Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08565


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anho de 1847.
Seffunta-fe:ra t
O O futir) puMica-se todo o dial que no
orem 'le guiri i i o preo da asignatura he de
JQGH rs.pin i|n.iri(!l. pagar aiiintaAit. Os ao-
imucins Hos nssi'jM-mte ?o inseridos i rasgo He Rio- 10-rr. porlin'ia, 10 n em trno diilerente, ees Catn, Serinli.iorn, Rio-Kormojo, Porto-Calvo e
ri'petipes pila >net*de. (> que nao firem nanles pagarlo 80 rs por liina,
diOerente, porcada pulilicanio.
e 160 em
ivpo
PUASES DA LA NO MEZ, DE NOVBHBRO.
La ora, a 8, oi !>J minutos da manlia.
Crcscente a 15. as fl horase bit min. da taide.
La chela 21. 4 7 boias eU min. da tarde.
M nguaiile 29, s horas e 2 min. da tarde.
PARTID\ DOS CORREIOS.
laoianaa eParaliiha s segundas escalas ein.
>ara:iliuns e llouito. a 8 e 2S.
Boa-Vi-ta e Plores, alte 28.
Victoria, as qtiiutas-feiras.
Olinda, lodos os das.
PREAMAR DE HO.IE.
I'rimeira, s 10 hora* e C minutos da manilla.
Segunda, s 10 Loras e 30 minutos da tarde.
de Novembro. \.mio XXIV.
2*. 9&*.
DAS DA SEMANA.
' CAVIrl'OS !NO DIA 13 DF.rVOVF.UBRO.
3 Seg. S. Gerlru !e. Aiul. do 1. 'los orpli.
e do J. do r.' da 2 v. e (o J. M. da 2 v.
1(1 Terra. S. Goiicallo de Lagos Am!. do J. do
civ da 1". v. r do J. de par. do 2. dlsl. de t.
17 Quarta S. (Tii'^oiioT"aunatiirgo And. do
J.do eiv. daV. v. e do J.de paz do 2. dist. de
18 Ouinta. S, RoroSo. And do I. de otpli.
e do J. municipal da I. vara.
19 Sesla. S. Itahel. And do ) do civ. da I.
v.e do J. de i>z do I. dist de t.
70 habitado. 8. Flix deYalois And. do I. do
eiv. da I. v. e do J de paz do I dist. de t.
21 Domingo. Apresentacno de NosiaSinliora.
90 dias
Solire Londres a 28 d por i rs. a 6"
a Pars 330 rs. por franco.
i I.isl'ii I0t< 110 iln premio.
Dcsc. ile leltral He Loas firmas l I A \\i % "'
OttroOncu hMaanholas-----2S5no H jJroo
Mondas de *iOHTelh. lfi'100 a f*M
a da 6|(ni> nov.. igfaon a
> da 4 fono..... 9foo
Prald Pataces.......... l|080 a
a Pesos columuares... 14910 i
Ditos mexicanos... I|7C0 i
a Miuda............. I9?0 a
i0fl<)K
9ino
l|980
1,1960
l|70
l#03O
Agcoes da comp. do Heheribe He MiJfoon rs.ao par.
uco.
PERNAMBUCO.
TRIBUNAL DA RELACAO'.
JULGAMENTO NO DA 13 DE N0VEMBR0 DE 1847.
Detembargador de imana o Sr. Hermelindo de LeSo.
Na appellaglto cvpI, entrp partes Manoel Anto-
nio da Silva, sin miilher o Domingos Jos Percira
Pacheco mandaran) dar vi-tas asparles-.
Nadita dita entro partos ojnizo e Francisco Jo-
s da Silva, nflo tomaram conhecimonto da appcl-
iaco.
Nadita dita entre partes Francisco Xavier de Sou-
xa, sua m-ulhor e Luz Ignacio do tale sua mulher,
mandaram dar vista s partes.
Na dita dita entre partes Joilo Raptista do Tem-
plo eJoio Ignacio do Templo, como tutor dos me-
nores do finado Flix de Siquejra Passos, e Dionizio
Comes do Reg, mandaram aojuizo a quo para pro-
ceder exame nos vicios dos autos.
Na dita dita entre partes D. Barbara Francisca
Xavier de Maltos Moreira e Antonio Lns Caldas ,
mandaram dar vista ao procurador goral.
Na dita dita entre partes. Manool Pcreira Roza e o
curador geral, como curador do preto Agoatinho ,
mandaram dar vistas s partes.
, Na dita crime entro partes Heilor Barboza Xa -
vier da Silva, Antonio Francisco da Silva e ajusti-
ca julgaram a causa improcedente, e mandaram -
na a novo jury.
Nadita dita entre partes o Br. promotor puhli-
coe Bonifacio Jos Carneiro, como administrador
de seu escravo Manoel, julgaram a causa improce-
dente, e mandarni a novo jury. ,
ELE'TOP.ES DA FREGEEZIA DE SAN-I.01.P.ENC0-DA-
MATTA.
1 Antonio Francisco Xavier de Vasconcellos.
2 Joo Xavier Carneiro Rodrigues Campello.
3 Dr. Pedro Francisco de Paula Cavalcanti.
* Dr. Filippe Carneiro de Olinda Campello.
5 Francisco de Paula Corma de Araujo Jnior.
6 Francisco Xavier Carneiro da Cunha Campello.
7 Joaquim Correia de Araujo.
8 Jofio Carneiro da Cunha e Alhquerquc.
9 Jos Francisco do Barros Reg*
10 Francisco de Paula Paz Brrelo.
11 Luiz Francisco de Barros Reg.
12 Francisco de Paula Marinho Wandorley.
13 Joflo de Azevedo Araujo Pinheiro.
1* Reverendo Flix Jos Moreira da Costa.
15 Manoel Lucas do Araujo Pinheiro.
16 Americo Carneiro de Albuquerque.
17 Antonio Francisco Paz de Mello Brrelo.
18 Manoel Carneiro de Albuquerque.
19 Dr. Francisco-Xavier Paz Brrelo.
20 Antonio Jos Duarle.
21 Manoel Joaquim Mauricio Wanderley.
22 Manoel Soares de Figueiredo.
23 Sebastflo Jos de Barros Brrelo
24 Juio Carneiro Rodrigues Campello.
C0MMERCI0.
Alandega.
RENDIMENTO DO DA 13............8:101,842
Deicarregam hoje, 15 de novembro.
Escuna Mara Baealho.
Polaca Tugeiteo ceblas, barricas vasias, ma-
efles e peras.
Barca Mana-Thereta farinha.
Patacho Liureniina-Braiileira caixOes com vidros,
carros de mflo e pipas abatidas.
Briguo Leinis mercaduras.
IMPORTAGAO'.
Mary, patacho inglez, vindo de Terra-Nova, entra-
do nesto mez por franqua, consignado a Me. Cal-
iiiinii o. Companbia, manifestou osegunle:
1:300 barricas,70 meias ditas baealho,! caixa com
roupa ; aos consignatarios.
Tergesto, polaca sarda, vinda dailha da Madeira,
entrada neste mez por franqua, consignada a Olivei-
ra Irmlos & Companhia, manifestou o seguinto :
1 caixa chapeos de palha ; a ordem.
51 barricas atum, 13:800 peras, 124 alqueires
de nozes, 162 milheiros de ceblas, 900 barricas va-
sias ; a Oliveira Irmlos & Companhia.
15 caixas marrasquino, 77 meios dot>res d'ouro ;
ao capillo.
fMcis, brigue americano, viudo de Philndelpliia,
entrado neste mez por franqua, consignado a Joo
Matheus, manifestou o seguiule :
122 volumes fazendas de algodlo, 150 barril breu,
100 saceos pimenla, 1:002 barricas fuiinlia de trigo,
2embrtillios esleirs, 391 cnixas cha, 184 ditas velas
de espermacetc, 25 Larris cravo, 549 burriquinlias
bolachinbas; ao consignatario.
UMA POSICaO DELICADA.
i
por jnscftiBErn sn?e
!
Ouvio-se um liro.
A velha marqueza do Cevres, a ponto de dar capole
no cura de Rnnccvaux, seu commensal quolidiano,
deixou caiiir as cartas na mesa.
V. Ex. conlava sessenta e oito com o az de co-
pas, disgc M. Dupr, notando, sem saber a causa, a
agitacAo da boa senhora.
Ouvio, senhor cura ? perguntou madama de Ce-
vres com inquietaeflo.
O que, miiiha senhora?
Ini segundo tiro, queresoou mesmo debaixo das
janellas docastello, e cujo estampido se prolongou
ao longo, repercutido de cebo em echo pelas monta-
iihas, dispenso a marqueza de responder.
I.evanlou-ac ella com iodos os signaos exteriores
de um espauto sbito, e o cura, que linha seguido
allonitoosmovimenlos da velha castellaa, vio que a
linda Islina de Gevres, sobnnha la marqueza por
aliiiint;.!, se havia tambem levantado, apoderada de
medo, e pi eslava ouvidos com terror ao estrepito de
fra.
Miles que o cura podesse pronunciar urna palavra
para animar as duassenhoras, Carlos de Gevres, n
lenonipeiido aleiluia que fazia, levanlou os olhos
Eara sua lia, c para sua mulher, e vendo-as am-
as paludas e trmulas, soliou urna gargalhada a
t)nal o boni do cura de boa vonlade se associou, nao
oiistanle o respeilo que linha aos trinta custados no-
bres de sua tan nobie parceira.
A marqueza lancou os olhos irritados aoseuso-
brinho.
Por quem he! minha querida tia, exclamou cl-
CoDSiilado.
ENDIMENTO DO DA 13.
Cenal......................... 317.412
Diversas provincias.............." 4,998
322,410
PIUCA DO RECIFE, 13 DE NOVEMBRO 1)F. 1847,
AS 3 HORAS DA TAIIOF.
Revilla semanal.
Cambio- ----- Fizeram-se transaegocs regula-
res n 28 d. p. 1,000 rs., e a pra-
zos de 60 e 90 das.
Algodlo------------- Nlo solTrcu altcracito de prego.
Entraram 359 saccas..
Assucar ------ As entradas do novo vilo em aug-
mento; e as vendas do branco
anda regularam os pregos de
2,720 a 2,800 rs poi arroba, ex-
clusive asdespezas docnsacca-
mento o embarricamenlo
Couros......Foram offerecidos a 105 ris a
libra.
Ago'ardente- Vendeu-so de 43,000a/48,000 ris
a pipa.
Afcatrilo ----- dem de 9,500a 10,000 rs. o bar-
ril do da Silera.
Baealho ----- Tocaram neste porto cinco car-
regamentos : dous seguiram pa-
ra o Mil, e tres foram vendidos
aqui a procos oceultos, mas que,
segundo corra na praga, fluctua-
ra m entre 12,100, 11,500 e 10,500
rs. por barrica. O deposito a-
cba-se elevado a 6:400 barricas.
Carne secca Kjstcm em ser cerca de 55:00o ar-
robas. Venderam-se, durante
a semana, 12:000 a 13.000 arro-
bas aos pregos de 2,000 a 3,200
rs. por arroba.
Chumbo ---------Vendeu-se de 17,500 a 18,000 rs.
o quinial do de municTo.
Farinha de (figo Dos Ires navios que ancoraram
no nosso porto trazendo esle ge-
nero abordo, dous estilo dan-
do descarga, c o terceiro dei-
xar aqui metade do carrega-
mento o seguir com o resto pa-
ra o su I --As vendas regularam
de 17,500 a 20,000 rs. por barri-
ca da americana nova.
Garrafes- Vendeu-so de 1,000a 1,100 res
cada um dos empalhados.
Louga ngleza- dem de 240 a 250 por cont de
premio sobre a factura.
Mantciga dem de 500 a 560 rs. a libra da
ingleza.
dem do 900 a 1,000 reis os fla-
mengos.
lem de 700 a 740 rs. a libra de
velas.
Tivrmns 8 cmbarongOes entradas e 3 saludas.
Existom no porto 40, sendo : ~ 1 austraca, 2 ame-
ricanas, 23 brasileiras, 1 franceza, 4 inglezas, 5 por-
tuguezas c 4 sardas.
Parahiha ; hiato braslero Pureta-de-Mara, capillo
Jolo Francisco Marques ; carga varios gneros.
I'assageiro, Manoel de Oliveira I.ima.
Nacib futrado no da la-
Antuerpia; 15 das, briguo sardo Itenoco, do 180 to-
neladas, rapit.lo Antonio Maguilino, equipagem
11, carga lastro e armamento ; a Oliveira Irmlos.
Observando.
Fundeou no l.ameirfo, pelas 7 12 horas da tarde
do dia 13 docorronte, o paquete inglez Expreu,
cominandanto o lenlo James, viudo deFalmoulh,
illia da Madeira e Canarias com 38 dias, c do ultimo
porto 20.
-' I I 'i
Queijos -
Espermacetc -
le, penlno -me este rr um pouco irreverente, lalvez ;
mas, ao v-las ambas turbadas eaftlirtas por causa
de dous tiros de espingarda disparados por inade-
verlencia, ou pelo mo humor de algum cagador
que se poz tarde a camihho, julgaria alguem, a fal-
lar a verdade, que nflo estamos no anno da graga de
1844, no meo do um paiz civilisado, n'um bom cas-
tello, c que a plvora he una invengflo de hontetn.
Pos lambom se caga s ouze horas da noitc?
perguntou madama de Gevres.
He verdade, minha senhora, respondeu o cu-
ra ; os nossos catnponezes vflo mutas vezes esperar
os coelhos na montaidia a horas remotas da noilo.
E lie rostiiine de lodo o cagador descarregar a
espingarda antes de entrar em seus lares, proseguio
o mancebo.
Carlos, disse Isolina, cujos olhos seliaviam vol-
tado para a janclla, so aquellos os cegadores Y
E com a mllo estendida para as montanhas que
crculavam o horizonte, moslrava ao marido um
bando de cinco a seis bomens que escalavain a toda
a pressa os rochedos J-'ranco-heipan/ies que orlam o
valle de Baygorry, na extremidade doqual est si-
tuada o caslell de Gevres.
Carlos con eu a janclla, abrio-a, c com o auxilio
de urna dessas nuiles magnllicas, tilo communs sol)
o co dos l'yreneos, vio dtslinclamcule esses ho-
inens, armados de caravinas, cujos canos luziam ao
longe pelos claros raios da la, saltando aqui e all
por cima dos pedagos de rocha quu uhstuvam sua
carreira, dirigida para as priraetras aldcias da fron-
leira liespaiibolla.
Esta apparigo durou apenas um minuto; porque
as sinuosidades das montanhas escondern) imme-
dialameule os fugitivos ; porm Carlos, quo havia ti-
do lempo de observar-Ibes os vestidos eo andar, sa-
cudi a cabega, o disse s
Aquella genio nao silo camponezes de Franga.
Parecen) antea perlenccr a algum bando de contra-
bandistas hespaohes a espera as uossas lionlei-
i as, e esses dous tiros de espingarda, cssa fuga pre-
cipitada, niloagouiam nada de bom.
Eitlfio! exclamou a maiqueza, nao linha eu
rasSoP
AlnviiDenlo do Porlo.
Navios entrados nodiaiS.
San*Joo (Terra-Nova.; 50 dias, patacho inglez Mary,
do 83 toneladas, capllao Samuel Me Donald, equi-
pagem 7, carga 1:300 barricas e 70 meias d i las com
baealho ; a Me. Calmont & Companhia. Desar-
vorou do mastareo, do velacho "o dojoanete no
sexto dia ila sua saluda de San-Joilo com tempo-
ral, em lat 4. 40 n. 4fi- 44 long.
Parahiha ; 20 horas, hiale braslero Conreicilo-I'lor-
dai-f'irludei, de 24 toneladas, capililo Elias do Ito-
zario. equipagem 4, carga toros do mangue ; ao
CSptao.
Id 'ni; 24 horas, bate braslero Espadarte, de 78 to-
neladas, caplio Nicolao Francisco da Costa, equi-
pagem 3, carga loros de mangue ; ao capitflo.
Navios tahidos no mesmo dia.
Babia ; barca ingleza Jamei-Stwarl, capitilo I). Me.
Farlarie, carga a mesma que trotixe.
Genova ; polaca sarda Rosa, capitflo J. B. Perrol, car-
ga assucar.
saar--jJij laaaii i laaBaTioivTf^awagr -
De ter ncalo, nao, minha tia nflo he a nos que
essa gente ameaga ; mas lalvez tramassem por ah
urna emboscada a algum pobre guarda da alfandc-
ga, que lizesso mallograr alguma das suas emprezas;
e eu corro.....
Carlos, exclamou Isolina langando-sc dante
do marido, nflo saias !
Louquinha, disse brandamente Carlos, desvi-
Declara^oes.
O arsenal de guerra compra, para o presidio da
ilha de Fernando-dc-Noronha, 800 saccas do fari-
nha de medida velha da molhor qualidade, 20 ca-
adas de azelc-doce, 12arrollas ile assucar bran-
co, 1 sacca de arroz, 10 arrobas de bolacha, 1 ca-
xa com eli, I arroba de tapioca, 4 meios de sola,
12 coiros de vado preparados, 1 libra do fio de sa-
paleiro, 2 quntaos de arco de Ierro sorlido, 4 gro-
zas sorbidas, 1 barril de breu, 16 paos de jangada
dos mas gPOMOS, 60cnxadas, 25 machados, 1 bi-
gorna de funilciro, I mlho de taima. 2 garrafas de
verniz brinco, 1 embulideira de chumbo para funi-
lciro, 2 sellas rasas de vaqueiro, 10 mil pregos cai-
xaes, 1 lencol de ferro fino, 18cangalhas, 6 duzias
de taimas de louro, (i laboas grnssas de ainarello,
95 enchameis de 30 palmos, 14 freohaes de 20 palmos
e 50 eahros : quem taes gneros quzcr fornecer,
sondo da melhor qualidade, mandar sua proposta
em caria fechada, e as amostras daquelles gneros
que forem possiveis mandar-so directora do
mesmo arsenal, al o da 15 (hoja; do corrente mez.
Arsenal de guerra, 11 de novembro de 1847.
Ooscrplurario,
f rancisco Serfico de Assiz Carvalho.
N. B. Declara-so que as 800saccas de farinha,
constantes do annuncio cima, deve conter cada.
urna um alqueire da medida velha, sendo no lodo
800 alqueires da dita medida.
O arsenal do guerra compra, para o presidio da
illia de Fernando de JVoronha, 24garrafas de agoa in-
gleza, 6 garrafas do agoa do louro-cereja, 6 garrafas
de agoa de alface, 8 libras de amendoas, 8 libras
do ameixas, 6 borrachas de gomma clstica para
iujegflo, t borrachas da mesma gomma para clistel,
32 libras de cevada nova, 24 garrafas de espirito do
vinho rectificado, 1 onga de extracto de salga-parri-
llia, 1 onga do extracto de beladona, 1 onca de ex-
tracto de estrcmonio, 1 onga de exlractode quina, 4
libras do lloros de rosas, 4 libras de flores de malva,
ibras de llores de tilia, 16 libras de gomma de ba-
tata, 16 libras de linimento anodino, 12 garrafas do
l,ibarraque, 32 libras de man, 32 libras de malva
do reino, 1 onga de nitrado de prala, 44 vidros de
opodoldoque, 8 libras de oleo de amendoas, 8 gar-
rafas de oleo de recio, 8 libras de pasta de jusba,
ibras de pomada de ppinos, 2 libras do pomada
oxigenada, 2 libras do pomada de setrina, 6 garra-
fas de robe antisiphlilico, 32 libras do raizdoal-
lliea, 8 libras de raz de alcags, 8 libras de raspa
e viado, 39 libras de sal cpson, 32 libras de semen-
t de linho, 32 libras de salga-parrilha, 16 libras de
sement do niostarda, 8 libras de sipo de chumbo,
8 libras do ungento dealtha, 12 garrafas de xa-
muaa*jf.tc^ US -m*-^asr-*
Corre, exclamou a velha marqueza, corre Iso-
lina ; pannos e los para o ferido.
tragam esse velho para o meu leito! bradou
o cura, que se linha reunido com Carlos ao grupo
que cereava as duas victimas.
Oh meu Dos, he um velho, disse Isolina.
Coila.lo malditos contrabandistas disse a
marqueza rasgando tantas tiras de panno de linho
ando a mulher, que lenlio eu a temer!'.....Talvezlno, queeramcapaz.es de fornecer ligaduras para
que a alguns passos deste castello baja algum ferido, | um hospital ambulante.
No mcio dessas voseo confusas, ouviram as damas
um grito, algado por Carlos.
N'essc grito, misturado de sorpreza, de espanto
e de horror, havia tanto dceslranho, que Isolina,
por um movimento instintivo, so langou a correr
para o marido, c madama do Gevres soguo-a atrs
a toda a prssa.
0 prmeiro objecto que Isolina vio foi um corpo
ensanguenlado, cstendido sobro urna mesa. A cabe-
ga do cadver, [iluminada por um rao de luz, se Ihe
apresentou aos olhos; recuou tremendo e excla-
mou :
Dom Diogo!.....
Sim, respondeu, com urna voz surda, Carlos,
que linha licailo abatido, e encoslado parede; Dom
Diogo; masooulro, o oulro.....
Ooutro!.....disse Isolina.
O cura j havia feito transportar o ferido para um
quarto que elle oceupava no castello quando o mo
lempo ou o jogo mu prolongado da marqueza o im-
pedan) de voltar para casa.
O oulro, disse Carlos, anda ve-lo !
E tiimou a mflo trmula de Isolina, e a conduzo
ao quarto do cura, acrompauhado de madama do
Cevres, qae, como sua sobnnha, nada comprelian-
dia, mas senlia-sc, como ella, lomada de um vago
terror.
O ferido eslava deitado sobre um leito. M. Dupr,
que entenda alguma cousa de medicina edecirur-
gia, como todos os curas dasaldeias distantes da ci-
dade, Livava o sangue'do rosto do moribundo, que
algum moribundo, quo necessite de socorros
Pos hem nflo vai s; chama os criados.....
Noslc momento ouvio-se bater com frga a porta
de entrada do castello.
Madama de Gevres, meia mora de susto, lornou
a canir na cadera. Mr. Dupr, que se havia levanta-
do o tomara umarchote, dirigio-se para aporta.
Carlos dispunha-se a segu-lo.
Carlos exclamou de novo Isolina.
Minha querida amiga, disse o mancebo, os leus
terrores sflo ridiculos; e por outra parte eu me vou
armar.
E foi tomar um par de pistolas, o disse ao pa-
dre :
Ande, senhor cura ; eu oaccompanbo.
Isolina, oais assustada anda do que animada, deu
nflo obstante caminbo a seu marido, cujo tom, an-
da que affectuoso, fra bastante firme para dar a en-
tender joven esposa que urna nova supplica seria
intil.
Mas a curiosidade ou a bumanidade dos domes-
ticos do castello lnham excedido o desvelo dos
amos.
No momento em que, Mr. Dupr abri aporta do
salflo, ouvo-so um ruido de passos eclamores no
andar inferior, e as senboras poderam distinguir e
reconheccr a voz de seus criados, e d'aiguns cam-
ponezes da aldeia vizinha.
Anda respira.
Ooutro motreu inmediatamente.
Taes foram as primeras palavras que ellas ouvi-
ram. Se estas palavras as animaran) pelo que Ibes
dizia respeilo, mosliaram-lhesao mesmo lempo que I linha sido ferido com urna bala naca beca, o exami-
so havia commeltido um crime. I nava a ferida.
>


w
I
x-

^-^^5
.s





rOpe de espargo, 12 garrafaside xaropo re grozellas,
12 garrafas do xarooe peitoral, 12 garrafas de xaro-
po do horxata, 19{CnrrarMS ile xaropo do tamarin-
dos o 12 narraras de xarope do si tracto do-forro :
quem taos gneros quizer fornocr, sondo da me-
Ihor qunlidade, mandar sua proposta em carta fe-
chado, e as amostras daqnclli's gneros (|uc forein
possiveis mandar-so, i directora do mesmo arsenal,
ate o iiia 15 (hojei do correte mi'i.
Arsenal dogoerra, 11 de novembro de 1847.
0 escrpturario,
Francisco Sera/ico de Asiiz Canmlho.
A administrarlo gcral dos cstabelecimritos
de caridade manda fazer publico, que, uoso On-
do offoetuado, no dia 8 do correle, a arrematago
das rondas da casan. 17 da ra do ^nguera, lica
transferida para o da 15 (hoje;, pelas 4 horas da tur-
de, na sala das suas sesses.
Administrar-fin peral dos osiahelncimenins deoa-
ridade, 11 de novomliro le 1847.
Ocscripturnrio,
F. A. Caralcnnte C.ousteiro.
Fcchain-se as malas para Baha o Rio-do-Ja-
neiro, pelo paquete ingle/ Express, g 3 huras da
tardo, no dia lorca-feira, 10 do crlenle, no con-
sulado de S. M I!.
Tendo-sfl installado nasla cidade o consulado
do Chili, c lientas as ordena terminantes da secre-
taria do estado dos neg icios estrangehos do mesmo
estado previne-se a todos os consignatarios do na-
vios, qur nacionaes, qtir cstrarlgeiro, qie doslo
porto sahrcm com doslino aos pintos do Chili, que
OSCapilftOS Icen de se muir da caria de sa le,
passada por este consulado; assiin ootno de fazer
legalisaro manifest da carga que levaren, onde
ir cm lastro, arhando-so coinpiehendidos as mes-
mas disnosioOcs os passapnrlcs das pessoas queda-
qui so drigireni para o Chili; assiin como os pro-
loslos, sentengas, procurares, cerlilicados eoulros
documentos que lenham de ser nprescnlados coi
JII70.
Consulado da repblica do Chili em Pernanihu-
ro, 13 de novembro do 1817.
Gaudino Agostiiiho de Uarrts,
Cnsul do Chilhi.
-Oescrivilo da recebedoria do rendas internas
geracs, servindo no impedimento de administra-
dor, faz constar aos llovedores da laxa dos escra-
vos dos hairras do Santo-Antonio e da Boa-Vista,
relativa aos anuos de 1845 c 1846, e aos que estilo a
dever o imposto do casas de modas, calcados, tras-
tes, perfumaras, ele, que no fin do correle mez
vflo ser remedidas as rclarOes dosdevedores de taes
imposlos parajuizo: c aquellos que nao quizerem
ter mais dispendio de cusas e incommodos ve-
oham quanlo antes satisfazer oquedevem. Oulro
sim, faz sciente a lodos as confrarias c imandados
e devedores do imposto de 20 por cont do* anuo
corrente, queo prximo mez dodezembro he o mar-
cado para a arrecadagflo do 1. semestre, lindo o
qual incorrem na mulla marcada no rcgulamcnto.
Ilecebedoria, 12 de novembro de 1847.
Estanislao l'ereiru de Olivrira.
norte, cujas do.spezas se acham oreadas om 1:732,200
rs.--()s concurrente a esse contrato devein de com-
parecer na secretaria da predita thesouraria a 19 ues-
te mez, ao meio-dia.
THEATRO PUBLICO.
A ndministrarfio da companhia de BeboribB man-
da fazer sciente sosSro. accionistas, queso acham
rcalisndas as entradas de 80 porecnto sobre o va-
lor das aceftes emilliilas, sem que tenha sido de
misler por em exccuc&o o artigo 0 dos estatutos,
nem a medida adoptada cm assembla g.'ral a res-
peito dos que na ultima reunio eslava m cm atraso.
A mesma adminislracio roga aos Srs. accionistas
hajan do realisar urna prcstago de 4 por cenlo
no prazo de 30 das, contados dcsla dala.
Esc iplorio da companhia, 18 de oulohro de 1847.
O secretario,
/lento Josa finlands Barros.
Contratos d cekbrarem-se com a thesouraria das rendas
provinciaes.
O do eslabelecimcnlo de una linha de mnibus,
que, na forma da le provincial n. 101, de 30 do
margo ultimo, facilite o transito desta cidade para
qualqucr dos scus arrabaldes e para (ilinda.Ilece-
ber-se-h8o propostas todos os dias, at que se ve-
rifique o contrato.
O da construcco de una barreira na estada do
Quanlo ao paciente, nao dava elle sgnal algum de
vida. As tracas pulsages do coraeflo s nulicavam
que esse eorpo, cm apparencia inanimado, ainda
conlinha nina alma, que poda ser salva pela magno
o penitencia, se be que se nflo podesse reanimar re-
almente o envoltorio mutilado a que ella eslava pre-
sa por um lio mystorioso.
Carlos fez signal aos criados e aos camponezes
,para se relirarem. Depois, lomando a esposa pela
rno, Ihediz :
01 ha !
Esse homem que ao primeiro aspecto, e na per-
turbag.lo do momenlo, o cura linha lomado por
umvelho, loria apenas cincoenta anuos. A sereni-
dade t3o grave quanlo anglica du suas feiges se
augmentava ainda pela tranquillidade da morle que
pareca pairar-lhe por cima da cabera. Isoliua al-
cou um grito, cahio d joelhos junio doleilo, efi-
cou Immovcl com osolhos cravados no ferido,
A niarqucza, que se linha chegado para tras da so-
brinha, recuou ao aspecto desse palhdo rosto.
Mr. deGrand-Champs! exclamou ella.
A oslo nonio, o sacerdote dcixou cahir precipita-
damente a cabeca do ferido e olhava alternativa-
mente, com olhos espantados, para a marqueza, pa-
ra Isolina, e para o mancebo
Mr. de Grand-Champs repetio elle Icnta-
menle.
Elle mesmo, disse Carlos com una voz entre-
cortada ; oh eu no me linha engaado, proseguio
elle, mostrando Isolina ajoelhada, pailida, com os
olhos cheios de lagrimas, esempre lixos sobre o mo-
ribundo, vejam !
Meu lieos! disse o cura, que estranho myste-
ro he este!
Madama de Gevres cstava muda d'assombro.
Bastar'una palavra para explicar semelhante
scona.
Isolina, antes de ser mullier de Mr. deGvres, era
viuva do Mr. do Grand-Champs.
.Depois do pjimeiro moviinento do gorpreza e de
espanto, que a Vista desse homem, cuja morto sup-
posta a luihBfternado livre, as lagrimas alliviaiam-
Jlie o peito opprimido. Sem pensar na siluagao estra-
Margarida Deperini, summamento penhorada pe-
lo bom aeolhimeuto que toui recobido co indulgen-
te publico pernamhucano, lem a honra de offerece r-
Ihe na imito da terca-feira, 1C ilo novembro, e
uo na qninta-fera, como se l nos bilhctes tanto
ile camarote como de platea) om seu beneficio, o di-
vert ment seguinte :
PRIMEIRA PARTE.
1. Svmphonia grande orchestra.
2." O milito applaudido duelo bufo doEUXIll DE
AMOR, cantado pola beneficiada o o Sr. Toselli.
3." Grande, aria Viv lu tenescungiuro, da opera AN-
Y\ ROI.ENA, do mostr Donizelti, executda no cla-
Irim de chavos polo Sr. Plassa.
4." Scena romntica o cavatina, da opera IGNEZ
I DE CASTRO, do mostr Jos Facliiuetti, cantada pela
benoliciada.
SEGUNDA PARTE.
1. Overtura e nova valsa, pela orchestra.
2. Nova e escolhida aria, pelo Sr. Joflo Toselli.
3. Grande polaca original, com variaees, execu-
tda do clarim do chavea poloSr. Plassa.
4 o Duelo di opera BEI.IS UtlL) /A se potessi pian-
gere, pida beneficiada o o Sr. Toselli.
TERCEIRA PARTE.
1. Sympbonia.
2." Duelo da opera NORMA, De Adalgisa e Norma
a parle de Adalgisa ser execulada no clarim de cha-
ves peloSr. Plassa, e a da Norma pela beneficiada.
3." Nova quadrilha de valsas, pela orchestra.
4. Muito engragado terceto da opera SCARAMA-
CIA do meslre Ricci, pela beneficiada, Guiseppe De-
perini o oSr. Toselli.
O rcslo dos bilhctes acha-sc em casa.da beneficia-
da, ra do Queimado, n 16, enalojadoSr. I.ody,
roa larga do Rosario, n. 35.
A beneficiada agradece cordialmenle ao illustra-
do publico dcsla cidade a honrosa accitagio que ha
merecido, o espera ainda urna vez indulgencia e
protccQo.
Avisos martimos.
PiiMicaces Littei arias.
Na ra Nova n. C loja de Maya Ramos & C.,
ainda existem para vender algons excmplarcs das
seguales obras chegadas ullimamcnte de Lisboa ;
Viagens na uiinlia tena pelo concelheiro Almei-
daGarret, 2 v.
Medilagoes e discursos religiosos pelo conce-
lheiro Bastos, 2 v.
I'onsaiiientos e mximas moracs, pelo mes-
aulor 2 v. / '
Opsculo sobre a origerrt da lingoa poitugueza,
por dous membros do conservatorio real, dedica-
do ao concelheiro A. Carrol, 1 v.
Autopsia dos partidos polticos em Portugal ,
1847, 1 v.
Igualmente se acham venda e se recebom assig-
naIiiras para as scguiutes puhlicagOcs :
Gazela dos tribunaes publiciula sob a dirocefo da
assembla dos advogados de Lsb> : contm legis-
lacio indita., consullas jurdicas, arestos, etc.:
principiou o seu quinlo volume.
Jornal das Bellas artes contm poesa roman-
ces chcaras nacionaes etc. com ricas lylogra-
phias onde se rejiroduzem os paiueis dos nossos
mais reletires pintores acompanliando o lexlo bo-
nitas gravuras cm madeira. ( Vignctle.) Do n. 1 ao
6. e 7.". Deve chegar breve.
Revista Universal Lisbonense. Hebdomadario re-
digido por urna sociedado de sabios o litteralos do
1.ao5." v. c do 6." v. os ns. 1 a 35. Esta obra uti-
lissimaa todo o mundo he particularmente escrip-
ia para os artistas o lavradores, que achanto nella
nocOes mui provoitosas.
Historia doconsuladoedo imperio (de Napolcoj
por Tliiers com estampas que serio entregues no
lim da obra : vers.lo de Lisboa com notas portu-
guezas, castelhanase belgas, do 1." ao 3. v. 0 4.
v. ficava a sabir do prelo
Vende-se o lindo e multo veleiro patacho in-
loz, Mara, de lote de 10 niil arrobas pouco mais ou
menos novo de tudo, tendo s fe;to urna vagem ,
e que, como demanda pouca agna offerece conve-
niencias para embarcaefio eosleira : os pretendentes
dirjam-se aos consignatarios, Me Calmont &' Com-
punliia.
Para o Porto sahir breve o brigue portuguez
ti aria-Flix, capitilo Lourenco Fernandos do Carmo,
por ter a seu bordo parto do seu carregamento :
i|iiem no mesmo quizer carregar.ou ir do passagem,
ilirija-se ao dito capitilo, ou ao seu consignatario,
Antonio Joaquim de Souza Rbeiro
Para o Portosaheo brigue portuguez Prlmi-
vera, capil.lo Rodrigo Joaquim Correia : quem no
mosmoquzer carregar ou ir do passagem, para o
qnetem bons commodos, trale com dito capitilo
na praea, ou com seu consignatario, Antooio Joa-
quim do Souza Riheiro.
Segu para o Aracaly com hrevidade, por torj
parto da carga, a barca Snn-Jo-lo-Raptitta : quem
nella quizer carregar, dirija-so a ra da Cruz do
Rocife, n. 36.
Para o Maranhiio tocando no Cear preten-
der sabir o hrigue-escuna Laura : recebe ainda al-
guma carga c passageiros : a tratar na ra do Tra-
piche, n. 34, com os consignatarios, ou com o capi-
to, na praca.
Para o Rin-Grande-do-Sul partir, impreteri-
volmonte no dia 15 do corrento o brigue brasiloi-
ro Kspirilo-.Sanlo outr'om Fiel, de que ho capitilo
Alexandre Jos Alvos : quem quizer remelter es-
rravos a frete ou ir do passageiro para o que tcm
bom Iralaniento e commodos,dirija-se ao caixa.Fir-
uiinoJ. F. da Rosa na ra do Trapiche, n. 44, ou
com o capiliio.
Para o Rio-Grande-do-Sul sahir breve o pata-
cho Emiliana, o qual pode receber alguma carga
miuda e cscravos a frote : quem pretender enlen-
da-seCom Aniorim Irmilos na ra da Cadeia, n. 45.
Para a Babia sahe, em poucos dias, o hiato Flor-
do-ltecife, pregado e forrado de cobre : para carga o
passageiros trala-se na ra do Vigaro, n. 5.
LeI5t8.
nha e tcnivel, na qual a collocava a rcssureiQflo de
son primeiro marido, na consternaca~o, no desespero
de seu segundo esposo, cuja felicidade, cuja vida in-
teira cram postas em duvida pela appqricilo sobrena-
tural de Mr. deGrand-Champs, hanhava ella de la-
grimas a niSo fria e pendento do ferido.
De reponte sentio Isolina nessa nio urna pulsaco
fraea o incerta ; c ou fosse porque a lula interior en-
tre o fin de todo o movimento material, que se cha-
ma morte, e o principio desconhecdo que se chama
vida, se terminasse einlim cm proveito da vida ; ou
porque o contacto dessa linda mullier reanimasse no
moribundo um resto de sensibilidado, prestes a es-
vahir-se, por ineio do fluido regenerador e myslerio-
so que a sccncia anda nega, porque ignora as suas
leis; esso braco que Isolina aqueniava sempre, re-
cuperou pouco e pouco urna parte do primitivo ca-
lor As pulsacOcs mais ficquentes e mais distinclas
imlicaran que os focos da vida, comecando de novo
as suas funccOes intei rompidas, lancavain as arte-
rias o sangue queja se hara agglomerado, ese con-
gelava as regiOes do coraco.
Elle aimla vive, exclamou Isolina ; lalvez que
se possa salvar.....Oh senhor cura empregue lodos
os cuidados!
Mr. Dupr nfio linha esperado esta supplica. De-
xandoao futuro c a Dos o explicar este fatal mys-
lerio, e nao vendo em Mr. deGrand-Champs seiiiio
um infeliz em perigo de morle, elle se havia posto
de novo a lentear a ferida, a estancar o sangue que
anida corra, e a examinar as lesOes fcitas no cere-
bro pela bala do assassiuo.
hnlilo perguntou Isolina angustiada.....
Oh meu Deost disse Carlos, ella nunca me
amou !
O cura hesitou um instante, e depois respondeu :
Algumas partes do crneo foram fracturadas
pela bala ; mas a abundancia de sangue que lem
corrido da ferida, me faz esperar que uo llavera der-
ramamento interior. A cura he possivel, mas sera
lenta o dolorosa. '
Beuidilo sejais, meu Dos! exclamou Isoli-
na, que nfio quuestes levar-m'o depois do m'o ha-
ver restituido.
Ilenry Gbson far leillo, por intervenco do
corretor Oliveira de grande e variado sortiment
de fazendas inglezas inclusive linha em carretela :
terca-fera 16 do corrente, as 10 horas da manliaa
cm ponto no seu armazom da ra da Cadeia.
Joflo Keller & Companhia farSo leilo por in-
toivenco do corretor Oliveira, de grande sorli-
menlo de fazendas, todas proprias do mercado :
boje, 15 do corrente as 10 horas da manliSa no ar-
mazem da ra da Cruz.
Avisos diversos.

919 Ose' So a res de A zevedo profe-sor
de lingoa franceza no lyceu, tem aberto
cm su i casa ra do Rangel n. 5c), se-
gundo ondar um curso de pliilosophia
e ontio de liu^oa frunceza. As pessoas
que descj;irein estudar umaouotitra de?-
ins disciplinas, podem dirigir-se indi-
cada residencia a qualqner hora
"-Ha i ara so alug.ir, ate o
fim de fevorero de 1848, um segundo andar, no pa-
teo do Collegio, com bstanles commodos, muito
fresco e por preco favoravol: na lvraria da esquina
do Collegio, indca-se a pessoa com quem se deve
tratar.
Jos Piadines, cutileiro, previne a seus fregue-
zes quemudou-so da ra do Cabug, n. 12, para a
roa larga do Rozario), n. 26, junto loja doSr.
Thomaz do Aquino Fonscca, e que sempre est
prompto para fazer qualqucr obra de seu oflicio, e
contina a amolar s tercas, quintase sabbadosde
cada semana.
No dia 16 do corrente, na ra Nova, aportado
juiz do cvel da primeira vara, se ha de arrematar
um cscravo de nomo Joaquim: quem o pretender
compareca, que he a ultima praca.
Isolina disse Carlos, com voz triste e desani-
mada, c eu !
Isolina vollou-se rpida ao lastimoso acecnto des-
sa voz que Ihe revolva toda a alma nesse momento
de piedosa alegra. Olhou para Carlos, e vio-o palu-
do, como ainda agora o eslava esse cadver chamado
de novo existencia ; Irncou-se com extase aos bra-
cos do mancebo, aperlou-o nos seus, beijou-lhe a
fronte motilada por um suor fri, e dissc-lho :
Tu, tu, meu Carlos, eu le amo mus do que a
ni i nha villa ; mas a elle eu o chorei tanto lempo ....
Madama de Gvresolhou para a sobrinha com hor-
rivelestupefacQflo.
Jlgava-seclla o ludibrio de algum sonho phan-
lastico.
Carlos recuou, pensando que Isolina bavia enlou-
quecido.
Neate momento o ferido fez alguns movmentos
convulsivos; as palpebras se Ihe ahrirain e fech..ram
inmediatamente j a bocea soabrio-se-ihe, e inur-
murou um nomo afogado em suspiros.
Elle me chama, disse Isolina, que linha ouvido
pelo corceo o seu nome, queo proprio padre indi-
J---------------------- ii...... **
O TRIBUNO N. 45
est a venda na praca da Independencia, ns. 6 e8 ;
e muito digno de ser lido.
- Procisa-sealugar una casa^terrea no bairrode
Santo-AntoniOjqne tenha commodos para pequea
familia, quintal e cacimba : agradando o prego e
a casa, se far lodo i> asseio, o algum concert, ca-
so a mesma precise, sem so doseontar nada no alu-
guel. Quem a livor, dirija-se a ra do (lorias, so-
brada ile um andar, n. 14.
No dia 16 do corrente mez, aporta do Sr. Dr.
juiz do'civcl da primeira vara, Silva Neves, polas 4
horas da tarde, se ha de arrematar um pequeo si-
tio com sua casinha.no lugar da Capunga, penho-
rado a Manoel Domingues Morera, o que esta ava-
hado muito barato : quem o pretender compareca,
que boa ultima praca.
No 13 do corrente, pelas 9 horas da manha,
pouco mais ou menos.desapparoceu um prelo criou-
lo, por nome Candido, representando ter 25 a 30
anuos de idadn, e quo primeira vista pateco ser
maluco, do muilo poucas fallas ; levou vestido calca
de brim do listras o camisa de. riscadf): quem o
apprenhcnder leve om casa do seu senhor, defronte
do oitilodo theatro novo, casa n. II, quesera re-
compensado. Na mesma casa vendo-so urna prela
crioula, ainda moga o que he muito prendada por
saber bem eugommar, coziuhar lavar de sabflo
evarrella.
No dia 4 do corrente, auscnlou-se, da casa n.
6 do pateo do Gollogio, um molcque do nomo llon-
rique, de idade de 17 para ISannos, secco do eor-
po, rosto comprido, pernas finas e ps grandes; le-
vou calca de selinela branca, camisa do algol.lozi-
nho fino, jaqneta de riscado de quadros e chapeo
prelo. Elle tom feices grossas o cabega comprida.
Quem o apprcnhender, levanda-o a mesma casa, se-
r generosamente recompensado.
O ahaixo assignado roga a todos os seus credo-
res que no dia 15 deste mez, pelas 3 horas da tarde, ,
queiram por obsequio achar-se na venda da praT
do Caldereiro, da residencia do anniinciahto, aflm
do Ibes fazer ver u estado de sua casa, o delibera
reni a respeito.
Joaquim Pereira da Costa Larangeira.
Pede-se ao Sr. thesoureiro da lotera do thea-
tro da qual se acha annuuciado o andamento para o
da 16 do correle, do nflo pagar o meio bilbete n.
1516, se por srle Ihe locar ser premiado, vis-
to ter-se perdido o dito meio bilbete, o qual est
assignado no verso com o nome de Domingos Jos
Machado.
OfTercce-se urna ama com muito e bom leite :
a fallar na ra dasCruzes, n. 41, segundo andar.
LOTEltlA DOTI-IBATKO.
Bilhetesa },5oo e a 8,5oors.
O pequeo resto de bilhetes que exis-
te porconta da sociedade, acha-se a ven-
da nicamente na botica do Sr. Jo3o
Morena Marques, no pateo da matriz de
S.-Antonio, e s se vender at s 8 ho-
ras do dia d'amanhaa, 16 do corrente,
dia em que deve ter lugar o andamento
'las rodas desta lotoria.
Aabaixo assignado avisa ao respcilavel pu-
blico, que nnguem faca contrato algum sobre bens
pertencentcs ao casal de seu fallecido marido, Fran-
cisco da Rocha Paz Brrelo, principalmente com 0
testamenteiro Antonio Lina Caldas, e a legatara Ma-
ra Candida Magalhilos, visto como ditos bens se
acham presos por urna questflo que pende no tri-
bunal da relaeflo.
I). Ilarbara Francisca Xavier de Mallos Moreira.
Precisa-se do ofliciacs'desurrador, forrosou
captivos : na ra da l'cnha, n. 4. loja de surrador.
Umc pessoa hfliI se offerece a lirar passapor-
tes para dentro e lora do imperio com todo a bre-
vidade : quem do seu prestimo so quizer ulilisar ,
dirija-se ao escriptonodo tabelliflo Coelho, defron-
te do theatro velho.
AI uga-se, por proco muito commodo, tanto
por festa com? annualment?, 1 sitio confronte a Pou-
te-de-Ucha, a margem do Capihai ibe.oom duas ca-
sas sendo urna pequea o a oulra bastante gian-
do com qatro quarlos 3 salas, cozinha estri-
bara para 3 cavallos e com planta de capim : na
ra Nova, n. 67.
~ A!uga-se urna cscrava para o servico de urna
casa : quem a precisar dirija-se a ra Nova loja
n. 58, que se dir quem aluga.
roram logo ao castello para se nformarem do crime
o do nome das victimas.
Do crime, nada se sabia ; quanlo ao nome das vic-
timas, segundo diziam os criados, Mr. deGvres pa-
recer conhec-las.
Os magistrados dirigram-se ao saino onde a mar-
queza se esforcava de balde para restituir ao sobri-
nho alguma liauquillidado e esperance.
Carlos levantou-se para receber esta visita. Ao
mesmo tempn Isolina apparcccu a porta do saino.
O juiz de paz perguntou a Mr. deGvres se era
verdaile quo elle condeca os dous infclizes recolhi-
dos ao seu castello em consequencia de semelhante
catastrophe, e om primeiro lugar quom era o man-
cebo ferido no coragio, o cujo cadver ellos ucaba-
vam do examinar.
Dom Diogod'Astorga, disse Carlos, antigo co-
ronel ao servico de D, Carlos; eu o conhec durante
o seu exilio em Franga, o bastou-inc olhar para ello
para oconhecer Q lano ao oulro. ...
O oulro, disse Isolina, interrompendo o mari-
do e andando para o juiz do paz, felizmente nflo tem
senflo urna ferida grave, mas nflo mortal, e o senhor
cura deRoncevaux, que est junio d'clle, promette
nado sobre Mr. de Grand-Champs nilohavia podido |salva-lo. Mou marido nem eu sabemos o nome que
distinguir. eUo lem ; mas V. S. podelo-ha interrogar quando el-
E foi tomar de novo o seu lugar ao lado do leito.
Aqu estou, sou eu, disse ella, encoslajido os
labios na mflo do ferido.
Este beijo foi para Carlos como urna punhalada,
que Ihe inalava a ultima esperanga.
Desvairado, com a cabega perdida, precipilou-se
fon do quarlo, correu ao salflo, tomU urna pistola,
eneostou-a a testa, e ia dar ao gatilho, quando a
marqueza Ihe suspendeu o brago.
Carlos
is deixou-se desarmar como um menino, e
depois langou-se sobre um divn, escondeu a cabe-
ga cutre as mos o desfez-se em lagrimas.
Kntrelanto, linha-so da lo parto do occorrdo au-
loridade. Ojuiz do paz tle Saint Jeiiit-Piod-de-l'ort
o o maire de Roncevaux, que cstavam passando a
nuiten'uma herdade dislanie docastollo a dous ti-
Iros de espingarda, avisados por um cinponez, cor-
garqi
e tornar a si c esliver cm estado de reunir as suas
idoias. O senhor cura assegura que dentro de al-
guns dias o doento [todera receber a Vv. Ss., o res-
ponder-lhes. Nos teremos o cuidado de o mandar
prevenir, senhor juiz de paz.....
Retiraram-se os magistrados o fizeram levar o eor-
po de Dom Diogo para o roslituir a sua familia. To-
das as indagagOos feitaspara descobrir os autores
desle crime loram infrucliferas. Urna espingarda a-
panhada pelos camponezes nflo Ihes pOile ministrar
indicio algum ; e osperavam com impaciencia que o
doe'nle eslivesse em estado de responder 4s ques-
Iflcs quo Ihe ti/.ossem, porquo s elle poda langar
alguma luz subr (Continuar-se-ha.)


H
-0(Torece-SB urna mulher casada para criar do
leite algirn menino isto od sua casa: no hecco
do Marisco, n. 6.
~O doutor Pareira participa as pessoas que ou-
tr'ora lite honrnram com a sin conflanga clegen-
dn-o snu advngado una suas causas, que elle se ncha
efectivamente isto he, a Imlas s horas do dia ,
etnsuacasa na ra do Rangel n. 59, prompto a
dcsempontiHr as funcges de advogado: visto que lia
deixado de hahitar o seu sitio da Cpungat cuja
frequencia muito concorria para as suas distracgoes
na advogacia.
.-Precisa-se de urna ama forra ou cscrava : na
ra do Rangel. n. 59.
Na ra do- Agoas-Verdes, n. 26, dio-se bolos
do vondagem a 80 rs. a pataca : tambem se d azei-
te de carrapato a 320 rs. a canda e aluga-se urna
prcta que seja fiel para vender azeite de cajrapato
-OiSnrs. Antonio Marques de Hollanda Caval-
cante, Francisco Jos Leito, Francisco l.uiz Macicl
Vianns, padre Joaquim Pin!" de Campos, los
Candido Dias Jos Gnilhcrmo Cuimarfles Manoel
Kirmino Kerreira e Martitiho Lopes do Res assig-
nantes da historia de Portugal por Alejandre ller-
culano quoiram mandar buscar, ao segundo andar
da casa n. I da ra da Cruz os ejemplares que
Ihes pertencem do segundo volume, cuja entrega ha
bastante lempo e por vezes se tem annunciado.
Precisa-so do 260,000 rs, a premio do dous por
cento ao mez dando-se por seguranza urna |esrra-
vacom urna filhade6annos : na ruada Cadeia de
S.-Antonio, n 19, se dir quem precisa.
Prccisa-se di; urna ama Me boa conducta para
casa de horneen solleiro : na ra da Cadeia do Re-
cite n. 2I, terceiro andar se dir quem precisa.
Manoel Jos Tavaresda Silva roga ao Sr. dou-
to' residente om Iguarass, que Iho mando pagar
os nezes vencidos da casa de que S. S. est de posse
na ra do Cetovollo, no bairro da Rna-Vista : visto
se Ihe terem esenpto 3 cartas, o de nenhuma ter-so
recebidoresposla. .....
-Cordilla Maria Claudina do Lspmto-Santo em-
barca para qualquer dos portos do sul a suacscra-
vd de nomo l.auriana.
" No sitio da cscala na Soledado ha preos pa-
ra sealugarem inclusivo um bom pedroiro que
j tem servido de mestro.
-- Aluga-se urna casa terrea sita na travessa do
Peixolo, com bons commodos, e que se acha pintada
de novo: a traanlo becco doSarapalel, sobrado
'-- lugam-se duas ptimas casas terreas feitas a
moderna com muilos commodos para urna nume-
rosa familia, sitas na ra Nova quo vai para a Trom-
pe: a tratar no palco da S.-Cruz,/sobrado n. 70,
primeiro andar.
Quem annunciou precisar do coqueiros para
plantar dirija-se a ra do Rangel venda n. 9.
I'recisa-se de un) pequeo para caixeiro de
loja de fazendas na cidade de Macei: a tratar na ra
da Cadeia do Rccilo, loja de fazendas, n. 54, de Joa-
quim Ribeiro Pontes. Na mesma se vende urna por-
gflo de laboas de louro de assoalho.
-~Na ra da Praia, n. 49, achs-so um rapaz por-
tuguez, que, tendo alguma platicado negocio de
venda, se propOe a ser caixeiro em alguma casa
deste ou do oulro qualquer negocio.
Precisa-se de dous cauoeiros com canoas pa-
ra deitarom diariamente areia na ra da Praia-
de-S -Rila, n. 25.
--Precisa-sede urna ama forra, ou captiva: na
ruadeHortas, n. 16. primeiro andar.
-Manoel Antonio Goncalves embarca para o Rio-
de-Janeiro o seu escravo Flix. .
Fr. Jolo Capislrano de Mondonga tem aherto
um curso de philosophia rhetorica e geograpl.ia
as pessoas que se propozorcm a estudar e
lorias o pdenlo procurar no convenio i
cisco, a qualquer hora.
--Como se ignora a moradia por isso se roga ao
Sr. doutor Scahra apparega no segundo andar do
sobrado por detrs da matriz do S.-Antonio.
Aluga-se a casa (errea nova na ra do Pilar, n.
7, envidragada, com quintal e cacimba o bous com-
modos, assini como o primeiro andar da casa da ra
da Guia, n. 17 : a tratar com o propric.tario, Anto-
nio Joaquim de Souza Ribeiro.
Os Srs. "quo oticommendaram mergulhos de
parreiras na ra do Roxario da Boa-Vista, n. 2, ve-
nham-os buscar, que seacham promptos.
Dao-se josooo is.de gratificacao,
e se pagiro todos as imis despe-
zasque se tenliatn feito, a quem
dr noticia do caboclinbo escra-
vo por nome Vicente de seis
nnnos, ponco mus oo menos, sec-
co do corpo; tem no anus dras fe-
lidas de bobas, e he om tanto le-
8t>, por ser novato nesta praca; le-
vou vestido camisa de algodao da
trra um tanto soja desenenmi-^
nhou-se da ra do Vigario, n. 2^.
aonde se poder dirigir a pessoa
roa da Cadeia
No dia 9 paraoamanhecer do dia foi ro,l~
hado "o armazem de Diogo Cocksholt & C, pe a
porta do Trapiche-Novo, temios rouhadores Icva.lo
porgHo de varias fazendas, constando do mailapo
loes, chitas, hamburgos, algodflozuilio Jiso, als;<-
dflozinho riscado, brim do linho de quadros : parle
las ditas fazendas fui apprenbendida om urna canoa
aberta, por detrs da ra da Praia, n pedo hecco do
Carioca : qualquer pessoa quo descobrir o resto des-
le roubo, pode denunciar ao Sr. subdelegado do lu-
gar onde so achar, ou no Trapiche-Novo, n. 1*.
I)-se azeite de carrapato de ven-
canada : na "ra
lagem
a i,i20 rs. a
Direita venda n. Ji.
Arrenda-se pelo lempo da festa um sitio na
malta da Torre, defronto do Sr. A. Carneiro, com
casa que conten 6 quartos, com desfruclo de porreo
deananazesabacaxis, planta de capim para dous
cavados ornis fructas a colher: os prelendentes diri-
se a praca da Boa-Visla, casa n. 6, ou a ra da
Santa-Cruz, n. 7*. c
-- O prolessor de inglez e francez do collegio S.-
Antonio d ligOes as ditas lingoascm casas parti-
culares: quem de seu prestimo se quizer ulilisar
diriia-se alojado livrosdo pateo do Collegio, n. 2.
--*- Aluga-se urna casa terrea no bairro de Santo -
Antonio que tenha bons commodos, assnn como
tambem um escravo : quem liver para alugar an-
nuncie, ou enlenda-se na rtia dos Tanoeiros, n. 5,
que se lhe dir quem precisa.
jol-ju! '... I '--------'sm-----------1hbmws
Compra.
-- Compra-se urna liteira em bom estado : na ra
estreita do Rnzario, n. 10, segundo andar.
Compram-se 2 moleques de 12 a 18 annos ;
duas pretas ou pardas que tenham habilidades :
na ra Nova n. 16, se dir quem compra.
Compra-se urna pedia d'ara e um calix doura-
do em bom uso i quem liver annuncio ou dirija-se
a ra dos Tanoeiros, n. 5, que se Iho dir quem pre-
cisa.
Vendas.
ma-
S.-Fran-
Lceria do Rio-de-Janeiro.
A os 20:000#000 de ris.
Na ra da Cadeia do Rccifc, loja de cambio de
Vieira, eslflo a venda bilhetes e meios ditos da lo-
tera a beneficio do thcatro de San-Pcdro-de-Ai-
cantara. Estes bilhetes vilo rubricados por Viei-
ra da Silva.
Na ra das Cruzes, sobrado de um andar, n.
29, se dir quem vonde urna cscrava moca, milito
sadia e robusta.
-----Verulem-se eneiles de troco de di-
versas cores para canecas de senlioias :
na luja de Maya hamos & C, ra Nova,
n. 6.
Na ra do Trapiche, n. 34, ar-
mazem de M. Berne!, vende*
se o se&uinle:
Salame fresco; presuntos de Weslphalia ; licores
superfinos e superiores a lodos quo teem chegado u-
licamente ; curavflo verdadeiro de Hollanda ; an-
chovis muito frescos ; absintho da verdadeira mar-
ca e kirschwasscr da .Suissa ; wermouth ; fructas
em ago'ardento ; conservas petitspois esardinhas;
dilas inglezas em vinagre : ludo isto chegado no ul-
imo navio da F.uropa : assim como todas asquali-
dadesdo vinhos, argo'xrdentes, conservas de carne,
ele ; charutos e muitos outios objeclos de superior
qualidade e por preco commodo".
___Vende-se urna casa terrea na ra Imperial ilc-
rronte do vivoiro, junio ao cbafariz, n. 55: quem
quizer cntenda-se na ra das Cmco-Ponlas, n. 73,
quo achara com quem tratar.
Vende-se um cavallo de cor russa, bom anda-
dor de baixo a esquipar: na ra Nova, n. 21.
AOS ESTUCANTES.
Vendc-se um jogo dos importantes diccionarios
inglezes de Vieira, formato grande c novos, pelo
commodo peco de 25,000 rs.; oCuarda-Livros, mo-
derno, por 7,000 rs. : no Allerro-da-Boa-Vista, loja
n 78
'.'vende-se um negro perito oflicial de sapateiro,
deidadodp 20 annos, e urna negra coznheira, cos-
lureira, lavadcira e engonimadeira, de idade de _-
annos pouco mais ou menos : na i ua estreita do Ro-
zarle, n. 43, secundo andar.
Vende-so um cabrinha de;i3 annos muito
esperto e sem achaques : na ra do Rangel, n. 36,
primeiro andar,
Charutos de Ilavana
em camnliasdc 100 cdo 250 ultimamenlc chega-
dos, vondem-se no armazem de Kalkmann & Ro-
senmund na ra da Cruz, n. 10.
\o ^terro-da-Boa-Vista, n. 1,
primeiro andar,
casa do modas francozas, vendem:se chapeos de
palha da Italia, muito alva o fina'; chales ( cinco
quartas ) do lila ; mantas do dita do muito bonitas
cores; merecarias para costuras dassenhoras, por
preqo commodo.
ESTAO'-SE ACAPANDO
as cassas do cores fixas, para vestido.a 240 rs. gj
o covado ; riscados francezes, de bons pa- ;p
drOes, a 160 rs. o-covado : na ra do Quei- |
mado, loja da casa amarolla, n. 29.
ll Ir
-y-"' "'!......." ''' '' v ''****
Vendem-se pegas do madapolio limpo com
20 varas a 2,500 rs. ; pegas docilitas escuras e de
cores lixas muito cnorpadas o fortes a 5,500 rs. ,
c a meia pataca a rulallio na ra estreita do Roza-
rio, n. 10, terceiro andar.
Na ra da S.-Cruz, venda it, 5,
vendo-se muito boa manteiga para bolos e tempei-
ros, pelo barato preco do 240 rs. a libra.
CANTIGAS DE PRESEPE.
Vendem-se versos para presepes a 320 rs. : na li-
vraria da praca da Independencia, ns. 6 e 8.
Vendem-se 4 lindos moleques de 18 a 20 an-
nos ; 5 pretos, sendo um olllcial de sapateiro, oulro
pedreiro o os outros proprios para todo o servico ;
dous pardos, um bom carreiro o o oulro proprio
para pagem de 16 a 18 annos ; duas pardas, urna
de20annos, com habilidades, e a outra de 12,
propria para ser educada ; 5 pretas do 20 a 30 an-
uos, com habilidades ; duas negrinhas de lt a 12
annos, com principios de habilidades: na ruado
Collegio n. 3, segundo andar, se dir quenT vende.
A saecas com bom millio : no
caes da Alandega, armazem
de Antonio Aunes.
-Vendem-se dous lindos moleques de 12 a 14 an-
nos ; 1 preto de 20 annos, de elegante figura ; dous
Jilos bem robustos, de nacflo e que silo ganhado-
resderua ; 1 mulalinho de 12 anuos; una negri-
nha de 12 annos ; 3 pelas de bonitas figuras com
habilidades; 3 partas bem mogas com habilida-
des : no palco da matriz do S.-Antonio, sobrado
n.4.
Vendem-se enfeite* de aljofares de
diversas cores, para cabera deserthora.
na ra dosQuarleis, boje larga do Roza-
rio, leja n 22.
Vende-se panno de linho muito lino ; vinho do
Porlo em pipas e barris de 4, 5, 6, 7 e 8 muito su-
perior ; coeiros do algodflo ; potSMS o cal virgem ,
em barricas grandes c pequeas; fecliaduras para
portas de armazem; pilulas da familia ; cadenas
de Jacaranda ; urna secretaria do bom gosto : ludo
por preco commodo : na ra do Vigario n. II, pri-
meiro andar.
! uperior oleado.
Vendem-se nieias pegas domis superior oleado
que tem viudo esle mercado a 3,000 rs. : na ra
do Qiicimado loja de chapeos, n. 38.
Cheguem, que eslose aca-
bando
- Vcmdem-se, no districto da ti ''Bs~.
ras, na provincia da Parahiba do NOT, tes'ierras propri.S para pitatfesde jlgodj*
cannas de assuca
do trra, denom
"".TtaVumaiVio com meia cgoa
nado-MegoInha-jumaiUocoj
urna engenhoca e casa de vivenda, dei.omii ^''-Ba
copari-, propria para dar cannas de assucar, quo
"-'do Joaquim do Reg Toscano Bnlo
do sitio Pao-d'Arco ; urna parle .^ erras
:annnbrava, muito propria para roducIo
sdeussucar, tendo proporgfles pan. se ie
foi do finado Joaquim do Reg Toscano
era pai le do sitio Pao-d"A/co; urna parle desle
no silio Cl
de raimas de assucar, teiiu.i i',"i""'--,;,
vantar um engenho ; urnas trras <*e'''"M'ar^
-Si.io-Novo-,cm Callabougo.com uma^casa Pran
de de vivenda, senzalla para escravos, pre P
encacar algodflo e outros pertenecs para'ff^_
Camentodo mes.no genero, que foramJJranc'b
co da Cunha Ribeiro: sflo propr.as para pUntaW
de algodflo, ou para enaguo de gados. Quem as
quizc comprar dirija-so naque la, vi la ao,capiWo
Eslevflo Joseda Rocha, ou na cidade da Parahiba, a
Jos l.uiz Peroira Lima.
Admirareis nava-
Ihasdeacodarjiina
que teem a vantagem do coi lar o cabello sem' oTen-
sa da pello, dallando a cara parecendo estar na
sua hrilhaiilc mocidade. .
Este agovem exclusivamente da China, oso nei-
le trabalham dous dos mellioraa e mais "al,sa^s
cutileiros da nunca excedida e rica cidado eie-
kim capital do imperio Cliiiia.-itiifor.SAan.
N. B. He reconhecido o uso deslas navalhas
maravilhosas por todas as sociodados das scien-
cias medico-cirurg.cas, tanto da Europa como da
America Asia e frica, nflo so para prevenir as mo-
loslias das cutis, mas tambem como um mcio cos-
mtico. i n
Vendem-se as verdadeiras so na ra larga do lio-
zario, n. 24.
>a ra do Crespo, loja n. Itt,
de Jos Joaquim da Silva
Haya,
vendem-so muito lindos chapos para meninas,
tanto de seda como de palhinha chegados ltima-
mente de Paris ; chapeos de seda para sennora ;
cortes do crambraia de seda do ricos gostos.por
prego muito commodo ; cortes de vostidos de cam-
braiaccassa-chitasdc difTerentes quahdades, por
pregos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle a 2,000 e2,500 rs. cada corte ; mantas o
seda e la para senhora, das mais modernas quo
leem vindo a esta praca, a 5,000 rs cada urna ;
inanias o chales de seda de varias qur'idadcs c Da-
ratos ; alpaca prcta a 800 e 1,600 r.. o covado ;
panno do linho, a 400 rs. a vara; can miras fran-
cozas elsticas para caigas a 5,000 rs o corle,
fnstOes; setinsc velludos para collele, por prego
muito em cotila ; bem como um sortimento ue ou-
tras muitas raaendas, que se vendem P' araio.
Casimiras clsticas c finas, a
7#000 rs.
Vendem-se superiores casimiras clsticas finas o
de cores, pelo baratissiino prego de 7,000 rs. o cor-
le decaiga. Esta Hienda lie recoinmendavel pea
sua qualidade tanto em fazenda como em gostoS ,
por.seren os mais modernos; casimiras pretas,
superior fazenda por seren mito linas a 2, 3 o
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, luja n. I.
17 da ra do
Na
loja tiiuuoro i? U na
Passeio-Publico,
ftsodos
m
m
Vende-se um bonito molecotc de
nos, do bonita ti gura, bom cozinheiro e
copeiio, ptimo pura qualquer casa es-
Irangcira. sem vicios nem achaques ; u- v(gi
ma niulaliiiha de 13 anuda,-com muito
bons principios de habilidades o que he
recolhida ; tres pelas muito mogas com
algumas habilidades, c que sabem vender
na ra : na ra do Vigario, n. 24 se
dir quem vende.
m
fK.
## c mmmmmm
que soolicr, ou
do Kccde, n.21
U CH \ PKS I.)B SUL ^
fwi. (lo 'asHeio-Ptiblico, n. 5.
Joflo Loubct participa ao rcspeitavel publico, que
receben, por estes ltimos navios francezes, um com-
pleto sprlimento do chapeos de sol, de seda, amis
rica c superior qualidade; finta-cores e outrss mui-
tas cotihecidas. tanto para homens, como para Sras
e meninos. No mesmoeslabelecimcnto ha^um sorti-
nienlo dcebaposile sol de paninho, dosliiais mo-
dernos dilos muito grandes, proprios para bomens
decampo: Umbe'm tom chapos de sol de paninho
para meninos c meninas, por serom muito finos: po-
dem-se chamar chapos de economa.'Na mesma loja
ha aorliinciilo do bengalas, bciigaliuhas e chicotes
muiton.ocleinos; cobre-sequalquerarmaeflo'le cha-
peos de sol, com sedas do todas as cOres c quahda-
des Na mesma casa ha um grande sortimento de
panninhos trancadus e lisos, imi^ndo seda, para
cobrir os meemos: desta fazenda se vende aretalho.
m
Vende-se um sobrado de umandarcom um
grande sotffo, muito bem construido, que rende
mcnsalmcnte 22,000 rs., e pode render mais, hvre
c desembarazado, por muito commodo proco, em
rasflo do seu dono se querer retirar para fora da
provincia : o dito sobrado he na ra do Anionm n
12 : a tratar na mosma ra, venda n. 17.
__Vende-se um presepecom caixa dourada, e
igualmente una mesa para o mesino, tambem don-
rada, cem assuaa competentes imagens, ludo do
muito bom goto o por prego muito e muito com-
modo : na Roa-Vista, na ra da Conceigio, n. 4.
Lotera do' Kio-de-Janeiro.
Vendem-se bilhetes o meios ditos do 23.* lotera
a beneficio dolheatrodo S.-Pedro : na ra da Ca-
deia, loja de cambio, n. 138, de Manoel Gomes da
Cunha e Silva.
MEZJIARIANOA 1,000 RS.
Vendo-se na livraria Ja praga da Independencia
1,280 rs., e
Aterro-da-
vendem-fie
. conlendo
vondem-se cortes do cambraia, do c.\res finas, com
i! c meia a 7 varas, a 2,210 o 2,560 rs.; ditas muito
linas, a :.l0 rs. a vara ; cortes las muito lindas prin-
cezinas, a 12,000 rs.; mantas de seda, muito ricas,
1 10,000 rs.; chales de seda, muito ricos, a 14,000 rs.;
chitas finas a 120,140,160, 180,200 e 240 rs., e milito
linas a 280 rs. ; hrins de linho de quadros elistras,
muito lindos padrees, a 640 rs. a vara ; lencos gran-
des de seda para grvala, c bons em qualidade,
1 >80 rs. ; mantas de seda para gravata de homem, a
>'o(ll) rs. ; cortes de colletc de lila e seda, a 320 rs. ;
ditos de fustflo, a500rs.; ditos de velludo de cO-
>s sapaloesde bezerro para homcm a
hengalinlias para passeio, a 320 rs. : no
Uoa-Visla loja 11. 78.
Para presepes.
No Alerro-da-Roa-Visla loja n. 78,
caixinhas com calungas para presepes
varios utensilios.
Vendem-se maulas
mui lindas a 2,000 rs. ; dando-sc noticia desta fa-
zende por se desejar prompta extraegao e na cei-
leza de que convidam-se aos compradores pelo seu
prego c qualidade : bem como acharan oulras mul-
las fazendas de bom gosto: na ra do Cabug, n. 16.
Remedio prodigioso para os
embriagados.
Este remedio torna-semui apreciavel por ser sua
composigflo mui simples, c nflo arruinar a saude do
individuo, fazendo-o aborrecer para sempre a be-
bida! Vonde-se na ra da Gloria, n.87.
Vciiile-sc urna linda negra com habilidades um
negro pega de 20 annos; um moleque de 12, urna
inulatinlia de 4 annos, e um mulequo de 7 annos,
por seu senhor se retirar i>ara fra : na ra da
Scnzalia-Velha, n. 110, se dir quem vende.
Vidros para espelho,
de varios tamaitos, vendem-se no armazem de
Kalkmann & Roscnmund, na ra da Cruz, n. 10.
Vende-se cal virgem em barris chegados pr-
ximamente de Lisboa, por prego mais barato do quo
om outra qualquer parto : na ra da Mooda, arma-
zem 11 17.
Vendc-se um sitio na estrada dos
AlTIictos, com boj casa de vivenda, de
pedia e cal, com solo, cozinha fra, es-
tribaria para um cavallo, muito bom po-
co, o rpial admittenora, todo cheio de ar-
voredos novos : a tratar na mesma estia-
res, a 3,000 rs.
; ditos de gorgurflo de seda de co-
ditos do gorgurilo de 13a eseda,
os raesmos, com toda a perfeigao e brevidado.
res, a 3,000 rs. ,....- ,--,-
1 000 rs longos brancos arrendados, para mao ae
senhora, a 210 rs.; chales de 18a da Escocia, a 2 560
r> ditos de Ifla com listras de seda, a 3,000 res ;
alpaca cor de caf, a 640 rs. o covado ; dita muito fi-
na pela, a 1,440rs. o covado ; pegas de madapolflo
muito linas, com quatro palmos, a 4,000 e 4,500 rs ;
cassa lisa a 240, 400, 480 c 560 rs. ; pegas de algo-
dfiozinho com'18 jardos, a 2,000 rs.; chales de cas-
sa escura, a 610 rs. ; merinos muito superiores, a
I 600 2,800, 3,200, 3,500 e 4,000 rs. o covado ; cor-
ts de cuita com dez covados, a 1,000 rs. ; ditos linos
com 10 ditos, a 1,800 rs.; dilos ditos com 14 ditos,
a 3 500 rs.; ditos le vestido de cassa com barra, a
5,000 rs o outros muitas fazendas por pregos com-
modos.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, 11. 11 A, de Raymun-
do Carlo Leite,
acha-so um novo sortimcnlo de |'nasnl?a<'
seda a 4,000 rs., tendo tambem de 2,000 10,000,
16.000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora, do trogal,
ultima moda em Lisboa ; mcias cruas n. 10 a 5#
rs. a duzia. ... .
__Vendo-se dina porgflo do canas de velas de car-
nauba .chegadas ltimamente do Aracaty no hiato
oro Otinda, conlendo cada caixa urna arroba ,
sendo 6e 8 em libra muito bem trabalhadas o
que os compradores podero ver da sua boa quali-
dade : vendem-se em porgflo, ou em caixa, por pre-
go commodo : na ra dol.ivramonto loja de fazen-
das, n. 45.
Deposito de vinagre da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, detrederico Chaves, no Ater-
ro-da-lioa-Vista, n. 17, onde se achara sempre
grande poreflo c por prego commodo.
Salsa-parrilha
do superior qualidade, chgada ha poucos das
pelo briguc-escuna aura vendc-se no artnazetn
i de Kalkamann & Rosenmund, na ra da Cruz, a. 10.
MUTILADO


W
t
a
\

.
4


- Vende-se nm lindo moleqne de 18 nnnns, com
officio de sapateiro milito esperto nara to lo o ser-
vico e mesmo para pagem por ser milito civilizado ,
e que nilo tem vicios nem achaques: o motivo por
alie se vende se ii ir ao comprador: na ra lana
o Rozario, n. 30, primeiro andar, das duas horas
da tarde pm diante.
Na ra de Agoas-Ver les, n. 46 vende-se urna
excellentn parda, mucama com ptimas habilida-
des.que se farlo ver aos compradores,e que tem boa
conducta ; urna ptima escrava lavadoira o quitan-
deira ; duas ditas ditas ; urna dita do bonita Usura ,
que faz todo o arranjo de urna casa ; um excellente
escravo pardo ptimo criado; um dito que tra-
balha mui bem de marcenoiro ; um bonito moleque
denacOrde 14annos; um dito de 18 annos; um
escravo de meia idade; um dito de naglo Angico ,
que faz todo o servico de casa o ra.
Vende-se um relogio ileouru sabonetn, pa-
tente inglez muilo bom regulador o que se afian-
ca por precn commodo : na ra Nova, luja n. 21.
Vende-se um moleque de 15 annos, que cozi-
nlia sofTiivelmente, c ho ptimo para todo o servico;I
urna preta co 19 a 20 anuos que cozinha engom-
ma e Uva perfoilamente : na ra da Cruz, n. 43.
Vondem-sechinelas rasas, iccentemeiite che-
Sadas do Porto : na ra da Cadeia-Velha n. 35, luja
o More ira.
Vendo-se urna preta da Costa': boa quitande-
ra : em Fra-de-Portas, ra do Pilar, n. 40,
Casa da F
na ra estrcita do Hozario, n. 6.
Neste estubelecimenlo acham-sea venda as bem
acreditadas cautelas da lotera do theatro publico
desta cidade, cujas rodas andam no da 16 Jo no-
vmhro. O cautclista espera que os seus freguezes
concorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
nasquaosseesperam boassorles, pela oxcellente es-
culla que se fez dos nmeros para serem divididos
em cautelas. A ellas que sito poucase boas. Precos
os do costume.
Vendem-se casaos de pombos milito bonitos ,
grandes, bons batedores o de ptima raga por pre-
co commodo : na ra da Florentina n. 16.
Cartas para volt-
pete,
as melhores o mais baratas ; vendem-.se na ra lar-
ga do Rozario n. 2*.
AGENCIA HA RJNDFCAO' DK LOW-MOOR.
Na ra da Senzalla-Nova n. 42, contina a haver
,i n completo sortimento de moendas e machinas de
vapor para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro batido ecoado de lodosos tamanilos ;
tudo por preco commodo.
Vende-se. ou troca-se por casas nesta praga, um
terreno com 412 palmos de frente c 150 do fundo ,
sito por detras do covento do ('.armo : a tratar com
o scu proprietario no Manguiiho, segundo sitio
depoisda capella de S.-Jos.
Na loja de Jos Wanoel Ifton-
leiro Braga na ra do Cres-
po n. 16, esquina que vira
|5ara a ra das Cruzes,
vendem-sc cooros de casimira bordados, o mais
rico que se podo fazer neste genero, em raso do
ser um novo bordado que se suppe n!io haver ou-
troigual; chapos da ultima moda, para senhoras
hales e mantas de seda ; o outras muitas fazenda;
linas : tudo do ultimo goslo.
Vende-se um sitio do trras proprias com va-
rios arvoredos de fruclo casa, hoa cacimba, no
lugar d'Agoa-Fria de Ueberibe; cujo sitio foi do fal-
lecido Jeronymo Jos Martins \ no pateo da igreja do
Pilar, do lado esquerdo, casa n. 181 ou no car-
lorio dos orphflos se far todo o negocio.
Xa lija nova da ra do Quei-
mado, u. II A, dcltaymun-
do Carlos Leite ,
acha-se um novo sortimentode pannos linos de todas
as cores e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda ; um completo sortimento de fazendas linas
e grossas, por preco mais barato do que em outra
qualquer parta.
Luvasde pellica.
Afianca-se as boas qualidades dcstas luvas. lia de
todas as cores tanto para homem cmo para se-
nhora. Vendem-sc mais em conta do que em nu-
tra qualquer parte. Na ra larga do Rozario, n. 24.
Ventlem-se cintillos da Ha'
vana : em casa de J. O. Elsler:
na ra da Cadeia-Velha, n. *9.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos linos n prova de
limflo preto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. e muilo fino, a 4,500 rs. Estes
pannossio novos e pela sua barate/a, atlcndendo
H.sua boa qualidade, tornam-sc recommendaveis.
.Na ra do Collegio, n. 1.
i ~ Vende-se urna armado de urna venda, com
os seus pertences 4 caixesenvidradlos 3 quar-
telas para deposito : tambem se vendem 6 cadeiras,
dnas bancas, urna cama de casal, um canap, una
roinmoda: tu-do de Jacaranda ecom pouco uso : na
esquina da ra das Flores venda n. 1.
Vendeei-se somentes de hortaliza de todas as
qualidades muito novas e chegadas prximamente
do Porto na barca kspirito-Santo, por preco commo-
do : na ra estreila do Rozario, venda n. 8.
-Vende-se urna canoa de um so pao, nova, e
muito bem construida, por preco commodo : na
ra da Praia, armazem n. 62.
Vende-se urna casa terrea na ra da Gloria
n. 114 : na ra da Alegra, n 5.
hT ra?,^96 "ma pre.u d0 40 annos lue cozi-
?,?n.' f"to servico de urna casa e vende na ra-
urna preta de 20 annos. de muito boa figura, qu
role mit l,Sm,,n' '' """ ?ar,la ,le 20 a,'"os X
Z >?>,?' umanp6nnhad eio annos, muito
linda ; 3 moleques de 10 annos : na ra do l'asso o
Ipjl, n. i9, se dir quem vende. *eio,
.1 .: .
Na loja de Joaquim Pereira Arantes na praca
da Independencia, ns 13 e (5 rocebeu-sa pelo ul-
timo navio vindo do Havre, um grande sortimento
"decalcado de todas as qualidades, sendo: horzo-
guins Raspeados e de ponta ; ditos meninos; sapatos de lustro para homem; sapalOe
le lito para homem e meninos ; ditos de, bezerro
para ditos ; sapatos de tapeto, panno e de marro-
quim, para homem esenhura ; ditos de lustro du
raque e setim, para senhora; ditos de marroquim e
le lustro, para mninas ; chiquitos de lustro, mar-
roquim, ira o lita e seda ; e outras muitas qualida-
des de calcados ; bem como perfumaras que serao
vendidas por commodo preco.
Belmiras.
Vendem-so superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora ,
pelo barato prego ile 4,500 e 5,003 rs. o corte. Esta
fazenda he nova e de muito sublimes gustos, sen-
do as suas cores mui a preda veis por seren cor de
lirio, rosa o peroia. A ciles antes que se ac bem.
Na ra do Collegio, loja n. 1.
--Vendo-so nmpretocrioulo', de20 annos, com
oflicio de pedreiro o qual veio do matto, para pa-
gamento e por isso vonde-se por preco commodo,
para ajuste do coritas : no Recife ra do Apollo
n. 23.
Vende-se um preto de 22 annos, sem vicios
nem defeitos ; um moinho do pudra, prompto de
seus pertences: na ra do Queimado, n. 40, se-
gundo andar.
Vende-se urna negrinha de 12 annos de boni-
ta figura : na ra do Calinga, loja da esquina jun-
to a botica do Sr. Joo Moreira.
Vende-se urna farda de guarda nacional, urna
barretina de pello com penacho um hirretio ,
nina banda de lila : tudo em ptimo estado : na ra
de Hurtas, n. 68.
Vendein-secaixas dech hysson, do 13 libras,
em porc/ies ou a reta I lio ; caixas de velas do es-
permaeetedc5e6em libra : na ra da Alfandcga-
Velha n. 36, em casa de Matheus Austio & C.
Cheguem, freguezes. ao anligo
barateiro do Passeio-Publi-
co lujas ns. O e 11, de Fir-
miano los Rodrigues Fer-
rara,
aonde a cha rilo ricos sortimentos de mantas de se-
da do melhrgosto ; cortes de gorgorito de seda ,
bordados c de quadros, Tazenda moderna ; lencos
de setim decores para grvala; mantas de garca,
mui lindas; superiores casimiras pretas elsticas;
flieia-casimiras de cores; lindos corles de lila e se-
da, de quadros o lislras, a 6,000 rs. cada corte;
cassa-ebitas de todos os gostos o padrOes que mui-
to agrada m, por seren de cores seguras, o a precos
de 280 o 320 rs o covado ; mantas de' fil de linho,
pelo barato preco de 3,000 rs ; brim trancado de
linho branco o. de cores; castores de bonitos pa-
dres; fustes finos de gostos; chitas muito finas
e de goslo moderno; e outras muilas fazendas de
goslo, que todis se vndenlo por procos quo muito
agradariio aos compradores Adverte-se que as
amostras do chita-cassas serflo francas.
perto, sem vicios pronrio para aprender qiialquer
oflicio ; um preto de 23 minos ptimo para Iraba-
lliar em armazem de assucar por ser bastante for-
te ; um dito de nac/o, bom ganhadnr de ra, e que
esta acoslumailo ao Irabalho do refinaQo ; um par-
do de 36 nios bom para tomar cont de um sitio,
por ser de boa conta ; um preto de 40 annos bom
emoeiro e ptimo ofilcial decanten ; um dito de 40
annos, por 200,000 rs. ; urna preta muito forte,
por 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili-
dades; duas pretas muilo mogas, que so pti-
mas quitandoiras ; duas ditas boas engommadeiras
ecozinheiras ; e outros escravos.
Lotera do Rio-de-Janeiro v a
beneficio do theatro de S.-
Pcdro de-Alcntara da corte
Vondem-se bilhetes desta lotera em casa de J.
0. Klster, na ra da Cadeia-Velha, n. 29.
Est a cliegar um casal de jumentos de raga
castclhana o qual seguir para o sul se nilo achar
de prompto comprador : quemo pretender quoira
tillar com antecedencia na ruada Cruz, n. 45,
em casa do Nascimento & Amorim.
Na loja da ra da Cadeia do
Recite, n. 5*2, de Claudino
Salvador Pereira Braga ,
vendem-se os mais modernos chapos oe massa ..
I'ranceze,, para homem, a 5,800 rs. ; ricos cortes!para casamento, a 15,000 rs.; sedas do duas largu-
de velludo-bordados para collete, a 5,500 rs. ; ri- ras brancas e de cores a 1,280 rs. o covado ; h-
gante mulaliiiha que engomma coso chito e fa,
todo o mais servico de urna casa; urna crioula mo
ca com habilidades que se di rilo ao comprador
na ra das Cruzes, n. 22, segundo andar.
Vende-se urna parda muito moca sadia e de
boa figura que cose, e usa boa, engomma e faz ren-
da e doces, por preco commodo : na ra do Ron-
gel, n. 26, primeiro andar.
Vendem-se superiores re-
des, proprias para tipoia: na na
do Queimado, loja da casa ama-
relia, n. 29.
Vende-se cha hysson de Lisboa muito supe-
rior a2,000,2,400 e 2,560 rs. a libra; farinha de
aramia, a 240 rs. a libra ; manteiga ingleza, muito
superior a 960 rs.; caf a 1*0 rs.; bolachinha in-
gleza a 360 rs.; aletria, a 400 rs. ; vinho engarra-
fado no porto, muito superior e velbo a 640 rs. a
garrafa ; dito, a 480 rs.; presunto do Porto, muito
bom a 440 rs. a libra ; e todos os mais goneros por
proco commbdo : na venda da ra do Rozario es-
treita que faz esquina para o Carino.
Destas pecbnchas s apparc-
ecm ta loja do nich > !
Na esquina do Livramento, loja do nicho, ven-
dem-se cortes de sotim branco lavrado, proprios
Pota 88a a
Vendc-se" a verdadeira e superior po-
tassa da Russia a mais nova que existe
no mercado : na ra da Cadeia do Kcci-
fe,-armazem n. 12, de Bailar & Oliveira.
DEPOSITO DE CaLVIBGEM.
Na ra do Trapiche n. 17, ha sem-
pre cal virgem de Lisboa, em harria pe-
queos, e ltimamente cliegada mui-
lo superior e por preco rasoavel.
Vende-se um preto carreiro, anda moco e
muito robusto ; urna preta propria para trabalhar
deenxada ,por ser mudo robusta ou para vender
na ra por ja ter pratica disso : vendem-se por ne-
cessidade : nn rna de S.-llita, n. 44.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de Kaymun-
(lo Carlos Leite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de linho do Poro as pecas
sito de 18 varas e meia ; dito do 25 varas, a 600 rs. ;
guardanapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte, propria para colletes .jaqueles o etc., tecido
de seda e linho ; mcias de linho as mais finas quo
leem vindo ao mercado.
AO BOM GOSTO P \RA A FES-
TA DO NATAL.
Na nova loja do Pasvcio-Pu
buco, u. 19, de Manuel Joa-
quim Pa^coal Ramos ,
vendem-se cortes de casimira franceza, a 3,000 rs. ;
brins de quadros e de lislras, a 1,200 rs. a vara ; di-
to branco de puro linho a 1,600 rs.; mantas de se-
da de bonitos padrOes a 9,000 rs. ; chales de seda ,
a 2,500 c 8,000 rs.; panno lino preto, a 5,000 rs. ;
dito azul, a 4,500 rs.; chapeos de sol, de seda preta
e ile cores a 7,500 rs.; lencos de seda para grvala,
a 840 e 420 rs. ; ditos, a 1,440 e 1,600 rs. ; ditos le
relroz da ultima moda para senhora, a 3,200 rs. ;
corles de cumbraia a 3,000 rs ; dita, a 800 rs. o
covado; chitas muito linas, a 280 320 e 400 re;
riscados francezes do bonitos padres, a 200 rs. o
covado; esguiilo muito fino, a 2,000 rs. a vara; bre-
tanha fina, a 800 e 1,000 rs.; sarja preta hespanhola,
a 2,000 rs.; setim preto, a 1,000 rs. o covado.
Vendem se escravos muito haratos, pa-
ra se iiquidarem contas desle anno, na
ra das Larangeiras, n. 14, segundo
andar:
tres lindos moleques do 14 a 16 annos ; um dito
com principios de sapatoiro e quo entende de pa-
daria; um lindo mulatinho de 11 annos, muito ea-
cos e elegantes cortes de cambraia de soda, de lin-
dsimos padres a 7,500 rs.; lindas c delicadas
maulas bordadas.de setim edegorgurao.para grava-
tas a 2,00( rs.; casimiras finas e elsticas a
1,900 rs. o covado; ditas de quadros, multo en-
corpadas a 1,600 rs. ; ditas ordinarias, a 1,000 rs. ;
ditas melhores, a 1,280 rs. ; sarja de seda preta fina,
a 1,500 rs. o covado; chapos do Chl.a 1,800, 3,500
e 6,000 rs.; chapeos de sol, de seda, para homem,
a 6,000 rs.; cortes de cambraia de cores e de todas
ns diversidades, a 3,500 e 3,800 rs. ; lencos de se-
da paraalgibera.a 1,200,1,520, 1,760, 2,000 e
2,240 rs. ; ditos de sedado cores para grvalas, a
1,700 rs. ; ditos de setim macau de coros o degor-
gurio,de3 pontas, a 1,900 rs e de qualro, a
3,800 rs.; ditos de seda com franjas para senhora,
a 2,700 c 3,200 rs. ; ditos de seda preta, de tres
pontas, para homem a 600 rs.; e outras muitas
I.
fazendas por preco commodo.
Na loja de Manoel Joaquim
Pascual Ramos, no Passeio-
P ubi ico, n. 19,
vendem-se cortes do cambraia alegra a 2,000 rs.,
o o covado a 240 rs. de padres e cores as mais
lindas que teem apparecido.
O BARATEIRO.
Ra nova loja da ra do Cres-
po ao p do arco de S-An-
lonio n.4, de Ricardo Jos
de FreitMS Ribeiro,
vendem-so chapeos de creps para senhora a 4/
rs. ; ditos do seda, os mais modernos quo teem vjn-
do, a 12,000 rs.; os mais modernos chapos de
massa francezes para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimento de cambraiascscocezase cassas suis-
sas de varios gostos, tendo orna vara de largura,
o do cores muilo fixas a 320 rs. o covado; cortes
de fuslilo de gosto moderno, e de cores fixas a 800
rs. ; muito ricos chales de seda muito superiores e
grandes, a 12,000 rs.; chales de garc tecidos com
listras de seda muito lindos a 3,200 rs. cada um ;
um novo o rico sortimento do lencos do seda o de se-
tim lavrado decores muito lindas, a 2,000 e 2,500
rs. inteiros; ricas mantas para grvalas do ho-
mem com ricos lavres a 2,000 rs. isto he pe-
chincha ; cortes degorgurilo de seda para collete ,
muito ricos.a 3,500 rs. Igualmente ha um sortimento
de chitas finas e de .cores fixas, a 120 o 240 rs. ;
covado; cortes de cassa de cores fixas a 2,560 e
3,000 rs, ; ditos de cambraia branca o de cores
para bailes de 4,800 al 7,000 rs.
CRRA DO RIO-DE-JANEIRO E DE LISBOA.
Vende-so completo sortimento mais barato do que
em parte alguma, pof liquidacilo : na ruada Sen-
zalla-Velhn, armazem, n. 110.
Vende-se cera de carnauba, de muito boa qua-
lidade, tanto a relalho como em porco : na ra
das Larangeiras 11. 14, segundo andar.
-Venciere, por 3:500,000 rs.,
um sobrdinho de dous andares,
que rende 336,000 rs. por anno:
t IraUr na ra do Crespo, com
Jos Joaquim da Silva Maya.
Aos Sr*. pliarmaccuticos de
bom goslo.
Chegaram livraria da ra da Cadeia-Velha
cadinhos de lindos gustos com listras de seda, a
360 rs.; chitas francezas de duas larguras, a 320
rs. o covado ;hales de lita o soda a 3,000 rs.; di-
tos delgada e seda a 2,000; lencos gran les da
mosma qualidade a 1,000 rs.; cortes de cassa de
bonitos gostos a 2,000'e 2,800 rs., o muito supe-
rior fazenda a 3,500 e 4,01)0 rs.; mantas para se-
nhora a 1,000 rs.; ditas de setim do cores para ho,-
moni; e outras muitas fazendas novas para a festa.'
Vende-so urna canoa de carreira, para con-
dcelo de familia nova, aborta e pintada : a tra-
tar com Joaquim Antonio Rodrigues, na ra do
Brum.
Escravos Fgidos.
Fugio, no dia 12 do corrente um pardo, de
nome Leandro anda moco bastante osperto ;
tem os denles limados eos pes apalhetatos; lovou
calcas de riscado azul camisa de algoiiiiozinho
de mangas curtas, bonete de panno preto: quem o
pegar leve-o ao Aterro-da-Doa-Visla, padara n. 66,
que sor recompensado.
Ainda esta fgido, desde a noite de sabbado ,
29 do agosto de 1846, o molecote Francisco ; repr-
senla 18 annos; olhos grandes, beic/is grossos, na-
riz chato denles limados ; sempre muito alegre;
apezar do ser de naco falla como crioulo por ter
vindo pequono; levou camisa de algodSoznho
trancado, calcas de zuarte azul suspensorios do
meia de cor jaqueta do panno verdo rolanuco-
tovello esquerdo, chapeo de palha e mais urna
trouxa com o resto de sua roupa; foi visto para o
lado dosAfogados, das depoisda sua fuga. Este
escravo pertenceao Sr. Francisco l.ourenco da Fon-
seca do Rio-Grande-do-Sul, e se achava j des-
pachado e com passaporle da polica para embar-
car. ()fferecem-se 50,000 rs degrntificacioaquemo
prendere levar a ra da Scnzalla-Velha, n. 110,
casa de Alvos Vianna.
Auseutou-sc, na noite do dia 8 do corrente, o
escravo llerculano; de cor tito fula que parece cabra,
cabeca pequea, cabello ralo, olhos pequeos
corpogrosso, pouca barba estatura regular; lem
una cicatriz no hombro esquerdo, que pode ter 3 a
4 pollegadas de coniprimento; cosluma embebe-
dar-se e neste caso se intlula por llerculano Jos
dos Santos Tranca-Rua ; levou camisa e calcas de
algodflo trancado azul, e algumas camisas de ma-
dapolSo : quem o pegar leve-o a cidade de Olinda,
na ra da Boa-Ho:a a seu senhor, Jos Ferreira
Mari ribo.
Fugio, no dia 10 de setombro do corrente anno
urna escrava do gento, de nome Isabel, de esta-
tura regular, bstanlo beicuda, ventas arregacadas,
com um calombo as costas signal de sua Ierra;
levou vestido de chita preta desbotada e panno da
Costa : quem a pegar leve-a a ra de Moras, n. 123,
que ser recompensado.
DAO'-SE 100,000 RS. DE CRATIFICACAO.
Fugio, ou foi furtado, cm 27 de setembro de 1844,
um moleque, de nome Carlos, devendo ter boje
15 para 16 anuos robusto e cheio do corpo, com
urna helida no canto do ollio direilo e com urna
marca de ferro perto do peilo direilo,que parece ser
AF, e contra-marca por baixo destas lettras,que nflo
se pode bem distinguir : falla anda muilo pouco ,
por isso com estes siguaes bem fcil he de ser co-
nhecidado. Roga-so a todas as autoridades c capi-
tites de campo que o apprehendam e tragam a esta
lypographia, que recbenlo 100,000 rs. do gralili-
c~ac<1o o se. pagarlo todas as despezas.
Ausentou-se, ha dias, da casa de seu senhor o
escravo Joilo pardo trigueiro de 15 a 17 annos ,
cara grande, olhos regulares, bons denles; bem
conhocido por andar l'requentcmente fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a seu senhor Luiz Go-
n. 31 lindas colleccOes completas de letroiro ara mes l-crreira que recompensara generosamente.
vidrose potes de botica conlendo 695 botutos, im-
picssosem bom papel de cor, lustrosos e superio-
res em qualidade aos que veom do Londres. Im-
pressos no Ro-de-Janeiro na lythographia do com-
mercio.
Vendem-se libras de relroz preto o azul-fer-
rete do prmeira qualidade da fabrica do Siqueira;
caixinhascomagulhas inglezas sorlidas em tama-
nbos das mais superiores que leem viudo a este
mercado : na praca da Independencia, loja de miu-
dezas, n. 4.
,'T, Vendem-se chapeos francezes da ultima moda ;
?tcrtesde calcas ducasi.niras elsticas, de qua-
dros e listras muito bonitos padres; corles de
cassa de cores dos mais modernos que ha no merca-
do : ludo por menos preco do que cm outra qual-
quer loja: na ra do Queimado, loja da casa ama-
rolla, n 29.
Vende-se una negrinha costureira o rendeira ;
uni mulatinhosapaleiio proprio para pagem : ha
ra larga do Rozario, n. 35, loja de niiudezus, se di-
r quem vende em cunta.
- Vendem-se6 escravos sendo: 4 de 13, 16,
Fugio, no dia 18 de oulubro prximo passado,
dociigenho Antas, cm .Scriiibem um preto de
nacflo Cacango de nome Joaquim estatura baixa ,
de bom corpo ; tem os beicos grossos or pernas ar-
queadas ; qiiandoanda he compressa; teni os ps
largos ; ignora-se algum outro signal; lovou cami-
sa e ceroulas de algodiozinho ; foi encontrado no
engenho Soccorro de JaboalOo, quando se encami-
nhava para o Recife: quem o pegar leve-o ao dito en-
genho Antas, ou a ra da Cadeia do Recife, ao
cscriptorio de Manoel C.oiiQuIves da Silva, quesera
recompensado-
ERRATA.
No mappa do movimenlo do hospital de carida-
de, publicado em o n. 257, pagina segunda, lindas
51 amantte lea-so amaurme ; linhas 75.', 2, 2,
1, ; leVse 2, 2, ~ ; liulias 105.", ioiio
la-se iodc ; liiihan 106, hidrocolc lea-so hidrocelei.
18 e 22 annos de bonitas figuras proprios para o I
servico de campo, ou da praca; urna boulaecle -M <
'UN.: Ml TVl'. DE M. F. DS FAHU. 1-847.
r


Auno de 1847.
Segunda (eir 15 de No venturo
DE
PERNAMBUCO.
(son os auspicios da sociedade commercial.)
. A
t
N. 46. y t 4



Sulwcreve-se na Praoa da Independencia, loja de livros n. 6 e 8, por iasooo ris por anuo, pagos adiantados.
PKEOS COR RENTES DA PRACA (Corregido Sabbadojas 3 horas da tarde.)
>
B
I

c
O
m
t s
jij
dJt
o
' *
es
f.
C
1 3
SJS8.U
5 a j o o
.i I'O"
I
JS -a
3 ^s'-f*"
ni
ar. ce a < >pa.
2 <
o
l.T
< 2.a -3 -
Cp fe O > g
o
S g
PEP
2.". i s s I s i *

cj- <
2
*"5
J a i
' = r c c o o c o 5 -"= o o o c c o
-OCOO .->n40 w .4 c* ~------ ^
2 S _;
o So 1 .
: = J
S22s22 g5SfS2Sg2S|S=||5 S
- c ?* ~

-2 k-2 a
SS2
L. (B
-ffl
o S

"21
'2<
o o
. as
cocoooooooooooooo
# ftMN.N - ____. ----1---------- T _T~_ ^ ~ ^' ^ -4 > ^- ^ ^ e e


a.
I !8a 8a 1*4 3e 1 a I I
1 2 j
2 3
a .a s a p
O* '
i 8
i a i ;3a
ce
ovooooooooooo

Ib

V


.


()
I
*
KXPORTACAO.
EXPOKfS.
Aguantante Cazara -
Algodo I sorle- -
.2. ......
Assucar branco em caixas -
a ni.im iv i -1 i
para l'HllMII'll'.i mi Cll-
iaccar, 1 jr .iii-.i -
mascavadu -
hi*auco novo, |> irfi en:-
harricar ou e isaccar i"
Couros seceos salgados. -
Meios ilo sola ------
(".lilil. da trra -
" do I i in i -i nuil' -
i
Hun ------
Colln I. qualily -
J. ...
Silgar in cales while -
brown .
i lor barris or Hags
while I
l>rowu. -
Dry salted bids -
Taune bids -
Ox-liorns -
POR
M'iioii 4SJUIKI
. OJJOO Pipa.
i fi 01) Arroba.
900
80 I j. Ierro
2j3o jjtno
1 J4')l>
2J72U SiSI.II Arroba.
IM Libra.
JJDxV IIii ni.
3#.nm Ce ii lo.
20(11111 4 500
CAMBIOS.
Londres..........................-8 d. por If rs. a 80 da.
Lisboa..................... 10 i<*por cerno premio, por metal ellcluado
Franca........................,. ri por franco.
Itio de Janeiro.................. I"""
PKAi'A.niuda................... I920 a 1/M.O
Plcoes Brazileiros........ I460 a i ORO
i) Pesos Columoarios......... l>40 I460
Uilos Mexicanos........... Ij7li a I|f78ii
OTJHO. Moedas de6400 Velhas ... 16/1"" a .I6,}t00
Ditas ditas novas... rCOOf, a tUf 100
DitasdeiOOO............ Bll'O a BjJnO
a' Duras llCSpaubolu........?H|J.I>0 a 200fl
> Dita Patriticas .. ....... 28,>"0fl a 28*500
Letras....................... VPor "'Oaomez
F KISTES.
ASSUCAII.
Liverpool...............Cuas i. 10'
Canal, portos IngleZes...... iti (.16
Cito, diluetilrerlaiiili.e Havre. Dito
llenura.................Saceos 5 Voininaes.
Uaulhurgn Cdl\aS............... 2. Ifl
Dalticu........................
Trieste................. Caitas f 2. 10
listados-Unidos... '..... ..'..
Portugal....................... 100 a IM
"'""i"........................ t0 *
" Com 5 %
Con '/,
fon, l(i"/
algodo.
Portugal............i...... 600 por
Franca.-... ..-.....:....... 0 por
. _. --------- .
Inglaterra...............,.
liarceloiia,...............
jj seni priinagem nomina I
)e 10 p./" aocamli. de iGOplr nominal.
ll ld e 5p. 7 de primagein,
400 ris
COUROS.
I nglaterra Seceos..........
Franca............
Kstaitof. Unidos.....
............. por tonelada e & por cenlo, noir.i nal. \|
............. 70 li ancos |K>r toneladas, com 10 p. centn \l
........... N'"o lia.
j*p:k:e?s t/
Ua da II de Nnvemhro de ISH 3.-n .liante pagarn 00 p._c.o rape ou taba.cn
em p, os charutos ou cigarros, o fumo ew cito ou em folln.


Hagar 40 p. c. as alcatifas ou tapetes, o canltamacd ordinario on grosspria, as
Palancas de qiinlquer qnalidade, e rniipa feita, nao especilicada na tarifa, asearlas pa-
ra |Ogar, as escovas de cabo de m irlim, o fogn da Cbina em Carlas, ou qualquer ou-
ln>logo de artilicio, o papel piulado, prateado, ou dolirado, sendo le qualidade
linas, o papel pintado par ferrar' salas em collecroes ou paizagens, o papel de Hol-
.in.li, imperial, ou nutro nao cspccilicado na tarifa plvora, os sahnneles, o sabo,
eul frascos ou latas, MJOiS, em cabla, ou em espirito, o chocolate de cacao ordinario,
o vinagre, os carrinlios, carruagens ou caixas, jogos, rodas, arreios para nina e ou-
l"a cousa as esleirs para forrar casas, os carros para couduzir gente, os sociaves,
a sillioes, os areieiros e tiuteiro* de |K>rcelaua, c qualquer objecto de louca nao com-
preliendido ua tarifa; os lustres, os clices para licor ou vinbo de vidro liso ordina-
rio, os de vidro moldado ordin trio lavradj) ou moldado, e lavrado ordinario da Alle-
iimilia e seineltiantes os de vidro liso moldado ou lavrado, de fundo corlado ou liso,
0 n molde ou livor ordinario ; os clices para Champauhe ou cervrja, as canecas,
copos direilos de I a I em quartilbo, as garrafas de vidro al I quartilbo ou mais,
unido todos estes ubjectos de ns. le! as garrafas de vidro prcta* ou escuras da
aesiila capacidade, coiuprcheiididas as que scrvein para licores ou T,e-Hoy ; os copos
J mi i ilu'i .ms al lima callada, os frascos de vidru ordinario com rollias do incsnto
t 3 libras ou mais ou seui rolda at 2 libras ou mais, ns de lioca larga Com rolhas
do inesuio, ale 4 libras ou mais, ou sem rollia para opodeldoc os vidros para a-
e upadas ou caudeiros, as taimas ou folhas'de mogno ou outra madeira lina, e Iras-
cos de qualquer madeira.
Pagaro 25 p. c. o ac, alcatro, zinco em barra ou em folba, cbumliocni barra
OU lenroi, OBlaabo <"" liarra ou em verguinba, ferro em bal ra verguinua, cbapa u
Imanados para fundicao, folba de Flandres, galba de Alepo, lata em folbas, lalo em
cuapa, inarbm, salitre, vime, bacalbo, peixe pao, e qualquer nutro, secco ou sal-
gado ; bolacha, carne secca ou de sabnonra, berva-doce, farinha de trigo, pellicas
branca ou pintadas, cordoves ou cortes de liezerro para calcado, bezerros e romos
eiiveruizados, couros de poren ou boi, salgados ou seceos sola clara para sapateiro
o ii conten o, conre e caparrosa.
d^qualquer naco, que sobrecarregnr os geucros brasileiros de maior direilo, que
iguaes de oulra uaco.
Os artigos nao especificados na pauta pago o ilreilo ad valorem sobre a factura
apresentada pelo despachante: podeudo potm ser un pugnados ppr qualqurr oflicial
da Alfandega, que em tal caso paga o impone iIh factura ou valor, eos direilos.
Ao caso de duvida sobre a classilicarn da meicadnria, pode a parte requerer
arbitramento para designar a qualidade e valor da pauta, que Ihe compete.
Snisentas de diieitos as machinas, inda nao usadas no lugar, em que forera
i m|Hii tadas,
EXPORTACAO 'H direilos pagSo-se sobre a avaliaco de urna paula sema-
nal na razo seguintei asnear io |i c. Algodo, caf, e fumo 12 p c. Agoar-
dente. eolitos, e todos < mais gneros 7 pe. Alem destes direilos pagSo- te at
laxas de 160 rs. em cada caixa, de 4n is, em Cada lecho, de 20 rs. e.u cada barrica,
ou saceos de astucar, e de 40 rs em cada sacca de algodo. .
Couros e todos os mais gneros sao livres de direilos par os porto do Imperio, a
excepeo do algodo, assucar. caf, e fun'o que pagan 3p.ee as laxas por volunte*
Os metaes preciosos em barra pago de direilos 2 p c. obre o valor do mer-
cado, e a prata e o ouro amoedado nacional ou eslraugeiro paga nicamente '/a p. c.
Us escravos exportados pago 6^000 |>or cada un.
DKSI'EZiA DO -POHTO As embarcares nacionae, ou. eslrangeiras, que
navego para fora do Imperio, pago 00 rs de a,ncoragem por tonelada : e a
lacionaes, que navego cutre os diversos portos do Brasil 9C rs. As que entraren
_m lastro e saliirem com. carga e vice-versa, pagaro meiade do impostosiipra e uin
terco as que entrarein, esahirein em lastro; e mesino as que entrarem por franqua,
ou escala, quer entrem em lastro, quer com carga Desta imposiro poini ferio
isenlasas queimpoilareminais de 100 Colonos I ira neos, e asquee nlraorem poi arribada
forrada, enm tanto que rstas nao carreguem. ou descarregliem s mente os genero
necessarios para pagamento dos repaios, que lizerem.
Pagaro 10 p c. os litros, manpas e globos geograpbicos, inslruinenlos matbc-
inaticos, de phvsica ou chiniica, crtes de vestidos de velludos ou damascos, borda-
dos ae prata ououro fino ; retroz ou trocal, e cabello para calielleireiro.
Pagaro V p c. o canutilbo, cordo de ho, espiguilba, fieira, los, franjas, ga*
lo de lio ou palbela, lanlijoiilas, palheta. rendas, cadarros e lodoso mais objec-
tos desta natureza, sendo de ouro e prata lina,
Paga' S p. c. o Carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobra e
uteusis de prata,
Paear 4 p. c. as joias deouro ou prata, ou quaesquer obras d ouro.
Pagaro 2 p. c. os diamantes e outras pedras preciosas solas semeotes, plan-
tas e raras novasde animaes uteis.
I'ai-ai ..o o p. c. lodas os mais objectos
Os^eneros reexportados ou baldeados pago I p. c. de dir tos ah-m da'armaze-
iag:in; e o despachante presta fiancaata apprnvarn desta medida pelaAssrm-
blea Geral,
Qmcedem-se livres |de armazenagens, por I 5 dias, as mercadorias de Ksliva, e
dnus mezes as oulras ; e lindos estes prazos, pagaro '/._, p. c. ao mez do reipcc]
to valor.
Os direilos dasfazendas, que pago por vara, dere entenderle vara quadrada.'
Os direilos nao podem ser augmentados dentro do anno linaoceiro ; majo (in-
vern peder mandar pagar em moeda de ouro ou prata urna vigsima parte das que
lorem maiores de 6 e mennres de 50 p. c. dos preros das mercadorias, ou irtesnio
diminuilos, segundo ihe parecer.
OGoverno esta aulorisado a estaheleoer um direilo differenci! sbreos geneor
REVISTA SEMANAL.
CA IWO.S. Trantacces regulares durante a semana a 28 d.por IgOnO, a no
t 9H dias.
ALGODO F.nliro apenas 35D saccas, e precos aos quotados.
ASSUCAII \ ELIJO. O deposito be multo leiinlido tinto em caixas como cm
saceos e barricas: precos os quotados.
DITO NOVO.--'As entradas esta semana foro maiores do que as da pastada,
e as vendas tem coutinusdo a precos altos.
COUROS SALG .DOS. Contini'io a ser oflerecidos.
FAB1NHA E TRIGO. Ciega rao tres carregamentos ds Esta.-ios-Unidos,
dos quaes hum dtscairegou parle da carga e segu para o Sul, c os oulros dois eslo
emncscargaainda: vendas aos presos quotados.
ItACALHAO. CbegrSo cinco carregamentos di Terra->ova esta semana, dos
quaes dois seguiro paran Sil: dos tres que ficsro o primfiro diz-se ter sido vendido
a cerca de 12,100, o segundo de 11,500, e o lerceiro de 10,500 barricas. O deposi-
to clual !ie de 6:400 barricas.
CAANE DE CHARQUE Vendas reglales sos precos quotidos, sendo o
leposito actual de i.5,000 arrobas.
Resumo das Embarcacei existentes nese porto no da 13 di Novembro'ie IR47.
Austraca.
Americanas
Hiasileiraa.......................................................... ,*
......................'".'"'".'V....V...'.;."."./.'..!.'..' *
.............................V.. ........... *
......... ,!:::.*................................
Inglezas...
Pottuguezas
Saidas....
Total
4
A Provincia goza tranquilidad*


' (5)
LISTA das Embarcages existentes neste porto at o da 13 de Novembro de 1847.
I

rNTRADAS.
Uutubro !
Fevereiio II
1847 Julho
SlKlill"


Uulubro
Outubro
\| f
3

DONDE VKM.
Norembro
Uulubro 27
Outubro 15
Novembro 7
8
. IJ
Juibo
Uulubro
Uulubro
Selembro 29
3J
Uutubrg &
Norembro '2
Lirerpool.
Raitimnre
PliUaddphia
Rio Grande do S.
II10 re Janeiro.
Rio Grande do S.
B
Rio de Janeiro-
Baha.
Sao Miguel
Aracly.
Rin He Janhifd.
Balda.
Rabia.
RoGrandndoS.

Rio de Janeiro,
llalli*
Buenos-Ayres.
Rabia
"lioGrande do S.
Maranho.
Ceani
Ar cali
Celia.
Mnceii.
Terra-> ova
Pono.
Lisboa.
Liidioa.
Pi lo.
Kijjucir i
Marsella.
Cardim
Ricbmoud.
Madeira
CiSCO
polaca.
barca
bi l|ue
brigue.
patacho
brigue
patacho
brigue
liiat
brigue
sumaca.
palacbo

bri!ue.
sumaca
palacbo
brille
barca.
brigue

hrig-esc.
patacho
lale
polaca.
escuna,
escuna
brigue
escuna
brigue.
barca.
brigue.
barca
brigue
Eolac i
rea.
polaca,
brigue
nacaO.
A'isir
Amer.
ilra7.il
Frnc
lugl.
Pon.
bardo
NONES.
AbdelKader.
Mary Theresa
Luis
Paquete de Periiainbuco
Viajante
Argos
Fmiliana
I) Pedro II
Roa-Viagem
Espiri'o-Santo.
Carlota.
Dous d'Agosto
Uliveira
Minerva.
Maicill.
S. Mara Ko Sorle
llnm Je sin.
Fiordo Angelim
Domo.
Cnnfanca.
Firmeza.
Independenle
Dos te Guarde
Laura.
fjaurenlina
!Vovo Oliiida
Heliopos.
Desfondes
llarriet
< "\-nii-i
Mary
Mara Feliz.
Tejo
Novo VencedoT.
!'.pililo*mi o
Prinnvel-.
Constante
Washinglon.
Roza
Tergesteo
TONS.
200
;25t
isa
i un
4s
187
120
40
an
200
84
184
182
MI
189
222
221
021
I6G
208
254
|M
134
163
110
8G
180
14.1
J.
2lC
83
180
3l2
16?
308
18?
218
230
207
141
MBSTRB.
Lucca Lidela
I. He Cooke
W,n. Nortb
Joo Goncalves Rocha
Antonio Josde Araujo.
Manoel Alves Marque>
Valenlim Ribeiio
M J. Monteiro Viauna
Jos Anionin.de Soma.
Alerandre Jos Al'ts.
Antonio Luiz '-ornes Urna.
Joio Antonio d Sim^sa.
Jof Das Correia da Silva.
Antonio Hibeiro dos Santos.
Ji'Slino Anlo io .'a Silva.
Jos Joaqun! Das dos P.
Pelro Jos de Salles.
Hernardino de Souza.
los (jielano Vieira da Silva
A ntonio Baptista d Uliveira
(laicizo JoadeSanta Anua.
F. P^rrira Dulra.
Mahopl Jos d'Azctedo.
K. F da Silva Santos
Ant. Germano das Neves
Antonio Jos Yauna
Lacrnix.
'I.ilip Rlampied.
Wm. Wilfiams
V/m Go'davvortl .
S. Me. Dorudd.
Lurenco Fernandes da C
Silverio Manoel I s Ueis.
Manoel Jos Pinto.
Antonio Ferreira l.eilr-J.
Rodrigo Joaquim Correia.
B. Romagueira
A. Copula
Joo Baptista Prev.
I.. Demouresis
CONSIGNATARIOS.
James Ryder & C.
C- G. Ferreira 8t C.
Matheus Austiu & C.
Leopoldo Jos do Costa A.
Atnorim Irmos.
Amorini Irmos
a
loo Francisco da Cruz
los Luiz de Souza.
Finnino Jos Feli da Roza.
A mor i n 11 mimos.
A mui-iin Irmos
.loo Vaz d'Oliveira.
Francisco Aireada Cunha.
GuailinoAgostioho de Barros.
Aniorim Irmos.
Guadino Agoslinho de Barres
Luiz Jos de Sa A ra'jo.
G. Agoslinho de Barros.
A un" un Irmos
G andino Agoslinbo de Barros.
Manoel Alves Guerra.
Jos Pereira da Cunda.
Novaei S C.
I.oureuro Jos das Neves
Joo da Silva Santos
Regor S Caucauos.
krislophres i Oonaldson.
James Cralili ce S C.
ii a
Me Calrront G.
A. J. de Souza Ribeiro.
Uliveira Irmos S C.
Thomas de A quino Fonceca.
Francisco Alves da Cunha.
A. Joaquim du Souza Hibeiro,
l.enoir Puget & C.
Joaquim lluptisia Moreira.
l.enoir Pugel S 0.
Uliveira limaos A' C,
DKST1NO.
Trieste.
Rio Graude do Sul.
Rio I', i .ni.le dn Sn|.
Baha.
Rio Grande do Sul.
Cear.

Maraiilro.
Babia no da lC
\rr. I i.i ilus.
v I
Porto.
Lisboa.
Porto.
Genova.
AIretar.
Genova
.. ,'f
Pernambuco na Typograpbia de M. F. de Fara 1847.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EESUSO33Y_U2AF8V INGEST_TIME 2013-04-26T22:33:02Z PACKAGE AA00011611_08565
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES