Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08576


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^F
^nno de 1847.
Sabbado 27
^
O DIARIO pulilic-se todos os das que iijo
rem de guara i o preco d atilgnatura he de
4jW0rt re.poi quartel, pa^nt adianlados. Os an-
Duneios dos assi^nantes sJo inseridos raso de
Jera, par liona, 40 n. en lypo dillereole, e as
repttices pela metade. Os que nao forem tisg-
nantes pagarSo 80 r. por Hulla, e 100 em tjpo
dilftreule, pt cad publtcacao.
PHASES DA LA NO MB1 DE NOVEMBRO.
I.ua or, a 8, os iJ minutos da inanfaa.
Crscentc a Ib, s horas e 5 min. d taide.
Luaeh'eia a 22, a 7 hoias e 4S rain, da Urde.
Mineante a J9, s l horas e I mi. da tarde. -
PARTIDA DOS CORREIOS.
(ioiannaePar.ihil)assegundas escitas reir.
Rio-fande-dn-Norte quintas feirasao meo-dia
Cabo, SeriuliSem, Kio-KormoBO, Potlo-Galvo e
Macelo, no I.", a II e il de cada miz.
(\ar*i)hunl e Bonito, a 8 e II.
Roa-Vifta e Flores, a II e 8.
Victoria, is qtiiiitaj-feirw.
Oliuda, lodos os das.
PREAMAR DE HOJE.
Primeir, s 1 horas e 42 minutos da maoha.
Seguoda, s 8 horas e 0 minutos da Urde.
de Novembro.
Armo XXIV... N. **
DAS DA SEMANA.
22 Se/. S. Cicilia. And. do J. dos orph.
do J. doc. .la 2 v. edoJ. M. da 2 v.
23 Teiva. i. Clemente. Aud. do J. do civ.
da I. V. e do I. de paz do 2. dist. de t.
24 QuarU. Si Joo da Cruz. Aud. do J. do
civ.da 2. v.cdo i. de paz do 2. dist. de t.
.25 Quinta S. Catharina. Aud. do J. ric orph.
e do J. municipal da I. Tira.
2u Sexta. S. Pedro Alcxandrino. Aud do I-do
civ. da l.V.e do J. do paz do I. dist da t.
27 !*lbuado. S. MargaridadeStboia Aud. do J
do civ. da I. v. do i de pido I iNtt.de t.
23 Domingo. I." do Avent, (rregorio.
CAMBIOS NO DA DE NOVEMBRO,
Sobre Londres a 8 d. por I* r. a o o 0 di.
Paria 130 rs. por Iranco.
Lisboa 105 a 110 de premio.
Desc.de lettras do boas firmas I la; 1|4 V? "
r-r0-()rashesP.nhol.....28|50n a MfOCo
Modas de 9 lOp vell.. I<|l00 | 0O
. a de 6#40i> uov.. I6fno0 a I6|I0U
, de4000..... 9*100 a 3j20(r
Proia-Pat.c6es.:........ i|0 '#''<>
V Pesos column.res... 1*840 a I**"
Ditos mexicanos.... 1*700 a IfM
Miuda............. t4920. .#930
.uiuud.......... ---
Acces dacomp. do Uebr-."-e de &0JI000 rs.io t*r
DIARIO DE PElMMBCa
. _i_______.__----------^-......--------~ "'___ ;tTTaBB^aSQfim^" aV<.'<*aaiaaSBrfWa1
PARTE OFFICIAL.
COM MANDO DAS A KM AS.
Quartel do comm ando das armas na cidade do Reci-
fe, 2* fe novembro de 1847.
O-
ORDEM DO DA. N. 23.
-commaridanto das armas publica, para conheci-
mentnda Ruarnicfto, o lins convenientes, os nomos
dos Srs olliciaes que, nos mesmos poslos e nos in-
mediatos, passaram,-por decreto de 7 de setembro
i ultimo, a pertoncer ao quinto batalliio de fuzileiros,
e dos que duste batalhflo, por decreto da mesma da-
ta, foramdespachados para outros corpos do excr-
cito..
PASSAR.AM A PHRTENCBR AO QUISTO BaTAUU
' DE FUZILEIROS.
Tenente-ajudanteOsferos do quarto batalhlo de
cacadoros, Jos Manoel Itraga.
Capillo da primeira-eompanhia0 capitao do estado
maior da segunda classe, Joaquim Bolfort Gomes.
Capitlo da quarta companhiaO primeiro lente
dearlilharia, Antonio Juliano Correia de Paria.
Capitiltfda quinta companhiaO tcnento de infan-
taria, Jos Caciano da Costa.
CapitSo da aetima companhiaO lente do mesmo
batalpao quinto, Angelo Baptista Mendos.
Toncntes lenlo graduado do mesmo, Jos Luz
Te i xt* ira Lopes; o alfares do lerceiro de cacadores,
Manoel Auianciodo Almeida; o alferes do quar-
to de cacadoros, Segismundo Nemesio Marrocos
deS.
PASSARAM DO QUINTO BATALIIA DE FUZILKIROS PARA 0-
TROS CORPOS.
Para o corpoflxo da provinoia do Cear.
Tcnente-ajudanleAntonio Carlos da Silva Jathay.
CapitaoI.uiz Xavier Torres.
CapitaoJofloaplista de Mello.
TonenteLeocadio da Costa Weyne era quartel-
mestre.
Teente~Manoel Morcira da Rocha, em capillo.
AlfercsChelderico Cicero de Alencar Araripo, em
ajudante.
Para o ijvarlo batallido de cafadorti,
Major-graduado Francisco Joaquim Forreira do
Carvolho, cm eTectivo.
AlfercsFrancisco Gonfalves Iereira Lima, em te-
en te-quartel-mestre.
Para o lerceiro batalhio de fuzileiros.
AlfercsManoel Leandro Moroira.
Ordcntmtfo S \\. Imperial, em aviso circular de
29 de outubro prximo paasado, quo no servigo dos
corpos do untas provincias nlo cslejnm servindo
ofliciaes dosdou,ulras ; o bem assini que nos1 mea-
mos corpos n3o estejam cniprogadosofliciaes das ter-
ceira o.quarla classes, eque seguissoin quanlo antes
para os seus destinos os comprobendidos no primei-
ro caso, remettendo-se os seus nomes secretaria
de estado dos negocios da guerra; qcommandante
das armas, em comprinientodeslas impcriat'sdoler-
minntjes, dispOo :
l.o Que sejain nesta dala desligados do segurT-
do batalhflo de ailillmria a p, ondoso ucham ad-
didos, os Srs.: capillo do stimo batalhflo do fu-
zileiros, Antonio Jos de Mello ; 1.' lente do
quarto bata I hilo de ai lunaria a pe, Joflo Evangelista
Nory da Fonscca; alferes do stimo de fuzileiros,
Pedro Lino de Barros ; 2." touente da Icrceira clas-
so, Jos Antonio do Aiaujo l'ernamhuco. e lente
da quarta classe, Jolo do Siqueira Campello.
2.a Que sojam desligados do quinto batalho do
fuzileiros, tifiosos Srs. ulliciaesquepassaram a per-
leucer a outios corpos mencionados na presonte or-
den), mas lambcm os Sis.: major-graduado do cor-
po fisodePiauhy, Joaquim de l'onlesMarinho ; ca-
lilo do oitavo de cacadoros, Francisco Antonio da
Fonseca Galvlo, 6 os alteres da terceira classe, Quin-
tiliauo llenrique da Silva Primavera e Joaquim Jos
Pereira Viaiina. ..,.,
3. Que soja desligado do sexto batalhao do caca-
dores o Sr. alfercs do seguido da mesma arma, Bc-
laimino Jos Correia. "
*. Que soja, finalmente, desligado dn companhia
do artlleos o Sr. 2." leliunle da quarta classe, Jos
Francisco dos Sanios, coutinuamio todava a licar
empregado no laboratorio, ussim como no destaca-
mento da fortaleza do lliiim o Sr.2."lonento Aiaujo
Pernambuco, visto a falta de olliciaes.
5." Que os Srs olliciaes existentes nsla provin-
cia, ora desligados cm consequencia de pertenco-
reui a corpos de outras, estejam sobre-aviso, para
seguirem na pi nucir occasiilo queso Ihes indicar,
devendo, para lal liin dccluiar na secretaria dude-
talhe as suas moradias, pura ecreni procurados.
6.* Que, cm llcinflo a absolula lalla de olliciaes
que actalmenle experimenta oquiulo batalho de
fuzileiros, passni a servir copio laes na guarnir,5o,
os Sis.: 1. eldete Ju.qtiim Francisco Guilboui, o -."
dilo 1." sargento, Jjiao Mirandolino Alvos Duarte, do
nic>mo balalhao.
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca.
Conforme. Kanoel Porfirio de Castro Aiaujo,
Ajtillante do ordens.
Quartel do oommando das armas na cidade do Recife,
25 de novembro de 1817.
ORDEM DO DA N. 2*.
O commandante das armas faz publico que o
Exrn. SI-, concelhoiro presidcnlo da provincia, cm
olliciode20 do crrenlo, lho fez participante que
S. M. o Imperador dignou-se, por sua imperial reso-
lucio de 25 de setombro ultimo, tomada sobro con-
sulta do concellio supremo militar do 13 domosmo
mez, communicada em aviso da repartido dos ne-
gocios do guerra do do outubro lindo, niandir
declarar quo o Sr. alfercs-ajudante reformado da
oxtincta segunda linha, Joaquim Podro do Sotiza
Magalhes, deve fruir o sold de alfercs pela tabella
de 28 de mart*0 de 1825, desde que foi reformado co-
mo ajudante, pelo docroto do 18 do outubro do 1829,
em dianle.
Manoel Ignacio de Carvalho Mendonca.
Conforme. Manoel Porfirio de Castro Araujo,
Ajudante de ordens.
Quartel do oommando da armas na cidade do llecift,
26 de novembro i* 18*7.
OIIDK.M DO DA N. 25.
O commandante das armas declara abusivo-o cas-
tigo do chiba la applicaiio s pracas do exercito, o
recommenda a observancia da imperial portarla de
31 de maio de 1831, que derogou a de 3 de setembro
de 1825, e aboli scmelhante astigo-.
3lnotl Ignacio de (.'aicalho Mendonra,
Conforme. Manoel Porfirio de Cas tro Araujo,
' Ajudante do ordens.
EXTERIfR.
nirascrtcs; mas disse-se previamente q.uo a sua
convocacflo tinha por objecto aju ar o govemo a
desatar os cordOes do algu'mas bolsas quo so con-
servam hermetcamento cerrados, o qu o nada nnus
fariam que decidir a respeito do certas lcis de fazon-
da, desuadas a cncheros cores da administracOo
Ascilrlns limilar-se-hiio aisso? mo o acredita-
ra i|i
lom recordar-so dos factos quo,
tido lugar em naviera. Ante;
ha un auno.
CORRESPONDENCIA DO ESPAOL.
MU.IICn, 3fJtBSKTMBRO. ,
Prxima reunido das cmaras. Sua araanisaco.
Objecto da convocarn. Caminaos de ferro. Acn-.
trmenlos polticos na llaviera. O Sr. Abel. Lo-
la-Montes. Sua admissdo audiencia de el-rei.
Paixdo do munarcha pela balharina. UisposicOes
dos ultramontanos. ProposirBes. Resistencia de
.ola. --Manifest dos ministros. Destitiro dos
mesmos. Novos ministros. -- Sorte dos parciaes do
antlgo gabinete. O Sr. Pechmann. Motins for-
jados pelo partido jesuta. Destituirlo dos cathe-
draticos retrgrados. Progressos de Lola-Montes.
Esperanzas dos llavaros. Estado da udministra-
cio. Siluacodo povo. Elticoes na segunda cma-
ra. Attilude da maiooia liberal.
Vilo reunir-se as cmaras para una legislatura ex-
traordinaria: t'esdcque se coiicedcu a consliluicio
a naviera, lio a primeira vez que lal acontece. Nos-
so svstema parlamentar prosla-sc maravillosamen-
te seguranca do governo. Elegcm-so os deputados
por seis arnos, c em cada tres annos cclebra-se urna
legislatura ; o ornamentos votam-se de solscm sois
annos, de soite que senfio aventam questOes de fa*
zonda senfio de mui longe em longe. Logo que se
volam os ornamentos, el-rei e seus ministros obram
discreciona'riamcnlc por muito lempo; pois.que,
sendo, como silo, mu lautas as ideias acerca dos rJi-
rcitos da soberana e da polica de oslado, pennit-
lem ao governo proceder como lho parece. Fcil-
mente comprehenderlo Vms. ludo quanlo pode fi-
zcr el-rei I.uiz, saliendo que aqui. exislom drritos
scmclhantes aos que se arrogoni em llcspanha os mi-
nistros consllueionaes, qur moderados, qui"|no-
gressislas. Compre, porm, notar que aqui se uno
fuzila a ningueni, se nflo vendem as proprieilados
do oslado, nom setnultam os peridicos por direilo
real : assim, pois, se bu ni que a naviera cliame-sea
Hespanha allemda, porallusio a desordem da fazen-
da e s Ictidcncins ullraiiHintanas, cm geral estamos
mais adianlados do que Vms.
Acbamo-nos oni vesperas de urna legislatura ex-
traordinaria, reclamada pela siluaco das nossas li-
naneas c pela ctise que, lia dous annos, grava o com-
mercio o as grandes pracas do mundo. Em Baviira,
foi o estado quo se propoz levar ao caliu o cslnbele-
Cimento dos caminhos de ferro. Congtrue-se aclu-
ajmenlo um que alravessa o paiz de nordeste a su-
doeste, desdo afronteira do Saxoniaal o lago da
Constancia, e outro quo o cruza de este a oeste, des-
de a cidado de Bamberg al a fronteira do elcitora -
do d Mease. Tambem se lala da conslrueeflo de ou-
tros caminhos uo menos importantes; um .delira
devo de unir a cidade de Munich i de Sal/burgo
Austria), o completar o systoma do comniunicn-
(,1o entre Trieste e s mu geus do mar do noi le ; ou-
tio ira do Augsburgo (llaviera) a Clm (VVurteniberg).
( cstubrleciniento deslo ultimo caniinho de ferro
nlo merecer a approvar;lo do anterior mi Historio,
iiiimigo ligudal do re proteslanlc deWurteniberg.
Mas, para conslruirem-se caminhos d ferro tUs-
ta exlensio, ptecisa-so ilc muilo dinheiro, c o esta-
do uio pode exceder dos limites estabelecidos pelas
cmaras em 1846. Me bem possiveJque o governo
tente zombar das"caniaraso das suas decises ; nas,
ha algum tcinpo, os liomeus rnlemlidos em linan-
cas interprelam a consliluicio a seu bel-praaer. A
bolsa nfo quer frcr em prestimos scui as sullicien-
les garantas, esem o usscntiincnto das cmaras.
Foi preciso ceder ao liberalismo dos escudos e reu-
tecn tido lugar cm naviera. Antes dessa poca,
passava naviera pelo Eldorado dos ultramontanos, o
osles dispnham dos ministerios cm proveilo do seu
partido. A pasta do interior eslava eiu milos do Sr.
Abel, lioniem do talento o energa, ardentc, impla.-
cavel o dspota 0H1 um paiz que. rospoitava sua on-
nipotencia ; a fazenda era administrada pelo conde
de Scitisheim, que so preslava a todas s prodigali-
dades artsticas do rei, oque, em troco, tinha per-
misso para ser mais catholico quo o papa, pois con-
fessava que faza grandes csforr;os pelo cslabcleci-
mento dos jesutas. As outras repartiqes estavain
confiadas a homens de mediocre capatidade, mas
qu cram cegos defensores das tendencias do Sr.
Abel. NSoproduzioefTeito a borrasca que, na ulti-
ma legislatura das nossas cmaras, robentou con-
tra o ministerio jesuta. Com seu talento o con; os
costuniados subterfugios, pdooSr. Abo resistir
aos seus ininigos, o at conquistar a intuios, bem
comoaoSr. Fredcrico, vce-presidento da cmara
dos tlepulados, quo desertou das hienas liberaos,
oduzido pola promes'sa de um lugar, que ellecliva-
mente lho foi dado. Isto, porm, nio obstante, as
qucixas eram mu numerosas o graves, o desperta-
ram, alfim, a altcncflo do rw.
Foi provadacom o toslcniunho de mullos calho-
I icos a opprossio que se exercia contra os protes-
tante, osquaesconstiltiem a terca parte rJapopu-
lacfio do remo. Se el-rc se nflo houvcra obstinado
em despiezar os pareceres das cmaras (pois que em
nosso paiz he dogma de fe para os principes nada
fazerdo quo o.povo pede, anda mesmo que-esse pe-
dido seja o mais til e proveitoso possivcl, 0 minis-
terio loria sido substituido em 18*0. El-rei, poreni,
tirou ao Sr. Abel a pasta dos cultos c Qa nStrucCOo
publica, para formar urna nova reparlic,ilo, que loi
confiada a outras pessoas. Foi esto o primeiro symp-
lomada decadencia do crdito do Abel.
Neslas circunstancias favoraveis, chogou a Mu-
nich a senhorilu l.ola-.Monles, com o proposito de
ostentar, no sconario, sua belleza, sen sensivol co-
ra c'o e sua liabilidad. Lula leve de om pregar es-
(oreos incriveis para obtor representar no palacio
real, pois que, para consogtii-lo, precisava da intcr-
veneo do proprio re. S. M. concedeu-llio umaati-
diepcia c iratou com mutis familiaridad) a balhari-
na, cuja fama limitava-se aos irumphos oblidos so-
bre alguna gendartiias, c s'rccordae,ocs do um pro-
cesso do triste celebridade, em que figurara como
testomunlia.
Auxilia-mc, musa da historia, para que, sem nec-
ear contra a decencia, possa cu referir os primoiros
episodios fcsscs amores reaes que tanto influram
nos deslnosslu Baviera o de toda a Alleiiianha. El-
rei Luz, qire, apezar de seus 61 anuos completos,
levo a condescendencia do examinar com curos-
dade as feicOes de Lola, observando na moc,a alguna
signaos quo dciiuncavam acliar-so ella embaraca-
da, perguntou-lbe se era isto verdade. Arqsposta
foi mu sigiiilicaliva. Lola puxou de um punlial (pois-
quesempre anda provida del le ou de armas de fogo),
e dosatacando com dextreza q pelilbo, disso a
el-rei :
Vossa Mageslade pode convcnccr-sc da verda-
de, por si niemo.
Muito bem, roplicou el-rc; espero que nos
tornaremos o ver.
Desde entilo foi olla a favorita de el-rei. S. M. fez
imprimir varias poesas em que coufessa que, antes
les de ver Lola-Montes, nflo condecora o verdadeiro
amor; o que lio un cumplimento de m especie pa-
ra a raiulia 6 para as militas bellezas a qtieni ello
leni prudgalisad galanleios. At csso momento,
niulber alguma podra dominar el-rei ; mas Lola-
Montes dispOe de sua vonlade. Bavia mais lo cinco
muios, no apparccra cm Baviera una belleza co-
mo esta.
Nio agradou aos ministros esto poder de nova es-
pecie, que lulo eslava previsto em ncnhiim dos arti-
go a da consliluicio," O piulido jesuta escandalisou-
se. Mas,'isto nflo obstante, nflosoube apreciar doai
de logo, no valor real, a situacio que Lola-Montes
creara. Os agentes dos ultramontanos, os polticos
do partido, leiitaiam lzei-llie ulgumas proposi-
tos, mas Lola se declarara inimiga de l.oyola c de
seus discpulos, e repellio (lesdenliosaiueiite os reve-
rendos padics. Dizetn quo enlBo offereceram-ihe
muito dinheiro, para que abandouasso o amanto o
sahisse do reino ; a favorita, porm, ro-so deslas
I ropuslas.
Com assombro diflicl de explicar ccom justa in-
dignacio, vio o Sr. Abel, que todo o seu talento, sa-
ber e experiencia, e mesmo a lembranca dos seus an-
tigua servicos, dcspedagavaiu-so contra as frivolas
plirases de urna balharina digna do pincel de Bu-
licus. El-rei, que dantos fundara tantos conventos,
o com seu procedimenlo augmentara o poder dos
frades o dos bispos, prostrava-so aos pea de urna ba-
lharina de segunda ordem, que, impa, motejava dos
santos e dos inilagies. Cm esladisla clebre despo-
jado da influencia pelos artificios do urna mullur,
.me, liavia poneos me/es, vender seus favores!
Sabia-sc que, em Colonia, Lola nio (ora admillida
a mesa redonda de um hotel, por se uedarem ah ou-
tras senlioraS. Sabia-sc tambem que a polica de Ha-
den li/er.i prender, poraehaver ella empenhado
n'uina aposta com eerlo ollicial, a respeito da belle-
2a das peinas, c ler posto o pe sobro uuia mesa, para
provar o que dissera. Era, pois, muilo escandaloso
quo scmolhanto mul'har fosse o arbitro dos destinos
do paiz. '.' ,. ,.
El-rei intentou elevar Lola uma posiQfiouisiinc-
la ; mas, primeiro que ludo, quera confcrr-Ilie car-
ta de naturalisacao, porquanto, sem este requisito,
a favorita nflo poda possur bous de raz, nom per-
cebor reas do estado. Isto nflo obstante, .apresen-
tava-so una dfliculdade. El-roi pJo onnobrecer a
qualqtier pessoa ; mas, para expedir cartas do natu-
ralisaco, precisa da aulorisar;ao do conccldo do es-
tado o da assignatura do ministro. O conccldo op-
poz-se aos desejos de ol-rei; esto, porem, declarou
que, a todo 0 transe, ctimprina sua volitado.
Entilo, Abel eseus, companlieirosasseiilaram o
queiinai o ultimo cariucho. Paraesse din, ontcnde-
rain-se com o alto cloro e com os bispos, o aprosen-
larain a el-rei css manifest famoso om que, com
as mais vvasenos, pintaran! os pongos a que ai in-
fluencia de Lola lutria deexpOr o tdrono o a moral
do exordio. Constitua onormo falta eslo passo da- (
do porhomciisquclinliam por divisa: A monar-
Cha catliolica antes do ludo. Elles criam> por sem
duvida, quo era invcncivcl o poderoso partido que
haviam formado nos tilliinos dozo annos; mas nao
calcularan) que, alongando de el-rei todo oolemen-
lo de opposic.ao, tindam-no acostunado a reinar
despticamente, o a nao soflVer centradicccs.
O manifest, se assim se pode chamar, mostrava
claramente a el-roi quo ello linha sido o instrumen-
to do una intriga quo cedo ou tardo so rovoltaria
contra si mesmo. El-rei cncolorisou-so, o nio quiz
responder aos ministros. Estes, engallados, ato o ul-
timo momento, a respeito da transcendencia do cs-
crplo o do eleito que elle produzra no animo do
el-rei, niandaram-no imprimir e distribuir profusa-
mente cm lodo o reino; mas urna destituirlo conec-
tiva e repentina revelou-lhcs o sogredo.de sua fragi-
lidade. As qucixas do alto cloro, as demonstrares
da universidade do Munich e todos os outros alvitres
a quo schava recorrido, somenlo serviram para
descobrir a ol-rei o triste* papel quo os anttgos favo-
ritos Ido linluiin preparado- El-rei exprima seus ro-
sonlimenlos em prosa e em verso; e, levado da am-
bicio do gloria litterari'i, publicou esso soneto la-
moso, quo ha sido reproducido em todos os peri-
dicos, inclusive os de Baviera, no qual revelou em
lemos mui enrgicos o horror que o syslema retro-
grado 1 lie tem inspirado.
Expellistes-me o paraizo, cujas portas eerra-
ram-so clernaiiiciito sobre mim ; cercastes de amar-
guras todos osdias da niinda vida ; mas, isto mo
obstanle, mo conseguiris transformar em odio o
amor que me trasborda no coraeo.
o Alinda firmeza de incontrastavol, o continuar
a sP-lo aloque osdias da m tina juvcnlude so precipi-
ten! convertidos em p. Conservo todo o vigor o a
toda ainteireza; conservo-a, sim..... Trcmei, vos
outros que teosles reduzir-mo a escravo I
Nada be comparavcl dureza com quo mo liaveis
tratado; vossos feitos forinam o vosso procosso, te-
cido grosseiro do ingratidoes c calumnias.
Mas as ntivens so tlesfazcm : os cos moslram-so
radiantes. Ilemdilo soja o golpe mora 1 que don i-
hou par< sempre vosso podero
Assim fallava ios jesutas o principe que dantos os
favorecer com tanta dedicacSo.
Era, porm, necessario curar da subslilucodo
minisloiio destituido, o quo nio ora fcil porcausa
do vacuo profundo que se formara em derredor do
el-rei. Todava, acharam-se doinens dispostos s
car regar com.lardo tilo pesado em se me I dan tea cir-
oumsiiincius. Encarregou-se da pasta da iuslica o
Sr. doMausu, kiimigo declarado do Abel desdo que,
com o comi Armausperg, flxera parte da regencia
da Grecia durante a minoridade do cl-rci Orllion;
o Sr. do Zonell, ex-ajudante de Abel, foi nomoado
para o interior; o Sr. deZusliein foi uomoado mi-
nistro dos cultos oda instrucclo publica ; o Sr. do
llocnliuusen, liomcm pouco celebre, ministro da
guerra. Os domis ministerios lindase eonservam
vagos. Quanlo aos ministros destituidos, deu-se-
llios emprogos modestos, ou mdicas pensos. S a
Abel, que leve a liabilidad de fazer recadir sodro o
Srs Scdreuk, cx-minislroda justica, a responsabili-
dade do manifest ; saAbel, digo, coubo mellior
sorte, pois que loi enviado aTiiriu no carcter do
cmbaixador.
Os mais ardentes corifeos do partido foram arras-
trados na queda dos ministros. O Sr. do Peckmann,
director da polica de Munich, foi mandado para
l.andsliut, aldeia do cscassos recursos, com o mes-
mo e ni prego que tinha dantos. Podo dizer-so quo o
Sr. de Pechmann rocebeu as bofetadas que Lola dos-
carrogou sobie in alfaite o sobro umeartoiro;
pois que, leudo esta aventura causado muitasensa-
?ao om Munich, ol-rei podio informacocs a Pech-
mann o eslo respondeu: aSenlior, tendes perdido o
amor de vosso povo, que era a joia mais preciosa do
vossa coroa. Bem, bem, replicou el-rei ; ide pa-
ra l.andsliut cujos ares silo mui frescos. Estas pa-
luvrasagiadaiama todos. OSr. delloumanu, pres-
dante da provincia da Alla-Baviera, foi despedido
sem recompensa alguma. Todo o paiz alegrou-so
com a queda de um hoinom que tao cruelmente per-
seguir a varios mocos aecusados de professarem
ideias liberaos, e os espoliara de sua fortuna, arrui-
nando tnuuOS pas de familia.
O partido jesuta mo so dou por vencido. Muitos
catedrticos da universidade enlenderam dar provas
de grande pulitica, enderecando urna mensagem aos
ministros dopostos; esperavam, sem duvida, que a
lama que adquirirn] nasbatlhas do ultraiiionta-
nisuio c a gloria dos seus traliallios scienlilicos, os
inrnariain invenciveis. O Sr. de Lassaulxs, catedr-
tico de pliilosoplii.i, poz-so fronte da cruzada, e foi
immcdatamculo destituido. Eulao, tralou-so do
amotinar os esludaatos, especialmente os de idelo-

___
__


:,?
9tm
"i. i.

.Ht

gia ; o vulgacho prestou-se a isto. As turbas apre-
scnlarnm-se cm casa (fe Lola, dispostas a despoda-
car-lheas vidragns. Esla roulher don provas deum
valor heroico, ou, para dizer melhor, dfi urna in-i-
li-iicia som igual. I.ol.i apresentou-se varanda,
beben un) copo dorhampanha em salida do povo, o
em seguida atirou militas modas multidflo. Um
remenlo de coraceiros restabeleceu a ordem em
Munich- El-rei, quo ja tinha tirado acaleiraa Las-
saulx.s, procedeu do mesnio modo com os juriscon-
sultos Moyct e Philips, com Hocfler, professor de
historia, com o tbcologo Dellingcr, e com outros
companneirosdostes.
Assim terminou a guerra civil que os jesutas ha-
yiaro provocado contra o mesmo rei quo dantes
niolntravam. Cousa singular! Nsta guerra, o par-
tido absolutista empregou os mesmos meios que cen-
surara aos liberaos; o o que concorreu para que es-
tes suecumbissem noscailabouces, produzio a reti-
ida e a derrota dos absolutistas. T3o certo he que
a justiea sabe distinguir.
Ja temos outro ministerio. Lola-chegou a Munich
cm lina de setembro de 18*6 ; em fevereiro de 1847,
Abel e os seus foram deposlos ; em agosto do mesmo
anno, Lola-Montes foi nomeada condessa de Lands-
reld, e obteve carta de naturalisagao. Nos decretos
que pura este lim se expediram, deu-se-lbo o nomo
UO .Wnrifl Porrit e Montes, oriunda de urna familia no-
bredi lletpmha. Se for possivel, espero que Vmcs.
tenhan a bondade de declarar pelo seu peridico a
verdade de ludo isto. A carta de natural saclo foi fir-
mada pelo ministro Maurer: como este be protes-
tante, o clero catholico so n3o poder prevalecer d
iiccasiiio para fazer preces pela su salvado espiri-
lunl, n exemplo do que platicaran) os curas,que ro-
garan) a lieos rcslituisse a raso ao monarcha des-
va irado.
Depois de liaver derribabo um ministerio e des-
Irulilo ignominiosamente urna dominagilo de quinze
anuos, espera a Baviera que o ministerio actual faca
causas mais importantes do que dar ttulos de con-
dessa. He verdade que o titulo conferido a Lola
produzio a vantagem de desapparecerem da corte
alguns vellios aristcratas que nio quizeram expor-
se a encontrar-so a cada passo com a halharina
Mas somos insaciaveis, o isto nio basta.
Nao queremos que se despedisse Abel para conti-
nuar o systema de autocracia ministerial; nao nos
contendamos com o que, anda n3o lia muito, disse
o actual ministro senhor Zcnetti ; nfio creais que
a nao do estado se dirigir d'oraem dianto segundo
outro systema ; nada maissefara do que laucar ao
na i o lastro e tudo quanto nos parecer que he de
piis. De foito, contina no mesnio p a oligarebia
jurdica; a censura existe pouco mais on menos
como dantes, com a nica dfferenga de podr-s
agora fallar mal dos ultramontanos; o clero anda
exorco um poder enorme. He corto que el-rei deci-
di que a justiea se separe inteiramente da admi-
nistraba, e que nos juizos hajadebate oral e publici-
dade; mas parece que a polica conseguid conservar
suas monstruosas prerogativas. V'umapalavra, pare-
coque os successores de Abel querem servir-sc do
sceptro, como seus antecessores, para augmentaren!
o seu poder.
Mas o povo, que alliin va se conhecendo, n3o
comprehende as colisas doste modo. Se, na ultima
reunilo das cmaras, os esforcos combinados de
iNiibas succumbirem ante urna empieza, conduzida
:i reliz termo pelo sorriso de urna rapariga : o povo
aprovcilar-sc-lia com avidez desla liberdado que se
desprended .las mfios de um bom genio revestido da
Imiiia de urna dama bastante equivoca.
I'.espra-se, euifin, mais livremente em Itaviera e
islo lie devido Lola-Montes, ramo de urna familia
hespanbols. Oh como silo as cousas deste mundo '
Asegunda cmara clegeu os seis candidatos para"
a presidencia e osdous secretarios : pertencem todos
aos mais pronunciados inatues do partido liberal
Isto lie muito significativo ; be urna prova de lirme
disposiciio para aproveiUr-so o momento. Pretnde-
se qup, em nina reunifio preparatoria, resolvcram
os rieputados liberaos abster-se, na cmara, de qual-
quer allusio intriga amorosa de el-rei. Se os
iiltramontanos nunca incommodaram a I.uzdoRavi-
ci.i em suas relaces com outras senhoias, porque
so li Ao de molestar com as que entretm agora com
una senhorita que nos fez o beneficio de livrar-nos
de Abel? Levante-lhe, embora, el-rei um palacio na
na de llar; isto nosagrada muito nmisdoqueos
conventos qued'antcs fazia edlicar.
A maioria liberal est bastante compacta, e at
bastante animada, para que se nflo admita que faca
opposicao ao programa do ministerio. O governo
pode, por de certo, limitar-so a apresentar cmara
juna le de fazenda, mas nao poder impedi-los de
lazer pcticOes, de apresentarem quexas. Nada ha a
luvidar que as cmaras entrarao nesta vereda, e que
Zenelti, que nflo tcm o talento nem a energa de
Abel, oppr-se-ha em vilo a que se prosiga na direc-
<;o urna vez adoptada. O ministro arha-se n'uma
posicSo falsa cm que no pode sustentar-se, sol
lena de ser aniquilado. Dentis, segundo se diz
lu i-Montes n3o est muito salisfeita com Zcnetti
c Lola, a amante de Dujarrier, a amante dos encar-
celados de Hamburgo e Badn, a amante de todo
o inundo he que reina hoje sobre a boa Baviera
como soberana, como autcrata, como imperador
romano. '
assento da guerra no Mxico, e entretnham-sc con-
sideraveis duvidas acerca du prompta conclusSo da
guerra. A falta de publicacao, dat parte do gover-
no americano, das pegas olliciaes do general Scott,
a respeito das batalhas dadas om frente do Mxico,
cdo armisticio que seibos soguio, tinha excitado,
em alguns ospiritos, receios de que a posic3o das"1
frgas americanas nao fosse tflo favoravel, como a
principio se imaginara.
Consideravel sensagao haviam causado em New-
Work as quebras da Inglaterra. Grando satisfac.lo
tora todava experimentada ao mesmo lempo pela
classe commercial ao saber-se que os saques de
l'rime, Ward & C, aos quaes tinham'negado acei-
te Overend, Gurney & C, foram depois hoiirados
por essa lirma.
A Gasta d'Augtburgo de 3 d'outufiro annuncira
o apparecimento do cholera em Jassy, e que se es-
tabelecra urna quarentena as fronteiras d'Austra.
^ O Commercr publicara urna carta da Russia Meri-
uiOi&i, a qai uizia que u cholum niliu feito iei-
nveis estragos n'aquelle paiz. Em alguns distric-
tos varrra a populag3o inlcira ; faci inaudito
anda nos annos de 1831 e 832. Seis mdicos t-
nham sido mandados de Varsovia para a scena d'es-
sas calamidades, com a missfio de ostudarcm a mo-
lestia profundamente, e averiguarem a differenea
entre a actual e aquella quo assolra a Europa ha
15 annos.
A mesma Gazeta d'Augtburgo. annuncira poste-
riormente, que o cholera approximava-se de Mos-
cow a passos rpidos. At se dizia que tinham ap-
parecido alguns casosd'elle n'aquolla cidade. Urna
lamilia pertencentc as classes mais elevadas, que
seguia de Saratoff para Moscow, perder dous cria-
dos 'lu1,anle a jornada, e sua chegada a Moscow
Ihe fallecer, urna manga e a sua ama. O coronel
Stalupin, ajudante decampo do imperador, o aua
-.-...,...., j..uvv v ,.,,, uu uiipuiauur, o qua i cu uenunciado, o mais a uecl.iracno de II.
aciiava-sc no seu estado-maior perto de SaratofT. reformando o dospacho recorrido, iulgo
OUIIODIPMNIBOC
utjMuua, m a>aa aNyaaiajii> aa asa?,
EXTRACTO DE JORNAES INCLEZES ATE' 13 IlE OUTDBRO.
O novo ministerio hespa,nhol fora organisado da
maneira seguinte :
O general Narvaez, presidente do eoncelho c mi-
nistro dos negocios estrangeiros.
O Sr. Arrasla, ministro da justiea.
OSr. Orlando, condedo Homero, ministro da fa-
zenda.
O Sr. Sartorio, ministro do interior.
O general Cordova, ministro da guerra.
O general nos de Olano, ministro da instrucefo.
eommercioe obras publicas.
Anda nfio tinha sido nomeado o ministro da ma-
rinna, para cuja pasta fallava-se no general Aspiroz.
a 23^dUesetcmboa8 *Xm0r[t* *" Nflfl a,a"^^
un?rai^f.rnC/n08 Mexica,'os Uvam entabolando
um tratado de paz, depois de haverem concluido o
aim.st.c.0 O general Valencia procurava excitar
una revolugao. contra SanfAnna, a qual .mderU
doaro^roS M?oci.- O armisticio f6ra'assig!
m Hzcan,wriri'SSan0S ,reuniram-^ com Mr. Tris"
Ktaffi-* ""a egoa distante do Mxico.
\ao se tinham rcceb.do noticias mais recentes do
tambem suecumbira victima d'aquelle flagello.
cholera tinha igualmente apparecido em Odessa. "
Urna carta de l.cmberg, de 27 de setembro, a qual
se lia na Gazeta d'Augtburgo, conlradizia o boato do
apparecimento do cholera em Jassy ; mas dizia
que appareera em Odessa. *
Garlas do.Gonstantinopla de 28 referan) que o
cholera se manifestara em Samsoon. Em Trebzon-
da era a epidemia d'um carcter menos violento do
quecm 1831, e nao mais de 103 victimas d'elle tr-
nham suecumbido de <> a 18 desetembro.
Mr. Cobdeii( o apostlo do commercio livre ha-
via-sc recolbido a Londres da sua excursao'pela
Europa, no dia 11 de outubro, tendo partido de
Hamburgo a 9. -
Lr-se no Times de 5 de outubro :
Estado do commercio Birmingbam 4 Esta ci-
dade lem estado ataqui isentadequalquerfallcn-
ca grave, no meij da calamidade que temonnri-
mido a capital, Liverpool e.Mancbcster ; mas, com-
" quanto todas as nossas grandes firmas manufactu-
leiras e commerciaes mantenham o seu crdito, e
piometlamatravessar a tormenta, o negocio est
extremamente abatido, eos altos precos de descon-
io exigidos polos nossos bancos (at pelas lettras
as mais irrecusaveis ) annunxiam torna-lo ainda
pcior.
L-se no times de 14 de outubro oseguinte :
-llague, 9 .-Heum facto notavcl, que, ao passo
que quasi todos os mercados da Europa soffremda
crischnanceira, oque emquanto as noticias espe-
cialmente dos mercados de Londres annunciam no-
vasqueliras quasi todos osdias, nenbum fallimen-
lo u alguma consideragao se tenha declarado na
l'raca d AmsterJam. Cartas de Hamburgo dizem
que reina um terror pnico sem cxemplo em todas
as cidades Hanseatieas. S com as quebras ingle-
zas teem os negociantes inglezes perdido mais de
1^0,000,000 de marcos de banco. EmBremen, urnas
das primciras casas commerciaes foi obrigada a sus-
pender pagamentos, ea induencia reaccionaria he
sentida em quasi todasas cidades do norte da Alle-
manha.Emlliirxellastainbemsuspendeu pagamen-
los a casa de Legielle.
Mercado monetario na cidade de Londres. Quar-
ta-leira a tardo (13 de outubro ). -Com muito pe-
zar annnnciamos que a casa de Barclav Irmaos
& C suspenden hoje os seus pagamentos. I)iz-se
que o seu passivoanda por cerca de 450,000 libras
dasquaestodaviasmente220,000 libras sflopora-
ci ceites.Acausadoacontccimentohea mesmaquee
deuno caso de Reid, lrving& C. Grandes empie-
gos no Mauntius envolvcndo urna constante absor-
i venca de capital primeramente envolvern! a lir-
ma cm embaragos, eas recentes quebras da Ingla-
trra de pessoas de quem ella tinha aceites.^ jun-
lamente com o apuro existente, tornaran) impossi-
ve a solvencia. Ochefe da casa ho um dos membros
u actuaes por Sunderland, e os socios teem relagOes
remotas com os senhoresBiirclav, banqueiros. El-
les tambem teemrelagOes com os membros da cer-
- vejara ; mas consta-nos que he inteiramente err-
nea urna impress3o que esta tarde pareca vogar, de
a queelles tambem tinham parteVaquelle negocio.
Os fundos inglezes soffreram oulra vez un)a bai-
xa mu grande.
Cartas de Liverpool azem mengao da fallenca de
Moatla& l-ilho, firma envolvida no commercio de
La Guayra; mas'suppOe-so que o seu passivo nao he
consideravel.
mp foi mui formal eterminantemonte reconhecido
Por todas as autoridades que intervieram oeste
i'rocesso, alm do que coro a certdSo de folha cor-
ra, queapresontou nojuizo formador da culpa,
mostrou no estar condemhado i prisSo, ou degre-
do, ou pronunciado, palo que n3o se Ihe pode con-
testar o gozo dos dreitos polticos, vista to nosso
cdigo fundamental c majs legislagSo em vigor,
sendo que n9o prevalecen) os argumentos de que
langou mo ojuizonjuo para afaslar a rosponsabi-
lidadedo peridico denunciado do mencionado Xa-
vier, e faze-la recahlr sobre orecorrente: I.* de no
tero mesmo Xavier exibido em juizo certidHo de
ter sidoqnalificado votante, segundo a lci de 18 de
agoslode 1846. nico meio, que, segundo o juizo
recorrido, ha de provar o gozo dos direitos polticos;
2. de ser Xavier analfabeto, e como tal nao poder
ser editor do peridico denunciado ; porquan-
to. i., posto a ccrldao dequalificagao spja um
meio de provar o gozo dos direitos pblicos, elle
::!'.: exeluc, c rrem pdc excluir os cutros meios ;!c
prova, do contrario teamos o grosseiro absurdo
do ficar privado do gozo dos direitos polticos o ci-
dadao brasiloiro, que, estando em paiz estrangeiro,
chegasse ao Brasil depois da poca marcada pela
le rogulamentardas eleigOes para a qualifreagao,
porquo este individuo n9o seria qual ideado, a vista
ila mesma loi, que apenas manda inscrerer na lista
geral dos .votantes aquellos individuos que residi-
rom na parochia em que se fizer qualillcag3o; 2.,
porque a lei nao .exige que o editor seja pessoa
instruida, e as leis em muteria penal criminal de-
ven) ser entendidas muito restrictamente, coros-
sendo que Xfiviornao he analfabeto como o consi-
dorou ojuizoaji/o, e nem tal so pode dizer aquel-
lo que como elle sahelro csrrever, tanto queas-
signou a obrigagao de responsabildadedo peridi-
co denunciado, e mais a declarag3o de fl.i porlanto,
improce-
hasta publica, 48 cortes de colleles bordados de se-
da, no'valor de 180,000 rs., e 35 figuras douradas
do porcellana, no valor de 180,000 rs., impugnados
pelo guarda Manoel da Fonseca de Araujo Luna, no
despacho por factura de Avrial Irmaos, n. 2:231
sendo dita arrematacto subjeita a direitos.
Alfandcga, 26 de novembro de 1847..
Miguel Me/tanja Monteiro de Andrade'
Jeckiracoes.
------------------- --------t-------------- -----~...-w, j...n.. I I.. J'l .., .-
dente o presente processo contra o recorrente, a
quem por isso mando se passe alvar de soltura .
o Sr. promotor publico, que proceda na forma da
le contra Xavier, como editor do peridico denun-
cia. Pague a municipslidado as cusas em que a
condemno. liecife, 25 de setembro de 1847.--GV-
vazio GonfaUet da Silva.
Srs. Urductores -Muito seniido se mostrou oSr.Jos
dos Santoseves, pelo elogio que teci aos Srs. des-
cnibaigadores da relagao dcsta provincia, noque
fiz o meu dever, como seropre farei quando
guaes circumstancas so me offerecerem. Nao
he exacto o quo diz o Sr Jos dos Santos, do ter si-
do escrava de varias pessoas a prcla Antonia Maria
Jo Sacramento, porquanto esta preta foi escrava
do finado Francisco Pedro Soares Brandao, a quom
por mim foi comprada em 8dejunho do 1820 e
fui ou (iiu-iii a libertei, do que existo titulo langa-
do em notas ; o comqolla do mim so valesse contra
a oppressao quo Ihe fazia o Sr'. Santos Nevcs, tomei
a meu cuidado sua defesa, e, gragas a Dos, tenho
conseguido que elli n1o seja opprimida pelo pode-
roso. Se me fosse possivel apresentar em publico as
rasOes que nos autos apresentou o Sr. Nevos, ent3o
ludo licaria esclarecido; mas talvez ainda o faga
assim como mostr que o mesmo Sr. leudo justi-
ficado ser eredor de setecentos e tantos mil reis, e
lendo-se feito partilhas, que foram julgaJas por sen-
tenga alinal appareceu justificando mais duzen-
los uniris, que nao foram atlendidos; e por es-
te facto julgue o publico da Justiga desla questao.
.Nunca Tui demandista, e se algunms ve/es tenlio ap-
parocido em juizo lem sempre sido para defender o
meu direilo, ou de oulros, e nfio para usurpar a fa-
zenda alheia : tambem nada devo.
Queiram, Srs. Redactores, inserir nosou jornal
oslas 1 iulias do seu, etc.
Joo da Silva Loureirt.
liecife, 26 de novembro de 1847.
A administragflo geral dos ostabelecimentos do
caridade, manda fazer publico, que no dia 99 do
eorrenle, pelas 4 horas da tarde, na sala das suas
sessoes, irflo a praga as rendas da casa n. 7 da ra
eifianla-Thereza, pelo lempo que decorrer do dia
da arremata gao a 30 do junho de 1850.
AdministraQfio geral dos estabelocimentos de ca-
ridade, 22 de novembro de 1847.
O serinlijrurin
francisco Antonio Cavlcante Coutseiro.
O arsenal de guerra precisa contratar um preto
3ueseja bom cozinheiro, para b quarlel dosapren-
izes menores ; dando-se-lhealinogo, iantar e ceia
e a sua diaria: a fallar na directora do mesmo ar-
senal, das 8 horas da manl)3a, s 2 da larde.
Flix Cavalcantt de Albuquerqut Mello
Pedagogo.
COLLECTORIA DA CIDADE DE OLINDA.
O collector da derima urbana e mais iinposlos da
cidade de Olinda' faz publico pelo presente a todos
os seus collectados, que do primeiro de dezembro
prximo vindouro principian) a correr os 30 das
uteis marcados para acObranca da decima urba^,
do 1." semestre do correte anno financeiro do 1847
a 1848, conforme o artigo 21 do regulamenlo n.
152, de 16 de abril de 1842; e que, lindo esto prazo
pagarflo os que nflo concorrcrcm a multa de 3 por
cento marcado no 1. do j citado artigo; assim
como faz publico que no mesmo prazo cobrar as
mais imposigOesa seu cargo relativas ao crrente
anno financeiro o atrasados : sondo tambem execu-
tados os omissos.
Cidado de Olinda, 20 do novembro de 1847.
Oescriv3o,
Joo Gonca/tes Rodrigue Franca.
, i*/* ** -***. x%r.
[DEBEBOBBo
0 caixa da companhia do llehoribe, tendb do pres-
tar as suas contas, le mbra aos Srs. accionistas a rea-
'isacSo des 4 por cento, ltimamente pedidos.
CGMMEUCIO.
Correspondencias.
Sr. Redactor do Diario de Pernmbuco. Bogo-lhe
de publicar no seu interessante Diario o provimen-
to quo obtivo no recurso que interpuz do pronuncia
que contra mim houve nos juizos Amorim Carioca.
O responsavel constante do provimento, hbil, segun-
do elle, be o mesmo que se acha nos autos por amor
dos quaes sollro prisSo desde abril, e que esto por
ap|iella"g3o no tribunal da relagSo. He isto para pro-1
var a justiga de inhiba detengan.
Com isto muito obrigarao seu amigo e collega
Antonio Dorgts da Fonseca.
S. C, 26 de novembro de 1847.
PROVIMENTO.
Vistos estes autos de recurso entre partes, recur-
rente Antonio Borges da Fonseca, e recorrida a jus-
tiga publica, etc Dou provimento ao recurso inter-
poslo; porquanto, tendo sido chamado responsa-
bilidade o recorrente Antonio-Borges da Fonseca
como impressordoperiodico Natareno, pelos crimes
commettidos no n. 15 do mesmo peridico, de 27 de
margo do correte anno, apresentou por escripto o-
brigagao do rcsponsabili.ladc do edilor Francisco
Antonio Xavier, responsabilidado que jamis pode
\'l rX.ar. .e ser.ace'ta, vista da disposicflo do artigo
Alfaodega.
HE.NDLMEM'O 1)0 DIA 26............8:184,353
Descarregam hoje, 27 de novembro.
Barca ttalilla -- mcrcadorias.
Patacho Freedon carvSo de pedra.
(alera Sword-Fith mercadorias.
Briguo hliza-fowen idem.
Consulado.
KENDIMENTO DO DIA 26.
eralj..........
Hiversas provincias.
812.666
5,416
818,082
Aloviiuciito do Porto.
Navio entrado no dia 26.
Lisboa ; 25 dias, briguc sardo Daino, de179 1onela-
das, capitSo Manoel Buzanno, equipagem 12, car-
ga vinlio, sal, ceblas e mais gneros do paiz; a
(Hiveira Innilos & Companhia. Passageiros, o ba-
charel Antonio Pedro do Mendonca Corto Real, sua
senhora o dous criados, Antonio Riboiro doLiz
loixeira, sua senhora e uro filbo menor.
i:DITA ES.
Pnblicacoes Litterarias.
PORTUGAL.
Recordag3odo anno d 1842, pelo principe Li-
chnowsky traduzido do allemfio segunda edig3o
correcta e annotada.
O consumo rpido da primeira edigfio, e a sua
procura por muitas pessoas que ficaram sem ella ,
induzio o traductor reimprpss3o desta obra curio-
sa que conten) a .apreciadlo dos caracteres mais
nolaveis do paiz dos seus nrootecimentos polti-
cos monumentos o lugares principaes feta por
esse ririncipe prussano que all visiou em o an-
no citado. Um folheto do 220 paginas. Vende-se
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Organon do Kahncmann ou exposigfio das dou-
trinas homcepalhicas, 2 v. pequeos; Manual do
nai de familia do capilSo do navio e do fazendei-
ro ou noticias elementares da liomoepattiia con-
lendo a acg3o dos 24 principaes medicamerttos ho-
mcepathicos, 1 v. : vende-so por prego commodo ,
na ra da Cruz, n. 1, segundo andar. *
O Muscu Piltoresco jornal recreactivo e ins-
tructivo, com excellentes eslampas, at o n. 21, por
prego menor do que a da assignalura : vende-so na
ra da Cruz, n. I, segundo indar.
THEATKO PUBLICO.
HOJE, 27 DO CORRENTE,
a beneficio de um particular, se representar a
verdadeira pega
A M0RTB 00 GRANDE PATRIOTA PORTUGUKZ
0 GENERAL GOMES FREIR DE ANDRADE
OD
i victima do dexpotismo ingtez.
Esta pega ser a presentada em scena conforme el-
la heno seu todo. OSr. Sania Roza cantar, em um
dos intervallos, urna engragada aria, e arrematar
o espectculo com o jocoso entromez
O BANANA.
Alm disso, duas jovens brasilciras dansarSo a
polka.
O resto dos liilhcles existo na ra do Queinnido,
loja do Sr. Joaquim Monteiro da Cruz, n. 25.
.v visus narititno.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade o/Kcial da im-
perial ordtm da Rota, cavalleiro da de Chritlo e ins-
pector da alfandega de Pernmbuco, por S. SI. o
Imperador, que lieos guarde, etc.
Fa saber que no dia 29 do eorrenle, ao meio-
dia, e na porta da alfandega, senado arrematar
o seguinte, impugnado pelo amanuense Goncalo
Jos ila Costa e Sa, no despacho por factura deJ '
Keller&C : 168 pegas de tafela assetinado, no va-
lor do 1:900,000 rs. ; 13*duzias deteneos do seda
para grvala, no valor de 300,000 rs., o 120 s'rozas
de bolOes de eda para falo, no valor de 125,000 rs.:
sendo dita arreuialag3o subjeita ao pgamoiito dos
dfroitos.
Alfandega, 26 de novembro de 1847.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
Miguel Archanjo, etc.
vip h. m B P?n! v,sl 1.u0 mencionado Xa-I Fago saber quo no dia 29 do eorrenle ao moir,
ver he pessoa conhecid. e rdenlo, no Brasil, co-ldia, na porta da alfandega, M?&Zt&
A barca portugueza Kspm'lo-Sanlo sabe para a
cidade do Porto com a maior brevi'dade possivel :
quem na mesma.quizor carregar ou ir de passagem,
dinja-seao consignatario, Francisco Alves da Cu-
nta, na ra do Vigario, n. 11, ouao capitao na pra-
ca do Commercio.
ParaoRio-Grandc-do-Sulsahir breve o pata-
cho Dous-de-Agosto, por ler parto do squ carrega-
menta promplo: quero no mesmo quizer carregar,
ou embarcar escravos, paeentender-se cun Amo-
rim Ir mijos na ra Para o llo-Grande-d-Si|l sabe uestes 6 dias,
O briguo A'cAo, de que he capitao Manoel Pereira de
Sa : tem bous commodos para passageiros e escra-
vos : os pretndanles dirjjam-so ao cpitfio, ou a
ra da Cadeia-Vollia, armazem do Bailar Si Oli-
veira.
--Para Lisboa sabe imprctcrivelmente, no dia 8
'dedezombro, obrigue portuguez Noro-Vencedor :
recebe carga a frote e passageiros : Irata-so com o
capiao na praga do Commercio, ou com o consigna-
tario Thomaz de Aquino Fonseca na ra do Viga-
fio, n. 19.


A escuna portugeza Andorlnha pretende sahir
para Lisboa al 3 do prximo dezombro : quem
nellaquizorcarrogar ou ir de pasaagem, drja-se a
rua da Cruz, n. 45, a casa do Nascimnlo & Amo-
rim.
Freta-se para qualquer porto do Mediterrneo a
. niuito veleira barca sarda Washington, de primcira
classe, do 230 toneladas : a fallar com o'capitn o An-
tonio Copol, na praca do Commercio.
Para o Rio-do-Janeiro segu o patacbo U nto :
quem no mesmo quizer carregar ir de passa-
gem ou embarcar escravos, dirija-se a Gaudino
Agostinbo de Barros na rua da Cruz no Recife.
n.66.
Para Maranh.no sahir o patacho nacional Dout-
Irmiiot, por ter a maior parte do seu carregamento
prompta ; aimia recebe alguma carga a frete, e tem
bons commods para passageiros : trata-se com Jos
Bapt'Sta da Fonsoca Jnior, na rua do Vicario, n.
25, ou com Antonio Francisco da Silva Carrigo, na
rua do Trapicho, n. 6.
Para Porto-Alegre e Rio-Grande seguir, em
poucosdias.o veleiro brlgije Argo, oqual podo re-
cebar escravos a frete por ter para isso boas accom-
modaces, e assim tambem passageiros : quem qui-
zor pode tratar com Amorim Irmilos, rua da Cadcia,
n. 43.
Le i 151 s.
Donolson, capitao do patacho inglez Mara ,
far leilao de todos os sous sobre slenles, consis-
tindonm carne de varea salgada e de porco bola-
cha, etc. : segunda-loira, 29 do corrente, asi! ho-
ras da nianhila, no caes da Alfandega.
Kalkinarin Roseninnd farflo leilao, por in-
tervenc.no 4 corrector Olivcira de urp lindo sor-
timento de fazendas, chegadas pelo ultimo navio
de Franca', Armorique, as quaes silo inteiramente
proprias para o tnmpo da prxima festa : segunda-
feira, 29 do corrente, asi horas da manhfla, em
ponto no seu armazom da rua da Cruz.
ATTKNCAOM
O lcvantamctvto .da brtndcira
de N. S. da Coneeicao da
ponte do Recife,
ter lugar na madrugada do boje para manlr.la,
28 do corrente. Os festeiros espera m que os mo-
radores das ras Canceigao e Cadeia Iluminen!
suas casa:, afim delornarom mais brilltante'um acto
do tanta venerado.
m
')
O doutor Alexandro de Souza Poreira lo
Carino, medico mudou sua residencia
para a rua larga do Rozario n. 12, segun-
do e lerceiro andares do sobrado onde tcm
botica o Sr. Jos Alaria Goncalves Ra mos.
fg
Vendas.
Avisos diversos.
Theatro de Apollo.
A direcg.no sciontica aos Srs. socios, que* tem
marcado o di primeiro de dezombro prximo para
a recita do mesmo theatro, e que a dstribuic"o-dos
bilhetes ser feita, desde boje al o dia 30 do Cor-
rente pelo respectivo thesoureiro na rua do Tra-
piche n. 17, em cuja occasino receber o que esti-
vercm a dever, e a quem tambem ontregar3o as
suas proposlas para convidados procurando-as no
referido dia 30, no sain do mesmo theatro, das
10 horas da manhSa as 6 da tarde, depois das quaes
nno ter mais lugar qualquer proposta ou trans-
ferencia que porventuraapparocer possa. A direc-
caosciontiica mais que so acha vedado o ingres-
so no saino aos convidados que nao tiverem suas
familias as galeras.
Aluga-so a casa lenca n. 3, da rua do Jasmim
por (letras de San-Concalo, na Boa-Vista, a qual
tem quintal e cacimba : a fallar na rua do Apoilo
n. 22, segundo andar. '
Alugam-se e vendem-se tanto a retalho como
aos centos muito grandes o boas- bichas choga-
dase|lamburgo : tambem so vflo applicar para
majs commodidade dos preleudentes: na rua es-
trella do Rozario lojn de barbeiro, n. 19, defronto
da rua das Larangeiras.
--Precisa-sede urna mulhcr idosa para ama do
casa', que seja capaz e que saiba fazer alguma ser-
vico de portas a dentro ,'sendc preta ou parda
J
menino que seja captiva : na rua do Itange, n. 36
segundo andar.
- Na rua Nova loja n. 58 ha quem se cncarre-
R''e demandar lavare cngomiiiar toda o qualquer
quahdadede roupa dobomem, senhora e meninos
uo ambos sexos por preco rasoavel.
-O abaixo assignndo, proprietario da casa ter-
rea com golo, sila na rua dos Copiares, n. 45, quo
eslava alugada a senhora Auna Joaquina de Albu-
lucrque vendo que a dita casa eslava fochada des-
e o inez do noveinbro doanno passado e por esta
lorma cahindo em ruina.alm do prejuizode nfloler
sudo pago dos alugueis de de Janeiro do corre-
lo anuo, annuncia ao publico e a quom mais con-
vier, que, por autoridade policial e com teslcmu-
nliase formalidades doestylo, fez abrir dita casa no
da 11 de novenibro e Tez depositar os trastes quo
dentro so acharam os quaes esl3o obrigados ao
pagamento dos alugueis vencidos. Quem dtreito ti-
veraos mesmo, appareca na la da Scnzalla-No-
va no bairro do Recife, n. 7, venda de Jos Pereira,
para que, pagando os alugueis, os possa receber ,
porqoeoabaixo assignado mo sabe aonde com
verdado existe esta senhora.
Joto F.ttevt da Silva.
Tresse, fabricante de orgaose realejos, tem
para vender 3 orgaos : tambem concerta os dilos ins-
trumenlos pOo marchas novas, e compra reale-
jos ja servidos.
Arrenda-se pelo tompo da festa un sitio na
malla da Torro, defronto do Sr. A. Carnciro, com
casa que contm 5 quarlos, com desfructo de porc.no
de ananazes abacaxis, planta de rapim para dous
cavallos e mais fructas a colher : os pretendentes di-
rijam-se a praca da Boa-Vista, casa n. 6, ou a rua da
Santa-Cruz, n. 74.
Aluga-se, por preco com modo at agosto do
anuo prximo lluro, urna boa casa terrea, com
bons commods sita na povoac3o do Monleiro :
a tratar rom Jos Antonio Concia Jnior, na rua da
Concordia do 1 as 4 huras da larde.
Aluga-so um primeiro andar na rua do llortas,
n. 9; um armazem na rua larga do Bozario u. 23 ;
um sitio na Magdalena na estrada da Torro : a tra-
tar no Atcrro-da-Boa-Vista n. 43, casa da vi uva de
doutor Itrito.
Precisa-so de um capeliao para dizer missa
todo anuo, parte doanno na Magdalena, o parte
nesta cidade : a tratar na praca da Independencia^
livraria ns. 6 c 8.
--Aluga-so o segundo andar do sobrado da rua
da Guia, n. 64, defronte da venda do Sr. Jos Perei-
ra : a tratar na venda do mesmo, ou na rua larga
do Rozario loja do miudezas n.22
--Precisa-se de 3:000,000 do rs., dando-se um
sobrado livre e desembarazado sito na rua do l.i-
vraniento n. 12, a fallar na iiicsina rua, n. 5, de-
fronte do mesmo sobrado, o qual tambem so vend'.
~ Aluga-so o terceiro andar do sobrado da rua
do Queimado ii. 8 : a tratar na loja do mesmo so -
lirado.
0 bacharel Angelo llenriqucsda Silva mudou o
seu cscriplorio.para o primeiro andar do sobrado da
casa. 20 da esquina da rua do Collegio, em que tem
livraria o Sr. I)r. Coutinho.
Aluga-seuma casa terrea-com bons commods,
por8,000rs. niensaes sita na travessa do l'eixolo ,
n. 19 : a tratar no becco do Sarspatel, sobrado n. 16.
Aluga-se, durante o lempo da festa, una casa
no Poco-da-l'anclla a margein do rio junto a casa
onde morou osacristfto da matriz : a tratar na rua
do Queimado, botica n. 15.
O doutor Casanova medico francez, continua
a receitar em sua casa na rua Nova 7, primeiro.
andar, defronte do oitac da matriz de S.-Antonio.
das 7as 9 lloras da rnuitli.Ta e depois disto, esl
prompto a -qualquer hora para fazer visitas a qual-
quer docnto que do seu presinti so quizer ulifisar.
Quepi livor urna preta para alugar, que saiba
cozinhar, engommare fazer todo o ::iais servico de
nina casa, equodfador a sua conducta dirija-
so a rua da Aurora n. 20.
0 TRIBUNO N. 53 I Compra-so urna banda de retroz em bom estado
est venda na praca ck Independencia, na,;6 o 8.11^"^ma casa terrea que tenha com-
0 redactor roga encarecidamente a lo.turadestonu-j para urna ..3o pequea familia :
'"ero, porque cuinpre medita-lo e comprel.cnd-lo, "X?e "c ,ia Hoa-Vsta que, temi quintal, ca-
cmquatito he lempo de salvado. )b ja e(I1 chaos Droprios e dese.nbaracada -
1.7 "gaveu seBu"d0 andar da casa n. 3, da rua >d R f n. 18 segUndo 'andar,
da Cadea-Velha com commods para familia. Na "
mesina casa se vende o vordadeiro especitico para
fazer uascer e conservar o- cabello e oulro para
curar a surdez ambos vindos da ciclado de Braga.
ttoga-se ao Sr. thesoureiro da lo-
tera do hospital de caridade haja de
nao pagar o que porsorte sthir no meio
bilheten. i,9o visto ter-se. perdido
em umi carteira com mais papis e urna
cdula de 5,ooo rs. : tudo pertencente a
Zeferino lieite de Souza Alvares.
Quem precisar de um oicial de piarmacia ,
anda quo seja para fora da cidade, o qual tem muita
pratica dirija-se a rua da Cruz n. 99.
A pessoa quo perdeu urna algalia do prata di-
rija-se a praca da Independencia livraria ns. 6 e 8,
que Ihe sera entregue.
Arrenda-se, animalmente, ou por festa, urna
boa casa na povoacao'.da I!oa-Viagem,com 4 quartos,
etc. : a tratar na rua Augusta, n 30.
ATTENGAO.
Gel
o.
Vende-se, do boje em dlante gelo no botiquim
junto ao theatro.
gJ# W%. ItfliflIllV ^Jie^I. 53
^ Vende-se urna preta que cose perfeitamen- @-
^ te, fa/. lavarinln, marca, engomma he per- 2
f feita cozuiheira en.no tem vicios ; unta niu-K
^ latinliareccdhi.la, de 13 anuos, quo cose, 2
2 tem principios de eiigomtnado, o ha ptima $
para todo o arranjo de urna casa; duaspre- S
JJ tas niociis que cozinliam muito bem o dia- &
rio de urna casa, engommam liso: lavam de 2
-g sabno e varrella e sabo.n vender na rua azei-
S~ te de carrapato: na rua do Vicario, n 24 S
se dir quom vende.
aV|VrJ>iatr 0% 01* *,* t+ tfT^ Oi*|
Preciaa-sc i|o d.ous discpulos para marconeiro :
na rua da Cadeia de Santo-Antonio, n. 14.
-* Est justa e contratada a casa terrea n. 13, da
rua da Praia do flaldeireiro.pcilencenleaoSr. Fran-
cisco de Amorim Lima ; se houver alguma hypolh<--
cn, penhora, ou outro qualquer embaraco, hjaiu de
aiinunciar uestes oilo dias, para ntto haverem duvi-
das para o futuro.
resenicamiuhou-sc da pracinha do l.ivrmon-
toum cavallo passeiro, de cor melado-clara, di-
na da mesma core cortada, pequeo o gordo, com
urna carga de lies alquoires de cal preta, dentro de
sayos de assucar : rOga-se a quem o adiar o entro-
Suciedade PililoTerpsichore.
O primeiro secretario interino avisa aos Srs. so-
cios, que hoje, 27 do correnle, ha rcuniao do con-
celho administralivo para approvagao de convida-
dos parlida do dia 4 de dezombro prximo futuro.
Igualmente Ihesscientilica que no dia 29 do corren-
le lia sessao da sociedade.
I'recisa-se de duas costureiras de
alfaiate, para tiahalharem por dia, pa-
gando-sc-lhes una pataca por dia,e dan-
do-se-lhes almoco c piular: na rua ,\o\ .,
ji. 6o.
~ Aluga-so urna casa terrea na Soledade n. 17,
aopdo Sr. Vieira cambista: a tratar no paleo
do Carino, n. 17, com Gabriel Antonio.
Ainda est para se alugar, por todo este venlo ,
o sitio da Ponte-de-Uclia chamado deMcia-Dohla,
com boa casa de sobrado .grande extensflo" de ter-
reno com muitas e diflerenlcs arvores de fructo ,
boa agoa de beber, urna grande e fresca baixa do
capim de planta por prego commodo : a Iralar na
rua Nova loja de ferragensdo Teixeira & Andrade,
Cerlo Senhor quefoicomuma ordem do arse-
nal de guerra na reja do S. Bita Nova para que
o sacrislo. enlrcgas.se 80 lampeOes dos quo linbam
servido na festa de S.Rita, para illuminagao, os
3 unos lo rain servir em urna fosta que houve no
bmingo pFoximoda.de S. Rila|: o como n.no se sa-
be o nomo do dito Sr. cima nem aonde foi a dila
fesla por isso se roga a essa pessoa ou a quem
leste negocio der iiformac,Ocs que se dirija a rua
Dimita n. 80, que se gratificar o seu Ira balho.
Pcrmuta-se lima casa de campo na cidade de
Olinda, defronte docollegio dos orphSos em Santa-
Thorcza, por um sobrado na Boa-Vista ou em San-
to-Antonio, tambora aluga-so por 3 a 6 aimos ; a ca-
sa lem C janellas de fronte envidrar.adas a moderna,
portao largo para sege e muitos commods para
grande familia; tem 4salas, 4 quartos, I bom so-
tno com janella no oitno, 1 gabinete com porta eja-
l-lla i 11 idi-.-ii-ailas, 2 dispensas, 1 em ponto maior
com 6 caixilhos, 2senzallas, 1 para pelos e oulra
le prelas, um gallinheiro com'70 palmos, e I nuarto
para dormida de gallinhas, obra de bom gost, boa
cozinha, coclieira, estribarla para 3 cavallos, 1 vi-
veiro de peixe com 400 palmos, e passeio pelos la-
dos; n< fundo do viveiro tem um sobradinho com
porta e janella que deita para a caniba do Pisa, c
com 4 janellas que bolain para dentro do mesmo vi-
veiro, que serve de recrcio, bom porto do desem-
barque u bom lianlio ; a propriedade lio toda fecha-
da de muros. A pessoa a quem convier o negocio.
procure nos dias litis na Ponte-Velha da Boa-Vis-
ta, deposito do agoa, a qualquer hora, o nos domin-
aos na mesma propriedade, em Olinda.
Quem anuunciou a venda de una cosa terrea,
sila no bairrodu S.-Antonio ;em chaos propriose
desembarazada ifirija-so a rua da Cruz n. 18, se-
gundo andar.
Quem annunciou querer vender una casa ter-
rea por 850,000 rs. dirija-se a rua da Cruz, n. 18,
segundo andar.
Te/ido sido, por varias tioites, Curiadas as cu
polas dos lampeOes da illuniiiia(,'no publica do caes
do Collegio e altribuindo-se islo a algum esper-
lalhiio que se quer aproveirar dnquillo que lie nflo
per ten ce j o abaixo assignado pedo as pessoas a quem
laes objeclos sejam offerecidos quo os apprehen-
dam e entreguem, queserao recompensados,
Fimtino Thtolonio da Cmara S.-Tiago.
I'recisa-se de um amassador para una- pada-
ria na villa do Rio-Formoso : na rua da Cadeia,
loja ii. 55.
Lotera do Rio-de-ffa.eiro.
Aos 20:000,7000 de res.
No vapor San-Salvador acaba de chogar um lin-
do sorliment de bilhetes da 12.', a favor do monta
pi geral: a elles antes que chegue o vapor. Estilo a,
venda com a rubrica "" lo's d*1 caiibio 4* Vieira_.
na rua da Cadeia do llecife, n. 24.
Vendem-se semenles do hervilbas, rabanetes ,
trinxuda cebla e alface : tambom venderse po-
tassa, cal virgom do Lisboa vinho do Porto em
pipase barris, de divorsas qualidades; fechaduras
para portas de armazem; pitillas da familia ; coei-
rosde algodSo ; panno do linho; meias para lio-
mem (ambom de linho: tudo por prego commo-
do : na ruado Vigario, n. 11,%primeiro andar.
lm casa de Prederico Itobilliard,
na rua do Trapiche-Novo, n. 18,
vende-se superior cerveja branca e preta, em bo-
tijas da fabrica de Barclay j conhecida como a
melhor quo at ao presento tem viudo.
Vcndo-se una parda de bonita figura, do 20
annos pouco mais ou u.enos, a qual lem boas habi-
lidades e he propria para todo o servigo do casa na.
rua do l.ivraineulo, n. 34.
-------Vendem-se enleites de Croco de d-
veisas cores para caberas de senhoras :
na loja de Maya llamos & C, rua Nova,
n. G.
Vende-so um negro perito odicial de sapateiro,
dt idade de 20 anuos, e urna negra cozinheira, cos-
tureira, lavadeira e engominadeira, do idade de 22
annos pouco maisou menos : na rua estreitado Ro-
zario, u. i:i, secundo andar.
= Vende-se, por precisilo urna escravn queen-
goninia, lava de varela be boa quitandeira, mui-
to fiel e de boa conduela, o quo so alianca : na rua
do Collegio, u.3, segundo andar.se dir quem
vende.
- Vendem-se lijlos de mar-
more: em ca6a de Oliveira I raaos
& C, na rua da Cruz, n. 9.
Vendem-se 4 escravos sendo um pardo do 20
annos robusto ; um preto de Angola de 28 annos;
una crioula de 20 anuos ; urna parda do 28 anuos :
ambas cosem, lavam, ciigommam fazoui retidas e
bicos, o entendem soffrivelment db cozinha:
lodos so vendm para um pagamento: na ruados.'
Tanoeiros armazem n.'5.
Lencos de cassa, a 120 rs.
cada um.
ou com Manoel Pereira Teixeira morador no seu
sitio no Manguitiho.
Precisa-so fallar com os Srs. abaixo menciona-
dos, ou saber-so do suas moradias,a negocio de seus
interesses : Antonio Flix Pereira, Jos Gomes Fer-
reira.Joaquim Barbuza do Souza, Manoel Pereira
da Costa l.arangeira Joo de l.ima Bastos: na rua
larga do Bozario, padaria n. 48.
Desapparecerem, da serrara da rua da Praia, de
Manoel Luiz de Mello, 5 pranchoes do louro : quem
dclles souber ou der noticia na mesma serrara,
ser gratificado.
Aluga.se o primeiro andar de urna
boa casa na rua de Apollo^ com bastan-
tes quartos : a (rotar na mesma iu>, ar-
mazem de assucar, n. ai.
-- Jo.no da Silva Moreira embarca pafa o Bio-Cran-
de-do-Sul o seu escravo Joaquim Angola.
I'recisa-se de urna ama forra ou captiva : na rua
de Borlas n. 16, primeiro andar.
0 abaixo assignado previne aos seus credores
de queosu armazem da rua da Praia fra fecha-
do e recolhidas as chaves ao deposito geral, a re-
quorimentodo Sr. Joaquim Jos do Farias, pro-
prietario da casa'; e bem assim avisa aos mesmus
Srs. que se acha residindo por emquanto na casa
n. 38 da mesma rua onde poder ser procurado a
qualquer hora. Luiz Jos J'trrcira.
--. Precisa-se do urna pessoa capaz para entrar do
sociedade om urna venda entrando com metade do
ilinbpiro a vista em Fra- li;-Portas ti. 84 : a lia-
na mesma venda.
\Uenco.
Prccisa-sc de 1:600,00,0 rs. n premio, com segu-
ranza em una ou duas muradas de casas no bairro
de S. -Antonio | co lempo quo so convencional-,
pagando-so'o premio mensalmente qu como for
a conteni da pessoa que der o dinbeiro : as casas
sao terreas e em boas ras : lambein seda o uro ou
prata : na rua do Agoas-Verdes, n. 46.
-- Na rua do I.ivramenlo sobrado junio ao ta-
noeiro, havera domingo, todo o dia al lindar o
fogo, bom sorvete do diversas frutas, ect veja, li-
cores e varanda franca para as senhoras verem o
fogo a sua volitado com tanto que facam gasto.
Aluga-so a casa terrea por detrs da rua da Au-
roia ao p da casa do Sr. deseiiihargador bastos ,
por 10,000 rs. niensaes, com duas salas, quatro
quartos dous gabinetes, cozinha fra, quintal e
cacimba : a tratar na rua do Crespo loja n. II.
- I'recisa-se de um rapaz para caixeiro quo te-
nha pratica de miudezas : na rua larga do Rozario,
ii. 35
hociedade Secreio-Juvenil.
O primeiro secrejario avisa aos Srs. socios, que
domingo, 28 do corrente ha sessao da sociedade
para approvacao de convites partida de 18 de de-
zombro, as 4 horas da tarde, na casa da mesma so-
ciedade.
-- Manoel Alvos Cardozo embarca para o Abren a
sna escrava de nome Josepha.
Certo senhor foi, no dia vinledous do presente,
i estribara do arco do Bom-Jesus, o alitgou um
cavallo nielado e col, com afrente abena e tres
ps calcados, carregador baixo, de8anuos de idde;
e disso que ia para o Poco, e que o entregarla no
mesmo dia: mas como ate o presente, ainda naocotii-
prio sua promessa por isso"pede-se a qualquer
pessoa que'oncoiitrar dito cavallo, do o levara refe-
rida estribara, quo ser recompensada.
Arrerida-se um sobrado em Olinda, na rua de
Saii-Boiilo, ii. 58, para se passar a fes,tn, muito fres-
co, com vista para os quatro lados, bstanle gran-
de, contendo 2 salas, 6 quat tos o Ibgao moderno :
os pretendentes dirija ra-se ao seu proprietario no
bairro da Boa-Vista, rua da Conceic.lo, n. 52, que,
-acharflo com quem Iratar, ou, na mesma Olinda, ao
sobrado do .reverendo chantre, no Varadouro.
. -- Quem precisar de um bom oliicial que purga o
fcado y n-1lA' uue sera firati- Asucar em 22 das, e do um destilador do ago'ar-
I dente, dirija-se aos Afogados, n. 35.
Compras.
Compram-se 500 meios do sola de boa marca :
na rua do Collegio, armazem n. 19.
Compra-so, ou aluga-se una ngrinha para o
scrvicodo urna casa estrangeira de pouco familia ,
o quo enlcnda de engommar ; na rua do Vigario,
No Aterro-da-lloa-Vista u 10, primeira loja do
fazciulas indo da ponte vendem-so leiifosde cas-
sa do quatro pontas, com listras brancas e do cores,
a seis vinlens ; casimiras finase de bonitos padres
para calcas a 4,000 rs. o corte de 3 covados c meio,
ou a 1,120 rs. ocovado ; riquissimos cortes do col-
lele de fusWo.a 1,000 rs.,e do setins de cores mui-
lo lindos a 2,000 rs.; setins brancos lavrados ,
proprias para vestido de bailes o casamentos a
1,000 rs. o covado. ''odas estas fazends sao de
ptima qualidude a vista dolas verilo os compra-
dores que mo ha exageradlo nesle aniiuncio.
Sal.
Vcnde-so sal muito alvo, a bordo do lirigue So-
ciedadt, tundeado em fronte do trapiche do Sr.
Angelo : a tratar com o capil.no a bordo ou com
Jos Francisco Collares, as escadinhas ou nos tra-
piches da esliva.
Vomdem-se, no dislrielo da villa de Bananei-
ras, na provincia da Parahiba do Norte, as seguin-
les Ierras proprias para plantacoes do algodao e-
cannas de assucar, a saber: um silio com meia egoa
do trra, denominado--Alagoinha- ; um sitio com
una engenhoca encasa to vivenda, det-ominadoBa-
copari propria para dar caimas de assucar, quo
foi do finado Joaquim do llego Toscano o Brito,
ora parto do sitio Pao-d'Arco ; urna parte do trras
no silio Cannabrava, muito propria para prodcelo
do cannas de assucar, leudo proporcocs para se le-
vantar um engonbo ; urnas trras denominadas
Sitio-Novo, om CallabouQo, com unta casa gran-
de do vivenda, senzalla para escravos, prensa para
encacaralgod.no o outros pertcnces para descaro-
camentodo mesmo genero, que foram de Francis-
co da Cimba Bibciro: sao proprias para plantacao
de algodao, ou para criaQtlo de gados. Quem as
quizer comprar dirija-se naquella villa aocapitSo
Estevilo Jos da Rocha, ou na cidatlo da Parahiba, a
Jos l.uiz Pereira Lima.
Admira veis nava-
llias de acoda China
que teem a vanlagem de corlar o cabello som oflTen-
sa da pello, doixamlo a cara parecendo estar na
sua brujante lliocidade.
Este ac vera exclusivamente da China e s nel-
lo trabalbamdous dos molhores o mais abalisados
cuttleiros da nunca excedida e rica cidade de Pe-
kitn capital do imperio China.Autor Shan.
N- l!.- He reconhecido o uso destas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das scien-
cias mcdico-cirurgicas, tanto da Kuropa como da
America Azia c frica, n.no s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas tambem como um meio cos-
zaS^r verdadeiras s na r lf "a do Ro-
" a.,rcllarga d Kozario n- 5a' "> da esqui-
na confronte a igreja, vendom-so boas bichas de
llamburgo, tanto em lamanho como om qu.d
de : tambem se alugam e ihandam-se appcar : tu,
do por preso commodo. ffo" m-
ILEGIVEL



4PV
A
Vende-se uma negrinha costureira e rdndei-
ra; um mulatinho rom principios de sapatoiro : na
ra larga do Hozarlo, loja da miudezas, n. 35,
so dir quem vendo por querer retirar-se para Co-
ra. Na mesma joja tambem so vonde um piano m-
gloz que precisa de um pequono concert pro-
prio para se aprender.
He so na loja do nicho que
apparccem estas pechinchas.
Na esquina do Livramonto loja do nicho, ven-
dom-se mantas para senhora a 1,000 e 2,000 rs. ;
.> setim branco de llores, com duas larguras, a
1,280 rs. ocovado ; riscadinhos chinezes, com lis-
tis de seda a 360 rs. o covado ; chales muito gran-
des do garca e seda a 2,000 rs.; loncos grandesda
mesma fazenda a 1,000 rs.; ditos escocezes do
bonitos gostos a 200 e 320 rs. ; e outras militas
nechinclms nnvga ehegadas de nro^osilo nra a
rosta.
Vendem-se ancoretas de di-
versos timanhos com vinho da
Madeira, tinto e branco, de su-
perior qualidade: no escripto-
rio dcOliveira Irmos & Compa-
nhia na ra da Cruz, n. 9.
Attcncao!
Acaba de chegar loja doPassoio-Publico n. 17,
tima porc3o do corles de cambraia transparent de
liia, para vestidos de senhora, padrOes inleiramento
novos, e que so espera merceam geral applauso das
senhoras de bom goslo, c muilo principalmente das
que tencionam passara fesla cm seus sitios. A por-
folio diminuta o nflo ha mais em Pernambuco ,
por isso sem demora devom mandar por elles, antes
queseacaliem mesmo porque o pre^o convida ,
pois he o do 5,000 rs. por cada* um corto.
LOTERA
1)0
Hospital Pedro' I i.
Conlinuam-so a vender os bilhetes dcsla lotera,
no bairrodo llccife, ra da Cadeia n. 24, loja de
cambio do Sr. Vieira ; no bairro de S.-Antonio, ra
doCahug, n. II, botica do Sr. Joflo Moreira Mar-
ques; na pracinlia do Livramenln n. 51, loja do
Sr. IhesoureiroMoraes ; na ra do Livramento, n.
k2i, botica do Sr. Chagas. Drevemente ser jinnun-
Ciado o dia impreterivel da sua extracto.
^ LOJA yr0
DE G PORTA $U2
Nesla loja das pechinchas, vendom-so pan-
igj nos linos, a 2,500, 3,000 3,500 c 4,000 rs. ,
^ c muilo lino, prova do limfo a 5, C e 7,000
% rs. ; casimiraa de duas larguras, a 1,500 o
0 2,000 rs. o covado, e muito superior, a 3,000
jjgj c 4,000 rs. ; cortes de setim e do velludo
|g para callte, a 2,000, 2,500 c 3,000>s.; man-
v% las de setim para hornero, a 2,000 rs ; um
}5 PranJcsortimento do madapolOos chitas
vs| c outras muitas fazendas para a festa por
^j baratissimo preco, para acabar antes do ba-
sf? lauco.
?mmmm mmm mmmmwm
Vend-sc, a bordo de berganlim ndependeii-
te.fundeado defronte do trapiche da alandega,
sobo em rama, encarne superior.
Ka loja nova da ra do Quci-
niado, n. 1 f a, de Raymun-
do Carlos Lcite,
acha-so um novo sorlimento de lindas mantas de
seda a 4,000 rs. alendo tambem do 2,000 10,000,
|C,000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora de troca I,
ultima moda em Lisboa; meias cias n. 10,'a 5/
rs. a duzia.
Vendem-se peqas de madapolo limpo, com
M varas a 2,500 rs. ; pecas de chitas escuras mui-
lo encorpadas, fortes e de cores lillls a 5,500 rs. ,
ba ltOns. a retalho : na ra estreita do llozario,
ii. 10, terceir andar.
Na fabrica de bebidas espirituosas, na ra da
Sonzalta-Velha, ti. 114 alm das bebidas espirituo-
sas que so vendota na dita fabrica ha refrescos
clegrozelas, de flor- de laranja, de capil, tama-
rindos e de maracuj : tambem ha algumas garra-
las de summo do grozelas muito bem feito na mes-
illa rubrica; esuperior vinagre : ludo se vende por
proco commodo. Na mesma fabrica compram-se
garrafas e botijas vasias.
O BARATEIRO.
a a nova loja da ra do Cres-
po a o p do arco de S-An-
toio. n.4, de Ricardo Jos
de I rcitis Hibeno ,
vendem-se casimiras a turca do una so cor, fa-
llida inteiramenlo nova em padrOes e qualidades ,
e queteni urna elasticidad* q_uo se nflo encontra
iiessas outras casimiras vulgares.scndoestasapplau-
wew tanto para calcas nomo parn excellentcs na-
> L' l)orlplc";iJU"s larguras, eo scu preco ser
i.OOO rs. o covado e o corle de calcas 7,000 rs. Igual-
menta ha lencos de 3 ponas de cambraia com cer-
cadura de core palmas bordadas, proprios para
pescoco de senhora a 120 rs. cada um ; cortes de
cambraia adamascada, do bonitos padrOes e com 7
Os Hur y res,
WwV.Mr1 ,da1rfilife'i'<' chrstaa, poema pelo
r-n 1fr^h10ta.Ul,,'!am'' lrWo cm verso 'pur-
r.nWsi u vnTt0 ^,ysi0; "m dosta cnsiK" obra
a"ni, If 0ulrils muiUs; bem co*o uma
poic-o (los mclhorcs romances de WaltorScott na
ruado Uue.mado, botica n. 15. wl"u'r&cow na
varas, a 4,000 rs.; ditos de cambraia com listras as-
setinadas brancas e com 7 varas, a 3,500 rs.
-- Na ra Nova, loja n. 58, voude-se calcado da
jorra a saber : sapatos e sapatos para homem e
meninos; ditos decouroe do marroqu m, para se-
nhora e meninas ; aviamentos para sapateiro ; sa-
pa tOes de lustro, o i| liando nio houver algum que
cheguo ao freguez, tambem se rocebem encom-
mcudas : uma percho de madeira ; linhas; bicos;
ramos de flores; parreira brava, ou abutua para re-
medio ; um braga de lala no, i do autor liom.lo com
um temo de pesos de duas arrobas para bailo pa-
ra armazem (Je carne; um terreno em bom lugar ,
com 200 palmos de frente c 800 e tantos de fundo.
Na loja nova da ra do Quei-
mado.n. II A, de Raymuu-
do Carlos Lcite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de linho do Porio as pecas
silo de 18 varas e meia ; dito de 25 varas, a 600 rs. ;
guardanapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte, propria para collotes, jaquetas e etc., tecido
de seda e linho ; moias de linho asmis finas que
teem vindo ao mercado. '
Vendem-so 200 brandOes de cera do Rio-de-Ja-
neiro do 2 libras e de 1 e3 qilartas, por menos
deseu cusi para liquidar; na ra da SvMizalla-Ve-
Iha, n. 110.'
Vende-se uma balanca grande, propria para
pesar couros, ou carne secca com uma poreflo de
pesos : na ra do Collegio, n. 19.
Remedio prodigioso pira os
embriagados.
Este remedio torna-se mu apreciavel por ser sua
composicfto mui simples, e nSoarruinar a sade do
individuo, fazendo-n aborrecer para sempre a be-
bida. Vende-se na ra da Gloria, n. 87.
Vende-se um molequedeS annos, e um mu-
latinho de 4: na ra da Senzalla-Vellia, n. 110 ,
primeiro andar, se dir que vonde.
DEPOSITO DE CALVIRGEM.
Na ra do Trapiche n. 17, ha sem-
pre cal virgem de Lisboa, em barris pe-
queos, e ultimamenle chegada mui-
to superior e por preco rasoavel.
AGENCIA DA FUNDFCAO' DE LOW-MOOR.
Na ra da Senzalla-.Nova n. 42, contina n. haver
1 n completo sorlimento de moendas e machinas de
/apor, para engcuhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro balido c coado de lodos os lamaiihos:
tudo por preco commodo.
Vende-se um moleque do muito bonita figu-
ra bolieiro o barbeiro ; 2 ditos do 12a 14 annos;
1 preto de 20 annos, de elegante figura ; 2 mulati-
nhos ; 2 pardas; 2 pretas ; 1 negrinha: todas com
habilidades : 1 preto cozinheiro e engommadeiro ;
2 pretos para todo o servico do cua : no pateo da
matriz de S.-Antonio sobrado n. 4.
Casimiras clsticas e finas, a
7,?000rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas finas o
de cores, pelo baratissimo prcijo de 7,000 rs. o cor-
te de calca. Esta fazenda he recommondavel pela
sua qualidade tanto em fazenda como em gostos ,
por seren os mais modernos; casimiras pretas,
superior fazenda por serem muito finas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, loja 11.1.
Na ra da Cruz, n. 26,
vendem-seos seguintes escravos : duas molecas de
12 anuos ; duas inulalinhas uma de 12 annos, e a
outra de 9 ; um paulo de 30 nnos ; um preto de 18
annos ; sola; couros uiiudos ; cera de carnauba ; es-
teiras do Aracaly ; sapatos e bolins obra boa e fei-
ta no .M'ac.i \.
Vende-s, ou troca-se por casas nesta praca, um
terreno com 412 palmos de frente e 150 do fundo,
sito por detrs do coventodo Carmn : a tratar com
o scu proprietario no Manguind segundo sitio
depoisda capella de S.-Jos.
Xa loja nova da ra do Quei-
mado, n. II A, deftaymun-
do Carlos Lcite ,
acha-se um novo sortimontodo pannos linos de todas
as cores e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda ; um completo sorlimento do fazendas linas
e grossas por preco mais barato do que em. putra
qualquer parta.
Vendo-se uma linda negra com habilidades um
negro peca de 20 annos; um moleque de 12 uma
mulaliiiha de 4 annos, e um mujeque de 7 annos,
por seu senhor se' retirar para fra : na ra da
Senzalia-Velha, n. 110, se dir quet vende.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos a prova do
limao prelo, a 3,000, 4,500, 5,500 e 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. c muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos silo novos e pela sua baratoza, ttondendo
n sua boa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na ruado Collegio, n. 1.
A !i.?000 rs.,
saccas com bom mil lio : no
caes da Alaudcga, armazem
de Antonio Aunes.
Vendem-se as obras seguintes, em bom uso :
Joven CecilaiiOj4 v.; o Espillo do campo neutral,
4 v. ; Evaristo e Theodora ,4 v. ; os Esfoladorcs 2
v. ; l'hilosopbo pur amor, 2 v.; Clara de-Elba, 1 v. ;
liclizario, 1 v.;e outras militas obras, por prefo
commodo : na ra de S.-Hita ri. 44.
Vende-se um prelo de nacao, de 22 annos ,
sem vicios nem achaques* o que se aianga ; um
dito de 9 annos; um monho do moer milito, promp-
to (I.- seus pertcnces: na ra do Queimado, n. 40
segundo andar.
~ Anda so vendem tros pretos para o servico de
campo : na ra da Cadeia do Itecife,, n. 59, a tratar
com Jos Das da Suva.
Vende-se um lindo carrinho de
duas rodas novo e muito maueiro com
arreios tambem novos : na ra do Tra-
piche n. 4a, caa de Adatnson Ilowie
6 Companhia ou no Aterro-da-Boa-
Yista cocheica doSr. Miguel.
Na nova loja do Passcio-Pu
buco, n. 19, de Uanocl Joa-
qun* Pascoal Ramos ,
vende-se cortes de cambraia alegra, fazenda muito
moderna a 2,600 rs ; cortes de 13a para calcas, a
3,000 rs. ; cortas de casimira de quadros muito
moderna, a 6,500 rs. ; alpaca preta, a 900 rs. ; me-
rino proto, a 3,200 rs.; panno preto muito fino ,
a 4,500 e 5,090 ri. ; dito azu!, s *O00 rs. saria
preta hespanhola, a 2,000 rs.; setim preto, 1,000
rs.; lencos para grvate de seda de cores', a 400
rs.; utos de cassa a 160 rs. ; lencos de seda pa-
ra homem, a 1,440 e 1600 rs.; loncos brancos de
todos os tamaitos, de 240 at 400 rs. ; mantas de
soda muito ricas a 9,O0J rs.; chales de ISa, a 2,000
rs. ; ditos de 13a e seda, a 8,000 rs.; ditos de me-
tim echita a 1,00o rs.; e outras muitas fazendas
muilo emeonta.
Vendem-se caixas de cha hysson, de 13 libras,
cm porgues ou a retalho i na ra da Alfandcga-
Vcllia, n. 36, em casa de Ma.theus Austin & C.
Vendem-so ptimos casaes de pombos corujas e
jacars, todos muito bnns batedores, grandes e de
boa raga, por prc^o commodo : na ra da Floren-
tina, n. 16. '
MOBII.IA.
Vcnde-so uma porcilo de trastes novos equasi no-
vos, sendo : camas do Jacaranda consolos com es-
pelhos, mosas redondas sophs ricos mesas eles-
ticas, armarios-para louija aparador para sala de
jamar, cadeirinhas elsticas de tapete, escadas de
cama, commodasde amarello mesa de costura ,
banquinhas desala, louca ecrystaes : tambem se
vende urna mulatinha de4 annos; um moleque de
7 anuos : bom como algumas caixas de cera do Rio,
suporior: tudo muito barato, para liquidacSo : para
ver e tratar, na ra daSenzalla-Velha n. 110, pri-
meiro andar.
-- Vendem-se 5 escravos sendo : 2 moloques de
13a 16annos; uma linda parda do is annos, que
engomma, cose chao o faz todo o servido do uma
casa ; uma crioula de 26 annos, que engomma, co-
se cozinha e lava de sabio ; urna dita do nacSo ,
de 40 annos, que cozinha, lava e faz todo o mais
servico de una casa : na ra das Cruzes, n. 22 se-
gundo andar.
Vende-se uma preta de 20 annos quo cozi-
nha o diario de uma casa e engomma com perfeicio;
una parda de 20 anuos, de figura muflo bonita, que
coso muito bem; uma preta propria para vender
na ra, por ter pratioa. disso : na ra do S.-Kita ,
n. 44.
Na ra de Agoas-Vcrdcs,
n 46 ,
vende-se uma cxcellenteescrava com um lindo fi-
Ihinho.comasessenciaes habilidades e capaz de
lomar conta de uma casa ; Ji moloques de na;.<<> o
nulros escravos: todos proprios para todo o servido.
Belroiras.
Vendem-so superiores cortes da fazenda nova
denominada bclinira para vestidos de senhora ,
pelo barato preco do 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
fazenda he nova e do muito sublimes gostos, sen-
do as suas cores mui apreciaveis por serem cor de
lirio, rosa operla. A elles, antes que se acabem.
Na ra do Collegio, loja n. 1.
Chapeos de palha para se-
nhora,
do mclhor posta e finura que pde.haver nesto ge-
nero ; sedas lanadas e de cnrdiozinlio para cha-
peos de senhora ; crep de cores muito fino e lar-
go ; copas de fil para chapeos de crep, com as c-
i es do mesmo crep; mantas de seda para senhora ;
ditas de garca que agora esto muito em moda;
. chapeos francezes da mais superior qualidade e de
formas elegantes ; um lindo sorlimento de luvas,
tanto para senhora como para homem ; e. outras
muitas fazendas da moda e goslo por preco com-
modo : na ra do Cabpg, loja franceza de Manoel
l'inheiro de Mcuuonca junto a botica do Sr. Jo.lo
Moreira.
Vende-se um lindo relogio de.ouro.por pre-
co muilo commodo : no becco do Sarapatel, sobra-
.!g:e:G,J@.,s:g:gje:e:g:-e:e:-e:@:gH
Ci? u
l Na ra dasCruzcs, n.41, vende-se marmela- S*.
l* da nova em caixas de 2 e4 libras, chega- Sft
{] da no patacho Andorinha. fj}
Vende-se um armazem muito grande, na ra
de Apollo, n. 32, aondo os Srs. llego & Companhia
teem o seu estabelecimento : a informar-so com o
Sr. JosGoncalves.Torres e para o ajuste, com Ma-
noel Antonio da Silva Motta. .
Admira veis navalhas de ac
da China,
NA RA LARCA DO ROZARIO, N. 35 LOJA DO LODY.
Estas navalhas teem a vanlagom de cortar o
cabello sem offendor a pello, deixando a cara pare-
ciendo estar na sua brilhante mocidade. Este ac he
da China e seu autor lio Shan. Por todas as socie-
dades das scinncias medico-oirurgicas, tanto da
Europa como da America Asia o frica he reco-
nhecido o uso destas navalhas maravilhosas, nSo s
para prevenir as molestias cutneas a que a humani-
dade est subjeita; mas tambem como um meio de as
curar.
Vcuoui-a 5 Vcfaoiroo r.s loja cima indi-
cada.
No armazem de Francisco bias Ferreira, fio
caes da Alfaildega vendem-se caixas com 200 cha-
rutos, por 320 rs.: estSo um tanto seceos, e silo
muito proprios para recoberom novas capaz.
SOpOUIU103 SOJO.l .lOll
opm : sapapnanb se sapo] ap sspuazej ep oiuatu
-|1jos o)j|diuoo uin 'sopuazBj sejsap iua|e o ope\
-03 o -sj 058 op Sajd oiajBq o|ad' sajouadns sou
-ued ep a sojnosa sux[| s.uoo ap 'soQipod sopuj| ap
' bjba Biun ujai 8nb Bjn3jB| BUBuipjoBJixaens bi
-ad 'sojisuoui sopB|niiiu! sopcosu soaooso as-mad
-U3A B|quBdtuo3 ig uiijBaassoijJBminD ap efo| B|j
SOJJSUOIU bO|)Osl|{
Vendem-se duas cartoiras de amarello de
duas faces, para escriptorio; uma cama nova do
angico, para solteiro : na ra das Cruzes, n. 39.
Vende-se a venda do patio da S.-Cruz,n. 4,
com boas freguezias, tanto para a trra como para
o mult : vende-se com os fundos a vontade do com-
prador : a tratar na mesma venda.
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende-so na livraria Ja praca da Independencia ,
ns, 6 o 8 o Novo Mcz Mariano, accrescentado com o
Lauspercnnc do Santissimo llozario.
Clieguem que estilo se acabando
os sapaiOesdo bozerro para homem, a 1,280 rs.', e as
bengalinhas para passcio a 320 rs. : no AtoTro-da-
Uoa-Vista, loja n. 78.
Vonde-so urna escrava de meia Idade, boa la-
vadeira engommadeira excellente cozinheira ,
e que nilo lem vicios nem achaques : na ra do Se-
bo n. 36.
Vende-e cal virgem em barris chegados pr-
ximamente de Lisboa,por prec,o mais barato do que.
om outra qualquer parto : na ra da Mda, arma-
zem 11. 17.
Vende-se a bem conhecida e superior chain-
panha da marca cometa'; vinho da Madeira engar-
rafado ; cha hysson e perola em caixiuliasde7a 10
libras cada urna ; bom papel de copiar em machina:
ludo chegado recentemenle esta praca : na ra
do Vigario, n. 4.
, -^ Vende-se sal de Lisboa, fino e alvo, a 1,600
rs. o alqueireda medida velha : na ra da l'raia
arhiazem n. 18..
Sellins para a fesla.
Vendem-so oxcollcntcs sellins inglozes com lo-[
dos os seus pertenecs : na rna do Trapiche-Novof 1
n. 19, em casa de Fredirico ltobiiard.
Potassa,
Vende-se potassa da Russia a mais
nova* que hoje existe no mercado : na
ra da Gadeia-Velha armazem de Bal-
tor e Oliveira.
Na loja do Arantes na prac da
Independencia, ns. i3 e i5, se receberam
ogora, pelo Armoriqne, sapatos de lus-
tao de duas solas o de salto alto, muito proprios
para calcas sem eslfopcs sapatOos do dito o de bo-
zerro muito bem feitos ; borzeguins do cores,
para senhora ; ditos pretos ; sapatos do lustro se-
tim o marroquim para senhora : bem como um
completo sortimenfo do calcado de todas as quali-
dades quo scriio vendidos o mais barato possivel.
Vemde-se urna casa terrea na ra Velha, n. 105:
a tratar no Aterro-da-Boa-Vista n. 12. Se alguem
houver que se julguo com direito a oppr-se a ven-
da, annuncio.
O BOU BAKATEIKO.
Cunta & Amorim.com loja de
fazendas na ra da Cadeia
do Itecife, confronte a ra da
Madrede-Dos n. 10,
teem para vender, alm do um variado sorli-
mento do boas fazendas, cortes de cambraia bran-
ca o de cores, a 3,200, 3,600, 4,00o, 4,200 e 4,600 rs. ;
ditos do cassa de cores a 3,400, 3,600, 4,000 e 4,800
rs. ; cortes do fuSTSo para colletcs brancos e do
cores, a 800, 1,000, 1,200, 1,600, 2,000, 2,400 o 2,800
rs.; cortes de caigas do bons castores de 3 f a 4
covados, a 1,120, 1,280 rs. e o covado,-a 240 260,
280, 320 e 360 rs. ; corles de pclle do diabo, a 1,400
rs.; ditos de caifas de brim do cor, 2,000 e 2,400
rs. ; ditos de velludo para collctos, a 2,400 e 3,200
rs. ; riscadinhos francezes a 220, 240, 260 e 320 rs.
o covado ; chales de cambraia, grandes, com listras
de cores a 1,800 rs.; ditos blancos, a 2,000 e 2,560
rs.; pegas de cassa de quadros,' com 8 varas e meia,
a 2,800 rs.; lencos de cambraia com cercadura aher-
t e de cores a 320 o 360 rs. ; chales de lila e algo-
dito, oscuros, a 2,000 rs. ; chitas escuras franeczas ,
largas.a 320 rs. o covado; ditas em corles, a 4,200 rs.
Vendem-se, na lioa-Vista loja de funilciro ,
n. 70 obras de lalo a sabor candieiros de todas
as qualidades almofarizes candieiro de bitacola ,
palmatorias para velas, perfumadores do todos os
loi es, carrol i lias para cortar niassas escrivaui-
nlias de lodos os tamanhos campas para secreta-
rias, garfos e colheres : tudo mais barato do que
em outra qualquer parle. i\a misma loja compra-su
melal de toda a qualidade.
Escravos Fgidos.
DAO'-se 50,000 US. DE CRATIF1CACAO"
a quem levar r ra dos Latoeiros, n. 66, m mole-
i|iio que fugio no dia 26 de abril, do noine Malheus,
e quo tambem responde por Monteiro de 14 a 15
anuos, do nacflo Angola,fulo; lemoielha Turada; he
lustrador o-enipalhador. Tambem se proceder com
todo o rigor das leis contra quem o liver acuitado,
para se baverein 1 /rs. diarios. A pessoa quo o llevar
a casa cima recebera a dita gratiPicsgfio.
Fugiram do engenho Cuiambuca, freguezia de
Agoa-Preta 3 escravos do servico do dito engenhu:
Jos Caipora de Angola, com alguns cabellos bran-
cos de estatura baixa ; lem dous dedos da inflo di-
reita aloijados : Agoslinho de estatura baixa cor
bem pela pos bem feitos de 20a 25 anuos pou-
oo mais ou menos: Cypriflnno, crinulo, bstanlo
magro cor fula pos e tornozellos cambados, i|uo
cusa a andar. Quem os pegar levaos ao dito engo-
lillo ou na ra da Cruz, no lecife,.n. 66.
Fugio, no dia 15 do correnle do engenho Mul-
tas a escrava Vernica do 30 anuos, com unta be-
lida om uni olho ; tom um sigual om urna p ; ho de
cor parda, cm cabellos pretos o muito almelados ;
lovou vestido do algodflo trancado o mais roupa:
quem apegar leve ao dito engenho, quo ser gra-
tificado.
1'liK.N.: KA TTl'. DE M. F. DB FAB1A. J.847 -
i ik


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4ZKK4CYU_738FW1 INGEST_TIME 2013-04-26T23:54:33Z PACKAGE AA00011611_08576
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES