Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08566


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A nno (Je 1847.
Terca-feira 16
O OI1I1IO pnMici-nc todn* os das q
oren, -le eunrd i o prcco A i a>naturaftO de
IJ'iOft rs.norqir.rlcl, |>.i:;it adlhntadnt. O an-
nuncins doi ..sun'd'-i jS*nWnJ(n fila*
P n. por linlia, f.fli typo diJeroa*, e*s
rei.etir.oes pala motile. l> que n'ie I rem assigr
nllntes'pai.ar5o SO r par linh, e 109 m IJpo
dill'erente, porcad* ptiblleac'ia.
P1USKS.UA LT MEA l)K NOVEVU1P.O.
I.ua nor.,.a 8, ao bl minutos C.escente a l >, as 6 horas e 5!. m.n. da jalde.
Luachaa22. .7 boic is miB* do U.dc.
MiiomuU a 5, as 1 l'orai c 2 inm. da Urdo.
DIARIO
PAUTIDl DOS CORREIOS.
;oanneParaliibaasse?uad'esexUs fein.,
Hio-'lrande-dn-Norte quima felras o meio-di
Cab, SerialiSim, [lio-.Kormoso,Poilo-Calvo e
tcelo, no 1.*, 11 e 21 de cada ntez.
Otra almas Bonito, 8 e 2J.
aa-Vi o Flores, all 28.
Victoria, as quicitas-feiras.
Oliiida, todos os das.
PREAMAii DE HJE.
l'rimeira, l 10 horas e o minutos da miaba!.
Segunda, s 11 lioras e t8 minutos da Urdo.
He Novembro. Anno XXIV.
N. 9&*
j lilil- II II !
oas m Mana.
ir, Sea. S. (.erlrudts. Aud. do J. dos orph.
* e do J. Hoo. da t. edol. M* di ? v.
10 Tero. S. Oourallu de Lagos Aud. do J. do
civ Ha I. v. r do I. de paz do 2. dist. de t.
17 Otaria. S. GregarIftTMUiwUll'go Aud. do
J.do civ. daV. v.edo J.de paz do 2. dist de
18 yuinta. S. Ilomio. Au.l do }. Ceorpd.
e do i. municipal da I. vara.
1 Serta. S. Itabel. *"d do I do civ. da I.
v.edo J. de mido I. dist de t.
70 Sahlrfo. S Flix de Val os Aud. do I. do
civ. da I. v. e do J de paz do ldist. de I.
CAMBIOS NO WA
OENOVRMBRO.
re Londres. IB d por l rs. 6 e 90 dial
P^ris )30rs. por trinco.
T.l.o. 105 a 110 de premio.
Hese de ledras el* hoasfinnis I i i I| /
OurnOneas Lcspanliolas----/".' "
Moida, dc'lf.O.i val.. ie#|00.
deflOO i.0V ajMoo a
delfOOO..... *I00 a
pra(a-1'aUCO.......... |M
Pesos eolumnares... II" '
a Ditos mexicanos ... I#700 a
Miuda...... ...... "O
jsfno
10*200
ItflOo
9**>0
||80
10
||70
||H0
civ. da l. v. e do J de paz do ixliit. de t. """;y \ LVJ. .., ,.Mr
2, Domina. Ap.esentacSo de Noa.aSjnl.or... Acedes da comp. do llcbenb.de o0J000r..Opar
AMBUCO.
nriirfri~i.....,,, >,----------- : i^"*-*!"" '."jh-^;-"-
EXTERIOR.
A EMANCIPACAO DOS ISRAELITAS.
PAiiS, 17 r>F. agosto db 1847.
A cidade de landres, collocando oSr. Rolhschild
no numero dos seus representantes, obrga o futuro
parlamento aestrearcom urna sentenga decisiva na
grande queslAo da liberdade religiosa. O principio
moilerno da independencia e da mparcialidado do
estado para com os cultos vir a abranger hoje em
Inglaterra, como jabrange em Franca, o culto is-
raelita? A emancipagflo dosJudOos vira dar rasflo
iniciativa do Sr. Rolhschild e intelllgoncia dos
seus eleitoros, assim como a emancipagflo dos catho-
licos recompensou outr'ora a audacia com que O
Connell abri de par em par as portas da cmara dos
commuus? A elcigflo do Sr. Rolliscluld ho urna vio-
lagflodalei; querer o corpo legislativo annullar,
ou q'uerer manter a lei que mu expressamente ro
violada pelo epipoeleitoral ? A prova mais manifes-
tadarvolucnosiliilaique, de 89 paraca, muda o
fundamento do direito publico em todas as nacOcs
civilisadas, be a vinda de urna era nova para as po-
pular-Oes dcorigom israelita coinprolieudidasem seu
seio. A' medida que o progresso das ideias silas apa-
ga a nialdiciRTcom que a idade media fenra os JU-
deos, confundem-se estes cada vez mais com asdif-
ferentes familias curopasa que estavam ligados ate
hoje como subditos, o nilo incorpoados como cida-
dflos. Approxima-so a poca em quoserSo em toda
a parteo que sflo de lia multo entre nos : una igre-
ia mais no estado, o iiHo tima nacilo aparte na na-
co. leo maior triumpho quetem alcancado ara-
silo humana.
Seattendomos a esta tendencia universal, nao po-
demos deisar de antever que ser favmavel a reso-
lucap que tem de tomar o parlamento iiiglev. cm t:lo
grave oceurroncia. No Ibescra possivel car aquem
do parlamento priissiano, que, apenas instituido,
deu provea na maneira mpsmo poique discutio a emancipacno
dos Judos. Sito nos devemos esquecer deque, ao
passo que a Inglaterra nfo conta sendo um Jutlco em
2,076 habitiintes, conta a Prussia um cm 7* ; e Mp-
te da Prssia, a provincia de Posen, um em 16.
Tambem nao nos devenios esquecer de que o medio
da ciillum social naoaltinge entre os Israelitas ai-
lemnessenao um nivel muilo inferior aquello a que
circumslancias mais felizes elevaiaiii gcralmetiie os
Israelitas inglezes: Ninguem ignora o triste aliau-
mento em que vegeta anda a grando maioria dos JU-
deos polacos de Posen, mo grado os esfQicos leutjs
bem ivcenlenieiile pera os litar'de tQo lameiitavci
condicOo. Eiu depulados prtissianos a iiitroduccflo no corpo nacio-
nal de urna massa tao numerosa de cidadaos novo,
dosquaea nein lodos estavam preparados paraessa
fraternidade que desgraqadamenlc Ibes outorgavam
1.1o a deshoras. Foi lal.comtudo, sobre a dieta nrus-
siana o imperio absoluto do principio philosopiiico,
que venceu este quasi constantemente as o jeccots
de faci ededetalhc, tiflo impedindo as dillictilda-
des ileexecucflo que una inmensa maioria dase-
gtimla curia se declarasse pela emancipac.io com-
pleta dos Judos. Foi so pea minora de um vol,
mssa primeira sessao de um parlamento anida tao
novo, que dentro dos limites uos seus modestos po-
deres n3o outorgoudepersi aoslsrae Has o d relio
inmediato de senla.em-se en. seos bancos Onde
oslara a vauUgcni de urna sabedona secular o a
honra de un.a longa caricia polilic, se esse nico
vol que fallou em llerlin para provocar urna glande
obra de rasio, rallasse tambem cm Londres para
consumma-la? ,
Esta obra, iesino na Prussia, nao esta do todo per-
dida. Em prlpieiro lugar, o goveruo, forcado por
um dos maiores movimenlos que teem agitado a Al-
lcmanba, traa linalmenle delirar os Israelitas do
estado deploravol em que ale entilo os deixara. Em
segundo lugar, o novo ostado que lhes preparava
na lei que submetle as dcliberacOcs da dieta, con-
demnava-os por systema a um solamenlo demasia-
do singular, e a dieta protcstou com resultado salu-
tar contra esse espirito exclusivo de un. supposto
reino chrtlldo. Finalmente, o propno rtino chnsUlo
se^desViou alguma cousa dianto das lep/esculacOes
doslilbos doseculo; osea lei promulgada em 23
ejuho p. p. nao le/ :\ n.enor concessilo dos princi-
pios, nao susteiitou tambem todas as suas couse-
quencias. Quercra a Inglaterra recuar nesse declive
por onde desee a Allemanha, em vez do acorocoar
com o scuexeniplo um goveruo que altela sempie
seguir o seu oxemplo ? O liberalismo inglez he dig-
rio de comprelieiuler esta respoiisabilidade. A his-
toria tos Judos na Prussia ho o melhor arrasoado
que conheccinos contra os ionio de Oxlord.
C}ual era cm 23 de julhop. p. a sorle -las popula -
cOes israelitas entra um dos povos mais illuslradoa
da Europa A prussia tem oito provincias : a con-
tfic8o legal dos Judos uo vanara sement de pro-
vincia eiii provincia ; inudava algumas vo#cs de C-
dade em cidade. Na Westplialia, por exemplo, o na
Saxonia, estavam disseminados sol) o imperio de
i legislares distiirctas; estavam divididos, se-
cundo o lugar em que habitavam, em tele cdigos
lillerenles. No Brandehourg u no ltlieno, admit-
tiam-sc quatro, na Silesia lrM e na Pomeiama dous :
para os Judos de Posen n3o liavia senao uinregi-
uiun: mas 0 sen tratamenlo em nada era melhor.
Este complexo brbaro o monstruoso provinha da
inaneira perqus monarcliia se lefwmara em 1815.
Rqunio cnl.lo aos territorios que iiuhain continuado
/a ser iu ussianos em 1807, depois da paz de Tilsil, os
' territorios subraellidos ao dominio liai.cez durante
de do christlo he de direito diVino superior mora-
lidadedoJudi>o. __
Para nsnSo heduvidoso o resultado deste prr,-
cesso. A Allomanba inleira exige a emancipacSo
dos seus Judos, que eram apedrejados as roas nlo
ha .inda quarenta anuos. O primciro ministro da
beata Inglaterra apresenla-se nos hustmg,, de bra-
BodadoeomumJudO I'm pont.lice excellente li-
bro as portas do gbeto romano, l que sera isto Be-
nito o ell'eilo ea.la voz mais certo do PrOjTTOWO victo-
rioso das i.leias? M MelM solidas doW II secnlo
ponetram no mundo com Wrcl irresislivel. A Aiie-
manha.a Inghterra e Roma pw-ecem unir-se hoje pa-
ra acabaren, de esoever esse. bello capitulo da h.s-
loria humana, cotnecadi pelanossa consliluinte na
e de-J7 desetembro do 1791.
[Journal det Dibat'.)
Jornal do Commercio.)
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DK PERNAMBUCO.
Lisboa, 15 de setembro de 1817.
A nuesUlo do reeonbecimciito contina a ocen par
I imprensa peridica. Vario individuos e rodaclo-
, C9 de jornaes da opposQo teem reclamado contra
as Ilegalidades commotlidas no reoenseamento, o
teem dirigido requerimientos rainha, ao goveruo
e ale aos representantes das naces alliadas sobre
este assumplo. Diz-se que o visconde de Fonto-de-
Arcala, o Antonio Rodrigues do Sampaio, redactor
.la Reroluc,i de Setembro, foram chamados a secreta-
ria .lo ruino, alim de conferenciar sobre este negocio
con. os ministros. Isto tem dado lugar a altos cla-
mores por parte do listandarle, jornal cabralisla, que
acensa o goveruo de se querer bandear com a pa-
tulea Entretanto,'istd he urna arcusacao gratui-
ta; mas parece que o goveruo tomara alguma mc-
i- dida a respeito dos reeenseamentos.
inJudne. Conlniia, segunilo se diz, a desmlelligeiicia en-
naoumcidado. Referiremos agora as restrieces re o saldanbisU,, e/ f^^{Jm ^^t
a poca imperial, eoutros que a sorte dos tratados
ou desarmas sempro tinha deixado a principes al-
lemaes.
Os Judos da Prussia de Tilsit eram governados
apparentemente, nao om realidade, pelo edicto do
11 de margo de 18(2, edicto do cmancipacHo e una
dessas leis gloriosas com quo Stein e llardenberg
creavam cidadaos para fazercm soldados. Os Judos
que tinbam pertencido ao imperio francez reinvn-
dcavain o nosso direito civil como base do seu ; nas
era urna base muilo mutila'da. Os Judos dos paites
3ue sempro tinham sidoellemfies, esses estavam re-
unidos ainda aos costumes da idade media. Sol
estas Ires categoras geraes era preciso collocar tan-
tas diversidades locaes, que vinha a haver em toda
a monarchia d;oi7o.maneras do existir para os Is-
raelitas, e iiiesmo trinta, se emtannos as disposi-
gOes particulares das municipalidades.
Sesequer penetrar agora no meio desse cabos e
ver o fundo disso que ainda liontem era legalidade,
tomem-se os Judos da anliga Prussia, aquellos a
quemo edicto do 18(2 dera direitos iguaes aos dos
chrstaos e prometiera lvre occesso a lodos os em-
pregos, outorgando-llics logo a aptidflo inmediata
para os cargos das universidades cdas municipali-
dades. Em que estado os acbou a le d (le jullio ?
N1o eram considerados cidadaos prussianos seno
com a condig.1o de nflo saliircm do territorio prus-
siano do 1807 ; contintiavam a soll'rer o peso das
desgracasdelena quelizcrain a Prussia tao peque-
a ; nerrTTum proveito tinham lirado das felicidades
de Leipsick ; e comquanto cambutessem pela liber-
dade da patria comnium, nao era para ellos quo a
patria se tinha engrandecido pela victoria. Um Prus-
siano de Konigsberg eu de Berln, que fosso eslabe-
lecer-se cm Slralsund ou em Posen, lornava-se cs-
trangeiro, perda a sua iiacionalidade logo que se
reconhcccssc que pertencia a religiflo judaica, por-
que em Slralsund e em Posen, n* Lusaca ecnnu-
tros pontos da monarchia, um Judo era mu Judf
nao umcidadilo. Referiremos agora as restrieg
que pesavam sobre I liberdade possoal dos Israeli-
tas, mcsino na zona favorecida desse edicto de 1812,
. -t-t..t_ .I...Mn luir.'.) \ ., ,..!,.,
constaiitemenle violado desde 18151' Nao podan)
dar aos seus lilhos os nonies de Pedro c de .Mara ;
no podan) receber discipuln* ehrlstos as suas
escolas, ncm ser bourgmestres, nen. chegar ao pos-
to de ollicial, nem pasear da tropa de linha para a
guarda real, nein tiajar trajes de cavalheiro quando
possuiam bens nobres, ncm abrir boticas.
Os Judos que tinham sido fianoezes ou gozado
do beneficio das leis francezas, mais vantajosai aifl'
da do quo o edicto de 1812, soffrian vexam.s l.io | e-
sados como os Judos da anliga Prussia. Os da ler-
cera categora, aquellos que nunca tinham passado
pelas reformas liberaos da Prussia do 1812 ou pelo
dominio benclico da Franga, rontinuavain a sor os
Judos da dado n.dia : derramados por lodos os
fragmentos de estados germnicos que foi ani reuni-
dos Prussia, eram servos d. gleba em quo tinham
nascdo Una disposigil" policial, publicada om 1573
pelo pequeo districlo de Wiltgcnslein, declarava-
osfra da le c permtlia que todos os alacassein e
maltratassem. Um decreto ministerial do 23 do maio
de 18(2 deca re u q.ieessa disposlgflo policial ja
nflo era applicavel.
Tal eraoverdadeiro estado da populagao_judaica
na monarchia prussiana al o anuo de 1817. O go-
veruo quiz mutla-lo, o para sso subniclteu aos es-
tados geraes um projoclo de lei que devia reformar
ludo. Ilavia duas cousas boas neslc projeclo : con-
ceda nos Israelitas a faculdado de locomogao, subs-
titua urna ordeni uniforme a horrivol confusflo em
que se achavam. Mas ao lado dessas duas colisas
boas havia uina detesta ve I que domiuava ludo :
consliluiain-se o judiciarias ( judenschaften ). Por
amor da arle c da Iradigao, o legislador quera fa-
zer os Judos mais Judos do que ellos qucria-m sor,
e ao passo que todos aspira va m a confuiidir-ao ca-
da vez mais com os seus concidatlflos sjk'istaos, fa-
zia esforgos para exlrcma-los. Os IsiaciiUs moscu-
vitas cboram a sua barba o o seu trajo ; e o goveruo
prussano por pouco que obriga os Israelitas prus-
siauosa voltar a barba o sola i na. Quera tor Ju-
dos verdaderos para oruainenlo do theatro social
e poltico, assim como ludia camponezes ocavalhei-
ros. Eviova-so ssm lambein todas as relacOes
compromettentes que podoriam all ibuir ao Israe-
lita a menor auloridado sobro o cbiistao. Parta do
principio absurdo da supe ioridado natural do chris-
10o sobre o Judo, e faza praga de tolerancia, por-
que isolava o Judo do ehrislo para toi nar-lne essa
suporioridade iiienus vexaloria. bom tenso da die-
ta prussiana demoli lodo esse edilicio lano quau-
lo poda demolir.
A lei de 23 de julbo, no todo 6 no fundo, he o pro-
jeclo primitivo do gavorno modlicaram-se, porem,
osdetalbes de niaucira a lornar, talvcz oxlcrior-
nieute, menos ofiensivo o rgordo sysle.na. A con-
cessilo mais imporlante lio quo a ludiciaria, quo ho-
je se chaina tynagoga, esta constituida, nao como
corporagao civil, inassim e nicamente como cor-
porac3o religiosa e de caridad. [)) rosto o JuiIctj; a
despeno das promossas da lei de 1812, que assim
foi derogada cm 18(7, nao pode pretender a ompro-
gonenhum que-impoito utn eoiimiando qualquer.
Nao pode ensinar philosojibia, uam historia, nem
direito; em una palavra, 0 estado chtytdo esta salvo
Consignamos aqui esta historia instructiva, por-
que, no momento em quo a Inglaterra toui de dar a
esta grande causa um sulTragio decisivo, quera-
mos mostrar at onde'poda chegar, mesmo entre
um povo intelligenle e generoso, essa doulrina fal-
sa do estado chrisia. O futuro parlamento inglez
n3o pode excluir o Judo que I he lie enviado polos
eleitores de Londres sem proclamar que a moralida-
,naos v.io adquirindo mu'ita preponderancia. O cen-
tro eleitoral carlista, de quo era presidente Saldanba,
lom-se visto quasi deserto, ao mesmo lempo que as
reunios om casa do conde de Thomar vilo sendo
muilo frequentndas. lia quein assevere quo so pro-
cura activamente, por parte de passo Influentes,
ver se se consegu urna conciliagao entre sahla-
nllillai e cabralstas, o que julgo nao ser dillicul-
loso.
O ministei io segu sendo o objeclo da animadvcr-
SIdos cabralstas e piogresistas, o duvidoqiiese
lossa susleiilar por muilo lempo no poder, lano
porque, segundlo diz, nflo existe entre os seus
membros a .nelbor harmona, como por causa dos
grandes onibarscos que o estado Dnancol.ro do paiz
Iho suscita. NOo ha diolieiro) devo-ae aos ejnprega-
dos 8 mozes ; ha 5 mezes que nflo se Hieda viniera,
e o diez de fevereiro que se comugou a pagar, so
o receberam poucat possoas, o os demais om pro-
gados anda cstao espera do que baja fondos, laso
mesmo que so pagou foi com uro emprestino elfoc-
tuado com o banco, em remuneracgo do que conse-
guio o seu lim desejado, isto be, que as olas tornas-
scmacnlrar cm melado dos pagamentos, revogando-
so o decreto publicado durante a gerencia do conde
do Tojal, que detenninava que as ditas olas SO cn-
trassem urna terga parto nos pagamentos. Contra es-
ta medida que apareccu no Diario, o que foi por oslo
desculpada, apoiando-se nos pareceres dos mom-
bros do Ihesouro, no do procurador da corda e da
fazcuda, leem-se levantado altos clamores ; porm
sen. eifeiln, porque nao ha outro remedio senflO sof-
frer c calar.
A quesillo da dissolugo dos balalboes lera estria-
do mais, porque so eoiiheccu que era traball.o per-
dido, polo menos no quo diz respeito aos de Lisboa.
Entretanto, la do vez cm quanlo aparece um alio
aueixumo, porque urna praga ou ollicial dos ditos
balalbfi.s oz um disturbio, lim insulto ou cousa
que o val ha.
Chegou aqu o general l'ovas, o hospedou-so no
llolel da Pennsula peileiiconle familia Pinto Bas-
tos. O general pouco depois daqul chegar foi ata-
cado de enferraidade grave ; ebouvo quein se lom-
brasso de llie enviar un padre com a aanta-unccSo.
Isto fez levantar altos lirados aos jornaes da oppo-
sigBo, quo o allriburam aos seus inimigos polti-
cos, Com o fimdealemorisaremo velho general, o o
langaiom eireclvamente na sepultura. Parecoque
houvo quom obstasse a quo o padre so apresenlas-
seno quarlodo gonoral, cesto nada soube do oc-
conido seiio quando se acbou melhor. Eslevellio
guerreiro contina a ser visitado por minias pessoas,
lauto do partido realista, como do progressista, de
inaneira que os jornaes carlistas dizem quo oquar-
tel do general l'ovoas ho o ttmU-vota dos partidos
exallados. "
Chegou aqui o harflo do Talleyrand, diplomtico
franco/ ; o diz-so quo Uvera uina conferoncia com
0 conde do Thomar.
Corre o rumor de que o jornal ministerial, o 'lem-
po, vai deixar 4e publicar-se; massabir em seu tu-
gara Carla, a cuja redaeg pertencer agente que
redigo hojo o Tempo, reforgada com mais algtiem.
Diz-so quo o clebre Rebelliuho, que rodigo o Dia-
rio do Governo no tompo dos Cabrees, sera um dos
nossos redactores da Carta. Este liomeni est promp-
to a advogar todas as causas, e nao duvidamos que
descomponha na Carta o seu antigo protector.
Publicou-se aliual a Naci, jornal realista. He
um peridico do grande formato e multo asteado.
Pena he que comocasse por pregar o miguelismo
puro; e isto escripto, segundo se diz, por quein ja
advogou o republicanismo. Parece ue, so nAo mo-
dificaras suas opnioes, lera de soffrer grande trovoa-
da dos jornaes liberaes de todas as cores.
A.s noticias do Porto mo silo muto satisfactorias.
Parece que so pcrsegtiem os entregadores o que se
rasgara as folhas dos jornaes la opposigSo, sobre lu-
do do Nacional. Este jornal queixa-se amargamente
do governador civil, o conde dePcnamacor, por nao
dar as convenientes providencias de seguranga.
I)iz-se que, correndo all a noticia de que 0 conae
de Thomar se tinha ene-arrogado da pasta dos nego-
cios eslningoiros, houvo festejos por parte dos seus
amigos, roguctesdoar, ranchos a cntaro hymnoda
Carta, c vivas ao dito conde. Infelizmente para elles
o boato ora falso, e ficaran com nariz de cera. En-
tretanto, nao perturbaram a ordem publica.
Deu-se ordem aos commandanles das divisoes mi-
litares pava remetterem ao governo relagOes dos olli-
caes miguclistas, que, durante a ultima luta, se con-
servaram obedientes rainlia, c dos que se prestaran!
ao servico da Junta do Porlo.
Como agora lie o tempo dos banhos e das agoas,
a cidade esta falta de gente, e os espectculos sao
pouco frequentados. Diz-se, comtudo, quo esta es-
cripturada urna magnifica conipanbia lyrica para o
theatro do San-Carlos, e urna do balennos de
encantar. O theatro parece que se abrir esta tem-
porada uns quinze di is anles do coslume, alim do
SS MM. gozarcm desse divertimento, visto que se
privaramdclleo invern passado, em consequencia
to estado do paiz.
As noticias do Despalilla continan a ser pouco
pacilicas. A crse por que a Despatilla acaba de passar
com a uiudanga de poltica, parece ser percursora de
grandes acontecimentos. Os progressistas querem
conservar a posigao que alcangaram ; eos retrgra-
dos adquirir a que perderam. A luta parece prxi-
ma a comecir. Espartero ainda nHo regressou a Hes-
panha, e parece que se oppoem algtms obstculos ao
seu regresso.
dem, 27 de setembro.
Desde que clienou a esita capital o harSo de Talley-
rand Perigord, socrelario da Icgagflo franceza era
Madrid, o conde de Thomar tem augmentado a sua
influencia coiisideravelmente, a despcito da opposl-
co do sir llamilton Seynuiur.
A opposigo selembrisla, desgostosa eom os re-
ccnsoainentos, dirigir ao ministerio urna represen-
tacflo algiim tanto iinnrcgiinda do espirito do parti-
do, queixando-sc de falta de seguranga t? de infinitas
fraudes no roconsoamonto. Desta representagRo
deu-se conliecmento aos representantes das tres po-
tencias interventoras. <
Depois de milita liesitacflo, o governo no pOde de-
cidir-so a annullar os resenceamentos, e a espagar a
convocacjlo das cortes; mas accordou n'um meio
termo n ptihlicou o decreto do12 do corrente. Este
documento he referendario pelos ministros Antonio
de Azevedo Mello e Carvalho, Francisco Antonio For-
nandes da Silva FerritO, Joilo de Fon tes Poreira do
Mello, Marino Miguel Frangini, bario da Luz e ba-
fo de Almofalla.
Incumbe aos governadores civis a nomeacao de
urnas oommissoc- especiaes encan-egados de reve-
rem os reclnseamenios, e de Ibes inlrodu/irem as
iiltoragoespara raaisou para menos, que julgarein l-
gaos e fundadas. Dcstas commissOes ha recurso pa-
ra os concelhos de districlo. O apuramento ferio
por estas commissOes no obstar a que as eleigOes
sefagama tempo para que o parlamento se rena
a -i d janeiro, como presereve a carta constitucional.
O decreto mencionado nao saliste/ partido algum.
Oitetembrittai e os migu.;listas clamam nos bous
ornaos contra uina medida que lhes nflo permute o
triumpho na urna, por isso quo os governadores civis
actuaos nao noinoaro gente que entre as preten-
coos dettei partidos, e por isso que o recurso para o
concelbo de districlo he o mesmo que j exista an-
tes da publicagaoria medida.
Os partidistas do conde de Thomar tambem com-
baten! o decreto, no l-.stamlarle, como inconstitucio-
nal ('indecoroso; Inconstitucional, porque entrega aos
escolhidos pelos governadores civis o que so per-
tonce aos delegados das cmaras inunicipaes; inde-
coroso, porque leude a desacredilar as commissOes
de recenseamento, duvitlaudo-se do seu zelo e im-
parcialidade no desempenho de suas attnbuigOes.
O proprio jornal seini-ollicial, a Carta, combato a
medida por iguaes motivos.
O ministerio, por conseguinte, abandonado de lo-
dos depois do passo que den om 22 do corrente, nilo
pode de modo algum sustontar-se, e ja corre que
den a sua demissao. A duvida apenas consisto em
sabor so ho lodo mudado ou so apenas sabe uina par-
to delle. Os boatos que teem mais voga dflo como
demittidos Mello e Carvalho, Ferrilo o Frangini.
Entretanto, houve um jantar em casa do marquez
do Fronleira, a que assistiramosdous marechaes. du-
ques da Terceirae de Saldanba, eo conde de Tho-
mar. Neste jantar parece tor-se effectuado uina re-
concliacito entre o duque de Saldanha e o conde do
Thomar, da qual resultar a cessagflo da divergencia
entre o partido carlista e o accrescmo de recursos
para triumphar nas eleigOes.
A noticia desta reconciliadlo espalhou-se logo na
capital, e deu grande alegra gente da situaglo.
Torna-se, pois, mui pengoso e arriscado nomear
agora para o ministerio quem pretenda marchar de
accordo com a opposigflo selembrisla, e tudo indi-
ca que O novo gabinete ser composto do individuos
mais conservadores do que Mello e Carvalho, e Fer-
ino.
Apozar de todos os esforcos, a opposigao setem-
brista anda nao tem esperanga de alcangar a dsso-
lugflo dos balalnOcs nacionacs, que reputa um gran-
de estorvo para as eleigos. S. M. nao tem querido
attenders insinuagOes para acabar cora esses cor-
pos.
,\ mullidao de peridicos que agora ha em Lisboa,
..... .....: ..,...;nn ^(IIaU JaUh.1!.)* .s^.. Ij.a miA
,.

II III111 uunu i*\s y*j* tutiivwo (|ui n-wiii **** vi Ji-#-aw"j
toma mui precario o oflicio de jornalista, por isso que
ILEGIVEL


I
a extracto se torna para cada um muito mais limi-
tada eis-aqui os nomos dollcs: Diario do Gover-
no, Carta, Revolvido, Estandarte, Patriota, Naco, Lu-
sitano, Procurador dos Povos, Peridico dos Pobres, n-
teresse Publico e Matraca.
as provincias reina socogo. As acedos do banco
v3o melhorando muito. Chegaram a valer 290/000
res, e hoje contam-se a 4:20/000. descont das
notas tambum ha diminuido progressivamente. Se
tivermosum governo que saiba conservar a paz in-
terna, como he do esperar, as pordas quo o commer-
cio temsolftido rao dosapparecendo.
Em Hespanha preparam-so novos e graves acon-
teciuientos. O ministerio Salamanca, abrindo as por-
tas a Espartero, e coinbinando-se coin a diplomacia
ingleza, parece tor em vista acabar com as preton-
edesdo duque de Montpensier ao thronodc Hespa-
panba. Por outro lado, Luiz Philippe uflo se descui-
da de contrubalancar os manejos brilannicos o de
promoveros interesses do sen lilho.
J o Clamor Publico, peridico progressista, annuti-
cia claramente os progressos do scu partido por estas
palavras :
."rnm.rTrVm,0 P5?W?-iP25F,,,ftt 0U- oulPO ""mente sem duvida, e calendo maisaosTmpi-
qualquer relurmar a constituyo pelos meios le- sos da paixao do que aos diclames da prudencia, tra-
tou de cumprir a promessa, e projeclou vngar-
se, de um modo indigno do homem civilisado, da
vorsos dos pontos cardeas. O que, pois, vamos di-
zor agora, assonta nessa communicaco.
O Sr. general Abreu e l.ima, pessoa mui respeta-
vel, e cuja existencia deve de interessar a [todos os
Pcrnambucanos, se no por oulros motivos, ao me-
nos por ser ello um desses cidadaos, <|ue, pelos seus
conhecimentos, honratn ao paizem quo nasceram ;
oSr. general Abrou e Lima, dizemos, trocara algu-
mas expresses um pouco fortes com o Sr. Manuel
Joaquim, quaddo se proceda, na matriz do Poco,
neloigflodoselcllores, que, oui nomo dos Rrasloi-
ros residentes nessa parochia, c de concurrencia
com os representantes das domis freguezias em
une so divido esta provincia, leom de Hornearos
deputddos que ella deve de mandar assembla ge-
ral na prxima legislatura : mas, ltenla a manoira
porque estas cousas costumam passar entre nos,
ninguom suppoz que d'ahi proviessom aconteci-
menlos lamentaveis, nao obstante haver o Sr. Mano-
el Joaquim assegurado publicamente que o Sr. A
breu e l.ima Iho pagara na primeira occasiffo que
o encoutrasse.
Entretanto, o Sr. Manuel Joaquim, menos pen-
ga es; se pnvardos direitos que tem corda a un-
anla I). Lima Femada; se declarar em vigor o tra-
tado de l'trecht; se, em summa, annullar todas as
consoquencias do matrimonio Montpensier, cele-
brado -
b
exis
irado a cusa de tantos sacrificio; o que farfio o ga-
iinete das Tuilherias ee partido alYancczado, cuja
txistoncia poltica tilo interessada est om que sub-
sista ese consolide a allianga franco-hspana a qual
dedicaran! todos os seus esforcos ?
A islo responde o Faro, papel modelado, catciro-
ricamenlc.
Aqu tem a Hespanha, diz elle, aqui tem a Euro-
pa o programma do governo dos progressistas. Para
estar completo falta-lhe ajuntar : Se os progres-
sistas fizessom rei a Espanlero ou a Montemolin.o que
fariam os moderados? Responderemos: os mode-
rados haviam do protestar, ealinal haviam de des-
manchar essa ordem de cousas, creada pelos prooros-
sislas. Enlende o Clomor? N3o podemos sor mais
explcitos na nossa resposta.
Assegura-se que os homens que gozam da confian-
za da rainha Izabel estilo de accordo com lord l'al-
merston acerca da questilo da sucessao.
Para estelim, estmi abertas negociages diplom-
ticas entre o gabinete de Londres e os concelhei-
ros ntimos da edrte de Madrid. Lord Palmerston
manifest!! que a suppressiui da lei slica em' Hes-
panha tenda a comprometter, qurno presente, quer
no futuro, a paz da Europa, e que por isso era para
desejar ardentemente que a actual lei da successflo
fosse modificada coustitucionalinenle de modo que
a cora da Hespanha se reja pelo preceito da oxclu-
s3odasmulheres.
Estar prospostas foram acolhidas em Madrid, e de-
cidio-se que as cortes se oceuparito com a questSo
da successflo ; mas para isso preciso recorrer ou-
tra eleiciio c|ue d maioria aos inglezados.
Na nova leise estabelecer que, se a rainha mor-
rer sem descendencia masculina, a corda passar a
scu tio D. Francisco de Paula, ou aos seus descen-
dentes, com oxclusao da linha feminina.
Para contrastar este intento, Narvaez se conserva
pelo em quanto em Madrid, auxiliado pela legacSo
lranceza, para impedir por todos os meiosque Espar-
tero regresse Hespanha, apezar da amnista. A ra-
inha Chrstina.sem tenciio alguma de ir a Madrid.poz-
se a camnho para essa capital, alim de receber, como
recebeu, insinuado do governo de Madrid para que
nao continuasse a sua jornada. Agora pretendem
que se faca o mesmo a Espartero, alim de impedir
que o partido progressista se apodere da situadlo.
Na Italia urna rcgeneracilo poltica se vai eflectu-
andoem toda a parto. Nos estados pontificios ha quasi
rgimen costitucional. Em Florenca e Lucca ha guar-
da nacional e lberdade de imprensa Ein Turiin
dao-se vivas a Pi IX eWi lberdade da Italia. Em a-
ples o re ve-se obrigado a diminuir tributos e a at-
iender opiniao publica.
Os Austracos que oceupam Ferrara conservam-se
em prudente neulralidade; o o principe de Met-
ternicb acaba de declarar que de modo algum pre-
tende oppdr-se a que o papa ou qualquer soberano da
Italia faca nos seus estados as reformas que tiver por
opportunas. *
Em Marrocos prepara-se urna peripecia que
pode custar caro aos Francezes.
Ab-del-Kader, que se resolveu a fazer a guerra ao
imperador Abderrahman parase collocarem lugar
delle, entrou em Tazza vencedor; e, segundo se aflir-
ma, ipodernu-sc de Fez, urna das principaes cidades
desse imperio.
A Franca resolveu intervr em Marrocos em prol
do imperador ; mas supponhamos que no momento
de levar exceueflo a interferencia ache consum-
inada a usurpagSo de Ab-del-Kader, o este sentado
no throno ?
A Crn-Bretanha apressar-se-ha em reconhecer o
novo soberano marroqoino; e pode declarar que o
sustentar contra qualquer aggressao externa.
Eis-aqui outro serio motivo para urna guerra en-
tre a Franca e a Inglaterra, alm da divergencia de
Hespanha, que anda he mais importante- Se desta
vez escapamos sem a quebra da paz goral pode dizer-
se que nSo teremos mais guerra por todo este sceulo.
Bffronta que suppunha ter recebido do Sr. Abreu
oLima; pois que, uodia 13 do corrente foi espe-
ra-lo a cavallo junto ponte da levada do Monlciro,
donde, apenas o avislou, quando, de volta do Reci-
fe, elle se recolhia a casa, acommelteu-o armado
do um pao e de urna faca do punta, e depois do llie
haver atirado algutnascacetadas que o acommet-
tidorepellio corajosamente valoudo-sede una ch-
bala (pie trazia, podo alcungar as redeas que Iho li-
Dliain cihilo da nro ao receber urna das chibala-
dascom que oSr. Abren o Lima defendra-so, e
conscgiio evadir-so.
Mis esta triste oceurroncia, (|ue lamentamos de
coracilu, e que levia de terminar pela prisSo o po-
lo processo do aggressor, foi seguida de oulras mo
menos desagndaveis o que mais que muito rove-
lam o quanto se acham excitados os nimos dos
habitantes da freguezia do Poco ; o quanto esso lu-
gar se torna digno da mais sera- allencflo da poli-
ca o da adniinistracao provincial.
Logo que correu pela freguezia a noticia do suc-
cesso que acabamos de mencionar, urna porcSo
dos moradoras da Casa-Forte passou-so aprossada
para o Monlciro; e,ahi chcga.la.lratou de espancar o
Sr. capitflo de primeira linha, Sebastiflo Antonio do
Reg llanos, quo he cunhado do Sr. Joflo Ignacio
RibeiroRoma, oque, depois de haver recebido urna
cacetada, recolheu-se precipitadamente casa, por
ter reconhocido que a gente que o assaltra eslava
na irme disposicao do auiquila-lo,c quo Ihe falta va m
as fdreas necessaras para lutar com ella. Fraileado
esto primeroaclo de represalia, essa gente regres-
sou para o sitio donde viera; e, tomando as aveni-
das, propoz-se a espancar tambem todos os opposi-
conislas que por ah houvessem de transitar, como
o fizeram ao Sr. Joaquim de Mello Estoves de Larraz,
quoseacha laucando sangue pela bocea; ao Sr. l-
ente Jos Francisco Carnero Monteiro ; a um lllho
do Sr. Joaquim Tiburco ; a dous Portuguezes, em-
fim, que.sendo caixeiros, um do Sr. Tmpora], o'ou-
tro do Sr. tenenle-coronel Antonio Lias Caldas, ti-
veram do soffVer pelos amos.
Estes excessos, que nunca deixarflo de compungir-
nos, por mais frequentos que so tornem, nao teriam
parado ah a naoserem os esforcos dos Sra. Paulino
Augusto da Silva Freir c Jos Pereira da Silva, que,
ajudados, sem duvida, pela Divina Providencia, con-
seguirn! moderar o furor do povo. emquanto mo
appareceu o Sr. chefe de polica, que, apresenlando-
se ah pelas 11 horas da noite, pouco mais ou menos,
fez dispersar o grupo dos que se tinham incumbido
depunir na pessoa dos prenles e correligionarios do
Sr. Manoel Joaquim o desacato quo este fizera ao Sr.
general Abreu c Lima !.....
NSo terminaremos sem declarar quo o amigo, a
quem devenios asinformaedes que a principio men-
cionamos*, nos aflirmou por mais de urna vez, que o
Sr. general o seu irmflo se n3o acbavam entre os que
promoveram a assuada.
IIURI !IG PER 14111)IJCu.
jtmujt* asaa wvmsxjj) ^.a u;7.
Desd'hontem pela manliSa ouvimos fallar nvum
deploravel acontec ment occonido na povoacflo
do Monteiro entre o Sr. general Jos Ignacio de A-
breu c Lima, irmflo do Sr. Joito Ignacio Ribeiro Ro-
ma, subdelegado da freguezia do Poco-da-Panella,
e o Sr. Manoel Joaquim do Reg Barros, concunha-
do do mesmo Sr. subdelegado. Desejosos de trans-
iiillir aos leitores a noticia de qualquer oceurren-
cia immedatamcnle depois de have-la colhido, nos-
so primeiro proposito foi o de inteira-Ios desse a-
coutecimento, em o n. 258 deste Diario mas, refle-
xionando um pouco, decidmo-iios a guardar silen-
cio al que podessemos obler informaedes do algum
dos habitantes da indicada povoacao, ou de qual-
quer das oulras que com ella enlcslam, visto como
era o faci muilissiino melindroso em si mesmo e
as suasconsequencias. Hoje, pelas 11 1/2 horas do
dia, acertou Je virter com nosco um dos morado-
res do Poco, que nos communicou alguma cousa a
semelhaiileraspeito, e que nos habilitou, por con-
seguinte, a referir ocaso, so nao precisamente, ao
menos com mais exactidao do que o fizeramos le-U de ouubio ultime
vados pelas narrativss que ateutao chegavam
nos, e que, de algum modo, se encontravam em
Al este momento (4 1/2 horas da tarde) o Todo-
poderoso Icinnlicwiido as preces, quo nos, a rr.ais
pequenina das suas creaturas, Iho dirigimos a favor
dos parochianos de San-Jos, e da Iranquillidade
publica.
A mesa directora dos trabalhos eleiloraes dessa
freguezia continuou-os no dia 13 do crrente, e
prosegue nelles sem que leuha presenciado scenas
iguaes a essa que d'oulra vez descrevmos
Ordem de prisfio intimada a cerlo cidadflo pelo
ordenanca do subdelegado da freguezia ; revoga-
c3o dess ordem pelo jniz de paz presidente da me-
sa;capiura do mencionado ordenanga, determina-
da pelo referido juiz de paz; segunda ordem de
prisflo, dada ao mesmo cidadao pelo Sr. chele de
polica; pronunciameiilodo povo contra scine-
Ihantc ordem; auuuencia do magistrado von-
lade popular; mudanca da patrulha que guarda a
igreja, aqual, constando de pracas de arlifices l
hontem pelas II horas da noite, dessa hora em dian-
te passnu a ser composta de pracas do 5." balalho
de fuzileiros ; reforco dessa patrulha, operado
hoje pela manhfla ; declaracao que fizera o preci-
tado presidente, dse adiar disposto a nSo conti-
nuaros trabalhos sen.lo depois de retirado o refor-
co, que nao pedir; requisic3o ao Sr. comman-
dante das armas, para queso etfeiluasse essa retira-
da ; salisfac3o de semelhaule exigencia; alguns
doestos o ditos picantes, emlim, trocados cutre os
assistenles : eis ludo quanto tem occorrido ah de
sabbado para ca. Todava, ha tao pronunciado re-
ceio, que o simples grito de armas, com que os sol-
dados sdem ser chamados a render o quarto, he mais
que sullicienle para derramar o susto, como an-
da esta larde succedeu, s 2 horas pouco mais ou
menos.
A rcccpc3o das cdulas lorminou hontem. A apu-
raeo comecou boje.
Os subscriptores desto Diario acliarflo no lugar
competente as duas cartas quo nos remetleu o lio-
so correspondenlo de Lisboa pelo patacho portu-
guez Andorinha, entrado hoje ueste porlo, e que a-
diantam alguia cousa aos peridicos que por esle
navio recebemos, pois que alcancam a 27 do setem-
bro prximo passado, no enlrelaiilo quo ellos ape-
nas chegam a 24.
A rainha em concolho tnha ordenado que a 17 do
predito mezse celebrassem publicasacgdes degra-
das pela'recentecolhoita abundante, oque seflzes-
sem collectas para soccorro da penuria da Irlanda e
Escossa, que infelizmente ainda nlo havia cessado.
As noticias de Paris oram de 2 de outubro.
O ro dos Francezes, a rainha. o duque o a duque-
zade Montpensier, eoduquePhilippo do Wurlem-
borg, partiram deSt.-F.loud a 29 de setembro para
La Fert-Vidame, onde chegaram s 7 horas da
noite.
( duque d'Aumalo havia sido nomeado governa-
dor-goral d'Algeria.
O Charivari obsorvava que 75 condecoragdes fo-
ram distribuidas pelo rei depois das manobras do
campo de Compigne, entretanto quo o imperador
s concedeu 15 depois da victoria de Auslerlitz.
A duqueza do Nemours voltra de Compigne pa-
ra:St.-Cloud a 30 de selombro, o o duque seguir
em diieitura de Compigne para campo de Luno-
villo.
O funeral do marecha! Oudinot, duquo de Reg-
gio, devia ter lugar na groja dos invlidos, no da
5 do outubro.
Orna carta de Paris do f." di/.ia que corra all ha-
vercm sido recebidss noticias de Madrid, as quaes
aunuuciavam que, tendo-sedesavindo o general Ser-
rano com o Sr. Salamanca, por motivos a que nflo se
dara publcidado por entSo, linha passado para o
partido da ranha-mai e do Narvaez, eque pela in-
fluencia daquelle goneral seria este inmediatamen-
te autorisado a reorganisar o gabinete a seu bel-
prazor. Outro boato dizia que Narvaez e Salaman-
ca cstavam na melhor intclligencia, tondo jantado
juntos em casa do Sr. Iluchenthal, eque Narvaez
apparecra no thealro noito no camarote de Sala-
manca.
As noticias directas do Madrid eramde 27 do se-
tembro A Guela publicou muilos decretos rcaes,
um dos quaes remova a prohibicSo de vender-se
propriedades, oulr'ora pertencenles a communida-
des religiosas, mosteiros e convenios, as quaes po-
dem para o futuro ser allenadas. Tendo o ex-editor
do laro deixadoa direccilo daquelle jornal, o recu-
sado um desafio do coronel Candara, que se con si-
derava insultado por certas insnuagOes que ello
continua, o novo editor assumio a responsabilidad!!
do artigo, e acoitou o desafio. Conseguintemente
leve lugar o encontr entre elle e o coronel na ma-
nhfia do dia 27. Troca rain-se dous tiros sem offen-
sa de parte a parte, o ambos se rctiraram. O go-
verno linha recebido noticias satisfactorias da Ca-
talunba. O general Concha cscreveu que no lim de
outubro nao ficaria naquelle principado nem um s
carlista armado.
Quasi toda a Europa commercial se ia resentindo
de urna crise financeira bastante assustadora : mui-
las das principaes casas tinham suspendido seus pa-
gamentos ; e receiava-so que dentro em breve se-
iiam imitadas por outras de nflo menor categora.
vios, quer aconaes, qur estrangeiros, que deste
porto sahrem com destino aos portos do-Chili, qu
oscaptaes teem de se muir da cariada sai'le
passada por este consulado; assim como de fazer
Ingalisaro manifest da carga que levnrem, ou ii0
ir em lastro, achando-so comprehenddos as mes-
mas disposiedesos passaportos das pessoas queda
qui sedlrigirem para o Chili; assim como os. pro"
testos, sentengas, procuragdes, certificados e oulros
documentos que tpnham do ser apresentados em
juizo. "
Consulado da repblica do Chili em Pernambu
co, 13 de novombro do 1847.
Uaudino Agostinh de Barro
Cnsul do Chili.'
0 escnvflo da recebedoria de rondas internas
geracs, servindo no impedimento de administra-
dor, faz constar aos devedoras da taxa dos escra-
vos dos bairros de Sanlo-Antonio e da Ros-Vista
relativa aos annos de 1845 e 1846, e aos que estilo
de ver o imposto de casas de modas, calgados, tras-
tes, perfumaras, etc.. que no fim do corrento mez
yflo ser rometlidas as relagdes dos devedores de taes
impostos para juizo: e aquellos que nao quizerem
ter mais dispendio de cusas e incommodos ve-
nbam quanto antes satisfazer oquedevr-m. Outro
sim, faz scienie a lodos os confiaras o irmandades
e devedores do imposto de 20 por cento do anno
corrente, que o prximo moz do dezembro he o mar-
cado para a arrocadaeflo do 1. semestre, (Indo o
qual incorrem na mulla marcada no rogulamcnto
Recebedoria, 12 de novembro de 1847.
Estanislao l'ereira de Oliveira.

COMMEHC10.
Alaiidey.i.
E.NDLME.NTODO DIA 15.........
Detcarregam hoje, 16 de novembro.
Rarca Marta-Thereta farinlia.
Escuna Alaria bacalho.
liriguo fewis farjnha e bolachinha.
Polaca Tergesleo mercaduras.
Polaca Hewcco idem.
CousuSudo.
RENDIMENTO O DIA 15.
9:458,421
A adiiwnistraco da companhia de Beberibe man-
da fazer scienie aos Srs. accionistas, que se acham
realisadas as entradas do 80 por cento sobro o va-
lor das acgdes emittidas, sem que tenha sido de
mislerpdrem execugSo o artigo 9. dos cstalutos,
nem a medida adoptada em assembla geral a res-
peitodos que na ultima remuao eslavam em atraso.
A inesnia administragflo roga aos Srs. accionistas
hajam do realisar urna prestagflo de 4 por cento
no prazo de 30 das, contados desta dala.
Escriptorio da companhia, 18 de outubro de 1847.
O secretario.
Denlo Jos fernandes Barro.
Contratos a celebArem-se com a thesouraria da renda
protinciaet.
O do eslabelecimento de urna linha de mnibus,
que, na forma da lei provincial n. 191, de 30 do
margo ultimo, facilite o transito desta cidade para
qualquer dos seus arrabaldes e para Olinda.Rece-
ber-se-h3o propostas todos os dias, ataqese ve-
rifique o contrato.
O da conslruccfiode urna qarrelra na'estada" do
norte, cujas despezas se acham orgadas em 1:732,200
rs.--os concurrentes a esse contrato devem de com-
parecer na secretaria da predita thesouraria a 19 des-
te mez, ao meio-dia.
THEATRO PUBLICO.
(oral
642,600
.% minenlo
do Porto.
Navios entrado no dia 15.
Cidiz; 42 das, escuna ingleza Cadii-Packet, de 151
toneladas, capilflo Alexander Lilis, equipagem 8,
carga sal; ao capil3o.
I.isbda ; 45 das, patacho portuguez Andorinha, de
122 toneladas,o:ipiiai> Joaquim Jos Caelann, equi-
pageui II, carga vinho, vinagre, sal, ceblas e
mais gneros; a Nascimcnto & Amorim. Passa-
geiro, Jos Ozorio de Castro Maciel Monteiro,
firasileiro. r
San-Jodo ;Terra-Nova;; 35 das, brgue inglez Phw-
nix, de 220toneladas, capil3o Anilrew Kerr, equi-
pagem 12, carga 2:600 barricas com bacalho; a
Me. Calmont& Companhia.
Navios lahidos no mesmo dia.
Macei; escuna ingleza Harritt, capitao William
Williamsg|m lastro.
Ro-do-JaneWo ; escuna ingleza Cadis-Packet, carga
a mesma quo trouxe.
Uec Imanes.
Pelo paquete ingle/. Exprs recebemos o Time de
PAGADORIA MILITAR.
Em consecuencia de novas ordens que o Sr. co-
ronel cnmmssario-pagador, chefe desta pagadoria,
Jos de Rrito Inglez, acaba do receber pelo despacho
do Ex ni. Se. concelhero presidente da provincia,
manda o mesmo Sr. coronal fazer publico que
continala ante a pagadoi ia a arrcmatag3o om has-
ta publica, no dia 20 do corrente, das pegas do far-
damentodoextincio.hatalhSo de guarda nacional
destacada, c da respectiva msica, os quaes j leem
sido nominalmente designadosf com a declaragao,
porm, que dita arrematag3o sera smeiite das po-
gas em bom estado, c por lotes, ou porgdes, como
convier s pessoas que as pretenderem, podendoir
ao arsenal de guerra examinar as que Ibes convie-
rcm; porque, segundo as citadas ordens de S. Exc,
devcrSo estar separadas todas as pegas ou arligus
do dito fardainento arruinado, e somonte promp-
tas ao exame dos pretcndenles as que esfiverem
em bom estado,porque destas se annunciai de novo
a venda.
Pagadoria militar de Pernambuco, 15 de novem-
bro do 1847.
No
mpedimento do cscrivSo,
Joo Arctnio llarboza.
Tendo-so inslallado nesta cidade o consulado
I do Chili, o atientas as ordens toriiiinanles da secre-
,,, i ..,:..i, '"""" ..... I uo t.iiui, e atientas as ordens truiinanles da sccre-
d nauuel f,u ^'"Lh^i1^""" 6 c6rle rMld,,m taria oeaUdodoa negocios estrangeiros do mesmo
di- naqucll. data ein Osborne. | esUdu f previue-se a lodo os consignatarios do na-
Margarda Deperini, summamente penhorada pe-
lo bom acolhimento que tem recebido do indulgen-
te publico pernambucano, tem a honra deofferecer-
Ihe na noite de hoje, 16 do novembro, (o n3o na quin-
ta.-feira, como se l nos bilhetes tanto de camarote
como de platea) m seu beneficio, o divertimento
seguinte :
PRIMEIRA PARTE.
1. Symphoniaagrande orchestra.
2. O muito applauddo duelo bufo do ELIXIR DE
AMOR, cantado pela beneficiada o oSr. Toseili.
3." Orando aria Vivi tu tenescungiuro, da opera AN-
NA IOLENA, do mestre Donizelti, executada no cla-
rim de chavos pelo Sr. Plassa.
4. Scenu romntica e cavatina, da opera ICNEZ
DE CASTRO, do mestro Jos Facliinett, canuda pela
beneficiada.
SEGUNDA PARTE.
1." Oveilura enova valsa, |iela orchestra.
2." Nova c escollada aria, pelo Sr. Jo3o Toseili.
3." Grande polaca original, com variagdes, execu-
tada no clarim dp chaves pelo Sr. Plassn.
4 Dueto da "pera RELISARIO Un se pelessi pian-
gere, pela beneficiada o o Sr. Toseili.
TERCEIRA PARTE.
!. Symphonia.
2." Dueto da opera NORMA, De Adalgita e Norma :
a parle de Adalgisa sera executada no clarim de cha-
ves pelo Sr. Plassa, cada Norma pela beneficiada.
3." Nova qiiadrilba de vulsas, pela orchestra.
4." Muito engragado terceto da opera SCAUAMA-
CIA do mestre Ricci, pela beneficiada, Guiseppe De-
perini e o Sr. Toseili.
O resto dos bilhetes acha-se em.casa da beneficia-
da, ra do Queimado, n 16, enalojadoSr. Lody,
ra larga do Rozario, n. 35.
A beneficiada agradece cordalmeule ao illustra-
do publico desta cidade a honrosa accilagflo que ha
merecido, c espera ainda una vez indulgencia e
protecgo.
QU1NTA-FEIRA, 18 DO CORRENTE,
a beneficio de Josefa Candida k Companhia," so ha
de representar a Dellissma pega
O HUlO NATURAL,
e o onlremez
O ENREDADOR.
Piibliciicoes Liliciarias.
PORTUGAL.
Recordag3o do anuo de 1842, pelo principe Li-
chnowsky trailuzido do allemQo segunda edigSo
correcta e aunulada.
O consumo rpido da primeira cdigHo, e i sua
procura por muitas pessoas que licaram sem ella ,
induzio o traductor rcimpressSo desta obra curio-
sa que coiilm a apreciagao dos caracteres mais
nolaveis do paiz dos seus acontecimentos politi- ^



eos, monumentos e lugares principaos, feitapor
esse principe prussiano que all vIsjqu em o an-
no citado. Um folheto do 220 paginas. Vende-se
por 1,000 rs. na ra da Cruz, n. 1, segundo andar.
Organon de Kahnemann ou exposigflo das dou
trinas homcepathicas, 2 v. pequeos ; Manual do
pai de familia do capitflo do navio e do fazendei-
ro ou noticias elementares da liomcepalhia con-
tnndo ajacgflo dos 21 principaes modicamonlos ho-
mcepathicos, 1 v.: vende-so por prego commodo ,
na ra da Cruz, n. 1,.segundo andar.
O Museu Pittoresco jornal rocreactrvo e ins-
tructivo, coiri cxcollentes estampas, at o n. SI, por
prego monordo que a da assignalura : vende-so na
ra da Cruz, n. 1, sogundo andar.
. visos martimos.
Vendo-so o lindo e muito veleiro patacho in-
gle? Ufarla, de loto lo 10 mil arrobas pouco mais ou
menos novo de tudo, lendo s feito urna viagem ,
' e que, como demanda ponen agoa offerecc conve-
niencias para cmharcagflo cosleira : os pretendentes
dirijam-BO aus consignatarios, He. Calmont& Com-
pauhia.
Para o Porto sahir hxeve o brigue portuguez
Maria-l-'etii, capitflo Lou renco Fernandos do Carmo,
portera seu bordo parte do sou carregamonto :
qiiem no mesmo quizer carregar, ou ir do passagem,
dirija-se ao dito capitflo, ou ao seu consignatario,
Antonio Joaquim de Souza Itiheiro
Para o Porto sahe o brigue portuguez Prima-
vera, pililo Itodrigo Joaquim Correia : quem no
mesmoquizer carregar ou ir de passagem, para o
que tcm bons commodos, trate com dito capitflo
na praga, ou com seu consignatario, Antonio Joa-
quim do Souza Itiheiro.
Segu para o Aracaly com brevidade, por torj
parte da carga, a harcaga San-Joto-Itaplitla quem
nidia quizer carregar, dirija-so a ra da Cruz do
Recite, n. 36.
A barca portugueza Espirito-Santo sahe para a
cidade do Porto com a maior brevidade possivel :
3uom na raesma quizer carregar ou ir do passagem,
irija-se ao consignatario, Francisco .Uves da Cu-
nta, na ra do Vigario, n. II, ou ao capitflo na
praga do Commercio.
Para o Itio-Grande-do-Sul saliir breve o pata-
cho Emiliana, o qual pode receber alguma carga
niuda e escravos a frete : quem pretender enten-
da-secom Amorim Irmflos na ra da Cadeia, n. 45.
Mi
LeiiOtH.
Iliinry Cibson far leilflo, por intervongflo do
corretorUliveira do grando e variado sortinfento
defazendas inglezas inclusive I intu era carreteis :
hoje, 16 do corrento, as 10 horas da manhfla
em ponto no seu armazem da ra da Cadoia.
Joflo Keller ce. Companhia farflo leilflo, por in-
tervengflodo corretor Oliveira de grande sortimen-
to de fazcudas todas novas o rncenlemente despa-
chadas : quarta-feira, 17 do corrente, as 10 horas
da manhfla no seu armazem da ra da Cruz.
Deane Youle & Companhia farflo leilflo por in-
tervngalo do corretor Oliveira de avultado sorti-
incnlo do fazendas inglezas, todas proprias do mer-
cado sendo ligninas avadadas : sexta feira, 19 de
corrente as 10 horas da manhfla no sen armazem
da ra do Vigario.
Avisos diversos.
J
LOTERA DOTHK.ATRO.
O pequeo resto de billietes
desta lotera vende-se hoje, at
as 9 hora da manha na botica
do Sr Joo Moreira no paleo
da Matriz, horas em que andam
as rodas seni a menor falta, se-
gundo assevera o Sr. thesoureiro.
Jos Pradines, cutiloiro, previne a seus fregue-
zes que mudou-se da ra do Cabug, n. 12, para a
ra larga do Rozario], n. 26, junto loja do Sr.
Thomaz de Aquino Fonseca, e que sempre est
prompto para fazer qualquer obra de seu oflicio, e
contina a amolar stergas, quintase sabbadosde
Cada semana.'
Hoje, 16 do corrente, na ra Nova, aportado
juiz do civel da primeira vara, so ha de arrematar
um escravo de nome Joaquim : quem o pretender
comparega, que he a ultima praga.
Hoje, 16 do corrente mez, aporta do Sr. Dr.
juiz do civel da primeira vara, Silva Naves, pelas*
lloras da tarde, se ha de arrematar um pequeo si-
tio com sua casinha, no lugar da Capunga, penho-
rado a Manocl Domingues Moreira, o que est ava-
llado muito barato : quem o pretender comparega
que he a ultima praga.
Para as pessoas que tencio-
nano seguir viagem.
Na ra do Itangol, n. 9, conlinuam-se a tirar pas-
saportes para dentro e fura do imperio, desnacham-
so escravos e correm-se folhas ludo com brevida-
de e por prego muito e muito commodo, do que
j se tem dado exuberante prova no decurso de seto
annos.
'-Ha i ara se alugar, ate o
lini de fevereiro de 1818, um segundo andar, no pa-
teo do Collegio, com bastantes commodos, muito
fresco e por prego favoravel: na livraria da esquina
do Collegio, indica-se a pessoa com quem so deve
tratar.
No 13 do corrente, pelas 9 horas da manha,
Osk'Soahks dk AZEVF.no, profesor
de lingoa franceza no lyceu, tem aberto
em sin casa ra do ttangel n 5q, se-
gundo andar um cuiso de philusophia
e oiilro de lingoa franceza. As pessoas
que desejarem esludar urna ououtia des-
las disciplinas, podem dirigirse indi-
cada residencia a (juaiqocr hora
O TRIBUNO N. 46
est a venda na praga da- Independencia, ns, 6 o 8
Este numero est inuitb recommcndavel, pede-seao
leitor, que Ihe d allengflo. Traz una carta opaiei-
ro liberal respeito de trtalos, c resposta da redac-
gflo: o povo deve lr isto.
OCIEDADE
PHIL-DRAM/YTICA
O primeiro secretario avisa nos Srs. socios que
hoje, pelas 7 horas da noite ha sessflo da socie-
dade.
Na ra de Agoas-Verdes, n. 26, dfo-se bolos
de vendagem a 80 rs. a pataca : tambem se d azei-
tedecarrapato a 320 rs. a canda, e aluga-sc urna
preta que seja fiel para vender azeite de carrapato
/ima, alf'aiate,
de
na ra do I.ivramento sobrado n. 1 precisa
bons offlciaes de seu oflicio c do costureiras.
Desappareceu um cachorrinho perdigueiro ,
com nuillms pretas grandes: a pessoa a quem o
mesmo cachorrinho seguio ou delle souber ba-
ja de leva-lo a ra Nova u. 6 ou a ra da Cadeia-
Velha ,n. 27, que ser gratificada.
/olio Paulo Xavier de Salles, solicitador dos au-
ditorios dcsla cidade, niudou sua residenciada ra
Velba do liairoda lloa-Vista para o de S.-Antonio ,
ra das Trinchen-as u 32 : quem de seu presumo
si-quizer utilisar o podo procurar, que o achara
prompto a cncarregar-se da procuradura de causas,
tanto no civercomo no criine.
' Hoje, as 4 horas da tardo na porta do Sr dou-
tor juiz do civel da primoira vara se ha de arre-
matar a escrava Mara penhorada a D. Luiza Thoo-
dora Chacn.
OSr. Pedro AfToiiso Reguoira queira doclarar
ior este Diario onde he a sua murada, pois que se
he deseja fallar.
Carece-so do um conlo e duzentos mil ris a
juros sobre hypolheca om um sobrado que.rende
aoproprietaro 600,000 rs. por anuo: quem quizer
darannuncie.
A abaixo assignada.viuva de Antonio DiasSouto,
rogaaoscredures de seu casal, que se dignem de
comparecer em sua casa, ra da Cruz, n. 68, pelas
10 horas da manhfla de hoje, 16 do corrente, para re-
solvorem a respeito do mesmo casal.
Mara Filippa Luna Souto.
ioucomaisou menos,desappareccuum prclocriou-
o, por nome Candido, representando ter 25 a 30
annos de idade, e que primeira vista parece ser
maluco, do muito poucas fallas ; levou vestido caiga
de brini de listras e camisa de riscado : quem o
apprenhender leve om casa do seu senhor, defronte
do oitflodo theatro novo, casa n. 11, quesera re-
compensado. Na mesma casa vende-se urna preta
crioula, ainda moga o que he muito prendada por
saber bem engommar, cozinhar e lavar de sabflo
e varrella.
No da 4 do corrente, ausentou-se, da casa n.
6 do pateo do Collegio, um moleqne do nomo llen-
rique, de idade de 17 para 18 annos, secco docor-
po, rosto comprdo, pernas linas e pos grandes; le-
vou caiga de setineta branca, camisa de algodflozi-
nlio fino, jaqueta do riscado de quadros e chapeo
preto. Elle tem feigfies grossas o cabega comprida.
Quem o apprenhender, levanda-o a mesma casa, se-
r generosamente recompensado.
Offerccc-se una ama com muito e bom leite :
a fallar na ra das Cruzes, n. 41, segundo andar.
Aluga-se urna escrava para o servigo de urna
casa : quem a precisar dirija-se a ra Nova loja
n. 58, que se dir quem aluga.
Aluga-sc, at 17 de setembro doseguinle anno
de 1848, a boa casa junto ponto do Cachang, per-
tencentc a senhora Viuva Maria Joaquina dos San-
tos; etrata-se na ra da Cruz do Recife, a. 45, com
Nascimento & Amorim.
O doutorCasanova medico francez, continua
a receitar em sua casa na ra Nova 7, primeiro
andar, dcfronledo oilflo da matriz de S.-Antonio .
das 7 as 9 lioraS da manha o depois dislo, est
prompto qualquer hora para fazer visitas a qual-
quer doento que de seu presumo so quizer utilisar.
Quem tiver uina preta para alugar, que saiba
cozinhar, engommar efazor todo o mais servigo de
urna casa, equedfiador a sua conducta dirija-
se a ra da Aurora n. 20.
Paga-sc a passagem a urna mullier que queira
ir em companhia do urna senhora c futios para Por-
tugal : a tratar na tu do Quoimado, n. 30.
Ainda ha para alugar dlias casal com muito
bons commodos, nositio do Cajuuiro, e tambem
urna cocheira na Roa-Vista : a tratar no mesmo
sitio do Cajueirn.
--0 abaixo assignado, encarregado do
deposito do rap Princeza-de-Lisba,-
faz sciente ao rtspeitavel publico, que
tendo vindo ordens positivas do contrato
para ii8o se vender o rap liado, por isso
de hoje em (liante e sein excepcao de
pessoa, s vender o dito rap a quem
lite pagar vista ; o que faz publico para
conbecimenlo de lodos. Pernainbuco, i
de novembro Antonio Francisco de Moretes.
Oflerece-se urna inulher casada para criar de
leite alguiu menino isto em sua casa : no boceo
do Marisco, n. 6.
0 doutor Peroira participa as pessoas que ou-
tr'ora Ihe honraram com a sua confianga clegeu-
do-o sen advogadn as suas causas, que elle so acha
effectivamente, isto he, a todas as horas do da ,
em sua casa na ra do Rangel, n. 59 prompto a
desempenlmr as funeges de advogado: visto que ha
deixado de habitar o seu sitio da Capunga, cuja
frequencia muito concorria para as suas distraeges
na advogacia.
-- Precisa-se de urna ama forra ou escrava: na
ra do Rangel, n. 59.
O Snrs. Antonio Marques do llollanda Cavsl-
cante, Francisco Jos Leite Francisco Luiz Maciel
Viaiina, padre Joaquim Pinto de Campos, los
Candido Das, Jos Cuilhermo Cuimarflcs, Manod
Firmino Ferreira e Martinho Lopes do Res, assig-
nantes da historia de Portugal, por* Alexandre ller-
culano quoiram mandar buscar, ao segundo andar
da casa n. I da ra da Cruz os oxemplares que
Ihes pertencem do segundo volume, cuja entrega ha
Precisa-se de urna ama de boa conducta para
casa de homem solleiro : na ra da Cadeia do Re-
cife n. 28, terceiro andar se dir quem precisa.
Cordilla Maria Claudina do Espirito-Santo em-
barca para qualquor dos porto* do sul 11 sua escra-
va de nome l.auriana.
No sitio da cscala na Soledado ha prctos pa-
ra se alugarem inclusivo un bom pedroiro que
j tem servido do mestro.
Aluga-so urna casa terrea sita na travessa do
Peixoto, com bons commodos, o que se acha pintada
de novo : a tratarno becco doSarapalel, sobrado
n. 16.
Alugam-se duas ptimas casas terreas foitas a
moderna.com muitos commodos para urna nume-
rosa familia, sitas na ra Nova quovai para a Trom-
po: a tratar no pateo da S.-Cruz, sobrado n. 70,
primeiro andar.
Quemannunciou precisar de coqueijos para
plantar, dirija-se a ra do Rangel venda n. 9.
Fr. Joflo Capistrano do Mondonga tem aberto
um curso de phiiosophia rh? torica 9 geographia :
as pessoas quo se propozerem a estudar estas ma-
terias o poderflO procurar no convento de S.-Fran-
cisco a qualquer hora.
Aluga-se a casa terrea nova na ra do Pilar, n.
7, onvidragada, com quintal e cacimba o bons com-
modos, assim como o primeiro andar da casa da ra
da Guia, n. 17: a tratar com o proprielaro, Anto-
nio Joaquim de Souza Ribeiro.
Os Srs. que cncommendaram morgulhos de
panuiras na ra do Rozario da Roa-Visla, 11. 2, re-
nliam-os buscar, que se achara promptos.
Compras.
Compra-so urna liteira em bom estado : na ra
estreila do Rozario, n. 10, segundo andar.
Comprain-so 2 moleques de 12 a 18 annos;
duas pretas ou pardas que teni.am habilidades :
na ra Nova n. 16, se dir quem compra.
Vendas*
Lotera do Rio-de-Ja>eiro.
Aos 20:000^000 de r Na ra da Cadeia do Recife, loja de cambio do
Vieira, estilo a venda bilhetes e meios ditos da lo-
tera a beneficio do theatro do San-Pcdro-de-AI-
cantara. Estes bilhetes vflo rubricados por Viei-
ra da Silva.
Vendem-se casaes de rolas bran-
cas, a 8,000 rs., ditos com filhos, pol-
io,000 rs. cada um, ditos de lillms, por
5.000 rs.; di'O pardos, a 3,000 rs., una
rola trocal, por 3,000 rs., ao casaes de
poinbos a 1,000 rs. o casal, comprndo-
se todos juntos, ea 1,380 rs. o casal,
sendo a retalho : no terceiro andar do
sobrado da ra do Crespo, n. 14, das
6 as 8 horas da manha, edas 1 as 4 da
tarde.
Na ra das Cruzes, sobrado de um andar, 11.
29, so dir quem vonde urna escrava moga, muito
sadia o robusta.
-----Vende m-se eneiles de Croco de di-
versas cores para caberas de senboras :
na liji de Maya liamos & C. ra Nova,
n. 6.
i\a ra do Trapiche, n. 34, ar-
mazem de JV1. Bernel, vnde-
se o segunle:
Salame fresco; presuntos do Westphalia ; licores
superfinos e superiores a todos que teein chegadoan-
tigameute ; euravflo verdadeiro de llollanda ; an-
cliovis muito frescos ; absintlio da verdadeira mar-
ca o kirschwasser da Suissa ; wermoulh ; fructas
em ago'ardenle ; conservas pelitspos esardinhas;
ditas inglezas em vinagre : tudo isto chegado no ul-
timo navio da.Kui opa : assim como todas as quidi-
dades de vinhos, argo'ardenles, conservas do carne,
etc ; charutos e muitos outros objectos de superior
qualdade e por prego commodo.
Vende-se una casa terrea na ra Imperial de-
fronle do viveiro, junto ao chalan/, n. 55: quem
quizer cutenda-sc na ra das Cinro-Pontas, n. 73,
quo achara com quem tratar.
AOS STUDANTBS.
Vende-se um jogo dos importantes diccionarios
inglczes de Vieira, formato grando c novos, pelo
commodo pego do 25,000 rs.; O Cuarda-I.ivros, mo-
derno, por 7,000 rs. : no Atlerro-da-Boa-Vista, loja
n.78.
Vende-se um negro perito oflicial de sapateiro,
de idade de 30 annos, e urna negra cozinheira, cos-
tureira, lavsdeira e engommadeira, de idade do 2-2
anuos pouco mais ou menos : na ra eslreita do Ro-
zario, n. 13, secundo andar.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vendom-se bilhetes o meios ditos da 29. lotera
.. beneficio do theatro de S.-Pedro : na ra da Ca-
deia, loja do cambio, n. [3H, de Manoel Comes da
Cunha e Silva.
MF.Z MARIANO A 1,000 RS.
Vendse na livraria Ja praga da Independencia ,
ns, 6 e 8, o Novo Me/. Mariano, acoroscenlado con o
l.auspercnne do Santissimo Rozario.
ESTAO'-SR ACABANDO
as cassas de cores fisas, para vestido.a 240 rs.
o covado ; rscados francezes de bons pa-
dres, a 160 rs o covado : na ra do Quei-
mado, loja da casa amarclla, n. 29.
m
8
Vende-se um bonito molecote de 18 an-
uos, de bonita figura, bom cozinheiro e
copciro, ptimo para qualquer casa es-
trangeira, sein' vicios nein achaques; u-
nia inulatinha de 13 annos, com muito
bons principios de habilidades e quo he
recolhida ; tres pretas muito mogas com
algumas habilidades, e quesabem vender
na ra: na ra do Vigario, n. 24 se
dir quem vende.
Vende-se um
grande sotlo
sobrado de um andar com um
muito bem construido, que rende
mensalineiite 22,000 rs., c pode roiider mais, livre
edesembaragado, por muito commodo prego, em
raso do seu dono se querer retirar para fora da
provincia : o dito sobrado he na ruado Amorim u.
bastante lempo e por vezes se tem annunciado.
Precisa-se de 260,000 rs. a premio de dousporl12 : a tratar na niesuiu ra, venda n. 17.
cont ao mez dando-se por seguranga urna escra-l Vende-se um cabrinha de13 annos, minio
va com urna filha de 6 annos: na ruada Cadeia delesperlo e sera achaques : na ra do Rangel, u. 36,1 por seu senhor se retirar p,ira fora: na ra da
S.-Antonio,n. 19, se dir quem precisa. \ primeiro andar. ISenzalla-Velha, n. 110, se dir quera vende.
Vendem-se pegas do madapolflo limpo com
20 varas a 2,500 rs.; pegas de chitas escuras e de
cores lixas muito encarpadas e fortes a 5,500 rs.,
e a meia pataca a retalho : na ra eslreita do Roza-
rio, ii 10, terceiro andar.
Vendem-se 4 lindos moleques le 18 a 20 an-
nos ; 5 pelos, sendo um ollicial de sapaioiro, outro
pedreiro e os outros proprios para lodo o servigo ;
dous pardos, um bom carreiro o o outro proprio
para pagem de 16 a 18 annos; duas pardas, urna
do90annos, com habilidades, e a outra de 19,
propria para ser educada ; 5 protas do 20 a 30 an-
uos com habilidades ; duas negrinhas de 11 a 12
annos com principios de habilidades : na ruado
Collegio n. 3, segundo andar, se dir quera vonde.
A tt,?000 rs.,
laceas com bom millio: no
caos da Aliandega, armazem
de Antonio Aunes.
-Vendem-se dous lindos moloques de 12 a 14 an-
iuis ; 1 preto de 20 anuos, de elegante figura ; dous
ditos bem robustos, de nagflo e que sflo ganhado-
resderua ; 1 mulatnho de 12 annos; urna negrir
nha de 12 annos ; 3 pretas de bonitas figuras com
habilidades; 3 pardas bem mogas, com habilida-
des : no paleo da matriz de S.-Antonio, sobrado
n. 4.
Cheguem, que eslose aca-
bando
os sapatoes do bezerro para homem a 1,280 rs., e
bengalinhas para passeio, a 320 rs. : no Alerro-da-
Roa-Vista loja n. 78.
Para presepes.
No Alerro-da-lloa-Vista loja n. 78, yendem-so
caixinhas com calungao para presepes, conlendo
varios utensilios.
Remedio prodigioso para os.
embriagados.
Ksle remedio torna-se mu apreciavel por ser sua
composigflo mui simples, e nfloarruinar a saude do
individuo, fazendo-n aborrecer para sempre a be-
bida. Vende-se na ra da (loria, n. 87.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de Raymun-
acha-se um novo sortimenlo do lindas mantas de
seda a 4,000 rs., tendo tambem de 2,000 10,000,
16,000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora, de trogal,
ultima moda em Lisboa; meias cras n. 10 a 5/
rs. a duzia.
Vende-se una porgflo do caixas de velas de car-
nauba chegadas ltimamente do Aracaly no hiate
Novo Olinda conlendo cada caia urna arroba .
sendo 6 c 8 em libra muito liein ttahalhadas o
que os compradores pdenlo ver da sua boa quali-
dade : vendem-se em porgflo, ou em caixa, por pre-
go commodo : na ra do I.ivramento loja de fazen-
das, n. 45.
.Na ra do 'rcspo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da 8HVa
Al aya,
vendem-so mnito lindos chapeos para meninas,
tanto de soda como de palliinha chegados ltima-
mente de Parto ; chapeos de seda para senhora ;
corles do crambraia de seda do ricos gostos, por
prego muito commodo ; cortes de vestidos de cam-
braia c cassa-chitas de difTerentes qualidades, por
pregos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 e 2,500 rs. cada corte; mantas de
seda e Ifla para souhora das mais modernas que
lecm vindo a osta praga, a 5,000 rs. cada urna ;
mantas chales do seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca preta a 800 e 1,600 rs. o covado;
panno do linho a 100 rs. a vara; casimiras fran-
cezas eelsticas, para caigas, a5,000 rs. o corte;
fustes; setinse velludos para collete, por prego
muito em conta ; bom como um sortimenlo deou-
tras mu i las fazendas, quo se veudem pelo barato.
Casimiras elsticas e finas, a
7^000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas linas e
de cores, pelo liaratissimo prego de 7,000 rs. o cor-
to de caiga. Esta Tazenda lie recommendavel pela
sua qualidado tanto em fazenda como em gostos ,
por seren os mais modernos ; casimiras pretas,
superior fazenda por serem muit finas a 2, 3
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, loja n. \.
Gaxasparajoias.
Na ra do Cabug, loja de Francisco Joaquim Du-
arle, ha um sortimenlo de caixas para guardar
joias, de muito bons gustos; assim como allinetes
de-peito de vidro, de diversos gostos, para senho-
ra; litas do setim; bicos de diversas larguras, ocu-
los de armagflo de aro de baleia o loques finos lu-
do por pregos commodos.
--Vende-se urna linda negra com habilidades, um
negro pega de 20 annos; um moleque de 12 urna
nnilaliiiha de 4 annos, e um mulequo de 7 annos,


1<
,&

Vende-se um relogo de ouro sabonete, pa-
tente ng'ez muito bom regulador o que se afian-
ca (Mr prego cora modo : na na Nova, loja n. 21.
Casa
na rua estreila
da Fe
do Hozar o, n. 6.
Noste estabelecimonto acham-se a venda as bem
acreditadascautelas da lotera do Iheatro publico
desta cidade cujas rodas aiidiim no da 16 de no-
vembro. O caulelista espera que os seus fregueses
concorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
as quaes se espcram boas sortos, pela excellente es-
colha que se fez dos nmeros para sercm divididos
em cautelas. A ellas que silo poucase boas. Precos
os do costume.
Cartas para volt-
rete,
as melliorcs c mais baratas : vendem-se na rua lar-
ga do Rozario n. 24.
AGENCIA l)A KONDFCAO' DE LOW-MOOR.
Na rua da Senzalla-Nova n. 42, contina a havcr
j n completo sortiment do moendas e machinas de
vapor, para engenhos de assucar bem como tai-
xas de ferro batido e coado de todos os tamanhos :
tmlo por prego commodo.
Vende-so. ou troca-so por casas nesta praga, um
terreno cora 412 palmos de frente e 130 do fundo,
sito por detrs do covento do Carino : a tratar com
O seni propietario no Manguind, segundo sitio
depoisda capella de S.-Jos.
Na loja de .los M anocl Mon-
lio riiit do Cres-
vira
Vende-se um preto de 22 annos sem vicios
nemdcfeitos; um moinho do pedra, prompto de
seus pertences: na rua do Queimado n. 40, se-
gundo andar.
Vende-se urna negrinha do 12 annos de boni-
ta figura : naruadoCabug, loja da esquina, jun-
to a botica do Sr. JoiTo.Moreira.
Vende-se urna farda de guarda nacional, umtf
barretina de pello com penacho um bmetito ,
urna banda de 1.1a : tudoom ptimo estado : na rua
de Moi las, n. 68.
Vendem-se caixas dechhysson, do 13 libras,
em porcOes ou a retalho ; caixas de velas de es-
permacctede5e6 em libra : na rua da Alfandoga-
Velha, n. 36, em casa de Matheus Austin & C.
Potassa.
teiro Braira
po, n. 10, esquina que
para a rua das Crieze,
vendem-se coeiros de casimira bordados, o mais
rico que se pode fazer ueste genero, em rasio de
ser um novo bordado que so suppoe nfio haver mi-
tro igual; chapeos da ultima moda, para senhoras
chales e mantas de seda ; o outras muilas fazenda;
linas : tudo do ultimo gosto.
Vende-se um sitio de trras proprias com va-
rios arvoredos de fructo rasa, boa cacimba, no
lugar d'Agoa-Fria de Beberibe; cujo sitio foi do fal-
lecido Jeronymo Jos Martina : no pateo da igreja do
Pilar, doladocsquerJo, casa n. 181 ou no car-
lorio dos orphitos se far todo o negocio.
Xa I ja nova da rua do Quei-
mado, n. II A, dcRaymun-
Vende-se a verdadera e superior po-
tassa da Hussia a mais nova que existe
no mercado : na rua da Cadeia do Keci-
fe, armazem n. ia, de Bailar & Oliveira.
DEPOSITO DE CALVIKGEM.
Na rua do Trapiche n. 17, ha sem-
en harris pe-
, mui-
preco rdsoavcl.
pre cal virgem de Lisboa, ein I
e 11
liniamente
e po
q uen os,
lo superior
j\a loja novada rua do Quci-
mado, n. II A, de Kavimm-
do Carlos Le te ,
a 00 rs
a vara do ptimo panno de linbo do Porio as pecas
silo de 18 varas e meia ; dito do 25 varas, a 600 rs.;
guardanapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte, propria para colletes, jaquetas c etc., tecido
deseda e linho ; meias de linho as mais finas
teem vindo ao mercado.
um novo e rico sortimento de lencos de seda o de sa-
l mlavrado, decoros muito lindas, a2,000 e 2,500
rs., inteiros; ricas mantas para grvalas de ho-
rnero com rico lavres a 2,000 rs. isto he pe-
chincha ; cortes de gorgurflo de seda para collete ,
muito ricos.a 3,500 rs. Igualmente ha umsortimento
de chitas finase de cores fixas a 120 e 240 rs. ;
covado;cortes do cassa de coros fixas, a 2,560 e
3,000 rs,; ditos de cambraia branca e de cores,
para bailes-, de 4,800 at 7,000 rs.
CERA DO RIO-DE-JANEIRO E DE LISBOA.
Vende-so completo sortimento mais barato do que
em parte alguma, por liquidacSo : na rua da Sen-
zalla-Velha, armazem, n. 110.
Vende-se cera de carnauba, de muito boa qua-
lidade, tanto a retalho como em porcto : na rua
das Larangeiras n. 14, segundo andar.
-Vende-se, por 3:500,000 rs.,
um sobraditiho de dous andares,
querende 336,000 rs. por anno :
a tratar na rua do Crespo, com
Jos Joaquimda Silva Maya.
Aos fc'rs. pharmaceulics de
bom g ;slo.
que
Vende
do Carlos Leite
arha-seum novo sortimentode pannos linos do todas
as cOres e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda; um completo sortiinenlo de fazendas linas
o grossas, por prego mais barato do que em outra
qualquer pnrla.
Vende-se urna armacao do urna venda com
os seus pertences 4caixoesenvidracados 3 quar-
tolas para deposito : tambera se vendem 6 eadeiras,
duas bancas, urna cama de casal, um canap, urna
commoda: tu-do de Jacaranda ccom pouco uso : na
esquina da rua das Floros venda n. 1.
Vendem-se sementes de liortalica de todas as
qualidades muito novas e chegadas prximamente
o l'orto na barca bspirito-Sunto, por prego commo-
do : na rua estreila do Itozario, venda n. 8.
uvas. Ha de
como para se-
Luvasdc pellica,
Afianca-.se as boas qualidades destas
todas as cores tanto para hornera co....
riiiora. \endem-so mais em contado que em ou-
tra qualquer parte. Na rua larga do Itozario, II. 24.
- Vendem-se charutos da Ha-
rona : em casa de J. O. Elster :
na rua da Cadeia-Vellia, n. '9.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos, a prova de
limSo preto, a 3,000, 4,500, 5,500 e C.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos silo no vos c pela sua baratez*, allendendo
a sua boa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na rua do Collegio, n. I.
Vende-se um bom pardo, ainda moco, de bo-
nita figura com principios de pedreiro : na rua do
Trapiche, n. 34, terceiro andar.
Acaba de chegar doRio-de-Janciro o rap An-
darahy muito fresco c bom, inclusive algum em
frascos viajado : Vende-se nas lojas do costume.
Vende-se urna preta do 40 anuos que cozi-
nba Taz todo o servicode urna casa e vende na rua;
urna preta de 20 annos. de muito boa figura, quo
cozinha e engomma ; una parda de 20 anuos que
cose nm i tobera; urna negrinha de lo annos, muito
linda ; 3 moleques de 10 anuos : na rua do Passeio,
loja n. 19, se dir quem vende.
-Na loja de Joaquim l'ereira Arantes, na praga
da Independencia, ns. 13 e 15 recebeu-se pelo ul-
timo navio viudo do Havre, um grande sortimento
decalcado de todas as qualidades, sendo: borze-
guius gaspeados e de ponta ; ditos de pona p*ra
meninos; sapatos de lustro para hornera ; sapa toes
de dito para homem o meninos ; dilos de bezerro
para ditos;sapatos de tapete, panno o de mnrro-
quim, para homem e senhora ; dilos de lustro du
raque esetim, para senhora; ditos do niarroquim e
de lustro, para manillas; chiquitos de lustro, mar-
roquim, laa o lita a seda ; e outras militas qualida-
des decalcados ; bem como perfumaras que sero
vendidas por commodo preco.
em se esclavos muilo baratos, pi-
ra se liquidaren! contas deste atino, na
rua das Larangeiras, n. i4, segundo
andar:
tres lindos moleques do 14 a 16 annos ; um dito
com principios do sapateiro e que enlende de pa-
daria ; um lindo mulatiulio do 11 anuos muito es-
perto sem vicios proprio para aprender qualquer
ollicio ; um preto de 23 annos ptimo para traba-
bar em armazem de assucar por ser bastante for-
te; um dito de nacilo, bom ganhadorderua, e quo
est acoslumado ao trabalho do relinagSo ; um par-
do do 36 annos, bom para tomar conta de um sitio,
por ser de boa conta ; um prelo de 40 annos bom
canoeiro e ptimo ollicial de canteo ; um dito de 40
annos, por 200,000 rs. ; urna preta muito forte,
por 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili-
dades ; duas piolas muito mogas que s.lo pti-
mas quitandeiras ; duas ditas boas ciigommadeiras
e co/inheiras ; e oulros escravos.
Lotera do o-de Janeiro a
beneficio do Iheatro de >>.-
Pedro dc^ Alcntara da corle
Vendem-se bilhetes desta lotera em casa de J.
O. Elster, na rua da Cadeia-Velha, n. 29.
Est a chegar um casal do jumentos do raga
castelhana o qual seguir para o sul se n.lo achar
de prompto comprador : quemo pretender queira
fallar com antecedencia na rua da Cruz, n. 45,
em casa le Nascimcnlo & Amorira.
Na loja
Hecil'e,
da rua da Cadeia do
n. 5<2, de Claudino
Salvador Pereira lirada
vendem-se os
franco/.c
mais modernos chapeos gc raassa ras
dragaran) livraria da rua da Cadeia-Velha ,
n. 31 lindas colleccOes completas de letreiro para
vidrose potes do botica, contendo 695 rtulos, im-
pressoseni bom papel de cor, lustrosos e superio-
res em qualidade aos que veem do Londres. Im-
pressos no Rio-de-Janeiro na lylhograpJiia do com-
mercio.
Vcndem-se libras de rctroz preto o azul-fer-
rete de primeira qualidade da fabrica do Siqueira;
caxinhascomagulhas nglczas sortijas era tama-
nhos das mais superiores quo teem viudo a este
mercado ; na praca da Independencia, loja de miu-
dezas, n. 4.
Vendem-se chapeos francezes da ultima moda;
corles de calcas do casimiras elsticas, de qua-
dros e listras muito bonitos padres; cortes de
cassa de cores dos mais modernos que ha no merca-
do : tudo por menos prego do que em outra qual-
quer loja : na rua do Queimado, loja da casa ama-
relia, n. 29.
Vende-se una negrinha costureira o rendeira ;
um mulaliuho sapateiro proprio para pagem : na
rila larga do Rozario, n. 35, loja de miudezas, se di-
r quera vende era conta.
Vendem-se6 escravos sendo: 4 de 13, 16,
18 e 22 annos de bonitas figuras proprios para o
servico de campo ou da praca; urna bonita e ele-
gante mulalinha, que engomraa, cose chao e faz
lodo o mais servico de urna casa; urna crioula mo-i
ca com habilidades que se dirSo ao comprador : I
na rua das Cruzes, n. 22, segundo andar.
Vende-se nina parda muito moga sadia e de
boa figura que cose, ensaboa, engomma e faz ren-
da o doces, por prego commodo : na rua do Ran-
gel, n. 26, primeiro andar.
Vendem-se superiores re-
des, proprias para tipoia: na rira
do Queimado, loja da casa ama-
rclla, n. 29.
Vende-se cha hysson de LisbAa milito supe-
rior a 2,000, 2,400 e 2,560 rs. a libra; farinba de
aramia, a 240 rs. a libra ; mantega ingleza, muito
superior a 960 rs.; caf a 140 rs. ; bolachinha in-
gleza a 360 rs. ; alelria, a 400 rs. ; vinho engarra-
fado no porto, muito superior e velho, a 640 rs. a
EarraM ; dito, a 480 rs. ; presunto do l'orto muito
bom a 440 rs. a libra ; e lodos os mais gneros por
prego commodo: na venda da rua do Rozario es-
treila que faz esquina para o (.armo.
Destas pechinchas so appare
cem na loja o nich > !
Na esquina do I.ivramento, loja do nicho, ven-
dem-se cortes de setim hranco lavrado, proprios
nira casamento a 15,000 rs.; sedas do duas largu-
braneas e de cores a 1,280 rs. o covado ; ris-
para homem, a 5,800 rs. ; ricos cortes cadinhos de lindos gostos, com listras de seda ,
uo velludo bordados para collete, a 5,500 rs. ; ri- i 360 rs. ; chitas francezas de duas larguras a 320
tandeira e vendo miudezas; urna parda propria pa
ra todo o sorvigq de urna casa de familia o que ler
algumas habilidades: todas sem vicios nem achaques
e que se afianga a conducta : no paleo d S.-Cruz '
sobrado n. 14, se dir quem vendo. '
Vende-se um relogio saznete de prata, bom
regulador, por 10,000 rs ; um pianoforte inglez
do molhor autor, e que precisa de um pequeo con-
cert de marceneiro, por 60,000 rs; meias de algo-
dfl"o grossas, proprias para deontes, por aquecerem
os pes, a 4800 rs a duzia ; velas de carnauba a
280 rs. a libra ; na rua larga do Rozario, n. 46, pri-
meiro andar.
- Vende-sft urna canora com nm boi
muilogordo e filho do pasto, por preco
commodo : na rua Nova, n. 33, se dir
quem vende.
Vende-se urna morada de casa terrea, sita na
rua Velha, n. 24 : a tratar na rua da Concordia, com
Jos Antonio Correia Jnior.
Vendem-se dous mulalinhos, muito lindos
ptimos para pagem ; 4 moleques de 12 a 16 annos'
de bonitas figuras; 4 mulatinhas recolhidas, con!
principios do costura; 3cscravasde nagS; 2 es-
cravos de todo o servigo : na rua Direita, n. 3.
Vende-se, ou aluga-se para se passar a festa,
uraa casa com bons commodos, na Varzea em um
sitio de arvoredos-: a tratar no boceo da Virago .
n. 25. '
Vende-se urna porc5o de tartaru-
ga em chapas : na rua" da Cruz, n. i3.
Vende-se urna venda, sita na rua da Senzalla-
Nova, n. 1 : a tratar na mesma venda.
Vende-se o deposito do assucar da rua Direita ,
n. 104, muito afreguezado, e com commodos in-
dependontcspara familia: a tratar no mesmo de-
posito.
Vende-se urna rapariga do nagilo de elegan-
te figura perfeita engommadeira tanto de roupa
de hornera como do senhora oxcellente lavadeira
de sabilo e varrella.que he grande C07inheira,|e tam-
ben) cose alguma cousa : o motivo da venda he
porque seu senhor retira-se desta provincia : na rua
Imperial, largo da forca, n. 3.
Vende-se, na rua da
Cadeia, n. 37,cera em ve-
las fabricadas no Rio-
de-Janeiro, em urna das
melhores fabricas em
caixas pequeas, sorti-
menlosao gosto do com-
prador, e por prego mais
barato do que em outra
qualquer parle.
Na padaria de urna so. porta na praga da S.-
Cruz, junto ao sobrado i!n esquina da rua Velha ,
vende-so, alm do excellento pao, biscouto doce e
d'agoa c sal falas bolacbinhas doces e d'agoa e
sal de 24 e mais em libra bolacha de todos os ta-
maitos ; ludo da melhor farinba que ha no merca-
do e com o maior assein possivel. Na mesma pada-
ria se dir quem vende quatro mergulhos de para
reir moscatel-jasmim, em caixOes proprios para
screm pa litados em qualquer quintal.
Escravos Fgidos.
dilas melhores, a 1,380 rs. ; sarja de soda preta fina;
a.1,500 rs. o covado; chapeos doChili.a 1,800, 3,500
e 6,000 rs.; chapos de sol, ile seda, para homem,
a 6,000 rs. ; cortes de cambraa de cores o do todas
as diversidades a 3,500 e 3,800 rs. ; longos de se-
da paraalgibeira,a 1,200,1,520, 1,700, 2,000 e
2,240 rs. ; ditos de sedado cores para grvalas, a
1,700 rs. ; ditos dosetim macau do cores o de gor-
guriIo,dc3 ponas, a 1,900rs e do quatro, a
3,800 rs.; ditos do seda com franjas para senhora, o
a 2.700 o 3,200 rs. ; dilos de seda preta, Te tros li
pontas, para homem
mam ; e outras muitas fazendas novas para a festa.
Vende-so urna canoa de carreira, para cou-
ducgilo de familia nova, aborta e pintada : a Ira-
lar com Joaquim Antonio Rodrigues, na rua do
llrum.
Vendem-se raeiosbotina ,a 2,800 rs.; sapatos
desetim a 800 rs ; ditos do tapete : no Alterro-
da-Roa-Vista n. 84.
yendem-se,embom estado c por prego commodo ,
is livros segualos: Josus-Christo perante o ceculo ;
. Cpistolas e oragOes de Cicero; l,a colinie chritien-
rs.; o outras muitas 1 ne : na rua Nova loja n. 58 se dir quem vende.
Vende
Belmiras.
Jera-so superiores cortes da fazenda nova
uenominada belmira para vestidos de senhora
pelo barato prego do 4,500 e 5,000 rs. o corle. Ksta
lazenda he nova e de muito sublimes gostos sen
do as su con mu a precia ve i por serem corda
lino, rosa o pcrola..A ellas antes que se ac.al.cm
Na ruado Collegio, loja n. I. acaocm.
mTwu0"8? u,n P>Wcrioulo de 20 annos com
,t gamento c por .ato vende-se por prego commodo
para^jusle de coutas: no Recite! rua de Apollo ,'
fazendas por prego commodo.
Na loja de vlanoel Joaquim
Pascoal Hamos, no Fasseio-
P ubi ico. 11. 19,
vendem-se cortes do cambraia alegra a 2 000 rs
00 covado a 240re. de padres e crtres 'as ma'il
lindas que teem apparecido.
O BA KA TEIRO.
Ha nova loja da rua do Cres-
po a o p do arco de S-An-
tonio 11.4, de Ricardo Jos
de Freitas Kibeuo ,
vendem-se chapeos de creps para senhora a 4/
rs.; ditos de seda, os mais modernos quo teem vin-
do a 12,000 rs. ; os mais modernos chapeos de
rnassa francezes para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimento de cambraiasescocezas e cassas suis-
sas de varios gostos, teudo urna vara de largura
o de cores muito fixas a 320 rs. o covado ; cortes
le instilo de gosto moderno, e de cores fixas a 800
muito ricos chales de seda, muito superiores el
Vende-se um sobrado de um andar e slito ,
na rua dos Copiares, n. 4: avista se far o ajuste ,
pois que elle scacba desembaragado.
Vendem-se dous pares de oculos de vidros co-
rados com armafflo de ouro de lei, para viita |cur-
la leudo um dellos tambem vidros para os lados :
no Aterro-da-Roa-Visla, loja deourives, n. 23.
- Vende-se urna venda no melhor lugar desta
cidade cora commodos para familia muito bem
afreguezada c cornos fuios de 1:500,000 rs. Es-
ta venda foi de Joaquim Pacheco de S na praga da
Roa-Vista n. 20 : A tratar na Roa-Vista, com Jos
Tcixeira de Souza ou no llecife com Luiz Jos da
Costa Amorim.
I'ECHINCHA.
JosSaporili tem caixihas cora 12 frascos de
azeif) doce refinado, que, para acabar com elle,
vende pelo commodo prego de 2,000 rs. cada cai-
xinha : na rua da Cruz, no Recife 11. 18, segundo
ailar.
Vende-se a loja de fazendas inglezas sita na
rua do gueiraado, n. 18, com as Tandas existentes,
ou com aquellas, que o comprador quizer, a dnlroi-
ro ou a prazo : u tratar na mesma loja.
Vendem-se duas pardas, sendo urna dolas
muito moga de bonita figura, e quo he bem pren-
dada ; um moleque, do 12 anuos : no armazem do
Rufino, na Roa-Vista.
arailes ai'in i-' ---------f-'i. Vcndem-se 3 escravas, sendo : uraa rela ne-
listasdsfld ?nnki etd0 5"XS t0C,d?s com rila cozinbeira o boa engommadeira; urna Jua
nsiras ue seda, muito lindos a 3,200 rs. cada um ; |,que cozinha o diario de uina casa
Fugin, no dia 12 do corrente, um pardo, de
nome Leandro, nimia mogo, baslsnte esperto;
tem os denles limados eos res apalhetatos; levou
caigas de riscado azul, camisa de algodilozinho
de mangas curtas bonete d panno preto: quera o
pegar leve-o ao Aterro-da-Boa-Vista, padaria n..66,
quesera recompensado.
Ainda est fgido, desde a noite de sabbado ,
29 do agosto de 1846, o molecote Francisco; repre-
senta 18 annos ; olhos grandes, lieigns grossos, na-
riz chato denles limados; serapre muito alegro;
appzar de ser de nagto falla como rrioulo por ter
vindo pequeo; levou camisa de nlgod<1o?.inho
trancado cairas de zuartc azul suspensorios de
meia de cor jaqueta de panno verde rota no co-
tovello esquerdo chapeo de palha e mais urna
trouxa com o resto de sua roupa; foi vislo para o
lado dos Afogados, dias depoisda sua fuga. Esle
escravo pertence ao Sr. Francisco l.ourengo da Fon-
seca do Itio-Grande-do-Sul ese achava j des-
pachado c com passapnrtc da polica para embar-
car. Offerecem-se 50,000 rs de gratilicagiloa quemo
prendere levar a rua da Senzalla-Velha, u. 110,
casa de Alves Vianna.
Ausontou-se, na noite do dia 8 do crranle o
escravo Herculano, de cor tilo fula quo parece cabra,
cabega pequea, cubello ralo, olhos pequeos,
corpogrosso, pouca barba estatura regular ; tem
urna cicatriz no hombro esquerdo, quo pode ter 3 a
4 pollegadas de comprimenlo ; costuma embebe-
dar-se o neste caso se intitula por Herculano Jos
dos Santos Tranca-ltiia ; levou camisa c caigas de
algodito trangado azul, e algumas camisas de ma-
dapoln: quera o pegar leye-o a cidade de Olinda,
na rua da Roa-Ho;a a sou senhor, Jos Ferreira
Marmho.
Fugio, no dia 10 de setembro do corrento annos
umaescrava do gentio, de nome Isabel, de esta-
tura regular bastante beiguda, ventas arregagadas,
com um calombo nas costas, sgnal de sua trra;
levou vestido de chita preta desbotada e panno da
Costa : quem a pegar leve-a a rua de Hortas, 11. 122,
que sera recompensado.
Ausenlou-se, ha dias, da casa do seu senhor, o
escravo Jolto pardo trigueiro de 15 a 17 anuos ,
cara grande, olhos regulares, bons denles; lien)
conhcido'por andar freqiienlomenlo fardado: quera
o pegar leve ao Mondego, a seu senhor Luiz Co-
mes Ferreira que recompensar genei osaraonlo.
;.v
ho boa quitan-f t tnN.: na typ, u-; m, v. vi. iaiiia. ifi-j.

,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFIC62XH5_EKVOYX INGEST_TIME 2013-04-26T21:12:18Z PACKAGE AA00011611_08566
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES