Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08572


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1847.
Terja-feira 25
de Xovembro. Anno XXIV.

o nurtin nuWica-ia'i** os >ii%i n .e lo
reo. 'le Vpli o .>rer.o da MI. rs.ix quartel. rei.iriel do. iiavnntal .i inMn* s ,o de
JP ri. p r liii'm, 4-ii em ivpo rliiie>ente, t ai
diHorente, por =ad. publicado.
PHASES DA LA NO M6Z, DB rtOVEMBftO.
Lu* ora. > 8. o. &l minutos *, .e.cente a H. a* Lora.. *. a...*- J-
La ch.ia M. 7 boiaa e 1* i.".
M oto.nte 29, til 1 hore "'" rf l,rde'
PARTI\ DOS CORREIOS.
'oiiun* eParaMbas segunda* esC,J felino
Uic-.i --mde-dn-N.irte .Tinolas l'eiasao >neio-,!a
Cabo, SeriaMe-n, llio-Vormoio.Poiio-Ouvoe
llacci'i rio I.', a 11 c 2 i ile emln mez.
<;.ir ituuH t 1 mito, a S e 23.
[os-Vi-ta e Floras, a 11 e 18.
Victoria, as quintas-feiras.
Olinda, todos os das. .
^->i*-
N. S&S.
PBEAMAR DB HUJE.
I'rimeira, ti 4 horas e 30 minutos da maohs.
Segunda, s 4 horas e f>4 Hiiuutos da larde.
DUS D4 SE1IUA.
Seo S. Cia.lia. \<>. do J. <;o* orpt>. c
,,"1. *> ..?>'. e in l. H. lia 7 v.
Tem. S. Clemente. Aud. do J. do ci.
. v.e do I. di naZ do i dlM rlt-t.
linar!,. S. Joo da t-'rux A 11,1. do I. do
v da V. e do J- de pn/. do dist de l.
Quinta. 8. CHuerine. And ioJ. e do J municipal da l.ara.
jejla. S. Pedro Alexaudrino. Aurl do J- do
civ. da l.v.e do I de pal do I. dill de l.
abitado. 9 Mergarida de aboii Aud do-I
do civ. da I. v. e do J de pudo t dhU de t.
Domingo. I." do Avent, i Gregorio.
C.\ MIMOS NO DI \ II "m NOVEMBRO.
gi, e dia
Sol.reLnndre.a7Bd por 15 rs. i
a P-.ru 33 ri por Ir.neo.
a Wo.105 | lf.de premio.
I,, ,c. .t. latir.' t floeda.de naval. <<<>' h
.ieCVtoi'ror.. m*'..... i'0''
de 4juo ...
('rafa PaUcoe.......
Pesos colimo sres.
Ditos mexicanos .
Miuda
9 1 <> '
lj8l) a
lil4'l a
IJ760 a
14920
9Jl''0
f#980
lSSO
aHOO
|10
Acedes de como. <* lebwihe de 50|00n rs.ao par.
P/RTE OFFICIA
.
CO.M MANDO DAS A KM AS.
Quartel do commnndo das armas na cidade do Red-
fe, 32 de novembro de 1847.
ORDEM DO DI A N. 22.
Km viftutlc tas comi.,u..ica<;(Ycs quo oeomman-
dantelas armas iccelieu da prosideticia dosta pro-
vincia, na dala do 20 do corren te, faz publico para
l. Que por aviso d;i rep.irticito da guerra, de 6 do
andante mez, foi participado qun por decreto de 5
houve S. M. o Imperador por bem conceder a demis-
sHo que pedio do posto de cirurgian judante do se-
gundo .batalhflo de artilharia a p, ao Sr. Dr. Tito
Adriano Rebello.
2. Que por aviso de I2deoutubro ultimo ro o
mesmo Augusto Senhor servido conceder dous mo-
zos de liecnca com vencimciito de sold, para con-
cluir na provincia da Rabia seus negocios, ao Sr.
JosCaciano da Cosa, capit.lo do quinto balalhilo
de fuzileiros.
3. Que por aviso de 28 db referido mez de oulu-
bro, o aoverno imperial concedeu pnssagem no mes-
mo posto, para o quinto batalhilo de fuzleiro ao 1.
sargento graduado da leicrira cortipnnl>:a doquarto
batalhilo do cacadores, Joilo Baplisla dos Passos.
4." Que o E*m. Sr. cuiicelbeiro presidente da
provincia perinilto que o Sr. capitOo do 0 bala-
llio de caladores, Ha noel Agostinho- da Silva Mo-
rcira, fruisso os tres mezes de licentja com venci-
menlo desold, que obtivera do governo imperial
por aviso de 26 de maico tiesto auno, visto ter del-
la agora necessidade para cuidar dos seus negocios
domsticos, e ao mesmo lempo do tratamenlo de
sun sade, eniloliaver opportunamentc gozado de
scmelliiintolicenca, por frtja dos aconlucimentos
que motivaran! a sua pristi na provincias das Ma-
gdas.
5.' Que o mesmo Exm. Sr. presidente deelarou
com vencimentode meio sold os tres mezes de li-,
cenca que por seu despacho -de 21 de agosto ultimo
conceder, na forma da le o ordens do governo, ao
Sr. 1. cade 2. sargento do segundo batalbo de ar-
tilharia a p, Maximiiino Delinque da Silva San-
tiago. '" .
Em consequencia da dcmissiiodo Sr. cirurgiao a-
iudanle adrin Rebello, o Sr. cirurgiOo judante
Antonio os Das Martina, do segundo batalbilo de
artilharia a p, que se achava aggrcgado, passa a
elTeclivo.
Manoel Ignacio de Carvalho hndonca.
Conforme. Manoel Porfirio de Castro Araup,
Ajudaule de ordens.
condiefies tilo brandas : mas elle fez tudo quanto
podia, e ohteve mais do que um oxercito americano,
em circumstancias setnolhantes, tori concedido a
qualquer inimigo. Ello mo linha bastante frca :
mas teria lido quanlc bastava para capturar todo o
excrcito mexicano ; e nesse caso, em vez de soltar
um s oftlcial, excepto em troca de algn, nosso, de-
vra elle t-Ios remetlido lodos prisioneiios para os
Estados-Unidos.
NiTo lem o general Scotl sido redu/ido a mesma
posic.no trio necesnaria ao general Taylor depois da
batalbadeMontereyi' As noticias di/.ein ter elle n-
penas 7:000 homens, dos qtiaes perder mil; mas
isto provavelmento significa que somonte 7:000 ho-
mens enconlraram as masss to inimigo n um pon-
to qualquer. Tofla a frca'em operables nos diver-
sos pontos, o as quatro dislinctas balalhas, porque
militas parecem haver sido dadas, era provavelmen-
to de cerca de 12:000 homens. Um jornal mexicano,
publicado em Puebla, da seguinte relacilo, que se
ere subslancialmenle exacta :
Trazidos por Scott para Puebla....
Voluntarios chegados com Pillow ....
Cadwalader.
,, Picrco ....
7:500 hom.'
2:000
2:500
2:000
1.0002:500
forca-los, se todos estes prisionciros americanos mo
rossem sollos sem co.ulic.ilo algiim.i. He prepostero
esperar honra, fidelidade o boa fe do autoridade al-
guma mexicana. -
Talvez ja se tenlia assignado o tratado do paz, e
se for qtial so deve ao nosso paz, exultaremos. So,
t.orm, falharem os nossos recentes esforcos pela
paz, devem ellos ser o ultimo acto do nosso gover-
no j e con. a mnima demora possivel sei^devii de
enviar ao Mxico urna r\rc.a addicional de 50:000 ho-
mens para occupa-lo a su%CUsta. S o temor da for-
li podo conter una nacao tilo fraca, perlida e. des-
9
moralisada como o Mxico.
{'ublic Udger.)
PERttAftl&.-'CO.
EXTERI R.
AMERICA SEFTENTIU.NAL.
PIIIEADELPillA. 18DESETEMBRO.
O armisticio Esperamos que o execiitivo fede-
ral veja agora, se o-nSo tem vislo al aqui, a necessi-
dade de baler os Mexicanos com un frca respei-
ti.vel. Duas vozes teem os nossos exercitos, depois
de brlhantes victorias, nlcancadas a cusa 'le vidas
preciosas, sido obrigados a suspensfln de hostilida-
des, nos mes.nos campos do seu inumplio e da sua
gloria. Em Monterci, o general Taylor, depois de e.x-
pellirdeuma cidade forlilicada um oxercito mexi-
cano que linl.a n.aisdc doblado numero do seu, foi
obligado a concluir um armisticio, que liabilitou lo-
do esse oxercito mexicano a escapar, e a militar con-
tra elle em balalhas subseqiientes. O general Tay-
lor foi censurado, mas Injustamente e por quem em
distancia nada sabia da sua psito, por conceder
Numero total ebegado....... 14:000
Doentcs, desertores, ele......*-??
Cuarnictlodeixatla em Puebla.
Forrja que marchou sobre o Mxico ... 11:500
Toze mil homens, no mesmo centro do Mxico,
dcbaixo dos mesmos muros da sua capital, nao ido
bastantes para contingencias, quando consideramos
que o restante do exercito mexicano, talvez nada
menos do que 25:000 homens, anda est em armas
em algunia parte, o s espera occasiilo para ulterior
resistencia. Se o general Scolt tivesse *eq ur 20:000,
bastaram para oceupar a capital imi.iediiitiiinenle.
Consla-nos, que o armisticio foi concedido para ha-
bilitar os rominissarios o negociaren! a paz: mas
eremos que essas negneacoes seriam muito mais
breves, se o general Scolt tslivosse dentro da cida-
de a frente de 20.000 homens. Ese ello livesso esta
frca antes da primeira batalha, teria cnmpellido
Jodo o exercito mexicano a depr as armas. Enlilo
rom loilo o seu exercito priaioneiro de guerra, e
com a sua capital na posse de 200:000 Americanos
victoriosos, eremos que ocongicsso mexicano, se
est realmente disposto a negociar, .-lo-hia l'eilo
com milito niaioralacridade do o ^rovaveliiu'i.te
tem negociado, ou. negociar
acluaes.
O oilavo artigo do armisticio sobre a troca dos
prlsioneiros he digno de noticia. Elle estipula que
lodos os prisionciros americanos que nao teem Sido
trocados *l agora, sorao iiriu.edialainenle sollos em
troca de igual numero de mexicanos. Devenios lem-
brar-nos de quo a niesmn espulacOo foi filia para
estes prisionciros americanos, logo depois da toma-
da de Vera-Cruz, e depois das batallias de Hiiena-
Visla e Cerro-Gordo. Todava, neiibiim desles pri-
sioiieiros americanos foi sollo pelo governo mexi-
cano, em conformidiide dessas oslipulacOes. Os nos-
sos generaos, liis s suas promossas, s leis da hon-
ra o das naces civilisadas, ciimprirain exactaincn-
le o seu dever, soltando os prisionoiros mexicanos
em troca dcstos Americanos, e-soltando todos os
mais sob palavra de boma. Comtudo as inflis o
prfidas auloridailes mexicana, civis e mililares,
uoso recusara in ou dexaram de soltar o lenle
Rogers, Os majorca Caines e Borland, ocaplao Clay,
e seus compaoheiros de capliveiro ; senao que live-
ram o cuidado de alistar de novo para o servido lo-
dos os ofliciaes e soldados a quem o nosso governo
linha sollado sob palavra de honra. Em vez de pot-
es la estipulacfio no armisticio, acerca da soltura dis-
tes prisionciros americanos, deven o general Scott
ler bastante frca para fechar em alguina segura
priado todos os generaes e coronis que elle tinliu
capturado, para seren dolidos, com auieaca de en-
rwr'r*'Ti-MTl*'i--
Cmara n.imicjpa. do SUcife.
SESSA0 EXTRAORDINARIA DE 6 DE NOVEMBRO
DE 1847.
PRESIDENCIA DO SENHOR REG B A1.BUQCERQOR.
Presentes os Srs. Carneiro Montoiro, Dr. Nery,
Ferreira.Dr. Aquinq, Rarata cGaudino, abno-sea
sessilo, e foi lida o approvada a acta da anlece-
dcnle. _. .
O secretario fez a loitura dos segniiUes olicios:
Um do Exm presidente da provincia, remetiendo
approvada a planta de todo o Aleno-dos-Allogados,
hoie ra Impcrial.-lnlcirada, e aecusou-se a recep-
cS, manilaiido-se annunciar por cdital a sua ap-
BUCO.
sonador Manoel de Carvalho Mes do Andrado ose
eronymo Correia o Manuel Frailesco da Silva, que
tiodem litulns de aforamenlo do terrenos de mari-
i.ha, e no sentido delles se ioformou ao govorno da
provincia. ,.
Deliborou a cmara se onsultnssn o advogado a
repeitO da-qnesWo do pagamento de eustas a Basi-
lio Alvos do Miranda Varejlo, provenionlo dapor-
cprrtagemda llanos no procesto entre dito \arejJo
eAntonino os de Miranda Falcao
l.clihcrou mais que se fRutse ""iP"'*%:
ii virludc da postura addicioual de 7 de outubro
o. ospropriolarins concertom os passems
-asas dentro de 40 dias, contados da da'.a
em
111L (la
suas. c......
ulnicaclt do mesmo edital.
to
da
Despacha, aui-sc as pelices de Antonio ose Ma-
iel Antonio ose l'oreira, Antonio reixeira dos
hlippo Francisco
c
Santos
Francisco do Frcitas
O DUQUE E GUISE. (*)
por jfrcDcnco ^culie'.
PRIMEIKA PARTE.
II.

Antes de continuar, foi Scoppa examinar cuidadoso
todas as entradas da sala em que so aehiva ; echou
exaclameiile us | orlas, cvollou logo para junto do
irn.no, sentou-sc defronte delle, > pVoseguio:
Posto que a luo cidado tleSessa estoja to pr-
xima de aples, que s de algn.as u.ilbas dista,
os Despanlioe-, que to fra de proposito deixaste
fechareni-se no fo.rto le Cela, guaulain ido bem as
las portas, que anotiria.s aqui clngam dillictlinen-
tc peto (pie lie provauM que tillo suibas do SUCCCS-
so de Bnii.CiiCcio e ,ia mina dofoitc Sanl-Elmo.
Ouvi fallar, dissel'apponne, da eloigr.o desse
cavalleiro, e cqmmigo disco/ria como era que de
pois de havereie lomado por general um hoiiiom de
olenla anuos, qual era o principo de Masss, esco-
() Vide Diario n. 264.
Ihia o povo de aples um mestre decampo desa-
lent t cinco, coniooSr. Marco Antonio Brancaccio.
N;lo llavera em aples homens mogos ? e sobretodo
nao ha oulros homens seinlo da nobleza, senio da-
quelles que teem passado toda a sua vida no servico
da lles|ianliai'
Nlo questionemos sobre nascinicnto, replicn
Scoppa. Domis alto ou mais baixo que se tirem os
cheles, semprca esculla sera mu, quando o amor da
patria nao domar no animo dos oscolhidos o amor da
sua propra fortuna.
A que sern.Oes assisles tu de ha lempos a esta
parle, disse Pappone cncolhendo os hombros, que s
me fallas por sentoncas moraes, e maldices contra
os liaidorese rebeldes?
Fallo como julgo, disse Scoppa erayando os
olhos no irmfto, sem me importar quo as minbas pa-
lavras chegnem a quem as n=lo dirijo, e julgo como
vejo, sen. ouio nen. afleicao a ninguem, porque tu
l.cm >abes. Dominico, que nesta trra, quebemi-
nlia, sou tilo estranho como o era na Allemanha,
Franca ou Portugal; sou, perianto, justo para lodos,
poroue a ninguem |,e.ilenco.
Excepto aquello que le paguo Ulo caro, que te
possa lazer commetler um crime, disse Pappone.
Enganas-te, replicou Scoppa; presentemente
estou livre, e como he preciso qoc dentro de poucos
das tome um pailido, segue-se que sou poifeita-
niente imparcial.
Esla bem, esl bem, disse Pappone, eu estou
(iiovavelmenle no un sino caso que lu Dize-me, pois,
Io que tem havido em aples, e julgaicinos cada um
segundo seu modo de pensar.
boje roa Imr
rlo, mandai.uv,
provacilo, e remoller*o cordeador, para llie dar ex-
eciico. I
Oulro do mesmo presidente, enviando o jornal o -
ficial n. 237, em que foram publicados os avisos de
S.lejt.llio, 10 de agosto, 1,2,4,5, 6 e 9 de outubro
do correntc auno, solvendo duvidas sobre a ledas
elciedes.- Inteiriida, e aecusou-se a recepc.no, iliiin-
dando-se lazer reiuessas de iguacsjornaes aosjtli-
zesdepaz dos primetros districlos das freguezias
do municipio. .
Outio do mesmo presidente, remetiendo por copia
o parecer do presidente interino da relat-fio, com o
qual responda as duvidas propostas por esla cma-
ra cm oficio de 30 de setembro ulliiuo, acerca do im-
posto da afericOcs dos pesos e medidas. Intetra-
da, aecusou-se o rcccbiinciilo, e nonieou-sc una
comniissao coniposla dos Srs. vercadores Aqiiino e
Barata, a quem se matidou enviar o dito parecer
com um ejemplar do regiment das afericOes, para,
a vista delle, lormularein a base que deve servir a
arremalacno da mesma alricao no crrente anuo.
Oulro do presidente do concclho de solubridado
publica, ofTerecendo um exemplar dos trabi.ll.os do
segundo anno do mesmo concclho.--Que se aielii-
rasse o exemplar, e se aecusassea sua rccepc.no.
Oulro do cordeudor Rodrigues Selle, remcltendo
unta copia, em ponto menor, da planta do Corredo;-
do-Bispo,quo foro i-cccnleiiienleapprovadrt pelo Exm.
Presiliente da provincia. Que fosse remettida ao
procurador, para que Ibemandasse lazer um caixi-
ihode madeira, alim do ser exposta ao publico em
nina das salas da casa de suas sesses.
Foi tambem lida urna parlieipocflo de os Fran-
cisco de Souza Lima em como se acha montada una
lypograpbia na n.a do Ituzario da Doa-Vista, n. 44,
denominada Typographla Brasilira. inteiiiida,
vislu-ja ter o dito Lima assignado o competente
termo.
O Sr. vereador Barata fez o seguinlc requerimen-
to, que foi approvado, maiidando-se no sentido del-
le expedir a Conveniente ordetu ao procurador:
Ficando eslabelecido como regia, requeiro que
o Sr. procurador da cmara, com preferencia a qual-
quer oulro pagamento, pagiu os ordenados tos res-
pectivos empregados. lceife, 6 de novembro de
MI,Barata.
Foram lidos e opprovados 3 pareceres de CQflimiS-
s3o de ediOcacao, relalivamenlo as pielences do
-
Isto he, segundo o nosso interesse, rclrucou
Scoppa.
E depois assim conlinuoii:
Tu esta vas cm No polos no dia da morte tle
Masaoiello, o assislislc, creio cu, a elcicilo do prin-
cipo de MassaP
Sim, la eslava, c sei quanta diflciildade poz
elle cm aceitar o cargo quo o povo Ihe quera con-
fiar.
Mas o que lu uno sabes, he que houve um ho-
meni que Ihe disse no conlessionario da capella, a
que ello se havia retirado, quo era forcoso ser ge-
neral do povo ou morror. Deves comprehender que
nm commando aceito por semolhaiites rasoes ha do
ser singularm'edle pesado aquello que delle se en-
carrega; e por isso nos dous mezes que o principe do
Massa commaiidou em aples, oulro desejo e oulro
cuidado uno levo elle sernio de por a cidade sol o
dominio hespanhol, impellindo o povo a tratar com
D dnod'Austri, que acaba do chegar em soccor-
ro do duque d'Arcos, nosso cx-viso-rci.
__Que exclamou com vivacidado Pappone, pois
o povo do .aples lenibra-se de tratar com os Des-
palillos, c mo traa daquelles que cliamou a revol-
ta,eqtie, pordidososolitai ios as suas pequeas ci-
dades, ser! esmagados sem compaix.o nem inercO,
quando a Despalilla houver reconquislado a captol
deslo reino?..... -
-- O povo de aples, replicou o impassivel Scop-
pa, trata os seus amigos comoolles o tratan); por
mais de ...na vez tem man,lado J.zcr a alguna dos
chefes que sustentan! o campo em derredor da cida-
dc Ag'uiar, secretario, a subscievi -- llego Albuque'-
aue. presidenle. Carneiro Monieiro. -- Dr. I\tra-
que, pre^i,.- ....
l'erreiia.--Dr. Aguino. Karata.Uaudmo.
PARECERES A QUE SE REFERE A ACTA SEI'RA-
A prcteneno do Manoel Francisco da Silva, so-
bre o atorumenlo to um terreno de marinha de quo
esl de posse, situado no lugar do Santo-Amaro,
esl nos lermos le ser inforinatla favoravelmenle,
visto como o di Id terreno he destinado para o uso
parlicular, Decrescendo achar-se elle 1
irlo peticionario. A'vista do que, mo encontrando a
ommissOo embarazo olgum a |.retenc.;lo do tillo
I
Mai'i'oerFriuicisco<|1i,Silva,hede parecer que nesta
eoiiformidade se informe ao Exm.Sr. presidente da
provincia. Recil'e, 5 de novembro .le 1847.--Os ve-
ro:, dores Barata,, llano
O reqtierimento de os oronymo Correia, em
que pede no Exm. Sr. presidente. 0 titulo de afora-
menlo do lerrcDo de que astaWcposse no lugar de
S -Amaro, est nos termos de ser informado tavo-
riivelinente.vislo como,pelas iiifonnaces que a com-
missno obteve, netditnu inconveniente enconlrou
pnca essa couces.sf.o, que a coniiniss;lo ontende de-
ve do ser relia, salvas sempre as porefles de terre-
nos para transito publico.liecifc, do outubro do
1847. O vereador Barata
A pretenc.no to Exm. senador Manoel de Carva-
lho Paos deAiidrade, em quo pede por aforamenlo
ao Exm. presidenle da provincia o terreno alagado
otie lica fronteiro aos fuios do urna sua propric-
datlo na ra da Cndeia do bairro do Recife, be fun-
dada cm loi, o us ordens do tribunal do thesouro:
c nao temi a commissflo encontrado a respeito da
mesma preteiiQilo inconveniente alguin, enlento
que se deve informar favoiavolinonte, guaidando-s
em lodo o caso as Ordens e posturas municipaos, e
0 que fr preciso du terreno pedido para logra-
douro publico. Sala das sesses. 25 do outubro do
1847. Os vereadores Barata, Hartos

uURIOuoPdRNAIBDCU.
Ohseqiiiaram-nns com qualro exemplares doEs-
nagual, publicados a 13,14, 15 e 1 de outubro ulli-
mo, cuja leitura nos poz cm oslado do transmittir
aos subscriptores desre Ot'orto algujnas noticias im-
portantes .
Calira o ministerio (oyena-Salamanca, o lora
substituido por um oulro, organisado pelo general
Narvaez.
.Nenliu.n dos exemplares, que mais cima ciu-
mos, trazos nomes dos oscolhidos para o novo ga-
binete : por isso, pois, nflo podemos menciona-los.
. ,:sawrar:aBape>,aw-'?aBejaafjBwajM
nlies por u.Tt lado, o os convida a ataca-los por ou-
lro ; eo que lem acontecido, Dominico? quo ne-
nliiiin tlesscs chefes, ale aquello que, possiiindo um
exercito de mais de sois mil salteadores, bem arma-
dos o disciplinados, podia sem so compromelter
destacar dous mil para auxiliar osesforcos do poyo
Napolitano, nem um sequr respondeu a esse convi-
te ; uo so devem, portanto, admirar doquesoes-
quecam dclles, quando Ulo esquecidos sefazem.
-- Pois bem! seja assim, disse Pappone com m
humor; raca cada um por si.
Tens i-asno, replicou Scoppa, e supponho quo
de ha muito lempo leus essa ideia; porquanto qutfti-
do Cesar llorgin foi a conferencia que leve lugar em
Posilipi"', sahio desta mesma casa ontle nos adia-
mos, o onde havia lido tuna entrevista comtigo.
Pappone mudoii do cores, c replicou com voz
desassocegada:
__Confessou elle isso aos qo aples i
Sei-o eu, he quanto basta, respondeu Scoppa ;
o sei mais argoma cousa ; pois mo ignoro que Bor-
gia le piomottcu, a ti, quanto be uediste : a posao
da cidade de Sessa, as rendas da abbadia de Fondi,
o privilegio do sal, o titulo de duque d'lscbia, e o di-
recto de hater nioda, c o seu nome para a bella An-
nit. Se Ihe houvcsses pedido quo le fizesse impera-
dor da China, lo-lo-hia promeltido; mas em Posi-
ppo uno podia ello mentir a seu bel prazer. N3o
foi o principe D. oaq do lal modo doutnnailo por
seu irn.no Filippe IV-, que nao crea mais na sanlida-
dodu palavra do lidalgo, dada sobre o punho da es-
pada ; na do juramento dochristdo, dado com a m3o
mito
*
do, que em tal dia o a tal hora atacara os Despa-1 no evangalho; o por isso nao quiz mentir como Bor-


^
7**^

O.
Fntrefantn.seeundn oque cnlliemoa dos diversos
aicos inseridos ni, n* rece-nos que tifio nos enga-
amos cm sxeverrpic o partido moderado hesp.-
uliol ca'dioii miiiio com esse acontecment politi-
ce, que fizera yrandc impresso em lodos os pontos
(inmediatamente depoJadfM evenl >, ;i 111 r ni a ra-
so que oSr. Salamanca o promover; mas o Sr*
l'dnrio de la Escossura e Joaqun) de la (andar
.(clararain cm correspondencia inserta no Clamor
Pulium, que, incapaz de abusar da boa fe do seus
companhPiros, o Sr. Salamanca m nada influir* na
cnse ministerial, 0 queso Uvera conheciment del-
la quando Ih a annuneiaram officialinente.
A jtilgarmos pelas apparencias, devenios de sup-
pnrque lermmaram as dissenses entre el-rei I)
Fernando esua esposa, a rainha D. Isaliel II. A 14
do preditomez, recolhra-se elle ao palacio real
com monsonhor Riirmlli a diieita, e com o geneial
Narvaeza esquord.--Ao chegar ao neiistyllo, el-
rei f>i r.eccbido pelos ministros n pelos chefes de
palacio, que seguiram-no at o corp da guarda dos
alabarderos, ruja porta S. M. u rainlia o espera va
;i pe, arompanhada das lamas e da camareira-n.r.
-- Destituidos os dous esposos umao oulro, reliroii-
se (oda a comitiva.
Nesse mesmo dia, chegra Madrid a rainha Ma-
na Lhristina de Bourbon, com sen consorte, o du- I
que de Riansarcs.
Um dos peridicos progressistas annuncira q
ranina D. Isabel, ifannia .1.1 im>in>uci. .... -.
mosde
Rrigue fk!rkn$nw ~r lahoado eglo.
I'alacho- Freeilon -- earviin.
Ha re haliUn merca 1 Inri as.
Escuna Mnry EUnnnr dem,
Kscuna J>tH> bacalbo.
I'ataclio \nilnri'i'n morcidnrias.
Rrigue --- Elisa-Bouiem-- idein.
Consmelo.
RENDIMP.NTO DO DIA 2.
ipr!|l.........................3:3*9.71 i
Diversas provincias............... 2.6*0
MR*
11 ll'IH. .. ...... J ... .
cvimi'iilo do Porlo
3:352,35 i
mmmm
Rodrigues, Luiz Gonzag dos Sanios, Luiz Jos Al-
ves Ferreira Freir, Luiz Jos de Rnto, Luiz Jos Per-
eir <;mpos, l.uiz Josile Franca, l.uiz Moreira da
Silva, Lu? Manuel Jorge Itibeiro Lu7. Teixeira.
MarxaridaMaiia A.C., Manada Cimba, Mana Je-
'onynia, Mana Joaquina Macha lo C., Mari Luisa
Souza Ayes Mana Roza Carmn C. Maiia Roza da
Silva, Mauricio Nuiles, Maitinho Lopes Res, Matilias
Sinilli Miguel Francisco Mello, Miguel Joquim Ra-
mos M. Miguelese Rodrigues Vieira Miguel de
(lliveira Cardozo, Maiioel F. Manuel Andr llote-
llio, Manoel Alves da Silva Q.-, Manoel Alves Silva
Pinto G., Manoel Antonio Vieira M. Manoel Anto-
nio Vieira, Manoel BernardinoM. Manoel da Cruz
Andido Manoel Cabral Lindo, Manoel Cabral de
Mello, Manoci Cabral Teixeira Manoel Coellio Tho-
maz, Manoel Costa Jnior, Manoel Coso Lindo.
(Continuar-se-ha.\
a rainha D. Isabel, depois da entrevista que acaba-
mos de mencionar, manifestara disposices de 1110-
r o novo ministerio: o Ispagnol assegurara
que este annuneio era destituido de fundamento.
Tinlu sido suspensa, ule a reunido das cmara;.,
11 execuefto do decreto de 23 de setembro ultimo
que autonsavaa venda dos bens das irmanddes,
ermitas, igrejas e confiaras.
Suppunha-se que o governo pormiltra ao infanto
D. Francisco regressar corle-
O Faro dissera que haviam chegado 6 Madrid al-
guns enviados da ilha de San-Domingos, cncarrega-
dns do negociaren) um tratado protector dosinle-
resses dos Hespanhoes residentes nessa ilha.
O Sr. D. Aniceto Alvaro fora nomeado director-
geral das alfandegas.
Fallecer, cm Castro-del-Rio, o general f. Ma-
noel l.ourenzo, que, na ultima guerra civil, presta-
ra relevantes servicos rainha.
Ojornalismo oceupava-se muito com a queslito
da libertado de imprensa.
Denunciado em dous dos respectivos nmeros, o
espectador suspender a sua publeacfio.
Essa gazeta se iiffo achava do accordo com a gente
que eslava no poder ; e, referindo-se una carta de
seu correspondente em Almera, noticiara que o
chele poltico dessa cidade maltratara de modo br-
baro e cruel a I) Felipe Zerolo, anciilo de 70 anuos,
c o 'nan.ira encarcelar, por se haver negado a pa-
gar a multa de 1000 reales, que Ibe fra imposta
pela simples falta de ter elle doixado de cumpli-
mentar ao mesmo chele poltico.
As noticias deCalaliinha cram mui favoravois a
cansa da rainha.--A continuaren! as cousas assim,
dentro em Ircve dcsapparecorito os montcmolenislas,
e os partidarios de Carlos VI licarSo cerlos da pouca
ou ncnhumasynipalhia queteemabi.
Segundo as ultimas novas recebidas em Raspa
nba, progredia cm Inglaterra a crise monetaria ; e,
o que he peior, ja se tinlin conimunicado praca Hatnburgo, onde comprometiera no capital de 600
Dlilhoes de reales a diversas casas de commcrcio
<|iie tinliam relacoes com aquellas, que, om conse-
quencia de semelhante criso. ti II ha ni suspendido os
pagamentos. N3o era, porm, s a essa praca que
diegaria a influencia de mal tilo assustador : tain-
bemse receiavaque se sentissem seus cIToitos nos
poit.is dos Estados-Unidos ; e entilo os negociantes
del'aris que leem correspondencias com os desses
portos, c bem issim os fabricantes de Lyon, terilo
Ja Bofrrer grandes prejuizos, occasionados pelos
desastres que experimentaren) esses coinmerciantes
americanos.
.Xavio entrado no din 22.
San-JoTo Terra-.Nova); 39 ilias, escuna americana
John, de lit toneladas. rapilHo VV. II. Caulfieh!,
equipacem 7, carga 1.000 barricas d bacalho -;
a H. Foster & Companhia. I'ussageiro, W. Wil-
kinson, Americano.


EDITA L.
Miguel Arehanjo Monteirode AndraJe offieial da im-
perial tirdem da Ilusa, caratleiro da de Christo e im-
pedir da alfandega de l'ernambuco, por S. .o
Imperador, que Deot guarde, etc.
Faz saber que no dia 25 do corrente, ao mcio-
dia, na porta da mesnia, se ho de arrematar em
hasta publica 16 chapeos de palha no yoIot de
40,000 fs., para senlioras) impugnados pelo guarda
Joaquim Izi.loro da Silva, no despacho por factura de
Nascmcnlo& Amorim : sendo dita arrematamaciio
subjeita a direilos.
Alfandega, 22 de noveipbro de 18*7.
Miguel Arehanjo Monteiroit Andrade.
Sabio a luz, e aoia-se a venda na hotics da r,
da Cadeia Velha do Recife, ,,. .1, romance orie
4ial -- iNoss Senhora nos Guhuhapbs-- em di?..*
volumes, preco 4:000 rs. ous
O autor que mui cordialmehte ama Pernamburn
esta bella provinciH, que t.lo generosamenlo oac'
colhcu na sua destaca, por um esr0rco, em ver
dado superior ao seu talento, avenluroua su. 3
nieira produceflo litleraria nesle eenero, dedicain""
'.' objecloa pernanibucanos. Oassumpto eradiir ,
drtpeima mais aparada ; porm, se ella o n.lo ds
creveu. como elle ,,,.;, s,rv;r .. M "
centivo a oulras parajnelbor 11 Iratarem.
0 autor nilo pede indulgencia; antes cunta ees
pera que os jud/iciosos critico o advirtam, para aun
possa corngir as muitas inadvertencias, de'oue
como esta convencido, hade abundar este seutra-
balho : nilo se ufana elle de romancista, nao : por-
Iuanto conlioce que para o ser Ihe falta, alm do
Remo sublime, a somma de interiaes para isso
nidispensaveis. Sera tachado de emprehendedor ou-
sndo, e com rasffo; njlo o desconhece : mas, se o seu
Umquartoalasflo. que sesuppoz furlado, eos IX ^ r^^o ^L'iX^,'rK' la1mbem,Ml* s-
:::rs,,Agor-li,,'l,,'i;er,,,"no)8 rerii'<,uo dec,a- ^S^ssss1?^^- cor,,-la ?ri-
raram estar fgidos ha mais do dous annos, e per- temperada mi ledieone ,. ,1
lencerom a D. Gertrudes da Silva. -- Devem de ser|j07de Unto
reclamados na subdelogacia do Recife.
Cnntrnto ti c.0l*hrnr~m nntn n AjAj#r/jrt/i tinm *nAni
provinciaet.
0 do estsbelecimento de urna linha de mnibus,
que, na forma da lei provincial n. 491, de 30 de
marco ultimo, facilite o transito desta cidade para
quiilquer dos seus arrabaldes e para Olinda.Rece-
ber-se-hTo propostas lodosos dias, at que se ve-
rilique o contrato.
ApprehentOet feitat pela polica.
Sahiram a luz os la^f
HARMONAS ROMNTICAS
pn
Antonio fangel de Turres Bandeira.
Vnde-se na praca da Independencia'
lis. 6 c 8. '
livrarla
laqueSp quo crilicam tu-
tclaia^ofS.
PARAOS PORTOS 1)0 SUL.
O paquete l.rasilcro vapor l'araente comman-
dante Manoel Francisco da Costa Pereira, devo che-
gar dos prtus do norte no dia 25 do correte e
seguir no dia inmediato.
uroramBBon 11111111 nana 1 mu 1 m.i
ConcspoiKlciici.i.
.Srs. Bedacloret. Mil louvores sejam dados aos
Srs. desembargadores da relaco desta provincia de
iVrnambuco, que confirmarah) a sentenca contra
Jos dos Santos Nevns, n favor da infeliz preta An-
tonia Mara do Sacramento ; que Dos sempre toque
noscoracOos, para sempre julgarcm assiu. ; oque
Dos d tantos annos de vida, como deu a Marco-
alem I
lodo da Silva Loureiro.
rIO.
AlaiadegH.
RENDIMF.NTODO DIA 22. .-. ,....... 7:7*9,021
Detcarregam hnjt, 23 de novembro.
Barca Norvat bacalho.
^''''^^'^m^Ttm^^tmimmMBM.^miaiiiFjmmmmiim
gia te menlo, e exigi dos burguezes, como prl-
meira condiQJo de toilo e qualquer tratado, que o
povo depozesse as armas, que a tono do Ca 1110 Ibe
losse entregue, isto he, que aples se rendesse a
disrrico.
Nfloera possivel que os enviados do povo ou-
vissem semelhantes proposicOes
Os enviados do povo, replicn Scoppa, com-
prchenderam o duque I). Joflo 'Austria ; viram que
esse mancebo nflo queiia ter paite nas promessas
mentirosas com que os llospaulies lia tanto lempo
embalan) os Napolitanos. A conferencia rompeu-se,
e foi entilo queaconteceu a historia da mina.
. Acaba, pois, que ludo isso se torna grave.
Sabes que ha um mez pouco mais ou menos os
chefes do povo, Peppe Palombo, Pionne, Sanliseo
velho Gennino, cerlos de que o principe de Massa
so procuraya um eusejo para entregar a cidade, ha-
viam decidido que era necessario acabar com o exer-
cno hespauhol elanca-ln fra do forte Sanl-KImo
Para consegui-lo, ileterminou-se que se cavasse urna
mina por Uhxo.do forte, a qual devia passar pelos
cameros da igivja dos Jesutas; maso principe de
Massa que be todo desses padres desde a ufanla,
'um lauto fervor representou que saria um erime
abominavel destruir o mais rico templo do Skmkiu,
quesqdecidi nflo c cavasse mais a mina nesse lu-
gar. F.scdlhuu-se, portanto, outro, e melteu-se Im-
mediaiamenie mjios a obra sob a ilireccflo do celebre
miariroLannalo. Ilavia algna.lias que as confe-
renotase baviam rompido, resolveu-so tentar esse
golpe decisivo, e lu deves ler recebido sabbao pas-
PAGADORIA MILITAR.
Ftm consequencia de novas onlens qu o Sr. coro-
nel eommissario-pagador, chefe desta pagadoria,
Jos de Unto Inglez, acaba de receher pelo despa-
cho doF.xm. Sr. concelbeiro presidente da provin-
cia, manda o mesmp Sr. coronel fazer publico, que
continuar ante a pagadoria a arrema tcito em has-
la publica, no dia 2* do corrente, das pecas do far-
damento do cxtinclo batalho de guarda nacional
destacada, o da respectiva msica, os quaes ja teom
sido nominalmeiite designados ; com a declaradlo,
porm, quo dita arrematadlo ser smente das pe-
as cm bom estado, e por lotes, ou porcOes, como
convier s pessoas quo as pretenderen), podendo ir
ao arsenal de guerra examinar as que Ibes convic-
rem ; porque, segundo as Citadas ordens de S. Exc. ,
deverlo estar separadas todas as pecas ou arligos do
dito faldamento ai ruinado, e smcnle promptos ao
examedos pretendentesasqueesliverorr em bom es-
tado, porquo-deslas se aununcia de novo a venda,
Pagadoria militar de l'ernambuco, 20 de luvem-
bro de 18*7.
No impedimento doescrivflo,
Joo Arcenio Barboza.
THEATUO PUBLICO.
IIOJE, 23 DE NOVEMDRO..
A mujto applaudida e rica peca
0 CASTIGO DA PREPOTENCIA
ou
Xianor em t'lorestdo
A muito desejada farga, pela primeira voznaste
llioalro,
O INGLEZ E 0 NEGRE1R0,
em que o Sr. Sania Roza lera do desempenhar a par-
to do Inglez, e juntamente cantar urna aria com
novas quadras.
Um particular ter de apresentar urnas variacoes
de msica, novamente chegadas de fra, e lenciou
salisfazer aorespcilavel publico com o seu desem-
penho, tiesta noite de especlaculo.
SAHADO, 27 DO CORRENTE,
representar a
Recife, 22 Rernardino Freir de Figueiredo Abren e Castro.
Avisos iimritiiuos.
se
Lista geral das cartas existentes na administracio do
correio, entrados em todo o mes de outubro /indo.
(Conlinuacflo do numero 262.)
Jos Marlins Sapateiro, Jos Martinsda Cruz, Jos
Marlins Gomes, JoMartins Ramos, Jos Modeiros
Castro Rranco, Jos Medeiros Raymundo, Jos Mara
Goncalves Vieira, Jos Mara Lobo, Jos Manoel
Ferreira Ramos, Jos Nogoeira Souza, JosdeOli-
veira Lcssa, Jos Pacheco de Almeida, Jos Pires Hi-
beiro, Jos Pires do Rio, Jos Pereira, Jos Paulo Pi-
res Mello Jos Pedro Wemeque R. Jos Rapozo de
Mello, Jos Ramalho de Souza, Jos Rodrigues Pei-
xoto, Jos Rodrigues Salazar, Jos do Sacramento
Silva, Jos da Silva, Jos da Silva Maya, Jos da Sil-
va Mendonca, Jos Souza Pinto, Jos Souza Teixei-
ra Jos Teixeira de IL, Jos Teixeira Basto, Jos
Irindade Lopes Carvalbo.
Luzia Francisca Leocadio do Andrade Pcssoa ,
Lourenco Ferreira Alves, Leonardo Pereira Maga-
IhHes, Luiz Antonio MesquilaF. Luiz Antonio Pe-
reira llrilo,. Luiz Antonio Santos Pereira, Luiz An-
tonio Sanios, Luiz Holclh de Carvalbo, Luiz Cabral
aaaaaHaaTiiffir siT eaalstRBrauBixiiiiKaK. ir*
sado urna mensagem quo teailvertia de que o forte
Sant-KImo havia do ser lomado.no outro dia. Ah
se te recnmmcndava que aproveitasses a occasiSo
pa.a te apoderares do forte de Gaela ; mas na forma
do costume, nilo lugisle nem mugiste.
Bu nilo recebi essa n.ensagem, responden Pan-
pone zangado
Muiloliein! niuilobcm! disse Scoppa, a troi-
cto de outro justilicou a tua,. e (izesle bein-nflo ata-
car. Kis-aqui o que acontecen. Emquanlo Cannaio
preparava ludo para o resultado da mina, emquanto
fazia reunir todos os cidiidos armados par tentar
um assalto geral, logo que a plvora houvesse tiber-
io urna brecha ao seu esforco, o principe de-Massa
Iranquillisava qs Hespanhoes acerca (lo resultado
dessa tentativa, traballiando do modo que o que de-
via causara perda dos Hespanhoes produzisse a dos
Napolitanos Com efleito, lionlein pela mandila, es-
tando todos bem armados e .resolutos, poz Canuato
com suas propras' mitos o fugo a mina; mas com
grande espanto seu, alienas irrcbeutaram dous ou
jes barra do plvora, e einquauio o povo do ap-
les eslava estupefacto dosse uiiscravel resultado, os
Despalillos, soin duvida bem advertidos de que na-
da tinhaiii a recejar, dessa empreza em apparencia
tilo terrivel, os llestiauhes, digo, cahiram sobre
nos, e apioveilaiulu-se em que pzora o povo a noticia dessa traico, o re-
pclllraiii al a turre do Carino. Felizmente, Pionne
e os lazarones, l*epc Palombo e os do seu quarleiclo
se haviam enllocado nos flancos.. lililisaram-se da
imprudente <'oidians dos Hespanb"s, c com tama
furia os atacaran), que em bre*e foram estes obriga-
a beneficio de um particular,
verdadeira peca
A .MIIHTK 110 liHANUE PATRIOTA l'ORTUCl; F. Z
0 GENERAL GOMES FREIR DE ANDRADE
ou
41 victima do de*pnt*mo inglez.
Esla peca ser apresentada em scena conforme el-
la heno seu todo. O Sr. Santa Roza cantar, em um
dos inlervallos,'urna engracada aria, e arrematar
o espectculo com urna das mais jocosas farcas n
rest dos bilhetcs existe na ra do Quoimado, leja
do Sr. Joaqun) Monleiroda Cruz, n. 25.
Publicacoes Litterarias.
PORTUGAL. '
Recordacitodo anuo do 18*2, pelo principe Li-
chnowsky, traduzidodo allem segunda edieflo
correcta e annotada.
0consumo rpido da primeira edicto, o a sua
procura por muitas pessoas que icaram sem ella,
induzio o traductora reimpresslto desta obra curio-
sa gnecontm a apreciaglo dos caracteres mais
notareis do paiz dos seus acontecimentos polti-
cos monumentos o lugares princpaca feta por
esse principe prussiano que all viajo*! em o an-
uo cilado. Um follieto do 220 paginas. Vende-sc
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. !, segundo andar.-{
- Organon de Kadnemann ou exposjcAo das dou-
trinas liomcepaldicas,v2 v. pequeos; Manual do
pai de familia do capilfln do navio c do (azendei-
ro ou noticias elementares da homoepathia con-
tendo aaccaod08 2*principacs medicamentos ho-
mcepathicos, 1 v. : vende-so por preco commodo,
na ruu da Cruz, n. 1, segundo andar.
- (i Museu Pittoresco jornal recroactivo e Ins-
tructivo, com cxcellenles estampas, at o n. SI, por
preco menor do que a da assignatura : vende-so na
ra da Cruz, n. I, segundo andar.
Para o Aracaty sahe no dia 27 a barca San-
Joao-Boplisla: anda recebe alguma carga : trala-se
na ra da Cruz do Rccle, n. 36.
= Para Porlo-Alegre e Rio-Grande seguir, em
poucosd.as, oveleiro brizne Argos, o qual pode re-
ceber escravos a frete por ter para isso boas accom-
modacOes, e assim tamben) passageiros : quem aui-
zcr pode tratar com Amorim Irmitos, ra da Cadeia
n. 45. }
Para o Cear sahe impreterivelmente no da
27 do corrente, o patacho-nacional laurentina ,
que seacha coma maior parte de sen carregamento
prompto : para o resto da carga o passageiros, tra-
la-se na ra da Cruz a. 64, 011 a bordo do mesmo
confronte ao trapiche do algodao.
Para'o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o pata-
cho Emiliana; o qual pode receber algunia carga
miuda, e escravos a freto : quem pretender enteii-
da-se com Amorim Irmitos na ra da Cadeia, n. 5.
Vende-seo briguohrasileiro Confianca, do lote
de 208 toneladas, com.lancha o todos os seus per-
tences, ludo no melhor estado, sendo forrado e pre-
gado de cobre, prompto para emprehender qualquer
viagem : quemo preloder, pode examina-loa bor-
do, fundeadu defronte do caes do Collegio ; o para
ajuslar, entenda-se com Amorim Inultos, na ra da
Cadeia, n. 13.
A barca portugueza Espirito-Santo sahe para a
cidade do Porto com a maior brevidade possivel :
quem na mesma quizer carregar ou ir do passagem,
dirija-se ao consignatario, Francisco lvesdaCu-
nhii, na ra do Vigario, n. II, ou ao capitilo na
pra9a do Commercio. '
Le i JO S.
dos a acolber-so em desordem aos muros e fOasoj do
forte Sant-Elmo. Nesles eiilienientes, um homem,
arompanhadodo alguds intrpidos camarajas, ha-
via ousado penetrar na mina. Ah achou mais de
cem barris amontoados ons sobro os nutros, os qua-
es, se houvessem arrebcnUdo, teriam arrasado o
Vrsuvio at os seus fundamentos; abri um, abri
dous, smente com una pequena carnada de plvora. Car-
reganimelle e os seus alguns desses barris, e com
ellcschegaiama praca do mercado no momento cm
que o povo la estrangular Canuato, por o haver en -
ganado c entregado aos Hespanhoes. O desgranado
eslorcia-se sob a faca dos lazarones, gritando que a
mina eslava bem feila, eque fossem ver ; mas nin-
Fox Rrolhers farilo leililo. por intervengan do
corretor Oliveira de um sortimento >lc fazendas in-
gleyas, todas propras do morcado: hoje, 23
docorreate, asiohoras da mauhfia no seu ar-
mazem da rua da Cadeia do Recife.
-J. J. Tasso Jnior faz leililo, por conta de quem
pertencer, de 39 barricas do cerveja em lotes a voli-
tado dos compradores, no caes da Alfandega :
qnarta-feira, 2* do correte, s 11 horas.
- Schaflioillim & Tobler farHo leil.lo por nter-
vencio do curretorOlivolra de um perfeito sorti-
mento do fazendas, rccentemotite despachadas:
quarta-eira, 2* 1I0 corrente. as 10 horas da mandas,
no seu armazem darua da Cruz.
Avisos diversos.
JOS SOARES D'AZEVEDO, professor de lingoa
frunceza no lyco, tcm aberto em sua casa, rua do
Itangel n. 59, segundo andar, um curso do Riieto-
rica 0 outro de Geographia o Historia. As pessoas
que desejarem seguir urna ou outra dcstas discipli-
nas, podem dirigir-so indicada residencia, a qual-
quer hora.
guem Ihedavaouvidos, e iam dar cabodelle, quan-
do iz pdr ante os mais exasperados os barris que ha-
via conduzdo. Ilouve urna explicacflo para se saber
quem havia fornecdo essa pretendida plvora. Pos
bem! Dominico, todos esses barris haviam sabido
do armazem que foi conliado a guarda do principe
de Massa; liiiham a sua maica, cquoni os tinba le-
vado ale a mina era gente do principe, que naoquiz
consentir que nenhuiii delles fosso exactamente ve-
rihcado. () traidor, pois. nao era Cannato, era sim u
principe de Massa. A morto quo queran) infligir ao
pobre inineiro, nao dcixava 40 ser justa porUueW-
rahia sobre um fidalgo o principe. Entretanto, ja
perseguido peloslazarones que ha muito lempo des-
conbavam da sua traic:'io, (iulia elle adiado refugio
em casa do ourives Cioniiiio em Pietra-dcl -l'esce
tee miseravel povo napolitano, tilo fatigado esta de
inuteis combates, t.lo cansado do sentir que esta uas
mflos de chefes que s se servem da autoridado para
a suaj>erda o salvaco delles, queja en Ira va 0111 ac-
rommiidacilo com o traidor SJassa. c Ibe loria deixa-
do a liberdado sob a vil promessa que Ibe fazia o
velho astucioso de Ihe entregar o lorie de Santa-Cla-
ra, com o qual tinba correspondencias, quandu o
mesmo que havia descoberlo a Ira icio se apresemou
par fazer juslica. Sim. he veniado, exelamou Scop-
pa com terrivel e feroz exprossto, assim como matei
Wallensteiu, o insolente conspirador; assim como
matei Vascoiiellos, o covarde lyraiiuo; assim como
matei Beaufort, o rebelde regio ; assim como matei
Masanullo, q lonco furioso, inalei Massa o traidor;
e para que nilo fosas, como dos, um assassinato na
ouscuridade, nrranqiiei-o da casa de Ciommo, onde
elle se havia ajcelhado ante 11111 crucilixo gritando :
n Misericoiilial misericordia '. como cnmiuoso qgo
ora ; arraslei-u pela va publica ale a fon lo das Ser-
polles, increpci-o, em alta voz, dos seus crimes, o
quainlo lodo o pino reunido em derredor de mim
responded com um grito unnime, do morle, fer-o
no comcilo Sim. malei-o, mas nao insultei o seu
cadver; l.iio carnicciro Sanlis, esso covarlo que
'az tremor aples, quem Ihe coi tou a cabeca, e quo
com ella calinda na pool de una lnca percorreu
toda a cidade. Usan corpo foi pondurado forca por
um pe, e o coradlo, arrancado do pe lo, lei levado
mullier, quo de continuo o insligava tmcito. .
Aqui Seoppa parou, eraquanto Pappone guarda va
melanclico silencio.
(Confinaar-te-Aa.)
Mi
a.




-------.

Aluga-se um moleque para entregar um pnu-
CO de piles : n nadara das Cinco-P.nHHS, n. 30.
?Vlo-so200 000 rs. a juros, sob penhores ro oo prata : na rua Velha, n, 86
Precsa-e de un caixeiro portugiioz, para lo-
mar Cunta de urna venda, qUP teiih pratira deste
negocio, p que ,\b fiador i'i sua conduela : na esqui-
na da f.ainba-do-Oirmo, n. 46.
(l hachare! Angelo Henriquesda Silva mudnii n
sen esc iploi id para o primpiro andar do sobrado da
casa. 20 if esquina da ra do Collegio, em que lem
livraria o Sr. Dr. Coutinlio.
Quem annuneiou a venda de urna casa terrea,
sita ii'< bairro de Santo-Antonio, em chitos proprios,
livro o desemliaracada, dirija-se a ra do Vigario,
numero M
Precisa-so de um feitor para um sitio porto
desla praga : na praca ns. ( p8.
--Alnga-se o segundo andar do sobrado da i8
Holtangel, n. 73 : aschaves acham-so na botica
defronte : a tratar na Tiempo, n. 33.
Quem tivpiuin.'i preta para alugar; que jaiba
ro7nhar, engommar o I e/nr todo o -:i.iis servico Ido
unmeasa, e que'fe fiador a su a conducta dirja-
se a ra da Aurora n. 20.
3| CH PIOS !>E SOL.||
Rim do Vasseio-Publico, n. .
Jn.lo l.ouhct participa aorespeitavel publico, que
receben, por estes ullimosnavios franceses, um com-
pleto sortimentn de chapeos de sol, de soda, amis
rica e superior tiualidade; furta-cres e mitras mili-
tas condecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmoestaliulecimento ha um sorti-
mcp.lc do ehspas de so! de pseinho, dos msi o
I" nQfoVn1,?.U"f,0U.q""',r '""'"i' ""l"- demos; dilos mullo grandes, proprios para bomes
ea, por SoO.OOO res, ddVijs-sea ra do Cabug, n deCampo : tamben tem chapas uo sol de paninho
, para se vero lugar e o oslado da mesma. ,,,.,, ninnos m-nin.; r serem .....im nL-.....
- Precisa-se fallar no Sr. Francisco Fernandcs Sr. Mace pois sua n
rea
9. .
Iloje, 23 do corren le, vito a praca, de renda
apnual, oa dous segundos andares das casas ns. 39 e
31, pelo juizo da primeira vara docivel, escrivio
Reg, porexecuco contra Joo Thomaz Pereia,
pois lio a uI lima praca.
Alugam-aeduas pretas para todo o servico : na
ra do Collpgio, n. 13, loja de bahs.
Aluga-se una prela ou preto pflra andar com
fazenilas com outra pessoa : pa ra do Vigario, nu-
mero 19.
- QuHuJMpu
urna venda W af
ila brn
inciou querer comprar
fregupzada, c que ven-
pare Ierra, dirija-se ao Aterro-
dos-Afogdos, casa n a5, que elii acha-
ra com quein tratar.
Perdeu-se, na noile de sabbado para domingo,
21 do crrenlo, urna carleiratomi varios papis, e as
caria* seguimos, com o sobrescripto em francez:
niadame J. B. besmepurnt, madame La Baronno de
Wander Massene, madame llr. Lacaussad, madnmo
Basbicr, madame E. Bonte; isto ilcsde a ra do Tra-
piche at o Alepo-da-Boa-Vista. Rogn-se aquella
pessoa que a tiver achado, que, querendo-a resti-
tuir, visto nao Ihe poder servir de nada, dirija-so
a ra da Cruz do Recito, n. 20, que recebera to.000
rs. do gratilica
DntfSta.
M. S. Mawson, dentista bem ennhecido nesta pro-
vincia, tendo agora chegado da Europa, o teiido vi-
sitado ascapilaes de Londres e Paris, donde Irouxe
os mclhores objeclos da sua profissAo que al boje
se conheccm, como novos instrumentos, denles e
mais necessarios para qualqucr operacilo da sua ar-
le ofTerece seus servidos aos Ilustres liabilaulcs
desla cidade, conforme a sua tabella lisa, e promet-
i fszer todos os es torcos para agradar s senboras,
ou spubores, que o quizerem procurar, das 9 horas
da mandila at 3 da tardo na ra do Trapiche-No-
vo do Recito, n. 8, segundo andar.
~ 0-prolessor de ingloz e francez do collegio S -
Antonio da Iiccg as ditas ling^oasem casas parti-
culares : quein de son presumo se qizcr utilisar
dirija-se a loja de livrosUo pateo do Collegio, n. 2.
hurlaran), da povoacilo de Tabalinga junto a
villa de Iguarass um cavallo com os signaos se-
guintes : castanho escuro com o forro S dohrado ,
os 4 ps arregazados frente aberta mas muito fina
a listra-, cascos bruos, c nos cascos de p o mSo
esquerda teein pela parte dp dentro urna listra pre-
ta : quem pegar Ribeira n, 21, ou no mesmo lugar de Tabalinga ,
sera reconjpeiisdo do seu trabadlo.
-- A lugano o sitio dp linado Machado, na ra Im-
|ieral, proprin para inoradla, ou para passar a fes-
la rom boa casa com couimodos sullicientes para
grande familia cainba para pretos, estribara ,
urna porcio de parre-iras e diversos arvoredos de
frurto ; a tralar na ra Dircitu n. 82, |irimeiro
andar.
Arrenda-sc pelo lempo da tosa um sitio na
matta-da Torre, di Trono do Sr. A. Carneiro, com
casa que contm 6 qunrtos, com desfruclo de porco
de ananazes abacaxis, planta .de capim para dous
cavados c mais fructas a colher:os pretenden tes dii i-
jam-se a praca da Boa-Vista, casa n. 6, ou a ra da
Sanla-Cruz, n. 74.
para meninos o meninas, por serem muito finos: po-
dem-sn chamar chapeos de economia. Na mesma loja
ha sortimenlo de bengalas, beigalinhas e chiclos
muito modernos; cobre-so qualqucr armaeflo de cha-
peos deso, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimenlo de
pamiinhos trancados e lisos, imitando seda, para
cobrirosmesmos: desla fazenda se vendo areladlo
Concorta-se todo qualquer chapeo de sol, por lia ver
um completo sortimenlo de lodosos pertenecs para
os mosmos, com loda a perfei_i}Su e brevidadu.
Precisa-se de um caixeiro portuguez de 14 a
16 annos para um loja no Rio-Formoso : quem es-
tivernestascircumslanciaS dirja-sea rUa do Cres-
po loja n, 23.
Aluga-se um sitio na estrada de Bclem com
casa, arvoredos do fiucio boa agoa de beber, tor-
ras para planlaecs pasto para vaccas por preco
commodo: no Alerro-da-Boa-Vista, fabrica de li-
cores n. 17.
--Precisa-se de una ama do casa,'de bons cos-
tumes, para urna pequea familia : na fu da Cruz,
no Recito, n. 18.
Aluga-se urna casa terrea na ra de Agoas-Ver-
des,-n. 30, com bons commodos para una familia :
a tratar na ra de Apollo n. 22 segundo andar
Os moradores da ra de S -Francisco ( Mundo-
Novo ) rogSoaos lllms. Srs. da junta de salubrda-
de qudram por suas bondades olharem para a dita
ra, que conta-se a rasa que nSo hajam doentcs co n
febre talvez procedido da muta lama que tem e
que com osle ver3o mo tem sido possivel seccar,
enconsequencia da grande abundancia d'agoa que
corre do chafariz do largo do Paraizo, e se por a
caso este negocio n3o pertenca a suppradita junta ,
o njesmoso pede ao lili. Sr. Fiscal do bairro deSr.
Antonio.
O aliaixoassignado, encarregado do
deposito do rap Princeza-de-Lisba,-
faz scientc ao respeitavcl publico, que-
riendo vndo ordons positivas do contrato
para ii5o se vender o rape fiado, por isso
de boje em diente e sem excepc3o de
pessoa, s vender o dito rap, a quem
lite pagar vista ; o que faz publico para
conbecnnenlo de lodos. Pernambuco", i
de novembro de 1847.
Antonio Francisco de Moraes.
para se tratar de cerlo negocio na rila Direita ,
". 80
Tpndo-se pprdido um bilhele da alfanitoga ,
com data de 18 de novembro da quanlia de
373,531 rs.. vencido em 18 de marco prximo pas-
sa'o, aceito pelos ahaixo assiynados poim ainila
"flii S"iido assignado rebiSr. Pserivrloda alfan 'cua-,
e agora sendo novameiile aooilo pelos mesnos 011-
trobilhote.de igual tbei>r e quanta en lugar do
perdido, fleando este sem valor, ou elTflito al-
gum : por isso fazem este annuneio para evitar
qtialquer duvida -1- Brander a Hrandi & C.
~ Pedro do Albuqiierque l.ins e Mello declara que
nflo. dove nada a alguem nesta praca ; e constan lo-
Ihe que existe urna ordem queja toi falsamente
apresenlada em seu nome c que nao toi paga, por
se descoiiliar de sua vcracidacle : pede-so, porlun-
to. a qualquer pessoa a qViem dita ordem ou mes-
mo outra qualquer que for apresentada quea nfio
pague sem mo.nucioso e seguro examo, que possa
garantir contra falsiifa.de.
Os Srs. Jos Constan, Domiilgos AITonso Ferrei-
ra Antonio Ignacio de Toi res Bandeira Jofto Ca-
valcantl do Mello Albuquerque Thcodoro Jos dosi
Santos, Antonio Rodrigues do Albuquerque, Anto-
nio JoaquitiMie KigueireJo Seabra Luiz do Pinito
Horgos, Jos*pha Joaquina do LivrameiUo Francis-
co Concalves Gurjflo Verissimo Antonio de Mallos,
Manoel Peregrino da Silva, Ignacio Joaquim Fer-
ro ira MauOel (orne* dos Passos Mu noel do as-
cimento Bastos e Fiederico Augusto de Lomos ,ii-
rijam-sea ra do Raogel, 11. 11, segundo andar, a
negocio de seus inleresses.
Quem quizer comprar, ou alugar para passar
a festa urna casa terrea no lugar de S.-Ttere/1 ,
por preco commodo, com quatro qnartos cosinha
fra urna casinha no fundo da mesma pura escra-
vos quintal com 10 ps de coqueiros o 2 dilos de
oitizeiros, dirija-se a ra de S.-Cecilia n. 23.
--Aluga-se urna grande propriedado o sitio que
vaialo rio Capibaribc, no Monleiro que'ioi do
fallecido Francisco da Silva : a tratar na ra da Ca-
deia do Recife sobrado11. 35.
--Preci*i-SP de un ou dous meninos forros ou
oscravos, para aprondorem o olflcio de latuciro ou
funilelro : na rita das Cru7.cs, loja de Anlonio Joa-
quim da Silva Braga.
Precisa-so alugar um preto que' seja diligente :
no Pussoio-Publico, casa do buhar.
-- Precisa-se de um caixeiro do 13 a 15 anuos ,
que tetilla pratica de venda : na ra da Guia 11. 36.
at'cada de pserofn-
Ihores doutores em
\WM% ^S,@
W O doutor Alexandrede Souza Percira do 'S'
Carino, medico mudou sua residencia "y
para a ra larga do Rozarlo n. 12, segn- ^
do e terceiro andares do sobrado onde tem .fjs
botica o Sr. Jos Mai'ia Concalves Ramos.

(2!
O S8
m
Precisa-se alugar um molcquo que seja fiel, c
de um aprendiz de charuteiro em Fra-de-Porlas,
fabrica n. 127.
Anda se precisa do urna ama, preta, torra ou
cscrava : na la do RangeL, 11. 59.
AiitH>HS.
1 s no nariz, dasqnaes oa mel
Franca 1 nflo poifVro tralar.
I llenne-, ileein [..ment-i de lile e Vilain.
I Franca, jodio 17 d 181.
.<>. Sanrtt. A salsa-pi.n illia mandada por Vm.
foi rpeelii'la com a tnaioi salsfacrto possivel, minha
oMilN-r a lonii.u, eem poueo le'iipo so aoliou niP-
!hor; pelo grandes beneficios qop recebeU desla
un -dirim, .1 eoosidea Como urna las iiiolhores me-
dicinas.do mundo para laes doencas pois jfou-
tores de alta sabedoria nunca a podejam tratar. Mi- '
nlia mulnera contina a lomar, at se achar in-
teiramenlo boa. Por favor nos queira obsequiar com
algumas garrafas o mais depressa possivel. Sr.,
nos (eremos o gosto de fazer conhecera sua medi-
cina entro os uoss.os amigos, assim como entre o
povo: sem duvida sei usada aqui, bemeomoem
lodo o mundo como ellicaz medicina para alliviar
e tratar o corpo humano. Teuho agltonra de Ser o
mais aliento venerador."
/. Mace.
N.1, rito LouisPhilippe.
\ Legagilo dos Estados-Unidos,
i Berln, Prussia, abril 8 de 18*6.
Srs. A. n. ix I). Sands. Srs., lendo-se* sua sal-
sa-parrilha usado nesla cidade, com grande effeito,
em casos mui severos do escrfulas me pedern tres
duzias de garrafas da sua medicina as quaes as es-
pero sem falta que para issu remeti o pagamen-
to Espero que Vins. flqirem do toda a corteza quo
1 compos<;J.o de sals-parrilha he urna das meTho-
res medicinas do mando assim como se vai in-
Iroduzindo muito entre opovo Sou o mais ltenlo.
T/ieodoreS. Fay.
Preparada e vendida por junto o a retalho as-
sim como se expoi la por A. II. Y I). Sands, cltimi-
cos o droguistas, 11.100, Fullon-Street, esquina do
William, New-York.
Vende-se na botica do agonte, Vicento Jos do
Brilo na ra da Cadeia-Velha, n. 61.
na ra da
Cadeia, n. 37,ceram ve-
las fabricadas no Rio-
de-Janeiro, em urna das
melliores fabricas em
caixas pequetias, sorli-
mentsao gosto do com*
piador, e por preponais
barato do que em outra
qualquer parle.
mu
I)au-se toooo is.de gratificarlo,
e se pagnrSo todos as mais despe^
zas que se teniain feito, a quem
dr notirii do caltoclinlio escra-
vo por nome Vicente de seis
nnnos, potreo mais ou menos, sec-
co do corpo; tem no antis duase-
ridas de Imbis, e be uui tanto le-
so, por ser novato nesta praca; le-
vou vestido camisa de. algodo da
Ierra um linio suja ; deseneiini-
rtboii-se da tria do Vigario, n. a^,
anude se poder dirigir a pessoa
(pie son! r, ou ra da CJacieia
do Kcciie,'n. ai
Perdeu-se urna luneta encastnada em outo
nndia48-do enrrente t, noile, desdo o Iheatro ve-
dio al o pateo do Carmo : quem a arhou e a qui-
zer restituir dirija-se ao predi lo pateo, sobrado
n II, segundo andar onde ser gratificado com
5,000 rs.
O doutor Casanova medico francez, continua
a rercilartsrw sua casa na ra Nova ",-7, primeiro
andar defronlo do oilao da Iba ti iz de S. -Antonio ,
das 7 as 9 horas da man hila i c dopois disto, est
prompto a qualquer boca para fazer visitas a qual-
quer doeulc quo de seu presumo se quizer utilisar.
mm, allaialc,
de
na rua do liviiimenlo sobratton. 1 precisa
bous olliciaes de seu itfllcio e de costureiras.
--Aluga so urna casa na rua do Jardim, n. 45,
com slito, multo propria para duas familias por
ter inultos commodos co/inlia fra, e em baixo ,
quintal, cacinibu : tuiiboin se permuta por outia
dentro do Hecho 1 a tralar na rua da Senzalla-Nova,
n.7.
Precisa-se de 260,000 rs., a premio dando-so
para seguranga urna escrava com urna lidia de 6
annos: na rua da Cadeia do S.-Anlonio r n. 19, se
dir quem precisa.
-- Aluga-se pelo lempo de festa urna casa ter-
rea defronlo da groja S,-Pedro-Aposiolo, em
Olinda com bons commodos c perlo do banbo do
mar : a tratar na mesma cidade, rua de Matbias-
Ferreira sobrado gratulo de va randa do ierro.
-"> Ai renda-so, paca so passar a festa, um sitio a
margem do rio Capiba'ribe no lugar da Torre, com
urna ptima casa de vivenda e arvoredos de fructo :
a tratar na ra do l.ivramenlo, 11.18.
Precisa-se alugar um preto :|na praca da Inde-
pendencia, livraria, ns. 6 c 8.
Precisa-sede 1:200,000 rs. a juros com hypo-
theca em tres escravos e em urna casa terrea, sita na
lloa-Vista : quem os quizer dar annuneio para ser
procurado.
Aluga-se nm sitio na rua da Casa-Forte, com
commodos para se passar a resta : lambem so alu-
gam varias casas, tanto na campia como na rua
da Casa-Forte e na estrada do Poco : a tratar na rua
do Arnorim, n. 15.
Precisa-se de urna ama para casa de familia,
quo cozinhe.erigomme eeiitenda do mais servico
do portas a dentro : tambem procisa-sc alugar um
prelo para todo o servico : na rua da Cadeia de S -
Antonio, n. 19.-
-- Manuel Codito Pinliciro, morador em Fra-dc-
Portas faz publico quo compro", ha poucos mezes,
ao Sr. Jos da Fonseca o Silva um cscravo criou-
lo, de 15 annos pouco mais ou menos o'qual fu-
giodecasa, e sendo preso nos Afogados, decl.i-
rou na presenca do respectivo Sr. subdelegado de
polica quo pe leticia a Jos de Moura, morador em
Pianc e que fra furtado e vendido nesla praca O
anniinriaiilcsc acha de posse do Jilo cscravo, por
ter prestado una ianc, n roga a qualquer pessoa,
que lenba conbecmento do dito Moura que avise
a este afim de cuidar qtianlo.antes, Uo haver pe-
los meios lgaos o predilo esornvo.
-Joaquim Folix Machado convida a os pobres ce-
gos e aleijados desla cidade que no dia 28 do cor-
renle pelas 9 huras da inmili.a, se achem na rua
da Praia n 39, para recoberom una esmola que
manda dar a Illni. S-nhora Maria Jos do Reme-
dio, preprictaria do engeiiho l'araizo, comarca do
Itio-Formoso.
-- Precisa-se de um homem que entenda de pa-
dero para administrar- una padaria : na rua das
Cruzes, n. 30.
--O Sr. Julio Alberto Machado tenha a bondado
do procUiaruma carta no armazem de Francisco
Dias Forreira no caes da All'aiidega ou pessoa
conipoiontopor'ellc autorizado.
-- Na rua do San-Francisco, 11. 48, ha um homem
de boa conducta mui expedito, o quo tem mais
de um anuos do platica deesdiplurio, quo se olTo-
reco para amanuense de qualquer dos Srs. advoga-
dos Ueste foro f que queira aproveilar-so de seus
sorvicos medanlo estipendio rasoavcl.
--Precisa-sede urna ama secca de bons eostu-
mes que nao soja muito moca 0 so saiba dar com
lodo o cuidado ao interior de urna casa do ponen
familia. I)irigir-se a rua do Hangol, 11. 59. segundo
andar.
Vemdem-se, no dislrielo da villa do Bananei-
ras, na provincia da Parabiba do Norte, ns seguin-
les trras proprias para planlaecs de algodo o
caimas de assucar, a saber: um sitio com meia egoa
de Ierra, denominado Alagoinha ; um sitio com
urna engenhoca ecasu do vivenda, denominadoBa-
copari propria para dar caimas de assucar, quo
_ rmnr. ...i* .1. n,r..u If"i do finado Joaquim do Rogo Toscano o Brito, o
gn^^a^mlT^niutl Cra wrl0 ',0 *S*H***r '"""" P"te do trras
no sitio Cannabrava, muito propria para produccSo
de cannas de assucar, leudo proporces para se le-
Compra m-so 580 meios de sola de boa marca
na rua do Collegio, armazem 11. 19.
Vendas.
Vendc-se um moleque de 7 annos, pouco mais
ou menos, por preco commodo ; na rua Velha, 11. 18.
Na loja r un uro 17du na do
I>MSSC0-I''l}l)I'0, .
vcndem-sermtesUccambraia, de cores linas, com
6 e meia a 7 varas, a 2,210 o 2,560 rs. ; ditas muito
linas, a 5C0 rs. a vara ; crteselas muito lindas prin-
cezinas, a 12,000 rs. ; mantas do seda, mudo ricas,
a 10,000 rs.; dalos de seda, muito ricos, a 14,000 rs ;
chitas finasa 120,140,160, 180, 200o 240 rs., e muito!
linas a 280 rs.; brins de linho de quadros e lislras,
muito lindos padres, a 640 rs. a vara; lencos gran- sua hrilhaqte mucidade.
de '
vantar um engenho ; urnas Ierras denominadas
Sitio-Novo, em Callabouco, com urna casa gran-
de de vivenda, scnzalla para escravos, prensa para
encacar algodo o outros pertcnces para descaro-
(,'ainoiito do mesmo genero, que foram de Francis-
co da Cunha Rboira: sito proprias para plantaQSo
de algodOo, ou para cria^o do gados. Quem as
quizer comprar dirija-so naquella villa aocapitilo
Lslev3o Jos da Rocha, ou na cidade da Parabiba, a
Jos Luiz Percira Lima.
A d 111 i ra veis n a va -
Ihas de acoda China
que teem a vantagem de cortar o cabello sem olTen-
sa da pello, deixamlo a cara parecendo estar na
s do seda para grvala, e bons em qualidade, a
1,280 rs. ; mantas de seda para-gravala de homem, a
2,0(10 rs. ; corles de collelo de |1a c seda, a 320 rs. ;
ditos de rustiio, a 500 rs.; ditos de velludo deco-
res, a .1,000 rs. ; dilos de gorgorito de seda de co-
res, a 3,000 rs. ; ditos do gorgorito de la e seda, 9
1,000 rs.; lencos brancos arrendados, para mito de
senhora, a 20 rs.; chales de la da Escocia, a 2.560
rs.-; ditos do lila com lislras de seda, a 3,000 ris ;
alpaca cor de caf, a 640 rs o covado ; dita muito fi-
na Pela,, a 1,440 rs, o covado; pocas de inadapolSo .
muito linas, com quatro palmos, a 4,000 o 4,500 rs :
oassa lisa o 240, 400, 480 e 560 rs. ; pecas de algo-
daoznho com 18 jardas, a 2,000 rs.; chales de cas-
sa escura, n6l0rs. ; merinos muito superiores, a
1.600,2,800,3,200,3,500 0 4,000 rs. o covado ; cr-
na rua
veude.
modos.
Vendem-sc8 escravos, sendo r ditas
pretas c duas pardas, de ao a 24 anuos,
boas lavodeiras, custureiros, e qu cozi-
nltam o diario de urna casa ; tres pardos,
scudo tim de 16 annos e dous de
3o ; um moleque, de 13 annos :
do Crespo, n a \, se dir quem
SALSA-PARRILIIA DE SANDS.
Este excellonte remedio cura todas as enfermi-
dades, as quaes silo originadas pela impureza do
sangue, 011 do systema ; a sabor :
Escrfulas, rhoumalismo erupcoes cutneas,
brebulhasnacara, homilrrboides, doencas chroni-
cas, brebulhas, bertooija, tinha, incbacoes, dores
nos osos o.juntas, ulcar, doencas venreas, citica,
oulermidades que alacam pelo grande uso do mer-
curio, hidropesa exooslos a nina vida extrava-
gante Assijn como chfoqicas desordena da cons-
liluicao crio curadas por esta tilo til appro-
vada medicina. K
O extracto seguiule he de urna carta recelada do
lisio agovem exclusivamente da China, eso lid-
ie Iralialliam dous dos inedioi e< o mais abalisados
cutileiros da nunca excodida o rica cidade de Pe-
kim, capital do imperio Chiiia.~/lu(or.Snan.
N. B. He reconhecido o uso destas navalhas
maravilhosas por tudas as sociedades das scicn-
cias niodico-cirurgicas. tanto da Europa como da
America Azia o frica, nilo s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas lambem como um meio cos-
mtico.
Vendem-se'as vordadoiras s na rua larga do Ro-
zarlo, n. 24.
----Vendem-se enlejes de Troco de di-
versas cores para cabecas de senhora :
na hj 1 de Maya liamos & G.J rua Nova,
n. (i.
Vende-se um negro perito ofllcial de sapateiro,
de idade de 20 annos, e urna negra cozinheira, cos-
lureira, lav&dcira o on^onimadeira. do idade de 22
annos poucdmaisou menos : na rua estreita do Ro-
zarlo, n. 43, secundo andar.
Va rua do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da Silva
Maya,
vendem-sc muito lindos chapeos para meninas,
tanto ile so la como de palhinha chegados ltima-
mente de Paris ; chapeos de seda para senhora-
corles de crambraia do seda.de ricos gostos.por
proco muito commodo; cortes de vestidos de cam-
bra ia ecassa-clulas de dilTerentes qualidades por
precos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 e 2,500 rs. cada corte ; mantas de
seda e La para senhora, das mais modernas que
leemv.ndo a osla praca a 5,000 rs. cada urna:
i.antas o chales do sed de varias qualidades e ba-
ratos ; alpaca preta a 800 o 1,600 rs. o covado:
panno de Itabo, a 400 rs. a vara; casimira* fran-
ee/.as e elsticas para calcas a 5,000 rs o corte :
rustOcs; selmse velludos para collete, por prec
muilo em cunta ; bem como um sortimenlo de ou-
tras muttas fazeuas, que se vender pelo barato.


'31
vv

.
-" ----- ,- '"'-
~ Na rua Nova loj n. 58, vende-se calgado da
erra a sabor : .sanates e sapalos pa'rn liomem e
menipog ; I i ros docooro e da marrnquim, para se-
ndera femeninas; aviam-nlos para apalefroj sa-
p* tiles de ln dro, o quamlo 0.3o houvcr algurn que
cdegiio o f.eguez, lambem so recehem eneom-
mc.ndas ; urna parcAo lo madeira ; Hutas ; bicos ;
ranos de fl Tes; parreira brava, 011 abtiiua para re-
medio ; um b hq.i de bala neja do autor Komilo com
un turno de pesos de duas arrobas para haixo pa-
ra armazem de carne ; um terreno em bom lugar,
com 200 palmos de frente c 800 e tantos de fundo.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de Raymun-
c!o Carlos Le te ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de linbo do Porio as pecas
sao ile 18 vas e meia ; dito do 25 varas, a 600 rs. ;
guardanapos de puro lindo a 800 rs. ; fazenda do
norte propria para CollelM, jaquelas e etc., tecido
de seda e lindo ; nieias de linho as mais linas que
teem vindo ao mercado.
rw Vendem-se chapeos francezes da ultima moda-
>a6tCorles de caigas de casimiras elsticas, de qua-
drns e listras milito bonitos padroes ; cortes de
rassa de cores dos mais modernos que lia no morca-
do : tu lo por menos proco do que. cm outra qual-
qiior loja : na ra do Qjcimado, loja da casa ama-
rclla, n 29.
sxs
A.
Vendem-se superiores re-
des, proprias para lipoia : na rua
do Queini ido, loja da casa ama-
relia, n. 29.
Vendc-se cora de carnauba, de muito boaqua-
lidade tanto a relalho como em porgilo : na rua
das l.arangeiras n. 14, segundo anJar.
DEPOSITO DE CAL VIRGEM.
Na rua do Trapiche n. 17, ha sem-
pre cal virgem de Lisboa, em harris pe-
queos, e uliimamente chegada mui-
to superior e por preco rasoavel.
AGENCIA ItA FUNnfCAO'DE I.OW-MOOR.
Na rua da Senralla-Nova, n. 2 contina a haver
j n completo sorlimonto de moendas e macliinas de
vapor para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro batido e coado de lodos os tamanlios :
tildo por prego commodo.
-Vende-se. ou troca-se por casas nesta praga, um
terreno com *12 palmos de fronte e 150 de fundo
sito por detrs do covento do Carino : a tratar con
o se 11 propietario no Manguind, segundo silio
depoisda capella de S.-Jos.
ESTAO'-SR ACABANDO
H as cassas do cores (xas, para vestido,a 240 rs.
I o covado ; riscados francezes de bous pa-
j! droes, a ICO rs o covado : na rua do Quei- |
j niado, loja da casa amarella, n. 29.
Vende-se um sitio de torras proprias com va-
nos arvoredos de fructo casa, boa cacimba, no
lugar d'Agoa-Fna de Bebenhc; cujo silio foi do fal-
lecido Jcronymo Jos Martina: no paleo da igreja do
Pilar, do lado esquerdo casan. 181, ou no car-
torio dosorphos so far todo o negocio.
Na 1 ja nova da rua do Quei-
mado, n. II A, de Raymmi-
do Carlos Leitc ,
acha-se um novo sortimentodo pannos linos do todas
as coros o qualidados ; edapos francezes da ultima
muda; um completo sortimenlo de fazendas finas
egrossas, por prego mais barato do quo em outra
qualquer parta.
-- Vendem-se clnrutos da Ha-
vana : em casa de J. O. Elsler:
ta rua da Cadeia-Velha, n. 9.
Luvasde pellica.
Afianca-seas boas qualidades destas luvas. Ha de
todas as cores tanlo para bomem como para se-
nbora. Vendem-se mais em corita do que em ou-
tra qoalquer parte. Na rua larga do Rozario, n. 24.
Pannos finos.
Vendem'se superiores pannos linos, a prova de
limSo proto, a 3,000, 4,500,-5,500 o 6,500 rs. ; di-
toazul, a 3,000 rs. ,e muito fino, a 4,500 rs. Estos
rannos sao novos e pela sua barateza, ationdendo
a sua boa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na rrra do Collegio, n. 1.
A 9060 rs.,
saccas com bom inllio: no
caes da Alandega, armazcm
de Antonio Aunes.
Vendem-se caitas de cli dysson, de 13 libras,
em porcoes, ou a retaldo : na rua da Alfandcga-
Vclda, n. 36, em casa de Mattieus Austin & C.
Belmiras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada bel mira para vestidos de sendora ,
pelo barato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
fazenda he nova e de muito sublimes gustos, sen-
do as siihs cores mui aprociaveis por serem cor de
lino, rosa operla. A clles, antes que se acabem
Na rua do Collegio, loja n. 1.
Vendem se esrravos muito baratos, pi-
se liquidlrem coritas dcste armo, na
i4, segundo
com principios de sapatciro e que entende de na-
dara ; um lindo miilatinlio de 11 annos muito es-
perto sem vicios prnerio para aprender qualquer
ofiloio ; um proto do 23 minos ptimo para traha-
Ibarcm armazi'm do assucar por ser bastante for-
te; um dito de nagilo, bom ganhadnrde rua, e que
esta acnslumado ao trabaiho do refinagiio ; um par-
ilo do 36 anoos bom para tomar conta de um silio,
por sor do boa conta ; um pelo de 40 annos bom
canoeiroc ptimo ollicial de canteo ; um dito de 40
anuos, por 200,000 rs. ; urna preta muito forte,
por 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili-
dades; duas pretas nyiito mogas, que sSoqpti-
mas qiiitandeiras ; duas ditas boas engommadeiras
e cozinbeiras ; e outros escravos.
,Vende-se urna linda negra com habilidades, um
negro pega de 20 annos; um moleque de 12, urna
mulatinda de 4 anuos, e um mulquo de 7 anoos,
por son senbor se retirar para fra : na rua da
Senzalia-Velha. n. I Id. .so din ouem vende.
MEZ MARIANO A 1,000 RS,
Vende-se na livraria Ja praga da Independencia ,
ns, 6 e 8 o Novo Moz Mariano, accrescentado com o
l.ausperenne do Santissimo Itozario.
Je s na loja do nicho que
pparecem estas pechinchas.
Na esquina do l.ivramonto loja do nicho, ven-
dem-se mantas para sendora a 1,000 o 2,000 rs. ;
setim ortico de llores, com duas larguras, a
1,280 rs. o covado ; riscadjnhos cliinezes, com lis-
tras de seda a 360 rs o covado ; chales muito gran-
des do garga seda a 2,000 rs.; nticos grandes da
mesma fazenda 1,000 rs. ; ditos escocozes de
bonitos goslos a 200 o 320 rs. ; e oulras militas
pechinchas novas chegadas de proposito para a
fesla.
Vendem-se 20 escravos, sendo : 8 pretas de
18a 25 annos; dous mulatinhos de 16 a 18 annos
duas pardas de 12 a 20 annos com habilidades ; 8
pelas de 11 a 30 anoos, com habilidades: todos
proprios para o servigo da praga e campo I na rua
do Collegio, n. 3, segundo andar, se dir quem
vende.
Vende-sc urna porg3o de pegas de pellucia de
seda, dedifTerentes qualidades, por prego commo-
lo : na rua da Cadeia do Recife, n. 36.
Altcncao!
Acaba de chegar loja doPasscio-Publco n. 17,
urna porgflo de corles de camhraia transparente de
lila, para vestidos de senhora, padrOes iuteiramente
novos, e que se espera meregam geral applauso das
senhoras de bom goslo, e muilo principalmente das
que toncionam pausara festa cm seus sitios. A por-
gilo he diminuta enilo ha mais em Pernambuco ,
por isso sem demora devem mandar por elles, antes
quescacahem, mesmu porque o prego convida ,
pois lie o de 5,000 rs. por-cada um corte.
Vende-se um sitio em Beboribe, muito gran-
de, profiri para vaceasde leito o rom muita trra
para capim contras plantagoes : tamhemse vende a
prazo com firmas a contento: a tratar com Manocl
Antonio da Silva Motta.
\o bom ebarat >.
Vendem-se superiores chapeos francezes c do
ultimo gosto de .Pars a 6,600 rs. ; chapeos de
castor brancos e pretos da ultima moda, a 6,000 rs. ;
bem como de todas as mais qualidades a pregos
muito rasoaveis : na rua do Queimado loja de cha-
peos, n. 88.
Vendem-s pegas de madapolfo limpo, com
20 varas, a2,500 rs.; pecas de chitas escuras mui-
to encorpadas, fortes e de cores fi.rras, a 5,500 rs. ,
o a 160 rs. a retaldo: na rua estreita do Rozario ,
ii. 10, terceiro andar.
-Vende-se um quarto oueserve para ambas as
saiias : na rua de 5.-Gongaio, n. 3.
B
(t
pj Womeiro Braga, nn rua
-i
Bf
?'
Rl
Na loja de .Jos Manoelf
l
do Crespo, n. .Cosqui
na (juc vira para a rua
das Cnizes,
Lj! vende se tafet rxo e amarello com tros
rji palmos do largo muito encorpados pro-
il prios para capas.
'TI
LOTERA
UO .
Hospital Pedro I.
Continiiam-se a vender os bilhetes desla lotera,
no bairro do Recife, rua da Cadeia n. 24, loja de
cambio do Sr. Vicira ; n.0 bairro de S.-Aiilonio, rua
doCabuga, n. Il.bulica do Si. Joiio Uorelra Mar-
quesina pracinha do l.ivramento n 51, loja do
Sr. IhesoureiroMoraes ; na rua do l.ivramento, n.
22, botica do Sr. Cliagas. Brevemente ser anriun-
ciado o dia impreterivel da sua exlracglo.
Vende-se urna eGcrava do gento de Angola: na
rua de Dorias, n. t22.
Vende-se una porglode travs de 35 at 50 pal-
mos, do boa qualidade : na rua do l.ivramento.
n.6.
DE6 PORTAS N2 |
g Nesta loja das pechinchas, vendem-se panr
g nos linos, a 2,500, 3,000 3,500 c 4,000 rs. ,
g e muilo lino, prova do Nimio a 5, 6 e 7.000
rs. ; casimiraa de duas larguras, a 1,500 o
g 2,000 rs o covado, e muito superior, a 3,000
s5 e 4,000 rs. ; cortes de selim e do velludo
} paracnllele, a 2,000, 2,500 e3.000 rs.; man-
g tas de selim para.hornem, a 2,000 rs ; um
g grande sortimenlo de madapolOes chitas
ja e oulras militas fazendas para a fosla por
^ baralissimo prego, para acabar antes do ba-
ja ngo.
Vendem-se por prego rasoavel, as obras de
Bergor ; Diccionario do Ideologa ; de Fritot, sc-
cncia do publicita ; de Constante, tratado da legis-
gflo ; de boiste, diccionario universal; de Guizot,
pena de morte: na rua. do Cabug, loja de Jos
Brandflo da Rocha defronte da matriz.
O BARATEIRO.
\\ nova loja da rua do Cres-
po ao pe* do arco de S-An-
tonio n.4, dc-Hicardo Jos
de Freitis Ribeno,
vendem-se casimiras a turca de urna so cor fa-
zenda inteiramenle nova ompadres e qualidades ,
e queteui urna elasticidade que se nao encoulra
nessas outras casimiras vulgares,sendoestasapplau-
siveis tanto para caigas como paracxcellentes pa-
litos porterom duas larguras, eo seu prego ser
4,000 rs. o covado e o corle de caigas 7,000 rs. Igual-
menta ha longos de 3 ponas de cambraia com cer-
cadura de cor o palmas bordadas, proprios para
pescogo de sendora a 120 rs. cada um ; corles de
cambraia adamascada, de bonitos padroes e com 7
varas, a 4,000 rs. ; ditos de cambraia com listras a s-
setinadas brancas ecom 7 varas, a 3,500 rs.
Remedio prodigioso p.ira os
embriagados.
Este remedio torna-se mui apreciavel por ser sua
composigao mui simples, e nSo arruinar a sado do
individuo, fazendo-o aborrecer para sempre a be-
bida."Vende-se na rua daCloria, n. 87.
Vcndc-se cal virgem em barris chegados pr-
ximamente de Lisboa, por prego mais barato do que
cm outra qualquer parto : na rua da Moda, arma-
zem 17-
Para presepes.
No Aterro-da-Boa-Vista loja n. 78 vendem-se
eaixinhas com calungas para presepes, contendo
varios utensilios.
Vendem-se ^i pipas abatidas, e
saccas cem arroz pilado, por preco em
cotila : na rua da Catleia do bairro de
Santo-Antonio, n. a5.
Casimiras clsticas c finas, a
7^000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas, finas o
do cores, pelo baralissimo prego de 7,000 rs. o cor-
to de caiga. Esta fazenda he reconuneiidavel pela
sua qualidade tanto em fazenda como cm gostns ,
por seren os mais modernos; casimiras pretas ,
superior fazenda por serem muilo linas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na rua do Collegio, loja n. 1,
--Vcndem-sp 200 brandyes do cera do Rio-de-Ja-
neiro de 2 libras o dn 1 e3 quartas, por menos
do seu costo para liquidar.' na rua da Senzalla-Ve-
Ida, n-. 110.
Vende-so capim de planta : no sitio da 'passa-
gem dos Arrombados ou na' venda do becto do
Peixe-FritQ, na rua do Rozario.
--- Vende-se-om moleque de 8 annos e um mu-
latirio de 4 : na rua da Senzalla-Velha n. 110,
primeiro andar, se dir quo vende
Vende-se urna balanca grande, propria para
pesar couros ou carne secca com urna pargSo do
pesos : na rua do Collegio, n. 19.
Vende-se muito.bom arroz branco em sac-
cas : na rua do .Queimado, n. 4.
Vende-se urna cama de amarello, ainda nova
0 muito cm conta, por ser do urna pessoa que se
retira para o matto : na rua da Praia-de-S -Rita
serrara n. 21. '.
Vende-se um sobrado de um andar soto .
sito na rua dos Copiares, n. 4 : a tratar no mesmo
sobrado. Avista dos compradores so Tara o ajuste,
pois que ello se acha desembaragado.
Vonde-se una preta de nagilo boa cozinhei-
ra e quilandeira, e que lambem he ptima lavadei-
ra por prego commodo, visto se vender por n-
cessidade : na rua do Cotovello n. 85.
Vende-so um moleque de muito bonita figu-
ra bolioi.ro e barbeiro ; 2 ditos de 12 a 14 annos ;
1 preto de 20 annos, de elegante Ggura ; 2 mulati-
nhos ; 2 pa idas; 2 pretas ; 1 nogrinha: todas com
habilidades: 1 pretocozinheiro e engommadeiro;
2 pretos para todo o servigo de rua : no pateo da
matriz de S.-Antonio Sobrado n. 4.
Vende-se liagas de vimes ,
vindas do porto: noejes da'AI-
fandega armazcm de Antonio
Aunes Jocqme Pires.
Na rua da Cruz, n. 26,
vendem-se os seguintes escravos : duas molecas de
12annos; duas rnulatinhas, urna do 12 annos, ea
outr de 9 ; um paido de 30 annos ; um preto de 18
annos ; sola; couros miiidos; cera de carnauba ; es-
leirs do Aracaly ; sapatos e botins obra boa e fe-
ta no Aracaly.
Vende-se um carro de *.rodas para um ou
dous cavallos, com uina narelha do cavallos, ou
sem ella : na rua Nova, cocfieira n. 54.
Vende-se um lindo carnudo de
duas rodas novo e muito rnaneiro com
mreios tambem novos : na rua do Tra-
piebe n. 4:, cafa de Adatnson tiowie
& ( omparib.'a ou no Alen o-d.i-lioa-
Vista cocheira doSr. Miguel. '
Na nova loja do Pas^eio-Pu-
blico, 19, de *Ianoel Joa-
quim Pascoal Izamos ,
vende-se cortes de cambraia alegra, fazenda muito
moderna a 2,000 rs ; cortes de ISa para caigas a
3,000 rs. ; cortes de casimira de quadros, muito
ido,lerna a 6,500 rs. ; alpaca preta, a 900 rs. ; me-
rino preto a 3,200 rs.; panno preto muito fino,
a 4,500 e 5,000 rs ; dito azul, a 4,000 rs. sarja
preta despalillla a 2,000 rs. ; setim preto, a 1,000
rs.; longos para grvala de seda de cOres, a 400
rs.; ditos de cassa a U>0 rs. ; lengos de seda pa-
ra liomem a 1,440c 1600 rs. ; lencos brancos do
Indos o.s lamaiihns, de 240 at 400 rs. ; mantas de
seda muito ricas a 9,000 rs.; diales de 13a, a 2,000
rs. ; ditos de ISa e seda a 8*000 rs. ; ditos do me-
tilo e chita a 1,00o rs. ; e oulras muitas fazendas
muiloemconta.
K.. ,'~ 03
'Jl Na rua dasCruzcs, n. 41, vende-se marnela- ?
re da nova em caixasde 2 e 4 libras edega- sfi
jfjj da no palacdo Andorinha. pjjj
t
Vende-se um silio na estrada de S.-A maro pa-
ra Belm passando a ponte o primeiro, do lado
direito.com boa casa grande que podo morar 3 fa-
milias .pasto para 8 vaccas deleite terreno para
plantar, bastantes arvoredos de fructo, e alguna;
viveiros : tambein se aluga outro inais pequeo na
mesma estrada : a tratar no mesmo sitio ou nn rua
Direita n 4.
Vende-se um apparelho de cairo, por prego
commodo : na rua das Larangeiras, ti. 18.
Na loja nova da rua d > Quei-
mado, n. 11 A, de Kaymun-
do Cario.* Leilet
acha-se um novo sorliment de lindas mantas do
seda a 4,000 rs., leudo lambem de 2,000 10,000,
16,000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora de trogal,
ultima moda em Lisboa ; meius cras n. 10 a 5/
rs. a du/ia.
Vendem-se 300 varas de panno do algdo da
i a melhor qualidade que apparece no mer-
a 220rs. a vara : na la do Queimado, loja
rua das Larangeiras, n.
andar:
tres lindos moleques do 14 a 16 annos
um dito
malta
cado
n. 57.
Na
rua (oCresp), loja n.
fie Campos & lia ya,

Vende-so unta parda de 14 a 15 annos ,
recblhida sem vicios nem achaques,
quo engomma cose faz lavarinto ,
marca, lava e faz o mais arranjo de
urna casa menos cozinhar : vende-se
por prccisSo : no largo do Collegio, no
segundo andar do sobrado entre a
casa amarella do Sr Bastos e casa an-
ga da cmara municipal.
Vende-se urna cadermha de dous dragos,
forrada de damasco, por prego commodo : na rua
do Amorim, n. 15.
Vcmde-se caf da terra, a 4,500 rs. a arroba :
na ruado Crespo, u. 15, loja de Antonio da Cunda
Soarcs Guimaiies.
Vendem-se, tres negros do servigo decampo,
e de boas figuras : na rua da Cadeia,' n. 59, loja do
ferragehs de Jos Dias da Silva.
Escravos Fgidos.
vendem-se neos corles de cambraia de
seda, dos mais modernos gost<>s que teem
iipparecido por pnco muilo commodo
Vende-sera bordo do berganlim Independen-
defronte do trapicde da alfandega,
, ejearne superior.
te Tundeado
sebo em rama
Vende-se a bem condecida e superior cham-
panda da marca cometa ,-vinho da Madeira engar-
rafado ; cd dysson e perol em eaixinhas do 7 a 10
libras cada urna ; bom papel de copiar em machina:
ludo chegado recentemente a esta praca: na rua
do Vigario, n. 4.
Loja de 0 portas.
Na esquina do Livrament, loja de6 portas, ven-
dem-se cortes de cambraia lisa, com 7 varas o meia
e 5 pandos de largura com bonita renda e bicos do
lindos gostos a 5,000 rs.
Na rua de Agoas-Verdes n. 46, vendem-se por
prcrisilo dous bonitos moleque do 16 a 17 annos ;
um ditoile 19 annos ; um escravo do boa figura ,
de 28 anuos; um dito de nagilo Angico do 30 an-
uos ; dous pardos proprios para pagem um dos
quaes liabalda mui bi'in de marcineiro ; una bo-
nita parda com excedentes habilidades ; duas es-
clavas para todo o servigo ; urna dita de bonita figu-
ra, que engomma cozinha e coso.
Auscnlou-sc, ha das, da casa de seu senbor, 0
escravo JoHo pardo trigueiro ,' de 15 a 17 annos ,
cara grande, odios regulares, bous denles; bem
conhecido por andar freqiienlcmente fardado: quem
o pegar leve ao Mondgo a sen srnlior Luiz Co-
mes Ferreira que recompensara generosamente.
-- Em 2 do fevereiro deste anuo desappareceu da
cidadeda Babia um escravo crioulo, de nomeThe-
molheo de 16 a 17 annos com ollicio de sapateiro,
segeo do corpo com urna orelha furada para brin-
co; gagueija ao fallar; tem rosto coinprjdo,olhos vi-
vos ps feios de bichos que leve, o anda calgado ;
ha toda a desconfianza de estar nesta provincia com
o nomo mudado; pe lenco a I). Joaquina .Mara dos
Res residente naquella cidade. Tambein desappa-
receu da mesura senhora urna escrava de nomo
Joanna Viegas, de meia idado, com urna marca na
testa, de Angola, fgida na cidade*dc Olinda do
Permmbuoo em 1837 para 1838. Outra escrava, de
iiome Mara da mesma nagilo fugida ha tempes ,
antes desla e de mais idado. Roga-se aos capililes
de campe., ou outra qualquer pessna que os pren-
darn e levem-nos a rua do Bium fabrica de caldei-
reiro de Mosquita & Dutra que serao generosa-
mente recompensados
--Fugio, no dia !< do corrcnle, urna preta de
Angola, donme Mareelliua ; levou um tabnleiro
com rulles ;*lie bem condecida'por ler as pernas
milito lorias ; ja lio-acosliimada a fazer estas retira-
das) porcm nunca para fra da cidade: quem a
pegar leve-a ao paleo do l'araizo, n. 20, que ser
recompensado.
Peun.: Na tyf. de h. f. dk fama. ib4j.
>l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA5OQ6642_0ZPRM7 INGEST_TIME 2013-04-26T22:22:35Z PACKAGE AA00011611_08572
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES