Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08569


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'Anno. de 1847.
Sexta-feira 19
DIARIO pu'dies-ie todos os refii de yuiri< t o prcro di .signatura, lie 4j'ifm is.poi qnartol, pno ailiantadoi. Os n-
nuncios dos afsig.iantei %'m inseridos r.is.lo do
lOr*. por'linha, t rs em Iy|>o dillerentc, is
r.'petijdes psln melad*. Os que n.lo f-irem assig-
natateS pagarlo 80 rs por Jinda, e I6rt un: tfpo
dillerente, porcada publcafo.
PI1ASES DA LA, NO ME' DE NOVEMWU).
Mu ora, a 8, nos & minutos de inanlia.
Cicscenic a l> s dorase &b mi.da taide.
La cheia n 22. s hola e 45 min. da larde.
Miuiioante a 20, as 2 tioras e 2 iniu. da tarde.
PARTID\ DOS CORRBOS.
(niainia eP.ir.iliilia s secundas escitas feirn
ftio-<.ra de-do-.Nortequintasfeirajao ineio-ilia
Cabo, Serinliem, Rio-Kormoso,Poito-Calvo e
Vlacei. nal.', a II elide cada mez.
(ara ihuns e rtonito. a 8 e 21.
lloa-Vi.'U e Flores, a 11 28.
Victoria, as quintas-reiras.
Olinda, todos os dias.
Priuieirs,
Segunda,
tit \n m
'e Novembro. Anno XXIV.
N99.
PUEAWAd DE HOJE.
I hora e 18 minutos da inaoh
al hora a 4a minutos da tarde.
DIAS DA SEMANA.
f$ Seg. S, Gertrudis, Aud. du-l. dos orph.
e do J. doc. IG Terra. S. Gonrallo de Lagos Aud. rio .1. do
civ da l.v.e rio .1. de ptl do 2. dist. fie t.
17 linaria. S, (regorioTtiau i mu. o Aud. do
J.do civ. da?, v. e do J.de paz do 2. dist de
18 1,'iiinia. S. Romo. Aud e do J. municipal da l.rara.
III Sosia. S. I'alirl. \lili lio I- do civ. d.l I.
v.e do J. de paz do I. dlst de I.
20 Sabhado. 9. Fel x dcValois Aud. do I do
civ. da I. v. e do I. de niz do I dist. dp t.
21 Domingo. Apiesenlacao de Nos.a Ssnbore.

CAMBIOS NO DA IT DF. NOVEMBRO.
[Sohre landres a 28 d por I rl. a Cn e,90 dial
i Pars 130 rs. por banco,
.i Lisboa |0 a 110 dejireiuio.
Dec. de leltras de boas lirmis I 1 a I|4 Ve.)0 rm
O.iro-O.iras l-espaiihol.....J8#S0 a ?S#8llO
Modasde6i00 vedi
., de 6 fin nov
. de t 000 ....
Prala Palaces........
Pesos columnares..
Ditos mexicano*.
18/200
Mio
93100
J#980
|#960
- ,l#T0
Miuda............ llQip ,#3"
IBJlOil a
liifnmi a
9*100 a
, i#60 a
IDIO a
l#700 .
w un i.i i..... wm*-y (-|T------
Acedes da coinp. do Keberibe de S0J00 rs.ao *r.
1IUE.HU11LUJ
&m&vm
Tf!fl

. .
EXTERIOR.
KOMA.
Cartas do Roma de20 de setembro annunciam que
0 principe Luciano Donaparte tinha sido preso ao
regressar para aquella capital. A 23 reuni p papa
um consistorio, no qual foram concedidos barretes
cardialicos a 2 prelados francezes, Messrs. Dupont e
Giraud Era esperado o Sr. Pacheco, novo ministro
de llespanlia, e logo depois da sua chegada devia
reunir-seoutro consistorio, em quehaviadesor sanc-
cionada a nomeacTo de 30 bispos hespanhes. Al-
guns dias antes dra-se um j.nnlar ao conde Mamia-
ni, de Pesaro, ministro do interior sob o gnverno
insurgente de 1831, que acabava de recnlher-se do
exilio. As noticias de aples erain fvoraveis ca li-
sa dos revoltosos. Os reformadores, como clles se
intitulam, tinliam derrotado completamente as tro-
pas reaes na provincia de Campo-Kasso cm Cala-
bria, com perda de 200 entro mortos e feridos. ,0
8r. Pietro Kerrelti, irmilo do cardoal secretario de
estado, parti de Roma a 22, com urna carta do pa-
pa para o reide aples, recommendando-llic que
usasse de clemencia para com os prisioneiros. 6
arcebispo de Capua tinha chegado Roma, c pedi-
do a S. Santidade, om nome do seu governo, que
puhlicasse urna carta apostlica convidando a po-
pulacho do reino das I.'uas-Sicilias a obedecer ao seu
soberano. O santo padre respondeu que eslava
prompto a condescender com os desejos do prelado,
sol condic3o de que o governo napolitano conce-
desse urna amnista absoluta, e entrasse francamen-
te as vias da reforma. O general Statella tinha
enderezado ao rei um memorial, no qual deserevia
o povo de Calabria como perfeilamenle leal a S. II.,
mas descontente com os agentes do governo e da
populacHo. Elle denunciava especialmente o Sr. Sal-
sano, coronel dos carabineiros, ou gendarraas, co-
mo leudo-so turnado odioso por suas crueldades. O
rei, recepQilo daquelle memorial, ordenara a o ge-
iicral Statella, pelo telegrapho, quo suspendesse o
coronel Salsano do seu enmurando, e quo o cliamas-
se respousabilidado ; que sobr'ealivesse na exocu-
qo de umitas pessoas condemnadas pena capi-
tal, e dissolvesse as commissOes militares.
Segundo cartas do Milito, de 2f> do setembro mar-
cliavam 15,000 austracos, pela maior parte croats,
para as fronleiras do l'imoiite, onde deviam formar
um cordito do observacHo.
0 conccllio municipal de Bolonha volou a 24 tima
somma de 3.000 francos para o armamento da
guarda nacional. A 22 lovou o povo de Ferrara em
procissio para a mtinicipalidade a bandeira de que
llies lizeram presnteos habitantes de Florenca. Os
Auslriaens nao lizeram movimento algtim para im-
pedir a demonstraeflo A' noite illun.inoii-so toda
acidado, ecruzaram os cidados as ras, cantando
liymnos patriticos, e dando vivas a 1'iolX, e in-
dependencia da Italia. .
O Smaphore de Mancilles de 29 de setembro con-
ten a seguirite carta de Roma de 23 :
Estamos aqu sob a iniprcssflo nisterial, queafflige a todos. Ocardcal Ferretli ma-
nifeslou. Iionleui n inteneno de resignar, o diz-se
que o papa escrevera ao cardeal Amat, legado de
Bolonha, para lhe otrerecer oargo de secretario
de estado. Comiudo, nada se tinha anda decidido ;
c espera-se que o cardeal Ferretli seja induzido a
abandonar o seu projecto. Urna crise uiiqislerial, no
aclual estado dos negocios e do espirito publico,
dove de ser inevitavcLiienlo seguida do graves coin-
plicacOes para o nosso governo, que comecava a o-
brar a despeito dos obstculos internse externos.
Reina a maior tranquillidade tanto om Roma como
as provincias..
septentrional do imperio, o que produziria cerca de
80,000 recrutas. Corra era St-Petersburgo que all
appareccra o cholera, e que era por essa rasilo que
a corte se transferir para lloscow. Comtudo, o
Journal des Debat citava urna carta de St.-Petors-
burgo de 18 que mencionava que a epidemia nto
se tinha anda eslendido alm de Charkow, que era
muilo menos fatal do que outr'ora, e que a mor-
a Iidade.era apenas del entre120casos.
PUUSSIA
A Csela d'Aix la Chapclle do 30 de setembro di-
zia que urna deputaefo dos manufactures da Prus-
sia tivera urna longa conferencia com o rei acerca
de manufacturas, o pedir a S. M. que revisse a ta -
rifa, econcedesse mais protocg.to t industria na-
cional. O rei responder que a tarifa osla va orga-
nisada cm beneficio de toda a sociodade, o mi do
urna classe, e quo era impossivel satisfazor esse pe-
dido. (Times.)
UJltlU.DK Pt.HNAIBI!Cll.
de Janeiro de 1757, regulamento de 30 de margo do
1748 e manifest de 23 de Janeiro de 1827.1 '
II.' A da Hollanda. (Art. 321 do respectivo c-
digo.)
12.* A da Grecia e do llaity. (Art. 216 do cdigo do
corr.mercio grego, publicado no 1." de maio de 1835.
eart. 212 do cdigo haityense, publicado a 28 de
marco de 1826.)
Pelo que respeita Austria, a ordenanca da impe-
triz Mario Thereza n;lo conten disposigOcs sen lo
IMREITO MARTIMO.
DOS NAVIOS, CAPlT.sO E EQIUPAGCM.
II
ATHENAS.
Ca..is do Alhenas de 21 do setembro dizem que
M. G. Glarakis, ministro da inslrucgo publica, ti-
nba sido encarregado iiiterinamnnle da reparligilo
dos negocios cstrangeiros.- M. Calllphconos, mem-
bro por Alhenas, tinha sido eleito presidente da c-
mara dos diputados por unta maioria de 77 votos
contra 3 ; o os deputadoa de Syra c Nauplia linham
sido cleitos vice-presidentes. A rcvolta do coronel
Phainiaki tinha sido eiiergicainente reprimida,: u
esto caudilho haviu fugido pira as montanlias, a-
ieiiHscom 13 iiomcns di 150 quo se linham unido
s suas bqndeiras. O general Grivas anda eslava em
Provesa, recrutaudo partidistas para oulia expedi-
caoa (recia. |)izia-se que a sua forcu monta va pelo
menos a 500 honiens, queetle assoldadra na raso
de 100 piastras por mez a cada um Elle admiltio
inilislnicUuii'iile turcos e ctirislaos. Tendo-lhc o
governador do Epiro intimado ulliraaiuento.um
oidoin de Guiistaiitinopla alim de seguir para Ja-
nina, elle respondeu quo era subdito jonio nalu-
ralisado, e pz-se sob a proteegto do cnsul inr
gles.
h.USSIA.
O Jornal de Frankfort de 29 de setembro annun-
ciou quo o imperador da Russia partir a 14 de Sl.-
Petersburgo, acompanhado porS. A. R. a duqueza
de Louchlenbcrg, e pelos generaos Orloff c Adler-
nerg, scus ajudantcs de campo. S M. lencionava
seguir para" Moscow, e dahi por Hew para as provin-
cias neridionaea do imperio.
Cartas de St.-Pelersburgo do 18 referiam, que an-
tes da sua partida decrotura oiiliperador urna leva
de sote homeus porcada 100 liabitautes no governo
Grande controversia se lem levantado entro os
mais eminentes jurisconsultos da Europa sobre a
extcnslto da responsabiliilade dos actos do cap i tilo
cm rolagito aos ifrmadores. Emerigon e Valin aomi-
nam esta questno com sua immensa nutoridade,
mas cada um delles em sentido opposlo. O bodigo
francez, parecendo adoptar a opiniHn de Valin, tinha
prolongado a lula, e as incertezas sempre prejudi-
ciaes om materias dcsto genero, at qua a Ici de 17
de junho de 1841 fez cessar as irresolugOes da ju-
risprudencia sobre este mporlanlissimo ponto, de-
clarando quo os armadores podem eximir-se das
oltrigaccs contratadas pelo capilHo, que hn reputa-
do seu proposlo, abandonando o navio e o frete. Es-
la lei, considerando o capil.lo como um gerente res-
pons-vel, e X> armador como um commanditario,
que n.lo tem lido intengfio dse obrigai alm d'a-
q ii i lio i]ue arriscou, apenas submelle a aceito dos
credores o penhor que Ibes he condecido, que clles
vem, c que podem apreciar realmente ; de manerra
que, segundo ella, as obrigaeOes em tal caso affec-
tam nilo ao propietario do navio, mas ao mesmo
navio. A ideia que dominou O legislador francez,
qaamlo cstabcleccu semelhanlo disposieo, foi en-
corajar as operagOes marilimas para os paizes os
mais distantes, nfloexpando aquellesque as empie-
hendessem a ver sua fortuna compromettida por
uma responsabilidad!! indefinida.
Os cdigos estrangeiros conlem disposigOcs di-
versas sobro esta quesillo, quo tanto leem agitado os
legisladores dos dilTerentes paizes, os autores o os
tribunacs os mais illuslrados ; e para que se conde-
ca o encontr que ha as legislagOes a este respoi-
lo, apresenlaremos um resumo dos cdigos, e leis
nao codificadas, que admittem a responsabjlidade
indefinida, c daquelles que, no reconliecendo a sua
utilidade, seguem opiniao diversa. No priuieiro ca-
so seacham as legislagOes seguintes :
1.' O cdigo da Prussia. (Arls. 1525 a 1529.)
2. O cdigo despandol; o a respeito deste cumpre
notar que no artigo 621 impOe ao armador a odriga-
gHo de pagar todas as despezas feitas pelo capitiio
nos limites dosseus poderes, obrigagilo esta quo se
estende mesmo ao caso de daver o dito capitiio ex-
cedido o seu mndalo, com tanto, porin, que o cre-
dor provo competentemente que as despezas foram
feitas em proveito do navio.
3. A legislagito dos Estados-Unidos. ,Leis do ron -
gresso americano de 31 de dezembro de 1792, e 18
de feverciro de 1793.)
4. A jurisprudencia o usos da Crfto-lrctanha,
com a dillerenga que he mistar ter o capitiio obrado
por necessidade, para sor Ilimitada a responsabli-
dade dos armadores, ',1'oehls, droit martimo.)
Em favor da segunda opiniflo, isto he, da respou-
sabilidado limitada ao navio eao frete, exislcm as
legislagOes quo se seguem :
1. A de Portugal; :ai ligo 1344 do cdigo respecti-
vo) cumprindo observar que o arligo 1326 isenta
mesmo a paititipagao maiilima alm do valor do
navio edo (rete, e o artigo 1347 determina que o ar-
mador no seja respousavel pelos excessos do capi-
tiio eequipagem, commettidos durante a viagem.
2.* A de Malta, queseguio intuiramente as dispo-
sigOcs da ordenanga de HiSi.
3.' A de llamburgo. (Estatuios de 1603, titulo 13,
artigo 2.*j
4.* A da Russia. (Art. 649 do Swod, aonde se acha
consagrada a ideia de quo os armadores ua"o silo res-
ponso veis nle.ni do valor do navio, quaesquer quesc-
jam as pedas experimentadas.)
5.' A do Mxico e America do Sul. (Art. 38 da or-
denanga de Bilbao.) "
6.* A da Dinamarca. (Cod. de l(is:t Duns ke lov
livro 4." capitulo 1. ortigos 5. c 15.)
7.* A das Duas-Sicilias. (Art. 203 do cod. publica-
do em 26 de margo de 1819 )
8 A de todos os estados da Italia que seguem o
cdigo francez
9.' A da Sardcnha, cujo cdigo publicado em 1843
copiou litlcialinente, no artigo 231, a lei franceza de
17 de junho de 1841.
10.* A da Suecia o Noruega. (Resoluto real do 19
ratri
a respeito do capitiio e gente de equipagem ; c cm-
qnanto aos contratos martimos, urna s palavra se
nilo encontra nella, que sirva para regular as ques-
les ocetirrentcs: entretanto, o Cdigo lombanlo-ve-
neziano lem textualmente reproduzido as disposi-
gOcs da logislagilo franceza sobre esta materia.
A vista, pois, do que lica expendido, de evidente
que o principio consagrado pela lei frnnceza de 17
de junho de 1841 tem sido quasi universalmento re-
cebido e adoptado pelos legisladores dos diversos
eslados, sejulo elle o nico que no assumpto de que
tratamos pode fazer cessar a incerteza da jurispru-
dencia martima, sompre deploravel na sil applira-
cto pralica, como observa M. Martin [du Hord) guar-
da dos sellos, na brilbanlediscussao que a respeito
daquella lei tivera com M U. I'ortalis, Laplagne lar-
ris, etc. ele.
O Cdigo portuguez oceupa um titulo inteiro so-
bre a participagilo martima arts. 1321 a 1335. entre
os armadores e a gente da equipagem, tornando
communs seus trabalhos c salarios; etambem so
oceupa da mesma participagilo entre os armadores,
carregadores c a mesma genio da equipagem. Se-
gundo as regras nello cstabelecidas, este contrato
de associagito deve serescriplo, assgnado por to-
llos os inleressados, e transcripto no registro ger.il,
sendo o proprietario do navio o director gerente..
Encontra-sc nos artigos 723 a 728 do cdigo des-
panliol, e 1423 a 1431 do cdigo portuguez, disposi-
eoes relativas as fiincgOes de sobrecargas, que silo
encarregados dos poderes dos carregadores, para
velarem sobre 08 carregamenlos ; entretanto, in-iii
na ordenaga de 1681, iwmno cdigo francez, nein
finalmente nos demais cdigos modernos se acha
noticia alguma d'essa enlidade denominada sobre-
carga; a qual, sendo apenas conhecida pelos dous c-
digos cima apuntados, exerco, pelo artigo 724 do
primeiro, c 1426 do segundo, uma superintendencia
independenlo da autoi'idade do capitiio sobre os mer-
cadorias medidas a bordo, (cando porisso o mesmo
capitiio isentode toda a rcsponsahilidade, salvo ve-
rifirando-so a hypolhese de Ur havido dolo, ou na
f de sua parte.
Nos Estados-Unidos8 gente da equipagem perde
scuj salario, se o navio c o frete perderam-se duran-
te a viagem, ( art. 39 da lei do congresso americano,
de 31 de dezembro de 1792 ; decisilo do tribunal do
disliictoda Pensilvaiiiii. de 8 de maio de 1820, refe-
rida (or.S/ory, pagina 132) mas, no caso de nilo ter
havido perda do navio e do fele, os salarios da
equipagem preferem 80 contrato a la grosse. Por to-
da |iarte as soldadas dos niarinheiros leem privile-
gio sobre o navio : em Inglaterra o capitiio nilo tem
direito real, porm tilo somonte uma aceito contra
os armadores para haver o seu salario ; o que de as-
saz extraordinario, como observa o Sr. Pahl: o
juiz de paz de o competente para julgar as contes-
tagOes suscitadas sobre as soldadas dos marindeiros,
segundo determinam os estatuios 5.'e 6, de Gui-
Ihermu IV, cap. 19 $ 14. Quando um marinlieiro
morro durante a viagem, em Mastachusetls, s lhe
.lo devillas as suas soldadas aleo dia da morle ;
mas na Pemilvania seus herdeiros team direito a
ellas por todo o tempo da viagem, como se elle mor-
to nilo fura : i lei de 20 de julho de 1790 ) o mesmo
acontece cm I- rama porm s no caso de ter sido o
marinheiro morlo defendendo o navio. Artigo 265
do respeclivo cdigo.)
No Brasil, os fretes e soldadas gozam do direito do
preferencia, c entram na prinieira classe das dividas
privilegiadas, anda mesmo sendo os llovedores ne-
gociantes fallidos, como se v do alvar de 10 de ju-
nde de 1757, e decreto de 6 de maio de 1769, que nl-
lerou o 22 do alvar de 13 de novembro de 1756 ;
cumprindo, porm, notar que a preferencia concedi-
da s dividas de fretes se deve entender quando ellos
nilo forem excessivos, podendo-se comtudo contra-
tar o seu quanlilativo entre as partes iutcressii.las,
licando neslo caso elles, por maiores que sejam,
com o privilegio de preferencia, que o citado decre-
to Ides concede (Lei de 29 de agoslo de 1720, e alvar
de 27 de margo de 1721.! Tambem no 39 da lei de
20 de junho de I774seacda reconhecido o privilegio
estabelecidom favor dos credores de riele, para em
concurso de outros credores de um devedor com-
mum haverem precipuamente as suas dividas com
preferencia a lodosos domis, cesta jurisprudencia,
que al boje nilo foi alterada entre nos, faz parle das
poneos disposigOcs que 'temos sobre o comuicrcio
mai linio.
Igualmente gozam,no Brasil,os mai unciros o mais
pessoasempregados noscrvigodasombarcagOes mer-
cantes, assim como os credores dos frotes, do direi-
to ile os podrem cobrar, bem como as suas solda-
das, pela via executiva, sein lites ser mister subjei-
larcm-so s dolongas de urna cul'adoiiha dlscussilo
judicial, sempre fatal quem vive em una oecupa-
Cflo tilo pesada e laboriosa, como he a da vida mar-
tima; ordeiiago do livro 1., titulo 51 3., titulo 52
12) o esla providencia da nossa legislago revela
da mancha a mais positiva o interesse quo em oiilro
lempo iniu,y.i o legislador pela prosperidade do
nosso commercio martimo, interesse este, quo boje
so acha bem amortecido nos coracocs daquelles que
s3o chamados a confeccionar as leis.
Na Prussia se acha lixada pelo artigo 1524 do res-
pectivo cdigo a nalureza das rolagOes que dovem
de existir entro a equipagem do navio o o seu capi-
tiio, achando-se os marindeiros om rolac3o ao capi-
tiio, como os criados para com seus amos. O artigo
651 do cdigo da Itussia (Siood; lixa a differenca en-
tro a equipagem e os marindeiros, declarando quo
a primeira exerco funcgOos especiaes, o que os lti-
mos silo obrigados a executar a bordo os trabslhos
e manobras do navio ; entretanto, segundo os nos-
sos usos, esta differenca n.lo passa de uma subtileza
intil, como militas outras que seencontram na le-
gislacSo moscowita.
.Na llespanha, pelo artigo 657 do cdigo, para ser
onicial de navio mercante, piloto, ou contra-mestre,
o mister ter obtido uma patento, e em falla del la
todo o contrato Cuito pelo contra-meslre, piloto, ou
onicial de navio, lie millo de pleno direito. O cdigo
da llollanla, no artigo 4i0, prescreve ashypotheses
nasquaes he licito aos olliciaes a equipagem recu-
sarcm-seaoservigo, e no artigo 411 prohibe expres-
sameiito a mesma equipagem intentar procosso con-
tra o capilHo durante a viagem, sob pena de perder
as soldadas. Em llamburgo, logo quo um homom da
equipagem he reconhecido improprio para o servigo
duranle a viagem, heobrigado a restituir o quore-
cebeu, e a pagar a melado da soldada estipulada ; se
elle tem a infelicidade de fugir depois de ler rece-
Indo o seu salario, he obrigado a reslitui-lo, e alm
disto he encarcelado durante quiuzo dias a p9o e
agoa, o banido da cidade. Estatuto de 1603, artigos
20 o31.) Na Prussia elle be privado do resto do seu
salario, e incorre em urna pena corporal. Na Russia
ella; perde o salario e he obrigado a continuar no
servigo. (Artigo 714 do Swod, recommendado pelo
ukase imperial de 31 de maio do 1836 ) \.i Dinamar-
ca perde b salario, e he condumnado a uma multa.
(Artigo 4., capitulo I.", livro 4." do cdigo de 1683.
Danske lov.)
Emquanto aocapilo, de misterna, llespanha, que
elle seja lles|ianhol (artigos 634 a 638j c se he natu-
ralsauo deve prestar uma caugilo igual a molade do
valor do navio. Em Portugal, lie necessario que to-
nda nascido em um dos dous reinos: (artigo 1362)
na Prussia,aonde os lugares sao dados ao mrito re-
condecido ea capacidade experimentada, basta que
ello linda passado por um exame, sem que baja dil-
lerenga entre os nacionaes o estrangeiros.
O cdigo despandol, seguindo no arligo 671 uma
doulrjna diamctralmente opposta ao, artigo234 do
cdigo francez, prohibe terminantemente aocapilSo
fazer contrada la groase, ou tomar dindeiro a risco
sobre o carregameuto, com apena de nullidade; e
esta prohibiglo, que alias nos parece prejudicial ao
commercio, lem sido militas vezes causa de sotTro-
rom os subditos daquelle paiz prejuizos considera-
veis queso poderiam evitar, se o cdigo nfio conli-
visse aquella disposigilo.
Entre nos foi.em oulro lempo, prohibido o contra-
to de respondencia, cambio martimo, ou a la groste,
como so v dos alvaros de 14 de feveroiro de 1609 e
23 de agosto de 1623, fulmiuando-se o pena'de nul-
lidade ao mesmo contrato, e de degredo por qualro
aiinuS) para frica, contra aqucllcs que nelleinler-
viessem : entretanto, pelo oulro alvar de 11 de maio
do 1655 levanlou-se semelliante probibigilo, deter-
minando-se que se podesse tomar dinheiro a risco
al a importancia do valor da embaicaglo, mas que
islos fosse feito pelo capitiio, quando tivessecon-
seiitiniento especial dos proprielarios da,me$ma em-
ba -eagilo. Tambem pelo alvar do 15 de maio de
1776 reconhecou-sc a utilida le que restillava.ao
commercio e navcgagilo do contrato a lagrout, e
nesta conformidade concodeu-se s dividas de cam-
bio mariliino o direito de preferencia sobre as que
resultavam de outras iransaegoes, a respeito das
mercadorias que fossem transportadas pelos tavos
cujas viageus deran lugar ao referido contrato :
igualmente declarou-se pelo alvar de 24 de julho
de 1793, que o mutuatario de dinheiro a risco, que
carregara em navio de seu cabcdal prri maior
porgo de que a somma mutilada, leudo descarrega-
doe vendido no curso da viagem o as dilTerentes
csialas parte dos effeilos do carregamento.ficava des-
odrigado do pagamento da divida, no caso de perda
do navio, se mostrasse e provasse quo linda a bordo
ao lempo do naufragio porgos equivalentes som-
ma mutuada, e liedesta logislagilo quo presentemen-
te nos servimos sobro a importante materia do di-
nheiro a risco.
Voltando, porin, ao capitiio, ou meslre do navio,
accresceularemus nicamente que, pelo cdigo da
Prussia, lem elle o arbitrio de constituir um mari-
ndeiro criminoso,ou no, no caso de fuga; pois.que,
se o torna a receber a seu bordo, neuhum proced-
menlo criminal lem elle a sofFrer: mas, se assim nilo
acontece, lem o desgragado de ser perseguido pelo
ministerio publico, econdemnado a uma pena cor-
poral e infamante: (arligo 1547 do cdigo) o con-
trario, porm, se india estabelecid pela logislagilo
franceza.
Tomos concluido o nosso trabalho sobro a epigra-
phe dcsto artigo, o cm outro trataremos especial-
mente do contrato a la grossa, de que apenas demos
neste ligeiras nogos
PERKAMBCO.
EI.EITORi;S DA FREGUEZIA DESANTO-AMARO-
JABOATO.
OS SBNHORES.
1 Burilo de Suassuna.
2 I /.id id francisco do Paula Mesquila e Silva.
'. Antonio deSouza I .eao.
* Francisco Antonio Pereira da Silva.




I
I '
i
'
i


2
/ '?
5 Jos Maximino Pereira Vianna.
6 Antonio Pedro doS Harrcto.
7 Francisco de Pinho Borges.
8 Ignacio do Barr Barreto.
9 l)r. Joflo Augusto de Souza Leflo.
10 Jos Francisco do Souza Leflo..
11 Joflo Francisco do Carvallio Paos do Andrado.
12 Joaquim do Souza Leflo.
13 Dr. Domingos do Souza Leflo.
1* Antonio Pacs Barrlo.
15 Joflo Florentino Cavalcanti do Alliuquerquc.
16 Francisco Cavulcante do Souza Leflo.
Maranhflo.
hijo Pinheiro.
19 Jos Francisco Pereira da Silva.
-----......, .... ,. i .......1,1111' UW M.H/..I |,CT|
17 Manoel Ignacio de Alhuquerquu M
18 Antonio Berardo d'Araujo Pinhein
CCMMERCIO.
A lan liega.
RF.NDIME.NTO DO DA 18............. .1:605,352
Descarregam hoje, 19 de novembro.
Barca Nortul bacalho.
Patacho Andorinha mercaduras.
Briguc Armorique dem .
Patacho treeton idein.
Consulado.
ItFNDIMKNTO DO DA 18.
'er"l......................... 566,53c
l'l I !"'''
llovimeiilo do Porto.
M_
Kaviot entrados no dia 19.
Boston ; 56 das, briguc americano Chickisam, de
171 toneladas, capitflo Georgo H. Adams, equip.i-
gcm 7, carga gclo, fazendas e niais gneros; a L.
G. Ferreira & Companha.
Baltimore; 57 dias pelot-boat americano Mary-
Eleanor, do 138 toneladas, capitfio C. F. Rust, c-
quipagem 7, carga farinha, fazendas e mais gene-
ros; a II. Fosterc Companha.
Navio sahido no me$mo dia.
Baha ; hiate brasileiro Flor-do-Recife, capitflo Ig-
nacio du Fonseca Marques, carga varios gneros.
Passageiros, Sebastilo Antonio Cardoso, Archias
Pedro de Menezes, Carlos do Cerqaeira Piulo, Ar-
thur do Espirito-Santo de Menezes, Joflo de Ccr-
qneira Lima, Iticardo de Pinheiro de Vasconcel-
os, Jo;1o Jos de Olivera Junqueira Jnior, aca-
dmicos.
Maranhflo ; brigue-oscuna brasileiro Laura, capitflo
Antonio Ferreira da Silva Santos, carga varios g-
neros. Passageiros, Luiz Lopes Castello-Branco o
Silva, Leonardo Marcolino lo Lomos, Antonio de
Souza Mendes, llugulino A y res lo Fretas c Albu-
querque, Manuel Benicio Funtenelle, Antonio Pri-
mo da Cosa, acadmicos; Leopoldo de Souza
Martina, Carlos Augusto Bitancourt, estuilantcs.
Babia; barca americana Marij-Thereza, capitflo J.
M. Cookc, carga parte da que trouxe.
Trieste; escuna ngleza DtsUndts, capilSo Philip
Blampiede, carga assucar.
va Jofln Baptista da Rocha JoSo Corroa JoSo da
Cunta Cuimarfles, Joflo Cosme de Viveiros Joflo
DiasMoreira Joflo Esporante, Joflo Ferreira liarbo-
za, Joflo Francisco Lopes L., Joflo Francisco Reg
B. Joflo Goncalves Netto, Joflo Goncalves Pereira ,
Joflo Goes Soares, Joflo Jacintho SimOes, Joflo Jos
do Aguiar, Joflo Jos do Amaral, Joflo Jos Correia
da Costa Joflo Jos Duarte Cuimarfles, Joflo Jos
de Ranas, Joflo Jos Fernandos Jos Leal, Joflo Jos de Ollveira, Joflo Jos Forreira
Rapuzo Joflo Jos da Silva Cuimarfles, John M. Rey,
Joflo l.iai Moreira, JoSoLuiz de Carvalho, Joflo Luiz
Ferreira Ribero Joflo Luiz Machado Brandflo, Joflo
Luz de Oliveira, Joflo Luiz Ribero Joflo Luiz Van-
a Joflo Macedo, JoSo Marques Dias B., Joo Mi-
guel do Oliveira Joflo Manoel Cabral B., Joflo Ma-
noel Martns,\loflo de Oliveira, Joflo do Oliveira Avel-
lar, Joflo Pedro J. Souza Joflo Pedro de Souza, Joflo
Rodrigues le Moura Joflo Rogo B., JoSo Sou*a
Correia, Joflo da Silva, Joflo da Silva Cuidas, Jo.lo
Texeira de Souza, Joflo Tavares dos Santos, Joflo
Viveiros Patricio Jos de Azevcdo, Jos Alves Ale-
gre Jos Alves Xavier, Jos Alves Vianna Jos Al-
vesSales.M. Jos Antonio Affonco Jos Antonio
Forreira V., Jos Antonio Gario Jos Antonio Pe-
reira Jos Antonio Rapo/o, Jos Antonio Rocha V.,
Jos Antonio Silva Maya, Jos Borges de Castro, Jo-
s Bernardo da Silva, "Jos Baptista de Araujo, Jos
Baptista Lunguinhos, Jos Costa Moreira, Jos de
Carvalho Oliveira, Jos Coelho Neves, Jos Deperini,
Jos Duarte Coutinho Jos Domingos de Castro &
Campanilla Jos Domingues Gongalves Torres, Jo-
s Estoves de Amorim Jos Fernandos Coitos, Jos
Fcrnandes Silva, Jos Ferreira Cocllio Jos Ferrei-
ra Magalhfles Bastos, Jos Furlado do Rogo, Jos
Ferreira Santos, Jos Francisco de Azevedo, Jos
Francisco Malhorinho, Jos Francisco Souza, Jos
Guilhornie Malheiro JosGuilhermc Correia Bran-
dflo, Jos Goncalves Rodrigues, Jos Jacintho de
Carvalho, Jos Jacinlho Crrela. Jos Joaquim de
Aguiar, Jos Joaquim Aflonso, Jos Joaquim Alves
Cuimarfles, Jos Joaquim Costa Maciel, Jos Joa-
qun) do Lima Barflo, Jos Joaquim Maya Ramos
-- Deano Youle & Companhia farflo leilflo por in-
tervengflo do corretor Oliveira de avullado sorti-
mentodo fazendas inglezas, todas proprias do mer-
cado, sendo algumas averiadas: hoje, 19 do cor-
rente as 10 horas da raanhfla no scu armazem da
ra do Vigario. -
Avisos diversos.
A livrarla da esquina do Collegio admiti um
menino do 10 a 12 annos, quo salba primeiras let-
tras.
Arrcnda-se um armazem na ra do Vigario,
n. 22, multo bnm para socar assucar, ou para ou-
tro qualquer estabelecimento : a tratar no segundo
andar da mesma casa.
Apessoa que" quer saber a moradia do Sr. Dr.
Joflo da Rocha Hollanda Cavalcanti, e o lugar do in-
ventario dos bnns do finado Estevflo Rodrigues Du-
r ', dirija-sea ra do Livramenlo, n. 26, que acha-
ra de quem so informar a respeito das 6 as 8 horas
O DIDADOR N. 227,
- i- .* .- i i i a iu uutTin su iiiiiii iiirii .i iv:in;iii
refere em d.fforontesart.gos os sucossos da fregu-J^a maMt e das 2 as 5 da la'rde.
ziadoPogo; trata dos novos desembargadores, etc.1
Ninguem contrate a venda, ou faga outro qual-
quer negocio com Joaquim Candido da Cruz Siquei-
ra, sobre a luja de calcado sita no Attorro-da-Boa-
Vis, n. 88, porque o dito Siqueira se aclia devendo
algumas quantias, o uflo possuo outros bous, alera
da referida luja, c por isso lodo o qualquer negocio
que a tai rospeito fizer ha doloso, e de ma f, a mo-
nos
res.
que nflo se mostre quile com os seus credo-
Jos Joaquim Pereira, Jos Joaquim da Rocha Jos
Joaquim Ribero Poinbo, Jos Joaquim Soares,
Jos Joaquim da Silva Jos Joaquim da' Silva Cui-
Jos Luiz Corroa,
mariles.Jos Leite da
Jos Luz Fernandos.
Costa
(Continuar-se-ha.)
EDITA L.
Miguel Archanjo .Vonteiro de Andrade o/pcial da im-
perial orden* da Rosa, cavalleiro da de Chrislo e ins-
pector da alfandega de 'ernambuco, por S. M. o
Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no da 19 hoje) do corrente, ao
muio-dia, na porta da mesma, se ha de arrematar
cm hasta publica 0 seguinte : 2 canaps 3 marque-
zasdeoleo, 2 secretarias, 7 commodas, 288eadei-
las e 6 poltronas, no valor de 974,000 rs. ; ludo im-
pugnado pelo amanuense Domingos da Silva Cui-
marfles, na nota para despacho do Antonio Ferreira
Lelo Jnior : sendo a arreinalagflo subjeita a direi-
tos.
Alfandega, 17 de novembro de 1847.
Miguel Archanjo Nonteiro de Andrade.
IJoclaiarois.
Contratos a celebrarem-se com a thesouraria das rendas
provinciaes.
O do estabelecimenlo de urna linha de mnibus,
que, na forma da le provincial n. 191, do 30 do
margo ultimo, facilite o transito desta cdade para
qualquer dos seus arrabaldes e para Olinda.Rece-
ber-se-hflo propostas todos os dias, at que se ve-
rifique o contrato.
O da conslrucgflo de urna qarrcirn na' estada do
norte, cujas despezas se acham oreadas em 1:732,200
rs.--Os concurrentes a esse contrato devem de com-
parecerna secretaria da predita thesouraria a 19 des-
te mez, ao meio-dia.
Apprehensdes feilat pela polica.
Urna prcla quo declarou pertehcei ao padre Jos
Concalo. Acba-se recolhida cadeia desta cidado,
e deve de ser reclamada na subdelegada do Santo-
Antonio.
Cm cavallo ruco-pedrez, tomado a Joflo Gomes de
Matlos. Devo de ser reclamado na subdelegacia
dos Afogados.
O III m. Sr. inspector da thesouraria da fazenda,
achando-se autorisado pelo tribunal do tbesouro
publico nacional, para contratar o corte e condc-
elo para os armazens desta cidade, do tres mil
quintaos de po-brasl, manda convidar aos pro-
prietaros das Ierras que produzem este genero, e
se nf harem habilitados para contratar, na forma do
regulamento de 11 de Janeiro de 1842, para aprc-
sentarem as suas offertas em qualquer dia do ex-
pediente da dita thesouraria.
Secretaria da thesouraria da fazenda de Pernam-
buco ,"17 de novembro de 1847.
O ollical maior,
. Ignacio dos Santos da Fonseca.
THEATKO PUBLICO.
Domingo, 21 lo corrente a beneficio de Zebedco
Cezar, so representar a grande peca Branca o Fa-
liero,ou o concelho los dez, ornada do vistoso car-
ro trumphal, msica militar e tropa do cavallaria
para o triumpho com toda pompa c brilhantismo.
Rematara e espectculo com a linda farca o Pen-
cudo sonorctito.
ui!
cacos Litterarias.
PORTUGAL.
Lista geral das cartas existimes na adminislraco do
corrcio, entradas em lodo o mez de outubro findo.
(Continuado do numero antecedente.]
Jeronymo Antonio Luz C., Jacintho Coulo Fal-
eflo, Jeronymo Costa Cuimarfles c Silva Jeronymo
Cardozo Macedo G. Jacintho Carduzo Peres, Ja-
cintho Dias Pereira Jacinlho Ignacio Mai litis, Jus-
tino Joaquim da Rocha, Jacinlho Jos Botelbo,
Ignacio Jos Floro Jeronymo Jos Santos B. Ja-
cintho Pavflo .Jacintho da Poni Joaquim Antonio
Rodrigues, Joaquim Antonio Santos Andrade, Joa-
quim Correia,Joaquim Correia & Irmflo, Joaquim
H Al*hl M A llAltkn I_a _k -i T\ k ^ A 1 L Ilak_ ..."
Rccordacflodo anuo de 1842, pelo principe Li-
chnowsky traduzido do alleniflo segunda edieflo
correcta e inmolada.
O consumo rpido da piimeira edigflo, o a sua
procura por muitas pessoasque ficaram sem ella ,
induzio o traductor reimpressflo desla obra curio-
sa que conten a apreciado dos caracteres mais
nolaveis do puiz dos seus acontecimentos polti-
cos monumentos c lugares principaes feta por
esse principe priissano que all visjou em o an-
no citado. Um l'olheto do 220 paginas. Vende-sc
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Organon de Kahncmann ou exposieflo das dou-
trinas homcepalhicas, 2 v. pequeos ; Manual do
pe de familia do capitn do navio e lo fiizendei-
ro ou noticias elementares da bomoepalhia con-
lendo a aceflo dos 24 principaes medicamentos bo-
moepathicos, 1 v. : vende-sc por prego commodo,
na ra da Cruz, u. 1, segundo andar.
O Museu Pittoresco jornal recrcactivo c ins-
tructivo, com excedentes estampas, at o n. 21, por
prego menor do que a da assignalura : vende-sc na
ra da Cruz, n. I, segundo andar.
visos martimos.
Roga-se ao pai ou mfli de um menino quedisse
morava na ra Bella, venha entregar um carneiro
pequeo, quo o levbu no dia quarta-feira; e nflo o
fozendo, se declarara o nomee o modo por que o le-
vou la ra dasTrincheiras, da porta da casa n. 32,
pois que seconheceose vio quando o levou.
D-se 1:200,000 rs. a premio sobre hypothoca
em alguma sasa terrea, ou sobre algum sitio perto
la praca, ou mesmo sobre penhoresdeouro ou pra-
ta : na ra estreita do Rozario, n. 30, segundo an-
dar, se dir quem d.
Faz-se publico, quo ninguem podo fazernogo-
cio algum com Mara do Res da Conceigflo, nem com
seu lillio, Silvestre Joaquim da Silva, sobro urna mo-
rada de casa terrea na esquina da ra da Gloria do
bairroda Boa-Vista: e para que se nflo allegue igno-
rancia, se fazo presente.
0 aiiaixo assignado faz sciente ao publico, qu o
Sr Antonio Ferreira da Costa Braga Ihe he de.vedor
da quanlia de 54,518 rs., proveniente de ordenado
que venceu como scu caixeiro ; e nflo de 12,417 rs.
como despejadamente,diz om seu annuncio do Dia-
rio de Vernambuco, n:26l. Oannunciante vai recor-
rer aos meios competentes para haver o que adqui-
ri com suores e fadigas, o nflo ha de receber divi-
das inveteradas de indigentes, como a foriore Ihe
querimpingir o Sr. Braga, em pagamento de seu
trabalho.
Firmino do Reg Pacheco.
Precisase de um hornera que queira assentar
praga em primeira linha por outro, pagando-se bem
pago : quem e.stiver nestas circumstancias, dirija-se
ao Atterro-da-Boa-Visla,. no primeiro andar do so-
brado n. 49.
Sflo convidados todos os Srs. mestres do obras,
marceneiros, pintores, intalhadores, vidraceiros o
caiadores, para apresentarem suas propostas na
grande loja que se pretendo ratificar na ra No-
va, n.
Descja-se fallar aoSr. Dr. Jos Joaquim Firmi-
no Jnior, ha pouco chegado da ci Jado tic Goianna :
na ra da Cadeia do Recife, loja, n. 6.
- Precisa-so fallar ao Sr. Francisco Fcrnandes
para tratar de certo negocio : na ra Uireita, n. 80.
Hoje, pelas 4 horas da tarde, na ra Nova, por-
ta do Sr. Dr. juizdo civel da primeira vara, se ha de
arrematar um escravo de nome Joaquim : quem
quizer comparega, que he a ultima praga.
Hoje, s 4 horas da tarde, na ra Mova, porta
do Sr. Dr. juiz do civel da primeira vara-, so ha de ar-
rematar um sitio ecasa no lugar da Capunga, pe-
uhorado a Manoel Domingues Moreira : quem qui-
zer comparega, que he a ultima praga.
Aporta do Sr. juiz da primeira vara do civel
so ha le arrematar urna canoa grande deconducgflo,
boje 19, por ser o ultimo dia da praga.
Precisa-se de una ama para o servigo interno
de urna casa de pequea familia, que saiba bem en-
(.'ommar e coziuha o diario de urna casa : na ra
Imperial, n.25, ou annuncle.
Manoel Jos do Carvalho Guimarfles, subdi-
to porluguez, relira-separa o Rio-Grande-do-Sul.
Precisa-se de um escrevente para escriptorio de
advogado, que tenha muilo boa lellra, e preferc-se
rapaz que seja de 14a 20 annos : a tratar na praga
da Independencia, livraria ns. 6 e8.
Joflo Malheus embarca para o Rio-Grande-do-
Sul d seu escravo Thomaz, do nagflo.
i- Anda restara parase alugar, para se passar a
festa, 2 casas em S.-Anna, lugar muilo fresco e tran-
quillo ; a tratar no mesmo lugar com Joflo Venan-
cio.
Hoje, 19 do corrente na ra Nova, porta do
Sr. juiz do civel, pelas 4 horas da larde, se ha de ar-
rematar urna venda com todos os seus pcitences ,
sita na ra do Vigario, n. 33, penhorada a D. Cla-
ra da Silva Ramos.
Segunda-feira, 22 do corrente porta do Sr.
doutor juiz le orphflos, no Alerro-da-Boa-Visla e
as horas do costume se ha de arrematar, por ser a
ultima praga o pelo lempo de um anuo u sitio
no lugar do Caldeireiro que foi do finado Pereira ,
da alfandega o boje lio do menor Alvaro, com boa
casa de vivenda conlendo na frente urna san o dous
gabinetes, sala atrs o dous quarlos, dispensa ,
grande casa para janlar, grande cozinha um boni-
to copiar adianto e outro pela parle de detrs co-
bcrlo, um solflo com um grande salflo dous quar-
los separados da casa cocheira estribara galli-
nheiro lous quartos, cacimba com bomba o tan-
que : o sitio lein rento o lanas larangeiras sendo
urna grande parte de embigo,e mais arvores de
fructo
O Sr. F. P. G. S. queira ter a bondade de, no
prazo de lies dias, mandar pagara J. G. P. a quan-
lia de 15,000 rs. que Ihe he devedor ha 5anuos in-
completos ; e se o uflo lizer, se publicara o seu no-
Pede-se ao curioso que mora""1 na
ru i da Cadeia do Recife e que bota os
fundos da casa para a ra da Senzalla-
Velhi, que se deixe de incommodar a
vizinhanca ateas n horas da noite com
a sua enfadonha clarineta; pis que, do
contrario,se recorrer a outros meios que
o ho de fazer calar.
Aluga-se urna metade de urna casa terrea, com
muilo bons commodos para urna pequea familia,
e com porlo para o mar: na ra da Imperial, arma-
zom de sal, n. 71.
Aluga-se a casa do sobrado de um andar sita
na ra da Uniflo, junto a casa em.que csteve o col-
legio S.-Antonio a qual, alm dos bastantes com-
modos que offerece, tem bella vista, muilo fres-
co bom quintal, cacimba o um rnelhor parreiral:
a tratar no Recife, com Jos Gomos Leal.
O secretario la irmandado de N. Sfido Livra
ment por ordem da mesa e pelo presente, con-
vida a todos ss irmflos para que compar'bgam no
consistorio la lila irmandnde no dia 21 do corren-
te, as.'! horas da tardo atlm deque, reunidos em
mesa geral possam eleger o novo juiz que tem de
reger esta irmandade para o anno de 1848.
Deseja-se fallar aoSr. Jos Pinto, que ha lem-
pos veio do Porto na barca Espirito-Santo a riego-
ci de interesse : e-como se nflo sabe a sua residen-
cia, ou so suppo que^est fra desta provincia,roga-
se a quem souber noticia desteSr., de dirigir-so a
ra do Vigario, n. 8, que por esto obsequio ser-lhe-
ha grato o pretendente.
Offercce-se urna parda jde idade crescida, nflo
s para o servigo de casa como igualmente pa-
ra compns de ra ; a qual sabe cozinhar, engom-
mar e fazer os mais,arranjos : quem de. seu presu-
mo se quizer ulilisar dirija-se a ruada Senzalla-Ve-
Iha, n. 100.
Hoje, 19 do correlo ha arrematagflo judi-
cial, por venda, do um sobrado de meia-agoa, do
3 andares, na travessa do Encantamento no bairro
do Recife; de duas moradas terreas na ra do Azeite-
de-Peixe,e de um sitio na estrada do Joflo-de-Burros;
por execugflo pendente no juizo do civel.
AVISO GERAL.
d Joaquim Francisco de S.-Rita Joaquim Jos
de Almeida Pinto Joaquim Jos da Costa Leilflo ,
Joaquim Jos Dias Pereira Joaquim Jos Ferreira
de Araujo Joaquim da Lingota Joaquim Moreira
Dias, Joaquim Marques Santos Souza Joaquim
Marques Ferreira Reis Joaquim Marlins Ferreira
Ttodriguos, Joaquim Martina, Joaquim Pereira Lima,
JoaquimPorcira Ramos, Joaquim Pereira dos San-
tos .Joaquim da Silva Ferreira Vinhas, Joaquim
relespboro Lopes Vinhas, Joaquim Torres Pitta ,
Jofloznho, Joflo Alberto de Souza, Joflo Antouio da
Cunba Reg, Joflo Antonio Fernandos, Joflo Antonio
deMagallifles A., Joflo Bernardino B. G. Joflo Bu-
A barca portugueza Espirito-Santo sabe para a
cidale do Porto com a maior brevidade possivel ;
quem na mesma quizer carregar ou ir do passagem,
dirija-se ao consignatario, Francisco Alvos da Cu-
nda, na roa do Vigario, n. 11, ou ao capitflo lia j me por extenso, e igualmente os meios que se teera
praga do Coinmercio. usado, dos quaes ne.ihum at o presente tem piodu-
Para o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o pata- i zido effeito.
cho Emiliana, o qual pode receber alguma carga j Precisa-sede una ama de casa de bons cos-
iima pequea familia : na ra da Cruz,
18.
O desembar[ador Siqueira,
leudo de relirar-se para a corlo no vapor I'araense,
:quo breve deve chegar a esto porto, u nflo pudendo
Fox Rrolhers farflo leilflo. por intervengflo do espedir-se pessoalmente de todas as pessuas de
corretor Oliveira de um sortimento de fazendas in- 'sua amizade c affeigflo, o faz por molo dcsloannun-
glezas, todas proprias do mercado: terga-feira, 23 ci, pedindo-lhes desculpa ; eao mesmo lempo a-
Carvalho Moura, Joaquim Dias da Silva, Joaquim I miuda e esclavos a frete : quem pretender enten- turnes para i
Ferreira Calreno, Joaquim Ferreira Souza Jacaran-lda-secom Amorim Irmflos na ra da Cadeia, n. 45. \ no Recife n.
l-j'O. S.
\'jr- r-..
,Ji, ,.' 'o B^Maia l!i.ni7"X.'fl2 ten\0 MocbV JoaPnlra : sabbado, 20
Jnln taniu ?X* J i "T^. ""agU/ u,li'r "'""3., por cima do
Joflo Baptista de Macedo Joflo Baptista Paulo Sil-'Cadeia.
do corrente s 10 horas da raanhfla no seu ar-
mazem da ra da Cadeia do Recife.
A. S. Corbetl far leilflo, por intervengflo do
corretor Oliveira, de urna linda collecgflo de pintu-
ras Oin qualros, e estampas (nissimas, ludo proprio
dos entendedores da arte de
do correle, s 10 horas la
seu escriptorio, na
gradece a todos os bons Pernambucanos o benigno
aculbimento que Ihe prestaram.
Hoje, 19 do corrente, porta do Sr. doutor
juiz do civel da primeira vara na ra Nova pelas
4 horas da larde so ha de arrematar urna casa ter-
rea na travessa da S.-Cruz, n. 1, avahada pelo di-
minuto prego de 700,000
O dentista e sangrador Jos Anccleto,
muilo conhecido, e morador na ra estreita do Ro-
zario, junto i groja, casa terrea n. 7, na rreguezia
de Santo-Antonio desla cidade do Rocife, faz scien-
te a todos os habitantes, e com especialidade aos
moradores das comarcas, villas e povoagfles e
igualmente a todos os propietarios de engenbos,
agricultores, senhores de fabricas e a todos os mais
chefes de familia e de casas de edocagflo, que elle
recebeu de Franga, ha pouco, urna grande porgflo de
paraguaroux, calmante odontalgico, composto por
M. Roux & C, pha ni i aren ticos, como um dos* reme-
dios mais eflcazes, quo nos eonhecemos para a-
placar ou destruirs mais violentas dores de denles,
produzidas por carie ou por qualquer outra affecgflo
da bocea, o.qual eu cnsino por um impresso um no-
vo metbodo de se applicar por quatro ou seis ma-
neiras, em qualquer urna das odontalgias, ou
mal dos denles. F.sle remedio goza de gran-
de crdito em Paris, o he o rnelhor especifico
que ha nesta provincia para aplacar, ou destruir as
mais violentas dores do denles, priucipalmente pelo
novo mclhodo de sua applicagflo, Vende-se cada
frasco por 10,000 rs.,|ior nao haverem por ora outros
mais pequeos ; cniim, para este remedio chegar
para todos, vende-se lamhem quantidade sufllci-
enle por 2,000 rs., trazendo cada um seu vidri-
nho com rolha ; c applica tambem radicalmen-
te esle remedio todas as pessoas que forera a sua
casa com dores do denles; porcada applicagflo, ou
tirar delicadamente o dente ou raz, sendo preciso,
1,000 rs.; chumbar um dente com metal branco,
I a 2,000 rs., o chumbar cora ouro, sendo preciso,
4,000 rs.; apartar pcrfeitamonte os quatro ou seis
denles incisivos e caninos do queixo suporior, 6,000
rs.; esta operagflo he muilo precisa a qualquer pes-
soa, lauto aos infantes como aos adultos, porque
previ ne os denles de seren cariados pBra o futuro, e
aformoza muito a arcada dentaria. Vendem-se tam-
bem limas prorrias para estas operages, a 1,000 rs.
cada urna. Vende-se lamhem metal branco, tanto
cm folha, comofusivol, quantidade suflicienle para
cada um chumbar seus denles furados ou cariados,
e um instrumento proprio para estas operagOes, por
3,000 rs.; c ouro, ou platina, quantidade suflicienle
para cada um chumbar seus denles furados ou ca-
riados, por 6,000 rs. Esta operagflo he tambem muito
precisa a qualquer pessoa, porque previne para o fu-
turo as dores le denles, escusando cada um cha-
mar um dentista para estas opcragOcs tflo simples.
Precisa-so de 5000,000 de rs. a premio, com
hypotheca em predios livresedesembaragados nes-
ta praga a contento da pessoa que der dita quan-
lia : a tratar na ra do Agoas-Verdes, n. 46.
O doutorCasanova medico francez, contina
a receitar em sua casa na ra Nova 7, primeiro
andar, delrontedo oitflo da matriz de S.-Antonio ,
das 7 as 9 horas da raanhfla, o depois disto, est
prompto a qualquer hora para fazer visitas a qual-
quer doento que de seu prestimo so quizer ulilisar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado de va-
randas de ferro na ra da Guia n. 64, com hons
commodos para morarem duas familias : a tratar na
ra larga do Rozario, loja de niiudczas, n. 32.
Um eslrangeiro se propOe a dar ligues do deso-
nhoe escrever, tanto na lingoa allenifla como na
franceza e na ingleza: quem de seu prestimo se qui-
zer ulilisar, dirija-se a ra do Torres, n. 46, primei-
ros andar.
~ Precisa-se de urna pessoa quo se eucarregue de
tomar conta de urna rreguezia d pflo ajudando
lainbem a algum servigo : na ra larga do Rozario,
padaria n. 48.
Jos Ribero da Fonseca relira-se para a Eu-
ropa a tratar de sua sade.
Quem tiver urna burra parida qne a queira alo-
ra. como consta do es-
rua dajcriptocn poder do porteiro Sena-Grande: quem jgar para so tirar leite, dirija-sea ra Nova, n. 28,
, a pretender comparega, que he a ultima praga. | loja de selleiro de Antonio Forreira da Costa Braga.


!%!
"X

I
AO PUBLICO.
Em mui crescido numero contavam os mdicos
at agora molestias incuraveis, contra as quaess
era permitilo ao paciente rosignagflo para soffrer
um mal de queja nflo havia esperangas de podr.Ii-
berta-Io, e ao medico philantropico a dr de ver
milito de seus somelliantes victimas do enfermida-
des, contra as quaes so declarava impotente, pu-
dendo apenas lamentar a Traqucza da intolligencia
l(iunana. Mas, grabas aos progressos da medicina,
grabas ao zelo de homens iucansaveis, que, nflo des-
esperando da perfortibilidade da scioncia, so teem
dedicado investigagio do remedios que possam
alliviarhumatiidudo do alguns males quo anlli-
gem, o numero das molestias reputadas incuraveis
." vai dediaem diadiminuimlo. Assim, achar depois
'de longos trabalhos, de profunda meditadlo o reite-
radas experiencias, medicamentos quo nos restituam
o uso dos iloiis mais importantes sentidos de que
"he dotado o hornera, quauu estes j se nchavain no
' upposto estado de incurabilidado o inteiramente
perdidos, he por certo um dos maiores servicos, que
se podia prestar humanidado ; eis o que estava re-
servado um homem pbilantropo da cidade de Bra-
ga, em Portugal, cuja sciencia, cujo amor de seus
scmclliantcs se tem feito geralmenleconhocer. s
remedios que ora ofTerecemos ao publico, nflo en-
trara na classo daquelles que o avidoe ousado char-
latanismo inculca com roucos e descompassados
brados, e quo o crdulo vulgo, por ignorancia, rece-
be na boa'f e sem disccrninento, achaudo-se de-
pois Iludido; tem, porin, de oc; upar mui distincto
lugar entre os medicamentos, quo maiores hendi-
eras prestara ao homem : constara elles da dissolu-
Cfloaquosa de extractos de plantas medicinaos, do
virtudes mui reconhecidas e voncadas. longo li-
so, as continuadas c soveras experiencias, a que por
toda a parte teem elles sido submcttilos, sem que
nina s vez hajam falliado era seus bons effeitos, e
desmonlido as osperancas quo sobre ellos havia fun-
dado o scu inventor, Ihe teem grangeado constan-
tes o repetidos elogios dos mais sabios e respeita-
veis mdicos, assim da Europa, como da America,
que unsonos abonam e proclamara sua acgflo sem-
pre corta e benigna. Um deslos licores he destinado
a combater as molestias de olhos, e lem por princi-
pal vlrtude restituir aos orgflosda visflo suas func-
gOes ; reanimar e fazer reapparecer em sua natural
perfoigflo. vista, quaudo esta estiver fraca ou quasi
extincta, com tanto, porm, que nao baja cegueira
absoluta cora desorganisagflo das partes ; nao mo-
nos til e enrgico be para desfazor as cataratas,
destruir as nevoas e de prompto debelar qualquer
inflarainac.no ou vermelhidflo dos olhos. Nflo causa
dr, nem ostimulo na parte.
outro liquido restilue a facuidade de ouvir os
sons ao ouvido tocado de surdez,' ainda que invete-
rada, urna vez quo o mal nflo seja do nascenga, sem
causar em lempo algum o menor incommodu ao do-
ente, e sera priva-lo de cuidar era seus negocios.
LOTERA
*
S
1)0
Hospital Pedro I i.
Tendo mostrado a experiencia que as grandes lo-
teras sito actualmente difficeis de correr nesta pro-
vincia, por este motivo assentou a administraran
dos estabelecmentosde caridad.) dividir em cinco
partes a de 100:000,000 de rs., que pola lei provinci-
al n. 165, de 17 do novembro de 18*6, Ihe foi con-
cedida, para ser exclusivamente appllcado o seu
producto edicagflo do um novo hospital de cari-
dade no lugar dos Coelhos, sob a honorilica dono-
minac.no de Hospital de Pedro 11--, cujo plano
foi competentemente approvado, e adiante vai trans-
cripto: o j se achara a vendaros respectivosbilhetes
no bairro doRocife, ra da Cadeia, n. 24, loja de
cambio do Sr, Vieira ; no bairro de Santo-Antonio,
ra do Cabuga, n. 11, botica do Sr. Joiio Moreira
Marques, na pracinha do Uvramento, n. 51, loja do
Sr. thesoureiro, Manoel Forencia Alves de Moraes, e
na ra do Livramenlo, n. 22, botica do Sr. Francis-
co Antonio das Chagas.
PLANO
para urna quinta parte da primeira lotera concedida a
administrardo do% estabelecimentos de raridad/- para
a idificaedo do Hospital de Pedro II.
2,0000 Bilhetes a 10,000.....
I-J I por rento do lien i lirio do
hospital.....2:400,000
8 porcento do imposto da fa-
zenda publica 1:600,000
2:000 verbas do sello a 150 rs. 300,000
1
1
1
1
9
4
8
16
32
476
Liquido.....
Premio de......5:000,000
Dito de.......2:000,000
Dito de.......1:000,000
20:000,000
4:300,000
15.700,000
Dito de
Ditos de.
Ditos de.
Ditos de.
Ditos de.
Ditos de.
Ditos de.
instiiuccOes par o uso dos rkmeoios.
O dos olhos emprega-se do modo seyuinle :
O doente, pela manhfla, em jejum, urna hora pou-
eo mais mi menos depois quo erguer-se do leito,
tomar sobre a palma da inflo pequea porco da-
quella agoa ; e cora ella mol liara bem os olhos, fa-
zendo quealgum/isgottas caiuin sobre o globo oc-
cular: sem os lilnpar, os conservar molhados at
que naturalmente enxuguem : ao deilar-se noite
praticar o mesmo : durante o tempo que usar do
remedio evitar o calor, acgflo do fumara o o vento ;
far abstinencia de comidas salgadas, azedas e adu-
badascom especiaras.
Oremedio dos ou vi dos ser applicado do modo que segu:
O doente, pela niaulia, una hora pouco mais ou
menos depois de erguor-se, ainda em jejum, far
derramar dentro dos ouvidos quatro ou cinco got-
tas do liquido, tapando-os depois com algodflo em
rama ; noite ao deitar-so repeina a inesma ope-
raran. Durante o uso do remedio evitar expr, os
ouvidos principalmente, a acgflo do calor cd ven-
to, aflin de evitar grande transpirado, havendo cui-
dado em nao moldaros ps era agoa fra ; (nal mente
dove abster-sc de comidas salgadas, azedas o adu-
badas.
Estes remedios esto a venda na botica do Bar-
tholamco Francisco de Souza, na ra larga do Ro-
zario, n. 36, nico deposito em Pernambuio, pelo
prego de 2,240 rs. cada vidro.
i Jos Pradines, culileiro, previne
os seus freguetes, que muiiou-seda ra
lo Caluma, ii. i a, para n na luga do
Ito/ario, amigamente dos (Juarteis, junto
a botica do Si. Jos Alaria Hamos, o. i4,
e que setnpre o acbaro prompto para fa-
zer quaesqnei ohras concernentc-s ao seu
oflicio; assim como tatnbem que contina a
amolar as tercas, quintas e sabbados de
cada semana : tudo com perfeicSo e bre-
vidade.
250,000
125,000
60,000
30,000
15,000
10,000
500,000
500,000
500,000
480,000
480,000
480,000
4:760,000
542 Premiados.
1:458 Brancos.
Somma
15:700,000
JA
2:000
pos de sol, com'sedas de todas as cores eialida-
des. \a inesma casa ha um grande sortimt^o de
panninhos trancados e lisos, imitando seiffl para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vende aretalho.
Concerta-se lodo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento de todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfeigflo e brevidade.
Em Fra-de-Porlas, ra Pilar n. ni,precisa-so de
ura caixeiro portuguez que tenhalOa 12 aunos, o
que d liador a sua conducta.
Ainda eslflo para se alugar as casas terreas ns.
25 e 29 sitas prximas a Donte do Manguind, as
quaes teem hons commodos, com quintal murado ,
porto de embarque e una dcllas lem vivoiro de
peixe o se alugara por preco milito enmurado : a
tratar com Manoel Pereira Teixeira morador pr-
ximo quelle lugar.
Igreja do Corpo.Santo.
A mesa regadora da irmandade do SS. Sacramen-
to da igreja de S.-Fr.Pedro-Gongalves convida e ro-
ga a todos os seus irmflos bajara de comparecer,
domingo, 21 do corrente pelas 3 horas da tarde,
na sua respectiva igreja, para em corporagflo, como
he de coslume, e com aquella decencia que llio he
devida soguirom a matriz de S.-Antonio alim de
acompanharcm dall a procissflo solomno de Corpus-
Chnsti, quo tem de sabir daquella matriz nesse
dia, pelas 3 horas da tarde impretervelmento por
ordem de S. Exc. Itevm. Saliendo a mesa regedora,
que m ii i tos dos seus irmflos teem capas era seu po-
der Ibes roga por obsequio hajam de comparecer
cora ellas para dito fim, atienta a precisflo era que
a tal respeitose acha a dita irmandade, porque as
novas quo ltimamente so mandaram fazer, certa-
mente nflo ebegarflo para um grande numero de
irmflos que nesse dia fervorosamente devem com-
parecer.
Aluga-se, pelo lempo de cinco mezes, (durante
oaclual verflo) o sitio da Ponte-dc-Uchda, chama-
do do Meia-Dobla, o qual tem boa casa de sobrado,
grande oxtensflo de terreno com umitas e di He-
rcules arvoreg de fruclu, boa agoa de beber o urna
grande c fresca baixa de capim do plaa ; o se a lu-
ga tudo por preco inuito coinmndo : a fallar da ra
Nova,loja do fcrragpns, de Teixeira & Andrade.
Lptecia do Ri-de-Ja eiro.
Aos 20:000^000 de rpis.
Na ra da Cadeia do Recite, loja do cambio do
Vieira, eslflo a vc*da.;bHiotps e meios ditos da lo-
tera a beneficio do. thcatr de San-Podro-de-AI-
cantara. Estes bilhetesftflq rubricados por Viei-
ra da Silva. ,
liman (i
.es flo
na
i
do
Compras.
Dao-se fo'ooo is.de gratmeacao,
e se pagarito todas as mais despe-
znsque se tenbain feito, a quem
dr noticii do cabocliulio escla-
vo poi notne Vicente de seis
annos, pouco mais ou menos, sec-
co do corpo; lem no anus duas f-
tidas de liulus, e he um tanto le-
so, por ser novato tiesta praca; le-
vou vestid* camisa de aigodao da
lena um tinto soja ; d'seneami-
nhou-'se da ra do Vicario, n. i^,
anude se poder dirigir a pessoa
que sonlii r, ou ra di (Jadeia
do Becile, n. 21
N. B. Os premios de um cont do ris e dah para
cima sofTrero, no acto do pagamento, o descont
dos 8 por cento do novo imposto a favorda fazenda
publica.Approvo.Palacio de Pernambuco, 9 de
abril de 1847.P/nfo Chichorro.Conforme.
Francisco Xavier e Silva,
Oflicial-maior interino.
O Sr. thesoureiro desta lotera julga prudente nflo
marcar anda o dia para sua extraeflo, alim de nflo
ser preciso repeli-lo, o que do certo faz desalentar
os primeiros concurrentes.
lie a olhos vistos que sotnelhau'.u estabolecimonto
serve de patrimonio e asylo bumanidade desva-
lida, e que o actual hospital de San-Pedro-de-Al-
canlara, pela sua pequenhoz, nao tem capacidade
para adinittir contenares de desgranados enfermos,
que continuadamente imploram beneficencia e elu-
vio a seus males, e nflo podem ser atlendidos pela
raaior parte ; e assim iieam cxposlos a todos osef-
feilos da extrema indigencia, pela nenliunu pro-
tccijflo publica que ha ; tanto mais altcndendo-se
grando populacflo desta provincia, tflo rica e tflo
falla ainda de soccorros pblicos /.'! A'visla do expos-
to, qual ser o coraao bemfazejo o verdadeilamen-
te religioso, que seja indiffereute aos reclamos da
misera bumanidade, e que de bom grado se nflo
preste a esta tflo pa inslituico, desaliando deste
modo o zelo e a protec<;flo da assemblca nacional
qual a mesmaadminstracflo recorreu para que liou-
vesse de sentar as loteras deste estabeleciipeiito
dos impostos que por leis geraes sflo ubi igadas a 8a-
tisfazer, aini do ver-se felizmente executada a lei
creadora do novo hospital. Recifc, 9 de novembro do
iW.Joo Francisco basto; escrivflo.
Lima, alfaiate,
na ra do l.ivramento sobrado n. 1 precisa do
bons oficiaes de seu oflicio e de coslurciras.
Jos Piadines, culileiro, previne a seus fregue-
zes quemudou-se da ra do Cabug, n. 12, para a
ra larga do Rozario n. 26, junto loja do Sr.
Thomaz de Aquino Fonseca, e quo semprc est
prompto para fazer qualquer obra de seu oflicio, e lj0 Rozario
contina a amolar s tercas, quintase sabbadosde
cada semana.
Precisa-sc de un Caixeiro que entenda bem do
miudezas e que d fiadora sua conducta : na run
da Cadeia-Velba, loja de miudezas n. H.
Precisase de urna ama de boa conducta para
casa de homem solleiro : na ra da Cadeia do Re-
cito n. 29, terceiro andar so dir quem precisa.
Compra-se um balc.no o taboas que rbeguem
para armaran de urna pequea venda ; assim como
alguinas medidas, pesos e holanda, sendo por preco
commodo : na ra do Queimado, 11.18, priineiro an-
dar, com entrada pela ra do Rozario.
Compra-se um sellim para montana de senbo-
ra estando era bom estado : na ra da Cruz, no
Rccife, n.48.
Vendan.
Vemdem-se listas dos premios da segunda parte
da 17." lotera a favor das obras do theatro : na pra-
ca da Independencia, livrara, ns. 6 e 8.
Vendem-scS escravos, sendo : duas
pretas e duas pardas, de ^o
A
anuos.
boas lavadeiras, custureiras, e que coz-
nlian o diario de um.i casa ; tres pardos,
sendo um de i(> anros e dous de ao a
3o; 11111 niolequc, de 12 anuos t na ra
do Crespo, n 1 A, se dir quem vende
Vende-sc um lindo niolequc de 13 anuos, na-
tural desta cidade, ao comprador se dir o motivo
por que so vende : na ra estrella do Rozario, pri-
ineiro andar, n. 31.
Veiidem-se 42 pipas abatidas, e
saccas rem atroz pifado, por
ronta ; na rta da Cadeia do
Santo-Antonio, 11. if>.
nas d'oleo
"1
pceo em
Limo de
em latas pequeas, vendem-se noarmazein kmauu& Rosenmund, na ra da Cruz, n. 10.
Y (Iros para os cilio,
de varios tamaitos vendem-se no armazcm de
Kalkraann & Rosenmund, na ra da Cruz, 11. 10.
Vende-so nina cadeira de arruar, das raclho-
res desta cidade, envidracada e forrada de damasco,
quasi nova, c por preco commodo : na ra do Que-
nadn, 11. 18, priineiro andar, com entrada pela ra
Aencao
?
~ Aluga-sc urna morada de casa parase passar a
fesla, na biqiinha do S.-Pedro-Martyr da cidade de
linda 11. 2, com 4 quartos, mirante cozinha f-
ra quintal murado com cacimba e tanque para ba-
ndo, e bastante fresca
nlia da inesma cidade ,
Na loja da ra dd Queimado, n. 30, de Jos Jo.a-
quim de Novaes, contina a haver um sortimento
de obras feilas ; chapos de todas as qualidades ;
ditos para meninos e meninas ; ricos chales deseda;
mantas de seda ; lencos de todas as qualidades; e
otilros niuitos objectos que ha para vender.
Quem ti ver urna preta para alugar, que saiba
cozinhar, engominare fazer todo o mais servico de
urna casa, e que d fiador a sua conducta dirja-
se a ra da Aurora n. 20.
3g CH \ PlOS DE SOL
Ra do i*as8eo+IJHblco, ti.
5.
Joflo l.oubct participa ao respetavel publico, que
receben, por esles ull irnos navios france/es, um com-
pleto sortimento de chapeos de sol, de seda, amis
rica o superior qualidade; furta-cres e outras raui-
tasconhecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo estabelecment ha um sorti-
mento de chapos de sol de paninbo, dos mais mo-
dernos; ditos rauito grandes, proprios para homens
decampo: tambero tem chapos do sol de paninho
para meninos o meninas, por seren omito finos: po-
dem-sc chamar chapos de economa. Na mes na loja
atratarna ladeira da bqui-l ha sortimento de bengalas, bengalinbas e chicotes
n 17. I muito modernos; cobre-se qualquer armaeflo de cha-
Vemdem-se, no dislrcto da villa do Bananci-
ras, na provincia da Parabiba do Norle, as seguin-
tes torras proprias para planlacOcs de algodflo o
ciinnas de assucar, a saber: um sitio com meia egoa
de Ierra, denominado Alagoinia ; um sitio cora
urna engenhoca e casa de vivencia, dei.omini.do Ba-
copari prpria para dar caimas de assucar, que
foi do finado Joaquim do Reg Toscano c Brito, e
era parte do sitio Po-d'Arco ; una parte do trras
no sitio Cannabrava, muito propria para prodcelo
de eannas dcassucar, tendo propor^ies para se le-
vantar ura engenho ; uraas tenas denominadas
Sitio-Novo, em Callabougo, com urna casa gran-
de de vivonda, senzalla para escravos, prensa para
encaca algodflo c outros pertences para desraro-
Cainento do mesmo genero, que foram tle Francis-
co da Cimba Rbeiro: sflo proprias para plantacao
de algodflo, ou para criaijflo de gados. Quem as
quizer comprar Uirija-se naquclla villa aocapitflo
lislevflo Jos da Rocha, ou na cidade da Parabiba, a
Josl.uiz Pereira l.ima.
Casimiras elsticas C finas, a
7^000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas finas o
de cOres, pelo baratissiino preco de 7,000 rs. o cor-
te de calida. Esta fazenda be recoramendavel pela
sua qualidade tanto em fazenda como em gostos ,
porserem os mais modernos; casimiras pretas ,
superior fazenda por scrcm muito finas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, loja n. 1.
Chegucii), que eslose aca-
ba ido
1,280 Th. e
Na loja ti tunero 17 da
^isseio'-PiiMi'o,
vendem-se cortes de cambraia .de cores Anas, com
6 e meia a 7 varas, a 3,940 2,560 m.'; ditas muito
finas, a 560 rs. a vara ; corts das'milito; lindas prjn-
eczinas, a 12,000 rs.; mantas tle'seira,', muito ricas,
a 10,000 rs.; diales de seda, muito rieds, a 14,000 rs.;
chitas (nasa 120, 140,160, 180, 200 e 2to;rs.,emUitO
finas a 280 rs.; lirios de hubo de quadrds elistras,
muito lindos padrOes, a 640 rs. a vara; lencos gran-
des de seda para grvala, c bons em qualidade, a
1,280 rs.; mantas de seda para grvala de homem, a
2,000 rs. ; corles de collelc de Ifla o seda, a 320 rs. ;
ditos do fustflo, a500rs.; ditos de velludo deco-
res, a 3,000 rs. ; ditos de gorgurflo de seda de co-
res, a 3,000 rs. ; ditos do gorgurflo de Ifla o seda, $)
1,000 rs.; loncos brancos arrendados, para mSo do
senhora, a 210 rs. ; chales do Ifla da Escocia, a 2 560
rs.; ditos de Ifla cora listras de seda, a 3,000 ris ;
alpaca cor do caf, a 640 rs o covado ; dita muito fi-
na preta, a 1,440 rs. O covado; pecas de raadapolflo
muito finas, com quatro palmos, a 4,000 e 4,500 rs ;
cassa lisa a 210, 400, 480 e 560 rs'. ; pegas de algo-
daozinhO com 18 jardas, a 2,000 rs. ; chales de cas-
sa escura, aClOrs.; merinos muito superiores, a
1,600, 2,H00, 3,201), 3,500 e 4,000 rs. o covado ; cor-
tes de chita cora dez covados, a 1,000 rs. ; ditos linos
com 10 ditos, a 1,800 rs. ; ditos ditos com 14 ditos,
a 3,500 rs. ; ditos de vestido de cassa com barra, a
5,000 rs e outras militas l'azendas por precos cora-
modos.
Ariit.iravcis nava-
I lias ele ac da China
que teem a vantagem de corlar o cabello sem oflen-
sa da pello, deixando a cara parecendo estar na
sua bullanle mocidade.
Este ac vera exclusivamente da China e s nel-
le trabalhaiii dous dos melhores o mais abalisidos
cutileiros da nunca excedida e rica cidade de Pe-
kim, capital do imperio China.Autor Shan.
N. B. He reconhecido o uso destas navalhas
raaravilhosas por todas as sociedades das scicn-
cias raedico-ciiurgicas, tanto da Europa como da
America Azia e frica, nflo s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas tambera como um mcio cos-
mtico.
Vendem-se as vordadeiras s na ra larga do Ro-
zario, n. 24.
Vendem-se eneites de l'roro de di-
versas cores para cibecas de senboras :
na loja de Maya liamos & C, ra Nova,
n. 6.
Vende-sc ura negro perito oflicial de sapateiro,
de idado de 20 anuos, e una negra cozinheira, cos-
tureira, lavadeira e engommadeira, de idade de 22
anuos pouco mais ou menos : na ra estrella do Ro-
zario. ii. 43, secundo andar.
a ra do Crespo,, loja n. 12,
de .los Joaquim da Silva
Haya,
vendem-so muito lindos chapos para meninas ,
tanto de se.la como de palhinha ebegados ultima-
mente de Pars ; chapos de seda para senhora ;
crtesele crarabraia de seda.de ricos gostos por
prego muito commodo ; cortes de vestidos de cam-
braia e cassa-chilas de diflerenles qualidades, por
presos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 c 2,500 rs. cada corte ; mantas do
seda e Ifla para senhora das mais modernas quo
teem vindo a esta praca, a 5,000 rs. cada urna ;
mantas chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca preta a 800 e 1,600 rs. o covado;
pannodrlindo, a 400 rs. a vara; casimiras fran-
cezas e elsticas para caigas, a 5,000 rs o corte;
fustoes; setins e velludos para collete por prego
muito em conta ; bem como um sortimento de ou-
tras nimias fazemlas que se vondem pelo barato.
(Va ra do Trapichea n. 34, ar
mazeni de JM. Heinel, vnde-
se o seguiule:
Salarao fresco ; presuntos de Westphalia ; licores
superfinos e superiores a todos que teem chegado an-
tigamente; curavflo verdadeiro de llollanda ; an-
chovis muito frescos ; absintho da verdadeira mar-
ca e kirschwasscr da Suissa; werniouth ; fructas
era ago'ardente ; conservas petitspois esardinhas;
ditas inglezas em vinagre : tudo isto chegado no ul-
timo navio da Europa : assim como todas as quali-
dades de vinhos, argo'ardentes, conservas do carne,
etc ; charutose uiuitos outros objectos de superior
qualidade c por prego commodo.
i, Jfciamj
@ ##;# # B&wwm
os s'patiies de be/erro para homem
bengalinbas para passeio, a 320 rs.
Boa-Vista loja o. 78.
i
m
(0)
Vendc-se um bonito raolecote de 18 an-
nos, do bonita figura, hora cozinheiro e
copeiro, ptimo para qualquer casa es-
trangeira, sem vicios nem achaques; u-
ma mulalinha de 13 anuos, cora rauito
bons principios de habilidades c que he
recolhida; tres pretas rauito mogas com
algunias habilidades, c quesabem vender
na ra : na ra do Vigario, n. 24 se
dir quem vende.
Remedio prodigioso para os
embriagados.
Este remedio torna-sc mui apreciavel por ser sua
composigflo mui simples, o nao arruinar a sade do
no Alerro-da-1 individuo, fazendo-o aborrecer para sempre a be-
I bida.'"Vende-se na ra da ('.loria, n. 87.


^
'!
,fc
K
Vendem-se 3 escravas sendo : tima preta pe-
rita cozinheira e boa engommadeira ; urna dita
que cozinha o diario de urna casa he boa quitan-
tandeira e vende miudezas.; uina parda propria pa-
ra todo o servido de irna casa do familia oque tem
algumas habilidades: toda sem vicios nem achaques
e que se alianza a conducta : no pateo da S.-Cruz ,
sobrado n. 1i.se dir quem vende.
AGENCIA UA PUNDKQAO'DE L0W-MO0R.
Na ra da Senzall-Nova n. 42, contina a haver
j n completo sortimento de moendas e machinas de
vapor para eugenhos de lastrar : bem como tai-
xas de ferro batido e coado de todos os tamanhos :
tudo por prego commodo.
Vende-so. ou troca-so por casas nesta praga, um
terreno com 412 palmos de frente e 150 de fundo,
sito por detrs docoventodo Carmo : a tratar com
o seu propietario, no Manguinho, segundo sitio
denoisda capella de S.-Jos.
Vende-se um sitio do torras proprias, com va-
nos arvoredos de fructo casa, boa cacimba, no
lugar dAgoa-Fria de Beberhe ; cujo sitio foi do fal-
lecido Jeronymo Jos Martins : no paleo da igreja do
Pilar do lado esquerdo casa n. 181 ou no car-
lorio dos orphilos se Tara todo o negocio.
i\a laja nova da ra do Quei-
mado, n. II A, deltaymnn-
do Carlos Leite ,
acha-seum novo sortimento do pannos linos do todas
sis coros equalidades ; chapeos francezes da ultima
moda ; um completo sortimento de fazendas linas
egrossas, por prego mais barato do quo ein outra
quulquer parta.
Vendo-se um relogio sabonete de prata, bom
regulador, por, 10,000 rs ; um piano forte inglez ,
do inellior autor e que precisa de um pequeo con-
cert de marceneiro, por 60,000 rs ; meias de algo-
dito grossas, proprias para docntes, por aquecerem
os ps, a 4800 rs. a du/.ia; velas de carnauba a
280 rs. a libra : na ra larga do llozario, n. 46, pri-
meiro andar.
-- Acaba de chegar do Kio-de-Janeiro o rap An-
darahy, muito fresco c bom, inclusive algum cm
frascos, viajado : vende-se as lojas do costume.
Luvasde pellica.
Afianca-seas boas qualidades destas luvas. Ha de
todas as cores tanto para homem como para se-
nhora. Vendem-se mais em conta do que em ou-
tra qualquer parte. Na ra larga do Kozario, n. 21.
-- Vendem-se clnrulos da Ha-
vana : em casa de J. O. Elster :
na ra da Cadeia-Velha, n. '9.
W
Vendem-se chapeos francezes da ultima moda ;
Cortes de calcas de casimiras clsticas, de qua-
dro's" e listras muito bonitos padroes; cortes de
cass de cores dos mais modernos que ha no merca-
do : tudo por menos preco do que em outra qual-
quer loja : narua doQueimado, loja da casa ama-
rolla, n 29.
Vende-se, urna negrinhacostureira o rendeira ;
um mulatinhosapateiro, proprio para pagem : na
ra larga do lio/ario n. 35, loja de miudezas, se di-
r quem vende em conta.
Vendem-se superiores re-
des, proprias para tipoia: na ra
do Queimado, loja da casa ama-
relia, n. 29.
Vendem-se meios botins, a 2,800 rs.; sapa tos
de sen m a 800 rs.; ditos de tapeto: no Atterro-
da-Boa-Vista n. 84.
Vende-se cera de carnauba, de muito boa qua-
lidade, tanto a retalho como em porgflo : na ra
das Larangeiras n. 14, segundo andar.
Potassa.
Vende-se a verdadeira e superior po-
tassa da Hussia a mais nova que existe
no mercado : na ra dn ('adeia do Keri-
fe,_armazem n. ia, de Baltar & Oliveira.
DEPOSITO DE CAL VIRGEN.
Na ra do Trapiche n. 17, ha sem-
'nios finos.
Vendem se superiores pannos finos a prova de
limBo prcto, a 3,000, 4,500,5,500 o 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito lino, a 4,500 rs. listes
pannossilo novos ,e pela sua barateza, attendemlo
asuaboa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na ra do Collegio, n. 1.
. Vende-se. um bom pardo, ainda mogo, de bo-
nita figura com principios de pedreiro : ua ra do
Trapiche, n. 34, terceiro andar.
Cartas para volta-
rete,
as mclhores e mais baratas : vendem-se na ra lar-
ga do Itozario n. 24.
Vcnde-se urna preta de 40 anuos que cozi-
nha faz todo o servigo de urna casa e vende na ra;
urna preta de 20 anuos de muito boa figura, quo
cozinha e engonima ; urna parda de 20 anuos que
cose muito bem; una negrinha de lOannus, muito
linda'; 3 moleques de 10 anuos : na ra do Passcio,
loja n. 19, se dir quem vende.
Belmiras.
Vendem-so superiores cortes da fazenda nova
denominada bel mira para vestidos de senhora ,
pelo brato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Ksta
fazenda he nova e do muito sublimes gustos, sen-
do as suas cores mu apreciaveis por screm cor de
lirio, rosa operla. A clles antes que se acabem.
Na ra do Collegio, loja n. 1.
Vendem se escravos muito baratos, pa-
ra se liquidarem contns deste anno, na
ra das Larangeiras, 11 14, segundo
andar:
tres lindos moleques do 14 a 16 anuos ; um dito
com principios de sapateiro e que enlende de pa-
dana ; um lindo mulatinho de II annos muito es-
perto, sem vicios, proprio para aprender qualquer
oflicio ; um preto de 23 annos ptimo para traba-
lharem armazem de assucar por ser bastante for-
te; um dito de nacSo, bom ganhador de ra, e que
est acostumado ao trabadlo de relinaciio; um par-
do de 36 annos bom para lomar conta de um sitio,
por ser de boa conta ; um preto de 40 annos bom
canoeiro e ptimo official de canteo ; um dito de 40
anuos, por 200,000 rs. ; urna preta muito forte ,
pot 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili-
dades ; duas prclas muito mocas que silo pti-
mas quitandeiras ; duas ditas boas engommadeiras
o cozinheiras ; e oulros escravos.
Vende-se um preto crioulo de 20 annos com
oflicio de pedreiro o qual veio do matto, para pa-
gamento ,e por isso vende-se por prego commodo,
para ajuste do cuntas: no Recite,' ra de Apollo ,
i. 23.
. Vendem-se caixas de cha hysson, de 13 libras,
em porpes ou a retalho ; caixas de velas de es-
permacetede5e6em libra : narua da Alfandega-
Velha,n.36, em casa de Matheus Austin & C.
- Na ra Nova loja n. 58, vende-se calcado da
Ierra, a saber.: sapatoes esapatos para homem o
nieiunos; ditos de couro e do marroquim, para se-
nhora e meninas; aviamentos para sapateiro'; sa-
paloesdelustro.o quando nao houver algum que
ctiegua ao freguez, timbem se recebom cncom-
nendas ; urna parcfio do madeira ; linhas; bicos ;
amos de llores; parreira brava, ou abutua para re-
.. ; un b[i"u de blaa do autor RomSo com
umierno de psos de duas arrobas para baixo pa-
mrSZen Ue qfrne u" ^rreno em bom lugar,
com 200 palmos de frente o 800 e tantos de fundo.
prc cal virgen) de Lisboa, em barris pe-
queos, e ltimamente ebegada mili-
to superior e por preco rasoavel.
Va loja nova da ra do Quei
mado, n. II A, de Kaymun-
(lo Carlos Leite ,
a 00 rs
a vara do ptimo panno de linho do Porio as pegas
silo de 18 varas e meiajditu do 25 varas, a 600 rs. ;
guardanapos do puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte, propria para colleles, jaquetas e etc., lecido
de seda e linho ; meias de linho as mais 'finas que
teem viudo ao mercado.
Lotera do Kio-de-Janeiro i
l>i neficio do Iheatro de fc.-
Pcdro de-A (cantarada corte
Vendem-se bilhetes dcsta lotera, emcasadeJ.
O. Elster ua ra da Cadeia-Velha, n. 29.
O IURATEIRO.
\a nova loja da ra do Cres-
po ao p do arco de S-An-
lonio n.4, de Ricardo Jos
de Freitas Hibeuo ,
vendem-se chapeos de creps para senhora a 4/
rs.; ditos do seda, os mais modernos que teem viu-
do a 12,000 rs. ; os mais modernos chapeos de
massa francezes para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimento de cambraiascscocezase cassas suis-
sas de varios goslos, leudo urna vara de largura,
e de cores muito fixas a 320 rs. o covado ; cortes
de fustOo de gosto moderno, e de cores fixas a 800
rs. ; muito ricos chales de seda muito superiores e(
gratules, a 12,000 rs.; chales do garga tecidos com
ristras de seda muito lindos a 3,200 rs. cada um ;
un novo e rico sortimento do lengos de seda o de se-
tini lavrado decores muito lindas, a 2,000 e 2,500
rs., inleiros ; ricas mantas para grvalas do ho-
mem com rico lavres a 2,000 rs. islo he pe-
chincha ; cortes de gorgurio do seda para col lele ,
muito ricos.a 3,500 rs. Igualmente ha um sortimento
de chitas finas e de cores fixas, a 12P e 240 rs. ;
covado ; cortes de cassa de cores fixas a 2,560 e
3,000 rs. ; ditos de cambraia branca e de cores ,
para bailes de 4,800 al 7,000 rs.
Vende-se um sobrado de um andar e slito ,
na ra dos Copiares, n. 4: avista se far o ajuste ,
pois que elle se acha desombaragado.
Lotera do tiio-de-Janeiro.
Vende-se um pequeo numero de bilhetes da 23."
Inicua a beneficio do thealro de S.-Podro, pelo pre-
go de 23,000 rs. os inleiros de o 11,500 rs. os meios :
na ra da Cadeia loja do cambio n. 38, de Manuel
Comes da Cunha Silva.
Vendeu-se duas oscravas mogas, cotn habi-
lidades que se dirilo ao comprador: narua estrel-
lado Itozario, confronte ao becco, por cima do
barbeiro, segundo andar.
Vendem-so duas excedentes gaiolas de rame,
por prego rasoavel: n ra das Cruzes, venda n. 41.
Na ra de Agoas-Verdes,
n.46,
vende-se urna parda, mucama com excedentes ha-
bilidades ; 3 escravas para todo o servigo ; 2 boni-
tos uioleqges de 15 a 16 annos ; um excedente par-
do de 20 annos ; um dito que trabalha mui bem de
marceneiro; um- moleque de 18 annos; um escra-
vo pega de 22 anuos ; um dito de 30 annos.
Vende-se urna trompa e um trombone : tudo
em bom uso por prego commodo : no caes daAl-
fandega, armazem n. 1, se dir quem vende.
Vende-se urna preta moga, com urna cria mu-
latinha de 3 annos : em Olinda ra do Porto-Se-
guro n. 2.
. Vende-se um excedente carro de duas rodas,
novoe muito maneiro, com arreios tambem novos,
por prego commodo : no Aterro-da-Boa-Vista co-
choirado Sr. Miguel.
Vende-so j encerrada em urna gaiola, urna
grande o admiravel serpenle propria para sor le-
vada para qualquer paiz : tambem se vendem 15
pias de muito bom barro proprias para preservar
as ormigas : na ra da Florentina, n. 16.
Vende-se una escravacrioula do 20 a 21 an-
nos ptima cozinheira e lavadeira de salan o bar-
reda o que tambem engomma : o motivo da venda
se dir ao camprador : na ra do Collegio n. 12.
Vende-se urna parda de bonita figura de 20
annos com muito boas habilidades e que he pro-
pria para todo o servigo : na ra do I.mmen-
lo, n. 34.
Vendem-se, a 800 rs. a vara lindas cassa-
chilas de gosto chinez, com lavres que parecem
chali a gosto mais superior que at aqui tem ap-
parecido e da ultima moda : na ra do Crespo, loja
da esquina que vira para a ra do Queimado. As
amostras esta rilo francas aos compradores.
Vendem-se dous lindos mulatinhos de 14 a 15
annos, de muito boa conducta o que se alianga ;
3 moleques de 12 a lo anuos de todo o servigo ; 4
mulatinhasde 13 a 15 annos recolhidas; a escra-
vas mogas; duas ditas de meia idade: na ra Di-
reita, 11. 3.
Vende-se um escravo bom canoeiro e embar-
cadigo, que se dar a contento ao comprador : tam-
bem se vende urna canoa : na ra da Praia, n. 11.
A 6,?000 rs.,
sapeas com bom milbo: no
caes da Alandega, armazein
de Antonio A mies.
Vendem-se dous lindos moleques do 12 a 14 an-
nos ; 1 preto de 20 annos, de elegante figura ; dous
ditos bem robustos, de naglo e que silo ganhado-
resdorua ; l mulatinho de 12 annos; urna negri-
nha de 12annos ;3pretasde bonitas figuras, com
habilidades; 3 pardas bem mogas, com habilida-
des: no pateo da matriz de S.-Antonio, sobrado
n.4.
Vende-se urna linda r.ogra com habilidades um
negro pega de 20 annos; un moleque de 12 urna
mulatinha de 4 annos, e um muleque de 7 annos,
por seu sonhor se retirar para fra : na ra da
Senzalia-Velha, n. 110, se dir quem vende.
Vondc-se um sobrado de um andar com um
grande slito, muito bom construido, que rende
mensamente 22,000 rs., e pode render mais, livre
edesenibaracado, por muito commodo prego, em
rasto de seu dono se querer retirar para fora da
provincia : o dito sobrado he na ra do Amorim n.
12 : .a trotar na mesma ra, venda n. 17.
MEZMAHIANUA 1,000 RS.
Vende-se na livraria Ja praga da Independencia ,
ns, 6 e 8, o Novo Mez Mariano, accrescenlado com o
l.ausperonne do Santissimo Kozario.
ditos de marroquim duraqe e
de lustro, para meninas; sapatoes
de lustro, para homem ; chinelas,
rasas ltimamente chegadas do
Porto ; e outras muitas qualidas
des de calcado por prego com-
modo: na ra da Cadeia-Velha,
n. 35, loja do Moreira.
DE6 PORTAS NJ2
Nesla loja das pnch incitas, venddm-se pan-
nos finos, a 2,500, 3,000 3,500 c 4,000 rs. .
e muito (no, prova do limito a 5, 6 e 7,000
rs.; casimiraa d duas larguras, a r,500 e
2,000 rs.|o covado, e muito superiorl a 3,000
o 4,000 rs. ; cortes do selim e do velludo
paracollete, a 2,000, 2,600 e-3,000rs.; man- I
tas de selim para homem, a 2,000 rs ; um i
graude sortimento de madpolos chitas
o mitras muitas fazoudas para a fesla por
baratissimo prego, para acabar antes do ba-
lango.
I m
fESTAO'-SE ACABANDO
as cassas de cores fixas, para vestido.a 240 rs. 1
g covado ; riscados rrancezes, de boqs pa- 5
jj drOes, a 160 rs o covado : na ra do Quei-
J mado, loja da casa amarella, n. 29.

Vendem-se pegas de madapolflo limpo com
20 varas a 2,500 rs.; pegas do chitas escuras e de
cores (xas muito encorpadas e fortes a 5,500 rs.,
e a meia pataca a retalho na ra estreita do Roza-
rio, n. 10, terceiro andar.
Vende-se, ou troca-se urna preta por um preto
queenten la do servigo decampo : a preta cozinha
bem ,lava de saboe varrella, vende na ra tudo
qjantosc Ih.e manda vender : na ra das Trinchci-
ras, sobrado n. 16. Na mesma casa aluga-se um pre-
to ou preta.
Vendc-se a taberna da ra Imperial do Aterr-
dos-Afogados n. 35, bem afreguezada e que vende
bem para a Ierra : a dinheiro, ou a prazo com boas
firmas : a tratar na mesma venda.
No armazem de Me. Caimont
& Companhia, na ra de
Apollo 11. 6, vende-se
cobre em lengol o orruellas ; dito de forro para
navio ; formas de ferro para eugenhos ; espumadei-
ras de dito estauhado ; cocos ; pessadoiras; etc. ; es-
covjns de diversos tamaitos, para navios; temos de
pesos de ferro para bataneas; tinta vordecv latas,
por mtiilo barato prego.
PECHINCHA.
Jos Saporiti tem caixinhas com 12 frascos de
azeite doce refinado, que, para acabar com elle
vende pelo commodo prego de 2,000 rs. cada cai-
xinha : na ra da Cruz, no Itecife n. 18, segundo
andar.
Vende-se, para fra da provincia, um escravo
pardo de 20 annos perito ollicial do carpina : na
ra de S.-Rita, n. 4.4.
Veude-se urna cabra ( bicho ) com muito bom
leite, e com duas crias i na ra da S.-Cruz, n. 1.
Vende-se a loja decalgado do Aterro-da-Boa-
Vista n. 38 eom poucos fundos ; bom como ar-
maguo, caixilhose mais .pertences: a tralar na
mesma loja.
= Vcnde-se a loja de miudezas da ra da Cadeia-,
Vellia 11, 11 sendo o estabeleciinento proprio,
pelo que se pode asseguraro lempo que o compra-
dor quizor: a tratar ua mesma loja. I
He i na loja do nicho que
! |>parecein estas pechincbas.
Na esquina do Lrvramonlo loja do nicho, ven-
dem-se inanias para senhora a 1,000 e 2,000 rs.;
setim braneo de llores, com duas larguras,
1,280 rs. o covado ; liscadinhos chiuezes, com I
Iras de seda a 360 rs o covado ; chales tfiuito gran-
des do garga e seda a 2.000 rs.; longos grandes da
mesma fazenda a 1,000 rs.; ditos escocezes de
bonitos goslos a 200 o 320 rs. ; e outras muitas
pechinchas novas chegadas de proposito para a
Testa.
Vende-se urna casa terrea sita na na dos
Quarteis com commodos, quintal, cacimba co-
zinha fra, e em chitos proprios: no Aterro-da-
Boa-Vtsta, n. 21.
Vende-se excedente farinha de trigo para cha-
peleiro,a80rs. a libra; e muito boa bolacha para
al mogo de escravos, a 2,500 rs. a arroba e a libra a
100 rs.: na antiga ra dos Quarteis u. 18.
Vendem-se os muito supe-
riores sapaios de Nantes, de urna
e duas palas; ditos de tres solas,
(aixeados; borzeguins para se-
nhora ; sapatos de justro, mar.
roquim e dumejue, para senhora;
Vendem-se 20 escravos sendo : 8 pretas de
18a 25 annos; dousmulalinhos do 16 a 18 annos;
duas pardas do 12 a 20 annos com habilidades ; S
pretas do 11 a 30 annos,-com habilidades: todos
proprios para o servigo da praga o campo: na ra
do Collegio, n. 3, segundo andar, se dir quem
vende.
Vende-se urna preta de Angola que faz todo o
servigo, tanto de casa como do ra; unta dita criou-
la,de 18annos : na ra da Cadeia do Itecife, n. 30,
Vende-se urna porgIO de pegas de pelluciado
seda, dedifferentes qualidades, oor prego commo-
do : na ra da Cadeia do Recie, n. 38.
Vende-se urna mulatinha recolhida do pti-
ma conducta 'd 14 annos, que engomma, cozi-
nha, cose e faz lavarinto { urna negrinha de 8 anuos,
propria para andar com criancas : vendem-se por
procisilo : na ra de Agoas-Vordes ,.no ultimo so-
brado defronte doilo da igreja de N.'S. do Torgo.
Altencao!
Acaba de chegar loja do Passeio-Publico n. 17,
urna porcSo de corles do eamhrai transparente de
lita, paravestidos de senhora, padrOes inteiramenlo
novos, e que se espera meregam geral applauso das
senhoras de bom gosto, o multo principalmente das
que toucionam pausara fosla omseus sitios. A por-
giio ho diminuta e nflo ha mais em Pernambuco ,
por isso sem demora devein mandar por elles, antes
queseacahem, mesmo porque o prego convida
pois he o do 5,000 rs. por cada um corte.
Vonde-sea bem oonhecida e superior ehant-
panhad marca cometa ; vinho da Madeira engar-
rafado ; cha hysson e perola cm ca multas do 7 a 10
libras cada urna ; bom papel de copiar cm machina:
tudochegado recentemoiile a esta praga: na ra
do Vigario, n. 4.
Vende-se cal virgem em barris chegados pr-
ximamente de Lisboa, por prego mais barato do que
cm outra qualquer parto: na ra da Moda, arma-
em 11.17. .
Vinho de Champan ha da
marca cometa,
vende-se no armazem de Kalkmann & Rosenmund,
na ra da Cruz. 11. 10.
w Ql
J5 Narua das Cruzes, n. 41, veude-se marnela- !
SS da nova em caixas de 2 e 4 libras chega- *
jjjj da no patacho Andorinha. ft
as s
Escravos' Fgidos.
~ Ausenlou-sc, ha dias, da casa de seu senhor o
escravo Jofo pardo trigueiro de 15 a 17 annos ,
cara grande, odios regulares, bons dentes ; bem
condecido por andar rrequcntemenU: fardado: quem
o pegar leve ao Mondcgo a seu sonhor ,, l.uiz Co-
mes l'erreira que recompensar generosamente.
Em 2 de fevereiro desto atino desappareceu da
cidadeda Rabia umescravocrioulo.de nome-Thc-
molheo de 16 a 18 anuos com oflicio de sapateiro,
socco do corpo com urna orclha furada para brin-
co; gaguetja ao fallar; tem rosto comprido.olhos vi-
vos ps feios de bichos que leve, e anda calgado ;
ha toda a dcscooflnga de eslar tiesta provincia com
o nomo mudado; pertcnco a I). Joaquina Maria dos
ai Res residente naquclla cidade. Tambem desappa-
- recen da mesma senhora utna escrava de lime
Joanna Viegas, de meia idade com urna marca na
tosta, do Angola fgida ua cidade de Olinda do
Peni imhuco em 1837 para 1838. Outra escrava, de
nome Maria, da mesma nacao fgida ha lempos,
antes desla e de mais idado. Itoga-se aos capitiies
de campo, ou outra qualquer pessoa que os pren-
dam e levem-nos a ra do Bruin fabrica de Caldei-
rciro que ser;"o generosamente recompensados.
Kugio, da fazenda da Jurcma, comarca do'Bre-
jo-da-Madre-de-Deos, um casal de escravos, em
das de selembro : o prelo do gento de Angola ,
do nome Francisco de 30 annos pouco mais ou
menos, de cor bom preta altura regular, secco o
comas pernas linas: a negra do nome Antonia,
crioula, de 32 annos, cor fula ; lem os dedos dos
pos pegados: quem os pegar leve-os a seu senhor,
o iitajor l.uuioiico Rezena Cavalcanle, na dila fa-
zenda ou iioeiigeuho Cajahussu ou no engenho
Abreus, comarca de Nazaretlt, que ser recompen-
sado generosamente.
hn.:na typ ve m. t. de faria. 1W7.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8NQASBSQ_QJNX9O INGEST_TIME 2013-04-26T21:45:29Z PACKAGE AA00011611_08569
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES