Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08567


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno de 1847.
Quartr-fera 47
O 04RI0 puMica-se todos as das rjiie nao
rem ile gn-da i o preco da asignatura lie da
jliOft rs.poi quarlel, pJf ndiniitnlts. Os o-
inificins dos assitfnHiiles (So maridos i raso d
20 rf. porlinlia, 0 rs. em tvpo djllrrente, e as
repetidles pila matada. Os quo n.'.o f'rem assig-
nautas pagarlo 80 r por linlia, e lO em lypo
dilierente, porcad* puhlicuc'io.
PHASES DA LA NO ME'A DENOVBVIBRO.
I.ua nova, a R, aos SJ mininos da manlia.
Ciescante a la, i 8 lioras e 5S mili, da taida.
Luacheia a 12. s1 Uoias e 44 mili, da tarde.
M noaute a 2. s 2 lioras e 2 ma. da larde.
PARTID* DOS CORREIOS.
GoiannaeParaliibas secundas esextas feir.
Hio-lirande-dn-Norlequintas letras ao meio-.lia
Cabo, Scriiiliem, Itio-Pormoio.Poilo-Calvo e
Macelo, no I.*, a 11 e 21 de cad:. raez.
(ara linios a Itonito. a 8 e 28.
Boe-Vi'ta e Plores, a IS e 28.
Victoria, s quiiilas-feiras.
i iliuda, todos os das.
PltEAMAR DE HOJE.
I'rimeira, ai 11 horaa e 2 minutos da manbaa
Segunda, s 12 lioras e 6 minutos da tarde
^-: ^ri-riifjg
de NovemViro. Anno XXIV
'
MAS ov 8E*\N \.
15 Se*. S. Gertrude'. Aud. do I. dos orpli.
1 e do J. doc. da I ?. edo.l. M. da ? v.
10 Terca. S. Goncello de Lagos Aud. do I. rio
civ d l.r.e do J. ile pay. do ?. dist. de t.
17 Quarta 8, regorio.Tl'au fatursjo Aad. do
J.do civ. da*, v.e rio J.ile pan do 2. 'li-l de
IS Quinta. S. Romn. Aud do .1. deorpli.
e do i. municipal da f. vara.
19 Seata. S. Izabel. (lid do J' do civ. da I.
v .e do J. de pai do l. dist de t.
20 Saliliado. 3 Flix de Valois Aud. do l. do
civ. da i. v. o il,i I da pai do I dist. de t.
21 Domingo. Apre*entaco de Nosia Sjnhora
CAMdlOSKODIA 1b DE NOVEMBRO.
Sobre DantO* a 28 d por.ljrs. a .e SO das.
a P-ris 3.10 rs. por franco,
i T,alio. IflSa Hfidepremio.
Dse, de lellra- de l>oas firmas 1 I a 1|4 V; O;
OairoOnctl l-espinholas-----18*5 a
Mr.ed.isdc#-')velli. 18*100 a
de 6^100 nov.. ICJWO:) a
de 4000..... fl0
'roa Patacoes.......... '#<>
Pesos colutnnare... I40 a
Ditos mexicanos... I#2C0 a
Miuda............. 1*820 a
28*800
1012*0
ic*ioo
J20
If9*0
titeo
l|780
I|30
Ac'cdes Ha comp.'do'Beberibe de 50|000 rs.aopar.
DIARIO DE PERKTAMBUCQ.
;r--Z|jr~iar'Tii~
EXTERIOR.
EXTRACTO
doi artigas noticioso! publicados em Roma a 27 de mato
d1847, acercada reunido do capitulo geral dos ca-
puchinhos.
Para a poca da exaltarlo do siimnio pontifica Pi
IX, que, felizmente, oceupa hoje a cadttira de San-
Pedro, estava, por sem duviila, reservada a celebra -
gao do capitulo geral dos capuchinhos, convocado
Km Roma o91 e 22 de maio de 1847.
Ha qiiasi dore lustros que, pelas difTiceis circu ins-
tancias ilo lempo, se nlo rene na metropale do
mundocalbolico a flor do instituto capuchinho das
diversas provincias, afun deelegerahi um ministro
peral como respectivo secretario, o um procurador
da ordem. Sob os auspicios de Pi IX, pois, tevo de
reals*r-se essa reunan ; e presidio assembla re-
ligiosa o eminentsimo cardoal Antonio Francisco
Ovioli,actual prefeilo da sagrada congregagio dos
bispos e seculares,
Aoapparecer, odislincto purpurado trazia sobre
a fronte mui visiveis signnes decaridade ejustiga.
Assumida a cadeira presidencial, dirigi elle a 104
vogaes una allocucno, que, cheia do sciencia, c to-
da persuasiva, grangcou-lhe a alinelo e sympathia
dos ouvinles. Demonstrada por essa penetrante al-
locucno a excclloucia da I berdade do voto, passou-
se a proceder elei^ao de todos os superiores ge-
raes, a qual concluio-se dentro em breve. Rollo, re-
soarain vivas, e lagrimas de alegras deslisarom-se
pelas faces dos espectadores. Oeminentissimo car-
deal, ao passo que acompanhava os nssislentes nes-
sa deinonslracito de doce prazor, ex borla va os elci-
tos ao cumprimenlo dos seus deveres, e assegurava-
Ihes que o supremo bierarcha muito se regosijaria
do bom resultado de tilo edificante reuniflo. Do fei-
to, verifiepu-so essa proinessa-.
Para mellior testemunbar quanto ama paternal-
mente a ordem que sempre lia lido na maior estima,
SuaSantidade dignou-se do admittir ao beijo do seu
sagrado | no torceiro dia do Pentescoto os capitu-
lares capuchinhos, o qualquer dos religiosos per-
tencenles ao convento de Roma, que quizessem par-
ticipar de semelbanle grac* Quasi tresentos desses
religiosos dirigirain-so em communidade para o
Moule-Cavallo, e, tomando o ampio pateo, introdu-
ziram-so no palacio quirinal : dahi furam conduzi-
dosa iiui espacososalilo, onde se achava a cadeira
dovigario dcCmtislo.
Pntro em pouco appareceu Sua Sanlidade; e,
coin semillante risonho c carinboso, com olhos
scintilbanlcs d' jubilo, dirigi a palavra de Dos aos
eminenlissimos capuchinhos, oue com o inior re-
culbimento gouviram. Sua Sanlidade exhortou-os
n concluirem a empreza encelada, e a esforcarcm-se
por melliorar o seculo coma predica do Serafnn de
Assis, o santo Francisco, islo he, com .o exbmm.o.
Depois deu a beijar o santissiino pe. Voltou-se, em-
lim, mais affectuosament para o supremo procura-
dor da ordem capuchinha, o ministro geral reveren-
dissimo frei Venancio de Tuiirr.que, de joeihos,
Ihe agradeca 13o especial benevolencia; e, coma
noneco apostlica e a concessao do indulgencia ple-
naria, despedio-s.e do grupo que o admirava, e que
rctirou-secbeio de consolaQSo.
MA POSIC DELICADA. (*)
POR ISW&H^fE SJ^'So

Quando os magistrados sercliraram, Carlos vol-
tou-se pora sua niiilbcr, cdisse-lbe com urna voz
cuja tristeza resignada nem por isso Ihe uiitigava to-
do o azeduinc :
Para que mentir, Isolina? Mo se ha desempre
sabor quem be o fcrjdoque recolbmos?
. F.u nao ment, responden brandamente a linda
esposa; ncmeuucmtu, meu amigo, sabemos com
cfleilo o nome que lom hoje aquella cuja existencia
ignoravamos.
Mas como vive elle anda? exclamou Carlosh
n,"io mandamos nos buscar cerlidQo do seu bito a
Londres, e mais o seu testamento, e os seus ltimos
iidcosescscrptos pela sua propria niS, urna hora
anles de morrer ? Que eslranho mysterio esconde se-
melbanle rcssurreicjio ?
t- Elle mesmo no-lo explicar, disse Isolina com
socego; agora uHo posso cuidar sendo na felicidadc
desabor que elle vive, o que esta aqu, junto de nos,
anda que nao nos possa ver nem ennliecer.
Nao ve, minhalia?! exclamou dolrosamente
Carlos; ella nSo pensa senflo uelle; al nem cuida
no meu desespero.
__O seu desespero! repeli Isolina, olhando pa-
ra madama deCevies com um modo admirado que
dcsta vez irrilou bem a niarqueza.
Naverdade! minrra solirinlia, exclamou ella,
nlo sei se aiuda le dovo dar esto nome. ...
() Vide Diario n. 258.
PERNAMBUCO.
TRIBUNAL DA RELACAO'.
JULGAMENTO NO DIA 16 DE NOVEMBRO DE 1847.
Detembargador de semana o Sr. Nunes Machado.
Na appellacSo civel entre partes James Crabtree
&C. e Antonio DiasSoulo, reformaram a sentenca.
Na dila dita entre partes Joflo Esperante e Rozendo
Alvesda Silva, confirmaram a sentenca.
Na dita dita entre partes D. Mara Joaquina de
Castro Peretti e outros, a viuva Seve & Filhos e Ma-
noel Joaquim Seve, reformaram a sentenca.
Na dita dila entre partos D. Maria Clara da Boa-
llora, I). Clara Francisca de Miranda e Antonio Fran-
cisco dos Santos, confirmaram a sentenca.
Na dita dita enlre partes Antonio Jeronymo Lopes
Viannue Domingos Pires Fcrreira, mandaram dar
vista s partos.
Na dila dita entre parles Jos Chixes de Moraes
ea viuva D. Maria Lins, mandaram dar vista as par-
tes.
Na dila dita entre parter Agostinho Fernandos
CatanhodeVasconcellose Joo Frederico de Abreu
Reg, mandaram darvista s partes.
Na dita dita entre partes Jos Antonio de Souza
Machado o Francisco Eduardo Alves Vianna, julga-
ram por sentenca a desistencia.
Na dita dila entre partes Jos Dias da Silva e Mes-
quita Dulra & C, confirmaram a sentenca.
Na dita crime entre partes os reos afiancados Joilo
dos Santos Andrade, Jos dos Santos Andrado, Joilo
Antonio do Reg e o reo absolvido Antonio Lopes
Pereira Bastos, julgaram procedente aappellacao.
Na dila dita entre partes Manocl Pereira l.eite reo
preso) c a justica, julgaram procedente a a ppella-
C3o somonte na parte em que condemna o reo na
multa correspondente a melado das cusas.
F.LEITORES DA FREGEZIA DEMURIBECA, A CUJA
EI.EIC.AO PRESIDIO OJlilZ DE PAZ MAIS VOTADO
DO PRIMEIRO IHSTRK.T0.
OS SEMIORES.
VOTOS.
343
343
313
343
342
342
342
342
342
342
310
340
310
340
340
Kourenco de S e Albuquerquo
Coronel Agoslinho liozerra da Silva Cavalcan
Francisco Pedro Soares Brando
Joaquim Mchado Portella
Bacharel Anlonio Coelho de S e Albuquerquc
Antonio de Carvalho Soares Brando
Domingos Francisco de Souza Leo
T.-coronel Joo Manoel Carneiro de l.acerdn
Jos Joaquim de S Brrelo
Capitilo Anlonio Jos Corroa de Lira e Mello
Iguario Jos de Barros
l'rol'essor Silvano Thomaz de Souza Magalhiles
Jos Pereira dos Santos Alvarcnga
Padre JosFlorindo deOlivoira Moura
Manoel da Silva Barros
SUPPLENTES.
Capiiflo Antonio Forreira de Barros Campcllo 335
Ignacio de llollanda Cavalcant d'Albuquerque 334
Captuo Joaquim d'Albuquerque Cavalcant 19
llenrques Manoel Malbeiro de Mello 19
Manoel Ignacio de Jess 19
Paulo Leito de Albuquerque 19
Miguel dos Anjqs Nogueira 18
hwTjjTWnniiinr j; i irr Tin r . E porque nlo ? intorrompeu Isolina.
Oh! tornou com violencia a marqueza, tu me
queres malar com esses leus ares de ndmiracilo.
Nao vs tu que he como se acabasses do sabir do ou-
tro mundo, e mais esle Mr. de Grand-Champs, a
quem, semduvida, o proprio satanaz soltou para
nos condemnara lodos?.....Pois quo tu nao coni-
prehendes que leadlas na mais espantosa de todas
as perplexidades humanas ?!.....
Ah! exclamou Isolina, para quem essas pala-
vras lora ni como um relmpago.
Depois, voltando-so para Carlos, correu para elle,
toinou-lhe a mflo trmula entre as suas, e olhando
para ello com essa ternura d'alma que vem aos
olhos:
Meu pobre Carlos, Ihe diz cria, quanto tu de-
ves ter soffrido !.....Oh perda, perda a ininha lou-
cura; maseu nlo pensava..... Nilo; loda entregue
alegra do o tornar a encontrar, nao cuidava as
duvidas, as angustias quo este apparecmento mi-
raculoso le devia hingar no paito. Ja nao me lem-
brava que te tinba oceultado um segredo na miiilia
vida.....
Um segredo! exclamaram ao mesmo lempo
Carlos e madama de Gevres.
Dar-se-ha caso que nio fosses casada com Mr.
do Grand-Champs? perguntou a marqueza com lom
severo.
Eu era realmente sua mulher, niinha boa lia.
Mascntao explica-te, disse Carlos.
Sim, minha sobrnlia,ex|ilica-toe procuremos
entender-nos emfiin, tornou a boa dama; porque
sinto que (odas as ninbas ideias se confuudem de
tai son ira caneca, que lenho medo de a perder in-
teiramonte por pouco que-ainda dure semelhaiite
postlo.
Denlro de um momento conhecerflo ludo, dis-
se Isolina,
Sahio ella do sabio c dirigio-so para o seu aposen-
to, deixando o marido e a lia na mais violenta au-
xiedade.
Cbegou ao quarto, ajoelhou-se liante de um re-
Miguel Nunes Correia
SeverinoJos Filgueira
Pedro Antonio Soares Brandflo
Joilo Cavalcante Filgueira
Nicolao Nogueira deOliveira
Joflo Bernardo deOliveira
Francisco das Chagas Bezerra
IT
17
17
n;
16
i a
i.)
Cori'ispoiidciicia.
Srs. Redactores.Hadousannos quo, em fevereiro
eem novembro, facovagens Olinda, levando com-
migo meu (illio.fim de quo esto seja oxaminado nos
seus esludos preparatorios : mas com que, magoa,
com quo indignacao nao observava eu o quo all se
passava .' 0 convento de S.-ltento nesses dias pareca
a ribeira em lempo de fome de farinha Ninguoni se
enlendia com o sussurro, com os gritos, com as cas-
soadns e assobios, nflo s nos corredores.como mes-
mo no lugar dos oxames, na presenca do director, o
fallecido hispo I). Thomaz. Andavam os estudantes
de chanos na cabeca, encapellandooscascabtilhos,
rom tantos gritos, que me pareceu estar no meo
do mais furioso entrudo no meio da ra. Vi, Srs
Redactores, darem-se bofetadas na propria sala dos
exames, e na presenca do hispo : vi casacas rotas,
beigaladas, brigas le estudantes unscom os outros
rolando-se pelo cliflo, o al cabecas quebradas.
Os taes exames n3o era ni senilo urna burla ;
porque de redor do urna grande mesa cstavam os
lentes de mistura com seis e mais examinandos, e
um grupo de esludantes rodeando a mesa, pintan-
do de giz as casacas dos cascabulhos, dando-Ibes
piparotes oes orelbas, puxando-lhes pelas casacas,
etc. etc. Ninguem poda apparecer all, que nfio fos-
se investido e insultado: emliin, urna cousa be
ver, outra he dizor. Mas agora que mudanca, que
dierenca, Srs. Redactores Fui outro dia com meu
filho para ser examinado, e pasmei de ver o soce-
go, a ordem, que reinam all. J se n3o ouvom gri-
tos e vozerias pelos corredores. Na sala dos actos
cstao todos sentados, os examinandos defrontc dos
examinadores o do director, respondendo um por
um s perguntas que 8 Ibes fazem em voz alta e
inlolligivel, o ludo com a maior seriedade e respei-
lo. Louvores, pois, sejam dados ao mui digno direc-
tor, o nosso eslimavel compatriota, o Sr. padre mes-
lie Lopes Cama, que em t.lo pouco lempo tem sa-
bido por e.ssa ordem admiravil no nosso curso jur-
dico. Agora sim concebo esperancas de ver resta-
belecido o crdito tlesso eslabclcciinento. Gracas a
heos, que em consequencin dessa ordem cstabele-
cidoja mise approvar todo mundo a torio e a di-
reilo ; j se vo reprovando os estpidos ou vadios;
ja se lz justica ; porque cada exame he presencia-
do e ouvido dislinclamenle pelos iissislenles.
Comopai eco'inocidadao, eu dirijo os mais cor-
deaes agradcciincnlos ao Sr. pudre Miguel, director;
o rogo-Ibes, Srs. Redactores, queirain dar publici-
dade a estas nial tragadas liuliasdo sou etc.
O Jvtticeiro.
Descarregam hoje, 17 de novembro.
Polaca Tergesteo mercadorias.
Escuna Maria bacalbo.
Brigue A.ew farinha e bolacbinba.
Barca Mana-Theresa Tarnha.
Polaca Retocen mercadorias.
IMPRTACAO*.
Revocco polaca sarda, viuda de Antuerpia, entra-
da no correnle rae/., consignada aOlivcira Irmios
Ai C, manfeston o seguate :
8 Cl i xas espingardas ; a ordem.
3 ca i xas chapeos de seda ; a S. &Tobler.
14 barra presos, 45caitas espingardas, pistolas e
esporas, 3 barris bacas de lati ; a Hromlor a Bran-
dis&C.
55 barris o 45 ca xas pos para fazor tinta, 9 caixas
pegas de mannore; a N- 0. Biebor e; C.
fi caixas agoa do Colonia e Lavande ; a Allred
Willers.
I caita bicos bordados de algodlo, chales de dito
e amostras; a Kalkmann & Rosenininid.
10 caixas queijos, 50 caiiaslras ceblas, 6 quin-
lacs debtalas, 0 ca:iasiras genebr.i, 23 ditas ma-
gnos ; a Olivera IriuSos e C.
Consulado.
HENDIMIENTO DO DIA 16.
(feral..............
Diversas provincias. .
.-. .'-*
305,660
6,270
311,930
Imiiiieiito lo l*orlo.
5iU
Alaiidtfja.
REiNDIMIiNTODO DIA 16............ 4:872,605
B*TJ ,i-HSi9BaBB5l
trato de mulher pendurado na par'dc, c por muito
lempo o considerou.
O' minha nt.li, disse ella por fim : depois de
tantos padecimontos sottridos com resignag3o; de-
pois de tantas lagrimas devoradas em silencio, para
salvar o segredo da tua honra confiado guarda da
minha, tu hemovs; acontccinicntos que nao se
podam prever, forgam a minha vontade; aceila,
minha pobre m, esta ultima expiagao de um erro
quo Dos sem duvida te ha perdoado no co, porque
o expiaste cruelmente na Ierra, e perda a tua filha
o nao poder resistir ao desosiioro daquellc a quem
ella ama, jaque al aqu ella tem resistido'forte
contra as suas proprias dores.
Depois desta or'agao, Isolina de Gevres levanlou-
se, abri um cofrezinho do bano, tirou delle una
caria, o d'ahi voltou para o sallo, onde cbegou ao
mesmo lempo que o cura de Roncevaux, que tinha
deixado odoenle entregue a um tranquillo c pro-
fundo somno.
Essesomno, segundo o aflirmava Mr. Duprc, era
do um feliz presagio ; oludofazia esperar que Mr.
de Grand-Champs, quando acordasso, estara inlei-
ramente lora de perigo.
K agora, minha sobrinba, disse madama do Ge-
vres, procura satisl'azera uossa impaciencia, porque,
nfio obstante as las palavias me animaren) alguma
cousa, tomara ja sabir complelamento desta lerrivel
Hcerleza.
Mr. Dupicquoria relirar-se.
Fique, meu senhor, disse Isolina, o senlior cu-
ra he nosso amigo, che sacerdote; por esses dous
titulos tem direato a minha confianga ; e ulein disso,
a sua presenga dar a minha narragao o carcter re-
ligioso de que ella precisa, porque he urna cons-
sfto que vossas inercs vo ouvir; a conlissao de
urna moribunda; e esta triste historia deveficar
para sempre sellada em suas lembrangas.
Estamos promplos a ouvir-te, minha sobri-
nba, disse gravemente a marqueza, abalada pelo
tom inspirado de Isolina.
Eu tu teulio referido multas vezes, meu ami-
go, disse Isolina, dirgindo-s a Carlos, as emocOes
/Vario entrado no dia 16.
Cdiz ; 40 das, brigue inglez Bride-of-Abidos, de 250
toneladas, capillo Thomas Williamson, equipa-
gem 10, carga sal ; ao capitto.
Navios sabidos no mesmo dia.-
Rio-de-Janeiro; brigue inglez Pknnix, capitflo An-
drew Kerr, carga ii mesma que trouxe.
Babia e Itio-do-Janeiro ; paquete inglez Expru;
com manda n lo o tenante James.
Canal por Macci ; brigue inglez Synth', cspltao
Wlliam (;oldswoulhv, em lastro.
Ro-Grande-do-Siil; patacho brasileiro Viajante, ea-
pltflo AnleroJos de Araujo, carga assucar eagoa-
ardonto. Passagciro, umescravoa entregar.
Baha ; hiato brasi|eiro Novo-Otindu, capitilo Anto-
nio Jos Vianna, carga varios gneros. Passagei-
ro, Jos Martina Alves, Brasileiro
Montevideo ; brigue inglez Dridc-of-Abidot, capitilo
Thomas Williamson, carga a mesma qae trouxe.
>eclira$oe&.
Estando por S. Exc Rvma. designado o da 21
do correnle para a prorissao solomnisslma de Cor-
pus-Christi, que deve sabir da matriz de Santo-Anto-
nio pelas 4 horas da tarde, e impreterivelmente pe-
las ras doCabug, Cruzes, Cadeia, Collegio, Praci-
nha e do l.ivramento em direcgio ao pateo de San-
da minha mocidade; tenbn-te fallado de meu pai,
desse honiem de olhar fri e do palavras severas,
cuja nica presenga lazia cessar em meus labios o
em minha alma os impulsos dessa alegra negligente
e viva queTieos deu a infancia, para tornar-lhe mais
suave a transig3o .lo co com que ella ainda sonda ,
para o mundo miseravel em que ella vai solTrer.
Tenho-te pintado minha infeliz mili, trmula o
temerosa, como eu, ante a mplacavel frioza de seu
marido, escondendo-se para me fazer urna caricia
furtiva, para apagar com um beijo rpido o signal
das lagrimas que as crueldades de Mr. de Sainl-Re-
mv me arrancavam; nem mesmo ousando implorar
para mim o perdo de dolidos que a maior parle das
vezeseu nao tinha commeltdo, e quando nos cstava-
nios sos, pedindo-mo perdi do joeihos pela sua fra-
queza, quo me doixava sem arrimo.
S Dos pode contar as angustias dessa mili, que
sangrava a cada golpe por duas rendas, e que devo-
rava as suas lagrimas, para fazer sornr sua tilda,
que tambem chorava. Oh quo vinganca atroz a que
aconimelle um coraglo innocento s para ferir com
mais seguranga um coragSo criminoso!
Com ludo, cu crescis no meio de todos esses
desgostos; o alm dsso, as mil turturazinhas in-
ventadas por Mr. do Saint-Rcmy, s por um momen-
to me uiorlificavam o espirito, quasi que sem nolle
deixar signal algum. Para o menino, a hora que voa
arrasla tambem coinsigo as Tugllivas impressoes que
trouxe; mas essas dores se amonloavam lentamehte
na alma ulcerada de minha mfii ; e quando elidie-
ra m a medida ella morreu.
Pobre muliier! murmurou a marqueza, enelio-
gando urna lagrima.
Eu linda eutao doze aunos, continuou Isoli-
na. Mr. dcSaint-Remy nSo leve a crueldade deli-
rar a moribunda a nica alegra de seus ltimos
momentos: cu estivo suacabeeeira nessas horas
solemnes, que separam a vida que se osliogoe, da vi-
da desconbecida que vai comecar.
Quando ella soulio que se approximava fatal
momento fez-me retirar com urna piedosa mentira;
porque eu anda ignorava que a sua molestia fosse
M


i *
: A*
B9BM||^
>T--r

Pplro, (leste o largo do Carmo, deste s nas es-
trella e larga do Rozario, Cahug e matriz do S.1 ri-
to-Antonio ; esper- i mesmo Kxm e Rvm. Sr.
os morador 1 as respectivas ruasornem
las. o mano m alimpar as. testadas das casas en. que
rpsr.iem. Palacio da Solcdade, em 15 do novembro
..
que
as Jan Al-
de 1817.
O padre
Francisco Jos,, Tavaret da Gama,
Secretario de S. Exc. Itvina.
PACADORIA MILITAR.
Krn consecuencia de novas ordens que o Sr ro-
!I?' ,>'*sario-pagador, chefe desta pogadoria,
do F?mBrr l2!,6I,.2Cfb" "'fi ^erpel despacho'
i" ''j\ Sr con(,elherro presidente da provincia.
rer de Souza, Antonio dos Santos Andrade, Anto-
nio dos Santos da Couceicflo, Antonio da Silveift,
Antonio da Silva Francisco Santos, Antonio de finu-
ra Pereira Santos, Antonio de Souia Reg, Antonip
la Silva Braga, Antonio Tavares Henrique C, An-
tonio Vieira da Silva, Antonio Villaceca.
Bernardo Alves Pinheiro, Bonif.icio Brito, BaVtho-
omeo (.aiirinho, Beniardino Ferraz, Bernardino
Jos rerreira Gr.imarfles, Bernardino Jos Leilflo,
Hernanl.no Jos de Souza M., Bernardino Riboi-
ro coelho, Bernardo Congalves Maya, Ballhazar
Jos Carneiro, Balit J., Bento Candido Butelho,
Rento da Costa Guimarcs, liento Jos Aniones Pe-
reira, Rento lose Baptista Silveir.
Camilla Candida Kstevcs A., Claudino Alfonso Je
Pr 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
-- Orgaqnn de Kahnemann 011 expnsigflo das dou-
'finas homcepatliicas, 2 v. pequeos; Manual'do
pal dn familia do eapitflo do navio e do fazendei-
10 011 noticias elementare da homcepathia con-
tando a ac'cflo dos 2t principacs medicamentos l.o-
moepathicos, 1 v. : vende-so por prego commodo ,
na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
O Museu Pittoresco jornal recreactivo e ins-
tructivo, com exccllentes estampas, al o n. 21, por
prego menor do que a da assignatura : vende-so na
ra da Cruz, n. i, segundo andar.
porom
Cas em hom estado, c por lotes, ou porgrtes, como
convier as pessoas que as preten.ierem, pudendo i?
ao arsenal do guerra examinar as que Ihos convio-
oue lilis convii--
rem; porque, segundo as citadas ordens de S Em I
deverUo estar separadas todas as pecas o.
do dito faldamento arruinado, e somonte pro.np-
tasao exame dos pretenden lea as que esiverem!
a
em l.o.n estado, porque destasse anniinciar de novo
3 i t'lliifl,
hnBtSn. mi'i,ap No impedimento do cscrivo,
./oo Arceni Harboza.
.io"n,m,",n;f,! in,sla,l"Jo ,""sla c'l'"' o'consulado
do Chili, o a lentas as ordens terminantes da s c.v-
Sld^fi! s T01 "* do mesmo
darlo _previne-.se a todos os consignatarios de na-
mas d.sposigOes os passaportos das pessoas que da-
qu se dmgirem para o Chili; assim como os pro-
testos, sentencas, procurages, certificados eoutros
juizo q"e tei"""n d SCr l,n'dos em
Consulado da repblica do Chili em Pernambu-
co, 13 de novembro de 1817.
(andino Agottinhi de Ilarros
Cnsul do Chili.
%BESsBDiB
A admihlstracffo da coinpauhia do Beboribo man-
da fazersolante aos Srs. accionistas, queseacham
rcalisadas as entradas do 8!) porcento sobre o va-
lor .las acedos crniltidas, sem quo lenha sido de
mislerporcm oxeeugflo o artigo 9. dos estalutos,
nem a medida adoptada em assomhla geral a res-
peto dos que na ultima reuniio eslavam 0111 atraso.
A niesma a.liiiinisIragTo roga aos Srs. accionistas
hajam de realisar urna prestagflo de por cento
no prazo de 30 das, contados desta dala.
Escriptorio da companhia, 18 deoutubro de 1847.
O secretario,
fenlo Jota Fernandet Barros.
Lista geral das carias existentes na administrado do
corroo, mirad cm todo o mez deoutubro /indo.
n^fe^11" ?!"ria ,,oza da Conceiglo Aurelia
Lmhelma Carvalho, AlTonso de Albuquerque Mello,
Alexandre Anlon.o Pereira I., Aurelio da Cruz Bar-
ro, Augusto Cezar Martina, Augusto Ruarle 1'oi-
toza, Agnslinho Jos Alves, Albino Jos Macharlo,
a ,.i .?H '"'Zerr;'' Anlcoto ,,a Si,v azorra
Augusto da Silva, Antonio Augusto da Fonseca, An-
tonio Alves Nobreza, Antonio Augusto Sequeira, An-
tonio Rento Rarboza, Antonio Correia, Antonio Coe-
lho Molla II Antonio Candido Monteiro, Anto-
nio Ii.as .u.marfles, Antonio Domingos Pinto, An-
tonio Fuado J Antonio Fernandos; Antonio Fer-
r ra de lanas Antonio Ferreira Leal, Antonio Fer-
l.FrllT* piorno Kerreira Silva Jnior, Auto-j
Z iw ? Fep,ndcs Castro, Antonio Francia-
co Pereira Carvalho. Antonio Francisco, Antonio
congalves Costa, Antonio Jacintho de Medeiros G .
Antonio Ignacio Rodrigues Cordeiro, Antonio
qmm Ferreira, Antonio Joaqun. Pereira, Ant
Joaquim da Rocha, Antonio Joaquim da Silva Rr
Antonio Joo Furtado, Antonio Jos Alves Lopes,
Anlon.o Jase Alves do Vasconcelos, Antonio Jos
i"1" Br8 A,ll<""0 Jos Ferreira Das C, An-
AnM !'^'T Viega> Anlonio J'>sMalhciro,
AutonoJoseda Silva Cliriapiano. Antonio Josd
Contratos a celebrarem-ie com a thesouraria da rendas
provinciaes.
O docslabelccimenlo de nina linha de mnibus
que", na furnia da lei provincial n. 191, de 30 d
margo ultimo, facilite o transito desla ci.lade para
qualquerdosseusarrahaldes e para (Hinda.Rece-
her-sc-hflo propostas todos os dias, aloqese ve-
rifique o contrato.
O da constiucgaode uma qarreira na" estada"do
norte, cujas despezas se acham oreadas em 1 733 200
rs.-Os concurrentes a esse contrato devem do com-
parecer na secretaria da predila thesouraria a 19 des-
te mez, ao incio-dia.
Sabio a luz, e acha-se a venda na botica da ra
da Cadeia Velha do Recife, n. 3, o romance origi-
nal Nossa Senbora uos Gumiaiupes em dous
v.iliimes, prego <:000rs.
O autor quo mui cordialmente ama Pernambuco ,
esta bella provincia, que to generosamente o ac-
colheu na sua desgraga, por um esforgo, om ver-
rla.le superior ao sen talento, aventurou a sua pri-
mera produegno Iliteraria ueste genoro, dedicando-
111 a objeclos pernambucanos. Oassumpto era digno
depenna mais aparada ; porm, so ella o n3o des-
creveu, como ello podia, servir ?o menos de in-
centivo a outras para mellior o tratarern.
<> autor nilo pede indulgencia; antes conta ees-
pera que os judiciosos Crticos oadvirtam, para que
possa corrigir as muitas inadvertencias, de que,
como esta convencido, lia de abundar esle seutra-
balho : iio so ufana elle re romancista, nito ; por-
(|iianlo conhoce que para o ser ll.c falta, alm do
genio sublime, a son..na de materiaes para isso
inilispensaveis. Ser tachado de omprehendedor 011-
sado, e com raslo; nlo o desconhece : mas, se. o seu
animo o impellea taes emprezas, tambem esl dis-
posto a receber o merecido castigo da cordata cri-
tica dos sabios, e mesmo dos entendidos e da des-
leinperada maledicencia daquelles quo criticam lu-
do e de ludo.
Recife, 22 de outubro do 18*7.
fernardino Freir de Figueiredo Abreu e Castro.
visos mat-ihmoN.
Vende-seo lindo e muito veleiro patacho in-
glez Mara, de lote de 10 mil arrobas pouco mais ou
menos novo de ludo, lendo s feito urna viage m ,
e que, como demanda pouca agoa offerece conve-
niencias paraembarcagiiocosteira .os pretendentes
dirijam-so aos consignatarios, Me. CalmontA Com-
panhia.
Para o Rio-Grande-.lo-Sul sahir breve o pata-
cho Emiliana, oqual pode receber alguma carga
mitida e escravos a frote : quem pretender enten-
da-se com Amorim Irmlos na ra da Cadeia, n. 45.
Escravos apprehendidu pela polica.
Urna preta que declaren pertencei ao padre Jos
Uongalo Acha-se recibida a cadeia desta cidade.
; eleve do ser reclamada na subdelegada de Santo-
Joa-
tonio
va Rraga,
Mnltos Antonio Lopes Ferreira.Antonio Lopes Mene-
.1-, l,Zt"n.l0,l,f Rodrigues Chaves, Antonio Luiz
onin ,V"1!"laraes' Antonio Marques Vieira, An-
,"n|)cMl'll1n) Antonio Manoel Rastos, Antonio Ma-
l eieira \.auna Antonio do01 inda l'eroira, An-
uo Pacheco de Andrade, Antonio de Pi.l.o, An-
Inlc' ,nhf,r Mentlea, Antonio Perei.a de Miranda, Antonio Pe-
mortal : mas nm quarto de hora depois que cu a dei-
m i',l'?'x7an"me uma c*Tl>no obscripto da qual
,.' f'f l'alavras: Para minha filh, no diado
J.casamento. Comprebendi enlilo que ja nao linha
Isolii.a parou, opprimida um instante com o peso
de tfio Instes recor.lagoes. Carlos ton.ou-lhe a nulo
que apertou com ternura; eella domo.. Como p.V
uarrar : "" qUC C9laVa' C,UillU0U
~ OodiodoMr. de Saint-Remy pareceu extin-
u.r-so com a sua principal victima. Ou foSSC por-
n.en.aT-le deSSa "'ulher ^ elle "atara lenta-
mente de.xasse alguna remoraos em sua alma, ou
osse porque ello desprezasse ferir afilha quando a
mil ja nflo viva para receber a repercussilo dcada
d.",er,reccu el.' esquere,'s da existencia
owaa l.ll.a que tinha o seu nomo e Ihe cl.amava seu
,,,,!: e.6u "" '"toiramcnle entregue aos cuidados de
Passado um anno, lornou-se elle a casar ; mas
M.a segunda miillicr mo seoecupou mais demim
00 que elle mesmo o fazia ; e esse casamento, que
inirouuzo uma nova senhora em casa de meu pai,
ni nada mudou a minha vida.
" Abengoava eu o ceo por essa indifferenga, a qual
'" novia a minha isolagilo, porque cu nunca po.ie-
i-'ara nutra mulher que nflo fosse minha mili a
itrnura e a submissflo de una (ill.a ; o nflo obstante
TIIEATRO PUBLICO.
QL'INTA-FEIRA, 18 1)0 CORRENTE,
a beneficio de Josefa Candida & Companhia, se ha
de representar a bellissima pesa
O FILMO NATURAL,
eocnlrcmez
0 ENREDADOR.
I
il'IIO: S.
eos
esse
no citado.
PiibcHcois Littciarias.
PORTUGAL.
Rccoidagflo do auno de 1842, pelo principe Li-
cnnowsky, l.aduzidodo allen.flo, segunda edieflo
correcta e ai.notada,
O consumo rpido da primeira edigflo, c a sua
procura por muitas pessoas que ficaram sem ella
induzio o traductor a reimpressflo desta obra curio-
sa que conten a anreciagflo dos caracteres mais
nota veis do pata, dos aeua acontecimentos politi-
monumentos e lugares principaes, feta por
principe prussiano que all viajou om o an-
Uni folheto de 220 paginas. Vende-te
aaaawMRB.'aEisa.wTsr:;-. .-^tca*
morte damadama doSaint-Remv, al j eu nflo linha
a consolngflo de pensar c chorar com olla. A minha
aia nflo era para mim nina companheira, e eu nflo
linha uma amiga. O meu humor se tornou por con-
segu nlc talaluiento sombro o concentrado, e foi
tomando mais e mais essa cor sehagem que tu ai-u-
nas vezes me leus notado, rindo, Carlos, c que nun-
ca se podedissipar de todo, ao hablo de felicidade
que a inlell.gente ternura de Mr. deGiand-Cliamps
e o seu amor, minha lia, me teem revelado como
urna nova vida.
En, pois, para mim, um triste sacrificio o de ap-
parecer no saino ou a mesa com.num, nos dias de
rcuniao do familia, (f de presenga obrigada. Nflo
oDsiante, eu ah ia sempre, porque nflo podia resis-
tir a uma ordein de Mr. de Saint-Rcmy ; mas apna-
rec.a ma.s como victima do quo como conviva.
As pessoas que me viam silenciosa c sombra
nflo me julgavam senflo pelo exterior; e attribuiam
a l.aqueza de inlelligencia o que nflo era senflo o
resultado ila sensibilidadc docoragflo, desenvolvida
com excesso, 11'uni desamparo continuo. Mr de
Saint-Reiny gostava de entreter essa opiniflo, que li-
songeava ao mesmo lempo lalvez o seu odio presen-
te o os aeua projectos sobre o meu futuro.
Um da, ..'um desses dias do sulemnidade que
por muito lempo antes -----'
aiaso co'
James Crabtree & Companhia faro leilflo, por
intervcngflo docofrelor Oliveira, de grande sorti-
mento de fazendas inglezas, todas muito vendaveis :
quinta-feira, 18 do corrcnle, s lo lloras da maiihfla,
no seu armazem, ra da Cruz.
A..S. Corbett far leilo, por ntcrvengflo do
corretor Oliveira, de uma linda collccgflo de pintu-
ras cm quadros, e estampas linissimas, ludo proprio
para adorno das salas dos entendedores da arle de
pintura: sabhado, 20 do correte, s 10 horas da
manhfla, por cima do seu oscriptorio, na ra da
Cadeia.
--JofloJelIcr & Companhia farflo leilflo, por in-
tervengflodo correlor Oliveira de grande sortimen-
to de fazendas, todas novas o recentemente despa-
chadas : boje, 17 do corrcnle, as 10 horas da ma 11-
lifla 110 sen armazem da ra da Cruz.
- Dcane Youle & Companhia farflo leilflo por in-
lervengflodo corretor Oliveira, de avultado sorli-
uiento de fazendas inglezas, todas proprias do mer-
cado sondo algumas avariadas : sexta feira, 19 de
crrenle as 10 horas da manhfla no seu armazem
da ra do Vigario.
Avisos diversos.
--- O flesembarpador Siqueira,
lendo de relirar-se para a corle no vapor Paraense,
que breve-devochegaresle porto, o nflo pudendo
despedir-sc pessoalmentc de todas as pessoas de
sua amr/ade c alTeigHo, o faz por meio desle annun-
co, pcdiudo-lhes desculpa; eao mesmo lempo a-
grad ece a todos os bons Pernambucanos o brioso
acolhimento que Ihe prestaram.
Abalada e vencida por esses 13o afTectuosos ob-
sequios, srnti cu derreter-se junto delle um pouco
uesse glo de suspeitosa reserva, que me fazia es-
tranna a todos aquellos que se approxiniavam do
mim. No hmdoserflo jeulhc havia fallado de mi-
nha mfli. ...
Mr.'de Crand-Champs comprehondeu bem d-
,....
ressa a minha posigflo na familia; e pareceu-nie
uo ale se condoia do abandono em que eslava a mi-
nha mocidade.
A alma do Mr. deGrand-Champs era uma des-
sas almas ("colindas, para quem a dcdicagflo he urna
neccssidade ; o que julgam perder sua propria vi-
la quando nflo consagran! a maior parte della a al-
guma obra piedosa e santa.
Ello linha passado a maior parte deseusdias a
cercar de ternura a velhice de sua mfli, e desdo que
Dos a chamara para si, tinha-se ello sentido triste
e desanimarlo, por nflo ter n ais trela alguma san-
ta que cumplir, 011 mais nobre lim que alcancar
nem tendo mais nada quopodesso cncher o vacuo
desse coragflo que nflo podia adiar felicidade* senflo
n alguma oulra felicidade preparada por elle.
- Quando me vio, abengoou o acaso que Ihe offe-
recia occasiflo de atar de novo sua existencia a um
O TRIBUNO N. <7
est venda na praga da Independencia, ns, 6 o 8
e muito intoressante : respondo ao Guarda-Naein'
ual n. 3.
AVISO GERAL.
O dentista e sangrador Jos Anecleto,
muito conhecido, c morador na ruaestreita doRo-
zano.-junto igreja, casa terrea n 7, ni fregueza
de Santo-Antonio desia cidade do Recife.Taz seien-
le a todos os habitantes, e com especialidade aos
moradores das comarcas, villas e povoagoos e
igualmente a todos os proprietarios de engenhos
agricultores, senhores de fabricas, e a todos os mais
chefes de familia e de casas de cducagflo, que elle
recebeu de Franga, ha pouco, uma grande porgflo do
paraguaroux, calmante odontalgico, composlo por
M. Roux & O, oharmaceuticos, como um dos reme-
dios mais efficazes, que nos conhecemos para.a-
placar 0.1 destru ir as mais violentas dores de denles,
produzblas por carie ou por qualquer oulra afTecgfl
da bocea, o qual eu ensino^por um i.npresso um no-
vo melhodo de so applicar porquatroou seis ma-
neiras em qualquer urna, das odontalgias ou
in.'il dos denles. Este remedio goza do gran-
de crdito em Paris, o he o mellior especifico
que ha nesta provincia para aplacar, ou destruir as
mais violentas dores de dentes, principalmente pelo
novo melhodo de sua applicagflo, Vende-se cada
irasco por 10,000 rs.,nor nao haverem por ora outros
mais pequeos ; emfim, para este remedio chegar
para todos, vende-se tambem quantidade sufTlci-
enle por 2,000 rs., Irazendo cada um seu vidri-
nho com rolha ; e applica tambem radicalmen-
te esle remedio todas as pessoas que forcm a sua
casa com dores de denles; porcada applicagflo, ou
tirar delicadamente o denteou raiz, sendo preciso,
1,000 rs.; chumbar um dente com metal branco,
1 a 2,000 rs c chumbar com ouro, sendo preciso,
4,000 rs.; apartar pcrfeitamente os quatro ou seis-
denles incisivos e caninos do qucixo superior, 6,000'
rs.; esta opcragflo he muito precisa a qualquer pes-
soa, lauto aos infantes como aos adultos, porque
previ ne os dentes de serem cariados para o futuro, e
aformoza muito a arcada dentaria. Vendem-se tam-
be ni limas prorrias para eslas operagOes, a 1,000 rs.
cada urna. Vende-se tambem metal branco, tanto
om rolha, como fusivel, quantidade sulUcienle para
cada um chumbar seusdenles furados ou cariados,
e um instrumento proprio para estas operagOes, por
3,000 rs.; eouro, ou platina, quantidade sufllcente
para cada um chumbar seus dentes furados ou ca-
riados, por 6,000 rs. Esta opcragflo be tambem muito
precisa a qualquer pessoa, porque previno para o fu-
turo as dores de denles, escusando cada um cha-
mar um dentista para eslas operagOes tflo simples.
Desappareceu, ha 3 semanas, de un.predio que
se edifica na camboa doCarm, um rapaz de 14 an-
nosdeidade, que tiabalhava na mesma obra como
aprendiz de pedreiro, sob a direcgflo do mestre An-
tonio Pereira ; chama-so ello Marcolinq, l.e pardo
livro, secco e espigado, lem o rosto comprido eu-
ma cicatriz do canto dooll.o pa.a a orelha do lado
esquerdo.be muito vivo e esperto, mas nflo sabe
ICr, foi vestido de caiga o camisa do cbila, levou
chapeo de palha velho, e sabio descaigo: a pessoa
que deste rapaz tiver noticia, far uma obra de ca-
ridade, levando-o loja de trastes na ra estreita do
Rozario, pois pequea he a gratificago que se da,
cm rasflo da pobreza de sua mfli.
Sexla-feira, 19 do crrenlo, ha arrematagflo
judicial, por venda, do um sobrado de meia-agoa, de
3 andares, na travessa do Encantamento no bairro
do Recite; de duas moradas terreas na ra do Azeile-
de-Peixe,e de um sitio na estrada do Joflo-de-Barros;
por execugflo pendente 110 julio do civel.
Aluga-se, pelo lempo de cinco mezes, (durante,
oaclual verflo) osilio da Ponte-de-Ucha, chama-
do do Meia-Dobla, 0 qual tem boa casa de sobrado,
graude extensflo de terreno com muitas e difie-
ren tes arvores de Crudo, boa agoa de beber e uma
grainte c.fresca baixa decapim de planta ; esoalu-
ga tudo por prego muito commodo : a fallar da ra
Nova.loja de rorragens, de Teixeira & Andrade.
O Sr. Antonio Ferreira da Costa Braga tenha
aibondade de pagar amigavelmonte o ordenado que
deve ao seu ex-caixeiro ; do contrario, elle procura-
ra os meios que a lei Ihe concedo.
-- Alugam-se duas ptimas casas terreas feitas a
moderna com muitos conunodos para uma nume-
rosa familia, silas na ra Nova quo vai para a Tram-
pera tratar no pateo da S.-Cruz, aoimuloiU-70
primeiro andar.
-- Quem annunciou precisar de coqueiros para
p lanlar, dirija-se a ra do llangel venda n. 9.
magu-Mat-auimia
S^^WttttJSSgtJSst
t umt''C d. 0,ll W ",e '"spirava esse l.on.em,
reliar* 3S lc,8dmna" ''"'anas me mandava... re
11 cetsan?,,8"".08 SC ',assaram "^'"i Mibt alma,
onmu f 1 6 Oj!Pre niquanto durou a longa
.oinniuuidade de dores solTridas com minha mfli ti-
nha-secomo fechado sobre si mesma Dejois da
nquiela os oll.os sobre Isoliua.
Ou ruase por simples homenagem de polidez
rendida alilhadeseu hospede, ou fosse porque se
ello sentisse attrshido para mim por alguma niyslc-
nosasympalhia, Mi-. deGrand-Champs soenlreleve
cominlgo, emquanto estove a mesa, com essa alfa-1
,. i. .e 'I?0 vu'8a''' com essa delicada bondade
que lodos Ihe conheciamos.
- o~~~ """* *"|* w.u linio UUII
delle ... b.lr. deGrand-Champs, pedio-me a meu
pai. esolv.doa dar-me em sua activa ternura i
brev.venc.a do sua uifli.
so-
Esse pedido, que encheu de soi^reza a Mr. de
baml-Remy e a seus amigos, foi ucollndo depois de
guns mumentos de hesilagflo. Mr. de G.and-
iChamps fleixou meu pai gozara sua volitarle, na
I redaego do contrato, os ltimos praieres da vin-
ganga ; e dous mezes depois da nossa primeira en-
trevista eu o acou.panhci enaltar.
Fallci a vossas mercs, dissclsol ina, de uma
carta que minha mi me tinha mandado horado
sua morte, c que eu nflo devia abrir senflo no da
do meu casamento: havia eu fielmente respeitado
a vontade da moribunda.
Depois da cerimonia entrei com meu esposo
nessa casa cin que tanto havia soffrido, e quo eu ia
dentro em pouco deixar para smpre, feliz por ver
o meu destino as mitos rio nico homem queme
lesteinunl.ai.i alguma compaixfloe 1 ulerease, e fui
eiicerrar-u.o no meu aposento, para me preparar
para esso futuro desconhecido, mas que eu autova
prspero, pela leitura dos ltimos conselhos e do
adeos supremo de minha mfli.
Tomei essa carta, quobrei-lhc o lacre com mflos
trmulas ; mas, apenas peroorri com os olhos essas
lindas falaes, alcei um grito, ecal.i por trra, como
fulminada pelo espanto e o desespero.
Nflo voltei a mim senflo pelo bater de repetidas
pancadas porta do meu quarto. Levantei-me pre-
cipitadamente, e lingido um porto sereno, abri a
porta.
Era Mr. deGrand-Champs inquieto pela minha
prolongada ausencia, o qual notou iminediatameii-
te a minha en.ogflo.
Oue lem ? exclamou elle.
Paluda, desvnirada, em estado de nflo poder
pronunciar uma palavra, enlreguei-lhe a caria de
ni i nlia mfli.
Elleollion para mim, lomou a carta,observou-
meainda,abrio-a, percorreu-a rpidamente, e ficou
tomado do aorpreza'e de consternaQo.
Mas essa ca.la onde est ? exclamou Carlos.
Eila-aqui, disso laolina.
Eeulregoii .o mancebo a carta que linha lirado
do correziuliod bano.
LA alio, Carlos, Ihe disse ella.
Carlos obedeceu ; eeis-aqui o que continha essa
carta.
Conlinuar-se-ha.)


'5
A VOZ DO BRASIL N. 4
Uta a venda nos Indares do costme, o milito
digna de ser lid porque veio da corle do Brasil ,
consolando os velhos e escovando os novos.
-Quem annunciou querer comprar urna cabcl-
leira dlrija-sea ra Direita, n. 25.
Precisa-so de 5 000,00 de rs. a premio com
hypotheca em predios livres e desembarazados ni-
ta praca a contento da pessoa que der dita quan-
tia : a tratar na ra de Agoas-Vcrdes, n. 46.
Aluga-se urna morada de casa parase passara
festa, na hiquiuha doS.-Podro-Marlyr da cidade de
(Huida, ii. >, comiquartos, mirante, cozinha fu-
ra quintal murado com cacimba c tanque para ba-
ldo e bastante fresca : a tratar na ladcira da biqui-
nlia da mesma cidado n. ir.
J
tic
Osr'S
ingoa
)tofe-sor
Sociedade Rccreio-Juvenil.
O primeiro secretario avisa aos Srs. socios, que
auinta-feira, 18 do corrento ha scssilo da socieda-
e na casa da mesma as 6 horas o meia da tarde.
Alugam-se os primeiro e sogundo andares da
casa da ra da Guia n. 29 : a tratar na botica do
Sr. Paranhos.
-- l'ordeu-se; na noilode 15do corrcnt'o, desde
o Aterro-da-Boa-Vista at a ,esquina da matriz de
S.-Antonio um ombrulho om um padaco do dia-
rio contendo 102,000 rs. em cdulas sendo urna
de50,000 rs. e asmis de 5,000, 2,000 o 1,000 rs. :
igualmente urna leltra de 108,000 rs. a vencer a 7
do fevereiro vindro, acnia por Jos Mauricio de
Souza e embicada por Jos Mauricio de Albuqucr-
que : quem o liver achado dirija-se a osla typu-gra-
phia, ou annuncie que ser generosamente re-
compensado.
_ Precisa-scdoum caixeiro que entenda bemde
miuilozas, e que d fiadora sua conducta : na ra
daCadeia-Velha, loja de miudezas n. M.
w Constandoque pessoa vinda do Rio-de-Janeiro
anda a procuia do cirurgilo dosoxtobatalhiio, Jos
Flix do Mora es o mesmo declara que mora na ra
estreita do Rozario, n. 31, segundo andar, aonde
na ausencia do annunciante so podero entender
com o sou mano que mora no mosmo andar.
Precisa-sc de urna pessoa que se oncarreguo de
tomar conta de urna freguezia de pilo, njdando
tambemaalgumservigo : na ra larga do Rozario,
padaria n. 48..
Jos Ribeiro da Fonseca relira-se para a Eu-
ropa a tratar de sua sade.
Quom tiver urna burra parida qno a queira alu-
gar para so tirar leito, dirija-so a ra Nova n. 28,
loja de slleiro de Antonio Ferrcira da Costa Braga.
-Aluga-so o segundo andar do sobrado do va-
randas de Trro na ra da Guia u. 64, com hons
commodos para moraren) duas familias : a tratar na
ra larga do Rozario, loja de miudezas, n. 22.
" Um estrangeirose propOea dar licesdo deso-
nhoe escrever, tanto na lingoa alloma como na
franceza e na ingleza: quem de sen prestimo se qui-
zer ulilisar, dirija-soa ra do Torres, n. 46, primei-
ros andar.
oahks di: Azevkdo p
franceza no lyceti, tem aborto
'ni sim casa roa do R'angel n api se-
gundo andar um curso de philosophia
e ontro de lingoa franceza. As pessoa.%
que desejarem cstudar u:na ou onda de-
las disciplinas, podem dirigirse indi-
cada residencia a qualqner liora
Para as pessoas que tencio*
na ni seguir viagem.
comprando-
rs. o casal.
o casa!.
r a i,aSo
: no tereciro andar do
do (respo, ii
<,
i as
d.s
da
Dao-se 5o.4'ooo rs.de gratificaco,
e se pagaro todas as nuis despe-
zasque se tenham leito, a quera
dr noticp do caboctiuho escra-
vo por nome Vicente de seis
annos, pouco mais ou menos, sec-
co do corpo; tem no anus duas f-
tidas de liobis, e lis um tanto le-
so, por vou vestido camisa de algodo da
(erra um lano soja ; deseneami-
nhou-se da ra do Vigario, n. 1^,
aonde se poder dirigir a pessoa
quesoubcr, ou ra da Cadeia
do Recife, n. ai
Na ra do Itangel, n. 9, continuam-so a tirar pas-
saportes para dentro e fura do imperio, despachar!!
so escravos e correm-so folhas ludo com brevida-
lo o por preco muito e muito commodo, do que
j se tem dado exuberante prova no decurso de setc
annos.
Os.Snrs. Antonio Marques de Mollanda Caval-
cante, Francisco Jos Leito Francisco Luiz Maciel
Vianna, padro Joaquim Pinto de Campos, Jos
Candido Dias, Jos Guilhcrmc Guimarilcs, Manocl
Firmino Fcrreira e Marlinho Lopes do Iteis, assig-
nanleg da historia de Portugal por Alexandre ller-
culano queiram mandar buscar, ao segundo andar
da casa n. I da ra da Cruz os cxomplarcs que
Ibes pertenccui do segundo volunte, cuja entrega ha
bastante tempo e pdr vezes se tem anuunciado.
No 13 do corrente, pelas 9 horas da manhaa,
pouco mais ou menos,desapparoceu um prelo criou-
lo, por nome Candido, representando tor 25 a 30
annos do dado, o que a primeira vista parece sor
maluco, de muilo poucas fallas ; lovou vestido calca
de brim de listras e camisa de riscado : (|iiem o
apprenhendcr love om cas do sei senhor, defronle
do oitfo do theatro novo, casa n. II, quoser re-
compensado. N" mesma casa vende-se urna prela
crioula, a inda moca e que he muito prendada por
saber bem eugoinmar, coziuhar e lavar de sabiio
evarrella.
Aluga-se, at 17 de setembro doseguintc auno
ile 1848, a boa casa junto ponte do Cachang, per-
tencenlo a senhora Viuva Mara Joaquina dos San-
ios; e trata-se na ra da Cruz do Racife, n. 45, com
Nascimento & Amorim.
O doutorCasanova medico francez, contina
a roceitar em sua casa na ra Nova 7, primeiro
andar defronle do oitilo da matriz lo S.-Antonio .
das 7as 9 horas da manhla o depois disto, est
prompto a qualqner hora para fazer visitas a qual-
quer doente que de scu prestimo se quizer utilisar.
Quem liver urna preta para alugar, que saiba
cozinhar, engommar e fazer todo o mais servido de
urna casa, equedfiador a sua conducta dirija-
so a ra da Aurora n. 20
Anda ha para alugar duas casas com muilo
bons commodos, no sitio do Cajuciro, e tambem
urna cocheira na Boa-Vista : a tralar no mesmo
sitio do'Cajueiro.
mu
isto
ter casada para criar de
em sua casa : no becco
OlTerece-se urna
letealginn menino ,
do Marisco, n. 6.
O doutor Pereira participa as pessoas que ou*
lima Iho honraram com a sua couliauca clegen-
do-o sen advogado as suas causas, que elle se acha
effecti va mente sto he, a todas as horas do da ,
em sua casa na ra do Raugol n. 59 prompto a
desempenhar as funeges de advogado: visto quo ha
deixado de habitar o seu sitio da Cnpunga cuja
frequencia muito concoma para as suas distraeces
na advogacia.
Precisa-so de urna ama forra ou escrava : na
ra do Raugcl, n. 59.
Fr. Jolo Capistrano de Mondonga tem aberto
um curso de philosophia rhetorca o gcographa
as pessoas que se propozerem a estudar estas ma-
terias o pdenlo procurar no convenio de S.-Fran-
cisco, a qualquer hora.
Aencao !
Na loja da ra do Queimado, u. 30, do Jos Joa-
quim de Novacs, contina a haver um sai lmenlo
- OSr. Pedro Aflbnso Regucira queira declarar I obras feilas; chapeos do lodas as qualidades;
por sto Diario onde he a sua morada, pos que se uilos para meninos e meninas ; ricos chales deseda;
mantas de seda; lencos de tudas as qualidades; e
oulros muitos objectos que ha para vender, .w
I)-sc azeite de carrapato de ven
dagem a 1,120 rs. a caada : na ra
Direita venda n 72.
O prolessor de inglez e francez do collegio S.-
Antonio d lcdcs as ditas lngoascm casas parti-
culares: quem de seu prestimo so quizer ulilisar
dirija-se a loja do livros do pateo do Collegio, n. 2.
Aluga-se urna casa terrea sita na travessa do
Peixoto, com bons commodos, cque se acha pintada
de novo : a tratarno becco doSarapatel, sobrado
n. 16.
Iba deseja fallar.
Lima, alfaiatc,
de
na ra do Livramento sobrado n. I precisa
bons officiacs de seu oflicio e de coslurciras.
Joao Paulo Xavier de Salles, solicitador dos au-
ditorios desta cidade, mudou sua residenciada ra
Velha do bairo da Roa-Vista para o de S.-Antonio,
ra das Trincheiras n. 32 : quem de scu prestimo
se quizer utilisar o pode procurar, que o achara
prompto a encarregar-se da procuradoria de causas,
tanto no civcl como no crime.
CHAPEOS DE SOL3|
Ra do lyassei"Publico, n. S.
JooLoubct participa ao respeitavel publico, que
recebcu, norestes ullimosnavios francezes, um com-
pleto sortimenlo de chapeos de sol, de seda, amis
rica e superior qualidade; furta-cres e nutras mui-
tasconhecidas, tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo estabelecimento ha um sorti-
iiieiiiu de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos; ditos muilo grandes, proprios para homens
decamiio: tambom tem chapos de sol do paninho
para meninos c meninas, por scrern muilo linos: po-
dem-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ha sorlmenlo de bengalas, bengalinhas e chicotes
muilo modernos; cobre-so qualquer armacao de cha-
peos de sol, com sedas de todos as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimenlo de
pnnninho trancados e lisos, imitando seda, para
cubriros meamos: dcsla fazenda se vende aretalho.
Concerta-se todo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sorlimonto de todos os perlenccs para
os mesmos, com *oda a perfeic,no e brevdade.
Jos Piadines, culilciro, previne a seus fregue-
zcs quemudou-se da ra do Cabug, n. 12, para a
ra larga do Rozario, n. L'6, junto a loja do Sr.
Thoninz de Aquino Fonseca, e quo semprc est
prompto para fazer qualquer obra de seu oflicio, e
contina a amolar as tercas, quintase sabbadosde
cada .semana.
Precisa se de urna ama de boa conducta para
casa de homem solleirn : na ra da Cadeia do Re-
cite, n. 29, lerceiio andar se dir quem precisa.
No sitio da cscala na Solcdade ha pretos pa-
ra se alugarem inclusivo um botn pedreiro quo
ja tem servido de mestre.
pomhos a
se Indos juntos,
sendo a lel.iliio
sobrado t~> as 8 horas da manhaa, eiius
tarde.
Vende ao urna cadeira de armar, das melho-
res desta 'cidade, envidracada e forrada de damasco,
i|iiasi nova, e por prego commodo : na ra do Quei-
mado. n. 18, primeiro andar, com entrada pela ra
do lio/ario
Variedades.
Na livraria da esquina do Collegio.
Moraes diccionarios da ultima quinta cdicHo ,
um jogo por 35,000 rs.; Constancio, por 9,000 rs. ,
quasi novo ; Vieira, diccionarios grandes ingjczes ,
ultima ediefo, por 30,000 rs.; Mestre inglez de Ja-
c ;traz a pronuncia das palavras inglezas a par de
sua escriptura; Pillo instruido, edc3odc45, com
accrescentamcntos; Taboas requisitas, ediclo de
45 ; Roteiro das costas do Brasil; Burros de Hora-
cio de 8, 10o 12,000 rs.; Diccionarios do pronun-
cia ingleza ; Diccionarios de medicina popular, o
Guia medica por Chernoviz ; Cdigo pharniaceuli-
co luzilnno, ediciio do 1846, com addices, novas
formulas um catalogo alphab. dos vegetaes mais
usados o pelos seus nomos botnicos mais triviaes,
e ontro catalogo consagrado a plaas do Brasil;
Vadc-mccum do cirurgifio por S. Pinto, obra por-
tugueza ulilissima quo contm, alm das mate-
rias prnprias de um tratado completo de cirurgia,
tambem a elymologia dos termos da arte, a phar-
macopa cirrgica ou selccco do formulas adap-
tadas ao uso interno e externo o uso, virludc e
di'ise dos remedios as molostias a que silo appli-
caveis ele. 1 v. ; Tratado completo de medicina
operatoria por Antonio de Almeida nova ediclo ,
4 v. ; as notas praticas i|uc n autor ajuntou fazcm
realgaro mrito e utilidadcdosta obra, pondo-a ao
alcance das pessoas ni!o professionaes ; Alveilar de
aigjbeira ;F,xamo de sangradores Grammaticas ita-
lianas; Diccionarios itaMano-francczcs e vicc-ver-
sa; Guias da conversaQilo italiana e portugueza ;
Sermoes novos em portuguez por varios autores ;
Casos de consciencia do Pontos e de Benedicto XIV ;
Conducta dos confessoros por S.Carlos Borromeo;
Confessor examinado c approvado; Thcologo exam.
eapprov. ; Breviarios do rubricas vcrmelhas de di-
versas edicOes, com encad. ricas; obras completas
do Bocagc 8 volumes ; Judeu errante tradcelo
deCaslilhojMysterios do Paris tradcelo portu-
gueza elogiada por Castilho ; ambas as obras com
bollas encadernaQes ; Manejo d'arma a cacadora o
a infantaria; Medilages religiosas, pelo conce-
Iheiro Bastos, ediciio de 1846; Mximas e pensa-
inentos pelo mesmo, cdic8o de 47, 2 v. ; Explica-
eflo das phrases e lugares difliceis de Tito l.ivio po-
lo professor Marlins Bastos I v ,1846; Flos-Sanc-
lorurn ; Primeiras linhas chimicas, pelo autor do
cod. phai'Hiaceutico ; Begras da vida virtuosa ; Le-
gislacao brasilcira anno de 1846; Compendios de
historia anliga, grega, romana, idude inedia a mo-
derna adapdatos ao uso das aulas.
Vcmdem-se, no dislricto da villa do Bananei-
ras, na provincia da Parahiba do Norte, as seguifr-
es Ierras proprias para planla^cs de algnililo o
caimas de assucar, a saber: um sitio com meia egoa
de Ierra, denominado Alagoinia ; um sitio com
nina engenlioca e casa de vivenda, dei,ominadolia-
copari propiia para dar caimas de assucar, que
fui do finado Joaquim do llego Toscano e Brito, e
era parle do sitio Pao-d'Arco ; urna parle de lenas
no sitio Cannabrava, muito propria para produecio
ilc calinas de assucar, tendo propor^Oes para se le-
va ni 11 um engoiiho ; urnas Ierras denominadas
Sitio-Novo--, em Callabouco, com una casa gran-
de de vivenda, seuzalla para escravos, prensa para
encacar algodio e outros pertcnces para descaro-
(anientodo mesmo genero, que foram de Francis-
co da Cimba Ribeiro: so proprias para plantaran
de algodo, ou para criaijo de gados. Quem as
quizer comprar dirija-se naquellu villa ao capito
l'.'slcviio'Jos da Rocha, ou na cidade da Parahiba, a
Jos Luiz Pereira Lima.
Vende-sc nm negro perito official de sapateiro,
de (fado do 20 annos, e una negra cozmlieira, cos-
tureira, lavdeira e engommadeira, de idade.le 22
annos pouco mais 011 menos : na roa estrella do Ro-
zario, n. 43, se(,unuo aidar.
miraveis nava-
IhascleacodaChina
que teem a vantagem de cortar o cabello sem offen-
sa da pello, deixando a cara parecendo estar n:i
sua brilhaiitc mocidade.
Este ac vem exclusivamente da China e so nel-
le trabalham dcrtis dos melhores o mais abalisados
cutileiros da nunca excedida c rica cidade de Pe-
kim capital do imperio China.Autor Shan.
N. B. He reconheeido uso deslas navajnas
maravilhosas por lodas as sociodades das scien-
cias medico-cirurgicas, tanto da Europa como da
America Azia e frica, nao s para prevenir as mo-
lestias das cutis mas tambem como um meio cos-
mtico.
Vendem-se as verdadeiras s na ra larga do Ro-
zario, n. 24.
-----Vi ful 111-se eneiles de froco de di-
cres paia cabecas de senhoras :
I lia de M.va i'ios & Gj, ra Nova,
versas
na I ')a il
11.
(i.
AOS ESTI'DANTES.
Vende-se um jogo dos importantes diccionarios
inglczos do Vieira, formato grande c novos, pelo
commodo peco de 25,000 rs.; o Cu mla-Livros, mo-
lcrno, por 7,000 rs. : no Allerro-da-Boa-Visla, loja
n.78.
Na ra do Trapiche, o. 34, ar
mazem de M. liernel, vnde-
se o se.yiiiiile:
Salame fresco ; presuntos do Weslphalia ; licores
su perlinos e superiores a todos quo teem chegadoau-
ligamente; curavao verdadeiro de Molanla ; an-
ehovis muito frescos ; absinthn da verdadeira mar-
ca o kirschwasse da Suissa; wermoulh ; fiuctas
em ago'anlenli) ; conservas pelitspois esardiuhas;
dilas inglezas om vinagre : ludo isto chegad no ul-
timo navio da Europa : assim como todas as quali-
dades de vinhos, argo'ardenles, conservas dn carne,
etc.; charutos e muitos outros objectos de superior
qualidade e por precu commodo.
Tintas d'oleo
em latas pequeas, vendem-se no armazem de Kal-
kmann & Bosenmund, na ra da Cruz, n. 10.
Yinlio do Champan ha da
marea cometa,
vende-so no armazem de Kalkmann et Rosenmund,
na ra da Cruz. n. 10.
Vcnde-sea bem conhecida e superior cham-
panha da marca cometa ;vinho da Madeira engar-
rafado ; cha hysson e perola em caixinhasde7 a 10
libras cada urna ; bom papel de copiar em machina:
ludo chegadorccenlemonle j esta praca : na ra
do Vigario, n. 4.
S'@#.## &?***'"**
Quaclros.
Na ra do Cabug, loja de miudezas de Francis-
co Joaquim Duarte, ha um completo sorlimonto de
quadros de sanios em moldura dourada e de difle-
rentes tamauhos, de 80 a 800 rs. : a cites antes que
so ac bem.
Sr loja >tunero I? (!t ra
Pttsseio-PuIHieo,
do
*w>u>a.'BB>m
i.mtnpra.s.
Compra-sc um balcHo o taboas quo cheguem
para armafio de urna pequea venda ; assini como
algumas medidas, pesos e balanza, sendo por preco
commodo : na ra do Queiirnido, n. 18, primeiro an-
dar, com entrada pela ra do ItuzarioJ
Coinpra-se um cachorro do fila que soja bra-
vo para um sitio : na ra Nova, n. 18.
Compram-se 2 moleques de 12 a 18 annos;
duas [netas ou pardas que tenham habilidades :
na ra Nova n. 16, se dir quem compra.
^ 'wia.s.
Loieria do Rio-de-afaiueiro.
Aos 20:000^000 de ris.
Na rus da Cadeia do Rccife, loja de cambio do
Vieira, estSo a venda bilhetes e meios ditos da lo-
tera a beneficio do theatro de San-Pcdro-de-AI-
canlara. Estes bilhetes vilo rubricados por Viei-
ra da Silva.
Vendem-se casaes de rolas bran-
cas, a 8,ooo rs., ditos com filhos,
o,no.) rs. cada um, ditos de filhos,
por
por
a.ooo rs
ola trocal
vendem-se cortos de cambraia, de cores finas, com
6 e meia a 7 varas, a 2,210 o 2,560 rs.; ditas muilo
linas, a 560 rs. a vara ; cortes das muilo lindas prin-
eczinas, a 12,000 rs.; mantas de seda, muito ricas,
a 10,000 rs.; cha les de seda, muito ricos, a 14,000 rs.;
chitas finas a 120,140,160, 180, 200 e 240 rs., c muito
finas a 280 rs.; brins de linho de quadros e listras,
muito lindos padrOes, a'640 rs. a vara; lencos gran-
des ile seda para grvala, e bous em qualidade, a
1,280 rs. ; mantas de seda para grvala de homem, a
2,000 rs. ; cortes de colleto de Lia e seda, a 320 i s. ;
ditos do fustfio, a 50U rs.; ditos de velludo do co-
res, a 3,000 rs.; ditos de gorguro de seda de co-
res, a 3,000 rs. ; ditos do gorguro de lila e seda,
1,000 rs.; lonoos brincos arrendados, para inflo de
senhora, a 210 rs.; chales do lila da Escocia, a 2 560
rs.; ditos de lila com listras de seda, a 3,000 ris :
alpaca cor de caf, a 640 rs. o covado; dita muito li-
na prela, a 1,440rs. o covado; pechas de madapolilo
muito finas, com quatro palmos, a 4,000 e 4,500 rs ;
cassa lisa a 240, 400, 480 o 560 rs. ; pecas de algo-
dflozinho com 18 jardas, a 2,000 rs.; chales do cas-
sa escura, a610rs. ; merinos muilo superiores, a
1,600, 2,800, 3,200, 3,500 o 4,000 rs. o covado ; cor-
tes de chita com dez covados, a 1,000 rs. ; ditos linos
com 10 ditos, a 1,800 rs.; ditos ditos com 14 ditos,
a 3,500 rs.; ditos de vestido de cassa com barra, a
5,000 rs 6 mitras militas Cazendas por procos com-
modos.
G
m
Vende-se um bonito molecole de 18 an-
nos, de bonita figura, bom cozinheiro e
copeiro, ptimo para qualquer casa es-
trangeira, sem vicios ncm achaques; u-
ma inulalinha de 13 annos, com muito
bons principios de habilidades e que he
reeolhida; tresprelas muito mocas com
algumas habilidades, c que sabem vender
na ra : na ra do Vigario, n. 24 se
dir quem vende.
da fabrica
n. 7.
Deposito de viua^'C
da i lia Imperial,
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Atcr-
ro-da-Boa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grande poreflo e por preco commodo.
Vende-se cal virgen) em harris chegados pro-
.; dlOS nardos, a 3,ooo rs., uina 'mmente de Lisboa, por prec.o mais barato do que
'., lem oulra qualquer parte: na ra da Moda, arma-
cal, por J,ooo rs., ao casaes de|zem n. 17
Vende-se um sobrado de um andar com um
grande slito, muito bem construido, que rende
mensalmente 22,000 rs e pode render mais, livre
edesemharacado, por muito commodo proco, em
rasflo de seu dono se querer retirar para lora da
provincia : o dito sobrado he na ruado Amorim n.
12 : a tratar na mesma ra, venda n. 17.
Vende-se um cabritilla de.13 annos, muito
esperto e sem achaques : na ra do Rangel, n. 36,
primeiro andar,
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende-se na livraria .la praca da Independencia ,
ns, 6 e 8 o Novo Mez Mariano, accrescentado com o
Lauspcrcnne do Santissimo Rozario.
, ^:7.,,,,,.,jr .., -^.....^.~: >ij|lUMijJ
ESTAO'-SE ACABANDO
i| as cassas de cores (xas, para vestido,a 240 rs. ff
| o covado ; riscados francezes, do bons pa- ijf
:| droes, a 160 rs o covado : na ra do Quci-
I mailo, loja da casa amarclla, n. 29.
j, -- w&wawmmwG
Vendem-se pecas do madapolilo limpo com
20 varas a*2,500 rs. ; pecas docilitas escuras e do
cores lixas muilo ene arpadas c fortes a 5,500 rs.,
o a meia pataca a rotalho na ra cstroita do Roza-
rio, n 10, terceiro andar.
A 2*000 rs.,
saecas com bom milito : no
caes da Alandega, armazem
de AmIonio Aunes.
Vendem-se dous lindos moloques de 12 a 14 an-
nos ; 1 preto de 20 annos, de elegante figura ; dous
dilos bem robustos, do nagflo e que sSo ganhado-
resderua ; I mu.i linho de 12 annos; urna negri-
nha do 12 annos ; 3 pretas de bonitas figuras com
habilidades; 3 pardas bem mocas com habilida-
des : no pateo da matriz de s. -Antonio sobrado
n.4.
Vende-se urna linda negra com habilidades, um
negro pega de 20 annos; um moleque de 12 urna
mulatinha de 4 annos, e um muleque de 7 annos,
por seu senhor se retirar para fra : na ra da
Senzalia-Velha, n. 110, se dir quem vende.


s

A

*
Vendem-se 3 escravas sendo : urna preja pe-
rita cozinbeira e boa engommadeira ; urna dita
que cozinha o diario de urna casa he boa quitan-
tandeirao vendo miudezas ; urna parda propria pa-
ra todo o servigo de uTia casa de familia e que tem
algumashabilidades: todas sern vicios nomjaehaques
e que so afianga a conducta : no pateo da S.-Cruz ,
sobrado n. II, se dir quem vende.
Vende-se un relogio sabonete de prata, bom
regulador, por, 10,000 rs ; um piano forte inglez ,
do mclhor autor e que precisa do um pequeo ^con-
certo do marceneiro, por ftrt.000 rs; meiasde algo-
dito grossas, proprias para doentps, por aqueceretn
os pos, a 4800 rs a du/.ia ; velas de carnauba a
280 rs. a libra : na ra larga do Rozario, n. 46, pri-
meiro andar.
Vende-se urna carroca com um boi
miilngnrrlo e. fillin do pasto por nrero
commodo : na ra Nova, n. 33, se dir
quem vende.
-- Vende-se urna morada de casa terrea sita na
ra Velha, 11. 24: a tratar na na da Concordia, com
Jos Antonio Correia Jnior.
Caras para volt-
rete,
as melhores e mais baratas
ga do Rozario n. 2*.
vendem-se na ra lar-
AGENCIA KA RJNDFCAO' DE I.OW-MOOR.
Na ra da Senzalla-Nova n. 42, contina a haver
j n completo sortimento de moendas c machinas de
/apor, para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro batido e coado de lodos os tamanhos
ludo por prego commodo.
Vende-se. ou troca-se por casas nesta praqa, um
terreno com 4I2 palmos de fronte e 150 do fundo,
sito por detrs do covcnto do Carmo : a tratar com
o seu proprietario no Manguinho segundo sitio
depoisdacapellade S.-Jos.
Na lo ja de .los llanoel Ulon-
leiro Brava na ra do Cres-
po, n. |0, esquina (|ue vira
para a rua das Cr.izes,
vendem-se cooiros de casimira bordados, o mais
rico que se pode fazar nesle genero, om rasio de
ser um novo bordado que se suppOe nflo haverou-
tro igual; chapeos da ultima moda, para senhoras
chales e mantas deseda ; c outras muflas fazenda;
linas : ludo do ultimo gosto.
Vende-se um sitio de Ierras proprias com va-
rios arvoredos de fructo casa, hoa cacimba no
lugar d'Agoa-Fria de Beberibe; cujo sitio foi do fal-
lecido Jeronymo Jos Martins : no paleo da igreja do
Pilar, do lado esquerdo, casan, tal ou no car-
torio dos orphflos s fara todo o negocio.
Xa laja nova da rua do Quri-
mado, n. II A, deltaymitn-
do Garios Leite,
acha-seum novo sortimentodo pannos linos do toda's
as cores e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda; um completo sortimento de fazendas linas
egrossas, por prego mais barato do que cm outra
qualquer parta.
-- Vendem-se dous mulalinhos, muito lindos,
ptimos para pagem ; moleques de 12 a 16 annos,
de bonitas figuras; 4 mulatinhas recolhidus com
principios de costura; 3oscravas de nagilo ; 2 es-
clavos do todo o servigo : na rua Dircita, n. 3.
Vende-se, ou aluga-se para se passar a fesla ,
nina casa com bons commodos na Varzea em um
sido de arvoredos : a tratar no becco da Yiragilo,
n.95.
Vende-se urna poican de tartaru-
ga em chapas : na rua da Cruz n. i3.
Vende-se urna venda, sita na rua da Senzalla-
JVova, n. 1 : a tratar na mesma venda.
Luvasdc pellica.
Alianca-soas boas qualidades destas luvas. Ha de
todas as cores tanto para homem como para sc-
nhora. Vendem-se mais em conta do que em ou-
tra qualquer parte. Na rua larga do Itozario, n. 24.
- Vendem-se charutos da Ha-
vana : em casa de J. O. Elster:
na rua da Cadeia-Vellia, n. '9.
Pannos finos.
Vendem- se superiores pannos finos a prova de
limito prclo, a 3,000, 4,500, 5,500 e 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito fino, a 4,500 rs. listes
pannos sfio no vos e pela sua harateza, attendendo
asuaboa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na rua do Collegio, n. 1.
Vende-sc um bom pardo, ainda moco, do bo-
nita figura com principios de pedreiro : na rua do
Trapiche, n. 34, terceiro andar.
Acaba de chegar do liio-de-Janeiro o rap An-
darahy muito fresco e bom, inclusive algum em
frascos viajado : vende-se as lojas
permacete de5 e 6 em libra : na rua da Alfandega-
Velha n. 36, em casa de Matheus Austin &C.
Potassa.
Vende-se a verdadeira e superior po-
tassa da Bussia a mais nova que existe
uo mercado : na rua da Cadeia do Med-
ie, armazem n. 12, de Baltar & Oliveira.
DEPOSITO DE CAL VIRGEM.
Na rua do Trapiche n. 17, ha sem-
pre cal virgetn de Lisboa, em harris pe-
genos, e ltimamente chegada mui-
to superior e por preco rasoavel.
i\a loja novada rua do Quei
otado, n. II A, de Raymun-
do Carlos Lcite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de lindo do Porio as pecas
silo ile 18 varas e meia ; dito de 25 varas, a 600 rs.;
guardanapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte propria para rolletes .jaqueles e etc., tecido
de seda e linho ; mcias de linho as mais finas que
tecm viudo ao mercado.
Vendem se esrravos muito baratos, pa-
ra se liquidarcm contas (leste anno, na
das Lar.tngeiras, 11. i!\, segundo
rua
ande
tres lindos moleques de 14 a 16 annos ; um dito
com principios do sapateiro e que enlcnde de pa-
llara ; um lindo niulatinlio de 11 annos muito es-
perto seni vicios proprio para aprender qualquer
oflicio ; um prelo de 23 annos ptimo para traba-
lliar em armazem de assucar por ser bastante for-
te; um dito de nacilo, bom ganbador de rua, e que
esta icoslumado ao Irabalho do rellnaciio; um par-
do de 36 annos bom para tomar conta de um sitio,
por ser de boa conta ; um prelo de 40 annos bom
canoeiro e ptimo odlcial de canteo ; um dito de 40
annos, por 200,000 rs. ; urna preta muito forte,
por 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili-
dades ; duas pelas muito mogas que s9o pti-
mas quitandeiras; duas ditas boas engommadeiras
o cozinheiras ; e outros escravos.
Lotera do Kio-de-Janeiro .
hrneieio do ilieatro de &.-
Pedro de-A (cantara da corte
Vendem-se bilhetes desta loteria e in casa de J.
0. Klsler, na rua da Cadeia-Velha, n. 29.
1 (rilar na na rlr C,vt>*i\n rnmlcerto 5 ssim como desmanclam-se pentes velhos e
a tiatar na rua uo irespo com fazem.ge novos. na ,oja de lartarugueiro d0 paleodo
Jos Joaquim da Silva Maya.
Aos .Srs. pharmaceu ticos de
bom g >sto.
Chegaram livraria da rua da Cadeia-Velha ,
n. 3t, lindas collecges compfetas de letreiro para
vidros e potes do botica contendo 695 rtulos, im-
pressos em bom papel de cor, lustrosos e superio-
res emquaKdade aos que veem do Londres. Im-
pressos no Rio-do-Janeiro na lylhographia do com-
mercio.
-- Vendem-se libras de rotroz pretoe azul-fer-
rete de primeira qualidade da fabrica do Siqueira;
caixinhascomaguthas inglezas sorlidas om tama-
itos das mais superiores que teem vindo a este
mercado : na praga da Independencia, ioja de miu-
dezas, n. *.
g Vendem-se chapeos francezes da ultima moda;
aLcrles de calcas de casimiras elsticas, de qua-
dros e listras muito bonitos padroes; cortes "de
cassa de cores dos mais modernos que ha no merca-
do : tudo por menos preco do que om outra qual-
quer loja: na rua do Queimado, loja da casa ama-
relia, n 29.
Vende-se urna negrinhacosluroira o rendeira ;
um mulatinho sapateiro proprio para pagem: na
rua larga do Rozario n. 35, loja de miudezas, se di-
r quem vende em conta.
Vendem-se 6 escravos sendo : 4 do 13, 16,
18 e 22 annos de bonitas figuras proprios para o
serviQO de campo, ou da praga; urna bonita e ele-
gante mulniinha que engomma cose chito e faz
lodo o mais servico de urna casa ; urna crioula mo-
ca com habilidades que se di rilo ao comprador:
na rua das Cru/os, n. 22, segundo andar.
Vende-se utna parda muito moca sadia e de
boa figura que cose, cnsaboa, engomma e faz ren-
da e doces por preQO commodo : na rua do Ran-
gel, n. 26, primeiro andar.
Vendem-se superiores re-
des, proprias para tipoia : na raa
do Queimado, loja da casa ama-
relia, 11. 29.
Vende-se cha hysson de Lisboa muito supe-
rior a 2,000, 2,400 e 2,560 rs. a libra ; familia de
araruta, a 240 rs, a libra ; manteiga ingleza, muko
superior a 960 rs.; caf a 140 rs. ; bolachinha in-
gleza a 360 rs. ; aletria, a 400 rs. ; vinho engarra-
fado no porto muito superior e vellio a 640 rs, a
garrafa ; dito, a 480 rs.; presunto do Porto muito
bom a 440 rs. a libra ; e lodos os mais gneros por
prego commodo na venda da rua dq Rozario es-
trella que faz esquina para o Carmo.
Cadeia do
Claudino
a a 1,200 1,520 1,760 2,000 C Iua u jupale, 11. mam j ia
s de seda do cores para grvalas, a I pois que elle so acha desombaragado.
de setim macau de cores o de gor- Vendem-se dous pares do oculos.
Na loja da rua da
llecil'e, n. 52, de
Salvador Pereira Braga ,
vendem-se os mais modernos chapeos oe massa
francezes, para homem, a 5,800 rs. ; ricos cortes
do velludo bordados para collele, a 5,500 rs. ; ri-
cos e elegantes cortes de camtiraia de seda, de lin-
dissimos padroes, a 7,500 rs. ; lindas e delicadas
mantas bordadas,de setim e de gorguro.para grava-
las a 2,00(> rs. ; casimiras finas e elsticas a
1,900rs. o covado ; ditas de quadros muito en-
corpadas a 1,600 rs. ; ditas ordinarias, a 1,000 rs. ;
ditas melhores, a 1,280 rs. ; sarja de seda preta fina,
a.1,500 rs. o covado; chapos do Chili.a 1,800, 3,500
c 6,000 rs. ; chapos de sol, ile seda, para homem ,
a 6,000 rs. ; cortes de camtiraia de cores e de lodas
as diversidades a 3,500 o 3,800 rs. ; longos de se-
da para algibeira a 1,200,1,520, 1,760, 2,000 e
2,240 rs ; ditos de
1,700 rs. ; ditos
guriio,de3 pontas, a 1,900 rs de qualro
3,800 rs.; ditos de seda com franjas para senhora,
a 2,700 e 3,200 rs. ; ditos de seda preta, de tres
pontas, para homem ;a 600 rs.; e outras muitas
fazendas por prego commodo.
iNa loja de llanoel Joaqun
Pascual Hamos, no Passeio-
Fublico, n. 19,
vondem-se cortes de cambraia alegra a 2,000 rs. ,
0 o covado a 240 rs. de padroes e cores as mais
1 indas que teem apparecido.
U BAKATIIRO.
Ka nova loja da rua do Cres-
po ao pe do arco de S-An-
tonio n.4, de Ricardo Jos
de Fre tas Atiben o ,
vendem-se chapos de creps para senhora a 4/
rs. ; ditos de seda, os mais modernos que teem vin-
do a 12,000 rs. ; os mais modernos chafos de
massa francezes para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimento de eambiaias'cscocezase cassas stiis-
Destas pecilinchas SO appare-
ce na hja o nich.) !
Na esquina do Livramenio, loja do nicho ven-
dem-secrtes de setim branco lavrado, proprios
para casamento, a 15,000rs.; sedas de duas largu-
ras brancas e de cores a 1,280 rs. o covado ; ris-
cadintios de lindos gostos com listras de seda a
360rs.; chitasfrancozas de duas larguras, a 320
rs. o covado ; chales de 13a e seda, a 3,000 rs.; di-
tos de igarga e seda; a 2,000; lengos gran Jes da
mesma qualidade a 1,000 rs.; cortes de cassa de
bonitos gostos ,a 2,000 c 2,800 rs., e muito supe-
rior fazenda a 3,500 e 4,000 rs.; mantas para se-
nhora a 1,000 rs.; dilas de setim de cores para ho-
mem ; e outras muitas fazendas novas para a festa.
--Vendem-se meiosbolins a 2,800 rs.; sapatos
de setim a 800 rs.; ditos de tpelo: no Atterro-
da-ltoa-Vista n. 84.
Vendem-se,onrbom estado e por prego commodo,
os livros seguinlcs: Jesus-Chrislo pcranle o cceulo;
Epstolas e orages de Cicero; l.a coluie chritien-
ne : na rua Nova loja n. 58 se dir quem vende.
Vende-se um sobrado de um andar e soto ,
na rua dos Copiares, n. 4: vista se fara o ajuste
...do disimile.
Vendc-souma pr.ta de 40 annos* que cozi- "''s .'' vanos gos os, leudo urna vara de largura,
urna casa e Vende na rua: de lustilo de gosto moik-rno, e de cores lisas a 800
rs. ; muito ricos chales de seda muito superiores c
grandes, a 12,000 rs.; chales de garga lecidos com
listras do seda muito lindos > a 3,200 rs. cada um;
um novo e rico sortimento de lengos de seda o do se-
tim lavrado decores milito lindas, a 2,000 e 2,500
rs. i n le i ros ; ricas inanias para grvalas do ho-
mem com ricos la vros a 2,000 rs. islo he pe-
chincha ; corles de gorgurilo de seda para collele ,
muito ricos.a 3,500 rs. Igualmente ha um sortimento
de chitas linas e de cores lixas a 120 e. 2t0 rs. ;
covado; cortes de cassa de cores lixas a 2,560 e
3,000 rs. ; ditos de cambraia branca e de cores ,
para bailes do 4,800 al 7,000 rs.
Vende-se cera do carnauba, do muito boa qua-
lidade, lauto a retadlo como em porgan : na rua
das Larangeiras n. 14, segundo andar.
-Vende-se, pur 3:500,000 rs.,
um sobradinho de dous andares,
que rende 330,000 rs. por anno :
nha faz todo o servigo de urna casa e vende na ru
urna (reta de 20 anuos de muito boa figura, qu
cozinha c engomma ; urna parda de 20 annos que
cose muito bem; una negrinha de 10annos, muito
linda ; 3 moleques de 10 annos : na rua do IMsseio,
loja n. 19, se dir quem vende.
le I miras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora
pelo barato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corle. Esta'
lazenda he nova e do muito sublimes gostos, sen-
do as suas cores mu i apreciaveis por serem cor de
lirio, rosaeperola. A elles antes que se acabem
Garuado Collegio, lojan.1.
-Vende-se um prelo crioulo de 20 .annos com
omciode pedreiro o qual voio do iflatlo, para pa-
gamento e por isso vende-se por preg*-1 commodo
par ajuste de contas: no Herir, rua do Apollo ,
- Vendem-secaixas de.clia hysson, de 13 libras,
cm porgOes ou a retallo ; caixas de velas de es-
e vidros co-
rados com armagfio do ouro de le, para vista cur-
ta lendo um dedos tambem vidros para os lados :
no Aterrp-da-Boa-Vista, loja de ourivos, n. 23.
' Vende-se urna venda no mediar lugar desla
eidade com commodos para familia muito bem
alreguezada e com os fundos de 1:500,000 rs. Es-
ta venda foi de Joaquim Pacheco de S na praga da
lioa-Visla n. 20 : A tratar na Boa-Vista, com Jos
Teixeira do Souza, ou no Recite, com Luiz Jos da
Costa Auiorim.
I'ECHINCHA.
Jos Saporili tem caixinbas com 12 frascos de
azeite doce refinado, que, para acabar com ello
vende pelo commodo prego de 2,000 rs. cada cai-
xinha : na rua da Cruz, no Recite u. 18, segundo
andar.
-- Vende-se a loja de fazendas inglezas i sita na
rua do Queimado, n 18, com as tandas existentes,
ou com aquellas que o comprador quizer, a dinhei-
iii ou a prazo : a tratar na mesma loja.
Vendem-se duas pardas, sendo urna dellas
muito moga de bonita figura, e que he bem pren-
dada ; um moicquo, de 12 annos ; no armazem do
Kulino, na Boa-Vista.
Vende-se o'deposito do assucar da rua Direita ,
n. un, minio afreguezado e com commodos'in-
depeudenlcs para familia : a tratar no mesmo de-
posito.
Vende-se urna rapariga de nagilo deolegan-
lo figura perfeila engonunadeira lano de roupa
de liomoiii como de senhora excedente lavadeira
de salan e val rolla,que he grande cojinlteira,|e lam-
bein cose alguma cuusa : o motivo da venda he
porque seu senlior rolira-se desla provincia : na rua
imperial, largo da forca, n. 3.
Na rua Nova, loja n. 58, vende-se calgado da
Ierra a saben: sapa les e sapatos para homem e
meninos; ditos decouro e de marroquim, para se-
nhora e meninas; aviamenlos paru sapateiro; sa-
patesdo lustro e quaudo nflo liuuver algum que
chegue ao freguez, tambem se recebem encoin-
meiidas ; urna pjrgao de madeira llallas ; bicos
ramos de flores; parreira brava, ou abulua para re-
medio ; um b.agu de alangu do autor Romo com
um temo de pasos de duas arrobas para baixo pa-
ra armazem de carne ; um terreno em bom lugar
com 300 palmos de frente e 800 e lanos de fumo. '
Vendem-se superioies facas com cabos de pon-
las de viado : na rua Nova loja de ferragons u.
25 de Teixeira & Audradu.
Vendem-se pentes de tartaruga da moda
abei los e lisos e de marrara : tambem so Taz qual
que robra desle genero, tanto nova coma de con
Carino do sobrado da esquina que volta para rua*
dasTrincheiras, n. 2.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vende-se um pequeo numero de bilhetes da 23."
loteria a beneficio do theatro do S.-Pedro, pelo pre-
go de 23,000 rs. os inteiros dec 11,500 rs. os meios :
na rua da Cadeia loja do cambio n. 38, de Manoel
Gomes da Cunha Silva.
Venderr-se duas escravas mogas, com habi-
lidades que se dirilo ao comprador: na rua estrel-
la do Rozario, confronte ao becco, por cima do
barbeiro, segundo andar.
No.armazem de Me. Calmont
& Companhia, na rua de
Apollo n. 6, vende-se
cobre em lengol e orruellas ; dito de forro para
navio ; formas de ferro para engenhos; espumade-
ras de dito cstanhado ; cocos; passadeiras, etc. ; es-
cov:ns de diversos tamanhos, para navios; temos de
pesos de ferro para bataneas ; tinta verde em latas,
por muito barato prego.
Vende-se, para fra da provincia, um escravo
pardo de 20 annos, perito odlcial do carpina : na
rua de S.-Rita, n. 44.
Vende-se urna cabra ( bicho ] oom muito bom
leite, e com duas crias : na rua da S.-Cruz, n. 1.
Vende-se a loja de calgado do Atorro-da-Koa-
Vista n. 38 com poucos fundos ; bem como ar-
magSo, caixilhoso mais pertences: a tralar na
mesma loja.
= Vende-se a loja de miudezas da rua da Cadeia-
Velha n, II, sendo o ostabeleciment proprio,
pelo que se pode asseguraro lempo quo o compra-
dor quizer: a tratar na mesma loja. mh
Vendem-so duas excedentes gaiolas de rame,
por prego rasoavel: na rua das Cruzes,- venija B. 41.
Na rua de
Agoas-Verdes,
46
n ,
vende-se urna parda, mucama com excellentos ha-
bilidades ; 3 escravas para todo o servigo ; 2 boni-
tos moloques de 15 a 16 annos ; um excedente par-
do de 20 annos ; um dito quo trabadla mu bem de
marceneiro; um molequo de 18 anuos; um escra-
vo pega de 22 annos; um dito de 30 annos.
Botoes da moda.
Na rua do Cabug, loja de miudezas de Francisco
Joaquim uarlo, recebeu-se pelo ultimo navio vin-
do de Franga um completo sortimento do botos
de casaca prelos, de selim, sarja o velludo, e ama-
rados dos melhores gostos que teem vindo ltima-
mente de Pars, de libr de pageos, de Pedro II, pro-
prios para os Srs. militares, eos mais bem dourados
que teem aparecido; de madre-pcrola, de cures, pro-
prios para roupasde meninos e roupinlio de senho-
ra : as amostras se acbam patentes tao.s seuhores
compradores.
Kscravos rugidos.
Ainda esta. fugido, desde n noile de aabbado ,
29 deagostode 1846, o molccote Francisco ; repre-
senta 18 annos; odios grandes, beigos grossos, na-
riz chato denles limados; sempro muito alegre ;
apeznr deserde nagilo, falla como crioulo por ter
vindo pequeo; levou camisa do algodaozinho
trangado cnlc>s de zuarto azul, suspensorios de
meia de cor jaqueta de panno verde rola no co-
tovello esquerdo, chapeo de patita c mais urna
trouxa com o resto do sua roupa; foi visto para o
lado dos A Togados, dias depois da sua fuga. Este
escravo portence ao Sr. Francisco l.ourenco da Fon-
seca do Rio-Grandc-do-Sul, e se achava ja des-
pachado e com passaporte da polica para embar-
car. Offerecem-se 50,000 rs. de gralificagfloaquemo
prendere levar a rua da Sonzalla-Velha, n. 110,
casa de Alves Vianna.
Ausentou-se, na noile do dia 8 do correnta o
escravo llerculano, de cor tilo fula que parece cabra,
cabega pequea cabello ralo olhos pequeos ,
corpo grosso, pouca barba estatura regular ; lem
urna cicatriz no hombro esquerdo, que pode lcr3a
' pollegadas de comprimcnlo ; costuma ombebe-
dar-sc o neste caso se intitula por Herculano Jos
dos Santos Tranca-Rua ; levou camisa e galgas de
algodlo trangadoazul, o algumas camisas de ma-
dapolao : quem o pcgarleve-oa cidade de Olinda,
na rua da Boa-Hora, a scusenhor, Jos Ferreira
Marinho.
Ausenlou-sc, ha dias, da casa de seu senhor, o
esc.ravo Jolo pardo triguero de 15 a 17 annos ,
cara grande, oJhos regulares, bons denles; boiu
conhecido por andar frequentemente fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a seu senhor Luiz Go-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
Em 2 de fevereiro desto anno desupparecen da
cidade da Babia um escravo crioulo, de nomeThe-
molheo de 16 a 18 annos com oflicio de sapateiro,
secco do corpo com urna orclha Turada para brin-
co; gagueija ao fallar; tem rosto comprido,olhos vi-
vos ps feios de luchos que leve, e anda calgado ;
ha toda a dosconfianga de eslnr nesta provincia com
o nomo mudado; perteneo a l>. Joaquina Mara los
liis residente naquclla cidade. Tambem desappa-
receu da mesma senhora orna escrava de nomo
Jo.una Viegas, de meia idade com urna marca na
tesla, de Angola fgida na cidade de Olinda do
Pernimbuco, cm 1837 para 1838. Outra escrava, de
rroine Mara da mesma nagilo fgida ha lempos,
antes desla e de mais idade. Itoga-se aos capiliies
de campo ou outra qualquer pessoa que os pren-
da m o levem-nosa rua do Brum fabrica de Caldei-
reiro que serSo generosamente recompensados.
~ Fugio, da fazenda da Juroma, comarca do Bre-
jo-da-Madre-de-l)eos, um casal de escravos em
dias de setembro : o prelo do gento de Angola ,
de nomo Francisco de 30 anuos pouco mais ou
menos de cor bem prota altura regular, secco o
coma peinas linas: a negra do nomo Antonia,
crioula, de32 annos, cor lula ; lem os dedos dos
pos pegados : quem os pegar leve-os a seu senlior,
o maj.il- Lourenco Bezena Cavalcanle, na dita fa-
zauda, ou noengenho Cajabuss ou no engenho-
Abreus, comarca de Nazaroth, que sera recompen-
sado generosamente.
">
v
KltN.: NA TTPf UE M. F. DC *BU, lt47.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED2RPKAGG_KPDG4C INGEST_TIME 2013-04-26T23:31:33Z PACKAGE AA00011611_08567
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES