Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08577


This item is only available as the following downloads:


Full Text
nno de 1847.
Saarunda-fera 29
O-1)1411 II) pnlilica-ae todos w dias que nlo
rem de guardi i o preco d a tjflflft rs.por quartel, pae;"! adantarint. Os n-
nuncios dos assi','tiantes SH^iiiseridus i roslo de
50 rs. porlinlia, tQrs.emtypo dlflereate, e ai
repetjes pila metnde#(>< que ii I in nss.'g-
nantes pagaro 80 rs. por linh, e 160 en lypo
dilcrent, por radj publicado.
P11ASE8 D.\ LA NO M* DE NOVEMBRO.
I.ui ora, i, os &I minutos da maiina".
Cteicente th, i 8 hora e Si mln. d laide.
PARTIDA DOS CORREIOS.
GoiannaeParaliibsegunds esextas feir*.
Rio-G rande-Jo- .Norte quintas feiras ao rneio-. I a
Cabo, SerinliSem, Rio-Formoso,Porto-Calvo e
Uaceirt. no I.", a 11 e 21 de cada mez.
Gara nliun e Bonito, a Bel!.
Boa-Vi'ta e Flores, a f S e 18.
Victoria, s quintas-feirai.
(Miada, todos os das.
PREAMAA DE HOJE.
I ua cotias 11. .7 hoias e 4 raid, da tarde. Primeira, as 0 horas e 18 minutos d inanl..
Miugoatite a 19. s 1 horas e 1 min.da larjje. [Segunda, as 9 liorat e 41 minutos da tarde.
de Novembro. Ann XXIV.
!f. **0.
das da semana.
19 Seg. S. Saturnino. Aud. do J. dos orpb. e
do J. doc. 30 Terca. ^f S. Andr.Aud. do J. do civ.
da v.e do J. de paz do 1. dist. de t.
I Ouarta. S. Eloy. Aud. do J. (lo civ. da?.
v.e do J. de paz do 1. dist. de t.
1 Quinta. S. Bibiana. Aud doJ.deorph.
e do J. muoicipal da t. vara. -
6 Seita. S. Francisco Xavier. Aud do do
civ. da I.v.e do J. de paz do I. dist de t.
4 Sabbado. S. Barbara. Aud. do J. do civ.
ila l. v. e do I 'Ir paidot dist. de t.
5 Domingo. Geraldo.
CAMBIOS NO DA 1T DENOVEMBRO.
Sobre T,ondres a 18 d. por II rs. a c
Pars 338 rs. por franco.
Lh*-v& a 100 de premio.
Deje de lettras de boas lirraas I a l|8 /.
Onro-Oicasl-espanholas.... 1800n .
Moedas de 61100 velh 1of 100 a
de GflOi nov 10/001 a
, de4|000..... ffi0<>
Prota Pataco*.......... I#980 a
Pesos columnares... I*940 a
Ditos mexicanos... I#100 a
. Miuda....t........ 1*930 a
Acedes da comp. do Beberibe de 60/000 r
DO dial.
ao m.
?J00(>
ISfzflO
Ifi/IO
8JI0P
2|llflO
IJ980
USGO
l|980
aopar.
DIARIO
-p
RNAMBUCO
.Jg'jL. -La5
EXTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE TERNAMBUCO.
LISBOA, 30 DK 0CTUBRO DE 1847.
Contina nublado o horizonte poltico. Asdiflieuld.t-
des sao graves; os males que tantas discordias ho en-
gendrado roem as miranda do paiz; e o remedio del-
les nao he fcil, nrm pode deix.tr de ser (o heroico co-
mo he violenta a cnfermid.tdr.
A opalhia governativa, em circumttancias taes, toma
as proporedes quasi de uina calamidad.-, lie necetsarlo
intrirar-se beln das sltuaroes, reflexionar sobre o modo
de drcldi-las, c depuis superar os obstculos.
Hesitar li arriscar a perder ludo. O ministerio per-
inanece-na niesma irresolucao. Sem o apoio de nenhum
'partido, fluctuando entre lodos, no sabe querer, < pa-
rece que tem Hiedo 'de governar. Hoje a mal urgente
necessidade do paiz he ter governo, egoverno que se
veja, que se slnta, e que trabalhc para reconstruir o
edificio que *e retente de tantos sacudimenlos. He isto
desgracadamente o que nao temos.
Tem-se querido reproduzir aqui actualmente a situa-
co de 1838. Naquelia poca os balalhcs da guarda na-
cional, commandados por Soares Caldeira, estavam
promptos a arlnar-se, c a sal i r para a ra, menor coa-
lf.nlii-c-Tni, ao menor recelo que lvrssem de que o go-
verno deento nao segua os seus dctame c capricho!.
Hoje acontece o mesmo oein os batalhOes nacionaes,
commandados pelo marque de Fronteira. o qual parece
ter em constante coactan-o governo. Em 838, rtses
continuos desacert di rain o golpe mortal ao partido
progresslsta, no clebre dia 13 de marco, em que hou-
ve a sclsao entre os ditos batalhes commandados pelo
visconde de S, e a tropa do linha commandada pelo
conde de Boinfim porin o governo, por esse acto de
vigor, livrou-se d nina influencia altamente prejudi-
cial. Hoje, no tem lido lugar cssa scisao, porque os
hala limes nacionaes estilo fraternizados coin a tropa de
linha, c porque os govrrnanles nao sao capazes de to-
mar a retolucaoqueaquelle toinou ; porin, se as consas
i-iiniinii iri'in im ini-snin i -stadn ; se os cali ral islas progre-
direm na intriga, c pde-se muito bem dizer no predo-
minio ; he de recetar una nova conflagrado no palz; e
he iss, segundo se da, o que algucm pretende evitar.
He inquestiouavel que o conde de 1 homar tem o apoio
da corle de Hcspanha, c por conieguinle o do gabinete
das Tulherias ; c se acaso poder Ir ao poder, a Influencia
ingleza ficou perdida completamente na Pennsula.
Ksta raso, eas deinaisque deixo ditas, teem dado lu
gara espalhareiu diversos boatos, > 11 n vou communlcar-
Ihe ; porin cuja veracidade no alianco.
Em nriini iro lugar dlz-sc que o principe Alberto, ma-
rido da raii,h.i de Inglaterra, serevra nina carta a el-
rei D, Femando, aconselhando-o a que tratasse de nao
aiiasiar o amor dos povos do throuo de seus iMIhos, a
que cumprlsse Belmente o protocolo, e que nao consen-
iiss, que os Cabraes fossem ao poder. Asscgura-se que
el-rel D. Fernando est as melhores disposica a esse
resprito, c d consistencia a esse boato um artigo pu-
blicado ltimamente no EilandarU, jornal cabralista,
cin que se styginatisa o procedimento de el-rei, e em
que se diz que elle nada tem como governo do reino,
porque lli'o prohibe o artigo 90 da carta constitucional.
D-se tambein que S. M. a railiba declara, que nada
quercoin os Cabraes, mas hesita, vacilla em tomar qual-
querdelibcracu delinitiva contra os tramas desses hu-
men.
Ajunta-se que Sir II. Seymour, ministro de Inglater-
ra, o qual por motivos bem palpaveis protege o partido
oppostn aos Cabraes, vendo a irresoluto do governo
para tirar a estes toda a preponderancia, nao exige a
inmediata subida ao poder dos homens da junta do Por-
to, mas ilizi ni quc.declarra n'uma nota muito categ-
rica, que se nao se noineav uin ministerio em que o
paii tivesse niais confianca, que obrasse coin mal ener-
ga ; ge nao se procedesse reviso dos recensenmentos,
para que as cleicoes fossetn, o inais possivel, a expres-
sao da vntade nacional, elle pedia os scu passaportcs
c i i'ii av.-i-sc para bordo da esquadra ingleza.
He por lso que este dias lein corrido o rumor de que
0 concelheiro Rodrigo da Fonseca Magalhaes se achava
encarregado da nomeacao de um novo ministerio do
qual lin iii.ii .un parte o conde de I. ivrailm, Antonio Jo-
s d'Avila, Jcrvi de Athouguia, e outros cavalheiros ; -
que se procedera dissolu[ao dos balalhes ; -- que se
lua a reviso dos recenseamentos, adiando-si- a aber-
tura das curtes para marro ou abril; e que se deinit-
li i iaui todo os goveruadores civis (excepto o de Coim-
braj incluso o tnarquez da Fronteira.
He certo que o governador civil do Porto j foi exone-
rado, mas foi porque pedio, segundo dizem, a sua de-
iu9so, em coiisequencia dos caceteiros do Porto Ihc tc-
rein imposto fr\a una lista para a cmara munici-
pal, na qual ia incluido o facanhudo Jrronyino Carueiro
Giraldes, como j Ihe coiujnuniquei. O conde de Pena-
nacor queria rjue a lista fosse cabralista, mas de pessoas
decentes; porcm, vendo-se, porassim dizer, violenta-
do, resignou a sua misso, e obrou com dignidad''.
I-'.ill.-iv.i-sc de que se achain demiltidos alguns outros
goveruadores civis ; porcm, euiquauto demisso do
inarqiiet Uc Fronteira, pance no bavrr nada de exac-
to, porque o Ti-iii/.n, jornal ministerial, desmenle for-
maluicnte ese boato, asseguraudo que o governo lein
plena coiiflaiica no marques, como o inais decidido sus-
tentculo da ordem. Piovaveliuenlc os deinais boato
teem tamo fundamento como este.
Entretanto, parece imposiKel que o actual ministerio
possa subsistir por muito lempo porque quasi diaria-
mente occorrem factos que na verdade nao o acredilam.
1 liiniaineiiie aconleceu um (pie lian causado a maior
i nipi i-ssao, e do qual os iniuiigos do mioUtei io se teem
nproveitado com vantagein.
O inlnislro da lazenda, Marinho Miguel Frauzini, pu-
blicou urna portarla dirigida junta do crdito publi-
co, di/i-inlo que nos cofres da n.esina junta drviaiu exis-
tir s fundo siillicieiilcs para coinecar desde ja pgal-
os eus dividendos. Sendo isto verdade, e nao se leudo
reallsado o pagamento, pesava sobre a junta o maioi
encargo, porque desailciidia aos clamores de tantos mi-
litares de familias, das quaes o nico recurso, he o juro
que reccbe.ui das anas apoliers, e que no se leudo pago
ha lauto lempo, existeiu na maior miseria.
Era, pois, uigeiilissiiuo que a junta dsse a raso do
seu descuido, ou negligencia, aiu de se lin ai do odio-
so une dabi Ihe proviuba. Kis-aqni a resposta da junta
citada portara:
'feudo baixado junta do crdito publico a portara
de-Jfi do correte uicz de outubro, expedida pelo mi-
nisleiio do negocios da fazeuda, declarando que no
cofres da referida junta devein existir avultada som-
mas, destinadas ao pagamento dos juros da divida ftin-
dada, e que porconsegulnte deve desde j eoiuevar-se
o pagamento dos juros vencidos no Segundo semestre
> de 1846 c podendo suppor-se que a junta no tem
aberto os pagamentos, leudo para Isso os meios sufli-
lenles, ou que no tem emprrgado as diligencias ne-
cessarias para o fazer, manda declarar que val publi-
car o estado cll'ectivo de scus cofres, bem como oex-
tracto da diligencias que lein feilo para cumprir com
o sen dever ; c.espera que o publico, confrontando a
a sua exposieo coin aportara a que se alinde, vira no
conhecimenlo de quaes sao os meios que tem para
n cumprir oque desnecessariaincnle se Ihe recomend.
ii Junta do crdito publico, em 23 de outubro de 1847.
K Ignacio Yergolino t'ireira di Sonta.
Vina tal rcsposla mosii.i pouca circumspecco no
ministro que man'dou lavrar a portara, e dsobejo mo-
tivo aos iuimigos do governo para o guerrearen!.
Oiitro facto ha tambem que nao depe muito a favor
do Sr. Franzinj. Parece que a commisso agente liuan-
11 al em Londres no quebrou, como se disses mas sus-
penden os seus pagamentos, em consequencia do Sr.
l-'i :m/iiii nao ter remetlido a lempo a lema competente
para npromptar os fundos. Diz-e que a lettra foi a final,
mas que o Sr. ministro da fa/.enda dissolveu a commis-
so. Parece que por etes c outros motivos, nao perma-
necer por muito lempo no ministerio oSr. l-'ran/.nn.
O governo acaba de Hornear seis novo pares-que so :
os Sis. Rodrigo da Fonseca Magalhes, baro de Chan-
celleiros, Manuel Duarte LeMao, Jos Antonio Mara de
Souza Axevedo, Nicolao de Arrochela e Macarlo de Cas-
tro da Fonseca.
Os jornaes progressstas acham que o nomeacao do Sr.
Rodrigo da Fonseca Magalhes, para par, foi inopporiu-
iii, porque roubou cmara dos deputados o chele do
partido do centro. Os jornaes cabralistas censuram a
nomeacao, por nao tevem sido uella contemplados os
condes de Viuhaesc do Casal, que linhain maisdircito
ao pariato do que os agraciados.
No dia 22, houve una numerosissima rcuuio cleiloral
realista, presidida pelo conde de Barbaccna, na qual de-
puis de um debate dsete horas ac decidi, que o par-
tido realista losa urua, que se organisasse sepa-
radamente, e que votasse exclusivamente nos rleito-
res se le n In islas para deputados. No Porto j linha ha-
vido oulra reuniao, presidida pelo general realista Guc-
des, que adoptou a mesma resolueo. Os cabralistas i ha-
mam a isto servilismo da parlido realista.
O Diario publicou ltimamente una portara, man-
dando proceder com lodo o rigor contra nina qua-
drilha de salteadores, que na noite de 8 do corrale ata-
cou, nos-arrabaldes de Ponte-de-I.ima, a casa do inare-
chal decampo Francisco de Mello da Gama Araujo, pren-
dendo-o a elle c mal aos seus criados, c roubando-lhe
o melhor de 10 mil crusados, em pecas de hi illiaiiles,
nuro c pi ala iii.aiin l'aciui alia, c inoed.i cuiihada. Tanto o
Diario como s demais jornaes Icetn publicado um lon-
ga rrlaciio de todos os objeclos roubados.
Como S. M. a rainha couipletou 8." uiet da sua gra-
videz, niandarani-se fazer preces pro felici parta.
Nt> dia 22 chegou a este porto na nao ingleza Hoice,
ai-oinpanliada de. un vapor, a rainha Adelaide de Iugla-
lena, viuva deCiiiillieinie IV, de passagein para a Ma-
ilera, onde va passar o invern. S. M. B. foi recibida
com lodas a honras dividas sua alia jerarcliia. El-rei
D. Fernando, e os principes U Pedro e 1). Luii; for.tm
cumprimeiita-la a bordo, c S. M. II. veio no dia srguiule
pagar-lhcs a visita, e visitar a nona rainha, ao palacio
das Necessidades, onde houve um esplendido banquete,'
a que assistio o ministro biitanni'o, e o almirante a-
pler. Estavam postadas duas guardas de honra, una no
caes de Belm, e outra no largo das Necessidades. S. M.
B. veio em coches da casa real, e acompanhada por un
esquadro de laaceiros. A corte, os ministros, e olliciaes
mu es e menores da casa, assistiraiu a esta recepeao of-
licial. S. M. B. demorou-se aqui cinco das, e parlio no
dia 17 para aMadeira.
Os jornaes progressstas teem publicado ltimamente
as representaces que. o conde de I homar c seu Irmo
Jos Bernardo da Silva Cabral teem dirigido ao throno
para seren reintegrados no cargos de concellieiros de
asi.ido. de que foram demiltidos por decretos de agosto
de 18-10, decretos que elle julgaui nullos. Por cmquaii-
ui,linda nao foram reintegrudos.
No dia 20 do crreme leve lugar o casamento da lilhu
da infanta D. Anua de Jess Mara, com o conde de llcl-
inoute. A cerimonia verificou-se na capclla do palacio
do duque da Terceira eiu PedroU90 ; e o banquete veri-
icou-se no mesmo palacio.
No mesmo dia chegou do Alemtejo o regiment de
infamara n. I. El-ie, com parte do sen estado-maior,
foi recebc-lo; assim como as msicas dos corpos da
guarntcHO. A iniprciisa progrcssiita, aecusando o dito
regiment de ter coinnietlido diversas tropelas, censu-
ra que el-rel fosse asslstir aoseu desembarque.
Ni dia'i preseueioii-se aqui um phciiomeno alnios-
pherico pouco coiniiuiiu nesie paiz. Foi nina aurora bo-
real que, pelas 10 para as 11 horas da nolte, se manifes-
tou do nordeste para o oeste, por espaeo de alguns mi-
nulos.
Asuotieias doPorlo dlzcin que as demasas dos cace-
teiros teem sido all lao escandalosas, que os mesmos
jornaes cabralistas clainaiu contra tas exerssos, e pe-
den! providencias repressivas. Nos outros pontos do rei-
no tanto ao norte como ao sul uo se goza a inclhor sc-
g i ii. i uta pessoal; posto que os jornaes progressstas
exageran! mullo os lacios.
No Porto tem-se verificado vendas de grandes porces
de vinbos velhos, a 60/000, 6.18000 e 70/UlK*ris a pipa.
Tamben! se tem exportado para Inglaterra minios
bois, levando s o vapor t'alcao 130 de urna vez, tendo
cuslado algnmas juinas de bols 18 modas
A crvela Porto, que se fabrica naquellacidade, est
miiilu adiantada, ecusla menos niel.ule doque se fosse.
feita no arsenal de Lisboa. A crvela foi ajustada por 24
coutos de rcis.
Parece que se trab ilha paht tirar da> mar o maehinls-
ino du vapor Duque do fono, que naiiliagim o aunopas-
sado as praias de Mattozlnhos.
Ilnnleni lo ii da aiiiiivei.saio natalicio "de el-i ci I).
Fernando. Houve beijamo.que esleve coucorrido como
do eosiinne, e lioilc abri o lin asm de San-Carloi,
com a nova compauhia, ltimamente chegada de Italia".
Esta compauhia be minio boa, sendu os cantores de
maior mrito os dous tenores, um bartono c una da-
ma. A euinp mln.i de halliai mus be lainbeiii niaguilica.
A opera que se rcpreseuluu foram 'os Fosear i, por nao
liaver lempo de se cusaiar a, Jounna d'Acic, que val bre-
vemente em scena.
PERNAMBOCO.
TRIBUNA I DA RELACAO'.
JULCAMENTO NO DA 27 DE NOVEMBRO DE 18*7.
Destrabargador de semana o Sr. Ponce Ledo.
Na appcIlaQo civel entro Maflool Francisco da Sil-
va o Anna Joaquina dos Prazeres, matidaratn aver-
hnra lii/.inia.
Na d*a dita enlre Joflo l'eroira Lagos e Uartliolo-
meu Francisco de Souza, receboram os embargos.
Na dita (lila entre Jos Joaquim do Olivoira c
oulros e Manoel l'ereira Teixeira o oulros, delirirain
n peticito para se lavrar o termo de desistencia.
Na dita dita entre Francisco Bispo e o juizo, julga-
ram improcedente o recurso.
Na dita dita entre Severina Francisca ta Costa eD.
Anna Maria Joseplia da Costa Alves, -mandaran) dar
visla ao curador.
Na dila dita entre Joaquim Correa de Araujo (por
si c coino tutor do seus lilhos menores) e Albino Jos
Ferreira da Cimba, despresaram os embargos.
Na dita dita entro Luiza Tltereza de Jesus l'ontes e
oulros o a fazeuda publica, mandaran dar visla ao
procurador desta.
Na dita dita entro Paulo Tolentino de Barros Ni-
gromonle (por si o como tutor dos orpltifos seus ir-
mos) o D. Maria Marroquina de Jess Nazareno e
outros, mandaram dar vista ao curador.
Na dita crime em que silo parles Jos Gomes Vil-
lar (roo preso) ea juslico, mandaram yir a nppella-
eei por traslado.
Ta' IE pffiiBMT
'jJ33jaa3Sj 3C CD-fi a'**Jaai'JJ^'J) 3)2 33^.3.
O brigue Daino troujie-nns cartas do nosso correspon
denle de Lisboa, de 10 a 30 de outubro prximo lindo
c nlguns dos peridicos que se publieam nessa capital.
Tendo comparado os datas desses peridicos com as
dos recebldos anteriormente, reconheemos nos que
nos faltavam inultos nmeros; porquanlo, havendo
estn alenncado n i4de semlembro, os que recebemos a-
gora comecam a 27 do precitado outubro c terminaiii no
incauto dia em que f"i escripia a ultima das referidas
cartas .
Destas, entendemos dever Inserir em piimeiro lugar
a inais moderna, por narrarem factos mas recentes.
As mitras, que exararemos para o dianle descrc-
vem de modo bem pouco llsongciro o estado das Cnan-
ra de Portugal ; drinonstram a posi{o falsa do ac-
tual gahinc ; auguram a-proilinldade de sua queda;
do cunta da inancira porque 03 irmos t.abraes, in-
flueiu poileros.tiiiente nos deslinos dos Portugneies ; ~
annunci.tin a prcsuinpco, que ha, de reassumirem cl-
leso poder, logo que termine a lucia eleltoral, visio
como he quasi indubitavel que trunipliaro completa-
mente nessa lula ; annunclain, eiiitim, diversas oceur-
rencias que inais que muito revelara as criticas cir-
i-iiiiistnncias do paiz : mas, em parle alguma, fallam
do proiiuiiciaueiito do Pico-dos-Ilegalados, de que tra-
tava a correspondencia do Espaol que transcrevoinos
em um numero deste Diario.
Quanlo aos negocios do reino, as gazelas quasi nada
adianlam ao que nos eommunlcao correspondente; pois
qu, alm do que este nos diz, apenas vemos ah a no-
ticia de acharem-se SS. MM. e AA. lio paco das Neces-
sidades no gozo de perfelU saiide ; bem como a de ter
chegado ciirte, no dia 2.ri de outubro, c aprcseiilado
a credencial a 28, o Si. conde de Eslerhasy, en'viado ex-
traordinario e ministro plenipotenciario de S. M. Impe-
rial e Real Apostlica.
Atsitn, porcm, no rcontecc quanlo ao exterior : o
Diario do Cmerno e o "alrioin, acensando recepeao de
folhas at 24 do predilo mez, trarcm nova de Hcspa-
nha, de que o mesmo correspondente se nao oceupa, e
de que os nnssos leitores anda se nu acham iutei-
rados.
I.niquanto as cortes no'rrsolvesscm o contrallo, os
direilos de portas deveriam ser arrecadados, oulravez,
pela fatenda publica, e nos poni pnra e9se ll'ui desig-
nados antea da suppresso dos mencionados direilos.
Fdr.t reformada a organisaro interna da secretaria
do ministro do reino, de modo a ficar esta dividida as
seguimes repartieses ; sub-seeretaria ; prlmelra di-
recfo do governo ; segunda, de adininislraco geral ;
terceira, de beneficencia, correccao e saiide publica ;
qu.ai ia, de ore imenio. eontabilidadc municipal c pro-
vincial.
O Heraldo e mais alguns jornaes annunciavaui mu-
dancas importantes no pessoal das reparticics superio-
res, subjitas ao ministerio cuja reforma noticiamos a-
cima. l-igurariam em semelhantes iiiudaucas as na-
meaefles de chefes politicos para Almera, Teruel, Hu-
elva, Castellon-de-la-Plaua, Albacete, Toledo, etc.
Assegurava-seque seria rcstabelecidoo lugarde secre-
tario do enneelho de ministros, e conliadu ao Sr. Sara-
goza, deputado s cortes, .
Toda a Imprenta peridica censurava, como illegal e
fraudulenda, a converso, ciii ttulos de .'! por cenlo, de
una somina enorme de atrasados da casa real, verifi-
cada durante a adininistraco do Sr. Salamanca.
O peridico, que por ultimo citamos, assim se expri-
me a scinrlbante respeilo :
Todos os jornaes teem-se oceupado muito, uestes
ltimos dias, dcuinfactoque, revelou o Clamor Publico
sobre a conversan, em ttulos de 3 por cenlo, de una
quanlia enorme de atrasados da caa real, ensinuando
a ijue davam aesle negocio um carcter pouco favo-
ravcl s pessoas que nelle tinham interferido. Km
i consequencia disto o Sr. Pena Aguayo, como inlen-
(i denle da casa real, e o Sr. Salamanca, como ininis-
tro da lazenda, sob cu|a administraran se verilicou a
operaco, escreveram cartas aos jornaes, juslilicau-
a .Im-sc cada inn na parte que Ihe diz respelto. O pri-
ineiro destes cavalheiros assevera que se no pagou
a cun titulo de 3 por cenlo uiai do que a parte dos
atrasados que consista emlctlras protestadas; de
conforinidade com a lei de 14 de fevereiro de 1845 ;
e nega enrgicamente que tenham ido malversadas
estas quanlias. O Sr. Salamanca dli da sua parte, que
- o intendente de S M. reclamara que estes crdito
fossetn declarados centrallsaveis, c em clrcunutaii-
ii cias de serein convertido em ttulos de 3 por cenlo,
segundse tlnha praiicado-cora outros. A reclamacao
passou pelos informes das dirccccs geraes de co""~
billdade, do thesouro e junta de liquidacao de orcdl-
tos contra o thesouro, com cujo parecer se conform.au
o 9r Salamanca, declarando centralisaveis as quanlias
reclamadas. Parece que o expediente segua os seus
tramites, quando o Sr. Salamanca sabio do iinniste-
K ro, sem que anda se tivesse expedido o Competente
mandado para a entrega dos titulo ao Sr. Intendente
do paco.
A isto podemos nos accrcscentar que a nterven-
cao da iuiprensa neslc negocio provocou a attencao
do governo, que nao linha antecdeme nenhum, e
que ueste mpiuento c esto colligindo as necessanas
InformacOes para dcscobrir a verdade, c aqhar oque
este assumplo tem de obscuro. r ,
O banco de San-Fernando ia-se reslabelecendo : j se
trocavam farilmcnte os bilhetes que apparcciain.
O Eipagnol acompanhra outras gaiclas na assevera-
co de havero captao-general de Madrid mandado pren-
der o fvncral Portillo dentro do paco, em occaslo eui
que solicitava urna audiencia de S M., e ordenado que
elle evacuasse a capital no prellxo prazo de 24 horas. --
lin dos jornaes progressstas allirmra que o general
pretenda a nio de urna princeza da familia imperial.
As autoridades policiae tinham obrigado apaar-sc
de Madrid para Valencia o balxo do theatro decanto,
denominado do Circo. O Heraldo e o Popular, que elo-
giavam a polica por esse acto, nao se dignavam de de-
clarar quaes os motivos que o aconselharam.
O governo decretara a suspensao da venda de bens
dos uicstrados e cotnmendas, assim como a conver-
so dos atrasados da casa resj) : e adoptara, disposice
importantes sobre as noineacoes c accessos dos empre-
gados de Lazenda. ,
O Sr. general Narvaez pedir c obtlvera demissao do
car^o de ministro de estado dos negocio estrangeiros.
Este cargo lora confiado ao Sr. duque de Sotomayor.
O Sr. Narvaez licra encarregado semiente da presi-
dencia do concelho de ministros.
O Sr. 1>. Fernando Alvarez lora Horneado subsecreta-
rio do ministerio dajustica.
Corra que o Sr. conde de Santa-Coloma seria dcmit-
lido do lugar que oceupava junto a rainha. OSr. de
Santa-Coloma era a pessoa que mais vezes acompa-
nliav.i a rainha ; pareca merecer n plena confianca de
S. M. ; c suppuoha-sc que a sua dcstltuicio parta do
faci de no querer elle ingerir-se as intrigas pala-
cianas. -
Tendo vagado o lugar de administrador da Gattta de
Uadrid, o governo o conferir ao'Sr. Gaya,' administra-
dor do Heraldo.
O mesmo governo reintegrara o Sr. D. fienano Alias
no cargo de secretario do governo civil de Lugo, de que
o oViiitira o ministerio passado.
As novas ltimamente rece billas das provincias como
que convergalo a fazer crer que os facciosos, muitos
dos quaes se tinham apresent.ido aos cominandanles das
diversas columnas de operaces para serein admlttidos
ni indulto regio ; que os facciosos, dizemos, se aeh.t-
vam em apuros, e prestes a dcbandareni-se. Na Ca-
talunha os guerrilhas iam em notavel decresciuicnlo :
em Genova cram elle licenciados temporariamente,
com a rrconimrndacao de estarem sobre aviso, afim de
apresenlarein-se logo que fossein chamados :em A-
reorys-dc-Mar, retiraram-sc precipitadamente os que,
em numero de 250, c sob o cc-mmando de Marsal e Jux
hauy, assaltaram a casa do commissario de polica; e
que, no tendo podido penetra-la, assentaram de ferir
a um dos soldados-de Cal.les, que, com seis camarades,
ia comprar o rancho, para assim din m mu trstcmunho
irrevogavel da sua estada nesse lugar : -- em Posas, a
qual i o legoas de Gauta, ftigirain ante as forjas do com-
uiand mil-gcial dy ilisiiu in de Valles, deixando alguns
signaos de terem conduzdo muitos feridos.
Pelo vapor Paracnst, chegado hoje dos porlos do
norte, recebemos jornaes do ('.cara al 20, doMara-
iilio at 17 e do Para at 10 deste mez.
No Ceai.), conclw'ra-se a elei^o dos dous sena-
dores que cssa provincia tem de mandar cmara
vitalicia, depois de escolhidosporS. M. o Imperador.
Lis como sedividiram os 63* votos dos diversos
collcgios :
CANDIDATOS DO PARTIDO COVERMSTA.
OS SBMinnES:
Carlos Augusto Pctxoto de Alencar......
Joilo Chrisostomo de OIrveira.........
Francisco de Paula Pessiia ------.....
Candido Baptista de Oliveira.....
Gregorio Francisco de Torres c Vasconcellos -
Manoel de Barros Cavalcante.........
VOTOS.
- 498
468
467
462
42t
32t
CANDIDATOS DA OI'POSICAO.
VOTOS.
270
17
151
IOS
95
89
OS SENHORES :
Vicente Ferreira de Castro Silva.......
Jos Antonio Preira ibiapma........
Antonio Pinto de Mondonga..........
Andr Bastos de Oliveira--------.......
Manoel Felizardo de Souza e Mello ------
Francisco de Souza Marlins r.....
Assim, pois, triumphou o governo nessa elcicjio ;
o triumphara, sem duvida, na de deputados, nao
s ahi, mas tal vez em todo o imperio : o que nao
duvidamo Itaja de acontecer cmquanto o nosso sys-
tema cleitoral fr regulado por leis igaesasque
liavcinos tido at o presente.
Ja que fallemos em eleicao de deputados, releva
que digamos alguma cousa corca deasa com que
orase oceupamos Cearenses.
No dia designado cncetaram-sc os traballtos que
devein de proceder semelhante eleigo.
O Pedro II, peridico opposicionista allirma que
quasi todos elles foram feltos irregularmente esob
a influencia da polica e da fri;a armada : o 'e-
rme, ponm, que he orgao da gente dominante, as-
- --


JU^SW

-
severa que silo destituidas de fundamento as aflirma-
$ocs do seu adversario ; algumas das quaes (cum-
pre que o confcsscmos em abono da vcrdade) s3o
prvidas documentalmente.
Ambas estas gazelas rcfercm um acontecimento
bem desagradavel, que a 9 do corren te, tivera lu-
gar na matriz da capital Cada urna dellas esforca-
se por fazer recahir a responsabilidade do facto so-
bre o lado quo professa principios oppostos aos que
defende ; mas o quo est (ora de toda a duvida, lio
que o acto foi praticado, c que cobre de eterno op-
probio os seus agentes, pertcncam elles este ou
aquello lado poltico; como, por si mesmos, miga-
ra o os leitores vista do que vamos drzer.
Eram duas horas da tardo poueo mais ou menos,
eos nimos j so nchavam exaltados por alguns in-
cidentes de pequea monta, quando certa voz pro-
clama que o procurador da cmara Tora insultado
por um rapaz governista, de nome Raymundo : ao
vir essa voz, um lilbo do mencionado procurador
dirigc-seao insultante, e trava briga com olle. En-
iiu manifesta-se a desordem ; os cceles, as ca-
deiras, as bengalas, asmaos, ludo he instrumento
propno para a offensiva e defensiva .. e o sangue
corre no templo daSenlior.'... Apparece a guarda
O Para continuava a gozar de tranquillidade.
O Trese de ftlaio &\i\& constar-Uto que o vapor de
guerra Guapiassu', entrado no porto dessa provin-
vincia aos 22 de outubro deste auno, ia partir para
o Alto-Amazonas, e que o governo imperial desti-
nuva outra barca a coadjiiv.11; o Guapiassu' no exclu-
sivo servico interino da mesma provincia.
Communicado.
CIO,
...j pala-
le se conserva vista do povo, at que, a-
caimado o motnn reconduzem-na para a matriz.
A 10, o reverendo vigario Peixolo de Alentar dir-
gira-sc ao templo, afini do levantar o interdicto oc-
casionado pelo ilerramamenlo do sangue. Sua Re-
verencia declarara cxcomniiingados lodosos indi-
viduos que cooperaran! para semclhanle successo.
llcstabelecida a ordem, continuaran! os interrom-
pido Irabalhs.
As duas principaes parcialidades, em que a pro-
vincia se acb.i dividida, j tinlia publicado as listas
doscidadaosem que prctendem votar para depula-
'I a -"raes. Ei-las :
CANDIDATOS DA OPPOSIC.\0.
Os Srs. Dr. Miguel remandes Vieira.
Antonio Jos .Machado.
Andr Bastos de Oliveira.
Jos Pereira da Graca Jnior.
Raymundo Pereira de Araujo Lima.
Jeronyino Martiniano Figueira de
Mello.
Pedro Pcreirii da Silva Gnimariies.
Francisco omingues da Silva.
CANDIDATOS DOS GOVERNISTAS.
Os Srs. Curios Augusto Peixoto de Alcncar.
Prederico Augusto Pamplona.
Thomaz Pompeo deSouza Brasil.
Jnaquim de SabJanha Marinho.
Miguel Joaqun! Ayres do Nascimento.
Domingos Carlos deSaboya.
Joto Fernandas Barros.
Jos de Assiz Alves Branco.
O rerense noticia que o Iris resussitra sob o ti-
tulo de Impaicial.
O l'edro II allirma que, a 29 de outubro ultimo, o
juiz de paz de San-Bernardo fdra espancado, em
Imite do respectivo qqarlel, e na presenca da senti-
nella, por um soldado, e dous sicarios mandados
vir do Aracaty. O peridico accrescenta, que, termi-
nado o espaiieamenln, soaram vivas, no quartel, a
jnern tiniraa perna a vmcarangueijo !
O Maranhilo prosegue a bracos com os ligneiros e
exclusa islas.
A i'! do predito outubro, a presidencia suspender
chele de polica, por diversas omissOes no cum-
plimento dos seus deveres; e designara para substi-
tiii-lo o juiz municipal siipplcnte ededireito inte-
rino, Albanoda Fonseca Pinto.
A T, a villa de Vianna vita correr o sangue mara-
nhense, por causa da quesUto cleitornl I.....
<1 l'rogresso, ao narrar o occorrido attribuc luilo
aos exclusiaislas pois que assevera, fundado em do-
cumentos olliciaes, que, tendo do prender-se corlo
sujeto criminoso que eslava n'um gru|io dos mes-
mos exclusivistas, esse grupo tomara a resolucilo de
espantar a ccele a palmilla encaregada da diligen-
cia ; e que, bavendo o delegado mandado effetuar
a prisSo por dez liomens commandados pelo ajudan-
lo da companhia de pedestres, os espancadores re-
cebera ni-n'os com una descarga, de que resultara o
ferimenlo morlal de um sargento e de um cabo, as-
sim como o fallecimcnto de qualro cidadSos, Com
a descarga fdra correspondido, a catastrophe mo
produzlra smente os lamentaveis elfejtos quo tomos
apuntado; cumprehendra mais algumas pessas,
que licaram levemente feridas.
Dnosseamerciedos Brasileiros!.' Aqui, derrama-
se sangue por causa da quesillo elcitoral!... No Cea-
ra, verle-sesangue por igual motivo!!... No Mara-
nhilo, o sangue corre, ao tratar-se da cleicSo !! .'...
Ser isso plano infernal ? Acaso os representantes
do povo tcro de sentar-so nos bandos da cmara
quatriennal, comas vestes salpicadas do sangue do
mesmo povo ? Esperaremos pelas noticias das outras
provincias, para podrmos responder a estas per-
guntas que dirigimos a nos mesmos.
O precitado Progresio annuncia o triumplio da li-
ga as duas freguezias da capital, c as de Vinbacs,
Paco-de-Luimar, Itacanga, Rozario, Itapicur-Mi-
rim, Icatu, Tutoya, Arayoscs, Miriliba, San-Malhas-
de-Alcantara San-Vicente-Ferrer San-Joo-do-
Cortcs, Santo-Anlonio-c-Almas, San-Bento, Vianna,
San-Joao-do-Curupu, Coroat. San-Miguel, San-Sc-
bastilo-do-lguaru, Chapadinha, Santa-lllena, Co-
do, Trisulclla, e as duas freguezias da cidade de
Caixias.
O referido peridico e o Publicador Muran/tense de-
claram falsa a noticia, dada pelo Observador, de le-
rem alguns individuos do Codo disparado um tiro
sobre o juiz de direito de Cainias, Gregorio de Tava-
res: maso Publicador affirma que esso juiz de direi-
to fdra preso, por tentativa de sedicffo militar.
liin Iguar, sublevra-se a fabrica da lazenda da
seiihora I). Mara Thcreza de Belem, oassassinra
o Icitor, Dionizio Francisco. -- A palmilla cncarre-
gada de prender o chefo dos sublevados o matara
na diligencia por ter ello resistido. -- Apezar Jo ri-
goroso castigo quo se infligir aos cumplices do at-
leiitao, anda nao tinha sido possvel chama-ios
ordem.
Em Tapera, termo de Tutoya, apparecra, tres-
passado de uma estocada, o cadver do Antonio Lo-
pes, oicial do ferreiro.
n!! n f!,leci!lc' "a C'Jade de San Salvador, a
si mT^i *rnc,ca *>** Rol.n, ooSr. JosCoV-
muo da Silva Raposo, propietario e lavrador abas-
l/3dMpm000re0 ,'"dreS ,lucluava entre 27 B 27
lelas! la mor a gtac sa main ami ;
il est condamne a un eternel repos.
B.
lie com o mais amargurado senlimento de dr, que
appareco servindo de arauto da morte par aiiuunciar
ou repetir a fatal noticia que acaba de enlutar todos os
coracoesvcrdadoirainontc sensiveis e brasileiros; isto
lio, a perita do cidadao prestante, do magistrado probo
Ilustrado, do Rraseiro distincto, do pai carinhoso,
j clldfe de familia cxlieiimsu c do amigo fie!: s!i, 0
Exm. Thomaz Antonio Macicl Mouteiro, bar/io de Ita-
marac. j niio existe !.'! A inexoravel morte acaba de
ceifar mais esta victima, arrebatando-o para sempre
d'entre nds. Mas, elle nao desaparecer de todo por
estrella errante deixar sempre no seu rasto
os do seu fulgor e belleza. O honieni dotado
Infidos que o adornavaiu nao vai de todo se-
, c as mirradas uiSos da morte, que tao depressa
o ftieram entrar un numero dos que drixaram de exis-
tir, niio pndem aniquilar os eloquentcs padrrjes que
elle dcixon erguidos memoria de suas virtudes. Nao
he minha Inteocao nem llsongoar, c nem treer (inme-
recidos elogios : son liel ao nobie senlimento da impar
cialidade e por isso direi o que sentir c soubcr a ros-
pello do eximio varo, cuja perda deploro, um recelo de
ser conlradictado. A bella e risonha cidade do Recife
den o horco ao nobre barao de Itamarac em o inez de
junlio de 1785: seus dignos progenitores Ihe deram urna
educacao disvelada, dirigida pela mais fina ternura :
concluidos os seus estudos elemontares conheceram
seus paisser necessario a conlinuacao de estudos maio-
ros, e entao ruiiipi indo o mais transcendente dos seus
deveres, tendj a coragem de ver realisar por annos a
separa(o de seu i i I lio o titeram seguir para a univer-
sidade de Coimbra, onde obteve as honras e graos aca-
dmicos, passando depois de concluidos seus estudos de
direito a oceupar diversos lugares de magistratura, co-
mo de juiz de fura de Goianna e Parahiba, corregedor
da comarca do serlo, desembargado!- e presidente da
reheo desta oidade, desembargador da relacao da Ba-
bia, desembargado!- da casa dasupplicaco.eultimainen-
te ministro do supremo tribunal de juslica, em oujo
lugar por seus padecimentos fdra aposentado ; obtendn
mais em consequencia dos importantes servicos que
prestou a enmenda da ordem de Cliristo, eo titulo de
haro de Itamarac. Alm disto servio os cargos de con-
celheiro do governo c provincial, de presidente da pro-
vincia no impedimento do presidente e de deputado
assembla provincial c geral, desenvolvendo em lodos
os lugares que oceupou a sua experimentada iutelli-
gencia e honradissimo carcter, nao desmentlndo nuu-
ca aquelle elevado conceito que nina vez merecen, e
sempre soube gloriosamente conservar. Km consequen-
cia da vida sedentaria a que se havia habituado, ede
outras cousas, crcou clculos nS bexiga, sendo por isso
obrigadn a passar-se a Paris, onde se subjettnu com
paciencia e resignaran a uma dolorosa operaco por
inoio dos instrumentos lithroticios, c dirigida pelo bem
condecido o hbil professor Mr. Leroy-d'Lliolle. Depon
de mais de dous annos de residencia naquolla e rni ou-
tras capitaes da Europa, regressou a sua patria, posto
que mrlhorado, nao iuteiramente livre de seus snHrl-
mentos: estes continuaram : e em urna visita que foi
fazer aos seus estabeleeimentos da ilha de Itamarac
leve um ataque tao violento c forte na bexiga que ape-
zar da promptido dos soccorros o esforfos d'arte c dos
disvelos dos distinctos ehabeis professores, os Srs. con-
crlheiro Antonio Peregrino Maclrl Montelro, seu so-
brinhn, c Manuel Pereira Teixcira, teve o inesinu de.
sn.cninl.il, toando na idade de (il anuos e 5 mezes a sua
derradoira hora, e recollioudo-se sua alma ao seio da
cternidade. Nao referirei os mullos e repetidos actos de
beneficencias rasgos sublimes de amizado quo elle pra-
litara durante a sua curta existencia, por ser slo de to-
dos couhecido ; apenas direi que o orpho desvalido,
a vluva desamparada, a donzrlla nrcessitadac a velhiee
abandonada, achavam nelle um pai, um protector,
um delosor c um amigo, fazendo iciu ostcntacio c
sem vaidade todo o beneficio que podia. O quadro de
sua vida he todo de fados virtuosos nelle se ai liaran
iterados cxemplos de docilidade, hiimanidadc, genero-
sidade, e de juslica: os litulos com que a mo do humein
quis galarduar seus mereciiiiontos ueste vale de decep-
es sao vas quimeras a par da<|uelles que a sacrosanta
victima do Golgolha reserva para premiar sua alma ao
entrar na mansn dos justos, lie ahi que, segundo a
nossa crcn;a, ja deves oslar alma sublimo Recebe,
pois, um magoado assento da mais profunda saudade,
que te enva um companheiro do teus trabalhns judi-
ciarios. aquempor espafo de 2(1 anuos honraste com
tua amizade, c qu une suas preces as do sacerdote que
lancou a derradeira asperso sobre teus restos inani-
mados para que o Omnipotente derrame sobre o teu
espirito o suave balsamo de suas complacencias.
a.
Barricas. .,
Carne-sccca
Cira.......
ASo*ardente ........ Vendeu-se de 45/000 a 48/000 rs.
a pipa.
Chifrcs............dem de 2/500 a 3/000 ris o
cento.
Racalho..........Cligaram quatro carregamen-
tos : dous seguiram para osul,
e os domis vender m-se aqui,
uin a 9^700 rs. por ba rrica, pou-
co mais ou menos, e o outro a
10#250 rs. O deposito he de
9000 barricas.
. Venderam-se a 850 rs. as aba-
tidas.
. O deposito hoje he de cerca de
36000 arrobas. As vendas re-
gularam de 2/000 a 3/000 rls
por arroba.
. Vendeu se de 700 a 1^000 rs. a
I i lira, da ama re la de Angola.
Cha......'........dem de 1/500 a 1#800 rs. a libra
do hj son, e de 1/500 a 1/700 rs.
a do perola.
Orveja...........dem de 4/200 a 4/800 rs. a du-
zia de carrafas.
Karinha de trigo.....Existcm no mercado 3WMJ bar-
ricas da americana. As ven-
das eOeetuadas nao excederain
ao preco de 19/000 a 22/000 rs.
por barrica.
Vendeu-se de 2/500 a 3/000 rs. a
sacca.
dem de 440 a 450 rs. a libra da
inglea, e a 430 rs. a da franceza.
Manteiga de porco dem a 280 rs. a libra.
Massas............dem de /000 a 6/500 rs. a ar-
roba. .
Passas............dem a 3600 rs. a caixa.
I'retunto..........dem de 9^000 r. a arroba dos
do Porto.
Queijos...........dem de 96,1 a 1/000 rs. os fla-
mengns.
Tabeado de piuho. dem de 55 a 56 rs. o p.
Vinagre...........dem de 53^000 a 58/000 rs. a pi-
Iia 'Id de Lisboa.
de ni de 112/000 a 115*000 rs. a
pipa do tinto marca PRR, e de
112.000 a 120/000 rs. a do branco.
Entraram depois da ultima revista 8 embarcaedes, e
sahiram 10. Existemno porto 40, sendo 3 americanas,
17 brasileiras, 1 hamburguesa, 2 francezas, 6 Inglezas, 5
por tugue/as o (i sardas.
Farinha de mandioca.
Manteiga de vacca. .
A administraco geral dos estabeleeimentos do
caridade, manda fazer publico, que no da 29 ;hojo)
do crranle, pelas 4 horas da tarde, na sala das suas
sessOes, irfio a praca as rendas da casa n. 7 da rii
do Santa-Thereza, pelo tenfpo que decorrer do da
da arrematacHo a 30 de junlio da 18'>0.
Administraco geral dos eslabelccimentos do en
ridade, 22 de iovembro de 1847.
O escrpturark),
Francisco Antojo Cavalcanle Cousseiro.
COLLECTORIA DA CIDADE DE OLINDA.
Ocollectr da decima urbana e mais itnposlosda
cidade de Oliml# faz publico pelo pa$enlo a todos
os seuscollectados, que do pnmeiro de dezembro
prximo vindouro principiam a correr os 30 dias
uteis marcados para acobranca da decima urbana
do t. semestre do correte auno financeiro do 1817
a 1848, conforme o artigo 21 do regulamento n
152, de 16 de abril de 1642; e que, (indo esto prazo",
pagariioos que nSo concorrerem a multa de 3 por
cento marcado no 1. do j citado artigo; assim
como faz publico que no mesmo prazo cobrar as
mais imposicOesa seu cargo relativas ao crrenlo
anno financeiro o atrasados : sendo tambem execu-
tados os omissos.
Cidade de Olinda, 20 de novembro de 1847.
OescrivHo,
Joo Goncalves Rodrigues Franca.

COMMMO,
Alfaiulega.
RENDIMENTODO DA 27. ........... 8:536,046
etcarregam hoje, 29 de novembro.
F. liza- loteen machinismo.
Serafina -- bacalho.
Sword-Fish -- mercaduras.
Brigue
Galera
Galera
Barca
O caixa da companhia de Beheribe, tendo do pres-
tar as suas contas, lembra aos Sis. accionistas a rea-\
lsaefio dos 4 por cento, ltimamente pedidos.
Pnblicacoes Litterarias.
PORTUGAL.
Rccordacflo do anno do 1842, pelo principe Li-
chnowsky traduzido do allemilo segunda edicilo
correcta e annotada.
O consumo rpido da primeira cdiQ.lo, o a sua
procura por militas pessoasque licaram sem ella ,
induzo o traductor rcimpresso dsta obra curio-
sa que conlm a anreciacflo dos caracteres mais
nolaveis do paiz dos seus acontecimentos polti-
cos monumentos e lugares principaes, feta por
esse principe prussiano que all vlajou em o an-
no citado. Um folheto do 220 paginas. Vende-se
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Organon de Kahnemann ou exposicilo das dou-
trinas homoepalhicas, 2 v. pequeos; Manual do
nai de familia do capitilo do navio e do fazendei-
ro ou noticias elementares da bomcepathia con-
tendo a acQlo dos 24 principaes medicamentos ho-
mcepathicos I v. : vende-so por prego commodo ,
na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
O Musen Pittoresco jornal recrcactivo e ins-
tructivo, com excellentes eslampas, ateo n. 21, por
prego menor do que a da assgnatura : vende-so na
ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
A visos man mos.
Huilln dem.
Brigue Daino idem.
Consulado.
RENDIMENTO DORIA 27.
,;eral......................... 200,428
PRAGA DO RECIFE, 27 DE NOVEMBRO DE 1847,
AS 3 MORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambio...........He nominal o de 28 d. p. 1/000
rs. ; porquanto, falta de navios
, nao houve transacedes esta se-
mana.
Algodo...........Entraram 303 sacras. Este gene-
ro contina a sofi'rer dcclinaco
no preco; e vendeu-se de 5/600
a 5/800 rs. a arroba de primeira
sorte, c de 5/100 a 5/300 a de
segunda.
Assucar...........Entraram 125 calas dn novo, e
maior purran do cargas. O
branco ensaccado vendeu-se de
2/100 a2/300 rs. a arroba; eo
L-|icaixado velho, de 600 a 700 rs.
a arroba sobre o ferro.
^ouro............Sem alteraco.
HKoviiuciilo do Porlo.
Kavios entrados no dia 27.
San- Tnn (Terra-Novaj; 34 dias, barca americana Arden-
nes, de 231 toneladas, capitao Artell Austain, equipa-
gom 10, carga 2,690 barricas de bacalho ; a II. Fosler
& l ni n p mina.
Cobija; 82 dias, galera ingloza Alexander, de 523 tonela-
das, capitao Edward Philipson, equipagem 23, carga
guano: ao capitao. Vem refrescar e segu para
Cork.
Parahiba ; 24 horas, hiato braseiro Espadarle, de 38 to-
neladas, capitao Nicolao Francisco da Costa, equipa-
gem 3, carga toros de mangue ; ao Capitao.
Kavios sahidos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro ; barca americana Arderme, capitao Ar-
to) Austain, carga a mesma que trouxe de bacalho.
Parahiba ; hiate braseiro l'ureta-de-Mario, capitao Joo
Francisco Marlins, carga varios gneros.
Navios entrados no dia 28.
Para, Maranhflo, Cear, Rio-Grande-do-Norte e Pa-
rahiba; 17 dias, e do ultimo porlo 17 horas, va-
por braseiro Paraenu, de 240 toneladas, com-
mandanle o capitilo de fragata Mannel Francisco
da Costa Pereira, equipagem 30. Passageiros:
para esta provincia, o escrivilo da armada Bernar-
do de Miranda Fontoura, Candido Antonio Perei-,
ra Lima, Augusto Cezar da Silva Roza, alferes Joa-I "''ara o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o pala-
quim Jos (ornes Menezes, Manoel Jos Salgado, I c,l Dout-de-Agntto por ter parto do seu carrega-
sua sciilmra, 4 esclavos o 1 dita a entregar; para men,a promptu : qiiem no mesmo quizerearregar,
ti Babia, o u I fe es Antonio Jos Vidal Negreros;
para o Ro-dc-Janciro, capllo-tencnte Henri-
que Manoel de Moraes Valle, Dr. Antonio Ladislao
Fgticiredo Rocha, sua senhora, 1 filho menoT e 5
escravos, Joaquim Victor Lisboa Rraga com um
escravo, alferes Miguel Cidade, Ignacio Smilli de
Vasconccllos com dous escravos, os soldados Jo-
s de Sotiza Maxado, Antonio Jos da Roza e um
escravo a entregar.
Porto ; 28 dias, brigue-escuna braseiro Veloz, de
253 toneladas, capitio Fiancisco Reanlo de Mal-
tos, equipagem 12, carga vinbo cmais gneros;
a .Manoel Ruarte Martins. Passageiros, Joilo Ro-
drguez Velosn, Domingos Jos Estoves.
dem; 36 dias, brigue porluguez Ventura-Feliz, de
220 toneladas, capitilo Zeferino Ventura dos San-
tos, equipagem 19, carga vinho, ir.obilia, ceblas
o mais gneros ; a Mondes e Tarrozo. Passagei-
ros, D. Ignacia Pereira Lamego, Manoel de Azcve-
do Ramos, Guilhenme Augusto Correia deFreitas,
Manoel Francisco da Cunha, Antonio de Azevcdo,
Manoel Joaquim Casclo, Victorino Jos deSouza,
Jos Joaquim Pereira c sua familia.
Marseilha ; 45 dias, briguo sardo San-Josi-Foriuna,
de 278 toneladas, capitao Jos Canepa, equipagem
13, carga lastro do sal ; ao capitao. Arribou a
este porto por falta de Man timen tos. Segua pa-
ra Montovido.
Vaco sahido no mtsmo dia.
Bio-de-Janciro; briguo americano Chickasuw, capi-
tao G. W. Adams, em lastro.
'4
ou embarcar escravos pdeentender-se com Amo-
rim Irinios na ra da Cadeia n. 45.
Para o Rio-Grande-do-Sul sabe uestes 6 das,
o briguo Ficho, de que he capitn Manoel Pereira de
S : tcm bons commodos para passageiros e escra-
vos : os prclendcntes dir.jam-se no capitao, ou a
ra da Gadeia-Vclha armazem de Bailar & Oli-
veira.
- A escuna portugeza Andorinha pretende sabir
para Lisboa at 3 do prximo dezembro : quem
nella quizer earregar ou ir de passagem, dirija-.se a
ra da Cruz, n. 45, casa do Nascimento & Amo-
rim.
~ Freta-se para qualquer porto do Mediterrneo a
muilo veleira barca sarda Washington, de primeira
classe, de 230 toneladas : a fallar com o capitao An-
tonio Copo!, na praca do Comipcrcio.
=> Para Porto-Alegre e Rio-Grande seguir, em
poucosdias, o veleiro brigue Argos, oqual pode re-
beber escravos a frete por ter para isso boas accom-
modnces, c assim tambem passageiros: quem qui-
zer pode tratar com Amorim limaos, ra da Cadei'a,
n. 45.
Le Iota.
EDITA L.
Miguel Archanjo Mouteiro de ndrade o/ficial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. U. o
Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no dia 29 (hoje) do corrente, ao melo-
da, e na porta da alfandega, se ha de arrematar
o seguinte, impugnado pelo amanuense Goncalo
Jos da Costa o' Sa, no despacho por factura deJ.
keller & C : 168 pecas do tafeta ssetinado no va-
lor de 1:900,000 rs. ; 13 duzi.is de lencos de seda
para grvala, no valor de 300,000 rs., e 120 grozas
de hotoes de seda para falo, no valor de 125,000 rs.:
sendo dila arremalacao subjeita ao pagamento dos
direi los.
Alfandega, 26 do novembro de 1847.
Miguel Archanjo Mouteiro de Andrade.
--Donolson, capitao do patacho inglez IHaria,
lar leililo de todos os seus sobre slenles, consis-
tindocm carne de vacca salgada e de porco bola-
cha etc. : boje, 29 do enrente, as 11 horas da ma-
nhfla, no caes da Alfandega.
--Kalkmann& Itosenmuiid faeno leililo, por in-
terventjao do corrector Oliveira de um lindo sor-
tiniento de fazeudiis chegadas pelo ultimo navio
de Franca Jrmorique, as quaes silo inteiramciile
proprias para o lempo da prxima festa : boje,, 29
do corrente, as lo horas da mandila, e ni ponto no
seu armazem da ra da Cruz.
lieclara^oos.
O vapor Paraense chegado hontein dos
porlos do norte recebe as malas para
os do sul, boje, (29; as duas huras da
tarde: as correspondencias que vierem
depois dessa hora pagarlo o porte duplo.
Avisos diversos*
O TRIBUNO N. 5*
est venda na praca da Independencia, ns, 6 o 8 ;
muito inleressanle c noticioso : procurem-no, aju-
dem a redaccilo.
Sociedade Philo-Terpsichorc.
O primeiro secretario interino avisa eos Srs. so-
cios, que hoje, 29 do coerente pelas 6 horas da
tarde, ha sossio da sociedade para deliberar so-
bre casos de urgencia.
Quem livor.urna preta para alugar, que sail"
cozinhar, engommar e fazer todo o mais servido de
uma casa e que d fiador a sua conducta dirja-
se a ra da Aurora n. 20.
Precisa-se de um capellilo para dizer missa
todo anno parte do anno na Magdalena e parte
nesta cidade: a tratar na praca da Independencia,
livraria ns. 6 e 8.
***.


Theatro de Apollo.
Adirocgfoscientillca aos Srs. socios, que lem
marcado o da primeiro de dezombro prximo para
a recita do mosmo theatro, o quo a distrihuig.fo dos
blietes sor feita, doscle boje al o dia ao do cor-
ronte pelo respectivo thosouroiro na ra o Tra-
piche, n !7 ,em cuja occasiao recebar o quo csli-
verom a dever e a quem tambero entrcgarilo as
suas proponas para convidados procurando-as no
rorerido dia 30 no saUo do mosmo theatro das
0 horas da manhSaas 6 da Urde, depois das quaes
nao lera mais lugar qualquer proposta ou trans-
ferencia que porventura apparecer possa. A direc-
c3o sciontmca mais que so acha vedado o ingres-
so no salflo aos convidados que nSo tiverem suas
familias as galeras.
Alugam-se.e vendem-se tanto a retallio como
aoscentos. muito grande o boas bichas, chega-
das de Hawburgo ; tambem s vilo applicar para
mais commodidade dos prelendontes: na ra es-
trella do Rozario loja de barbeiro n.19, derronto
da ra das Larangeiras.
--Precisa-se de uma mulhor idos para ama de
casa que soja capas e que saiba fazer alguma ser-
vico de portas a dentro sendo prota ou parda e
mesmo quo seja captiva : na ru. do Hangcl, n. 36 ,
segundo andar.
Na ra Nova loja n. 58, ha quem se encarre-
gucde mandar lavare engommar toda e qualquer
qualidade de roupa de humero, senbora e meninos
de ambos sexos, por prego rasoavel.
Tresso, fabricante de orgSos o realejos, lem
pura vender 3 orglos : tambero concerta os ditos ins-
trumentos .'pOo marchas novas, e compra realc
jos j servidos.
Precisa-se do dous discpulos para marconeiro
na ra da Cadeia deSanlo-Antonio, n. 14.
Vende-se urna mulatinha de 12 a t3 annos,
recolhida ; que ongomma muito bem cose,
faz lavarinlo, marca, Uva de sabilo e varrclla,
arruma bom urna sala e faz todo o mais ar- |
ranjo do tima casa, o que se afiance ; urna m
dita de 13 a 14 annos, que cose tem princi- j
O de urna casa ; 3 prelas muito mocas com al- j
guias habilidades e que sabem vender gj
*c na ra muilo bem, por estarcro a isso acos- ij\
s turnadas ; urna dita com lodis as habilidades w
<| necessarias a urna casa de familia : na ra do '.*
s Vigario, n. 24, so dir quem vende.
Est justa c contratada a casa terrea n. 13, da
ra da Praia do Caldeireiro.pertencenteaoSr. Fran-
cisco de Amorim Lima ; se bou ver alguma hypothe-
ca, penhora, ou outro qualquer embarugo, hajaro do
annunciar.nestes oilodias, para nilo haverem duvi-
das para o futuro.
i:esemcaminhou-so da pracinlia do l.fvramen-
to um c*allo passeiro, de cor melado-clara, di-
na da inesina cor e corlada, pequeo 0 gordo, com
una carga de tres alqueires de cal pela, dentro do
saceos de assucar : roga-se a quem o achar o entre-
gue na ra do Qucimado, n. HA, que ser grati-
ficado.
Aluga-so um primeiroandar na ra de Hurlas,
n. 9; um armazem na ra larga do Rozario, n. 33 ;
um sitio na Magdalena na estrada da Torre : a tra-
tar no Alerro-da-Boa-Vista n. i:i, casa da viuva de
doutor Brito.
-- O doutor Casanova medico francez, continua
a receilar em sua casa na ra Nova 7, primeiro
andar, deironled'o oitfloda matriz de S.-Antonio ,
das7as horas da roanhfla c depois disto, est
prompto a qualquer hora para fazer visitas a qual-
quer doenle que de scu prestimo se quizer ulilisar.
Jos l'radinis culileiro previne
nosseus frcgiiezes que miiJon-se da ra
do C'ibiiga, n. 12, para a ra larga do
lioz.il id antiganientc dos Quaiteis, n.
i4juntoa botica do Sr. Jos Mar a lia-
mos, e que sempre o acbarao prompto
para fazer quansquer obras concr-rnentes
ao scu oTicio e contini'n a amolar as
tercas, quintas esabbadosde cada sema-
na : tu.locom peifeic3oe br-evidade.
--QlTerece-se urna ama pa/acasa de pouca fami-
lia que faz todo o servico de portas a dentro : na
ra da Guia, n. 55, primeiro andar.
OITercce-se,' para ama de casa, urna crioula
forra que cozinha engomma o faz todo o mais
arranjo, tanto de casa como do ra, preferindo-sc
casa de hornero solteiro, ou de pouce familia : na
ra das Flores, casa terrea n. 7.
Aluga-se, pelo lempo de feata, ou animalmen-
te, urna casa na povoacSo do Monteiro, fronteira a
igreja, com comroodos para duas familias : a tratar
ua ra Di re la, n. 89, segundo andar.

m
i
O doutor Alejandre de Souza Pereira do
Carmo, medico mudou sua residencia
para a ra larga do Rozario n. 12, segun-
do e terceiro andares do sobrado onde lem
botica o Sr. Jos Maria Ooncalves llamos.
O
HOje, 29 do correte so lia do arrematar por-
ta do Sr. doutor juiz de paz da freguezia de. S.-Jo-
s, um preto velho, de nomo Jofio penhorado a
Pedro TavaresMuniz, por execugfio que Iho move
Francisco de Amorim Lima.
Na noitedo dia 25 do corrento, furtaram da
padaria da ra Senzalla-Velba, n. 96, um pagaio
milito manso e rallador : a quem for ofTurecido, ou
dellc tiver Doliera dirija-so a dita padaria que so-
r recompensado.
Attencao!
Fugio, da casa do abaixo declarado, no dia 25 do
correle, das 5 para 6 horas da larde, una escrava
pela de nacflo, do uome Anastacia, de 20 annos,
de estatura regular, cor fula, roslo redondo com
algumas cicatriz as qosias ; levou vestido de chita
escura j usado Recommcn.la-se' as autoridades
policiaca a captura da dla cscarva, o qlfcm a levar ,
ou der noticia verdica na ra do Crespo, loja n. 10,
de Jos Joaquim de FreitasGui.narSes, tora bem re-
compensado.
LOTERA
DO
Hospital Pedro 1(.
Em consenquenciada extracgSo que lem havido
na venda dos blhetes da primeira quinta parto da
loteiia a beneficio dohospital de Pedro II, ten o
thc'soureiro marcado odia 20 de dezembro, para o
andamento das respectivas rodas, e espera que as
pessoas a quem o sentmento de commiscragto pa-
ra com a humanidadedesvalida forma o objecto que
maisoecupa oseu generoso coraglo hajam de con-
aprrer para que se realise naquelle dia o seu impre-
terivel andamento.
Precsi-se de um caixeiro nacional ou estran-
geiro quo tenha os quisitos necessarios para bem
desempenhar as obrigacoes de um caixeiro, quo tem
de tomar conta de urna padaria por balanco com
8 a 10 cscravos, debaixo decon ligflos que Ihe se-
rao presentes : quero so nci'.".r neslas. rcumstan-
ci as pode dirigir-se a ra do Cantiga, loja do Sr Jo-
s dos Santos, na esquina defrontc da matriz quo
se dir com quem se leve ajustar.
Agencia de passaporlCvS.
Na ra do Cllegio, n. 10 o no Aterro-da-Boa-
Vista, n. 48, continuam-sc a tirar passaporles tan-
to para dentro, como parafra do imperio; assim
como despacham so escravos: tudocom brevidado.
Os Srs. Jos Manool Martins o l.uiz Jos Perei-
ra 'Siinfles leem cartas na casa de Antonio Francisco
Martins de Miranda na ra Dircita n. 53.
--Precisa-se do um rapaz pardo ou branco que
quera ir entregar 20 a 25 patacas do piles, lodosos
das at a estrada nova ero um cavallo : quem es-
tver nestascircumstancias dirija-se a ra dosQuar-
teis, n. 18.
I'recisa-se de duas coslureiras de
alfaiate, para trabalharem por dia, pa-
gando-se-lbes uma pBtaca por dia,e dan-
do-se-lhes alnioco e janlar: na ra foova,
n. 6o.
-- Aluga-SQuma casa terrea na Soledado n. 17,
ao p do Sr. Vieira cambista : a tratar no palco
do Carmo, n. 17, coro Gabriel Antonio.
Ainda est para se alugar, por todo este vorSo ,
o silo da Ponto-de-IJcha ', chamado deMeia-Oobla,
com boa casa de sobrado grande cxtensOo do ter-
reno com niuitas e differentes arvores do fructo ,
boa agoa de beber, uma grande o fresca baixa de
capim de planta por preco commodo : a tratarna
ra Nova loja de ferragensdo Texora & Andrade,
ou com Manocl Pereira Teixeira morador no seu
sitio no Manguinho.
Precisa-se fallar com os Srs. abaixo menciona-
dos, ou saber-so de illas moradas.a negocio de seus
interesses : Anlonio Flix Pereira, Jos Gomes Fer-
rera Joaquiro Barbuza do Souza Manocl Pereira
da Costa Larangcira JoUode l.ima Bastos : na ra
larga do Rozario, padaria a. 48.
Dcsapparecerem, da serrara da ra da Praia, do
Manoel Luli de Mello, 5 pranchoes do louro : quero
delles souber ou der noticia na mosma serrara,
ser gratificado.
Joflo da Silva Moreira embarca para o Rio-Gran-
de-do-Sul o seu escravo Joaquim Angola.
Precisa-se de uma ama forra ou captiva : na ra
de Hurtas n. 16, primeiro andar.
O abaixo assignado previne aos seus credores
de que o seu armazem da ra da Praia fflra fecha-
do o recomidas as chaves ao deposito geral, a rc-
querimenlo do Sr. Joaquim Jos du Farias, pro-
priclaro da casa ; e bem assim avisa aos mesinos
Srs. que se acha residindu por cmquanlo na casa
n. 38 da mesma ra, onde poder ser procurado a
qualquer hora. Luis Jot Ferrara.
precisa-se de uma pessoa capaz para entrar do
sociedade em una venda, entrando com metade do
diiiheiro a vista, cni Fra-dc-Portas n. 84 : a tra-
tar na mesma venda.
Aluga-se o segundo andarda casa n 3, da ra
da Cadcia-Velha com comroodos para familia. Na
mesma casa se vende o'verdadeiro especifico para
fazer nascer e conservar o cabello, e* outro para
curar a surdez ambos viudos da cidade de Braga.
ATTENCAO'.
-- Quem anhunciou querer vender uma casa ter-
rea por 850,000 rs., dirija-se a ra da Cruz n. 18,
segundo andar.
Tcndo sido, por varias noites, furtadas as eu-
polas doslampeflesda lluminacilo publica do caes
do Collcgi.0 ,-o attribuindo-SJ islo a alguro osper-
lalliili) que se quer aprovoirar daquillo quo Iho uo
pertence; o abaixo assignado pedo as pessoas a quem
taos objcclos sejam offerecidos quo os apprehen-
dain e entremuero,que serSo recompensados.
IJao-se Soooo rs.de gratificar^ao,
e se pagarSo todas as mais despe-
zasque se tenliam feito, a quem
dr noticia do caboclinlio escra-
vo por nome Vicente de seis
annos, pouco mais ou menos, sec-
co do coi|iuj iciii no antis duas fe- I
i idas de bobas, e he um tanto le-
so, por ser novato Resta pra^a; le-
vou vestido camisa de algodo da
Ierra um tanto suja ; deseneami-
nhou-se da ra do Vigario, n. 4,
aonde se poder dirigir a pessoa
que souber, ou ra di Cadeia
do Hecde, n.ai
Certo Senbor que foi com uma ordem do arse-
nal de guerra na igreja de S. Bita Nova para que
n sacristn enlregasse 80 lampefles dos que tinham
servid. na festa do S. Bita para illuminaclo os
quaes forain servir em urna fesla que houvo no
domingo prximo da de S. Uilaf: c como n!lo se sa-
be o nome do dito Sr. cima nem aondo foi a dila
fesla por isso se roga a essa pessoa ou a quem
deste negocio der informacoos, que se dirija a ra
Direila n. 80, que se gratificar o seu trabalho.
Permuta-se uma casa de campo na cidade de
O! i ma, defronte do cllegio dos orphaos emSanta-
Theleza, por um sobrado na Boa-Vista ou em San-
to-Antonio, tambem aluga-se por 3 a 6 annos ; a ca-
sa lem 6 janellas de fronte onvidracadasa moderna,
porlio largo para seg e nimios comroodos para
grande familia; tem 4 salas, 4quartos, 1 bom so-
ld com janella no oitflo, 1 gabinete coro paita o ja-
nella envidracadas, 2 dispensas, 1 ero ponto roaior
coro 6 cimillos, 2 sen/alias, t para prelos e outra
ile pretas, uro gallinheiro com 70 palmos, el quarto
para dormida do gallinhas, obra de bom gost, boa
cozinha, cocheira, estribara para 3 cavallos, 1 vi-
veiro do peixe com 400 palmos, e passeio pelos la-
dos; no fundo do viveiro tem um sobradinho com
porta e janella que deita para a camba do Pisa, e
coro 4 janellas que bolam para dentro do mesmo vi-
veiro, que serve de recrcio, bom porto de desem-
barque e bom han lio ; a propriedado he toda fecha-
da de muros. A pessoa a quem convicr o negocio,
procure nos dias uteis na Ponte-Velha da Boa-Vis-
ta, deposito de agoa, a qualquer hora, o nos domin-
gos na mesma propriodade, em Olirnla.
Quero annunciou a venda de uma casa terrea,
sita no bairrode S.-Antonio em chaos propriose
desembarazada dirija-so a ra da Cruz n. '18, se-
gundo andar.
Mteiico.
I
Precisa-so de 1:600,000 rs. a premio, comsogu-
ranca ero uma ou duas moradas de casas no hairro
de S.-Antonio pelo lempo que so convencionar,
pagando-so o premio mensalmcnlo ou como for
a conteni da pessoa que der o ilinheiro : as casas
s3n terreas e em boas ras : la m bem se d ouro ou
praia : na ra de Agoas-Verdcs n. 46.
Precisa-se du um rapaz para caixeiro que te-
nha pratica de miudozas : na ra larga do Bozario,
n. 35.
Manoel Alvos Cardozo embarca para o Abreu a
sna escrava de nome Josepha.
H CHA PEOS BNB SOL $
Ra do JJ'asseio*Publico, n. S.
Joflo l.oubct participa ao rcspeitavel publico, que
rocebeu, por estes ullimoSnavios francezes, um com-
pleto sortimrnto do chapeos de sol, de seda, a mais
rica e superior qualidade; furla-cres e outras roui-
tasconhecidas, lano para homens, como para Sras
e meninos. o mcsrooestabelecirocnto ha um sorti-
mento de chapeos de sol do paninho, dos mais mo-
dernos ; ditos muito grandes, nroprios para homens
decampo : tambem tem chapos do sol do paninho
para meninos o meninas, por sercm muito finos: po-
dem-se chamar chapos do economa. Na mesma loja
ha sortimento de bengalas, bengalnhas e chicotes
muito modernos; cobre-se qualquer armaco de cha-
peos de sol, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha uro grande sortimento de
paiiniuhos trangados e lisos, imitando seda, para
cobrir os roesinos: desta fazenda se vendo aretalho.
Conccrla-se todo qualquer chapeo do sol, por haver
um completo sortimento de todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfeicilo e brevidado.
Compras.
Compra-sc, ou aluga-se uma negrinha para o
serviQo de uma casa estrangeira de pouca familia ,
e que cntenda de engommar : na ra do Vigario,
n.4.
Compra-se urna banda do rotroz em bom estado
quem livor annuncie.
Compra-so uma casa terrea quo tenha com-
modossulllcientes para urna n.to pequea familia :
prefere-so na Boa-Vista o quo, tcndo quintal, ca-
cimba, seja ero chaos proprios e desembarazada :
na ra da Cruz, no Recite, n. 18, segundo andar.
Vendas.
Lotera do Bio-de-Ja? eiro.
Aos 20:000^000 de ris.
No vapor San-Salvador acaba do chegar um lin-
do sortimento de bilheles da 12.', a favor do monte
pi geral: a ellos antes quo chegue o vapor. Eslito
venda com a rubrica na loja do cambio do Vieira,
na ra da Cadeia do Becife, n. 24.
Vendem-se sementes de hcrvilhas, rabanetes ,
trinxuda cebla e alface : tambero vende-so po-
tassa, cal vlrgcm ilc Lisboa, vinho do Porto, em
pipase barris, de diversas qualidados; fechaduras
para portas de armazem ; pilulas da familia ; coei-
ros de algodfio ; panno de Iinho; mcias para lio-
mem lambem de Iinho: ludo por prego commo-
do : na ra do Vigario, n. II, primeiro andar.
lm casa de Fredei ico Itobilliard,
na ra do Trapiche-Novo, n. 18,
vende-se superior cerveja branca e preta, embo-
tijas da fabrica de Barclay j conhecida como a
melhor que al ao presente lem vindo.
Vende-se uma parda de bonita figura, de 20
annos pouco mais ou nenos, a qual tero boas habi-
lidades e he propria para todo o servico de casa : na
ra do l.ivran-.enlo, n. 34.
-----Vcndem-se eneiles de froco de di-
versas cores para cabecas de scnboras :
na loja de Maya liamos & C, ra Nova,
n. 6.
Vende-se um negro perito ofiicial de sapalciro,
de idade do 20 annos, e urna negra cozinheira, co.s-
tureira.avadeira o engommadeira, de idade de 22
annos pouco mais ou menos : ua ra estrella do Bo-
zario, 11. 43, sefcundo andar.
ELIXIR TNICO
ANTI-rLIUMITICO,
pelo senhor doutor GuilUi, medico da faculdade de l'a-
rii, memoro de varias sociedades medica, assim na-
cionaei como eslrangeiras, cavalleiro da real ordem da
legi'ao de honra, ele.
(Dupont, pharmaceulico, em Paris, ra T-
quetonne, n. 14.)
O nico deposito verdadeiro desto elixir lio csta-
belecido polo mesmo auto na botica do Sr. Jos da
Bocha Paranhos, ra estreita do Rozario, n. 10, em
Pcrnambuco.
O elixir aiiti-leumatico he essencialmonte tnico,
reanima o principio vital e d forca as Ah. ^
taca os humoros viscosos, os precipita em baixo, a
viva o appetite e fortifica o estomago.
Pde-sePadmnistrar na mais tenra mfanc a como
na volhice; nada he mais doce que J^.f^J"":
de, dissolvo os humores o Ibes da hila wm algu
na agitacao. sem suspender as oceupacoes nem
mudar os hbitos: se pode tomar ,esleS"'"g
umacolher do rothaa em jejum, particularmente
no invern e nos lempos hmidos.
Os asmticos, gotosos,, hydrop.cos, aquelles cuja
fibra he moli, ficam satisfe.tos do seu uso bem
comoosquesorTrcm defluxilo catarral do peito. a-
zedumes do estomago, syncopes e palpitarles (Jo
coracito, clica, eropigens, catarro da enga, apo-
plexia cerosa, reumatismo, fiuxos alvos, Joengas
de leitc as senhoras, indigestno, vermes .ntest.n.es
as criancas, e outras muitas enormidades que se-
ria longo enumerar. .
Este medicamento salutar tem produzdo osimk
fivoravcis elTcitos, nos casos, para assim dizer, des-
esperados. Desta sorte, desde seis anuos foi pres-
crito por lodosos mdicos Ilustres, eossnecessos
quotidianosqueobtm, tanto em Franca como nos
paizesestrangeiros, formam o melhor elogio que
deste possa fazer-se, e a prova desle he a grande sa-
bida que esle roaravilhoso remedio tom lulo as
provincias do Brasil, principalmente na Balua o
Rio-de-Janeiro onde ha lanas illustracoes me-
dicas.
AVISO ESSENCIAL.
Dcve-scsmento inteira confianca s garrafas que
teem uma marca que leva a firma do autor, aejne-
Ihante aquella queso v em baixo. Emtlm, para o-
vitar o perigo das falsificacfles, os accidentes que
poderiain acontecer, o arrostar a cobica dos falsa-
rios, o publico he provenido que cada garrara aove
seracompanhada de uma instrucco iroprcssa que
indica a maneira de empregar este roedicamcirto,
compilado pelo Sr. Cuilli, com a sua firma, eim-
presso em Pars por o Sr. Goetschy ; caracteres os-
senciaes para evitar a fraudo.
Vendem-se tijolos de mar*
more: em cosa de Oiveira Irmos
& C, na ra da Cruz, n. 9.
Vendem-se 4 escravos sendo um pardo de 20
a o nos robusto ; um preto de Angola lio 28 annos;
urna crioula de20 annos; uma parda de 28 annos :
ambas coscm, lavaro, engommam fazcui rendase
bicos, o cntendoro soffrivelmenle do cozinha :
lodos se vendem para uro pagamento: na ruados
T anoeiros armazem n. 5.
Lencos de cassa, a
cada* um.
120 rs.
NoAtorro-da-Boa-Vista, n 10, primeira toja de
fazendas indo da ponto vendom-so lencos do cas-
sa dequatro ponas, com listras brancas e de cores,
a seis vintens ; casimiras finase de bonitos padrfles
para caigas a 4,000 rs. o corte de 3 covados e meio,
ou a 1,120 rs. o covadojriquissimos cortes de cr-
lete de fustflo, a 1,000 rs., o do setins de cores mul-
to lindos a 2,000 rs ; setins brancos lavrados ,
proprios para vestidos de bailes e casamontos a
1,000 rs. o covado. Todas estas fazendas s3o de
o ptima qualidade a vista dellas vorSo os compra-
dores que nflo ha esageraglo nosle annuncio.
Sal.
Vndese sal muito alvo a bordo do brigue So-
ciedade fundeado oro frente do trapiche do Sr.
Angelo : a tratar com o capililo a bordo ou com
Jos Francisco Collares, as escadinhas ou nos Ira
piches da estiva.
Vemdem-se, no dislricto da villa de Bananei-
ras, ua provincia da Parahiba do Norte, as seguin-
tes trras proprias para plantagfles de algodSo e
cannas de assucar, a saber: um sitio com meia egoa
do Ierra, denominado Alagoinha- ; um sitio com
uma engenhoca ecasa de vivonda, der.ominado Ba-
copari propria para darcannas de assucar, quo
foi d finado Joaquim do Rogo Toscano o Brito, e
era parlo do sitio Pc.o-d'Arco ; uma parte do Ierras
no sitio Cannabrava, muito propria para producgSo
de cannas de assucar, leudo proporgflcs para se le-
vantar um engenho ; urnas tenas denominadas
Sitio-Novo--, em Callabougo.com uma casa grap-
de de vivenda.scnzalla para escravos, prensa para
encacar algodfio o outros pertences para descaro-
gament do mesmo genero, que foraro de Francis-
co da Cunha Ribciro: silo proprias para plantagSo
do algodfio, ou para enaguo de gados. Quem as
quizer comprar dirija-so naquella villa ao capitSo
KslevSo Jos da Rocha, ou na cidade da Parahiba, a
Jos l.uiz Pereira Lima.
Admira veis nava-
llias de aeodaChina
que teem a vantagem de cortar o cabello sem olTeu-
sa da pello deixando a cara parecendo estar na
sua brilhante mocidade.
Esle ago vero exclusivamente da China o s nel-
lo trabalham dous dos mclhores o mais abalisados
cutileiros da nunca excedida o rica cidade de Pe-
kim .capital do imperio China.Autor Shan.
N. B. He reconhecido o uso destas navalhas
maravrlhosat por todas as sociedades das scien-
cias mcdico-cirurgicas, tanto da Europa como da
America Azia e frica, nto s para prevenir as mo-
loslias das cutis mas tambem como um meio cos-
mtico.
Vcndem-se as verdadeiras s na ra larga do Ro-
zario, n. 24.
Vende-se um sitio ua estrada dos
AlTIictos, com boa casa de vivenda, de
pedra e cal, com soto, cozinha lora, es-
tribaria para um cavado, muito bom po-
co, o qual admittenora, todo chelo dear-
voredos novos : a tratar na mesma estra-
da com Joaquim de Oiveira e Souza.
Vinho de Champanha da
marca cometa,
vende-se no armazem de Kalkmann & Bosenmund,
na ra da Cruz. n. 10.
Vende-se uma batanea grande, propria para
pesar couros, ou carne secca com uma porgto de
pesos : na ra do Cllegio, o. 19.



.a.


Vomlc-se urna negrinha costuroira c rcndei-
ra ; um mulatinlio cnm principios de sapalciro : n
mi larga do llozario, loja do miudezas, n. 35,
se dir quem vende por querer retirar-so para f-
ra. Na iriesnin gh'7., que precisa de um pequeo concert pro-
prio para se aprender.
He s na loja do.niclio que
appareccm estas pechinchas
Na esquina do l.ivramonto loja do nicho, ven-
dem-so inanias para senhora n 1,000 e -2,000 rs. ;
sotini brinco de dores, com duas larguras, a
1,280 rs. ocovado ; riscadinhos chnezes, com lis-
tnis de seda a 360 rs. ocovado ; chales inuito gran-
des do garga e seda a 2,000 rs.; lengos grandes da
mesina fazenda a 1,000 rs.; ditos escocezes de
bonitos gostos a 200 o 320 rs. ; o outras militas
pechinchas novas chegadas do proposito
i'i-siu.
menta lia lencos de 3 pontasdecambraia com cer-
cadura de cor e palmas bordadas proprios para
pescogo d senhora a 120 rs. cada um ; cortos do
cambraia adamascada, de bonitos padrOes e com 7
varas, a 4,000 rs.; ditos de cambraia com listras as-
setinadas. brancas ecom 7 varas, a 3,500 rs.

Remedio prodigioso para os
embriagados.
Esto remedio lorna-se mu apreciavol por ser sua
composicio mui simples, o no arruinar a sade do
individuo, fazendo-o aborrecer para sempre a be-
bida. Vende-sc na ra da Gloria, n. 87.
- Vende-se um moleque de 8 annos, e um mu-
l.itinho de 4 : na ra da Scnzalla-Velha n.110,
primoiro andar, se dir que vende.
DEPOSITO DE GAVIRGBM.
Na rua do Trapiche n. 17, Via em-
pre eal virgem de Lisboa, em barris pc-
versos timanllOS com vinllO da quenos, e ullimamenle chegada mi-
pafa o
--Vendem-se ancoretas de di-
Madeira, (into e branco, de su-
perior qualidade: no eseripto-
rio (leOliveir.i Irmos & Compa-
nhi na ra da Cruz, n. 9.
AUcncao!
Acaba de chegar loja do Passcio-Publico n. 17,
una porgjfo do cortes de cambraia transparente de
lila, para vestidos de senhora, padrOes inteiramente
novos, e queso espora merecamgeral applauso das
senhorasdebom gosto, e muito principalmente das
que teiicionam passar festa em seus sitios. A por-
efio lio diminuta o n,1o ha mais em Pernambuco ,
por isso sem demora devem mandar por elles, antes
queseacabem mesmo porque o prego convida ,
pois he o de 5,000 rs. por cada um corte.
Na loja novada ra do Quei-
mado, n/ll A, de Kaymun-
'o Carlos Lcite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de linho do Porio as pegas
Silo ile 18 varas e meia ; dito do 25 varas, a 600 rs. ;
guardanapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte, propria para colleles jaquetas e etc., leeido
de seda e linho ; meias de linho asmis finas que
teem vindo ao mercado.
Vcndem-se 200 brandOes do cera do Rio-de-Ja-
nciro d 2libras o de 1 *e3 quartas, por menos
de scu rusto para liquidar ; na ra da Senzalla-Ve-
Iha,n. 110.
to superior e por preco rasoavel.
AGENCIA 1A FIJNDFQAO' DE LOW-MOOR.
Na ra da Senzalla-Nova n. 42, contina a haver
i n completo sortimento de moendas e machinas de
/por para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro batido e coado ,' de todos os tamaitos :
ludo por prego commodo.
Vende-se um molcquedo muito bonita figu-
ra bolieiro e barbeiro ; 2 ditos de 12a 14 annos;
1 pretodc 20 annos, de elegante figura ; 2 mulati-
nhos ; 2 pa rdas; 2 pretas ; 1 negrinha: todas com
habilidades: 1 preto coziuheiro e engommadeiro ;
2 pretos para todo o servigo do ra : no paleo da
matriz de S.-Antonio sobrado n. 4.
d-
OS
DE6 PORTAS NJ#
P Nesla loja das pechinchas, vendem-sc pan-
^j nos finos, a 2,500, 3,000 3,500 o 4,000 rs.,
m 0 muito lino, prova de limlo a 5, 6 e 7,000
'-'i ,s- ; casimiras de duas larguras, a 1,500 o
.;.> 2,000 rs ocovado, e muito superior, a 3,000
.' o 4,000 rs. ; cortes de selim e de velludo
| paracnllelo, a 2,000, 2,500 e 3.000 rs.; man- %
?53 tasdesetim para homem, a 2,000 rs ; um
&S grande sortimento de madapoles chitas
:.'- e outras muitas fazendas para a festa por |
8| baratissimo preco, para acabar antes do ha-
' llItQO. g
; wmmmmmm'mmmmmmmmk
Ycndc-se, a bordo do bergantim Independen-
te fundeado defronte do- trapiche da alfandega ,
sebo em rama, encarne superior.
IVa loja nova da ra d > Quei-
niado, n. 11 a, de Kaymtin-
do'Garloj Lcite,
acha-so um novo sortimento de lindas mantas de
soda a 4,000 rs., lomio tambem de 2,000 10,000,
10,000 c 20,000 rs. ; luvas para senhora de trocal,
i:!luna moda em Lisboa; meias cras ti. 10 a 5g
rs. a duzia.
Vendem-se pegas de madapolilo limpo, com
20 varas a 2,500 rs. ; pegas de chitas escuras mui-
to encorpadas fortes e de cores flxas a 5,500 rs. ,
en 160 rs. a retalho: na ra eslreita do llozario,
n. 10, terceiro andar.
Vende-se um preto de nago, de 22 annos
sem vicios nem achaques, o que se alianga ; um
dito iie 9 annos; um moinho de moer milho, promp-
to de seus pertences: na ruado Queimado, n. 40
segundo andar. '
Anda se vendem tres pretos para o servigo de
campo : na ra da Cadeia do Rccie,, n. 59, a tratar
com Joso Dias da Silva. .
-Na fabrica de bebidas espirituosas, na ra da
Senzalla-U-lha, ti. 114 alm das bebidasespirituo-
sas' que se vendem na dita fabrica ha refrescos
de grozelas, de fior de laranja, de capil, tama-
rindos, c de maracuj : tambem ha algumas carra-
fas de suninio do grozelas muito bem reito na mes-
ma lubrica; e superior vinagre : ludo se vende por
prego commodo. Na mestna fabrica
garrafas e botijas vasias.
compram-se
Casimiras elsticas c tinas, a
7^000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas, linas e
de cores, pelo baratissimo prego de 7,000 rs. o cor-
te de caiga. Esta fazenda lie rccommendavel pela
sua qualidado tanto em fazenda como em gostos ,
porserem os mais modernos; casimiras pretas,
superior fazenda por serom muito finas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na ruado Collogio, loja n. 1.
Na ra da Cruz, n. 26,
vendem-se os seguintes escravos: duas molecas de
12 annos ; duas mulatinhas, urna de 12 annos. e a
oulra de 9 ; um pardo de 30 annos ; um preto de 18
annos ; sola; couros miudos ; cera de carnauba ; es-
leirs do Aracaly ; sapatose bolins obra boa e fei-
ta no Aracaty.
Vender, ou troca-se por casas nesta praga, um
terreno com 412 palmos de frente e 150 de fundo,
sito por detrs do covento do Carmo : a tratar com
o scu proprietario, no Manguinho, segundo sitio
depoisda capelia de S.-Jos.
Xa I >ja nova da ra do Quei-
mado, n. II A, de Hnymin-
do Carlos Leitc ,
acha-se um novo sortimento do pannos linos de todas
as coros e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda ; um completo sortimento de fazendas linas
e grossas por prego mais barato do que em outra
qualquer parta.
Vendem-se as obras seguintes, em bom uso
Joven Ceciliano,4 v.; o Espino do campo neutral,
4 v. ; Evaristo e Theodora ,4 v. ; os Enfriadores 2
v. ; Philosopho por amor 2 v. ; Clara do Elba, 1 v. ;
Bel iza rio, 1 v.; contras muitas obras, por prego
commodo : na ra de S.-llita, n. 44.
Jantar, cadeirinhas elsticas do tapete, oseadas do
cama commodasde amarello mesa do costura ,
banquinhas de sala louga ecrystaes: tambem se
veudeurna mulatiiiha de4 annos; um moleque de
7 annos : bem como algumas caixas de cera do Rio,
superior: tildo muito barato, para liquidagSo : para
ver e tratar, na ra daSenzalla-Velha n.110, pri-
meiro andar.
Vendem-so 5 oscravos sendo : 2 moloques de
13 a 16 annos; urna linda parda do 18 annos, que
engomma cose chano faz todo o servigo do urna
casa ; urna crioula de 26 annos, que engomma, co-
se, cozinha e la va de sablo ; urna dita de naclo ,
do 40 annos quo cozinha, lava o faz todo o mais
servigo de urna casa : na roa das Cruzes, n. 22 se-
gundo andar.
Vende-se urna prcta de 20 annos que cozi-
nha o diario de urna casa e engomma com perfeigito;
urna parda do 20 annos, de figura muito bonita, que
coso muito bem ; urna preta propria para vender
na ra, por ter pratica disso : na ra do 8.-Rila ,
n. 44.
Na ra de Agoas-Verdes,
n. 46 ,
vende-se urna excellento escrava com um lindo 41-
lhinho,comsessenciaes habilidades o capaz de
tomar couta do urna casa ; 2 moleques de naglo e
oulros escravos: todos proprios para'todo o servigo.
Bclmiras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora ,
pelo barato prego do 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
fazenda lio nova e do muito sublimes gostos, sen-
do as suas cores mui apr.eciaveis por serein cor de
lirio, rosa operla, A elles.,.antes que se acabom.
Na ra do Collegio, loja n. 1.
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende-so na livraria da praga da Independencia ,
ns, 6 e 8 o Novo Hez Mariano, accrescentado com o
l.ausperenne do Santissimo llozario.
Cheguem que estao se acabando
ossnpatesde bezerro para homem, a 1,280 rs., eas
bengalinhas para passeio a 320 rs.; no Aterro-da-
lloa-Vista, loja n. 78.
Vendo-so urna escrava de meia idade, boa la-
vadeira engommadeira excellente cozinheira ,
e que nlo tcm vicios nem achaques : na ra do Se-
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos, a prova de
limito preto, a 3,000, 4,500, 5,500 e 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. ,e muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos sao novs e pela sua harateza, atlendendo
a sua boa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na ra do Collegio, n. 1.
A 2,9000 rs.,
saccas com bom milbo: no
caes da Alfandega, armazcm
de Antonio Aunes.
bo n. 36.
Sellins para a festa.
Vendem-so escolenles sellins inglezes com to-
dos os seus pertences : na ma do Trapiche-Novo,
n. 19, cm casa del'redirico Itobilliard.
Admira veis na va Ibas de ac
da C.biia,
NA RUA LARGA 00 ROZARIO, N. 35 LOJA DO LODY.
Estas navalhas teem a vantagom de cortar o
cabello sern offender a pelle, deixando a cara pare-
cendo estar na sua hrillianto mocidade. Este ago he
ila China c seu autor be Shan. Por todas ns socie-
dades das sciencias mcdico-cirurgicas tanto da
Europa como da America Asia e frica he recq-
iihecidn o uso destas navalhas maravilhosas, nto se-
para prevenir as molestias cutneas a quo a hutnani-
dade est subjeita; mas tambem como ummeio deas
curar.
Vcndcm-scas verdadeirass na loja cima indi-
cada.
Potassa.
mais
: na
lil
O BAHATEIKO.
fta nova loja da ra o Cres-
po ao p do arco de S-An-
ioiiio. n.4, de Ricardo Jos
de licitas llibeiio,
vendem-se casimiras a turca, de urna so cor, fa-
zenda tnte.ramente nova em padrOes e qualidades
e quetcm urna elaaticidado que se n3o e ico?'
SM. Van,? C8Sma8 vlf?aros,Sendoeslasp?rau.
TE' ''!." ? I calcss como para excellentks a-
lits
porterem duas larguras, eo seu
4,000 rs. ocova^S^^.^T^o'rXai:
i,
Na nova loja do Pas?Co-Pu
blico, o. 19, de Manoel Joa-
quim Pascoal Hamos ,
vende-so cortes de cambraia alegra, fazenda muito
moderna a 2,000 rs ; cortes do Ida para caigas a
3,000 rs. ; cortes de casimira de quadros, muito
moderna a 6,500 rs. ; alpaca prcta, a 900 rs. ; me-
rino preto a 3,200 rs. ; panno preto muito fino ,
a 4,500 e 5,000 rs. ; dito azul, a 4,000 rs. sarja
prcta hespanhola a 2,000 rs.; setim preto, a 1,000
rs.; lengos para grvala de seda de cores o 400
rs.; ditos de cassa a 160 rs. ; longos de seda pa-
ra homem a 1,440 e 1600 rs.; longos brancos de
todos os lamanlios, do 2*0 at 400 rs. ; mantas de
seda muito ricas a 9,000 rs.; chales de Ifla. a 2,000
rs. ; ditos de 13a e seda a 8,000 rs.; ditos do me-
tim o chita a 1,00o rs. ; c outras muilas fazendas
muito emegnta.
Vcndem-se caixas de cha hysson, de 13 libras,
em porgues, ou a retalho : na ra da Alfandcga-
Velha, n. 36, em casa de Matheus Austin ii-C,
Os ftlarlyres,
ou o triumpho da religio christaa poema pelo
visconde de Chataubriand traduzido em verso por-
tuguez por Tilinto Elysio: alin-desla ensigno obra
acham-sea venda outras muitas; bem como urna
porgflo dos melhorcs romances de Waller Scott : na
ra do Queimado, botica n. 15.
Vendem-se ptimos casaes de pombos corujas e
jacars, lodos muito bons batedores, grandes e de
boa raga, por prego commodo : na ra da Floren-
tina, n. 16.
MOBII.IA.
Vcnde-.e urna porgiio de trastes novos e quasi no-
vos, sendo : camas do Jacaranda consolos com es-
pedios, mesas redondas sophs ricos mesas eles-
upas, armarios para louga aparador para sala de
Venile-se potassa da IWissia a
nova que hoje existe no mercado
rua daCadeia-Velha armazem de
I tor e Oliveira.
Na loja |do Arante- na prac da
Independencia, ns. i3 e i5, se receberam
pgora, pelo Armovique, sapatos de lus-
tao de duas solas o de salto alto muito proprios
para caigas som eslropes ; sapalOos do dito c d be-
zerro muito bem fritos; borzeguins de cores,
para senhora ; ditos pretos ; sapatos do lustro se-
tim o marroqum para senhora : bem como um
completo soi tmenlo dcalgado de todas as quali-
dades quo serflo vendidos o mais barato possivel.
"sopiiuiuio.) s'cjj.i.iI JOd
opni : snpepnnb sb sepoi op sapuazej op oiuoiu
-J1JOS ojaiduioo mn'sBpuazej SBjsap ui8|boopba
-oo o -su 05E P oSajd oiBJBq o|ad sajouadns sou
-ued op o s(,.i ii.i-.,! sbxij sojpo ap 's.iojpii sopui| op
' kjba Biun ni.) onb Bjn3jB| BUBtiipjoDJixa bus b|
-oil 'sojisuoui sopB|ni|iu| sopsosu soaou so as-uiad
-uoa BjquBdiuoa ^ uii|8jassaiiJBiu|n9 op Bfo| bm
SO.I|SI!0(U SlipiD IJJ
--Vemde-se una casa lerrca na rua Vclha, n. 105:
a tratar no Aterro-da-Roa-Vsta n. 12. Se alguem
houver que se julgue com direilo a oppr-se a ven-
da, annuncie.
Vendem-se, na lloa-Visla loja do funileiro,
n. 70, obras delalflo a saber: cndieiros de todas
as qualidades alinolarizes candieiro de bitacola ,
palmatorias pare velas, perfumadores do todos os
lotes, carreUllias para cortar massas escrivani-
nlias de todos os lmannos campas para secreta-
rias garios e colheres : ludo mais barato do que
cm outra qualquer parte. Na mesma loja compra-se
metal de toda a qualidade.
Vendem-se duas molecotas crioulas, do 12 an-
uos pouco mais ou menos : na rua da Cadeia-Velha,
n. 33 se dir quem vende.
PecMnchas para a fesla.
Vcndem-se bonetes para ir ao banho a 360 rs.,
no pode haver mais barato : no Alerro-da-Boa-Vis-
ta loja n. 78.
Sao di paltnle, e tmenle te vendem no Alerro-da-Boa-
Vitia loja n. 78,
exccllentes bonetes do verdadeiro marroqUim pre-
to c cor de ganga, de modelo muito engragado,
obra franceza cujo gosto pode ser bem avaliado ,
vendo-sea fazenda, osSo tilo decentes quo podem
sorem usados por qualquer porsonagem ; ditos de
merm do cores bordados o de excellentcs gustos.
\cndem-se4 bois de enrro: na praga da Boa-
Vista, n 13, venda de Antonio Jos de Magalhiles.
Vendem-se 3 relogios de prata. e de ouro, 2
correntcs paraos meamos, urna caixa de prata dou-
rada trancelins, cordOes, annolOes brincos, me-
dalhas urna corrente do prata, colheres do dita pa-
ra soupa urna dita grande para tirar sopa ; o ou-
tros mais objectos dos mesmos metaes:na rua d
Rangol, n. 11. u
Vendem-se 4 mulatinhas muito lindas, de u
annos: recolhidas, quecosem chito e engomman
liso; 2 ptimos meleques; 4 escravas na rua Di-
rcita n. 3. -
Vende-se a retalho, gaz da fabrica de Ferr &
Gontl do Rio-de-Janeiro por prego commodo : na
rua Nova, n. 52, do Caumont.
No Klerro-da-Boa-Vitta, iojan. 78,
vende-se bauszinhos de pao com lindas pinturas, e
queservem para guardar roupa de criangase costu-
ra, do 640 a 2,560 rs.; bonetes de velludo para me-
ninos; sapatos para senhora a 1,000 rs.
Na rua da Cadeia-yelha, n.
29, loja de A. O. Elster ,
vende-se vinho do Port, de diversas qualidades-
dito da Madeira ; ditodo Malaga ; dito de Shirry-
dito do CarcaveJIos; dito de Tenerife; dilo de Lis-
boa ; dito do Rheino ; dito de gravis ; dtoSauter-
ne ; ditode Bordeaux; dito Chatoaux-la-rosa ; dito
S.-Julim ; ditoS.-George ; ago'ardente de Franga ,
de varias qualidades; cherry-cordial; marraschi-
no; licores finos; PTIMA CHAMPAA,em garrafas
inteiras e meias ditas ; volas do Composi53o ; cli
preto e verdp de superior qualidado; presuntos o
salames de llamburgo; sardinhasem ltase vidros;
petits-pois, em latas; mostarda ingleza o france-
za ; vidros com frutas em calda do assucar e espi-
rito ; agoa de flor de laranja ; CHHRUTOS DE" HA-
VANA E DA BAHA ; oulros muitos objectos : tudo
recentemente chegado.
Vende-se farinha do mandioca milito boa,
por prego commodo : no Forte-do-Maltos, prensa do
Joaquim Jos Ferreira : bem como 6 saccas de gom-
ma c 3 barris de azeito de carrapato.
Vende-se um moleque de 8 a 9 annos, croulo,
sem defeito por mdico prego : na rua Velha, so-
brado n. 18.
Vende-se a casa terrea n. 37, ha poucos annos
ed i meada na rua da Poeira antigamente denomi-
nada rua do Sebo no bairro da Boa-Vista com 2
portas e urna janela d frente em chSos proprios,
com duas salas, cinco quartos cozinha fra,quar-
to para pretos, quintal murado o caeimba inde-
pendenlc, eque presentemente pelos alugueis te-
remdiminundo, rende 14,000 rs. mensaes : na rua
do Rozarlo da Boa-Vista n. II, esquina da rua do
Tambia.
Vende-se urna escrava moga, sem defeitos
nem vicios e que he quitandeira: na rua da Praia,
n.25, primeiro andar.
Vende-se urna escrava crioula de 24 annos
pouco mais ou menos sem vicios, e quo sabeco-
zinhar engommar liso e lavar do sabfio o varrella:
na rua do Rangol ti. 75.
Vendem-se 4 pretas com algumas habilidades;
um pardo de 18 annos, proprio para pagem ; um
dito de 11 a 12 annos; um preto de 30 annos, pro-
prio para qualquer servigo : no paleo da S.-Cruz ,
n. 14, se dir quem vend.
Vendem-sc.8 escravos, sendo : duas
pret.-is e duas pardas, de 20 a 24 anuos,
boas lavadeiras, cust 11 reirs, e que cozi-
nham o diario de urna casa ; tres pardos,
sendo um de iG annos e dous de ao a
3o ; um moleque, de 12 anuos : na rua
do Crespo, n 2 A, se dir quem vende.
Vendem-se saccas com frijSo por 2,000 ris."
no armazem de Francisco Dias Ferreira, nocae,s da
Alfandega.
Vendc-se urna casa terrea, sita na rua larga do
Rozario, em.chitos proprios, com cozinha fra, quin-
tal cacimba o commodos : no Aterro-da-Boa-Vis-
la, n. 21.
- Vendem-se barris contendo cada um dous pre-
zuntns, duas duzias de paios o urna arroba de chou-
rigas : no armazem de Francisco Oas Ferreira, no
caes da Alfandega.
Va rua do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da feilva
Maya,
vendem-so muito lindos chapeos para meninas,
tanto de seda como de palhinha chegados ltima-
mente de Paris ; chapeos de seda para senhora ;
cortes de crambraia do seda do* ricos gostos, por
prego muito commodo ; cortes de voslidos de cam-
braia ecassa-chitasde difTorentcs qualidades, por
pregos baratos-; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 e2,500'rs. cada corte ; mantas de
seda e lila para senhora, das mais modernas que
teem vindo a esta praga a 5,000 rs. cada urna;
mantas e chales do seda de varias qualidades c ba-
ratos alpaca prcta a 800 o 1,660 rs. o covaJo;
panno de linho a 400 rs. a vara; casimiras fran-
cezas o elsticas para caigas, a 5,000 rs o corte;
fustOes; setinse velludos para collolo por prego
muito em conta ; bem como um sortimento do ou-
tras muitas fazendas, que se vendem polo barato.
Ma rua larga do Hozai o n. 52, venda da esqui-
na confronte a igreja, vendem-se boas bichas de
llamburgo, tanto em lanianlio mu,o em qualida-
de :liimbem se alugam emandam-seapplicar tu-
do por prego commodo.
Escravos Fgidos.
DAO* -se 50,000 RS. DE GRATIFICADO'
a quem levar rua dos l.alociros, n. 66 um mole-
que que fugio no dia 26 de abril, de nomo Matheus,
eque tambem responde por Montciro, Je 14 a 15
annos, de nacflo Angola,fulo; tem orelha furada; he
lustrador cempalhiilor. Tambem se proceder com
todo o rigor das les contra quem o livor acoilado ,
para so havercm 1 /rs. diarios. A nessoa que o levar
a casa cima recebera anula gratilicavflo.
Fugio, no dia 15 do corrente do engenho Mal-
tas a escrava Vernica de 30 annos, com urna bo-
lilla cm um olho ; tem um signal em urna pa ; he do
cor parda, com cabellos prelns e muito almelados;
luvou vestido do algodilo trancado c mais roupa :
quem a pegar leve ao dito ciigeubo que sera gra- ,
ti.fi cado.
Peak.: na typ. de m. f. de pabia.1847.




Anuo de 1847.
Segunda.fera 29 de Novembro
N' 48:
&31?
SAS
DE
PERNMBCO.
(SOB OS AV8PICTOS DA SOC1EDADE COMMERCIaL.)
Subscrevc-a na Praca da Independencia, loja de litros n. 6 e 8, por lasooo.ris por anno; pago adiantados.
F K ECOS COR RENTES DA PR AC (Corregido Sabbado as 3 horas da tarde.)
- 5^22 2
= o -,2 2
> o c y 2
3
p
.3
a

T
X =
B 3

? 1
u v
K ce a o a t*
.. 1*1
op i
I 8
e >
X
o

5
1 -5
pico

3
= a
.fjfji
cooococo
"I-I..3S
_ r. o = c = oc--coooooco
.-^.oO't.oonff* o >
as =
<_jaa o
8a
i ii
8 *
.= flalS
3 4 II .
S-E"2 8 8
- *
,...*
a" "I
o r*
o =toooooooooooj;oa
5SP-.".SW^ ;. o--->'Xir,5:^ "
o o o
Ji o c
eSSSSSsooooooooo
2
<
a.
e
Id
a!
E
ffilfr-'ul'-IIa!!--. ""li^il" i
xp|'x<"
3|3ax->
1-.S
a_o-g
5-3 i
2J| o.

a o o c- =
O OWC ?'?** o
i s e no-/*- ? ^ 2.

o -
o
o
C* o
ccono
J C O -3 O
t- u eo o o r*
** <* .*
*> -5 M

o
C 9


iTlsTfsTssii lillHIil 11
00000090C
gtp-#>-*-
-** *> *> -* **
ooooooooo o.f O o *
oooec-oooaaooo*;
c*rtcc--------*
S
O c o
o c a
= = o e c
o o i c o
c^ ^ o c
SO -r C O .* S-
o O '
,. J2 o
o o o
O
- O-
s J 3-1 si 11. *lls
3
s
o
; w> ^ c c-

? .||x- 2 ..=. .x. .sx|.."* 1^;;|ie^
o o o o o O ^
O O O C O r"
w x- -" --
o o c o o
ro c-9 -i
c o o *?
; o O
o
o o
i o *
55
cooococooo
co"9oo oe
Jl ,: i- S .i 3 n :. O O *
'V
-=0000000
OOOCCe. Ow
CPCIC--*-
<-)<- rt f^
O-
i
E
j
I irji fl efe .j.J* -Jsl-"i-3:?s.-i- -.1-ej"i- *-1
o
_ o
O 4
Ci^ ooo>oooco
"5r*r-C00
X O -r, co
ooocoodoe
CO3rCCO
O f <> #-
;C00 -
-- .S C -o c c
NBcionro o
o u o *
o o o
o o o o
c oe c o
o~o o = =
O-*' oo
" o o o
OOCOGCC OO
.|.|..8. llilfSt
i 5- 3 =x^f
s.
ecn-JSJO'-:-:
iSf
C O
3o mS<
o o o co o e ^ i i- eo c o toSIS W
*<* tt +* f r. **- *!- r*
r- .-i-- ---
O 53
ro ? r- r*
O O o o
o o
coo o
e c o o e
o oro
t- o y r*
o o
o o O O *n O "
So o o o o o
o o o o o o ./JO'OO^'OO
>^ -> > %*4* *




. >-<
(>
EXPomAgo.
EXPORTS.
Agoardente Casaca -
A Igo.lio l. sorte -
I. .... -
Asaltear branco em calas velho
mascavado
par embarricar ouen-
saccar, branco uovo -
mascavado -
Cnuros seceos salgados. -
Meios do sola -
CbiTres da trra -
do Kio Grande -
Ruin ------
Cotton I. qoalily- .
2. '- -
Silgar in cases wbileod
,i > brovro >
> lor Barris or llaga
white new j
brown. > -
Dry salted hides
Taime bids
Ui-borns -
PaE^O A P*C
4i#noo 48*000
5fou 5*800
5*300 Sjft>00
700
600
I 000 5*0011
1,1400 !#S0o
105 07 /,
1 J20H
2J500 3Jfo00
<|noo 4*500
Pipa.
Arroba.
s
I, ierro
Libra.
Un ni.
Ceulo.
CAMBIOS.

Londres
Lisboa .
rranca .........>
Rio de Janeiro................
PHATA mu.la...............
a Pataeocs Brazileiros ....
Pesos Columnano.....
- Uilos Meiicanos.......
UURO. Moedas de 6*400 velbaa
Ditas ditas novas
n Dilas de 4*000............ Ofooo a
(Juras hespanholas........28*1100 a
... a 58 d. por lf ts.a 0 e 90 das nominal.
9b a 100 por cenlo premio, por satal eecluauo
,... 3Jo ris por tranco,
ao par
1/980
2*000
1*960
IfaoO
16*200
lOflOO <%
*l(i()
29000
*920 a
I*98p a
ffiMO a
1*780 a
16/inn a
iiifiiiii, a
Ditas Patriticas .........27*500 a 27*800
Letras........................... la V Por 'u0 mtt
F II E T B S.
ASSCAIU
i.irerpool...............Caixas I. 10.
Canal, porlos Ingleses...... Dito 3. 10
Gito, diloeuirelaiiiD. Havre. Dito
Henova..........-......Saceos
Bainhurgn caitas..............
Dallico........................
Trenle.................Caixas 3. 10
Estados-Unidos................
Portugal....................... 180 a 260
franca........................ "> <"
Nomiuie.
Com 5/.
Com 5 /,
Com 10/,
ALGODO.
Portugal.................,
Franca............,
Inglaterra.................
ilarccloiia, ........
, 000 por (u> aem primagem nominal
. 4(10 por (ge I0p.(/aocamb. de Ido p |r. nominal.
1/ >t kit. "... de ni iiituoi'iu
/,il e 5p. /o de priiiiagem,
* H'IS
^ornos.
I
I ngla ierra Seceos.....
Franca............
|-'.slaili. Unidos ......
f i 10 por tonelada eid/u, nominal.
70 liancos por toneladas, cotnlOp. cenlo
Nio lia.
i-<
\
II da II de Noveinl.ro de 1814 Si. dianlc pagaro 0 p. c.o rape011 (abaco
em p, os ciiarittos 011 cigarros, o Tumo em rolo ou em lolba.
faer50 p. c. os saceos decanliainasso. grossaria 0.1 gimes da In.lia, oscani-
alcm Mrau de punhal, as almofadas para can.lagens. as pedras lavrsdas parala-
xi, as pedras de cantara para portoes, porUs e jaiiclUs, as pedras lanadas para
Ducanamenlos. cepas, cuntiaes e cornijas, o assucar rehu.do, ciystal.sado ou de qual-
qqer ...aneira coneilado, o cl., a agoardente, a cerneja a cidra, a geueura, o mar-
rasquiuo. ou outros licores, e os viubos de qualquer qualidade e precedencia
Hagsro 40 p. c. as alcatifas 011 tapetes, o canhainaco ordinario ou grossuria, as
Salmeas de qualquer Dualidad*, c roupa feita, nao especificada na lana, asearlas pa-
e.n Irascos ou latas. Macas, e'in calda, 011 tin espirito, o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, os carrinhos, carruageus ou caixas, jogos, rodas, an-cios para una e 011-
1-1 coma, as esleirs para forrar casas, os carros para couduzir gente, os sociaveis,
silbos, os ereieiros e tiuteiroi de porcelana, e qualquer ol.jecto delouca nao com-
,.relien.lulo na tarifa ; os lustres, os calicea para licor ou vinlio de vidro liso ordina-
rio, o de vidro moldado ordinario lavrado 011 moldado, e lavrado ordinario nunha e semclliantcs os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo collado 011 liso,
o .1 molde ou btvor ordinario ; os callees para Cliampaiibe ou cervrja, as canecas,
ecopo direilos de 10 11 I em qiiartillio. as garrafas de vidro al I quarlilbo ou mais,
minio todos estes olijeclos de ns. I e 2 as garrafas de vidro pretas ou escuras da
aiimi .. mi'iIi.Ii', comprehendidas as que servem para licores ou Ce-Hoy os copos
c?r* ltanlas al una callada, os frascos de vidro ordinariocom roll.as do mesmo
t 3 Jihras ou mais ; ou sein rollia al J libra ou mais, os de lioca larga com rolhas
do mesnio, ale 4 lihras ou mais, ou sein roilia para opodcldoc os vidros para a-
e upadas 011 candeirns, as tainas ou folbasde mogiio ou outra madeira lina, e Iras-
ees de qualquer madeira.
Pagaro 25 p. c. o ac, alealrn, zinco em barra on em folba. chumbo em barra
mi lenco!, estaniio ent barra OU em vergiiinha. ferro em bairB verguinha, chapa o
lliilUadMparafundicio, falla de Flandres, gallia de Alepo, lata em folhas, laloein
cnapa, ninliin, salitre, vime, bacallio, jieue pao, e qualquer 0111ro, secco ou sal-
guio; Iwlaclia, carne secca ou de alinoiira, herva-doce, farinha de trigo, pellicas
(rauca ou pintadas, cordovoes ou cortes de liezerro para calcado, bezerros e couros
eiivernuailos, cnuros de poico ou boi, salgados 011 seceos ; sola clara para sapaleiro
ou correeiro, conre e caparrosa.
de qualquer naco, que sobrecarregar os geueroi brasileos de maior direilo, que
iguaes de outra nacao.
Os artigos nao especificados na paula pagio o direilo ad valnrem sobre a factura
apresenlada pelo despachante 1 podendo poim ser impugnados por qualqurr oficial
da Alfandega, que em tal caso paga o impone da faclura ou valor, eos dirrilns.
Vo caso de duvida sobre a classicaco da mercadoria, nrlde a parle requerer
arbitramento para designar a qualidade e valor da pauta, que I lie compele.
Sao isenlas de diieitos as machinas, anda nao usadas no lugar, em qtie lorem
importadas.
EXPORTAC.AO 'h direitos pago-se sobre a ayaliacSo deuma paula sjjoia-
nal na raio segulnle .i.sucar 10 p. c. Alguilo, caf, e fumo l p c. Agoar*
denle, couros, e lodo* os mais gneros 7 p. c. Alem desles direilos pag.'.o sen
tatas de 160 rs. em cada caima, de 40 is. em cada fecho, de 20 rs. em cada barrica,
ou saceos de assucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo.
Couros e todos os mais gneros sao livres de direilos par os porlos do Imperio, a
eicepco do algodo, assucar. cale, e fuu'o, que pagio t p. c. e as laxas por volme
Os melaes preciosos em barra pagio de direilos 2 p c. sobre o valor do mer-
cado, e a prala e o 011ro amoedado nacional 011 culi angeii o paga nicamente '/j P- ti
Os escravos esporlados pagio 5^000 por cada un.
DKSPEZA DO PORTO As embarcaedes nacionaes, ou eslrangeiras, que
navego para fora do Imperio, pago 00 rs de ancoragem por tonelada : e as
nacionaes, que navegio entre os diversos portos do Brasil 9C rs. As que entrares
em lastro e sahirein com carga e vice-versa, pagaro meiade do Imposto supra e unr
terco as que entraren!, esaliirem em lastio; e mesmo as que entraren- por tranquil,
ou escala, quer enlrem em lastro, quer com carga Desta imposico poim terio
isenlas as'queimporlareniinais de 100 Colonos brancos, e asqueenlmdrem poi arribada
Toreada, com tanto que estas nio carreguem. 011 Nlescarreguem s mente os gneros
necessarios para pagainenlo dos reparos, que Tuerem.
RKVIS'A SEMANAL.
CAMHf)?.__Sem ticnsacces, por Talla de navios a sabir ; conlinuando nomi-
nal a 2 d. por 1*000 rs. r
ALGODO F.iitrro 393 saccas, e continua com apparencias de anaiurem
PaS.ra0 20 p.c.o trigo em grio. barrilh canolilho, wpignilha, fleilt, Jg.^ P'^gf^^,, A d ,, ^ em s,cco, !eeln sido m.iores, e lia vendas
|.aoias, lanliioulas, nalbeus, passamanes, sendo de ouroou prala entrefina, ordina-l Ansui-rt. 1
..-j__-----._ 1:u- -l.J."- 1 a 2jJ100 c aiOv is.
COIIOS. ein alieraco.
FAB1JHA DE TII1GO. Nio ebegou caneganento algum.e o deposito he de
3,600 barricas da americana.
RACALilAO. Ciegrio qualro carreganientos, dos quaes dous seguiiao pa
o Sul, vendfii-sc un de 1,000 Dnicas- ceica de 9/700 rs e 0 ultimo de 2,700 nai-
rcasa etica de 10*250 rs. : o deposito he de pe lo de 9,000 barricas.
CAANE DE CHANQUE Sein entradas : o deposito lica em 36 000 arrobas;
c lia vendas de 2f a 3*000 rs. por arroba.
na m'falsa*! galoes" da mesina natureza, 011 lecidos com reros, linlio. algodo ouja 2l00e 2*20C is.^
seda, rendas 011 eolremeos de algodio nio bordados ; rendas de Tilo, as de algodo, "."!i 1 "iV
rel.J ou tror.al ; lencos de cambraia de linho ou algodo, e bandas de retios de
oalba.
Pagaro 10 p c. os livros, mai.pas e Iotas geographicos, instrumentos mathe-
maiieos, de pbysica ou chinaje*, cortes de vestidos de velludos 011 llmaseos, borda-
rlos ae pr.tu ououro lino reros ou tracal, c cabello para cabelleireiro.
PagarA 8 p c. ocanutilho, cordo de ho, espiguilha, fieira, fio, franjas, pa
lio le lio 011 palheta, lanlijoulas, palheta, rendas, cadarcOs e lodoso mais objec-
tss desta natureza, seudo de 011ro e prala fina.
Pagi-ao 5 p. e. o ervio de pedra, turo para dourar, ou quaesquer obras e
utensis de prala,
Pagaro 4 p. c. as Jolas deouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Pagaro 2 p. e. os diamantes e outras pedras preciosas solas smenles, plan-
tas e peas novas de animaos uleis.
Resumo das Embarcaces existentes nestr fO'loao da 27 di Sovembro de 1847.
Americanas...............................................
Hiasileiras..........................................
Han burgueza....................................................f
francesas..... .......'................^............................
1 nglezas ....,,'.*...a.
J>orluguesas......................................
Sardas.......,..,.................................................
PagarS 0 p. c. lodos os mais objectosi
Os gneros reexportados 011 baldeados pago I p. c. de dir los al
nagsm; e o despachante presta llanca at a approvaco desta medid;
hla Geral.
.>.= -.un da'eimaie-
mi dina pela Assem-
Tolal
(0
A ProviiKia goza Irauquilidada
Concedem-se livres de armazenagens, por 15 das, as mercaderas de Estira,
dous mezes as outras ; e lindos estes prazos, pagaro '/, p. c. ao mes do respecj
ro valor.
Os direitos das fazendas, que pago por vara, dere entender-a* vara quadrada.
Os direitos nao podem ser augmentados dentro do anno financeiro masoGo-
verno poder mandar pagar em moeda de ouro ou prata urna vigsima parte das que
forera maiores de 6 e menores de 50 p. c. dos procos das mercuduril, ou mesaio
diroiuuilos, segundo Ihe parecer. -
OGoverno est autorisadoa esUbelecer um direito diUerenc.al sobreo genero


(5)
LISTA das Embarcares existentes neste porto al o dio 27 de Novembro de 1847.
ENTRADAS.
Novembro1 IS

n
.lullio
Setembro
Oulnbro
Outubro
novembro
Uu'uli-o 27
INovembro 17
plovembro 17
novembro >7
m
IS
73
71
> 77
Jnllioi, N
Outubro i 9
23
i
Ivovemhro li
Setetnhro 30
novembro 17
* 14
20
). 24
> 2
DONDE VEM.
Bo'ton.
Rallimore.
Terra-Nova
Rio He Janeiro.
Ilio (1 rancie .lo S.
Rio de Janeiro
Babia.
Aracaty.
Itio He Janeiro.
Hahia.
Kabia.
ItioGraniln rio P.
a
Ilio de Janeiro.
Haba
Hucno't-\yrct.
Rub
i.ioGran.le do S.
Ceara
tugla.
As.
Cftte.
Havre de Gricr.
Ilamburgo.
Load rea,
Terra-Nova.
Liverpool.
a
Tena-Nova
C. .1i ja
Port. .
Lisboa.
I'oilo.
Figueira.
Lisboa.
Cardiir.
Madeira
Antuerpia.
Genova p Mal.lg
Genova
Lisboa
CASCO
brigue
biale
escuna
patacho
brigue
brigue
unt
sumaca
patacho

brigue.

sumaca
patacho
brigue
barca.
brigue

patacho
patacho
brigue
polaca.
Inigue
litigue
patacho
barca
brigue
galera
brigue.
brigue.
barca
brigue
escuna
barca.
In igue
brigue
bay
brigue
NAC>.
Amer.
Ilraiil.
Ilaml.
Illgl.
NOMES.
Pon.
Sardo.
Ghickainavv.
Mary Eleonor.
Joba
Viajante.
Argos
l> Pedro JI
lloa-Viagrm.
Carlota.
Dous d'Agosto
Oliveira
Minerva.
Marciil.
S. Maris Boa S"r'e
Itoni Jeius.
Kl.ir do Angelim
lloiiro.
Coniianca.
Frmela.
Independente
Dos te Guardo.
Lamentla
Ullio.
ICdiO
oc edide
llehopn.is
Anuoriqic.
Paradies.
Freedom"
Nerval.
Elisa Bowr-n.
Swurd Fsti
Seraphioa
Alexauder
Maria Feliz.
Novo Vencedor.
Kipiilo-Samo
Piun-vera.
Audoriuha.
Wshington.
Tergeateo
Revoco.
Bslli.a.
A i gen tino
Uailio
TONS.
171
34
1-1,
187
40
3n
64
l4
11)2
141
189
222
224
Sil
I 8
201
224
l2
134
lid
103
240
194
180
223
190
104
245
177
344
299
422
18G
162
303
11, v
112
230
411
180
194
281
I 19
MBSTRE.
George W. Adams.
T. Hust.
W. II. CaulAeld
Antonio Jos de Araujo,
Manuel A Ivs Marque*
M. J. Monteiro Vi .una
Jos Antonio de Soufa
Antonio l.uii omti Lima
Joo Antonio d >una -
Jos Dial Crrela da Suva
Antonio Kibciro dos Santos.
Jnsiino Amo io ..a Silva.
Jos Joaqun) Das dos P.
Pe tro Jo* He .Salto,
Keruardino de Souia.
los Caetano Vieira da Silva
A n Ionio llaplista de Oliveira
[S ai ciio Jos de Santa Anua.
F. 1. Pereira Uulra.
Manuel los d'Aievdo.
Ant. Germano Has Neves
Domingos fi >mes Soares.
Mano. I Pereira Jeronyiro Jos Telle,
Lacroi i.
V.rlel.
P. ZybranU.
Jolin Gav v.
II Me Lad.
William Meihush.
Ilicln rilo Giecn
Jolin T-ylor
Edward Philips
Lurenr.o Fernande* da C.
Manuel Jos Pinto
Antonio Ferreira l.eite J.
Hodrigo Joaquin Concia.
Jos Joaquim da Costa.
A. Copula.
L. Deniou resis
Antonio Maguileno.
Iloinin.os llosann.
Lu/ Cornsge
Maiioel Bilfali::n
CONSIGNATARIOS.
L.'G. Ferreira & C
lleury Fonter ft C
Henry Forster & C.
Amorini Irmos.
Ainniiin Irmos
Joo Francisco da Cruz
Jos I.ui de Souzn .
Anin i. Irmos.
Ainorim Irmos
Jo'o Vaz il'Oliveira.
Francisco Alves da Cuoha.
Guailiiio Agostinlio de Barros.
Rmorim Irmos.
Guadnn Agostinho de Barres
Lui Jos de S Ara jo.
G. Agostinho de Barros.
Amoiiin Irmos
C, andino Agnstinho de Barros.
Manuel Alves Guerra.
Jos Pereira da Cunta.
I.ouieni o Jos das Neves
Gaulino Agostinbo de Barros
Jos Pereira daCunha
os Francisco Collares
Begor &: Caucanos.
Lenoir Pucet & C.
N. O. Bielier S C.
Deane Y.nile l C
Joiiiistini Pan i C
Me Calmout C.
Johnston Caler si C
O cptto.
A. J. de Sotna Bibeiro.
i'homas .le A quino oncees
Francisco Alves da Ciinba.
A. Joaquim de Soui Kibero
Nasciineuto S Amcirim.
loaquim Baptisia Moreira.
Oliveira Irmos CV C.
Olif eir Irmos Ai C.
a
N. O. Bieber & C.
Oliveira Irmos & C.

DESTINO.
Rio de Janeiro.
Balti inore.
Porto-Alegre.
Babia.
Cea i a.
Itio Grande do bul.
Fernando.
Rio de Janeiro.
Ilio Grande doSul.
Mancille.
Canal.
Liverpool.
Cork, no I.'dc-Dtz.
Porto.
Lisboa.
I'orlo.
a
Lisboa.
A relar.
A tretar.
A Tielar.
Genova.
Periiiuiuuco na Typo^tepii de St. F. de Faria 1847.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E59R729CD_E8AFW3 INGEST_TIME 2013-04-26T22:03:21Z PACKAGE AA00011611_08577
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES