Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:08559


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno.de 1847.
Segunda-feira 8
Ofl/JIO publio-je todos, os dias que uo
frem de qtiardi o p*eo da a*::n i. I'it" rs. por qHtrt*!, pn'.">c admitadm. Os n-
oiinc.ios lo* aSaioJisalM *3u imeridos raslo Je
O rj. porlm'.a, tO rs. ein tv,"> dillerautc, e as
ri-petijoes p?l inta le. > N que n'e I'rein ns'si};-
uautes pagarte) a.j BOf linl.a, alBilcm typn
dilerflule, porcada lublicaco.
FltASES DA LA NU MK7, DK NOVEMBRO.
I,ii,i nova, a 8, uo Vi minutos da inanha.
Ciesccnte a I i, as 6 lloras e 5 mili, da tal de.
La elisia aj. s7 bon-s e 45 rain, da larde.
Mmxeaiitc JO, i 2 liaras e 2 uiiu. da larde.
PARTIDA DOS CORREIOS.
GoiannaeParaliihassecundas esextas feir,.
ftro-iio le-dn-Norte quintas f-irasao meio-dia'
Calis, Serinliem, Rto-Kormos..,Poito-Ca!vo e
Macelo, ii-' i.", a i: e Ji de cada mez.
' ;r.i diuns c Bonitu, a 8 e 23.
Il-i-Vi".i ii Flores, a l e 18..
Victoria, s quintas-reir*.
Olinda, todos os dial.
PllEAMAR DE HOJE.
I'rimelra, s 4 horas e 80 minuto* da oanha.
Segunda, s 4 horas e i i minutos da tarde.
de Novembro. Anno XXV.
N. 259.
-DAS D.V SEMANA.
8 Ss>. 3. Srttr.t.o. Aud. do J. dos orph.
cdoJ. dc da It. doJ. M. da 7 v.
n Teres. S. Tlicodoro. Aud doJ.rt'iciv da
v. i: do J. da pa do 2. dial. >e t.
10 Quarta. '. Anclr-Avcllino. Aud. do I. do
civ.da v. e do J. lepa/, do 2. ilist- det.
11 Quinta. S. Martitiho. AoJ do J. >.c orpi.
e do J. niimici|ial da I. vara.
12 Sema. S. Marlinlm Aud do l' do civ. da I.
v.e do J. de paxdo I. dist. de t.
13 Rabilado. S. Eugenio Aud. do I. do civ.
da I. v. o do J. de paz do t dist. df-1.
II Domingo. O Patrocinio d NoasaSsnliora.
j CA.1 BIOS SO DA 0 DE NOV2MBRO.
Sobre Londres i 18 d.por 1*000 r. aoaa^f.
Prs 30 rs. por fWnco.
Li'i Ai Klb a "MI de premio
Dcsc. de lellras de Iwai 6a*s i I a 114 / f
(Juroucas I-esp..ihol4.s-----5;- "J'8" '
Mccdasd G>no velh. IC*IC0 a ispJ1
de Cfini) uov.."l/00il a I6fi0<>
. de4fooo..... fimo a *1"0
Frua Pataoe*...........#060 a IfMO
Pesos colummres... l*40 a l#t0
i> Ditos mexicanos.... Ifl80a 11100
Miuda............. 1*280 a i/*"
a >a ki...........----- .--,- -aj-
Accm ila comp. do BeborU* de SOjfOOO r.op*r
DIARIO DE F
3=
/
_____PARTE OFFICIAL.
B1SPADO DE FERNAMBUCO.
J)om Joo da PurificacHo Marques Perdigo, conego
regrantt it Sanlo-Agoslinho, pela grdea de Dos e da
tanta t apostlica, bitpo de Pernambuca, do.conce-
IhodtS.M, f. eC.,etc.
A todo o clero deste bispadq sado o paz em o Sr.
Por suprema resoluto de S. M. Imperial, de 4 de
junhode 1820, foi servido o, mesmo augusto senhor
confirmar o alvar das ultimas faculdados concedi-
das quanto aos concursos e propostas dos beneficios
vagos; c como presentemente estoja vaga a cadeira
de penitenciario cm a nossa santa rathedral, por fal-
lecimentn do sen reverendo propietario, a saher,
um personado intitulado peniU nciario, pomos a
concurso pelo presente edital a referida cadeira. Os
reverendos epposltores cadeira de penitenciario
responderflo" a nove casos de. moral c consciencia.
Todos os reverendos ecclesiasticos, quo quizurom
concorrer, aprescnlem-so dentro do prazo de trinta
dias, contados da Pxago do presente edital, com os
seus reqiierimentos instruidos das hnhilitngOes exi-
gidas pelo referido alvar, emais documentos que
lite fizerem a bem', precedendo tmbem as nossas
informacOes particulares deiril ettnoribut; o feito
o concuiso proponemos a S. Si. o Imperador tres dos
mais benemritos edignos, conforme os sagrados
caones c concilio tridenlino.
Dudo em Olinda sob o nosso sello e signal, aos 6 de
novembro de 1847. K- cu, o padre Joaqun C'io, t'sn ivju da cmara episcopal o subscrevi.
Juo, bispo de l'crnamliuco.
Eslava o sejjo das afnias episcopaes.
Atmmpco.
lidital peloqual S. Exc Itvma. manda por a con-
curso a cadeira vaga de penitenciario da santa se de
Olinda, como cima se declara.
Para V. Exc. Rvma. assignar.
GOVEI.NO da provincia.
EXPEDIENTE DO DA 26 DO PASSADO.
Ofllcio. AoExm. presidente do Piauhy, decla-
rando-se inteirado de baver S. Ex. tomado conta da
administradlo da provincia no dia 7 deste mez ;
(outubro) agradecendo os seus offei'ecimentos; c
retriliuiudo-os com outros da mesma especie.
Dito. Ao commandante das armas, aecusando
rcmessa de copias de um ollicio do Exm. presidente
doMaranllo e d'nutro do coinmandarrte do 57" bata-
llilo de fuzileiros, acompanbadas dos mappas da
forca do mesnio batalhilo; e prevenindo-o de terem
desembarcado no Ci.'in, por ordem da respectiva
presidencia. SO das pravas e 2 dos olTiciaes, de que
cssa lrca secompunlin.
Dito. Ao momo, scicnlificando-o do baver con-
cedido lous mezes de Iicenca, para ir corte do Rin-
de-Janeiro, ao tenente-ajudante do 6." batalhilo de
caladores, Jos Leitao de Almcida, cujo requ/rimen-
lo S. S. informou.
Dito. Ao mesmo, dando-se porscienle de se te-
rem concluido os reparos do quarlel das<:nco-Poii-
tascom dispendio inferior ao que so achava calcu-
lado; o signMicando que podo fazfr recolhcr ao ar-
senal de guerra os objectos que sobraram da obra
nova, assim como os que se tiraran*) daanliga, c
anda se achatn cm bom estado.Ordenou-se ao di-
rector do arsenal de guerra mandassereceber o llar
destino aos mencionados objectos.
VIXCEINZA. (*)
pote sLf^sin "Asrsip^rjiio
VI w
DMA SCSWA DOM-CSTICA.
O bardo do Geizen habitava um magnifico pala-
cio, onde brUhava por toda a parte esso luxo dislinc-
to, que a opulencia c o gosto das artes produzem.
As obras dos melhores meslrcs resplandeciam por
entre ornamentos-de grande elegancia. Criados com
ricas libres suhiam e deaciam as oseadas, e oceupa-
vain as ante-caniaras. I'.ram ells oslrangeiros, como
souamo, que os havia irazido com sigo, oaquem,
segundo pareca, estiina.vaiii muito, anda que urna
ordem rigorosa,e inexplicavel en) apparencia, llios
probibisse toda a comniuiiicaQo cotrf as pessoas do
fra, c.\cfpio aquellas que fossem '.cces-iarias aseu
respetivo servico. Esta medida e a reserva habitual,
que era a consequencia dola, davam ao palacio do
barito um ar niyslerioso, que contrastava com a suaj
vida exterior, ecom q scu genio um pouco turbu-
lento. Frequentemente se ausentava para algum no-
gocio, ou para se divertir/ e entflo o palacio so tor-
nava inteiramcle inacccssivel. Militas vezes, depois
de urna dcsappariciio precipitada, voltava do repep-
4e, sem qie sepodesse dar a sua volla tito pouco
/ como aaua partida outro motivo senflo o capricho.
Apresenlara-sc elle como deorgem allemiia, mas
{") Vide Diario n. 242.
Dito. Ao inspector da thesouraria da fazenda,
transmittindo a ordem do thesouro, sob n. 88, que
autorisa-o a aceitar o Saque do 7:000^000 de ris
que tem de fazer sobre a mesma thesouraria a da
provincia do Cear. l'arlicipou-se ao presidente
da roferida'provincia.
Dito. Ao director do monte pi dos servidores
do estado, aecusando remessa de una conta das
contribuijOes arrecadadas pela thesouraria da fa-
zenda desta provincia, acompanhada de urna lettra
de 3:795/213 res. Communicou-se ao inspector
da thesouraria.
DEM DO DA 27.
Ollicio. AoExm. presidente das Alagas, aecu-
sando recebidas as guias do 2." sargento do 6. bata-
lhilo de caladores, Jos Mara Wanderlcy, e do tres
soldados do mesmo batalhilo.
Dito. Ao presidente interino da rolacfio, recom-
mi'Nil.imo -i expedQo de suasordens para que, cm
imprmenlo do imperial aviso de 12 deste mez,
'outubro) enlrem emexereicio, independonte tos
respectivos ttulos, os dous desembnrgadores lti-
mamente nomeados. Ofliciou-sc a respeito ao ins-
pcotorda thesouraria da fazenda.
Dito. Ao agente da companha dos vapores,
significando faca facultar passagem na primeira bar-
ca que deste porto seguir para os do sul, com vaga
do algum lugar dos passageiros 4o estado, a Jos
l.eilfio do Almeida, tcnente ajudanto do 6." batalhilo
de caladores. Parlcipou-so ao commandante das
armas.
Portara. Ao administrador das obras publicas,
ordenando ponha disposico de Jos dos Santos
Neves a pedra que for precisa para concluir-se o cal-
ca ment da ra do Crespo.
DEM H0 DIA 29.
OllicioAo commandaiile das armas, aecusando
rcmessa de copia do aviso de 9 dcslo mez foutubro;
que determina sejam efTcctuadas pelo modo ord i-
nario as baixas das pracas do pret do(i. batalhilo
de caladores.
DitosAo mesmo, scientificando-o de havem ob-
tido passagem para o segundo batalhilo deartilha-
ria a peo sargento do quarlo da mesma arma, An-
tonio da Franga de Athaydo Moscoso,. o o furriel do
corpo de artfices do arsenal de guerra da corle, Jo-
s Alexandrino Gomes.
DitoAo mesmo, recommendando a exccucSo
do imperial aviso de 2 deste mez, (outubro) pelo
qual o governo imperial determinou que S. 8., de-
pois de ouviro commandante do segundo batallifffl
do artilhoria a p, informasse acerca do conliiido
no requerimento que Ihc Ira ismilte, e em que o
capitIoManoel Lopes Jtlaciel solictou nova liquida-
cfio das contas que prestara na qualidade dequar-
tsl-meslre do referido batalhilo.
DitosAo mesmo o ao commissario-pagador, in-
telligenciando-os de tcrS. M. o Imperador ordena-
do que a contar do 1." do maio deste anuo, sejam
abonados familia do captfciio-quarlcl-mestre do se-
gundo batalhilo de aililharia a p, Mauoei Lopes
Maciel, os sidos que elle tiver direito.
DitoAo presidente interino da rclaciio, remet-
iendo copia ilo decreto n. 533, do 3 de selembro
prximo passado, que declara qual o jui/.o quo deve
de impr as penas estabelecidas nos artigos 50 e 54
do cdigo criminal.
DitosAo mesmo e ao commissario-pagador, de-
clarando-Ibes achar-se licenciado por seis mezes,
com direito aos respectivos veiicimontos, odeseni-
bargador Antonio da Costa Pinto.
iiiii ausiii'! ii i'in i lis"i i ii imiii1 iHiisia
Dito-
por
. .Aochefe do polica, significando quo
falta de quola, deixado ordenar sejam collocados
mais quatro lampecs no aruial de l'ra-de-Portas.
Dito\6 captHo do porto, recommendando a
execiiilo do imperial aviso que providencia acerca
das matriculase ajustes das tripolacOes dos navios
que navegaren! para fra do imperio.
DitoAo inspector do arsenal de marinha, exi-
gindo informacilo Acerca le um requerimento de
llomualdo Pereira Lima, que ora lhe transmitte, e
que aconipanhou o aviso do 30 de selembro prxi-
mo passado.
DitoAo inspector da thesouraria da fazenda, de-
terminando faca constar ao daalfandega que S. M.
o Imperador dignou-se do approvar a nomeaQo do
guarda Francisco llodrgues Pinheiro.
DitosAo commandante d barca ferenice, or-
denando transporto para a corto o lente Joilo E-
vangelista Sery da Fonseca ; os alferes Augusto Pe-
reru Rainalho, Helaruiino Correia da Silva, Jos
Carlos Caldillo de Sousa, Luiz de Franca do Cam-
illa o llerardo Joaquim Correia; a senhora e um filho
menor do penltimo destes ollciacs ; o 1." len-
te, em lim, Joo Carlos de Villagram Cabrito. Olli-
ciou-se a respeito" ao commandante das armas, re-
coinmendaiido-sc-lhequemandassena referida bar-
ca os menores que para aqui vieran) com a msica
do sexto balalho de caladores, e que dovem de re-
colhor-se ao arsenal de guerra da edite.
DitoAo juiz municipal e d'orpblos do termo de
S.-Antao, dando-se por inteirado do ler S. me. assu-
mdo a vara criminal da respectiva comarca em con-
sequencia de haver sido chamado para servir na re-
lcelo desta provincia o juz do direito Anselmo
Francisco l'erelti.
DitoA' cmara municipal do llecife, devolvendo
approvada a planta de todo o Aterro-dos-Afogados,
boje ra Imperial.
DitoAo commendadur Francisco Antonio do 0-
livcira, declarando que, segundo determina o avi-
so de 7 deste mez, (outunro) S. S. deve de habilitar-
se para poder receber os713,630 rs, cujo pagamen-
to reclama na qualidade decessionario do major Joflo
Pedro de Arajo o guiar.
DitoAo presidente eao secretario da companha
de Beberihe, dizeudo que, segundo informa a car
mar municipal desta cidade, nilo pode sor estabe-
Iccidoem outro lugar o chalariz quo devo de ser
collocado no Foite-do-Mallos.
ha muito lempo separado do seu paiz. Era rico, ele-
gante e prodigo ; nada mais era preciso.
O baro de Goolzen curou a mflo, e cstendeu-so
sobro um leilo circulado de cortinas de seda. Dous
homens cujo vestuario contrastava de una maneira
tilo singular com a elegancia que os cercava, quanto
a sua lingoagem contrastava com a do berilo, haviam
entrado no aposento deste lidalgo, quasi ao mesmo
lempo que elle, lim so asseutra sem ccriiiiouiA em
cima da cama para o lado dos pes, c o outro licra
em p cabeccira. Ambos eslavam vestidos sem or-
dem; c as suas physionomias exprimiam ao mesmo
lempo baixeza e insolencia. Quanto ao baro, o seu
rosto paludo e habitualmente movol nao inanifesta-
va nesse momento "non emocilo nein sorpreza. Em-
quanlo elle lilava al'erualivaincnle sobro cada um
dos dous homens oilios perspicazes, respirava-lhe
a expressiva fronte anlescoulentamejito do que des-
den) ; o a bocea soaberta deixava apenas adivinhar
esse sentimento de conforto que resulla do ropouso,
depois de urna grande fadiga.
-r. Jacpo, pergunlou elle preguicoso, quo horas
sflo ?
Senhor, aampulhela parou agora mesmo;
he urna hora
Esta bom; anula temos tompo de conversar.....
Tu s Tlente o cstou salisfeito de ti. Rocco, acres-
centou elle dirigmdo-se o segunda persouagpm ves-
tida de gondoleiro, o que era o mesmo que o havia
acompanhado, trabaIhaste finalmente, meu cao do
iiiavelho.
A estas palavras o homem, quo se asseutra sobre
o leilo, deixou ouvir una especio do grunhido que
so poda traduzir por alegra ou agradecniento.
Jacopo, contiinjou*o barao, tu tens muito en-
thusiasino, coolhar seguro...!. He preciso que tu
ou Hueco me livreis o uiaisdepiessa possivel do Ve-J
nesianozinlio que te niostrei..... Toma la Rocco, to-
ma l esta bolea e reparte com Jacopo o que ella en-
cerr.
IMa II-'.:. 7 I>K XOVKMKKO 1)13 JS-H.
Estilo constituidas as mesas parochaes que, nas
quatro fregueziafl da cidade do llecife, teem do pre-
sidir a uleieao dos i|ueli~io de noniear os dcpula-
dos que esta provincia tem de mandar sHOmbla
g-eral legislativa.
Segundo nos dizem eSMS mesas se achain assim
composlas :
.SAN-FRKI-PEDRO-OONCALVKS.
Presidente, o Sr. Ignacio Antonio llorgcs.
UlemOros, os Srs. Antonio Aunes Jacome Pires, La-
dislao Jos Ferreira, Antonio l.eite do Pinho e padro
Jos l.eite Pila Orligucira.
SANTO-ANTONIO.
Presidente, o Sr. Manoel Antonio Viogas.
Membros, os Srs. Ilartholomeu Francisco deSou-
za, Theodoro Machado Freir Pereira da Silva, Igna-
cio .Manoel Viegas e Jos Egldio Ferreira.
A vista de algumas perjas do ouro, os olhos dos
dous homens se intlammaram. A divisilo nilo se pode
fazer coiuigualdado : ficava urna pe^a de ouro so-
bre a mesa: Jacopo ia lancar-lhe a inilo,...,. mas
Hocco puxou por umpunhal: Cuidas quo se en-
ferrujou esta noito? pergunlou elle, apprcseutaiido-
Ihea punta do punhal.
Tubarilo velho, respondeu Jacopo desembai-i
libando outro : hoi de tirar-te o couro anda cm ci-
ma, para fazer uinsuirilo.
Cfies damnados exclamou o bario, levantan-
do-sc com ar amea^ador. Como he que vosses teem
o ai i e\ niciiio de fallar deste modo dianto de mim'.' 1
Aquello que tocar nessa pcQa lera a mio cortada,
depois de ilie mandar arrancar a lingos..... VAo-so
embor, antes que me resolva a mandar..... Ouve l
Rocco : est ah Biago?
- Est, mestre.
Dize-lhc quo me venha fallar.
Alguns momentos depois cnlrou Uiago.
Era um rapaz alto, de porte desembarazado, gran-
de maro, c decidido.
. Entilo! disso o barao dirigindo-se-lhe, e o du-
que?*:..
Morreu com os seus mil sequos.
E dizendo isto, pousou Biago sobre a mesa um
sacco cheio de ouro.
Esta bem, disse o baro, a minlia divida do jo-
yo esta paga, pois que o credor morreu.
Ainda isso nao he tudo, conlinuou Uiago, a
| man le do velho frrela me fez presente disto.
E mostrou ao barao um cofre de joias magnilica-
mento guarnecido.
Como, miseravel mataste cssa mulher sem
minha ordem!
O demonio me preserve do lhe desobedecer.....
Eu nilo malo a ninguem sem ordem expressa.
O barflo sorrio-se.
0 que fjzeste entao dessa mulher?
san-jose".
Presidente, o Sr. Dr. Joaquim Villela de Csslro la-
vares.
Membros, os Srs. Manoel Antonio Nunes Machado,
Francisco Serfico de Assis Garvalho, Manoel Jos
Toixeira Bastos e Lourcnco Avellino de Alhuquerque
Mello.
BOA-VISTA.
Presidente, o Sr. Antonio Carneiro Machado Rio.
Membros, os Sis. Manoel Jos Vieira, Antonio Jos
Ribeiro de Moraes, Antonio Germano de Alhuquer-
que e Amaro de Barros Correia.
Correspondencias.
Srs. eductores.l.endo o Diario-Rovo n. 238, de 3
do correte mez, deparei com umeommunicado, em
o qual, esforzando-so se seo autor para santificar oSr.
Freilas, inspector do arsenal do marinha,o o Sr. (on-
za ga,ex-com mandante das armas, das aecusacoos quo
so lizerain na Scnttnella da Monarchia n. 975, de 6 do
outubro lindo, na parto relativa as noticias de Por-
nambuco, e tainbcm em um dos Lidadoret; nilo posso
leixar passarem silencio a maneira porque o autor
do connnunicado.ou autos o padrinho deschrisma do
Sr. Freilas, Iralou do acontecido no largo da matriz
do Coipo-Sanlo, na tardo do dia 19 de selembro, por
occasio da elcico para osdous senadores: e he sobre
isto quo nicamente me oceuparei por agora. O com-
municador arroga aquello Sr. inspector o importan-
te servico que diz elle .fizera om impedir que
a guarda do consulado disparasse as armas sobre o
povo, sendo ajudado pelo tenento-coronel l^eal.
Ah Srs. Redactores, como teslemunha ocular de
semclhanto acontdciment, mo quero quo o publi-
co cngula scmclhaiile pilula... ,
Os Sis Freilas eLeal achavam-se no Corpo-San-
to, quando principoua sabir da igreja o povo; este
Srs. quizeram obstar, por meios braudos, que o po-
vo sahisse; mas, nao Ibes sendo possivel conseguir,
sahiram ambos para fra da igreja em seguimento
do povo, a ver o qae so passava, e tomando a fren-
te, ti ataraam de obstar que o povo avancasse so-
bro a guarda, assim como o fizeram alguns Srs. ins-
pectores de polica ; c vendo o Sr. Leal quo a guar-
da carregava os clavinoies, avain;u sobre os solda-
dos, pobstou quefizessem fogo, j apoderando-se
do claviiiolo deum.j mandando embanhar a espa-
da a oulro, ja fallando a toda a guarda, ej lamido
rccolher-se para dentro da casa da mesma guarda, e
isto por meios os mais fortes o em occasio da maior
elfervccen a em que se achava a guarda eo povo.
lie, pois, sem duvida ao Sr. teenle-coronel l.cal a
queni se deve o nao terem apparecido nessa occasio
y.ccnas de luto, pois um s tiro seria suflicionte para
mil desgracas.
Niioqueira, pulanlo, o padrinho de schrisma do
Sr. Freilas i oqbar este importante servico quo fez o
Sr. Leal, para o atlribur ao Sr. Freilas. O povo do
llecife vio tudo o que venbo de dizer, umitas pes-
soas assstiram a isto o entro ellas invocarei os
nomes dos Srs. commendador Angelo Francisco
Carneiro, Luiz Rodrigues Setto e do oulros mui-
los, etc.
Cabe agora dizer que por semelhante servido, que
fez o Sr. lenente-coronel Leal, lhe foi dada e paga,
pois os Antonios daqui j o haviam com antece-
dencia exigido do padrinho do schrisma do Sr. Frei-
las e ilo seu intimo amigo.
Sou Biasileiro nato, mas niloestou ligado praia,
e nem aos liaronstas; sou sini muito monar-
chista ; amo de corae.io a verdade, e nilo lenho a
honra do ler entizado com o Sr. tenonte-coronel
A inda nada, senhor, mas ella me pedio que
accitasso estas joias por amor do si mesma, e lhe pe-
de mal humildemente lhe permita que siga o seu fiel
criado Biagp.
O que ests ah dizer, patife ?
eiia est muito velha, senhor, e nos temos
necessidade do urna hospedeira mais lina.
Ah .' e tu pretendes?.....
Nada, mestre, respondeu Biago cruzando as
miios sobre o peilo, c curvando a cabera com ar de
bumldadehypocrita; nada, at que V. Santida-
de se digno abencoar a uniao do seu indigno l-
ente.
V feito, disse o bario rindo-se, sem querer,
do ar bealodo velhaco..... Concedo a ambos odi-
reito..... de sorein enforcados juntos.
Obrigado, mestre.
Noutro qualquer dia eu iio consentirla, roas
acertaste. Hojeamo as mulheres..... Biago, levanta
essas cortinas, para que eu veja esse bello luar, e ou-
ga o murmurio do vento nas arvores..... Bom.....
Esta noite esl encantadora.....
Anda sabes maisalguma cousa, Biago r disse
o baro voltando-se lentamente para elle.
Quasi nade, mestre-, ssei quo tenho a guella
secca o a bolsa vasia.
Dizendo isto, Biago olhava alternativamente para,
urna garrafa collocada sobro, um velador, o para o
sacco que elle trouxera.
Toma cssa garrafa dovinho do Archipelago o
10 dessas moedas quo estilo nesse sacco. Sao iluas
horas; rctircm-se todos com cautela.
ago sabio. 0 palacio tornou-se silencioso, eo
barao de Golzen adornieceu .dahi a pouco, como
espirito perturbado por encantadoras visoes.asquaes
iaiu mesclar-so incessantemente o nomo e a imagen*
da filha do marquez de Casiano.
{Continuar-tt-ha.)

1
i'
i'-


I

.'

Leal, o qual nlo precisa que se Ihp lernm elogios,
pois he liem contundo dos bous Peruaiuhucauos,
que fazem Justina ao sen mrito.
Rogo-Hies, Srs. Ileiliirlores, a insereno i!a presente,
rom que milito obligaran a quem presencioii o relo;
mas que n3u vutou apezar de ser
Parxchiano do Itecife.
Srs. Redactores.Tenho j rcspnndiilo, e de sbe-
lo talvm, n mal intencionada carta do Sr. Alfonso
Saint-martin, inserida no seu iinnicro do 4 do cor-
rete ; nao ignoro que elle se dispoe a continuar
esta correspondencia tilo fastidiosa para o publico
como para Vmcs. mesmos: rogo-lhes, pois, se dignem
ter a liondado de publicar estas ultimas linhas, vislo
que eu nao ttfnho lempo nem volitado de alimentar,
com oSr. AITonso, urna polmica sem fim.
Mo tenho procurado nem solicitado o encargo de
curador do llypolito Sainl-martin; aceitei-o com o
unicu finido ser til a este ultimo pois ello he e
fui sempre meu amigo este encargo lie e aera flel-
menle preeucliido: os hens do llypolito Saint-tnarlin
sfioeserao fielmente resguardados: por curto, nfto
gflo as insinuacoes falsas, nem as calumnias mmii
pejo do dito Alfonso, que derramarSo a menor sus-
peita sobre miulia administrarlo. NflO tenho que
delender-mo, pois ja lenho-o folio bastante por a-
mor da opiilo publica: seria rebaixar-me, seria
injuriar niinha propria honra, querer refutaras ton-
cas accusacOes deste homem, o quul merece lam-
bem, e por nuiilos tilulos, un tutor judicioso, que
o ronslranja a renunciar aquella vida militante
de processos e de guerra judieiaria ; o lembrar-so
queovifcaf/iow beque da as fur lunas legitimas, e
a doixar uquelles que teem honrada e legalmenlo
adquirido estes ben$ quo elle com tanto ardor o
paisio cubica, e lemurar-se poi final deste verso
do Voltaire :
Qui croil toujuurs le crime en parait trop papable.
S. C, 6 de novembro de 1847
_______ A'. C.adault.
1
Manleiga-.......Vendeu-sea 700 ris a libra
da ngleza, e de 430 a i3 rs,
a la francesa.
Vinhos- ----- .-.-o mercado est sufllciente-
menle prvido As vendas
reguhtraiu de ris 115,00 a
120,000 pipa do de Lisboa
marea 1'Rlt { de 105,000 a
110,000 ris do de autores do
mosino-paiz, e de 64,000 a
65,000 rs.aJo de Marselha.
Depois da ultima revista apenas entraran] 3dn-
barcacOes, e saliiram 6 Acham-sc no porto 35,
sendo: I americana, 21 hrasileiras, 1 franeczaf 3
inglezas, 6 portuguezas e 3 sardas.
!9! ovin: en lo do Porto.
2,
bssima n lodo o mundo he particularmente escrin-
laTara os artistasn lavradrcs, que adiaran nella
norrios mili prnvoilnsns.
Historia do consuladoedo imperio (de Napnlefo
por Tliiers com estampas que lerdo entregues no
lim da obra : versfio iie Lisboa ,'com notas portu-
V.
L'iieza, eastelbauas e belgas, do l.'ao 3.
v ficava a sabir do pelo
vjsus martimos.
COMME* Alfandega.
RENDIMENTODODIA (
8:095,986
Descarrtgam hoje, 8 de novembro.
Briguc Jleliopolls mercadorias.
Brigue Hom-Jesus idem.
A'acio entrado no da 6.
New-York ; 49 dias, escuna americana Jane-Ilerve'/,
de if8 toneladas, capitao Howland Sunth, equi-
pagein lo, caiga farinha, breu e machinas para a
feilorla dealgpdSo do Rio-de-Janeiro; ao cn-
sul. Arribou por falta d'ogoa e de mantimenlos.
Sanio sahido no mesmo dia.
Cenova; polaca sarda Constante, capitao Bnrlholo-
meu lioiiioguino, carga assucar e couros.
Navios entrados no dia 7.
( "ara ; 20ilias, patacho lirasileiro Ijturontina, de. 110
toneladas, caplSo Antonio Germano das .Nevos,
oquipagem 13, carga milho, arroz, farinha e mais
gneros; a Lourenco Jos das Nevos. I'assagciros,
l'r. Lino de Monte-Carmcllo, Emilia Valonea com
dous escra vos a entregar, Joaquim Rodrigues dos
l'assos Bandeira Tourim.
Tena-Nova ; 39 dias, escuna inglccn Harriet, de 125
toneladas, capitao William Williams, equipagem
8, carga 1:783 barricas com bacalho; a Jamos
Crabtree \ Companhia.
Navios sahidos no mesmo dia.
liahia; hiato hrasileiro lloa-Viagem, capitao Jos An-
nio da Silva, carga varios gneros. Passageiros,
Lino Regenal Alvins com 1 criado, l'ascoal l'crei-
r do Mallos, acadmicos: CaelanoJos Rebelo,
Portuguez.
Liverpool; brigue inglez Wbbert, capitao William
liiuco, carga assucar o algodflo.

Kinr.s l.
Consulado.
HEND1MENTO 1)0 DIA 6.
pi........................ Diversas provincias.............. . 476.093 29,724
505,817
PF.RNAMBUCO. 6 DE NOVEMBRO HE 1847.
AS 2 HORAS DA TARDE.
Itua daCadeia do Recife, n. 34, luja de eamhio c
dt corretagens de Gregorio Antunes de Oliveira.
PRECOS COMENTES DE MOJE.
Mota de prata. Compras. Vendas.
Palacesbrasilcros--------1,960--------- 1,980
Pesos columnares-----------1,940-------------- 1,960
Ditos da patria ---------1,780...... 1 800
Mocdas de 5 francos--------1,600------------- 1,620
Ditas de 2 patacas.....1,280......- 1,290
Ditas de 1 dita -..... 640------------- 650
Moldas deouro.
Pecas vclhas........16,100.....- 16,200
Hilas novas------------------ 16,000-------------16,100
Modas de 4,000 rs. 9,000......9,100
tincas despatilllas--------28,800-------------29,000
Ditas da patria.......28,500 ------------28,700
Soberanos---------------------8,900-------- 8,950
Detcontos.
Comprani-se ledras de boas firmas do commercio,
de 1 a 1 1,4 por rento ao moz, conforme os prazos.
Cambio sobro Londres 28 d. a 60 dias firme.
ObsercacOes.
A thesouraria geral dcsla provincia effectuou a
compra do 3O.000-Q-0- ao cambio cima colado,
desde o dia 30 do passndo at boje, C de novembro,
c assim completou toda a quantiu que precisava
comprar actualmente.
Por procuraco de (i. A. de Oliveira
Manuel Joaquim Silveira.
PRAGA DO RECIFE, 6 DE NOVEMBRO DE 1847,
AS 3 HORAS DA TAIIDE.
Revista semanal.
Cambio------------------Nos ltimos dias da semana
estove a 28 d. por 1,000 rs. --
Foi sobre esta base que os
particulares fizoram avulta-
dos saques, c a thesouraria
da fazenda negociou 30:000
libras esterlinas.
Algodflo........Kntraram 351 saccas. A ar-
roba do de primeira sorlo
vendeu-se a 6,200, e a do de
segunda a 5,700 ris.
Assucar ------------ O velho nflo soffieu a Itera-
ra o no preco. Venderam-
soalgumas arrobas do bran-
C0 novo, do 2,720 a 2,800 rs.
Ago'ardente cachaca Vendeu-so de 40,000 a 45,000
ris a pipa.
Couros -------- dem a 105 ris a libra.
Bacalho.......O deposito hojo be d 1:700
barricas. Retalhou-se de
12,000 a 13,000 rs. a barrica.
Carne secca ------ Ti es carregamentos viudos
do Rio-Crande-do-Sul ele-
varam o deposito a 68:000
arrobas. Os precos regu-
laran! de 2,200 a 3,200 ris a
. arroba.
Familia de trigo Exislem no mercado 2:000
barricas. Vendeu-se de rs.
10,000 a 22,000 a barrica,
conformo a qualidade.
A cmara municipal desta cidade faz saber a qiiem
convicr, que so ada approvada pelo Exm. presiden-
te da provincia a plantado armamento do Atterro-
dos-ATogados, boje ra Imperial.
Itecife, 6 de novembro de 1847.
Manoel Joaquim do llego e Albuquerque,
Presidente.
Joao Jos Ferreira de Aguiar,
Secretario.
-- Para Lisboa sahe, com brcvidade.o brigue por-
tuguez Novo-Vencedor i para carga e passageiros
Irata-sc com o capitao, Mailoel Jos Pinto, na pra-
ca do Goinmercio, ou com o consignatario, Tho-
inaz do Aquino Fonseca na ra do Vigario, n. 19.
Para o Cear sahe, no dia 15 do corrente, a su-
maca Carlota, por so adiar com a maior parte da sua
carga a bordo : para o restante o passageiros trata-
se com o mestre, Joao Antonio da Silva, ounarua
da Cruz, ii. 26, com Luiz Jos de S Araujo.
-- O capitao Pbilippo Blampied, da escuna ingle-
/.a Ihslandes, arribada a este porto com agoa aborta,
na sua yiagem de Macei para Trieste, tendo feito
os precisos reparos, e pora competente vistoria de-
clarada cin bom estado e capaz do levar urna carga
do assucar para o dito porto do seu destino, preci-
zando de dous ou tres coutos de ris para pagar as
suas despezas, tomara tal quantia a risco martimo
sobre quilha, casco o todos os apparelhos do seu di-
to navio, sobre a carga que lhe rosta para carregar,
e o freto da mesma : quem os quizer adiantar, diri-
ja-se ao dito capitao com as condigOos, ou casa
dos consignatarios, Cbristophcrs & Donaldson, ra
do Trapiche, n. 40.
Para Trieste o Capitao Philippe Blampiod, da
escuna ingleza Ihslandes. pretendo tomar a fretc70
a 80 toneladas de carga : quem quizer dar dirija-se
aos consignatarios,Cbristophcrs& Donaldson, ra do
Trapiche, n 40.
Para Lisboa sahe, com toda a brevidade, a bar-
ca poi lugueza Teto, de que he capitao Silverio Ma-
nocl dos Rois : quem na mesma quizer carregar,
ou ir de passagein para o que lem os mais assela-
dos commodos dirija-se aos sous consignatarios ,
Oliveira lrmaoscv Coinpanhia ou ao capitao, na
praca Jo Commercio.
Lela.
estabelecimenlo, preferindn-se venda, do que o an"
nuanciante tein pralien p'OCure na rua-Nova, loja
ii. 58, ilas 8 as 11 horas da'niairh.la,
O lliesoureiro da irmandadn de N. S. do Terco
pede a Indas as pessoas que no diada fesla levaram
onas para suas casas hajam ilf quantn antes as en-
0 4." tregar na ra das Cinco-I'ontas n 112. O mesmo so
entende com aquelles que antes desse dia esto de
posse dellris anda mesmn por emprestinio pois
devem attender a grande falla quo ellas fazem ao
scrvio.0 da irinandailc.
O abaixo assignado, em resposta ao annuncio
inserto neste Diario pelos Srs. James Crabtree &
Companha, em como foi despedido de sua casa, tem
do negar semelhanto asserrao ; e est promplo a in-
formar qualquer pessoa. que interessar possa os
motivos da sua retirada da mesma casa.
J. S. Hearnt.
Frecisa-se de um feitor para utn si-
tio perlo da praca : paga-se bem : na ra
Nova, n. 8.
lieclarares.
-- A administraran geral dos cstnhelccimpntos de
cardade manda fazer publico, que, nao se tendo ef-
ectuado no da 30 de oulubro prximo passado a
arremalacao das rendas da casa n. 17 da ra do IVo-
gueira, (ica transferida para o din 8 (hojo) do crren-
le, pelas 4 horas da larde, na sala das suas sesses.
Administracao geral dosestabelecmentos de car-
dade, 3 de novembro de 1847.
O escriptiirario,
Francisco Antonio Cavalcante Cousseiro.
Publicares Lilterarias.
Sabio a luz, e aeha-se a venda na botica da ra
da Cadoia Velha do Recife, n. 3, o romanee origi-
nal ~ Nossa Semioha uos GunABApns em dous
volumrs, preco 4:000 rs.
O autor que mu coidialmente ama Pernambtieo ,
esta bella provincia, que tiio generosamente o ac-
Colbeu na sua desgrana, por um esforgo, em ver-
dade superior ao seu talento, aventurou a sua pri-
meira produccilo Iliteraria ueste genero, declicando-
aa objeclos pernambucanos. Oassumpto era digno
depcnna mais aparada ; porm. se ella o no des-
creveu, como elle peda, servir ao menos de in-
centivo a outras para inelhor o trataron!.
O autor nao pede indulgencia; antes conla c es-
pera que os judieiosos crticos o advirtam, para que
possa corrigir as mullas inadvertencias, de que,
como esta convencido, ha de abundar esto scutia-
balho : nao se ufana elle de romancista, nao; por-
quanlo ronliece que para o ser lhe falla, alm do
genio sublime, a somma de materiaes para isso
inilispensaveis. Sera tachado de eniprehendedor ou-
sado, e com rasfio; uo o desconheco : mas, se o seu
animo o impellea taes emprezas, tambem est dis-
posto a receber o merecido castigo da cordata cri-
tica dos sabios, c mesmo dos entendidos o da des-
temperada maledicencia daquelles que crilicam lu-
do e de ludo.
Itecife, 22do oulubro do 1847.
Uernardino Freir de Figueiredo Abreu e Castro.
Na ra Nova n. 6, loja do Maya llamos & C.,
anda exislem para vender algons ele m pa ros das
segiiinles-obras chegadas ltimamente de Lisboa :
Viagensna niinha lena pelo concelbeiro Almei-
da Garret, 2 v.
MeditacOes e discursos religiosos pelo conce-
lbeiro Bastos 2 v.
Pcnsamenlos e mximas mora es, pelo mes-
autor, 2 v.
Opsculo sobre a origem da lingoa portugueza ,
por dous membros do conservatorio real, dedica-
do ao concelbeiro A. Garret, 1 v.
Autopsia dos partidos polticos em Portugal.
1847, 1 v.
Igualmente se acbam venda e se recebent assig-
naluras para as segundos puhlicaces :
GazeU dos tribnica publicada sob a dreccao d;i
assembla dos advogados de Lisbi: conlm legis-
larlo indita, consultas jurdicas, a restos, etc.
principiou o seu quinto volume.
Jornal das Bellas artes, conlm poesa, roman-
ces chcaras naeionacs etc. com ricas Jytogra-
phias ondo so reproduzem os paincis dos uossos
mais celebres pintores aronipanhando o texto bo-
nitas gravuras em niadeira. ( Vignetle.) Do n. 1 ao
6. c 7.". Deve chegar breve.
Revista Universal Lisbonense. Hebdomadario re-
digido por uia sociedade de sabios o Iliteratos Jo I
1.ao5.0 v. edo6. v. osus. 1 a 35. Esta obra uti-|
Adamson Howie& Compauhia far3o leilo, por
inlervenco do correlor Oliveira de grande e va-
riado sortimenlo de fazendas nglczas: lerca-foira,
9 do corrente as 10 horas da manhaa no seu ar-
ma/.cm da ruu da Alfandcga-Vellia.
Avisos diversos.
Roga-se a pessoa, que publicou por esta folha
o annuncio das tres lettras iniciaes J. D. S., do do-
clarar se se entende com o abaixo assignado, com
loja de ferragens na ra da Cadeia do Recife, junto
ao arco de Conceic3o. -Jos* Dias da Silva.
Dona Mara de Macedo Navarra, viuva do ralle-
cilio Joilo Baplista Navarro, previno aos crodores do
seu casal, que ella se acha procedendo a inventarlo
pelojuzoda primeira vara, esorivffo Motta ; o para
que cada um requoirao sou direito se quizer, razo
presente.
~ Filippe Nery dos Santos embarca para o Rio-
Grande-do-Sul a sua escrava parda, de nomo Ber-
nardina com urna cria.
No dia terca-rera nppareccu urna prela crim ,
um amiel para o vender e como se suppoz ser Tur-j
in.in so o lomou : quem so achar com direito tr
lado
-- Um francez, chegadodo Rio-de-Janeiro, desoja
adiar um socio com alguns fundos para um esta-
belecimenlo de asphalto-podingo etc. : quem o
pretender dirija-se a ra da Ponle-Velha, ns. 9 e 11.
Quem tem ensinado a traduzir escrever e fal-
lar correctamente o inglez e francez propoe-so Je
novo a faze-lo por um syslema muito mais fcil,
encarregando-se igualmente de instruir no portu-
guez a estrangeiros ; na Roa-Vista, ra do Coto-
vello n. 30, das 6 as 9 da manhaa.
Quem tiver urna preta para singar, que'saiba
cozinhar, engommare fazer todoo mais servico de
urna casa, c que d fiador a sua conducta dirija-
so a rua da Aurora n. 20.
-- Aluga-se um sitio para passar a testa com boa
casa, coznha lora, cacimba com boa agoa de beber,
seuzalla estribara na estrada da Torre: tam-
bem se aluga um armazem na rua larga do Roza-
rio : a tratar no Aterro-da-Boa-Vista, ti. 38.
OSr. Lanrentino Antonio Moreira do Carvalbo
queira dirigir-sea praca da Independencia lvra-
ria ns. 6 e 8, a negocio de seu inieresse.
Precsa-scalugar um preto, ou preta para to-
do o servico : na rua larga do Rozario n, 48, se-
gundo andar. Paga-se bem.
Jos dos Sanios Neves lie credor do casal de
Joaquim Rufino do Reg, com bypothcca especial
em una casa terrea no lugar do Cchang e nos es-
clavos Escolstica, Romana filha desta Florn-
da, da Cosa, Jacintba, filha desta, Isabel e Francis-
co pela quantia de 2:900,000 rs. o seus.juros; e
como o seu devedor esta procodendo a inventario
evai-se proceder a parlilha, para que os herdei-
rosfiquem cellos dos dbitos, e de que os referi-
das bens nao podem ser vendidos faz o prsenle
annuncio.
O annuncio, inserido no Diario de 5 do corren-
tonas iniciaos J. D. S. n3o se entende com o Sr. Jos
Dias da Silva.
Precisante do um pequeo dos quo chega-
rain do Porto : na rua da Gloria refinaeo n. 114.'
Aluga-se. urna casa terrea novamenle pintada e
caiada na travgssa do Peixoto : a tratar no becco
doSarapatol, sobrado n. 16.
Quem precisar de un teilor para algum sitio
perto dcsla praca quo sabe plantar e cncherlar,
dirija-se ao Manguind pallaran. 51.
N3o se tendo eflectuado a reuinflo convocada
pelo abaixo assignado para o dia 6 do corrente, por
ter deixado de comparecer a maioriados credores,
torna a convocar aos mesmos Srs. para que hajam
de comparecer no dia 9 do correle as 10 horas
da manhaa no Aterro-da-Boa-Vista n. 43, casa
da Senhora viuva Brito k Filhos : o espera o mes-
mo abaixo assignado que os Srs. credores nTio dei-
xcm do comparecer porque tenido se propr nego-
cio tendente a seus inieresse*.
Recife, 6 de novembro de 1847.
Jos Cordeiro de Carvalho Ltitt.
Precisa-se de um administrador para um en-
genho distante desta praca 10 legoas: a fallar na So-
ledade no sitio que foi de Manuel Bornardino.
Quem precisar de afinar pianos fortos, c mesmo'
precisando elles do algunsconcertos, cerlo de que se
far urna e outra cousa com toda a perfeic3o e por
diminuta paga, dirija-se a rua do Vigario, n. 14.
Aluga-sc um sitio na Magdalena, no principio
da estrada Nova, comba xa para planta decapimou
outras plantajes : quem pretender dirija-se a mes-
illa Magdalena, a casa de Manuel do Jess Jordio
Caldeira.
No dia 4 do corrente mez, desencaminhou-ae
urna lellra sacada por Jos Fernandos Ferreira a-
ceila por Antonio Coelho de Mello, e cedida pelo
sacante a Joaquim Jos u> Costa Lcitao. Por ja so
ter prevenido ao aceilanto, so faz o preto annun-
cio. Tfmbem so perdeu un bataneo deum armazem
e por isso quem o adiar, leve-o a rua da Seuzalla'
Velha. n. 98, que sera gratificado.
uem precisar d nm no,.:.___ |Para o servico deum homem i
yuem precisar deum ca.xe.ro para qualquer I Ra,,gel,n. 59, primeiro andar.
elle dando os signaos Uto ser entregue, na rua
Nova, n. 22.
Precisa-se de um vendedor de pto, e que
trabalhe na tendedeira para tomar corita de urna
freguezia : na rua Diroila, padaria, n. 24. .
N'a praga da Boa-Visla, sobrado n. 13 precisa-
se de urna pessoa para cozinhera.
Acha-sejusta e contratada por compra urna
casa terrea sita na rua Imperial, n. 3 outr'ora
n. 2, junto a nova matriz de S.-Jos que ro do Tal-
lecido Jos dos Santos da Costa, a qual hoje per-
tonce aos horderos do mesmo que sao Marcelli-
no do Espirito Santo, Manoel Jos do Nascimento ,
Genoveva da Silva o Candida dos Santos Silveira.
Quem na mesma casa tiver algum direito a allegar,
baja de o fazer no prazo de tres das conlados da
data deste por esta mesma folha ou dirija-se a
rua de S.-Thcreza, n. 54.
O abaixo assignado, encarregado do
deposito do rap Princeza-de-Lisba
faz sciente ao respeitavel publico, que,
tendo vindo ordens posilivas.do contrato
para n5o se vender o rap fiado, por isso
de hoje em diante e sem excepcao de
pessoa, s vender o dito rap a quem
lhe pagar vistj ; o que faz publico para
conbecimenlo de todos, l'crnambuco, i.
ie novembro de 1847.
Antonio Francisco de Moraes.
Aluga-sc una casa terrea com trapeira no
lugar de S.-Anua de dentro, com 4 salas, 5 quartos,
coznha cocheira estribara o quarto para pre-
los um algrele, cacimba com bomba porlSo do
forro algumas arvores do fruclo o capim para um
cavallo : a tratar na rua Velha, n. 87.
Alleiieao !
Na loja da rua do Queimado, n. 30, do Jos Joa-
quim de Novaos, contina a liaver um sartimento
de obras tolas; chapeos de todas as qualidades;
ditos para meninos e meninas ; ricos chales deseda;
mantas de seda; lencos de todas as qualidades; o
outros muitos objeclos que ha para vender.
O proTessor de inglez e francez do collegio S -
Antonio il lices nns dilas lngoasom casas parti-
culares : quem de seu prestimo so quizer ulilisar
dirija-se 11 loja de livros do pateo do Collegio, n. 2.
LOTlHJA DO THJEATRO.
Tendo urna pessoa, no dia 2 do corrento, compra-
do o resto de todos os hilhetes que existimo por ven-
der, com a conuicflu de nao ser transferido odia
marcado para o andamento das todas ; o lliesourei-
ro desta lotera declara pelo presente, quo sementan-
te dia he inallcravel, cquoportantn aS ditas rodas
correnlo, sem a menor falla ou estorvo, a 16 desto
mez.
O Sr. doutor Lourenco Bezerra
Carnet*ro da Cimba queira ter a boirla-
de de dirigir-se run do Cabtig loja
11 6, a negocio que Ibe diz respcito.
Ausentou 80, no dia primeiro do corrente, um
moleque de nome Jos, ile 14 anuos pinico mais
ou menos ; levou camisa do algodaozinho, calcas
de algodflo de quadros ; lem urna costura no hci-
coe outra pcqimia sobro a sobrancellia : quemo
pegar leve-o a Fra-de-Portas, rua dos Cuararapes,
n. 6, que ser gralifioado.
O doulor Casanova medico francez, contia
a receitar em sua casa na rua Nova, n. 7, primei-
ro audar, defronlo do itflo da matriz de S.-Anto-
nio das 7 al as 9 horas da mantilla ; e depos dis-
to., esl promplo a qualquer hora para fazer visitas
a qualquer doento que de seu prestimo se quizer
ulilisar.
Aluga-so aprensa do Forte-do-Mattos, o 7 ,
propria paraum bom armazem de recolher: tra-
tar na rua do Vigario, hs. 5 e 7.
OITe/eco-se, para anta de casa de um homem
solleiro, ou de pequea familia urna crioula for-
ra que.coznha com toda a perfeicao que a pre-
tender drija-se aobeeco doSarapatel, n 7.
- Aliigam-se: na Trompe una casa terrea com
quinta), cacimba o mais commodos para grande
familia, na rua da Soledade, 11. 35, por 12,000 rs.
nionsacs; duas ditas mais pequeas na rua do Sebo,
ns. 52 o 54, por 7,000 rs. iiiensaes : quem preten-
der dirija-se ao escriptorio de F. A. de Oliveira, na
rua da Aurora, n. 26.
-Martina lloyer retira-se para tora desta pro-
vincia. \
Precisa-soalugar urna prela forra, ou escrava,
sulteiio : na ruado


r
I
O TRIBUNO.
O n. 41 acha-se n venda na livraria da praga da In-
dependencia, ns. 6e8.
O dentista e sangrador
Jos Anacilo, .
*
nmitn conhecido nesta cidade, com 16 a 17 annos
de pratica o ni sua arte, morador na ra estrella do
Rozariedobairro do Santo-Antonio, junto a igreja,
casa torrea, n. 7, lem a honra de annunciar ao res-
peitavel publico pela segunda vez, especialmente a
todos os seus freguezes e amigos, que elle se acha
muito prompto, das 6 horas da manhia ate as 6 da
tarde, para pFaticar qualquer opcracSo pertencento
a sua arte, sendo que de seu prestimo se queiram
ulilisar, d'agora em diante pela tabella fixa aqu
expressa, serr. dislincSo nem qualidades de pessoas.
Tudo sera feito com muita delicadeza e humanida-
de, e muito desembarazo, mesmo peraute qualquer
um medico cUorgSo, URlO Cffl casa como dentro
e fra da cidade, mandando-sc-llie a indicagio do lu-
gar a que elle fie chamado, nome da ra, numero
da casa, com a firma do dono ou dona, afiancan-
do-se pagar-lhc as passadas ou a visita, caso nao
pralique a operac.lo por nlo ser mais precisa, ou
por outra circunstancia independente da sua voli-
tado, para vir prom pa mente, pordendo elle os seus
interessos em sua casa, fallando aos seus fregue-
zes como sempro lem acontecido e acontece.
1'rimeira tabella fixa dos presos rasoaveit das opera-
ces pralicadas em caa.
Tirar delicadamente um dente ou urna raz 1,000
Chumbar um denlo com qualquer metal
branco dla..........2,000
Chumbar com ouro, sendo preciso 4,000
Apartar perfeilamente os quatro denles in-
cisivos do queixo superior.....6,000
Sangrar delicadamente, aventar, sendo pre-
ciso, por cada vez ........ 1,000
Porcada applicasjjo do ventosas seccas ou
sarjadas at se tirar a quantidade de
sangue exigida pelo.facultativo 6,000
O irais pagarfo.conforme as suas generosidades.
Segunda tabella dos preeos mais rasoaveis das operacOes
pralicadat dentro da cidade.
Tirar delicadamente um dente ou urna raz 2,000
Chumbar un dente com qualquer metal
branco............2,000
Chumbar com ouro, sondo preciso 5,000
Apartar perfeilamente os quatro denles in-
cisivos do queixo superior.....8,000
Sangrar delicadamente, aventar, sendo pre-
ciso, porcada vez........2,000
Por urna applicacao de ventosas seccas ou
sarjadas, al se tirar a quantidade de
sangue exigida pelo facultativo 8,000
O mais pagarao conforme a sua generosidade.
Terceira tabella dos preeos das opcracSes praticadas
fra da cidade.
Tirar delicadamente um dente ou urna raz,
viagem e operucao at a altura de urna
legoa........... \ 8.000
Chumbar um dente com qualquer metal
branco........ .....
Chumbar com ouro, sendo preciso
Aparlarperfeitamente os quatro denles in-
* cisivos do queixo superior .' .
Porcada applicagBo do ventosas seccas ou
sarjadas at se tirar a quantidade da
sanguo exigida pelo facultativo 16,00<
No da 8do corrente, pelas 4-horas da. lard*i
a porta do lllm. Sr doutnr juiz de oiiihilos.se han o
arrematar, d-8 rauda animal um sitio no lugar""
Varzea perteneentn ao orpnAfl Joflo do Dos Quin-
lella', avallada a dila renda em 40,000 rs. ; Ir*
<\ernvaa diias nioulas e urna parda,, a Nquarr
metilo ile Mitnoel Fjrmin Ferreiru a quem as mes-
illas perlencem.
Attencao!
Pora saldar o debito de urna casa, precisa-se re-
qater urna lettra de 2.000,000 de ris, que se ven-
ce em fevereiro prximo, assignada por pessoas
idneas e de muito bom crdito: quem quiz er fazer
este negocio digne-se entender com o Burgos, no si-
tio da cscala, que est autorisado para conclui-lo,
ou annunciar a sua morada, para ser procurada.
8,000
12,000
16,000
O mais pagarao conformo as suas generosidades.
CHAPEOS DE SOL
Ra do. Passeio*Publico, n.
JoaoLoubet participa aorespeitave) publico, que
receben, por estesullimos navios francezes, um com-
pleto sortimento de chapeos de sol, do seda, amis
rica e superiorqualidade; furta-cres o nutrs mui-
tasconhecidas, tanto para homens, como para Sras
o meninos. No mesmo estahelecimenlo'ha um sorti-
mento de chapeos de sol do paninho, dos mais mo-
dernos ; ditos muito grandes, proprios para homens
decampo tambera tom chapeos de solide paninho
para meninos c meninas, por sercm muito linos: po-
dem-se chamar chapeos de economa. Na mesma loja
ha sortimento do bengalas, bengalinhas e chicles
muito modernos; cobre-se qualquer armacSo de cha-
peos de sol, com sedas de todas as cores equalida-
des. Na mesma casa ha um grande sortimento de
paniiinhos trancados e lisos,.imitando seda, para
cobrir os mesmos: desta fazenda se vendo aretalho.
Concorta-se todo qualquer chapeo de sol, por haver
um completo sortimento do todos os pertences para
os mesmos, com toda a-perfeic3o c brevidade.
una- til
ua.i- m
Vende-seuma parda porfeita engom
deira coiinheira e doceira de toda a q
J.dade de fruta e que he do muito boa con- y
rji duela, muito desembarazada e hbil pa- 71
I rareger qualquer casa de familia; urna mu- |j]
- irinci- (iJJ
ii------- ,- .-,--.
(TI lalinl.a rccolhida, de 13 annos com p...... ._
|t pios de costura, c que he de muito boa con- Ul
i?, docta por ser bem educada ; 4 escravas do 'f-1
H bonitas figuras muito mogas e com
-ij gumas habilidades ; 4 molecotes de 16, i
1
| I P ^11 M II" IPUlFlli"VU | -V MWaWW~------, --_- Lj
l?l 20 annos de bonitas figuras muito habis <
j'i esem vicios; um pardo de 22 annos, com
V *< I I I I *,*-* f w ... J. ------------------------------,
principios de alfaiale : todos estos escravos
(-'- se vendem por prego muito commodo : na H
n ra doVigario n. 24, se dirquem vende. jmiI
-- Manocl Antonio da Silva Molla lem canoas pa-
ra condcelo de trastes e outros quaesquer objec-
tos no porto das canoas, no Recife.
Caicas para joas.
Na ruado Cabug, loja do Francisco Joaquim f>u-
arii', Ha um sortimenlo de caixat) para guardar
joias, de muito bous gustos; assim como allinctes
de 1-i'iK. de vidro. de diversos goslOS, para senlio-
ra; litas de aetiili; biros do diversas birgiuas, ocu-
los de arinac.au de aro de baleia e leques linos : tu-
do por preeos comiiiodos.
Vende-se um sobrado no largo do
Torco, ii. .f>, em chaos proprios : h Ira-
lar no mesmo sobrado.
-- Vendem-se boas laranjas, a- 240 rs. o cento ,
e a relalho a 6 por um vintem ; no porto da ra N o-
va em urna canoa.
Na loja numero 17 da ra do
' Passeio^Publico,
vendem-se cortes do camhraia. de cores finas, com
6 e meia a 7 varas, a 2,210 o 2,560 rs.; dilas muito
linas, a 560 rs. a vara ; cortes das muito lindas prin-
cozinas, a 12.000 rs.; mantas do seda, muito ricas,
a 10,000 rs.; chales de seda, multo ricos, a 14,000 rs.;
cintas finas a 120,140,160, 180, 200 e 240 rs., e muito
finas a 280 rs.; brins de linho de quadros o hstras,
muito lindos padrOes. a 640 rs. a vara ; lengos gran-
des de seda para grvala, e bous em qualidade, a
1,280 rs. ; mantas de seda para grvala de liomcm, a
2,000 rs. ; cortos de collete do lila e seda, a 320 rs. ;
ditos de fuslilo, a 500 rs.; ditos de velludo do co-
ces, a 3,000 rs. ; ditos de gorgurSo do seda de co-
res, a 3,000 rs. ; ditos de gorgurSo de 13a e seda, a
1,000 rs.; lencos brancos arrendados, para mSo de
entrora, a 210 rs.; chales do Ifia la Escocia, a 2 560
rs.; ditos de 13a com lislras de seda, a*3,000 res ;
alpaca cor de caf, a 640 rs. o covado ; dita muito li-
na preta, a 1,440rs. o covado; pegas de. madapolao
muilo linas, com quatro palmos, a 4,000 e 4,500 rs ;
cassa lisa a 240, 400, 480 e 560 rs. ; pegas do algo-
diiozinho com 18 jardas, a 2,000 rs:; chales de cas-
sa escura, aOtOrs. ; merinos muito superiores, a
1.600, 2,800, 3,201), 3,500 o 4,000 rs. o covado ; cor-
tes de chita com dez covados, a 1,000 rs. ; ditos linos
com 10 ditos, a 1,800 rs.; ditos dilos com 14 dilos,
a 3.500 rs.; dilos de vestido de cassa com barra, a
5,000 rs o outras militas fazendas por pregos com-
modos. .. .
Vendem-se superiores queijos Ion-
riuos ; presuntos uglezes ; conservas;
cha preto ; passas miudas ; huctas paro
fazer pudins ; latas com salmn c outras
muitas conservas rols-, carry-powder ; latas com eidlitt,
tanto grandes como pequeas ; jigos com
Compras.
boti-
na
I)ao-sc Sos'ooo rs.de gratilicaco,
e se pagarao todas as miis despe-
zasque se tenhaln feito, a quem
der noticia do caboclinho escra-
vo por noiiie Vicente de seis
annos, pouco mais ou menos, sec-
co do corpo; ten no anus duasfe-.
lidas de bobas, e he um tanto le-
sa, por ser novato nesta prnca; le-
vou vestido camisa de algodo da
ierra um tanto soja ; desencam-
nhou-se da ra do Vigario, n. 2^,
aonde se poder dirigir a pessoa
mi ra da Cadeia
21
que souber
do Reci/e,
--,Compram-se, effectivamenle, garraas e
jas: na restilacSo- da ra de.S.-Rita, n. 85.
Compra-se urna casa terrea que tenha bom
quintal, em qualquer dos bairros doS.-Antomo, ou
Boa-Vista mo sendo em beccos e ue pouco ex-
ceda de 1:000,000 rs. : na botica de Joilo Moreira
Marques.
Compram-so 100 meios de sola do boa marca .
na ruado Collegio, n. 19.
Compram-se, para urna encommenda do mallo,
4 escravos :narua da Cadeia de S.-Antonio n 19,
primeiro andar.
Compra-se urna canoa do um so pao propna
para trusporlc, em um rio ao sul desla praga, dos
passageiros que por all transi'.am com cargas de
assucar ele. : na ra do Vigario, n. 5 ou 7.
Conipram-seolllciaes de carpina, perciros ,
ferreiros c carpinleiros, para fra da provincia;
pagam-so bem, agradando : na ra da Cruz, no Ite-
cire n. 49.
Compra-se um jogo de gamaO com tabolas de
marfim na ra da l'raia, urmazem n. 18, ou an-
nuncic.
Vendas.
ralos; alpaca prcta, a 800 el ,600 rs o cora;lo_;
panno de linho, a 400 rs. ""5 c*")*W* i
rezas orlasliras para caigas a a,000 rs o
Jo Itaugel, n 17.
CERA DO RIO-DE-JANEIRO E DE LISBOA.
Vende-so completo sortimento |f'"lod?0s,Jn!
em parle alguma, por liquidagao : na ra da sen
zalla-Vcllia, armazem, n. 110- ,incinio d
Vende-se um mulato mogo com P"C'P'9
pedreirocbom cozinheiro. por prego commodo -
na ra do Trapiche, n. 34, lerceiro andar.
Pechiucha a loja do nicho.
Na esquina do l.ivramento, loja do $**
dom-se novas princezinas de varios PMrOu a
quesiios gosios, a la.OOOrs. uCr.c; S r,,x" ." .
la-cores com vara de largura a 320 rs. o corado ,
riscadinhosem cassa. com hstras do seda a w
rs. o covado ; longos proprios para meninos au ,
80 e 120 rs. _..;.
Vendem-se hervilhas muito boas e propr1**
para semear, por serem muilo novas: na ra a 1 rain,
11. 20.
a
ago ar-
r-
Perdcu-so quarta-feira 3 do correte, a noi-
te entre a ra da Cruz do Rccic o o Alcrro-da
Boa-Vista una carleira grande de marroquim
prelo contendo poneos papis de nenhuma impor-
tancia : quem a liver achado e quizer restitui-la ,
dirija-ge a ra da Cruz n. 2, que ser recompen-
sado.
A Sra. D. Francisca Firmina Moura e Novaos vai
Portugal, eleva em sua con.panhia quatro filhos
menores e urna criada de nomo Maria, Brasileira.
ATTENCA01.
Roga-seaoamantes da msica, com cspeciali-
dadeaosSrs. flautistas, que'Coricorram para a com-
pra do una valsa pulada para (nula com acom-
panhamenlo para violo, ^uo" acharSoa venda na
livraria da praga na Independencia ns 6 e 8, o em
Olinda, na ra do Amparo, botica do Sr. Soares Ra-
puzo pelo commodo prego de 320 rs. cada exem-
plar.
PARA AS PESSOAS QL'E TENCIONAM SEGUIR
VI.ACK.M.
Na ra do liangel, n. 9, eonlinuam-sc a tirar pas-
saporles para dentro e fra do imperio, despacham-
se escravos e coirem-so follias tudo com brevi.da-
de e por prego muito e muito commodo, do que
j se tem dado exuberante prova no decurso de seto
annos.
Quem tiverna lha,de S.-Miguel alguma pro-
priedadedo Ierras ou quintas livres e desemba-
rgada, qu queira vender, dirija-so a ra do Col-
legio, n. 19. .
-- No dia 8 do corrcnle polas 4 horas da tarde ,
porta do Sr. doutor juiz de orphaos no Alerro-
da-Boa-Vista se ha de arromar por venda, a quem
miia der o sitio denominado Agoazinha, em Be-
beriba, cujo escriptosc aoha em m8o do porleiro.
Praxc forense.
Livraria da esquina do Collegio.
Elementos do processo civel, ou mesmo dasprimei-
ras lionas elvis de Pereira o Sou/.a 1 v.: he um
extracto conciso e substancial das doulrinas do
processo civil, expedidas na obra de P. o Souza ,
por mdico prego.
Tratado das obrigacOes c acgOcs por Mello Freir ,
traduegao portugueza fiel c correcta. pelo doutor
Regueira Costa. A traducg3o dcsto volume, que en-
silla a marcha e incidentes do processo civil, foi
um importante servigo feito as pessoas do foro
que nflo podem consultar o original latino.
Primeiros elementos praticos do foro civil, coin
um supplemenlo : esta obra conten o formulario
das allegagOes jurdicas de loda a especie no pro-
cesso civil ordinario siimmario ejecutivo; e he
um seguro guia para as pessoas do foro.
Manual do proceno civil: esla obra, j em segunda
cdigio augmentada he pro'ducjuo do insigne Ict.
Concia Talles, 1 v.
Peculio de actos o termos civrs e crimes 1 v. Este'
ivro pde-se dizer o tade-merum dos escriv.aos do
civel e criine : acham-se uclle lodas as instru,cg0es
necssarias para organisago de actos civeis o cri-
mes com modelos de todos os termos e demais pe-
gas dos processos.
-----Vendem-se enfeites de froco de di-
versas cores para cabecas He senhoras :
na loja de Maya llamo* & C, ra Nova,
n. 6.
Vendem-se pedrasde amolar, brancas, doma-
Ihor qualidade que teem vindo do rio do S.-Fran-
cisco a retalho e em porgSo por prego commodo:
na ra da Praia> armazem n 18.
.alalas inglezns ; loncinbo dito
denle de Franca 5 vinho do Porto, Madei-
ra, Constancia e Cherry; tijolos para liin-
par lucas : o arm.izem da ra do Trapi-
che, n. 4'*
MEZ MARIANO A 1,000 RS.
Vende-so na livraria Ja praga da Independencia ,
ns, 6 e 8 o Novo Mez Mariano, accrescentado com o
l.ausperenne do SSntissimo Itozan'o.
Vendem-se pegas de madapolo limpo com
20 varas a 2,500 rs.; pegas do chitas escuras o de
corea (xas muito cncorpadas o fortes a 5,500 rs.,
c a uicia pataca a retalho : na ra eslreita do Roza-
rio, 11. 10, tereciro andar.
Admirareis nava-
Ihas de ac da China
que teem a vantagem de cortar o cabello sen) offen-
sa da pello, dcixando a cara parecondo estar na
sua brilhanle moeidade.
Esto ago vem cxclusivamenleda China e so nel-
lc Iraballiam dous dos melliores e mais abalisados
cutileiros da nunca excedida e rica cidade de Pe-
kim capilal do imperio China.Autor Shan.
N. I!. lie reconhecido o uso deslas navallias
maravilliosas por todas as sociodades das scien-
cias medico-cirurgicirs, tanto da Europa como da
America Azia e frica, nao so para prevenir as mo-
lostias das cutis, mas tambem como um mcio cos-
mtico. 1 ,,
Vendem-se as verdadciras so na ra larga do lto-
zario, n. 24.
__ Vende-so sal de Lisboa, fino o alvo, a 1,600
rs. o alqueireda medida velha : na ruada l'raia
armazem n. 18.
Venham, que estn se aca-
bando
ossapatoes de bezerro para homem obra boa ,
1,280 rs. : no Aterro-da-Boa-Visla, lojan, 78.
FRESQtJINIIO.-
Cliegou pelo brigue Bom-Jesus, vindo do Itio-de-
Janeiro, urna remessa do superior rap grosso e
meio-grosso, da fabrica deEstcvo Gasse. Os dig-
nos freguezes onconlrarlo no deposito da ra da
Crnz do llecire, n. 38, a quantidade o sortimento
que quiterom. O seu prego hoja sabido : 1,280 rs.,
sendo de 5 libias para cima.
Vende-se urna mulata de bonita figura, de ida-
de pouco mais. ou menos de 20 anuos, com muito
boas habilidades : quem a pretender dinja-se a ra
do Livramenlo, n. 34.
Por mudanga.de armazem, vendem-se alguns
depsitos para assucar, muilo baratos, pipase bai
ricas vasias : na ra da Senzalla-Velha, n. 110.
Na ra do Crespo, loja p. 19,
de Jos Joaquim da Silva
Haya,
vendem-se muito lidos chapeos para mcninft,
tanto de seda como de palhinha chegados ltima-
mente do Paris ; chapeos de seda para seoliora ;
cortes do crambraia de seda do ricos gostos, por
prego muilo commodo ; cortes de vestidos de Cam-
bra ia e cassa-chitas de difTcrcntes qualidades por
prego* baratos; ditos com urna pinta de mofo e
em elle a 2,000 e2,500 rs. cada corle ; mantas de
seda e hla para sonhora das mais modernas que
Lotera do Rio-de-Janeiro.
Vndem-se bilhetes^meios ditos da terceira lo- =..
loria a beneficio do convento de S.-Antonio : na roa I teem vindo a esta praga a 5,000 rs. cada urna;
da Cadeia, loja de cambio, n. 38, de Manoel Gomes. I montas e Chales do seda de varias qualidades e ba-
Casimiras clsticas e finas ,
7#00O rs.
Vndem-se superiores casimiras elsticas 0"
do cores, pelo baratissimo prego de 7,000 rs. o coi-
te de caiga. Esta fa/enda lio recommendavel pela
sua qualnlado tanto em fazenda como em gostos ,
por serem os mais modernos; casimiras "<*
superior fazenda por sercm muito linas a 2, J
3,500 rs. o covado : na ra do Collegio, loja n. t.
Vende-so esseucia do aniz,estrcllado, superior,
em garrafas de 22ongas, por prego commodo: na
ra .la Cruz no Itecife, n. 18, segundo andar.
O BAKATEIRO.
\a nova loja da ra do Cres-
po a o p do arco de S-An-
tonio n.4, de Ricardo Jos
de Freitas Ribeiro,
vendem-se chapeos de creps para senhora a 4/
rs. ; ditos do seda, os mais modernos que teem vin-
do a 12,000 rs. ; os mais modernos chapeos do
massa francezes para homem a 7,000 rs.; um no-
vo sortimenlo de cambraiascscocezase cassassuis-
sas de varios gostos, tendo urna vara de largura ,
e do cores muito lixas a 320 rs. o covado ; co
de fustao ile gosto moderno, o de cores hxas a
rs. ; muito ricos chales de seda, muito superiores o
grandes, a 12,000 rs.; chales de garga tecidos com
listras de seda muito lindos, a 3,200 rs. cada um ;
ii ni novo o rico sortimento de lengos de seda o do se-
tim lavrado do cores muito lindas, a 2,000 e 2,aoti
rs. intoiros; ricas mantas para grvalas do lio-
mcm com ricos lavles a 2,000 rs. isto he pe-
chincha ; cortes do gorgurflo de seda para collete,
muilo ricos.a 3,500 rs. Igualmente ha um sortimenlo
de chitas linas c de cores fixas a 120 o 240 rs. ;
covado; cortes do cassa de coros fixas, a 2.560 o
3,000 rs.; ditos de camhraia brauca e do cores,
para bailes de 4,800 at 7,000 rs.
SALSA-PARRIMIA OE SANDS.
Este oxcellonte remedio cura todas as enfermi-
il.-.des, as quaes sao originadas pela impureza do
sangue, 0U do systema ; a saber
Escrfulas, rheumatismo erupgOes cutneas,
rebullas na cara, hcmorrhoides, doongas chroni-
cas, brobulhas, bertoeija, tinha, incliagOes, dores
nos ossoi e juntas, ulcar, dooncas venreas, citica,
enfermidades que atacam pelo grande uso do mer-
curio, hidropesa expostos a urna vida extrava-
gante Assim como chronicasdosordens da cons-
tituiefio sera" curadas por osta tilo til appro-
vada medicina.
O extracto seguinto he do urna carta recebida do
Sr. Mace,poissua mulhor foi atacada de escrfu-
las no nariz, dasquaos os melliores doutores en\
Franga a nao podcrSo tratar.
I Rennes, departamento do lile e Vilain.
Franga, julho 17 de 1844.
Sr. Sands. A salsa-parrilha mandada por Vm.
foi recebida com a maior satisfagao possivcl, minha
miilhcratomou, e em pouco lempo se acliou rae-
Ihor; pelos grandes beneficios que recebeu desta
medicina, a considera como urna das mclhores me-
dicinas do mundo para tacs doengas pois dou-
tores de alta sabedoria nunca a poderam tratar. Mi-
nha mulhcr a contina a tomar al se acliar n-
leiramcntc boa. PorTavor nos queira obsequiar com
alcudias garrafa* o mais dopressa possivcl. Sr.,
nos leremos o gosto de fazer conhecera sua medi-
cina entre os nossos amigos, assim como entre o
povo: semduvida ser usada aqui, bem como em
todo o mundo como cfiicaz medicina para alliviar
e tratar o corpo humano. Tonho a honra de ser o
mais ltenlo venerador. _
/. Mace.
Nrl, ru l.nuisl'liilippe.
I l.egagSo dos Estados-Unidos,
Berln, Prussia, abril 8 de 1846.
Sis. A. II. & 1). Sands. Srs., tendo-se a sua sal-
sa-parrilha usado nesta ciJade, com grande efTeito,
em casos mui severos de escrfulas, me pedem tres
duzias de garrafas da sua medicina as quacs as es-
pero sem falta quo para isso mimetto o pagamen-
to. Espero que Vms fiquom de toda a certeza quo
a composigflo do salsa-parrilha he urna das melho-
res medicinas do mundo, assim como se vai in-
troduzindo muito entre opovo Sou o mais ltenlo.
TheodoreS. Fay.
Preparada e vendida por junto c a retalho as-
sim como se exporta por A. B. Y I). Sands, chimi-
cosedroguistas, n. 100, Fulton-Strect, esquina de
William, New-York.
Vende-se na botica do agento, Vicente Jos de
Brito na ruada Cadcia-Velha, n. 61.
- Vende-se um sitio na estrada dos
Afflictos, com hoa casa de vi venda, de
pedra ecal, com sotao, cozinha fra, es-
triharia para um cavallo, muito bom po-
co, o qual admittenora, todo cheio de ar-
voredos novos : a tratar na mesma estra-
da com Joaquim de Uliveira e Souza.
T

.'>


a
-
"



A
VAhdMte, 011 'roca-se por rusas nesta pra<}.". ca
t rorr c>'i' .(|2,,almos de frente e 130.1c fiuiui
silo por 'Ipti'.-s ,,'o ovenfi o smi iropi.'efuio no MangiiinUO, SJgunJo sitio
depoJaot, expolia de S.-Jos.
Casa da F
na ma estrella do Rozarin, n. C.
Nesto estabelecimonto acham-se a venda as hem
acreditadas cautelas da lotera do theatro publico
desta cidade rujas rodas andam no dia 16 do no-
vemtiro. O cautelista ospcra que os seus freguezes
roncorram a comprar o resto das ditas cautelas ,
nnsquHesseesperam boassortes, pela excellente es-
culla que se fez dos nmeros para serem dividirlos
em cautelas. A ellas que sito poucase boas. Pregos
os do costume.
Vende,m-sc "i pretos de boas figuras sendo
dous carreiros o vaqueiros e um carpios ; um roo-
leqtme um moleco para torio o servico ; tambores;
rodetes; caldciras e aguilhoos' ulicos : no fin da
ra da Aurora, n. 4.
-- Na livraria da ra do Crespo, n. 11, vendem-so
lolemacos novse usados; grammatica portugue-
sa de Sovene: ludo por prego commoilo.
Vcndem-ae 04 supciores charutos fama-vea >
rogaliade S.-Flix. c carros iti \n Ha va na :io
plnsillra, primores marca d* fago, o outrus mu-
lasqrsiidhdda, por progo commodo : na nova fa-
l)tlea da uabrwiU ao Rozarjo, n. 45,
' *.'
Up
*&*
sy
w^
$
Cartas para volta-
rete,
as melliorcs e mais baratas : vrndem-se na ra lar-
ga do lio/ario n. 24,
AGENCIA UA FUNDIDO'DE LOW-MOQR.
Na ra da Senzalla-Nova n. 42, continua a haver
j n completo sortimentode moendas o machinas de
vapor para engentas de assucar bem como tai-
xas de ferro batido ecoado de lodos os tamanhos ;
ludo por proco commodo.
Potassa.
Yende-se a verdadeira e superior po-
tasas da Hnssia a mais nova que oxislc
no mercado : na rna d,( Cadeia do Heci-
l, armazem n. 12, de Bailar iV Oliveira.
A 160 rs. o covado.
Hiscados francezes, a 160e2D0rs. o co-
g) vado ; damasco dealcodao, a 640rs. o co-
, vailo; cobertas de dito muilo Targo a
y 3,500 rs. cada urna ; meias casimiras a
* 2,240 rs. o corte; ditas elsticas, a 2,500 c
# 3,000 rs. ; panno fino do todas os cores, a
& 4,000 rs,; cortes do cassa-chita do bons
i gostos a 2,500 c 3,000 ; novas" casimiras
K elsticas de bonitos padres; cortes de
. chita o mais lino possivel; corlea de cassa
J* de padros milito modernos ; alpaca mui-
to fina ; dita de cordita o do varias cores ;
corles de panno bordados para sapa tos ;
ffih M0VO sortiinento de corles de cassa-seda
'\&i do novos goslos; chapos francezes da ul-
r& tima moda ; c outras militas fazendas li-
w as: tudo por menos prego do que em ou-
fc& tra qualquer loja: na ruado Cmeimado
y? loja nova da casa ainaiclla n. 29.

m
0

m
Vende-se expeliente vinlio
Inanco de Bordean* en caisas
/.i 1: na rna da Senzalla-Nova. n.
tinto e
de du-
i38.
Vende-se urr.a cscrava de 251 30 annos, mul-
to saaia ^iropria para o servido de campo por. pre-
go cmmo.lo : na ra Direita, confronto ao oilflo
da icri'ja do Livramnto venda n. 4.
Vcndom-se sacos con ni'lho cOm 5 quarlss,
a 4,0CO rs' ; arroz de casca a 3,200 rs. o alqueire ;
ma scra v cabra do benita figura com -habi-
lidsdos : na ra da Cadcia do S.-Anlonio, n. 19.
Vende-se um sobrado de dous andares o so-
tilo n. 2, sito no principio da rna Direita : na ra
Vova, n 48.
Vendo-so um excellente jogo de diccionarios
inglezos; por Vieira grandes volumes novas e
ultima edicio, por 27,000 rs:; o Guarda-livros
moderno, por 7,000 rs.; Salustio traduzido ao p
da lettra, por 600,000 rs.; Taboas do logarythmos,
por 2,000 rs.: no Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78.
VdIio de Champanha da
marca cometa,
vende-se no armazem de Kalkmann & Rosenmund,
na rna da Cruz, n. 10.
Vitlros para espelho,
de varios tamanhos, vendem-so no armazem de
Kalkmann fc. Rosenmund, na ra da Cruz, n. 10.
Pannos finos.
Vendem-se superiores pannos finos, a prova de
limJo preto, a 3,000, 4,500, 5,500 o 6,500 rs. ; di-
to azul, a 3,000 rs. o milito fino, a 4,500 rs. Estes
pannos silo novos e pela sua barateza, atienden do
asuaboa qualidade, tornam-se recommendaveis.
Na ra do Collegio, n. 1.
Vendem-se os seguidles escravos ,
de muilo boas figuras sem vicios nem
achaques: duas pretas e nma parda de
SO annos poueo mais ou menos que sao
lavadeiras e costureiras; 3 pardos da
mesla idade, entre os quaes un lie hom
sipateiro e outro alfaiate e todos pro-
prios para pagens ; um moleque de a
annos ; um pardo de i/t a 16 a mos ; um
mulatinlio de 7 para 8 annos proprio
para andar com criancas: na ra do Cres-
po, loja n. 2 A, se dir quem vende.
jVa loja nova da ra do Quei-
ado,n. 11 A, de Raymun-
(lo Carlos Lcite ,
a 800 rs
n vara do ptimo panno de linho do Porio as pecas
Silo de 18 varas c meia ; dito do 25 varas, a 600 rs. ;
iiardaqapos de puro linho a 800 rs. ; fazenda do
norte, pi opria para collctes aquetas e etc., tecido
de seda c linho ; meias de linho as mais finas que
teem vindo ao mercado.
Chrisl.oph.crs & Donaldson anda teem para ven-
der, deseos bem conhecidos o superiores viudos :
ago'ardentc cognac, em cascos e garrafas ; cerve-
ja : lamben) vendem 2 pianos inglczes a afamados:
na ra do Trapiche, n. 40.
ao de patente c somonte se
vendem no Aterro-da-Boa-
Vista, loja 11, *8,
cxcellcntes bonetes de verdiWeiio manoquim, pre-
tos o cAr de ganga de modelo muilo engracado ,
obra franceza cuju goslo pode ser bem avaliado
vendo-so a fazenda forrados e com linissimas pa-
jas eiivciiizadas ; e sflo tilo decentes, que podem ser
usados por qualquer personagem : pura meninos ha
igualmente bonetes de merino de cores bordados
o tamben de excellente goslo.
Vende-se um preto de naci, de 40 annos, de
bonita figura por'ser milito corpolenlo n.lo tem
vicios nem achaques : vende-se para comprar urna
preta ou tamben) se troca : na ra da Concordia,
passando a polczinha a direita, segunda casa ter-
rea.
Vende-so urna preta crioula, ue muilo boa fi-
gura que coso eengomnia com perfeigilo faz la-
varinto e renda muilo bem, cozinlia, faz todo o
servio/) de sala he recolhida e tem 20annos : na
ra da Trempc, n. 1, de manhiia al as) horas o
de tarde das 3 em v.anto.
Uvas, amexas e passas ,
ludo novo, chegado ultiniamonto c de qualidade
superior : 110 armazem de Das Kerreira no caes da
Alandega.
Vende-so una morada de casa de sobrado, sita
na ra do Ainoiiin n. 3t, em chitos proprios :
a halar no pateo do Carmo, com l'elix l'Yancisco de
Soma Magalhilos.
Vende-sc superior panno de, algodio da Ierra :
na na do Crespo, n. 23.
Vendem-se na ra da Cruz, n. 26, 3 cscravas
boas, com algumas habilidades ; duas lindas mole-
cas de 12 anuos ; tres escravos; sola ; couros miu-
dos; bezerros ; esleirs ; sapalos e botina; sebo e
cera de carnauba.

Belmiras.
Vendem-se superiores cortes da fazenda nova
denominada belmira para vestidos de senhora
pel barato preco de 4,500 e 5,000 rs. o corte. Esta
tazenda he nova e de muito sublimes gostos, sen-
do as suas cores mui apreciaveis por serem cor de
lino, rosa o pe/ola. A clles, antes que so acabem.
Na ra do Collegio, loja n. 1.
Lotera do Rio-de-Janeiro, a be-
neficio do covento de S.-Anto-
do da corle.
Vendem-se bilhetcs desla lotera em casa de J.
O. Elster, na ra da Cadeia-Velha n. 29.
jg
Ij! Vende-se urna parda de 30 annos, com um
s* filho muito lindo, de9 anuos : a parda cose, SK
$ faz lavarintoe doces, engomma cozinlia :
.. na ra das Larangeiras, n. 14, segundo andar. 7
n (
DEPOSITO DE CALV1RGEM.
Na ra do Trapiche ,11. 17, ha sem-
prc cal virgen de Lisboa, cm barra pe-
queos, e ltimamente chegarla mui-
to superior e por preco rasoavel.
Vendem-se caixas dech li^sson, do 13 libras,
em porcOcs ou a relalho ; caixas do volas de es-
permacetede5c6 em libra : na ra da Alfandoga-
Vclha 11. 36, cm casa de Matheus Austin & C.
Cadeirasa p)lka, a 1^000 rs.,
vendem-so no armazem do Cuimaries no caos da
Alfandcga c em casa de J. J. Tasso Jnior na ra
do Amoriiri, n. 35.
Vende-se una venda na ra de S.-I'ranrisco ,
ao p do palacete do Sr. Eiras com poucos fundos,
ecommodos para pouca familia, a qual he siluada
em muilo bou local e por issotom boa fregiiezia
para a trra : a tratar na niosma venda ou na ra
larga do Rzario, em casa do Sr. Manocl Percira
Lomos.
Vende-se a bem condecida venda da ra Im-
perial n. 145 porseudono terde ir a Portugal:
adverte-seqiictcni aarniacao aseu favor, por ser
excusado compra-la : a tratar na mesma venda.
Salsa-par I ha
de superior qualidade, llegada da poneos dias
pelo brigue-escuna laura vende-so no armazem
ile Kalkamann & Rosenmund, na ra da Cruz, n. 10.
Vende-sc um sil o de tenas proprias com va-
rios arvoredoa do fruclo casa, boa cacimba, no
lugar d'Agoa-Fria de llobenbe ; cujo sitio foi do fal-
lecido jeronymo Jos Martins no paleo da igreja do
Pilar, do lado esquerdo, casa n. 181 ou no car-
torio dos orphiios se Tara todo o negocio.
= Vende-se a padaria das Cinco-I'onlas por pre-
co commodo ou d-sc interesse a qualquer pessoa
capaz, que seja hbil para lomar conta dola : na
ra Direita, a fallar com Manocl Joaqun Soares.
Xa loja nova da rna do Qnci-
mado, n. II A, (Icftaymnn-
do Carlos Le le ,
aeda-seum novo sortimentodo pannos linos do todas
as cores c qualidades ; edapos francezes da ultima
moda ; um completo sortinienlo de la/.endas finas
egrossas, por preco mais barato do que em outra
qualquer parta.
Vende-sc urna carrosa nova de dous bois pata
carregar pipas por baixo a qual ainda niio foi ser-
vida : na ra do Pires na lloa-Vista n. 3.
Vende-se urna morada do casa terrea sita na
ra Vellia, n. 24 I na rna da Concordia, a tratar com
Jos Antonio Corrcia Jnior.
AO BOM GOSTO PARA A FES-
TA DO NATAL.
Na nova loja do Passco-Pti>
buco, n. 19, de Manocl Joa-
quim Pascoa) Ramos ,
vendem-so cortes de* casi mira franceza, a 3,000 rs.;
hrins de quadros o de lislras, a 1,200 rs. a vara ; di-
to branco de puro lindo a 1,600 rs.; mantas de se-
da de donitos padrocs a 9,000 rs. ; chales de seda
a 2,500 e 8,000 rs.; panno fino preto, a 5,000 rs. ;
dito azul, a 4,500 rs.; chapeos do sol, de seda preta
e de cores, a 7,500 rs.; lencos de seda para grvala,
a 8t0c420rs. ; ditos, a 1,440 e t.600 rs.; ditos de
relio/, da ultima moda para senhora, a 3,200 rs.;
cortes de cambVaia a 3,000 rs ; dita a 800 rs. o
covado ; chitas muito finas a 280 320 e 400 rs.;
riscados francezes do bonitos padroes a 200 rs. o
covado; esguiflo muilo fino, a 2,000 rs. a vara ; bre-
lanha fina, a 800 e 1,000 rs.; sarja preta dcspanlioia,
a 2,000 rs.; setim preto, a 1,000 rs. o covado.
Na loja nova da ra d > Quei-
mado, ii. 1 I A, dcliaymun-
do Carlos Leite,
aclia-se um novo sorlimcnto de lindas mantas de
seda a 4,000 rs. lendo lanibem do 2,000 10,000,
16,000 e 20,000 rs. ; luvas para sendora de trocal,
ultima modaem Lisboa ; meias cras n. 10 a 5/
rs. a'duzia.
Lotera do llio-dc-Jaiiciro.
Aos20:000#00T)ders.
Na loja de cambio do Vieira na ra da Cadeia do
Itecife vendem-se bilhetes da stima lotera a
favor da casa da caridade. A clles antes quo che-
gue o vapor.
Vende-se, or o dono- se retirar
urna cama de
ga do Hozario, venda n. 33, se dir com quom so
devo tratar.
Botocs' a mocte.
Na ra do Cabula, loja do.mio.iov.as de Francso0
JoaquimJ)uartOjrecebeu se pelo ultimo navio vii..
lo de Franga um completo Sorlimento de bolOe
de casaca pretos, do'setim, sarja evelludo, o ania-
rellos dos melliorcs gostos que teem viudo ultima-
mente de Paris, de libr de pagens, de Pedro II, pro.
prios para os Srs. militares, e os mais bem dourados
que-t*emaparecido; de madre-perola, decores, prr>
prios para roupas de meninos e roupinho de sendo-
ras: as amostras se acham pate'ntes aos senhores
compradores.
Vende-se cal-virgcm em barris chegados pr-
ximamente de Lisboa, por prego mais barato do quo
em outra qualquer parto : na ra da Moda, arma-
zem n. 17.
Escravos Fgidos.
-se, por o
para lora da provincia
armaco com assento de lona
Luvas de pellica.
Afianca-seas*boas qualidades destas divas. Hade
todas as cores tajto "para domem como para sc-
dora. Vcndem-se mais em conta do que em nu-
tra qualquer parle. Na ra larga do Itozario, n. 24.
pelo commodo preco de2,000 is. cada caixinha
na ra da Ci uz, no Recite, n. 18, segundo andar.
Vende-se um bom cozinbeirodo ordinario de
qualquer casa de familia por preco em conta, por
seu dono se retirar para fra da provincia: na ra
da Cruz, no Itecife n. 49, se dir quom vende.
I Vende-se urna venda com o fundo de 600,000
rs. pouco mais ou menos, em muito bom lucar lia-
ra relalho, ocomco'nimodos para morar ramilla
sendooseualuguel muito mdico: lambem ven-
de-se metade a prazo com boas firmas : na ra lar-
. Tintas d'oleo
em latas pequeas, vendem-so no armazem de Kal-
kmann & llosenmund, na ra da Cruz, n. 10.
Charutos de Havana
e corti-
nados ; urna mesa de Jacaranda, de meio
de sala ; m par de mangas de vidro :
ludo em muito bom uso, por preco mui-
to conifiiodo : na ra do Collegio n.
tOj segundo andar.
Vende-se um oratorio capaz de se celebrar
missa : lambem se vendem velas do carnauba, a
vinle e qualro patacas a arroba e a 320 rs. a libra:
na ruado AragOo, n. 11.
Vendem-se presuntos inglezes para
fiambre; queijos loudrinos; 'oucinho
de fumo; (bacon) conservas ; mostarda ;
sal i diado; mollios para carne e pei-
xc ; curril da India ; mostarda ingleza ;
flandrcs de salm3o ; ditos de carnes em
conserva ; beivilhas em Handres ; ditas
seccas para sopa ; flandres de sardinbas;
ostras frescas em (landres; ditas salpre-
sas cm boioes ; azeite doce refinado ; vi-
oltos engarrafados, Porto e Sberry;goa-
ardente de Franca ; uliiskey, muito su-
perior ; cerveja pela em botijas ; dita
branca ; lijlos para limpar facas ; cb
bysson e preto ; oleo de linbffca ; carnel
de porco salgada ; dita de vacca : tudo
chegado no ultimo navio de Inglaterra :
na ra d. Cruz, n. 7, armazem de Davis
& Companbia.
Na ruado Cabug, loja n. 5,
de Manoel Antonio calv'es. vendem-se
apparelhos para cha faqueirosdo urna o duasdti-
zias jarro e hacia colhercs de tirar s6pa ditas
para sopa e para cha salvas paliteiros salva o
tesoura, turibulo, naveta, vaso para santo-oleo,
clices : tudo chegado ltimamente do Porto: bem
como diversas obras de prata ouro diamantes e
bnlhantes : ludo do bom goslo eem conta.
PECHINCHA.
Jos Saporiti tem caixinhascom 12 fraseos de azoi-1 jt?- '.-s,16 escravo esleve Irabalhando no armazem
le doco refinado, que, para acabar com elle vende la""1"' no Becco-I.argo, do Sr. Jo3o a quem o
inesmo pertence 0 depoiso passou para trahalliar
no sitio ; levou caigas bnrhcas de algodio gros.-o e
camisa do niesino e mais urna do riscado. Koga-se
as autoridades policiaeso capitaes decampo, que o
apprehendam e levem-no ao inesmo sitio, ou atrs
da matriz da Uoa-Vista sobrado n. 18 ou na ra
do Tiapiche u. 36, que se pagaro todas as des- \
pezas e se gratificara.
fstlt; NA TYP. VE M. F. DE FAUIA.-, lb4".
Ausentou-se^ h dias, da casa de seu senhor o
escravo Joflo pardo trigueiro de 15 a 17 annos,
cara grande, olhos regulares, bons denles; bem
con herido por andar rrequentemerUe fardado: quem
o pegar leve ao Mondego a sen senhor l.uiz Co-
mes Kerreira-, que recompensar generosa monte.
Fugio, no dia 26 do sotembro prximo passado,
doengenhoCindahy, da comarca do Hio-Kormoso ,
um escravo cabra do 22 annos pouco mais nu me-
nos de nomo Pedro baixo grosso c vermclho ,
cabellos pegados falla-branda e descansada meio
cangueiro no andar sem barba ; levou caigas
zoes, do linho o camisa de algodifozindo cha- j
peo do palha e baela encarnada ; desconfia-so que
fugira para o sert.lo por ter sido do Ico : quom o
pegar leve ao dito engendo Cindady, a seu sendor,
Francisco Esteves de Mello, ou nesta cidade do Iteci-
fe, a Jos Antonio Basto, na ra da Cadeia,que grati-
ficarSo.
Fngio, "a noite de 27 do passado, de bordo do
patacho Dout-de-Agosto, um escravo marinheiro do
n.....c Lu/ crionio, de 30 anuos pouco mais ou
menos, altura regular, magro, cor bem preta ; tem
signaos de bexigas ; levou caigas c camisa de zuar-
teazul chapeo de bata, e nualmento urna por-
Clo de roupa usada; provavelmenlo j ter muda-
do de trages. Koga-se as autoridades policiaca e
capit.les de campo, que o prendam e levem-no a
bordo do dito patacho, ou a ra da Cadeia n. 45 ,
que sero gratificados.?
Fugiram na noite do dia 2 do correntc dou
pretos, ambos de nome Caetano : um he fulo re
presenta 20 annos; lio baixo e gordo; tem os ps li-
diados ; levou camisa ecoroulasde. algodio da Ier-
ra um sacco de estopa voltio e sujo do tinta : o
outro representa 40 annos ; lambem levou camisa
e caigas brancas bastante sujas e 1 surnlo do cou-
ro do carnelro. Quem os pegar leve-os a ra da Ca-
deia-Velha n. 33, que ser recompensado.
--Contina a estar fgido, desde 1836, o cabra
JoSo, que dizem ter mudado o nome com o titulo de
forro ; de de altura regular, do 36 anuos, com uns
pannos pelo rosto, sem barba caheca comprida
para tras; usava de brinco na orelha ; tem os dentes
abertos; he bastante desembaragado na falla bem
como fiara lodo o servico do campo; he cancho;
tem um defeito em a un ta do dedo grande de nm
p. Koga-se as authoridaees policiaes, ou pessoas
particulares que o apprehendam e levem-no a ra
da Madr'e-de-Deos n. 34, casa de Autonio Annes Ja-
come Pires.
Fugio, no dia primciro do corren te o preto
Constantino, de 19 annos estatura regular, bas-
tante rcrorgado ; falta-lhc um dente na frente ; ten
falla despodida; costuma Irabalhar de pedrei-
ro ; e he de nacSo Mogambique : quem o pegar leve-
da ra Imperial, n. 67, a Vicente Thomaz dos San-
tos quedar boas alvigaras.
Fugio, no dia 3 do correntc, um preto Cagan-
ge|. de trinta e tantos annos ; be bastante preto ;
tem rosto comprido ; do lado esquerdo sigua) de
urna lislula ; tem os ps bastante grossos e alguma
cousa torios para dentro ; sabio para vender pilo
na Ircguczia de S.-Anlonio do Kecife ; levou caigas
d6 algodio trancado azul o camisa de algodtozinho
branco: quem o pegar leve-oa ra Direita, n. 69,
quo ser recompensado.
Fugio, no dia 23 do outubro do crrante anno,
O preto Joaqun, crioulo, bastante preto de altu-
ra proporcional secco do corpo bem parecido ,
rosto secco, pouca barba, bocea pequea, nariz
um tanto fino, ps e nulos um tanto grandes; e
com demonstrages do achaque denominado liga-
do de formas que tem a pelle por cima das mitos e
psdiffcreiite das mais partes do corpo; tem urna
pequea cicatriz em urna das faces do rosto; he
bastante ladino o sabe mal er e escrever. Esto es-
cravo he natural do llrojo-da-Areia e ltimamente
foi escravo do lente-coronel CypriannoLopes Cal-
vito, da villa do Aca y, no serillo do Sorid. loga-
se as autoridades policiaeso capilites de campo,
que o apprehendam c levem-no a casa de Manocl
Jos Congalves llraga junio ao arco do S.-Antonio,
que serito generosamente lecompensados.
Fugio, no dia 17 do niez passado o preto Joa-
quim de iiago Calabar, de 48 a 50 anuos, cor fula,
beigos grossos bocea grande nariz chato e largo ;
j lem alguns cabellos brancos; iulilula-sc forro;
he oflicial do caipinleiro ; ja eslevo no Caluc cm
1817, e por isso julga-so lar ido para l: quem o pe-
gar leve-o a ra da Cadeia do Itecife, n. 2, queso-
pagariio todas as despezas.
Fugio, no, dia 3 do coi rente, um moleque de
nome Ainaiicio crioulo, de 13 a 14 annos, secco,
olhos grandes denles limados; levou camisa de
algodaozinhoja suja e caigas do chila ; quem o
pegar leve-o ao Ateno-da-Koa-Visla n. 6, lerceiro
andar.
Fugio, ua noite de 4 para 5 do corrente, do si-
tio doPogo-da-Penclla o muilo condecido pelo
Thomaz com os signaos seguintes: estatura bai-
xa rcfoi gado do corpo rosto rodondo sem bar-
ba ; fallajiiuito bem andasempre fumando cna-


Auno de 1847.
Segunda feira 8 de Novembro
N.48.
DE
PERNMBCCO
(SOB OS AUSPICIOS DA SOCIEDADE COMMKRClAl..)
Subscreve-se na Praca da Independencia, loja de Hvros n. 6 e 8, por isooo ris por anno. pagos achantados.
PBE^OS CORRENTES DA PRAA (Corregido Sabbado; as 3 horas da tarde.)
&

S
O


I
c
c
r*
o-
te
o.

B.
O
<
H
ce
o
Js.s
?

.=
o

O .
c -\
BURS
o-3
.5
8
o *
- u x -
* 3 a e .2 -
lr
J33 .t y j
BS.OPb.
op
Q >
3 o-5
irl -f j|i4 -1 -......iSli-i*-!
B B
9
4-109
'A
J s s
-a 5 *
2 I3 = J
!.
j.
Si
l-
.= -0
o
"I

O O
c 00 o c o O
C O --'000 e-ro00
<7>f-r--o-o- 'Si
P

Iil'-Sl-Jlll*!--"
O 2 a a S a
^ w 1- .r l-
BlH8fi...
es o o" oc-floo
OO C *-*-**
o f* I* p
**^ :? ^ ^
-r 00 o
O O O '
So o
O <
e o

-a> O O
HlS'E-i" = 'as 351
i J
cpt'iipsQ'tit t
3 O.
tf a es
1" i la '
ja I#i3 .
ss
e = ooe30-nes
o o oc>*ceoc
- .-*> -100 e
-% **" ** *% *"i *a ;r
ce ce
t:ocOQ c c-
CCOC< = o
f, f. OC 1- ^- o N
*
*
O C C- O O O D
c c c o
o **
o ir o o
3 8
i^-
eeeess ooo
o e
8 8
e c e
eco
re
! O C
) o c e
> O C 5'
;****
! C -fl -O =
c* o c O
o <
So .

c
1 c *-=
! o V
' ".2
'IJ
la s
a '
& 1 1 8 1 1 1 1 t; i
i I 11 ii r
1
1
Si ag.53
j 1 1 r- 1
w
* c
" 1-1
s i
lili
lili
lili
5 5*-"
1111
C2
1 i 1 1 1
1 j 1 1
5>o 2 '
5^'E '
< l-a .
TT
1 1
1 1 .5 1
I I I O
r-J'jJlil-
u
a -
1
S '
. 1 j| 1
si?
5 1 S '
fj ['
III;
lili
1 e 1
5
5 ==:
ff
3a a
'.i1'
v K x o
n R A
i il1
1 iw 1 1
1 jr b
* o
, S *-< > *
Mi!

9 p a s s
<5
, -11II
iilJ-
2 2 ?v "
b. t. O c
o
JC'w'J
11
lili
I I I I I
" I I I
S3 '
I a I '
'S-i--
lili
Sa?3-A,8.83
*J BI .1 8-1
Sf lo* Z1*
6
I I
5g
iS.i
1111
11 11
'*'
u a
i 1 r
1
J3
. s
-8 J
s ,-ss
B X V
55 =

t.
i!:
C o
0.
? Mi
5 5 S
-55 -
8^
*1
II
a y
s.....' '
1.....5"
1 1 1 1 > 2
fjfl.ijil
OH. V
. g 1
11
.!
1
'
.1
ti1:*-
ce
ge
, o*
V o
.ali
V "B "3
OC
1 .B > B
> >
. I 1
!.
sin
3A3 =
1 r 1
a.
S.-l. 'S.i

'
1
o
844-8-85 =
||-1
* *!2'
e 3
>>
=


lili *
i
3S = St.SS|
21-3
111
J; ~rc:'"2-----~r------. .

1
I
s
o
jii
5 J'cc,
es ae ^ <.

"Si
- a
>1-
i? 31 s t- 2.2 e '-sea* -^e
cal -3
4 P
C o c o c = O O O O O
OQOOO40 OOOtOO-P-^C*
O -O o ej* D* w ""*?
ro- "- Sr^eti *fc "* ^
N 19 "~
O
IO O 00 O *
5 52
O- xso-
= o c o
5 o
a
s .1 *
S5 1
V -0
-fi o
fl cj
. SJf*
MiJijlJ
N
O O
& -n e 0 OO O
CSeNOOH1^ O*"
m > 5 #
oo-o^ cccoc
C"9= &
fl o *- -o ^ w r- O O
Be*.
'S:
O w
o
o o o
Annn
s-a = c ~ = -
ocooocooccc
C occ.cr*o-<^>o
oerftC-J- -r t*

l.lililes i.L4..I51-lii..-l'i t-s,*,l^'i"llr*B>Iil^li
----S88gS82SSSl|ST_I?lllll I lHl II Iii lls i!l|5SI ISIII2 SI!
8S8gSS2Si88g SSS8S8
O M C0 -O
00 ge--------. I
5o =
oe
O *? ca ra
_
o O
-( N O
t eo
OCJOCOOOOOT*
ouoo c r* eo 1-
t~ r*
C -n O O -r r -o
^ a-fe**- %
-r tr c


(>
EXPORTAgA).
EXPOHTS.
A^oardeule o'-is.tca
AlgoJio I toi te -
Assuuar brinco em cairas -
in-.siMv i i > -
par* cmbarricar ou cn-
iauc.tr, branco
* ili-.sCtV.ido -
u Urtico novo, p n'- e.n*
harnear uue saccar -
Courns seceos saig idos. -
Meios do sol -
Cnilrts da trra -
do liiu < ,r.indc -
Hule) -
Colln
qualily -
Sugar io casal ivlnte
a brovvn .
lor barris or Hags,
wlute )
> browu. -
Drjr salte.I liiaes -
r.tiinc liides
Ui-lioins -
PREgo DA PRA(
lUjIlllll
snO
24720
I Ai
3fuOO
VfOOO
SjUUII
6/7 Ou
ano
iiioo
JJ8I.0
IJJ0H
IJMpO
POR
Pipa.
Arroba
a
S. ferro
Arroba.
I.ihra.
Ilum.
Genio.
CAMBIOS.
Londres.........................a 21 d. por If rs. a 60dial.
I.i.- boa....................104 a 106 |.oi cculo pi eimo, por metal eflecluado
(Vanea......................... H" "i (.or trauco.
Uto de Janeiro...................." l"'r
PH.ilAmiuda................., '*0 a l/SIO
a Patacoes Brasileos........ laMC l#80
Pesos Columnaiios ........ I|wn a l8u0
a Hilos Me.ia.iios........... 1*780 a l|X>o
OURO. Motilas de 6*400 velhas ... I/."" a i6jJ00
Ditas ditas uovas... l6H0t a 16(1100
Diasde4#000............ fin 0 a jii-0
Onras I espanholas .....2>b0 a ID000
a ilis PatnoUca ..-.......3*40 a 28,)700
tetras....................... a I '/*. Por '""ao me*
FUETES.
ASSOCAfl.
Uverprol...............Caitas f I, 10.
Caual, (jilos Inglezes.......ii J. li
Dito, diloEulrcliaiuo.e Havre. Mo
nova................Saceos
Unuihurjo caltas.. .. a. |0
B.ltici........................
Trieste.................Caias t 2. 10
Estados- Unidos ..........>
Portugal....................... I 3
franca........................ t.0 Com 6 /a
Con 8 /a
Com ti8/
Portugal,....,,,...
Franca.... ................
Inglaterra..................
Harceloiia,.................
ALGODO.
COO por @ sem primagtmnominal
4110 por (jge lOp J" aocamb. de I60plr nominal,
11 | ti e 6 p. /o de pnmagcn>,
4C0 i sis
CUUROS.
Inglaterra Saceos...................... por tonelada ei poreento, norrlpal
tranca............................ '0 liaucos por toneladas, com lOp. cenloa
Kstenos-Uoidos................. ... HSo ha.
aB:EEt
SKI
Ui da II da Novenhro da 181 i.n liante pagar 0 p. c. o rape ou tabaco
eio p, os cuantos on ci-srros, o lumo tiu i\lo ou em Jolha.
fa^arSO p. c. o saceos de esnhaiiiasso. grossaria ou gimes da India, os cai-
vetes e n I ir m de pu'lhal, as al mofadas ja-acarruanens, as peilraa iavr.mas parala-
ge I >. as ne.lr.is dccuitiria pira portoes. portas u janrllas, ns pedras lavrad para
coc na nemo, cois, OLibaes e cornijas, -i assucir refinado, ci'vstalisado ou de qual-
quer iiiSU*a cunlaua-lo, uohi. ara, o mar-
rasquino, ni oulros licores, a Os viulios de qualquer qualidade e precedencia
fa^irso 40 p e as alo 'tifas ou tapetes, o cmh.iinaco ordinario ou grossrria, a*
sslancasiU q nlquer qmli lade, e milpa faiti, nao at.iOCinoada na tarifa, as Cartas pa-
ra pigar, as cscwiS le cabo le imrli.ii, o fogo da China em cartas, ou quaiq ier ou-
tro ojo tle aitrici j, o pipal pntalo prattaili, ilnurado, scniln de'|iilidades
fins, o pipel i>iiit n li, inperial ou nutro uo especilic.ido na tarifa a plvora os Saliiinetea, o saho,
ocei>o .mi velai, as velas de Sleir.ua ou cnin|ii> em irnc> ou lilas su teas, e u sakla, ou em e.pinto, o cliornlate 'le cnco ordinario,
o vinagre, os oarrla'ioa, earruaaans ou cih> jo.os, rodas, arreios para nina e ou-
ti cousa a*aateira* para forrar vaaa(, os cairos para coudii'ir ijeiite, 08 lociaveis,
0 siliit>es, 08 -reijirns e tinteiro, de porcelana, e qualquer ol'jecln de louca nao c tm-
preen ii lo na Linfa i OS lustres oicdicei para licor ou viudo de vitlro liso ordina-
rio, o .le vitlro ni nda I > or uinri > lavra lo ou moldulo e lavradn ordinario da Alie-
in.ii la e se neliianles os de vitlro liso in.ildado ou lavrado, de fundo cortado ou liso.
o ii ii il le ou lavor oi.li lario ; o clices para Cli unpanhe ou cervrja, a canecas,
oc>,i is lireil.n .le III a I e quarlillio, as garrafas de viorn at I quarlillic ou mais,
iiiiiuo lo lis estes oujactoi da ni I il as Sarrafai de vidro prataa ou escuras da
aes na ca jamdide, co u^refiendi las as que serveni pira licores ou .e-llnv ; os copos
dtra laberuas ale u na cana la, os frase s de vidro ordinario com rolhas do niesino
t 8 libras ou nais ; ou se u rollia ale 7 libra, ou mus, os de hoo larira fnm rolhas
lo mutuo He 4 li.iriso.i ni i s, o i -i-n rollia para opodrl loe os vidrns par a-
ti upa las o.i em lar is, ai laiiojs ou lolbas^de inocuo ou oulra madeira fina, e tras-
ees de qualquer madeira.
Pajarad S p. c. o ajo, alcatro, lineo em barra ou em foltta. chumbo em barra
ou leu, ni. estanto em borra OH eni vi'i-miiiiIi ferro etn bai i a verunirilia, chapa o
liu^ua ios para lundic io f.illu de Klnidres, i;alha de Alrpn, lata em follas, laiSoem
Chapa, niirllil, sal.tie, vime, liacalho, peixe pan, a quahpier oulro, secco ou sal>
Sido ; no, .c i.i, carue sueca ou de aalmoura, lierva-tloce. I.rinlia de tri^o, prll cas
rauca ou pintadas, cordvoes on cortes de beserrO para calrado. Imcrros e cnurof
ankciiiiMtiui, oourot tia poico ou boi, saldados on seceos sola clara jiar Mpateiro
ou curreairo, courc c caparrosa.
Pjjari 20 p c. o tii'^o en ?r5o, barrllha, canntilhn, espipiilha. Reirs, fioj,
franja", Uuiijoulas. pailiatai, passa'itsnM, sendo deouroou prataentrefina, ordina-
ria OU falsa: aloes da mes ni nalureii, ou lecilns coin retrnz, linlio. idnOilo ou
leda, tciitias ou ntremelos de llaodd u'io bordados ; randas de lil, as de iiliiodo,
ret j ou, iroai i leucos de cambraia da liubo ou algodo, e bandas de retrot de
inania.
Pajarea 10 p o os litros, maopis e 'olios ieoi mancos, iie pnysica ou ebrnea, caites de vestitlns de velludos ou damascos,- borda-
los ue prata ououro liuo ; retro/, ou Irocal, c cabello para cabellcireiro.
Pagarn o p c. oranutilho, cord'io de ttn espomilla, fieira, lios, franjas, c-
lao de lio ou palbels lauii)oulas, pab.eta, rendas, cadarcos e lodoso mais objec-
tos desu uatureza, sendo de ouro e prata fina.
Paga- S p. c. o carvo de pedra, ouro para dourar, ou quaesquerobras e
uteusis de prata,
Pagar 4 p.c. as jolas de ouro ou prata, ou quaesquer obras de ouro.
Paaari 2 p c os diamantes e outras pedras preciosas solas sementes, plan-
tas f racas uovas de auimaes uteis.
Pacar 0 p. c. todos os mais objectosi
Os gneros reexportados on baldeados pago f p. e. de dir lo alen da'arsnaie-
nag.-in; e o despachante presta banca at a approvaro desla aedida pelaAssesn-
biea Geral,.
Concedem-se livres de armazena^ens, por 15 das, as mercadonas de Estiva, e
dous mona as outras ; o findos estes prazos, pagar '/, p. c. ao mes do raspee}
vo valor.
Osdireitos dasfazendas, que pago por vara, deve cntender-se vara quadrada.
Os d.reitos i>5o pealem ser augmentados dentro do anno finaneeiro ; rano Go-
frnn |h lera mandar p i^ i r e n moe 11 de ouro ou prata urna vicsima parte das que
foicm maiores de 0 e menares de 60 p. c. dos precos das mereadurias, ou nomo
diminuil ". sreundo Ihe parreer
O Governo esta autorsado a estabelecer un direito difTerenctal aobreos untar |
de qualquer naco, que sohreearregar os gneros brasilciios de maior dirtilo, que
iguaes de outra naco.
Os rticos nao especificados na pauta pago odireilo av/vo/oremsobrea farlura
apresentatla pelo i(e>|iacliaiite i podendo poiem ser in pugnados per qualquir oOirial
da Alf-ndena, que em ll caso paga o impor'e da facliir on valor, eos riireiios.
i\o caso de dov da sobre a rlassificar" da meicadoria, piie a parle rrquercr
arbitramento para designar a qualidadt e valor da paula, que I lie compele.
Sao isentas de diieitos as machinas, anda nao usadas oo lugar, em que forem
imporUdas.
EXPORTACAO-r- ') dlreltos pago-so sobres avaliaco de urna pauta sema-
nal na razo seguiule i ; suer I" p c Algoiliio, caf, e fumo l p c. Aeoar-
drnle. couros, c todos jt mais gneros 7 p c. Alein destes direitos pag'o seas
Usas de 160 rs em cada caia, de 40 is em cada lecho, tic 20 rs. e.n cada barrica,
ou sa :cos de assucar, a da 40 rs em cada sacca de algodo.
Couiose lodos os mais gneros so livres de direilos par osporlosdo Imperio, a
evcepr.'.o do algodo, assucar. caf, e fui. o que pago 1 p. c. e as lasas por voluu.o*
Os melaes preciosos em barra pag'o de direilos 2 p c. sobre o valor do cer-
cado, c a prata e o ouro aiiioedado nacional ou eslraugeiro paga nicamente '/, p. c.
Os escravos esportados patio SfOuO por cada un.
DKSPE l>0 PORTO As embarcardes nacionaes, ou estrangeiras que
naveco para fe ra do linprrio, pago 00 rs de aiicoraiem por tonrlan : e as
nacionaes, que ir.vego entre os diversos pnrtos do Brasil 90 rs A que entraren
em lastro e sa'iireni com carga e vice-versa, pagar mi sarte do imposto siinra e um
terco as queeiurarem, esahirem em lastro; e mesmo as que entraiem por lianquia,
ou escala quer enii^m em laslro, qurr com raiga Desta iuiposirao po m lero
isentas as que nnpoi aremmais de 100 Colonosbrancos, e as queeulradrem |mi anillada
fnreada com tanto que estas nao carregurm. ou ilescarreguem s mente os genero
uecessarios para pagamento dos reparos, que fizeiem.
REVISTA SEMANAL.
CA'Tlri*____Honvero tranaacces LHilares conforme a quot>elo.
Al.l.ODAO Finr ao 8i sacras-, ana puos ..ota o com pfjneaS diS-rroess.
A8MCAR N tLHO. Ha pouca quant.dade em caia, menos em s-.ee s a
ban ieas
DITO NOVO. Tem entrado pequeas quantidades, tendo-se por isio vendido
prrcoalto
I tlUIIOS S 1.(1 XOOS. Coi firme a quolafSo.
FAHlMii DE TI'IG O drposil !e e 2,0.in barricas.
RA:- 1.11 AO. Odeposito limilsea l,70 bairicWi prero conforme a nota.
CAAMi HE l.rlAllOUP. Enlrir.o ires carregautulus, do Hio-Orande-do-
Sttl. rom o> quaes o deposito fui elevedo a 8.000 anonas.
Resumo das Bmbarcacicl exilenles nestr poiono da 6 di Nownbro di 1847.
Americana ........t...... -..
Ihasilt-iras ................*.
I r..nceza ..... ,................
Inglesas......................-.....
PoitUguSZaS..........................
Saida........................
........ a. .....
,.......*..."
Total
21
I
I

*
88
A Provincia (osa Iraoquilldade


(5)
*m*
LIST V (Ijs Enivtrciees asistentes nesle porto at o da 6 de Novembro de 1847.
ENTRADAS.
Outubro 15
,147 Julho
Sclibro
a
a
Outubro
*

a
ulubro
17
2S
II
15
14
51
J
m
M
la
M
30


27
NoveinL'ro I
i
>
*
DONDE VKM.
Liverpool.
Rio Grande d<* S,
Hin He Janeiro
KioCr.nHe.ioH
a
R io He Janriro
llaliia.
Sao Miguel
,\-nC.IV.
Rio .le Janeiro.
Ha'1.
Halda.
Rio Granito Ho S.
a
Rio de Janeiro.
Rhia
Miienns-Ayrcf.
Ra'ta
".ioGrande do S.
a

Maraolio.
Ouiub o 27 Cett.
Ou'uhro I i
Oului ro 21
JJ
Julio 24
.-clrmliic 22
Onllibro 14
Oululiro l
53
. 2
Setcnttvo 2
a a>
OmuLro
aceio.
Terra Nova
Liverpool
Porto.
I. boa.
Lisia.
I. -hoa.
I'l.l tO.
ri;ueiM.
Marsel'-a.
Cardiff.
K.cliinoud.
CISCO
polaca.
Iirigue.
patacho
hi igue
patacho
brgua
liiate
11 i- uc
sumaca
patacho
o
brille.
a
llniaea
p-lacho
nr.ie
barca,
bngue
a
brig-asc.
polaca.
i r'gue.
ti.HC i.
hrigiie.
brigue
barca
l.n-ue
linca
bri,ue
pol.ci
I'arca,
polaca.
NACA\
Auilri
llraiil
Pran
Ingl.
Pon.
Sardo
NONES.
bdel K.der.
Paquete de Peroambuco.
Viajante.
Anal
I miliana
' Pedro II
Roi-Viauem.
Fsp-ii o-S.nto.
Carlota.
liona d Agosto
Olivrira
Minerva.
Marcial.
S. Maiia Poa Sorte
Rom Jema.
?'I r do Angelina
'IIIIO.
Confia ca.
Fieme.
Indi-pendente
Dos te Guarde.
Laura.
Ileliopo'ii
Drilandei
"pr
Mary Queco of Scot.
Maria Feliz.
Robla.
Tejo
Novo Vencedor.
Fp i lo S mi [o
Pun. vera.
Conatante
YV'shington.
Roza*
TONS.
200
110
IstS
1*7
120
40
ln
200
I
104
185
141
169
222
22*
(21
IBS
2U8
224
1*2
14
I6J
ISO
244
:6
ItS
.14
12
182
2nS
l2
211
220
207
MESTRS.
Lucca Lnliela.
Joo Gnnralvet Rocha
Antonio Jos de AraujJ.
Manuel Alvrs Marque*
Valentn* Riheiin
M J. H'-nteirn Vi.una
Joa Amonio de Sou/a.
Alevandie Jos 'lea.
Antonio Luii ornes Urna
Joo ntnni d Nm-*a
Jos Das Cnrreia da Si'va
Antonio lidie ro duf SantOI.
J 'ino Amo in a .Silva.
loe Jnaquim Das dos P.
Pe ro Jo de .s.d'et.
Hertiardino de Sou-a.
lote Caetano V.eira da Silva
A ntonio liiplista de Ol veira
Na c /.o losrile SjhIi Auna
y i. Per ira Dulra.
Manoel los d'A0vedo.
K. F da .Silva S.otos
Sacraii.
I'liilip Rlampied.
. Steel,
W." Wdeot.
Lurenc Fernandet da C.
A. J S Lapa
Silverlo Matoeld a Reis.
Mannel Jo Pinto.
Antonio Ferreira I cite J.
Rodrigo Jcequiw Crrela.
B. Romagneira
A. Copula
Joo Bapliata Prava.
CONSIGNATARIOS.
James Ryder &,C.
Leopoldo Jos da Costa A.
Amonio Irm'os.
Amoriin Irmos
a
'oo Pranei'cn da Cruz
't Lu* de 'atiza
Finiiin.i lu' Feliz da Roza.
Ainotj Irmos.
Anioriin Irmos
Jo-o Vat il'Oliveira.
Franc seo Ivs ila ''unhe.
(uadinn 'gnslinlio de Marros.
Ainorim Irmos
('uadiiin Aeominno de Barr s
luis Jos .le Sa Ara jo.
ti Agoslin'o de Bairos.
Amonio Irmos
Ma-niel Alves Guerra.
Jo-e Pereira da Cuaba,
ftovae* Si C.
Ragor & Caucanat.
' kristnphrea St Dnnildton.
James Craliiree & C.
James CraLtrre Si C.
A. J. de Soma l'ibeiro.
Tliomai d' \ quino Konseca.
t Mi vi-ira Irmos St C.
Tilomas de Aquino rnnceca
1'r.liCi-Ci l|Vi't da Cunta
A. Juaqu.ro do Sout. Hiieiio.
Lenoir Puget St C.
loaquim H pl-sia Moreira.
Leooir l'ugel St C,
DK8TIN0.
Trieste.
BaMa.
Itio Grand* do Sul.
Arrbedoa.
Livtiuuo).
Porlo.
Lis' oa.
Uito.
Genova.
A Irelar.
Gcuuvaa.
Peruambueo na Tjrpojrapiui da ft. F. da rini -II.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY86AJ2H5_GRZZFC INGEST_TIME 2013-04-26T21:38:56Z PACKAGE AA00011611_08559
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES