a caizioha.
(TORCA
DA
Fnndicao Low-Moor,
Ra da Senzalla Nova n. 4C.
Metal esla beles i ment continua a harer um
completo soritoento da moaodas a metas moen-
das para engenho, machinas de vapor o taixaa
de farro batido e coado de todos os tamanhos
para dito.
armazem de fazendas
DE
Saotos Coelho
Hua do Queimado n. 19.
Leocoea de bramante de linho a 39.
Cobertaa de chito Boas a 29.
Ditas a preco de I98OO.
Cambraaa pretoa mnito fioaa.
Colchas da fusto muito liodaa a 69.
Esleirs da India da 4, 5 e 6 palmos da largo
proprias para forro de cama e aalas.
Leocoea de paooo de lioho fino a 29.
Algodio aoostro a preco de 600 rs. a vara.
Tualbaa da linho para meas a 49.
Ditos de fusto para mos, cada ama 500 rs.
N. O.Biabar & C.aaccaaaorea.rna daCrai
a. 4,toa parareadarralogioaparaalgibairs de
ouro a prata.
A banha fina,
bm copos grandes, chegou para 1 loaj d.agaia
eranca, raa do Queimado n 16.
Ra da Senzalla Nova n. 42
Neste estabelecimento vende-se: ta-
chas de ferro soado libra 110 rs. dem
de Low Hoor libra a 120 rs.
Saceos com superior fari-
nha
Em vista ds qualidade e o tamanho dos saceos,
em parte neobuma se pode comprar mais barato
qae na roa Direita o. 17, aonde existe aiods quao-
tidade que se deseja vender para fechar cootos.
Superior
caf do Cear.
Vende-se ns raa de Madre de Daos n. 12 ar-
mazem da Arseoio Augusto Ferreira.
Mcias dela
Veodem-se meiaa de lia ceapridae e outras
na raa do Queimado, segunda loja o. 18.
Vende-se um relogio palate horizontal,
da once, auila boa regulador, oa aa groaao
correnlo, ou srnoste *no paleo da ribeira nu-
mero 7.
Venda-se ua bom cavallo novo, coa booa
sigoas, poda eerrir para carra, oa mesmo para
montana por ler aigana aodarea : para rer a tra-
tar, na roa Imperial a. 106, sitio.
cprtea.de vestido braiMio
bordaos.
Vendea-se ricos coitos da vestidos brancas
bordados com 3 babados pelo barStisaiao preco
de 59 o corte: oa ra do Quaiaado n. 23, na
bem coohecida loja da boa f.
Camisas inglezas.
Vsodam-se superiores camisas ioglezaa com
pregaa torgaa palo batatiaeimo preco de 359 a da-
lia : oa loja da boa f, na raa do Qaaimado nu-
mero 22.
Ricas gollinhas e punhos
com boioes
Vendem-se ricas golliohas e puchos de cam-
braia e fostao ricamente bordadas com liados bo-
ioes, pelo baratssimo preco de 29 cada guarni-
Sao : na roa do Qoeiaado n. 22, oa loja da
os f.
Fazendas baratis-
simas
Superior bramante de lioho eom duas raraa da
largura a 29400 s rsra, atoalhado da linho ada-
mascado com duas larguras a 29500 a vara, brim
braceo de lioho maito superior a 11440 a rara,
dito de cores, fazeoda mullo superior a 19, dito
pardo de lioho paro a 800,19 a I99OO a rara, di-
to de qaadrinhos multo proprio psra calcas, ja-
3netas e paletotspsra menioos s 200 rs. o oora-
o. gaogas frsocezas maito superiores a 400 rs. o
corado, cambraiss frsocezas maito fioaa a da
maito bonitoe padrees a 200 e 280 o corado,
cambraia lisa muito fina a 4|, 5 e 69 a peca coa
8 1|2 raras, esmbraia com aalpicos tambem com
8 1(2 rarss cada pegas a 49300, dita muito supe-
rior o melhor qae ha oeste geoero a 112500 a pa-
ca com 17 raras, ou a 800 ra. a rsra, chitas fran-
cezas de muito boas qualidades e de lindos pa-
droes a 240, 280, 300 e 320 o corado, fil de li-
nho liso maito (loo a 720 a rara, tarlatona bran-
ca e de corea a 760 a rara, toalhas da lioho psra
mos a 79 a dnsia, ditas pelludaa maito superio-
res s 119s duna, golliohas da cambraia borda-
das a 800 rs.. manguitos e Rollas da cambraia ri-
camente bordadas a 29 o par de manguitos com
ama golla, leocos braocos maito finos com bico,
reads e Isbyriotho s 1f280 cada am, ditoa da
cambraia de lioho para lgibeira pelo baratissimo
preco de 4, 5 e 69 a duria, e aaaim um completo
aortimento de fazendas de todas as qualidadea,
que seodo s diobeiro S riata se reodero por pre-
cos mui baixoa : oa bem coohecida loja da bos
f, os ra do Queimado n. 22.
Camisas e ceroulas
Veodem-se superiores ceroulas de lioho mui lo
finas pelo bsrato prego de269 a dnzia, ditos trao-
;adsa de algodo, mas de maito boa qualidade, a
179 a dosis,camiaaa brancas fraocezaa a2t|, 249,
26 a 309 e duzia. ditaa para aeoiooa a 22f a du -
zia, ditoa para homam com aberturas de corea a
z duzia : oa bem coohecida loja da boa f
oa ra do Queimado a. 22-
Maugitos com gollinhas.
Vende-se manguitos com golliobss, fazeoda
maito boa, pelo barato preco de 2fO0O, gollinhas
e puchos ultimo gosto a 25000, golliohas aullo
fioaa e bem bordadaa a 1|600 cada; ama oa raa
do Queimado loja de miudezas da Boa fama,
D* Jo.
Tiras e ntremelos bordados.
Vende- ae pecaa da tlraa bordadaa da 2,500.
3,000. 3,500e 4.000 ntremelos a 1*600 e 29OOO
cada peca oa ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, o. 35.
Bonecas francezas.
Veode-se bonecas frsocezas ricamente vestidas
a 49000 e 5)000. e lf 000 bonecas de cera com os
olhoe uoredeos a 21000 e 39000, oa raa do Qaai-
mado loja de miudezas da Boa fama, o. 35.
Fivelas de ac para sintos.
Veode-se Arelas de eco para sioto s 1&500 rs. e
29OOO oa ra do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, o. 35.
Sapatos de borracha para
senhoras.
Vende-se sapatos de borracha paraseoheraa a
meoinos a 1;5C0 rs. o par, sapaliohos de lia pars
creancas a I9OOO rs. o par, ditoa marin al5O0 rs.
louess de Ua para crean gas a 21000,19OOO. 800 rs.
sapatiohos de seda ricamente bordados proprios
para baplisados a 39000 o par, na ra do Quei-
mado loja de miudezas da Boa faaa, o. 35.
Baleias.
Vende-se baleias i 120 rs. cada ama aspa de seo
para baloa 160 rs. s rara, baodes a 15500 rs. e
2800 o par, oa rus do Queimado loja de miudezas
da Boa fama, o. 35.
Cascarilhas de seda.
Veode-se cascarrilhss
reslidos a 29000 a pega
loja de miudezas, o. 35.
Meias de borracha.
Veode-se meiaa de borracha parequem padece
de eryaipela a 159000 o par, meias de seda preta
para aeohora a IgOOO o par oa ra do Queimado
loja de miudezas da Boa fama, o. 35.
Luvas de peiiea e camurca.
Veode-se luvaa de pelica de Jourio s 29000 o
psr, ditas de camurca proprias pars mootaria a
29OOO, ditas de escocia a 800 rs. o par ns rus
do Queimado loja de miudezas ds Boa fama,
o 35.
Palmatorias devidro lapi
dado.
Veode-se palmatorias de vidro a 19600rs., ditos
com mangas proprias para rapaxea a 49500 re.,
cada urna, escarradeiras de vidro a 49500 rs.
e 59OOO o psr, oa ra do Queimado loja de
miudeza da Boa fama, n. 35.
Perfumaras muito finas e
bjalas.
Opiata iogleza a 19500 rs, dita frsoceza a 500
rs., 640, 19000. oleo da sociedade hygieoiqae
verdadeiro 19(00 o fraaco, oleo babosa de Piver
verdadeiro a 800 rs. o frasco, agua balsmica
para os deoles a 19000, dita de Botot tambem
para os denles s tfOO o frasco, pomada fraoce-
za em pios a 500 rs. e I9UO, 320 ra. sabooetee
muito uno a 640 rs., 800 ra. e I9OOO cada um oa
ru* o Queimado loja da miudezas da Boa fama,
n. 35. >""
fk 200 rs ,so pavo.
Vende-se chita fraoeeza eacura de cor fiza a
dous fustdts o corado : os rus da Imperstriz o.
60, loja o armazem do pari.
A 2500f.s o pavo.
Veodem-se corles de cambraia branca com 2 e
3 babados a 29500, ditos da tarta tana braocos e
de cores, com barras a babados a 39: oa roa
da Imperatriz o. 60, loja e armazem do pavo de
Gama & Silva.
A 500 rs s o pavo.
Vendem-sess mais modernas a finissimss lia-
zinhas de quaoriohoa e de flores solas e palai-
nhas, desembarcadas do ultimo ao riodo do
Hare,pelo baratissimo pre;o de quiabeotos ria
o corado, e dio-aa as amostras com peahor : na
ra da Imperatriz o. 60, loja a armazem de Ga-
ma & Sil ra.
Cabaias hespanholas, na
loja do pavo, a 400 rs.
Vande-se esto oov fatnda de padresdelies-
dissimos com 4 1|2 palmos de largara, propria
para reatldoa de seohora a 400 rs. o corado : na
ra da Imperatriz a. 60, loja a armazem do pa-
ri de Gama A Silra.
da aeda para eofeitar
oa ra do Queimado
Sapatos de bor-
racha.
A 19. 19500 a Sf o par, agnlhas Victoria a 12P
rs._o papel, lamparioss econmicas a tOO rs. a
eaiza, cartaires para eeererer a 141 e 169. calas
para costura .8|e 16|. grixa francesa econ-
mica a 640 o pote, faca a americanas pera, mesa a
Je 79 a dazia. meias para acaben, bomem. me-
ninas ele. por todo o preco, braceletes da cabello
com pedra ru a amarells a 59 cada um : s
ha na ras do Qaeiaado loja Esperance n. 33 A,
Guiaariea & Rocha.
ja das 6 por-]
tas em frente do
Livramento.
Caaaan freneetae do bonitos goatoa a
310fe. o eorado, loras de trecsl pretaa
o de seda a 506 ra. o par, chitaa franca-
" largaa escaria a 24.0 rs. o corado,
ditoa finia a M a 280 rs., fil do Itoho
leo a 640 re. a rara, tarlatona fina de
de as corea s 800 rs. a rara, lencos
braocos coa barra do sor a 19400 a V
ate 120-ra. esd sra, meias para bo-
"e a tftOO a daifa a 120 rs. o par,
chitaa para coberta da bonitos dese-
chos a 220 re. o corado, pecaa da bra-
tanba da rola a 29, ditas de cambraia Usa
oa f li2 raras a 39, masselraa anear-
oda a240 ra. o corado, aalcmhsa para
menina i da eacola a 19 o par, peitos
psra camisa crneos a da coree a 200
rs., pee, de cambraia branca de salpi-
a 39500, algodo entestado o melhor
a 700 rs. a vare, dito bronco para toa-
lbaa a lf 1 Tara, enleitea doa mais mo-
dernos a garibaldi a 69, loja est aber-
a a t as 9 horaa da ooile.
Attencao
Guimaraea & La, doaoa da leja de audasaa
da rae do Qaeiaado o. 35, boa fama, participan:
ao pablioo qao o aaa ealaaaleciateiito so aeha
com pela asele prvido daa melhoree mcrcadoriae
tendentes ao mesmo estabelecimento, a aailos
oalroe objecloa 4a goato, acode quaai todos resa-
bidos de suaa proprias encommendaa ; a estando
eilee inteiraaonto raaolsidoa a sao readoroa
Dado aflancaa rendar alia barata do que ostro
qaalquer ; e juntamente pedan aoa seus deredo-
res qae lbea mandem ou reeham pagas oa aaas
dsbilos, aob pana de aerem iasticaaes.
Moendaa o meiaa moendas.
Taixaa de ferro batido e
coado.
Machina* de vapor.
Rodas d'agua.
Rodal, dentadas etc., etc.
Ru do Brum n. 38 fundicao
de D. W. Bou man.
Sementes
de Hamburgo.
Oe hortalica e florea.
Vindas palo stttiao rapor inglez: na roa da Ca-
daaa do Racife loja da Vidal & Bastos.
Arroz da India
Amendoaa
eoneitadas aa mais bonitas'que ha no
mercado a 800 e 1# a libra : vende-se
nos armazens Progresista e Progresas-
vo no largo do Ca mo n. 9 e ra das
Cruzesn. 36.
Os barateiros.
.!*? rya.do Cre,D0 8 eodem-se segula-
utnT-i%iVP"' r*1*b" : Wobas proprias psra
Veode-ee a paite da>um aobrsdo em urna
das priotipaes roas da Boa-Vista, caja parte
rondo actualmente 4009 aoonses: a
raa da Imperatriz o. 56.
neis para meoioo a *, 2S500 e3*. chalas dT Uw
U. e ponto redood.r4^ogeo7de l.bVrintb^
com toque de sraria em saecoe da 5 arrobas a
59 o 19900 a arroba, tambem gigos com batatas
s 19: 00a armazens Progressiro e Progreesista .
00 largo do Carmo u.9 e raa daa Crozes n. 36. 19. calcas de brlm deludas as qualidades nato
Moedasdeourodeie^e 10$- ?.?..StitfgZ'SS?.:*''*;
Veade-se ne escriptorio de Manoel Igoseio de duzia, bramante do lioho com 11 oalmnaiUif^
Olrrelra Filho, largo do Gorpo Saoto D. 19. gara a 29500. grvalas de aeda oas 480J dito
de linbo a 200 rs., chapeos de sol de aloses a
lija parte 49500. ditos oe seda para seohora, de cores a
tratar oa 69, chales de Isazioha fios estn pados a 99000,
' msdspolao eofeatado maito oo s 9$, eeseairaa
de duas larguras para calcas s 39 o corsdo, til*
de linho liso oo a 720 rs.. cambreiaa fraocezaa
flaas a 600 ra. a rara, merino azul rarda da daaa
larguras, proprio para ruepas de menioos a 11600
o corado, cortes de collele de fostao Onos a 809
rs., ditos de gorguro a 19, tarlataoas de todas aa
core* 800 rs. a rara, enfeites a imperairii a 49
e 59500, e muitas outras fazendas que se reodsm
por bsrato preco, oa ra do Crespo n. 1&, mbra-
do amarello de Diogo & Feroaodss.
Ultno gosto.
Gollinhas bordadas e puohos
com botos para senhoras.
A loja d'aguta branca, onde bem aa encontram
objectea medernos e de gostos, acaba de recebar
um liada aeriimenio de gollinhas bordadaa o pu-
nhos ca bonitos boioes, o qa* hoja ultima
moda, altor tose neahaaa senhors se dere os-
ear nalin 4** sraaraieoee par SO00,
taata sala quaoto ellas aia- aeoaaaartaa para
completo oVaamento daquellaa qae tereo de apre-
ciar aa bellas representares do Martoaageh, O
meamo as qae nao forea toa igual direito da
comprar esses bonitos arraeioa ; na loja d'sgaia
branca, raa do Qaaimado a. 16.
Chumbo.
Vendo-a* chambo do anoicia a diaheiro por
SI9 o quintal a a arroba por 5*500: 00 arma-
sem da Antonio Ceaario Horelra Diaa, raa da
Hsdra do Daos n. 39.
Agua balsmica para conser-
vado das denles, e agrada-
vel hlito da bocea.
Essa apreciare! o proraitoaa agna bslssmics,
cujos boas effeitos do conservsr a forlidko dos
denles, fortalecer aa gingiraa a tirar o mi hli-
to ds bocea, aio jS bem ceahecidos por tedoe
qusolos delta tea usado, e ser aioda aaia por
queso, presando eases booa resultadoa, ae dirigir
coa 19 dita loja d'eguto branca, raa do Quei-
mado o. II.
Gravatas de seda pretas e de
cores.
Mui boas o bonitas grsrataa pretoa da aada coa
salpicos de cores s 500 e 610 rs. cada urna, ditoa
todas pretas de bonitos aedes de cbarisquiohoa,
boa fazeoda a lf. ditas de superior gorgoreo coa
pootss bordadas a reliado a 96OO, ditas da traa-
pssso pretas a da corea coa alneles, e aui pro-
prias para aeoioos, sendo ellss de bonitas sedss,
forradas,e com dous pospontos de seda de corea a
I95OO cada urna, o mallaa oatraa da difforootes
qualidades e precos : na ra do Queimado, loja
d'agaia braoca n. 16.
Meias de cores para homens
Muito boas meias de cores a 160 o par, e 19600
s dezis: quem as vir nao se desagradar, pois
qae sao boas e bsTatisiimss : na ra do Quei-
mado, loja d'aguia braoca o. 16.
Rival
sem segando.
Na ras do Qaaimado n. 56, defronte do sobrado
ooro, est disposto a reador tado por preco que
admira, sala como saja ;
Frascos da agua da laraoda maito rin-
des a 800
Sabooetea o melhor que poda harer a 320
Ditoa grandes aaito finos a 160
Frascos coa aheiros aaito finos a 500
Ditoa ditoa muito bonitos a 19009
Garrafas do agaa celeste o melhor a I9O6O
Fraecoa com banha aaito superior a 240
Ditoa dito do arco floissiaa a 900
Frascos de oleo babosa con chairo a S40
Ditos dito dito a 310
Ditos dito nito a 500
Ditoa para liso par a eebeca e tirar caspas a 730
Ditos dito philocome do verdadeiro a 900
Ditos coa baoha transparente a 900
Ditoa com superior agua da colonia s 400
Dito, frascos graodes a 500
Fraecoa da macaca oleo a 100
Ditos de opiato peqaenoe a 320 a 500
Ditos do dita grandee a 800
Tena am reato do lerendo embreada a 560
Liaba branca do gas a 10 rs., a tros por
dous, a laa a 20
Di* de car lio Podro V, com 200 jardea a 60
Dita dito dito com 50 jsrdas a 20
Carreteis de liohe coa lOOjardss a 90
Duzia da meiaa croas aaito eocorpadss a 59400
Dito da di toa ailo se perier es a 4f500
Dito do ditoa braacas para seohora, mai-
10 Opas a 9J00D
Vara da Mea da largara do 3 dados a i
Dito de franja para toalbaa a 90
Groza da botea do lou c.a braocos a i
Duzia da pboepboros do gaz a 240
Hita da ditos da reda aaito superiores a 249
Pacas da fita para coa da todaa sa lar-
garas a 320
Alteecao ao vigilante
Na ra do Crespo n. 7, loja que
foi co fallecido Joo Ceg,
est torrando por todo o
preco.
Coraes.
Oe rsrdadeiros dos da coraes redondos sssim
como rail, pola o mais superior que tem viudo
ao marcado :_i oo vigilante ra do Crespo n. 7.
Micanga ou continhas.
Micsnga ou continhas de muito lindas cotes a
240 rs. o maciobo: s oo vigilante roa do Cres-
po n. 7.
Continhas do Rio.
Contiohss douradinhaa miuda e grosss proprio
para palcelraa daa quaea ae estoo uzeado muito
por ser ultimo gosto, a 240 rs. o macioho, assim
cobo sljofir b.anco e de cor a 300 rs.: s no
vigilante raa do Crespo o: 7.
Lencos bruzeos para lgibeira.
Aloda so reodea lencos brsocos finos para l-
gibeira pelo baratissimo preco de 29400 a dazia :
oa loja da boa f, na roa do Queimado o. 22.
Meias-para senhora.
Veodem-se meias finas para seohora pelo ba-
ratieeimo proco da 3*600 a duzia : na raa do
Qaaimado n. 22, oa bem coohecida loja da
boa f.
Pennas d'aco.
As rerdadeirsa panas inglezas caligraphicas a
19400 rs. s caizinha : s oo vigilante ra do Cres-
po n. 7.
Banhas ou leos e cheiros.
A superior bsnhs trsnspsrente a 900
fraaco.
Dita ea latoa da folha de meto libra a 500
Dito em lalinhas de quarta a 320 rs.
o verdadeiro oleo da sociedade hygienica a
900 ra. o fraaco.
Dito maeaassr e multo oo em frasco peque-
o a 19000 a duzia.
A rerdadelra agaa de colonia frasco grsnde a
900 rs.
Ditos peqaeoos mesmo em garrafinbas a 400 rs.
Ditos com superior agua de flor de laraoja fras-
co grsode a 400 rs.
Dito coa excellente agua celesta frasco gran-
de a lf.
Dito frasqaiohos peqaeoos com riosgre rugi s
400 rs. : s ao vigilante ra do Creapo o. 7.
Para conservar dentes.
Oa rerdadeiroa pe da sociedade hygienica pa-
ra dea les ea fresquinbos de ridro o maia aupe-
rior que tem apparecido pelo baratissimo preco
da 19 o frasqainho, sssim como em caixiohas
qssdrsdiohaa a 200 re.: s no vigilante ra do
Crespo o. 7.
Gollinhas e pttlcelras.
Lindas golliohas a pulceiraa de micaoga pelo
baratissimo preco de pulceiras e gollinhas 33,
pulceirss s 29 e gnlliobas 19 e 19500: s 00 vi-
gilante roa do Crespo n. 7.
Sestinhas
Sesttahss muito liodaa com seus perteoces pa-
ra meoioo 39 o 49, assm como iodispeosareis
de continhas ou micaoga proprios para meoioa
trazer no braco com lencinho pelo baratissimo
preco de 1$ : s no vigilante rus do Crespo nu-
mero 7.
Tin te i ros.
Tinteiros proprios para menino de escoto ou
meamo para sansas oa qaizer comprar por bara-
tissimo preco a 500 rs.: s no vigilante roa do
Crespn. 7.
O
Presten, attencao
Ga lo vigilante na ra do
Cre*po n. 7,
que quer liquidar e vendeudo ludo por precos
que admira, como sejam :
Riqoissimas bandejas de charo de muitos qua-
lidade?.
Salvas de mslal com ricos lavrores imitando
prata.
Copiohoe pratioho de metal proprio psr* me-
oioo.
Manteigueira de lindas cores de vidro com lampo
e prstinbo de metal.
Riquissimoseipelhos com moldura doorada.
Toucadorea com gaveta e de outris qualidadea.
Biooculos com encllenles ridros.
Riquissimos toques de sndalo e madrepsroto.
E muitos mais objectos que se continuar ao-
ounciar e que visto do fregaez se fsr Iodo*
preco.
Aljfar fino imitando perola.
Vende-se a 500 rs. o fio de aljfar fino, imi-
tando perola : na ra do Queimado, loia fl'agui*
branca o. 16.
rs. o
rs.
Piano.
Veode-se um de mesa, ji osado, po-
rm em bom estado proprio psra quem
quizer apreoder: no pateo do Terco n.
3, segnodo andar entrada pelo becco do
Lobato.
Carlos IV e III.
Veode-se com esta efugio pataedes hespa-
nhoes: oa roa larga do Rosario o. 24.
EscraTOs fogioos.
Attencao.
Rival
sem igual.
Miudezas e rap.
Roa larga do Rosario numero 36.
Lia da carea aortidae, libra a 69400.
Siotos dourados a 19600.
Ditos ditos com pontos s 3(500.
Agalhas francezas cartas e compridas s 60 rs.
Ditos esotofas a ISO.
Peales do asas* para atar cabello a 500 rs.
Ditos da dito dem (dourados) a 19200.
Carretela de retroz de corea a 320.
Escoras para cabello muito boaa a 800 e 19.
Carlas de alfioetes a 80, 100. 120 e 140 rs.
Escoras pars uohss mailo boas a 320 e 500 rs.
Franjas pretas com ridrilbo a 880 e 400 rs.
Traecas pretas com dito a 240.
Bicos prelos muito boas a 180, 240, 320
ris.
Carreteis do lloha a 80. 60 a 80 rs.
Eofeitoada retroz com franja a 59300.
Meiaa para seohora (duzia) a 2a500.
Ditos croas para homem a 29400 e 39.
Teaouras ordinarias a 80 rs.
Franjas de laa eatreitas (peca) a 900 rs.
Sabosles de bola fines a 640.
Frascos do dirersos cheiros s 320.
Linha do Pedro V a 30 rs.
Botos para easareqoe a 20, 30 e 40 ra.
Rap Paalo Cordeiro (verdadeiro) a I96OO.
Dito gasse grosso e roeio grosso a I96OO.
Dito dito fino a 1f280,
seB oatraa muitas maia miudezas que com s
senes dos boas fregueses se reodero baratas.
4llenca! altencao!
Aos pais de familia, bom e ba-
rato.
Na loja a. 10 da roa da Imperatriz aeha-se a
rende um completo a variado aortimento de boas
fazeodaa, o qae i riata de coas qualidadea sao b-
ratissimsmento rendidae, e para mala reracidade
do qae rica dito, abaixo rio mencionadas algumss
das ditas fazendas, a saber :
Chitas Isrgss cor fiza a 240 rs.
lladspolio fino com 24 jardaa a 59*
Caabraias do corea a 280, 320 a 400 rs. o co-
rado.
Velludo preto e de cores a 29.
Lindeza de cores a 160 rs. o corado.
Lencos pequeos a 80. 120 e 160 rs.
Chapeos do castor floo a 89.
Chitas pretoa aaito torgaa e fioaa a 240 rs.
Algodio trancado preto muito bom para vesti-
dos de escraros a 900 rs.
Cambraia liaa com 10 jardee a 29.
Caeea do salpicos com 10 ditas s 89.
Cambraia bordada paca corlinadoa com 8 va-
ras a 2/.
rad-*e>aaasjdJPabo na ribeira de Una,
aoeata a crrante, lisa bom de trras e cerca-
do, oom todas ss obraa oras, tea proporcea
psra eafrejer 2,000 pies soouaes, distante do
embarque legoa e meto, ou troca-se por predios
neeta pasca t a tratar 00 paso* da Carmo o. 15.
Fuglo 00 dia 28 do mez prximo paisado a ea-
crara Manoela, cabra, estatura regular, de idade
35 aooos, pouco mais ou meods, com falto da
denles na frente, oariz grosso, tem as reias daa
peroas muito salientes, e urna maia do qae ou-
tro, levoo reatido de riacadinbo rozo e chelea
azul: quem a appreheoder, qneira lera-la aoa
Afflicto, quiolo sitio depols da capella, que ser
recompeosado.
Escravo fgido.
Desde os ltimos das de abril prozimo paisa-
do est ausente da casa de seu seobor o moleque
Herculano, qae foi escravo do Soado Manuel
Aotooio doa Pasaos Olireirs, tendo os sigoaea
seguinles : cor preta, estatura regular, falla ora
pouco a finada e descaocada, tem urna cicatriz
proreniento de uoheiro n'um dedo de urna daa
maoa e represeola ter 26 annos de idade : ra-
ga se as autoridades policiaes a appreheosao do
mesmo e sua entrega a Manoel Antonio Goucal-
res, oa raa do Cabugi loja o. 3.
Pagio no dia 20 do correte de bordo de
patacho Capuam, o escravo crioulo mariohei-
ro de nome Antonio, idade 19 sobos poacomais
en menos, altara regalar, rosto comprido e com
alguos signaes de bexigas, levou calca e esmis*
azul : quem o pegar leve-o ao escriptorio da
Aotooio Luiz de Olireirs Azeredo & C. roa da
Cruz n. 1, ou a bordo do dito pelecho qae ser*
geosrosamente recompensado.
Gratifica-se com 300$.
Contina a estar fgido o escraro mualo da
oome Rogerio, de idade 24 aooos, pouco mais ou
menos, desde o anno de 1853, com os sigoaea
seguimos: altura regular ou menos, rosto redon-
do esquezelado, cor alaraojada, com falta de den-
tes, quaodo falla carrega oo R, que ouriBdo-s*
elle fallar d apparencias de talo, olhos amarel-
lados, nariz chalo, cabellos amacacados e ralos,
quando ugio linba principio de barba, tem ae
coatas bem cicatrizadas, em um dos vaaios tea
orna cicatriz de urna postema qae tere, um tan-
to espadido e eilomagudo, oa ps um pooc*
| spalbelados com os toroozelos para dentro, ella
: pode inculcar-se ter sido soldado por causas das
e 400, muilas cicalrizes que tem as cosas: rogo, por-
i tolo, ss lllraas. auloiidades, taoto ciris como
I policiaes, qae se digoem auxiliar aos senhors*
, espitiesde campo ou particulares na apprehenaio
i do dita escravo, e aer remetlido ao seu legitima
seobor, no engenho Piodobiohs, silo ns freg*-
zia d* S. Lourenco da Malta, comarca do Recite.
Jos Lvizde Aodrade Lime;
Fugio oo dia 12 de abril deste corrento au-
no do poder do abaizo aasigoado, o pardo de no-
' me Fraoeisco de 17 aoousde idade, qae tem bo-
i nito figura, todos es deoles, cabellos carapinhoe
I e ruiroa, teodo sido este paido escravo do Sr.
Dr. Antonio Borges da Foosecs, de preaamic
qae ande poralgum dos logares por oode o mes-
mo seobor tem viajado, como sejam Iguarassi.
Goiaooa, loga S. Joao, Campia. Serra do Tei-
xeira. Pi o'Alho, Limoeiro, aa tres villas da co-
marca de Paje de Flores, seodo qoe segundo su
suppeesteja tambem oo engenho Inhama pee
barer sido risto ha poucoadias em IguaraasA por
ter amizade com una mulalinbos dease eagenho*
4 ainda da presumir que o dito escravo por abaV
se iocolque como a serrico do dito or. Dr. Bur-
ges da Fooseca, aQm de oso ser appreheadido :
quem pois o apreheoder ondeqder que for encon-
trado esse escraro e o rir entregar ao sen legi.
limo dono Da rus do Hospicio o. 6. que sari mol
generosamente por elle gratificado.
Igoacio Luiz de Brilo Taborda.
pre-
100,000 rs.
de gratifcacf,
a quem appreheoder e levar i caaa de seu seobor
oa cidade do Recite, oa ra do Collegio n. 75
terceiro andar, o escravo Antonio, de oaco Cas-
saoge, com os sigoses seguiates, a saber : idada
40 aoooa, pouco mais o* menos, sal-tura regar-
lar, falla de deolea oa frente da bocea, em um*
orelha tem um toco tirado, debaixo do quexo es-
querdo tem ttea baracos, ain*es 6* det>tes re-
dua, tem um deteile oo tornos*!* 4* a do* pea,
pelo qual pacha ua pouco o* andar, coatuaaa
embreagar-se, e aoda fgido 5 meses, pouco
btsIs ou menos, foi escravo do fafllldo Harctll-
oo Aotooio Pereira.
1

*f
-
I

.




r*r**r*
tf^jftJ-^',
'*.>ffJ^|yK,.l^,Jtt^JU.
W.'W"P
vmf?

i
OURJO DB fJBpAWlGp n SEXTA fflf^l^ M *)0 Dt. 61.

Litteratura.
CDsiderc*es sabr ts iuteresses et-
htlicosno Brasil.
ni
(Contiouagao.)
O qae teso, porem o estado com as orden re-
ligiosas, reformada ou Do ? E'a elle, que a
egreja deve consultar, quando Ihs seja conve-
Qieote reformar quilquer insliluio religioso I O
estado Do tea oem dore ter neitn ponto inge-
reocia alguma, quando sua santidad? parece
justo e necessario, que se operam taes reformas,,
e e s a ella, que se deve cnsul.ar sobre a con-
veniencia, s della, que se poden) esperar
meio eflicizes para urna boa reforma.
Comtado, oo Brasil nao seria isstrtohb,'que o
goveroo quizeiie reformar as ordeos regulares,]
'-0l!1 e .^'dagao, em que es.es negocios es-
to I Mas elle nio da rauio indicio de censar I
otsso, ao menos por.agora, excepto se cuida em
refurruer os edificios, onde estivenm o religio-}
sos, porque a elle meemos cao colima, pois
multase repelidas lao as secularisegea e ne-
nhuma profissio.
Quanto s imposigoes, isso pettence ao refor-
mador : nem com tudo bom disvinu tituto, isto impor na reforma de ama ordem
regular condicoes e obrigagoes, que aioda que
boas e uteis, todava nao receben em sna origem
reforma Beste caso quer dizerchamada ini-
eiacioa observancia estricta da primeira regra
ou de outra nao menos severse nao olvido do
fin primitivo e dos meios, e adopgao de outros
mui diversos, como por exemplo setiala vida
contemplativa para a vida activa.
O espirito da egreja, espirito catholico, eopiri-
to divioo, lem suscitado, e suscita lodosos das
ordena regalares, denodados cam jeois, martyres
doevangelho para occorrerem a todas as mu-
tase a todas as graodezaa bumnai.
Sedeum lado appsrecem ins.ituto, eujo fim
sejam o trabalbo nos hospilaes, ou a cultivarlo
das trras esteries, de oulro nao faltam alguna,
que ae dediquem s misses e ao ensino, oaesmo
a astronoma ; para que pois cbrigar, por exem-
plo, um cartuxo ou umfilhodeS. Joio deDeus,
a ser mestre de eoslno primario, quando ba na
egrejs e bem [brscenles tres congregarles, cu-
i i especialidade esta, sem contar a innme-
ras, que a esse trabalbo tambem iie do ?
Nem eremos nem pensamos, que o Sr. conego
Pinto de Campos psrtilhe da oiinio daquellss
escriptores, nossos e deoutras pules, que tendo
pouca ou nenhuma f, nao esto convencidos,
que tantos servidos prestam a religiio e soeje-
dade os religiosos de vida sctie.i, quando os de
vida contemplativa, cada um em seu genero, um
com a palavra outro com a otaca;, um com oes-
cripto, outro com o jejum e a penileocia, um
com conservar aeui bens, oulro com despresa-
los e dividi-los com os pobres.
A egreja leai muita necesadde da oracio a
muita de actividade, ambas fazem abrir as portas
do paraizo, ambas dao victorias a religiao, ellas
lio as suas armas, e ella uo deiconhece, que a
tempera de urna nao saperio r da outraf.
I Ode-ae dizer, que o retiro, o sitando e a pobre-
ra dos religiosos de algum modo compensara as
deci pac/jes dos seculares, suas orecoes o ol vidio de'
muitsimos.al do oome de Senhor, suis peni-
tencias as sensualidades de outrem, seus jejuns,
as frequentes crpulas nos banquetes e oos fes-
tins, sua devoco a total impiedade ou tibieza ge-
ral; e assim, se oio apreaeotam liante do Altis-
simo uma alma ionoceote, um coracao sem cul-
pa impetram-lhes a dilaco do castigo, e fscili-
tam-lhes meios, oblera-lbes grabas para seu ar-
i rependimento eperdao.
Quaolo a cuovetso de aeus bens movis e ira-
nio veis em papis do estado, dizemos franca-
mente : ae o governo, (que donde deve partir
a iniciativa dos bispos, os quaes podem oo nos-
so estado de miseria pedir e obter meios de re-
forma-las i santa s) lem intenco de esforcar-
ae por levar a effeilo reforma dellas, injusta e
sobre maneira prejudicial Ibes til medida : po-
rem se ellas devera continuar com esli ou pelor
(nao negamos, que es-ardeos religiosas lem so-
bre saus bens o direito de propriedade, direito
garantido pela constltoicao com a inviolabilidade,
e queso a ellas pertanee a administracao delles,
sejam poueos ou sejam muitos) convertam-se
seus bens em apolfees do govern?, e flquem as-
salariadas pelo estado, visto que nao podem por
mais tempo continuar na gesto cu dig$sto del-
les; por causa dos graves prejiizoa, que dahi
vem religiao, a suas almas e a noralidade Pu-
blica.
5oclnformar sobre os edificios applicados ao
culto, quaea os lugares, onde -sii suffleleotes, e
os meios de quanto antes se erguorem e dolarem
novo, onde necessario forem.
Sobre taes pontos, comoj disseme, informam
ojudamente, e de ha muilo, oa b spos e vigarios
capitulares ; ooosso o acabou de fazer em dos
d Janeiro, e o ministro dos negocios ecclesiasl-
ces em sea relatorio aunual tem iempre aponta-
do quaes os edificios, que com mais urgencia
.precisara ser reedificados e entregues soaervigo
vublico. O que porm certo, qoe em ne-
ohum lugar do Braail os templos, sao sulTicienles
oem em numero oem em tamanho ooisa po-
pulacio j creacida.
Os meios para elles se erguerem ata agora tem
aido o das loteras, meio immoral, mas que ae
fallecer, ento Ocaremos sem templo algum : a
piedade doa fiis, para qual ante em vio nao se
appellava, hoje multo resfriada j pouco produry
susienta-la Jeve o governo, e suslen
avilo tempo.
6.-Quanto sirmiud
nstlWicio ; adoptar lia
menos asctica e contemplativa
ts^poi
s organscio
,ue militante
deaempeohaodo-se a regra da> ideaK fcascom
eejeicio autoridades ecclesiuticii brasi-
leras.
Esta iea nos sorri, pprovamo-la, ella seri
Dio s desejavel, mas para Brasil de nauito
proveito, para mailoa de oossos bosaitaes, que
gemem miogua, do quem com espirito verda-
deramente catholico, oa reja e dirija de muita
utilidade, e a noasa midade do sexo femeaioo
de muitissimo gacho, pois com ellas tarso uma
excelleote edueacio, auxiliando as noasaa pro-
fessoras, e auxiliando-as grandemente para for-
mar, como convern, aquellas, que lem depois da
occapar o sublime sacerdocio de mies de fa-
milias.
Nao precisa, porm, tornar o institu oasis
yids activa do que nao queiramo com easa
idea de demasiado ascetismo, priva-lo de ana vi-
vificante selvaa oracio ;se o fizesse menos
religioso, suffocaoio-lo, nio leremoa mais devo-
ta ment, nio teremus mais vocagao, nao teramo
mais irraaas de ca/idade, teremos un instituto
do rebanho catholico. bons prgadores, confuso-
Chriato, e a oos'ta etucacio nio o merecen.
Nio ha inda majano,'gde alguma as-
semblss proviociaVAnrirataesqainho fundos
para, sallafazendo os reiterados rosea dos bispos,
eitibelecerem-ie seanhados seminario; o do
Mfobfa rft>t >s*lm un isdo em 1838, e conlU
nuou nesi estado da quisa mendicidade e di-
solu;So. at que o governo eral em 24 de agos-
to de 1855 reformou-Q,.creando nelle mais alga-,
mas cidetras dd ensiuo qier do curso de huma-
nidade quer de theologja.
Perguntaraos, salisfaiem as cadelra's creadas
s exigencias da classe e a suas vitaes necessi Ja-
de? De modo algum.
Pois entao os mdicos, oe JurtseontiiUos o o*
r>Mliea*Jeoa ten acHemias, alem dos colle-
giM. onde frequebaam os primeiro aooos, e o
clero, sw qosl deve hebtar a illuitracia o a
sMncia, se deve contentar com este pe jueao
eftisoT .-,1. tj /
,-' pois de muiti %ttreifa e de sumraa impof-
tinci o eatabeleotmeato.daa facilidades theolo(rl-
"; abrinio-a,- o roverno etercitsr um acto
ustiQ, fazeodo participante da geral prospo-
i,,*f a* bei>fi'o de nossa liberdade a claa-
todo humano, eqermeiras assalartadai, tetemos! eccleiiastica, at agora eaqiecida, e a todo
s mulheres, e mulheres, aqeom fallece todos postante farida no corrcio mesmo, com o negro
oa meios de manter sua honra e sustentar sna estilete da ignorancia, nao tendo ella onde ins-
dignidade aindo ellas lio expolias ao embates truir-se.
do mando e ao contacto do vicio, poia lutam or-| 9P-- Se entre as hebiUiec,dei para os cursos
dlnariamente com geole, lesida de costames sojperfores, o para a quase letalidode dos empre-
depravada de covagao, e perdhfa de espirito. goa publico*, daverao eslabalecei-se 'provas ie-
Disseotimos porem da sujeicio, que propoe s dispensareis de conhecimaoto da religiao de es-
autoridsdes brasileiras. TranapUutemos a arvo- tado
re para nosso psiz com todo desvelo, com toda O catholitismo ou nio a religiao do impe-
aticngo, traosplantemo-la, como ella em sus rio? Como pois sao admittidos ao curso aupe-
essencia, como ella est em sua existeocis, sem riores e sos empregos pblicos aqueiles, que nao
tocar-lhe na mais pequeoa raiz, sem deslocsr- exhibem documento de profusio ds religiao do
Ihe o menor torrio de trra, sem allui-la dema- eatido? Sendo o governo, e com elle lodo o pail
siado; porque do contrario, exposia a esa aol calholicos, segundo as regras de justica e bs die-
roais rdeme, a ao clima mais hmido, falta de ttsea da consciencis, ninguem honestamente
seu proprlo terreno, maoca de aaa rail, adulto- poder entrar na vid publica d aoeiedade, e
rada, nao como a prodnziu aeu creador, nio co- nella occapar posicos, sem provar aotecedente-
mo cultivara seu dono, nao como a regara sea monte, que catholico, e isto principalmente
jardineiro, brevemente tornar-se-fas rachitica, com o saber aui doutrina e observar seus manda-
definhar, e dentro em pouco crestada inclina- mantos. Assim se prattea em. todos es paizee,
r seus ramos emmurchecidos. onde o governo catholico; nao ha poia novida-
Com as ordens religiosas ou congregarles rega- de de legislacio, exigirmos dos tambem taes
Iires da-se o mesrao, que com as egrejas disse- proVa*.
minadas por lodo o orbe catholico, em quanto ae 10* Senos collegios de meninos o meninas
"gara pela obediencia ao ceotroj i pedra angular nio dever ser severamente obrtfatorio o deseo-
do catolicismo, em qaanto delle recebara seu volvimento doa tstudos da doutrina, di religiao
aumento, parlilham sen amor, e sujeitam-se e da moral.'-
suas ordeos, conservam-se fforescentes, mas des- No collegios, nem podemos pensar, tomo ,
de o momento, em que rompera com seu legiii- que o governo deixa, que ae eduque a mocidade
mo, primitivo e nico superior, e ae constituem aeat principios de raligia, quando ella esti para
um outro sua gulza, tornam-se achismalieas, e a edueacio como o pedestal estatua e como
como taes, nio tendo onde solida o firmemente diz Mgr. Eyzaguirre na ana obra j citada p. 35,
apolar-se, vacillam uma e mais vexea, at qoe quii afraoeaxa-la. a O* que pretendern) regalar
sao prsa do primeiro esperto, do primeiro genio a instraccio publica nos estalos da America de-
usurpador, baixo do meamo plano, em que est nos collegio
nao devemos oem podemos rssosvelmente dea- necionaes da Franca, sapprimiodo o estado da re-
kK da ouea>eac>a> I"9 jareram ao geral ou lgiao aequeceram-se, que em Franca ha diver-
abbadessa de toda a ordem, para, fazendo um siJade de cultos reeoohBCido e pagos pe nacao
ramo a parle, gj-las a autoridades eslriqbas ao que cada ara d'elles tem suas etcolai e collegios
instituto, cortos queso da obediencia, com rel- preparatorio!, a qoa aasim nestes como em a-
Qao todo o corpo, pende a vida e florescencia quellasestadsmosalamnospreviameole.com o
dellas Separa-las da obediencia de seas supe- flevido esmero, o principio da religiao, que
riores natos, para sujeita-las totilmeote a outros. pertencem. Nio succede assim no Brasil, onde
nao justo nem prudente. Nos ji temos uma ae tem feilo ionovacoes no systema de inslroccio
Dem fundada experiencia, para nos deixarmos il- pabllce, procurando dar-lhe uma forma franceza,
ludir: as oulras ordens religiosas, qae uo piiz e, sem consegn-lo, se ha privado a moeidade da
temos, liberlaram-se da obediencis jurada, mas inatruccio maia necesiaria, e que mais ha de in-
cahiram aqu as mos, nio da aoloridade eccla- fluir em aeu porvenir.
naitica, mas ds civil. Alem de que, exige ou nio o giveroo por oc-
i z fromover publicagoes tendentes a radl- caaiio doa concursos isosdeiris de primetrai lew
ear oa principio da moral, cooferinlo-se a aeus traa provas cabaea de recoohecimento da religiao
obrar, o aeclesiastico o ptJmelro.inleresado. a bent fcil : et qui nonjungit, mriiut ftci. Ad
i
inrr- ,
elle pois cucapre, mas que a todee, velar sobre a
eiecBCio da atedio** tendeatM a ene Qm.
Expliqae-e o eatholioitno. e e*tabele;a-aa o
louvavel costme ds* primeiras commuabes,
qae con tsnto fervor se tizem, e a nossa mocida-
de em breve estar regenerada e tnoralisads.
Passamoe i breves reflexdee obre as oecessi-
dades da egrejs braiilelfa, pelo Sr. los Manoel
Garei*.
Cor. 7. 81, 38 etc. ()
Se pela aeguoda, entio tambem neoham ; por-
que na la mais atll sobre a torra do qae o sa-
cerdocio, e nada mal* necessario; elle (rae nos
introdaz no mundo, e qae delle nos deve condu-
zir, depois de havermos em sua vasta acea re-
presentado coso|papel. Onde pois esse pro-
juizo, que se forja o auior ?
Prosganos, muilo ambicioso ser ele. Ora,
J o daaejo de Jottio conveniente e indepen-
do iodo desie trabalbo todo nos preceu, bom, dente em remunerrelo da servijos,dotecio sobre
sao e aproveltavet: sen autor funda todas as sois a qual os ministros da egreja tem direito, e direi-
aulores premios honorficos e pecuniarios, e to-
mando o estado o numero de exemplarea preci-
sos, para convenientemente ae destribuirem. >
As publicares em nosso psiz, sendo sinda mui
custosas, um particular por si s nao pode mu-
tas vezes occorrer s despezas de impressao, faz-
se mister o auxilio do gjverno: elle, que, ani
catholiea ? Sim; porconsequencis, como que
exige, qoe os raeatres aalbam a doutrint da re-
ligiao, e nio exige, que os discpulos estudem seu
deseurolvimeoto ? Um tal esludo deve ser seve-
ramente obngatorio ; nao se trata de ignorar um
ponto de geographia ou una equafio de geo-
metra, mas daigoorancia da doutrina da salva-
mando de tal modo o estado daaseiencias sagra- Ci eteroa, doutrina oa deve aer angada com o
ds, e estimulando o desenvolvimento inlellec-
tual de seus cultores, colher sazonados fracloa:
os principios da moral nao sao mui sabidos entre
dos, toda a aoeiedade brasileira ainda deliea nio
tem muito conhecimento ; publicares baratea o
simples oeste genero sao poia necessariaa. O
clero principalmente d se a este trabalho, e aa-
hir do abitimento e olvido, em que jaz, e lor-
nar-se-hs, o qae sempre foi em todo o universo
o arbitro dos reis e dos povoi.
leite, estudada com a infancia, e conhecida e
professada com a vida, pois d'ahi noa ven im-
memoa benedeios e bens inapreciareis.
Este esludo todava da religiao nio deve a
pender dos meMres e proassores primarios,
eUeaaio aptoa, mas oen sempre proprio; eala
ebrigicio deve correr tambara, cono d ireito,
principal manta palo* aacardotaa caras d ..<*, a
elle canso coalissio saoraneatal do<"adultoa,
assim tambem o catbeciamo aos parvuflo per-
8 Pelo qae toca aj ensino das respectivas lenca. E' triste, que entre nos se teahlaoto ol-
sciencias, decidir, que se leve a effeilo s ex.ecu- viddo este dever importante, quando todo o
Cao da lei, que creou as facnldades de theoiogis, nouo mal, como dizia Loaia Veuillot do* redac-
pois que passado certo praao s d'enlre os asas toros du Siecle e Iqmrnal det Deban, ?en da fallo
doutores deverio aahir os prelados, aeodo Um deconhecimento do eilhecUmo.
FOLHETI1I
o n\i do iedo n
POR
a. 1>E GONDRECOURT.
bem esse titulo de preferencia para o provimento
das egrejas.
Depois de nossa emancipacio politics tem o
governo imperial, para a boa e recia administra -
c,ao da uslica a seas subditos, creado duaa aca-
demia de direito civil, on le a mocidade dedica-
da a esse ramo slidamente ae preparassa s en-
trar na publica administraco. Para formar bra-
vos e instruidos geoeraes, e educar o exercito oo
estudo profundo dos preceilos da.guerra, estaba-
leceu escolas militares. Para ser denodados of-
Chamamos a atteoco dos senheres bispos para
este ponto de la o subido alcance, porque envolre
a moralidade do povo, da aoeiedade, e das fa-
milias. Etabeiec*-ae firmemente a explicacio
da religiao edos preceilos da moral pelo* paro-
cbos as suas egrjaa aos domiagoa e quinta-feiraa
e o paiz ver com mais alguna aonoa, quanto
ter lacrado na civiliacao de seas fiihos com Uo
til prztica.
Noi collegios e casas de edueacio *eja severa-
mente punida a filia d'este ensino ; e, mais que
uciaes na armada oascente, que defeodessem tudo, oio se permita a eatraogeiroa e nacime
nossas immensas coilas, e i Europa e ao muodo de seitaa dissideoles eslabelece-los, ainda que
levassem oosso nome, abra oselas da mariohe, elles affirmem, annuneiem, apregoem, e jaran
e aa doa apreodizes marinbeiros. Para occorrer meamo, que a religiao do estado aera iotegral-
com remedios acertados humauidade afflicta a menta ominada, e aaas pratica escrupulosamente
molesta patenteou nos duaa academiaa de med- observadas ; porque elles nio podem falsear seu
cia: mas para obter bons mdicos daa almas, aystena de guerrear o eatholicisrao a todo transe:
bons sacerdotea de Jess Chriato, bou* pastores mas tambem nio s o governo civil, qae deve
observares besea todos os saus juizos, decide
lodosos seus pontos de cooformiaade com os de-
cretos e caones dos coociliaa, mxime do tri-
dentino, e com ss patarras mesmss da escriptura
sagrada.
E' bem verdade, como diz o autor, que toda a
decadencia oa toda boa vootade na observancia
daa lei* cannicas, a por conseguinle, todo o de-
leixo ou todo o fervor noe ministros da religiaoo,
geralmeote dependemdos bispos, qae foram pos-
tos oa egreja pelo Espirito Santo para rege-1, e
que esposam-na para ama-la.
No Brasil porm, o que podem fazer os bispos ?
De quem vio elles laocar mi para enviar s
missdes, e para ajada-Ios na reforma, se mesqui-
nho o numero dos sacerdote*, e se mui pouco
preparados i taes combate* entrara elles no sanc-
tuario do Dos aleroo?! Se elles estiveram por
tantos annos at com prohibidlo de ordeosr seus
subditos, como ja disaemos. a ae anda eatio ma-
niatados e impedidos de lomar qaalquer medida
decisiva em favor deseas rebannos, em prol de
suas egrejas, porque preciso, e indispensavel
consultar antes o ministro do* negocios eccle-
siasticos, e se elle nio quizer, nsda se fsr?
Gomo obrar com energa, como observar asais,
como seguir a juatica, quando ae impedido ?
Se o governo intervem em todas a* questoes
religiosas, ainda mesmo as de lana-caprins, e
nio deixa livre a vontade ao pastor do rebanho,
pare julga-las em sna sabedoria, decidi-las se-
gando o espirito daa leis da egreja de Jess
Cbristo ?I
Oacsmos uma leslemonhs insuspeila, Ugr.
Eyzaguure pg. 45. a Sem sccio livre os bispos
do Brasil, para formar aeu clero do modo, que
prescrevem as le da egrej, nao podem li*on-
gear-se de haver imposto sempre suss mios, e
impresso sempre o sagrado carater aacerdotal
em individuos dignos detamiohi honra. >
Bem certo, que os bispos sio encirregsdos,
oio pelos homens, mss por eus. para ensinar e
para santificar, para eapalhar a f, e para gravar
no coracao da humaoidade a Jess Chrislo : mas,
preciso dizer, no Brasil, continua o mesmo au-
ior a pg. 83,uma autoridade dicta a cada passo
leis egreja, e regula as obrigacoes, que Deus
impoz aoa ministros da ana.religiio ; o ensino,
que receba a mocidade naa escolas, imtruccio,
que se di aos jovens nos collegios, nio sio vigia-
das pelo pastor ; porque uma lei lhe veda toda
intervencao em aqualles estabelecimentos : as
pastorees e os sermes ao povo hio aido s vezes
aibmettidos censura da autoridade poltica. Os
bispos, coarctados deste modo no augusto ejer-
cicio da seo ministerio, nao podem cumprir o de-
ver, que Ihes incumbe de iniciar a reaejio reli-
gioss.
E' necessario que o goveroo Ihes restitua o
livre exercicio das attrihutcoea, que lhe usurpa,
devolveodo-lhes com um acto de juslica a inde-
pendencia e o decoro, de que ae ihes ha privado
com grave detrimento da f catholiea.
Logo do nu estado doa nossos negocios re-
ligiosos os menos culpados sio os generaes da mi-
licia da egreja, elles bem aabem o qua Ibes cura -
pre fazer em beneficio de seus diocesanos, e des-
encargo de suas cooscienciss, mas nio o podem ;
porque o governo do nosso paiz nio o permiti e
o veda.
Paras psg. II das Breves Reflexdes pedimos a
atteoco de nossos leilores : sea autor ah enun-
cia doutrinaa menos certas
Tr'anacrevemoa textualmente todo o paragra-
pho, para entio sua vista demonstramos a fal-
sidade.
< Devendo-se nicamente conferir ordeos aos
que tiverem eatadado e residido nos semioarios,
e nanea a maior numero do que necessario pa-
ra oservigo divioo, atiento o prejuizo que disto
resulta para a aoeiedade, maito ambicioso ser
aquella, que alem do beneficio que alcancar, pre-
tender ainda aer dotado conveniente e indepen-
deatemente, porquanlo no caao de preterico,
para nio esmolsr de porta em porta, resta-lhe o
aeu patrimonio, (") e no de suspeosio ou de per-
da at a reintegrado ou acquiaici de novo be-
neficio, como professor psrticular, nio lhe fallir
pelo menoa um escudo contra a miseria.
O autor afflrma, que est determinado o nu-
mero de ordinandos, ou que o deve estar ; por-
que, ae ae ordenar o maior numero do neceaaa-
rio, ha prejuizo para a sociedade : anorto am sa-
cerdote, e apparecida a neceaaidade de oatro, re-
crutar eolio o bispo um s pressaa, e lhe im-
pori as mios para aabstitui-lo, quena pode con-
cebar plcidamente tal comedia ? Mas elle pro-
va sos proposicao ; < atiento o prejulio, que vem
i sociedade perguntamos-lhe porem qual es-
se prejaiio ? Ser, porque de vera os sacerdotes
guardar aa regras diaciptioaea do celibato, ou
porque sio inuiets, e por isso prejudiciaes so-
ciedade ? Se pela piimeira razio, neohum pre-
juizo abaolutamente vem i sociadide, senao o
apoatolo nio dira : Qui tine uxort tsi, tollici
tus ett, qua Dominisunl, quomodo ptaeet Oto...
Igitur et qui matrimonia jungil virginem suom,
to divioo, porque diz o apostlo, que quem tra-
balha no altar, vive do altar txado de ambi-
cioso 1 Maa, talvez seja verdaderamente ambi-
cioso o clero, se elle com dignidad* o com inde-
pendencia pode sstisfazer seas deveres na so-
ciedade con o estado actual das congruas de seus
beneficios ; rati sh I qual hoja no Brasil, o ci-
dadao que nie aabe, que nio esti convencido, e
qae nio almeja, que a sorte do clero em seas or-
deoa,dos seja melhorsda T S o Sr. Garca.
Se o sacerdote ainda com o aeu benelicio (se o
alcancar) oaj est a coberto da miseria, como ,
que se ha de dizer ambicioso, porque desj, e
pede nio o saperfiuo, nao o laxo, nao o demasa-
do, mas o necessario para aer dolado convenien-
te eiodependenlemente ? Pois entio com trin-
ta mil reis { tanto gaohi um beneficiado J por
mez. se pode viver ao menos convenientemen-
te t
Dir, talvez, o aalor, aomo dlzen todo oa es-
palos preohes de novidades e de modas : os
padres dizem aaas miasasHas oh I quem pode
contar com dinheiro lio iacerto, como aio as es-
molas ; e depois, se o aspecto religioso do paiz,
temlo triste e desanimador, eomo confusa o
autor pagina primeira, sem duvida nio muitaa
pessoas mandara o celebrar miasas, e se o man-
daron), nunc ser em numero, com que todos o
sacerdotes, por exemplo das' capltaes, poissm
contar todos os dias. Isto j st edigo, tantas
sao as vezes, que se lem repetido ; mas elles nio
tem outra cousa que dizer, outra desculpa, que
prestar. '
Porem elle
(Cos turnes doa nona des.)
TERCEItU PARTE.
VIII
(Conlinuaco.j
A baroneza d'Amatadt encarou o seu interlocu-
tor com o olhar turvado. A audacia e aaogue fri
daquelle homem eram espantosos. O sea sem-
blante nada exprima de mu ; ontretanto acaba -
va elle de proferir palavras tamo mais impiaa e
crueis, qusodo era preaamivel que passando por
seus labios viessem ellas impregnadas de todas as
astucias da hypocriais.
Pelo menoa assim peosava a aaroneza, a qual
aio polia admiltir que o cumplice de Waller es-
ti vese de boa linease seu proposito de arrepen-
t i ment, e naa sua resolacoes rehabilitar-ae
doa crimes passadoa por meio da uma boa accio.
Francisco era perfeito physiononisla, e poia com
um rpido olbar penetrou no piinsameoto da ba-
roneza ; tratou logo de demonstrar quea sua pro-
posigo era somente feroz oa upparencia ; por-
quanlo eslava na firme resolucic de fazer que fos-
sem esqueridas por uma conducta exemplar aa
infamia cora que at eolio havia manchado sua
existencia.
. Sen hora, cootiouou elle, atienda V. Exea
que tranapondo o limiar de sua porta deixei ficar
l fra os despojos do bandido. Veja como son
humilde peraote o olhar irritado de V. En., e
cooaldere bem que oio venho iupor violencia>1-
guma i sna autoridade maternal. Ped a mi de
sua fitlia ; mss nio fiz esse pedido pondo ihe ao
peito uma faca. V. Exc. pe rfeitamente livre ;
pode aceitar ou recusar...
Nao recuse!, senhor, interrompeu Toereza
com desprezo eniremeiado de lagrimas arranca-
das ao aeu orgulho: repelli semelhante arrojo...
Como quizeers ; eu doo punca importancia
spalavrss. Pois bem, V. Exc. repellio o pedido
mui nstursl que lhe Qz, mas permitli-me obser-
var-lhe que nio rejeitou os muiros ; esio estes
motivos que quero ter a honra 1* desenvolver no
caso da qae o cooeiata.
A baroneza guardn silencio, ergueu ao cea os
-seos lindos olbos, e esperou cam re*lgntc,i.
V. Exc. aio acredita nan oceridade da mi-
nha eonversio, replicn Franciieo : isso razos
val 1 Que neeessidade teris en do cooseotimen-
to de V. Etc. para desposar midemoisella sua fi-
las, se nio fosse o projecto qu< forraei de vallar
i Europa, e passar ali tranquilla e honestamente o
reato dos neos dias ? i5ua flllia, por ventara a
coohece ? Nio : uma joven co deserto, uma
H VMf Diario o. 111.
rabe. E para obte-la de Waller, ou arranea-la Julga V. Exc. I Pois nio sabe que eu exilei-me
ao seu poder, era de neceaaidade qua V. Exc. o no deserto pelo amor desregrado que tinha i li-
permittisse ? Creio que oio. Eolio para que es- berdade? Cono aerei o proprio a forcar as iocli-
lou aqu como risco de miohs vida, senao para na;5es de susfilht? Senhora, eu quero vivar
cumprir ama formalidade reipeitavel, o que honradamente ; e portento nio desposarei ma-
prova maia sufflcieote de minha volt* aos sent-. demoisalle de Seelorf sem o consentimeolo de
menloschristios e civilisados ? j seus paes, apoiado na ana livre determinacao, e
Thereza vacillou peraote a lgica desse racio- depois de lhe haver feito a minha eanusiio
cinio : encarou deata vez a Francisco com tanta geral.
piedade como colera, e lhe reapondeu :.< | A baroneza olhou para Francisco com esse
Nio me illudo sobre os sauasentimentos, e olhar profundo e seguro de ama mi. Francia-
nio posso nelles acreditar : porque se o senhor co cooservou-ee impaasivel, e supporlou sem
1 estivese sinceramente arrependido nao teria a in- perturbarse aquella tacita interrogarlo : no aeu
| qualificavel audacia de mercadejar com tsnlo cy- semblante lia-ae a serendede d* rectidio. Nin-
nismo o preco de um servico que devera aer guem diria que esse homem mentia.
uma simples reparaQio. O arrependimenlo bu-, Ser fpossivel I exclamou Thereza. Minha
Conc. irid. sess. do ref. cap. 2.
d sua razioporquanto em caao
do preterigao etc.Como preterico. se nio ae
devem conferir ordena a maior numero, do que
necessario ao officio divioo
Se a o numero necessario, para ocenpar os
beneficio, se ordenar, enhum aera preterido,
mas tolos empregados ; e no caso de vagr um
bioeficio, ou o bispo nio querer mais uliiissr-se
de um sacerdote, oa elle mesmo esteja iautilisa-
do, e mpozer as mios em outro, ahi Dea eass
desnecessario, cousa que o Sr. Garca oio pode
aupportar, visto qae resulta tambem grande pre-
!} sociedade I Comtudo. elle auppa ver-
dadoira preterito, porque apona o meio para
combate-la : para nao eamolar de porta em
porta resta-lhe o aeu patrimonioe cita o Cooc.
trld. na sess. 21 de reform. cap. 2o qual sobre
isso s diz.... to quoque prius ptrspeelo, pa-
frunoniui illud vel ptntionem ver vb ei* ob-
ixnert taltaqua e>e qua sis ad vitam lusten-
tandam tatxs $it. E alguna bispos lem marca-
do, que para ae instituir patrimonio, nao aeja um
objecto de valor ioferior a 6008000, e aempre
ueste valor, que oa fazem. Ora, por exemplo,
um ordinando, que coostitue seu patrimonio en
um terreno no valor de 6008000, como oio o po-
de vender nem hypothecar, a poder afora-lo,
mas quem que qaer aluger terrenos t e se o
aluga lio diminuta a quantia, que d'ahi lhe re-
vertira, que nem convem fallar dolae nisto,
que se funda o Sr. Garca, e para isto que ap-
pella no caao que o clrigo seja preterido, apa-
ra O patrimonio f
Ora por favor oem nos lembremos disto.
Admiramoa porem do Sr. Garca, jovenallas h-
bil, e que eatudou o curso theologica no semina-
rio deata cidade, chamar de ambicioso a padre,
porque nio ae contenta com o aeu beneficio, e no
cjso de perde-lo, nio se satiafaz com as rendaa
do seu piogue patrimonio I
I
Se pois chegado o tempo, em que a religiio
catholiea no Braail retome aeu* foro*, e readqui-
ra aeu poder, necessario, que o governo s de-
mora, e comete por depr um mal entendido or-
gulho, com que sempre obra, e por entrar em
ama senda mais recta, mais plsna e mav nobre,
deixando a menos recta, a cheia de entra-ves e a
menoa nobre, e compenetrando-ae da iajuelic,a,
com que lem at aqu tratado a egreja btaaileira,
habilite aua memoria e reconhega oetla nao urna
escrave, mas uma sociedade livre nio usurpado-
ra, mas respeitadora do* direitos de outrem,. oio
emula maia auxiliadora de mutuos interseos,, nio
revolucionaria, mas amante da paz e da eoccor-
dia.no prejudicial maa til, nio dispanaaveK maa
oecessaria, nio obscurantista, mas progressista,
verdadeira, nao insuportavel, mas doce e suave,
nio inimlga, maa amiga, nio uma aoeiedade hu-
mana, maa uma aoeiedade fundada pelo Bilbo
mesmo do Eterno, qoe tomou carne humana, *(
ItaUtavit in nobite com boa vootade, desejo
rdante e verdadeiro espirito ebriatio, queira en-
tabular de novo aegociecea com a aanta s para
levar a effeilo uma cotfcordala.
S uma concordata aeri capaz de curar nossaa
eofermidadea, e aeri para nos a panacea jo ver-
sal, contra a qual nao haverio malea, que resis-
lam, nem difficuldades, que seoio rebellem: com
uma concordata coa*eola-se a egreja, e conten-
ta-ae o oslado, eochugam-ae a* lagrimas-da tan-
tos coracoea catholico e cumpre-se os votos de
too o imperio ; con uma concordata a egreja
f**) Multas outraa provas pderismos adduzir,
ma* nio noaso intento, nem a occasiio azada
para discutir o celibato.
Verdadeirameote nio sio nada solido os fun-
do gio ifos privilegio* e cooctuss qua os pe-
md privilegio S uma le particular; est l*x pri-
vmta, aliquod iptciale bmtfieium conoeden$Q
como tal s pode servir aquella *d quem'foi dado
e a aproveitar a sua peaos, salvo caso} /Je fa-
zer-se extenso a oatro : ora,*) gwoe* a privile-
gios, qae a cor a de Portugal obteve, foram-lha
singularmente conferidas, e o papa, couceisor
nico d'elles, oio osestendeu s outrem, porcon-
sequencis, o Brasil tornando-se oulro que Porto-
gal (gozava emquaoto era am estatlo son) elle)
oio poda aroca-lo nem chama-loa asi.
a O primeiro Imperador do Braail sio devaa o
throoo a herang palero, mas sin) a uoiouna
acclamacio dos povos, so recophecimento nacio-
nal pela sua sublima renuncia da corda affonsi-
ns; assin os direitos do padroado, que pela baila
de 7 da junbo de 18)1 o aummo pontiSee Lelo X
concedeu ao Sr. re D Manoel e aos seus suc-
cassores sobre todas es egrejas a dominio ultra-
marinos, nio lhe sio transnlssivots. A jurisdic-
cio civil, con que nomeam es bispos, e provena
os bsoeflcios ecclesiastieos, assegurada aos mo-
narebaa brasilelros. como eneres do poder execu-
ivo, pelo psragrapho segando do ortigo 102 da
coostiluitao do imperio ; falta-lhes porem a ja-
risdiccio cannica. (16)
Com urna concordata, como a que celebrou o
imperador Francisco Jos I o'Austris com a aan-
ta s, todas ss necessidades e interesses da egreja
serao remediados; quando porm seri qae O go-
verno melhor intencionado, prestar verdadeira
attencao a religiio do paiz, que camioba para sua
extioc;io?
Dizia em 1857 o Dr. O. da G. Lobo no seu ci-
tado artigo ji citado, que, como o mal oio est
oas instituices, maa nos horneas do poder, e co-
mo estes mndam todos os dias, nio era para du-
vtdar que a'um ministerio chegue a enconcon-
trar-se um verdadeiro catholico quando sobre o
throno tem bavido maia de am aanto ; eomla-
do at 1857, em que elle ialo escrevea, oio ha-
va apparecido, de 57 a 62 ninguem dir que sim,
j pouca esperanc. nos resta.

Por isso como a concordata vira maito tarda, a
a eofermidade, que cruelmente alacoa o seati-
mento religioso do paiz, recrudeact espaoteao-
mente, e faz-ae miater oppr um paradeiro j a
j, com receio, que quando ae quizer cuidar, j
estej em um periodo fatal aponamos alguma
medidas mais, slm daa que j fleam consigoa-
das no corpo deste artigo qae noa pareceram pro-
prias a adoplar-se na scloalidade.
A primeira reforma a operar no systema da
educago da mocidade.
Eaina-a muilo trances, muito inglez, muita
tiviiidade em todos os collegios, em muilissitnaa
escola*, em algumaa caaaa, mas nada de religiio,
de moral, a de temor de Deus.
.Quaado como diz o Sr. G. Ar Sonto, se nio
cuida rdes os edueacio deade a Dais pequea eda-
de da creanga, e ae lhe oio derdea ama inatruc-
cio moral e reiigioaa, licae cerloa, ato que pede-
ris ter ssbios, mss nio homeos, de que poda-
reis instrair a alma, mas nunca tornar o cora-
cao. (i7j
O goveroo, qae quizer educar aeus subditos,
abitrabiodo da religiio, oio educa, perverte, nao
Ilustra destroe, A religiio oa edaceeio, isos
meio, que penetra, que sustenta, qua esclarece,
que anima todos os demais meios. Tuda aanr al-
ia ae pede e enfraquece, sem ella tudo fraco,
vio, falso, perverso a desprazivel. E' s a reli-
giio, qae faz da edaeacio ama escola de respailo,
e nio s de respeito- maitegualmenle de verdad*
de vrtude e de felicidade. (18)
Neala remani pedimos, aeaio qae se adopte
e se fses praticar, o que se l ns concordata, da
que j fallamos, da Austria nu art. 8que todos
os meslrsa das escolas elementares sejam sab-
mettidos inspeccia ecclesiastica, e que o go-
verno nome inpeesores das escolas dentro aa
pessoas, que o bispo prapaier; mas se aconte-
cer, que aellas nio se atienda bastante i ioatruc-
cao religiosa, o biapo tenba maia. ampia liberda-
de de Bornear um eccieaiaMico para ensinar o ca-
thecismo ao menino: assim s poder ser pre-
ceptor de menino, quem liver ums crenca firme-
e pura, o uma conducta irreprehenaivel.
Quanto- ao enaino secundario ninguem aera
nomeadoprofeiior, sem psovar er catholico, a
catholico observante ( por attettadoa de seue vi-
garlo* j. nem o goveroo- permiltir que siguen,
que o nio aeja enaloe, mesmo particularmente.
Nenhum compendio ae adoptar para uso de
qualquer estabelecimenle publico ou particular
era previa revisio da* autoridades eccleaiaati-
caa : a ellas tambem aovo competir o exame da*.
doutrina, que nelles se eaaioaten, e o direito da
informar o gov*roo, e pedir providencias ( qua
sejam atteodidas ) contra aqueiles. qae, abusan-
do da posicio, que oceupan, lolrodazlrem ideas-
contraria a integridad da f catholiea.
[Continuar-ft ha).
milde, e o aeu, senhor, insolente.
111 ha aentiri algama indi na cao para com o'
Meu Deus I que culpa lenho eu de que as-'nhor I A sua fama de cuete rabe te-la-ha fas-
sim seja ? retorquiu Francisco com suavidade. cimdo a ponto de arraata-la para o implacavel
Ha malvados a quem a graga de Deus ae faz sen- inimigo do seu sangue 1......
tir com inleira misericordia : estes passam repen-
tinamente do mal ao bem. Ha outros, porm,
que seguem ama progressio mais oa menos lenta,
que nem por isso deixa de aer meritoria : el o
caso em que me acho. Depois, senhora, obaerve
ainda que foi mademoiseiia sua fillia, quem,
por auas virtudea e belleza, me fez romper com
Sataniz. Amo ardeotemente a essa joven : a
triste o penaamento de que, se nao a deapoaar,
poderei ainda mais eoterrar-me no loda;l das
miohas abominace 1 Vamos,senhora, nio du-
vida ; o cu, maia clemeole que V. Exc, quar
alvar-me; elle, poia, a aconselha que me es-
tenda a nio.
Nio isto; creio mesmo que a senhora aua
filha poueo a grada de mim ; porque o aeu
coracao esl preso em Ksar-Djerid: ji disse
V. Exc. que Slamia ama a Brahim, filho de
Waller.
Entio, replicn Thereza estremecendo, co-
mo eapera o aenhor agradar-lbe?
Agrada-se de muitss maneirss, Sra. baro-
neza, retorquiu Franciscopalo prestigio, espi-
rito, carcter, belleza, e meamo fealdade, em
summi pelo.... reconhecimeoto. Mademoisei-
ia de Seelorf tem viva a imaginario, a alma bem
formada.... quero erar que es tendera sua mi
voluntariamente peasoa que a restituir i aua
E Francisco adiantou a mi para a baroneza mi, eo sen r)aii, i sui religiio. Se
que deaviou o corpo como i preieoca de um rep-
til. Todava teve ella lempo de readquirir um pou-
co de calma, e obedeceodo a uma inspiracio sa-
lutar, cooseotlu em continusr e al mesmo sus-
lentou a conversarlo, revestindo-se de apparen-
cia menoa desdenbos.
Admitamos por um momento que eu con-
sinto nesss nniio, que nio tem nome; er o se-
nhor qae meu marido se aviltar a ponto de ap-
prova-la ?
V. Exc fornece-me excelienle occasiio de
fszer brilhar a minha sioceridade, e ousaret di-
zer o meu deaioteresse, reapondeu logo Francia-
co ; porque se o Sr. bario de Seelorf nio appro-
var o seu cooseotimenio. dar-ne-hei por balido,
e retirarei o meu pedido para ir virar oo esqueci-
mento e na dr. Nem por iaao deixarei de reati-
tuir-lhe aua filha, certo de que aeu pae algam da
aentiri o remorso ds ingratidio : tanto peior para
elle I
Thereza presin ou vi lo atiento a ests resposta,
que laocou-a n'um pasmo profundo.
E de mais, replicn ella, haremos da tornar
a ver nossa filha, e encootra-1* depois de linios
annos, para violentar-lhe o coricio, a razio a a
mocidade, impoodo-lhe uma uniio que nio pode
deixarde ser-lhe odiosa ? Para diaer-lhe : oa
te resgatamoa a preco derte teirival sacrificio ;
demos a nosaa palavra, e casto o qae costar de-
ves cumpri-la ?
Al de mim, ahora! Cono Uo nal me
isto ums
da m'a nio
illusio, tenha V. Exc. a candada
desvanecer.
Madama 'Amsiadt delxou eahir o rosto entre
ss mios, e gaardou silencio. Sbito, porm, er-
gueu a froote e exclamou.
Bem : aceito as suas condieceabem en-
tendidose Magdalena e seu pae tanbam acce-
derem.
O Entio, d-me o seu consentid!ento ?
Sim.
Jure?
Jaro. Agora qnando verei ninha filha?
E' no que vamos trabathar, reapondeu
Francisco, eujos odos pela primeira vez desde o
eomeco dessa cooversacao brilharam com o fogo
sinistro ds ambiguo atufeita.
Nio perca um iostaoie, retorquiu a ba-
roneza ; reatilua-me a minha querida Magda-
lena. Oh I que nio posaa eu roar ao eu en-
centro I
V. Eu. bem qua o pode....
Homem mu I E para qua demorou-me
tanto tempo l exelanou a infeliz mi erguando-
se com uma louca e tocaote agitacio.
Temos primeiro algunas priciages a
tomar.
Preeaacoeal
Sem duvida. V. Exc. nao pode aahir da
eidade seoio diifargida, aobreado iodo en ni-
nha companhia: a demais a viagem loaga....
' Para onde na quer o Sr. cooduzlr i
Para o Paiz do Medo.
Oh I miseravel 1 exclamou Thereza cabio-
do sem torgas sobre a esdeirs.
Quando digopara o Paiz do Medo, obser-
vou Francisco Klein, fallo aimplesmeote das
suas fronteiras. Cooduzi-la hei at o Ksar-
Djerid, onde reside mademoiseiia de Seelorf.
E posso, e devo fsser eu semelhante via-
gem ?
Porque nio? Eu serei o sea guia, e defen-
sor eo meamo lempo. Quem ousar fallar ao
respeito malher collocada sob a aalra guarda
de Sidi-Ghrellab I
Oh 1 agora compreheodi o lago grosseiro
que o senhor eslendia-me : tomou o designio d
arrebatar-me como o fez com mioha fllbi 1....
Oh I aenhora; pode V. Exc. ullrajar-me a
ponto de fazer uma tda lio mesquinhi da mi-
nha imagioacio I Justo cu I Se eo quizesse rap-
ta-la, t lo-hia feilo ha quaai quioze annos em
Argel: dispunha de meios para isso. Senhora
baroneza, consulte i sua razio. Para que fim
teria eu o trabalho de rapta-la ? Ji lhe disse
que Walter, que a amava loucameote, agora a
deteata ; toda a existencia deaaa homem ae acaa
concentrada na alma ana fronte de Slamia. Lon-
go de regoaijar-se com a sbita apparicio de V.
Exc: no ksar tenha a certeza de que (Icaria ater-
rado; porque V. Exc. para elle uma ameaga
do castigo do cu, s mi vingadora aberla so-
bre saa cabega criminosa. Nio tremer elle por-
ventura vendo a aaa querida Slamia recoohecer
o seio que a oulriu? Nio o assombrar a pre-
seoga de V. Exc. com a sna magestade de vic-
tima e de mi ?
E' verdade i Meu Deus! E' verdade I mur-
murou Thereza acabruobada com o corpo tr-
mulo e o olhar abrazado.
Assim pois, prostguio Francisco, oio
mui seosato auppr-ae que pretendo illudir a
sua ba-f.
Mas com que fim eonduzir-me psra lio
longe? Porque antes nio arranca minha filha
desse lugar amaljicoado ; porque oio a tras
aqai?
A razio maito imples. En oio posso
arrancar mademoiseiia Magdalena da caaa de
aeu pretendido pae, aenio por algum acto de
violencia, como o indica a propria expresso, de
que se oarvlu V. Exc. Para isso quem poderis.
persuad la de que chrislis, que os Franceses
sio seus amigos, e V. Exe. sua mi, em aumma
qae eu aou aeu bemfeitoreu, o odioso raptor
de Seellsberg I Querer que por am acto de te-
mentida vi roubar a joveo, como ji roubei a
menina, o mesmo qoe querer expr se com
toda a certeza ao odio a desprezo de sua filha,
que a tara lagrimas para chorar o impaator qne
ha quioze aanos reconhaaaeomo aeu pae, e qua
abeogoari em todas sssnas supplicas '
Ohl cile-se,
nha pobre esbeca.
quegol
Has, coottnuou Francisco com enthuilas-
no, se V. Exc. leguir-me so Ksar-Djerid, as
cousas se passirao de outro nodo. A doloroso
(16) Apont. relia;, do conego Joaquim F.-Pi-
nheiroart. A concordata da aanta s.
(17; A instruccio elementar devo ser confiada-
ao clero por G. A. Sonto.
(18) A religiio na educaeio, por Mgr. Bupao-
loup.
viagem que vae V. Exc. emprehender por entre
mil perlgosatlestsri que suas panarras nio
aio fingidas. Esta semelbanco com sua filha, as
lagrimas, a eloqueocla sagrada que fteus costu-
na dar a essa voz arrancada do mais intimo das
entraosa maleraaesluda, tado, servir para
convencer, at mesmo a inquietscio, at mesmo
a perlarbacio, e o odio do impostor. O fogo do
cu brilbari naquella alma filiar; Magdalena
correr aos bvacoa de aua mi ; o o seu msrty-
rio cessar, pobre malher I
Parlamos, partamos j I exclamou Therezs.
Nio quero mais reflectir pode ser que ainda
besitasse....
Pronunciando estas palavras madama d'Ama-
tadt cahiu de joelhos com aa nioa poetas, epoz-
se a orar com tanto fervor. Quando levantou-se
o seu nobre semblante eslava inundado de la-
grimal.
Deas manda confiar-ene no aenhor, tsse
ella a Francisco qae se ce-aserrara n'una poeta-
ra respeilosa e pareca profundamente conmovi-
do. Que importa que aeja Uludida I Uma vos ne
diz aqui dentro que tornare) a Ver minha Elba...
Nio me devem sorpreoder os tlenlos da pru-
dencia.
Agradego, sendors, a conanga que em mim
deposits. Dei-lhe a minha palavra ; e V. Exc.
conhecer maito breve que os bandidos da mi-
nha especie teem momentos, que se deve apro-
veitar. Jaro que ha de ver sna filha, e que eu a
proteger! contra qailqaer perigo. Agora antes
de seguir-me cuide em dar aa suas disposiedes.
J lhe disse qoe estou prompta.
Perdi ; V. Exc. deve pensar, na cruel ia-
qoielacio de aeu marido quando aoaber da ana
desapparigio de Laghoual, *em que ninguem lhe
possa dizer a direccio que tomou.
OSr. d'Amstadt ficar lsente ainda por un
mez: antea disso nio estarei de volta ?
Espero que sim : eotretsoto nio ser man
preveoi-lo de sua resoiuclo.
J que falla em meu mirido, interrompeu
vivamente a baroneza, porque o aenhor nio aa
dirigiu antes a elle do que a mim, porque me
veiu eacolher para confassar-ne o aeu arropen-
dimento, e os seus projectos?
Seohors, responden Fsracisco imruediata-
nente, os melhores homem e os mais bravos oio
teem como a mulber para con aeus fiihos a ge-
nerosidad qae aconselha, e a intrepidez que faz
obrar. Se eo me liresse dirigido so Sr. de See-
lorf a encootraria da parte delle impetoa felaes
felicidade de V. Exc. e de aua filha. Vend-
me sea marido s coosaltaris i impiragao di vin*
gaog, quererla s darrsmsr o neu singue; a
nio eitou inda de todo reconciliado cora Deus,
e comigo mesmo, para expor-me seto proveito a
esse Isnce perigoio niis ainde pare V. Exc do
qne para mim. O Sr. de Seelorf nio oreditaria
cile-ie, desgrsesdo I a mi- una s palavra de todo qaanto eu disse, ter-me-
se perde.... Ohl ea enlou- bis feito passar por anaooaelho de guerra : eu
seria morto, e sua filha perdida para sempre. Es-
colhi antes i V. Exc, porque segando o astado
qae taoho feilo do coracao hamano era quem
me poda compreheoder, confir-ie m mim,
despresar tmida* appreheasoei, e nio ver senao
a filha querida no termo da viagem que propuz,
Cootei com a sua iaapiraeao. e como v oio. me
enganei. Demais, aeu marido poda apreaeotar-
ae a Walter? Nao, porque esle mata-lo-bia>....
ao. paaao que V. Exc'.he muito aagrada, porque,
a teme como a vergonba e o remorso....
Tem sempre saa&ol murmurou a biaooez,
qjue tomou a peona para escrever.
atalhoa-a logo em principio, di-
Francisco
sendo:
Nio podemos partir aeoio d'aqui quatr
horas. V. Exc. tem lempo para pensar oo qaa
vse escrever. Entretanto vou correr um pouco
a cidade. Pode narrar aoSr. bario todaa as par-
ticularidades que quizer, e annuncir-ihe qua
muilo breve leiei a honra de ve-lo pora dar-Toa
boas ooticiaa de sua esposa 4 de aua filha.
O aeahor vem buscar-me aqui
Nao aria prudente. V. Exc deve sabir
pela porta do aul como quem vae dar um pasaaia.
Ha da encontrar-rae na extremidad doa jar dias.
Nio preciso muita cousa para a loriga vtagOfll
qne vamos emprehender: eu leohatudo provisto
e preparado. Esti coovencionado .
Sim.
Maito bem, repllcou Francisco.
E erguendo-se do lugar em qae ae achava, es-
palhou palo chio todos os objectos contidos naa
aibardas do seu asno.
Deixo aqui ficar todss astss oinhsrlss: di-
virta-ae em contempla-las. Mademoiielli de See-
lorf costums uaar de muitos deste* objectos noa
seus trajes diarios ; por exemplo: cintos assim,
sandalias delta forma. Oh I tranqullliae-se -. por
pequenaa que parecam, aio muito grandes para
seus deliesdos ps.
Francisco Klein com primentou a baroneza con
esqaisita solidez; a levando i costas as albar-
das retiroa-se com o passo leva do botarinhelro.
que tem eavaiiado o lea fardo e eochido as algi-
beiras.
A criada da baroneza olhou de rorz pata esse
homem coberto de andrajos, a sabio? aptaauda
para junto da aaa ama, qae encontrn ibsorvlda
naa bogigangas de Oued-Souf e do Soudaa.
Madana fez bou eompri ? pa.gurrtou a
criada. r
Minba amiga, reipadaa a pobre nolher,
com um lorriao que se lhe aio vi* i qefnze aa-
nos, como mademoiseiia Magtilaoa nio ficari
bonita com eatea eofeiteal
E dizendo lato desdobrou no funda bronco da
um kiick de seda, um ciato de refieles de ouro
bordado de purpura.
(Coa.iwaar-u.Jie).
PiRN. TTP. DR M P. DI FARU FILHO 18*3.
aaaai