Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08560


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1847.
Ter$a-fei?a 9
) /?///?/') pu'>lie-e todos os das que nao
rcm "le guifrfi : o prtco 4j0.i. ts. >oi qmrtel ptga ndia.Jadnt. Os,an-
nuncios dos assi|"nantes sj inserido! ras.o de
1P rs. p.rlin!i, H1 n c 11 typo dillVreiitc, e as
ri'pslijcs pala inetidc. Os que n3o forem .sig-
nantes pagarn 80 rs por iinlia, e l(:> in typo
(lillereiile, por cid- publicar ".o.
PlUSES DA LA. NO MICA DK NOVEHbMlO.
|,m nova, a 8, os SI minutos da Milh*.
Ciescentc a 15. is fl horas e 55 aa. d laide.
| na elisia a 5*. as horas e 44 min. da larde.
M ..ente a 3, ,U t horas e 2 miu. da larde.
PARTIDA DOS CRREIOS.
oianna e Paral.II>a s segundas esextas felina
ltio-rande-dn-Norte quintas feirasao oeio-dia
Cali, Serinliein, !\io-Formoso,Poi'i -Calvo e
4) acal'. no I.*, a II e II de cada.mex.
Uaranliunf e Bonito^ a 8 e 2J.
Boa-Vi.'ta e Flores, a 13 e 18.
Victoria, s qnintas-felraa.
Oliod, todos os das.
PP.EA.MAR DE HJE. .
I'rimeira, as .1 horas e 18 minutos da mauba.
Segunda, as 6 horas e 43 minutos da Urde.
jL-Jll-assss
de
Novembro. Anno XXIV.
N. *5.
DAS D\ SF.MVNA.
8 See. S. Sevriano. Aud. doJ. do orp.'
erJoJ. doc da :v. edol. M. da! v.
9 Tere. Tlicodoro. Aud.doJ..lociV da t.
v. edoJ.de paz do 1. dist He t.
10 uar'ta. B. Andr Avellino. Aud. do I. do
civ. da t. e do J. de paz do dist de l.
11 yuinta. S. Maiiiulio. Aud do J. Oe orpli.
do J. municipal da /.vara.
12 Seata. S. Marliuhn Aud do dociv. da I.
v.edo J. de paz do I. dist. de t.
13 ?al)bado. S. Eugenio. And. doJ. do civ.
da I. v. e do J. de paz do I dist. de 1
it Domingo. O Patrocinio de Nossa Ssuliora,
CAMBIOS NO I* 8 miNOVBMBRO.
SohreLondres 2 d por 1*000 r. a 80 dial.
u Pars 3>0 ri.-pnr tranco.
T.isl A. 105 a MOdepremio.
Dcie. de lettra. de l>ou f.rm.s I I a 4 /. *
0ro-Or,,-Ml.espa!.ol.....5S?^'' J
Mcdnsded'OOvell. 10*100 a H
deOflOOnov.
, de4|080.....
ProU Palaces.........
. Pesos columnares..,
i) Ditos mexicanos...
Miuda............
lG|n0i> a
SfiOO a
i.'.i'iii a
14940 a
l#78na
.380 a
IBflOO
IIIM
||80
IJ80
11100
1(290
a miuua.....p ...... -a------- -a
Acodes da c.np. do Heberibe de S.0|000 rs.ao par
DIARIO DE
PIRTE0FF1C?AL.
COMMANDO. DAS ARMAS.
Quarlel do commando das armas de Pernambnco, 6 de
ttovembro de 18*7.
01! DO. DO DI A N. 16.
0 commaudante das armas, tendo om vistn o dis-
posto no artigo 108 ta loi regulamentar daseloices
n. 387, de J9 de agosto de 18*6, ordena a todos os
Srs. comroahdanlos de corpos e fortalezas prximas
da proca, quoprohibam c facam-prohihir, arruma-
nientos de tropas, e qualquer outrn ostentacflo de
LVca militar no dia da elcieflo primaria que ha de
teilugaramanhfla, 7 do crranle, nesta cidade. Para
aue se lornc efticaz esto medida, ordena mais que1
facam recolher aos seus respectivos quarleis todas as
pracas do scus corpos, compreheudidos mesino os
enmaradas, nflo coiisentindo que'nenhuma dcllas,
sol) pretexto qualqucr, ande as ras, eindn que
vestida a paizano, exceptuando as ordenancas-do
Exm.Sr. presidente, as deste commanilo das armas,
o seu ajudanta de ordetis as do Sr. chefo de poli-
ca, bem assim aquellas pracas que s.e oceupam as
compras dos ranchos do seus quarteis e do hos-
pital.
Ocommaiulantc das armas espera do zelo c iiitc-
resse, que animatn a todos os Srs. commandantes,
pela causa publica e liherdadc de voto, que ser
manlida esta ordem, sob penada mais restricta res-
ponsabilidatic.
Manuel guacho de Cartalho Mendonra.
liiii iie rafif'iT
verdade est do nosso lado, como ora nos empenha-
mos a faz-lo.
Todos viram, todos prescnciaram a mancira por
que foram hontcm encelados os trabalhos eleitoracs.
A mais pronunciada uidifTerenga, o maiscondennia-
vol deleixo, eis o que pela manlia so maniiestou ;
s matrizos estavam quasi desertas ; o povo como
qiio no flueria concorrer para o acto, em que t;io
eminente papel llio cabia. Ao sormos informado
(lcssa-occurrencia un gemido se nos escapou de
dentro d'alma, e logo depois exclamamos : Lasli-
a matis qoe silo os nossos irmaos.' deixam que
corram A revelia os seus mais vitaos interesses...
E emquanto por este modo fallavauros, dr aguda nos
comprimia o corceo. Entretanto, nem ao menos
pensavamos que essa dr ia duplicar-se, que den-
tro em breve loriamos de lamentar, nflo so o aban-
dono e o deleixo que tanto noshaviam acabrunna-
tio, mas tambem alguns dessos excessos que jamis
perdoaremos aos nossos concilladnos, o que muito
(leseiamos nflo sejam rcproduzidos, para que posta
formar nielhor juizo de nos o pensador esclarecido,
que do fundo do seu gabinete nos prescruta, nos es-
tuda. ..
Sim, nem pela ment nos passava, que aain a
poucas horas seria rccolhido cadeia oSr. Francis-
co Jos de Veras, acensado de ter dcscarregado inflo
temeraria sobre una das faces de corto patricio s
IIKC1FK, 8 DE NOVKMBKO DE 1 N 17.
OS AC0HTEC1MENT0S DO DIA 7 DO CORRENTE.
O povo pernambucano traz sobre os olhos espessa
venda !... Coitado .'nflo comprehende a sua missflo;
nflo sabe aquilatar a importancia do direito que
exercequando tcm de elrgcr aquellos a quem a lei
incumbe a obrigaeflo de nomoar osquehflo de rc-
prcsenla-lo na assembla peral legislativa do des-
venturado imperio do Brasil/...
Estis em completo erro, dir, ao acabar de ler as
poucas lindas que deixamos escripias, algum desses
iomensque, seni querer curar do porvir, sem im-
porlar-.se com o dia do amanhSa, alctinha de leito de
rosas o terreno escorregadiocm que caminha, a bor-
dado iibysmocm que assenta os ps, s porquedes-
se caniin'hr lhc provm un lucro momentaneo,"e-
plicmeroe mosquinho s porque em derredor dcs-
sc abysino lobriga algumas llores odorferas, cujo
aroma o embriaga por curtos momentos : a o povo
pernambucano, continuar esse hornero, aclia-scli-
vre dessa venda que lhc enxcrgastes, comprchende-
so magniricarocrite, aprecia, como Ihe cumpre, esse
direito cujo valor suppondes desconhecido por elle ;
ieliai, puis, as vos'sas exclamaces; sflo injustas,
sao lilhas da vossa lgubre imaginaciio que vC mise-
rias por todas as partes, e vos leva a proclama-las
altamente, como se na realidadc exislissem
E com estas oxpressOes, o individuo, que nos figu-
ramos, julgar ter-nos esmagado; suppora haver-
nos c'oidomnodo ao n.ns perl'eito silencio ; enten-
der que nos vai forcar a reconhecer nossa injusti-
ea, a coufessar nossa habitual melancola. Mas, as-
sim nflo acontecer ; chama-lo-hemos para o cam-
po dos fados, e alii havemos do provar-lhe que a
_^--^ jaaaJaSaarraTriV~""^ ^w^^a*^vw' "rt<*vaa.uijailt'
com quem altercara na matriz da Boa-Vista ; que
os amigos desso cidadflo, a quem o Sr. -Veras allir-
nia nflo haver por tal forma desfeitado, soatirassom
sobre esse Sr., na jimia dlsposic.flo de pun lo do
ciimc que se Ihe imptitava ; <--quu essa punicflo so
tivora realisado, seoSr. JoaquimCarneiro Machado
Itios nflo tomasse sol) sua proteceflo o individuo que
ia sollVO-la, e nflo o acoinpanhasse ate a prisflo;
que, ao declinar do dia, so trocasscni cacetadas, na
freguezia de San-Jos, entre pessoas que nasceram
todas neste l'ornambuco, o quedeviam de acatar-so
como se fossem lhos do niesnio pai; que, tar-
de emim. ao atravessardo pateo da matriz de San-
to-Antonio para a ra das Ti inchoiras, tendo do nm
ladooSr. Joaquim l.uiz do Mello Carioca, e do ou-
tro o Sr. Jos francisco C.arneiro, recebesse urna bo-
fetada o Sr. bacharel Alfonso do Albuquerquo Mello,
por ter ousado reclamar contra Ilegalidades que ob-
servara na recepeflo das listas dos votantes !!!
Como este ultimo facto nos magtiou aindamis
"do que qualquer dos outros, j pela amr/ade que vo-
tamos ao entendido, j pelos motivos que ao diante
allegaremos, tratamos do colhor sobre elle as mais
minuciosas iuformaces. Ciliados, pois, por essas
iuformaces, o narraremos aos leitores como so elle
passou. *, ....
Segundo j dissemos, observara o Sr. bacharel Al-
fonso de Albuquerquo Mello algumas Ilegalidades
na recepcao das listas dos votantes da freguezia de
Santo-Antonio, isto he, vira que se recebiam lisias
dealguns individuos cujo nomo nflo era certamonle
o proclamado pelo funecionario da mesa parochial,
que que fazia a chamada; assentaia, pois, de recla-
mar contra semclhanto abuso; c. verificando o
crislfo reccia dar-Ido guarida, temerosa do que lho
invadam a residencia; passados alguns momeiitos,
Ihe Iva ofTerccida urna casaca para lon.a-laej.anii,
porquantoa que vestia, eslava quasi .nut.l.sada; o
Sr. Alfonso aceita o ofierec.mcnto, e acompa. lia.o*
Srs. Carioca e Camciro que se Ifio *t"MMtUl P*
prem-no a salvo de per.go: entremenles, quando
elle can.nl.ava do pateo da matriz para a ua da-
Trincheiras, toni lugar a compungento "COM que
mais cima noticiamos, isto hp, Jim dos '"moto-
res do molim alira-lhe lima bofetada !
destacado que tflo mal se portn, que m. r u
inflo do Caim sobre as faces do Sr. bacharel Affonso
de Albuquerquo Mello, nem ao menos toi CMuido
para un dos eallaboucos do corno policial: int.in.-
am-lh que eslava preso, mas olio deapwzou a -
Hfaacao, escarneced do individuo do cuja boceae la
partir!!!... Entretanto, o Sr. Francisco Joso do
Veras, do quem ja fallamos, logo depois do -
doem delicio igual ao perpetrado pelo amotinado,,
he immediatamente levado para a cadeu .. ..
E cenheceis vos, homem do povo, o eriMtOl
quem por tflo avilta.ite modo Insultas tes em urna
Jas roas mais publicas desta capital? He um dos
mais cxtreuuos defensores das yossas prcrogat.vas
he um dos mocos que mais se esforcam por W|
democracia sobre os restos da ariatocracia^ bei-ttOB
joven que quer ludo com o povo, o nada semolli.....
Alm do c, mequalilicado no cdigo brasiloiro, com
este acto nefario co.nmettestes o da ..igra d.,o...
Injuriastcs, it.sultastcs o irmflo que se afana^ por
quebrar-vs os grilhcs que suppoe embaa ai-No.-,
os pasaos nessa vereda do progresso que cntei.de de-
veis trilhar.'.'... E sflo estes -motivos que coopera-
ran) para que essa fatal occurrenc.a nos commovesso
mlsque todas as outras, c que nos compromette-
os a declarar. De feito, parl.o-se-nos de do o
coraeflo, quando souben.osquc o Sr. doutoi AIT. m-o
lora assim tratado por am daquelles, cujo tutu, o
tanto 0 rmpressiona, cuja surte tanto o oceupa .....
MaKIicflo, nialdicflo de Dos sobre a cabeca tic u .
so ostentou tflo ingrato, tflo pouco reconl.ec.doao n-
tnflo que lhc prepara benelicios.
Acabamos de receber cartas de um migo residen-
te no Poco-da-l'anella, que nos inlorma acliar-se
constituida assim a respectiva mesa parochial : .
Presidente, o Sr. Joflo Baplisla l'ereira l.obo.
Membrvs, os Srs. Francisco de Paula do llego Bar-
ros Joflo Francisco do llego Maia, Paulino Augusto
da Silva Freir c Jos Bernardo Fernandos (.ama.
VIlXCENZA. (*)
ron $L&mn&w&i8&J'&w
Vil.
O niSGATZ.
Dous das depois, Boceo c Jacopo conversavam
noite juntos, assentads mesma mesa, em urna es-
talagem defraoa perspectiva.
Esta casa, solada a um lado da estrada, era lu-
gar em quedescansavam os infolizes viandantes que
sedirigia'm a p para Chizza. Poucas vezesahi pas-
sovam a noite, repollidos sem duvida pela miseria c
mo humor do estalajadeiro.
Ero elle um homem baixo e membrudo', de barbas
i ulvas, o olhos fundos c pardos. Tinha porcompa-
irlieira urna velha vsga, de voz lacharla, que de
vez em quando ululava urna cantilena grotesca, e
que seassentava n'um cauto quando cansava das
peinas.
-^ Dcosqueira que o nosso santo patrono nos pro-
teja, Boceo 1 dizia Jacopo; tu representas om papel
que nflo he muitoseguro...... Mas conta-me sempre
ocaso.
l'oi no caminha de Treviso que elle teve lugar.
Nlo levoi ninguem commigo, porque tu nflo estavas
'*>-
(*) Vide Diario n. 252.
lilil l,UIHI>'V<.""-"---------- I it
proposito, aventara algumas eonsideracm's, a quo_a
mesa attendra; entilo, certo inspector de quartei-
rflo, vendo que por esse teor o negocio la mal, pois
que o partido, a quopcrtence.corriaoriscpde perder
votos, dirigi nm chasco ao Sr. Affonso: este cbasco
foi immediatamento seguido de repetidos gritos de
fura, fura como que atirados por sobre a cabe-
ca do reclamante: o Sr. Aflbnso volta-sc para os que
assim buscamabafar-lhe a .voz, o declara-Ibes que
a vozeria nflo o amedranta, que est no seu direito, e
que ha de continuar a exorc-lo : palavras nfloeran
ditas, os gritadores precipitam-sesobre o Sr. Affon-
so, que, depois do maltratado, o j com a casaca ro-
ta, pode ganhar o corredor da matriz, que lira do
lado do norte, e communica com a casa do sacristflo;
alguemoconduz para essa casa; asonhora do sa-
__-ftffyaa^rnaTiwi'r*'iiBaiaiiiarir iiaiinrnir-fr-*"'"
alii, e porque Mateo s a nos ambos o havia confiado ;
elle me linha dito que o Venesiano devia passar pola
orla do bosque; e eu recebi ordem do o acometter do
punlial; Mateo prohibir a pistola por causa dos sol-
dados, que ha nimios dias rondam lodos as noilos
pelos arredores. Sobretudo me recommendou el-
le que nfl Ihe dsse quartel...... A noilo eslava
escura...... viajor appareccu...... Caminhei para
elle....... .. .
Meu senhor, lhc disse cu, perd o caminlio.
En l'o vou ensinar, mcu galhardo.
Mas tambem perdi a minha bolea.....
Enlflo o homem observou-me, e vio com quem
Iralava. Melleu esporas cavalgadura ; mas eu op-
puz-me, e pedi-lhe com delicadeza que so apeasse.
l'nxou por um punhal, e eu tambem liroi o mcu.....
Icvei urna puuhalada no hombro; mas-fiz-lheper-
der o estribo, o ia acabar com a disputa laucndo-
me sobre elle. '
Ouvo, Jacopo, disse Boceo parando. I u me sal-
vaste j urna vez das mos dos esbirros; couheco
que nflo podes ser meu nimigo. Jura que nunca has
de declarar o segredo que te vou confiar.
Screi mudo como um defunlo; eu l'o juro pela
alma de minha mfli.
Poisbem! sabo que antes que eu entrasse no
bando de Mateo, fui criado do conde Ruggieri, que
he uni valeule e honrado mancebo, um verdadeiro
cordeiro quo o meu destino me mandara matar um
dia, depois de o ter losqueado durante dez annos.....
Pis bem esse cond'o Buggicri, que eu nfio reconhe-
cora, era o nosso Venesiano I..... Confesso-le que
liquei um pouco enternecido quando ouvi queme
chamava pelo meu nome. Michele, me disse ello, eu
poda ter-to leito prender polo leu ultimo roubo;
deixa-mc vida. Vou-me casar, eu te enriquecerei;
e se a minha fortuna nflo fr bastante para o meu
DIREITO MARTIMO.
nos NAVIOS, CAI'ITA E EQUIPAGBW.
I
Coriiao duodcimo seculo, quando depois desse
lon'"o periodo da idade media, que parece terassig-
iialadoum interregno entro duas CivilisacOes, vio-
se apparecer dobaixo da denominaeflode consulado
do mar [consollo del mure, um COlleOCfiO de coslu-
mea observados nos diversos pontos do mediterr-
neo a qual, enriquecendo o commcrcio de ulcias lu-
minosas sobre muilos pontos do direito, al cntflo
incerlo e duvidoso, dra lugar aos.celebrados juizos
de Oleron, all buidos, mas sem fundamento, a Ri-
cardo I da Inglaterra em sua volla da Terra-Suula, e
publicados no anno de 1266, assim como gua do
mar gunlien dla me/) c aos regulamcnlos martimos
de Wisbs, publicados, segundo Seldcno, no anno de
1288 asordenanc.as.da llansa Teutnica, publicadas
em l.'ubekem 1391, jiara regular o commcrcio das
nacOcs do noite, c s de Ainstcrdam, etc., etc.
Todos estes documentos antigos, respeitaveis sem
duvida, polo espirito de Justina que nelles se divisa-
rcsgalc, a senhora Casiano, minha nniva, a comple-
tara.
A offerta mereca ser examinada. Eu exitava......
Senhor condo, Ihe disso cu, lalvoz quo V. Ex. tivesse
feito melhor, tanto para si como para mim, se me
mandasse prender nessa poca, como V. Ex. tinha
todo o direito. C-imtudo, confio na sua palavra :
luja, cconscivc-sc escondido, at que cuoadvir-
ta .... Assim o prometteu elle..... Agora quereres tu
salvar-nos a ambos, JacopoP Conseguirci, por via
onde, o teu pcrdflo e o mcu.
V que seja; uno a minha fortuna tua, Roc-
co; faremos por sahr dessa rede. (
luanlo os dous homens assim fallavam, ala,
do-se cima da floresta, dorramava por todo o
n urna luz clara o suave. A velha abri urna ja-
ncil.iha para examinar so passava algum viajante
slrada; depois fechou o postigo, atigou a can-
de.a |ue eslava enganchada na parede, e foi sentar-
le t p dos bebidos, com as mflos postas sobre os
jo<.
- tna, perguntou um dos homens, Mateo pas-
.<. ... .....; va foram consultados pelo legislador francez, quan-
do or-anisara a ordenanza de 1681, que tilo provei-
tosa foi ao commcrcio do mundo naquella poca o
nos lempos que se Ihe seguiram, sendo por isso que
todas as lcgslacos modernas procuraram beber na
referida ordonanca os principios de equidado e salie-
doria uuc nclla se achavan consignados.
0 proprio redactor do cdigo do 1807, nflo obs-
tante a iPiiversalidadedoscus conhecmentos o vas-
lidilo de sua intelligencia, remlcu homenagem aos
trabalhos de urna geraoBo queja nflo viva, o P.rova-
leccu-se da sabadoria do governo daquelle o cuja ue-
cenilcnca havia arrebataJo o tlirono, para confeccio-
nar a sua obra, e mais perfeita seria ella se houvos-
sem sido conservados os processos verbaes ila u,s-
cussflo da aobredila ordonanca, poisquesolles po-
deriam prestar os devidos esclarecimonlos sobre
inlencflo generosa do grande, re que tizera promul-
gar tflo ulil, quanlo bom elaborada obra : entretan-
to, o cdigo de commercio do 1807 nada mais lez
do quc.rcproduzir, quasi quo textualmente, as suas
disposices, csoalguma difTerenca se nota nolie,
concernentc a materia da cpigraphe deste artigo, el-
la liinila-se ao augmento .o dcsignacSo das regras
estabelecidas sobre a prava da existencia o legiu-
midado dos privilegios estatuidos em favor dos cro-
dores dos navios pelo artigo 191 do mencionado c-
digo ; bem como a declarar nao subjeitos ao soques-
tro ou delongflo judicial ocapitflo e gente de equi-
pagem no momento do se fazer o navio do vela,
quando a ordonanca os obrigava a dar caucho : O
mesmo acontece a respeito do proprio navio, a me-
nos que se nao trate de dividas contrahidas em ra-
sflo da viagoni, artigo :I15) podendo-se anda nesta
hvpolheae prestar a lianca que o artigo 18 tit.lt li-
vro l.o da ordonanca citada exiga para lodos os
casos.
Kii.llamburgohedoutrina frrente fundada nos
coslumes antigos do pail, segundo alTlrma o Sr.
I eel.ls, que o navio nflo pode sor secuestrado quan-
d0 so ICl.fl a carga (n dit ketle gelegl, a assim lie fre-
uuenlemcntc decidido polos tribunaosdaquel a pra-
ca om Franca he mister que o capilOo j tenha re-
cebido suas expcdicOes para nlo poder ler lugar o
embargo do navio, nos termos do artigo 215 cima
"'o"queha do mais importante no cdigo de 1807
he ler o legislador arredado delle tudo o que per-
lence sdministfaoflo polica dos portas, bem co-
mo ao direito publico, assumptos estas uue oceupa-
vam uma grande parte da prodita ordenanca do
1681 Se olleobrou bem, se foi prudente em confiar
aos rcgulamentos do governo osla parte do direito
martimo, he o que anda nflo esta provado : entre-
tanto olhando-se para o cdigo da I'russia v-so quo
nellese proceder pela mesma forma que praticara
o legislador de 1681, pos que se procurara prevenir
todosos casos, abranger todas as hypothcses, o ale
n-Kularosdetalbcspraticos, qUc porvntura pode-
raui ser imaginados en favor do commercio enave-
eaco re apezar de que algumas minuciosidades ah
so cncontrem improprias de uma lci codihcada,como
,,or oxemplo a do artigo 1708, que manda conser-
var gatos a bgrdo, para prevenir o estrago tallo pe-
los ratos as mercaduras, comtudo he raraide du-
vida que isto nflo desaprecia, cantes (leve fazer o
cloui do respectivo legislador, pois que nflo so po-
de contestar que as suas vistas foram remover ludo
aquilloquo podesse ollendcr ointeiesse publico e
particular, crcumslancia esta que mais do que to-
das deve concorrer pura que urna le soja applau-
dida .
Todos os cdigos dao ao navio a qualificaQflo de
homuiovcl, esemllamburgo he elle considerado
como immovol, o que ce, lamente he mais raciona-
vol, pois que por toda parle he elle susceptivo! do
hypolheca e dos dircilos que sflo consequenles a
esta especie de garanta. Segurado os antigos usos
ojo por aqu ?
la furto dequinze dias que elle c nflo tem
; o se elle tardar muito, lalvoz que ja nflo uche
lio de sondrio ou um pedaco de queijo-par-
io assuasordens..... As provises vflo-se aca-
ban (, ecuseroi obrigadaa ir Ifcmbrar-lhc quo aqu
nao se vive de ar puro como em Veneza.
Toma l, para lo dar paciencia.
Dizeudo isto um dos hospedes, atirou com uma
moda de ouro ao avental de Runa : Com effeito,
diz ella examinando a moeda d'ouro com um ar de
satisfaCAo e de duvida, com effeito, a morada das c-
dades nflo he tflo segura para nos outras, pobres fe-
lhinhas, como estas quatro paredes, protegidas pela
j.aj.juami a. ...r>,)iwa minha reliquia que l est na cruz de prata do meu
rosario.
-- Velha louca! issonflo impedir qucsejasquei-
mada ii'uma fogucira; o que eu mesmo vi asso-
prar ao tago, accresccnlou o hospede dando urna
argnlhada. ...
E tu has de ser enforcado antes, e hei de ser eu
que lo hei de puxar a corda, replicou Rena com um
riso mordaz e mo.
O'l! por esse lado nflo tens tu nada que re-
ceiar; os esqueletos nflo seenforcam porque os cor-
vos nao achariam que debicar.
Desta vez os tres interlocutores se puzeram a nr
junios. Mas o estalajadeiro, entrando nesse momen-
to, lancou um olhar do revez ao grupo, e embur-
rando a Rena pelas costas : Conversa de mulher,
he lempo perdido, disse elle; vai trabalhar, coruja
velha. e toma sentido, se me tornarem a dizer que
os tes copos de estanho nflo cslflo bem lustrosos.....
Mas tu sabes melhor despejar qs cangirOes do que
encb-los. ,... ...
- Oh antes eu quizera estar meltida dentro do
uma gaiola do que nesta casa..... Quem falla aqui
ilctrabalho, quando apezar dos meus sessenta an-
nos?.....
Pois he justamente pelos leus sessenta annos
quo eu to aborrego. Quanlo mais lo demorares em
ir fazer companhiu aodiabo peior sera para ti.
Que gentil cavalleiro nflo he o malandrn), pa-
ra achar que eu j lhc nflo sirvo, replicou Rena com
irania, designando o estalajadeiro aos dous teste-
rounhas desta scena burlesca. Mas elles, tondo-so
levantado sem responder, acabavam de evadr-ae
por uma porta escusa pralicada no muro, avistando
entrada da cabana o rosto paludo de Maleo.
(ConHnuar-se-ha.)
ILEGIVEL


W

mm
M



e costumes de Portugal, a nossa legislado tambem
reputa os navios como bens movis, mas por urna
ficcflo forense sio havidos corno i mmovis para os
cfTeitos dedireito, podendo por isso ser hypolhe-
cados para seguranca das transaccOes. (Pereira e
Souza proc. civ. not. 799.)
Quanto sua venda he de absoluta necessidado
que ella seja feita por um acto publico, como deter-
mina o artigo 586 do cdigo hespanhol, e 210 do co-
dito ila Sardenha, sob pena de nullidade : entretan-
to, esta doutrina nio he geralmente observada, pois
que od Franca, em Inglaterra e cm Portugal basta
que naja um escripto de venda, emhora seja priva-
do, para reputar so vlida a mesma venda. ( Artigo
195 do cdigo commercial francez, e 129o do cdi-
go portuguez.)
Entro nos prevalece a regra seguida cm Portugal
sobreest materia, isto he, pde-so transferir pro-
priedado do navio por escriptura privada, sendo o
vendedor conmierciante, ou gozando de outraqual-
ouer categnr|i mj o COOOtle na ;osi"3o !" od-
reni os seus escriptos valer como escriptura publi-
ca, nos termos da ord. do livro 3 titulo 59^15,
Im do 30 do agosto de 1770, lei de 20 de junhb de
1774 $ 42, e assento 6. de 23 do novembro de 1769.
Apezar,
Je, S. M. a Imperatriz sentra-se algum tanto n-
commodada e lancera copiosamente ; mas adorme-
cer dahi a pouco, o entao I he desapparecra o in-
commodo. A26. achava-se a familia imperial no
lugar do seu destino, sem que nada solTresse em sua
sade.
Em consequencia de haver dado parte de doente
o Sr. presidente do concelho, a pasta do imperio
passra a seroecupda provisoriamente pelo Sr. mi-
nistro dajustica, e a da fazenda peloSr. ministro
dos negocios estrangeiros.
Fra aposentado o Sr. ministro do supremo tri-
bunal de justia, Adriano Jos Leal.
O governo extinguir limadas varas civeis desta
cidade do Itecife; nomera para a primeira das res-
pectivas varas crimesaoSr. Flix Peixolo do Brito
e Mello; e para juizdedireito da comarca deGoi-
anna ao Sr. Manoel Libanio de Castro Peroira.
Tinhamsidodemitlidos i d commando superior
da guarda nacional do Maranho, o Sr. Jos Cursi-
llo Raposo; edo lugar de ajudanie do ministro Ja
marinha, encarregado do respectivo quartel-genc-
ral, oSr. chefo do esquadra Jos Pereira Pinto.
Para substituir ao ultimo dos demiltidos, fra Ho-
rneado o Sr. chefe do divisflo reformado, Jacintho
COMMERCIO.
Alandega.
RENDIME.NTO DO DA 8............4:861,458
Detcarregam hoje, 9 de novembro.
Escuna Harret bacalho.
ISarca Alkn-Mc-Fielder farinha de trigo..
, porom, deque na Inglaterra a venda do J Itoque de Senna Pereira.
navio possa ser feita por escripto privado, comtudo As embarcares russas, hanovehanas, das Cida-
.^er0*.estalul0liex,Kern que o certificado do ins-.'des Anseticas, deOIdemburgo, da Suecia eNorue-
pena de sor o navio desiiarionalisado, como se acha
ex prestamente determinado nos estatutos 3.* e 4.
de Gutlhcrme IV captulos 55, 26 o 31, do Jorge III ca-
liiiuln co 17, o 08 41 : entretanto uno podemos
deixar de mencionar aqui una slngularidade que
encontramos no direitb martimo da Griio-ltretanha,
pelo que respeita s escripturas publicas o priva-
das em materia de venda, e afietamenlo dos navios :
estos pdem ser vendidos, como j fizemos ver, por
escriptura particular, masa respeito doafrelamen-
loda-sca seguinte differenca que bem nos parece
incluir urna conlradicc.lo formal.
Se O capitflo he quem contrata, c usa de escriptu-
ra privada (urilino under liand) para firmeza do con-
trato, obriga nflo s o navio como o proprielario ;
se, poriB, o mesmn contrato he celebrado por es-
criptura publica instrument underseul o capitflo he
obligado a preeneber todas as formalidades pros-
criptas para semclhante acto, nflo podendo alm
disto contratar fra dus lit.itesdc um poderauthen-
ticoe debilito : de maneira que, segundo odircilo
maritimo inglez, a escriptura privada confere mais
amplilude de poderes, e niesmo he reputada mais
conveniente para os contratos d venda e afretamen-
to dos navios, do que os actos pblicos, oque em
verdade he bem uotavel, como observa o Sr. Poehls
na Obra -- Darslellung des Siirechls, nachilen Gesetsen
der vorziiglichsten liandeluden Staalen Europas und
Ameritas, O cdigo portuguez no artigo 1320 exi-
ge a DscripcSo de cada venda de navio na intenden-
cia do porto, confirme se acha legislado no artigo
1318; p o hollandez no artigo 309 determina que es-
ta inscripefio soja feita em um registro pyblico.
Vi Prussia a tradicuo das pequeas barcas e boles
he toda material e emquanlo aos navios de alio
bordo ella tem lugar symbolicameiite, islo lio, per
intermedio de um signal, como se v do artigo 1407
do espectivo cdigo.
Pelo que respeita compra dos navios, existem
suas Umitacors, cstabelccidas nos cdigos hespa-
nhol o da Itussia. [Swod.) Assim, era llespanha um
eslraogeiro nio pode conslituir-se proprietario de
um navio hespanol, e se pile vem a peitoncer-lhe
por heranca ou legado, he obrigado a vende-lo den-
tro de 30 dias, depois da acquisicjlo; (artigo 584; ao
I teso que lodos os llespanhes podem adquirir por
qualqucr titulo, efazer nacionalisar os navios es-
trangeiros. (Artigo 590.J
Na Itussia s oscommercianlcs da primeira e se-
gunda guildas podem comprar navios estrangeiros,
(artigo 547 doSieod) ese a venda he feita por um
subdito russiano a um eslrangeiro he misler a in-
terferencia do respectivo cnsul, para sua validado.
[Artigo 550.) Arasilodestas disposicOes. conccbc-se
fcilmente em face do artigo 591 do cdigo hespa-
nhol, e 572 do cdigo da Itussia, que reservan) aos
naciqjiaes o commercio e navcgacilo costeira, ou de
caliotagem.
Deaccordo coiu os principios protectores da ma-
rinha morcante nacional, o cdigo hespanhol prohi-
bi expressamente que Ibssem sequestrados na
llespanha os navios estrangeiros, amenos quo se
nao tratasso de dividas conlrahidas em ulilidade dos
niusmos navios. Artig 605.)
Entro nos existem osalvars de 15 de abril do
1"">7, e 24 de maio de 1765, que delerminam a sus-
pensflo dos sequestros, penhoras e execuces sobre
OS navios prximos a partir, declarando que suas
viagens nosejain impedidas pelas referidas execu-
Cfles ou penhoras, uina vez que cllcs ja lenhain em
seus bordos vi ule toneladas de qualquer mercadoria;
e esla legislarlo, que alias inda nflo foi substitui-
da, provu da uianeia. mais comincenle que o an-
t'(o legislador deste paizolhara coni vistas benig-
nas para os inteiesscs do commercio e navegaeflo,
o que cortamente nao acontece presentemente.
Para ser armador na Prussia he mister ser com-
mercianle, (artigo 1421) o na llespanha he necesa-
rio quoobtenha a ihacripcSo do seu nome no re-
gistro, matricula da provincia, em que morar. (Arti-
go 616 do codito hespanhol) No Brasil se acha esta
Materia regulada pelo regulameutoda capitana do
porto, cujos detallies, posto que iinpeiTeilos, sup-
preni muitas lacunas da auliga legislacflo.
Cada armador coproprietario podo vender sua
parte do navio, mas no caso do queror o seu coin-
leressado compra-la, he elloobngado a dar-lde a
preferencia lauto por tanlo, licando o comprador o-
brigaUo a consignaran! juizo, ou a pagar no prazo
de 3 dias o proco da venda; (arligu6l2 do cdigo hes-
panhol 1437 do cdigo da Prussia 560 do cdi-
go russo 35 do cdigo dinamarquez de 1683, vul-
garmente contundo por lei dinamarqueza {Uanske
Ijjv)15 da ordenauca martima da Suecia, de 11
demarco do 1667,; cumprindo notar quo na Dina-
marca nflo he adinissivel o contrato celebrado entro
muilos armadores sobre o mesmo navio, sem ser
por escriptura publica, como determina o regula-
nenlo de 30 dejulho do 1756, o quo nflo he de ab-
soluta necessidado m outros paizos.
Ilaviam solicitado c obti.lo demissflo: o Sr. tcnen-
te-coroncl Antonio Fcrnandes Padha, do comman-
do do corpo lixo do Piauhy ; o Sr. coronel l.uiz da
Costa Labaroda Prades, do commando do 1. bata-
lhflo de fuzileiros-; e o Sr. coronel Cyprian Jos de
Almeida, do cargo de director do arsenal de guerra
da provincia do Para. Osegundo tivera por substitu-
to, oSr. visconde de Camam, coronel do estado-
maior da primeira classo do exercito ; o torceiro, o
Sr. lenentc-coronel Francisco Ravmundo Correa de
Faria.
Fra removido do lugar do chefo de polica do
Maranho para o do Para o Sr. juiz de dircito Manoel
de Cerqueira Pinto.
Emquanto ostiver ausente o Sr. visconde de Monf-
Alegre, servir na secejo do concelho de estado dos
negocios do imperio o Snr. Caelano Maria Lopes
Cama.
O governo decretara a deinissio do secretario da
capitana do port do Maranho, quo, como disse-
mos d'outra vez, commettra o inqualificavcl crime
de estuprar urna menina deoitomezes; e nomera
para amauuenscda alfandega da mesma provincia,
o Sr. Ricardo Pereira de Faria.
Fram nomeados : juiz municipal e d'orphflos do
termo do Campias, o Sr. hachare! Antonio Duartc
iSovaes; thesourriro-pagador da marinha, o Snr
Candido Joso da Victoria; majar do corpo do fuzi-
leiros navacs,x) Sr. capilflo-tenento Joaquim Jos da
Silva; secretario, o Sr. segundo lente reformado
Jos Maria Pereira Caldas; e cominicsario, o com-
missario de numero Francisco Itoinflo Itibeiro.
Exclusivo somonte o collcgio de San-Romilo cuja
votaeflo anda se nio conhecia, deviam entrar na
lisia sxtupla de dous senadores por Minas-Geraes
os Srs Limpo, Torres, Jos Pedro, Quinliliano,
Costa Pinto cJoseFelicianno.
0 Jornal do Commercio, de posse de datas de Porlo-
Alegre ale 7 e do Itio-Grande-do-Sul at 9 de outu-
bro prximo passado, noticia que no primeiro desses
das se installara a assembla da referida provincia ;
diz quede 7 a 15 desetembro as chovas foram tilo
copiosas ahi.que, alm de outros muilos estragos que
causaram, eoncorreram para quo fosse levada pelas
agoas i nova ponte da praca do Mercado ; refere que
eram candidatos a deputaeflo geral os Srs. Barcellos,
Candido Baptisla, Johim e Pedro Chaves, assim co-
mo que um desses cundida los declarara no Commerr
co, que a presidencia nflo tomava parte na lula clei-
loral : transcreve, emlim, o artigo do precitado pe-
ridico c o trecho de certa cario norlicular, que a-
baixo copiamos :
Somos informados por va segura que urna fr-
Consulado.
IIEMIIME.NTO DO DA 8.
Geral......
Diversas provincias.
1:181,200
128,604
i:39,
ordem de S. Ex., do 6 deste mesmo mez. Pagadorig-
militar de Pernambuco, 8de novembro do 1847.
No impedimento do eacrivlto,
Joio Arttnio Barbota.
RELACA dat ptfai de fardamento perlencmie ao ex-
linvo batulhUo de infantera da guarda na-
cional destacada do commando do tenente-
coronel Antonio Lint Caldas, que te acham
recolhidat no artenal de guerra, bem como
dat do fardamento da respectiva, msica.
RIO-DE-JANEIRO.
i:* MUIOS 110 DA 27 OE NOVEMBRO DE 1847.
Cambios sobre Londres."......27a27|
Paris.........342 a 345
lia m burgo......640
Metaes. Oncas hespanhlas. ..... 28,500 a 28,700
da patria.......27,800 a 28,000
Pesos hespanhijes. ....
q ila patria.....
Pecas de 6,400, velhas. .
Fardas compridas-----------------------------.
Barretinas-----------.---------------.-..
Dragonas promptas----------------------..
Jaaus de panno lino- -,---------------..
Calcas do panno lino---------------------------------.
Dneles do panno------.-----.---------._
Gravatas com atacas-----------------------------------
DnrABili* nrlna Ha hrim ----.....__,_
109
256
254
t*3
87
24
115
126
Capotes de panno azul --------------------------- 137.
Bandas de 13a-------------------------------------------
Pares de dragonas para segundo sargentos e
furriois--------------------------------------------
Dito de dita para brigada evago-mestre
Barretinas de pollo para inferiores ------..
10
1
11
Vamos transmittir aos leitores as noticias que co-
Ihmoa a pressa nos jornaes que, al 28 de ouiubro
ultiino, nos trouxe do Rio-de-Janeiro o-vapor Impe-
rador, chegado hoje dos portos do sul.
As u horas da oanhfla dodia 22embarcaram no
caes de San-Chr.stovflo, comdireccflo aPetropolis,
,^7r:hettaUgU8,lasi)rincez"s imperiaes. Aoche-
gar a fabrica de plvora, pelas 6 e 1/2 horas da tar-
co argentina, em numero de 50 praqas comman-
dadas pelo tenentc-coronel Bemardino, chegoua
esta Ironleua, commettendo diversas alrocida-
des sobro as pessoas o propiedades de cidadilos
oricnlaes, tres dos quaes, que ciiigiam bandas
militares, pagaran! com a vida a resistencia que
pretendan oppr a seus aggressorcs.
r 8tL"'e,do commandnnle llotelho, pertencentc
a divisflode BrigidoSilveira que guarneca o Chuv.
' foi atacada por lorgas oribistas, e leve quarenta'o
lautos morios. No da 28 do setembro eslava Sil-
vena nasinimediacesdeMaldonado.
lia das occorreu o seguinte na fronteira de
Santa-lhereza. Foi preso deste lado- da linha o
major len.os a quem se altribuiam os muilos
roubosdecavall.adas que leom havido cm eslan-
cus de Brasileiros estabolecidos no Estado Orien-
tal, o entregue a urna escolta de inrantaria Asse-
gura-seliojcquealgunsc,ompai.|ieiros desse ma-
jor passaram ao nosso territorio a pretexto de vi-
taro lar major, e flue, munndo-o de armas e
lazendo-omoiitar na gurupa de-um dos seus ca-
vellos, o arrancaran! guarda de infantaria econ-
seguirn) pr-so a salvo alm da fronteira
.. Por um barco entrado de Montevideo no dia 8
saue-se que o governo ordenou ao general Rivera
quo se apresonlasse na capital.
O mesmo Jornal aprossa-se cm publicar o para-
zraphodeuma carta em que o seu correspondon-
Prata .' ............97 a 99
Apolicesde 6 wr cento...... 86 i
<> provinciaes..........85*
(Jornal do Commercio.)
BAHA.
CAMBIOS NO DIA 4 DE NOVEMBRO DE 1847.
Londres............. 27 a 27 i
Paris ............345 rs.
Hamburgo............655.
Lisboa .,-.............100al06p.c.dopr
Oncas hesponhlas........30,000
mexicanas.........29,500
Pecas de 6,400 .........16,000 a 16,500
Modas de 4,000..........9,000
Prata............... 100 a 106 p. c.
Acedes' do banco 20 por cento nominal.
( Correio Mercantil.)
ftloviiueiito do Porto.
Kaviot entradot no dia 8,
Baltimoro ; 48 dias, barca americana Allen-Mc.-Fi-
elder, de 332 toneladas, capitflo llenry W. YVillis,
oquipagem 13, carga farinha emobilia; a L. G.
Ferreira & Companhia.
Terra-Nova ; 40 dias, brigue inglez Cynthia, de 216
toneladas, capitflo Willjam Goldwosthy, equipa-
gem 13, carga 2:800 barricas com bacalho ; aja-
mes Crablreo & Companhia. Este navio e o pro-
cedente entraram para o Mosqueiro.
Rio-de-Janeiro, Babia o Macoi ; 11 dias, edo ulti-
mo porto 21 horas, vapor brsileiro Imperador, do
467 toneladas, com mandante o primeiro tente Joa-
quim Salom Ramos de Azovodo. Passageiros :
para esla provincia, Francisco Tavares de Carva-
Ihoo Mello com um escravo, Jos Itibeiro de A-
raujo Pinheir, Y'. Ignacio Xavior Jnior com um
escravo, Jos Lucio Monteiro da Franca, Brasilei-
ros;J. A. Machado, Portuguez; J. O. Gayem, A-
mcricano, o 3 pracas de pret: para o MaranhSo,
Francisco de Paula Telles de Menozes, Brsileiro ;
Fre Benedicto de Baglio, Italiano para o Para,
Jos Paz de Souza, Jos Ferreira Calilo, tenente
Bernardo Pereira do Carino Jnior, com um es-
cscravo, I). Ilem iqueta Zeferina do Carmo, Pedro
de Alcntara o Lima, Joo Jos do Miranda, Bra-
sileiros; C. B. Champar, Francez; E. Eggeus, Al-
lem.lo.
FARDAMENTO DA MSICA.
Barretina do pello prompta para o mestre -
1 920 a l 940 Bitas de dito promptas------.----------------------- .
1J800 a l',8IO Turbant<* promptos -
16,500a 16,7001 Ditos Je setim
' y.irui iln .1...... .
Pares de dragonas---------------.,w-.__
Dito do ditas para p mestre -----------
Ditos de brozeguins de marroquim-----------
Fardas compridas de panno fino bordadas------
Roupes de panno fino encarnado---------...
Faixas de retroz de dito -------- _"._ .
Ditas de setim com franjas------------------..
1
16
2
2
19
1
3
20
2
19
JV. B. Todas as pecas de fardamento foram re-
colhdas em mao estado. Arsenal de guerra, 27 de
setembro de 1844. Manoel Peregrino da Silva, al-
mocharife.
Conforme. No impedimento doescrivo, Joio
rcenlo Barbota.
CONSULADO DE PORTUGAL.
A chancellarla do consulado foi transferida da ca-
sa n. 7 da ra da Cruz para o segundo andar da casa
n. 1 da mesma ra.
Agencia da companhia bratileira de paquetes a vapor,
O escriptorio desta agencia foi mudado para a ca-
sa n. 1 da ra da Cruz.
THEATR PUBLICO.
; BENEFICIO DO PONTO.
SiBUADO, 13 DO CBRENTE,
rcpresenlar-se-ha a muito linda e desejada peca
Marta da Fante,
a qual fin dar com excel lentes cantorias e Janeas, o
com o brillianle pantomima
O RECBUTAMENTO NA ALDEIA.
Por motivos justos.ao respcitavel publico fazemos
scionte que a peca Castigo da Prepotencia ica
transferida para 23 de dovembro dqcorronte mez.
do Pars informa que o internuncio Itedini tem
de ir tomar cunta da nunciatura de Baviora. va-
ga pela promoeflo de moiisenhor Moricchi ao car-
go de ministro da fazenda deque fra demiltidoo
cardeal Atonelli, eque a envialura do Ro-de-Ja-
noiro (a mesma do Sr. Bedini) havia de ser confia-
da a monsenlior Fcrrcri, actual superior das mis-
sOcs em Hollando.
As gazetas da Babia que recebemos pela barca
cuja entrada mais cima annuncimos, alcancam a
5 do corren te. '
A provincia estova em Iranquillidade.
A pohciaapprehendra um preto quo se suppu-
nha ser o fanngerado Lucas de quem om outra oc-
casiflo fallamos.
A 29 de outubro ultimo, um menino do nove o
oulro de seis anuos, do nomes Jos o Aloxandre U-
guccioni, entre grande numero de espectadores
quo linliain alnido ao theatro do Sau-Joflo, des-
empenharam em rabees parles tflo dilllceis de diver-
sas operas, que grangearam a estima e admiraeflo
de lodos que sa achavam presentes.
EDITA ES.
A cmara municipal desta cidade, em virlude da
postura addicional do 7 de outubro do corrento on-
no, tem marcado o prazo de 40 dias, contados da da-
ta da publicacflo deste, para que dentro dolles os
nroprietariosconcertem os passeios de suas casas
E pa ra que a todos conste, se mandou publicar o
presente.
Paco da cmara municipal do Rocife, em sess'So
extraordinaria de 6 de novembro de 1847.
Manoel Joaquim do llego e Albuquerque,
Presidente.
Joo Jote Ferreira de Aguiar,
Secretario.
Jodo Xavier Carneiro da Cunha, fidalgo cavalleiro da
cata imperial, cavalleiro da ordem de Chritlo, e admi-
nistrador da mesa do consulado detta provincia, por
S. M, o Imperador, que Dos guarde, etc.
Faz saber que no dia 13 do correntemez, a urna
hora da tarde, so hilo do arrematar cm praca, na
porta desla repartieflo, 2saccas de algodao com 5
arrobas o 29 libras,du primeira qualidade, a 6,80) rs.
a arroba, e4 arrobas e 11 libras de refugo, a 5,800
rs. a arroba, apprehendidas no acto da inspeceflo
pelo feitor e conferente Prxedes da Fonseca Couli-
nho, por falsiicacflo do genero : sendo a arrenia-
tacflo livro do despez ao orremotanto.
Mesa do consulado do Pernambuco, 8 do novem-
bro Je 1847.
avisos martimos.
O administrador,
Joao Xavier Carneiro da Cunha.
lieclai-acot'S.
Para Lisboa sahe, impreterivelmcnte no dia 21
do corren te, a barca portugueza Teo: a inda recebe
carga e passageiros : a tratar com o capitflo ou com
consignatarios, Oliveira IrmSos & Companhia, na
praca do Commercio.
Para Lisboa sabe, com brevidade, o brigue por-
tuguez Novo-Vencedor: para carga e passageiros
trata-se com o capitflo, Manoel Jos Pinto, na pra-
Ca do Gommercio ou com o consignatario, Tho-
maz de Aquino Fonseca na ra do Vgario; n. 19.
Para o Cear sahe, no dia 15 do corronte, a su-
maca Carlota, por se achar com a maior parte da sua
carga a bordo : para o restante e passageiros trata-
se com o mestre, Jolo Antonio da Silva, ou na ra
da Cruz, n. 26, com Luiz Jos de S Araujo.
A barca portugueza Espirito-Santo sabe para a
cidado do Porto com a maior brovidade possivel:
3uem na mesma quizer carregar ou ir do passagem,
irija-se ao consignatario, Francisco Alvos da. Cu-
nta, na ra do Vigario, n. M\, ou ao capitflo na
praca do Commercio.
Le i loe s.
Kalkmann & Rosen mund farfl loililo, por inter-
veneflo do correlor Oliveira, de grande sortimento
de fazendas novas : quarta-feira, 10 do correle, s
10 horas da tianhfla, no sou armazem, ra da Cruz.
Adamson llowie& Companhia farflo leilflo, por
ulerveiicito do correlor Oliveira de grande e va-
riado sortimento de fazendas inglczas: hoje,
9 do correle as 10 horas da mandila no seu ar-
mazem da ra da Alfandcga-Vellia. .
Avisos diversos.
PAGAORIA MILITAR.
Por determinaeflo do Exm. Sr. presidente, de 4 do
presente mez, mandn cm consequencia o Sr. coro-
nel commissario-pagador annunciar que so arrema-
tar embasta publica perante esta pagadoria mili-
tar, no dia 13 do corrento pelas 10 horas dodia as
pecas Je fardamento pertencente aooxtincto bata-
IhSo do inrantaria da guarda'nacional destacada co
commando do tenenle-coronel Antonio Lins Caldas
que se acham recolhidas no arsenal de guerra, bem
como as do fardamento da respectiva msica, cons-
tantes da relaeflo abaixo transcripta. AS pessoas. a
quem tal arramataeao convier, podero dirigir-se
ao referido arsenal de guerra, para examinar as
mencionadas pecas de fardamento, conformo outra
Pcrderam-se, no dia 7 do corrente, o bairro do
Recife, 95,000 rs. cm cdulas: roga-se a quem des-
te dinheirosoiiber, dirija-so a ra da Cruz, n. 14,
quo ser gratificado.
Precisa-so de um caixeiro para venda, Je 10 a
14 annos no Aterro-da-Boa-Vista, na primeira ven-
da ao p da ponte.
Aluga-se urna cazinha entre as ras da Aurora
c Hospicio, junto mar : a tratar na ra das Cru-
zes, n. 30.
Quem precisar de urna ama de casa de ponas
a dentro, para qualquer casa de pouca familia, pro-
cure detrs do Callabouco, casa, n. 2
Aluga-se o segundo andar e sotflo com muilos
commodos da casa da ra do Quoimado, n. : a tra-
tar na lojada mesma.
_--Aluga-se um escravo proprio para todo o ser-
vieoporser muito robusto; um mulatinho milito
proprio para servir urna casa, por ser muito dili-
gente e bom comprador: quem os prelendor, di-
rija-se defronto do oilflo do theatro novo, casa n.
11, ou a cochoira de Joo da Cunha Res por de-
trs do theatra velho.
i



LOTERA DO THATRO.
Tendo urna pessoa, no dia 2 do corrento, comprar
do o resto de todos os bhetes que oxisliam por ven-
der, com a conuicfo de nlo sor transferido odia
marcado para o andain'onto das rodas ; o thesourei-
ro desta lotera declara pelo presente, que semelhan-
tedia, heinafteravel, oquoportanto as ditas rodas
correrlo, scm a menor.falta ou cstorvo, a 16 deste
nira.
O Sr. doutor Lourenco Becerra
Carneiro da Cunha queira ter a bonJa-
de de dirigir-sc ra do Cabug leja
n. 6, a negocio que Ihe diz respeito.
Alugam-se: na Trempe urna casa terrea com
quintal, cacimba e mais commodos para grande
familia, na ra da Soledade, n. 35, por 19,000 rs.
JUensaiis; duas ditas mais pequeas na ra do Sebo,
ns. 53 e 51, por 7,000 rs. mensaes : quem preten-
der dirija-se ao egeriptorio de F. X. de Oliveira, na
ra da Aurora, n. 26.
O doutor Casanova medico francez contia
a recoitar em sua casa na ra Nova, n. 7, primei-
ro andar, defroiite do oitlo da matriz de S.-Anto-
nio das 7 at as 9 horas da manhia ; e depois dis-
to est prompto a qualquor hora para fazer visitas
a qualquer doentc que de seu preslimo se quizor
utilisar.
Precisa-se de un administrador para um en-
pcnlio distante desta praga lOlegoas: a Tallar na 8o-
ldado no sitio que foj Quem precisar de afinar pianos fortes, o mesmo
precisando elles do algnnsconccrtos, certo de que se
l'ar urna o oulra colisa com toda a perfeigfio e por
diminuta paga, dirija-so a ra dn-Vigario, n. 1*.
- Aluga-se um sitio na Magdalena, no principio
da estrada Nova, com baixa para planta docapim ou
outras plantagcs : quem pretender dirija-se a mes-
illa Magdalena, a casa do Manocl de Jess Jordfto
Caldeira.
No dia do crrente mez, dcsancaminhou-se
urna lettra sacada por Jos Fernandos Ferreira, a-
coila por Antonio Coelho de Mello, e cedida pelo
sacante a Joaquini Jos da Costa l.eitio. Por ja se
ter prevenido, ao aceitante, se faz o prete annun-
cio. Tambem so perdou um balando de um armazem,
e por isso quem o adiar, leve-o a ra da Senzalla-
Velha, n. 98, que sera gralilicado
Um francez, chegado do Rio-do-Janeiro, deseja
adiar mu sucio com alguns fundos para um esta-
belecimcnto de aspballo-podingo, etc. : quem o
pretender dirija-se a ruada Ponle-Velha, ns. 9 o 11.
--Quem tiver urna preta para alugar, quejsaiba
cozinhar, engommar e fazer todo o ::iais servico de
urna casa, e que de fiador a sua conducta dirija-
se a ra da Aurora', n. 20.
- Aluga-se um sitio para passar a festa com boa
casa, coz i n lia fra, cacimba com boa agoa de beber,
senzalla, estribara, na ostrada da Torre: tam-
bem se aluga um armazem na ra largado Roza-
rio: a tratar no lerro-da-Boa-Vista, n. 38-
OSr. Laurentino Antonio Moreira de Carvalho
queira dirigir-sea praga da Independencia livra-
ria ns. 6 e 8, a negocio de seu inieresse.
Precisa-so alugar um preto, ou preta para to-
do o servico : na ra larga do Rozario, a. 48, se-
gundo andar. Paga-se bem.
Jos dos Santos Neves he credor do casal de
Joaquim Rufino do Reg, com hypolhoca especial
em urna casa terrea no lugar do Cachahg e nos es-
cravos Escolstica, Romana filha desta Florn-
da, da Costa, Jacintha, filha desta, Isabel e Francis-
co pela quantin do 2:900,000 rs. e seus juros; e
como o seu devedor est procodendo a inventario
e vai-sc proceder a partilha, para que os herdei-
rosQqucm certos dos dbitos, de que os referi-
das bens nlo pbdem ser vendidos, faz o presente
annuncio.
Aluga-se urna casa terrea novamento pintada e
caiada, na travessa do Peixoto : a tratar no becco
doSarapatel, sobrado n. 16.
Nao se tendo effectuado a reuinilo convocada
pelo abaixo assignado para o dia 6 do corrente, por
ter deixado de comparecer a maioria dos credores ,
torna a convocar aos mesmos Srs. para que hajain
de compareces no dia 9 do correte, as 10 horas
da manhia, no Aterro-da-Ba-'Visla n. 43, casa
da Senhora viuva
mo abaixo ssignad
xein de comparecer
ci tendente a seus inleresses.
Rocif, 6 do novembro de 1847.
Jos Cordciro de Carvalho Leile.
Na ra da Cruz, n. 2f, precisa-so de um fetor
para um sitio muito prximo da cidad.
Precisa-se de um oflicial de charuloiro : na rt
Nova de S,-Amaro, casa terrea, n. 20.
Ainda ha para alugar duas casas com muito
bons commodos, no sitio do Cajueiro, e tambem
ma cocheira na Boa-Vista : a tratar no mesmo
sitio do Cajueiro.
~ A'porta do Sr. doutor juiz da 1.' vara do C-
vel, se ha de arrematar urna canoa grande de con-
ducclo. Dar principio hoje, 9 do corrente.
Quem precisar de urna ama com bastante loite
dirija-se a ra da Cadeia, n. 9, casa da viuva Cunha
GuimarSes.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra de Mor-
as, n. 24, primero andar.
Ainda restam para se. alugar, pelo lempo de
festa 3 casas em S.-Anna, muito frescas ; a fallar
no mesmo lugar, com JoSo Venancio Machado da
Paz.
~ Paga-se a passagem a urna mulher que queira
irem companhia do urna senhora o fllhos para Por-
tugal : a tratar na ra do Queiinado, n. 30.
Precisa-se alugar um preto trabalhador de mas-
seira : na ra Direita padaria n. 40.
Trancelinsdo qualquer modelo, anneis, fitas ,
flores, aderecos, pulseiras, brincos, etc. ; ludo o
mais bem feito possivel ,e por prego mdico.
mmmmm
Diio-se 5os'ooo rs.de gralificacao,
e se pag.iro todos as m3s despe-
zastjue se tenliam feito, a quem
dr notii i i do calioclinlio escra-
vo por nome Vicente de seis
anuos, pouco mais ou menos, sec-
co do corpo; Icin no anus duasfe-
ridas de bobas, e I12 um tanto le-
so, por ser novato nesti praca; le-
vou vestido camisa de algodo da
Ierra um tanto stija ; desencami-
nhou-se da ra do Vigario, n. 2$,
aonde se poder dirigir a pessoa
pie soiiIkt, ou ra da Cadeia
do Henlc, n. > i
ra so transfllntarem e com preferencia os que os-
liverem em lugar mais prximo: quem tiver an-
nuncie.
-Compra-se um flandres para vender fazendas,
e que osteja novo, ou em bom estado: na ra da Scn-
zalla-Nova, II. 7, OU aniiuncii".
Compra m-so, efectivamente, garrafas e boti-
jas: na restilacSo da ra do.S.-Rita n. 85.
~ Compra-se urna casa terrea que tenha bom
quintal, em qualquer dos bairros do S.-Antonio, ou
Uoa-Visla no sendo-emboceos o que pouco ex-
ceda de 1:000,000 rs. : na botica de Joilo Mqroira
Marques.
Compram-se 100 meios de sola de boa marca :
na ra do Collegio, n. 19.
Compram-se, para urna encommenda do mallo,
4 escravos : na ra da Cadeia de S.-Anlonio n 19,
primeiro andar.
Compram-se olliciaes do carpina, pedroiros ,
ferroiros e carpinleiros, para fra da provincia;
pagam-se bem, agradando : na ra da Cruz, no Re-
clfe, n. 49.
--Compra-se umjogodegamfo cm tabolas de
ni.ii Un : na ra da Praia, armazem n. 18, ou an-
nuncie.
Vendas.
Alteiicio!
precisa-se re-
. que se ven-
Para saldar o debito de urna casa,
qater urna lettra de 2.000,000 do ris
ce em fevereiro prximo, assignada por pessoas
idneas ede muito bom credilo: quem quiz cr fazer
este negocio digne-se entender com o Burgos, no si-
tio da cascata que est autorisado para conclui-lo,
ou annunciar a sua morada, para ser procurada.
5|CHAPEOS >E SOJLH
Ra do iJ'assetO"Pblico, n. 5.
Joifo l.oubct participa ao respeitavel publico, que
recebcu, por estes ltimos navios francezes, um com-
pleto sortimento de chapeos de sol, de seda, a mais
. rica c.superior qualidade; urta-cres e outras mui-
Ilrito & Filhos: o'espera mes- las conheeidas. lano para homens, como para 9ras
J.que os Srs. credores no ei- e meninos. No mesmo estabelecimenlo ha um sort-
r uoraue tem de se propr neg- monto do chapeos de sol de paninho, dos mais mo-
dernos ; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo : tambem tem chapeos de solide paninho
,para meninos o meninas, por screm muito finos: po-
- Quem precisar" dT^m'calxcl rapara" qii'aTquer'dein-sc chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ostabclociinento, preferindo-se venda, do quo o a-
nuanciarite tm pratica, procure na ra Nova, loja_
n. 58, das 8 as 11 horas da manhSa.
* O ahaixo assignado, em resposta ao annuncio
inserto neslo Diario pelos Srs. James Crabtree &
Companhia, em comofoi despedido de sua casa, lem
de negar semolhanlc asserefo ; e est prompto a in-
formar qualquer pessoa que interessar possa os
motivos da suaretirada da mesma casa.
J. S. Hearne.
Precisa-se de um feitor para um si-
tio perlo da praca-. paga-se bem : na na
Nova, n. 8.
lona Mara de Macedo Navarra, viuva do falle-
cido Joiio Baplisla Navarro, previno aos credores do
seu easal, que ella se ada procedendo .a inventaro
pelojuizpda primeira vara, eicrivo Motta ; e para
que cada umrequoira osen direito se quizer, fazo
presente.
~ Filippc Nery dos Santos embarca para o Rjo-
Cranle-do-Sul a sua escravj parda, donme Ber-
nardina com una cria.
Precisa-se de um vendedor do pSo, e quo
trabalho na tendedeira para tomarconla de urna
freguezia : na ra hireila, padaria, n. 24.
Acha-se justa e contralatta por compra urna
casa terrea sita na ra Imperial, n. 3 oulr'ora
n. 2, junto a nova matriz de S.-Jos quo foi do fal-
lecido Jos do&Santos da Costa, a quiil boje per-
lonceaos herdeiros do mesme, quo so Marcclli-
uo do Espirito Santo Manocl Jos do Nascimento ,
Genoveva da Silva e Candida dos Santos Silveira.
Quem na mesma casa tiver algum direito a allegar,
haja de o fazer no prazo de tres das contados da
data deste por osla mesma folha ou dirija-se a
ra de S.-Thereza, n. .54.
Precisa-se alugar urna escrava para engom-
mar ensalmare fazer alguma costura: na ra da
Concordia, sobrado de Manocl Firmino Ferreira.
~- Precisa-so de um caixeiro portuguez para to-
mar conla de urna venda que tnha pratica e d
."/ador a sua conducta: nSo se olha a proco : no lar-
go da Boa-Vista, venda de Antonio Jos de Maga-
lbSes.
ba sortimento de bengalas, bengaliuhas e chicotes
muito modernos; cobre-se qualquer annac5o do cha-
peos de sol, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
paniiinhos trancados e lisos, imitando soda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vende a retal lio.
Conccrla-se todo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento de todos os pertences para
os mesmos, com toda a perfeico c brevidade.
-fferecc-sc urna criada para ama de casa, a qual
sabt cozinhar, engommar e fazer todo o servico de
urna casa : na ra das Cruzas, u. 12.
Na vendado pateo da Santa-Cruz, n. 6, preci-
sa-se do um caixeiro que tenha bastante pratica, e
quo de fiadora sua conducta.
Na noite do 3 do corrente, perdeu-se umem-
brulho de cdulas uniendo 180,000 rs., indo a pes-
soa que o conduzia pelos scguinles lugares : pra
cinha dol.ivranieiito, ra estrella do Rozario, pa-
teo do Carmo, ra de Moras, Murlyrios, e Augusta,
vollando pela travessa do Dique, pateo do Terco,
roa Direita e l.ivramenlo : se alguem achou csse
dinheiro, o quizer possuir alguma parto dello cun
socego da conscicucia, cntenda-se com o abaixo
assignado na ra do Rangel, n. 3, primeiro andar,
que 1 lio dir do quo valor eram as cdulas, e grali-
licar o inventor com 80,000 rs.
iimtlino G'uedcs de Mello.
O abaixo assignado convida os seus credores
para, no prazo de 5 das contados da data'deste,
comparecerem na ra to Rangel, n. 3, onde assisle,
alini de tralar-se dos seus pagamentos. Itecife, 9 do
novembro de 1847.
Lourenpo Hezerra Carneiro da Cunha.
Aluga-se, por festa ou por auno, urna casa com
suffriveis commodos, no Mouteiro, travessa do Quia-
boj tambem se aluga urna sala independonte da ca-
sa, muito fresca, distante do rio dez passos, que he
o melhor lugar que o Capibaribe tem para banlios,
e nada mais proprio para homem soltciro : a tratar
com Jo3oda Cunha Reis.
Compras.
Vendem-se enfeites de froco de di-
versas cores para cabecas de senboras :
na luja de Waya Hamos & C, ra Nova,
n. (>.
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vendem-se bilhetes e meios ditos da terceira loT
tera a beneficio ilo convento do S.-Antonio : na ra
da Cadeia, loja de cambio, n. 38, de Manocl (lomes.
Vende-se um sobrado no largo do
Terco, ii. 26, em cbSos proprios : a rra^
lar no mesmo sobrado,
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende se na livraria Ja praca da Independencia ,
ns, 6 e 8, o Novo Mez Mariano, accrescentado com o
Lauspercnne do Santissimo Rozario.
Vendem-se pecas de madapolilo limpo com
20 varas, a 2",500 rs.; pegas de chitas escuras e do
cores fixas muito encorpadas o fortes a 5,500 rs. ,
o a meia pataca a retalho s na ra estroita do Roza-
rio, 11 10, terceiro andar.
Quaclros.
Na ra do Cabug, loja de miudezas do Francis-
co Joaquim Duarte, ha um completo sorlimcnto de
quadros de sanios em moldura dourada e do diffe-
renles lmannos, de 80 a 800 rs. : a elles antes que
se ac be 111.
Historias dos meninos para quem nao for
crianca.
Esto livro faceto e curioso, que acaba de chegar
livraria da esquina do Collegio, contm o seguinle :
a noitc das comadres com os frades ; a madruga-
da do frade; o anjo no convento; o Josezinho da
villa ; a pocessa pejada pelo confessor; Sror Fe-
duncia ; Dclamhida o um hysope ; Gregorio Robles
foilo Senh'or dos Passos ; a viuva roubada pelo con-
fessor e criada ; o abbade astucioso ; o proprietario
desabusado ; o frade pejado; a-boata escrupulosa;
a rolica cozinheira; o rei Miguel o seu hortelilo ; a
bella roubadora ;o arriero 00 frade denunciante ;
e outras muitas : 1 v. grosso cusa 3,000 rs.
" Venhaiii, que eslo se aca-
bando
os sapalOes do bezerro para homem obra boa a
1,280 rs. : no Aler/o-da-Boa-Vista, loja n. 78.
Vcndc-se urna escrava do gento de Angola, de
nai;fio Congo, boa quitandeira c lavadeira de sahfo ,
que eo/inlia o diario do ama casa o he muito sa-
ilia: o motivo da venda se dir ao comprador: na
ra da Cadeia dcS.-Antonio, sobrado de um andar,
n. 18, por cima de una loja de traslcs.
Vendo-so urna morada de casa terrea livre e
desembarazada, sita no bairro deS.-Antonio em
ebrios proprios, que rende mensalmente 9,000
rs. c onde mora bom inquilino : quem a preten-
der annuncio.
AO BARATEIRO, FREGUEZES.'
Na ra Nova, n. 26, loja de Tinoco & Rocha ven-
dem-se cortes de colletes de velludo muito supe-
rior a 3,500 e 4,500 rs.
\0

terro-da-Bta Visla, n. fl,
primeiro andar,
casa do modas francezas, vendem-se chapeos de
palha da Italia, muito alva o lina ; chales ( cinco
(jijarlas ) de Ida ; mantas de dita de muito bonitas
cores ; mercearias para costuras dassenhoras, por
proco commodo.
PECIIINCHA.
JosSaporti tem caixmhascom 12 frascos de azoi-
le doce refinado, que, para acabar com elle vende
pelo commodo prego de2,000 rs. cada caixinha :
na ra da Cruz, no Rocjfo, n. 18, segundo andar.
Veiidc-so um bom cozinbeirodo ordinario de
qualquer casa de familia por prego em conla, por
sen-dono se retirar para fra da provincia: na ra
da Cruz, no Itecife n. 49, so dir quem vende.
Vende-se urna venda com o fundo de 600,000
rs. pouco mais ou menos, em muito bom lugar pa-
ra retalho e com commodos para morar familia ,
sendo o seu aluguel muito mdico : tambem ven-
de-se melado a prazo com boas urinas : na ra lar-
ga do Rozario, venda n. 33, so dir com quem se
devo tratar.
>*- Vendem-se presuntos inglezes para
fiambre ; queijos londrinos; touciiilio
de fumo;- (bacon) conservas ; mostarda ;
sal retinado; molhos para carne e pe-
xe ; curril da India mostarda ingleza ,
landrcs de salmo ; ditos de carnes em
conserva ; bervilbas em flandres ; ditas
sas em boioes ; azeite doce refinado ; vi-
nbos engarrafados, Porto e Sherry;agoa-
ardente de Franca ; hiskev, muito su-
perior ; cerveja preta em botijas ; dita
branca ; lijlos para limpar ftcas ; cb
bysson e preto ; oleo de jinhaca ; carne
de porco salgada ; dita de vacca : todo
ebegado no ultimo navio de Inglaterra:
na na di Cruz, n. 7, armazem de Davis
& Companbia."
Deposito de vinagr da fabrica
da ra Imperial, n. 7.
na fabrica de licores, de Frederico Chaves, no Ater-
ro-da-lloa-Vista, n. 17, ondo se achara sempre
grande porgflo e por prego commodo.
Dramas recem-chegados, e a ven-
da na livraria da esquina do
Collegio.
A Madre Silva, por Mondes Leal, em 5 actos,
1847 ; a Pobre das ruinas, em 3 actos, 1846 ; o Pa-
gom de Aljubarrota, em 3 actos por Mendos Leal,
1846 ; Duasfilhas em 3 actos, por Pereira da Cu-
nha ; oMagrico, 1846 ; I). Mariade Aloncastro, etn
3 parles, por Mendos Leal, 1846; a Enjoitada; o
llomcm da mascara negra ; o Conde Joo; a Rainba
o a Aventureira por C. de Lcenla; collecglo de
pegas representadas no thealro do D. Mara II ; Ca-
pitflo Paulo, em 3 actos, por A. Dumas ; Vclho do
25 anuos ; AITonso III ; Virginia tragedia de Allie-
r ; Captivo de Fez ; Dous renegados; e alguns ou-
tros : assim como urna collecglo de novos e varia-,
dos entremezes e farcas de boa escolha : tambem
um sortimento de bilhetes de thcatro de difiran-
les cores.
i
Vende-se,
Cadeia, n. 37,cera em ve-
las fabricadas no Ko-
de'Janeiro, em urna das
melhores fabricas em
caixas pequeas, sorli-
f men'.os ao gosto do com-
prador, e por preco mais
barato do que em oulra
qualquer parte.
Na padaria do urna s porta, na praga'.da S.-
Cruz, junto ao sobrado da esquina da ra Velha ,
vcndc-se, alm do excellente pilo, biscouto doce e
d'agoa o sal ralias boiaciiinhas doces ed'agoa e
sal de 24 e mais em libra bolacha de todos os ta-
manhos ; ludo da melhor farinha que ha no merca-
do e com o maior asscio possivel. Na mesma pada-
ria se dir quem vendo quatro mergulhos de para
reir moscalcl-jasmim, em caixOes proprios para
screm plantados em qualquer quintal.
FRESQUINHO.
Chegou pelo brigue Bom-Jesut, vindo do Rio-de-
Janciro, urna remessa do superior rap grosso e
meio-grosso, da fabrica de Eslov3o Gasse. Os dig-
nos freguezos oncontraro no doposito da ra da
Cruz do Itecife, .n. 38, a quantidado e sortimento
quequzerem. O seu prego he j sabido : 1,280 rs.,
sendo de 5 libras para cima.
Por mudanga de armazem, vendem-se alguns
depsitos paraassucar, muito baratos, pipase bar-
ricas vasias : na ra da Scnzalla-Velha, n. 110.
Na ra do Crespo, loja n. 12,
de Jos Joaquim da Silva
Al aya,
vendem-se muito lindos chapeos para meninas,
tanto de seda como de palhinha chegados ltima-
mente de Pars' chapeos do seda para senhora;
cortes do crambraia de seda.de ricos gostos, por
prego muito commodo ; cortes de vestidos de cam-
braia c cassa-chitasde difTerentes qualidades por
pregos baratos; ditos com urna pinta de mofo e
sem elle, a 2,000 o 2,500 rs. cada corte ; mantas de
seda e 1.1a para, senhora das mais modernas que
leem vindo a esta praga a 5,000 rs. cada urna ;
mantas chales de seda de varias qualidades e ba-
ratos; alpaca preta a 800 e 1,600 rs. o covaJo ;
panno de linho, a 400 rs. a vara; casimiras fran-
cezas e elsticas para caigas a 5,000 rs. o corte;
fustOes; setinse velludos para collete, por prego
muito em conta ; bem como um sortimento de ou-
tras muitas fazendas, que se vendem pelo barato.
Admira veis nava-
Ihas de acoda China
que teem a va uta geni de cortar o cabello sem ofTen-
sa da pelle, dcixando a cara parecendo estar na
sua brilhante mocidade.
Este ago vem exclusivamente da China e s nel-
le trabalham dous dos melhores e mais abalisados
cutileiros da nunca excedida o rica cidade dePe-
kiin capital do imperio China.Autor Shan.
N. I). He reconhecido o uso deslas navalhaa
maravilhosas por todas as sociedades das scien-
cias mcdico-cirurgicas, tanto da Europa como da
America Azia e frica, nlo s para prevenir as mo-
lestias das cutis, mas tambem como um meio coa-
metico.
Vendem-se as verdadeiras s na ra larga do Ro-
zario, n. 24.
Cera do rio-de-janeiro e de lisboa.
Vende-so completo sortimento mais barato do que
em parte alguma, por liquidago : na ra da Sen-
zalla- Velha, armazem, n. 110.
Vendem-se hervilhas muito boas e propriaa
______z._____Iscccas para sopa ; (landres de sanlinbas:
. r i i i- I Para somear, por serem muito novas: na ra da Praia.
-Compram-se50ps de coqueiros, proprios pa-lostras frescas em flandres ; ditjs salpre-|n. 20.
1

\
MUTILADO


p
mm

1
^
- '
A
I

I

I
I





Vende-so, ou troca-se por casas nesta pta r;i, um
terreno com 412 palmos de frente e 150 do fundo,
sito por detrs ilo covento do Carmo : a tratar com
o sou propietario no Manguind segundo sitio
depoisdacapella de S.-Josc.
Casa da F
na rna cstreita do Hozario, n. 6.
Nesto estabeleciment acham-se a venda as bem
acreditlas cautelas da lotera do tbeatro publico
desla cidade, cujas rodas andam no lia 16 do no-
vembro. O cautelista espera que os seus freguezcs
concorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
nasquaesseesperam boassortes, pela excedente es-
culla que se fez dos nmeros para seren divididos
coi cautelas. A ellas qesflo poucase boas. Precos
os do costume.
Vendem-se S pretos do boas figuras sendo
iluus carreyos o vaqueiros o um carpina ; um ino-
icquo e um molecilo para todo o servico ; tambores;
rodetes; caldoiras o aguillifios antigos : no lim da
ra da Aurora, n. i.
iartasparavolta-
rete,
as melilotos e mais baratas : vendem-se na ra lar-
ga ilo flnza/io n. 24.
AGENCIA KA nNDFgAQ'DEXOW-MOOR.
Va na da Senzalla-Nova n. 12, contina a bnver
., n completo sortimento de raoondas e machinas de
vapor, para engenhos do ussucar : bem como tai-
xas de ferro batido ecoado de lodos os tamaitos
ludo por proco commodo.
gura, quasi nova, emuito propria para abrir: na
ra dn Cruz no Rocifo armazenr do ssuar, n. 23,
se dir quem vende.
Vendem-se duas carrocas e dous bois gordos ,
filhos do pasto e muito mansos por prego commo-
do : na ra Nova, n. 33, se dir quem vendo..
Re lm i ras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora ,
pelo barato prego de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
fazenda he nova c do muito sublimes gostos, sen-
do as suas coros mui apreciaveis por serem cor de
lirio, rosa operla. A ellcs, antes que se acabem.
Na ra do Collegio, loja n. 1.
Vcnde-se um preto de nado, do 40 annos, do
bonita figura por ser muito corpolenlo : nffo tcm
vicios nem achaques: vende-so para comprar urna
pretu ou tambem se troca : na ra da Concordia,
passaiido a pulcziulia, a direila, segunda casa ter-
rea.
Vendem-se pennas do cia muito boas: na
na da Conceico da Boa-Vista n. 4.

A 160 rs. ocovado.
Potassa.
e superior po-
, a mais nova que existe
Vende-se a verdaden
tassa da Bussia
lio mercado : na roa da 'Cadeia do Kcci-
i*e, armazeni n. 12, de Hallar & Oliveira.
Fareos de arroz Prelos de
arroz, em barricas, a 3,000 rs ,
com 4 a 5 arrobas.
Acaba de chegar tilo ntil substancia alimentaria
para cavados ja bem conhecida pelos possuidores:
vendo-se no armazem do Bacelar na escadinha da
allandega ou a fallar com J. U. da Fonscea Jnior ,
ua ra do Vigario, n. 25.
Vendem-sc cimillos da [la-
vana : em casa de J. O. Elsler :
na ra da Cadeia-Velha, n. '9.
0)
')

9
r
Hiscadosfrancczcs, a 160 b 200 rs. o co- in-
vado ; damasco de algodio, a G40 rs. o co--^
vado; cobertas de dito muito largo, a
3,500 rs. cada uina; meias casimiras, a
2,210 rs. o corte; ditas elsticas, a 2,500 o
3,000 rs. ; panno lino de todas as cores, a
4,000 rs,; cortes do cassa-chita, do bous.
gosto.s a 2,500 e 3,003 ; novas casimiras
clsticas, de bonitos padrOes: coitos de
chita o mais fino possivel; cortes de cassa
de padrOes intuito modernos'; alpaca mui-
to (ina ; dita do cdrdflo o de varias coros ;
cites de panno bordados para sapatos ;
w. novo sortimento de corles do cassa-soda
x&> do novos gostos; chapeos francezos da ul-
j.tima moda ; e nutras muitas fazendas li- ,#jfo
as: ludo por monos prego do que em ou- '83/
S) traqualquorloja: na ra do Queimado *j* loja nova da casa ainarella n. 29, *v
@ m
Vende-se excedente vinlio tinto e
bronco de Bordeaos en caixas de du-
ZM : oa ra ;!a Senzalla-Nova, n. i38.
r
dooservigo; urna mulatinha do o'ogante figura ,
quoongomma, cose chao o faz todo o-mais aervgo
do uina casa; urna crioula do 26 annos, com habi-
lidades que se dirSo ao comprador: na ra das
Cru'zes n. 22, segundo andar'.
Vendo-se urna escrava de bonita figura de 18
anuos ponen maisou menos, propria para o ser-
vigo de casa e ra na ra do Rangel, n. 60.
Venderse, na^rua de Agoas-Verdes n. 46, urna
parda mucama recolhida com escolenlos habili-
dades; urna ptima preta com muito bom leite ,
o que be boa quitandeira ; urna dita lavadeira e
quitandeira, por 300,000 rs.; urna dita por 25o,ooo
rs.; urna dita para o mallo, por commodo prego;
um escravo de meia idade, que nao fogo nem bebe,
por 300,000 rs.; dous bonitos moloques de naco,
do 17 a 18 annos; um bonito escravo qo trabulla
mui bom de carpina e marceneiro. .
Oadeirasa polka, a 1^600 rs,
vendem-so no armazem do Guimarfes no caes da
Alfandega e em casa do J. J. Tasso Jnior na ra
do Amoriin, n. 35..
-- Vende-se urna venda na ra de S.-Francisco ,
ao pe do palacete do Sr. Eiras, com poucos fundos,
ccommodos para pouca familia, a qual he situada
em muito bom local, c por isso tom boa frcguozia
iara a trra : a tratar na mesma venda ou na ra
arga do Hozario, om casa do Sr. Manoel Pereira
l.cmos.
Vendo-sea bem conhecida venda da ra Im-
perial n. 145, por seu dono ter de ir a Portugal :
adverte-seque tcm a armagilo a sou favor, por ser
excusado compra-la : a tratar na mesma venda.
Vende-se um sitio do trras proprias com va-
rios arvoredos do fruclo casa, hoa cacimba, no
lugar d'Agoa-Fria de Bebenbc; cujo sitio foi do fal-'
lecido Jeronymo Jos Martins : no pateo da igreja do
Pilar, ilo lairo esquerdo, casa n. 181 ou no car-
lorio dosorphios se far todo o negocio.
= Vende-so a padaria das Cinco-Ponas por pre-
go commodo ou d-se interesse a qualqucr possoa
capaz, que seja hbil para lomar conta della : na
ra Direila, a fallar com Manoel Joaquim Soaros.
nados ; urna mesa de Jacaranda, de meio
de sala ; um par de manga* de vidro
tiulo em muito bom uso, por preco mui.
to commodo : na ra do Collegio n,
10, segundo andar.
Na ruado Cabiig loja n. 5I
de Manoel Antonio Gon-
calves, vendem-se
appa redos para cha faquoirosdo urna e duasdu-l
zias jarro e baca co Hieres de tirar sopa lilas
para sopa e para cha se Ivas paliteiros, salva
tesoura, turibulo, naveta vaso para santo-oleo
clices : tudo bogado ltimamente do Porto: ben
como d|versas obras de pfata, ouro., diamantes el
hnlhnnlnc ludo ?n hnffTl frtcln f Vende-se urna prota de nagSo moga, de boa I
figura : na ra Direila esquina do boce do Sori-
gado, n. 93, primeiro andar, das 6 as 9 da ma-
nlifla e das 2 as 4 da tarde.
Escravos Futidos.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos linos, a prova de
limOo preto, a 3,000, 4,500.5,500 e 6.500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. ,e muito lino, a 4,500 rs. Estos
pannos sao novos o pela sua barateza, atlendendo
asua boa qualidade, tornam-se reconimendaveis.
Na na do Collegio, n. 1.
Velas de cera,
la mcllior qualidade que ha no Rio-dc-Janelro, om
caixas do ptimo soitimento, vendem-se por barato
prego, na ra do Vigario, n. 25.
-- Vendem-se os segui>ites escravos ,
de muito Loas figuras sem vicios nem
achaques : duas. prclas c urna parda de
20 annos pouco mais ou menos que sao
l;ivadeiras e costureiras; 3 pardos da
inosiiia idade, entre os qnacs um he Ijom
sipateiro e ontro alfaiate c todos pio-
jillos para pagens ; um moleque de i-j
anuos ; um paulo de 14 a 16 ni-nos ; um
mulatinho de j para 8 anuos, proprio
pata andar com ci ancas: na ra do Cres-
po, loja n. 2 A, se dir quem vende.
Na loja nova da ra do Quei-
mado, n. 11 A, de liaymun-
do Carlos Leite ,
a HOO i s
a vara do ptimo panno de linho do Porio as pegas
silo guardanapos de puro linho a 800 rs, ; fazenda do
norte, propria para collctes, jnquetas c ele, lecido
de seda e linho ; meias de linho as mnis finas que
teem viudo ao mercado.
Cbristophers & Donaldson linda teem para ven-
der, de seus bem conhecidos e superiores vanos
ago'ardcnte cognac, em cascos c garrafas ; cerve-
ja : tambem vendem 2 pianos inglezes ja afamados:
ua ra do Trapiche, n. 40.
Sao de patente c somonte se
vendem no Aterro-da-Boa-
Vista, loja n, i 8,
cxcellentes bonetes do verdadeiro marroquim, pre-
tos e cor de ganga de modelo muito engragado,
obra franceza cujo gosto pode ser bem avaliaiin
vendo-sea fazenda forradose com (inissimas pa-
las envenizadas ; e sao tilo decentes, que-podem ser
usados por qunlquer personagem : para meninos lia
igualmente bonetes de merino decores bordados
o tambem de excedente gosto.
Salsa-parrilha ,
a mediar que lia no mercado, vende-se por com-
modo prego no armazem do Uraguoz ou a fallar
com J. B. da I'onseca Jnior, na ra do Vigario,
Vende-se sa bao bra neo bespanhol, e cera de
carnauba : na ra da Cruz, n. 21.
Vende-se una canoa de amarello, de um s pao,
cq) 33 palmos de coBiprimento,e3 e meio delar-
Uvas, nocivas e passas ,
tildo novo, chegado ltimamente e do qualidade
superior : no armazem de Das Ferro ira no caes da
Allandega.
Vendem-sc na ruada Cruz, n.26, 3 escravas
boas, com algumas habilidades j duas lindas mole-
cus do 12 anuos ; tres escravos ; sola ; couros mia-
dos ; bezerros ; esleirs; sapatos o botins; sebo e
cera de carnauba.
Vcndem-se dous molecotes de bonitas figuras;
dous ptimos miilatinhos, muito lindos, sendo um
cozmbciro, de 15 anuos, e ooutro de 14 annos,
proprios para pagana; um moleque de 12 anhos;
? mulatinhas multo lindas, que sao recolhidas; 3
escravos de todo o servico : na ra Direila n. 3.
Vende-se um relogio saboneto de prata bom
regulador; um piano ingle/, que precisa de um
pequeo concert ; um mulatinho com'principio
de sapatoiro ; urna egrinha de 12 annos, que cose,
laz renda, cozinhae lava: tudo par seu dono so
retirar para fra da cidade : 110 paleo do Carino,
loja do sobrado n. 7, so dir quem vende.
Ha 1 ja noVa da ra do Quei-
mado, 11. II \, dcRaymii-
do Carlos Leite ,
aclia-soum novo sortimenfodopannos linos do todas
as cores e qualidades ; chapeos francezes da ultima
moda ; um completo sortimento de fazendas finas
e grossas por prego mais barato do que em outra
qualquer parta.
- vende-se urna carroga nova de dous bois para
carregar pipas por baixo a qual anda nto foi ser-
vida : na ra do Pires na Boa-Vista 1. 3.
Cheguem, fre<>uezes, ao amigo
baratclro do Passeio-Publi
9 e 11, de Fir
Rodrigues Pep-
eo lojs ns.
miao Jos
reir,
aonde acdario ricos sortimontos de mantas de se-
da do meldor gosto ; cortes de gorgurao do seda ,
bordados c de quadros, fazenda moderna; lengos
do selim decores para grvate; mantas de garga,
mu lindas ; superiores casimiras pretas elsticas ;
meia-casimlras de cores ; lindos corles de lila e se-
da de quadros e listras, a 6,000 rs. cada corte;
cassa-chitas de todos os gostos e padrOes que mui-
to agradam, por seren de cores seguras e a pregos
do 280 o 320 rs. ocovado ; mantas de fil de linho,
pelo barato prego de 3,000 rs.; hrim trangado de
linho blanco c de cores; castoies de bonitos pa-
drOcs; fustes finos de gostos; chitas muito finas
c de gosto moderno ; o oulras muitas fazendas do
gosto que tod is se vndenlo por pregos que inuito
agradarilo ios compradores. Adverle-se que as
amostras de cliita-cassas sonlo francas.
Vende-so un moleque de 22 annos, sem vi-
cios nem achaques; un moinbo de pedra muito
bom para moer millio promplo de um tudo : na
ra do (jueimado 11. 40, segundo andar.
- Vendem-se pedras de amolar, om porgao e
al do Lisboa a 1,600 rs. ; um drago de
ar-
u cutuiu ,ai ue i.islia a 1,600 rs. ; um brai
balaiiga com conchas; um temo do pesos do i
robas: na ra da Praia armazem n. 37.
Vendem-so 2 escravas/sendo uina de 13
nos o a outra de 9; nm pardinho do 9 annos
larga do Hozario, loja n. 27.
111
an-
ua
Luvasde pellica,
Afianga-so as boas quididades destas luvas. lia de
todas as cores tanto para homem como para se-
nhora. Vendem-sc mais em contado que em ou-
tra quajquer parto. Ma ra larga do Hozario, n. 24.
Vcnd-se urna escrava de 25 a 30 annos mui-
to sadia propria para o servigo de campo por pre-
go commodo : na ra Direila confronte ao oiUlo
dn igreja do Livramonto venda n. 4.
V loja do nicho lem muitas
pe chinchas.
Na esquina do Livra ment, loja do nicho, von-
dem-so mantas do bonitos gostos para senhora a
1.000 c 2,000 rs, ; ditas do setim do cores para ho-
mem, a 1,500 o 2,000 rs. ; ricas sedas de cores de
duas larguras e de bonitospadrOcs, para vestidos
desenhora, a 1,000 o 1,500 rs. ocovado ; setim cor
de rosa a 640 rs. o covado ; dilo branco, do duas
larguras com flores, a 1,000 rs. o covado ; e outras
mais pechinchas, chogadas agora do fresco.
Vinho de Champanha da
marca cometa,
vende-se no armazem de Kalkmann & Itosenmund,
na ruada Cruz. 11.10.
Vidros para espelho,
de varios tamanhos, vendem-se no armazem de'
Kalkmann & Roscnmund, na ra da Cruz, n. 10.
AO BOM GOSTO PARA A FES-
TA DO NATAL.
Na nova loja do Pas^cio-Pn
buco, o. 19, de Manoel Joa-
quim Pacoal Ramos ,
vendem-se cortes de casimira franceza, a 3,000 rs.;
brins de quadros e de listras a 1,200 rs. a vara ; di-
to branco de puro linho a 1,600 rs.; manas de se-
da de bonitos padroes a 9,000 rs. ; dalos de seda ,
a 2,500 c 8,000 rs. ; panno fino preto, a 5,000 rs. ;
dito azul, a 4,500 rs. ; chapeos de sol, de seda pela
I e de cores a 7,500 rs. ; lengos de seda para grvala,
a 840 e 420 rs. ; ditos, a 1,440 e 1,600 rs.; ditos de
rctroz da ultima moda para senhora, a 3,200 rs. ;
cortes de cambraia a 3,000 rs ; dita a 800 rs. o
covado; chitas muito linas,-a 280, 320 e 400 rs.;
riscados francezes de bonitos padrOes, a 200 rs.
Vende-se urna parda de 30 annos, com um
filhomuit lindo, do 9 anuos: a parda cose, 58
faz lavarinto e docos, engomma o cozinlia rt
na ra das l.arangeij-as, n. 14, segundo andar. 71
na
m
I
covado; esguilo muito fino, a 2,000 rs. a vara ; bro-
tanlialina, a 800 e 1,000 rs.; sarja preta hespanhola,
a 2,000 rs.; setim preto, a 1,000 rs. o covado.
Na loja nova (^ ra d > Quei-
mado.ii. 11 A, de Ravnjun-
do Cario., Leite,
acha-se um novo sortimento de lindas mantas de
seda a*4,000 rs., lendo tambem de 2,000, 10,000,
16,000 e 20,000 rs. ; luvas para senhora do trogal,
ullfma inodaem Lisboa ; meias cras n. 10 a 5/
fs. a duzia.
Lotera do Kio-de-Janeiro.
Api 20:000^000 de ris.
Ka loja de cambio do Vioira na ra da Cadeia do
10 superior e por preco rasoavel. iftecife, vendem-so bilhetes da stima lotera a
Vendem-se caixas de cha hysson, do-13 libras favor d;1 casa da caridado. A clles antes quo che-
em porgOes ou a rclalbo ; caixas de velas de es-|*ue vaPor-
DEPOSITO DE CtYlRGElL
Na ra do 'l'rapiclie ,11. 17, ha sem-
pre cal virgeni de Lisboa, em liorris pe-
queos, e iiltimamente clegada nuii-
permacelede5e6 em
Vclha
libra
na ra da Alfandoga-
ilna.n. 36, em casa de Matheus Austin & C.
Vondem-se 6 escravos, sendo : 4 do 13, 16
18 e.22anuos, de bonitas figuras, proprios para to-
--- Veude-se, por o dono se retirar
para lora da provincia uria cama da
armacao com assento de lona e coi-|JAiin.: na tsp. de m. r. de aba. 14-].
Ausentou-so, ha das, daasa do seu senhor, o
escravo Joflo pardo-trigueiro de 15 a 17 annos
cara grande, odios regulares, bons denles; bem
conbecido por andar frequcnlemenle fardado: quem
o pegar leve ao Mendego a seu senhor Luiz Go-
mes Ferr ira que recompensar generosamente.
-- Fugio, no dia 26 de setemhro prximo passado,
doongenho Gindaby, da comarc a do llio-Kormoso,
um escravo cabra de 22 anuos pouco mais ou me-
nos de nome Pedro baixo grosso e vermolho,
cabellos pegados falla branda e descansada meio
cangueiro 110 andar sem barba ; levou caigas
azues, de linho e camisa d0*algodSozinho cha-
peodo palha e bata encarnada ; desconfia-so que
fugira para o serto, por ter sido do Ico: quemo
pegar leve ao dito ongenho Gindady, a seu senhor,
Francisco Estoves do Modo, ou nesla cidade do Reci-
te,'a Jos Antonio Basto, na ra da Cadeia,que grati-
fica rilo..
Fugio, no dia 8 do corrente o pardo Malinas,
naturaj do Ico ; ofllciai de pedreiro baixo c-secco
do corpo cabellos crospos, pouca barba ; levou
chapeo do palha novo, camisa branca, caigas do
riscado e duas trouxas do roupa em dous lengos;
tcm um dedo de menos na mito direila ; seguio pa-
ra Olinda onde foi perseguido al o Varadouro e
pelo cavado de quom o segua ser ruim, he que nflo
foi agarrado : quem o pegar leve-o a ra Imperial,
n. 9, quesera bem recompensado:
Fugio no dia 5 do porrente, o pardo Flix ;
tem um lalho no rosto do lado dfrcjlo, que pega di
sobrancelha atea bocheche; tema cara redonda e
com marcas de bexigas, cabellos corridos como os
de caboclo ; tem no dedo indicador signal do um
panaricio o no dedo grande do p esquerdo tem a
unha partida ao moio; levou camisa do algod.To-
znliocom bolees na abertura do mesmo panno,
ceroulas dealgodSode trra, j volhas e chapeo
do palha pintado de proto i quem o pegar leve-o ao
pateo do Corpo-Santo a Antonio Rodrigues l.ima,
que gratificar.
Fugio, 110 da 6 do correnle as 9 horas da noi-
le do lugar do Montero a caebra Cordolina j le-
vou em sua companhia urna lilha do poucos mezes,
muito alvinha e coin~os odios azues : quem a pegar
lo-a a ra da Aurora, casa do Maciel ou atrs do
theatro coebeira do Sr. Keis, que se gratificar ge-
nerosamente.
Fgio, jio dia primeiro do corrente, o prelo
Constantino, de 19 alios estatura regular, bas-
tante reforgado ; falla-lhe um dente na frente ; tem
falla despodida; costuma Irabalhar de pedrei-
ro ; o he de nagSoMogambquo : quem o pegar Icvc-
o a ra Imperial, n. 67, a Vicente Thomaz dos San-
tos quedar boas el viga ras. .
Fugio, no dia 3 do corrente, um preto Cagan-
ge|, detrinta c tantos anuos; he bastante preto;
tem rosto comprdo; do lado esquerdo signal de
urna fstula ; tem os ps bstanlo grossos o alguma
cousa tortos para dentro ; sabio para vender |>3o
no freguezia de S.-Antonio do Recife; levou caigas
do algodo trancado azul o. camisa de algodioziiiho
branco: quem o pogar leve-oa ra Direila, 11. 69,
que ser recompensado.
-- Fugio, no .da 23 de outubro do corronto* anno,
o prct Joaquim, crioulo, bastante preto de altu-
ra proporcional secco do corpo, bem parecido,
rosto secco, pouca barba, bocea pequea nariz
um tanto lino, ps e mos um tanto grandes c
com demonstragOes do achaque denominado liga-
do de formas que tem a pede por cima das mflos e
psdifferente das mais partes do corpo; tem urna
pequea cicatriz em urna das faces do rosto; be
bastante ladino e sabe mal ler e escrever. Esto es-
cravo he natural do Hrejo-da-Areia e ltimamente
Toi escravo do tenente-coronel CypriannoLopes Cal-
vilo, da villa do Acary, no serlao do Serid. Roga-
se as autoridades policiaes o capitcs de campo ,
que o appreheudam e levem-no a casa do Manoel
Jos Gongalves raga junio ao arco do S.-Antouio,
que serflo generosamente recompensados.
Fugio, no dia 17 do mez passado, o preto Joa-
quim de nagao Calabar, de 48 a 50 anuos, cOr fula,
beigos grossos bocea grande, nariz chato o largo ;
j tem alguna cabellos blancos; intitula-so forro;
he olliciul de carpinleiro ; ja esleve no Catuc em
1817, e por isso julga-se ler do para la: quem o pe-
gar leve-o a ra da Cadeia do Itccife, n. 2, que so
pagaiSo todas as despezas.
Fugio, no dia 3 do corrente, um moleque de
nonio Auiancio crioulo, de 1.1 :i 14 anuos secco.
odios grandes denles limados; levou camisa de
algodaozinhoj suja ,e caigas de chile j quem o
pegar leve-o ao Ateiro-da-Boa-Visla, 11.6, terceirp
andar.
Fugio, na noitc de 4 para 5 do corrente, do si-
tio do Pogo-da-Penella, o muiio conbecido prelo
Thomaz, cornos signaos seguintes: estatura bai-
xa reforgado do corpO rosto rodondo sem bar-
ba ; falla muito bem anda sempre fumando cha-
ruto. Este escravo esleve Irabalhando no armazeui
de fariohenoBecco-Largo, oSr. Joilo,* quem o
mesmo pertence o depois o passou para .trabalhar
no sitio; levou caigas brancas dealgodo grosso o
camisa do mesmo e mais urna do riscado. Hoga-se
as autoridades policiaes o capites decampo, que o
appreheudam e levem-no ao mesmo sitio, ou atrs
da matriz da oa-Vista sobrado n. 18, ou na ra
do Trapiche n. 36, que se pagario todas as des-
pezase se gratificara.
H

.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIM0FKDUJ_AAKCEY INGEST_TIME 2013-04-26T22:27:46Z PACKAGE AA00011611_08560
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES