Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08574


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1847.
Quinta-feira 23
O 0! IRII) puMict-se to-loi os lital ritR.nlo
ore*) 'te ;nar li n preoo da assigaaturi'lie He
4JA0 t. por miarte!, nnjit aiiit/ilaJnt. Os n-
niliKtns dos asattiant* lia ioteridiM i rnsodo
JO tf. pnrlinl)!. 10 rs ew tvpo diderentc, 4: n*
repetl-es psla melado. Os que ule i re 111 IM
n&nte'pajr,ar" dillerente, por cnd pltlrcacio.
PHASKS DA LA NO ME' DE 1NOVBVII1RO.
I,n. nova, a 8, nos SI minutos da maiiha.
Oeicente a 16' as horas e A mlg.d id.
La ctleia a 22 i 1 hoias e 4 min. da larde.
Mineoaute 29. 4 1 horas e 2 mili, da tarde.
PAHTI.)\ DOS CORRKIS.
Ciojanna ePa'rsUlh* 1 seriadas espitas fein..
Rro-Grande-dn- Y,rio quimas felraano meio-dia
Cabo, Seriiili'-- n, rto-Formoso,Poilo-Clvo e
i. u i .*, a 11 e 21 d,e cada mei.
fiara i'iuris e Itontu..a S "e 2*.
Boa-Vi-ta- flores, a M e 28.
Victoria, sis. quiutaf-foiraa.
Olinda, todos os das:
PRKAMAr) H HO.IE.
Prmeira, is R horas e 8 mininos da manilas.
Yeguada, as 6 horas e 30 minutos da larde
Te Novembro. Armo XXIV.
mimt
y. aV.
us iv, sr.Mvw.
.'.' Se- S. Cicilia. Aurl. do J dos orpb,
do J. doe. ij v. edol. M. da I v,
ti Terru. S. Clemente. A'id. db I. ilo c:Y
da I. v. e do I. de paz lo 2 dist de t.
24 Quarta. S. Joiio da Uro/ Aud. do I, do
civ. da V. v. i' rio i. de paz do 2. dist de C.
25 OiMiia. S, C-ili.Min.i. And ilo J. de orpli.
e do J. municipal Ha I. vira
2(1 Scita, S. Pedro Alejandrino. Aud do I- do
civ. Ha l.v.e lo I de paz do I. dist de t.
27 Sabbado. S Malparida Hadaboia And. do .1
ilociv. da I. v. e do -' de p./.-t I dist He l.
2S Domingo. 1." do Avent, i. Gregorio.
CAMHIOS .-VO DI V DF.NOVKMBRO
ni) di*
Sobre T/mdre^a 28 Pari SJO rs pnr franco.
. T.isl.A. ios a 1 ir. de premie."
Hese, de lo'.lras de liosj (mias 1 I a 1|4 / ao m.
OuroOiicas hMuanb'olM ., a 19100o
ModM da o' ">8 velli. loion a 10*200
, de fi.yiO' nov iKinOO a I0#l
. do 0011...
Prnta Patacooi......
Pesos cnlumnarei.
Ditos rneiicarios .
Muida ...
litlOfl a
9|l 10 a
iJSSn a
U'.M'i a
11700 a
19320 a
00
9J20I'
l|0-
IJ1111)
11*60
l|*0
\cci5esdacomp. do Helierihede 60f000 is.aopar.
P#RTP cFFICUU
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 10 1)0 PASSADO.
flflicio Ao Exm. presidente das Alagas, decla-
rando qun obrigue Capiharibe vai levar para all os
lioias destinadas ao scryigo do porto da provincia
son sua adminislragilo.
DitoAo desombargador procurador da corte,
soberana o fazenda nacinal, e^igioda sen parecer ;i-
cerca d'um olicioquelite enviava com informarlo
do inspector da tltcsnitraria da fazenda, e em que o
administrador da mesado consulado solicita enca*
1 rcinentos acerca da cecuefo do artigo 17 do regu-
, lamento de 30 de muio de 1836.
Dito -- Ao commandante superior da guarda na-
cional ilo municipio do Recite, scientificando-o do
ha ver concedido ao capitlo ido respectivo quarto bar
tallt.io, Gregorio Antones de Oliyeira, a reforma que
elle pedir no requer ment por S. S. informado a
18iicsctcmbro prximo passado.
Dito Ao administrador do rorreio, transmittin-
ilo copia do aviso que autor isa a nomea^lo do esta-
fetas extraordinarios, todas as vezes que oservigo
publico os reclamar
Portara Ao director do arsenal do guerra, orde-
nando remella para as Alagos, no ln iguc l.'np'liiri-
be, 10 cornetas de toque o 500 correiames. Doter-
ininou-so aocommanilante do Capilla)ibe recobesse
os supramoncionados objectos, e os conduzisse a
provincia das AlagOas a entregar ordem do respec-
tivo presidente.
EXTCRI R.
HKSIMNIIA.
AKTIGOS OITICIAKS EXTUADIDOS 1)0 TIMES DE II
BE SETKMlillO.
DIXRETO a RAL.
Kepartifo do interior.
Usando da facitbladc que me concedom os arli-
lio$ 14 e 15 do (oiistiliiiQlo,.o leudo ouvido o ineu
concellu) de ministros, por este no'meio Don Baldo-
inero Rpurtoro, duque dn Victoria i Morlla, para
capillto-geiieial doexercilo oaonador do roinb.
Dado no paco aos 3 de seteinhro de 18*7.
- Com a rubrica deS. M.
(ltcfi!ionil,iilo por) Patricio de La Ktasura,
Ministro do interior.
l-ll-.l i:i. Mi AOS CIIEFF-S POLTICOS.
llavendo S. M. n rainba aulorisailo o sen con-
cclbo do ministros a adoptar medidas convenientes
para reprimiros abusos da imprensa, no que res-
peila | un augusta, sagrada c invrolavel pessoa,
temo dito concellio resolvid o seguinto:
Artigo 1. Ffca prohibida a intnrcss.lo e publi-
cagfio dequalquer documento que (rato da vida pri-
vada de S. M., ilo son casamento, ou de seu augus-
to e real consorte.
Artigo a. O peridico que infringir o artigo
precedente ser supprimido, e perder deposito
preciso paro a sua publicaQilo. Se Mr impresso a-
vulso, ser appr?trenlido, e o sen editor ou iinufes-
sor inciii i era n mulla de 60,000 reales.
Artigo 3. Apena cslabelecida pelo artigo an-
teceden te ser imposta sem piejui/o de oulras pe-
nis fulminadas pelas leis aos del icios contra a pes-
soa real o sua augusta familia.
Por ordem real Ibe comiit nico o sohredilo pa-
rsita ntais exacta e escrupulosa execuciio, (cando
na intelligene> do que o govemo esta na firm re-
siihieni)den'io tolerar anda a mnima tibieza em
negocio do taina gravidade e transcendencia.
Dos guarde por mu i los anuos, etc.
Eicoiura.
x Madrid, 3dosetembro.
Ao chefe poltico do
tlBVOLIJAo' no ohaO-ducado dk lucca.
O seguinto be extrahido do Corriere Livorncse de
2 de selembro .
Livorno, 2 de seltmhro, nt 8 horas da tnanhSa.
Esta manlifia s5 horas recobrpoi porexpres-
so extraordinario um supplemento ao n I ; do Ita-
lia Apressamo-nos a reimprimi-lo para mais
prompla o universal vulgarisacro da alegre nova.
Os nossos irmlosile l.ucca estilo possnidos de pra-
z.or e eulliusiasmo. Nos, qun sympatlDSamos com
os seos pe/ares, exullamns com asna alegra.
ii \ agitacao popular em Lucen tem creseido lia
alguns dias ; boje tornott-so excossivamenlc amca-
caddra.
ii m consequoncla reiinio-sn o cnncelbo do esta-
llo, c delberou enviar urna depuUcflO ao gro-du-
que, nfim de representar sobre .0 oslado das cousas
a S. A. II e inloi ma-lo da necessdade de proviir a
elle conci-ilondo reformas convinhaveis. Ardepula-
?no,composla do pcrsidenle, Signora Mazzarosa, 8
dos concelheiros Siguora, Fascetti o llrineoli, por-
tio para a quinta do duque. O povo, cojo grande
concurso tiulta aguardado o resultado das de I ibera-
t008 ilo concedi na p/aca, acompanhoit a deputa-
Co, e obrigoo as carruagons a moverem-so a paSSO
lento. O duque promctloii seguir o exemplo da Tos-
cana, coucedendo a liberdailo de imprensa, a guar-
da nacional, a soltura dos oncarcerados, etc. A
populaca voltou para Lucca cxullajttOj; com ramos
('lamo as nulos, o cantn o/T-/)wn na praca.
Alguns dos bahilanles de Lucca oxV'dTram urna
diligencia especial pelo caminlio de ferro para Pisa
com as alegres novas.' itjubilo da nossa cdade esta
cima de toda a descripQlo.
Scgue-sea IrailucQJo da proclamacilo publicada
pelo duque de Lucca :
PltOCLAMAGAO.
Nos Carlos, l.uiz de llourbon, infanlcde llespa-
nba, etc., I). G. duuue do Lucca, aus nossos muilo
amados subditos
Apraz-nos reinar sobre vos, nilo pelo temor, mas
pelo amor-' nflo pela Mrr;a, mas pela benelicencia;
e por isso vos abrimos o nosso cora^lo paternal.
Estamos cuoseguntemento disposlos a lomar em
consideracilo, em primeiro lugar, (|imrrlo poss con-
tribuir' a promover I vossa felicidade, segnindo o
trilliodaquellas medidas que successivameito vilo
sendo levadas a niaiuridade no vizinho grlo-ducado
de TosfcaIISj de modo que vos habilite a gozar de m-
ICtlltlo ilas vantagens que dab possain resultar.
Entrelantn, vos anitunciamns a creacao da guarda
cvica, necessiria para garantir a trau(|uillidale pu-
blica, e j temos iludo as precisas inslruccrtes ao
nosso concedi de estado, cujos membros lodos es-
tilo animados dos melhoPcs sentimentos, para,nos
prnporein, com a inaior soliciludo, qalquer rebir-
ma quo possa tender a mitigar as vussas justas
uucixas, ea salisfazer o nosso ardcntissiino desojo
de felcilar-vos para sompre.
Deposita i, |)ois, hiteira conlianca nestas alfec-
luosas palavras do vosso pai e soberano, que esla a-
nimiido de um sincero desfjo de felicitar-vos a to-
dos, e que vai para esse intento tomar conselbo
com aquellos dos vossos concidailiios a qiiem mais
amis e estimis,
Dado em Saii-Martino, em Viguole, nol.de
selembro. A. D. 18*7.
n Garios Luiz.i
[Times.)
devein-secinco mezes aos ofliciaos em servigo acti-
vo ; ha muitas quinzenas, se nilo pagam os prets .los
infeli/es sollados, que ate OStflO privados ilo UOCOS-
sario para faurem o rancho. Os nmpregados na se-
cretaria do i|uartel-gnneral declarad) qxio nilo po-
den) cumpa recer a ella, por falta ilo calgado. No pa-
laeo real acoiilcce o mesmo que por entre o povo:
ha seto mezes que se nao paga a lisia civil, lio tal o
deseontcnlameiiDque reina as roparticoes publi-
cas, que osomprogatlns asabundonam immodiata-
menle dcpois do Ibes liavereiit lianspost o'liniar.
O governo apenas conla, para subsistir, c un as di-
minutas rendas das all'nude.as, Jpoh que he impos-
sivi'l cobrar as coiilnbiiieoes. Iteslrictameiito fal-
lando, n oslado social acha-se roduzido a oslo circu-
lo vicioso. Nao ha ronda alguma, nem pi't le have-la,
porque nlo bu diuhoiro para pagar aos soldados,
alim do que a eohrem ; porque nilo ha fundos a em-
progar. Assim.....itinuarilo as cosas, alqu.ooc-
Corr.i urna dissolfigtlO total, lio mpOSsivol conseguir
'|ite o paiz sesiibmi;lta ao pagamento das coutribiii-
edes. A guerra civil gorou descontiMltamento e des-
assocego geiid.;.o habito do nao pagar os imposlos
como que se aclis enraizado ; Je modo que nada se
paga senilo a filrg : para cousegui-lo, poli, eumpro
empregar as bayonetas, e pagar por consegutnle,
aos soldados. Mas, donde lia do sabir semelhaiile
paga f
Cartas de Sanlarein dizcm que desappareceram
das cercanas dessa cidade mais de '8 cavados, que,
segundo corre, destinam-so exprcssanienle a novas
tentativas revolucionarias.
\.i noiie de i; do-orienie, os exaltados carlistas
tiveiaui a imprudencia desollar logeles, com o lim
de celehrnrem o annivorsario do A do mililitro ilo
18*6, noite ilo coutrarevoluglo do palacio do llelin,
cujas consoqueaciaiteem sido tao-desasrosaa e Uta
fataes ao paiz. 0 rcgimenlo dos granailoiros da rai-
nba lambein feslejou esto annivorsaiio no respecti-
vo quarlel. Pode ajui/.ar-so do regosijo do povo por
esse suecesso, allendendo-so a que se ello acba ncsle
estado i Pela manila, fome e miseria ; a larde
lome e miseria ; a noite, igual beneficio: olas do
banco, a 1,700 res de descont.
UFCBETOS !i;hs.
Por cslenoineiii para capililo-gcncral da Cata-
liinlia ao leneule-genernl Don .Manuel do la Concha,
marqnez ilo Dotiro, aciunlmento capjllo-goneral de
Casteria-Velba ; Meando satisloito como zolo o le-
al lado do Don Manuel Pava, iharquez de Novalichos,
[de cujos serviros mo aproveitaroi em occasiilo on-
pmtiiiia.
ii Dadosm palacio no l. de selembro de 18*7.
Com i rubrica de S M.
ii ( llcferoodado por )
l'ernando Fernandez de Cordova,
Ministro da guerra.
i Attendendo so merecimenlo e mais partes qtto
coneoriein na pessoa do inajor-general Don Ansel-
mo Rlaser, por este o nomoiu direclor goial da in-
fanlai ia.
a Com a rubrica de S. M.
( RefereTtdado por)
Fernando Fernandez de Cordova,
a Ministro da guerra.
CORRESPONDHNCIA DO ESPAOL.
LISBOA, 0 UR OUTUBRO OE 18*7.
Situarn do paiz. Noticias de Snntiuem. Anniver-
surio do seis de outubro. Circular curiosa. l'ro
xima chegada da rainha viuva iIj Inglaterra. Im-
pressdo produzida ptla queda do ministerio hespn-
nhol. Actitudc dui labralittas. Rumores de no-
vas sublevacOes no Ulnho. Paragrapho ilo Eslan-
darlo. Bepretentacdi) dealgnnt commandante de
corpos. Ntidas da Villa-lteal.
Atienten) Vmcs. bem para o que Ihesvoii dizor.
Portugal est irremodiavclmenle arruina lo; a lula
dos partidos jamis terminar, ailo ser pela sua
mutua doslriilgo; d'ora em diante tornar-se-ha im-
I ossivi I a cobranga das coutribiiiges; a iflssolugSo
da sociedade ser o termo nico o nao remoto de
sua desastrosa sitiiaeo
So ha urna rOUSa capaz de salvar Portugal, o li
sua uniilo tu uiciiiporacno a algum oulro paiz ; e es-
la ser, por sem duvida, sua inevitavel sorte. O es-
tado anarchico em que se olio ach, e do que n.Tp
pode sabir por si uiosmo, terminara pela sua reunido
a Inglaterra, ou pela sija incnrponigSo despatilla ;
He sorle que, ou ha de anuiiir a uni.io hlberica, ou
constituir-secolonia b'rilauniea.
Vflo he possivel obler diuheii o, nem no reino, neni
no exterior. A confianra desopioneceu do todo. Nilo
ha aqu a menor sombra do estahilidado, nem para
o governo, nem par as nstUuicAss. Os grandes estn-
belecinienlos do crdito icnani-se lodos em Datado
He fa/er ponto : o curso das olas do banco de Lis-
boa be toreado em melado de todos os pagamentos, e
slitam o descont do quasi *0 por todas as pes-
so.ts que leem dinlieiro no paiz, c bem assim os ca-
pitalistas eslraugeiros, apiessam-se em retiru-lo ;
e as dilliculdailes liii.tneoii as de lug aterra, Franca e
Hespanlia tornam illusoria qualquer csporaiiQa de
obler algum auxilio monetario. Reina descontenta-
ment profundo entro lodos os empreados do esta-
do. Assim como oscmpiegados nao liahalbom, os
soldados dcixarHo decombater, caso baja guerra ;
No Diario de 7 le-se esla curiosa circular :
llavendo o ministro do S, M. II. nosla corte com-
n:unicado a esto ministerio, em data de do corren-
te, que o vico-.ilmiranlo sir Cli. N'apier loncionava
manobrar, ppr dous ou lies das, com a csquailra do
seu couimando lias agitas do l'ejo, lomiii lo varias
posicoes has imiiicdi ii.di'S do Miulio, alim tle subjei-
laras respectivas IripolagOos a alguns oxercicios do
fogo ; teuho a honra de assim o participar I V. EX. ,
para sua inlelligeneia.
Este capricho do almirante dar lugar a militas
conjociuras, nilo siiaqui, como na Franca cal em
loda a Europa.
\esleslres dias, a osquadra sahir a cruzar a bar-
ra, alim-'le esperar iim navio ingle/, quedeve.de
eonduzir a seu bordo a rainba vjuva de Inglaterra,
que vai passar 0 invern na ilha da Madeira o que,
depois de se baver doniorado aqui por alguns dias,
continuara sua viagom, iicompanhada d'uma parto
da osquadra, que, unta vez que a tonha deixado lia
Madeira. voltura ao Tejo.
Parece que. vai sabir para Sun Miguel, as illias
Terceiriis.a crvela do guerra porlugue/.a O.-Joo-I.,
mas assegiira-so que, para habililar-se a fazer ell'oi-
luar a sabida dessa eiobarcaglo, o ministro da ma-
rinha n),udou pedir, em seu nomo, um cont de
ris a corlo negociante de Lisboa Consta que o com-
roe/ciaulo preslou o cont doris, do, pois, fcil
de fjuizar-so do estado oinquo seaoba o thesouro,
quando lio preciso que so pocal esmolas para po-
li Or-se fazer sabir urna crvela.
A noticia da subida do gabinete Narvaoz foi reco-
bida com grande alegra pelos caba I islas, e lem da-
llo muita torea ao-teu partido. Prclendc-.se que.so
viles esvessem no pudor, teiiam desaparecido as
dillico|.!ailes~lHOiliizidtis pela falla dodinheiro. lie
esle um dos equvocos deplorave.is. As dillicuMiides
linanceiras so inimigosquo so uo pdorfio voncor
nossos annos mais prximos.
Se os Cabaos conseguirom o poder, a sorlo do
paiz, bem longo de melborar, cmpeiornra considera
volinento. Diiiitinando olles, as violencias nao loriam
limites; ese prelendessem mudar desjstoma, lor-
uai'-so-liiam to IVacosauleo son partido, quaflto o
Stilo sendo os membros do actual gabinete aillo
ellos.
As noticias da queda do ministerio bespanliol chc-
garam aqui, dentro em quiltro dias, por ubi correio
extraordinario que tamben) tiouxedespnghos do du-
que do Clucksborg para O harao 'do Tilloyran I o
para Costa Gabral. A pulul.i disso mui positiva-
mente:
l.uiz Pbilippo uo podo capsiderf seii lidio
Montpeusier seguro no llnono de llespnnlia, em-
quaulo l'nrliigpl se nTio conslituir em provincia des-
palillla. Releva, pois, fechar o Tejo aos UlgleZOS,
para que os Fraueezes governem no Manzanares.
Nolieias, quocarecem de conlirinaQao, anunciaoi
qiierobenlou uina nova iosurreigilo noMinho. Pare-
ce quo urna guerrillia do *0D liomons soltou o grito
do rebelliao junto ao Pico-dos-Regulados. Tantbom
so diz quo em Alcacer liouve uin psonunciamenlo.
Em Coimbra, lodo iuduz a cror que o inesino fara o
balallulochamado dos (Miabineiios.
O Estandarte traz esle curioso paragrapho :
ii Disso a Kecolurii deSetembro, que o conde do
Tintinar, ao sallir de Madrid, rogara a rainha de es-
panlia |h respoiiilesse a seguinle porgunla : < se
nao er vordade que ello prestara bous servieos a,
e que a tainlia dio responden que sim. n A Hecoluviio
mente, monte e monte.
As negativas milito emphaticas, s vezes provam
le ni lis. ijjual o motivo por que, nossa occasiilo, ar
rainha o prsenle tu con um adoreco do diamantes
pin a con lesaa sua mulher.eom urna gro-eruz para
elle, e com nutra, pira cada um dos seus millos ?
Alguns eliminan lanos dos corpos que guarnecen
Lishoi decliirarim que nflo p i lem responder pela
disciplina derseus subordinados, se os ollloiaes e
soldados no forom pagos Rocoia-se, pois. il'iia su-
blovKQfln mi tropa de linlia, o h.V iiuem" allirmo tor
nuvi lo dizer a alguns ollieiaos, que. so O govemo
uo salto como se nbiein linheno, n;loha cabo-l'es-
quadra que o ignore; o que deixoin-n'os obrar li-
vroni 'lile, e vorao como a cousa se arranja.
O seguinle artigo lie do Nacional do Porto :
II VILLA-UFA!., 20 OK SKTKAIIIHO.
n Mo obstante ser cas ni), l'ti reerulado o como
tal preso, Miliiel Alvos, aqii.Mil tiataram docondil-
zir a esle governo civil.
i Aochegarem ao lugar mais inli inc n-1 lo do urna
se.rr.t.os guardas que otr.izian doix ir.tm liuar-SQ oin
distancia con veniente, dispiirarim sobre o misero
una descaiga, cadver exhala do si, indica aos viajoros que ello all
so acba
..........------------------*
na iiMiiii'iiiuiiir-ai.
.Lijid.'jjij aj az vito y :: ii'ja* u i lBOT*
Ao passo quo iauos Iraduzindo para o portuguez
a caria que o correspondente do l'ipanol, residente
em Lisboa, escrevra a redaogflo dosso peridico em
Sido outubro prximo lindo, o quo com esto nume-
ro do Diario olVereeenios a consideragiitt dos ledo-
res ; ao passo que iauos fazendo essa traducgAo, di-
zonios, occorreram-nos algumas refiMOes quo nilo
podemos deixar do consignar aqu.
N lio llavera oxigeracfio da parto do corresponden-
te, quando figura liio lgubre, tilo assustador, o es-
lado actual da nossa auliga melropolo ? Ser pos-
sivel quo a nagua que tanld so afanou por quebrar
os grilhoos que a prendam a llespanlta, equea lor-
nav.im tributaria desse naiz, a che-so om circums-
t.incias Uto apuradas, que nenbum oulro nivitro so
IbofTerega para escapar-so das liifflouldades que a
enredam, bciiQoo do entregar os pulsos n esses ines-
u Os HjTtildes que com tantos sacrilicios despedacou,
ou constituir-se em colonia ingle/.a 1 Tero os Por-
liignoz.es, porvonlura, suffocado por tal forma o a-
mor da patria, por quetanto se distinguiram em eras
mais atrasarlas, que nilo busquen) arregimentar-se
ein derredor da mi coii.mum para hvra-la do seme-
iiiulo calamidadc '" Nao rasgarao a espessa venda
quo as mesquinhas intrigas do partido Ibes leeiu
luiigado sobre os odios, ao prosonlirem quo seap-
iroxima a lastimosa quadra de apresenlar-se oes-
Irangeiro com nio armarla para avassalla-los, para
reduzi-losa misera stuaedo de colonos ? NHo reco-
nlieccrilo, eiiifim, que, chegada essa occasiilo, dar-
se tambeui o caso do esquecorem iniligos odios, e-
ullaroni no olvido quaosquor dlssensoos particula-
res, sacrilicarem aos interesses garaes os das indivi-
rlualida es, ecolligaos, quaes outros irm3os, tra-
ba I harem lodos do coinmum accordo para inutilisa-
rom os osl'orgos de quein qur quo so lumbre do des-
pojar dos loros o reino independen te a torra em
que se achara sopultndos osossos dos seus avon-
gos, desses varos lllustr.es que tanto se celebrisa-
lani por denudados actos de valor o patriotismo,
que OS amaldigoaro, la llamoslo dos justos, no
din i'in que succeder que, esquecidos dos seus mais
sagrados devores, consinlaui ellos que se desmo-
rono obra do lanos anuos, o a quo serviram de ali-
coreo os cadveres dos seus mais nolaveis anlopassa-
dos? Rcconhcc-to-h:ln : nos o esperamos. Os Por-
luguezes anda silo l'orluguezes : Iludidos por al-
guns desses poiiticus quo somonte cuidam deelo-
var-se, sem so lir.porlareni com o futuro do |mz on-
de una vez. assiimiHuin a dirocgilo dos negocios p-
blicos, ellos leem cabido om alguns erros muilo las-
liinaveis,Inlo-sodoixa lo arraslrar de procipicioeo
precipicio, soui se apereobercut de perigo imminen-
le que os aguarda ; mas, quando scntireui que he
chegaito o momento do ronunciarem ao direito de ci-
dadflOS para curvaren) o coito ao dominio estraiigei-
ro, despertarflo do torpor em i|ue jazem, cerraro
osouvidosas alicantinas dos patricios degenerados
que os toom engolado;. o, revestidos dessa cora-
geiu quo nunca abandona olilhoque pugna pe|a
honra o pola existencia do [tai, liir.lo arripiar Car-
reir a quslquoc potencia eslrangeira que altentar
contra a iudqpendoucia do velho reino cle'Portugal.
Petogaler.a .Swurd-Fish recebemos jornaes nglezes
"ciijn ulluna rala tifc de 15 do outubro.
A raiuliitVicioria, u principe Alberto, n real fa*
milia oa cdrlq tinham-se removido, no da 5, da resi-
dencia maritifllaf de Osborn'e,' na ilha do Wight, pa-
r u caslollo do Windsor, .ondo ullimaincnle rasi-
diaut.
A rainha viuva embarcara em Portsmoutn no da
9, a bordo do Unce, o por causa do man lempo, s
podo sallir do Spiiho.nl a II,' avompanhada pela du-
quoza Ida, polo principe Eduardo, polas prihcezas
Amelia o Alina, de Saxo Weiinar, e comitiva.
O parlamento inglez, quo havia sido prorogado
lo 21 do selembro para. 12 de putuhro, tor.i nova-
muiile prorogado por unleui da rainha para 11 de
uove.iiitro.
Coiiliniiavain a appareeer novas quebras quasi
diariamente.


m
3

&
<
Haalguns das, mu los ilos habitantes deste Re-
cife hilo sido salteados por certa febre, que, sim-
posio nflolcnha occisionado morios, ha todava in-
cominodado muito, |iorquanto prostra o enfermo por
dous ou mais lias, e deixa-lhe dores guilas ein lo -
dan ."is juiila_s lo oorpo
Em geral, esta epidemia he considerada como
un dos elFeilos da passagem do sol.
Correspondencias.
.Sr. Redactares Quem ler a correspondencia do
.Sr. Joflo da Silva l.oureiro, inserta no sen Diario de
2S do crlenle, n. 265, na 5." columna que diz as-
sim: Millonvoressejam dados aos Sis desem-
liargadorcs da relacflo desta provincia de Per-
nambuco, que confirmaran! a senteuca contra Jo-
s los Santos Nevos, favor da infeliz preta Anto-
nia Mana do Sacramento : que Dos sempre toque
nos coraeocs para sempre julgarem assim; e que
Dos de lautos anuos do vida, como deu n Marco-
alem.'--pode muito bem persuadir-se que o ahaj-
an assignado pretenden reduzir escravidflo a pe-
la liberta Antonia Maria do Sacramento, quandoo
caso lio imii diverso, como passo a expr : e decla-
ro, antes disto, que, se o sen jornal [osso nicamen-
te distribuido por esta cipital, onde son bem conhe-
cido, mo pilo importara com a correspondencia ilo
Sr. l.oureiro ; porm, como toilhl de ser distribuido
para asmis provincias do imperio, onde tenho re-
lacoos commerriaes, foicoso he que d csclarcri-
nienlosatal respeito.
A pela Antonia Maria do Sacramento foi uscrava
de diversas pessois nesla cidade, e a ultima a quem
servio, como captiva, foi a urna senliora, lilha do fal-
lecido Sr. Francisco Camciro do Rozario, decujo
poder se lihertou, dando por si una outra eserava ;
o, retirando-ge desta praca, fui residir na villa de
Nazsretb-da-MatU, em companhia desua inadrinha
do elimina, a preta liberta Joaquina de Carvalho ; e
illi leve lalos com un homein pardo, casado que,
por causa della, abaudonoii sua mulher e fami-
lia, vi vendo assim poralguns anuos, at que falle-
ceu pin 1843, fleando o seu casal a dever ao abaixo
assignado setecontos etantos mil ris, cuja divida
foi altendida no inventario, a que procedeu a viuva
niceira.
Depois do julgada porsenteucaa pai lilha, obser-
vou o abaixo assignado, que a sua divida so achava
englobada com tresentos e 30,000 ris, pcitencen-
les \ntonia Maria do Sacramento, em rasan de ter
esta ajuntado eos autos de inventario um papel as-
signado pelo fallecido pardo, ca que declara va que
Ihe doava esta quantia na 'asa quepossuia om urna
das ras desta cidade, cm pagamento de honra. A
requerimento da nvcutariauto meeira, foi a casa
posla em praca para ser vendida sob a avalianlo de
um conloe qualroceiitos mil ris para poder salis-
fazer as dividas do casal porin, nao apparecendo
lancador, e preenchidas as precisas formalidades,
mandn ojuiz adjudicara oa>a no abaixo assignado.
na conformidade da le ; o que, depois de pagas as
decimas, forosesello nacional, fosso o restante ra-
i.'iado em regra de proporco por o abaixo assigna-
do, o Antonia Maria do Sacramento; enlo se con-
formando o abaixo assignado, que a quantia de tre-
sentos e trilito mil ris, perlenccnte a Antonia Maria
do Sacramento, por papel dedoaeflo que nflo eslava
assignado pela viuva meeira, fosso extrahida do
moote-mor, o sim ontrasse em raleio no que licasse
liquido da moiacflo do doador, porque a doada n lo
temdireitoalgum a moiacffoda viuva inventarenle,
que s deve ser applicada s dividas contrahidas pe-
lo casal, om que ella lomou parte, apiiellou o abai-
xo assignado para a relajan desta cidade, e porque
anda nlo foi altendida a sua justa pretengfio, den
ISSO motivo referida correspondencia do Sr. Joflo
da Silva l.oureiro
riecire, ->\ de outubro de 18*7.
Josi dos Sanios Nevcs.
Consulado.
RKNDIMENTO DO OA 24.
728,86^
-ii .. i!. WMiWgB*>"HBMM"Ha
.ISnviriienlo do Porto.
Kavio entrado no dia 24".
Terra-Nova ; 28 dias, galera ing'oza Sarafina, de 299
toneladas, capitao Taylor, nquipagoin 18, corga
bacalho; a Johnston l'alercc Companhia .
Kavio* sahidos no tnesmo dia.
Paradina; hiato brasileiro Santa-Cruz, capitflo An-
tonio Manoel AITonso, carga Varias mercaduras.
I'assageiros, Manoel Pereira de Araujo, Francisco
ilo llego Pontos, Joaquim Jos Marques c sua fami-
lia, DrasliBiros*.
lioui lino ; barca franceza Ocean, capitflo Itorn, carga
e mesiiia que trouxe do Havre.
5CIMTA 8..
.' Miguel Archanjo Monleiro de Andrade official da im-
perial ordem da liosa, cavalleirn da de Christo e ins-
pector da alfandega de l'ernambuco, por S. M.-o
Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no dia 25 (boje: do corrente, ao melo-
da, na porta da mesma, se hfl de arrematar em
basta publica 16 chapeos de palha no valor de
40,000 rs., (para seuhoras) impugnados pelo guarda
Joaqun) Izidoro da silva, no despacho por factura de
Nascimchlo & A mor i m sendo dita ancmatamaqao
subjeita a direilos.
Alfandega, 22 de novemhro de 1847.
Miguel Archanjo Monleiro de Andrade.
Srt. Redactores.--Todo o homein amanto de seu
palzdevolembrai aspessoas habilitadas para repie-
senlar os direilos dopovo. Nesso intuito convenci-
da que o nosso bom patricio, o Sr. Dr. Pedro Dor-
nellas Pessoa pelas suas excellentes qualidadoe tem
asIiabilItacOcs precisas, tomamos a libeidadc dea-
l resenta-lo ao; Ilustres eleitores da provincia co-
mo candidato a doputaeo provincial
rtecife, 24 de novemhro de 1847,
O Artista.
-
Publicaco a pedido.
l'ulvis, et umbra fui, malcrcum ventor gerebat
lie Ierra genitum ; quid milii ? pulvis oro.
Ad terram ducor, jam jam mea vita liquescit
Lustra decein el qualuor iiam perieri milti.
Te, Sror, socius propcransco'milabor, amala,
Sil milii cojlestes tecum habitare domos.
Proh dolor! excruciat valdc mea peciora cicutus
Lethalis gladius, te moriente !... Leus,
Qui gemitus, lacrimas removes; qui solos ama-nus
JMirsliLia pressos auxiliare poleos,
Auxiliare veni, quem nunc la delira gemenlem
Discrepit, lacera!, cor temare favens.
Sil placituin atque tibi sanctam donare quielem
Cui precor id supplex; misorere Deus!.....
Carmen hocparvun, iiienniplum, lgubre, in 80-
latium, et levamon desiderii vehementes a sorore
sua fheresia a Jasa-fia ndeira de Mello, qua? sacra-
inetitisc percibus ccclcsia; rite munita semperde-
ecssit.et in fraternilatis, amiciliie, graliquc aninn
signum, infrascriplus fraler dolenler edit, memoria?
que illiusconsurat
/. l. m.
'WWEflttlQ.
Vllande.,",;!. .
KENDIMENTODOlA 24. .......... 10:786,632
Desearregam hoje, 25 de novembro.
Galera Stoord-lish mercadorias.
Ilrigue Paiaito botijas vasins.
Brigue Chickesaut glo.
Kscuna Judo bacalho.
Patacho t'recon -'- canos de ferro o ca'rvflo.
Jtarca 0/i7/ albos, btalas, mssas e fruc-
tas.
Jrigue FAisa-llowem mercaflorias.
relaiarocs.
PARA OS POItTOS DOStJI,.
0paquete brasileiro vapor Paraenn; comman-
danle Manoel Francisco da Costa Pereira, deve che-
gardos pollos do norte, boje, 25 do corrento, e
seguir no dia inmediato.
A adminislracao geral dos cstahelccimenlos de
caridade, manda fazer publico, i|iic no dia 29 do
correte, pidas 4 horas da tarde, na sala das suas
se.vioos, iroa prac as rendas da casa n. 7 da ra
de Sanla-Tliereza, pelo lempo que decorrer do dia
da arrcmalaco a 30 de jilnho de 1850.
Administrarlo geral dos eslabelecimentos de Ca-
ridade, 22 de novembro de 1847
(I esoripturario,
Francisco Antonio (Jacaleante Coussctro.
O arsenal de guerra precisa contratar um pelo
queseja bom cozinhejro, para o quartel dos apren-
dizes menores ; daud-sc-ihe alilo, Untar e ceia,
B a sua diaria : a fallar na directora do mesmo ar-
senal, das 8 horas da mnnha, as 2 da tar.lc.
I'eix Cavalcanlt de Albuquerque Mello,
Pedagogo.
Existe na administrac&O do correi urna carta
segura para o Sr, Francisco Jos da Silva.
PuJ/lcacoes Littei arias.
; PORTUGAL.
RecordaQflodo anuo do 1842, pelo principei Li-
chnowsky, traduzidodo allemito segunda edi?ao
correcta o annoljida.'
O consumo rpido da primeira ediQo, c a sua
procura por muitas pessoasque ficaram sem ella ,
induzioo traductora rcmpress3> desta obra curio-
sa, que conten a anrecia^ao dos caracteres mais
nolaveis do paiz dos seus aeontceimentos.pbli-
cos monumentos o lugares principaos feta por
esse principe prussiano que all viajou eei o an-
uo citado, tjn folheto do 220 paginas. Vende-se
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Organon de Kahnemann ou cxposiclo das dou-
trinas homcepathicns, 2 v. pequeos ; Manual do
pai do familia do capitflo do navio-, e do fazendej-
ro ou noticias elementares da hoinivpaihia con-
iendo aaci;flodos24 priucipae uiedicMiiieniOs b*-
meepathicos, 1 v. : vende-se por preco commodo ,
na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
-O Museu Pittoresco .jornal roc/eactivo e ins-
lructivo, com exccllenteseslampas, al o n.21, por
proco menor do.que a. da assignalura : vende-so na
ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Sabir.un a luz as
HARMONAS ROMNTICAS
poa
Antonio Kangel de Torres Bandeira,
Vende-so na praca da Independencia livrarla
ns. 6 c 8.
_J______!____IL l!--""- l'Jli ..!-
veis, convidam os seus fregueze.s para que compa-
roQam conllnuaQflo do dito teilflo, quo tora lugar
boje, 25 do crtenle, s 10 horas da inanhfla, no seu
armazn, ra do Vigario.
Joflo Keller; C. fan'io leilao, por intorveneflo
docorretor lyrcira, do variado sorlimento de fa-
zendas, proprias da estaeflo e do mercado : soxia-
f?ira, 26 do corrente, as 9 horas era ponto, no seu
armazem, ra da r.ruz.
.Avisos diversos.
COLLECTORIA DA CIDADE DE OIJiNDA.
Ocolloctor da decima urbana e mais imposlos da
cidade de 01 inda faz publico pelo prsenle a todos
os seus collectados, que do primeiro de dezembro
prximo vindouro principian) acorrer os 30 dina
uteis marcados para a cohrauca da dcima urbana,
do (."semestre do corrente anuo linanceiro do 1847
a 1848, conformo o artigo 21 do regulamenlo n.
152, de 16 de abril de 1842; e que, lindo este prazo,
pagarflo os que nao concoirereni a multa do 3 por J,
cento marcado no 1. do ja citado artigo; assim
rom,i faz publico que no mesmo prazo cobrara as
mais imposicesa seu cargo relativas ao corrente
auno linanceiro a atrasados : sendo tambem excu-
lados os onussos.
Cidade de Olinda, 20 de novembro de 1847.
O escrivflo,
Jo"o Goncalees Rodrigues Franca.
Na ra Nova, n. 6, loja do Maya Ramos & C.,
anda existem para vender algons exemplares das
segnintes obras chegadas ltimamente de Lisboa :
Viagens na mi lia tena pelo concelheiro Almei-
daGarrel, 2 v. <
MedilacOcs e discursos religiosos pelo conce-
lheiro Bastos 2 v. *
Pcnsiimentos o mximas moracs, pelo ms-
aulor 2 v.
Opsculo sobre a origem da lingoa portugueza ,
por dous membros do conservatorio real dedica-
do ao concelheiro A. Garret, 1 v.
Autopsia dos partidos polticos em Portugal,
1847, 1 v.
Igualmente se achain a venda e se recebem assig-
naturas para as segnintes publicagOes :
Caseta dos tribunacs publicada sob a direceflo da
assemhla dos advogados de Lisboa: conlm legis-
aeflo indita, consultas jurdicas, areslos, etc.:
I principiou o seu quinto volunte.
Jornal das Relias artes .contera poesa, roman-
ces chacacas nacionaes ele.. com ricas lylogra-
phias onde se repro.luzem os paiucis dos uossos
mais celebres pintores acoinpanhando o texto bo-
nitas gravuras em madeira. ( Vignette.) Do n. 1 ao
6. e 7.". Dove chegar breve.
Revista Universal Lisbonense. Hebdomadario re-
digido por una sociedadode saldse litleralos do
l.uno5 v. c do6." v. osns. 1 a 35. Esta' ob-a uti-
lissima a todo o mundo he particularmente escrip-
ia para os artistas o lavradorcs, que acharflo nella
no^ffea mu proveltosas.
Historia do consulado e ilo imperio (dcNapolcfloj
por Tlliora com estampas quo serflo entregues no
lim da obra : versflo de Lisboa, com notas portu-
guozas castelhanas e belgas, do 1."ao 3. v. 0 4.
v.-fleava a sabir do pelo
S [DEBEBDIDB
O caixa da companhia de Reher ho, tendo de pres-
tar as suas Con las, lembra aos Srs. accionistas a rea-
lisafflo dos por cont, ltimamente pedidos.
Contrato a celebrarse com a thesburaria das rendas
iroiinciaes. .
0 do estabelecimenlo de urna linlia do mnibus,
que, na forma da lei provincial n. 191, de 30 de
marco ultimo, facilite o transito desta cidade para
qualquer dos seus arrabaldos e para Olinda.Rece-
her-sc-hflo propostas lodos os dias, aloqese ve-
rifique o contrato.
Apprehensoes feitas pela polica.
Um quarlau alasao, que se suppoz furlado, e os
escravos Agoslinho, Gonnano-i-' Silveria, que (lecla-
raram oslar fgidos ha mais de dous nonos, e per-
tencerem i I). Gertrudes da Silva. llevem'de ser
reclamados na Subdelegada do Iteeife.
THfcATKO PUBUGO.
SARUADO, 27 DU CORRENTE,
0
beneficio de um particular, so representar a
verdadera pefa
A MORTK 1)0 CHANDE l'ATRIOTA PORTUCUEZ
0 GE.NRAL GOMES FREIR lF. ANDRADE
.i > Esta proa ser apresontada em sceua conforme el-
la heno seu todo. O Sr. Santa Rozii rautara, em um
dos intervallos, urna engracada aria, e arrematara
oespeelaeulo com o jocoso enlreniez
' 0 BANANA.
O resto dos Dilhetes existe na ra do Quomado,
loja do Sr. Joaquim Monleiro da Cruz, n. 2">.
Avisos mai'itiuios.
-- Kreta-se para ((ualqucr porto do Mediterrneo a
muito velcira barca sarda Washington, de primeira
clnsse, de 230 toneladas : a fallar com o capitflo An-
tonio Copol, na praca do Commercio.
Para o, Rio-de-Janeiro sogueo patacho Unido
quem no mesmo quizar car regar, ir de passa-
gem ou embarcar escravos dirija-se a i.andino
Agoslinho de Barros na i ua da Cruz no P.ecife,
n.66.
Para Lisboa sabe impretervelmente no dia 8
de dezembro obligue portuguez Novo-Vencedor:
recebe carga a freto 0 passageiros : trata-sc com o
capitflo na praca do Commercio, ou com ocousigna-
laro Thomaz de Aquino Fonseca na ra do Viga-
rio, n 19.
Sabe, por estes 4 ou 5 dias, para o Rio-de-Jaiiei-
ro o muito veleiro brigue americano Ch< /;"/-,lou-
ilo excellentes commodos para passageiros : a tra-
tar com os consignatarios, L. G. Ferrcira & C, na
roa da Cadeia do Recife, n 52.
Para Maianhflo sahra o patacho nacional Dnus-
hmos, por ter a maior parte do seu carregameuto
pi limpia ; anda recebe alguma carga a l'relc, c leail
bous commodos para passageiros : trala-se com Jos
Raptisla da Fonseca Jnior, na ra do Vigario, n.
25, ou com Antonio Francisco da Silva 'CarriQO, na
ra do Trapiche, n. 6.
Vende-sa urna canoa de um s pao, de muito
boa mancha, prompla a seguir viagem, de seis a se-
to caixas : na ra da Praiaj n. 46.
- Para o Aracaly sabe no dia 27abarca5na-
Joao-llaptiita: anda recebe alguma carga : trala-se
na ra da Cruz do Recife, n. 36.
= Para Poito-Alegre e Rio-Grande seguir, cm
poucos dias," o veleiro brigue Argos, oqual pode re-
cebar escravos a frete por ler pata isso boas acconi-
modacoos, e assim lainbem passageiros : quem qui-
zer pode tratar cora Aniorim Irmflo*, ra da Cadeia,
u. 45.
Para o Cear saho impretervelmente, no dia
27 do. corienle, o patacho nacional I.aurentma ,
que so acha com a uiaior parte de seu carregameuto
promplo : para o resto da carga o passageiros, tra-
la-se na ra da Cruz n, 64, ou a bordo ,io mesmo,
confronte ao trapiche do nlgodflo.
Vende-seo brigue brasilejro Confianca, do loto
de 208 toneladas, com lancha *c todos os seus per-
leuces, ludo no nielhor estado, sendo forrado e pre-
gado de cobre, proinpto.para emprehender qualquer
viagem : quemo pretender, pdcexamina-loa bor-
do, fundeado defronle do caes do Collegio ; e para
ajustar, entenda-so com Aniorim irmaus, na ra da
Cadeia, n. 45.
'-' '......!";" '..+1- i.i.i;nii.;ir ;i .L'."iL'iJjnr.Tr.
Lt'iSo s.
-- Deano Youle & C, nflo leudo podido concluir o
seu ultimo leilao, ein coiisequeucia de nac ser pos-
sivel em um s dia expdr a venda as muitas e diver-
sas fazcnilas que Ibes restara para fechar certas con-
| tas, ombora as mesillas sejam de lei e mu vonda-
0 TRIBUNO N. 52
est venda na praija da Independencia, ns, 6 o 8.
Muito interessanle he este numero, cuja Icilura se
recommenda ao povo.
-r Cero sedlior que foi no dia 22 do presente,
estribara do arco do Bom-Jesus, c lugou un
cavallo melado e .col, com a frente aherta e tres
pes caicauos, carregadoi uaixo, ,ie annos da lilade;
e disse que ia para o Poco, e quo o entregara no
mesmo dia, mas como at o presente, anda nflo com-
pilo sua promessa por isso pede-se a qualquer
pessoa quo oncontrar dito cavallo, do o levar refe-
rida estribara, quesera recompensada.
i Arrenda-se um sobrado em Olinda, na ra do
San-Renlo, n. 58, para so passar a (esta, muito fres-
co, com vista para os quatro lados, bastante gran-
de, contendo 2 salas, 6 quartos e fogao moderno:
os preteudentcs dirijam-se ao seu propietario no
barro da Roa-Vista, ra da ConceiQflo, u 52, que
acharflo com quem tratar, ou, na mesmalOlinda, ao
sobrado do reverendo chantre, no Varadouro.
Alga-si* a cusa terrea n. 3, da ra do Jasmim,
por (letras de San-Golalo, na Boa-Vista, a qual
lem quintal e cacimba : a fallar na ra do Apollo,
n. 42, segundo andar.
Alugam-secvendem-sc, lano a retalhocomo
aos ceios muito grandes e boas bichas, chega-
das de llamburgo : tambem so vflo applicar para
mais commodidade dos prclendoiites: na ra es-
trella do Rozario loja de barheiro n. 19 defronle
da ra das Larnngeiras.
Quem quizer dar a juros um cont de ris so-
bre hypotl.eca em casas dirija-se a_ ra do Mon-
ilego', n. 137.
Precisa-se de urna ama de leile, forra ou cap-
tiva : na ra do Rangel, n. 36, primeiro andar.
Precisa-sede urna mulher losa para ama de
casa queseja capaz ,e quesaiba fazer alguma ser-
vido de portas a dentro .sendo prota ou parda o
mesmo que seja captiva : na ra do Rangel, n. 36 ,
segundo andar.
- ()fferecc-se urna mulher soltelra para ama do
qualquer casa do familia ou do homcm solteiro ,
mesmo estrangeiro para cozinhar, engommar e fa-
zer todo o mais servido, menos o de sabir a ra:
quem de seu presumo se quizer utilsar dirija-sea
casa do oitiio do hecco do Calabouco n. 2.
Na ra Nova leja n. 58 ha quem se encarre-
gue de mandar lavar e engommar toda e qualquer
qualidade de roupa'de liomem, senliora c mollinos
de ambos sexos por prego rasoavel.
0 abaixo assignado proprcliirio da casa ter-
rea com sotflo, sita na ra dos Copiares, n. 45 quo
eslava alugada a senliora'Auna Joaquina de Albu-
querque vendo que a dita.casa eslava fechada des-
de o mez do novembro do anuo passado e por esta
forma enhindo ein ruina,alm do prejuizo de ufloter
sido pago dos alugueis do 8 de Janeiro do corren-
te auno, annuncia ao publico e a quem mais con-
vipr, que, por auloridadc policial e com teslcmu-
nhas e formalidades doestylu, fez abrir dita casa no
dia II de novemhro e fez depositar os trastes que
dentro so acharara os quaos eslflo ohrigados ao
pagamento dos alugueis vencidos. ()uom direito t-
veraos inesmos ,.appareja na na da Senzallu-No-
va no bairro do Recife, n. 7, venda de Jos Pereira,
para que, pagando os alugueis, os possa recebar,
porque o abaixo assignado nflo sabe aondo cora
verdade existe esta senliora.
Joao Ksteves da Silva,
Aluga-sc, por p re?o commodo at agosto do
auno proxuno futuro, urna boa casa Ierren cora
bons commodos sita na povoacAo do Monleiro:
a tratar com Jos Antonio Corroa Jnior na ra da
Concordia., de 1 as 4 horas da lardo.
Aluga-seum primeiro andar ua ra de Moras,
n. 9 ; um armazem na ra larga do Hozara, n. 23;
um silio na Magdalena na estrada daTorre : a tra-
anlo Alerro-da-Roa-Vista n. 43, casa da viuva do
doutor Brito.
Precisa-so de um capellao para dizer missa
todo anuo, parte do anuo ua Magdalena, e parte
nesla cidade : a tratar na praija da Independencia,
livraria ns. 6 e 8.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ra
da Guia, n. 64, defronle da venda do Sr. Jos Perei-
ra : a Iratar na venda do mesmo, ou lia ru larga
do Rozario loja do miudezns u.22
Precisa-se de 3:000,000 de rs. dando-se um
sobrado tivre o (icsembaiacado sito ua ra doLi-
vramento ,n. 12, a tallar na mesma ra, n. 5, de-
fronle do mesmo sobrado, o qual tambem se vende.
~ Aluga-se o teiceiro andar do sobrado da ra
do Que miado u. 8 : a tratar na loja do mesmo so-
brado.
-- Precisa-se de urna mulher para o sorvico in-
terno d<; urna casa de pouca familia quu saiha co-
zinhar, engoumiar o coser : na ra Un rita, pada-
i ia ii. 40.
yueni precisar de urna ama, que sabe cozinhar,
lavar e engommar, ludo cora perfeijflo dirija-so a
ra do Calilcirciro n. 1.
No ilia sexla-feia ,'2do concille, portado
Sr. douloi juiz do civel da primeira vara na ra
Nova, se lia de ariemalar u soluaOo deUftl s andar,
sito na roa da Penlia poubradoa Francisco San-
cho Ribciro do Ainaral, por execu^flo ilo Jos Mo-
rena ila Silva. ,
Perdcu-seuma coi rente d ouro com chave
ile mola de relogio pesando 3 oilavas desde a ra
doColovello ate a praca da Roa-Vista viudo pela
ra do Tambi ,,isto no dia 23 do corrente. Roga-se
a pessoa que a livor adiado ou a quem lenha sido
offerecid.i que a leve botica que foi do linado
Victorino Ferrcira do Garvalho, n. 32, na piarada
Boa-Vista que se gratificara
Aluga-se una casa terrea Cora bons commodos,
por 8,000 rs. niensaes sita na travossa doPoixoto,
nv19 : a tratar no becco doSarapalol, sobrado n. "'
No dia 26 do corrente se ha de arrematar de
renda animal, a quem mais der, um sobrado de um
andar silo na roa da Gloria, avallado ein 450,000 rs ,
porlencedlea Luiz Pires Ferreir em a praca da
varado civcl.
-Aluga-se urna casa com milito* commodos o
muito fresca no melhor local do l'oqo-da-I'anolia '
na la do Qucimado, loja, n. 8.


AO PUBLICO.
Km mu crescirto numero conUvain os mdicos
at agora molestias incuraveis, contra as quaess
era permittiilo ao paciente resignacflo para solTrcr
um mal de que ja mo havia osporancas de poder li-
bort-i-lfi. i? an medico pnilaatropieo a dr do ver
milito de sous somelha.ites victimas do cnfermda-
dos, contra as qnaes se dcclarava impelen te, po-
dcndo apenas lamentar a fraqueza da inlelligencia
humana. Mas, gragas aos progressos da medicina,
gracas ao zelo de hotnens incansavcis, que, nito dos-
esperando da perfertihilidade da soioncia, so toem
dedicado a investigarlo de remedios que. possam
alliviar humauidade, doalguns males que a afili-
gem, o numero das molestias reputadas incuraveis
vai'dedia em din diniinuindo. Assim, adiar depois
de loncos Irahalhos, de profunda medilacito e rolle,-
radas experiencias, medicamentos que nos reatiluam
o uso dos dous mais importantes sentidos do que
lie dotado o homom, quando estes j o achavam no
suflposto oslado de incuraliilidad>> e inteiramento
perdidos, lie por certo um dos maioros servicos, que
se podia prestar Ituhianidadii; eis o que stava re-
servado a um liomem philnntropo da cidado de Bra-
ga, em Portugal, cuja sciericia, cujo amor de scus
suinelhanles se tem feito geralmenleconhccor Os
i. 1111 111 o s que ora ofTerccemos ao publico, nito en-
Iran na classo daqucllcs que o avidoe oirsado char-!
I.itauismo inculca eom roucos e deseo.npassailos
lirados, o que o crdulo vulgo, por ignorancia, rece-j
liona hoa le esein disceriiimenlo, achando-se de-
pois illudiilo; tem, pnrm, de uc upar mili dislini'to
lugar ontro os medicamentos, que minores heiicii-
cios prestam ao hornero : constan elles da dissolu-
eflo aquosa de extractos de plantas medicinacs, de
virtudes mui reconhecidas o venlicadas. O longo li-
so, as continuadas o severas experiencias, a que por
toda a parle leein ellos sido sulimolli los, sem que
urna s voz hajam Talnado cui scus tmns effeitos, c
ilesmontido as esperances que suIkc ellos havia l'im-
lado o sen inventor, llie loom grangea.lo constan-
tes o repetidos elogios dos mais sabios e reapeita-
veis mdicos, assim da Europa, como da America,
que unsonos abonam o proclamam sua accSo soni-
pre certa e benigna. Um dostos licores lie destinado
a coinbalcr as molestias de olhos, e tem por princi-
pal viilude restituir aos orgaosda visito suas func-
coes; reanimar e fazer reapparecer em sua natural
perfeicito vista, quando esta cstiver Iraca ou quasi
exlincla, com tanto, porin, que nSo naja cogueira
absoluta com desurgansac.iio das parles ; nito me-
nos til c enrgico lie para desfase* as cataratas,
destruir as nevuas c de pronfptu dobelar qualquer
inflaminacita ou vermelhido dos ollios. Mto causa
dor, nom estimulo na parte.
O outro liquido restilo a faculdade do ouvir os
sous ao ouvido tocado de simio/., anda que invete-
rada, una vez que o mal nito soja de nasceiiQa, sem
causar em lempo algum o ineur iucuiuiiiodo ao do-
enlc, o sem priva-I o de cuidar em sous negocios.
ISSTIICQOES PAB* O USO UOS IIRMEOIOS.
U dos oIws emprega-se do modo seyuinte :
Odocntc, pela nianha, emjejum, urna hora ppu-
co milis ou menos depois quo orguer-se do leito,
tomara sobre a palma da nio pequea porcito da-
quella agoa ; ccoinella molliara hemos olhns, fa-
zendo que algumas gottas caiam sifliro o globo 00-
cular: sem os iimpar, os conservara molhados alo
que naturalmente enxuguem : ao doitar-su a noile
praticara o mesmo : durante o lempo qu usar do
remedio evitar o calor, aceito do fumaca e o vento ;
lara abstinencia de comidas salgadas, azedas e adu-
hadascom especiaras.
Oremedio dos muidos ser applicadodo modo que segu:
Odoente, pola mandila, urna hora pouco mais ou
monos depois do erguer-se, anda em -jejun, far
derramar, dentro dos ouvdos qualro ou cinco got-
tas do liquido, lapand-os depois com algodlto em
rama; a noile ao deitaj-se repulir a inusina ope-
rario. Durante o uso do remedio evitara expor, os
- 0 bacharel Angelo Henriques da Silva mu. ou o
seu escriptorio para o primoiro ambir do sobrado da
casa. 20 da esquina da ra do Collegi, cm que tem
livraria o S'r, Dr, Coutinho.
- Alugam-soduas pelas para todo o servio : na
ra do Collegi, n. 13, loja de bahs.
Dio-se 5oooo rs.de gratificaeiio,
e se pagnro todas as tniis despe-
zas que se tenliatn feito, a qtiem
dr noticia do caboclitilio escla-
vo por nome Vicente de seis
hunos, pouco mais ou menos, sec-
co do corpo; tem no anua duasfe-
lidas de bobss, e hs um tanto le-
so, por ser novato nestn praca; le-
vou vestido camisa de algodo da
trra um tanto soja ; desencami-
nhoo-se da ra do Vlgnrlo, n. l\.
aonde se poder dirigir a pessoa
quesonlicr, oo roo di Gadeta
ilo Becile, n. ai
OdoulorOasanova medico franco/, continua
a receitar emsua casa na ra Nova, 7, primoiro
iindar.deironlodooitaOda matriz de S.-Antonio ,
das 7 as 9 horas da inanhiia o depois disto, esta
pmrnpto a qualquer hora para fazer visitas a qual-
quer doenteque de seu peeslimo so quizer ulilisar.
rima, alfaiate,
de
na ra do l.ivramentn sobrado n. 1 precisa
bous oliciaos de seu ofllcio c de COalureiras.
Qucm tiveruina preta para alugar, que saib
c.ozinhar, engommare fazer todo o mais serv?
urna casa, e que .10 fiador a sua conducta
se a rua'da Aurora n. 20. .
de
drja-
n. 5.
H-CH" vPKOS DESO,
Rita do i'asseio-Publico,
Joitoloubct participa aorcspeitavel publico, que
recobou, por estes ultjmosnavios francezos, umeom-
nolo sortimenlo de chupos de sol, de soda, amis
rica c superior quali.lado; lurla-cres e outras nim-
ias conhecidas. tanto para homons, como para Sras
e meninos. No mesmo estabcleciniento ha um sorti-
mento de chapos de sol deyaninho, dos mais mo-
dernos ; ditos muito grandes, profiri para homens
decampo: tambem tem chapeos de sol de paninho
para meninos c meninas, por seren multo linos: po-
dem-se chamar chapos de economa. Na mesla loja
ha sortimenlo de bengalas, bongalinhas e chicotes
muito modernos; rohre-se qualquer armacHo de cha-
pos de sol, com sedas de todas as cines e quidida-
des Namesmacasa ha um grande sortimenlo de
nani.inhos trancados e lisos, imitando soda, para
cobrir os mesmos: dosla lazonda se vendo aretalho.
Concerla-se lodo qualquer chapeo de sol, por haver
um com pelo sorli monto de todos.os peitences para
os mesmos, com toda a perfeico o brevidade.
Aluga-se urna casa terrea na i ua de Agoas-x or-
des n 30 com bous commodos para urna familia :
a tratar na ra de Apollo n. 39 segundo andar
Os moradores da na de S -Francisco ( Mundo-
Novo l'rogam aos lllms. Sis. da junta do salulinda-
de queirain por suas bondades olharem para a dit
--Aluga-seurna grande propriedade e sitio que
vai ateo rio Capibaribe no Monteiro quo ioi do
fallecidii Francisco da Silva : a tralar na ra da l.a-
deia do Rccire, sobrado n. 55.
~ Precisa-se de urna ama do leitc forra ou cs-
craya : no boceo do Sampalel sobrado de dous an-
daros n. 16. .
O Sr. Joio Alborto Machado lonha a bondaoo
do procurar una carta no armazem de Francisco
Oas l'erreira jo caos da Alf.nidega ou possoa
coinpelentopor ello aulorisado.
-- l'recisa-so de urna ama secea de bons coslu-
mes que nito soja muito moga e so saiba dar com
lodo o cuidado ao interior do urna casa do pouen
laiiiilia.Ditigir-seii ra do Rangcl n. 59, segundo
andar.
attf\(;aom
O icvantamento da bAiMleira
de N. S. da Conceico da
poite (I > Rccife,
lerlugarna madrugada do abbado para o domin-
go, -_>s do crrante. < fosteiros eroeram que os mo-
radores das mas Gonceic.au o Ladeia illuiniiiom
suascasas, alim delornaroin mais brilhanlc um acto
do lana vcneracflo.
-- l'recisa-so alugar una escrava para o servico
diarii) de .ima casa o que oiilon la do cozmha i ua
rna do Vigario, n. 3.
D.to-se 200.000 rs. a juros, sol) ponhores de eu-
ro ou prala : na ra Velha, n. S6.
Precisa-sede um caixeiro portuguez, para to-
mar cuta de una venda, quo lonha pralica dosto
negocio, o que de liadora sua conducta : na esqui-
na da Camboa-do-C.armo, 11. t6.
- O doutor Alexandre de Souza Peroira
S* Carino, medien mudou sua residencia tVjj
t**1 para a ra larga do liozano n. 12, segn- '--
i doo tercoiro andares do sobrado onde, tem W,
botica o Sr. Jos Maria (encalves Ramos, f?
-Precisa-se lugar um molequo que soja fiel, e
Na loja 'tisiHM-o
:'iisseU>-'J
17 da na
J)l.
jue conta-so a casa que nito hajam doentes com
fobre, talvez procedido da milita lama que tem, o
nfo tem sido possiv-
08 que
que com este verao
enconsequo.icia da grande abundancia d agoi
corro do chafariz do largo do Para izo, o se
caso esto negocio mo pe tonca a suppradila junta ,
i.uVidos'principalM.ente, a acc.to do calor e do ven- o mesmo se pede ao lllm. Sr. Fiscal do ba.rro de Sr.
tu, afim de evitar grande tianspiracao, bavendo cui- Antonio.
iladoem uo motilaros pos em agoa Tria ; linalnienic
deve ahsti'r-se de comidas salgadas, azedas o adu-
llas.
ICs'.os remodiiis oslo a venda na botica do Dar-
Ibolameo Francisco de. Souza, na ra larga do llu-
zario, ti. 36, iink'd deposito ora Pcrnambu,o, pelo
preco de2,240 rs. cada video.
I'uit.ir,iiii, da sal do primeiro an-
dar da casa que ica delionte da ordem
terceira de 8mi-Vi aucisco, onde mora a
.senliora Viuvi CoiiIm, um espevitidor
cem a competente salva, pertencente ao
me.siiio, e ludo de prala : a
.pecas frem offerecidas ,
de os tomar, e dar parte
a qucm estis
se roit- o favor
ni uiencionada
cisa, ou na rui do Crespo, loja de Jos
Joaquini da Silva Maia, que ser recom-
pensado.
-- Anda se acha por alugar urna morada de casa,
sila em Sanl'Aniia, eom suflicentes commodos pa-
la p.issar a fesla : quem a pretender dirija-se bo-
tica de Joao Morcira Marques, na rila do Cabuga,
n. II.
O prolessnr de inglez e frnncez do collegi S -
Antonio da licos as ditas lingoasem casas parti-
culares : quem de sen prestimo se quizer ulllisar
dirija-se a loja do livros do paleo do Collegi, n. 2.
l'recisa-so de urna ama luir ou captiva : na ra
de Horlas, n. ir
fferece-se urna niulher do mcia idado para
ama de casa de pnuca familia, a qual sabe fazer lu-
4 o servico de pin tas dentro : na na da Guia,
!>*, primoiro andar
Joo Jos luarte Cuimares, Bra-
sileiro, rctira-se para Foilugal.
-.\a loja debarbeiro. difronte da l.ingoela de
Jos Goiit;alvs Braga preeisa-sn de Uta aprendiz
paia.o mesmo ollicio : quem cstiver nesiascircums-
tanciasdinja-soa dita loja.
- Aluga-se, durante o lempo da fesla, una casa
no Pco-da-l'anella a margen do rio junto a casa
onde morou o sacrista.) da matriz ; a tratar na ra
doQueimado, botica n. 15.
-Precisa-se do dous senadores: na praca da
ltoa-Visla, ii. 7.
-- A pfaca do sitio do Percira da alfandcga que
soannunciou para o (lia 22 docorrenle oi annun-
ciada por engao do^orlero devendo ser no da
quinta-feira, 25 do corrnte. .
'i'cudo-sc perdido um bilhele da alfandega ,
com data do 18 de novenibro da quantia do
373,53* rs. .a vencer em 18do marco prximo ro-
ture aceito pelos abaixo assignados pon-m anda
no sendo assignado pcloSr. escrivilo da alfandcga,
o agora sendo novamente aceito pelos mesmos ou-
Iro bilhele no igual theor o quantia em'lugar do
perdido, ficando oslo sem valor, ou eITcito al-
gum: por iso ra/.em esto annuncio' para evitar
qualquer duvida Brander a llrandis & C.
Aluga-se urna preta ou proto para andar com
fazendas com oulra pessoa : na ra do Vigario, nu-
mero 19. B.r 1
Manuel Coelho Pinhoiro, morador em lora-de-
l'orlas i faz publico quo comprou, ha poneos me/es,
ao Sr. Jos da Fonseca o Silva um escravo cnou-
lo, de 15 annos pouco mais ou menos o qual fn-
"'odccasa, c sendo'preso nos Afogados dccla-
rouna presen ca do respectivo Se. subdelegado de
polica que perteheia a Jos de Moura, morador cm
Pianc e que roa lunado e vendido nesta praca. O
iiniiuiicianlcso acha de posse do Jilo escravo por
tor prestado una lianca o roga a qualquer pessoa,
que lonha conhecimcnlo do dito Moura que avise
a osle alim de cuidar quanlo antes, de haver pe-
los meos legaes o predi lo escravo.
-Joaqun) Flix Machado convida aos pobresce-
dio, propietaria docngenlio Paraizo, comarca do
ho-Formoso.
e]l9!0'l# !* *0 ^ *1* ^l^^i^^I'^g
Vende-se urna preta que cose perl'eilamen- ^
le, fa. lavarinto, marca, engoninia he per- g
(Vita ru/.inlieira eiiao leni vicios; una mu- .-
latinhaeecolhda, de 13 anuos, quo cose, J
tem principios de engominado, o lie ptima <^
para todo o arranjo do una casa ; duas pre- 2
tas mocas que cozinhan niiiilo liem o da- {g
rio de urna casa engoninian liso, lavam de 3
bfloe vairella o sabeni vender na ra azci- .^
' te do cariapato : .na ra do Vigario, n. 24, 2
5 se dir quem vende. ||
V3^p#r%#r*#* #1% i^ #> *! &^
orferece-seum rapaz de 20auns para bolioi-
ro de qualquer casa ou para todo o servco que Tor
preciso r-ara qc Ja li;",or a sua c00"1"01* : l,a
ruadas Trncheiras, loja n. 3.
__Anda so precisa do urna ama, prcla, Torra ou
escrava : na ra doRaugel, n. 59.
P
chitas linasa 120. 140,160. 180. 200 e *$
linas a 280 rs.; brins do l.nl.o de ^'aJr"?1(.^ran-
muto lindos padres, a 40 rs. a vara ; le Qos gran
des do seda para grvala, e bons mn" "
1.280 rs. ; mantas de seda para grvala de Inomem, a
9 000 rs. ; cortes de collete de lifn o soda, a 320 n. ,
ditos aelslo, asoors.; dito de veUujo jw
res, I 3,000 rs. ditos de gorgurao 'g*
res, a 3,000 rs. : ditos de gorgurao do lila e seda,
le um aprendiz de charuteiro
rubrica n. 127.
em Fora-de-Portis
Compras.
Cnmpram-se 500 meos do sola do boa marca :
na ra do Collegi, armazem ii. i o.
Cnmpram-se dous carimbos de mito sendo
usados : no paleo do Carino
0,2.
loja do tartaruguciro,
Vendas.
Lotera do ttio de-.la eiro.
Aos 20:000,-^000 de ris.
No vapor San-Sakailor acaba de chogar um lin-
do sortimenlo do hilhetes da 12.", a livor do monte
po eral: a olles antes que chegue o vapor. Estilo a
venda com a rubrica na loja do cambio do Vieira,
na ra da Cadeia .lo Itecl'e, n. 2t.
- Vendem-se os seguintes ob-
joclos por preco cnmmo.lo : corontas do meia, boa
l'a/enda; uin candioiro de gazde gosto moderno ; a
novolla, o Viajante africano, ou casamento porsym-
paihia : na ra do Queimado loja de miudezas,
n. 25.
Vendem-se sccas com roijSo por 2,000 res:
no armazem do Francisco Iias Fci reir, no caes da
Alfandcga,
Vcudem-sc harria contendo cada um dous prc-
zuntos, diias.luzias de paios 0 una arroba de chou-
ricasi no armazem de Francisco Das Ferroira, no
caes da Alfandega.
Vende-se cobre a 4porcenlo : na ra larga do
Rozarlo, n. 48.
-Vende-se um horco d.'angico, inndegrao de cama,
duas banquinhas para eabeceira de cama c tros ca
denas pequeas para meninas do escola, ludo em
bom oslado o quasi novo : na ra do Queimado, lo-
ja n. 8.
Ven.le-se urna carraca do dous bois, nova, do
erregar pipas por baixo : na ra do Pires, n. 3.
Pechinclia, pecl.iincha !
Na loja do Passeio-Publico
I9rde Manoel Joaqui
cual Kniltos,
in
, n.
fas-
con
011 nos tra-
lla prcla, a 1,1*0 rs. o covado ; pecas .le ma apoUo
uA.ito linas, com qualro palmos, a 4,000 e *;.
cass lisa a 2K>,400, 480 c 500 rs. ; pecas <>( B
dfJozinho com 18 jardas, a 2,000 rs.; cl",l;.^r0I>^sa
sa escura, a f.'.O rs. ; merinos minio superiores a
1,600, 2,800, S.800, 3,500a 4,000 rs: o covado cor-
ts de chita com dez covados, a 1.000 rs. ; di os I iin-
cm lOditOS, a 1,800 rs. ; ditos ditos com H ditos,
a 3,500 rs.,-ditos de vestid!.....cassa com
5,000 rs e nutras militas lazendas por procos com-
modos.
Sal
Vende-se sal muito alvo a bordo do brigue So-
citdad*, run.loado em frente do trapicho do Sr.
Angelo: atratarcom o capitn a burdo,
Jos Francisco Collares, as esi-adinlias
piches da estiva
-= Vendo-se por procisao una escrava ique cn-
gomnia, lavado varrela lie boa qultandelr, mul-
to fiel e de boa conduela, 0 que so ahanca : na ra
do Collegi, ...3, segundo andar se d.raquem
' -l-'vemdem-so, no dlltriclo da villa de Bananei-
ras.ua provincia da Paral.iba do Norte, as
tes Ierras proprias para planUoOes
raimas de assucar, a saber:
de Ierra, denominado Alag.un.ia- ; um mtio con
urna oiigcnbnca e casa do vivenda, doi.ominado~Ba-
copari propria para dar caimas de assucar quo
fui do finado loaquim do Rogo Toscano eBr.lo,
ora parto do sitio hao-il'Arco ; urna parle de Ierras
no sitio Cannabrava, muito propria para producto
de canoas .loass.ica.-, leiido proporooea para so le-
vantar um engenho ; unas Ierras denominadas
-Sitio-Novo--, 0.11 Callabouco, com urna casa gran-
de do vivenda, senzalla para eseravos, prensa para
encarar algodito o (.litros pertoncos para descaro-
camentodo mesmo genero, que loram de Francis-
co da Cunta Ribciro: so proprias para plantacao
do Igodao, 011 para crtacBo do gados. Quem as
quizer comprar dirija-so naquella villa ao capitUo
Kslevflu Jos,- da Rocha, ou na cdade da Paraluba, a
Jos l.uiz Percira l.iina. -
- Vendem-se 8 eseravos, sendo : duas
pelas e duas pardas, de ao a ^4 annos,
bons lavadeiras, custureiras, e que cozi-
nhaiii o diario de urna casa ; tres pardos,
sendo um de 16 annos e dous de ao a
vendehvse pecas de madapolfio muito finoconi um
pequeo toque do avaria, a 2,000 rs., eom vara, a
120 rs.
-- Vendem-se lijlos de mar*
more: em casa deOliveira Irmos
& C, na rua (I i Cruz, n. 9.
Vendc-se una porcito de grades para janellas ;
caixilbos de amarello lovosque anda mo leva-
ram vdros ; janellas e poetas de loueo cm bom uso ;
urna varanda de rorro ; um bah de folha : ludo por
prcQO commodo : na praca da Boa-Vista, n. 7.
Vendem-se 4 eseravos sendo um pardo de 20
annt.s robusto ; um pelo de Angola de 28 anuos;
urna crioula de 20 annos ; urna parda do 28 anuos :
ambas cosem, lavam, eiigoinmam fktem rendase
lucos, 0 entOlldein soffrivelinonle de cozinha :
lodos se ven. lein para um pagamento: na ruados
Tanociros armazem n. ">.
Lencos de fcassa, a 11O rs.
cada um.
No Atcrro-da-Boa-Vista u 10, primeira loja de
fazendas indo da ponlc vendem-se loncos do cas-
sa de qualro puntas, com lislras brancas e de corea,
a seis vinlens ; casimiras finas e de bonitos padioes
para calcas a 4,000 rs. o corte de 3 covados o incio,
ou a 1,120 rs. o covado ; riquissiinos cortes d col-
dc algodito e
um sitio com meaegoa
3o
do
um moleque,
A,
de ii annos:
se dir quem
na rua
vende.
Lrespo, n
miraveis nava-
as de acoda China
no teem a vantagem do cortar o cabello sem oiTen-
cara parecendo estar na
sa da pello doian.io a
sua brilhanle mocidade.
Esto ac vem esclusivamenlc da China e so nel-
lo Irabalham dous dos molliores c mais abalisados
cutleiros da nunca excedida o rica cidado de Pe-
kim, capital do imperio China.Au'or Shan.
N. I!. II:! roeoiilieeidi. o uso dostas navalhas
niaravilhosas por luds as sociedades das scien-
eiis mcdico-cirurgicas, tanto da Europa como da
America Azia o frica, nito s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas lamben como um meto cos-
mtico.
Vendom-se as vordadoims so na rua larga do Ro-
zarlo, n. 24. _
Vendem-se enfeites de froco de di-
veisas cures para caberas do senlioras :
na loja do Maya Hamos & C, rua Nova,
n. 6.
Vendo-so um negro perito offi c8l de sapateiro,
de idado de 20 anuos, o urna negra cozinheira, cos-
tureira, lavadeira o engommadoira. de idade de 22
anuos pouco inais ou menos : na rua estrella do Ro-
zario, n. 43, sefcuudo andar.
a rua do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da Silva
II a va,
vondem-so muito lindos chapeos para meninas ,
tanto de se la como de palhinba chogados ultima-
mentede Paria ; chapeos de seda para senhora ;
ertcsde ceambeaia do seda.de ricos gostos, por
preco muloeoramodo ; corles de vestidos de cam-
braia e cassa-cliilasde dilTorcntes qualidades por
precosbarato; ditos con una pinta do mofo e
sem elle a 2.000 o 2.500 rs. cada corte ; mantas de
seda e lita para senhora das mais modernas que
teem viudo a esta praca a 5,000 rs. cada urna ;
mantas o chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos ; alpaca prcla a 800 e 1,600 rs. o covado;
panno de linho a 400 rs. a vara ; casimiras fran-
cezas e elsticas para ''alcas a 5,000 rs O corte ;
fusloes; selinse velludos para collete, por preco
muito em conta ; boni como um sorli ment de ou-
Ir.is muflas fazendas que so venden pelo barato.
--Vendo-so una porcSo de Iraves de 35 at 50 pal-
mos, de boa qualidade : na rua dg Livramento,
n.6.



*T
#




- Venlem-sc 22 oscravos sendo: 2 iiuilntinhos
milito lindos le 10 ;i f S Mitins ; \ moloques il 12
16 anuos 3 oscravos de mola idade; 4 mu'lali-
nhasdc li anuos, recomidas; 7 oscravos de 22 a
28innos ; urna negrinh de 12 anuos: na rua |)i-
reila, n. 3.
Vendo-se urna negrlnha coitiireira e rom
M
ra ; um mulalinhn rom principio de sapaleiro : na
. na larga do Rozario, loj de miudezas, n. 35
se dir <|ii.-m vende por querer retirar-se para f-
Na inesina loja tambera se vende iim piano
filez que precisa de um pequeo concert
pno para se aprender.
He
pro-
s na loja do nicho que
apparccem estas pechinchus.
>ia esquina do Livramento loja do nicho, ven-
deiii-so maulas para senliora a 1,000 o 2,000 rs
sel un bram-o .li II
1,280 rs. ocovado
'CS COR] '(<
riscadinhoschiiiezos, coin is-
tras le seda a 360 rs o covado ; chales inuil
dea da garca e seda a 2.000 rs.
mesilla fazenda a 1,000 rs. ; ditos escocezes de
bonitos gostos a 200 e 320 rs. ; e outras militas
pecjiniehas novas chegadas de proposito para a
lo gra il-
lancos .grandes da
(esta.
Vendc-se uinji poreflo de pee, as
seda, dedujremos qualidade*
do peUucia de
, por prer comrnq-
do : na ra d.i Cadaia db Recite, n. 86.
Allcncao!
Acaba do oliegar loja do l'assoio-Publico n. 17,
una porcSo de corles de cambraia transparente de
la 1, para-vestidos do senhora, padrOes inicuamente
novos, 0 que se espera ui.Toeam -eral applauso das
seiilioras de bom goslo, e iiiuito principalmente das
que teucionam passara fasta om seussitios. A por-
eflo he diminuta o nao ha mais om Pornambuco ,
por isso sein demora devem man.lar por ellos, antes
quesoacabem, momio porque o proco convida,
puis he o de 5,000 rs. por cada um corte.
LOTRRIA
DO
iioxpi/ttl Pedro li.
Continuam-se a vender os buhles dosla lotera,
no bairro do Recite, ra daCadoia, 11. 24, loja de
cambio do Sr. Vioira ; no bairro de S.-Antonio, ra
loCahuga, 11. II, botica lo Sr. Joo Morena Mar-,
quesj na pracinha do Livramanlo, 11. 51, loja do
Sr. thesoureiro.Moraes ; na rua do i.ivranionlo 11.
22, botica do Sr. Chagas. Brevemente ser annun-
ciado o da impreterivel da sua exlracciio.
nhora e meninas; aviamentos para sapateiro; sa-
patesile lustro, o quando no hotiver algum que
chegue ao freguez, tambom se recehem eneom-
mondas : urna p.irgfio de madeira ; lindas ; bicos;
ramos do flores; parreira brava, ou abulua para re-
medio; um braco de batanea do autor Romio com
11111 torno de posos de duas arrobas para baixo pa-
ra arniazern de carne ; um terreno em bom lugar ,
com200 palmos de lenlo e 00 o tantos do fundo.
\\a loja novarla rua do Quci-
mario,n. 11 A, de Kayniun-
do Carlos Leite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de lindo do Porio as pecas
silo de 18 varase moia ; dito do 25 varas, a 600 rs. ;
cuardananos do puro linhn a 80O rs. : fazenda do
norte, propria para colletes, jaquotas o etc., locido
deseda o linho ; mcias iie linho asmis linas que
teem viudo ao mercado.
Vcndem-SR 200 brandos de cera do Kio-de-Ja-
neiro.de 2 librase de 1 e3 quartas, por menos
ile sen costo para liquidar: na rua da Seuzalla-Vo-
Iha, n. 110.
Vende-Reuma preta de nacflo boa covinhei-
ra oquilaiidcira, o que tambem he ptima lavadoi-
ra .por proco commodo, visto se vender por ne-
cossidado : na rua do Cotovello 11. 85.
Remedio prodigioso para os
embriagados.
Este remedio lorna-se mu a precia vol por ser sua
composicilo miii simples, o nfloarruinar a sade do
individuo, fazemlo-o aborrecer para seinprt) a be-
bida. Vende-so na rua da Gloria, n. 87.
- Vende-so um molequo de 8 anuos eummii-
latinho de 4 : na rua da Se.11/alla-Velha n. 110,
primeiro andar, se dir que vende
Vende-seiima bala oca grande, propria' para
posar couros, 011 carno socca com urna porco de
posos : na rua do Collegio, 11. 19.
Vendc-se muito bom arroz brauco om sac-
cas : na rua doQueima lo, n. 41.
Vendo-se cora do carnauba, de milito boa qua-
lida'e, tanto a rotalho como om porcffo : na rua
das l.arangeiras n. li. segundo andar.
DEPOSITO DB CAL VIRGEN.
Na rua do Trapiche n. n. ha
Vendem-se travs de camacary
tnassaranduba de 4o a 45 palmos de com-
primento : na rua do Queitnado, n. 4.
"a 11 nos inos.
Vendem-so superiores pannos finos, a prova do
limBo preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito lino, a 4,500 rs. Estas.
pannos silo novos o pela sua barateza, attendendo
a sua boa qualidade, tornam-se rccommehdaveis.
i\a rua do Collegio, n. 1.
A 91000 rs.,
saccas com hoin mllio : no
caes da Alandega, armazcm
de Antonio .-innes.
Vende-se um lindo carrinho de
(luis rodas novo e muito maneiro com
irreios tambem novos
iiicbe n. 4a, cafa de
na rua do Tra-
damson liowie
rapiclic n. 17,
prc cal virgern de Lisboa, em b
sem-
Mrrris pe-
queos, e ullimainente chegada intii-
lo superior e por preco rasoavel.
* Companhia ou 110 Ateno-da-Roa-
Visla coclieira doSr. Miguel.
Na nova loja do Passcio-Pu
bltco, n. 19, de Manuel Joa-
qun! Pascoal Hamos ,
vendo-se cortes de cambraia alegra, fazenda muito
moderna a 2,000 rs ; cortes de lila para calcas a
3,000 rs. ; cortos do casimira de quadros muito
moderna a 6,500 rs. ; alpaca preta, a 900 rs. ; me-
rino prelo a 3,200 rs. ; panno proto muito fino ,
a 4,500 o 5,000 rs ; dito azul, a 4,000 rs. sarja
piola despalillla ,a 2,000 rs. ; setim proto, a 1,000
rs.; lencos para grvala de seda do cores a 400
rs.; ditos de cassa a 160 rs. ; lencos de soda pa-
ra homem a 1,440 o 1600 rs. lencos brancos del
lodos os lmannos, de 2t0 at 400 rs ; mantas de
seda muito ricas a 9,000 rs.; chales do 13a, a 2,000
rs ; ditos de lila e seda a 8,000 rs.; ditos de inc-
luye chita a 1,00o rs.; e outras muilas fazondas
muito emeonta. *
Vendem-se caixas do cha hysson, de 13 libras,
em porcOes, ou a relalho : na rua da Alfandga-
\elha, n.36, om casa de Matheus Auslin & C.
Deposito de vinagre da fabrica
da rua Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater
ro-da-Boa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grande porcao e por preco commodo.
Admiraveis nav.iihas de
da China,
ac
NA HIJA URCA 1)0 ROZARIO, N. 35 LOJA l)fl LODY
stas navalhas teem a vantagom do *- -
cabello sem offendor a pelle, deixnndo a cara oare-
cendo estar na sua brilhantemocidade. Esto acoln
da China e seu autor ho Shan. Por todas as socie-
dades das seinncias medico-cirurgicas tanto da
Europa cmoda America, Asia o Al'riea.ho reco-
nhecido o uso destas navalhas mar.ivilhosas, nflo s
para provenir as molestias cutneas a que a hutnmi-
dade est subjeita; mas tambem como un mofo deis
curar.
Vendem-se as verdadeirass na loja cima indi-
cada.
Vende-se um armazem milito grando, na rua
de Apollo, n. 32,aonde oiSrs. Rogo & Companliia
teem oseucstaboleciiiiento : a informar-so com o
Sr. Jos Goncalves Torres e para o ajusto, com Ma-
nuel Antonio ila Silva Motta.
Noarmazem do Francisco liias Ferrelra. no
caesda Alfandcga, vendein-socaixas com 200 cha-
rutos, por320 rs.: estilo um tanto seceos, o sio
muito proprios para receberem novas capaz
'H>poiiiuin3,fc'o5id jod
sappnitnb su sopo) op upuazej op o)uaui
-liaos ojapiiuoo uin'sspuzsj sg)gap luepja'opBA
-OJ O -KJ 05 )|, oSaid OIB.IIiq 0|ld S.IKl'l,|,.dllS son
-ud epasojnos,) se\j sajooap '.miBatfgopuii ap
BJ8A uuin mal anb .innii i.iiMiipioH.iixa mis nj
d sojisuouj sopK|iii!iu! Bopasu soaoii so aspUiap
(fiqiiBdiuo:) i? uniRdssMLieiumo ap Kfoi b,s
'SO.I|SiOlU SM|)Ovl
opni
-U0A
Itelmiras.
Vendem-se
Nesla loja das pocliineliiis, vendem-se pail-
S nos linos, a 2,500, 3,000 3,500 o 4.000 is. ,
o, prova de limito a 5, fi o 7,000
nas a 1,500 n
oovado, e muito superior, a 3,000
;;<^ o muito fi
"$i rs. ; casimiras de duas lai
y^ 2,000 rs
<; o4,000rs. cortes do selihi o de velludo
H paracollcle, a 2,000, 2,500o3,000 rs.; inan-
ff} tas de selim para homem, a 9,000 rs ; um
grande sor ti ment do madapoloes chitas
>sj e outras minias fazondas para a fesla por
lg baralissimo proco, para acabar unios do ha-
Veude-se un sitio na estrada de S.-Aniaro pa-
ra llelem pnssando a ponte o primeiro, do lado
direitOjCOm boa casa grande que pode morar 3 fa-
ntliatkl pasto para 8 vareas de Icito terreno para
plantar, bastantesarvoredos de Inicio, e alguna
viveiros : tanibomscaliiga nutro mais pequeo na
incsma estrada a tralar no mesmo sitio ou na rua
Direila n. 4.
Vende-so, a bordo do berganlim Independen-
lo, Tundeado defronte do trapiche da a lan doga ,
-sebooui rama, ejcartie superior.
Na loja nova ria rua ri Quei-
mado, n. || a, deHaymun-
!o Carlos LJle,
acha-se um novo sortlmonlo de lindas mantas de
seda a 4,000 rs. temi tambem do 2,000 lo 000
lt.000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora de trocal ',
ultima moda em Lisboa; ineius cillas n. 10 a 5#
rs. a duzia. '
Vendem-se pecas de Oadapoliio limpo, com
20 varas, a 2,500 rs. ; pecas de chitas escuras mui-
to encornadas fortes o de cores IIxas a 5,500 rs. ,
ea ifiOrs. a relalho: na rua estrella do Rozario ,
n. 10, terceiro andar.
-Vendem-se por preco rasoavel, as obras de
Hergior ; Diccionario de tlieologia ; de Fritot sc.i-
encia do publicita ; de Constante, tratado da legis-
cad ; de boiste, diccionario universal; de fiuizot
poiil, de morle : na rua do Cabuga, loja de Jos
Branuflo da Rocha delronlo da matriz.
AGENCIA lA FUND^AO'DKI.OW-MOOR.
Na rua da .Sonzalla-Nova n. 42, contina a hav6r
n completo sortimentodo moendas o machinas de
Mpor, para engenhos de assucar : bom como tai-
xas de forro batido o coado do lodos os tauanhos :
ludo jior proco commoilo.
Vendo-se nina cama do amarcllo, anda nova
e muito em conla por sordo una pessoa que se
retira para o mallo: na rua da l'raia-de-S.-Rila ,
serrara u. 21.
Venilo-se um moh-quede muito bonita ligu-
ra bolieiroc barbeiro ; > ditas de 12 a 14 anuos;
1 prelo do 20 annos, de elegante ligura ; 2 mulali-
nhos; 2 paulas; 2 piolas; 1 negrinha: todas com
habilidades: I preto cozinnoiro e ongommaleiro ;
2 pretos |iara todo o servico de rua : no pateo da
matriz de S.-Antonio sobrado n. 4.
superiores cortos da fazenda nova
denominada bcluira para vestidos de senhora
polo barato proco de 4,500 e 5,000 rs. o corto. F.sta
lazenda he nova e de muito sublimes
do as sua* cores mili apreciaveis
gostos, son-
. por serein cor de
lino, rosa operla. A clles, antes que se acabom.
.\arua do Collegio, loja n. I.
Chapeos de palha
nhora.
para se-
do
do
Vendem-se duas carteiras de amarello ,
duas faces, para eseriptorio ; urna cama nova
angico, para solteiro : na rua das Cruzes n. 39.
Vende-se a venda do pateo da S.-Cmz,n. 4,
com boas freguezias, tanto para a torra como para
o malto : vende-se com os fundos a volitado do com-
prador : a tratar na mesma venda.
a
Casimiras elsticas e finas
7#000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas finas e
de Cores, pelo baralissimo proco de 7,0011 rs
lodecafca. Esta fazenda be recommetidavelpela
sua uuahdade tanto em fazenda como em gostos
porserom os mais modernos; casimiras
superior fazenda porserem muito linas ,
3,500 rs. o covado na rua do Collc
do melhor goslo e finura quo pode haver nesto ge-
nero; seihis lavradas e de ennlffozinho para clin-
posde senhora ; crep de cores muito lino e lar-
go ; copas do fil para chapos do cropo coin as cO-
, res do mesmo crep; mantas de seda para senhora
ditas demarca que agora estilo muito em moda;
chapeos Iraiicezes da mais superior qualidade o de
lormas elegantes ; mn lindo sorlimenlo do luvas
lauto para senhora como para homem; o outras
multas fazondas da moda o goslo por preco com-
modo : na rua do Cabug, loja franceza de Manoel
l'inheiro de Mononca junto a botica do Sr. Jo.lo
Morena.
Vende-so um lindo relogio de ouro.por pro-
co muito commodo : no boceo do Sarapatel. sobra-
do n. 16.
protas
, a 2, 3 e
loja ii. 1.
O
Vende-se liacas de vime,
viudas do Porto: no caes da Al-
Fandpga armazem de Antonio
Atines Ji come Pires.
55lO.
rv
do
de
U BAR.ATEI
IVa nova loja da rua
po ao pe do arco
Ionio, n.4, de IVcardo
de Freitas Ribciro,
vendem-se; casimiras a turca, do una s cor, fa-
zenda inlciramento nova empadros e qualidades .
0 quetem urna elaslic.lado que se nao oncontra
s outras casimiras viilgaies.sendoeslasapplau-
Na rua da Cruz, n. 26,
yendem-soos seguintes oscravos : duas molecas do
12 anuos; duas mulatinhas, una do 12 anuos, ea
oulra de 9 ; um pind de 30 anuos ; un. preto de 18
anuos ; sola; couros mindos ; cera do carnauba ; es-
leirs do Aracaly ; sapatos e bolins obra boa e fei-
la no Aracaty.
Vende-so. ou troca-se por casas nesta nraca. um
terreno com 412 palmos do frentoe 150 de rundo,
silo por detras do covonto do Carino : a tratar com
o son proprietario, no Manguinho, segundo silio
dcpoisdacapellade S.-Jos.
Xa I ja nova da rua do Quei-
mado, n. II A, deKaymun-
do Carlos Leile ,
acha-soum novo sortimentodo
: Na rua das Cruzes, n. 41, vendo-se marnela- ^
W da nova em caixas de 2 o 4 libras cheira- 9?
OJ da no patacho Andorinha.
Vomdo-secaf da trra, a 4,500 rs. a arroba :
na rua do Crespo/n. 15, loja do Antonio da Cunha
Soares Giumariles.
- Vendem-sosemonlesdehortuliija de todas as
qualidades, muito novas e chegadas prximamen-
te do Porto na barca Espirilo-Sanlo, por preco mili-
to commodo: na rua eslrcila do Rozario, venda
11.8.
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende-se na livraria Ja praca da independencia ,
Jis, 6 o 8 o Novo Mez Mariano, accresconlado com o
l.ausperennodo Sanlissimo Rozario.
O UOM Q^tlSATEjIHO.
Cunba& Amorim.com loja de
fazeildas na rua da Cadeia
do Rccife, confronte a rua da
Madre de-IKos, n. iiO,
teem para "vender, alm do um variado sorli-
menlo do boas fazen'das, cortes do cambraia bran-
ca e de cores, a 3,200, 3,600, 4,000, 4,200 e 4,600 rs.
ditos-do cassa de cores a 3,400, 3,600, 4,000 e 4,800
rs. ; cortos do fustao para colletes brancos e do
| Cores, a 800, 1,000, 1,200,1,600, 2,000, 2,400 0 2,800
i rs. ; cortes decaigas do bons castores de 3 a 4
covados a 1,120, 1,280 rs. o o cdvado, a 240 260,
280, 320 o 360 rs ; corles de pollo do diaho, a 1,400
rs.; ditos decalcas de brim de cor, a 2,000 o 2,400
rs. ; ditos do velludo para collcles, a 2,400 e 3,200
rs. ; nscadinhos francezos a 220, 240, 2O o 320 rs.
ocovado; chales de cambala, grandes, com listras
decOres a 1,800 rs.; ditos blancos, a 2,000 e 2,560
rs. ; pegas de cassa de quadros, rom 8 varas-e meia,
a 2,800 rs.; longos do cambraia com cercadura abor-
ta o de cores a 320 o 360 rs.; chales de lila o algo-
do, oscuros, a 2,000 rs. ; chitas escuras Irancezas ,
largas.a 320 rs. o covado; ditas em cortes, a 4,200 rs.
Vende-se tuna cadeirinha de dous bracos ,
forrada de damasco por proco commodo : na rua
do Ainorim, n. 15.
Escravos Fgidos.
entlem se esrravos muilo baratos, pa-
se liquidaren] contes deste anno, na
segundo
n
rua das Larangeiras,
andar:
tros lindos moloques do 14 a 16
com principios do sapateiro e quo o
dara ; um lindo mu Intuido de II aun
>4,
Cres-
8- A ii-
Jos
annos ; um dito
Hiende do pa-
. ..unos muito es-
-- pannos linos de todas 1" 'ln sem vicios, prnnrio nina anremler nuul.iup
as cores o quahdados ; chapeos francezos da ultima icio ; un, pro,,, ,\ 'annul, i opuSU W, tS
harem armazem de assucar por ser bastante for-
. um dito de naclo, bom ganhaduruera, e que
eadurt le co'r o wi jeactMjo.le senhora, a 120 rs. cada un, ; con,- de
7as7VutrSCa,,'?',le,h0,'lOS P-^eso com
e i ,.. X ,l,l"S d0 MhW fl" lras as-
sttmadas brancas o com 7 varas, a 3,500 rs
eira.a.-aDer sa.atooS e sapalos, para homom o
uieuiuos, dos de COUro e de marroqu'o.' par,^sc-
moda; ilmeoniidotosortiniento do lazendas lillas
e grossas por prego mais barato do quo om outra
qualquer parta.
Vende-se una linda negra com habilidades, um
negro pega de 20 annos; um molequo do 12, una
niulatinha do 4 anuos, eum muleque de 7 annos
por seu sonhor se retirar para fra : na rua da
Senzalia-Vclha, n. 110, se dir quom vende.
I oja de ti portas.
Na esquina do l.ivramcnto, loja deti portas, ven-
dom-se corles de cambraia lis, con. 7 varas e meia
ei5 palmos -le largura,, com bonita renda o bicos de
lindos gostos a 5,000 rs.
esta acosiumado ao traballio do rolinago ; m par-
do de 36 annos bom para tomar conla de um sitio,
por sor do boa conta ; um piolo de 40 annos bom
DAO' -se 50,000 RS. DI- CRATIFICACVO'
a quem levar a rua dos l.atoeiros, n. 66 um mole-
quo que fugio no dia26 de abril, do lime Mallieus,
equo tambem responde por Monloiro, de 14 a 15
annos, do nacSo Angola,fulo; lem oielba finada; to
lustrador e ompallndor. Tambom se proceder com
todo o rigor das leis contra quem o liver acollado ,
para so liaverem 1/rs. diarios. A pessoa quo o levar
a casa cima recebla a dita gratificago.
Fugiram do engenbn Cuiamhuca, froguezia do
Agoa-Prola 3 oscravos do servigo do dito engonho:
Jos Caipora lo Angola, coin alguus cabellos bran-
cos lo estatura haixa ; tem dous dedos da inflo di-
reila aleijados : Agosliiiho lo estatura haixa cor
bem pela ps bom foitos do 20 a 25 annos pou-
comaisou menos: Cyprianno, criouio, bstanlo
magro cor fula ps e lornozclos cambados, quo
cusa a andar. Quem os pegaTleve-o* ao dito engo-
nho ou na rua da Cruz, no Recife, n 66.
Kugio, no dia 23 do correlo, um esrravo de
nomo Viclorianno com ofilcio de sapaleiro do 38
annos pouco mais ou menos, com os signaos seguin-
tes : cabra-negro baixo o (otorgado do corpo per-
itas o bragos curios unios pequeas c grossas, com
calos do trabalhar no seu ollieio ps pequeos o
grossos barba rala coin cabello nos pelos bra-
ijos e ponas ; lem urna cicrftriz na tosa, o as lior-
nas marcas de IViidas ; lem a bocea um tafltogran-
de heigns grossos nariz um lauto afilado, lin-
go* spera o ruchada toda de natiiroza com falta
de denles na frente do lado superior ; levou caigas
relas do panno fino e camisa de niadapolAo pa-
J lor levado mais alguiun. roupa
Vende-se um carro do 4 rodas
louscavallos, com urna parelha do
sem ella : na ru Nova, cocheir'a n. 54.
Vendo-so um estallo do linda cor, bem cor-
ito bom carrogadordo baixo a
novosanoios, ou sem elles :
II. 26.
-~ Vende urna barca9a de lote
: na rua do Queimado, n.4.
para um ou
cavallos, 011
mulo com bous ,
na rua da Gloria
de a a
"porSr^
1.; tima pela muito forte policiaes o capities do campo, que o prendan, o
levem-no a sua senhora, l) Coiistantina Jaciiilba da
Motta, viuva do tenenle-coroiiel .Manoel Antonio do
Almeida mormlora na rua ostrmla d llozario, II.
30, segundo miar que suro recompensados.
- Kugio, de casa de son senhor, no dia 21 do
do nagao Benguela de osla-
do corpo, do nomo Domingas;
representa ler 40 anuos ; sabio do casa as 4 horas da
larde; levou vest.lo do finta rflxa dosbtada o por
cima, om lugar de saia um vestido de chita lo as-
nelo brnnco ja verti ; nflo levou panno : quem
apegar levo-a a roa da l.ingoea n. 5, primeiro an-
dar, queso paganTo todas as dospozas o so recom-
pensara.
anuos
por220,000 rs.;'duas pardas""com algumas habili-
dades; duas protas muito mogas, que so pti-
mas quitandeiras; duasditxs boas engommadeir.is
o coznlieiras ; e oulios oscravos.
- Vendo-so cal virgen, om Larris chogados pro-
* mmenle,le Lisba.por prego mais barato doque Correrte urna meta
zom::",,7qUd",,,er P"rlU: --a.laMooda,ar,na- Zl l'alxa Vul
Vende-se a bem conhecida e superior cbam-
panln. da marca cometa ; vinl.o da Madeira engar-
alado ; cha l.ysson o perola om caixinliasdo 7 a 10
libras cada nina ; bou. papel do Copiaren) machina:
ludochogadorccenlenicnle a esta praca: na rua
do Vigario, ii. 4.
-Vendem-se 150 bragas do torra, as Salinas, que
parlera com Jos l'ere.rae Nicolao Alfonso, por 20*
rs. : a tratar em Oliuda com Carlos Telles, na rua
ue l>alxo, n, 117.

^>Jltt^.: na tyi'. d u. e> db kahia.1847.
/




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5KZX4UWR_78RXE6 INGEST_TIME 2013-04-26T21:55:17Z PACKAGE AA00011611_08574
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES