Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08562


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1847.
Quinta-fetra 41
O >/.*//0:puMic-je todos oj dial que nio
rem iln guardi t o prero d atsign.t'ur*' he da
4|00* rs.poi quaflel, prtffot adianladns. Os an-
noncins ilo assigninte* s!. inserido .i rns.ode
IP f>. pnrlinlin, tn rs. >n lyp dillei-enle, e as
repelicoei pila metude. Os que po fu'em asig-
nante* pagaio 80 rs por linda, e I BU em lypo
diflercnte, porcada publica;.'
PHASES OA LA NO MF.Z. DE NOVEMBRO.
I.ua ora, a i, aos 42 minutos de manha.
desente a Ib. l Mra.se 66 min.d. laidt.
La cheia a M. s 7 boiM e 46 inm. da lanfe.
M pgoaote a 28, 4 boras e 2 ntin. da Urde.
PARTID*. DOS CORREIOS.
Uoienna eParahibas secundas e sextas fein
Rio-tirande-do- Norte quintas feirasao meio-dia
Clir>. Serinhem, llio-Kormoso, Porto-Calvo e
Macelo, no I.*, a II e H de cada me/..
GarnilHios e Monilo, a 8 e 33.
Roa-ViaU e Flores, alie 18.
Victoria, s quintas-feiras.
Oljnda, todos os dias.
PREAMAR DE HOJE.
l'rimeira, i Segunda, s 7 horas e 18 minutos da Urde.
--
DIARIO
re Xovembro. Anno XXIV.
N. 258.
das da semana.
8 Seg. S. Severiaoo. Aud. do', dos orph.
edoJ. doc da I T. edoJ. M. da 7 v.
9 Terra. S. Theodoro. Aud do I .lo civ da I.
v. e do !. de paz. do 5. disl de t.
10 Quarta. S. An.lr Avellino. Aud. do ). do
civ. da 7. v. e do J. He paz do 2. dist. de t.
11 Quinta. 8, larliiilio. Aud do i. He orph.
e doJ. municipal Ha t. vara.
12 Sexta. S. Martinhn Aud do h do civ. da I.
v.e do J. He paado I. disl de t.
3 Sabliado. S Eugeoio Aud. doJ. do civ.
da I. v. e do .1 de pul do t dist. de t.
It Domingo. O Patrocinio de Nona Ssnhora.
CAMBIOS NO DA 10 DE NOVEMBRO.
Sol>re Londres a 18 d "por 1*000 rs. a 80 dias.
Puris 360 rs. por franco.
IjIsI'O 105 a 110 de premio.
Desc. de lettras Ai: Iwas firm-s i I a \\\ '/, ao m.
duroOirs l-espanholas....8#io.i a 7SjfB0O
Modas de O .00 velh. 16*100 a I6200
de6f)0i'nov.. io#noo a lOi/infi
de *0 Prata Pataces.......... I#980 r|N0
Pesos columnares... IJH40 1J960
Ditos mexicanos.... i78na l|80ll
Miuda............. I|280 a l#280
ccesdacomp. do HeberibedeSOfOOOrs.aopar.
MAMBUCO.
_j-------m.t*



EXTERIOR.

CORRIENTES.
PBOCI.*M6.
O governador e afpitfio-general da provincia ao
povo correntino.
Em voha osgotatlo o governo. as suas frgas pa-
ra segurara paz c tranquillidade no solo de Corri-
entes ; em vilo ha Lineado inflo dos recursos de
urna ptilica-franca e leal, e tingando tim veo sobre
recordaefles amargas ; ludo ha sido intil : persua-
soes, discussfles, rasOos, nada ha si.lo escutado se-
nflo a submisslo cegado um povo livre, sem pesar
os sacrificios heroicos que custa a Corrientes a sua
independencia
Porm, so o governo nflo poupou mcio algum para
obter uin resultado fivoravel, jamis pensou man-
char sua patria con) urna servil humiliacHo ; o assim
como ha sido infatigavel para obter a paz, nfo omit-
lir sacrificio algum para a defesa dos direitos da
independencia queso pretende sulfurar.
Compatriotas.' O governo do Entre-Rios, arras-
tado por um fatal devor, nflo pode apreciar quanlo
vale a amlzade do povo correntino, e insensata-
mente trablha para preparar sua ruina, sem des-
culpar, nem com leves protestos, sua imprudente
conducta. Ameaga-se do novo a nossa patria oom
* temeraria a I ej vos a : voai em sua defesa, e encon-
trareis sem pro puro o sem mancha o estandarte da
liberdade que defendis.
Chefes, offlciaes o soldados doexcrcito, largaio
arado e toma i a langa : he clmgado o momento : a
patria reclama de novo o auxilio de seus filhos, e
nflo ser digno do nome correntino aquclle quo nfo
cobrir com seu peito o sanctuario que ha jurado
defonder : voai, e encontrareis a vosso lado o vosso
governador ecoenpanheiro,
Joaquim Madariaga.
Quartel-general no Oratorio de Rolon, 28 dojulho
de 18*7.
Patria, liberdade, constilugao.
MOMIO.
O governador o capiSo-gcnerai da provincia.
Quartel-general no Oratorio de Rolon, 30 do
julho de 1847.
Considerando que a defesa da provincia, prxima
a ser invadida, reclama immcdiata rcuniiio do exer-
ci lo decreta :
Art. 1." Todos os chefes eofliciaes da provincia,
queniloestflo incluidos as forgas alistadas nos de-
partamentos, se aprcsentarSo neste campo parase
Ihcs dar o destino conveniente.
Art. 2." Os confna ndantes respectivos dos depar-
tanienlos licam encarregados da execugflo desle de-
creto. Madariaga,
[Do Jornal do Commerci:)
-
INTERIOR..
NOTICIAS DE PETUOprUS.
PETR0IJS, 2* DE 0UTURPO, 9 HORAS DA MANHAA.
SS. MM. II. eSS. AA., acompanhados dos minis-
tros de estado, presidente da provincia e varias pes-
soas da corle, embarcaran) no da 22 no caes da
igreginha de San-Chrislovflo SS. MM. e comitiva
inm no vapor Estrella, frotado companbia de nave-
gacfln do rio Inbomerini. Seguiam Estrella o va-
por. Venus, com urna banda de msica a bordo, e o
Santa-Cruz, em que iam o 8r. Todd, ministro ame-
ricano, sua familia, varias sonhoras e estrangeiros.
A' liora e meia da tarde alracou a Estrella ao caes
do Sr. Velloso, na barra do rio luhonierim. SS. MM.
foramrocebidospeloSr. Velloso, quesollou vivas a
ex.-a! ,,*Arv;?srt*.>inBSRi
J7r,r"
SS. MM. e familia imperial. A'sduas horas servio-
se um magnifico jantar.
SS. MM. seguirn) viagem rio cima as i horas, e
chegaram a Estrella s 5 1/2 da tarde. No torrelo
levantado no lugar do desembarque foram receidos
pelos vereadores da.cmara municipal, sustenlanto
as varias do pallio. Formava no largo aguarda na-
cional, commandada pelo Sr. commendador Albino
Jos d Siqueira.
SS. MM. demoraram-so pouco lempo no torrero ;
enibrcaram as carruagens, e, passando debaixo do
arco levantado pela guarda nacional, seguirn) para
a fabrica da plvora, onde chegaram s 6 horas e
meia sem novidado. A entrada desle eslabelccimcn-
lo as oflicinas e casas adjacentes estavam Ilumi-
nadas. ,
Ao chegar, S-A-' sentio-sc incommodada o lan-
cou abundantemente. Adormecen, porm, alguns
momentos depois, e desappareceu esto incommodo
passageiro. .
SS. MM. e AA. sahiram liontom as 7 horas da ma-
ndria da fabrica, pela serra nova, em direcefto a l'o-
Iropolis. O Imperador e a linpcratnz e sua comitiva
vencern) oaltoem urna hora, o all foram recibi-
dos por um grande numero do colonos e pelo direc-
tor actual da colonia, tenenle-coronel Pimentel.
Dcz minutos depois so apearan) SS. MM. na casa do
majorKoeler. superintendente da imperial fazenda,
onde vem residir. No alto da serra c em varias par-
tes da estrada se linham levantado arcos do folha-
len. I inmenso numero do colonos o mais habitan-
tes do Petropolis esperavam porSS. MM. ao redor de
sua residencia e*os victoriaram na sua chegada.
SS AA. II. gastaran) 3 horas o meia na sua jorna-
da ; vieram de liteira e se acham de poifcita sainle.
S. M. a Imperatri/., depois do jantar, sabio a pe e
acompanhada smento polo seu veadqr, mordomo,
medico e suas damas. I.evou as pi incezas a passear
pelas ras de Petropolis apinbadas de povo.
S. M. o Imperador sabio as 8 horas da nolte com
seus camarista c guarda roupa, e percorreu a p ns
ruasprincipaes a ver as illuminagoes. O povo reco-
nheceu S. M., e prorompeu nos mais cnlhusasticos
VIVAS
Hojesf. horas da manhfa sabio S. M. o Impera-
dora cavallo, acompanhado pelos seus camarista e
cuarda-roupa, pelo presidente da provincia e mais
essoasdosua comitiva; percorreu o arraia! eos
quarteires de Nassau, da Mosella o do Ingelheim,
rccolhndo-s s 8 horas O superintendente leve
ordein do acompanharS. M. neste passeio, e deu-lbe
lodosas informacOos que a miudo Iho pedio sobre a
colonia, sobro as planlacOcs esobre os individuos.
Os colonos apresenlarai'n ao Imperador amostras das
diversas qualidades de batatas, de liuho, avea, cen-
teioelrigo.cS. M. parecen alisfcilo com o que vio.
Causou em l'etr.opoliso niai.n cnlbusiasmo a che-
gada de SS. MM. c'aa oicmpo tem sido ravoravel,
che mais que provavcl que a preciosa SBde das
pnncezas brasiloiras se restalielcca c l'orlifique bre-
ve neste clima sanio.
25 do outubro, s 10 horas da manhfla.
SS. MM. e AA. II. continan! a passar perreitamen-
te be ni.
Hontem noito apresentaram os colonos allcmfles,
em obsequio a SS. MM., um espectculo usado em
Allemanha e.pouco conhecido no Brasil.
No morro denominado to Cruzeiro, fronteiro re-
sidencia imperial, levantaran) e illuuinainm urna
cruz, o s oito horas da imite, do meio do matto v-
zinbo da cruz surgi de repente urna procissio de
400 colonos, levando lachos accesos as mijos. A
procissfio desceu o morro em ziguezagues e veio for-
mar um grupo ardente em frente da residencia im-
perial, onde com liecnca de S. M. cantou-sc um hym-
no em alleinfn.
S. M. mandn pelas 9 horas agradecer aos Alle-
miiose convida-los a rclirarem-se para suas casas.
Ileje domaubfia percorVeu S. M. a Rhenania infe-
rior e exaininou o imperial engenho de serrar.
mmmS&mimisi 'ni'sniirrifr n ais^wjis^,v^ifcw*v^-
Depois do almogo, oceupou-se S. M. com o seu
mordomo e ordenou-lhe varias mudancas na dis-
tribuido interiof'llo palscio.
OSr. presidente da provincia retirou-se boje para
Nitheroy.
26 do outubro, 9 horas da manhfla.
SS. MM. II. oSS. AA. continan) a passar com per-
feita sade, o j comecam a.sentir oseffeitos do cli-
ma benfico de Pelropois. O lempo tem estado
constantemente ravoravel. Do da tem feto algum
calor por estar o sol descoberto ; mas as madruga-
das, tardes e noitesteem sido frescas, direi mesmo
fras. Honlum tardiuha foram SS. MM. II. passear a
cavallo. Pcrcorreram os quartoirOes do palatinato
inferior e superior, o aceitaram con inefavel bon-
dade os ramal beles de flores que os colonos se a-
pressaram a ofVortar-lhes. SS. MM. mostraram-se sa-
tisfeilos com o estado rural da colonia, e notaran) o
aspecto sadio e ar prazenteiro dos colonos em geral,
e principalmente as rosadas races das criangas.
O reverendo padre Weber tevo a honra de tocar
piano e harpa dianle do Imperador. S. M. mandou-o
para a mesa de estado durante a sua residencia em
Peliopolis, o urdenou que so melborasse a sorte que
por contrato foito na Europa coube a eslo digno sa-
cerdote.
Hoje demanhfia foi o Imperador visilaro palacio e
suas dependencias, c notou a solidez easseio da o-
bra. Em seguida subi S. M. ao alto do belvoder o
gozou da excellenle vista daquelle sitio.
O superintendente tem acompanhado a S. M. em
todas as suasdigressus.
(Jornal do Commtrcio.)
CttftMEftCIO.
PERNAiYIRuCO.
EI.EITORES DA FREC.DEZIA DO RIO-FORMOSO, SE-
GUNDO A APURACA FEITA SOR A PRESIDENCIA
DO JL'IZ DE PAZ MAIS VOTADO.
OS SENHOUES.
VOTOS.
694
693
692
fi9l
(i!0
690
685
682
682
681
680
679
677
676
675
675
674
674
674
673
673
672
672
16
il
13
19
40
36-
3t
27
23
16
\I\CE\ZA (*)
pon, m&mz& mi'iisfsip^saia
VIII.
UM IMPORTUNO
, A ferida do barflo de GijfitZen era pequea, o cica-
Irisou em pouco lempo. Entilo nflo exitou elle mais
em se aprnveilar do convite quo recobra do mar-
ques de Casiano.. O velbo republicano, satisreito do
encontrar naquollc a quem era tilo obrigado um hu-
men) d'uma posigfio o nomo distinctos, o acolheu
com una pulidez o solicilude particular. Vinccnza
niiii podia occultar a sua legua. Nunca ella parece-
r mais brilbaute e mais amavcl aos olhos do barflo
namorado..... Senlia clin nina perlurbagffo 6 felici-
dade iiideliniveis, por se adiar junto della. Colluea-
d(> entre Lucia e Vinccnza no vflo de urna janella,
enlregava-se a toda a ori ginaluladc do seu espirito ;
e as deliciosas pantomimas da encantadora Vinccn-
za pinlavam-lhe aos olhos o profundo amor que ello
llie inspirara.....O barflo, sobo poder desse olhar de
inulher, rormava mil piojectos futuros, quado a
(*(,-Vide Diurio u,' 253.
porta do salfio so abri com estrepito.....Ncssa noi-
le, dava o marquez do Casiano um baile, e os convi-
dados j alfluiam no salfio do entrada.
O barfio de Goetzen olhava com pezaf em torno
de si para essai salas ha pouco desertas, mas que se
enchiam de momento a momento; Lucia se hayiare-
lirado;e o barfio exprima a Vincenza.n'uma lingoa-
gem apaixonada, quanlo ello amaldigoava essa mul-
tidfio vida de a vir admirar, e (|ue so ia collocar
entre fila elle. No cntauto, mettia-o Vinccnza a
bulla em um tom meio do rir meio serio, a respeito
da sua falta de coragem, quado o conde Ruggferi
appnreceu na sala. Vincenza estremeceu ; o por um
movimento involuntario se apartou do barfio. Quan-
lo a este, tornara-se-lhe o rosto lvido,de paludo que
j ostava : pareca petrificado. Comtudo, tal per-
turbagffo durou tanto como um relmpago; ooso-
cego toruou-lhe a apparecei* rpido as reiges. O
conde, vista doeslrangeiro, deu.um passopara tras,
e parou de espanto, como se acabasse de rccoiibocer
o seu rival. Mas o marquez de Casiano, foi em pes-
sna cncontra-lo, e o morlificou com perguntas para
saber a causa da sua uzencia. Porque o conde nflo
se tinha apresentado em casa do marquez havia j
muitosdias.
Ilem pouco fsltou para quo eu nunca mais c
viesse, rcspoudeu o conde..... Ao menos, assim o
determinara Mateo. .
t O quo diz o seohor? 1 exclamaran) ao mesmo
lempo o marquez e Lucia que se haviam approxi-
mado.
O conde Ruggieri contou que tinha sido atacado
alguns dias antes: cilouahora, o lugar, e insisti
com urna intencSb conducida as menores circuuis-
1 Tenenle-coronel Jos Antonio Lopes
2 ii I.uiz de Caldas l.ins
3 Major Manuel Heniique Wanderley
4 Manocl Antonio Maitins Percira
5 elemento da Rocha Wanderley
u Joaquim Francisco Deniz
7 Manuel de lanos lienrique Wanderley
8 Joflo Antonio da Costa e Silva
LOIz do Franca Rodrigues Ramos
10 Antonio Mondes Ramos
11 l'nheiro da Palma
i> Manoel do Mondonga o Silva
13 Antonio dos Sanios Vital
14 Jos Ignacio dos Santos
15 Padre Juno Comes de Olivoira
16 Manoel Mendos llandeira
17 l'ilippo Nory da Silva
18 Jofu CbrisostomoCavalcanti d'Albuquerque
19 Cuilhcrmc Cavalcanti d'Albuquerque
20 Antonio da Rocha Wanderley
21 Joaquim Feitoza de Araujo Cavalcanti
22 I.uiz de Macedo Lima
23 Francisco de Paula Cavalcanti
SUPPLENTES.
1 Manoel da Silva Rilieiro
2 Padre los Ignacio da Silva
3 Manuel Meudes Wanderley Jnior
4 Tiloma llandeira Jo Faria
5-Jos Albino de Mello f.usinilo
6 Antonio Luis do Rogo
7 Antonio Congalves de Macedo
8 Carlos Jos de Alexandria
9 Manoel I.uiz do Nascimento
10 Joflo Damasceno o Silva
H Ignacio Francisco da Silva 7
12 Joflo Francisco Branco 4
tancias..... Mas recusu obstinadamente dizer a que
accidento devia a sua salvagfo.
V. emquanto elle falla va, havia-se formado um
grupo un) redor para o ouvir. Foi bstanlo o nome
de Maleu para apagar a alegra oin todos os coragOes.
So o barflo de CoiHzcu alfocta va nflo se nteressar pe-
la narragfio, o se havia approxi.na.lo niuilas vezos
do Vincen/a para a convidar a ser a primuira que
dansasso.
A Italia do norte, nesta poca, e particularmente
o territorio veueziano, ora assolado por tuna asso-
ciagflo du malfeilores, que, sob o pretexto de re-
sent montos polticos, commetiam toda a especio do
ladroeiras A finura desla gonlo em evitar as pes-
quisas da polica ; o seu numero, e a habilidade do
chele, designado pelo nomo de Mateo, era um llag-
lo veidadeiramcnlo tomivel. O cuidado que clles ti-
nham om nao toular senflo oxpedigOos importantes
o om nflo alocar sonflo as pessoas e prupriedades do
novo governo, cobria as violencias desses malfeito-
ret com urna mascara menos odiosa. Esta lctica ti-
nha al,n disso a duplicada vatilagcm de Ibes oiTe-
rucor relances do fui luna mais cuusideraveis, o an-
da cu cima a quasi corteza de impunidade, pelas
synipailiias que apparccian, e militas vozes mesmo
a protecgfio utlicaz do povo. Em vflo oscorcavain
por todas as partes ; de balde se redobravam os es-
Torgos eosar,liz para os sorprender; ellesdosli-
savam, por assim dizer, por entre os dedos dos seos
iniuijgos ; dcsapparocondo por Iras das arvores, ou
siibinergindo-so do reponte debaixu da trra, sem
dcixar signal algum de si.
Quado o conde Ruggieri acabou a narragfio do
quu llie tinha acontecido, a quat produzio na assem-
Alfantlega.
MSNOIMENTQDO DA 10............11:749,662
Ihicarregam h'je, II de novembro.
Rrigue Cyntltia bacalho.
Escuna Uarriel ide ni.
IMI'ORTAGAO'.
Ilelem-M.-'eider, barca amoricana, vnda deBal-
limoro, entrada ueste moz, consignada a L. C. Fer-
reira & C, manirostoii o seguinte :
1:748 barricas o 20) meias ditas familia de trigo ;
aos consignatarios.
Cinthia briguo ingle/., viudo de Terra-Nova, en-
trado ueste moz, consignado a Jamos Crablree & C,
manifesloii o seguinto :
2 800 barricas de bacillnio; aos consignatarios.
Hurriet, escuna inglc/.a, viuda de Terra-Nova, en-
trada ueste moz, consignada a Jamos Ciabtroo & C.f
inaiiifestuu o seguinte.
1:713 barricas de bacalho : aos consignatarios.
Consulado.
RENDIMENTO DO VIA 10.
Diversas provincias.
651.458
23,207
674,665
.llovinieiilo do Porto.
A'oPl'n mirado nn da 10.
Macei ; 4 dias, barca ingleza Golden-Fkece, de 312
toneladas, capitflo James Palethorpe, equipagom
16, carga algodio ; a Russell Mellors& Compa-
nbia.
A'erios sahidos no mesmo da.
Portos do norte; vapor brasiloiro Imperador, coni-
mandante o primeiro lenle Joaquim Saiom lia-
mos do Azevedo. -- Alm dos passageiros que
trouxe dos portos do sul para os do norto leva a
seu bordo : para o Ccar, o leiiente-cordnel I.uiz
Antonio Favilln com sua lamla o 2 esclavos, Joa-
quim Francisco Baptisla de Mello Oxal com sua
familia cdous escravos :para o.Maranbflo, Frede-
rco Beasley, Inglez; Martinua Hoger, Dinamar-
quez.
Rabia ; briguo ingle/. Eurydice, capitflo Archibald
lrown, carga a mesina q^ue trouxe.
Liverpool; barca ingleza Ooldea-Fleece, capitflo Ja-
mos Palethorpe, carga a mesma que trouxe.
Rio-de-Janeiro; barca americana Atlen-fl.-Fielder,
capitflo llenry William Willis, carga parte da que
trouxe.
""""edtaI ___
Miguel Jrchanjo Jlonteiro de ndrade o/ficial da im-
perial ordem da Rosa, cavalleiro da de Chritlo e ins-
pector da alfandega de l'ernambuco, por S. Af. o
Imperador, que Dos IJuarde, etc.
Faz sabor que no dia 12 do corrento, ao meio-dia,
e na porta da alfandega, se hflo de arrematar 10
barricas com milito al pista, no valor de 100,000 rs.,
impugnadas pelo ijudantc dos conferentes exter-
nos, Caetano Pinto de Veras, no despanho por fac-
tura de Regord c Caucannas : sendo dita arremata-
gao subjeila ao pagamento do* direitos.
Alfandega, 10 de novembro de 1847.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
'Hiiw.gn asmase
Mea a maior emogflo, langou novamenlo os olhos
prescrutadoies sobre o barflo, como seoaecusasse
ainda mais do que a Mateo desta emboscada. O mar-
quez de Castao, vendo com que obstinagflo o conde
Ruggieri olhava para o barflo de Goetzen, chegou-se
pava elle soi rindo.
Tranquillise-se mcu Cioso Iho disse elle bsl-
xinbo. Meu charo conde, acerescontou elleem voz
alta, depois de ter foito um signal ao barflo para se
approximar, o Sr. barflo he o libertador generoso
do qual eu llietcnho fallado.....
O seittior barflo nflo me he estranho, respon-
deuoconde com urna polidez contrafeita; ha al-
guns dias que nos vimos.
Talvcz no Corso i1.....com efleito, julgo lem-
brar-me,.....disse o barflo.
He verdade ; ealcm disso.....Nflo se lembra.....
A' noito por mar.....
He possivel, soulior conde, gosto partigular-
menle dos passcios por mar, e claridade melanc-
lica da la.
Estas ualavras foram ditas com um tal accento de
bonhomia, que o conde temeu por um momento o
tur confiado com lacilidade no lestemunho dos seus
olhos. Voltou-so para Vincenza, que, nflo podando
supportar semclhaule olhar, licou perturbada e sa-
bio. Esta circunstancia restituid ao conde Ruggieri
toda, a energa da sua convicgflo. Urna ideia (xa o
preoceupava. Conhoceii elle que, tifio obstante a sua
apparente Iranquillldado, o barflo procurava todos
os ineios para si' sublrahir a um interrogatorio mais
longo, o sobre ludo a especie de exaine tcito que
elle sofTria. Os olhos prescruladores db joven conde
o incomuiodavain visivelmcule; u at acabou por
H*-
y


%
|
m



1
"I
i%
"*
^W^i
P"

I





I
-
*
Declarare.
PACAOORIA MILITAR.
Por determinaclo do F.jm. Sr. presidente, de 4 do
presente iwz, manda om consequencia o Sr. coro-
nel commissario-nagador annunciar que se arrema-
tara 'vn hasta publica parante esta pagadura mili-
tar, no dia 13 do crrenle pelas 10 horas do dia, as
pegas de fardamento pertcriccnte au extinelo bata-
jhflo de infinlaria da guarda nacional deslaca coniinandodo tcncnlc-coronel Antonio l.ins Calilas,
que se ncham rocolhidas no arsenal de guerra, hem
como as do fardamento da respectiva msica, cons-
tantes da relagflo abaixo transcripta. As pessoas, a
quein tal arramatagflo convier, podoriTo dirigir-sc
ao referido arsenal de guerra, para examinar as
mencionadas pegas de fardamento, conformo nutra
ordcmdeS. Ex., de 6 desle mesmo mez. Pagadoria-
milltar de l'ernamliuco. 8 de novombio de 1847.
No impedimento do escrivflo,
Joo Arcenio Burbotu.
RF.LACA das pecas de fardamento pertencnle ao'ex-
tinvtu batalhilo de infantera da guarda na-
cional destacada do commnndo do
sciente que a peca Castigo da Prepotencia fica
transferida para 23 de dovombro do corrente mez.
Piiblira^flo Luterana.
Sabio a luz, e acha-se a venda na botica da ra
da Cadeia Velha do Recite, n. 3, o romance origi-
nal Nossa Senhora nos Guararapbs--, om dous
volumes, prego 4:000 re.
O autor que mui cordialmento ama l'ernambuco ,
esla bella provincia, que to generosamente o ac-
colhcu na sua desgraga, por um esforgo, om vor-
dade superior ao sen talento, avoqturou a sua pri-
meira producgflo litteraria ueste genero, dedicandn-
aa objeclos pernambucanos. Oassumpto era digno
depenna mais aparaila ; porm, so olla o nflodes-
creven, como elle pedia, servir o menos de in-
centivo n outras para mcllior n Iratarem.
O autor uno pede indulgencia; antes conta ees-
pera que osjudiciosos crticos o advirtjn, para que
possa corrigir as niuitas inadvertencias, de que,
como est convencido, ha de abundar este soutra-
balho : mo se ufana olle de romancista, nflo ; por-
quanto conhecc que para o ser lhe falta, alrh do
genio sublime, a somma de
anda nflo vistas pelos seus freguezes : hoje, 11 do
corrente, s 10 horas da manhila no seu armazem
da ra da Cruz.
Avisos diversos*
. a somma de materiaes para isso
indispensaveis. Sera tachado de emprehendedor ou-
tenenle- i n(]0| e com rasno. nflo 0 desconhoce : mas, se o seu
coronel Antn, f.ws Calda*, que se ucham .llimo hnpellca laes empiezas, tamben est dis-
rtcothidus no arsenal de guerra, bem como posto a receber o merecido castigo da cordata cri-
da do fardamento da respectiva msica.
Fardas rompridas-------------------------------------109
Barretinas-----------------------------------------------256
Dragonas promplas-----------------------------------254
Jaqus de panno fino---------------------------------143
Caigas Bonetes de panno-------------------------------------124
Grvalas com atacas-----------------------------------115
Pares de polainas de brim----------------------------126
Capotes de panno azul------------------------------137
llandas do l.a------------------------------------------ 7
Pares de dragonas para segundos sargenlos e
furricis-------------------------------------------------
Hito de dita para brigada ovago-mestre--------
Barretinas de pello para inferiores----------
10
1
II
l tnOAMI \ni DA MSICA.
Barretina de pello prompla para o mestre 1
Ditas ile dito promptas-------------------------------- 16
Turbantes promptos-......-....... 2
Ditos de selim------------------------------------------- 2
Pares de dragonas........--...... 19
Dito de ditas para o mestre------------------------- 1
lutos de hrozeguins de marrnquim....... 2
Pardas rompridas de panno lino bordadas 20
Itoiipoes de panno lino encarnado------------------ 2
l'aixas de retroz de dito----------------...... 19
Ditas de setim com franjas-------,------------------ 2
A". II. Todas as pegas de farda metilo foram rc-
rolliiilas cm mao estado. Arsenal de guerra, 27 de
setembro de 1844. Manoel Peregrino da Silva, al-
mocharife.
Conforme. No .impedimento doesciivflo, Joo
Arcenio Barbosa.
tica dos sabios, e mesmo dos entendidos e da des-
temperada maledicencia daquclles quo criticam til-
do e de ludo.
Recife, 22 de outubro de 1847.
Bernardina 1 reir de Figueiredo Abreu 1 Castro.
\ Visos tuanittios.
CONSULADO DE PORTUGAL.
A chanccllaila do consulado foi transferida da ca-
sa 11. 7 da ra da Cruz para o segundo andar da casa
n. I da inesma ra.
Agencia da companhia brasileird de paquetes a vapor.
O escnplorio desla agencia foi mudado para a ca-
sa ti. 1 da ra da Cruz.
Contratosi a celebrarem-se om a thesouraria das rendas
prorinciaes.
O do establecimento de urna linha de mnibus,
que, na furnia da lei provincial 11. 191, de 30 do
margo ultimo, facilite o transito desla cidade para
qualqucr dos seus arrubaldes e para Olinda.Recc-
her-sc-liflo propostas todos os dias, al que se vc-
I fique o contrato.
0 da eonslrucgflo de una barrelra na estada do
imite, cujas despezas se acliam orgadas cm 1:732,200
1 '--Os concurrentes a esse contrato devem do com-
parecer na secretaria da prcdila thesouraria a 19 des-
le mez, ao meio-dia.
THEATKO PUBLICO.
BENEFICIO 1)0 PONTO.
SABBAIIQ, 13 DO CBRENTE,
reprcsctilar-se-ha a tnuito linda e desejada pega
Mara da' Ion te,
a qual lindar com excel lentes cantorias edangas, e
I cun o bullanle pantomima
O RECRUTAMENTO NA AI.UEIA.
Para a Babia seguir, impreterivelincnte na sc-
gunda-feira de tarde. 15 do corrente, o hiale Nooo-
Olinda, por ter a sua carga engajada : recebe, po-
rm, alguma carga niiuda o propria de convez. Os
pretendentes se onlenderfio com o mostr, Antonio
Jos Viaiina, no Trapiche-Novo.
--O lirigue Paqule-de-Prnambuco saho para o
Rio-Grandc-do-Sul segunda-feira, 15 ifo corrente
lem asseiados commodos para passageiros c rece-
be escravos a fele :quem pretender qualqucr das
cousas entenda-so com Leopoldo Jos da Costa
Araujo na ra da Moda, n. 7.
Para o Rio-Crande-do-Siil subir breve o pata-
cho Emiliana, o qual pode receber alguma carga
miuda, o escravos a frete-: queni pretender enten-
da-secom Amorim Irmflos na ra da Cadeia, n. 45.
Para a Babia sabe, cm poucos dias, o hiale l'lor-
do-llecife, pregado e forrado de cobro : para carga c
passageiros trata-Se na ra do Vigario, 11. 6.
Escuna ingleza Deslondes, capitflo Philippc
Blampieds.Quein livor cuntas com o dito navio deve
apresenla-las desde ja nos consignatarios, Christo-
phers & Donaldson, ra do Trapiche, n. 40, visto
que elles nflo se responsabilisam depois da sabida
do mesmo navio por conta alguma.
Para Lisboa sabe, impreterivelmento no dia 21
do corrente, a barca portuguc/.a Tejo : ainda recebe
carga c passageiros : a datar com o capilflo ou com
consignatarios, Oliveira Irmitos & Companhia, na
praga do Coinmcrcio.
Para o Ceara sabe, no dia 15 do corrente, a su-
maca Carlota, por se achar com a maior parte da sua
carga a bordo para o restante o passageiros trata-
se com o mestre, Joflo Antonio da Silva, ou na ra
da Cruz, 11. 26, com Luiz Jos de Sa Araujo.
Lei'lui s.
Por motivos justos.ao respeitavcl publico fazemos


ammmm
notar que o barflo procurava evitar, nos seus meno-
res muvimenlos, servir-seda inflo direita. Attenlon
ellenessa circumstancia, cresolvido a nada despie-
zar para rhegar 1 descoberta de un laclo a que elle
dava mui grande importancia, csleudeu com civili-
dadea inflo ao barflo :
Senhor, lhe disse elle, soja qual for o lugar em
que nos tendamos visto, nimio me alegro de o tor-
nar a ver.....
.0 barflo, admirado de lito repentina mudanga, c
nflo pudendo esquivar-so de responder a um semo-
lhante cumprimeuto, poz a mflo esquerda sobre a
do conde.
Nao he com esta mflo que se firmam as allian-
gas, tornou o conde surrindo, e eu quero que a nossa
ueja duradera. .
Okrflo deu a mo direita. O conde pegou nclla
com vivucidadgeapertou com frtrga.....
0 rosto do barflo nflo deu signal lgum de dr.
Mas urna grande mancha de sangue passou 'apelle
Indelicada o branca da luva.....Olhou ello em torno de
si rom inquiclagflo..... Eslava so com o conde no
vflo de urna janella..... >
Saiamos, senhor conde, disse elle baixinbo.
E dizendq estas palavras, o barflo desappareceu
por entre a "multidno. S na ra he que o conde se
lhe pode reunir.... IVaqui a minha casa distaui
alguna paaacs, disse o barflo; se da IJcouga vou
pressa buscar armas para si o para ni i ni
Va, respondeu o conde, cande depressa.
Datu a alguna miuutos o barflo vollou trazendo
duas aspadas.
- Kalkmann& Rosenmund farfio leilflo por 11-
tervengflodo corre lor Oliveira, de grande sol tmen-
lo de miudezas, inclusivo ferragens finas e culila-
ria : sexta-reir, 12 do corrente as 10 horas da ina-
nhfla no seu armazem da ra da Cruz.
-- O correlor Oliveira fura leilflo em presenga do
Sr. cnsul do S. M. li. e por conta e risco de quein
pertcncer, de cerca de 10 caixas do assucar, em
bom estado para pagamento das despezas do cos-
tcio da escuna ingleza Desfondes capilflo P. Blam-
pied arribado a este porto com agoa aberta na sua
rsente viagemque faziade Macci com destino a
Trieste : sabbado 13 do corrente ao meio-dia em
ponto 110 armazem do Barboza defronte do Cor-
po-Sanlo. .
~ Fructuoso Jos Percha Dulra capitflo do ber-
gantn) nacional Independen te, ebegado a'2 do corren-
te do Rio-Crande-do-Sul, declara que,' achando-se
parte de seu carregamenlo de carne avariada de agoa
salgada.se principiar a vender, por conta e risco de
quem pertoncer, em leilflo publico, a bordo-do mes-
mo bergantn), boje, 11 do concille as 11 horas da
inanhfla.
Scbafheitlin & Tobler farflo leilflo, por inler-
vengflo do correlor Oliveira de lindosorlimcnlu
de lazendas de seda, Ifla, linbo e algodflo, todas re-
centcniente despachadas na all'andega, e a mor parte
Para onde vamos? perguntou o conde.
Para onde o senhor me ferio.
A um areno .lo barflo se chegou um gondoleiro.
O conde seassentou defronto do seu adversario... .
O mar eslava de leitc, e a imite serena..:.. Um ven-
to fresco agtava as altas hervas das lagHaszinhas.
O barSoguardava silencio, o gondoleiro, inclinado
sbreos remos, rantava em voz baixa algumas no-
de una barcarola ; o beretto que elle trazia cn-
'adiatfi osolbos naodeixava distiiiguir-lhe as
leigOes.....O conde fez notar ao barflo que Ibes fal-
tavain lestemunhas..... Este homeni far assuas
vezes, respondeu b barflo apuntando para o gondo-
leiro, que levantou a cabega e fez um signal de as-
sentmento A sua physonoinia era baixa c m
O conde nflo so recordou de o ter visto em nenhuma
das numerosas vezes quepnsseara por mar; porm
essa circunstancia era de mu pouca monta, para
que elle pensssse nella por mais lempo. A gndola
su appioxmava da lagoazinba. Quando iam poro
pem trra, o conde, leudo percebido que o barflo
(razia a inflo direila amarrada, julgou que era do sen
dever expr-lhe os escrpulos que tal circumstan-
cia lhe iuspirava.
Pode tranquillisar a sua consciencia, senhor
conde, disse o burilo; vera que islo nflo he para min
mbaraco :..... sirvo-ine iiiitJlerenleineiilode una
ou do outra inflo.
A gndola parou. O barflo con vidou o conde llug-
gien a ser o primeiro que saltasse... .O conde levan-
tou-e, poz um p na horda da gndola..... o cabio
110. mar, dando um grito huriivel..... Acabava de ser
ferido pelas costas; Uesappareceu |irimeiramente,
O tenenle-coronel Luz Antonio Favilla, indo
emservigo para a provincia do Gear, sonto infini-
to no poder pcssotmente despedir-se de seus a-
inigos pela inesperada chogada do vapor, e offerece
seu diminuto prestimo naquella provincia.
Prccisa-se de urna ama de leite na Boa-Vista,
ra dos Piros, n. 1*.
O abaixo assignatjo, putr'ora alforos do sexto
bata Ihfio 1I0 cagadores, hoje do 'segundo da rhosma
arma, como enlregasse a agencia.do batalhilo, con-
vida nflo s aos fornocedores que foram do hata-
lli.lo, Como a todae qualquer possoa, e mesmo aos
seus companheiros, a quem por ventura o mesmo de-
va alguma quantia, para que apresentem suas contas,
na ra Augusta, n. 8, afnn do serem ininiediatamcii-
te salisfeitus : persuadido, todava, o abaixo asig-
nado de achar-so quite com aquellas pessoas com
quem tratou negocios em todo o lempo que residi
nesta praga.
Bell armio Crrela da Silva.
D-se 1:600,000 rs. a premio sobre hypoleca em
alguma propredade, 011 nieuio sobre penhores de
ouro e prata : na ra cstreita do Rozario, ti. 30, se-
gundo andar, se dir quem d.
Jos Ribeiro de Brito embarca para as provin-
cias do sul o seu escravo de nnie Benedicto, Afri-
cano.
Prccsa-sc de um rapaz de 12 a 14 annos para
caxero que Icnha pralca de negocio e d fiador
a sua conducta : na ra da Cadeia-Velha loja de
miudezas, n. 37.
Sociedade Philo-Terps.chore.
Mojo, 11 do corrente, ha concelho para approva-
rem-so proposlas de convidados partida de 27 do
corrente. Em odia 14 ha sessflo da sociedado.
Aluga-se um sitio na estrada de. Belm com
casa arvoredos de fructo, pasto para vaccas, e tr-
ras para plantagflo por prego commodo : no Ater-
ro-da-Boa-Vista fabrica de licores, n. 17.
Antonio Jos da Cunha lem' urna carta vinda
do sul na ra da Madre-de-Deos, loja 11. 34.
Una pessoa casada, com familia, de muitoboa
conducta c com bastante, pratica de adminislragflo
de engenho o em que tem sido emprogada se
eflorece para osle fim a qualqucr senhor de engo-
lillo dando pessoa muito capaz em abono de sua
conducta e habililagoes: quem del la preciar annuu-
cio.
Typogripliia Liberal.
Sabio o lerceiro numero da Voz,do Brasil, est
a venda alm dos lugares j annunciados, ao p
do Sr. Ignacio Manoel Viegas, loja do alfaiate. Re-
commenda-se aos pais do familia a leitura desto nu-
mero, que he desummo interesse.
~Aluga-se, por prego muilo commodo, tanto
por festa rom1) annualmente, 1 sitio confronte a Pon*
le-de-Uchoa, a margem do Capibaribe,com duas ca-
sas sendo urna |u?quenae a outra bstanle gran-
de com qualro quarlos 3 salas, cozinlia estri-
bara ara 3 cavallos e com planta do capim : na
ra Nova, n. 67.
Quem precisar de urna ama para casa do pou-
ca familia por prego commodo dirja-so a Fra-
de-i'orlas ra do Pilar, n. 44.
I'recisa-se alugar um prelo fiel para o sarvigo de
nina casa c urna ama para cozinhar; engommar
e faaer o maisservigo deportas as dentro: na ra
da Cadeia do S.-Antonio, n. 19.
O doutorCasanova medico francez, contina
a receitar em sua casa na ra Nova 7, primeiro
andar, defronledo oilfloda matriz de S.-Antonio ,
das 7 as 9 horas da manliSa o depois disto, est
prompto a qualquer hora para fazer visitas a qual-
quer doentc que de seu prestimo so quizer utilisar.
Aluga-se urna boa casa terrea lio Pogo-da-Pa-
nella para grande familia : a tratar em Fra-de-
Portas, com Manoel da Silva Neves.
-- Perdeu-seum bilhete da lotera das casas de
Caridadc do Rio-de-Janeiro numero cinco mil e
tantos, leudo 110 verso o nome Sena: quem o achou,
querendo resllui-lo, dirja-se ao Recifo, fundigflo
de Mosquita & Dulra.
Precisa-so de um feitor para um engenho dis-
tante desta praga 12 legoas, de nagfln porlugueza :
quem quizer pode procurar na ra Direita, em casa
da senhora D. Joanna Raptista Pere ira Prente, que
achara com quem tratar.
Precisa-sede umeaixeiro para venda e que lenha
pratica da uiesma, de 12 a 15 anuos de idade: na
ra estreila do Rozario, defronle da ra dasLaran-
geiras, 11 23.
-Quem annuiuiou querer um laboleiro do ga-
mflo, procure na ra da Cadeia-Velha, n. 15, loja
de Bourgard.
Aluga-se.una cazinha entro as'ras da Aurora
e Hospicio, junto a mar : a tratar na ra das Cru-
zes, 11. 30.
i Ja^>BMttaiLAirj
mas d'ahi a pouco lornou a apparecer, procurando
ganliar a borda da lagoazinba.. .. Entflo a gndola,
approximando-se, foi collocar-sc (liante delle.....
O conde era vigoroso e bom nadador; e ainda que
ferido por duas punbaladas, ronservava-sc sobre a
agoa, C procurava atracar a gndola ;..... mas o ba-
rflo lhe enterrou a espada nopeito, o elle cabio de
novo, goal proferir una s palavra.'.... Ornar se
abri eosubmergio pela egunda vez..... Por al-
guns momentos a gndola licou immovel; o o barflo
e o compaiiheiro, inclinados borda, em .vflo ipvs-
tiga va m o mar em torno de si. o corpo nflo vltou
a supeilicio dojnar. Vamos, disse o barflo fazendo
signal ao gandoleiro para que tornasso para o largo,
parece-me quo este nflo se ha de divertir no carna-
val que vem.
Nflo lardou muito que a gndola voltasse ao seu
ponto departida. O barflo deCoetzen saltn com
agilidado em lena, toiiiou a estrada real, c parou
diante da porla da estalgem de que ja n'outro capi-
tuloJizemos mcngflo;
Entrou,pois, em una vasta sala subterrnea,onde
estavam reunidos uns trinla liomens. Luzes collo-
cadas aqu e all em cima do mesas, esclareciam es-
cassainenle as paredes seih reboque, onde se pro-
jeclavaui grupos de sombras, c perjuz atrevidos, en-
tre os quaes cada bomem linha umque lhe copiava
os movimeulos eos gestos. Todos estes homens es-
tavam vestidos da maneira inaisestrauha e dispara-
lada. 0 semblantes todos eram mos, eaiiiigoa-
gem de cada um exprima urna rudez selvagem.
Maleo eiilrou lainbeui, e licou 0111 p eniro elles
com os bragos cruzados sobre o poitu, ouviudo com
~ Quem tiver urna preta para alugar, que'saiba
eozinhar, engommar efBzer todo o mais servigo de
una casa, e que d fiador a sua conducta, dirja-
se a ra da Aurora n. 20,
Aluga-se, por festa 011 por anno, urna casa com
suffrveis commodos, no Monteiro, travessa do Quia-
bn; tamben) sealugauma sala imlependente da ca-
sa, muito fresca, distante do ro dez pa.ssos, que he
o melhor lugar queo Capibaribe tem pira bauhos
o nada mais p/opro para homem soltciro : a tratar
com Joflo da Cunlia Reis.
p abaixo assijmado faz scionle no rfpeitavel
publico, que deixou de ser caixeiro do Sr. Rartholo-
meo Francisco de Souza, desde o dia 27 do mez
prximo passado, nflo por desavenga, nem desgostos
que lvesse emsua casa, antes tedi o.prazer do ma-
nifestar ao respeitavel publico, quo no decurso do
7 para 8 annos que foi caixeiro do mesmo Sr., desto
recobe bom tratamontn', leudo uelle muita confi-
anga. I'ilippe .Varia fessont Jnior.
Aquellas-pessoas, que se julfearem credoras do
finado Antonio DiasSouto', qiieiram presentar suas
contas no prazo do 3 dias ao solicitador Joaqim
de Albuquerquee Moli, na rua(do Cqllegio,- 11. 7,
segundo andar, findosos quaes so tomar delibe-
ragoa respailo da casa do mesmo Uado: e nem a
vi uva, nem oscrodoresse responsabilisain por .con-
ta alguma m8is que apparega. Recife, 9 denovein-
brodo 1847..
-Pcrdcu-se, no dia 8 do corrente, o papel do trato,
sendo o original, que consta da copia abaixo trans-
cripta, e oulrospapcis tendenles ao mesmo trato',
todos em um mago : quem os achar leve-os na ra
larga do Rozario, loja de miudezas, n. 35, ou na ra
estreila do Rozario, casa 11. 1*. do relojueiro, quo
gratificar.
Digo eu abaixo assignado, que, estando -Justo o
contratado com o nicu inquilino, o Sr. Joaquim da
Silva Lopes, em arrcndar-lhe toda casa do 3 andares
e sotflo. n.,14,da ra da Cadeia-Velha do ReciCe, pe-
lo prego annual de 1:300,000 rs., pagos todos os me-
zes, lendo principio este arrendamento em 23 de ou-
tubro do corrente anno, e lindando em outubro de
1847; sendo o Sr. rendeiro obrigado a conservar a
casa sempre em bom estado, e fazer todos os repa-
ros de concertos que a casa precisar, sem em tempo
algum exigir de mim pagamento, visto que estes
consenos sero fetos a custa do Sr. rendeiro ; e eu
sorei obrigado a conserva-lc durante o arrendamen-
to, e nao poderei alevantar o aluguoL dentro do tem-
po do arrendamento ; o por assim cstarmos justos e
contratados, passei dous papis do mesmo teor,
nos quaes eu o o Sr. rendeiro assignamos com as
lestemunhas abaixo declaradas. Recife, 23 de outu-
bro de 1842.-.Testemunhas : Jos.: Rodrigues do Pas-
so e Joaquim da Silva lapes.*
Precisa-se alugar urna scrava para o servigo
de urna casa do pouca familia, que saiba comprar,
cozinhar e ensalmar, dando-se-lhe o sustento e 10/
rs. mensacs : a tratar na matriz da Boa-Vista, casa
O' 19, onde se dir qem a quer.
Aluga-se, al 17 de setembro do seguinte anno
de 1848, a boa casa junto ponto do Cachang. per-
tencente a senhora Viuva Mara Joaquina dos San-
ios; e trala-se na ra da Cruz do Recife, n. 45, Com
Nascimento & Anrorim.
Aluga-se urna casa terrea com trapeia, no
lugar de S.-Anna de dentro, com 4 salas, 5 quarlos,
cozinha cocheira, estribara e quarto para pre-
tos um algrele, cacimba com bomba, portflo de
ferro, algu mas arvores de fructo, c car i ni para um
cavallo : a tratar na ra Velha, n. 87.
Dentista.
M. S. Mawson, dentista bem conhecido nesta pro-
vincia, lendo agora ebegado da Europa, e leudo vi-
sitado ascapilaes de Londres e.Pars, donde trouxe
oS melliores objectoslia sua prolissflo que at hoje
se conhecem, como novos instrumentos, denles e
mais necessarios para qualquer operagflo da sua ar-
te offerece seus servigos aos Ilustres habitantes
desla cidade, conforme a sua tabella lixa, e promet-
i fazer todos os esforgos para agradar s senhoras,
ou senhores, que o quizerem procurar, das 9 horas
da manhfla at 3 da tarde na ra do trapiche-No-
vo do Recife, n. 8, segundo andar.
__0 Sr. doutor Luorenco Bezerra
Garpeiro da Cunlia queira ler a bonda-
dede dirgir-se ra do Cabug loja
11, G, a negocie que ilie diz resjicilo.
Aluga-se o segundo andar o solflo com inUilos
commodos da casa da ra do Quemado, n. 4 : a tra-
tar na lujada mesma.
Aluga-se um escravo proprio para todo o ser-
vigo por ser muito robusto; um mulalinho muito
proprio para servir urna casa, por ser muito dili-
gente e bom comprador: quem os pretender, di-
rija-so defronte do oitflo do theatro novo, casa n.
II, ou a cocheira de Joflo da Cunha P.eis por de-
trs do thealra vclho.
Prccisa-se de nina ama de leite: na ra de Hor-
tas, n. 24, primeiro andar.
apparente frieza os discursos que tinham lugar em
roda de si c sogundo com os ollios os movimenlos
desta Ifl extravagante assombla. A physonomia
e exterior do Mateo forma va m um contraste nolavel
com ludo o que o rodea va. Osen olharera atrevido
e a estatura afta ; as feiges regulares e bellas ti-
nham urna nolavel expressflo de firmeza c d clera
concentrada. Rocco e Jaropo, que se achavam abi,
tinlia m-sc-lhe apprnximado por um movimenlo es-
pontaneo.
Rocco, disse Maleo postando-se speramente
defronte do velbo bandido, que li/esle tu do Voue-
ziao-?
Fjz o que me mandaste, capilflo, responden
corajosamente Boceo, recobrando a sua intrepidez,
vista do pergo.
Mentes, traidor, exclamou Maleo, tu o deixas-
toireinbdra......c cu lhe Talloi, cu mesmo, ha ape-
nas duas horas.
A' vista desla fulminante accusagSo, levanlou-se
um estrondo amcagador em torno de Rocco, que
nem una s palavra achou para responder. A um
signal do chele, Boceo o Jacop foram desarmados e
alados cada um a um dos aunis do ferro que esla-
vam chumbados na parede e destiqados aos prsio-
neires. Depois de haver ordenado lodo o bando
que fossem ter por differentes cainiuhos a um lugar
que elle Ibes indicou, Mateo sabio por lim, e poz-se
a caminho na eslrsda real, a passos precipitados.
(.Continuar-se-ha.)
tu


iczrz3-, __r-i._ _______j
Precisa-se de um caixeiro para venda, de 10 a
li unos : no Alerro-da-Boa-Vista, na primoira ven-
da ao p da ponte.
Na venda do pateo da Santa-Cap, n. 6, preci-
sa-se do um caixeiro que tculia bastante pralica, e
que do dadora sua conducta.'
'---Na noite do 3 do correnlo, perd-se um cm-
brulho do cdulas conlendo 180,000 rs., iudp a pes-
soa que o conduzia polos scguiotcs lugares : pra
cinhajab Uvramcnto, ra ostieita do Hozarlo, pa-
teo do Carino, ruado Moras, Martyrios, o Augusta,
voltando poja travossa do Dique, pateo do Terco,
ru-j, Diroita o.bivramento : so alguem achou csse
dinlieiro, e quizer possuir alguma parto dello com
socego da conscicncia, ontenJa-9e com o abaixo
assignado iw ra do Itangel, n. :l, primeiro andar,
que Iba dir de quo valor eram as cdulas, e grati-
ficar o inventor com 80,000 rs.
- i mhclino Gueiet de Mello.
Ainda rostam para so alugar, polo tompo de
festa 3 casas em S-Anna muito frescas ; a fallar
no insnio ugar, Com JoSo Venancio Machado da
Paz.
-- Paga-so a passagem a urna mulhcr que queira
ir cm coinpanhia do urna senhora e lllios para Por-
tugal : a tratar na ra do Quejmado, n. 30.
Na ra da Cruz, n. 21, precisa-se de um feilor
para um sitio muito prjimo da cidade.
Precisa-se do um oflicial do cliarulciro : na ra
Nova de S.-Anarp, casa terrea, n. 20.
Ainda lia para alugar duas casas com muito
bons commodos nositio do Cajueiro, e tambem
urna cochoira na Uoa-Vista : j tratar no mesmo
sitio do Cajueiro.
A' poita doSr. doutor juiz da 1." vara do ct-
vel, se ha de arrematar urna canoa grande de con-
dcelo. Dar principio hojo, 9 do corrento.
Quem precisar de um caixeiro para qualquor
estalielocimenlo, preferindo-se venda, do quo o an-
nuanciante tem pralica procure na ra Nova, loja
n. 38, das 8 as II horas da manhfia.
Precisa-se alugar urna escrava para engoni-
mar ensaboare fazeralguma costura: na ra da
Concordia, sobrado de .Manuel FirminoFerreira.
Precisa-so do um caixeiro portuguez para to-
mar conta do una venda que tetina pralica o de
Mador a sua conducta : nfio se olha a proco : no lar-
go da Boa-Vista, venda de Antonio Jos de Maga-
Ihes.
~ Prccisa-se alugar um preto, ou prela para to-
do o servico : na ra larga do Rozado n. 48, se-
gundo andar. Paga-so bem.
OSr. Laurenlino Antonio Moreira de Carvalho
livra-
Z
V<
Compras.
cabelleira do senhora : quem
ge ral :
r^ Compra-se urna
livor annuncie.
~ Gompra-se o regulamento do consulado
na praga da Independencia, livraria os. 0 o 8.
. Comprase um piano em ineio uso : quem ti-
vea annuncie.
Compram-se 50 nos de coqueiros, proprios pa-
ra so transplantarom, o com prefeienca"os que ea-
liverem em lugar mais prximo: quem tiver an-
nuncie.
Compra-se um (landres para vender fazendas ,
e que estoja novo, ou em bom estado: na ra da Sen-
zalla-Nova, n. 7, ou annuncie.
Compram-so, effectivamente, garrafas e boti-
jas: na estilaefo da ra deS.-Rita n. 85.
Compram-soolUciaes do carpina, peilroiros
AO PUBLICO.
Em mui crescido numero contaran) os mdicos
ale agora molestias incuravois, contra as quacs so
ora permittido ao yaciente resignaefo para sofTrer
Jim mal de queja nfio havia esporancas de poder li
1)01 ta-lo,
e ao medico philantropico a dor do ver
ferreiros e carpinteiros,
pagam-so bom, agradando
Cifc n. 49.
para lora da provincia ;
na ra da Cruz, no Re-
V en das.
queira dirigir-so a praca da Independencia
ria is.fi e 8, a negocio deseu inioresse.
- AFFONSO SAINT-MARTN), residente no princi-
pio da ra dos Quarteis por cima da loja de'miu-
dezas de Victorino de Castro Moura, n. 24, recobeu
agora peto ultimo navio viudo de Franca ricas
maulas de seda de novos padrOes e lindos gostos;
oulras mitagOes da cachemiras muilo ricas e ele-
gantes ; ditos de granadina, e outras de foulard ,
sendo lodas da ultima moda adoptada em Pars
Chales do soda e meios ditos de cores muito lindas;
manlelelas degrosdenaplc ondeado e liso; guarne-
cidas de franja de retroz o outras com bahados en-
lejiados de Irangas de dito as quacs estilo no gran-
de tom nao sopor se rom de geral moda, como
pela gravidade do costume ; cortes do seda branca
e dei cores, para vostidos, sendo do boa qualidadee
bonitas disposigOes no gosto do lavrado ; chapos
de seda para senhora, armados na ultima moda,
como o iiiCuicarn us figulino quo em cada cari fio
costumam virestampados; ditos de palhinlia aber-
ta o lisa, enfeitados a semclhanca dos progratil-
mas de modas dos mosmos cartOes ; corles de bare-
ge para vestidos ; c u.ai completo sortimonto de
I uvas para senhora. As sonhoras.quo dostes objec-
tos precisarem, e os qulzeremver em suas. casas ,
torno a bondade, a qualqer hora,do niandaretn avi-
sar ao annuncianle, que immeiliatamenle lites serlo
levados.
Dao-sc 5oooo rs.de gratifica'cao,
e Ke pag.4f iio todas as mais despe-
zasqtie se tenhain feito, a quem
der noticia do cahoclirilio escra-
vo por rime Vicente de seis
.unios, nico mais ou menos, sec-
co do corpo; lem no amia duas f-
tidas so, por ser novato tiesta praca; le-
vou vestido camisa de aigodao da
Ierra um lano soja ; deseiicami-
nhou-se da rus do Viga rio, n. 2^,
anude e poder dirigir a pessoa
que souLut, ou ra da Cadeia
A possoa que annunciou querer comprar um
(laluiros para fazendas, dirija-so a ra doRangel,
li. 10, primeiro andar.
O abaixo assignado convi'la os seus credoros
para, no 4> razo de 5 dias contados da data deste ,
comparecern! na ra do Itangel, n. 3, onde assisle,
alim de lralar-se dos sous pagamentos. Recite, 9 de
novembro do 1847.
Lourencu Hezerra Carneiro da Cunha.
restante dos billietes da lotera
do thealro, que se comprou por conta de
urna sociednde, esl nicamente a venda
na botica do Sr. Joo Moreira Marques.
- Vende-se urna canoa do carreira por prego
commodo : na ra doQucimado, loja n. 13.
Vendcm-so saccas de tiiilho com cinco quartas ,
a 4,000 rs. ;arrOz de casca, a 3,200 rs. o alqueire ;
um carro do 4 rodas, novo; nina parda de bonita
figura com habilidades : na ra da Cadeia de S.-
Antonio, n. 19.
Vonde-sojum molecote perfeHo cozinheiroe
comprador c que he de boa figura e conducta : na
ra Imperial largo da forca, n. 3.
Vendeni-sedous pretos mogos, do bonitas fi-
guras; urna mulatinha de 13 minos ; um mulatinlio
do 12 anuos : na ra do Crespo, n. 15, primeiro an-
dar.
Remedio prodigioso para os
embriagados.
Esle remedio lorna-se mui apreciavel por ser sua
composigfio mui simples, e nilo arruinar a sade do
individuo, fazendo-o aborrecer para sempre a be-
bida. Vende-se na ra da Gloria, n. 87-
Vende-so um sobrado do um andar e sotflo
na ra dos Copiares, n. 4 : a Iralar no mesmo vis-
la se far o ajusto, pois que o sobrado se acha des-
embarazado.
Vende-se urna linda negra com habilidades um
negro pega de 20annos; um niolequc de 12, urna
mulatinha de 4 anuos, e um molequo de 7 anuos,
por sou senhor se retirar para fra : na ra da
Senzaa-Velha, n. 110, so dir quem vende.
Vendo-so una meia-agoa sita na campia da
ra da Alegra, n. 5, livre o desembriagada, a qual
lem quintal e cacimba : na ra das Cruzes, n. 36,
primeiro andar, se dir quem vende.
Vendem-so hervilhas muito boas e proprias
para semear.porserem muito novas: na ra da Praia,
n. 20.
Vendem-se pegas de madapolflo limpo com
20 varas a i\ iou rs. ; pegas do chitas escuras e de
cores lixas muito cucorpadas c fortes a 5,500 rs.,
e a meia pataca a rotalho : na ra estreita do Roza-
rio, n. 10, torceiro andar.
Vende-se una escrava do gentio de Angola, de
nagilo Congo, boa quitandeira o lavadeira de sabflo ,
quo czinha o diario de ama casa o he muilo sa-
dia : o niolivoda venda se dir ao comprador: na
ra da Cadeia deS.-Antonio, sobrado de un andar,
ti. 18, por cima de urna loja de trastes.
AOBARATF.IRO, FRECUEZES.
Na ra Nova, n. 26, loja do Tinoco & Rocha ven-
dem-se cortes do colletes de velludo muitosupe-
rior a 3,500 e 4,500 rs.
Tintas d'oleo
em latas pequeas, vendem-se noarmazem de Kal-
kmann& Rosenmund, na ra da Cruz, n. 10.
-----Vendem-se enleiles de froco de di-
versas cores para cabecas de senboras :
muilo de sous semelhantos victimas de onferinida-
des, contra as quaes so declarara impotente, pu-
dendo apenas lamentar a fraqueza da intelligencia
humana. Mas, gragas aos progressos da medicina.
gragas ao lelo de homens incansaveis, que, nilo des-
esperando da perfcctihilidade da sciencia, so teem
dedicado invesligagiio do remedios quo possam
alliviarliumanidado de alguna males que aaffli-
gem, o numero das molestias reputadas incuraveis
vai dedia em dia diminuindo. Assim, achardenois
de longos Irabalhos, de profunda meditagSoe reite-
radas experiencias, medicamentos quo nos roslituam
o uso dos dous mais imporlantes sentidos de que
he dotado o homein, quando osles j se achavam no
supuesto estado de iicurahilidadi; e inteiramento
perdidos, he por corlo um dos maiores servigos, que
sepodia prestar humanidado; eiso que eslava re-
servado um homem philaniropo da cidado de Bra-
ga, em Portugal, cuja sciencia, cu'jo amor de sous
semelhantos so tom feito geralmonlecoiihecer. Os
remedios que ora offerecemos ao publico, nSo en-
tran! na classe daquclles que o vido o ousado char-
latanismo inculca com roucos e deseompassados
brados, o quo o crdulo vulgo, por ignorancia, rece-
bo na boa f e sem discornimenlo, achando-se de-
pois Iludido; tem, porm, doocoupar mui distincto
lugar entre os medicamentos, quo maiores benefi-
cios prestam ao homem : conslain elles da dissolu-
gioaquosa do extractos de plantas medicinaos, de
vi iludes mui reconbecidas o vonfica.las. longo u-
so, as continuadas e severas experiencias, a quo por
toda a parte teem elles sido submcllidos, sem quo
urna so voz liajain falhado em seus bons effoitos, o
ilesmontido as esperaucas quo sobre ellos havia fun-
dado o sou inventor, liie teem grangoado constan-
tes o repelidos elogios dos mais sabios o respoita-
veis mdicos, assim da Europa, cmoda America,
que unsonos aboiiam o proclamam sua acgo sem-
pre certa o benigna. Um destos licores he destinado
acoiiibaleras muleslias de olhos, e tem por princi-
pa I virtude restituir aqs orgosda visit suas func-
gOes; reanimar c fazer reapparecer em sua natural
perloigo a vista, quando esla esliver fraca ou quasi
extincta, com tanto, porin, que nilo baja coguoira
absoluta cop desorganisaco das partes"; n;1o mo-
nos til e enrgico he para dosfazor as cataratas,
destruirs nevoas e de prompto debelar qualquor
iiillainniagfio ou vermelliidao dos olhos. Nilo causa
dr, nem estimulo na parte.
outro liquido restilue a faculdado do ouvir os
sons ao otivido tocado de surdez, ainda que invete-
rada, 'urna vez quo o mal nio seja de nasconga, sem
causar em lempo alguna o menor incomniotio ao (l-
enlo, o sem priva-lo do cuidar em seus negocios.
-Vende-se urna preta de nacffo Costa sena vici
nem achaques muito fiel e sadia com muito do'"
leilo, que cozinha o diario do urna casa e cnsabo
bem: na ra Diroita n. 104.
Vende-se cora de carnauba, de muito boa qua-
litlade, lano a rolalho como em porgflo : na ra
das Larangeiras n. 14, segundo andar.
Charutos de Havana
ltimamente che)ri-
de Kalkmann & Ro*-
10.
i.NSriiucgOES par o uso uos rkmedios.
O dos olhos emprega-se do modo seguirte :
O doenlc, pela inauhfia, cm jojum, una hora pou-
co mais ou monos dopois quo erguer-so do leilo,
lomara sobro a palma da inflo pequea porcflo da-
quolla agoa ; e com ella moldar bom os olhos, fa-
zondo quo algumas gottas caiain sobro o globo oc-
cirlar: somos limpar, os conservar niolhados at
que natiiralmontc onxugucm : ao doilar-so a noite
pralicaro mesmo: durante o lempo que usar do
remedio evitar o calor, acgo do futhagu o o vento ;
far abstinencia de comidas salgadas, azedas e adu-
badascom especiaras.
Oremedio dos ouvidos ser opplicado do modo que segu:
O doente, pela manhfia, una hora pouco mais ou
monos dopois do erguor-se, ainda em jcjuin, far
derramar dentro dos ouvidos qualro ou cinco got-
tas do liquido, tapndolos denois com algodfo em
rama; a noite ao doitnr-so repetir a inosma opc-
raco. Duranto o uso do remedio evitar cxpdr, os
ouvidos principalmente, a acg.lo do calor edo vetir
lo, alim de evitar grande transpirago, havendo cui-
dado em nilo moldaros pos em agoa fria ; finalmente
devo ahster-se de comidas salgadas, azedas e adu-
badas.
Estes remedios eslo a venda na bolica do Bar-
tholamco Francisco de Souza, na ra larga do Ro-
zado, n. 36, nico deposito em Pcrnambuto, polo
prego de 2,240 rs. cada vidro.
Vcmdem-se, no dia trelo da villa do Bananei-
na loja de Maya Hamos & C, ra Nova, '[as> "a provincia da Parahiba do Norle, as segun-
ff J tes torras proprias para plantagcs de algodo o
caimas de assucar, a saber: um silio com meia e
6.
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
. Vende se na livraria Ja praca da Independencia ,
ns, 6 e 8 o NvoMcz Mariano, accrescentado com o
l.auspercnnc do Santissimo Rozario.
PECHINCHA.
Jos Saporiti lem caixinhas com 12 frascos de azoi-
-Ooa
de Ierra, denominado Alagoinha- ; um sitio com
nma rngenhoca ccasa de vivenda, denominadoBa-
copari propria para dar caimas de assucar, quo
fui do (nado Joaquim do Rogo Tosca no o Brito, e
era parle do sitio Pao-d'Arco ; urna parte do trras
no sitio Cannabrava, muito propria para producgfo
de cannas de assucar, leudo proporgfies para sole-
vantar um ensenho : urnas Ierras denominadas
Hnu do i1'asseio*Publico, n. S.
JofloLoubct participa aorespeitavel publico, que
recebeu, por estes ltimos navios francezos, um com-
pleto sortimento do chapos de sol, de soda, amis
rica e superior qualidade; furla-cOres e outras mui-
lascotihocidas, lano para homens, como para Sras
e meninos. No mesmo estabolecimonto ha um sorti-
mento de chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos ; dilos muito grandes, proprios para homens
decampo 'tambem tom chapos de sol do paninho
para meninos oi meninas, por sercm muilo finos: po-
dem-so chamar chapos de economa. Na mesma loja
tm sortimento de bengalas, bengalinhas o chicotes
muilo modernos; cobre-se qualqer armagfjo de cha-
pos de sol, com sodas de todas as cores equalida-.
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
paiiniihos traugados e lisos, imitando seda, para
cobrir os mesnios: dosta fazenda se vende aretalho.
Concei la-.se lodo qualquor chapeo do sol, por havor
om completo sortimento de todos os pe toncos para
os mesmos, com toda a perfeigSo e brevidade.
lo doce refinado, que, para acabar com elle vende "Sitio-Novo, cm Callabouco, com urna casa gran-
de de vivenda, scnzalla para escravos, prensa para
eucacarlgodilo o oulros pertencos para descaro-
gamontodo mesmo genero, que foram de Francis-
co da Cunha Ribeiro; sao proprias para plantagflo
de algodlo, ou para criaeo do gados. Quem as
quizer comprar dirija-se naquella villa ao capilo
Eslevilo Jos da Rocha, ou na cidade da Parahiba, a
Joscl.uiz PereiraLima.
pelo commodo prego de 2,000 rs. cada caixinha
na ra da C.ltK, no Recifc, n. 18, segundo andar.
FRESQUINHO.
Chegou pelo briguo Bom-Jesus, vindo do Rio-de-
Janciro, urna icmessa do superior rap grosso e
meio-grosso, da fabrica do Eslovao Casse. Os dig-
nos freguezes encontrarfo no deposito da ra da
Crnz do Recifo, n. 38, a quantidade c sortimento
qucquizeicm. Osen prego he ja sabido : 1,280 rs.,
sendo de 5 libras para cima.
Na ra do Crespo, loja n. 12;
de Jos Joaquim da feirva
Maya, .
vendem-se muito lindos chapeos para meninas,
tanto de seda como do palbinha chegados ltima-
mente de Paris ; chapos de seda para senhora
cortos do crambraia do seda.de ricos gustos, por
prego inuito commodo; cortes do vealidosyde cany-
braia o cassa-chitasde ilillei.ntes qualidudes por
pregps baratos; ditos com una pinta de molo e
sem rile a 2,000 c 2,500 rs. cada coito ; mantas de
hieda e lila para senhora das mais modernas que
lem vindo a' esta praga.a 5,000 rs. cada urna;
manas e chales de seda de varias qualidades c ba-
ratos; alpaca preta,a 800 o 1,600 rs. o covalo;
pannode linho, a 400 rs. a vara; casimiras fran-
Admirareis nava-
llias de acoda China
o cabello sem offeu-
pareceudo estar na
que teem a vanlagcm de coila
sa da pOlle, dcixando a cara
sua brilhaiito mocidade.
Este ago vem exelusivamenteda China e s nel-
le Irabalbaiu dous dos melhores e mais abalisados
cutileiros da nunca excedida e rica cidado do Pe-
kim capital do imporio China.Autor Shan.
N. II. He reennhecido o uso dostas uavalhas
maravilhosas por todas as sociedades das scicn-
cias inodico-cirurgicas, tanto da Europa como da
America Azia e frica, nilo s para prevenir as mo-f
leslias das cutis mas tambem como um nieio cos-
mtico.
i Vendem-se as verdadoiras s na ra larga do Ro-
zario, n. 24.
em caixinhas de 100 edo 250
dos vendem-se no arnaazem
sonmund na ra da Cruz, n.
Ca miras clsticas e finas, a
7,?000 rs.
Vendem-se superiores casimiras elsticas Dnase
decores, pelo haratissimo prego de 7,000 rs. o cor-
te de caiga. Esta fazenda ho recommendavel pela
sua qualidado lauto em fazenda como em gostos ,
por serena os mais modernos; casimiras protas ,
superior fazenda por seren muilo finas a 2, 3 e
3.500 rs. o i-ovado : na ra do Collcgio, loja n. t.
O BAKATEIKO.
R a nova loja da ra do Cres-
po ao p do arco de S-An-
lono 11.4, de Ricardo Jos
de Frciiis llibeiro,
vendom-so chapos do creps para senhora a 4/
rs. ; ditos de soda, os mais modernos quo teem vin-
do a 12,000 rs. ; os mais modernos chapos de
inassa francezes para homem a 7,000 rs.; uin no-
vo sortimento de cambraiasesoocezase cassassuis-
sas de'variosgoslos, leudo una vara de largura,
8 tle cores muito lixas a 320 rs. o covado ; cortes
de fustflo de gosto moderno, e do coros (ivas a 800
rs. ; muilo ricos chales do seda muito superiores e
grandes, a 12,000 rs.; diales de garga tocidos com
listras do seda muito lindos a 3,200 rs. cada um ;
um novo e rico sortimento do longos de seda o de se-
lim lavrado de cores muito lindas, a 2,000 e 2,500
rs. intuiros; ricas manas para grvalas do ho-
mem com ricos lavres a 2,000 rs. islo he pe-
chincha ; cortos do gorguro do seda para collete ,
muilo ricos.a 3,500 rs. Igualmente- ha um sortimento
de chitas finas o de cores lixas a 120 e 240 rs. ;
covado; cortos do cassa do coros lixas, a 2,560 e
3,000 rs, ; ditos do camhraia branca e do cores ,
para bailes de 4,800 al 7,000 rs.
Na loja tinmero 17 da na do
Passe o-Publico,
vendem-se cortes do cambraia, de cores finas, com
6 e meia a 7 varas, a 9,3400 2,560 rs.; ditas muito
finas, a 560 rs. a vara ; corles das muilo lindas prin-
cezinas, a 12,000 rs.; mantas do seda, muito ricas,
a 10,000 rs.; chales do soda, muito ricos, a 14,000 rs.;
chitas linas a 120, 140,160, 180, 200 o 210 rs., e muito
finas a 280 rs. ; hrins de linho do quadros e listras,
muito lindos padroes, a 640 rs. a vara ; longos gran-
des do soda para grvala, o bous em qualidade, a
1,280 rs. ; mantas de seda para gravata de homem, a
2,000 rs. ; corles do collete de 1:1a e seda, a 320 rs. ;
dilos do fustiio, a 500 rs.; ditos do velludo de co-
res, a 3,000 rs. ; ditos de gorguro do seda de co-
ros, a 3,000 rs. ; ditos do gorguro de 13a o seda, a
1,000 rs. ; longos braneos arrendado, para mito do
senhora, a 210 rs.; chales de lila da Escocia, a 2,560
rs.; ditos do lila com listras do seda, a 3,000 ris ;
alpaca cor do caf, a 640 rs. o covado ; dita muito fi-
na prela, a 1,440rs. o covado; pegas de madapolfio
muito linas, com qualro palmos, a 4,000 e 4,500 rs ;
cassa lisa a 240, 400, 480 c 560 rs. ; pegas de algo-
dlozinho com 18 jardas, a 2,000 rs.; chales de cas-
sa escura, a 610 rs.; merinos muilo superiores, a
1,600, 2,800, 3,200, 3,500 o 4,000 rs. o covado ; cor-
tes do ciita com doz covados, a 1,000 rs. ; ditos linos
com 10 ditos, a 1,800 rs. ; dilos ditos com 14 ditos,
a 3,500 rs.; dilos do veslido de cassa com barra, a
5,000 rs e outras umitas fazendas por pregos com-
modos.
AO OPPOSITORES E ESTIBANTES DE PRIMEI-
RAS I.E l'TRAS.
Collccgfode compendios ricamente encaderna-
da conlendo a grammatica portugueza, a doutri-
na christfa a arithmotica e a geometra pralica ;
obra inl. ressantc aos que estudam para fazer op-
posigo ascaderasde p'rimeiras lottras por acha-
i om cm um s volume ludo quauto lio preciso o
pelo diminuto prego do 3,000 rs, : na livraria ns.
6c8da praga da Independencia ; na do Sr. doulor
Coulinho esquina defronte do Collegio; e em Olin-
da ra de Mathias-Fei reir sobrado n. 6.
Na loja nova da ra do Quei-
niado, n. 11 A, de itaymun-
do Carlo Leite,
acha -se um novo sortimento de lindas mantas de
soda a 4,000 rs., lendo tambem de 2,000 10,000,
20,000 rs. ; luvas para senhora do trogal,
Lisboa ; meias cras n. 10 a 5/
16,000 e
ultima moda cm
rs. a duzia.
Lotera do Etio-rie-Janeiro.
cezas e elsticas, para calcas a 5,000 rs o corle ;
ftisloes; setitise velludos para collete, por prego
muilo em conta ; bom como um sortimento de ou-I cm parte algum, por quidagao
tras muitas fazendas, que se veudem polo barato. 1 zalla-Velha, ariuazcua, u. 110,
CF.RA 00 RIO-DE-JA.NEIRO K DE MSBOA,
Vende-so completo sortimento mus barato do que
na ra du Se'n-
Vendem-se bilhetcs o meios ditos da 23.a lotera
a beneficio do thealro de S.-Pedro : na ra da Ca-
deia, loja de cambio, n. [38, de .Manuel Comes da
Cunha o Silva.
Vendem-se, no Alerro-da-Boa-Vista loja de
funilciro, n. 78, oliras de latilo, a saber: candieiros
de todas as qualidades; escrivaiiinhas; perfumadores
de todos os lmannos; campas para secretaria;
almofarizes; candeias; castigaos ; candieiros de
bitacola ; garfos e colhcres : tudo so vende mais ba-
rato do que cm oulia qualquor parte. Na mesma
loja compra-so toda a qualidado de metal voltio,
Vendem-se pedras de amolar, brancas, de ma-
Ihor qualidade que teem vindo do rio de S.-Fran-
cisco a rctalho o cm porgilo por prego comlnodo.-
iiii ra da Praia, arnaazem n 18.
Vende-so cal branca muilo fina por mais ba-
rato prego do que em outra qualqer parte: tam-
ben! vende-se una lazarina boa cagadeira : na ra
do Aragilo n. 8.
Vende-se 1 talim, urna canana urna banda
um barretao para oflicial de guarda nacional; lu-
do com pouco uso: na ra da Aurora n. 50.
Vende-se, sem feilio, urna garganlilha de ou-
rodo le com 19oitavaso um quarto ; um pardo
brincos do coraes ; un ditodo lilagrana ; urna re-
doma ; algumas oitavas de ouro velho ; um cord3o
do ouro do lei com 7 oitavas ; um dedal de prata de
gulao i na ra Bella, a, 40.
-i


t< '
%

A
1





Vende-se sa hilo hranco hespanhol, e cera de
carnauba ; na ra .la Cruz, n. SI.
-Vende-se urna canoa da aniarcllo, de um s pao,
otn 11 [> i J 11 -s Iii cu nnrimento.e 3 e tneio delar-
gura, quasi nova, e muito propria para abrir: na
ruad* Cruz, no Reclfe, armazem do assuar, n. 23,
86 (I n'a quem vende.
Vndem-se ptidras .le mnnhos por menos
prego do que em nutra qualquer parle : na ra das
l.mco-1'ontas, n. 82.
Rehuirs.
Vendem-so superiores cortes da fazenda nova
uciiommadii bclinira para vestidos de senhora ,
polo barato pre^-o de 4,500 e 5,000 rs. o corte. F.sta
fazenda be nova e de muito sublimes goslos, sen-
do as suas cores mu nprociaveis por sorem cor de
lirio, ros operla. Ades, antes me se acahem.
Na na do Collogio, loja n. I.
_.Vende-se um preto do hacilo, de 40 annos, de
bonita figura, por sor muito corpoienlo : nilo tein
vicios nem achaques: vende-se para comprar urna
prota, ou tambem se troca: na ra da Concordia,
passando a potezinha a direlta, segunda casa ter-
rea.
Vendem-se peonas ilo cma muito boas
ra da Conceigo da Boa-Vista n. 4.
O
o
do 13
annos
an-
ua
n. 6.
as bem
I ubi ico
B no-
na
O
O

A 160 rs. ocovado.
Itiscados francezes, n If>0c200rs. o co-
vado ; damasco de algo Jilo, a 610 rs. o co-
vado; coborUs de dito, muito largo, a
3,500 rs. cada urna; moias casimiras, a
2,2*0 rs. o corte ditas elsticas, a 3,500 o
3,000 rs. ; panno lino de todas as cures, a
.ooo rs,; cortes do cassa-chita .le bous
gostos a 2,500 e ;t,00>; novas casimiras
elsticas, de bonitos padroes; cortes de
cinta o mais lino possivel; corles de cassa
de padres muito modernos ; alpaca mili-
to lina ; dita de cordSo o de varias cores ;
cortos de panno bordados para sapalos ;
novo sortiment de cortes de cassa-seda
de novos goslos; chapeos francezes da ul-
tima moda ; contras militas fazeudas li-
nas: ludo por menos prego do que em ou-
ira qualquer laja: na ruado Queimado ,
loja nova da casa amarella n. 29,
D

Vendem-se 2 escravas, sondo urna
nos o a nutra de 9; um pardinho do 9
ra largado Itozario, loja n. 27.
tJasa da .F
na na estreita do Hoza rio,
Neste es'abelocimontoacham-sea venda
acreditadas cautelas da lotera do I li cairo
tiesta cidado cujas rodas andam no dia 16
vembro. O cautelista espera queos seus Treguezes
concorram a comprar o rosto das ditas cautelas,
nasquaesseesperam boassortes, pela encllente es-
colha que se feztlos nmeros para serem divididos
um cautelas. A ellas que silo poucase boas. Precos
os do costume.
Vende-se a bem conhecidae superior cham-
panha da marca cometa ; vinho da Madeira engar-
rafado ; cha hysson e perola cm caixinhasde 7 a 10
libras cada urna ; bom papel de copiar em machina:
ludo chegado rcCcutcmcnle a esta praga : na ra
do Vigario, n. 4.
= Vcndem-se casaes de pombos muito bonitos ,
grandes, bons batedores e do ptima raga por pre-
go commodo : na ra da Florentina n. 16.
Cartas para volta-
rete,
--Vende-se urna prota de nagBo moga
figura : na ra Direita resquina do ri
gado, n.93, primeiro andar, das
uliSa e das 2 as da tarde.
iccco
6 as 9
, do boa
do Sen-
da ,ma-
as melbores c mais baralas
ga do Itozario n. 21.
vendem-se na ra lar-

&&$:^i
m
G
i
Vende-se excedente vinho tinto e
inaiico ile Bordeanx em caixs ilo du-
zit s oa na .la Senzalla-Nova, n. i38.
Uvas, amcixas e passas ,
indo novo, chegado ltimamente e superior : no armazem de Dias Ferreira no caes da
Alfandega.
- Vende-se, ou troca-so por um terreno ou casa
'l'iitro desta cidado, ou nos seus arrabaldes urna
m..r.i.u de casa do taipa muito bem feita sita na
i;| mapal ra de l'edrae-de-Fogo: no Atcrro-da-Boa-
Iisla labnca de licores, n. 17.
- Vende-seumiancdiin.c ouro para relogio:
cnillelem, no sitio que Toi do Tallecido Adrianno
.le sa ou annuncie.
- Vende-so um lindo moleque de 13 annos som
vicios nem achaques; umaescrava de nagiio Angola,
i e 20 aiinos ; propria para qualquer sorvico por ser
He boa conducta: na ra eslreila do Itozario n. 81.
pnmeiro andar.
AGENCIA HA FU.MDrCAO'DE I.OW-MOOR.
.\a ra da Senzalla-Nova n. 42, contina n haver
n completo sorti ment de moendas e machinas de
/apor para engenhos de assucar : bem como tai-
xas de ferro batido e coado de lodos os lamanhos :
ludo por prego commodo.
Vende-se. ou Iroca-se por casas nesta praga, um
terreno com 413 palmos de fronte e 150 de fundo,
sito por detrs do covento do Carmo : a tratar com
o sen proprielario no Mangiiinho, segundo sitio
depois da capella de S.-Jos.
Cadenas a pulka, a I f 000 rs.,
vendem-se no armazem do GufmarRes no caes da
Alfandega e em casa de J. J. Tasso Jnior na ra
do Amoriin, u 35.
Vende-se a bem comiecida venda da ra Im-
perial n. 145, por sen dono Icr de ir a Portugal:
adverle-sequc tom a armadlo asen favor, por ser
excusado compra-la : a tratar na mosma venda.
Vende-se um sil iodo Ierras proprias com va-
rios arvoredos de fruclo casa, hoa cacimba, no
lugar d'Agoa-Fria de lleherihe; cujo sitio foi do fal-
lecido Jeronymo Jos Martina : no paleo da igreja do
Pilar, do ladoesquerdo, casa n. 181 ou no car-
lorio dosorphos se fara todo o negocio.
Prelos de
a 3,000 rs
re. uczes, aoantgo
Chcguem,
barate.ro do Passeio-Publi-
co, lujas ns. 9 e II, de Fir
miao Jos Rodrigues Fer-
reira,
annde acharSo ricos sortimentos de mantas fe
!o melhor gosto
dados 0 de qui
de selim decores
cortes de
" ...... p,....., ui ira un gorguean ui
bordados o de quadros, fazenda moderna;
se-
de seda ,
longos
para grvala; mantas degarca,
mu lindas ; superiores casimiras prelas clsticas
meia-casimiras de cores ; lindos corles de Illa e se-
da de qua.lroso lislras, a 6,000 rs. cada corte;
cassa-chitas de todos os gostos c padroes que mul-
lo agradapi, por serem do cores seguras e a precos
de 2SI)e 320 rs ocovado ; manas de lil de linho,
I [i la barato prego do 3,000 rs. ; brim Irangado do
Indio hranco e desceres; castc.ies do bonitos pa-
drOcs ; fustes linos de goslos ; chitas muito finas
e de goslo moderno; o unirs minias fazeudas de
goato que lod agradarfio aos compradores Adverle-se que as
amostras de cbita-cassas scro francas.
Prelos de arroz !
arroz, ero 'barricas,
com 4 a 5 arrobas.
Acaba de chegarlo til substancia alimentaria
l>ara cavados, ja bem condecida pelos possuidores:
Potassa.
Vende-se a verdadeira
e superior po-
tassa da Hussia a mais nova que existe
no mercado : na ra da (adeia do K< ri-
le, armazem n. ia, de Bailar & Oliveira.
i)]-psito de cal vikcem.
Na ra do Trapiche n. 17, ha sem-
|ire cal virgep de Lhtb6a, em barra pe-
queos, e ltimamente cliegada mui-
to superior e por preco r.isoavel.
Vendem-se caixas de cha hvsson, de 13 libras,
em porgues ou a retalbo ; caixas de velas de es-
permacete de 5 c 6 cm libra : na ra da Alfantlcga-
elha, n. 36, em casa de Matbeus Austin & C.
\endem-se6 escravos, sendo: 4 do 13, 16,
i e 33annos de bonitas liguras propritts para to-
no oservigo; urna mulaiiulia de alegante (igura
'jueengonima, cose chao e fa/ tolo o mais servico"
tados que se diilo ao comprador: na ra das
i-nizes, ii. 22, segundo andar.
\ende-se una osera va de bonita ligura do 18
anuos pouco maisou monos, propria para o ser-
vico de cato e ra : na ra do llangel, n. 60.
vende-so um moleque de 22 innos, sem -
cos nem achaques) um molnho de pedia, muito
bom paia moer iniluo pro.nplo do um ludo
rus do Queimado n. 40, segundo andar.
i.i,de-se no armazem do Bacelar na scadnha da
alfandega ou a fallar com J. It. da Fonseca Jnior
na ra do Vigario, n. 25.
Xn I ja nova da ra do Quci-
mado, n. II A, de Itaynjjiin-
clo Carlos i.eite ,
acha-se um novo sortimentodo pannos linos de todas
as cores o qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda; um completo sortimento de fazeudas linas
e grossas por prego mais barato do que cm outra
qualquer parta.
Luvasde pellica.
Afianga-se as boas qualidades destas luvas. Hado
todas as corea tanlo para bomcm como para se-
nhora. Vendem-se mais em contado que em nu-
tra qualquer parte. Na ra larga do Rozarlo, n. 24.
- Vendem-se cimillos da J|a-
vona : em casa de J. O. Elsler :
na ra da Cadeia-Vellia, n. 29.
Faunos fuos.
Vendem se superiores pannos finos, a pro'va do
llinilo prcto, a 3,000, 4,500,5,500 e 6.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. c muito lino, a 4,500 rs. listes
pannos sao novos o pela sua barateza, attendendo
a sua boa qualidade, tomam-oO recommendaveis.
Na ra do Collegio, n. 1.
Velas de cera,
da melhor qualidade que ha no Rio-dc-Janelro, em
caixas de ptimo sortimento, vendem-se por barato
prego na rua do Vigario, n. 25.
Vendem-se os seguintes escravos,
de muito boas figuras sem vicios nem
achaques : ditas pretns e urna parda de
20 anuos pouco mus ou menos que sao
lavadeiras e costnreiras; 3 pardos da
inesma idade, entre os quites um lie bom
spateiro e outro all'aiate e- todos pro-
prios para pagens ; um moleque de n
annos ; um pardo de 14 a 16 ai>nos ; um
mulitinliode 7 para 8 annos proprio
para andar com enancas: na rua do Cres-
po, loja n. a A, se dir quem vende.
iVa loja nova da rua do Quei-
mado, n. II A, de Raymun-
do Garlos Lcite ,
a 800 rs
a vara do ptimo panno de linho do Porio as pagas
silo dp 18 varas e meia ; dito do 25 varas, a 600 rs.;
guardanapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norto, propria para colleles, aquetas e etc., tecido
de seda o linho ; meias de linho as mais finas que
teem vindo ao mercado.
chrisiophers & Ponaldson ainda teem para ven-
der, de seus bem conhecidos e superiores vinh'ns :
ago'ardonte cognac, em cascos c garrafas ; eerve-
ja; tambem vendem 2 pianos inglczes j afamados:
na rua do Trapiche, n. 40.
AO BQM GOSTO PARA A FES-
TA DO NATAL.
Na novajoja do Passcio-Pu
blico, n. 19, de Manoel Joa-
quim Pascoal Ramos ,
vendem-sc cortes de casimira franceza, a 3,000 rs..;
brinsdequadros-c delistras, a 1,200 rs. avara ; di-
to brancoMc puro linho a 1,600 rs.; mantas de se-
da de bonitos padroes a 9,000 rs. ; chales de seda ,
a 2,500 e 8,000 rs.; panno fino preto a 5,000 rs. ;
dito azul, a 4,500 rs.; chapeos de sol, do seda prela
o de cores, a 7,500 rs.; longos de seda para grvala,
a 840e420rs. .ditos a 1,440 o 1,600 rs.; ditos do
relroz da ultima moda para senhora, a 3,200 rs.;
cortos tlecambraia, a 3,000 rs ; dita, a 800 rs. o
covado; chitas muito linas a 280 320 e 400 rs.;
riscados francezes do bonitos padrOes a 200 rs. o
covado; esguiflo muito fino, a 2,000 rs. a vara ; bre-
lanha lina, a 800 e 1,000 rs.; sarja pela hcspanhola,
a 2,000 rs.; selim preto a 1,000 rs. o covado.
Salsa-parrilha ,
a mellmrquc ha no mercado, vende-so por com-
modo prego no armazem do Braguez ou a fallar
coniJ. It. da Fonseca Jnior, na rua do Vigario ,
II. J.
Vende-se, por o dono se retirar
para lora da provincia tima cama da
armacao com assento de lona e corti-
nados ; urna me
de salo ; um par de mangas d vidro
ludo em muito
to commodo : na rua
10, segundo andar.
a 6,000 rs.; cortes de cambraia do cores e de todas
as diversidades, a 3,500 o 3,800 rs. ; longos dese-
lla paraalgibeira, a 1,200,1,520, 1,760, 2,000 e
2,240 rs. ; ditos de sedado cores para grvalas, a
1,700 rs. ; ditos do setim macad do coros o de gor-
gorito, de 3 tontas, a 1,900 rs c do qnalro, a
3,800 rs.; difosdo seda com franjas para sonhora
a 2,700 o 3,200 rs. ; ditos do seda prota, de tres
pontas, para homem ,ia 600 rs.; o outras muitas
fazeudas por prego commodo.
Vonde-sc urna inorada do casa de dous anda-
res e solSo com varandns de ferro, em chSos pro-
prios sito na travessa da Madre-de-Deos n. 7 : 1
tratar na rua da Cruz, n. 50.
Na loja de Manoel Joaquim
Pascoal Ramos, no Passeio-
Pblico, n. 19,
venderp-se cortes de cambraia legri a 2,000 r
o o covado a 240 rs. de padroes e cores as mais
indas que teem apparecido.
POTASSA DA HUSSU/
Vende-se potassa da Rnssia por pre-
co commodo: no armazem de Jos
Antonio de Araujo no becco do Gon-
calves..
-Vende-se um sobrado de dous andares e soto.
sito no principio da rua Direita, n. 2 : a tratar n
rua Nova n. 48.
Escravos Fgidos.
Ausentou-se, ha dias, da casa do seu senhor o
escravo Joilo pardo trigueiro de 15 a 17 annos
cara grande, olhos regulares bons denles; he
conhecido por andar frequentemenlo fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a su senhor Luiz Go-
mes Ferreira que recompensar generosamente.
Fugio.no da 8 do corrente", o pardo Mathias.
natural do Ico, olllcial do pedreiro, baixo o seceo
do corpo cabellos crespos pouca barba ; levou
chapeo de palha novo, camisa branca calcas de
riscado e duas trouxas de roupa em dous lengos ;
tem um dedo de menos na mito direita ; seguio pa-
ra Olinda onde foi perseguido at o Varadouro e
polo cavallo de quom o segua ser ruim, he que no
ro agarrado: quem o pegar leve-o a rua Imperial,
n. 9, quesera bem recompensado.
Fugio no dia 5 do corrente o pardo Flix;
tem um talho no rosto do lado direito, que pega da
sobrancelha at a bocheche; tema cara redonda e
sa de Jacaranda, de meio om mar?asd "gas, cabellos corridos como os
l n 1 .! de caboclo; tem 110 dedo indicador signal de um
ga-
liom uso, por preco mui-
do Collegio n.
n. 4f segundo
Sa ruado Cabug, loja n. 5,
de .11 a noel Antonio (ion-
calves. vondem-se
apparelhos para cha faqueiros do urna o duas du-
zias jarro e hacia colheres de tirar sopa, dilas
para sopa c para cha salvas palilciros salva e
lesoura, turibulo, naveta, vaso para santo-oleo,
clices : ludo chegado ltimamente do Porto : bem
como diversas obras de piala, ouro diamantes e
brilhantes : tudo do bom gosto e em conta.
Vendem se escravos muito baratos, pa-
1a se liquidarem contasdeste anno, na
rua das Larangeiras
andar:
tres lindos moleques do 14 a 16 annos ; um dito
com principios de sapateiro e que entende de pa-
llara ; um lindo mulatinho de 11 annos, muito es-
perto sem vicios proprio para aprender qualquer
olhcio ; um preto de 23 nonos ptimo para traba-
Ihar em armazem de assucar por ser bastante for-
te ; umditodenagSo, bom ganhador de rua, e que
esta acoslumado ao trabalho do reinago; um par-
do de 36 annos bom para tomar conla de um sitio,
por ser de boa conla ; um prcto do 40 annos bom
canociro e ptimo (inicial de canteo ; um dito de 40
anuos, por 200,000 rs. ; um prela muito forte,
por 220,000 rs.; duas pardas com algumas habili-
dades ; duas prelas muito mogas que s3o pti-
mas quitanderas ; duas ditas boas engommadeiras
e cozinheiras ; e outros escravos.
Vendem-se 4 pipas vasias e urna poroflo de
cascos por prego commodo, por sen dono querer
desoecupar o lugar : em Fra-de-l'ortas, n. 92.
-- Vende-se moeda de cobre : em casa de Fredc-
nco llobilliard, na rua do Trapiche-Novo, n. 18.
Vende-se superior blacbinha de
Ilamburgo, em latas, chegidi recente-
mente : na rua da Cruz, armazem
panaricio ,e no dedograndedo p esquordo tem a
un ha partida ao meio; levou camisa d alcodiio-
inhocom boloes na abertura do mesmo panno
ccroulas dealgod5oda trra j velhas e chape
de palha pintado de preto: quem o pegar leve-o ao
pateo do Corpo-Santo a Antonio Rodrigues Lima,
que gratificar.
Altencao!
-- Fugio.no dia 25 dootitubro prximo passado,
da casa do Manoel Antonio de Azovedo a sua es-
crava, de nomo Benedicta, crioula, de estatura bai-
xa, grossa do corpo, denles limados ; tem os pellos
desproporcionados a sua idado ; representa ter 16 a
18 annos ; levou dous vestidos, um do chita branca
com ramos miudos o outro de riscado azul imitan-
do dula; tambem levou panno da Costa j usado:
consta ter andado na estrada do Manguinho alea
l'onte-de-Ucha c tem sido vista de hoite em al-
gumas vendas dabairro da Boa-Vista. Itoga-se as
autoridades policiacs e capitiles de campo, quela ap-
prchendam o leyem-na no Aterro-da-ltoa-Vista ,
lojadolazendas.il. 10, ou no sobrado grande da
Soledade, que so gratificar com generosidade
-- Fugio, no dia 6 do corrente as 9 horas da noi-
te do lugar do Montciro a caabra Co'rdolina ; le-
vou emsua companhia urna filha d#poucos mezas,
muilo alvinba e com os olhos azues : quem a pegar
e-a a rua da Aurora, casa do Maciel ou atrs do
Iheatro cocheira do Sr. liis, quo se gratificar ge-
nerosamente.
- Fugio, no dia 3 do corrente, um pelo Cagan-
ge|. detrinta e lautos anuos; he bastante preto,
tem rosto cmpralo; do lado esquerdo signal de
A loja do nicho tem militas
|X chinchas.
Na esquina do Livra meato, loja do nicho, von-
dem-se mantas de bonitos gostos para senhora a
1,000 o 2,000 rs. ; ditas de selim de
48
Lotera do Kio-de-Janeiro a
htneficiodo Iheatro de S.-
I'cdro-deAlcntara da corte
Vendem-se bilhetes desta lotera em casa de J.
O. Usier, na rua da Cadeia-Velha, n. 29.
Est a chegar um casal do jumentos de raga
castclhana o qual seguir para o sul se nilo achar
de prompto comprador : quem o pretender quoira
Tallar com antecedencia na rua da Cruz, n, 45,
em casa de Nascimenloct Aniorim.
Na loja da rua da Cadeia do
Recite, ii. 5, de Claudino
Salvador I
vendem-se os mais modernos
i lirada ,
. chapeos ce massa
rraiiceze, para homem, a 5,800 r,s. ; ricos cortes
de velludo bordados para collele, a 5,500 rs. ; ri-
cos o elegantes cortes de cambraia de seda, de lin-
dsimos padroes a 7,500 rs.; lindas e delicadas
esquerdo sigi
urna (islilla ; tem os pes bastante grossos e alguma
cousa torios para dentro ; sabio para vender pilo
nafrcgueziadeS.-Autonio do Itecile; levou caigas
de algodilo Irangado azul e camisa de algodilozinho
branco: uuem o pogar leve-o a rua Direita, n. 69,
quesera recompensado.
-- Fugio, na imite do 27 do passado, de bordo do
patacho l)ous-de-Agosto, um escravo marinheiro, de
iiome Lu?., crioulo, de 30 annos pouco mais ou
menos altura regular, magro, cor bem prela'; tem
signaes do bexigas ; levou caigas e camisa de zuar-
te azul, chapeo de bala e igualmente urna por-
eflo de roupa usada : provavelinenle j lera muda-
do de trages. Itoga-se as autoridades policiaes e
capiuios de campo que o prendain o levem-iio a
bordo do dito patacho, ou a rua da Cadeia n. 45,
quo serlo gratificados.
Fugio, no dia 18 de oulubro prximo passado,
doengeiiho Antas, em Serinlifleni, um preto de
nagHoCacango, de nomo Joaquim estatura baixa ,
de bom corpo ; tem os beigos grossos o pomas ar-
queadas; quaudoauda he com pressa ; tem os ps
largos; ignora-sealgum outro signa!; levou cami-
sa eceroulas de algodozinho; foi encontrado no
(engenho Soccorro de Jaboalao, quando se encami-
nbava para o llccife: quem o pegar leve-o ao dilo en-
genbo Antas ou a rua da ,Cadeia do Recite, ao
escriptorio do Manoel Congalves da Silva, quesera
recompensado.
Fugio, no dia 5 de oulubro prximo passado,
do engeiibo Boinfiu da reguczia de Ipojuca o es-
cravo Narciso de nagao Gabn do 32 annos, olli-
cial de sapateiro (e de lazer assucar, de estatura
alta, secco do corpo, rosto compridoc descarnado,
falla gago; levou caigas e camisa de panno de al-
gOdfio da ten a com a marca n. 33 ; consla quo foi
encontrado na estrada dePao-Secco indo para o Ite-
cife. Itoga-se as autoridades policiaos o capitaes
do campo, que o appreheudaiii e levem-iio ao refe-
rido engenhe, a seu senhor Bernardo Tuleiilino
Manso da Costa Beis, ou na rua da Cadeia do Be-



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBKGTABUQ_IDC1BJ INGEST_TIME 2013-04-26T23:26:55Z PACKAGE AA00011611_08562
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES