Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08568


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1847.
Quinta-feira
O DI4IUO pnlilicH-.iff torta os ilhf-ijue KS%
rom (le gaacu : r preco da awignatu He de
4J00 rs.uor rpiarlcl, pagot adinntadat. Os an-
diiiicmm do* atrifcnantas si> inseridos rns.loile
20 ra. por liiilia, t rs a 11 typo dilljieolc, ais
repelijes pala matade. Os que ule' firetn assig-
n.uilcs pagiro 80 r. por liutin, e 100 crr typo
rlillrenlr, porcnd* publicarlo.
l'IIASEi DA IU M M'Kl DE NOVBWUHO.
La nova, a 8, Moa o minuloi da inanlia.
Crcente a li, s 0 llorase 5> min. da Mide.
La chata a 21, s 7 hoias e 4S min. da larde. .
M u^uantc a 29, ai 2 doras e 2 mi. da tarde.
(louiuiaePaisliilia aseRundsi sextas fain.
Uin-ll-nmlc-dn-.Nortequintas feirasao meio-dia
abo, Serinliaem, llio-t'ormoso, Porto-Calvo e
Macelo, no I .*, a II e 21 de cada mez. .
(Jara almos e fTouito, u 8 e 23.
lina-Vi".:i e Fiares, a 13 e 28.
Victoria, os quintas-feiril.
(iliuda, lodos os das.
E^^if
ulABl
de Novembro. Anno XXIV.
I*.*
l'rimeira, 'os JO minutos da tarde
Segunda, aos 4 minutos da inanh'i.i.
DIA BA SEMANA.
|S Stg. S. GertrnHes. Auii. do J. dos orpli
e ro J. doc. da 2 r. edoJ. M. d '. .
IC Tere. S. Gonrallo de Lagos Aud do .1. do
civ da I. v. e co ].' de paz do 2. dist. de t.
17 Quarta. S. Gregorio Tl'ail naturio \mi. do
J.rlo civ. d. v. c do J.de pal do 2. dist de
8 Quinta. 3. Romo. Aud. do J. deorpli.
e iln .1. n-.iiriicipal da 1. rara,
I SesU. S. haiwl. Aud do do civ. da I.
v.e do J. de natito I. ditt de I.
20 vdiliailo. S Feliz ile V.doii \ni. do I do
civ. da I. v. e do J de paz do I dist. de t.
21 Domingo. A presen Urjo de N CAMBIOS NO Dl l DE NOVEMBRO.
SobreLondWi 28 d por IJ rs. a Cn e 90 ai.
> Paris 330 rs. por franco.
Lisliii IOS a ItO de premio.
Dcsc. de lellrai du boa firmas I I a 1|4 Va ao m.
0Mro-O,rMlespa.,!.olas....28J!40n 3ft|80O
i Modasdcii.oovelli. I0|l00 a l6#2
, de 6|10i> nov.. lil^non
. a delJOOfl..... #10
Prala Paheav.......... #9
Pesos columnares... IJ910 a
Ditos mexicanos.... l^TtUVay ftSO
a Miuda............. I#4a l#30
Aceas da comp. do lleueribada fcOfOO ra.aOfwr.
Ifi/iOo
900
rftao
AMBUCO.
parte errrem.
MINISTEI.IO DO 1MPEL.IO.
lllm. eExm.Sr.-~ Foi presente a S. M. o Impera-
dor ojocio de 8 de junlin ultimo, em queexpflo o 3.*
juiz de paz da cidade da l'arnahiba ilessa provincia*
Francisco de Rezendo e Salles, que, tendo os juizes
de paz do primeiro e segundo anno, Jos Antonio
Marques- e Francisco Joaqun, da Cojta, aceitado e
exercido o Cargo destapenles do juiz municipal,
continuaran! a accumular o de juiz de paz, servindo
o primeiro de presidente da junta qualificadrn, c
presidindo o segundo de reclamares ; tendo. de-
pois do aviso de 8 de marco docorrente anno, que
declara haver perfeita ncompatiliilidade entre o
ejercicio dosempregosdejuiz de paz e supplonledo
juiz municipal, pedido aquello segundo juiz de paz
demissilo do cargo desupplento dojuiz municipal
com o fin de poder, na qualidado de juiz de paz,
presidir assembla paroohial. Consulta, pois, o
mencionado juiz de paz Rezende e Salles: l.0soos
juizes de paz do primeiro e segundo anno cima
designados estSo no caso da continuaren! a ser co-
mo taes rcconhccidos desde que aceitaram o cargo
de supplentes dojuiz municipal, e se teem, porlanlo,
direilo a presidir mesa parochial na occasiflo das
eleicOes primarias; 2., se proccde_a escusa pedida,
equo foi concedida, do cargo de supplcnle dojuiz
municipal, para rehaver o de juiz de paz tacita ou
expressamente renunciado pela aceitadlo daquelle
outrocargo: 3., se a cmara municipal respectiva
devefazer eliminar da lisia dos juizes de paz aos que
aceitarem o cargo desnpplente de juiz municipal,
ou qualquer outro incompativel do exercer-se com o
de juiz de paz, chamando o jui amentando os inme-
diatos em votos, para tei sompre competo o nme-
ro legal. F, inleirado o mosmo augusto Senbor do
contedo no dito offlcio, houve por bom declarar :
i", que os juizes do paz do primeiro o segundo au-
no cima referidos, se aceitaram o exerceram, como
se afllrma, o cargo de supplentes do juiz municipal,
ficaram desde entilo inhabilitados para exercer o de
juiz de paz, para o quai tinham sido cleilos antes de
aceitarem o de supplentes; e nfo podem, portanto,
como taes presidir mesa parochial no acto da olei-
ciio, naconformidade das decises dogoverno, cons
tantos dos avisns de 9 de novembro, 21 de dezem-
bro do anno pausado, e 8 de margo do corren te ; 2.,
3ue a escusa pedida por um dos ditos juizes de paz
oemprego desupplente dojuiz muinpal no o re-
habilita para continuar i exercer o de juiz do paz ;
3., quo cmara municipal incumba eliminar da
lista dos juizes do paz aos que aceitarem o cargo, de
supplente dojuiz municipal, ou qualquer outro in-
compativel do se exercer conjunctamento com o de
juiz do paz, chamando em lugar delles aos supplen-
tes immediatos em votos. O que ludo communico a
V. Exc., para scu conhecimento, e para que o faca
constar ao representante.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-de-Janeiro,
em 6deoutubro de 18*7. Monoel Alas Bronco. -
Sr. presidente da provincia do Piauhy.
Illm. e Exm. Sr. Sendo presente a S. M. o Impe-
rador um ofllcio, com data de 6 de agosto ultimo,
em que Domingos Lournco Vaz Curado, represen-
tando ter sido pela oleicfto goral o juiz de paz mais
votado do primeiro districto da matriz deGoianna,
3uando esta freguezia seachava dividida em dous
istrictos, aconteceu que, deliborando a respectiva
cmara municipal se reunissem aquelles districtos
em um so, fosse outro o novo juiz oleito ; o que, es-
tando o negocio nestas circunstancias, e quando 0
novo juiz de paz estava no exercicio, fra elle repie-
sentante nomeado para o cargo quo aceitn do pro-
motor publico da comarca, de quo, porm, so cha
hojedemittido, perguuta se I he compelo ou nao, na
qualidado dejuiz do paz mais votado, funecionar
as eleices futuras : manda o mesino augusto So-
nhor declarar a V. Exc., para o fazer constar ao di-
to representante, que, confessando elle ter aceitado
o cargo do promotor, quando jeera juiz de paz, so
inhabilitou para a continuadlo do exercicio como
juiz, na conformidade do que ja est declarado nos
avisos de 9 de novembro, 21 de dezembro do anno
passado e 8 de marco do correle, n3o podendo, por-
tanto, funcrionar como juiz de paz as prximas fu-
turas eleicOes.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do Rio-de-Janoiro,
9 de oiitubro de 1847. IHanoet Alvu Bronco. Sr.
presidente da provincia de Pernambuco.

.1'
UMA POSICAO DELICADA. (*)
-por iiiMrasrn sy:jfi
COMMANDO DAS ARMAS.
Quariel doeommando das armas na cidade do Reci-
fe, 17 de novembro de 1847.
ORDEM DO DA N. 20.
0 commandanto das armas recommenda aosSrs.
olliciaVs das quatro classes do exercito, desta guani-
tjo, a inleira observancia das disposi<;0es doSS."
artigo 2." do regiilamenlo de 8 de maio de 1843.
Espera que os niesmos Sis. olliciacs se compone-
trem du necessidade do manter-so a rej{ularidadc
nos uniformes, e quo smente facam uso dos distinc-
los correspondentes s suas graduales.
8.Manler (ocoinmandanle das armas) a re-
gularidade dos uniformes, nilo consentindo sejam
estes alterados por qualquer pretexto, netn quo os
individuos sob seu commando mponham maior
grailiiacHo do que aquella de quo gozam. usando de
bordados, galdes, canolillios, ou distinctivos de pos-
tos superiores, e nem que so apresentom nos quar-
teis generaes, ou em actos de servico, sumi com
os uniformes cslabelecidos.a
ilanoel Ignacio de Carvalho Slendonca.
Conforme. Manuel Porfirio de Castro Araujo,
Ajudanlede ordens.
Segundo nos informa certa pessoa quoem ora mais
atrasada residi nesse lugar, nilo ho esta a prnneira
vezquonello se di semelhante phonomono ; pois
queja em 1827, os fazendeiros dahi tivoram do lu-
la r cojti multas difliculdados occasionadas porchu-
va idntica a essa de que nos oceupmos, e cojos
resultados foramos mesmos que ficam apontados.
Assim, nesso scrto d8o he smente da secca que
se dove do arrecoiar o misero cojos possuidoa li-
mitamsoaos fructos qu-?llio da a torra depois ilo
amanhada cuidadosamante: de lempos a Wmdos,
vira o gOlo inntilisiir-llie o trabalho, o rcduzi-lo
desgrac.iidi situa^fie do mendigar o alimento de
que depende a sua existencia, e a da familia numo-
cosa (me porvenlura vive custa do seu minguado
labor !
Pubicaco a pedido.
Urna carta escripta no Brejo-da-Madre-do-Deos, e
que ora temosa vista, noticia qne no dia 3 do cor-
rente cahio sbreos campos dessa comarca nilo pe-
quea porclo de pedras de gelo, que, alm do des-
truirem algumas lavoras e mallos, produziram a
morlo de muidas aves, replis e a'nimaes quadrupc-
des.
. M .'
III.
a tllliihtt querida lha.
Qniz que estas liubas, trabadas no meu leito de
mortc, nfo fossom lillas por ti senfio no momento
em que acabasses de unir para sompre o tou futuro
ao destino de um homem. Pobre menina clicgas-
to vida seria, sem conhecer osencanlos da pri-
mo.ira idade ; o eu assim o quiz, para que a litjilo
tcrrivel, que elles encerram, mais profundamente
segravasso em leu espirito, ainila cheio de emo-
qo pelo acto solemne quo acabas do. exercer.
Juraste aos ps do altar Qdclidado som limites
ao esposo que a soile le oscolhra. Isolina, nao le
esquejas nunca desle juramento; porque lodos as
tuas dores passadas, lodos esses lalos queacaha-
ram por malar tua mai, vioran poi que ella mes-
i nta foi perjura santa promesso feila aos honieus
e a Dos.
Fecha com cuidado os leus olhos e o lou cora-
(8o; porque, desde este dia, minha lilba, mida de
li tepeilence mais; oslos peusamenlos mesmos
i j nfio silo livres. He unta lei dura e ijioxoravel a
ii que impOo crealura frgil um dovCr eterno. Una
o dizem que olla emana do lios, outros que he obra-
b dos homens..... Querella vonha do co qur desle
a mundo, qur soja justa qinir baib.nu, observa-a,
pois quo a aceitaste, se nao queres um dia, despe-
dacada de remorsos dii|damcnte sentidos. por-
u que olios te perseguirlo al as pessoas do leus li -
a Ihos pedir-lhes perdSu na la hora da morlo,
a como eu mesma le peco quo me perdes os inarly-
i ios quo sofi este por minha causa.
(*) Vide Diario n. 260.
Isolina, tu nilo s lilha de Mr. do Samt-Itemy.
Nisso est todo o segrodo do teu triste destino, e
dos longos tormentos pelos quacs eu morro. Meu
marido foi implacavel em sua vinganQa Ell'lfi'a
pordoaria se olla nilo cahisse senilo sobre mim ;
mas, mesmo agora, ueste leito de dores, vista da
a mu lu que se approxima, iilo posso despir minha
alma do toda aanimosidade qno om mim excita-
ram as suas crueldades para com urna pobro me-
nina, que mo tem a menor culpa de mous erros.
Dos nos examine, e nos julgue; o sesomolhanto
seiitimcnlo ho criminoso, leste ao monos, serei
o eu s a castigada.
Di'sposoi-o som amor. Desgracelas tioics do
coiivcnieucia, que prendom o presente ao futuro,
ii sem unir oscorages! Alguin lempo depois do
nosso casamento, parlio elle para una legaeflo,
qual devia rot-lo por sois mezes longe do Franca,
edoixou-me em l'aris. Um mez depois da sua,par-
t lida, madama de Mareuil, minha tia, quo ape-
n as conhecesto, convidoti-me a accompanha-la as
ii agoas frreas d'Aix. (Consent em segui-la ; mas
por urna dossas loucas idoias que produzem o ocio
n da cabi-ca e o vacuo do cora^ilo, exigi eu de mi.-
n nba lia quo me fizesso pastar por sua lilha.
i Eu era moca, leviana, galanteadora, ej eslava
aborrecida do mou eslado Uuiz representar anda
urna vez em minha vida o papel de rapariga sol-
leira.
a Mi nba lia, que ceda a todos os meus caprichos,
a consentio nisso de boa volitado, e as agoas fr-
reas d'Aix, onde ninguem me conbecia, passei
sempre como mademoisella de Mareuil.
Dentro em pouco, ou me vi procurada, cercada
c de homeuagoiis; violo pretndanlessolicitavam a
a minha mil o, e eu ra-mu como urna crianza dessas
lououras.
i Enlre os meus numerosos adoradores, sem que
cu nellcs cuidusse, tem que desconlisso de mim
mesma, distingu eu um, qtiasi tilo moco como cu,
i porm mais serio, mais circmspecto, o too turno
a quauto eu erarisonha; tilo reservado quantocu
era inconsiderada.
Minha tia, que velava sobre lodos os outros, nilo
desconfiou deste. Ella nos^deixava sos algumas
vezes, na sala eno passeio. Arthur era da'Ameri-
ca. Contava-me com enthusiasmo vida potica
SENHORES' ELEITORES, ATTEN DEIME
Se das les no recinto augusto c santo,
Convem que a probidade ingresso lenha ;
Se l onde a rasfio, onda a justicia,
l'rosidem moral, e a desenvolvem,
Convem, legisladores e philosophos ;
Legisladores, que o saber propaguem,
Philosophos que, a prol da humanidade,
Dictem leis de brandura, c leis suaves ;
Vos dove s elevar, prestar auxilio,
Aosfilhos benemritos da patria,
Quo o saber, que a virtude illustram, prezam.
Son homem, como tal, tenho fraquezas,
Mas fraqucas, so o silo, nfo silo delitos.
Uimpo de ci irnos, folgo, exulto, e vivo.
Volado s artes, ao sabor consagro
Inccusos, cultos, existencia o ludo :
tecerrado no augusto gabinete,
l.do, entre os morios, estudando-os, vivo.
All Pocin, Sucrate revolvo,
La Marline, Delille, Elmano, Elpino,
llcntham profundo, excelso lleccana,
Tcito, Nebuhr, Bonin, Sismondi,
Arraiz, Canning, Segur,.Cicero, Harros,
Montesquieu, Benjamn, Lucas e Comte,
Storc, Say, Parnell, Mili, Sainclair, Ricardo,
Arthur Young, Abbott, M.'Culloch, Kranklin,
liunilb e Mimbran, e tantos outros,
l);1o-me momentos de prazer, de vida,
Adoco os malos mous, revondo-os sempre :
Dosta licilo proficua, vigorosa
Tiro frcas, e torno-me robusto,
Para os homoiis soH'rer, em sous desvos,
Confiero a corrupQfo, sem dar-lho applausos,
lia patria os infortunios nao augmento,
Motor delles nilo sou, muslo os deploro.
Se recias inlcn^Oos, singelo porte,
No meio desle mar de atrocidades.
Km que o mundo braceja, o so submerge,
Valem aquelles que a virludo escolta,
Que silo luz e santelmo, em cos nublados,
Ku devo merecer vossa indulgencia,
Eu devo merecer vossos sull'ragios.
as pocas do crime he ludo crime,
E a virtude scintilla ao longe, o a custo.
Nilodeixes apagar tenue sonlclha,
das Antlhas : essas lloros, ossos bosques embalsa-
ii mados, csse co edr do logo, essa atmosphera t-
pida e odorfera, que faz sonhar com amor!.....
o A sua alma so exaltava com as recordaefles da pa-
ii tria, communicava-mo essa cxaltaqao, c eramos
felizcs com taes emogOes embriagadoras e pertgo-
sas ; DOS as procuravamos, e brincavamos com el-
ii las, como dous meninos brincam com achamma,
sem saberem que ella os pude devorar.
i Que te dire cu, minha lilha ? N'uma dessas ho-
ras em que a embriaguoz da cabera abraza o cora-
cao, n'uma dessas horas em quo nosesquceemos
i deque em torno do nos lia um mundo comas
a suas leis sagradas, o contratos, anda mais fortes
do que essas leis, fmos criminosos..... Pobre
Arthur! Julgava-me livro, lormava mil projoclos
a de felicidade, e eu nilo tinha forca bastante pura
I lio dizer a verdade.
a lima imprudencia doscobrio tudo a minha ta....
a Desesperada e aircpeudida, dirigio-mc ella as
mais rrueis repehensfies; monos crues eomludo
ou une as que ella si mesma diriga; e nessa
mesma noile deixmos Aix para voltar a Pars.
ii Trmula, desvairada, eu me bavia deixadocon-
duzir, e minha tia nem me deu lcenca de escrover
a Arthur para I tic dizer adeos.
* Ignorou ello, portanlo.sempre o mou verdadeiro
nome; sem duvida que meaecusou; mas todos
ii os scus esl'orcos para me descobrir foram infrucli-
foros.
Pobre de mim eu mesma nilo desejava torna-
lo a ver; que podera elle fazr para abrandar os
meus males, para mesubtrahir clera de mou
esposo? Porque tres mozos depois, vollou Mr.de
Saiiit-Remy, e dahi a sois mezes dava eu luz
una mollina, cujo nascimento clloamaldi^oava.
Essa menina eras tu, minha lilha, lu, a quem o
ti mundo chama Isolina do Saint-ltemy; e qua s
ii para Heos te chamas Isolina de Crand-Champs.
Do tirand-Chnmps exclamaran! ao mesmo
tempoMr. Dupr eamarqueza.
Pobre menina dsse madama de Cevres, o ol-
io era teu pai!.....
Mas, observou o cura do Roncevaux, um tal ca-
samento poda SCI' aun u I la Jo.
He o que me propoz Mr. do Crand-Champs, re-
Quc mal reluz as trevas, quas calinda.
Na assembla soroi, qual fui, e existo,
Simples, fiel, phylosopho severo,
Severo aos mos, aos bous sompre indulgente
Les, o leis do raslo, nilo de capricho.
Torno apoio mou, Ionio mou vol.
Cabala, intrigas, srdido iuteresso,
Pontos de horror, do or mes, do desastres,
Jamis nos labios mous lereis asylo.
Boni longe CorrupcSo, vcnalidade.
Coinmorcio, industria, as artes, asscencias,
Morecoin prolocr;ao, querem cultivo
Como o Ceno procura a liborda lo,
E logo dos grilbos do despotismo,
Assim quor i Brasil a4H>lg0, osteio.
Eis meus principios, meu programma he esto.
Estes bous, eslas liases roraill minhas.
Miidoin todos, em vilo : sou sompre o mesmo.
Reci fe, 17 de novembro do 1847.
Jado de Barros l-\cHod Albiu/uerqu* NaranhAo.
eoMME^ao.
All-andega.
IIICNIUMENTODO DIA 17.........
Descarregam A/e, 18 de novembro.
Patacho Andorinha ceblas.
Ilrigtic Paraso mercadorias.
8:320,158
IMI'ORTACAO'.
Andorinha patacho nortuguez, vndo de Lisboa,
litradonocorrente mez, consignado a Nascimento
& Amorim, manifestou o seguinte :
21 barris, 30 pipas e 20 ancoretas viuho tinto, I
frasquera doce, 30 canastras batatas, 5 barra vinho
br.inco, 20 pipas vinagre, 15 barris dito, 5 ditos pre-
suntos, 10 dlos paios, 10 ditos choricos, 10 ditos
azete, 10 caixas toueinho, 60 moios de Sal, 975 m-
llios de ceblas ; aos consignatarios.
24 caixas uvas ; a ordem.
10 pipas vinho tinto, 5 ditas dito branco ; a l'rau-
csco Seveiauo Rabello rlho.
5 pipas vinagre, 20 barris vinho branco ; a Manoel
Caetano Percira de Mcndonca.
104 barricas sardnhas ; a Oliveira Irmltos A C.
30 barris presuntos, paiose choricos; a Amorim
& Irmilos.
1 barrica uvas; a Luiz Jos de S, Araujo.
12 caixas uvas; a Manoel Maximiano Cuedos.
4 caxotos marmeladas; a Antonio AlvosTeixeira
Bastos.
2 barricas ocre amarello ; a Vicento Jos de Brito.
400 mullios do ceblas ; a Francisco Lucio Coelho.
4 pipas vinho tinto, 20 barris dito branco, 10 meias
pipas vinagro ; a Chrislophors & Donaldson.
Consulado.
IIENDI.MENTO DO DIA 17.
(eral........
Diversas provincias.
576.889
18,680
595,519
' '1
s.iaiB y tsmmmaKmmumay
plicou Isolina; mas ora necessaro entregar pu-
blicdado dos tribunaes, c s crueis zombarias do
mundo, o nome e a memoria do minha mUI, e eu re-
cuo anlo semclbaule escndalo.
Mr. de Crand-Lhamps deixou-so vencer por meus
rogos, o voltainos juntos para-o sabio, onde ninguem
luspeitou, quo debaIxo do appareulo socego-de rroS-
sos sombanlcs so oscondessem as violentas etno-
^Oes quo nos agita va m.
Depois, ello me conduzio para essas encantadoras
veigas do.Meudon, onde tu me conheceste, Carlos.
Ubi nunca a lembranca dos primeiros annosque
ou ah passei se apagar da minha memoria. A eott-
i'.iuao do mou espirito linha sido dosprezuda, coillo
a do mou coracilo. Mr. de Grand-ChampS' tomoi o
desenvolveu um a um lodos os instincto strlrbe-
dos, todas as faeuldados escondidas, quedormiam
em mim ; procurou enxertar em minha alnta as vir-
tudes da sua, os dons de sua inlelligencta, e eu vi-
va brandamente ao lado dessa providencia benfica
que me re^enerava.
A sua inissao nilo devia parar ah; e eu hoje eftin-
prelioifdo al onde elle a quiz levar. Sim; essa ntor-
to supposta, essa apparicilo imprevista, tudo me re-
vela a exreuso da sua ternura, tudo, at esses dous
assassinalos cujas circunstancias nos s(fo ainda des-
conbecidas, mas que me provam qae semellianto de-
dicagilo sem limites velava sempre na folicidYde
que me bavia dado.
Que dizes tu! exclamou Carlos; 00181 Dota
Dogo.....
Dom Diogo, dsse Isolina, vindoa WrfrYeaetnn
o prctendenle de llespanha, foi recebido por meu
pai, cuja conlianca elle soubera captar.
Tolvez (e agora he que isso me oecorre) q\W Mr.
de Crand-Champs, seduzdo pelos qualidades appa-
rentes de quo esse homem habitualmente se* sabia
revestir, livessu concebido em urna tal conjBOrtOra
alguns projectos sobre o meu futuro.
Oh! tranquillisa-te, Carlos, dissecoTrrvivacIdade
Isolina, ao ver porpassar urna mivem pela fronte do
mancebo: nos outras mulheres temos nocora?ilo
um iiislincto que he militas vexes a ossa sattguar-
da; logo a primeira vista Dom Diogo me des-
agradou.
....

-


llov monto do Por lo.

Navio entrado no dia 17.
Plymouth ;45 das, brigue ingle/. Mountain-Maid, de
19* toneladas, capiuto Alexander Wighten, equi-
pagem 10, em lastro; a Me. Calmont & (ena-
nilla.
Ilamhurgo; 43 das, patacho hamburguez Parodies,
do 190 toneladas, capitao I'. Zyhrantz, equipagem
9, carga varios gneros ; a N. O. Biober. Compa-
nlna. '
Londres; 51 das, patacho inglez freedom, de 10*
toneladas capitflo John Gervey, equipagem 9, car-
ga razeridas e mais gneros ; a Deano Youle &
Companhia.
Hayre-de-Grace, 51 dias, brigue francez Armorique,
do 223 toneladas, capitio Varlet, equipagem 13,
.n"^-*t\La..l'?"'.r J!"et& Companhia.
-'-" v mi, uo 245 toneladas, capitao James Douglas,
equipagem 1*. carga bacalho; a Johnston Pater
Companhia.
Navio ,ahido no mesmo dia. A
Itio-de-Jnnciro ; brigue inglez Mountain-Maid, cap- Henrique & C. .
tilo Alexander Wighten, cm lastro. ,
ObscrvacSo.
Chegou de Antuerpia, no dia 16 docorrente, com
ol das -le v.agem a barca ingleza llongkong, de 5*7
toneladas, caoitflo Thomas Boyd, equipagem 21, cm
lastro, econsignada a Adamson llowio & Companhia
dos a juizo afm de judicialmente se proceder con-
tra o que justamente deverem.
Recebedoria, 16 de novombro de 18*7,
Joaquim Monteiro da
Cruz......20* baralhos a 160
Francisco Joaquim Hilar-
lo .......C0 u
Manoel Rodrigues da Sil-
va Figueiredo ... 2*
Simesi Castro ... 12
Luiz Gomes Ferreira 6
Kalkmann&ftosenmund 1950
Jos Carlos Ferreira Soa-
res Jnior .... .780
Victorino de Castro Mou-
......1*76
Jos Joaquim Carneiro .720
Flrmino Jos Flix da
Roza .....*80
Jos Frsucisco d Azou do GuimarAes .132
Wolfhopp & C. 1872
Christovfo Guilherrae
Breckenfeld .120 19,200
Antonio Joaquim Vidal .120 19,200
. .120 19,200


1 ))


11

1)

32,6*0
9,600
3,8*0
1,920
960
312,000
12*,800
236,160
115,200
76,800
21,120
299,520
HJT.\ I,.
Miguel Archanjo Monteiro de tndrade, oficial da im-
perial orrtem da Rosa, caralleiro da de Christo e ins-
pector da alfandega de Pernambuco, por S. M 0
imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no dia iodo corren te, ao meio-dia,
na porta da mesma, se lia de arrematar embasta
publica o soguintc : 2 canaps, 3 marqitezas deo-
loo. a secretarias, 7 com modas, 288 cadoiras c 6
po ironas, no valrele 971,009 rs. ; ludo impugnado
pulo amanuense Domingos da Silva Guimariles, na
nota para despacho de Antonio Ferreira Lcite J-
nior : sendo a arrematado subjeita a direitos.
Alfandega, 17 de novembro de 18*7.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
1:292,160
Estanislao Pereira de Oliveira.
M'Haiicoes.
===*
PAGADORIA MILITAR.
Era consei|uencia de novas ordens que o Sr. co-
ronel commissario-pagador. chefe desta pagadoria,
Jos de Hato Inglez, acaba de receber pelo despach
lo l.xm. Sr. concelhciro presidente da provincia,
manda o mesmo Sr. coronel fazer publico qu
continuara ante a pagadoria a arremataciio em has-
ta publica, no dia 20 do crrente, das pecas do lr-
damelo do extincto batalhao de guarda nacional
destacada, eda respectiva msica, os quaes ja teem
smo noininalmeote designados, com a declaracflo,
porem, que dita arrernatacfio ser somonte das pe-
cas em bom estado, o por lotes, ou porcOes, como
convier as pessoas que as prctenderem, podendo ir
ao arsenal de guerra examinar as que Ibes convie-
re m; porque, segundo as citadas ordens de S. Iac,
deverfio estar separadas todas as pecas ou artigos
do dito fardamento arruinado, e smente prorap-
tasao exame dos pretendentes as que estiverem
em non) estado, porque destas se annuncia de novo
a venda.
Pagadoria inililar de Pernambuco, 15 de novem-
bro de 18*7.
No impedimento do cscrivao,
Joao Arcenio Harboza.
A cmara municipal desta cidade faz sessflo
extraordinaria no dia 19docorrente.
Ocscrivffoda recebedoria de rendas internas
geraes, serviudo no impedimento do administrador,
taz constar aos abaixo declarados, que so no prazo
do 15 das nao satisfizerem em dita recebedoria a
importancia do sello das.cartas dejogar, que loram
despachadas na alfandega desta cidade por uns e
compradas por oulros, serio scus nomes renielti-
Lra esta a pnmeira vez que eu me achava em con-
tradiccao com meu pai, com meu mestre, ecu tinha
modo do me engaar, ou de prejudicar ao prosrerin-
lo, e calei-mo. '
Por muilo lempo nada nesse homcm pireceu jus-
tilicar a minha secreta antipalhia. J.i eu me aecusa-
va de injusta, quando elle mesmo, illudido pela mi-
nha benevolencia, me descobrio toda a perfidia do
suaalma.
Concebcu o odioso pensamento desrduzir a mu-
llier de seu amigo, seu bemfeitor!.....Mas cu, indig-
nada pelas suas tentativas, advert do que so passava
Mr, deGrand-Champs, e Dom Diogo foi obrigado
a retirar-se.
Vingou-se elle, cspalbando em Paris mil boatos
injuriosos a meu respeito c de meu pai. Mas que nos
iinpoitavam a nos essas calumnias no mundo a par-
le em que s vivamos para nos?
Heverdade, interrompeu Carlos; cu me lem-
bro dos perversos diterios desso homem ; e foi tal-
^ezcunosidade que. ellcs excitaram em mim, que
eu devo ter-te conhecido ; mas fui inmediatamente
desengaado pelo cordial acolhiment de Mr. de
Grand-Champs, e pelo espectculo da la vida, tflo
serena o Uto pura. Seduzido pela belleza do lugar
aluguei urna casinba de campo em Meudon : fui teu
vizinho; vi-te todos os dias, e amei-te, Isolina.....
Mas tu, Carlos, nao procuraste engaar ao
bomoin que te eslendia a nulo quando chegavas A
nossa casa ; nem procuraste laucar urna mentira o
ninreniorso na existencia de umaniulher quejul-
gavas pertencer a outrem. Oraouve: podes estar
eerto.doqueMr.deGrand-Cqamps adivinhou o leu
amor, autos que tu odeclarasses a ti mesmo, o lal-
>ez que elle soubesse lr em meu pensamento, an-
tes mesmo quo eu pensasseem iiitcrrogar-rao.
Recordas-te tu daquelles suaves passeios dados
por nos tres daquellas tongas conversas, cm queel-
sv,n.,.,ha ata,r, aalma' Pr- mostrar toda a
syinpaihia que ella encerrava pela minha P
Unosso araorcresceu asombra da sua ternura:
seuniK.rn-" !ampS linha como na ma todos os
d?ini.f ,ng,,"em "nos. Mas eu nflo
m' nnln''t dUra"l.e al*un8 mezessoflYi muito. V
tu .'Pondo os meus das as mflos de meu pai, mo-
ya, ignorante da vida, uunca pensei que dahi a gum
Lista geral das cartas existentes na administrando do
correio, entradas cm todo o mez de outubro /Indo.
(Confinuaclo do numero antecedente.)
Felicia Mara Renedicta, Francisca Romana de A-
zevedo, Francisca Victorina da Costa Azovodo F-
lippe Carlos Simoes S. Fernando Guilherme C.
Silva, Flix Joaquim Domingos, Frederico do A-
raujo Fortunato Jos Marques, Filippe da Sil-
va Pontos Francisco Marques Teixeira Fran-
cisco Antonio Pereira Guimiirlcs, Francisco An-
tonio Pinto, Francisco Antonio Soares, Francisco
Duartede Freitas, Francisco Doiningues, Francis-
co Fcrnandes dos Reis, Francisco Gil, Francisco Go-
mes de Figueiredo Francisco Goncalves Nctto
Francisco Joaquim Pereira II., Francisco Jos Go-
mes Oliveira Francisco Jos llelm, Francisco Jos
dcltrito, Francisco Jos Cardozo Francisco Jos
Leite, Francisco Jos Pinto Vianna Francisco Jos
da Silva Francisco Jos da Silva Moraes Francis-
co Jos Siqucira Alvcs Francisco Leite Oliveira,
Francisco l.uiz de Abren, Francisco l.uiz da Cunha
Francisco Machado Cuuha, Francisco Manoel di-
Mello Francisco Manoel Baplisla Francisco de Oli-
veira Franco Francisco de Paula Albuquerque M.
Francisco Pereira Coelho Lima Francisco Pereira,
Francisco da Rocha Francisco do Rogo Ponles'
Francisco Reis Gomes, Francisco Regs LeTo Car-
neiro, Francisco Yaz da Carta Francisco Vieira
Nevos.
Guilherme Henrique Pinto, Galdino Jos Ban-
deira.
Continuar-se-ha.)
1ue, na forma da lei provincial n. 191, de 30 de
marco ultimo, facilite o transito desta cidade para
qualquer dosseus arrabaldes e para Olinda.Rece-
her-se-hilo propostas todos os dias, at que se ve-
rifique o contrato.
O da construccflode urna qarrelra na? estada do
norte, cujas dospezas se acham oreadas em 1:732,200
rs.Os concurrentes a esse contrato devem de com-
parecernasocretara da prodila thesouraria a 19 des-
le mez, ao meio'-dia.
apprehencSes feitat pela policio.
Urna preta que declarou pertencer ao padre Jos
Goncalo. Acha-serecolhidacadeia desta cidade,
e deve de ser reclamada na subdolegacia do Santo-
Antonio.
Um ravallo ruco-pedroz, tomado a JoSo Comes de
Mallos. Dovo de ser reclamado na subdelegada
dos Albgados.
THEATRO PUBLICO.
MOJE, 18 DOCORRENTE,
a beneficio do Josefa Candida & Companhia, se ha
de representar a bellissim peca
O FILHO NATURAL,
cocnlrcmez
O ENREDADOR.
cado sendo algumasavariadas : sexta foira, 19 de
corrente as O horas da manlifa no sou armazem
da ra do Vigario. -
Avisos riivccsos.
KebdSg,
A adniinistragilo da companhia de Bebcribe man-
da fazer scientu aos Srs. accionistas, que se acham
rcalisadas as entradas de 80 por cento sobro o va-
lor das aeces emillidas, sem que tenha sido de
misterprem execuQfio o artigo 9. dos estatutos,
nem a medida adoptada em assembla geral a res-
peito dos que na ultima reunifloestavam em atraso.
A mesma admnistraefo roga aos Srs. accionistas
hajam do realisar urna prestaciTo do por cento
no prazo de 30 das, contados desta data.
Escriploi io da companhia, 18 de outubro de 18*7.
O secretario,
liento Joti Firnandes Barros.
Publicarles Litterarms.
PORTUGAL.
Recordarlo do anno do 18*2, pelo principe Li-
chnowsky traduzidodo allemiio segunda edicffo
correcta e annotada.
O consumo, rpido da prmeira edieflo, o a sua
procura por militas pessoas que ficaram sem ella ,
induzio o traductora reimpressto desta obra curio-
sa que conlm a npreciacflo dos caracteres mais
nolaves do paiz dos seus acontecimentos polti-
cos monumentos O lugares principales, feta por
esse principe prussiano que all viajou em o an-
no citado. Um folheto do 220 paginas. Vende-se
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Organon de Kahnemann ou exposicilo das dou-
trinas homcepalhicas, 2 v. pequeos ; Manual do
pai de familia do capilfo do navio e do fazendei-
ro ou noticias elementares da homoepathia con-
tendo a aceito dos 2* principaes medicamentos ho-
moepathcos, 1 v.: vende-so por prego commodo,
na ra da Cruz, u. 1, segundo andar.
O Museu Pittoresco jornal recreactivo e ins-
tructivo, com excellentes eslampas, at o n. 21, por
pceo menor do que a da assigliatura,: vende-so na
ra da Cruz, n. I, segundo andar.
visos martimos.
Para o Cear, coma maior brevidade possivel,
sahe o patacho nacional Laurenlina : quem no mes-
mo quizer carregar ou ir de passagem, dirija-so ao
capilSo do mesmo, Antonio Germano das Nevos,
ra da Cruz, n. 64. *
Para o Ro-Grande-do-Sul sahir brevo o pata-
cho Emiliana, o qual pode receber alguma carga
mluda eoscravos a frete : quem pretender enten-
da-se com Aniorm Irmfios na ra da Cadeia/n. *5.
Contratos a celebrarem-se com a thesouraria das rendas
provinciaei.
O do eslabelecimenlo de urna linha de mnibus,
^pMfBwaaKnsiccanc:. w^j>^aaEjw. :wMM*ra
lempo um sentimento diverso do amor filial me po-
desse invadir o coracfo. E quando eu conbeci que
leamava, quo sem lijn.lo podia vver, derrame
lagrimas bem amargas.
Soltcira e casada ao mesmo lempo, nSo podia an-
nullar o meu casamento, sem deshonrar minha mili;
no .poda ceder ao amor sem chamar o ridiculo e a
vorgonba sobre esse homem generoso quo havia co-
mo renovado a minha vida.....
Decedi-moao combato. Jure calar-me c soffrer
Foi en Ufo que Mr. do Grand-Champs me dsse que
la fazer urna viagem a Inglaterra. Um mez depois da
sua partida, um medico de Londres me annuuciava
a niorle de meu esposo, arrebatado por una molestia
sbita, e me euviava os seus ltimos adeoses nos
quaes me pedia que te dsse a mflo.
Infeliz pai / elle nSo me tinha communicado o seu
designio. Ternera, sem duvda, que eu nflo aceitas-
so o sacrificio que elle ia fazer do seu nome, da sua
posicilo na socedade ; c eu nfo pude duvidar da sua
morte, certificada pelos ttulos aulhenticos que nos
mandamos vir de Londres, quando me decid a pre-
enener as suas ultimas volitados, que oram tambem
as mmlias.
Nobrecorago! exclamou Carlos.
Oh! nos o havemos de salvar, nao he assim,
senhor cura ? disso a marqueza.
Assim o espero, minha senhora ; vou implorar
ao ceoa sua cura.....
E eu, disse Isolina, agora que as inquicta^Oes
do Carise de minha lia j seacabaram, vollo para
opedclle, para velar nesse somno benfico que o
deve restituir ao nosso amor. .
No dia segunte, quando Mr. deGrand-Champs
acordou sob um sorriso de sua ilha, tinha elle re-
cuperado inicuamente os seus sentidos ; e um eirur-
gio, vindo de Pau esta noite, conlirmou anda o fe-
*iz prognstico do cura.
Nflo emprehenderemos desrrever aqu essa soena
pathetica de reconhecimento. as sensacOes pura-
mente intimas acontece o mesmo que em certos as-
pectos da naturoza, que o pintor mais hbil tem de
Traquear se os quizer reproduzr. A pintura pela
peona tem seus limites, assim como a pintura pelo
pincel.
Algumas palavras smente sero bstanles para
com mullicar aos nossos leitores as explicacOes da-'
Lt'O: S.
James Crabtree & Companhia farito leilflo, por
nlervcngilo docoiretor Oliveira, de grande sorti-
iiienlo do l'azen las inglezas, todas muito venda veis :
boje, 18 do corrente, as 10 horas da manh3a, no seu
armazem, ra da Cruz.
A. S. Corbelt far leilfo, por intervenQto do
corrotor Oliveira, de urna linda collecQffo de pintu-
ras cm quadros, e estampas finissmas, ludo propro
para adorno das salas dos entendedores da arte de
pintura: sabbado, 20 do corrente, s 10 horas da
manhiia, por cima do seu cscriptorio, na ra da
Cadeia.
Deane Youle & Companhia farSo leilio por in-
lervencflodo corretorOliveira, de avultado sorti-
monto do fazendas inglezas, todas proprias do mer-
- O lesembar^ador Siqueira,
tendo de felirar-se para a corle no vapor Paraense
que breve deve chegar este porto, o no podendo
despedir-se pessoalmcnto de todas as pessoas de
sua amizade e.afTeiQo, o faz por meio deste annun-
cio, podndo-lhos desculpa; eaomesmo tompo a-
gradece a todos os tons Pernambucanos o benigno
acolhmento que Ihe prestaram.
O TRIBUNO N. 48
est venda n praca da Independencia, ns, 6 o 8-
muito digno be este numero do ser.lido : procu-
rem-no. '
~ Apessoaquc quer saber a moradia do Sr Dr
Joffo da Rocha Hollanda Cavalcant, o o lugar do in-
ventario dos bens do finadoEstevo Rodrigues Du-
r, drija-sea ruado Livramento, n.26, que acha-
ra de quem so informar a respeito, das 6 as 8 horas
da manh.Ta, e das 2 as 5 da larde.
A livraria da esquina do Collegio admitte un
menino de 10 a 12annos,que saiba primeiras lot-
(lili
Arrenda-se um armazem na ra do Vigario
n. 22, muito bom para socar assucar, ou para ou-
troqualquorestabelecimento : a tratar no segundo
andar da mesma casa.
Antonio Ferreira da Costa Braga faz sciente ao
respcitavel publico, que o que deve a seu ex-caixei-
roFirminodo llego Pacheco he 12,417 rs. como
consta da conla que Ihe entregou ouja quanta
nioquiz receber quando recebeu a conta, o que
pode mandar receber quando quizer.
-No da 19 do corrente, A porla do Sr. doutor
juiz docivol da prmoira vara na ra Nova pelas
* horas da tarde, se ha de arrematar urna casa ter-
rea na travessa da S.-Cruz, n. 1, avaliada pelo di-
minuto proco de 700,000 rs., como consta do es-
criplo em poder do porleiro Serra-Grande : quem
a pretender compareca, quo he a ultima praca.
Pede-se ao curiosoque, oiora na
ru i da Cadeia do Recife e que bota os
fundos da casa para a ru da Senzalla-
Velhn, que se deiite de incommodar a
vizinhanca ateas 11 horas da noite com
a sua enfadoiihi clarineta; pois que, do
contrarile recorrer a ou tros meios que
o hao de fazer calar.
Aluga-se urna metade de urna casa terrea, com
muito bons commodos para urna pequea familia
e com porto para o mar: na ra da Praia, armazem
de sal, n. 71.
- Aluga-se a casa de sobrado de um andar sita
na ra da Un So, junto a casa em que estere o col-
legio S.-Antonio a qual, alm dos bastantes com-
modos que offereco, tem bella vista, muito fres-
co bom quintal, cacimba e um melhor parreiral;
a tratar no Recifo, com Jos Gomes Leal.
Urna crioula se offerece para servir em urna
casa de homem solteiro, ou de pouca familia: quem
de seu prestimo se quizer ulilisar dirija-se a ra da
Flores, n. 7.
O secretario da irmandado de N. S. do Livra
ment, porordem da mesa e pelo prsenlo con-
vida a todos ss irmos para que comparecam no
consistorio da dita irmandade no da 21 do corren-
te, as 3 horas da tarde, afim deque, reunidos em
mesa geral, possam eleger o novo juiz que tem do
reger esta irmandade para o armo de 1848.
- Deseja-se fallar aoSr. Jos Pinto, que ha lem-
pos veio do Porto na barca Espirito-Santo a nego-
cio de inlerosse : e como so nao sabe a sua' residen-
cia, ou so suppOe que est fra desta provincia.roaa-
se a quem souber noticia dcsto Sr., de dirgir-se a
ra do Vigario, n. 8, que por este obsequio ser-lhe-
ha grato o prclendente.
- Offerece-se nina parda j de idade crescida, nSo
so para o servico de casa como igualmente pa-
ra compras de ra ; aqualsabo cozinhar, engom-
mar e fazer os mais arranjos : quem de seu presti-
mo se quizer uliar dirija-se a ra da Senzafa-Ve-
Illtl II. 100.
"" *"
das pelo ferido, a respeito dos factos que elles an-
da ignoram.
Parlindo para Inglaterra, com a resoluto de tor-
nar sua ilha livre e feliz, Mr. de Grand-Champs foi
procurar um dos prmeiros mdicos de Londres que
elle conliecra outr'ora as Anlilhas ; o Ihe confiou
em segredo a sua singular historia e o projocto que
havia concebido.
O doulor consQiito cm ajuda-loem tflo nobre de-
signio. Mr. de Grand-Champs fingi cahir docnte, e
foi hospedar-so em casa do sou amigo. A doenca
lornou-se grave, nflo obslante os soccorros da arte ;
epassados alguns dias, a municipalidado do Lon-
dres inscrevia em sous registros a morte do viajan-
te francez, o aual foi substituido no sou leito fne-
bre por um cadver, procurado pelo medico.
Todas as precauces foram tilo bem tomadas, que
os proprios criados do defunto se engaaran!.
ludo eslava acabado : Mr. deGrand-Champs nio
oxistil mais; Isolina eslava livre.
Ilesolvido a consagrar sciencia o resto dos seus
das ; condemnado d'liora em dianle ao esquecimen-
to, foi visitar os estados da America do Norte ; e de
la queria partir para a India, a travessa r a Asia, e
percorrer a China.
Mas, antes do emprehonderessa longa perigrina-
cHo, n3o pode resistir ao desejo de ver sua filha fe-
liz, de a ver anda urna vez sem que ella o soubesse.
Voltou a Franca, soube que sua filha .se havia ca-
sado, e que passava a primavera no caslello da mar-
quoza deGovres, siluado junio a fronteira despa-
lillla.
Duigio-se para o valle de aygorry, foi morar
n'uuia hospedara que ha em Saiiit-Jean-Picd-de-
l'ori, e tomando como pretexto urna paixio inmen-
sa pela caca, passava os dias nos bosques quo cor-
cam o caslello de Gevres, esporando que o acaso llio
lizesse veruina vezao menos a sua querida llha.
Urna noite em quo elle atravessava uns claros des-
se bosque, percebeu um grupo de cinco a seis d-
meos armados de cartulas, de suspeita apparencia
Um delles, com o braco csteudido para o caslello
deGevres, cujas torrinhas de arebitectura golnca
sodosenhavam ao longo na sombra, fallava com vi-
vacidade a seus companheiros.
Mr. de Grand-Champs dou alguns passos com pre-
caucao...., e qual nao foi o seu espanto ao reconbe-
cerOom Diogo!
Yosss meouvem, disse oantgo proscripto;
eu nao quero senflo a moca, e ludo o mais he de
vosss ; silencio e precauQ3o.
Est dito, rcpeliram os bandidos, e dispersa-
ram-so immedialamcnte.
Mr.de Grand-Champs ficou por um momento to-
mado desorpreza e de estupor.
Pouco e pouco os bandidos se pcideram as tre-
vas. Entilo, com a rapidez do relmpago, elle se doi-
xou escorregar por um roebedo escarpado abaixo,
renovou multas vezes esta purigosa desoda, para
abreviar caminho, o acbou-se junto aos muros do
caslello, ao abrigo de urna grande sebe, ao mesmo
lempo que Dom Diogo e os seus cumplios.
Os bandidos, governados pelo coronel, comeea-
ram immediatamente a trabalhar para escalar os
muros da tapada contigua ao caslello ; por.Sm Mr. de
Grand-Champs, com um tiro, lanc'ou por Ierra a Dom
iogo.
Atemorisados os salteadores, fugiram todos ex-
cepto um, que, voltando-se para a sebe, e vendo a
Mr. de Grand-Champs, descarregu sobre olio a ca-
ravina. Alguns camponezes que alravessaram o val-
le acudiram.....Os leitores sabem o mais
Mr. de Grand-Champs, mloquerendo que o nomo
de Isolina osse envolvido ncsla aventura, disse ao
Jinz do paz que Don, Diogo tinha sido como elle vic-
tima de mall'eitores desconhecidos.
Occullo sob o nomo falso que tomara depois da
sua morte supposla, aguardou no caslello a comple-
ta cura da fonda quo recebara.'Isolina, Carlos, e
aleapropna marqueza Iho pediram vivamente quo
passasse o resto do sua vida entre ellos ; mas Mr do
Grand-Champs no quiz comprometlor o re'pouso
de seus hlhos, expoudo-se a ser conhecido.
Ealm de que, disso ello a sua ilha, a minha
missao esla preenchda, pois que parlo tranquillo a
respeito da tua folicidado.
FIM.


^3.
' >

Sexta-feira, 19 do corrento,' ha arremataco
judicial, por renda, de um sobrado de meia-agoa, de
3 andares, na travessa do Encantamento no b^irro
ilo Recife; do duas moradas terreas na ra do Azeito-
Je-Peixe,e do um sitio na estrada do Joflo-de-Barros;
porexecuglo pendente no juizo do'civel.
AVISO GERAL.
Jos Pradines, cutileiro, previne a seus fregue-
zes que mudero-se da ra do Cabug, n. 12, para a
ra larga do Rozado, n. 26, junto loja doSr.
Thomaz do Aquino Fonseca. o que sompre est
prompto para fazer qualquor obra ile scu ollicio, e
contina a amolar s tercas, quintase sabbadosde
cada semana.
Precisa-se de urna ama de boa conducta para
O casa de homem sollciro : na ra da Cadeia do Ke-
dentista e sangrador Jos Auecleto, ICife, n. 29, terceiro andar se dir quem precisa.
muito conhecido, c morador na ra eslreita do Ro- .___._____..................
Eario, junto a groja, casa terrea n 7, na freguezia
de Santo-Antonio desia cidade do Rccifo, fazscien-
te a todos os habitantes, o com especialidade aos
moradores das comarcas, villas c povoaces e
igualmente a todos os proprietarios de engenhos,
agricultores, senhores de fabricas o a todos os mais
chefes dfl familia o de casas de cducagflo, que elle
recebeu de Franca, ha pouco, urna grande porgffo de
paragirafoux, calmante odontalgico, composlo por
ai. iou\ (v -., pii.ii ui.ufuii >-i, como m dos rcnic-j
dios mais cfficazes, que nos conhecemos para a-
placar ou destruir as mais violentas dores do denles,
produzidas por carie ou por qualquer outra aflecglo
da bocea, o qual eu ensino por um impresso um no-
vo methbdo de se applicar porqualroou seis ma-
neiras, etn qualquer urna das odontalgias ou
mal dos denles. Este remedio goza do gran-
de crdito em Paris, o he o melhor especifico
que ha nesta provincia para aplacar, ou destruir as
mais violentas dores de dentes, principalmente pelo
novo methodo do sua applicacSo, Vende-se cada
frasco por 10,000 rs.,por nao haverom por ora outros
mais poquonos ; cmlim, para este remedio chegar
para todos, vende-se lamhem quantidade sufici-
ente por 2,000 rs., trazendo cada um scu vidri-
nho com rolba ; c applica tambem radicalmen-
te este remedio todas as pessoas que forem a sua
casa com dores de dentes ; porcada applicacio, ou
tirar delicadamente o dente ou raiz, sendo preciso,
1,000 rs.; chumbar um dente com metal branco,
1 a 2,000 rs, o chumbar com ouro, sendo preciso,
4,000 rs.; apartar pcrfeitaniente os quatro ou seis
dentes incisivos e raninos do queixo superior, 6,000
Compras.
Compra-so um balcilo o taboas quo clieguem
para ajrnagflo do urna pequea venda ; assim como
algumas medidas, pesos e balanza, sendo por prego
commodo : na ra do Qucimado, n. 18, primeiro an-
dar, com entrad! pela ra do Rozario.
Compra-seum sellim para montiiria de senho-
ra estando em bom estado : na ra da Cruz, no
Recife, n.48.
l)ao-se 5os'ooo rs.de gratificacao,
e se pagarao todas as mais despe-
zas que se tenham feito, a quem
dv noticia do caboclinbo escra-
vo por nome Vicente de seis
annos, pouco mais ou menos, sec-
co do corpo; tem no anus duasfe-
lidas de bobas, e h? um tanto le-
so, por ser novato nesta praca; le-
vou vestido camisa de algodao da
Ierra um tanto soja ; deseneami-
iibou-se da ra do Vigario, n. >.].
anude se poder dirigir a pessoa
qnesouber, ou ra d Cadeia
(o Recife, n. 21
rs.; esta operagflo he muito precisa a qualquer pes-
oa, lauto aos infantes como aos adultos porque
previne os dentes do seren cariados para o futuro, o
aformoza muito a arcada dentaria. Vcndeni-sc tam-
bem limas proprias para eslas operacies, a 1,000 rs.
cada urna. Vendo-se tainhem metal branco, tanto
om folln, como fusivol, quantidade suficiente para
cada um chumbar seus dentes Turados ou cariados,
e um instrumento proprio para estas oporages, por
3,000 rs.; e ouro, ou platina, quantidade sulllciente
para cada um chumbar seus dentes furados ou ca-
riados, por 6,000 rs. Esta operagflo helainbem muilo
precisa a qualquer pessoa, porque-previno para o fu-
turo as dores de denles, escusando cada um cha-
mar um dentista para estas operagOes tilo simples.
--Precisa-se de 5000,000 de rs. a premio.com
li\-polnica em predios livres e desembarazados nes-
ta praca a contento da .pessqa que der dita quan-
tia : a tratar na ra de Agoas-Verdes, 11. 46.
-cAluga-se urna morada de casa parase passara
fesia, na iiuuma de S.-Pedro-Martyr da cidade do
Olinda, 11. 2, com 4quartos, mirante .cozinha fu-
ra quintal murado com cacimba e tanque para ba-
nho o bastante fresca : a tratar na ladoira da biqui-
nha da incsma cidade n. 17.
Socicdade Rccreio-Juveuil.
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
boje, 18 do correte ha sessflo da sociedado na
casa da mesma as 6 horas e meia da tarde.
Alugam-sc os primeiro e segundo andaros da
casada ra da Cuia ,11. 29: a tratar na botica do
Sr. Paranhos.
Perdeu-sc, na noilo de 15 do corrento desde
o Aterro-da-Boa-Vista atea esquina da matriz de
S.-Anlonio um embrulho em um padago do dia-
rio coiilendo 102,000 rs. em cdulas sendo urna
de 50,000 rs. e as mais do 5,000, 2,000 e 1,000 rs. :
igualmente urna leltra de 108,000 rs. a vencer a 7
de fevereiro vindro, acoita por Jos Mauricio de
Souza o endocada por Jos Mauricio de Albuqucr-
que : quem o tiver adiado dirija-sc a esta typogra-
phia, ou aununcie, que ser generosamente re-
compensado.
Precisa-so de um caixcirg que entenda beni de
miudozas, e oue dfiador a sua conducta : na ra
da Cadeia-Velha, loja de miudezas n. 11.
Precisa-se de urna pessoa que se oncarregue de
lomar conta do urna freguezia de pao ajudando
lambem aalgum servico : na ra larga do Rozario,
padaria n. 48.
Jos Ribeiro da Fonseca retira-se para a Eu-
ropa a tratar de sua sade.
Quem tiver urna burra parida que a queira alu-
gar para se tirar le le, dirija-se a ra Nova n. 28,
loja d selleiro do Antonio Ferreira da Costa Braga.
Aluga-se o segundo andar do sobrado de va-
randas de ferro na ra da Guia n. 64, com hons
commodos para morarem duas familias : a tratar na
ra larga do Rozario, loja de miudezas, n. 22.
Um estrangeiro se prope a dar ligues do deso-
uhoe escrever, tanto na lingoa allemfla como na
franceza e na ingleza: quem de seu prestimo sequi-
zer ulilisar, dirija-so a ra do Torres, n. 46, primei-
1 os andar.
O doutorCasanova medico francez, contina
* receitar em sua casa na ra Nova 7, primeiro
andar, defronledo oitfloda matriz do S.-Anlonio.
das 7 as 9 horas da manlifia o depois disto, est
prompto a qualquer hora para fazer visilas a qual-
quer doenlo que do son prestimo so quizer utilisar.
Quem liver uina preta para alugar, que saiba
cozinhar, engommarefazor todoo mais s.rrvigo de
urna casa, oque dfiador a sua conducta dirija-
so U ra da Aurora n. 20
Ainda ha para alugar duas casas com muito
bous comino.los, nosilio do Cajuoiro, e lambem
urna cochoira na Boa-Vista: a tratar no mosino
silio do Cajueiro.
H CH i PISOS DE SOL $jt
Roo Joo l.oubct participa ao rcspeitavel publico, que
recebeu, por estes ltimos navios francezes, um com-
pleto sortimenlo de chapeos de sol, de seda, a mais
rica e superior qualidade; fui ta-cres e outras mui-
tasconhecidas, tanto para bonicos, como para Sras
e meninos. No mcsinoestabelccimcnto h um sorli-
mento de chapeos de sol de paninho, ilos mais mo-
dernos; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo: tainbeui tem chapeos de ol de paninho
para meninos c meninas, por serem muito finos: po-
dem-se chamar chapos ileecononiia. Na mesma loja
ha sortimenlo de bengalas, bengalinhas e chicotes
muito modernos; cobfe-se qualquer armagflo de cha-
peos deso, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimenlo de
panninlios trancados e lisos, imitando seda, para
cobrir os inesmos: desla fazenda se vende arelalho.
Conccrta-so todo qualquer chapeo do sol, por ha ver
um completo sortimenlo de todos os pertences para
os mesmos, com loda a perfeigflo o brevidade.
Lotera do Rio de-Janeiro.
Aos 20:000^000 de ris.
Til ra da Cadeia do Recife, loja de cambio do
Vieira, estro a venda bilhetes e meios ditos da lo-
tera a beneficio do thcatro de San-Pcdro-dc-AI-
cantara. Estes bilhetes vilo rubricados por Viei-
ra da Silva.
Vcndem-se casacs de rolas bran-
cas, a 8,000 rs., ditos com filbos, por
10,00 1 rs. cada um, ditos de filbos, por
5.000 rs.; di'os pardos, a 3,000 rs., una
rola trocal, por 3,000 rs., ao casaes de
pornbos a 1,000 rs. o casal, comprndo-
se todos junios, ea 1,280 rs. o casa
sendo a rclalbo : no terceiro andar do
sohiado da ra do Crespo, n. 1 i, das
6 as 8 horas da mintiaa, e das i as !\ da
tarde.
Vende-so una cadeira de arruar, das mclho-
res desta cidade, envidragada e forrada de damasco,
quasi nova, c por proco commodo na ra do Quci-
mado. n. 18, primeiro andar, com entrada pela ra
ilo Rozario
Lima, alfaiate,
de
na ra do l.ivramcnto sobrado n. 1 precisa
bous officiaes de sen ollicio c de costureiras.
~ Fr. Joflo Capislrano de Mondonga tem aborto
um curso de philosophia rhelorica o geographia :
as pessoas que se propozerem a cstudar stas ma-
teria o poderao procurar no convenio de S.-Fran-
cisco, a qualquer hora.
--- Anenda-se pelo lempo da festa um sitio na
malta da Torre, defrontu Jo Sr. A. Carneiro, com
casa que ccmtm 6 quartos, com desfructo do porcio
de ananazesabacaxis, pluuta de capim para dous
cavallos o mais fruclas a colher: os prelendentes diri-
ja m-so a piaca da lloa-Visla, casa n. 6, ou a ra da
Santa-Cruz, 11. 74.
O abaixo assiguado, encarregado do
deposito do rape Princeza-de-Libda.,-
faz acicale ao respcilavcl publico, que
tendo viudo ordens positivas do contrato
para nao se vender o rap fiado, por isso
de boje em diante e sem exceptu de
pessoa, so vender o dito rap a qut-m
lite, pagar vista ; o que fuz publico paro
conhecimonto de todgs. Peinambuco, 1."
de novembro de 1847.
Antonio Francisco de Moraes.
SOCIEDADE
rHILO-DMMATCA
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
hoje pelas 6 horas e meia da tarde, ha sessflo da
sociedade, para deliberar sobre negocio de summa
importancia.
Precisa-se de uma ama para o servico interno
de urna casa de pouca familia, com as condi^es
que a visla se exporfio : na ra da Estancia, casa
junto a igreja a qualquer hora do dia.
Em Fra-de-Porlas, ra Pilar 11. 84, precisa-se de
um caixeiro porluguez que tenha 10 a 12 annos e
que d fiador a sua conduela.
Ainda estiTo para se alugar as casas terreas ns.
25 e'29 sitas prximas a ponte do tlanguinho, as
quaes tcem bons commodos com quintal murado ,
porto de embarque, cuma dolas tem viveiro de
peixe o se alugam por prego muito commodo
Vemdem-se, no dislriclo da villa do Bananei-
ras, na provincia da Parahiba do Norle, as segun-
tes Ierras proprias para plantacOcs de algodHo o
cannas de assucar, a saber: um silio com meia egoa
de Ierra, denominado Alagoinha- ; um sitio com
uma engenhnca ecasa de vivenda, det.ominadn Ra-
copari propria para dar caimas de assucar, que
fui do finado Joaquim do Reg Toscano e Brito, e
ora parte do sitio Po-d'Arco ; urna parte de Ierras
no sitio Cannabrava, muilo propria para prodcelo
de cannas de assucar, leudo propor^es para se le-
vantar um engenho ; unas Ierras denominadas
Sitio-Novo, em Calahouco, com uma casa gran-
de de vivenda, senzalla para escravos, prensa para
encacar aluodfio c outros perleuces para descaro-
lamento do mesmo genero, que foram de Francis-
co da Cunha Ribeiro: silo proprias para plantacHo
c algodfto, ou para eriaco de gados. Quem as
quizer comprar dirija-se naquella villa ancapitilo
Eslevilo Jos da Rocha, ou na cidade da Parahiba, a
Josl.uiz Pcreira l.ima.
tratar com Mauoel Pereira
ximo quelle lugar.
Tcixeira morador pro-
Para as pessoas que tencio~
iiam seguir viagem.
Na ra do Rangel, n. 9, continuam-se a tirar pas-
saporlcs para denlro e fura do imperio, despacham-
sc escravos ecoirein-sc folhas ludo com brevida-
de e por preco muilo e muito commodo, do que
j se tem dado exuberante prova no decurso de sete
annos.
Igreja do Corpo-,Sarilo.
A mesa regedora da rrmandado do SS. Sacramen-
to da igreja de S.-Fr. Pcdro-Conc.alves convida e 10-
ga a lodos os seus irmOos hajam de comparecer,
domingo, 21 docorrente polas 3 horas da tarde ,
na sua respectiva igreja, para em corporacio, como
he de coslume, e com aquella decencia que Ihe he
devida seguirem a matriz de S.-Antonio alini de
acompanharem dalli a procissSo solemne do Corpvs-
Chruli, que tem de. sabir daquella matriz, nesse
dia, pelas 3 lloras da tarde imprelerivclmcnte por
ordem de S. Exc. Revm. Sabendo a mesa regedora,
3ue muitos dos seus irmilos leem capas em seu po-
er Ihes roga por obsequio hajam de comparecer
com ellas para diio fin, ltenla a precisao em que
a lal respeitose acha a dila irmandade, porque as
novas que ltimamente se mandaram fazer, corta-
mente nlo chegarilo para um grande numero de
irmaos que nesse dia fervorosamente devem com-
parecer
Aluga-se, pelo lempo de cinco mezes, (durante
o actual vento) o silio da Ponte-do-L'cha, chama-
do do Meia-Dobla, o qual tem boa casa de sobrado,
grande extcuso do terreno com muitas o diffe-
rentes arveres de fruclo, boa agoa de beber o uma
grande c fresca baixa de capim do planta ; esealu-
ga ludo por prego muilo commodo : a fallar da ra
Nuv8,loja de ferragens, de Teixeira & Andrade.
Na loja Humero 17 da rua to
Passe o-Publico,
vendom-sc cortes de cambraia, do edres finas, com
6 e meia a 7 varas, a 2,210 e 2,560 rs. ; dilas muilo
linas, a 560 rs a vara ; cortea das muito lindas prin-
cezinas, a 12,000 rs.; maulas de seda, muilo ricas,
a 10,000 rs.; chales de seda, muito ricos, a 14,000 rs.;
chitas linasa 120, 140,160, 180,200 c 240 rs., e muilo
finas a 280 rs.; brina de linho de quadros eligirs,
muito lindos padres, a 640 rs. a vara ; lencos gran-
des de seda para grvala, c bous em qualidade, a
1,280 rs. ; mantas de seda para grvala de homem, a
2,000 rs. ; cortes de collete de lila e seda, a 320 rs. ;
ditos de fuslfio, a 500 rs.; ditos de velludo deco-
res, a 3,000 rs. ; ditos de gorgurao do seda de co-
res, a 3,000 rs. ; ditos de gorgurao de 13a eseda, *
1,000 rs.; longos brancos arrendados, para mo de
sen hora, a 210 rs.; chales de laa da Escocia, a 2 560
rs.; ditos de la com listras de seda, a 3,000 ris ;
alpaca cor do caf, a 640 rs. o covado ; dila muito li-
na preta, a 1,440 rs. o covado; pegas de madapolao
muito linas, com quatro palmos, a 4,000 e 4,500 rs ;
cassa lisa a 240, 400, 480 c 560 rs. ; pegas de algo-
dlozinho com 18 jardas, a 2,000 rs.; chales de cas-
sa escura, a640rs. ; merinos muilo superiores, a
1,600, 2,800, 3,200, 3,500 o 4,000 rs. o covado ; cor-
tes de chita com dez covados, a 1,000 rs,. ; ditos linos
com 10 ditos, a 1,800 rs. ; ditos ditos com 14 ditos,
a 3,500 rs. ; dilos de vestido de cassa com barra, a
5,000 rs o outras muitas fazendas por pregos com-
modos.
Casimiras clsticas e finas, a
7#000 rs.
Vonde-so um negro perito offlcial de sapaleiro,
de idade do 20 annos, e uma negra cozinheira, cos-
lureira, lavadeira e engommadeira, de idade de 22
annos pouco mais ou menos : na rua estreita do Ro-
zario, n. 43, secundo andar.
-----Vendem-se eneites de froco de di-
versas cores para cabecas de sen horas :
na loja de Maya !'<-.mo & C, rua Nova,
n. 6.
Xa rua do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da 8ilva
Maya,
vendem-se muito lindos chapeos para meninas,
tanto de seda como de nalhinha chegados ltima-
mente de Paris ; chapeos do seda para senhora ;
cortes do crambraia do scda.de ricos gostos por
prego muito commodo ; cortes do vestidos de cam-
braia ecassa-chitas de difforcntes qualidades, por
pregos baratos; ditos com uma pinta do mofo e
sem elle a 2,000 e2,500 rs. cada corte ; mantas de
seda e lila para senhora das mais modernas que
leem vindo a osla praga a 5,000 rs. cada uma ;
maulas e chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca preta a 800 e 1,600 rs. o covaJo;
panno de linho a 400 rs. a vara; casimiras fra n-
eczas cclsticas para caigas a 5,000 rs. o corte;
fuslOes; setinse velludos para collote, por preco
muiloem conta ; bom como um sortimenlo de ou-
tras muilas fazendas que so vendem polo barato.
AOS ESTIiDANTES.
Vende-se um jogo dos importantes diccionarios
inglezcs de Vieira, formato grande c novos, pelo
commodo pego de 25,000 rs.; oCuarda-Livros, mo-
derno, por 7,000 rs. : no Atlerro-da-Bua-Vista, loja
n. 78.
Na rua do Trapiche, n. 31, ar
tuazeiu de M. ernel, vende-
se o seguale:
Salame fresco ; presuntos do Weslphalia ; licores
superlinosesuperioresa todos que teem chegadoan-
tigamentc; curavfo verdadeiro de Hollanda ; an-
chovis muilo frescos; ahsintho da verdadeira mar-
ca o kirschwasser da Suissa; wermouth; fruclas
em ago'ardento ; conservas petitspois esardinhas;
ditas mglezas em vinagre : ludo isto chegado no ul-
timo navio da Europa : assim como todas as quali-
dades de vinlios, argo'ardentes, conservas do carne,
etc.; charutos e muitos outros objectos de superior
qualidade c por prego commodo.
Vende-se um bonito molecoto de 18 an-
uos, do bonita figura, bom cozinheiro e
copciro ptimo para qualquer casa es-
traugeira, sem vicios nem achaques; u-
ma mulalinha de 13 annos, com muito
hons principios de habilidades e que lio
recolhida ; tres pretas muito mogas coito
algumas habilidades, o quesabem vender
na rua : na rua do Vigario, n. 24 se
dir quem vende.
m
i
Vendem-se superiores casimiras elsticas finas o
de cores, pelo haratissiino prego do 7,000 rs. o cor- rs- a duzia-
le de caiga. Esta fazenda lio recommendavel pola
sua qualidade tanto em fazenda como em gostos ,
por seren os mais modernos; casimiras pretas ,
snperior fazenda por serem muito finas a 2, 3 e
3,500 rs. o covado : na rua do Collegio, loja n. 1.
Cheguem, que eslose aca-
bando
os sapa loes de he/erro para homem a 1,280 rs., e
bengalinhas para passeio, a 320 rs. : no Alerro-da-
Boa-Vista loja n. 78.
ara presepes.
No Alerro-da-Boa-Vista loja n. 78 vendem-se
caixinhas com calungas para presepes, contendo
varios utensilios.
Remedio prodigioso para os
embriagados.
Este 'remedio lorna-so mui apreciavel por ser sua
composigiio mui simples, e nilo arruinar a sade do
individuo, fazondo-o aborrecer para sempre a he-
billa. Vende-86 na rua da Cloria, n. 87.
Na loja nova da rua d> Quei-
mado,n. 11 v, dcUaymun-
do Garlos Lcite, .
acha-sc um novo sortimenlo de lindas mantas de
seda a 4,000 rs., tendo lambem de 2,000 10,000,
16,000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora de trogal,
u H i na moda em Lisboa ; mcias cras u. 10 a 5/
Id mira veis nava-
llias lv.acoda Jiin.i
o cabello sem offeu-
parecendo estar na
que teem a vantagem do corta
sa da pello dcixando a cara
sua brilhante mocidade.
Esto ago vem exclusivamente da China c s ncl-
le Iralialliaiu dous dos melljorcs c mais abalisados
cutileiros da nunca excedida e rica cidade de Pe-
kim capi-ial do iuipori China.Autor Shan.
N. It. He reconhecido o uso destas navalhas
maravilhosas por todas as sociedades das scien-
cias nicdico-cirurgicas, tanto, da Europa como da
America Azia o frica, nao s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas lambem como um meio cos-
mtico.
Vendem-se as verdadeiras s na rua larga do Ro-
zario, n.^4.
Vendo-se urna porcflo decaixas de v^lasde car-
nauba chegadas ltimamente do Aracaty no hiato
Novo Olinda contendo cada caixa uma arroba ,
sendo 6e 8 em libra muito bem trabalhadas o
que os compradores poderSo ver da sua boa quali-
dade: vendem-se em porcflo, ou. em caixa, por pre-
go commodo : na rua do l.ivramento loja de fazen-
das, n. 45.
Vende-se, na rua da
Cadeia, n. 37,ceraem ve-
las fabricadas no Rio-
de-Janeiro, em uma das
melhores fabricas em
caixas pequeuas, sorti-
mentos ao goslodo com-
prador, e por prego mais
barato do que em oulra
qualquer parte.
Vende-se um sitio na estrada dos
AftTictos, com boa casa de vivenda, de
pedra ecal, com solio, cozinha fra, es-
tribara para um cavallo, muito bom po-
co, o qual admitte ora, todo cheio dear-
voredos novos : a tratar na mesma estra-
da com Joaiiuim de Oliveira e Souza.


r-W
>--.-


.


S -_-! -----------------
Vendem-se 3 escravas, sendo : urna preta pe-
rita cozinbeira n boa engommadeira ; urna dita
que cozinha o diario do urna casa he boa quitan-
tandeirae vende miudezas; urna parda pro,iria pa-
ra todo o servigo de urna casa do familia oque tctn
algumashabilidades: todas sem vicios nem achaques
o que se afiangaa conducta : no pateo da S.-Cruz ,
sobrado n. 14, se dir quem vende.
Vende-se utn relogio sabonete de prata, bom
regulador, por ,10,000 re.; uin piano forte inglez ,
do rnclhor autor e que precisa do um pequeo con.-
certo de marceneiro, por 60,000 rs; meias de algo-
dJJogrossas, proprias para doontes, por aquecorom
os pes, a 4800 fs a dttzia ; volas de carnauba a
280 rs. a libra : na ra larga do Hozario, n. 46, pri-
meiro andar.
Vende-se urna morada de casa torrea, sita na
ra Velha n. 21 : a tratar na ra da Concordia, com
Jos Antonio Correia Jnior.
AGENCIA >A FNOFAO' W5 i.OW-MOOR.
Na ra da Senzalla-Nova n. 42, contina a haver
j n completo sortimento de moendas e machinas de
vapor para engenhos de assucar : bem como tc-i-
xas de Trro batido e coado de todos os tamanhos:
tudo por proco commodo.
Vende-se. ou troca-se por casas nosta praca, um
terreno com 412 palmos de frente e 150 de fundo,
sito por detrs do covento do Carmo : a tratar com
o seu proprietario no Manguinho, segundo sitio
depoisdacapellade S.-Jos.
Vende-se um sitio do trras proprias com va-
rios arvoredos de fructo casa, hoa cacimba, no
lugar d"Agoa-Fria do lleheribe ; cujo sitio foi do fal-
lecido Joronymo Jos Martins : no pateo da igroja do
Pilar, dolado esquerdo, casa u. 181 ou no car-
torio dos orphiios se far todo o negocio.
Na loja nova da rua do Quei-
mado, n. II A, dcltaymun-
do Carlos Lcite ,
aoha-seum novo sortimentodo pannos linos do todas
as cores e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda ;um completo sortimento de fazendas linas
egrossas, por prego mais barato do que cm oulra
qualqucr parta.
Vende-se, ou aluga-se para se passar a fosla ,
urna casa com bons commodos, na Varzea em uin
sitio de arvoredos: a tratar no becco da Viracio .
n. 25. v '
Vende-se una porcao de tarta ru-
ga em chapas : na rua da Cruz n. i3.
Vende-se urna venda, sita na rua da Senzalla-
Nova, n. 1 : a tratar na mesma venda.
A
Vende-se u na rapariga de naci deolegan-
to figura perfeita engommadeira tanto de roupa
de homem como de senhora oxcellonto lavaJeira
de sabflo o varrella,que he grande cozinhoira,|e tam-
bem cose alguma cousa : o motivo da venda he
porque seu senhor retira-se desta provincia :. na rua
Imperial, largo da forca, n. 3.
~ Na rua Nova loja rr. 58, votido-se calcado da
Ierra a saber;: sapatOes osapatos para homem e
meninos; ditos decouroe de marroqum, para se-
nhora o meninas ; aviamontos para sapateiro; sa-
patOes de lustro, o quando nao houver algum que
cheguo ao freguez, tambem se recebem enoom-
mendas ; urna parcto de madeira ; linhas ; bicos
ramos de flores; parreira brava, ou abutua para re-
medio ; um braco do balanza do autor Romflo com
um torno de pesos de duas arrobas para baixo, pa-
ra armazem de carne ; um terreno em bom lugar ,
com 200 palmos de frente o 800 tantos de fundo.
Vendcm-se superiores facas com cabos de pon-
tas lie viado : na rua Nova luja do fennguS n.
25 de Teixeira & Andrado.
Potassa.
Vende-se a verdadeira e superior po-
tassa da Hussia a mais nova que existe
no mercado : na rua da Cideia do Reci-
fe, armazem n. 15, de Baltar & Oliveira.
DEPOSITO DE CAL VI11 GEM.
Na rua do Trapiche n. 17, lia sein-
pre cal virgem de Lisboa, em harris pe-
ipienos, e ltimamente chegada mili-
to superior e por preco rasoavel.
Na loja nova da na do Quei-
maclo,n. II A, de avnuin-
(lo Carlos Lcite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de linho do Porio as pegas
silo de 18 varas e meia ; dito do 25 varas, a 600 rs.;
guardanaposdo puro linho a 800 rs. ; fazenda do
propria para colletes, jaquetas e etc., tecido
que
A tratar na Boa-Vista, com Jos
, ou no Recife com Luiz Jos da
Boa-Vista n. 20 :
Teixeira de Souza
Costa Amorim.
PECHINCHA.
JosSaporifl tem caixinhas com 12 frascos de
azoite doce refinado que, para acabar com elle,
vende pelo commodo preco do 2,000 rs. cada ci-
xinha : na rua di Cruz, no Itecire n. 18, segundo
andar.
Vende-se a loja de fazendas inglozas sita na
rua do Queimado, n. 18, com as fa ndas existentes,
ou com aquellas que o comprador quiaer, a dinhei-
ro ou a prazo : a tratar na mesma loja.
Vendem-se duas pardas, sendo urna delias
muito moca de bonita figura, e que he bem pren-
dada; ummoleque, do 12 anuos: no armazem do
Rufino, na Boa-Vista.
Vende-seo deposito do assucar da rua Direita ,
n. 104, muito afreguozado e com commodos in-
dopendentospara familia : a tratar no mesmo de-
|1USKU.
certo ; assim como desmancham-se pentes velhos e
fazem-se novos: na loja de tartarugueiro do pateado
Carmo, do sobrado da esquina que volta para a rua
das Trinchoiras, n. 2.
norte
de seda e linho ; meias de
teem vindo ao mercado.
linho as mais Finas
Luvasdc pidlica,
Afianga-se as boas qualidades destas luvas. Hade
todas as cores tanto para homem como para se-
nhora. Vendem-se mais em conta do que em nu-
tra qualquer parte. Na rua larga do Rozario, n. 24.
-* Vendem-se cliirutos da Hq-
vnna : em casa de J. O. Elsler :
na rua da Cadeia-Velha, n. ->9.
Pannos finos.
Vendem se superiores pannos linos, a prova de
limSo preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannossflo novos o pela sua baratez, altendendo
asuaboa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na ruado Collegio, n. 1.
.-Vende-se um bom pardo, ainda moco, do bo-
nita figura com principios de pedreiro : na rua do
1 rapiche, n. 34, lercciro andar.
Acaba de chegar do Rio-de-Janeiro o rap An-
dorahy, muito fresco e bom, inclusive algum cm
frascos, viajado : vende-se as lojas do costume.
Cartas para volta*
rete,
as nielhorcs e mais baratas : vendem-se na rua lar-
ga do Rozario n. 24.
Vende-se urna preta do 40 annos que cozi-
nha faz todo o servigo de urna casa e vende na rua;
urna preta de 20 annos. de muito boa figura, quo
cozinha e engomma ; urna parda de 20 annos que
cose muito bem; urna negrinha de 10 anuos muito
lirfda ; 3 moleques de 10 annos : na rua do Passeio,
loja n. 19 se dir quem vende.
le lu iras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora
pelo barato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
fazenda he nova o de muito sublimes gostos, sen-
do as suas cores mui apreciaveis por screm cor de
lirio, rosa e perola. A elles antes que seacabem
Na rua do Collegio, loja n. 1.
Vendem se esrravos muito baratos, pa-
ra se liquidaren! contas deste anno, na
rua das Larangeiras, n. 14, segundo
andar:
tres lindos moleques do 14 a 16 annos ; um dito
rom principios de sapateiro e que enlende de pa-
daria ; um lindo mulatiuho de 11 anuos muito es-
perto, sem vicios proprio para aprender qualquer
oflicio ; um preto de 23 annos ptimo para traba-
lhar em armazem de assucar por ser bastante for-
te; um dtodenac;1o, bom ganhador de rua, e que
sl acoslumado ao trabalho de.refinaeflo ; um par-
do de 36 anuos, bom para lomar conta de um sitio,
por ser do boa conta ; um preto de 40 annos bom
canoeiro e ptimo olcial de canteo ; um dito de 40
nios, por 200,000 rs. ; urna preta muito forte,
I or 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili*
ilades ; duas pelas muito mogas que aSo pti-
mas quitandeiras ; duas ditas boas engommadeiras
ecoznheiras ; eoulros escravos.
--Vende-so um preto crioulo do 20 annos com
oilictode pedreiro o qual veio do matto, para pa-
ga meuio e por isso vende-se por prego commodo,
par ajuste de contas : no Recite rua de Apollo !
II- A J,
Vendem-se caixas de cha hysson, do 13 libras,
era poreOes, ou a retalho ; caixas de velas do es-
ta
po
Lotera do liio-de-Janeiro a
beneficio do theatro de s.-
Tedro de* A (cantara da corte
Vendem-se bilhetes desta lotera, eincasadeJ.
O. Elster na rua da Cadcia-Velha, n. 29.
Na loja de ianoei Joaqun
Pascoal liamos, no Passeo-
Publieo, 11. 19,
vendcm-se cortes do cambraia alegra a 2,000 rs.,
o o covado a 240 rs. de padrOes.e cores as mais
lindas que teem apparecido.
U BARATEIRO.
nova loja da rua do Crcs-
, a o p do arco de 8-An-
tonio n.4, de Ricardo Jos
de Freitas Ribeuo ,
vendem-sc chapeos de crppes para senhora a 4/
rs. ; ditos do seda, os mais modernos quo teem vin-
do a 12,000 rs. ; os mais modernos chapeos de
massa francezes para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimento de cambraiascscocezas e cassas suis-
sas de varios gostos, tendo urna vara de largura ,
o de cores muito fixas a 320 rs. o covado ; cortes
de fustilo de gosto moderno, e de cores fixas a 800
rs. ; muito ricos chales de seda muito superiores o
grandes, a 12,000 rs.; chales do garga tecidos com
listrasdesedn, muito lindos a 3,200 rs. cada um;
un novo o rico sortimento de lengos de seda e de se-
limlavrado decores muito lindas, a 2,000 e 2,500
rs. inteiros; ricas mantas para gravatas do ho-
mem con ricos lavares a 2,000 rs. islo he pe-
chincha ; cortes de gorgurao do seda para collete ,
muito ricos.a 3,500 rs. Igualmente ha um sortimento
de chitas finas e de cores (ixss a 120 e 240 rs. ;
covado ; cortes de cassa do cores fixas a 2,560 e
3,000 rs, ; ditos de cambraia branca e de cores ,
para bailes, de 4,800 al 7,000 rs.
Vende-se cera de carnauba, de muito boa qua-
lidade, tanto a retalho como em porg3o : na rua
das Larangeiras n. 14, segundo andar.
r Vendem-se chapeos francezes da ultima moda;
J^tcrtes de caigas de casimiras elsticas, de qua-
dros e listras muito bonitos padroes; cortes de
cassu de cores dos mais modernos que ha no merca-
do
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vende-se um pequeo numero de bilhetes da 23."
lotera a beneficio do theatro de S.-Pedro, pelo pre-
go do 23,000 rs. os inteiros dec 11,500 rs. os meios :
na rua da Cadeia loja de cambio n. 38, de Manoel
Comes da Cunha Silva.
Vcndorr-se duas escravas mogas, com habi-
lidades que se dir.Toao comprador: na rua ostrei-
ta do Rozario, confronte ao becco, por cima do
barbeiro, segundo andar.
. o armazem de Me. Calmont
& Companhia, na rua de
Apollo n. 6. vende-se
cobre em lengol e orruellas ; dito de forro para
navio ; formas de ferro para engenhos; espumadei-
ras de dito estanhado ; cocos ; passadeiras, etc. ; os-
i'ov mis de diversos tamanhos, para navios; ternos de
pesos de ferro para balangas ; tinta terdoom latas,
por muito barato prego.
- Vende-se, para fra da provincia, um escravo
pardo de 20 annos perito oflicial do carpina : na
rua de S.-Rita, n. 44.
Vende-se urna cabra ( bicho) com muito bom
leite, e com duas crias : na rua da S.-Cruz, n. 1.
Vende-se a loja de calgado do Aterro-da-Boa-
Vista n. 38 com poucos fundos ; bem como ar-
maglo, caixilhoso mais portences: a tratar na
mesma loja.
= Vende-se a loja de miudezas da rua da Cadeia-
Velha n, II sendo o estabelecimento proprio ,
pelo que se pode asseguraro tempo que o compra-
dor quizer: a tratar na mesma loja.
Vendem-soduas excellentes gaiolas de rame,
por prego rasoavel: na rua das Cruzes, venda n. 41.
Na rua de Agoas-Vcrdes,
n. 46 ,
vende-se urna parda, mucama ,'coin excellentes ha-
bilidades; 3 escravas para todo o servigo; 2 boni-
tos moleques de 15 a 16 annos ; um excellente par-
do de 20 annos ; um dito quo traba I ha mui bem de
marceneiro ; um molequo de 18 annos; um escra-
vo pega de 22 annos ; um dito de 30 annos.
Vende-se urna trompa o um trombone : tudo
em bom uso por prego commodo : no caes da Al-
fandega armazem n. 1, se dir quem vende.
Vende-se urna preta moga, com urna cria mu-
latinha de 3 annos : em linda rua do Porto-Se-
guio.n. 2.
Vcmle-so um excellente carro de duas rodas,
novoe muito maneiro, com arreios tambem novos,
por prego commodo: no Aterro-da-Boa-Vista co-
cheirado Sr. Miguel.
Vida de \.S- Jesus-Christo.
Chegou livraria da esquina do Collegio o pre-
cioso livro Vida de N. S. Jesus-Christo con-
forme os quatro Evangelistas; producgSo do insig-
ne escriptor Filinto Elysio : vende-so cada exem-
plar per 2,000 rs., o d'ahi para cima segundo a
eticadernag.lo.
Vende-se ,j encerrada em urna gaiola urna
grande e admiravel serpente propria para sor le-
vada para qualqucr paiz : tambem se vendem 15
pias de muito bom barro proprias para preservar
as formigas : na rua da Florentina, n. 16.
Vende-se una escrava crioula de 20 a 21 an-
nos ptima cozinbeira e lavadeira de saboe var-
rella e que tambem engomma o motivo da venda
se dir ao camprador : na rua do Collegio n. 12.
Vende-se urna parda de bonita figura de 20
annos com muito boas habilidades e que he pro-
pria para todo o servigo : na rua do Livramen-
lo, n. 34.
Veinlem-se,a 800 rs. a vara, lindas cassa-
chilas de gosto cliinez, com lavres que parecem
Chali a gosto mais superior que at aqui tem ap-
moda : na rua do Crespo, loja
o: ludo por menos prego do que em outra qual-! rarecido o da ultima
uerloja: na rua do Queimado, loja da casa ama- da L,8Qull,a *)" vira para a rua do Queimado. As
q
relia, u. 29.
Vende-so una negrinha costureira e rendeira ;
um mulatiuho sapateiro proprio para pagem : na
rua larga do Rozario, n. 35, loja de miudezas, se di-
r quem vende em conta.
Vendem-se superiores re-
des, proprias para tipoia : na roa
do Queimado, loja da casa ama-
relia, ii. 29.
Vendem-se meios bolins a 2,800 rs.; sapalos
desetim a 800 rs.; ditos de tapete : no Atierro-
da-Boa-Vista n. 84. t
Vciidein-se,embom estado e por prego commodo,
os livros segu nle.s: Jesus-Christo peante o ceculu;
Epstolas e orages de Cicero; I .a colinie chritien-
ne : na rua Nova loja n. 58 se dir quem vende.
Vende-se um sobrado de um andar e sotiio ,
na rua dos Copiares, n. 4: visla se far o ajuste ,
pois que elle scacha desembaragado.
- Veuilciii-se dous pares de oculos ile vidros co-
rados ei.m armagiio de ouro de le, para vista cur-
ta leudo um delles tambem vidros para os lados :
no Aterro-da-Boa-Vista, loja doourives, n. 23.
Vende-se urna venda no mlhor lugar desta
ii>-i'ti>iifttf il %.<>...Ti "-'"" U .-a-iciuiiue cun conuuouos para lamina mu
o ha T36 e,n ras 'b L rUa da. Alf"'6a- afreguezada o com os fundos de 1:500,000
\ eina, n. 36, em casa de Matheus Ausiin & C. | U venda foi de Joaquim Paclieco de Sa, na j
amostras estonio francas aos compradores.
Vendem-se dous lindos mulatinhos de 14 a 15
anuos de muito boa conducta o que se afianga ;
3 moleques de 12 a 16 annos de todo o servigo ; 4
mulatinhas de 13 a 15 annos recolhidas; 3 escra-
vas mogas ; duas ditas do meia idade : na rua Di-
reita, n. 3.
Vende-se um escravo bom canoeiro e embar-
cailigo, que se dar a comento ao comprador : tam-
bem se vende urna canoa : na rua da l'raia, n. 11.
Salsa-parriiha
de superior qualidade, chegada ha poucos dias
pelo brigue-escuna Laura vende-se no armazem
de Kalkamann & Rosenmund, na rua da Cruz, n. 10.
Charutos de Havana
cft caixinhas de 100 ede 250 ltimamente chega-
tios vendem-se no armazem de Kalkmann & Ro-
senmund na rua da Cruz, n. 10.
SALSA-I'ARRILHA DESANDS.
Este excollonte remedio cura todas as enferme-
dades, as quaes sao originadas pela impureza do
sangue, ou do systema ; a sajier :
Escrfulas rheumatismo erupgOes
enfermidades que alacam polo grande uso do mer-
curio, hidropesa expostos a urna vida extrava-
gante. Assim como chroncasdesordens da cons-
tituigilo.sero curadas por esta tilo til appro-
vada medicina. i
0 ettracto seguinte he do urna carta recebida do
|Sr.,Mace, poissua mulher foi atacada do escrfu-
las no nariz, dasquaes os molhorcs doutores em
Franga a nilo podcro tratar.
I Retines, departamento de lllo e Vilain.
I Franga, julho 17 de 1844.
Sr. Sands. A salsa-parrilha mandada por Vm.
foi recebida com a maior satisfagao possrvel, minha
mulher a tomou, oem pouco tempo se achou m-
lhor; pelos grandes beneficios que receben desta
medicina, a considera como urna das melhores me-
dicinas do mundo para taes doengas pois dou-
tores de alta sabedoria nunca a poderam tratar. Mi-
nha mulhor a contina a tomar at se achar in-
teiramente boa. Por favor nos queira obsequiar com
nlpiiinat prrafos o mnia ijonrftatu nnMvdl. Sr.
nos teremos o gosto de fazer conliecer a sua medi-
cina ntreos nossos amigos, assim como entre o
povo : sem duvida ser usada aqui, bem como em
todo o mundo, como efllcaz medicina para alliviar
e tratar o corpo humano. Tenho a. honra de ser o
mais atiento venerador.
J. Mace.
N. t, rae Louis Philippe.
(LegagSo dos Estados-Unidos,
i Berln, Prussia, abril 8 de 1846.
Sr$. A. 0. & D. Sands. Srs., tendo-se a sua sal-
sa-parrilha usado n os La cidade, com grande effeito,
em casos mui severos de escrfulas, m podem tres
duzias de garrafas da sua medicina as quaes as es-
pero sem falta que para isso remello o pagamen-
to. Espero que Vms. (iquem do toda a certeza que
a composig3o de salsa-parrilba he urna das melho-
res medicinas do mundo, assim cmo se vai in-
troduzindo muito entro o povo Son o mais aliento.
Theodore S. firy.
Preparada e vendida por junto e a relaltao as-
sim como se exporta por A. B. Y I). Sands, cbimi-
cos e droguistas, n. 100, Fullon-Strect, esquina do
William, New-York.
Vende-se na botica do agente, Vicento Jos (Je
Brito, na rua da Cadeia-Vellia, n. 61.
A 2#000 rs.,
saccas com bom millio : no
caes da Alfandega, armazem
de Antonio Aunes.
Vendem-se dous lindos moleques de 12 a 14 an-
nos ; 1 preto do 20 annos, de elegante figura ; dous
ditos bem robustos, do nagflo e que s3o gauhado-
resderua ; 1 mulatiuho do 12 annos; urna negri-
nha de 12 annos ; 3 prelasde bonitas figuras com
habilidades; 3 pardas bem mogas, com habilida-
des : no pateo da matriz d S.-Antonio, sobrado
n.4.
Vende-se urna linda negra com habilidades um
negro pega de 20 annos; um molequo de 12 urna
mulatinha de 4 annos, eum muleque de 7 annos,
por seu senhor s retirar para fra : na rua da
Sen/alia-Velha, n. 110, se dir quem vende.
Vende-se um sobrado de um andar com um
grande soifo, mulo bem construido, que rende
mensalmente 22,000 rs., o pode reuder mais," fivre
e desembaragado, por muito commodo prego, em
raslo de seu dono se querer retirar para fra da
provincia : o dito sobrado he na rua do Amorim n.
12 : a tratar na mesma rua, venda n. 17.
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende se na livraria Ja praga da Independencia ,
ns, 6 e 8 o Novo Mez Mariano, accrescenlado com o
l.auspercnne do Santissimo Rozario.
.w; WiWnWvTTTwWv .wi .*. .Vil'. RW tVJft l .W ** WA .... .m v1- *- 7v?11WI1 *
ESTAO'-SE ACABANDO
as cassas de cores fixas, para vestido,a 240 rs.
o covado ; riscados francezes, do bons pa-
droes a 160 rs o covado : na rua do Quei-
mado, loja da casa amarella, n. 29.
Vendem-se pegas do madapolTo limpo com
20 varas a 2,500 rs.; pegas docilitas escuras e do
cores lixas muito ene nrpadas e fortes a 5,500 rs.,
e a meia pataca a retalho -. na rua eslreita do Roza-
ro, n. 10, torceiro andar.

Escravos Fgidos.
cutneas,
i ureuu [icj
rs. Es-1 cas
praca da I nos-usaos e jnntas, ulcar, doencas veoereas.ciatic^
~ Ausentou-sc, ha dias, da casa do seu senhor, o
escravo Joiio pardo irigueiro de 15 a 17 annos ,
cara grande, olhos regulares, bons denles; bom
conhecido por andar frequentemenle fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a seu senhor Luiz Co-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
-- Em 2 de fevereiro deste annodesappareceuda
cidade da Babia umescravocriotilo.de nomeThe-
molheo de 16 a 18 anuos com ollicio de sapateiro,
secco do corpo com urna orclha Turada para brin-
co; gagueija ao fallar; tem rosto comprido,olhos vi-
vos ps feios de bichos que tevo, e anda cajgado ;
ha toda a desennfianga de estar nesta provincia com
o nomo mudado; perlcnco a I). Joaquina Mara dos
Reis residente naquella cidade. Tambem desappa-
receu da mesma senhora urna escrava de nomo
Joanna Vicgas.de meia idade, com urna marca na
testa, do Angola .fgida na cidade de Olinda de
1'ertnmbuco em 1837 para 1838. Outra cscraVa, de
nome Mara da mesma negilo fgida ha lempos ,
anles desta e de mais idado. Roga-se aos capitaes
de campo, ou outra qualqucr pessoa qae os pren-
dam o levem-nos a rua do Brutn fabrica de Caldel-
reiro que serfio generosamente recompensados.
Fugio, da fazenda da Jurcina, comarcado Bre-
jo-da-Madre-de-Deos, um casal de escravos, em
dias de setembro : o preto do gento do Angola ,
de nome Francisco, de 30 annos pouco mais ou
menos de cor bem preta altura regular, secco o
comas peritas finas: a negra de nomo Antonia,
crioula, de 32 anuos, cor fula; tem os dedos dos
ps pegados : quem os pegar leve-osa seu senhor,
o major Lourongo Bezerra Cavalcanle, na dita a-
zenda ou no cngenlio Cajabussu ou no engenho*
Alireus, comarca de Nazareth, que ser recompen-
sado generosamente.
cidade com commodos para familia muito bem I brebutlias na cara, hemorrhoides, doengas chionl-
brebulhas, bertoeija, linha, inchagOes, dores
'UU NA TIf. m U V. .DB-FAAMk.---- \4'].
m*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1JIOEDQN_J0OEQQ INGEST_TIME 2013-04-26T21:39:36Z PACKAGE AA00011611_08568
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES